Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:16941


This item is only available as the following downloads:


Full Text
I
h

h
-

/
i
*?-
1WN0 UV NUMERO
PARA A CAPITAL E Ll'CARES )\DE AO PAC A PORTE
Por tres mezes adiantado...............
Por seis ditos idem..........'.....
Por um auno idem.............-..>
Cada numero avulso, do mesmo dia..... $100
QCKTA-FERA 29 DE AGOSTO DE 1889
!______ i _____' "IgggBg^
PARA DENTRO E I ORA DA PROVINCIA
Por seis mezes adiantados.............. 13$5Cf
Por nove ditos idem................ 20i$00
Por um anno idem........... 260000
Cada numero avulso, de diz s anteriores '..... $100
DIARIO DE PERNAMBUCO
Trvpriedade de Manoel Sfyueiroa xk S^aria # Fityvs
AVISO :eda-
inento 3a capital "e resgate do papel-
Rogamos aos Srs. assig-
nantes deste Diario que se
acham em atrazo o obsequio
de inandarem abonar os seus
dbitos at o fim do corrente
raez, afim de nao soffrerem
interrupcao na remessa do
mesmo no principio de Se-
tembro.
Os Srs. Amde Prin-
ce & 0., de Pars, sao
os nossos agentes ex-
clusivos de annuncios
epublicacoes na Fran-
ca e Inglaterra.
TELEGRAMAS
mm rutan 23 s:aio
NATAL, 28 de Agosto, s 10 horas e 30
minutos da manlia.
sss:::c u uncu s?::
' LONDRES, 27 de Agosto.
A grve dos operarios das Docks esten-
de-se aos estabelecimentos similares da
mesma regiSe.
0
' ROMA, 27 d*Agosto.'
Corre o boato de que o Banco Tiberine
assim como o Banco do Descont de Ge-
nova, suspenderam os seus pagamentos.
LONDRES, 27 de Agosto, noite.
A grve augmentou em grandes propor-
coes.
Calcula-se hoje em cento e trinta mil o
numero dos grevistas.
PARS, 27 de Agosto, noite.
O general Boulanger acaba de publicar
urna carta-manife 3to, ua qual publica a
lista dos candidatos do seu partido pelo de-
partamento do Sena.
S. PETERSBURGO, 27 de Agosto,
noite.
SS. MM. o Czar e a Czarina acabam de
partir para Copenhague.
Agencia Havas, filial em Percambuco,
28 de Agosto de 1889.
o observador .vera, olhando para elle alterna-
tivamente com o olho. direito e com o esquerdo.
Gollocadas no estereoscopio, reuneffi-se sobre a
retina em urna imagem nica pelo efleito. das
duas lentes e do assim a sensago do relevo.
Pelo daguerreotvpo podem fcilmente produ-
zir-se duas imwteiis de. baixos-relevos*, e.statuas,
retratos que saflsfazem aquella condigno. Para
isso tomam-^e socAssivameate da mesma dis-
tancia e sob angulas iguaes. de alguns graos
dircita-*^ esquerda. com a cmara escura, duis
imagens duasjimagens do objecto que se escolheu
iraagens photographicas, assim obtidas sobre
metal ou papel', produzem no estereoscopio effei-
t03 maravilhosos, que abriram nova era s-ap-
plic.ages da photognpriia.
. O padre Moigno, admirado dos deliciosos effei-
tos do estereoscopio de M. BreWster, pedio-lhe
que*conasse a> construego .do instrumento x
um hbil ptico de'Pars, M." Julio Dubosq.
Tinha sado ahora da'fortuna. O estereos-
copio tornou-ae popular em Franca um anno
antes de n'elle repararera os inglezes. Desde a
exposicao universal de 1831, iem-se vendido
mais di 300-000 estereoscopios de Brewster.
(Contta&aJ
Os liberaes de Pao dos Ferros tentaram | ^ qs termos este telegramma fazem
contra a vida do jais de direito Joaquim, sUppor que anteriormente nos foi remetti-
do outro, referente ao fallado emprestimo,
Uavalcante Ferreira de Mello, o qual, na
noite de 25 do corrente, recebeu um tiro,
por motivos polticos.
0 seu estado grave.
O facto foi preparado no intuito de for-
jar a remoco do mesmo juiz.
(Sao prdromos dos succsos esperados)
no dia 31.
PA'O D'ALHO, 28 de Agosto, s 2ho-
ras e 52 minutos da tarde.
em que se nos dava noticia do mesmo em-
j prestimo.
Entretanto esse outro telegramma, se
real o que suppomos e trataremos de ave-
riguar, nao nos chegou s maos.
Nota da Redic^ao.
HJSTRDCtiO POPULAR
O governo, por intermedio do promo-
tor publico desta comarca e dos procura-
dores do candidato oficial, est exercendo
a maior pressao no eleitorado, e fazendo a
mais desbragada cabala.
Todos os iaeios sao po3tos em pratica;
ameaca-se fazer demittir o i empregados da
ferro-via do Limoeiro na estacao d'esta ci-
dade, que nao quizerem dr.r seus votos ao
Dr. Arminio, e aos demais ameaca-se com |
processos infamantes, para o que estao sen-
do revolvidos todos os carorios crimes, |
pedindo-se certides de processos ja ex-
tinctos.
A' cada momento poderemos ser victi-
mas de violencias, que estamos dispostos
resistir.
Peca providencias
(*) RIO DE JANEIRO, 28 de Agosto,
s 3 horas e 35 minutos da tarde.
O emprestimo que o governo vae con-
trahir ser applicado immigracao, sanea-
HJnlsterJo do Imperio
Foram agraciados com os ttulos :
De baro de Pereira Barros e coroael Jordo
Pereira de Barros.
De Jacarahy o coronel Licinio Lopes Cbaves.
De Pooso Fro o coronel Mariano Jos de Oli-
veira e Costa.
De Pedr.i Negra o tenente-coronel Mamad
Gomes Vieira.
De Jambeiro o commendador David-Lopes da
Silva Ramos.
Do Rio Novo o major Jos Augusto de Rezen
de.
De Santa Marina o chefe de diviso Luiz Ma-
ra Piquet.
Foi nomeado lente subsliluto da Faculdade de
Direito do Recife o bacharel Adelino Augusto
de Luna Freir Jnior.
Ministerio da lusica
Toi nomeado juiz substituto da comarca de
Vassouras, na provincia do Rio de Janeiro, o
bacharel Joaquim Gomes Ribeiro Leito.
Foram nomeados juizes municipaes :
Do termo de S. Joo u'EJ-Rei, na provincia de
Minas Geraes, o bacharel Bario de Rahype; do
termo de Uruguayana, na do Rio Grande do Sul,
o bacharel Mario "Augusto Brando de Amorim,
licando sem elicito a anterior nomeacao para
igual cargo no termo de Santo Antonio da pa-
trulha, na mesma provincia ; do de Santo Anto-
nio da Patruiha, ua mesma provincia, o bacha-
rel Raymundo da Rocha Sampaio.
Foi removido, a pedido, o bacharel Bellino
Hermillo Cavalcante Souto do lugar de juiz mu
oicpal e de orphos do termo de Sant'Anna do
Paran jibuna, na provincia de Matto Grosso, para
o do termo de Bananeiras, na Parahyba.
48 GUHDIS nVUCOES
iNTIGAS E MODERNAS
AS
Sciencias. industrias e artas
POR
XXV
O estereoscopio
(Coatinuaco)
Fara satisfazer a esta condigo, os dous prismas
devem ser rigorosamente iguaes e desviar igual-
mente os raios luminosos, Sir David Brewster
resolveu este problema, o que tal vez o verda-
dero quinho que Ihe pertence da gloria da
construcQo do estereoscopio. Substituto aos
prismas, as duas metades de urna e mesma lente
biconvexa, as quaes se talham duas novas len
tes symetricas, que se engastam na extremidade
de du= tubos.
O estereoscopio de Brewster consiste em urna
caixa, em um dos lodos da qual se deixou urna
abertura, fechada por urna lampa movivel.
interior desta est coberto de papel estanhado
e conslilue urna especie de reflector. Introdu-
zem-se os desenhos por urna corredica.
Os dous tubos encerram os prismalentes, que
podem ser baixados ou erguidos para se apro
priarem vista de qualquer. Os prismas lenti-
culares, alm de desviar e sobqppr as iaagens,
teem tambem a propriedade de as amplificar ; o
que constitue mais outra vantagem do_estercos
copio de Brewster sobre o de Weatstone.
As imageos estereoscpicas, sao duas vistas
do mesmo objecto, as quaes differem mu pouco
urna da outra. Representam ellas o objecto como
Ministerio da Agricultura
Foi exonerado Martinho Bodrigues de Souza
do cargo de contador da estrada de ierro de Ba-
luril, sendo nomeado para o referido cargo
Antonio Cyrillo Ferreira.
Ao ministerio dos negocios estrangeiros
dirigi bontem o aviso seguinte :
Illm. e Exm. Sr.A'ccrca da materia dos
seus avisos n. 56 c 31 de 19 de Julho, ambos
deslc anno, ao primeiro dos quaes acoir.panhou
copia da Nota de 25 daquelle mez com que a
Legacao Britannica manifestou desejo de obter
informages quanto aos premios pecuniarios
concedidos no Brasil por oulros motivos alm
de navios e assucar; tenho a honra de declarar
a V. Exc. que, salvo o premio promeltldo pelo
art. 9o do regulamento n, 10,100 de 1 de De-
zembro do 1888 as empresas que de cada cen
kilogramnfaS de caona produzirem doze dels-
sucar de todas as qualidades (premio ainda nao
concedido a nenhuma empreza e que nao o ser
antes que o poder legislativo decrete para tal
tim os raeios que se hzerera necessarios), de ne-
nhum outro cogita a legislarlo pela qual se re-
gem os diversos servigos da competencia do
ministerio a tneu cargo.
Aprovcito a occasio para renovar a V.
Exc. os protestos de minha alta estima e-mui
dislinctacoosideraco.l.ourenqo Cavakanie d
Albuquerqae.
fes serventes por dsignac&o do administrador,
emiterio as oras marcadas neste regulamen-
i guarda, pelo que ser -rcsponsavcl, a ferramen-
quaes em caso algum podero se empregar em
fya o do cemiterio
Capitulo II "
Das sepulturas '
,tacumbas sero construidasnos quatro lados do
3 ordens umu sobre a oora, podendo haver em
riinha parallela, outras duas faces, conforme o
adoptadas.
n'quanto no esttver preenchido o terrenp.dos qua-
tro lados* Ib poder construir a segunda ala de catacumbas, de
quetrata/Jrtigo antecedente.
Art. rreno para as sepulturas ser dividido em quar-
teire por um pilar numerado, collocando-se
"Art. 10. NaaSSlsef K^o cataeumba, so jo-
der depois }e -lois anuos JeKTBTOndo outro cadver, e sendo
este de creancade menos*ue oito annos, depois de dezoito mezes,
sendo que as sepulturas communs decorrero mais seis mezes
alm do tempo.cima designado.
Art.. 11. DetomdOB-Os prasos de que faz mencSo o artigo an-
tecedente e mais trezkezes. os.restos mortaes. que noforem re-
clamados, ser^oextrahidos com todo o cuidado e acalamento do
lugar era.que estivereffl, e depositados em um lugar commum ou
duposito.iiarcado por urna commisso d cmara.
As itaandides ou confrarias que tiverem" catacumbas tam-
bem ped|ro lerseus depsitos deossos.
. Art.l. Sobre as sepulturas temporarias nao ser permittido
levantar-monumento, mas to smente collocar sobre ellas pedras
tumularel, ou qualquer objecto fnebre, que sirva para distin-
gu' a3- A
Art 13. 0 transporte de cadveres, desde, o porto at a ca-
pella. ou lugar que provisoriamente a esta suWproa, e desta
sepultura, poder ser feito a mSo pelos prenles e amigos do fal-
lecido oa peles rthos da irmandade ou confraria a que per-
tncer.
Art. 14. tinctamente no ermiterio, prescindido-a seu respeito das formali-
dades do rifo catholico.
. Art. 13. 0 prego de urna catncamba i'a cmara municipal ser
de 155000 e^rminado o praso mardo no artigo 10 deste regu-
lamento CBBCT o deposito de cada urna 10*000 que o prego
lixado pelo art. 13 da citada lei n. 962
O prccftde urna sepultura reservada ser de 3, e de urna
commum z4f00-
5 1.* Sicam sentas das laxas do artigo antecedente as cata-
cumbas do particulares e de irmandades.
12 fifi ultimo dos tres mezes de que trata o art. lio adminis-
trador do cemiterio communicar, por escripto, a pessoa que se
interessar pilos restos mortaes existentes na catacumba da cma-
ra, para queessa pessoa faga a competente remogo ou opte pelo
pagamento7lo deposito do artigo antecedente.
Art. 16< As despezas com pedreiros- e materiaes correro por
cont de encarregado do enterro.
Art. 1. Terao sepulturas grates as catacumbas da C-
mara : -
g'1." Qrreligioso3 mendicantes, 03 sacerdotes e homens ce-
lebres pele suas virtudes cvicas e religwwas, cujo estado de po-
breza, nao permiltir pagar o prego das raesmas.
2." Jas sepulturas communs os pobres, cuja pobreza deve-
r ser atteauda pelo delegado, subdelegado, juiz de paz ou paro-
dio KKDecro que ser obrigado a encommeudal-os e dar-lhes a
guia inaepaideule de beneses.
Capitulo III
Djsposlges econmicas e policiaes
' Art. iS, Ao publico ser franca a entrada no Cemiterio das 6
horas da raanha ao meio ia. e das duas as seis e meia horas da
Ministerio da Mar!una
O 2" tenente Luiz Manoel Gongaives foi pro-
movido a Io tenente por antiguidade.,
Foi nomeado Honorio Bernardo do Nasci-
, ment para exercer interinamente, o lugar Me
; secretorio da inspecgo do arseual de marinha
do Para.
I
Governo da Provincia
LEI N. 2055
Manoel Alves de Araujo. do conselho de S. M. o Imperador,
bacharel formado em sciencias gociaes c jurdicas pela Faculdade
de S. Paulo, commendador-da Imperial Ordem da Rosa e presi-
dente da provincia de l'ernambuco.
Faco saber a todos os seus habitantes que a Assembla Le-
gislativa Provincial, sob proposta da cmara municipal deGoyan-
na, decrctou e eu mandei publicar a resolugo seguinte :
Art. nico. Fica approvado o regulamento da cmara muni-
cipal de Govauna, organisado em 2 de Maio de 1889.
Resulamcnto do cemiterio puhlfrode Cojannn
TITULO I
DOS CEM1TER10S EM GEBAU
Art. 1." No municipio de Govanna prohibido o enterramen-
to de qualquer cadver fra dos cemiterios, salvo no caso previsto
pelo art. 5-da lei provincial n. '><># 1* de Julho de 1^/U.
Arl. 2. Os enterramentos :ej|k> feitos em catacumbas, sepul-
turas communs ou reservadas.
Art. 3. A inspecgo dos cemiterios pertence exclusivamente a
cmara municipal.
TITULO II
B0 CEMITBEIU DA CIDADK DE GOYAXXA
Capitulo I
Dos empregados .
Art 4. O cemiterio da cidade de Govanna lera um adminis-
trador, nomeado pela Cmara municipal, vencendo ordenado, e
dous serventes vencendo diaria.
nico. O ordenado do administrador e a diana dos ser-
ventes seraoionsisiu: os ro orgamcuto municipal de cada anno-
Art- 5. compete ;:o administrador:
| [/- A nomeligo e demisso des serventes e mais empre-
gados-
H'A direce e bom rgimen interne do cemiterio.
g :!.- Conservar em ba guarda n archivo do mesmo c iazer
toda'a escripturacSo necessaria.
4" Remefter todos os mezes mappas das pessoas sepulta
das, com declarago dos que o Torea gratuitamente, e no tlm e
cada trimestre municipal um mappa geral no mesmo sentido.
" Passar certides que Ihe forem ordenadas pela cmara
municipal ou a requerimento das parles, percebendo dcstas o que
marcar o regimeoto de rustas para os escrives".
6." Organisar as folhas semanaes dos empregados e tazer-
Ihes o pagamento de seus vencimeatos e de outras despezas com
o custeio do estabelecimeno. devendo receber as quantias para,
isso necessarias, do procurador da cmara por ordem da mesma
7." Sujeitando seu acto approvaco da cmara, poder
suspender, por justo motivo, at dez dias, qualquer empregad.
g 8. Propor cmara as medidas necessarias para abadi-
recgo do cemiterio e para o que for omisso no presente regu-
lan cnto.
9. Permanecer no cemiterio da 9 s 12 horas da manh e
das 3 s 6 1/2 da tarde.
10. Inspeccionar as obras que hruverem de se fazer, para
que sejara sempre fcitas de accordo com os planos e desenhjs ap-
provados pela cania*, (candoresponsavel por qualquer usurpa -
g5o de terreno que se der.
% 11. Langar no verso das cuias da cmara municipal, que
vierem acompanhatido ;os cadveres, o numero da sepultura em
que dever cada um ser sepultado.
% 12. Nao permittir o ingresso de cadver algum sem que
Ihe sejam apresentadas as licengas da cmara municipal e do pa-
rocho da freguezia, ou smente da cmara municipal, sendo os
cadveres de acatholicos, ou em casos excepciouaes, ordem es-
cripta da autoriaade policial ou criminle em todo caso, a ola do
registro civil.
13. Indicar o lugar em que deVcm ser sepultados os cadve-
res recebidos.
i 14. Langar no livro dos inventarios a relago de todos os
movis, utensilios e mais objectos pertencentes ao cemiterio, re-
metiendo copia autlienlica da mesla cmara.
Art. 6." Aos serventes compete:
1." Cumpriras ordens do administrador, tendentes ao ser-
vico do cemiterio.
S 2." Conservar o cemiterio com tedo oasscio possivel.
I." Entregar ao administrairor no fim de cada dia as guias-
de todos os cadveres sepultados
4." Abrir sepulturas nos lugaresque Ihe indicar o adm
trador, e nellas inhumar cadveres, ou recolhel-os s catacumbas
que sero abertas c fechadas por pedreiros pagos polos encarre-
dos do enterro.
i Alm do servico das sepultures, tudo quanto for ordr- -
nado pelo administrador, de conformidade com este regula-
mento.
| 6." as horas em que nao estiverem oceupados em dai
pultura a cadveres, se empregaro ao traballio da limpesa do
terreno e plantago de arvores, arbustos e llores, nos luga
pelo administrador indicados, e no cuidado de conservago das
existentes.
r*
prc'.libido tazer-se-ao me3mo lugar ae rect
Art. 19. As peseoaa^iiie. dootm do Ofunitero no se portsrem
cora o'respeito devido 3 cinzas dos mortos e nao atlenderem as
rellexes feitas pelo administrador, a bem da ordem estabelecida
no presente regulamento sero expulsos pelos serventes e mais
empregados, e se se mostrarein contumases. sero levados a pre-
senga da autoridade policial.
Art. 20. Nos domingos e dias santificados e no de finados
nao haver neuhum irabalho no Cemiterio, lraodas inhutnages,
salvo o caso de exlmmagt por ordem da autoridade criminal, que
poder ter lugar em qualquer dia.
Art. 21. Nenhuma inscripgo ser fcita sobre qualquer cruz
ou pedra tumular sem approvago do administrador, o qual ru-
bricar a copia que Ihe fr apreseutada, podendo a parte nlerpor
recurso da deciso do mesmo para a Cmara.
Art. 22. Nao ser permittido que dentro do Cemiterio se faga
deposito de nenhura objecto que nao seja de seu proprio uso.
Arl. 23. Fica expressamente prohibid* a entrada de carros
dentro Jo Cemiterio.
Capitulo IV
Das exhuraages
Art. 24. Nenhuma exhumago extraordinaria ou temporaria .
sa far sem ordem, por escripto da autoridade competente. Quan-
do o administrador entender que d'ahi resultar prejuizo sade
publica, far suas- rellexoes a supracitada autoridade, sem perda
de tempo, mas"executur "logo o que ulteriormente for delibe-
rado. ,. ,. j
. Art. 25. As cxhumagGes sero pralicadas em das tixaaos
olas autoridades respectivas e sempre que for possivel, antes das
horas da manh. t)s serventes terao o maior cuidado em nao
decobrir os cadveres visinhos, e ao acto da exhumago nao as-
sistiro outras pessoas alm das designadas pela autoridade que a
heuver ordenado, o fiscal e o capello, se houvcr.
Art 26. As exliumaces ordinarias (art. 10) sero praticadas
por autoridade do administrador, ou cuidado das familias cora
autorisaco do raesnjo administrador, sendo que no segundo caso,
correro por conta dos ioteressados as despezas de serventes e
meios de desrafeccao que'forem prescriplos e sero pagas ao co-
fre da Cmara Municipal. .
Art. 27. As exlrumaces de ossos sero feitas na contormiua-
de do arl. antecedente. O procurador da Capara de accordo com
a nota fornecida pelo administrador, dar urna guia para cada ex
humagao e receberi 3J000 por cada urna.
Art. 28. TermiDada qualquer exhumago judicial os restos
mortaes, delles nao precisando a utoridade que a mandou fazer,
sero de novo sepultados no lugar era quese achavam, proceden-
do se como na pnmeiVa exhumago. .
Art. 29. Para qualquer exhumago judicial ou particular de-
ver haver casa apropriada.
i Capitulo V
Dos carros e caixes mortuarios
Art "0 Ser livre a qualquer individuo ou corporago esta-
bolecer-carros fnebres para uso privado ou para alugal-os, sujei-
tando-se as coudigOes segqintes :
i I obter priraeiramente hcenga da Cmara, com declara-
do do numero de classe dos carros e da ra em que forem esta-
nelccidos. .
s 2. Parar a taxa de 5 sobre, os procos de aluguel que
forera estabelecidos de -acconlo cora a Cmara por cada vez que
scrvtrera ditos carros.
| 3.' Ter carro e caixo para transportar ao cemiterio os
pobres e gratuitamente 0s desvalidos.
Art. 31. Os carros que forera designados para o^transporle
dos pobres ao' cerail^'o, bem como os da candade, nao pagaro
a Cmara. ,, ,
Art. 32 O procurador da Cmara destnbuir com iguakiade
e por escala a todos que tenliam cairos fnebres, as obrigagoes
que teem era favor dos desvalidos.
Art. 33. Os que uao cumprirem por sua vez dentro de 5
horas, depois do intimada a ordem do procurador_da- amara o
disposto no artigo antecedente, pagaro a multa de 105000,- sendo
eonduzido o cadver custa do infractor.
Capitulo Vi
Disposiges diversas
Art. 34. Pertcncendo Cmara Municipal a inspecgo e admi-
nistrado do cemiterio, dever esta velar era sua conservago,
promover o seu melhoraiiiento, fornecer ao estabelecimeno odos
os objectos necessarios para nhuungo, planto de arvores, llores
e asseio do mesmo. ,-
Art. 35. Organisar annualmente o orgamento da receita e
despeza do cemiterio para ser submettido a approvaglo da Assem-
bte Provincial, a quera tambem annualraerile dar conta.
Art. 36. Para que seja admitlida a nhumagao de qualquer
cadver, dever a pessoa que di-so tratar pagar bocea do colre
municipal a quntia estabelecida, havendp (lo procurador urna
:uia exlialiiJa de un livro de talocom as deca rages do art. 43,
para ser apr-sentada ao adrainiiirjdor, a'im d'elle dar as provi-
dencia lias. -
Art. 37. Naa sepulturas commun- s sero co.lo-
cados uns unidos aos outros, mas nunca
culturas sao destinadas especial"imte paraos casos
rata o art. 17 2 e 3.
Art.^. J}o fim de cada mez o procurador dar Cmara
conta da receita e despeza. "
Art. 39. As irmandades, confrarias e ordens religiosas, que
pelos seus comproraissos liverem.obrigago de dar sepultura a
seus irrnos e confrades, e as mulheres e lilhos destes, podero
obter da Cmara Municipal conxesso para edificar catacumbas
no cemiterio, bavendo ajuste sobre a quantidade do terreno e do
valor, que nunca ser menos de 25O00, oceupando cada urna 13
palmos de comprimenlo c 6 ditos de largura, A mesma concesso
ser feita a particulares, custando 30 pela forma declarada, do
que se lavrar termo com as declaragOcs mencionadas.
Art. 40. Ficam isentas da taxa estabelecida no art. antece-
dente as irmandades da.SauU Casa de Misericordia, a de Nossa
Senhora do Amparo, de Nosaa Sen hora do Rosario dos hornees
prelot, de Nossa Senhora da Concego, a de S. Benedicto, a das
almas e a do Divilo-Uspjrito Santo, pr ja teeem edificado suas
eatacumJjas e mrado o rest%do terreno que Ihes foi concedido
paja termiuagio gj> cjjiuiterio.
f
wmm i
41. ^ieorpragOes de quirtra*B os rtfgos antecedentes
ii :am sujeitos a pasar Dor cada um cadver qrjfe inhumarem em
suas catacumbas, 300O.
vores e o!
(lo
o annos da data do contracto dcvero ser
vos estudos definitivos e os respectivos
Ifcjdjs e ter comego de execugo as obras, cadu-
.o. se dent-o desse praso nao forem ditas ODras
0 pa? de-Jbrga-maior, devidaracnle provado.
an revo'gadas as disposiges era contrario.
9." Dentro"
aprese;;
orgaraentos \
cando u aa
comegadifl
I ir;)uuunj uc *<^-pwwy --------
I. ,-vo" a todas as autridades a quera o coaheci-
mento o da presente resolugo pertencer que a cum-
pram e facam cumsrir lo inteiramente como nella se contera.
O secreiario di Piesidencia da Provincia a faga raptinur, pu-
blicar e correr. .oon
Palacio da Presidencia de Peraambuco, 8 de Agosto de 1889,
68" da Independencia e do Imperio.
L s. M- Alves de Araujo.
Sellada e publicada a presente Resolugo nesta Secretaria da
Presiu' nbuco, aos 8 de Agosto de 1889.
0 secretario,
Francisco L. laralio de Souzu.
-*'
:
Art. 42- Pode qualquer pessoa por meio de compra adquerii*
terreno para sepulturas a perpetuidade, nao excedeudo o espago
de duas sepulturas communs ou de urna somente. O terreno
ser vendido pela forma estabelecida no art. 39 ; sobre ess ter-
reno podero erigir se mausulo3 ou qualquer monumento, con-
forme os planos adoptados pela Cmara.
Art. 43. Para assentamento dos bitos haver um livro,
aberto, numerado e rubricado pelo presidente da Cmara, o qual
ser escripturado someute pelo administrador. Os assentameots
dos bitos deverao conter a declarago do nooie, naturalidade,
idade, estado, cor, hora do falleciraento, residencia, tempo em que
falleceu e molestia que deu causa a morle, assim como o numero
da catacumba ou sepultura em que jazer. 0 administrador dever
assignarse no fim de cada pagina, a qual dever ter margm em
que se possara langar pelo mesmo modo as observages que
occorrerem sobre as exhumages.
Arl. 44- Na abertura de sepulturas, construego de catacum-
bas, carneiros, jazigos, monumentos e quaesquer outros objectos
permittidos para distinguir as mesraas sepulturas, nao licito al-
terar a planta, plano e discripgo do cemiterio j approvados,.
Ainda depois de concluida a obra sedQjor renor tudo era estaco
primitivo custa do infractor. ****--
Art. 45. E' prohibido aos empregados do cemiterio despojar
os Caixes de seus ornamentes e os defunctos de suas vestimen-
tas ou de qualquer outro objecto com que-estiverem ornados. O
administrador tomar conhecimento do abuso, procedendo contra
quem o praticar na forma do art. 5" S 7.
Art. 46. A's corporages que obliverem terreno no cemiterio
para catacumbas, ser no termo do contracto que se lavrar per-
ante a cmara, marcado um prazo iraprorogavel para concluso
d ellas, sob pena de perderem o direito ao terreno de que estive-
rem de posse, sem catacumbas.
Art. 47. Os cadveres de membros de irmandades e confra-
rias, que tiverem catacumbas no cemiterio, nos termos do art 39,
nao serSo inhumados'nestas, sem queeslejam completamente aca-
badas e proraptas, sem que sejam priraeiramente apresentados ao
administrador do cemiterio documentos devidamente sellados,
que provem a qualidade de irypo ou confrade, ou de pessoa a
este conjuncta, cora direito catacumba.
Art. 48. A Cmara Municipal provr por suas posturas a
fiel observancia deste regulamento comminando aos seos infracto-
res as penas para que a autonsa a lei. do seu regiment.
Art. 49. O administrador e mais empregados nao podero
perceber sob qualquer pretexto ou motivo, outros emolumentos,
olTerlas ou gratilicages pelo desempenho de seus deveres, alm
dos que ficam marcados neste regulamento.
Art. o). A pretexto de infraego dos artigos deste regula-
mento, o administrador nao podera recusar sepultura no cemite-
rio a qualquer cadver que alli chegue ; e, quando apparega al-
guma duvida, far depositar o cadavar na capel:a ou lugar que
suas vezes faga, dando parte s autoridades respectivas de todas
as irregularidades que houver de notar, afim de se providenciar
mmednlaraen'e.
*pt ki Kifiquantn nao fr nnssivcl estbclecer nnremiteric
um capelliii. permittido a qualquer sacerdote celebrar uentro
d'elle os sullYagios pelos defunctos.
Art. 52. Todas as disposiges deste regulamento sero appli
cavis aos demais cemiterios que o Cmara venha a edificar na
cidade, ou em qualquer das freguezias do municipio.
Ar.t. 33- Ficam revogadas as disposiges em contrario.
Mando, portanto, a todas as autoridades, a quem o conheci-
mento e execugo da presente resolugo pertencer, que a cum-
pram e fagam cumprir to inteiramente como nella se conten.
O secretario da Presidencia desta Provincia a faca imprimir,
publicar e correr.
Palacio da Presidencia de Pernambuco, em 8 de Agosto de
1889, 68." da Independencia e do Imperio.
L. S. M. Alves de Araujo.
Sellada e publicada a presente resolugo nesta Secretaria da
Presidencia de Pernambuco, aos 8 de Agosto de 1889.
O secretario,
Francisco L. Marinho de Souza.
LEI K. 2,056
Manoel Alves de Araujo, do conselho de Sua Magestade o Im-
perador, Bacharel formado em sciencias sociacs e jurdicas pela
Faculdade de S. Paulo, coramendader da Imperial Ordem da
Rosa e Presidente da Provincia de Pernambuco :
Fago saber a todos os seus habitantes que a Assembla Le-
gislaba Provincial decrelou e eu sanecionei a resolugo se-
guinte :
Art. 1. Fica concedido ao engenheiro >e\vton Cesar Burla-
maqui ou a quem .nelhores vantagens offerecer privilegio por 60
annos para a construego, uso e goso de urna estrada de ferro de
bitola estreita, que partindo da Serra Dous Irmaos, na extrema
desta provincia com a do Piauhy, va terminar na villa de Petroh-
na, ponto marginal do rio S. Francisco.
1." A zona privilegiada ter 10 leguas para cada lado do
eixo da linha, sem que seja isso, em tempo algum, empecilho a
que a qualquer outra estrada de ferro, parallela ou nao de que
cogita a presente concesso, possa a provincia fazer concesso de
zona privilegiada. No caso de futuras concesses, se a zona pri-
vilegiada da estrada a que referese a actual lei fr invadida pela
de qualquer outra estrada de ferro concedida mais tarde pela pro-
vincia, ser o espago de trra que entre as duas estradas mediar
dividido ao meio, 'Meando urna metade delle como zona privile-
giada de cada urna das referidas estradas.
2. Era igualdade de condiges o concessionario ter pre-
ferencia para construego, uso e goso de futuros ramaes conver-
gentes. .
3. Ficam isentos de direiios e impostes provinciat>e mu-
nicipaes os edilieios, as machinas e materiaes necessarios para a
construego e explorago da linha principa! e dos ramaes que fo-
rem construidos.
% 4. O concessionario ser obrigado a construir linha te-
legrapbica para uso publico e particular da referida estrada e ra-
maes, osando de ieual isengo de direitos e impostes.
5. Fica concedida a garanta de juros de 6 0.0 sobre o ca-
pital que fr empregado eectivamente as obras, calculado o
prego mximo do kilmetro, em 25:0005000 e pelo praso da du-
rago do privilegio, (indo o qual reverter para a provincia a es-
trada com todas as suas obras, inachinismos, materiaes e luiras
telegraphicas, e bem assim cada um dos raimes que tenham sido
construidos, logo que tenham sido explorados por iguaUempo.
| 6o A aarantia de juros s se tornar ellectiva no caso de ,
ser levada a efieito a concesso da estrada de ferro de Amarante
na provincia do Piauhv Serra Douj Irmaos, qual se prende a
presente concesso, puniendo o concessionario o direito referi-
da garantia se obliver do Governo Geral, subvengo kilomtrica,
quantia de juros ou qualquer outro favor equivalente.
7. A provincia lera o direito de embarcar gratuitamente a
sua torga Dubca, autoridades e respectivas cargas.
8." O concessionario poder transferir a empreza ou com-
panhia, que organisar o presente privilegio com todos os seusfa-
-

r

r^
-:
**;'


2
Diario de Peniambuco-:-Q"inta-feira 29 de Ag-osto de 1*S9
Da

""
Ca-
? .
DESPACHOS DA MMIMIUIA~1>0:
DE AGOSTO DE 1889
Abaixo assignados, moradores no extra-
cto engenho hoje Colonia Suassuna.Con-
cedo o praeo de cinco mezea para qae
possara os auppUcantes colher as planta-
cSes feitas.
Abaixo assignadas, costuraras do Ar-
senal de Guerra.Informe o Sr. inspector
da Thesouraria da Faaanda.
Antonio Baptiata dea*e3antos. Baferio
eom otficio de baje ao eommanaate das
armas interino.
Antonio Maria da Silva.Sim, verifi-
cado que pela reaonstraceao haja um s-
pavimento.
Ernesto & Leopoldo.Informe
mar Munic pal do Reei'e.
Jos Joaquim de Azevedo.Encami-
nhe-se ao Ministerio da Guerra.
Joanna Maria Nunes.Indeferido, em
rista do calculo da dcima urbana.
Joa Joaquina de Souza, Manoel Jos
Bapts'.a, Jos Joaquim Correa e Manoel
Pereira da Silva.Informe o Dr. juiz de
direito do 2. districto criminal da comar-
do Recif,
Joaquim da Cunha Cavalcantp.Iafor
me o Sr. inspector do Thesouro Provin-
cial.
Jos Joaquim Alves & C.Sim, com
as restricgSes do estylo.
Mata, e Silva A C. As compras a que
se referem os supplicantes sao para obras
extraordinarias, ordenados por ornamento
especial para o que -foi concedido crdito
extraordinario, e n'este caso a administra
eao do Arsenal adqujre os objectos onde
mais vantagens encontr. O contrato
que tem os supplicantes basea-se as dl-
rersas verbas consignadas na tabella de
distribuyao organisada para esta provin-
cia e asaim ao procede a reclamagao dos
supplicantes.
Minervina Maria de Lima.Seja ad-
mittida a menor Maria, logo que haja
Taga.Indeferido quanto 3 outra por fal-
ta de idadc.
Sebastiao Alves de Souza.Informe a
Cmara Municipal da Victoria.
Secretaria da Presidencia de Pernam-
fenco, 24 de Agesto de 1889.
O porteiro,
Francelino Chacn.
m ao
. coa-
m

-
Reparilco da Polica
2.loccao.N. 1U55 Secretaria de Po-
beia de Pcrnambuco, 28 de Agosto de 1889.
Illm. e Exm. Sr.Participo a V. Exc.
^ae loraoi hontem recolhidos Casa de
Detenga, os seguintes individuos :
A' minha ordem, Laiza Francisca de
Jess, alienada, at que possa ser transfe
rida para o Asylo da Taraarineira.
A' ordem "do subdelegado do Recife,
Candido Rosa, por offensas moral pu-
Wica.
A' ordem do do 2." districto do S. Jos.
Angeiica de Jess, por embriaguez.
A' ordem do do 1. districto da Boa-
Yista. Joo Manoel, por disturbios ; Ali-
es Pereira da Silva e Candida Rita da
Conceicao, por offensas moral publica.
A' ordem do do 2. districto do Poco da
Panella, Leocadia Januario da Silva, atie-
sado, minha disposicao, at que possa
ter o conveniente destino.
Assumiram hontem o exercicio das
wbdelegacias dos 1. e 2. districtos do
Poco da Panella, os cidadaos Manoel Lo-
pes Vieira e Eugenio Quedes de Araujo.
rp.iif. e-naifl a V Exc.Tllt" f.tm
Sr. Conselheiro Manoel Alves de Araujo,
amito digno presidente da provincia.-O
ebefe de policia Geroncio Dios de Arruda
Falco.
O poder exe ana
cong lindo 0.000
struego de estreias sacio
Forara publicados na crt estes tetegram
mas:
Buenos Agres, 20 de Agosto.
Nares abundan es cabtram sobre a cordilheira
dos Andes, inte.-rorapendo as coramunicages
cora o Chile.
A Cmara dos Daputados approvou a construc-
go de um monumentopara corame.uorar a pri-
aafa mntei)H A.'osto.
O Sr. Alberto >in foi nomoado representante
la Repblica dolJruguay.moCooftreaBO dt Was-
UWoa.
. Ii is pedera de inmigrantes esta grassead
a eeidemia da varila.
mnos-Afres, 21 du Afecto.
Hhvg aaui ara grande banquete promando
pelos estedaates. como prova de sua adliesee
aarica do pnnMcnte *rr*i mstica.
O Dr. Davila, ex director da Prensa, foi alvo
de significativa manifestago de aprego por par-
te de numerosos amigos, por occasio do seu
embarque para a Europa.
O senado approvou os projectos de abertura
de novas pragas e avenidas oeste capital e o da
construego do manumento de San Martin.
0 poder exeeutivo condemnoo a sor interna-
do era um presidio o soj lado Rodrguez, que ha-
via sido absolvido cin conselho de guerra que o
julgoa par ter matado um soldado brazil-iro em
Petatea.
0 Banco Xaeiooal suspenden o fornecimento
do ouro para cambiaes.
O ministro da fazeoda, Varella, pedio demis-
sao.
INTERIOR
Thesouro Provincial
DESPACHOS DO DA 27 D! AGOSTO DE 1889
Officios das Obras Publicas, Antonio
3oria,o do Reg Barros, Anna Cesar de
Almeida Pereira, Elisa Amelia i'arneiro
da Cunh, conipanhia Recite Drainage,
alferes Severiano Jos da Silva, Paulina
Sererina de Almeida, Manoel Ferreira
Bartholo. A' contadoria.
I (enrique Lasserre. Certifiquc-se.
Ordem 3a de S. Francisco. A' Rece-
bedoria.
Companhia de Seguros Phcniz Pcrnam
bacana. Entregue-se.
Officio da contadoria. A' secgao do
contencioso-
Keceb-doria Provincia!!
DESPACHOS DO OA 28 I>E AGOSTO DE 1889
Antonio do Carino Ferreira, Agapito
Alves Falca) Taqua, Jos Martina
Bi-
beiro, Jovina da Coate Valle, Amalia do
Reg Medeiros o Jos B. Ferre'ra. In-
Jbrme al* seccSo.
Joao B. da Costa Honorato. A' Ia
aeccTio para attender.
Insinicco Publica
K8PACB08 DU DA 27 D AGOSTO DE 1889
Hera das eceia Garfia Chaves.
Cumpra-se e registre-se.
Mara da Conceicao Azevedo. Cum-
jra-se e registre-se.
Manoel Antonio Lcite. Justifico.
Manoel Delphino do Medeiros Favilla.
Justifico.
Amelia Rosa de Brazil. Justifico.
28
Claudina Ma i i Conccigao. C'um-
pa-se e registre
_ EXTERIOR
noticias noticia do sul do Imperio
paquete Arlindo, liontem c,lio'gudo do *ul. foi
portador das seguintes:
BUnna-eicrae*
Dalas al 17 de Agosto !
Est extincta a epidemia que ltimamente
grasou em Cataguases.
Falleci-ratn : em Juiz de Fra, o commen-
dador Auto io Lopes de Vasconcellos ; era Pouso
Alto, o teoente francisco Jos Draiz ; e era Trez
Cqracoes do Rio-Verde, Antonio Biltencourt Ama-
ran ti'.
N. Pauto
Datas at 21 du- Agocl i :
A's 3 lloras e 5 minutos do tarde de 19
desabou sobre a capilal urna tempestado com
iuf;io de sudoeste, ;trovoada forte, relmpagos e
copiosa cliuva, que altuigio a seis inillimeiros.
-- A varila contina em sua marcia devas-
tadora na cidade do Rio Claro. O ultimo cele
tiui dava l existencias no hospital, i entradas
7 casos em diversa* casas.
A populacao comer a abondonar a cidade.
ten do ja fechado umitas casas comraerciaes.
O Commerao do Rio Claro suspendeu a sua pu-
blicagao.
Em Yt, a epidemia tem decrescido dos
50 atacados apenas 10 morreram.
A Cmara Municipal de Mogy-Mirim tratou
de Iluminara cidade pela luz elctrica.
Foi publicado oeCorte este telegrama :
S. Paio, d de Aosto.
Foi hoje preso aqu o BCOOgDeiro Violi, que
era 188 assassinou o porluguez los afeodes, no
bairro do Lava-Pes.
A caixa de soccorros Maria Pia eiegeu hontem
a sua directora eliaitiva, sendo presdeme o
Sr. Albino Soares, um dos propietarios do Diario
de Noticias.
A joven violinista Giulieta Dioaeei deu dous
concerios cora regular concurrencia, tendo co-
lindo frenticos applauso,s. Preparara se gran-
des manifestagoes por occasiao de sen bene-
ficio.
Nao tem fundamento a noticia de pretender o
general Couto Magalhaes deixar a 'presidencia
d'esta provincia
O general pedio ao Dr. .tnionio Francisco,
viee-presidente. que prestasse juramento porque,
tendo peiorado por crasa da mudanca do lempo,
receiava ser forjado a passar a adminisirafo.
Ja est, perm, quasi resiabelecido. O vice-
presidenle prestou juramento.
Est n'esta capital o Sr. Paulino Nogueira. be-
nemrito presidente da Cmara Municipal de
Ccmpieag.
0 eeoeral Couto Magalhaes publicou hoje, no
Jornal da Tarde, urna carta explicando alguns
aclos ca sua a-lininistrai,;i i
Na revolta dos colonos, nu fazemin <-ui>ra->,
tnan Ctmeta coii a (orea que foi de Oampinas,
Iteaodo feridos alguna colonos e pracas. Poi
preso o ch'-fe da revolta.
Relirou-se d'esta capital o Sr. Carlos Croce,
cnsul italiano, por ier sido transferido paaa Co-
lorado, Estados-Unidos.
Bio :!<' lanoiro
Datas at 2 de Agosto :
L 'in js uo Jornal do
data :
Coni a assisteocia de granile numero te-
nhoras c cavalhi-iros, inauguraram tioiitem os
Srs. Carvalho Lima d; Castanlieira, ra da
Asseaibla, a sua Fabrica de Tecelcgan Ftuw
aue.
Disne a fabrica de u:n motor a gaz da larca
ie douscavallos, dos fabricantes Boss, Lmibart
A ('.., de- Magdeburg. que impulsiona dous gran
i! loes para militares, litas de todas as quididades,
etc., duas machinas de tranga de ouro, cuas di-
tas epicot. para enfeitcs de vestidos, qualro di-
tas de cnrdOes diversos, duas ditas de cordes
quadrados, de ouro, para militares, duas ditas
de soulache, trez ditas de 10 pegas cala urna
para guipare e enfeitcs para sennora, u:na dila
nara asselinar borlas, una dila para p machos
militares; alera d'estas existen], movidas
nao : urna machina para asselinar bcOes, que
produz 800 por hora, urna dila para corJes mi-
litares, de toJas as RttMSoras. urna dita de ponto
ile Millo para asselinar botes, e gregal para
vestidos de sennora, urna dila para llandas de
officieea militares, nma dita para bandas de la,
duas rodas ceetallieas para toda a qaalidade de
cordiei redondos e lorrdas de todas as gros
raras, duas ditas para dobr-ar pegas de cordao,
duas redas para loicer franjas para or.iamen-
lago de ni i i -. ama para loda-a qua-
lidade de pacnoaaMeria, e bem assim urna gran-
de quanticiade de utensilios propros a esta in-
dustria
co, por que nao se tratava do crime pre-
visto do art. 2G4 f 4 Co. Penal, e
nem bou ve flagrante delict
Hiuve hontem a 12.a corrida no Hppo-
dromo da Boa-Vista, e nada deixou a de
scjir.
Concurrencia, ordem, brilhautismo e boa
disposigao dos pareos, foi o pro/jramraa da
corrida de Jnont-?in; a arehibaaoada nao
comportou cPgainda-4n enlnres e
eavallerros (pief'comparejen, o a nnportaa-
ci.i da renda de p>tde e^as apostas ohe-
Lguram a ama cifra Como nanea se vio !
A vieinh cidade de Pesqueira prestou
am forte oontingente d: ataadones a ani-
maes, retribukvdo d^-este anudo a tiaaka
dee-sao-bentietes^ia restaawljlo-do Piado
Pesqueirense no mez de Julho do correte
anno.
Oxal que continu o lago amistoso en-
tre o Prado Pesqueirense e o Ifyppodromo
da Bella Vista !
No primeiro pareo, composto de Ale-
gra, (Jato e Fallado, venceu este ultimo
animal, de 6 annos de idade- e p^itenconte
a JoSo Jos Ferreira.
No segundo, no qual se msereveram
Floresta, Falguedo, Sem-duvida e Barba-
cena, venceu este ultimo, cora 8 anuos de
idade e pertencente a Manoel de Paftla.
No terceiro pareo, foi vencedor Campi-
neiro, castanho, com 2 annos de idade e
pertencente a Claudino de Almeida, fi
cando distanciados CochilllALe Lobis-ho-
raem.
No quarto, daJ^yfr'ro vencido po **,^lo rodado,
de 5 nnos,-denominado. Vapor e de pro-
priedade de Joaquim de Hollanda Cava!
ennte.
No quinto pareo foi vencedor Perde e
gaiiha, russo, d: t annos \t propriedade de
Claudino de Almeida, ficando vencidos
Barbaceua que ja havia dbputado e ganho
o segundo parto e Progrejso.
No sexto pareo foram inscriptos Duvi-
doso, Queimado, Painpeiro e Fallado, sen-
do vencedor este ultimo, como .o foi no
primeiro pareo.
No stimo foi vencedor o animil Gato,
com 5 annos, castanho e da coudelaria
Pesqueirense, sendo seui competidores
Falle-baixo, Voneza, Barco c Horizonte.
No oitavo pareo, a tinal, disputando a
carrera Progreso e Perde c-gai.ha, anda
fo vencedor este ultimo.
Os entendidos d'cssa cidide nos affir-
raam que os cavallos do nosso turf quasi
que rivalisam com os cavallos de meio
sangue, principalmente os de nome Vapor,
Fallado, Barbacana, Folguedo, Boulan-
ger, .Gato e outros.
Cessaram as chuvas; e rfaquellas fa-
zendas onde o invern foi escasso, os res-
pectivos propietarios j vio refrigerando
os gados as mattas !
Os vveres sao encontrados as teiras
com abundancia, e o nosso mercado, con-
tina a ser o cejlciro das comarcas do ser-
an.
O feijao da nova safra, esti sendo ven-
dido a 2520J os dez litros e a farlnha de
840a 3JO res, c igual prego vai costan-
do o milho, e cada rapadura essenta res.
Fidoa presente com urna sceu-i de
sangue que se deu hontem, no lugar Sal-
gado, na distancia de 12 kilos desta villa,
a qual deixou na desgraga tres familias !
Manoel Flix da Silva, horaem laborio-
so e excellentc pai de familia, regressara,
hontem para aquello lugar eur oompnhta
de su3 visinhos Antonio Bezcrra e Fran-
cisco Pura-Mundo. Em caminho resingam
Bezerra com Manoel Flix, 03 quaes nao
foram a vias do facto pela intervengo do
Fura-Mundo, e todos tres voltavam da
feira; e por consequencia toucados.
Depois de haver ceiado, Mmoel Flix
Ilude a familia, dizendo que ia a casa
Commereto d'cssa Q sua velha inai, levar-liie a feira, e apos-
sando-sc do um bacamarte, desses que tem
a bocea de sino, dirige-se para a casa de
Antonio Bezerra, o qual se achava deitado
no copiar da casa co.n Fura Mundo, ese/
mais aquella interpella a Bezerra para re-
petir as palavras injuriosas dirigidas por
este em caminho.
ou Chicago o europeu se admira de ver como es-
nc 1-
0 viajante lera no seu quarto um quadro com
varios botes que corresponden! a outros tantos
timbres elctricos ; si toca ao primeiro, appa-
ura lacaio dizendo que a carruagem a es-
pera ; si aperta o segundo, apresenta-seum em-
.rado de telegraphos e correos pedindo anas
as ; si fere o terceiro, acode ura bombeiro
a prestar auxilio ; e por ultimo, si carece do
auxilio do algura policeman, tambera pode por
aKwtloeimbr: chamal-o.
Pira SHpprimir o servigo domesco na 9la
de jantar, se pratica um svstema curioso 1: com-
pletamente n ivo. Adiante do sssento que oflen-
pa-cada convidado, ha uraa fnesa qu<) apoia-se
sobre carns parallelos ; na altura diWBfio exis-
tjum quadro com riiimidoTrs electrtcos, ao
lado de oada um se leem as palavras sopa,
rosbik, bfssseak, carnciro goteado, etc. ele.
i'asta apenar o boto. que indique o ralo
que se deseja, para correr a mesa e em p.juco
voltar com-o que se pedio.
Nos bazares quaudo se compra algum objeclo,
aodar-se o dinbeiro ao caixeiro, este o envolve
n'uma hola col loca-a n'uraa caixinha, e aper-
tando ura bolo, parte o. despacho ao caixa, que
oxpede -recibo e o niRmte. se e que o ha : e
tudo por ura plano inclinado voUa ao poni que
ocupa o eiicarr.gado. -
De como se viaja entre yankes do urna idea
os seguintes casos. Um orador afamado leve do
dar n'uma semana as sguintes conferencias :
segunda-feira, New-York ; terca-feira, ionngs-
tonn (Ohioi, e quarta-feira, Itidianapolis (India-
to 6, a conferencia da segunda feira seria
s lies da tarde, de sorle que. tomando o trem
1 depois della, chegou a Yonngstonn no da
seguinte ao meio dia ; ah fez a conferencia s
8 da non : a s 10 toniava o trem de novo, che-
lo no seguinte da s 11, eaeffeduando a
reacia como se houvesse dormido traDqail-
laracnte no seu leito.
Mr. M.-dculf, director d'uma das mais impor
tantes rertstas de New-York, pretenden publicar
um arUgo a respeito da iwigiao do? mormons
sobre noticias colhidas de alguns de seus sacer
dotes mais reputados.
Nao se suppouha qoe elle o escrevea por infor-
mages, nao ; lonr>u o trem s pressas, e de-
pois de 5 dias de viagem, tinha o redigide por ?i
mesmo e as condig.-s de suas vistas. Ala-
para nao prejudicar 0 seus interesses de joma-
iista. Mefcalf trabalhava no trem e conTeccionava
os nmeros de sua revista com o raaior desen-
volvimento ; em cada estago deposilava as tiras
3u- ia e^crevendo. e tinh 1 distribuido de tal m j
o o seu servigo telographico, que em determi-
nados pontos do itinerario, encontrava sernpre
despachos dando-llie coala do que no mundo
inleiro occorria.
Si o irabalho tudo consogue, tamben o lempo
o dinbeiro.
... *
N 1 dia 17 cncerrou-se 110 Banco Internacional
do Brazil. a inscripgo de 30,00> aeces do va
lor nominal de 2O0 cada una, para" augmento
de capital do mesmo estaoolecimento bancario.
A subscripgo de aegoes. nesla corte, attingio
a mais e cinco rezos a sorama pedida, pois al
cangou a '110000 aeges na praga de Santos,
fallando aiuda noticias das subscripges realiza-
da em S. Paulo e Campias.
Esle brilhanie soccemo linanceiroi devido ao
Banco Internacional do Brazil, que foi encarre-
gado do langamento da operago, e onde se pro-
ceder ao rateio das operagOes subscriptas.
As safras dos tres principaes producios do
Amazonas no periodo de Julho a Juuho prximo
passado realizaram os ntgartslbos iun expomos
abaixo comparados com os dos oito annos pre-
cedentes.
Borracha
Julho a Junho
iide de 8 "/ na importancia de i7:803|067,
netade d'esta quantia.
0 balango geral das operages da empresa
durante iodo o anno, comparado aode 1887, deu
o resultado seguinte:
1888
Receita........ 1.59:160i3o
Despeza....... 828:773!':;
1
1887
329:59050o
912:0:0718
REVISTA DIARIA
Saldo
720:882*310 417:5oW787
Com a liseali'ago, o era. virtuJe da garanlia
de juros, tem despendido o Estado com a estrada
ie Ierro S. Paulo e Kio de Janeiro a quantia de
t.389:U28M2'i-
Annos
18 0 a 1881
1881 a
1882 a
188:1 a
188% a
188o a
188i> a
1887 a
1883 a
1882
1883
188
1885
1886
1887
1888
1889
Annos
1880 a 1881
1881 a l-8
a 188.1
u iskv
a 1885
a 188
a 1887
a 1888
a 1889
Cacao
Julho a Jutiho
Kilos
8.575.736
9.634.3*8
9 898.50ti
11.311.718
ii.8Bi.aia
12 272 777
13.37.368
13 454.341
12.958.33
1882
1883
188i
1885
1888
1887
1888

Annos
1880 a 1881
1881 a
a
a
a
a
a
a
I
1882
1813
1881
1885
188
887
1888
1882
1883
881
1885
18811
1887
1888
1889
Caslanlia
Julho a Junho

Kilos
3 829.1529
4.429.875
t.233 903
3.326.180
1 238 831
3.450 818
4 384778
5-690-926
3 338 219
A obstinaco
(.Ycw, di corte)
Apertam os ollios para n5o ver o que evi-
dente, e cerrara os ouvidos para uo ouvir oque
j clamoroso!
c.omn se a vida social potesse ser subordina-
da a ura plano preconcebido, como se fbsse
possivel fazer remontar sua origera corrente-
zas impetuosas, o governo prosegur com obsti-
naco 110 seu arriscado proposito de irapr si-
lencio s opinics adversas.
O grande numero de proscriptos nao sacia a
voracidade dusle minotauro, cada dia m lis exi
gente. Nem a leaMaae, m:n a pericia e a boa
reputagao provada e adquirida em longo lempo
de cerneo publico, girantem o funecionario
contra o despeito da opinio contrariada. Nem
a victoria abranda os sacrific-adores. porfiando
era lodo o Imperio 110 designio nico de ven c-
as eleigOes.
Tu lo est previamente combinado e assenta-
do; nao ha oulro-reeurso a revolta ou a re-
signag.'io!
A ameaga contina a funecionar como mMo
official de compresso ; se acobarda, tambem
irrita.
Seria preferivel excluir os reaccionarlos re-
mnaerados do exercicio do direito de interven-
gao pelo voto nos negocios paluiccis. a expol-os
urna posigo lio precaria e huriilhiiite.
B'preciso uo esqnecer que as iraposic'S
fcilas i:onsc:eiuia rell;cte.n irisleniente sobre
a vieloria e a repreaentagao nacional.
Se por ura lado, a proscripgao dos nossos ami-
gos nos tere, poroutro a ccragem com que de-
fendem a opinio qae professao, eleva aossa
alma; ellcs resisten], mas nao se resignara. O
resollado linal de seriislbante conqnisla ser o
mais fundo e irreme li.iv-l arrepea lia -nto.
Esta poltica deeoiapresso ten duas. conli-
ges l'ataes a cii;:uuidade e a progresso do
es largo.
E' Da escola do sof/rimento que se aprende a
combater. As vielimas sai aararsarfs terri-
veis e vigilantes. Nodeixam escapar a oppor-
tunidode do ataque, descoluvm con sagacfdadc
os pontos fracos e levados ao desespero, nao
escoihem armas. O solTrimento apura a inteli-
gencia, fortalece a vontaiic e ensina a esperar.
Nao se pode supnnniir imponemente um di-
reito garantido pela le, que por sua importan
ca politi a, tai resguardado al aa sedocco
de um (iireito to precioso qae o legislador imi-
tando a obra divina, defendea pelo escrutinio
secreto para que, como a oeosciencia, li i;-
impenetravel aoolbar prescratador da tyrannia.
A alma humana, cumpre nao esquecr. qnan
do comprimida encontra em sea seio torgas no-
bres e irrcsistivcis, para allirraar a sua inde
pendencia.
Neste scalo nos temos assistido s maiores e
gloriosas rehabilitacfies dos povos opprmidos.
Vimos cahir, ura por um. todos os oppressores.
quamlo pareciam invenciveis, cercados de hay 1-
netas e amparados em poderosas attlancas.
Toda a sabeJori 1 do governo constitucional
representativo consiste em conheccr a opinio
real danago e fazei-a imperar.
EleigOes livres governo Corlee insliluicOes
seguras ; cleices toreadas governo fraco e
revoluco ioevitavel.
--?5*fiiUS|'^^^"
Reforma urgente

Herts.
89.29
102209
80.432
141.949
8*-518
oti 346
9*<601
151.803
08.952.5
CORRESPONDERAS
VILLA I JE S. BEXTO, 19 de Agosto
de 1889.
Casos de forga raaior me obrigaram a
interromper a re:nessa do mal alinhavadas
linhas, para o Diaria de Fernambuco, nar-
rando os factoa succedidos n'este munici-
pio, e toma tantos e t.ao dignos de espe-
cial menguo, que, a nao ser a catastas
mesmos, os reprodaziria na presente 1
sima
Cessados, porm, os casos de forca
Boaior, c i a mandar para as co-
las do decano da imprensa
. noticias do que se or dnndo neste ahen-
e
O modo com que foi feita esta interpel
lagio, deu lagar a que, de novo, Fura
Mundo intercedesse por sou amigo Anto-
nio Bezerra, e ao mesmo tempo, desper-
tando a mulherdeste, e quando esta vinha
assomando o copiar da casa,. Manoel F-
lix (Tispara o ternvel bacamarte, e to ccr-
teirameute, que a bala atraressou o corpo
de Fura-Mundo, esbana/dhou o bragv da
mulher de Antonio Bezerra, e, inda, al-
cangando a este, o maou instantneamen-
te, e logo em cu seguida alleceu Fufa
Mundo!
Ao passo que o assissiao eradio-se, a
falta de um mensageiro que incontin
viesse communcar facto tio horroroso a
policia, sendo esta sfeeaora, hoje, as H
horas do dia, procede'i-se a corpa de de-
licto, e diligenciase a captura de to cruel
assassino, o qual de urna s amentad*!
inetteu um triplece assaasinato, e deixou
na orphandade- dez innocentes criangas,
cuja sorte, vista da nimia pobreza dos
inte es victimas, ser a mais penosa que
dar-ce p->de!
At outra vez.
IMSTRIAS E ARTES

Fi\A\(JAS E (10HMERC0
Em Velatorio sobre a commisso que Ihe foi
conliada para o estabelecimento de urna estago
enologica na provincia de SfjPaulo, opinou o Sr.
Joseph Waliz que primeramente devia insti-
tuir-se una escola de mestres tmhateiros, que po-
leria depois ser convertida em escola cientfica
de viticultura, em que fossem admillidos candi-
datos com preparo anterior mais elevado.
EVOrao aprsenla agora a planta e o orea
ment daescoluafcentiiica. quando ainda nao
loi esUbalecioaa que Ihe devia preceder de
t^ros, recoramendbu o ministerio
ao niesmo^pffior que di as razes determinan-
tes 'lalnvdrso do seu plano primitivo.
l.-te parece ainda ao governo ser o mus ra
cioaal conveniente.
*
O fente Cicil d conla da invenco de novo
systema de para-raio pelo engenheiro G. Wdir.
dizendo tratar-Be de apparelho to ingelo quo
engenhoso, qae se adapta indifTerentemente a
linhas telegraphicas e ndephonicas ou a circui-
t>s de illuminacito.
OlTereca- o apparelho a vaotagem de poder ser
collocado no exterior dos edilicios, prolegendo
niui eficazmente contra o raio assim as pessoas
como os apparelhos lelegraphicos. tclcplionicos
e de illumiiiaco que se acharem (enlro dos edi-
ficios protegidos.
de raelhor sorte
e Hit da
Pacifico
Prata
Pelo vapor nacional Arlindo iiveraos as se-
juiates:
Paeilet
Foi publicado na corte este telegramma :
Valparaizo, 20 de Agosto.
Em Callao deve reauar-se urna reunio popu-
lar aui de pedir ao presidente do Per para nao
abandonar a presidencia da repblica.
Rio da PraU
Datas at 11 de Agoslo :
A Cmara dos Diputados ao congresso ar.
ano derogou o artigo da ledenominada Cam-
aace; 1 qual em todas as novas
.me i ibelecia-se a clau-
sula de reverso para o estado passados 60 ali-
aos.
Ao ministerio dos negocios estrangeiros foi
concedido, pela dit;. raor-
dinario de 800,000 pesos para as despezas
a demarca;io dos limites com o Chile.
. digno
empero que os muito dignos reine
proprietarios do Diario se dignara..) de,
1 sempre, acceitar as noticias mais no-
tareis e competiyeic de urna missiva.
'las deste n.ea foi posto em li'oer-
dad.; Ignacio de Pai va e Mello, conhecido
por Dacio, preso pelo delegado do termo
de (Janhntinho ; porque, 1 ecebendo varias
pegas de roupu, em Pesqueira, para en
galas n'esta villa, a seu dono Pedro Pu-
lex, se achava na poese das mesmas, alle-
gando quetendo dado a ara portador
para deixal-as, aqu, esse portador, porj
causa de ter \elle Dacio se demorado, em'
caminho, de Pesqueira para esta villa, o
mesmo portador segua com as roupas de
Pulex para Canhotinho.
O Dr. juiz municipal, em vista do pa-
recer do Dr. promotor, dado no inquerito, J^,
nundou por em [bordada ao mesmo Da- ilqoerafamade atde
lividade dos americanos bem pode qaa
lillcar-se de ver;
O irabalho a le e norma daquella raca a/lmi
rav-1 : poucos, mu i poneos vivera excluUva-
de suas rencas, l'obres e ricos, loaos
ham : e. cita unios mi
ito da morle. ilhos, que
cara o mesmo leiio. eslas palavras :
esejo-vosa minha forlu-.a se me pro
. loda seleinnidade que ha\ tra
habladores, c os hlhos assim o prometiera,
pura uo correrem o risco de ser i idos.
:anos, o MissonrL por
er.emplo, o trabalii ; [Udi-
viduo que, por pn .u'.i ou por ser vi
ila a aigum Ira
do praso ajustado, pa-
. s rateados entre os
cal anda voMa seuaan-
gOS OS ron;. 1 .,-0
liiplicam liie urna roda de
irle que,
io raro
i arvorc pelas mos de
ra melada e de algumas piedosas a
interrneos julgam lato muito n
pois 'I;. a| proced unisam
de policia zao nao o
ser brbaro, errto que. n
mitivas um crime a folganga : aa 1
' As communicaces letegraphicas submarinas
#in lido dcsi'nvolvimento espantoso nestes ulti-
-d annos.
Nd fundo dos mares lia boje verdadeira rede
que liga entre si todas as regies do globo, re
presentando colossal fortuna.
A Europa est ligada America do Norte por
dez cabos e America do Su! c s Indias por
quatro cabos.
A Inglaterra, o paiz aa"\possue raaior nu-
mero de cabos telegrapMc II .a-so a diversos
pases europeos por 21 cabos, Ttyssuindo-os tam-
bera entre to las suas posSfsses, e entre eslas
u diversos pases, V
i Franca est ligada Argelia por cabos
iUbmarinos. bem como i Cor raba.
A Hussia tera-n'os para a Dinamarca. Suecia e
onstanlitiopla.
A l'alia luase. Turquia e Safdcnha.
A Austria lera ura cabo que vai de Triestre
.jrf e Zante.
Todas as Anlillias esto ligadas cn'.K si por
tal meio
A Unifio, nao ha muito constituida entre di
versos paizi S para prolecoo da propriedade as
ollocada no fundo dos mares. gu-
rar a este enorme irantias q
importancia realmente reclamava.
**#
Desde o eomego do Irafego'da ferro-via s.
Paulo e Rio de Janeiro foi no segundo semestre
io prximo passado que a sua renda li-
e excedeu dos 7 /, garantidos
^obre o capilal de 10,665:00030)0.
-ma do contracto, leudo a masraa renda
[NacSo, la corte)
A lodo excesso segu se a reaego, a todo
abus.o a reforma. A intolerancia da poltica-
gera no modo de distribuir os empregos pbli-
cos, de demillir e aineagar os funecionarios. tem
irriado tanto a coas .iencia. que nao se podara
dilatar, por mais lempo, a reforma gaianthtera
do voto,exposto tyrannia dos partidos.
Se por um lado capta-Be o acto das classes
agrcolas e com:r.e"ciaes. pela larga rcparlico
dos recursos liaanceiros do Estad:, proveoin
tes de impostos e emprestiraos que pesara sobre
a inassa geral dos contribuimos, por outro com-
prime se com a destitnigfto arbitraria e a amea-
ga os era pregados pblicos, suspeito de nao
adherire:n poltica do dia.
Com este conjuucto de favores e vexanies, a
politicagem conta extorquir do paiz a annun
ciada victoria do dia 31.
Fundado sobre interesses, esperanzas e ara-
bigOes individaaes, o sujeesso to caro ser a
fraqueza da situago e o tormento dos suppos-
tos vencedores.
O systema de usar de empregos pblicos
como prego de servigos eleitoraes, tem produzi-
do os mais funestos resultados.
Nos Estados Unidos da America do Norte, foi
condemnado pela le de 16 de Janeiro de 1883.
M Dorraan li. Eaton, indignado pela crescente
e corruptora influencia da politicagem, autora
dos escndalos clamorosos da administraco de
New-York, proraoveu era 1877 a patritica cru-
zada pela reforma do servigo civil. Atreves
dos sarcasmos e desdens des politiqueiros, a
reforma adiantou-se mais do que se devia es-
perar.
ProposgOes forara apresenladas, no principio
do anno de 1881, ao senado e cmara federal,
estabelecendo regras lixas para as nomeages
dos empregados pblicos, tornando a escolha
dependente do merilo e nao da cor poltica do
candidato.
O lira principal da reforma era restituir aos
funecionarios a liberdade de suas opinics. que-
brando amis poderosa arma de violencia ecor-
rupgio de que lanto abusava a politica dominan
te, para se perpetuar no poder.
Foi preciso vencer o mais terrivel dos obsta-
culosa opposigo surda d'aqulles que, de
posee do arbitrio, se consideravarn esbulhados
pela inaugnragao de um rgimen garanlidor do
mrito.
Para o feliz xito ila nobre cruzada, concor-
reu o receio dd partido governamental de ser
batido as eleigOes presidenciaes. e de se ver
despojado pela derrota de toda a influencia na
administraco.
Sempre o interesse preponderando sobre a
jostiga !'
O presidente Garlield -o martyr-espirito ele-
vado e largo, pronunciou-; nos seguintes c
leaes termos, em favor da reforma :
O actual systema degrada a administraco,
com detrimento de sua pureza e hora andamen-
to, priva a das alias e viris quaiidudes de que
tanto 6 misler ; corrompe o espirito publico.
apresentndo-Ihe os empregos do Estado como
a recompensa oerecida ao ze!o partidario. N'.o
ha para um estadista dever mais elevado e im-
perioso do qae a reforma administrativa.
Depois destas honestas palavras, a reforma foi
consagrada le da grande repblica.
Uma commisso foi oreada, largamente remu-
llera,la c incumb la de orgatiisr.r o;; concursos,
apreciar o mrito dos candidatos, c posta em
communicaco directa com o govrno obligado
a iaformai-a de todas as nomeages e demis-
soes.
Entra as disposiges desta le moralisadora,
notara-se as seguintes :
0 ramo da admini- 1 ]ue existam
j dous ou mais membros de una fumilia, li.-a
vedado outra pessoa desea famili
E' prohibido ios membros do coagresso.
recommenilar candidatos a eiipreiros pblicos e
animadores de tomar em co"siderago lees
oaieililacO
Nao obstante os benficos resultados que a lei
tem Desdando, os reformistas proseguem no
empenho de aperfeigoal-a. sustentados pela ad-
hesao dos mais conspicuos cidadaos.
^presidente Cleveland deveu a suaelcigo
s sympatuias reformislas.
Mobrc rarinhaEm data de hontem a
presidencia da provincia dirigi ao Sr. iuspecter
da Alfandega a seguinte portara :
Referindo-ge a Gazeta da Tarde de hoje a
embarqae3 de farinha para o norie sera que prc-
cedesse pedido de qualquer dos Srs. presidentes
de provincia, e que podendo alm dessas, partir
deste porto as que lenham de seguir por raeie
de ba deagao, desde que possa essa inspectora
reconhecer a sua procedencia, sirva-se V. Exc.
informar se fra dos referidos casos aulhorfsoc
o embarque de farinha para qualquer outre
porto.AssignadoJl. Alces de Araujo.
CatMtidaiowXo pleito de 31 do correte,
m flalos pelos diversos districtos desle
provincia :
1" distrklo
Conselheiro Manoel do Ndscimento Machada
Porletla (C)
Dr. Joaquim Aurelio Nabuco de Araujo (L)
Dr. Annihal Falco (R)
2' districto
Dr. Jos Nicolao Tolentino de Carvalho (C)
Dr. JosMartanno Carnciro da i.unha (L)
Dr. Manoel Gomes de Matlos (R)
N distnc'o
Dr. Felippe de Figueiroa Faria (C)
Dr. Arminio Coriblano Tavares dos Sanios (L)
Dr. Sil vino Cavalcinte d'Albu-merque (L. D.)
Dr. Joo Carlos Baltasar da Silveira (R)
4' districto
Dr. Joao Juvencio Ferreira de Aguiar (C)
Dr. Joaquim Tavares de Meilo Barrete (L)
Dr Jos Maria Hamos Gorjo (L)
Dr. Laz Ferreira Macicl Puiheiro (R)
!> districto
Dr. Gaspar Dmmmocd (Cj
Dr. Francisco do Reg Barros de Laccrda (C. D.'i
Dr. Pedro da Cunha Beltro (L1
Dr. Francisco Guies Leopoldo de Araujo (R)
6* districto
Baro de Saassuna (Ci
Dr. Jos Maria de Aibuquerque Mello (L)
Dr. Josi Izidoro Martins Jnior (11;
7' dixtcto
Dr. Jos VicenleMeira de Vasconcellos (C)
Dr. Ulysses Machado Pereira Vianna iL)
Dr. Ambrosio Machado da Cunha Cavaleantc (K(
8' districto
Baro de Granito (0)
Dr. aristarco Xavier Lopes (L)
Dr. Bernardo Jos da Cmara (R)
.9 districto
Dr Jos Bernardo Galvo Alcoforado Jnior ()r
Dr. Jos Eustaquio Ferreira Jacobina (L)
Praneisco Carneiro Rodrigues Carapello (R)
li). districto
Conselheiro Francisco de Assis Rosa e Silva (Cf
Dr. Loorenco A. Je Si Aibuquerque (L)
//. districto
liarn de Lacena (Cj
Dr. Joo Aoguslo do Reg Barros (L)
2. districto
Conselheiro Antonio Goncalves Ferreira (C)
Dr. I'raxeles Gomes de Souza Pitanga (L)
13. disincto
Dr. Jos Moreira Alves da Silva (C)
Dr. Antonio de Siqueira Cavalcante (L)
KloSc)S0:11 is informados de que d'esrfa
cidade lem ido, desde ante-honlera, para a Es-
cada e Ipojuca, afim de perturbarem all a elei-
i;'/. diversos capangas, que vo devidaraeule
armados e deliberados tornaren} um.i realidade
a liberdade do coto.
Por igual modo est acoatecendn em relago
outros pontos servidos por linhas (errees. A ca-
pangagem, a/Wrdrt gente do liberalismo qur por
forga ganhar quandmme as eleicoes. onde qual-
quer eslejam era ininoria os liberaes.
Comprehende-?e esse ardente desejo ; mas, se,
como parece, houver resistencia em lodos os
puntos de onde se annuncia que se pretende
violar o direito dos cidadios, tristes seenas
esto reservadas esla provincia no dia 31 de
corrate.
O nosso infrmame diz nos at qae.emrelagc
Ipojuca, ha quera receie pela seguranga pes-
soa! do S. Dr. Vrabrosio Machado da Cunha Ca-
valcante ; e o corlo que a atiitude que este tea
tomado na imprensa faz acreditar que ha algo de
verdade na referida informago.
Xa comarca de Pao d'Aio as cousas nao seafi-
guram sob mellior aspecto. Especialmente na
Gloria de Goit, a ordem publica corre o risco
de ser seriamente perturbada.
Para Taquarelinga e Escada, onde Ha longos
annos nao perturbada a eleiga, foi mandada
grande numero de pragas sem que se saiba por-
que, nem para o que.
Igual facto 3e tem dado com relaco a outras
localidades.
Tudo isso faz crer que tercraos grandes novi-
dades as eleiges.
S. Exc. o Sr. conselheiro presdeme da provin-
cia e o Sr. Dr. chefe de policia leem sido devida
e competentemente avisados: e bem conhecido
o raso do capitao que nao etiidoa.
Nao eremos que as priraeiras autoridades da
provincia queiram pactuar com os desmandos de
que teem sido prevenidos. Mas nao teom o direile
de dizerem depois, como o tal capito, huo cui-
damos.
Alm da resnonsabilfdade legal pelas funestas
oceurrencias que se derem no pleito, nao esca-
paro responsabilidade moral. por\entu-a
mais cruel rio que aquella.
Con vera repetir: trala-se da ordem publica,
trata-se da seguranga individual de cidadaos
que, fiados as leis, quercm e teem o dever de
querer que se Ihes respeite os direilos consttu-
cionaes.
Cabala infrt'ne '"llamamos a attengao
do Sr. conselheiro presidente da provincia pasa
o telegramma que hontem recebemos de Pao d'A-
llio, e vai publicado na rubrica propria.
Xesse telegramma se faz saliente a infrene ca-
bala eleitoral alli desenvolvida pelos amigos da
caudidalo oflicial tendo sua frente o promotor
publico aa comarca, o Sr. Dr. Marcolino Ferreira
Lima, um fossil exhumado dos sedimentos da
poltica para perseguir os conservadores de Pao
dAlho.
S. Exc. pode e deve chamar a melhores prati-
cas aquello promotor publico, cuja ratsso nao *
de ccrlo fazer ameacas para cbnslrangcr seos
adversarios polticos a voiarem contra suas con-
vi cedes.
Tal procedimento pura e simplesraente im-
moral.
Outrosim. esperamos que S. Exc. chame tam-
bem ao estricto cumpriniento de seus deveres,
l:.iia los no Regulameiito Geral das tetradas de
Ferro, o Sr. engenheiro li-cal da ferro-via do Li-
raoeiro, que nada tem que se ingerir na econo-
ma interna da companhia que Rsealisa c menos
Interferir politicamente no modo de volar dos
empregados da ferro-via.
Taes aosos nao os deve tolerar um goveme
serio, e que se preza de ser honesto.
Si>*as eleitoraes Foram hontem elei-
tas s segrales para eleicto geral, que seeffec-
tuar no sabbario, 31 do correle, aestas paro-
chias :
S. Frei Pedro Gonrnhes
2. secgao (Arsenal de Marrada)
denle Capito Alexandre Aracrico de Cal-
das Padilha (L).
Msanos:
Lauriano Jos da Costa Lyra (L).
Manoel Jos de Oiiveira Braga (L).
Galdmo de Barros (C).
B o (C).
A mesa da 1' se.cgo Corpo Santo) com-
poe-se dos mearios legaes.
Santo Antonio
i* aeccao (Caiaboaco)
PresidenteDr. Demingos Jos Marques (L).
Mesarios :
Decio Augusto Rodrigues da Suva (L).
Jos Mauri.-io Borges (L).
rio Saraiva ue Carvalho Neiva (C).
Antonio de Borba Coutinho (C).
3.' secgao t Rosario)
PresidenteAnlonio Hermino de Souza (L).
Mesarios :
Luiz de Frar.gu Tav;.res L).
Silvino Gomes Porto (L).
Ilenrique C. Barato dP Almeida C).
Pedro G01 Anula (C).
':.* secgao (Conceigao)
Vnte-Pran-iseo da Silva Moreira L).
Mesarlos :
Tito Taciano Mariz (i,).
Antonio Mariuho Falco (LI.
Auton' 1 (C).
Antonio Francisco Braga (0).
-Joaquim Innocencio Ge-
nos :
Alfredo dos Santos Almeida iL).
o
(
f
:



iario de PernambucoQuinta-feira 29 de Agosto de 1889
/
.
1
\
Manoel Clemenlino Ribeiro (L).
Francisco Ferrcira de Alraeida Cruz (C),
Jos Alfredo de Carvho (C)
A mesa da !. secgo (Cmara Municipal)
compe-se dos mesarios legaes.
S. Jos
2. secgo (Martyrios)
Presidente Francisco Jos de Oliveira Rodri-
gues i I,i.
Msanos:
Jos Cavalcante Brrelo (L).
Arlliur Xaziazeno Ferreira dos Santos (L).
Joaquim Junuaro Xunes e Silva (L).
Pedro Rodrigues de Oliveira Baduem (L).
3 secgo (Riba-Mar)
PresidenteFrancisco de Araujo Cesar (L). -
Mesarios :
Manoel Diogo Chaves (L).
Fernando Barbosa de Carvalho (L).
Jos Ignacio Pereira do Lago (L).
Genuino Jos da Rosa (Li.
4 secgo (Santa Rita)
PresideiteFrancisc i Joaquim Pereira da Costa
(L).
Msanos :
Norburto Muniz Teixeira Guiraares (L).
Antonino Das da Silva Cardeal (L).
Julio Concalves do Valle Pereira (L).
Jos" Eu-taquio das Xeves (L).
A mesa da !. secgo (Matriz) compe-se
dos mesarios legaes.
Boa-Vista
!. seccao (Assembla)
Presidente Manoel Roberto de Carvalho Gui-
maries (C).
Mesarios:
Sebastio de Barros Brrelo (C).
Vraderko Magalhcs da Silva (R).
SetastUto Vasconcellos Gal vio (L).
Dr. Symphronio Fernandes Souto Menezes(L).
.- secgao (Rosario)
PresidenteDr. Joo de Oliveira (lt).
Mesarios:
Dr. Eduardo Augusto Silveira (R).
Theopuilo Xavier Cavalcunte de Albuqucrque
y.
Genesio de Albuqucrque Martins Pereira (L).
Prxedes Pitanga Filho (Lt.
4. secgo (Santa Cruz)
Presidenteur. Amonio de Souza Pinto (R).
Mesarios:
Eneas do Reg Barros Falco (Ci.
Antonio Eiisiario da .Silva Caines (R).
Candido Alberto Sodr da Molta (L).
Manoel Frnnejsco Fragoso (Li.
o. seccao (Propagadora)
PresidenteDr. Eugenio de Atbpvde Lobo Mos-
coso ijC).
Mesarios:
Agostinho da Silva Neves (Ci.
Joaquim Ucnna Cardoso (lt).
Antonio Lopes de Carvalho (L).
Francisco Teixeira de Mello (Lt.
(i.* seccao (S. Goncalo)
Presidenter. Pedro Gaudiano de Ralis e Sil-
va (C).
Mesarios :
Ernesto Arcelino de Barros Franco (R).
Jos Francisco do Reg Cavalcante (C).
Antonio Jovino da Fonseca (L).
AfTonso Ferreira da Roclia Leal (L).
7.a secgo (Soledadei
Presidente Ten'ente-coronel Jos Gomes Leal
Me&rios :
Dr. Manoel Altea Vilella (C).
Arlliur Gomes de Mallos (R),
Francisco de Paula Lima (L)
Dr. Jos Antonio de Almeula Cunha (L).
A mese da 3" seccao (matriz) compe-se
dos mesarios legaes.
(ruca
2.' seccao '(Belem)
Presidente Dr. Jos Francisco Ribeiro Macha-
do ( i.
Mesarios :
Manoel Antonio Ferreira Gomes (C).
Jdaquiai Eugenio Ferreira Gomes (C).
Antonio Augusto da F ola Meneaos (L).
Antonio Auslricliano de Moraes (Li.
Antonio da Mosquita Pimentel (L).
A toma da I seccao (matriz) compe-se
dos mesarios legaes. i
AfOQBaOi
1." ju^ido de pn/. -i.* secgo (S. Miguel)
Prosidujii*Majo;- Jos Tbomas Cavbante l'ee-
sa i'.).
Msanos:'
Adolpno Alves Falco Taques (C).
Manoel Francisco Alves Pereira (C).
Joaqun; Januario Pereira de Britto (L).
Presciliano Hospicio da Cruz Cordeiro (L).
A mesa da i." seccao (matriz) compoe-se
des mesarios legaes.
i.' juizado de paz2.' secgao (Remedios)
Pre.-dente Capilo Jos Elesbo Borges l'cha
(C).
Me.-ar.ios :
Antonio Henelio Conlciro de Gusmo (Cj.
Jos Elesbo Rorges Ueba Fillio (C).
Jos Henrique de Oliveira (L).
Antonio Borges Gaivo L'cha (L).
A mesa da I." secgao (escola pubiiea da
Magdalena) compe-se dos mesarios legaes.
Poco da Paueliu
2." seccao (Casa Forte)
Presidenter. Jos Carlos da Costa Ribeiro (L).
Mesarios :
Jos Mara Carneiro da Cunha (L).
Manoel Arthur Marinho dos Passos (L).
Francisco Joaquim de Souza (L).
Ramiro Antonio da Costa (L).
3.a secgao (Monleiroi
.'residente Dr. Carlos Eugenio Daarte Mavi-
gnier (L).
Mesarios:
Joo Pamphihno Cavalcante (L).
Vicente Osear da Gama Duarte (Lt.
Jos Leopoldino Ceryllo de Oliveira (L).
Joaquim Elov de Mondonga (L).
"4." secgao (pipucos)
PresidenteTito Livio Soares (L)
".Msanos :
Dr. Manoel Caelano de Albuquerque Mello (L).
Joaquim S. Carneiro da Cunha (L).
Flix Arequind Lieulhier (L).
Herculano H de M. Henriques (L).
A mesa da 1.a secgo (matriz) compe-se
dos mesarios legaes.
Dieirao geral Segundo a alterago lti-
mamente feita a seguinte a distribuigo das
sceges eleitoraes da freguezia da Boa-Vista :
I. secgaoAssembla
Votam n'esla secgao os eleitores do 2. dis-
tricto ^Santo Amaro) e os do l. quarteirao do
I. dislricto, que comprehende as ras da Prin-
ceza Isabel, Unio (em parte), Sete de Setembro
(idein) e Saudade (idem).
2." secgaoRosario
Votaro n'esta secgo os eleitores ao 2." e 3
MBrteires que abrangem as ras da Aurora e
Iraperatriz.
3." secgoMatriz
Compor-se lia dos eleitores do 4." ao ." quar-
teires que comprehendem as ras do Hospicio,
Conde d'Eu, Veras, Arago, Rosario, Tambi e
Conceigao.
4.* secgaoIgreja da Sania Cruz
Compor-se-ha dos eleitores do 9.- ao 12. quar-
teires que abrangem as ras Velha, Atalho,
Pires, Genqui'.y, Ponte Velha, Alegra e Man-
gueira.
5. seco-Escola Propagadora, ra da Man-
gueira n. *
Esia secgo corapor se-ha dos eleitores do 13.
ao 16." quarteirOes, ras da Gloria, S. Gongalo,
Santa Cruz f'razeres, Jasmin, Cotovello, (parte)
Coelhos e Barreira3.
C secgao-Igreja de S. Gongalo_
Votam n'esta secgo os eleitores do 17.*, 18.',
49 e 2j.- quaiteires que abrangem as ras do
Gotowo (final), Paysand, Cajueiro, Chora Me-
ninos, Bario de S. Borja. Soledade, Progresa,
Conquista. Joo de Barros, Fernandes Vieira e
7. secgoIgreja da Soledade
Compor-se ha dos eleitores do 20." ao 2i.
quarteire-i que abrangem as ras dasXymphas,
Forraosa, Caminbo Novo, Sete de Setembro (fi-
nal) Tinao (idem) Saudade 4dem) Biachuelio,
Corre lor do Bi.->po, Destino. Principe e Attragao.
UOBSEBVAg.IoPede-se aos Srs. eleitores que
verifiqnem nos seus Ututos os quarteires com
que se acliam qualicads, aOm de nao havec
engao sobre a secgo em que devem votar.
Proloiisnmenlo aaemrada de fer-
ro do R* if- a ** Francinco Seguio
anlchonlem para Palmares, afira de assistir a re-
abertura do trafego dessa cidade de Garanbuns
que te ve lugar nonteqigrSr. Dr. CaeUno Al-
berto de Castro Nascjiufto, 1' engenheiro, ser-
vindo de director do prolongameoto e da estra-
a de ferro de Garuar.
F01 esse um grande melhpramento para aquel-
la roa, de cojo beneficio se achava privada por
causa da reconstruefao das respectivas obras que
nao permittiara o motimento dos trena.
:**quta rioterramcnlo Com as
sisiencia de crescido niraero de amigos e p-
renles liverem logar, hontem tarde, na capella
do cemiterio de Santo Amaro, as exequias man
dadas celebrar por alma do linado Joo Baptista
Pereira Lobe, cujo corpo eslava desde a vespera
depositado na dita cape la.
Xascido em Pernambuco, Joo Baptista Perei-
ra Lobo aqui residi sempre, e passou os 86 a.i-
nos de sua vida sempre venerado por sua fami-
lia, da qual era o mais antigo representante, e
apreciado por seos amigos. De seu duplo con-
sorcio deixa 9 tilbos, S7 netos e 14 bisnelos.
Era lidalgo cavalheiro da Casa Imperial cora
uso de brazo de armas, oflicial da Ordem da
Rosa e cavalheiro da de Clinslu, e foi coronel re-
formado da guarda nacional.
Exerceu cargos de eleico popular como juiz
de paz e membro da assembla provincial, onde
revelou talento ; e oceupou tambem cargos de
nomeago do governo, sendo um delles o de ins-
pector da Thesourana Provincial.
Como poltico foi no eomego de sua vida t-
heso s idis conservadoras; mas. porjuslos
motivos, declarou-se liberal, eeste partido ser-
vio sempre com dedicago.
Tomou parte as revoltas de 1824 e 1848.
Era homem intelligente, de alguns conheci
menios e muito versado na historia poltica de
Pernambuco.
Ao membros de sua familia, entre os quaes
contamos bons amigos, apresenlamos nossos pe-
zames.
Benrflcente t-l de sosto de I H3 -
A sociedade desle nomo elegeu, no dia 23 do
correnie mez, a sua nova directora para o anuo
social de 18891890, pe i seguinte forma:
PresidenteJoaquim Onofre de M. Ribeiro.
Vice presidenteDionizio F. Dias.
OradorMiguel J. da Silva
Io secretario -Manopl Jesuino.
2" ditoAntonio Raymundo.
1" procuradorGen-mi is Jesuino Raphael.
2" ditoGaudiano A. Gomes.
TbesoureiroManoel L. da Hora Martins.
THeRecebemos da corte, e agradecemos,
um exemplar impresso da thse que para rece-
ber o iro de doutor em sciencias medicas de-
fendeu perante a Faculdade de Medicina do Rio
de Janeiro o nosso comprovinciano o Dr. Jos
Rodrigues Tavares de Mel.
E' um trabalho que faz honra ao seu autor.
(.1 iminilo* profowMoreM primario
Em sessio ordinaria reuoe-se boje ao meio
dia essa associacSo.
NoeiedAdc Lilleraria ConeMve*
itiiiH II ije ter logar ao meio dia a sesso or-
dinaria d-ssa socieuale.
ANHOciaro do PuncrionarioM Pro-
vinriaeN de Pernambuco Funcciona
boje em sesso ordinaria hebdomadaria o con-
sellio deliberativo dessa associago.
Tinta Virtorin E' una nova tinta de es-
criptorio, que exposta ao consmalo na Livru-
ra Contempornea e na loja dos Srs. Albino Sil-
va & C. e cuja composigo reunindo aj condi
ges de fluidez, solugao completa e liquida, in-
tensidade na con, inalt-rabilidade no corpo e
Inalacabilidade s penas, recommenda a ao uso
de loda a escripia.
Essa tinta escreve a principio com um cor azul
intensa e bella, que seguidamente trensoiada-se
em um prelo pronunciado ; e nao inferior
ingleza, apezar de ser producto nacional c de
prego barato.
A tuit'i Victoria, pois, digna de ser experi-
mentada.
Xem outra cousa quer o seu autor, porque a
essa condigo ter como consequencia o succes-
so do seu preparado.
Dr. Joaquim matoneoA este nosso il
lustrado comprovinciano foi no Prata offerecido
pelo Sr. Dr. Luiz Varella um banquete no dia
8 do carrete.
lucio elupendo-De pessoa residente
no Grato, provincia do Cear, recebemos, com a
data de 8 deste mez, urna carta, em que nos
communica a existencia ae um Cacto sobrenatu-
ral, qae passamos ao conliecimento dos nossos
leitores pelas mesmas palavras em que nos foi
iransmitlida a noticia.
- Deixart de cumprir um dever para com a
sua inmensa, si nao me e.jiouoicasB um caso
todo extraordinario e myterioso, que aos meus
oihos se torna inaior do que o succedido na dio-
cese de Tabes, quando no dia II de Fevereiro de
1868 leve de apparecer a rainha do mundo a
Uernardet na gruta de Londres.
Ha tres leguas de-la cidade, demora um po-
voado denoniiuado foazcim, onde habita Maria
de Araujo, mulher mais preta que parda, de es
talura baixa e compleico franzina : bastante
feia e representa a idade de 18 a 20 annos
Sua vida, leva-a toda em orages na igreja
do referido povoado, arrumada um canto das
grades; e durante a quaresma e mesmo antes
della, indo o respectivo capello, Revd. Cicero
Romo Baptista, dar communho s mulheres
que haviam comparecido mesa, ao chegar
Mana de Araujo a sagrada forma dissolvia-se
era sangue de modo to pronunciado e evidente
que mancbou-lhe oa punhos e a toalha da com-
munho E ainda n*o tudo. De outra vez
sendo Maria de Araujo accommettida de urna
syncope, o mencionado sacerdote sobresaltado
deitou um pouco de vioho n'um calix, benzeu-o
e foi dar-lhe a beber o conteudo, que transfor
mou-se na approxiraagao Maria de Araujo em
sangue vivo ; e ella repugnando bcbel-o, afinal
o fez em obediencia a ordem do Revd. Cicero.
Xo obstante este ter guardado toda a re-
serva sobre to mirifico acontecimento, comtudo
foi elle d'alguma sorle sempre divulgado p-las
pessoas comparecentes a mesa da communho e
que delle toram testemunlias presenciaes. Mas
a manifestago devia ainda ser mais completa, e
no dia 7 de Jullio, quando aquella igreja cobria-
se de galas e esplendores para celebrar a festa
do precioso sangue, repetio-se o prodigio vista
c face de um numerosa concurso de povo que
assislia festa.
> Nao foi possivel, pois, guardar mais a re
serva, nem velar o mysleno.
O padre Cicero, alma candida e por ventu
ra o mais virtuso sacerdote desta diocese, con-
serva boje esta reliquia (toalha e sanguinhos)
encerrados era urna urna de vidro ; a qual ex-
pe, na priraeira sexta-feira de cada mez, re-
verencia dos liis. *
E' provavel que esta fiel exDosigao de um
acontecimento sobnmatural levante a increduli-
dade, e que esta o commeule a seu sabor. Mas
o que certo, que foi elle testemunhado por
mais de trinta rail pessoas ; e que o Joazeiro
tera se tornado urna nova Jerusalem pela roma
ria dos povos vizinhos.
Sobre este mesmo prodigio o Diario do Cote-
tuercio da corte, de 19 do corrente, noticiou o
seguinte:
Recebamos a seguale informago em carta
dirigida da provincia do Cear :
Xa capella de Nossa Senhora das Ddres, erec-
ta na povoaco do Joazeiro, leve lugar um ver-
dadeiro miagre, presenciado por innmeras
pessoas entre as quaes um cavalheiro merece-
dor de toda a f, o qual, em carta a outro. mo-
rador nesta cidade, delle d noticia nos seguin-
tes termos :
Quando o padre Cicero dava comrounho
virtuosa beata Maria de Araujo. tranaformou-se
a sagrada forma em sangue que cahio na toalha
e na murga da beata, facto que se foi dando
todas as sextas-feiras e depois diariamente.
A principio entendeu dever o padre Cicero
oceuttar quanlo aconteca : mas afinal revelou o
ao Revm. monsenhor Monteiro, vigano do Cra-
10, e cora este insisti para que viesse capel
la, o que foi o raesmo vigano em 7 de Jaldo
Sroximo lindo, celebrar e festejar o Precioso
aogue de Xosso Senhor Jess Cnrislo.
E como ja se douvessc propalado a noticia do
milagre e a intengSo de fe.stejal-o, nm sera nu-
mero de dabitante.s da cidade do Crato.e de toda
a circumvsiabanga, concorreu de modo que
jamis se vio naquella povoaco tamanha agglo-
meraco de fiis. Para que nenbuma duvida pu-
desse perdurar, permitlio Deu3 que. por occa-
sio da festa, em presenca de todos, no acto
da Cunsagracao, vertessen da sagrada forma
agua e aangue.
Fo-am estes offerecidos adoragSo dos fiis,
que te conservaram na capella por longuissi-
mas horas.
A tarta que refere o milagre e de 8 de Ju-
lho.
ka Dama de MangueDeste romance bra-
Sneiro, composigao do Sr. acadmico Manoel da
Malta Monteiro Lopes, forain bontem destribni-
dos os fascculos ns. 5 e 6.
Agradecemos lhe a otTerta que nos fez o autor
de um exemplar de cada um delles.
Circo Calnolieo do BeclfeHje ha-
ve r sesso extraordinaria, no lugar e hora do
costume.
AMUoriarao JieUico-Pharmaceulira
i'irnuinbiirana .Tambem boje, no lu-
gar e hora do costume, havera sesso ordinaria
Oe*atre-Hontem pelas 3 horas da tarde
e no sitir, do Sr. major Jos Franklin de Alencar
Jnior, em Ponte de Ucba, um aggregado do
mesmo major, de oome Francisco Jos Antonio
do Nascimento, de 17 annos de idade, que se
entretinha era montar um cavallo no fundo do
mesmo sitio, cahio desastradamente do mesmo,
sendo, em consequencia da queda, segundo a
affirmativa de competentes, accommettido de urna
congesto, fallecendo instantneamente.
A polica tomou conhecimento do facto.
<'nriniaiiigrapnia -0 Sr. Ramiro M. Cos-
ta 4 C, proprietarios da Livraria Contempor-
nea, ra Io de Margo n. 2 acabara de receber
nina novidade. de que ha lempos demos noticia.
Sao caetas com peonas de vidro, que servera
perfeitamente para usos comrauns c que, esta-
mos certos hao de agradar a quem experimen-
tales.
Parece que a devisa|dellas guerra de exter-
minio s peonas de ago,que, entretanto, nSo
pdenlo debellar.
Que sSo excellentes inconlestavcl
Audiencia judicialA do juizo do Civel
d'esta capital ter lugar amanh, .'10 do corrente,
a horas do costume.
Servlco militarEsto designados hoje
para superior do dia o Sr. raajor Alves e para
ronda menor um subalterno de cavallaria.
A guarnigo da cidade dada hoje pelos
corpos da guarnigo.
Xa enfermara militar existem 23 pragas em
Irataniento.
Em inspecgSo de sade, a que foi submetti-
do o Sr. capito do 14 balalho de infantari-i
Manoel Anselmo Pereira Guimaraes, foi de pa-
recer da junta medica militar achar-se elle sof
fnndo de dyspepsia e precisar de 30 dias para
seu tratamehto, o qual dever ter em vista o avi
so do ministerio da guerra, de 5 de Outuoro de
1888.
A presidencia da provincia prorogou por
mais 30 dias a licenga com que se achava o Sr.
2" cadete 2o sargento Jos Marianno Augusto de
Moraes.
A mesma presidencia em officio datado de
27 do corrente concedeu permisso para por si
apresentar substituto idneo ao soldado do 2
balalho de infamara Antonio Fernandes de
Vasconcellos.
Directora dan obran de connerva-
co do* Porto de Pernambuco Reci-
(i. 27 de Agosto de 1889.
Boietim meteorolgico
l-o T3
Horas 0 c Barmetro a 0* Tenso do vapyr a I
t- ~" 33
6 m. 24"-1 762-64 19 66 87
9 23-7 764-JI 19.65 91
12 24-i 762-96 20 28 87
37t. 27-4 761-28 18.43 66
6 26-0 761-731 19 04 76
Temperatura mxima28,00
Dita mnima 23.2o.
E.anorago em 24 horasao sol: 4".l; so:n
sra: 2-2
(hnva6,~9.
irecco do vento : Variavel de SSE a E
predominando SE durante todo o dia.
Velocidade media uo vento: 2-,40 por se
Xebulosidade radia: 0,65.
Boietim do pono
M -" SI Da Horas Altu.-n
:t. M. P M. 11 M. t M 27 de Agosto 28 de Agosto 1117 da manda 5-24 da tarde 11-41. 5 41 da manha 0-28 2-47 !J-,42 2-,36
!.-fie.Etectuar-se ho os seguintes .
Amanh :
Pelo agente Gusmo, s 11 horas, ra do
Mrquez de Olinda 1. 5, de fazendas.
felo agente Pinto, s 11 horas, trravessa do
Corpo Santo n. 27, da barcaca Rosa Filha, enea
Ihada no isthmo de Olinda.
Pelo agente Silveira, s 101.2 horas, ruadas
Trincheiras n. 23. de arraago, gneros e o mais
existente oa referida casa.
Pelo agente Stepple, s lt horas, ; ra For-
raosa n. 4, de um piano, movis, espelhos, etc.
Pelo agente Pestaa, s 11 horas, travessa
do Corpo Santo n. 27, de urna casa nos Reme-
dios.
MiNa funebrenSero celebradas :
Amanh;
A's 7 1/2 horas, na igreja do Corpo Santo, pela
alma de D. Maria Felippa Monteiro da Franga, s
7 1/2 doras, na Capella de Belem, pela alma de
O. Maria Benedicta Barretto Li s ; s 7 horas,
na matriz de Santo Antonio, pela alma de Fran-
cisco Jos Moreira da Costa.
PanaceiroN'Jdegados do sul no vapor
nacional ArUndo:
Dr. Jos Pinto de Oliveira Jnior, Eugene Cie-
rnen! Desire, Francisco Antonio lollus sua se-
ndora e 2 lilhos Jos Muzd Baio c Amin Haix.
Sahidos para o sul no vapor Franccz Ville
de Baha :
Fernando Danlas Bastos e Joo Francisco de
Araujo.
Sahidos para o norte no uapor nacional
Para:
Manoel Antonio Sydney, sua senhora e 1 cria-
da, Joo Barbosa, da Silva Xeves, Joo Ignacio
Guedes Pereira, Dr. Jos Pinto de Oliveira J-
nior, Joo de Mello A. de Albuquerque, Dr. Ly-
curgo X. Pamplona, Herraelino J. da Cruz Si-
queira e 1 filho, Maria G. de Lima, Joo Pires da
Silva, Emilia Martins Ferreira, Manoel Domingues
Gloria, Jos M. Cabra! e Aurelio Pires de Albu-
querque Gaivo.
Sahidos para o sul no vapor austraco Pan-
dora :
Carlos Fandino.
Can* de uetencoMovimento aos pre-
sos da Casa de Detengao do dia 27 de Agosto de
1889.
Existiam 460 ; entrarara 8; sahiram 4; exis-
tem 464.
A saber:
Nacionaea 407 ; mulheres 28; estrangeiros 28.
mulher 1 -Total 464.
A rraeoados 11-
Bons 374.
Doentes 30
Loucos 8. -Total 407.
Movimento aa enfermara
Tiveram batxa :
Miguel Torres Gallindo.
Jos Pereira de Souza.
Francisco (liberto).
Miguel Joaquim Vieira.
Tiveram alta :
Artberaogenes Correia Maia.
Eduardo Outage de Carvalho.
Joaquim Ignacio Souza Cordeiro.
Foram hontem visitados os presos deste esta
belecimeuto por 176 pessoas, sendo 56 bomens
e 120 mulheres.
Hospital Pedro II-O movimento deste
eLtabeleciraento de caridade, no dia 26 de Agosto
foi o seguinte:
Entreram
Sahiram 24
Fdleceram
Existem 39J
Foram visitadas as respectivas enfermarlas
pelos Drs.: _. m
Moscoso s 8 1|4, Barros Sobrnho s / 3|4,Be-
rardo s 11, Malaquias s it i|2, Pontual s9,
Estevo Cavalcante s 9, Simes Barbosa s 10112
horas.
Cysneiro.
O cirurgio dentista Numa Pompilio s 9 ho-
ras.
O pharmaceutico entrou s 8 112 da manh e
sahio a 4 da tarde.
O ajudante do pharmaceutico entrou s 7 1|4
da manh e sahio s 12 horas da tarde.
botera do ram-Pari-A 1* parte da
31" lotera, dessa provincia, cujo premio grande
250:000*000, ser extrabida no dia 4 do Setem-
bro.
brande lotera do Maranbo -AS'
serie da 1* lotera, dessa provincia, cujo premio
nde 300:000000 ser extrahida amanh 30
Costo.
Cemiterio Publico -Obituario do dia 27
do corrente.
Joo Capistrano Cardoso, Pernambuco, 18 an
nos, solteiro, Olinda ; febn*.
Pedro Alexandrino Pereira, Rio Grande do
Norte, 28 airaos, soteiro Santo Antonio ; tubcr-
culose.
Mara da Penha, Pernambuco, 16 annos, sol-
leira, Graga ; tuberculose.
Luiz, Parahyba, 3 annos, Ba-Vista ; ttano.
Jos Bezerra de Menezes, Pernambuco, 50 an-
nos, solteiro, Ba-Vista; pneumona.
Jos Bertboldo de Souza Perraz, Alagas, 40
annos, viuvo, Ba-Vista; anemia.
Candida Maria, Pernambuco, 24 annos, sol
leira, Boa-vista ; tubrculos pulmonares.
Francisco Baptista da Penha, Rio Grande do
Norte, 41 anno, casado. Graga; meningite.
Mara da Paz, Pernambuco, 80 anuos, viuvo,
Ba-Vista; cachexia senil.
Anna Joaquina. Pernambuco, 1 anno, Santo
Antonio; alrepsia.
UM POUCO DE TUDO
No dia 7 do corrente foi inaugurado na ex-
posigo unversal de Pariz o pavilho portu-
guez
A demora que houve na construcco justifi-
ca se com a circumstancia de ter sido princ
piado muito tarde, j quando os de algumas ou-
tras nagoes estavam quasi concluidos, e com o
laclo da rheia do Sena que, invadindo-lhe os
aiieerces, fez suspender as obras por algum
tempo.
O paviluo portuguez est beira do rio, ao
n da ponte d'Alma, n'uma vistosa e favorabi-
lissima posigo. E' um edificio de tres anda-
res para o fado do rio eeslago de desembar-
que dos vapore, e de um s para o da galera
agrcola do caes de Orsay. A porta principal
daquelle lado, e chama-sea porta de Portugal.
Contruido pelo architecto das obras do de-
partamento do Sena, Mr. Archilles Hermant,
todo de raadeira, algum ferro, lona e estuque
Ornam-no duas varandas muito graciosas e no
ngulo direito eleva se um torreo onde est
arvorada a bandeira portugueza. O aspecto ge-
ral da construego elegante, artstico, um pou-
co no estylo da poca de D. Joo V. Tera um
aonexo que o liga ao Palagio da Alimenlago-
A exposigo porlugueza do continente o co-
lonias est installada 110 rez do-cbo e DOS dous
andares superiores.
Xo rez do chao ha quatro salas ornamentadas
com o inaior luxo e um goslo liuissimo. Esto
all os productos vincolas, e urna parte dos
alinelas. Folhagens de finita e cachos de n\a<
ornam os frisos e os tectos ; mantas de Alemte-
jo pendem das portas e das janellas, em corti-
nados e resposteiros. A fabrica das Caldas ex-
pOe, nos alizares, soberbas amostras de azulejos
no estylo rabe. Ha urna sala especial para vi-
nhos do Porto. Ornamentago deliciosa ; 000-
siellagOes de garrafas em dous tons, as pare-
des ; ao centro, urna pyramide enorme de botc-
llias ; em torno, exposiges collectivas das mar-
cas mais notaveis.
Ao fundo do rez do cdo. a sala dos mineraes
e cereaes; quadros de azulejos as paredes, com
scenas pasloris portuguezas; tgres de vime e
verga. Ha all carvo de pedra, rcarmores,
chumbo em barra, ama larga ,'ollecgo de ce-
reaes em frascos. Por ultimo, a sala das flo-
restas", com vassouras, cangas, cabos de gaur-
da-sol do Minti, candeias e garfos e facas de
ferro, pus de tamancos, redes de pesca, toda
urna completa e curiosissima collecgo etnogra-
phica.
No primeiro andar, ha a exposigo de produc
tos pilorescos das colonias, na sala do ceutro,
que recebe luz por urna claraboia. O tecto de
chitas africanas, pannos da Costa : armas indige-
nan formam panoplias e trophus. Era vitrines,
raais curiosos productos. Ao centro, montres
cora inoedas e esculpturas em raadeira, dos es-
tados da India. Era outra sala, productos agr-
colas, em especial de Cabo Verde e Angola.
Xo segundo audar. na sala da claraboia, fei-
jes, favas, cafs, plantas da frica. Em outra
sala, aguas mineraes, lendo-se nos rtulos as
''stii<1as das Pedms Salgadafl, Vidago, Caldas
da'Rainha, Amieira, Moura; frascos com licores,
conservas, farindas, edaropes, tabacos, etc.
Ainda em outra, faiangas de Bordado Pinheiro,
productos da sociedade de geographia, urna vi-
trine cora trigos da firma Moraes & Inno, etc.
Na ultima, finalmente, urna casa de bamb ao
centro, urna berlinda macaense, barcos da India,
canoas da frica, productos coloniaes varios, mi
ncracs das possesses portuguezes.
Um ultimo detalhe :
A escadaria est edeia de faingas das Caldas,
mappas grapdicos dos districks agrcolas, e mil
ubjectos curiosos e bem aproveitados.
SPORT
Morreram na travessia da Franga para Bue-
nos-Ayres, o garanho Brio; em Darlington, In-
glateira, o garanho Bourbaki, nascdo;em 1873,
por Adventurer e Prudence, e no Rio de Janei-
ro o cavallo Rabelais, acliindo-se gravemente
doente em Franga o garanho Welhegtonia.
Na Inglaterra inscreveram-se no Grand Prix
de Paris, de 1891, 91 antaaes; e no Portland
Stakes, de Leicester, para animaes de 2 annos,
ainscripgo chegou a lOOaniraaes.

O baro de Rolhscdild, M. P. Auraont, o ba-
ro de Schickler, o duque Felbr, M. Ed. Blanc,
e M. Jean Joubert sao os que apresentaro pro
duelos francezes no Derby de Epson e no Oaks
de 1891.
M. A. Baltazzi, o baro Springer; e M, Hvrais-
try sao os que aprdsentro productos Austro-
Hngaros nos mesmos pareos,
#
O Jockey-Club, da corte, acaba de adquirir um
qnadro com retrato do celebre trotador ameri-
cano Jon Stcward, que a 22 de Setembro de
1868 ganhou um premio em Nova-York, trotan-
do 20 milhas em 59 minutos e 23 segundos.
Eis os tempos em que o celebre trotador per-
correu todas as 20 milhas :
1 milha 2m,56s
2 milhas 5m,45s
3 milhas 8m,35s
4 milhas lim,27s
5 milhas 14m,21s
6 milhas 17m,20s
7 milhas 20m,20s
8 milhas 23m,33s
9 milhas 26m,15s
10 milhas 29ra,14s
41 milhas 32ra,l6s
12 milhas 35m,21s
13 milhas 38m,16s
14 milhas 4im.l6s
15 milhas 44m,12s
16 milhas 47m,10s
17 milhas 50m,12s
18 milbas 53m,14s
19 milhas 56aa,21s
20 milhas 59m,33s

"No concurso hippico do condado de Suflolk,
Inglaterra, o primeiro premio dos garanhes de
puro sangne foi dado a Bladur, um filho deDon-
caster e Frea, ror Hermit. nascido em 1883 no
hars do duque de Westminster,
Este animal nunca correu em publico.

O conhecido jockey Turner entrou para a cou-
dclara Porvir, na cne.
INDICARES TE1S
Mdicos
Dr. Castro Jess medico e operador.
Pratica a lavagem do tero quando e co-
mo aconselhada. Consultas daa 11 s
3 da tarde em sua risidencia ra do
Bom Jess (antiga da Cruz) n. 23, 1.a
andar. Telephone n. 380
Dr. Joaquim Louteiro medico e partei-
ro, consultorio ra do Cabug u. 14,
1. andar de 12 s 2 da tarde; residencia
no Monteiro.
Dr. Barretto Sampaio d consultas de
meio-dia s 3 horas no 1.* ao
[datada casa
ra da BarSo da Victoria, n. 51. Resi
dencia ra Sete de Setembro n. 54, en-
trada pela ra da Saudade n. 25.
ir. Ribeiro de. Britto d consultas de
meio dia s 3 horas da tarde, no poden-
dar a ra Duque de Caxias n. 46, 1. an-
do ser procurado para chamados na sua
residencia ra do Hospicio n. 81. Te-
lephone n. 303.
O Dr. Matheus Voz, medico, tem o sen
escriptorio a ra do Barao da Victoria
n. 51, 1. andar, onde d consultas d
meio-dia s 2 horas da tarde. Reside
ra de Gervasio Pires n 27. Encarrega-
se do tratamento das molestias de olhos.
Telephone n. 427.
Dr, Alvares GuimarZes, chegado da
corte, dedica-se medicina em geral, e
com especialidade s molestias do cora
co, pulmSes, ligado, estomago e intesti-
nos e tambem s ffecoies das criancas.
Reside praga. do Conde d'Eu, n. 28, e
tem consultorio na ra do Bom-Jesus
(antiga da Cruz), n. '45, onde d consul-
tas do meio-dia s 3 horas. Telephone
n. 381.
O Dr. Simplicio Mavignier.Clnica me-
dico cirurgica. Especialidades: molestias
pulmonares e partos. Ra do Mrquez de
Olinda n. 27, 1. andar. Consultas das 11
s 2 horas e na Casa Forte (Poco da Pa-
nella) das 6 s 9 horas da manha e
tarde. Teleshone n. 392
Dr. Cerqueira Leite, tem o seu escripto-
rio na ra Nova n. 32, do meio dia s 2
horas e desta hora em diante ra Barao
de S. Borja, n. 22. Especialidades
molestias de enanca senhoras e parto.
Telephone n. 326. da casa de residencia.
Oecnlista
Dr. Ferreira. cora pratica nos princi-
paes hospitaes e clnica de Pars e Lon
dres, consultas todos os dias das 9
borasdao meio-dia. Consultorio e resi-
dencia ra Larga do Rosario n- 20
Advogados
Silceira, advogado. Escriptorio ra
do Imperador n. 69.
O bacharel Witruvio Pinto Bandeira,
pode ser procurado ra do Imperador
n. 71, 1.- andar.
J. A. de, Magalhaes Bastos. Duque de
Caxias n. (iG, l." andar..
O Dr- H. Milet contina com seu es-
criptorio de advocada, a ra do Impera-
dor n. 46, onde tambem poder ser pro-
curado sobre negocios concernentes 1.a
promotoria publica d'esta capital.
O conselheiro I'ortella contina a advo-
gar. Escriptorio ra do Imperador
n 65. Residencia, casa n. 11 da ra
Visconde de Albuquerque (outr'oia ra da
Matriz da Ba-Vista). Telephone n. 362*
Drogara
Faria Sobrinho <& C, droguista por ata-
cado, ra do Mrquez de Olinda n. 41.
Francisco Manoel da Silva & C, deposi-
tarios de todas as especialidades pharma-
ceuticas, tintas, drogas, productos chimi-
cas e medicamentos homeopticos, ra do
Mrquez de Olinda n. 23.
Aterrara a vapor
Serrara a vapor e officina de carapina
de Francisco dos Santos Macedo, caes do
Capibaribe n. 23. Este grande cstabele-
cimento, o primeiro da provincia neste
genero, compra e vende inadeiras de todas
as qualidades, serra madeiras de contaf
alheia, assim como prepara obras de cara-
pina por machinas e por precos sem dom-
petenciaPernambuco.
____COMMDNICADOS
3." diirlcto
Sao 7 horas da noitc.
Acabo de receber cartas de amigos de Pao
d'Alho, que me dizem andarem all em commis-
so diversos amigos do candidato oflicial cabal-
lando desbragadamente.
Xada teria eu que ver com isso se testa des-
sa coramisso nao se achasse o promotor da co-
marca, Sr. Dr. Marcolino Ferreira Lima, que
nao se contenta em pedir votos, e leva o seu ar-
rojo at araeacur os eleitores com demisses, re-
mocoes e processos.
Beconheco no Sr. Dr. Marcolino o direito de
caballar como simples cidado ; mas como nao
posso separar sua posico de promotor da sua
qualidade de cidado, estranho o seu proced-
ment, e o {denuncio ao Exra. Sr. conselheiro
presidente da provincia corno aliciador de votos
mediante manejos indecorosos, como sao as
ameacas de demisses, remoces e processos.
Xo decente que um promotor publico as-
sim proceda, abusando do cargo de que se acha
investido. Isso um cumulo de imnioralidade.
E lio que o Sr. conselheiro Manoel Alves de
Araujo tomar providencias no sentido de cohi-
bir o promotor de Pao d'Alho de continuar a
proceder por seraelhante forma.
Outrosim, dizem me os referidos amigos de
Pao d'Alho que faz parte da alludida commissao
o Sr. Visconde de Guararapes, que se nao lirai-
ia ao seu papel de pedite de votos para o seu
genro o Sr. Dr. Amynthas C. Tavares dos San-
tos.
O Sr. Visconde de Guararapes leva o seu dis-
plante fazer ameacas por sua conla e risco,
como se tivesse algum rei no hojudo ventre.
Entrou, por exemplo, na casa da escola publi-
ca do professor Deocleciano dos Santos e disse-
Ihe que se nao se compromettesse votar no Sr. Dr.
Arminio, se considerasse desde ja removido para
outro lugar.
E' at onde pode chegar a audacia de um Vis-
conde em caballa.
Eu preciso saber se o Exro. Sr. conselheiro
Alves de Araujo autorisou esse Sr. Viscon-
de uzar dessa linguagem, formular remo-
ces de professores, e quejandos actos de vio-
lencia ?
At que S. Ese. o Sr. conselheiro Alves de
Araujo o assevere, tenho tudo quanto vai prati-
cando o homemzarro de Guararapes como bra-
vatas de qualquer D. Quixote, que faztm reben-
lar o riso dos labios mais sri03.
Daqui aconselbo aos meus amigos: resistam
s macbinaces do Sr. de Guararapes, pois esse
fidalgo, uobilltado em Itamarac n'uma acta
falsa all feita, nunca teve, nao tem, nem
podia ter credencias para se mostrar senhor de
baraco e cutello em relacao demisses e re-
moces de funecionarios pblicos.
E' preciso faier justiga ao Sr. presidente la
provincia. S. Exc. nao poda ter dividido com
outrera a autoridade de que foi investido.
O distrieto
O systema da compresso vai se generalisin-
do por toda a provincia.
A comarca da Escada onde j haviam desto-
cadas 20 pracas de polica, recebeu hontem
raais 40! I
At hontem, nenhuraa alteracjio da ordem all
sa dera, e factoalgura prenunciav a probabili-
dade de que a paz publica viesse a ser pertur-
bada.
Salve o gabinete 7 de Juoho, viva a nova si-
tuaco inaugurada para esraagar a cabeea da
hydra, hurrhas e nozannas ao desembaracado
Sr. Manoel Alves de Araujo que nos foi manda-
do de encommenda, e to galhardamente se vai
deserapenhando da empreiladi \!
Onde quer que se saiba que os conservadores
esto fortes e firmes no seu posto, previne se
ao Sr. Alves de Araujo e immediaiamente a for-
ca publica, creada e mantida pelos cofres do
Estado para seguranca da ordem e paz social,
recebe ordem para moverse e ir conquistar os
votos, que nao puderam ser extorquldos pelos
outros variados meios postos em acgo :
Xo ha duvida. A ascolha do Sr. Manoel Al-
ues para presidir esta provincia foi um g-ande
achado do Sr. Luiz Felippe. que nao se queren-
do prestar a to extraordinarias exigencias, deu
por si homem apto !
A comarca da Escada urna das mais impor-
tantes da provincia pela riqueza e independen-
cia de seus habitantes e onde reside o candida-
to conservador, o Exm Sr. Baro de Suassuna,
cidado respeilavel pela sua moderaco e se-
riedade de seu carcter, nao escapou sanha
dos amigos do Sr. Manoel Alves, nem consti-
tuio excepeo pura a docilidade do illustre para-
naense.
E' notorio que all, sobretudona segunda sec-
go, o parlido conservador se allirmar eloquen-
tememente as urnas, se nao l'r perturbada pela
forca publica a livre monifeslago do eleitorado.
Deusqueira que S. Kxc nao eonfhare aquella
localidade, como outras de nossa car;i provin-
cia, que atravessa um periodo dillicil : melin-
droso para as suas linangas, industria e com-
mcrcio I !
Fazemos sinceros votos para que tenhamof
somente a lamentar o enorme dispendio de di-
nheiros pblicos, que taes medidas acarretafn :
scoi fallar no bonilo papel representado pelo Sr.
Manoel Alves !!
Burke.
i'lBLlCWS 4 l'EDIDa
Ao eleitorado do 4 distrieto
E' chegada a occasio de solicitar do indepen-
dente eleitorado do 2 distrieto a renovaco do
honroso mandato de seu representante, cujo di-
ploma me foi arrancado pela cegueira partidaria
de mos dadas com o odio escravista na legisla-
tura que acaba de lindar cora a d;ssolugo da
Cmara dos Deputados.
Tendo continuado a considerar-me o legitimo
representante do distrieto, nao posso, por isso
mesmo, aspirar siranlesmenle a honra de ser o
deputado novamenle eleilo ; desejo que o pleito
de 31 de Agosto tenha tambem urna signifleago
especial : seja o protesto contra a espoliago do
meu direito ue deputado duas veiea eleilo ; seja
a restaurago do meu diploma violentamente
rasgado ; seja a conlirmago de que nao tenho
desmerecido no conceito e na conliauga dos meus
concdados,
Eu aguardava com anciedade a occasio de
poder provocar urna manifestago ciara e solem-
ne do brioso elilorado uo 2o distrieto. E' por-
lanto, cheio de sasfago e de contianga que para
elle appeliO, sem a menor duvida sobre o julga-
mento que tiraba de ser proferido, apezar de
lodus as machinages, perfidias e diffainages a
que recorram os meus rancorosos iniraigos.
A manifestago franca e sera reservas de mi-
nha.s idtias sustenladas nos meetings, as confe-
rencias publicas, na mprensa, na tribuna par-
mentar, bastante para aflirmar os con.promis-
sos por mim conirahidos para com o povo, em
cujo nomc aspirarei sempre a honra de poder
fallar: e por outro lado, uccenta. de modo bem
claro e positivo, o dever que me cabe de accei-
tar as soluges, ainda as mais arrojadas, de libe-
ralismo moderno, conciliadas cora os altos inte-
resses da patria que todos devenios fazer forte e
grande, prospera e feliz, urna s e indivisivel
pela integridade do seu solo e pelo lagocomninm
do amor nacional.
Xo me escusarei, entretanto, de mencionar
que, entre todas as reformas que o partido libe-
ral chamado a realizar, devenios, antes de
tudo, trabalhar para que o povo tenha interven-
go mais directa e eflectiva na governago pu-
blica pela ampliago do direito do voto do qual,
em sua maioria. tem estado privado. Devemos
igualmente trabalhar para que as provincias e os
municipios tenham a mais plena autonoma, en-
trera no inteiro governo de si mesmas, para, inde-
pendenteraente de lutea administrativa estranha,
gerirem seus negocios, applicarem suas rendas,
prouioverem os seus melhoramentos, concillndo-
se ao mesrao tempo os interesses peculiares cada
urna das provincias, de modo a fazer desappare-
cerera rivalidades, ou antes, hostilidades que co-
megara a manifestarse e que fatalmente preju-
dicaro a homogeneidade nacional.
Beconhego nao ser possivel exigir de um ga-
binete a execugo, de urna vez, do programma
inteiro de seu partido ; e por isso me contentarei
que o gabinete 7 de Junho eraprehenda a reali-
zagao d'aquellas duas reformas ca'pitaes, a par
de outras medidas de ordem differente e de nao
menor importancia, como seja promover melhora
mentos pblicos, auxiliar e favorecer as artes e
industrias nascentes e a lavoura que to patrio-
tica quanto desinteressadamente tem auxiliado
a transformago do trabalho nacional, e por meio
de medidas econmicas e financeiras impedir as
caprichosas oscillages do cambio, desenvolver
o crdito, fazer a cooverso do nosso meio cir-
culante depreciado, e assim concorrer para que
seja melhor aproveitada e desenvolvida a riqueza
publica e diminuidos os encargos da divida Ba-
cional.
Diz-me a consciencia que, mesmo proscripto
do pirlameoto pela mais violenta das reaege*.
nao me deixei tomar de desanimo nem me con
servei em inactividade; ao contrario, conti-
nuei a servir, com ardor, dedicago e firmeza,
causa do povo e da democracia. Posso asse
gurar ao eleitorado do 2o distrieto que, eleito
novamente seu representante, saberei honrar o
mandato que me fr confiado, nao trahindo os
compromissos do meu passado nem illudindo
as esperangas do futuro; hei de sempre procu
rar corresponder contianga dos eleitores de-
fendndo os grandes interesses da altiva pro
vincia de que me orgulho de ser lilho e baten
do-me pelos direitos do povo.
Xutro a esperanga de que nao appellarei in-
tilmente para o eleitorado do 2o distrieto e que
d'elle hei de receber um diploma revestido da
forga e do prestigio necessarios para no parla
ment ncionaal collocanme altura da grande
niisso de que tenha de ser investido.
Cada um dos Srs. eleitores do 2o distrieto com-
prehender aimpossibilidade material em que
me acho de nrpcural-os pessoalmenie para pe-
dir-lhes que'he lnrem com os seus votos e
com a sua franca adheso.
Sao bem conhecidas as minhas ideas e a oh
nha attilude diante dos negocios publico,-; e
quando os Srs. eleitores desejem nterrogar-me
tero a facilidade de o fazer as reunies prehm-.
nares ao pleito, que sero promovidas em pontos
determinados de cada parochia, por ser esse o
meio mais fac de por-me em contacto cora os
Srs. eleitores.
Espero, porta.ito, que i3ao nao ser motivo
para que deixera de sufragar a miaba candida
tura e fazel-a sabir triumphante das urnas.
Beciie, 20 de Agosto de 1889. ,
Jos Marianno.
6.- Distrieto
Jom Mara e O Norte
Becife, 28 de AgostoMe 1889.
fe FlLlPPE DE FlGUEinA FARU.
Li com pasmo d'O Norte de hoje um artigo
editorial, era que se diz ter ido recentemente para
a Escada, onde nao espero matorta, um destaca-
mento de 40 pragas para garantir a minha elei-
co.
I BRio tendo solicitado essa providencia, telegra-
phei a pessoa competente para informar-me o
que hath.de verdade a tal respeito,
Bespondjf-se-me que era inexacta tal aflirma-
tiva; qulo havia seguido para a Escada esse
destacanJinto.



/

Diario de Pemambuco-Quinta-feira 29 de Agosto de 1889
Cumprindo pois. um dever de cavalheirisrao,
acquiesco ao appello que me faz o orgb republi-
cano ffirmando aos seus honrados redactores
que nao seguio para a Escada o destacamento a
que se refere.
O procedimento leal, digno e correcto que hei
tido na minha excursao eleitoral e que pode ser
attestado pelo nrea honrado competidor c chefes
cou8ervadores das localidades que hei percorndo,
demonstrara sobejamcnte que pretendo e espero
ser eleito pelos meios regulares, sern empregar
a violencia, a ameaga ou a corrupto.
Se for derrotado, oque nao espero, restar me-
ha a satisfago de que para ser deputad" nao me
aproveitei de nenium recurso menos digno ou
censura?el.
A minha campanha de paz e liberdade ; pego
votos doutrinando; nao minto, nao uzo de sub-
terfugios e nem prometi o que nao posso cun
prir.
Aprsente qnem quer que seja urna prova em
contrario e desde j comprometi rae a resignar
a cadeira de deputado peral, se for eleito.
Nao sou obrigado a tornar puolicos os meus
clculos eleitoraes, mas tambera nao autorisei os
illnstrados redactores d'O Norte a affirmar que
eu nao espero maioria noscollegios da Escada.
Em viagem na linha frrea de Caruar, entre
as estagoes de Russinha e Pombos, 28 de Agos-
to de 1889.
Jos Marta.
esses
Companhia do Beberibe
Dr. Viremont, Laic & Companhia
Nao posso estar espera que o Dr. Viremont
reselva-se a concluir a serie de artigo que se
propoz escrever contra a Companhia do Beberibe,
para entao responder-lhe, pois sao publicados
com urna lentido enorme.
O Dr. Viremont apenas pretenda publicar o
primeiro artigo, mas tendo falhado o plano, nao
lendo sortido o efleito desojado est elle anda a
procura de assumplo para os outros artigos
Os artigos do Dr. Viremont nao sao publicados
a esmo, sao muito estudados e discutidos pela as-
sociagao de que elle representante, e at a po
cha da publicago do artigo objecto de parti-
cular attengo, s escolhendo-se occasies apro-
priadas 3 produztr o almejado resultado.
Assim, de urna vez apparecem os artigos quao
do se est emitliiio aeges, de oulra as vespe-
ras de alguraa assemblea geral, etc., em sumina
qnaudo suppem poder causar Dnico nos nego-
cios da Companhia ou atacar-lbe o crdito para
produztr baixa nos precos das acedes. E' notavel a
coincidencia.
Companhia cora o Ara de tentar mostrar que
ella est perdida, (le desacredtala, em summa
prejudical-a em todo o sentido.
Poderia eu responder-lhe stmplesmente : nao
tenho que dar-vos a menor explicago sobre a
vida econmica da Companhia, pao tendes o di-
reito de inquirir desde que nao sois accionista,
apenas procuris especular, tirar proveito na bai-
xa do prego das aegoes, para vos e vossos asso
ciados e assim electivamente fago quantoao Dr.
Viremonl"; mas ao publico darei todas as expli-
cacoes, etrarci em todos os detalhes, como passo
a fazer, aorque tra;ei como regra viver s cla-
ras, e a Uompanhia do Beberibe sempro proce-
deu correctamente.
Patenteado que seja o aggi-essor c qual o seu
intuito, para melhor apreciagao dos argumentos
apresentados. tratarei em seguida dos pontos
controvertidos.
Recife, 28 de Agosto de 1889.
Ceciliano Mamede.
TELECRAMMAS
Servido especial do Diario
de Noticias
Mossor, 2i (a 1 hora e 43 minutos da tarde).
Pedimos publique em seu conceituado jornal
o seguinte telegrarama, hoje dirigido aos Srs.
presidente do conselho e ministro do imperio :
Amaro, candidato por ambos os disirctos,
ameaga perturbar a forga publica, seguindo para
diflicultar a eleigo de Miguel Castro.
Abusa do norae do governo, jogando at com
soccorros pblicos. Os liberaes estao sendo
demettidos e os logares otferecidos aos conser-
vadores, cujo triumpho prefere. Pedimos garan-
tas ao goveroo.
Os amigos estilo dispostos a resistir a todo
transe, em defeza dos nossos.Jos Bernardo de
Medeiros e Miguel Castro.
6. districto
Somos informados de que, hoje ou ama-
nha, seguir para a cidade d Victoria O
ELEMENTO ANONYMO com que se
frustou a reuniSo convocada pelo Sr. Silva
Jardira, e j antes derramara o sangue
dos nossos amigo* de S. Jos na eleigo
do 1. de Dezembro de 1884.
O fira manifjstovencer pelo terror
ou nutilisal-a, ee
a eleigo da Victoria,
Ultimamente.porm.oDr.KMwno/itqurseapro nao for possivel atterrar os conservadores,
veitar de achar-ine gravemente doeuie e nao po que ai| estil em maioria...
der responder-lhe com proinptido. B entao l-
cando o artigo sem respostp passaria como caso
Trazendo ao conhecimento do publico
semelhante noticia, nao esperamos nenhu-
julgadoe.... asaques cahiriam de prego ea uemetnante noticia, nao esperamos nenmi-
seriedade do Dr. Viremont < C, colheria os frnc-, ma providencia das autoridades superio-
tos appctecidos.
Como que o Dr. Viremont vem ao jornal sem
estar preparado para publicarsuccessivamente to-
do os artigos, e o taz por intervallos to longos ?
Nao contava elle precisar de raais de um, lique,
porm, certo de que aiuda mesmo que sejam cera
o resultado ser o mesmo.
Mas, perguuto anda urna vez, porque o Dr. Vi
u moni nao Arma com seu proprio nome os arti-
gos que publica ?
Para mim seria urna excelleule resposta ao
proprio Dr. Viremont dizer ao publico quem
elle .
Mas que a conscieucia Ihc brada revoltada
contra o seu procedimento, e toruar-se-hia mais
patente o uiovel que o guia.
O hornera civitisado^o cavalheiro quandojulga
dever tomar desforra de outro o faz em campo
livre, com a face a descoberto, era plena luz do
dia: apenas o sicario que desfrga-sc, langa mo
da mascara para apoderarse da bolsa alheia ou
tirar a vida ao inimigo sem ser conhecido.
Urna grande van t^gcm pode colher o Dr. Vi-
remont firmando o seu nome. At hoje tem sido
infeliz em suas pretenges, ninguem lera querido
acreditar era seu talento nem illustrago, apenr
das variadas e apparatosas exhibiges. no entre-
tanto senJo conhecido S. S., tal vez que os aecio
nistas da Companhia do'Beberiba julguera con-
veniente aproveital-o eeuto S. S. teria urna pe
quena compensaco do rigoroso desdem com que
tem sido tratado pela injusta sorie, e ao mesmo
tetnpo teria em que oceupar as horas.
O pseudonymo um grande erro, e S. S. lera a
prova d'islo : se quando S. S. publicou aquellos
celebres e monumentaes artigos sobre as (nan-
gas province a que nraguein deu attengo. ti-
vesse-os assignaJo, por certo que nao teria nau-
fragado sua candidatura, c teria creado a repu-
tago de financeiro.
O Dr. Viremont ha de reconhecer que nenhu-
raa culpa tenho de s*us males, que injusto era
atirar-se to iroso cuntra mim.
Mas porque o Dr. Viremontescreve sobre a
Companhia ilo Beberibe gastando dintieiro e
tempo. se nao isa nicamente fazer baixar o
prego das acedes para loeupletar-se ?
Se fosse o interesse publico nada erabaragaria
tirmar os artigos, e seria outro o ponto de vista
em que se collocaria. ao passo que apenas se nc-
cupa da vida ntima da Companhia. da parte eco-
nmica, do que ( interessa aos accionistas.
Porque o Dr. Viremont limita seu interesse
pelo bem publico i Companhia do Beberibe, nao
trata das oulra Companliias f
Procurcu a que lhe pareca melhor presa !
Se o Dr. Viremont fosse accionista da Compa-
nhia do Beberibe, se fosse guiado pelo deseje
devel a prosperar, ata aria, verdade, a direc
toria da Companhia mas pelos enos commetlidos
em prejuizo da Companhia, procurara mostrar o
camiuho melhor que se devia ter seguido, iudi-
caria o raeio de corrigir os erros. Outra porm
a norma de conduct- do Dr. Viremont ataca a
directora para offondel a : e tudo o que diz da
res ; escrevemos a historia do actual pe-
riodo eleitoral.
Acautelem-se os adversarios do Sr. Jos
Maria !! ..
Um conservador.
S. Bento
Chama-se a attengilo de S. Esc. o Sr.
bispo desta diocese para o procedimento
irregular e escandaloso do vigario de cer-
ta villa que com a inaior ostentagao vive
com urna Julia de tal, na mais doce con-
vivencia, tendo a teda e manteada ; che-
gando a sua desfagatez ao ponto de fa-
zel-a habitar urna casa contigua propiia
matriz de que parocho, com a qual tem
communicagao pelo interior, atira de po-
der mais fcilmente fazer suas oragoes
acompanhado.
No terapo do Sr. frei Vital foram sepa-
rados os dois pombinhos, e a bem-da mo-
ral carece o sacerdote Venteoste de nova
corregi.
Que nos seja perdoada a indiseripgao
pertubando a paz do lar do Sr. parocho.
Joo Galop*,.
Revista do Mercado
Rkoifz. 28 DE AGOSTO DE 1889.
O inovimento fui quasi nullo.
Bolsa
CcTAgES OEtICIAS DA JCXTA DOS ^DB-
KETUKK8
Recife. 28 ae Agosto de 1869
Apolices provinciaes, juros de 7 0,0, valor de
1:0'jO* a 973* cada urna.
Na Bolsa Venderara se
57 apolices urovinciaes de 1:000*.
o presidente,
Candido' i" G. Alcoforado.
O secretario,
, Eduardo Dubeux
Assucaf %.
Os prcos pegos ao agricultor, por 15 kilos, se-
xuado a Associ^o Co.amcrjjal Agricola.foram
os seguir, tes :
Branco..... 3*600 a 4*000
Somera..... 24700 a 3*000
Ma3Cavado purgado 2*200 a 2*600
broto. ((ir.nc) 1*600 a 2*000
Rtame..... 1*200 a l*iO0
A exporlago feita pela alfaodega nesle raez at
o dia 2i, udio a l.'tW.580 kilos, sendo 93
para o exterior e !..'!ia.00 para o ulterior.
As entrada- verilie ul;.s at a data de hoje so-
bem a 5.764 saceos, sendo por :
Barcag's..... 1.8^4 Saccc3
Vapores..... ...
39
Vi-ferrea de Caruar. 7r*
Via-ferrea de S. Francisco. 3 123
Via-ferrea do Limooiro 170
6. districto
Est prxima a elei$ao para depu tados
geraes, e, talvez prxima a vergonha eter-
na para o 6.- districto, elegendo o Sr.
Jos Maria de Albuquerque Mello.
Dizem que tudo se pode esgerar em po-
ltica, mas ser acceita a apresenta5"io do
Sr. Jos Maria para deputado gral pelo
6.- districto !... n3o era de esperar e nem
era crivel.
O eleitorado do 6.* districto composto
em sua maioria, de agricultores, ricos, il-
Iustrados, honestos e independentes, e de
negociantes as mesmas condiges, nao
deve descer a ponto de votar em um Jos
Maria.....
A eleicSo de Jos Maria para deputado
pelo G.- districto vergonha eterna para
o eleitorado do 6.- districto.
Escada, 27 de Agosto de 1889.
Opiniao publica.
Companhia do Beberibe
Emprestimo de o.ooo
As compantas, como os
individuos, gosam da esti-
ma e consideracSo publica
na mesma proporgao que
cumprem com os seus de-
veres.
Ceciliano Mamede.
O emprestimo de 100,000 cuja ultima en-
trada se fez em 20 de Agosto de 1885 (relatorio
de 188S) aprsenla urna historia a que se ligam
tolas as vacillages, todas as apalpadelas, todas
as tentativas da companhia para realisar as eran-
dea obrai de que ella careca para abasteciraen-
to d'agua, em abundancia aos liabitautes dcsla
eulade.
Os primeiros ensaios d'esse giande desidertum
esbocam-se em 1881, quando a companhia re-
quer ao goverho imperial augmento de seu ca-
pital, que era euto representado por 12,000 ae-
goes, ao prego de 30* e um activo de........
1,393:3213*708.
No relatorio de 1882 l-se : (A acquisigo de
'fundo capital necessario para indemnisago des-
sas obras (novas), outro ponto sobre que de-
vo chamar a vossa attengo).
(Diversos sao os modos de. ver e eocarar esta
nuesto vital, a uns surge como principal idea
a acquisigo de valores por emprestimo sob ga-
ranta de iiypothecas e obras da companhia, ad-
quiridos a juros raodiecs e a prasos longos, rea-
Usados uos lempos precisos para effcctuarctc se
uS comproraissos).
(A outros vera ao espirito a vontade de uni-
fonuisar o systeraa de aeges. liquidando a au -
tiga corapauuj, pelos valores da praga, dando
importancia ao privilegio adquirido, qe sem
duviJa nertence exclusivamen.e aos acciouis-
nistas.
(A nilos parece de incontestavcl iuleresse a
emisso de apolices pelo prego do mercado, nao
s com o ll:n de augmentar o numero dos vos
sos accionistas, que na verdade limitado, e
pequeuo para gerir os nossos negocios, como
porque podem ser emillidas a proporgao das
nossas necessidades).
Em. 18 de Dezembro de 1882 (vid. relatorio de
18831 a assoiubla geral resolceu. epois de ca
lorosa discusso que licasse a uirecgo aulori-
sada a mandar proceder as obras por meio de
adminitragao, obleado os capitaes por ineio de
emprestimo.
De 1883 a 188i fizeram-sc annuncios para pro-
postas do emprestimo.
Em 1883, porm, (Vid. relatorio de 1880), a 9
de Juobo. o empresiimo foi realisado com os
Srs Kuowles e Fosier na iraponaiicia de 100,000
libras sterlinas.
Oa rotatorios de 1881 para c nao cogitara de
outro emprestimo seuio do de 100,000 ; e sao
assemblea geral em le 13 de Dezembro da-
qiiellc anno, resolveu e autorisou emprestimo.
nao podia ser. pelo exposto, senaoo que se rea
Ispu em 1885.
Foi um truck artstico do Sr. gerente, que cita
acta e uZo relatorio.
Cora urna cajadada matou dous coelhos; cora
urna s autorisago contrahio um emprestimo de
100,000 e mais outro de 30,0001
Neste andar, e com bt de indemnidade dos
Srs. accionistas, p le ir muito longc.
Mas as novas obras ua companhia que deviam
ser um raonstrengo de 1,100 contos, eslo um
raonstro de 2,072 contos.
E' una especie de torre de Eiel, cujos anda-
res sao : 1,200 contos, 450 contos e 480 contos.
O monstro representa capital e dividendos ac-
curaulados.
O estafermo aguenta com esse reboco de di-
videndos, porque nao pode protestar e gritar:
nao sou eu que lenoo devorado toda aquella
fomma.
Em resultado, os Srs. acciouistis, que nao ti-
rema o ultimo dividendo, ho de ter o seguin-
te, quando vo sobrecarregar anda inuis a re
ceita as despezas e juros e amortisagao das. -.
50.001 (>
Sao esta o Sr. gerente sempre a dizer aos
bons horneas : eStMBOs no ^aelnor do mundos!
o orgamcnio riadooro magnlico ? !
E 0 bons horneas exialicos diaute do fetiche,
cntoam o hyninoVomauo :
Ave Gerens'. deeepti te silutatit. <
Dr. KivMOHf.
Agradecimento
0 abatxo assignado, tendo se retirado do esta-
beleciuiento Balneario, sito nos Arreciles, vem
do alto da irapreusa agradecer ao 5r. Carlos Jos
de Medeiros, proprietario do mesmo estabeleci-
mento, e a sua Exma. familia as maneiras llia-
nas e delicadas com que sempre o aclheram
durante o terapo que esteve como seu empre-
gado.
Rocife, 28 de Agosto de 1889.
Emygdio Marti,is Ferretea.
Para deputado gera]
'i. districto
DR. JOS NICOLAO TOLEXTIXO DE CARVALHO
Muitos cleitores.
msasztsx
Faculdade de Direito
Consta-nos que, por ordem do Sr. con-
selheiro- Silveira de Souza, director da
nossa Faculdade de Diroito, foram com-
prados, para o servijo da respectiva secre-
taria, 12 vidros com urna agua'.de invento
de um americano, que se ncha n'esta ci-
dade, destinada a apagar completamente
os caracteres escriptos era qualquer pa-
pel .
O Sr. conselheiro Silveira de Souza,
parece-nos, nao roflectio bastante quando
autorisou semelhante compra, pois o uso
de tal agua em urna secretaria de facul-
dade faz do quadrado redondo e do redon-
do quadrado...
Um americano.
E' bom registrar!
O escrevente, que, no Jornal do Recife,
rabisca os favos e favas, acha que urna
causa de nonada, urna tolice, rcclainar-sc
contra o tacto de ser um official da guarda
nacional preso na inxovia de urna ca-
lea
Nao graga. O ficto ah est. Acha
o grande escrevente que o Dr. Juvcncio de
Aguiar, reclamando contra o abuso com-
raettido pelo delegado de Goyanna, que
prendeu o tenentc Angelim, representou
apenas urna farg^ !...
E quem escreve isto o redactor de
um jornal liberal I
E haver quem se engae ainda com
eases tartuf>s i
Soccorrani.
NOTA
Escrevemoa este artigo depoii da lettoK.do
relaiorio de 1889, publicado DO Jornal do Ree, fe.
K'essa publicago ia-te qu o empratirao
das 50,000 foi resolvido as assemblas geraes
de 1 a 13 de Dezembro de lil.
Has no relatorio, p.iMloa; i em avaiso, le se
que o referido cmr>r'.nim, foi resolvido as as-
semblas de l a 13 dQ Bc-.'-n ro de 1^82.
Cun outras datas ar presiimo torna s- cvifitmis>t.r. i se possive!
adiniltir-se graos de evilen :ia.
() Dizem que a lctica Sgom. pagar um di-
dividendo e o outro nao. ?cr4 um |ogo Bonito.
tendo havido nogocio em papel particular a 27
3/8.
TABELLAS AFFIXADAS
Corrigenda
Xo artigo do Sr. conselheiro Gongalves Fer-
reira, inserto honlem neste Diario, o periodo
me comer pelas patarras : mas o mea actual
competidor deve ler-e, nao como foi publicado,
porm do seguinte modo :
Mas o meu actual competidor nao quer du-
vidas e, nto encontrando obstculos por pane
das autoridades superiores, pretende, naquelle
coliegio, onde sua enorme minora conhucida,
tura, inutilizar aqueHe i!.' modo que eu fique,
sem conteitagao e desde logo, tora de comba-
te.
O conselheiro SSauoel Al ve de
Araujo
O reconheciraento de um povo o motor ga-
lardo a que pode aspirar um hornera poltico.
A eslima dos seus coevos nobilita aquolle que
d'ella alvo, transmute aos posteros o norae
abi'ngnado de seu eleito.
E' o que preseniemente se di com o illustre
estadista, que actualmente dirige os deslino-
d*esta provincia que, em boa hora, lhe foram
confiados.
O Sr. eoBselheiro Aires de Araujo ronreneido
da grande conveniencia de um luelhoramealo a
esta provincia, ti.-ou do fri esqnecimenl de
perto de 10 nnnos a idea c. urna poni sobre o
rio l'irangy-Ass no povoado de Ctenle, man-
dn orear as despezase determinou uimameute
que fosse posta em arrcmalarao jiubca a con-
sttu*0 da obra
S. Exc. prestou um relevan!issimo servigo a
esta provincia, e especialmente aos habitantes
de Cateado e Palmares e de toja aquella riquis.
sima zona circumvizinha.
Parabcns a S. Exc___ O povo de Catende
guardar eternamente era seu coragio, e bem
dir o uome do valente general que dignou se
promover seus interesses.
Parabcns ao Sr. conselheiro Alves de Araujo
e em norae dos calcndenses agradego
C. S'nden.
Registro de marca
Xo 153
A marca consiste em um quadrilongo
formado por urna fita grega de cor bran-
ca, sobre fundo cor de cat ; no centro de
um oval, duas creancas nuas, raeio envol-
vidas em um manto fluctuarrto, tendo a
do primeiro plano um arco na inao direita
e urna seta na mSo esquerda, sendo todo
este dezenho cor de carmim, no alto do
oval do lado de fra e formando canco
direita, um arabesco e o monogramraa
C. A., e esquerda outro arabesco e o
raouogramma & C.; direita circulando o
oval ix palavra Cigarros ; esquerda,
do mesmo modo, a palavraEspeciaos ;
em baixo, a palavraDeliciase dois ara
bseos um de cada lado, formando canto;
todos estes dizeres em letras capitaes
brancas, com sombra branca, sobre fundo
cor de caf: ao lado, em letras capitaes
cor de caf sobre funJo branco, as pala-
vrasFabrica DianaCarlos de Arruda
& C. Ra de Marcili Dias n. 17An-
tiga Direita telephone n. 341 Pernam-
bucoSeparando estas linhas arabescos
cor de cat.
Estava sellado com urna estampilha de
duzentos res inutdisada da seguinte forma.
Recife, 8 de Agosto de 1889.
( arlos de Arruda di (7.
Certifico que a presente marca foi apre-
sentada a registro s 11 horas do dia de
hoje.
Secretaria da junta commercial do Re-
cife, 8 de Agosto de 188'J.
Em f de verdade.
l'elesphoro Fragoso.
Certifico que foi registrada sob o n- 2)3
em virtude do despacho da meritissima
junta erasessao de hoje.
Pagou t->300 de sello, e adJicional do
registro no segundo exeraplar.
Secretaria da junta commercial do Re-
cite IGde Agosto de 1889.
Em f de verdade.
Talesphoro Vea Par ido republicano
Candidatos do pas*tido
0 Directorio Central do pulido republicano
aprsenla aos correligionarios a cbapa completa
dos seus candidatos, na eleico do prximo da 31.
J." iittrido,
Dr. Annibal Falcan, artista, residente no Recife.
J. dtetelo
Dr, lhnx-1 Gomes de Mallos, negociante, resi-
denle no Recite.
8.' districto
,r. Joo Carlos Balihazar da Silveira, mlico,
residente no Recite.
4." astricto
Dr. Luiz Perreira Uaoiul Pinhciro, jornaiisla,
residente no Recife.
~>." diitr'.cto
Dr. Francisco Gomes Leopoldo de Araujo, me-
dico, resiliente en; Palmares.
G. districto
Dr. Jos Izidoro Martins Jnior, advogido, resi-
dente no Recife.
7.* districto
Dr. Ambrosio Machado da Cunha Canteante,
agricultor, residente en Ioojuca.
8." districto
Dr. Beroardo Jos da Cmara, agricultor, resi-
dente esa Cuyarabuca
9.a districto
Francisco Cirnelro Rodrigues Carape! lo, agricul-
tor, residente no Cubo.
6. districto
Est prxima a eleigao para deputados
geraes, e, talvez prxima a vergonha eter-
na para o b'. districto, elegendo o Sr.
Jos Maria de Albuqnergue Mello.
Dizem que tudo se podo esperar em
poltica, mas ser acceita a apresentaclo do
Sr. Jos Maria para deputado geral pelo
6. districto !... nao era de esperar e nem
era crivel.
0 eleitorado do G. districto composto
em sua maioria, de agricultores, ricos, il-
lnstrados, honestos o independentes, e de
negociantes as mesmas condigSes, nao
deve descer a ponto de votar em dito Sr.
Jos Maria.....
A eleigao de Jos Maria para deputado
pelo 6. districto vergonha eterna para
o eleitorado do 6. districto.
Escada, 27 de Agosto de 1889.
Um ehitor
II
o
Bacharel Antonio Witra-
vio Pinto Bandcira
Pode ser procurado ra do Imperador
n. 71, Io andar
Agradecimento,
A abaixo assignada faltara a um dever
de gratido se nao viesse do alto da im-
preesii manifestar o seu i-econhecimento ao
Exm. Sr. conselheiro presidente da provin-
cia pela manciragraciosacomquelhe conce
deu o theatro de Santa Isabel para nelle ciar
um espectculo em seu beneficio, atim de po-
der continuar nos seus estudos e ao Exm.
Sr. Dr. Jos Mariano, pela coadjuvagao
que lhe dispensou na reasagao deste em-
penho. Aproveita a occasiao de igual-
mente agradecer aos llustrissimos Srs.
commaodantes do 2." batalhlo de infanta-
ria e corpo de polica, a gentileza com que
Be dignaran ceder as bandas de msica
dos respectivos corpos, para mais abri-
Ihantar a sua festa.
A todos um sincero aperto de mao.
Recife, 28 de Agosto de 1889.
Hcrcilia Graga.

OQggQ
Conferencias Republicanas
Tendo de seguir amanh. para a Escada
&fiiu de j-ealisar as conferencias anmmcia-
das, s na volta poderei responder ao avi-
so estemporaneo do Dr. Martins Jnior,
no Ufarte de Domingo.
Recife, 27 d-e Agosto de 18S9.
Ricardo Gui.narcies.Brazileiro por na-
turalisagao.
fl .
US .
l.iii .
6.973 Saccas
Somma.
o.JCi Sacw:
H
i
- e
1 te * CJ w
s ex tu t c-
^1 ai u *J
o a. 5
* w &
" ^1 s 0 - -<

a 05 - 4
Cambio
Os bancos adoptaran) hojo a taxa de 27 1 i d.,
sera scharim ir oadores.
Km papel pa cular nao constou trMMpgao
almima, exigiifdo os bancos *7 .
uos.
Ne Rio o Baoco Internacional saccou a j7 1 i:

Algodo
Mantem-se a cotagio de 7*100 para o de 1"
sorte do sertao, continuando dovidosa a poricjo
do mercado.
A exportago, eita pela alfandega neste mez
t o da 26,'attintTio a 1.007.213 kilos, sendo.
97.406 para o exterior e 299.807 para o interior.
As entradas verileadas at hoje sobem a 6.978
saccas, sendo por :
Barcacas..... 600 Saccas
Vapores..... 2.700 ^.
Autmaes
l.W
Via-ferrea oe Caruar.
'ia-!errea de S. Francisco.
Vtafern*a de moeiro
Sorama.
^Stiardeatc
Cota-se a 105500;), por pipa de iSt' litros.
Aieool
Cota-se a 2O9*W por pina de iSo litros.
el
Cota-se a 70*000 por pipa de 480 litros.
Cozt ros
Couros salgados, 33d rjis, e os verdes a 210
ris.
8*ais(a num : i.26 a 31 de agost) de 1859
Vite o Diario de 2o de Agosto
1%'avlos k descarga
Barca nonjeiiuense Gllead. (errageos.
Barca nacional Cecilia, varios gneros.
Barca norueguense Solid, carvo.
Bacoaa hollandeza Jan Smit, farinha de man-
dioca.
Lugar nacional Tigre, xarque.
Lugar nacional layo, xarque.
Lugar americano Belle Hoopn; farinha de trigo-
Patacho allerao Marie con Oldendorp, xarque.
Patacho nacional Regaltira, xarque.
Patacho allemao Frederick, xarque.
Patacho dinamarquez tugar, xarque.
Patacho dinamarquez Gefion, xarque.
Vapor ingles 2fitfar Importaco
Vapor nacional Arlindo, entrado do Rio de Ja-
neiro e escalas em 28 do Corren te e consignado
a Pereira Carneiro & C. Maniluslou :
Tumo 20 vuluines ordem.
Farcllo 2.200 saceos a B. Forster & C, 2.000
Amonm Irmaos & C.
* -----
rixportaco
BBCIFB, 27 DI AGOSTO DE 1889
Para o exterior
Nao bouve exportagio.
Para o interior
So vapor nacional Arlindo, carrecaram :
Para Rio Grande do Sul, P. Carneiro* C. 200
saccas com 13,210 kilos de algodao e 1,672 bar-
ricas com 175,360 kilos de assucar branco.
Para Porto-Alegre, P. Carneiro & C. 8 saccas
com 603 kiias de algodao.
Pergunta-se
Ao bacharel Jare. vulgo Geritmmde grota, se
em Pao d'Alho usa das estam.oilhas que usava
nesta cidade quando era juiz o Dr. Tamariudo ?
Victoria, 27 de Agosto ue 18S9.
Leunc o.
Para Ro de Janeiro, P. Carneiro i C. 829
saccas com 62,983 kilos de algodao,
No vapor francez Ville de Baha, carrega-
rara :
Para Santos, Amorira Irmaos & C. 500 saceos
cora 30,i'00 kilos de assucar branco e 230 ditos
cora 13,000 ditos de dito inascivado ; A. Y. de
Barros 803 saceos com 48,300 kilos de assucar
mascavado ; Bartholomeo t C. Successores 8
caixas com vinho jurubeba.
Fara S. Paulo. J. L. Ferrera 19^ saceos com
11,640 kilos de assucar mascavado ; A. A. llol-
landa Costa 24 duzius de elixir cabeca de negro.
Para Rio de Janeiro, Costa & Fernandes l.OO
cocos, (rocta.
Xo vapor austraco Pandur.i, carregou :
Para Babia, J. 11 B?xwcll 23) fardos com
23,623 kilos de algodao.
No vapor nacional Par.'caraegaram :
Para Manos. P. Alves & C. 13 barra com
1,41o [itro3 de agurdenle e 23 barricas com
1,208 kilos ae assucar branco ; J Borges 40
barricas com 2,631 kilos de assucar branco.
Para Para, II. F. Kartioa 177 barricas com
15,064 kilos de assucar braceo : P. Alves & C.
70 barricas com 2.811 kilos de assucar branco ;
Bartholomeo < C. Successores 8 caixas com vi
nho jurubeba.
No hiate nacional ApoJy, carregaram :
Para Mossor, M. Viegas 4 C. 20 caixas com
160 litros de genebra.
No cter Olivara, carregou :
Tara Mossor. A. M. da Silva 5 barris com
400 litros de mei.
Na barcara Plienix, carregaram :
Para Maragogy, V. Costa C. 5 caixas com
40 litros de xarope medicinal.
No cter Colombo, carregaram :
Para Natal, Fernandes & Irmao 6 caixa3 com
120 kilos de oleo de mocot.
Quarto districto eleitoral de
Pernambuco
Illm. Sr.Pretendo a honra de ser deputado
geral por esta provincia de meu iiasciniento,
pelo que rogo a V. S. o muito particular favor
de darme o seu voto e dos seus numerosos ami-
gos por esse 4" districto em a eleigo de 31 do
corrente mez ; antectpan Jp-lhc os meus sinceros
agradec mehtos.
Se eu merecer o obsequio que venho de soli-
cljar, sera minha missaono parlamento brazilei-
ro sastcniar o luminoso prograiunia do patriti-
co e venerando gabinete 7 de Junno.
Soa com a maior considerago e estimaDe
V. ?. venerador e criado obngadissimo.
Jos Mana Rumos Gorjao.
. Recife, 17 de Agosto de 1889.
Dr. Alfredo Gaspar
MEDICO
Operador, parteiro trata com espcciali-
dade de molestias do senhoras e creancas.
Consultorio e residencia ra da impe-
ratriz n. 18, Io andar.
Consultas de 8 s 10 da manha.
Chamados (por escripto) -i qualquer hjra.
TELEPIIOXE s. 226
Renda provincial
Do da la 27 69:287*116
w. ao*
Oleo puro medicina! le Picado le
Bacallio de Lanmnn <& Keinp
De urna simples tosse resulta muflas vezes o
bronchitcs, a tsica, a cmaeiaeo e analmente a
morte. ,-
A tosse o signal prenirsor do pengo que se
avistaba.
Nao esperes al que seja larde demais.
Ninguem sabe se a tosse passageira de hoje,
ser amanh a tosse pronunciada de um tsico ;
portanto lodos devem saber, pois a faculdade
medica assim o diz, que o Oleo Puro Medicina! de
Pigado de Bacalhao, de batimn 4 Kcmp, subju-
ga a eiifermidade antes que chegue a cravar suas
terriveis garras no centro da vida, e restabelece
COmpletameBle a saude dos orgos da respira-
gao-
Use-se deste poderoso remedio, se possivel,
lo leste como haja algum motivo de alarra i ;
mesmo quando venfermidade pulmonar, tenlia
j d'ixa lo impressos as faces seus febris ves-
tigios, c convertido o corpo em urna sombra,
anda assim mesmo, nfn ha que desesperar.
Suas propriedades curativas e restauradoras,
podem subjugar a molestia al mesmo quasi a
undcima hora. Porm tenha-se em (embrue*
que n'o lia no mundo um remedio lio geralmen-
tn adulterado, como o genero queHe ordinario
se vende com o nome de Oleo de Figado de Ba-
calhao.
Veja-se, pois, se se alcanca o cspelico puro,
fabricado pela casa de Laninan t Ken^. dos li-
gados raais frescos, c cuj i conservago malte-
ravcl.'
Arha-se venda era todas as principaes bo-
ticas e lojas de drogas. *
V



Leonor Porto
i Ra Larga do ttosario na- j)
( mero S

SEGUNDO ANDAR '
Contina a executar os mais difficeisj
figurinos recehidos de Londres, Pariz,
Lisboa e Rio tfe Janeinf^.

Prima era perfejajfl de costuras, eraj
em hrevidade, modicidaue era pregos el
fino gesta.
dem do 28
3:0934236
72320372
Sorama total 710.1645900
Segunda seceao da Alfandega, 28 de Agosto
de 1889.
O thesoureiroFlerencio Domingues.
Ochr-fe daaeecSo -Cicero R. de-Mello.
Recebedoria Cicral
Do dia 1 a 27 48:3995280
dem de 28 6:9305582
til e agradavel
0 Peitoral de Cambar, alm da sua
utilidade na cura das molestias broncho-
pulmonares, possue prazer agradavel e
bem tolerado pelas creangas, em cujas en-
feraidades tambem se applica com gran-
de proveito.
Pregos do dia:
Carne verde de 240 a 480 ris o kilo.
Carneiro de 720 a 15 ris idem.
Suinos de 560 a 640 ris idem.
t-arinha de 609 a 803 ris a cuia.
Milhode 320 a 360 ris dem.
W:lo de U000 a 15280 id.-ro
Hatadouro publico
Neste estabelecimento foram abatidas para o
consumo de hoje 82 rezes pertencentes a diver-
sos marchantes.
35.3498l>2 \
Recebcdoria provlaeJal
Do dia 1 a 27 24:4)15928
dem de 28 8005213
232325141
Diiiheiro
RECEBIDO
Pelo vapor nacional Sergipe. do sul para :
Maia & Rezemlc 2.012*083
Rodrigues Lima & C 10005000
Olivcira Basto & C. 834*220
Albino Silva & C. 763*300
Baltar Oliveira 4 C. 2605300
Rcndlmenlos publico
UEL DE AGOSTO
Alfanaega
Recife Oraiaage
Do da 1 a 27 33:0925430
dem de 28 3:3475833
Renda jeral
Do dia 1 a 27
dem de 28
616.74853il
21:0965017
637:8445528
38:1405283
Mercado Municipal de H. Jom
O movimento desle mercado no da 27 de
Agosto foi o seguinte :
. Entraram :
41 boi3 pesando 5,213 kilos.
432 kilos de peixe a 20 ris 95040
126 cargas com farinha a 200 ris 25*200
5 ditas cora feijo a 200 ris 1*900
9 ditas de millio a 200 ris 15800
18ditasdefructas diversasa 300ri3 5*400
12 taboleiros a 200 25400
12 suinos a 200 ris 25400
^ 26 matulos com legutnes a 200 ris 5*200
Foram oceupados :
26 columnas a 600 ria 13*600
1 escriptorio a 300 ris 300
26 compartimentos de farinha a 500
ris 135000
23 ditos de comidas a 300 ris 11*500
79 ditos de legumes e fazendas a
400 ris 314600
16 ditos de suinos a 700 ris 11*2J0
8 ditos de fressuras a 600 ris 4*890
44 tainos a 2* 88*000
Vapores a ezarar
SIEZ DE AGOSTO
Europa....... Don.............
MEZ DE SETEMBRO
Sul........... Aralo............
Europa....... Argentina.........
Sul........... Tijuat............
Norte......... Alagos...........
Europa....... Orenoque..........
Pul.......... Nerthe............
Europa....... Ville, de Rosario... .
'%ul........... Mondos...........
Sul........... Ville de Pernambuco.
Vapores a sabir
fEz DE AGOSTO
Baha e esc -.. Jacuhype.......... 29 as
Sul..........Don.............30 as
30
i
i
2
3
4
4
3
7
10
>,
Rendimento do da i a 26 do cor-
rente
Foi arrecadado liquido at hoje
228*440
3:318*000
5:746*440
3 h.
3 h.
)
Movinieno do porto
Navio entrado no dia 28
Rio de Janeiroo I i dias, vapor nacional ir-
lindo, de 631 toneladas, coraraandante Manoel
Gomes, carga varios gneros: a Pereira Car-
neiro 4 C..
Navios sahiclQ no mesmo dia
Umos e escalaVapor nacional Para, cora-
mandante Antonio Ferreira da Silva, carga
vanos gneros.
Santos e escalaVapor austraco Pandora, com-
mandante G. Mariani, carga varios gneros.
Santos e escalaVapor francez Ville de Baha,
commaodante Roux,*arga varios gneros.
Buenos-Ayres Vapor rahez Saint Geoi-ge, com-
maudante Thomaz Waficer. carga varios g-
neros.
MossorHiate nacional Apody, mestre Fran-
cisco A. de Souza, carga varios gneros.
i


Diario de PernambucoQuinta-feira 29 de Agosto de 1889
+ *>
.#

%vlso aos nossos Icltore
03 nossos leitores que visilarem larii
durante a Exposicilo j sabem que pode-
r&o 1er os ltimos nmeros recem-chega-
dos do nosso jornal que em casa dos Srs.
Amde Prince & C, 36, ra Lafayette,
quer da sala de leitura pelos nossos cor-
respondentes estabelecida na exposico
noPavilhlo da Repblica de Guatemala
cujo corumissario geral dignou-se de por
graciosamente urna sala coia varanda
disposicSo dos mesraos senhores.
Para se evitar qualquer confusao, os
nossos amigos que quizerem rcccber a
sua correspondencia em casa dos Srs.
Amd rince & i.'., devem mandar diri-
gil-a ra Lafayette, n. 33, por ser a
ade do servico especialmente oiganisado
para sso.
pcuHsta
Dr. Barreto Sampaio, medico,
oculista, ex-chefe de cliuica do
Dr. de Wecker, d consultas de
ruei dia as 3 horas da tarde, no
Io andar da casa n. 51 ra do
Bario da Victoria, excepto nos
domingos e dias santificados.
Residencia ra Sete de Setem-
bro* n. 34. Entrada pela ra da
Saudade n. 25.
SI
Advoeacia crime
RIBEIRO DA SILVA, defende perante o
(I jury de Palmares. Agua-Preta. Gatnelleira,
) Escada, Jaboato, Nazareih. Victoria, Tira-
, bau lia e as comarcas visinbas as vias
i frreas.
Pode ser procurado a ra i" de Marco j
In. 7 A.-Livraria Parisiense. > A soluoto de Antipyrina de Trouctte
produz maravilhosos effeitos para o trata-
mento das enxaquecas, nevralgias, e dores
geraes (15

AVISO A NUESTROS LECTORES
Los de ^nuestros lectores que vayan a
Paris mientras la Exposicin, saben ya que
podran leer los ltimos nmeros de nues-
tro .-ndico recibidos sea en casa de los
: Aindce Prlncc y C, sea en
el ., uinete de lectura instalado por dichos
corresponsales, en el Pabelln dla Repbli-
ca de Guatemala, en donde el comisario
general de Guatemala ha puesto graciosa-
mente .i la disposicin de dichos Srs.
.Isndcc Prlncc y C, una sala con
terrado.
: ara evitar toda confusin, los amigos
nuestros que se hagan dirigir la corres-
pondencia a la casa de los citado Srs.
Amde Prince y C debern hacerlo
36 ru Lafayette, en donde estar espe-
cialmente organizado ese servico. (2)
U Frederico Chavos Jnior j
Homoepaha
W 39 RA BARO DA VICTORIA 39*
| | Primeiro andar
f'.<-* C -
t>
i ADVOCADO
4
O baeharel Salustiano Jos de
Oliveira pode ser procurado para ^
os misteres de sua proti^o. a y
ra Estima do Rosario n. 10, i."
andar.
Advoffado
Mi'guel Jos de Almeid i Perrflmbuco tem o seu
escrptorte de advocada ra to Imperador n.
81, onde ser encontrado todos os dias uteis, das
horis da 9 manb s 4 da tarde.
i
r
Elixir cabera do negro do Dr. Santa
Itoa, unaljwiiilo -ni Parla e ap-
I rovndo pela Inapcctorla Cieral
de Bygiene.
(Premiado na Exposirao)
Continuamos a preveair o publico que o ver-
dadeiro elixir cabera de negro o da formula
do Dr. Santa Rosa, que como garanta tem em
seu favor os attcslados passados pelos inais dis-
ttnctos medico?, desta e demais provincias do
imperio, por pharraaceuticos, desembargadores,
advogados. ennenhei-os, rommerciantes, erapre-
eadoa pblicos, lentes da Faculdade, artistas,
etc
Fique, portanto, o puhlico sabendo que o eli
xir fabricado na ra da Cade.a. pharmacia de
Mermes Souza Pereira, Successores, urna imita
cao do nosso. /
Deposito do verdadeiro, ra do Bom Jess n. i.
PHOSPHATINA FALIERES.Alimentofas Criancas
SILYKIRA
ADVGADO
'<;--!".* no ihim-:u tOH- !>
7lgr^ '.N^*?**-0/-'^ *Hf.
\
@
Cirurgto Dentista
DR. ROJSERT F. RAWLINSON, for-
mado pola Universidad*! de Maryland nos
Estados-Unidas, c.n aborto o seu consul-
torio, na ra Bario do Victoria 18, Io an-
dar.
Consultas da 10 s 4 horas da tarde.
EDITAES
3" Seccao. Secretaria dafPresidencia de Per-
nambuco, em 28 de Agosto de 1889.
Edital
Faz-se publico para conhecimento dos inte-
ressados que achira se nesta secretaria os se-
guintcs ttulos de nomeago oara :
Thesouraria de Fazenda
1" escripturario Luiz Emygdio Pinheiro da C-
mara.
2o dito Jos Pereira Cocino.
t dito Tito Augusto da Silva.
Praticante Henriqtie Borges.
Alfandega
Conferentc Antonio Jeronymo de Oliveira.
2o escripturario Manoel Duartc Godinho.
3 dito bacarel Manoel Netto Carneiro Cam-
pello.
Oflicial de descarga Christovo de Barros
Reg.
Faculdade de Direito
Lente substituto baeharel Adelino Antonio de
Luna Freir Jnior.
O oficial-maior,
Emiliano E. deM- Tamborim-
MEDICO HOMEPATA
(Dr. Batear da Silvein
Especialidadefebres, molestias U
das criancas, dos orgaos respirato- < >
rios e das senhoras.
Presta-se a qualquer chamado para
ora da capital.
AVISO
Todo3 os chamados devem ser di-
rigidos pharraacia do Dr. Sabino,
ra do BarSo da Victoria n. 43,
onde se indicar sua residencia.
~$ Estreitamento daurethra
O ILLM. SR. DR. CABLOS BETTENCOURT
Eu abaixo assienado, declaro que, estando
soirendo de um estreitamento dajurelhra, acom-
panhado de blennorrba, recorr ao Illm. Sr. Dr.
Bettencourt, por queni fui operado pela electro
!vse sem dor, Picando radicalmente curado em
curto espaco de tempo-
Ao muito digno Sr. Dr. Bettencourt os meus
a sinceros agradecimentos.
Joao Rodrigues de Brttto.
Advocado
1. eoro.Secretaria da prewideii-
cia d Pernambuco. 3* de AgoMo
de 1889
Faco publico, para os devidos lins, que nesta
data fot remettida para a Thesouraria de Fazenda
a 2 via da carta de pe.iso do soldado refor-
mado do exercito, Florentino Antonio do Espi-
rito Santo.
O official maior.
Emiliano E. de Mello Tamborim.
"Edificio da Faculdade de
Direito
De accordo com a commissao nomeada pelo
Exin. Sr. conselheiro presidente da provincia
adiase aberta, com o prazo de 8 dias a contar
desta data, co.icurreneia pablica para o recebi-
meato de propostas das pessoas que pretende-
reffl forneccr para as obras do novo edificio da
Faculdade de Direito os materiaes abaixo-desig-
nados. ,
As propotas SCrSO KS em cartas fechadas e
entregues no da 2 de Selembro vindouro, as 11
horas da manhi, na apartico de Obras Milita-
res, era palacio, obrigande-se cada proponente
a fornecer todos os materiaes conjunctamentc ou
cada classe que preferir.
O contracto vigorar at 31 de Dczembro des-
te anno.
O transporte dos materiaes ser por conta dos
fornecedores. licando obrigados a depostalos
no largo do Hospicio e lugar indicado pelo en-
genheiro encarregado da conslrucgao.
O forneciraento comecar a ser feito dentro
de 8 dias a contar da aceitaco das propostas,
sob pena de 20 por ccoto de multa, deduzidos
da lianca de 500MMX) previamente depositada na
Thesouraria, como garanta.
Areia d'aima doce, metro cubico.
Pedra granito de lastro, arrumada, melro cu-
bico.
Pedra granito em blocs (grandes pedagos) metro
cubico.
Cimento Portland em Darrica de 146 kilograra-
mas, urna.
Cal preta, hectolitro.
Tijolos de alvenaria grossa d'agua doce de
0,"3IX0,-loX0,-03, milheiro.
Telhas convexas de 0,"5"X0,10 de corda, mi-
lheiro.
Trave de madeira de le. (pao ferro, sucupira pre-
ta, sapucaia, imberiba preta. pao d'arco, ba-
enry) de Q^ll a 0,25 de face at u cumpn-
mento de 4" e de 0,-25 a O.MO sendo maior
le 4, o metro linear.
Enchamel de madeira de lei, de 4 a 6- por
0."17X0.17, metro linear.
Dito de 4" a 6 pi r 0.wl4X0,11, nutro linear.
Miio travessa de 4U' a 6', metro linear.
Caibro de madeira de 6* a J-X0,08 a 0,-11 de
dimetro, metro linear.
Dito de mangue de 41" a 6"X0 a 8a0l I, me-
tro linear.
Ripas de2,"5X0,03 de largura, duza.
Taboa? de refugo, duza.
Corda para andaime, pega
Ferro forjado para arganeis, ponteiras, parafu-
sos e porcas, kilogramma.
Piegos grandes, dem.
Pregos-caibraes francezes, dem.
i->iis ripees, idera, dem.
Rece, 26 de Agosto de 1889.
6. Thaumaturgo de /teredo.
3' secta. Secretarla da Pretiidea-
cia d Pernambuco. lO de Aromo
de 1889.
O Exm. Sr. consellioiro prndente da provin-
cia, de ordem de S. Exc. o Sr. conselheiro Vis-
conde de Uuro Preto, Minitro e Secretario de
Kstado dos Negocios la Faz'.'nda, faz saber ao
commercio de Pernan:huco e mais interessados,
que nesta secretaria recebem-se at 31 do cor
rente reclamaces sobre a tarifa das Alfandegas
e regulamento's de 22 de Fevereiro de 1888, re-
lativos aos imposto* de industrias e prolisses,
.fim de screm consideradas na reviso a que
vai proceder o Ministerio da Fazenda.
O secretario.
Francisco Leopoldo Marmho de Souza.
E para que chegue ao conhecimento de todo3
mandei passar o presente editar que ser aflixa-
do no lugar do costume, desta villa e delle se
extrahira urna copia para ser remltida ao Exm.
Sr. presidente da provincia para mandar publi-
car pela imprensa, com a declaragao do da da
aflixago, a vista da certido que desle dr o
porteiro do auditorio desta villa.
Dado e passado nesta villa do Jatob de Ta-
caral aos 14 de Agosto de 1889.
Eu, Mauoel Francisco Botelho, Io tabellio e
escrivo de orphoa, crime e civel, o escrevi.
O juiz municipat, Francisco Porphirio de An-
drade Lima.
Certilico abaixo assimadD, porteiro do and to-
rio desta villa e olhciaf de justiga deste termo;
que nesta data allixei porta do edificio da es-
tagio da 1 inlia frrea de Paulo Alfonso, que o
lugar mais publico, um edital do Illm. Sr. Dr
Francisco Porphirio de Audrade Lima, juiz mu-
nicipal e de orp^aoi deste termo pondo a con-
curso a serventa vitalicia do oflicio de 2o tabel-
lio e seus annexos deste termo, de conforrai-
dade coai .i:\Imh do Exm. Sr. presidente da
provincia balada do Io deste mez.
0 referido 6 verdade e dou fe.
Jatob de Tacarat, 14 de Agosto de 1889.
0 oflicial do justiga e porteiro do auditorio,
Jcsuino Antonio dos Santos.
E nada mais se contem no edital e certido
do porteiro que bem e fielmente coptei do pro-
prio original ao qual me reporto.
Jatob de Tacaral, 14 de Agosto de 1889. O
tabellio publico, Manoel Francisco Botelho.
Secretaria de Polica de Pernambuco, em 20
de Agosto de 1889. Por esta repartigiio se faz
publico, de ordem do Illm. Sr. Dr. tfiefe dejpo-
licia, que se aca depositada na tnesma uiua
correte de ouro para relogio. que lora appre-
liendida na freguezia da oa-Visla pelo subde-
legado do l dislnclo ; felo que convida-se a
queiu se julgar com direito uiesma a vir re-
clmala dentro do prazo de 30 das, munido de
documento proDatorio de legitimo dominio.
O secretario,
A. J. da Costa Ribeiro Jnior.
5." Secgao.Secretaria da Presidencia de Per-
nambuco, em 23 de Agosto de 1889.
Por esta Secretaria se faz publico para conhe
cimento de quem interessar possa que a reque-
rimento de Manoel Antoni: dos Santos Dias tica
aberta a concurrencia com o prazo de 90 dias
contados d'csta data para o recebimento de pro-
postas, era carta fechada, referentes fundago
de um engenho central de lypo maior, de que
trata o art. 18 da lei n. 1.860 de 11 de Agosto de
188o, mediante as condicOes do art. 16 da mes
ma lei e da de n. 1,972 de 22 de Margo ultimo
0 secretario. Francisco Leopoldo Marmho de
Souza.
a avaliacao feita pelo arbitro desempata-
dr em 18 de Margo ultimo, visto deduzir-
se da de 998:777^528, total da avaliacao,
a importancia de 3:860(5000 paga em-
presa em 1860, proveniente de 202 canos
de ferro, 5 columnas e 5 bracos com lam-
pe3es, collocados fora do permetro do
contracto.
O secretario interino,
Manoel Joaqui:* Silveira.
Empreza'do. Gaz
AA'flSO
A empreza de illuminacilo a gaz desta
cidade por seu gerente, tendo visto no
Diario de Pernambuco de ho}e a publica-
c3o do edital em que a presidencia da pro-
vincia chama concurrentes para o novo
contracto da illuminacao mediante as clau-
sulas no mesmo enunciadas e servindo de
baso para a indemnisacSo da empreza
actual a quantia de 998:7775Si28, por
quanto foram avahadas pelo arbitro desem
patadnr as obras da mesma empreza,
quantia essa que dever ser paga pelo
novo coniractanc, vem pelo presente
aviso, e para evitar duvidas futuras, de-
clarar que dita avaliagao no pode servir
de base para tal indemnisaco, por ter
sido llegal e irregtilarminte feita, bem
como que contra elia j protes ou, quer
peracte o Exm. Sr. presidente da pro-
vincia, quer perante o juizo dos feito da
fazenda. tendo sido intimado do mesmo
protesto o Dr procurador dos feitos da
Fazenda Provincial, como representante
da ropvincia.
E como quer que deva em tempo op-
portuno fazer valer seus direitos contra
quem de direito for, deliberou fazer a
presente publicaco para, scicneia dos in-
teressados.
Reeife, 1 de Maiode 1889.
Gerente.
George Windsor,
PRADO .PERNAMBUCAJSO
PROJKCTODBINSCRIPCAO
Para o pareo
GRANDE PREtfIO
BMJ
i3
Na corrida que dever ter lugar no dia 29 de Setembro
de 1889
Animaes da provincia: l.SOO metros. PREMIOS: 800^000 ao pri-
meiro, 2003000 ao segundo, 1C05OO ao terceiro e 600000 ao quarto.
Inscrip9o 60S000
Nilo se realisar este pareo sem que se inscrevam cinco animaes de proprie-
tarios differentes.
A inscripg3o encerra-se-ha no dia 18 de Sstembro, s 5 horas da tarde, na se-
cretaria do Prado.
Reeife, 21 de Agosto de 1889.
Francisco de Souza Reis,
CEBEXTE._________.
Prado Pernambucano
i) baeharel Artbur da Silva Reg tem o seu
.-notorio de advoeacia ra do Imperador n.
34, onde pode ser procurado para os misteres
le sua prolisso. ^^_____ ~ 1BC
[I
!

u
Dr. Mello fomes
Medico operador parteiro
46Ra do Barao da Victoria46
(defeonte da phaeuacia pinho)
Onde tem ooimultorio e reai-
dencla t podeodo ser encontrado e
recebendo chamados qualquer hora
do dia e da noite.
Especialidades : partos, febres, moles-
I lias de senhoras e dos pulmOes. syphilis
i em geral, cura rpida e completa e ope-
racos de estreitamentos e ma.s soffri-
mentos da uretra. ___c
\code de prompto a chamados para
fra, a qualquer djslanna.
TcIephDc n. 394
=*
*." aeceo.Seereiara da Presiden-
cia de Pernambuco, em 91 de
Aion'.o de *(.
De ordem do Exm. Sr. presidente da provin-
cia fai;o publicu para os devidos effeitos, o edi-
tal, em seguida transcripto, pondo era concurso
o proviincto da seiveaua vitalicia de 2a tcbel-
lio e anaexos do temo de Tacaral.
O secretario,
Francisco Leopoldo Marinho de Souza.
O Dr. Francisco Porpnirio de Andrade Lima,
juiz mnnicipal e de crphaos d.-sta comarca de
Vi.carai e seu termo, etc. etc. \
Faz saber aos que o presente edital viren) ou
i elle noticia tiverem e a quem mais interessar
iiosn, que de con-'rmidaae com a ordem do
Exm. Sr. presidente da provincia, datada do !
ilo crreme mez, est aberto o concurso para
orovimento vitalicio do oflicio de 2o tabellio e
seus annexos desta comarca de Tacarat. no
prazo de 30 das a centar da data da affixacao
do presente edital, como dispOe o decreto n.
3322, de 14 de Junho de 1887.
Outrosun, recommeeda a quem pretender,
me iostrua sua petico com exame de suficien-
cia e mais documentas exigidos peioart 210 e
seus paragraj-hos da regulamenp a que se re-
fere o decreto n. 940 de 28 de Abril de 188o c
mais Ieis conccrnenles ao dito provimcnto.
5.a sec9ao.Secretaria ,da Presidencia
de Pernambuco, em 29 do Abril de 1889.
Por esta secretaria se faz publico, de
ordem do Exm. Sr. Dr. vice-presidente
da provincia e nos termos do 2o do art.
Io da lei n. 1,901 de 4 de Junho de 1887,
que, fendo-se concluido por meio de laudo
de arbitro desempatador, a questito de ava-
iaco do material da empreza de illumi-
nacSo gaz desta cidade, fica aberta
a concun-encia, com o prazo de seis me-
zes, contados da data do presente edital,
para contracto da dita illumina5So, me-
diante as seguintes clausulas da citada le:
| 3. Nenhuma proposta ser recebida
sem que o proponente com ella aprsente
documento de haver feito no Thesouro
Provincial deposito da quantia de 25:0005
em dinhiro ou apolices da divida publi-
ca, para garantir a aceitac^o do contracto,
no caso de ser preferida a sua proposta.
4." O deposito, a que se refere o pa-
ragrapho antecedente, nio ser retirado
pelo contractante sen&o lindo o contracto o
servir de caucao para os pagamentos de
multa e fiel comprimento das clausulas,
que forem estipuladas no mesmo.
| 5." O contracto s poder ser feito
com quem melhores vantagens offerecer
a concurrencia.
6." A nao ser no caso do paragrapho
antecedente, a actual apresa no ter
preferencia a qualquer outro proponente
| 7. O novo contractante sera obriga-
do ndemnisacao, a que a provincia
sujeita por forja da clausula decima ter-
ceira do contracto em vigor, devendo dita
ndemnisacao ter lugar de accordo com
essa mesma clausula, e ficando o mtenla
e obras da empreza hypothecados & pro-
vincia at que esteja realisada a indemni-
sacSo ou pelo menos depositada a respecti-
va importancia.
| 8. O prazo do contracto nao poder
exceder a 30 annos.
| 9. Opreco da illuminajao, quer pnbli-
ea, quer particular, nao poder exceder de
260 ris o metro cubico de gaz, fazendo-
se urna reducco de mais de 30 |0, para
os estabelecimentos de caridade e benefi-
cencia, e repartieses publicas.
10." O systema mtrico, si for mais
conveniente, ser adoptado para a niedi-
cao do gaz.
11." A luz ser clai-a, brilhanto e isenta
de substancias estranbas, que possam pre-
judicar a illuminacao e a hygiene publica.
| 12. A intensidade media da luz ser
equivalente a dedez velas de espermacete,
das que queimam sete grammas por hora,
correspondentes a 120 gritos inglezes.
13. As horas de illuminacilo publica
ser2o fixadas pelo presidente da provincia
no principio de cada anno, nao podendo
ser em numero menor de seis, nein maior
de dez, devendo nese caso haver urna
reduco no preco do gaz correspondente
ao acrescimo de horas.
14.p O contractante ser obrigado a
ter' na provincia um representante com
plenos e illimitados poderes para tratar e
definitivamente resolver as qnestSes que
se suscitarem, quer p>m o governo,
quer com os particulares, licando sujeitos
todos os seus actos s leis e regalamen-
tos e jurisdieco dos tribunaes judicia-
rios ou administrativos do paiz.
15. O contractante ser obrigado a
coocar e construir sua custa um bu
mais gazometros, se houver neeessidade,
nos lugares que o presidente da provincia
designar, o a introduzir todos os melho-
ramentos que durante o prazo do contrac-
to se forem descobrindo, urna vez adopta-
dos na corte do imperio ou em alguma ca-
pital da Europa.
16. O pagamento da illuminacao pu-
blica e particular ser feito em moeda do
paiz, sem attenso oscillacao do cambio.
| 17. O contractante poder organisar
companhia, a qual ticar subrogada em to-
dos os direitos e obrigajSes do contracto.
18. Para as despezas com a fiscali-
sa{o do servico de illuminacao {o contrac-
tante concon-er annualmcnte com a quan-
tia de 3:000)5000, que serao recolhidos ao
Thesouro Provincia!.
| 19. O presidente da provincia esta-
belecer as multas e mais condicSes, no
intuito de garantir a boa execuco do con-
tracto, quer com relaco a illumincao pu-
blica, quer com a particular.
Faz-sc publico, finalmente, que o novo
contractante ter de pagar actual em
preza, conforme o 7 cima citado, a
qnantia de 994:917(5528, de accordo con
%

Thesouraria de Fazenda
Emprestimo de oo.u:*!*
Em cumprimento da ordem contida em lele-
gxamma do Exm. Sr conselheiro ministro da
fazenda, de hontem, fica aberta nesta Thesoura-
ria de hoje at 10 de Setembro prximo futuro,
emque ser devidamente encerrada, a subscrip-
to para o emprestimo de 100,000:000*000, au-
torisado pelo decreto n. 10,322, tambera de hon-
tem, sob as seguintes condicOes :
Os titulo? sero de 300600 e 1:0005000 do ca-
pital inscripto na baixa de amortisaco ou ao
portador, vontade do subscriptor ; os >uros de
4 / sero pagos trimensalmente por meio de
coupons; e a amortisaco de 1 "/ ao anno.
Os juros e a amortisaco sero pagaveis em
ouro ou era moeda correte ao cambio de 27 di-
uheiros stcrlinos por 13000 no Uio de Janeiro,
Uahia, Pernambuco, Para, Maranho, S. Pedro
do Rio Grande do Sul, S. Paulo, Londres, Pariz,
Lisboa, Porto, Berlim, Amsterdam e New York.
O preco mnimo da inscripeiio ser de 90 /.
que poder ser elevado' pelo subscriptor para ter
preferencia.
As entradas sero: no acto da assignalura
1003000 e a quantia que mais se offerecer; loO
era 30 de Outubro deste anno: 200*000 em 15
de Janeiro: 2305 em 13 de Fevereirc ; e 2005
cm 5 de Abril; sendo facultado ao subscriptor
antecipar o pagamento de qualquer ou de todas
as eutradas abonarido-se pelo lempo que faltar
cpiemio correspondente a 4 % ao anno.
*""T)utrosim, fiara maior eselarecimento dos in-
teressados vo abaixo transcriptos os artigos das
instrueces annexas ao decreto n. 7,381 de 19
de Julho de 1879, pelos quaes ser regulado o
processo para a subscripgo, endosso, sorteio e
pagamento:
Ar'. 7." Xo acto da primeira entrada dar-se-ha
ao subscriptor um recibo, que, depois de termi-
nada a distribuico do emprestimo, ser resgata-
do por um conhecimento em lrma.
As outras entradas sero notadas nesse conhe-
cimento, que mais tarde ha de ser substituido
pelos ttulos e coupons.
Art 8.- Os subscriptores que nao fiz?rcm ef
fectiva alguma entrada nos prazos determina-
dos. .. licaro sujeitos ao pagamento do juro de
10 /o se a mora for de menos de 30 dias, e per-
dero o direito entrada ou entradas j realiza-
das, se a mora for de mais tempo.
Art. 9. O recibo e o conhecimento de que tra-
ta o art. 7o sero transferiveis por endosso e o
titulo por simples tradieco.
Art H. O sorteio mencionado no art. 5 (que
vai tambero abaixo transcripto) do decreto 7,381,
se ell'ectuar em presenca da junta da Caixa de
Amortisaeao tres mezes antes de ser devido o
resgate. Os nmeros sorteados sero publica-
dos, como de estylo, no Otario Oficial, e cora-
municados immcdlatamente por tres vias s re-
partices que as provincias e na Europa forem
encarregadas de attender ao servico do empres-
timo ; as quaes por sua vez faro os necessarios
annuncios na folha ou folhas de maior circola-
co.
Art. 12. Os Juros das apolices sorteadas ces-
Mrita desde o dia em que principiar a respecti-
va amortisaco.
Art. 13." Xo acto do pagamento da apohee
sorteada ou comprada, descontar-seha o equi-
valente de qualquer coupon de juro ainda nao
vencido que naja sido cortado.
Art 15" Oito dias antes de se vencerem os
juros devero ser apresentados ao3 ensarregados
do servico do emprestimo os respectivos coupons
por ordem de numeraco e acompanhados de
urna declaraco assignada pelo portador ou pos-
suidor de ttulos.
Em troca daro os ditos encarregados um bi-
lhete em que se determinar o numero recebidos e a quantia que elles repiesentarem e
que se pagar se os coupons nao offerecwem du-
vidas. /
....................
.Art. 5." (do decreto 7,381). A amortisaco ser
semestral c far-se ha ao par por sorteio se os t-
tulos estive.-em com cotacao cima de cera, e
por compra nn mercado se se acharen cotados a
cem ou abaixo de cem.
Thesouraria de Fazenda de Pernambuco. 28
de Agesto de (889.
O inspector,
Manoel Antonio Cnrdoio.
PROJECTO DE INSCRIPgAO
Para o pareo
GRANDE PREMIO PERNAMBUCANO
Na corrida que se realisar no da 1. de Janeiro de 1890
SEGUNDO AMIYERSARIO
DA
INAUGRACO DESTE PRADO
9500 metrosAnimaes de qualquer paiz. PREMIOS: :000.$000 ao
primeiro, 1:300*000 ao segundo, SOO^OOO ao terceiro,
e 400*000 ao quarto.
Inscripco fcOO^OOO
Pagamentos em duas prestacoes, sendo a primeira no acto da inscripc5o e a
segunda no dia 24 de Dezembro de 1889.
Nao sendo realisada a segunda prestagao fica considerado como tendo feito
forfait, para o animal inscripto,
Nao se realisar este pareo sem que se inscrevao cinco animaes de propieta-
rios differentes.
A inscripcSo encerrar-se-lia no dia 5 de Dezembro as G horas da tarde na Se-
cretaria do Prado.
Francisco de Souza Res,
Reeife, 21 de Agosto de 1889.
GERENTE.

Companhia de Edificacao
A commissao liquidadora da Companhia de
Eililicaco, ennvida oSrs. accionistas da allu-
dida coinnanhiaa reunirem-se em assembla ge-
ral, no dia 2 de Setembro vindouro, ao meio dia,
no 1. andar do predio n. 77 ao Largo de le-
dro II. para o lira de lomarem conhecimento das
con'.as e do balanco encerrado em 20 de Jullio do
correte anno, e ouvirem a leitura do parecer da
commissao fiscal.
N'c.-la mesma assembla geral se tratar acerca
do disposto pelo art. 94 do decreto n. 8821 de 30
de Dezembro de 1882.
Escriptorioda Companhia de Edificacao em li-
quidado. 17 deligosto de 1889..
Jos Gomes Ferreira Maia.
Joaqun de Oliveira Borges.
Bernardino da Costa Campos Jnior.
Companhia Alagpana
de Fiac,o eTecidos
Convidamos ao* senhores subscriptores desta
companhia, para de accordo com os arts. 9 e 10
dos estatutos, at o dia 10 de etembro prximo
futuro, realisarem sua stima entrada na razo
de 10 0/0 do valor de suas aecOes, no Banco In-
ternacional do Brasil. Macei, 10 de Agosto de
1889.Os directores,
Jos Teixeira Machado.
Jos Jatraario P. deCarvalho.
Propicio Pedroso Barreto.
Recebedoria de rendas inter-
nas geraes
Impoftto de industria* e proflftftdes
O administrador da Recebedoria faz pu-
blico que finda-se no dia 31 do corrente
mez o praso para o pagamento livre de
multa do imposto de industrias e profis-
sUes relativo ao 2.- semestre do exercicio
corrente de 1889 e depois desse praso ser
cobrado com a multa de 10 0f.
Recebedoria 28 de Agosto de 1889.
Alexandre de Souza Pereira do Carino.
Secretarla da iniirucnio Publica.
S8 de Agonfo de' sssi
Prazos de 30 e 60 dias
X. 108.De ordem do Sr. Dr. inspector geral,
faco saber s professoras removidas por portara
de i de Julho fin do. Anna Elisa de Oliveira
Barros, dacadeira de Cha de Carapina para a de
Una e Senhorinha Monteiro Pcssoa desta para
aquella, que lhes fica marcado o prazo de 60 dias,
a contar da data da remoco, para assumirem o
exercicio de suas novas cadeiras.
Outrosim fica marcado o prazo de 30 dias aos
professores removidos por portara de 23 do cor-
rente, Lourenco Goncalves Aleixo, da cadeira de
Gloria de Goit para a de '3ebeiibe e Manoel
Jos dos Santos Teixeira da de Altinho para
aquella as professoras noraeadas or portara de
23 e 24 do corrente, Mara das Mercez Garca
Chaves para a cadeira mixta de Uarra de Seri-
nhem e Beravinda de Souza ('astro Feitosa para
a de Cachorro, a contar das datas das portaras
de remoco daquelles c das de nomeaces des-
tas, para assumirem o exercicio de suas cadei-
ras.
0 secretario,
Pergentino Saraiva de Araujo Galeno.
Obras Publicas
Ponte da Magdalena
De ordem do Illm. Sr. Dr. engenheiro
director.geral de conformidade com a au-
torisacao de S. Exc. o Sr. conselheiro
presidente da provincia, de 23 do corren-
te, fao publico que no dia 14 do Setem
bro prximo vindouro, n'esta directora
recebe-se propostas, em cartas fechadas
competentemente selladas, para execugao
dos reparos de que necessita a ponte sob
o rio Capibaribe, na passagem da magda-
lena, oreados em 9:587<5200 ris.
O orcamento e mais condigoes do con-
tracto acham-se n'esta secretaria onde po
dem ser examinados pelos pretendentes.
Para concorrer praca cima dever2o
os licitantes depositar no thesouro provin-
cial a quantia de 479*360 ris equivalen-
te a 5 /0 do valor do orcamento.
Secretaria da directora geral das Obras
Publicas, em 24 de Agosto de 1889.
O engenheiro secretario,
Luiz Antonio Jacaleante de Albuquerque.
Banco Internacional do Brazii
Emprestimo nacional Rs: 100,00O09$O0iJ
O governo hrazileiro abri subscripgo no
Banco Internacional do Brazii no Bio de Janeiro
para um emprestimo ue cem milcontosde ris na3
seguintes condicOes;
Preco 90. o-
Jur annuai i'a contar de 1 de Julho deste
anno pago por trimestre, em
Outubro, Janeiro, Abril e Julho.
Aiorti*a-io annual 1 /
Juros e amortisico pagaveis
em ouro no Brazii, Lisboa, Por-
io, Pariz. Londres, Amsterdam,
Berlim, .Nova-York.
Titulo* ao portador com os respectivos cou-
pons escrip os em portugus,
fraocez e inglez, valor do oOO
e I:f>0000V seus equivalentes
em libras e francos.
Pasamento em papel moeda.
10 "' no acto da subscripgo.
Io' em 30 Outubro 1889.
20 !o 15 Janeiro 1890.
25 % lo Fevereiro
20 % o Abril
com a faculdade de antecipar os
pagamentos, descont razao
de 4 o ao anno.
Tero preferencia os subscrip-
tores que melhor prego oere-
cerern.
Listas para subscripgoes acham-se na Caixa
Filial do Banco Internacional do Brazii nesta
provincia.
Becife, 28 de Agosto de 1889.
Obras publicas
Cadeia da cidade da'Victoria
De ordem do Illm. Sr. engenheiro director
geral, em virtude da autorisacao de S. Exc. o
Sr. conselheiro p-esidente da provincia, de. .
do corrente, fago publico que no dia 14 de Se-
tembro prximo vindouro, nesta directora rece
bese propostas em cartas fechadas, competen-
temente selladas, para execugao dos reparos de
que necessita o edificio da cadeia da cidade da
Victoria, oreados em 934800.
0 orgamento e mais condigOes do contracto
acham-se nesta secretaria, onde podem ser exa-
minados pelos pretendentes.
Para concorrer praga cima dever o licitan-
te depositar no Thesouro Provincial a quantia de
47*740, equivalente a 5 0/0 do valor do orga-
mento.
Secretaria da directora geral aas Obras Pubb-
cas Provinciaes de Pernambuco, emi'3de Agosto
de 1889.
O engenheiro secretario
Luix Antonio C. de Albuquerque
i;
prac,a
Pela inspectora desta Alfandega se fas publi-
co que s H horas do dia 29 do corrente mez.
sero arrematadas porta desta repirtigo as
mercaduras abaixo declaradas :
Urna caixa, marca diamante e D&CeP no cen-
tro n. o, vinda de Liverpool no vapor inglez
Edidor, entrado em 2i de Maio do corrente an-
no, abandonada aos direitos por R. de Druna
& C. contendo 69 kilogrammas de obras im.
pressas de mais de urna cor.
Urna caixa, marca GA n. 110, dem de Ham-
burgo no vapor inglez LissaboA, dem em 29
idem dem, abandonada aos direitos por Fonse-
ca Irmos & C, contendo 2i7 kilogrammas de
obras de papel impressas de urna cor.
Urna caixa, marca HC n. '492, idem idem no
vapor aliemo Valparaso, dem em 14 do cor-
rente mez, abandonada aos direitos por Caetano
Marques, contendo 129 kilogrammas, peso li-
quido real de papel car o de urna cor e 18 kilo-
grammas de enveloppes.
3* sccgo da Afandega de Pernambuco, 26 de
Agosto de 1889.
0 chefe,
Domingos Joaqmm daj'onseea.
Santa Casa de Miserioordia
do Reeife
Major Laurenlino JoN de
Miranda
A junta administrativa desta sania casa laru
celebrar na igreja de S. S. do Paraizo, pelas 8
horas da mauh do dia 3 de Setembro vindouro
urna missa-de rquiem, cantada pelas educandas
da casa dos expostos, pela alma do major Lau-
reniino Joc de Miranda, que por mui-
tos annos servio como thesoureiro desta corpo-
rago. e convida para assistir a este acto todos
os membros da familia e amigos do Ilustre
mono.
Secretoria da Santa Casa da M sencordia do
RcciflP de Agosto de 1889.
0 escriuo,
^ Pedro Rodrigues de Souza.





''-



Diario de PernambucoQuin lar feita 29 de Agosto de 1889


Hm vrrttde do qm dfcpoe o artigo W do regn-
lamento que baixou com o decreto n. 9.554 de 3
dejFevereiro de 886, a Inspectora Geral de lly-
Slene faz publico polo prazo de 8 dias, que o
dado Octaviano Luiz Augusto de Lagos, lhe
dirigi a st guio fe p-nicao coro documentos que
gatislazem as exigencias do art. 63 do citado re-
gulamento
e Diz Octaviano Luiz Augusto de Lagos, resi-
dente na cidade do Rio Forraoso. provincia de
Pernambuco, que tendo mais de 10 annos de pra-
tica da pharmacia, como provam os documentos
junios, r,s. 1 e 2, e havendo necessidade de urna
pha/macia nesta cidade, como prova com oattes-
tado da cantara municipal, vem o supplicaote
requerer a V. Ex. a greca de conceder-lhe li-
cenca para abrir e dirigir urna pharmacia nesta
mesma cidade do Rio Formoso, em vista do
art. 63 do regulamento que baixou com o decre-
to n. 9.554, de 3 de Fevereiro de 1886.=Nestes
termos.*-Pede a V. Exc. daferimeuto.E. R. M.
Cidade do Rio Formoso. 13 de Ma de 1889
Octaviano Luiz Augusto de LngoT^4_>Sobre urna
estamplha de quatrocentos res. \
E declara que se nesse prusoneanum pharma-
ceutico formado lhe communicar, o Inspecto-
ra de Hygiene da provincia de Pernambuco, a
resolucao de estabelecer pharmacia na triada
localidade, conceder ao pratico licenca reque-
rida.
Inspectora Geral de Hygiene, i de Agosto de
1889.Dr. Pedro flbnso de Carvalho, secreta-
rio.
COMPANHIA
DE
mm mm m
North BrtisL Mercantil e
Insurance & C.
Estabelecida em 1809
Capital subscripto 2.300:000
Fundo accumulados para sinistros i 1.84J:d
t 4.342:54?
Ajenie em Pernambuco
N. J LIDS I ONE
lo Ra do t'omnicpclo-l
Companhie de Messageries
j!taritimes
LINITA MENSAL
O paquete Nerthe
Conimandante Camoin
E' esperado dos portos do
sul no dia 4 de Setembro
seguindo depois dademo
ra do cosiume para bor-
deaux, tocando em
Dakar e Lisboa
Lembra-se aos Srs. passageires de todas as
classes que ha lugares reservados para esta
agencia, que podeni tomar em qualquer lempo
Faz-se abatimento de 15 0(0 em favor das fa-
milias compostas de 4 pessoas ao menos e que
pagarem 4 passagens inteiras.
Por excepco, os criados de familias que to-
marem bilhetes de proa, gozara tambem deste
abatimento.
Os vales postaes s se do at o dia 3 de Se
tembro pagos de contado.
Para carga, passagens, encommendas e di-
nheiro a frele : trata-se com o AGENTE.
O paquete Orenoque
Coininandante Mortemard
E'esperado da Europa no
dia 4 de Setembro e se-
guir depois da demora
aecessaria para
Baha, Rio de Janeiro, Buenos-Ayres e
Montevideo
Lembra-se aos Srs. passageiros de todas as
classes que ha lugares reservados para esta
agencia, que podem tomar em quatquer tempo.
Previne-se aos Srs. recebedores de mercado-
rias que s se attendera a reclamages por fal-
tas, nos volumes, que forem reconhecidas na
occasiao da descarga, assim como de verso den-
tro de 4H horas a contar do dia da descarga das
alvarengas, fazerem qualquer reclamacao con-
cernentesa volumes que porventurf tenham se-
guido para os portos do sul, afim de poder-se
dar a tempo as providencias necessarias.
illuminado a luz
London & Brasilian Bank
Limited
Ra do Comtnercio n. 32
Saeca por todos os vapores sobre as cai
xas do mesmo banco eni Portugal sendo
em Lisboa ra dos Capellistas n. 75. Ne
Porto, ra dos Jnglezes.
CONTRA FOGO
The Liverpool k London k Globe
HTSURAITCS CDMPAITY
:::::::;.::, hessaisfi c.
Ra do Commercio n. 3
SEGIRO CONTRA FOGO
Royal Insurance Company
de Liverpool
CAPITAL *.000:000
AGENTES
R. DEDRUSINA&C.
13Ra Mrquez de Olinda13
INDEMNISADORA
Companliia de Seguras
" martimos e terrestres
Exiabrlerida em 1*55
CAPITAL 1,000:000^000
SINISTROS PAGOS
At 31 deDezembrodel4
Martimos.. 1,110:000#00G
Terrestres. 316:000$000
44Ra do Commercio44
SEGUROS
MARTIMOS COSTRA FOGO
Companhia Phcnlx er
nambncaaa
RA DO COMMERCIO N. 38
Compantjia te Seguros
mm roso
NBTHERN
de Londres e Aberdaen
Posigao linanceira (ezembro de 1885j
Capitel subscripto 3.000,000
Fundos accumulados 3.134,348
Receita annual :
De premios contra fogo 577,330
De premios sobre vidas 191,000
De juros 32,000
O AGENTE,
John H. Boxinell"
Companhia de Seguros
gUttt&z&t &t fpisiHa
AGENTE
Miguel Jos Al ves
>. 9Boa do Bom Jeu- i ?
SEGUROS MARTIMOS E TERRESTRES
Restes ltimos seguios a nica companhia
nesta praca que concede aos Srs. segurados semp-
cao de pagamento de premio em cada stimo
anno, o que equivale ao descont annual de cer
ca de 15 por cento em favor dos segurados
Companliin
Imperial
DE
Seguros contra Fogo
EST: 1803
Edificios e mercaderas
Taxas baixas
Prompto pagamento de prejuizos.
CAPITAL
Rs. I .000:000*000
AGENTE
BBOWMM A C.
N. 5RA DO COMMERCION. 5
MARTIMOS
Acarahu e Camossim
Segu nestes dias o hiate Deus te Salve para
os portos cima, recebe carga; a tratar na na
da Madre de Deus n. 8, ou a bordo com o mes
tre no caes do Loyo.
Kilo paquete
elctrica.
Para carp, passagens, encommenda9
nheiro o. frete: trata-se com o
AGENTE
Companhia Brasileira de
Navegado Vapor
PORTOS DO SUL
O vapor Alagoas
Commandante Jo3o Mara Pessoa
E' esperado dos portos do norte at
o dia 3 de Setembro e depois da de-
mora indispensavel seguir para os
portos do sul.
As encommendas sero recebidas no trapiche
Rarbosa at i hora da larde do dia da saluda.
Para carga, passagens, encommendas e valo-
res trata-se com os AGENTES.
PORTOS DO NORTE
O vapor Manos
Commandante o Io tenente Guilherme
Waddington
E' esperado dos portos do sul at o
da 7 de Setembro e seguindo depois
da demora indispensavel para os
portos do norte al Manos.
As encommendas s sero recebidas na agen-
cia at 1 hora da tarde do dia da sahida.
Para carga, encommendas, passagens e valo-
res trata-se com os __
AGENTES
Pereira Carneiro & C.
6=Rua do Commercw=6
1 andar
Agente Stepple
Leilo
de un piano, movis, quadros espelhos e
outros artigos
exta-felra. 30 do trrenle
A's 11 horas
Casa na ra Formoza n. 4
O agente cima, bastantemente autorisado le-
var a leilo urna mobilia de junco completa,
urna dita de Jacaranda completa, un piano, qua-
dcos, espelhos, lanlernas, camas para casal, la-
vatorios com espelhocguarda-roupa, apparador,
marquezo, cadeiras, urna machina de p e nova,
urna costureira, "bra imprtante, e outros movis
que estaro vista dos Srs. licitantes.
Agente Silveira
e di-
Augirste Lbil le
9 Ra do Commercio .9
CUHPIIIt^t
Klt.VtHHI <:.% V4
DE
Xavegacao costeira por vapor
PORTOS DO NORTE
Parahyba, Natal, Maco, Mossor, Araca-
ty e Cear
O vapor Jaguaribe
Commandante Monteiro
Segu no dia 5 de Setembro s 5
horas da tarde. Recebe carga at o
dia 4.
Encommendas, passagens e dinheiro frete'
at s 3 horas da tarde do dia ."i.
ESCRIPTORIO
Ao Caes da Companhia Pernambucanu
n. 12
COIIIVWIIIA PKRVtMRI t A> %
DE
Xavesaco eosteira por vapor
PORlOS DO SUL
Macei, Penedo, Aracaju e Baha
O vapor S. Francisco
Commandante Pereira
Sorue no dia 7 de Setembro s
5 horas da tarde. Recebe car-
a at o dia 6 .
Encommendas, passagens e dinheiros frete,
at as 2 horas da tarde do dia da partida.
ESCRIPTORIO
Ao Caes da Companhia Pernambucana
n. 12
Companhia Bahiana de Na-
vegado Vapor
Macei, Villa-Nova, Penedo, Araea-
ju, Estancia e Babia
O vapor Sergipe
Commandante Rebello
Seguir para os
portos cima no
dia 29 do corren-
ite s 4 horas da
tarde.
Para~carga. passagens, encommendas e dinhei-
ro a frete trata-se cm o
AGENTE
Pedro Osorio de Cerqueira
17Ra do Vigario 17
CHARGEURS REUNS
Companhia Francesa
DE
\avesaeo a vapor
uinha regnlar entre o Havre, Lisboa,
Pernambuco, Bahia, Rio de Janeiro e
Santos.
O VAPOR
Ville ele Rosario
Commandante Portier
E' esperado da Europa at odia 5
de Setembro, seguindo depois da in-
dispensavel demora para a
Baha, Rio de Janeiro e Santos
Roga-se aos Srs. importadores de carga pelos
vapores desta linba, queiram apresentar dentro
de 6 dias a contar do da descarga das alvarengas
qualquer reclamajo concernente a volumes que
porventura tenham seguido para os portos do
sul atina de se podei dar a tempo as provi-
pencias necessarias
Expirado o referido prazo a companhia nao se
responsahilisa por extravos.
Para carga, passagens, encommendas e di-
oheiro a frete : tratase cora o AGENTE.
O 7apor
Ville de Pernambuco
Commandante Lenormand
MK !
lilftltoa.
Espera-se dos portos do sul at
,o dia 10 de Setembro, seguindo
"depois da indispensavel demora
'para o Havre tocando em
Entrar no porto
Conduz medico a bordo, de marcha rpida
e offerece excellentes commodos e ptimo pas-
sadio.
As passagens podero ser tomadas de ante-
mao.
Recebe carga, encommendas e passageiros
para os quaes tem excellentes accommodacoes.
Para carga, pansagens, encommendas e di-
aheiro a frete : trata-se com o
AGENTE
e Labille
9-RA DO COMMERCIO-9
flguSt<
Roya! Mail Steam Packet
Companhy
O vapor Don
Espera-se da Europa at o dia 30 de
Agosto, seguindo depois da demo-
ra do costume para
Baha. Rio de Janeiro Montevi-
deo e Buenos-Ayres
Para passagens, fretese encommenda s trata-
se com os AGENTES.
O vapor Atrato
Commandante L. R. Dickinson
E' esperado do sul no dia 1 de Se-
tembro, seguindo depois da demora
necessaria para
S. Vicente, Lisboa, Vigo, Southampton e
Antuerpia
Reducqao dt, passagens
Ida Ida e volta
V Lisboa classe 20 t 30
A'Southampton i* classe 28 42
Camarotes reservados para os passageiros de
Pernambuco.
Para passagens fretes, encommendas, trata-se
com os
AGENTES
A.morim Irraos & C.
N. 3Ra do Bom JessN. 3
Leilo
da barcaca Fnix, slidamente construida com
todos os pertences que conduz 450 saceos, esta-
cionada no caes do Ramos
Megunda-felra, Z de Neiembro
A's 11 horas em ponto
Em frente ao caes do Ramos
O agente Gusmo, autorisado, far lcilao da
referida barcaga por conta c risco de quem per
tencer.
a
Leilo
Da
LEILOES
Leilo
De fazendas
barca Sicilia, arribada ueste
porto por forea maior
CONSTANDO:
Do casco e mais pertence3 em ura lote e em dif-
ferentes lotes as velas, ancoras, correles, es-
pas, phares. lanternas, globos, cadernaes, mor-
tOes, tanque, pipas, escadas, sinos, bitacula,
agotha de marear, 1 fugo, trem de trataba, en
rcrados, ps, manilhas, macacos, cabos de li-
nho, lona. Unta, signaes, bandeiras. 4,000 adas
de li'iiha. O saceos com curvo. 1 relogio, 2 me-
sas, 1 bote grande, 4 remos, 2 forquetas, 4 ve-
las, 1 catraia com 2 remos, 2 forquetas, 1 vela e
outros objectos existentes a bordo da mesma
barca.
Segunda-feira. 2 de 8eteinJ>ro
A's 11 horas
A bordo da mesma barca
O agente Pinto levar leilo por mandado e
em presenca do Exm. Sr. Dr. juiz de direito es-
pecial do commercio. a requerimento do capito
da barca Sicilia com licengu do Sr. Dr. ins-
pector da alfandega, com assistencia do empre-
gado da mesma repartico para este lim nomea-
do o casco e mais pertences da referida barca
em muitos e diflerentes lotes, no estado e lucrar
em que se acha ancorada oeste porto onde foi
legalmente condemnada por inavegavti.
('
Constando
Da caixa n. 29 com 24 pegas de brim de Iinho
liso trigueiro de 12 a 15 os, caixa n. 26 com
96 tapetes avelludados, caixa n. 28 com 20 pe-
gas de brim trigueiro liso de Iinho at 12 lios,
caixa n. 27 com pegas de brim trigueiro de li
rho liso de 9 a 12 fius. eaixa n. 1,172 com 1 par
de clunellos de l, 7 pares de sandalias de cu-
ro, 4 pares de botinas de l cannq alto.. 48 pa-
rea de sapatos de couro, caixa n. 1,168 com 133
kilogrammas de cortinados de lil de algodo 6
kilos de coberta de fil e algodo, caixa n. 1.167
com 134 kilos de cortinados de fil e algodo e
5 1/2 kilos de coberta de lil, caixa 1,160 cora
43 duzias de collarinhos de algodo para ho-
mem, caixa H. 150 com 198 duzias de pares de
meias curtas de algodo. caixa n. 619 com 20
pegas de brim branco de Iinho entrangado, 112
duzias de lengos de bretanha de Iinho at 15
fios e 64 duzias de lengos de Iinho at 18 lios.
Qniuta-feira. 99 do correte
A's 11 horas
O agente Gusmo, autorisado por mandado e
assistencia do Exm. Sr. Dr. juiz de direito do
commercio e a requerimento do Dr. curador fis-
cal da massa fallida de D. 1*. Wil I & C, far
leilo das fazendas cima mencionadas as quaes
sero vendidas em lotes a vontade do3 compra-
dores.
No armazem da ra Mrquez de Olinda
n. 5.
Agente Steppl
Leilo
De bons predios na comarca de Olinda
Quarta-feira. 4 de ttetembro
A's 11 horas
No edificio da cmara municipal de OJinda
O agente arima por mandado e asistencia do
Illm. e Exm. Sr. Dr. juiz de direito de orpbos
da comarca de Olinda, levar a leilo as segra-
les casas : 1 sobrado ra de S. Pedro Martyr
sob n. 30, a casa terrea ra de Mathias Ferrui-
ra hoje Fernandos Vieira sob n. 57. a casa ter-
rea na mesma ra son n. 30, a casa terrea ruu
do Amparo sob n. 3, a casa terrea ra do Al-
jube, hoje 13 de Maio sob n. 37. Todas estas ca-
sas na comarca de Olinda e pertencentes a me-
nor Maria, h-rdeira instituida no testamento do
linado Domingos da Silva Torres.
Os Srs. pretendentes desde j podero ir exa-
minar as referidas casas.
Para engenhos
Lopes & Araujo, vendem
precos sem competencia,
garantindo a boa qualidade,
os artigos abaixo mencio-
nados.
Gal de Lisboa.
Dita de Jaguaribe.
Oleo de mocot.
Dito para machina.
Azeite de coco.
Dito de carrapato.
Dito de peixe.
Pixe em latas.
Kerosene inexplosivel.
Potassia da Russia em caixas
de 10 e 25 kilos.
Cimento PorU>nd.
Graxa em bexigas.
Ra do Livranieiilo n. 58
Telephone 316
PILULAS BLAIR
GOTA s REUMATISMOS
O Celebrrimo nttetio inglez para
Gota, Rheumatissnos, 9 citica,
Lumbago e Nevrlgias.
Acon5ollia-w a todas as p ssoai jatt [iaIecereni
as mole&lias cima, recentes ou anliga( qae
naem a* PIT.ULAS Itl-AlK CuNTKV A COTA
E OS RHEMATISMOS. por st*th das pula*
c*nsi londat reawdio nU ttgtro o eftrai qne
junis fui apr.sQtadu ao publico, scadu empre-
gaditt com ptimo i'xilo ha | largos auno-, nki
na Europa como m America.
Esla* Plalas, alta* peifeiUmeirtA inoltfisivns,
ni m: n dieta algona. Vendida* mu eafxaa
df l W c 1 ^ 500 ros. Acbaav-se em casa de todos
os Ptiarmaceuucos ou I)roj;Qi>las do mundo enleiro.
Itpaiitarifa Pul PerninnVMrr/.Tri"M.*fi Silva &C*.
Por barato pre^o
Veode-se duas vaccas especiaes, urna carrosa
e boi ; na ra larca do Rosario n. i'i, andar,
se dir quem vende.
a
Ama
Trecisa-se de urna ama para cosinhar, para
casa de familia; a tratar na ra do Hospicio nu-
mero 41.
Ama
Precisa'-se de urna ama para comprar e cosi-
nhar : a tratar na roa Duque de Caxias i>. 51,
segundo andar._________________________
Ama
Precisa-se de urna ama para comprar e cosi-
nhar; a tratar na ra Duque de Caxias n. 47,
loja.
Ama
Precisa-sc de urna ama que saiba cosinhar e
que durma em casa do eaiprego ; na ra do
CoonceiQao n. 4,1 andar
Amas
Precsa-se de urna cosinheira e de una cria-
dinha que tenlia boa conducta, para andar com
urna criatica ; na ra Mrquez do Henal n. 61,
sobrado.
Ama
iinha
para cosinnar
Precisa-fe de una ; na praca do Conde d'Eu
n. 26, sobrado amarelio.
JUuga-se
por'barato prego duas 'asas com bastantes com-
modos, ra da Aurora : trala-se com o Paulino
ra do Imperador U. 28. ___
Aluga-se
o 1- andar do.'obrado n. i\ ra da Imperatriz.
com commodos para familia, grande quintal e
prego mdico ; a i atar m na do Padre Sobrega
numero :)6.
Aiuga-se
a casa rua da Amizade ( apungaj n. i a
tratar na rua Direita n. 'i">. sobrado.
-.-.i-toes elepantissiiaos
,';i tiuv3 :naravilh>Sso pre-
ttn^i ;roporci naiidoninbafco#lllfi
:ie>iro. i lima cscr!!3nafBilpo(irdr.
'.:\ Haok rftxii ic lama nniMrial,
. :''
s::r.iia .-- cut.-., e, (inii'iTelW*
rrn tottoqaaatoMCMkPr* ate i'jjc.i
-. pm > i :-.'.' a, ntinrmccias, droira-t
... .s ptsriomaru *'" niundo.j
CK^ J
,..'.-. .'..'.4 Ol-L-w^G1-.
AVISOS DIVERSOS
Aiuga-se urna casa no Monteiro, mu.to
fresca por ter janellas para o rio ; a tratar no
caes da Companbia Pernambucana n. 6, escrip-
toriM de Bastos c C.
Aluga-se ;
com 3 quartos ;
loja
Precisa-se de urna
rua da Soledade n. 82.
casa da ra das Flores n. 18,
a tratar na rua Nova n. 39.
copeira ; a tratar na
Precisa-se de urna
na rua dos Pires n. 30.
ama para engommar :
Leilo
de i mobilia, 1 cama de casal, marquezes, l
marqueza, espelhooval quadros, etageres, jar-
ros, toillete, lavatorio, bacias e jarro, cabidos de
columna e de parede, i santuario, armarios, co-
pos, clices, bandejas, pratos, terno de almoco
e jantar, colheres, lalheres e muitos outros ob-
jectos de uso domestico.
O agente Modesto Baptista, autorisado por or
dem do Sr. Salustiano da Gamma Mello, que se
retira para o Rio-Grande do Sul. levar a leilo,
ao correr do martello, os objectos cima.
Quinta feira, 99 do corrale
A's 11 horas **
Rua Duque de Caxias n. 28, Io andar
Agente Pestaa
Leilo
da barca Rosa Filha. que se aclia em secco as
Camarinbas de Olinda, onde poder ser exami-
nada, a qual ser vendida por conta e risco de
quem pertencer e a quem mais der.
Sexta-feira, 30 do corrente
A'S 11 HORAS EM PO.NTO
No armazem travessa do Corpo Santo
n. 27
Leilao
Caixeiro
Precisase de um caixeiro com pratica de ta-
verna ; na rua de Paysand n. 33-C. _
Gompra-se
una casa terrea em perfeito estado, com 4 quar-
tos ou 3 com sotao, no bairro da Boa-Vista e em
boa rua, podendo a pessoa que pretender ven-
del-a. rfeixar os esclarecimentos exigidos rua
das Larangeiras, fregueua de Santo Antonio,
ofQcina de ourives n. 5.___________________
Cofres d ferro
Carlos Siaden tem para vender cofres de su-
perior qualidade. mais barato do que em outra
qualquer parte. Rua Baro da Victoria u. 48.
Criado iel
Na rua do Caldeireiro n. 7-A. precisase de
um menino de 8 9 annos, que tenlia boa con-
ducta, para fazer oompras e algum pequeo
servico da casa, paga se hcin._____________
Na Yarzea
Vende-se urna taverna confronte a estaco, a
qual est berfi afreguezada, aluguel barato, ga-
rante-se a chave, e o motivo da venda se dir a
quem comprar.________________
Boleira
e utensilios do esta-
rna das TrincheiraB
de gneros, armacao
belecimento sito
n. 23
fcexla-ffelra. 30 do corrente
A's 10 1[2 horas
O agente Silveira, por mandado e com assis
tencia do Exm. Sr. Dr. juiz de direito do com-
mercio e a requerimento de Jos de Araujo Vei-
ga & C, no arresto promovido contra Francisco
Antonio da Fonseca Leiu-, levar a leilo os g-
neros, armaco e utensilios existentes no referi-
do estabelecimento, em um ou mais lotes.
Agente Pestaa
Leilo
De urna casa terrea sita estrada dos Remedios
n. 76, edificada em solo proprio, pertencente
ao espolio de Antonio de Cerqueira Bastos.
Sexta-felra, 30 doeorrente
A's 11 horas em ponto
No armazem travessa do Corpo Santo
n. 27
O agente Pestaa vender, por mandado" e as-
sistencia do Exm Sr. Dr. juiz dos orphos e a
requerimento do inventariante Hermillo Luiz
Chaves, a quera mais der, a casa cima mencio-
nada.
Em continuacao
Vender a casa terrea rua do Rosario da Boa
Viata n. 71 (esquina da rua do Arago) onde
acha-se um bem montado acougue, a qual rende
305 uieni-aes.
Urna dita na meama rua n. 37, rendeudo 201
mensaes.
Urna dita dem idem n. 39, rendeudo 20*000
mensaes.
Precisa-se de urna mulher qun entenda bas-
tante de bolos ; a tratar na rua da Soledtde nu-
mero 56.
~m
rritaijao d Peito e da Garganta
Contra essas alTeiros. a PASTA PEITORAL o o
XAROPE de MAF d DELANGREWlCn, de PARIC,
possem urna eficacia lnfallivel verificada pele:-
Siembros da Academia de Medicina de Franca. N^o
contendo opio nem to pouco saes de opio tac
como Morplana ou Ccdeinu, esses productos m--
rnstrao-se com opmo cilio c seguranes sC
crlancas sofTrendo de Toase ou CoquvlzzciiC*
Depottoa as Pharmtolts do Cuneo inteiro.
Cosinheiro
OfTerece-se um cosinheiro p?ra forno e fopio,
por preco commodo ; a tratar na rua da Santa
Cruz n 34._____________________________
Profe-sora de piano
Urna scnliova perleita.-nenle hubiiiiuda e com
pratica d<: iii-iij. oSereee as Exilias, familias
os seus serfleos >-ouio ptanila : >de ser pro-
curada rua do Queitnado n. 74.
l'rnnriiK'o Joxp Horeira da C'UMla
Daniel Moreira da Cosa, sua mulher, liiia e
irmos, convidam a seus prenles e aung >s para
assislirein a urna missa que por alma de seu
prnzado pai, sogro e av, Francisco Jos Moreira
da Costa, mandam rezar sexla-fetra 30 do cor-
rale, pela.' 7 horas da manh, na matriz de
Sanio Antonio, stimo dia de seu passamento.
f
Maria
I -ipzia Monlriro da
Franca
2. anniversario
Capilao HaiH'i lose Monteiro
da Franca
1." anniversario
Joo Bento Monteiro da Franca, sua mulher c
lillio mandam rezar missas psr alma de sua sem-
pre lembrada mi, so?ra e av, Mana Felippa
Monteiro da Franca, e seu irmo-cunliado e tio.
capito ManoH Jos Monteiro da Franca, na ma-
triz do Corpo Santo, pelas 7 1/2 horas da manh
do dia 30 do correle. Para este acto de cari-
dade, convidam os parentes e amigos, o Institu
to dos Srs. Ofliciaes da Guarda Nacional, a so-
ciedade do Monte Pi Bom Successo e os com-
panheiros do Arsenal de Marinba. Ficam sum-
mamente agradecidos a todos que comparece
rem.
BHnt
t
Jo*- Caetano deCarvallio
Luiz Leopoldo dos Guimares Peixoto e seus
ilhos tendo recebido a dolorosa noticia de fal-
lecimento na cidade do Porto, em o dia 8 do
corrente, do seu prezadissimo amigo e compadre
Jos Caetano de Carvalho, convidam aos seus
parentes e amigos e aos do finado para assisli-
rein as missas, que pelo seu descanso, mandara
rezar na ordem 3.* de S. Francisco, s 8 horas
da manh de segunda feira de Sttemhro, sti-
mo da do recebimento da noticia. A todos os
que comparecerem agradecem penhorados.
t
Francisca de Paula de Va con-
cellos e Carialbo
lunacio Ferreira Serrano, seus lilhos, genros,
oras e netos, agradecem do intimo d'alma a
todos aquelles que acompanharam ao cemilerio
publico os reslos mortaes de sua mu prezada
esposa, mi, sogra e av, Francisca de Paula
de Vasconcellos e Carvalho, e participam ao3
mesmos e demais parentes e amiaos, que as
missas do stimo dia pelo < terno repouso de sua
alma, icrao lugar s 7 horas da manh de sabba-
do 31 do corrente, na matriz da Boa-Vista.
S'rotesto
Constan 'o-me q:ic o Sr. Mano "'i da Paixo Ra
mos, pre,o na cauda do Becife, pede a diversas
pesaow pon Hi> tMignamn um documento Clao,
sobre a uiiulia visifa a dita casa de Detenco,
dizendo rous.is nao reaes. apenas o fui visitar
por muiio pedido que me fez seu irrao Antonio;
creio que o documento tem por lim desmanchar
alguma testemunha, para o queeu nao posso-me
prestar. Venho por este meio protestar contra
a falsidade que possa haver.
Recife, 28 de Agosto de 1889.
Manoel J. Ramos._____
Cosinheira
Precisa-se de urna cosinheira para casa de
pequea familia ; a tratar na praca de Conde
d'Eu n. 32, segundo andar.
t
D. liara Benedicta Brrelo t,i:;s
O capito Joo Paes Brrelo e seus fillios
mandam rezar na capella de Belem, no dia 30
do corrente, pelas 7 1/2 da manh, urna mis.ta
por alma de sua idolatrada esposa e mi, D. Ma-
ria B. Brrelo Lios trigsimo dia de seu falleci-
meuto : o para assistir a este acto convidara os
sous prenles e amiaos.
lTupicinn
Fngenbelro Antonio
Knarqui'
1." anniversario
Euthaha Froes de Olivira Buarque, sua lilha,
seus pnis, sua tia, irmas e irmo (ausente),
convidam a todos os seus parentes e amigos
para assistirem as missas que por alma do seu
idolatrado esposo, pai, genro, cunhado e sobri-
nho o eogenbeiro Antonio Lupicinio Buarque,
mandara rezar no dia 31 do corrente, na matriz
da Boa-Visia, s 8 1/8 horas da manh, V an-
niversario do seu fallecimento, confessando se
desde j summaraente gratos a todos aquelles
3ue se prestaren* a este acto de religio e cari-
ado.
\liiffa-se
Por baralo preco o 1" nV andares
Apollo n. 7.*i. cm rouito bons
tratar na botica rua Larga do
do Caes de
ccnim odos ;
Rosario n. 34.
Por preco baixo o 1" e
rua do Brura n. 8'
modos ; a tratar rua
botica.
u a-se
3" endares do sobrado
. cora baslantes cora-
Larga do Rosario n. 34,
Ahisram-se
&
As casas da rua do Lima ns. 18 e 30, em
S. Amaro; a tratar na lithographia ruaMurquea
de Olinda n. 8.
fngnt
exposico J& un* w
| Mdaillo 'Or ^'Croiii.CiieTtlierJ
5 ii plus mora scoup'sms
lleva Crsacio
^R
'r-rr'.c- -t*
fEHFFMAEIA ESPECIAL rj3 LiCTEM*
Saboneta ...... PRIMAVERA
i Oleo............ PRIMAVERA
I Agna de roncador PRIMAVERA
| Eszancl........ PRIMAVERA S
| ? da Arroa... PRIMAVERA *
FBlCA E DEPOSITO :
o PARS 13. hu d'Enguien. iS PARS
i
Ao commercio
Joaquim Dias da Silva de Azevedo Lemos
Jovita Goocalves da Silva, asbociados sob a ra-
zoDias & Jovilii, declarara a quem interesar
nosta, que em data de li do corrento mez com-
praram. livre c desembarazado de quaesquei
oiius, ao Sr. Francisco Jos da Silva Lapa, o seu
estabelccimento e ollicina de alfaiate, que gira-
va sob a firma Dias & Silva, sili rua i." de
Mano n. 18. "
Declaram tambem aos s^us amigos e fregueses
que benignamente Ibes dispensaran! fuas atten-
ces, durante o lempo queesliveram na exlincta
ollicina de alfaiate, do linado Emilio Soares, qui-
se acham habilitados a continuar a bem ser-
vil-os, nao s era especialidades de torfas as fa-
zendas para roupas de apurado gosto. como em
perfeico de tribalho, porque o socio Jovita
(antio mestie da ollicina de Emilio Soares) con-
tina a ser em nossa casa o mestre da ollicina,
garanta bastante para o desempenho He toda e
qualquer obra a capricho. Esperara, po'.s, os
abaixo assignadosa proteceo do respeitavel pu-
blico, a quem antecipam seus sinceros agradec-
mentos.
fieciie, 28 de Agosto de 1889.
Dias & Jovita.
A's
de
maes ce familias
QUERIS VOSSOS FILHOS SEMPRE SADIOS ?
Administrae-lhes o xarope ou as
Pilulas Yermipurgalivas
DO DR. GALASANS
ptimas preparagSes de mastruz
e rhuibarbo, para a expulso completa, senr
dores nem incommodo, dos vermes
intestinos ou lombrigas
(das cranlas e dos adultos)
SEIS ANNOS DE SUCCESSO
Estas excellentes preparagoes nao ne _
cessitem de purgativos como auxiliares
visto screm purgativas por si mesmas.
As pessoas que tem vermes sentem co
lieas, tem constantemente diarrhas, indis-
posic2o, sensacao de corpos que se movem
nos intestinos, endurecimento do ventre, e
s veaes, vmitos. Rangem os dente, quan-
do dormem, algumas e pessoas expellens
vermes com as fezes ou com as materia*
dos vmitos. As criangas apresentam as
pupillas dilatadas e inapetencia.
As pilulas levam impresso o nome de
DR. CALASANS e sSo cor de rosa.
1 caixa de pilulas 10200
l vidro de varope 10200
AS PRLNCLPAES DROGARAS
PHARMACIAS
ATKINSOff
PERFUMARA INGLEZA^
Excede todiE as ontras p..
perfume ccqnlflUo.
Afamada
AGUA de COLQMIA de ATXIHSON
em rival pelo seu perfaaiu v sua eouccn-
traeflo. Excede todos os productos simi-
lares Tendidos ?ob o mesmo nomc
AGDA FLORIDA de ATKIKSON
delicado perfume para o len^o dttitado
de r.ma eseolha exquisita.
encentras* tm Cit* de todos es *^o-
c/anet o F bn untes
J. A E. ATKI-VSOM
34, Od Boud SttiMt. Londres
JMjltc* lie Fabrir (Jin JL*a bnu*e "
obre uiiui *' Lv* di- I
omiwiitimii m i nliil*'ln
E
r-.-v
I
i
;
I


Diario de PernambucoQuinta-feira 29 de Agosto de 1888

ENCADEINACAO MIRADA
39-RA 0TJE DE CAXA8--39
Este antigo estabelecimento, hoje completamente reformado com machinas
mais aperfeicoadas e movidas a vapor, acha-so em condi^oes de executar qualquer
trabalho em
Cartas, roemoraiidiins, recibos, circulares, raemoriaes, despachos,
indicacoes, mappas, presos ccrrontes, acy3cs, bilhetes de loteras e rctul
as qualidades em preto, ouro cu cores.
cartSes de
s do todas
r i
^s.
)
3rochuras, cartonados, encaderna^Ses, livros em branco para o commercio e
repartieres, tendo para este tim urna excellente machn:! de pautar.
variado sortimento em cartSes para visitas, participaclei-Ue convites de casa-
mento, bailes, menus, felicitares, etc., etc.
Livros de recibos de aluguel de casa, papel de impressao, tintas, vernizes e
aiais artigo? para fypographia e lhograjthj.a.
ranoel J. de Miranda
t
Telephone 194
r53&.<^^^$^i#4te*4M**#&#*#
o
r
Depurativo e Regenerador do Sangue
Privilegiado pelo
ESEES!
Governo
de S. M. el Rei d'Italia
Pi
do Florn?
nlco Succomop do dofunto Profeisor JERONYMO PAQL.IANO,
VENDE-SE EXCLUSIVAMENTE EM
peles, 4, Calata S. Marco (Casa propria)
A CASA DE FLORENCA EST SUPPRIUIDA. 0 Ser. ERNESTO PAGUANO posse
todas as reeditas escriptas pela propria mo do defuno Professor JERONYUO PAGUANO,
seu to, outrosim um documento que o designa como nico successor :
ERNESTO PAGUANO.
Depsitos em Pernatnbuoo l raas" M. da SUVA V O".
B EM TODAS A-S PRINCIPAES l'HVRMACUS I'O Rraxil
*

*y.to,.tyft,1,.r + V..r,yVrtV.4
V
JUNTO AO LOUVRE)
Cachemira He Iistras a 1(XH) <> covado.
Gnaes arrendadas a 400 rs. o dito.
FusLao branc lavrado a 3(K) rs. o dito.
Toile pardo a 3(J0 e 400 rs. o dito.
Cortes de vestidos em cartoes.
Colchas de fustao a 400 urna.
Toalbas para banho a lsO urna.
Cachemiras lii-as a 1000 o covado.
Cachemira de quadro a 32*) rs. o dito.
Popelina de seda de lo00 a IdOOO o dito.
Haleias a 240 rs. a duzia.
1 Lentes de bramante a 25000 um.
] Cobertas de panga a 35000 urna.
Tapetes grandes a 135000 um.
Briiii pardo a 280 e 320 rs. o covado.
spartilbos a 55000 um.
Popelinas brancas a 300 e 15000 o dito. Madapolao americano a 65000 a peca
Cachemiras de quadro a 280 rs. Jo dito.
FustSo para roupa, de 15000 a 700 rs. o
dito.
Colchas de cores a 15800 urna.
Merm preto e 8U0, 15000 10200, 15500
' 15800
Chitas percales a 200 rs. o covado.
Velbutma preta a 700 rs. o dito.
Crep preto (mglez) a 25000 o dito.
Metins de qm.dro a 300 rs. o dito.
Merinos de cor duas larguras a 440 rs.
Rendas hespanholas a 25000 o dito.
Setim do Ja pito a 240 rs. o dito
Carnbraia Victoria a 25800 a peca.
Cretones claros e escuras a 240 rs. o
covado.
Carnbraia bordada a 4j000 a peca.
Guamicao de crochet a 75000 urna.
Leques transparentes c 25500 um.
Fichs de retroz a 5000 um.
Camisas de tanella a 25500, 45000 e
50# tima.
Bicos di; cures a 20000 e 25500 a peca.
Toalhas felpudas a 450; 0 a duzia.
Grinalda para noiva a 75000 urna.
Guardap para homem a G5000.
Coletes de flanella a 25500 um.
Palitots de seda palha a 80000 um.
Lencos de inho a 55000 e C>000 a duzia.
Palitots de brim pardo a, 45500.
Bolsas para viagens.
C'asemira para costumes, corte.
Luvas de seda a 25000 e 25500.
Guardanapos de linho a 25200 a duzia.
; Guardap para senhora a 105OO0.
! Arcos cobertos a 120 rs. o metro.
! Panno da Costa a 15000 e 15200 o co-
vado.
Bramante de algodao a 15000 o metro.
Algodao brar.co a 45COO e 45500 a peca.
Cortes de fustao para col tete a 25500 um.
Cortinado bordado a 75000 o par.
Zephyr de quadro a 200 e 240 rs. o covado.
Atoalliado bordado a 15200 o metro.
Peca de csgaiiao de algodao a 30500.
Regatas a 15000 e 15500 e 20000 toma.
Palta de seda a 15000 o covado.
Camisas allcmaes a 3o7600 a duzia.
Bramante du linho a 15800 o metro, 4
larguras.
Cortes de seda para collete a 55000 um.
Chambres para homem a G5000 um.
Meias inglesas para homens a 55000 a du-; Setins d cores a 800 rs. o covado.
xia.
Sarg'dins de cores a 200 rs. o covado.
Palitots de alpaca preta a 45500 um.
Casemia diagonal a 25000 o covado.
Meias fio da Escoca a 15500 o par.
Lencos braiious a 10200 e 1&S00 a duzi&.
Algodao trancado, 2
larguras, a
a 55500,
15K0.
:5000,
Cortes de casemiras,
'j000.
Brim branco, todos os nmeros,
detones francezes a 400 rs. o covado.
Oeroulas de bramante a 150000 a duzia.
Flanella de cor a 300 rs. o covado.
collarinhos,
Chevioth preto a 35000 e 45000 o covado.
Grande sortimento de fichs, casemiras,nbrim, algodao, camisas,
D^iohos, meias, perfumaras, e bordados.
20Ra Primeiro'de Marco20
AMAIvAL & C.
CURA SEGURA das MOLESTIAS SECRETAS
Medalha da Prata na ExpoticSo Universal de Barcelona em 1888
Medalha de Onro, Paria, 1885. "* Diploma de Honra, Pars, 1886
e Injeccio de
KAYA KAVA
DO DOUTORfOURNIER
BLENNORRHAGIAS
SPERMATORRHEA8, CYSTITES
URTHRITES, CORRIMENTOS
Estas enfermidades. recentes oo antigs, cur.im-se radicalmente em algnns das,
em segredo, sem rgimen era tisanas, e sera anear nem perturbar os orgaos digestiTos.
Eiijat-se sobre cada pilula, sobre cada caixa, sobra cada rotulo,
a assigontnra Kksm SVueuiae,
FABZS, 22, Pra?a da Itodeleine, 22, FABZS
;::. icio o Zangue, cerrigm f*ii s ic&terM de Estomago o
des Im-itinos.
rertaiecem n r-aude das Mecttdjoe* dflici.las. e tio il'um valer iiicriTel para todas as enfeyr.^
' scalkie; a >'-5 fcmiuma em t ? pessoaa de i ,aia .1 sua elcacia e lucju'.estavri.
Es&as medicAas 2S0 mt.tt
78, STSW OXFORi) STBSET (ac'^j H\ Orfjrt S:ret ITZtSZ
IC vamieaiM ^.u urjas -ts uharm erso.
I ifrOEE HJUl'JlW*" **l comdeo mpcKosauente t\ ca->' s FcU se z*o
direcsao, 533, Oxford Str*t ifto UUthcasoo.

M DO CAB0CL8
Antigo estabelecimento de ferrag-ens
DE
FEKKEIRA GDABAES & C.
86Roa Duque de Caxias86
(E>ran>e sortimento eextaQtns, cntdatms,
[t muito5 ontros artigos a saber:
Cobre emfolha.
Ferro sortido.
Cimento Portlant
e outros marcas.
Bombas de ferro e bronze
Canos de ferro e chumbo para
encanamentos de alta presso
Machinas e vapores
para algodao.
Candieiros elctricos.
Foges econmicos.
Este estabelecimento fundado em 1851, tem na sua
longa existencia a garanta mais segura dar os que pro-
curar em honral-o com a sua confianza.
PBEflOS SEM COMPETENCIA
Descontos do costume
ira
PEIT0RAL de CEREJA
Do Dr. Ayer.
As iif.riiil.la.l,-- mala dolorosos da aareaata
( dos pulmoe, ordinariamente desenvolvem-se
tendo por principio base pequeas, culos resulta!
.ios ni. ,o lUtcels Ue curar se prompiamentc >o
trnto com o remedio conveniente. Os Keafrl-
:i "le Laringitis, Asinina, Ilronchitis, Affec-
cao Pulmonar u Tsica.
Todas us familias .me tem criunras devem ter o
Peitoral de Cereja do Dr. Ayer
^
m casa par
-.i. t dia' I"011!' em muitos casos
necessidiide.
usar em caso de
V perda de um s tia, |hmIc em
accarretar serias consecuencias. Por tanto no
se deve perder lempo precioso, experimentando
remedin de eficacia durldoaa, emquanto que
a enrermidade s<; oiaxl.ra do systema e se arralan
profundamente, e cuta,, que se necesslta tomar
nesse Instante. > n-iniilio mais eerto e ncllvo em
eu effeito, a esie remedU> sem dnvida ala-urna
OFEmiKAI. I>E CK1I1.IA IK> DR. AVKIt.
PBKPABADO PELO
DR. J. C. AYER & CA,
IiOwell, Mass., Est.-Unidos.
DEPOSITO 1,1:1:11.
r
e
A S00 i|2 gfa.
A 800 [ gf.
A melhor tinta de escrever
TINTA VICTORIA
Vende-se nos depsitos:
LIVRARIA CONTEMPORNEA
DE
::::::: ;:. costa & c.
Roa 1. de Marro n. 1
LOJA DE FERRAGEM
a
DE
Vl.ItlXO K11.VA A
Ra da Cadeia n. 42
C
A 500
re,
,
l^gfa.^
A800rsl sfa.
Aos agricultores
Pessoa habilitada olferece-se para contrahir
emprestimos com o Banco do Brasil, em favor
dos S. S. agricultores desti provincia, de Ala-
goas, Parahyba e Bio Grande doTorte, encarre-
gando-se de adiantar as quantias necessarias
para pagamento de avaliacoes e preparo de do-
cumentos, mediante mdica retribuicSo. Os
pretendentes podem dirigir-se nesta cidade ra
do Atalho n. 9, e por caita G. C.
Tigipi
< nnsiiiniinii de S\ Brrelo
iSConvida-se a este senhor a comparecer ra
do Bom Jess n. 23, para prestar contas das
cobrangas que fez no termo de Agua Preta, em
Marco prximo passado.
ITFALLIYEL
em todo o caso de
RHEUMATISMO
imparezas o Sangue, Ernpgoes, Escr-
fulas, Ulceras, Siphilis
e toda ajbccfio do natureza
eruptiva ou venrea
SLSAFABfilLflA
DE BBJSTOL
0 Remedio de Familia por excellencial
i ------------------------------------------------,.....*
Cosinheira
Precisa-se de urna, que cosinhe bem e durma
em casa do patro ; a tratar na ra do Cabug
n. 14,1- andar, de meio dia at 2 horas.
Gasa na Capunga
Aluga-se a casa terrea n. 24 a ra da Ventura
na Capunga, preco mdico, e est hmpa ; trata-
se no sitio ao p da ponte grande, com o Sr.
Henrique Lasserre.
Para a festa
Aluga-se urna excellente casa na Boa Viagern,
ra d'Aurora, com muito bons commodos; a
tratar ra Larga do Kosario n. 34, botica.
Aos plantadores
D. Jeronyma Cousseiro compra batatas de
araruta e mutarana ; para explicaces, dirijam-
se ra da Aurora n. 81 e Imperairiz n. 2. ou
.larga do Rosario n. 14. e em sua residencia ra
do Lima, travessa de Joo Veiga n. 19, em San-
o Amaro das Calinas.
CAL


rmrap.DE ferro
BRONZE
DE
CAROZO ft IRMAO
Roa do Barao do Triumplio ns. 100, 102 e
Deposito ra do Apollo ns. 2 e 2 B
Ten para vender o seguate:
VAPORES de diversos fabricantes para fogo directpara o ou fogo de asseB
tamento.
MOENDAS de todos os tamanhos.
RODAS d'agua.
RODAS de espora e angulares.
CRIVACOES de differentes tamanhos.
TAIXAS de ferro batido e fundido.
LOCOMOVEIS de 2, 2 1/2, 3 e 4 cavallos.
ARADOS americanos.
MACHINAS de descarojar algodao.
VARANDAS de ferro fundido e batido.
BOMBAS de todas as qualidades com o respectivo encanamento e finalmente
todas as ferragens precisas para a agricultura desta provincia.
ENCARREGAM-SE de qualquer concert e mandam buscar por encommen-
da, mediante ajuste previo ou urna mdica commissao qualquer machinismo.
CONTRACTAM fornecimento de apparelhos para usinas, garantindo a ba
qualidade e bom trabalho dos msmos, o que podem provar com o bom resultado
obtide com as duas USINAS montadas ltimamente a saber:
Santa Filonilla e Joo Alfredo
Vendem a praso ou a dinheiro com descont.
FNCCAO BE SINOS EBRONZE
BE
LUIZ DA CRUZ MESQUITA
66ra do Baro do Triumpho66
Teixi para vender o seguirte:
Machinas de cobre para fazer espirito de destillar e restillar.
Alambif|lies de cobre do antigo e novo systeraa com esquenta garapa.
Serpentinas de cobre e de estanho.
Carapueas de cobre.
Taixas, taixos e cldeiras de cobre.
Bombas de todas as qualidades de repuchos, aspirantes e continuas.
Torneiras de bronze e madeira de todos os tamanhos.
Canos de cobre, de chumbo e de ferro.
Rcpartldeiras, passadeiras e escumadeiras de cobre e de ferro estanhado
Cobre em lencol e arruelas.
Sola ingleza e do Rio.
Cadinhos patente e"de lapis.
Nios de 1 librante 110 arrobas.
E muitos outrM bjectos
KNC rAM-SB os ni tucos, para qn tem pensoal habilitado.
"%IHi a pra nt<>.
DE
A4$000abarrica
com abate de 10 0| em por53es maiores de
10 barricas.
A RA DO BOM JESS N. 23
Attenci
.del
DE MURE
Hi mttl de cincoenta annm q*
tu ortico i medicina, e jama/i M-
contrti remedio mail eficaz que o
caracol contra at irritacCes do pello.
f CiRISIIIS, de Itmpelr.
Este Xarope, de sabor ex-
cellente. de urna poderosa
efllcacia contra as MrritacOea
da Garganta e do Peito,
r'lHJ-iix, Tome rebelde,
Catarrho Agudo ou Ihr-
Mico.
Pl- MORE, Put-Silit-Eqnt (Fnap)
A. GaLijne, Genro Socceawr
Depotitot em toda principtei
Phemielmi.
tmPernambuco: rRAN" 41. da SILVA C*-
O grande e imporlante estabeleciiiiento de
Pocas Mendes 4 C, sito ra estrella do Rosa-
rio n. 9, contiguo a igreja. acaba de rec ebe i 42, 44 e 46
una grande remessado rriditiido e c-pi'cial f I sobrado de um andar na ra
VinhoMadu- in m
Predios venda
sendo urna no largo
ns. 38, 40,
dos Martyrios
6 casas nos Afogados,
dos Remedios n. 62.
5 ditas na travessa de S. Miguel
la auro
0 nico que, sem a miinina conferyao, > \u
portado neste mercado, e s se ven lf no refer
do estabelecimento. Este precioso nctar ir
torna cada vez mais procurado a saber porgue ? Vejam : o vioho Maduro, sendu
como feito nicamente da uva madura, tem
as seguintes vantagens que as outras qualidades
de vinho nao tem ; facilita sem a menor pertur
baco a3 digestes do estomago, anda mesmo
ornis enfraquecido, dando-lhe vigor, pois nutre
aolhos vistos as pessoas debilitadas, e d forcas
as que as tiver arruinadas pelo uso de bebida;
viciadas.
Recebemos tambera
Requeijao
em latas, de procedencia de engenhos, cujos
propr3tarios capricham em bem trabf Jhar neste
artigo, am de terem a priraazia sobre tantos
outros similares, cuja composigo duvidosa.
Em outros artigos como sementes de hortalifa
e flores, linguas seceos do Rio Grande, objects de
vime e lamancos do Porto para homens e senho-
ra3, para isto to pouco temos competidor,
nossa casa 6 especialista, e as pessoas que disto
se queiram certificar podem comparecer, cora
o que muito nos honraro. Aps urna inlini
dade de artigos de primeira ordem, que acbam-
se em exposigo, acresce a amenidade do trato
com que timbramos tratar todos os que nos
honram com a su;> presenga, junto a modicidade
d precos sem rival.
Ba coirciiit lo BoNArio n. 9, Junte
i;r<-ju
Potras Mendes & C.
I dito na rua Thom de Souza n. 3, cora dous
andares e sotao.
A tratar na rua General Abreu e Lima, antiga
>anto Amaro n. 8.
A Sra. D. Helena Balse-
raao rogada a vir ao escrip-
rio do Diario a negocio de
seu interesse.
Padarias e refinarias
Roga-se aos p.-oprietarios destes estabelec-
mentos a reunirem-se no dia 29 do corrente,
afim de tratarmos dos interesses destas duaa
classes, relativamente aos grandes impostos. A
reunio ser na rua estreita do Rosario n. 13
estabelecimento dos Srs. Neves 4 Salgado, s S
horas da tarde.
A commissao encarregada.
AOS Srs. PROPSIEIABIOS de OAVAUOt
UNGENTO STEVENS
O nico sul>sUtuin:io a cauterlsaeo dos cavallo
pelo fogo. Este mara\ llhso preparado o nico
remedio veri,nleirame:ite cfcaz para curar todas'
e qnaeaqucr A"tc{o?s dai ifrnas do cavallo, Enlermeaies tal
jariiaaia e Dislocacots di toda a nattreja. 40 annos do
ptimo e continco xito em todas as colo-
ridas, hars .. nos prlnclpaes estabelecl*
nii r.tos de cavallos em Inglaterra e Europa.
Nunca dolxa nodo alun:a. S? mister expert-
milita o para licar convencido do seu valor.
Vendc-se cm caixas com as competentes indicbate
pora o sru einprrgo. rm portuguez
UsiCiueole preando por H. R. STEVENS. medico-TaiannatH,
9. Par'' Lae. Londres (IoglaterraJ
%9tubtrKs em Pernambuco : [Ka*: U. ta SHVa.li0o
humo
lUHFATEBSON SC.
44-MJ4 B4RA01)0 TRII1PH0--44

Machinas a vapor,
Moendas.
Rodas d'agua.
Taixas fundidas e bat
*v
as.
Taixas batidas sem crava^ao
Arador
Li-.onciado pela I&apectorU de Hygioi-o do Imperio do BraziL
VIN
.
VINdeMOITIER
Htica, gniliettte te fcoaVaia de fee e BcUs de Juk
DIGESTIVO, TONISO, FEBRFUGO
PREPARADO COM
Quina c Pyrophosph^to de Ferro
ESTE VIVI FOI PRECONIZADO POR TODA. A mPREUSA MBDICA
COMO SENDO O MAIS PODEROSO
Tnico empregado para curar
ANEMIA, CHLOROSE
EMPOBRECIMENTO DO SANGUE
Soberano contra as Febrera
| hoyvet, PltfMttntiM de Ia dasse, hoarea Smc* i
PARS 44, rua des lotnbards, 44 PARS
Depositarlos em Pemamiuco : CAN M. da SILVA Os
B AS PRINCIPAES PRARMACIAS


'-

,,.....
- ~.



8
Diario de PernambucoQuipta-feira 29 '^^1!^^ I......iiiii
VENDAS
I


Vende se no caea do Hamos n. 4, urna en-
cllente machina a vapor de 30 cavallos, urna*
bombas hydraulicas de grande forca, um ferra-
or, urna tesoura para cortar flandres, arcos,
etc., trilhos e carros Decauville, apropriadoe
para transporte de can na, bombas d'agua mao
e vapor.
Yende-se
urna casa em Tigipio, uo lijlo, e em terreno
iroprio, com commodos para urna grande atiri-
ia. distante 300 i 40 metros da estaco, tem
quintal (allis sitio), plantado d diversas fruc-
teiras, inclfiiv coqueiros : quein pretender,
deve enleHder-se com o professor da Boa-Via-
gem.
4 Loja das Listras Azues
Est vendendo fazendas milito baratas
Com descont
a qnem comprar de 205000 para cima.
E VENDE PEUOS SEGLINTES PRESOS:
H adapolo lavado com um metro
de largura a (J5800 a peca,
norlm da* fjfstras Aznes com
20 varas, a 65000, a peca.
Chitas percales finas, cores seguras a
180 e 200 re.
C'asaas de urna s cor a 100 e 120 rs.
com palminhas.
Lanzlohas de quadros a 160, 200 e
240 rs.
Cortes de Uuhos com 1G 1/2 co-
vados, tecido phantasia, a 45000
Bordados finos com 3 metros a
500 re.
Bicos brancos a 600 rs., a peca
com 9 metros.
Nargelim diagonal, todas as c5res,
a 180 e 200 rs.
Crinolina de cores para vestidos a
360 rs. o metro.
Luvas de seda, lisas e bordadas a
10500.
Leques transparentes lindas cores, a
2*000.
Grinaldas com veos para noiva a
75000.
fue ti ni de Maco branco, e de todas
as cores a 750 e 800 re.
Cortinados bordados para cama ou
janella a 65000.
Fichs phantasia a 800 rs.
Leos de seda a 500 rs.
E militas fazendas que se vende por
qualquer preco.
Troca-se a fazenda vendida se nSo fr
de muito agrado para quera fr comprada.
RA DUQUE DE CAXIAS N. 61
Sarpma agradavgi
M RETRATO.
Que se offerece a um amigo no dia do
sen anniversario
De mm al IIIIISIII)
Obtcra-se um lindo retrato pela quantia
cima, com linda moldura fina dourada
em alto relevo, c com cordoes de 13 e
seda ; trabalho feito nos Estados-Unidos
da America
POR FRE). 'LATT
Qualquer familia que desejar um per-
feito retrato, bastante mandar um pe-
queo retrato em cartilo de visita, nao im-
porta que seja antigo, basta dizer a cor
dos olhoc e do cabello, para chegar um re-
trato perfeito, e muito lindo para um pre-
sente, ou sala de visita.
Os retratos de Fred. Platt
Estilo expostes ao publico na
AGENCIA GERAL
Loja das Listras Azues
RA DUQUE DE CAXIAS N. 61
Para as Exmas. familias verem o quanto
sao lindos, e muito fcil fazer encommenda.
aUALaER ENCOMIENDA
Por maior que seja se aprompta em me
nos de 90 dias, e restitue-se a importan-
cia recebida, se nilo chegar um retrato de
muito agrado.
Para encommendas da cidade e de ou-
tras provincias devem dirigir seus pedidos
ao agente geral n'esta cidade.
JOS AUGUSTO DAS
PER.MIIBICO
Alta no vidade
48 -B.ua Duque de Caxlas48
Por menos 30 01 do que em outra
qualquer parte
Merinos setins, lisos e de quadros com 2
metros de largura a 25000 o covado.
Renda heppanhola muito larga a 25000 o
covado.
Bapartilhos, verdadeiros couracas, a 45000-j
f>-S000 e 65000 um.
Lindos cortes de fustSo para collete a
500 rs*, um.
Cobertores de 12 .a 25000, m.
Paitot8 de seda amarella e chunroo a 85
105000 um.
Redes francezas a 45000, 55000 e 65000
urna.
Organdis (fazenda de phantasia) a 400 rs.
o covado.
Enchovaes para baptisados a 85 e 105000
Toalhas felpudas a 35000 a duzia
Meias cruas para homem a 35000 a dita.
Nansuks finas de 120 e 240 rs. o co-
vado.
Merinos lisos e de quadros 200, 240 e
280 rs. o covado.
Cortes de linn e crotones com todos os
preparos, a 55000 a 125000.
Atoalhado muito largo 15200, e 15500 o
metro.
Pannos de crochet para cadeiras a 500;
600, 700 e 800 rs. um.
Colchas de crochet, bordadas para noivos
a 55000, 65000, 75000 85000 e 95000
urna.
Cortinados bordados a 65000 o par.
Bramante liso e trancado de 4 larguras a
15000 o metro.
Bramante trancado de 2 larguras a 400 re.
o metro.
Toalhas de cores para mesa elstica a
55000 urna.
Saias ricamente bordadas, a 35000 urna.
Luvas de seda, lisas e arrendadas a 15000,
15500 e 25000 o par.
Cretones claros e oscuros e 200 e 240 re.
o covado.
Zefiros de quadres a 120, 160, e 200 re.
o covado.
Camisas finas de meias a 15000 um.
Leques de penna, ultima moda, a 45000
e 55000 um.
Capellas com veos para noivas a 85000
urna.
FustSo de cores para palitot e calja a
500 re. o covado.
Cortes de velludo bordado a seda para
collete % 25000 um.
Cambraia de salpicos com 10 jardas a
45000 a peca.
Bicos de cores e brancos a 15000 e 25000
a peca.
Collarinhos e punhos, borracha, & 15800.
Cobertas de ganga forradas com 2 pannos
- a 25800 urna.
Lencos brancos a 15500 e 25000 a duzia.
Fichs de retroz, lisos e com palmas a
15000 um.
MadapolSo americano com 1 metro de lar-
gura a 65000 a duzia.
AlgodSosmho com 20 jardas a 45 e 55000
a peya.
Assim como em sua officina de alfaiate
aprompta-se com perfeicSo e elegancia
por precos commodos, de brim ou case-
mira, costumes para meninos e homens.
A Revolado
48Baa Buque dejCaxias4 8
HENRIQUE DA SILVA MOREIRA
F0LP5TIM
POR
primeira parte
lduguu:::::.::"::::::;
(Continuacilold o n. 193)
IV
Dir-se-hia que abria-se a crtera de um
vulcSo e que as lavas icandescentes cor-
riam ao longo da vertcnte, inundando de
lu o valle, os tectos da casa e repellindo
o nevoeiro, cujos flocos disseminados iam
abalroar com as arvores, prendiam-se uas
mattas, embrenhavam se na floresta, frag-
mentavam-se na planicie c finalmente sipavam-sc depois de, por instantes, se ha-
verem condensado as margens do Bau-
m, ultimo refugio em que o sol os persc-
guio. Houve entilo urna fanfarra de luz,
que despertou a somnolenta paysagem.
Um tremor geral corren pela herva mo-
lhada, perpassou pelas arvores, subi a
rampa da montanha e ganhou 03 pinhei-
ros.
E logo depois, ao longe, a voz potente
da floresta saudou com sua grave e triste
harmona o novo dia que despontava. E
mais perto delle, o sol punba scintillacSes
de fogo as aguas do moinho d'Aval, que
cahiara dos rochedos para espadanar-se
com filetes cleres ao longo das moitas c
na vargem. A igreja de Bouchonx appa-
receu, implantada- na encosta, depois as
Farello superior
2:800 rs.
cada sacca de genero superior e de peso de 42
kogrammas, vndese no trapiche da Compa-
nbia. largo do Corpo Santo n. 19.
Bom negocio
Vende-se. arrenda-se ou hypotheca-se a me-
tade do engenho Fortaleza, "sito no termo do
Bonito : a tratar na ra Coronel Suassuna nu-
mero 232.
Casa venda
Yende-se urna casa terrea, sita a ra do Tara-
bi n. 3. bairro da Boa-Vista, por commodo pre-
co, podendo os preteudentes desde ja exami-
nal-3 : trata-se na ra de Santa Thereza n. 20.
Muita atten^o
Ka ra da Imperatriz n. 80, vende-se sapatos
de felpos para fri a 600 rs. o par, e de crian-
cas a 500 rs.
cabanas esparsas em seus arredores ; em
seguida mostrou a serrana, margem do
Baume, e l embaixo, muito longe, um ca-
minho pedregoso que subia para o bosque,
rodeando os precipicios e seguindo as vol-
tas caprichosas das torrentes ; o caminho
em que Thomaz Lhoir e Magdalena se ha-
viam encontrado a primeira vez.
Os dous, a moca e o mogo, haviam-se
assentado, um perto do outro, e o contra-
mestre escutava, como em um sonho, os
ltimos versos da cancao campezinrf, que
Mme. Gonssolin cantarolava :
Tota n'maillia de can,
Le resti bin intredeta,
Quind le visa, quaqu' fan
Elle toma-Ihe as mios, ambas, reunio-as
e beijou-as com transporte :
A senhora me taz louco !
Eu o creio, disse ella com um sor-
riso.
E retirou as mSos, e, fazendo elle um
esforeo para prendel-as, a physionomia da
moca tomou um ar severo.
Nilo, disse ella, sacudindo com ener-
ga a cabeca. O senbor me assusta, quan-
do se excede assim.
Mas eu amo-a !
Por ventura prohibi-lhe que me
amasse ?
I8S0 nao basta.
O que quer mais ?
Saber se o seu coracSo commoveu-se
e se a senhora... \
Ella interromoeu o levantando-se :
O senhor me bavia promettido nun-
ca interrogar-m3 a tal respeito. NSo ,
por acaso, feliz ? Nilo tenho sido boa V
Caasei-lhe algum desgosto ?
Elle abanou a cabeca duas vezes, pon-
do as mitos, nao tendo forca para respon-
der-lhe, temendo tambem assustal-a.
O senhor me ama, acha me bella, me
diz e eu creio-o. NSo me zanguei com
este amor. Admitti-o e animei-o. O se-
nhor est perto de mim, urna gran-
de concesso que lhe faco e sou criminosa
concedendo-a. Em qualquer occasiUo po-
de o senbor ver-me, se o quizer ; a pre-
senja de meu marido nSo lhe serve de
embaraco. O que quer, pois ?
PECIIISCHAS!
51Ra Duque de Caiias5f
CassineUs de- cores para roupaa de mali-
nos 200 rs. o covado.
Meias casemims pretas e de cores idera
a 400 e 500 rs. o dito.
Hollanda parda para vestidos a 280 rs. o
dito.
Setinetas modernas idem a 200 e 280 rs.
' o dito.
Linhos de quadrinhos a 100, 160 e
200 rs. o dito.
Percalea finas a. 200 e 240 rs. o dite.
Atoalhado bordado, quasi 2 metros de lar-
gura, a 15000 e 15200 o metro.
Bramantes, 4 larguras, superior a 800 rs.
e 15000 o dito,
dem de puro linho a 15600 o dito.
Riquissimas guarnieres de crochets a 65 e
85000.
Toalhas para niSos a 15200, 35500 e
45000 a duzia.
Meias inglezas para homens a 25500 e
35000 a dita.
Camisas superiores idem a 245 e 305000
a dita.
Seroulas bordadas a 125000 e 185000 a
dita.
Cambraia Victoria e transparente a 25800
e 35000, com 10 jardas,
dem bordadas chics a 45000.
Superiores algodSes da corte a 35000 e
35500.
MadapolSo americano a 65000, com 24
jardas.
Flanelb do cores para camisas a 280 rs.
o covado.
dem americana, azul, para palitots a
15200 o dito.
Casemiras de todas as qualidades a 15400
15800 e 25000 o dito.
Para as Exmas. noivas
Lindissimas grinaldas e veo para 85000 e
145000.
Ricas colchas de crochets e fustao a 85000
e 65000.
Bonitos cortinados bordados a 55500,
75500 e 85000.
Linons branco bordados a 460 rs. o covado.
Setim branco, superior, a 800 e 15000 o
dito.
Popelinas de seda a 800 15000 o dito.
Setins Maco, todas as cores, a 800 rs. o
dito.
Lencos de seda e de linho para 25800,
em lindas caixinbas.
Lences de bramante a 15800.
Cobertas de ganga, forradas, com pannos,
a 25500 e 25800 urna.
Colchas de cores a 25000 e 35000.
Tapetes para portas a 35500 e 55000-
Pannos tara mesas, de cores modernas a,
15500 15200 e 15600.
PARA BAPTISADOS
Ricas toalhas de labyrintho de 305 a
355.
FustSes bordados brancos a 400 e 500 rs.
o covado.
Casemiras pretas e de cores de todos os
prejos, cheviots, merinos, damascos para
pianno, cobertores, redes a 45000 urna, e
urna infinidade de artigos que seriio lem-
brados na presenca dos dignos leitores.
LOJA DE
PEREIRA & MAGALHAES
, E*barato
RDI'ZI! & IRMiO
A RA BARA.0 DO TRIUMPHO
|N. 100 A 104
Tem para vender tr-feulphi-
to de cal, que nao s faz alve-
jar muito mais o assucar, co-
mo evita o grande gasto de
cal no fabrico do mesmo.
Para os festivaes
A' ra da soledade n. 56, preparam-se,
com limpesa, mestria e commodidade em
prejos: bolo, p2o-de-lt, cangica, arroz de
leite, pirmides de doces d'ovos, vatap,
bandeijas para casamentos e baptisados, etc.
Recebem-se as encommundas quer para a
cidade, quer para fora d'ella.
utownsm
*0HIAiSm
tp *?LERY Vende- err. toda a tarU
Nada, disse elle, com a voz trmula.
Estimo-o com profunda amisade. Nao
possivel duvidar disso. 0 senhor espe-
rou que o amasse? Lastimo-o. Nunca se-
rei sua amante.
V
Magdalena!
O senhor me forja a dizer cousas
orar.
E' verdade, disse elle, oom voz su
mida. Eu a obrigo. Era So fcil viver
com urna esperanga. Oh nunca aubirei
at senhora, mas nao podia a senhora
descer at mim ?
Ella no respondeu logo.
Olhaya distrahidamente para o valle de
Saint-Claude, Iluminado agora brilhante-
mente pelo sol.
Disse, encolhendo os hombros :
O senhor estragou o nosso passeio,
disse ella ; voltemos.
Ganharam o atalho.
Apenas "en traram na matta, avistaram o
guarda Guid, que desapparecia em um
dos zig-zags do caminho.
Magdalena empallideceu.
Tel-os-hia visto Guid ?
O proprio Thomaz estava inquieto.
Guid, elle n3o o ignorava, era seu ini-
migo pessoal.
Era um antigo servidor de Gonssolin e
tinha visto com colera entrar o lenneiro
para a serrara.
Ter por companheiro obrigado um ho-
mem, que mais de urna vez sorprender
espreita de caja, um ladrao de caca,
isto na opiniiio do guarda,*um malfei-
tor ; essa idea o revoltava. NSo tinha oc-
cultsdo a seu amo o mo humor c a estu-
pe facgilo.
O madeireiro lhe responders
Que queras, Guid, isto agrada
minha mulher.
O guarda era rancoroso, mas profunda-
mente fingido, como a maior parte dos
camponezes.
Fez boa cara a Thomaz, sem comtudo
perdel-o de vista.
Teria elle sorprehendido a entrevista?
No vero o general Hormais passava al-
guna dias na casa de Gonssolin, em com-
panhia de Suzana.
Venham ao &5 ver como se vende fs>
zendas com 50 /0' mais barahjl qnc em ou-
tra qualquer parte.
Cortes de cretone, combinacSo, ultima no-
vidade, a 55000.
Cachemiras, combinajlo com listas de sed
a 15400 ocovado.
Vestuarios de jersey, ultimo gosto, a 105
e 125000
Amor da China, cousa chic, a 200 rs. o
covado. .
Linons bordados com quadros, novidade,
a 800 rs. o covado,
Setins, qualquer c6r, a 800 rs.
Sargelins de todas as cores, a 200 rs. o
covado.
Merinos de cores a 500, 600 e 800 rs. o
covado.
Crinolines a 400 rs. o metro.
Vestuarios para baptisados, muito bonitos.
Guardanapos a 15600.
Cortinados para cama a 55500.
Sedinhas lavradas, o que ha de mais gosto.
Cambraia com salpicos a 45000 a peca.
Cortes de casemira para vestido a 255000
Renda da China a 200 e 240 rs.
Tecidos arrendados, a 400 e 500 rs.
Zefiros, grande variedade, a 160, 200 e
240 rs. o covado.
Bicos de cores a 35000 a peca.
MadapolSo muito largo a 65000.
Luvas de seda a 25000, 255000 e 35000.
Mantilr as pretas a 45500.
Cambraia Victoria a 25800.
Atoalhado bordado, ndo9 gostos, a 15000
o metro.
Grande sortimentos em toalhas de rosto.
Espartilhos com couraca a 45000. 55000 e
65000.
Nunzucks a 240 rs. o covado.
Pannos de crochet.
Cretones para coberta, muito bonitos a
500 rs. o covado.
Cambraia suissa, fina e muito bonita a
75000.
Babados e entremeios grande sortimento e
barato.
Fichs de linho a 15000.
Ditos de seda a 45000.
Ditos de 12 a 15000, 25000, 35000, 45000,
55000 e 65000.
Grande quantidade em tapetes pequeos e
grandes.
Cretones muito lindos a 400 rs. o covado.
Chitas brancas, escuras e claias a 240,
280 e 320 rs. o covado.
Grande sortimento em colchas brancas e
de cores.
Objectos para homem :
Cortes de casemiras, finas, a 45000, 65000
e 85000.
Ditas de casineta a 15500 e 25000.
Collarinhos de linho e algodo a 45000 e
65000 a duzia.
Meias para homem de todas as cores e
brancas.
Casemiras de cor a 25000, 35000 e 55000
o covado.
Ditas diagonal, lindos desenhos a 25, 35 e
e 45000.
Brim de linho de cor a 500 e 600 rs. o
cavado.
Cassinetas, grande sortimento, a 400 e
500 rs. o covado.
Bnns Angola, muito chiques e baratos.
Mlesquins bons e bonitos.
Camisas de madapolao a 250001 !
Ditas inglezas a 45500.
CerouhlB francezas a 15600.
Flsnella azul a 15200 o covado.
Grande sortimento em lenjos de algodSo
e linho.
Camisas de cretone, cousa boa [e barata.
Alm de outros muitos objectos.
D-se amostras sem penhor a qualquer
pessoa.
. Ra Duque de Caxias 55
Fernande Azevedo & C.
A LOJA MAIS B^RATEIRA
pariz''americ
AZEVEDO, IRMaO & U.
16Ra do B. da Victoria16
200 Tdephone200
Tendo recebido directamente da Europ.
grande sortimento de fazendas e modas i
que ha de mais novo e presos sem coa
potencia.
A saber :
Capas de surah, senda e merino.
Renda preta, diversas qualidades.
Etamines, pretos, de l e 12 seda.
DamasB de seda pura.
Merinos pretas de 800, 15000 e 1520C
Crinoline preta e branca t 400.
Sargelim, todas as cores, a 200 rs.
Bramante de linho a 15500, com H
palmos.
Toalhas para banho a 15000 e 15501
Chachemiras com 2 larguras a 800 r
Ditas de l e seda 2 larguras a 15000
MadapolSo trancado a 95000 a peca.
Dito globo a 75000 a dita
Dito camiseiro a 75000.
Dito BSa-Vista, verdardeiro, a 65000.
Fichs de 1S e seda 15000.
Brtffs de linho coi es fixes a 600.
Espartilhos couraca a 45000 e 5500C
Colchas de fustSo a 25000 e 35000.
Capellas para noiva com veo bordado i
65000.
Toalhas de cores para rosto.
Rendas, comprimento de saia a 15500,
Renda de 12, preta, para quaresma.
Pao verde para bilhar.
Tapetes para sof a 135000.
A verdadeira esteira para forro de tal
a 15000.
Camisas de flanella a 55000.
Cortinados de crochet para cama
105000.
Chitas de cores a 200 rs.
Cretones com 2 larguras a 400.
Baleias com forro a 390 a duzia.
Ditas sem forro.
Seda de cores a 800 e 15000.
Extracto Rita Sangal a 25000.
Velbutina de quadro a 800 e 15900.
Guarnicoes, pretas, de vidrilhos.
Bicos de seda, brancos.
Caixas com extractos para presente!.
Rendas hespanhola a 45000.
Capachos de coco.
Luvas de seda a 25000 o par.
Meias de seda para homem.
Dita de dita para senhora.
Flanellas de cores para roupas.
Panno da Costa para mesa.
Vestuarios para baptisado,
Colchas, de crochet com flores.
Crep inglez para anfeite"
Grande sortimento de chapeos de sol
Setineta para coberta a 600 rs.
Cortes de col lee te de seda.
Dito de fustao de cores.
Dito de casemira de cores.
TELEPHONE 200
Taverna
Vende-se a taverna sita estrada de Luiz do
Reg n. 47 D. propria para principiante por ter
poucos fundos ; a trjtar no Caminho Novo nu-
mero 87.
Terreno
Vende-se um terreno na ra do Conselheiro
Barros Barielo (Porto da Madeira), tendo 50 pal-
mos de frente e 250 de fundo; a tratar na tra-
vessa do Peixoto n. 10.
Ncssa poca Francisco estudava medici-
na em Pariz, por conseguinte raras vezes
apparecia ero Saint-Claude.
Pelas ferias de Setembro, o mojo ficava
duas ou tres semanas perto do general e
de sua irmS e depois parta, nao voltando
a Pariz, pois que os cursos de medicina s
se abriam em Outubro ou Novembro, mas
viajando na Franca ou na Italia, pela Hes-
pauha, a Inglaterra ou Allemanha.
O general, espirito muito pratico, reco-
nhecera ha muito a insufficiencia dos es-
tudos que se fazem nos lyceus e nos esta-
belecimentos de instrucc.So, e obrigava seu
filho, visitando os outros povos, compa-
rando seus costumes, estudando seu ca-
rcter, a acabar lima educajSo que a ro-
tina franceza deixaria forzosamente in-
completa.
Prestados briihantemente seus exames
de doutorado, Francisco voltou Saint-
Claude para estabecer-se ahi e adquirir
clientela; as relajoes entre seu pai e
Gonssolin, levaram-n'o a conhecer Magda-
lena.
Antes disso j elle ouvira muitas vezes
fallar-se nella, na sua belleza radiante e
do casamento exquisito que aceitara. Via
ra-a, se nao lhe falhava a memoria, aind-
muito moga, duas ou tres vezes. Magda-
lena nSo nascera no Jura e Francisco m-o
rava em Pariz havia j dous ou tres an-
nos, quando Reynaud, o pai da moga, tinha
sido nomeado sub-inspector das florestas
de Sint-Claude. Assim Mme. Gonssolin
era quasi urna desconhecida para o joven
medico.
Nos primeiros tempos de sua installa-
5S0, como nSo tinha elle muito que faze-,
aceitn com satisfacSo a occasiSo de dis-
trahir se, que" se lhe offerecia.
NSo smente renovou com Gonssolin as
relacoes, que sua estada em Pariz havia
interrompido, mas foi, bem depressa, at-
trahido a Bouchoux pelo profundo snti-
mento que lhe inspirou Magdalena.
Logo as primeiras visitas, sentio-se per-
turbado.
Nunca havia amado. As ligeiras liga-
goes do bairro latino, tinham sido inciden-
tes da sua vida de estudante. Brusca-
mente amou e foi com a violencia dos seus
Libras sterlmas
Vende-se libras sternas ; na ra do Com-
mercio, armazem n.5.
Vinho puro de Santarem
Da quinta do Barral
Os proprietarios do Armazem Central, ra
do Cabug n. ii, avisam aos seus distinctos fre-
guezes e ao respeitavel publico que receberam
nova remessa deste especial vinho, o qual se
reconi'nenda por ser puro da uva, e s se reta-
llia em seu armazem.
Joaquim ChristovSo & C.
Telephone 447
Roya! Blend marca
Este excellente Whisky Escocez pre-
ferivel ao cognac ou agurdente de cana,
para fortificar o corpo.
Vende-se a retalho nos melhores arma-
zens de molhados.
Pede Roy al Blend marca Hado,
cujo nome e emblema sSo registrados para
todo Brazil.
BROWNS & C, agentes.
Excellente acquisic,ao
Vende-se urna boa casa na Boa-Viagem, terre-
no proprio e bem col locada ; a tratar na ra da
Concordia n. 31, 2- andar.
trinta annos, ignorando o amor, que elle
entregou seu coracSo, inteiramente e sem
transicao.
Demais, encontrou Magdalena comple-
tamente disposta a corresponder ao seu
amor.
A affeijSo de Lhoir nao havia excitado
nella mais do que um sentimento de pie-
dade, comquanto reconhecesse quanto era
devotada e profunda.
jUm momento chegou ella a acreditar
que o amara.
Foi no dia em que Tromaz, transfigu-
rado, em um accesso de sublime loucura,
quiz matar-se, para dar moa a terrivel
e suprema satisfajSo de saber que um ho-
mem por ella se matra-
Nesse dia o contra-mestre nao adivi-
nhou que Magdalena estava vencida, muito
timido, com um amor muito sincero e bas-
tante humilde, .nSo podia calcular as pro-
babilidades do xito.
Nada vio.
Desde entSo, a affe53o de Lhoir foi
para a moga urna diversSo s tristezas e
tedios que soffria.
com sea
ella vio chegar Francisco Hormais.
Comprehendeu logo a impressSo que
produzra no filho do general, de seu lado,
sentia-se commovida e trmula, todas as
vezes que, prevendo visita da familia
Hormais, ia seu encontr no valle de
Saint Glande, na companhia de Gonsso-
lin.
Os dous seguiam o valle no sop da
montanha, e de sbito distinguiam ao lon-
ge, na alvura da estrada, com o claro sol
da manh, o carro que conduzia Suzana, re-
costada com abandono, emquanto que Hor-
mais e seu filho seguiam-na ou prece-
dan]-na a cavalio.
Mme. Gonssolin deixava-se beijar pelo
general, amigavelmente, depois tornava-
se pallida, e com os olhos parados aban-
donava seas dedos na mao de Francisco.
Os dedos apertavam-se com forca, um se-
gundo o calor das maos se communica-
vam de urna a outra, atravez da luva.
Depois ella desprendia-se, retomava seu
sangue fri, punha-se a rir, beijava Su-
_ A FLORIDA
Galfcif palmas e rosas de vidrilho.
Bicos de seda e de algodSo
vidrilho.
Mantilhas de seda e de algodSo.
Contas lapidadas para vestido.
Franjas de seda com e sem vidrijho.
Renda hespanhola.
Collarinhos para homem a 35000 e 45000
a duzia.
Bordados de cambraia tapada a 400 500'
600 e800rs.a peya.
dem com 3 e 12 metros, do qual que
argura a 15200.
Lencos de linho em caixinhas a 35000
dita.
Meias para homem, duzia a 45000.
dem para senhora, duzia a 45000.
Lindos leques transparentes de gaze
35000 um.
Grande sortimento de porta-retractos de
pellucia.
Finas pulseiras americanas a 45, 65 e
85000 o Dar.
Ditas de phantasia, gosto moderno, de
25500 a 35000 o par.
Cortinados todos de crochet para cama a
125000, 175000 e 195000 o par, algun
de cores.
Ditos para janellas a 75000.
Pannos de crochet para cadeiras a 800 e
15000.
Ditos para sof a 25000.
Plastons e regatas de gosto.
Espelhos com tres palmos de comprimento
a 45000.
Capellas com veo para noiva a 65000 e
85000.
Lindos enxovaes baptisados a 85 105 e
125000.
Toucas de setim para baptisado a 35. 45 e
55000.
Grinaldas e ramos de seda, o que ha de
melhor.
Renda hespanhola de diversas cores.
Bicos brancos e de cores a 25000 a peca.
Ditos de seda brancos e de cores.
Lindos ramos de flores a 45000 um.
Collarinhos e punhos celluloide.
Grande sortimento de fitas modernas.
Baleias a 280 rs. a duzia.
Extractos e leos de diversos fabricantei.
Linha de machina, claque, a 40 rs. o car-
ritel.
Pastas a 15000 e 25000.
Porta-lettras e porta-sedulas a 25000.
Arquetes para chapeos e chapelinas a
15500.
Lindas fitas n. 12 para chapeos.
Luvas de seda, cano comprido a 25000 o
par.
Ditas de seda para creanca a 15000.
Dita para moga a 15500 o par.
Grande sortimento de jarros para toilette,
sanctuario e consollos.
Lmdos lenco3 de seda, gosto moderno.
Grampos dourados para segurar cabellos.
Ditos ditos para enfeitar cabeca e segurar
chapeo.
Espartilhos para creanga a 45 e 45500.
Ditos para senhora a 45, 45500, 55000 e
65000.
Grande sortimento de sabonetes de 200 a
15500 um.
Estojo com faca, gario e colher, proprio
para creanca.
Bengallas com flauta a 15500.
Meias de 1S para homens e senhoras.
Ii'nhat dourada para fa*er crochet.
Lindas fitas para facha a '2S, 35 e 45011
o metro.
Lindos leques de setim para casamento.
Grande sortimento de leques de setim e
de papel de todas as cores.
Suspensorios americanos a 25000.
Lindos desenhos para talagarca,
Finas carteiras para algibeira de 15, 2Jt
3 e 35500 urna.
Ra Doque de Gaxias n. 105
Leite puro
Nessas disposicoes de espirito, foi que' 'dirigindo-se porta, a encontrar-se com o
.
Na estrada de Joo Fernandes Vieira, sitio le-
go depois das casas novas da direita. vende-se
todos os dias leite puro de vaccas tonrinas e da
trra, garante-se a qualidade do leite.________
Pao centeio
Mello 4 Biset, avisam ao respeitavel publico,
que todas as tercas e sextas-feiras, tem este sa
Doroso pao; ra larga do Rosario n. 40.)
zana, nSo pareca mais oceupar-se com o
irmSo.
Estava, entretanto, estabelecida a felici-
dads para todo o dia, elles correspondiam-
se, comprehendiam-se e amavam-se, sem
que urna nica allusao fosse feita nos cur-
tos momentos em que sos se achavam. A
paixSo transparecia em seus olhares, nos
apertos de mSo, nos risos hesitantes, quan-
do seus olho3 se encontravam e penetravam
em suas almas.
Nem um, nem outro havia lutado con-
tra o sentimento que experimentava. Pa-
reca que haviam esperado um pelo outro,
sem que se conhecessem, para amarem-se.
NSo tinha havido oppos9ao. NSo houvera
resistencia. Foi urna paixSo violenta, s-
bita, ateada con a intensidade de um in-
cendio que irromne repentino.
Um dia, os dous estavam sos no salSo.
Gonssolin, Suzana e o general Hormais
haviam descido aojardiro.
Da escada, Suzana gritava a seu ir-
rnSo :
Vem d'ahi, Chicao. Espero-te para
fazeres um bouquet.
Magdalena passou por diante do mogo,
marido.
Voltou-se para Francisco, sorrindo, in-
certa.
O senhor nSo ouve ? chamam-n'o.
As espessas cortinas das janellas faziam
urna meia obscuridade, na qual os dous
olios negros e grandes de Mme. Gonsso-
lin tinham extraordinario brilho, dir-se-
hia dous diamantes de irradiasSo estra-
nha.
Forca oceulta impellio-os um para o ou-
tro.
Abracaram-se e os labios se procura-
ram. 1
E ella disse com urna especie de c-o
lera :
Amar-me-ha sempre ?
At a morte.
Reflectio bem 2iw
NSo. 1
(Continuar-se-hd)
___^____^__ i i
Typ. do Diario ra |>uque de Casias n. 43
(
{
i
r
/.
i
m**m


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E2J9G6T1L_A0KFHY INGEST_TIME 2014-05-21T22:51:18Z PACKAGE AA00011611_16941
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES