Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:17619


This item is only available as the following downloads:


Full Text

L "

KtHERO 8!
PARA A CAPITAL B JLUCAJUSS OVDK X&O SE PAG .4 PORTE.
JPor tres mezos adiantados................ 69000
Por sets ditos idem.................. 190000
for um anno idem..................349000
-Cada numero avulso ./............... $3i0
SABBADO l DL ABRIL DE 1874
para wmwmmm foba m provincia.
Pot tree nwua-adiantados........... 69750
For seis did* idem................- 1S95oO
Por nove diloa idem................. MfMO
. Por urn auooidiam. ................ STfOOO'
DE PERNAMBUCO
PROPRIEDADE DE HANOEL FIGUEIROA DE FARIA FILHOS.

ft Srv Gerard Antonio Aires A Filhos, uo Para; GoiigaiTes & Pinto, no Maranhao ; Joaquim Jose de Oliveira & Filho, no Ceara; Antoaio de Leiuu* Braga, no Araeatv ; Joao Maria Juiio Chaves, no Assa; Antonio Marques da Silva, no Haul; Joeo Justina
Pereira d'Almeida, em Mamanguape ; Carlos Auxuucio Mouteiro da Franca, na Parahyba ; Antonio Jose Gomes, na Villa Antonio Feneira de Aguiar, em Goyanna; Joao Antonio Machaeo, no Pi far das Alagoas ; Aires d C, u Bahia; e Leke, Cerquinho & C. no Rio de Janeiro.
PARTE OFFICIAL.
Goveruo dL& provlucia
KKPKDIEXTK DO M\ ti DB JANEIRO DR 1874.
1.' utgoa
Officios :
ao Exm brigideiro commandante das ar-
mas.Sirva-se V. Exc. de mauj.tr por en) liber-
dade, os rocrntas Antonio Seralitn Bazerra e Ao-
tiaio Franciseo Ucuot, tto sereni iacipaze: do
iotT.-o, seguudo u termo de inspeccao apnexo
ao sea offlcio de 9 do drreuie, so) n. ti.
Ao raesm Em resposta a> seu offlcio de V.
Exe., de 12 de dezembro ullim >, sob n. 1,2 li, iu
ciuinlo oulro em que o leaente-corouel coin.nan
dante do 9 balaluao de iiifaniaria expoe a i'm-
possibilidide de levar a effeito, co n a quauta J-i
100/, arbitrad* pela lin.-s ouraria de fizeeli, a
cocupra de urn animal para pux.tr a carroga dos
tinadai conduce/to do ranch) para as praeas em
service da guarnieao, Jenho a aiier qae dove o
mesmo cormnatiJinte, segundo opiua, o inspertor
da mesma thesuuraria, cuamar a concurreneia para
a venda do rei'eriJ > animal, como uieio de melhor
Couhecer-se -s precis pedidos.
Ao mesmi.Srvi-se V. Exc. de dar pro-
videncias no se.iuJo de uao coolinuar o qaartcl
do cavallaria a fazer deposito do lix o das cavalla-
rijas no Campo das Piinceias, contra o que re-
clama a III.in. ctimra tnaoicipal de.-u cilaJe em
olB;io de 7 d) orreule, sob u. 2.
Ao inspector do arsenal do maritiha.Em
satisfacao ao que solicita o inspector da thesou-
raria de fazenJa ern offlcio de 10 do corrente, sob
n. \tt, mau le V. S. vutoriar o Itiate Pyril&mpo,
do servico da alfinlega, vislo achar-se Bile em
naoestidi, rtgaalo rspreijata o iaspecior da
mesma alfanlega
Ao oa^eili) ds ompris di arsenal de mi
riaaa.-Apjrov> o contract) que, segoado o ter
mo annexe por copia ao seu offl-iio d j 22 de de-
zembro proxi.n) Undo, eflectuou o c.oselho do
compras de mtrinha, enn sessio de 16 do mesmo
mez, para o fornecimento, n) trimiHre de Janeiro
a marc,*) deste anuo. de objectos d; fardamento
e da ciuaent) .'ortlaud para as obras do p)rto.
-'. $ec$a.
Ado :
0 presidente da provincia, de conforraidade
com o disposto no art. 4 do decrelj n. 4,668, de o
de Janeiro de 1871, resolve aoceitar a desistencia
qae, da serventia dos ofBci'js de tabelliao e escrivao
de orpha?s e mail annexos do term > de Tacara-
tii, hi o *erv-qtutrio Manoil Vicente da Cunha
Junior.
Offlcios:
Ao Dr. chafe d) policia.-S:r/a-se_ V. S. de
bier da aaturidtle policial d.t pjvjtcjao da San-
ta Cruz aqu.m da villa de Triumpbo, e remet-
te;-ra< para sjr traniin UiJa ao brigaJeiro com-
mandaute das arm m, conf>r ne solicita esto em
offlcio de 10 do corrente, sob u. 37, a certidao de
obtto do alfer^s ref)nntdo do-exercito Luiz Jos6
de Souza, que cousta haver alii fallecido em ca-
niinbo desta capital para a menci nada villa.
Ao juit dedireito deTacaratii.Maale Vmc.
por a concurso a -erventia vitalicii dos o:Bcios do
tabelliao c eiehWto de orplios e mais aunexos do
lermo de Tuaratii. visto ter peJilo exoajrayao o
serventuario M ta^cl Vicente Ja Cuulia Juuior, a
qaem foi con:eJida a J;si*len:ia.
Ao bacharel Antonio Lopes da S.lva Barros.
Sotre Vmc, quanto antes, no csercicio cl > carg)
de juiz de direito da. cunarct de Ouricury, para
o qual foi n).nealo p.-io govern) i.nparial, inde
pealente d > titulo, que apresentara opp irtunamen
to ; e isto, feito iuforme sobre .o> faetos constaates
&m respresentac-)es juntas por oopia.
\o promo" >r public) do Recife.Remetto
a Vmc. copias, do offl^io que me dirigio a III ma.
camara municipal d;s!a Cidade, da lnformai;ao
minijtraia pela roja'tigio .Its obra* publicas e
da termo qae*a!li as-igmu J)5) Marlins ds Arai-
rim, bem com) d i:is requerinientos, em original,
da mesmo Annriui, urn a Ilhna. camari munici-
Jal e oulro ao director das obras publicas, afi.n
e que Vmc, ouibiuandi) aqaellas pects' com
es'.e ultimo re jueriminto, no qual se paten'.ea a
primsira vista a falsificacao feita p' Am)rim, in
lenCe contra elle a competente ac^a) criminal.
3.' sccgao.
Offlcios : ''"'
Ao inspector da thes'ouraria de fazonda.
Tendo nesta d it i, de conformidade com a sua in-
formaca-) de 9 da corrente, sob u. 405, serie F,
approvado o contract) ceiebfada palo onselho de
compras de marinha. era sessao de 16 de dezem-
bro ultimo, para o forneoimsnto, no trimestre d)
Janeiro a marco de^te anno, de artigos de farda-
mento e de cimento Portland para as obras do
porto; assim ocommuaico a V. S. para os Has con-
venientes.
Ao m:smo. ConsUndo daottlcto do brigi-
deiro commandante das armas, de 10 do corrente,
sob n. 37, referente a commniiica;ao que Ibe fl
zera o Dr. cliefe de policia, haver fallecido em ci-
minbo desta capital para a. villa do Triampho o
alferes reformado do exercito Luiz Jos6 de Souza ;
.'issim o communica a V. S. para sua direccao.
Ao mesmo. -Em satisfafao ao que solicita o
capitao do porto em offlcio de 10 do corrente, sob
n. 7, sirva-se V. S. de desigoar urn dos eraprega-
doj dessa the.;ouraria para o servico de que trata
o art. 31 do regulamento que baixoa com o aviso
do miaisterio da marinha, de 28 de fevereiro de
4873.
Ao mesmo. -Mande V. S. pagar ao Dr. Pedro
de Atbayde Lobo Moscoso, inspector da saude pu-
blica, a quantia de 490j>000 importancia dagrati-
li^ajiO que I he foi abonada por nma so v?z pelo
governo imperial, ein "atteociu aos servicos extra-
ordinarios prestados p.'lo mesmo doutor.
Ao mesmo: Autoriso V. S. a mandar pagar,
si nao honver i.nconveniente, a qnem se moslrar
autorisado, a importancia dos vencimentos das pra-
gas destacadas na villa de Pesqueira, constaates dos
prete juntos ; como solicita o respective comraan-
dantes superior em offlcio de 31 do mez de dezem-
faro do anno And).
Ao mesmo.Transmitto a V. S., para os devi-
das fins, o titulo pelo qual S. M. o Imperador hou-
ve por bem prorogar por 6 mezes a licenga, que i
in concadida em 9 de Janeiro >le 1871 ao vigario
rollado da freguezia de Santos Coame e Darniao, da
villa de Iguarassu, padre Camillo de Mendonca
Furtado. ,
Aq mesmo.-Transmitto a V. S-, para oi devi
dos fins, cinceordens do thesouro national, sob n.
278, 279, 281 a 283.
Ao inspector da thesoararia provincial.
Maude Vmc pagar ao 2* sargento de policia Anto
nio Hereulano da Silta Panla, ex-commanlant'? do
destaeament't de S. tirtUnw da Rap is i, a (iiaotia
de 10{*>1 lida con o alugnoi Ai M.-a qua
serve de quart-l do mesmo destacamento, durante
2 mezes a razao do 5JO00 mensaes.
Ao mesmo.Maude Vmc pagar ao gerente
da companhia dos trilhos ar-banos do Recife a Olin-
da a quantia de 60/000, consume da conta jonu,
despendida com o alogael di casa qne serve de
qoarte! no districto de Belem o respectivo desu-
camento, relative ao semestre de jolho a deiembro
do anno findo; como solicita c Dr. chefe de policia
em offlcio de 9 do corrente, sob n. 43.
Ao mesmo. Mande Vmc pagar ao capitao
Antonio Correa Maia a quantiii de 60#000, em qae
importoa o aluguel da casa que no di Peres aerve de quartel ao respsctivo de3tacamento, da nesti data adesignacSo do em
relativo aos m-zos rencidos no nltimo de dezem J
I bro do anno findo; como solicita o Dr. chefe de
[policia em offlcio de 9 d corrente, sob n. 42.
Ao m'sm>. -Manle Vmc. pagar a Jeie Ma-
thias da Fouce-.a, arrematante dos reparos da pon
te do Desterro, a quaulia a que elle tiver direito
a vista do certificaao da reparticao das obras pu-
blicas, visto tec-feito entrega da obra.
Ao mesmo.Tendo poi- aclo desta data con-
celido a exonsracao que solicituu o Dr. Manoel
Buar iue de M*cedo do cargo de engenheiro fiscal
da BStrada de ferro do Recife ao Caxaaga, assim
o commu lie. > a Vino, para seu conhecimento e fins
couvenientes
4.' secgao.
Actos :
0 presidente da provincia, atteadendo ao que
rejuereu Anna Ignez da Si!va Ramos, professora
nublica da cadeira do primeiras lettr'as da villa de
Pauellas, e leudo era vista a infonnacao do direc-
tor g -ral da instruecao pulilici.de 8 d) ci.rrente,
sob n. K, resolve couceder-lhe Ires mezes "de licen
(a, coin vencimeutos na forma da lei, para tratar de
sua sande.
0 presidente da provincia, attendendo ao qne
requereu Maria do Rosario Pinheiro, professora
publica da cadeira de primeira lettras da povoacao
da Lagoa dos Gatos, e tendo em vista a infurmacao
lo Dr. director da instruecao publica, de 3 do cor-
rente, sob n. 3, resolvo conceder-lhe 30 dias de h-
cenca, com vencinientos na forma da lei, para tra-
tar de sua saude onde Ihe convier.
0 presidente da provincia, alien lea Jo ao que
requereu Isidore Mariuho Cesar, professor publico
da cadeira de primeiras lettras da povoac4o de S.
lose da Boa Esperanea, e tendo em vista a iofor-
mii;ii do Dr. director geral da instruecao publica,
de 3 d j corrente, sob n. G, resolve conceder-lhe
u n m /. de licenc,a, a contar do i* destc mez, com
ordenado na forma da lei, pa'a tratar de sua sau-
de onde Ihe convier.
Offlcios :
Ao Exra Sr. presidente da provincia da Pa
rahyba. Respondo ao offleh de V. Exc, de 7 ds
corrente, com a informacao constante do offlcio,
junto por copia, do Dr. chefe de policia desta pro-
vincia, quanto aos acontecimenios o^corridos na
comarca de S. Joao.
Ao director geral da iosl: uccao publica.
Devolvendo a Vmc. os aulos do processo instaura-
do contra o professor da 1* cadeira da Boa-Vista,
Simplicio da Cruz Ribeiro, bem como a replica por
elle apresentada em grao de recurso, que me foi
remettida por essa direetoria com o offlcio ds 11
de dezembro ultimo, n. 352, recommendo Ihe que
infoi me sohre a materia do processo, tendo em vis-
ta os pontos de accusacao e as razees de defeza.
Ao mesmo. Nesta data expeco or Jem a tne-
souraria provincial, para fornecer as 12 a.'dosias
requisitadas por essa direetoria era offlcio de 9 do
corrente, sob n. 10.
Ao provedor da Santa Casa de Misericordia
-Haja Vmc. de prestar ate o ultimo do correute
mez uma informacao circurastanciaJa do estado
em que se acha a obra do asylo de mendicidade,
declarand) quanto se tern despendido nella ate a
data dessa informacao.
Ao mesmo. Transmitto a V. S. para os do-
vidos fins o ineluso aviso por copia, do minlsterio
da fazenda, relativo ao requeriraenlo em q ie a
junta adrainistrativa dessa Santa Casa pedio per-
nissio para perrautar o sitio de Pamaraeirmi,
pertenceote ao patrimonio dos orphios, pelo de
Sanl'Aana, de propriedade do Dr. Joaquim Fran-
cis m de Miranda.
Ao juiz de paz mais votado da freguezia do
Exii, Ijiiiacio Caetano de Alencar Rodovalho. Nao
se tendo pro:edido a qualificagao de votantes dessa
parocbia no anno proximo passado, pelo motivo^
constante do offlcio que me dirigio Vmc em data
de 4 de dezembro ultimo, a que respondo, devo
suppor qu: ja estejara convocados os- respectivos
eleitores para na terceira domioga do corrente
nez formarera a junta de qaalificaeao desle anno,
confirms preeeitua o art. 1 da lei de 19 de agosto
de !846, o que PicommenJei as camaras munici-
paes em circular de 111 do novemb-'o. Si, porem,
assim nio tiver succedido tica desde ja desiguada
a segunda daniinga- de marco vindouro, para a
fonnagao- da refertja junta, o quo nesta data com-
mnuico a camara municipal da villa de Granite ;
devendo Vmc. observar o disposto no3 arts.- 4' e
5" da citaia lei.
Circular:
Aos juizes de paz das freguezias da proviu-
cia. Em additament) ao mau ofllcio de 25 de
agosto ultimo, e para satitfazer o que me foi pedi-
do pela direetoria gera! da- estatistica, renovo a
Vmc a recommend.'.;ao constante do citado offlcio,
afira de qne preste com a maior brevidade possivel
as faifarniacSes relativas aos julgados de paz dessa
freguezia,
Portarias :
A' Iilraa. camata municipal, do Recife.Nes-
ta data rjco.nmenlo ao general commandante das
armas' que providencie eraordem a eessir o abu-
so do quartel de cavallaria era fazer do Campo das
Princezas deposito do iixo das cavallaricas segun-
dosoiicitoua Illma. camara municipal do Recife
em ofli ;io de 7 do corrente, sob n. 2, o qual Oca
assim respondido.
A' camara municipal da villa do Granito.
Em additamento a circular de 19 de novembro
ultimo, tenho a dizer a camara municipal da villa
de Granito que, si por qualquer m itivo nao tiver
lugar a forma;ao da junta de qaalificaeao dos to
tantes do Exu' na terceira domioga do corrente
mez, spgun-lo preeeitua o art. 1* da lei de 19 de
agosto 18*6, e reeommendei na referida circa-
lar, haja a mesma camara de dar cumprimento ao
disposto no art. 7 da cilada lei, part qne se pri-
ced a format; V) da junu na segundi dominga de
marco proximo vindouro, conforme declare nesta
data ao juiz de paz d'aquella villa, era. resposta ao
o'Hci i que rae dirigio em data .de 4 de dezembro
proximo pas3ado. .
5* secgao.
Acto :
0 presidente da provintia, attendendo ao que
solicitou o Dr. Manoel B. de Macedo em offlcio de
31 de dezembro dd anno proximo passado, resolve
exonera-lo do cargo de sngenheiro fiscal da estra-
da de ferre do Recife a Caxanga.
Offlcio :
Ao engenheiro chefe da reparticao das obras
pablicas.laleirado do que expSe em seu offlcio
de 31 de dezembro ultimo, sob n. 447, autoriso
Vme a mandar fazer a substituicao das parades
da escada do theatro Santa Isabel por uma divisao
de madeira, como propoe em seu citado offlcio,
qae flea assim respondido.
Portarias :
0 Sr. gerenta da companhia pernambucana
mande transporur a Parahyba, por eonta do minis-
term e (lira .1. re r,?'..'! I) poll director diarwnii Jo
gu :rra.
O Sr. gerente da ompauhia pernnnbueana
faca condiuir a ctJade do Natal, por centa do mi-
nisterio da guerra, qaatro caixSes, para alii re-
meltidos pelo director do arsenal do guerra, con-
tendo enxorgoas e ontros objectos destinados a com-
panhia de infantaria do Jtio-Grande do Norte.
BXPKDIBNTB DO SECRETARIO.
1.' seccAo.
Offlcios .
Ao capitao do porto.S. Exc. o Sr presidente
da provincia manda responder ao 'offlcio de V. S.,
de 10.do CQrrente, sob n. 7. declarando-he qne ao
inspector da thesoararia de fazenda se recommen
jado daquella
reparticJo para o servico IndicaJa no art. 31 do
regulamento annexo ao avi-o do miuisterio da ma-
rinha, de 28 de Janeiro de 187%.
Ao director do arsenal de guerra.De oi dora
do Exm. Sr. presidente da provincia, com i>uniev>
a V. S., em resposta ao seu offlcio desta data, sob
n 559, que foram expedi las as necesarias ordens
para serein transport-dos ao Rio Grande do Norte;
no proxim > vapor da companhia pernambucana, os
quatro caixdes de que trata o citado offlcio, t bem
assim para a Parahyba am caixote conteudo bor-
naes.
2' secgdo.
Offlcios :
Ao Exm. 'presidente do tribunal da relat&o.
-0 Exm. Sr. presidente da provincia raandaae.-u-
sar o recebimento do offlcio de V Exc de 10 do
corrente, era que partieipa have nomealo o des
erauargador Jose Felippe de Sonza Lea-i para in-
terinamente exercer ocargo le procurad)r da co-
roa, soberania e fazenda national.
Ao Dr. chefe de policia De ordem de S.
Exc. o Sr. presidente da provincia, com nnnico a V.
S., que a thesouraria de facenda esta aatoriada a
pagar ao gerente do Recife a Olinda a quantia de qne trata o offl-
cio de V S. datado de 9 do corrente, sob n. 43.
Ao mesmo.Da ordem de S. Exc. oSr.
presidente da provincia, commuoico a .V. S. que
nesta data den se ordem a thesoararia provincial
no sfentilo de ser paga ao capitao Antonio Correa
Maia a qnantia a qne se refere o offlcio de V. S.,
datado de 9 do corrente, sob n. 42.
Ao commandante suoerior do Brejo.De or-
dem de S. Exc. o Sr. presidente da provincia, com-
munico a V. s. nue dea-se ordem a thesouraria
de fazenda para pagar a Importancia dos prets de
que trata o offlcio de V. S., datadi de 31 de]de-
zembro do anno findo.
5." seccao.
Offlcio :
Aoge*ente da companhia de trilhos urhanos
do Recife a Caxanga.-S Exc. o Sr presidente da
provincia manda comraunicar a V. S. para seu eo
nhecimento e fins convenientes pie por acto desta
data concedeu a exoneracao, que solicit >u o Dr.
Man el Buarqne de Macdo, do cargo de enge-
nheiro fiscal dessa companhia.
iserACROS oa prbsiorncia. do dia 9 oe abril
de 1874. '
Antonio Francisco Martins de Miranda.-Sim,
pagos os loros e lireitos necessarios.
Anna Maria d.v Con-seicio. Iraleferi !>, por
nao haver vaga.
Barao de S. Braz.Seja relevad).
0 mesmo.Seja relevado.
0 mesmo.Seja relevado.
Francisca Raphael Pereira.Informe o Sr. ins-
pector do arsenal de marinha.
Dr. Felippe Nery Collaco. Passe portaria con-
cedenio dous meies de licen ;a, com ordenado ;
e quanto ao abono de faltas, requeira o^uppli-
cante a regedor do gymnasio provincial, nnico
competente para attende-lo.
Fielden Brothers. -Deferido com offlcio desta
data, a thesouraria provincial..
Bacharel Francisco Teixeira de Sa. Deferido
com o offlcio desta data J a thesouraria de fa-
zenda.
Dr. Joao Vieira de Aranjo.Deferido com offi
cio desta data a thesouraria de fazenda.
Major Joao Jos6 Gomes. Forneca se.
Manoel Pereira de Miranda. Attendido com
o offlcio dirigido nesta data ao Sr. inspector do
arsenal de marinha.
Manoel da Costa Moira. Indeferido, visto a
menor nao ter a ida-b exigila pelo regulamento
do eollegio das orphas.
Moreira & Braga. Informe o Sr. inspector da
thesouraria de fazenda.
ASSEMBLE* PROVINCIAL
SESSAO ORD1NARIA EM 30 DE MAR(;0.
PRESIDENUIA DO SR. FERRRIRA DE AGUIAR.
Aomaio dia, feita a chamada, e a:hando-se pre-
tes os Srs. : -Arconcio, Souza Leite, Lacerda, Ra-
tis e Silva, Tibarcio de Magalhaes. Peretti, Dario
Cavalcante, Firmino de Novaes, Manoel do Rego,
J. Mello Rego, Goes Cavalcante, Tra/asso de Ar-
ruda, Amaral, Tolentino de C^rvalho, G. G m Jim,
Oliveira Aodrade, Pinto Pessoa, Goncalves Forreira
Soares, Olympio Marques, Gomes Parente, Anto-
nio Paulino, Aguiar, Joao Barbalho, Alipio Costa,
Camboim, Nascimento Portella, Cunha Cavalcan-
te, Vieira de Melle, "Felippe de Figueroa, Tito,
Arruda, Gaspar de DraminonJ, Domingos Pinto e
Uchoa Cavalcante, abre-se a sessao.
Lida a acta da sessao antecedents e approvada.
0 Sr. 1." secretano da conta do scguinte
EXPEDIENTS I
. Offlcio do sacretario do governo, remeliendo 40
exemplares impresses do relatorio do director da>
obras publicas.A distribnir.
Peticoes :
Dos guardas da ca3a de-detencao, pcdin mento de vencinientos.A' commUsio de orde-
na-los.
De Maria do Rosario Oliveira Mello, professora
do Liraoeiro, pedindo uma gratiflcacau por mais
de quinze aonos de exercicio. -A' coramitsao de
intrucgao publica.
Forara lidos, julgados objectos de deliberacao e
vao a iraprirair os seguintes projectos :
a A commissao de obras pablicas, a quern foi
dirigida a pelicae de Jose Igoacio d'Avila, con-
tratantu das obras d) pago da assemble* provin-
cial, tendo examinado o qne aliega o supplicaute,
vem' dar seu parecer.
c 0 peticionario, na excepcao qne' faz acerca
dos prejuizos que tem ti-lo na execacao das o-
bras novas que cootratou, ciassilicoa duas espe-
cies de reclamac5es; a primeira- con9ta das obras
novas accrescidas e a segunda na different dos
precos eletnentares dos materiaes, os quaes servi-
ram de base ao coraolexo do orcamento
Quanto a primeira paite, e fora de dnvida
qne o arrematante tem direito a todas as obras,
qae no correr da execacao dos trabalhos se reco-
nheceu necessariw, as quaes nao entraram no
orcamento.
t Quaoto a segunda reclamacao em que o pe-
ticionario pede uma inderanisaca) pelos prejuizos
eausados em virtada dediffaren;a de preco dos
materiaes, raostrando minuciosaraente todas as
obras em qne teve grande prejulzo, a commissao
reeonhecendo que tem fundament) o qae aliega
o mesmo peticionario na delalhada expo-tcao que
offerecon a esta aessemblea, e reeonhecendo aue
apez ir de serem b;iixo.< o.; pre;os da or;amenlo.
0 pcticionar::; ilen oilo por ufnlo do aliaii:t-ii^,
e que 6 de eqaidade a iaddmnisa-.-a j nue requer,
e de parecer qae seja deferida dita peticia, para
o qae submette'a consideracao desta asserahjda
segainte projecto de lei :
t A a=*emblea legislativa provincial de Pernam-
co resolve :
a Art. Unico.Fica o presidente da provincia
autorisado a mandar restituir a Jose Igoacio d'Avis
la, arrematante da construccio do edificio des-
tinado para as sessoes da-assemblea legislativa
provincial, nao so os oito por cento do abatimen-
to por elle cedidc no valor do orcamento da obra
do referido edificio, como mais dons ppr cento de-
dnzidos do mesmo orcamento, tndo era remune-
"racao dos prejaizos qae Ihe acouteceram por fal-
tas aeeidentaes ; para as quaes b&) concorrea.
Re-vogada as disposieoes em contrario. Sala das
connnisoes, 31 de marco de 1874.Tiburcio i'
.Vagalh'iet. -Peiro Quudiano de IbUin e Silva.
c A assemblea legiakrtrva provincial de Pernam-
buco resolve":
Art. Uuico.Fifca elevada a caihegoria de ci-
dade a villa do Cabo, com a denomiuaeao de ci-
d de le Santo Agostinho.
a Riivogadas as disposicSes era contrario.
Pac-> da assemblea legislativa provincial de
Peroarabuco, 30 de marco de 1874.R Uit e
Silva.
ORDEM DO MA.
Coutinua a discussao adiada .do parecer da
eiimmis.-a i de policia, rekativamente a indicacao
apresentada por varies Srs. depatados, reforman-
do algumas disposieoes do regimeato interno da
assemblea.
A discussai versa sobre o art 2.*, qae die :
Rfeuuidos os depatados, occupara a cadeira
de pnnident9 o qne for de raaior i lade. Este
cbatnara para servir de !. secretario qaalqaer de-
paiadi: e para occupar a cadeira de 2. o mais
raoc > J'en I re os presentee
OSr. Manoel oRego:Sr.presidente,
sendo esta uma disenssio toJa especial, eu quizera
que V. .Exu me desse alguns esclareciinenlo a
respeito.
Creio que deve eutrar em discussio artigo por
art.'go, como se ttratica com os projectos que pas-
sain por uma so discassao.
0 Sr PeKsinEKTE :Eu entendo que assim de-
ve ser. Send i uma so discussao, deve esta fazer-
se artigo p >r artigo.
0 Sr. M t.NOEi. do Rkoo :Assim, pois, esta era
discussip in licacao apresentada.
0 Sh. Presidente : Conjunctauieute com as
emendas.
0 Sh. Matosl do Rego :Devendo occupar-me
de cada artigo de per si, parece que devp tratar
primeiramenle do art. 2.* da inlica.ao.
Diz esto art. (le ). u reunidos os deputados,
occupara a cadeira de presidente o que fdr de
maior idade. Este caaraara para servir de 1.* se
crelario qualquer deputado, e para occupar a ca-
deira de 2." o mais moco d'entreos presenter >
Nao descubro vantagem algama nesta combi-
nacao do chanur o presidente qualquer deputado
para servir o cargo de 1." secretario e de occu-
par a cadeira de 2.* aquelle que for mais moco.
E' uma novidade, que nao encontra precedence
nem no regimeoto da canara dos Srs. deputados,
nera no de neahuma assemblea provincial do im-
perio.
Pareee-me mais natural quo, a exemplo do
que se pralica na camara dos Srs. depatados, e
nas i-einioes dos eollegioe eleitoraes, em ceiacao
aos seeretarios e escrutadores da mesa provisona,
seja com effeito o presidente interiuo aquelle qae
for de maior idade, assim como tambem que oc-
cupera os lugares de seeretarios interinos aquel-
les que ao presidente parecerem mais mocos.
O Sn. Gaspar Drlmmond: -Acho que e ra-
zoavel.
0 Su. Mas el do Reuo : -Se, porem, liouver
duvidas p ir pane da assemblea, de quo ifao sao
w mais mocos os dous cauvidados pelo presiden
le. prucoda .-e a eleicao por escrutinio secreto, e
decida t-ntao a assemblea quaes devem ser os
seeretarios interinos.
Vou, portanto, apre&entar uma emenda nos se-
gaintes teriuos i le i : a ao art. 2, depois de
idade, diga-se a econvidara para .-ervirem interi-
nameme de secretario os dous deputados, que
mais mocos Ihe parecerem ; se houver reclamaQlo
de que ha ontros mais mocos, se procedera a vo
laeao, por e-cruliuio secrete, afim de decidir-se
quaes itevain ser os cbamados.
0 art. 14..
0 Sr, NasctUBNTO Portellv : A discussao
nao c artigo por artigo ?
0 Sh. afaxoBL do-Reuo : Parece-me que aim ;
nao uie leinbrava
0 S. N'ASeuiaro Portklla : Eutao nao
pode fallar senao sobre o artigo que esta em dis-
CUSSil).
0 Sr. M.ynoei. do Reuo : Ah tem razao.
0 Sr Presidents Ea ja disse que a dis
cussfu c artigo porartig).
0 Sr. Fklii'pe de Fioueiroa : Eu entendo que
a discussao deve ser englobadamente e a votaeao
por arligos.
0 Sr. Presidente : Nesta parte eu sigo o
que determina o regimento da camara dos Srs.
dcputaJ)?, porquc o nosso nao contetn pre;eito
algum relativamentc a questao de que se trata.
0 Sr. Manoel do Rego. : Eatao posso mandar
a craenda?
0 Su. Presidents : Sim, Sr.
0 Sr. Hands, do Rego: Vou manda! a, e
discutirei depois o art. 14.
E' lida, apoiiida e entra conjunctameute em
discussao a seguinte emenda :
Ao ait. 2* da indicacio, depois d3 palavra
idade, diga-se e convidara para servirera interina-
mente de seeretarios os dous deputados que mais
mocos Iho parecerem, se houver reclamacSo de
que ha outro.s mais mocos, se procedera a votaQao
por escrutino secreto, afim de decidir-.se quaes de-
vara ser os chamados. Dr. Manoel do Reg).
Ninguem mais pedindo a palavra, encerra-se a
discussao, e proceaendo-se a votacao, 6 approvado
o art cum a emenda do Sr. Manoel do Rego.
Segue-se a discussao do art. 14 da indicacao,
que assim diz :
(i Acrroscente-se A missa sera mandada ce-
lebrar pelo l* secretario, correndo a despeza pela
verba do expadiente. Se por qualquer circums-
tancia deixar de ter lugar a missa, o presidente no
paco da assemblea deferira juramento aos depu-
tados, prestando-p elle nas raaos do 1* secreta-
rio.
A' esta ultima parte offereceu a commissao de
policia a seguiote emend.-.:
a Prestando o elle aos Santos Evangelhos, qae
para este fira serao posies sobre a mesa. >
0 Sr. Manoel do Rego : Diz o artigo em di-
cussao(le):
t Art. 14, acerescente9e : a missa sera
mandada celebrar pelo i* secretario, correndo a
despeza pela verba do expedieale. Se por qual-
quer circdmstancia deixar de ter lugar a missa,
0 presidente no paco da assemblea deferirajura-
mento aos deputados, prestando-o elle nas raaos do
1* secretario.
A commissao de policia, dando o seu parecer a
respeito, propoe a segninte emenda (ie) a pres-
tando-o cue aos Santos Evangelhos, que para este
fim serao postoj sobre a mesa.
Em uiiaha opiaiio nio acho aceitavel nenlmraa
destas emendas. Entendo qne a missa deve ser
dita como e actualmenle segundo os precedents
aloptaJos em todas as assemblers provinciaei
Como, porem, pode acontecer que por qualquer
cifoUtrwlaceb im.irevista deixe de ter lugar a
miss;!, b [lortunSi, nil tent!a opresidente da assem-
blea pi mate quern preste jnrnmerit;, deveroo pro-
videnciar a respsito, pareeendo-me que neniiuma
pessoa e mais competente para esse fira do que o
presidente da camara municipal da capital, perante
quern ja deve prestar Juramento o presidente no-
meado para a provincia e o vice-presidente, no
caso de nio estar reunida a assemblea provin
eial.
0 Sn. OcrvsmA Andrads : -Prestam juramento
perantj a camara e nao perante o sea presidente.
0 Si,. Manow. do Rkoo : -Perante o presidente
da camara, diz a lei, estando esta rennida. Se p
Jnobre iiputado conheee os terraos da lei..,
1 0 Sn. OuvsiRA Anoradi : -Ninguem os conhe
ee corao o nobre deputado.'
O So. Manoel do Rego :Nio, aeohor ; mas,
como o nobre deputado contesta, passarei a ler o
art. 10, da lei n. 38 de 3 de uuiu.br > ne 1-834.
Vozes :Nao e preciso.
0 Sr. Manoel do Rkgd : Einiitiado eu uma
proposica i, e sendo el la con las tad a pelo nobre de-
putado, parece que curre-me o dever de prova la,
e pata isso baslaria ler o referido art. 10, onde se de-
tenniua que, nao estando reunida a assemblea pro-
vincial, o presidente e o vice-presidente da provin
cia, qae am Ja nao liverem prestado juramento, o
prestera perante o presidente da camara munici-
pal, achando se esta reunida. Parece-me, pois,
como ja disse, que uo caso de naa poder ter lugar
a missa por qualquer inotivo inesperado, nenhuma
pessoa e mais competeule para receber o juramento
do presidente da assemblea, do que o da camara
municipal.
0 Sa. Olympio Marques : Mas, falta-nos com-
peteacia para dar essa allribuicio ao presiiente
da camara.
0 Sa. Manoel do Req> : -Entao menos compe-
leucia temos para dar a mesma allribuicao ao i.
secretario.
. 0 Sr. Olymi'IO Mabqu<8 : Pois nao; e um
meinbro da assemblea
Um Sr. Deputad) : E se o presidente da ca-
mara nao qui/er deferir o jurameuto '.'
0 Sr. Manoel do Rego : Porque' nao ha de
querer ? Entao tarabera o 1. secretario pode nao
querer.
0 Sr. Olympio Maroues : Isto nao se pole ad-
raitiir. Nos temosJorca coerciiiva para obrigar o
1.* secretario, se nao quizer prestar-se a isso.
Um Sr. Deputadi :0 im medial > falo-ha.
0 Sr. Manuel do Rego :Mas, perante queer.
presla o presidente o iuramenlo ? Pennle nin-
guera, porque o secretario ain la nao e.-ia jurameu
tado, e nao pode portanto ser coinpeteale para de-
ferir juramento a quem quer qae seja, e men is ao
presidente da assemblea, de que faz elle parte.
Esta e a rainha opiniao : acho que deve preva-
lecer a disposicao do regimento quanto a missa,
pois nao descubro vantagem em ser della en-
carregada o 1." secretario; como, porem, pode
acontecer que a missa nio lenha lugar e nao haja
por isso quem receba o juramento do presidente
da assemblea, entente que deve presla-lo perante
o presidente da camara municipal, perante o qual
creio que o prestavam os merabros dos conselhos
geraes, e que faz parte de uma corporacao, en-
carregada pela lei, de soraraar os votes obiidos pe-
los deputados, e do expedir-laes os diplomas, sem
os quaes nao podem ter ingresso n'esta assemblea.
Neste sentido, proponho a seguinle emenda : ao
art. 14 asupprima se a primeira parte ; no final da
< segunda parte, em vez de 1.* secretario, diga-se:
i presidente da camara municipal, estanio esta
a reunida.
Apoiada esta emenda, entra conjunctamente em
discussao.
(Continuarse-lu*.)
RECTIFICACAO.
' No dis-.urso pronunciado na sessle de 28 pelo
Sr. Manoel d) Rego, e publi:ado hontera, verae
segainte aparte, que nao foi dado pelo Sr. J. Mel-
lo Rego e sim por um oulro Sr. deputado : 0
que tem isso 1 Quantos assim obtem lugares
sem ter habililacoes ?
REVISTA DIARIA.
Assembles pruviucial. Hontera a as-
semblea nao funccionou por falla de numero.
PromotoreM publicon. Por portarias
da presidencia da provincia, de 7 do Corrente, foi
declarada sem effeito a nomeacio do bacharel
Estevao Carneiro CavalcaDte de Albuquerque La-
cerda, para promotor pablico da comarca de
Tacaratu, por nao haver tirado titulo; foi para
essa comarca removido o bacharel Angelo Jansen
de Cast:o c Albuquerque, promotor da de Gara-
nhuns; e foi nomeado para esta o bacharel Fran-
cisco Caracciuio de b'reitas.
aiiiim jUu ilt- itolieial. Por portaria da
presidencia da provincia, de 8 do corrente, foi no-
meado Manoel Emygdio do Espirito-Santo, delegado
do termo de Ingazeira.
Tbegoui'iti'ia provincial. -Por porUria
da presidencia da provincia, de 8 do corrente, foi
nomeado o praticante da secretaria da presidencia,
Lyndolpho Olympio dos Reis Campello, para o lu-
gar de 3* esctipturario da thesouraria provincial.
Mecjrelaria do aotcrno. Por portaria
da presidencia da provincia, de 8 do correute, f)i
nomeado Francisco Joso de Moraes e Silva," prati-
cante da 2* sec^-io da secretaria do governo.
Presidente da Alagoas. Erabarcou
hontera, as 4 horas da tarde, na rampa da rua da
Aurora, proxim i ao lemplo protestante, para bordo
do vapor Cruzeiro do Sul, o Exm. Sr. Dr. Joao
Vieira de Araujo, noraaado, por carta impanal de
marco, presidente da provincia das Alagoas, Sten
do aeompanhado por crescilo numero de amigos.
Fez lue as honras militares uma guarda do 2 ba-
lalhao de infanteria de linha.
Sociedadc patriotlca Doze de Se-
tembro. Realisouse hontera, como estava
annunciado, o acto da entrega de uma penna de
ouro, com qne es3a seciedade resolveu manifestar
os senlimenlos de apreco e gratidao de. que- esta
possuida para com o Exm. Sr. Dr. Adolpho La-
raenha Lins, eu digno 1* secretario.
Heunido grande numero de socios na sede das
sessoes, uma commissao da Imperial Socjedade
dos Artistas Mechaaicos e Liberaes e outra da
sociedade Luso-Brasileira, e muitas oatras pessoas
gradas, S. Exc. o Sr. Dr. Manoel do Nascimento
Machado Portella, usando da palavra, proferio em
norae da sociedade o segainte discarso :
< Sr. Dr. Lamenha. A sociedade Doze de Se-
tembro, muito vos deve.
< 0 que por ella tendes feito desde sua fan la-
eao, esta na consciencia de cada um dos vossos
cunsocios e do povo pernambucano. -
Nao vim pagar a immensa dirida(oao poderia
fazel-o), mas dar vos, boje que segnis para a pro-
vincia, coja administracio vos foi confiada, mam-
festacao de alto grao era que vos aprecia "e do
muito que se ufana pela disiinccao qne por vosso
reconhecido merilo recebestes do governo impe-
rial.
c Ahi tendes, pois, nesta penna, qae vos offere-
ce, a expressao dos senlimenlos qae a dominam.
i Aceitai-a com os siuceros votos que a socie-
dade faz, pela vosta prosperidade e pela conqnWta
de novos louros que, realcan-lo vo-s'o merecitnen-
to e o nome pernambucano, compensem a fa'.ta
que sente de vossa temporaria ansencia.
i Orgao desta manifestacio social, devo drier
vos que nio sao oulros os mans senlimenlos. Sou
vosso, sois meu araigo. Aperto-vos cordialraente
ajnao, dizendo-vos : Conflai no vosso merilo e
nao temais o futaro.
0 Exra Sr. Dr. Lamenha, penhorado pelo modo
por qua acabava de distingail-o a sociedade pa'
tribtica Doze de Setembro, agradeceu corn as pa-
lavras qae se seguem, a simples, porem, sigoifi-
cativa offerta :
< Meus prezados consocio3. Nao tenho expres-
sdes para agradecer vos a manifestacio de apreco
com qae me honrais nesle mo mento,
a En que espero sempre ancioso a oecasiao do
moslrar o quanto vos sou grato pela amiaade, con-
llauca e atieut;3es qae sempre eacontrei nesia so-
cieiade e em cada am de vos individnalmente, ve-
\Jo vos appare;er diante de mim para oonlandir-me
ainda com a- vossa extrema generosidade t .
< Tera sido sempre assim I N expansao dos
senlimenlos nobres ides sempre alem do qae se
poderia esperar I Sois sempre os boraens de co-
racao corai sois oshoraens de foeca- de vonlade '
i Eu nio poderia desejar raalbor aniraacao ao
desempenbo da espinbosa missie, com qne fui hoo
rado, do- que as palavras que acabo de ouvir e qoi*
licam gravaias em meu coracao.
No presente que vindes fazer-me em bora de
despedida, e a que prendeis os vossos votos pela
minha felicidade, hei de ver sempre um poderoao
estiinulo ao cumprimento de oteaa deveres.
< Quizera dizer vos ludo o que unto nesle rao-
mentu ; ha, porem. occasioes em que os labios re-
casara exprimir os sentiraeatos qua nos enchera o
coracao.
Sabeis quanto desejo- a prosperidade desta
assotiacao que vi oascer e a quem consagrei li-
dos os meus esforcos.
i Ja eu Ihe devo muiio pela satisfacao de ver o
servicos que ella tem prestado ao men paiz. V6a
agora anginentais por tal forma a divide, qae j
pe'di a e-peranca de paga-la.
Aceitai um abraco- de despedida como res-
posta as palavras que" rae dirigis pelo orgao de
um dos meus mais distinctos e sinceros amigos.
Vai oeste abracp o men eoraclo, e nem vos exi-
girieis e nem en poderia dar mais
Em st-guida a commissao da Imperial Sociedade
dos Artistas pronunciou-se da maneira a mais li-
songeira a respeito de S. Exc. qne, como a Pa-
triotlca Doze de Setembro, prestara aquella, quan-
to p'j-ie os seus meihores services ; e em tests-
manho do reconhecimeoto offerion a S. Exc. am
lindo ramal ete de flores natoraes, qae fa reee-
bido com a mais viva expressao de contontamento
por parte de S Exc. e agradecido por meio de
palavras repassadas dos mais complet > sentimento.
Foi uma festa orilhante e digna nao s^a se-
ciedade que a proraovea, corao daquelle a qaem
foi ella dodicaJa. Serapre qae se sabe corapre-
hender os sagrados deveres qne nos sao imposlo?.
nao nos faliara occasides como essa qae not pro-
porcionou a patnotica Doze de Setembro.
Fazer justl^a, reconhecer o merilo, externar
todos os sentimentos nobres e elevar ate a allora
onde deve chegar a gloria daqnelles qae prestam
a humanidade os mais ralevantes servicos, e por
sera duvida o nosso mais rigoroso impnlso.
Honra, portanto^a sociedade patriotica Doze de
Setembro, e ao Exm. Sr. Dr. Adolpho Lamenha
Lins.
Terrainada que foi a renniao, dirigio-se S. Exe.
aeompanhado de tolas as pessoas presentes, ale o
caes do gymnasio, onde sendo-lhe feitas as hoo-
ras por uma guarda do 2* batalhao de infanteria
de linha, e toeando a masiea do 9* batalhao, alt
poslada, em obsequio a sociedade patriotica, era-
barcou para bordo do vapor Ceara, com destino a
prov.ncia do Piauhy, cuja administracio Ihe foi
confiada polo governo imperial, a ainda Dessa
oecasiao recebeu S. Etc. as mais distinctas pro-
ves de estima e consideracao.
Acompanhando em sens s*nlimentos as socie-
liaies patriotica Doze de Setembro, Imperial dos
Artistas Mechanicos e Luso Brasileira, cumprimea-
tamos a S. Exc. e desejamos-lhe a mais prospers
viagem.
Tempeslade. Na noite de qainta-feira
enire as 8 e 9 horas, cahio sobre as cidades io
Recife e de Olinia e seas arrabaldes, uma forte
tempestade, qae comecoa ao norte e rondou para
oeste, manifestando-se com mais inlens.dade na
povoacao do Mooteiro e suas visinhas.
No Monteiro, disse-nos uma testemunha, jue fa-
ram horriveis os relampagos e raedonhos os tro-
v5es, calculando o nosso informant*-, pessoa eev
tenlida no assumplo, terem cahido cercadeoilo
faisca- clectricas uaquellas ipimediacSes.
Arsenal de marinha. Entrando boje
no gozo da lic^n^a, que obteve para tratar de -eos
interesses, o Sr. capitao de tragata Francisco Ro-
manoStepple da Silva, passa o-exercicio do ear-
go de inspector lo arsenal de marinha aosenaju-
dante.
Victor Meirelles. Seguio hontem para
a corte, a bordo do Cruzeiro do Sul, o notavel
Em tor brasileiro commandador Victor Meirelles de
ima, que aqai esteve por dias. em missao do
governo geral, paraestndara pintara deem gran-
de qaadro rispreseatativo dos combatc iravados
nos montes Guararapes, sob o dominio hollaadss.
Com relacao ao assnmpto estudoa o distiucto ar-
tista todas as localidades que f irara occapadas nao
s6 pelos nossos corao tambem pelos hollandezes,
e serviram assim de theatro as sanguinolentas ba-
tiltias alii feridas.
Afim de somente resolver sobre dados de re-
flcxao araadurecida a composicio do quadro, es-
bocon os mais intcressantes pontos de visti qne o
local p6de olTerecer as exigencias da arte da vec-
dade historica.
Com quanto nao encontrasse aqni o Sr. Victor
Meirelles, o qae .era de desejar relativamenle ao
fim a qae se dirigia, muito aproveitou por entro
lado na observarao de algnmas anliquidades da-
quslia tipoca, grande pane dellas, em honra sua
seja dito, por esforcos de invesligacao propria, e
gracas a cooperacao franca e valiosa qae Ibe foi
dispensada de parte da presidencia da provincia,
que se desvelou em faeilitar-loe os meiot de obter
os meihores resaitados.
Ser-lhe hao de grande auxilie osqaadros perten-
centes a camara municipal de Oimda Bam qae
sejam imperjeitas pinturas, mostram comtado, pe-
la siraplicidade, que nelles se nota, am tal ea qaal
cunho de verdade na reproduccao dos costaaas
de entao, e por isi > tornara se dignos de algama
consideracao.
Achondo-se esses qaadros muito arrninados e
convraio qae fossem resiauralos, offereeen-se
Sr. Victor Meirelles a faze-lo, e a camara munici-
pal de Oliada, agradecida, aceilou tio presliatoso
obsequio
Levando-03 comsigo para o Rio de. Janeiro, aa
the vio elles aaxiliar na eomposicao do giaade
quadro, muito mais aproveita a provincia as res-
tanracio dos mesmos por um ptneei laureado mni-
ta vez.
E dnpla importancia e a destes qaadros ; a do
cunho de verdade. qne la assignalamos, e a qne
offereceiB, sob e ponto de vista da historia da pin-
tura entre no*.
- Nio foram infructiferas as pesqoius feitas pete
Sr. Victor Meirelles era Ignarassd.
Alii encontrou elle na igreja matrix qaatro eua-
dros, de algum modo iBteressanles par* a hidoria
patria.
Pintados em 1729, conforme a lascripcao qne
nelles se le, representam : o 1*. Duarte Cselho ba-
tendo se com os indios, por occasiio de daw
barcar oesse lugar, em 27 de setembro de 1330 ;
o 2* a edificacao da igreja ceuagrada a SS. Uos-
.me e Damiao ; o 3 o saqae da villa pelos boUan-
dezes, os quaes, segundo die a chroaica, quaodo
tenlaram destelhar a igreja, flcaram uns m irtos e
outros cegos ; o 4' Dnalmente, as vistas de Itama-
raca, Goyanna, Iguarassu, OUada a Recife.
0 qae sobretaao, muito o s. en-
conlrado em Iguarassu, perdido no malo quisi qae
a uma legna de distancia da villa, perto da mar-
gem do no, um marco, oa padrio de anna, qae
nessa epoca de descobertas os viajaotes pmlapw
zes costuraavain trazer de Lisboa, para serem
S' nUdos nas terras que iam descobrindo, earn*
Joae de Barros. E' de marmore braaeo e tea
de altura 8 a-9 paimos. A parte inferior qua I
de forma cylind le diarae-
tro, termina em tun esou incoqui-
I
iitetKH


-I
lour, hospital da Misericordta, sem iuenuo, sem
ntar-se o evangel**,e sem aslMfe cereWflla's
rellos-esse
Iho quaado
occasijto de
doadas
Jan da* arrtiri portpgtiem, o t|aal tern .*%alkjra>
qaalro pir!*rios e esU_fciim t fcento para'tf wlWF
cadura So no.
Ve se logo queWB maaoo est t lucompletp-,
porque oece^sariigHMigeTia exisur sub re o es-
oado a" corua da fJMMpfe a qual foi d'ahi tiradaj
oa casualmente anal** wnguem carou em rest a
betece la. Esta ultima hypoihese parece sor ver-
dadeira, por aaanio, segurAwdiiem os .haMajites
do lugar, esse marco ]a
cahid > por terra e foi "
proprietario do sitio.
Ha opioiSo, por6m,
marco foi plauiado, ou .|
apoftou a tguarassii e
s e demarcttrem as tei
em 1514 por el rei D. Joao
Nae existe na partarerBaients toscripc&n alga
ma, aua sem duvida deviaxisj|rna qua-.falta.
IstoToi para o distincio artffta um verasdeiro
achndo, pois segundo dos fiissc, tendo duvidas so-
brc a forma dos raarcos dessa epoca, hoje a co-
nnect, podenda wucluir um quadro, que comecou
tra muitos annos <5 que Yroresenta os primeiros
ttcsterfaaos notints tl.
Qn into as outras pintnr-as que vio relati vamente
aos combates dos -Guararapes, n.\ > (he merecen
inencao alguata ; aelles a axle, a hisloria e o (os-
to foram coiBpletatr.eaft immolados1.
Fa temos votos |iara que ho us ventos o condu-
zatn ao sen.detino, conscio dos loaro? que "Wii:
futaro trahalho ja it agora Die praate'tem, e da,
6egura sytnpathia e aduiiracio que por seus e!e-,
vaJos dotes pessoa es soubo iospwav aquella* aiu*-
soas que aqui mereceram a honra de siia dtTeieiio
e convivepcia* ,
Putadorti da th**ui-Mri:i xei* te? folkas :
Hospital atilttar, e todos os .demais- functtonarios,
que recebentupor meto de reciteas avidsos, e tarn
beranaa- que -detxarani de wceteer. bos dias -que lb.es
-foram marcados.
Diwrtn *(> Pi-rnMNBkae*. -Se chegarein
boj.* dos portos do sul ua. vajiares.trancezMtudwa
e itigiec Pipe Queen, itisirihuireraos am*iiba o uos-
so nuineru de >.e*ua>iafetr*i
Mason.V* 'J haras da nolle, psaco ma is ou
nteuos, ie
esta cidado-u sous arrabalies cuptosa elmva acorn-
psiilik de trovo.-s e rHampagos, descea run
faisoa nlectrica sobre a tarre do predio que rvisi
ahaoti-aa ign;ja do Moaleire, ifeadeudo de a't <
abaiio a ftaredo daquella, quebparto a madeira
de wna das janellas de.;se prtdio'e fuhjiioaafia um
puitioo quo pousava alii perto. Alem Jiss.t e do
i'raadu susto com que foi tMir-preadida a faatilia do
sr. dayme iEmias Gomes da Silva, quo reside em
tal predio, nada mais hoave.
Oulivis r,-i In rain e.u aosso porto, n i direci.-lo da
ponta do Oliri la.
'iaianriio. -Tiverem convettionta desli-
no : o que ffeciuou a subdeiagacia ite Suriheca,
-contra lose Tavares deLios, autur *lo,,assas-i<
oato de LauninJo h"ari>imi deSouw.; e o que rea-
Jiso'i a.delegacia do Gar.iithuiis, sobre u facto do
4ir deslttcliaUo conira a- ciwa de.rcsidaaiua doDr.
juij.de direito oessa comarGa.ua. mule de 26-de
inarou proximo findo. e do qual procodem in licios
de tpTifiiiauUir de tal aftteHiado um iQdividu<>-de
iiywi Joao Vieira. vaqeiro do capitao Pedro Cba-
ves.
(owvraniw puiUal. Desde o 1 do cor-
rente.uiez. que esla em execucao a cjuvencao
po.-iai ctilehfada eiiWie u Brazil e ailfspanha, se-
fuiido of terinos que vio expressos ua compeleate
ec!ar*cAo, em outro lugar publicada pela respec-
tive roparlivao.
XiisaJri* .Santa laloaio. -~oli bdje a
seen a o drama, de. assumpto uacioaal, sob-o litulo
de iV'Wi Unck-nio, pro luccao da puuna do Sr.
Dr. Aprisjio (iuimirao,'.
Hiveudo grande procara de bilhetes. a empre7a.
rjsolyeu dir amau'ia, com o mesu* > drama, tlous
espeetaculos: um as 3 iii Iwras da UrJee outro
as 8 t[i.
V|ti>r f IlimiMi. T&i&lBi* K-l-igraiinna da
eurl-j, e-te v;ipor da RnWa do Paciffco, i|ue dadi
saliio a 8 do correule, ufu locara ids poftos da
Bahia f I'oruamhuco.
Sat-.ii'dado Prvpagadora. A escola
priuuria desia sooiedad-^ que fuucciooavaa rna do
H)>;>icio, foi irausferida para a rua da.luiperatriz
n. 37, 2 andar.
EvJatitulo. HiHi-.tric* r I'bJtoKoplji-
e. unanlii, no lugar o hora do co>turae, deve
reunir-su esta. sociedade, sendo a ordem do dia :
i' pario -r discussao da tliese : E' jmti/icavel o
facto dn giierra f 2' parte dosenvolvimento pelo
Sr. Pacheco Snares, a these : 0 que i methodo
txperimuiltil, omt se deve comprehende-lo nas
tcunctas positicas ?
Fn-siK'xia do Por.- Moradoros da
Cruz das Alma<, nos pedern para lembrar ao Sr
sobdelqgado respeetivo a conveniencia de ser dis-
solviJo um grupo d? vadio's e tarbulcntos que
viva n'iquelltf lugar, pertorbaodo a rranqnillidade
e promovendo o siuto e o terror das familia*.
Chcia. -Os rios CipfeaTibe o Beberiba aug-
mant'irani basta'nte 0 volume de suas aguas, em
dmseaotmcia das ultimas chuvas que ultimamente
de hotitem, que quasi qae se nao notava a en-
chepte da mare.
vapor Ontario.Proeedente de New York
-por s. Tiuan n. sail a n i dia | as 3 haras da tarde
do porio de Beldio r.o I'arapar.i o dosso, este va-
por da cominnhia americada.
Vapor Hi'!i:>za Sihio oi dia 9 a tarde
da Bahia p:ira o BJSso porto. Btve chegar aqui
hoje.
Parlautento aliens ao.Kncetamos ho-
je em nossa xiava pagma a imolicacao do aolavel
discarso que o general Molike primunciiu no vt-
thstag allemao, na Marts de IC de fevereiro ulti-
mo, que ciuso'.i laota s-;n*ea) na Euripa, o acer-
ca do qua! tern havida vinleota polemica earre os
joraaes deBerliirre os do S Petersourgj.e do Mos-
cow. Itecommendamos sna leitura.
Coririo lie Penaasatbaeo.-N.) mez de
-mar;o ultimo arrecadou esta reparlicao 7:9io^264
Em ign;il inez de 173 7: Reuniao 10 hora- do dia, deve reunir-se a mesa geral da
irmaodad.; de S. Jor de Agoaia, erecta no con-.
Yenttt do Qarmo do Rerafe, atiin de pr- cedera
elei^ao da nova mesa aduimistrativa.
FallerimenfoLemos bo Jernil dot, De-
bales, do Rio de Janeiro, que alii falleceu o raimo-
so p-ol-i -bacharel Santos Soves, cautor do3 heroes
do Paragaay e autnr de d.versas praduc^Ses de
merito.
if"oeta menino. liaeebemos e agradece
mos um pequeno foiheto contando algtms versos
- co apost'M pek) menino de sete anaos e meio de
idale, iJabriel Barbosade Mollo Moraes, bos quaes
ec nota osto e nataraltdide, que muito promet-
tem no futuro.
Magradu congregara* dort ritoa.
ieinos no Aposfoto :
O iu-m. Sr. areebispo actual de. S. Salvador
no Bnisil pedio hamildemeote a sagrada eongre
^acao do; ritos solucao das seguintes duvidas, a
aber :
i daidaO saoerdote ao acto da lo^o dos
f>3 na Q linta-feira Santa, vulgo de eadoeicas,
depois de cmecado o rit j so^.mne. depois da Jet
tort do evaogetho, etc., poderi iBierromper a ce-
remonia, n como mero espectador as-i.-tir, emqaan
t > na igrcja lavar os pe< dos pabrss um leigo
provedor, presideote 4a juiz de aJgataa confra-
ria t
it l< duvida Nas oirrametaooias acima r<-feri-J
y^io do Pernambuoo ~ Sabback) 11 de Abril de 1874.
-TT"*"'' ....." '"-' -*Wki -
I*
WM*** /diytft^tfW^Sn# a]^rJ,iptt48^P. readorcs Rego Barros e Novca, para emjuir po. seasito sT eila Bta ?
WweraaW^slbVliU'Hi HiU'JHnntRia; af ii# fWreeer sobre a materia da pp'sente iaformaqan. ,'? paw faaVr rirJ
?ado-espaj-j WastAiiie aa igroja, Pfa .paJft^olu 0aum<4a Mingiotrra a ivrctoncio de loao i/)uio, p>is. o pre-.i :ente actual atnKilOOnor cv
ar se repioto, da .oapelia o lugar da, ceremosta Jto^d*^ag|i-ilJ|ndou-se emmmar peta se aa aU^a^ q.ie a sub-uette a txamit,'HWMeva p
esta deve celebrarso for* -da igja. raa w c.aP.Jmw.ro da isscmblea,ma.'ju vir a
. A 3.' Pdfle, bo eds) propftsto. o proveaor oa TS^Rttiij'Wtitik >U f^gaczia le S Antiifc^ it > empreg^lo e ds inter^Hf pod*
jaiz da coorraria ea mnaadadc fazer o manda- inAtMdwTnW'rM|aa das maltas impostas : a lEairWincrepado por essa r(s//foaW?eomo dit
turn em algum salao da casa, aa liaguagera ral- Joaqaim da Costa Braga, na importaacia de 2i ; a Pmtinas t
onio Machado,
em Ski
Serabhir
em tfjS. -1
prescriptaa pelas rabriow, mas aoaeoto assistido
por leigds, qae lha tainistrera agaa.
A' i.' BT ..boso iatoleravel, .a }a se da^e ia-
teiramente exiirpar.
A'S,* Wdeede^ecoWhjr are-rdman'o.
E assim respomleu e man iau observar, em 7
de fevereiro de wl. Cankaf Patrizi, bispo de
Ostia e de Vellctri, prefeito da sagrada eongtcga-
r^io des ritos. Lagar da f *ello. D. /Jkrtfimt, telm prt.xinao Bnlo, leado-o" exami
secreurio da sagrada eongregacio dos ritos. conforme, I'Xisrlado am satdfl da
toteria.A que se acha a venda 6 a 9S' a y.-805*8li, pelo qae de parecer que se
oeaeficio da matric de laboatio, a qua* coae ta>;J ao raspMHIo pracoWdor.. PMlt jctmara
a dia 14 d corrente. muweipat do Retire, .27 demarjo de liW-fc-Tbao
Ui petionoJtAr.feotoj^HCo
-A |ntaopr/a 4P*'S a*advogi
0m pareoi'.r>-ds>?cjmissad de
gorutes terraoa.:'
A oociinaiaaiti dc f>olela, t -<
o fcalaucete d*ceitaw defpaza do
Casa ale deteBcao.-Movimento da casa
te detencas do dia 9 de abrH-de-4874.
Kxistiam presos 336, entrou I, sahio i, ems-
tern ;m.
A saber :
NaoMoaes 22, mulheres 8, estraageipes i3,
escraves 4i, escrava 2. Total 336.
Aluaentados a cusu dos cofres pabtioos 260.
da Gotao, pois, o Sr. Buarqne de MaceJo declara
i essa mxeMMJRo ba*ia#4/*6riaqfie elle ti-
\ am ja guard j, pis os poriWs reconlwaem
qm esth" emdodai e Te ta |or! quwa -sc*|u o
conCr*o, poi; ease empregafo jft njo o era quan-
do o actoal pflft sabio ao pader, a o preside-
te iotua+-e iuerepflo por'esso toitof
Se os Aonrwfes e inlelbgeites redactoras da
Prnincia podata dar deciflraclo a ehatad* I
Escandalo k00e, Srs. da froeindi; OMs, foi
ou-o' dlquelles quenio duvidaram f<.er esse confifato
doro Machado Prepre P'ereira da Sifval Jose la
SiHrs-faore Jhmior. Appronidor-
Outro da comissao|dii edificafio, nos terntoi
seguinles : ^ ML m WW*
t A cotamissao de ediflcacao, a qjem foi pre-
lais funesto, prejudicial e eseaodatosa que tern
tid-) a proviacia.
}f- Konesto porque em cada haaitacao se colloaoii
um foto de miasmas, um conductor das epidemias
e la morte.
PrejutHcial-p)rqu se obrigou ao-eidadao a for-
ca lameute recebe: o apparelho da feliz empreza ;
Barque n beneSeiade amindiTiduo se Iheextor-
qaiu, com.executivo dj flsco, o seu dinneiro, par
i (reader, enteude qua det-^-ser tftoeearda a Ifeeoca
---------- o ; noe ten*v>s requeridos, e de accordo com a mes
CAWjTRS WUNIC1ML. ">* inftrmarao. Parr, da caim*'niBicip; 30
o/ SESSAO-da^'.ORUJSAIUAEiiaCBEMAR- ^cnacca de I87i.-Luya Junior.- Cuaha Gui
CO DE 1874 : maraes'.Approv;iJo7
pnKsoWci.v do-sn. THKOwno^'r.TA. Mwpgwtlfco cegaiole reauerimeata :
Ao meio dia, preseates os Srs. Seres, Gameiro, e>ro quaseja publ.oado a #aMo, quaav
Rego Barros,-Gunha, Guimaraes eLoyo JuniPj, !d-e ;pUDJa&as,acta, os aomea. por exteiwo-
abrio-se.a sesao, e foi iida e approvada a acta d'a.
antecedente-
Leu-seoseguinte
EXPEDTICITB
sente o requeTrmenio de Antan'o Gon^ahres de" te de sua fortuna ; porque se o sujakou a maltas, o
Azevedo, annexo a informacio dp eneeaherra cor- visitas domiciliarias prolubidas pela constituicao ;
.dos muttados a qual o mctivo dan muitas. Paea
da, camsra muiuapaJ do Recife, em sessao de 31)
de mvco de 1874. -Ganha Gnimarae*.Appro'-
aajaia
Um.oUlcio do Exm. presidents da proving,^:D Fio pwcurador autortsado^asaear, em fav.i*
cominanioando a camara que, teodo o eirgenheiro ?aBC0 d0 Rra.s a quantia de 2;88i,yna -focma. dot
chefe daTeparticio das obras .pubtlcas, Victor .doxostume, importoBcia de juroaide,empraiiUmfl.
Poaraie, lediado dispeasa de fazer parte da' Fo*ara detpachados os seguinles- roquorimea-
comipis'sio qup tern de examiaar as aiterae|5es tos'- .
e difreranras do novo raercado, Act eacarregaro Be Antonio Josd Vieira & C, (% Antomo-Pe-,
da raesuia commissao o oageoheiro chefe das' ** de Sa Barreto, Aatonipfr'raQci-co de Mello,
obtas iilitre?, Chryssolito Perreira de Ctstro Aflltobio Luia de Cafvalho, Aarelio dosSaatos
Chaves. Inteirada, Geimlwa-, aaaveaii uellollaihia LavaleaHti, Albino.-
Outro do mesmo, pedindo que a camara, ma- Jose Parreira da Cunha, Bartiiolonieu Lourenco,
nicipal de suas ordeqs ifinde ser >eparado o Gassiaao. Jusa Marmho, i arolii*a Eusebia deSouza,
Bellini Lins Cavtlcanto Pessoa, Francisco Antonio
daBoia, Francisco Jose da Sdva Gtiedes, Pran-r
Cisco M.' Tivara*(i), 11 Tniogeaa de-Brrt) Corrda
e outras, Heraielmo.. fiaysio da : Silva Canav"*,
Ignaeio Xavier de Paula Rocaa, luiiio Jose de
pequeno quarto que serve de quarlel ao dbsta-
caaiaato da ribeira da Boa-^/ista, e qae- forneca
um cubo dn madeira para o mesmo quarto,
conforme solicita o Dr., chefe de policia sm ofn-'-
cio de 21 do corrente sob b. 403. Ao fiscal para
m.iiidar fazer Os reparos e lornecer o cubo.
I'm a pt-ti'.-ao de Jose Fernandes Lima,, com
despacho di Exm. pres dente da proviBcid; inaB -
daodo a camara informar. io engenheiro para
innirmar. e depois a commissao de edifleacao.
dm olHcio do engenheiro eordcador, daado
eselarecfmentos acerea do aferro da pontezioha
doi Ltica.Inteirada e que se remetta copia do
mesmo ofBcio ao Exm. presidents.
Uma infprma^to do mesmo-, acerea do? re--
paros que necessita o quarto'proximo ao quese
a;ba o destacamenlo da -ribeira da Boa-Via.-
Inteirada e se cxpsa ordem para se efleetuar
os coucertos.
Outra do mesmo, relativamente ao logradouro
public, BO lugar da Passagem da Magiialena.
Foi nomeada uma commissao composta dos Srs.
SantiAona, Jose denAae*edo,,Joaquim. Rodrigupa
das Cotias, Jaciotho Josa de-Asdrade,- J-ise do.
Nascimenio. AlauiiienHM>K Joaqaiw.. AiianwQ.de
biaaq Joao da Costa Gndanlio,- Luwo Jose de Car-
vallio, Luia EluarJo de H-dlaada, Maria Bernnr-
dina Monteiro, Manoel Tavares de Aquina, Maria
dos Prazeres da, Goixeiaao Araujo, L'rsulino da
Cunha Torreaw-e Victoriauo Figiwira Curado.
Nada mais haveqdo.o Sr. preidBtB eBcerroa a
sessao asduas e mekt horas ira tafdB:
Eu, Francisco Augusta ia G >st, secretario, a
escrevi.
Manoel Joaqnim do Ret Albuqturfue; pre:
sidente. Jose Varbi Pretrf Gameiro.Jo$e Pedro
d Neoes. Theedoro ttmehadn Freire Pertira da
Silva.Joao da Cunha Soares GuiiiMraes.Bel-
larmino do Rego Barros.
T.UiELLA DO REXDIIIENTODAALFANDEGA.DE' PEUNAAIBUCO DO MEZ DE MARCO DE I87i
DO CORRENTE ANNO F1NANCEIRO, COMPARADO COM 0 DE IGUAES MEZSS DOS
DOUS ANNOS ULTIMOS.
Importacdo
Direitos de consumo.....................
Dito de augmento de 40 %, 34 */. e 48 0/y.
Dito de dKo de 35'/....................
Dito de dito do 31/., S3 0/o e zl 0/o.......
Ditos addicionaes de o %.................
Expedients de 8 / do* geoeros livres de di-
reitos de consumo...................
Armaxenagem................".........
1873 a 1814
Despaclio maritime
Ancoragem.
Exporiacuo
Direitos de 15 % do pao brasil..........
Ditos de 9 % de exportacao...............
Ditos de 2 l/z <>/, idem....................
Ditos de 1 1/2 % do ouro em barra.......
Ditos de 1 % dos -diamante*...............
Expedients das capatazias................
Interior
Renda da typograpbia nacional............
iproporcional por verba......
ftxo......................
adhesivo..................
Emolumentos ..........................
Imposto de transmissao de propriedade, a sa
li -r : de 5 */ da venda de embarcacao...
Dito de 1 % da arreraatacao de hens moveis.
Extraordinaria
fteceita eventual.
Depositos
Depositos do diversas origens.............
Dizimos da provincia das Alagoae..........
Dito da pnivincia-da Parahyfea............
Dito da provincia do Rio Grande do Norte.
Contribuirao para a casa de caridade.......
475.-106*973
151:3015234
4:347*784
M:S*lft9t|
2:051*333
8.l2llM2t4
212M>3
1872 d 1878
639:33257:)
167:144/1171
5:406* 23o
121:547*853
4:269*568
168^606
66:>:360*S65
3:918*641
159:733*43t;
*1?0
8i9:022s8l
13*000
1:013*000
743*060
23*200
1:675*549
S32:494*440
8:124*583
3:269*699
843:88^*722
937:869*163
^:892*.)00
2 i8:806*362
3J26.)
522:620*613
138:204*306
3:543*506
94:711*760
2:860*i99
2:707*875
porque te dautniflcou a nadpou*s predios
Prejudicial ainda, porque se oneiou os co-
4res- provitteiaes sem necessidaaVi/ faeando-os pa-
gar integralmente a importaacia de apparelhos,
encanamenios e mensalidndes, parr depois-ir hae-
la;,.do partiolaryde modo iiue,coo agora.aue-
-oede, a feliz empreza ji'.recebeu.. mil contos, dos
qi;aes a pruviucia esta pigando jure*e quena ra-
aajdaVparie constiiue sua divita pas*ia, ein
qaaato que ell a mat tern arreoadado 82 contos,
su.n fallar em^e tornar laas repartigods puhlieas
agentep arrecadadores de uma empreza. particular.,
fa 'ores nuoca concedidpt, e so dados a feliz
Drainage, pjr.juesuul>cfa:er a couta de- compa-
nhial
Escandaloso e se ter feito um contrato sem au-
dtencia das obras publicate da., thesouraria pro-
viacial. fazen to se desapparecer tad >. ate as. plan.
tas, a socapa, aprassadaaieoto oom.i conlrabaodo
qua se passa M occialias e as oarnetras I
Giroparai isto.ejra a que se dau com a modifi-
oacao feita no contrato do Litoaejro, pelo actual
pr'sidi'Qlee ilizci depots se poderdes, se para Ua
to tiverdes-cyaismo, onile estao escandalo so no que
contrata, so tendo emjvista o -bem pullico, ou se
coma no caao da Drainage e de -Mofnay, so se at
teudando-aos in/ere.;se f &>& amigps !
Nesse. contrato fez um escandalo o actual pre-
sidoate-j fez.quo euii beuoiicio da pruviucia se
obti-vesse dez por- ceuto de abate.no valor da car
nadisasae e 12 u> dos apuaraltlos.
Fez ainda-outw escandalodesoobjiro escind-ilo,
a patoti,- a miseria dosempre es. andaloso, nefas-
16 e amaldi^jadocontrato da Drainage I
Teodes raaao, procinctartP*, grim, contra esse
esciiidaU) I Pane quo esta presidents go metteu a
jiescobrir essas beltezaf ? Por veutura nao vio
este^uetudo isso foi o.ira dos/ionraJos libeidn
dniros ?
Dovia- ealar-3 e deixar os homens pavonear-
se e comtr o qua tiveram... pelo cootcalo..
Hour a da gaute I
1.195:571*285
1S0O0
43*720
705*0-H)
847*400
6*500
5:547*130
1,199:722*041
. a:iii*285
10:324*542
H 5*318
2:003*313
1 2I7:569*i99
1,096:876*970
1:298*200
776*600
548*460
1:420*203
1:100:920*433
1:748*464
1:340*680
23:093*30!
1:053*181
1:938*344
1,132:115*693
Alfandega de Pernambuco,
0 chefe da 2a secc.lo,
Pedro Lopes, Bmirigues.
31 de mar;o de 1874.
0 3 escriptarario,
Francisco Ispes Cardim.
PARTE POLITIGA
PARTIOO H9)EEIV.49]K
RECIFE, 11 HE ABRrt DE 1874.
11
do
corpo do
da% podara aa leigo fiter esta sc/teusaidade em a! dencia indieasse dessonhan?a. ou fwdnsse offeader Isem gravame nodesse, passa'do um certo Butnero
nava J. ijH-aja. m frente d. altar, qae vulgar
me.'ite se cliama sepnlchro, onde o Santissicno Sa-
cranento osta expos to para a adoraean f
'< 5" duvida. -N) caso, porem, negatiw, polera
eWehrar a rnesma iocia um leigo, provedor, pre-
sil.-nte ou juiz de irmandade, em capella particu-
lar on em algum salao da casa, valgo-hospital da
Misericoriia.'aonde se tecolbefli os enfermos po-
brc.i para seram enrados ? E, pademlo faze-lo, da
qua modo t com que rito ? coin que miaistrw,
clerigos ou seeulares ?
i' duvida.lie, porem, em algora lagar vigo
ra ou to preteode inlroJiun ~> ciat'ime de prefe-
rir um leigo, pruvedor ou juiz dairmandade, ao
tsciir Into reveslido com as m nistros aagrados pa-
n fazer a tocao dos pa*, porventnra niio devera
ser i-xtirpado como um abuso iatoleravel 1
5" iluvida. Semelhaute ahuso ou sijoi^nte a
pr.-i-ii.ao de introdutirj ainla n)s lugares a igre-
jas i-eutai, b;V> pjdora reprirair o ordinarin por
diri-it-'i nniprio na ao menw earn-) dulegado da
aa na se apostolia 1
\ Besma sagrada cangregasio, depois de ou
vir nao so o retaPjrio d ) secrataria, qua subscre-
ve : mij inda-o!Vei i* scriptis de ou'.ra d'entra
m iHxstm^da eereraonias aonstolicas, julgou qne
a< duvidas propostas se devia respondar desto
no I
V W Nao serlictto : e qae ahead dos pds de-
veU'.er.o -isrdotd as*iati^3 Jos minhtro* sagra-
da- onfor.-ne esf.i preseripu na rtibrica d i
ml j ) lumta-feira m Coma Domini.
i A' i^New ainla a* podem (zer o
Arreganhos com o coiamandante
polieia.
Sempre menticulosa, sempre com caracter du-
plice, a Provincii entoade que tones devem segair
seas dictaraes e resar por ;oa cartilaa I
Votanio ao commandante de policia ogerisa
velha, oonscia de qu9 achal-o-ha snmpre de frene,
a Prwitteia faz contra elle repetidas accu.'acoes.
Davendo dar attencao as aeeusacoes da impren
sa, desejoso de ver plenameate jostifieado esse
fuacciouario, a president delle exigio informa-
cSes a respeito dos factos par qae era accosada
Victoriosaraante respondea o commandante, e
por isso justUtcado o procader e marecida a con-
iianca, contiouou em tao posto.
sobre esse ponto, porem, aehmi a presidpnoia
conveaieote providenciar, sem. qua eaaaa nrevi
mesmo commandante!
AProvineia p rein desejava outra attun*
fiueria com a raeolira semcara discordia, e.ia-
sidiosanteote preparar o deiitiow nectar- de .ver
ddsimidos adversarios politiccsl
i Por outra, a Pr-toineia tern a smplidiaieie
crer q,i todos podej) ser seus instruments I
Sen* prestar-se as vistas -da Proomcia,.a prasi
denciacninprio o seu deer, iryodiaou, como Die
eampria, dos factos qua se publicava, enabora
pouco ou aenhum eradiu nasne-'-sse a foi ha imla
foram tusendos ; syndioanda dea lugar a justid-
Baaac, e fraooo-e independents provido:iou como
aehou oaveniBBta,- e assim, taantendo-se em sua
jj-t i po.-iei>, faz o que cumpria, marecendo a ap-
prova^ao dos que julgam. os faetos pelo que elies
mente nao'foi delle igualmeate ; nessa contrato
nao ha um so parent?, por ahaidade sequer do
actnal presidente, as raodiflcacSes feitas par elle
no mesmo contrato nao foram em beneflcio dos
contratantes, mas da- Provincia. Em que pois
consiste esse escandtlo ?
Sara cm tero presidente actual feito dar melhor
direr-can, fazendo que a ostrada procurasse luga
res mais povoados e produetore?. dimiauindo o
custo dVlla por avitar ponies, etc. I
Sera por ter sobr'estado na cessao de lerrenos
naciooaes de raao beijada como fora nrdenado
por um de sem antecessores ?
Seri por ter consegajdii qne em beaeficio do
asylo de aliedados fossem doados quarenta centos
de reis, que em outras epocha's se dividiam por
algum felizesf
Stra .por .ter marcadn II / m vez de R para a
reducfio da tariCa, corao esuva-estabalecido ?
Sera em ter resalvaguardado as readas da pro
vincia, pfyvidenciando de modo a ser'inde:nuisada
a mesma provincia, maodaudo que logo que at-
tiagisse a 11. *^"fossa dividiua', em ires partas e
uma das quaes, constituisse renda provincial ?
Sera em ter contralado de modo que a provineia,
de annos, ficar com a diia estrada, sem indent
Bisacio no dm do.prazo ?
Tal vez % Mas, esse escandalo so pode ser eon-
siderado tat por aquelle* que viviam deescandii-
los, oa pelo* inlerassados qne pnr esse modo
n) auferetn lucros niaieres. Esse3 euandalos
.mereceram a eJogio do insuspeito jaiz, o Sr.
. j Christiana Ottooi, Jibvrai.nao liberdadeiro, e como
B professional'a asla,di-U trezentos'furos acima dos
professiouaes e esUd*6tas da Provincia !
ESo its homens ilo coulralos Mornay 4 Drai-
nage, Jtos contrat-xs Maridnas, .etc. etc., quefallara
eiaeseandalos! Am um Uneetis, amice I E' para
fazer -nr o mais grave aos homens I
Escan lalo -DeciJ^fttmeote os procincianos
tallar de si f. luazaca,
querem Cllar de si I Lazaro, zomba comsigu
valemi a nio pelo'pfisma dag nninioei [Mtrt'darias. j nJ**"0 1 Por q'uetn sou, acordai I nio falleis em
A Provineia, porem, n5o pode perdoar aquejlesi eseandalt), p rque o, povo vo pode apedrejar.
qu". nio quera.n sor seus inntrumeolos. Pasaomii ao quarto poato.
E' o facto de sa emoregar o rifao vulgar : ou
os hoipens que a dirigein sao toJosoo oraem....
pasMaet I
V i n.is-ao 3* poolo..
0 escandaloso eoatrato da estrada ds.ferro dc>
I/muetro I -
Se hi accusaeio infundada, se ha calomoia mi-.
sefU'el. se ha deClamacio paeril e osta da Pro
tineii !
"isam-esam bomeas esta esm Ddalo. Aoada
ia i. JeciiBaram,- era qua .falha n preeisaram ? O
io tern tamlwra a sua andacia I
intratodo presWenteaJo foi feito pelo actual1
la ita, as. iBod-dca{<5e gui leva poslerior'
A falsiiieacao feita na aecretarta- an contrato
Orainag.i )
Docklidamente os homens ambtigaram as gar-
rafts que tintwm it -rmerva, actaJreem fatlar com
seus fcroeios f
Que despian.'e 1
, Qaartdo o pariilo eonwrvaJor a-iftumio o polar
j ja estava falsiircado o eootrak) Drainage;sa hoove
fafethVaeaa. e nao extstlaia n*aecretiria o em-
pregao!) qua n eszravBtte daeoja ietra.a o accres*'
een-iam. ni.) feiio no artigo raapado-e iltorada.
ie el i e j verdaaarooB]0 e qae a Prouincia ac-
UBUCAC8Er*PEDIB0
A'Ijumlecissiciato iPiis;on a Chilr
do Ilecifc.
II
Visto i|ue a eompanli.a Baberibe solicita da as
<1 a 187B semblea provincial a prorogacaa do jirazo dei sua.
existencia, como n'ol-o aanuncia o relatorio do Sr
ca[iitaaPereira de Magalhaes, nao_ sera fora de
proposito examinar se essa prpten.ao c raZoavel,
e com que eondiQfies podera ser delerida.
Em tal estudo nao se devem perder de vista os
meios de que disp5e a companhia, para bem des-
erapenhar os compromisos que ja ajquerio, e os
quo ainda pode adquerir para ibter a concassao
que deseja.
A questao e muito seria, e nao esqueca a assem-
blea provincial, quo grande sera a sua rcsponsa-
761:648*549 bilidade na resolucao que tomar.
Dieemos no art. anterior, qua ningucni sabia se
a tompanhia estava habilitada a supprir, no pre-
9 sen to a. nofuturo, a quantidade d'agua pracisa a
populaeao desta cidade a seus arrabaldes ; mas se
quizer-mos julgar pelo fact> constaoto e. sentido
por todos, chegareatos a conclusao de que com os
mananciaes que ella actualmente possue,, e impos-
16*31 i sival quepossa satisfazer as access dades do pre-
sente, e muito menos as do futuro.
A que causas se deve atribuir a escassez d'agua
que na quadra do verao, priocipalmente, se notaj
' nos chafaiizes a petinas particularas ?
Oue vulume d'agua podem fornecer os depositos
da ooBipaabia ?
Qual a base qae ella tomou para o consumo
diarin, r lativam-'nta a cada pessoa, em amxpopu-
lacao de 80,000 a 100,000 almas ?
Eis a questao de que parece que niaguom se
tern occupado, c que antes de tudo cmveui re
solver.
Alguns esludos sobre a materia foram outf'ora
leltos pelo Sr. Wanthier, mas ficaram perdido?, e
niDguem hoje podera dar noticia deHes. Na-re-
par ticao das obras publicas mesmo, cremos que
nada existe a e-se respeito.
A lei n. 46 determinava que a agua potavel para
0 foruecimento da cidade fosse extrahida do ria-
cho da Praia, acuda teiro ou do rio Beberibe.
Esta clansula, como ja vimos no arligo anterior,
foi derogada pela lei n. 87, que permil'.io a com -
panhia trazer agua do lugar qua mais coaveniente
1 he fosse.
Tratando-se de escolher os maaaneiaes e dar
execucao a empreza, dous. planes foram aprosan
tados, um dos Srs. Conrado a Bellegarde, qua a
chamado da companhia. tinham vrndo a esta pro-
vincia, e outro do Sr. Waulhler.
Ou fosse porque o piano desta exfgitse ohras mai-
complicadas e de genero intairamente novo, e pa-
recusse mats dispendioso, ou fosse mesmo por um
mal entendido espirito de nacionalidade, que n'a-
lueila epoca ainda- achava abrigo entra pessoas
alias de posicao aaaKficala, foi aceito e executado
o piano dos engaoheiros nac.onae*.
Opinava o Sr. Wauihier qua, atlento o natural
desanvolvimento que devia tomar a cidade, dintro
em poucos annos o manancial do Praia soria insuf-
flciente para abastecel-a, ainda mesmo tomaodo-se
por base do consumo o limite raiuino de 20 litros
diarios por eada habitante, comprehendides os uzos
domesticos, as lavagens exteriores, as bebidas dos
animaes, os gastos das oflleinas e fubricas, as regas
da jardins etc. etc. Por isso pfonunciava-se pela
can.'ilisacao dorio Baberiha, constreindo-se nesta
cidadt altos depo-ito; ntunidos de liltreiros, a que
as aguas seriam elevadas por poderosas bombas
.4e pressio, e donde sahiram para o consuno ex-
purgadas de quaesquer impuridades, principal-
men ;e das materias organtcaa conduzi las em sus
pensio pela corrente, que taato prejudicatn as
qualidades hegyanicas da agua.
Piopunha ainda ajnelle engenheiro, qua a pas-
aagem d'agua.de am para outro bairo fosse feita
por meio de sifties ass-mta-los no leilo do rio, e
nao por meio de canes collocados 'nas ponies do
governo, 3ujcitos as alterai^ks e.accidentes que
nellasoccorressem, e qua pidiam um dia ser cau
sa de algum dos bairrea ficar privado d'agna.
" Mesnao pelo. lado eoonomico, alem de segurauga,
o systema de si foes era preferivel; porque aao.
licavam e tos a certas contingencias, o dependentet das alto-
ra.Sas, madancas ou concerKts qua se livesse de
fazer nas ponies o q-ie seria sempre, luna fonte de
lespeza para a companhia.
Mas como o systen eradescoatieeido eatra aos
e soda novidade n'aqulla epoca assustava, foi re-
pellido, e nunca mats se pensou nelle; de tal modo
que ;.inda alii uameute foram aproveitados os es-
teins la finaia ponte' provlsoria da Recife, a com
eiles foi arvorado am nqueducto, qua ahi perma-
oece como montiuseato de nossa tneuria e mao
gostoi
Segundo o relat irio doSr. ex-director das obras
poMreas, a que nos temos referido, pretende a
companhia Baberibe conatruir uma torro hydrau-
lics nas eundiccoes de fornecer agua- a todas as
altaras dos editicios.exudeiuas, e para uiu trata de
escollier nm terreno na fregaezia de Santa Aolo-
dade.
Allega a companhia a acquisicio que fez do en-
genho Dous lrmaos,a esp^ra com isto, segundo
ao Io liz o Sr. enpBhlke Tilmrclo do Maftrmiaa,
*atl*fazer as exigajciasda. popnlapo, sera deixar
de procurar novas fontta para sua fntnra ga-
raiHia. j.
Que tal acquisicio sirva da garar.tia, ou pre
texto para a companhia obter futaros favores do
governo ; e qua com providenehtsde igual jaea va
alcatiean lo prorogacocs a'a que Ihe seja garantida
a perpetuidade do prtvilegio, aao duv'rdamos.
Mas que a simples compra daquelle engenho
sejs-agarautia de nm satisfaelorio a abundaoje
fornecimento a populacao, e o que pomos em du
'da.. 2
E se nao, digs nps ainda a companhia : que
volume d'agua podem fbrnecer diariamnnte, qner
de invarno, qner da- verao, os-dous mananciaes
reunidos, do Pratt e Doas Irmaos T que quanti-
dade de litros destiaa a cada pessoa era 24
horas t
Se ha 32 annos passadns, p,'diam parecer sufli-
ciente 20 litros, comprehendidos todos os servicos,
hoje, ijiie a seiancla tem-se occupado da materia
que os conhecimentos sobre ella muito se tem
alargado, nao podeMos contentar-nos eom tao de-
rainuto consumo, que e menos da metade do que
se deve exigfr.
Quamlu c< m- referenda a uma cidade populosa,
calculate uma cerla quantidade d'agua'por cada
habitante, nao se tem em vista somente o consumo
das pes.-oas ; conta se tambem com o dos aoimaes
e cousas de quo se servem essas pessoas.
No seu jVat'ido theorieo e praticoda canalisa-
cao e distribuicao das aguas, eslabelece Dapqit
as seguinles bazes para as concessfies de pennas
d'agua:
Por pessoa (diariamenle) .
Por cavallo.......
Par carro de duas rodas .
Por dito da quatro ditas .
Pot metro quadrado de jardim
(501 litros por anno) por dia .
Ror foroa- de cavallo, de uma ma-
chiaa de alta pressao .
Por inacbina de conduccao
Por dita de baixa paessao .
Por banbo.......
Pirlitro de cerveja feita .
Com estas bazes o consumo de Paris regula, par
50 litros diarios por. habitante, e todavia Paris nao
e a oidade qne sa possa tomar par modeio, bo ser-
vic> de que nos occupamos; esta abaixo de outras
inuitas, e na catliegoria da Edimbourgo, como se
ve do quadro seguinte :
Numero de litros p-ir habi'.ante, em 24 horas.
20 itros
75
40
75
1,30 D
1
10
20 a
300
4 a
994
568
400
186
12(1
100
95
74
70
50
Rnma moderna
New-York
GareaaaoM
Marselha
Geneva
Glalcow
Loadres
Genatua
Philadelphja
Edimbourgo
Cumpre, porem, confessar que it municipalidade
e Paris nao esta satisfeita com o fornecimento
actual; a grandes trabalhos tem si Jo emprebendi-
dns, sob a direccao le- habeis engenheiros, para
'eva-lo a 115 litros por habitante. E ahi.niio pa-
ram ainda as aspiracoes da grande cidade que se
diz a capital do mundo civilisado, que ambtciona
chegar a obtec ate 267 litros, de modo que as
.aguas fornecidas pelo canal de Ourncq, pelos pocos
aiteziaoosi pela fonte d'Arcueil e pelas desoito
bombas coilocadas no Senna, o que tudo da 120
milhoos de litros diarios, sejam exclusivamente em-
pregados na limpeza da cidade e irrigacSes das
ruas.
a Nio nos apressenos di-Tissandier, em cele
brar coin louvores o futuro systema de destribui-
cao d'agua ua uossa brilhantemetropole... Uma
vaz termioailos os traballus, Paris dispora de 276
litros por habitante ; este resultado e digno de ad-
miragao quando so pensa no unieo litro d'agua
qua recebiam nossos avos, mas e bem mo lesio em
comparagao ao volume d'agua para, que recebia a
Roma antiga, e que se elavava a mais.de i,200
litros por dia para cada habitante 1
Nao nos passa pela mente pretender que a com-
panhia Beberibe faca obras romanas.nemque em-
pregtio esforcos iguaes aos daadministracao muni-
cipal da Paris.
Trabalhos de tal magnitude nao o podem fazer
companhias particulars ; so os goveraos, i|ue aao
visam lucres, e sim a satisfacao das necessidades
pulicas, podem emprahende-los.
Uem disto seria loucura exigi-los eutre nos:
baita-nos um fornecimento mjdasto, e e isto o que
pedimos.
Se nos referimos ao que a esse respeitb se tem
feito em outros poizes, 6 quanta atten.ao, desdaa antiguidada, tem os pode-
res publicos prestado a este grande probletua, que
entra nos deve ser resolvid > com o maxirao cui-
dado, attendenda a que vivemos em uma cidade
inter-tropical, onde o consumo d'agua deve ser
maiordo que nas dos paizes frios.
Mas como este aitigo ja vai largo, reservamos
o que temos ainda a dizer, para o seguinte.
8 de abril.
Lucia Luna.
escn-
Pelizario Gomes Chacon de Leao, alfares.
Marcolino Santiago Vascoecellos Leitao. de Al-
buquerque, empregado publico.
AnUBio-Cavalcaata da Albuquerque, idem.
Antonio Porfirio da Cunha,1agrienltor.
Joaquira Antmio Gardeiro de Mello, negoelante.
Alferes Manoel Astoaio te Rocha Ucboa, jnii dt
paz de Crnangy.
Tenente Joao Baptista ds Arruda, camarista
Alferes Francisco Xavier da Silva Aria, pro
prietario.
Antonio Gomes de Andrade, senhor de enge-
nho.
Praneisco Xavier de Moraaa Vasooneellos, agri-
cultor.
Domingos Xavier de Moraes Andrade, seobor
de eugenho.
Sargento Sabiao Doarado Gavalcante, comman-
dante do destacamento da guarda nacional.
Afvaro de Lunt Prelre, proprietirio e Bege-
ciante.
Francisco Jose de Souza Pinto, negociante.
Joao Gameiro de Mesquitt e Mello, idem.
Joao Carneiro Guedes Gavalcante, idem.
Manoel Alvcs Moreira, idem.
Antonio Baptist! de Souza, idem.
Jose Prancir ej de Souza, proprietaries
Manoel Carneiro de Mesquitt Gavalcante, ne-
gociante.
Belmiro Gomes de Mello, idem.
Joaquim Antonio Ferreira, artista.
Joaquim Jose Rocha, idem. -
Jose de Araujo Pereira de Mello, idem.
EstSo selladas e reconhecidas.
------^-
(OIIII.& .
DA
Siiulissima Triodade.
Neste cstabeleeimenlo de instruccao e ednearao
de meninas, sob a diractoria da Etrna. Sra. D.
Philomena Jersey, e suas Exmas irmis D. LaaHa-
lina Jersey e D. Ormdlnar Jersey, admittem se edu-
candas median te a pensao mensal de 409,- senv
mais tutra despeza, e aprendem: lingua nacional,
inglez, francez e Italians, fallar, eserever e-tradu-
zir; geographia, arirhmetica, histona, piano, dan-
ca, musica e desenha; tdda a especie do bordadi",
e os melhorfls principios da religiao chri-la No
interior da estabelecimento falla-se somente fran-
cez, e e incompativel o professorato do sexo m,v -
culrno.
C'omo se
desiri>e o
arruini e
Cllll Cl Io.
Conserve-se o craneo e as raizes do cabeho cotr-
tinuadamente salurados com oleos, e a calvjcf,
pode se esperar com resultado segnro e inevi-
lavel.
L'ma relaxacao geral da membrana em que' as
fibras nascem, as faz afrouxar e cahir. PoTew
por outro lado, pelo contrarto os tegumenjo*-
a vasos sup'-rliciaes da cab;ca se f rtalecem e
fortiti .'am com aquelle lino e admiravel vigorador
vegetal 4 Tonico Oriental, o qual se altenve
adhere firmemente as raizes do cabello, dando cop
e nutrimento em abundancia aos tuvas, assegn-
rando por este modo uma magnified cabelladnra.
evitando ao mesmo tempo a apparedcia prematara
das cans.
JUNTA DOS CORfiETORES
Praca do Itecife, IO de bril
de 1H7*.
A3 3 HORAS DA TARDE
COTa^OES officiaes.
Algodao da 1'araliyba 1' sorte 8*050 por 15
kilos posto a bordo a frete de 5j8 e 5 0|f>;
honteni.
Dito de dita dita S*1C0 por 15 kilos, frete de
111 Hi e ri OlO, hontem.
Algodao de Maceio 1* sorte 8*3(0 por 15 kifas,
frete de 7|8 e 5 0|0, honteui.
Algodao do Rio Grande do Norte 7*780 por 15
kites, frete de 1 I|1C e 50(0, hontem.
Assucar bruto baixo 1*."00 por 15 kilos.
Assucar Canal 14200 por 13 kilos.
Co urns salgados seccos 544 rs. o kilo.
Gambia sobre Loadres a 90 d|v. 26 1 ji -d. poj
1*000, hontem e hoje.
Dito sobre dito a 90 d|v. 26 d. por 1*000, ban-
cario.
Cambio sobre Lisboa a 90 d|v. 102 e 107 OpO
de premio.
Cambio sobre o R o de Janeiro a 15 drv. ao pir.
hontem.
. B. de Vasconcetlos
Presidente.
A. P. deLemos
Secretario.

ALPANDEC
Reodanenio do dia 1 a 9 '
(dam do dia 10. *
A.
284:407*42:*
38:956; 036
321363*51?
I ni vot< de j^ratidfto
Sentimos qua d'entre nos se retire para essa ca-
pital o Illm. Sr. capitao Antonio Gracindo do Gns-
tnaa Lobo, que tao digna e merecidameute cxereea
o importante cargo de'delegado de policia do
termn de Itambe, e que acaba de ser delle exo-
nerado.
No momenlo da despedida nio podia.mos a nem
deviamos ser indilferentes ao. bora procedimento
que teve tao dislincto official, durante os mezes
qua comBcsci) esteve, a aos innumeros servicos que
prestou, garantindo a boa ordem de toda comarca,.
e som ella os nossos direitos de cidadaos paciflcos;
e por isso, dispense nos sua modestia, por virroos
do alto da imprensa testemunhar os nossos votos
de sincera etima e cordial gratidao por esses seus
relevatitissimos servicos, prestados a caasa oom-
mum, e recommendaveis por mais de um titulo.
Fiel cumpridor da lei; sen:pie recto nas func-
coas de seu cargo, brundo e ao mesmo tempo
energico, por excellencia justiceiro, honesto e de
trato ameno, o Sr. capitao Gracin-lo Lobo, sabendo Baroa iugleza Ida (arribada
nio.
: A idea, reaimenie, e Ma; e dede ja felmitaria
mo* ;. compantia, se tivessemos a certeaa de que
ella pretende fazer uma obra-eomplata, maniido
as suis torras hydraulieas de flitreiraj, como pro-
pnnh> o Sr. Waathier, e oomo- aefaz m muiias
Cidadt da Europa,. onde se cuida-iseriamente da
isfarcmiia.il
3 p.ate? .'oi
ae o asseutafflehto dos ca
i uma coaawato feita pcio ,
cusain actual adqnif3traJor deter -sido fail* a (no c t 094 isto cotwto ua
fjisjfieaeio na i%a sscreMru. iadic.aado b,,- easelrapartcao das '^ras publicas.
coiiacar-se na altura de sua dignidade, jamais se
soccorreu de suas attributes bonrosas, para cons-
tituir-se am instrameuto asado a- lulas que Ihe
offereoeram um ou dons desalTectos seus, a des-
paito tao somente de um mal entendido capricbo.
Os factos o demonslraro, e nem ha para que se
diga 0 contrario, a menos que 0 veo da calumnia
nab se estenda no sanluario da verdada.
Sirvam estas poucas linhas para manifostar ao
publico seusato, e sem distinccao de cores politi-
cas, quanto aos deve- ser sensivel a auseneia de
tao conspicao militar, a qaera, concluiado, pedimos
nos-desculpe a espontaneidade desta nossa fraa-
queza; derivala puramente dos seotimentos reaes
que natrimos no coraeao-a seu- respeito.
Itambe, 24 de marco de 1874.
Padre Antonio Rulino Severiano da Cnnha, vi-
gario do Desterro.
Padre Antonio Gonero30 Bandeira, coadjuctor.
Pr. Alberto de Santa Augusta Gabral de Vas-
concetlos, prior do convento do Carmo da Parahy-
ba, e capellio de Crnangy.
Bacharel Joaquim Franrisco Gavalcante Linr,
tenente coronet
Augusto Genuino de Albuquerque Gusmao, ma-
jor.
Antonio Gon$alve< deOltveira, capitao.
Tenente Custodio Jose de Souta Pinto, pro-pre-
sidente da oamara.
Josd Praneisco de Moraes Vss^nnneHos, delegado
litterario de Griiaagy.
Jos6 Thales de Malb, collector.
I Antonio Gomes Cordeiro de Mello, tenente-ci-
rorgi*).
Aatoaio Rulino Mopteiro, alferes.. .
Jose Teixeira Borba, leneute.
Bacharel Maxiraiano Francisco Duarle, advo-
gado
Capitao Rorooaldo Primo Cavalcaote de Albu-
querque, 1." tabelliao do publico e escrivao de
orphaos.
Capitao Agripino de Souza Leao, proprietario.
TeBsnte Joao Pires Parreira, delegado de policia
de Itambe.
Alferes Franoisea Ignaeio d'e.Mr tlelegado da Gruangy.
Alferes Francisco Cabral de Mello Cavalcaate,
stibdelegadodefi. Vicente.
Alfurei Joao *pJtstai ttgo- CavaJiauta, subde-
lagado em exercie-io, do Pedras de Poga.
AntoQiu Joaquim daiSoat> ijiuia, esrrtvaa daai
h.nas.
Descarregam hoje 11 de abril de 1874.
Barca ingleza Aureola (atracada) mercadorias
para alfandega.
Polaca hespanholai/errj-difa (atracada) vinhof
para alfam! ga.
Brigue portuguez Bella Figueuense -mercado-
rias para alfandega.
Lugre portuguez Julio pedras para 0 !ra-
picbe Coneeicao, para despachar.
Galera portugueza Lisboa pedras para 0 Ira-
. piche. Coneeicao, para despachar.
Brigue austriaco Die Ziwer Bruder tariahi ia
despachada para 0 caes do Apollo.
Brigue iuglez Lizzie & Kale farinha ja despa-
chada para 0 caes do Apollo.
Barca hespanhola D. Luiza materiaes para a
empreza da companhia locomotora, para
1 0 caes 22 de Novembro. |
Brigue fraaeezSl.nes de Soumachs n.2 mat?-
riaes para a empreza da companhia lo-
comotora, para 0. caes 22 de Novembro.
Barca ingleza -Dolphin -materiaes para a empre-
za da companhia locomotora, para 0 caes
22 de Novembro.
carvSo para
deposito no trapiche do Barao do Livra
mento, a rua dBrum.
Patacho nacirual Jaboatao varios generos para
0 trapiche Coneeicao, para despachar.
Barca franceza Inirepidc Corse mercadorias
para alfandega.
9 DH
DSSPAGHOS DE EXPORTACAO NO DIA
ABRIL DE 1874.
Para os >?orro* do exterior.
Na galera portugueza India, para Liverpool,
carregiu: M. M. Monteiro 89 saccaa com 7,001
1|2 kilos de algodao.
No lugar francez Rio Grande, para 0 Havae,.
carregou : E A. llurle 4 C. 600 couros salgados
com 12,600 kilos.
Na baroa portugueza Alexandre Herculano,
para Lisboa, carregoa : Aawrim Irmaos 4 C. 20
saccos com l,5')u kiloa.de assusar maaoavado.
Na barca portugueza Firmeza, para Lisboa.
carregou: M. L. Paes Barreto 100 saccos cena
7,500 kilos de assucar mascavado : para o Port*.
J. G. Pigueira 42 saccas com 3,140 ditos da algo-
dao, e 4 volumes dilTerentes objeetos.
- No brigue portuguez Florinda, para o Porto,
carregou : S. Monteiro 4C. Ill saecaa com 9,44P
1|2 kilos de algodao.
No brigui hespanhol fioawnftco, paravo Rio
ia Prats, carregou; J. B. Moreira 4,000 cocw
(fructa).
Para os portos do inttrxor.
Para 0 Rio de Janeiro, no vapor brasikiro
Cruzeiro do Sul, carregou : A. F. Santiago 1^008
caws {fractal; A. P. Balthar 500 saceos cddi
37,500 kios de assaear branco ; Dr. Gasaar
Drummond 1 caixa eom 30 ditos de doca a 2 bar-
ricas com 150 ditos da assucar branco : para a
Bahia, F. J. Soares do Araaral 2 ditas com 80 discs
Je dito.
Para 0 Rio Grande do Sul. no patacho por-
tuguez Adeline, carregou : P. Vianna & G 40^
saceos com 30<00ft kilos doassucar branoo.
Para o Rio Grtadd do Sul, no patacho tara-
sileiro 6raga, carrpgou : Ansorim Irmaas \-.)C..
500 barneas c-Mi 49,080. kilos de assucar branco.
Parao-Maraohao.no vapor nacionai t7#ori,
carregou: F Ranwj 4 G 10 barricas com 942
kilas de ass near branco; P. Vianna & C. 150
luuiw 0 m II 606 ditos dedtto : Ramos & Macha-
do 9 otto* com 8,125. ditos do dito ; C. J. Vianna
Junior 30 ditos com i,7it dito e 20. ditc*s-
com a,67 nitoi da>ditff ruacavado ; A. Gordeiri.
-

"
f
]
4
(
I
Capitao Joao da Cuefln-Omloaole, proprietario,! ISO--barncas cjto 10,270 diio de dito branco
Alfares loao Xoaea Peretri da .Silva, 3/aup-'para 0 Para, B, A. Burlc & G, |0 dilas com 647
1
iL
LS3


Dfcuto ^PeMtoiimc6i-^febliada !&.*. .-.Afarifi d* WU
i
*
V
^


.
ditos de dito ; A.,* MwhAo Junior 102 ditas
com 8,355 ditos rlerdTto.
wti ' *, .tartfous: P. J d*anr "i pipes com 2A80
I itros dd Agnanatnta .
-vPWaHtesard, on barcaea HiachueUo, car
i,dfjk: A J.. Santos Moreira 1 barricas com 180
fcjGlde assuc*r refinaJo.
CAt'ATAZU DA ALFANDEGA
rtaadimento d-ciia I a 9 5:32l*8.">3
.-J*n do dii 10 981*908
6:309*761
VOLUMES SAH1UOS
ft* dial a 9..... 9,787
No dia 10
flsuneira port*..... 113
Seganda poru ... .902
fwceira portt ..... .228
Quart* porta.....
inapicb* Concaigao ... 8i7
_UJ17
SERViCO MARJTIMO
Alxareaga* descarregad.vs no trapicte da
aifandega :
Mfcua...... #
JiMMO*."_. ........ J
Pare
Qaitd*
(StMnnrfcs-
LflSfOB
lAmego
Fayal.
TOIaMfoiCoade-
VSiia Retl
VidttaWs
Wzeu-
HM.ilftMH
FttMaaL
1o trapiche Conceigia .
42
RSCEBEDORIA DB RENDAS INTERNAS GE
RAES. DE PERNAMBUCc
ttapdjinenlp do dia, L a 9 9,4.84*381
*Hpdia 10 ... 2:17**300
CfcJiNSWiADO PROVliNfilAw
tten#Mento do dta i a 9 34:488*636
iceaoArta 10...... 3-.446J870
3*8W#d06
RRCfPR DRAINAGE.-
Rendimento do dia i a 9 1.3:763*036
\deradodjalO...... 2:549*695
~7fcit*731
ssents
mmmm
CONTRA O- FOGO. '
Acompanljia: Indemnisailer*, estabelecidf
aesta pra^a, toraa seguM* oiaritiraos. sobrt
ciavios e seas carregamentos e contra- fogc
era edificios, mercadorias e mobilias: ni
ma do Vigario n. 4, pavimento terreo.
COMPANHIAALLIANCA
seguros maritimos e terreb-
tres estabelecida na Bahi&
, em 15 de Janeiro em 1870
CAPITAL 4,O0O:OOO3JO0O.
Toma seguro de mercadorias e dinheiro
iico maritimo em na-vio de vela e vaporet
para dejatro e fora do imperio, assim corat
contra; fogo sobre predios, generos e fa
ronda%.
Agegie : Joaquim Jose Conceives Beltrao
'in doCommercio n. 5, 1" andar.
C0MPANHIA
Phcnix Pernambucana.
Tonja riscos maritimos em mercadorias.
.retes, dinheiro a risco e finalmente de qual-
juer natureza, em vapores, navios va" ela op
larcacae, a premios muito modicos.
RUA DO COMMERCIO N. 34.
Seguro
rut LIVERPOOL
contra-fogo
& LONDON & GLld
INSURANCE COMPANY
A^ences
SAUNDERS BROTHERS A C.
11Corpo Santo11
NORTHERN.
apitai..... 20,000:0003>O0l
fondo{ de reserva. 8,000:000?00(
Agcntes,
Mills. Latham A C.
RUA DA CRUZ N. 38.
Augasb F. iloSiveira k C.
A ca3 commercial e bancaria doAugusto
-j d'OJiveira & C, & rua do Commercio ns
42, eofarrega-se de execugSo de ordens
para cmbarque de prodoctos e do todos o*
mais negocios de commissiio, quercommer
oiaes, quer toancarios.
Decoqta lettras, e toma dinheiros a pre-
mio, cornpra cambiaes, o saca & vista e a
iazo, d voutade do to.naJor, sobre as se-
miintes pracas estrangeiras enacionaes :
liontlros. Sobre o union bank of
LONDON, O LONDON AND HANSEATIC BANK,
limited- e variaacasas-do 1.' classe.
I"ai'i*. -r- So bra os banqueiros fould
& C, MARCUARD ANDRE & C. e A. BLVCQUE,
VIGNAL &C.
Hamburgo. Sobre os Srs. joao
SCHU BACK & FILn'S.
I.is!)(w. Sobre os Srs. fonsecas,
SANTOS & VIANNA, e SEBASTIAO JOSE DE
ABREU.
Porto. Sobre o banco uniao do porto
O Sr. JOAQUIM PINTO DAF0NSEGA,
Pai'ji. Sobre o banco commercial
DO PARA, 6 OS SrS. FRANCISCO OAUDENCIO DA
COSTA A ^ILHOS.
Maraph,Ro, Sobre 0 Sr. jose fer-
REIRA DA 8|LVA JUNIOR.
Our* Sobre. <). Scs. j. s. dk va*-.
CONCELLOS.d SONS.
Btihiti Sobre os Srs. marinhos d c
ftio de Janeiro. Sobre o banco
INDUSTRIAL E MERCANTiL, BANCO NACIONAV 6
BANQUE BRASILIENNE FRANCAISE.
BANCO C0MMliiL M BRAGA
Jorire Tasso
B+neo do Minho.
Joaquim Jose Goncalves Beltrao & Fillto sacam
por todos os vapores sobre :
Anadia. Evora. Moasao.
Aguida. Fafe. Ovar.
Aveiro. Faeu Porto.
Beja. Goarda. Tavira.
Cbaves. Leiria. Regoa.
Elvas. Lisbea. Vizeo.
Amaranie. Bariellos. Figueira.
Guimarae?. Coirabra. Lamego.
Covilhi. Miraodella. Entarreja
Melgaco. Penaflel Valenca-
PortAlegre. Villa Real.
Arcos de val de vez. Cabeceiras de Bastos.
Celorico de Bast i. Castelto-Braneo-.
CainiDlia. Bspozeada.
Mangualde. Oliveira de Aeemeis.
Ponte do Lima. Povea- de Varzim.
Povoa de Lanhosa. Vlanna do Casteilo.
Villa- N'ova de Portimao. Villa-Nova de Fa.nalicao.
Villa do Conde.
\as ilhas.
Mideira, S. Mlgael, Faial e Terceira.
rge
Sacca sobre este banco
ktfmtes cidades e villas :
Portu
Amarante
Anadia
Arcos
Aveiro
Barca
Rapcellos
Keja
Chaves
Coimbra
Coara
Covilba
Elvas
Extremoz
Famalicau
c suas agencia^ nas se-
gal.
Navio entradq nq dia 10.
Rio de Janeiro16 di&g, lirigne bespanhol Ma-.
rian*o, de 242 tonuladas. capUao Francisco Al-
siua, oi|ui()agaj> 13, e*n lastiw; a ordem.
Nwvioi sahidos no mesmo dia.
Portos do sul Vapor brasileiro- Grvceiro do 9ulr
coramaridanle 1* tenente Wadilingtun, carga,
differentes generos.
Porlos do norteVapOr brasileiro Geara, comman-
dante Alcoforado, carga varios generos.
mrm
O Illm. Sr. inspeotor da thesourarla provin-
cial manda fazer publico que em enmprimento da
)rdem do Exm. Sr. presidente da provincia de 7
de Janeiro corrente, peranle a junta desta thesou-
raria se ha de arrematar no dia 23 de abril pro
ximo vindonro> a obra da ponte denominada Pao
Sangue sobre o rio Serinhaem. orcada em 9:570*,
pagos em apolices da divida provincial a juro de
7 por cento ao par.
As.pessoas que so propozerem a esta arrumata-
:-lo comparecam na sala da3 sessoes da mesma
thesoararia no dia indicado acinu, pelo meio dia,
competentemente habilitadas.
E para constar se maodou pnblicar o presente
delo Diario de Pernambuco.
Secretaria da tliescuraria provincial, 26 de Ja-
neiro de 1874.
Victoriano JosS M. Palhares,
Ollicial maior interine.
Clausulas especiaes para a arrcmatqcao da ponte
denominada Pao Sangue sobre o rio Sori-
nhaem.
I.' A ponte denominada Pao Sangue sera exe-
cutada de conformidade com o orcamento e plan-
ta approvados pelo Exm. Sr. presidente da pro-
vincia, no valor de 9:570.
2.* O arrematante dara pnncipio a obra no pra-
io de um inez e a concluira no de 12 mezes.
3.* 0 pagamento sera eJTecluado em 3 presu-
mes iguaes a proporcai) da tabella executada..
4.' Para til j raaiaque nao se achar especifi-
cado sera regulado pelo .|ae dispoeoregulamento
de 31 dejulUo de 18C8. O enKenheiro chefe, Jo-
se Tiburcio Pereira de Magalhaes.
Victoriano Jos6 M, Palhares.
BECt
idijijnlstra. a-> io.*i oorreEoat Peraambuco. SO de ahril do
1894.
CONVENCAO POSTAL ENTRE O BRASH. E HflS-
PANHA.
Faco publico, que no dia 1" do corrente, come-
cou a ter execucao a convencao postal celebrada
entre o Brazil e Hespanha.
Pelos pa jueles bntannicos e francezes, como por
todos os vapores quo deste porto sa dirigirosn ao
de Lisbda, e>te correio expedira malas paraj; Ma-
drid, Badajoz, cerrefo ambulante da Ciudad Real a
Badajoz, e pipaoutros correios estabolecilos>nos
porlos hespanhdes, por onde fazem ou fizerem es-
cala os ditos navios.
Toda a correspondencia, i>to e, cartas ordina-
rias, c-.rtas registradas, amostras de mercadorias,
periodL'os e inpressos, deve ser franquaada pre-
viatnente.
A franquia e at6. ao destiuo da correspon-
dencia.
As taxas de porte sao as seguinles:
Gartas ordinarias 300 reis por 10 gramipas ou
fraccao de 10 grammas.
Cartas registradas 200 reis como premio fiso, e
invariavel de registro,alem do porte correspoaien-
te ao seu peso.
Quando os remettentes de cartas registradas
quizerem receber aviso immediato le terem ellas
chegado as mSos dos destinalarios, deverao.pagar
,ij.ii- 100 reis pela transmissao desse avise.
Se, perderse uma carta registrada a administra-
?ao de correios em- cujo terrilurio tiver-se verifi-
cado o extravio pagara ao remetlente nma ludem-
nisacao de 16A0OO.
Nao havera, porem direito a e=ta indemnisa^ao,
se a reclamacao nao fur feita dentro do praio de
seis mezes contados de>de a data do registro.
Amostras de mercadorias a mesma taxa das. car-
tas ordinarias por 40 grammas ou fraecao de 40
grammas.
Penodicos e impressos 30, reis por 40 grammas
ou Graeclo de 40 grammas.
Naoserao expedidas as amostras de mercadorias
que nao reunireui as seguintesi uondicoes :
1.* Nao deverao conter valor algum.
2.* Serai cintadas ou acendiciooadas de modo
a serem facilmente reeonhecidas.
3." Nao conterao cousa alguma raaauecripta, a
nlo ser o nome da pessda a qaem forem destina-
das, o do lugar de sua residencia, os signaes do
sua babitacao, as marcas. da fabrica ou do nego-
ciante, a nuruera<;ao de ordem e os pregos.
Os pcriodicos, gazetas, obras periodicas, folhetos,
catbalogps, prospectos, anouocios e avisos, quer
sejam impresso3, gravados, lithographados, on ou-
thograpltados, ainda que contenham mappas, de-
buxos, estampas e papeis de musica, coralanto qae
formein parte das mesmas publicajoes periodical,
so podorao gozar- da modicidade- do poMe-acinaa
declarado, se a sua rcuiessa se etlecluar sob ciOr
las ou de medo que.seja facil recopbec6-los, esftr
nil contiverem papel algum e.-trantio a sua publi-
biicagao, nera palavra ou signal algum era mar
nuscripto, alem do nome da pessoa a quern foretn
divigido', o lugar de sua residencia, eos signaea
da sua habitagao.
Nap serao expedjdos os perjodicos e iqyressee
que niip reunirera essas. coadicoes ouqpe houvet
ram sido framiueadns iiiiullkiiratemente.
Nao sera expedida correspondencia alguma que
conleuha ouro ou prata cunhados, ncm joias oft
'effeitbsjireciosos, 'iem objecto algum sujeito ap
-pMMMOt* do direitas d alfandega.
EiU correipojideiicja sera, abarta, e devolvida
aoa.remettentes, ncando o seu contendo sij^,ito as
leis especiaes do correio.
U administrador,
AffJtuo do Reqo Barros.
Lisboa
Melgaco
Mirandella
Mongao
pena-fiel
Pinbj
Ponte do Lima
Porte-mao
Porto
Povoa de Varxim
Regoa
Tavira
Valenca
Yianna
d ade com b !. do arligo i. do
d*^jW?WPjJa *87'i que a >et
^% flHww sente's 3o'termo e comarea desu
sentaranj-os dons concur
te Licinie> da Costal
Pereira de Oliveira.
I
mais vantagens offerecer,
annos, as rendas di
larados.
ESTABELECIMENTO
s. Jose.
___________Joao Diofcjjtegoj
Sociedade BeneficenteJ|os
phos em Pernfl
De ordem da directoria sao
br que tan lugar boje na casa
horas da noite, para urgenlei
3.* discusaao dos estatntos. N
vapor, ticara transforida para adtmj^ as-
do dia.
Sala das sessees, 10 de abril le 18fe-
O l-sewario,
Belmiro Ferreira da JjbMfat Cadaval.
Soc.-. Cor.-. Liv.-. e Po
JVtarcilio
^'WMti1"11-'- venr
que- a*jftwlM'ow.\ que n
preslacao do trimestre de janeiro-'K
em sessao de 8 do corrente foram declara
srs, e portanto suspensos de lodge as rqgaJiaa e-.di-
reitos, ate que cumpram a preslacao davida.
Secret.-, da Sob.-. Loj.\ Cor.-, tiv.-, Pf ., %
de abril de 187i. Er.\ Vulg.v
Glicer.-. (',.-. do E",-. Santo,
' _______Secret.-._________
Soeiedftia propa^a^ra da ipstrgo pn-
Dlia.
CoHsthOj patpthlni d-i Boa-Villa
Em virtude da resolucao temada pefo conselfto
parochial em sessAo de 9 do corrente, faco constar
as nessoas intercssadas, que a escola primaria d>
sexo feminino que funccionava a rna do Bospiclo,'
passa a funccionar na rua da Imperair'.z n. 37,,
2 andar, para onde foi transferid* por conve-
niencias a bem da mesma escola. Papa, alii envia-
rao os pais de familia as sua* liliias. obteiido a
necessaria guia de qualquer dos.mempros-.d# ab
selho.
Secretaria dp conselho parochial da Boa-Vista,
lfl.de abW da 18.i ^
O 3ecretario
Jo?e Fraocisco Ribeirod^gouia.
tempo de um
tftTADE.
201*000
2505000
2405000
i/J
1BIVTR0
Cmco Pontas.
C* tenwlMl4 ....
' Rua da Alegria.
Idem n.|k.....
fc^- Ponte Velha.
em
' ^ Bufe de Antonio Henri mes.
lam
uz
Casa terM|
207,8000
362A300
3715000
1565000
995000
SW5000
4214001
1:0005090
2415000
Pela adwtoistracao do consuladp'.provirrcia
se laz puldico que no dia 13 do mez de abril viu-
douro, as 11 horas da manha, a porta desta re-
partii.'.io, ira em praga uma caixa apprehendida
aa mascale Vicente Barsne, com diversos objectos
de coral, avaliadus na importancia de 3435320 :
flnando porem de nenhum effeito a referida.praga
se o dono da mercadpria relisar o pagamento do
imposto e da multa em que ineorreu, como de-
termina o art 8 do Reg. de 7. de outubro de 1873.
Consulado provincial, 30 de raargo de 1874-
Antonio Carneirq Maciiado Rios.
SANTA CASA DA MlSfiRfCOR'DIA DO
RECITE.
Venrta do |jre(li<>4 '
A Illma. judfta admfohiratfva Qesta^ Sanla <2asa>
devidamente aulorisada.pela pr.estdencia, na sala
de suas sessoes, pe:as- 3 horas da tarde do dia 26
do corrente, vende ou permuta por apolices da
divida publka os seguintes predios, perjencentes
ao legadcK de Jpaqui.fl da Sfva Lopes, deque 6
administradfcra : Rorle do MaUos, metade do so
najqv'de 3 andares n. 17, por 5:5005 ; becco do
brado 3' parte do sobrado n. 1. por 2:6665666
rua da (iuia, sobrado de dous andares n. 69, por
6:0005 ; rua do S. Jorge, casa terrea n. 92, por
1:4005, sobrado de um andar n. 30, por 2.0005,
dito meia-agua por 5005 ; rua dos Guararapes,
casa terrea n. 63, por 1: 005 ; rua dos Acougui
nhos, cosa terrea n. 26, por 6005 ; Largo da Cam
pina, dita n. 3, por 4005 ; roa da Soledade, dita
n. 72. por 70O; becco de Teixeira, oila n/5.
por 2505 ; largo das Cinoo Pontas, terreno, por
1:0005000.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do
Racife, 14 de fevereiro de 1874.
0 escrivao
Pedro Rodriguez de. Souza
iONIO DOS ORPHAOS.
Ua da Senzalla velha.
6.......
Becco das Boias.
sobrado K
trffci Hochado):
IRua.do Pilaiv
Wm Rua do Araerim.
Idem n. 34........12250OQ
J^*Rua da Guia.
'* n. $ ........20I5COO
Rlimdas Larangeiras.
C*Hen. *......3615000
0&pretei^eflteadevrao,afranUx no acto da
rrematagao as suas flangas, bu comparecerero,
MVmiaahtdos dos respeftivoi fladones,- daveud,
;)ag;u= alem. da renda,. a. premio da quanta en>
Wfcf seguro ^peao.qu* contiwer eatafcoleci
artWo commercial; assim como o serVigo da Um
peza e pregos dos apparelhos.
Setireiyia da santa casa da misericordia do Re
'if* 17:ae margo o de 1874.
0 escrivSo
' __________Pedro Rodrigues de Souza,______
Arminens da companhia per
nambucana.
Seguros coatra o 020
A compaBhia pernambiicsHia, dispondo de ex-
cellentes e vastos arrnazens em seu predio ao for
te do Mattos, offerece-os ao eonnnereio em geral
para deposilo de generos, garanHndoa maior con-
sorvagao das mercadorias depositadas, servigo
prompto, nrecos modicos, etc,
Tarabein1 reoolhera, meoiante prevlo aeeordo, ex-
clnsivamente os generos de uma so pessoa.
Estes arrnazens, alem de arejados e commodos,
sao inteirarat-nte novos e aspbaltados, isentos de
cupim, ratos, etc, etc.
As pessoasque quizerem urilisar-se destes ar-
rnazens, pedeiao dirigir-se ao escriptorio da com-
panhia pernarabucau'a, que acharao com quem
tratar.
Irmandadc de *. 4m.i' erccla no convenlo do Carmo.
Pelo presente sio convidados tados os irmSos
desta irmandade para reunirem-sc em mesa geral
no dia 12 do corrente mez, as 10 horas da manha,
no respectivo consistorio, para dar cumprimento
ao art. 48 dos estatuios que tratada eleicao.
Reeife, 8 de abril de 1874.
0 secretario,
Manoel Jose Luiz Ribeiro.
0 administrador da recebedoria de
rendas interims geraes avisa aos contribuin-
tes do imposto sobre industries e proRssoes,
que e neste mez de abril que tern de ser
pago, sem multa, 0 21 semestre do exerci-
cio de 1873 74, depois do que serd pago
coin a multa de 6 %
Recebetoria de Pernambuco, 7 de abril
de 1874.
Manoel Carneiro de Souza Lacerda
COMPANHIA PERNAMBL'CANA
DE
\aveaotlo cosleira a vapor.
De conformidade com o artigo 26 dos estatutos
desta coiopauhia s;io novamente coevocados os
Srs. accioai-tas a reuuirem-se em assemblea geral
no sobralo da gerencia no dia 18 Jo corren'e, ao
meio dia, afi n de proceder-se a leitura do relato-
rio e as eleigoes da nova directoria e commissao
de cootas, tad > 0 quo, a falla de numoro legal nao
pode ter lugar na reuniao haviJa a 11 de margo
proximo pa?sado.
Recife, 6 de al>rH de 1874.
Tkomai M. Cannon,
Gercnle inter'ino.
0 Illm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial manda facer publico que bo dia 16 do cor-
ruuie mez, parajite a junta da fazenda da mesma
^h*opratai-e Ha do affamatar* a.quem por me-
nos Dzer, 0 fornecirhento de alimentacas e deias
aos presos pobres da casa de.detengao, no trimes-
tre de abrilia junlio vindouro, serviudo de base a
arremalagao os pregos das tabellas abaixo trans-
criptas:
Dietas
N. 1 380.
N. 2 4(i0.
N. 3 640.
N. 4 400.
N. 5 400.
Sera tambem fornecida aos presos ceia na im-
portancia de 120 rs em quanto esla oread i 0 al-
moco, e na mesma pioporcao.
E para ccnstar,,se inandou pullicar 0 presente
pejojorpal.
Secretaria da thesouraria provincial de Per
nambuco, 4 de abril de 1874.
0 official maior
_______________Miguel Affonso Ferreira._______
Pela thesouraria provincial se faz publico
que foram transfendas para o dia 16 de abril pro-
ximo vindouro as obras seguintes : .
Obra dos reparos d> bomba n. 2 no 7 lango da
estrada de sul, orgada em 1:0125.
Obra dos reparos da coberta da casa de deten-
gao, orgado em L4785.
Obra da bomba para 0 povoado dos Mantes,
orcada cm 1:9805.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco, 30 de marco de 1874.
. O offlcial-maior,
Miguel Affonso Ferreira.
phiij mium
awa-uu mi
Domingo 12 de abril.
-V* & 119 huras da tarde.
Grande folia!
Primeira representagio da comedia em 2 aclos
ornada de musica, escripta pela ar tista Pesante, e
offerecida aos caixeiros de Pernambuco :
Viva a camara municipal e o do-
iiiiDgodoscai\eir8.
Parao IndiCBilo pojlo pretend> eflr com pos-
sivel brevidade o p;4acho poriuguez Aitirara, por
ler a maior perle de seu eartegameate cngajado,
e para o resto que Hie falls, traia-ie com os con-
signatarius Jdaqpim lose GoBfalve Beltrao & Fi-
lbo. a rua do Coinmercio o. 5.
Personafeus. Actores.
Gaedes, negonan te de molhados Flavio.
Joao de Souza, idem Correa.
Mello, calxeiro de Guedes Silva.
Silvestre, Rocambole dos eai-
xeiros e imitador do Bodiao
de escama Penante.
Semeao, caixeiro desarruondo Tbeophilo.
Rutlno, dipIBolafta Aognsto.
Jorge, idem Vicente.
Lopes, idem Lyra.
Distribuidor do Diario- Ayrosa.
Quinquina D. Dorothea.
Mtrandolioa D. Maria.
To ton i a D. Otilia.
A seen a passa se nosta eidade.
Continuara o ecpectaculo com a representacao
da. comedia em 1 aleo-:
0 calxeiro da taverea.
Terniinara o especlaculo com a muila desejada
e graciosa aria coinica, cantada pelo actor Pe-
nante :
Mascjile italiauo.
A's 5 If* horas fc tarde
C0MPATSH1A PElOfAflBTJCANA
bj
XavcKiioiJo costeira a vapor.
RI0F0RM09G E TAMANlltARE.
0 vapor Carnripe
commandante! tanjos
jegnrra pat*' oi por
tos acima no dia 15 do
cofrente, as 9 horas da
noHe.
Reccbe eaitga, encommendas, passageJfo* e di-
nheiro a frtte : ewrifttorio no Forte do Itouos
i
mm
".a '
Rio de Janeiro
Para e indicado porto segue com poucos dias
de demora a barca portugueza Fetiz UniSo por
ter a maior pane de seu carregamento eagajado,
s para o resto que lhe falta, trata-se com os con-
eignatarios Joaquim Jose i^ongalves Beltrao & Fi-
sho, a rua do Commercio n. 5.
PUCIFIG STUM NAVIGATION COM
PANY
ROYAL MAIL STEAMER
ILLIMANI
Nao tocara na Rahia e Pernambuco.
OS AGENTES
Wilson Rime & C.
14RUA DO COMMERCIOli
0 hospital rmiur d^sta provincia- cdttrala
com nacional para o trimestca que ha de findar em 30
dejunho do corrente anno, q generos alimjnti
cios, abaixo mencionados, para dietas dos dipites
e ragoea de 6eus empregaavs -
Arroz, kilogramma
Carne verda jdm,
A.r?ata idem.
Cha idem. ... ,
Portanto, quem quizer faeer mto forneemjento,
apresente suas propostas em cartas fe(*adaa na
sacretaria de?le hospital; a* 10 horas da itanhi
iodia 14 do corrente, alsortiado-se qneoifen-.-
ros sao de primeira qualidade, e que a cam* deve
apetras eonter aquinta parte de oeso, no pe que
"rfosp'ial mnitar, 10 de abril de.tftt.
^ 0 eeenvao
Avelino Pereira Cnnh>.
SeSIT^Secretaria da PfI"0^.U0 nmuu-
^" L.u "", 9 de abril ae *o/4.
. buco, en.. ~> -mico ie conformi-
Por ea secretaria se at pun,
$.iiita <.'asa 1 : iVliserieoniia do
Recife.
En vista da ordem da- Illma junta administra
tiva s5o convidados os parentes das menores infra
raencionadas-a virem retira-las do collegio das
orphav por ja terem attingido a idade marcada
no respectivo regulamento, e acharem-se com suas
educacoes terminadas. Aquellas que nao forem
retiradas dentro do prazo de 30 dias, coatados da
data do presente, serao entregues, de accerdo
com o 3* do art. 48 do mesmo regulamento, a
familias honestas para ahi se empregarcm no ser-
vigo domestico.
Senhorinha dos Santos, fllha de Jose Joaquim
dos Santos e Anemia Maria.
Adelina Lins de Albuquerque, filha de Joao Vi
rissimo Lins de Albuquerque.
Leopoldina Maria da PaixSa, filha de Clara de
Jesus.
Maria Eliza Alves, filha de Joanna de tal.
Valeriana dos Santos, filha de Joaquim dos San-
tos e Maria Margarida.
Alexandrlrra Bezerra Cavalcante, filha de fosi
Bezerra Cavalcante e Rosa Bezerra de Menezes.
Idalina Lacerda, filna da Pedro Alexandre de
Lacerda e Anna Francisca Pags Barreto.
Josepna Lima, filha de Joaquim Lima de Oli-
veira e Joanna Maria.
Candida, filha de Vital das Chagas Coelho e Car-
ota de Lacerda.
Rosa, filha de Antonia Joanna de Barros.
Dionizia, filha de Vital'das Chagas Coelho e Car
lota de Lacerda.
Anlonia, filha da ilanoej Felix Barbosa e Mar-
eolina Guimaries.
Adelaide FrancUoa da Silva, tilha de Frapcisca
de Assis.
Alexandrina Maria, filha de Felippe Martinbo do
0' e Maria Joaquina do Espirito Santa.
Rosa, filha de Antonia Joanna de Barros.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia dp
Recife, 13 de margo de (874.
O escrivao.
Pedro Rodrigues de Souza.
Santo Antonio
EMPREZA-YICENTE.
Sabbado 11 de abril.
Primeira reprasentagio do drama historico, de
assumpto nacional, em 1 prologo, 3 actos e 1 qua-
dro final:
Nunes Madiado
original do distincto esciiptor pernambucano, o
Illmo. Sr.
Dr. Aprigio Ciuimar&es.
Terminara o especiaculo com a opereta em 1.
acto :
Sem fato e sem noiva,
Principiara as 8 1|2 horas.
Os bilhetes estJo desde ja avenda no escripto-
rio do theatro, das 9 da monha as 3 da tarde, .e
as encommendas reservara se somente ate sexta-
feira.
THEiTRO
Santo Antonio
COHEVWSIIA
V1ESSAGERIES MARITLMES
I. in ha in on sal
0 vapor
MENDOZA
Espera-se dos portos do sul ate o dia 12 do
corrente, seguindo depois da demora do cos-
tume para Bordeaux, tocando em Dakar (Goree)
e Lisboa.
Para passageiros, encommendas, etc., a tratar
com
CSAGENTES
Harismendy A Labille
9 Rua do Commercio 9
Pacific Steal taigatioa Cantya*?
ROYAL MAIL STEAMER
sspera-se daEuropa ate o dia 26 do correnjev
pat* da demera do costume, segutri para B
Rio de Janeiro, Montevideo, Buenos Ayres, Valpa-
raiso, Arica, fetey e Callao, para onde receoeja
passageiros, encommenda' e dinheiro \ frete.
N;io sahira antes das tres horas da tarde do dia
de sna chegada.
08 AGENTES
lrVIISMHI Rone C.
4RL'A DO COMMERCIO14

COMPANIlkA PERNAMBUCANA
DE
liavegactlo eosteira a vapor.
MACEI6, ESCAt-AS, PENEDO E AltACAJV*.
0 vapor MandahK,
commandante Julio,
seguira para os por-
tos acima no dia 1'
do corrente, as 5 ho-
ras da tarde.
Recebe carga ate 0 dia 13 do corrente, encom-
nendas, passagens e dinheiro a frete it6 as 3 bo-
da tarde do dia da sabida : ascriptorio no For-
te do Mattos n. 12.____________________
COMPAiNHIA PERNAMBUCANA
BE
NavegacSo costeira a vapor.
ARAUYBA, NATAL, MACAO, MOSSOKO', ARACA.-
TY, CEARA, MAXDAIIL', ACARACU* E GRANJA
0 vapor Ptrapama
commandante Silva,
seguira para os por-
tos acima no dia 15
do corrente, as 5
horas da tarde,
Recebe carga at6 odia 13 do corrente, encom-
aiendas, passageiros e dinheiro a freie ate'as 2
horas da tarde do dia da sahida : sscripto-
rio no Forte do Mattos n. 12.

as
Associagdo Uormiercial
Aavicolq
N30 so tando reunido numeri. legal dos Srs.
sociados, sio 4e novo rogadps a reunirem-se em
assemblea geral extraordfnaiHa, no dia 11 do cor-
rente, as 9 horas da nwaka ; certos de qae a as-
semblea funocionara com 0 numero que esliver
presente.
Joao Pereira Rego
_ _______2* eccratario._______
SAJTA CASA DA #J$EWC0R|1A DO
AtCaFt. -
. A Hlma. junu admini&traliva da santa casa d
Miaeeicordia do, Recife, manda /ajer publico qtjtf
na' sala de suas sessSes, qo dia 9 de abril be-
tas 3 horas da tarde, tern, de ser arrematadas a
r am
.l's ft 1|* horas da tar 0 importante drama :
\ines Hachaili)
E 0 lindo daelto :
OesladauUi.e a bvadeira.
A'S 8 1|2 DA NOITE:
0 mesmo drama c a opereta :
Sem fato e som noiva.
THElTRO
mm MAMi'TIflA
EMPBBZA
Em eoasequencia de mao tempo ficoa 0 espec
taculo anhnnciado para hontem trajisferido para
mm
Sabbado 11 de abril.
Santa Clolilde
RAINJIA DE FMNCA
Vr|nipijra as 8 li? horas
Pacific Steam Navigatiim Company
ROYAL MAIL STEAMERS.
Sao esperados do sul os vapores abaixo men-
cionados :
Abril Iftlllimani.
Abril 24 Britannia.
Maio 8 JoAn Elder.
Maio ti-Galicia.
Tabeila das iMMiHagcns d Peraain-
IMH'O.
Para a Europa 1' classe 2" classe 3a classe
A Lishua 27 15 10
A Liverpool 30 20 13
Os menores de doze annoa pagarao meia pas-
sagem, os de oito uma quarta parte, e uma crian-
;a menor de tres annos indo com sua familia
gratis.
Criadaspagarao duas tergas partes das pas-
sagens de primeira clause ; e serao alojadas no
salio das senhoraa.
Criados pagarao passagem de segunda classe.
Os camarotes nao.devera ser considerados en-
gajados, emquanto a passagem nao liver sido
Paa- A
Os passageirosque nao seguirem depois de
terem tornado suas passagens, perderSo metade
da importancia deltas.
Biltietes de ida e vdlta (nao transferiveis) se-
rao concedidos a passageiros de primeira classe e
a seu* criados qo os a;ompaoharem,e a pas-
sageiros de segunda classe, com uma reduce,Ao
de vinte e cinco por cento sobre a importancia
das passagens ; os quaes valerao pelo espago de
doze mezes caleadarios. Nenhuma coneessao ser-
feita, se dentro do tempo especificado, nao se fi-
zer uso delles.
Bagagem.Sao concedidos vinte pes cubicos a
cala passageiro adulto ; todo o excesso pagara
frete.
N. B.Nao sabirao antes das ires horas da
tarde.
AGENTES
Wilson Howe 4c C.
14RUA DO GOMMERCIO1*
'Jill)
Companhia Franceza de i^iavega-
0o a vapor
Linha mensal entre o
Havre, Lisboa, 1'crnambaeo, Rio lr>
Janeiro, (Santos, somente na vol-
ta ) Montevideo, BuenosAyres,
(com baldeaeao para o Rosurio)
STEAMER
VILLE DE RIO DE JANEIRO
Commandante A. Fleury
E' esperado dos portos do sul ate o dia 15 do^^
corrente, seguindo depois da indispensaver demtrr
ra para os portos da Europa.
Para passageiros e carga para Lisboa e Havre ;
e por baldeaeao-para todos os portos do contiuea,-
te, pode-se ter lugar seguro, avisando ate" o dia It}.
OS CONSIGNATARIOS
AUGDSTO F. D'OLIVEIRA & G.
42Rua doCommercioEntmda pela rua
do Torres.
Para o Rio Grande do Snl
0 brigue nacional Amelia segue at6 o dia -II do
corrente ; so pode receber cerca de dazentos vo-
lumes : a tratar con o seu consignatario Antonin
Luiz de 0 iveira Azevedo, n a do Rom Jesns n. 57.



\
Rio de Janeiro
Vai sahir com brevidade a barca portogueza
Lisboa recebe carga a frete : a tratar com Tito
Livio Soares, a rua do Tories n. 20.
Rio-Grande do Sul.
Para o raferido porto segue com pouca damora
o patacho portuguez Adeline, porque apeoas lhe
falta poucos volumes de carga, e para tratar com
os consignatarios Joaquim J)se Gongalves Bel-
trao & Filho, a rua do Commercio n. S.

-
N
UIL0E3
Agente Dias
ezz>
ferragens e miudezas
Saltbado 11 o segunda-feira 13
da correatc
Rua do Bohi Jesus u. 2(>.
Armazem de J. A. Moreira Dias.
Desejando delinitnamente acabar com as ferra-
gens e miudezas existentei em s^u armazem, con-
vida aos seas amigos e freguezes a compareoerem,
certos de que, nao se retirara lute algum.
Principiara as 10 horas.
J
LEIL40
LIMITADA
UaceJo, Penedo, Aracaju
e Bahta.
E' osperado ate o dia 22 do corrente um dos -
pores desta companlj\a,'6 quil seguira '*"
portos acima no dia seguinte ao de Para 3
Recebe-se carga, passageiros -oa chegada.
Ageotf1-. dinheiro a frete.
Antonio Luiz <* 1u*(4, ,, -.
________57-" Olivara Azevftdo.
-------------- .ioa do Rom JesnsS7 t
DE
250 saccos com milho novo, contendo cada
sacco 12 cuias
Por interven'can do ajrente PfaHo
Bnre-s
SEGUMDA-FEIRA ?3 DO CORitEHIE
A'^$ H horaB
Na trapiche. rla companhia pernambuoaBa. Oj
Srs. preten^entea podem desde ja examiig.
LeiluO
\
Fara o Porto.
V*
, Recebe carga e paseagetroa o paucho portuguez
I Lidador, que pouca demora tera. -Trato-se com
(IE KWlo &O, a raa do Commereto n, 48.
De
H ftaitas com doce de marmellada em ha
torrieas com nozes, 1Q barriscotn ched
harricas com cevada nova
SE&L'NDA-FEIRA 13 DO COJUtfUTE
as 11 h- ra^ da maoW
No armazem do Sr. Anues, defroo
fand ga.
0 presto do agente Pestana Itin
conta^e risco da quern^o^e i
I com. doce de marmellada wn booMas, 9&W&M
.


-" "'
Dfeufe de PenAmbuoo Sabbado 11
*om notes, 1Q bsrris com chonricas e 4 barrieis
com cevada nova, desembaraaias ultimamente
SEGU.NDA FEIRA 13 D(J CORRENTE
A*SM1 HO*AS EM PONTO.
No armazem do Sr. A ones, defronte da al-
fandega.
moveis, loucas, euro, cfaapeos do Cbile, es-
teiras para sala e 1 ,piano de armario, de
jacaranda
QUARTA-FEIRA 16 DO CORRENTE.
No primeiro andar do sobrado da fin do Marquee
de Olinda n. 6i
as 11 boras om ponto.
0 agente Dias, compete Memento autorisado,
vendera em leilao, mobilias de jacaranda cent
tarnpoa de pedra, ditaade-amarello, piano, secre-
taria, guarda-louca, commodas, camas franeezas,
inesaselasticas.de 3 e de 6 taboas, bercos, cadei-
ras avulsas, santuarios, cadeiras de balanco, mar-
qnezoes, marqueias, I mesa propria para advoga
do, Icama de ferro para casal, 1 toilette de mog-
no, qoartinheiras, candieiro a gaz, jarros, espelhos,
e maitos outros objecto* de gosto que serao pa-
tentes no acto do leilio.
4SA DA FOITIA.
AOS 4:<
LINHAS
LEILAO
DE
motreis, loucas, joias de ouro, rico san-
tuario e outros maitos artigos
Qtiarta-feira 15 docorrente
A'S 11 HORAS DA MANHA.
No sobrado n. 50 da rua do Bom Jesus.
Urn piano forte, 2 mobilias de faia completas, I
dita de amarello, 1 mesa elastica.toucadores, cadei-
ras avnljas, t rico faqaeiro, japros, 1 marquezao,
i marqueias, 2 espelhos grandes, dourados, t
guarda-^estido, i Ruardalouca, me?as de pinho,
1 bagalella, serpentinas, i rewulver, 1 mesa para
advogado, 2 aparadores, louca, trem de cozinba e
differentes objectos.
0 agetHe I'mho Borges, autonieado pelo Sr. J.
J. da Silva Pinto, vendera os moveis acima decla-
rados, os quaes foram transpirtados da Passagem
para o sobrado acima mencionado.
LEILAO
DE
Moveis, louqa e chrystaes,
A saber
Um piano forte do hem acreditado fa-
bricante Kemi Kerz, 1 mobilia de carvalho
cons pedra marmare, 2 espelhos ovaes, 3
lancas para cortinados, .3 pares de cortim-
dos de crochet ( mvos ) 2 estsgers, 2 figuras
finas, 4 pares de jarros para fl.ires, 2 escar-
radeiras, 2 serpentinas, 4 casticaes e man-
gas.
Um lustre de chrystal para gaz, 1 tapete,
l'orro da sala, e 4 quadros.
Uma cama franceza, 1 guardavestido, i
mesa de cama, 1 commoda, i santuario, 2
lavatorios, 1 marquezao, 1 cama de ferro
para menino.
Uma mobilia de pallia, cadeiras de ba-
lance, bailees de jgo, candieiros a gaz
vazos para flores, 1 secretaria de magDo.
Uma mesa para jantar, 1 guarda-lon^a
enyidracado 2 apparadores com armarios,
2estargers com espelhos, 12 cadeiras, 1
lustre de gaz ( 2 bicos ) ar.indellas, louga,
vidros e chrystaes, 1 relogio de parede.
Uma mobilia de jacaranda" com 1 sofd,
1 jardineira, 2 consolos rom pedra, 2 ca-
deiras de bracks e 12 deguarmc.ao, I cama
lran.ce/a.de jacaranda, 4 vas< s p^ra flores,
2 espelhos grandes ovaes, 2 serpentinas, 1
tapete grande novo para forro de sala
{ grande ) 1 magnifico faqueiro de chrysof-
fle, e muitos outros object06 de csa de f-
railia existentes no
SOBRAi'O DA RUA DA I.MAO N. 23
TERCA-FEIKA 14 DE ABRIL
0 agente Pint-), autorisado por uma fa-
milia que mudou de resid-ncia, levara a
leilao os moveis e mais objectos acima men-
cionados existentes no sobrado da rua da
UniSo n. 23.
0 leilao prinoipiara as 10 12 horas.
BILHETES GA8AIYTID0S.
1' rua Primeiro de Jfarpo (outr'ora. rua au J1
Crespo) n. 23 e casas do costume.
0 abaixo assignado lendo vendido dos seus fe ;
iizes bilhetes, um meio a. 2368 com 4:0004, uai
meie n. 262 com 7001, an inteiro n. 1154 comi
200*, um inieirc n. 934 com 100*, um roeie m.<
322 com 100< eoutras series de 40* e 201 da la i
teria que se acabou de exirahir (94*), eoavida aoe
posemdores a vireai reeefcer na conformidade do
costume sem desconto alburn.
Acham-se a venda os felizes bilhcles garantiik*
la 8* parte das loterias a beneticio da mitrie
de Jiiooitio (95'), que se Ktraniri na ler^afoi-
ra, 14 do corrente uiex.
PRBOOS
Bilhete inteiro 4*000
Meio bilhete 2*000
IK PORClO Dl 1009000 PARA. C1MA.
Bilhete inteiro 3*500
Meio bilhete 1*750
AttenQao.
T engenho Jussara, fregut>zia de Jaboatio,
propciedade do major Antonio Pereira da Camara
Lima, se acham fugidos os tres cscravos segnia-
tes: Jacinilio, da Costa, baixo, secco, pouca barb a,
desdentado, idade de 45 annos a SO, ainda nao pinta
e desiillador, regrista e ten uma hernia, pelo que
usa de funda, desapparecea no dia 28 do mez pro-
ximo passado ; Jose Bezerra, pardo alaranjado,
altura regular, espadaudo, desdentado, cabellos
annelladas e sem barba, tem uma marca de fe-
rida em uma das pernas, ftwio a 17 de fevereiro
do corrente anno ; Jorge, da Angolla, idade de
50 aonos, bastante calvo, um pouco fanhoso
por tomar muito tabaco, o dedo medio da mao
esquerda 4 entrevado e nao dobra, altura regular
e fugio em setembro de 1873.
Recommenda-se as auloridades policiaes do Re-
cife, e principalmente aos capiiacs de campo, que
prendendo-oa, leve-os ao meemo engenho, que
serao generesamenle recompeosados, ou no Recife,
em casa do Sr. Joaquim da Silva Costa, na rua
Duque de Caxias n. 40.
D<
RETROZEDEALGO
DAO
m
TODAS
\
CORES
A&TJLSAS
E
Accessories
PARA
QUALQUER
PARTE
DA
illachina
. AiTIU
Com as falsificacdes que torn apparecido
DAS MACHINAS PARA COSTDBA
DE
Arrenda-se o engenho, Saltiubj da fre-
guezia de Una, moeote e corrente. Dito
engenho e" bom d'agua, dista duas leguas dos
portosde Tamaiiiiare e Rio Form; so, e tem
terras, para safrejar 1,600 a 2,000 pJes
annuaes: a tratar no mesmo engenho com
o consenhor Henrique Augusto Milet, ou no
Recife com Leal & Irmao, rua do Marquez
de Olinda n. 56.
LEILAO
DO
Vapor Duke of Edinburgh
Xo dia SOde abril
Agente Ferreira
i\o Par.1, na Punic de Pedras
vender-se ha improterivelrnente por conta
de quern pertencer
O magnilico vapor inglez
A RODAS
Duke if Edinburgh
construido em .Aberdeen em 1870 em um dos pri-
meiros eslabelerimentos de tc genero n'aquella
cidade.
Tem 111 pes de comprimento, 19 de bocia e 9 de
pontal, medindo 126 toneladas inglezasou 162
brasileiras
ECARRtCA C.ERCA DE 7,000 ARROBAS
E' de ferro soliiiamente construido, tem boa
marcba e excellentes accommodates para passa-
geiros. Sua machina e da forca de 60 cavallos
nominaes on de 3C0 effeciivos.
Este bello vaso que muito se presta para
condnc(;ao degaiio
6 soBre tudo excellente rebocador, como tal ja co-
nhecido, e esta promplo a navegar. 0 iaventa-
rio sera annunciado alguns dias antes da venda
e pode desde ja ser yisto em casa dos annun-
ciates, ou a bordo do dito vapor que se acha
fundeado defronte da igreja de Sabt i Antonio.
0 7apor pode ser examinado em qualquer dia.
Para mais ioformaedes poderao
dirigir-se aos conigrnatarios
Samuel G. Pond & C.
Escravo fugido.
Fugio do poder de sua senhoraro escravo David,
mulato acaboclado, moco, eslatura regular, cheio
do corpo, com pouco bigode, falto de dentes da
frente, tern o tornozelo de um dos pes mchados, e
as pernas com marcas a especie de foveiras, le-
vou vestido camisa branca, jaqueU de qnadrinhos,
cal'.-a branca com remendos nos fundos, chapeo de
feltro preto, levando tambem um balaio redondo
em que vendia bredos, foi visto no Caxanga. Esse
escravo perienceu a Francisco Ayres Sisenando de
Doraef, e foi comprado nesta cidade ao Sr. Fradi
que, no poder daquelle senhor esteve fugido, sen-
do agarrado na Ponte dos Carvalhos'. Recommen-
da-se, portanto, a caplura do dito escravo, egra-
tilica-se generosamente a quem o levar a alfande-
ga a Juau Evangelista Gomes, on na Capunaa, a
rua das Pernambucanas n. 50, a viuva de Joao
Baptisia Vieira Ribeiro.
PIANOS.
Acabam de chegar muito bons pianos fortes e de
elegantes modellos, dos mais nolaveis e bem co-
nhecidos Tabricantes; corao sejam : Alph:)nse Bi-
donel, Henry Hers e Pleyel Wolff & C. : no Vapor
Francer, a rua do Baiao da Victoria, outr'ora No-
va n. 7. a precos muito commodos.
Mobilia de vime.
Caleiras de balinco, de braco, de guarnicoes,
sofas, jardineiras, mes?.s, conversadeiras e costu
reiras, tcdo isto muito bora por serem fortes e
leves, eos mais proprios moveis para saletas e ga
binele? de recreio.
No armazem do Vapor Francez, rua do Bario
da Victoria n. 7. outr'oaa Nova,
Perfumarias.
" Finos extraclos, banha, oleos, opiata e DOS den-
trifice, agiia de llor de laranja, agua de toilete,
divina, Qorida, lavande, pos de arroz, saboneles,
eroemeticos, maitos artigo delicados em perfnma-
ria para piuseotes em frascos de exlractos, caixi-
nhas sortiJas e garrafas de difTerentes tamanbos
d'agua de Cologne, tudo de primeira qualidade
dos bear Conheeidos fabricantes Piver e Coudray,
No armazem do Vapor Francez, a rua do Barao
da Victoria, outr'ora Nova n. 7.
Quinquilharias.
gostos
phantazias.
Espelhos, leques, luvas, joias d'ouro, tesourinhas,
canivete*, caixinhas de co?tura, albnns, quadros.
e caixinlias para retrato*, bolsinhas de velludo,
dita de conro, e cestinhas parabragosde meninas,
chicotes, bengalas, oculo, pencinez, ponteiras para
charutos e clgarros, escovas, pente*. earteirinha de
madreperola, tapete para lauternas, malas, bolsas
de viagens, venesianas para janellas, esterioco-
pos, lanternas magicas.costnoramas, jogos da gloria,
de damas, de bagatella, qundros com paisagens
globos de papel para illuminaroes, machinas de
fazer cafe, espanadores de palhas, realejns de veio,
accordaos, carrinhos, e lenc^s para crian^as, a
uutras niuitas quiuquilbarias.
Briii({uedos para meninos.
A maior variedade que se pode desejar de lo-
dos-os brinquedos fabricados em differntes paries
da Europa, para entretimentos das eriancas, tudo
a precos mais resun>iJos que e possivel : no ar-
mazem do Vapor Francez, rua do Barao da Vic
toria oulr'ora Nova n. 7.
Calcado francez *
Nenhuma ma-
SINGER
Porque?
e
00
M
china Singer e legi-1
s tima se nao levar J5
g esta marca fixa no
jg braco da machina.
A di
Para evitar falsi- g^
OS
ficacoefl notem-se
bem todos osdeta-
Ihe? d* marca.
I
ce

c
O
lnneiro e a prazo
contento das Exmas. familias
MACHINAS DE SINGEB
Sao mais'baratas.
Sao de doos pospontos.
Sao simples.
Sio rapidas.
Bio duradouras.
MACHINAS DE SINGER
SSo de dous pospontos.
Abainham.
Kranzera
Pregam trancas.
Marcam pregas.
Bordam de linha de seda.
Alcolchoam.
Pregam corddes.
UNICA AGENUA
EM
11
45
A CASA AMERICANA
RUA DO IMPEHA1J0K 45
Triumpho da
Artigos de iliffercntes
1
HWSOsOViHSOS
Da st socielade em uma taw rna bem afre
guezada e em bom local, a itma peswa de boa
conducla, e que entre com algum capital : nesta
typograpbia, carU fechada com as iniciaes M P.
Atten^ao
0 abaixo assigiado vendo no Diario de 9 e 10
o que o Sr. Joaquim Lncillo de Sique:ra Varejao
diz, vem fazer sciente ao Sr Lucillo que todos
nao ignoram que o Sr. nao tem nada om actos
dos rams filbos, e o ignorar o grai de parentesco,
ignora pur eerto a sua filiagao. Participa ao res-
i yeitavel publico que d'ora avante deixa de assig-
narse pelo nome de Varejao, por nada o honrar,
e sim por v
Joaquim Evaristo de Cnrvalho.
Qaem preci-
para casa parti
*_______,
Precis
coraprar : *
23, loja.
r de U'. j:
fi ancez
0 li. |
is ;e>
I _
A 9^ '
Botinas para homem
Acabam de chegar grandes jarturas de bolinas
de bezerro.de cordavao, de pelica. de duraque
com biqneira, de bezerro com botoes, e com ilho-
zes a 9#000 (a escolher) por ler vindo grande
quantidade por conta e ordem dos fabricantes;
ao armazem do Vapor Fiancez, a rua do Rarao de
Victoria (outr'ora Nova) n. 7.
Para senhor a.
BOTINAS pretas, brancas e de cores, diflerentes
lisas, enleiladas e bordadas.
SAPATIXHOS de phantasia com salto, brancos,
pretos e de c6res differentes, bordados,
SAPATOS de tapetes, chariot, castor e de' tranea.
Para nieninas.
BOTINAS preias, brancas e de cores differentes,
lisas, rnfoiladas e bordadas.
ABOTINADUS de diversas qualidade*.
SAPATOS de tranea portogoezes.
Para meninns.
BOTINAS de bezerro, lustre e de corda'Io,
/>BOTINAD0S e sapatoes, de bezerro, de deversas
qualidade*. '
SAPATOS de Iranca.
Botas de montaria.
Botas a Napoleao e a fitiilherme, perneiras:
meias perneiras para homens, e meias perneiras
para meninos.
No armazem do Vapor Francez, a rua do Barao
da Victoria n. 7.
Progresso da ma do Range], do
Vieira n. 60.
Vende-se mwto barato:
Manieiga cm latas a 800 rs. a libra.
Ervilha a 120 rs. a libra.
Estrel;nha a 320 rs a libra.
Aletria a 3JO rv a lilbra.
E c:' muitos generos.
f
Em tem pos modernos nenhum descuLn-
mento ope uromaior revolugao no modo de
curar anteriormente em voga do que o
FEITORAL DK mMIITA
TANTO NO TRATAMENTO
DA
Tosse, Crupo,
Asthma, Thisica,
Rouquidao, Resfriamentos.
Broucbites,
Tosse Convulsa,
Dores de Peito,
Eipecturacao de Sangue.
Como em toda a grande serie de enfeimi
dades da Garganta, do Peito e do*
Orgfios da respiracao, que tauto
esle maraxilhoso remedio, sap mais que suffi-
cientes para sustentarem a opiniao do
Teas sido apresenluda ao public/
Durante o espa^o
DE
4 0 ANNOS.
Para aboaconservac,ao
DE
. VOSSO CABELLO
^-f^
Kile e um preventivo seguro e certo contra
a calvice.
Elle da" e restaura forca e sanidade & pJle d*
cabe^a.
Elle de prompto faz cessar a queda prema
tura dos cabelles.
EUe da" grande riqueza de lustre aos ca-
bellos. \
Elle doma e faz preservar os cabellos, en.
qualquer forma ou posicAo que se dese-
je, n'u'm estado formoso, liso e macio.
atormentam e fazem kiffrer" a h'um'anidade. I EUe hl CreSCer 0S Cabellos bastos e comP"-
A maneira antiga de curar consistia geral- tn !' ,, ,
mente na applicacAo de vesicatorios, san-, E'L^7* S! L* %S a ^^
grias sarjar ou applicar exteriormente unJ n,hmPO e l.vre de toda a especie de c*spa
guentos fortissimos composes de substaS-1 U1^Prev,ne os cabellos de! tornarem bran
fresr
cias vesicantes, afim de produzir emnolhas m .
cujos differentes modos de curar, nKzfam ato ^T" ^ ? 6S!ad de
senao enfraqnecer e diminuir as for{S de! -"? refnerante -e agradavel.
pobre doente, contriboindo por esta forma
d'uma maneira maisfacil e certa para a en-
fermidade a destruifio inivitavel de sua
victima I Quarp difforente '6 pois o effeito
admira'vel do*
FEIIOfiAL SE AVAUSUIIA!
Era vez de irritar, mortificar e cauzar inau-
ditos soflriraentos ao doente,
Elle na"o & demasiadamente oleoso, gordu-
rento ou pegadigo.
Elle nSo deixa o menor cheiro- desagrada
vel.
Elle 6 o melhor artigo para os cabellos dat
' cfiarr^as.
Elle e" o melhor e o mais aprasivel artig
," para a boa conserva^So e arranjo dos ca-
bellos das senhoras.
} Elle 6 o unico artigo proprio para o pentea-
do dos cabellos e barbas dos senhore*.
NENHUM TOUCADOR DE SENHORA St
PODECONSIDERAR COMO COM-
PLETOSEMO
oo r.i) vende-se uma canda de carreu a-
o do Bego Medeiros, a rua da
Calma, modifica e suarisa a dor,
Alii via a irritacao,
DesenToWo' e4entendimento,
Fortificao corpo
e faz corn, que o system a
desaloje djuma maneira prompta e rapida
^ ate o ultimo vostigio da enfermidade. 0s.;
melhores votos em medicina da Europa, (o ^u; Preserva> hmpa, fortifica e aformosea
entes dos collegios de medicina de Rerlim) \ {^ A D M7* W W \
testificam screm exactas e verdadeiras estas \J .^_>i^mMwMuJMJMJ\_P
r(.la56es n^alogicas,. e alem disso a expe- Achs-se & venda nos estabelecimentos <* '
riencia de milhares de pessoas da America H. Forstor d G., agentes. E em lo Hespanhola, as quaes foram curadas com principaes lojas de perfumarias e bticas.
TOIsICO ORIENTAL

Escfava
Precisa se de nma eicrava qne saiba coriohar
0 abaixo assignado, estabelecido a rna Vidal
de Negreiros a. 82, deelara que de sea poder de-
seneaminhoa so nma letra do aceite do Sr. Peli-
t^^TJ^Tl^t'Vj^it'^?' engommar cm perfeicio : a traur na rna 6
U da qual recebeu o abaixo assignado dinbeiro Pedro AfTonso nni'nr* rna d> Praia n 97
por conta, pelo qne previne ao mesmo qne nao A"oso, nut ora rna da iraian. 27.______
pagne o saldo nem faca transaccSo alguma a n5o' ~~ Se acha fugido desde o dia 23 de fevereira
ser com e rnesmo abaixo assignado, on por pessoa Proximo passado o men escravo do nome Sebeton,
Dor elle autorisada por procuracao, sob pena de de 'da*! 4S annos, cor prefa, altitra regnlar, porr-
ca barba, que con*erva nn qneixo e por cima do
beico, om dente tira.|., ,IU frente, pernas um Unto
arqueadas para ir.:/. qu.hrado de uma verilna, e
-nao ser levado em conta, e ser constrangido a pa-
gar o que deve del la ao abaixo as-ignado, judicial
mente.
Joao de Arevedo Pereira.
Avis.
tem um priacinin d- euron na cabi-ca ; fazem hoje
15 dias que foi encontrado i,u Caxanga dizendo
|ue ia >ara n Recife ; sahe-fe qne mudou o nome
e costuira dizer que se chama Severiano : peco a
qualquer antoridade, cap'iaes de rampo e ootras
Une dame de Paris offre ses services aux families quesqn.'r p*ss..as a appiehensa.i do dito ewravo,
de Pernambuco pour enseigner a domicile I'arte Pdendo traze-lo an engenno Jardim, da comarea
de la cmtur la coupe des robes, la facon, l'orna- de Nazareth, ou entrega-ln no Hecifa ao* Srs. Leal
men1, et tout le qai concerne la lingerie. Sadresser >TX"an> a rua no Marquez de Olinda n. 56, t*u
rua da Imperatnz n. :)0, 2 me etace sera" generosamente reeo r.|.enad..s. Engenho
Jardim, 29 de inarco de 187a-.
Joao Uapti.-ta (aoncalves Ferreira, deelara
que eniregou sua cei-tidao de idade ao Sr. Ma-
onel Azevedo de Andrade, alim de *er contem-
plado como legatario de Antonio de Azevedo VII-
arouco, fallecido em Portugal.
Aluga-se
ADtmie FelippeGonralve< Guerra.
'H
So-litio Haronira Restanrarae
*<- iiiiEiiliuc-nna.
Tcndo c?ta sociedade de celebrar no domingo 12
do con ente, exoquias funebres em honra do charo
e prestimoso irmao, de saudosissima memoria, o
Tendo-se concluido o atarro e calcada nara me- lVTV ,r!"ao'Dae ,"a5?,52 mpumor,*'i
Ihor faciliter o ingresso a casa que devia se?vir ,Dr Antun, C?,rl09 ^,r* d-5 B?T' ^""-^
deasyloasconvertidas, extra-muro, com Mrth Leon>Paraa el,a? assretirconvidaa todos o. irroaoe
de ferro na frente, no lira da rua da Aurora na maons- .. -.,,,_
nova rua da Lembranta do Gomes av sa 'e a ., 0,u?ros8,m' achaDdo EC a "ft do *f ,3 <,e^-
qnem desejar alugal-a, qne el.a e va'sta e fern of m^)^^\^S^S^iiSi
maioies commodos possiveis para grande familia q^ lucclona a retenoa socieaaoe, netie terao
e aluga se por PreW niodico: a tratlr com Igna- SVstido* S ^ ^ apreseD,arem deMDt-
cio Barroso, na rua do Capibaribe n. 34.
Aluga-se
A loja do sobrado n. li da rna de Vidal de '
Negreiros, confronte ao chafariz da frente da Igre-
ja de N. yenhora do Terco, bastanla acreditada
para venda. pois ha mais de um seculo que tem
sempre servido para este negocio, com armacao,
pesos e medidas : a tratar com Igoacio Barroso, na
rua do Capibaribe n. 34. -
0 secretario,
Uanoel Bunrte Vieira.
L4R.WGE1RAS
selecta e de umbigo
(Enxertadas)
Sapotizeiros
e sapoteiros de 11 palmos (em vasos) e de todos
es tamanbos e precos mais commodos qne dan-
tes; assim como as seguintes outras plantas de
fructa e de ornato :
DEPURATIF
dn SANG
PLUS DE
COPAHU
Abaca ti.
Acacia.
Ariticum a pe.
Canella.
Casuarina.
Carolina do principe.
Condeca.
Coracao da India.
Figueira.
Flamboyant.
Frncta-pao.
Inga do Para.
Jambo.
Jasmim laranja.
Laranja da China.
Dita do ceo.
E outras plantas :
ura n. 20.
Laranja cravo.
Dita de doce do Para
Dita liMifa.
Dita tangerina.
Lima da Persia,
bita de umbigo.
Limao francez,
Dito doce, enxertado.
Oiticoro.
Paimeira imperial.
Parreiras.
Pinheiras.
Romeiras.
Rozeiras-.
Rozeda.
Ubaia.
na i apuoga a rna da
Van
Paris, 86, Rna Vivlenne, D
IHs'fiV.iM MfiDECIN SPlCIU
His iiirmMiDADta mi ieicaki, as tmofom
C-TA1F.XI f ALTIBAfOra DO AKCI.
I Vi,000curasdMt'mjBa>
I qtnt.pmlulas, ktrpei,
1 surna, comi met, acri-
I tnonia, ealterfOti, vi-
\ciota$ do sangue, vi-
rus, e aUt..., ors a, sangue. (Xaroge vegetal
sem mcrcurio). Bciur it ie|tUii
** miiibbaes tomao-se dous por
setnana, segaindo o tracts memo DepuraUvo .* e
empregado aaa raesmax molestias.
I Este Xaropc Citracto dt
ferro ric C1IAH1.E, cura
I iraraedutamenie qual-
quer purgarao, reta-
xacao, e debilidade,
e igiuluieuie o jiuxos e floret brancas du
mulherei. Esta iuieccao benigni empregats*
com o Xarope de Citracto de ferro.
BrstrriliM) Pom ad a que as eura eras dias.
POMADA ANTIHERPETICA
Contra: nas ajeccoes cutaneai e comixoei.
PILULAS VEGETAES DEPURATIVAS
do Chable, eada frasco vrsi accompihads
de nas folheto.
AVISO AOS SRS. MEDICOS.
Con catarrhoi, lout
coqutluchei irrilacis*
nervoias uu dot bran-
chial i lotas as dotneat
---------------do peiio; bast* ao doenta
eolhe rcbdea deite jarope IV Forget.
Dr. CUABll em Paris, ran Vlvlnwe, a,
rasfes.
Sirop du
D-FORGET
0 abaixo as^gnado laz pul.lirc a Sodas as
pessoas com quem tem relaeoes commerciaes, que
retirou o seu escriptorio da Travessa do Cari ca n.
2, estabelecendo-o na obra do mercado publico.
Recife, 9de abril de ISn.vp&i?.^-^ ^..a^a
Jose Augusto Araujo.vi. L ,
g
II
Compra se e vpitfa-fp
e nsado no arm:izem
perador n. 48.
'rnptesnovos
da rua 0 Tnv
^'@@,@@
LICOR Df>6 MONGES BENEDICTIKOS DA ABBADIA DE FECAMP
Este cdlebre licdr lao
appreciado do publico
ao ponto de se" encon-
trar hoje era todas as
bSas taezas, tanto no
Restaurante como no
jantar domostico; nos
grandes hoteis como nos > 7^
salfies dos principes, por
isso i5 elle tamben o ob-
jecto de numerosas imi-
tacSes,. cuja maior parte
de falsa'provenencia.
Como termo final de
gaiantii'aos consomma-
dores cuidadozos tun
producto puro, exquisito
e essencialmente hygi6-
nico, contra estas falsi-
ficacoes rletcstaveis de
man {r.isto e nocivo, &
saude, danios retro o
laodelo da garalTa e mais
acima o dos sellos e le-
treiros. que envolvem o
veriludeiro licdr benedic-
tiuo.
0BSERYAC40 ILIPORTARTE.
Recommendamos particular mente-ao publico cm geral, o exi-
gir o tetreiro acima, qni r sempre posto no (undo das garaffas
desde o \' de Outubro de 1872 qne tem a assignalnra de
A. LEGRAND aine. director oebl.
N. B. Cm tempos de epidemia o BE.VEDICTINO e um preiervatlvo
certo; um grande nnmero do oelebridades medicaa tem dado o
certiQcado bem formal.
Depoarito serai t A. LEG RAND ainr. em fVcnmp Franca .
Deposito geral em Pernambuco, A. REOORD.
-





COALTAR SAPONINADO
DE LE BEUF
DESINFECTANTE, ANTI-MIASMATICO, CICATRIZANDO AS CHAGAS.
Adoptado pelos boipitao de Parlz e peloi da Marinba m liUr franoexa.
Esse excellente tonico possue uma efficacia Terdadeiramenle maravilhosa dos utceras gangre-
nosas e escrofulosas, nos cuncros ulcerodos, no anthrax, ndotorrhea pttrulenta, na ozenOfno
erup, feridas pelus armas de fogo, enfermidades do utero^ etc., etc.
Kmprega-se, meielado com mais ou meno* agua, em chomacos, locfies, injeccSes, gargarismos.
Como dentifricio ordinario (uma colherada das de cha" n'ura quarto de copo d'agua) e rauito espe-
cialmeBle efficai para pur Hi or o bmlo, aaaar m fenfivaa doente* e tornar firmea o>
dente* eacernado*.
0 seu uso e muito hygienico, sobretudo em tempos d'epidemia.
Uma uoticia circumstanciada ae com eada frasco. Exiga-se a prma do inventor
Fabrics em Bayonna |fVwo), em casa de Sr. LE BEUF. Pharmaceutico de class*
Depoeitos: Paris, as. rua Heaamoi; Pernambuco, A. REGORD onde se encontra tamben a
Emulo*o de Aic.trao ?ecetalda l> Beur para faxer a agua de Alcatrilo, a uaica preparaeao cod-
cenlradae Utulada cooleodo em sio alcatrio sem feral terado nem modificido. --
J 8
I
0 maia poderoso e o mais agradavel de todos os fermginosos recom-.
mendado pelos Professores e Doutores : PioRny, Tbol-ssead, Joe!:rt (ob
Lamballe), Malgaigne, Hjcord, Nelatoh, Chassagnac e muitissimos outros
contra as moiestias de consumpeao, clorosis, opttacdea, floret brancas, unrrrua/
suffurofoe*, /mlpitocSes, rachitis, etc.
EM TODAS AS PDAR1IAOMS DO HCXDO.
Deposito geral no Pernambuco, A. RECORD.
IS, 2.- rat de rEntrepdt, 25, PARIS.
l
~l


Mi
Diirio de Pernambueo Sabbado 11 de Abril do 18U.
1
>
\
PUNDICAO DO BOWMAN
RDA'DO BRUH N. 52
(Passando o chafariz)
PEDEM AOS senhores de engf-nno e ootros agncnliures, e empreeadori'i de ru
iinisnio o favor de O03a visits a sec estabelecimento, para vereiu 0 twj urtiuieuic
tonplet} qoe ahi tern; seado lodo soperior em qoalidade e fortidio; u que com a ids
MCtio peseoal pode-se verifiear.
ESPECIAL ATTENCAO AO NUMERO E LOGAR DE SUA FUNDICAO
^anni-Aft a rnrina ri'ncrna do* m,i8 mo'1erno8 lystemai eem ta
W ttpU. 03 O rUUttS U o|{Ul manbos convenientes para as diversas
ttrcamstanciss dot aenhorea proprietarioa e p.-.ra descarocar algodio.
Hoendas de canna SJg *ununhos' ***"* oe *
Sodas dentadas IBM*"* *?*.
Taizas de ferro fundido, batido e de cobre.
Alambiques e fandos de alambiques.
WTApVliniemna Pr mwdiocs e algodJo.l Podendo" todoa
UUUlIllDIIiU9 e para terrar madeira. IMr motidot'a mlo
Rom Has |Pr **** vaPr'
uuuiuas do piteote, guintidai........ |on animaes.
Todas as machinas pec"de qoe "C08lDm, precim-
Paa qualquer concerto de m,chifliM00' ** **'*****
FormJlS flfi fArrfl lem m6lQorei e mail bzratas existentes do mor-
fCllAnmmATirloa Incnmbe-te de mandir vir qaalqaer macoiaismo i von-
auuviuiuouutw* Ude fa dientei, lembrindo-lhes a vantagem de faierem
iqm compraa por intermedio de pessoa entendida, e qoe em qoalqaer necettidade p6de
Jkm presUr aoxilio.
irados americanos e iD,tr,,lnent0, **0]u-
RUA DO BRUM N. 52
PASSANDO O CHAFARIZ
FUNDICAO DE FERRO
4' roa do Bario do Triurapho (rna doBrum) ns. 100a i04
CARDOSO & IRMAO
AVISAM aos senhores de engenhos e outros agricultores e ao publico em geral que
continuam a receber de Inglaterra, Franca e America, todas as ferragens e noacbina s ne-
cessaries aos estabelecimentos agricolas, as mais modernas e melhor obra qoe tern vindo
ao mercado.
VaporeS jde for$a de 4, 6, 8e 10 cavallos, os ntelhores quetem vindo ao meraio
UaiaeiraS de sobresalente para vapores.
jlOeimcLS lllteiraS e meias moendas, obra como nanca aqni veio.
laixas JTUndldaS e batidas, dos melhores fabricantes.
tvOQaS Q aglia COm cubaje de ferro, fortes e bem acabadas.
HodaS dentadaS de todos os tamanhos e qualidades.
Rel0gi0S e apitOS para vapores.
BombaS de ferro, de repncho.
AJauOS de diversas qualidades.
FormaS para aSSUCarjgrandes e peqnenas.
VarandaS de ferrO fundido, francezas de diversos e bonitos gostos.
PO^oeS iranCezeS para lenha e carvao, obra superior.
Ditos ditos p9ra gaz.
Jafros de ferro fundido Para jardim.
res Qe ierrO p8ra mesa e banco.
Macnina para gelar agua.
V alVUlaS p8ra bomba e banheiro.
Correias inglezas p3ra machinismo.
oanCOS e SOiaS COm tiias de madeira, p?ra jardim.
OoncertOS concertarn com promptidao qualquer obra ou macbiru, para o que teen
_ sua fabrica bem montada, com grande ebom pessoal.
EnCOmmendaS mandnm v'r Por encomm'enda da Europa, qualquer macbinismo,
para o que se correspondent com uma respeitavel casa de Londre s
com um dos melhores engenheiros de Inglatorra ; incumbera-se de mandar assents?
iitas machinas, e se responsabilisam pelo bom trabalho das mesmas.
RuadoBarao do Triumpho (rua do Brum) ns. 100 a 104
FUNDTCAO DE CARDOSO d IRMAO.
k pianos
33Rua do Imperador33
Ex-afinador das antigas e afamadas casaa Pleyel & Hen, e antigo director das offlci-
aa cana Alphnnsp Hlondel.
Tern a honra de deolarar ao respeitavel publico desta ridade, que lem aberto sua easa de
concertos e ajilMffief de pianos, qualquer que.sej* d estado do instrumento.
A nicsiiia casa acaba de rereher urn grandi; sorlimento de pianos dos melhores fabricantea
de Paris, coino Krard Pleyel, Henri Herz e Alpkont* Blonde!) todos os pianos sihidos da
Dhibaut slo garantidos.
Compra-se e recebe-se em troca os pianos usadoa.
casa
ODILON DUARTE & IRMAO
CABELLEIREtROS
Premiados na exposigao de
1872
RUA
DA.
IMPERATRTZ
N. 82
i. andar:
RUA
DA
IMPERATRTZ
N.'82J
l. ANDAR.
Acabam de reformar o seu estabelecimento, collocando-o nas melhores con-
dic5oes possiveis de bem servir ao publico desta illustre capital, e is Ejmas. Sras. n'a-
qoillo que fdr tendente & arte de cabelleireiro.
Fazem-se cabelleiras tanto para homens como para senhoras, tupete, chignon,
eoque6 modernissimos, trancas, cachepeign, tecidos, desenhos em cabellos, quadros tu-
mulares, flores, bouquets e todo e qualquer trabalho im8ginavel em cabello.
O estabelecimento acba-se provido do que ha de melhor nos mercados estran-
geiros, recebe directamente por todos os vapores da Europa, assuas encommendas e figu-
'inos de modas, e por isso pode vender 20 '/ menos que outro qualquer, garantindo
!>erfeicio no trabalho, agrado, sinceridade e preco razoavel.
Pen team senhoras, tanto no estabelecimento como fora ; vende-se cabellos em
porcio e retalho e todos os utensilios pertencentes & arte de cabelleireiro.
E' baratissimo
CORTES DR ORGANDY COM 13 A 15 METROS A 59000.
Alpacas de eores on in palnia de seda a 400 rs. o oovado
Na rua Primeiro de marco n. 13, loja dascolumnas, de Antonio Corr^a
de Vasconcell-.g, rende-se lindos cortes de organdy com 13 'a 15 metros,
acompanhados dos competentes figurinhos a 5$000, assim como alpacas
de cores^com palma de seda a 400 rs o covado.
m
as*
m
Na rua do Imperador
n.28
precisa-se fcjtai aos-seguintes senhores :
Domingos Mari*,;.ni Joio Vaz de Oliveira.
ioai Francisco Lopes Lima fNazareth).
Manoel Pereira Brandao.
Manoel dus Passo? Miranda.
Theotonio do BarriH e SUva.
Francisco d* Panla Borge..
Francisco Ant jnlu Poatua
9 Rua do Imperador 49
* Ha neste estabelecimento o melhor sortimento de pianos dos mais afamados autores,
como sSo : Herz, Pleyel, Plap, etc. Offerece-se tambem uma qoalidade de pianos supc-
riores, mandados expressamente construir para este clima, o qual os amadores dos
bons pianos s6 encontrarao nesta casa. .
Recobem-se pianos usados em troca.
Concertam-se e afinam-se pianos.
Tambem avisa-se aos Srs.
concertadores de pianos
que ha sempre o mais complcto sortimento de materiaes para concertar pianos, como
s8o: cepos, folha para os mesmos, cratelhos, parafusos, castor, camursa, cordas,
marfim, etc., etc.
49 RCA DO IMPEBAPOB 49
REDUCSAO DE PRECOS
FABRICAS DE CHAPEOS DE SOL
DE
MANUEL & MAESTRALI
_ Rua do Rarao da Victoria n. 23
'ESQUINA DA CAMBOA DO CARMO
E
Rua Duque de Caxias n. 64.
Os proprietarios destes estabelecimentos participant ao rspeitavel publico, e a seus
freguezes, quo teem sempre um completo e variado sortimento de cbapeos de sol de to-
das as qualidades e tamanhos ; tendo resolvido fazer reduccSo nos precos dos mesmos,
e acbam-se em condicdes de poderera vender mais barato que em outra qualquer parte,
visto receberem todos oe seus artigos em direitura, e achar-se um dos socios na Europa,
percorrendo as principaes fabricas.
Chamam a atten^So dos senhores logistas para visitarem seus estabelecimentos, e a
vista- dos pregos e boas qualidades dos artigo, nao deixarao de coraprar.
f2 Cobrem-se e concertam-se chape'os de sol de todas as quilidades, com promptidao
e a precos modicos.
^^%
24- Rua do Marquez do Olinria i\
Esqiiina do beeco Lara;*
Participa a seus fn-guezes e amigos que mudou
o seu estabelecimento de relujoe rua n. 24, onde encontrarao um grande sortimento
de relogica de parede, americanus, e cima de me-
sa, dos melhores gostos e qualidades, relogios de
algibeira, de todas as qualida es, patente suisso,
de ouro e prata donrafla, fuleado (plaquet), relo-
gios de onro. inglez, descuberto, dos melhores
fabricantes, cadeia de ouro, plaquet e prata. lunet; s
detod^s as qualidades, tudo por precos muito ba-
ratos.
Engenho p ra arrendar-se
Arren.la-sao engenho Ajuil;iDte, da freguezia da
Escada, ilist.inte da e>iagao do Frexejws duas le-
goas de b.ins ea ninhos : quoin pretender, diriji-
se ao engenho Amaragy, a tratar com a Exiin
Btroneza ie. .Vmarapy, on a i-sta praca a ruft rt '
\'i-c iii! I- iri'iaocaa n 7. a iraiar corn o Dr. I,in-
mi i ile Murai* Pnheim.
i mmm *
. MEIMCO-CIRURGICO I
-. if 2
a Dr. Pedro d'Atliavdo L. Moscoso S
*5 PARIEI O E "OPEItADfiR ^
VKna do \ imiimlc il- llni|iier-j
{} quo n. 39. i
ESPISCIALIDADE
9( Mo)cniia de xenhoraa o
S fnnsultas das 7 as 10 horas da ma- SZ
W nha^todos os dias. jft.
Das 6 as 8 da noite, nas regundas, quar- A
tas e sextasfeiras. g*
Os doente>qno mandarem os seus clia- j
m mados por escripto at 10 horas da ma- OL
J2 nhl seravi visitados em suas casas. S
s
ESCRAV0 FUlilDO-
Desapparecen ao amanhecer do dia 4 do cor-
rente, do engenho Serigi, comarca de Goyanna, o
escravo de noroe Jos6 Borges, mettre de assucar,
tendo os signaes seguintes : cabra, idade 30 an-
nos, pouco mais ou menos, boa fignra, um tanto
grosso e espadaudo, sendo o signal mais visivel
nma gomma na junta do pe esquerdo : roga se a
todas as autoridades e capilaes de campo queiram
apprehender dito escravo e leva-lo ao referido en-
genho, ou nesta praca a Oliveira Filhos & C, lar-
go do Corpo Santo n. 19, que serio generosamen-
te recompensados.
ALUGA-SE
ama easa na Capunga, rua das'Pernambucanas,
com coxeira e quartos fora : a traur na rua do
Vigario Tenorio n. 31.
41 Rua do Imperador 41
O novo proprietario deste acreditado e bem montado estabelecimento, com o fim de
conservar os creditos de unico neste genero, tem reformado e melhorado completamente
o mesmo em ordem a poder satisfazer qualquer pedido para as provincias do norte e in-
terior desta, garantindo perfeicSo em todssasprep^raQoes, aceio e modicidade nos precis,
compativel com este genero de drogas.
Espera a todo momento uma grande retnessa de pharmacia homeopathica de J.
Epss AC, do Londres, compost i de medicamentos, carteiras, pocolotes, Opodeldock de
Rnus, de Buvonia, de Arnica e de p6s especiaes para dentes.
Tem a" disposic3o.dos amantes da homeopathia a excellente, obra do Dr. Mure me-
dico do povo, jd cm 3.* cdicao.
Tem carteiras de globulos e tinturas de 12 medicamentos ate 120, & escolha do com-
prador.
Plameria, para mordedura de cobras ;
Scracenn ( Chocolate homeopathico.
\Para bexigas como preservative Cafa homeopathico.
Vaccina (
China cruzeiro, para intermitlenles.
Schynus, para anginas.
Calendula, para queimaduras:
Taranlula, para paralysia.
Tintura mai d arnica, para contusdes, cor*
te's, etc.
A CHEGAREM
Opodeldock d'Aruica.
Dito de Rims )
>para rhematismo.
Dito de Bryonia)
; Elor d'araruta.
i P6s para dentes, inglezes.
i
Jeric6, para rheumalismo.'
Matta-matta ou jaboti, para tosses.
Espirito
ra.
de Hahereman ou de campho-
LOJA DO PA8S0
DE
Cordeiro Simoes k C.
Acabam do receber pelo vapor Mendoza :
Riquissimos cortes- de gurgurao de seda lios e
com fistras achamalotadas.
Ditos de linho para veslidos, contendo cada cor-
te, o necessario para seu enfeite, como seja :
franjas, trancas, I ot5e, fivellas, etc.
Riquissimos cha'peos para senhora, ultima inoda,
a rua Primeiro de Marco n. 7 A.
r Pirecisa se alugar uma preta de mcia
5^pe: na rua do Ouro n. ?1.
ENGENHO.
Arrenda se ou vende-se os engenhos Hachadr
uo Estrella, junto a cidade do Rio Formoso, c o
Montevideo, junto a villa de Ipojuca ; os preten-
dentes achario com qnem tratar no e.-crlp'.cirio da
companhia dos trilhos urtianos de Olinda, ou na
rua Duque de Caxias n. 30.________
Curso de philosophia.
Pelo Dr. A. H. de Souza Baodtira Filho.
___________19-Rua da Uniao 19__________
Attengao.
Precisa-se ccm urger.cia de uma ama de
leite, que seja s dia, e que tenha bom e
abuudante leite, para tomar conta de uma
crian lher do matto : quern, pois, estiver nestas
circumstancias apparega no 3." andar desta
typographia para tratar.
Consullorio medico
DO
Dr. Uurillo.
RUA DA CRUZ N. 26, ANDAR.
Recem-cbi-gado da Eurepa, onde t're-
quentou os Uospitaes de Paris e Londres,
pode ser procurado a qualquer hora do
dia ou da noite para objecto de sua pro-
fissao.
Consultas das 6 horas da manna as 8 ho-
ras, e do meio dia as duas da tarde.
Gratis aos pobres. *
F.SPEC1AUDADES.
Moiestias de senhoras, da pelie e de
crianca.
!
i
* i^SSlSDS5 f C*C>Ov*SiO<>|
Na travessa da rua
dasCruzes n. 2, pri-
meiro andar, da-se
dinheiro sobre pe-
nhores de ouro, pra-
ta e brilhantes, seja
qual fora quantia.
Na mesma casa
compra-se os mes-
9 mosmelacsepedras.
Uma pessra'capaz com bom e almndante
leite sc encarrt ga da amamenla^ao dc alguma
crianca, e tambem pen^a se ouiras: ho becco do
Coxixo n. 17.________
CASA DO OURO
Aos 4:OCO?GO>
Bilketes garantidos
iiua do Barao da I'tc^oria (oulr'ora Neva
n. 63, e r- isa do costume.
Acham-se a v^nd.i i mn;;o fcli?es bilhetes ga-
autidos da 8 partc da loleria a beneticio da
igreia matriz de Jaboatao, que se extrahira no dia
14 do rorrente me;.
Promos
Inteiro 4*000
Meio 2*000
Dc 10;000 para citnu,
Inteiro 3*500
Meio 1*780
Recife. 6 de abril de 1874
Joan Joaqwtn i'.i Cnsta leite.
Cactnc grande fldrus, para pneumonias e
moleslias do coracao.
Acha-se constantemente & testa do estabelecimente e inspec^ionando todas as pre-
parag59S 0 Sr. Dr. Jesuino Augusto dos Santos Mello.
C0NSULT0M0 HOMEOPATHICO
DO
Dr. Santos Mello
Consultas pela manha, e a noite at6 9 horas
Gratis aos pobres.
ALMl-SI-
30S00O
Para engommados e arrumacoes de casa de
pequena familia ; da-se estaquaniia a uma cria-
da que seja dc f.ja cenducta e perfeita engomma-
deira : a 'r.-' .r na rua d S. Praacis-o n. 72.
m ^
Um sitio na travessa da Cruz das Alma?, perto Tendo a^ontecido um desarranio na ma-
SnentetaesSaddae iSS^ttJS&'^'tFk s f.bricantes vem por meio
easseiada: tendo 2 sa!as,.6 quartus, e f6ra co- "este ped'r nesculpa aos seus freguezes pela
zinha, despensa, sala de engommar, quarto de co- fslta que tem havido nestes dias ; esperarn
zinheiro ; assim como coctieira, estribaria, dous pore"m, em qualquer destes dias fornecer a to-
SSW'Su.Stt SfSf: r^no^o f05 H ^8ntld-^ d0 COStu'e I .'V
do commendador Tasso. tamuem a occasiSo para prevenir aos seus
freguez-is que teem em viagem uma ma-
china nova, de maior for$a e do systems
mais moderno, que fabricara* m maior es
_ cala- e com tod a presteza as quantidades que
Na rua do Bario da Victoria n. 36, precisa-s* forem exigidns.
*l'?ra09 ^r9-M?edl'0_do RegoChiye?. Peixotoe Santo Amaro, 17 de marco de 1874.
Pelos testamenteiros de C. Starr & C.
Garanhuns.
- Constando a alguetn que uma muKicr, que Jiz
chamar se Olindina, ainda ousa inculcar-se como
filha do fallecido coronel Pedro Antonio Vellosoda
Silveira, e irmi do tambem fallecido cipitao Pedro
IvoVelloso da Silveira, afim deexi-iljr a compaixao
e obter esmolas das famiiias a quern ela recorre,
aproveitandose para isto de ser eegafi esse algvem,
perdendo por fim paciencia a vista da pereislen-
cia dessa miseravel traficante qu, a noite e mes-
mo por vezes duran'e o dia. se introduz nas ca-
sas daquelles que a nao conhecem, julga conve-
niente deolarar para que nao continue a ser ex-
plorada a credulidade de.-sas faoiihas por csia im-
postora, que a filha do referido coronel Velloso da
Silveira, que tinha o uome de Oliudina. e era cega,
foi bem educaJa em Paris e casada, oxistindo ain-
da seu ma-rilo na provincia do Ceai;a. mnrieu em
casa de sua cunhada, viuva do dito capitao Pedro
1(0 Velloso d i Silveira, na rua do ITincipe, em
maio do 1869, e que nunca se vio obrigada a pe-
dtr esmolas.
A fall'icida Olindina era baixa ; mas magra, tra-
java bem, e nunca andou nas raas desta ci
dade sem ser acompanhada por pes.-oa respeita-
vel ; entretanto que a Impostera, que parcce mais
velha e provavelmente nao tern o uome de Olindi-
na, se e baixa, e gorda, anda mat trajada e co
berta por um velho chale, sendo acompanhada
por um pardinho.
Recife, 28 de marco de 7874.
A. F.
Francisco Ribeiro Guimaraes, subdito por-
tuguez, retira-?e para Portugal, e d ; ante a sua
aus'neia deixa como.sens procuradores os Srs.
J *e" Antonio da Cun a G-:i:;:.:" e Joao ia Silva
Ferrfira. |
Recife, 9 de abril de 1874.
Cavallo roubado.
D.'Sipparecou do sitio u. S da eslrada de
Fernandes- Vicira, junta da estaca i dos bonds,
n dia 7 do corrente, am cavallo pedrez, cum os
siguaes seguintes: una marca preta na barriga
e inn talho na orelba ; as pessoas que delle
derem n tieia no dito sitio, ou na rua do Com-
mercio n. 13, serS generosameote gratilicadas.
- 0 abaixo assignaJo participa a l dus os
seus freguezes qne io:ii c ucrlos e ob as novas,
como spjam : rodas, carros e earro;as, no st-u es-
tabelecimento, dos qnaes se a^'iam em divida,
que no prazo de 30 dias, s^ as nao vierem bu car,
as vendera para o produclo dos concertos a qjie
estao sujeitas. Avisa mais que querendo acabar
com o dito estabelecimento, vende todas as per-
teujas de sua oflkina, por precos niui razuaveis :
os pretendeutes podt'in dirigir-se a rua de Vidal
de Negreiros n. 150, outr'ora Cinco Ponlas.
Jo^e Antoni) de Fraga.
Aluga-se uai boui sitio na eslrada do Monteiro,
perto da estagao, com excellente casa, com gaz,
cccheira, jardim ; perlencente a viuva do Dr. Ja-
cintho Pereira do Rego : a iratar com Francisco
Ignacio Pinto, na rua do Rom Jesus, ou na rua do
Imperador n. 83, 2'andar. No mesmo sitio tem
queni mostre os commodos.
Silio no Arraial.
Aluga se um sitio no Arraial, proximo a esta-
cao da Casa Amarella (um minuto) com exelleu
les casa de moradia, tendo os segunles commo-
dos : 5 quartos, 2 salas, cozin1 a ex'terna, terra-
fo, casa de banho e diversas fructeiras. A^uga se
tambem uma outra casa no mesmo lugar, com 3
quartos. 2 salas, cozinba externa, agua de beber
e um bom quintal por commodo prew : a traiar
na rua Primeiro de Marco n. 16, 1 andar.
(MIB0.
Devedores.
Preeisa-seda um na rua Formosa n. 24, casa
com jardim, detronle do beico dos Ferreiros.
Ol-iudina Maria da Conreijao -da Costa- re
ira-se park a cidade da Rahia.
os6 Paes
sse
da Silva, a negocio de particular inte
Engenho
Vende-se o engenho S. Pedro, situado na pro
WilHam W. Webster.
Cozinheira para hotel
OITerece se uma, que tambem prestara seus ser-
vicos em cas* estranneira, de homem solteiro, na
0;-i ;enc;'
*n o c.,w..' .*p..
a be.
zi-ihoi-
Na Ponte Veiha o armazem n. 42.
n.8
vincia de 4lagoas, comarca do Porto Calvo, a ; Pr^J'a oa for* d'ella ; a tratar a raa das Calcadas
menos de uma Tegoa distant-: do porto de mar do
Gamella, tem oxcellentes iV.rras, matas, e tafreja
regularmente 2,000 paes : a tf. t" ua rua do Vj-
gario n. 31.
Offerece-se para caiiBto de molhados on
para cubr^iijas, dentro ou f6ra da cidade, o qual
|rm& pr halanco qualquer estabelecimento ten-
o>nt) a molhadus, dando flanca de sua conducta:
s ir?t..r r>. ,n"-- tUtu Aconguinhosn. 20.
Aluga-se o primeiro e segundo andares da
rua de S. Jorge (antiga Pilar) n. 23, fre.-cos e
aceiados, e cada um com commodos para grande
familia : a tratar no n. 74.
- Precisa se alogar duas. pretas para vender
na rua: ns rua do Caldeireiro n. 72.
Vicente fugio.
Na noite de 13.para'11 de marco do corrente
anno fugio o mulato Vicente, escravo, de 20 anoog
de idade, bonita figura. barba e estatura regular,
levando vestida eem um sac ruupa de !*'g idao
branco e alguma mats Sua pert^nceute a um a|
xeiro da casa d'oBde fugio ; 6 uatural da (me-
zia de Sant'Anna do Mattos, diz ser livre, casado,
e ter.lido criado em corapanhia da malrinha D
Anna Luiza da Lnz, de quern alias fm escrav..
roga-se, porlant<>. a>>s senh>)res rapMies e autoridades p.iliiaps a appr"-' rjn <*
cravo, e entrega lu ..^ aic; > d.. H-.... m j
Crepo n. 10, ao Sr. Joaquira .ira V '. i. if!
cila do A a." e O!1
v-ira UaptisU, jae ser?.. t^ or
Cadoi, of.
Os proprietarios da Confaitana do Camp s. I,
rua do Imperador n 24, pndem aos sensdevedorea
que tem tide rernissos, o favor de virem pagars us
debitos ale o dia 8 de abril proximo vindouros
avisam ao-- niesmoj que se ;.le aquella data nao e e
tiverem saldos, verao s*>us nomes neste jornas-
sem dislinccaode pessia alguma.
Pede-sc ao Iil.n. Sr. Dr. chefe de policia
para que de* as suas convenientes determinacoos
a quern ii direito pertencer, para fazer cessar as
blaspheirrias que se apresentam na rua do Impe-
rador coniinuadamente d-' dia e de noite, que nem
as famiiias podem ter o gozo de lomar Iresco em
suas varandas ; bem assim os donos dc al^uns es-
tabelecimentos nao podem estar com o seu cora-
cao descancado, porque s&o provocados desde ma-
nha ate depois de 9 boras da noite: por lauto re-
corrc-se a autoridade competente, na.qual se con-
fiando nnsn aadministraQ.io, espera-seser atten dido.
Permuta-se por um terren'ou *itio no* ar-
rebaldes desta cidade, duas pejuenas casas de
padrae cal sob ns. 22 e 24 a rua dos Paces, fre-
guezia de Afogados, com duas salas e dous .Quar-
tos cada uma, vinte palmos de largura sob cin-
coeuU de fundo; a quern convier, trata-se ni rua
Ostreita do R sar;.-, n. 17, i. andar.
Canal de escravosfugidos
Aujentaram-c do engenho Boa-Sorte, comarca
do Limoeiro, dous escravas raarido e mulher, sup-
pSe-se terem vindo para o Recife. O escravo tern
os seguintes signaes : chama-se Saturnino, cor
parda, 40 anuos de idade, pouco mais o: menot,
rsiatura regular, barbas crescidas, no.-to que as
pode ter raspado, pois que e mu to disposto e la-
dino, rosto comprido e inagro, qoeixos gratides e
bocca um tanto fnnda, cabellos regulares pata
mulato, teve ha pouco tempo uma enfermidade no
dedo iOllegar da mio direita que ainda apparece,
e tem falta de de ties. A escrava chama-e Mcen-
cia, tambem mul.:U e descorada, um pouco '>aiXi
do corpo, rosto dnscarnado cabellos mais a ^rt-
il is do qn- o. do marido, pps granles, peitos cn<-
ci Is, I". Ita Qi u..utp-- e reprt senla timbem ter 40
anuos : roga se .is u ,.s;.> a ,:n iades i>olii-ias e
o;.pitaes d rampo a apprvheuya-i desies ,.^.^os.
e participarem f.o cirre.-p'iudente do propriacario,
iwm a&Cjut do Recife n. 16, armazem, que
tr .!n. ira'geaerosamenie: __
in ^'ir 'trlocli s!!!
Laurentine Cesar,
do Cabo, o
.a ..v uu ... a i
:h
uu iiivramtuto n. 20

sr-.


-a i^P


6
3M& MFUimMioo j^iftfliUido- li ddi Asbiii' de, 16W.
PHOTOGRAPHlA HH1M P E RIA
LOPES & C.
ESTABELECMENTO DE PRIMEIM ORDEM
Rna d)JarAft da Victorian. .4, sobrado
(ANTIGA RUA NOVA)
Trabalhos premiados na ultima exposicao
DO
RTO DE JANEIRO
Acha-se raontado sob as mehiores condicOe? de arta, e aberto a,
concurrencia publica, este estabolecimento, o primeiro, sem duvida,
doata provinua, no qual so iiram retratos pelos melhor.s e maia-
modernos s^stemas, empregando-se somente material de primeira
qual dade, e garantindo se
Semelhauca, nitidez e daracjio.
Trabalh;-se todos os dias uteis e de guards, desde as 10 boras:
da manha a*s quatro da tarde, nao prejudicando 0 tempo de i huva
ou nublado a perfeicAo dos retratos.
Faz-se toda a qulidade de copies, augmentando-as ou diminuin-
do-as.
8$000
Uma duzia de retratos de uma so pessoa, em cartfles para al-
bum.
Para os retratos esmaltddos, colloridos, grupos, e augmentados ha
uma tabella de precos.
Tram-se retratos ate tamonho natural.
EXPOSICAO DE NOITE
Na rua do Barau da Victoria n 3
fallar ao Sr. J. {eaoeiejJoSBMaria
gacia de seuiuterejp e.
AMA
'-taAraiftdeajKias.
O SR Antonio Ribeiro Plkies, cataeiro a rua do I
iiqne de-Caiias, qteira vir a rua. do Imperador, '.
! andar.
Para eozinhar e corrpra;
preci.-a-se de uma ama : na.
rua Baque do Caxias n 6,
>(Sfe
negock) de rautuo intcrease, itto por se
nta residtncia domestic*.
FAHMDAG
i
Na rua do Barao da Victorii n. 36, precisasfl
fallar ao c- -j-a a. _... f_._,. -.1
,&.v o escravo Juvenal.
Foi trajando calca de brim listrado, esmisa, ,
chita de ri? a.,., e chapeo de pallia de Italia. W ia!lar ao s,r v'gario Andre Curcfd deAraujo Po'
de eor parda, idade 12 anno*, tern falia de urn reira' a neocio de seu inieresse.
dente na frenie e e bastante paroleiro. Rnga-se a ^V?i'^'^TKV-il'* apprehensao do mesmo, e conduzih a rua da >j ^^ vsvr-^v.: ^^-*-*jv*^isp
Crnz n. 3, ou Conde da BovVista n. 51 para ser rj
sratificado.
if Prtcisa se de uma ama forra ou escrava,
que saiba epjjomraar : a tratar na rua Nova, loja
p. 7.
A Ttlfl Precisa-se de uma ama para cfcinhar,
nuiA.pjiga.se bem : atraur na roa,do Ilospi
cio n. 70, casa lerrea de bolas amarellaa na cor-
nija.

Precisa se de uma ama qne saiha cozinJkat bei*
para casa de familia : a tratar na rua do Ran gel
n. 8^
Precha-se de uma ama para cozi-
har para casa de familia :
Viscoode de Uoyanna n 129.
AiVIA ~*r Paracasa *e fmHia :
Pracisa-.sr
.Viseonde de Goy
casa da mm
Rua 1. de Mar^o n. 23
Aos SfcOMftOOQ.
0 abaixo asaignailo ten sempre exposto a ven-
Ja bilhetes da btetia do r>io> ouja extraccao an-
aanciara pelos jornaeo.
Dtteos.
lateiro 2i*000
Meio 12*000
Quarto 6*000
Manoel Marlins Fiuza.
avisa nos Srs. capi
\A
LOJA DO PAVAO
NA
Rua da Imperatriz n. 60
PARA LIQUIDAR
r- Francisco Muniz Ponies, *>ih ilu 010. wijii-
taes de campo, que no dia 19 de marco proximo'
passado desapp^receu do epi o Capivara, *eu Grauadina pretn a 500 rs. o CAM1SAS
escravo de nome Comjjo. prei.'. com 26 acnos cuvitdo.
-f .pelo barato proco de 500. rs, o eovado.
^c, Hatlupultlo enfestado a 3;000
iyyanna n. izu o apprehendcr pi dera hDHkJaao ekOfisK
HlAKCLZAg A 2,5000, **600'
35000 E35O0.
Precisa-se de uma ama para casa de fami-
lia de duas pessoas : a tratar na rua do Cabuga
ftA.MrV
Amar Preeterf-se-de rftna Srta seta ifM<-prefer* to es-
crava : a tratar na Capunga, rua dasPernambu-
canas n. 62.
Ama Prec'sa se de nraa ama para cozmhar
u<* em casa de homem sol'eiro : a tratar no
pateo da Penha n. 8.
Narua de BWasWsJ P*KE}}
lifatt^flelo P#lftd>Orj,. pneci-
h sa.-M de, iwa ama qafl,coziijJie,
L compre, sen9o due agrade1 .paga-se
generosamente.
Amff Nn INW e ftdlp a f
~ precisa-se sempre de amas seccas e de
lei,e assim como de caixeiros, copeiros t criados.
*aV. a,'u#>* qtje siftl
1 e-i eK:fi[ar cem
se solteiro : a rua
W%0&* dftjaylz p
de Pdro Affonso^. 25.
' Preci>^>e\deji
laUba Dora to
prar, e qne sajai
de Pedro Affonso ns. 13 e 15.
AMA
fe tot ai)a fade
(Mmiti e cinj-
lialiel : na rue
srato
i i Consirilirrio jfiedieo-eiFfifgico ^
Aluga-se ura sitio perto da pra^a, distante das,
estacoes daJaqoeln e Tamarineira cinco minutos,{
lendo a casa 2 salas, 1 quartos, cozinlia forae ca-'
eimba coin boa agua de beber ; sendo o sitio todo
murado e com bastantes arvores de fructo : a Ira-
tar no armazem da rua do Iinperador n. 16.
Alugase um sitio na Capunga, rua das Per-
oatnbnpaaaj n. 66, conP-nfl-) 3 sala,', 10 quartos,
coebeira, 2 cacimbas, casa para banho, com di-
verso? a'rvoro!os:sciido a maior parte larangeiras
;*e naib'go, sapota's e abaeates : a tratar na rua do
Harqacz de Ol-nda n. 62.
-
V
I
%
a*

DE
A. B. da Silva Maia.
Rua do Viseonde de Albuquerque n.
II, outr'ora rua da matriz da Boa-Vista
n. It.
Ghamados : a quaiquer bora.
Goniullas: Aos pi Ires-gratia, da.<2 as
\ hotas ia tarde.
Dasapparerea da ilha de Itamaraca no dta
rreute o es ravo de noms Antonio, pertcn
nto a abaixo assign do, com os signaes se-
altura pouco menos qne regular, cor
a idade 22 annos, tern um dos dodos de uma
<'..i bietade de menos : quern o pegar din
a ilba de Itamaraca, que sera bcm reeoa-
Francisco Theodore- de Macedo.
Clara Olympia de Luna Freire, profeisora da
ir i-adeii.i do Pairro do H.cife, tendo reassu-
f-xereie'ii, acha-se com sua aula aberta na
' i \igario ii. 2t 2 andar
'
iMilices,
ii lem-se quatro cp-di-es da divida p-o-
quem pretender comprar annuncie
para ser pneurado.
morada,
Galiza.
*arv;!fio ANogueira, na rua do Apollo
n. 20, saw am sohre as seguintes cidfldes da
Galiza. na Hesp. nha : Santiago, Orense,
Patron, i errol.'I'onte-vedra rCoruna, qual-
que- quantia & vista o por todusos paque-
des.
AJUirt
Seem* es de- paaHi
tbaixp2*4Har*#n| pptfeBTpa-
. "VafUfnajcasa de. familia,oom-
posta de duas pessoas no paieo do Paraizo h. 28,
primeiro on segundojandaiffs.
AM A Pree^e deajma^/crrrou/estraw,
para o service da pequena familia : na
rua Direita n. 127, 2 andar.
do aos abaixo assignado acliar se nes-
pi <--i o Sr. atanoel Fernaudes de tiarvailio, ren-
dos engenlios Harra o Preguica, em Ma-
i] j-iovincia da Parahyba, veem rogar ao
mestno i pbzeqnio de vir entender-se com os
abaixo assignados immediatamonte sobre negocio
tendente ass referidos engenhos. P,ua do Amorim
37, c.-cri;;torio.
^ Tasse Irmios & r,.
SJHTIMEIJTO
MEDICINA
Preparado poi
I.anman & kemd
para tliioiica
toda a qnalidadf
de doenras, quer
sop na garganta,
peito ou bofes.
Kxpressamentt-
escolhidodosme-
Ihoresfigailosdof
quacs se extrahe
o oleo no banco
la Terra Nova
purificadochimi-
.calmente, e sua^
[valuaveispropri- j
edades conserva-
das com todo o
cuidado.emtodf
ofrascosogaran-
teperfeitamen-
te puro.
Este oleo tern
sido subrnettidc
aumexamemui-
to severo, pelt
cbimico de mais
talento, do go-
verno hespanhol
em Cuba e foi
pronunciado por
elle a contpr-
MAIOR PORCAO D'lODlNA
do quo outro quaiquer oleo, que elle tern
exarninado
IODINO E UM PODER SALVADOR.
Km todo o oleo de figado de baeajhao, e na-
quelle no qual contem a maior porclo desU
invaluavel propriedade, e o unico meio j.arj>
curar todas as dtencas de
GARGANTA, PEITO, BOFES, FIGADO,
PhtysiV.i, bronchistes, asthma, catharrho,
tos, rosfriamentos, etc.
Uns poucos frascos da carnes ao muitt
magro que seja, clarea a vista, e da* vigor
a todo a corpo. Nenhum outro artigo co-
uhrcido na medicina ou sciencia, dd tantc
nutimento ao system a e incommodando quasi
nada o estomago. .
As pessoas cuja organisacao tern sido des-
truida pelas affeccdes das
ESCROFULA8 OU RHEUMATISMO
e todas aquellas, cuja digjjstSo se acha com
pletsmente desarranjada, devom to'nar
OOLfeO DE FIGADO DEBACALHAO J
LANMAN &KEMP
Nan se prestando o pequeno espajo do- armazem
n. 10 A, a rna da Madre de Deos, para nm abaste-
eido deposilo das diversas marcas do fumo, que o
abaixo assignado almejava ter, aha-se d'ora em
diante aberto outro eslabelecimento sob a mesraa
denominagao de
Aniiazem do fumo
X1 rua' "do" Amorim n. 41
com todas as proporroes desejadas, e onde pode-
1S0 os senhores ficguezes dirigir se, eertos de
que, como ate" aqui, acharao sempre a par da rno-
dicidade dos precos, a maior sincei idade possiveJ.
Fnlre as diirerenle; rnarcas de fumo da Bahia e
Bio de Janeiro, que tem sido annuneiadas, acaba
de r.hegar Qma eocommenda especial, e que muito
deve convir aus si nhores fregnezes. Consciente o
alia xo assignado de que neste genero de negocio
nao esta sem c^mpetidores, fara muito por evitar
qr.e tambem os tenba eom relario ao pequeno lu-
cro que procurara obier da dita mercadoria.
Jose Doininguet do Carmo e Silva.
1:000*000
Da-sea juros sobra bypotheea a quantia de
1:011(1^000 : quern preciear deixe carta fechada
nesta typography com as niciaes P. F. D.
Atlencftu.
Precisa se de uma senhr.ra que esteja babilitada
para ensinaro portuguez, franeez, piano, costuras,
bardados, etc., etc., e (jue qun'ra irparaumen-
penho pciti do uma das estacoes do Recife a S.
Francisco, para ensinar a amas ineniuas que ja
eslac principiadas, pag-ie 1 oOOjfj, e grirtifioa-se
gradaando : a tratar uas Cjbcq Pontas a. 8l
Affns:) de Alhiiquerqae MM
ineambe-se de promover ci brancas amigavel
ou jiulii-ialmeiite, assim conn do outros negecios
conL-trnentes a sua proQssao, nos lagares- proxi-
nics a linha ferrea, e nog outros termos proximos
a esta cidade; para eujo aoxilio tem o annu-
cianto solicitadores habiiitados e probos, respon
sabibsando-se no entanto pela boa gest.io e conta
do que Ine for confiado.
Mediantc mo4ieo hrnorario acode aos chmados
para diligencias ou consultas fdra da cidade e do
termo e innumbc-se da defeza de appellagoes ante
o tribunal da relaeao. Pode ser procurado de
meio dia as 3 horas da tarde em seu escriptorio
a^rua do Duquo de Caxias n. 37.
Ksta eucouiaiijado I f 1"
Vj;u;i incAe cm pcilru dura
Tan to da ate que a f ura
Roga-se ao Him. Sr. lgnacio Vieira de UM1
escrivao na cidade de Nazareth desta provincia,
favor-dp viraraaiBnqnedB Caxias n. 36i'a-con-
cluir aqnelle negocjp-.qu,S, S, s compromettau a
realisar pela tejceira chamada deste jocnal, em
Hns de dezembro de 1871, e depois para Janeiro,
passou a fevereiro e abril de 1872, e nada cumprio;
9 por este motivo e de novo chamado para dito
Bm, pois S. S. se deve lembrar que este negocio
de mais de eito annps,e quando o Sr. sea filhe v-
achava nesta eidada.
apprehendcr podera lovado ao esifiwo _,
Leal & Irmao, amide seri^fBonifl;to.
ATTENC40.
a peca.
protean icmesDjo abaixo astignado.
_____Jo(rquirikXvciUo de. Siqueira VarejSo.
O PavSo vende pec8S de madapOlao en-
festado, pelo barato preeo de 35000 a peca.
..ft,a)ixoassignado,#.^aai sai^facao do varias: Ditas sem ser enfestado, cem 20 iardas, a
5atm8^^^r'^o^jti"?^?: ^000 R.'oO ^000" ^
se o tem nenlrama cenwa Ihe cabe pelos actol ^g2f' a G5>000' 6^00 e 7*000'
praticadoa,poE a^ueHe* senhorw, contra oa quaes: ALPACAS PRTA8 A 500, 6V0 E 800 RS.
0 PavSo tem um grande sortimento de
alpacas pretas, que vende a 5 JO, 640 e 800
rs. o eovado, assim como grande sorti-
mento de C8nt6es, bombazinas, princezas
pretas, murinos, e ou-tras muitas fazendas
AnsaotQU-so n* dia.10 de, fevereiro proximo, nrnnrias narn lutn
passado, da casa de seu senhor, abaixo assignado, Pr0Pnas PB"' ,u- _..rj.^
" ejerayo Estevao, com os signaA seguintes : c6r cuiiilias a ajJUaUW.
., i&ado^de 25 annos, alft>, espadaado, e cor- o Pavao vende sedas com listrinhas de
po ento, tendo o pescoco curto e grosso, e a ca- ..__ (,riui .. < n.-.- .___i
beca um tanto cLti. Dito escravo e natural da,co."* a 1'6" va,io- Dllas cm PaJ"
pwiniiia d Pafab^a, do Nort*. f.,i v.-ndido em mmhas a 20*'*- Ditas com toques-de mofo
1*68 na villa do in^L nelo Sr. Pedro Antonio da' a 19000 e 19400.
Costa ao Sr.-aJtes/fi&Di>l da Assum,;no e San- C.AMBRAIA VICTORIA A 45JOOO, 49500,
Iscravo fugido
tiafb, qae Bo-mesmo atmo-c-trouxo para esta pra-
ga dq,Iiecj^, vendendo^) entao ao. abaixo assig-
3ado.. Presume-se,que ditoiescravo teaha srgui-
o pr ai|a prarinoia njtal., Boga^e, ppis, as
0*000 E 7000.
0 Pav3o vende um grande sortimento de
cambraia Victoria e transparence com
autofidadea policiaea e capitaes da camp*a ap-'^ j/2 varas cade peca, pelos batatos precos
prebensao de dito escravo, gratidcanl o abaixo i, J_.ft(lft ,*,,, nL. crAA t-aaa
assignado a ouem o agarnr e apresyi; io na rua de 4?J()0e' .-**J. W?W>, 69000 o 7,000
djMrum n. 96. a peca-, assim como* ditaa do sajpico bran-
liecife, 14 de raareo de 187i. co, a 7#000, e pechincha.
NOVAS LAZINHAS |A 560 RS.
0 Pavao recebeu pelo ultimo vapor-um
elegante s rt mento das mais lindas laiznbas
para vestiios, iondo transparentes com as
mais delicadas cores, o modernissimos pa-
droes, que vende pelo barato preco de 560
rs. o eovado, rua da Imperatriz n 60.'
LIQUIDATAO DEROUPA PARA UO.MENS.
0 PavSo vende um grande sortimento de
roupas para homens, sendo palitots saccos,
ditos fraiw, taqto decasemira preta e de co-
res, como de panno ; assim como um avul-
tado sortimento da calcas de ca^emirapreta,
de cor, do brim de cor o branco, e um
grande sortimento de colletes de todas as
qualidades.
Tendo tambem um bom sortimento de
camisas inglezas e francezas ; assim como
Precisa se de um para todo o service >!e casa de
pouca familia, prefere se que enlenja do jardim :
trata-se ra rua.do Passeio-n. 60.
BACHAREL MIGUEL AMORIM M
Aiivogado
Rua do.Imperador n, 71.
*
Aviso.
Emprefa.dogaz
A emprezado ga tem, a bpnra,-de annunciar ao
pubjico qne recebeu oltimamente um esplendido.
sortimemo de lustres de vidro, candieiros, aran-
delas e globos, cuj^s amostras estao no escriptorio
a rua-do Imperador n. 31, e serSo vendidos. aos
sens fregu'ezes pelo prepo mais razoavel possivel.
- Qucm.prtcisar de um homem casado para
alguma arrumacao, dirija-se a rua da : retrpe n.
37
DO DODTOI WILLIAM MtRTH
Para reitituir progrf lmentp o, oabello*
rn A SUA COR PR1MITIVA
Ella lODititae cop TinUgtm Ufotgmddufmf IdjicajfiT.
NEOGENExD? NORTH
au MR* WTtTtBM>OU0Dl><||CMHtM
A SUA COR PRIMITIVA
Bom siito iabllitel deide a lomro iU it preto
Sopcriorldde Incontestatol; tmprego IdoAuIto.
Ranwaau oaiHfAt. i, ro BSTASr>*lii
Dtpoilto am Pernamtueo, A. IUHK
Ricas bandeijas
Para asamenios,. bailes e baptrsados.
Quem qaizer obte? i|ma bandeij* ricamente en-
feitada, dirija-se a Confeitaria do Campos
Ja maodando oa indo encommendar, ja com-
prando alii todos os enfeitps, coostandodo seguini
te :
Bolos finos para enfeitar.
Doces saborosissimos para enfeitar.
Figuras allegoric-s para enfeitar.
Papeis arrendados para enleiar.
Bouquets para noivos.
Alii
Encontca-se sempre o seguinte :
Fiarabres inglezes.
Budins >
Roles
Paes de 16 linos.
Fatias dedilo para parturieutes.
Pasteis em profusSo.
Filhos (sonhs de mnlvma).
Doces em calda, ralado e secco.
Bolachinbas de mil qualidades.
(Suefar Waiters vanilla) para dietas.
Gelea de mocoto, desiufeclada.
Amendoas, confeitos, etc.
Cha verdadeir.i das i^aravanas:
Cafe de Java (verd deiro).
Tudo isto Da
_____ CONFEITARIA. DQ CAMPOS.
gsggWBSty V3ii^asim!iiilfig^^i^m:s^&^
joi-c Antdntn tie Castro Porto
Manoel Albino de Amorim e sua mulher Umbe-
lina Rosa de Amorim, tendo recebido a nrticia de
ter fallecido em Portugal seu prezado irmSo e cu-
nhado Jose Aotonio de Castro Porto, convidam
aos seus parentes e amigos. o do fallecido, para
assistirem a algumas missas que por sua alma
mandam celebrar ng dia II do Ci>r rente, na igreja
de S. Ffancisco, pelas 7 horas di manha; pelo
que desde ja se confessam summamente gratos.
Mj.LSfSBSR.-. jj.arsrtJt i,a.->s^Jietew>. gmKv^om
Francisco j Miguel Jose Alves conviia as pessoas de sna
amizade e relates, e as .io finado conunercianie
da praca do Rio Grande do Sul, Francisco Jose da
Canha, para qua se dignera assist^- as missas que
pelo descanco eterno d'alrrra do mesmo fafleeido se
hao de celebrar na igreja do convento de S. Fran-
cisco, as 7 l|2 horas da nlan: 5 de aabbado. 11 do
corrente, tngesimo- dia^d* sea pasafimento ; epv
este candofo obseqnio Ifcei aoteBipa seus cordfaas
agradecimenios.______'
res I illm.
Emilio Xavier SoliBeira de
Mello e sua familia, feridos
do mais doloroso sentimento,
convidam a seus amigos e aos
do finado Joaquim Jose de
Olind* Tav.ires Flho, para
assistirem is missas que pelo repouso eterno
do mesmo (TnVdo, mandam resar no. dia 15
dbcorrente, na igrej;i do convento de N.
S'. do-Carmo desta tidade. ds.7 c meia bo-
fas da manba : e coritando riceber esse.ca-
rHos:obsequi'>, ddsdejd lhes prestam o mais
sincefo rec-)rib>cimenlo.
0 Sr. Americo de Sa.e Albuquerque e rogado a
vir a rua do Imperador n. 28 a negocio de seu
particular interesse.
Os abaixo atsignados socios da llrma Rios &
Araujo, fazem sciene ao publico e ao corpo do
con mercio que nao facam tranaccao alguma com
tres lettras aceitas em li de marco d'i corrente
anno, pelo socio Rios. sendo duas de 28!)00u c
nma da f7W-e saqaaas por Joao Goncalves Fer-
reira e Silva, visto como sendo es^as leitras o
proilucto da compra. qne fizeram os abaixo assig-
nados da fabrica de cigarros, sita a rua das Trin-
cheiras n. 43, e estando essa compra em litigio
perante o jnizo do commercio desta cidade, nao
tem essas lettras valor senao depois de decidida a
quetao dos embargos, terceiros oppostos pelos an-
ndnciantes ao aresto que foi feibi naquelle e-ta-
bflecimento.
Recife, 10 de abril dc 1874.
Joaquim Bernardino de Castro Rios,
Jose Martins de Araujo.
Perdeu-se
.Da praca do Corpo Santo, rua do Marquez de
0|inda a estacao dos trilhos urbanos da rua da
Alorora.'ou da estagao do Varadouro em Olinda,
uma chapa do ouro de pulaeira com seis brilhan-
teapaquenos, fingindo alfinete do peito : quem a
aehou querendo e trega la a .-eu dono, pode leva la
a rua Primeiro de harco n. 19, antiga do Crespo,
que sera grali II ca do.
0 Pavio rende am bonito sortimento de
camisas francezas com peito de aigedao, a
29000 e 29500. Dftas com peifo de Krlho
de 39000 a 69000. DiUis-bordadas muito
fin as da 690*0 a 109000: assim como
grande sortimento de ceroulas de lioho e de
algodio, por precos baratos, e tambem tem
complete sortimento de punbos e collarLnkts
tanto de linbo como de algodio, por precos
em con*a?
KspnrtHhas a 3?*0. 45000 e
0 PavSo vende ua bonito sortimento de
espartilhos modernos a 3950r, 4,5000 e
59000, assim como um bonito sortimento
desaias brancas, bordadas, a59000 e 69000,
e ditas de lasuiba de cdre& a 39090 : e pe-
chincha.
CORTINAfipp BOM)A4)09* PARA CAMA E
JANEM.A8, DE 7^A'K^fS9000 OPAR
0 Pavao vende um grande sortimento de
cortinaio* bordados, praprjos para oama e
J3nellas.pelo baraAo pjego de 790O0,.89000,
10^000 ate i59000, assjpi como : colxas
de dmaasco de li muito fina dc 109000
1-29000 cad a uma.
BRAMANTES A 19800, 29000 E 29500.
OPayaq vende bramintes paralen^ies,
tendo 10 palmos de largura, sendo o de
algpdapa 19860*ei28^00 a.vara, edelinho
a 2JW00, 29800^ 3*)00a,vara: e pechin-
cha.
CASEWRAS A 59000, 69000 E 7000.
0 Pavao vende.. cortes. de casemiras para
calcas, sendo padroes modernos, pelo bara-
to preco de 5JJ000, 69000 e 79000 o c6rte,
assim corao : panoos pretos dos meLhores
que tem vindo ao mercado, de 49060, 89 e
109000.
ESMERALDINA- A 800 RS.
0 Pavao recebeu um. bonito sortimento
das mais elegantes esmeraldinas Jcom.listras
de ceroulas de linboe de algodao, e vende de seda, sendo em cores e padrSes as mais
ra da Silva.
n. 69.
dajraponaui
dsc
Acha-se constantemente aberto o estabolecimen'o do PAVAO, das 6 horas da manha
de noite.
SABAO DO RIO DE JANEIRO a 200 rs. o kilo, no armazem da rua do Ajnorim; n. \i,
de Jose Domingues <1) Cacmo e Silva.
GAZA 59600 a lata, no armazem da rua do Amorim n. 41, de Jose Domiugnes do
(nrrno e Silva.
VIN'HO MUSCATEL de uva branca, pura, de custo de 2O9000, no qrvnazem da rua dc
Amorim n. 41, de Jose Domingues do Carmo e Silva.
Cprnpra-scnm porlao de ferro : na rua do
Nigel n. 62.
Precjsa,se comprar lous escravos, pedreiro e
cirapina, paga se bem : a tratar. na thesouraria
das lotenas, a rua Primeiro de Marco n. 6.
Compra-sp. uma casa ate 9u0^ : a tratar a
ria do Brnm n. 57.
Compra-se um metho Jo de arithmclica de
( ttoui, na rua doResario estreita n. 17, ii' andar.

I.
FAZENDAS
baratas.
Las com lisiras, padrSes da gosto, a 280 rs. o
eovado.
Metins padroes de gosto a 280 o 320 rs.
Uncos' braucos.de linlio a 3^300 a-duzia.
Ditos de cassa, com barra de cores a 15 e
1*200.
Gasemira em coite a 4*400 o corte.
Peca de algodao a 2soU0.
Na prav da Independence n. 2, loja de Fran-
icisco de Lima Ciutmln.
I DfiO'Se amostras com geahor.
E' barato.
,. Chapeds^de castor pretos a 2* e U503: na pra:
da Independencia n. 2, loja de Francisco de
Lima Coulinho.
Bo
*jS25jj^. Verdalefro*
I+VGRAINSY* GR*S DB SAO^Si
**?* WdadoutornusaL
to. doctenr 18
I *\ FaUMOK A 0 malhor e o ais
'A. >* ubl d9 PrgnUss cod-'J
******* hl.llr.,^.*
_____. H*al>arf.^li|(rt 1
titm 4a urtgnatora am tlou-------------
ie a. aowmw
" I em 4 CORES.
Ht, Haarmacia Lerr, li ma d'lnlia.
Q ato ajssigna alguma? mUaas pela arma de D Ursula JfcuiinS*
^lS^'Jer?*-"^iSa Ji dQ Mrrebte, setimo
dra de sen faHeeirnehtA, na igrefa Io S. Fraoc^co,
dis 6 as 7'horas da manha, convida aos sens ami-
gos e aos da fallecila para aaistffooi a este acto
de caridaje e religi^q,
>:4 Cores
laJr.iro, aqui juaU,
Dapoiilo em Pernambuco, A. RgGO
3RD.
ngommadeira.
Paga so 20*000 mrnfaes a uma escrs
.'er t-mpregaria uniamento em engommado em
casa de pequena familia : antes da igreja doMan-
gdmho sitio n, % de' muro cinzento, com portao e
jgradim de ferro._____
SAQUES
Garvaifto d Huguetr*, na rua-do Apollo
-. 20, accam sdbrao Banco Conunorcial.
de Vianna e suas ageucias em todas as ci-
dadea e TtUas de PirtogaL, i vista e a praso
por todos os paquetea.
m negocio.
Vende-se on arren'a-se o granie predio
de um andar e. sotao, sito oa rua do B*spo
Sardinha, prosimo da igreja da Misericordia,
na cidade de Olinda, ten'lV duas r oas salas
do frente, um sajao u.o sotto, seis quartos,
espacosos e frescos,, uma graude epeheira,
quintal todo oercado de novo, e com diver-
sos arvoredos, uma boa Ibnte d'ngua', e
tendo gaz canalisado. Achando se prepara-
do com tod s os nioveis indispensatis a
uma grando-fajmilia^ sew assim vendido ou
Stsm os marvis:: a^tfewr ne%ta' typographia
ou na rua da Un44o n. 49, sobrado, atraz do
paco da assemble*.
Vende se o engenho Varzea Grande, situado
na comarca de Goyanna^ o qual tem matas para o
custeio, proparc5s para moer com agua, boas
obras de tijvlos, boas varzsas yarn canas, etc.
Tambem si veadlri a satra, anlrnBM e 6 escravos.
Para tratar do engenho no mesmo engenho, e para
inforiaar-se ao Sr. njo>- Lute Jose Pereira SimSes.
Veifde'-se'a* taVerhi; sita "ao pateo da ribeira
deS. Josen. 11 : a tratarfla njesraa.
..... .."...,. ...<, i
GRANDE
iniiiifiTiii
Em
Grosdenaple preto
Sendo lisos e dp cordao, e o mais lar,go que
vem ao mercado, e qne se vende pelos diminutos
precos de 28S00, 2*S00, 33200 e 3*500.
SO' NA RUA DO CRESPO N. 20, LOJA DAS
TRES POUTaS DE
Guilherme & C.
luuto it l>.j* <3a csquiun
l\ao ha mais cabellos
temm.
VEE
A 2s'ova Esperanca, ar,aa,Biiquede Caxias o. 63,
apressa-se em couvidar a seus freguezes, com es-
pooialidade ao bello ssxo a virem 'apreciar-bs se-
guintes artigos expostos a veuda e todps por preeoi
commodos, Como sejam :
i F1NAS-BONECAS mansas e choronas.
BOiNlTAS E ENGRACADAS vistas para starios-
copios.
COM MOD AS LATAS para guardar cha.
ELEGANTES BOLSAS para senhoras e meninas
! BONITOS VASOS com fina banha e cheiroso
exttacios, trazendo cada, frasqo um nome, uma ini-
' eial on nm distico.
i FINAS MEIAS Dfi SEDA, vindo entre ellas cor
de carne.
! Para quern goslar.
i A' Nova Esperapca a. tua Du'qne de Caxias n.
, 63, acaba de receber tentos e caixas para o jotro de
i Voltarette.
Para quein s* ITre das pernas.
TINTURARIA JAP1EZ4.
S6eunicaappioyada pelas academias de.,. A Nova Eaperaoea, a rua Ouque'de Caxiasi
sciencias, reconjrecida superior a toda que 63, acaba de receber as procuradas meias de bor-
tem apparecido ate- hoje.' Deposito princi- racha para quem soffre das pernas.
pal i rua da Cadeia do Recife, hoje Mar- FLORES ARTIFICIAES
A Nova Esperanca, a rua Duque de Caxias
63, acaba de receber um lindo e .complete sorti-
mento de (lores artificiaes das melhores que tem
vindo ao mercado
A ellas antes qae se acahem.
Costumes para crianqa.
A Nova Esperanca, a rua Duque de Caxias n.
63, acaba de receber bonitos costumes para crianca
e esta se vendendo por precos razoaveis.
quez de Olinda, n. 51, i. andar, e em
todas as boticas e casas de cabellei-
r6iro.
os para soohora.
A loja do Passo a rua Primeiro de Marco n.
7 A, recebeu pelo ultimo paquete, um rico sorti-
mento de chapeos para senhora, ultima moda e
vende por preco commodo._______
Wll?on Rowe <& L. vendem no seu armazeu,
a rna de Commercio n. 14 :
0 verdadeiro panno de algodao azul amencano.
Excellente fio de vela.
Cognac de 1" qualidade
Vinho de Bondeaox.
Caijvao daPedrade todas as-qnalidadea.
Antes que seacabeai.
Vend,e-se la de lindos, padroes a 200 rs. o cova>
do : na rua do Crespo n. 23 A, loja da esquina ;
dBo-se amostras.
A N>va Esperabca, a rua Duque de Caxias n
63, recebeu ipa pequeno soi'timento de anneis e
pulseiras eleetricas, propriaa para qnem seffre dos
nervos.
rs
9
Kuvuuuei*. travea e ntiiUciru
scrruclu
Vende-se no armazem de madeiras do caes
do Ramos n. 34, mais barato que em outra qnal-
quer parte, de todas as dimensoes e qualidades.
esteangeiro.
Paris n1 America, a rua Du-
que de Gaxiag n. 59
primeiro andar, acaba de receber um completo
sortimoato de caleados estrangeiroa para homem e
senhora, vindo ootre a/les nm lindo sortimento de
elegantes chiquitos, sapatinhos e botinas para
criancas, que tudo vende per prego? razoaveis.
AITSK20
Vende-se por preco comaitdo^duBS carrocas em
(nuito bom estado, pari eavallo ou boi : a tratar
oa rua do Torres n. 32,1* andar.
Charutos e cigarros
dos mais finos e das melheres njarcaa, do Rio de
Janeiro e da Bahia: no armazem do fqmo, a rua
jo-Amorim n. 41, de Jose Domingues do Carmo e
Siha.
Yende-se
A' ru,i do Ot-i>4> ii. SO
Loja das 3 portas
LAZINHAS
Chegon. esta fazend*, com padrSes inteiramente
novos, e que se vende pelo diminnto preco de 200
rk.# covadp : isto pq*-ter grande quantidade.
-PTNA RUA |0 CRESPO. 20
Loja de
Guilherme & Oi.jttoto a loja
da esquina
Vfende-se um sobrado umrle andar e sotfo
na pua das Agaas-Verdes n. VI': a.tratar a rua
do Imperador b. 10, encadenr.ca, ou na rua
Direita n. S2, 1.* andar.
Cortes de usenrfra a 4 *0fX) o corte 6
Chitas elaras a 240 rto eovado
Madapolso fino a 4*800 a peca o
S6 o n. 2Q.da rua di) Cwpo, loja d- *.^
deGuilheruiaA.C.,^^^ -loi^ %k^*
Oaaay^io akta
com M *:~ fas dQ mW da.biais ac
Um
Flores n. 5.
boi gordo e man jo, acostnmado em car- .
quem o pretender, dirija-se a rna ^ I
""Tea de"Henry'Fors]eFI'tI "ISI&aquT
dade e a quantidade do.
Ilqatdo completo :. 'no ar-
mazem de Jose Domingues do Cainio.e Suva*
rua dn Amorim n. 41.

\-

^>.


\




Disbio i J 'Ptaalatoiblico &&kado ir>ifr4<f Jdftulftfr*:
/
tf
i
r

Os pTro%ffib?tia^f$aE,P'no ^blto d*
consent'Oibem -mtm^w te^imer*cHo 'at
WHJwM pmiilipo.ulislioftiiudo ./jou eaukdeci-
meoto das maia/jue. oegotinoao Hieaw genece
Tem, acientifiear aos seus bons /reguezesque,pre-
veniram aos seus corresporitlentes nai dlVerWpjr'
fu d'Europa papa lhes enviarem portldHoa o#pv
qnUu 03 objeotat -4e iuD e bonvgorto, noe tw.
jam mais beta acsKoSjpelas sowedades-elegantes
daqnelles ipaiaes, visjo aproximar se o tempo de.
festa, em one o 'Mto 'silo 'itesta'Ifn'da Tenexa
mais osteataa^kiueaa 'ae--saas4eilltes ; *eo-
mo ja recebcssem pel* paqaeto ffraheei divoso
arligos da ultima moda, voam .patenlear alarms
d aotre elles que se\t6rnara mats recommendaveis,
es-perando do respeitavel publico a cosiumada
concurrencia.
Aderecos de tartaruga 03 mais lindos que team
vindo ao.mencado.
Albuns coot ricas capas dp madrgperola e dt
velluflo, sendo diversos tamanhos e baratos pro-
as. -
Aderecos complete* de bomcba qwoprios .para
Into, Umbjjm se vaodem .meios aderecos muito bo-
nitoa.
Bot5es de sctim preto e de t!ore para ornato da
vestidos de scnbora; tambem tea para eollete
palitet.
Bobas para senhoras, existe um -bello sortiman-
to de seda, de palha, de chagfiro, etc., Btc por
barato preco.
JBonecas da todos os tamanhos, tan to de louca''
uomo de eera, de bomcha e de masaa ; ebama- ,
(DAS .a attonvao das Exuias. Sras. para eete artigo,
pois as vezes tdmam-se as-criancas um pouco im-
pertinenles por falta de um uhiecio que as en-
tretenbara.
res ma
IMS
ES GIMAMES receber um grande sortmooo de fWtRlai -pittas.I para. iq*a-
DE
i...
i.
pas

r7\
Camisas de linho lisas e com peitos bordados
para homem, vendenMe por,preco commodo.
.Ceroula. de Iiriho e de algofoe.de diversos pre- Parente a W *. ** ? ** 0, oftas-de'cam-
GROSDENAPLE PRETO A 1B800.
Yende-se'gro^etiarjle pVetorjara YeVtido
de wrrbbras, a flWOO, 4,iai>,^;e 5?o
cevado.
PA'NNO "PRETO A W!to6.
Vende-se panno preto de duas larguras,
para calcas epalitl6ts,'a1&&5l', 3$, 'aft&JO,
4, a P0 o'do-redo.
CORTES '?A5EmRAl'R^4*S(f(K>.
Vende^se'Wrrtas % cbsemrta preta para
calcas, a 58, 6$, 78 e8S0u0 o coite.
MERItNO' PRETO A **P8*X'.
:Venye-smpin6 preto nno, 'a'S!)S%e
3J?000oc*tado.
BOMBAZ NATRETA Vende-se bombaina preta enfestada, a
18500, fSteOO.e -25JOOO ocoVado.
ALPACA 'PRETA A'500 RS.
Vende se'alpaca preta fina, a 500, 040,
800 rs. e l^Ot/O o covado.
FA2ENDAS DE CORES E CAMBRAIA
BR4KCA A I80i;0.
Vende-se pe^as de camhraia brjnca trnns-
COMO SETA*I :
Vin-ic-su 16tlos Maricos't\(.os, '*-&>6Q\i\
2^500 < 3^ a .l.izia, (filos bVlil.lJo, a':*fy
^03.
Caixinhas com musioa, o que ha de mais lmdo,
com disticos naa taaipas e proprios para preavn-
tes.
Coqaes os majs modernos e de diversos forma-
tos.
Chapeosparasenhora.Beceboramura sortimanto
da ultima moda, taulo para seuliora, corao para
meniaas.
Capellas simples e com vfo para noivas.
Calcas bordadas para menioas.
Eotremeios estamjiados e bordados, ^e Kndot
deseniwe.
Escovas electricas para dentes, tern a pfeprie-
dade de evitar a carie dos denies.
Franjas de seda preUs e de cOres, exlite tun
grande sortimonto id dWerfas larguras e barato
preca
Fitas de sar>a. rfo j?rgario, de setiai e de <*a-
*lne, de dive/ias larguras e bonitas cores.
Facbas da^gorgurSo muito lindas.
Futes arfificiaes. A 1redil9Cta prima em con-
trvar sempne um hello e grande sontimento des-
as floes, nao so para enfeite dps c-belios, com*
tambem para ornato de vestido 4e aoivas.
Galoes de algodlo, de la e de seda, branco?, pre-
tos e de ftvwsas cores.
Gravalas da jeda para homem e senhoras.
Laco de cambraia e de seda de .di.wersas core*
para sqanora.
Ligas de seda de cores e Lraneas bordadas para
noiva.
Livros para ouvir missa, ecu eaaas 4e madre-
perola, aiarllio, 6s-o e velludu, tudo fue ba de
bom.
Pentes de tartaruga e marfim para alisar os ca-
bellos ; teem tambem para tirar caspas.
Port bomiuet. I'm be!k> sorliraento de madre-
perola, iuariim, 6a$o e dourados por barato preco.
Perfuniarias. Ncste artigo esta a Predilecta hem
provida, nao so em extractos, corao em oleos e
banhas dos melhores odores, dos mais afamados
Ubricantes, Loubin, Kver, Sociedade flygieaica.
i^oudray, Gosnel e ftimal; eao indispensareis para
a festa.
Saias bordadas para senhora, por commodo
preco.
Sapatinhos de 15 e de setim bordado* ,para bap-
tisados.
Tapetes. Reeebeu a Predilecta nm bonito sorti-
mento de diversos tamanbos, tanto para sofa co-
mo para entrada de saias.
Vestimentas para, baptisado o que ha de melhor
gosto e os mais iaoder.no s reeebeu a Predilecta
de or ar. to preoo, para Hear ao alcance
qualquer bolsa.
Rua do Cabug4n. 1
'braia tapada, Vietorra, 'a'S*, 8800, 49
ie 55000.
CORTINAIDOS PARA CAMU A J6000.
Vende Secortinados'bflrdados para cams,
,a f 69, 209, 259 e 309000.
CAMBR IA DE CORES A 300 RS.
Vende-se cambraia de cores fines, miudas,
a 300, 320 e 360 rs. 0 covado
CHITAS lA'RGAS A *0O RS.
Vende-se chrtastargas para vt-stidos
240, 320 e -360 Irs. 0 covado.
BRAMANTE A 19600.
Vende-se bramante com l'O palmos de
largo a I96O0, I58C-0 e'295oO o metro.
M*DAPOLAO Av3900.
Vende-se pecas de madapoi&o enfest
a 39000. Dito inglez a 49500, 59 ado
5^500, 69000, 79000 e 89000 a pSssa.
.CORTINADOS PARA JA^ELLAS 'A 89000,
Vende-se opar de cortinados bordados.-
,para janellas, a 89e 109O< 0 o par.
ALGODAO A 48000.
Vende-se pe^as de algodSo, a 4jJ, 59e
(65000.
CEROURAS A 19000.
Vende-se ceroulas de algodSo, a 19000,
ditas Unas de bramante a 15500 e 29 cada.
uma.
CAMISAS BRANCAS A 29OOO.
Vende-so calnisas brancas finas, a 29,
29500, 39 e 49000.
5> e 69l)rt0 a duiia
CROCHES PARA C.U^RM'lESob. '
Vehde-se pahtlbs do t'roctVe para cidcir; s,
a 15500 cada um, coichas'de 'ili 0 paia
noivas.
MADAPOL-AOriVArTCEZ 'A ^Ot).
-ytrilc se -pcf/as de' fnadapoliri frahcez
inuit'i flno, a *79,'89 e 109LOO.
BR1M-PAR\)0 A 400 RS. 0 COVADO.
Vende so brim pai'do pa'ra'calcas, -a 4*00
rs. 0 fovudo.
CORTES DE CASEW1RADE'59000.
Vende-se corUs de casemirade cores pWiffc
calcas, a;5, 55500 '68000.
GROSDENA'PLE PRETO.
Vende-se grosderrap'* preto com.4 1/2
ipalmos de largura, a 59 0 covado.
ESGB1AO FlNO.A^WOO.
Vende se esquiao fino de litiho, a 29,'
29500, 8(Je.49omeino.
CHI PAS PAriACOBER'PA A <280 RS '
Vende-^sechitas para cdbdrta, o480 e"400
rs. 0 covado.
B1UM-BRANCO A 11000.
Vende-se brim branco de'lihbo, a "19,
d5280, 19000 c1? o^rrirtro. !
BRET^NHA DEL'IMFO A 040 RS.
'Vende-se bretanha de;linllo, ft'CW *s
vara.
FLANELLA DE CORES A 800 RS.
Vende-se flanella de cores, a 800 rs. 0
covado.
COBERTORES DE AEGODAO A 19400.' or, para mesa.
Vende-se coberu.res depelb) 19*00.; SSftffl'fcrdadua.
"RWa'Wtmerrtt'ri^Wa'rgb h
E' esta uma das casas que boie pode coraori-
teW, e-Tjfe"ttJfi#ifHip
classes, e por precos vantaiosos, das qnaei'te
Pietf^no resuipoj, t J
. -.W^. fawndaa'as'casa* ,dds preteqdep
tiara 0 que tenfffe'sstfM WBcessatfo, b dao amos
m*dlante penhOr. ,
! Cortes de seda-do H4da^i36ra.
Grosdenaples de todas as (jwces,
.^
Linclas las escocezas.
De varios padr5e, e intetramente modernas, a
360 rs o eoyadoc* aVitoafPfiiriatfo da Marco
antiga do Crespq n.,13. loja das colnmna$,de An-
tonio Correra de va'jtrtnteftos.
Engenhos em Mamam-
^XMa^^SS""'Pr6l0i t,C-
GtV^leOlpfcs.prttlO. P
.Vi'UUddprekk. .
Granadine de seda.Veta eMde c6res.
Popelmas de lindos padroe's.
; R16 d^ sedaj "braiito a pfetd.
Rfcas-basquinOT1 d*"*Jay .
.Gasacos de merino d*. cores, \h etc.
Mantas brasileiraa. '
Coitts'com cVdibraiabraifda dom ntidos borda-
1
Ridas capellasje-ttantas parainervas. .
Kjquissioio sortHwata de Has,- com fetrai de
seda.
Caitibraias de tfflres. '
Dftas ttlriposas, iraflfltisi; feaS e botdadas. '
Naumpies do,|indos padroee.
Baptisus, padrocs ,d*iicados. .
Parcal:r* d* quiitros.pretos,\ b'rancos, listras,'
'etc.;" etc.
Brins e'B>w ie eOr, prWriA* bara vestidoi,"
com barfa e listras.
Bjcos ortes de xestido -4e k'nho. r 1 *ites^
mesraa c6r, uftiioamod?
t)5tosud*rtiit'i'a1a dcidrtrs.
: ^saW^elftidas.cores. /
6*r ti>rdad( para sebhoras-
Cainisas bordadas para seflbqrasj de linbo :l-
I godao.
a Swtifrteritb dcrltrvas ida *verdayerra fabric*-' 3e
ij ^ouvin, para homens e senhoras.
'Vefrtuanns i para weniowa..
DUos.para bant|zadu.
Cbarieos para dito.
;Toaihas e guaraaBap'o'f adafna'cailos de'lintfo e
Vende-se os
Barra,
guape.
Eegnintes :
Rua 1. de Maffqo n. 1.
C antr rt wlo o ht-co d e a it t o An*
toaio.
KtUml VomU-aido Ktinfc rnxondas com
30 Iwir <-nlu iu quo emoutiu
qilUlqiK-r i>a> <- .
A saner :
%fa*tpo15o com foqhe fle'rn'Ofo, pefo barato pre-
CO-deriSCGO-ea-a.
Dito france'z, limpo e de superior qualidade, por
5*8OLJaO0Q a 6*300. ,
Atgod5o marta T' fario, 'superior qahTfda'de, a
*500,' 88,5*590^6*000.
Graade'sartihiento de IkSnhas de gostosi inteira- p1,Jnrt Jn .n\rt-*\Az^ A r> Ui&
mente escosseses, pelos prpecs de 800, 2i0, SCO e JL ddltlO UH dlgOuaO (la oHlilR.
4i2 Eki?61? J^ndp poder se-ha a/reditat. b Vende Oe toi^s as;qualidadfesJ'uao rfodrigues de
Amorim n. 3"
Pumos
l-rt>gulc,
e Patricia.
A tratar com sens pno'prietari4s nesta cidade,
e para informarSes c^m Joaqhim Pinto de alei-
relles Filho, na mesma cidade fc M fmamgfiAp'e
Tasso Irmios i -C.
Ba'ptfs'tas, ILsa's e Wm'flores", fazTn'da qne sem-'Fari'a": narua do Amorim n. 33.
pre Wstou 400 e'800 h., *tamos"veridendo pelo
pre?o de 320 rs. para acabar.
cDovaJ'ofiaaS' PadrSeS ,Dalisad0S' a 40 e 44 K' Da Bal, a e do Rio, vende Joao Rodrigues de Fa
'mm Tranceii'-esctirds e claros, ds mais ng- "' .* do >iponm n. 33 ,_________________
*m4*ukm?m metaadb.-iAoe'Mon. o g^ Pi rua Duque de Caxias n.
AnruYciteru em quanto nao se acabam.chapeos de ;
Bol'dfe seda tran^ada (paragohi) li hostess, ingleres,'
saperiores, pelo insigtoiftcante prer^o de'8^ e 9^ ;' Granadims russianas com. palmas e listras de seda
semjire vendeiuos nor 14*000.
Ditos para senl'wra, de merino, a 3* e 3*300,
'Ditbs'de seMa; tabode'osso a 4*000, e' pechin-
cha.
Ditoa de alpaca de cores, forrados com seda,
e o cabo fingindo bcngala, o mais moderno que; Lrocos de easa, jrqueno.s duzia
ha, a. 1*300 e 2* I Ditos de dito brancos, duzia
lSbrtiiheaio''dc'chitas'claras e escirras, boa fa-!Ditos'-de linho, abanhodos, ddzia
zenda. para acabar, a 2i0 e 280 rs. o covado. jMada^ola), peca
Pwpeltna de liu.hu e algodao, gostos inteiramente(A.hjnd^o, peca
brancas e de cores, Las escoss>!zas, padr5cs lindos
Vetins tranrados para iestrdo de senhdra
< o)cha< de algodao alcochoadn, cada uma
Toalhas dn algodao a'cochoadas
v360
:(i000
600
14000
1460O
oaaoo
4*000
Coberta? de -chita a !l5800-e-29 ditaB en-|
Grande sortimento de camisas de'ljuhd, Hzas e
cema m?, forradas, 'a 49, no BazrNacional, i bordadas, para homens.
rua da'-Imperatricn. 72. mmkaMBgtmOfgji bofflcne, -reeniaosie-miani
CORTES DE CASSA A 39000. *!;.,
Vende-se cortcs (te-easa rriudas a-89 urtas e8COce^-
MS
Batatas fl vas a 40 rois a libra
MOo
Macarrao a 320 a libra.
Talharim a 320 a dita.
Aletria a 320 a dita.
E todos os mais generos se vendem n'ais ba-
ratos do que m ootra parte, no pateo 4a Ri-
t'eira n. 62 A, junto a botica.________________
Fazendas e roupas muito ba-
ratas
Na loja de J. Porto, a ma Nuva n. 14, troca-se
por cobre ou raesmo por sedulas, boas fazendas e
renpas fcitas sem se olhar a lucro, somente para
se vender muito.
Camisas de cretone
as mais modernas que tem vindo ao mercadn, sen-
- do lisas e com listras, e qne se vende a 40J000 a
duzia e a 34o'o0 cada uma ; e pechiucha.
Hollanda
Brim pardo liso, o que ha de mais fino, com um
toque de avaria, e que se vende a 480 rs. o cova
do, fazenda propria do paiz por ser linbo puro,
Splicada para costumes de homens e de meoinos :
na rua do Crospo n. 20, loja das tres portas, de
Gniiherme & C., junto a luja daesquina._______
Sabao a 200 rs. o kilo
No armazera do fumo, a rua do Amorim n. 41,
de Jose Unmingnes do Carmo-e Silva.
Grande pechincha
Chapeos de sol cabo do maifim a
121000 !
Com seda trancada e hastes de meia cana, na
loja d.t Rosa Branca, a rua da Imperatris n. 36,
Vende-se
a ea-a qne pertence ao finado I^naeio Jose da
Luz, o i pateo da 1'az nos Afoga los : e de pedra
e al, ten. de frente duas portas e duas janellas,
quintal que passa alem da estrada de terro e vai
ate a mare, com vinte e tantos coqtiejros e ontras
arvores fructiferas e maif ~utrs pequeaas easas
todai de pedra f cal. s> ndo oito deutro do sitio e
duas em um terre o ao lado, crm frpnte para a
travegsa de M'tic imbo. Vende-fe por'preco
commodo em vista dj reodknento quepode dar
toda a propriedaie : a tratar a rua do brperador
B 51. I" aadar, da.< 10 boras da puna is 3 da
arde.
BRINS DE CORES A 400 RS.
Vendo-sebrinsdecorespara calgas,^ 400,
e 500 rs. o covadt.
CHA S A 800 RS.
Vende se chales de la a 800 rs., chalesde
merin6 de cores, a 29, 39, 49 e 59000.
COLCHAS DE CORES A 29000.
Vende-se colchas de cores para cama, a
29,39500 e 45000.
CHITAS DE CORES A 360 RS.
Vende-se cbitas finas de cores, a 360 e 400
rs. o covado.
ALPACAS DE CORES A 500 RS.
Vende-se alpacas finas de cores, a 500,
640 e 80O rs. o covado.
TAPETES A 49300.
Vende-se tapetes para saias, de diversos
tamanbos, a 49500, 59, 69 e 85000 cada
um.
cad* um.
G-RAVa T4S PARA SEPiHORA A mm.
Vende se gra.vatas para senhoras, & l9y
ditas para homens a SCO rs.
ALGODAO ENFESTADO A 19C0O.
Vende se algodao enfestade -pra len^Aes,
a 10000 a vara.
GRANDE SORTtMENTO DE ROL'PA FCITA!
NACIONAL. j
Vende-se palit6ts de panno preto, a 59, 79,'
8^ e lO^OOa
Vende-se palit6ts de alpaca prela, a 39,
39500 e 48000. 1
Completo sorlimeBU> ck chapeos de sol nara ho-
mens e senhoras.
Marino da Orasipara^efetiowii
Dito preto, tranrado e ditoide verao.
'.Ihado de liubo e.algodAo para toal
\toaihado pardo.
Damaaeo Oe la_
Briiis.derMqho, braaco^de-cOreB eipreto.
Setim de lindas (tores-oam.listras.
Chales de merino fle-oores e^retos.
Ditos de caj'erriira.
Bites -tie Seda- frita e-uVtOres.
Ditos de.tooqiim.
Gamipas fle'*rfu*iBa\a, horaaos.
Ditas de .'iluu'lla.
CeroUlas.de-linno e ahjo'dao.
Patroos de mHtefpaft sofa,- caderras- e coaso-
v IS^ea^^brtddadiw^^ellabTrifMtio.
'Vende-se calcas preta* de panno, a*,-' Goh:U8.de 6het.
H, 79 e 85000. ) JafdataaA de todas as c^s.
Vende-se colletes preto?, a 3$, 39500* Rice* cpites de veslidos dc tarlatana bordados
t 1. I flspartiHiOs-tsoB.bnWados.
Vende-se ceroulas, a l&, 19800, 29 f^oianbde seda, IMdae cures.
3#000. | Jiettfcdeaeda,4tara *enhoras e.menujas.
Vender camisas brancas, a H, 29500,! Bicaa faefcas & rtda [ *.Wa aeihoraa.
39 e 490OO. I Rir f0hlme*!o de ,c w demadreperdlas e
Venda-e ccmisas de cbrt.s, a 15iOO, B,-j ~DamaKo de seda.
e 3#0ft0.. j Casemira preta ede cores.
mt*n PTJFTAa 4 9oa nc Uula* maoaaoiao panao finojreto e aia.1, eol-
cmiAd 1 ivt TA5 A 3->U RS. I larrrAos, flirthos delinhti e alf^otfao, gravataa, lu-
Vende^se cbitas pretas finas, a 320e360 ***** *a rs 0 covado j,ahoa,-.ni)las de viagera, 'iSitosboruados paraho-i
i.meni, k-ncia de linho brancu e de cures, toalbas,
LAZIWIA A 260 RS. j guawUnapos. et, etc.
Vende-se lazinhas para rfstidos, a200, '.nST, ? j~~ 1 j ,_ j.^-------TIT"
320, 400 e 500 rs. o corado. No Bazar t/iiapCOS de SOI de Seda, Ca'DO
ISacional. rua da Imperatriz n. 72, de Men-' doiira^O (o cfcicjUie)
novus e de cores bonitas a 800 rs. 0 covaio, sem- [ oWSs muitas fazendas que so a vista poderio
pre'eustou I'iiOO..
Camisas de cretone, francejfas, fficdeTrras e su
perwrss a3i <- 3^500
l Dites' braooa- a it e 2o00.
Ditas de linfto a 3*500 e 4*000.
Toiihas de linho do Purto a 74oOO e 8^000 j
duzia.
-Ditas rolpudns a 7* 7/303'e 8aO0O.
Esg-uiao com 10 jardas, pelo preco de ifiSOO ; i
barato com effeito !.
Cam'braias Victoria e transparentel fazenda fina,
a 3^500. 3^800, 4*000 e 5* a peca.
Lenoos'de cambraia com bana de cor, a 4*, e
braoeos a-3*. .
Ditos de. liubo, abanhados a 3*600 e 3*800 a
duzia.
.Grande sortimento de brins de cores, padroes
paoprios-para menino3 de escola a 4i0 0 300 rs.
O'uovado.
B6tinas para senhrira, pretas e de CGres, por 4**
e 4*300, isto por termos. grande quantldade, se
f4z's(e prelfo.
bratnauie d linho, d^ias larguras, pelo 'barato
pre -Muitosoutros artigos que dcixamos dfe meneio--
nar para iiSo massar nossos freguezes; mas que
aviSta dellw 'estao presentes.
DSose'arhoEtras.
So 0 barateiro quef queimar
Para" rival nao encontrar.
A' ma I'nmeiro de Marco n. 1, antiga do Crcs
po, We Agostinho Ferreira da Silva J.eal & C.
aprecia- 0? precos : isto so na loja de Francisco
Guimaraes & Ci, rua Duque de Caxias n. 44.
Grande pechinclia.
Ma lapojao largo lino .com pequcno toque de
a, avaria a 5*0 '0 a peja, fazenda <\i\e vale 7*.
Ajgodao marca T, larpo, a 4*-*0>' a peca.
I Lazinhas esfucezas a 250 rs. 0 covado, 6 para
i acabar : na rua do Crespo n. 23 A, loja da es-
. Iquiiia. Gbegaemantes'que se acabpm.
Vende-se as casas seguintes
Rua 24 dc Main (ootr'ora do? Os?os)'ns. 2 e A.
Drta do Fogo n. 22.
Dita do P.idre Flori.mo n. 35.
Brcco da Bomba n 5.
Travessa do Padre Lobato, n. 8 A.
Beeob do caes da cadeia-n'ova ns. 3 e 5.
A tratar n 1 pali 0 do Camp n. 1.
Vejam isio
- .Vende-se ou arrenda-se, no estado em
que se acha, um s'ltio na freguezia dos Afo-
gados n. 18, chao proprio, com 349 palmos
de frente e 658 de fuiido ; os pretendentes
dirijam-se ao seu pr.iprfeUtrio, na rua de
S Francisco, sahrado ti. 18.
:..j ii.-----------------, 1____________ 1
Grande liquidacao
A' rua Duque de Caxias es-
quina do becco do Peixe
Frifco n. 44.
des Guimaraes A irmiios.
Magnolia
Na loja da Magnolia, a rua Duque de Caxias n.
43, encontrara sempre o respeitavel publico um
completo sortimento de perfumarias Unas, objectos
de phantasia, luvas de Jonvin, artigos de moda e
miudezas finas, asjipi como modicidade nos pre-
i'os, agrado e sinceridade.
Anneis electricos
A Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 43, aca-
ba de receber os verdadeiros anneis e voltas elec-
tricas, proprios para os nervosos.
Meios aderecos
A Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 43, re-
eebeu um completo sortimento de
Meios aderecos de tartaruga.
Meios aderecos de madreperola.
Meios aderecos de seda bordados, (ultima moda)' covado
e de muitas outras qualidades.
Botoes de acq
A Magnolia, a.rua Duque de Caxias n. 45, tem
para vender os modernos botoes de ajo, proprios
para vestid.s.
Golinhas e punhos
das mais modernas que ha no mercado ; a ellas:
na Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 45.
Lenoos chinezes
A Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 45, re
A preciem
como se
So o n.
RUA DO
A Rota Branca vende lindos chapes de'sol para
senhora, com os cnbos dourados, fioc;it<< e poa-
1 tas das hasleas branoas, pelo barati.^simo .preco de
YCBtiC HflrdlO 3* ; luauda-se lfvar nas casas : na rua da Impe
n.
Antiga citsa do Pregni$a.
Colarinhos de linho finos a 4* a drrzia.
Camisas inglezas de linbo fino a 3*300 uma.
Seroulas inglezas muito' boas a 2*300
feifos bordados a quft^ro itula*
ens!!!
Sao de fino esgniao, f"rrados, e lindos bordadee :
na rua da Imperatriz n. 3f>, loja da Rosa Branca.
Pachfco i Azcvedo teiu para venu r tapioca
de AraruU de qualidade especial : em seu arroa-
zem na rua do Duque de Caxias n. 29.________
Fogao de ferro eeonomieo
Vende se um chegado ha p^ucos dias, tendo fo
nalbas para lenha c carvao, focoo para assar
depofito para ag.ua quente e lugar, para se guar-
dar quente as comidasd^'Pi's de feitas; estes'fo-
g5es tornam-se recoinrhenda,vei3 porque sao do
ferro batido, e fabrtcWdos cm perfeicao e coji-
nbam com mui diminuta-fenha: na rua do A no
n. 20__________________________________
Farello novo*e
Milho pequeno
Da melhor qtulida.te ho armazctn de farinha
de trigj de Tasso IrmSus < C. na -prai;a do caes
do A ooll-..
Sedas a 1|500.
Vende se bonitas spaas de liadus cures pelo
baratlssimo prern e i X">M o e>two ; venham a
Granad"ine"coiu listas e palmas de seda, padroes eJla? antes que. se acaberu, na rua do Duque ik.
20
ratriz n.'S6, l^ja do AzfevMo.
Oimento
LOJA DAS 3 PORTAS
Vende sena rua da Madre deDeosn. 32, pelo
menor prego possivei o verdadeiro cimento Por-
tland, vindo pelo ultimo vapor hjglez, de carga.
E' Arjrqta
DE
Oitilherme & Ck
CASSA-LA
Acaba de chegar esta fazenda com bonitos pa-
droes, e que se vende pelo diminuto preco de 200
rs. o covado 11 I
METIM
Metim trancado, padroes bonitos, a 320 rs. o
ORGANDY DE CORES
Cambraia organdy de cores, fazenda fina, boni-
tos padroes, pelo diminuto preco de 320 rs. o co-
vado 111
'.A3 ESCOCEZAS
Novo sortimento desla fazenda, com bonitos
padroes, que se vende a 240 rs. o covado I! I
CRETONE
Cretone claros e escuros, bonitos padr5es, e fa-
zenda fina, pelo dimiauto preco de 400 rs. o co-
vado Ili r
LAS MODERNAS
Completo sortimento de la de todas as analida-
cebeu uma pequena quaniidade de lencos de seda des, pelos diminutos precos de 400 rs. o covado,
cbinezes, com liodissimos desenhos, fazenda mtei- e pechincba III
Cortes de casemira ds cores, a SJCOO.
Colchas estampadas e com barra a 3*500 e'
4*000.
Cobertas de chita adamascada a 3*500.
Lencoes de bramante a 2M0O.
Dites de ajgodao a 1/400.
Toalbas alcocboadas, duzia, a 5*800
Lencos de cassa com barra a 1*1000 a duzia.
Ditos de cassa abanhados a 2*000ad.uzia,
Ditos de esguiao abanhados, em caixinbas mo-
dernas, duzia, a 3J500.
Cambria 4ransparente fina a 3*000 a peca.
Chales de todas as qualidades e prepoe.
Bramante de algodao e linho a i*6ti0 a vara.
Dito de liulio, puro ecru 9 e 10 pajmos de lar-
gura a 2*500 e 2*800 a vara.
Algodao marca T, largo, a 5*000 a peea.
Dito domeelico a 3*000 a peca.
Brim com listras, irlandez, proprio sas, a 440 rs. o covado 111
Vende-ge um raoiBho derveato, com
duas bombas para puur agua, e qua-:
tro rodas novas e fortes, para carro
ramente nova.
Leques
Lindos leques de madreperola, de tartaruga, de
uiarliro, de oaso, o de muitas ontras qualidafies:
reeebeu a Magnolia, a rua Duque de Caxias nu-
mero 45.
Attenqao.
nma preta, hi.n'ti figura, com 32 anaos, tres fi-
lb,og muito honil s pecas, com 10, jg e 5 annos,
nm moleqtie com 6 .nn narua Dn-iued.- Catiaa o. do.
A loja da Magnolia, a rua Duque de Caxias n.
45, acaba de receber os seguintes artigos :
Manual de madreperola, tartaruga e marllm.
Ricos albuns com capa de madreperola, cba
gren, madeira, ve'ludo, conro, etc.
Lindas caixas com finiisimas perfumarias.
Ligas de seda. brancas e de cores.
Voltas de madreperola.
Fu'sciras de madreperola.
Rieas caixu. para costura.
Vestuarios para baptisado.
Toucas e sapaUnhos de setim. Madajioloes "irancezej' 'de todas as qualidades d^
Modernos chapeos de sol de seda para senhoras. 3* a $500 a peca 4uanuuC3 uc
rSi^r.,.'biTq^C^ ^ Chapeos de sol de seda com 12 asteas, aalodi-
Gravabnhai de vdludo, etc., etc. Inianio p?o. de 8*500.
Camisas inglezas, todas forradas. fazenda de
Rca do Bar&o da Victoria q. 22.
DE
Carneiro Viamia.
A' este grande estatelecimento tem che-
gado u in bom sortimento de macuiuas bat a
costura, de todos os autores mais acredita-
flos ukimameDtsoaoljIaropa, cujas. taacbioas
$80 garmitidas por um anno, e tendo um
perfeito artista para ensinar as mesmas, em
qtfal^uer f*Ke 'desta oidade, oomo bem as-
sim foncerta-ias pelo tempo tambem d'um
aflrJ0>im'tiiespedio aigara do comprador.
Neste estabelecimento tambem ba pertencas
para as mesmas macbinas e se suppre qual-
tfuer pa^a "qne sejamaoasaario. Estas ma-
cWiias irakaihairi com toda a perfeitaode
um e qtiaiquer costura por fina que seja, seus
C bathar* mao de'300000, 40000, 45^000
e 509000, para trabalbar com 0 p^ sao de
909000, 9WB00, iOO*0Q0, U.Q9000,
1^O!?00(>, 80*000, 150*000, 200^)00 t
Q509000, emquanto aos autores Bio ha al-
teracSo de pffl^os, 00s compradoros:poderao
rvisitar e*ftiHtbeteoimeoto ^uejmiMto-de-
rverao gostar pela variedade de objeflios que
Na rua do Queimade
Magnolia.
Cretonne a prussiana, de quadros, fazenda
propria para vestidos, pdr5es os mais modernos
que tem vindo ao mercado, pelo diminuto preco
de 320 reis 0 covado, s6 na loja de Guerra &
Ftroandes.
Estao se acabando I...
Dao-se amostras.
^Cambraia transparente a 3#
a pe^a
Sa rua do Qneimado n. 43, junto a loja da
Magnolia.
Cambraias transfiarentes finas a 3*
s6 na loja de Gnerra & Fernandes.
Economia
mestica
do-
SalaMOO
. Da superior qualidade, vendem em Macao do
Assti, Juae Dias Suares, a i*2C0 0 alqneiro.
Ultima moda.
A Magnolia, a rna Duque de Caxias n. 45, re-
eebeu um li ndo'sortimento de bicos de guipure
de ed'es, apropriados ao* vestidos cheques da ac
ri. ---""> *>" c niwui lualidade. r
/pi-napeos ue sol de seda, para Immens, inglezes pr-------------------------------------------------------r
faf^nLe.com 1-l,aste"'pel pnrodesttn, (iranue pechincha de cami-
axenrta e*ta quo sempre custuu li*, so para 1 ,T 1
sas de linho.
Las hanlblirguezas a 280 JTg jlinho porb,-aK^OO' f dltfla^T^bln^STto ~s\ ^VMmr^paM-tAderi.eomo^m: ,adei-
A-eade-fe lis bamborguezas de hVtras e de qua-^ ven,do- .... ^ I Iras para viagem, ma las para viagem, .ft&d^-
dros de diversascores, pelo diminuto, preco de 280 IB*,,im8 de ,h, S25KS dlro,"n0 PW4 rt$'*Brt-'tla*, ditasdeljalancD, aiiatf4Uira
rs.ocovadj: s6 na loja de Franei^co Guimaraes ***" o covado ;e. pechiocpt, .d|o-*e awo?- ? J" ^^ ag.^^ggg.^fg?
&C, ma Puqnede Caxias n. 44, loja da esquinK!tpas- cnan^a fai *j, a a mom$t cos*i
1S6 o ti 2 0 da rua do Gresp)
Na rua Primeiro de Marrjo n. 1.
Confronta ao arco de Santo Antonio, loja de
Agostinho Ferreira da tiva Leal Lanziobas, gusto escossez, padroas inteij-amente
Onovos, pelo diminuto preco de 200; 240 e260 rfiis
covado.
44Baptistas lisas, finas, e de cores a 320, 400 e
I reis o covado, isto so se venda 1
cabar.
Na rua Primeiro de Marco ri 1
Li* ri. h,r..v v Vende-se cami>as inglezas, de linho, muito finas,
------5-------- J Q'.D3rateiro_____________. homem, pelo baratissimo preco de 351000 a
Vende-se, na ef.,da de /..go ,je Bartos n. duzia; quern duvidar venha ver e comprar : na
S3, duas carrocas c .m pipas para vender igua e run Duque de Caxias n. 88, loja de Demetrio
tOBltos bois. B Bastos.
I-ojn das
tres portns
DE
Guilhermc & C.
JUNTO A LOJA BA ESOJUNA'
Vendem
Wilson, Rowe & 0.
Em seu armazem a rua do Trapiche n. 14, o se-
guinte:
AlgodSo azul americano.
Fio de -vela.
Carvao de pedra de todas as qualidade?.
Tudo muito barato. ______
Siii k Gabo Verde
No brigae francez Brnsiltiro, vendem Amorim
Irmaos & C, it, tratar na rua da Cruz n. i.
ras riquissiraas, para senhora, defpjJitsaveis
para cr > i ncas I de toda si as. qunliiiade s,, cam as
de ferr;pwa *Mtti6mtei)MJicas, rioapafibos,
espelhos dourados para sala, ,grandos.fi pe-
quenos, appardbos^deniHtal para chi, fa-
queiros com .fa bo. do metal, i. de,mariom,
ditos avulsos, colheroide metal fiuo,<-ondiei-
riaspata sala, jarroe, Marria-comidas de
arame, tampas para cobrir prat09, estairas
para forrar saias, lavatorioa ooapletcs, ditos
simples, objectos para toilette, eoutros rmii-
tos artigos que muito devemagradar a todos
que visitarem este grande estabeleramehto
3ue se echa aberto de.-de as 6 boras is ma-
ha ate as 9-boras da noute i
Rua do Barao da Victoria n.
22.
lindos a 500 rs o covado.
Chapeos de palha para homem a 1/500.
Toalhas de algodao alcochoadas para rosto a
400 re.
Lencos de cassa branco, duzia a 1*600.
Ditos de dita com barra a 1*000 e 1*200.
Carribrafa branca trasparehte e tapada a 3|, 4*
e 5*000.
Peitos de linho muito finos bordados a 15000
cada nm.
Metios de cores para vestidos, de lindos padrSes
a 360 rs.'o covado.
Cbitas da cores a 240 rs. o covado.
Brim pardo para calca a 360 rs. o covado.
Las de c&res, alpacas pretas e de cores, mada-
polao e algodaozinho, tudo por precos commodos,
a rua Duque de Caxias n. 44, loja da esquina, de
Francisco Guimarles & C.
Uranias de leque, -
Palmeiras inmperiae?.
Coqueiros,
Cyprestres horisontaes.
Quern quizer fazer um pomar com diffcrentes
qualidades de fructos, ou arborisar algumas mas,
ou plantar algum jardim, 6 s6 dirigir-se ao sitio
do Abrig-c, cm Olinda, onde achara o qne quizer,
ou deixar o pedido por escripto na loja da rua da
Cadeia do Becife n. 53, indicando para onde quer
que mande-se, etc.
Sementes de hortali^a.
Bua do Uarquez de Olinda n. 53.
Caxias n 88, loja de Dnnutrto Bastos.
uma casa na villa d* Barreiros, n-a rua do Coai-
lercio, por preco mrtdico : a'tratar' com Tasso
frmjR A C
E'baral'i.
Vende-se um-poqueno sitio perto da esta-
cao do Sai^adifilio, tiido do frente ioO
palmos, c de fun dos mais de quatrocentos,
corn uma elegante casii 1I3 ;aipi,. acaltada de
proxirr* e bem asseiad.i, b'udo 2s.ri s, 2
quartos e coziuha f6ra. 0 terreno (t pro-
prio 0 bom de plantncoes, kudo .al^urms
arvructo, agua de belter e todo cer-
tadri.
i'ara ver e mais expli-'.acoes, no mesmo t\-
lio a qualquer hora a errtender-se com Tris-
t3o Francisco Torres, e para tratar, na ihe-
souraFia d s luterias, rui 1 de Nar^o
li. 6.
Creknne a I'mssj^na
a 520 0 covado
n. 43, junto a fcja
VENDE-SE
uma escrava com 32 ann.>s de idade, cdr rila :
a tratar na rti; Ijii cil.i dos Afngadoa tavonn n.
60.
As imieas \Terd.ideira-.s
Bichas
ua rue
i3mbnrgu>za.> -in.- ^'1 1 MM me.'"-*-
Marqiif:/ tie -Jl'.nii:. .5'
daj
Pillulas Catharticas
de Ayer.
Para todos os effeitos d
um remedio laiante.
Kio ha aegurameiit.', m
remedio tarn universalmeDta
procurado como am cathar-
tioo op purgante, e nenhom
outro 1 1 si J.. tao usado on
todos os paizes e por todas as classes, -mo estos J'il.i,v-
LAS, suaves mas efficazes. A raza< eviilentc, formao
um remedio muito mais certo e efficac e nenhum outro.
Aquelles que os teem ensaiado sabe? que se teem curad
pelo seu uso, os qne nao os ensaiarao r .bem que seus amigos
peca ^ e yisinhos se teem curado, e todos conuecem que o rosultado
tirado uma vez, se tIrani todas as vezes, e fue n- fLLLV-
LA& nunca faluao por consequciicia de erro'ou negUgencia
na sna composifao.
Temos milhares sobre milhares de eert;fi(>ados teferentes ac
di!(icc(as curas que hao eflectuado esta- -illuij.-, nas n-.oJes-
tiu'cue em segoida meneioamos, porei.> aendo ta.es curas
oonhecldaa m toda a parte aondetem penetrado, d-^ neccs-
eario / publioa 1-os aqni. Aiaptadas a todas as Ida-Wt e a
todas ascouliadet, em todas as elimas, nao content'. > caicm-
elano nem outra qualquer droga deleteria, ellas ^odem ser
Sa
1 goato-
dem reSultar effeitos prejudiciaeB ee por aoaso forem tomadn
em qoz* desmasiada. 0 papel que serve dc coberta pars
,! sada vidro leva direccoes minuciosas com relacao as secuiiH
proprS para VeStldOS, Oel<> diminntqpreCO de 500 tes molestias que as PILLULAS CATBJLRTIGAS rapi-
daaiaut* curfc. J>ara a J>y,ptpsia ou fndigettao, DU-
plicencla, Languidez, falta de Appetite, devem sec
tomadas em dose- moderada a fim de cscunular o estomags
rwtabjecer was funcfaoe, saudaveis.
Para as Doencas do Figado e suas diversas svmpfcsnas
Enxaquecas Jiiliotas, Dor de Cabeca, Ictericiat Oei-
ice Biiioso, e Jfebree BUiotfu, devem so tomar tambem
moderadamente em cado caso, para cortege a accSo viewta
on remover o obstacnloa que a. caasao. __^1
Pir* a Weenfrta ou Diarrhea, t gerataente basUat.
uma dose pequftia.
Lazinhas escocesas
a 200 rs. o covado
S6 na rua do Queiinado n. 43, defronteda pra
cinha da Independenhia.
StJiJecluntha!!!
Lazinhas ii-emn, Wdrdea rnuito WM j S^W*
r.oprws para vestidos, pelo diminuto preco de 200 tes moiestias qm
rs. o covado, so na loja de Guerra & Fernandes. damaut* curfc.
ICheKueui antes que se arabein.
' DAO-SE AMO-*TRAS.
'__ Yende-se1 as easas terreas seguintes :
Rna 24 de Maio (outr'ora dos Ossos) ns. 2 e 4.
Rua do Fogo n. 2.
Rua do Padre Floriano B:,<3&
Travegsa d^.Bomba n. 5.
Becco de radre Lobato n. 8 A.
'Becco do raes da'ff*eia-nova m. 3 a'5.
A tratar no Largo do Carmo n. 1.
Para
Farinha 4e,mandioca nova,
Raceatemente chegada de Santa Catbarina ten
para vender no trapicbe Companhia, e para tratai
no ,-eu escriptcrio a rua- do Commercio n-5^ Joa
qnim Jose Goncalves Beltrao.fSt Filho. Advertindc
aos compraderes que cesejando acabar, venderr
mais barato do que em qualquer outra parte, tan
to era grandes como em pequenas porc5es.
ose pequena.
I 2SBT'coTnll^SW&Z r toe orgK,
produzir o effeito de um purgatrvadrastico. Como Digti- .
tico ara o tantar ou comida, toma-se uma ou duas ara
P^move^raigeXe.judoejttomago Una.oodfM to-
idas de vei em quando. estimutto ou estomago a obrar I
Qualauer qne se acha regularmente bom, tomaulo
tas pillulas se achara, mui,
, por razio que, ellas p
djgeetivo.
Cylindro
vexes, decld
reeUuiiQ
P.ara padaria, vende se um muito bom : na rua
do Amorim n. 33. ,.,,,
PREPABADiS POB
J, C. Ayer & Ca*. Ix>we4, Mass., R.V.
VB5NDK SES VOU




$
.-
;iI
1
mmammlmmmdmmmz'*-
<
\



8
DUrio de Pernambuco @abbadd II de Abril de 1874
X
VARIEDADE
ella singela-
bracos, voa-
A WH\ Dl ORELHI.
CONTO CARNAVALESCO
poa
PEDRO IVO
IV
(:oni-lus8o)
E' bondosa, meu a.Miho 1.:. e bondo
sa, que 6 a primeira das boas qualida Jes de
UT8 senhora, observou ojuiz.
Scriam duas boras da madrugada,
quaDdo me retirei.
a Depoi* de dar urn cento de v lias na
cama, ad orraeoi, suspirando e dizendo :
A dona da orelha serd assim?...
Por -volta das quatro h< ras accrdwi,
Tictioia de um sonho horrivel I
V,a-me no theatro de S. Jodo.
A orchestra torava uma walsa vertigi-
nosa e os pares rodavara, como que ataca-
dos de loucura.
E eu via tudo aquillo, sem me poder
erguer da cade-.ra em que me assentara.
Nisto ch gou so a mim uma mirluer,
envolta n'um doming negro.
Era a dona da orelha !
Ven I .. Uisse-me
raente.
o Ergui-me, enlacoi-a nos
mos, rodaodo, por entre a turba, e, enlaca-
dose walsando sou: pre, transpozfinos apor-
ta do salao. No atrio a desconheeida re-
petio:
Vem .'...
Subimos juutos as escadas. Ao che-
garmos defronte do camarote onde psla pri-
ineira viz a vira, a porta abrio-sed'e per si
e entramos. Ella assentou se ro lugaronde
estava na noite do meu desvano.
Dize!... dize que es Ella.'. a
dona da orelha /... bradei tremulo de
amor e receio.
Por unica resposta, seta tirar a masca-
ra, f'eiiou eahir sobre os hombros ocapuz.
Cousa horrivel!... Infernal mutilacfr> I A
dona da erelha... ndo tinha orelhas. Ven-
do-meficar mudo e aterrado, murmuroucom
voz wiagoada :
Eu era a fada da tua mocidale...
era a visa i formosissima dos teus sonhos I
Ndo live rival no tea corar,do emquanto os
olhos da tua alma nao viram encamalo o
ideal concebido pela sua ardente irragina-
cdo I... Eu, hoje, sou apenas para ti uma
lembranija do passado !... Achaste. repro-
duzida n'outra mulber. a unica cousa que
do mim conhorias, o fio com que contavas
para meencontrares !... 0 teucoracAo mun-
dano despresou pelo vulto o que julgava
sombra I Enganou se I... Na mulher que
hoje ama contiuua, em parte, a amar-me I...
Vds-me mutilada?... E' que essa mulher
roubou-me as orelhas, e tu, auiando a ella,
continuas a arr ar a dona da orelha !... por-
que a dona da orelha, hoje e ella t
Mai profeno as ultimas palavras, soltei
um grito e... acordei, alagado em suor.
Nao irmginasa irapressdo que me cau-
SOijeste sonlio.
Pareci,'rae providencial; julguei ou-
vir a voz da razdo, mostrando-me a inuti-
lidade de correr atraz de uma sombra.
Como ves, o sonho tinha razdo : co-
mecava a abandonar a sombra pelo vulto.
Quando despertei, entravao sol por to-
das as fendas.
Uma luva que jazia no chSo tr. uxe-me
a* idea o baile ; Amelia e o sonho.
Por esta mania, commum a todo o ge-
nero bumano, que nos leva a negar quanto
sentiraentos, entrei a me querer convencer
de que me aborrecera no baile, de que nada
sentia por Amelia, e, sobretudo. de que
continuava a amar exclusivamente a des-
conhecida.
Nota, porem, que, inconscientemente,
id lhe n3o chimava a dona da orelha!...
Seal querer, dcixara-me dnmiuar pelo
sonbo
Hi mais: p.irecia-mo impossivel a
existencia de duas mulneres com orelhas do
mesmo moldo e chegavs a admittir a possi-
bili Jade de serem as d'estas uma contrafac-
cao das d'aquella, sem me atraver a decidir
quaes seriam as originaes !
D'entao por diante, como elle ia todas
as tardes A casa do Almada, tornei-me inse
paravol dojuiz.
Nao podes imaginar qual tjm sido a
minha felicidade e ao mesmo tempo o meu
soffror n'estes trcs mezes I
Ojuiz nao exagerira. Amelia repre-
alma elevada e angelica, de urn _espirito pergunta...
coltivado a animarem o i leal da formutura I difficH responder i
Amelia6. Mas nSo, nao t'a descrevo ; acrescentou.
Franqueza, minha senhora \..
NuDca penseique fosse Uo
uma eousa d'eU...
exclamei com o
Eu
cora-
esperoo peior I...
ga j em torturas.
NSo ha remediol...replicou Ame-
lia r Se Ibe nio agradar... queixe-se de si...
Reconheco no Sr. doutor todas as qualida-
des necessarias p ra fazer a fel cidade de uma
senhora, mas...
Nao me tern amor I?... atalhei,
para
quero que a vejas, ou^as, estudes, para ter
no fim o prazr-r de te outir dizer: E's
um homem feliz I
Deixa-me explicar.te o que dissa ha
pouco.
> Soffria eera ft-Iiz a ua tempo I...
Amava-ae ndo ousava dizol-lo I...
Revolviam-se-me ardentes no cerebro
as ideas, voava-me para ella o corac&oe...
n8o encontrava palavras com que lhe con- desesperado e fazendo um movimento
fessasse o que sentia I me retirar.
Quando ia a abrir os labics, erguia fa- = Perdio I...disse ella com yiva-
talmenteos olhos, 6tava os no lobulo naca- cidade, e, p-ssadj um instante, ptoseguio:
rado d'aquellcts orelhas e... adeusl... Nao Vejo que e" sincero... que sente por mim
havia de que 1 e... chego'i a occasiio de ser franca... Ha
Assaltava-ne o dos-jo & que n3o pu- um bomem que eu...
de resistir no theatro e tinha forcossnunto Basta, minha senbora I... Eu nao
de desviar os olhos para n3o ceder a* ten- quero devassar o sou coragJo ; s6 peco a
iS*o fieus qua esse homem seja digno da felici-
" Umbeijo na orelha! eisa unica dade queoespera t...
declarajao de am r que me parecia natural Mas se eu nio conheco esse ho-
e possivel I mem 1 ..exclamou Ame'ia, impaciento.
E assim andei tres mezes I E assim' Pep,lio miaba senhora, mas...
< ndaria ainJa boje, se ella, hontem se nao n5 comprehei.do I...balbuciei com sin-
leu.biasse de prtr na cabe^a, para se res- cero esPan0
guardar do af d;i uoite, um li-n^o que lhe' T ^io couhey) I...replicou ella
obria as orelbas. Existe, mas nao o conheco !... Sei que e"
Ten paciencia, F. .1 Deixa-me con- ,nlelli8en,e' Prque o ouyi fallar dez rainu-
tar-te tudo I tos, e nesses dez minutos deu-se um facto
Haveria um quarto de bora que anol- *IU0 ta"ty P^^6 ser um inwlto como uma
tecera. prova de amor para mim I...
A u n ca Uo da varan la con versa v m a N3o comprehendo, minha senho-
o juiz e o Almada, e um pouco distautes ra Pec'aro que nao comprehendo I...
Amelia, a mfli e eu. ivolvi, desanimadurEmbora I... V. Exc.
De repentea minha futura sogra lera-' m' cxplicari, se quizer, mas... deixe-me
brou-se do que tinha uSo sei que ordens a *"* uraa pergunta... deixe-me avivar
lar e retirou-se. tormento que me rala I... Se esse ho-
mem possuisse as qualidades que se dignou
no camarote' um- homem mascarado. Mi-
nhas prinoas slo lindissiaas, mas'timidas.
0 homem comecou a provoca-las, porem
debalde. Assevero-lbe que ainda n3o onvi
ninguem fallar com rtais espirito do que
elle. DeSanimado pelo silencio de minbas
pnmas, ia retirar-se, quando eu, confiada
na mascara que me occultava o rosto, dis-
se lbe nao me lembra o que\ desejosa do o
ouvir aiuda fallar. Ou porque nao espe-
rasse a aggress8o ou porque estivesse alii por
minha causa e lbe custasse ver-sa mettido
a ridiculo por mim, a quern se n&o atreve-
ra a dirigir-se, calou-se, cravou em mim os
olhos, que brilhav:m atravez da mascara
e, quando acabei de fallir,
sitou, curvou-se o...
Diga, minha senhora I
bradei com risco de ser ouvido
Ihos.
para mim.
E ahi esta* porquo eu, apezar de ser este
um conto veridico, lbe chamei, em atten-
^ao aos leitores, Conto carSuvalesco.
e-gueu-se, he-
,. diga
pelos
ve-
LITTERATURA.
O sapo, o matiiio, o boi
de rupiua.
APOLOGO.
e a ave
Os velhos discutiam politica.
Agora ou nunca I pensei
Quern sabe quando tu tornarei a apanbar1
sem lengo ua cabeija ; sem as orelhas &
visla 1 ?. .
< Nao me demorei a procurar o que lhe1
attribuir-me, V. Exe...
Era feliz Irtspondea Amelia com
senta a ventura de qualquer homem sus-
ceptivel de comprehender o valor de uma
FQLHETM .
IUC58CU B.QB&U
, yEMDRUS DE S1TMZ '
POR
1. llanoel Foraaodezy Goazalez
QUINTA PARTEj -
|leonor v
CContinuag3n do n. 93. )
vni
COMO MICHELOTTO E>C0NTR6U UM ANTIG0
CONHECIDO E SOUBE POR ELLE UMA H1ST0-
RIA HE AM0RES.
N'aquella noite, Michelotto seguio Paulo,
sem que este notasse que era seguido.
Notara no mancebo uma inquittac*o que
iadicava proceder de novos araores.
Q.ae amofes podiam ser esses que assim
fjziamesqnecer Paulo da sua Lionor ?
Michelotto necessitava sabe-lo e para isso
seguira Paulo.
Suppunha que o mancebo nfio iria tao
breve, como na noite anterior, para o seu
apos<;nto no castello ducal, e nao se en
ganoj.
" 0 mancebo em vez de se dirigir para a
nfasa do Gra-Duqu", seguio em direccao &
praca .de Santa Maria em uma esquina da
qoal'O osporava um homem erabu$ado.
Michelotto esperou i alguma distancia.
IV 'o o o homem de quern se havia
ap.-oxirbado estiveram fallando durante al-
burn tempo.
Bm segnila, aquello homem e P"nlo t)-
ram per iima*vi lacio. A in.-iu Jd vicUa* comcc-va o muro
uejlin cxtpnso jardim. No mm
uma n-nifrn porta, <)t> qnal ) a^ff)
bomem qua acompanhava Paulo,
teu.
A pnrta abrio-se, e Michelotto ouvio o
murmoriode duas v.izes.
havia de dizer, porque a mai podia chegar
de repente ao lembrar se Amelia do t rar o
lenco.
Encarei o perigo e atirei-rae para a
freute, comofazo recrula, quando sabe que
6 peior retirar do que avancar.
V. Exc. ainda nao percebeu que a
amo 1 ?...murmuroi com todo o fogo de
urn amor que, ba muito, arJe em segredo.
Nao te sei dizer se corou ; como era
de noite, nao vi. 0 que sei e que, livre
da inuuencra-do talisman, da orelha, pro-
segui:
Perdde-me esta expansao, minba
senhora!... Eudoudeeia, se lha nao dis-
sesse o que sintol... V. Exc. ndo e uma
inteliigencia vulgar... Ha de comprehen-
der esta minha ousadia... N3o possuo ate
hoje um unico indicio que me d3 a certeza
de ter V. Exc adevinhado que a amo ou
quo me permittu a esperaoca de vir a ser
amado por V. Exe... Ja veque e enorrae
o meu arrojol... E', minha senhora I...
e inqualificavel, mas .. eu n&o p >dia>eonti-
uuar a river n'este martyrio I... Minha senho-
ra I... Perdde-me mas... responda-me-com
franqueza 1... Nao lhe pergunto sesou cor-
responJido... Sei que nao &ou I Mas diga-
me...e possivel vir amar-me ?. ,Seja>fran-
ca, Sr. D.Amelia .-. E; preciso !.._ E'
necess3rio que eu fuja d'aqu, q.ue eu reqyei-
ra a minha transferencia, se nio me for
permittido esperar... Respooda... Peco-1...
Talvez r 30 acredites, mas olha que,
quando me calei, saltava-me as lagrimas is
quatro 1
Seji franca... iusisti supplictuite,
vendo que ella demorava a resposta..
c Amelia passado um instante, replicou,
sem Tollar o rosto para mim :
Ha de confessarque n3o e'factl res-
ponder d uma pergunta... tao inesperada...
Confesso... volvimas perdoe,.
se insisto... Seja franca 1...
Rindo, para dissitiular o enleio que
sentia diss^-mc :
Bom!. Serei franca 1... Quan-
do lhe disse que a sua pergunta era inespe-
rada, nao queria negar que notara as suas...
attendees. Vaiha-mo Deus t Que ridi-
cula posirao a minha !continuou ella, rin-
do, mascom visivel despeito.
i C -ntinuef... Por quern e, continue,
minha senhora !... instei.
Piracsu-meproseguioque os- seus
olhos me procuravara ; mas, desculpo-me a
franqueza, como o senhor e um pouco...
original, accusei-me'de vaidade e... julguei
que fosse acaso o que agora sei que era pro-
posito... Ja" ve que estava longe de espe-
rar a sua... declarac,So. Quanto & sua
vivacidtde.
Infelizmente,acerescenteicomum
gesto de desalento- n3o bastam as quali-
dades n.oraes ; e\ necessaria a seroelhanja
physica para combater esse homem f,..
Mas se eu ndo o eonbeeo L ,re-
petio Amelia.
a (El'a htijaria tambem alguma ore-
lha ?)-r pensei v. Exc. nooeonhece r?,..
0' minha senhora I... Ou eu estou Iohco
obT. Eat. zomba de mir!... excls-
mei.
Escute L., Esse homem creio que-
era uns destes infeliacs a quern a sorte faz
nascer em berco humilde, dotaodo os, para
infelicidade dclles, eom uma iirtelligencia
superior... Ja* lhe disse que se passou en-
tre n6s um facto que tanto pode ser um in-
sulto como uma prov* de amor \. deixe-me
agora diaer-lhe porque hesito en* elassiftcar
o facto. Esse homem que eu ou-vi falla-
eheirava {at^ me custe a dizer-lh'o-) cheirar
ra a agu*rdente I Era um miseravel ou...
era um desgracado a quern inspiret amor e
que bebeu para se aturdir, para pratiear o
que jimais ousaria, se nao recorresse a esse
meio. N4o sei I... 0 que sei e que pode
o-tempo, talrez, desranecer a impressao
que esse homem intefiigente e que eu con-
sidero apaixotiado por mim deixou. no meu
espirito ; boje, porem... repugna me ligar-
me a um bomem, giu lando no- meu co-
ra ,ao a lemb'anga dei^cro, embora apenas
co.bo em sonho I
Amelia ralou-se. \
Seri abusar pa sua bondvle pe-
dir-lhe que me conterfacto a WeV. Exc.
alludio?... Quem sab."..... "Lalvez apra-
ciado por ambos, so vejamos nelle um in-
sulto... ... se assim for... Exc. tem
uma alma demasiado nobre para, nao banir
da sua naemoria a lembran^a de um mise-
ravell...disse eu, ji dominado por uma
esperanca vaga.
a Vou-lh'a contar... Gusta-me, mas
nao quero roubar-lba essa aWraa esperanQa.
0 anoo passado fui ao Porto com uns tios
e uiaas tias que tenno em. Coimbra. Era
pelo carnaval. No. domingo gordo fomos
ao theatro...
A que theatro I ?...exclamei, an-
cioso, interrompendo-a.
A S. Joao...respondeu Arae
lia, revelando ua voz que estrknhava a per-
gunta.
Continue,minha senhora I... Con-
tinue Isupphquei.
a Uma de minbas primas manifestou
-desejos **de ir ffdar uma volta pelo sal3o i
meu tio foi buscar um domino para ella e
acompanhou-a. Passado pouco tempo vol-
taram, e pediram-me para vestir eu o do-
mino e ir com meu tio.
Acaba eu de me vestir, quando entrou
Deu-me um beijo...
Na orelhi 11... diga-me que foi I...
A senhora <5... tu es, a dona da orelha I
Quem lbe disse ?. 0 senhor e ..
pirguntou Amelia cora anciedade.
Eu... eu tra... eu sou o misera-
vel... que cheiiuva a aguardente I...res-
pond i.
Pareceme que disse i:to com uma in-
flexao tao comica, que Amelia nao p6de dei-
xar de dar uma gargalhada.
havia
iximou
e ha-
Eram, sem duvida, a do homem que
batera, o a da pessoa que tioha vindo abrir.
Pouco depois, Paulo penetrou no jardim,
e o homem que ate alii o acompanbara, fi-
cou da parte de fora como que fazendo
costas a Paulo.
A porta tornara a fechar-se.
Michelotto, que, como sabemos, conser
vava todos os seus brios, o a quem impor-
tava muito saber o que Paulo ia fazer dquel-
la casa, avangou pira o homem que Qcara
de guarda e disse-lhe :
Siga para a frente, quando ndo, e" um
homem rnoto !
Viva Deus replicou o homem ; ha
s6 um homem no muudocapaz de fallar com
esse arreganho, e de meudar cabo do p Uo.
Nao me parece couSr difficil tirar-te
a vida, camarjtda.
Se vocS nao e D. Michelotto, cuja voz
me parece reconhecer, apezar de que ha
vinte e cinco annos que a n3o ou$o, eu 6"
que lhe mando a alma de presente ao diabo.
Com que ent8o conhecesle um tal D.
Michelotto ?
Muitissimo.
N'esse caso es um tratante, porque
Begundo tenbo ouvido dizer do tal D. Mi-
chelotto, s6 o eonheciam homens de m4
nota. .
__Eu tenho sido para tudo, como verds-
deiro homem de prestimo, replicou o des-
conhecido.
Como te chamas ?
Salvestro Monti.
_ Ah 1 infame I Recordo-me perfeita-
mentedeti, e julgava que ja* te tinha levado
o diabo.
Ainda nao, redarguio Salvestro, aca-
bando de reconhecer Michelotto ; quando
em Vianna morreu o seu infeliz senhor, e
eada um de nds teve de fugir por onda pdde
andei ilivaghndo algum tempo por esse mun-
do de Deus, e-aGnal alistei-mo como ho-
mem de armas ao servigo do giSo-duqoa,
Eos nlior, quo tern f..-ito 1
Oiutiiiua a-andor, Salvestro ; p'reciso
enten-letjfie cpmtig9.
Eu, p"o: ?:ii, fido qui.era deixar s6
n essa casa o meu novo capitao, que me
parece um bom rapaz, e sobretudo muito
valente.
E quem te diz que me ndo interesso
por elle muito mais do qua tu, que so o co
nheces de boje ?
Atr* interessa-se.|tor esse mancebo '
Moito,. e e a respeito d'elle que te
queria fallar.
Pois bem, capitao, pergunte e eu
responderei. Nao quizera, porem, afasttr-
rae d'aqui; ndo reparou que nos seguem
dous vultos ?
' Julgas por ventura que ndo sou ainda
o mesmo, o que deixo de reparar n'aquillo
que se passa proximo de mim I Vi que
estavam dous vultos parados proximo da
entrada da praga e que quando o teu joveo
capitdo, tu, e eu que os seguia, penetra-
mos n'esta viella, vierara elles ate & entrada
d-ella.
Pois olhe, capitdo, eu creio que esses
vultos sdo esbirros da grd-duqueza ; co-
nheco-os pelo faro.
N'istoanda alguma historia.
Que pode acabar em trtgedia, disse
Salvestro.
Pois entao, falla, desembuxa, meu
rapaz.
Dave saber, pois, que o meu hoyo
capitdo seenamorou per lidamente.
De quem T
Da mulher mats formosa de Ferrara.
Diabo I E quem d esse prodigio ?
D. Branca Albini.
Como I Pois seri anlha de um tal
Reinaldo Albini, muito rico, que era capitao
das guardas do grdo-duque ?
Exactamente ; agora e oonselheiro de
sua alteza.
Comtudo -sua filha deve ser muito
joven ainda, porque, quando en mb retirei
de Ferrara, Reinaldo Albini ndo tinha casa-
do ainda.
Branca tern apenas dezoito annos.
E dizes que e um prodigio de formo-
su -a ?
Pareco um d'esses archanjos terri-
veis que se admiram nos frescos do Vatica-
Ndo quero abusar da paciencia dos lei-
tores.
fmaginem as confidencias daquellas duas
alrnas (iue se adevinhavam e atlrabiam I
o Quero que' a'vejas ho_je mesmo I..-
dizia Arthur, a quem jd pesava a aoseu-
cia.
De accordo,.mas diz-rae... per-
guntei Que teuciouas fazer iig^ra ?...
Ja'fallei ao juiz. que se promptili-
"aki a pedi-la dmantid ao pai. A** mai ji
Amelia se confessou... respondeu Ar-
tbor. .
E eotdo ?
Tom* li I...redarguio o meu
amig&v entreg.edo um bHhete.
Era- de Amelia e dizia ;
Arthur.Minha mdr diz que -.& dese-
ji a mioba felicida observac>3 e i >i solire a inconveniencia de
dar sua fiiba a om mourov FeliiineBte,
como prora da tua eonversdov disse-lhe que
usavas unvalfange cora o punho em crue e
removi assim a unica obje*cdo. Ame-
lia.
Ella-tinha reparado noalfangel ?...
pcrguntet" .'ngenuamente.
a Naor homem P... Fui eu-qae lhe
contei todis as loucurae- daquelfa noite...
Mas anda, homem I... Aviate F... Olha
qae 6 tardo I
Escovei-me, mudei o sollarinho- e acom-
paohei Arthur;
0 meu amigo, leitores,. e efFecti*amente
um> homem feliz f
A> dona da orelha, boje mai de am anjo
louro e rosado, e uma d-senhoras mais
formosas e itttelligentes que eu conhe-
co.
Rimos cordialmente, reoordando todas as
peripetias daqa-;4le amor tao- espomaneo,
apesar de ser amor pelas orelhas, e nunca
mopareceu tdo rapid o o correr das horas
como nessa noite-..
0 pai de Amelia e" que so-oo Jia scguinte,
quando ojuiz Ihepedia oflicialmente a mao
da filha, pdde comprehender a causa da
alegrti que nos animava a todos e que elle
ndo deixara de aotar. .Dous- mezes mais
tarde uniam-se os noivos.
-V sahida da igreja o juiz-i para dizer
alguma cousa, (hsse a Arthur -.
Tormina venturosamente a sa ju-
veatude, meu amigo...
E eu, apertando-o contra, o peito, segre-
deilhe ao ouvi lo :
Acredito, tinilmeule, no -ultimo
canto, do cysne I ..
EPIL0GO.
Achando o telegramnu, cujo, texto os
leitores hoje comprehendem, dirigi-mo a
Arthur, pedindorlhe lice-oca para escrever a
bistoria daquelles amorcs.
Eis a resposta:
F...Ten's carta bsanca da dona da
orelha e minha para escrever o conto.
S6 te lembro uma cousa... A' gente
sensata ha de custar-the a acceitar por ver-
dadeiros amores tdo originaes.
Isso, porem, e comtigo I
Faz o que quiaeres... Man la 3 teu
Arthur.
Eu sei... acho tudo tao natural... ido
verosimil I... Mas e possivel, e... Pro-
curemos uma tangente...disso de mim
no. E' branca como ;i espuma do ma', com
os cabellos eos olhos tao uegros couo uma
noito de tempestade. Asseguro-lhe que ha
momentos eraique essa crianca pode mat-
ter medo ao bomem mais terrivel, incluin-
doosenhor, que sendo atemorisa com cousa
alguma ; pordm quando estd tranquilla e
com um sorris) nos labios, e irresistivel,
fascina, encanta, stduz, e uma poesia, o
archacjo da felicidade.
Oh I ainda te ndo curasto das tuas
pretengdes d poeta I Lembro-me ds que
fazias versos muito rados, infame, e como
eu nunca pdde tolerar os poetas, porque os
reputo a gente mais inutil do mundo, re-
cordd-me tambem de te ter dado algumas
pranohadas para ver so te tirava dp corpo o
diabo da poesia. Por conseguinte deixa-te
defloreadose vamos ao que importa. Onde
conheceu o teu joven capitdo,-Paulo de Ar-
nesteville, essa mulher 7...
No sequito de sua alteza, a grd-duque-
za, porque o senhor deve saber quo D.
Branca 6 sua dama de honor.
Os Albini teem vivido sempro em
palacio.
Hoje a grd-duqueza teve a phantasia
de ir passeiar aos jardins do seu palacio de
Cento, e, como era natural, foi a escoitan-
do o cavalleiro Paulo de Arnesteville ; e
como a senhor i Branca Albini estava de
servico, e acompanhou a grd-duqueza, os
dousjovans viram-se e enamoraram-se um
do outro.
Mas, sendo essj senhora tdo formosa,
ndo amava ninguem ? Ndo encontrou nun-
ca nenhum homem digno de occupar o seu
cora^So ?
Julgavam todos que D. Branca Albini
tinha um conrh de pedrp, mas engana-
r.TQ so : coinlu.lo creio que a culpa do
MrvaUotre Paulo d de Branci Albini, teve-a a grd-duqueza.
Como*
A gr3:d'jquozi estevo h ye muitosim
prudente.
Vou gostando muito das tuas revella-
c,des.. Entdo quo fez hoje a grd-duqueza ?
llm* primeiro logar, den os ronmorfaes
Todos conbecem bem os seus defeitos,
Convir n'elles, porem, nem todos querem ;
Haja vista est; caso, que d uma velha
Ouvi; quando meniuo.
Ia o timido sapo, n'um domingo,
De bengala na rado, chapeo de baoda,
Cigairo acceso.de casaca e luvas,
Mui teso e enthusiasmado...
la caminho da remota villa.
Quando algue n, que passava, pcrguntou-lhe:
0' Id, compadre sapo I tdo lamye.ro
Para onde se bota ?
Vou d missaRisonho respondeu- he
E sem mais prosa, proseguio aos pulos ;
Porem, dando-lbe se le uo caminho,
Foi para logo d fonte.
Bebia a ^osto ahi, quando pezado-
Boi, que n'aquelles campus ruminava,
Indo beber tambemcasu.dmente
Trepou-lhe o casco em cima.
N'isto alguem, quo passava, vendo-o todo
Acocorado, esbugalhando os olhos, .
Que estd fazendo ahi; compadre sapo T
Surprezo perguntou-lhe.
Respondeu muito fresco : Estou peando
Este boij quo fugio-rae do cercado
Ao que estalar de riso o transeunte,
Certamente, nao pdde.
Farto emfim, retirou se ccornifronte,
Esteadiilo acold deixando o i.npoiia,
Sem folego, arqaejante, maltratado,
Mais raurto do que vivo.
Eis vai passa n lo ama ave de rap in a
E, suependendo-o subito nas garras,
Com elle carregou, sem mais demord,
E Id se foi- com elle.-...
Algnem, que o vio sntdc subi K> aos aras-,
Compwlre sapo, aonde vai voando ? ?
Inquire ; e elle, sarionico sorrmdo,
Torna : Nao vou, raelevam.
Fin'.lmente, das unhas escapando
K vindo. em cheio sobre dura roche*
kida assim mesmo disse : Arre^la,
Arreda que eu te parto.
pedrar
2>'ahi vera-o dizer-se vulgarmente
'Std sustentando a opiniao do sapo,
'fegando o individuo, sem.poder o'o tempo,
Nao dd a toreer seu braco.
X8T3
Franomo Cismonktno.
Discurso do g.eneral lloltke.
Meus .senhores : Limitar-me-hei a res-
ponder apenas a uma das numerosas obsor-
waroes do orddor, que mo preceJeu- (o de-
putido Bichter).
Jul^o impossivel poder fixar-se,. des>le jd,
o- offoctivo do exercito em p<5 de guerra,
porque ndo podmb& jaber, no actual mo-
menta, se teremos de fazer face para um ou
mais laJos e porque ndo sabemos-so haver*
necessidade ou de utilisar umi parte sd do-
exercito como em 1861, ou de reunir todas
as forcas activas, como em 1870.
Na ultima guerra tivemos de utilisar di-
viEdes da Landwehr para o servico das com-
municagdes, dossitios do forialeza. etc., ti-
voraos de recorrer ds classes mais antigas
para a'formag&o de novos quadros, ila armar
06 soldados guardas do corpT, que ja ha via m
terminado o tempo de servic,o> alim de- po-
derem vigiar ceutenas de milbjres dc-pri-
.'ioneiros. Foi necessario entao alterjr o
numero dos dillerentes exercitos e, por con-
seguinte, a ordem da sua forraacdo. Guide,
porem, que estas o outras muitas duvidas
poderdo ser completarnonte elucldadas por
uma coraraissao em uma discussiio ein re-
gra.
Eu pedia a vossa especial attengdo, sobre-
tudo para a seguintecircumstancia. Jd no
no {." do projecto do lei, que temos pro-
que lhe h.viam apresentado alguns preten-
d^ntes, nao.ao gentil-homem do servico,
como e de uso, mas ao cavalheiro de Arnes-
teville. Depois, quando chegamos ao pa-
lacio de Cento, um dos gentis-homeos raan-
dou subir o cavalheiro do Arnesteville para
a camara da grS-duqueza, o que tambem
nao e costume, por isso que o capitdo da
escolta tem muito bons apsentos no andar
baixo do palacio. Porem como a grd-du-
queza havia dado os meraoriaes ao cava-
lheiro do Arnesteville, devia este dar-lhe
conta d'elle*, e para isso tinha necessaria-
mente de subir d camara ducal. Segundo
me dis e o cavalheiro, demorou-se alii mui-
to tempo com a grd-duquoza, e ndo menos
tempo na ante-camara conversan lo c mi D.
Branca.
Eenjdo?
0 csvalleiro de Arnesteville, que & um
seductor consummado, comprehendeu, co-
mo qualquer de nds comprehend'.-ria, que se
D. Branca o ndo recebeu friamente como a
tantos outros, foi porque o vio favorecido
r.ela grd-luqueza.
As raulheres sdo nssirn, capitdo.; ecorao
a grd-duqueza d 'muito formosa, e toda a
gente sabe que ella n'outro tempo teve o
diabo no corpo, ndo 6 para estranhar que
D. Branca nutrisse o desejo de conhecer,
por si mesma, as razdos que tivera sua alte-
za para favorecer o seu capitdo das guardas,
quando ha tanto tempo que ndo. favorecia
pessoa alguma.. 0 senhor bem sabe; que
desde Eva para cd, acuriosidade foi sempre
o maior inimigo das mulheres.
Continua, continue, e dize-me como
se houve o cavalheiro de Arnesteville para
lograr que essa formosura cruel o favore-
cesse, marcando-lhe oraa entre-vista em sua
propria casa, logo -m primeira vez que
fallou eom elle ?
Agora ontro eu, disse Salvestro. 0
raeucipitdo esperou-me ao sahir do pala-
cio. do "Cento-para mo fallar. Tens cara,
disso elle, de quem serve para alguma
cousa.
E naose engana, meu capita). Que
pretpndo ?
sente, se trata de decidir, se para o futuro
a Allemanha terd de sustentar os pesados en-
cargos, que nascem de um efloctivo de
401,000 homens em pe de paz.
L'stao nisso em jogo as condiedes de exis--
tencia interiores e exteriores do pail.
Todo o governo tem obrigacao de appli-
car as suas receitas para as necessidades im-
preteriveis em todds os poutos da vida do
estado, a que urge acudir, antes de pensar
em economias, era amortisagao de divides,
ou, emfim, em dlminuicAo de impostos.
A primeira necessidade do estado e, sem
duvida.: a sua existencia, asstgurar a sua
vida nas rdagdes externas ..
No interior basta a lei, que protege o di-
reito e a liberdade de cada um : nas rela-
c,des exteriores, de estado para estado,' sd
vale o poder.
Embora existisse um tribunal de direito
commum, faltar-lbes-biao poder executiro,
eas suas sentences teriam de ser decididas-a
final nocampo da batalba.
Os pequeiios estades podem con fi a r-se neutralidale, podem encostar-se a garantiis
iuternaciouaes.
Um estado poderoso sd vi ve de per si,
pela propria force, sd preenche a eondicao
da sua.existencia, estando resoluto e arraado
para sustentar a sua liberdade, o seu direi-
to. Deixar um paiz desarmado seria o
maior crime que um gaverno poderhr com-
metter (apuiados na direita.)
0 desejo de economisar aguma cousa nas
grandes sommas, que se dispendom annual-
meute com o exercito, o empenho em alli-
viar desse modo os impostos, de applicar
essas ecouomias a commettimentos pacilices
e de certo justo, e justifma-se ptena-
raente.
Quem ndo ascederia'a isso?
Quom 6 que nao imagina quantas ideas
boss, uteis e belfas seriam entdo realisaveis "
Ndo devemos, porem, esquecer que essas
economias no orc,amento militar, embora
crescendo com a repeticjio em tempo depaz,
se podem perder n'um so anne de guerra.
I Muito bem.)
Lembrarei apenas- quanto nos custon o
periodojde 1808 1812, d- pois de uma cam-
panha desastrosa. Esses annos, forara an-
nos de paz, o effecti-TO do exercito era tao
pequeuo, os annos de servico tdo reduzidos,
como te- il. sejava, e tola via, Napoledo I
teveocasido de se gabar de haver espra-
midu um milhar de milhdes d Prussia, en-"
tdo tao ptquena e tdo pobre.
Eramos obrigados a economisar.uo nosso
exercito e pagavamos-odecuplo par um
exercito estrangeiro.
Nao p>iemos ignorar que o governo tem
disposto nos ultimos annos de mui valiosas
sommas para emprezas pacilicas, "a par da-.
quellas que pede o orcamento militar.
Devemos- reconhecer isso e agradece-lo.
Essas quantias ndo bas'am pordra ; de to-
dos os lados-so pede mais, e mais se deve
pedir aiudapor isso mesmo sou de veto
que ainda nao chegamos ao momento em
que so po sa> prescindir de impostos.
Eu penso que cada um de nds, ate o-mais
humilde, deve contribuir para as necessida-
des do estado, e aiuda que nao fora sendo
para se lembrar que existe um estado,.que
vela por elle; e que elle a seu turno tem.de
pr.teger solidariamecte..
Os grandes baneficios que o liomsm-ob-
tera sem trabalho, difucilmente se avaliam :
e a. experieociaque o diz.
Como ba de o esta io reuuncia as suas re-
eeitas, quando ainha ha tanto em que cui
dar, em todos os ramts do servico f
Ciiarei um sd exentplo, a escolct, 6 este o
ponto em que temfde col)ocar-se a alavaa-
oa, so n s quizermos precaver contra peri-
gos, que se levanlam. eom a propaganda so-
cial std e commuuista, um at.-que in-
tern o, tao serio como o pdde ser o ex-
terno.
Esses perigos so.- podem conjurar-se pelo
derramameuto geral da instruccaofc corren-
do a par com melboramentos seciaes.
( Applausos ).
A e?cola, mous senhores, nao fiscalisa e
Seethe toda a vossa juventude;. tambem n8o
acompanha a maioria d'ella senao n'uma
pequ^na. parto do caminho da vida, que a,
mocidade tem. de percorrer.
Entre nds. ielizmento succedo, quequaor
do acaba o ensino, propriamente dito, eo-
me^a pouco depois a educacao, e esta te-
mo-Ia entre nds; considerando o moviraen .
to em geral, n'um nivul c^mo na^do alguma
do mundo a possue-, essa eiuca^ao devo-
mo-la ao.servico militar obrigatorio para
todos. ( Vi/os applauses).
(Continuar-sb-ha)
Quero penetrar esta noite em casa
de D. Branca.
Venha dinheiro, repliquei eu.
Sobo ao meu aposento quando vol-
tarmos a Ferrara.
Mas, atalhei eu, o meu capitao sabe
quo o pai de D.- Branca e um homem
feroz ?
Que me importa ?
E, diga-me, pode contar com D.
Branca ?
Posso.
Temos o principal. Mas, como se
liouve o meu capitao para chegar assim de
chdfre a um fim a que tantos tem aspirado,
tendo que renunciar a elle t
Confesso-te, que, apezar de que na-
da me admira quando se trata de mulheres,
sorprendeu-rae o acolhimento que me fez
essa joven, que basta olhar para ella para
comprehender que 6 excessivaraente altiva.
Quando o diabo se mette no corpo
de uma mulber, interrorapeu Michelotto,
Udo ha nada que o detenha, porque o diabo
e vingativo. Mas, continua.
0 cavalleiro de Arnesteville e eu sup
pozemos que consistia tudo era ter excitado
a curio.-i lade de D. Branca o bom acolhi-
mento que a grd-duqueza fizera ao caval-
leiro.
Pois olha, disse Michelotto, el caso
para se ter dd d'esses pobres namorados ;
porque bem sabes quanto terrivel 6 a ir-
md domosso antigo senhor.
Eu cd, quando vir a mais pequena
sombra de perigo, fujo, para ndo receber o
quinhdo qae me possa tocar. Ndo, ndo
dei de ser eu quem pague os amores de D.
Branca e do cavalleiro de Arnesteville.
Quer isso dizer que tens a certeza.de
que a grd-duqueza se enamorou do caval-
leiro ? -
Sorprepdi mais do um olhar que e
ndo deixa a mais pequeua <)uvida.
Vami^s a ouvir a historia d'esses
olhares.
(Continuar-se-ha)
TYH. IV | DIAR10. -RUA DUQt'g DE CAXIaS
i-
1 Mi 1
*
."*
*


"

. -

.
r-

X.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E4D73R2ZT_10YY53 INGEST_TIME 2014-05-27T23:58:57Z PACKAGE AA00011611_17619
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES