Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10288


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ABHO XL. HOMERO 32.
Por tres irezes iidiaiitados SJJOOO
Por Ires niftzes vencidos 6$O00
Porte ao coireio por tres files. 750
DIARIO
OOARTA fEIRA 10 DE FEVEREIRO DE 1864.
Por anno adiantado.....19J00O
Porte ao corrcio por nm anno 3<00U
ENCARREGADOS A Sl'BSRIPCAO NO NOHTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alejandrino de Lina?
Nata!, o Sr. AntonioMarques da Silva, Araratv,
Sr. A. de Lemas Braga; Ciar, o Sr. J. los 44
Ove.ra; Maranbao, o Sr. Joaqnim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Manoi mazonas, o Sr. Jerouyino da Costa.
ENCARREGADOS DA SLBSCRIPCAO NO SIL
Alf-gas, o Sr. Claudi.io Falcao Dias; Bahia, o
Sr. Jos Marina Aires; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
reira Martins t Gasparino.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo e Escada todos os dias.
Iguarassu', Goyauna e Parahyba as segundas p
sextes-feins.
Santo Antao, Grvala. Bezerros, Bonito, Caruaru
Aitinho e Garanhtus as tersas f. iras.
Pao d'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqueira
Ingazeira, Flores, Villa Bella. Tacantta', Cahrob
Boa Vista, Ouricury e Exu as qu artas feiras.
maniera, Rio Forneo, Tamaodar, Una, Harre-
ros. Agua Preta e Pimateiras as jautas reiras.
Ilha de Femando todas as vezes que para ali sahir
navio.
Todos os estafetas partem ao '/, dia.
EPHEMERIDES DO MEZ DE FEVEREIRO.
7 La nova as 3 h., 49 m. e SO s. da t.
1 4 Quarto cresc. as 11 h., 5 m. e 26 s. da m.
22 La cheia as 2 h., 41 m. e 8 s. da t.
PREAMAR DE HOJE.
|Primeira as C horas e 6 minutos da manha.
Segunda as 6 horas e 90 minutos da Urde.
D A DTP firPTfl AI ,,ue tra,a a no;a I*"" conia ''>clua os quaes sao ihesouro precioso, e que rae foram negados quan-
l AA1 | t'I 1 lili AL leressanos para as ridraeas das respectivas celu- lo es qtiiz li
-----------------------______________'a.S e de oulros lugaresdaquelle edificio.Commu- I L'M Su. diputado :Pela commissao ?
nicou-se ao Dr. cliefe de polica e ao inspeclor da
lliesouraria provincial.
Dito a cmara manicipal de S. liento.Vai ser
sabmettido a approraco da assembla legislativa
provincial em sua prxima reunio, o contrato (|ue
a cmara municipal da villa de S. Bento celebrou
Offlcio ao inspector da lliesouraria de (asead*.-- com Joaquim Jos Pacheco do Amaral Reg, para
a consirurcao de urna casa de mercado nessa villa,
GOVERM DI PROYiMU.
'iiutimaran do eiprilienlc il dia .' de fcrerriie
de 1861.
PARTIDA DOS VAPORKS COSTEIR US.
Para o sul at Alagas a S c 25; para o norte at
aGr.inja a 7e22 dcada mei; para Fernando nos
das 14 dos meses dejan, mare maiojul, set enov.
PARTIDA DOS MNIBUS.
Para o Recito : do Apipara as t)'/,, 7, 7 '/2, 8 e
9 'A da m.; de Olinda as 8 da ni. e (5 da tarde ; do
JaboalSo as 6V, da m.; do Casanga o Vanea as 7
da m.; de Bemftca as 8 da m.
Do Kecife : para o Apipacos is 3 '/z. 4. 'A. 4 >/2,
5. I/. 5 "/ e 6 da tarde; i ara Olinda as 7 da
manhaa e 4 '/, da tarde para Jaboafio s 4 da tar-
de ; para Caehang c Vanea s 4 /, da tarde; para
Ueraflea as 4 da tarde.
AUDIENCIA DOS TRIBUN'AES DA CAPITAL.
Trbunal^docommercio: segundas e quintas.
Relacao: tercas e sabbados s 10 horas.
Fazeuda : quinta s 10 horas.
iuizo do commercio: segundas s H horas.
Pito de orphios: tercas e sextas as M horas.
Priuieira vara do rival : tercas e sextas ao me
da.
Segunda vara do carel: qnartas e sabbados a 1 hora
da tarde.
DAS DA SEMANA.
8. Segunda. S. Joao da Malla; S. Juvencio b.
!. Terca. S. Apolonia v. rn.; S. Ansberto.
10. Qunrla de cinza. S. Silvano b.
11. Quinta. S. Paulo I eremita ; S. Lzaro b.
12. Sexta. S. Marccllo p. m.;S. Eulalia v. ni.
13. Sabbado. S. Gregorio p. r S Benigno b.
14. Domingo. Ss. Auxencio, cfiphebomm.
ASSIGNA-SE
no Recife, em a livraria da praca da Independencia
os. 6 e 8, dos proprietanos Manoel Figueiroa d.
Faria & Frito.
Remello por copia V. S. para sen conhecimento,
o avi,o de 18 de Janeiro ultimo, do qual consta lis
lt'liberaooc! tomadas peio Exm. Sr. ministro do
imperio acerca de augmcnlos de crdito as ver-
bas presidencias de provincias e Facultades te
Direilo doexerrie.o corrente.Communicou-se
ao director da Faculdade de Direilo.
Dito cmara municipal do Cabo. Constando
de aviso do ministerio do imperio de 15 de Janeiro
prximo lindo, haver acamara do depulados a| -
provado as eleifoes primarias e secundarias para
a decima segunda legislatura, nas parorhias
que compe o lerceiro districto eleitoral desti
provincia, e resolvido que lique adiada a decisn
relativa eleicao das duas freguezias de Una ii
barreiros, sendo approvad a da freguezia de loo
juca feta na matriz soba presidencia do 2" juiz de
paz : assim o communico cmara municipal d.
villa de Cabo, paralen conhecimenlo o lira conve
nienle. Iguaes cominun i cacees l'.zeram-se s ca
ruaras municipaes de fpojuca, Santo Antao, Esca-
da, Serinhaein, Rio Forra so, Barreiros e Agua-
Prela.
Dito ao juiz de paz presidente da junta de qual
liacao da freguezia de Grvala.Respondendo ac
o.licio le 17 de Janeiro ultimo, em que Vine, com
iniinu ,',-m.- que nao lendo a cmara municipal de
Bonito remettido um livro novo e em branco para
se laucar a lista da revisan da qualilicaco dos ro-
lantes dessa freguezia, visto eslar lindo o que para
esse fim servia, abrir, numerara e rubricara um
livro especial para esse triibalhu, lenho aduer-lhe
que procedeu mui regularmente em vista do que
preceita o t 16 das inslrucces de28dejunho
4e 184t', e de varias decisiies dogoverno imperia!.
uiliciou-so oeste sentido cmara municipal do
Bonito.
- Dia 6
Oflici) ao briizadeiro cotnmandante das armas.
Srvase V. Exc. de mandar alistar nos cornos
tu guarnicjto nesla provincia, se forem julgados
aptos p.ra isso era iiuneecan do sade, os recrulas
Jacinlho Eslevo da Porciuncula, Agosiinho Anto-
nio de Olveira, Louren^o Chrispim Gomes, Ge-
raido Antonio Barbosa dos Santos, Justino Marques
da Cruz e Ernesto Goncalves de Macedo, que se
acliam delidos no quarlel do 2' Itatalhao de infan-
taria.i^oinraunicou-se ao coronel retratador.
Dito ao mesmo.Queira V. Exc informar acer-
ca do que pede no incluso requerimento o recruta
Jos do O' da Silva, declarando o dia em que o
implicante assentou praca.
Dilo ao eonselheiro presidente da relac.o.
Queira Y. Exc. interpor o seu parecer sobre ama-
tena do incluso offlcioqueera 16 do mez lindo.
a qual acoti)|ianhou o olicio da mesma cantara, de
"i'A de inneiro nltimn
23 de Janeiro ultimo.
a cmara dos Sis. deputados tem achado esta pra-
Uca mo.to regular, teni-lhe dado o seu assenliinen-
lo, e anda nao a contrarioii. rbmo, pois, a illas-
re commissao se levanta agora para contestar es-
..a .-V!11!na-. l'ri'JU'l'eando lo |ositiva e injnsta-
vtrrwle e por torea
O Sr. Luz Fki.iitk : Nao. senhor : nao faco
; i lerepaedes acouiraiasia l.imitar-meliei expe-
s cao dos factos e circunstancias de que pude ler mente direos adiiiridosem
onliecunenlo |wr documentos oblidos alame. Sr. della ?
presdeme, vou cotneear pela elei^o de Santa-
cruz, porque urna das que a commissao rejeila
como nulla, e nao ser talvez intil fazer o hist-
rico do que se passou nessa freguezia antes da!
e|etcao.
| Os jartidos all se debatiam com igual vigor; o
Dito ao ioix de paz do 4 anno do 2 districto da partido, porm, que enviou para aqu os Iresilltis-
freguezia de Ipojuca.Em solucao ao seu oflicio de tres membros a quem confere a commissao o di-
26 de Janeiro intimo, ~
vista do que
nlio de 1859,
paz. nao romo
vislo que sao ncoiiqatveis os cargos de juz de paz preciso vencer.
e professor de primeiras lettras, como declara os i Ncste intuito fizeram com que um dos juizes de
avisos na o44 e 561 de 18 e 29 de novembro de paz daquella freguezia provocasse do Exm. presi-'
m,i- | dente da provincia nina decisao no sentido de de-
----- clajar por qual das quallicacoes se deveria irntce
tipedirnle de secretario do geverno. | A"1 -i eleicn, allegando (attenda bem V. E
Ollieio ao commandante superior da guarda na- !as 'lu^lilicacdes dos annos de 1861, 1862
cional de Barreiros.O Exm. Sr. presidente da '"'am sido presididas por juiz de paz
provincia manda communicar V. S. que faram ,en,J;e. 1Ul' l,or ,anto dm-eria prevale
entregues boje aocapitao Eduardo Frederico Banks
como V. S. solicitou em seu offlcio de 25 de Janei-
ro ultimo, os hvros constantes da rolac.io por co-
pia melosa, que pertencem- ao archivo' do batalho
n. 45 de infamara da guarda nacional sob seu
con,mando superior.
Hcspadios d dia 6 de fevereiro de 1861.
Augusto Pacheco de Queiroga.A" vista da in-
forma?ao nao tem lugar.
Bacharel Cypriano Fenelon Guedes Alcoforado.
A' vista da informacao do Sr. inspector do arse-
nal de marinha nao tem lugar.
Damasio Antonio da Silva.O requerimento do
supplicante foi enviado ao governo imperial.
Tenente-coronel Francisco de Miranda Leal Se-
rA' vista da nova informacao do Sr. inspector
do arsenal de marinha, nao pode ser attendido o
supplicante.
Manoel Jos Ribeiro.Informe o Sr. director de
arsenal de guerra.
Marcellino Dias do Sacramento.Pode seguir.
Vicente Ferreira da Costa Miranda.Informe o
Sr. director das obras publicas.
K Sr. presidente, se fosse smente a pratica de
um direito contestado, se fosso nicamente o uso
de urna allribuieo indevida, anda bem ; mas fe-
lizmente temos lei que falla ma s alio do que o pa-
recer da commissao.
Diz oart. lio da lei: t Se la exeeucao desta
le ocrorrerem duvidas que no:sam ser decididas
pelo governo ou |*los presidentes de provincias,
recfinbece a lei que duvidas ha
dvidas pelo presidente da pro-
pelo governo qtiando se tratar da exeeu-
cao desta le, que pcasodeqio nos oecupanios.
Ja a re tem dito no nrt 18 o guintc :
p governo compleme pan conhecer das ir-
regularidades commettidas nas sleicoes de cama-
rn." miiiiuiM.,,.. .. -t____ -
SStSa&\2?% SSSS j ""' em Granja e Santa Quileria, eoow V. Exc. e
.iuji.1 cirios oe Joao eiiil.;s edos que reput depu- : a casa vao ver
Silave au n^?^? V- {TT USE? Al' Gra^ Sr" P^idenle, deram-se os se-
de ikflft q sel,,es>e a bW50 P*1 (l"''l'hc3Cao gninte vicios .nsanaveis : 1, s eleices se lize-
juiz de paz do que acabo de- coes foram annulladas por esU cmara. Por islo
a, na conformidade da lei, devia ser nomeada
supplentes de juies de paz, sendo prohibido
coucorrer con seu voto para esse acto.
(bra jo easo de ser a de 1861 falsa, visto como a
de 1862 e 1H63, segundo acalM'i de demonstrar,1
._ prevalecer
cacao de 1860 ; ouirosim a respeilo da
ca da mesa parochial devia S. Exc. ser
um.-t|vez que o fundamento que elles ara
parai redamar o abandono das jualilicacSes de
186L 1862 o 1863 era o mesmo que prevaleca
para que fosso declarada nulla a eleicao do juiz
de paz, e por isso llie devia ser recusada a presi-
denciia da mesa.
O presidente da provincia delerminou que urna
esta vara nullas originariamente, porque haviam
sido presididas |ior juiz de paz que uo tinha sido
qual i Meado.
Sr. presidente, os amigos dos Ilustres candida-
lioMvel(I"^tlmr',,,residenle- d'8 iue. se nao para esse cargo. Nao para admirar esse deseio
'10"y^*!s,e'reito.qaeIseest.i allnbutcao nao de prevenir o futuro, de lomar cautelas contra
buicj
de msler
fosa) tao bem recebida, como e
crea-la, dar-lhe desenvolvimenlii
Nos conflictos e pendencias qt e tao frequenle-
mente se susciiam no correr de i m processo elei
STXSSS: V1 im e lrm "* da ^or nc^da^e quV^maSde e .
nullas, e eu ja dire o motivo por,|ue assim foram poss;i mostrar, que urna auloridade se faca rosnei- c
reputadas, se _procedcsse a elcic-io pela que tivesso ; lar no sentido de fazer cnn.nrir as di, slc^.fa'
prevenir o futuro, de lomar cautelas contra honrado.
. expresso, ipie lerei se for preciso.
Voxks :.\ao preciso. .
O Su.Li u Fkuii'k :6ao estes os defeilu qu,
na mioha opinio, irouxrfam' vicios insJfcaveis
eleicao da Granja. Vou provar o (tu acabo de as-
severar.
Oprmeiro faci ler o processo eteiiorl ewne-
fado t-eis das anles de 9 agosto.
Ouem o lestifica nao um individuo qualquer,
e o digno juiz de direilo da comarca, que declara,
nao so que se antecipiira a eleicao a* dia marcado
nas que nao se lizera na matriz, e sira na ca da
cmara.
O Sit. Pamplos.v :Faz-me o favor de dlzer o
nomo Jesse juiz de direilo?
OStt. Lnz Fejjpi-k: um magistrado milito
sido fttta em termos regulares". Ponderaran S.
Exc. que a qualilicaco de 1861 linha sido presidi-
da pelo mesmo individuo, pelo mesmo juiz de paz,
6 verdkde, mas que linha sido feita cora as forma-
lidades legaes, como demonstrare!.
emergencias posstveis, quando estavam vivos e
saos tres juizes de paz propietarios ? Haveria ou
nao srrm /wnse da parte desses individuos*
sr. presidente, eu disse que o partido de que sao
representantes os Ilustres cavalheiros cuja eleicao
combato eslava enfraquecido pela desunio, e disse
zer ramprir as disi>oscoes da i a verdade. Inimisades antigs c rivalidades nes-
'".'^''^f a ("fll;' ">b sa- es tinham-o de tal modo fraccionado que elle
a ,ii^.,1 a 'Sr l,reflJenl<>. sen aulorsar nao poda aspirar rasoavelmente o Iriumpho em
a uesordem, deixar as quesloes eleiloraes a deci- sua freguezia.
sao do ccete, da faca de pona, c o arcabuz, ou au-
lorsar o emprego immoral e conrtemnavel das du-
tievo f,e 'r i"rm L*/'11 da'" SM0"1" l P|,ca,as.o que succe.leria ind.sp .nsavelmenle des-
bearocs de 1861, 1862 e 18*3 pela razao de que deque nao houvesse um poder Silva Hets que era o juiz de paz que as havia pre- como que o arbitro dos partidos '
sidido, ao lempo em que foi elelo juz de paz esla-
va condemnado..
partidos.
I orlanto, anda que esla doutrna nao fosse cr-
reme, deveria ser eslabelecda psra bem do paiz.
Isto em masa, quanlo interferencia legitima
que a auloridade execuliva deve exercer no pro-
cesso eleitoral. Recojiheco que a doutrna que
INTERIOR.
Rio ik j\:iho.
ASSEMBLA GERAL
< a n\ it % nos mmioh i s
i'ii'irvims.
Usi Sfi. DBPUTDO : Pronunciado.
O Sn. Lnz Feui'pk :-----condemnado; de-
r.ionstrou-se, porm, que Silva Reis presidir a
qualinclcao de 1861 nao como juiz de paz do qua- acabo de expender tei seu'inc^veninlsVom^
tr.enn.ot cuja eletcao se proceder era 1860, mas tasse a abusos. Neste caso nor"m, u e'ta a ca-
como !-, JUU e paz j qila.riennio lindo, porque mar dos Srs. itSSXS^SnniS
tendo coRvocado a junta de qualificaco era fins de denles com o salutar correcvo da
aezemI>ri|.do anno anterior ou principios de janei-1 dade.
reaaowbjli-
dlAffi'SSt^^K^S^IS faamos apPl'ea^ de;les principios
elle juiz de paz que hara fe.to a convocara cora- eleicao que examinamos, e vejamos em que cir-
convoca^ao com
petia a presidencia da mesraa qualincaco. Por' cumsUncias o presidente da Dwoeia"""fe"dees
consequejc.a, parece mconlestavel a legi.imidade uso; e o que 'a este respeitoTn !o dito e^ houver
O presidente da provin- de dizer ton lama refmnejT'etViJdto aa" frege'-
osse-preferida ;z.a de Santa Qm como de Sobral, porque a me-
; da qualifipacao de 1861.
cia diste convencido, mandou que lu~
juiz municipal do, ermo do Limoeiro CONCLUSAO DA SESSAO DE ,1 DE JANEIRO 5*2atMBA!r^^
com referencia ao esenvao Hermino Delfmo do I DE 1864. | Atienda V. Exc. que estas medidas foram nedi- cnmstanchs rftL^JSZSi .ldenl,ca! en-
NiscraenloLima. O Sh L,,: F..r,* :_Sr. presidente, carece das pelos amigos doT.Vu$s"^^^
Iilor,oins|*clor da thc*ourar.a de fazeuda. mu.to da indulgencia de V. Exc. e de meus hon- a coinmissRo confere diplomas atienda V Exc '-- ieii,.io nos resxctuos juizes de
Communico V. S. para seu conhecimenlo, que rados colle-
s*gundo conslou de offlcio to engenheiro liscalda tuadoaoc
paz.
no met entender; A respeilo daquella fut.dava-se Bdedsao do pre-
mio l.nham inte- s.dente na falla de idonedade ou capacidade do
As duas influencias mais notareis do lado desses
Ilustres cavalheiros no Sobral sao, de urna parle o
Sr. Paula Pessoa, inuito digno senador peloCear e
sogro de dous dignos candidatos cuja eleicao a il-
luslrc commissao considera valida, e da oulra os
Srs. Fgueiras. Estas influencias nao se enlendem,
e sem accordo nao poderiam vencer a eleicao re-
gularmente. Etanio ocomprehenderatn que, se-
gundo li ha pouco, se v um dos seus chefes, o Sr.
Jos Saboia, declarar ao presidente 'em offlcio que
os liberaes do Sobral nao concorreram eleicao.
O Sn. Libkiuto :O nobre deputado j affirmou
o contrario, dizendo o partido liberal se preparara
para a eleicao.
O Sh. Piiksidrntk : Attcncao !
O Su. Luz Fklii-pk :Eu disse que ludo denun-
ciara da parle desse partido a existencia de um
O Su. Pamplona :Faz-me o favor de repetir
esse nome ?
O Sn. PiiKsii.F.NTE :Altencao !
O Sn. Luz Felippe : -Sim, senhor.
O Sn. Liukkato :Chama-se Antonio Pinto da
Silva Valle.
O Sn. Pamplona :Contra elle diversos presi-
dentes conservadores dirigirn ao ministerio qua-
tro representacoes, queixando-se de factos por elle
pral.cados.
O Sh. Luz Felippe :Eu o conbeci em Olinda
como pessoa muilo digna.
O Su. Pamplona :Foram presidentes conserva-
dores os que representaran.
O Sr. Presidente : Altenccao t
O Sr. Luz Felippe :Passou por intelligente e
honrado : presumo que o seu procedimento nao
tem desmerecido.
Diz elle no seu altestado : (Le.)
Quando um liomem na posico do Sr. Dr. Pinto,
juiz de direto da comarca, afflrraa lo positiva-
mente um faci, elle nao deixa de ser verdadeiro.
Outras provas, porm, anda vem corroborar a Tor-
ca de minhas asserges.
Temos anda um protesto de dous supplentes de
ejeitores que foram convocados para a organisa-
cao da mesa, e que declarara que, chegando no
plano, qualquerque elle fosse, para prevenir emer-: dia apr izado a matriz, ah nao encontrarn seno
gencias futuras. B o que parece ter licado claro. urna acta, a mesma que se havia lavrado na ca-
Sr. presidente, vallando a Sania Cruz, observo Sh^S?"*1 DcsPenscn,-ra,! de l-'> 1ue e"
que a Ilustre commissao anda julga i Ilegal a ele- j
fao porque entraran! na urna algumas cdulas |
que nao estavam cerradas de todos os lados.
Parece-me, Sr. presidente, tao severo este modo
de pensar da Ilustre commissao, lio ftil e dbil
o fundamento de sua opiniao, que acredito que el-
la s se soccorreu delle na falla de oulros mais ro-
bustos era que se pudesse apoiar. Como declarar
nulla urna eleicao pela falla de urna formalidade
de tao pouca importancia, tanto mais quando della
vallara Antonio Bezerrade Mello, pelo 9" balalh.o e caracteres me inerecera o mais decidido respeilo.
de infanlaria a que o mesmo soldado se acha en- E como se estas ronsiderafoes nao fossem sufli-
abale-
um ou-
v uir.iiii.il i.i .i *juc u metilo 'ou.hio ^^; .irua nr '* ^l*' Tostado, alim le que V. S. nao navendo inronve- cenles para actuarem desranlajosamente e i
nienle mande indemnisar o predito baialliao da rera o mea espirito, ja de si abatido, tenho u
quanlia de Il5"o0rs. em que importaaquelle ven
cimento Conimunicou-se ao brigadeiro cou.man-
dt ule das armas.
Dito so inspector da tlnsouraria provincial.
Constan lo de oflicio do director da reparlicao das
Ol ras pt Micas datado de h miera e sob n. 26 que
jierininou o prazo de responsaliilidade do calca-
ra nio da ra do Aragao, e acha-se a obra era bom
estado, recommendo V. S. que de conformidade
com a clausula 4' do respectivo contrato, eera vis-
ta do compleme certificad) mande pagar .aoarre-
matante daquelle calcamenlo a prestacao a que tem
direito e existe em deposito nessa lliesouraria.
Ci mmunicou-se ao director das obras publicas.
Dilo ro mesmo. Respondendo ao ontsk) de 4 do
corrente, sob n. 37 em que V. S. impugnou o pa-
gamente que se mandou cfleetuar por offlcio de 13
de Janeiro ultimo da quanti de 18,5000 rs. des-
pendida pelo delegado do termo do Ex com oalu-
gucl vencido desde 20 de agosto at 20 de nove.n-
ro do anno prximo passado, da casa que all ser-
ve de cadeia, e bem assim cora o fornecimenlo de
lu'. para esta como se v da conta que devolvo, au-
toriso V. S. de conformidade com o seu citado of-
licio a mandar pagar sement a quanlia de 12-3
pi ivenienle de tal aluguel, vislo que a de 65 cor-
respondente ao fornecimenlo de luz deve ser sa-
tisfeita pela cmara municipal daquella villa.
Communicou-se ao Dr. chele de polica.
Dilo a > commandante superior da guarda nacio-
nal do Recife.Ministre V. S. a informacao que
em 19 de Janeiro prximo (indo, Ihe exig "acerca
do que mecommunicou o brigade.ro commandan-
te das armas relativamente ao nao comparecimen-
to de um dosbalalhoes da guarda nacional deste
municipio pata, reunido a oulro de tropa de linha
fazer como Ihe foi ordenado, as boom do estrilo
ao presidente desta provincia 0 Exm. Dr. JoVSil-
veira deSouza, na occasiao em que embarcou pa-
ra a corle a lomar assenlo na cmara dos depu-
tados,
Dito ao director geral interino da nstruccao pu-
tilica.Conforme Vine, solicitou era seu offlcio de
JO de de/.embro ultimo, sob n. 244, transmitto-lhe
para terem o destino conveniente, as colleccoes dos
Tel .tonos e les das provincias do Cear o Mar-
nho.Ao mesmo reraelleu-se os relatnos da re-
parlicao dos eslranpeiros dos annos de 1883 a
l;il, de 1H.W 1889, e de 1861 1863. Reract-
teu-se-lhe mais os relatorios apresentados assem-
bla provincial do Rio-Grande do Norte nos annos
de 1860 1862, bem como a colleccao de leis pro-
mulgadas pela mesma assembla em 1860 at
8<;2.
Dito ac juz le direilo do Cali.Remeta Vmc.
rom toda a brevdade possivel, as informacoes so-
bre cadas, exigidas por circular desta presidencia
de 26 de novembto ultimo.Iguaes aos juizes de
direto do Pao d'Alho, Sanio Antao, Palmares, Ga-
ranhnns, Flore e Roa-Vista
Dilo ao director das obras publicas.Para que
eu possa resolver acerca da prorogai;ao e paga-
mento que pede o arrematante dos ronrertos da
potito sobre o rio Jaboalao, nos requerimenlos so-
br que versara as suas informacoes de 9 c 20 de
Janeiro ultimo, sob ns. 269 e 14, faz-se preciso que
Vine, v examinar pessoa I frente os trabadlos feilos
pe.'o supplicante naquella ponte, e d a esse res-
peilo urna informacao minuciosa.
Dilo ao mesmo.Forneca Vmc. ao administrador
da casa de delcncao, como solicitou o Dr. chefe de
polica, em offlcio de 4 do corrente. os cera vidros
Iro einbaraco
OSn. Lrik Fei.iipk :_Qud ul<<
dizer o nobrta deputado com islo 1
O mesmo Sjn. Depi-tai>#: Nada.
O Sil Lrij| Felippe :Naturalmente
a vencer. Na iiupugnacao que te- videncia, n.'u lendo sido lomada mais cedo, r
lser ao traballio da Ilustre commissao c poda aprove tar, e
aclodoode emanara sua antoridale resntia-se de
o que quer rasauavel irregularidade, que o v clava essencial-
: menfe. A respeilo de Sobral as ra. oes sao as roes-
mas tendo sido o motivo da nullidade da eleicao do
que a pro- juiz de paz a falta de qualilicaco.
que o aelo, que em sua origen 'u," escusado demonstrar cmara dos senlio-
a nutio, pode com o correr do lempo tornar-sera- res depulados que a condemnacio por eueito de
l.do ; esta i consequencia a deduzir do aparte do '""asentencapassadaemjulgado a falta de quali-
nol.re deputado mas que contraria muilode fren- "eacao de ura individuo s.o fundamentos legaes
le um principio de direto que muito corriquei- P-ara o reconheement de que nulla a eleicao
ro e sabido db lodos nos. | l"e Ihe conferio o cargo de juiz de iaz, e. para que
Fez-se ponanlo, Sr. presidente, a eleicao pela commissao coogasse s conelasdes qoe lirn, me
qua ihcacao dje 1861... Antes de ir adianto, dero parece essencial que houvesse demonstrado que o
declarar que Judo que acabo de dizer se acha pro- londamcnto da decisao do presiden e do Cear nao
.. parcia-
hdade dos illusires cavalheiros que aqu aposenta-
ran diplomas 1.......
O Su. S.m.iianha Maiuniio : A commissao nao
dll a quera.
O Sn Lnz Felippe : ... se clli nao fez senao
emenda que pretendo presentar consigno a ex-
clusao do recinto desta casa de tres dignos caval-
leiros, a quera muito considero, e que desejra ver
entre mis, ura dos quaes lera para mira, alera de
oulros, o titulo do ser ineu comprovinciano.
Espero, porm, que Ss. Excs., nao se aggrava-
ro domeu proredimenlo, porque, Sr. pratTdento,
se certoque me tora mais fcil e mesmo mais .
conimodo reirahir-mc discussc. c dar symboll- vado por doci|raentos ; quando conteslarem pode-: jurdico.
I3.'!'...U.!!-*0!0', e- .no. meu n'ender, igual- re l-|os, o ,jue nfio faco a proporco qu'e vou '. Altendarn a casa, e sobre islo chamo
materia parece
de 4 e S de
a conducta
. leitura desses
a commissao < a diploma de depulados), e esla foi avisos.
>e por um lado, neslas considerares que acal* a raza > porqu. a commissao no seu parecer diz i A-vista do que ti nho expostn, Sr. presidente,
"Por a caa, encontr desalent, por oulro rae que a eleicao isla nulla. visto como linha sido pre-' como se poder dizer, cora a illt stre commissao.
simo loititiradu na pureza da causa que me propo- feridai-sla qua iliracao s de 1862 e 1863. que no 'I'"-' 0 presidente da provincia era evado da inlen-
nno a iieteraier, e della cont tirar recursos que entender da illnslrn commissao rstao fimlnse pns- r.:M de favorecer os inleresses poli'icos da
me i.iiiecem. SiUi,is em julgnlo, oque demonslrei que nao exac-
espero anda que a cmara dos Srs. deputados, lo, sendo por i: to que disse que um dos undamen-
rorapeneirando-se, como creio que so compenetra- tos do parecer era falso, simposio.
ra logo no principio de miabas demonstrares, da- Ha representacoes, ha dados offlcaes que pro-
queita parata, Tira era auxilio do orador fraco, vara plenamente 'que nem a qoalifoacao de 1862
nao so para o nao deixar Iropenr, como para cora se terminar al-um dia, nem tao pooco a de 1863. I o que legal, e de mais a mais de iccordo com os
elle sollar bem alto ura brado de censura e repro- hu lerei a* V. Hxc. e casa o offlcio do 1- juiz de antagonistas desses cavalheiros, qi e taes medidas
vai.ao a essas alicantinas e Incas indecentes de que paz, e para csti leitura peco a sua altencao e da i reclamaran. ? Per oulro lado, qu motivos toriam
mieiizmente laucara ra ao os partidos lao requen- casa, porque esta queslo milito importante e af-; M cavalheiros a quem me tenho referido para de-
Rlmnn,nu*-4. j a- nT ei'enc,al ?"*?" resultado linal da eleicao. "jarem a inulilisaciiu para as presidencias das
Espero que a cmara dos Srs. deputados deixara (Le o offlcio do piiz de paz.) mesas ,to seUs juizes de paz e a d suas iiualilica-
Sfu.r i' '"J" 2?rfi2? e.v,l!'iro1s? 1ue na ,M ,s- Dp JTAOO : -Peco V. Exc. tenha a \ Coes f Seria preciso supp-los nep os e al insen-
autoria essas criminosas rafraccoes do le, e mu- bondade de lr o nome do juiz de paz que est ahi' satos, eo presidente que desle mod> os qaiiesse
Que demons- ass.gnado. favorecer bem estranho protector.
O Sn. Luz Felippe : Joao Jos da Silva Reis.'. Nega-se boje que laes providenc is estovan nos
hsta provado cem documentos ofliciaes que nem inleresses dos adversarios dos Hu- tres memliros ;
em I8l>2 e 186: se fizeram qualilicacoes. nas V. Ese. vai ver que de sua (arle havia um
Ha um ouiro jfflcio, da cmara municipal, em P'ano corabinado, um airirre peasA'. Nao s en
idnticos tormos... SantaCrui elles lizeram a sua duplic la pela qualili-
0 Sn. Saloan; i a Maiuniio :Eu j o li, nao pre- cacjto de 1860, que a que mais Ihe- convnha sem
cisa ler o Iraballio de o lr. se importaren com as de 1801,186i e 1863, que a
O Sil Luz Fe .ippe :Em vistas deslas duas pe- commisaio considera /indas r possa las em jitlaado.
ucas segumas, rc\oga procedentes que esla cama- ca* offlcaes que acabei de lr, harer ainda quera como era Sobral lembraram e pe iran a S Exc
ra lera adoptado mesmo na presente sessao, e diga que as qualillracoes de 1862 e 1863 sao jimias l"e preferisse a de 1860.
contradictorio com as conclusoes que a commissao i pastadas un juagado 1 Pois tal se poder chamar V-se bem que ha um plano, ha u na combinacao
da parte dos adversarios dos nobres deputados.
Explica-so bem isto.
Era 1860 a relacao de Pernanibuc havia manda-
do incluir na qualilicaco de Sobi al 700 e tantos
- individuos que eram adversarios dos illuslres
a il ust.e i.omm.ssao adoplou para a eleicao do f gil... membros. A de 1863 j se fez de m >do dilTerente.
msmcw principios ojae rejeilou para a eleicao do O Sn. Sai.ii.vnii/. Mariniio : Em sua opinio. e por este razao que elles preferiam a de 1860,
i?, i!3"" u a S"' ''"z Fkiip|,e :Sustentada |wr dados of-'. sera se embaracarein mesmo com i de 1861, que,
t niisa. m.pi r.\no :-Masaprora? : l.ciaes. Fique, | orlanto. registrado que nao ha- como r.m demonstrar, nao estar sujeifa ao vicio
II S.t. l.t iz pelippk :hu a apresenlare depo.s. v.ara qualilicacns de 1862 e 1863. que nullilicou as de 1862 e 1863
impugno o parecer, porque contesta ao governo o m dos oulros motivos pelos quaes a corarais-' B" verdade, Sr. presidente, que e a juiz de paz
l.reilo de explicar, do solver as duvidas que se sao prope a nuil dade da eleicao ven. a ser a in- era 1861, eleilo no qualrienuio de 1860, Joao Men-
susc.lara por occasiao do processo eleitoral, impug- lervenco do podt r executivo declarando por qual' des da Rocha.
no-o anda, porque contraria precedentes estabelo- das qualtfleacoes i e devia ella fazer. Este Joao Meadas da Rocha aqi elle mesmoque
:.dos por esta cmara ha bem iwucos das, e a que A commissao jt Iga pengoso que os presidentes : cu disse ha pouco que nao tinha sido legitimamen-
commissao pouca importancia l.gou, propondo do provincia sejau inveslidos deste direito e allri- te eleilo, porque Ihe fallara a base isto a quali-
sua rerogacao e por consegurate induzndo-a ser buico ; mas, Sr. presidente, ella certamenle se "
incoherente. esqueceu, quando elaborou o seu parecer, de que
Nao pretendo demorarme em detalhes, Sr. pre- desde 1846, data da promulgarlo da nossa lei clei-
idente, nao s porque importara isto cansar a at- toral, al boje, os presidentes' de provincia e os
tencao da cmara, como porque Ihe seria roubar; ministros tem-se julgado aulorisados para resolve-
Este protesto contrariado por um conlrapro-
teslo assignado por quem, Sr. presidente? Pelos
qualro msanos que iinham tomado a si a respon-
sabilidade de urna eleicao falsa I Pelos inleressa-
dos na occultacao da fraude!
E ludo quanto apresenlase em favor da eleicao
da Grarja, cuja nullidade se acha demonstrada pe-
lo protesto, altestado do juiz de direilo e outras pro-
vas mais que iremos vendo.
se nao prevalecer* para a fraude T Sena de sum- i JLJ2JX SEE :." 9 fi? e dre'to "5
raa injustica semelhante decisao Pn ,' '^ l" materia eleiloral.
O artso de 30 de setembro de 1860 ja pTOVdea.\K&ta]I^ :-Lllt at^fT peSSOa
ciou sobre este caso, dizendo que aquella formali- W*t* 'Ie Pnmeira auloridade da comar-
dade nao substancial, e que, portante, sua falla fc prefiillme> ngura.se ^ ,endo fe|0 parle
da mesa Odorico de tal. Odorico nm dos oito
supplentes de juiz de paz convocados para a orga-
nisaeao da mesa, mas nao compareceu, e entretan-
to apparece seu nome laucado na acta como tendo
comparecido ou assistido eleicao e assignado a
acta. Mas eu vou lr casa un documento que
prora pie Odorico de 8 14 de agosto se acha va
ausente e a grande distancia.
Nao sao, Sr. presidente, simples attestados gra-
ciosos ; nao um individuo primero encontrado
que os fornece, sao tambera autoridades do lugar,
e
to menos approvar os seus fruetos.
:rar de maneira a calar no espirito de lodos que
js decisoes que saliera de seu recinto levara bem
gravado o cunho da iinparcalidade, e>to reves-
tidas do prestigio que infunde a reelido e obser-
vancia da juslica.
Sr. presdeme, eu impugno o parecer da Ilustre
commissao porque elle injusto, assenta en falso
pnosto, contraria nosso direilo eleitoral e as pra-
fieacao.
lis amibos dos .Ilustres membros a quera a com-
missao d diplomas representaran c mira isto, como
tambera j foi dito por niim ; e o presidente da
provincia, mandando averiguar pela cmara muni-
empo precioso. Uemais, nao podena mesmo faze- rem quaesquer dukrdas que se offerecam no cor- cipal se era certa que Joao Mendes da Rocha j
S?nffyj^yy*"* *.CWBiyttef mexactidoes,que rer do processo eh toral, ou mesmo antes delte.' tinha presidido as tres qualilicacoes utlimas, deca-
Makinho :Os abusos sao de rou-as logo, do caso de verilicar-s i esta hypothe-
Ise, nullas, e que. porranto, se lizesie a eleicao por
O Sn. unz Kki.ii p: :-At boje. Sr. nrc-sJdVato,' aquella qnaJffieaeao a qn> se tivess procedido re-
desejo evitar, porque ir priraeira vez que tenho a
fortuna de olhar para esles papis, que esriveran
guardados nos areravos da secretaria como um
sua
nao annulla a eleicao.
O oulro raolivo' pelo qual a digna commissao
fulmina de nullidade a eleicao do Sania Cruz o
desapparerimento do rol pelo qual se derera fazer
a 2a e 3' chamada dos votantes.
Foi por esla razao, Sr. presidente, que eu disse
que a commissao era contradictoria, porquanto es-
se mesmo fundamento cora que quer annullar a
eleicao de Sania Cruz nao pesou em seu animo pa-
ra propor medida igual relativamente eleicao de
Missao-Velha, no 3 districto da provincia do Cea-
r, que esti nas rneusas condieqes.
O Sn. S.vldanii.v Maiuniio : cousa nova para
mira.
O Su. Luz Felippe :Lerei os trechos dos dous
pareceres que se contradizem : (L.)
Assim, v-se que o que em Missae Velha urna
falta desculpawl em Santa Cruz assuiue um carc-
ter lal de gravidade que annulla irreincdiavelmen-
le a respectiva eleicao I
No animo da honrada commissao, Sr. presiden-
te, fez grande iinpresso a circumstaucia de so ter
feito a convocaco do povo nas eleicoes de que tra-
to por urna qualilicaco e ter tido lugar o proces-
so eleitoral por outra.
Esto rigor da Ilustre commissao em condem-
nar as menores irregularidades encontradas neslas
eieicoes contrasta, permilta-me que o diga, com
sua nimia benevolencia era relacao a outras, como
veremos.
Que grande falta jiodia ser cssa, se todo o povo
chamado pela lei a rotar estara prevenido de que
no dia '.' de agosto haveria eleicao ? Quem quizes
se exercer o direilo do votar devia comparecer
no lugar da matriz, e conheceria pelas chamas
das se eslava ou nao qualtlicado. Ainda esto ca-
so est regulado por lei. Tanto se repulou de
segunda ordem a formalidade que a Ilustre com-
missao julga essencial que o arl. 12 das nstruc-
coes de 28 de jiii.ho de 1849 dispoe que, no caso
de se nao ler feito a convocaco, todava se prece-
der eleicao, porque o exercico de ura direito
to importante nao dere lie.ir dependente da ob-
servencia daquella formalidade. > J v, portanto.
V. Exc. que semelhante razo nao pode serv>r pa-
ra justificar o parecer da Ilustrada commissao,
que, como disse n'oulros pontos foi demasiadamen-
te indulgente.
O Su. S.vi.hanih Maiuniio :Ohrgado.
O Su. Lnz Felice : Creio que neslas expres-
soes nao ha ouensa.
O Sr. Sai.kan.iv Mariniio :Sei disto ; podemos
discutir muito cm paz.
O Sn. I.i'iz Fei.ippi: :Dizia eu que a commissao
mostrou-se demasiadamente indulgente no julga-
meato das eleicoes da Granja e Sania Quileria...
0 Sn. LniEiivTo : Pude accrescentar Sant'Anna.
O Sr. Luz Felice : Nada sei contra as elei-
Coes de Sant'Anna.
O Su Liberato :Nio conhece I
O Sn. Presidente : Altencao !
O Sn. Luz Felippe :Vamos ver o contraste,
Sr. presidente. O escrnjmfo com que a Ilustrada
commissao examinou as eleicoes de Sania Cruz e
Sobral, o rigor com trae as ralmnou de millas, per-
deram muito de sua inlensidade quando esse exa-
me chegou as freguezias da Granja e Santa Quile-
ria, cujas eleicoes, na mnba opinio, eslo tao
monstruosamente feita.s que se nao podera appro-
var.
As faltas de rol de chamada e cerramento das
cdulas desaparecen inteiramate quando se
consideran ss ricu enormes, as- verdaileiras in-
fraredes d? le e ncovadissimas, ttaodes que se de-
ura outrojuizde direilo, o da comarca da Vigosa,
que o diz. Eu leio V. Exc. (L.)
Apreseolarei ainda um oulro altestado do juiz
municipal da Grauja, bacharel formado, afflrman-
do a n.esma cousa. (L).
Veni V. Exc, Sr. presidente, e a cmara que
as provas que tenho fornecido para pedir a nulli-
dade da eleicao da Granja sao daquellas que nao
lem comeslacao.
Esses attestados que li das primeiras autorida-
des da Vicosa e Granja, c anda o do subdelegado,
que aqu est, constituem, en minha opinio, um
fndame ato muito seguro para esta cmara decre-
tar a nullidade da eleicao era que taes vicios en-
trara.n.
Mencionando o facto, deixamos de commenta-lo
por julgar desnecessario, visto que o governo dor-
ine semelhante respeilo.
A estes virios ainda accresce o de se nao ter fei-
to inencao na arta do nome de um dos protestan-
tes; sao dous supplentes do juiz de paz dos que li-
nham sido convocados para a organisacao da mesa
e que protestaran porque se pralicara essa forma-
lidade sem a sua presenca e anles do dia designa-
do. A respeilo de um diz-se simplesmenle que nao
compareceu, o oulro figura-se como tendo compa-
parecido quando elle alianca o contrari e foi a ca-
sa dolab.'llio fazer constar isto.
B.z-se tambera que o juiz de paz tinha votado pa-
ra a organisacao da mesa. Pela acta se conhece
que foram oito os convidados para o preenchimen-
to dessa formalidade, mas s comparecern seis,
concedendo mesmo que a presenca de Odorico li-
vesse sido real.
Ora. pudendo cada um destes membros, menos o
juisde paz, volar em dous nomes, seguese que
deviamos ter 10 votos a distribuir; 5 multiplicados
por 2 sao 10. Islo arithmetico. Mas, como cada
un dos mesarlos figura na acta tendo recebido 3
votos, temos 12 votos ou 3 multiplicados por 4. Po-
rm, nao podendo os 5 eleitores de mesa apresen-
lar un resultado superior a 10 votos, porque cada
um s polia votar em 2 nomes, segue-se que o ex-
cesso de votos que se encontra na acta, isto e, os 2
que sobrara de 10, foram dados pelo juiz de paz
que nao poda volar.
Sr. presidente, vou fallar da eleicao de Santa
Quileria.
Eu eslou fatigado e receloso de fatigar tambem
a attencj de cmara, por isto tratarei de resu-
rair-me.
Na eleicao de Santa Quileria deram-se as seguin-
tes irregularidades. Fea parte da mesa um indivi-
duo que eslava condemnado, vicio que nao pode
ser dispensado pela cantara___
Um Sr. IKkpctabo :Chamava-se esto individuo
Lobo.
O Sri Luz Felice :O nome nada importa.
Houve um excesso de 460 votos e a mesa na acta
declnrou que nao sabia como havia distribu-los.
J> se vio isto? Urna mesa declarar em urna acta
que nao sabe que fazer de 460 votos que Ihe so-
beam I A gloria desle invento eslava reservada


Diario de ic ruarurmco --- Quarta felra f O de Fevcreirt de 1 Sl.
Unta tendn
erut urna pemu
Kraeslina, Una legtima da Joao Aiws Pen-eira. a carta togaiate :
Maria, parda, lilha legitima de Manoel Francisco Ponto da Bella-C-
(|i nassava caeontrou
na folha de chumbo que
Ri-
neacMmral aoantaQnlterU,*, srm*rRo. toa, esqava de Jmtoaio francisco MarUiK *Mi
a notora eoromlsao propo que se aceito 0*8 fiel- randa.
Se anda so podessa allegar que csses 400 votos
nao influ.un do resoltado da elcici, poder-se-hia^os Proceres
dcsculpar; mas, se H dme isii a a contrario, por Idaluta, branca, lilha de Antonio Einygdio
qoanto entre os volados de urna chapa e os da ou-1 freir.
ta lia a mllereica apenas >*e 200 e Unios votos. 1 ieaaaa, brama, filha natural de Ludgera Baria
|XN'?ndo eeaee rotos que a oiesa nao sabe a quem anplique influir no resultado da eleieo. como dis- Casamentas :
pensar sta irrcgularidaanl Dr. Paulo JoSo d'OUwira, com Urealina Epnige-
Outras faltas aina resaltara dos documentos da ida de Souza Silva. 1 eslava presente
etoiclo da Santo Quiteria, mas eu passarei adan- Jo3o Balhiuo Hamos, com Francisca Baptista do U
te, porque alguem as aaalysari mas (leudamente, llego Barros.
Sr. presdenti. a iliaslre commsso nao altendeu' Bartholonu-u Francisco de Souza, com D. ucno-
cerlaiueuto aos precedentes creados pela cmara ova Julia Mindebo.
Francisco Augusto de Almeida, com Clotilde
Violante de Oliv
a o pe da
coiitiiilia
uz, s 11 horas da noite.
Os awui solTrin entos terminal ain finalmente.
Deixoa vidavulumariamente e sem [tezar,por que
sempee me M penosa.
Fiz :I7 anuos ha 5 de uovembro ustimo ; ha dous
anos que toa tinturado diariamente, opprimcm-
me os remoraos.
Talwz taja pose vi descoln-i-so alguma cousa;
laoecasio do crime Bodin, em
quizerem, encontrar os cada-
260 metros da casi; OSCraaeM
, por que os queimamos depois
nesta meama se-sao. Esqoeeen-se de que ha bem
pomos diai fon m apnrovadas muitta eleicocs fe-
tas como as di Santa Crtn c Sobral. Agora me
lembro das de Nova Almeida e Bencvenles, cujas
qualilicaeiies foi am anuulladas pelo presidente da
provincia.
Hoje mjsmo loram approvadas as eleic,Gos do 1"
districto da Sergipe, em que se deram as moamai
circumsb.ocias, telo a nicrvencao do presiden-
te da provmd). ora coi.dices alias injustilica-
veis.
Kutretanto f( ram eslas eleicoes defendidas por
Otea muitoau orisadas da casa e alinal approva- do crlente
das. Ginin. p >is, pio|>or que esta casa se mostr
de modo tao cslranho e incoherente com os seas
nroiiros tatos J Como indica-Ihe um procedimen
to que contraria to visivelmente decisoes por ella L de l'iulio, a roque
temadas om as-umptotao grave?
tit estes motivos disse eu nue a Ilustre com
reir.
Joao de Dos Concalves Vieira, com l'mbelina
Maria Zeferiaa Vieira.
Brai Antonio Jorge de Brilo, com Virginia Mana
da Conceicao : falta a a rtidf.o para abrir assento.
Franklin Francisco liando, cumlreulma Mana
da Conceicao : falta a cei tinao para abrir assento.
Rephtic..\o da polica :
Extracto das partes do dia 9 de fevereiro de
1864.
Forara recolhidos a casa de delencao no dia 8
veres ; procuren! a
nao ha de asparoce
do assassinio.
Doos ii"s aasastiao*
mora no Havre ; o
Cm homem, em
moroeato da prisio
Se Deas fr jus
cuinprir-se para c<
ees en (aco-a por
Xasci ei atarse
e A' ordem do subdelegado de Santo Antonio, Ma- botas novas, ador te-ha no bolso do meu paletot,
s i.....I Nones de Paiva, braaco, por fermenlos, os do lado dueiio, car as que provavclmente, sel lo il-
- ITOOJos, Antonio, escravu do Dr. Sabino Olegario legiveis. mas que |M>ssivel que deem mdicacoes
'ment desle, e Maria d'As-
umpeao dos Praieres, para eorreeeao.
A' ordem do de S. Jos, os crioulos Manoel Jos de
- do Naseimento, para correceio, Vicente Victorino
a respeito de algur
Na algibeira do
motivos disse eu que a
atiseao em tea reeer contraria as dedadas e pre- do Naseimento. para rorroceao,
rdenles que esta cmara tem firmado ulliniamen- Francisco, por disturbios. eJoan Dias de Souza, a .
te. Como remate destas consideracies. en vou despstelo do coronel reclutador. v este depo-ito
mandar a mesa esta emenda. (I* e manda para a A' ordem do da Boa-Vista, Francisco Rodrigues a obra de um grac
i.a Silva, pardo, dtepoeJeao do coronel reclutador, autor. Se ]ielo co
O chefe da V seccao,
J. G. de Mesqutta.
Movimento da casa de detencao do dia
f.-v.reiro de 1864.
Kxistiam...... 3> presos
Batraram..... 9
Saliirara...... 12
8 de
Existera...... 3i9
A saber
Nacionaes.....
Estrangeros...
Mulheres......
Estranii'iras...
Esc ra vos......
Escravaj......
238
34
8
1
62
6
349
mesa.)
Ao submette la a apreciaeo da cmara dos Srs.
Reputados eu peco-lhc liceii;a para pinlir-lhe que|
a^a sahir vicioriosaa causa dajustca e dodreito.
da maior conveniencia qiu esta casa mostr que
aaas deanBei em materia lio momentosa tem ocu-
oho da niais severa a escropulosa imparcialidad?.
Klla deve tornar bem saliente que nao tem dous :
pes< a duas n.edidas para aflerir os direitos cujo
onliecimento I e compete, qiK;r se reflram a ami-
gos qur a adversarios, e que os interesses e pai-
xoes polticas i enhuma influiticia tem em tuas de-
cisoes.
O paiz leve ticarcompenetrado destas verdades;
fcem come que ; applicagao que a cmara dos Srs.
deputados faz das regras c principios de direito
oleitoral nao varia segundo os graos de lat tnde
m |ue st acham as diversas provincias do impe-
rio ; quossa applica^o nio dilerenle. poique,
por templo, urnas provincias se chamam Sergipe e
Espirito-Santo, e outra Cear. (Apoiados.)
jsejo que tu lo isto se roalise, Sr. presidente, vereiro:
por<|ue, so o paiz cumprehenJer que diterenlt >' a Teve baxa :
eicao da cmara dos Srs. deputados. que nella.: .oao Roberto dos Santos, intermitente,
como supremo julgador de questoes desta ordem. Tiveram alta :
nao eiicor.trara garanta para o exercicio de seus .os Sabino de Lima,
preciosos direitos |ioliticos; se pensar que deve Mariano, escravo de Augusto de Olivera.
ladispaatavelmente escoiher entre oemprepoda Obtiahiono uia 8 de fgvkreiro,nocemiterio
violencia material para os sustentar e o abandono i>uauco.
do pleito eletor: I; os verdadeiros amigos do syste-, ?edro, Pernambuco, 2 das, S. Jos, esiusmo.
raa representat vo podero brevemente chorar so- Manoel, PernamLuco, 23 das, Santo Antonio, es-
bre a sua campa. (Muito bern; muito bem.) |>asmn.
\em mesa, lida, apoiada e entra conjuncta- j Luiz, frica, 50 annos, solteiro, escravo, S. Jos,
oiente em discussao, a seguinte emenda : espasmo.
Snbslituarii-Sd as coucluses do parecer pelas Uom.io Francisco de Paula, Pernambuco, 18 annos,
seguintes: solteiro, Boa-Vista, pneumona.
I.* Que se approvem as elecocs primaras das Rosa, frica, 50 annos, solteira. escrava, Beclfe,
freguezias : de Vicosa, a feita na matriz a presid-1 enterile.
da pelo 1* juiz de paz Ignac o Jos (Lorra; de San-1 losepha Candida d
la Cruz, a feita na matriz <: presidida pelo 1" juiz [
de paz; de Sobral, lmperatriz, Acarar, Sant'Anna.
do que o remorso
ajada eiistem ; um delles
outro, peaao eu, est em Pars.
quera lecaiiara sus|Kitas, no
de Crochu innocente.
ko, ajurtieados hoinens hade
m os meus miseraves cumpli-
mim mesmo.
ha.
Meus pais habita m em Algera.
Quando se encontrar o meu c.ulav.T,recouhecer-
me-bao pelo- tagiiafae signaos: bigode muito
comprido, paletot | reto, grvala preta com riscas
cor de violeta, cale, 18 de listas brancas o pretas,
s individuos.
colete, encontrarlo um relogio
ouro com on. 4,155, IN2 fr. em ouro o prata.
Suicido-rae amalJicoando os meu> cmplices.
L.H.U.
ao p da cruz, nao niais. que
jador, a grata nao faz honra ao
BtUOBHCaAt eiVKls.
Cm vista ao Sr. Dr. eurador ger il
.1 appelUuo citel.
Appellante, Joaquim Francisco de Alhuquerque
Santiago : appellada, D. Francia :a Thomazia da
Conceicao Cunha.
DESIONAgAO DE DIA.
Assignou-sc dia para iulgamenl > dos seguintes
feitos :
Appfltnrfio chrl.
Appellante, D. Anua Francisca da Conceicao
appellados, os herdeiros de Aidlino Francisco
Nobre.
Ranuman.
O Sr. desembargador Cilirana passou ao Sr.
desembargado!- Lourenco Santiago
.1 fippellnriio crime.
Appellante, o juizo ; appellado, Alexandre Mu-
niz da Silva.
O Sr. desembargador Lourenco Santiago ao Sr.
desembargador afolla
A appellarSo civel.
Appellante, Domingos francisco le Souza Leito ;
appellado, Joaquim Manoel do Reg Barreto.
O Sr. desembargador Peretti passou ao Sr. des-
embargador Accoli
As (ippclliiri-s crimes.
Appellante, o juizo ; appellado, I lanoel Joaquim
de Ohveira.
Appellante, o juizo
Filgueiras.
Galera portugnezaNota Fumaiem.
Escuna nglea Stamkoulforro a pedia.
Brigue brasileiro.4i/(a- diversos gneros.
Kecebedorla de rendas Internas
geraes de Pernambueo.
Rendimento do dia i a 8 ........ 7:16.1,5020
dem do da 9................. 1:840*601
9:003*621
Consulado provincial.
Bendimento do dia i a 8......... 30:216*934
dem do dia 9................. 3:790*007
34:606*941
appellado, l'edro da Bocha
ao Sr. desembar-
0 Sr. desembargador Acciol
gador l'cha Cavalcante
.4* apptllaret civeil.
Appellante, Jos Luiz d Andrade Lima ; appel-
lado, Luiz de Alhuquerque Maranha >.
Appellante, o Dr. Francisco de I aula Baptista ;
appellada. I). Joanna Mara das I)or:s.
O conflicto de jurisdiccao entre o juiz municipal
* do termo de Tacarat e o de Villa
litara dimana de um desgraca-1 suppleate
ovou a por termo vida, diz a Bella.
Ao Sr. desembargador Assis
folha de onde extractamos^ de certo se descobrir
alguma cousa, |ior[que o rio, indiscreto, na du fe-
necer esta prova, aneando praia o dapoaiM que
reci'besse.
pothese.
A uppellttrw cicel.
Appellante, Antonio Per'eira Mon eiro ; appella-
Cointuilo,'iiiclinamo-nos primeirahy- do, Jos Baymundo Vieira.
O Sr. desembargador Asss passo i ao Sr. desem-
------ bargador Doria
< (nbtiutr ./ I'Amateur d conla das seguintes As appellares civeii.
pecas mais imporUntes da collec^o do Museu dos j Appellante, D. Jacintha Maria de Abreu ; ap-
; Soberanos de Louire: j pellado, Jos Peres da Cruz.
ChildericArm is e fragmentos de ornamentos j Appellante, Francisco Moreira da Costa ; appel-
reaes em ouro, adiados em Tournay em 1653. lados, Jos Ferreira da Veiga e sem filhos.
Dagobertl ma cadeira curul de bronze, que O Sr. desemtiargador Doria ao Sr. desembarga-
urna tradicao |iop llar diz ter sido fabricada por dor Caetano Santiago
MOVIMENTO CO PORTO.
Marios nitrados no dia 9.
Terra Nova-30 das, patacho inglez Indine, de
135 toneladas, eapito James HelTerman, equi-
pagem 8, carga 2570 barricas com bacalho;
a Johnston Pater & C.
Terra Nova-29 das, brigue ingles Jura, de 240
toneladas, capitao James Day, cquipagem 11,
carga 3500 barricas com bacalho; a Sawnders
Brothers 4 C, seguio para a Parahybi.
Bahia-7 das, barca ingleza Flectuimj, de 249
toneladas, capitao Frailis Peke, equipagem 11,
em lastro; a Johnsion Pater & C.
A'acio saltillo no mesmo dia.
ParahybaBrigue inglez tetina, capitao Wilhano
Stabb, em lastro.
Obserrarao.
Suspenderam do lamaro para a Parahyba, a
barca ingleza Diana, capitao Jcorge Caldewl, com
o mesmo lastro que trouxe do Rio de Janeiro.
dem, brigue inglez Brooking, capitao I. L.
Dowsley, com o mesmo lastro que trouxe do Rio
de Janeiro.
Alimentados casta dos cofres pblicos..
Movimento da enfermara no da 9 de fe-
Santo Eloy. Este; monumento veto da abbadia di
S. Dinz, e perten<:eu ao gabinete de medalhas da
Biblothrca Imperial.
Carlos Magno0 seu livro de horas, a sua es-
pada e o seu sceptro. A guarnico de veludo roxo
bordada de flores
de Carlos X.
Carlos o calvo-
dia du S. Martinlu
Luiz Vil Um \
de lis de ouro, data da sagraca
A appellarSo crime.
Appellante, o juizo ; appellado, 4ntonio Correa
da Silva.
A's 11 horas encerrou-se a sessai.
biblia traduzida em francez.
manuscripto que pertenceu a
Bauri e Caniad.
2." Que se aiinullem as eleicSes primarias das
rreguezias da Granja e Sania Quitea, bem como
as duplcalas de Vi;osa, Santa Cruz, presididas.
aquella por Jos Severioo Fontenelle. e esta por
Callos Jos de salles.
t.' Que si requisitem do governo as actas das
freguezias de lp e Tampuril, fleando entretanto
adiado o conhc:mento das respectivas elecoes.
4." (Jue sijam respousabilisados os autores das'_
duas dup'icata.. de Vicosa e Santa Cruz.
5.' (,'ue dt arcordo com as antecedentes con-;
clusoes. se ap; rovera as eleicfies secundaria;.
6." (le sijam declarados deputados pelo 2"
districto do Cear os Srs. coronel Joao Antonio Ma-
chado, Domingos Jos Pina Braga Jnior cDr.
Justino Dominpuesda Silva. -Luiz Felippe.
O Sr. Presidehte :Tem a palavra o Sr. Salda-
nte Marinho
O Su. Sai.damia Mahinho,depois de algumas ob-
servac3es, mai Ja mesa o seguinte requerimiento,
qu" lido.apoiado centra um dscusso :
Rcqueiro o adamento at amanhaa.Salda-
nhi Marinho.
Ningu 'm pedindo a pal.vra, c procedend>se
vmaco do requerimento, rccoahecc-se nao haver
casa, pe.i que tica prejudicado.
lina biblia olferecida pela abba-
deToura.
aso que Ihe foi offerecido, dizem,
por sua mulher Eleonora de Aquitania.
S. Luz-0 seu 'breviario c um vaso de bronze
rabe adamascado de prata, no qual dizem que foi
baptisado.
Carlos VUrna
Luiz XIIUm
Joanna de Franca
Francisco IA sua armadura.
Henrique IIA sua armadura adamascada de
prata e a sua acha de armas.
Catharina de Mediis lina arbaleta.
Francisco IIAs horas de Maria Stuart.
Carlos IXCapacete e escudo, niaravilha de gra-
Horaea, Pernambuco. 24 an- j vura, guarnecido de esmaltes,
nos, solteira, Santo Antonio; gaslro-broncbile.' Henrique III -pifferentes objeetos de ourivesa-
iilvno Augusto Ferreira Habello, Pernambuco, ra religiosa, pertencentes a ordem do Espirito
28 annos, solteiro, S. Jos; phthysica pulmonar., Santo, de que foi fundador.
Dia 9. Henrique IVA sua armadura.
Maria, Pernambuco. 3 mezes, Santo Antonio;1 Luiz XIIIida caixa coberta de arabescos de
convulcoes. ouro, de um trahjalho muito delicado, presente do
Manoel, Pernambuco, 40 dias, Santo Antonio cardeal Richelieu a Anna d'Austria.
interite. | Luiz XVIUm jogo de la Chouelte, e a semana
Maria da Soledade, Pernambuco, 52, annos, sol- de paschoa da ralinha Maria Thereta.
teira. S. Jos: tdithvsica. \ Luiz XVI-A ferramenta de si-rralheiro.
PUBLICARES 1 PEDIDO.
teira, S. Jos; phthysica.
Benedicta Maria da Conceicao, frica, 78 annos,
solteira, Boa-Vista; phtajsica.
Francisca das Cliagas Mangirico, Pernambuco,
38annos, casada, Boa-Vista; febre perniciosa.
Maria, Pernambuco, 2 horas, Recite; espasmo.
Napoleao I O Face-simile da cora de Carlos
Magno, que trouxe na sua sagracao.
Luiz XVIII -A sua campainha de secretaria era
Mittau. em llaif ei e as Thulerias.
Carlos X O manto da sagracao.
Luiz Phelippe -O sello da logar-tenencia gcral
do reiuo em 1830.
UM POUCO DE TuOO.
O Comtnercio < o Porto noticia :
Falleccu em Midrid, a esposa do infante D. Hen-
rique, duque de Sevlua, Helena de Castelv e
Sobre 0 Pedantismo escreve alguem o seguinte :
O sabio deleita-nos pela vaiiedade dos seus co-
iihecinieutos, lioas manchas atffl que insinua-se Kelly Ferhandcslde Cordova.
em bokso animo, e modesiia que Ihe habitual; OI O infante D. Henrique liaba casado em
pedante, perdm, a lados aborrece por causa da sua a 6 de maio de 18*7.
loquacidade fastidiosa, excessiva presimip^ao, gros-
seria e inconveniencia, com que se parta.
Na verdade. nao jiossivel que liaja ente mais
irrisorio e intoleravel.
Elle julga-so habilitado a discorrer profuudameu-
0 s'u. Pana aun declara adiscusseadiadi pela \ te acerca de qualquar ramo da seiencia humana,
hora.
Dada i ordem do dia. levanta-so a sessao as tres
turas emelada tarde.
PERNAMBUCO
REVISTA DIARIA.
Hoje pela tarde os terceirosfranciscanos expoem
vista dos lie s a prociso de Cinza.
O traiisito do prestito ser pelas ras do Impera-
dor, Praca de Pedro II, ijueiraaiki, Livrainenlo,
DireiU, Terco, S. Jo?, Augusta, Martyrios, Dor-
ias, Pateo do Carino, Camlioa Oeste, Flores, Nova,
O,Luga, Placa du Iudepeujencia, Cruzes a reco-
aaerae.
Zelosa como acommisso encarrogada nio
ta poupado ci foi eos para llar ao acto toda a pom-
pa condigna; e segundo o que mis chega
^ciencia, ter elle cRectimenle o carcter de
oiagmlicencia propria do culto externo.
Foi pin ido do posto de a I fe res do balalhao
a. 10 de ma Otara da guarda nacional, do muni-
c lio de Iguai ass, por estar comprehertdido as
dttpatJguat du art. 65 da le a. 602 de 19 de -
te ubro de 185i). e art. 20 o decreto n. 1354 de 6
de abril de 1^54, Jos Pessoa de Souto Man r.
Ao Dr. Henrique Pereira de Lacena, juiz
nunicipal de lioyaaaa, foi concedido um mez de
licencacora vincimentos.
For ter ido julgado incapaz do servijo mi-
lirar, mandan-se porem liberdade o recruta Pedro
*\dix.
Tendo deixado de ser installada na 3." do-
minga do mez passado, a junta de ijualilicaco da
irgueza de Santo Amaro Je Jaboatao recoinmen-
deu-se ao juiz de paz presiJente da mesma junta,
que, depois d; feita a convocaco, de que traa o
art 4,* da le. de 19 de agosto de 1846, rena
atrael/a junta io dia 14 de marco prximo \indou-
ro, que para nata lim fca designado n prosiga nos
demais (rabal ios do respectivo processo, nos ter-
mos da lei a disposiQoes em vigor.
Amanhi se extrahir a ultima parte da 3."
c t." da i.* lotera do Gymaaaia (3." roaromfto)
Relacao los ba|ilisados, casamentos havidos
na freguezia de Santo Antonio do Recife, era Ja-
neiro de Urna
Rita, parda, lilha de Juliana, escrava de Antonio
Jos Gmicalve .
Fili mea, parda, ilha legitima de Jos Francis-
co da CrUx
Manoel, pardo, filho legitimo do Francisco detar-
valho Lessa.
Manoe.l, parle, lillio de Clara, escrava de Mara'
Fianci-ia do \uiparoSiuioi:s.
Elvira, bracea, fllha ligitima de Francisco Ferrei-
ra It. Leal.
SecunJino, brancu, lili o legitimo de Jos; tiui-
aWtaa dos lt as
Cosme, bra ico, fllho legitimo do Germano Pinto
de Magalhacs.
laaT branc, tilho legitimo do Dr. Jos Soria no
de Souza.
Pedro braaco, fillio legitimo de Jos Rodrigues
da Silva Bocha.
Christovao, filho legitimo de Chrislovao Jos do
Abren.
Fernando, b raneo, fllho legitimo de Francisco Pe-
ii'ia da Silva
Julia, brama, fllha legijma de Jos Joaquim da
(testa.
Joao, branc i, filho legitimo de Joao Landeliox
ornellas Can ara.
Jos, branco, lilho legitimo de Joao Baptista Boa
ventura Rodrigues de Almeida.
Francisco, pardo, filho legitimo do Dr. Francisca
de Ararjo Bai ros.
Joao, fllho legitimo de Bernardo Jos Lopes.
Mara, cabra, escrava, filha legitima de Valen-
sendo iutcressaulc v-lo, quando discute alguma
materia, revs!i'->e le OOrlt
niellior iuipor.
Juasi sempre se exprime inam-ira dos truoes; em estado de qujjbrascm nenhuma das formalida-
e, como o estylo o homem, esta te revela na- des legaes exigidas Unto na Polonia, como ernto-
IHra. Sr. subdelegado do 2* districto d'Agua-
Preta.Thomaz Bassich, subdito austraco, a bem
de seu direito precisa que o inspe< tor do quartei-
rao do povoado dos Montes, aond: morador o
supplicanie atieste ao |; deste qua acouducta que
tem o suppbcante tanto civil com< moral, e bem
assim que es habitantes do mesmo povoado Ihe
atieste no mesmo sentido : nestes termos pede e
espera que V. S. se digne deferir-ll e.-E B. M.
Thomaz Bassich.
Atteslem querendo. Povoado dos Montes, 3 de
fevereiro de 1864.Lopes.
Atiesto que o supplicante morador neste quar-
teiro dasde 1860 aonde tem vivid* entregue aos
seus trabadlos com o lira de minter-se, tendo
sempre mostrado conducta rauile regular tanto
civil como moral de modo a nao ter vez alguma
dado lugar a reelamaco de especie alguma a
respeito dos seus actos "os que sito sempre mode-
rados aos bons costumes o que afl rmo era f do
meu cargo.
Manoel Raymnnd) da Cunha,
Insp ;ctor.
Povaado dos Montes, 3 de revertir de 1864.
Reliro-me ao attestado retro.' )r. Faria.Joa-
quim Lucio Monteiro da Franca.
Reliro-me ao attestado retro. Povoacao dos
Montes, 3 de fevereiro de 1864.- Jas Joaquim de
Almeida Guedes.
Reliro-me ao attestado retro. Po -oacao dos Mon
tes. 3 de fevereiro de 1864.Vgaiio Fausto Frei-
r de Carvalho.
Reliro-me ao attestado retro. Jap iranduba, 3 de
fevereiro de 1864.Felippe NeryAffonso Ferreira
Reliro-me ao aitestado retro. Ja aranduba, 3 de
fevereiro-de 1864.Francisco AITcnso Ferreira.
Reliro-me ao attestado retro. Jaiaranduha, 3 de
Roma, fevereiro de 1864.Domingos Affuso Ferreira.
Reliro-me ao atteslado cima. Lngenho Trom-
Ileste casamen o ficam 3 filhos c urna lilha. beta, 3de fevereiro de 1864.Jos Gorgonio Paos
Barreto.
Em 34 de dekcmbro de 1862 havia em Franca I Bcfiro-me ao attestado retro. Poroado dos Mon
4,582 sociedades de soccorros mutuos, com um ; teS);) e fevereiro de 1864. Joajum Firmo de
fundo total de 31 milhes de francos. | Oliveira. Antonio Joaquim Barro:.Frandisco de
" i Siqueira Cavalcanti.Francisco Marques Guima-
Teado as autoridades russas intimadodiTerentes raes. -Thomaz de Aquino Carvallio. Francisco
agravidade cmica para coinmerciantes i e Varsovia para fcctiarcm os seus, Ferreira da Silva Jnior.Antonio Lopes Firmi-
estabelecimento.'f, obrigandn-os assim a declarar-se no_jos Antonio da Silva. Manuel Ferreira
que le.
Plirases obscuras 8 sem nexo, absurdos, presen-
ea da espirito iinperturbavel, eis a sumiiia do seu
vasto e iuexgotavel saber.
Onereis ser vituperado, para melhor conhecer
seinelhante individuo :'
Untiariai-o, paada em duvida a sua inculcada
illusira<;o. Ai I de vos. |wr que elle, tirando a
mascara, moslrar-se-ha debaixodoverdadeiro |>on-
to de vista do templo da sabedoria descera para
o prosiihulo aunando, e a Imguagem das kfssa-
liaat substituir a sua eiuphaiilica erudiccao.
dos os paizes cifvilisados, para estes casos, os com-
merciaiites francezes representaram ao seu gover-
no pedindo-lhe que tome as medidas necessarias
para protegeros interesses francezes na Polonia,
compromcltidos em consecuencia destas dispo-i-
coes.
Da Nooat extraamos o que segu :
Segundo mis dados esUitisticos publicados pelo
Times, a povoacao de Landres se augmenta todos
os annos, termo' medio com 4.*),000 almas.
llana capital tres parochias com a povoacao de
Queris, pelo contrario, ver 0 refinamente da 31,000 almas. 11 com a de 20 a 30,000, 14 cora a
impostura, at que grao podein chegar as fraque-
za> da huinaiiidadc, apreciar finalmente em suas
inaioies pi opAircoes o |iedan[ismo?
Gabai os qu se acham |iossuidos delle, en-
grandecei os ,-eiis recursos intellectuaes. Entao,
sera um uuiica acabar, e a pacienciaanda mes-
rao que seja a de um santo vos fallara para sup-
ortar taes individuos.
.V- e oslado, o homem abandona a modestia, e
entregue de lodo a impudencia, tanto mais falla,
qnanlo mais desoja fallar, d por paos e por pe-
aras, perde o bom teoso, e julgando-se superior a
todos nos dotes da intelligenca,
urna victima do pedantismo.
Urna hora durme o santo,
Duas, o que nao tanto,
Tres, o estudanie.
Qualro, o navegante;
Cinco, o negociante :
Seis, 0 poico;
Seta, o morto.
OSr. P. Jnior, romette-nos a seguinte poesa
O SEP NOMK.
O seu nome l. di-lo o sol
Ao doce beijo d'amor,
E ao des|Hiutar magestoso,
Roubando o favonio a flor.
O seu nome f. di-lo a tarde
Ao des|iedir-se das flores,
Dizem-nos as Sylphcs e Zephyros
Aos lynos de niveas eon.-s.
0 seu nome i... di-lo a fonte
No saudoso desusar,
E o aujo da poesa
Em amores a scismar.
ii ten nome?... di-lo a la,
Quando vaga prateada
Pelas campias celestes
De mil estrellas c'roada.
O seu nome 7... di-lo a ave
Em trinados a gorgeios,
Di-lo a lyra dofpoeta
A' nympha, l>ebendo enleos.
O seu nome ?... di-lo minh'alma
Ho co do meu curasao;
Dizem-u'o meus olhos, nos lances
Da mais ai denle paixaol...
O seu nome 1-.. c ura segredo,
Que d luz aos das meus I...
E do meu alvo a esperanca
O seu nome ?... sabe-o Deus I...
O Nacional narra o seguinte caso :
E' neste momento assumpto de grandes conver-
sarles em Nantes, urna mysteriosa descoberta, que
tem dado lugar a prolongados commentarios, c que
foi feita, ha dous dias, na ponte daBella-Cruz.
de 14 20,000, 54 com a de 10 a 15,000.
Exislem altn disto 28 grandes parochias cora
um agregado de popalacao de 600,000 almas; as
quaes ha um clrigo para cada 600 freguezes.
>
A cmara municipal de Calmare fez urna rc-
presenlaco em que pede, que se Ihe deem livros
do deposito das linarias dos Manetos conventos
para com elles dar principio a ama bibliotheca mu-
nicipal.
Nos julgamos que o governo deve attender a esta
pretencao, |iois que as livraras da antiga opulen-
nada mais que cia bibliographica esto sel vndo de pastos dos ra-
' tos c da Iraca para os quaes, cumpre dizer, o go-
verno se tem mostrado lienevolo.

A Inglaterra teme pela Irlanda, desconfa que os
irlandezes, em vista do respeito que a Inglaterra
tem manifestado ao principio das nacionalidades e
dos applausos e auxilios que tem dado a todas as
sublevaciies, tratem de reivindicar a sua naciona-
lidade por tres scalos calcada de modo mais ini-
quo pela Inglaterra, sublevndose lodos como um
s llomeni.
E com elTeito, parece que ha disto alguma cou-
sa mais que symploinas : nao s se descoriram
na Irlanda algumas associaees secretas, se nao
tamben) se julgou saber que essas assoeiacto es-
100 em coniniunieaco directa c seguida com os
soldados irlandezes que formam a melhor e maior
parte do exercito federal.
CIIROMCA .11III (I VI, I i
vhiiir \ %r i \ RE,\vAO-
SESSAO EM 9 DE FEVEREIRO DE 1864.
l'UESIOKNCIA IX) KXM. Sil. CO.NSKLIIKIIIO
SII.VKinA.
As 10 horas da mantuia, presentes os senhores
desembargadores Gilirana, 1/iurenco Santiago,
Reis e Silva, Motta, Peretti, Accoli, Assis, e Doria,
faltando com causa participada os senhores des-
embargadores ;< aciano Santiago c Ucha Caval-
canti, abrio-se a sessao.
O Sr. desemtiargador Guerra, procurador da co-
roa, nao compareceu.
Passados os feitos e entregues os distribuidos,
deram-se os seguintes
JILGAMEXTOS.
Hubeas-corpus.
Concederam ordem pedida por Manoel Vicente
de Oliveira, para o dia 16 do corrente, ouvide o
Dr. chefe de polica, e o juiz de direito de Naza-
reth.
Appellacoes curts.
r.Joanuir
Appellante, Dr. Joaquim Antonio Carneiro da Cu-
nha Miranda; appellado,FranciscoAwioli deGou-
vcia Lins.
Desprezaram-se os embargos do appellado.
Appellante, a cmara municipal; appellado, Tra-
jano Antunes de Alencar.
Desprezaram-se os embargos do appellado.
Pinto.Diogo Pereira de Souza. Andr Nunes
Vianna.Joaquim Ribeiro da Ciuz.Joao Jos
Alvesde Oliveira.
Befiro-meao attestado cima. Yontes, 3 de fe-
vereiro de 1864.HyginiP Firmo i as Chagas, es-
crivo da subdelegacia.
lleliro-me ao attestado snppra. Clementino
Accoli Lins.
(Kstava sellado.)
Piluliis vegetacs assucaradus de Kcmp.
Agradaveis vista, exemptas le todo o sabor
repugnante, tao suaves quo ef Icazes. tnicas e
purgativas estas famosas pilulas possuctn poli to
das as inapprecaveis qualidades pertenecntes a
um remedio calhastico, alterativo e restaurante.
Tal o juizo medico confirmado pela experiencia
de militares de docnles. Quando as funecoes do
ligado c do venlre se acham p.r qualquer forma
desarranjadas devem ser restituid is boa ordem
e regularidade com estas pilulas i resistiveis. El-
las sao tao infallives quanto sao airadaveis e sem
controversia alguma o melhor aperitivo geral: o
nico remedio anli-hilioso que si pode conseguir
quer nesle ou em qualquer um iutro paiz. Em
consecuencia dellas se acharem acondicionadas
em frasquinhos de crystal o temuo nao altera as
suas propriedades.
A' venda nos estabelecimento: pharmaceulicos
de Caors & Barbosa ra da Cruz e J. da C. Bravo
& C ra da Madre de Dos.
COMMERCIO.
NOVO BANCO
DE
PERNAMItlJCO
EM 9 DE FEVEBEIBO DE 1864.
O banco desconla na presente temaaa aoito por
eento ao anuo at o praso de quatio mezes, e a del
por cento at o de seis mezes, e az emprestimos
sobre ttulos commerriaes, e toma saques sobre as
pracas do Bio de Janeiro e Baha.
PRAGA DO RECIFE 9 OE FEVEKE'RO DE 1864.
'oi:v As 3 horas da tarde.
Algodao 1" sorte245000 por arioba.
Cambios sobre Londres27 3|4 d. por \$ a90d.
vista.
Dito sobre Portugal92 0|0 a 60 d. vista.
Dito sobre Portugal (pagavel ex> Londres) 28 d.
por 1.5 110 (Ii d.
Descontos7 0[0letras a 6 mezs.
Dubourcq Junic r, presidente.
*juimar;ies, iccretario.
Alfaadcga
Rendimento do dia 1 a 8......
dem do dia 9.................
235:2544108
4O:26044
275:5165152
Movimento da allandega
Volumes entrados com fazendas...
t com gneros.
Volumes sahidos
i
com
com
fazendas..
gneros...
000
210
564
000
774
Descarregam no dia 10 de fevereiro.
Galera francezaUtitecarvo.
Barca ingleza Town c[ Liotrpool carrio.
Barca brasileiraWcimin/udiversos gneros.
EDITAES.
De erdem do lllm. Sr. inspector interino des-
ta alfandega, Dr. Luiz de Carvalho Paes de Andra-
de, se faz publico a quem interessar possa, qae da
data deste a 30 dias comecam a ter execucao as
disposicoes dos arligos 1 22 do decreto n. 3217
de 31 de dezembro de 1863, relativas aos intrepos-
tos, trapiches, e armazens alfandegados, o qual foi
mblico no Diario de Pernambuco n. 14 de 19 de
aneiro prximo passado.
4.* seccao da alfandega de Pernambuco 5 de fe-
vereiro de 1864.O 2* escripturario,
i '.aciano Gomes de S.
Tribunal do oiiiiuercio.
EDIT^L
O tribunal do commercio da provincia de Per-
nambuco convida aos senhores commerciantes na-
cionaes matriculados e residentes neste districto,
comparecerem no dia 17 de fevereiro prximo
futuro, as 9 horas da manhaa, na sala da Associa-
cao r.ommcrcial Beneficente, para proceder-se a
eleico de um deputado commerciante, que em
suhstitnicao do deputado fallecido Jos Goncalves
Malveira. tem de servir at o lim do anno de 1866,
lempo que faltava ao substituido, na forma do ti-
tulo nico do cdigo commercial e decreto de 5
de setembro de 1850. E para constar mandou o
sobredi! tribunal fazer este que, assignado pelo
seu secretario, ser publicado no Diario de Per-
nambuco e allixado na praca do commercio com a
lista de que trata o art. 5" do citado decreto.
Secretaria do tribunal do cornmercie de Pernam-
buco 25 de Janeiro de 1864.
Joao Ignacio de Medeiros Reg.
LISTA.
Jos Jeronymo Monteiro.
Jos Joaquim Dias Fernandes.
Jos Pires Ferreira.
Joao Ignacio de Medeiros Reg.
Joaquim da Silva Lopes.
Jos Rodrigues Pereira.
Antonio Valentim da Silva Barroca.
Gabriel Antonio.
Jos Antonio Basto.
Luiz Antonio Siqueira.
Joao Pinto de Lomos.
Joao Pinto de Ionios Jnuior.
Jos Velloso Soares.
Elias Baptista da Silva.
Joaquim Ribeiro Pontes.
Manoel Duarte Rodrigues.
Jos Candido de Barros.
Manoel Iguacio de Oliveira.
Joao Jos de Carvalho Moraes.
Vicente Jos de lcito.
Jos Pereira da Cunha.
Manoel Joaquim llamos e Silva.
Francisco Acciolv de Gouveia Lins.
Jos dos Santos Noves.
Caetano C. da Costa Moreira.
Antonio Jos Leal Beis.
Bartholomeu francisco de Souza.
Vicente Mondes Wanderley.
Jos Francisco Larra Penna.
Joaquim Jos da ('osla Fajozes.
Jos Baptista da Fonseca Jnior.
Jos Marcelino da Rosa.
Lourenco Luiz das Noves.
Antonio" Luiz dos Santos.
Luiz Jos Rodrigues de. Souza.
Antonio da Silva Ferreira Jnior
Miguel Jos de Abreu.
Joao Lardoso Ayres.
Antonio Alves Barbosa.
Jos Francisco de S Leitao.
Antonio Ignacio do Reg Medeiros.
Jos Nunes de Paula.
Joao da Silva Faria.
Candido C. Guedes Alcoforado.
Manoel Antonio da Silva .Woreira.
Manoel Joaquim Rodrigues de Souza.
Aureliano Augusto d Oliveira.
Antonio Jos de Castro.
Candido Nunes de Mello.
Jos da Cunha.
Pedro Joaquim Vianna de Lima.
Augusto Frederico de Oliveira.
Herminio Egidio de Figueiredo.
Antonio de Moura Rolim.
Joaquim Francisco do Espirito Santo.
Felisberto Ignacio de Oliveira.
Est' conforme.
Julio Guimaraes,
Olcal-maior.
DECLARKOES.
Manta Casa da Misericordia do
Recife.
A lllm.'junta administrativa da Santa Casa da
Misericordia do Recife manda fazer publico, que
no dia 11 do corrente pelas 4 horas da tarde
na sala de suas sessoes tem de ir praca as ren-
das das casas abaixe declaradas, pertencentes ao
patrimonio de orphaos por lempo de um tres
annos, a contar do 1 de julho prximo futuro em
amata.
Os prelendentes devem comparecer acompanha-
dos de seus fiadores ou munidos de cartas destes.
Praca de Pedro II.
N. 1 particular e 33 publico, segundo
andar............. 4835000
N. 1 dito e 33 dito, sala...... 2205000
Ra do Queimado.
N. 1 dito e 35 dito, loja......3325000
Ra do Imperador.
N. 2 dito e 81 dito, dous andares- .. 1:202:000
Largo do Pa raizo
N. 4 dito e 29 dito, dous andares .. 9025000
Ra das Larangeiras.
N. 5 dito e 17 dito, casa terrea .. 8055000
Ra Velha.
N. 8 dito e 32 dito, casa terrea.. .. 2045000
Ra de S. Goncalo.
N. 10 dito e 22 dito, casa terrea.. .. 1835000
Ra do Pires.
K. 13 dilo e 39 dito, casa terrea .. 1045000
Becco das Boias.
X. 38 dito e 16 dito, dous andares. .. 4035000
Ba da Lapa.
N. 40 dito e 11 dito, casa terrea.. .. I6O50OO
Ra da Moeda.
X. 44 dito e 21 dilo. casa terrea .. 2515000
Ra da Cacimba.
X. 66 dito e 12 dito, casa terrea.. .. 1235000
X. 67 dito e 10dito, casa terrea.. .. 825000
Ra do Vigaro.
X. 72 dito e 27 dito, dous andares .. 6035000
Ra da Sonzala Velha.
N. 78 dito e 136 dito, dous andares.. 6515000
X.80 dito e 132 dito, dous andares.. 4105000
X. 81 dito e 18 dilo. casa terrea.. .. 1925000
X. 82 dit) e 16 dito, casa terrea.. .. 2015000
Ra da Guia.
X.84 dilo e 29 dito, casa terrea.. .. 1255000
Ra do Pilar.
X. 91 dito e 105 dito, casa terrea.. .. 1635000
N. 92 dito e 104 dito, casa terrea.. .. 1635000
V !3 dito e 101 dito, casa terrea.. .. 1735000
Y!>i dr.oe 99 dilo, casa terrea.. .. 254500O
X. 95 dito e 89 dito, casa terrea .. 2375000
X. 97 ditoe 10 dito, casa terrea.. .. 1625000
N. 99 dito e 106 dito, casa terrea.. .. 1685000
X. 100 dito e 104 dito, casa terrea. .. 1635000
X. 102 dito e 100 dito.casa terrea. .. 1635200
X. 103 dilo e 98 dito, casa terrea .. 1825000
M. 104 dito e 96 dito, casa terrea.. .. 1735200
X. 105 dito e 94 dito, casa terrea.. .. 1735000
Rosarinho.
X. 3 particular, casa e sitio...... 3225090
Mrueira.
X. 4dito sitio.. ...... 2135000
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do Re-
cife, 0 de fevereiro de 1864.
O escrivo.
F. A. Cavalcanti Coussciro.
Tribunal do comnaerclo.
Pela secretaria do tribunal do commercio da
provincia de Pernambuco se faz publico, em obser-
vancia do ti 6. do art. 2. da lei n. 1083 de 22 de
agosto di 1860, o Iheor da carta imperial deauto-
nsaeao e os novos estatutos da companhia Per-
nambucana de navegacao costeira por vapor, abai-
xo transcriptos.
JWta Augusto da Cunlia Guimaraes.
oilicial-maior.
Dom Pedro por graea de Dos, e unnime ac-
clamacao dos povos, Imperador Constitucional e
defensor perpetuo do Brasil.
Faro saber aos que esta minha carta virem que
attendendo ao que me requereu a companhia Per-
nambucana de navegaeao costeira por vapor, esta-
belecida na capital da" provincia de Pernambuco,
e, de conformidade com a minha immediata reso-
lucao de 22 do mez passado, tomada sobre o pare-
cer da seccao dos negocios ;do imperio do conselho
de estado, exarado em consulta de 26 de abril
ultimo:
Hei por bem approvar os novos estatutos, que
o .Vil" l^e-la, e que baixarara com o decreto n.
3,149, de 3 do corrente mez. E por firmeza de
tudo Ihe mandei passar esta carta, que vai por
mim assijnada e sellada com sello pendente das
armas imperiaes. Pagou de emolumentos 374000,
e de direitos 105000, como consta do respectivo
conhecimento em forma.
Dada no palacio do Rio de Janeiro aos II de
selembro de 1863, quadragesimo segundo da inde-
pendencia e do impere.
Com a rubrica de S. M. o Imperador. Pedro-
de Alcntara Becgarde. Carta pela qual V. M.
Imperial, ha por bem approvar os novos estatutos
da companhia Pernambucana de navegacao por
vapor, como cima se declara Para V. M. Impe-
rial ver.
Por decreto n. 3,149 de 3 de selembro de 1863
Francisco Xavier da Silva Moura a fez.
X. 40035000.Pagou tres mil ris de transito.
Recife 18 de setembro de 1803.Gouveia.Pelo-
escrivo, Guimaraes.
X. 10-10*000Pagou dez mil ris. Recife 18
de setembro de 1863. Baptista. Cunha. Joao
Lins Vieira Cansansao de Sinimb.
Sellada na chancellara do imperio cm 18 de
setembro de 1863.Josino do Xascimento Silva.
Registrada a fls. 17 v. do I. !. de cartas imperiaes
da directora central.
Secretaria de estado dos negocios d'agrietiltura,
commercio e obras publicas em 81 de setembro de
i 1863.-Francisco Jos dos Santos Rodrigues J-
nior. Comprase e registre-se.
I Palacio do governo de Pernambuco,3 de outubro
de 1863.-J. Souza.- Registrada a lis. 20 do I. i.
de provises imperiaes do ministerio de agricultu-
ra, commercio e obras publicas.
SecreUria do governo de Pernambuco em 5 de
outubro de 1863.O amanuense, Manoel de Miran-
da Castro.
X. 551.Registrada a fls. 51 v. do I. 5." tom. 7.
do registro publico do commercio, conjuntamente
com o Jerreto n. 3149 de 3 de setembro de 1863,
e estatutos a que se refere a presente carta.
Secretaria do tribunal do commercio de Per-
nambuco, 3 de fevereiro de 1864.
Julio Augusto da Cunha Guimariiet.
Official-maior.
Estatutos da Companhia Pernambucana dr nave-
garan costeira vapor.
CAPITULO i.
DA COMPANHIA E SEUS ItBj
Arl. I.* A companhia se denominara, como at
aqui, companhia Pernambucana de navegacao cos-
teira vapor, e lera sua sede na cidade do Recife
de Pernambuco.
Art. 2. 0 objeeto e lim principal da companhia
a navegacao recolar vapor desde o porto da
cidade do Recife al o de Sergipe, ao sul, e os da
provincia do Cear, ao norte, na forma do decreto
n. 1,113 de 31 de Janeiro de 1833, de sua creacao;
n. 1478 de 22 de novembro de 1854; n. 2311 do
14 de dezembro de 1859, e n. 2977 de 25 de se-
tembro de 1862.
Art. 3. Para preencher estes lins ter a com-
panhia os vapores, que entender sufficientes, de
tooelagem e forca convenientes para o desempenho
do servieo seu cargo.
CAPITULO II.
DO CAPITAL HA CoSIPANIIIA.
Art. 4. O capital da companhia ser de dous
mil con los de ris, representado por dez mil accoes
de 2005000 rs. cada urna, que poder ser ainda
elevado se as necessidades da empreza assim o
exigrem, mas smentc poder ter lugar da 1111-
neira prescrpta no art. 38 dos presentes es-
tatutos.
Arl. 3. Pode ser accionista qualquer pessoa,
corpora-o, associacao, ou enlidade, comanlo que
a transferencia de uns para oulros seja effecluada
no escriptorio da companhia, em o livro compe-
tente, e em presenca das partas ou seus procura-
dores, que assignar.io o respectivo termo de trans-
ferencia, de conformidade com a lei n. 1083 de 24
de agosto de 1860, art. 2." 24.
Art. 6. Os accionistas s respondem pelo valor
de suas acedes (cdigo criminal, art. 298), que ao*
dem ser doadas, vendidas, hypolhecadas, legadas,
ou por.qualquer forma transferidas, na conformi-
dade do artigo antecedente.
Art. 7. o valor das accoes ser integralmente
rcalisado, ou ento ser effectuado na razao de
vinte por cento. Xa segunda hypolhese, as cha-
madas serio Celtas proporeao que as necessida-
des da companhia o exigirem, e de modo que en-
tre unas e outras baja, pelo menos, o intervallo
de dous mezes. Dentro de um anno, contado da
data do decreto de approvaco dos estatutos da
companhia, deverao estar distribuidas todas as
acedes.
CAPITULO III.
da ai>mimstiiai;ao da companhia.
Art. 8." A assembla geral eleger, por nina
lista tornate, e maioria relativa de votos, ura
consellui de direceo, composto de tres de seus
membros, com plenos poderes para engajar o
gerente para a companhia, o qual, no seu entender
rena as qualidades necessarias para aquello lim,
contratando com elle o honorario, que ha de ven-
cer, e mais condice>.
Art. 9." Contratado o gerente, o conselho de di-
receo convocar a assembla geral, e propora o
contrato approvaco declarando o nome do .011-
tratado, o qual submeltera approvaco da assem-
bla, sem discussao.
Art. 10. O conselho, como fiscal, poder tomar
cuntas ao gerente, quando Ihe aprouver, e de fado
as tomara todos os mezes, sobre batanete a pr-
senla.o pelo mesmo gerente.
Arl. II. O conselho tem autoridade para sus-
pender o gerente, at a deciso da assembla geral,
sempre que o julgar, por unanimidade de votos,
iacapaz ou malversador. Xestc caso a convoca-
ran da assembla geral lera lugar oitodias depois
\ da suspensn.
Art. 12. Smente accionistas de cincoenta ac-
Soes, pelo menos, podero ser eletos membros do
conselho de direccao.
Art. 13. O conselho de direcelo ser renovado
annualmente, sahindo um de seus membros, que
a sorle designara, sendo substituido por outro, que,
para esse lim, ser eleito na reuniao da assembla
geral da accionistas, que ter lugar em principio
de cada anno. O director assim substituido s
, poder ser novamcnle eleito passado um anno.
Art. 14. O conselho de direceo se reunir, or-
dinariamente, urna vez por mez, e extraordinaria-
mente, quando elle, ou o gerente, o julgar pre-
ciso, ou o presidente do conselho o convocar. As
I decisoes serao tomadas por maioria absoluta de
1 votos: os vencidos poderae declarar e motivar
seus votos na acta.




KONISIKK-
B**"
pMM

; Brililirtiiiii' jjragSMiMaias
'
K
Diario de l'crnanihnro guara elra lO le I-rv,relio de 19*4.
.Mi. 13 A-; sesudei ila conseiudedirecc.ose-
raj presididas pelo inembro mais volado ilelle.
0 inmii' lalo cin retos servir de secretario.
arl. Iij No imped neate do um do- men bros
do coas lito de diren-ao, era oecasiad de ser con-
vocado, ser convidad i para suppri-lo o immeliatn
t'll VOld .
Ari. 1'. sao aitribu rdes do conselho :
', i liesolver: l.*ieem de requerimentcs ou
represenlaedes s ea liaras legislativas ou an go-
wniii; : rcli'liiai'oi'- p reformas de contratan com
o f iviin i; i!.0 iniciar quaosquer medidas, qo: le-
an ni de ser propostas assembla peral sobre a
reforma ou reorgaaisacao da companliia. e seo
fumn
51 Convocar, ordi laria eextraordiBariameBtc,
a :< -si-iiiI> a geral dos sorios.
; Prestar soa atdaiao sobra qualquer ntgo-
tfo. fin i| io o gerente haja da pedi-ta.
Art is. Sao aiirilmi-oes do torate :
5 I." A gerencia, manejo e administraran dos ne-
gocios, np iraces o expediente da coinpanhia, rom
pod 'iv- pira obrar ron o melhor entender ein en.....
icio dola; levar a eflei u a> resolueSos da conselho,
as casa! de comraercto frs da cidade, prensas de
algodo, lypograpbias, cocheiras, carallarices, bo-
tis, botequins, casas de pasto e fabricas, de 8 OjO
sobre consultorios mdicos e murceos, escripto-
rios e cartorios, de li 0|0 tobre casas de eommer-
cio em grosso e a rciallm, armaiens derecolher,
de depsitos e trapiches, de 50 sobre casas de
Minar, modas, chapeos e roupa fea estrangeira,
e de eommissao de escravos, de 300J sobre com- Jfl/I^^ para os portes cima indicados.
panhiasanonymas c agencias, de 200 sobre casas -"Jjfc-Tq^jaMg Hecebera carga al.....lia II. Kn-'
d.- camino, de 100-5 sohre corred res commerciaes ^^^29 commciidas, passageiros e dinhei-
e agentes de leilo, de 500 rs. por tonellada de al- ro a felo ata o dia da saluda as i horas da lar-
vareabas e eaanas abenas,de 30,5 por aseravo em- de : escriptorio no Porta do Mallos a. I.
pregai o no ser vico das mesuias, de ii)0|0 sohre o
C0MPANI11A PE11NAMBUGANA
Navegarn costeira a vapor.
Paralo lia, Na la I, Harn, Araraly, Ceari,
C Irararii'.
No dia I i s S horas da larde
tagaa um
lo ftiieno, rende o
ra d.i Aceuguinho ii. H,
mesmo.
Por letervencaodo ageala Eozebio se render
pelo maior proco nauuelle di i e hora, ai e isas ter-
reas acuna desrrptas; roza-se aos pretenden-
tes ipieiram examinar com antecedencia, alim
> noras da lame de aproveitar uma boa comp a, garantc-se sera i
vapar da toanpanhia vendidas, e sao livres do me ior onas.
planto doeapira,'e o de carros, carrosas e mni-
bus prrienrentes ao anuo linanceiro vigente de
1863 a 1864 liudain-se no dia 19 do corrente, fi-
cando sujeitos a multa de 3 010 sobre seus dbitos
os que pagaren depois daquellc dia.
Mesa do consulado provincial de Pernambuco 0
de fevereiro de 18640 administrador,
Amonio Garaeiro .Machado Ros.
Consulado provincial.
Pela mesa do consulado provincial se fai publi-
padoado, uutudo, anpollar deltas para a assem ilea n0 qiu os;j0dias ull,is marra,lo ,mra a cobranca
geral do.^'ios. e:n-'s., ordinaria, oacoi.VO- a bocea do cofre do 1 semestre do anno "
ando-a v. laoiduiaria nente por si niesu.o. se,
havendii | r < lOStO esta convocacao M cons.-lliii. 'lie
nao se pn star a faz-la
1*"Nmnear os empregados da compaiihia, tein
teepcao, os quaes late licarao imiuodiatanii nte
sulx rdmados.
Arl. I'.', i) gerente apn-senlar lodos os annos a
aannUea geni, al o lia l.*i de fevereiro, o '>a-
lanco da coinpanhia, fechado no lim do auno an.e-
rior, acompanhade de um relatorio da geslao de
seus aagoi ios, e parecer da wminriio de exaiae.
An. o. No impedimento do gerenta, servir a-
terinanien e a peasoa por ello di'signadi, depeb m
approrada pelo consellio de direecao.
CAPITULO IV.
DA COMMISS VH l)K aXAMB.
Art. Si. A coniinissio de exame de rentas s. ra
tempesta de tres uieimVo.-. eleitos e.m lista tripl ce
pela issen bla genil dos accionista*, e ir maiona
relativa de v, tos, na scsso, que deve ter lugar no
principio de cada auno. Suas fiiuccoes serao p:r-
maiunie>, i luraro po' tres aunos.
Arl. ti. Competa a enmmissao examinar esciu-
iHiInsainent.',, relau>rio, batanea, aetaa,escriptaia-
<;aodacii\a e mais livros da companliia, corres.
andeacias execocao dada aos estatuios e decises
la assemhl .a geral. imerpondo acarea de tato o
sen p ireeer, de maneira a ser inserido uo relaioi n
annuil do gereata, antes da convocacao da assem-
bla geral.
CAPntXO Y.
I>\ ASSKMII.K^ (KltAL.
Arl. 23. \ asseinbla {eral > a reuni dos ac-
representada, pelo
financei-
COHP4MHIA
MESSAGERIES IMPERIALES
At o dia i'
do corrente es-
pera-se da Euro-
pa o vapor fran-
Bettm, comman-
danle Auhr> de
la Noe. o aoaT
iiojii:
Qiiailt-I'eia 10 ilo Mi relie s 11
rasa rii d;i Cttleii h. I>3.
lio-
lliatc.C';tm;ii-.'isil>r de lote :ts
touelladas, lunado e prega-
do de eo lre.
Pelo agente Etliebiote vender em leilo pelo;
maior preco que se aehar c luale CaasarayttV,
prompto a navegar e cuno iissim esta, naquelle
ira em ponto, cujo liquido producto sera
Joao Caetano de Abren. Mara Paula de
Abreu, e i mbelioa Alves Crrela de Abren,
agradecem eordialmenta as pessoas que se
dignaram assisliraos ltimos sudragios de
sen mtii presado pal e sagro Jos Joaquim
de Abreu, e de novo eonvidam a assislif
urna mi-sa que lera logar no dia sexta-feira
12 do crreme pelas 0 horas da inanha.i na
igreja da ordem lerccira de S. Francisso, c
ahi se resar um memenlo, pelo nae eterna
mente gratos Ibes licarao.
Precisase de otile
^W^c

dia
ro corrente do impo-tu de200|0 do consumo de
aguardele das freguesas desla cidade, dos Afo- gira para o Hio de Janeiro locando na Babia,
gados, S. Laoreaeo da Malla, Sanio Amaro de Ja- para naasagens etc., irata-se na agencia ra do
boatao, Vanea e Muriaeea, lindam-so no dia iodo Trapiche n. 9.
depois da demora reeoHiido ao deplo p.n- mandado do lllm. Sr.
do Mteme se- Juiz especial do eeamereie. reqaerimento
de creilores.
e de otliciaes de sapaieiro para
obras de senliora : no largo da ril.eira de S. Jos
numero 25.
andante mez, Picando sujeitos respectiva mulla os
que pagarem de|H)is desse dia.
Mesa do consulado provincial de Pernambuco 9
de fevereire de I86i. -O administrador,
Antonio Carneiro Machado Hios.
Conselho administrativo.
O conselho administrativo para fornecimCTilo do
arsenal de guerra tem de comprar os objeclos se-
guales :
Para o presidio de Fernando.
Farinha de mandioca por medida legal, 800 al-
queires.
Para a cempanhia de cavaliaria.
Casemira encarnada 7 i|2 covados.
Quem quizer vender tacs objeclos apresentem as
suas proposlas em carta fechada na secretaria do
conselho as 10 horas da manhaa do dia 15 do cr-
reme mez.
Sala das commissoes do conselho administrativo
ra fornecimenio do arsenal de guerra 8 de eve-
reiro de 18(ii.
Aateaio Pedro de Sii Barreto,
G>ronel presidente.
SfbnsUiitt Antonio do Reg Rnrros,
Vogal secretario.
Dii'pf loria das obras militares.
Tendo a directora das obras militares de man- ro
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR
Dos porios do sul esperado
al o da 11 do corrente o vapar
l'iinceza de ioimillr, eoinman-
dante o primeiro lenle Araujo, I
LEIJLtO
M
HOJK
cu ii i i 1,1, io do eorrente as
i o horav.
0 qual depoii da demora do COVI^JiSlSS'S. '""'' '''''/'n*. r^^^SZ
turne, seguir"para os portes do norte. administradores ,1a niassa all da de Manoel Jos
Desde j recebem-se passageiros e engaja-so a fn J3""" nindadodol lin. Sr Dr ju.z especial
carga que o vajior poder conduzir, a qual dever fl'T. ''--i',,-', n,,,l''s d' *f" lmpof"
ser embarcada no dia de sua c.liegada, encommen- "','V* o:78*fc>f rs- pertencentes a referida
das e dinheiro a frete at o dia da sabida as 2 ho- "j" L J1 ',m f L"x: m;.na1dos f*lp-
lu ii Mu rii,i.u\,, n,t.,ni. ..n .. /'..!.: _. i>> ^ ._
ras : agencia, ra da Cruz n. i, escriptorio de An-
lonio l.uiz de Oliveira Azevedo A *'.
CUMPANHIA PER.NAMBUCANA
DE
KavegaeSo eostelra vapor.
Ma de Fernaadu.
O vapor JfomonoM'ipc.comman-
dante Moura, segu no dia 15 do
corrente as 11 horas da manhaa.
Recebe carga at o dia 13. En-
commendas, passageiros edinhei-
a frete al 10 horas de dia da saluda
lorio do mesmo agente, ra i a Cadeia n. 28 aon-
de sera elfecluado o leilo.
UBIIiAO
DE
NIMIOS.
e-enp-
dar construir um grande cano de esgolo, que deve torio no Forte do Mattos n. 1._________________
principiar no quartel da Soledade, e ultimar na COM* YNHI'V PER vMIH't \N V--------
DE
Xavegaeo eostelra a vapor.
Hh lar reteme o relatarlo c balaaco, de que tra a rio d'agua : convida as pessoas que se quizerem l'arahjba, \alal, Maro, Aracaly, Cear r Acarar.
ineno-, melada do eapiiaJ realisado. praia do Hospicio ; assin como de mandar cons-
Art. i\. \ i emuFo ordinaria daassemlila geni truir lalrinas no dito quartel, c no do 9 hatalhao,
hy lugar, aniiualmenle. no mea de laven iro, paia"o fazer em cada um desies quarteis um reservato-
o art. 18. ; propr a fazer estas abras, a npresenlarem suas
Nessa ocrasiaose proceder renovaran, deque propostas na mencionada directora nos dias 9, 10,'
faz meiico o art. 12. A priineira eMco "fe pro-i- e 12 do corrente mez, onde podero ohter as ex-
deata e secretarte da asnnbla geral ecommissiio phcacSes de que aecessitarem relativamente as
de evame lira lugar na primeira reumaoordinar a ( mencionadas obra1.
donoa da .i|iprovaciio des aroseates astalatoa, a. Directora das obras militares de PoraiaHnico 6 Encommendas, passageiros e dinheiro a frete ata
suas fullecos duraran tres anuos; lindo esse|M!- de fevereiro de 180i. l.uiz Francisco de Paula odia da saluda s 3 horas da tarde : escriptorio
riod) se proceder, cada irii nnio. a nova eleicao | de Albui|uerque Maranhiio, amanuense. no Forle do Maltes n. 1.
Je presidente, secretario e ommiso de eiam TrillBII.ll "lo roillinerCIO. ~="Preta-se para o Rio da Praia o palhahote!
^^j^^^i^^P Pela secretaria do tribu,,,, do eommercio de partugne. Serra /, de lata de 120 toneladas ou
ii la
vil,na
Qinla-feir 11 do correuli.
Por ordem da caixa filial e por conla e risco
de quem perlencer irao leil) os seguinles pre-
dios oulr'ora perlencenles a MataMo Jos da Sil-
va, a ser duas tercas partes do sitio, terreno e ca-
sa do sobrado n. 42 na ra do Henifica justo ao
Sr. Prroca.
0 predio da fabrica e lerreni de marmita nos
Afogados ao p da fabrica de sabio que fui do
Detono.
Os Srs. pretendemos deven ,'xaniinar com an
No largo do Corpo Santo n. 6, segundoaa-
dar, precisa-se de um cozinheiro ptimo.
Precisa-se de unir, ama para lodo o se, viro
de urna casa : na ra da Concordia n. G5.
O bacharel Tome Pernaades Madeira de
Castro mudou o seu escriptorio de advogacia da
ra do Imperador n. 71 para a mesan ra n. 77,
primeiro andar e contina advogar no adminis-
iralivo, eommercio, civel, crime e ecclesiastico.
Aluga-se urna casa terrea na ra Nova n
: a tratar com a viuva Cunha, na ra do Li-
Corre aiiianli;i.
Quinta-feira i I do correte mez, se ex-
tr iliir. a ultima parle ib tercera e pri-
meira da qiiarta lotera do Gymnasio, n<
consistorio da igreja de Nossa Senliora do
Rosario da fregoezia do Santo Anlonio.
Os hilhetes e meios arliam-sc venda na
respectiva thesouraria na do Crespo n. 15
e as casas wnunissionadaa ra da Impera-
triz n. 44, toja do Sr. Pimenlel; ra Direita
n. -I, botica do Sr. Chagas; ra estreita do
Hosano n. 12, typographia do Sr. Mira e ra
da Cadeia n. 45, loja do Sr. Porto.
Os premios de 3:0005000 at 100000
serao pagos urna hora depois da extraccao
ale is i horas da larde, e os outros no dia
seguinte depois da distribuido das listas.
O thesoureiro,
Antonio Jos Hodrigues de Souza.
AOS 5:(KK),(MM)
CAS4 l)A rOKTlM.
lilhrles garantidos
A' ra du Crcsjw n. 23 r casas do rstame
AMAMIA
Quinia-feira, II do corrente, se ex t rali ir a
ultima parle da lerccira e primeira da quarla to-
-----------------_----------------, tena do Gymnasio.
Iaclnf.no ttoart* Ir Menezea O abaiao assignado, recommendando ao respei-
faz scienle a quem pena interessar que se despe- ,avel publico a compra dos seus mu felizes bilhe-
dio da casa dos Srs. Val & Leal, desde o dia 6 to ,es faranlidos, lembra-lbe a vaatagen que ha em
corrente mez de fe ver i ro de IWii.
Cozinheiro.
AInga-ea um liom cozinheiro : irata-se na ra
dos ijuarteis n. 10.
Criado
vramento n. SS, sobrado.
reeeberos premios por ioteiro, por quanto quen
tirar a serte de 0:000* em bilheta garaniido nao
recebera somenle i:005, em virlude dos descon-
tos de lli").. ijue Ihe (ario em vi.-ia das l-is, mas
sim os 0:0005 que vem a ser os dilos 4:2004 o
j mais 8005 ijue pagar o abaiao assignado, impor-
i lancia de dilos descont*, aconiecemlo o mesmo
Precisa-so de um criado, preferindo-se porlu- com as outras sorles. Os premios seria pagos eo-
guez, para casa de um mojo solteiro : a tratar na mo de coslume.
ra do Tainbi n. W.
O vapor Jaijunrdte, comman- tecedeneia e para qualquer infirmadlo o agente
danle Lobato, seguir no da li Pestaa esta prompto, pota que lem em seu poder
-do corrente s 3 horas da tarde, os competentes documentos, o leilo lera lugar
para os porlos cima indicados, quinta-feira II do corrente pe; s li horas da na-
Recebe carga desde ja al o dia II. nhaa na porta da associacao commercial.
V3MM
Aluga-se ama casa aa Capunga, ra da Ami-
zade, com :i quartos, agua de beber, quintal muito
grande, acabada e piulada ha poucos dias : a ira-
ar na ra da Imperalnz 11. 7i.
Precisa-se de urna ama que cozinhe o en-
gomme, e faca os mais servicos de urna casa de
pouca familia : na ra dos
dos Pires 11. 7.
Veros.
Bilheles inteiros..... 6O0O
Meios Mnate!...... 3JO0O
Para as pessoas que comprarem
de 1004 para cima.
Bilhotes........ r)4Vi00
M......... 4730
Manuel Martn* Fiuza.
Aluga-se maa casa lerrea piulada de novo,
sita aa ra da Gloria n. 80: a tratar na ra da'
Imperalriz n. lii.
Advocada.
O Dr. Aprigio Jusliniano da Silva Gui-
maraes contina com o sen escripiorio
ra do Imperador n. 17, primeiro andar
(defronte da igreja de S. Francisco) e
pode ser procurado das 10 horas da ma-
nhaa s :| da larde. Reside ra do
Seve Hilados (tatos, n. 10.
HK
seus consignatarios
Azevedo & C, no seu
deliberar po
nova convocacao, com a formalidades do artigo ai -
leoBeaia, d icamada-n s awaivo da nova reenii >.
sera valuh qaabntsf deliberacao tomada eniso
con os acci motas presentes.
Arl. i7. A assemhla geral |ioder ser caavocj -
da aatraordinnriamenta pelo eoaselho da direccSo,
ou aanmissi o d exarae, quando se den nofivM<,
fue i tornen necessaria.
Art. t< i accionista, que nao comparecer a-
semljlea geral, poden delegar os seus poderes per ''!.'
neto de pracnraeie, cent tamo nae se hca raan -
sentar por outro accionista (salvo 0 caso de atei'
io para dir 'flores), nos termos do J li ail. i'1 da
le n. 1.081 deii de agosta de M80 eombinadi
.oni o arl. f do decreto n. 2,711 de 19 de dezem-
-i: i da mesuo anno.
Art, *. A ordem davoiacao a seguinte :
Dedi-z ate cincH-nta aieoe-, um vol por cali
..l.'z ac;oes. hos aeeioiiislis de maior numero d:
ae-oes cunl.ir--e-lia mais um ot0 por cada trinli
acedes, at dez votos, quesera o mximo.
rt 30. O icrionsta,cajas acedes nao Ihe tivereri
sido transferidas pelo menos iridia dias antes di
reaaaiu da issembia geral, ter direita de assi-
lir a ella, e laesntO discutir, mas nao |io lera volar,
fixcepluaiii^e as transferencias par heranea.
CAPW LO vi.
dos ni .iiik.vlmis i p mos de aasmvA.
Art. 31. i i livro de caita anno se deduxr ein-
|MU-a fondo de reserva.
Arl. oi o fundo de resera exclasivamente
Hathans, cidadaa brasiltro, na de commerciante
de grosso trato, eslabetecido nesia cidade.
Secretaria do nibuaal do (atener tio de Par-
nainhuco, 'J de fevereiro de I88L
Julio Giiimarile.t.
Ollicial-maior.
Movr.is e>ytr> mulos rticos.
Quinta-feira II do corrente.
O agente Olimpio em sen ai inazem ra do
Imperador n. 16, far leilo de movis e outros
artig* que se tornara eafadoaho mencionar.
LEIO
DK
Pela mesnia secretaria se faz igualmente publi-
co que nesta dala foi registrado o eonlralo de so-
eiedade de Antonio Joaquim Dias Medronho e Gra-
ano Octavio da Cruz Marlins, estabelecidos nes-
la cidade sol a lirnia de Medronho A Marlins; de-
vendo a mesma sociedade durar por lempo inde-
terminado, tendo comeco do | de Janeiro ultimo,
e com o capital de 7:000-5't:iO. loruecidos :i:'.K>l-50lO
dlo socio Medronho, e l:IOT|>S50 pelo socio Mar-'
tins.
Secretaria!) de fevereiro d 1864.
Julio Gtiimaraes,
Oflieialmaior.
i'.iiiisclliii administrativo.
0 conselho administrativo, para fornecimento do
arsenal de guerra, lem de comprar os objeclos se-
guiHtes:
Para o stimo batalliao de infanlaria.
Papel almajo, resmas 6 ; peonas de ac, caixas
6; ditas de ave, i(H); caivetes 2; tinta preta,
garrafas li ; lapis de pao, duzas li arcia para es-
cripia, libras fl ; collecco d' carias para princi-
piantes. :m; taimadas, 'M ; gr tmmaticas porlugue-
ia de Hooteverde, 12;
ICIO III .S VM ISCO
O hngue Meliztvio segu com milita hrevidade
por ter meio carregamento Iratado : para o resio
e escravos a frete. trata-se com os consignatarios
Marones, Barros i C, largo do Corpo Sanio n. 6.
Para Lisboa.
O brigue portuguez lW/'i Fiyiiet-
raue, capitao Jos Perreira Leasa, 4|nlnf a-felra II de fevereiro. s
va i sabir com muita brevidadc por ... .___ _. _^
ter a maior parte do carregamento r.. I. horn '.m.l,on<- ...
prompto. para carga e passageiros ,"" '"1'10* 'oerend l"l",1l,i V* P"r
para os quaes lem excedentes cnunodos ir.na-se '"erveacao do agento Pisto, da tedas u rateadas
com o consignatario E. R. Itabello. ra da Cadeia i mn?e?f e.3L';K>Bte.ew ,'u >[m "*
-j.-j. Cruz n ol, onde se effectuara o leilo no da e ho-
----- ra cima mencionada.
Fazendas e miudezas.
Cara o Rio ileJaueim.
Sahir com brevidade o brigue nacional Unur-
M, recebe carga e escravos a frele : trat-se com
Manoel Ignacio de Oliveira \ Kilho, largo do Corpo ;
Sanio n. 19._______
Para o Hio de Janeiro
At o dia 8 do corrente pretende seguir o pata-
cho Coawaa, tem a bordo parte do seu carrega-
mento : para o resto que Ihe falta e escravos a
frete, para os quaes lem expelientes commodos,
trata-se com es seus consignatarios Antonio l.uiz
de Oliveira Azevedo A C, no seu escripiorio ra
da Cruz n. I.
s
t*
SAMO AMAKO
Os encarregados da Cesta de Sanio Amaro, em
sua eapella das Salinas, nao podeodo reali.-ala do-
mingo, li do corrente mez, como eslava determi-
nado, a Iransferiram para o domingo seguinte -I,
sendo ,ue opiogramtna ser em breve publicado.
Os curadores liscaes da inassa fallida de Ros-
Iron Roocker & C. previnein a todos os interessa-
dos ijue no da 12 do correnle, as II horas, na sala
das audiencias, poranle o lllm. Sr. Dr. juiz do com-
mereio, tari lugar a reunio de credores para a
nomeago de administradores da mesma massa,
como ja foi previamenteannunciado por ediial pu-
blicado no Otario de 7 de outubro do anni proxi-
LlII,--------------------------------------------- Aluga-seosiliodaPedra Molle, em Apipucos,
.tos ferceiros franelsennos. rom exceHeata casa de viveada, com i salas de
Tendo ebegado do Porto os verdadeiros cordes frente e li quartos, terraco, estribara, frncteiras,
de esparto, pertaaceata a eneravel ordem do |- lM'lla 'isla e magnifico banho: a tratar na roa das
tiiarcha S. Francisco, |>or isso avisa a lodos aquel- Crnzes. sobrado n. 39, segundo indar._________
les que quizerem comprar por mdico preco irem
A pessoa que quera byaotbatar um prelo ou
uma preta, ou oiilra pessoa que quizer o mesmo
negocio, dirija-se ra do Queimado n. i, segun-
do andar.
Aluga-se o segundo
do da roa ta Cruin. M i
mazem do dilo sobrado.
andar do sobra-
a tratar no ar-
tas o mez le fevereiro, lieando o eHonfUM a al-
burio do conselho de dina cao, nao dovendo tdaviii
* \e de o di posto no s 8* do ail. I*da tai n. l,08:i
Arl. 3i. Nao se peder fazer dislrbuico de di-
< id 'ii lis em q nato 0 Capital social, desfalcado en
VMttuk de |hnas, nao fur inlegralmenle reataba
l.'ClllO.
Art '>. Na dissollleao la Socii'dade 0 fi.ndo de
i serva, que ln iiver, sari accumulado aa capital n
'e suas aec -.
CAP1TI' .0 Vil.
n.V iiriiA(.:',o iia^MI'AMIiv i: sia UQl'UMClo.
Art. tli. A i-i 'iipauliia i niara pelo lempo que
1 M falta para o complemento de sea privilegio.
Arl. 17. Ouando a eumpaabia liver de dissol
ver->e, fazer- e lia liquida ;ao pelo modo que BBb
decidir a assen bla geral, salvas as dispesicSesdot
lirts. i'.i.'i. 341 e segundes do enligo commereial,
leguinti i Jo decreto n. 2,711 de l'.ldezembru
i ItjfiU
Arl. J8, A cdmpanhia julgar-se-ha incapaz di
- iritiiiu ir si as operaeoes, e. i'onsegnnleuiente
di.-.< js no valor los dous tercos do capital social.
CAPULLO VIII.
ils|MS|i:oh> (RIIAF.S.
Arl. :(9. Os hircos da fompanhia soffrero an-
nualmente um ahaliinenl de dez por cenlo sobre
es seus respectivos valores. Esses abalimeoto* se-
rio lampados ent deslelas sob o titulo dedotarte-
PAKA 0P0KT0
trevfdade o brigue sa-
n parte de seu carregameiiio
prompto : para o resto djhe Ihe falta e passageiros,
liara os quaes lem oveelleiiVs commodas, traase
com os seus consignatarios Antonio l.uiz de oli-
veira Azevedo & C, no seu escriptorio ra da Cruz
numero 1.
rara o Hio de Janeiro
fornecimento do arsenal de guerra o de fevereiro pretende seguir com muia hrevidade e palhahote
com|;ndio de anthmetica
por Avila. 12 : Iraslados. :ili; lapis de pedra, 18 ;
destinado pai fazer fac s perdas do capital so-1 caixinhas de instrnmentos para desenlio linear, 4 pretende seguir com muita
.id. ou para substituido. compendio de metrologa, 10; doulnna cbristaa, 10. conal Ameba, le
Arl. 33. Karse-ha dividendo entre os accionis Para o nono balalhao do infanlaria. prompto : para o i
BoneH, "JO ; mantas de laa, 30 ; brim branco,
varas 100 ; algodozinho, varas 2,*i.
Quem quizer vender laes objeclos apresentem as
suas propostas em caria fechada na secretaria do
conselho, as lo horas da man,fia no da 12 do cor-
rente mez.
Sala das sessocs do conselho administrativo para
de I8tt.
Antonio Paira de S Barreto,
Coronel, presidente.
Jos Antonio Pinto,
Tenenle-coronel, vogal.
Conselho de comprasnavaes.
Nao leudo havido hontein sessao do conselho, por
nao se terem reunido ludos seus membros, faco
nacional Pialude, tem parte do sen carregamenlo
a bordo : para o resto que Ihe falta o escravos a
frete, para os quaes lem exeeNeatas commodos. tra-
ta-se com os seus consignatarios Antonio Luiz de
Oliveira Azevedo A; C, no seu escriptorio ra da
Cruz n. I.
Para Lisboa
pretende sahir mprelerivelinenle a lo do corren-
l'T.
Uma loja de ffaragens.
O agente Pestaa far leilo d i loja de ferragens
da ra da Cadeia do Reciba. 6', com o fundo de
16:0005, vende em um s Iota ou em pequeos
lotes a vonlade dos compradore os prelendentes
podem examinar o bataneo en, mao do mesmo
geme, o leilio ter lugar"no d-.ti de fevereiro
prximo futuro.
Em conseqiiencia de ser esse o dia improprio
por ser dia d entrado hca transferido o leilo pa-
ra o dia 12 do corrente o qual principiar as 10
horas em ponto.
AVISOS DIVERSOS.
I portador i!e Batanciras que
Iroiixc urna caria il Sr. A Idilio Cantli-
ilo llezcira Cavalianli para o Dr. Ma-
noel ile Fiiieira Paria, i|ii> ira appare-
(iM- I i Ma ria ns G e 8 di pi-aca la In-
dependencia, alim de Mftegar a quait-
lia ijue acoiupauli i mes na.
JORNAL DAS FAMILIAS
SEGUNDO ANNO
Piiidi ii-.o. meiisal. illnslraila. lillerara, arsra,
recreativa, re.,
ornado de ligurinos, vinhelas, Bravuras sobre ac,
aquarellas, sepias, pecas de msica, desenhos de
------------------------- trabalbos sobre lalagarca, de crochet, de tricot, laa
Aluga-se o sobrado n. ij da ra Iiiqierial, c bordados, moldes de vestidos, capas, o em geral
canto da Iravessa do Lima, altos e baisos, lem for-; de ludo o que concernenle a trabalhos de senho-
no e talheiro para padana, hoin quintal e excellen- ras. Conlinua-se a reecber assignaliiras na livra-
te agua de gaste
o'O, das 7 s 9
tarde.
a na larga do Rosario n. X, fabrica de sellim.
ts labe ecimen lo
Quem quixer comprar a taberna da ra do Jofio
Pernaades Vieira n. 2i, propria para principame,
ilirija-se taberna grande da Sotodade, ou no lar-
goda Santa Cruz n. H\.
to : a tratar na ra Jo Hospicio n. ria econmica ao p do arco de Sanio Antonio, on-
horas da manhaa, e das 3 as li da je j se achara os 1 c 2" nmeros do *" anno, e
colleccees completas do l anno.
t. Felismina Claudimira de Mello Lias, pro- Precisa se de uma ama para casa de familia,
essora jubilada, leudo ohlido do Kxm. Sr. presi- 1]ue sai ha rozinhar offrivel mente, e que seja de
denle da provincia licenea para ensmar parlicular-jbonscostumes, cuja conducta afianzada, nao se
mente as pruneiras letras e prendas domesltcas,fu duvida pagar bem : a tratar em Ohnda, ua iiada-
ver aos pais de familia que quizerem se utilisar rfa do Varadouro.
de seus servicos, que so adiara abertt a sua aula :
do dia Io de marco em diante, em Santo Amari-1
nho, casa confronte a do Sr. Luiz Annes, podendo
garantir lodos que Ihe quizerem conliar as suas
lidias o mclhor desenipenho de suas obrigaces, e
portento o adiantamento cm pouco tempo de todas
as suas alumnas.
guintes :
200 lulios de metal patente para caldeiras,
de 2 'i poilegadas de dimetro exterior e 7 ps e
2 poilegadas de comprimenlo.
200 barras de cautoneiras, ou ferro angular, '.'
de canto e V* degrossiua.
.'l bams de ferro de :t pollagadas de largura e
1 de grossora de um lado u / de grossura de
onlro, proprio para grelhas.
I chapas de 7 ps e poilegadas decomprimen-
i- unealo -e os barcos ligurarao nos balancos com l0- :! P** c poilegadas de largura, e /i de potte-
Oi seus val'H< assira redazidos, salvo o caso de 8 l'e p-ossiira.
terem asfridl cineerlos ridicaes ein que ligurarao
eotn ai|uelles que porventura renbam a terem
iMuseqneacia de laes reparos.
Arl. '10. Os dinlu'iros e valores da companhll
s TO aireen idos cm um ou mais bancos pblicos
Arl. '!. Pilofallecimento de qualquer accionista
<.' ein quanto o espolio esii'vrpro indiviso-.pas-
para seus herleiiMs nao m o direita as acooes e
ao dividendos como tamliem o de temaren parta
nis deiiheraioi-s da asaftnbia geral, cora lano
que, sendo m lis de um, se combinen! entre si para
um s volar. Depois de fe la a partidla, el la her-
d- ro n preientar o accionista fallecido, conforme
o numero d-' acfdei que Ih i locarcm.
Art 'ii Estes estatutos to poderao wr alterados
por decisao di assembla geral dos accionis.as lo-
mada era urna, c vencida e n outra sessao por maio-
ni absoluta ile voto-, esti n lo presentes pelo me-
nos accionistas que renresentem dona tercos do
<*apital na eampanhia, llcando dependente da pre-
via approvaeao do governo imperial qualquer al-
teracao, refui ma ou innov icao, que snffrerem os
iinsinos estatutos.
.uem-se a> assignatneas.)
Direclori, cidral da secretaria de estado dos
n -g tas da agricultura, eommercio e obras publi-
ca*, em 'l Besetembro de I8ti3.
Confere.u lirector, Joit Agoslinho Mnrim
tiutmarfiet.
S. SKI. Registrad ,s fl--. 51 v. 11 livre 5" lomo
registro pubHro do eommercio.
Secretaria do tribunal do eommercio de Per-
na mimen, 3 de fevereiro ele 1881. -Julio Gimo-
roe, offlcial-niaior.
lloTegislro la caria imperial e decreto n, 3,IW
I 3 de setembro de 1863, e d a presentes estatu-
to.-.Han mil ris.
Consiilatlo provincial.
Peta mesa d > consulado provincial se faz aulili-
ro que os 30 ras uleis ma -cados para a arracada-
i-"i i :i iKcca do cofre J'. mpostos de 0o sobre
i chapas de 5ps e 3 poilegadas de comprimen
to, 3 ps e 2 poilegadas de largura, e 3/n de polle-
gada de grossura.
1 chapa de :i ps e 6 poilegadas de comprimen-
to, 3 ps e li poilegadas de largura c '/ potlegada
de grossura.
3 chapas de li ps e li poilegadas de comprimen-
te, 3 ps e 7 poilegadas de largura e1/ de pollegada
de grossura.
7!l chapas de ."> ps de comprimenlo i ps de
largura, e '/i a Vis <*< grosaura.
E I chapa de 0 ps e 6 poilegadas de compri-
menlo, 0 ps e li poilegadas de largo e V de polle-
gada de grossura.
Sala do conselho de compras navaes. G de feve-
reiro de 1864.
O secretario,
Alexnndre fodriijursdos Anjos.
LISBOA E PORTO
A palera portuguesa Nova fttma segu com hre-
vidade, recebe carga para ambos OS portes : Ira-
ta-se com os consignatarios Marques, barros & <"..,
largo do Corpo Saulo n. 6.
LEILOES.
LEILO
AVISOS MARTIMOS.
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
K espesado des portes dfi norte
al o da 16 do corrente o vapor
Aja, coiiimandanle o primeiro
leaenta Alcanforado, o qual de-
pois da demora do coslume se-
guir para os porlos do sul,
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder coniluzir, a anal dever
ser embarcada no dia de sua chegada: encifh-
mendas e dinheiro a frete at o dia da sabida s 3
horas, agencia ra da Cruz n. 1, escripiorio do
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C.
Gtarl,
Nestes quitrodias segoe a palhahote OatAnMI
a tralar rom Tasso Irmos.
Ilividas dr l-';.|>/ps .lunior.
llOJE.
Por ordem dos administradores da massa fallida
de Joaquim Jos da Costa Pajotes Jnior e Fajoles
Jnior e Azevedo aulon-a l-s pelo lllm. Sr. Dr.
juiz do eommercio irao de novo leilo as dividas
activas pertenecios a mesma massa : quarla-fei-
ra 16 do crrante pelas 10 horas da manhaa na
porta da associaQo commercial.
A relac'.i acha-se em mao do agente Pestaa
para ser examinada.
0 cirurgio Leal mudou
a sua residencia da ra do
Queimado pai;i i ra das
Crnzes sobrado n, 30, pri-
meiro andar, por cima do
armazem Progi'es&ista, anu-
de o acharao como sempre
prompto a qualquer hora pa-
ra o exercicio de sua pro-
issao, chamado por escripia.
LEIU0

100 barris rom b ,nlri ii'liiiidini'iile ilespachada.
iio^i:.
Quarta-feira 10 de fevereiro ns lo horas cm
ponto.
O agente Pinto fara leilo por conta e risco de
quen pertencerde 100 barrisclo banha de porro
ltimamente despachada, a qual devera sabir da
alfandega no referido dia e ser vendida no arma-
zem do Sr. Aunes em frente a mesma alfandega,
no dia o hora nrima dito.
LEILO
110.11:
liiaria-felra IO lo corrente s II
lioras a nmnlin.
A' ra da (atipa .$$, arinazpra.
De ana casa terrea n. MI na ra Imperial, chao
proprio, rende mi.3000 p a'.vvi. t outra na
Aluga-se a casa terrean, lli da ra do Ara-
gao, propria para taberna ou para qualquer nutro
eslabeleeimento : a tratar com o capitn Teixeira,
no quartel de policia, ou na botica 11. (i da praca
da Boa-Vista, que ahi se encoutia a chave para
ver a referida casa.
O aballo assignado jnlga na la llover a pes-
soa alguma, mas se per acaso alguem se julgar
seu credor anda mesmo por qualquer titulo que
seja. haja de apresentar-se na n a do Oueimado
n. t. que sendo legal, sera incontinente pago.
Recite 6 de fevereiro de IN'll
fos Joaquim de Pinho Mendonca.
O r. Auionio le Vas- .;.'
1 un rll.s .Heneves 1 c
llrtiniinond eonlinia no
exercleio la advor-aei.
rna do Impeailoi n. l:*.
primeiro andar, lodos on
^-' dias litis, d.-isoa^e horas
' da manhaa s |ti: tro ho-
ras la larle. i; 11 ontra
qnalqner oeensio. e j> ira
rasos urgentes por lera ser
procurado em sen lomi-
elllo riiad'Aiirori n. 'ti.
Deseja-se alugar por mez uma escrava boa
vendedeira o lid : na Iravessa do Paraizo 11. 1S,
segundo andar.
Conrado Braadis e llenrique Peter.allemes,
reliram-se para a Europa.
lbum le Pernamhiieo.
Os Srs. assignantes do lbum de Pernambuco,
que anda nao recbenla os ltimos nmeros, le-
nham a bondade de. os mandar buscar na hlho-
graphia de P. II. Caris, ra da Cadeia do Hecife
n. 52, primeiro andar.
liSMil l iaHWWI
Preparatorios comple-
meutares
'-^J no
Curso foiiimeraal.
^ O bacharel A. II- de Torres Bandeira, gB
cw professor de geographia e historia no M
g (\ mnasio desla provincia, prope-se a ffi
^ ensinar as linguas francesa e ingleza, j|
oto preparatorios complementares para o jRg
^B Curso Commercial; eofferece o seu pres- g
j^ timo especialmente aquellcs que se quei- @
jm rain habilitar nesses preparatorio, rom o jM
* intenta de matricular-se no sobredilo g|
t^ cu i-so. jffl}
isa As aulas comecaro do 1" de fevereiro esa
H em diante, na casa da residencia do an- S
5l Dunciaate, ra estreita do Rosario n. .ti, ^
j;~j lerceiro andar. B
Carros fnebres.
No eslabeleeimento de Pinto de Mapalhes largo
do Paraizo n. 10, existan canos para todas as or-
dens estabelecidas no reguiamento, sobresabindo
os de primeira oidem para detentas e anjos, pelo
apurado posto de archiletura e riqueza de rnalos. &. ^-..'T-./rw^
sem duvida alguma os melhores ora existentes.
No mesmoestaaeleciroento enearrega-se de qual-,
q'uer enterro de maior ou menor pompa, con-
tento dos interossados, com promptidao c precos
razoaveis.
OL Mil.
O padre los Esteres Vianna tendo ob-
ldo iieenea do director geral da instruc-
efio publica para ensillar particularmen-
te primeiras letras, latim e francez. tem
determinado dar principio ao cnsinodas
ditas materias no dia 15 de fevereiro, )$
para o que convida a todos os Srs. pais B
de familia que quizerem conliar seus li- 5
Ihos a seu cuidado a compareeerem des- jBf
de ja em casa de sua residencia na ra JJ
de S. Denlo, assini como se presta laui- ^g
he,,, a dar licoes en, casas particulares. K
HSBSi^!^'^ ilii^lSli^S
Saques.
M. J. Ramos e Silva A Genros sacara
vista sobre a praca do Porto: na ra do Vi-
gario i). 10._________________________
reda dejia.
No da 31 de Janeiro desle anno, desde a ra da
Cadeia de Ohnda nasa do Dr. Antonio de Vascon-
celos Menezes de Drumiiiond) ateos Arrumbados,
das 7 s 8 horas da noite, pouco mais ou menos,
cabio do peacooo de uma senliora sem ella e ver, e
I perdou-se um fio de cerca 100 petlas grandes,
leudo no centro uma cruz de brilhantes, tamben!
nao pequeos, a qual pouco abaixo do tainanho
de nielado do dedo index : quem tiver adiado esta
joia.ea levar a snbredila casa, recebera 1,111:1 ge-
nerosa recompensa. Pede-so anda aos senhores
ouiives ejoalheiros, que se Ibes for offererida a
mesma joia, hajadeapprehende-la da mao de quem
ipier que seja, mandando dis>o dar parle aquella
casa. Nesta sentido, o para o mesmo lim. Solicita-
se lodo o auxilio possivel das autoridades policiaes
de Olinda, ou deoutro qualquer lugar quem ebe-
gar possa a noticia desse (teto. Eudim mu i lo se
agradecer todas as pes.-oas que pai a isso con-
correrem directa ou indirectamente.
vf O bacharel Americo Netlo de Mendonca \
S reside e tora aberto o seu escripiorio ^
S*\ ra doLivramenlo n. 18, I" andar. |R
mmmmmnmwm
i
m
m
m
i

m
m
m
Xis ahaixo asignados, socios da sociedad ;
de carnes verdes, que nesta pra^a ^yrava sob a fir-
ma de vitiva Adelo A: C, communicamos aos
fcnhoics fazendeires e vendedores de gado as
feiras de Guarita, Podras << Fago, e a de Sanio
Anto, que por (allecimento da viuva de Adelo
Jos de Mendonca, deliberamos a conlinuaco da
mesma sociedade sob a firma do socio caiva l.il.a-
no Candido Riboiro \ C. (genros dos fallecidos),
ronlinuando em vigor e sob a responsabilidade da
presenta Orma todas as transacedes feitas durante
a extincta firma de viuva Anacleto ti c. Recite
! de fevereiro de I8!H. Libante Candido Hihero,
Rente dos Sanios llarros, Joiio Jos de Medeiros
Mello, Antonio Moreira de Mendonca, Ignacio Pe-
reir i'.uiniaracs.
0 bai'liarcl )la\mi ro Lopes Mt*
chal idvo|a ro sen esTiptirit da ma
do liiipcrador 0. 71, primeiro auilar,
onde pode ser procnrailo ihs II s 3 ho-
ras da larde para o ipie foi con cemen-
te ao exercicio de s; prolissiio.
Aos senlnnes ailvou;;iilos c aca-
d f ni ic os
Na linaria popular, ra do Imperador, exlsic
urna obra completa de Merlin, que se da pelo pre
50 que austa em Paris.
Precisa-se de um bom cozinheiro e de dous
criados activos : a tratar no sobrado n. ;)2 da ra
da Aurora.
SKjt i advocado Dr.Manoel do Nasciiento
s| Machado Portella, contina a ter o seu
W escriptorio no primeiro andar da casa n.
SKI 8i! da rna do Imperador.
Contraria le N. lose ti 'Agona.
O set-retario da confraria convida a lodos os seus
irmos compareeerem boje no respectivo oonsis-
loro, pelas3 horas da tarde, alim de encorporados,
acompanbara precissiode cinza.
Manoel francisco dos Sanios e Silva.
_______________Secretario iiilerino._________
NoRte l*io l'opnlnr l'cmambncauo.
Nao se lendo reunido numero de socios par a
sessao geral no dia 5 do correnle como fui annun-
ciado, o Sr. director manda de novo convidar aos
senhores socios alim de compareeerem na rasa das
sessocs. no da II, pelas 7 horas da noite, para so
tratar de negocios importantes ao Monte Pi, espe-
rando que os mesmos senhores se dignarn compa-
recer, visto a urgente necessidade.
Secretaria do Monte Pi 1'npiilar Pernambucano
0 de fevereiro de 1W.
Bernardo Patean de Souza.
1." secretario.


ii '< mwnmw
Diario de irernambuco Ruarla lelra O de Feverelri de is4.
Maque sobre Portugal.
0 abaixo assignado, agente do banco
mercantil Portucnse tiesta cidade, saca ef
lectivamente por todos os paquetea sobre
o mesmo banco para oPortoe Lisboa, por
qualquer somma, visia e a praxo, no-
ciendo logo os saques a prazo seren des-
contado., no mesmo banco, na razao de 4
por ceuto ao anno aos |iorladores que as-
sim lhe convier : as ras do Crespo n.
8 ou do Imperador n. 51.
Joaquim da Silva Castro.
IMPERIAL I\STITIT0
DE
NOSSA SENH01U DO BOM CONSELHO.
RUA DA UIIOUA AO.
lio
Amtohio Acocsto FanumA Lima.
' os pretendentes poden entender-so
1 Al ves Barbosa.
com Antonio
>^*
>":.aSR
Sob a direccodo abaixo assignado acba-;efiinccionando este Instituto de.sdc o dia 7
de Janeiro prximo pas>ado, e nelle se ensinar todas as disciphttaa preprate ras para a
matricula do curso jurdico, desde primeiras Ictlras. .....
Todas as cadeira* acham-se providas pelos memores proressores, cuja lista ja toi
publicada neste Diaria
Reeebcm-se pensionistas, meio-pensionistas e externos, pagando na segrale pro-
1 PENSIN STAS.
Quarte. d.casa, mesa a luz. ^^^^^.......... 100M00
mUmm- -.....externos!............. 45*0
Idemde cada preparatorio..... ............ 205000
Os pensionistas e meio-pensionistas pagar ao os preparatorios que esiudarem a razao
de 55000 mensaes, bem como os externos d'au a primaria.
Pan mais esclarecimentos dirjam-se ao director, a qualquer non, no Instituto, que
franqueado visita tos pas e correspondente, bem como a todas as pessoas que nisso
tivtrem interesse.
Rccife, Io de fevereiro de 1864.
.VESTUARIOS PARA O
CARNAVAL
Alugam-sc ricos dminos Iwrdados de velludo
pelo baratissimo preco de 105 e 125 : na trav ssa
dosExposlos, sobrado n. lti, primeiro andar, As-
sim como tein um grande sortimento de vestuarios
a carcter, e domines em milito bom estado, que
se singara pelo barato preco de o e<>5 : as pessoas
que o anno pastado alugaram na travessa das
Os Srs Eugenio i Mauricio tena a honra de participar ao respeilavel publico desta capital que Cruzes, venbam nesta casa, que acharo mais ba-
lia 1 de'fevereiro cites cstabelecem os seus prec a do modo segrate : ralo do que em outra parte.
12 carlitas de ivisita.....125000
2.a ditos 2 posieoes.....205000
30 ditos 3 ditas.....3RA000
100 ditos 4 ditas.....30,500o
Cada duziaem maior.....85000
Retratos n. i.......\m)
Ditos n. 2........*5J00
Ditos n, :i.......*i
As reproducoes cada una 25, 35 o .>5000
Elles tem recebido um grande sortimento de quadros e molduras para retratos grandes e ca toes (le S de visita, assim como tamban lbum para photographia que elles podem vender inuilo cm conta. As
offieinas estao iberias todos js dias das D as i da tarde.
m>^*
PHOTOGMPBIA
Boa Nova fc 25 esquina da Camboa do Canno.
do dia
lii'r i
Em quanto o Sr. Jos Joaquim Barbosa nao vicJ
ou mandar da villa do O" (para onde mudou-.-.....-
cultamente) pagar os alugueis de perlo de dous
annos da casa em que morou, na ra dos Prazeres
da Boa-Vista, ver o sen noine neste jornal para
mclhor ser conbecido dos proprietarias.
DE
S PARTIDAS DOBLADAS
A ASSOCIAClO COMJURCIAL HE:,EHf,F,\TE
llK
li:il VVYIIII < U>
ron
,./W fondeca r/e ^/vec/etrod
i ir.-fio escriturario da Ibes iiirara
de fazenda tic Periianihuco e cotupe lenteiiiciilc au-
lorisado para exercer o | ro-
fessorato parlicHlar de arillmiflica iiamcsma
provincia.
Acha-se esta obra nos prelo 1a typographia
Commercial, d'onde em breve saldr luz da pu-
blicidade era ntida impresso e si b o formato de ;
8 porluguez.
Compiie-se esta obra de um volunte, dividido em
urna parte theorica e outra pratica, de fcil alean-1
ce s pessoas que se queiram dedic ir ao esludo da
escritnraoao.
A respectiva assignatura aeba-sc aborta em to-
das as livrarias desla cidade, ao ireco de 55000
por volunte.
I
FEITA
NO
ARHAZF.1I
CE
^%m fc TOftfct
u-
>4ft
Kocicdadc de seguros mutuos
de vida Installada pelo Banco
i nio na cidade do Porto.
Os agentes nesla cidade e provincia Antonio
Luis de Oliveira Azevodo & C,, escriptorio na ra
da Cruz do Rer.ife a. 1, estilo autorisados desde j
a tomar assignaturas e prestar todos os esclarec- j
mentos que forem necessarios, as pessoas que de- i I raJTOTn nr"n""DC a?
sejarem concorrer para tio ntil e benfica empre- l Sjril |0 I A Ut lAmO 55 ?5
zas, egurando um futuro lisongeiro aos a>soci;-.dns gg 11)Ra Nova -19
Aluga-so um excellente armazem com um [ i Frederieo (antier, rirurgiao dentista,
grande telbeiru e una excellente chamine, proprio ~- f.,z ,,,.. ;is operacges (ll, sua irlc., ,. c0|.
para qualquer estabelecimento dereiinacaoonpa- I 5 |(,n mMltl.s n tifeteos, tudo con superio-
daria por ter sido ha mais de lo annos empregado am riJ.1(|,,,. perfeeao, que as pess tas enten
estes negocios, na ra dos (.uararapes n. 20 c|"
3im m WMW&m
LETREIBO VERDE,
Neste estabelecimento ha sempre um sortimento completo de roupa eita de
todas as qualidades, tambem se manda fazer por medida, vontade dos a>ncor-
S rentes, para o que tem um dos melhores professores,-assim como tamtaem tem um
R grande e vanado sortimento de fazendas de todas as qualidades, para scnlioras,
homens e meninos.
i Casacas de panno preto, 3o5 e 305000; Ditos de setim preto.
| Sobrecasacas idem, 30t e 25)5000 Dtos ,je dtos e seda branco,
B Paletos idem e de cores, 2o,
5000j
I0500
----------------* -~,--------------j,.,
didas lhe reconbeeem.
Tem agua e |is dentifi 'io.
n.
tymnasio proiucial.
M o dia 13 de fevereiro estarai abortas as ma-,
Inculas das segnintes aulas do gy nnasio provin-1
cial: ladra, francez, inglez, grego allemao, ma- j
thematicas, geographia e historia, eloquencia e
potica, philosophia, lingua e liltei atura nacional, j
ciencias naturaes e musir.
Nessc estabelecimento, mediarte a mdica'
qnantia de 14 diarios, tem os alumnos internos ;
roupa lavada e engommada, medico, botica, luz,
_______________I penna, papel, tinta e criados para o servico.
- Aluga-se o armazem n. i da ra do Apollo, e 0 '^S^S^S^^^S'X
assSSssrAT*rua da,,npua- p$^%%^r^
20^, 15,5 e .
Ditos de casemira, 20#, 155,
12,5, 105 e...... 75000
Dtos de alpaca, 55, 45 e
Ditos ditos pretos, 95,
55. 45e ......
Ditos de 1 iriiii e ganga de co-
res, 45500, 45, 35500 e. .
Ditos branco de linho, (55, 55 e
Ditos de merino preto de cor-
5 e.......
Ditos de gorguro de seda
pretos e de cores, 05, 55 e
Golletes de fusto e brim bran-
co, 35500,35 e .
Setoulas de brim de linbo,
25400 e ......
i Ditas de algod5o, 15600 e. .
.1,5000 camisas de pcitos de linho,
46000; 45, 35e......
35500|
35500-
Ditas de madapolo, 25500,
do, 105, 75e..... 55000, 25e........
Calcas de casemira preta, 125, Chapeos de massa, pretos fran-
105, 85 e...... 75000 cezes, 105, 95 e .
Ditas de cores, 95, 85 e. 75000 Ditos de fltro, 55,45,35500 e
Ditas de meia casemira de c- .Ditos de sol, de seda, 125,
res, 55000 e. .... 45000 115, 75 e
Ditas de princeza c merino pre-
25000
15400
25500
15000
85500
25O0G
(55000
Cabral.
Custodio Jos Al ves Gnimares avisa ao resrei-
tavel publico e aos seus freguezes, i|ue em vistas
LlOllI)
DA L0.1A DE J. J. kELLGR.
alargar mais o campo para o gallo de novo cantar, ^"S"?".
alim de melhor poder servir seus bous freguezes, | ^2'?0lj
lauto durar a:
nuara a servir seus fieguezc
da Cruz n. 1,
1 TJffJSt; SrTl^emo'ele^nata Ca, Cid
Alugam-se as lujas do so irado n. la em
a rua da Aurora: quein pietende-las diri-
ja-se loja dos Srs. Bastos \ abgalhies,
na rua Nova, que acharao -om qnem tra-
tar._____________________________
No escriptorio de Antonio huiz de Oliveira
precisa-se fal-
l I ho de Jos
Ta to de cordo, 45500 e. ,
t* Ditas de brim branco e de c-
m res, 55, 45500, 45 e .
^ Ditas de ganga de cores, 35 e
SI Colletes de velludo preto e de
g| cores, 95 e......
W Ditos de casemira preta, 55 e
^fe Ditos de ditas de cores 55
Collarinhos de linho fino, ulti-
45000 ma moda.......
I Sortimento completo de grava-
25500 tas.
25500 Toalhas para rosto, duzia, 115,
le........
75000 Chapeos deso, de alpaca, pxe-
45000 tos e de cores.....45000
Lencwes de linho..... 35000
640
5
75000
45 e........35500 Cobertas de chita chineza.
^^S!!^,^!^^^^^^ emqo de Francisco Manoel deSoaza, natural da
ue.-po n. /.---------------------------------1------- ^ e rmrl03 ,.ue fe acijan, no r0 de Janeiro.
9 RUA HA IMPERATKW
un bem
O.
n primeiro lugar convida-se as pessoas que tiverem vontade de comprar un bem acreditado
cstabelecimenio de ter a bondade de o visitar. Muito bem montada como est esta loja, com al ex-
cedente mora.la junto c as condicoes muito razoaves, ha de por certo animar os pretendentes a eom
pra' igualtuentc eonvida-se
aos Srs. mediros, dentistas, legistas e propietarios de cstabelecimentos artsticos para virem coinrar. I
por menos do sen valor, as meltiores e mais acreditadas ferramentas que lia no mercado.
O respcltavel Mililico em geral
encontrara um variadoe ranito rico mMimento de brinqnedos, cutilerias, armas para caca com
pertoMBS, apparclhos para cha, estojos de barba f de malhematica, ferros para cortar e imprim
los e pan cortar babados. seringas, esporas, rlii :ntcs etc.. ele.
Arrenda-se o encenho ltapessoca na fregue-
zia de Tijucupapo, nioenlc e corrente, com urna
grande iraca de salinas, contendo 360 marmitas, o
sal que fabrca-se nao inveja-se ao do Ass, com
i fornos de cal preta, leudo a pedra com a maior fa-
cilidade; tem seis sitios de coqueiros lodos de
fructo ; tambem se vende o referido engenbo :
quem o pretender imr qualquer das lumias anana-
ciadas, pdese dirigir rua da Gloria n. 70, que
achara com qnem tratar
Xa rua do Vigario n. 10, escriptorio de M.
J. Hamos e Silva & Genros, deseja-se fallar com
os herdeiros do fallecido Antonio Felippe ormont
Pessoa, que residem na illia de Itamaraca, a nego-
cio de seus interesses._____________________
A pessoa a qnem for oll'erecido o 1 lomo do
Girondinos, vertido em porluguez, e roubado ha
poneos momentos ao seu legtimo dono, cujo nomo
eus Oca nesla tvpograpliia, pode-0 comprar, certo de
fo- que sera ladomnisado. Nesta mesma typographia
encontrara com quem cntender-se.
pie :
Proftsor de piano.
Jos Coelho da Silva e Araujo, bem conheeido
nesta cidade, contina leccionar piano e ranal-
ca vocal por commodo preco : qutm de seus ser-
vieos precisar, dirija-se rua do L vramenlo n. 21,
segundo andar.__________
Gelo,gelo, gelo.
Com a chegada da nova machina nao se expe-
rimenta mais falta de gelo fabrcalo com agua do
Prata, lodos os dias a qualquer lora, para por-
e9es grandes ou encommendas pa a fra da pro-
vincia dever haver aviso com an:ecedcncia : rua
da Aurora junto a fundiajao onde tem a bandeira.
*mmmm
CAIYIBRAIAS! CAMBRAIAS!
Y--KVA UO QVEI9IADO9
Custodio, Carvalho & C.
Altcuco.
Camhraias brancas com grandes flores para vestido cada corle tem 6 I|i varas c urna
vara de largo pelo barato preco de 3$ cada um corte, esta barata fazenda pelo preco c qua-
lidade muito convert a urna casa de familia, pois se pode apphcar a diversas obras.
Para acabar.
Orpandys finos cscocezes a 2i0 rs. o covado, nicamente para acabar.
Fil de ;linho.
Fil de linho liso fino a 300 rs. a vara.
Fuiulilo 3
,
s 1
dos
CONSULTORIO NEUMMIRIRGICO
DO
I)R. PEDRO DE ATTAHYDE LODO MOSCOS
HIIK'O. IMK1UIIIO i: OPKR.tDOR.
o Rua da Gloria, casa do
0 Dr. I.oho Moscoso di o nsoltas gra.uilas aos pobres indos os das das 7
horas da manlia, c das G c meia s 8 horas da noite, cxccpcao dos dias santifica
Pharmacia especial /torheopat/iica
No mesmo constdtorio ha sempre o mais ippropriado soriimento de carte ras
tubos olsos, assim como tinturas de varias dymnamisacos e pelos presos segn les
Carteiras de l tubos grandes. I 5000
de 24 tubos grandes. 18000
i de 30 mitos grandes. MOOO
de t* tuljos grandes. 360000
> de 60 tubos gr mdes. 31 >000
Pyepnra-se qualquer carteira conformo o pedido nue seli/.er, e com os rem
que se pedir.
Um lubo avu'so ou frasco de tintura de meta ooca 1^ 00.
Senda para cima de 12, custarao os procos_ eslahelecidos para as carteiras.
Ha tubos mais pequeos cada um a 300 ris.
Deseja-se saber onde resile nesta ci-
dade o ltvm. Francisco Hapl ael Fernn-
des, da villa do Prncipe, e a > mesmo se
pede que annuneie a ,-ua morada.
iiiai SSiI
Aluga-se o segundo andar i
isa
rande sotao do
0 bacharel Jo.io Oonealves da Silva
Hontarroyos tem escriptorio na rua es-
trella do Bosario n. 17. onde pode ser
proenrado das'.' limas da manhia as :i
da tarde dos dias uleis.
predio da rua de Apollo n. 31, lindo no andar 3 do, tarlalana decores a 800 rs. tara, sargeltm
salas, o quartos e grandecozinha, e lio sotao salas, de cores bonitai a '280 rs. o covado, ganga emai-
quarios e cozinha : a tratar na iua da Cadeia do nada a 320 rs. o covado, tlela de cores a 320 rs. o ,
Poihi (\ PaiMi'ivil Grande liquidac* de fazendas at a
ai a m n.n u. ( tmI.ir C0llla 0. ei.
armazem la arara fd ^ ^ pcd|llcl,as || ,ia
seiupre : ua roa da Impcratriz, loja
e armazem di Arara n. 56, de Lou-
itiico Pereira MeodcsGuimaraes.
Cobertores da Arara a .
Vencle-sc cobertores de pellos a 15 e 1SG0O,
Xa loja e
Imper triz n. i(5.
Vende-se fil de linho branco o de cores para
vestuarios por ser bonitas cores a 160 rs. o cova-
I'recisa-se dedouscaxeiros de 12 14 annos de
dade, com pratica de taberna ou sem ella : traa-
se na rua Novan. 01._____________________
O ceinltcrio publico
precisa de um jardineiro : a entenderse com o
respectivo administrador.
0 bacharel Joan Francisco Teixeira in-
dios
Aluga-se o primeiro andar do sobrado da
Camboa do Carino n. 8 : a tratar na loja de Ras-
tos & Magaihaes.
Precisa-se de nina ama para cozinhar em
casa de pouca familia : na rua da lloda, sobrado
de um andar com venesianas por cima da taberna
na esquina._____
Precisa-se de urna ama para casa de pouca
familia : na rua Direita n. 62.
LIV RON.
A melhor obra da homeopalhia, o Mtnual de Medicina Homcopathicodo Dr.
dous |.raniles volumescom diccionario............ 2<
Medicina domestica do Dr. Ileiing............ 1'
RepertoriodoDr. Mello Moraes............ ^ Ensillo particular.
Diccionario de termos de meuu ma ...,...,.-. o*rrj ,,. _,_.:...
Os remedios .lene estabelecimento sao por demais conheci.los c dispensam porbn- ^^^"^.n^aXfmda Ma-
to de seren novamente recommendados aspessoai que quizerem usar de remedios ver- lTil d., Boa-Vista, s 8 horas da manhia.
ladeiros, enrgicos e duradores : ha ludo do melhor que se pode desejar, globos dejrer- Precisa-se de un. feitor para tomar conta de
dadeiro assucar de leite, notaveis pela sua bia conservacao, tinturados mais acreditados Umsitio, que entenda de plantacao de hortaiice,
rstabelecinienlos euro[.os, a mais exacta e .iccurada preparao, e portanto a maior cner- las^^jBaBW wia de_ai^nsj>retos^tra-
flia e certe/a em seus eleitos. uncas,dirjale inra Imperial' n. ti,' on rua do
Casa de mude para escravos.
C.aiu'lro.
Precisa-se de um caxe^o de 15 20 annos de
idade, nacional ou estrangeiro, q le tenha algunja
pratica de fazendas, para urna loa fradesta pra-
ca : quem estiver nestas circumsancias, dirija-se
rua da Cadeia n. Vi, loja de Alliedo & Matheus..
AMA
O bomem solteiro, estrangeiro ni brasleiro, que
ra serw-
boasconta t Mr de muita vergooba, muito habi-
litada ao servico de campo, c ao comprador se di-
r o motivo por que se vende : a tratar na cidade
de Olinda com o deao Dr. Joaquim Francisco de
Faria, rua do Amparo n. 10.______________
contina com o seu escriptorio de advo- precisar de urna ama de boa conilactt para
gaeia i na do Oueimado n. 28. primeiro 'jp eos internos, dirija-se a ruada (. ona n. 31.
andar, onde pode ser procurado das 9
lloras da manhia s 3 da tarde.
Botica e armazem
(dogas
Itua do Cabug u. II.
de
a tlenro
O professor particular, residen e na rua Direita
n. (s. avisa aos pais de seus almanos, que por in-
conimoJ.o de laude transferio a abertura da sua
aula para o dia 22 de fevereiro
COMPRAS/
DE
Joaquim Jlartiulto da Cruz Concia.
Vende-se o seguinte :
Salsa parrilha de Bristol.
Pastilhas assucaradas de Kemp.
Pastilhas vermifugas de Kemp.
Elixir de curo lclalo de ferrado i'r. Tbermes.
llob da Lafecletir.
Xarope depurativo d'odoreto de ferro de Guy.
Xaiopc peitoral sedativo de Gnv.
Pastilhas peitoraos balsmicas de Cuy.
IMIulas da vida.
urel franciscano (mesclado) para imagens.
Injeccio Brow.
Xarope de curato de ferro de Chable.
, Pilulas contra seses.
No caes d Apollo n. 99, eompra-se ^^ ,)arr||ia de Sands.
tima escrava moca qoeseja de lioa conduc- Extracto Huido de salsa parrilha de Bailys.
ti -siiba vestir e noiitoar menitios, paga- Xarope alcoolico de vellame.
ta t sama vwui o p. i e v| .^ ^^ d ^ fon#,ant,mwnIC nm com.
se pem agraganuo._____________________ ; pict0 sorl,m.nta de tintas, vernit, onro para dou-
Comprase elfectiv ament juro e prata em rar, preparados chimicos c pliarmaceuticos que se
Compra-se urna preta, noca, trae sai-
ha bem engommar : na est ada do Man-
gninlto casa n. 21, antes dethegar aponte.
Reccbe-se cscravos pata tratar de qua
Opemclo, para oqoe o annunciante julga-se
0 Iralamento o melhor possivel, tanto
funa-ionando a casa a mais de quatro atino-, ha militas
obras velhas : na praca da Indi pendencia n.
loa de bilheles.
Queimdn n. 38, a fallar com Hermenegildo Eduar-
do Reg Monteiro.
Iquer enfermidade ou fazer-SC-lhe qualquer! Tendo o abaixo assignado de ir a Europa
sullicieiiteineiita- habilitado lritor dt sua saude> ,c,le ,ll,e!n c J.ul??r seu
suiucitinemuii., naiiiiiiaoo. 'credor, apresentar sua conta no largo do Carmo,
ilo na parte alimentar, como na medic, e CSll,,ina da ruil ^ ]\orlas,,. 2, segundo andar;
pessoas de cujo conceito se
pode duvidar, que pdem ser "consulUidO por aquelles que desejatem mandar s
l'aga-se 2J000 ;>or dia durante 00 d as c d'ahi em diante 1#300.
As oporacies serio previamente ajustadas, se nao se quizerem sujeitar aos pre
razoaves que costuma pedir o annun:iante.__________________
Pedido.
O abaixo assignado pede a seus devedores que
rendara pagar seus dbitos na rua largado Rosa-
rio d. .18, ati o dia 10 dente mea, senio verao seu;
nomes por extenso nesa! Diario. Recito 11 do
fevereiro de 1864.
Joaquim Ferreira da Silva.
Precisa-se alngar urna ama que saina cozi-
iihar e ongommar : na rua do Crespo n. 18, no se-
cundo andar________
Jos Antonio Lopes (lumares vai provin-
cia do Ceai 1, levando em sua companhia una
;lna.________________________________
Arrenda-so um sitia no lugar Jacar, que val
oara a estrada d'Agna Fiia, com casa de pedra e
al, ltimamente construida, e muitos arveredos (.e
tructo o boa ierra : a tratar na rua Direita n. Ci,
primeira andar.
O Sr. Antonio Adolplio Leite do Reg tem
urna carta rinda de Garanhuns, no carloria do e-
crvao do commercio Manoel Mara. _____^_
Precisa-so de um menino nortuguez de 10 i
12 auno, com alguma pratica de padaria ou sen
<-Vltl\l II
POUTIGIEZ K LKII'Ultl EH PER
XAJ1BH.0.
De ordem do Illm. Sr. presidente convido)
a soasan ordinaria que deve ter lugar sexta-I
12 do corrente, s 6 1|2 horas da tarde.
Secretaria do conselho deliberativo do Gabi icte
Porluguez de Leitura em Pernambuco 0 de I ;ve-
reiro de 1861.
F. I. Tinoco de Souza.
Io secretario.
>ao! assim como pede s pessoas que tem penhores em
US seu poder de os ir remir 110 praso de lo dias, de
contrario serao vendidos para seu pagamento. Re-
cite 4 de fevereiro de 18(1.
______Narciso Jos da Costa Pereira.
Joo Marques Fernandos, subdito de S. M. F.,
vai Portugal.__________
Precisa-se alugar urna ama para cozinhar e
fazer o mais servico de casa de pequea familia :
na rua das Cruzes, em Santo Antonio, 11. II, se-
gundo andar.
Na rua do Crespo n. lo, se aluga urna boa
casa o sitio no Monteiro, com frente para o oitao
seiihors membros do coslho' deliberativo""Jar da igreja, assim como o segundo andar do sobrado
ira n. 79 da rua do Imperador.
Compra-se a Columnei la poema heroi-
co cmico impresso nesta cidade de 1821) a
1831 : na livraria da praca da Independ 11-
cia n. 6 e 8._________________________
~OMPK.%-SE
cobre, latine chumbo : no armazem da bola ama-
relia no oitao da secretaria de p( licia._________ j
Compram-se Diarios para unbrullio a .'15800
a arroba : junto ao quartel de p ilicia, rua larga
do Rosario ns. lo, 17 e 19._________________
Coni|ira-se papel Diarios 1 120 rs. a libra :
na rua da Senzalla Velha 11. 18, deposito._______
Compra-se na rua da Imperairiz 11.
28, 2 batios de sola de l|! palmos.
os
Precisa-se de um caixeiro para taberna c
da mesma tenha pratica : a tratar na rua da
numero 2.
-se 3:000.5 a juros
gusta n. 36.
a tratar na rua
que
Paz
Au-
OITerecc-se una bomem com todas as habilita
roes para tomar conta de um sitio, oqnal sabe ue-
sempenhar qualquer servico que se lhe entregar :
a tratar na rua da Impcratriz n. 42.
ella, dando llador a sua conducta: nr. rua da Sen-j JTo Cwt49t do Hispo n. 18 1), quer-^e um
zalla Velba n. 90.
criado.
D-se a juros K005 com hypotheca em casa :
na rua imperial 11. 80.____________________
Criado.
Na rua Formosa n. 2, precisa-sc de um criado
escravo ou lvre <|ue nao seja moior de 11 annos.
O Dr. Casanova pode ser procurado em seu
consultorio especial homeopathico no largo da ma-
triz de Santo Antonio n. 2. No mesmo consulto-
rio ha sempre grande sortimento de medicamentos
em tinturas e em glbulos, deixando elogiar os
nossos medicamentos pelas pessoas que os tem ex-
perimentado e contiuuain a servir-se em nossa
botica. Temos tambem obras accomniodadas a
iutelligeneia do povo.
Joaquim Jeronymo da Costa Machado faz pu-
blico que se retira para o Rio de Janeiro no pri-
meiro paqtMo. e se arha na rua do Trajiicoe nu-
mero 11.
Compra-se um sellim ingk'z com os arreos,
estando em bom estado : na rua do Queimado, es-
criptorio n1l^jirimeim andar^_____________
Compra-se urna escrava qi e saiba bem coser
e engommar : a tratar na rua da Imperalriz nu-
meru 20.______________________________
Compra-se urna escrava pie saiba engoni-
mar e cozinhar : na rua nova do Santa Rita n. 13,
serrara de Paulo Jos Gomes i; Medeiros.
YENDAS.
Cal deUshoa
chegada ltimamente ; na rua do Vigario n. 19,
primeiro andar._________________________ra"changoa e Gamelleira, nae com agua c muiK
Vende-se urna negrinha le 11 annos, e um p ro ,em t.apacidade para safrejar 2,>00 paef
moleqne de 7 : para ver c tratir, no sobrado n.
calcas de brim de cores a 25 e 24300, ditas bran-
cas de litiho a.')-3a I %i, coletes a 25-iOO e35, camisas francezas a
15600, ditas Tinas a 25 e 25300, ditas de linho
prega larga a 35, scroulas finas a 15600. (lilas de
linho a 25 e 25500 : na rua da Impcratriz n. 06,
loja da Arara de Mendes & Cuimaraes.
lEriiu da Arara a KM res o
corado.
Vendo-se brim pardo de linho com pequeo to-
que de mofo, que depois de molhado larga, propric-
para calcas e pautte, a 400 rs. rs. o covado ;
brim branco de linho a 15 e 15200 a vara, fastio
de cores para calcas, coletes e palilots a 500 rs
o covado : na ru da Impcratriz, loja da Arara n'
."iii, de Mendes Guimres.
Laxfnha Mara Pa da Arara.
Vende-se laazinhns a Mariavla muilo linas, com
quadros e palmas de seda, para veslidos a 800 o
covado, sedinhas finas a 500rs. o covado 5 na rua
da Imperan iz n. 36
Ol que perbincha, laazinhns 2S0 rs.
Vcnile-se llazinhas finas para vestidos a 280
e 320 rs. o covado, lencos brancos com barras de
cores a 200 rs., netas finas para senhora a 400 e
300 rs., ditas cruas a 400 rs., ditas para he mena a
160 o 200 rs.; na rua da Imperatriz n. 56, loja da
Arara.
I Arara vende ascassas a 200 rs. covado.
Vende-se cassasde quadrinhos a 200 rs, o cova-
do, ditas finas a 150 e 280 o covado, organdys linos
a atO e 280 o covado : na rua da Impcratriz n.
56, loja da Arara.
Perliiiiclia, sedinhas da Arara a 800 rs. rotado.
Vende-se sedinhas com quadros c lisas, escuras,
proprias para quem est de luto, por ter urna s
cor a K)0 rs. o covado, ditas da mesma qualidade
de cores para vestidos a 800 rs. e dilas de l^ti-
nlias a 500 rs. o covado: na rua da Impcratriz n.
5ti, loja da Arara de Mendes Guimaraes.
Peeliinrlia na Arara, corles de bita a 2i300.
Vende-so cortes de chita franceza com pequeo
toque de mofo a 25500, cortes de rsrado francei
com leo vados a 35, corles de cassas francezas
pintadas a 25 o corte, ditos de barras a 25, 35 e
45 : na rua da Impcratriz n. 36, loja da Arara de
Mendos Guimaraes.
Casemiras a 1-5600 o covado.
Vende-se casemiras de cores para calcas, cole-
tes e paletots, infestada, a 15C00 o covado, cortes
de casemira infestada a 15600 e 25, e em covado a
15 : na rua da Imperalriz 11. 36, loja da Arara de
Mondes Guimaraes.
I Arar* vende as laa//uihas tle 9 pal-
mos a 1 $200.
Vende-se laazinhas de nina s cor c quadrinhos
proprios para capas, com 9 palmos de largura a
1,200 o covado, ditas para vestido a 280, 320 e
100 rs. o covado : na rua da Imperatriz, loja da
Arara n. 56, de Mendes Guimaraes,
Baloes da Arara a i.>, 3 vJOO e 1$.
Vende-se baloes americanos, os melhores que
tem vmdo, de 20, 30, 35. 40 arcos a 35, 35500,
ra Basto.__________________ 45 e i-5500, ditos de brillantina a 45, ditos de
S Manoel sito nafre- madapoo a 3-56O0 : na rua da Imperatriz n. 36,
-- vendem por commodos piceos.

ffu
O
o
o
2
3
po

o
2
o
k

8
se
m-t
CT>
3-
I
X
Be

I
22 ru
e
P
I
11.

o
ef
P-
?2
'A
<
O
p-l

C\L DE SItO\
Veudein-se harritt com cal des-
ta procedencia, em pedra, chega-
da Itoie, e uolca nova, que ha no
mercado, na ma do Trapiche n.
13, armazem de Mauoel Telxel-
. Vende-se o engenbo _
guezia do Rio Formoso, e margen do rio Sen
nuam,o qual demarca com os engenhos Caclioei
27 dama imperial, das 6 s 9 da manlia, e das 3
da tardo em diante._______________________
Vende-se urna armaco jnveruisada e toda
envidracada e parafusada, pro.ina para loja de
miudeza's ou para qualquer estabelecimento na
rua da Imp.eratnz n. 33 : a tratar na mesma loja.
aminaes e se a'cha quasi" todo em mata virgen,
distando do embarque 1|2 legoa: quem pretender,
dirija-se rua do Vigario n. 5, que achara com
quem tratar.____________________________
Vendeiu-sc calxes vastos a
fljJffOO: nesta typographla.
loja d Arara.
('.hilas da Arara a 210 rs.
Vende-se chitas a 240 rs. o covado, dilas fran-
cezas com pequeo loque de mofo a 280 rs., ditas
limpas a 320, 360 e 400 rs. o covado : na rua da
Imperatriz n. 56, loja da Arara.
_ Vcndem-se 32 travs de fundo, de 40 palmos
de comprido e 8 pollegadas de grossura : a nter
na fabrica de chapeos da praca da Independencia
ns. ti a 30.
' :


IHarlo de l'cru;uiil)Uco litara cira lO de I'cvcrcho lie iS S
.hwih: RFvoLi vAO
>o
\4o
CALCADO.
Ra Dircita
45
ARMAZEM
DO
0 homem do movimento nao estaciona.
AVANTE E SEMPRE
5*000 j
21000
25500
1,91000
500
GUERRA AOS INIMIGOS
Xae se aduiitte a anio commercial.
Nao sequer a diaha da allianca.
Nao se teme a furia dos corsarios.
Este anuo ha de ser blsscxto.
Os cauhes esto preparado!*. _____
F0G01 BOX F0G0!! MELH0R FOGO!!!
Abaixo a liga d'agna no vinagre
Viva a I Ma (!(i genuino Ulerea com o lianihrc!
Viva o conservador das conservas ingieras!!
Vivan os liberaes fregiiezcs do BALIZA!!!
Vivan todos que lerem este annancio.
SEM10HES
m
E SEN 110 HAS.
0 proprietario do grande Armazem do Baliza establecido ra do Livramento ns.
38 e 38 A, defronte da grade da igreja, acaba de refluir os precos de quasi todos os
gneros do seu magnifico deposito.
A tarifa abaixo publicada attesta bem esta verdade.|
A guerra aos nimbos, esl portanto, assim declarada.
As possoas, anda as mais exigentes, que se dignaran vir a
icarao por certa muito satisfeilas, nao s quanlo as qualidades dos
tratamento todo atlencioso (pie se Ihes dar.
' IproveilcMi em quan ' Borzeguins francezes de lustre pa-
ra bomem.................
Borzegoins francezes de cores pa-
ra meninas................
Borzeguins francezes pretos para
meninas..................
Sa patos de lustre para senhora..
Sapalos de lustre as avessas.....
Hna do inclinado nnmeros
4 e 55,
' est disposto a continuar a vender pelos precos
abaixo declarados, pota e para principar o novo
I auno.
Caixas de obrejas de cola muilo finas a 40 rs.
Varas de franja de IFta de todas as cores a 40 rs.
Mitas de tranca de liia de todas as cores a 20 rs.
Ditas de traneelim branco muito superior a 20 rs.
Trancas de alodio brancas c de cores a 80 rs.
Duzias de meias para senhora muito superiores a
35800.
Gratas de pennade ac muito finas a 300 rs.
Caivete! de duas c lies fritas a 500 rs.
Ditos de urna Tulla a 80 rs.
Caixas para rap, muito bonitas de calnngas, a
I 100 rs.
Capachos redondos e compridos a 500 rs.
Caixas com muito superiores obrcias a 40 rs.
Varas de franjas brancas e de cores, largas, a
160 rs.
Pares de botos para punho muito bonitos a 120 rs.
Carreteis de linha Alexandre com 200 jardas a
100 rs.
Cartocs de linha Pedro V com 200 jardas a 60 rs.
Ditos de linha de 50 jardas a 2 rs.
Duiia de meias brancas para homem a 1,5000.
Caitas com soldados dechumlio a 120 rs.
URIO
ANTIL
RIJA 1)1 CADEIA lili RECIFE M. 53.
NOVO E
GEAWDB ASMAZEM DE MCLHDOS
lili ||A t AEIKIA 1IO 14KCIFE X. 53.
Francisco Fernandes Duarto acaba de abrir na roa da Cadeia do Reciten. 53, um grande e sortido armazem de mol hados de-
nominado niio Mercantil. Neste grande armazem encontrar sempre o respeilavel publico um completo sortimenlo dos melhores
icrcado, ta ito estrangeiros, como nacionaes, os quacs sero vendidos em porgues ou a retalho por precos asss
Tin
l'n
Hit:
este estabelecimcnlo, e?c
gneros, como com o 'j1
eiros de vidro rom superior tinta a ICO rs.
s de barro a 100 rs.
(irosas de botocs oc louca pratiados a 160 rs.
Tea aras muito linas para costura a 320 rs.
s ditas maiores e melhores a 400 rs.
ivas para limpar dentes muito finas a 200 rs
i para natas a 800 rs.
de todas as cores para bordar a 7,5 a libra.
Canias com phosplioros de seguranza a 160 rs.
zul a 20 rs.
maior cap
ntO todo atlencioso que se Ihes dar. Cartas com phosplioros de seguran? i
Alm do cumnrimenlodos deveres da boa edueaco, haver dora em (liante ainda Cadmios de papel branco e ami a20
, \. ,. i,t>,.~,-.,m ,iaia ,-xi !Paci le de papel anuzade a 000 rs.
:apnchoemsalisfazcr a todos que homatem esta a>a. c.ixas ron too auveloues muito s
Os gneros pelas qualidades e precos anunciados, sero offerec.dos ao exame ."g** 1U0 a"vtlopeb
superiores
dos Srs. compradores. Naoreccieo publico que se praltque o contrario, como em oulras Caddrnos de papel decores, grande c pequeo, a
casas, que it annunciam o que nao tem.
Ameixas francesas emcaxiribas eemtaseos
de diversos tamauho a l,2oo, l,6oo,
2,ooo, 2,5oo e2,8oo rs. e a libra a 8oo rs.
Amendoas novas a 32o rs. a libra.
Azeile doce refinado a 8oo rs. a garrafa.
dem de Lisboa a 64o rs. a garrafa e 4,8oo
rs. a cat ida.
Alpiste a 10o rs. a libra, e 4.8oo rs. a arroba.
Arroz do Maranho, da India, e Java a 8c e
loo rs. \ libra.
Aletria br nca i amarella a 4oo rs. a libra.
Araruta verdadt ira a 3io rs. a libra.
Batatas no'as em gigos de 16 a 4o libras por
l.ooo rs. e a 4o rs. a libra.
Biscoitosirglezcs Lunch a 18oo rs. a lata de
."i I l>ras.
dem de diversas marcas em latas menores
a l,3oo rs.
dem ile Lisboa de qnalidade especial em li-
tas gran les e pequeas a 3,ooo e l,5oo r<.
Bolacbinhas americanas, a 3 ooo rs. a barrica
e 2oo n. a libra.
Banha de porco a 44o rs. a libra, e em barril
a 4oo va.
Baldes america os muito proprios para com-
pras a i.ooo rs.
Cha" huxym, hysson e perola a3,ooo, 2,8oo,
2,"ioo, 2,ooo e I,Coo rs.
dem pretoa 2,.)4io, I,Ooo e I,ooo rs. alifara.!
Chanpagn- a melhor do mercado a 12,oooo
gigo e .i l,oo rs. a garrafa.
Chocolate fran ezprimeiraquadadea I,ioo
rs. a libra.
dem hespanhol a 1,2o i rs. a libra.
dem suisso a I,ooo rs. a libra.
Ceneja banca marca Allsopps a 4,5oo rs. a
dnzia, e a loo rs. agarrafa. .
Cognac nglez a 64o rs. agarrafa a 8oo e a
l,ooo rs.
Codo rraa ingtezas em frascos grandes a 75o
rs. o Irasco.
calungas de todas as
(HUNDE CORA
IMll.V TOBAS 48 IIOLB8TIA8 110
IIE iS EIT11I
O Baliza nao illudc.... 40, rs.
Silabarios portnguezes gma
Litares inglezes e francezes em vazos de di- (pi|alidadesa320 rs.
versos tamanhos a I.ooo, i,ooo e 4,8oo Qpx^ em latas muito nova a lOOrs
,. .i..-,;., CartJ s e taboadas para meninos a 60 rs.
&. .a ii a. ... Caixas com superiores iscas para charuto a 40 rs.
Manteiga mgleza flor a 8oo rs. a libra C de 8 Carriteis de linha de cores com 200 jardas a 60 rs.
'libras para cima sera aberto um barril na llaralhos muito linos para voltarete a 280 rs.
iresenca do comprador. Rodinhas com mueles francezes a 20 rs.
MiTm iIp p 1 > nuiliilailp i Tan fi.in r> ion Cartas de allineles francezes linos a 40 rs.
dem de 2. eJ. qualulailc a /OO, OOO e 400 ^^r d(, cal)0 ^ madrcperola de duas folhas
rs. a iibra. a 500 rs,
Idilil franCOZa a 500 rs. a libra, e em barril Luva brancas de algodao finas a 80 rs.
por menos. Mladap de linha froxa para bordar a 60 rs.
Idcm em latas a 20000 c a 1,5500 a lala.
tfassa de tomate em barril a 480 rs. a libra.
Idemem lata a (510 rs. a lata.
Vloslarda ingleza 400 e 600 ris o pote.
Mi melada imperial dos melhores fabrican-
tes de Lisboa a 000 rs. a libra.
Marrasquino de zara a 8oo rs. o frasco e a
BJ a dnzia.
MbSSas para sopa, talliarim e macariao a
480 rs. a libra.
dem finas, eslrelinha c pevide, caixinha
01118 libras a 16000.
Nocs a iOo rs. a libra.
Pe xe preparado de escabeche, da melbor
quadade que lem vindo ao mercado, a
Ida 'ala.
l'isunlo de lamego muito superior a 180
rs. a libra.
dem para fiambre (ingles) a 040 irisa
libra.
Idi-m americano a 400 rs. a libra.
Papel almaco a 3$000 a resma,
dem de peso a ,-> a resma.
I'a tos para dentes a I(iO rs. o maco.
Dio dito de flor a 200 rs.
Di os do gaz a 2200 a groza
Passas novas a 480 rs. a libra c a i 800 a
caixa.
Qi:eijos flamengos do ultimo vapora 2OO.
Di o londrino a 900 rs. a libra.
Di o prato a 640 rs. a libra.
Sacdinhas de Nantes a 320 rs. a lata.
gneros que vem ao mercad
commodos.
Manleiga ingleza especialmentt: escolhida
de primeira quadade a 800 rs. a libra,
em barril se faz ahaiimento.
Manteiga franceza a mais superi )r do mer-
cado a 500 rs. a libra, c 520 is. em barril
ou meio.
Prezuntos in;lezespara fiambre, de superior
quadade, chegados nesle ultimo vapor, a
720 rs. a libra.
Queijos flamengos chegados ntste ultimo
vapor a 20600.
Queijo prato muito fresco e novo a 040 rs.
a libra.
Castanhas muilo novas a 120 r:. a libra e
e 3($000 a arroba.
Cha uxin o melhor que ha ne.'te genero,
mandado vir de conla propr.a a 25800
rs. a libra.
ChA hyson muito superior a 2;>;00 rs. a li-
bra ; cha hyson proprio par i negocio a
I 500 rs. a libra.
Cha preto muito superior a 25 a libra.
Biscoutos inglezes em lalas com differentes
qualidades, como sejam craknil, victoria,
piquelez, soda, captain, seed, bornez e
outras militas marcas a 15350.
Bolachinha de soda em lalas grandes a 25.
Figos em caixinhas hermetieauente lacra-
das, muito proprias para mimo a I 500.
Caixinhas de 4 e 8 libras de figf s de coma-
dre a 15 e 25 cada urna.
Passas muito novas, chegadas miste ultimo
vapor a 500 rs. a libra e 35 um quarlo ;
e em caixa se faz abatimento.
Ameixas francezas em latas de meia a 3 li-
bras a 800 rs.
Champagne da marca mais superior que
tem vindo ao nosso mercado a 185 o gigo,
garanle-se a superior quadade.
Vinho Bordeaux das melhores qualidades
que se pode desejar de 75500 a 85000 a
caixa e 70 a 800 rs. a garraf.i.
Caixas com vinho do Porto supeior de 95
Vinagre de Lisboa a 200 rs. a garrafa e Sardinhas deNantesa340rs. oquartoe 560
15200 a caada. I rs. meia lata.
Azeile doce refinado em garrafas brancas a Lalas com pei.xe em posta : savel, corvina,
800 rs. | vezugo, cherne, linguado, lagoslinha, a
Azeile doce de Lisboa a 040 rs. a garrafa e; 15300 rs.
45800 a caada. Salmoem latas, preparado pela nova arte
Genebra de Hollanda a 500 rs. o frasco c| de cozinha, a 800 rs.
55800 a frasqueira. .Mar de tomates em latas de i libra a 600
Caixinhas com ameixas francezas, ornadas rea.
com ricas eslampas na caixa exterior, Chouricase paios em latas de 8 e meia libra
muitopropriasparamimo.a 1520", 15300 por 75.
e 25. I Toucioho de Lisboa a 320 rs. a libra e
Frasco de vidro com lampa do mesmo, con-' 85000 a arroba.
tendo meia hra de ameixas francezas, a Bolaxinha ingleza a 320 rs a libra e 4 15200. I barrica.
Marmelada imperial, dos melhores conser- f!VS^Ai^^
veiros de Lisboa, em lalas de I e meia a Cevad'nlu, de *rancaa 2001 rs. aI bra.
2 libras a 000 rs a libra. ,?"* do Ma!'anh;,0,aJ1-0 ,s1' ,l!"a-
Frucas em calda das melhores qualidades' **JS^S&JZ '
a hra.
que ha em Portugal em lalas hermtica-
mente lacradas a 500 rs.
Peras seccas muito novas a 640 rs. a libra.
Nozes muito novas a 100 rs. a libra.
Amendoas de casca molle a 400 rs. a libra.
Avelas muito novas a 200 rs a libra.
Amendoas confeiladas de diversas cores a
800 rs. a libra.
Maclas e peras chegadas nesle ultimo vapor,
limito perfeitas, s vista se faz o preco.
Conservas inglczas em frascos grandes a 750
rs. cada um.
Ervilhas francezas c porluguczas em latas de
i libra a 040 rs.
Ervilhas seccas muito novas a 100 rs. a
libra.
Chocolate fr&ncez, o que ha de melhor nesle
genero, a 15200 a libra.
Chocolate hespanhol a 15200 a libra.
Genebra de laranja em fi ascos grandes a 19.
Cerveja branca e prela das melhores marcas
que ha no mercado a 500 rs. a garrafa e
5*800 a dnzia.
i Cevada a 120 rs. a libra e ?5 a arroba.
Alpislaa 160 rs. a libra e 4S(0 a arroba
Batatas muilo novas em gigos com 40 libras
por 15 e a 40 rs. a libra.
Cebollas a 15 o molho com mais de 100 ca-
da um.
Caf lavado de primeira quadade a 3C0 rs.
a libra e 95 a arroba.
Caf do Cear muilo superior a 280 rs. a li-
bra e 8400 a arroba.
Caf do Bio, proprio para negocio, a &
Arroz do Maranhoa 100 rs a librae 2800
a arroba.
Arroz de Java a 80 rs. a libra e 2M0(Ta
arroba.
Vellas de spermaceti a 560 rs. a libra e
540 rs. se for em caixs.
Vellas de carnauba refinada a 320 rs. o mas-
so e a 95 a arroba.
Doce de-goiaba a 040 rs. o caste.
Macarrao, talliarim e aletria a 480 rs. a li-
bra ; em caixa se faz abalimenlo.
Eslrellinha,pevide earroz demassa para sopa
a 400 rs. a bra e 25 a caixa Com 0 libras.
09adu7.ia, e 900 a I a ga-rafa; desle, Cognac ingles de superior quadade a 800 pa,ilos dcden,e |do8 com flfira 00 rs.
e I520O a garrafa. o masso, ditos xadossem flor a 100 rs.
Licores francezes das seguinles qualidades : | 0 masso com 20 massinhos.
Anizele de Bordeaux, Plaisir des Dames Gomma d3 engommar muilo fina a 80rs. a.
e de oulras muilas marcas a 15 a garrafa libra.
e 105 a caixa. Banha de porco refinada a 480 rs. a libra e
Marrasquino de Zara a 800 rs. a garrafa e, 400 rs. em barril pequeo.
95 a duzia. Charutos dos melhores fabricantes de S. Fe-
400 480 0560 rs. a garrafa, e 35, 35200 Mostarda ingleza em poies j preparada a lix, em caixas inteiras ou em meias, de
e 3500 a caada. 1 400 rs. 1 I 000, 25 e 35.
Vinho branco de superior qualkade, vindo Musanla ingleza em p, em frascos grandes, Presuntos do reino, vmdos de conla propria
genero ha grande porcio e de differentes
marcas acreditadas que j se venderam
por 14 e i55 a caixa, como se, am: Duque
do Forlo, Lagrimas do Dooro, D. Luiz,
Cambes, Madeira secco, Carcav ellos, Nc-
tar de 1833, Duque Genuino.
Vinho de pipa: Porto, Figueira o Lisboa, a
as Vegetoes Assiicarato
De Kcmp
uovoB resini klcs cliama-
>oi'm:i.in'.a c Lkptandbima, e inteira-
i Mes ilo Mercurio on ontros
us .i.: metal i icos, tac de arande ntili-
1
doi P.
mi oto
j engarrafado a 640 rs. agarrafa e a 500 a 15 rada um.
rs. de barril. Sal refinado a 500 rs. o pote.
de casa particular,a 400 rs. a libra intei-
rose faz abalimenlo.
Os senhores que comprar ;m de IO050OO para cima, lerao o descont de 5 por cento, pelo prompte pagamento.
COMME
Dilade Lisboa a 040 rs. em lata grande.
dem francesas de militas piahdades a 5oo Sa,r|-, muit0 goperior a 240 rs. a libra.
rs. o tosco e a 5,5oo rs. a duzia. I s.ii refina lo, em potes de vidro, a 000 rs.
Charutos ueste gehero temos grande sori- 0 p0le_
Sol.au massa a 120, 160, 200 e240 rs. a
ment tanto da Babia como do Bio de Ja-
neiro 11,600, 2,#o, 2,5oo, 3,ooo e 4,o-do
rs. a caixa.
Caf do Cear muito superior a 28o rs. a libra
e a 8, dem do R o a 3oo e 28o rs. a libra.
Ceblas a !)oo rs. o molho com mais de loo
ceblas.
Chouricus e paios a 72o rs. a libra.
Cevadinha de Franca a 2oo rs. a libra.
Cevada muito nova a 80 rs. a bra.
Copos lapidados a 5 e 6,000 rs. a duzia.
D e de goiaba em latas a 4oo rs. a libra.
dem do caj em latas a 320 rs. a libra.
Eivili.H francezas e portugjezas a 3oo e 04o
rs. a lata.
dem seccas a 10o rs. a bra.
Figos de comadre em caixinhas com 8 libias
por i 600 rs.
Farinlu do Maranho a 12o rs. a bra.
Farir.ha de trigo muito superior a 12o rs. a
libra.
Farelo em saceos grandes a 4,ooo rs. o sacco
Genebra ingleza marca gato a 1,000 rs. a gar-
rafa.
Idemverdadeira de Hollanda em frascosmuito
grandes a 1,2oo rs. o frasco.
dem le Hollanda em frascos pequeos a 800
rs. o frasco.
dem de laranji a l.ooo o frasco.
Gomma do Aracaty a 80 rs. a libra.
Graxa a loo rs. a lata e l.Ioo a duzia.
Linguas americanas de grande tamanho a
l.coo cada una.
libra.
Tiiicinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Dito de Santos e 300 rs. a libra.
Ti.olo para limpar facas a 140 rs. cada um.
Vssouras americanas a 04o rs, cada urna,
dem do Porto a 400 rs, cada urna.
Velas de carnauba e compose5o a 320 rs. a I
libra c a 105 a arroba.
a., i,,., paitei ,'ii!oi em cazos de
DYSPEP.SIA, ECHAQUECA,
l'oiblipacfio ou Prizo do V'cnire,
PADECIMENTOS do figado,
Affi-cqOe.' Biliosas,
H^KORRHOffiAS, GOUCA,
Ictericia,
FEBRE USTEO-HEPATICA,
E oti!rnsnifrrmi(liidrsanlota.
]):. v.io laidamente Bnbstitnlndo os aicos
purgantes drstieofl.
A venda as boticas de Caors & Barboza,
ra da Cruz, e Jo5o da C. Bravo & C, ra
Idsm stearinas superiores a
maco, e em caixa por menos.
Vinho do Porto, ueste geneno temos o me-
lhor sortimento possivel, que vendemos
por precos muito haixos a 15 a garrafa e
a 10/ e 12 a duzia.
dem Cherry, c da Madeira em barra e em
caixa, a 125 a caixa e o barril conforme o
tamanho
dem de Figueira c Lisboa, em ancoras de
8a 9 caadas.por285000.
560 rs. o da Madre de^Deos.
GRAGEAS
deGELISe CONT
.tpprovada
is |la
lactate de ferro
aradniia imperial de mediciua
RIA lili QiEOIIO X. 45^
Passando o beceo (la Cong-rogacAo segunda casa.
AMOftlEUI llE OKBUJDAekOS
NOVIDADE.
Pereira Rocha AC. ac; bam de abrir na ra do Qoeimado n. 19 um armazem de molhados denominado Clarm Commercial,
onde o respeilavel publico encontrar sempre um completo sortimento dos melhores gneros que ei
sero vendidos por precos muito resumidos como o respe'tavel publico ver pela tabella abaixo menc
e boa quadade dos gneros con lirados nestejtrmazem.
Arroz do Maranho, da
m ao nosso mercado, osquaes
i.mada : garanle-so o bom peso
India e lava a 80 e
100 rs. a libra e 2>400 a 258-K) rs. a ar-
roba.
Ameixas francezas em lalas e en frascos a
15200 6 15000.
Amendoas com casca muilo novas a 280 rs.
a libra.
Alpista a 100 rs. a libra e a 450 )0 rs. a ar-
roba.
Azeile doce francez muito fino grandes a 900 rs. a garrafa.
dem de Lisboa a 040 rs. a gariafa.
Araruta verdadeira de malarana a 320 rs. a
1 libra.
Paulos de denles a 120 rs.
dem de flor a 200 rs.
Palitos do ga/. a 2;>0 rs. a grosa.
Passas muito novas a 480 rs. a libra.
Peras sectas muito novas a 000 rs. a libra.
Painco a t!00 rs. a bra.
a 25400
de Taris.
Segundo o relatorio feilo na academia em Avelas muito grandes c novas a 180 rs. a: dem em garrames de 3 e 5 galoes a 55800
. de feveroirode 1840 pelos Srs. profes- libra.
Ditoem pipa a 35000, 35500 e4ooo a ca- sores Bouillbud, Fouquier c Bally, esle fer-! Batatas muito novas a 40 rs.
Chonricas e paios muito novos a 800 rs. a
libra'.
Cevadinha de Franca muilo superior a 220
r*. a libra.
Cevada a 80 rs. i libra.
Ervilhas portuguesas a 040 rs. a lata.
dem seccas muito novas a 200 rs. a libra. Queijos flamengos do ultimo vapor
Figos de comadre c do Donro em caixinhas ris.
de oito libras e canastiinhas de 1 arroba a dem prato a 010 rs. a libra.
1 jbSOO, 5(J5O0 e 80 rs. a libra. Sardinlias de Nantes a 121 rs.
Farinha do Maranho a 120 rs. a libra. Sag muilo alvo e novo a 200 rs. a libra.
Fai iuha de trigo a 120 re. a libra. Toueiiiho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Genebra de Hollanda verdadeira mana VD Tl^i ,1<: l,n,lw *" 'W 1
a 500 rs. o frasco e 05200 rs. a frasquei- Vellas de carnauba pura 1
ra.
bra.
nada
dem do Porto, denomiuado Baliza, a 55 a
caada,
dem idem em garrafoes a 25500, com o
garrafo.
dem de Bordeaux, das melhores marcas que
vem ao mercado, a 05 a caixa e a 0 40 rs.
a garrafa.
Vinagre de Lisboa a 15000,158oo e 25000 a
caada,
dem idcm.em garrafoes com 5 garrafas, por
15 com o garrafo.
Vinho de caj a 15 a garrafa. Este vinho
tem dez annos.
ruginoso o reconliecido superior a todos os
ouiros para curar : a chlorosis (pales cou-
leurs), e Icncorrha (penes blanclies), a
anemia (flaqueza de temperamento nos tious
sexos), dillijfl'dade de menslruaco sobre
tudo as raocas, incontinencia de uri-
nas, etc.
e 75500 cada um com o garrafo.
Eieites.
Vende-sc ou permulase por predios ne.sta Depcau, Bouhardat, TlOUSSCau, CtC, 10-
i ci.lade o engenlio Villio da frcguezia oe Santo A- can(]0 as expeViencias feitas sobre OS princi-
Ro-ario i1""'" du Jaogatao, o iiual eogenlio ailia-sc livro e
Mara Pia desembargado de qualquer pendencia, e
Biscoutos inglezes de diversas marcas a
11900 ris.
Bolacbinhas de soda, latas grandes, a 25 rs.
a lata.
Ditas inglezas muito novas a 3->0'X) a barri-
quinha e a 200 rs. a bra.
E' o mais agradavel de tomar por sua Banha de poico refinada a 140rs. a libra el
forma de pi lulas assucaradas, eessencial-i eem barril a 4(0 rs.
mente mais kcaz do que as oulras prepa- m hj980n, ,inchin e ,-erola a 5600, n,^^f^^^^;^
racbes etc., ior ser muilo soluvel no sueco 2^500, 25800 e 35000 a libra.
gstrico, comli consta do relatorio lido re-; I(]em prel0 muit0 SU|)el.iu|., M^ rs a i.
centemcnle ha academia de medicina de i 1...,
Patis pelo Srl Flix Boudet, em nome del ,.
urna commisslo composla dos Srs. Velpcau, i Can* preta e branca, das melhores marcas
Gomma do Ancaly a 80 rs. a libra.
Graixa a 100 rs. a lata c 15100 raja duzia.
Licores muilo finos a 700 rs. a garrafa.
dem, quadade especial e garrafas muito
grandes, a IA800 rs. a garrafa.
dem garrafas mais pequeas a 800 rs.
dem, garrafa forma de pera c rolha de vi-
dro, a 15000 rs., s a garrafa vale o di
nheiro.
que vem ao mercado, a 500 ts. a garrafa
e 5J8O0 a duzia.
ga do Rosario ro ,ms-1 Co"nac i,,"lez ,ino a !,(K) ^ tmab-
i ^ssSFSr^r!S X& -;?r;=ts::r as!" ^KKorS So t Kffi, cr^* ,, frasco.
Saa^fc^pri^rrqae^vinfc .2i*' "" aga*; ndendo-n tndem pelos Srs. DrA Co.-vizart e Barrcsvvil. que Jdem, so,e pepino, a 720 rs.
nicrc.ulo, qualquer nhora <;ue pretender com- < novamente plantada, o igualmente todo o |aclalo ,lo f(|rr0 00 mas soluvel e por
alxuin desta .inilidado lenlia a liondade de 8ild.> animacs : a quem o ir-
igualmente todo o
negocio cima con-
ao seu proprietario no mesmo cn-
prar algum aesia ((ii....v. .^....- ........ -- : -
mandar quinto antes, pois vieram poneos e eslao v'*r> <""J**se
se acabandj poniue estes foram amostras que re-' 8'niio-_______;_________________________
chenos e nao sti qaando receheremos mais. Vndese o sitio dos Arcos, no lugar dos He-
Farinha superior de Sania Calharina.
Veode-se em pjrcao ou a retalho, a bordo da
barcj; bis, atrae, ida ao trapiche do Barao do I.i-
vraracnto, ou co escritorio de Antonio Luiz de
Oveira Arevedo & C, ra da Cruzn. 1.
medios, com boa casa de vivenda e grande em fc-
tc:isaodo terreno, c carimba, a casa sita a maior
parte em chaos proprios, tambcni se vendeui qua-
tro moradas de casas confronto a mesma casa dos
Arcos, em chao foreiro : a tratar na ra do Seve
n. 2. ou na ruado Encantamento n. II.
consequencia
Deposito ge
Villeneuve, 10
Em Pernaml
bsoa, ra da Ci
dem, s de a/.eitonas, a 750 rs.
pouco
libras para cima se far urna differenra.
dem franceza muilo nova a 500 rs. a libra,
c em barril lera abatimento.
Massa de tomates em barril a 480 rs. a li-
bra.
dem em lala a 040 rs.
Marmelada imperial dos melhores conservei-
ros de Lisboa a 800 rs. a lata.
. Marrasquinho de Zara, frascos grandes, a
800 rs.
mais effieaz.
al: em Pars, ra Bourbon-
Chaiutos dos melhores fahricantt s da Babia' |,jem regular a 500 rs.
Chegaram para
Queiniado n. 8.
e especialmente da fabrica imperial de
Candido Ferrara Jorge da Cosa, a I ($800,
uco, na casa de Caors A- Bar- 23000, 25200, 8*300, 25803, 35000 e
uz n. 22. 3500 a caixa.
Caf do Bto muito superior a iOO, 80 e
300 rs. a libra e 75800, 83 e 85300 rs. a
arroba.
I,uvas de pellica.
a loja d'aguia branca, na do
macarrao, talliarim e ale-
Idem stearinas muito superiores a G00 rs. a
libra.
Vinho do Porto engarrafado o melhor que
ha ueste genero e de varias marcas, come
sejam : Velho de 1815, Duque do Poito.
Madeira, I). Pedro. 1). Luiz I, Mara Ta,
Bocage, Chamisso c outros a 800. 000 e
15000 a garrafa, c em caixa com urna du-
zia a 94OOO e IO5OOO.
dem em pipa, Porto, Lisboa e Figueira a
480, 500 e 560 rs. a garrafa o 35, 3*500
e 43 a caada.
dem branco de Lisboa muito fino a 500 rs.
a garrafa.
dem de Bordeaux, Medoc e S. Jnlien a 700
e 800 rs. a garrafa, c 75000 e 75500 rs.
a duzia.
IdemMorgaux eCliateaiilnminide 1R5, n |
a garrafa.
dem moscatel a 800 rs. a garrafa.
Vinagre de Lisboa a 200 rs. a garrafa e
I52OO rs. a c;ai:ida.
Kirsk garrafas muito grandes a 15800 rs.
Alm dos gneros cima mencionados le
mos grande porcSo de outros que deixan u
1
Massas para sopa
tria a 480 rs. de mencionar, que ludo ser vendido poi
Nozes muilo novas a 160 rs. a libra. 11l!(.as e cama,iaS; urnto em porrees como ;
Peixe em latas preparado pela primeira arte retalho.
de cozinha a 15 rs. a lata. QlI(.m comprar de 100->W para cima te-
Palitos de denles a 160 rs. o masso. r o abate de 5 por cento.


Diario > ernambnco tnarta fclra lO ife !> vrrr It-o de fSl.
ATTENCAO
^
>-
O LARGO o r.imzo o
DO
GRANDE SORTI MENT
1)K
EJ
C^
PARA A FESTA.
COMO WUHT'A
NO
ARMAZEM
1
hoiu:
to titubo
Francisco Femandes
HA PEMA O
Huartc dono deste muito acreditado armazem
de molhados, acaba de receber neste ultimo vapor os mili desejados gneros escoll.idos
PROGRESSISTA
RA RAS CKUZES V, Mi
i:
RA DO CRESPO N. 9
No balrro le Manto Antonio.
lofujiilni los Gomes de Nonza scientifiea a leus numerosos fregu
zes e ao piblicoem geral que acaba de eslabelecer um novo armazn de moldados
ra do Cre
se vndenlo
parte, affiamanaose aqueun pessoas que oomprarem nestes armazeus a superior qua'"*"' uu lavrauores para qu mandem suas relacoes para seren
lidade de gneros, precos commodos e bom acondicionamento. j no armazem do Progresso do largo da Penha n. 10, alim de verem a grande vantagem
O aimazem da ra do Crespo situado no melbor local desta cidade com e as- 1mc tiram' tant0 na superioridade dos gneros como nos precos asss resumidos
seio que e de necessidade manter-se com estes estabelecimentos, faz ;rer a seu pro- .s Srs- 9ue na0 Pderem vir podero mandar seus portadores ainda que nao tenham nra-
prietario, que ninguem deixar de sortir-se n'um estabelecimento aond( se ericontra sin- lica' 1ue *era0 la0 bem servidos como se viessem pessoalmente.
ceridade, para ir-se comprar aonde se nao ollerecem tantas vantagens. interesse que tira o propietario deste acreditado armazem, j deve ser bem co-
! Senda este armazem no verdadeiro ponto de partida para os arrabaldes desta neciJo Pelos seus nnmerozos freguezes, pois siraplesmente consiste em servir bem ega-
j cidade. nao ser difficil quelles senbores que tera de partir nos omn bus darem suas uhar Ptuco> a,,m de conseguir a continuado daquellas pessoas, que a primeira vez se di"-
DUARTE & C. encommendjs neste armazem. que sempre Ihes olerecer os mais agr idaveis gneros. "are.m honrar seu estabelecimento.
Cha perola de especial qualidade a 2,8oo rs. Bolaxinha de soda e lunch em latas grandes Que,J0S flamengos chegados neste ultimo
Participam aos seuS numerosos freguezes e ao publico em geral que acabam de a libra. a 2,ooo rs. cada lata. I vaPr a 2'000 rs-
receber de sua propria encommenda, o mais lindo e completo sortimento de molhados, dem hysson muito superior a*2.7oo rs. a Cognac de superior qulidaleSoo rs. a gar- Idem Jo vaPor Pasado a l,8oo rs.
os (juaes vendem por grosso e a retalho por menos 10 por cento do que outro qualquer libra. rafa. idem prato muito novos e de superi
annunciante, como vero pelaseguinte tabella que abaixo notamos, garantindo os mes- dem uxim.i 2,5oo rs. a libra. dem muito superior a i.ooo
mos proprictarios nao s o peso como a qualidade de seus gneros. dem hyssor a 2.3oo rs. a libra. Caf a 28o e 32o rs. a lilua,
iW4fti ,<1em Al .IJMI. Wem preto de qualidade muito especial a Ceneja dasmelhores marois do nosso n
ToeVoeshor P>Pg^RJg* a^..?.^i,l**S to*90* m IdemTdem'infeio'a i.fioo rs. a libra.
rs. a garrafa
e a 8,ooo e
a 48o rs.
ment.
a libra e em caixa ter abati-
Boee de goiaba em caixas de diversos tama-
nhos de Ooo a I,ooo rs. o caixo
Sabo massa de 2oo a 24o rs. o melhor, em
caixa ter abatimento.
dem hespanhol a 28o rs. a libra.
Peixc em latas muito novo ; savcl, pescada,
Barris de vinbo branco de quinto, marca B
& Filho a 60,000 rs. o barril.
Marmelada imperial dos m-lhorcs conservei-
Castanhas muito novas a 2,ooo rs. a caixa, e
a 16o rs. a libra.
B.inho francez e em caixinhas de 7oo a
l,5ao rs. cada urna.
dem franeeza a mais nova do mercado a 56o
rs. a libra, e 54o rs. em barril.
Idem de porco refinada muito alva 46o re.
a libra,
rfezmto para fianbre a 8oo rs. a libra.
Cha uxim miudinho vindo de conta propria,
o meltior do mercado a 2,8oo rs. a libra.
dem hyson de superior qualidade a 2,6oo rs.
a libra.
dem perola o melhor que se pode desejar a
2,7oo rs. a libra.
dem preto muito fino a 2,5oo rs. a libra.
dem mais baixo pouco a 2,ooo rs. a libra,
dem mais baixo a i,8oo rs. a libra.
Vinho do Alto Douro vindo do Porto engar-
rafado garante-se a superioridade deste vi-
nho, das seguintes marcas : Duque, Ge-
mino, velho secco, especial lagrimas dn-
ces de 1819, vinho especial D. Pedro V.,
viii'io velho, Nctar superior de 1833, Du-
que do Porto de 1834. vinho do Porto vo-
ltio superior, madeira secca de supcrio*
qualidade, vinho do Porto superior U. Lu-
iz l.de 1847. lagrimas do Douro espe-
cial, vinho do Porto de i,oooa l,2oo rs.
a garrafa e de lo.ooo a ii.ooo rs. a caixa
com urna duzia.
Bolachinha de soda especial encommenda e a
mus nova que ha no mercado a 2,2oo rs. a
Riscos inglezes das melhores marcas em: "j com ***** de rosca a ""
laminas le 2 libras a 1 3oo rs. a lata [chocolate portugus, hespanhol, francez e
M,t, inglezes craknel em latas de ;,e, libras suisso a M rs a libra.
de >,ooo a 6.000 rs. a lata, e em libra a {Conservas
8oo rs.
Qoeijos do reinochegados pelo ultimo vapo
iJS!"!: 7n?Jin!'ik., Aocoretas de vinho colares a 5o,ooo rs., e
>7ors. agarraf
Srdinhas de Nantes a 32o rs. a latinlia.
Charutos das mais acreditadas marcas de
J.'ioo a 4,ooo is. a caixa.
Champagnhe a melhor do mercado de I2.ooo
a 2 4,ooo rs. o gigo, e de 1,2oo a 2,ooo rs. a
garrafa.
Papel greve paulado ou liso a 3,Soo rs. a res-
ma.
dem de peso paulado ou lizo de 3,5oo a
4,ooo rs. a resma.
Gomma muilo lina e alva a 8o rs. a libra.
Millio alpisla e painso de llio a 2oo rs. a li-
bra .
Palitos do gaz a 2.2oo rs. a grosa e 2oo rs. a
duzia.
Vasos inglezes de 4 a 16 libras vasios, muito
proprio para deposito de doce manteiga
ou outro qualquer liquido de i,ooo a
3,ooo rs. cada um.
Licores das melhores marcas e mais finos
a l.ooors. a garrafa e em caixa ter abati-
mento.
Cognac verdadeiro nglez a Ooors. agarrafa
e lo,5oo rs. a caixa.
Oh ricas as mais frescas do mercado a 8oo
rs a libra.
Genehra de laranj.i em frascos grandes a
i......i rs. Irasco.
Serveja das mais acreditadas marcas de
fl.Soo a 8,000 a du/.ia e de mais a 5oo rs.
a garrafa.
dem em botijas e meias, sendo preta da
muito creditada marca T de 6,5oo a 7,8oo
rs. a duzia.
Ceblas em melhos grandes a 8oo o molho
640 o cento, b i ,5oo rs. a caixa.
Pimenta do reino a 34o rs. a libra.
Farinha do Maranhio a 14o rs. a libra.
Tijolo para limpar facas a 16o rs cada um.
Cominho a 4oo rs. a libra.
Erva doce a libra.
Canella a 1,000 rs. a libra.
Batatisa l.ooo rs. o gigo com 32 libras liqui-
das e 3,ooo rs. a caixa de duas arrobas.
rs. a duzia.
Doce em calda a 5oo rs. a tita.
a garrafal | dem de goiaba em caixas > diversos tama-
airrob?; to,ooo a 11 ,ooo r. a chocolata franccz, hespanlml, e portuguez, a! nhos e de diversas quaI,dades de 64o a
Genebra de Hollanda em botijas de conta a'n*JL6,,''2',re: a 'j1!.' n ,. '
440 rs. a botija, e em duzia ou em barrica i ttf S ~ JSS T^ IS*Tlcanes ,,aIKna,,ia
ter abatimento. I Jd| ^a"dades especialmenle escolh.dos,
Massas para sopa macarro, talharim e aletria Farinh doMa'Lo mmtali a 14o rs. a
superior qua-
lidade a 4oo rs. inteiro, e a 5oo rs. a
libra.
Doce de goiaba fino em caixes com 2 *k
libras por 6oo rs.
cad'o deS.ooo'a'e.ooo k7 a duiia7e"5oo Wem mais baixo a 54o rs.
rs. a garrafa. Manteiga ingleza flor a mais superior do
Conservas inglezas a 75o rs o frasco e 8.600 mrcado a 72o rs. a libra.
Araruta verdadeira a 32o rs. a libra.
Farinha do Maranh5o muito alva e cheirosa
a i2o rs. a libra.
Sag muito novo 24o rs. a libra.
Sevadinha de Franca a 2oo rs. a libra
Sevnda muito nova a loo rs. a libra.
Cominhos, ervadoce e pimenla do reiuo a
3"lo rs. a libra.
Genebra de Hollanda a 5,5oo rs. a frasquei-
ra com i 2 frascos, e a retalho a 5oo rs.
cada um.
libra
! dem de aramia verdadeira a 4oo rs. a libra.
dem estrcllinha. rodinha e pevide em caixi- Uhft (i "\I^ H '' '
nhasdeSlibras, muito bem enfeitadas de ^^hfl2ffl!fc 6 VT
2,5oo a 3,5oo rs. a caixinha e a 600 rs. a ? tt 1^^ Ur' S' Pe"
|,.a dro V, D. Luiz I, Duque genuino, Nctar
a garrafa.
dem Chern
,foo rs. a garra-
e Madeira a 1
fae 16 oo|o rs. a duzia.
dem Bordcaux de diversas marcas de 8,000
a lo.000 a duzia, e8oo rs a parrad
corvina, salm 10 e outras militas qnahdades' n|ni.,, ,mn-; o h l
' 1 u q 4 'oiaxinnas amer canas a 3.000 rs a han-es
preparada de escabeche 2." a arte de cosi-|
nha de l.ioo a l,8oo rs. a lata.
Figos em caixas de i arroba, ',;
a 8,000 4,000 e 2,ooo rs. a caixinha.
as am
e 2oo rs. i libra.
1 8 libra*! Batatas mnitl!) novas a i.ooo rs. o gigo, e 60
rs. a libra
Banha de poi-co refinada a 48o rs. a libra, e
em barril a 44o rs.
Vinho em pina de Lisboa, e Figueira. de3,ooo
a '.ooo rs
acanalla, c. 5oo rs. a garrafa.
dem de segunda qualidade a 64o rs. a libra. dem em botija hamburgueza a 4oo rs
Manteiga franeeza de primeira qualidade a Gensbra de laranja a 1,000 rs. os frascos
obo rs. a libra, e 52o rs. em barris ou I grandes.
meios. vnj,0 e ^^ 0 meihor que na m merca0
l.ooo rs. cada urna." Lha Perola neste genero nao ha nada a de- a 1,000 rs. a garrafa.
Ervilhas francezas muito no.as de 48o a 64o ^iar' e de especial qualidade, mandado Pablos do gaz a 2,3oo rs. a groza e 2o rs.
rs. vir de conta propria a 2,8oo rs. a libra. a caixinha.
dem porluguezas a 72o n. a lata. ; Idem hu.^iin melhor do mercado a 2,6oo j dem de dentes lixados a 16o rs. o maco com
dem seccas a 2oors. a libra. \aK'a' 2o macinhos.
Vassourasdo porto com aros de ferro a 32o Idem de scguda qualidade a 2,ooo rs. a Ervilhas seccas ebegadas neste ultimo navio
rs. cada urna. Ilbra- a 16ors. a libra, e em porcao se faz aba-
Velas de espermacete da melhor qualidade ,dem hysson muito superior a 2,oo rs. a b-
a 600 rs. o maco. bra.
dem de carnauba e cemposic5> a 32o e 36o Idem pretonemeopathico muito fino a 2,000
rs. a libra e io,ooo rs. arroba. P\a. ',lbra;
Bolachmha de soda chegada neste ultimo
navio a 1,33o rs. a lata, deste genero ha
grande porco e de difTerentes marcas,
que se vendem todas pele mesrao preco a
vontade dos compradores.
Iem em latas grandes a 2,ooo rs.
dem propria para lanche em latas grandes
a l,)oo rs.
superior, Mdvasia fina, Bstanlo, e outros
a Ii.ooo ; 12,ooo rs. a duzia e l.ooo rs. Tijolo para limpar facas a 14o rs. cada um.
Toucinhode Lisboa e Santos a 32o rs. a libra.
Sevada muito nova a loo r;,. a libra.
Peixc em latos grandes, savjl, pescada, cor-
vina, eoutras qualidadesa i,ooors. cada
lata.
Papel greve pautado e liso ce 3,ooo a 4.000
rs. a resma.
Passas muito novas a 8,5oo i caixa e 48o rs. Marmelada imperial dos melhores fabrican-
a 5ra- tes de Lisboa a 64o rs. a libra.
Palitos lixados para dentes .* 1 lo rs. o maco. Frutas em cald'1 em latas de 4>0 a 5o -.
ros de Lisboa a 64o rs. a 1 tinhade 1 libra, .."'-r ;7,, ,""M' "u \\* *arrnia-
ha latas de 1 e 2 libras. W i r 000 JT ^
S^^teeatattedoiiradas de i libra Idem(lo Porto mmo c a ^ ps>
a Dio re. a uta. d 72 f
Amcixas Irance/.as em caixinhas elegante- i.^m om n^r~,rr,a- 1 i' ,
mente enfeitadas de l,5oo a Xflk a "?!sSfrf^^Lb arrafasPr
caixinha, tamhem ha latas de i '/, a 6 1J~>00 r" cnm rraRo.
Vinlio.-m pipa das mais acreditadas marcas
como sejamBd F., PRR, JAA, outras
militas marcas. Porto, Lisboa e Figueira ;
de 48 > >". 56o, 04o e 800, rs., e o do
Porto fino em garrafa, e em o nada n
3,00 >. 3,5oo, 4,ooo e 6,5oo rs. o melhor
do Porte.
dem Bordoaux das mais acreditadas marcas
a 7oo rs. a garrafa, e a 8,000 rs. a caixa.
Garrames rom "> garrafas de superior vinho
de Porto a 2,2oo rs com o garrafao.
Idem com 5 garrafa de vinho da Figueira mais
proprio para a nossaestaco porstr mais
frese a 1 ioo rs. com o garrafo.
dem com '> garrafas de vinagre a i,2oo rs.
com o garrafo.
Vinho branoo mais superior que vem ao
nosso mercado a 6o rs. a garrafa, e 1
t,3oo rs. a caada.
Velas deesparmacate as melhores neste ge-
nero de 060 a Oio rs. o maco, eem cai-
xa ter grande abatimento por haver
grande porcao.
Azeile doce em barril muito fino a 64o rs.
a garrafa e 4.H011 .1 aada.
dem francez retinad) a 800 rs. a garrafa.
Ervilhas francezas e purtuguezas a 64o rs. 1
lata.
s eora doces seceos le Lisboa de Seci
a L.600 rs. cada urna.
Toudnho diLisboa a 3oo rs. a libra, e c
0,000 js. a arroba.
Kozes muit) novas a 16o rs. a libra e 4,8oo
rs. a arr iba.
Caf d i I-., 2.1 e 3.* qualidade de 26o, 3oc
e 30o rs. a libra, doCear de7,8oo, 8,600,
o 9.2oo re. a arroba do melhor.
.'uro/, da li da, Java eMaranho de 2,8ix) 3
3,000 a arroba, e de 80 a loo rs. a libra.
Passas muo novas a 8,5oo a caixa e 5oc
a libra, lia caixas meias e quartos.
Sevadmha i c Franca a 24o rs. a libra.
1 mnilo novo a 28o rs. a libra.
bras de l.2oo a 4,5oo rs. a lata.
inglezas das seguintes marcase
Mixde-Picles o cebollas simples a 75o rs
o frasco.
38RA DO IMPERADOR-38
Es,'-
>3
^
Agua nndirnl
milito rwomiiKiDdada as afleccoes do lobo gaitro-inlesbnal, nos dns rin?, e bexica ourin.iria, pelas,
nas propriei,ni.'s alcalinas, e o acido rarlionko jue naMralmenle rontm em suspensiio, depreco
untidade de
tanato
. casa tern
HgniMti 6aa de instrumenlos cirurgicos para peracoes de Malieu e Cliarrieru.
n pr)|Hiei aiics alcalinas, e o acioo rarnonico une nauraimonte Ponlm em sus|k-nsao, de
mais commodo que a ajju. de Vichi/, e de prnprielades lalve superiores pela grande qnanttdl
eidoc.-irljiii-o. Inj'.riio Hrou, agua M tkd*H, cupthiba de Mege, injecnm Fugas de I
i* zinoo, maito recommoodada nai gonorrheas. e rroy franeei verdadeiro na meanueasi
A'TTEM^AO.
pcchlnclia a 341> rs. o corado.
r.unluaia 1 ( cor de superior qualidade a 110 rs.
corado liiilolua para uastido de ricos gnatm a
i'iO o f ovadu : $ na ra do Queimado n. 41, es
tuina que vtl para a Oiiigicfe'.icao : est-so aea
ando.
Cal de Lisboa o potassa da
Hassia.
Vemlc-se na ra dadadeia do Reeife n. 26, para
onde se nwdot o amigo e acreditado deposito da
Vinagre de Lisboa muito superior a 2,000
rs. a caada,
dem mais baixo a 1,Soors. a caada, e 2oo
rs. a garrafa,
dem em garrames com 4 y* garrafas por
i.2oo rs. com o garrafo.
Manteiga ingleza a 600, 7oo, 800 e Ooors. a
libra de primeira qualidade.
dem franeeza a 56o rs. a libra em barril, e
a 600 rs. a retalho.
Ameixas francezas em caixinhas com ricas
estampas no exterior de l,2oo a 2.000 rs.
cada urna.
Idemem frasco de vidro de diversos taa-
nnos a l,5ooe 2,5(10 rs.
Idem em latas de 1 1 '2e 3 libra a l,3oo e
2,3oo rs. cada urna, e a 800 rs. a libra.
Figos de comadre em liai'izinhos de folha pro-
prios jiara mimos a I.600 rs. cada um.
Idem em caixinhas de folha a 32o rs.
Idem em caixas grandes a 2oo rs. a libra,
dem em latas emticamente lacradas de
I.600 a 3,000 rs.
Arroz da India e Maranhao a 80, ioo e 12o
rs. a libra.
Mein em frascos grandes a ioo rs
Amendoas de casca mole mudo novas a ioo! Cominhos muito novos a f>oo rs. a libra.
rs. a lihra. | ErVa-doce a 24o rs. a libra.
IxeKonas superiores a l,2oo rs. o l.arril. Pimeata a 36o rs. a libra.
Alpisla a I to rs. a libra e 4,6oo a arroba. Cravo da India a 64o rs. a
Letna a ioo rs. a lihra. Cannella a 1 ,loo rs. a libra.
Biscoitos e bolachinhas inglezas as ultimas Alfazema a 2oo rs. a libra
chegadasao nosso mercado a l,2ooe I,ioo Sal refinado em frascos de
M. cada lata. | Q frasCQ-
ATTENCAO
O proprielario dos rmateos do Progress^a jamis derxar deoff.irecer aos sen
freguezes tudo o que for preciso para que sejam bem servidos, c como a 'esta se aproxi-
ma e ptima aoccasiaodos seus freguezes experimentarem a realidad.', que nunca dei-
axra de ser mantida pelo propretark) destes armazem.
Idem de llr a 2oo rs. o maco.
PrezontO para hambre inglc.es e americanos
a 83o rs. a libra,
dem do Porto a 48o rs. a 1 bra.
(Jueijos prato de 48o a 600 -s. a libra.
Idem londrinos os melhores me se encontram
neste mercado a 800 rs. 1 libra.
dem flamengos vindos no dlimo vapor de
2.800 a 3,ooo rs.
Srdinhas de Nanles muilo novas a 32o rs.
a lata.
Sag muito novo a 2oo rs. a libra.
dem muito superior a 28o rs. a libra.
Sabao maca de diversas qu; lidades a 2oo e
24o rs. a libra.
Idem inferior de 12o a 18ois a libra.
Genebra de Hollanda emfrasqueires a 6,5oo
rs.
dem hamburgueza em ditas a.",8oo rs.
dem de Hollanda em garrifoes grandes a
i.ooo cada um.
dem em botija a 4oo rs. rs- cada urna.
Garrames vasios de diversos lmannos a5oo,
6io e l.2oo re.
Gomma do Aracatv a loo rs. a libra.
Graixaa loo re. a lata, e l.2oo rs. a duzia.
Licores linos l'rance/.es em garrafas e fras-
cos de diversos tamanhos le 600 a 800 rs.
cada um.
Marmelada imperial de t' dos os conservei-
ros de Lisboa a 6io e 1M rs. a libra.
Massa de tomate muito no a a 64o rs. a
libra.
Marrasquino de Zara a 6io :-s. o frasco.
ira.
' idro a 600 rs.
Lnja do beija-iloi*.
Mria.% cruas para hunieni.
Facas e garfos
Vendem-se facas e garlos oilavados a 45800,1
neste genero ha diversas qualidades a es-
colher.
Champanha superior das marcas mais acre-
ditadas a l,5oo rs. a garrafa e i5,ooo rs.
o gigo.
Serveja das melhores marcas que vem ao
mercado a 5oo rs. a garrafa e a 5,ooo rs.
a duzia
dem preta superior a 56o rs. a garrafa e a
5,4oo rs. a duzia.
Vinho ordeaux de differentes mareaste as
melhores do mercado a 7,000, 7,5oo e
8,000 a caixa com urna duzia, e em gar-
rafas a 64o, 7oo e 800 rs., garanle-se a
boa qualidade.
dem Figueira de superior qualidade a 48o
rs. a garrafa e 3,5oo rs. a caada,
dem de Lisboa a 2.800 rs. a caada e 4oo
rs. a garrafa,
dem do Porto de superior qualidade para
mesa a 5150 rs. a garrafa, e i,ooo rs. a ca-
ada.
Idem fino do Alto Douro da colheita de 1833,
como sejam: D. Luiz, Feitoria velho. Nc-
tar, Carcavellos e Cames em caixa de
urna duzia a i),ooo re.
Lagrimas do Douro, especial vinho do Porto
a l,ooo rs. a garrafa e lo.ooo rs. a caixa.
Duque do Porto, Madeira secco, duque ge-
nuino, lagrimas doces a Ooo rs. a garra-
fa e 9,5oo rs. a duzia.
Garrafoes com vinho do Porto a 2,2oo rs.
cada um.
Vinagre de Lisboa de superior qualidade a
2oo rs. a garrafa e 1,2oo rs. a caada.
I Azeite doce refinado em garrafas grandes a
800 rs.
' dem de Lisboa a 61o rs. agarrafa, eem
caada a 4,800 rs.
Presuntos inglezes para fiambre a 7oo rs. a
libra,
dem de lamego encommenda particular a
48o rs. a libra, e inteiro se faz abatimento.
Toucinho do reino o melhor do mercado a
320 rs. a libra, e em arroba a O.ooo rs.
Velas de espermacete le 4, 5, e 6 por libra
a 560 rs., e em caixa se faz abatimento.
dem de carnauba refinada a 32o rs. a libra
e 9,ooo rs. a arroba,
dem de carnauba pura do Aracatv a ioo rs.
a libra e io,5oo rs. a arroba.
Gomma muito fina e alva a 80 rs. a libra.
timento.
Banha de porco refinada a 48o rs. a libra e
42o rs. em barril.
Vmlio branco de superior qualidade proprio
para missa a 64o rs. a garrafa.
Ameixas francezas em caixinhas elegante-
mente enfeitadas com ricas estampas a
i ,2oo, i,5oo e 2,ooo rs. cada urna.
dem francezas em frasco de vidro com tam-
pa do mesmo eontendo i '/j libra a l,2eo
rs. s o frasco val quase o dinheiro.
dem em latas de 2 libras por i,4oors.
a retalho, e a 800 rs. a libra.
Figos de comadre muito novos em bahuzi-
nhosmuito proprio? para mimo a 1,28o rs.
dem em caixas para retalho a 16o rs. a
libra.
Passas de carnada a 48o rs. a libra e em
quarto com 8 libras por 2,5oo rs.
Bola ninhas inglezas de superior qualidade a
2,000 rs. a barrica, e a 2oo rs. a libra.
Chocolate francez o melhor que se pode de-
sejar neste genero a i,000 rs. a libra.
Macas para sopa estrelinha, pevide, arroz de
maca a 48o rs. a libra, e em caixa a 2,000
rs. cada urna, macarrao, talherim, e ale-
tria a 4oo rs. a libra.
Amendoas de casca mole a 4oo rs. a libra.
Avelans muito novas a 2oo rs. a libra.
Ervilhas francezas muito novas em latas
grandes a 64o rs.
dem em ditas pequeas a 4oo rs.
Maca de tomate em latas de 1 e 2 libras a
64o rs.
Salmo em latas de 1 1 libra a 800 rs.
Lagostinho em latas grandes a l,4oo rs. ca-
da urna.
Srdinhas de Nantes a 36o rs. a lata.
Cognhac inglez a 800 rs. a garrafa.
Licor francez das melhores marcas do mer
cado a 800 rs. a garrafa.
batatas chegadas neste ultimo navio em cai-
xa com duas arrobas por 1,60o rs., e 4o
rs. a libra.
Concervas inglezas a 75o rs. o frasco.
Sal refinado em potes a 5oo rs. cada um.
Mostarda ingle-.a a l.ooo rs. o frasco.
dem franeeza a 4oo rs. pote.
Milho alpista a 16o rs. a libra e 4,8oo rs. a
arroba. |
Grana muito nova em latas grandes a 120
ris.
Latas com peixe em posta emticamente
lacradas das melhores qualidades de pei-
xe que ha em Portugal a l,2oo rs.
Caf lavado de Ia qualidade a 32o rs., dio
de 2* a 28o rs. a libra e 8,2oo rs a arro-
ba, dito de 3a a 26o rs. a libra e 7,8oo
rs. arroba,
j Charutos suspiros dos melhores fabricantes
de S. Eelix a 2,5oo rs. a caixa com ioo
charutos.
dem finos de diversos fabricantes a 1,60o.
l,8oo e 2,000 rs. a caixa com loo charu-
tos, Jo preco nao indica a boa qualidade
porm deem-se ao trabalho de virem ou
mandarem e verao a realidade.
Vemlein-se meias cruas para liomem a 25 a du- Jl,as '"'avadas a :-3, ditas dfl rabos pretOfi a :tS*>!>,
ia : na ra do Queimado, loia dobeiia-llor nume- dl,',s'''' Mbos l'1' Isdaojo com i botos para mesa
o (3. a SOOa duz.ia : ua ra do Queimado, luja do
na
ro
Mrias para seiihora.
Vendem-se meias para ssnbora a 33200, e
5500a duzia : na ra do Queimado, loia do bei-
ja-flor n. 03.
franrinlia para enfciles.
Vndese tiancinlia para enfciles de volidos ou
ro-jpa de meninos, que tambera servo para enfoitar
camisinha de senhara ; vndese tranca branca
com 40 varas a 800 re. a peca, com 20 raras a 509
rs., com 10 varas a 2( rs. : s quem tem na
loja du beija-flor da ra do Queimado n. 0;;.
Testaras linas para mili,1 t coslura.
Vendem-se tesoaras linas para onba e costura a
'ion, 500 o 640 rs., ditas para costura a 500 rs.:
na ra do Queimado, loja do beija-Oor n. i:.
beatas para denles.
Vendem se e-covas para denles muilo finas a
120. 210, c ;00 rs. : na ra do Queimado, loja do
beija-flor n. 63.
Canillitas rom {rampas.
Vendem-se ralxiubas de grampas a 40 rs. : na
ra do Queimado, loja do heija-llor n. 63.
Ciilarinlios para liuiiirm.
Vendem-se colarinhos de linno para hemem. de
CONSERVATIVO
beija-flor n. 63.
La para bordar.
Vonda-M lia para bordar, de diversas cores, as
. mais lindas que se pode encontrar, a 6500 : s
quem vende por esle preco 11; Uja do beija-llor
da ra do Queimado n 03.
Filas para drhrum de mliilas.
Vendem-se lilas para debrum le vestido de la
prctas bordadas, com lo varas, a 13100, dita de
seda preta a 14200, dita de c >r adamascada a
1-5200, dita branca de las com II vara- 1 400 rs. :
na ra do Queimado, loja do bei,a-flor 11. 63.
I't'iiles travcssiis para meninas
Vendem-se pentes irawssos de borracha para
menina a 40Oe oo rs.: na roa do Queimado, loja que tem um grande sortimenlo de tudo quanto pertencente a molhados, e que tem
UL
JTOAQUIM ^OJAO m>S S VYTO*
23Largo do Terco-23.
O proprietario deste armazem de molhados participa ao publico ea todos em geral
do beija-llor n. 03.
Papel de diversas a.-iiades.
um armazem para somonte receber os gneros de maior quantidade. faz suas especula-
c5es embnasqnaih-as. e qne sempre pode vender por menos de 10 20 por cento du
vendo-so papel .misado a ,,-,, j^de quc em outrn qualquer parle, garantindo o proprietario qualquer genero sabido "do seo
mesma ra n. 12, ambos os gneros sao novse
legtimos, e se vendem a preco mais barato do que senhora, de diversos gestos, a 200 rs o par
'u,ra lualquer [.arte. I ra do Queimado, loja do beija-flor n. G3.
cores a 600 rs., dito adamascado a 15. di.
a DOO rs.. dito boira domada 15200 : na ra do armazem, tanto em peso como em qualidade.
Queimado, loja do i.eija-iior n. 61. Manteiga ingleza llr mandada vir por conta propria a 800 rs. a libra.
Ilies dr madrepi rola. : dem franeeza, virida pelo ultimo navio a 560 rs. a libra e 510 rs. em barris.
Vendem-se botos de madreperla pa.a rollete, Banha de poico refinada, propria para pastis a 480 rs. a libra, e em barril a 400 rs
. z sttas rs ssrJLTizi *%iie rr ,e ^rfiaii,,a do> *?*a go rs- t e *e 44 *a ^-
diverso- gustos, a :00 e OM) rs. : na rua do iiuei- dreco na ra do Queimado, lo a do beija-flor nu- Lal1' lava,l (l "'" c do Ceara, o melhor deste genero, a 280 rs. a libra e 8)55oo a ar-
mado, loja do beija-ll r n. 63. mero 63. roba.
llravacs para senhora. Uvas de Jomi 1. Batatas novas em caixas com 2 arrobas por 2000, arretalham-se a 4o rs a libra
con- iwo* pf win,nSi,,ranrnrai.ItSSf jI^SS 1^ ^ u^"1 '''"'" Iwmb c s"! T"cnn0 d''^'ml>^cado ltimamente a 3oo t s. a libra, em barril ou arroba a 85800.
cons, a .'MHirv.KOUe \ na rua do Queimado, ntiora, chegadas no ultimo por: r.a rua do ri,4 (le I 9 3 <> 1 anrte i -S800 9A\no 9AfiiVi o 4 Aft\ > i;i>r, """"
loja do beija-flor n. 63. Queimado, loja do beija-Oor n. 6t V i i' : t nrl *i>OVU, Z^jOO, 2*000, e l000 a libra.
Belia de saahs para manfliiitos de Mahara. [ Vendem-so ovas iio .erio nuito boas che- a a a rS a garrafa' e de carraPat0 a 280 n- a garrafa, e caada
Vendem-!e noldes de pnnho para manguitos de mda uiiinun!. ,,. ,..-..,......2.. zooo.
; VendcnvM ovosdosertio nuito boas, che-,
gadas ullimameale no vapor k'amanpaape : no ,
na bstro do Corpo Santn. 6, arma ;em de Palmeira Genebra verdadeira de Hollanda, em botijas, de conta certa, marca gallo a 360 rs.
A Bilirao- | Milho alpista o mais limpo que ha a 160 rs. a libra a 5000 rs., a arroba.
-* -: -rj'


tota*


Diarlo de Pcrnamfmco Qnarta fclr.i IO de I'evcrclro de 1861.
UNIO
COMMEBCIO
WLJ
IU
Welroute da loja lo Pregulea.
ac Da de abrir o sea grande e sortido armazem de moldados denominado Uniao e Com-
memo, liste grande armazem um dos mais iem montados que temos em nossa praea,
nao s em limt eza e aceio, como as qualidades especiaes de seus gneros. O proprie
ario do Uniao e Commercio offerece todos o;; senhores da praca, senhores de engenho
e Irvradores a seguinte tabella, por onde ver a grande economa que lhe resulta em
compraren em tao til estabelecimento, afiancando 0 mesmo todo e qualquer genero
sahido de seu armazem.
ALLIANCA
GRAUDE
Bollinho trance; em latas e caixinhas asmis
delicadas que tem vindo ao nosso merca-
do de 7c-o a 3,5oe rs. a caixinha.
Manteiga ingleza perfeitameute llr, mandada
v r de conta propria, a 7oo a 800 rs, a
libra.
dem franceza chegada pelo ultimo navio a
5tk> rs. a libra, e em barril tora abalimeu-
to.
dem ingleza em potes de 4 a 16 libras a
800 rs, a libra e o pote separado,
Cha uxim o m lbor ueste genero, mandado
Erva-doce 1 '00 rs. a libra.
Cl ampanha de 20 a 22,ooo o gigo.
Palitos do gaz a 2,3oo rs. a groza e 2o rs. a
caixinha.
Milho alpista a 60 rs. a libra.
Ccmiuho inulto novo a 4oo rs. a libra, e
comprando de 8 libres para cima a 32o rs.
(1 mina muito alva para engommar a 80 rs.
a libra, e em arroba se far abatimeoto,
Sag muito novo a 28o rs. a libra.
Sajo verdadeiro hespanhol, que raras vezes
vem ao nosso mercado a 28o rs. a libra
vii- de conta propria a 2,8oo rs, a libra. Vi mo branco o melhor nete genero a 800 rs.
Ideir. hysson, grar.de, muito bom a 2,too rs. I a garrafa e 4,3oo rs. a caada.
a libra. "*m ^ordeaux de differentes marcas, garan-
MeiB preto muito fiuo, a 2,6oo rs, a libra, i te-se a qualidade, a 8.000 rs. a caixa com
dem preto, mais bawo, a 2,ooo rs, a libra. I una duz'. e a 7oo rs. a garrafa,
dem, verde, miudinho, maisproprio para Garrafoes com 5 garrafas de vinho do Porte
negocio, a 4,5*0 rs, a libra. do Alto Douro a 2,2oo rs. com o garrafao.
Banh de porco refinada muito alva a 46o ld';m u>m 5 garrafas de vinho Figueira, mais
rs, a libra, e em barril 8 far aliatimento.
Biscoitos inglezes das seguintes marcas
proprio para a nossa estacio por ser mais
fresco a 2,4oo rs. com o garrafao.
Craknel, Soda, Ceede, Captain, Travellies., Idm com 5 garrafas de vinagre a l,2oo rs.
Lunch, Cabio, e outras umitas marcas, a | > garrafao,
t.4oo rs, a lata. Sabio massa de superior qualidade
Bolac.aha de sudo, especial encommenda, a
2,ioo rs, a lata.
Bisco to inglez Craknel em latas de 5, 7 e 15
libras a 5,ooo t 6,000 rs, e de i,2oo a
800 rs, a libra.
Queijos do reino pelo baratissimo preco de
1,600, I 8tx e 3,ooo rs os do ultimo
vapor,
dem prato muito fresco a 64o rs, a libra.
dem kindnno muito fresco a 800 rs, a libra.
Vinhes empipa: IXirto, Fi#ueira e Lisboa, a
48c, 56o, e 64o rs, a garrafa, e de 3,ooo a
4,5oo rs, a caada.
Marmelada imperiai dos mekhores conservt i-
ros de Lisboa em latas de 1 e mais libras
a 7*> rs, a libra.
Peras secaais em caixinhas de 4,ooo a 2,000
rs. cada urna.
Figos em caixinhas de I '/ arroba e de 8 li-
bra? a 8,000, 4,ooo, e 2,oob rs, ea 3oo rs
a hora, taambeni ha serinbas para men
nos a 60 rs. cada urna.
Amendoasde casca mole a 36o rs, a libra, e
em arroba ter abatimento.
Sardiohas de Nanles a 32o rs, a latinha.
Toucir.ho de Lisboa muito novo a 3oo rs, a
libra e em arroba a 9,oco rs.
Massa de tomates a 64o rs. a libra.
Pimenta do reino a 34o rs a libra,
Farm 1:1 do Mar inho a i 4o rs, a libra.
Ceblas a 800 rs. o molho, 64o rs. o cento
e 6,.">oo a cana.
Tijollo para lunoar facas a I60 rs,
Cerveja das mai:. acreditadas marcas de 5,ooo
a 7,5oo a du; ia. e de 5oo a 600 rs, a gar-
rafa,
Prezunto para fiambre muito fresco e novo
a 800 rs. a libra,
Geneira de laranja a 1,00o rs, o frasco,
Chourias as mais ti-escas do mercado a 800
rs. a libra,
Cognac verdadeiro inglez a 9oo rs. a garrafa,
e lo.5oo rs. a caixa com urna duzia,
Licores francezes e portugue/.es de tudas as
marcas de 10,000 a i5,ooo rs. a duzia.
Passas muito novas a 5oo rs. a libra e a 8,5oo
rs. a caixa. Ha caixas, meias e quartos.
Batatas a 1,00o rs. o gigo com 38 libras e
2,oo a caixa com duas arrobas cadauma.
Bocetas com doces seceos de 3,ooo a 3,5oo
rs. c;ila urna.
Bolachinha ingl za a :i2o rs. a libra,
Azeit; francez e porttiguez refinado a 800 rs.
a garrafa, e 9,ooo rs. a caixa com urna du-
zia. _
Consonas ingle/as das seguintes manas:
Mixed, Pickos, e ceblas simples a 800
rs. o frasco.
Mostarda ingleza preparada em potes a 4oo
rs. o pote.
Nozes muito novas a 460 rs. a libra e 4,800
rs. a arroba,
Vasos, inglezes > asios de 4 a 16 libras, muito
proprios para deposito de manteiga, doce,
e outro qualquer liquido, de 1,00o a 3,ooo
rs, cada um.
57 RA DO IMPERADOR 57
Na bem conhecida loja que foi do Sr. Flix alaiate.
Mulo Ferrelra da Nllva proprietario dcste novo estabelecinrento, tendo
ebegado da Europa, aonde escolbeu um grande'e variado sortimento de molhados, tem
a honra de os expor ao respcitavel publico desla cidade pelos mais resumidos precos.
Em t3o ptima occasio, por estarmos prestes a festa de Natal, o proprietario do
grande armazem Allianra offerece aos seus amigos e freguezes que o conh'icem desde
quando foi socio dos armazens Progressivo e Progressista as maiores vantagens em com-
prarem em sen armazem.
Boje de novo establecido mais precisa da concurrencia de'todos estes senhores
ao seu estabelecimento. certos de que esta casa jamis deixaro de ser cumpridas as
grandes vantagens por ella offerecidas.
M ades de 4o a 16u rs. cada urna. Bolachinha de soda e lunch em Utas grandes
Manteiga ingleza a mais superior neste ge- a 2,ooo rs. cada lata.
ero a 800 rs. a libra, e comprando de 8 Cognac de superior qualidade a800 rs. agar-
libras para cima a 72o rs., esta a mais rafa.
superior que pode haver, lambembamais dem muito superior a 1,00o rs. a garrafa.
baixas para menos precos. Caf a 28o e 32o rs. a libra, 1 a 8,000 e
dem franceza muito nova a 56o rs. a libra t.ooo rs. a arroba.
LOJADOPAVAO
Cassas puritanas.
Vendem-se as mais modernas cassas puritanas com bonitos desenhos pelo baratissimo proco de
240 e 280 rs. o covado, por haver grande porco, pechincha : na ra da Imperatriz n. 60, leja do
Cassas persianas a 360 rs. o covado.
Vendem-se as mais bonitas cassas persianas a mitacao de laa transparente com o= djennos
tecidos e inicuamente novos, pelo baratissimo preso de 300 rs. o covado e nao desbotam na loia
Pavao ra da Imperatriz n. 00.
Gorgurito de laa a 500 rs. o covado.
Vende-se gorgurao de laa de cr escura propria para vestido desenhora, paletot para liomem
para menino, pelo barato prego de 500 rs. o covado : na loja do Pavao ra da Imperatriz n 00.
As colchas do Pavao.
Vendem-se colchas de linlio adamascadas com bonitos lavres de cor de rosa, azul e branro
o baratissimo preco de 5* cada urna : na loja do Pavo ra da Imperatriz n. 60.
Organdys a 240 rs. o covado.
Vendem-se organdys malisados fazenda muito fina, de Itonitos desenhos, pelo baratissimo preco
de 240 rs. o covado : na loja do Pavao ra da Imperatriz n. 60.
roupa
pe
is alpacas do Pavo.
Vendem-se alpacas de seda de cores muito fina propria para vestido de senhora, soutemt>ar-
ques e roupas para meninos e dita branca muito lina propria para vestidos e paletots, pjr preco mui-
to commodo : na loja do Pavao ra da Imperatriz n. 60.
As lasinhas do Pavao.
Vendem-se laasinhas com 9 palmos de largura de urna s cor e de quadrinhos pelo Larrais-nro
preco de i200 o covado, ditas enlejiadas com 4 palmos de largura a 500 rs., ditas matisadas muito
e 54o rs. em barris ou meios.
Peras seccas muito novas a 48o rs. a libra.
Cha perola de especial qualidade a 2,8oo rs.
a libra.
dem hysson muito superior a 2,7oo rs. a
libra,
dem uxim a 2,5oo rs. a libra,
dem hysson a 2,3oo rs. a libra,
dem idem a 2,ooo rs. a libra.
Cerveja das melhores marcas do nosso mer-
cado de 5,ooo a 6,ooo rs. a duzia, e ooo
rs. a garrafa.
Conservas inglezas a 75o rs. o fmsco e8,6oo
rs. a duzia.
, Doce em calda a 64o rs. a lata.
Krvillias francezas muito novas a 64o rs.
dem portuguezas a 72o rs. a lat.
dem seccas a2oo rs. a libra.
32o
a 18o,
oo, e 22o rs. a libra do melhor que ha
Griixa em latas muita nova a 12o rs. a lati-
ha, e i,3oo rs. a duzia.
Pe-xe em latas muito novo : savel, pescada,
:urvin, salm5o e outras muitas qualidades
preparados de escabexe, segundo a arte de
cozinha, de l,2ooa 2,ooo rs. a lata.
dem do Alto Douro vindo do Porto engar-
rafado e escoltado pessoalmente por um
les socios que se acha em Portugal, das
seguintes marcas : Duque, Genuino, Ve-
ho secco especial, Lacrimas Doces de
1819, vinho especial D. Pedro V, vinho
'elho. Nctar superior de 1833, Duque do
Porto de 1834, vinho do Porto velho su-
Jerior, Madeira Secca de superior quali-
iade, vinho do Porto superior D. Luiz I
3e 1847, Lagrimas do Douro, especial v-
Jho do Porto, de l.ooo a 1.2oo rs. a gar-
rafa e de 10,000 a 12,ooo rs. a caixa com
urna duzia.
Vsssouras americanas a8oors. cada urna.
Velas de spei-macete as melhores que ha no
mercado a 56o e 64o rs. e masso, e em i
aixa se fart umjgrande abatimento,
dem de carnauba e composico, de 4oo a j
32o rs. a libra, e de lo.ooo rs, a H,5ooi
rs. a arroba.
Cae de Ia e 2* sorte de-8,3oo a 8,6oo rs. a
arroba, e de 28o a 32o rs. a libra do me-
Ihor,
Arroz da India, Maranho e Carolina a 3,ooo,
2,8oo e 2, loo rs. a arroba e a loo rs. a
libra.
Frisqueira de genebra a 5,8oo rs. e a 5oo
'S. o frasco.
Azeite doce em barril muito fino, a 64o rs.
a garrafa, e em caada ter abatimento.
Papel greve pautado e liso a 3,5oo rs. a
resma.
Genebra de Hollanda em botija de conta a
44o rs. a botija.
Passas corinteas a 5oo rs. a libra e 12,8oo
rs. a arroba,
Ervilhas franceza e portugueza a 640 rs. a
lata de urna libra.
Chocolate francez, hespanhol, suisso e por-
tuguez a l.ooo rs. a libra, e a 28o rs. ca-
da pao de urna '/*
Ameixas francezas em caixinhas elegante-
mente enfeitadas, com diversas estampas
no exterior da caixa de 1,500 a 3,ooo rs.
cada urna; tambem ha frascos e latas de
differentes lmannos que se vendem por
mdico preco.
Miissas para sepa: macarro, talharim e ale-
tria a 48o rs. a libra, e em caixa se far
abatimento.
G.'iirafoes com 14 garrafas de genebra de
Hotlanda a 5,5oo cada um.
Charutos de todas as marcas e dos melho-
res fabricantes da Babia de 3,ooo a 4,eoo
rs. a caixa.
dem preto de qualidade muito especial a Bassouras do Porto com arcos de ferro a
2,ooe rs. a libra. rs. cada urna,
dem idem inferior a l,6oo rs. a libra. : Vellas de espermacete da melhor qualidade
Chocolate francez, hespanhol e portuguez, a a 56o rs. o maco.
9oo e l,2oo rs. a libra. dem de carnauba e composico a 32o e 36o
Charutos dos melhores fabricantes da Babia j rs. a libra e lo,ooo rs. a arroba.
e de qualidades especialmente escoltados, Tijolopara limpar facas a 12o rs. cada um.
de 2,ooo a 4,5oo rs. a caixa. Toucinho de Lisboa e Santos a 320 rs. a
Farinha do Maranho muito alva a 14o rs. a libra.
libra. Sevada muito nova a loo rs. a libra.
dem de araruta verdadeira a 4oo rs. a libra.
Vinho do Alto Douro engarrafado, e os mais
bem escolhidos, lagrimas do Douro, D. Pe-
dro V, D. Luiz I. Doque genuino, Nctar
superior, Malvasia fina, Bastardo, e outros
a H,ooo e 12,ooo rs. a duzia e l,ooo rs. Palitos lixados para denles a 14o rs. o mago.
Peixe em latas grandes, savel, pascada, cer-
vina, e outras qualidades a l,ooo rs. cada
lata.
Passas muito novas a 10,000 rs. a caixa e
5oo rs. a libra.
ATTEH^AO
]K IIIIAC II i
Custodio l'arvaUw Compa-
nhia.
If-Rna do Q11 rimado7.
Novas laazinhas escossezas rnuito lindas, fazen-
da enmrpada, propria para vestidos de senhora e
cnancinhas, pelo barato pre^o de 240 cada co-
vado. __________________________________
GAZ GAZ GAZ
por prer-o reduzido.
Vende-se gaz da melhor qualidide pelo
pre o de 10$ por lata de 5 galoes: no ar-
mazem do Caes do Hamos n. 18 e ra do
Trapiche Novo i. 8.
No aamazeni Jo agente Euzebio, ra da Ca-
deia n. 53, existen para venderse diversas obras
de mircineiria, novas, bem acabadas e de bom
gosto. sendo de Jacaranda, um rico santuario, pia-
no inglez, m ihilia completa, c.bide e par de con-
solos deamarello, dous guardi-veslidos, o melhor
que i possivel achar-se, secretaria, mesas para
Mtoglio, ditas elsticas pan 20 pessoas, lavato-
rio, aparadores, sof*, cadeiras, um guarda-livro,
ou peipieno guarda-roupa com vidro na frente,
par de consolos e jardineira de inogno com tampo
de podra, obra bem en tal hada.
Algeao da Baha
para saceos de as uear e roupa de escravo; tem
para vender Antonio Luiz de Oliveira Azevedo &
C, oc seu escript >rio ra da Cruz n. I.
Todos os senhores ipie comprarem para negocio ou casa particular J05 para
cima tero mais 5 a 10 por % de abatimento; o proprietario scientifica n?js que todos
os seus gneros sao recebidos de sua propria encommenda, razao esta para poder ven-
der por muito menos do que em outro qualquer estabelecimento.
MOYAS
sementes de hortaliza.
^hegaram no vapor francez Guiene as novas se-
j mi ntes de hortaliza : na ra da Cadea do Kecife
n. 56 A, loja de ferragens de Bastos.
FARINHA FONTANA.
Farinha da muito acredita ia marca
h n Lu a desembarcada hoje, vende-se
per preco mais cummodo do que em
qualquer o 11 Ira parte : na ra da Cruz
n. 4 casa de X. 0. Bicber & C. sucres-
sores.
Kua da Senzalla ,>0va n. 42.
Neste estabelecimento vendem-se: tachas de
ferro coado libra a 110 rs., idem de Low
Moer libra a 120 rs.
a garrafa.
dem Cherry e Madeira a 1,5oo rs. a garra-
fa e 16,000 rs. a duzia.
dem Bordeaux de diversas marcas de 8,ooo
a 10,000 a duzia e 8oo rs. garrafa.
Bolaxinhas americanas a 3,5oo rs. a barrica,
e a 24o rs. a libra.
Batatas muito novas a 1 ,ooo rs. o gigo, e 6o
rs. a libra.
Banha de porco refinada a 4io rs. a libra a
em barril a 4oo rs.
Vinho em piqa de Lisboa, e Figueira, de 3,ooo
a 4,ooo'rs. a caada, e 5oo rs. a garrafa.
Idem de Lisboa em ancorlas de 8 a 9 cana-
das por 27,ooo rs.
dem do Porto muito especial a 5,5oo rs. a
caada e 72o rs. a garrafa,
dem em garrafoes com 4 V* garrafas por
2,5oo rs. com o gajrafo.
Vinagre de Lisboa muito superior a 2,ooo
rs. a caada,
dem mais baixo a l,5oe rs. acanada, e Seo
rs. a garrafa,
dem em garrafoes com 4 garrafas por
l,2oo rs. com o garrafao.
Ameixas francezas em caixinhas com ricas
estanpas no exterior de 1,2oo a 2,ooo rs.
cada urna,
dem em frasco de vidro de diversos tama-
itos a 1 ,oeo e 2,500 rs.
dem em latas de 1 1:2 e 3 libras a l,3oo e
2,3oo rs. cada urna, e a 8oo rs. a libra.
Figos de comadre em caixinhas de 4, 8 e 16
librrs a I,3oo, 2,5oo e 5,ooo rs. cada
urna caixa.
Idem em caixinhas de folha a 32o rs
Idem em caixas grandes a 2oo rs. a libra.
Idem em latas ermetimente lacradas de 1,0oo
a 3,ooo rs.
Arroz da India e Maranho a 80, 100 e 12o
rs. a libra, e 2,5oo e 2,8oo rs. a arroba.
Amendoas de casca mole muifo novas a 4oo
rs. a libra.
Ceblas novas a 1 ,ooo rs. os molhos gran-
des e a 7oo rs. o cento.
Alpista a 14o rs. a libra e 4,6oo rs. a arroba.
Macarro, talharim e aletria muito nova a
4oo e 48o rs. a libra.
Biscoitos e bolachinhas inglesas as ultimas
chegadas ao nosso mercado a l,2oo e
l,4oors. cada lata.
dem de flor a 2oo rs. o maco.
Presunto para fiambre inglezes e americanos
a 85o rs. a libra,
dem do Porto a 48o rs. a libra.
Queijo prato a 64o rs. a libra.
Idem flamengo vindos no ultimo vapor a
2,oooo e 2,3oo rs. cada um.
Sardinhas de Nantes muito novas a 32o rs.
a lata.
Sag muito novo a 2eo rs. a libra,
dem muito superior a 28o rs. a libra.
Sabo maca de diversas qualidades a 2oo e
24o rs. a libra,
dem inferior de 12o a 18o rs. a libra.
Genebra de Hollanda em frasqueiras a 6,5oo
iris.
dem hamburgueza em frasqueiios a5,8oo
res.
Idem de Hollanda em garrafoes grandes a
5,5oo rs cada um.
dem em botija a 4oo rs. cada uraa.
Garrafoes vasios de diversos tam inhos a 5oo,
64o e 1.2oo rs
Gomma do Aracaty a 8o rs. alibra muito alva
Graixa a loo rs. a lata, e l,2oo rs. a duzia.
Licores finos francezes em garraf is e frascos
de diversos tamanhos de 6oo a 8oo rs. ca-
da um.
Marmelada imperial de todos os (onserveiros
de Li6ba a too e 7oo rs. a lil-ra.
Massa de tomate muito nova a 64o rs. a li-
bra.
Marrasquino de Zara a 640 rs. o frasco,
dem em frascos grandes a 8oo rs.
Criminhos muito novos a 5oo rs. a libra.
Erva-doce a 24o rs. alibra.
Pimenta a 36o rs. a libra.
Cravo da India a 64o rs. a libra.
Cannella a l,loo rs. a libra.
Alfazema a 2oo rs. a libra.
Sal refinado em frascos de vidro- a 6oo rs. o
fraco.
Copos linos para agoa a 5,ooo rs. a duzia.
Chou ricas novas a 72o rs. alibra.
Mostarda france/a preparada e muito nova
a 2o rs. cada um frasco.
Gonservas francezas de superior qualidade a
640 rs, o frasco e 7,oeo rs. a duzia.
Azeite doce a 64o rs. a garrafa.
Sevadinha de Franca muito nova a 2oo rs. a
libra.
cordozinho a 200 rs.: na loja do Pavao ra da Imperatriz n. (0.
Os soiitembarques do Pavao.
Vemdem-se os mais modernos soutembarques de grosdenaples preto ricamente emei, de cor de um tecido de laa com seda muito bem enfeitados, por preco muito commodo : na loia do
Pavao ra da Imperatriz n. 60.
Capas do Pavao.
Vendem-se ricas capas pretas de grosdenaple bastante compridas, fazenda superior o mais m
ierna que ha no mercado, por preco muito em conta : na loja do Pavao ra da Imperatriz n. 60.
Crinolinas ou baldes americanos.
Vendem-se balOcs americanos os mais modernos porserem mnito fortes e bem armados de 20
arcos a 3,8, ditos de 30 a 3500, ditos de 38 a i, ditos de macapolo frant ez de diversos tamanhos a
3,5, ditos de musselina com babado e sem elle podendo-se tirar os arcos pelo barato preco de 3 e
iA-'iOO, ditos para menina, de arcos a 2fi, ditos de musselina a 3 : na loja do Pavao ra da Impera-
triz n. 60.
Cortes de laa do Pavao.
Vendem-se cortes de las matisadas com desenhos muito lindos contendo la corados cada cort
pelo baratissimo preco de lt, ditos de cor de caf com palmas matisadas contendo 13 covados cada
corte pelo barato preco de 6 : na loja do Pavao ra da Imperatriz n. 60.
O Pavao vende para a quaresma.
Grande sortimento de fazendas pretas para a quaresma, vende-se na loja do Pavao, ra da Im-
peratriz n. 60, de Gama k Silva.
Vendem-se ricas capas pretas muito bem enfeitadas com mangas e sem ella : souiambarqucs de
grosdenaples preto muito bem enfeitados; manteletes grandes a imitaran de capas, ditas do lit
preto, pelerinas de fil preto bordados, ricas romeiras de retroz enfeitadas com vidrilho. ricos chales
de retroz preto, superior grosdenaples preto, sendo de 15600, 1)J800, 25000, 22(K), 24500 e .l(00
o covado, sendo muito boa fazenda para o preco, superior mourentique preto, sendo fazenda larga
e multo encorpado, sarja preta hespannola muito encorpada a 25000 o covado; todas estas fazenda*
vendem-se por preco muito mais barato de que em outra qualquer parte.
Ricos vestidos pretos.
Vende o Pavo.
Vendem-se os mais ricos cortes de vestidos de grosdenaples preto, ricamente enfeitados a vellido
a maran de vestidos a, soutambarques. trazendo cada curte todos os enfeites precisos: fazenda mui-
to moderna, e vende-se por preco muito em conta, na loja e armazem do Pav.io, ra da Imperalri
n. 60 de Gama Ai Silva.
IU \ DO OlrlHAIIO \. 11.
Leja de fazendas de Augusto Frederico dos Santos Porto.
Fazendas pretas para a quaresma.
Ricos cortes de moreantique prete para vestidos fazenda superior.
Cortes de vestido de seda preta com barras.
Capas pretas de seda bordadas e enfeitadas de tt& a 305.
Capas de seda preta com mangas ricamente enfeitadas.
Soutembarques de seda preta e casemira de cor com lindos enfeites.
Zuavos de seda preta de muito gosto.
Pannos pretos, casemiras pretas, setim preto, grosdenanle preto de diversas qualidades tudo
superior.
Chapeos de palha d'Italia para menina ricamente enfeitados de 75 a 125-
Camisas para homem francezas e inglezas de algodo e de linho.
Atoalhado de linho fazenda superior.
Camisinhas de cambraia a Garihaldi para senhoras.
>*a mesma casa tem grande sortimento de fazendas de .-eda. laa, linho e algodao que tudo se
vende por muito commodo preco.
Chegaram tambem a excellentes
KNTKI lt %S PARA &AMaA&.
V ra do Quelmado n. II.
HTTENCO.
Neste grande armazem de molhados vende-se em grandes porces e a retalho,
fazendose differensa consideravel a quem comprar de 1005 para cima.
baratas para acabar.
Sedas de quadros ede listras a 320 rs. o cova-
do, lindas lias de quadriuhos a 360 o covado, su-
periores cassas de cores a 200 rs. o covado, ditas
muito finas a 240 o covad : na loja das columnas,
na roa do Crespn. 13, de Antonio Correia de Vas-
concollos & C ___^^
Vende-se um carneiro todo branco, castrado
e i.iuito manso, com cangalha e cassuaes, por com-
modo preco : n;i ra da Gloria n. 94.
tfC~>C) a 3" 05 65 c
o%% g.g
SlS-gc.2
5 t-nj M
o c- 3 "
"Z
* g 5-a
O S-P 3 O
g 55 s. :
a as 0.0 a '
O i f o
^ 3 .
o c

63 65
te r
n
-i 2 y
513 f
S s "2
cr rr
ai
3 x
3 3
ee os
vi
" C
f
"i T"*5 os
S.B a
S o- &.=
b'SS"
O -j 05
w 2 2
a. S"
*-6T =
O o. oj O
a os
O o
05 g
VI
O.
O
-1 __
v 3
ff
6:
v.
B
z-
a.


ee
cr2i
-. (o C O -
O. o
ce *
3 B 3.
05
65*
-t
Z-
B
S
o
B5
s
==3
65 TJ
(JZ, E
O "1
65 09
f
05
3-S
^
K:
O 09
O -i
69 09
Cl--,
O oT
o S
05 I
So?
P
69_ .
o-
O)
cr
69
*l
re
":

e
>
es
Ss
e
Si
GLOBOS
Vendem-se globos de barro vidrado da fabrica
|e Santo Antonio no Porto, proprios para tardiin c
ntes de casas : na ra do Amorim n 46.
AGENCIA
FNDICO DE LOW-MOOB.
Kua ta Senzalla nova n. 41
Neste estabelecimento continua a haver
um completo sortimento de moer das e meias
moendas para engenho, machn; s de vapor
e tachas de ferro batido e coado, de todos os
tamanhos para ditos.__________________
Arados americanos e machinas para
lavar roupa: em casa de S. P. JoLnston A C,
ra da Senzalla Nova n. 42.______\_______
Vende-se a propriedade denominada Maltez, >ita
na freguezia de Tracunhaem da comtrra de \aza-
relh, com urna legoa de frente e me a de fundo, e
proporcoes para nella se levantar nri bom enge-
nho de fazer assucar, sendo que act lalmente ren-
de, ella mais de l:000 que pagam os moradores
que tem : quem a pretender entenda-se nesta pra-
a com o Sr. Antonio Jos Leal Res, na ra da
Ladeia do Recifen. 47.______________________
Batatas e ceblas.
Rna da Madre de Dos i h. 5eO.
Vendem-se caixas esm duas arrobas de batatas
par 1200, cento de cebla a 500 rs., as mais no-
vasdo mercado.
RIVAL
SEM SEGUNDO
Una do tueimado ns. -19 e 5&,
loja de miudezas de Jos de Azevedo Mala A C,
principia o novo annoa torrar miudezas pelos pro-
cos que a todos causa admiracao, a saber :
Pares de sapatosde tranca mito linos a 1600.
Frascos de oleo babosa dos melhores fabricantes a
240 rs.
Ditos maiores a 400 e 500 rs.
Frascos d'agua de Colonia muito finos a 400 rs.
Sabonetes muito linos a ICO, 200 e 400 rs.
Frascos grandes de agua de Lubin, o melhor,
15300.
Lapis de tinta encarnada muito finos a 40 rs.
Novellos de linha com 800 jardas a 120 rs.
Ditos de dita rom 400 jardas a 80 rs.
Frascos de inacass, oleo inuilo superior, a 100
Duzias de dedaes brancos em caixas de vidro
390 rs.
Papis de agulhas a balo Victoria a 60 rs.
Banha transparente muito superior a 700 rs.
Dita Japoneza muito lina a 800 rs.
Duzia de sabonetes muito finos a 720 rs.
Papis de agulha com toque de errugem a 10 rs.
Crozas de botoes de madreperola muito finos a
560 rs.
Pecas de fita de cs, cstreitas, com 10 varas, a
320 rs.
Novellos de linha branca do gaz a 30 rs.
Carreteis de linha de cores muito fortes a 20 rs.
Cartoes e caixas de clcheles francezes a 40 rs.
Botoaduras brancas e de cores para colletes a
120 rs.
Frascos de banha, pechincha, a 210 rs.
lionets para meninos, fazenda fina, a 2A.
Caixas preparadas para costureirasa 1500,2e
3*000.
Massos de grampas lisfe e finas a 30 rs.
Caixas de palitos do gaz e de cera finos a 20 rs.
Duzia de facas e garios de 1 botao superiores a
5*500.
Duzia de ditas e ditos de 2 botoes finissimos a
6*500.
Grozas de palitos do gaz a 23200.
Ara preta muito tina a 100 rs.
Caixas de rap com espelho a 100 rs._________
Vende-se
um sof, urna mesa redonda de me o de sala, mu
par dcconsolos, tudo de madeira de amarcllo, em
bom uso, por prego o mais commodo possivel :
quem pretender dirija-se ao largo da l'enlia n. 14,
que achara com quem tratar.
Carne do sol.
A verdadeira carne do sertao a 320 rs. a libra :
no armazem da Aurora Brilbante, largo da Santa
Cruz n. 84.
Vende-se urna grande casa terrea na
estrada de Joao de Barros, com grandes
cotnmodos, grande quintal om bastantes
fructeiras que do fructos : quem preten-
der dirija-se a mesma casa que achara com
quem tratar, defronte do sitio da Sr. Dou-
rado.
Venda de urna hypothtca.
Os liquidalarios da massa fallida de
Jos Antonio Basto >entlem a hypothe-
ca qoe tem nos engenhos Matto rossv
e (ajabuss no termo de Serinhem no
valor de 31:835$911 rs.; tratar as
casas a rna do Trapiche h. 34.
*l
m
Para particulares.
No primeiro armazem da escadinha,
passando a ponte, esquina da ra da Ca-
dea, vende-se o seguinte:
Milho em saceos de 24 cuias a 4*.
Feijo dem idem fa 3*.
Farinha de mandioca de S. Mathens.
Kua da Senzalla n. 42.
Vende-se, em casa de S. P. JohnstonA C,
sellins e silhes inglezes, candieiros e casti-
caes bronzeados, lonas inglezas, fio de vela,
chicotes para carros e montara, arreios para
carros de um e dous cavallo*, e relogios de
ouro patente inglez.
ESCRAVOS FGIDOS.
OOjJ de gratifleaeo.
Desoppareceu desde o 1* de maio, de 1863, d
poder de seu senhor o tenentecoronel Jos Vicen-
te de Medeiros proprietario do engenho Pindoba
na comarca do Penedo provincia das Alagoas, o
escravo Jeremas, de edr cabra, estatura alta, es*
padaudo, desdentado de um lado mais que de outro,
muito |iouca barba, us grandes e tem alguns ea-
rocos de carne sobre o peito, bom sapaliiro eti.ro,
na cidade do Recite una irinaa cnoula de nom
Joaquina, liberta, para junto a qual dizeni que >e
evadir : quem o capturare entregar em Pernam-
buco ao Sr. Jos Augusto de Araujo (cidade lo
Recife) em Macei ao Dr. Mariano Juaquiai da
Silva, receber a quantia cima declarada.______
No dia 11 de Janeiro passado fugioo escravo
Miguel, crioulo, de idade de 45 50 annos, j tem
cabellos brancos e usa de meias suissas, tem um
principio de gomma no peito de um dos ps, usa
de alpergaias muito regrlsta e intitula-se forro.
Este preto natural do Ico, d'onde veio para aqu
ser vendido, e por algum tempo pertenceu ao Sr.
Jos Guilherme Guimares; consta que levara ora
sua compaohia sua amazia, de nome Mara, parda
acaboclada, alta, e com falta de dentes na frente;
esta parda rostuma embriagarse. Poucos d.as
depois da fuga foram encontrados perto do tste-
nho Camaragibe; pede-se, portanto, s autoridades
competentes ou a quem delle. tiver noticia, de ap-
pivliendelo e leva-lo i casa de sen senboi Miguel
Pereira Leal, na ra da Cadea do Recite n. i;'.
que serao bem recompensado^________________
Desappareceu no dia 2 do corrate o mulato
denome Andr, idade 35 annos, pouco mais m
menos, baixo, cheio do corpo, com marcas de fce-
xigas, quando falla tica com o olho osquerdo meie
fechado, cabellos na gaforina encarolados, e costu-
ma botar cheiros ou banha, ps grandes, groam e
largos, levou vestido caifa de brim fino com qua*
dros azues, e camisa sacco de rscad encarnado,
filho da serra do Teixeira, veio do Aracaty em-
barcado, muito ladino e bem fallante : micm o
apprehender, qneira traze-lo ra da Cadeia d
Recife n. 49, sobrado, ra do Trapiche, annazem
de assucar de Manoe Teixeira Bastos, ou ra da
Alegrian. 9, a seu senhor Jos Antonio Basto, que
alm de se ficar agradecido, ser recompensado.
Fugio do engenho Guerra de Ipojuca um preto
de nome Jos Muniz, estatura baixa, poura barba,
tem um p inchado levou vestido caiga de azulao,
camisa de algodao branco e envolto em urna bata
encarnada, levou mais ama foice de rocar, e arsim
foi visto no engenho Agua-Fria de Ipojuca.______
Ksrrava fgida.
Ausenlou-se da casa de seu senhor a escrava de
nome Seraphina, preta, crioula, representa ter 35
annos, levou vestido de laa com flores verdes, cos-
tuma embriag ir-se. foi escrava da viuva de Fran-
cisco Mathias Pereira da Cosa; por algumas ou-
tras vezes tem fgido e costuma andar pelo cae*
de Capibaribe, Monteiro e Afllictos : quem a pe-
gar leve ra da Cadeia n. 35, que ser recom-
pensado.


Diario de Ptrnambneo Qiiarta felfa lO de Ptwrelro de t*4.
UTTEMTURA.
A QlliRESMA.
Terminamos os das jocundos e [estivos, 8 en-
trmoi mi lempo consagrado ao jejum, mo linca-
cao -o pe niteneia. E' justamente urna pre| i
I'ara r le ramios a grande solemnidade da resur-
Divino Re emptor. Esta pratica de ins-
ume.'. a| i stolca, o a mencionan) os primoi "oses-
crintori-s da egreja.
D'aqiii se iuere n respailo profundo, que deve-
dmr p slar :i tao sania e apostlica instila {o, e
a fideli lade coui que devenios observar lao ilil o
aaudavd p rauca.
A qi aresma o tempo de penitencia c saPacao.
t o ten no do arrependimento das culpas, e da ob-
ti ncio Jo perdao dolas.
K, pois. quarla fera, que se chama de (razas,
que ctmecam osquarenta dias do je;un diqua-
resma. O uso das cintas um monumento io* an-
tlgos costumes, e, na verdade, mu proprio e profi-
cuo, p. ra nao nos esqnecernios do que na rt-alida-
do soni >s p, cima c nada.
Ha primeros lempos preparar ricos vestidos,
perfumir os cabellos, frisar as madcixas, era o
8Jmbnlo da alegra o do prazor exuberante, e da
grande prospartdade ; ao contrario, porm, o sig-
iial de una dflr acuda e intensa magoa era linear-
se no p< e cohrir-se de cimas. D'aqoi vinb que,
nos primeros seculos da egreja, aquelles que t-
nham rreebido dos bispos, e estavam sujeitos as
penitencias publicas apresentavam-se no lugar
compet ute. ou porta da egreja, cobt ros d; cin-
s.
Presentemente, segundo a disciplina da egreja.
no da re quarla (eir, annunciam os campal arios
a coren una das cimas, e consisto el a em que o
sacerdote, depois de ler recitado os psalmos ia pe-
nilenci: e o outras orac,ocs, benze urna porcao de
cimas ( a* impOe na caneca (testa) dos liei.', que
a recel erem de joelhos, dizendo o sacerdote i cada
um dos que recebem : lembra-te. homem, fine es
p, e que para isso lias de voliarJJwh/o, 'tomo,
quia puhtt t, el in pulverem revertis.-S(nten-
a terrivel pronunciada por Deus contra o piimei-
ro habitante do Edn, depois doseu peccado, 3 que
nossa mi, a egreja santa, se aproveira para nos
lembrar urna vez cada inno, que lodos havemos
de mor-er, e em po nos tornaremos lemb-anca
t'sta que deve nos acompanhar durante o t;mpo
da peregrinarlo no mundo.
A tjoaresnia um jejam de quarenta das, que
os caiho icos observam afim do santiffcarem u au-
no, o pi epararem-sc de modo conveniente para a
grande e jucunda festa da paschoa.
A exj c-ricncia tem mostrado quo acertadas sao
as leis da egreja, e a proficuidade do jejum, que
um exct lente remedio contra o peccado.
A r-grya o tem imposto para submetler a carne
ao espirito, para salisfazer pelas culpas a jistica
divina, ( para preparar a alma oracao e ejerci-
cios de picdade; porm e jejum, alm (lestes Deas,
enrerra um nao sei que de poder para conservar
a innocencia, para applacar o Senbor, para prepa-
rar os grandes acontecimentos, para vencer as pai-
xes, para adquirir as virtudes, para formaros
Justos e sustenta-lo3 no caminlio da justica. Os
ivros santos e a historia da egreja attestam satas
verdades, acerescentando que em todos os lempos
e por toda a parle o jejum tem produzido aiini-
revela efleitos.
Ado e Eva, em quanto jejuavam, a sua inno-
cencia estava inclume ; abandonaram, por n, o
jejum, comeram o fructo inhibido, a innocencia os
abandonara, e o peccado nelles imperou.
Se o povo de Israel ve-sc ameacado de toda a
sor:e de calamidades, um prophela exhorta a que
santifique o jejum ; observa elle, clama ao_Seiihor,
eoSenhor amercia-se delle. Moyss nao rata
cota Deus quarenta dias, senao acompanhad) do
j'jim ; nem Elias ve passar a gloria do Seihor,
senao depois de ler jeuado quarenta dias; nem
Daniel pede o restabelecimenlo de Israel senao
col-erto com o jejum.
EO intcrniinaveis as passagtns do antigo Testa-
mento recoinmendando o jejum.
O jejum da quaresma deve ser observado por
tedas as pessoas de ambos os sexos, e de todas as
condicoes ; esla le imposta pela egreja estende-se
a todas as pessoas, que leem o nome de christo,
tanto ao pobre, como ao rico; ao povo. como ao
clero ; ao principe, como ao subdito, Oppr-nos a
ella 6 calcar aos pos urna le, que por todas as ra-
zos deve ser para nos sagrada e uviolavel.
Santo Agostnlio fallando do jejum distingue
dnas qualidades de pessoas ninas que pecera
pela quantidnde das iguarias, e que se contentan)'
nm i los mudar a qoalidade; outras que nio
usando deltas se nao urna vez por dia. fazem-no
todava com muila abundancia e delicadeza. O
niesmo santo doutor decan aos primeros que elles
commetiem um peccado mortal e se faxem dignos
de grandes castigos. Jejuar nos dias doannoem
i|ue a egreja nao obriga, urna accio de virtude,
mas nao jejuar na quaresma un c'rinie. anda diz
c nu-snio doulor da graca.
O jejum tem reeebidoosmaioros elogios dos san-
tos padres, que Ihe allribuein os fructos mais pre-
ciosos.
Sanio Agostinho diz que o jejum purifica o en-
tendimenlo, eleva o sentido, SUgeita a carne ao es-
pirito, forma o coracao contrcto c humilhado, dis-
sipa as irevas da concupiscencia, e acende a tocha
da caridad'.
O jejum, diz S. Pedro Chrysologo, a mol le dos
vicios, o a vida das virtudes, jejum a paz do
con e a forrnosura dos sctis membros o mu-
ro da castillado, e a dofexa da pureza ; a escola
dos mritos e o viatico da vida ecelesiaslica.
Ja que encelamos o lempo i|uaresmal, tempo de-
dicado penitencia e aos jejuns, devenios lomara
resolncao de evitar anda mais (pie nos oiitros lem-
pos todos os pensados, mxime aquelles a que so-
mos mais sngeitos ; entrar na intencao e no espi-
rito da egreja ; orar mais tempo e com mais fer-
vor, ser assuhios na instruccSo da salvacao ; prali-
car o que (or possivel obras de piedade; esquecer
quanto pdennos o nosso corpo ; abster os diver-
timentos e espectculos: nao pensarmos senao na
nossa alma, aflm de que na solemnidade da pas-
choa, purificados no coracao, no espirito e no cor-
po, todos cheios de boas obras, poseamos celebrar
com alegra a ressurreicau do Salvador Divino.
Eis-aqui como se exprime um inglez protestante
em viagem Italia em tempo de quaresma :
Tenho (diz elle) inultas vetes notado que o
povo italiano de todas as classes se continha du-
rante o tempo da quaresma. Xao se ouve como
nos outros lempos nem blasphemias nem palavras
indecentes. O fausto, os enfeites, os bailes c ou-
tros prazeres cessam nesse tempo c dao lugar
modestia, austoridade e a penitencia. Todos os
dias so oceupados por sermoes edificantes, por pe-
ditorios abundantes pa-a os pobres, e em geral se
ve a compunecao e o arrependimento. Confesso
que a Italia foi aonde me vi obrigado a conhecer a
quaresma esua utilidade, e fazer justica aos moti-
vos que leve a egreja para institu-la.
Quando (eremos a ventura de ver platicado
em nosso paiz o procedimento italiano de que foi
testemunha e admirou o proprio protestante I
Quando dominar nos catholicos o verdadeiro es-
pirito religioso, porque devem todos saber o que
diz o Ecclesiastes no cap. 3, que todas as consas
teem seu tempo : ha tempo de nascer e tempo de
morrer -, tempo de plantar e lempo de colher ;
lempo de chorar e tempo de rir ; tempo de saltar
e folgar e tempo de afflgir.
Passou portanto o lempo de dansar e entramos
no lempo de chorar as nossas culpas, purifica-las
pelos jejum e penitencias : estamos na quaresma,
observemo-la.
M. C.
Sajao de seu Evangelho, senao depois de ler jejua-
o quarenta dias no deserto; c nem se man esta
Slorioso no Tabor, senao no meio de Moyss e
e Elias, (pie tinham jejuado outros quarenta das.
Vemos em summa a sania egreja, que nao nisce
senio entre a oracao e o jejum, nem cresco senao
alimentada com a oracao e o jejum.
A egreja, recommendando aos liis a pratica do
jejum, teve tambem em vista a sade do c irpo
dos tem filhos, porque, como a temperancia c a
sobriedade sao os molhores meios de conservar a
sale, da mesma sorle a ab>tnenca do jejum sao
mu,tas vezes os meios mais seguros de a restabe-
lecer quando penlida. Fo por virtude de jejuns
coininuos, cuja austeridade assusta a nossa delica-
deza, e nos parece incrivel, que tantos antigos ana-
clicreas do deserto conservaran) urna sade 'rigo-
rosa, e constante alm do ordinario termo da ida,
e vveram mais de um seculo em paizes quenles,
nte a duracao da vida geralmente mais curta
os que nos climas temperados; taes forain S.
Paulo Eremita que viven JI3annos; Santo Antao
que viven 103; Santo Arsenio que viveu 120; e
S. Joiio, o silencioso, que viveu 104 annos.
O jejum foi sempre observado, qur as proprias
cabanas, qur mesmo nr. eminencia do throno,
f.. Basilio, que viveu no V seculo, diz que nao
havia rei, nem principe, nem dama delirada, nem
soldado, que nao observasse com rigor o jejum da
quaresma; e Sanio Agostinho, que viveu no se-
culo, csc evo, que souie que em Milao e em liorna
mu i tos ohservavam jejuns incrveu, nao s nao
conendo mais de urna vez ao dia, senao estando
muilas vezes tres das seguidos e mais, sem co-
me1 em nem beberem, e que isto observava n os
Loi.icns e juntamente as mulheres.
0QUEV1E PELO MUNDO.
Concluso do relatono apr|esentado pelo Exm.
ministro do Imperio, por occasi.o da abertura das
cmaras brasileiras :
A acquisicae, por compra cu construcejio, deum
edificio que aprsente estas condicoes o nico
meio de libertar o governo di taes imposigins dos
proprietarios, as quaes se repbtirao por certo sem-
pre que se tratar de renovacae de contratos.
A assembla geral resolver;| sobre este assumplo
como julgar mais acertado.
Pe?o tambem que a assemlbla geral consigne
desde j alguma quantia para se dar principie
edificaco de um predio proprio para os trabalhos
da faculdade de medicina do 1 Itio de Janeiro. E'
urgente tralar-se disto, como |tor vezes se tem ob-
servado, nao s por ser improprio o predio em que
se acha a faculdade, mas tambem por ser elevado
o aluguel de 7:200$ que por elle paga o governo
annualmente Santa Casa de Misericordia, qual
perience. A mesma Santa Casia j representou a
necessidade que tem do dito pridio.
A congregado Ja faculdade de medicina da Ba-
ha dirigiu ltimamente ao govyrno urna represen-
laco, na qual, insislindo sobre
estabelecer um borlo botnico p
ticos dos alumnos, pede que se compre um terreno
aproprado para esse fim, e se iiulorse o director
para fazer as mdicas despezas que toreni necessa-
rias para a acquisico de preraraeSea zoolgicas.
Julgo que a assembla geral deve attender a esta
necessidade que egualmeute se sent na faculdade
do Rio de Janeiro.
Deste assumpt* j tralei nc relatorio de 3 de
maio, bem como da conveniencia de se preverem
os gabinetes e laboratorios de ambas as faculdades.
das machinas, apparelhos, e irstrumentos de que
carecem.
I.VSTniCCjAO l'lllM Uil.v B sfeciNUAlHA.
Por decreto n. 3,142 de 17 de junho do anno fin-
ja necessidade de se
ira os estudos pra
do foi creada mais urna escola publica de lustrucI
fao primara do prmeiro gru para meninos na
freguezia do Engenho-Velho, devendo ser estabele-
cida no centro dos lugares denominados Malapor-
cos, morro do Santos Rodrigues, erua de S. Chns-!
tovao. -Era muto sensivel a sua falta nesse popu-
loso bairro.
veha-se aetnalmente elevado 'i2 o numero das
escolas publicas de instrticc,"io primara creadas no
municipio neulro. sendo 25 para o sexo masculino
e 17 para o feminino.
Daquellas cslaoduas sem prufessorcs, e das ul-
timas nina ; mas, excepcSo da que foi lia p
ceeada, acbam-se lodas einexercicio,regendoasque
nao oslao providas os respectivos adjunctos.
O relatono do digno conselheiro de estado ins-
pector geral (annexo II) d informaees ciroum--
tancadas sobre o estado deste ramo do servico
publico.
Chamo a alleneao da assembla geral para a
parte desle relatorio em que o niesmo conselheiro
de estado insiste sobre a conveniencia de se cons-
Iruirem predios prestios para as escolas, de se
Bslahetecer um Mnioadi para os mostrea, e de se
enano intrnalos para o ensino primario.
INSTITUTO l>OS SC1IIMIS-MIIMIS.
Chegou de Pars o pensionista do governo Ma-
noel de Magalhaes Couto, que fdra instruir-sena
theoria e pratica do systema de instrucejio, c de
admitiistracjio do instituto dos surdos-mudos d'a-
quella cidade, alim de lomar a direccio do nosso
nascente estalwleeimenlo, encarregando-se tam-
bem do encino.
Enlrou logo no exercicio de ambas as laaeeoea,
na conformidade do contracto que com elle cele-
brou o governo, e de cujas principaes condicoes
fiz mencao no relatorio de 3 de maio.
0 director do dito instituto de Pars, e o censor
ehefe do ensino deram informafoes muito lison-
geiras acerca dos resultados dos seus estudos.
Para que o nosso instituto possa ter algum pro-
gresso, e prestar os importantes servieos a que !
destinado, faz-se necessario que para suas despe- !
zas ordinarias se eleve a 20:0005000 a verba res-'
pee l i va.
E' tambem de reconhecida necessidade a cons-
trueco de um predio apropriado aos seus traba-
lhos.
ARCHIVO PUBLICO.
Contino a pedir a alinelo da assembla geral
para a necessidade urgente da remocao deste esta-
belecimento da parte do convento de Santo Anto-
nio em que se acha. No meu relatorio de 3 de
maio, e no que acaba de dirig r-me o digno di-
rector do mesmo estabeleciment (annexo J) estilo
exposlos os motivos que reclamara esla medida.
Emquanto, porm, nao fr possivel construir
um edificio com as proporcGes e condicoes conve-
nientes, cumpre que seja elevada a quantia, ma-
nifestamente insufBciente, que est designada pa-
ra o aluguel da casa para onde se mudar proviso-
riamente o archivo.
O mesmo director solicita tambem que a consig-
nago estabclecida para as despezas do expedien-
te, e que limitada a 220*003, seja elevada pelo
menos a 600J000. A insuffldencia d'aquella
quantia manifesta.
Ml'SEU NACIONAL.
Possuindo a commissao scientitica urna excel-
len te collecco de livros que foram comprados pa-
ra ella os consultar em seus trabalhos, ndicarara
o presidente da mesma commissao, e o director
do museu a conveniencia de se reunirem esses li-
vros aos que j tm este estabe lecimento para for-
maren) uina bibliotheca de sciencias naluraes e
physicas, que seria franqueada ao publico.
Adoptou o governo esta idea, eencarregou o Dr.
Mauoel Ferrera Lagos, chefe da seceo de zoolo-
ga da dita commissao, e adjunto de zoologa do
museu, nao s de organisar um catalogo systema-
tico dos referidos livros, mas tambem da sua
guarda e conservado em qualidade de bibliolhe-
cario da mesma commissao, funecoes a cujo de-
sempenho se preslou gratuitamente.
Concluido aquelle trabalho. se cITectuar a junc-
cao de todos os livros no edificio do museu para
realsacao da referida idea, continuando o Dr. La-
gos a exercer gratuitamente o encargo para o
qual se offereceu. ,
Sera entretanto necessario que se prepare n'a-
quello edificio um novo salao para o eslabelcci-
mento da bibliotheca. Tambem ser indispensa-
vel que algum empregado subalterno seja incum-
bido do arranjo e trato dos livros, e de os prestar
s pessoas que desejarem consulta-Ios. Estes ser-
vicos poderiam ser feitos por qualquer dos ompre-
gados do museu, dando-se-llie urna mdica gralli-
cacao.
Picar o museu assim com urna excellente bi-
FOLHETIM.
O PADRE DANIEL.
ESTl'DOS DA \IDA DO CAUPO.
pon
ANIJH TIIEUR1ET.
III
(UONTINTACVO.J
Elle partiu e o padre foi passeiar com Dionisia.
A' noute, cearam def ronte um do oulro, porque
Beauvals s enlrou tarde. Assim passou-se o pr-
meiro dia.
Das, semanas, mezes se snecederam. Dexando
Daniel, o padre crra-se condemnade i sele an-
nos de tristeza; ficou sorprezo de sentir-se doce-
mente feliz. Elle semelhava um homem sentado
una janella confronte a qual passasse e repassase
lentamente a imagem da felicidade. Era ftliz e
sentase calmo. A vida do campo quadrava se a
ana natureza, toda timidez e descuidse pensar.
Todo que alegrava a rasa o enrantava. O jardim
liei voso, desdenhado, em suas alamedas onde o
unrho e a herva-doce cresciain abundantemente
com sen caramanchel vorgando sob o peso da ma-
nsilvas e dos climatites; o gallinheiro, aitiga
capel la dos templarios, onde as gallinhas pucham
nos nichos dos santos mutilados; a figucira topa-
da, sombreando o ngulo do pateo verdejanU ; os
pombos d'azas harmoniososque viubam desalt srar-
se na agua correte dos regos ; es grandes mon-
toes de ralba ao sol; as vaccas indo com vagar
para o pasto e exhalando um rheiro deleite; os ti-
ros do espingarda echoandonos bosques do Cour-
tib, e os latidos da maiilba; o balido dos carneros
mcsclado aos appellos melanclicos dos pastores
tarde, e manhiia as vozes suaves dos sinos de
Prssigny soando emdcbres, nada dislo era inlifTe-
renle ao padre. Como urna abelha que eztrahe de
todas as flores o seu niel, fazia entrar como alimen-
to do suas alegras os menores detalbes da vida
rustica.
O invern veiu menos rico em prsenlos 'me o
oniomno, mas abundante em alegras calmas e in-
timas. Ilaviam mais occasies de se reun rem,
procura\am-se voluntariamente, noute sobretu-
do, no sali transformado em rozinha. A rhaaiin
de granito abrigava todos. Ali diziam-se as no-
vas irazidas de Pressignv e das aldeas proxnas, e
tambem as longas historias dos lempos dos templa-
rios, ou bem contos das lavande+ras, das qmes se
a meia noute
em seu cont. A
sua espingarda, o
as vezes um livro
i aba explicado a
bliotheca de sciencias naturaes c physicas. Mas.
fazendo parte deste eslabelicimento as seeo&es de
archeologia, numismtica, agricultura, e' elimo-
graphia, ser til completix a nova bibliolhcca
cora as obras mais imponantes relativas a estes
ramos, augmentando-se para este fim a consigna-
cao do musen.
O director desle represeida a necessidade de
nia> um srvenle para os trabalhos que lera ac-
erescido.
COMMISSAO SC ERTiCICA.
Tove principio a publica, ao dos trabal'i
commissao. Acham-so j lUhographa las mais de
100 eslani|)as, que sao destinadas a elucidar os
textos perteqeeotes s secedes botnica, zoolgica,
geolgica e etlmographica.
Sendo dispendiosa a publicaco destas estampas,
prncipahnento das que se referem zoologa, e
etlinographia, por seren coloridas cora a desoja-
val perfeieo, seria conveniente, para que este
trabalho mais se adantasse que se augmeutasse
a verba votada para as despezas da commissio, a
qual limitada a 20:000500'), correndo por ella as1
grallicaces que percebem os ebefes das secces.
e os gastos que exige a preparacao o oonservacio
dos productos cotudos.
LUID DK AKTK- E 0FFICI0S.
Inaiigurou-se nesla cidale. no anuo de 1807,
urna sociedade sob a denominaco de Propagadora
das Bellas Artes.
Com o inluito de realsai o fim a que se propz
fundou no anno seguinte o lyceu de artes e offl-
cios; para o qual julgo dever chamar a attencao
da assembla geral.
Segundo informa o secreiario da mesma socie-
dade, frequenlado este estibelecimento por mais
de i."iO alumnos gratuitame ite : entro os quaes I
se coma nove do instituto dos surdos-mudos, e'
nao pequeo numero de operarios do arsenal de
marinha, e da casa da moeda; ensnam-se os co-
nhecimenlos elementares das proflssoes artistieas!
em cursos nocturnos dividid >s as segnintes aulas'
de arthmetica, de geometra, de desenho de fi-
gura, de ornatos, de paisazem, de machinas, de
archlectura civil, de archb dura naval, e de mu-
sica. Algumas aulas, como as de esculptnra de
ornatos e arte cermica, de statuaria, de pintura,
e outras. as quaes entram no plano dos estudos.
nao tm podido instituir-se pela insuflicienca da
casa.
Limitada, porm. a sociedade aos seus proprlos
recursos, nao tem podido oiganisar o lyceu, se-
gundo o plano que tracr;.: fallam-llio casa ac-
commodada, officinas, labo-atorios. modelos es-
peciaos, c aulas de applcacao, condicoes indis-
pensaveis dos estabelecimentos de semelbante na-
tureza. E tal a insufflc ncia lesees recursos
que, para se sustentaren) as aulas tem sido preci-
so que alguns cidados, movidos do puro sent-
ment de patriotismo, se hajam prestado, baj
seis annos, e sempre com a mais louvavel dedi-
cado, a exercer o magisterio gratuitamente.
Attendendo o governo s diOicultosas circums-
tancias da sociedade, e aos importantes serviros
que ao progresso da nossa r ascento industria de-
ve prestar o lyceu que ella nndou, se, como me-
rece, fr protegido pelo esta lo, orde nou que fosse
reparada e melhorada a pan i do edificio do exter-
nato do collegio de Pedro II, em que o mesmo ly-
ceu se acha estabelecido; e |la verbaeventuaes
autorisou a compra de alguns modelos para uso
das aulas, bem como a desp ;za em que importou
a sua illurninacao gaz dur; nte o anno lindo.
Ser presente assembls geral, para o tomar
na devida eonsiderafo. o officio que o digno se-
cretario da sociedade dirigiu ao governo, fazendo
a exposicao do estado desta, e solicitando o auxi-
lio de que tanto carece.
CONSERVATORIO rRAMATICO.
No meu relatorio de 3 ae maio expuz que, com-
quanto estivesse prestando este conservatorio ser-
vicos em proveito dos estados dramticos, e da
scena brasileira, nao era t< davia, qual se desej-
ra o resultado dos seus trabalhos: duas causas
embargavam o seu desenvolvimentofalta dos
meios necessarios de accao ( carencia de recursos
pecuniarios.
E' ainda o mesmo o seu estado.
A" primeira dessas nocessidades trata o governo
de occorrer, dando ao conservatorio nova organi-
saco assentada sobre bases mais largas.
A' segunda deve prover a assembla geral, con-
cedendo para auxilio de sua;. despezas urna quan-
tia razeavel.
0 governo tem-lhe presta lo, ha annos, a sub-
vengo de 6005000 pela -erba Eventuaes .
Sendo ella, porm manifesta.nente insufliciente, e
reconhecendo-se a utilidade da una instituic/io que
promova o progresso da no:sa lilteralura dram-
tica, e melhore o estado dos nossos theatros, impe-
dindo efficazmenleos abusos pie nelles possam ser
praticados contra a decencia e a moral publica,
- t
ouvia a pa de baler roupa res
junto f.nte de Font-audron.
Entretanto Petil Penson, com cls olhos arregala-
dos e a physionomia espantada, epculava com quan-
los ouvidos tinha, c se enovelava!
Bruere liava, Beauvais limpava
primo e Dionsia folheavam algn
de imagens, e quando Dioniosia
imagem ao primo, o primo cxplic^va o texto Dio-
ni Beauvais tambem era feliz, a vinda do primo
Ihe havia permitlido conservar sua lba em Tem-
pliers. Durante suas ausencias f equenles, senta-:
se feliz sabendo que todos os seus eslavam ali reu-
nidos, e o esperavam. Elle era u dono da casa e
por vezes comprazia-se em fazer cchoar nacozinha
suas risadas de senhor. Comludcj essa voz grossa'
s raras vezes era terrivel.
Demais Dionisia sabia sendo preciso transformar
sua colera em meiguices, e o pruno era o alliado ;
de Dionisia. Este tinha buscado ajprincipio ganhar
Beauvaiscondemnando-se a admiraco dos cavai-
los e caes de seu hospede; mas nesse manejo o
camponio depressa descobriu o cqnslrangimentd a
urna especie de condescendencia ekn que patentea-'
va-se ainda mais a incompetencia do primo. Nem
por isso Ihe musir va m cara, somenle por ccrlo '
ar gracejador se conheca que elfu nao o conlava
no numero dos homens praiicos e de quera se pode
tirar alguma vantagem. Beauvais! tinha alguma
cousa do carcter de contratador de animaes ; e as
qualidades inherentes a esta profisso erara as mais
antipathicas ao primo.
Estes dous homens se eslimavam e amavam-sc
com sinceridade, mas nem sempre .-e entendiam.
Para o primo um negocio de cem [francos ou do
mil, era a mrsma cousa. e para Beauva.s nao havia
cousa mais seria do que um negocio.! Um contem-
pla va as estrellas, o outro a Ierra, e o que olhava
as estrellas por vezes tropecava as cousas Ierres-
tres, romo o astrlogo da fbula.
Beauvais aproveitava-se dsso pa^a oppnmir o
primo com a artilluria grossa de seu^ irnicos gra-
cejos ; mas quando noute Dionisia niostrava a seu
pae suas Jicoes e explicava seus progressos, Beau-
vais sentia-se altivo e testemunhava ento ao padre
tanto reconhecimento que accoinmodavam ludo e
peneiravam a Bruere de admiraco.
A Bruere era a decana da casa. Tinha vinle
annos mais que siu amo, que j a achou em Tem-
pliers, quando se casara. Era urna velha magra,
vigilante o lagarella, tratavel mas desbota, dando
em Petil Penson por urna bofetada tres mac.v, li-
dando todo dia e recontando seus sonqos. Ella ti-
nha a maior deferencia com o padre porque s ti-
nha um braco, por ser sacerdote, e por ter conhe-
cido um pequeo.
Estava satisfeita tambem por ter em seus vellios
nao hesito em solicitar que a assembla geral vote
para o conservatorio asubvenfaode 1:000000 por
auno.
SAUDS PUSUCA.
Ka capital do imperio, e na maior parte das
provincias o eslado sanitario tem tomado aspecto
mais satisfactorio. i
A epidemia do ehrolera-morbo, que tamos cs-
Iragos causn em dtfferentes provincias do norte, |
durante o auno paaBldo e o crreme, desappare-1
ceu completamente em algumas, em outras apenas
>e observara poneos casos.
as provincias de S. Paulo e do Paran urna
violenta epidemia de v.uiola tem feto creseido nu-
moro de victimas. Teem sido prestados popula-
cao necessitada todos os soccorros que estilo ao al-
cance da admiaistracao,
Manifestaram-se em urna freguezia da provincia
do Rio Crande do Xorlc febres de carcter ma-
ligno : mas em ponco tempo se extinguirn), ten-
do havido poneos casos fataes
No annexo J se acha o relatorio que me fo a-
presentado pele presidente interino da junta cen-
tral de bygiene publica.
AI.IMK.MA(.:\0 l'LIII.H:A.
Tanto na cidade do Ro de Janeiro, como as
provincias, nao tem havido octave! alteraco no
eslado do mercado dos genero alimenticios." Para
isso tem principalmente contribuido a regulari-
dad,' das eslaces.
No meu relatorio de 3 de malo do anno passado
refer que, tendo continuado os clamores contra a
oli-vaefio do proco da carne verde nos acougues
desta cidade, ap'ezar de sua abundancia, e pare
conde que aexecucao das disposices do decreto
n. 2.04I de SI de d'ezembro de 18r>7, as quaes ti-
nham sido suspensas provisoriamente para se en-
salaran outras medidas, que porm nao produzi-
rara 0 desejado eleito, removera, ao menos por
emquanto, o mal apontado, garanlindo ao mesmo
lempo os legtimos interesses dos criadores e boa-
deiros; sobre proposta da lllm. cmara municipal
expedo o governo o decreto 3,087 do Io de maio.
pelo qual se ampliou o dreilo asegurando aquel-
les fornecedores de gado, com a suppresso da
condicao que exiga abatimento no prero da carne
em relaeo ao da anterior, para que pudesse ve-
rilicar-sea prefencia concedida aos mesmos forne-
cedores.
Para a boa execucjio dos citados decretos, bem
como do regulamento approvado pela portarla de
11 de maio de 1843. den o chefe de polica de ac-
ord com o governo, as convenientes providen-
cias relativamente malanga do gado no mata-
douro publico. Por ellas fo limitado o crU para
consumo a cerlo numero de rezes por dia, e ftxa-
do o numero das que o agente offlcal do matadou-
ro deva corlar por conta dos criadores e boia-
deiros.
Estando porm em execucao cssas providen-
cias, a lllm. cmara municipal expedio ordem ao
administrador do maladouro para que nao posesse
embanco algum aos donos do gado, que na segun-
da matanca aprcsenlasseni rezes para o corte, urna
vez que livesstm pago os respectivos mpostos. O
effeto de semelbante ordem, que era tornar Ili-
mitado o corte do gado para consumo diario, an-
nullava as referidas previdencias, as quaes nada
se continha que nao fosse a consequencia neces-
saria da legislarn ja citada.
Sendo manifestamente improcedentes as razos,
em que se baseara a lllm. cmara para lomar esla
deliberado, expedio o governo a portara de 30
de setembro confirmada pela de 12 de outubro.
ordenando-lhc que nao embaragasse a observancia
das providencias lomadas pelo chele de polica,
E como positivamente declarassem, em sesso,
quatro vereadore, que naquella oeeasiao forma-
va m a maioiia, que se recusava a cumpri-
mento da ordem do governo, resolveu este sus-
pende-los do exercicio de suas funceoes e mnda-
los responsabilisar.
Logo depois, tendo sido substituidos na forma
da le estes vereadores e mais oulro que se a-
chavam impedidos, foi cmprela aquella ordem.
No annexo K se ada a correspooVncia offlcial
que houve entre o governo e a lllm. cmara muui-
cipal sobre este assumplo.
Aguardaainda ogoverno os trabalhos queexi-
gu dos presidentes das provincias de Minas Ge-
raes e S. Paulo, para sobre elles se basearem as
medidas mais aproprradas que aos poderes genios
cumpre tomar no intuito de melhorar as condi-
coes da industria ecommcrcio do gado-
MOXTKPIO GERAL DB W.ONOMIA DAS SBllVIDOItES O
ESTADO.
O offlcio que me dirigiu a directora deste esta-
beleci ment, e se acha no annexo L, raostra que
nao lisongeirooseu estado.
A sorle de tao til instiuicao, qual se prende a
de tantas familias de servidores da nac/io, uo
pode ser abandonada pelos poderes do- eslado.
Como no mesmo offlcio declara a directora que
solicitar do poder legislativo os novos auxilios
necessarios para assegurar-se a existencia does-
tabelecimento, liinito-rae a chamar para lao im-
portante assumpto a attencao da assembla
geral.
Julgo entretanto dever ponderar que se nao
poder prescindir, ainda concedeudo-se os novos
auxilios que vaoser pedidos, de recorrer medi-
da de que tralam os arts. 15 o H do decreto de 13
de marco de 18-44, ou a oulra seuelhante, tenden-
te a re'duzir as penses tanto quanto fr indis-
pensavel para estabelecer-se o equilibrio do quai
depende a sustentaco do estabetecimento.
neamente se abrram para as urgencias do esta-
do, vista de tal emergencia, subscriqcoes popu-
laresque produzram avalladas sommas.
Alm de obedecer ao impulso do seu patrio-
tismo, seguu a populacho o nohre exemplo de
Suas Magestades Imperiaes, e das Augustas Prin-
cezas, que, serapre os primeros as grandes oc-
casies, desiinaram aquello fim urna parte de
suasdolac
Nao me possivel apresuntar a importancia in-
tegral a que montaran) as subsoripcoes, por nio
ler anda reoetiHo lodas as informacoes acerca
das que foram iberias as previncias.
A commissao central que se organisou nesta
corle consegu;! arrecadar por sua parte, e
por mco de commissoec locaes, a somma de
1.170:3815070. que se acha rccolhlda no Ihesouro
nacional a sposico do governo, e deu por lin-
do; os seus trabalhos. romo ltimamente me par-
tecipou.
O governo j mandou tambera suspender o des-
como que nos wncimentos de quasi todos os func-
conarios pblicos se filia por espontaneo olfcire-
c ment delles.
Sendo este relatorio apenas um addtamento ao
de3 de maio do anno findo. limilo-me informacoes
q je acabo de prestar.
Ro de Janeiro em I de Janeiro de 1864.Uar-
(icz -Ir nlimla.
Nao rematarei esta exposicao sem fazer men-
cao do patritico enlhnsiasmo que. por ocrasio
do conflicto suscitado, no principio do anno lindo,
entre o governo imperial e a legaeao de S. M. kri-
tannica nesta corle, manifestou a populacao de
I todo o imperio, protestando ao mesmo governo a
'sua viva adheaao e coadjuvacao na deten Ja
dignidade e direitos nacionaes.
Xeste sentimeuto se ideulificaram todos os
Brasileros; honra seja fetla ao carecter na-
cional.
Nesta corte, e em todas as provincias espouta-
dias um cura em permanencia na herdade. Cha-
mava-o momo primo, e o considerava como um bom
homem um tanto pensativo e innocente. Sua sym-
palhia entretanto inclnava mais Beauvais.
Esta niulhcr disposta e forte, admirava esse homem
robusto e tinha feito com elleallianca. Quanto ao
mais o mal i rata va muitas vezes, porque a Bruere
era um alliado independente.
Pelt Pinson era o alliado submettido, ou antes
era propriedade da Bruere. Era bronco, pregui-
5oso o bastanteglolao, mas respeitava a velha cra-
da e s tema duas cousas : a Bruere e o lobis-
homem.
E Dionisia ?. Dionisia era selvagom e tinha o sa-
bor acre, a graca caprichosa e a seiva de ludo que
selvagcm. O que a tinha levado desde logo a
gostar do primo fra, que gracas elle,' nao ira
para o collegio. A cidade era para ella um terri-
vel lugar; seu pae a tinha levado l duas vezes em
tempo de fera, e toda essa multidao inquieta, gri-
tadora, azafainada Ihe tinha feto ter medo da civi-
lisacao. Nao gostava mesmo de Pressignv, onde
a olhavam muito, e quando vinha alguem a Tem-
pliers, fugia para o vergel. A solido no meio dos
campos, os mil ruidos da herdade, ou s grandes
sombras dos bosques, eis o que amava. Nao era
jovial, mas tambera nao era melanclica; tinha ac-
cessos de aglago e iramobilidade, de febre e in-
differenca, que vinham e desappareciam sem que
se soubesse porque. Nao gostava mais de suas bo-
necas desde sua primeira communho e nao amava
anda os livros; as agulhas quebravam-se como vi-
dro enlre seus dedos e as oceupaces sedentarias
nao podam rete-la muito tempo.
Apezar de seu niovel carcter e humor capri-
choso, tinha una vontade de ferro e una energa
de que Pelit Pinson nao era sempre o nico que
1 soffria. Passava descuidosaatravez das coleras de
Beauvais e da Bruere, romo urna andorinha por
urna ebuva de tempesiade.
Essa msela de selvageriae inquieta moblidade,
tinha principio assustado o primo, que indagava
! nao sem medo, como poderia dirigir para o bem
esla alma sempre extrema, esta inlelligencia nao
; se manifestando voluntariamente senao por ac-
cessos.
Mas, em falta de energa, o padre tinha una
i dessas inexhaurives ternuras que acabara por
triumphar das maores obstinaces. Depois nao
nutria elle no mais intimo recanto de seu corarlo
1 um projecto para o qual bastara pensar paraacbar
novas forcas ?
Desde os primeros dias de sua chegada Tem-
phers, tinha querido regular sua pMicio. Tinha
de renda seiscenlos francos, aluguel de sua Bruas-
series. A despeitc das protestaces de Beauvais,
tinha estipulado que Ihe pagana urna pensao de
trezentos francos. Com o resto, achou meio de
Hrotftvithn.
Declina o dcimo seculo, e prximo esf o anno
de 1000; data pavorosa em quesegundo os preiuizo*
populares, ter de apparecer o lira do mundo. F.
na verdade, vendse a desorden) que nelle reina,
quem nao ci erla que as prophecias vio real i-
s.ir-se t Em toda parle apenas- la tinido d'arnm,
deluimento e ruinas, silencios de tmulos ou deses-
Pi'jo. Dcimo seculo! esla palavra parece que
o stil eclipsa-se, que as Irevas cobrem de novo a
superficie do abysmo, e que, para esse captulo tao
sombro da historia, s existe um Mulo possivel:
confuso!
Podra, nao! Por muito doenle que esteja o
mundo, ainda desta vez elle se reslabelecer. Pelo
contrario, nao se traa do seu fim. Todo o nasci-
m3nto, como toda a agona, acompanbado de
conyulsoes quasi sempre terriveis, e aqullas que
aqui vemos, sao os primeros signaes do vida da-
dos pelos povos modernos, pobres recem-nascidos
que a feudalidadc, sua turbulenta ama de leile,
agita rodemenle no berco.
0 espirito humano nao deixa de existir, porm
calase. E que dizia elle? Falta-lhe urna lingua
para exprimirse. Os bello idiomas da antigufda-
de j l se vio; os futuros apenas principia! a
balbucan Da renascenca latina momenUnea-
mente amplificada sob ogoverno de Carlos Magno
e \ administracao de Alcuino, s um pequeo nu-
mero de gerraens degenerados escaparan) des-
tru cao.
Como! este triste deserto nao nos offerecer o
menor oasis, um pequeo cantoferl| era que possa
abrigar-se o nosso espirito 1
Talrail
Vum lugar selvagem, onde our'ora os olhos do
viajante apenas avistavam ao longe a chaneca
escabrosa, giestas e urzes; sobre o proprio solo
tantas vezes regado pelo grande Karl de sangue do
Saxonios; um descendente de Witlrkind lancou os
alicerces de urna modesta e pacifica habilaco, na
qual candidas ovelhas do Senhor podessem achar
um a&yfc> contra as vicssiludes dessa edade de
ferro. Decorreu ura seculo, e o humilde aprisco <
boje ariea e magnifica abhadia de (Jandersheim. A
sombra dos seus muros, a charra fecunda a tr-
ra; campos cultivados substituirn) a charra es-
te -il, e hahitaces numerosas vieram somprimir-se
ao redor detla.
Em quanto fra dos seus claustro o trabalho
desenvove e derrama a vida, dentro delles os es-
piltos nao estao parados. Ahi os estudos asso-
ciam-se aos ejercicios pedosos; a iatelligencia,
como a religio, tem as suas festas: e a rligiao.
que a* santifica, esmpraz-se em confcndi-las com
aimellas que Ihe sao proprias.
De certo, difneifmente achar-se-hi urna mais
(lonta e veneravel assembla do que aquella que
an dessis occasies solemnes reuDiui na grande
sala do capitulo de 6andersheim.
A joven abbadessa Gerberge ali toma> assento na
fniite de toda a eommunidade, e revestida da tri-
plico preeminencia das suas funecoes pastoraes,
das suas virtudes, e-do sangue imperial' que corre
as suas veas, porque pertence esta gloriosa
casa da Saxonia que. nessa poca, d soberanos ao
Occidente.
Alguns membroe- eminentes do clero-, e, com
eHes, nobres convidados de ambos os sexos, com-
ph'tam o respeilavel tribunal chamado- a pronun-
ciar o seu juizo acerca do drama edificante que.
pela primeira vez-, vae ser representado naquelle
dii e lugar.
Os papis foram'confiados sjovens freirs que.
por sua intelligencla e zelo, mostram mais aplido
para o seu bom dtesempenho. Os personagens nao
exprmem-se no rude vasconco todesi r, de que ser
preciso muto tempo e muito genia-para um dia
fazer a lingua de-Goethe e Schller, mas era prosa
launa correcta, elegante, tal em urna palavra que
Ijulgar-se-hia escripia na propria Roma, mil annos
antes, se cerlo arredondamento de phrase e conso-
j na ncia sabiamente disposta, nao dssem a conhe-
| car estylo mais-moderno.
1 Juanto ao- assumplo da peca, simples e pa-
thelico:
(ConUmwr-se-ha.)
mensalmente enviar a Danie dez francos, vestir e
fazer presentes Dionisia e 1 Bruere, e al a Petil
Pinson. Urna vez livre dessos detalhes matenaes,
traiou de distribuir seus diss : a semana inlera
era consagrada Dionisia, a excepcao do do-
mingo.
Durante a semana, o padre trajava como um'
camponio, mas no domingo veslia-se de outro mo-
do. Nesse dia um verdadei -o cura descia da tor-
rinha : chapu de tres bicos, volta, meias pretas,
sapatos com fivcllas de prata, soutana de bom pan-
no, nada Ihe falla va. Asnorc horas caminhava
para a egreja de Pressign, em companhia da1
Bruere, de Pelit Pinson, e dj Dionisia. Durante1
a missa, elle se punha no coro cora sobrepelliz ; e
de seu assento, aira vez do fumo do insenso, com-'
templara por vezes Dionisia, que com a cabeca in-'
diada sobre seu livrinho, orava sombra de um j
pillar. Dionisia !.. era sua alegra e sua beacio,'
era tambera sua obra. Vellava no desenvolvimen-
lo de sua intellgencia com esta rdeme sollcitudo
do horticultor para com a ro^a preferida que ac-'
ba de desabrochar. Dionisn en Ira va na adotes-1
cenca ; j a petulancia da ci eanga ia desappare-
cendo para dar lugar a um .-ranhamenio extraor-
dinario, e a urna exclaco rervosa. Inda alguns
dias e a mocidade ia apparecer e toda essa fina e
enrgica natureza feminl ia tomar seu pleno de-
senvolvimento.
Apressem o-nos, dizia o bom padre, apresse-
mo-nos em semear para que o bom grao germine
na estafao conveniente. E ello Ihe infunda todos
os seus thesouros de setnela, sabedoria, e obser-
vadlo. Quera sobre ludo in pirar-lhe. nao o gosto
dos livros, mas o attraclivo (as oceupaces serias
e cultivar este amor da nali reza agreste que ja
ella tinha: Se o tempo mostrva-se bello 011 mesmo
supporlavel, davara juntos un longo passcio. Urnas
vezes iam encontrar Beauvas, que os fazia voltar
carro, outras vezes erravain aira vez dos campos ou
seguiam o curso du Egronne. Traziam sempre co-
Ibeilas de llores e quando os amponezes viam pas-
sar esle padre maneta, rom os cabellos embran-
quecendo, e esta mocnha de chapeusinho cor de
rosa, ambos trazendo feixes de flores, davam-lhes
sempre urna boa saudaejio, urna boa palavra e um
doce sorriso.
Assim crescia Dionisia no seo desta natureza
rustica e fecunda, entre seu pae e o padre, em
urna athmosphera enipregnac a de ternura.
_ Nimia noute de junho bou t-n grande festa no sa-
lao de Tetnpliers. Brauvais s mu tarde devia
chegar. O primo c Dionisia eslavam sos ou quasi
sos, a Bruere escoando a le livia, e Pelit Pinson,'
tendo adormecido sobre a ca leira. Cm ramalhete
colhido pela manha estava < ibre a mesa, e a lam-
pada cubera por guarda luz -selarecia docemente.
Quando a leitura da noute tei minou, o primo apro-
ximando o jarro para junlode Dionisia c da lam-
pada, o voltou lentamente ahtn de fazer admirar a
sua alumna o ramalhete sob todas as suas faces.
Havia no centro delle imii esplendido nciuipliar
branco, inda mal aberto e cheo de mysterio, em
volta estremecam ligeras gramimas, movel penda
onde se mistura vam caprichosamente todo uespovo
de plantas dos campos, das aguas e dos bosques,
que brilhavam a luz da lampada. Ilaviam llores
amarellas de forma de sino, de tacas, tyrsos, e co-
cares, lugares cheios de claridade e sombros va-
cuos, lina linda arantia verde claro eslava sus-
pensa una branca asperula, e meio presa na re-
de formada pelo entre crusamenlo das gramimas;
um insecto de olhos d'ouro, vestido de urea garca
estremeca, e a medida que o primo fazia voltar o
jarro, um lino p argnteo voava de todos os es-
tames e pairava como fumo por sobro ramalhete,
' de que exhalava um esqusito perfume, asss pe-
netrante. Dionisia soltou repentinamente um gri-
j to de admiraco, e colirio com as maos o roslo.
Quando tornou a erguer a cabera, rolavam lagri-
1 mas de seus olhos, mas lagrimas de alegra ; os
olhos linham um brilbo que sor|>rehendeu o padre,
suas feices animadas, suas faces coloridas, davain
a sua physionomia urna expressao nova e a Irania-
. Ilguravam. Oprimo deslumhrado desta belleza
que tao sbitamente se revelava, sobresaltou-se
contemplando-a. A menina de honlem havia-se
tornado moca.
IV
Quando comecou a guerra da Crimea, Dionisia
complctava dezesseis annos. Daniel nomeado cabo
de esquadra desde que sentara praca, escroveu ao
primo que parta para o Oriente com seu regimen-
t. O padre correu logo a Pressigny e envin
pelo correio a seu pnpillo urna ordem supplcmentar.
1 Vosso protegido teria ao menos sentado
praca na cavallaria t perguntou Beauvais.
Foi elle quem trouxe a Templiers a carta do
theatro da guerra, < para dar gosto ao cura, que
gostava do seguir o curso da guerra. O padre
apossou-seda carta, levou-a para seu quarto e ah,
1 cada dia, segua sobre a trra do Oriente a mar-
cha da diviso do exercito do que fazia parte o 49*
de linda.
O Oriente, flcava da parte d'alm das ruinas do
castello de Elableaux. Algumas vezes a noutinha
! quando o sol j se tinha posto, na oulra extremi-
dade do ru, o primo, em p em frente da janella
da toi rnha, iiergulhava urna inquieta vista no
a siii mais sombro do nascente, o quando fechava
a janella, dizia : Deus o proteja.
No meio do anno de 1855, Daniel passou a sar-
gento o o primo recebeu nossa oeeasiao urna carta
que leu a Beauvais, sobre mesa, em quanto Dio-
nisia fora estender a roupa no vergel. Essa carta
era toda hellieosa Daniel centava sua vida de
acampamento- e descrevia um da de combate,
quando desde-o romper d'al va, so- despenado pelo
toque de alvorada e os surdos ribombos do canho.
Cada qjnal toma sua espingarda e mochila,
dizia elle, c-marcha I Se a vanea luz do creps-
culo, se oiLvem vozes de commando breves eaccen-
tuados qu se repetem e percoprern as fileiras ; os
ajudantes de campo voam de tun regiment ou-
tro ; as tropas tomara suas posices, nossos chefes
nos arengara com ajgumas palavras enrgicas.
Logo o ttoar do canhao so terna mais (requeme,.
deiiois os clarins soam, as isusicas tocam wllia-
aras njrionaes que s se cuvem em dias de balar-
Iha, e que fazem ferver o sangue aos mais fros e
medrosos ; e ao rufar do tambores, atravez do furao-
0 regiment, embriagado pelo cheiro da polvera
estreaaece.
Avante !
Nao somos mais Pedro, Thiago, Daniel r so-
mes a Franja de que somos parcellase- oahi-
nuie sobre a Russia S s'ollia o braco de- chr-t
c.ia voz j nao se isenpta, se d os bons das com.
a nista aos camaradas e se marcha... As veat^ieto
dora um dia inteirx Os homens cahem, niarvba-
se sempre. As veies, um friosinho nos atravessa
o corago, mais s taz alravessa-lo. E assim at
a noute em que linda a batalha, e se sabe que a
victoria nossa e que se foi nomeado sangeoto. poi-
que sou sargento, desde hontcm, neo primo, O
que entristece a gente, que vollando-se as tendas
o rumero dos camaradas de vespera lera diminuido
issi vos aporta o coracao; mas astao.outros ali,
conversa-se muito e dorme-se estaftido, Kis o que
ha, meu primo, e nimba candea est a apagar-se.
Caro primo, sou vosso de todo o coracao.
Quando o padre acabava a loihtr, Dionisia en-
trou.
Eis ahi mu brejero que tem bigodes; cxcla-
mou Beauvais ; Dionisia lo um pouco esla carta
c le alto ; ouvi-la-hei de bom grado duas vezes.
E Dionisia leu lentamente com sua lida voz:
clara e sonora. O padre sacuda negligentenieniu
a manga de seu braco dircito e olhava por baixu
das palpebras. Quando Dionisia chegou ao fjut
gu.'.rdou silencio e ontregou a carta ao primo.
Quando olio voltar Franca, disse Beanyai,
preciso que Ihe escrevacs para que veuha, cacar
comgo, por que o rapaz deve gostar da cara., Ei
ao menos um que saber apreciar um ca vallo I >
Dionisia sempre silenciosa, dobravaa toalla sobre
a mesa. Beauvais sahio, o o padre toi ler seu bre-
viario ; mas estava preoecupado.; Dionisia nada
dissera sobro a carta :
(Continmii'Sr-ha.j
PEKNAMBUO.- TTP. V& M. V. F. & FiSc
- t
X
t9tmm


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ELNFCMQMD_BHV8GR INGEST_TIME 2013-08-28T03:12:24Z PACKAGE AA00011611_10288
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES