Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:17009


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANNO*fcXVI ffMElO 141
DOMINGO 22 DE JCNHO OB 1890

DIARIO
v.
I
PARA A CAPITAL E LUGARES ONDE NAO SE PAGA PORTE
Propriedade de Manoel Figueira de Faria dks Filhos
PAIiA DENTRO FORA DO ESTADO
Por tres meses adiantados. .
Por seis ditos idem. .....
Por um armo idem......
Cada numero avulso, do mesmo dia.
65000
125000
230000
5100
Os Srs. Amede PrinceSt C.
d Pars, sao os nossos agentes ex-
clusivos de annuncios e publica-
res na Franca e Inglaterra.
Por seis mezes adiantados. 135500
Por nove ditos idem. .' 205000
Por nm anno idem...... 265000
Cada numero avulso, de dias anteriores. 5100

AVISO.
A eJipreza d este Diario
pede aos Srs. assignantes,
que estao em atrazo de abo-
no de suas assignaturas, o
obsequio de mandarem sa-
tisfazer os seus dbitos ateo
dia 30 do crrente; isto para
que nao soffram suspensao
naremessa do Diario no
1. de Julho.
-; -
TELEGRAMMAS


& 5>S
-

sssvi;: mvsmA so ::s:
RIO DE JANEIRO, 21 de Jnnho, s 4
horas e 4 minutos da tarde.
O governo concluio a discussao do pro-
jecto de ConstituicSo, formulado pela com-
misso incumbida dessa misaao.
Consta que bievlmente ser promulga-
do como lei esse projecto. .
Foram nomeados :
Fiscal do Banco Emissor do Norte, o
coaselheiro Samuel Wallace Mac-Dowel;
Fiscal dos auxilios lavoura na mesma
zona, o Dr. Raymundo Nina Ribeiro.
Seguio para Peroambuco no paquete
Britania o coronel Joaquina Ve:issimo do
Reg Barros.
.
SS37I;: JA A&SVCZA SA-VAS
LONDRES, 20 de Junbo
Na Cmara dos Communs o governo
declarou que a Inglaterra estabeleceu seu
protectorado em Zanzbar.
.


i
*
PARS, 20 de Junbo.
Mr. Carnot, presidente da Repblica re-
ceben oficialmente o ministro dos Estados-
Unidos do Brazil em Franca, o qual apre-
senou-lhe suas cartas credenciaes.
ROMA, 21 de Junbo.
0 Supremo Tribunal confirmon a tan*
tencha concernen te condentnacSo do ge-
neral Panitza.
LONDRES, 21 de Junbo.
E provavel que, apezar da manifesta
gao da Cmara dos Communs, o Parlamen-
to inglez approvar a cessao do Heligoland
ao Imperio da Allemanba.
Agencia Havas, filial em Pernambuco,
21 de Junho de 1890.
*

:
INSTRCClO POPULAR
POB

IFiTaES
capitulo vni
a ida do* aereaMovlstenio da vi-
da- Durirao da calatearla d o a
eorpoa Principio da vida.
( Continuasao )
IU
Hoje pde-se, qoasl com certeza, chegar a
fonte das origeos na vida, no pequeo mundo
que nos serve de morada.
Una 1.400 anno* antes di era christ ja o ge-
nio do hornera, guiado gmente pelas saas in-
spirages, entrevio o que (antas provas, racio
cuos e controversias necessitoa depois para se
constituir em verdade deBnitiva.
IV
0 pbilosopho Xenophanes, na poa antiga.
anteriormente citada, ensinaTa qoe os animaes
petrificados eram seres que baviam vivido em
tempos remotos, e que a preseoca de conchas
martimas, acbadas as monUnhas, como tam
bem as impresses da conflguraco doi peixes
e outms seres aqoaticos, que se encontravam
nos rocaedos das pedreiras de Smyrna, Paros e
Syracnsa, eram evidentes vestigios de qoe a
trra esteve em remotas eras coberia de agua.
a opinio do americano Tuttle, a vida vege-
tal e a animal appareoeram ao mesmo lempo na
tgrra ; e fcilmente se comprehende que assim
fora, por pouco que se medite sobre o assompto.
Mollas plantas, especialmente as regioes
eqoatoriaes, dao vida, boje mesmo, a varias
ctases de insectos. A decoraposici dos enor-
mes vegetaes, qoe nos lempos primitivos se
efectuara com pasmosa aclividade, gracas ao
calor excessivo que ento calcioava a delgada
e*iderme da trra, den em envida existencia
t-Vm sera numero e seres rodimentares, pro
prios dos cootofott vitaes em qoe se desenvol-
van).
Alm disto, nao se pode negar, nem lgica
em cjenttflctmeote, qoe, antes d apparece-
rem sobre si agota na* primearas ilnas os seos
brazados otramos e areias.i alaciara as
profondldades dos tras mantos primeiros e
uis acffvoa germens da vida vegetativa e ani-
mal.
(Ommmj
riRTE 0FFIC1AL
Reparlr-o da Polica
2.* seccfto.N. 138.Secretaria de Po-
lica do Estado de Pernambuco, 21 de
Junho de 189J.
Cidado governador.Parlicipo-vos que foram
hootem recolbidos A Casa de Detencao, os indivi
dos de comes Manoel Francisro Soares, Mi
noel Francisco do Nascimenio. Eduwirges Maria
do Espirito Sanio, Mara Francisca da Conceicio,
Pedro de Souza Oliveira, Antonio Jos de Frenas,
Ricardo Gomes da Silva, Jos Guilberme Francis-
co de Saot'Anna, Francisca de Paula do Nasa
meato, "Guilnerme Barbosa, Joo Francisco do
Xascimento, Jos Antonio Yalenca e Lucinda Ma
ria da Conceigo.
No da 15 do correte, em trras do Pende-
rama do termo de Ipojoca, o individuo de nome
Jos Hanoi ferio gravemente, com urna facada, a
Joao Correia.
Contra o delinquiente, que evadise, proce-
den se nos termos do inquerito policial.
Pelo subdelegado do i.* distncto de Barrei-
ros foi remettido ao juizo competente o inquerito
policial a qoe proceueu contra Manoel Candido
de Miranda, Manoel Severo Ferreira e Pedro Ceci
liano de B.rros Lins. coonecido por Pedro Ma
cbinista. por crime de espancamento praticado
oa pessa de Antonio Ferreira Felosa.
No dia 17 do corrente, foi preso no termo
de Bezerros, por crime de furlo de cavallos, o
individuo de nome Joao Tbomaz Torres Galindo,
contra quem abrio-se inquerito.
= Assigoaram termo de bem viver, peraute a
delegacia do distncto de Aliinho, os vagabundos
Manoel Felippe da Silva e Manoel Janua-io de
Oliveira.
Entraram em exercicio as autoridades po-
liciaes seguiotes :
Manoel Ferreira de Mello, delegado do termo
de Quipap.
Hennque Bernardes ie Oliveira Jnior, subde-
legado do distncto da Magdalena.
Sade e traternidadeAo cidado Dr.
Albino Goncalves Meira de Vasooncellos,
governador do Estado.O chefe de poli
cia, Ernesto de Aquino Fonseca.
Recebedorla do Estado de Per
nambuco
DESPACHOS DO DU 20 DE JCSHO DE
1890
Domingos Ferreira da Silva & C, e
Joaquina Maria de Athayde.Informe a
Ia seccSo.
Manoel Fernandos Velloso.A" ll sec-
eso para attender.
Francisco Joaquim de Oiiveira Cunha.
Informe a 1* seccao.
21
Daniel Marques OuimarSes e Antonio
Pereira Mendes. Informe a'Ia seccao.
Antonio Augusto de L;mos <& '. e An
tonio Francisco Poreira de Carvalbo.De-
ferido, em vista das ioformacSes.
(.encalo Jaopme de Araujo.Certifi
que-se.
Albino da Costa Ramos.Deferido.
EXTERIOR
EUROPA
Pelo paquete Tagus, bontem chegado da Eu
ropa, ti vemos dalas que de Lisboa alct.ncam 9
do corrente mez, adiantando quinze dias s tra
zidas pelo Magdalena.
Alm das de Portugal, constantes da carta do
nosso correspondente, publicada na competente
rubrica, eis as demais noticias trizida3 pelo re-
ferido paquete.
Heapanna
Sobre este paiz escreveuo nosso alludido cor
respndeme:
A imprensa poltica de Madrid liga grande
importancia a urna entrevista ltimamente rea-
lizada entre o general Lopea Domoguez e o il-
lustre parlamentar Sr. Marios.
Trata se, ao que parece, de urna conciliago
de lodos os elementos liberaes.
E' indubitavel que existen trabalbos da re
conciliago entre os chefes dos differentes gru
pos, em que se tem dividido o partido fusio-
nista, afim de conseguir a unio de todo o par-
tido liberal.
Diz se que o general Lpez Domnguez traba
Iha junto do Sr. Moret, o Sr. Moret junto do Sr.
Gomaso, e o Sr. Montero Bios junto do Sr. Mar-
tes, para conseguirem este resultado, e ttam
grandes esperances de conseguil-a.
A idea do Sr. Romero Robledo, de um minis-
terio intermedio, presidido pelo Sr. Alonso Mar
tinez, ou os geoeraes Martnez Campos, ou Jo
vellar, nao fez fortuna na opiniao repellindo a
por igual hberaes e conservadores.
Os conservadores estao dispostcs [a solicitar o
pider, nma vez approvados os orgamentos, e vo
lado dehnitivaaaie o sufragio ; os polticos
iraparciaes, poroaf duvida muito de que o al
cancera, anda que promovam em arabas as c-
maras n annunciado debate politice, de que es
peram to felizes resultados.
O Sr. Sagasta, naq,s espera refutar quantas
aecusagoes Ibe facam, seno contia tambem em
que a enumcrac&o do3 tnumpbos conquistado-
uo goveroo pelo partido liberal, taes como o
suffragio, os orezmeotos e a terminaso das gr
ves sem derramamento de saogue, actos todos
que a opiniSo applaode, lbe bao de servir de
tnnito para continuar no poder.
E tanto assim que longe de receiar o debate
o deseja, accrescentando que aspira a que estas
esrtes vivamat 1891, que o termo legal de
seu mandato.
O Sr. Castellar nubhcou um nctavel artigo no
sen seo jornal El Globo, no mesmo sentido, af
Brmando que deve cessar a dissolucio das c-
maras pela vontade da corda, como tem succe
dido, prefenndo a isso os liberaes mais cinco
annos no poner, se a monarchia nao quer q*e
atraz dos conservadores venha a repblica.
O Sr. Bomero Robledo disse ltimamente no
salao do coogresso so Sr. Sagasta, que ira com
elles se agora abaodonasse o poder; porm o
chefe do governo respoodeu-lhe com applausos
dos assUtentes : Va o senbor outra ves para
< os conservadores que bastante falta loes las. >
Os amigos do general Cassola' empreen -
deram com muiia f a tarefa de recolber doos
tivos para erigir lhe urna estatua, iodo visitar a
rainba regente e a infinta D. Isabel, qoe te
prestaram a concorrer para este fim.
Teme se qoe os coros especiaes nao contri
bnam pora sit orojeeto.
Paila-s de onira falu do general Daban, qae
nao se aprsenlos ao ministro da guerra ao vol
ur indultado da pristo.
Os bespaonoes tambera estao do p otras
a retpeito dos ingleses, especialmente ttm
me ellas pensam em construir nm diqoe eos
Assim, o Imjtarcial sollava este grito de alar
me ha poneos das :
cessoas que nos uierecem inteiro oredito. e
que ha dcucos dias estiveram npcompo de Gi
braltar, communicara nos orna noticia Je verta-
deira impoitancia, e jue porventura se relaciona
com o dique inglez em qoe tamo -se falrou ha
mezes.
Ao cahir da tarde, quandQ,no Hirln, se dis
para c tiro da pega, que annuocia qoe vai fechar
se a praca, pae pela por'.a da lerta; um numero-
89 destacamento 'ie soldados britannicos prvi-
dos de armas e municVs.
Estas tropas eu.reteem-se no impropria-
mente chamado campo neutro, e logo que desee
a noite, adiantam se quanto Ihes parece pelo ter-
ritorio que, sem a menor duvida bespanbol.
0 destacamento ingle?, urna vez chegado
ao terreno bespanool, divdese em pairulhas,
cujos soldados, de armas no braco, percorrem
grandes dis'ancias, preudem contrabandistas, e
exercem verdaderos actos de posse e dominio,
com.tanto desassombro, como se estivessem den-
tro da praca de Gibratiar, ou nos arredores de
Londres.
ao amanbecer, as patrulhas reunem-se. for-
ma-se de novo o destacamento de tropas ugle-
zas, e regressa praca, ora entregando os con-
trabandistas aos carabineiros hespanhes, ora
levando os para Gibraltar!
O couracado bespannol Pelado, construido
nos eslaleiros franceses, fez os seus primeiros
exercicios com a ar'.ilbaria pesada.
Experimentou principalmente urna pega de
calibre 32, construida pelo modelo do general
utoriva, montada em reparos do systema tran-
ces Canet.
Os resultados foram muito satisfactorios.
Aagrves dos banheiros de Bilbao que re-
vestan] urna gravidade tamanba, parece que
terminaram felizmente, merc do facto e da
energa do cap to general das pioviocias vas
coogadas, Sr. Lo mas.
Muitas das reclamaces dos grnstas, a quem
os contractadores obngam a viver em ms con-
dices, e a comprar os vveres em tendas delles
sero atteodidas pela jusliga que as acompa-
nha.
as sessOes que est celebrando a assem
bla dos contrjbuintes teem-se pronunciado no
lavis discursos pedindo a suppreso do im
posto f obre o sal, velas e bebidas, indicando
tambem a conveniencia de substituir o actual
sjstema de imposto por um systema p ogres-
svo.
Na Havana acaba de succeder urna grande
catastropbe.
Tendo-se incendiado a oflicina de f-rro do Sr
Josi, communicou se o fogo a urna barrica de
plvora, resultando muitos morios e feridos,
nornbeiros, soldados, mannheirose paisanos.
0 enterro das victimas foi urna verdadeira so
lemmdade.
Todos os theatros fecharam e foram abenas
muitas subscripces para soccorrer as familias
da- victimas.
Franca
Podemos dar boje pormenores relativamente
t noticia do indulto concedido pelo Sr Coruot
ao duque de Orleans.
Antes da madrugada do dia 3 de Junho, eram
muito poucas as pessoas que tinham receido a
noticia de que o principe ia ser posto em liber
dade, e conduzido ffonteira.
Acerca desse acto do presidente, fdra at ul-
tima hora guardado o mais profundo silencio.
Sabia o j o duque de Luynes. mas esse
tinba se compromettido sob sua palavra de hon-
ra, a guaraar a mais absoluta reserva. So com
essa condicSo lhe fdra data liecnca para acom-
panbar o principe at frooteira.
as primeiras horas do dia 4 circulou por
Panz a ooticia de que o duque de Orleans che-
gara fronteira soissa. Como so sablam do
itinerario alguus fuocciooarios, e as pessoas en-
canegadas de cumprir as ordens superiores, em
nenbuma estagao do trajecto bouve manifesta
cao alguma de sympathia ao principe.
Este aira versara o territorio allemo em di-
recgo Blgica, e embarcara em Ostende, alim
de ir encontrar-se com sua familia em Ingla-
terra.
0 Gavin, o Loieil, e l'Aulonl nao publica
raoi pormenores de interesse sobre o indu to e
viagem do principe.
Dispertam apenas a curiosidade os telegram-
mas que o duque enviou a alguma3 pessoas, e
os que dao noticia das pbrases trocadas com o
director da prisao, no a:to de despedida.
Nao obstante o presidente da repuDiica ter
estado sempre disposto a conceder o indulto ao
duque, foi adiada a realizacao dessa medida
pelo receio que tinha o governo de que alguns
polticos se valessem d'ella para o atacar, e
crear-Ib? difficuldades.
0 Sr. Constan s foi tal vez entre 03 ministros,
o que a principio mais opposico fez concessao
do indulto ; ma.- foi tambem, provavelmeote, o
que mais contribuio para facilital o quando
chegou o momento opportuno, porque vencen
as resistencias de alguas deputados republica-
nos, que qualiticavam de pertgoso o acto de fra-
queza e cemplacenMa o cooceder a liberdade ao
prnsipe antes deste ter completado o cumpri-
ment da pena, a que o condemnara o tribnual.
O ministro do interior procuren ir ganhaodo
tempo para que o decreto do indulto coincidisse
com a suspensao das sessoes da comarca ; e, se
isto nao i03se possivel, com um dia de feriado
parlamentar.
Na cmara dos deputados, na seeso de 8
o Sr. Dumay, socialista, pedir para inerpellar
o governo sobre o indulto concedido ao duque
de Orleans. 0 Sr. de Freycioet aceitn a de-
missio immediata. O Sr. Dunay pergunton a
que seotimentos obedeceu o governo e fez notar
que se indultou um pnneipe, entretanto que va-
rios pas de familia, victimas la m organisac&o
social, estao entre ferros, e se prendem os so
cialistas rus80S, o que nma poltica retro
grada.
O Sr. dtFaycinet respoodeu que a idea de in-
dultar o do le de Orleans occorreu ao Sr. Car
not. quando passou por Clairvaux, e que a poli
tica foi completamente estraoba a esta medida ;
a repblica bastante forte para nao recuar
diatite de quaesques actos de clemencia; ainda
recentemente se concederam indoitos por factos
de grve, e ootros serio em breve concedi ios.
O Sr. de Freycioet pedio a ordem do da pura
e simples, quando foi approvada por 303 votos
contra 194.
O Sr. Ferrent e outros deputados operarios
pediram a amnista com deta para os factos da
grve, ejrequereram a urgencia, que foi rejeita-
da por 319 votos contra 141.
A celebre qoesvao da pescara da Terra-
Nova est outra vez na lela da discnsso, e des
ta, por urna forma, que cria serios embaracos
ao gabinete inglez. Entre a populacao britaoni
ca da iiba e os pescadores franceses h >ove ulti
aamente actos de violencia, que podem ter gra
ves conspqoencias. Se a Inglaterra nao inter-
vier enrgicamente para conter em ordem os
eus subditos, a Franja ver-se ba na oecessida-
de de enviar forcas navaes para as aguas da
Terra-Nova, para proteger os seus. Pede re-
saltar disso nm cooflicio gravissimo.
a Inglaterra reconhece em absoluto os direi
tos rae para a Franca derivam do tratado de
Utrecht, mas v se a'uma sltuacio embaracosa
tra os faser resoeitar. Os pescadores brfttn-
nitos da Terra-Nova recnsam se a aceitar o
Bodas rivend co i binado entre a Franjo t a
Iaglaterra. Obrigando os pela fo'Ct, a toga-
tcr-afltt^-ca se a provocar urna perigosa effer-
veso8j|cla separatista, nao o na Terca-Sova.
mas timbera em todooCauad. Nao reprimir
os ei(6es8os dos habitantes da ll ta. expo-
pelo menos, a reclamac!s e a exigencias es
agradaveis da Fra-ica.
Como se v, esta questo est em jogo o pre-
stigio de duas grandes potencias, que ambas
sao bastante ciosas da sua autoridade nos seus
dominios de alm mar, e esto em jogo tambem
graudes inleresses nauceiros. Nj deixa por
isso de ser grave a questo. que poder de um
memento para outro dar n'um conflicto grivis-
slmo, a pesar dos esforcos que os doui governos
faz-mjpara o evitar.
A polica Je Pariz descobrio urna nmhada
de nihilistas, ou te ronsias, homens e mulheres
e f z apprebeusOss importantes.
O joiz de instrueco, o Sr. ittbalin, depois
dos primeiros Interrogatorios, raandou recoher
os homens presos cadeia de Mazas, e as mulhe-
res JeS. Lzaro.
Os interrogatorios tm sido difliceis. porque
muitos dos presos, para se furtarem a fazer de
clarace?, allegam ignorar o francez.
No laboratorio chimico procedeu se a expe-
riencias com os explosivos dos terroristas. O
encarregade da operaco pegou em dous tubos
e enchi'u um delle com o explosivo mais enr-
gico coobecido em Franca, empregando 2 gram-
mas de nitro glycenna. Deu se a exploaao, ti-
cando destruida a terca parte do tubo.
Carregou depois o outro com 1 gramma do
explosivo dos terroristas, que escangalhou in-
teramente o tubo ao rebeotar.
Daqui se oncluc que tem enorme forja explo-
siva o preparado russo, sobre a composico da
qual o .laboratorio guarda a mais absoluta reserva
Dizt'm os joroaes que foram apprebendidos
aos terroristas muitos Irascos de vidro carrega-
dos com aquel le explosivo. Meia gramma de
carga pode causar a morte de 20 pessoas.
Foram presos mais esludantes russos, e con
rmam-se as saspeitas de que se tramava contra
a vida do czar.
Na Kussia effecluaram-se numerosas prises.
Telegrammas dalli annuociam que foi recebi-
da com grande al voroco em S. Petersburgo, Mos
cow, Odessa e ouiros pontos do imperio, a no
ticia da prisao dos terroristas em Paris, baveo-
do grandes illutninacOes, dndose vivas Fran-
ca, e apparecendo em muitas partes as bandei-
ras franceza e russa entrelacadas.
0 goveroo da repblica franceza decidi em
principio elaborar um projecto de lei tendente a
limitar o dia de trabalbo dos operarios. Os pro-
menores do projecto sero combinados ulterior-
mente.
Coocluio se o julgamento do process da
Sociedade dos Metaes. O tribunal condemnou o
reo Secretan a 6 mezes de prisao e 10,000 fran-
cos de malla, Laveyssire a 3 mezes de prisao
e 3.000 francos de multa. O Sr. Joubert foi ab
solvido, assim como os Srs. Laveyssire tillios
Hentsch Bino; Arbel e Leynier. citados pelas
parles civis.
A commisso parlamentar do trabalbo da
cmara francez j terminou o exame da pro
posta de lei relativa ao trabalbo das mulheres
e Jas criaras-
Dectdio que o- inspectores do trabalho se
riara nomeados por concurso, pela ministerio do
commercio.
Ha ver um inspector geral, inspectores re
gionaes e inspectores de p-ovincia.
Por nm a commisso decidi que a nova lei 80
ser applicavel a partir de i6 de Marco de 1892,
data em que expirara os ltimos tratados ae
commercio.
Fie u encarregado de redigir o relatono o
Sr. Wadingion.
Do Diarlo de Peroambuco
PORTUGAL lisboa, 9 de Junho de
1890
J o telegrapho ter annunciado ahi a doloro
sa perda deCamillo Castello Branco, o fecundis
simo escriptor portuguez, que muitos nao duvi
dam qualflear com o titulo de primeiro prosa
dor nacional.
Succumbio no dia 1 do corrente pelas 3 1/4 da
tarde ao desespero que n'aquelle animo varonil
determinou o triste desengao de que nSo tinha
cora possivel a cegueira completa em que se
encontrava.
Suicidou-se apezar de toda a vigilancia dos
que o extremeciam. Por muito tempo, o seu
criado riel Manoel Canico o illudira, tirando as
balas s cargas do revolver de que jamis se
separava o insigne escriptor.
m dia porm, como tivesse de ir ao Porto o
servo dedicado, ouiro, que o ficou substituindo.
deixou se seduzir pelas promessas do amo, e
carregou-Ibe o rewjlver a valer.
Outra verso, porm, consta que chegou a
persuadir a esposa e os poucos iutimos que lhe
a88istiam, ser-lhe indispensavel pira conservar
uns restos de resignaco, trazer comsigo o re-
medio supremo para aqueile inferno. Pedio, sup-
plicou, juren, prometteu por tudo que ha te sa-
grado que ne se utilisaria do revolver, at que,
por fim lh'o connaram carregado como elle que
ria.
O certo que ouvindo ler qoe em Aveiro es-
lava um especialista de doencas de olhos, o Dr.
Edmundo Mchalo, desejou ser examinado por
elle. Yeio o medico residencia de S. Miguel
de Seide. aldeia prxima a Villa Nova de Fama
lico, onde havia mais de 20 annos Camilio se
confinara, longe dO bulicio das cidades e da
convivencia dos homens. .
Consultado o medico, foi este de opiuio que,
antes de comegar o tratamento dos olhos, Ca-
millo devia ir 9assar urna temporada no G Tez,
nunca dizen lo cousa que desanimasse de todo
o doente. mas fasendo lhe crer, que melboraJas
as condiyOes geraes do seu organismo, em me
thores cir< umstaocias flearia depois para o tra-
tamento da vista. .
O que o medico procurou foi affastar de ua
millo Casillo Branco a idea qoe leve de ir vi-
ver para Aveiro, aflm de ser tratado regular-
mente par aqueile especialista.
B' de presumir que a perspicacia do enfermo
se nao illudisse com aquellas tergiversacOes.
Concluida a consulta pedia a sua esposa que
acompanhasse o doutor at porta.
Ainda estavam no patamar cuperior da esca
da, quando ouviram urna delonaco.
Curren todos ao quarto de CtmiIIo e encou
tram n'o de cabeca pendida para o lado. O tiro
que disparara sobre o temporal direito, enea-
minbanao o cano do revolver, com a mao es-
qoerda oa concha, atravessara loe o crneo,
vindo a bala alojar se-lbe no lado opposto.
Caojillo lini posto flm aos seos tormentos
ptrnicos e moraes, porqnanto desde que sen fl-
Iho Jorge endoideeera e qoe nm netinbo a quem
muito quena bavia fallecido, o sea grande espi
nto perder muiiissimo da sua adoiravel eoer
gia, qoe, a mpossibilidade de trabalhar tioha
abatido coosideravetmente. .
Nos ltimos lempos qualraer cousa o irriUva
e destat contrariedades sobrevinbam Ibe acces-
tos nervosos usasudores.
Era a paciencia qoe se lhe esgotara.
*
Um trecho do discurso, pronooeitdo na ca-
mar dos depotados por Guerra Janraeiro, dea-
ne em poucas palabras a verdaleira sigaifica-
co Iliteraria de Gamillo :
Camillo Castello Branco. Herculano, Gar-
rett e Joao de Deus. eis ra minha modesta opi
nio as quatro consubstaniiacOfS immortae3 e
genuinas da individualidade porlugueza neste
seculo. E' tudo o que o genio ponugnez tem
de mais profundamente nacional.
Ha cerca de 15 ou 20 annos que a iudole,
que os costumes portuguezes se vo abastardan-
do consideravelmente, perdendo a ndole e a
feicao eminentemente nacional, e adquirindo
um leilio, que por assim dizer, meio francez ;
ter isto por ventura um ponto de vista critico
mais bello, mas em compensacao rouba-nos as
qualidades do carcter e de individualismo, se.m
as quaes nao pode haver nunca urna grande na-
co nem urna grande patria.
Os simptomas desta evolugo to rpida
sao de tal ordem, que estou convencido que nao
nos dirigimos para urna evoluco, mas sim para
urna dissoluco, para um esfacellamento colec
tivo.
O insigne romancista era natural de Lisboa,
onde nasceu a 16 de Margo de 1828, comando
portanto 64 annos e 2 mezes de Idade. Seu pai
era Manoel Botelho Castello Branco, sendo bap
ti: ado, sem designago de quem fora a mi, na
igreja d Nossa S nbora do Loreto.
Averiguou se ao que parece que a mi de Ca
millo Castello Branco era urna judia de Cezun
bra.
Em 1831 (tinha cinco annos) leve bexigas,
cujos signaes lhe ticarara indeleveis, e aos 10
annos a raerte arrebatou lbe o pai, tieando or-
pliio desherdaio.
0 conselho de familia incumbi o aos cuida
dos de urna ta, residente em Traz os-Montes,
embarcando-o no vapor Jorge IV, que teve de
arribar a Vigo por o mar lhe nao consentir que
enirasse na barra do Porto.
Cutnpndo um voto que os passageiros tinham
feito por occasio da tempestada, ao Bom Jess
do Monte, seguio para Traz os Montes com una
criada que o acompaohava desde Lisboa.
Foi para Villa Beal para casa d'aquella paren
ta, irm de seu pai, onde soffreu tormentos de
tal jrdem que, aos 13 annos fugia para Lisboa,
3endo. porm, detido no rtiBJWW por ordem da
lia. Fugio segunda vez, e, voltando a Villa
Beal, enlrou para casa de urna sua irm. casada
com o facultativo Francisco Jos de Azevedo,
pai dos Srs. Antonio Jos de Azevedo Castello
Branco e irmo do esclarecido' sacerdote Amo
oio Jos de Azevedo, que se dedicou educago
Iliteraria de Camillo.
Afim de tolher o desenvolvimento de uns amo
res precoces de Camillo, foi este aos 15 annos-
mandado para Lisboa ; d'aqui o enviaram para
o Porto, onde estudou preparatorios, matriculn-
dole, mezes depois de chegar, oo 1 anno da
escola medico-ciruraica d'aquella cidade.
Sao d'esta poca o< poemas Juizo Final e Pun-
donores desaggravados > .
No exme de anatoma teve um B, o que fez
com que elle partisse para Coimbra, onde mal
chegou cabio doente, sendo obligado a flear sete
mezes de cama. Assim que se restabeleceu, fes
as malas e, oo mesmo dia em que, em 1846, o
batalho acadmico sahia para a Figueira, par-
lia elle para Villa Beal.
Jhegado qoe foi all, um tio realista, uaico
apoij que lbe resta va, instou com elle para se-
guir as forgas de Mac Donell, que ento chegava
a Braga, corrido pelas tropas do Casal Esta
entrada na vida de gyerrilbeiro r,ao teve gran
des consequencias, porque o chefe da guerrilha
foi morto em Sabroso, e Camillo voltou para
Villa Real.
Em todo o caso, trouxe da guerra o espirito
cheio de impressOes dolorosas, que elle manifes
tou 00 Nacional e no Echo Popular, em folhetins,
que forum muito lidos e que sao como que o
assentamento de praga da sua carreira de pu
blicista.
Os jornaes em que mais temoo collaborou
foram : Coallisao. Echo Popular, Nacional, Por-
tuense, Porto e Carta, Jornal do Povo Semana.
Cruz, Christianismo, Revista Universal Lisbonense,
Clamor Publico, Hundo Elegante, Aurora do Lima,
Atheneu. etc.
Em 1848 quiz fazer representar o seu drama
Mrquez de Torres Novas, que a censura thea
tral prohibi, emquanto o seu antor nao emendar
com lettras maiusculas a palavra re. que teima
sempre em escrever com r pequeo.
No anno seguicte (1849) comegou a publicar
na Semana os primeiros captulos do Auaibema
Vitando ao Porio em 1860, epocha que se pode
tomar como o ponto de partida da vida to agi-
tada como fecunda da sua provacao luterana.
0 anno de 1854 ticou Ulustrado por uina
fecuudidade assombrosa. Terminando em 1853
o remanse Mysterios de Lisboa, logo coaegou a
publicar o Livro Ne^ro do padre Dimz, Onde
est a feheidade, a Filha do arcediago, Poesa e
dinheiro, Homens de brio, a Neta do arcediago,
as Scenas da vida contempornea, ou urna me
dia de 10 paginas por dia .'
O autor de tantos drama3 pungentes tambem
teve o seu drama, obsrva um dos seus biogra-
phos. E' coobecida de todos essa ruidosa aven
lura, que o levou s cadeia.- da Belago o Porto,
acensado de adulterio, em 30 de aetembro de
1860 ; em Fevereiro de 1861 era alli visitado
por el-rei D. Pedro V. Em 12 de Maio desse
auno, o tribunal da Relagao contirmou a pronun-
cia, e Camillo foi julgado era Outubro de 1851,
em audiencia do jury, sendo elle e a senhora que
boje sua inconsolavel viuva, absolvidos por
unaoimidade.
Depois de volver liberdade, recolheu se a
S. Miguel de Seyde, d'onde nunca mais sabio,
seno em pequeas digressOes, quasi sempre a
procura de remedio para os terriveis padec
mentos physicos, que ltimamente o atormenta-
vam desde as dores geraes at cegueira que de
todo o prostrou.
A luta pela vida de familia o combate quot
diano pelo faturo dos Albos comegaram ento,
pois at alli a sua existencia de rapaz fora acci-
dentada e tempestuosa.
Sao deste periodo a3 suas maiores polmicas,
em que avn tam as questoea dn escola cotmbra, as
d)s editores dos crticos do Caociooeiro Ale-
gre, do processo Vieira de Castro, da Sebenla,
e de tantas entras em qoe scintillou e fnzilou o
seu genial sarcasmo.
Em 1885 o goterno conce inu-lhe em duas vi
das o titulo de Visconde de Correia Botelho, e
por essao ccasio, depois de um magnifico impro
viso do Dr. Antoui > Candido, na cmara dos
deputados, foi o Ilustre escriptor dispensado de
pag r os direitos de merr daquella honrara-
superQua para um vulto Iliterario da sua esta
tura e pnjanga.
Veio ba dous annos a Lisboa para ver se os
especialistas cooseguiam fuer om que os seus
pobres oros podessem recuperar a Ins. Cruel
mente desengarzado, volteo sua casa de S. Mi
guel de Seyde, onde encontrara a miseria se a
cmara progrestisU de 1889 nao lbe tivesse vo
lado o subsidio aonual de 1 cont de res (for-
tes) em duas vidas, a delle ceg da vista, e a de
sen tilho. ceg da iotelligeocia.
Em 1869 a rainba de Hespanha tioha lhe con-
ferido o grao da commeodador de Carlos IH.
Era socio da Beal Academia das Sckncia de
Lisboa; e rejeitara, em tempo, o ser membro do
Iustituto de Coimbra
J rge, o pobre dondo filbe do grande poly
grapho, ficoo inpasaivel fOobdo me deram a
nora da morte do pae. Limilou se a pegar de
um lenco preto qoe pee atrapalhadameute ao
petooco.
O Sr. Freita Fortuna (irmo do Dr L'roino
de Freitas, hoje celebre, nao ja como homem de
sciencia, mas pelo crodelissimo drama dos en-
veneuaraenios n'uma familia do Porto), era
diimo amigo de Camillo Castello Branco.
Se o governo resolver transferir o cadver do
grande extincto para o Pantheon dos Jerony-
mos, em Belm, apresentar o Sr. Freitas For-
tuna como obstculo a essa trasladago a vonta-
de expressa de Camillo. que, particularmente,
era carta que Iheescreveu, em 48811, de Bemfica,
lhe manifestara o dest-jo de ser sepultado na
Lapa, no jazigo delle Freitas Fortuna.
Gamillo C. Branco nao deixou testamento. 0
seu funeral, no Porto, nao foi imponente. Poucos
amigos, varios estufantes, alguna jornalistas e
reportis de peridicos, e- a rnultido dos curio-
sos, ociosa e disponivel em todos os actos p-
blicos.
Allega se que nao era sabida no Porlo, geral-
mente, a hora da chegada do comboio. A razo
parece ser outra : i araillo vibrou sempre*as
suas mais aceradas ironas aos costumes dos
portuenses e dos ridiculos daquella gen.e, alta-
mente laboriosa, sim, mas to cheia de peque-
nos e lo cmicos defeitos, como de altivas e
noores qnali lades.
Camillo nao poda ser estimado pela popula-
cao da cidade invicta. Fo' odiado, e se .a vaidade baldfa de muitos j nao
se arreceiava dos sarcasmos envenenados da-
quelle torturado espirito, ficaralbes o resenti-
raenlo.
Entretanto a impreosa portuense, como a de
Braga e Coimbra e a de Lisboa, sobretuJo, ha
peno de oito dias que nao faz outra cousa seno
consagrar columnas e columnas de encomisti-
cos artigo? crticos ou plangentes memoria de
um escriptor que elle so por si equivale a urna
lilteratura.
Na cmara dos deputados varios oradores se
referiram ao fatal desenlace de to gloriosa como
attribulada existencia, sendo votado que se le-
vantasse logo > srsso da cmara em demons-
traco de 3eotimento.
Na cmara dos pares apenas um orador se
referi ao assumpto econtinuou-se na ordem do
dia.
0 cadver do grande escriptor fica depositado
at ulterior resolugo oo jazigo de Freitas For-
tuna, no cemiterio da Lapa. Cinco cordas de
flores encimavam o fretro. Muitas outras co-
ras depois foram depositadas no atade de uma
das maiores glorias iliterarias do nosso paiz.

Depois de rasados os offlcios oa igreja da La-
pa, o eloquente orador sagrado, conego Alves
Mendes, pronunciou um discurso exaltando o
linado como escriptor religioso, pois que a alma
christ encentra paginas consoladoras em al-
guns livros seus, e lamentando o trgico fim do
illustre homem de lettras, angn lhe a absolvi-
go cathulica.
As palavras de Alves Mendes produziram vi-
vissima commogo.
Camillo levou para o tmulo um crucifixo de
ouro que era tempo lhe fdra offerecido pelo Bev.
Sebaatio Leite de Vasconcello3, e que elle tra-
zia sempre ao peito.
Ha dias bouve grande desordem no thea-
tro Alegra.
Aonunciara-se nos cartazes a 1* representago
do3Amores de nm principe com a filha de um
jardineiro comedia ao que parece, funladaem
um romance que a folha dos esludantes republi-
canos A Patria est publicando em folhe'ins,,
tendo sido estes precedidos de cartazes de es-
palb, fato e reclames abundantes.
Ora como a comedia, bem como os folhetins
em questo parecem explorar urna lenda falsa
ou verdadeira mas nao referente a actos crimi-
nosos, que ba poucos annos appareceu nos
jornaes republicanos mais violentos, claro que
o cartaz da comedia que promettia escndalo de-
via chamar muitos curiosos.
Entre os personagens designados no elencho,
ao principe cbamava-se Sanao, que 6 o nome
com que as folbas anti mooarchicas, antes e de-
pois da lei repressiva da imprensa, alludem ao
Sr. D. Carlos.
Fosse como fosse, o commissario de polica
assistiu ao ensaio geral e o governador civil
poz o visto nos cartazes.
Panno cima : comega a primeira scena do
primeiro acto. Orna rapariga vestida de jardi-
neira canta urnas coplas ; entra outra figura
{fisto um espectador armado de grosso benga-
lo entra a clamar: Fora! fora cum isso I (Vi-
sivelmente era um polica paisano). Outros
espectadores que tinham comprado o seu bhe-
te e queriam gosar o espectculo, gritaram por
sua vez que se pozesse na ra o interruptor da
comedia.
O commissario de polica Pedroso de Lima
desee Je sua frisa para a platea, de apito na
bocea e entra a apilar. Apparece o commissa-
rio seral e apitam ambos.
Urna grande malta de pJica3 que estavam
emboscados nos pateos daquelle. theatrioho, de
chanfalho em mo entraram a bater a lorto e a
direito no publico, nao fazendo differengas de
homens. mulheres ou creaagas. Partera se ca-
deiras, ha desmaios, acodem ainda mais policas
duas ou tres duzas delles, que aguar Javam o
desfeicno do chinfrim na praga da Alegra e
acabou-se o espectculo, sahiudo tudo quanto l
eslava aos encontrOes.
E com estas palbagadas violentas que se
quer abafar a propaganda republicana I
Concordo em que pega e folhetins sejam ape-
nas urna explorago de mu gosto. Mas para
que serve enio a nova censura theatral ? Para
que visoo o governador civil os cartazes t
So se foi apenas um pretexto para urna trai -
gao feita aos burguezes e operarlo- que foram
muir se de bilhules a um espectculo garantido,
com o flm visivel de Ibes fazer applicar nos in-
cautos urna tareia de tercado, pelo crime inau-
dito de se terem fiado na seriedade da polica e
do chefe administrativo da capital 1
Porque nao prohibiram a representago da pe-
ga, visto que o commissario foi assistir de oflicio
ao sea ensaio geral ?
Para se nao mostrar que ousavam encaixar
aquellas carapugas picarescas na cabega de al-
tos personagens ?.
Tudo isto, e mano mais foi objecto de artigo*
violentos oas folbas republicanas do dia se-
gu nte.
Os Debates, folha da Urde, fot querellada j. e
nao tardara que o sejam outros papis pblicos,
pelo simples facto de commentarem mais este
destempero da polica.
E assim que estes senhores vo amenisan-
do a sua administragao paternal, ao passo qne o
addiccional de 6 por ceuto vae acaoar de extra-
hir mesmo em farrapos a camisa a03 coctribuin-
tes pobres 1 .
Grande numero de cmaras municipaes ja tem
enviado para o parlamento as suas representa-
goes contra esse aggravamento dos impostes que
os povos ja supportavam.
N> Porto eem Lisboa fazen-se neetings con-
tra o imposto addicional, que j deu como re-
sultado terem os honradsimos senborios de
casas augmentado as rendas, por sua coala, em
20 ou 30 por cento.
QuaoJo nm noto imposto apparece, nao e eo
elle que aggrava MCondicSes de existencia a
populacao.
Todos os vendedores a retalho, por grosso,
senboriode casas, fornecedores etc. cautela,
procurara losto tuganntar os procos correntes
das suas mercadoras nio s para se rtembotsa-

. i
I


i


.
i



II

Diario de Pernambnco-Domingo 22 de Junho de 1890
j
r' ~
aete progressisla. O Sr. Julio de Vdbena,
actual ministro da marinha tambem foi dar om
abraco ao Sr. MariaoM de Carvalho.
E' do tbeor seguate o decreto que noaeia
{te estadista ava proceder a estudos as ro
i alacias da Aaaor ea Mbanasaigne :
Altead-.odo ao awreeiraento e mais partea
que concorrem na peaaoa de Marianno Cyrillo
de Carvalho, da iceu conselho, ministro de es-
tado booorarto, antiga* deputaao da nago, late
da escola polvieeonicade Lisboa : bel par bem
enoarregal o de, na qualidade de commiaaano
regio, fazer os estados necesarios as provin-
cias ultramarinas de Angola e Moca ubique para
a reorga lisago administrativa e econmica do
ultramar, e especialmente de todo o qne mais
de perto icteressar ao fomento agrcola, com
mercial e industrial das referidas provincias.
Paco, em 54 de Maio de 1890.-ReiJulio Mar
ques.de Vilbeoa
Est consnmmado pois este novo rapio poli ti
co, na occasiao em que os seas correligionarios
polticos mais carecan) dos seus bons officios no
parlamento para atacar as propostas ttoanceiras
do ministerio actual.
Ora. pois. opatriotismojustifica todo e mni
lo mais anda.
O Sr. .cooselheiro Barjona de Frejtas ainda
nao regressou da sua missSo diplomtica a Lon-
dres.
O Sr. conselheiro Silveira da Motta, que era o
seu brag> direito naesqnerda dynistica e o
Acara suostituin Jo ua presidencia daquelle cen
tro poltico, acaba de ser nomeado pelo governo
para ir estndar na Frauga. Italia, Blgica e Al-
lemanba a organisaco do ensino secundario.
O Sr. Silveira da Motta voiral permanente do
conselho superior de instruego publica, socio
eff-cvo da Academia Real das Seieucias e di-
rector geral no ministerio da justiga.
Competencia legal e real nao loe falta. E' de
crer que, depois de regressar, seja collocado era
igual Citbegoria no ministerio da iostrueco pu-
blica.
Em todo o caso esquerda dyaasticaaffas-
tou-se mais um homem de valor I
Seja pelo amor de Deus ura tal systema de
blandicias bostis!
Effectoou se em Coimbra, com toda a pom-
pa a raaaifestagao memoria de Joaqaim Anto
nio de Agniar, o ministro de D. Pedro IV que
illustrou o seu nome referendando o decreto,
que aboli no paiz as ordens religiosas.
Ha poucos das houve ara grande conflicto
na Povoado Varzim, ntre a guarda fiscal e al
guas pescadores que cooduziam contrabando, e
se recusavam a entregal o, apedrejando, alera
d'isso, o edificio da alandega e o poste fiscal,
cujos telhados e janellas ficaram partido;.
A guarda, como fosseera numero muito infe-
rior aos amotinados, fugio para o quartel e d'alli
comegou fazendo fogo, resaltando morrerem oito
dos populares e ficarem feridos um guarda e nove
homeos do povo.
O administrador, afira de serenar os a :imo-.
fez recolber rasa da administrago os guardas,
azendo crrque os prendara. Notrajecto, o povo
apupava-o, dando morras guarda fiscal.
Veio forca militar do Porto, mas os tamoltos
que se esperavam, por occasiao do enterro das
victimas, nao se deram.
Depois todo socegou e os fuoeraes correr.un
era maita ordem, cortando o coracao os lamentos
das viuvas e orpbaos dos assassinados.
Na imprensa e as cmaras, o caso tem feito
raotira, o que nao admira, pois a guarda fis"al
n.; precisa para se defender, atirar queiraa
roupa sobre a multido.
Procede-ae a conselho de goerra contra os gnar
das para liquidar responsabilidades.
Foram lidas pelo ministro da marinba ca
mar dos deputdos as informacOes telegrapbicas
do governador geral d'Angoia sobre os tristes
acootecimentos do Bih, em qu" o octogenario
africanista porloguez, tentando era vo fazer en
trar na ordem o soba da localidade e a sua gente
revoltada, nao c consegaio apezar do seu prest
gio e influencia, resolvendo suicidarse.
Conbecidos em Loando estes desgragados suc
cessos. o governador geral maodou retroceder a
expedigo commandada pelo official Conceiro
para Caconda. e tomn providencias para a oc-
cupacao effe-.tiva do Bih.
Est explicada agora a importante remessa
me? perada que ha poucos dias fe* o eoverno da
metropole de material de guerra para Mossame-
des.
E' indispensavel, observa O Dia, ocenpar o Bi
b e o Bailando, com forcas militares sufficieotes
para resistirem aos indgenas; e nao menos coo-
v.-oienic tainb-m acautelar, pelos meios pos
siveis, a hyoothese, nada inverosmil, de mais
atgura protectorado britanoico nos serloes depen
dentes da provincia d'Aogola.
E' preciso informar bem categricamente as
potencias estrangeiras de que o Bih e o Bailan
do sao dominios da corda portuguesa.
Secundo uraa declarago do ministro da ma-
rinba, na cmara dos deputdos. a filha menor
do benemrito Silva Porto, que est a educar
o'um collegio da cidade do Porto, ficou sob a pro
tecgo de S. M. a rainha D. Amelia
A coramisso execativa da cmara municipal
d'aquella cidade resolveo :
1 lancar na acta um voto de sentimento pela
morte de Silva Porto, o benemrito africanista ;
2' dar o seu nome a ama das ras d'aquella
cinade;
3* pedir ao governo que proteja a fiiba d'a
quelle heroico cidado.
Silva Porto era natural d'aquella cidade.
Parece que est ja definitivamente enterra-
da a proposta do imposto dos alcools.
Ura aggravaraento do imposto do sello-nos II-
vros de escriptaraco mercantil, que segundo a
respectiva proposta, devia abraoger os livros a
contabilidade arromada desde certa poca, pa
rece que seguir o raesmo camlnho, a julgar pelo
que deixaram entrever na Associaco commer
cial de Lisboa dous directores affectos siluacSo
regeneradora.
De todos os discursos pronunciados na ca
mar dos deputdos na discnsso da generad
dade do projecto do bil de indemnidade (que re-
leva o governo das exorbitancias coasiilocionaes
que pra'ca). o que mais notavel se tornou foi o
jo sr. Augusto Fuschio; (esquerdista). Falln em
tas ses6es consecutivas.
O seu discurso fui om compendio das mais
avangadas doctrinas liberaes e evolucionistas,
e o posto na lingnagem calorosa da conviccao.
Itespond u-lhe o Sr. Gabriel de Frenas, rege
neradur, advo gado es perto, com muita pratica do
foro, mas que neobama tem da tribuna parla-
mentar, onde agora se estra. Comegou por des
cobrir a coroa lastimosamente para defender a
dictadura, como se de todo em todo igoorasse os
principios correles em direito constitucional.
O Sr. Elviao de Brillo, pragressista notavel.
f-z ura discurso que agradou aos sena e mereceu
toda a atiencao dos adversarios. Seguio se-lhe
o Sr. Arouca, ministro das obras publicas, fallan
robo do fallecido estadista Joo de Aodrade do depois o Sr. Jos Julio Rodrigues, progres
rem, ma*, para sombra do novo imposto, ou
do addiceonal metterem ainda coascienc rasa-
mente aas algibeima o dobro ou o implo da im
Borlan ca do imposto.
Assim, para o thesouro arrecadar 500 contos
por exemplo, o centnbainte dispender 1:5JO
acotos. __
Mas se ainda assim os 800 cootos arrecadados
pelo Estado servissem para occorrer a despasas
jodispensaveis t..
Excsalo citar Ihes aqua sen omero de
verbas superfluas que e goisia vaeesbanjan-
S. M a Sra D. Maria Pia ir passar parte
do vero as Caldas da Rairjba. El Rei e a Sra.
D- Amelia de Orleans iro para Cintra habitar o
aravilboso castello da Pena, anda este mez,
passando depois para Setubal, onde se esto ar-
ralando aposentos condignos no castello do
Outo 'onde SS. MM. tencionam tomar os ba
anos do mar.
Tem se levantado ltimamente na impren
ta urna ruidosa questo.
E o caso de que, no projecto de orcamento
rectificado, apparece ama verba de 40 contos
de res (moeda forte) pedida pelo governo s
cortes para saldar o resgate de peohores. Es
les peohores, que, durante a epidemia da influ-
enza comecada a resgalar com o producto de
orna subsenpeo iniciada pelo Jornal do Com
mercio, eram em lo grande numero, que o Sr
conde de Buroay, propnetario daquelle jornal,
Tiu-se ua oecessidade de ir procorar o Sr. Jos
Luciano de Castro, ento presidente do conse
lho de ministros e ministro do reino, fazendo-
lbe ver qoe a somma subscripta no seo jurnal
ao chegou para occorrer, por completo, a esse
resgate. Aqueile minist o dlsse-lhe que daria
u ordens convenientes ao governador civ:l de
Lisboa, que ento era o Sr. Carlos Jos de Oli-
veira.
Nao conteote com isto obteve cSr. conde de
Barnay que o governador civil Ibc informaste
por escripio o que Ibe tinba promettido em no
e e cora autonsaco do primeiro ministro, car-
ta que vem agora publicada, bem como outra do
Sr. Jos Luciano de Castro, sol licitad, tambera
pelo cauteloso finaocuiro para o que desse e
?iesse.
Tres on quatro das depois desabava a situa-
co progressisla. em virtude do ultimtum in-
glez.e o Sr. de Bprnay. logo QBe achou oppor-
teoidade, foi terconijO Sr. Antonio de Serpa,
Cbefe da situago actual-, raostou Ibe aquelles do
eumentos,.epistolares e pediu-lhe que os lomas
ae> .i 'onsideraco, poi o resgate dos objectos
amoeiiiados pela gente desvalida duraote a epi
fina exceder, em muito o producto da subs
eripto bavendo para elle, conde, um desfalqu:
mito concideravel.
O Sr. Serpa respondeu-lhe vagameole, qoe
tendo se descoberto multas f.aude-, como nu-
lerio, nesies resgates, pois as casas de prego ex
pluraram astuciosamente aqueile acto de beue
ucencia, autorisaria o subsidio que se apurasse
dever-se dar., deduzdas, orJn. ,:> respoosab
lidades das casas de peabores que a polica eu
centrara em fraude-
O certo oque os 40 contos por inteiro foram
pedidos pelo governo ao parlamento e tioram
agora no orcamento rectificado,sto o povo, o
eontribuinie qoe ter de pagar da sua esgota-
da algneira os rasgos de ge.ierosidade em que
Sgurou aqueile fidalgo, to apparatosameote. as
arcadas do- terreno do Paco ao lado de S. M. a
fcaitia D. Amelia, actos esses que opporluoa-
mente Ihes re?en, sem exceptuar o caso do bro-
che de ouro que S. M. tiruu do peitn e offere
eeo 33 cofre destinado aquellas obras de canda
de, duenda se ento que o broche real seria ad
jodicado em hasta publica a quem mais desse,
leudo-se tirado delle previamente copias empra
U qu-i seriam vendidas tambem e n beneficio dos
pt-i hore- res .'.'lados.
Ho de reco'dar se igualmente os leitores de
laca ter aqtii falado de urna cavalgata ou baod i
arecatoriO", projeclado pelo Sr. conde de Bur
nay, per essa occasiao, em que figurara 8. M.
a Rainha com as suas uamas vestidas todas de
azul e branca, as suas carruagens, sendo aosra-
panhada pelo mesmo conde e precedidas de ban
das de msica e apparatoso soquito de cavallei
ro escolhados d'entre o lina fll. do nos?o sport.
Urna phantasia vaidosa, a que o governo poz
cobrj, aconselbando devidamente a Rainha a
ue nao accedesse aqueile programraa para se
nao aspar a criticas e mamfestaces, porvento-
tx, menos lisongeiras.
Sabe-se agora que o BM de Buroay corabiaa
ra com o governo progressisla ser dado o ?ub
3idio do (hesouro era segrdo, para se uo esian
car a geoerosiaade pobiica.
Ora estas cousas passaram dos artigos dos ce-
riedi -os para as interpellacOes parlamentares.
O Sr. Jos Lociano, comquaato nao fixasse a
lomma do subsidio do governo, esqueceu se, ao
ase pirece, de prevenir o Sr. conde de bumay,
fue nao podia dispor, como ministro do reioo,
de qoaona superior a seis contos de ris, que
a verba votada para beneficencia publica em
cada anno econmico.
Sao o fez, provavelmente porque vio as artes
com que este fidalgo se escudou cora a collabo
raco caritativa da rainha. Provavelmente, o
r. A. de Serpa nio Ihe fallou to claramente,
cum) Ihe cumpria por idnticas rates.
As honra?, pois, da generosa iniciativa, e urna
redame enorme teve as ento o Sr. conde de
Baroay, visto que aodava em segredo combina-
do com o governo que este auxiliarla o resgaie
de peohores.
Agora a opposico est furiosa. Uns dizem
ajae o loverno exousava de fazer do Sr. Bumay
sen esmoler mor. Os progresistas, sem pro
Tarera que as promeasas do seu cbefe poltico
aao foram levianaa, atacara a fuado o governo
actual por vir pedir ao parlamento os 40 contos
integraes ; os republicanos exploram toda esta
roupa-suja, parazorabarera de uns e de outros...
ama celeuma dos demonios, orna iuferneira de
diatribes, remoques, nsuiuaces e verrioas.
E' de crer que a maioria approve a verba dos
40contjs e que todas as reclamicOes e proles
ios das opposces tiquem em aguas momas.
Ora le i mol qne a iniciativa de urna sub-
seripeo para o resgate dos penhores das ami
as pobres perience ao Secuto, jornal republi-
cano.
Tra u-se logo de neutralisar o efieito que
este rasgo beneliceate podia produzir uo espiri-
to publico, procedendo dos nepablicjnos. Veio
ento o Jornal do Commi-ao abrir a sua sub-
seripeo, e o seu propnetario cora as peripecias
racionadas.
E' por isao que o papis republicanos agora
fazem troca.
Ha poucos dias houve um choque do com
boyo na una de Cceres Portugal, de que re-
snliou liearem alguns passigeiros levemente
contusos, e um inglea qns sallou do sud exprets
para a lioha, parti ama perna. O Sr. Luiz Cor
to, ""
Corvo, que vinba no su-express fallecen, poucaa
oras depon de caegar a Lisboa, por se Ihe &
rem aggravado por causa do busto os radod-
aaotos hepticos de que soffria.
O Sr. Luiz Corvo era- um agrnomo distindo
e muito considerado, e director do museo col
tal agrcola. Tinha pouco mais de 40 annos.
__A sub commisso encarregada de formular
aa bases para a reorganisago do exercitoj
conclaio os seus trabalbo!, entregando os
commisso, que tambem os ha de discur antes
de os apresentar ao minirtro da guerra. qo, in
terinamente cootinua a ser ainda o Sr A. de
Serpa, presidente do conselho e ministro do
Segoiraai no da 6 para Beoguella, no va
por Catswgo, os pretos e pretas de Catambella
au> anto gandi deram aos ociosos da capital
No mez corrente ha na Academia Real das
Scieocias de Lisboa duas sessOes, a primeira foi
honlera 8, em qne foi tido pelo Sr. Or. Antonio
Candido o elogio histrico de el-rei D. Lniz I, de
aaadosa memoina, o ultimo prndente desta cor
Boracio scienttfica.
A segunda seaaao publica ser no da 15.
Ser lian petoSr. conaelbeirotPlnerro Ghagas o
elogio histrico do egregio escrtptor e atademi
ao Al>xandre"l!ercniano
Preside a ambas as sessOes el re D. Carlos
aetual peeaidente da Academia-, aaantlndo S.- M
a rainha e 0 Sr. fufante D. Affooso.
Parti no sud wpress para Marselha,- donde
jatercar nara UOEttttpmat, t daaempeabn da
an etp*cral de qfle* fci emarregado pelo go
Z MT eMtrtuffitftrttlBo de Camino,
MI algnns engenneirs, wnduootes de obras
aablicas, agrnomos, mdicos, ele Fot grande
Homero de petsoai qne eatevam na gare para
p despedir do ex-ministro da nuenda do gabi-
sista.
O assampto esA esgotado ba rauitos dias. Vo
tada a generalidade do projecto d o bil, de crer
que a discusso na espccialidade corra com mais
alguma rapidez.
Ua mais de ISdias que estes debates princi-
piaram. Oentroem pouco ter tenninado o praio
constitucioaal da seaso, p)is se deve levar em
c ota os 15 dias qoe durou a sessao da cmara
dissolvida.
Ha tres ou quatro dias que esto em grce
os cocheiros de praca em Lisboa. A ultima pos-
tura municipal elevou a tabella dos precos das
corridas, mas determioou que fossem casaadas
as liceocas aos cocheiros emquauto nao pravas
sem (locumentalmente que tiubam pago as mul-
tas por quaesquer infraccOes, ou que tinbam si-
do absolvidos pelo joiz competente; oor outra,
a poltica abriga os cocheiros a cumprirem com
aa tabellas de precos e posturas mnuicipaes, fa-
zendo-os entrar ua ordera. Ora, isso qoe Ibes
coawm, porque levavam o diobeiro que Ihes pa-
recia> descompooham os fregueses e iuaultavam
as freguesas. E se alfaam se lembrasse de rea-
ir. como el les todos so Cadistas e aodara muni-
dos de navalbas calala. tinha de haver-w com
lies emqaantoa polica ia girando para longe.
Aaoramudaojcaso de Bgura, o-ao asjwcheiras
particntores.ics ommbus amerkanot (boruii) a que
ioda nao eotraram.aa frve,
L.
Actos alela*Por acto de 18 do corra-
te do Dr governador do Estado foi reconduzido
o hachare! Joo Lopes de Siqoeira Santos, no
cargo de jais maojcipal de GanieUeirsa
Por acto de 19 do mesmo governador foi que durando in rnnhonimnnln rln mibilriliipdn
oooiea* .eldHdo Jaa Praocisco. Anctoti para aanaaaUftvea, este nao se fez esperar com a sua
cargo Jaimoro daLnteadeacisaatu
:2
de ordasao
Serioneusrom sabasHaicao de Laie Cavaban* roJ'tad'alli en'junta
de Afq|Baa{ae, que foi exonerado a pedido.
Por actos de 20 do correte do asame gt>
vernador :
Foi aposentado o chafe da 3* seceo da secre
taria do governo, bac-iarel Jato Caadido Saines
da Silva, e promovido-ao logar de chele daxnes
ma seceo, o 1* official da 2' bicbarel Jos Al ves
Cavalcaote.
foi nomeado 1 official da 2a seceo da secre-
taria do governo, o capito Alfredo Rodrigues
dos Aojos.
Foi promovido o amanuense da secretaria da
Iiistrnrco Publica, Manoel Cavalcante de Mello,
ao cargo de archivista da mesma repartico.
Foi nomeado amanuense da secretaria da Io-
struccao Publica o cidado Placido Serrano Pinto
de Andrade.
Foram removidos : o bacharel Manoel de Bar-
ros Bezerra Cavalcante, do lugar de ajudante do
procurador dos fetos de Bezerro3, para igual
cargo no municipio do Limoeiro, e o d'este ba-
charel E'peridioFerreira Monteircr para o d'a-
quelle municipio.
Teiezramma* ofllciaeaDa secretaria
do governo do Estad > nos foram remettidas co
pias dos seguiotes telegrammas :
Do ministro da justiga em 19 de Junho ao g)
vernador do Estado.
E' expresso no art. 12 das instruyeses de 27
de Fevereiro ultimo que livros distribuidos para
registro de casamentas de vem ser uti usados para
os oovos assentos do casamento civil, e podera
ser autorisados esses assentos e os registros de
editaes e proclamas em cadernos legalisados,
cora a obrigaco da serem transcriptos nos li
vros proprios logo que estiverem Dromptos.
Oo miuistro da justica em 19 de Junho ao
governador do Estado:
Art. o decreto n. 320 se refere aos limites ur
baos da sede de comarca. Esses limites devem
ser em regra os demarcados pela cmara ou in-
tendencia municipal; na falta d'essa demar
cjgo regule se pelos observados na cobranca
d. decima urbana. -Minwro da justiga.
Tbeatro Deu nos a companhia Heller a
A t'rtnceta dos Cajueiros, na terceira recita da
ujv, assigoatura.
A A Princeza dos Cajuetros. opera cmica em
um prologo e dous actos, original di Arthur
de Azevedo, e foi posta em msica pelo maes-
tro porloguez S Noronha, hoje fallecido. O ta-
lento ebom crdito de ambos, do comediogra
pbo e do msico, foram para ella, desde principio,
seguras garantas de bom xito ; e, com effeito,
dentro de pooco tempo a produeco do festejado
tterato maraohense tornou-se popular no Ri>
de Janeiro, j i por seus proprios raerecimeuto3.
M pelos que Ihe provieram da belleza e origioa-
lidade da musir.
Arthur de Azevedo, jornasta agradavel fla-n-
te e correcto, poeta mimoso e critico cheio de
competencia urna das actividades miis nota
veis da litteratora fcil do Rio de Janeiro e m
dos temperamentos mai/ accentuados para a
composices tbeatrais do genero alegre e folgal
o e da critica pela gargalhada. Alm de mni
tas e felizes iraducces e parodias, tem diversas
produrcoes originaes entre as quaes se destaca
a A Princeza dos Cajueirot.
F. de S Noronna, portuguez de nascimento,
que passou grande parte de sua vida no Ro de
Janeiro e S. Paulo, e qne, se nao estamos enga
nados, morrea no Brasil, era urna bella organi-
saco musical que se reflectia admiravelmeote
as cordas do sea inspirado violino eque dei-
xou de si bellos allestados em diversas compo
sicoes.
Cora taes architectos, a A Princeza dos Ca
jueiros nao podia deixar de sabir obra bera ac
bada e com bastante merecimeato para ser-lbe
augurada a longa carreira que tem feito.
Cheia de movimento e de graca, escripia com
correcgo e muito espirito, contendo op'.imos
vprsos, o autor obedecen sua propria inspira
cao, e nao sentio-se peado por inspiraco
alheia, como acontece as iraducces, contera
alera disto, chistosas e transparentes allusOes '&
corte e poltica do rgimen decahido, a mo-
narchia.
A msica, fcil, delicada e perfeitamen'e
aproonada ao genero dramtico, a que se filia o
libreto, ten bastante orijinalidade, contm di
versos trechos que fcilmente se insinnam ro
onvido e memoria de quem a ouve, e, sobretu-
do, notavelmeote impregnada desses tons aba
hianados que constitoem a cor local da msica
brazileira, e de que um bellissirao modelo o
tango do 2." acto.
A execoco corren muito bem, o que nSo de
admirar, tratando se de ama das pecas mais re
presentadas e repetidas do repertorio da compa-
nhia.
Os Srs Vasques, Peixoto e Gola e as Sras.
Blaoche Grau, Massart, Lopiceolq e Isabel Porto,
cujos papis s&o o& mais trabalhosos e da'maior
responsabiiidade. mais urna vez confirmaran]
seus bous crditos de artistas e receberara do
publico pravas de sympathia e apreco.
No prologo, qnanto ao canto, se destacaran),
pela belleza da msica e pela boa execuco, as
coplas de apreseutago do Dr. Escorrega e do
Rei Tat e a liadissima romanza, cantada com
bastante sentimento pela Sra. Blanche, com que
Virginia se despede da fllbinha.
No 1. acto, alm de muitos outros trechos re
commendaveii, satientam se o do entre a Prin
ceza e Paulo, que comecaser sandade ou ciume
etc., as coplas que terminamE' o diobo! o
concertante, ni occasiao em que sao descober-
tos na casinha do pescador os dous namorados,
e, com particolaridade e muito especialmente, a
barcarola, bem cantada pelo Sr. Colas e ptima
mente acompanhada pelo coro, e que jena o
trecho mais notavel da partitura ao menos, o
que melbor impressiona o publico-
No 2." acto, finalmente, merecera especial
meoco o duetto entre Paulo e a Princeza, qaan
do o mestre de cerimonias os deixa um mo-
mento sos emqaanto o conselho de mioistros
delibera ; o tercetto entre o Rei, a Duqueza e o
BarS >, e o popularissimo tango doAmor tem
fogoetc.
A A Princeza dos Cajueiros, pois, agradou
bastante e pode ainda dar boas casas em
presa.
90 % aa o aro Sob este titulo escreveu
o Diario Official:
Para conbecimeoto dos interessados, man-
da o Sr. Ministro da Fazeoda declarar que a
quota de > % em ouro ser cobrada de todos
os despachos de importaco para consumo que
forem apresentados a pagamento, do dia i de
Julbo em diante, por tratar se da forma do pa
gamento em especie de moeda; nao tendo ap-
plieae&o no caso a dispoaico legal relativa al
teracao da tarifa que produz t-fleito na poca em
que as mercadorias sao poetas a despacho.
No caso das fraeces eieederem ao mioimo
valor das moedas mencionadas a tabella que
acomnanbou o decreto de 10 de Maio ultimo,
ser o troco dado em ouro, quando for possivel,
ou era papel moeda pela cotacao do cambio do
dia antecedente ou em cautelas que sero rece
odas em outros pagamentos em onro vOntade
das partes.
O Sr. Ministro da Fazenda mandn expe-
dir circular ao inspeector da Alfandega desla
capital e s Thesourarias de Fazeoda, declaran-
do qoe as moedas de ouro allemes de 20 mar-
cos, do peso de 7 gr.9649 e do toque de 900
millesimos sero recebidas pelo prego de 8*720
e assim em proporco as outras moedas alie
mi
Crrelo eral Amanb ter lugar, na
administraco dos correioa deste Estado, o con-
curso para preeuchimento de ama vaga de car
leiro de 2a clasae.
Para isto se acham inscriptos 23 canildatos e
foram nomeados para examinadoras os Drs. Ci-
cero Odn Peregrino da Silva e Virginio Mar
ques Carneiro LeJo.
Babooo Bioarapalco -Foi publicado em
avulso o sboco Biograpbico do bngadeiro Fran-
cisco Joaquira Pereira Lodo por seu ilbo o ca-
pito A. G. de Gasmo Lobo.
E' orna homeBagent.de respeito, estima e iau-
dada filues i memoria do prestimoso cidado, e
por isso um trabalbo diano, que se impoe
feslur por proveilosaa as licen que d'ellase co-
Ihem.
.Agradecemos o foiaelof ue nos foi romettWo
poroffierlagraciosa
' ond e MaracaGoawaunicam-nos o se-
grale facto:
Hontem ao meio dia^ ra da Senzala Ve-
Iha, eavomi asbrado^ue coabeaerse palo titulo
i'Qtrr^rdj^tQm>v*in^occaffUea.-HMft
redil, qoe respondem pelas denomintcoes do ti-
tulo cima, estiversm escandalosamente pertur
bando toda a visinbanca em infernal dialogo; o
Dea, a qual ordenou que entrasse no Cur
i'alli em junta le vas so as duas rezes a 2a
W stafjlo da guarda cvica. >
k Isto-foi cumprido, e na referida eetaeao a lo-
sa sntvridade depois de reprehender fortnente
as duas, iotimou-Ihes que deixassem a fregufzia
a bem da tr,.nquillidade e moral publicas, a que
emajnanto nao achaaaem ponto, Ihes conceda
apoaantadora na DetencS), na qual deram en
tradte Bad e Maroca, que, mil agradecidas, nao
reconhecem o servico.
ttaesio te fajuieae -Informam nos que,
no largo do Hospicio, parte alaga ta esto, ha
tres das, diversos aoimaes morios e j em
ada o tada pu refaccao. #
Diz o no^so informante que horrivel o cheiro
\ daquelles corpos se desprende, e quo est
infeccionando toda aquella redoodeza.
E' lamentavel que taes factos se den nesta
cidade, mxime na quadra acta, em que todas
as cousas attinentes bygiene devem merecer
especial atteuco.
Bxame preparatorio 3 resultado
final dos exames de Historia bavidos naFacul-
dade ie Direito foi este :
Inscseveram se 28
Approvados plenamente 4
Approvados 6
Reprovado 1
Inhabilitados i
Levantaram-se da prava escripia 8
Faltaram s chamadas 7
Total 28
Club Republicano de H. JosHoje,
.'n sesso solemne, sera installado esse Clup.
roa Mrquez do Herval n. 18.
Muitos convites ten aidj dirigidos para es&e
acto.
' 0n larapioa -Estes industriosoa, na ma-
nh de hontera. depois de tentarem arromb.ir
portas e jacellas da casa ,onde lera estabeleci-
raento e resida o Sr. Manoel de Oliveira, no lu
gar Peres, recorreram ao telhado, e, tirando te
Ibas e cortando ripjs e caibros. consegn'ram
penetrsr no mesmo estabelecimeoto, de onde
levarara I 140 em dinheiro, nuda mais levando
porque: tendo sido presentidos, puzeram se era
fuga.
A polica compareceu post factum, para fazer
a vietocra da lei.
Club 15 Xovembro de Tigipi -
Puncciona este Club boje, s 5 horas da tarde,
no lugar do costurae.
Club Com me rei a I Euterpe Hoje. s
4 horas da tarde, na sede deste Club, rene se a
respectiva banda de msica, alien de sahir em
passeio at o Monteiro, seguiodo no trem das 4
horas e 45 minutos.
A' noile ha ver recreio no mesmo Club.
viv..-in om noivoa* E' o titulo de urna
quadniha que o Sr. Mizael Doraingues corap
pura piano, e acaba de ser impresas pelo esta-
beieciraento de msicas dos Srs. Prale & C.
ra do Baro da Victoria n. 59.
E' bonita, como era geral o sao as composi
(Oes Sr, tiiusi'-ae- do Mizael Doraingues.
Monumento da abolir o II s
7 horas da noite, era casa do Desenbardor Domin
gos Alves Ribeiro, emOlinda. devera reuoir-seos
raerabros da Commisso encarregada do monu-
mento da abolico. allm de tomar conhecnnen-
lo de assumpto impor'aale.
Ferimento grave Era trras do enge>
nho Penderama, do termo de Ipojuca, Jos Hanni
ferio gravemente, oo dia 15 do corrente mez, a
Joo Correia. no qual deu urna facada.
O delnqueme evsdio-se.
Subdelegada da Magdalena As
suraio o exercicio de Suadelegado do districto
policial da Magdalena Henrique Bernardes de
Oliveira Jnior.
gerglpe e AlagoaaPelo vapor costeiro
ti vemos hontem folhas de Sergipe at 13 e de
Alagoas at 20 do eorrente mez.
As de Alagoas nada referem digno de nota.
as de Sergipe apenas encantramos o segra-
te convite para uraa reunic, que deve terse
realisado no dia 20 :
0 Dr. governador do Estado manda convi-
dar a todos os representantes e interessados no
nem estar daquellas importantes classes para
uma reonio, qoe dever ter lugar no dia 20 do
correte, no palacete da extracta Assembla
Provincial.
Nessa reunio tratar se ba principalmente
dos dous seguiotes pontos :
Qual o estado actual da lavoura e do
commercio do Estado;
Quaes as medidas que convm adoptar
em ordem a erguer essah industrias, donde'
provm para o Estado toda a sua receita.
Sobre e3ies assumptos, estabelecer-se-ha
discnsso. lim de que o governo possa licar
habilitado a providenciar a respeito.
Servico miniarE' hoje superior do dia
o cidado capito Gelasio e faz a ronda de vi
sita o cidado alferes Oliveira.
0 14" batalno dar a guarnico da cidade.
Amanh superior do dia o cidado capi-
to Carvalbo, e far a ronda de visita o cidado
alferes Silveira.
O 2o batalho dar a guarnico da cidade.
Entrada do Maduro Remettem-nos. a
segointe noticia em data de hontem :
Sr. redactorRogo-lhe, que, pelo sen con-
ceituado jornal, se digne de chamar a attenco
das autoridades policiaes pira a estrada do Ma
duro (Santo Amaro das Salinas) que est intei-
raraente despoliciada. Junto ponte que divide
o 2*. districto da Ba-vlsta do de N. S. da Graca,
costuma de 9 horas da noite em diante estacio-
nar um grupo de mais de 12 individuos, dos
quaes um^ordinariamente finge se embriagado
pra provocar os transentes.
A pootd do Maduro* conhecida nos an-
naes dos crimes d'es:a cidade, e pole muito
bem ser que aqueile grupo que ali estaciona,
seja uma quadniha de ladres.
Ainda ante hontem l estavam e um d'elles
foi cahir sobre ama senhora, alim de provocar
do Cavalleiro uma resposta que sem duvida ser-
veria de pretexto para conseguirem o lira que
ali os leva.
Publicando estas linhas. prestar um servigo
relevante a aquelles que sao obrigados a aira
ressar agellas regiOes noite. Um leitor e as
signante.
Club Republicano Martina Jnior
Comtnuoicam-no8 :
< A'ite-ho it-'in installou-se definitivamente o
Club Republicano Martios Jnior.
O edificio onde fuocciooa o Clob apresentava
Um aspecto deslumbrante. Os sales estavam
vinosamente preparados e Iluminados. A's 8
horas da noite veriheando-se estarem presentes
o illustre Cbefe Republicano Dr. Martins Jnior,
e os representantes de quasi todos os clubs repu
blicanos da capital e quasi totalidade dos socios
fundadores do Club, o Sr. Geraldo Landim re-
presentando a ex-L'irectoria Provisoria conv-
dou a nova directora a empossar-se.
< N'essa occasiao tocou a banda de msica do
Arsenal de Guerra, que tinha sido generosamen-
te cedida pelo digno Director do mesmo Arsenal
Deoois da posse, o presidente Angelo Tavares
convidou o illustre cidado Dr. Martins Jnior a
tom?r assento ao lado da mesma Directora.
saram ento da palavra os cidados Angelo
Tavares, Vicente Cysneiro, Medeiros Jnior e Dr.
Maritns Jnior, que agradeceu a prava de confi
anca prestada pelos seus correligionarios, confi-
anca que tem sabido corresponder, tratando
quer da felicidade de Pernambuco, qoer dos in-
teresses do partido republicano.
- Usaram aida da palavra 03 representantes
dos clubs republicanos 22 de lulho, 15 de Novem
oro de Tigipw, Parodual do Recife, de Belem, de
Santo Antonio, Fre Caneca, de S. los, e da Unido
Artstico Republicana. Nos Inlervallos dps dis-
cursos, tocava a banda musical do Arsenal de
Guerra. A's 10 horas da noite pedio novamente
a palavra o cidado vi ce- presidente, agradeceu a
presenca dos clubs republicanos e a de todos os
bons repoblicaoos, levantando a sessoeergaen-
do vivas ao illustre chee do partido republicano
o Dr. Martios Jnior, ao Generalsimo Manoel
Deodoro, ao governo provisorio e ao partido
republicano. '
Intendencia Municipal do Recife
retirei me. Igualmente s autoridades pelos dig
oos attestados, que muito me abonara. Assigna-
do -Teoente Jooawm Basilio Pjrrko.
Vaccina publicaHontem na inspectora
de hygieoe foram vaccinadas 21 pessoas, occu
paodj-se nesse mis ter o-Dr. inspector e seu
ajudante.
Tribunal do Jury da Recife -Hon-
tem oo houve julgamento neste tribunal, que
se ocha uoccionando no paco da antiga Assem-
bla, faltado juizes de facto em numero legal.
Apenas cotnpareceram 29 orados, sendo mal -
lados era 20*000 03 que falla-am, e adiada a
sesso para amanh s 10 horas.
Lotera do Eatado de Pernambuco
Eis o resultado da extraeco da 7a serie da Ia
loteriadeste Estado, em beneficio da Santa Casa
de Misericordia do Recife. em 21 de Junho de
1890.
562 15.0004000
10438 1:5005000
2713 6O0000
4777 120*000
5207 120*000
Esto premiados com 90*000 os seguintes n-
meros :
2473 4768 7499 8530
Esto premiados cora 60*000 os seguintes n-
meros :
969 1325 2191
2525 3020 3402
4205 6872 7450
7613 9712
1 Esto premiados com 24*000 os seguintes n-
meros :
561 563 564
555 066 567
5S8 569 570
Esto premiados com 18*000os seguintes nu-
meras :
10431 10432 10433
10434 10435 10436
10437 10.39 10440
Estilo premiados com 12*000 os seguintes nu
meros :
2711 2712 2714
2715 27i6 2717
2718 2719 2720 .
ApproximacOes
561 60000
5b3 605000
10U7 45*00
10439 45 000
2712 30*000
2714 30*000
Todos os numeras terminados- era 62 esto
premiados com 12*000.
Todos os numeras terminados em 38 estao
premiados com 9000.
Todas os nmeros terminados em 2 e 8 esto
premiados com 6*000, excepto os terminados
em 62 e 38.
Ser extrahida a 8* serie desta lotera no dia
28 do crreme.
Club EMgrima Acha se exporto na vi
triue da livrana Industrial ra do Baro da
Victoria n. 7 o premio que ser offerecido ao
vencedor do 3o pareoImprensa Pe-narabueana
na corrida a realisar-se no dia 24 de Junho.
Cana de Detenco Moviraenlo dos pre
sos da Ci>sa de Delecao do Recife, Estado di
Pernambuco, em 20 de Junho de 1890.
Exisliam 453, entraram 15, saturara 16, existem
452.
a saber:
Nacionaes 421, malheres 20, estrangelros 12.
Total 453
Arracoados 379
Bons 354.
Ooentes 20
Loncos 4.
Louca 1.
-Total 379.
Movimento aa enfermarla
Tiveram baixa:
Aatonio Carneiro de Oliveira.
Emiliano Rodrigues do Nascimento.
Domingos Manoel Ferreira.
Feriado Pereira de Lima.
Tiveram alta :
Manoel Velloso de Carvalho.
Jos P. Ferreira.
lo-pitai de Santa Agueda-0 mov
raenio deste esiabeleenne.nto tpara variolosos
uo dia 20 do corrente, foi o seguinte :
Homens Uulhere Total
Existiam 105 80 185
Entraram 11 4 |
Falleceram A 2 0 2
Existem 114 84 198
Hoapital Pedro 11 -u movimento deste
Reodimaoto do dia 1 a 19
dem de 20
17:430*091
i;4O6*6o0
18:476*751
recehemaw boa-
XaaatretbDes^a cidade
tem o seguinte telegramma :
Nazarath, 21 d Jmma
1 AO Diario ie Pemamtfuta.
< Peco obseqoio agradecer ao respeitvel'
commercio, artistas e povo de Goyanna a hon-
rosa manifestacao qne me fizeram quando dalli
stabelecimento de caridade, no dia 20 de Jonho
foi o seguinte:
Entraram 2
Sahiram 4
Falleceram 2
Existem 420
Foram visitadas as respectivas enfermarla"
jelos Drs.:
Moscoso s 8 1/3.
Cy8neiro s 10.
Ferreira Velloaojs 10.
Berardo8 10.
Malaquias s 8.
Pontual s 7 1/4.
Estevo Cavalcante s 8 3/4.
Simes Barbosa s 10 1/4.
O pharmaceutico enirou as 8 1/2 da mann e
ahio s 2 da tarde.
O ajudante do pharmaceutico entrn s 7 3/4
e sinio As 5 1|2 horas da tarde.
Lotera do Grao ParaEis os premios
da 5." serie da 37.a lotera do Gro-Par, ex
tratada em 21 de Junho de 1890:
5368 60:000*000
558 6000*000
2169 3:000*000
765 1:200*000
1943 1:200*000
APPBOXIMACOES
5367 600*000
5369 600*000
557 300*000
559 300*000
2468 180*000
2470 180*000
Esto premiados com 600*000 os seguintes
numeras:
1569 1573 3711 5276
Esto premiados com 300*000 os seguintes
nmeros :
222 5123 5673 6123 6967
Esto premiados com 120*000 os seguintes
numeras :
5361 5362 5363 5364 5365 5366
5367 5369 5370
Esto premiados com 60*000 os seguintes nu-
meras :
551 552 533 55 555 556
557 559 5S0
Esto premiados com 30*000 os seguintes nn;
meros:
2461 2462 2463 2464 2465 2466
2467 2468'2470
Todos os numeras terminados em 68 esto pre-
miados com 60*000, excepto o da sorte grande.
Todos os nmeros terminados em 58 esto pre-
miados com 60*000, excepto o da sorte imme-
diata.
Todos os nmeros terminados em 69 esto pre
miados com 30*000.
Todos os numeras terminados em 8 esto
premiados com 30*000, excepto os terminados
em 68.
Todos os nmeros terminados em 9 esto
premiados com 30*000, excepto os terminados
em58.
A seguinte lotera corre no dia 28 de Jnnho
com o plano de 60:000*000.
LoirrU do Estado de Pernambuco
-A 8 serie da lotera deste Estado, ser ex-
trabida impreteriveImente!no dia 28 do corrente
Uabbado), 1 hora da tarde, no consistorio de
igreja de Nossa Senhora da Rosario, de Santo
Antonio.
Lotera do Estado do tirana-Para
A 6a serie da 37a lotera cujo premio gran
de de 60:000*000 ser extrahida no dia 28 do
corrente. '
A 15a serie d 31* lotera deste Estado, cura
premio grande de 250:000*, ser extranioa
no da de Jnnho (sabbado).
A Ia serie da 36a lotera, cojo premio gran-
de de l:000IOOf>8er extrahida:tto'dia ..'do
icorrente.
Lotera do aaranbao A 21a eme
tda Ia lotera deste Estado, cujo premio grande
i de 300:000*% ser extrahida no dia '2 de J
Segnndn-Teirf i........2i
A's 7 horas na matriz de Santo ABtonioV'pela
alma de Antonio Dionisio de Sant'Aona; s 8
horas, na natrii de Santo Antonio, pela auna
de D. Anua Maria de Sonsa; as 7 horas, na
igrea da Santa Cruz, pela alma de D. Joaquina
Rodrigues de Oliveira; s 7 horas, na capella
do cemiterio, pela alma de D. Maximiana Mendes
da Fonseca e Silva.
Paasagelroa Chegados do Sul no vapor
nacional Beberibe:
Dr. Hermillo Alves, sua senhora, 1 lbo e 2
criados, Dr. Bernardo Figueiredo, sua senhora,
sua me e 2 criados, Dr. Manoel A- C. Araujo
Feio.Dr. Joaqoim Leite Ribeiro de Almetda Ja-
oior, sua senhora. 2 tilhos e 3 criados, Dr. Fran-
cisco S. Rodrigues e Britto, Dr. Amenco Rodri-
gues de Carvalho, L. de Vasconceos, Francis-
co Marcoodes de Andrade Figuelra, Narciso E.
Cordeiro, Arthur Francisco Teixeira, de Lacer-
da, Zacnaria3 de Faro Rollemberg, Gamillo Ro-
berto e Victoria Roberto, Francisco S. Leo,
Laura Leo e i filho, capito Justino Lopes Car-
dio), sua senhora e l tilhos, Americo Macedo,
John Williams, Arthur Williams, Maurice Wil-
liams e 1 criado-
Chegados da Europa no vapjr inglez La
Plata: m ;
Robert Lywood, Thomaz E. Dbwner, Carlos
Solvine, Maooel Carrero, Jos Alvares Lpez,
Joo Faria, Joaquim Oliveira Fortunato Miran-
da.
Sabidos para o Sul 00 mesmo vapor:
Hl J. Permaoo, Dr. Heorique Augusto de Al-
buquerque Mllete sua senhora e Felippe Hol-
mes.
Sabidos p?a o Sul no vapor nacional Prin-
cipe do Grao Para -.
Jacintho de Souza Franco, Augusto Cezar Za-
noty e Manoel Alves Baptisla.
cemiterio publicoObituario do dia it
e Junno :
Afredo. Pernambuco, 7 annos, Recife : vari-
las hemorrhagicas.
-Luiza Francisca da Silva. Parahyba, 35 aunos,
viuva, Graga; febre palustre.
Anglica Maria da Conceicc, Pernambuco,
14 annos, solteira S. los ; gastrite
(elemente Rodrigues Cardoso, Peraambnco, 63
annos, viuvo, Santo Antonio; insuficiencia mi-
tra I.
Leovigildo, Pernambuco, 4 mezes, Recife;
rachitismo. s
Maooel, Pernambuco, horas, S. Jos; inviabi-
lidade.
Gamillo, Pernambuco, 4 annos, Recife ; vari-
las hemorrhagicas.
Manoel, Peroainbuco, 17 annos, S. Jos; va-
rilas confluentes.
Emiliano. Pernambuco, 4 annos, Graga; va-
rioias conllentes.
Francisco Ferreira, Pernambuco, 30 annos,
casado, Santa Agneda; varilas.
Candido Felippe dos Santos, Pernambuco, 41
annos, i-olteiro, Santa gueda ; varilas
Carlota da Conceigfto, Pernambuco, 22 annos,
solteira, Santa gueda ; varila. \
Manoel Pereira dos Santos, Pernambuco, 35
annos, solteirat Santa gueda ; varilas.
Anua Rita, frica, 80onos, solteira, P.ecife ;
senilidade.
Rosa Maria da Conc-igo. Pernambuco, 18 an-
nos, solteira, S: Jos; vsriolas confluentes.
Clara Mana da Conceigo. Ro Grande do Nor-
te, 20 anuos, solteira, Boa Vista, varilas con-
fluentes.
Manoel Antonio Figueiredo, Pernambuco, 62
annos, casado, Boa Vista; anemia.
Mr riane Sant'Anna dn Conceigo. Pernambu-
co, 70 annos, solteira, Boa-Vista; cacbexia se-
nil,
Jos Clemente de Oliveira, Pernambuco, 32
aanos, solteira, Graga; tubrculos pulmonares.
Maria, Pernambuco, 5 mezes, Boa-Vista; gas-
tro enterite. *
Dimas, Pernambuco, 5 annos, S. Jos; tubr-
culos pulmonares.
Luir Francisco da Rocha, Pernambuco, 48 an-
nos, S. Jos; varilas confluentes-
Jos de Sant'Anna, Parahyba, 3 teira Recife; varilas hemorrhagicas. .
Joaqaim Jos de Sant'Anna, Pernambuco, S.
Jor;voriolas hemorrhagicas.
Carlos de Almeida Bastos, Pernambuco, 1#
annos, Recife ; pleura pneumona dupla.
Rachel Caetana de Mello Pires, Pernambuco,
85 annos, casada, Recife; insufficiencia artica.
Franciscisco Borges de Sama Rosa, Pernam-
buco, 31 annos, casado, S. Jos; ttano.
Mara de Paula nos, casada, Pogo ; astbma cardiaca.
Joo Luiz Gonzaga Coelho, Pernambuco, 29
anuos, viuvo, Boa Vista ; tubrculos* pulmooar.
IffDlGACOES DTE1S
Mdicos
O Dr. Lob< ocoso d consultas em
sua casa ra da Gloria n. 39, das 10 ho-
ras da manba 1 da tarde. Adiando se
lora do servico publico offerece se para
acudir a qualquer chamado com prompti-
dao para tora da cidade. Especiahdade:
operages, partos e molestias de senhoras
e de meninos.
O Dr. Alcibiades Velloso d consultas
das 12 s 2 horas da tarde, na casa da
sua antiga residencia, ra do BarSo da
Victoria n. 45, 1. andar.
Dr. Joao Pauloespecialista en par-"
tos, molestias de senhoras e de criancas,
com pratica nos hospitaes de Paris e de
Vienna d'Austria, d consultas de 1 s 3
horas da tarde, ra do BarSo da Victo-
ria n. 60, L. andar, e reside na estrada
doa AfHictos n. 30, junto estacan do Es-
pinheiro. Chamados a qualquer hora. Te-
lephone n. 467, na residencia.
Dr. Cerqueira Leite, tem o seu escripto-
rio ra Nova n. 32, onde pode ser en-
contrado do meio dia s 2 horas e fora
destas horas roa do BarSo de S* Borja
n 22. Espe jialidadesmolestia de crian-
9 senhoras e parto. Telephone n. 326
d> casa de residencia.
Dr. S Pereira, ra da imperatriz n. 8
d onsultas medico-cirurgicas todos os dias
das 8 ao meio dia, menos nos domingos e
dias santificados.
Dr. Freitas Guimaraes, medico, tem
se- consultorio na ra Duque de Caxias
n. 57, 1. andar; da consultas nos dias utehl
das 11 1 hora da tarde e reside no Ca-
jueiro n. 4, onde attonde a chamados em
qualquer hora do dia e da noite. Telepho-
ne n. 292.
O Dr. Simplicio Mavignier.Clnica me
iico-cirurgica. Especialidades: moleaiM
Sulraonares e partos. Ra do Marqn-.* do
linda n. 27, 1. andar. Consultas uaa 11
ia 2 horas e. na Cana Forte (Pogo da Pa-
lella) das 6 s 9 horas da manhJX e i
arde- Telehone n. 392
Dr. Joaquim Louieiro medico e partei-
~o, consultorio roa- do Cabug n. 14,
L. andar de 12 s 2 da tarde; residencia
ao Monteiro.
Dr. Catiro Jess medico e operador,
Pratica a lavagem do tero quando o co-
mo aconselhada. Consultas das 11 s
i da tarde em ana risidencia roa do
Bom Jess (antiga da Cruz) n. 23, 1.*
uidar. Telephone n. 380
Advogadoe
O bacharel Bonifacio efe AraaSo Faria
Rocha contina a advogar. Escriptorie
san do Imperador n. 46., 1. andar.
O boehard Joaquim Ihiago da Fonseca
com seu eacriptorio de advogado ra do
imperador n. 14, l.# andar.
'/
l
1 '
i
<



;
1
I

; rV"

' ".
V j

I fc...
M
m
Dr. Forretra. com pnatioa^ no princi-
aa'he**litaes e liniflh d* Paria e IUn-
dres, cnnaultas todos ce diae da 9
horasdasv jneio-dia. Consultorio e resi-
dencia roa Larga do Boaario n. 20.
Dr. Barrcto Sampaio, ooouliata, d coa-
i
t



de ?ernambocpT-Domago 22 de Junho de
I
1


I
taitas de 1 s 4 hora* xu 1.* andar da
asa roa Bario da Victoria n. 51. Reei-
deocia a roa 7 de Setembro n. 34, entra
da pela ra da Saudade n. 25.
Drogara
Faria Sobrinho A C, droguista por ata
oado, roa do Marques de Olinda n. 41.
Frmeco Manoel da Suva A C, deposi
taroa de toda as especialidades phanna
oeuticas, tintas, droga, productos ehimi
oaa e medicamento homeopticos, ra do
Marques de Olinda n. 23.
PUBLICARES A PEDIDO
Emprestimo a Usinas
Em artigo editorial, o Jornal do Reafe de hon-
tem, apparenlindo-se defensor do desenvolvi-
miento agrcola deste Estado, qualiric ju de ditas
teses illega'. e bem assim de nao garantir o thesou
ropoblico, o acto em viitude do qual o actual
fovernador do E-tado cootractou o emprestimo
e daientos contos Usina Aripib.
Entrando na deraonstraco do sea articalado,
autor do editorial cita leis, que interpreta a
sen geito, que commenta do modo mais |adopta-
do as suas conclusoes, desvirtuando assim o
ensamento proteccionista, que presidio coa-
feccao dellaa.
Havemos de demonstral-o : mas antes de tudo
convem provar que o aactor do editorial has
tal as concessoes de engenbos centraes e tomou
obre os nombras a ngrda tarefa de impossibili
telas.
Nao estabelec-riamos to desagradavel preli
minar, se por ventura, contra a crrante dos
acontecimentos, o autor do editorial nao asaegu
rasse acbar-se cima da suspeita de ser infense
ao desenvovtmento agrcola deste Estado.
C emos que o autor do edictorial o Dr. Ulva-
ses Vianna; e, quando outro seja, o director do
Jornal aceitn as opinioes emitti las em edicto-
rial e esse director o Or. Ulysses Vianna.
Pois btra ; incumbido o Dr. Ulysses Vianna
e regulamentar as leis referentesa auxilio |
engennos centraes, ao lempo da administrado
do conselbeiro Manoel Alves de Araujo. o fez
por modo tal, que o regolamento tornou impos-
sivis as concessoes.
Tantas eram as exigencias, e to desarraso
das as garantas, que neobum agricultor propoz
se mais a coutranr emprestimo cora o Estado
para fundacao e expioiaco de engenbos cen
traes 1
Realmente I o autor do regolamento teve bs-
tente habilidade para conseguir o seo desidera
lum, de que mais tarde e ainda hoje tanto se
afana!
Para qne se tenha urna idea de quanto o ce-
lebre regulamento burlou as leis proteccionistas
referentes o engenbos centraes, basta attender
se ao sesuiote:
Para entrega da primeira prestago de cincu-
enta on cem contos de ris em apolices ae con
ees si o nano, o artigo 16 da lei n. i.860 ae 1885
exige apenas apreseotago do conbecimento do
embarque, facturas e apolices di seguro dos
matehaes. os quaes documentos sero endossa-
dos ordem e ricaro em ciucao no ihesouro.
No e'ntanlo, pelo irtigo 9 do celebre regula
ment, a i' prestago sO sera effectuada, alm
daquella coadigio, mediante o preenchimento
das segnintes :
1 approvaco por parte da presidencia do
plano e orcameoto de obras projectadas e ma
cbinismos.
* exhibico da acta de encorporago da so
cieded- de vi lamente registrada, da qual conste
o levantaaiento dos dous tercos do capital ne-
cessario empreza, e na falla da encorporago
da sociedade, documento comprobatorio do em
prego ou existencia dosHous tercos do referido
ca lital.' .
E, porque o autor do regulamento anda nao
parecessem suficientes senelhantes garantas,
elle fez com que o art. 15. exigisse, que o con
cessionario prestasse no Tbesouro (ian;a idnea
pela maneira prescripta no regulamento de i
de Junho de 1879, equivalente quanlia em
apolices, que reeebesse, devendo a mesma nan-
ea prevalecer al que fosse lavrada e registrada
a escriptura de hypotheea sobre a fabrica
De modo que, para o concessionario recber a
importancia da primeira prestacao. nao bata-
vam os documentos exigidos na lei n. 1,860,
ainda nao eram bastantes os illegaes documeoios
exigidos no art. 9.' do celebre regularaeaio,
porque para cumulo de exigencias, devera pre
star mais urna tianja equivalente a prestago,
oe tivtssvde receber, e e3sa tiaaca so poderla
ser em dinheiro, ou apolices da divida provin
cial ou em ftens immoveis situados no munici-
pio do Recife.
Pois nao s comprehende bem que o agricul
tor, que estivesse em condiges de prestar urna
flanea de cineoenta ou cem contos de rais em
dinh-iira, ou apolices. em bens situados a jui no
Recife para receber do governo igual importan
ca dispensara perfeitamente de incommodar o
governo para obter a quantia equivalente
quella ?! .
Pois nao se comprebende, anda, que a le
proteccionista sobre engenbos centraes, o que
visa principalmente auxiliar aquelles, que nao
teem recursos propnos e bastantes para funda
rem fabricas centraes ?!
No entaato, o celebre regulamento propa-se
a auxili ir somente aquelles agricultores que se
actaam em condiges de dispensar auxilios do
governo !
Somente em boslilidade agricultura, seme-
lhante regulamento surgi armado di cabeca de
seu autor, que jurou guerra de morle s con-
cessoes de engenbos ceniraes.
E to veridica esta assergo, opposta que o
actual governador, se nao revogou, sutpenden a
execuco do celebre regulamento e acaba de
nomsar commisso que organise o regulamento
em ordem a facilitar as concessoes.
Se quem orocide como o Dr. Ulysses Viauna
esta procedendo com relacio a engenbos cen-
traes nao infenso ao desenvolvimenlo agrcola
deste Estado, nao sabemos quaes sejam os ini
migos prfidos da agricultura.
Proseguiremos.
fermidades da garganta e do pulmoes. O
Peitoral de Anaoahuita, nao tem seu igual
entre todo* oa pulmooicos da materia me-
dica, e por isso pode e lhe chamar oom
toda propriedade e razao o nico remedio
digno do nome.
Como garanta contra a falaificacoes,
observe-se bem que os nomes de Lanman
A Kemp venham estampados im letra
transparentes no papel do livrinho que ser-
ve de envoltorio a oada garrafa. Acha-se
venda em todas ae boticas e drogaras.
Rio Formoso
O missivista do Diario de Pernambuco,
de 18 do crrante, ainda desta vez altou
de mi f a verdade em relacao a mim,
tingindo ignora o effetivo encargo das
dua freguezias, e suppondo. falsamente,
de ter promovido minha noneacSo, quan-
do alias foi-me concedido j pela terceira
vez, por acto livre e espontaneo da auto-
ridade compacte, e n5o por empenhos, e
nem adoleci do potentado orgulhoso e
im moral!...
E' falso, e calumnia asseverando que
uestes dous mezes tenho ganho uns dous
contos de ris em casamentos e baptisa-
dos !... dizendo ainda descaradamente que
o casamentos feitos as matrizes custam
vinte mil ris cada um^e na casas part
culares quarenta e cinco mil ris !. -.
E' ser um desalmado, sem consciencia,
dizer mentira sem prova, que nao poder
aprepentar um facto, nem individuo algum
que diga que deu rae tal quantia.
Prnvoco-o e desafio para que prove sua
afirmativa, sob pena de Ber um mentiroso
desalmado, um calumniador e injusto ag
gressor corrompido, contra quem nao o
offendeu a favor da intendencia munici-
pal, por quem assalanado, deixando de
tallar no pardieiro, que serve para as se*
sdes, todo escorado, por quarenta mil ris
mensae, alm das despezas feitas, e nSo
descontadas ao proprietario !...
Nao responder mais a miaeraveis ano-
nymos venaes que nao camprehendem o
que seja honra e vergonha. Peca a paga
pelo elogio ao vigario de Serinhaem !....
Recife, 19 de Junho de 1890.
Padre Francisco Verissimo Bandeira.
M serve
"" s ug
Illms. cidadaos redactores do Diarto de Per-
mamimeo. Pedimos-vos a publicas*i das segnin-
tes linbas na Revista de vosso conceitoaco Diario :
Nao podemos abafar a expressao de nossa gra-
tidao ao Club Republicano de Belm, pela atlitu
^le desinteressada e nobre com que se maoifes-
tou em sua sesso de 6 do correte, tomando de
motu-pioprio a proieccao dos desvalidos mora-
dores do Campo Grande e fazendo deltacar de
seu seio urna commisso afim de solliciur do il-
lustre governador de^te Estado os urgentes re-
paros que carece a estrada dease povoado, m
transitavel ha 3 annos.
J repetidos abaixo assignados neste sentido
submettemos considerajao e justica de S. Exc.
mas nada tem se podido fazer.
Esperamos que agora sejamos attendidos e te-
ndamos urna estrada que nos d accesso capi-
tal sem risco de nossas vidas ou de pessoas de
nossa familia.
Nossos parabens ao Club e ao cidadao Marcos
da Silva.
Um morador.
Cono est Vaac. da sna toaae ?
Esta pergunta feite diariamenta com
benfica solicitude milhares de pessoas,
e no entanto muito melhor "seria se os per-
guntantes indicassem o meio d conseguir
nm alhvio immediato e seguro, recommen
dando aos seus amigos enfermos o -Pe-
toral de Anacahuiteporque ainda mesmo
e embora que o doente heuvesse estado
soffrendo durante semanas inteiras, d'uma
toase violenta ou d'uma constipadlo for-
tissima, e'.e soberano remedio para todas
as enfermidadea, ee alliviaria e curara
dentro do curto eapaco de Tinte e quatro
horas. Os nativos do Mxico conheciam
perfeitamente as extraordinarias virtudes
medicinaos de arrore da oual se extrahe
esta manvilhosa preparaclo, e era o sett
grande remedio fovorito em todas as en-
Nomes deTcidadaos em con-
diges de bem representar
o Estado de Pernambuco.
1 Dr. Jos Izidoro Martina Jnior.
2 Dr. Annibal Falcio.
3 Dr. Manoel Gomes de Mattos.
4 Dr. Joaqun Aurelio Nabuco de Araujo.
5 Dr. Joaquim Jos de Almeida Per-
nambuco.
6 Dr. Birnardo Jos da Cmara.
7 Dr. Andr (Javalcante de Albuquerque.
8 Conselheiro Joaquim Correia de Araujo.
9 Dr. Ambrosio Machado da Cunha Ca
val -.anti.
10 Dr. Felippe de Figueira Faria.
11 Dr. Ermiro Cesar Coutinho.
12 Dr. Joao Barbalho Uchoa Cavalcanti.
13 Bario de Crntendas.
14 Dr. Raymunuo Carneiro de Souza
Bandeira.
15 Dr. Joaquim Tavares de Mello Bar-
retto.
16 Dr. Jos Nicolao Tolentfno de Carva-
lho.
17 Dr. Antonio Alves Pereira de Lyra.
18 Dr. Jos Vicente Meira de Vasccn
cellos.
19 Dr. Sebastiio Antonio Accioly Lins.
20 Dr. Sdvino Cavalcanti de Albuquer-
que. m
21 Dr. Antonio Manoel de Siqueira Ca
valcanti.
22 Conselheiro Francisco Rosa e Silva.
23 Dr. Bellarmino Correia de Oliveira
Timbaba, 20 de Junho de 1890.
Isto posto, applicamo a idea
de epigrapbe, o argumento qae
urna decretacao de vitaliciedade em an outro
Estada
Ha moitos causou especie a revogaco do acto
de vitaliciedade de empegados pblicos de Per-
nambuco, suscitndose con trvenos commenta
ros, olvidando se que a esse acto presidiram o
criterio e bom senso; o pensamento contrario
nao resiste a mais ligeira analyse.
E' obvio qne o mais podaroso estimulo para o
funecionario nao est na egide da vitaliciedade ;
alias circumscreve se a retribuico do trabalbo,
sem preterigef violeotas, de direilos adquiridos;
de outro modo a vitaliciedade restricta alm da
eicepcao odiosa, cra a disida e outros defeitos
funestos que entorpecem as boas normas no
cumprimento dos deveres.
E demais, posta em relevo a moralidade pro-
miscua entre governo e funccioeali mo. a per
manencia deste nis fnnecoe lera razao de ser
emquanto bem servir; desea ao nivel da degra-
dado, deturpada, eptiemera ser a decantada
vitaliciedade.
Milita urna razo de ordem e vem a ser que a
prerogativa da vitaliciedade sempre ioqoinon os
poderes pblicos desde a mais alta hlerarchia
at a mais estreila eephera. Era assim que es-
se absurdo constitua o senado brazileiro n'uma
oligarebia de maior grvame sos principios de
mocraticos, o que impellio o actual governo a
encelar aorganisacSo do novo rgimen, nao pela
corda do edificio, mas pela sua base, prosore-
veodo a vitaliciedade daqnelle ramo do poder
publico, repellida pela lgica do systema de go-
verno livre, devendo aquella ser substituida
constituciooalmente pela temparariedade
E\ portanto, indubitaveUque a medida corre-
ctiva daqnelle deleito radical do mecbanismo le
gistetivo, deve ser uniforme aos demais poderes
para consolidacao do rgimen puramente demo-
-cratico; e assim nao extemporneo que lal
providencia tenha correlacliva affinidade com o
funecionalismo do paiz, cujo systema de governo
se transformou.
Nao contestamos e admittimos mesmo que na
pratica daquelleacto, o inclyto marecbal Simeao
fdra levado pelo influxo de generosas intencoes,
ttlhas da candura d'alma e de um coraco bem
formado; mas certo, e ninguem de boa f o
contestar, que o acto que considerou irrito o
primeiro, revela a lgica e o vigor de raciocinio,
los que prendera a ultima resolucSo apotbeo
se merecida ao carcter inquebrantavel do ovo
governador.
E' tambem verdade haver sido o funecionali <>
mo. em todas as pocas, o ludibrio das faeces
politicas variando entre espurios e apaniguados
da grei que alcava a cornucopia das gracas para
premiar, ou deprimir com a frrea manopla do
nepotismo, as victimas do odio pai tidario.
Mas isso certamen te mudar de face porque
o governo de repblica nao adoptar a igualda-
de do leito de Procusto timbre da supplantada
monarebia.
Seja como fdr, funecionario publico que so-
mos nao deitaremos luto pela fnga da prerogali
va de vitaliciedade, cujos proventos caberiam
exclusivamente a gryphos atravessadores de ac-
cessos de empregos para quem nao bastarla o
escudo de Minerva (prato favorito gula de um
imperador romano) para saciar o appetite devora-
dor de improvisados Vitellios.
J. 1. S. M.
Conferencias religiosas
Desde domingo 22 at sexta-feira 27 de
Junho far-se-hio urnas conferencia espe-
ciaes dirigida por H. Maxwell Wright,
chegado ltimamente do Portugal, no salao
da ra do Imperador n. 71, Io andar,
7 horas da noite.
Convidam se as familias e o publho em
geral.
Entrada franca.
Bencao da Imagem do Vlar-
tyrS. Sebastiao do Recife
Tendo de se proceder hoje pelas 5
horas da tarde, na igreja da Madre de
Deus, a bencao do Glorioso Martyr S.
Sebastiao, advogado contra a peste, e
sendo este acto com toda a solemnidade
e assistencia dos Exms. paranyraphos,
a commisso encarregada convida a
populacSo daata'cidade para comparecer
a este acto de penitencia, pedindo tambem
pelo presente, encarecidamente a toda a
contrarias religiosas para mandarem re-
picar as suas reSpectivas grojas pl oc-
casiao do acto, que ser annunciado por
urna salva de 21 tiros, e tocarao no acto 3
bandas de msica.
Recife, 22 de Junho de 1890.
Manoel Moreira de Sonsa.
Jos Antonio Moreira.
Joaquim Ramos da Crua.
Florindo Jos Baptista.
Pedro de Fontes Ferrai.
Vitaliciedade de fuuccionario
publico
Nao ha cousa no mundo de que a3 paixes hu-
manas nao acbem meios de abusar. E' um pen-
samento de Loois Blanc.
O procedimento do espirito humano mmuta-
vel oa formaco do pensameito ; mas este tbeo-
rema nio impece qoe, as nomeacoes elementa
res ao juizo creem imagens llusonas que teem
assento as paixOes hunanaa, as quaes, alm da
cegueira da intelligencia e aberracSo dos prin-
cipios tbeoricos da lgica geram a duvida per-
turbam a lux, a combinacao e conveniencia das
ideas ao enunciado.
A' vetes a contnuaco de certos tacto suavida
social implanta nos nimos fracos o preconceito
da preocaaacao e indus a concitadores levanta-
ren! o verbo de um falso couceitp, cuja vi-
braco repercute no seio das turoas; serenan-
do, porm, a celeuma no espinto popular, des-
aba o artificio pela deficiencia de base que a
razao, primeira faculdade do raciocinio.
Coyanna
AO EXM. SE, DK. GOVEENADOE DO ESTADO
E AO PUBLICO
Fiat lux
Deparando com urna certido extrahida pelo
industrioso escrivo.FranciscoRibeiro Costa Vas-
concelos, a requerimento do cidado Joo Fran-
cisco de Mello, e publicada ex-officio no Jornal
de 17 do correte, sob a epigraphe Ad Catite
lam,venhn com os dous soberanos documentos
infra transcriptos, arrancar a mascara do alludi-
du escrivo, que, faltando lhe a probidade e con-
sc.encia de um homem d2 bem, para dar expan-
so s suas perversas intencoes, fabrica as tre
vas pelices sem asignatura, abusa da bondade
do >r. Dr.'juiz de direito e com a babilidade do
salteador, por estes meios explora a bolsa albeia,
obngando-me a vir imprensa pulverisar a
mentira. Diante do documento n. 2, nao resta
duvida que o escrivo Francisco Ribeiro, con-
funde se com o falsario intrigante, a quem mi
nistrou a lal certido.
Convem observar, que o mesmo escrivo, ape
as teve noticia de que me propunba a solicitar
a restauraco do cartoric, em que servio o fina
ao Alcantilado Rocbedo, supprmido em seu
proveito, trausformou se n'om medonho e apre
ga aos quatro ventos que. com palavra e meia
ja desfez a minba pretenco.
Muita importancia tem urr lacaio 11!
Goyanna, 20 de Junbo de 1890.
Manoel Eduardo Lins Wanderley.
Documento n. f
Ulm. Sr. Dr. juiz de direito de Goyanna.Ma
noel Eduardo Lins Wanderley, para justos fins
precisa que V. S. ordene ao escrivo do jury
que, com a maior urgencia Ibe d certido t'erftu
ad verbum do Venerando Accordo do Superior
Triounal da Relacio, proferido em um processo
de respeosabilidade. intentado contra o suppli
cante em 4 de Fsvereiro de 1885, Accordo que
Julgou improcedente tanto a denuncia, como o
despacho de pronuncia de 14 de Julho do mes
mo anno.
Nestes termos pede a V. S. deferimento. E.
R. M.
Goyanna, 18 de Junho de 1390.
Manoel Eduardo Lins Wanderley.
B se. Goyanna, 19 de Junbo de 1890.M.
Lima.
Eu, Francisco Ribeiro Costa Vasconcellos, es-
crivo do geral e interino do jury nesta coraar
ca, certifico que revendo os autos de que trata
a petigao supra, delles consta ser o Accordo do
tbeor seguate:
Accordo em RelacoQue feito o orteio do
estylo, relatados estes autos de recurso interpos-
to da sentenca de pronuncia de fl-, H v. e 23,
em processo de responsabilidade por denuncia
do promotor publico da comarca de Goyanna,
contra o recrrante Manoel Eduardo Lins Wan-
derley, escrivo da provedoria ; expostos e dis
cutidos a sua materia, dio provimento ao
mesmo recurso para reformaren), como refor
mam a pronuncia recorrida, pela manifesla im
procedencia deste summario.
Attendendo que, o exame de ralbas S nao pro-
va por si somente a existencia do delicio, tendo
alias sido processado sem audiencia ou assisten
cia do recrrante.
Attendendo que a denuncia de folhas nao ar-
ticulou um so dos requisitos do art. 129 do co
digo criminal, que sio elementares do crime de
prevaricago; e baseando se a pronuncia no re-
ferido exame e depoimentos de folhas a folbas,
tambem nao especificou, nem reconbeceu a exis-
tencia dealeum daqudles requisitos.
Altendendo-se a que procedem os fendamea
tos da defexa de lis 9 a 10 e razes de folhas a
folhas, menos jurdica foi a pronuncia de que se
recorreu sendo contestes, como sao, os depoi
mentos citados, allirmando ser o recrrante ia
capaz de praticar o fado incriminado ; e por
c nseguinte inadmissivl a presumpeo da auto
ra, como sustenta o juiz a quo para promover
interesse pessoal seu requisito este, que deve
ser plenamente provado.
E, finalmente adverteoji.ao juiz a quo que nao
tem igualmente procedencia a sua explicaco
dada em cumprimento do Accordo a folhas :
condemnam a municipalidade as custas.
Recife, 11 de Agosto de 1883. Qmntino de
Miranda, presidente.Alves Ribeiro. Monteiro
de Andrade.
Foi voto vencido o do Exm. desembargador
Toscano Barreto.Alves Ribeiro
Era o que se contioba em dito Accordo aqu
verbum ad verbum copiado do8 proprios autos em
meu poder e cajtorio, ao qual me reporto. A
presente passei em virtude do despacno e peti
cao retro. Dou f. Goyanna, 19 de Junho de
1890.
0 escrivo do jury,
Francisco Rtbetro Costa Vasconcellos.
Documento n. i
Ulm. Sr. Jco Francisco de Mello.Appare
ceodo em seu nome urna petico despachada e
publicada no Jornai do Recife de 17 do crrante,
peco Ibe que a bem da verdade me responda:
i se escreveu e submetteu alguma petifio a
despacho em qualquer sentido ; 2o se incumbi
o escrivo do jury para extrahir certido de al-
gum processo; 3 porque razo deixou de assi
gnar a alludida petico; 4, finalmente, se en-
carregoo a alguem de publicar no Jornai dita
certido. Espere que dir a verdade e me con
ceda licenca de faier o oso qae me approuver
de sua resposta.
De Vmc. atiento venerador.Manoel Eduardo
Ltns Wanderiej.
Goyanna, 19 de Junho de 1890.
ulm. Sr.Em vista de sua carta, respondo-
Ibe que nao escrevi nem submet'i petico a des-
pacho nem incumb o escrivo do jury de cou-
sa alguma e nem to pouco assignei requer
ment de especie alguma.e muito meaos pubii
quei certido em qualquer jornal; se isto appa-
receu foi trlbofe arrumado ah mesmo com abu -
so do mea nome, pois sei lr e escrever e son
muito conbecido nesta comarca, onde son elei-
tor. Pode fazer o uso que Ibe convier desta mi-
nha resposta.
Goyanna, 19 de Junho de 1890. De V. S. vene
rador e criado.Joo Francisco de Mello.
Est reconhecida a firma.
Club Esgrima
Os admiradores das artistas da compa-
nhia He'.ler, que gentilmente vio disputar
urna carreira na corrida desse Club, no
da 24 do corrente, que quizerem concor-
rer para o cadeau que lm de offerecer
vencedora, podem comparecer para tor-
nar effectivo o seu concurso, a rna Duque
de Casias, n. 34, buhar do Braga.
"lub Parochial de Sao
Jos
Tendo de ser installada este Club no
domingo 22 do corrente, 1 hora da tar-
de, sSo convidados todos os noasoa asso-
ciados para assistirem ao acto da install
cao e posse do Conselho Director, assim
como todos os cidadaos eleitores residentes
neata Fn-guezia, que quizerem ingerever-se
como socios, a comparecerem em nossa
sede no referido dia e hora cima indi-
cados.
Sito convidados igualmente todos os
clubs polticos deste capital a honrarem
com suas presencas ou de seus delegados
o acto da inaugurado de mais este de-
fensor de nossas instituigBes politicas sob
o regimem republicano.
Convidamos outrosim a todos os chefes
e influencias politicas a comparecerem a
essa testa para dar-Ibes o maior realce e
brilhantissimo, bem como todos os secta-
rios da ideia que adherimos.
A falte de tempo nSo foram expedidos
convites especiaes ou particulares.
A reuniao ter lugar ra do Mrquez
do Herval, sobrado n. 98.
Secretaria do Club Parochial de S. Jos,
19 de Junho de 1890.
Faustino Jos da Fonseca,
Presidente interino.
Antonio Marques da Suva,
Secretario interino.
Bonito
Ao Dr. chele de polica do Es-
tado
Agora que sabemos que segu para este
termo o delegado de polica, pedimos ao
Dr. chet'e que lhe recommende a prisSo
de Manoel Felippe Marques Lins, pro-
nunciado, que se acha tranquilamente em
sua casa no engenho Recruta, gosando da
mais escandalosa protecao da arte de
quem tudo pode nesta trra.
Nio possivel que continu por mais
tempo semelhante escndalo, cumpre fazer
cessar Isso a bem da moralidade publica,
e prestigio da autoridade.
Confiamos, que as providencias serlo
dadas e ao actual delegado, que, estemos
informado um militar brioso, e cumpridor
exacto de seus deveres.
7 de Junho de 1890.
Um amigo da ordem.
P. S. O reo protegido escandalosa-
mente pelo aspirante a promotoria desta
comarca que seu .dvogado e morador
na mesma comarca.
Muita attenqao
0 abaixo assignado, legitimo cessionario dos
bens deixidos por Jos Cordeiro do Reg Pontes,
fallecido n'esta cidade do Becife, deparando com
um annuncio no Diarto de 3 do corrente, oere-
cendo-d'aquelles bens alguns predios venda,
previne ao comraercio e ao publico d eate e dos
mais Estados, que nao facam transaeco algnma
com os bens abxo declarados, pertencentes ao
mesmo espolio, pois que os tribunaes do paiz
anda nao se pronunciaran! deflmtivamente a
respeito, e por Isso estando disnosto a havel o do
poder de quem os tiver obtido por qualquer mo
do, faz a presente declarago para que mais tar-
de nao se allegue ignorancia ou boa f por quem
quer que seja. ,
Os beirs sao os seguintes : casa terrea ra
Imperial n. 48, dila na ra do Nogueira n. JJ,
sobrado no pateo de S. Pedro n. 3, dita na tra
vessa do Carno n. 12, 7 armazens na travessa
da ra Pedro\Affooso, antiga da Praia, ns. 2 a
li, um armazkm na ra Nova da Praia, antiga
Caes do Ramos", n. 24. um sobrado da ra Pedro
ATonso, antiga da Praia, n. 57, um armazem na
mesma ra n. 61, um dito na mesma ra n. 63,
um dito ama Nova da Praia, antigo Caes do
Ramos, n. 42, um dito na mesma ra n. 44. 44
apolices geraes nsl.300.0tt a 300,029, 208 914 a
208.918. 148.1565 a' 248,671, 248.672 a 248 676,
163'o89 a 162.393, .62.594 a 162,398 84,346 a
84.333,248 663 aj8,664 ; 24 apolices provin-
ciaes, ns. 1,885 a*l,888 1,170 al,181, 1,269 a
1 278, 17 accOes do Rai\co do B-azi!, ns. 152,639
Em tempo, o abaixo assignado declara haver
rio mesmo modo todos ss rendimentos e os mais
que al esta da a tm sido decebidos pelos pro-
curadores -le Antonio Jos 'Machado, residente
em Portugal, Manoel Roberto'da Costa ou Costa
* Medeiro3, da ra do Amoricn n. 39, aesta ci-
dade do Recife, onde sao situados todos os
bens. \
Recife, 5 de Abril ae 1890. \
Jos Soares do Amoral.
Agencia de diverso** nego-
cios.
Jos Lk Saujado Accioli a ra do Imperador
n. 77. Io andar, onde pode ser procurado das 9
s 3 horas da tarde por todas as pessoas que o
quelram honrar com suasincumbencia.encarre-
ga-se principalmente de promptlcar papis
para casamentos civis e religiosos, de encami
nbar at o despacho definitivo quaesquer pre-
tences as repartices geraes e do Estedo. e
de naa mesmas pagar ou receber, e dar o, desti-
no que Ibe for ordenado com a mxima prompti-
do quaesquer quantias, ou veocimentoa dos
Srs. magistrados, parocbos,professore8*q\naee-
quer ouiros funecionarios, eencarrega se JDnal-
mente de qualquer outra commisso de compra
ou venda de que Ibe queiram incnnbir o sre.
propietarios, industriaes, oommerciantes agri-
cultores. /
A todos garante sinceridad, xelo e pronpti-
dao no cumprimento de suas ordens. ;
n YIGTIMAS DAS FIBRt

O EHxsr atattt-flBB>rll Carsloao, appro-
vado em 21 de Marco deste anno pela Inspectora
Geral de Hygiene do Rio de Janeiro, ven boje
apreseotar-se humanidade soff/edora de mun
do inteiro, como taboa de salvaco que ao infe-
liz naufrago Ibs enviada por mo omnipotente!
O Elixir and f toril CaraMo, appli-
cado em muitissimos easos de febres, tem, como
por milagre, levantado do letto da dor a comple-
tos moribundos.
Este remedio, composto smente de vegetaes
inteiramente inoffensivo, ainda mesmo na mais
mimosa e tenra enanca.
As senhoras, no estado de paridas, ou no pe-
riodo de incommodos naturaes, podem usai o
sem receio algum.
Deposito*
Drogaria dos Srs. Francisco Maooel da Silv
& C, ra Mrquez de Olind i n. 23.
Pharmacia Martins, ra Duque de Cax:a$
n 88.
Pbarmacia Oriental, ra Estreita do Rosario
n. 3. t
Pbarmacia Alfredo Ferreira, ma do Bare da
Victoria o. 14.
Pharmacia Imperatriz, ra dalmperatriz
n 49.
Para qualquer explicaco podem dirigirse ao
autor Maooel Cardoso Jnior, ra Estreita do
Rosario n. 17.
Dos innmeros ttestados que temos, damos
em seguida principio a sua publicaco ; e isto
bastar para que sejam conbecidas as virtudes
do Elixir anti febril Cardoso.
ttestados
Recife, 10 de Setembro de 1889.
Il'm Sr. Manoel Cardoso Jnior.Tendo sido
accommettida de urna febra perniciosa minba ti
Iba Francisca Ovia, que oito dias guardava o
leito, fiz applicaco do seu maravilhoso Elixir
Ante febril e de 40 graos que ja tinba attin
gido a febra, desceu em 24 horas a 37, dcsap-
parecendo, completamente, dois dias depois I
Maravilhado com semelhante resultado, dou
parabens humanidade por to importante des
coberta de V. S. e agradeco a Deus a feliz lem-
branga que uve, auiorisando a V. S. fazer desta
o uso que Ibe approuver.
De V. S. amigo e criado obrigado,
Ulysses Goncalves da Luz.
N. 37
Ulm. Sr. Manoel Cardoso Jnior. Tendo ap
pilcado em urna minba tilba de 3 annos de idade,
o seu preparado Ante febril que V. S. obsequio-
samente me fornfceu, obtive na terceira de o
desapparecimento da febra que muitos dias a
persegua, tendo at ento zombado de outros
medicamentos.
Agradeco pois a V. S. a offerta do seu mar
vilhoso Ante febril, podendo fazer uso desta mi-
nha espontanea declarago o uso que Ibe con-
vier,
De V. S. amigo criado muito obligado,
David Gomes Ribeiro.
Recife, 22 de Maio de 1889.
N. 3K
Recife, 2 de Abril de 1889.
Sr. Maooel Cardoso Jnior.
Amigo e senbor. Acbnodo-me no dia 24 de
Margo prximo passado com urna febre que me
alacou bastante a garganta, e fallando com orna
pessoa, disse-me ter estado em iguaes condiges
e que tinba feito uso de um remedio, cujo jul
gava efficax para febra.
Perguntei lhe o que era, di3e me serum pre
parado de Vmc, o que dava o nome de Ante fe
bril. lmmediatamente mandei em sua c?sa, o
que Vmc. promptamente mandou-me um peque-
no frasco, fiz uso com quatos uses no espago
de 8 horas, achando me restabelecido sem febre
alguma e sem dor de garganta, o que acbei
exacto o que me informaram.
0 que e tenbo que agradecer to poderoso
remedio, o que julgo ufallivel para febre.
Pode Vmc. fazer deste meu agradecii.ento o
uso que melhor lhe approuver em seu beneficio.
Me escrevo com es'ima de Vine, attento cria-
do e obrigado,
Jos Bernardina Marques Oliveira.
N. 39
Sr. Manoel Cardoso Jnior.
Amigo e Sr. Tecdo adoecidome o meu em-
pregado Jos de Azevedo Maia e Silva, de 16
annos de idade, com urna febre de mo carac
ter, tive a felicidade de na occasio de chamar
um medico encontrar um amigo, rasse me acon-
selhou de que Vmc. tinba um seu preparado a
que dava o nome de Ante-febril; deixando eu
de chamar medico e mandar em sua casa ver
um irasco dess remedio o que Vmc. proa pa-
mente o entregou ao meu portador, o que so te-
nbo a dizer que no lira de 24 horas j se acbava
o meu dito empregbdo sem febre alguma, o que
faltara eu aum sagado dever se nao viesse por
meio destas linhaa agradecer Ibe o effeito de
tao poderoso remedio, podendo Vmc. fazer em
seu beneficio o uso que este meu agradecimen-
lo lhe approuver, o que subscrevo me com esti-
ma e considerago
Seu amigo e criado
Manoel Joaqutm Alves Ribeiro.
Sua casa Io de tunht de 1889.
N. 40
Recife, Io de Margo de 1889.
Ilirii- Sr Manoel Cardoso Jnior.
Presente. Presadissimo senhor. Soffrendo
de urna febre amarella que me levou ao leito,
usei do Elixir Cardoso, a conralhos de diversas
pessoas que referiram-me a sua proficuidade.
0 resultado nao se fez esperar; resiituindo-
me a sade em pouco das, e dando me na con-
valescencia um admiravel estado fortificante,
a vista do maravilboso effeito do Elixir Cardo
so ; quero com estas linhas felicitar a V S. pe
los prodigios desse preparativo e habilitar ac
nhecel o outros que podem no seu uso colher as
vaolagens que elle offerece.
Espero que V. S. nao se molestar com estas
linbas, filhas da verdade.
Sabs'crevo com toda a estima e considerago.
De V. S. attento criado obrigado,
Manoel Jos dos Santos.
(Estavam selladas e reconbecidas as firmas)
ment meio apodrecido, cansa nausea
diarrha. Se se limpar as entranhas d'es-
te impureza eom urna dose das Pihuas
Operativas da Mal Seigel, estes effeitos
desagradaveis desapparecerlo, resaltando
em boa sade.
As Pilulas Operativas da M Seigel,
impedem os ms effeitos quti pod-
aem o comer e beber em excesBO. Urna
boa dose ao deiter da cama torna ama
pesada hbil e inclinada para o trabalbo do
dia segunte. *
Como estas Pilulas sao cobertes de urna
carnada de assucar tomam-se com agrado.
O gosto desagradavel tao commum maior
parte das pilulas d'esta forma evitado.
Estes pilulas recommendam-se especial-
mente s mulheres, podendo empregar-se
para facilitar toda obra da natureza, e
para remover todas essas obstruegoes que
sao a causa de tantas doencas a que est
sujeito o sexo no mondo inteiro.
Acham-se venda em todas as boticas
e lojas de medicinas, em toda a parte do
mundo e em casa dos proprieterios A. J.
Wbite, Limited, Londres.
Depositarios na provincia de Pernam-
buco por atacado: Francisco M. da Silva
d C, na cidade de Pernambuco.
Vendedores retalho, na cidade de
Pernambuco, Bartholomeu i C, J. C.
Levy & O, A. M. Veras & C. e T. S.
Silva; em Palmares, A. C. de Aguiar.
em S. Joao da Igreja Nova, J. A. da
Coste e Silva
A o publico
0 Dr. Joo Ribeiro de Hritto. encarregado de
tratameoto dos variolosos do 1 districto da Gra-
ga e da freguezia doPogoda Panella, pode ser
procurado na 5* estagSo da guarda cvica1 e no
quartel do destacamento do districto Poco da
Panella e na sua residencia a roa do Hospicio n.
81, telephone 303.
Isollna e Mlvin.i
Eis o que atteste um coohecido mora-
dor de Pelotas com referencia a dous ca-
sos de asthma :
c Attesto que as minhas filhas Isolma e
Silvina soffriam, ha mais de tres annos,
horrivelmente.de asthma, qne lhes vinh
por accesso3 amiud-dos e tao fortes, que
eu julgaei em muitos d'elles, ter se appro-
ximado o termo fatal de suas pobres exis-
ten :ias. Depois, porm, que usaram do
Peitoral de ambara, p: eparacao do Sr. J.
Alvares de Souza Soares, so Silvina foi
atacada, ha quinze dias, de um novo ac-
cesso, que cedeu promptamente ao mesmo
peitoral.
c Miguel Antonio dos Santos.
(A firma est reconhecida.)
*.


Dr. Mello Gomes
Medico operador parteire
46Ra do Barao da Victoria46
(DEFRONTE DA PHARMACIA PINHO)
Onde tem consultorio e resi-
dencia i podendo ser encontrado e
recebendo chamados qualquer hora
do dia e da noite.
Especialidades: partos, febres, moles-
tias de senhoras e dos pnlmoes, syphilis
em geral, cura rpida e completa e ope-
rages de esf reitamentos e mais soffri-
mentos da uretra.
Acode de prompto a chamados para
fra, a qualquer distancia.
Telephone n. 394


:
r
Dr. Alfredo Gaspar
MEDICO
Operador, parteiro trate com especiali-
dade de molestias de senhoras e creanas.
Consultorio e residencia rna da impe-
ratriz n. 18, Io andar.
Consultes de 8 s 10 da manbJL
Chamados (por escripto) qualquer ho-a.
TELEPHONE N. 226
As
Ensino de primeiras lettras, por-
tuguez, francez e inglez; pelas
residencias dos alumnos, dentro \

A
'
PDLULAS OPERATIVAS DA MAI
SEIGEL
CONTRA
ConstipacSo inacc2o do figado, etc.
Dessemelhante a muites outras medici
as catharticas, estas pilulas nSo fazem
com que urna pessoa se sinte peior antes
de sentir melhor. Produzem o seu effeito
com brandura mas completamente, nao
sendo acompanhado de accidentes desa-
gradaveis, taes como nauseas, apertos do
ventre, etc., etc. .
As Pilulas Operativas da Mi Seigel
aSo a medicina de familia a mais til que
se tem descoberto. Limpam as entranhas
de todas as substancias irritantes, deixan-
do-as em condicao saudavel. S2o o me-
lhor remedio que existe contra a peste das
nossas vidasConstipaciSo e inacclo do
figado.
Estas pilulas impedem febres e toda a
sorte de doencas, pelo simples tacto de,
expellirem toda a materia venenosa das
entranhas. Operam com vigor, mas sua-
vemente e sem causar dr alguma.
Se urna pessoa apanhar um refriado e a
ameacar urna febre, e sentindo dores de
cabeca, costas e membros do corpo, urna
ou duas dses das Pilulas Operativas da
M2i Seigel expedirSo o refriado, mpe-
dindo a febre.
Lingua grossa acompanbada de um gos-
to salobro, e a causa de materia impura
no estomago. Urnas poucas doses das Pi-
lulas Operativas da Mai Seigel Hmparao o
estomago, removendo o mo gosto, resa
teurando o apetite e com elle trar bSa
sade. ..
Muitas vezes succede que doenca ou an-
da cidade e em seus arrabaldes :
a tratar na ra do Imperador n.
75. 2. andar.

I
Dr. Bastos de Oiveira
tem o seu consultorio medico-cirrugico
ra do Mrquez de Olinda, n. 1, 1. an-
dar, onde pode ser procurado todos o*
dias uteis das 12 s 3 horas da tarde.
Chamados a qualquer hora em sua resi-
dencia, ra do Hospisio n. 46.
Telephone n. 365.

Dr. Silva Leal
CLTNICA MEDICO CTRDROICA
Consultorio e residencia rna do Livramento
n 6 1 andar. Cnsul tas das 11 s 3 horas da
tarde Chamados a qualquer hora, por escripto,
Culto Evanglico
Ha culto publico com leitura e explica-
cSo do Evaagelho, todos os Domingos as
11 horas da manhS e s 7 horas da noite
e as quintas-feiras s 7 horas da noite,
na ra do Impetdor n. 71, 1. andar. A
entrada franca.
Convidam seas familias e o publico em
geral a assistirem.
< Examnae as escripturas, pois julgaes
ter nellas a vida eterna; e ellas mesmas
b2o as que dao testemunho de mim
Ev de Joao, 39.) cap. 5. ver.
Cirurgio Dentista
DR. ROBERT P. RAWUNSON, for-
mado pela Universidade de Maryland nos
Estados-Unidos, tem aberto o sea consul-
torio, na roa Barao do Victoria 18,1* an-
dar. ,
Consultas da 10 e 4 horas da tarde.
MMj |A



Feraai
?--Domingo 22 de Junho #e 1890
Dentes
Termina a horrivel dor de dentes usando
o exeellente preparado de Manoel Cardoao
Jnior.
As cartas que lhe tem sido dirigidas
pelos jornaes de miorcirculacSo, attestam
a eficacia.
Depsitos :
Drogara dos Sr. Francisco Manoel da
Silva & C, ra do Marque de Olinda
n. 23.
Pharmacia Martina, roa Duque de
Caxias n. 88.
Pharmacia Oriental, ra Estreita do
Rosario n. 3.
Pharmacia Alfredo Fer reir, ra do
Barao da Victoria n. 14.
Pharmacia Imperatriz, roa da Impe
ratria n. 49,
2*
Advogado

ib. l ::::::::: de ::::l
Mudou o sea escriptorio para a rea do
Imperador n. 32. pnmeiro andar, onde
pode ser procurado de iO da manb as
ida tarde.
Residencia Rua Imperial n. 148
Telepnoae n. 101. C|
Cabera de negro
Elixir gedativo e anti-rheumatico, formula
do pharmaceutico Hermet de Souza
Pereira.
SEM MEBCTJBIO
Approvado pela Inspectora Oeral de
Hygiene
Este poderoso medicamento j bem co-
rneado ha mais de 10 annos e cojos ina
r-vilhosos effeitos tem sido al estados por
milito mdicos e numerosos doentes, cura
radicalmente os BHKma isaos, ekysi
PEINAS, 8TPHILI8 58CB0FCLA8 --e todas as
molestias que teem por origem a impuresa
do sangue.
O verdadeiro e mais antigoElixir de
cabeca de negro e da formula do phar-
maceutico Hermes de Souza Pereira, e
para arastia dos consumidores tras elle
em seus rotules e envolueros o retrato do
autor.
Vende se a varejo em todas as phar-
macias e em atacado na pharmacia Fer-
reira, praca de Maciel Pmheiro, n. 19,
(antiga do Conde d'Eu, e na drogara de
FranciECO Manoel da Silva & C, rua do
Marque de Olinda, n. 23.
*i
MEDICO HOMEPATA
Dr. BaHhazarda Silveira
Especial idadefebres, molestias
das enancas, dos orgSos respirato-
rios e das senhoras.
Presta- se a qualquer hamado par*
era da capital.
AVIftO
Todos os chamados devem ser di-
rigidos pharmacia do Dr. Sabino,
rua do BarSo da Victoria n. 43,
onde se indicar sua residencia.
Dr. Coelho Leite
participa a seos clientes e amigos que inndoo
sa residencia para a rua Barao da Victoria n.
61. < andar, e contina a dar consultas de 1 as
* as da tarde, no sea consultorio, rua Duque
de Casias n 57.
Leonor Porto
Rua Larga do Rosarlo Qu-
iero
SEGUNDO
ANDAR
j
( i Continua a executar os mais diiceis ,
( injuriaos recebidos de Londres, Pariz.f J
"'"
1J Lisboa e Rio de Janeiro.
Prima em perfeicio de costaras, em
em brevidade, modicidaae em precos e ,
fino gosto. _____ 11
RestaurantPortu cuez
O prlmelro em Peroambueo
2123BOA DA8 LARANGEIRAS 2123
COSINHAS
Brasileira, Portuguesa e Francesa
Proprietarios: Cliarles Rozier & C
Rua da Gloria 39
Sfl
Dr. Barreto Sampaio, eculista,
ex-chefe de clnica do Dr. de
Wecker, de volta de sua via-
gem Europa, da consultas de
1 s 4 horas da tarde, no Io
andar da casa n. 51 rua do
Bario da Victoria, excepto nos
domingos e dias santificados.
Telephone 285.
Residencia rua Sete de Sctem-
bro n. 34. Entrada pela rua da
Saudade n. 25.
Telephone 287.

j
COMMERCIO


'.
Revista do Mercado
Rrcifx, 21 rF JUNHO rK 1 Ht 0.
O movimento limilou se a irn arcOes no mer
cado de cambios.
Bolsa
C0TAC0B8 OFFICIAK8 DA JUNTA DOS COK-
RETOBES
Recite, 21 ae Junho U 18.W
Cambio sobre Londres, 90 d/v. 2i d. |.or 1*000.
do bateo.
O nre8ldente,
Antonio Leona do Kodrurues.
O secretario,
Eduardo Dabeux.
Cambio
PRACA DO RECIFE
Os bancos abrirara a 12 d. e uo quinara san-
ear ac:ima daquella laxa, mostrando ofecnai d
dia pouca vontade de continuar a uieeuvi tuxa ue
21
PRACA DO RIO DE JANEIRO
0 Banco Nacional abri a 22 1 4. retirando mais
tarde para 22, a coja taxa fecbaram en todos os
Deos.
Algodo
Nao constou vendas.
A exportagao feita pela alfandega neste mer. a'
0 dia 19, constou de 366.' 59 kilos, sendo 340 908
para o exterior e 25 151 para o interior.
As entrada verificadas ate a data de hoje, so-
bem a 3.352 saccas, sendo por:
Barcacas.....
Vapores ....
animaes.....
Via-rerrea de Caruar.
Via-errea de S. Francisco.
Via-ferrea de Limoeiro
Somma.
Jkseuear
Os precos pagos ao agricultor, por 15 kilos. .-
gando a Associaco Co^moerciai Agrcola. < rara
ossepuintesr\
Usinas .
Branco .
Somanos. .
Mascavado purgado
Brutos .
Rtame .
Varala ou b<-%>.'
0 Dr. Lobo "Hoscoso, todos os dias,
das 10 horas da manha ate 1 hora da
tarde, receita gratuitamente e da os re
medios bi meopaticos precisos atlos
os doentes que o procurarem, para tra-
umt-nto das bexigas.
Dr. Joao Rangel
MEDICO
Pode ser procurado para os misteres suade
protisso rua do Bom Jess n. 45 1. andar.
Consultasde meio dia at 3 horas da tarde.
Chamadosa qualquer hora do da ou da noite.
Telephone b. 160.
(j Frederico Chaves Jnior jj
Homoepatha
((39 RUA BARO DA VICTORIA 39
( ( Primriro andar
ED1TAES
O Dr. S gismundo Antonio Goncalves,
de direito especial do commercio
:o>) Smkm
3u7
31'3
34
i,i
1.911
3 3J Sacias
I.
3i700 a 40 ;;(().. a 3i6<0
tjHuQ 1 *7oO
U600 a U700
I300 1 1500
lOO a 1*2')0
A exnortacio feita pela alfandega neslo mzate
o dia 19, constou de 2.986 719 kilon. sendo. ...
1.819.495 para o exterior e 1.167.224 para o mle-
rtor.
As entradas verificadas at a data de uoje so
bem a 29.723 ecos sendo por :
Barcacas
Vapores .....
vnunaes....
Via-ferrea de Caruar
Via-ferrea de S. Francisco.
Via-ferrea do Limoeiro
Somma.
11.910 Saceos
32
TGri .
6 61!)
96
29 723 > > os
Coaros
Couros salgados 403 ris, e os verdes a 210
reto.
CoU-se a 93*000
"fe"
de 480 litros.
joiz
. Aicool
Cota-se a 188*000 por pipa de 480 litros.
Hel
Oota-e a 55*000 por pina de 480 litros.
\avio* 1 descarga
barca norueguense Spes, carvo.
Barca norueguense Cari Haatted, carvo.
liarca norueguense Gler, carvio.
Barca nacional Marianninha. xarqoe.
arca americana Charles Loving, farinha.
B igue hespanbol Jtfarisfamy, xarque.
Krigue bollindez Ueidem. xarque.
Escgna norueguense te/lon, xarque.
L/ar nacisoal Tigre, xarque.
Lugardinamarqutx Arkem, xarque.
l'ataehi dinamarqus Jugor, xarque.
PaUcho portusuez Fires 1, xarque.
Patacho nacional Marinho 11, xarque.
Patacho bollandex Voowaartt, xarque.
Patacho hespanhol Joven Puro, xarque.
Pd tocho hespanhol Ballctter, xarque.
PaUcho hollandez Hennka, xarque.
Patacho nacional Rival, xarque.
Inportaclo
Vapor ioglez Planeta, entrado dos por
tos do sul em 21 do correte e consignado
a Pereifa Carneiro & C, m^nifestou :
Alfafa 3 tardos a JoSo Jos de Amorim.
Barri8 556 a Jos Rodrigues Macieira,
600 orden.
Cerveja 3 barricas a Modesto Mayer.
Camisas 1 caixa a D. P. Wild.
Carne 500 caixas aos consignaUrios.
Caf 100 saceos a Ricardo Neves, 235
a Fernandes & Irmaos.
Doce 1 lata aos consignatarios.
*"Faacudas 4 caixas a Rodrigues Lima
& O.
Farinha 33 saceos a Costa & Medeiros.
Fumo 17 volumes a Costa & Medeiros.
Graixa 30 pipas a Fonseca Irmaos.
Linguas 30 caixas aos consignatarios.
Milbo 140 saceos a Costa Medeiros.
Meias 1 caixa a Papoula & C.
Massas 150 caixas a H. Burle <& O ,
350 a Auguste Labille.
Mercaduras, diversas 10 voluayia/ ao
mesmo, 1 a Francisco Maooel -d* Silya &
C, 1 Blackburn Meedham & C-
Panno de algodlo 31 lardos a Gonyal-
ves Cunha, 32 a Ferreira & Irmao, 149 a
Rodrigues Lima & O, 57 a Al ves da Bri-
to & C-, 24 a Macl ado & Pereira.
Plantas 1 caixa a Carlos A. Burle.
Pipas 240 ordem.
Ronpa 1 mala a Guilherine Ramos & G.
Sebo 251 barricas a Fonseca Irmfios.
Vinho 2 barr8 aos consignatarios.
Xarque 210 fardos n Muura Borgert c
C, 942 aos consignatarios.
r.xporiacao
HICI", 20 D JUNHO DB 1890
Paro o exterior
No vapor americano Fimance, para New-
Y-jrk, carregaram :
P. Carneiro *'.:., 2,600 pelles de cabra.
Mediires lrmo.4 C, 4,000 pelles de cabra.
Rosbach Brothers, 48,110 pelle* de cabra,
erek & Hess, 4 600 pelles de cabra.
No vapor iogltz Scholar, para Liverpool,
carregaram : .,,..
J. H Boxwell,.58 fardos com 10,249 kilos de
algodo.
B Needbam C, 1saos con',158 kilos
de algodao.
oa cidade do Recife, capital' do Estado
de Pernamboco, etc., etc.
Faco saber aoa que o presante odital
virem, ou delle noticia tiverem, que por
parte do Barao de Nazareth, contra os
he'rdeiros de Francisco Manoel de Souxa
Oliveira, me foi dirigida a peticlo do theor
seguate:
PETICOIllm. Exm. Sr. Dr. juiz
do contoercio O Bario de Natreth,
credar de Francisco Manoel da Sonsa e
Oliveira, j fallecido, pela 3 letras juntas.
urna de ris 6:9 i6429*Y vencida em 29
de Junho de 1885, ou de ris 2:291(5800,
vencida em 29 de Julho de 1885, e outra
de ris 6:99441120, /vencida en 22 de
Outubro de 1885, e echando se tedas a
prescrever, vem ante V. Exc. protestar
pela interrupcao do praso da prescripcao,
e rc-quer que, reduzido a termo o seu pro
testo, disto sejam intimados os respectivos
herdeiros.
E, porque nio sejam os mesmos her-
deiros conhecidos e residam em lugares
incertos e nSo sabidos, requer, outrosim,
que, admittida a previa justificado,
tenha lugar a predita intimacSo por carta
de editos.
Nestes termosPede a V. Exc. deferi-
mentoE. R. M.
Recife, 17 de Junho de 1890. Joao
Caetano de Abreu, procurador.
Estava sellada regularmente.
DESPACHOD e A. como requer no
dia que o eeenvao designar.
Recife, 17 de Junho de 1890.S. Gon-
calves.
DESTRIBUigO-A Ernesto Silva
Oliveira.
mais se nao continha em dita peticSo,
despacho e destribuicSo, que ficam fiel
mente copiados; depois do que via-se o
termo de protesto, que do theor seguin e:
TERMO DE PROTESTO Aos 17 de
Junho de 189-, nesta cidade do Recife e
meu cartorio, comparecen o solicitador
Joao Caetano de Abreu, procurador bas
tante do supplicante BarSo de Nasareth.
e perante mim e as teste.cunhas abaixo,
disse que por parte de seu coustituinte
reduzia a termo o seu protesto constante
da peticao retro, quo fica fazendo parte
do presente.
E de como assim o disse assigna ste
com as referidas teatemunhas.
* Eu, Antonio Augusto da Frota Mene-
zes, eterivio interino o escrevi Joao
Caetano de Abreu Eneas do Reg Barros
Falcao Francisco Manoel de Almeida
Jnior.
E mais se nSo continha em dito termo,
que vai fielmente copiado do original,
depois do que via-se que tendo o justifi
cante produzido as suas testimunhas, que
depozeram convenientemente acerca do
allegado, o respectivo escrivSo me fez os
autos conclusos e nelles profer a sent nga
do theor seguinte :
SENTENCAJulgo justificado o de
duzido pelo Baro de Nazareth na peticao
a lis. 2, pelo que intmese por carta de
editos os herdeiros do coronel Francisco
do ionza e OLveira do protesto de fls. 2
verso.
Cusas ex causa.Recife, 19 de Junho
de 1891).- Sigismundo Antonio Goncalves
Nada mais se contiohi em dita senten
ca, que vai copiada fielmente, em virtude
da qual o respectivo cscrivao passou o
presente edita), por meio do qual ci>amo.
cito e hei por intimados ou herdeiros do

referido coronel Francisco Manoel de Son-
sa e Oliveira, ausentes e em lugar in-
Ldem dem lem, mesmo formato, com 200 fo-
ibas, um.
j"8T 'a 'de" 'dem idem, formato Corone, com 50 folhag,
certo e nao sabido, para que dentro do um
prazo de 30 dias comparecam ante este Uem idem idem, mesmo formato, com 100 fo-
juizo allegando e promovendo tndo o que Ibas, um.
tra bem* de direito e justica, ficando. "^EWem' mesm0 forma,'com 15 ,c-
afinal citodos dos termos da aupracitada Iiem*d"m'idem, mesmo formato, com 200 fo
peticao, despachos e o competente ter- Ibas, um.
mo de protesto. ** Idem idem de papel fiume pautado com 100 fo
.E par! q.e ch^e :|0conhecimentc &'*,, ,, t50foIaagi .
t0doavespeciaImeB|a.fts Mamerros do dito idem Wem idem ^01 200 foihas um.
coronel Francisco Manoel de Souza e Oli- (Livro em branco de papel boilaoda pautado, for-
veira, mandei' 'passar o presente edital, 1 mato Ec. com 50 folbas. um.
que vai por mim assignado, o qual ser ; jem )*** "em. g1* com 10if,ha8' nm-
1 ii...a l 1 Idem dem dem, Ecu. com 150 foihas, um.
publicado pela impreasa e affixado no
lugar do eos turne.
Dado e passado nesta cidade do Recife,
capital do Estado de Peruambnco aos 20
do Junho do 1890.
Eu, Antonio Augusto da Frota Menezes,
escrivSo interino o escrevi.
Sigismundo Antonio Ghncalves.
0 Dr. Jo Paulino Cavalcante de Albuqaerque,
jais municipal e de ausentes, de Panellas e
Quipap, em virtude da le, etc., etc.
Faz saber que. a requerimento do carador es
pecial da ausente D. Bibiana Maria da Conceicao,
ser arrematado em basta publica, udo o praso
da le, um terrt no denominado Cocal Grande,
em S. Benedicto deste termo, depositando te sua
importancia na reparticSo fiscal.
Para que ebegue ao cour.eciniento de todos e
a quem interessar poss, mandei passar o pre-
sente edi'al. quff ser aflixado na casa da Inten-
dencia desta villa e pabliodo pela imprensa.
Sabscrevo e sssigno. Villa de Quipapi, 26
de Maio de 1890.
Eu, Miguel Joaqaim do Reg Barros, e crivao,
subscrevi.
Jos Paulino C. de Albuqaerqae.
para Para,
Cotues Mallos Irmaos, 39 pceos com 2,843
kilos ue Cera amirella.
F. Cisca 4 Filho, 1.154 saceos com ,-154.130
silos de as:ucar mcttavado.
"ara o iniertor
No vapor ingles Grangense.
carregaram :
A. Borges A C, 30 barric. com 2.14kilos
de assucar branco e 10 bairis com 960 litios de
agurdenle. f
No \apor francez Vdle de Ceara, para San
tos. carrearam : I
P. Al ves assucar brauco e 40 ditos coji 24,'JOO ditos de
dito mas avado. *
No vapor americano Finance, para 1 Para,
carreaaram:
A. Taborda, 26 barricas com 1,240 kilos de
assucar branco.
P. Alves & C, 23o volumes com 17.730 kiloe
de assucar braoco e 150 ditos com 6U0 ditos de
dito ictloadj, e 5'i barris com 4,80J litros de
agurdente. .
E.C. 3eltfai& Irma-, SO barricas cora 1.512
kilos de assucar re-nado
Amorim Irma>< 4 C, 53 pipas com 16,400
litros de agurdeme 50 bar is com 4,800'anos
de dita e 17 pipas com 8,160 dos de alcool.
o vapor uacional Jaboatao, para ear,
carrejaran) :
P. Alves C, la barris com 1,448 kilos de
assucar refinado.
yo hiate Bom />, pira Aracaly, carre
garam:
Fernandes & Irmo 6 barrica* com 277 kilos de
assucar branco e 2 caixas com 18 luros de ge
neb a.
Iteudluieuto pabllco
MU DB JU.SttO
Alfandega
Reuda ge ral
Uo da 2 a 20
dem ue 21
693.330 261
41 4744921
I
734 605 i 182
Renda do Estado de Pernambuco .
Do da 2 a 20 101.288*937
dem de 21 6:692*0.0
Somma total
107:880*987

842:486*1(9
Segunda sccgo da Alfandega de Pernambuco,
21 de Junho de 1890
0 tnesoureiro^Florencio Doiiiiugues.
0 ebefe da sdfccuD. J. da Fonseca.
Rcccbedorla do Estado de
Pcraamlmco
Do ara 2 a 20 67:513Ol9
dem de 21 3 349^768
I
70862*787
Do dia 2 a
dem de,
Uoclf* Draiaage
6:402i848
2.0*0c8
IfiinlK'iro
KXPEDIDO
por nacional Priucipe
6:63?906
do Grao Par,
10.318*500
novitocnio do porto
Navios entrados no dia 21
SoutbWmpton e escala15 dias, vapor in
gleT'cLa PlaU. de 2,049 toneladas,
compiandante W. Hilner, equipagem
Mj5,( carga vario? gneros ; a Amorim
Irm'os & C.
Thesouraria de Fazenda
ABTIGOS PARA O ARSENAL DE GUSRRA
De ordem do Sr. Dr. inspector, faco peblico
que no dia 26 do corrate mez. ser arrematado
em sesso da junta desta Thesouraria. por quem
melhores vantagens offerecer, o fornecimento dos
artigo* abaixo mencionados, para o expediente
do Arsenal de Guerra dorante o semestre de Ja
Iho a Dezembro do presente snno.
Os proponentes devem observar o segrate a
l. Reunindo se a juma s 11 horas da manha
daquelle dia para o tira indicado, a respective
habilitacio de ve ter lugar al o dia anterior e
sera requerida ao cidadao inspector, devendo s
juntar as petiges a prova de serem os propo:
nentes negociantes matriculados, e aeharem-se
quites relativamente ao imposto de industrias e
protissoe8 do ultimo semestre.
2." Quenas propostas nio devem figurar pre-
cos variaveis ou sujeitos a abatimento ou des
cont
3. Que devem acompaobar s propostas araos
tras dos artigos nella mencionados.
Artigos
Cadernetas em branco de papel liume pautado,
com 100 foihas, ana.
hdemelas idem de papel liume pautado, cora
150 tulla?, ama.
Cadernetas idem de papel tiume pautado, com 50
foihas, orna.
Caotas tinas, urna.
Cunetas >>nire linas, urna.
Caivetes linos, um.
Enveloppes para ollieios timbrado, um.
Envelopes grandes tiri brados, ura
Kspatula de osso, um.
Goraraa arbica, frasco,
lipis de Faber. um.
vapis de corea, ura
Lapis de borracha, um.
Lacre eiicamado. pao.
jvro em braoco de papel bollanda pautado, for-
mato Carro, com 50 folna?, um.
Mera idem idem, mesmo formato, com 100 fo
Ihas, um.
dera dem idem, mesmo formato, cora 150 folh- s,
um.
Rio de Janeiro10 das, barca portugue-
za Allian^i, de 514 tonel,das, capi-
tn N. Monteiro, epuipagem 11, carga
v-rlos gneros : a Amorim Irmaos & U.
3ahia e estala 3 dias, vapor nacional
Beberiba, de 382 toneladas, commaa-
dante Joaquim da Silv* Pereira, equipa
gem 30, carga varios gneros; a Jom-
panbia Pernambucana.
Navios suhidos no mesmo dia
New York e escalaVapor americano
if manee, commandante E. 0. Ba
cker; carga varios gneros.
Bucnos-Ayres e escala Vapor inglez
cLa Pla'a, commandante W. Mi'ner ;
carga varios gneros.
.Horcado Municipal de S. lose
O movimento deste mercado no dia 20de Junho
foi o seguinte:
Entraram :
311/2 bois pesando 4,777 kilos.
863 kilos de peixe a 20 ris
16 cargas com farinha a 300 rs.
23 ditas de fructas d.versas a 300 r>
32 columnas a 600 rs.
96 laboleiros a 200 rs,
7 sainos a 200 rs.
1 escriptorio a 300 rs.
dem dem idem. Ec, com 200 folbas, ora.
llera idem idem, formato Colombiercom 200 fo-
lbas lithographadas para mappa com encader-
oaco inteira de couro, um.
dem idem idem, formato Ec, com 150 folbas
riscadas para receita, um. '
dem dem idem, mesmo formato, com 200 foihas
riscadas para despesa, um.
dem idem dem, formato Carr, com 100 folbas,
encadernaco inleira de couro, um.
dem idem idem, formato Carr, com i50 foihas,
encadernaco inleira de coaro, ura.
Uem dem idem, formato Carr. cora 200 folbas
e encadernaco inteira de ecuro, um.
dem idem idem. formato Corone, com 100 fo-
lb;'s, eacadernaco inteira de coaro, um.
dem idem dem, mesmo formato, com 150 fo-
ihas, encadernaco idem, um.
dem dem ide_. mesmo foimato, com 200 fo-
ihas, enea ernago idem. um.
dem dem idem, formato Jes, com 100 folbas
e caderaacao indem, ara.
dem idem dem, mesmo formato, 150 folbas,
encadernaco idem, ura.
dem dem dem, mesrao formato. 200 foihas,
encadernarSo idem, um.
Papel fluuie pautad >, resma.
Pastas de oleado, de diversos lmannos, ama.
Papel liume liso, resma.
Papel inglez rosado para officio, resma.
Papel idem branco para oflirio, dem.
dem idem rosado para oflicio, timbrado, res-
ma.
Papel idem oranco, timbrado, para ocios, res-
ma.
Papnl hollanda frmate Corone, folha.
fapel de formato E- lolha.
appel idem formato Carrc, folha.
' apel i (em formato Riism, l'ilha.
iapel idem formito leso, l*t.
apel inora, formato Coluiubier, folha.
.apel carta mata borro, tulla.
.ennas de ac Perty, Caixas.
..resilhas para prender papel, caixa.
1 t?r.a(i*ifa itft ^ti<,i u..
1 inta inglrza para escrever, boiia.
1 ma inglesa sardinha, t.oiao.
tinta prca para escrever, garrafa.
inta carraiic, frasco.
Thesouraria de Pernambuco. 14 de Junho de
1890
O secretario da jnu'a.
Dr. Antonio l% de >ant'Ann a
PROVINCIA D PARA
Obras publicas
ESGOTOS
Era virtude do que determina o decreto n.
135, de 11 de Abril do corrate auno, e de or-
dem do cidado director d'eeta reparligo, de
claro eui concurrencia, por espaco de 4 mezes,
contados da data do presente edital, o estab;le-
ciinemo de urna rede completa de esjjotos para
a capiUl d'esle Estado, ue accordo eom as se-
{.'uintes
Iast'UcQes para a concessao de vm privilegio para
o rslubetecimento de urna rede completa de esgo
los cuiisoniit- os pnncpios technicos e clausulas
uba.'xo desenptas.
Coueurrenles e propostas
1.* Os proponeutes detento ter pleno conhe
ciiueniii de todas es circurastancias locaes e
dispor dos recursos necessarios para iniciar e
ultimar os traoalhos e apresentaro garantas
para tiel e eom pela execuco das obras.
As propostas e todos os papis que a acorapa
nharem devero vir sellados e reconhecidas as
tirinas.
Os proponentes assignaro as propostas com
os noraes por extenso, indiijaiido a sua residen-
cia. .-
As propostas devem ser acorapanhadas:
I. De um conbeeiraento de deposito da qnan
lia >le dez cunto? de re is em dinheiro ou a poli
ees da divina publica geral ou d'este Estado, nao
se tomando, em consideracao a? que otniUirera
este eonh-cimento.
II Dos documentos que provem tero propo
neutra necessaria idoneidade proflssional.
III. Das tabellas das laxas que devero pa-
yar seiuestralmente na mesraa oeeasio da co
braD^a da decima urbana e sob os mesmas con-
dic-s. iodos os predios existentes ou que forera
coustruidos deo'.ro dos limites da cidade e sn
buibios servidos pela rede de esgotos, segundo
tt-u valor locativo, para occorrer ao custeio do
servico. remuneracSo e amortisago do capita
eflettivamente empregado na construego. Es-
sas laxas sero arrecadadas pela reparoco cora
patente do Eitado, conjuntamente com a decima
urbana, as mesmas coooigOes e eutregues
compaohia ou empreza que se orgaoisar, por se
me-ir-s vencidos.
IV. Di reduego das ditas taxas no case em
que seja dada companbia ou empreza a isea-
eo dos direitos de iraporuico para o material e
lerramenia importados do estraageiro.
V. praso, para apresentagao dos estudos e
planos definitivos das obrss, e de todos os deta-
Ihes das mesmas que sejam exigidas pela dir
doria das obr. s puDlicas, pelo e'-igenbeiro liscal
etc.. e oem assim os praso* para o iuicio e con
1 luo das obras.
19*20U
U400
30()
66 compartimentos com farinha a 500 33*000
30 ditos de comidas a 500 rs.
94 ditos de legumes e fazeodas a
400 rs.
16 ditos de suino a 700 rs.
8 ditos de fressuras a 600 rs.
14 ditos de camarOes a 200 rs.
33 '.nos a 2J
15000
376O0
HA21I0
Rendimento de 1 a 19 do Crreme
2800
66>000
238*460
4.389i360
4 627*820
Pregos do dia:
Carne verde de 240 a 480 ris o kilo
Suinos de 560 a 720 ris idem.
Carneiro de 640 a 900 idem.
Farinha de 500 a 640 ris a cuia.
Milho de 400 a 440 ris idem.
Fcijo deU a 1*300 idem.
Vaporea a entrar
MEZ DE JUNHO
Europa....... Tagus........... 22
Sul........... Trent............. 22
Sul...... .... Bntania.......... 23
Norte......... Pernambuco....... 24
Sul.......___ Mrquez de Caxias 24
Sul
Europa......
Europa......
Norte........
Campias......... 25
Vle de Montevideo. 25
Montevideo........ 30
AlUanca.......... 0
Vaporea a aahlr
HEZ DE JUNIIO
Buenos Ayres. Tagus.........
Southamolon Trent............. 22 as 12
Ceara e esc. Jaboatao.......... 23 as 5
Lverpool..... Brania.......... 23 as
Sul.......... Pernambuco....... 24 as
Babia e esc .. S. Francisco....... 25 as
Santos e esc Vle de Montevideo.. 26 as
Hamburgo.. Campias......... 26 as
22 as 2 b
b
h
11 h
5 b
5 h.
4 h
4b
17260
3 21K)
lul^jo I CuodicOea techoicas, construego e saneamento
2." O auto-projecto e a memoria descriptiva
das obras a exeeular. que acompanbarera as
propostas, especicaro com o mximo de deta-
Ihes:
I Os limites da cidade e suburbios aos quaes
ae esteiidei o servigo.
II. As ranalisages principaes e secundarias e
suas ramitieagoi's as vas publicas com indica-
ils'o ao du respectivos dimetros, espessura e decli-
vidades, e a natureza das materias, tendo em
ata urna prpulaguo urbana e suburbana dupla
da actual.
111 As canalisagOes a construir nos predios
terrenos, assobradados ou de sobrados, pblicos
ou particulares, existentes ou que forera cons
truidos at concluir se a execuco dos traba-
ibas-Metro des liraian da cidade, com iudicago
ideutica do o. 11; descripgo dos apparelhos
interceptores dos gazes as derivagOes do colle-
ctor geral. para os predios, chamins de ventila
gao, sua collocagc material, etc., e altura sob
o ponto mais elvalo do predio dos prediosuo
vizinhos.
17. O lypo e a natureza das iatrinas inodoras,
reservatonos d'agua para ellas, bacas, ralos,
tanques de carga para lavagem das galeras e
encanamenlos e sypbes interceptores, appare-
lhos separadores das materias gordas das cosi-
nhas, chamins de arejameoto e mais apparelhos
necessarios ao funccionamjQto regular e hygie:
uico do syslema p-oposto.
V. As eslagOes de servigo, suas dimensoes e
systema de construego. localidades onde sero
construidas, numero, dimensoes e especie de
tanques para juntar, desinfectar e filtrar os pro
ducios dos esgotos, typo e torga das machinas
meios de desinfecgo e pontos de nivel uas em-
bocaduras das galeras.
VI. Systema de Iatrinas e mutorios pblicos,
stu fuaccionamento, limpeza e saneamento.
VII. Systema de lavagem das canalisagOes ge-
raes e secundaras e do respectivo fornecimento
d'acoa. *
VIII*. Systema de venlagao da rede de cana-
saco publica e particular.
IX Syster-ja de ligago do esgoto de cada
predio, para a canalisago das ras.
X. Systema da consolidaco do terreno para
protergo dos conductos e para evitar a depres-
sao ilo solo.
XI. System: de caaalisago quando tenha de
alravessar pantanos combinado com o n. X.
XII. Iudicago das precaogoes a tomar qnan-
do as canalisagOes teobam de passar sob muros,
predios, etc.
CondigOes geraes
3* 0 contractante extender, sempre que o
governo exigir, o servigo de exgoto a novos
bairrosoa a _j\as roas sitalas fora do
tro em que se obrigar pelo contracto a execo-
tal o desde logo, urna ve que a renda corres-
poudente, em vista do orcamento organisado
pela empreza e approvado pelo governo. seja
equivalente a 7 {. ao nno sobre o valor do dito
orcamento.
4.* O servigo de exgoto dos estabefecimentos
pblicos e dos pios, sustentados ou auxiliados
P--I0 governo, ser felo gratuitamente.
5.a No numero das obras reclamadas pelo
'.ysletfta proposto e que o contractante, empreza
ou compaohia i obrigaio a reconstruir sua
custa, esto tambem incluidas as seguintes :
I Todo o encan^mento dentro dos predios para
os exgotos das materias fecaes, aguas servidas
e pluviaes, dos pantanos e reas, calgadas e o
fornecimento de urna iatrioa (typo approvado
pelo governo) em cada pavimento do predio,
com a respectiva caixa d'agaa e um ralo com
sypbo por cada rea ou pateo, urna cbamin
de ventagio e o appareiho interceptor dos ga-
zes da canalisago geral para o da do domici-
cilio; pagando, poiem, o proprietario, que qm-
zer outros encanamenlos e apparelhos, a impor-
tancia do material e mo de obra, por tabella
que sera approvada pelo governo.
II. O fornecimento completo e assentamento
das Iatrinas e mieiorios pntilicos.
III. A con.-truegSo dos tanques de carga para
a lavagem des encanamenlos e galeras, segun-
do o typo e dimensOes approvado?.
IV. O fornecimento e assentamento de urna
baca e sypbo as estalagens denominadas cor-
tigos para oda $rupo ou fraego de cinco ca-
sas.
6.* O governo do Estado concede o privilegie
empieza o. compaohia que se organisar at
50 aunos e garante os juros de 6 "(o nnuaes so-
Dre o capital .que fr xado; tratando-se no
contracto lioal das disposigoes relativas amor-
1.sacio da renda liquida, uo modo do pagamen-
to de juros, etc.
7.* Fiodo o prazo do privilegio, todas as obras
revertero ao dominio na muotcipahdade desta
capital, sem iuueranisagao alguma; cabendo,
po 1 em, ao contractante. preferencia em igual-
dade de condigOes para o arrendamento do mes-
rao servigo, se nao convier dita raunicipalida-
de execmal o admini .tralivaraente, e indemni-
sas todas as quantias que o Estado livor des-
pendido no servigo e garanta de juros.
8.* Ao contractante o governo no Estado coa-
ceder o direito de desapropriaco. na forma da
lei, para os terrenos, piedios e uemfeitonas que
forem necessarias execugo do servigo con-
tractado.
9. 0 governo do Estado se comprometi a
obter, a bem da empreza, mas sem porisso as-
sumir rt-sponsabilidade ai^uraa, isengo de di-
reitos de imp.nago do material, ferramenra,
macumas. carvo de pedia, pro uctus cbimicos
e apparelhos necessarios ao servigo ccntractadc.
10 O contractante, a eompanhia ou empreza
recudiera ajs cofres da Tnesouraria do Estado,
no principio de cada trimestre, a quantia que
de accordo cora a raesma empreza lr pelo go-
verno xada para o pagamento da liscalisago
do contracto.
ll.* O proponente preferido dever a signar
o cont'acto dentro do prazo de 30 das, conta-
dos da dala em que for publicada uo jornal en-
carregado das punli.acOes olciaes deste Esta-
do a aceilago de sua proposta, sob pena de
perdar a caugo.
Palacio do troverno do Eslaiio Confederado do
Para, 11 de Abril de 1890, 2 da Repblica.
Juao Leite Chermont.
No da 6 de Sete.nbro, a? II horas da manb,
na sala do palacio do ioverno deste Estado
onde lunceiona esta reprticao, o conselho com-
petente tomar conbeciuiento das propostas
apresenladas.
Todas as pessoas residentes era Franca, In-
glaterra, Porlogal, Estados Un do* da'America
do Norte e em outros p.izes ouiljV'Chegar o co-
nbeeiraento deste edital, bem como a* que resi-
den nesle e nos iffc-rentes Estadq da. Rep-
blica Brasieira, que se quizerem toropor, podem
lazel-o, apresentaodo se ou fazendo sirepresen-
lar por procurador legtimamente constituido,
no dia e hora marcados para apresentagao das
propostas, instrutodo estas com as clausulas
constantes das iostrueges cima ditas.
Repartign das obras publicas do Estado do
Para, 6 de Maio de 18900 amanuense secre-
tario Olimpio Antomo Vaz de Lima.
Thesouraria de Fa-
zenda
De ordem do Sr. Dr. Inspector, faga
pualico que esta thesouraria >cria-se ha-
bilitada com o necessario crdito para pa-
gamento dos seguintes credores de dividas
de ejercicios tindos :
Livramento & C. 12:669000
G. Laporte & C 2:610jlCO0
Joao Walfredo de Medeiros 1 231(5696
Theudoro Just 2785900
Manoel Santos Vill^a 1:0235200
Empreza Telephonica Bour-
gard 210,5000
Empreza do Gas 3080710
Compaohia de Beberibe 199)5010
QuimarSes & Amorim 1:2005000
Antonio Roberto Moreira b:211J320
Manoel Ferreira da Rocha 500000
Jo2o da Silva Villa Nova 8:480000
Antoaio Bertholdo Galvio 4:3175560
Empreza Locomotora Per-
nambucana 65000
Antonio Pinto da Silva & C. 905000
Manoel Pereira da Silva 165U00
Empreza do Jornal do Re-
cife 25:70
Empreza do Diario de Per-
nambuco 405l60
Jos ogueira de Souza 485000
Eugene Goetschel 185000
Horacio Ozono da Silva 32500
Antonio Rodrigues de Souza
& C. 235250
Antonio J. C. Araujo 215000
Basilia Maria do E. Santo 35000
Empreza d'4 Provincia 255500
Azevedo & C. 32*000
Em 19 de Junho da 189j.
O secretario da junta. ,
Dr. Aatonie Jos de Sant'Anna.
Arsenal de Guerra
Aviso
De ordem do cidadao di-
rector interino deste arsenal,
previno a todos os negocian-
tes que fica transferido para
oda 25 do corre ite a ses-
so do conselho semestral,
que deveria ter lugar hoje.
Secretaria do Arsenal de
Guerra de Pernambuco, 21
de Junho de 1890.
O secretario,
Jos Francisco R. Machado]
Banco do Brasil
Pelo presente sao convidados os senhores ac
eionistas deste banco a realisarem no escriptorio
de Pereira Carneiro 4 C, rea do Commercio
n. 6 1- andar, do dia 2" a 15 de Tulho prximo,
10 0/0 de entrada ou 20*000 por acgo da nova
emisio. Nessa oeeasio s^r facultado quelles
qae qaizerem entrar cem mais so 0/0 ou 40*000
por acgo, realisando assim 30 0 0 do capital.
Recife, 16 deJuabo de 1890.
/

|
> 1

vi
f
,.
\
}



(MB-ESGRmT
mvi il v comba i bsalizas-ss k m:: club
No dia 24deJunhodel890
Sero julzes senhoras e cavalhelros
de Fernam buco-Domingo 22 de Junho de 1890
i'pareo-HippodroBo do Campa raade250 metrosCorrida razarapares at 16
auus. Premios : Urna jota ao 1 e um objecto d'arte ao 2
Gafaahoto........
Kleitor..........
Magnate.........
Logo-digo.......
Maiares.........
Hcrold
Encarnado e branco....
Branco................
Azul e branco.........
Encarnado e ual--...
Lyno e ouro...........
Kosae azul.
Agoaiado.......Eocaroado e branco..
A. Arantes.
J. Oliveira. *
J. Bibeiro.
J Paulo Franco.
H V.
Antonio Guimares.
L. Lopes.
Grande Companhia de Opera-Coinic, Operetas e Mgicas da
CAPITAL FEHERA.L
^ JKU2A Dfl tiln* SELLES
MOJE omm$>, 2fc de Ju'nnoHOJE
aecita extraordinaria
(SEGUNDA SERIE)
Assombrosa nflpfc- Asombrosa nuvidade!
Segunda representado da lenda fantstica de grande espectculo e m 3 actos,
15 quadros e brilbantes apotheosa, de Eduardo Garrido, msica de Supp e Plan-
qnette
111 I 1 W: SALOIIAO
2 pareoPrado Prraambucaao-700 metrosPequiras deste Estado, dirigidos por ama-
dores. Premios : Urna joia ao Io e um objectc d'arte ao 2o

I

4





-

'

i
i
llPatativa.....
2|Boutaoger...
3|Cl.......
Azul e encarnado.
Knwrasdo eazui..
[iranio.c.......
Cabjcliuho.......Preo'e encarnado-
B.irracbo....... Encarnado e preto.
Bigle.............I Verde e amarello..
Thomaz Antonio.
L. Pestaa
J. P. da Silva.
I leftnso Arantes.
AoilienorNetO.
Mduoel Torres.
preo-Imprenw Pernal
Premios
bacana-----200 metrosCorrida razarapazes al 18 annos.
Lima joia ao 1 e um objecto d'arte ao 2J
1 Forgetme-not----
2 John Bol........
3 Wen Well.......
i ki-s me.........
o Pernau. bucano
6|Saos souci.......
"iGuarany........
8 luwcto...........
Preto e encarnado .....
Amarello..............
Azul...............
Grenat e amarello.....
Rom.................
Azul e branco.........
Encarnado............
Verde..............
A. Barros.
LA.
M. V.
L...
A. Brito.
V. F.
A. Martins.
S. D.
Kassam
Bu sebaiba (grao visir)
Schaibalu (seu filho)
Nadir (alfaitte)
O Sch da Persia
O Genio Rubro \
Kiribi (genio)
A princusa Kalinab (f-
Iba do Sch
A princesa Lendagul
idem
A fada Nera
Uiaur (genio)
O chefe das guardas
Ramszan
Personagens:
Sr. Vasques
Sr. Mattos
Sr. Peixoto
Sr. Colas
Sr. Nazareth
Sr. Barros
D. Mathilde
Mlle Lopiccolo
D. Leopoldina
D. IgnezJGome
Sr. Andr
Sr. Mesquitas
Sr. Andr
Um hamem do poro
Um servo
Urna boury
1. fada
2.1
1. eunuebo
1.a escrava
2.
1.* Nvmpha
2.a "
O Mapthi
O Cadi
Um cortesao
Um camponez
Sr. Esperanca
dem
D. Estefana
D. Athayde
D. Virginia
Sr. Mesquita
D. Rosa Bergman
D. Eugenio
D. Estefana
D. Rosa Bergman
Sr, Cesar
N. N.
N. N.
N. N.
Frailesco dos Santos 1854UO, Joanna
Francisca dos Santos 18A400, Joao Ma-
noe! de Oliveira 18)J400, Jlo Miranda
da Silva Fragoso 18*400, Joao SmeSo
Jos de Mello 185400, Joao Goncalves &
C. 18*400, Joao Correa dos Prazeres
16*100, Jos Mara de Jess 9*200, Joan
na Francisca dos Santos 9*200, Jos Fran
cisco Telha de Mendonca 13*800, Joao
Benevides 16*^C0, Leonel Bandeira de
Carvalbo 18*400, Manoel Joaquim de
Vasconcellos 9*200,- Mara Joaquina dos
Reis 16*100, Pedro Jos de Medeiros
18*400
SeccSo do Contencioso, 22 de Junho de
1890.
O escrivao,
Jos Chmeg da Silva.
^ompanhia Pernambucana
de Navegaqao Costeira
por Vapor.
A directora desta Companhia proceder no
da 23 do comente, ao meio da, o 1 sorteio da
amortisacao do em prest mo de 8 0.000i na ra-
zio de 2 o relativo ao semestre de Janeiro a
Junho do corrente anno ; para o que convida os
Srs accionistas que quizerem assistir, a compa-
recerem a essa hora na sala de suas sesses, no
predio do Forte do Mattos n. 12.
JRecife 18 de Junho de 1890,
Manoel Joao de Amorm.
____ Sebastiio Lopes GuimarSes.
pareoClub Easrtnaa2 000 metrosAnimaes deste Estado, em esqmpado, dirigidos por
madores. Premios : Urna joia ao 1* e um objecto d'arte ao 2o
1 V'oidor..........Azol e branco.........
i'.N.niurado....... Ilo.-a e preU.........
3 Riio.............'Encarnado............
4 Malulo...........-Branco...............
5 Nhnh..........Rosa.................
6l0iuer Pachi-. ..'Brai.cj................
A. M.
T. U.
H. V.
H P.
A. A. C.
B. F.
o." pareo Claaae Caitciral- 800 metros.Animaes do Estado, dirigidos por membros
da ulasse caixeiral. Premios: urna joia ao 1. e um objecto d'arte ao 2.
Bonina e creme.
Bnmco, .......
l.Vulco...'.....
2Ali-Bab.........
3lTivoly.......
iiB.-lga............. Encarnado e creme.
5 Borbolela.........'Amarello.............
6 Tbisbe...........Verde.............
Couforme........Azu.................
Bom gosto......Encaruado.............
Augusto Miranda.
J. Uhve a.
B. Can pello.
M. Ribeiro.
J. Aivim.
1. Oalvao.
P- Accioy;
Aulonio (iorreia.
6.- pareo CU1IP.4* 111A IIEULER- 1.000 metros.Corrida aranh(caa
briolet) por urimUs da ompanbia Heller.Premio vencedora : um bello
cad.au pe os admiradores das automedontes.
1 Maravilhi,.
21 Australia.-
Grenat................I Mlle. Amelia Lopiccolo.
,/.u..................(Mlle. Alba Scquilero.
7. pareo.Dcrby Club-8 0 metros.Animaes deste Estado dirigidos por amadores.Pre-
mios : urna 101a ao 1. e um objecto d'arte ao 2.*
i
2
3
4
5
6
7
8
y
i
Tombadilho.....
Alcofjtajro 1....
Alcovifftio 2...
DdU comugo----
Mamcoba.......
Keberibe........
Orion..... ,.. ..
Manipeba.......
Desengao .....
O'-allilfo.......
joia
Verde e ouro.,.......
encarnado e ouro. .
"usa e oio..........
Oaro eazul -----'.....
Hielo e encarnado------
Encamado e azul ------
ratico..............
'co e encarnado-----
trunco e azul........
objecto
L. H.
L- Pestaa.
Manoel Torre?.
Joao Guimares.
Aniht-nor Neio.
Tn. Antonio.
a. Aliu.
Ildefonso Arantes.
Francisco Barbosa.
*. Moura.

Observa 90 es
As corridas principiara o s 11 horas em ponto da manha e terminarlo as 4
boraa da tarde, preven indo a directora aos Srs amadores inscriptos que cumprir o
bora:io em consequencia de ser o da de M. aloo e para maior commodidades das
Exmas. familias.
As pessoas que inscreveram-se devem se achar na toilette s 10 horas da man lia,
c a directora previno que deverlo ser restrictamente observadas as cores do pro
gramma, deixando de correr com perda da respectiva inscripjlo aquelle que n3o se
apresentar com as cores nelle indicadas.
A directora previne que, aberta a venda das poules, s ter c publico 20
minutos para fazer as apostas em cada pareo, e nao receber reclamacSo depois de
encerrada a venda.
Durante a festa tocar urna banda de marica marcial.
Prepos
Poule dos preos dos animaes 5*000
dem idem das corridas rasas 2*000
Entradas
Ir-gresso geral, com direito familia e goso a arch.r 1 cada a *5O0
OLHUi-oiOR '
J. Jf. hemos Duarte.
C-TtesSos, damas, fadas, oymphas, hoarys, ennuchos, escravos, escravas bran-
cas e negras, cortes do genio rubro, homens e mulheres do povo, homens e mulheres
do campo, monteiros, corteiros, picadores, guardas, squito do Sch da Persia, idem
de Schaiba-bu, salamandras, squito de Nadir, scentelhs, faiscas etc., etc.
TTULOS 008 QUADROS
ido-1/ GuadroAs fadas. 2. dito-^-Nadir e Kassan, 3. dito-O Enge-
nho das Princezas 4." ditoA prisSo. 5. aitoA Caverna Encantada.
Acto6. QuadroA cacada. 7. ditoO annel de Salomlo. 8. ditoO
Sch da Persia. 9. ditoA noite de nupcias. 10.8 O reino das Sa-
lamandras.
Acto11. QuadroO lago dos Cysnes. 12. ditoO palacio de Nadir
13." ditoA estufa. 14. ditoAs ruinas do palacio. 15. dito
APOTHEOSE!
O esplendido scenario a'esta grandiosa LENDA, o mais rico que tem sido
exhibido no Rio de Joneiro devido aos pinceis dos laureados sceno rraphos Rossi,
Carrancni, Orestes Coliva e do talentoso Frederico de Barros, sendo alguns executa
dos em Roma e MilSo especialmente para esta peca.
Vestuarios e aderemos riquissimos
UISE-EN-SCENS SO AZ.TXSTA
i.
3.
HELLER
A's 8 l/ horas.
AVISO Domingo RECITA. EXTRAORDINARIA
Os senhores assignantes tm preferencia, procurando os seus lugares hoje,
durante o dia e a noite.
Haver trem para APIPUCOS e Olinda o bonds para todas as linhas.
1 1:

DERBY CLUB
DE
PERNAMBUCO
PROJEGTO DE IN8GRIP(!A0
Para 10.* corrida que realizar-se-ha em 29 de
Junho de 1890
1 Y\1k%9 EXPERIENCIA 800 metro.- Animaes d Pernambuco, que
nlo tenbam ganhr premios em maior distancia no Derby em 1890, e
eguaa de 'ernambaco. Premios: 200*GOO aoprimeiro, 40*OUO ao se-
gundo e 20JO0O ao terceiro.
8" ^VS^.% PR^O DA ESTANCIA l.-iOO metros. Animaes nacionaes
at meio sangue. Premios: 250*000 ao primeiro, 100*000 ao segun-
do e 25*000 ao terceiro. *
* ^VTk'fc CONSOLACO 800 metros. Animaes de Pernambuco. que
nao tenhnm ganho no Derby n'estes cinco mezes. Premios: 200*000
ao primeiro. 40*000 ao segundo e 20*000 ao terceiro.
A ^Vli^^ANIMACO 850 metros. Animaes de Pernambuco que no
tenham ganho n'esta ou em maior distancia nos prados do Recife. Pre
mios : 2U050O0 ao primeiro, 40*000 ao segundo e 20*000 ao terceiro.
.8 Slkl^e ESTADO DE PERNAMBUCO 1. tOO metros. Animaes
pungas. Premios: 200*000 aq primeiro, 40*000 ao segundo e 20*000
ao terceiro.
*\*% PROPERIDADE DO metros. Animaes de Pernambu
co que nao tenham ganho em distancia superior a 1.200 metros
no Derby em 1890. Premios: 2O.*O00 ao primeiro, 40*000 ao se-
gundo e 205000 ao terceiro.
> 1 Xlb^> EMULACO l.OOO metros. Animaes de Pernambuco.
Premios: 200*000 ao primeiro, 40*000 ao segundo e 20*000 ao
terceiro.
Mtr Observacoes
Nenhum pa eo se realizar sem que se inscrevam e corram tres animaes de
, proprietarios differentes.
Fica reservado a directora o direito de alterar a colloca;ao dos pareos na
organiaacAo do p&gramma.
A insenpejo encerrar-se-ha segunda-feira, 23 de Junho, s 6 horas da tarde,
^-Satoretari do JJvWy Club, ra Duque de Caxias o. 22, l.8 andar.
O SECRETARIO,
Manoel Medeiros.
RNAMBUCO
Com sede os cidade do Recife
Banco Emissor dos Estados de Pernambuco, Parahyba,
Rio Grande do Norte e Cea4; (
Capital em acedes de 20($000 .. v% ..." 20,000:(00$000
Entelo de blIhHcs ao portador e a vista.. 20,00 :000$060
Estatutos approvados pelo Governo da Repblica dos Estados Unidos do Brazil
Decretos N. 367 A de 30 de Abril e 395 de 12 de Maio de 1890
Entradas
A 1.a de 10 [a ou 20*000 no acto da sttscripcao.
A 2.* de 10 |0 ou 20*000 depo.s de constituido o Banco.
As restantes com intervallo nunca menos de 30 das e nao excedendo a 15 t0
cada urna.
Depois de realisada a quinta parte do capital nominal facultada a integrali-
sacSo das accoes, que ficarSo sendo nominativa* ou ao portador e com direito ao di-
videndo proporcional.
A subscripcau das acerves est aberta as pracas do Rio de Janeiro, Babia,
Arac-j, Macei, Pernambuco, Parahyba do Norte, Natal, Cear, MaranhSo e Para.
Os ncorporadores do Banco
Jorge da Qosta Franco,
klfredo Prisco Barbosa.
Luiz augusto de Magalhes.
Bardo de Mesquita.
Joao lnnocencto JBorges.
SUBSCRIPCO NESTK ESTADO
Acha-se aberta ruado Commercio n.
MO
BANGO SL-AMER CANO'
38
Tribunal da Relacjo
De ordem do Sr. conselbeiro presidente
da KeUcao (a$o constar que, foi de-igaado
o dia 28 do corrente mez, para ter lugar
o exame requerido pelo cidadao Jlo
Antonio Francisco de S, que preteid
obter provisao para exercer a protissao de
advogado em algumas comarcas do Estado
da Parahyba.
Secretaria da Relaclo do Recife, 20 de
Junho de 1890.
O secretario,
Virgilio Coelho.
Alfandega
Tei
Edital n. 53
rceira prac,a
Pela inspectora desta Alfandega se faz publi-
co que s 11 horas sera arrematada porta dejta reparticao, a
mercadoria abaixo declarada :
Urna barrica. m.-rcaMtC e contramarca P. n.
208. vinda do Havre no vaaor frannez Vde de S.
Nicols, entra lo em Maio finio, coatendo fumo
em rap, pesando liquido lio kilogramma>,
abandonada aos direito) por Mearon & 0.
Em continuacao jerao vendidas no trapiche
alfand< gado Barao do Livramento :
Dez pipas, marca SF, vinda de Lisboa no va
por 'ranees Vdle de S. Nicols, entrado em 16
de Marco ultimo contendo vioho commum, me
din lo 4 686 litros, abandonadas aos direitos por
Fernandes da Costa & C.
S.* secgoda Alfandega de Pernambuco. 31 de
Jonho de 1890-0 chefe,
Domingos Joaquim da Fonsfca.
Banco de crdito Real de
Birnambuco
, 9. sorteio
toi termos dos arts. 47 e 48 dos estatutos, a
adiainitracao e commisso riscal pro;ederao no
dia t do corren-.e, ao meio da. em urna das
salas da AssociaQao Commercial Benelicente, ao
9. sorteio das letras hypothecarias, emittidas
pelo banco, que leem de ser amorti>adas e rela-
tivas a !.*; 2", 3. e 4 seriese primeiro semes-
tre desie anno, como de co3tume dez destas le-
tras serio premiada?.
O local franqueado a qualquer accionista.
Pernambuco, 21 de Junbo de 1890.
Os administradores, /
Manoel Joo de Aa.orim.
Luiz Doprat.
Jos A iolpho Rodrigues Lima.
Aviso aos passageiros
Trem de espectculo
N2o sendo possivel companhia expedir
trens depois do espectculo pelos precos
da tabella ordinaria, resolve tezel os nos
das em que orem annunciados pelos pre-
cos duplos dessa tabella ; sendo que em
taea trens nao vigoram nem os passes, ncm
assigna:uras por cartSes ou por senes ; os
menores que oceuparem assentos pagam
passagem.
Recife, 20 de Junho de 1890
O gerente,
A. Pereira Simea.
SATACASA
CASAS PARA ALIGAR
Restauraco casa terrea n. 27 14000
Lapa n. 2 14*000
Bom Jess idem n. 13. 3 andar 16*66)
dem do Amorira n. 23, idem 15*000
dem idem idem, 2* andar 15*0C0
dem idem n. 64 armazem 25*000
dem do Vigano n. 23, 1. andar 25*000
dem idem idem 2. andar 20*000
dem idem n. 27, loia 15/060
Bispo Sardinha n. 11 1 andar 16*600
D. Maria Cesar n. 118 terrea 16*000
dem n. 16, terreo 20*000
Companhia Pernambucana n. 30, luja 15*000
Madre de Deus n. 2, armazem. 12*500
Burgos n. 21, terrea 14*000
Sete de Setembro n. 22 40*000
Becco de Abreu n 2_________________8*000
Companilia de Bebe-
ribe
Convida se aos scDhores accionistas
desta compauhia a reunirem-sc em
assembla geral ordinaria no dia 1 de
Julho prximo vindorjro, ao meio dia,
no i* andar da casa n. 7i, a ra do
Imperador.
A referida assembla geral tem por
fim principal lomar confa da geslao dos
negocios sociaes do anno prximo pas-
sado. eleicao da commisso fiscal e do
presidente e secretario da assembla
geral, mas resolver tambem sobre tudo
o que for de inleresse da companhia.
Recife, 15 de Junho de 1890.
O director gerente interino,
Barao de Casa Forte.
O director secreLirio,
Aurelio dos Santos Coimbra.
United States and Brazil '
M. S. S. C.
O vapor Allianca
E'esperado de NewYork-
at o dia 30 de Junbo
o qual depois da de-
mora necessaria seguir
para a
ota, Rio de Jaoelro e Santos
'ara carga, passagens, encommendas e di-
ihe;jo a frete : trata-se cora os
AGENTES
Henry Forster & C.
8Ra do Commecior8
_______________1 andar
COMPANHIA PEKMAHSl'CANA
Di
Vavesacio costeira por TSlpbr
PORTOS DO NORTE
Parahyba, Natal, Maco, Motsor, Araca-
ty e Cear
O vapor Jaboato
Commsndante Joao da Silva Pereira
Segu no dia 23 de Junbo as 5
horas da tarde. Recebe carga at o
.dia ...
Encommendas, passagens e dinheiro frete
te s 3 horas da tarde do dia 23.
ESCRIPTORIO
&3 Com da Companhia Pernambucanu
n.12
f
.
Vill
MARTIMOS
Royal Mail Steam Packe*
Company
O vapor Trent
k
E' esperado do sul no dia 22 de Ju
nho seguindo depois da demora ne
ees sari a para
Libboa, Vigo e Santhampton
htduccao de passageiu
Ida Ida e volt.
V Lisboa 1 classe 4 20 i 30
i Southampton 1' class. 28 42
Camarotes reservados pa os pissageirosd
^uambuco.
Para passagenr, fretes.encoDimendas. trata-s*
ou os
AGENTES
A morim Irmos & C
N.3Ra do Bon JessN. 3
CHARGKURS KtUJNIiS
Companhia Fran n
DE Jk
MaTegacio a vapor
Liioha quincenal entre o Havre, Lisboa,
Pernambuco, Babia, Rio de Janeiro e
3antos.
O VAPOR
de Montevideo
Commandante Viel
E'esperado da Europa at o dia
25 de Junbo seguindo depois
da indispensavel demora para
Kio de Janeiro e Santos
Roga-se aos Srs. importadores de carga peles
apores desta linha, queiram apresentar deotro
te 6 das a contar do da descarga das alvarengas
raalquer reclamago concernente a volmaes qne
orveutura tenham seguido para os portos do
mi afim de se poder dar a tempo as provi-
tencias necessanas.
Expirado o reerido prazo a companhia nao
-esponsaoilisa por extravos.
Para carga, passagens, encommendas e di-
ifceiro a frete : trata-se com o
AGENTE
Angoste Labille
9-RA DO COMMERCIO-9
Pacific Steam Navigation
Company
^-^RAITSOFMAGELLAN UNE
O paquete Britania
Espera-se do portos do sul
ate o ii.. 3 de Junhoe se-
guir deimis da demora do
costume |iara Liverpool
com e-Ti'i .O'-
Lisboa. Bordeaui c t*i\ saouth
Para carga, passageiros, encouimenuas e di-
heiro a frete: trata-se com os
Wilson. Stwb & C, Limited
14RC A DO COMMERCIO14
ompanhia Bahiana de Na-
vega^ao Vapor
Macei, Villa-Nova, Penedo, Araca-
j, Estancia e Babia
0 VAPOR
Mrquez de Caxias
Commcndante Moraes
E' esperado dos portos cima
at o dia 24 de Junho regressan-
dopara os mesmos depois da
demora do: ostume.
fara carga, passagens, encommendas e dinhei-
ra a frete trata-se com o
AGENTE
Pedro Osorio de Cerqueira
17Ra do Vig'iro17
**
- ,


Devedore. da Fazenda
Por esta seccao se faz publico que tica
marcado o prazo de oito dias, contados da
data da presente declaracao,, para es de-
vedores do imposto de industrias e profis-
hSes, relativo ao exercico de 1890, virem
pagar os seus dbitos amigavelmente, cer
tos de que se nSo o fizerem, serSo as res
pectivas oertidSes enviadas ao juizo do>
feitos para a cobranca executva -
Alfredo do Nascimento Fonseca 18I40>>
Antonio de Albuquerque 16^103, Alfredo
do Nascimento Fonseca 9^20'>, Bernardi-
no de Sena Vieira Lima 16^100, Carlos
Alves roxa 1 l00, Horacio Marc llino
165100, Jlo Henrque de Ofiveira Bar-
ros 180400, Jos da Silva 18.f4O0, Jos
LIiiyiI Brasilfire
PORTOS DO SUL
\) vapor Pernambuco
C mmandante Antonio Ferreira da Silv
E' esperado dos portos do or
leatf o dia 2i de Juobo e de
pois da dmiora mdiepensave
seguir para of portos do sol
.-is euooujuicdas 8ero recebidas na agencia
it 1 hora da tarde do dia da sahidru
Para carga, encommendas, passagens e valo
es trata-se com os
AGENTES
Pereira Carneiro & C.
6=Rua do Commercio=*6
1 andar
COMPA.MllA PEB.\4BtC*>4
DE
avegacSo cosleira por vapor
POR.IOS DO SUL
Hacei, Penedo, Aracaju'e Baliia
O vapor S.Francisco
commandante Albit"o
Segu no dia 28 de Junbo t
S horas da tarde. Recebe car-
ga atoo dia...
Encommendas, passagens e dinheiros frete.
it as 2 horas da tarde do dia da partida.
ESCRIPTORIO
4a Cae da Companhia Pernambucana
n. 12
Gompanhie ds Messageries
Maritimes
LINHA MENSAL
O paquete Orenoque
Commandante Mortemard
E' esperado dos portos do
sul no dia 3 de Julho
seguindo depois da demo-
ra do cosiume para Bor-
deaux, tocando em
Dakar e Lisboa
L 2mbra-se aos Srs. passageiros de lodas as
classes que ha lugares reservados para esta
a ,'encia, que podem tomar em qualquer temno
Paz-se batimento de 15 0|0 em favor dasla-
milias compostas de 4 pessoas ao menos e qne
pagarem 4 passagens inteiras.
Por excepeo, os criados de familias que to-
marem bilhetes de proa, gozam tambem deste
a jatimente.
Os vales postaes s se do at o dia 30 de Ju-
nho pagos de contado.
Para carga, passagens, encommendas e di-
ohiiro a frete : trata-se com o AGENTE.
O paquete Equateur
Comandante Moreau
E' esperado da Europa no
dia 4 de Julho e segui-
r depois da demora ae-
cessana para
PaUa, Rio de Janeiro, Buenos-Agre e
Montevideo
embra-se aos Srs. passageiros de todas as
classes que ha lugares reseados para esta
agsncia, que podem tomar em quatquer tempo.
Previne-se aos Srs. recebedores de mercado-
ria 3 qne s se attender a reclamaces por fal-
la i, nos volumes, que forem reconhecidas na
0 :casio da descarga, assim como devero der>-
tr i de 48 horas a contar do dia da descarga das
a varengas, fazerem qualquer reclamaco con-
3ernente8 a volumes que porventura tenham se-
iiido para os portos co sul, alim de poder-se
Ja; a tempo as providencias necessarias.
Batea paquete* ao ii:::alnada
1 aa elctrica. *
,
-i
Para carga, passagens, encommendas e di-
q eiro a frete: trata-se com o
AGENTE
AugiLStqAttbille
9 Ra do *< |bimo 9


i-

i
-
H


i
. t

IHd _! e Pernambuco-Domipgo 22 de Junho de 1890
LEILOES
Quarta feira, W. as 11 horas, deve ter iu-
nr a 3' praga da harrica eom rap, na Alfande-
ga 10 barr* com vinbo no armaiem Jos Luis e
JfitO tardos de alala no armaiem ivrameoto
* C, outr'ora armaiem Loyo.
Quinta feira. 2fl, deve ter logar o leilao de
tres cavallos le corrida (garannoes) e seis eguas
Testv Estado-
Quinta (eir. 26, 1 hora da larde em con-
tinjagao ao leilao de cavallos e eguas de ve ter
gar o leilao de botes, out rigyers e escaleres.
3. leilao e ultimo
Quarta-feira, 25 do corrente
A' 1 hora em ponto
No edificio da Cmara de Olinda
De um importante sobrado de 2 andares em
solo proprio, n. 30, ra de S. Pedro Mar tyr,
o qual sobrado acba se bem localisado e muito
fresco, por mandado e assist ocia do Exm. Sr.
r. juti de direito de orphos, levar a leilao o
sobrado cima, pertenceote a menor Mara, ber-
deira instituida no testamento do finado Domin-
gos da Silva Torres.
Os Srs. pretendentes desde ja podero ir exa-
sainar.
Agente Stepple
Agente Stepple
3. leilao e ultimo
le um importante sitio e casa sob n. 28 roa
do Bario da Vera-Cruz em Olinda, com portao
ao lado da casa, um parreiral todo de ferro,
grande baixa de capim, grande sitio com di-
versos ps de coqueiros e outras arvores de
fnietos.
Quarta-feira, 25 do corrente
No edificio da Cmara de Olinda
_' 1 hora em ponto
O agente cima, por mandado e assisteocia do
Exm. Sr. Dr. jaiz de direito de orpbos 4 reque
rmenlo da inventariante dos bens pertencentes
ao tinado Jeronymo Justiniano Figueira de Mel-
lo, levar a leilao o importante sitio cima, com
grande casa de pedra e cal.
Os S s. pretendentes desde j poderSo ir exa-
minar o referido sitio em Olinda.
Leilao
De 2,000 fardos de alfafa, em um on mais lotes,
vootade dos compradores
Quarta-feira, 25 do correte, ao meio dia
Agente Pinto
No armaiem Livramento C, outr'ora Tra-
piche Loyo
Devpoao ter lugar antes o de 1 barril com ra-
p e 10 oipas com vinho, no armazem Jos Luiz,
junto da goaMa-nioria._________________
ra
erceiro
leilao
De predios situados em Olinda e no Recife
CONSTANDO:
de urna meia agua n. 294 roa Imperial, duas
ditas por traz da de o. 294.
Um casa terrea n. 2, na travessa da ra do
Commercio, em Olinda.
Urna dita n. 27 na ra da Bica de S. Pedro,
tambem em Olinda.
tuarta-felra, *5 do corate
Na porta da Cmara Municipal de
Olinda 1 hora da tarde
0 agente Martins far leilao por mandado e
em presenga do cidado Dr. juiz de orph&03 da
cidade de lia ;a, dos predios cima, pertencen-
tes ao espolio de Florentino Kanes de Me'lo, os
quaag sero vendidos a quem mais der e ao cor-
rer ere martello.
Leilao
Dos bor.s cavallos Feuillage, Vampa e
ero de puro sangue, de boas tiliagSes,
proprios para c rridas ou para garanhSes,
seis eguas do Estado e 20 fardos de al
(afa.
Ujiiuf a-eira 5fitt do corrente
A's 11 horas
Agente Pinto
No largo do Corpo-Santo
Leilao
De 2 Out-riggera e 2 escaleres. Oceania
e Pernaubucana com seus pertences-
Quinta feira, 26 do corrente
a' 1 hora da tarde
Agente Pinto
No armazem do largo da Ponte-Velha on
de se acham os mesmos botes
Leilao
Importante leilao de piano do fabricante Pleyel,
mobilias de Jacaranda entalbada, dita de pao
carga torneada, espelbo oval, estantes, secre-
tarias nogoeira, geladeiras, objectos de eiectro-
plate. crystaes, louca tina, apparelhos de por-
celana dourada, jarros chinezes, ditos de bron-
ce e figuras de biscuits.
CONSTANDO :
Um excedente piano de Pleyel o. 4, 1 cadeira
para o mesmo, capa, estrado e ps de vidro.
Urna estante para msica.
Urna importante mobilia completa de Jacaran-
da toda entalbada, (obra rara), 1 dita de pao car
ga nova e obra Je gosto, 4 espelbo ovol, 1 par de
escarradeiras dourada, 1 tapede grande, 1 linda
secretara de mogno com movimento (obra ame-
ricana) 1 estante dita, 1 toilette tampo de pedra
e floroes fuscos, 1 lavatorio de m gao, lampa de
pedra e espelbo, 1 importante guarda roupa de
amarello, i meia commoda de amarello, 1 cama
de ferro com lastro de rame, 1 colcho de crina,
capas de brim para cobrir mobilia. 2 pannos de
oleo para cobrir consolos, estante de amarello
para livros 1 lote de livros, 1 banca, 1 esunte
para remedios, 1 machina elctrica para choques,
1 importante me.-a elstica com 4 taboas de pao
carga e ps torneados, 1 guarda comida, 2 appa-
radores de amarello, geladeiras, i guarda pratos,
1 guarda lotea de amarello, 1 tbear, I cabide de
parede, 1 qoartinbeira, 1 cupla para cama, 1 can
dieiro de bronze para cima de mera 4 pares de
jarros de bronze, 1 linda apparelbo de porcellana
dourada para cb, 11 pratos pequeos para desut,
bules de louca cbineza, 1 fructeira de vidro, 1
lamparina de vidro opaco, trens de cosinba, 1
carro de mo e trem de jardim.
Lindos oDjectos de electro pate, talberes de
dito tinissimo. vasos e pratos cbinezes, bijoule
ras, porta cartees de crystaes, jarros emitaodo
bronze e figuras de biscoit.
So dia S6 de lunha
Na ra do At-lho a. 3, segundo portao
junto a antiga caixa d'agua
O agente Martins autorisado por urna familia
que mudou de resideucia, far leilao dos movis
e mais objectos cima meociooados. Todos os
movis sao de apurado gosio e muito se recom
mendam por seu estado de ptima cooservaco.
O mesmo ageote declara que os movis sero
retirados e pagos em acto continao.
Leilao
Leilao
Seguro emprego de capital
Do dominio, directo dos solos em que esto edi
cartas as casas da roa do Aragio, freguexia da
Boa Vista.
Solos das casas do lado dos nmeros impares
1, 8.8,7, 9, 11,13, ta. 17, 19, II, 23, 28, 27, 2,
31,33, 33, 37,39, 41,43 e 48.
Solos das casas dos nmeros pares 2, 4, 6, 8,
10, 14, 16, 18, 20, 22, *6. 28. 30, 32, 34, 36 e 38.
Mexta-feira 91 do corrente
A's 11 horas
No armazem ra do Imperador n. 16
O ageote Martins. competentemente autorisado,
far leilao dos solos das casas da ra do Aragio,
constantes dos nmeros cima, conforme a re-
lacio que se acba em seu poder.
O mesmo ageote convida aos capitalistas e
sos propnetarios a virem comprar os solos de
suas respectivas casas, para assim ticarem va-
lendo mais as suas propriedades por nao estarem
sujeitas a foro e laudemio. no caso de venda.
-
AVISOS DIVERSOS

Vende se a bella casa de Olinda, no pateo
de S. Pedro Novo n. 2, com grandes commodos,
quintal murado, terrece proprio, ebeio de sapo
teiras de pnmeira qualidade, muito Iresca, com
gaz e agua, cosinba fra, rende 800 e 6004 por
anuo, est sempre alugada ; a tratar no Cami-
nho Novo n. 128.____________________________
" Vendem se portes de ferro com columnas
e sem ellas, gradeamento para cima de muro,
terracos e jardins, baa .eiras de ferro para arca-
das, boceas de forno dobradas e de ebumbar,
trancas de ferro com cadeado, ferrolbos de se
guranca, adragas, rodas para carracas e cari-
nos de mo ; no largo do forte das Cinco Pon
tas n. 4. tenda de ferreiro.
Precisa se de urna ama para cosinbar, e de
outra para engjmmar : na ra do Vigario n. 8,
armazem._________________________________
Precisase de urna boa cosinneira ; na ra
da Soledade n 82
na ra Bario de S. Horja, otrora ra do
Sebo n, 4. vendem-se plantas de todas as qual
dans, natto de fructo como flores de todas as
qualidades. __________________________
Vende-se o sobrado n. 7 ra Visconde
de Inbama ; a tratar na ra Duqi e de Casias
n. 105, loja de calcados.______________________
AMA Precisa se de urna, para casa de
familia : na roa da Palma n. 80.___________
Quem dar informages do Sr. Joao Mari-
nbo da Rocba Falco e do Sr. Joao Baptista Fer-
reira^___________________________________
Cimento Alsen, .des kilos por 700 rs. ; na
roa do Brum n. 68.
Atugam-se casas caiadas e pintadas no*
undos de S Goncalo, a 84000; a tratar na ra
la Imperatriz n. 76.
Aluga se o 2 andar do p-edio n. 39, sito
s roa oa Imperatriz com agua, est caiado e pin-
tado ; a tratar na loja do mesmo.
Patacoes e outras moedas de < uro e prata:
compra-se pelo maior prego ; na ra do Com-
mercio D. 4.
Roga se ao Sr. A. T. que reeolva, siuj ou
nao.______________________ ____________
O Sr. Luiz Ferreira da Cruz, resolva, se
quem paga *o acceitante ou o sacador._______
Precisase de tima cosinneira e de um co
peiro ; na ra do Commercio n. 32.
Aluga-se a loja da travessa do Livramento
n. 10; na ra do Apollo n. 11. _______
Precisa se de um rapaz de 16 a 18 annos.
que tenba pratica de padana e d liador de sua
conduc a ; a tratar na ra da Praia n. 12, ou na
roa Imperial, padaria Victoria.
Vinho d Amarante
Em decimos e quintos, o que ba de melbor
neste genero.
VENDEM
Guimaraes & Valente
6CORPO SANTO-6
Chaves perdidas
Perderam-se oito chaves pequeas, presas em
urna argola ; roga sea quem as aoou o obse-
quio de eotregal as na ra do Bom Jess n. 43,
que ser recompensado.
Excellente morada
Aluga-se s grande ca3a e sobrado do pr. Ay
f (Gama, na estrada de Joo de Barros, pertr
das estages da En ;ruzilbada, das ferro-vias de
Olinda e de Limoeiro, com immensas accommo-
dacOes, jardins, arvores fructferas da melbor
qualidade e vasto terreno, quer para plantacOes,
qner oara craco ; a tratar no mesmo sitio.
Curso primario uocturno pa-
ra adultos
Rapbael de Azevedo tem aberto em sua resi-
dencia um curso primario nocturno para adultos,
e pelo seu metbodo de ensino garante rpido
aproveilamento quelles que desejam multipli-
car e enriquecer a vida interior, associar se a
vida de seus semelbaotes, uoir-se e fraternisar
com os bomens; isto 1er, escrever e cootar.
Horario das 6 s 9 da noite.
Ra da Gloria n.ft9
Para engenho
Um bomem casado com porca familia offerece-
sc para ensinar instruc;o primara em algum
enyenho ou povoaco no centro do Estado ;
quem precisar dinja-se ra da Madre de Deus
n. 11. loja de alfaiale._______________________
De um terreno sito no principio da ra Impe-
rial, junto ao terreno do finado capito Maooel
Joaquim Perrera Esleves, tendo 50 palmos de
frente e 150 de fondo, limitando ao norte com
terrenos de Affonso da Cruz Muniz, pelo sul
com terreno pertencente ao capito Ferreira Es-
teves, frente para o nascente pela ra Imperial
e fundo para o poente.
Sextii-feira, 27 do corrente
A'a 11 kfM
No armaiem da ra do Imperador n. 16, onde
naver o grande leilao dos terrenos das casas
da ra do Aragio, pelo agant Martins.
Cautelas do Monte de Soc
corro
Compra-se Cautelas do Monto de Soo
corro de qoalquer joia, brilhantes e relo-
gio, paga-se bem na ra do Cahug n.
n.14._oja de relojoeiro.
Bom
negocio
Precisa se de um rapaz com pratica de mo-
Ibados, ou de um rapaz com algum capital para
socio de urna taverna na freguetia de Santo An-
tonio, eai boa localtdade e Dem acreditada :
tratar na roa da DetengSo n. 29.
Criada
Qdem tiver de embarcar para a Capital Fede-
ral e precisar de urna criada de cosfianca e que
oo eDj., para cuidar em criaucas, dirjase
roa Vidal de Negreiros n. 91, que acnar com
quem tratar.
Oaro 9 prats
Compra-se, como tamben;
moedas, a ra du Cabug
n. 9., loja de Augusto Reg.
Vaccas tourinas
Aproveitem agora
Vendem se duas vaccas dando leite, com crias,
duas licdas garrotas prenbes, pura raga, e uten-
silios das mesmas, por t-r recebido ordem para
liquidar; a \r na coebeira da roa Sebastio
Lapes n. 33, e a tratar com Jos Mata, roa do
Pires n. 31, defronte da antiga Caixa d'Agua.
Caixeiro
Precisa se de um caixeiro com pratica de mo-
Ibados, dando abono de conducta : no largo do
Paraizo n. 14.
Gasa para augar
01 andar da ra larga do'.Rosario n. 37,
esquina defronte da igreja com commodos para
grande familia ou escriptorio ; a tratar no pa-
vimento terreo.
O
3
O-
9
';
O
o
ce
ce
M
PQ
o
-o
I
1 as

~ -
ce
V
-
O)
x
cu
S o
i a
c
ItiS
S
: -
es
2
a
r|
- .i.
125
_. 8s
es
s
cu
t

a
o
CO
^_
--
ce
-
cC
>
3 H

1

ai
p3
Attenco
Os proprietarios do antigo e acreditado arma
tem do Lima, site ra Baro da Vi :tora n. 3,
particpate ao respeitavel publico e aos seus
distingos freguezes, que tr;nsferiram tempora-
riamente seu armazem para a mesma ra n. 9,
contir uando da mesma forma a receberem suas
ordens para Ibes servir com o costumado e ba
itual desempenbo.
Jos Fernandos Lima k ,
Ra Baro da Victoria n.
TeJephone323
Aluguei barato
Visconde de Goyanna n. 159.
Largo de S. Jos n 74.
Pedro A lio neo n. 46, 1 andar.
Becco Cara pe I lo n. 1, 1 andar.
Pedro Affonso. armazem o. 46.
Ra do Bom Jess 2*. andar n. 47
Ra Aguazinbas em Beberibe n. 7
Ra Itaparica n 43 1. andar.
Travessa do Carmo, loja n. 10.
A tratar ra de Commercio n. 5,1 and
notorio de Silva Guimaraes C.
Livraria Contempor-
nea
Instrumento* de muiif
Bomoardo, bombardino, barytono, tromp
rombone, helicn, saxaphone. carilln, borcti
caixa, pratos.clarinitas. flautas,rabecas, viold-
ealejos, caixas de msica, etc., etc.
Papel pintado
para forro de salas, quartos, gabinetes, corred)
res.
Molduras
ourades, pretas e douradas para quadros.
Malas
para viacem, diversos formatos, especialmeat
oara roupa de senhora e camarote.
Novidades
oara presentes, escriptorio, toocador, etc., ett
RAMIRO M. COSTA & C.
Baa Prt__el_o de Barco n. *
Inj<
Fazendas baratas
Na loja das Listras Azues
A' roa Dnqoe deCaxias n. 61
Voile phantasia a 240 rs.
Tecidos arrendados de cores a 240 rs.
Organdj branco finas a 500 rs.
Arrendados de urna s cor a 400 rs.
Percales finas a 200 rs.
Cassas de cores a 120 rs.
Lazinhas de quadros a 160 e 200 rs.
Linhos de quadrinhos a 100 rs.
Zefiros largos a 200 rs.
('assas com padrSes de voile a 280 rs.
Fustao de cores, padroes miudinhos a
160 rs.
Chitas escuras o 200 re.
M>dapol2o americano, 20 varas, a 5^000.
Monmdas listas azues. 10 varas, a 30C0.
Bileias a 200 re. a doxia.
Fitas chamalotadas todas as cores.
Empermeaveis para vestidos a 400 re.
Babados bordados a 400 500 re.
Fazendas finas
Cretones franceses muito largos a 320 e
360 re.
Nanzuks de cores finas, a 500 re.
Tecidos de cordio, lindas cores, a 400 re.
Voile de 1S, tecidos mais finos, a 800 a.
Gases de seda, lindas cores, a 1(5500.
Surah de todas as cores a 14C0.
Organdv de cordao, lindas cores, a 300 re-
Setim de Maco de todas as corea e preot
a 800rs.
Tecidos de linho, muito largo, a 400 re.
Cortes de vestidos bordados em cartio a
9^000.
ec^ao
Se nao morri desesperado, soffrendr
muito tempo ama molestia chronica que
ninguem poda curar; foi por encontrar o
santo remedioInjeccaO M Moratoque
instantneamente poz termo ao meu hor
rivel Boffrimento.
Taubat.
Aaausto Cintra Magalhaes.
Agentes depositarios em Pernambuco :
Francisco M. da Silva & C, ra Mrquez
de Olinda n. 23.
AOPHBIdCe
O abaizo assignado resolveu participar
aos seus amigos e freguezes que contina
a ter sempre o mais completo sortimento
de :
COQNACS destacando o animado
Paulino, que um dos que mais se pres-
tam a tomarse coa leite.
V1NHOSO Palhete sem prejuizo das
outras marcas, especialiaando tambem o
magnifico Bordeauz Republique Brsil-
lienne.
LEGMESem conserva, especialida
des como nao se encontram em qualquer
casa.
CARNESem conserva, especiaas como
nunca vieram aqu.
PE1XEStambem o que ba de mais
variado.
CERVEJASonde se destaca a bem
conhecida e digna de celebridade Paulino
Bier.
CHARUTOS nm grande sortimento
das melhores marcas, e por precoa amito
commodos.
Alem destes artigos acha-se o seu esta-
belecimento sempre snpprido de tudo
quanto se possa desojar d'um bom esta-
belecimento d'aquelle genero
Ra do Imperador n. 28.
Paulino de OUveira Maia.
Criado
Precisase de um criado ;
que deCaxias o. 63.
a tratar na ra Du-

Precisa se de um criado de idadedeil annos ;
na ra da P lma n 109.________
Casa e sitio
Alagase urna casa em perfeito estado de as-
seio, com agua, gas, jardim, banbeiro com ebu-
visco, diversos arvoredos dando fructo, e com
bastantes accommodaces, na estrada para o si-
tio do Cajueiro sob o. 6 : a tratar na roa da
Conceicao da Boa Vista n. 43._________________
t
Antonio Dionisio de *anf Ano
Marcellina Antonia de Paria e Fabio da Costa
Pereira de Faria mandam celebrar urna missa
Eor alma de seu presado sposo e entinado, s 7
oras da mantas do dia 23 do correte, stimo
de seu fallecimento, na matris de Santo Anto-
nio ; e para este acto convidam os seus paren-
tes e amigos, e desde j antecipam os seus agra-
decimientos.
t
Jos de Azevedo Maia e Silva, D. Florinda
Adeiaide de Azevedo Maia e seus Albos convi-
dam seus parentes e amigos a assistirem as
missas que mandam rezar pelo eterno repouso
de sua mai, sogra e av, D. Anna Mara de Sou-
za, e que ter lugar segunda-feira 23 do corren-
te, s 8 boras da manh, na matriz de Santo
Antonio, trigsimo dia de seu fallecimento; fl-
cando desde j agradecidos s pessoas que se
dignarem assistir a este acto de caridade e reli-
gio._______________________________________
t
Missa em, repouso d'alm de D. Mazimia-
na Alendes da Fonseca e Silva
Joo Eupbrasio da Suva, sen timen (alisado
pela perda da sua carinbosa e estremecida es-
posa, convida aos seus parentes que aqu se
acbam, a assistirem a missa qde manda celebrar
na capella do cemiterio, segunda feira, stimo
dia do seu fallecimento, s 7 boras, e por este
acto humanitario e caridoso, Reara reconhecido
a to,.os que a este humilde convite acceder.
D. Joaquina Modrigu de Olive-1
m Almeida
Primeiro anniversario
Justino Gomes de Almeida e seus fillios, e
Manoel de Oliveira mandam resar urna missa
pelo repouso el'alma desuaesposs, mai t irm,
na segunda feira 23 do corrente, s 7 horas da
manb na igreja da *anta Cruz, 1- anniversa-
rio do seu passamento ; e desde j agradecem a
todas as pessoas que assistirem a este acto de
relieiSo caridade.
Mana Ceiqueira .astro Mouieuo, Manoel oe
Castro Monteiro, Augusto de Castro Monteiro,
seus irmos Jos de Castro Mon'eirn, Antonio de
Castro Monteiro, sua sogra Rosa Antunes de
Oliveira Moateiro e seos Albos agradecem do
intimo d'alma a todos os parentes e amigos que
acompanbaram ultima morada a sua prezada
esposa, Hlha e mi Maria Cerqueira Castro Mon-
teiro e Maooel de Castro Moateiro, assim como
a todas as corporacoes que se dignaram fazel-o
e muito boa vontade e promptido ; Sacramen
to de Santo Antonio, N S. do Rosario, S. Jos,
S. Goncalo. As missas regadas que deviam ter
u gar no stimo dia, ticam transferidas para o
rige?imo dia. 18 do futuro mez de julbo.
Ciernen ti na A. Ferreira de Parta
< annivers.irio
Joao da Sil*a Faria, sua mulber e fimos, Car-
los da Silva Faria, sua mulber e lhos, Antonio
Ferreira de Paa e Lindolpho da Silva Faria,
filhos, oras e netos da tinada, mandam rezar
missas na matriz da 'oa-Vista, quarta-feira 26
do corrente, s 7 i/2 boras da manb, pelo re-
pouso eterno de sua cara mi, sogra e av, .le
mentina A. Ferreira de Faria ; e convidam os
parentes e amigos da finada para assistirem a
este acto bomanitario e caridoso. antecipando
desde j os seus agradecimentos.______________
D. Hara Paula de Abren
Joo Caetano de Abreu, Umbetina Correia de
Abren, Antonio Jos de Abren Ribeiro e seus
lilhos agradecem cordialmente a todas as pes-
s ias que no cemiterio publico acompanbaram
at a ultima morada os restos mortaes de sua
idolatraua esposa, cuubada, irm e tia, D. Mara
Paula de Abren, e rogam-lbes o caridoso obse-
quio de assistirem as missas que por alma da
mewffia sero celebradas na matriz de Santo An
tonio, s 8 boras da manh de 25 lo corrente
(yiarla-Mra), stimo dia do spq falleiimento.
t
O Dr. Mnoel Caldas Barreto e alguns amigos
do inditoso moco Mendo S Barreto Sampaio,
convidam aos parentes e amigos do finado para
assistirem a urna missa que pelo repouso de sua
alma mandam rezar na igreja matriz da cidade
de Palmares, no dia 25 do correte, pelas 8 bo
ras da manha, stimo dia de seu passamento.
U!
ixirM. Morato
PROPAGADO POR D. CARLOS
Depois de 6 annos de atroz soffrimento
de rbeumatismo, estando verdadeiramente
descorocoado, sarei completamente usando
o=Elizir M. Morato=que declaro ser o
melbor e nico anti rheumatico at hoje
S. Paulo, 2 de Novembro de 1889.
Cesario Rodrigues Alvim.
Bom empreg-o de capi-
tal
Vendem-se os dous sobrados sitos no caes 23
de Novembro ns. GO e 32, pertencentes a viuva
onstauca Boulitreau, teir'o um rendimento su-
perior a dez p^r cento : a tratar na ra 15 de
Novembro, na livraria de F. P. Boulitreau.
Taverna
Vndese urna taverna propia para princi-
piante, por girar com pouco capital, o alueuel
razoavel e tem commodos para morada ; para in
formaoes roa do Capito Lima n. 32.
Bom negocio
Vende se a taverna da ra Imperial n. 158,
bem afreguezada, para pouco capital, com boa
casa ; a tratar nos Afosados, ra do Motocolom-
b n. 51 b
O
aria
SS-Rua da loria-S
Nt-ssa olaria encontrar-se-bo os seguintes
materiaes, que nao teem competencia :
Telbas.
Tijolos de alvenaria batida.
Ditos de dita mais ana.
Ditos de ladrilho.
Ditos de tapamento.
Ditos cosidos propriamente para calcadas.
Todo este material fabricado enm o ptimo
barro da agua doce do Taquary. Aqui tem o
fregus toda a quantidade que necessitar sem
demora
85Ra datJloria85
REMEDIO DO DR. AYER
CONTRA
AS SEZES OU MALEITAS.
O Remidi do Dr. A ver, descobertt
regetal que nao coDtm a qnina nem o
arsnico, nem to pouco outro Ingrediente
nocivo, um remedio infallivel e prompto
para toda a qualidade de febres intermit-
ientes on maleitat. Seus effeitos sao per-
manentes e certos e nenhum mal abso-
lutamente pode advir do seu emprego.
Da mesma forma torna-se o melbor
remedio possivel para todas aquellas
doencas que provm dos cffeito ion
miasmas, que se desenvolvem nos lugares
pantanosos e infectados, e que geralmente
caracterisio-se pelas affeccSes do
Agrado e do baco.
O Remidi di Ayer curar sempre,
mesmo nos casos peiores, toda a vez que
for empregado convenientemente e se-
gundo as direccSes.
PREPARADO PELO
DR J. C. AYi_R & CA,
T-owelL Mass.. Est.-nidos.
KOVIDADES
Vlanequins de Bazar
INFALLIVEL e RADICAL
no curativo de todas as affeccon bronchiaes :
Mal de Garganta, Toes e Tsica
o-
PEITOBAL
\k i^f
^"IrirTHK H^
H_5_5__ 3_J**^
Ofc^Sf N

'
De ANAC AHUITA
Remedio Vegeta! da Natureza para o all-
to e cura de todas as molestias
________JDo Peito e dos FulmSes._______
Ama
Precisa-se de urna ama para cosinbar e com-
prar ; na roa Velha 137.
Ama
Precisa-se de urna boa cosinbeira para casa
de pequea familia, que durma em casa dos
patres e se] a matriculada ; na ra de Fernn-
des Vieira n. 89.
Ama
Precisase de urna ama para coidar de crian-
gas e que entenda alguma cousa de costura ; no
i.aminho Novo, defronte da estacao.
Ama
PreGisa-se de urna boa cosinbeira; a tratar na
roa da Aurora n. 85, taverna. '-'
Ama de leite
Precfsa-se de urna ama de leite ; na ra do
Cotovello n. 46.
Abre e fecha como chapeo de sol e ser-
ve para qualquer senhora por mais gorda
ou magra que seja fazer seus vestidos sem
ter necessidade de costureira.
Cortinados de c6res para porta ou janella
a 10600 o metro.
Crochet branco e de cores para cortinados
a 10000 e 1.5500.
Flores para cabello ou enfeito de vestidos
a 10000, 10500 e 20COO.
Sabonetes para pannos e sardas a 100
Extractos finos, frasco com 20 gotas, a
2-0 rs.
Lspis de ouro a 10500 e 25000.
Tesouras com mollas e caixa a 10500.
Porta-luz com phosphoreira a 10000.
Relogios para ver no escuro a 80000 e
100000.
Albuns para 10 ou 25 retratos a 30000.
Para aso domestico
Bramante de 4 larguras a 800, 10000 e
10200.
Panno de linho com 4 larguras a 10600 e
2c 000.
Atoalhado adamascado a 10400.
Panno da Costa, com quadros e listas, a
10000 e 10200.
Guardanapos finos a 10800 e 20000 a du-
Toalhas felpudas a 60000- a dita.
Cretones para cobertas a 303 rs.
Colchas de cores, muito grandes, a 20000,
Cortinados bordados para cama ou janella
a 60000.
Oleados de cores para mesas, cada repar-
timento 40500.
Algodaozinho largo para todos os precos.
E multas fazendas que, se vende por
qualquer prego. '
D se descont a quem comprar de
2C 0000 para cima.
NA LOJA DAS LISTRAS AZUES
Bom negocio
Admitiese um socio com algum capital para
averna ; a tratar na ra de Domingos Jos Mar-
tins n. 80__________________________________
Compra-se
o jornal denonrnado Vapor do Rio Formoso, pu
blicado em 1857. e impresso na typographia do
finado Ignacio Bentode Loyola, ou collecciona-
dos ou os nmeros avulses a tntender-se com
o padie Baodeira, ou na loja de ourives de La-
berty, praga da Independencia, on annuncie.
Ama
Precisa-se de urna ama de meia idade para
cosinbar, para casa de pouca familia; na roa da
Palma n. 109,
Precisase de urna ama para cosinbar e en -
gommar ; na roa larga do Rosario n. 9 (rcgula-
dor da marinha).________________________
Amas
Precisa-se de duas -amas, sendo urna para
crianca e outra iara o servigo domestico ; a tra-
tar no caes 22 de Novembro n. 24, armazem, ou
na roa Baro da Victoria n. 59, 1- andar.
Precisa se de ama para cosinhar e mais ser-
vicos de casa de familia; a tratar na faorica
Tigre, ra Baro da Victoria n. 4.
AMA
Precisa- se de urna ama para, comprar,
cosinhar e fazer ensaboado em casa de
familia. Prefere-se pessoa que seja s e
que seja matriculada. Na ra do Hospi-
cio n. 6 se dir quem precisa.
Ama
Precisa se de urna ama para-cosinhar; na roa
Conde da Boa Vista n. 68.____________________
Ama
Precisa se de urna ama para cosinbar para
pouca familia na roa do Livramento n. 22, se-
gundo andar.
Fogos Surtes
Para os festejos das noites de
Santo Antonio
S. JOAO
Grande e completo sortimento, caixas sor-
tidas e a retalho
Vende-se por pregos commodos ra da
IMPERATRIZ N. 12, loja de ferragena
do SOU-A.___________________________
Engvi mmadeira
Precisa-se de ama engommadeira ; no Pago da
Patria n. 5. quinta casi*._____________________
Precisa-se
de peritas costureiras ; na Notie Dame de Pars,
roa do Cabug n. i-A.
~s *
-
1 -.
1-
..-
'
r y


1 -
1
.
. j
.
r*"Vr

t ,:'-"*
I



t
:
Aos agricultores
0 bacbarel Petronillo de Santa Crns Oliveira
contina a encawegar se de levantar empresti
mos para auxilio da lavoura sob bypotheca de
propriedades e penhor de safra ; na roa do Im-
derador n. 96, 1 andar. '_____________
Precisa-se
de peritas costureiras ; na Notre Dame de Pa-
rs, roa do Cabug b. 1 A.
Criado
Precisa-se de um criado
d n. 19.
na ra do Paysan
Bom emprego de ca
pital
Vendem-se as casas da ra dqPadre Floriano
n.41,e Vidal de Negreiros n.^0. A 1. tendo
venda na esquina e dependencia' na travessa de
Antonio Henrique, rendendo 484000 mensaes.
e a 2.a ser rendando 300: trata se com Olegario Nena, na
ra Marcilio Dias, antiga Direita n. 131, primei
ro andar.
Gasa Aluga-se a casa terrea sita n. 24 (Capuoga) ; a tratar no ra. ra n. Dr. 28 i Nabuco mesma
Cal virgem de Jagua
ribe
Depoaito no Cae do Apollo a. 9*
Esta afamada cal, p-opria para o fabrico
de assocar, continuase a vender pelo mes
mo prego e abatimeoto do costume. No mes-
mo armazem vendem se todas as mais quidi-
dades de cal de Jaguaribe branca e preta, em
p, assim como todos os materiaes proprios
para construcgoe3 e recoostracgSes por precos
menores do que em outra qualquer parte.
Criado
Precisa-se de um criado para vender na roa a
a tratar no becae do Caiabongo n. 11._________
0 Peitorl de Thirdio
E' REMEDIO EFFICAZ?
Contra os defluxos, catharros, tosse con-
vulsa, asthma, baonchites, resfriamentos,
rouquidSo, constipagao e todas as molestias
das vias respiratorias.
Cura as tosses e os catharros os mais
rebeldes, dando allivio aos doentes, pro*
porcionando-ihes um somno calmo e repa-
radora e expulsao do catharro dos bron
chios.
Approvado pela inspectora geral de
hygiene
Preparado por
i

4
47
CAJLASAHSAC
Pharmacia Calasans, praga Piedade
BABIA
Poneos remedios tem sido tSo uteis aos
soffrimentos como este, pois metiga sem-
pre o soffrimento aos afilie.os e quasi sem-
pre restitue a sade aos enfermos. A popu-
laridade de que goza no sul a prova a
mais incontestavel da sua superioridade-
De gosto mui agradavel, de aspecto lison.
jeiro todos o tomam, ninguem o repugna.
Prego do vidro 205-0
Da psito no Recife
FRANCISCO MANOEL DA SIVA 4 C.
Ra Marqusz de Olinda n. 23.
Antonio Francisco da Cruz.
Hanteiga Especial
PARA BOLOS
Latas de meio kilo 800 ris.
Crpo Santo n. 6
ulnares & Valeten

'

Caixeiro
Precisa-se de um caixeiro com pratica de mo
lhados : a tratar na roa de S. Jorge n. 92.


Diario de Pernambiieo-Domingo 22 de Junho.de 1890
VINHOoeEXTRACTOdeFIGADOdeBACALHAO
Tende-se
aa u u ptldiais WurnMlu
Iirotrarisis.
Deposite goral .
3P.A.RXSS
21, Faubourg Uontmartn, 21

m
O VINHO de Extracto de Flgado de Bacalhao, preparado pelo Snr. CHEVRIER, Pharmaceutico de lr* classa,
aPariz, possue ao mesmo terupo os principios activos do 01*0 de Pifado de Bacallao e as proprledades therapeuticas dos
preparados alcoolicos. E' precioso para" as pessoas cujo estomago no pode supportar as susbstancias graxas. 0 seu effeito,
como o do Oleo de Finido de Pfte&lhao, soberano contra as Escrfulas, Rachitismo, Anemia, Ghlorose.
Bronchite e todas as Molestias do Peito.
VINHOdeEXTRACTQoeFIGADOdeBACALHAO CREOSOTADO
Vendo-so
ib toas is ftittlftm Pharmmelu
e Drogaras.
Uontmartre,
A CREOSOTE de FAIA suspende o trabalho destruidor da Tnica pulmonar, porque diminue a expectoracac
itwperta o appetite, ftz cessar a febre, supprime os suores. Os seus effeitog combinados com os do Oleo de igado de Bacalhao.
lazem do VINHO de Extracto de Figado de Bacalhao Creosotado, de CHEVRIER, o remedio por
excellencia contra a TSICA declarada ou imminente.
' ^
de
POR MK10 DO EUPREQO DOS
Elrxr, P e ^a-s-tst d.en.tifrioios
T

BENEDICTINOS
r>A. ABBADIA de SOXJL-A.O (GrTROlTOE)
DOM MAGUELONNE, PRIOR
]VIed.allia8 d.e Oro : BRUXELLAS 1880 L0NDEE3 1884
AS MAJ8 DIBTTNOTA8 RECOMPENSAS
INVENTADO
OLA MOURIS
0 uso da Smola Mourla
recommendada b mulbere grvidas, as
unas de leite e As criancas no periodo ds
denticao e do crescimento.
A Academia de Medicina votou telicitacoea
ao Sr Mouwts, e o Instituto de Franca con-
eedeu-Lhe urna medalha de incitamento, so
concurso do premio Montyon, por esta des-
coberta, que exerce tao feliz influencia aa
diminuicao das enfermidades e na mortali*
dade das criancas.
A Smola Mouris sendo usada pelas
mulheres durante a gravidez e a amammen-
tacao e sendo dada s criancas durante a
denticao e o crescimento, de natureza a
produzir individuos de constituicao robusta
Junto a cada vidro acha-se urna instruccao
sobre este producto.
Fabricacao e venda por atacado : L. Frere,
19, ra Jacob, Pariz, e em todas as drogaras.
A varejo: vas principaes pharmacias d'esi*
eidade.
PELO PRIOR
-
no anno ________ AO m +& Plerre BOXXRSA.XJE)
O uso quotidiano do Elixir DentifHcio dos RR. PP. Benedictino, com dose
de algumas,gottas com agua, prevem e cura a carie dos dentes, embranqueec-os,
fortalecendo'e tornando as gengivas perfeitamente sadias.
Prestamos um verdadeiro servico, assignalando aos nossos leilores este antigo o
utilissimo preparado, o melhor curativo e o nico praoervatiTO contra as'
Affeeedes dentarias. >
mr.rr-ra Vi. 5' 101, IV. 24'. P i 1'75. J'5I. MI. .1 STA : 1*75. J'50.
agente geral : SEGU N, BORDEAUX
Aoha-se em todas as Perfumar lita, Pharmacloa a Drogaras acreditadas do mondo inteiro.
d
asa
Alupa-se urna boa casa com bastantes commo
dos para pequea familia, agua e eaz, na ra
das Nympnas n. 26 : a tratar na ra Conde da
Boa-Vista n. 120, Caminbo Novo.
Declarado necessaria
Rodrigo Carvalho & C. declaran) que nada
devem ao espolio de Jos Luis Firreira Costa.
Recite, 13 de Junho de 1890
Rodrigo Carvalho & C.
rr

\

NOYIDADES
PREQOS BARATOS
Na ra do Crespo n. 21
LOJA DO CAMPOS
* Chitas setim de ramagem a 280 re. o covado.
Linn com ramagem grada a 400 rs. o dito.
Dito com barra e ramagem, um metro de largura, a 500 rs. o dito.
Etamines de c6res, flores miudas e ramagem a 400 rs. o dito.
Cretones, novidades em cores e padrees, a 360 rs. o dito.
Voile de 1S, retiramos d'Alfandega o mais lindo sortimento de voile, em pa-
W5es e ao preco de 800 rs. o dito.
Merino assetinado d-; 12 com ramagem, a 500 rs. o dito.
DamassG d'algodao com preparo de seda a gesto de voile a 800 rs. o dito.
Assim como variedade de artiges, tuao de phantasia e por precos que garant-
aos sera ocrsnpetenhia.
Na loja do Campos
RA DO CRESPO N.
_ti
Cardoso & Irmao
/-
Ra do Baro do Triuniphons.
Eeoeberam novo sortimeato de vapores dos acreditados fab-sar**
Robinson para trabalhar com fogo de assentsmento, moendas, taxi, .urm*
mear e todas as mais ferragpp1 -:~ 4 agricultura.
I(4


6rand liquidacto 9 fabadas
Tendo-se dado balando na casa


N. 58
Gotta, Rheumatismo, Dores
Soluqo do Doutor Clin
Laureado da Faovldad de Medicina d$ Pars. Prm'n Montjmn.
AVardadeira SolucSo CLIN ao Salicylato de Soda emprega-se para curar:
As Aecces Rheumatismaes agudas e chronicos, o Rheumatismo gottoso,
as Dores articulares e musculares, e todas as vezes que necessario calmar os
soffrmentos occasionados por estas molestias.
A Verdadeira Solnsao CLIN o melhor remedio contra o Rheumatismo,
a Gotta e as Dores.
1|n Um txplictco detalhada acompanha cada frasco.
I Exigir o Verdadeira Soluco de CLIN & Cie, de PARS, que se encontra em
> ________casa dos Droguistas e Pharmaceutico.__________^
lotera
LOO
ESTADO DE PEMAMBUCO
EM BENEFICIO DA
Santa Casa d Misericordia 4o Rcif9

*
<
>
eparou-se os seguntes rticos para acabar.
Sedas.
-
Cortes de vestidos.
Las.
Teeidos de phantasia.
Cretones.
Nanzuks.
Cambraias.
Fustoes*
Gasemiras.
Cortes de casemira.
Brins de diversas qualidades, brancos e de cores.
Cortes de collete.
Meias para homens, senhorase meninos.
Madapoloes.
Algodozinhos.
Atoalfeados brancos.
Ditos de cores.
Camisas para homens e meminos.
Lencos.
Espartilhos.
Ceroulas.
Gollarinhos.
Graratas
"ods ete a#4igo8>se acham com um pequeo toque,
de mofo, razao por que se vende porine-
tiaufe tle-seu1 vaior.
Grande quantidade dortalhoi
D>stes irligos lio se IteUNBltts
l5Bt mom- T>W CATDW-- '58'
Telephoiie n. 210.
INTEGRAES
A 8.a parte da 1/ lotera des te Estado ser
extrahida impreterivelm^nte sabbado 28 do
corrente.
Todos os pedidos de bilhetis desta lotera
devem ser dirigidos thesouraria rua larga
do Rosario n. 9 1. atidar.
PELOS CONTRACTANTES
Bernardino Lopes Alheiro.
FNDIfiAO DE SINOS B BRONZB
DE
LUIZ D4 CRUZ MESQUITA
66ra do Baro do Triumphoff.
Tewi para vender o seguinte;
flachlnas de eobre para faser espirito de destillar e rastillar.
Alambiques de cobre do antigo e novo svstema com esquente garapa.
Serpentina* de cobre e de estanho.
Carapneas de cobre.
Talxas, taixos caldeiras de cobre.
Bombas de todas as qualidades de repuchos, aspirantes e continuas.
Torneiras de bronce e madeira de todos os tamaitos.
C nos de cobre, de chumbo e de ferro.
Repar tldelras, pasBadeiras e escumadeiras de cobre estn hade de ferro 9
Cobre em lencol e arruelas
Sola inglesa e do Rio.
Cadlnhos patente e de lapis.
Minos de 1 libra at 110 arrobas.
E muitos outros objectos.
ENCABREGAM-SE le qualquer concert e obras de encommenda,garan
e ertesa, perfeicao e precos mdicos, para o que tem pessoal habilitado.
VEXDE a praso ou a dinheiro com descont.
as
MEIO-SECLO DE XITO 51 PREMIOS
29 Medalhas de Ouro e Diplomas de Honra ^
^S^f'DE RICOLES
RECOMMENDADO ^^S\#V>^^%^^- INDISPENSAVEL
pelos mais AamaflDS Mdicos /9wm^)tfjr*K duranle a '^ calmosa
D6resd?Estomgo,^S io^ T IP "-""*
do coracao. do ervo.. ^^ ^**5 Toilette e os Dentes
Grande Preservativo nos tempos de Epidemia
Fabrica em LYON, 9, cours d'HerbouYille. \Sv^>*asnvSsSnS' Casa em PARS, 41, ra Richer.
EXIGIR 0 NOME DE RICQLS RECUSAR AS FALSIFICAQOES
Depgsltot em Pemambtico : FEAS" M. da SILVA t C" a em todas as Pliarmaclas e Drogaras acreditadas.
,\~
m MENTES
Queris cu ar-vos prompta e radicalmente de vossa enfermi-
dade pulmonar, bronchite, asthma, rouquidao., defluxo ou de qualquer
tosse? Tomai o remedio garantido
0 Peitoral de Cambar
de Sonsa SoareB, de Pelotas, que se acha venda e as principaes
pharmaciaB e drogaras desta eidade, a 2|}500 o frasco 24i>000 a duzia.
Os agentes e depositarios
Francisco M. da Silva & C.
RA MRQUEZ DE OLINDA



DIGESTOES
DIFFICEIS
Dyspepsla
Ptra
\de Appttts
TOMICO-DIQCSTIVO aom QUINA, COCA
TAI>0 EM TODOS os BOSPtTAJLS SlWiWrm < paro J
1 PAJUS COIXIJI C\ W
DOENCASdESTOMAGO
ELIXIR GREZ
Milmihme d* Oaro 0 Diolomma
1 m >, 4, ib m Flinuctu I
GASTRALGIA
ANEMIA
Vmitos
Dlarrha
chronlca
PEPSINA
vf
AOS BMPRBGADOS
COMMERCIO
Descobriu-se as mattas dos sert3es de S. Paulo, um vegetal com que fes-se
um preparado, que conhecido por=Elixir M. Morato=propagado por D. Carlos.
Este remedio indgena tem feito curas que espantam e que mais parecem milagres.
A syphilis de qualquer natureza, e por mais inveterada que seja, desapparece com o
uso d'este preparadoo rheumatismo quer novo, quer chronco, cura-se com este
remedio, e com urna felisidade espantosa. Contra factos nSo ha argumentos, e, os
beneficios operados, sSo j tantos, que nao ha mais o dreito de duvidar. Procnrar.:
Elixir M Moratopropagado por D. Carlos.
Agentes depositar ios em Pernambucj: Franscico M. da Sdva & C. ra de
Mrquez de Olinda n. 23.
"LOJAOPOVO
tRa 1 de Marcot

'
i- :
%
TPO&
----------
FABRICA DE LIVBOS DE ESCHJPTURACAO
NOAtMNAtAO + PAVTA0A0

CQanoel J. de {Diranda
39^**- RA **- DUQUE DE -*r CAXI AS *- 39 ?
NUMERO TELEPHONICO 194
Pa:
'linimento genea
Gavallos
raaea de 8. UM. o ImparsA* do Brosdl. o Ralsaj
e'oei da Saxonla.
35 4inos de (gzito
i oom j maie* ]
OS
rosrraJhar
$ippiS*ao
i DA QUEDA
\l&$k%2^&^1
eounico que., i
ttsUcsHa^P
__ aein
Pocsstoar nenhuma" Zkag*. vejst^mi d> pello
I mesmo aurante o tratarnaato.
rCoS
i aa Paria: rkamaaU OKTBAU, Eua Stjlonc
Os resultados cxtraordlnartb9pie lera'
optado oas jjvaww Aitsmam i
i Petto ,. o?
kXoleatiae i
mi, etc.. Uso dio lo
GRANDE WOVIDADE
Esta nova loja contina a ter um grande sortimento e sempre pechinchas, era
oreos ninguem lhe pode exceder, capricha na exactidao da qualdade e as medidas
de suas fazends que podem ser compradas por qualquer crianca. Multas de suas
fasendss sao recebidas directamente da Europa.
Descont de 10 Vo em compras de 200000 para cima.
Grande sortimento de fasendss de phantasia para S. Joao e' S. Pedro.
Voile de la e algodao, lindos desenhos, a 240 rs.
Las imitacaO de cachemira a 240 rs.
Chitas de 200. 220 e 240 rs. o covado.
Setinetas de ebres, desenhos lmdcs a 300 rs o covado.
Zephiros lindos a 120, 160 e 200 rs. o covado. .
Cortes de casemira de 3 dem de oostumes de casemira de c6r a 12000.
dem idem dem preta fina, a 145000.
Ricos casacos de Jersey, bordados, a 65000.
Toile de seda de. 15600 o covado a 650 rs.
Granadino de seda, de 15800 o covado a 800 rs.
Merina preto a 500, 700, 15000 e 15200 o covado.
Dito de c6r, liso, a 400 rs. o covado.
PARA GRIANGAS
Redes de cores, pechincha! a 35000.
Vestuarios de Jersey, a 65000 e 75000.
Capinhas e jaquetas de malha para crisnea, a 15000, 15500 e 25600.
Brins de cores, covado 403 rs.
Merinos laVradoB, lindos desenhos, toalhas felpudas inglesas cour pequeo de-
feito para todos os precos, grande sortimento de lencw de sedaja 400, 800 e 15000,
lencos de algodao com barra grande a duzia a 15600, bramante de Unho e algodae,
atoalhsdos, cortinados, (oo.chas, fichus, chales, sedas, setins brancos e de cores
anules, lindos desenhosNovidade __
*................-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Pao centeio
Mello iBiset teadorecetdonova remesasdf
ferinha centeio, avisa aos seus fregueses que
continuam a fabricar este delicioBO*plo cntelo
lotes ss^tW-e sextBSfei8 ; nt ra* larjia do
Bosarioulid.
y
1

!
275,t aa tcui u rsirisii
Para crianza
f> X'
FarHb superibr
a 15800; so largo do Mercado n. 13.
, Grande-qoantidad- de redes de cores pan
crlanos 4>3#*00. .
Grande e variado ssttimento deTestuanoso
Jersey para menioas des, ara M e 7*
So na loja do Poro
Ra de Marjo n. 11
.--'- tetUMQa*'


VENDAS


i
A.
1
1
i
.-

I

Bom eniprego para
capital
Perarn hico-Doiti
Attenqo |jFtendem-se s sguin-1' tuflo bou iral
tefc livros (Je toddte
Vende se um piano novo, com <. pa e banco
Pyeledle ii ra Duque Vende-se
superior masa de mandioca para bilos a 1GOO
o kilo ; na Camboa do Careno n. 10.
Vende se o extenso aromen) n. 51. no caes do---------------rr\ -------:----------
Apollo, em fivnte da nova ponie Buarque de i 1 averna
Macerto, com cap.ici"ade para rerolher o> 9 u I -r i. j ,
10,000 barricas de fnhha de triso ou outr" L eDrete a'avcrna da r da Palma n. 71,
mercadoria em proporc.., e dous sobrados con i afreguezada ; a tratar na mesma.________
tieuos com frente pa-a a roa Domingos Jos! Cnsminm rPlpin
Martioe. no todo condituindo urna boa acquisi V/U&IUUrdUld e realejo
co : trata-secom Malbeus Austii, & C., ra do i Vende se ou aluga se um bom cosmorama
Commercio n. 18. I realrjo ; a tratar na roa do flogueira n. 30.
rlH II
DO
M. CARLOS BETTENC0RT
SiLSIPIM.11 IC180B1
GRANDE DEPURATIVO DO SANGUE
Elixir anti-rheumatico, anti syphilitico e empregado em todas as molestias de
pelle, erysipella, darthros ou empigens, beri-beri, .anthrazes oa carbuncal s, cancros
venreos, feridas cancro-as, ulceras, gonorrheas ebronicas, boubas, buboes, escrfu-
las e todas as doencas que dependem d impureza do sangue.
Este remedio superior a todos os outros do seu gonero, o que est provado
pela preferencia e acceitacao que lhe d o publico.
Um frasco 3#00 urna duzia 30$Q00.
Xarope d$ jaramacaru omposto
GRANDE PEITRAL
Tratamento c curativo de todas as molestias do peito e da garganta, defluxo,
tosses simples e convulsas, coqueluche, constipares, asthma, broncli te, catarrho
chronico e tisica pulmonar e do larynge.
E' o primeiro peitoral que se conhece at hoje na medicina.
Um frasco 3*500, urna duzia 241000
VINHO TNICO
Com lacto-phosphato de cal e ferro, coca, cascas de laranjas amargas e quina.
O melhor remedio que si tem formulado pela combinacSo destes heroicos
medicamentos. Empregado no tratamento das molestias do peito, do estomago, ane
uias, menstruales difficeis, debiiidade geral, cores paludas e todas as vezes que se
quer fortificar o organismo e dar desenvolvimento ao systema osseo e muscular
Convm s pessoas ou senhoras que criam para tornar o leite mais nutritivo e robus-
tecer as criancas. E te remedio superior a todos os tnicos estrangeiros que se
annunciam por abi.
Um frasco 3$000, urna duzia 30$000
40OO
4/000
12/000
2/000
10/000
3/000.
2*000
2*000
3*000
3/000
15/000
5/0f0
25*000
3/000
3*000
2*500
3/000
3/000
3*000
3/000
3*000
3/000
15*000
3/000
6/000
2*000
4*000
8/000
2*000
2*000
1*500
4*000
6/000
10/000
GAROSINA
O emprego da CAROBINA de ve dirigir-se a combater as seguintes molestias:
as diversas formas das doencas ebxonieas, os desengaados, soffrimentos do tero,
affeceSes cancerosas, beri-beri, escrfulas, tumores brancos, ulceras chronicas, effec-
c3es venreas rebeldes, paralysias, molestias do coracSo, da garganta, rheumatismo
chronico e gottoso, molestias de pelle, assiu como todas as enfermidades derivadas
da impureza do sangne.
Um frasco 3$000, urna duzia 30#000
INJECCA0 BETTENCOURT
AHTIHBLKHOBBHASICA
Gura radical em seis dias
Empregada com ptimo resultado nes corrimentos agudos ou chronicos da
urethra ou vagina, leucorha ou flores brancas. Este medicamento de urna gande
eficacia,
Um frasco 1$500, urna duzia 15$000.
., -A .'.'.i
TNICO FEBRFUGO E DESOBSTRUENTE
Empregado na debiiidade geral, doencas do estomago, convalescencas depois
do parto, febres palustres, molestias do ligado e bago, falta de appetite, anemia, chlo
rose, cores paludas ou falta de sangue e doencas nervosas.
E' um reconstituinte de energa, aromtico e agradavel ao paladar.
Um frasco 3$, urna duzia 30^000
nicos exportadores
COMPANfA DE PRODUCTOS MEDXCNAES
31--RUA DOS 0URIYES--31
RIO DE J M lltO
Vendas ero grosso e a retalho em Pernambuco
Francisco Manoel da Silva & C.
Lourecco, romance histrico por F.
lavora, 1 vol. ene.
0 Matulo, dito dito, pelo mesmo, 1
voL er.c.
Os Cavalbeiroa do Amor, romance em
4 vols. ene.
Echo de.-noma, pelo padre Gmlber-
me Das, 1 vol ene.
D ccionario Biograpbico, por F. A. P.
Costa, 1 grosso volme ene.
Voos loaros, versos por M. Barrete, 1
vol ene.
Flores Fluctoantes, versos, 1 vol. ene.
Vos e quedas, versos, 1 vol. ene.
Guimares, poema, 1 vol. ene.
Sons que passam, versos por Tb. Ri-
beiro, 1 vol. ene.
Alberto Pimentel. Cantares, versos, 1
vol. ene.
Julio de-Castilho -Livrara Classica.
Estudos Diographicos e luteranos,
3 vols. enes., finos
Castrioto Luzitano, historia entre o
Brazil e a Hollanda, 1 vol. ene.
- fina
Biblioiheca do Povo,|U vols. eocs.
Morte de D. Joao, romance, 1 vol.
ene.
Contos de Pedro Ivo, romanee, 1 vol.
ene.
O abandonado por Julio Verne, 1 voL
ene.
Processo Lerouge, romance hist-
rico, 1 vol. ene.
Gabriel Halagrida romance, 1 vot.
ene.
Neto do Acoitao, romance histrico,
1 vol. ene.
Viagem no dorso de urna naleia, I
vol. ene.
Cbiqninbo, Encyclopedia da Infancia,
por G. Bruno. 1 vol. ene.
Caricaturas em proza, por Lniz An-
drade, 1 vol. ene.
0 Pastor e a ovelha, obra rara e es-
gotada pelo finado bispo D. Joao, 1
v. ene.
0 birajara, lenda, 1 vcl. ene.
Arnaldo GamaUm motim ha cem an-
uos 1 vol. ene., obra rara
0 Dia de S. Nunca, romance, 1 vol.
ene.
, P. de KockJoSo, 2 vol. ene.
As mil e urna mulberes, 4 vols. enes.
0 rei >andla, romance. 1 vol. ene.
Contos a Ninoo, por Zola, 1 vol.
ene.
A caca de um baronato.t vol. ene.
Arr-aldo GamaO lho do Baldai, 1
vol. ene.
Os berdeiros de Caramur, romance
histrico, 2 vols. ene., finos
A igreja e o Estado, por GanganelU,
4 vols. ene.
Serpa PintoComo atravessei a fri-
ca, 2 vols. enes, Unos, com grava-
ras
Eca de Queiroz0 crime do padre
Amaro
Castello de Grasville, romance raro,
2 vol, ene.
Leonor, D'Amboise, 1 vol, ene.
As obras de Julio Vente, 42 vols,
enes.
Tres Poemas em proza, e verso por
Gomes Jnior, 1 vol, ene.
Typos de cara dura, 1 vol, broch.
As viagens de Guliver, obra critica
ejocoza (rara,) 1 vol, broch.
Vozes da historia pelo Padre Gui-
lherme Dias, 1 vol, broch.
Um mysterio de familia por F. Tava-
ra, 1 vol, brocb.
Um casamento no arrabalde, 1 vol.
brocb. (mesmo autor)
Guarrignes breve leitnra sobre sci-
encia, 1 vol, ene.
O matadouro, historia da Lavadei-
ra Gervazia o 1. vol s.
Ponson do Terrail A beraoca myste-
rioza o 2. vol so ene.
Repostas consisas e familiares por
Mr. Segar, 1 vol, ene.
Carta sobre a Companhia de Jezus.
1 vui. brocb.
Miscelania Religiosa por Pinto de Cam-
pos (obra rara) 1 v. broc.
Ao cidadao Anicete, versos do Cigano
ao Dr Cbinez (raro) 1 v. broc
Oraco fnebre do bispo D. Vital, 1 v.
broc.
Propaganda religiosa Christo e Papa em
prosa e verss 1 v. broc. (raro)
Oeseseis de Maio, puemeto, 1 v. broc.
(raro).
Factos da Historia de Pernambuco,
1 vol ene.
Bibliothi'ca do povo. 31 caderninbos
broc.
Um misterio de familia, por F. Tavora,
1 vol. broc.
Um casamento no |arrabalde, 1 vol.
broc., mesmrantor.
No escrptorio deste Dtarto se dir quem ven-
de todas estas obras, e faz-se grande abati-
mento a qnem comprar todas juntas
WllSIf
Boyal Blend marca VIADO
Este excellente Whisky Escoces pr
terivel ao cognac ou agurdente de cana
para fortificar o corno.
Vende-se a retalho nos melhore arma
zens de molhados.
Pede Rojal Blend marca Vlado
Znome e emblema s2o registrados pan
Os abaixo assignados, tendo feito gran-
de reduccSo de presos as fazendas
existentes em seu estabeleciment, convi-
dam o respeitavel publico e especialmente
a eus bous freguezes, a certificrem se da
verdade que aqui fica dita e a aproveita-
rem a occasiSo de supprir-se de roupas,
para muito tempo, e por pregos insignifi-
cantes.
Como sejam :
Voile de 12 e algodao a 240 n -o co-
3/000 vado, cachemiras de quadros, faaenda de
800 r8. por 320 rs. o covado, cephyros de
cores diversas a 320 rs. o corado, baptis-
tas republicanas (inteira novidade) a 200
rs. o corado, lSs de cores a 200 rs. o
covado, setinetas finas a 320 n. o covado,
merinos de cores (la pura) de urna lar-
gura a 280 rs. o covado.
Grande quantidade de chitas finas, com
pequeo toque de mofo, de 200 a 240 rs.
o covado.
Variado Bortimento de voiles de 13,
fazenda muita fina de gostos lindissimos.
Crep da China, dem, idem, cambraiaa
da China, com palmas soltas, completa
novidade, voiles com salpicoe, idem, idem.
Chitas, chamalots, o que ha de mais
exquisito em gosto, etaminea lisas e ren-
dadas, cachemiras lavradas, pretaa e de
cores, fustdcs brancos, cretones pretos e
de cores linos e com flores, baptistas de
cores, gostos delicados.
M. dapolao americano a 5000 a peca.
Metins, idem variado sortimento.
Espantoso sortimento de cretones psra
cobertas e chambres, eaguiSo de puro
linho, costumes de Jersey para meninos,
capas hespaoholas, pura seda a 3t$000
urna, cortes de vestidos de todas as qua
lidades, fichus de 13, linho e prateados,
o que pode haver de mais chic.
Grande sortimento de camisas de linho
e flanella para homem, idem, idem de
punhos, collarinhos e gravatas e muitas
ostras fazendas que seria enfadonho men-
cionar e que tudo vendem sem reserva de
precos.
Os barateiros! os barateiios!
A' RA 1. DE MARCO N. 1
12*008
2*000
3*000
1*000
30*000
3*000
1*000
3*000
2*500
2*000
2*000
3*G00
1*300
2*000
1*000
2*000
5*000
1*500
2*000
2*000
1*500
2*000
4*000
2*500
2*500
F0LHET11
POR
PAULO I AltKKllOVT
RIMEIRA PARTE
A andorinha
(ContinuacSo do n. 139)
XI
OBGULHO PATERNO
Quando passava por entre as mesas de
trabalho com o sen andar tranquillo, um
puco lento, com o seu busto mais flexivel
que um junco, a cabeca ligeiramente in-
clinada para trat, emanava-se de toda a
ua pessoa um cunho de distinccSo t3o
pronunciado que impressionava a todos.
Recebia o trabalho, tomava notas, pe-
sa va-o, distribua as fazendas e diriga
quaei esclusivamente as ofBcinas de aoon-
iicionamento.
Nlo se notava nunca um engao as
um contas.
Nunca te travava discosslo em sua pre
senca.
Bastavalhe erguer os grandes olhos
izu, de olhar altivo e tranquillo ; basta
va afparacer a sua joven physionomia se-
ra e grave, de apparencia mmmo um tan-
to fra, por que todo voltease orden,
pM.
Mauricio tinha terminado brilhantemen-
te os seus estudos em Luz o Grande ; e
antolhava-se entSo familia um terrivel
problema.
Que ia elle fazer?
Laura, como mulher pratica e ajuizada,
quena que elle fi asse sendo o empregado-
chefe da casa.
Elle tem gosto pelas mathematicas,
dizia ella ; isso lhe servir para a parte
tecbnica e para o resto ; parece-se com ti
go, Roselin, mais do que commigo. E'
amavel, esbelto, elegante, tornar-se-haum
viajante de pr meira ordem, ao passo que
tu tcars testa da casa, mas descancan
do, sem precisar mais sabir.
O Vallauris protestara como se o esti-
vessem esfolando vivo.
Um viajante, seu filho ...aquella bello
apaz, to distincto, tao instruido, e que
lhe costara tanto dinheiro com as su as li-
c5es de esgrima, de linguas estraogeiras,
e at de msica !..'.
Ora essa, nunca !...
Que deshonra havena nisso ? dizia
Laura admirada. J l se foi o tempo em
que os caixe'ros viajantes formavam com
os pretos mal interpretados urna clasie i
parte, de costumes extraordinarios, cabel
los compridos, roupas srdidas. O repre-
sentante commercial qnasi sempre hoje
o filho do dono da casa, quando no o
proprio dono. Os sena trujos s3o perlei
tos, a sua educaclo das mais esmeraoas, a
ua inBtruc9&o completa. A sua intelli-
gencia e as suas maneiras apuram se ai oda
mais com o constante contacto das pessoas
que elle trequeota e com a diversidade
das trras que percorre. Tratam-se hoje
de negocios to frequentemente i noste,
n'um sallo, entre ama cbavens de cha e
um tempo de valsa, como dorante o da
n'um escrptorio,
lato alo impede, dizia Roselin com
Bernanlino Campos k C.
B. Uii DKOIliA K
Roa Mrquez de O linda a. 13
Armazem de cerveja, vi-
nhos, champagne, licores,
cognac, agua mineral, con-
servas, etc., etc. nico
deposito da afamada, cer-
veja Phcenix de Dortmuud
e do chocolate Ph. Su-
chard d Neuchatel pre-
miado com a medalha de
Ouro na Exposicao Univer-
sal de Pariz em 1889.
Agencia da grande fa-
brica de charutos Danne-
mann & C.*, S. Flix (Bahia).
Arados de Cuba
N. 1 e 2
Vendem-se
Na Fandigao Geral
En^enho Santa Clara
Vende-se urna parte do engenbo Santa Clara,
situado no termo de Ipojuca : quem a quizer
comprar dirjase ao engenho Genipapo. qne
acbar com quem tratar.
Cera
Vende se Da ra do Cahog n. 2, segundo a
qualidade, de 14 a 14500 a libra, e sendo de
arroba para cima, faz-se na de 2* o descont de
30 0/0, e na de 1.* de 200/0. No mesmo esta
b-decimento tem machinas para costura e mesas
para as mesmas por 104 cadauma.
Recebedorea directos dos mer
esdos da Europa
Apreantam os seguintes artigos, sendo
alguna anda do auno passado, razio justa
para serem actualmente baratissimas.
Brins pardo e de cores a 240 rs. o covado
dem trancado, superior, a 26 J rs. o dito.
Cortes de fust&o para 'colete a 8 0 re.
dem de casen etas a 1(5000 e 1200.
dem de casimira ingleza de cores a 3)5 e
4o:o.
Algodlo cr, marchetado para toalhas, a
440 rs. o metro,
dem nacional, largo para lences, a 45 e
540..0 a pe$a.
MadapolSo superior, com 24 jardas a 5
e 6)jK)c0.
dem B5a-Vista, verdadeiro, a 5i>8C0.
Cortinados bordados de crochets a 120GOO.
Colchas dem a 7U00 e 8^00.
Orinaldas e veos para noivas a 8^003.
Esparthos modernosa 4frlO,
Percales claras e escuras a 243 o covado.
Merines de cores, urna largura, a 200 rs.
o covado.
Toalbas nacionaes a 2^500 a duzia.
Lencos em lindas caixinhas a 15800 e
2^800 a dita.
Meias mglezas e nacionaes a 25500 e
350CO a dita.
Camisas de meia, idem, superior, a 125000.
Corolas b< rdadas de bramante a 125000 e
165O00 a duzia.
Guardanapos com franjas a 15800 a dita.
Pannos de cures lindas para mesa a 15600
o covado.
Cobertas de ganga, dous pannos a 2<5500.
Cretones para as mesmas, a 15000 o me-
tro; o melhor.
dem mosaicos, dem, a 440 rs. o covado
Bramantes franceses a 15600 o dito.
Casemiras de cores, duas larguras, a
IfBtJO o dito,
Cheviot azul, cor inalteravel, a 25400,
35500 e 45000.
Merines para luto desde 500 rs. a 15800,
duas larguras.
Sargelins de cores a 200 rs o covado.
Mantlhas e fichs a 15, 35000 e 55000.
Toalhas de labyrintho, riquissimas, a 255 e
305000.
Vendas em grosso tem o descont de
14%.
59BA DVqiE DE CAXIAS59
Vendem -se
duas casas de ptdre e cal, na estrada real de
Goyanna, no Timb, antiga Barreiras, em trras
de N. S. do Rosario de Olinda, tendo orna, dua*
portas e outra urna porta e urna janella, bem
localisada para qualquer negocio ; a tratar em
Olinda com Guilberme ereira das Neves, no
Varadouro n. 11 e no Recife com Vieira & C,
ra da Florentina n. 34.________________^^
Vendem se duas casas
terreas
sitas na estrada do Matumbo, em Bebehbe,
ttndo cada urna duas janellas e urna porta de
frente, 2 salas e 4 qu>rtos internos, cosinba e
t qnarto fra, muro e porio na frente, tudo em
bom estado, com sitio contendo algumas arvo-
res fructferas ; as casas estao alugadas e ren
dem 304000 mensaes ; a tratar na roa do Com-
mercio n. 32. das 10 s 3 horas da tarde.
Patacoes velhos
Compra-se na reloioaria David, ra do Cabe
<4 n 14.
A Florida
Acsba de receber pelo ultimo vapor o
que de ma or novidade tem a populosa e
grnde cidade de Paris, os mais importan-
tes artefactos da ultima moda.
Papel bordado com muita fantasa, propri
paracartrs.
Cromos de seda e de oleographia.
Caixas d msica com manivella para 15,
25e350.
Caixas de msica, com corda, fechadas
com 1 a 3 arias para 7, 8, 9, 10 e
125, pr prias para presentes.
Ricos enxovaes para baptisado a 75, 85,
95, 105 e 125000.
dem muito finos para 165 a 205 um.
Timao8nhos com sombra com fitas e bicos
de c-mbraia transparente a 35 e 35500.
Um grande sortimento de porta-tranca
para 5(J0, 15 e 550O.
Orampns dourados e c m perolas a 200 e
500 rs. um.
dem de celuloide e dourados a 200 e
300 rs. um '
Estojo para desenho de talagarca a350OQ.
Bandeiras de 12 dos Estados-Unidos do
Brasil a 15503, 35000 e 45O0O, confor-
me o tamanho.
Grande sortimento de bolsas de pellica e
de chagrn p?ra 2, 3, 4 e 55000, para
senhora e meninas.
Carteiras cem estojo a 3, 4 e 55000 e
15500 e 20U).
Grande sortimento de bicos de -algodo e
de seda, brancos e de cores.
Livros de sortes a 300 rs.
Albuns de pellucia e de chagrn, gosto
moderno, imitando um leque.
dem para cromos, poesas e msicas.
Espadmhas para crianca.
Boleas de couro para cobranca.
Navalhas de Roger AmSo americanas el-
ctricas e de 2 laminas, e afiadores com
a massa propria para afilar.
RA DUQUE DE CAXIAS N. 103
Farelo
superior do Rio da Prata a 14800, dito do Rio
de Janeiro a 14750, pesando 42 a 44 kilos ; ven-
dem Franco & C no pateo da Penba n 8.
Vende-se
a taverna da ra da Palma n. 4, propria para
principiante e bem afreguezada, o motivo da
venda somente porque o dono tem outro neg
ci ; a tratar na roa da Coacordia n. 57, pa-
daria._
sanm
H0 MAIS_____
^r* 5LERY
Vende-se em toda a oar'*
Engenho

Gal nova de Lisboa
Ja chegou para Guimares 4 Valente, no Cor-
po Santo n. 6.
AMLEJ0S
Para frente de casas, banhairos
corredores, arongues, sendo de lindas
cosre, vendem-se por 6O&000 o milbei-
ro, por rer nm saldo, a Fraga da In-
dependencia n. 40.
Brasil.
BROWNS A C, agentes.
obstinaclo, que Mauricio seja um caizeiro
viajante, e eu nSo o quero.
Entao que va ser da casa ?...
E nos entao ? nSo somos velhos, tu
sabes, minha Laurinha...
Sim, mas viremos a sel o. E de-
pois ?...
Ah! nlo sei... veremos mais tar
de.
Mas elle repetio tanto e tSo bem diante
de Mauricio que um viajante de commer-
cio era ridiculo, impossivel.. que nSoera
propria tal sitoacSo para o lho de um dos
mais ricos industriaes de Pars, que o sao -
90 nao smente tomou a cousa em horror,
como tambem o commercio paterno, pelo
quitl alias at entSo pareca ter gosto.
Quero entrar em Saint Cyr, deca
ron elle um dia a Laura estupefacta.
Mas nlo ests preparado para isso,
exclamou ella, agarrando se a essa taboa
de salvayo
Perfeitamente preparado, ao contra-
rio.
Sem nol o dizer entao?
Papai sabia-o.
Seu filho um general I... Roselin nao
resistir idea de tal perspectiva.
Porque Mauricio n&o poda deixar de
ser general com o seu corpo elegante, a
sua intelligencia e a fortuna.
E emquanto Laura enz trgava longe, nos
sobresaltos dos horizontes vermelbbs, nos
desnimos sem nome das guerras e das
batulhas, o seu pobre Minoa adorado ca-
hir sob as balas, o corpo calcado pelas
cargas de oarallaria implacareis, Roselin,
n'um impeto de louco orgulho, de ine-
briamento e de ambiySo, murmurara bai-
xinho :
General Vallauris, ah meu Deus !
Como sa bem I
Ma Laura alo quera consentir
Nlo, asa filho alo seria nm anidado.
Vende-se
urna boa machina de numerar e diversos cofres,
sendo um muito grande, e que foi da antiga tbe-
souraria das loteras ; a tratar na ra Mrquez
de Olinda n, i, i* andar.
Terreno
Vende-se por barato prego um bom terreno
no lugar loutinga (estrada nova do Caxang)
confronte a e.-tagao do mesmo nome da via fer
rea do Caxang, tendo 150 palmos de frente e
500 de fundo a tratar com a sua proprietaria
em urna casa sita no mesmo terreno.
Vinho puro de Santarem
Da quinta do Barral
Os proprietaros do Armazem Central, rut
do Cabug n. 11, avisam aos seus distinctos fre
gnezes e ao resneitavel publico que receberan.
nova remessa oeste especial vinho, o qual st
recommenda por ser puro da uva, e s se reta
Iha em en armazem.
Joaquim CbristovSo & C.
Telephone 447
Ah a guerra !.... Essa hallucina9So
para as mSis !...
Valia realmente pena a ter trababalha-
do tanto, trabalhar tanto ainda !...
Mas, mamSi, dizia Mauricio, urna vez
que todos hoje slo obrigados a servir de
soldados, que mal ha nisso ?... Ao con-
trario, se fosse declarada alguma guerra,
eu teria urna vantagem sobre os outros,
seria cfficial.
Ella nSo comprehendia essas razSes, so-
bretodo nao as admittia ; n3o dara nunca
o seu consentimento, se Henriqueta nao
interviesse.
Poda ella, a adoravel rapariga, recusar
alguma cousa ao seu querido Minou ?...
Dar-se-hia caso entto que as Sonriquet-
tes nlo fossem feitas senlo para serem
boas e eapalharem a pas por toda parte ?
Ella encarregou se de o provar, e quan-
do, depois de ter Laura finalmente con-
sentido, Henriqueta annunciou a boa nova
a Mauricio, este apertou a como um louco
ao coraflo, disendo lhe :
Ah! a ti qne devo isto, irmasinha.
Nao o esquecerei nunca, fica sabendo.
Quando elle largou a, ella estava tSo
pallida, que Laura, sobresaltada, lhe disse :
Que tena tu ? Elle tao estouuado ;
ter te machucado ?
Ella fechou os admiraveis olhos por um
movimento que lhe era natural das occa-
O seu lindo rosto moreno, de grandes
olhos de velludo, ficava mil vezes mais
gracioso e meigo debaixo do capote de
pennacho cabido.
Era raro que da estacSo de Moatpar-
nasse fabrica entretanto muito prximo,
como dissemos, elle nSo encontrasse algu-
ma vendedora de flores, cujo taboleiro es
vasiava para a mSi e para a irmS.
Tomem, minhas queridas, nao me
es^ueci de voces.
E atirava os punhados de Adres ao eolio
de Laura, pregando depois elie proprio ao
peito da rapariga um pequeo ramilhete.
Esta, singularmente emocionada, mal
fallava nesses momentos.
Oir-se hia at que ella era qnasi indinhe-
rente quillo, com o rosto pallido, immo-
vel e os grandes olhos baixos.
Entretanto se Mauricio collocasse a mao
sobre o coracSt. da Souriqnette, ficariatal-
vez aterrado com a evidencia das suas pul-
saches ; se olhasse entre esse corceo e a
fazenda do corpinho encontrara o rami-
lhete do domingo anterior, faado, porm
cuidadosamente conservado com nma ado-
ra(2o ardente de que elle nem suspei-
tva
hffecti vamente, emquanto pauco a pouco,
anno por anno, e quasi dia por dia, o
affecto fraternal da rapariga se transfor-
mara em amor intenso, profundo e absolu-
Vende se urna parte ou a meia aefao de nm
engenho moente e corrente a agua, quatro
legoae da estacau de Palmares, com capacidade
para safrejar mais de 2,000 pues, pdenlo o
mesmo comprador arrendal-o ; a tratar na roa
Mrquez do Herval n. 144.
Superior vinho de Al-
cobac,a
O acreditado e autigo armazem do Lira par-
ticipa ao publico e aos seus fregueses que acaba
de receber nma nova remessa deste especial
vinho, escolbido propriamente pelo chefe desta
casa, tornando se recommendado por ser puro e
de boa qualidade.
Jos Fernandes Lima & C, ra Raro da Vic-
toria n. 9
Telepbone 323
Urgente
Vende-se um sitio arborisado e com boa casa
de morada, na estrada do Giqui ; trata se na
ra do Imperador n. 61, 1- andar.
Na ponta !
Miliio do Maranhao.
Arroz de casca.
Farello, saceos de 4z kilos.
Alfafa nova.
Aveia nova.
Vendem a presos sem competencia
Guini i'es k Valente
6 CORPO SANTO 6
Especial manteiga ingleza
flor '
Em barril, vende-se o que ha de melhor seste
genero, no
Armazem do Lima
9--Una Bario da Victoria-O
Telephone323
Massa para bolos
Pateo do Csrmo n. 2
Garante-se a qualidide por ser tratada a ca-
pricho, e por preco sem competencia ; veobam
ver para crer.
siSes de grandes emocSes, e responden em to naquella crianza pensativa, concentrada
voz trmula, to suave como as melodas'e reflectida, estatua de marmnre como
celestes. coraglo de diamante, nev cujo coracSo
Machucado ?.. NSo tenhaa receio escaldava, Mauricio, esse, nSo via cousa
Nlo nada... alga oa.
Agora, Mauricio, recebido na escola mi-1 A sua soberana bailesa encontravao in-
ltar com um bom numero, ia todos os do-
mingos fabrica, da estaclo de Montpsr-
nasse, que nlo ficava distante.
difieren te.
Aquella pallidea tSo delicada de rosa
branca, que nlo se colora senao i sua
O san fino tvpo provenpal sobresahia spproximacSo, nSo lhe dizia nada,
ainda mala com o elegante uniforme de I Elle adorar, entretanto, a sua Souri-
Saint-Crr. qoette.
Porm ella continuava a ser para elle a
irmS encantadora e tilo francamente adop-
tada, que havia dormido no seu braco e
tinha tao completamente substituido Rosi-
nha, a pobre pequea morta.
Um dia, Mauricio, que era inquestio-
navelmente o mais bello rapas da escola,
sendo ao mesmo tempo um dos mais tra-
bajadores, entrou na fabrica acompanhado.
Levava comsigo um dos seus cmara
das, seu intimo amigo, dizia elle, o jo-
ven conde Luiz d'Astarac.
Meu pai, disse Mauricio apfesentan-
do-o a Roselin, o meu amigo descendente
dos principes d'Armagrao e dos condes* de
Fos ; teria direito, se o quizesse, ao titulo
de duque de Cndales.
Um principe, um duque, um conde...
em sua casa... amigo intimo de seu fi-
lho !... '*
Com o choque, todas as ideas de Rose-
lin se baralharam, e elle escapou de perder
a cabeca.
No nosso modesto lar... tito humil-
de... o Sr. duque, disse lie, comecando
zumbaias infinitas.
Grande tolo! disse lhe Laura
noite, tu vales mil vezes mais do que essa
gente, tu que de nada chegaste a afcancar
grande fortuna! Emquanto que elles quem
sabe l como dirigem a vida ?
Nao se conaecia effectvamente cousa
alguma a respeito do novo amigo de Mau-
ricio, a nao ser o que delle contara o
mancebo, que se enthusiasmava por todo
quanto sabia impSr se-lhe, exactamente
como pai.
E Mauricio nastrava-se prodigo de elo-
gios e de oumprimentoe para com o joven
conde.
(CoBfiimar m km)
Typ ojo Otar*, Koa Daqae de Caxus a. M
'*

i.
]

f
'
r


\
si


?,


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EX0SWY9Y5_3BWU81 INGEST_TIME 2014-05-21T23:11:27Z PACKAGE AA00011611_17009
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES