Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:17441


This item is only available as the following downloads:


Full Text

AN#0 LXV NUMERO 29
PARA A CAPITAL E LIGARES D\DE NA SE PAGA PORVE
Por tres meses adantados....
Por seis ditos dem.....
Por un auno dem #.....
Cada numero avulso, do mesmo da.
60000
120000
230000
0100
OUAETA-FERA 6 DE f EVMERO DE 1889
PARA DIVTRO E PORA DA PROVINCIA
Por seis mezes adiantadoa.......... .
Por nove ditos idem................
Por um anno idem.......
Cada numero avulso, de das anteriores
130500
200000
270000
0100
DIARIO DE PERNAMBUCO
Troprkdade de Manoel 3tyuroa de ^aria ffityos

TELEGRAMAS
ssa:i:: mmmi so siaeio
NATAL, 5 de Fevereiro, s 2 horas
da tarde.
Aqu chegou hoje o vapor Jacuhype da
Conipanbia Pernanibueaaa
Sege para o sul hoje niesnio.
Agencia Ha vas
JAda*%Brot^
ssavijo sa auicu zl:l:
LISBOA, l,de Fevereiro.
As cortes portuguezas forara prologa-
das at o dia 2 de Abril.
PARS, 1 de Fevereiro.
O fallecimento do principe Imperial da
-Austria-Hungra causou bastante emocSo
em todas as cortes europeas.
No mundo Jofficial aesevera-se que o
? principe Rodolpho suicidou-se.
dissoluc&o e a liquidacSo da antiga Compa-
nhia do Canal de Panam.
DUBLIN, .5 de Fevereiro.
As desordena vSo se repetindo em toda
a Irlanda.
co,
INSTRCgiO POPULAR
AS GRANDES I WEMiftES
ANTIGS E MODERNAS
AS
Suradas, industrias e artes
2*^2*2
POR

solemnes
lugar
na
VIENNA, 1 de Fevertsiro.
E' provavel que as exequias
do principe Rodolpho tenham
terca-feira prxima.
PARS, 1 de Fevereiro.
O governo apresentou a Cmara do8
Deputados um projecto de lei restabelecen-
do a votacSo peio escrutinio de circunis-
cripcSo. (
Um membro da extrema esquerda da
Cmara dos Deputados interpellou o mi-
nisterio sobre os meios de obter o respeito
da Constituido.
O ministerio pedio n'esta questlo um
voto de confianca que lhe foi concedido
por 300 votos contra 240.
BERLLM, 1 de Fevereiro.
Acaba de ser nomeado ministro da jus-
tica da Prussia Sr. Deschelling.
VIENNA, 1 de Fevereiro.
O Archiduque Carlos Luiz, irmo do Im-
perador d'Austria-Hungra renuncia os seus
direitos cora em favor do Archiduque
Fernando, sobrinho do Imperador Francis-
co Jos.
Julga-se que S. M. o adoptar.
BERLIM, 2 de Fevereiro.
O Reichstag adoptou em 3.a leitura o
projecto de eredito relativo as colonias ai-
lemas.
LOf&RES, 2 de Fevereiro.
A oajniao geral que o principe herdei-
fo d'Austria-Hungra foi assassinado.
-MADRED, 2 de Fevereiro.
O general Salamanca acaba de ser ne-
meado governador gral da Ilha de Cuba.
PARS, 5 de Fevereiro.
. Um julgamento pronuuciou hontem a
IV
papel
(ContinuacSo)
Entretanto alguna curiosos romanos, para go-
sarcm tambem desie precioso papyro, compra-
ran], a despeito das leis daquelle paiz, livros re-
ligiosos e levaram-os para poderem escrever a
seu turno sobre o mesmo papel e vender estes
manuscriptos. Logo que foi autorizada a impor-
tado na Italia do papyro do Egypto, lomou bem
depressa consideraveis proporcoes. Enviava-se
do Egypto a Roma o papyro j fabricado, neces-
sitando-se nicamente para til i sal-o na escripia
algumas ligeiras manipulad-Oes de pouca impor-
tancia.
Os romanos distiguiara at nove qualidades
difTerentes de papyro. A melhor e a mais larga
chamava-se papel Augusto, a segunda Iqualidade
papel Livia, nome da mulher de Augusto. A ter-
ceira era o papel huratico (sagrado), assn cha-
mado pelo haverem usado os egypcios primiti-
vamente para escrever os livros sagrados. As
outras qualidades de papyro erarn inferiores e
cada vez mais estreitas.
Os manuscriptos romanos e gregos compu-
nham-se de certa porcao de follias de papyro.
A palavra totume (do verbo latino volvere en-
rolar) deve a sua origem ao costume que tinham
os antigos de fazer um rolo com a diversas fa-
llas ou paginas que formavam um livro. Esta
palavra conserva ai ida hoje a sua accepcao pri-
mitiva, e, chamamos volunte a cada um dos di-
versos livros que contituem urna ou diversas
obras
Foi no oriente que pela primeira vez se prepa-
rou o papel propriamente dito. Os chinezes e
os japonezes fabricavam-o com a cana do bamb ;
estes ltimos empregaram tambem a seda, ao
passo que os japonezes se serviam do algodo,
do cannamo e da casca daamoreiras (Brusunesia
papyrtfera.
Os processos desta rnanf ira de fabricacao es-
tavam em pratica desde tempos mui remotos no
Oriente qnando no seculo XI alguns fabricantes
rabes estabeleceram era Hespanha fabricas de
papel ; em vez, porm do bamb e da amoreira
empregaram o algodo, Depois de serem co-
nhecidos os processos desta fabricacao, nao tar-
daram em gencralisar-se, o que dentro em pouco
tornou geral em toda a Europa o uso do papel.
Os rabes tinham fundado fabricas de papel
de algodo em Septa (hoje Ceuta), bem como em
Xantia (hoje S. Felipe de Jativa). as manu-
facturas rabes fabrcava-se opapl com algodo
cru: e como nao fossem anda conhecidos
moinhos movidos por agua, nem os diversos pro-
cessos que tornam o papel p.-opno para reoeber
a escripta, o papel entilo fabricado era muito im-
perfeilo tinna pouco corpo e rasgava-se pela
menor trcelo.
Posterior ao papel de algodo, o papel de linho
nao foi fabricado antes do anno de 1300. tima
carta datada das proximidades do anno de 1315
e dirigida pelo historiador Joinville ao rei de
Franca Luiz X, est escripta em papel de linho.
as manufacturas da Europa foi-se naturalmente
substituindo o linho ao algodo cru, que nos pri-
meiros tempos e segundo o processo dos rabes
servia para a confeceo do papel. Mas em vez
de se empregar a materia vegetal crua, fez-se
uso de farrapos de panno de linho. Estes farra-
pos retalhados miudamente, frvidos na agua e
conservados depois em urna especie de fermenta-
cSo, formavam ento urna massa que se poda
converter em papel. Os farrapos u'algodao tam-
bem foram usados na Europa para o mesmo ef-
feito, desde que alli se estabeleceram manufactu-
ras de estofos desta materia. A invenco dos
moinhos de mSo e pouco depois, a dos moinhos
de maco movidos pela agua, usados pela primei-
ra vez em Italia para fazer papel d'agodao, offe
receram ao depois o meio de apereicoar a fa-
bricacao do papel.
(Contina)
PARTE OFFICIAL
Governo da provincia
RRLtTORIO com que o Exa. Sr. desembargador loaquioi los
de Oliveira Aadrade entregou a adminlstraco da
provincia ao V.\m. Sr. Dr. Innoeeneio Marques de
\raujo CiOes a 3 de Janeiro de 188.
(Continu acSoJ
COMPANHIA RECIFE DRAINAGE
Attendendo ao modo como essa empresa tem cumprido o seu contracto, pelo
3ue" respeita collocacSo de appareclhos nos predios, que'os podem e devem admittir,
irigi, em 20 de Novembro, ao director geral de obras publicas o officio abaixo
transcripto recommendando o cumplimento do mesmo contracto.
e 5.a seccSo.Palacio da Presidencia de Pernambueo, em 20 de Novembro
q> 1888.
Examinado o modo como a empresa Recife Drainagt tem cumprido o sen
contracto, pelo que respeita collocacSo de apparelhos as casas, que os podem e
devem admittir dentro do permetro fixado ;
i Considerando qu mais de quinhentos predios se acham ainda privados d'esse
melhoramento ou nao os tem recebido por indevida opposicSo dos respectivos pro-
prietario8 :
Considerando que semelhante precedimento obriga oh demais proprietarios a
madores annuidades e a provincia a sacrificio a que nao deve continuar sujeita por
alheia culpa;
Considerando que empresa corre o dever de fazer effectiva a collocacSo dos
apparelhos necessarios, reclamando quando necessarip fr o auxilio ou intervencao da
autoridade :
nsiderando que todas as casas terreas, sobrados e pavimentos terreos d'es-
tes devem receber apparelhos, nos termos dos arts. 9." e 17. do contracto de 18
de Detembro de 1865 ;
Considerando que a en presa nao tem procurado fasier effectuar a collocacSo
de app&i i casas ainda nao servida, depois da recusa de alguna proprietarios;
recusa q aoar nos termo* do seu referido contracto e regulamento de
4 de Out 1870 e 12 de Janeiro de 1872
t Considerando que o supprimento d'agua netessaria ao asseo dos apparelhos
irregular e insufficientissimo, como foi reconhecido pela commissSo ltimamente
namead. e cuja parecer se acha annexo ao relatorio apresentado Assembla Pro-
vincial em 15 de Setembro d'este anno ;
Recommendo a Vmc. que chame a empresa ao cumprimento do seu con-
tracto, procedendo de accordo com o fiscal do governo fiscalisacSo das obras pre-
cisas e fixando-lhe o praso de trinta dias para comeco d'estas, que deverSo se%pon-
cluidas dentro de quatro mezes, sob pena da mults em qoa incorrer, alm de n3o
serem pagas as annuidades pelo numero^^^ppare'Thl|r qui. por jomisso sua dcixa-
a que su refere o art. fi. do regulamento de" 4 de Outubro
se far saber aos proprietarios que ncar3o obrigados s annuidades os que
embaracaram a collocacSo de apparelhos, quando de tal opposicSo resulte a falta de
collocacSo.
t Deus guarde a Vmc.(Assignado) Joaquim Jote d'Oliveira Andrade.Sr.
director geral de obras publicas.
COMPANHIA DE BOMBEIROS
Em consequencia da exoneracSo concedida em 1 de Junho do corrente ann*.
ao capitSo commandante Joaquim Jes de Aguiar, promov, em 28 de Setembro,
sob proposto da commissSo fiscal, ao posto de capitSo commandante o tenente
Francisco Solano Molina, ao de* tenente o alferes Jos Julio de Souza Martins e ao
de alferes o 1." sargento JoSo Lopes Braga.
Tem sido satisfactorio o servico executado pelo pessoal desta companhia por
occasiSo dos incendios, que se tem dado n'esta capital.
PASGEIO PUBLICO 13 DE MAIO
A commissSo nomeada em 15 de Julho do corrente anno para levar a efteito
a idea desse Passeio nSo se tem descurado de sua incumbencia.
Em 20 de Setembro communicaram-me os respectivos menibros que obtiveram
do director do Circulo Chileno Palacios um espectculo em favor das obras, na im-
portancia de 1:009f?000, que foi recolhida ao Banco Internacional do Brasil; e em
29 de Novembro que se haviam reunido c nameado urna commissSo composta dos
Srs. commendador Joaquim Lopes Machad*}- presidente; Dr. Manoel Gomes de
Mattos, vice-presidente; Dr. Jos Marques Acau Ribeiro, 1," secretario; Dr. Jos
Francisco Ges Cavalcante, 2. secretario; Pedro Jos Pinto, thesoureiro; Manoel
JoSo de Amorim e Miguel Figueiroa de Faria, para dirigir todos os trabalhos refe-
rentes projectada obra.
A vista de informacSo do Thesouro Provincial^deferio requerimento em que
essa commissSo pedio que lhe fosse entregue a quantia d :<5004000 para occorrer
s despezas com o aterro destinado ao Passeio.
Essa quantia foi entregue independente de fianca, mas sujeita prestacSo de
contas, em tempo opportuno.
ENGENHOS CENTRAES PROVINCIAES
ENOENHO DE OOYANKA
Em 10 de Outubro defer o requerimento em que o respectivo contractante
Jos da Silva Loyo Jnior pedio a entrega do segundo emprestimo de 100:000f$000
a que se obrigou a provincia, visto se acharem no lugar da obra os machn i smos
precisos.
Em 13 de Novembro, resolv per mi tt ir que, de conformidade com a clausula
13.*, da portara de 29 de Dezembro de 1887, fossem transferidos pelo contractante
a Pereira Carneiro & C, Jos da Silva Loyo Se. Filho, Barao da Casa Forte, JoSo
Jos Rodrigues Mendes, Antonio Fernandes Ribeiro,. Manoel Ignacio Pessoa de Mello
e Antonio Muniz Machado todos os direitos e obrige&o'es referentes a csse engenho ;
e declarei que o prazo de oito annos para amortisacSo das apolices, de que tracta a
clausula 12.a da precitada portara, nSo pode Mr reputado obrigatoro, visto ser de
dez por cento a quantia estipulada para o resgte annuo do capital emprestado pela
provincia.
ENGENHO DE SEBINHAEM
A' vista do que requereu o contractante desse engenho, Gaspar de Menezes
Drummond, resolv, por portara de 1 de Outubro que seja considerado como de
typo maior o dito engenho, observando-se a respeito o que dispoe a portara de 7
de Abril d'este anno e o art. 16 da lei n. 1860 de 11 de Agosto de 1885.
Resolv tambem, por portara de hontem, como solicitou o mesmo contractante,
declarar que os prazos de que tractam as clausulas 3.a e 4.a da portara de 12 de
Novembro de 1887, ficam subordinados ao da dita portara de 7 Abril.
Por portara da mesma data, nomeei urna commissSo, composta dos enge-
nheiros Manoel Martins Fiuza Jnior, Gregorio Thaumaturgo de Azevedo e Antonio
do Reg Neto para dar parecer sobre o plano de todas as obras projectadas d'esse
engenho, os desenhos dos apparelhos, a descripcSo do processo do fabrico do assucar
e a planta do local.
Nomeei igualmente outra commissSo, composta do BarSo de Serinhaem, do
bacharel Antonio Venancio Cavalcante de Albuquerque e do coronel Fructuoso Das
da Silva para dar parecer sobre os contractos feitos com os proprietarios e fornece-
dores de canna ao engenho. *
ENGENHO DE 1'IKANGYZINHO
Por portara de 20 de Novembro, conced igual favor ao'coronel Joaquim VP
rissimo do Reg Barros, contractante de um engenho central de typo menor no valle
de Pirangyzinho.
ENGENHO PAO D'ALHO
Em 24 de Setembro, deferindo o requerimento em que Jos Lino Marques
Bacalho o Manoel Thomaz de Albuquerque MaranhSo pediam que fossem com elles
contractado a fundacSo de um engenho no municipio de Pao d'Alho, na conformidade
dos arts. 16 a 18 da lei n. 1860 de 11 de Agosto de 1885, mandei publicar edital
chamando concurrentes, com o prazo de 60 dias, afim de apresentarem propostas para
a dita fundacSo com exclusSo da isencSo do imposto de exportacSo do assucar fabri-
cado, da qual trata a condicSo 3. do art. 16.
Esgotou-se o prazo, sem que fosse apresentada proposta alguma.
Requerendo de novo os mesmos cidadlos que com elles .fosse contractada a
construccSo do engenho, indeferi, em 29 de Dezembro, essa pretencSo, por haver o
governo Imperial contractado com outro esse melhoramento.
Em 25 de Setembro reformei o despacho de 23 de Julho mandando considerar
esse engenho como de typo maior e approvei as respectivas plantas.
ENGEMHO D PALMASES
Por despacho de 11 de Outubro indeferi o requerimento em que o contractante
bacharel JoSo Zeferino Pires de Lyra pedio a entrega dos 200:' C^jkXX), de que trata
a clasula 8.a da Portara de 20 de Janeiro d'este anno, visto nSo ter provado conve-
nieatemente a compra dos machinismos, a que se refere a de 15 de Junho ultimo, nos
quaes deve fazer os melhoramentos precisos, afim de serem couaiderados como de en-
genho de typo maior.
Replicando o contractante contra essa decisSo, profer, em 23 de Novembro o
despacho seguinte, sobre o qual houve nova replica, por mim deferida, mandando,
em 29 de Dezembro, entregar a primeira prestacSo do auxilio, de que trata a lei n.
1860, na importancia de 100:0000000 em apolices, com a clausula, porm, de ser lhe
concedida a segunda, depois de postos no lugar destinado fabrica todos os materiaes
a que se refere a clausula 9.a do contracto, dos quaes farSo] parte integrante as pecas
reconhecidas necessarias.
O despacho de 23 de Novembro o seguinte:
c Em 15 de Junho deste anno concedeu a administraeSo ao supplicante pro-
rogacSo do prazo para apresentacSo do plano de todas as obras do engenho central
contractado : na mesma data modificou a portara de 20 de Janeiro, peimittindo que
os trinta milhoes de cannas, que deviam ser moidas em noventa dias, pudesse sl-o
em cento e cincoenta ; concedeu anda que fossem adquiridas machinas existentes em
Pao d'Alho para serem utilisadas ncBse engenho, urna vez reconhecido que erain das
mais aper eicoadas c sufBcientes. t
Em 23 de Julho consderou de typo menor o fallado engenho, por ser tam-
bena de menor capacidade o machinismo, cuja compra se pretenda, visto nSo poder
fazer a moagem da quantidade de canna determinada no contracto, no prazo estabele-
cido : reformou, porem, esse despacho, inantendo a classificacao anterior de typo
maior. por equidade e pelo desejo de favorecer a empreza, que careca do melhora-
mento da lavoura.
Verificado, entretanto, por pessoas prefessionaes, que o machinismo exis-
tente em Pao d'Alho, comquanlo do menor capacidad, poderia ser bem aproveitado,
substituidas diversas pecas, manteve a presidencia a classificacao, mas exigi, para
satisfacSo da clausula 9a do contracto, isto entrega da primeira prestacSo de cem
contos de res em apolices, que fossem exhibidos os documentos necessarios com re-
lacSo nSo s ao machinismo existente no referido lugar, como s diversa pecas com-
plementares e sem as quaes, nSo poder elle funecionar as condcSes estatuidas. E'
ao que nao se quer sujeitar o supplicante, que pretende o auxilio promettido pela
provincia, exhibindo apenas um contracto especial de promessa de compra e venda
dos nicos apparelhos ou machinismos existentes em Pao d'Alho,-- no que nSo pode ser
attendido.
(Continuar-$e-ha)
EXPDINTE DO DIA 28 DE IANEIB0 D 1889
Actos :
0 presidente da provincia resolve nomear
o engenheiro agrnomo Luiz de Castro Goncal-
ves para exercer o lugar de fiscal do engenho
central de Palmares, ficando sem effeito a po--
taria de 29 de Dezembro ultimo pela qual foi
nomeado para o dito cargo o engenheiro Luiz
Marques de Albuquerque Maranhao, que nao
aceitou a nomeacSo. ^>mmunicou-se aono-
1
meada
*^Ppres
de 23 de Janeiro Gndo foram promovidos os Srs.
omciaes e pracas abaixo mencionados:
A tenentes coronis: os Srs. maiores de in-
famara Luiz Antonio Ferraz" e Estevao Jos Pe*
raz, por merecimento.
A major: o Sr. capito Jos loaquim Alvet,
por antiguidade.
A i tenente.- o Sr. 2 tenenle de artilharia Jo-
nathas de Mello Brrelo.
A alferes para a arma de cavallara : os Sre.
. cadetes Joaquim Fenelon Borba e Manoel Ma-
lente da frovin(aa,_ attendendo ao, caa(j0 ^ Sij*va
que requereu Fausta Pareen liria de Lima Barros,
professora da cadeira de ensino primaria de
Cimbres, tendo em vista a informacSo n. 32 de
22 do corrente mez do inspector geral da Ios-
truccao Publica e o attestado medico exhibido,
resolve conceder peticionaria 2 mezes de li-
cenca. com ordenado, para tratar de sua saude,
onde lhe convier.
O presidente da provincia, attendendo ao
que requereu Gaspar de Meaezes Drummond,
contractante de um engenho central de typo
maior no valle de Serinnaem, resolve, de accor-
do com o parecer emittido pela commissao no
meada era 2 do corrente, approvar, de confor-
midade com a clausula 4* da portara de 12 de
Novembro de 1887, o contracto celebrado pelo
peticionario com os agricultores Manoel Peres
Campello Jacome da Gama, Dr. Gaspar de Drum-
mond, .loao Xavier de Siqueira Britto, Manoel
Bernardo das Virgens e D. Rosa Emilia da Fon-
seca Oliveira para fornecimento de cannas ao
dito cngenha\ modificado porm, para 8 */< o
juro de que trata a clausula 5a e eliminada a
clausula 19.*
Officios :
Ao brigadeiro commandante das armas.
Deferindo o requerimento do soldado do 2o ba-
talho de infntaria Jos Francisco Ribeiro dos
Santos, sobre que versa a informacSo desse com-
mando de 26 do corrente, sob n. 160, autoriso
V. Exc. a conceder baia do servico do exercito
referida praca, urna vez que o substituto apre-
sentado esteja niis condicOes da lei.
Ao mesmo. Declaro a V. Exc. para seu
conhecimento e em resposta ao seu officio n. 108
de 17 do corrente que, vista da informacao do
engenheiro encara-gado das obras militares de
22 deste mez, sob n. 275 me dirijo ao provedor
da Santa Casa de Misericordia no sentido de ser
construida a abobada na cacimba e o esgoto
d'agua servida no pateo da casa oceupada por
essequartel general.Officiou-se ae provedor
da Santa Casa de Misericordia.
Ao director do Arsenal de Guerra. De
conformidade com o que solicita o brigadeiro
commandante das armas em officio n. 162 de 26
do corrente, autoriso V. S., vjsta dos inclusos
termos de exame e consumo aanexos as rela-
coes C e B, a mandar satisfazer os pedidos jun-
tos, sendo um para o concert de diversos ob-
iectoslpcrtencentes s guardas da Thesouraria de
Fazenda e Alfandega c outro para o fornecimen-
to de differentes artigos s mesmas guardas
(,'ommunicou-se ao general.
Ao inspector da Thesouraria de Fazenda.
Remetto a V. Sajara os devidos (ins, copia do
aviso expedjdaj 16 do torrente pelo Ministe-
rio da Fazenda approvando o acto desta presi-
dencia de 7 de Dezembro do anno passado, que
mandou despachar livres de direitos os medica-
mentos viudos de Franca para a pharmacia do
hospital Pedro II.
Ao mesmo. Remello V. Exc, para os
devidos effeilos, copia do aviso do Ministerio do
Imperio de 18 do corrente, n. 209, a respeito do
crdito de 500^(00 aberto por esta presidencia
em 14 de Novembro do anno passado, para oc-
correr ao pagamento de despezas feitas com a
conduccio de livros destinados ao registro ci-
vil nesta provincia.
- Ao Dr. chefe de polica. Respondendo ao
officio desta data, n, 9v, cabe-me recommendar
V. S. que proceda as diligencias legaes sobre
tacto criminoso de que foi paciente a menor
de nome de Elvira, afim de que tenha lugar a
punicao do delinquente.
Ao director da Colonia Orphanologica Isa-
bel. Remetto a V. Revma. os documentos de
ue trata o seu officio, a que respondo, de 25
o corrente mez.
Ao juiz municipal do termo de Ipojuca.
Cora referencia ao officio de Vmc. de 20 de De-
zembro (indo, recmmendo-lhe, em cumprimen-
to do aviso do Ministerio dos Negocios Estran-
geiros, de 19 do corrente, sob n. 1, que trans-
mitta-me a certido de bito de Gustavo Macker
convindo que a forma da mesma certido seja
nr Vmc. reconherida, afim de ser observada a
malidade exigida pelo aviso circular daquelle
ministerio de 10 de Junho de 1876.
Portaras:
O Sr. agente da Companhia Brasileira faca
transportar provincia do Maranhao, por conta
do Ministerio da Guerra, o ex-2* cadete 2* sar-
gento do 14 hktailiao de infamara Cresceacio
Pereira Nunes, o qual tendo sido a 22- do cor
rente excuso do servico do exercito por conclu-
s&o de tempo recolhe-se provincia do Piauhy
d'onde natural, cuja iiassagem deve ser de r.
-Communicou-se ao general.
- O Sr. director engenheiro em chefe do pro-
longamento da estrada de ferro do Recife ao S.
Francisco mande dar transporte de ida e volta
entre as estacoes de Palmares Qui pap ao en-
Senheiro Francisco do Reg Barros fiscal do 1"
istricto de engeuhos centraes o qual se dirige
comarca de Panel las a servico publicoCom-
municou-se ao engenheiro.
Entre os promovidos apparecem ot Srs. te-
nente coronel Luiz Antonio Ferraz e Io tenente
Jonathas de Mello Brrelo, este ajudante de or
dens e encarregado do detalhe deste quartel ge-
neral, e aquelle exercia as funeces de fiscal do
2 batalho de infamara. Essas duas promo-
S5es encheram-me de satisfacao por- ver galar-
oado o zelo, a intelligencia e a disciplina mi-
litar.
Congratulo-me com o batalho que tiver como
chefe ao Sr. tenente coronel Ferraz, porque n'el-
le encontrarao os seus commandados a reclido,
a justira. a lealdade e franqueza de um carcter
invejavel, o sustentculo da disciplina que hon-
ra os bros da classe militar a que pertencem.
Acceitem, pois, estes dous distinctos militares
as felicitacoes do seu velho camarada e amigo.
Assignado. O brigadeiro, Jos de Almetda Bar-
reto.
-------------O
EXPEDIENTE DO DR. SECRETARIO
Officios:
Aojmspector da Thesouraria de Fazenda.
S. Exc. o Sr. presidente da provincia manda re-
metiera V.S. as inclusas ordens do Thesou ro
Nacional de ns. 3 a 9.
Ao engenheiro fiscal da estrada de ferro
do Recife ao S. Francisco. De ordera do Exm.
Sr. presidente da provincia communico aV. S.
que tiveram o devido destino os documentos
que acompanharam o seu officio de 22 do corren-
te, sob n. 5, hoje recebido.
Repartl?So da Polica
2.a seccSo.N. 124Secretaria da Po-
lica de Pernambuco, 5 de Fevereiro de
1889. Illm. e Exm. Sr. Participo a.
V. Exc. que foram hontem recomidos
Casa de DetencSo os seguintes indivi-
duos :
A' minha ordem, Manoel Antonio de Andrade
Jnior, como alienado, at que tenha o convenien-
te destino.
A' ordem do subdelegado da freguezia do Re-
cife, Manoel Geraldo, Luiz d'Assumpco e Manoel
Joaquim de Almeida. por disturbios e uso de ar-
mas defesa.
A' ordem do do 2. districto da freguezia de
S. Jos, Maximiano Bernardo de Senna, Thomaz
Moura e Luiza Idalina de Franca, por distur-
bios.
A' ordem do do 2. districto da freguezia da
Boa-Vista, Manoel Jos dos Santos, por distur-
bios.
No dia 2 do corrente, pelas 3 horas da tarde,
ao passar o trem da linha do Caxang pela eslaco
do Manguinho, succedeu cafar o chapeo do passa-
geiro de 2. classe Joaquim Severino de Leraos e
pretendendo elle apanhal-o o fez de tal forma
que cabio nos trilhos licando com as pernas es-
magadas.
0 subdelegado do districto tomando conheci-
mento do faci, fez transportar o offendido para
o hospital Pedro II onde foi vistoriado, vindo.a ,
fallecer no dia seguinte.
Procedeu-se a respeito nos termos da lei.
Ainda no mesmo dia, um dos trens'da referida
linha, ao approximar-se da estacao d Sant'Anna,
pelas 41/2 hoias da tarde acontecen cahir da
iluta-forma de um dos wagons, o passageiro tam-
bem de 2.a classe de nome Feliciano de tal, de
cor parda, morador na ra da Imperatriz, vindo
a fallecer instantneamente.
as algibeiras das roupas da victima, foram
encontrados a quantia de 1492o, 1 chave e 2 leu-
eos de cores.
O subdelegado do Pdgo da Panella tomou co-
nhecimento do facto, e procedeu a respeito nos
termos da lei.
Aquella autoridade communica que depois de
concluida a festa de Nossa Senhora da Sade no
referido dia 2, foi encontrado com um fenmento
na coxa esquerda, um hornera de cor parda de
nome Joaquim Antonio de Souza. o qual foi vis-
toriado pelo Dr. tarneiro da Cunha, que decla-
rou leve o ferimento.
Procedeu-se a respeito de accordo com a lei
Communica o commmandante geral da guarda
cvica, que no dia 2 d'este mez, foi encentrado
dentro do estabelecimento de Guimares IrmSo
* C, sito ra 1." de Margo, o individuo de nome
Matheus Jos da Silva, que tendo forjado urna
grade de ferro do mesmo estabelecimento pode
n'elle penetrar.
0 criminoso foi preso em flagrante e apprehen-
dido em seu poder um embrulho com Tazendas
que conduzia.
O subdelegado da freguezia de Santo Antonio,
tomou conhecimento do facto e procedeu a res-
peito nos termos da lei. .
0 mesmo commandante geral, participou-me
que hontem, os ladrees penetraram pelo telhado
no estabelecimento de Jean Meier, sito ra da
Florentina n. 10, e conduziram dois relogios,
sendo um de prata e outro de ouro, urna corrente
do mesmo metal, 6 camisas e cento e tantos mil
ris.
0 subdelegado da^freguezia de Santo Antonio,
tomou conhecimento do facto e deligencia des-
cobrir o autor ou autores do crime.
No dia 24 do mez passado, prestou juramento
e enirou em exercicio do cargo de di legado do
termo de Afosados de Ingaseira, o capito Lucio
de Siqueira Campos.
0 cida iao Sergio da Costa Agr, participou-
me ter no dia 14 daquelle mez, assumido o ex-
ercicio do cargo de delegado do termo de Leo-
poldina na qualidade de 1> Isupplente.
Deus guarde a V. ExcIllm. e Exm.
Sr. Dr. Innocencio Marques de Araujo
Ges, muito digno presidente da provin-
cia. O chefe de polica interino, Dara
Cavalcante do Reg Albuquerque.
DESPACHOS DA PRESIDENCIA DO DIA 4 DE
FEVEEEIEO DE 1889
Antonio Elias de Souza. Passe porta-
ra concedendo a dispensa solicitada.
Benedicto Marques Vieira e Fefippa
Floripes de Faria Vieira.Indeferido,
vista das inforina3es prestadas pela re-
particSo da Instruc$So Publica e do The-
souro Provincial.
Joaquim de Azevedo Pinheiro. on-
cedo.
Ladislao .Rodolpho de Araujo Cesar.
SSo expedidas as providencias requeridas."
Raymunda de Luna Freir.Junte cer-
tidSo de idade.
Secretaria da Presidencia de Pernam-
buco, 5 de Fevereiro de 1889.
O porteiro,
/'. Chacn.
QyAKTEL OENEKAL DO COMMAXDO THt* AE"
MAS, 4 DE FEVEREIRO DE l-
')rdem do dia n. 283
Para que tenha conhecimento a /brea militar
desta guaraisao, faco constar, que por decreto
Recebedria Provincial
despachos do dia 4 de fevereiro
de 1889
Eugenio Goesohel, ..'oSo Joaquim da
Costa Leite, Armanda Olinda de Britto
arneiro, Joaquim Ferreira Netto, Pedre-
sa & Santos. Joaquim Francisco das Cha-
gas e Silva. Informe a 1* seccSo.
Couceiro IrraSos.A' 1 seccSo par* os
devidos fina.
_ 5
Antonio da Silva Jnior.Informe a 1'
seccSo.
Albino da Silva Leal.Certifique-se o
que constar.
Inspectora Geral da las trueca*
Publica
DESPACHOS DO DIA 4 DE FEVEREIR.0
de 1889 i
Isabel Francisca de Quental. "am-
pra-se e registre-se a postilla." de 2 de Ja-
neiro findo.
5
Joaquina Mafajda de Carvalh
Junte procuracSo,
Manoel Carlos Vital. -Encaa

>^v_J
: --



I
i
I


f."
i

I
i
i
l
i

2
DIARIO DE PER1UIBIC
RECITE, 6 DBPSTEREIRO PE |889
rVotlcfff Erop
Concluimos hoj fc reate das noticias da Euro-
ja de que fui porta*** o vapor Cimgo.
laalaterra
O Times consagra un longo artigo poltica
4o principe de Bismarck ua Afra*.Orienta*,.que
ieclara ser, sob o pona-de vitas pwaamerflaw-
lemo. um completo fimm, teaao portal cffcOs
tonestisrirnos. rao* pe! qat dtarcsaaiai aogfc-
Jeresses das outaa agaas** -causawta civ
$o em geral.
Antes da inte*'Bgs*ti*paUiena *dm All
aba, diz em restan o jerauliBgle*aaa c
aeguiam um cuite"pacilwnanstM> Z;
bar, a escravaturtfcam j^nulaalajaite aaaaoat:
a medida do possi^ aamisflairtBperis,
eezas e alleraSes estSiratam lenranlWTO, mas col
Tranca, a sua acgao beneficiadora,
intervengo da Allemanha tnuwornou tudo.
(audando a tolerancia nascente das populagoes
diseas em hostilidade declarada.
A Inglaterra teve, ainda que a muito custo. de
a iriTi ii rr'*"~ ** wnralkir, esperando
jgsiin exercer urna acgio moderadora, e o chan-
efler pagou esta cooperagu tratndoos inters-
ses ingieres com tima absoluta semcereraonia.
"' Sob a eaigraphe Escndalos de Madrasta
aublicam os jornaes da India Ingleza varias no-
cias acerca de desintelligencias domesticas no
palacio do gowrno de Madrasta.
O correspondente d'esta cidade para o Post de
tlahabad telegrapha o seguinte : Lady Cene-
ajara sahio do palacio do governo na tarde de
rte-feira, a loi tomar aposentos no Albany Ho-
correm tristes bSatos acerca d'esta separa
gao. I
i orno os leitores devem recordar-se, foi o ma-
jar ;aUemio Deines quem aflirmou haver-lhe o
fiarechal Bazaine indicado Morier como o divul-
gador dos .movimentes do exercito allemao.
f Desmentido pela carta, que o diplmate inglez
fbhcou, escripia por Bazaine, o major Deines
jppeUa para e testemunho de outro personagem
ene ouvioadeclarago do marechal. o principe
de Solms. Este respondeu-lhe na seguinte car-
la, que a Gaaeta de Colonia insere n"um dos seus
Htimos mineros '
Meu caro amigo.Respondo a sua carta em
e appella para a minha memoria sobre o caso
i declarages de Bazaine. flecordo-me effecti
vamente de que o velho marechal se queixon.
Conversando coninosco, da in'sufficiencia da sua
avallara para o servico de reconhecimentos,
aor signal que das infonflacOes sobre a passa-
gem do Moselle pelos allemaes s uvera conhe-
imento por um telegramma do ministro inglez
em Darmstadt.
FoiTi'esse momento que o meu amigo o n-
ierpellou, assombrado: Como isso possi-
-11 E' verdade, insisti o marechal; foi
via de Londres.
Hecordo-me perfeitamentc de que o meu
jeaitro anda Ihe perguntou: Pelo ministro Mo-
rier, o que foi agora nomeado para S. Petersbur-
so?! E o marechal, confirmando:- Sim,
orier, o que est ou esteve aqui em Madrid. >
Se o marechal Bazaine desmentio a nossa
'nversaco, esse facto pdese explicar pelo es-
ado lamentavel do velho general.L. Principe
Pdese admittir, todava, que esse estado de
pinto levasse o mareehal Bazaine a formular a
sua declarago com a mesma autoridade com
*oe o negou. Mas isto apenas urna hypo-
llli'Diunhii
O Imperador Guilherme recebeu, a 21 de Ja-
aetro, as mesas das duas cmaras da dieta prus-
ana, mas nao lhes falln de poltica.
Corre que o Imperador acceitou o convite para
Gtntar em casa do embaixador da Russia.
Nos circuios diplomticos insiste-se em que o
Imperador este bastante doente.
Todos os annos, por occasiao das primeiras
eBses do reichstag aliemSo. esperado com an-
edad o discurso que o priucipe de Bismarck
ostnma pronunciar, e no qual tem o habito de
dar a coauecer a disposigo do sen espirito com
speito situaco poltica do momento.
Wesse discurso, costnma o grande chanceller
asar as veres dos seus arrojos de franqueza rude,
que do origem a largos commentanos na im-
prensa e nos circuios politices da Europa.
Este anno, o principe nao pronunciou anda o
acta grande discurso habitual; mas tendo ja re-
ressado a Bcrlim. tomn, ha das, a palavra, por
Sis de urna vez, no parlamento federal, e nao
saram de ter inieresse algumas das suas affir-
naces.
Com elfeito, a sessie de 16 do reichstag attra-
too a curiosidade publica. Discutiram-se-os ere-
ditos pedidos pea chancellarte para despezas
^stranseiras e ultramarinas, e esperava-se que a
Mlitica colonial do governo fosse seriamente
jtecada pela o(iposico c defendida pelo proprio
jiincipe de Bismarck..
Jlnclieram-se pois as tribunas, e as portas do
(icio do parlamento amontoou-se enorme mul-
ido, que prorompeu em acclama<;e8 a entrada
do chanceller. ,,
O debate foi aberto pelo Sr. Richler, o che.fe
Egressista, que se recusou a votar o crdito de
[KiO marcos pedidos para o consulado de Zanz-
bar, censurando a organisagao que pennitte que
fousui allemao n-'esse paiz seja ao mesmo tem-
oaieQte da Ccompanhia da frica Oriental,
companhia que nao tem dintieiro nem forra para
..desenipenhar dos seus compromissos.
- A liociedade frica Oriental, disse elle, nao
iem, segundo coafessa o proprio consn geral,
etoal denhum alm de meia duzia de lugares-
ienentes e empregados, rauitos desejosos, cer-
io de exercerem direitos de soberana. Em
,jresensa do sultao de Zamzibar, que da mes-
an raya e da mesma religiao das populacoes
dessas rgides africanas, a 'ociedade nao tem
oeuliun ponto de apoio, nenhuma feitoria alle-
cna. Ntese bem repela o orador, nao tem urna
s feitoria alienta as costas! As medidas ado-
pttdas por ella devem, pois, forgosamente
earturbar os interesses dos indgenas e conci-
al-os contra os allemaes.
Respondendo ao Sr. Richter, e chanceller ne-
gO-se a discutir a questo colonial, declarando
qne os projectos que Ihe sao concernentes, esto
sobnettidos ao conseiho federal. Se chegarem
tareuMtf ento se poderiratar do assumpto
xi largueca. 4
O debate proseguiu.
Tratando-se do Cameroon, o Sr. ^oertmann
ajeixou-se em nome do commercio allemo,
joatra as invasese prepotencias do Royal Ni-
*cr Corapany, ingleza, e pediu provideociae
chancellaria. .
o chanceller referiu-se entao a negociaces
easlentes entre os governos allemao rtnglez pa-
rareplar a questo de Nieer, dizendo que nao
devia entrar tua largas cxplicacoes para nao pre
jaBicar aqneltes negociages.
K a incidentemente, mostreo se amavel para
com a Inglaterra, como que procurando desfa-
jar a m impressao qneTW Europa tem produ-
aido a campaaha ioteuteda pelos jornaes efficio-
308 alleraaes contra o Sr. Mbrier.
Em seguida, fallan'k) novamente o Sr. Richter,
laneotouque noCamureon se estivesse desen
volvendo o alcjolisino, em consequencia das
Sudes quantidades de aguafdente para lman-
las pelo commercio aliento, e por ultimb per
gastou se a eecravatura humana coltinua nos-
Sfitdrios do occidente da frica sujeitos in-
iuencia da Allemaaha, e se as feitoras al lemas
hhsam o trabalho dos escravos.
Este pergtmta irrtou o principe de Bismarck,
fK repiicou oestes termos :
O orador precedente trouxe ao debate urna
rateo que noutro tempo custou a Inglaterrra
milhOes de marcos ; isto o resgate dos es-
cravos, a suppressao do esvravidiovda posse do
bofaem pelo nomem..
Dado o sentimento de justica, que caracteri
sa o orador, nao posso comprehender que elle
os.julgue capazes d emendar, sem indeiiinisa-
fio o esteilo de cousas existente.
Se multos de
otr, vivein da escravidao, e '} l
gr.' I-a, porque u
tscmvo >)ue doiade ser escravo^ morra a f)
il'. ;ie ipllles revolti
hi, i ii os aral)'.- da cus-
r que o preopinante
bvi
liqui-
dar que
ios, e de a
Diario de PemambucoQparta-feira 6 de Fevereiro de 18W
nq
deque
8 encontram vestigios na imprensa progressis-
te f liberal, que oio perde oocasifto de atiror pe-
dras para de jardim do imperio
A este incriminago violente repiicou o Sr.
Richter dizendo que Ihe era rndifferente a apre-
ciare q ie o chanc'ller fazia da imprensa pro-
gressista, imprensa de que muito se honrava o
partido liberal allemo.
O principe de Blrmarck tornou entao a fallar
e sobre a questo d. escravatura disse :
. Na questo dea oseravoi, preemainda diatr
javSn Rid ron toaaiM a fnMHbo, ao ei-
Mano da-fe IfapiL'Mopiiiaai ae repeatea
lijaadade doseera\us, antavflasttiaiitaieaw a
baatdirqae se faca mais seravos.
> A queto afeo se-aad rasnlaa u'u':i nono
aamiem dea-anata. a^aaa^a|tagK'hstagqn
ha mn Mcatoaueo pSanaaM Mac trate del -
la. e aiadam nao resolvtra. HalFstadois Uni-
dos ja uaMKijfte a <:seravidW^ o Brasil abn-
liu-a ha naBEMnapof*'
Podemos-esperai'que o mesmo venltaTi suc-
ceder algum diaeta frica; mas impossivel
conseguil o da terca feira para quinte, e nose
pode principiar a semana pelo sabbado.
Os nessos esforcos era materia colonial no
tem por fiin dar fructo no anno seguinte Quaq-
a a: explora.urna mina,, nao se abrem todas as
galeras ao mesmo lempo ; preciso caminhar
gradualmente.
Por ultimo, discu'.iram-se as colonias do sud-
oeste d'Afirica, para cujas despzas se pediram
120:000 marcos annexas. O Sr. Bamberger op-
poz-se a tees despezas descreyendo como pessi-
m a situaco dessas colonias. Em Angra-Pe-
quena. disse elle, n'io ha agna e nenhuma cultu-
ra possivel ; em Wahlflsch-Baz c estado de
cousas pouco esperangoso: em Daraaralana
aggravam-se os conlijtos com Hamaberero.
Estou prorapto, concluiu o orador, auxiliar
os esforgos dos aUeraaeayias colonias ; Sis se
a situaco deses leraia, como se deduz du
documentos ahent.co?, se nada ha a fazer, per-
guntoamim proprio porque tiei de euaoxil'af
Estas apreciages irritamm muitoo-thancdler,'
que se queixou de que a opposico esteva des
acreditando a Allemanha, tirando a importancia'
aos sens emprchendimentos coloniaes. E por'
lim voteram-se os crditos pedidos.
Pelas decaragoes de Bismarck pode avallar-
se a rolonisaeo allemo pelo lado humanitario ;
pelas de Richter e Bamberger, v-te o que ella
vale pelo lado econmico!
Os peridicos inglezes mostram-se satisfeitos
com as phrases do Sr. de Bismarck. e vem n'el-
las um penhor da mauutengo das melhores re-
lages entre os dois estados.
Outras reinas europeas, porm, apuram das
declaragoes do chanceller relativamente aos ne-
gocios da frica que a famosa causa humanita-
ria, a cruzada contra a escravidao e contra o tra-
fico dos escravos, to apregoado como sendo o
intento combinado da Inglaterra e fla Allemanha
na frica, boas para enternecer as almas de
Jja f, ficam muito pospostes aos interesses
Ifcommerciaes que as duas potencias tcem ein
mira.
Em o conseiho federal approvou a proposta do
chanceller concernente frica Orientar apre-
sentada no da 19 e abrrado um crdito de.....
8:000:000 de marcos.
Um artigo do Ttinet oceupa-se das difftculda-
des que encontrar a Allemanha se quizer ta-
Ihar na frica nm imperio colonial.
A folha tandrina observa que a posigo dos
allemaes na Europa nao de ordem tal que Ibes
consinta dissiminar, sem perigo, as suas Torgas
militares.
Segundo consta ao Daily TeUgraph, o projecto
de casamento da princesa Victoria da Prussia
com o principe Alejandre de Battenberg, foi
completamente posto de parte.
liislria-Uuntriii
Dizem de Vienna que os estudantes de todas
as universidades hngaras esto preparando
urna serie de grandes manifestaces e de mee-
Unas de protestos ^contra a prolongarlo ha dois
annos do actual periodo do servico militar obli-
gatorio que lhes impoe a nova lei do exercito.
O meeting geral dos estudantes de todas as
universidades, seria celebrado no domingo 27
de Janeiro em Buda-Pesth.
' Temia-se, com algum fundamento, que as ma-
nifesteges acabassem em disturbios com luctas
as ras.
Raleara
Noticias recebidas por via de 9p Petersburgo
do como sendo muito grave a situaco da Bul-
garia.
Segundo ellas as ras de Sopliia sao continua-
mente cruzadas por patrulhas. Os theatros sao
exclusivamente frequentedos por militares.
A posico do ministerio Stembuloff est seria-
mente abalada, principalmente depois do .con-
flicto que se manifestou entre o governo e os
bis pos blgaros.
A amnista promettida aos emigrados foi ape-
nas um lago destinado a lludir alguns indivi-
duos demasiadamente ingenuos, a quem se exi-
ga humilnantes retractares.
Os partidarios da influencia russa ganham to-
dos 03 dias terreno, perdendo-o cada vez mais
os amigos do principe Fernando de Coburgo,
que nao tem conseguido conquistar, as sympa-
tpias do povo blgaro.
Dizem de Sophia a 19 que nao exacto que
tenham rebentado desordens na Bulgaria.
Um depacho de S. Petersbnrgo para o Daily
Teleyraph annuncia que as juntes slavas
apoiam o movimento do clero blgaro contra o
principe Fernando de Coburgo. e presume-se
que o principe Alexandre de Battenberg foi a
Vienna preparar a sua volta para a Bulgaria no
caso de abdicago do principe Fernando.
frica Occidental
O jornal Le Temp* recebeu de Banana, na foz
do Zaire, com date de 14 de Dezembro as se-
grales noticias :
Chegou do alto rio um correio trazendo noti-
cias importantes de Stanley. Dou muito a prcssa
as que pude recolher.
. Foi a 17 de Agosto que elle se reuni cauda
da sua expedicao em Urenia, onde esteve desde
a morte do major Barttelot.
Segundo urna carta por elle expedida a Tip-
nou-Tib para Falls, chegou elle a reunir-se com
Eraio-Bey e Caaati, nao em Wadelai, mas em
outra loealidade junto do lago Alberto; encoo-
trou all estes individuos com perfeite saude e
na posse de vveres em abundancia (nao menos
de mil caberas de gado). Pode, pois, dizer-se
com verdade que Stanley que foi soecorrido e
nao que elle foi em soccorro d'aquelles.
Stanley nao preste esclarecimentos nenhuns
sobre a sua marcha; diz dos seus compauheiros
apenas que morreram trez indgenas e que os
ouropeus todos chegaram a salvamento.
Logo que chegou a Urenia, Stanley expcdio
lim correio a Tippou-Tib, mandando-o informar
do seu regresso e perguotando-lhe se poda
acompannaf-o, recomuiendando-lhc presteza no
caso afh'mativo. Accrescenteva que nao poda
esperal-o seno at ao da 27 de Agosto, da em
que tencionava pr-se a caminho.
Tippou-Tib respondau immediatemente, re-
cusando-se a acompanhar Stanley, como se havia
recusado algumas sejninas antes, a acompanhar
Jameson, que Ihe* offetecia a quantia de 800:000
francos para fazer a viagem com elle.
Como tinha annunc:.ado na sua, carta a Tip-
pou-Tib, Stanley largou de Wrenia a 27 del
Agosto dirigindo-se novamente para o Lago Al-
berto, levando comsigo toda a sua gente, mais
100 carregadores do que os 400 fornecidos por
Tippou-Tib a Jameson.
Segundo o seu costurae, Stanley muito so-
brio de pormenores.
Apenas diz que a sua viagem de regresso du-
rou 82 dias. Refere que o caminho perfeite-
mente seguro, e que vio por iodo elle grande
quantidade de marfim Nao da, porm, infor-
magoes a respeito da sua viagem de ida.
OtTerece-se, porm, a seguinte duvida. Seo
caminho seguro, corno elle aflirma, qual foi-o
motivo que o impedio de dar noticias de si
(tente da sua expedigo, que esteve maie de um
anuo sem saber o qua era feto d'elle, a ponto
i julgar delictivamente perdido, qua.ido Ihe
tra tao iacil a elle o tratxmillisal-a 1
O regresso inespera le do i (plora I qum.lo todos os julgav m perdido, vai produzir
grande imprfesso na Bill
San libar
O Standard es|>e qu o ,-om nissarioesp-
alien ii sfjMt i ido a Z minar, exer
i m JMlidiira p irque b> lim liante
tolerancia, e ;i Ingl.if.ira nil
a autoridade do -.ullao teja completamente pOfla
de pal
k
ni" centeuu'rei de p
visitados pelos cruzar
zes mas nenhum foi ainda en;ontrado transpor-
taodo armas de guerras e s tres conduziara es-
CT8T08
Nenhum pangaio -levava porm a banletra
francea.
O awbes' pedem a evacuago da costa pelos
allemea, como primeira condigo para a en-
trega dos miseionarios presos.
A faarnigo naval que desembarcou em Dar-
s-Si retirou em presenca da epidemia de
febreV.
Coiaro ljoaawatquadiaaai -c0 de Janeiro .em
r.aantoyo nwaaA'o. emabate. O Wlegrammu &
de 22, de artfMrtngba'
P Uin.1 cempantaai belgawMbaaiceu era Tberau
e primniiU'iuiMao (te"fcrro"djPersia.'
Ha alguna dfaa, [>or occaatto dH-aiaafaatwi-
dade Teligios*,' i-eaboicw tmnparrra'nina
arunde qoantidade de pcri.ana.. Awlav'iiui
deavicba'foi celtdde polna*iaa. -
Tste facto provoctm um levantamento da po-
pulago, que estrangulou o raachiniste, deitou o
rogo ao comboio e arrasou completamente a casa
da esfaco, escangaihando- tudo quanto dtatro
d'ella havia.
A tropa e a polica j a muito custo estele-
A companhia belga reclamou 43:0001080 (for-
tes) de indemnisago, e como o governo os nSo
quizesse pagar suspenden os trabalhos e de-
clarou que ia liquidar a empieza.- A vista d'isso
o sbah, depoi de muito regatear, concedeu aos
belgas urna indemnisago da 22:500*000 (for-
tes) e o monopolio de fabricarem phosphoros em
toda a Persia.
Toukia
Noticias chegadas ltimamente ao ministerio
da inarinha dizem que o general Borguis-Des-
bordes, saliendo que os piratas Mtokinezes reu-
nidos em Cha-Mal e Cho-Chu roubavam as po-
voaces circumvisinhaB e lhes extorquiam pesa-
das alcavalas, atecou "e tomou Cho-Mai no
dial7Jdepois de* renhido combate, era que as
forgas francezas perderam um official e 12 pra-*
gas europeas. Os piratas fugiram d'alli. mas o
general Borguis-Desbordes contmuou a sua mar-
cha sobre Cho-Chu.
Entadon i ii Mata
AcaDa de ser publicada nos Estados Unidos a
(rrespoudencia relativa a Samoa, a que se re-
rio o presidente da confederaco na sua men-
sa remao congresso
Segundo se v nella, o ministro da marmita
dos Estados Unidos, telegraphou no Io de No-
verabro ao almirante Himberley, informando-o
de que tinha feito saber Allemanha que o go-
verno federal esteva prorapto a cooperar com
ella sobre a base da maiiutcnco dos direitos da
America e da autonoma da iha Samoa. autono-
ma reconhecida pela Allemanha, Inglaterra e
os Estados Unidos. O ministro dava, par isso,
instrueges ao almirante para que fosse mmo-
diateraente a Samoa, com o fim de proteger os
cidadfios americanos e as suas propriedades,
para que procedesse a um inquerito sobre a si-
tuacSo e sobre os aconteeimenles rcenles, assini
como sobre a atlitnde da Allemanha, encarre-
gando-o timbera de protestar, se fosse preciso,
'contra qnalquer conquista feita com viulajlo'dos
trabalhos. *
I* <"om tudo, o almirante Hiraherley devia fazer
saber aos representantes da Allemanha e da In-
glaterra que esteva promato a cooperar'com
elles no restabeleciraento jda^az e da ordem.
O Sr. Bavard, secretar de estado, respon-
dendo a urna reolamaew) do ministro da alle-
manha que pretendia que o* indgenas de Samoa
eram commandados por americanos, declarou
que nao sabia se Klein cidadao americano,
mas que em todo o caso nenhuma autoridade
havia receido do governo dos Estados Unidos.
Depois de urna alluso conferencia de 1781
e ao tratado de 1886, o Sr. Bayard diz estar con-
vencido de que o sentimento da ignaldade de
direitos entre as tres potencias, que levou a Al-
lemanha a pedir a eooperago dos Estados Uni-
dos, a levar tambem a dar ao chefe da sua es-
quadra instrucgOes. para que na questo de Sa-
moa tome como base os principios de justica.
Despachos de Samoa, com a data de 5 de Ja-
neiro annnnciam que a situaco se vai tornando
muito grave, forgas desembarcadas- dos navios
de guerra allemaes queiraaram casaeve arran-
caram as bandeiras americanas ; depois raette-
ram se as lanchas, foram aprisionar subditos
americanos dentro da zona de aguas neutra, e
transportaram-nos para bordo dos seus navios.
Parece que a tripulago de um escaler allemao
comraandado por um official fez fogo sobre o ca-
pito e o tenente de um vaso de guerra inglez.
' Os oiTioaes da canhoneira allemft Eber chegada
a Auckland desmentem as informacOes r.cebi-
das de S. Francisco de terem os allemaes feito
fogo sobre um escaler ingiez e haverem aprisio-
nado uns cidados americanos.
Traz a noticia de que um incendio destruio o
consulado allemao e dous armazens contiguos,
e de que nao houve mais nenhum combate.
' As ultimas informages recebidas de Samoa
referem que os americanos aprisionados pelos
allemaes foram immediatamente postes em 1-
berdade, ficando restabelecida a tranquillidade
no archipelago.
Occorreu a 20 de Janeiro um desastre de via-
ferrea em Ehusnowood (Michigan), licando raor-
to o vice-governador daquelle estado e feridos
inuitos outros viajantes.
Acaba de ser apresentada cmara dos Esta-
dos Unidos, segundo telegramrnas de Washing-
ton, um projecto de lei prhibindo o desembar-
que de raucos, enfermos, indigentes e crimino-
sos de qualquer outro paiz no territorio da re-
pblica.
O projecto nao deixar de ser approvado, at-
tendendo-se a que a opinio geral se pronuncia
directamente a favor da urgencia de reprimir e
depurar a correte de emigrago europea para
os Estados Unidos.
O senado americano approvou a 22. de Janei-
ro por 33 votos contra 30 o projecto de lei das
nautas aduaneiras.

progoasticos de elfuva tem falhado e os dias suc-
dedaiu**pimple os mesraos, sennriguaej, Wnr-
pi*Qft seseos, ardentes, insuportaveis. Ha no
aawiaateMJhia verdadeira orgia de luz e de calor.
O- rqueta* respira calido e parece que tudo
tyvnatR -aerea crepita sob a acglo devastadora do
ato*
O csrrrnto por raaiot que seja a sua viteiidade,
por maior que seja a resistencia que offerece as
influencias do rneio phisico emque vive, sent se
faMtoeaiBarrastado ao repoasoj u quMagtat'e
luuiuMtMud- Km cntos morawstos pareee-maa-
me aaewo ideial supremo seria >> nimam- do
baudaaa!. o aiiiquilantento o iKida:
Ao-cada. i
obtaawnam si proprio,a toteo ioatanlBy*"/eio jun-
taras aura outra preoccapirraio muito *rw* seria,
e raulto-niais penosaa fcru mnareMft. o tvptto
icteroide, esta terrivel-epidi:ini:'que,me,io'kai-
raerunos flagella, fuzeado tonUvii;itaaon*-
iscalisar o u.ais possivol as condiges hygieni-
cadavidade, alhn de impedir que os elemen-
tos mrbidos de que se acha saturada a athinos-
phera se propaguera desenvolvam, produzindo
os seus malficos effeitos.
Visitas domiciliarias, desinfeccoe9, remoco
de cadveres, isolamento de doentes, exame em
mercados e outros lugares em que se vendem
alimentos, verilicago de condicOes de aceio em
casas, hoteis e hospedaras, tudo se vai fazendo
com maior ou menor regularidade, afim de im-
pedir que a epidemia reinante so torne cruel-
mente devastadora Pena qne estas providen-
cias tomadaa pelas autoridade- sanitarias nao
cocontreni de uma^enta parerfaquelie respeito e
acolhimento com qua deverimn ser receidos.
Os nossos hbitos de mal- entendida liberdade
oppoem-se muites *eaas a obediencia tao neces-
saria em tees casos:
se facto que se reproduz -quasi todos os
annos e que deyia ser um incentivo para
a populagtlo por si melhorar esse estado
de cousas, abrindo acudes em suas fazen-
das j ^ue em tempo algum as financas
da provincia d3o para isto, esquecido
durante o tempo da bonanca.
J->e algum forma tem concurrido *e l*i
concorrendo parar, a carest' dos gneros,
o reeeio de que tem se possuido a popu-
lac&o, a varila que, segundo noticias,
contina na vizinha comaroa-de Bom-Con-
selho, deixando por isso de vlr a feira
vendertruas mercadarias.
Acbs^sc em execacSo o registro civil,

corread**io desaatroumante^ara o dasosedi diversas z mas on-districWS'-dii cdwfe.i*t-n'g,*'n
de nosso paiz no estrangeiro
Este anno a invasao da febre amarella tem to-
mado um carcter serio e ameacador. Dizem,
terto, alguns clnicos autorisados que os casos
embora muito generalisados, tera certo carcter
benigno, de consequencias menos fataes. Apezar
d'estn arflrnrartva nfio dixa de ser aseostiwlw o
estado'da eidade,- sob oponto*dc viste de sua ac-l
tual constituido-medica
Tanto mais extranhavel o presente estado de
insalubridad?, quanto o anno passado foram boas-
as condicOes sanitarias por este mesmo tempo.
if esta mesma estago calorosa. Sem querer at -
trilmir a febre amarella smente ao calor, en-
tretanto^ certo que a epidemia reinante coincidi
com a excessiva clevago de temperatura que te-'
mos sentido e observado O anno passado o
verofoi multo mais benigno, o calor muito me-
nor, e raros foram os casos de febre amarella.
re.gistrai lemelos obituarios.
Aplthogenia da febre amarella nao 'ainda
um poiild liquidado pela sciertcia medica, as
causas e origens da cruel enfermidade nao sao de
todo conhcidas, mas parece evidenciado que o
calor um grande agente, um poderoso elemen '
lo para o seu funesto desenvot vintenio.
Presentemente, nao contando com os enfermos
que sao enviados para o hospital da Jurujuba e
cujos bitos 5o sao registrados pela imprensa,
fallecem de febre amarella na cidade de 15 a 20
pessoas por da, nlm de'outros cujos bitos sao
attnbuidos a outras especies de febres, qae sao
intimamente relacionadas cora aquella.
Como fcil de imaginar, diante d'esta calami-
dade publica nao poda o governo ficar indiffe-
rente3eria faltar a um dos seus mais imperiosos
deveres.
Em todos os paizes civilisados os cuidados da
hygiene publica constituem objecto de um ramo
importantissimo da administrago. Varias e im-
portantes medidas sanitarias tm sido tomadas
pelo governo por intermedio da inspectora geral
de hygiene e de outras autoridades administra-
tivas incumbidas de zelar da sade publica.
Forga 'porem confessar que todas estas me-
didas actualmente postas em pratica, todos es-
tes meios prophilaticos empregados com mais
ou menos xito, lodas estas prevengoes e cau-
telas tomadas pelo poder publico e pelos parti-
culares, nao podera proauzir todos os desejados
effeitos, porque van de encontr a um embarago
capitel a obra do snneamento de qne urgen-
temente carece esta cidade.
Eraquanto nao se realisar este grande intento
todas as medidas sero mais ou menos transi-
torias, nao podero sanar o mal radicalmente
E' 0 saneamento da cidade urna necessidade de
primeira ordem, urgente e inadiavel.
Scmpre que CatUina bale s portas de Roma,
isto sempre que somos ameacdos como agora
por urna epidemia devastadora, vem a tela a
questo do saneamento, apresentam-se parece-
res, suscitam-se alvitres, apresentam-se planos,
urna vez porem affastada a eminencia-do perigo
continuamos novamente n'aquelle estado de im-
previdencia que parece ser um dos defeitos do
carcter brazileiro.
A obra do saneamento nao tem sido levada a
effeito por falta de planos e de projectos, nao.
O que nos tem faltado contiaudade adminis-
traiva/o que nos prejudica a instebilidade de
tradigoes governativas que toruam impossivel
qualquer comniettimento, qualquer obra dura-
doura que nao possa ser executada ao jour le
jour, nos vai-vens dp expediente e- segundo as
praticaa>da bureaucracia indgena.
Os ministril- tem em geral suas opinies, sens
i projectos e urna vez mudados mudara se tambem
estes, de modo que at hoje nao foi executedo
este grande melhoramento reclamado pelo inie-
resse nacional, porque com elle nao era s o Rio
de Janeiro que approveiteria : todo o paiz lucra-
va porque para o estrangeiro o Brazil o Rio de
Janeiro e o descrdito deste acarreto o de todo o
Fallase na creafSo-de feoeaitaes -eseefliaw <' aeata oemarea oade como em outras mui-
C'>rrespiidt*arla lo Diarlo
l'crnanilMico
RIO DE JANEIRO cobte, 30 de Ja-
neiro de 1889
Susmario :Esterilidade dos ltimos dias.A
poltica em ferias.As preoecupa-
' goes do momento. -Calor e febre
amarella.--J,rovidencias sanitarias.
A obra 9 saneamento.Salubri-
dade publica. Reunies promovi-
das pelo ministro do Imperio.Con-
sequencias do flagelo.Immigra-
coReorganisago da guarda na-
cional. Sesso extraordinaria do
parlamento.Commissao de enge-
nharia militar. -Interesses da imrai-
grago.Aviso-circular do Ministro
da Agricultura.
De urna esterilidade pasmosa tem sido os lti-
mos dias, no que diz respeito a vida poltica e
administrativa O mundo poltico parece ressen-
tir-se tambem das consequencias do calor inces-
sanle que nos asphixia e d'ahi talvez este quieta-
gfio, esta ausencia de fados a registrar. A pol-
tica est em ferias, tomou tambem o caminho da
villegiatitra, foi dessedentar-Se em outras albinos-
piteras mais puras.melhor oxigenadas, procurou,
de certo, outra temperatura mais supportavel do
que aquella em que actualmente vivemos, nos
outros pobres servos da gleba dO trabalho intel-
lectual, para os quaes nlo ha emancipago pos
8ivel.
A phisionomia presente d'esta grande cidade,
o mais vasto emporio commercial da America la-
tina, ne das mais agradaveis. Todos aquelles
que podem, tem procurado em outros climas
mais amenos, refugio contra os ardores implaca-
veis do sol abrazador que nos tortura.
A aristocracia fiumini-nse,ou mais propriamente
os representantes da alte (nanga, do alto en u-
raercio, os argentarlos e os kigldifeurs. a gente da
alta roda tem einmigrado para as saudaveis mon-
is de Petropolis e Priburgo e aguante os
simples mortaes stipnortam aqui ainda' mesmo
no- arrabaldesurna temperatura de 3e\ t .'tti.
elle-, os queridos da fortuna,gosara das dogur.s
un clima temperado, agradavel, que convi-
.) do lar, as leituras en familia,
as sirios msica as di ver-
qu1 i Ieforno decreinago, nesta enor-
me c i duas preoecupa-
ivo, bar-
inte.
II i as que ni'
o agatela viudo desalterar-nos. Todos os
impeno.
Entretanto nao sao estudos que nos faltam,
muitos tem sido feitos e por pessoas competen-
tes, o que nos tem faltado um ministro enr-
gico e emprehendedor, um' Haussmnn brazileiro
que quizesse levar a effeito obra to grandiosa.
Sao estes e outros faotos da mesma nalureza que
tem trazido o descrdito ao. systema parlamen-
tar,' nao so ein nosso paiz, como em outros que
por elle igualmente se regem.
Como quer que seja nao sSo boas as condi-
ges da salubndade publica. A imprensa por
todos os seus orgos diarios clama todos os das
por providencias, urnas de carcter gerai, outras
locaes.
Nao se pode entretanto negar qne mesmo sob
este aspecto, na questo da hygiene publica, te-
mos progredido consideravelmente nestes lti-
mos annos. Para chegar-se a tal concluso bas-
ta estabelecer um simples paralelo entre as con-
dicOes hygienicas da cidade outr'ora o boje.
Houve tempo em que absolutamente nao se
cogitav-.i de tal assumpto e a administrago dei-
xava todos os vitees interesses que a elle se
acham ligados, entregues a incuria de urna po-
pulago composta de elementos os mais hetero-
gneos.
Depois de certo tempo porem o governo tem
procurado melhorar as condiges sanitarias da
cidade, tem tomado algumas providencias acer-
tadas, embora nao tenha. como devia, emprehen-
dido as grandes obras que sao necessarias para
o saneamento da cidade, qne na opinio de pro-
fissionaes competentes est situada sobre mi
pantano abafado.
Todos os grandes trabalhos de drainagem, des-
secamento, systema geral de esgotos e galeras
subterrneas, mais abundante abastecimento
d'agua, arrazamento de alguns morros, abertura
de ras e avenidas e outros deste mesma nalu-
reza, que tera sido urgentemente reclamados aor
mdicos c hygienistas, esto por fazer.
Nestes conuifes nao admira que sejamos pe-
ridicamente visitados pela febre amarella, aum
mais ou menos iuteusidade, conforme o rigor
das estages.
0 actual ministro do imperio, o Sr. Ferreira
Vianna nao podendo atacar de frente o mal que
actualmente nos affligee que vai fazendo larga
raesse de victimas principalmente entre asclas-
ses menos favorecidas da fortuna, que nao dis-
pem de meios necessarios para por em pra-
tica os conselhos e prescripcoes hygienicas, tem
entretanto procurado minorar-lhe os terriveis
effeitos.
' Para este fim, e seguindo sempre o seu, co-
nhecido systema de mxima publicidade, que
alguns tem parecido por demais apparatosa e
alarmante, tem o Sr. ministro do imperio con-
vocado na sua secretaria varias reunies, com o
intuito de alliar quanto possivel os esforgos da
iniciativa privada aegao do governo.
Foi assim que reuni todos b represententes
da imprensa diaria, ouvindo a opinio de todos e
coniidando-os a auxiliarem-no no empenho que
tera em vista, conferenciou com os Srs. inspe-
ctor da hygiene publica, inspector da saude de
portd, presidente da cmara municipal e vip-
no geral do bispado accordou com estss ele-
vados funccionar.os pblicos, os melhores meios
de evitar a propagaco do mal e os modos mais
efflcay.es de prestar a populagoos soccorros de
que ella carece.
Por su vez a Sociedade de Medicina eCirur-
gia do Rio de Janeiro reuni- ,e expressameote
para tratar de to momentoso assumpto, edepois
le luminosa discusso, decidi aconselhar una
s.trie de medidas preven!ivas que na sua m-
xima porte foram adoptadas pelo inspector da
hygiene procurou tornar conhcidas da popula-
gao todas as m (lidas preventivas, todos os pro-
prophylatic >s, ai'onselhados |
em tees casonM para este fim deu-lhes ampia pu-
blicidade pela imprensa, sob a forma de pres-
cripges ou conseiho3 praticos, ao alcance de
todas as classes.
pela imprensa e pelos -eos numero
suburbanas a inspectora tera tambera procurado
mente do numero de mdicos da repartigao de
hygiene, da construego de bondsespeciaespara
transporte dos doentes, do melhoramento do
hospital de Jururuba que ficar destinado somen-
te aos martimos e de outras muitas medidas
secuudarias, que sao reclamadas pelas tristes
necessidades da situaco.
Entre s diversas medidas conselhadas pela
Sociedade de Medicina e de Cirurgia, era parecer
fonnulado pelos Ilustres clinieos e professores
Renicio d Abreu, Martins Costa e varios Costa,
notam-se as seguintes:
Io Creac&o de hospitaes de isolamento ;
2o Extincgo do hospital da Gamboa;
3o Vaccinago preventiva pelo methodo do Dr,-
Domingos Freir;
4' Desinfeego immediata de todas as casas e-
lugares onde apparecam casos de febre amarel-
la;
i" Coiicessao de attribuicj'sexcomivas i
p "loria geral de hygiene^Bm de qW possai
lervir Pprovidenciarem iodos o casos de u:
gencia;
6 Publicaco e vulgarisago das medidus-hy-
gienicas e pfctessos de desini'ecees nos domi-
cilios ;
7o Applicaco exclusiva do hospital da Juruju-
ba ao tratumento dos embarca Uro.-.
Sao obvias as tristes consequencias do llagel-
lo com que ora lucamos, e urna das mais im-
portantes sera duvida a que se refere a imi-
gragao, que tende necesariamente a diminuir,
logo que Europa chegara triste nova.
E' verdade que o governo tomou a este res-
peito varias providencias e entre outras ordenou
que os immigrantes que chegassera, fossera logo
da hospedara da Ilha Jas Flores para os luga
res a que sao destinados, sem entrar no porto
da cidade.
Apezar disto, porm, basta o facto de haver
febre amarella no Rio de Janeiro para diminuir
consideravelmente a corrente immigratoria, alias
to bem encaminhada conforme se verifica das
estatisticas publicadas pelo Jornal do Commercio
e pela Immigraco, orgo da Sociedade '.entral.
Para o immigrante europeu o Rio de Janeiro e
o Brasil, e a excepgo da provincia de S. Paulo
que se timi feito couhecida no estrangeiro por
rana activaa esclarecida propaganda, todas as
outras provincias e cidades sao descontecitfcfe.
De envolte com' actual insalubridade da cor-
le ser comprehendida a de quasi todo o impe-
perit e nao falla, mesmo na Europa, quem s
ucarregue de toraar esle erro mais mais radica-
do no animo dos immigrantes que se destinam
ao nosso paiz, com o lim de ufastal-os de nossas
plagas e conduzil-os a outras regies.
S esta consecuencia j por sua natureza as-
saz deploravel, porque nenhuma questo para
a actualidad*' da vida brasil eir mais seria, mais
imprtante do que a da immigrago do povoa-
mento.
Mudemos de assumpto.
Dizem os jornaes que o 9r. tenente-coronel
Francisco Vctor da Fonseca e Silva j cencluio
o plano de organisaga da guarda nacional, de
que o incumbir o Sr. conselhciro Ferreira Vi-
anna.
- *-muido esse plano, a guarda nacional passa-
r a ser considerada como regerva do exercito,
e dividida em duas partes, sendo a primeira, de
didadaos de 17 a 45 annos de idade, e a segun-
da, de 46 a 60 annos.
' Os batalhes sero, como no exercito, cranos-
los de companbias, e os regiraentos de 4 es-
quadres, tendo aquelles 384 pragas e estes 256.
A primeira reserva peder ser mobilisada, e
formar em revista de nstrucco, nos dias 13 de
Maio e 7 de Se/embro de cada anno e em para-
da nos dias 29 de Julho e 2 de Dezembro.
Os ajudantes dos batalhes sero capites, e
os instructores officiaes do exercito.
O eflectivo da guarda nacional calculado em
400,000 homens mais ou menos.
Consta-nos que esse piano j foi entregue ao
Sr. cooselheiro Rosa e Silva, actual ministro da
justica.
O Puiz,.enrum dos seus ltimos nmeros, dis-
se conster-lhe ser provavel a convocago de urna
sessao extraordinaria do parlamento para a se
guada quinzenado mez de Margo.
Nao julgarao8 se reahsem as probabilidades
em que aq'uelle jornal fundou a sua noticia que
alias foi posteriormente contestada pelo Jornal
do Commercio.
Alm de outros;motivos bastara o estado sani
tario da corle, para deraover o governo deste
proposito, se elle realmente o tivesse.
Nestes condiges, conforme disse o chistoso
autor das Variaodes de flaulim
Condemnar provincianos
a este sol de rachar
nao 'sta nos modernos planos
e pouco parlamentar.
O governo imperial acaba de commetterao Sr.
coronel Cunha Mattos urna importante misso.
Este Ilustrado engeuheiro militar que foi en-
carregado pelo ministerio da guerra de proceder
aos estudos necessarios para a construego de
urna linha telegraphica desde algum ponto na-
vegavel do rio Paranapanema, na provincia de
S. Paulo, at o porto de Santa Rosalina ni rio
Brilhante, na provincia de Matto-Gro;so, acaba
tambem de ser incumbido pelo ministerio da
agricultura de estudar as secces dos rios Para-
napanema, Iviulieima e Brilhante. sob o ponto
de vista da nevegabilidade, ficando assim o go-
verno habilitado a estabelecer em toda aquella
xtensno urna linha de navegago a vapor.
Deste modo procura o governo raalisar ura
f grande meraorainento, tornando urna realidade
a comraunicago directa e fcil entre o Rio de
Janeiro e Matto-Grosso.
Sao intuitivas as vantagens da realisago des-
te patritica tentativa, quer considerada pelo
lado poltico, quer pelo lado econmico.
E' o caso de fazer os mais sinceros votos para
que e3te emprehendimento iniciado sob to bons
auspicios v por diante, e nao se limite a estas
medidas preliminares. *
O Sr. Rodrigo Silva, ministro de estrangeiros
e ad interim da agricultura, acaba de expedir nm
aviso-circulaf aos cnsules do Brazil no estran-
geiro, que tem merecido com justiea os mais
rasgados encomios de toda a imprensa.
Considerando a importancia crescente da im-
migrago para o nosso paiz e no intuito de me-
Ihor acautelar os seus interesses, evitando abu-
sos e procurando" encarainbal-a regular e metho-
dicamente, aquelle acto do ministro da agricul-
cultura um documento valioso que attesta da
parte do governo o cuidado que Ihe inspira o
problema da immigrago, sem duvida um dos
mais momeotosos para o paiz.
AGUAS-BELLAS26 de Janeiro.
S agora posso cumprir a minha missSo
de correspondente nesta loealidade, noti-
ciando o que ha occorrido de mais impor-
tante, depois da minha ultima carta.
O novo anno afigura-se pouco auspicio-
so para os sertanejos, pois j principala
a soffrer os effeitos perniciosos de urna
secca.
Sb bem ;iensiveis os prejuizos, que j
se contam na criacSo do gado, nica fon-
te de riqueza dos sertSes, e esses prejui-
zos sera incalculaveis se o invern se
demorsr por mais tempo.
Ate aqui nada indica o que os matute*
chamam trovoadas, que sao o principio do
invern*; e cada dia que se passa urna
verdadeira desillusab s esperancas que
todos tm no invern. Os gneros alr-
menticioa sofiem de- prejo conaideaavel-
mente, devido a escassez do mercado. Ea-
o trabalho ser irregularissimo, devido
a negagao campleta, que se observa na
maioria dos habitantes em dar as infor-
ina5es necessarias para o registro. Es-
tamos certos que sem o einprego de meios
enrgicos o resultado da lei ser como o
de ou#as muitas, que se acham nullifica-
das c sem execucab.
Ha muito quem faca d'isto propaganda,
incutindo aos ignorantes que o registro
alm de ser ante-religioso, tem por fim
oaptvar os meninos cujos nascimentos fo-
ram registrados. E' fcil d Uvaliar o
effeito destas cousas principalmente quan-
do j existe urna certa repugnancia no
povo em aceitar a lei. Urna ou outra
pessoa tem dado as inibraacoejs para o
registro, tudo mais tem se negado a fa-
zel-o, protestando lan'ear mito das armas.
A ignorancia capaz de tudo, e por
isso nao duridamos que appareca um mo-
vimento sedicioso qualquer, tal o estado
de exaltac3o em que se acham os*ahimos.
No regulamento nao se enfeontra meios
e nem medidas capazes de oWSgar dire-
ctamente a fazer-se as declaracSes para
registro, porque temos observado que a
multa nao suficiente. .
Seria de maior alcance se o governo
providenciasse para que os parochos nSo
effectuassem nenhum baptisado sem que
primeiro Ihe fosse presente a certido
do registro, e os factos nos dirao mais
tarde.
Realisou-sc com todo o explendor a
festa da padroeira, em Dezembro linde, e
apezar de nao ter sido feita por "aiteiros,
podemos afirmar, que foi talvez nma das
melhores que tem havido nesta freguezia,
Para todos os actos prestaram-se gra-
tuitamente a msica e o parocho, o que
muito concorreu para o explendor da fes-
ta desde que tudo mais que se pode con-
seguir foi para dar realce.
Na ultima uoite queimou-se um varia-
dsimo fogo de artificiq, subindo nessa
Occasiao um lindo balito.
No dia seguinte houve missa cantada,
bencao do Sacramento e lantum ergo. A
tarde houve procissao, e terminou a fest'
com ladainha cantada pela msica.
Depois desta seguio-se ainda no dia 29'
do corrente a festa de S. Sebastiao que
no foi menos concorrida, havendo igual-
mente procissao a tarde. Nesta ainda a
msica e o parocho prestaram-se gratuita-
mente.
Esta comarca que se ressentia 4a faita-
dc urna padaria, c postanto forcada a po-
pulago a ter smente ocJachas de pessi-
ma qualidade, hoje bem servida por urna-
padaria em muito boas eendicSes, que se
estabeleceu nesta villa, felizmente.
Procedeu-se a 7 do corrente na cmara
municipal a eleicao do presidente e vice-
presidente, sendo reeleitos es mesmes do
anno passado.
Antes de terminar, peco aos Srs. ecp
dactores que chamem a attengab das i
ridades para o lugar denominado
Sujo da comarca de Garanhuns, e na es-
trada que segu desta villa para H^rfla
cidade, onde sao quasi sempre atacados
roubados os viandantes. ltimamente;
segundo estaraos informados fora all al
cado e roubado um mogo negociante, de
me Joaquim Xavier Montenegro, de quem y
violentamente apoderaram-se de todo o '
dinheiro qae conduzia, e de um relogio coto
a respectiva cadeia.
Esse facto e outros tem causado serios
receios a todos que por all s2o obrigadoir
a passar.
Estaj vai longa de mais por isso devo
terminar.
t V

IM-


PORTO DE GALLINHAS, 26'% Ja- ,
neiro de 1889
A noticia de haver entrado para ogloiiso mi-
nisterio 10 de Margo, o Ilustrado peniamfcincano
Dr. Francisco de Assis Rosa e Silva, causo'
aqui extraordinario contentamente, e d'este nas-
ceu e desejo sincero de ser o acto do benem-
rito Sr. conselheiro Joo Alfredo Corrcia de(Hi
veira apoiado pelo distincto eleitorado do 1*
districto, reelegendo o circumspecto pernambu-
cano que tem sido um dos mais bellos ornamen-
tos da depntago pernambucana.
Ba bella intelligcncia e reconhecida illustra-
co do novo ministro, muito se deve esperar em
beneficio geral de nossa trra ; assim, o 19 dis-
tricto, renovando-lhe o mandato, tem cumprido
um dos mais sagrados deveres do eleitorado que
se distingue pela independencia e conheeimento
dos negocios pblicos.
Acaba de se declarar republicano o Sr. te-
uente Joo Cancio dos Bourbons Guimares.
Adiamos que S. S. passou a pisar era terreno
lio frouxo como escorregadio, porque bem se
pode comprehender, que, o novo republicanismo
nb tem razio de ser nao conseguir progredir,
desde que seu tim hostilisar, seno condem-
nar o glorioso e bemquisto ministerio 18 de-
Margo, que identificando-se com a vontade na-
cional- dotou o paiz com a grandiosa lei de 13 de
Maio, apagando da fronte do Brazil a vergonhosa
nodoa da escravidao
Pensando assim. achamos que o Sr. lente
Joo Cancio, est laborando em perfeito engao.
S. S. vai erradoc estem tempo ainda de re-
cuar ; nao se illuda.
Na noite de 6 do corrente tiremos aqui ?
tradicional queiraa de urna lapinha, realisado
pela familia do Sr. Pedro Nunes do Rosario ; os
cantos foram entoados muito bem, per diversas
meninas sob a direego da Sra. D. Paulina Nu-
nes, e foi feita com assistencia de grande nu-
mero de pessoas.
Depois d'esse acto, passou a ter lugar um ani-
mado divertimento. constaste de canto e dan-
gado que durou at3 1/2 horas da madrugada:
sendo que. todos foram ptimamente tratedos-pela
familia do Sr. Pedro Nunes, que aqui gosa
estimae considerago geral.
Na noite de 14, 'estando de partida para
essa capital, a profesora de Afogados D. Mana
da CpnceigSo Branlao Cavalcante, que com sua
mi, aqui viera passar os dias festivos,
de residencia de seu tio. o Sr. Dr. (a
valcante, affluiraai umitas fauias
da realisago de um concert em hoin
aquella professora, concert que estove
bora.
No dia seguinte, na barcac;'
guio para o Recife, a Sra. prof*-
nhia de sua di
uda levando g
to alegremente aqui pas-
das mais siacer
No dia 16
legado litterario, rea
i

..
V I

:*&*.

I


ifi"fc
^IT*-""**"
.
1 r
J

i timos dias, a popula cao tem es-
tad ;aa com a f tita de farinha ; hon-
tem apparecuu urna carga deste genero, que foi
vendida 14100 a cuia.
Temos com tortura peixe, carangueijos, guya-
ructas diversas, mas falta-nos
^Ha e ffijo ; queira Deus se lembrar do
^Hd Galinlias.
^^Hfela vez vai se acentuando mais a neces-
le urna agencia do correio, nesto pedaco
do 7o rtistricto eleitoral da provincia que parece
estar e.squecido.
As relaeoes eommerciaes, que vo augmen-
tando entre esta localidade, a nossa capital e a
capital de Alagoas, reclamara aquelle melhora-
mcnio.
Por falta de correios que toquera nesta povoa-
co d-se prejudicial retardamento no recebi
ment de jornaes cartas, circulares eommer-
ciaes, etc.
Em relacao a jornaes para haver mais segu-
rancae presteza em recebel-os, os assignantes
d'aqui, mantem intermediarios n'essa capital,
que se encarregam d'aqnisico e rcmessa das
tollias,no que vai aprestarlo de obsequios no
caso de serem bem correspondidos. Bem se v
que se tivessemo/ urna agencia nao, precisa va-
mos estar na dependencia de favores.
-----------------.a-----------------
PESQUEIKA
O verSo j vai se prolongando demasia-
damente e a demora das ehuvas vai cau-
sando sustos. Os campos acham-se intei-
nunente dspidos de vegetacSo, o pasto
vai rareando e as aguas fendem seccar
brevemente, j sentindo-se a sua falta em
vanos lugares.
' >s mantimentos nao tera. abundado as
feiras e os seus preys j sSo elevados.
O feijo t'"in sido venflido por 2 e mais,
cada enia, o millio por 4'0 e 500 rs., a
fannba per 400 e 500 rs. cada cuia, e a
carne seceapor 600 e 700 rs. o kilc.
Se em nosso auxilio nSo vierem algumas
ehuvas at, meiado de Feverciro, os pre-
juizos sorSo eonsideraveis e os vveres fi-
cariio caris3mos.
A festa nao se passou sem que houves-
sem factos lamentar neste termo. Em
Alagoinhas, na noite de Natal, de um con
flicto havido entre diversos individuos
resultou a morte de um delles e varios fe-
rimentos em oatros.
- Foram presos dous dos que toraaram
parte na lucta, como autros indigita-
dos; porm. a verdade que ha du-
vidas s4)as sobre os verdadeiros au-
tores dPfactos criminosos. A polica fez
raquerito do qual resultou serem muitos
os co-participantes. Em Cantagallo tam-
bera deram-sc alguns fermentos graves,
sendo igualmente presos os criminosos.
Os prado* continuam em decadencia.]
galopante e digo os prados, porque os ha
em Alagoinhas, l'ocao, Salobro. Hataca e
Limoeiro, todos neste termo. J ia se
tornando urna mana, se o verlo nao vies-
se conter o cnthusiasmo.
No la 6 do corrente, ao receber-se
neste cid.ule, a noticia da, nao publicacao
dk le que prorogava o contracto de carnes
verdes por seis annos, immenso foi o con
tentamento que se apoderou de todos os
habitantes, os quaes sera dstinecao de
cor poiitica, proromperam em jubilosas
manifestantes.
Immediatamente subiram aos ares inn-
meros foguetes e a noite houve passeiata,
gande elevados vivas ao Exra. Sr. desem-
bargado!- Oliveira Andrade e aes deputados
qve votaram contra o projecto.
A decisao do Exm. Sr. Oliveira Andra-
de nulo poda ser mais racional, mas justa
e legal.
MU
Blaofo
DA CAIXA FILIAL t PERNAMBUCO, EM 31
DE JANEIRO DE 1889
Activo
Letras descontadas
Contas correntes caucionadas
Caixas, Matriz e Filiaes
Diversas agencias
Diario de BeEnambueo-i4Qiia^la^ftca>6 d^nFeie: i i ^^* -.
Valores depositados
Diversas contas
Letras a receber
Caixa :
Em. moeda' correute
315.6274540
655 044*610
182.944*040
703.993*98'>
547.134450
889.718*900
522.6094540
872.533*140
Rs. 4.689.3574*X>
Papsivo
Depsitos:
Contas correntes de
mo vimento.......\ 1.379.105 910
Ditas ditas com f
aviso...........i 178.555*610
Letras a premio...J 1.161.936*430
----------------2.719.597*950
547.113*430
109.0235981
325.6105090
'.188.211*730
Diversas garantas
Diversas ucencias
Caixas Matriz e Filiis
Diversas contas
Rs. 4:689.557520(1
S. E. O.
Pernambuco, 5 de Feverciro de 1889.
(Assignado) W. M. Wefcaler,
gerente.
. j i. ?amo
guarda-livros.
------------------------------
Companhia <]<' Fia^ao e Te-
cidosjde Pernamhiif^
Durante o anno se Iransferiram
4 aeces de um cont de ris ao
60 ditas de cem rail ris ao par.
t
Balando da Conipanhia de Fia-
cao e Teeidos de Pernambm-o
no semestre de Janeiro a Vn-
nho de 1888.
ACTIVO
Fabrica da Magdalena:
Immoveis 71:20860:
Machinismo 224:8934300
Movis e utensilios 1:1125975
Panno de algodao :
Km lei 22:7354738
Aluodao em rama:
dem 6:0904190
Conibustiveis e accessonos :
dem 7:5755810
Fabrica da Torre :
Em construccao
dem 32:5325CG5
Diversos devedores : .
dem 147:1555794
513;3255077
Capital realizado
Fundo de reserva
Dividendos
ftiversos credores
Lucros e perdas
Saldo d'esta con'.a
rASsn i
419:850000
45:0005000
13:760*0^0
8:0005560
26:7145517
513:3244077
S. E. O.
Pernambuco, 30 de Junho de 1888.
Manoel M. Monteiro.
Guarda-livros.
Balanco da C'ompanlita de Fia-
eo e Teeidos de Pernambueo
no semestre de Julho a De-
zembro de 1 888.
ACTIVO
i. orno juiz integro ejustceiro, elle tinua
impassivelaesistido a lucta trovada nu A&-
sembla Provincial e na imprensa ; havia
fie apoderado de todas as queixas levadas a
ana prosaica, dos constantes protestos fei-
toe na imprensa pelos municipios do cen-
tro e dos innmeros protestos e reclama-
coeslcvidas ao ceio da representaeao pro-
vinW, qur pelas cmaras municipaes,
qar pelos criadores de gado; como ho-
nem de lei, elle aprofundou-se em estu-
dos sobre a materia, e com todo criterio
e hombridade proferio a luminosa decisao
de 2 do corrente, attendendo as justas
queixas de urna elasse at hoje desprote-
gffla, os interesses. da provincia, eecudan-
do-se nos verdadeiros principios da lega-
hdade.
Encerrando a sua adminstracSo com
chave de ouro o Exm. Sr. Oliveira An-
draoe cobrio-se de gloriaste deixou entre
os sertanejos um nome immorredouro; o
seu acto ha de peqietuar^se na memoria
dos apns comprovincianos.
E ncm se diga que lia contradiccao en-
tre este acto sea e a decisSo proferida no
offirfb de 22 de Setembro do anno passa-
do, dirigido .-i Cmara Municipal do Re-
cife.
Negando S. Exc, como negou, provi-
mento ao recurso interposto da decisao da
Gaviara, que prorogava o contracto por
seis'annos, Temotteu-o Assembla Pro-
vincial para tomar* conhecimento da mate-
ria e decidir como fosse de direito, proro-
gando todava o mesmo contracto por dous
mezes, tempufficiente para a Assem-
bla deliberar..
Elle nao emittio juizo' e nem manifes-
tou sua opinao ; tornou dependente sua
decisSo da audiencia dr. Assembla.
E desde que essa deliberou a proroga-
cio, oppondu-sc a todos os principi eco-
nmicos, a letra expressa da n uicS, sera consultar os graves interrsses
da provincia, desprezando in limine todas
as reclaraac5es, 3o aceitando e nem ad-
mittindo emenda alguma, acertadamente
prooedeu S. Exc. suspendendo a publica-
cao de uinn tal lei, que se pretendeu m-
por. Onde est a incoherencia? Smen-
te o despeo pode encontrar contradiccSo,
onde ella absolutamente nSo, existe; s-
mente o Udereme contrariado, pode encon-
trar falta de bom senso e leviandade, on-
de s imperaram o criterio, a reflexao, o
estado apurado e a imparcialidade.
Em (iaruar^ tegundo nos mandaram
dizer houve grandes lestejos, passeiatas
e "O regosijo foi immenao. Em todoa os lu-
gares do centro, onde tera chegado a gra-
ta noticia, o jubilo tem sido indescripfcWel
e .as mauifetrtac3es tem sido ruidosas.
Parabens-ao Exm. Sr. desembargador
Oliveira Andrade.
Immoveis
Macbinismo
Movis e utensilios
Algodao em rama
Deposito de panno
1 ombustivei e arcesscirio;
Fabrica da Torre
Diversos devedo
Capital realizado
Fundo de reserva
Dividendo
Direcco
Cftmmisso fiscal
Diversos credores
Lucros e perdas
pAserro
71:2084605
224:893*300
1:1124975
9:118*410
17:0315730
8:0525120
278:2075806
55:9665573
665:5915519
525:JS0*000
45:892*040
14:257*500
8925040
89520
59:5ll*90
19:6995149
665:5914519
PERMBCQ
Internacional
40
S. E. 4 0.
Pernambuco. 31 de Dezemhro de 1888.
Manoel M. Monteii".
("uarda-livros.
Sr*. acrionistas.Em cumprimento do que de-
terminatn os estatutos, a commisso fiscal exa-
minou os balancos dos dous semestres do anno
de 1888, e os documentos relativos, no escripto-
riola companhia na fabrica da Magdalena
Encontrou todos os livros escripturados com
asseio e clareza: confrontando as verbas do
activo e passivo dos balancos, vcriRcou que esto
exactas.
Dirigindo-se tambera a Torre, ah reconheceu
achar-se construidos os edificios da nova fabrica;
collocadas todas as transmisses de forca, cal-
deiras, machiuismos a vapor, funecionando a fer-
rara e assentando-se os machinismos de liaco,
tecelagem e cordas. devendo ter brevemente co-
meco a fabricaco dos productos para que estao
destinados.
Nao pode deixar a commisso flseal de reco-
nhecer o zelo e dedicaco empregados pela di-
rectora na gestao de seu mandato.
Assim, pois, de parecer:
1 que sejam approvadas as contas e actos da
directora.
2 que a directora credora do reconheci-
mento de todos os interessados.
Recife, 31 de Janeiro de 1889.
A commisso fiscal,
Henrique Xavier de Araujo Saraiva e Melln.
Antonio Feniandes Ribeiro.
Izidoru Bastos de (Hireira. ,
305.807 saceos.
433.472
274.043
192.800
300.530
32.493 saccas.
29.421
31.287
15.549
19.126
ttecire Anda
sessao deste tri-
Capit^ul do Banco
dem realisado
Fundo de reserva
Xa. 20:000:000||000
12:000:000(8000
35OXO08liO
Estrada de ferro de Of inda O Mi-
nisterio da Agiiet.ltura dirigi presidencia
d'esta provincia o seguinte aviso:
. Ministerio dos Negocias da Agricultura, Com-
mercio e Obras Publicas. Directora de Obras Pu-
Micas.-l.**ecceu).N.3. Rio de Ja-eiro, 22 de
Janeiro de. 1889. Em oflicio n 86, de 29 de
Maio do anno prximo lindo, transmittio esta
presidencia ao ministerio a meu cargo, afn de
ser presente ao Conselho d'Estado, o recurso in-
terposto por Frederico Columbiano da Silva Gui-
maraes e outros, sobre o despacho que a mesma
Presidencia negou competencia Cmara Muni-
cipal de Olinda pan conceder licenca de asseo-
tamento de trilhos de ferco dentro do respectivo
municipio, para a eonducco de passageiros e
carga por traeco animal at a ponte da Taca-
* Em resposta e para os devidos efteitos com-
mnnico a V. Exc. c(ue S. M. o Imperador, consi-
derando qne trata-se apenas de precisar o al-
cance de um privilegio de natoreza local conca-
dido pelos poderes provinciaes. houve por bem,
conformndose com o parecer exarado.peia sec-
co dos Negocios do Imperio do Conselho d'Es-
tado em consulte de 20 de Julho de 1888, deci-
dir por sua immetliato resoiocao de II de Ja-
neiro corrente, que ajquesto est fra da aleada
do governo impera!, como por vezes se tem de-
. Deus guarde a V ExcRodrigo A. da
Silva. ., ,
. A" 8. Exc. o Sr. presidente d provincia de
Pernambuco. ,
FaiiedMM to-Communicam-nos de Igua-
tws ter all falloi#, do"corrnte, ceret de
44^ horas da Urde, o padre Manoel Ignara
Bezerra do Amaral, sendo victima deumagae-
tro-enterite, que zombou. dos recursos mdicos
e dos mais carraosos desvellos de familia.
Tundo recebido as ordens sacras em 20 de
Agcfsto de 1853, o padre Amara!1 dedicon-se ao
magisterio primario para o quaj tinha decidida
voccQo, e foi professor publico durante 16 an-
nos, desde 1875, na villa de Iguarass, jubilan-
do-se em 1881, quando sentio os primeiros sym-
ptoraas do'mal aue o levou ao tmulo.
No desempenno desse cargo publico nouve-ae
sempre com grande distineco, merecendo elo-
gios dos directores da Instruceao Publica na
provincia.
Como membro da mliicia do Senhor fot sem-
pre exemplar. Sacerdote chcio de virtudes, fal-
lecen com 60 annos de idade sempre bem'di-
zendo o nome de Deus e cumprindo o nreceito
do Evangelho amai-vos uns aos outros. Nao
tinha um desaffecto sequer; era geralmente es-
timado, e o mereca.
Viva sua alma em paz no seio do Senhor, e
receba sua digna familia, e especialmente seu
nspeitovel irmo enosso amigo cominendador
Joo Francisco do Amaral as nossas sinceras
condolencias.
OutroFalleceu non tem de lcsao cardiaca o
Dr. Pedro Affouso de Mello, advogado no foro
d'esta cidade, ex-procurador fiscal da Tbesou-
raria de Fazenda, cargo que por differentcs ve-
zes exerceu interinamente.
Era o tinado bacharel em sciencias jurdicas e
sociaes. grao que conquistou na Faculdade de
Direito em 1860, e contava cerca de 50 annos de
idade.
Hmem intelligente e trabalhador, prestou
bons servicos Santa Casa de Misericordia
como membro da sua junta administrativa, fez
urna posico indepe/idente custa de trabalho e
econoniia.
S ja Ihe a ternKrc, e receba sua familia nos-
sas condolencias.
K ni rail a i de Mirar e al(o4o
Por trra e mar entraram no mercado do Recife
era Janeiro:
ilimiMr
De 1889
1888
1887
1886
1885
Algodao
De 1889
. 1888
18^7
.. 1H86
. 1885
Tribunal do Jury do
binle.n nao foi installada a 1
bunal por s haverem comparecido 21 juizes de
facto.
As 11 horas da manh achando-se presentes
osSrs. Dr. Antonio Domingos Pinto, juiz de di-
reito do 5' districto e presidente do tribunal, Dr.
Joo Joaquim de Freitas Henriques, primeiro
promotor publico oa comarca e capito Floren-
cio Rodrigues de Mirauda Franco, escrivo pri-
vativo do jury, lez-se a verilicago das cdulas
e a chamada geral dos jurados sorteados.
Foram multados eni 20*000 os seguintes ju-
rados que deixaram de comparecer :
Antonio Jos da Cunha.
Dr. Manoel da Trindade Peretli.
Lyilio A. Bandeira de Mello.
Joo Mauricio de Abreu.
Joaquim de Sou/.a rinheiro.
Jus Feliciano de Nazareth.
Jeronymo Coraos da Fonseca.
Joo de Araujo.
Joo Ferreira Tavares.
Francisco Carlos da Silva Fragozo.
Francisco de Araujo Cesar.
Francisco de Lima Coutiobo.
Francisco deM. i.eal Seve.
Francisco Jos da Silva.
Francisco Borges Leal.
Dr. Duarte Estevo de Oliveira.
Candido A. Sodr da Motta.
Rento Manoel de Castro Mello.
Antonio Peregrino de Mendonga.
Augusto Goncalves da Silva. '
Antonio Jos de Souza.
Aciolpho Teixeira Lopes.
Augusto Cesar Pereira de Mendonca.
Augusto Fernando do Reg.
Dr. l'lysses Machado Pereira Vianna.
Tliom Jos de Gusmo.
Dr. Rodolpho de Paula Lopes.
Pedro Goficalves Torres.
Pedro Pedroso Vellozo da Silveira.
Manoel Vicente da Silva Ros.
Dr. Maaoel Francisco de Barros Reg.
Jos Duarte das Neves Jnior.
Joaquim Francisco de Medeiros.
Jos Elias de Oliveira.
Dr. Joo Honorio Bezerra de Menezes.
Tenente-coronel Joo Francisco da Cunha.
Henrique de b Leito.
Francisco de Abreu Macedo.
Antonio Fernandes de Albuquerque.
Antonio Luiz Teixeira Elias.
Foram sorteados os seguintes supplentes :
Freguezla do Recife
Benjamn Constant da Cunha Salles.
Francisco Correia de Araujo Vascon cellos.
Domingos Bruno.
Santo Antonio
Dr. Manoel F Ico de Azevedo.
Javo Antonio Gosende.
Arscnio Joaquim de Souza Bandeira.
Antonio Basilio da Silva Guimares.
S. Jos
Joaquim Cavalcante de Albuquerque Lins.
Antonio Martins Vianna.
Modesto do Reg Baptista.
Guilherme Patricio Bezerra Cavalcaute.
Antonio Muniz Pereira.
Hoa- Vista
Joo Francisco das Chagas Xavier.
Joo Francisco Borges Ferreira.
Elpidio de Araujo Ferreira Jacobina.
Antonio Jos Duarte.
Manoel Lyra.
Dr. Antonio de Siqueira Carneiro da Cunha.
Ismael Vctor Pereira.
Francisco Elizeu Antunes Ferreira.
Ulysses Botelho de Andrade.
Joaquim Ignacio Correia.
Ernesto Jos Felippe Santiago.
Grata
Baro da Soledade.
Manoel Coelho Cintra Ramalho.
Afogados
Joo Jos da Matta Jnior.
Pojo
Antonio Soriano do Reg Barros.
Foi adiada a sesso para hoje s 10 horas.
AwMMMinato Lemos o seguinte no IMa
dor da Victoria de 2 do corrente :
A's 7 horas da noite do dia 25 de Janeiro
deste anno, em trras doengenho Cachoeirinha
desta comarca, Jos Peres Campello assassinou
como urna facada sobre o peito direito a Jos
* Lauriuno, com 17 annos, solteiro, cor prete. 0
movel d enme foi urna pequea discusso en-
tre ambos. O criminoso foi preso e o delegado
de polica procedeu ao inquerito.
Interrogado, disse ser natural do Cabo, com
43 annos de idade, casado, ole.ro e analphabe-
to. Que estando na venda do engenho i aclioei-
rinha no referido da fallando por causa de um
enredo que Felippe Nery tizera ao senhor do
engenho chegou Jos Lauriano, defendendo Fe-
lippe ; n'uma altercaco com elle deu um caxa-
co em Jos Lauriano : este langou mo de urna
faca de ponte, defendendq-se com um faco que
trazia e Jos Lauriano nelle espetou-se fallea'O-
do logo.
ycom a nao na ratoeiraNo dia 2 do
corrente l'oi encontrado no estabelecimento dos
Sre. Guimares Irmo -, 6 ra Primeiro de
Margo. MathiajJos da Silva, que havia forcado
urna grade de ferro, por onde entrara.
Preso em flagrante pela guarda-civica, foi-lhe
apprvhendido um embrulho com fazendas, que
pobracava.
Este sendo iuquendo.
Bonn* Durante noite de ante-bontom os
ladres penetraram pelo telhado no eataJfeleci-
mento de Jean Meier, ra da Florentina n. 10
e subtrahirara u:n relogio de prata, outro de
ouro com corrente do mesmo metal, seis camisas
e cento e tantos mil ris.
A polica toraou conhecimento do facto
Ferimeato leve-Terminada a festa de
Nossa Senhora da Saftde do Poco da Panella. foi
encontrado ferido lewmeate oa coxa esquerda o
pardo Joaquim Antonio de Souza, que foi visto-
tuda pelo Sr. Dr. Carneiro da Cuaba. /
A respectiva auloridade polieial tornou conhe*
cimento do facto.
CtaJ. Mareen ina Cela Hoje' ha vera
sesso de assembla geral, sendo aben
anno os trabajos deste Club.
dn i'
Be vala IBuMtrada Des
peridico, publicado na corte pelo Sr.
Agofltim recebemos hontem o n. 533
anno
Santa Cawa A junta -da Santa ('asa em
sessao de hontem, sob proposta do Sr. mordomo,
Dr. Prxedes Pitanga. approvou unnimemente
que se langaase na acta um voto de apreco pelo
acto do Governo Imperial distinguindo com o
titulo de conselho a seu provedor, Etm. Sr. Dr.
JoaquimCorreia de Araujo.
DemoiMtrMfto de pesar A junta da
Santa Casa em sesso de hontem resolveu uo-
mear urna commisso de seu seio para acompa-
nhaf d sua ultima morada o cadver do mordo-
mo Dr. Pedro Allbnso de Mello e suspender a
lo em signal de pezar pelo seu faUecimento.
Cana ni iiniMendii elDos Srs. Ame-
de Prince & C.. nossos dignos correspondentes
emP.ins reo iinn'sacartaqueemsegHidapubli-
caraos, eda qual damos scienciaao publico para
recoramendar-lhe a casa que n'aquellc centro
mantera aquella firma.
Os Srs. Prince t C estabelecidos ra La-
fayette n. 36 esto em condices de prestar ex-
cellentcs servicos s pessoas que forem a Pars
por occasio da ex posico universal do cor-
rente anno.
Eis a carta:
Pars, ru Lafmjette, 36. Janeiro 88D. Dia-
rio de Pernambuco. Frezados Srs.-*-Assim como
em 1878. est organisada a nossa casa de tal
modo que, desd j. acba-se habilitada para
prestar muitos servicos, durante a exposico uni-
versal de 1889, aos numerosos visitantes de alm-
mar que vierem a Pars.
N'estc intuito, acabamos de organisar em
nosso escriptorio urna vasta sala, onde sa en-
contram, constantemente, disposico do pu-
blico, os ltimos exemplares de lodos os jornaes
receincliegados.
Outrosira, migaremos de receber todas as
correspondencias que nos forem dirigidas para
serem entregues ou reeu viadas aos destina
tarios.
A nossa casa de commisso tambera lica s
ordens de qualquer comprador que desejar ter
informaces ou utilisar os nossos servicos.
Si Vv. Ss se dignarem nos conceder o seu
valioso concurso, facilitando-nos a tare fu que em-
prehendemos com o lim de obsequiar os seus
patricios rogamos-lhes o favor :
1" de nos dirigir gr.it uitamente, at o en-
cerramento da-Exposico, mais dous exempla-
res alm dos que nos enviam para a justilicago
dos seus annuucios, remetiendo os ditos exem-
plares pelos paquetes mais rpidos e de servi-
do mais activo e repelido.
2 de publicar graciosamente, sob a forma
de reclame if um lugar bem apparente e o maior
numero de vezes possivel, um artigo no mesmo
genero d'aquelle que tomamos a liberdade de
Ihes remetter incluso.
Rogamos-liies o especial obsequio de nos
recommendar aos seus numerosos amigos, e te-
mos a honra de nos subscrever com a mais alta
estima e subida consideracao Amede Prince
& C.
Ca*a de DeleneoDamos em seguida o
mappa demonstrativo do movimento da Casa de
Detenjao do Recife, do 1." de Julho a 31 de De-
zembfo ltimos.
Existiam presos em 30 de Junho
Entraram
Regressaram
\% ,
Os presos entrados forira :
Qualidattet
305
1.876
216
2.397
Brancos
Pardss
Pretos
Indios
Solteiros
Casados
Viuvos
De 10 20 anuos
De 21 30 annos
De 31 40 annos
De 41 50 annos
De 51 CO annos
De 61 para mais
Sabiam 1er
Analphabetos
Brazileiros,
Portjwueges
FraiMzes
Inglezes
Italianos
Hespanhoes
Africanos
Oulras nacoes
Estados
ilade.'
Instruceao
Nacionalidades
373
1.027
471
5
1.487
320
69
541
771
355
151
41
10
571
1305
1.798
33
6
5
12
2
7
13
A ordem de quem recolhidos :
Juizo do 2. districto
Juizo do 3." districto
Juizo do 5." districto
Dr. chefe de polica
Dr. delegado do i." districto
Dr. delegado do 2. districto
Delegado de S. Lourenco
Subdelegado do Recife
Subdelegado de Santo Antonio
Subdelegado do 1. districto de S. Jos
Subdelegado do 2." districto de S. Jos
subdelegado do 1." districto da Boa-Vista
Subdelegado do 2. districto da Boa-Vista
Subdelegado do 1 districto da Graca
subdelegado do 2. districto da Graca
Subdelegado de Afogados
Subdelegado da Magdalena
Subdelegado do Poco
Subdelegado da Varzea
Subdelegado de S. Lourenco
Motivo da priso :
Morte
Tentativa de morte
Fermentos ou offensas physicas
Roubo
Furto
Estelionato
Fallencia
Moeda falsa
Defloramento
Estupro
Rapto
Bigamia
Incendio
Armas defesas
Sentenciados |
Pronunciados
A requisigo dos cnsules
Disertores
Recrulas
Alienados
Falta de cumprimento de deposito
Disturbios e deserdens
Embriaguez
Offensas moral publica
Vagabundos
Sem declararn
, Regressaram:
De Fernando
De. diversos lugares
cahiram :
O destino foi o seguinte :
Postos em liberdade
Reraettidos a diversas autoridades
Reroeltidos para diversos lugares
Remettidos pan Fernando
Reraettidos para o Hospicio de Alienados
Remettidos para o Asylo de Mendicidade
iRemettido para o Hospital Pedro D
Remettidos para o Hospital Santa Aguida
Fallecern!
3
3
1
401
230
178
2
209
235
267
73
67
87
36
17
34
13
16
2
2
12

7
87
1
2
9
12
1
2
1
6
96
74
35
11
S
6
66
1
646
317
50
136
228
149
67
1.596
189
87
46
21
i
l
6
10
&Bmarj
m
A guarda de Palacio ^doBBandada boje
pelo Sr. teneote Justino Lopes Cardim.
A guarnico da cidade dada boje palo
2 bal all o de infantera.
Existem em i ratemento aa enfermara mi-
litar 43 pravas dos coros da (raarnico.
Aos corpos da guaraifo. delegada do
corpo de saude do exercilo, fortaleza do Brum,
companhia de cavallana, casa da ordem e se-
cretaria do comtnando das armas, foram distri-
buidos os exemplares das ordens do dia do
exercito da repartico do ajudante general, sob
n 2234 de 15 de Janeiro findo.
O Sr. tcneute Milito Thoraaz Gonca ves,
obteve armas 10- das de dispensa do servico. *
Amaaha vai ser inspeccionado de saude o
Sr. alferos addido companhia de cavallaria
Alfredo Prestexteto Maciel da Silva, que se acha
com parte de doente.
A junta mdica militar que inspeccionou o
Sr. alteres do l'i" batallio, Vicente Magno Nu-
nes, foi do parecer acnur-se elle solTrendo de
ulcera atnica no cakanhr do p direito e ery-
sipela. e por isso precisar de mais um mez para
seu tratamento.
S. Exc. o Sr. general commandante das ar-
mas-concedeu permisso paratrater-se em casa de
sua familia, comparecendo revista medica duas
ve es por semana ao soldado do 14 batallio
Antonio Domingos de Sant'Anna, que se acha
em tratamento na enfermara militar.
presentaram-se hontem ao quartel gene-
ral os Srs. tenentes-coroneis Luiz Antonio Per-
ras e Estevo Jos Ferraz, por terem sido pro-
movidos a estes postos por decreto de 23 do
passado.
Bio in Prai Razn de Montevideo es-
creve em 17 de Janeiro :
- Hontem, desde o anodfcer, notava-se extra-
ordinario e desusado movimento no commando
geral da marinha. All se acuava o ministro da
marrana, em longa conferencia.
asseio e boa ordem a todos impressionar.
davelmente. levantou ferro e fez proa
tmete-, ue est no ancoradourede Santa Cri
Durante o curto percurso e por.diversas ve
o coraavRidante mandoo servir aos tnumtes
frescos, licores edocs variadissimas, -601 meio
da animago geral.
Pasgamos pela JUictheroij e pela Primeiro
Marqo. e foraos fundear quasi junto do Riachuelo,
de cujo bordo partirara logo*os escaiejes de proa,
alta, bem tripulados e asseadissimos, que.nze-
ram com admiravql rapidez abaldeaco dos pas-'
sageiros.
A bordo do Riachuelo as familias erara deli-
cadamente recebidas.na escadado prtelo, pelos
olliciaes do estado maior e dab conduzidas para '
o salo da praca dns armas, cl.eio de tapetes, re-
luzente de lecrustaefies e dourados, df um luxo,
oriental, onde o .commandante Saldanha da
Gamarecebia todos jwm u sua.affabilidade e ca-
valheirismo.
Depois d alguns instantes comecoua visite ao|
navio, era todos os seus notaveis, diversos: ml-
tiplos e especiaes compartimentos bellicos e
nuticos, que a todos surprehenderam.
Perto de 500 pesssoas achavara.se a bordo'
liessa occasio, incluindo algumas familias que
chegaram logo depois do Laguna, no Lomba, e/a
companhia do capitao do porto da provincia.
Todos, os visitantes dividiram-se em grupos
pura melhor percorrer o navio, cada um d'^^H
tomou a sua direcco e tinham por guia um offi-
cial que, obsequiosamente e cora detalhes, expli-
cavaas modalidades, a fsrraa, diversas ,'applica-
ces, etc., dos objectos. insirunu/.tos, divlses,
sub-divises, paies, e machinas.
O grupo da imprensa era guiado pelo com-
mandante Saldunha da Gama; o nosso pelo Se-
tnente Anto Correia da Silva, outros pelos
!" tenentes Ludgero'!. da Cunha Motta, lulio
Alvcs de Brito e Silvio elico Belchior e 2" te-
nentes Arthur de Carvalho. Alvaro de Carvalho
Este ultimo era.o ofiicial
ne
. Pouco depois chegaramos_cfcgsda, anta- e^t ^^^T^o.
SejidaHsr iXL'sssrs^. J ^v ob^.^ tUd0 e ^m
ras dos respectivos navios. A>1, (Ja lurdl maisou mente,'foi servido
. orno se sabe qnando cliegaram os dous aj,uudamc e variado,
primeiro vapores brasile.ros era Matto Gro=so a Duraate^ viit;i locou sempre na to!da a baQ.
junt de saude resolveu submettel-os a obten a- d tf d Vd yJier0y_
vaco sanitaria estabelecida, e determinou que as
tropas desembarcassem para o lazareto da iiha
das Flores para proceder-se fuinigacao, depois
da qual (cariara habilitados a communicar com
o porto.
Os commandautes dos vapores brasileiros
declararam que nao podiamsalisfazer a essa exi-
gencia pelos inconvenientes que apresentava o
desembarque das tropas no lazareto, acrescen-
tando que so queriam baldeal-a para outros va-
pores da carreira de Matto Grosso, e tomar pro-
visOes.
A junta de sade insisti as suas ordens,
allegando que era impossivel a baldeaco era-
quanto nao fossem cumplidas os 18 horas de
observaco sanitaria, como havia determinado.
Nestas circumstencias chega ilha das F'o-
res o paquete Rio Pardo, conduzindo o resto das
tropas, o mareclial Deodoro da Fonseca, o corpo
de engenlieiros, o estado maior.
O mareclial Deodoro da Fonseca, tendo co-
nhecimento do occorrido, insisti as pretencOes
dos commandantes do Ladario e do Rio Negro.
A junta de saude replicou que mantinha a
sua resol ugo.
O commando geral da marinha foi avisado
de que os navios brasileiros levantevam ferro e
preparavam-se para entrar no porto.
A junte de sade dirigi ento um commu-
nicaco ao governo, pedindo que fossem toma-
das medidas de carcter serio para fazer cumprir
as suas disposices. O pedido loi tomado em
considerago, de accordocom os ministros.
Eutretento, o ministre brasileiro, tendo scieo-
cia do occorrido, dirigise ao presidente de re-
publica, intervindo no conflicto que se levanta-
va, para qne fosse elle resolvido satisfatoria-
mente.
Nao sabemos, acrescente a Razn, o que re-
sultou do accordo do governo; porem, o que
certo que os navios da esquadrilha nacional se
prepararam e que o ministro da guerra se apre-
seotou logo nos primeiros mora.-ntos na capita-
na do porto.
Tambem o marechal Deodoro havia expedido
um telegramma aseu governo, dando conta do
occorrido.
A flotilba. preparava-se para, primeira
ordem, repeHr do porto os navios brasileiros no
caso qee elles preten lessem violar a observaco
sanitaria.
Alinal tudo se arranjou, tomando o marechal
a resolugo de que os navios brasileiro sahissem
do porto e fossem esperar com bandeira ama-
relm que chegassem os navios para onde deviain
passar-se as tropas.
O procedimento da junta de sade tem sido
muito commentado, vendo-se tambem excessiva
exageraco as medidas tomades pelo ministerio
da guerra.
Exearao a Biacoltelo Com esta
epigraphe lemos na Tribuna Popular do Dester-
ro, em date de 22 do corrente*:
Domingo, 20 do corrente, realisou-se urna
excurso martima ao couracado Riichuelo, da
qual zeram parte as principaes familias e caya-
ilieiros catharinenses, e que foi promovida pelo
coronel Virgilio Jos Vilella, agente da tompa
nhia nacional de navegaco a vapor, que poz a
disposico dos 'ourstes b paquete Laguna com-
mandado pelo Sr. Luiz Lomelle.
Seriam 8 1]2 horas da manh, quando este
paquete, cujo luxuoso interior e meticuloso
Quando o Laguna fez a volta de" partida, pela,
popa do Riachuelo, toda a marinhagem subi sf
vergas em saudago aos visitantes e o comman-
dante e tods os olliciaes, amurada, erguanla
voz e os lencos em significativos adeuses.
O calor en SanaosL"-se em urna fo-
Iha desta cidade:
O calor nestes ltimos das tem sido exagev
nulo e incalculavel. Parece que varaos morrer
torrados, se nao tivermos ehuvas brevemente-.
Ha mais de 20 dias que a temperatura sobe*
gradativamentc. acorapanhada de um sol abra-
zador.
Os pobres trabalhadores da prancha j nao
resistem ao calor intenso do dia, e alguns tm
deixado de trabalhar por serem atacados, de ver-
tigem,
Consta-nos que alguns empreiteiros gaspende-
ram o servico do meio-dia at 2 horas; o sol quei-
mava de tal forma que os homens pediameste
intervailo para descango.
O calor este anno est sendo considerado de-
masiado : inultas pessoas dizem que ha muiros;
annos nao se tem sentido urna temperatura to
elevada >
non* randea ncleo coloniaea
Lmos no Jornal do Cammercio da corte :
Noticiamos, ha crea de um mez, haver o mi-
nisterio da agricultura belebrado contracto com
Henrique Irineu de ouza, para fundaco de dois
grandes ncleos coloniaes em seis fanendas de
sua propriedade, situadas as serras do Itatiaya
fponto cnlminante do Brasil, a 2.900m de altitu-
des e nos valles do Ribeiro, Bonito do rio
Breto, tributarios da Parahyba.
Ao que nos informara, sao estas trras de
grande fertilidad e e adaptadas cultura de nu-
merosos productos europeos, gozando de clima,
brando e ameno. O thermometro centgrado,
nestes ltimos dias, tem all oscillado de 10 e 18v
Produzem all maravilhosamente a vinha. ama-'
cieira o pecegueiro, a amoreira e o morango em
estado nativo.
A sede de cada ncleo ser ligada por meio de
estrada de rodagem urna estecao aa estrada de
ferro D. Pedro II, facilitando por este modo o
transporte prompto e econmico dos produc-
tos.
Os terrenos j foram examinados pek>e*e-
nheiro fiscal, Dr. Adriano Pimentel. que os con-
sidera da melhor qualidade para coflocaco e
jm migrantes.
Desde 5 do corrente, foram alb>ncetados os
trabalhos da medico e demarcaco de lotes de
20 hectares, bem como o da construccao de ca-
sas para os iinraigrantes, de golpoes para aga-
zalho provisono dos -recem-chegados ede ar
mazeos para vveres, etc.
Abrimos espaco com prazer a esj|as informa-
ces p^lo muito que nosdeve interssar a todos
a collocago de immigrantes em coudicoes qne
Ins assea-urem o bem estai e poasam coatribnir
para augmento da riqueza nacional. 0 exem-
plodedous grandes ncleos bem situados, bem
organisados, e intelligentemente admkiisteados,
ser utilissimo para incitar os proprieterios de
grandes extenses territoriaes a divid-as e ^i-
zel-as povoar.
'.

''

tirandesa de Pernambuco Damos em seguida o mappa demonstrativo do rendimenta
da Alfandega de Pernambuco, no mez de Janeiro de 1889 comparado com o de igual mez do
anno de 1888.
denomoaqo das rsndas
iS'J
Recapitular i >
Existiam em 30 de Junho
Entraran) de Julho a Dezetnbro
Regressaram
Sahiram
Existen
1.963
305
1.876
216
2.397
1.963
_l34
Importacao.
Direitos de consumo
Augmento de 50 %
Addicionaes ue 10%. .
Expediente de 5 /.-
Armazenagem -
Capatazia.
Imposto de fumo, 40 / .
Despacho martimo
Imposto de pbaroes. .. ,
Ditos dedcas .
1888

878:6044512
*
6:0674591
11:9994321
3:418407
4
Exportacao
Direitos de 9
Ditos de 7 /
Ditos de 5 /<
2:062497
44410
312624935
Interiorn
Sello por verbas.
Dito adhesivo
Transmisso de 5
Extraordinaria
Multas .....
Fundo de emancipaco. .
Depsitos
Depsitos de diversas origens
Contribuico de caridade. .
Sommas ....
7344'
45:162
56341
3:64243191
90l;670466O
2:6974885
5394580
3:9444293
12:4184417
3:5^9*083
554080
7:1404000
1:4784430
2:6134905
4
32:5484387
4
4
1164500H
1:2684646
46:69B*916|
3:0084313
3:935*194
DIFFERSNCAS
Para mais
4
t
4
1234298
4
' 4
4
1.1374380
Para menos
4
4441ff
4
704000
4
4
990:9034319 1.023:693*289
4
4
2:1974708
23:M*U7
2:6974885
5394580
4
1194098-
14140
554080
1:2001000 '
H*/63f
5504927
4
1:2854452
4
4
U245
534J311
l:Kt640tt
2:4454118
2924875


34 983467
REC^PITLACAO
CBWmiNACO 0 A? RENDAS
Mertica>aaUttar-stodesignados : para
superior do da boje o Sr. capitao Ernesto Al-
ves Pacheco, e para ronda menor um Sr. alferes
da companhia de caveltena.
a guarda da "Ihesorarla de Fazenda
ommandad boje pelo Sr. alferes Manoel Qufn-
[ino dos Santos.
Importacao .
Despacho niartimc.
Exportacao .
Interior ... .
Extraordinari:; .
Depsitos. .
Total
900:08944991
7:3064 <
33:33043231
7440OO
45:8974183
4:2054514
" 990:9034319!
924:8844098
8:bl8430
35:1624292
1164500
47:9674561
6:9434507
1 023:6934286
4
4
4
4
i
4
24:7354499
1:3114630
1:83149
2:737*993
32:7894970
J seccag da Alfandega de Pernambuco, 4 de Pevereiro de 1889.O chefe de
JfcUo Ooscripturario, Eztfitiel ie Lima e S.
iA>Jr


i
I
I
i
I
iario de PernambucoQiiarta-feira 6 de Fevereiro de 1889
p
Saude p ubi ir* A inspectora eral de
,1 populaco do Rio de Janeiro,
onsefhos. Com o Km de facilitar
o servgo das desinfeccOes nos domicilios, a car-
go dos delegados de bygiene as respectivas
cmramscripgoes sanitarias e.de tornal-o efficaz,
no interesse da saude publica em geral, e espe-
cialmente no dos moradores das casas onde se
derem casos de febre amarella, a Inspectora
Geral de Hygiene pede com o maior empenho a
todos os habitantes desta cidade o cumplimento
dos seguintes conselbos:
!. Nao oceultar as autoridades sanitarias in-
cumbidas das desinfeegoes domiciliarias, ne-
nnum objecto, movel, panno, tecidos, roupas do
corpo ou do leito dos doentes que tenham sido
accomraettidos de febre amarella, quer bajara
fallecido, juer tenham sido removidos para os
bospitaes.
1." Nao retirar dos aposentos que forem oc-
cupados pelo doente, antes da des.iifecgo rigo-
rosa oficial, nenhum dos objectos enumerados
e sobretudo os colchos e travesseiros, que se-
rio incinerados pelas autoridades sanitarias.
3.* Fechar logo apos retirada do doente ou
do cadver o aposento que por elle foi oceupa-
do, o que s deve ser aberto pela autoridade sa-
nitaria que vier desinfectal-o.
4." Antes do comparecimento da autoridade
sanitaria, nunca permittir no aposento infeccio-
nado a entrada de qualquer pessoa, principal-
mente de enancas ou estrangeiros nao aduna-
dos.
5." Nunca oppor- se desjnfecco obrigator a
officiul, neui violar a interdieco peridica indi-
cada pela autoridade e necessaria purificado
do local desinfectado.
6." Nunca illudir as autoridades sanitarias nos
casos de remocho dos doentes epidmicos, so-
bre a residencia exacta do enfermo, aflu de que
a desiofeegao de seu domicilio possa ser sempre
realisada com a precisa urgencia.
7." Denunciar por escripto o procedimento cri-
minoso de quem menos presando o bem publi-
co e a saude da circumvisinhanca, oceultar as
autoridades sanitarias o domicilio do doente re-
movido, com o lim de furtar-se desmfecco
8." Conservar- ao aposento mortuano o cada-
ver de epidmicos e d'ahi removel-o directa-
mente e com a urgencia'possivel para o vehcu-
lo que deve transportal-o ao cemiterio, dispen-
sando o ceremonial" mnebre das armacOes pu-
blicas que, nunca desinfectadas, transportan] pe-
los domicilios o contagio de que se impregnam.
Iuspectoria Geral de Hygiene, em 28 de Janei-
ro de 1889.Dr. Benjamn Antonio da Hucha Fa-
\ ria, inspector geral.
v. Cniu MedicaO fascculo 1 do 9 anno
Mesta revista, correspondente Janeiro findo
traz o seguinte summario:
vBoletimAdhesao do Dr. Paul Gibier dou-
tnna palustre da febre amarellaResposta ao
Dr. Domingos Freir.
Pharuiaco therapiaEstudos pharmaco-thera-
peuticos sobre o carapi, pelo Sr. pbarmaceuti-
co Gustavo Peckolt.
Sociedades scientificasSociedade de Medi-
cina Interna de Berlim.Belages entre o tabes
eas cardiopatbias.
Sociedade de Medicina dos Hbspitaes. Moti-
lidade do estomago humano (dyspepsias moto-
ras^Funccoes do estomago e resultados the-
rapeutiros das lavagens gstricas as creangas
depeito.
Sociedade de Therapeutca.Novo processo
de appligago do clorrelo de raethyla.Os t-
picos de Unna e seu emprego as molestias da
pelle.
Sociedade de Biologa.Estudo do poder an-
tisptico do acido flourhvdrico,
Sociedade Medico-Psychologica. Perigos do
hypnotismo. -
Clnica Peditrica. Contribtco para o estu-
do pttbqgenico da vulvovaginite das meninas,
pelo Sr. Dr. Tiberio de Almelda.
Im prensa Medica. Jornaes italianos.-Empre-
go clnico da phenacetina.Contribuico para a
therapeutca e para a prophylaxia racionaes do
cholera.Sobre a estructura interna do plasmo-
dium malaria}.Sobre a paralysia facial de na-
tnreza hysterica.
Jornaes allemes. -Sobre um caso de deabe-
tes inspida na infanciaValor das pueces as-
piradoras na hydrocephalia chronica Paralysia
progressiva com tabes dorsal em urna meni-
menma de 13 annos de idade Sobre a etiologa
do melena dos recemnascidosDo tratamento
do tabes dorsal na AHemanha. -Sobre as injec-
goes sub-cutaneas de cfalorureto de sodio nos es-
tados de insuficiencia do myocardioSyphillis
do syslema nervoso.
Bolem Bibliographico.
Indicages Ctets.
PalronioioxiML-se na mesma folha de
Noticiamos bontem haver sido achada na
comarca de Campia Grande, da provincia da
Parabyba, urna jazida de ossos colossaes da qual
foram extrabidos dous denles inteiros. cada um |
do peso de um kilogramma, e o fragmento de urna
mandbula de grandes diinenses. Foi feita a des
coberta na loealidade denominada Laga dt
Iba, em trras do cap fio Benjamn Gomes de
Albuquerque Maranli j, ao ser escavado um gran-
de tanque. Os dous denles foram depositados no
escriptorio da Gazetti do Serto, a qual, sugge-
rindo a hypothese de uertencerem taes ossos ao
Pala-otherwm magnum, de Cuvier, animal do pe-
riodo eoceno (ou terciario antigo), afirma seren
numerosas em Campia Grande as jazidas de os-
sos fosseis.
Tambem de terrenos de Campia Grande fo-
ram dessoterrados, ha tempos, importantes ossos
fossilisados que cao sabemos tenham sido reco-
midos a estabeleciinetilo scientilico. Pan o Mu
seo Nacional nao vieran ; espalharam se prova-
velmente por mfios dt particulares que os pos-
suem como objectos ce mera curiosidade, e tai-
vez os tenham cedido, inconscientes do seu va-
lor, a agentes de estabeiecimentos estrangeiros.
Com os artefactos cermicos de Maraj deu-se o
mesmo por muito tempo. A ilha foi muito expo
rada por visitantes estrangeiros at que por lou-
vavel deligencia do S r. Ladislao Netto, poude o
Museo Nacional adquirir parcos meios para all
effectuar escavages e recolher os preciosos
exemplares cermicos que o estabelecimento boje
fiossue. Agora mesmo emprega-se all em seme-
hante trabalho o Sr. humbelsperger, naturalista
do museo.
Temos sido n'isto muito descuidosos. A fau-
na fossil do Brazil notoriamente abundante e,
entretanto, apenas representada no nosso nico
museo por monto de ossos, alguns de grandes
dimenses, achados aqui e acola por particulares,
sem que jamis nenhuma escavago tenba sido
feita methodicamente por parte d'aquelle estabe-
lecimento O uuico grande esqueleto fossil, que
iossuimos no Museo Nacional, o do Solidotherium
oi-nos offerecido pelo sibio Hurmeister, director
do Museo de Buenos-A^res. Ao passo que, sob a
esclarecida direegao d'es'.e eminente paleontlogo,
agrande fauna fossil do territorio argentino
representada por varios exemplares nota veis, nao
temos nos nenham esqueleto dos mammireros
fosseis culos restos jaiem era grande copia no
sub-solodos nossos vailes.
Antigs instruegoes dadas aos engenheiros
oceupavam-se d'este objecto. Nao sabemos se ca-
hiram em desuso mas certo que nao KVn ellas
producido nenhum resultado. Era qualquer paz
culto onde ee annunciasse descoberta igual a de
Campia-Grande, far-se hia logo sobr estar na
perfuracao no tanque e especialistas nao tarda-
riam a apresentar-sealli incumbidos pelo gover-
no de realisar escavages scientifleamente dirigi-
das e orientadas.
Invocaremos para este ponto a attenco do
governo imperial. As nages nao vivem sanente
para interesses materiaes. O Brazil tem j por vi-
nos aspectos contribuido para o adiantamento
das sciencias deve continuar a fazel-o. Nfio sera
grande o sacrificio de fazer examinar por homens
competentes os deposi:os fosseis que se contam
numerosos em Campia Grande. Desde que pos-
suimos Museo Nacional com secgo especial para
investigagoes paleontolgicas, preciso habilital-
o a preencher cabalmente o importante papel que
a scieneia lhe assignal i por bem da restauraco
da fauna fossil.
Directora dan olra* de conserva
cao do* Portan de PernambucoReci-
fe. 4 de Fevereiro de 1889.
Boletim meteorolgico
-Effectuar-se-hao os
re.
Horas 9 =43
Se*
_____ H-
6 m. 26*-4
7--6
11 29--S
3 t. J7-9
6 26-9
Barmetro a
0>
761-68
762-56
762-32
761-33
761-47
Tensao
do vapor
19,59
19,34
19,77
20,21
18,89
1
-o
i
9
77
71
67)
71
71
Temperatura mxima30,00.
Dita mnima 26,00.
Evaporacfio em 24 horasao sol: 7-9 ; a som-
bra : 3-,6.
Chuva-0-2.
Din-cco do vento : SE com algumas inter-
rupcoes de ESE durante todo o dia.
Velocidade media do vent: 2"89 por se-
gundo.
Nebulosidade media: 0.75
Boletim do porto
ii
COMMERCIO
Revista do Mercado
Recite, 5 de fevekeiro de 1889.
O movimentd foi quasi nullo, limitndose ape-
nas a pequeas transaeces no mercado de cam-
bios.
Na Bolsa foram negociades 3.000*000 em ttu-
los da divida publica geral com o descont de
7 / e 109 lettras hypothecarias com o descont
de 4 /
Cambio
Nao houve alteraco as cotagOes, que conti-
nuaram a ser 27 1/5 bancario e 27 5/8 particular,
com pouco movimento em ambas as classes.
No Rio, 27 1/2 bancario, nominal, e 27 5/8
particular.
Mercado firme.
TABELLAS AFFIXADAS
r
i a 7
c o s
a t o
5 x o -
-1

. E.
h- S s 3
=: 3.

3.
O
B

3
s

e.
C I*
1 5
P
B.
P.
B.
I'.
Dia Horas
4 de Fevereiro 5 de Fevereiro m m 1-33 da tarde 7-30 i 9 da nianh 8-i0
Altura
0-.35
2-.40
0-55
2-.17
I^elloe
- Hoje
Pelo agente Btto, as 10 1/S oras, ra Vis-
conde de Inhauma n 48, de movis e miudesas
diversas.
AmannS :
Pelo agente Burlamaqui, s 11 horas, no pateo
do Carmo n. 14, de movis em bom estado.
Pelo agente Stepple, as 11 horas, ra Im-
perador n. 50, de movis, crystaes, vidros e es-
pelhos.
Pelo agente Gusmao, s 11 horas, a ra Mr-
quez de Olinda n. 48 de movis de diversas qua-
lidades.
Pelo agente Burlamaqui, s 11 horas, no pa-
leo do Carmo. n. 14, de movis.
Pelo agent Pinto, s 11 horas, ra do Mr-
quez de Olinda, n. 52, de livros de direilo e lit-
teratura.
Pelo agente Stepple, s 11 horas, ra do
Imperador n. 39, de dividas.
relo agente Martins, s 11 horas, ra Es-
trella do Rosario n. 45, da casa de bilhar abi
existentee.
Min*a fnebreSero celebradas:
Ainanhi :
A's 8 horas, na igreja do Corpo Santo, pela
alma de D. Adelaide Theodolinda Britto Mes-
quita ; s 7 1(2 horas na Ordem 3* do Carmo,
pela alma do tenente Bento de Souza Mira : s
7 horas, na igreja da Santa Cruz, pela alma de
Enedina Augusta Serrano Travassos.
Casa de DetenedoMovimento dos pre-
08 da Csa de Detengao do dia 4 de Fevereiro
de 1889.
Existiam 432 ; entraram 8; sahiram 13: exis-
tera 427.
A saber:
Nacionaes 397 ; mulheres 10 ; estrangeiros 20.
-Total 427.
Arracoados 380.
Bons 359.
Loucos 2.
Doentes 19.Total 380.
Movimento da enfermara
Tiveram baixu :
Antonio Pedro da Silva.
Antonio Francisco do Nascimento.
Tiveram alta :
Lourengo Justinianno.
Patriarcha de Missias.
Hospital Pedro IIO movimento deste
estabelecimento de daridade, no dia 3 do Fe-
neiro, foi o seguinte;
Entraram 7
Sahiryn 4
Falleceram 3
Existera S15
Foram visitadas as respectivas enfermaras
pelos Drs.:
Moscoso s 8 1(2, Cysneiro s 10, Barros So-
briuho s 7 horas.
Nao compareceram os Drs.:
Berardo.
Malaquias.
Estevo Cavalcante.
SimOes Barbosa.
Poutual.
0 cirurgio dentista Numa Pompilio nao com-
parecen.
O pharmaceutico entrou s 8 1|2 da manha c
sahio s 4 da tarde.
O ajudante do pharmaceutico entrou s 8 1|2
da manila e sahio s 2 horas da larde.
Lotera do tiram-Par-A 3' parte da
24" lotera, dessa provincia, cujo premio grande
120:000*000, ^e^ extrahida, quarta-feira, 6
de Fevereiro.
< < mi ce i-i o PublicoObituario do dia 1
de Fevereiro de 1889.
Joaquina Mara da Penha Costa. Pernambuco,
80 annos, viuva. Boa-Vista ; hepatite.
Mara Manoela das Dores. Pernambuco, 88 an-
nos, viuva, S. Jos; congestao cerebral.
Luiz Monteiro de Barros, Pernambuco, 46 an-
nos, casado, S. Jos; cachexia.
Luiza Mara dos Prazeres, Pernambuco, soltei-
ra, S. los ; heraorrhagia cerebral.
Joo Francisco de Lima, Pernambuco, 32 annos,
solteiro, S. Jos; clica intestinal.
Francclina Maria da Conceigo, Pernambuco,
1-41 annos, casada, Boa-Vista ; diarrha.
Antonio Jos de Albuquerque, Pernambuco, 35
annos, casado, Boa-Vista ; ttano.
Rosalma Mara da Conccigfto, Ceai, 30 annos,
viuva).Boa-Vista; tubrculos pulmonares.
Vicente Jos da Silva, Pernambuco, 40 annos,
solteiro, Boa-Visla ; aceesso pernicioso.
Justiniano Bezerra Cavalcante delAlbuquerque,
Pernambuco, 31 annos, solteiro, Graca ; febre
palustre.
.Manoel, Pernambuco, 2 das, Boa-ViSfr :.atre
psia. -
Antonio, Pernambuco, minutos. Boa-Vista ;
aspbvxia. .
Juventino, Pernambuco, 3 annos, Boa-vista;
aceesso pernicioso.
Luiz de Franga, Pernambuco, 53 annos, viuvo,
Boa-Vista ; bronebite.
M1
Letras hypothecarias con juros.a 96^000 cada
urna.
Cambio sobre Para, 30 d.v. com 1 0/0 de des-
eo lio.
Cambio sobre Londres, ,90 (Lv. 27 1/2 d. por l i,
do banco.
Na Bolsa Venderam-se
4 aoolices geraes de 1:0004.
i cilla de 6004.
1 .lita de 4004.
109 letras hypothecarias com juros.
O presidente.
Candido :. G. Alcoforado.
O secretario,
Eduardo Dubeux
Algodio
Nio conslou vendas.
A exportaco, feita pela alfandega no dia 1 do
corrente, subi a 23.4o kilos, sendo 1,292 para
o exterior e 24.160 para o interior.
As entradas verificadas no mez de Janeiro lin-
do, attingiram a 32.439 saccas, sendo por:
Luiz Alves de Freitas, Pernambuco, 28 annos,
casado, S. Jos; tuberculose.
Manoel Vicente Ferreira, Parahyba, 60 annos,
solteiro. Boa-Vista ; entero-colite.
Lourengo, Pernambuco, 2 1/2 annos. Boa Vis-
ta ; convulsocs.
Mndela, Pernambuco, 3 metes, Boa-Vista;
febre cerebral.
Maria Ezequiel de Souza; Alagoas63 annos,
viuva, Boa-Visla; diarrha.
Jos, Pernambuco, 3 metes, Recife ; convul-
sOes.
Jorge Cavalcante de 'Ibuquerque, Pernambuco,
36 anuos, casado, Graca ; edema.
Alfredo Pereira de Lcmos, Pernambuco, 15 an-
nos, solteiro. Boa-Vista : esmagamento.
Thereza Maria da Conceigo, Pernambuco, 59
annos, casada, Boa-Vista ; cancro do pescogo.
Polycarpo, Pernambuco, 20 annos, solteiro,
Boa-Vista ; tubrculos pulmonares.
Thereza Maria de Jestts, Pernambuco, 86 annos,
viuva, Santo Antonio; cachexia senil.
Um feto, Pernambuco, Boa-Vista.
4
Veneranda Cavalcante de Albuquerque. Per-
nambuco, 44 annos, casada, S. Jos; cacliexa
cancerosa.
Raphael Archanjo Fortunato, Pernambuco, 44
annos, casado, Boa-Vista ; rheumatismo syphi-
litico.
Silvino Jos de Barros, Pernambuco, 60 annos,
casado, S. Jos ; cirrhose heptica.
Jos Coelho da Silva, Pernambuco, 10 anuos,
S. Jos : gaslro-enterite.
Joodianoel da Silva Mendes. Pernambuco* 17
anuos, solleiio, Boa-Visla ; congestao pulmonar.
Boiuo. Pernambuco, 2 mezes, Santo Antonio ;
entero-colite.
Vicente, Pernambuco, 2 anuo. Boa-Vista ;
yastro-enterite.
Benedicto Alves de Lima, Pernambuco, 38 an-
uos, solteiro, Boa-Vista: bronchite.
L'm feto, Pernambuco, Boa Vista.
Maria, Pernambuco, 6 mezes, S. Jos ; convul-
sOes.
Um pouco de tudo
Do Yacht de 29 de Dezeinbro prximo pas
sado extraamos o seguinte :
Annunclam de Norfolk (Virginia) a chegada
aesse porto deuma einbaicagozinhu, quasiuma
casca de not, chamada .4 LibenUide, e a bordo da
qual o capio Slocura, sua niulber e seus dous
filbos acabara de ebegar do Ro de Janeiro. E'
talveza primeira vez que quatro pessoas fazem
uma travessia taolonga e tio pengosa a bordo
de uma frgil embarcarao. appareliada como um
j'trncoiaponez, com tres mastros e duas vergas,
que nao sao na reahdade seno hastes de bam-
bus.
A Libenliule nao mede mais de 35 ps de
corapriinento, 7 1:2 de largura e 3 apenas de pro-
l'undidade. V.' por assim izer uma embarcagao
descobtsrta. porque sua cmara feita como se
ios; uma barraca de lona, que o vento poderia
arrebalur a qualquer momento.
A Liberdade tornar a partir brevemente com
seus quatro passageiros para Washington ; dc-
pois ir a Baltimore e finalmente a New-York,
que ser o termo da viagem
Esta embarcaciio, que foi construida pelo pro-
prio dono e lancada ao marera Paranagu no dia
13 de Maio de 1888, sendo-lhe dado o nome de
LibertUule em coramemorago da gloriosa data
da aboligo da escravidao no Brazil, parti do
porto do Rio de Janeiro em (ns do mez de Jullio.
O capito Slocum um vidente marinlieiro de
42 a 44 annos de idade, e sua inullier foi quera
coseu todas as velas de que careca o navio.
Um de seus lilhos bastante forte e conta 18
aunos de idade. e o outro 9 annos.
A cerca de tio atrevida quo Dengosa viagem
tfto brilhantemente feita, disse o actual capitao
do porto o seguinte :
No requerimento junto pede Joshua Slocum,
proprietano do culer Libe dude, entrado de Pa-
ranagu com escala por Santos, licenga para pro-
seguir na viagem que intenta fazer no mesmo
cter para os Estados-Unidos.
Em substancia diz o requerente :
que, nao dispondo de recursos para trans-
portar se com sua familia para o seu paiz, con-
sinti eui Paranagu. onde perdeu o seu navio,
o culer Lilierdade cora o intuito de eaipregal-o
na pesca, que all abundante :
que no da 24 de Juulio, tendo transposto a
barra daquelle porto, que eslava brava quando
seis navios ; uns grandes e outros pequeos, nao
se aniniavam a sanir, sobreveio forte jwimpro e
o mar tornou-se cavado ; mas, mo obstante, a
embarcaco se portou bera e se conservou cn-
xuta :
que, refrescando o vento do SO e sendo in-
tensa a corr nte para NK, continuou a navegar
e. muilo conlortaveliiienle, alcancou o porto de
Sanios, com 12 horas de viagem :
que esta severa prova fez-lhe nascer o dese-
Barcagas
Vapores
Ammaes.....
Via-fcrrea de Caruar.
Via-ferrea de S. Francisco.
Via-ferrea deLimoeiro
Somma.
Em igual mez de 1888.
Mais em 1889. .
Saccas
2.837
1404
11.002
1.440
1549
14241
32.493 Saccas
29.421
3072
I o
* i ..
oo
. M
: g as s s >


8
0.1 5
j_|_i_i__lIJ
o.
t* U
5 s a s s >
i
l %

S

Bolsa
CTAV'*)ES FKICIAES DA JDMTA DOE COK-
Rrc '*&
abo le i OOOlOOOa
Pelo vapor inglez Archimedes, foram remet
tidas 1.000 saccas para Liverpool.
O vapor francez 'Congo, Icvou 8 fardos
para Buenos-Ayres.

AsHncar
Os pregos pagos ao agr: cultor, por 15 kilos, se-
gundo a Associaco Coraraerlal Agrcola, foram
os ieguintes:
Brancos .....
Soraeno.....
Mascavado purgado
* Druto.
Rtame .
24200 a
14700 a
14300 a
14100 a
4900 a
24800
14800
14400
14200
14000
Em igual mez de 1886 433.472
Menos em 1889 127.663
Pelo patacho sueco Amor, carregado por
Pereira Carneiro & C fbrara reraettidas, pare
Pelotas, 875 barricas, 5 4 e 823 saceos com assu-
car branco e 123 barricas com dito mascavado
O vapor inglez Actor, levou 4.620 saceos
com assucar mascavado para Liverpool.
O vapor nacional Pernambuco, levou 300
saceos e 50 b irricas com assucar brauco e 100
saceos com dito mascavado para a Babia; 3.703
saceos com assucar branco e 3.475 ditos com di-
to mascavado para o Ro de Janeiro.
Pelo vapor americano Fiuance, foram rc-
raettidos, 10 saccas, 1.000/2 barricas e 760,4 com
assucar branco para .o Para; 100 barricas e 70/2
com dito dito para o Maranho.
Couros
Nao constou vendas.
O vapor amencano Finance, levou para New-
York, 247 couros salgados e 290 fcrdos de cou-
rinlios.
Agurdente
Cota-se a 804000, nominal, por
litros.
pipa
de 480
Colonia Isabel:
Branco !
. 2*
. 3
Soraeno .
Mascavado .
l.'sma Pinto:
Branco 1*
. 2-
Soraeno
Mascavado
24800
MUJO
24000
14800
1HOO
24400
24300
!*700
1,5340
K exportaco, feita pela alfandega no dia 1 do
correnle. attmgio a 643 977 kilos, sendo 26.023
para o exterior e 417.92 para o interior.
As entradas verificad-s no mez de Janeiro
findo, auiiram a 305.8C7 BaccM, sendo por s
Barcacas
Vapores.....
Animaes .
Via-ferrea de Caruar.
Vil-tema de S. Frai:
Tea do Limoeiro
Somma.
113-740 Saceos
13.042
16.704
118.838
43.983
Foram remettidas pelo vapor francez Congo,
30 pipas para Pelotas.
O vapor americano Finance, levou 10 pi-
pas para New-York.
Pelo vapor nacioual "Pernambuco, foram
remettidas 173 pipas para o Rio de Janeiro.
Aleool
Cota-se nominal, a a 1434000 por pipa de 480
litros.
Mel
Cota-se a 504000 por pipi de 480 litros.
Pauta da alfandega
SUANA K. 4 A 9 DE KKVEBlRO DE 859
Vide o Diario de i de Fevereiro
liavios carga
Barca portugueza Novo Silencio, para o Porto.
Barca americana Olive, para Liverpool.
Lugar americano Arthur C. Wade, para Estados-
Unidos.
Patacho inglez Peggie, para Montevideo.
Patacho dinamarquez Catkarinc para Uru-
guavana.
Pataclio nacional Rtcal, para Pelotas.
Patacho sueco Amor, para Pelotas.
\avios descarga
Barca norueguense Frida, carvJo.
Barca norueguense Frilhyof, carvo.
Barea noruaguense Professor, madeira e breu.
Barea ingleza Helen Iz'bel. bacalhio
Barca americana /. F. Roltman, carvo.
Barca ingleza Sabrma, farello.
Barca portugueza Tentadora, kerosene.
Barca norueguense Celer, carvo.
Barca sueca Augusta, carvar
Brigue dmamarquez Cathiina, varios genero?.
Brigue i'-yda, carvo.
Brigui a, carvo.
Lugar aac m.
Lugar no; lo.
305.07 Sacco8'L. j
iHaportaeo
i corrente
C, man i l
Carga de Liverpool
"t^Ago 4 feixes a Antonio Rodrigues de Souza i
C. Amostras C voluntes a diversos. Arroz 623
ordem, 100 a F. Botelho de Audrade, 30 i Col-
ganos Roza v Fernandos, 50 a Jos B. deCar-
vallio. Alpiste 20 saceos oniem. Arcos de.
ferro 121 feX4s a Antonio Rodrigues de Souza
s C, 123 ordem 120 a Res & Santos. Agua
mineral 15 caixas ordem.
Bombas 2 caixas ord;in.
Batatas 90 caixas a Blackbum Nee lliara & C..
50 a Gougalves Boza & Fernandes 100 a Paiva
Valente C. Barras de ferro 2 '7 e 54 feixes a
Miranda > Souza. 357 e 80 a Antonio Rodrigues
de Souza, 16 feixes a Albino Silva 4 C.
Biscoutos 2 caixes ordem.
Ilarrilha 30 tambores a Fernandes da Costa A
companliia.
Cachimbos 1 caixa ordem. Cha 46 grades
e 17 caixas ordem. Ceneja 63 barricas or-
dem. 20 a Guedes de Araujo & Fillio, 10 a Alfon-
so Oliveira & C. 50 a Jolinston Pater & C. la
Blackburn Nee Antonio P. da Silva 4 C.jBCarvo de pedra 200
toneladas a Great Wesiern of Brazil. Caixas
vazias 2 caixes ordem. Cravo da India 3
saceos ordem. Cabos 2 rolos ordem. Cidra
30 caixas ordem. Calgados 3 caixOes a T. de
Carvalho C. Canos de trro 22 feixes a Fer-
reira Guimares C, 5 a W. Halliilay C.
Cartas para jogos 1 caixa aF. Lamia4 C. Cha-
peos l caixo a Adolpho Ferro, 1 a Samar-
os 4 C.
Drogas 4 caixas a Francisco Manoel da Silva
4 C.,5 a Fara Sobrinho 4 C Ditas e tintas 29
volumes a Maia e Silva 4 C.
Enxofre 10 barricas a A. Silva & C, 30 a Fer
reir Guimares 4 C, 20 a Prente Vianna 4
C. Estanto 1 volume a Antonio P. da Silva *
C..6 a Ferreira Guimares 4 C. Estopa 2 far-
dos a Francisco B.-telho de Andrade. Enxadas
50 barricas a Gomes de Mattos Irmos, 10 a Vi
anua Castro 4 C, 19 a W. Halliday 4 .
Fio 9 fardos a G.'de Mattos Irmaos. 1 a Fer-
reira Gui nares 4C Fuzis 2 barricas a Wil-
liara Halliday 4 C. Folhas de ferro 34 a Anto
nio Rodrigues de Souza 4 C. Ferragens 9 volu-
ntes ordem, 4 a Manoel Collago 4 C. 7 a Fer-
reira Guimares 4 C, 1 a Antonio da Silva 4 C,
13aJaciatho de Azevedo 4C, i a A. Silva*
C, 11 a Reis 4 Santos, 4 a An'ooio Bodrigues de
Souza 4 C, 2 a Nunes Fonseo C. a Vianna
Castro G. 2 a Cardoso ,\- lrrao. 1 a Netto
Campos 4 C, 9 a Wiliiam Halliday 4 C, 11 a
Antonio Duarte Carneiro Vianna 1 a F. Lauria
4 C, & a Prente Vianna 4 C, 10'a Gomes de
KattM lraios. 1 a J A. da Silva Santos. Folhas
de fiandres 160 caixas a Antonio P da Silva 4
C, 50 a Ferreira Guimares C.
Harmnicos 1 caixa a Manoel Collago 4 C.
Loma 30 barricas a Domingos Cruz 4 C, 18 e
178 trigas ordem, 12 e 13 a Jos de Macedo 4
C. Liaha-3 caixas a Netto Campos *'C. 4 a
Maia e irva 4 C, 2 a Prente Vianna & C, i a
Guimaraos Cardoso 4 C, 2 a Gomes de Mattos
lnnot, 2 ordem. 57 a Nunes Fooseca 4 C.
Leite condensado 10 caixas a Guedes de Arau-
jo Filho.
Machinismoa 1 caixa a Alian Paterson, 1 aLi-
;ontn 4C, 12 a companhia de trilhos urba-
nos do Recife,! a V. Ne.eseu, 16 i ordo
Ditos e ferragens 20 volumes a Cardozo 4
Irmo.
Mercadoias diversas 1 volunte a A. uarte
Carneiro Vianna. o a companhia de Beberibe, 1
Prente Vianna & C, i a Nunes Fooseca 4
Iirao 1 )s 4 C., 1
jo de trocar o seu papel e seguir viagem para o
seu paiz :
que raarinheiro ha 26 annos contando quasi
18 annos como mestre de embarcages, urnas
grandes e outras pequeas ; mas que nenhuma
Helias era mais segura do que o cter Liber-
dade:
que na viagem de Santos para este porto, a
reboque de ikd vapor de grande forga e com
mar crescido, leve occasiao de tornar a ver
quanto segura a sua embarcagao :
que, finalmente a dita embarcagao construi-
da com boas raadeiras e dispe o seu capito dos
instrumentos necessarios navegago.
Nojulgo impossvel, diz o Sr. capitao do
porto, que o requerente leve ao cabo a viagem
que intenta realisar cora a bandeira brazilcira,
tanto mais quanlo alguns commettimentos idn-
ticos (// Mine di Cupiera, por exemplo), tem
sido coroados de xito; entretanto, como a
embarcagao do requerente, attenta a pequenez
das suas dimenses, nao e apropriada a navega-
gao de cabotagem, e menos a de longo curso, em
que s accidentalmente poderia ser empregada,
eatendo nSo uever concederpasse dita em-
barcaco sem autorisaco de V. Exc.
Obtida a licenga, o navio singrou brilhante-
mente pelo mar azul escuro como uma garga em
cima d'agua e chegou ao seu destino.
A doenca do famoso chaneeller inspira tantos
cuidados ao subditos do Imperador Guilherme
U da Allemanha, que havendo-se espalhado lti-
mamente em Bcrlim a noticia de estar doenie o
seu idolo em Friederichsruhe, nada menos do
que 3:000 telegraramas para all foram enviados
pedindo noticias e isto nura s dia.
Um calculo approximado da-nos a somma de
perto ile dois con tos de res que o telegraplio. e
por consequencia o Estado, ganhou cora a noti-
cia da doenca de Bisinarck.
E' caso para se ilizer que o clianceller quasi
que deve adoecer de vez era quando para ui*.
mentar rccejta do telegrapno.
Alina!, nada se sabe de positivecom respeito
doenca, constando apenas que o medico pro-
hibir ao chanceller a sua ida a Bcrliin.

*
Depois da mortc de Jumbo. o mais prodigioso
clephaute que existi em Phladelpha, appare-
cera um outro, Chief, medindo dez metros e
meio de altura e pesando dez rail libras.
Ate al I i manso e dcil; chegara aos 25 annos,
idade perigosa n'aquelles anunaus e tornou-se
ternvol matou onze pessoas.
Tiveram que o prender com fortissimas ca-
deiis : mais vendo-Uie. augmentar as furias, re-
solveram matal-o, receiosos nao quebrasse elle
as prises e continuasse a carnilicina
Dispararan)-lhc :nuitos Uros: mas as balas res
valaram pela epidernie.
Ento laiicarara l"e um lago corredio ao pes-
coco, e. prendendo as extremidades da corda ao
Deseoso d<: dais depilantes matisos, obrigaram-
nos a correr era sentido opposto.
a estraugulaco fu completa e o famoso pa-
cliyderme cabio morto depois de urnas ultimas
covuisoes.
SPORT
Hippodromo do Campo Cirande
Presentes ante-houtem s 6 horas da tarde 78
Sr3. ac ionistas representando 246 aeces, foi
aberta a sesso extraordinaria da assenDla ge-
ral, sob apresideneia do Sr. Dr. Jos Antonio de
Alraeida Cunha, servindo de secretaria o Sr. Ju-
lio -Vives de Araujo.
Lida a acta da sesso de 6 de Dezeinbro ulti-
mo foi approvada sera debate.
O Sr. Dr. Joo de S pedindo a palavra den
explicagOes sobre o modo porque tem procedido
a directora, conclulndo por declarar que resol-
vera definitivamente, por motivos particulares,
retirar-se da mesma.
0 Sr. Augusto Gongalves da Silva pedio que
lhe mandassera, para examinar, a proposta feita
,pelo Sr. Manoel Gomes Manhonga para dar bailes
de mascaras no carnaval deste anno, no Hippo-
dromo.Foi satisfeilo.
Os Srs. directores Dr. Ferreira Jacobina e
Paula Lopes declararam que eram solidarios com
o Sr. Dr. Joo de S no modo de administrar a
companhia. O primeiro disse mais que decla-
rando a seus companheiros o Sr. Dr. Joo de 84,
Sue se retirava da direegao, e seado o mesmo Sr.
r. Joo de S bem como o Sr. Dr. gerente da
Companhia de Trilhos Urbanos do Recife a Olin-
da e Beberibe os dous mais esforgado cavalhei-
ros que baviam concorrido para que fosse levada
a realisago a fundago do Hippodromo, o fado
de retirar-se o mesmo Dr., levou-os a convocar a
presente reunio.
O Sr. Dr. Jos Diniz Brrelo propoz. vista
das exposiges feitas pelos tres directores pre-
sentes, que continuassem na directora os Srs.
Dr. Ferreira Jacobina e Paula Lopes, sendo de-
pois pieencbida a vaga que ia abrir-se, nos ter-
mos da lei das sociedades anonymas.
O Sr. Dr. Pereira SimOes deelarou que nao
havia motivo para no%onlinuar na direegao o
Sr. Dr. Joo de S e assim concluio propondo
que elle tambem continuasse como director.
O Sr presidente antes de consultar a assem-
bla fel-o ao Sr. Dr. Joo de ", que positiva-
mente deelarou de novo que por motivos parti-
culares nao poda continuar na direegao.
Depois de orarem os Srs. Jos Diniz e Rodol-
pho de Albuquerque foi submettida a votagao e
approvada a proposta, (cando prejudicada a do
Sr. Dr. Pereira Simes
Nada mais havendo a tratar levantou-se a ses-
so s 7 horas da noite.
Prado Peruambucano
Encerrou-se hontem a inscripgo para a 21.*
corrida que tem de realisar-se a 10 do corrente.
1.* pareo -Consolago! turma: Patife, Tupa,
Ida. Breas, Gui, Coquelicot, Palito, Orion,
Jonkopings, Vlete ex Katao, Ecia, ero, Janota,
Paular, Lindness.
**#
Um collabor.ulor do Petit Journal leve a curio-
sidade de interrogar Deibler, o carrasco francez,
sobre as causas de sua fleugraa e do seu renome
de pachorrento.
Eis. pouco mais ou menos, o que respondeu
Deibler:
Esses que fallam da minlia pachorra que ve-
nham para o meu lugar. Nao, que cu nao de**]
sejo llcar sem um de lo!
Quando os meus ajiidantes empurrara o con-
deranado para cima da vlvula, ordinariamente
a barba tica para traz. sobre a prancha. e eu
nao posso deixar cahir completamente a lunetle
cuja parte superior cihe sobre a parte de traz
da caheca.
F preciso todava que o pescoco fique intei-
ramente entalado, e ento que tenho medo de
Bear sem um dedo, como succedeu a Roch.
Tomo as rainlias precauces, raeu caro amigo,
e por isso me chamara falto de geito.
O correspondente do MUin em Madrid leve
urna longa entrevista com o velho general Ala-
minas, que fofeiraigo intimo de Bazaiue.
O velho militar conversou muitas vezes com
Bazaine quando este viveu em Madrid, e deelarou
que ouvindo-Uie cotitar lodos os detalhes da
campanlia de Lorena. nunca Bazaine lhe fallara
era sir Bobert Morier.
#**
O major Deines addido militar e:n Vienna.
Posto agora em evidencia cora esta queslo, tem
sido procurado por mudos reporten.
O major mostrou-se sorprehendido com a im-
presso que os seus rclatorios secretos causa-
mu.
Disse-lhe que simpesincntc relatara o que
vira, nao acreditando as declarages de Ba
/.ai ne.

ral, 16 a Sit-
laz 4 volumes a empreza.
Dlos para chapeos de sol 1 caixa a Francisco
Xavier Ferreira.
CDitos para escriptorio 1 caixa ordem.
Oleo de linhaga 23 barris ;a Francisco Manoel
da Silva C.
Papel 1 caixa aFaria Sobrinho 4 L\, 10 a Sa-
lazar 4 C.
Dito de embrulho 20 fardos a R. de Druzina
4 C, 64 ordem, 2 a W. Halliday 4 C.
Provises 13 caixas a Guedes de Araujo 4J_
Filbo.
Exportaco
asan 4 de fkvekbiro de 1^9
Para o exterior *
No vapor francez Xiger, carregou :
Para Buenos-Ayres, A. de Oliveira Maia 5,000
cocos, fructa.
Na barca americana Olive, carregaram :
Para Estados Unidos. Julio 4 lrrao 500 sac-
eos com 37,500 kilos de assucar mascavado.
Para o nter>or
No vapor nacional Pernambuco, carrega-
ram :
Para Rio de Janeiro, J. Borges 225 saceos com
13.500 kilos de assucar branco e 775 ditos com
46,5 o- ditos de dito mascavado ; Jos de S.i 200
saceos com 12,000 silos de assucar branco e
1.000 ditos com 6),000 ditos de dito mascavado;
M. de Fara 39 saceos com 1,940 kilos de cera
de carnauba ; A. de Oliveira Maia 7,100 cocos,
fructa; Costa 4 Fernandes 10,000 cocos, fructa ;
F. G. Torres 20 meios de sola
Para Babia, F. M. de Moura 2 caixas com 120
kilos de doce ; P. Carneiro 4 C. 300 saceos com
farraha de mandioca ; R. J. Pereira 100 barricas
com 11,517 kilos de assucar mascavado e 30
ditas com 5,678 ditos de dito branco.
No vapor nacional Ptrapama, carregaram :
Para ear, P. Carneiro 4 C. 100 sceos com
6,000 kilos de fejao. i
Para Maco, F. da Costa 4 C. 1 barrica com
90 kilos de assucar refinado.
No hiate nacional Apody, carregaram :
Para Mossor. J. Baptista 100 saceos com fa-
rinba de mandioca ; S. B. Amorim 4 C. 100
saceos cora farinha de mandioca ; M. A. Senoa
4 C. 1 barrica cora 90 kilos de assucar refinado;
E. C. Beltro 4 Irmo 2 barricas com 180 kilos
de assucar refinado.
No mate nacional Coj,reio de Natal, car're
gon :
Para Natal. A. Cavalcante 50 saceos cora fari-
nha de mandioca.
Na barcaga Paraguast carregaram :
Para Mamanguape. E. C. Beltro Irmo 5
barricas com 304 kilos de assucar refinado.
Na barcaca D. Sinh, carregaram :
Para Natal, P. Alves & (1 11 barricas com
660 kilos de assucar branco e 30 ditas cora 3,000
ditos de dito refinado.
Na barcaca J. Attencia. carregaram :
Para P. de Alagoas, M. Viegas 4 C. 50 cascos
com 436 litros de genebra : Vicente Cosa
35 cascos com 340 litros de ginebra. ,
9"
Favorita, Cometa.
pareoI." de Jullio :
Alfa, Recife, Aympp.
3. pareoDerby Club de Pernambuco : Pa-
tife, Re de Ouro," General, Lucifer, Ecla, Good-
raorning, Cabrion, Oisau Mylord, Dublin, Pir-
raca, Blissard.
4." pareoConsolago2." turma: Ginga, Ar-
reda, Vassallo, Fidalgo ex Caboc, Marat, Caim,
Bisraarck, Bouaparte ex-Vagabundo, Etna, Gua-
ran y, Ostnoud, Aracahy.
Pernambucano: Africana,
5." pareoPrado
Kruani. Apoilo.
6." parcoDestreza:
Florete, Templar.
7. pareo.Becifc :
Vauda. Chura,
Serid, Monitor, Mourq
Africana, Gallia,
Olga,
8. pareo Animago : Parsita, Capeta, Pilhe-
ria, Borracho, Beware, Teimoso, Cassua, Me-
duza, Hadan, Borboleta, Peti-Buy-Blas, Sorabri-
nha, Bjou. .
I
CHROHICA JDD1C1ARIA
Tribunal da Relaeo
SESSO ORDINARIA EM 5 DE FEVEREI-
RO DE 1889
PEE8IDESCIA DO EXM. SB. CONSELHETJtO
QOINTIXO DE MIRANDA
Secretario, Di: Virgilio Coellui
As huras do cnslume prsenles os Srs. des-
emhargadores em numero legal foi a I teda a
sesso depois de lida e approvada a acta da ao-,
tecedente.
Pelo vapor nacional Pernambuco. para:
Macei 20.000|fi00
Rio de Janoiro 13.337 56fl0
Rcmdimentos pblicos
HEZ DB FKVEHKIEO
Alfandega
Renda geral:
Do dia 1 a 4
dem de 5
65:043*419
40:2044573
Renda provincial :
Do dia 1 a 4 8:539*707
103: i 49*994
dem de 5
3:101647
Somma total
Segunda seccio da Alfandega,
de 1889.
11:641*354
_ 116:891*348
3 de Fevi-reiro
Sthesoureiro Herencio Domiugue.
chefe da secgao Cicero B. de Mello.
Recebedorla Geral
Do dia 1 a 4 3:612l><62
dem de 5 2:094*631
3:7074493
Recebedorla provincial
Do dial ai 237*086
dem de 5 866*270
Do dia 1 a 4
dem de 5
Recife Drainage
1:103*336
966*877
148*839
1:115*736
Hatadouro publico
Neste estabelecimento foram abatidas para o
cotisuuio de hoje 70 rezes pertencentes a diver-
sos marchantes.
Vapores a entrar
MEZ DE FEVEREIRO
"Sul........... Muranhao......... 7-
Norte......... AUianca.......... 8
Europc...... VUle de Pernambuco 8
Sul........... VUle de Cear..... 10
Sul........... Tagus.......... 10
Europa....... Potos............. 10
Norte........- Para.............
Europa....... Argentina.........
Europa....... Neva *........... 13
Sul.......... Elbe....,.......... 1U
bul-.......... -lageas........... lim
Dinheiro
RECEBDO
vapor nacional "Pernambuco, do norte
para :
Hermenegildo da Silva Lovo 4 C. 8.908*800
London 4 Brasiliao Bank 6.527*365
Ainorim Irmaos 4 C. 3.000*000
Bailar Oliveira 4 C. 3.000*000
Francisco Ribeiro P. Guimares 4 C. 2.641*440
Pinto AJVes 4 C. 1.000*000
ib Sobrinho .' 600*800
Pele
Pariz
130
Vapores a sabir
MEZ DE EEVEREIRO
Cear e esc... Ptrapama ,........ 3
>antos e esc AUianca........... 9
Norje........ Maranhao.........
Santos e esc VUle de Pq-nambuco '.
Valparaso ... Potuti.
as
10 as
as o h.
as 10 h.
as S h.
Sita.
11 h.
Movimento do porto
Navioe saludos no dia 5
Estados Unidos Lugar americano Arl
Wade. capitao II. N Sh
Jamaica Lugar noruegnense Proj-
Upad, capitao Chr. M. Aaae,i
Cear e es
mandan i :o Rayoi:-
ga varios gneros.
MoatevidoBi!

->t


V

-//
o de PernambucoQuarta-feap 6 de Fevereiro de 1889

Dtatri buidos e passados os fejtoa deram-se
JULGAMEHTOS
Haffeas corpus
Pacientes:
Jo*> Francisco do Nascimento. -- Mandou-se
ouvir o Dr. chefe de policia.
Joo Baptis'a da Silva. -Mandou-se ouvir o
juiz municipal do Cabo.
Recurso crim
De Panellas Recorrente o juizo, recorrido
Antonio Felicio. Relator o Sr deserabargador
Buarque LimaNegou-se provimento, unni-
memente.
Aggravo de instrumento
De CajazeirasAggravantes Manoel Joaquim
Ribeiro 4 C,aggravado Marcolino Cesar Olinda
Campello. Relator o Sr. desembargador on-
teiro de Andrade. Adjuntos os Srs. desembar-
gadores Alves Ribeiro c Tavares de Vaseoncel-
los.Negou-se provimento, unnimemente.
Prorogaco de inventario
Inventbante i). Candida Maria Ribeiro de
AlmeidaConcedeu-se o prazo de 6 raezes.
Appellafes crimes
De Calle do Rocha -Appellante o promotor
' publico, appellado Antonio Raptista de Oliveira.
Relator o Sr. desembargador Tavares de Vas-
concellos. Mandou-se a novo jury, unnime-
mente. ...
De TraipAppellanteo juizo, appellado Joao
Baptista de Araujo. Relator o Sr. desembar-
gador Toscano Barreto. Mandou-se a novo ju-
ry, unnimemente.
Do BrejoAppellante o juizo, appellado An-
tonio Soares do Sou.- Relator o Sr. desembar-
gador Tavares de vasconcellos.Mandou-se a
novo jury, unnimemente.
Do CmaraAppellante Maria de Barros e
Silva, apellada a justica. Relator o Sr. dts-
embaryador Tavare< de Vasconcellos.-Man-
dou-i' a novo jury, unnimemente.
Appellaces commerciaes
De, Serinluem *Appellante Dr. Aristarcuo
Xavier Lopes, appellado Manoel Peres Campello
Jacome da Gama. Relator o Sr. desembarga-
dor Buarque Lima. Revisores os Srs. desem-
bargadores Delfmo Cavalcante e Pires Ferreira.
Conrmou se a sentenca, contra o voto do Sr.
desembargador relator
De Caraaragibe -Appellante Dr. Elysio Firmo
Martins. apellado Manoel Heleno Rodrigues dos
Santos. Relator o Sr. desembarsador Tavares
de Vasconcellos. Revisores os Srs. desembar-
gadores Buarque Lima e Toscano Barreto.-
Contirmou-se a sentenca, contra o voto do Sr.
desembargador Buarque Lima.
De CaraaragibeAppellante Rogerio Jos de
Sant'Anna. appellados Tavares de Mello Genro
t C. Relator o Sr. desembargador Tavares de
Vasconcellos. Revisores os Srs. desembargado-
res Buarque Lima e Toscano Barreto. Confir-
mou-se a sentenca, unnimemente.
Appellaces civeis
Do Recife xppellante Luiz de Paula Lopes,
appellada D. Clara Argemira da Costa Braga.
Relator o Sr. desembargador Pires Ferreira.
Revisores os Srs. desembargadores Buarque Li-
ma e Dellino Cavalcante. Foram desprezados
os embargos, unnimemente.
Do Recife -Appellante o cnsul de Portugal,
appellado o juizo. Relator o Sr. desembarga-
dor Tavares de Vasconcellos. Revisores os Srs
desembargadores Buarque Lima e Toscano Bar-
reto. Confirmou-se a sentenca, unnimemente.
De Pao dAlho-Appellante Ignacio Leopoldo
de Alouquerque Maranhao, appellado Jos de
Oliveira astro. Relator o Sr. desembargador
Tavares de Vasconcellos. Revisores os Srs. des-
embargado-es Buarque Lima e Dellino Caval-
cante. -Nao se tomou conlieciinento, unnime-
mente.
PASSAGEN8
Do Sr. desembargador Buarque Lima ao Sr.
desembargador Toscano Barrete :
Revista civel
De Belem -Recorrente Fausto Pinto Guima-
res dos Santos, recorrido Antonio Joaquim
Rodrigues dos Santos.
Do Sr. desembargador Pires JFerreira ao Sr.
desembargador Monteiro de Andrade :
Appellaces crimes
Da VictoriaAppellante Francisco Alexandre
de Souza, appellada a justica.
DnFIoresta -Appellante o juizo, appellado
Juvenal Gomes de Maraes.
Do Sr. desembargador Monteiro de Andrade
ao Sr. desembargador Alves Ribeiro :
Appellaces crimes
De Iguarass Aipellante Herculano Pereira
Das, appellada a justica.
Do Brejo Appe.lante o promotor publico,
appellado Antonio Feliciano de Mello.
?' Do Sr. desembargador Tavares de Vasconcel-
los ao Sailesembargador Oliveira Andrade :
Wf Appellaco crime
Defl*naiieu;i.- Appellante Flix Accioli Lins,
appada a justica. .
Do Sr. desembargador Oliveira Andrade ao
Sr. desembagador Silva Reg :
Appellages crimes
Appeffcnte o juizo, appellado Antonio Maria-
no da silva. .
Appeiknte o juizo., appellado Antonio Mana
Appwlwite Jos Ferreira da Silva, appellada
a jusilla.
DILIGENCIAS
Com vala ae Sr. desembargador promotor da
justica :
De Afoa do Monteiro-Appellante o promo-
tor publico, appellado Vicente Ferreira Lima.
De Agua PretaAppellante o promotor pu-
blico, appellados Jos Caetano Moreira e outro.
De i ampina GrandeAppellante Joo Jos de
Maria, appellado Silvino Marcolino de Oliveira.
Com v ista s partes :
Appellaco civel
Da Escada-Appellante Deodato Luiz Francis-
co Monteiro, appellado Jos Fernandes da Silva
Pottc.
DI8TRIBICOE8
Recurajs crimes
ao Sr. desembargador Buarque Lima :
Do Recite Recorrente o juizo, recorrido
__ Joaquim de Oliveira Costa.
Ao Sr. deserabargador Toscano Barreto :
De Campia Grande -Recorrente o juizo,
corridos o bacharel Alfredo Dcodado de Andra-
de Espinla e Probo da Silva Cmara.
Ao Sr. desembargador Delfmo Cavalcante :
De Campia Grande-Recorrente o juizo. re-
corrido o bacharel Alfredo Deodato de Andrade
Espinla.
Aggravo de instrumente
Ao Sr. desembargador Alves Ribeiro :
De Goyanna -Aggravante Joo Barboza Cor-
deiro, aggiavado Ladislao Cabral de Albuquer
que.
Aggravos de petico
Ao Sr. desembargador Toscano Barreto :
Do Recife-Aggravantes Cramer Frey 4 C,
aggravado o juizo do commercio.
Ao Sr. desembargador Dellino Cavalcante :
Do ReciftAggravante Jos Soares .do Ama
ral. aggravado o juizo do civel.
Ao Sr. desembargador Pires Ferreira :
Do Recife -Angravante Alfredo Baptista de'
Si, aggravados Seixa- 4 lrmo.
^^Hr. desembargador Monteiro de Andrade :
Do Recife-Aggravantes freir Penna C,
Stfgravado Carlos de Arruda 4 C.
Anpellaces crimes
Sr. desembargador Pires Ferreira :
Do Recife Apoellante o j izo, appellado
rancisco de Hollanda Cavalcante.
'-embarcador Monteiro de Andrade:
Appellautes Manoel de Oliveira
Mello e oniro, appellada a justica.
Ao Sr !-'seinbargador Alves Ribeiro :
Do Brejo Appellante o juizo, appellado An-
tonio Barboza dos Santos.
Ao Sr. desembargador Tavares de Vascon
cellos :
De VtaliiaAnpellante Manoel Antonio Ca-
pellada a justica.
nbargidor Oliveira Andrade :
fiantes Porcino Manoel dos
: o, a*ppellada a justica.
ibargador Silva Re.
mo Felippe
.m--appellante o juizo, appellado
Appellaco civel
Ao Sr. desemba gador Toscano Barreto :
De S. MiguelA ppellantes e appellados con
juntamente Felipjw Augusto Ribeiro de Brito e
Joaquim Diogenes 'ilgueira.
Appellaco commercial
Ao Sr. desembar^ader Dellino Cavalcante :
Da Escada Ap filante Jos Fernandes da
Silva Porto, appelrtilo Deodato Luiz Francisco
Monteiro.
Encerrou-se a ses sao 1 hora e 45 minutos
da tarde.
Ma
re-
v.ilca:
O Sr. depiita'do Joo Alves
O Sr. Joo Alves em artigo publicado no Jor-
nal do Recife de 19 do corrente veio protestando
contra a incluso :o seu nome na lista dos de-
fensores do celebre contracto de carnes verdes,
publicado no Diario de 21 de Dezembro do anno
lindo e declarou eme na tnbuna nnpugnou o
contracto, adraittindo-o somente no caso de ser
aceita a modificaco por elle proposta e que con-
sista na taxaco to preco do gado em pe as
feiras e as fazenda-.
Foi inteiramente del o commentario; o que
nao fiel, a declanicao do Sr. deputado.
No dia 18 de Dezembro quando, com turpix-za
e tumultuarmnente loi po3to votos o projecto
de carnes verdee, convertido em emenda ao or-
camento municipal, -oh n. 4S, o Sr. J. Alves vo-
tou aborlamentc por elle sob pretexto de que a
sua tmtnda viria dspois modifcalo. Nto foi
publico, anexar de haver sido negada a vatarao
nomiiuU eom o voto dj Sr. J. Alves.
Em seguida posta votos a decantada emenda,
licou empatada. U teto condicional do Sr. depu-
tado contra o contracto era urna htuiiu, e ca-
paz de engaar yianctt!
Desde que a sua saltadora emenda tinha de ser
votada depois, ella na la salvara, mesnio no caso
de ser tomada a serio; porquanto, ou o pro-
jecto seria approvado, tal qual ra redigido e
entao os seus defensores, que tinham conse-
guido materia de votos para a sua approvacao,
nao seriara to nescics que consentissem na sua
inutilisago; ou seri. rejeitado e entao ficaria
prejudicada a entend salvadora.
Em qualquer dos casos a decantada modifica-
cao era urna blela Foi urna emenda salvadora
de diffkuldades!
A' ser seria a emenda, devera o seu autor ter
requerido e se esforcado aflm de que ella fosse
votada antes do projeoto : porque so assim icria
o Sr. deputado occasio de votar depois contra
elle, caso fosse rejeitada a sua emenda.'
E a prova de que lido nao passou de urna co-
media foi que no dia seguinte, sabendo o Sr. J.
Alves que tinha de ser novamente submettida a
votacao a sua filha e que a vida d'esta dependa
de um voto, nao compireceu a sessao, isto s
compareceu depois que ella havia sido ilumi-
nada.
O que sigmGcou Isto ?
Pois o autor de urna ideia, apresentada como
medida salvadora, pela approvacao da qual mos-
trava-se empenhado, no momento decisivo, aban-
dona-a cruelmente, quando tal vez o seu voto
viesse fazel-a triumphar ?
Se o Sr. deputado s admittia o contracto com
a sua modificacao. porque razao votou por elle
sem a modificacao e fugio depois, quando se ia
decidir do destio da mesma ?
Porque razao nao compareceu na hora oppor-
tuna. elle que era to assiduo em comparecer
pora fazer casa f
>> Sr. deputado foi ate um pai desnaturado!
Nao s foi um dos "defensores do contracto,
como o maior inimigo que teve a sua indUosa
filhinha !
Franqueza; a tal emenda foi urna cousa para
inglez ver isto o seu districto e um meio com-
modo de sakirse bem da embrulluuta I
O invento do r. deputado foi infeliz e a sua
fine mi i um disparate, urna coma de costas cima
completamente upraticavel!
O Sr. J. Alves nao votou somente a favor do
contracto e contra a sua emenda; votou contra
tudo qianto foi apresentado no sentido de neu-
tralisar, difficultar e embarecar a passasem do
contracto.
Esta que a verdade que nao pode ser con-
testada ; o mais nao passa de subterfugio e des-
culpas Eleitor do sertao l cousa que se leve
em linha de conta! i romette-se, falta-se e de-
pois enfeita-se desculpas e est tudo prompto : na
futura eleico venham os votinhdk.. basta ter o
Tejo ao lado- e najara contractos t '
Recife-1889.
Um eleitor. J
Verlsslaio B. de Nouza ao pu-
blico
Desejando levar prxima exposijo univer-
sal o navio que estoO construindo pelo systema
de minlia invenc&o icompresso do ar, e vendo
que nao bastara para isso os esforgos dos 300 ar-
tistas que conta a Empreza Minerva da qua| sou
gerente, venho pedir pela imprensa o auxilio de
todos o? peruambucaiios que se interessam pelo
engrandecimento de sua provincia e em geral o
de todos aquelles que desejam veraclasse arts-
tica salar do abatimento em que jaz.
* proveito o ensejo para testemunhar o meu
reconhecimento aos semntes portuguezes : An-
tonio Jos de Paria, Bento Correia de Miranda,
Francisco Gomes do Val Quaresma, Maximicno
Gomes do Val Quaresma, Antonio Martins de Cas-
tro, Joaquim Pereira da Silva. Agostinho Mos-
queiro e Antonio Pereira da Silva, os. quaes se
dignaram fornecer-me no Rio-Grande Bo Sul os
meios de que pre.'isava para realisar as minhas
primeiras experiencias. A estes senhores que
empenharam os maiores e^forcos com o fim de
dissipar as grandes difficuldades que sciem assis-
tir s experiencias que preceden] s grandes m-
vencoes, confesso-me eternamente grato.
Recife, 5 de Fevereiro de 1889.
Versimo Barbosa de Souza.
UMA tm N0TAV6L
Nao fazemos commentanos, sobre o que se vae 1er, porque a verdade nao ca-
rece de apanagios de palavras, para que brilne radiante. Limitamo-nos a transcrever
o seguinte attestado que, por si, falla mais alto do que tudo quande poderiamos dizer
sobre os predicados efficazes quo possue o Peltoral de CambarA.
Eis o attestado;
IUm. Sr. J. Alvares de Souza Soares.Pelotas.
Tendo em 1878 o meu filho adoptivo, Thomaz Lencina, sentado pra$a, e
estando em Porto-Alegre servindo no quartal-general, adquiri urna tosse impertinente
que nunca pode ser combatida pefo medico da enfermara; em vista disso foi enviado
para o Rio Pardo onde esteve em tratamento com o illustre medico militar, Dr. Me-
deiros, e all foi reconhecido achar-se effectado de urna turbeculoBe mito adiantada.
* Nao aproveitando nada com o tratamento, teve baixa do servigo e veio para
minlia casa em 1882. -
Empreguei todos os recursos para salval-o da morte.
Mdicos de Sant'Anna do Livramento, a quem consultei, declararam ser
caso perdido o intil qualquer tratamento, visto o estado adiantado da doenga; o Dr.
Fialho, porem, aconselhou-me o Peitoral de Cambar de V. S., talvez nicamente
para satisfazer-me, e foi com este preparado que o meu filho se curou!
O tratamento n3o foi longo, ^s melhoras foram gradualmente augmentando ;
mas, medida que ellas progrediam, os meus cuidados redobraram, pois todos sabemj
como alguns doontes n'estas condigSes tornam-se mais insoffridos e descuidados do seu
estado, com o apparecimento das primeiras melhoras.
Por isso, propositalmente, briguei-o a continuar, por algum tempo, no uso
do seu preparado, guardando um rgimen conveniente, e dentro era pouco, meu filho
tornou-se forte, vigoroso, complctaraOTte restabelecido !
t Entendendo que este facto nao deve ficar ignorado pejos que soffrem de tao
terrivel enferiMafle, pego-lhe para publical-o, tendo era vista levar urna esperanca ao
coraco de tantos enfermos desanimados.
t Acceite os protestos da maior gratidSoDo V. etc. Vtenle Simes Filho.
(Dous Serritos em Sarandy, Rio Grande do Sul.)
A 2^500 o frasco, vendido este remedio em casa dos agentes Francisco
Manoel da Silva & C. e em muitas outras pharmacias e drogaras d'esta capital.
Aviso ao publico
Emquanto durar a Exposico Universal de
1889, os nossos tenores que se acharem em Paf e que desejarem receber quaesquer noticias da
trra, podero 1er os nmeros mais recentes do
uosso jornal no egeriptorio dos nossos corres-
Cjndentes, os Srs. An-.de Prince 4 C, 36, ra
afayette, em Paris.
Os nossos patricios podero receber a sua cor-
respondencia, peridicos, etc. etc., em casa dos
Srs. Amde Prince 4 C.
Outrosim, os mesuras Srs. Amde Prince 4 C,
negociantes-commissarios pem a sua casa de
compras s ordena de qualquer pessoa que dese-
jar ter urnas informaces, ou utilisar seu inter-
medio
Programma
DA FE8TA DE SANTO AMASO EM JAUOATAO
Ao araanhecer do dia 10 do corrente urna salva
de morteiros despertar a populago e a msica
saudar com a executfio de bellissimos trechos
do seu repertorio ao dvorecer do diada festa do
Glorioso Padroero Santo Amaro.
A"8 11 1 2^ ap3 fnumeras girndolas, tan
cantada a missa solean, seguida de urna das
mais bellas inapirac&s do apreciado orador sa-
cro commendaaor Manoel Moreira da Gama.
As5 horas da tarde subir a procisso que
com toda pompa pereorrer a maior parte da
cidade. c
i' noite queimar-ae-hao dous lindos togosde
artificio, havendo sido um delles offerecido por
um honrado negociante da capital, que o man-
dn vir da Europa, expressamente pura esse flm.
faboato, 5 de Fevereiro de .889.
Advogadb
O bacharel Jaronymc Materno Pereira ae Car-
valho mudou seu escnj'tono do n. 55 para o n.
85 a ruaj)nque de Ca i is entrada pelo becco d
Congregagao.
Aviso

i a to-
ita, ad-
N. 242
Marea registrada
Santos 4 C, de cuja firma nico represen-
tante Manoel Luiz de Santos Jnior, domiciliado
nesta cidade do Recife e establecido ao Arco da
Conceigo ns. 4 e 6 com casa de commercio de
cigarros, submetteu a registro na meretissima
junta commercial a marca e involucro de urna
qualidade de cigarros de seu commercio, os
quaes sao da seguinte forma; a marca se coin-
poe de um parallelogrammo fechado por linhas
pretas e frisos araarellos, tendo no centro um
circulo aberto no lado superior e dentro dellcum
barrete phrygio encarnado e diversas figuras.
N parte superior do circulo se leem as se-
guintes palavras:
Fabrica Veneza. Arco da Cbnceo 4 e 6.
Pernambuco, telephone 321.
No lado di re tu est o emblema do commercio
e no esquerdo o da agricultura, sendo encarna-
das as letras da denominadlo Fabrica Vene
za.
Na parte inferior do circulo encontram-se em
fundo braoco as palavras Iodemnisaco ou Re-
publica em letras azues escuras.
No lado direito da parte inferior se leem as pa-
lavras Santos a C, em Berlim, 1886, e copia da
medalha obtida.
No lado esquerdo da parte inferior Santos
4 C. Premiado na Exposico, e juntamente o
fac simile da alludida medalha.
0 involucro quadrilougo, que serve para en-
volver os cigarros, reproduz os mesmos dizercs
e figuras, somente com a differenga que neste
nao se encontrara as cores verde e amarella da
marca, quer as medalhas, quer as figuras do
centro e emblemas do commercio e agricultura;
e todo o papel desse involucro pardo.
Eslava urna estampilha de 200 ris i.ratilisada
com a data e asignatura seguintes : Recife, 21
de Janeiro de 1889. Santos 4 C.
Reconheeo verdadeira a assignatura supra.
Recife, 21 de Janeiro de 1889. Em testemu-
nho de verdade, signal publico, o tabellio pu-
blico Jos Bonifacio dos Santos Mergulho.
Marca registrada n. 242.
Esteva sellado o 2 exemplar da marca com
201 ris, inutilisada a estampilha da maneira se-
guinte : Recebedona geral, 21 de Janeiro de
IQ89.Ulysses Albuquerane.
Certifico que foi apresentada na secretaria da
Junta ommercial do Recife s 11 horas e meia
ad manila do dia 21 de Janeiro de 1889. Escrevi
e assigoo. Em f de verdade. O secretario, Ju-
lio Aagusto da Cunlia Guimaraes.
Certifico que foi registrada sob o n. 242 em
virtude do despacho da meretissima Junta Com-
mercial em sesso de hoje.
Pagou 14 de um parecer fiscal.
Escrevi e assigno. Em f de ferdade.
Estavam estampilhas no valor de 6300 de
sello addicional inutilisadas com a data e as-
signatura seguintes : Secretaria da Junta Com-
mercial do Recife, 31 de Janeiro de 1889. 0 se-
cretario, Julio Auyusto d>i Cunta fuimaraes.
Eslava o grande sello da Junta Commercial em
alto relevo.
------------------------------
OperaQoes de cataractas
Foram pelo Dr. Correia de Bittencourt nestes
ltimos dias feitas operacOes de cataractas as
seguintes pessoas:
D. Anna Rosa de Carvalho Reis, de 63 annos,
residente no Alto-Mearim, completamente cga
ha mais de 4 annos de cataracta senil.
Capitn Vicente Borges de V. Duarte, da capi-
tal, completamente cgo do olho direito, de ca-
taracta senil.
Alexaudrino de Senna Pereira, da capital,
completamente cgo do olho direito ha tres an-
nos.
Vasco da Gama e Souza, da capital, comple-
tamente cgo de ambos os olhos cataracta se-
nil.
Manoel da Fonseca Lima, do Itapecuru, com-
pletamente cgo de ambos os olhos, cataracta
morganiana.
D. Rita Helena de Souza, da capital, comple-
tamente cga ha 5 aunos, cataracta senil.
Manoel Francisco de Moura, do Codo, cgo ha
3 annos do olho direito e ha 15 do esquerdo, ca-
taracta molle.
Ludgero Mariano de Andrade, de Macap, c-
go ha alguns annos, cataracta secundaria do
olho direito, (iri capsulatomia).
D. Anna Anglica de Carvalho, cga ha 8 an-
nos, cataraeta senil.
Frannisco Jacintho de Souza, de Pindar, com-
pletammente cgo ha 16 annos
Todas estas operacOes foram seguidas de fe-
liz xito e os pacientes ja esto restabelecidos.
Alm deatas foram tarabem feitas nestes lti-
mos dias muitas outras de irdeclomia, pupilla
artificial, estrabismo, etc.,todas com muitobom
resultado.
(Do edictonal do Diario do Maranliao.
N. 1
Ultima ii-<-oh-i-ia le una Mani
XTBACTO l>l I'LO DE AVE1.LK1BA MGICA (WitCh
llazel) do dr. c. c. bristol
O autor deste novo e maravilhoso remedio, o
Dr. C. C. Bristol, cujo nome conhecido em am-
bos os hemispherios. de un a outro extremo do
planeta, como autor das celebres Salsaparrilha c
Pimas de Bristol, s quaes tantos devem a sau-
de e a vida, em todos os climas do globo; o sa-
bio medico, chimico e naturalista, occupadbsem-
pre em novas descobertas medico-botnicas, de-
pois de intelligentes e repetidos ensates, veio a
achar-se possuidor de utr.a nova e admiravel
combinago curativa, baseada as maravflhosaa
virtudes da planta americana conher.ida hoje ns
sciencia sob a classificaco botnica de Hamame-
lis Virginica. planta indgena da America Septen-
trional e primitivamente empregada pelos indios
no curativo de toda noIestia de carcter infiam-
matorio, tanto interna como externa.
Acha-se venda em todas as boticas e lojas de
perfuii
_------------.-----------*.
Curso primario e preparato
Elixir depura-
tivo vegetal.
Formula de Angelino Jos
jdos Santos Andrade
Approvado pela Inspectorio Geral de Hy-
giene Publica do Rio de Janeiro em 20
de Julho de 1887.
Este depurativo de grande efficacia uas mo-
lestias syphi I i ticas e impureza do sangue ; assim
cono em todas as molestias das sennoras.
Tem curado radicalmente muitas pessoas ac-
commettidas da terrivel molestia beriben.
MODO DE USAR
Os adultos tomaro quitro colheres das de
sopa pela manh e quatro noite. As criancas
de 1 a 5 annos tomaro urna colher pela manh
e outra noite, e os de 5 a 11 annos tomaro
duas comeres pela manh e duas noite. De-
vero tomar banlios fri ou momo pela manh e
noite. Resguardo regular.
Encontra-se venda na drogara dos Srs.
Francisco Manoel da Silva 4 C., ra do Mrquez de
Olinda n. 23 e pharmacia Oriental ra Estri-
la do Rosario n. 3.
O autor deste preparado poae ser procurado
na ra do Baro da Victoria n. 37, onde ser en-
contrado para dar toda e qualquer explicaco
que for precisa.
N. 40-
Sr. Angelino Jos dos Santos Andrade.Ami-
go e sentiorTe*do urna pessoa em minha casa
que ha muito tempo, ou por outra, cerca de
seis annos soffria de atiques histricos, pela fal
ta de menstruacSo ; soffria de floras brancas, e
oepois de ter sido receitada por diversos mdi-
cos, um dos quaes rae disse que ella acabara
assim, pelo grande fastio, que tinha mas em vis-
ta das grandes curas que sen Elixir Depurativo
tem feito (o que eu duvidava) resolvi-nie tan-
car mi delle e rom tanta felicidade de que o
resultado no se fez esperar muito.
Na primeira garrafa que principiou a tomar,
na primeira dose que lhe appliquei lhe deu um
ataque no qual fiquei assustado, porm, n2o des-
animei e continuei, e no dia segrate deu-lhe ou-
tro com o que fiquei descrente, mas fallando com
urna pessoa que j conhecia a efficacia do reme-
dio me disse ser a reaccto do mesmo remedio, o
que assim se veriflcou; nao obstante a doente
fazer toda a qualidade de extravagancias em co-
midas, como seja, camaro, carne de porco e
todas as comidas que levam coco ; no emtanto
hoje ja se aclia com tercas para o trabalho e li-
vre dos ataques e com disposicao para a comida.
Esta a pura verdade que lne posso afirmar
e por isso poder fazer o uzo desta que bem lhe
aprouver.
Recife, 4 de Agosto de 1885.
Antonio Ferreira Diniz.
N. 41
lllra. Sr. Angelino Jos dos Santos Andrade.
Amigo e senhorTendo soffrido a 6 mezes da
terrivel molestia escrophulas a qual me atormen-
ta va com dores agudissimas na cabeca, depois de
ter esgotado todos os recursos receitados por 3
mdicos, sem ao menos obter o menor lenitivo
aos meus softrimentos, a conselho de um amigo
recorr ao seu Elixir puritteador do sangue, com
tanta felicidade que somente urna garrafa me
restabeleceu, do que dou muitos louvores a Deus;
deslas poucas lionas que s dizem a verdade i'ar
V. S. o uso que lhe aprouver.
De V. S. respeitador e muito obrigado.
Recife, 13 de Marco de 1888.
Antonio Pacheco da Motta.
N. 42
IUm. Sr. Angelino Jos dos Santos Andrade.
Soffrendo por espaco de 8 mezes de um rheu-
matisrao agudo, proveniente de molestias reco-
lhidas, e nao sendo possivel encontrar remedio
algum para abrigo de minha saude, recorr ao
seu Elixir depurativo vegetal, que inmediata-
mente outive urna melbora espantosa resultan-
do muito apetite, corpo forte, finalmente hoje
acho-me restabelecido in tutiim : assim pois, poae
V. S. fazer uso deste attestado como lhe con-
vier.
Seu criado e obrigado
Recife, 29 de Dezembro de 1887.
Antonio Aquilino Campos.
(Estavam selladas e reconhecidas as firmas.)
(Contina).
Cura importante
Ao Exm. Sr. Dr* Carlos Bettenrourt
O abaixo assignado soffrendo de um
estreitamento da urethra ha mais de seis
annos, foi operado pelo Sr. Dr. Betten-
court pela electrolyse, sem ddr, e, gracas
sua habilidade e manejos delicados,
conseguio ficar bom e radicalmente cura-
do em poucos dias, andando sempre a
tratar de seus negocios, pois que o Sr.
Dr. Bettencourt opera sem levar o doente
cama.
Pede desculpa ao Sr. Dr. Bettencourt
se com esta sua publicacad offende a sua
modestia.
Goncalo leixeira Guimaraes.
Aviso
O abaixo assignado tendo deixado de
fazer parte da extincta firma Reis d Cou-
ceiro, tem a satisfacSo de participar ao
corpo commercial desta praca e a todos
os cavalheiros e Exmas. Sras., que sem-
pre o distinguiram com a sua protec5o e
amisade, que abrir brevemente ra do
Cabug n. 11, A, urna nova loja de joias,
onde expor o que no genero heuver de mais
moderno, de mais rico e de mais artstico
nos centros principaes da Europa, para
onde seguir em breve a escolher o seu
sortimento.
Emquanto nao vai fazer pessoalmente,
como julga-do seu dever, recebe desde j
para a Franca, Allemanha, Suissa e Por-
tugal as ordens dos cavalheiros e Exmas.
Sras, do seu conhecimento, que o quei-
ram honrar com as suas encommendas,
para qualquer d'aquelles paizes.
Faz ainda sciente que, para tudo
que for concemente a trabalho de ou-
rivesaria, pode desde j ser procurado
na loja indicada, aonde tem um habi-
lissimo artista europeu, que mandou vir
expressamente, e que trabalhou durante
muitos annos as acreditadissimas offici-
nas Leitlo & IrmSo, de Lisboa.
Nestas condicoes, e com a sua longa
pratica de ourives, acha se sufficientemente
habilitado a poder executar com prompti-
do e pericia qualquer encommenda, com
que o queiram honrar os seus amigos e
freguezes.
Antonio Augusto da Suva Reis.
MEDICO HOMEPATA
Dr. Balitar da Silveira
Especialidadefebres, molestias
das criancas, dos orgos respirato-
rios e das senhoras.
Presta-se rfqualquer chamado para
ora da capital.
AVISO
Todos os chamados devem ser di-
rigidos pharmacia do Dr. Sabino,
ra do Baro da Victoria n. 43,
onde se indicar sua residencia.
Cirurgio Dentista
DR. R01ERT P. RAWUNSON, for-
mado pela Univer8dade de Marvland nos
Estados-Unido, tem aberto o seu consul-
torio, na ra Barita do Victoria 19, Io an-
dar.
Consultas das 10 s 4 horas da tarde.
Oculista
Dr. Barreto Sampaio, medico,
oculista, ex-chefe de clnica do
Dr. de Wecker, d consultas de
meio dia s 3 horas da tarde, no
Io andar da casa n. 51 ra do
Baro da Victoria, excepto nos
domingos e dias santificados.
Residencia ra Sete de Setem-
bro n. 34. Entrada pela ra da
Saudade n. 25.
Clnica medico-cirurgica
Dr. Ferreira
OCULISTA
Pratico mos principaes hospitaes de Pariz
e Londres.
Consultas todos os dias (excepto domin-
gos) das 9 horas ao meio dia.
Pratica embalsamamentos.
Consultorio e residencia ra Larga do Ro-
sario n. 20
Telephone n. 233
SH"~-~ *"""-~n-~~^-~.^g
j| Bacharel Antonio Witru- )|
vio Pinto Bandeira
11 Pode ser procurado ra do Imperador <
\ I a. 71, Io andar |
Dr. Manoel do nascimento fa-
chado Portella Jnior
Escriptorio ra do Imperador n.
Io ANDAR
65
Oculista
Dr. J. Correia de Bittencourt, oculista
residente n corte, ex-chefe de clnica
ophthalmologica dos Drs. Wecher e Pa-
nas em Paris e do professor Hirschberg
em Berlim, tendo regressado de sua ex-
curso s provincias do norte, demora-se
alguns mezes nesta capital no exercicio de
sua especialidade.
Consistorio e residencia ra do Baro
da Victoria n. 23 1 andar. Entrada pela
Camboa do Carmo.
Consultas das 12 s 3 da tarde. Gratis
aos pobres.
Ra laurea
no
do BoMflArio
dar
n. I*. lan-
odia8
I
0 i
Camerino Sokrinho.
Dr. Alfredo Gaspar
MEDICO
Operador, partejro trata com especiali-
dade de molestias de 6enhoras e creanjas.
Consultorio e residencia ra da impe-
ratriz n 18, Io andar.
Consultas de 8 s 10 da manhS.
Chamados (por escripto) qualquer hora.
TELEPHONE N. 226
Frederico Chaves Jnior
Homoepatha
I'.UA BARAO DA VICTUKIA-
rrliini tro andar
Leonor Porto
Hun
*
Larga do Bosarlo n
2o andar
Contina a executar os mais dif"
ficis figurinos recebidos de Lon-
dres, Paris, Lisboa e Rio de Janeiro.
Prima em perieicao de costuras,
em brevidade, modicidade em pre-
sos e fino gosto.
Lyco TradeIphico
84 -DA DO HO^PIC10-54
A directoria>d estp estabelecimento deeducagao
coramunica aospaes de pas alumnas aue as au-
las comecaram a funecionar desde o da 15 do
andante.
Continua a receber alumnas internas, semi-in-
ternas e externas, parantindo que empn'^
mesmo pelo aprovciianieiito e bem es
alumnas.
Recife, 20 de Janeiro de 889.
A di
Francisca Teixtira de Mello.
Collegi* de S. Miguel
Ra do Vlsconde de Camaragi-
be o. &3
Aos rspeitaveis paes de familias parti-
cipa a directora deste novo estabelecimen-
to de instrueco para o sexo feminino,
3ue abrir as aulas no dia 14 de Janeiro
e 1889.
A mesma promette 'aos paes que lhe
confiarem suas filhas esforcar-se por lhe*
dar urna educaco primorosa, solida, reh-
giosa e domestica.
A tratar, do Io de Janeiro no proprio
estabelecii
noite.
ento, das 2 da tarde s 7 da
A directora,
Emilia A. de Mendonca
EDITAES
Inspectora eupecial da* Ierra e co-
lonlaacao de Pernambac*. em 99
de Janeiro de HH9.
Faz publico para conhecimento dos interessa-
dos, o edital abaixo transcripto, pelo qual se v"
achar-se esta inspectora autorisada a receber os
pedidos para introduccSo de immigrantes n'esta
provincia.
Inspectora geral das trras e colonisagao :
O inspector geral faz publico para conheci-
mento dos interessados, que d'ora em diante de-
vem ser dirigidos a esta inspectora geral ou a
inspectoras especiaes as provincias os pedidos
de immigrantes para o servico da lavoura, os
quaes compete-lhe satisfazer a propongo que fo-
rem chegando os immigrantes, conforme as pro-
videncias tomadas por S. Exc. o Sr. ministro da
agricultura.
Emeus pedidos devem os Srs. proprietarios
declarar, alm do numero, a nacionafidade dos
inmigrantes que preferem, as vantagens qu
lhes offerecem, a denominagao e o nome da lo-
calidade mais prxima para onde devem ser en-
viados.
F. de B. Accioli de Vasconcellos.
3a seceo.Secretaria da Presidencia
de Pernambuco, em 7 de Janeiro de 1889.
Fajo publico, de orden* do Exm. Sr.
Dr. presidente da provincia, que se acha
aberta a concurrencia para o emprestimo
externo de 8,600:000 (oito mil e seis-
centos contos de ris), autorisado pela lei
provincial n. 1,927 de 15 de Novembro
lindo, com o praso de quarenta e cinco
dias, a contar da data da primeira publi-
cajo do presente, para o recebimento
das respectivas propostas, que sero apre-
sentadas nesta secretaria, em cartas fecha-
das.
Estas sero abertas pelo mesmo Exm.
Sr. s 12 horas do dia, em que expirar o.
praso fixado, com os proponentes presentes
Nos termos da referida lei, o emprestimo
ser* de quantia que produsa a predita impor-
tancia de 8,600:000)5 (oito mil e seiscen-
tos contos de ris) liquida, a ser applicada
ao resgate da divida da provincia, funda-
da em apolices de juros annuaes de 7 0
(sete por cento), com excepeo aquellas
que tenham sido emittidas por empresta-
mos a companhias ou a particulares, como
auxilio agrcola ou industrial, bem como
para liquidaco dos exercicios de 1886 a
1887 e 1887 a 1888.
A taxa da emisso nao ser inferior a
92 (noventa e dous) livre de commisso
e o juro nao exceder de 5 "[ (cinco por
cento) alm da quota de amortisaco, que
nao ser superior a 1 t0 (um por cento),
sendo esta e aquelle sansfeitos semestral-
mente.
O secretario interino, Manoel Joaquim
Silveira.
DECLARACES
Veneravel irmandade do SS.
Sacramento da freguezia
de S. Jos
Em cumprimento a deliberaco da mesa rege-
dora convido a s nossos carssimos irmaos para
se reunirem em o nosso consistorio, s 6 horas
da tarde do dia 7 do corrente, aflm de tomar-se
conhecimento das demissOes pedidas por diver-
sos membros da mesma mesa e proceder-se a
eleico dos respeetivos substitutos.
Consistorio, em 4 de Fevereiro de 1889.
J. M. Ferreira Franca,
Escrivao interino.
Prazo de 30 dias
De ordem do Sr. Dr. inspector geral da uis-
trueco publica, fago saber s professoras remo-
vidas, por portara de 29 do corrente, Prescilla
Senhorraha Mendes de Albuquerque, da cadeira
mixta de Capociras, para a do s-xo feminino da
villa do Bonito, e Marisuna Teixeira da Costa
Coelho, da mixta de Camutanga para a de Mo-
cosinho, que lhes tica marcado o prazo de 30
dias para assumirem o exercicio de suas oras
cadeiras. *
Secretaria da inslrucgo publica de Penam-
buco, 31 de Janeiro de 1889. O secreterio,
t'ergentino S. de Araujo Galvao.
Prazo de 30 dias
AccesKO
De ordem do Sr. Dr. inspector geral da ins-
trueco publica, fajo saber a quem interes3ar
possa e se julgar com direito a accesso, que se
adiando-vafa desde o dia 28 de Janeiro findo a
cadeira de 2.' entrancia do sexo masculino da
freguezia do Poco da Panella, fica-Ihes marcado
o praio de 30 das, para na forma dos artigos
164 e 166 do regulamento vigente, apresentarem
nesta repartico os seus requer cuentos.
Secretaria da instrueco publica ue Pernam-'
buco, S de Fevereiro de 1889. 0 secretario,
Pergentino S. de Araujo Galvao.__
Recebedoria de Rendas In-
ternas Geraes
imposto de induntria* e profls*e
O administrador da Recebedoria de Rendas
Internas Geraes, faz publico que finda-se no dia
28 do corrente raez o pagamento livre de multa
do imposto de industrias e protisses relativo ao
1. semestre do exercicio eorrente de 1889, de-
pois do que ser cobrado com a multa de aez
por cento. '
Recebedoria, 5 de Fevereiro de 1889.
Alexandre e S. Pereira do Carmo.
Derby Club de Pernambuco
Sendo provavcl que aa aeces ns. 47 e 48 te-
nham sido entregues a algum dos senhores ac-
cionistas em lu?ar das que lhes compete, peco
a quem as tver que venha tracal- as nesta secre
tana. Recife, 5 de Fevereiro de 1889.
0 secretario,
. J. df Oliveira
Imperial sociedade des Ar-
tistas Mecha nicos eLi-
beraes
Aanembla eral
De ordem d lliin.
dos os seiihorc
sexta-fein 8 do
geral. a qunl

i
"


i

k


m
I
Diapio de Peroambuco---Qiprta-ferar 6 de Fevereiro de 1889
ISPPO&RIMTO
Dt
BELLAVISTA
SAO BENTO
INAUGURAglO
NO DA 10 DE FEVEREIRO
Este HIPPODROMO que sem presumpcao eremos ser o mais importante da
pMvincia, excepto os da capital, innugurar-se-ha no dia 10 do corrente. A inscrip-
cio de avultado numero de cavallos eacolhidos. por serem rej>utados como bons cor-
redores, faz-nos suppor serem os melhores das coudelaria* do paiz.
Convidamos aos Srs. socios e ao publico a virem assistir inauguracSo, que
ser intransferivel do dia cima referido.
Para que ao divertimento nio falte o confortavel, diversas negociantes da loca-
lidade tratam de installar um pequeo hotel que nao primar pelo luxo, mas se ex-
forcarSo pelo aceio e perfeito servico, encontrando-se nelle todas as qualidades de
bebidas para lanches, sendo sua localidade junto ao Hippodromo.
VENHAM AO BELLA-VISTA
' S. Bento, 26 de Janeiro de 1889.
, Alguns socios.
Associacao Medico-Pliarma-
ceutico Pernanibucano
De ordem do IUm. Sr. Dr. presidente, convido
aos Illms. Srs. raerabros desta associacao para
compareeerem na sede social no da 7 ao cor-
rente, a hora do costume, afim de se dar comeco
aos trabalhos da mesraa assoriaco no correte
aaoo.
Secretaria da Assoriaco M. P. Pernambucano,
em 5 de Fevereiro de 1889.
O t- secretario,
Dr. Jos de M. Curio.
Linha da T<
na na lorre
Em Magdalena
Ida
5.09
5.44
6.28
7 07
7.40
8.13
8.46
9.24
10.08
11.36
12.2
104
1.48
2.32
3-16
3.55
.4.28
S. 334
6-07
640
8.02
8.4(
9 30
10 14
Carros da linha da
Magdalena
5.39
6.23
. 707
7.40
8.i:;
8.46
9 19
10 03
11.31
1215
12.5!
1*43
2.27
311
355
4.28
5.01
534
6.07
&.40
7 57
8-41
925
10. <<9
Vulta
"5.21
6.01
6.45
7. i'.
7.57
8.30
9.03
9.41
10.25
11.53
12.37
121
2.05
2.49
a-33
412
4.45
5.18
5 51
624
6 57
8.19
9.03
9.47
10.31
Recebedoria Provincial
0 administrador da Recebedoria Provincial
em cumplimento da ordem do Illm. Sr. Dr. ins-
pector do Tnesouro, constante da portaria sob
n. 108 de 28 do corrente, faz publico para co-
nhecimento dos respectivos contribuintes que,
de accorclo com a lelaeo abaixo, dar-se-ha prin-
cipio nesla repartiqao, no espaco de 30 dias uteis,
contados de 4 de Fevereiro prximo a cobranca,
livre de multa, das annuidades e mais servicos
da Recife Drainage Company, relativa ao 2' se-
mestre do exerciri flndo de 1888.
Recebedoria Piovincial de Peruambuco, 30 de
Janeiro de lint.
Francisco Am-.nthas de Carvallio Moura.
Recife, 4 de Fevereiro de 1889.
Carlos Alberto de Uenezes.
_________Gerente.________
m
CAPITAL
Em accoes de
Estando tomado
wmm
8,000;000$000
200000
4,000:0005000
ste estabelecimento destinado a auxiliar e
desenvolver o crdito industrial e coUectivo
desta provincia; suas operacesabrangero to-
dos os ramos da actividade commercial e indus-
trial que offerecerem solida garanta.
A directora compor-se-ha dos senhores
Luiz Antone de Siqueira.
Jos Adolplio de Oveira Lima.
Antonio Pernandes Ribeiro.
Manoel Joo de Amorim.
Thomaz Comber
osanaes com o Exm. Sr. Visconde de P'fliei-
redo sao os incorporadores.
As entradas s cripcao; 5 \o quando fdr annuociada a assig-
naturados estatutos.
As subseauentes entradas nao podero ser
maiores de i$ "], com o iotervallo nunca menos
de 60 dias.
A subscripto et aberta para todas as es-
soas que dasajarem tomar parta ufcsta impor-
tante nsttuicSo, no escripterio dos Srs. Amo-
rim.Irjnaos &. C, ou no Banco Internacional, a
onlr do dia 7 de Janeiro inclusive.
Tteipanhia Saata fiereza
Asna em Olinda
Segundo o 6 do artigo 9 do Regula
meato da companhia,, o pagamento da im
portancia da penna d'agua fornecida em
cada soez, se far na primeira quizena do
mez seguinte, e, na falta de pagamento po
der4,a companhia tnterromper o suppn-
mento d'agua.
A gerencia faca cumprir restrictamente
C8^,nr%, n2o a4mjttindo escepcao.
parlatorio da companhia, 5 de Outu-
bro^e,1888.
A. Preir Simoes.
Hrlnrao a qw se refere o edital mpra
Freyuezia do Recife
Ras :Mrquez de Olinda, Bom Jess, Alva-
res Cabral, Commercio, Bispo Sardinha, Torres,
Thom de Souza, D. Mara de Souza. Vicario Te-
norio, Barreto de Mcnezes, Mariz e Barros, Bur-
gos. Amorim. Moeda, Tuyuty, Companhia Per-
nambucana. Madre de Deus. Domingos Jos Mar-
tin-. Mscate. Restauracao, D. Maria Cesar, Vis-
conde de Itaparica, Pharol, Areal, S. Jorge, Vi-
tal ae Oveira, Guararapes e Baro do Triura-
pho.
Pracas :Assemblca, Chaco e Podro 1.
Travessas :~-Vigario Madre de Deus, Cum-
pello, Homingos Jos Martins, Corpo Santo, An-
tigo Porto, Bom Jess, Apollo, Areal, Para a
Fundicao, Oceidente, Guararapes e Praca Pe-
dro I.
Laraos : Alfandega. Corpo Santo e Assem-
bla. "
Beccos :Abreu, floren ha, Larga* Pindoba,
Tapado e Paschoal.
Caes : Companhw, Brum e Apollo.
Freguezia de Santo Antonio
Ras :Imperador, lYirneiro dt Marco, Duque
de Casias, Cabug, Baro da" Victoria, Tiinchei-
ras. LararigeirsvLaiga do Rosario, Estreita do
Rosario, Francisco Jaciatho, Joo do Reg, liba
do Carvallio, Conselheiro Piretti, Netto de Men-
doncj, Major Agostinho Bezerra, Vinte e Oito de
Setenjbro. Santo Amaro, Pedro Ivo, Mathias de
Albuquerque, Paz, Paulino Cmara, Fogo, Livra-
meuto. Penha, Viscoaric de Inhanma, Pedro Af-
fonso. Nova da Praia, Marrillo Dias, Henrique
Dias, lernas Valentinas. Coronel Suassuna, San-
ta Thereza,,Vinte e0uatro de Maio. Palma. Mar-
que/, do Herval Cadeia Nova e Barao de Villa
Bella
Largos :Paraso, Carmo, Penha, S. Pedro e
Prace.
Travessas : Queimado, Cruzes, Mrquez do
Recife. Bella, Calabouco, Matriz. Flores, Carmo,
Bomba, Livramento, Arsenal, 1* e 2* da Praia,
Carcereiro, S. ledro, Yiraco, Lobato, Falcao,
Pocinho e Concordia
Beccos :Bella, Qalabouco, Matriz, 1, 2 e 39
da Cambqa Falcfco, 1 e 2 da Cadeia Nova
Praga .Pedro II.
Caes :Vinte e Dous de Novembro.
Campo :Prinecia
Freguizia de S. Jos
Ras : Marcio Das, Lomas Valentinas, Co-
ronel Suassuna, S.Joao, Felippe CamarSo. Mr-
quez do Herval, Vinte e Quatro de Maio, Dias
i ardoso, Passo da Patria, Padre Nobrega, Victo-
ria, Cadeia Nova, Vidal de Negreiros, Frei Hen-
rique, Dique. AssumpcJo, Domingos Theotonio,
Padre Ftoriano, CnnstoYao Colombo, Jarditn.
Forte. Antonio Henriqge, Nogueira, Santa Ceci-
lia, Santa Rita, l'adre Muniz. Praia de Santa Ri-
ta, S. Jos, Pescadores, Praia do Forte, Ypiran-
ga, Imperial e Luiz de Mendonca.
Travessas :Martyrips, Ramos, Pocinho, Cal-
deireiro. Gaz. Matriz, Forte, Prata, Serigado, Co-
nares Nova d\?antaRita. Praia do Forte, S.
os,Peixoto eLima.
Beccos :-Palma. Cakleireiro, Gaz, Assump-
go, Nova de Santa Hita e Matriz.
Largos : Forte c Mercado.
Freguezi da Boa-Vista
Ras :Imperatriz, Gonceicao, Visconde de
Pelotas, Tatobi, Visconde de Albuquerque, Au-
rora. Capibaribe, Ponte Velha, Conde da Boa-
Vista, Riachuello, Ui^ao, Saudade, Sete de Se-
tembro. Visconde de Camaragibe, Camarao, Bo-
sario, Gervasio Pire, Dr. Villas-Boas. Socego,
Principe, Sania Cruz, S. Goncalo, Coelhos, Hos-
pital Pedro II, General Sera, Coronel Lamenha,
Conselneiro Asruiar, Lo Coroado. Barao de >.
Borja, Mues Machado. Visconde de Goyanna e
Attraccao
Travessas :Gerv^fio Pires. Atalho, Coelhos,
Barreiras, Veras, Qoiabu, Joo Francisco, Man-
gseira, Campia e Ptlacio do Rispo.
Largo : Campia. ,
. Beccos S. Goncalo e Coelhos.
Pracas :-Conde u'Eu e Saata Cruz.
Juizode direit) da-provedo-J
ria de apellas e Residuos
De ordem do llim. Sr. Dr. juB de dito pro-
vedor^e capeilas e residuos Francisco Domn
cues Rlbiro Vianna, faco puhlico que as au-
diencias deste iuizo contmnam a ser as quar-
tas-feirasa* H Boras'^lo dia, no lugar do cos-
tume ; hem como que o mesmo Dr. juiz de di-
reito reside ra viseonde do RioBrancon-J
127. e despacha das 10 horas da manha as 2 da
tarde, a ra do Imperador n. 59.
Recife, 1 de Fevereiro de 1889.
O 1 escrivao,
Luiz da Veiga Pessoa.
Recife Drainage
A companliia faz publico, para conhecimento
dos interessados, quecollocou no mez de Janeiro
prximo passado, os apparelhos abaixo decla-
rados :
Recife
Ra Mrquez de Olinda n. 57, apparelho n.
8,066, loja.
Santo Antonio
Ra da Roda n. 62, apparelho n. 5,719, casa
terrea.
Praca da Independencia n. 10, apparelho n.
5,720, casa terrea.
dem dem n. 30, apparelho n. 5,721, casa
terrea.
S. Jos
Ra Dias Cardoso n. 39, apparelho n. 5,722,
casa terrea.
Boa-Vista
Ra do Socego n. 47, apparelho n. 10,990,
quadro.
Recife, 9 de Fevereiro de 1889.
J. F. Mackintosh,
Gerente.
Secretaria da Instrucc.ao Pu-
blica, 26 de Janeiro de
1889.
Faco saber a quem interessar possa, de ordem
do S. Dr. inspector geral da inctrucgSo publica,
que podem ser procuradas nesta reparticao as
cadtrnetas da Caixa Econmica Escolar da 3*
eadeira do sexo masculino da freguezia de San-
to Antonio, recolhidas pelo ex-professor Fran-
cisco da Silva Miranda, constantes da relago
infra.
RelacSo das cacernetas da Caixa Econmica Es-
colar da 3* eadeira do sexo masculino da fre-
guezia de Santo Antonio, aiudn nao reclama-
das. .
Fraafies
1879 N. 2.021 Joo Gomes Pe-
reira da Silva, folhas 38 15000
N. 3774 Manoel Pedro
Alexandrino de Lima,
dita 68 100 1J000
1880 N. 2.011 JoSo Baptista
Lopes de Castro, dita 48 3*000
N. 2012. Alfredo Proco-
pio Lopes de castro, dita
49 3*009
N. 2.084 Theotonio Agri-
pino dos Santos, dita 10 160 10AO00
N. 3.516 Gustavo de Sou-
za Lopes, dita 17 600 5*01)0
N. 3.517 Joao de Souza
Lopes, dita 18 600 55000
N. 3.510 Martiniano Joa-
quim de Mello, dita 21 520
N. 3-805 Joo Silverioda
Costa Oliveira, d ita 30
N. 4.6:18 Manoel Soares
Monteiro, dita 45 400 25000
N. 4-640 Lupicinio Fer-
nando da Silva, dita 47 100 15000
1882 N. 5.021 Victorino Duar-
te Pereira Lima, dita 8 95000
N. 2.388 Capitulino Tho-
m Baptista, dita 16 140 175000
N. 4.641 Manoel Candido
Ferreira da Silva, dita 19
N. 4.647 Al ex andrino
Tavares, dita 20 500
N. 5-029 Arthur Ferreira
Soares, dita 34 740
N. 5.311 Raymuado Al-
ves de Souza, dita 42 560 35000
1883 N. 5.312 Luiz de Franca
Soares (ou Souza.) dita
31 114000
N...6.183 Alvaro de Oli-
veira Colas, dita 37 840 23000
N. 4.642 Joo dos Santos
Pereira Braga, dita 57 309 14000
N. 6.371 Joaquim de Sou-
za Pinto, dia 12 44000
N. 5.616 Manoel Silverio
de Miranda, dita 20 630 4000
N. 7.145 Amaro Joo de.
Alencar. dita 37 500 64000
N. 8.196 Rosa de Lima
dos Passos Barbosa.Jdit
\i 400 15000
N. -5.618 Carlos Henrique
Soares, dita 41 800 34O00
N. 5-975 Alfonso Dantas
Te^eira, dita 36 700 44000
s
United States and Brazi]
M.S.S.C.J.
0*apar Allian?a
Baha, Rio
E' esperado dos portos do
norte at o dia 8 de Feve-
reiro o. qual depois da de-
mora necessaria seguir
para a
de Janeiro e Santos
Para carga, passagens, encoramendas e di-
nheiro a frete : trata-se com os AGENTES.
Henry Forster & C.
ofua do Commercio8
1* andar
CHARGEURS REUNS
Franeeza
a vapor
o Havre, Lisboa,
Rio de Janeiro e
1881
104000
164000
114000
74000
14000
(onipanhia
DE
IVavegacio
Linha quinzenal entre
Pernambuco, Baha,
Santos.
O vapor
Ville doCear
Commandante Lainey
Espera-se dos portos do sul no
dia 10 do corrente, seguindo
depois da indispensavel demora
para o Havre tocando em
l.inbon.
Entrar no porto
Conduz medico a bordo, de marcha rpida
e offerece excellentes commodos e ptimo pas-
sadio.
As passagens poderao ser tomadas de ante-
mo.
Recebe carga, encommendas e passageiros
para os quaes tem excellentes accommodagOes.
Para carga, passagens, encommendas e di-
nheiro a frete : trata-se cora o AGENTE.
O VAPOR
Ville dePernambuco
Commandante Sebire
E'esperado da Europa at o dia 8
de Fevereiro. seguindo depois da in-
dispensavel demora para a
Bahia, Rio de Janeiro e Santos
Roga-se aos Srs. importadores de carga pelos
vapores desta linha, queiram apresentar dentro
de 6 dias a contar do da descarga das ajvarengas
qualquer reclamaco concercentea volumes que
porventura tenham seguido para os portos do
sul atim de se poder dar a tempo as provi-
dencias necessarias. *
Expirado o referido prazo a companhia nao se
responsanilisa por extravos.
Para carga, passagens, encommendas e di-
nheiro a frete : trata-se com o
AGENTE
Adguste Labille
9-RA DO COMMERCIO -9
Rojal Mail Steam Packet
Companhia
O vapor Neva
Commandante G. M. Hicks
1881
L>?3
84700
Recife, 21 de Janeiro de 1889.
Francisco da Sikw Mirando.
devida-
Ciompanhia Alagoana de
Fia rgasidamos aos senhores ?i|!)soriptore& desta
(om^Juapaia, de aecordo com os arts. 9 e 10
dosSutato.-. at o dia 12 de Fevereiro prximo
utme realiarem sua terceim entrada na razao
de lpor cento do *aor de suas aeces no Ban-
ijo .Intomacional em Peraambuco. Macei. 12
dejSso*el889
Os directores,
Jos Teixeira Machado
Jos Jannario P. de Carva
Propicio r'ed to_____
"SANTA CASA
1'tM.lH PAR V A MI. % It
Rn dalloeda n. 49, armazem 2404600
dem ) 27, loa 2404000
dem dem n. 22, 3. andar 804000
Iden 5,l." andar 360/000
dem do Rispo SardiBha n. 3, 1' i i~
aoaree e sotio X40OO
Ideaii Boa. 13, 3" andar IMMPOO
Idt m do Marrn..^ de Oliida, sobrado
u. iiatt
dem do Bom Jesns n. 13, 1 andar 2404O90
Bec) das Boia- o. 14, loja l.'e 2. an- iaanM
(brea 4804000
Thesoraria de Fazenda
De orenj do lljjn- Sr inspector, fago publico
que iicainarcado o \jsmo de cinco dias para os
baixo assignados vireti assignar na seceo do
contencioso deta rspartieio os respectivos ter-
mos dos contractos que lizeram, a saber: os dous
primiros para oHntiec memo de medicamentos
e o 3- para o de cobertores de l para o presidio
de Fernando (le Norpnba, e os dons ltimos para
o de artigo- \> ra oArsinal de Guerra no 6eme3
re de Janeiro a Junho (leste anno.
Barthelymeu & C.
Jos de Azevedo Maia e Silva Jnior.
Rodrigo Carvalho da Curfha
Joo WalK'?do d Medeiros
Maia e Silva & C.
Ri ;ife. 1 do Fevereiro de 1889.
O secretario,
Dr. Antonio los dt San'Auna.
S. R. M.
McMUe Recreativa Morida^e
Sarao carnavaleco en 2 de Marco
Convida se aos senheres socios para apresen-
tarem suas nplas para convites. Ingressos em
mSodo Sr. tbesour*-!
N. B. Nao se admitie aggredos
Recife, 5 de Fevereiio d 18.
0 1- secretario,
Guilberoie Piatp Meirelles.
Os pretendentes devem apresentar-se
mente habilitados.
O secretario;
Pergentiuo Saraiva de Aroujo Galvao.
Espcra-se da Europa at o dia 16 de
Fevereiro, seguindo depois da demo-
ra do costnme para
Babia. Rio de Janeiro, Monte-
video e Buenos-Ayres
Para passagens, fretese encommendas trata-
se com os AGENTES.
O vapor Elbe
Commandante Armstrong
E' esperado 4o sul no dia 17 de Fe-
vereiro e seguindo depois da demora
'necessaria para
S. Vicente, Lisboa, Vigo, Southampton e
Antuerpia
Reduccao de passagens
Ida Ida e volta
V Lisboa 1 classe t 20 30
A' Southampton 1* classe 28 42
Camarotes reservados para os passageiros de
Peraambuco. ,
Emquanto vigorar a quarentena imposta na
Repblica Argentina, aos navios procedentes do
Brasil, os vapores desta companma nao aceitam
passageiros nem carga para Buenos-Ayres.
Para passagens, fretes, encommendas, trata-se
com os
AGENTES
Amorim Irmos & C.
N. 3Ra do Bom Jess
Leilo
AgenteBrito
De movis, miudezas, extractos, lencos, relogios,
candieiros e outros objectos.
Ra Viseonde de Inhauma n. 418
A's 10 1/2 horas
Quarta-feira, 6 do corrente
Agente Burlamaqui
Leilo
Qunta-feira 6 do torrente
A's 11 horas
Na easa tarrea n. 14 no pateo do Carmo
De maveis em bom estado
O agente cima levar a leilo por conta e or
dem de Anua Joaquina Ferreira de Souza que
se retira para a provincia de Sergipe, os seguin-
tes movis : 1 mobilia de Jacaranda completa,
tres espelhos dourados sendo um oval, i bonita
cama de peti, commoda, lavatorio, cadeiras,
jarros, tapetes, cortinados, trem de cosinha,
guarda comida e muitos outros artigos que esta-
ro a vista dos Srs, licitantes.
Leilo
Delivros de direito e litte-
ratura
Qninta-feira, 9 do eorrente
A's 11 horas
Agente Pinto
No armazem da ra Mrquez de Olinda n. 52
LEILO
de divida* na importancia de 18:838^290
Quinta-feira 7 do corrente
A's 11 horas
\ armazem ra do Impera-
dor 11. 39
O agente Stepple por mandado e assistencia
do Exm. Sr. Dr. juiz de direito dos feitos da
fazendjB, a requenmento do Dr. Jos A. Rodri-
gues Lima, inventariante dos bens deixados pe
la linada Anna Honorata Carneiro da Cunna,
levar a leilo as dividas ei
tancia de 16:8381180.
ii lettras na impor-
Leiio
Da
casa
de
ra
45
estreita do
bilhar da
Rosario n.
Constando:
De um bilhar e seus pertences. 1 grande can-
dieiro belga, 6 quadros. 4 espelhos. 2 guarda-
lougas de amarello, I quartinheiro, 1 jardineira
com pedra, 1 aparador de columna. 1 toilet
com pedra. cabids, 1 meia commoda de ama-
relio, 1 relogio de parede, bancas, mochos,
marquezo. camas de lona. 1 repartimento de
madeira, urna grande quantidade de bebidas
outros muitos movis.
Quinta-feira 9 do corrente
A's 11 horas
Na loja do sobrado n. 45 na estreita do
Rosario
0 argente Martins autorisado pelo Sr. Ricardo
de Almeida far leilo da referida casa de bi-
lhar e seus pertenees, em um ou mais lotes, con
forme convier aos compradores.
Leilo
Agente Brito
De um sobrado de um andar e sotao com gran-
des accommodaces, em bom estado e com
Suintal grande e em terreno proprio, sito ra
o Amparo n. 33 em Olinda.
Se&ta-feira. 8 do eorrente
A's 11 horas
Ra do Rangel n. 48
Leilo
de 3 excellentes escaleras e seus pertences, 3
outt-riggers, chestinas. 2 ravalhetes, 1 corrente,
8 pannos de toldu. 7 cintas, 4 ancoras pequeas
e 6 turcos.
Sexta-feira S do eorrente
As 11 horas
Agente Ptnio
No caes da Companhia Pernambucana. em
frente ao armazem dos Srs. Visconde da Silva
Loyo A: Filho, junto a euarda-moria da Alfan-
dega.
-N.
MARTIMOS
Companhia Brasileira de
Navegacao Vapor
PORTOS DO NORTE
O vapor Maranho
Commandante o eapitao de fragata Pedro
Hyppolyto Duarte
E' esperado dos portos do sul at o
dia 7 de Fevereiro e seguindo depois
da demora indispensavel para os
portos do norte at Manaes.
As encommendas sao recebidas aa agencia
at 1 hora da tarde do dia da sabida.
Para carga, encommendas, passagens e valo-
res trata-se com os
AGENTES
PORTOS DO SUL
. O vapor Para
Commandante Antonio Feroeira da Silva
E'esperado dos portes do norte at
o dia 13 de Fivereiro e depois da de-
mora indispensavel seguir para os
portos do sul.
Recebe tamben carpa para Santos, Santa Ca-
tharina. Pelotas. Porto Alegre e Rio Grande do
Sul, frete mdico
As encommendas so serao recebidas na agen-
cia at 1 hora da tarde do dia da sabida.
Para carga, passagens, encommendas e valo-
res trata-se com os AGENTES. '
Pereira Carneiro & C.
6=Rua do Ccmmercio==6
lo andar
Paca o Porto
Segu com brevidade a barca portugueza Aeix
Silencio. Para carga tratase com os consigna-
tarios Baltar Oliveira & C, ra do Vigario n. 1,
Io andar.
LE1L0ES
Leilo
de diversas mobjhas de junco, novas com lampo
de pedras, sofs, cadeiras de braco, dita le ba-
lanco, espregicadeiras tudo de junco e nova,
mobias de Jacaranda, pianos, espelhos, ca-
mas, marquezes, guarda-loucas, guarda-vesti-
das, qneijos ioglezs, ogoac, vinhos, licores,
leite condensado, dito puro em lata, laucas, vi-
dros, miudezas e diversas fazendas.
Uuarta-fcira U do eorrente
A's 11 horas
No armazem ra Mrquez de Olinda
n. 48
POR INTERVENCO DO AGENTE
Gusmao
AVISOS DIVERSOS
Aluga-se casas a 8000 no becco dos Coe-
lhos, junto de S. Goncallo ; a tratar na ra da
Imperatriz n. 56.
luga-se o pavimento terreo do sobrado o.
46 ra da Roda, estando o mesmo caiado, pin-
tado e todoMadrilhado de novo, contendo 1 sala,
2 quartos e cosinha ; a tratar na ra do Cabug
n. 16, loja.
Aluga-se o 2- andar n. 39 ra do Impe
rador ; chaves no armazem n. 41.
luga-se o adiar do sobrado n. 3 ra
dan Flores ; a tratar na ra da Unio n. 3.
Precisa-se de urna ama que csmhe, avee
engomme, para um hornera s; a tratar na ra
de Hortas n. 76.
Pede-se ao Sr. Francisco Kaposo falcao
que venha pagar ou restituir os uuneis, pois
data de muito tempo, desde que osenhor loi em-
preado a primeira vez no comm-rcio.
Na ra do Progresso n. 14, lava-se e en-
gomma-se porpreeo mdico.
Ao Sr. Angelo Tavares pede-se que venha
buscar as suas cautelas, que nao cnegam para
pagar suas letras.
J Deseia se fallar com o Sr. Manol F. de
Araujo Safdanha, no Paco da Patria n. 5.
FABRICA
DE VIDROS
193 Una d Aurora 193 *
Expoe a venda em grosso
e a retalho os productos de
sen fabrico: sendo
Copos com e sem p, ditos
com aza para cerveja, cali-
ees, globos, chamins, frascos
para botica etc. etc.
Precos sem competencia
"AVISO v
Aluga-se a casa da ra do Paysand n. b, com
bons commodos, gaz, agua e jardim ; as chaves
e a tratar na ra do R^spo n. 6.
Peitoral de Cambar
DE
Jos
Alvares de Souza Soares
De Pelotas
Approvado pela Exma. Junta Centra!
de Hygiene Publica, autorisado pelo Go-
verno Imperial e premiado com duas toe-
dalhas de ouro de 1 .a classe.
O PEITORAL DE CAMBAR cura perfeit*-
mente a bronchite aguda ou chronica ;
O peitoral de cambar cura a asthma
por mais antiga que aeja;
O peitoral de cambar cura de urna
forma admiravel qualquer rouquidS(> ou
perda de voz ;
O peitoral DE cambar cura incontes-
tavelment6 o tysica pulmonar;
O peitoral de cambar cura as tosso
simples, aa defluxoes tao fcil e rpidamen-
te que ao proprio eloente causa admira-
cao.
Este importante medicara erito vende-se
a 2<>5X> o frasco, 135000 1/2 duzia e
243>M) a duzia, em casa dos agentes e
depositarios geraes.
Francisco Manoel da Silva & C.
23 Ra Mrquez de Olinda 23
MIS DE 10:000 CIRAS
nni
XOBTS 11 3SSWAI2SX8
DORES DE DENTES
E
I wCaJC MvbOkMAw Ju ^5vIjcXTa
PREPARADO NICAMENTE
POR CALASANS & C.NA BAHA
Medicamento heroico contra os rheuma'
tismos, inchacoes, dores aciaticas, nevral-
gias, dormencia, etc., empregando-se em
fementacoes sobre os luga
Cura o beri-beri, as paralysias
de dentes.
Todos os frascos levam direcfSes para
uso d'este medicamento admiravel.
Prego 1 #200. Descont de um.'
em diante.
DEPOSITO NO RECIFE
Francisco Manoel da Silva & C.
Mrquez de Olinda n. 23
afFcctados.
as dores
duzia
ra
t
U. ThiTfia J. da osla Xosueira
Antonio Baptista Nogueira (ausente) *D. Ca-
rolina de Almeida Nogueira convidam aos seus
parentes e amigos para assistirem as missas que
por alma de sua estremecida esposa e ora, D.
Thereza J. da Costa Nogueira, mandam rezar na
ordem terceira de S. Haneisco, as 7 1/2 horas
da manha de 6 do corrente, 2 anniversario e
seu infausto passamento. confessando-se desde
j gratos a todos aquelles que comparecarem c
esse acto de relido e caridade.
t
Innliiuto Beneflrentc do Oitiriae>
da tina i da Nac4ona i
'" Tendo o Instituto de mandar rezar urna nssa
por alma do seu consocio o tenent Bentode
Souza Mira, convido pelo presente aos Srs. so-
cios, parentes e amigos do (nado para assisti-
rem a esse acto que ter lugar na quinta-feira
7 do corrente, s 7 1/2 horas da inanhii, na or-
dem 3* do Carmo.
Secretaria do Instituto. 4 de Fevereiro de 1881;
O 4 secretarioi
___________Gaspar Antonio dos Reis.
JLeil
ao
vidroe
Pacific Steam Navigation
Company
STRAITSOFMAGELJLAN UNE
O paquete Potos
Espera-se da Europa at o dia
10 do corrente e seguir depois
p 1 paraso por
Bahia, Rio de Janeiro e Montevideo
Para carga, passageiros, encommendas di-
nheiro a frete : trata-se cpm os
AHH$rES
WflsoB. Sois A-C, Limiled
1-*UA DO COMMSRCIO^U
De muitos bons movis, crystaes,
e espelhos
Quarta-feira, 6 do corrente
A' 11 horas
>o 1 andar do obrado ra do
Imperador n. SO
O agente Stepple competentemente autorisa-
do pelo Illm. Sr. Dr. Manoel Fetippe de Souza
Leao, que retira-se para o sul do imperio com
sua Exma. familia 410 vapor de 9 do corrente,
levar a leilo os^noveis seguinte, todos novos
c de pouco USO :
lina mobilia preta com frisos brancos. 12 ca-
deiras de guarnjeao. 2 ditas de bracos, 2 ditas
de balanco, 2 consolos com pedras. 1 sof. 1 es-
pejho grande oval e dourado, jarros, porta-flo-
res de metal, cortinados novos, sanefas, rorro
de sala (esteira nova),. tapetes grandes e pe-
queos.
No gabinete um importante piano e forte, ea-
deira para o mesmo, 1 relogiolcom 8pecs de
msica, 1 porta-chapos de. so' (madeira), 6 ca-
deiras de guarnicao, 2 ditas de bracos, 1 sof..
uadios. 1 rica almofada toda forrada do seda,
cama nova dejacarand para casal, 1 rico toi-
lette de jacarariaa com pedra e espelho. 1 por-
ta-licr para toilette, 1 bidet com pedia, 1 lava-
torio com pedra e espelho e pertences para o
. 1 colxo de macella, guarda vestidos
com gavetas, mesa elastipa de 5 taboas, 1 guar*
da-comida, 1 guarda-Iouea, quartinheira. 1 ca-
deiras de junco, novas. 1 sof, 2 cadeiras de
bracos, quadros, lenca para jan tac e almoco,
copos, clices, resfriadeirag e outros-muitos rao-
veis que estario u vista dos Srs. licitante-
Carolos de algodo
Compra-se carocos de algodSo ensaccadoa, en-
tregues nos armazens, ra do Baro do Trium-
pko ns. 10.12 e 14; ao preco de 380 ris por 13
Criado
Precisase de um criado ; na ra da Aurora
n. 119.
t
Tra-
Ene-dina AuicunIu Serrano
aNMOft
Segundo anniversario
Majo"- Marcohno de Souza Travassos e seus
filhos convidam aos seus parentes e amigos para
assistirem as missas que pelo repouso eterno ;f
alma de sua idolatrada esposa e mai, Bnedina
Augusta Serrano Travasos. mandan celebrar
no dia 7 do corrente. na igreja da Santa Cruz,
s 7 horas da manh. 2 anniversario do seu
passamento, confessando-se desde j-etcinamen-
te agradecidos.
Precisa-se de urna
numero 137.
Cosinheira
cosinheira: na ra Velha
t
Adelaide Taeodolinda Krlo aiei>-
' quita
Antonio Boteiho Pinto de Mesquiia. sevt filho.-
e genro mandara rezar na igreja do i.: rnb Santo-
no da 6 do corrente, s 8 (oras da uianb. mis-
sas por alma de sua preaada esposa, mili e so-
gra Adelaide Theodolinda Brito Mesquita e
para este acto de religiao e caridade convidam
aos prenles e amigos, pelo que desde se con-
fessam agradecidos.
Cosinheira
Precisa-se de urna ama para cosinhar ; a tra-
tar na ra do Livramento u. 1.
Vende-se
a armaco e utensilios da taverua sita ra da
Santa Cruz n. i> : a tratar na ra do Rosario da
Boa-Vista n. 53, fabrica de cigarros A casa tem
commodos e agua encanada.
t
nri
Criado
Na ra da Saudade n. 27. porlo. precisa-se
de um criado.
de um menino para servioo de hotel : a tratar
na ra da Madre de Deus h. 3. qu<> de conheci-
mento de sua conducta. <
Lrsrente
Joaquina Maria- da Pinna Casia
JoaLjmm Pinto Ahes, juu raulier e lhoa^H
viduin aos seus parentes e amigos pr< aS
rem as missas que mandara celebrar
da Soledadc quinta-feira 7 do crreme = 7 ho-
ras da mauha. pelo descanso eterno de sua mu
prezaaa sogra. mi e av, Joaquina Maria da
Penha Costa.
. Joaiwia i-Jf n
Jo,i Alves da silva qonvida
e amigos a ouvirem as rais?
sua mi D. Joanna de Jess Sou
brar no sabbado do co:
seu falieciinent*. na matriy. da Boa
eidade e na capella do povoado
1 he ras da manhi.
Alejandrina oni-. anun -
Manoel Thomaz liumes de Miiauda i
vida a seus parales e-amieos par* as
que mai
Prerisa-sr do prrfeltas eestu-
reiras: ra do Baro da
Victoria a. i*. ." andar, alfiler te,deat^?^da.ti.a' aA^

I



manha.
:
*_


f

)
f,'
r
1 I
Diario de PemambucoQuartafem 6 de fWemno de 1889
PRE6W-SM COMPETMA
A roa Primeiro de Marco n. 20
Innto
Atoalnado bordado a 141200 o metro.
Alpacas indianas a 320 rs. o cov|do.
Ditas mescladas a 600 rs. o corado.
Ditas lavradas a 500 rs. o covado.
Batistas finas a 140, 200 e 240 rs. o dito.
Brim pardo a 280 e 320 rs. o dito.
Bnleias pretas a 260 e cobertas a 500 rs,
a duzia.
Bicos de urna s cor a 25 a peca.
Bramante trancado a 800 rs. o metro.
Brins de corea para crianca a 260 rs. o
covado.
Bicos matisados a 2>500 e3-ja peca.
Cumbraias bordadas a 45 a peca.
Cachemiras de quadros a 260 o covado.
Cortes de seda para colote a 5i5000.
Ditos de linn era cartSo a 7)5000.
Colchas de damasco a 6^000 urna.
Cretones de alsace a 360 rs. o covado.
Cambraia arrendada a 460 rs. o dito.
Cachemira da India a 220 rs. o dito.
Chales adamascados a 25500 um.
Cortinados bordados a 6#000 o par.
Colchas de cores a 2 e 25500 urna.
Cortes de casinetas a 15500 um.
Chambres a 45500, 55 e 65000 um.
Cortes de setineta a 65000 um.
Cambraia Victoria a 25900 a peca.
Camisas allemaes a 365000 a duzia.
Cachemira de duas larguras a 800 rs. o
covado.
Cretones claros a 280 e 320 rs. o dito.
Colchas de fustao a 35500 urna.
Camisas de meia a 15000 urna.
Ceroulas de bramante a 155 a duzia.
EsguiSo pardo a 360 e 400 rs. o covado.
Espartilhos couraca a 55000 um.
Entremeios bordados a 700, 800 e 900.
Completo sortimento de casemira
do Louvre
Fichs de malha a 25000 um.
Fustao Branco a 360 e 400 rs. o covado.
Dito de cor para roupa a- 800 rs. o dito.
GuarnicVde crochet com matizes.
Gazes de cores a 500 rs. o covado.
Guarda-p para hcmens a 65000.
Grinalda para noiva a 85000.
Guarda p para senhoras a 85000.
Lencos com barra a 25000 a duzia.
Loque a gra-duqueza a 25000 um.
Lencos broncos a 15200 e 25000 a duzia.
Luvas da seda a 25 e 2o500 o par.
Linhos de quadros a 80 rs. o covado.
Las escossezas a 100 rs. o dito.
Linn de cores a 500 rs. o dito.
Merino do cores, duas larguras, a 800 'rs.
o dito.
Meias com pintas, para senhoras, a 800 rs.
MadapolSo americano a 6000 a peca.
Meias para homens a 35600 a duzia.
Extracto Porte-Veine a 15400.
Popelina branca, de seda, a 800 rs. o co-
vado.
Paletots de seda palha a 75500.
Ditos de alpaca preta a 45500.
Panno da costa adamascado.
Pacotes de p de arroz a 500 rs.
Percales fi as a 200 e 220 rs. o covado.
Roupas para banhos salgados.
Regatas de cores a 15000 urna.
Sabidas de baile a 25000 urna.
Suspensorios americanos.
Sargelim de cores a 200 rs. o covado.
Setim de cores a 800 e 900 rs o dito.
Dito do Japao a 240 rs. o dito.
Toalhas para rosto a 35600 a duzia.
Ditas para banho a 15400 urna.
plVERen
.* w hcva PERFUMARA Exm-n.-iA
SBlO. ESSENCIA. AGU DE TOKlTE.-'PO CE ARRGZ. OLED.
coa, bolsas, fichs, lencos, leques e muitos outros artigos.
e brins, collarinhos, punnos, leos, toni-
AMAFAL & C.
(Descoberta gnteressantissima
< PRTVILEQIADA)
PERFUMES ORIZA SOLIDIFICADOS
APRESENTADOS DEBAIIO DA F0|MA DE LAPIS (12 i
Basta esfregar levemente os objectos para perfumal-os
(a Cutis, Roupa, Papel para Cartas, etc.)
L. LEGRAND, Fomeccdor da Corte de Sussia
207, RA SAINT-HONOR, PARS
Vende-se em todas as principaes Perfumaras, Pharmacias Drogara do mundo.
HAKDA-8B DE PARS O CATALOOO ILLU8TRADO PRAKCO DE POETE
Molestias Nervosas
Capsulas do Doutor Clin
Minado da Facaldis dt Usditinads Par. Premio MontfOfi
i As Capsulas do Doutor CLIN ao Bromureto de Camtphora empregao-se
as Molestias, as de Cerebro e contra as affeccoes seguirtes:
Asthma, Insomnia, Palpitacoes do Coraco, Epilepsia, Hallucinacao,
Tonteiras. emicraxia, Aieccoes das vias urinarias et para calmar toda
I especie de excitacao.
1 lias Urna txplioacio dita/hada acompanha cada Frasco.
Exigir a Verdadeiras Capsulas ao Bromureto de Gamphor a de CLIN tt G1*,
de PARS, que se encontro em casa dos Droguistas et Pharmaeeuticos.
M. H. imUT
44 Roa do ImperadorI.0" andar
Tem a honra de participar as suas Ex mas. freguezas e as Exmas. familias
desta capital que de voltada sua viagem trouxe um magnifico sortimento de tudo que
diz rcspeito ao completo toilette de urna senhora em MODAS E \OVIUADEK
acha-se a sua disposicao das 8 horas da manhS ai 6 da tarde na
44RA DO IMPEKDOR-44
O EXTHA.CTO COMPOSTO DE
Salsaparrilha
do Dr. Ayer,
E* nm alteraJvo to efficaz que extirpa rompleta-
MDM do Bystema Kscrofu'a Hereditaria, k al
lfeeefc* que tem affinidade con a euermidade
contagiosas, e as occasiouadas pelo mercurio. Ao
uiesmo faicpo vitaUaa e enriquece o sangue com-
Diunicando urna accao s:iudavel ao organismo 6
rcj uveDcsceudo o systciua. intetp: Est* grande
Medecina Regeneradora,
a mpoet* oom a veMkd&ra SatMfmrrlIhft de
Hondunu, dos Iodos de P-otoMsfo e de Ferro*
outros infrtyliniM de frvaiMe poteircia e rirtudes
rur.itivas, cuidadosa e scienuticanK-nta preparados.
A formula genfTntente or.ifecldft" da proflseo
medica, e os lapllioros mdicos receitio a Salsa-
l'AHJlA DO J)K AYER Cilfco UIU
Remedio Absoluto
para as enfermidades occasionadas pelo estado
vicioso do sangue.
(.-[.; coneentrailo ao grao mais alto practica ve],
milito mais que quajquer outra preparacSo da M
clasee, que pretende proporcionar iguaes effeitoe, e
por tanto a mMeoiua inain barata, assim como a
n.clhor para purificar o sangue.
l'RKPAKADO PELO
'DR. J. C. AYER e CA.,
LoM-ell, Mass., E. TT. A.
A' TCddk uas principaes pfcamnuia drocartaa.
MFLOi
-DE-
Hiirray & Lanman.
0 M^IS EXQUESITO
DOS
Perfumes do Toocador.
Perfuma o Corpo e
Viviflca a Mente
NO BANHO.
Superior a Agua di Colo-
nia pela delicadeza de sea
aroma e a durabilidade de
eeu perfume
10 LEN0.
58-Rua Duque de Caxias-58
GRANDE LIQDIDACO
Principia na segunda-feira, de todos os artigos que
fcaram de saldo do balando do anno prximo passado,
vendendo-se por metade do seu valor.!
Grande quantidade de retal hos de algodaosinho,
madapolao, chitas, seda, setim, etc., etc.
56 e 58--Rua Duque de Gaxias56 e 58
y.....'
Peptonas Ppsicas
d. CHAPOTEAUT
Phai'maceutico de 1* O
Appnrti- pe* Jmbu d'Sygien 4o Rio-da-Janeiro. Xmpregttk^l m
Eospitaes do Par* o nos de Marino*
A. Peptoaa o producto de digest&o da carne de Tacca pela pepsina .te Cuapq riAOt
Ktnalda do estomago do carneiro e transformada em um alimento tolursl, >mma-
tatamente aasimilavel, que rae ter a todos oe pontos do organismo por bmo da
erculagio venosa, e alimenta os doentes sem fatigar-Ibes o estomago.
O Visillo da Peptona de Chapoteaut po>- isso indicado as molestias ejae
tem por cansa as m* digestOes, as aecces do ligado, aos intestino*, as
gastrltee, na anemia, na calorosa; as molestias do peito, na dysantera
dos paizes quentes, as digestdea diffteais e laboriosos. Este Vinno aumenta as
crameos, que nao supportao a comida, augmenta a aeerec&o do leite das pessoas
one crio e torna-o mais rico; fortines os velhet e ls-ata promptameote as Corsas
dos estwaiatemtM.
A Conserva da Peptona de Ghapoteamt, qtw poda ser emprogada ictaraa-
SMBte e em elysteree, tem xWpoder de alistentar dorante siesos os doentes mais
graves, como os tsicos, que nao possao tolerar alimento algn, os
que soflrem da bexiga, dos rins e da medalla ea>mbal.
kTpr-%m*i+ infundir a fEPTONAS BE CHAPOTEAUT eom oatro
com amo de emeoUo t oegetci fermentados.
Pspeslto aa Pars, Rae Tlrianne aas arineipasa
FUNDIDO fiERAL
ALLAN PATERSON & C
N. 44Ra do Brum--N. 44
JUNTO A ESTACO DOS B0ND8
Tem para vender, por prejos mdicos, as segmntes ferragens :
Tachas fundidas, batidas e caldeadas.
Crivacos de diversos tamanhos.
Rodas de espora, idem, idem.
Ditas angulares, idem, idem.
Bancos de ferro com serra circular.
Gradeamento para jardim.
Varandas d ferro batido.
Ditas de dito fundido, de lindos modelos.
Portas de fornalaa.
Vapores de fora de 3, 5, e 6 cavallos.
Moendau de 10 a 40 pollegadas de panadura.
Rodas d'agua, systema Leandro.
Encarrcgam-se de concertos, e assentamento de macbinismo^e executam qual
ner trabalho com prfeigSo e presteza.
VERDADEIRAS PiLULAS a TSUUI
a*
Baprero-se com ptimo eaie nt
rea rmaesme tctraneeiras wa*eateaaaju^, c'JtX
llurmsmem* mmm^wtmsmmm.
A insarcSo no novo Cstm rrmmerz. a*tmnm o Octoda haw s
vcCQoOo OlMCU d'aaus aikala*, "-n^n \km faa.
psrM c raciiOttt- i
assnojsM ama o a
3ESOO
j xm. 9. asa vaTsmm.
OaBJSHSBBBBBSBBBBBBBBl
'*!"."12*"* "fL"--ssetmem-mmmm f
WaW
MMm
PERE1M a MAGALHAES
Recebedores directos dos mercados da Europa
liquidam osseguintes artigos com descont de 14 c
vendas em grosso
Bramantes de algodao superiores, a 800 rs. o metro, 4 larguras,
dem de puro linho fazenda de 20200 para acabar 10500, metro.
Atoalhado alvo, duas larguras, a 700 rs., 1^100 e 1($200 o dito.
Algodao alvo, nacional, para lences a 50503 apega.
MadapolSo americano, a 30600, 40000 e 60000, com 24 jardas.
Maripozas de cores a 220 rs. o covado.
Chitas claras e escuras, c3res firmes, a 200 rs. o dito.
Batistes idem a 120 rs. o dito.
Zefiros de quadrinhos, a 80, 160 e 200 rs. o dito.
Merinos lisos de urna largura a 200 rs. o dito,
dem de quadros modernos a 280 e 3#0 rs. o dito.
Fichs de renda chics a 10000.
Colchas francezas de cures a 20000 e 40000, una.
Lenges de bramante a 10800, para cama de tasal.
Casimiras de cores para roupa da oria$a a. 15000 e 10800, diagonal) duas
larguras.
Camisas inglezas e francezas a 260000 e 300000 a duzia.
Tapetes aveludados, grandes, a 140000 um.
Cortinados ricamente bordados a 50500 e 60000-
l'annos de cores para mesa a 10100 e 10300 o covado.
Cheviot preto e azul, a 30000 o dito.
Brins pardos e de cores a 280 rs. o dito.
Veludilhos de efires e pretos a 900 rs. o dito.
Rendas austracas para vestidos a 500 e 560 rs. o dito.
Setins de todas as cores a 900 rs. o dite.
Setinetas lavradas 200 e 240 rs. o dito.
Alpacas modernas, lavradas, a 240 rs. o dito.
Meias cruas inglezas para homem a 20500 e 30000 a duzia.
Ceroulas bordadas, de bramante, a 120000 e 160000 a dito.
Cortes de casemiras para caiga a 40000 e 60000.
dem de meia casemira a 20000. *
Toalhas grandes para rosto a 40000 a duzia.
dem felpudas para banho a 120000 a dita.
muitos artigos que serao lembrados com apresenca de nossos lcitores.
59Ra Duque de Caxias59
LOJA DE
PEREIRA A MAGALHAES
Q^\NENTE1VIENTE r
$y^ TXoxLoo &
a-ipiarovaclo pela Academia *ft
de
Cedicina do Pariz
Fabrica :
/v Casa L. FUERE, 19, ra Jacob *
^ !?UGO E FQRTff tcA
M0RRHU0L de CHAPOTEAUT
^
O Morrhnol contm todos os principios qae entrio na composicao do oleo de
gado de fcicalho, excepto a matarla gordurosa. O oleo, como sabem todos,
desagradavel pelo seu cheiro e seu sabor, muitas vexes reietedo p*V estomago e
proroca a diarrha. 0 Morrhuol pelo contrario bem acceito pelos doentes,
actualmente, nos hospitads e em todos os estabelecimentos da saridade, ena clnica
civil, os mdicos fehcitfio>se por ter encontrado no Morrhaol nm medicamento,
que desparta o appetite, acaka com a toase e os aoores aoctunios, restitue
aos tsicos as odres perdidas, augmenta-Ibes as forcas, melhorando oonsidera-
velmente o seu estado. O Morrhuol, que as creancas tomao sem a menor dlfflcul-
dade, modifica promptamente a sua constituicao, quando ellas sao debela e
n r ticas e suJertas resfriamentos.
O Morrhuol, que uni producto em tudo differrote dos onamados extractos
de flgado de bacalho, enlcontra-e encerrado em capsulas redondas, cada urna
s quaes representa 26 vexes sea peso de oleo escuro, aue os mndirmn
recontiecem
wm
CUESTtASwCQBAC
^toTi^i^r<:as^EBaDB.uiiai^i4*ir&ii
-WSKi2AIE8: ; s.lfifAC0ES?afT88JfISfiSffiat
!)cDoiitar.o em Pt^
m _
Telegramma
Vejam e admirem!
S(J o 55 ra Duque de Caxias pode
vender pelos prejos que abaixo mencio-
namos.
Amor da China, novidade em padrees, a
200 rs. o covado.
Fust8es brancos a 360 e 500 rs. o co-
vado.
Velbutinas de todas as cores a 800 rs. o
covado. E' barato!
Casacos e capas para senhoras, o que
ha de mais novo e barato.
Cortes de seda, padrSes lindos e precos
razoaveis.
MadapolSo com 1 metro de largura a
60 a peca.
Zefiros a 80, 170, 200, 240 e 400 rs.
o covado.
Ditos bordados a 800 rs. o cOvado.
Tecidos arrendados a 400 e 500 rs. o
covado.
Brins de cores a 320 rs. o covado.
Cortinados de crochet, cousa chic e
preco barato.
Cambraia -Victoria a 20800 a peca.
Dita batista a 120 rs. o covado.'
Sargelins de todas as cores a 200 re. o
co-vado.
G uar daa pos bous a 10800 a duzia.
Las modernas a 240, 280' e 320 rs. o
covado.
Rendas hespanholas a 20 o metro.
Luvas de seda a 20 e 30 o par.
Espartilhos couraga a 40, 50 e 60 um.
Merinos pretos e de cores, urna varie-
dade immensa em procos e qualidades.
Setins ile todas as cores a 800 rs n eo>
vado.
Toalhas felpudas, grande reduccSo em
precos em vista da grande quantidade.
Enxovaes parabaptisados o que bi# de
mais moderno e por pouco prego, 100000.
Colchas de crochet muito chic.
Camisas inglezas com e sem collarinho.
Atoalhado para mesa a 10 e 10800,
muito fino. *
Collarinhos e'punhos de linho c algodSo
e por prego barato.
Babados e entremeios, grande sorti-
mento.
Madapolao pelle de ovo por 60 a pega.
Esguio pardo e chumbado a 400' rs. o
covado.
Urna grando variedade em leos.
Gravatas e meias para homens.
Cretones para coberta o que ha de mais
barato e bom.
Mantilhas de renda a 50 urna.
Leques de setim muito chic.
Linn bordado com quadros a 800 rs. o
covado, muito bonito.
Chitas escuras e claras a 240, 280 e
320 rs. o covado.
Cretones trancados, finos, a 320 rs. 6
covado, para acabar.
Casemiras de cores e pretas um grande
sortimento em qualidades e pregos.
Casinetas, o que hade mais bonito, a
400 e 500 rs. o covado.
Tapetes grandes e pequeos por precos
razoaveis.
Crinoline preta e branca a 10600 o me-
tro.
Brins pardos a 320, 400 e 500 re. o
covado.
Cortes de vestido de cachemira com vi-
drilho o que ha de gosto.
Ditos de linn para vestidos* bordados.
E' barato.
Cambraia branca, bordada, o que ha de
mais gosto e por prego razoavel a 80000 a
pega.
Dita com salpicos a 40 e 50000 a pega.
Colchas argentinas a 60000 urna.
Ditas de 20, 30, 40 e 50000.
Bramantes de algodao e linho de todos
os pregos.
Grande sortimento em fichas i de cores
e pretos.
Grinaldas para uoivas.
Luvas e leques para noivas.
Bicos de cores muito chic.
Setinetas lisas de todas as eores a 400
re. o covado. Sao muito largas.
Roupa feita e por medida.
Alm do que acabamos de annunciar,
temos urna quantidade de artigos que s
vendo-se, se acredita, pelo que pedem que
comparegam.
Do se amostras sem penhor.
55 RA DUQUE DE CAXIAS 55
FEH.Y.MSDEAZEYEDOC,
Alugu-se
a casa da ra Coronel SWsuna n. 130; a tratar
na ra Marcilio Dias n. 106.
Ama
Precisa-se de urna ama para o servico domes-
tico de casa de familia; a tratar no escriptorio
deste Diario.
Ama
Prccisa-se de urna ama para comprar e cos-
nhar ; na ra Duque de Caxias n. 47.
Ama
Na ra Mathias de Albuquerque n. f), se pre-
eisa de urna ama para todo servico de casa e
familia.
Ama
Na ra da UniSo n. 31-A, precisase de urna
ama para cosirihar e mais sem'cos de casa.
Ama
Precisa-se de urna para casa de familia ; aa
ruaFedro Affonso n. 58.
Ama
Precisa-se de urna ama boa cosinheira e fse
seja matriculada ; na ra da Aurora n. 67, an-
dar terreo.
Caulellas do Monte de Seccorro
Compra-se camellas do Monte de Soccorro de
quulquer joia, brillianies e relogios; paga-sc
bem oa Praga da Independencia n. 22, loja de
relojoeiro. ,
Ama
Precisa-se de urna ama para casa de pouca fa-
milia ; na ra Pedro Affonso n. 59,1 andar.
Precisa-se de urna ama que saiba cosinnar,
para pouca familia ; na ra do Livramento a. 22,
segundo andar.
Amas
Na ra da Conquista n. 21, precisa-se de urna
cosinheira e de outra para servico interno. *
' PIODUCTftS ESMOAIS
Do Dr. Carlos Detteneonrt
APPBOVADOS PELA JUNTA CENTRAL- DE
HYGrENE DA CORTE
Salsaparrilha e Caraba!
GRANDE DEPURATIVO DO SANGUE
Elixir anti-rhenmatico, aDti-sypmlifico, etdpre-
fado em todas as molestias de pelle, eryaipela,
arthros ou impingens, beriberi, anthrazes o*
carbnculos, cancros venreos, ferida citace-
rosas, ulceras, gonorrheas chronicas, botinas,
buboes, escrfulas e todas as doengas que- de-
penden] da impureza do sangue.
Este remedio superior a todos os outros do
seu genero, o que est provado pela preferencia
e acceitaco que lhe d o publico.
Um vidro 3S00rf
Elixir de Jurubeba, Quina e
Pegapinto
TNICO FEBRFUGO e DESOBSTRUENTE
Empregado na debilidade geral, doengas -do
estomago, convalescencas depois do parto, felvcs
palustres, molestias do figado e baco, faJW"e
apetite, anemia, chlorose, cores paludas ou fertta
de sangue, doengas nervosas.
E' um recoDstituinte de eaergia, aromtico e
agradavel ao paladar.
Um vidro 3Q0#
Xarope de Jaramacan cojd-
posto
GRANDE PEITORAL
Tratamento curativo de todas as molestias do
peito e da garganta, defluxos, tosses simples e
convulsa, coqueluche, constipages. asthma, broa-
chite, catarrno chronico e tysica pulmonar e do
larynge.
E' o primeiro pei toral que se conhece at boje
na medicina.
Um vidro 2506 i
A' venda na ra Barao da Victorio n. 51
____Pharmacia Pinto
Vinho Maduro
Pocas Mendes & C, com grande estabelesi-
mento de seceos e molhados! sito casa n. 9
ra estreita do Rosario, contiguo a igreja, aaa-
bam de receber urna grande remessa do acre-
ditado e especial vinho Maduro, o nico que sem
e minima confeccao importado neste mercado,
,s se vende no referido estabelecimento.
Cha preto superior
Carlos Sinden avisa sus amigos e re-
gnezes em geral que recebeu pelo ultime
vapor cha preto novo e superior que ves-
de por precos mais resumidos em viste
da continuadlo do cambio avoravel.
Convem que experimenten!.
48 RA DO BARAO DA VICTORIA 48
Typogaphia e Lilhographia
FABRICA DE LIVROS DE ESCRIPTU-
RA^aO
Premiada as exposices de
!!* e f NN5
Manoel J. de Miranda
Encademacao c especialidades em cartoes de
visitas.
39-Roa Duqie de Caxias39
Telephonen. 194.
I riado
Precisa ?e de um criado para copt iro e com-
i trataf na ra Barao da Victoria n 54
CozinheirQ
Pao centeio
Mille & Biset, avisam ao respeitavel-v
que todas as tercas e sextas-feiras, tem
boroso pao ; ra larga do Rosario n. 40.
M. T a S.
Pede-sc a este snhor pele amor d> D
acabe de qualquer forma com aquelle c
ja uo se pode esperar, faz um anio, uu,
va, um pai de familia u um re
acham te em agonas, uo c
Architectura
Adr k nrt^mr



'





SS'S
8
Diario de Pernambueo
Ensino particlar
0 professor Joaquioi Elias de Albuquerque
Reg Barros, ra da ConceicSo n. S7, ensilla,
quer ou nao, pelas capas, as seguales materias,
depois das 3 oras dltarde portugue, latim,
antbmetica, geograptiia, historia e geometra.
Ao commercio e ao publico
Os abaixo assignados scienlificam ao corpo
commercial que nesta il tt comprarain ai Sr.
Manoel Cordeiro do Reg Pnntes, o estabeleci-
'de molhados sito ra Duque de Caxias n. 22,
livre e desembarazado de qualquer onus.
Recife, 8 do Fevereiro de 1889.
Teixeira Miranda.
o commercio
O abaixo assignado declara ao corpo com-
mercial desta praca que nesia data vendeu o seu
estabvlecimento de molhados sito a ra Duque
de Caxias n. 22; livre c desembarazado de qual-
quer onus. Quem se julgar credor queira apre-
sentar suas cuntas para serem conferidas e pa-
gas.
Recife, 5 de Fevereiro de 1889.
Manoel Cordeiro do Reg Pontes.
o commercio
Os abaixo assignados pelo presente declaram
re nesta data vcmeram aos Srs Jlo Martins
C. o estabeiecimento de molhados sito ra
de Paulino Cmara n. 44, livre e desembarazado
de todo e qualquer onus ; e se alguem se julgar
com direilo de protestar, queira fazel-o no prazo
de tres dias, a contar desta data, Recife, 5 de
Fevereiro de 1889.
. Ferreira Costa C.
A o coiMiiercio
* Os abaixo ssignados pelo presente declaram
ao respeitavel corpo commercial desta praca,
Sue nesta data compraram aos Srs. Ferreira
osla 4 C, o estabeiecimento de molhados sito
ra de Paulino Cmara n. 44, livre e desem-
barazado de todo c qualquer onus. Se alguem
se julgar com direito a oppr qualquer embaa
co, queira fazel-o no prazo de tres dias, a con-
tar desta data. Recife, 5 de Fevereiro de 1889.
JoSo vartins& C.
ndolpho lmeida Guedes Alcoforado avisa ao
Sublico e especialmente ao corpo commercial
est praza que. por conveniencia commercial,
assignar-se-ha dora em diante Adolptio Jardim
Guedes Alcoforadj. Recife, 4 de Fevereiro de
1889.
Feitor
Precisa-se de um feitor para todo servigo dt
nm sitio e que seia hbil em plantacoes e corte
de capim ; a tratar na ra Pedro Alfonso n. 58,
antiga da Praia.
********************
Tratamento Reconstituinte
ELIXIR -DCHAM?
COM EXTRACTO
de Figodo de Bacathu
Quina e Cavu
Cada frasco d'aite,
ELIXIR contom c
principio* depurativo
tnico* de um litro da oleo <
da fijado da bacalhu
um litro da vinho da Quina. <
Tem obra o olao da
fgado da bacalhu a van-
tagem de acce'arar a*
funecoea do estomago
em lugar de a* perturbar,
a de despertar o appetite.
.--.---
Este Medicamento, de sabor e gsto
muito agradaveis, obteve o melhor suc-
cesso em Franca para combater :
ANEMIA, CHLORSE,
APFEC9E3 dos BRONCM1US
e PULMES,
e a FRAQUEZA das CRIANCAS
.-.-.-.-.-
Depsito, geral em PARS :
DUCHAKP, 16, ra de Poltou
Em Pernambueo .
e-"AMro m. da SILVA a C*.
Acces entre amigos
A de urna calera fechada, com dous cavados
e um bom par de arreios, que devia correr com
a ultima lotera do Grao Para no mez de Janeiro,
rica transferida para a ultima de Fevereiro.
Professora
Dma seniora competentemente habilitada, com
pratica de 11 annos de profissao, apresentando
diversos attestados de bom metbodo e comporta-
ment, offerece-se para leccionar em casas par-
ticulares, na cidade ou em seus arrabaldes as se-
guintes materias : Portu'guez, Francez, Italiano.
Geographia, Piano, trabamos de agulha, etc.; a
tratar a ra Visconde de Goyaana n. 69 ou em
casa doRegulador da Mannhara larga do
Rosario n. 9.
rOLHETIl
POR
JULIO MAM
Cosinheira
Precisa se de tuna ama que cosinhe bem ; st
terceiro andar do predio n. 41 da ra Duque de
Caxias, por cima da typograpbia do Diario.____
arta-feka 6 de Fevereiro de
Caix^eiro
Preeisa-se de un caixeiro com pratica de mo-
lhados ; a tratar a ra da Aurora n. 113.
Empieza Minerva
De ordem da directora desta empreza declaro
aos socios atrusdos as mensalidades que se
nao se puzerem quites no prazo de 30 dias serlo
punidos com a pi na que a assembla geral de 3
de Marco prximo achar mais acertada Aos
socios eliminados a emprrza s indemnisara as
segundas feiras0 secretario,
8. Leite.
Para oDerbj
Carlos Sinden recebeu grande sortimen
to de gravatas e camisas de cores proprias
para os amadores do Prado e est venden-
do por precos em competencia.
Recebeu tanibem collarinhos e punhos
de borracha de formatos no vos.
48eda barXo da victoria48
YENDAS
Vende-se d nova de Lisboa ; na ra Pe-
dro Affonso ns. 39 e 41.
Boa acquisicao
Vende-se a taverna do becco doPocinho n.
34, bem localisada, retalba soffrivelmente,e tem
accommodazao para familia ; a tratar na mesma
ou ra da Palma n. 71, taverna.
A KEVOLUCiO DO 48
A' riisi Duque de Caxias n. 48
Nesta loja denominada A' Revolucao,
tendo sempre um grande e variado depo-
sito de fazeidas, resolveu-se vendel-aspor
menos 30or do que em outra qualquer
casa. Como sejam :
Toalhas felpudas e acolchoadas, brancas
e de cores, tumanho regular a 120, 200,
500, urna.
Merinos de quadros, lindos padrSes
200, 240 e 280 o covado.
Seda Alcaciana (fazenda de fantasa),
240 o covado.
Cachemiras de quadros com combina-
cao a 320 o covado.
Mimosa cambraia das mocas para cami-
sas a 30200 a peca.
Lindos cortes para vestidos em cartSo
com todos os aviamentos a 70 90 10)5 e
14$ um.
Saias bordadas para senhora (recebdas
ltimamente de Varis) a3)5000 urna.
( retoes inglezes, francezes e allemaes
a 240, 280 e 320 o covado.
Zefiros de quadros, muito largos a 160
200 e" 240 o covado.
Lindas colchas com palmas de cores
para noivos a 10)5000 urna.
Chitas claras e escuras, muitos padroes
a 200 e 240 o covado.
Batistas coin palmas e pintas, cores fi-
xas a 120 o covado.
Redes Irancezas a 55 e 6)5000 urna.
Fechs de 15, muito grandes, todas as
ores de 2)5000 por 15500.
Camisas francezas de linho (pechinca) de
60 a duzia por -485.
Merinos finos com duas larguras, todas
as cores de 8 dem idem dem idem preto a 800 e
1 J000 o covado.
Cortes de 1'ustSo branco e de cores para
colete de 45 por 25000 um.
Madapoloes finos a 45, 55 e 65000 a
peca.
Atoalhado de linho, Jimio desenho a
15700 o metro.
fortes de ciisemira para calca, finos e
modernos a 45, 55, 65 e 75000 um.
dem idem idem idem costumes moder-
nos a 205000.
Cambraia do salpicos muito fina com
10 jardas a 45300 a peca.
E muitas outras fazendas que s com a
presentadas Exmas familias, poderao ser
vereficadas, como sejam: mantilhas brasi-
lheiras, leques transparentes, bicos de co-
res, entremeios, bordados, leos, extratos,
luvas etc.
48 DUQUE DE CAXIAS 48
TERCGIR.t p.tRfrr:
HONRA POft HONRA
(ContinuacSo do n. 28)
vra
Dizia comsigo que Montmaeyeur, para
oceultar o seu primeiro crime, n5o hesita-
ra, se a tal fosee obrigado, em commetter
segundo.
Depois pensava.que, diante de seme-
lhante abominacao, Joao hesitara, niio so
porlcausa de Claudina, irma de Luciana,
a quem amava, mas em consideraco ao
amor que elle, Jorge, senta por Clau-
dina.
Finalmente, quando acabava de relectir
em tudo isso, sorria amargamente.
Por ventura o coragao de Joao ac-
cecsivel #a scmelhantes sentimentos V Se
tem de sacrificar Claudina, hesitar porque
eu a amo ? Ora! Sacrifiear-me-ha, a raim
ata, sem reme:
* .Nao, Courlande havia dito a verdaie-'-.-
lecordava-se agora da singular insisten-
cia cena que *Iontmaveur pedir, qne Ihe
peraittissem velar cabeceira de Clau-
dica. .
Luciana recusara a principio, ma
DO'
ta i
em di-
zer-lhe nada mais, sem explicar-se, insis-
tir com elle para que ficasse no quarto
da doente einquanto Jo5o l se conser-
vasse. Nao quera que JoSo ficasse a
sos com Claudina. So quera tambera
que ella ficasse s. A cousa parecia-lhe
evidente, agora que nella reflectia. E por
que todas essas precau(3es? A moca te-
ma, portan", os projectos sinistros de
Montmayeur!
Esta noite esta noite dizia elle
comsigo, saberei de tudo!...
E tremia ao simples pensamento do
que poderia sorprender... O que faria de-
pois?
Se sorprendesse JoSo despejando vene-
no no remedie de Claudina, qual seria o
seu dever?
O seu dever de homem simplesmente
antes do seu. dever de homem que ama-
va ?
E' horrvel! repeta elle, horrivel !
Quizera estfir moxto.
O crime premeditado por Montmayeur
nio attingia smente Claudina; feria Jor-
ge no que ello tinha de mais caro, na ni-
ca cousa que retinha-o na vida: o seu
amor por Claudina.
E repeta, meneando a cabeza, o que
tantas vezes havia dito a Luciana, a Clau-
dina, e o qoe a si proprio repeta todos os
das.
A casi dos Montmayeur urna casa
maldita t
Quando enoontrou-se com Luciana, dis-
se-lhe :
Receb urna visita singular...
Ella redar guio, muito paluda, adivi-
nhando tervivel angustia do pobre man-
cebo:
Ertivc trtoi Courlande. Elle disse-
me tudo... r -
Jorge j Sos.
Por i iniciara, diga-me o que
ha de "do isso. Aquelle ho-
mem nao cll n cousa alguma; mas a
suspoita, i-l| a suspeita tao horri-
vel como Bb verdade.
per cousa alguma, Jor-
Esta io'^p*oce poder julgar por
si proprio.
Elle ollu-u uai-a ella demoradamente,
com os olh>s chaios de cotnpungente tris-
teza, de ro.
Barato
S na Ioj^Bb Estrellas
Si-IDA mmm CAXIAS-56
Telephone n. 91o
0 proprietario deste mui acreditado estabeieci-
mento previne a todas as Exmas. familias
e freguezes em geral, que as muitas pe-
ebinenas que costuma iazer, nao sao mais
divididas com a sua ex-casa das LISTRAS
AZUES; portanto, quem quizer comprar por
menos que em outra qualquer sarte dirja-
se LOJA DAS ESTRELLAS, onde encon-
trara um completo e variadissimo sorti-
mento de fazendas que se vendem por pre-
sos que nao lhe podem fazer competencia
como passamos a demonstrar, a saber :
Atoalhado para mesa, de 15800 a 15000.
Dito de cores a 15 e 15300.
Bramante de quatro larguras a 660 e
759 rs. o metro e de linho com 10 pal-
mos de largura a 15600.
Brim de c6res para ronpa de criancas a
280 e 320 rs.
Colchas de crochet de 105 por 55000.
Cortinados bordados a 55 e 65000.
Cortes de cambraia, bordados, brancos
e de cores a 45 e 45500.
Cortes de vestidos, em cartSo, a 75000.
Crotones, cores claras e escuras, a 160,
200 e 240 rs. o covado.
Cambraia branca, transparente ou Vic-
toria, a 25800 a peca.
Camisas inglezas para homens a885000
a duzia.
Collarinhos, punhos e aberturas de cel-
luloid, um completo, por 25500.
Capas de vidrilhos e tecidos arrendados
a 105, 155 e 205000.
Casacos Jersey n 2550, 35, 45 e 65.
Damass de seda com lindas cores cla-
ras a 15200.
Esteiras brancas e de cores para forro
de sala a 15100 a jarda.
EsguiSo de linho, pardo, a 240 e 320 rs.
Enxovaes para baptisado a 55600.
EspartilhoB couraca a 35 e 35500.
Fichus a 500, 15 e 15200.
FustSo branco a 240 rs.
Grinaldas com finissimos veos de Blond
a 75000.
GuarnicSes de crochet para sof, a 55500.
Gorgorao preto de seda a 15800.
Guardanapos de linho de 35500 por 25
a duzia.
Leques de fantasa a 400 rs.
Lencos para meninos, a 320 rs. a duzia.
Luvas de seda para senhoras a 15000,
15500, 25 e 25500.
Las e cachemiras de quadros a 160 rs.
MadapolSo pelle de ovo, muito fino, a
65000 e americano, com um metro de lar-
guro, de pre^o de 125 por 75OO0.
Dito de 85 por 55000.
Merino preto com duas larguras a 560
e 700 rs.
Dito de todas as cores a 500 rs.
Ditos de quadros, lindssimas cores a
240 rs.
Rendas hespanholas a 15600, 15800,
25500 e 35000.
Setim Maco, preto e de cores a 750 e
800 rs.
Dito de quadros, ultimanovidade, a,l<5-
S argel i ra de todas as cores de. 160 a
200 rs.
Toalhas alcochoados e felpulas a 25500
e 35000 a duzia.
Ditas para banho a 800 e 15200.
Tecidos arrendados, ulti novidade, a
200 e 240 rs.
Zefiros de todas as cores a 80 rs.
Assim como muitas fazendas que seria
enfadonho mencionar, e que vendemos por
menos 20 [0 do qu em qualquer outra
parte.
fmam
PO CL.ERV
Vends-se en. tcdi a uru
Vinho de pasto
O que ha de melhor vende-se pelo mdico
preco de 35*000 o barril de 5o e 8*000 o garra-
tao ,de 3 caaadas voltando o garraBo 7*500
(presos liquios) : ra do Amorim n. 60. ^^^
Doce secco de caj su-
perior
Tem para vender em latas de 2 e 4 libras, por
preco comniodo ; na ra do Bom Jess n. 35,
armazem.
Depois, com a voz profundamente alte-
rada:
Pois oem. Logo noite disse elle.
IX
A' noite, a scena quotidiana.
O co clareou. Faz mais um pouco de
fri. A geada intensa. No firmamen-
to azul-escuro fulgura urna poeira de dia-
mantes, As estrellas sao to numerosas,
parecem tao juntas, que realmente dir-se-
hia nessa noite um p espalhado, do qual
irradiavam faiscas de fogo. A noite est
sombra e calma.
O vento, que desde alguns dias sopra-
va tempestuosamente, qticda-se.
Parece que a natureza cala-se para mais
recolher-se diante do drama que vai pas-
sar se.
Um homem ronda os aradores da fa-
brica ao cahir da noite e vai oceultar-se
perto do muro do jardim.
E Courlande.
Podem precisar delle na fabrica. Nao
se afasta prompto a apparecer, se Luciana
o chamar.
Do sitio '.m que escolheu para esconder-
se distingue muito bem as janeltas do
quarto em que est Claudina. Essas ja-
nellas sao as nicas Iluminadas em toda
a fachada da casa.
Luciana espreitara a chegada do agente.
Este agitara o seu lenco. Ella vira-o,
e tranquillisada sem duvida pela presenca
desse amgo*corajoso e prudente nao ap-
parecera mais.
Jorge tinha ficado perto de Claudina at
s sete horas.
A essa hora descera para a sala de jan-
tar.
Mas nio tocara em prato algum.
Ests mais incommodado ? pergun-
tou Montmayeur com indifferenca, habi-
tuado como estava doenca do irmao.
Estou.
No veles ,cabeceira de Claudina,
como teimas em fazer todas as noites. Isso
fatifa-te. Vai deitar-te.
Seguirei ,o teu conselho.
Le vanta-se e entra no quarto.
Montmayeur nio se preoecupa mais
com elle.
Jorge rica apenas alguns minutos no
Mais Barato
A Loja das Listras Aznes
A' RA DUQUE DE CAXIAS K 61
Telephone a. til
0 proprietario desta conhecida casa previne as
Exmas. familias e todos os seus fre-
guezes, que as pechinchas que costuma
dar, nao sao nem nunca foram divididas
de outra casa como alguem annuncia
para engaar, vendendo fazendas ordi-
narias por boas, castuine que a Loja
daa LinirBK Asnea nao tem.
As fazendas vendidas nesta casa sao de boa qua-
lidade, e nao levam | medida escassa;
aceita-so a fazenda vendida se, por
qualquer motivo nao fr de muito agra-
do da pessoa para quem for comprada.
Dase descont a quem comprar de 20*
para cima.
ESPECIALDDADES
ti risa de listras aznes pecas com
20 varas a 6^000.
HadapolSo com um metro de largu-
ra a 6)J800 a peca.
Cortes de vestidos bordados em
cartao a IOiJOOO.
Velludllho bordado a contas a 15600
0 covado.
Cachemiras pretas, de quadros e
arrendadas a 2(5 e 25500.
Teeldos fantazia arrendado proprio
para baile e theatro a 400 500 rt.
Cortes de cachemira com guarnieres
bordadas, lindas cores, a 205 e 255000.
Wetlm Maco de todas as cores a 750,
e 800 rs.
Linn bordado, tecido de urna s cor,
qualquer que se deseje, a 200^rs.
Zefiros lisos e bordados, tecido fino,
novidade a 500 rs.
Las de quadrinhos a 200, 240 e 360
o covado.
1 jLinhos lisos a 60 e de quadrinhos a
Onardanapos melhor qualidade a
15800 a duzia.
Atoalhado branco e de cores a 15-
Oleados para mesa redonda ou qua-
drada a 45000.
Cortinados de crochet, com sanefas,
ultima novidade, para janellas e portas.
Crochet para cortinados a 900 rs. o
metro.
Colchas de fust&o, brancas e de eco-
res, a 25000.
Chitas finas precales a 200 e 240 rs.
Chitas escuras a 160, 240 e 280 rs.
Batlstes de cores seguras a 120 rs.
.\anziic de lindas cores a 280 rs.
Brim pardo esguiao a 240, 280 e 320.
Casinetas de cores escuras para rou-
pa de homem ou menino a 400 e 500 rs.
Mantilhas de renda hespanhola, pre-
ta, de seda a 85000.
Capas e visitas, de cachemira, de ren-
da, com lindos enfeites e com vibrilhos a
205, 255 e 305000.
Leques de pennao e transparentes,
ultima novidade, todo preco. .
Lavas de seda, lizas, bordadas ou ar-
rendadas, pretas e de qualquer cor a 25.
Espartllhos inglezes a 45500 e 55,
tem desde o n. 40 at 80 de grosssra.
Bico branco creme e de todas as
cores desde 700 rs. t 25500 a peca.
Rendas hespanholas, de seda e de
algodao, preta, branca e de qualquer cor.
Babados e entremeios bordados ta-
pados e transparentes por todo preco.
Grampos e pentinhos fantazia para
cabello a 400 e WO rs.
Balelas para vestidos a 260 rs. a
duzia.
Reioglos despertadores com fi-
guras em movimento a 85 e 95000.
2Aspas de ac para vestidos a 120 rs.
o metro.
Sargelim francez fino, diagonal, a
200 rs. de qualquer cor.
Crinolina de cordao preta, branca,
chumbo e cor de caf a 400 rs. o metro.
Redes americanas para menino
ormir a 35500 e para homem a 65000 e
75000.
E muitas fazendas que se vende muito
barato para liquidar facturas na loja das
LISTRAS AZUES de
Jos Augusto Dias
seu aposento e dirige-se immediatamente
ao quarto de Claudina.
Luciana falo entrar no quarto em que
ella costuma passar as noites. Ha conti-
guo a esse quarto um pequeo gabinete
de toilette.
Quando JoSo chegar, esconda-se all,
disse ella, e espere que eu o chame...
Bem!
Elle sentou-se a tremer e enxugou a
testa com o lenco. Os dentes batiam-lhe.
Coragem! disse-lhe Luciana meiga-
mente. ",
Quizerjestar morto!...
Nio se\ esqueca, Jorge, de que,
aconteca o qu< acontecer, Claudina ama-o
e amal-o-ha sempre.
Tenho nfcessidade de acreditar nisso*
para nao monpr de terror.
as horas. As nove JoSo
de costume e poz-se a
Passaram-
entrou.
Sentou-se
ler.
Luciana tiha-se retirado.
Joao achata-se inquieto.
A dse de arsnico administrada na ves-
pera devia t*jr matado Claudina. A moca
nao a tinha \ cortamente bebido. De ma-
nha o copo ( de xarope achava-se vasio,
mas tinha sido sem duvida Luciana que o
esvasiava para substituir a beberagem.
Claudina bebera nessa noite?
Se bebe88B,' morreria.
Se nao tivesse sede, estara ainda urna
vez salva. J
E por quanto tempo ?
Claudina/ emocionada pelo lado estra-
nho e tao (profundamente dramtico da
situacaoui irmSo vigiando o irmao para
sorprendel-0 na pratica do mais covarde
de todos os crimesClaudina revolvia-se
no leito seri poder adormecer.
Naoquerja fingir o somno. Montmayeur
poda ape/ceber-se disso e conceber sus-
peitas. Ouvia soarem as horas; a noite
escoava-sei o somno fugia-lhe das palpe-
bras.
Montmyeur reparaya nisse.
or que n2o dorine, vlaldina?
Nio sei. No entanto estou bastante
fatigad^.
Tadvez a escuridao a ajudasse a
adormecej. Quer que apague o lampeap ?
Noyidades
Reeeberam modas de Pars
AZEVEDO, IRMAO & C.
16 Ra do B. da Victoria 16
, (Antiga Nova)
Lindas capas de surah, cachemira, me-
rino e renda o que ha de mais novo. Renda
comprimento de saia a 15000 e 15500.
Sargelim fino todas as cores a 200 o co-
vado.
Baleias com forro a 240 a duzia.
dem com forro a 400 a duzia.
Bramante de linho com 10 palmos a
15500.
D to de algodo com 4 larguras a 800.
Cortinados bordados a 55000 e 65000.
Ditos de crochetfinos a 85000 e 105000
Estracto Rita Sangal a 25000.
Fichus de 13 e seda 15000, 15500.
Capelbis com veo bordado a 65000 e
75000.
MadapolSo globo a 75000.
Dito camiseiro a 75000.
Tapetes grandes para sof a 135000.
Espartilhos couraca a 45000 e 55000.
Brins de linho cies fixes a 600.
Panos de crochet para cadeiras a 800.
Ditos de crochet para sof a 25000 e
35000.
Guardanapos de linho a 25500 a duzia.
Merinos de cores a 400 o covado.
Zefires largos a 160 e 200.
Setim mfcco a 800 c 900.
Toalhas para banho a 15000 e 15500.
MadapolSo comjm metro de largura
a 65500.
Cachemira arrendada e de quadros
15500.
Crochet para cortinados a 700.
Toalhas felpudas a 35000 a duzia.
Camisas finas para homem a 335000.
Colxas de crochet com flores a 55000 e
95000.
Lindas velbutinas de quadros lisos e com
listas proprias para veo.
Nanzuc finos a 240 covado.
Ditas finas a 200, covado.
Cretones finos a 400 o covado.
C'aixas proprias para presente.
Palitos de palha seda cores a 95000.
Pao verde para bilhar.
Leques de pennas.
Ditos transparentes.
Crinoline preta a 300.
Guarieses pretas e de cores.
Camisas de flan ella de cores.
Seda crua de quadros a 800.
Crep inglez.
Meias brancas de seda a 45000.
Cachemiras de quadros a 280.
FustSo branco a360 o covado.
EsguiSo fino a 15500 a vara.
Casemiras para roupa.
Roupa feita por medida.
TELEPHONE 200
O desengao Ir rer
Pinho resina
Cimento
Parallelipipedes.
Vendem Fonseca frmaos & C.
Vinho de Pasto em barris
de quinto
De especial qualidade e a prego baratissimo ;
vende-se no trapiche da Companhia, largo do
Corpo Santo n. 19.
Livros de medicina
Vende-se alguns livros de medicina i servi-
dos ; na ra da Rangel, armazem n. 48.
Vende-se
dous importantes fiteiros, grandes, proprios para
qualquer estabeiecimento ; na ra do Bom Jess
n. 12, Recife. _______________________
g^000 a duzia
OLEO AMERICANO
O mais econmico, hygicnico e
perfumado oleo para o
C .A. SOS X* x, a
VENDEM
GOMES DE MATTOS IRMAO*
23-rna Mrquez de Olinda -23
ves pasa casa
Ra Duque de Caxias n. 103
Vende-se bordados de cambraia tapada
de 2 1|2 e 4 metros e urna chave de lar-
gura a 500, 600, 800 e 10, muito fino, de
qualqtier largura a 1#400, e de fustao, de
700 a 1^800 a peca.
Enxovaes para baptisados a 80, 100 e
120000.
Lindos enfeites- para ponteados a 100,
200, 300 e 500 rs. um.
Lindos granpos para segurar chapeos^__
Renda hespanhola a 20500 o covafl
Pulseiras americanas para 30, 40, 6J.1
60 e 80000 o par.
Guarncoes americanas a 30000.
Lindos espartilhos a 40, 50 e 60OOOf
Porta dedaes de vidro, objecto para pre-
sente a 10000.
Broches de fantasa de 500 a 10000.
dem americanos de 2& a 30000.
Lencos de seda de 500 rs. a 10500.
Lublaque a 200 rs. o par.
Guarnieres de crochet, sendo uiS para
sof e 4 para cadeiras por 6000. .
Finas capellas de pellica, panno
com finos veos.
Flores artificiaos a 15000 o ramo.
Anneis americanos a 20000.
Plisss de 400 a IfiOOO o metro, j
Luvas de seda arrendadas e boro
a 20 05OO o par.
Bicos brancos de linho e de cores a-20,
20500 e 30000 a peca.
Contas de c5r para enfeitar vestidos a
700 rs., e pretas a 600 rs. o masso.
Missangas de todas as cores.
Lindos leques brancos para noiva.
Collarinhos e punhos de borracha.
Colchas de crochet para casamento urna
80000.
Talheres para crianca a 800 rs.
Luvas de pellica a 20500 rs. o par. _
Linhas de cores para crochet a 20000 9
cor de creme a 10500.
Lindos leques de papel de 500 rs. a
10000.
Espelhos com fina moldura, com dous
mos de comprimento, a 40000 e cara
a 500 rs.
Finos binculos.
Agulhas para bordados a ouro e missan-
gas.
Lindas franjas douradas para facha, de
seda preta e de cores, sem e com vidri-
lhos .
Timllosinhos enfeitados de bico erenda.
Grande sortimento de fitas modernas a
13 de Maio, Imperial Regente, a Nabu-
ao e a Joo Alfredo.
Lindas fitas para facha a 20, 20500
30500 o metro.
Carteiras de chagrn para algibeira.
Finas gravatas plastroes e regatas a 1
10200, 10500 e 20000.
Lindos porta-ps de arroz.
Grande sortimento de jarros para enfei-
tar consolos c sanctuarios.
Completo sortimento de perfumaras.
Finos sabonetes de todos os fabricantes.
Grande sortimento de alfinetes douradoa
para enfeitar o penteado e tambem gran-
pos muito lindos.
N. B.D-se amostras de bicos e bor-
dados.
__,---------------.-------..
Vinho de Collares especial e
da Madeira
Em decimos e caixa de duzia, tem para ten-
der Joaquim da Silva Carneiro. largo do Corpo
Santo n. 13, i- andar. _______
Cimento Portland
Vendem Soares de Amaral Irmos, ra da
Madre de Oeus n. ti.
Mas o senhor assim nao poderia
ler...
Que importa isso ?
Nao. Prefiro a luz.
Ella ficou immovel, com os olhos fe-
chados. Montmayeur proseguiu na sua
leitura. De quando em quando ergua os
olhos e dirigia-08 para a doente. Quasi
sempre encontravam-se os olhares de
Claudina e do assassino. E JoSo abaixa-
va os olhos.
A'8 tres horas, mais ou menos, Clau-
dina sentio, entretanto, que o somno apo-
derava-se della.
Vou finalmente dormir, disse ella
baixinho. ,
Finalmente murmurou Montmayeur.
E effectivamente dentro em pouco a
respiracao da moca tornou-se mais regu-
lar. Era um sopro igual, ligeiro, qaasi im-
perceptivel, que sahia-lhe dos labios entre-
abertos. Mas o seu somno, apezar de tu-
do, era sem duvida perturbado por mos
sonhos, porque, de vez em quando, sobre
as cobertas, as roaos crispavam-se-lhe co-
mo se ella quizesse afastar de si algum
pe sadello.
Montmayeur fechou o seu livro, levan-
tou-se e approximou-se lentamente da ca-
ma, parando todas as vezes que os seus
passos faziam ranger o assoalho.
Observou-a por muito tempo, depois di-
rigio-se, como fazia todas as noites, at
porta do quarto de Luciana, escutou pri-
meiro, entreabri essa porta e olhou.
Luciana dorma, como sua irmS.
Tornou a fechar a porta e encaminhou-
se para a mesinha.
Mal tinha-se elle afastado, Luciana com-
pletamente vestida, ergueu-se cautelosa-
mente e dirigio-s% ao gabinete visnho.
Jorge achava-se all espera, com as
maos pousadas nos joelhos, os olhos cer-
cados por um largo circulo negro, muito
enterrados as rbitas, os labios brancos,
pallidos de modo a assustar.
Venha! disse ella.
Elle tentou levantar-se, mas as forcas
trahiram-no. NSo pode e foi obrigado a
tornar a qentar-se.
Venha! disse ella segunda vez. Da
qui a pouco ser demasiadamente tarde !
NSo poderei nunca, dase elle em voz
baia.
RvjiI Blond marca VIADO
Este excellente Whisky Escocez pre-
ferivel ao cognac ou agurdente de cana,
para fortificar o corpo.
Vende-se a retalho nos melhores arma-
zens de molhados.
Pede Roya! Blend marca Vlado,
cujo nome e emblema sSo registrados para
todo Brazil.
BROWNS & C, agentes.
Encoste-se a mim !
Luciana levantou-o com um vigor que
nao conhecia, e, assim amparado, elle fez
o trajecto do gabinete de toilette porta
do quarto. *"
Recobrara um pouco de energa.
Sempre encostado a Luciana olho,afas-
tafido a pesada tapecaria que cania *obre
a porta.
Montmayeur chegava mesiat, e ah
aps um ultimo golpe de vista Sobre o
leito, pe >ava no copo de xarqmup d*tava-
lhe um p branco.
Tornava a collocar o copo no eu lu-
gar, voltava sua cadeira junw d mesa ?
mas as suas maos ao pousarem, o livro
tremiam terrivelmente.
E por duas vezes o'miseravel enxng#u
a test.
Quanto a Jorge, o seu aspecto era ater-
rado.
As suas feoes haviam se decomposto.
Urna contraceSo como a que se v emeer-
tos mortos, distendia-lhe os labios e dei-
xava-lhe ver os dentes.
O pobre mancebo teve, naquelte minuto
supremo, um momento de loucura, de cer-
to- Olhava para Luciana sem reconhe-
cel-a e os seus olhos achavam-s tao assus-
tados, tSo esgazeados, que Luciana teve
medo que elle commettesse alguma impru-
dencia.
Esse estado durou pouco, felizmente.
Jorge voltou a si, tornou ao seu escon-
drijo e alli ficou immovel, com qs bracos
cahidos, a cabeca inclinada sobre o peito,
em absoluta prostracao.
Luciana, por seu lado, atirara'-se nova-
mente na sua cama.
Era tempo.
Montmayeur, julgara ter ouvido ruido
no quarto da moca c vinha erguer a cor-
tina e verificar se ella dorma.
Encontrara-a exactamente como a tinha
deixado havia pouco. Nao havia^poi
to, nada a temer da sua parte,
havia visto cousa alguma.
Algum tempo depois, com
todas as madrugadas, Luciana i
Montmayeur.
Este diriga-se para o ten q
n3o








Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EWESSFSOK_GQL0D5 INGEST_TIME 2014-05-22T23:16:13Z PACKAGE AA00011611_17441
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES