Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10272


This item is only available as the following downloads:


Full Text


AMO XXXIX HUMERO 292.
Por tres mezes adiantados 8S000
Por Ires mezes vencidos .... 6JO0D
SEGUNDA FEIRA 21 DE DEZEMBRO DE 1863.
Por anno adiantado.....198000
Porte para o subscriptor. 3$00U
DIARIO DE PERNAMBUCO.
. ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCO NO NORTE
Parahyba. o Sr. Antonio Alejandrino de Lima *
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracatv.
Sr. A. de Lemos Jraga; Cear, e Sr. J. Jos de
Oliveira; Maranhao, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Manoel Pinheiro & a-, A-
mazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENARREGADOS DA SIUSCIUPCAO NO SUL
Alagas. o Sr. Claudino Faleo Dias; Rahia, o
Sr. Jos Marlins Alves; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
reira Marlins 4 Gasparino.
PAKTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo e Esrada todos os dias.
Iguarassu', Goyanna e Parahyba as segundas e
sextas-feiras.
Santo Antao, Gravat, Bezerros, Bonito, Caruara',
Altinho e Garanhuns as tercas feiras.
Pao d'Alho, Nazareth. Limoeiro, Brejo, Pesqueira,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Tacaratu', Cabrob,
Boa Vista. Ourieury e Exu" as quartas feiras.
Serinhaem, Rio Formoso, Tamnndar, l'na, Barrei-
ros, Agua Prcta e Pimenteiras as quintas feiras.
Ilha de Fernando todas as vezes que para ali sahir
navio.
Todos os estafetas partem ao '/* da.
EPJ1EMERIDES DO MEZ DE DEZEMBRO.
yS Quarto ming. as 8 h., 49 m. e 2 s. da m.
10 La nova as 4 h., 29 m. e 20 s. da t.
17 Quarto cresc. as 8 b., 20 m. e 32 s. da m.
24 La cheia as 11 h., 23 m. e 14 s. da t.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 9 horas e 18 minutos da manhia.
Segunda as 9 horas e 42 minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o sul at Alagas a 5 e 25; para o norte at
a Granja 7 e 22 de eada mez; para Fernando nos
dias 14 dos mezes dejan, marc., maio, rol, set. enov.
PARTJDA DOS MNIBUS.
Para o Recife : do Apipucos s 6 '/> 7, 7 V2, 8 e
8 Vz da m.; de Olinda s 8 da m. e 6 da tarde; de
Jabato s. 6 '/z da m.; do Casanga e Varzea s 7
da m.; de Bemfica s 8 da m.
Do Recife : para o Apipueos s 3 /,, 4, 4 'A, V.
5, 5 'A, 5 Vi e.6 da tarde; para Olinda s 7 da
manha e 4 '/i da tarde; para Jaboalao s 4 da tar-
de para Cachang e Varzea s 4 /, da tarde; para
Bemfica s 4 da tarde.
AUDENCIA DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio: segundas e quintas.
Relacao: tercas e sabbados s 10 horas.
Fazenda: quinta s 10 horas.
Juizo do commercio: segundas s 11 horas.
Dito de orphos: tercas e sexta s 10 horas.
Primeira vara do civel : tercas e sextas ao meio
dia.
Segunda vara do civel: quartas e sabbados a 1 hora
da tarde.
DIAS DA SEMANA.
21. Segunda. S. Thom ap.; S. Themtstode m.
22. Terca. S. Honorato m.; S. Floro m.
23. Quarta. Ss. Migdonio, Mardonio mm.
24. Quinta. S. Hollino b.; S. Tarsilla m.
28. Sexta, cfc Nascimenlo de N. S. J. Christo.
26. Sabbado. S. Estevo proto-marlyr.
27. Domingo. S. Joao ap. e evang.
ASSIGN'A-SE
no Recife, em a livraria da praca da Independencia
ns. 6 e 8, dos propietarios Manoel Figueiroa d
Faria 4 Filho.
PARTE QFFICIAL.
I>0YER>0 DA PROVINCIA.
Eioedieite do dia 16 > dexembr de 1863.
Offlcio ao commandante superior da guarda na-
cional do municipio do Recife. Queira V. Exc.
informar sobre o que pede no incluso requeri-
inento o capito do primeiro batalho de artlha-
i"1a da guarda nacional destc municipio Antonio
Jos Silva Brasil.
Dito aomesmo.Queira Y. Exc. informar acer-
ca do que pede no incluso requerimento o alferes
do dcimo batalho de infamara da guarda na-
cional deste municipio Jos Guilhermc Guima-
ries.
Dito ao commandante da praca. No dia em
que tiver de seguir para o sul, o vapor que se es-
pera do norte, pertencente companhia Brasileira
de paquetes, mande Y S. apresentar ao Dr. chefe
de polica duas [iracas de pret para escoltaren) un
desertor de marinha at a capital da Baha.
Dito ao mesmo.Informe V. S. sobre o que pe-
de o sentenciado militar Joao Mauricio de Almeida
c Albuquerque no incluso requerimento.
Ao mesmo commandante da praca, pedio-sc in-
formaeoes sobre o que pedem em seus requer
inentos o sentenciado militar Jos Maria dos An-
jos, e escrivo do hospital militar Jos Marcelino
Alvos da Fonceca.
Dito ao conselheiro presidente da relacao.Re-
metto incluso V. S. em original o ofllcio do juiz
de direito interino da comarca de Tacarat, data-
do do 26 de novembro ultimo, para que emita o
seu parecer acerca do que elle ahi expoe.
Dito ao desembargador provedor da Santa Casa
de Misericordia do Recife.Em vista do que cx-
poz Y. S. em sna informacao datada de 12 do cor-
nete com referencia ao requerimento que devol-
\o dos negociantes Barroca A Silva, autoriso a
junta administrativa desse estabelecimento a pro-
longar por mais seis annos o arrendamento a elles
feito do sobrado n. 2o publico, c 73 particular da
ra do Viga rio, pertencente ao patrimonio dos or-
phos, sobre condico de tnandarem os supplican-
es executar sua cusa as obras constantes do
remenlo annexo ao mesmo requerimento e de
que necessita aquella propriedade.
Dito ao inspector da thesouraria de azenda.
Remetiendo V. S. copia da informacao que em
15 do crrente minislrou o director das obras mi-
litares sobre o requerimento que devolvo de Joa-
quim Mililo Alves Lima, a que se refere o seu of-
ticio de 28 de novembro ultimo sob n. 895, recom-
inendo-lhe que mande satisfazer ao referida Lima
a quanlia de 4305000 rs., em que mportaram as
obras por elle feitas no quarlel do nono batalho
de infantaria, isla que a isio nao se oppe o avi-
so da reparticao da guerra de 14 de outubro deste
anno, o qnal nao pode ter applicacao a (juanlias
des|>cndidas ou destinadas j a trabalhos anterior-
mente autorsados e effectivamenle contralados.
Dito ao mesmo. Transmillo V. S. para os)
convenientes exames as duas inclusas relacoes dos
recrutas destinados ao exercito que entraran para
o deposito de 29 de novembro ultimo at 12 o
torrente.
Dito ao mesmo. Transmiti V. S., coberlo
com o parecer do delegado do eiriirgiao mor do
cxvntilo, a conta junta em duplcala, alim de que,
conforme solicitou o director das obras militares
m oflicio de bonlem sob n. 268, mande pagar
Hu i no Manuel da Cruz Cousseiro. a quanlia de...
fi.>V>61 rs., a que tem direito por haver feito o re-
boque a cimento de todo o reservatorio d'agua do
quartel da companhia de avallarla c collorado os
canos necessarios. (kmiinuncou-se ao director
das obras militares.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
Ex peca V. S. as suas ordens, para que, nao ha-
vendo inconveniente, mande pagar Faustino de
do Souza Ferraz, ou a pessoa >or elle autorisada,
a quanlia de 1475'0O, despendida com o sustento
dos presos pobres dacadeia de villa Bella, nos me-
zes de agosto a outubro deste anuo, como se v das
inclusas contas, remettidas pelo chefe de polica
com olHcio de hontem sob n. 1635. Coramuni-
cou-se ao Dr. chefe de polica.
Dilo ao mesmo. Seno houver inconveniente
mande V. S. pagar a Joaquim Elvira Alves da
Silva, a quanlia de 425000 rs., proveniente do alu-
guel vencido nos mezes de maio a novembro des-
te anno, da casa que no termo de Barreiros sef ve
de quarlel ao destacamento all existente como se
v da inclusa conla em duplcala, que me fui re-
medida com oficio do chefe de polica n. 1636,
datado de hontem.Communicou-se ao Dr. chefe
de polica.
Dito ao mesmo. A' Francisco Ludgero Nunes
Vanna, mande V. S. pagar, conforme solicitou o
chefe de polica cm ollcio de hontem sob n. 1632,
a quanlia de 64&800 rs., despendida com o sus-
tento dos presos pobres da cadeia da cidade de
Olinda, durante os mezes de setembro e outubro
ltimos, urna vez que nao baja inconveniente e
estejam em termos a inclusa conta. Communi-
cou-se ao Dr. chefe de polica.
Dito ao mesmo. Tomando em consideracao o
lei do orcamento vigente, conforme indica a conta-
dura dessa thesouraria.
Dito ao mesmo.Transmillo V. S. para seu co-
ndec ment, copia do plano que nesta data appro-
vei para a exlraccao das partes das loteras ordina-
rias que tem de correr do principio do anno prxi-
mo em diante.
Dito ao director das obras publicasConcedo a
autorisac-ao queVmc. pedio em seu oQicio de 11 do .
corrente sob n. 249, para mandar fazer por emprei- dral.
tada os concertos urgentes de que necessilam o A msica foi do autor francez Ltxueur, o exe-
passadico do MotocolomlMJ e a ponte dos A rogados, culada por varios cavalheiros c senhoras, que se
despendendo para csseim a quanlia de 4305 sendo prestara m para esse fim, sendo dirigida pelo pro-
2105 com o 1" de laes concertos, o 2205 com o 2. fessor aliemo Dr. Adoipho Ralffuos. Houve ser-
0 que communico Vmc. para seu conhecimenlo mo, que foi pregado pelo conego Barroso de Bas-
e em resposta ao citado offlcio.Communicou-se '
ao inspector da thesouraria provincial.
na
va, nos doto novo, povo de hontem, constituido
trpenas sobre o solo abalado de lanas revolucoes,
Deixemos de poltica e vamos adianto. por baixo das janellas e de una grande cora
Este anno foi mui concorrido c brilhante o parte mais elevada dofrontespicio.
anniversario natalicio do S. M. o Imperador. O foco de luz era immenso ali; aclarava todo o e'isto neste seculo cheio de aguardes en que tan-
0 Te-Deum celebrado a convite do Exm. bispo largo do quartel e produzia um magnifico effeito. tos reinos inclinam para sua ruina, em que as
pelo faci de haver Sua Mageslade escapado em A illuminacao exlerna foi feita custa dos offl- mais poderosas nacoes se perturban) de repente e
agosto ao desastre da fortaleza de Sao Joao no Rio ciaesdo baialhao.*"* Interna correu por conla dos' parecem, na phrase da Escriplura, marchar in-
de Janeiro, foi muito concorrido, qur de aulori- inferiores e cadetes e eslava agradavef vista, bem certas e titoboantes emseus caminhos ? S o mes.
dades e cidados, qur mesmo de senhoras, cu-1 que muitissimo inferior exlerna,
ja dsposico foram postas as tribunas da cathe- 05 batalho btsarreou n'esse
dia; remeu a
maior tranquilizado por occasio dos festejos ; of-
ficiaes e soldados todos procederam bem. Nao
houve o menor excesso. Qulmaram-se bonitos fo-
cos do ar e sollaram-se dous grandes balboa.
OSr. Magalhaes Castro, commandante do 5.",
vai indo bem no sen commando.
Deveu-sc-lhe em grande parte a iniciativa do 5."
batalho as festas do da 2. Commemorando o
mesmo dia ; houve no club um grande baile no
dia 3.
Chegou no dia 6 o Sr. Germano cora parle
da companhia dramtica, que ahi contratou com o
Sr. Huarie Coimbra. No prximo domingo ( 13 )
represenla-se a GargaUada, sendo o papel de An-
dr confiado ao Sr. Germano.
Alguns dos artistas da empreza Colas s Couto
Rocha despediram-se e dizem-me que vao para o
Para em busca da corapanhia do Sr. Portado Coe-
em sua companhia um seu fflho menor e um mua- novos eleilos, para secretario, Jos Joaquim Men-, Iho que para l seguio com D. Eugenia Cmara.
lindo seu escravo. des Cavalleiro, 2o dito Luiz Gonzaga Sarment, Espera-se que a nova companhia dos Srs. Ger-
Dita.O Sr. gerente da companhia Pernambuca- thesoureiro, Fortunato Alves de Souza, procura- '
na de navegacao costeira mande dar transitoria' dores, Jos Joaquim Novaes da Cunha e Jos Coe-
para o presidio de Fernando no vapor Jaguaribe "io de Meirelles.
|tor conla do ministerio da guerra as pracas 1* li- i O estado do commercio desta praca contina
nlia, e sentenciados militares que forem remettidos favoravel, apesar de grande quanlidade de gene-
para bordo do mesmo vapor por parle do brigadei i ros de estiva de que o mercado est supprido, c | Eu, como bom dilletlante, o que desejo ver no
ro commandante das armas com destino aquelle las noticias de haver subido o premio do dinheiro' theatro S. Luiz boa genle c sobro ludo o extermi-
Dito ao consclho administrativo.Recommendo
ao consclho administrativo que compre para forne-
cimento do almoxarifado do arsenal de guerra as
tresentas varas de brim da Russia, de que trata o
incluso pedido.Commnieou-se ao inspector da
thesouraria de fazenda.
Portara.O presidente da provincia, atlendendo
ao que Ihe requereu o Dr. Sabino Olegario Ludgc-
(os, e cuja oracao foi brilhante.
O cortejo tambem esteve concorrido, sendo o
motivo de tanto regosijo publico solemnemente
festejado pelo povo paraense, o facto supra. Em-
bandeiraram todos os consulados estrangeiros e os
navios de guerra e mercantes surtos no porto ;
noite houve espetaculo no theatro, ao qual concor-
reram tambem as principaes autoridades.
A' dias foi eleita a nova directora da socie-
dade benelicenle portugueza, sendo eleitos para
ro Pinho, resolve conceder-lhe licenca para ir ao presidente, Francisco Goncalvcs Medeiros Branco
presidio de Fernando no vapor Jugitaribe levando e para vice-presidentn Pedro Antonio Machado;
mano e (timbra esteja em breve completa e
prompta para as representagoes inteiras no nosso
theatro.
Diz-se por aqu que o Sr. Germano vai Lisboa,
alim de trazer de l alguns actores e actrizes.
presidio. Communicou-se ao general.
em Inglaterra e outros pontos da Europa
O cambio nesta praca sobre Inglaterra fe- j
95 .
A alfandega rendeu durante o mez de no-
vembro ultimo rs. 1:13:8235932.
- A recebedoria no mesmo mez rs..........
35:3625354.
Neslc porto entraram e sahiram no mesmo
periodo os navios seguintes
Despachos do dia 16 de drzembro de 1863.
Requrrimcnlcs.
Antonio de Paula e Mello. Passe portaraconce-
dendo a brenca requerida.
nlsmo Malaquias de Macedo Lima.Dinja-se
thesouraria provincial.
Antonia de Barros Wanderley.Bequeira o ma-
rido da supplicante pelo canaes competentes.
Major Antonio Jos Duarte.Informe o Sr. ins-
pector da thesouraria provincial. n ... .
Antonio Jos de Souza.informe o Sr. director '"^"""os.................
geral da instruccao publica. "luguezes................
Florencia Maria da Conceicao.Informe o Sr. di- 'l,e|l?zes................... *
rector do a'rsenal de guerra." i *eruanos.................. *
Francisco Ludgero Nunes Vianoa.Informe o H'^narquezes............. 1
Sr. inspector da thesouraria provincial. ;r rancezes.................. 0
Ignacia Maria de Sant'Anua Informe o Sr. de- j
sembargador provedor da Santa Casa de Misericor-
nio da terrivel escola realista.
Quero a romntica, a ultra romntica, que a
chou-se |iara este paquete em transacoes francas nica e a verdadeira. Dramas ttricos, descabel -
a 28 1/2 a reservadas a 28 3/i; sobre Lisboa a lados, d'esses que causan) calafrios e arripios,
" 7> e alguem diz que houveram saques a 98 "/' I d'esses em que o exportador sent em si a lamina
Entrados.
11
3
Total 20
dia do Recife.
Joao Joaquim Rabello PessoaInforme o Sr. ins-
pector da thesouraria de fazenda.
Tencnte Joao Eduardo Perera Borges.Dirjase
ao Sr. commandante quein se ofhVia nesta data.
Jos Antonio dos Santos Lessa.Informe o Sr.
inspector da thesouraria provincial.
Mana Borges Carneiro. -Informe o Sr. desem-
bargador provedor da Santa Casa de Misericordia
do Recife.
INTERIOR.
OKiii:sioi\!:\< i v io 1IA-
rio in: im:\ahb!(o.
PARA.
Bflm, 9 de dezembro.
Estamos desta vez na mais completa deficiencia
de novidades nesta parte do imperio.
Tudo se acha na mais plena paz do Senhor !
E venlade que o vapor Apa tambem foi estril
cm noticias, e por conseguinte conduza igualmen-
te a esterildade do norte para o sul.
Hoja devem estar concluidas as elecoes para
desatados provinciaes em todo o Para.
No da G do .correnta nstalou-sc a mesa provi-
soria pelas 10 horas da manha, elegendo-se em
seguida a effectiva que fieou composta pela seguin-
tc forma, no collegio desta capital:
Presidente, Br. Jos da Gama Malcher.
Secretarios, Luiz Alfredo Monteiro Baena e Ma-
noel Raymuudo Gomes.
Escrutadores
nio Joaquim de
I)e|tois de meio
decretado por lot,
Passageiros os adiante mencionados.
Enlr.
i Portuguezcs................ 43
Hespanhes............... 2
i Peruanos................,. 5
Americanos............... 1
Inglezes................... 1
Allemes.................. 0
Suissos................... 1
aguda do punhal ou da espada, que se maneja na
secna e morre no seu banco ou cadeira a um tiro
de pistola dos bastidores, para resuscitar quando
cabe o panno.
Fartei-me de ver a verdade as Lucias, Dallillas,
umphalias, Magdalenas e outras semelhantes. A
Sabidos, verdade urna cousa sem mrito, supinamente mas-
! sanie, e terrivclmente aborrecida.
No theatro deve sempre ser enthronisada a fie-
cao ; srm at de opiniao que voltemos ao carro de
Thespis* Aquillo, sim, que era bom tempo ; ra-
se o espectador vontade, vendo urna cara pinta-
da de vermelhao e urna grande barriga, que toda
sacudase no mais bachico e irreverente saraco-
teado.
Agora est tudo mudado; v-se no theatro as
mesmas figuras que se encontram em casa, na
12
4
4
0
0
2
'20
i
Sah.
5
1
1
0
0
4
0
mo ieus, cujo olhar mude os abysmos, conhece
toda a extensao dos males de que livron em sua
misericordia o imperio da Santa Cruz.
A historia de todos os tempos nos ensina que
o Senhor castiga os povos tirando-lhes os bons
soberanos ; conservando-nos o nosso, t justo e
tilo benigno, elle salvou pois o seu povo e nos fez
a todos o mais assgnalado beneficie.\Eijreas es im
S'ihilem ]x>p*K lu in sahitem enm Chrhto tito.
(Orat Habac III, 13.) Portanto muito justo que
prostrados lodos dianle dos altares dilatemos nos-
sos coracoes naseffusdes do maior reconhecimento,
das mais vivas accocs de gracas ; que, como o po-
vo da promessa, entramos em trensporte de jubilo
as portas do Talternaculo, e immolemos ahi um
sacrificio de louvr, fazendo retiir os atrios san-
tos com huimos e cnticos do mais sincero en-
tusiasmo. '
Oh I nao sejamos ingratos ao dom de Dcus 1
nao sejamos tambem insensiveis s suas araeacas!
Oxal que nos tornemos menos indignos de suas
misericordias, nao provocando mais a sua jus-
tiea !
Oxal que asseguremos de urna ve a felici-
dade de nossa querida patria, evitando o neceado
3ue a ruina das naces Por esta causa que
esejamos que o clero e nossos charos diocesanos
habitantes desta capital, no da 2 de dezembro
prximo, em que se solemnisa o feliz natalicio de
S. M. o Sr. D. Pedro II, concorram nossi igreja
Cathedral, para o solemne Te-Deum que ahi tem
de ser celebrado, e no qnal, se Dos o permitlir,
elciaremos nos mesmo ; e ordenamos aos Rvds.
sacerdotes que nesse dia, as missas que celebra-
ren!, ajuntem na collecta a oracao pro Rege, subs-
tituido a palavra Rex pela palavra Imperator, e
supprimindo esta na oracaoEl fmulas tuos.
l'iuuhy.-No dia 22 do passadu teve lugar o bai-
le olTerecido ao Exm. Sr. Dr. Pedro Lcao Velloso
por seus amigos, o qual esteve concorrido e bri-
lhante.
Maranho.No dia 7 teve lugar a rcuniao dos
assignantes da praca, alim de ouvir lr o relatorio
do anno linda e proceder a eleicao da nova direc-
cao, que licou composta dos Srs. : Luiz da Serra
Pinto, Joao Jos Fernandes da Silva, Benjamn Ho-
cart, Julio Duchemn, Laurindo Jos Alves de Oli-
veira, Libano Pedro dos Santos, Jos Francisco
Arteiro e Manoel Joaquim de Azevedo Magalhaes.
L-se no Paiz :
No lugar Bonifacio, districlo do Burty, fa-
rua, em toda a parte ; nao ha a menor differenca zenda do Sr. lente Jos Antonio Alves Jnior,
a mesma calca, o mesmo rollete, chapeo, vestido, praticou-se um horrendo crime em principios de
novembro.
t O felor da fazenda Jos Pedro de Souza procu-
rou assassnar a Jos Domingues de Souza, que
do|is de alguns ferimentos faca feitos por
Total 53 11
Os navios surtos no ancoradouro sabida
do Apa, sao os abaixo declarados :
A' descarga
Brigue portuguez Feliz Ventura.
Dito dito Viajante.
Barca dita Nova Castro.
Barca ingleza Brltn.
Brigue dilo Julia.
Brigue dito Isabela.
Escuna dinaniadl'iueza Johannes.
Brigue escuna nacional Graciosa.
Patacho dilo Proyresso.
Navios carga
Patacho inglez Onda.
Barca franceza Havre
Brigue inglez Jume Ida.
Brigue (loriuguez Ageiro, que sae a 12 do
corrente para Lisboa.
No dia 5 partiram para Lisboa o brigue bra-
silero Henriiue c para Nova Yorck o patacho
Reinstorff.
Do Amazonas tudo prosegue tambem cm
paz; e por tanto ha igual esterildade de assump-
to como no Para.
P. S.
chaile e ale a tesma ltriM*-ir9 iesm higode. E
chamase a isioescola realista E diz-se que
isto sim que escola. Nao os enlendo ; venha
j o carro de Thespis e o mais nada vale.
Fandango, bolero, sarrabulho e ficcao ; sobre tu-
1 do a deliciosa ucean.
- Por noticias da America vindas pelo Para
soube-se que ali linha baixado o algodo de 2 a3
mil reis por arroba. Nao sei que influencia possa
ter isso em o nosso mercado ; creio pie alguma.
No dia 7 do corrente fallecen o Sr. Florencio
Manoel de Mallos, primeiro tabellio de notas de
Caxias Dcixou a familia pobre.
aquelle, conseguio livrar-se e fechar-se cm um
quarto. Em seguida los Pedro obriga ao caixeiro
de Alves Jnior a cntregar-lhe setenta patacocs, e
evaV-se para o Piauhy.
Em II apresenta-se porm de novo na mesma
fazenda, e assassna com um tiro a Jos Domin-
gues, e nao satisfeo com o crime traspassa a faca
o cadver de sua victima de um c onlro lado, de-
cepa-lhe a cabeca, corta-lbe a lingua e o beico in-
So muitos s pretendentes que desejam o lugar fenor, e por ultimo cem um pao esmigalha-lhe o
que, segundo diz-se muito rendoso.
O Sr. Durand jd tomou conta da direceo da
escola agrcola do Cutm.
_ As administraees da provincia e da polica
vo indo miiilo bem.
A alfandega renden de 1 a 10 do corrente,
cerca de 87 contos de reis.
O ihesouro provincial no mesmo periodo cerca
de 37 cotilos.
Fica o cambio sobre Londres a 28 1|2 e a 28 5(8
d. por mil reis.
DIARIO DE PERNAMBUCO
Trndade Manoel Ignacio da Silva Espindola. uiniMito.
Passouse ao recebimenlo das cdulas, das c i j. J...-1,.. j. isi
quaes algumas foram apuradas nesse da, fina- S' Lu,z- 12 if dM""br df 8W-
usando no seguinle. D'enlre as novidades da ultima qtiinzena as que
O resultado embra seja favoravel ao partido niais alt aliiram a atlencao publica foram : o be-
progressista, porque na capital teve a victoria a noticio da joven America Deperini havido no club
chapa dos seus candidatos, a qual Ihe remetti na no dia 28 de novembro prximo passado, e os fes-
corres|Ktndencia passada, com tudo os liberaes tejos por occasio do dia 2 de dezembro, anniver-
dissidentes poderam conseguir desviar uns 40 vo- sario natalicio do Imperador.
ios em favor dos seus amigos, qne nao foram in- No seu beneficio a joven America Deperini deveu
cluidos na lista do directorio. tudo aoconcurso bnlhantede algumas senhoras e
So assim fr no collegio de Camota e outros cavalleiros, que se prestaran) de muito bom grado a
pontos do Amazonas, talvez os dissidentes anda coadjuva-la. Taes foram as Sras. D. Estephania
possam fazer eleger algum depulado seu ; e quan- Freltas, I). Zima Duchemn e D. Sara Barradas e
que expoz o director da rapartieio das obras pu-1 do assim nao succeda, faci averiguado que em- os Srs. Savio, Estrella e Francisco Colas.
Micas em offlcios nmeros 225 e 231 de 14 e 21 bra os eleilores fossem todos da* feiciio ligueira,' No concert Deperini tudo esteve bom, com ex-
dc outubro ultimo, sob que versa a sua informa- ha hjje alguns desgostosos entre si, que nao per* cep?o do canto das Deperinis, mai e filha. D. Zima
gao de 7 do corrente sob n. 591, recommendo 'dero occasio de medir um dia as suas (breas e no canto ; B. Estephania e D. Sara Barradas na
V. S. que entendendo-se com o arrematante dos' importancia popular com os progressistas. exocucao de piano agradaran! muito.
reparos de diversos leos da estrada de Pao d'A-1 Consta que os conservadores nao fi/.eram chapa _D. Sara Barradas tocou perfeilamente e revelou
Iho, Antonio Malaquias de Macdo Lima, contrate sua, apenas recommendaram os seus correligiona- nao s grande execucao como tambem intelligen-
com elle o excesso de serviro proveniente dos no-1 ros para os lugares de sua maior influencia, as- cia e sentimento da arto.
vos reparos de que necessita aquella estrada, os | sim como que fizeram igual recommendaco m O Sr Savio no canto, os Srs. Estrella e Colas na
quaes constara do orcameuto e clausulas, juntas favor dos candidatos dos liberaes dissidentes. Por execucao da rabera e da flauta obtiveram justos e
por copia, que nesta data approvei, devendo, po- hora o que ha acerca de eleic.oes de deputados merecidos applausos.
i cm esse contrato ser feito com o abate de dez i provinciaes. | Foi aquella ama noite muito agradavel para to- BWi
por cenlo no valor do mesmo orcamento e mais A assembla contina na mesma pifsmaceira dos, menos talvez para oSr. Verdini que nao "
4-ondicoes constanles da proposta' tambem junta
or copia, apresenlada pelo referido arrematante,
a quem se marcar o praso de tres mezes para a
conclusao nao s destas como das obras do pri-
mitivo contrato.Communicou-se ao director das
obras publicas. ... .
Dito ao mesmo. A vista do que expoe no in-
cluso requerimento Luiz Jacques Brunet, recom-
mendo V. S. que mande pagar a Mr. Luiz Mar-
co! a gratilicafao que foi descontada* ao mencio-
nado Brunet como professor da cadeira de scien-
cas naturaes do Gymnask) Provincial, durante os
mezes de outubro e novembro ultimo, em que es-
tove de licenca.
Dito ao mesmoInteirado do conieudo de sna
informacao de 11 do corrente sob n. 597, dada
acerca do incluso requerimento, em que o servente
o Gymnasio Provincial, Porfirio de Albuquerque
Magalhaes, pede o pagamento do sen salario a
contar de julho deste anno era diante, e na razao
de 305000 rs. monsaes, recommendo V. S. que
mande effectuar esse pagamento pela consignacao
votada no artigo quinto paragrapbo terceiro da
de indeciso, ora porque nao convem maioria,
nao ha casa para funecionar, oulr'ora o mesmo
motivo succedo com a minora, e tambem nao a
ha. Por conseguinte a sessao de 1863, tem-se es-
gotado sem cousa alguma notavel, parecendo que
seria melhor que a assembla se encerrasse e ca-
da um dos seus membros fosse tratar da vida, par-
que assim gastar dinheiro sem proveito publico.
Apenas o contrato celebrado pela presidencia para
a pescara e abastecimento de peixe no mercado,
que levantou urna seria queslao, em que varios
deputados da maioria, o mesmo da minora, entre
si, se redargirn) mui soflrivelmente. Afflrma-
Teinos vista cartas e jornaes, dos quaes foi
O fallido FelixJ.eile Monteiro da Cu- portador o vapor Af, chegado sabbado dos por-
com dalas : do Amazonas at 1, do
Maranhao at 12, do Piauhy al 7,
do Rio Grande al 16 e da I'ara-
orrente :
Amazonas :L-se na Estrella :
Existe na cidade de Manos urna india da tri-
bu Miranka, que conta mais de 100 annos.
O ouvido o nico sentido que Ihe vai faltan-
do presentemente. Falla ainda com energa, ape-
lar de achar-se extremamente magra, tem o ca-
bello completaatente branco.
t Nunca fallou o portuguez, tendo entretanto
passado a mor parto da vida nos povoados.
E' talvez o primeiro phenoineno desta natu-
reza que se observa no Amazonas.
i Ainda em o anno passado dava ella noticia
dos governadores da antiga capitana de S. Jos
do Rio-Negro, dos descimenlos, resgates, etc.
Verdadeira mumia, a velha Miranka excita
compaixo, e mais ainda quando se reflecte que
ella a nica victima que resta dos tempos barba-
ros, em que o indio consjiluia genero de cornmer-
. co, e era considerado romo cousa.
1 Par. O nosso correspondente expoe tudo
quanto ocrorreu durante a quinzena, e isso ape-
as aeerescejitamos o seguinte convite sacro diri-
gido ao clero paraense polo Exm. bis|>o dioce-
sano :
' A divina Providencia que dispoe de ludo, de
extremidade outra, com numero, peso e
medida, e cm cujas mos esto os destinos dos
as salas do club a
ter. Bom homem na
tao amavel, lo delicado o tao altencioso I E for- prosner.dade do Brasil. Soubemos todos, com v vo
te pena que elle tambem nao se enlhusia-me com sobresalto, o engo eminente quecorren o nosso
o canto e nao ponha-se por sua vez a cantar. amado Soberano na fortaleza de S. Joao
Tonho de m.m para mim qu n'aquolla gargan- A morte Ihe revoou bem perto, e so u na pro-
ta ha um thesouro incxhaurivel de escalas chro- teccao maravilhosa do Senhor o preservou de tao
maiicas, chromaticas simples c compostas. funesto accidente. Toda a nacao eslremete ain-
-Os festejos do da 2 de dezembro estiveram da, como um hornera que viucah.r a seusps0
milito animados. A parada da guarda nacional e raio, e nao pode de.xar de entrever nefeaconte. | renses
da tropa de linha esleve muito regular. cimento una advertencia, por ventura urna amea-
Aprasentaram-se mais de mil pracas em forma- ca terrivel de eus __- An
tura O quinto batalho de InranlaVia -foi o que Ah eaqnem o dado calcular o abvsmo de
ra oSr. Verdini que nao vio me-iiua, vm vUJ ui ""~
enchente que ello suppunha res e dos imperios, salvou ha pouco o> das pre-
ia verdade e este Sr. Verdini; os do_nnporador o com elle a paz a gloria a
crneo !!!..
Depois de |H)r|>etrar todas estes atlcntados in-
tima de novo ao referido caixeiro para entregar-
Ihr, todo o dinheiro que existia em caixaperto
de 1:0005, e retira-se para o Piauhy.
Quanto s dentis noticias, encontra-las-hao
os leitores na carta de nosso correspondente.
Cear.Por portarla da presidencia da provin-
cia foram prorogadas at 17 do corrente os traba-
lhos da respectiva assembla.
O leilo dos objectos expostos na Santa Casa
da Misericordia, prodtizio 1:5005.
L-se no Pedro II:
t Pelas 3 horas da manha do dia 6 do corren-
te, descobrio-sc um incendio que lavrava na loja
do Sr. Joao Braga, esquina da praca da Municipa-
lidad!', propriedade da cmara municipal.
Descoberto o incendio quando lavrava em to-
da a loja, apenas pode-se evitar que nao passasse
aos predios visnhos, ficando distruida a casa em
que elle se deu.
Concorreu immediatamente ao lugar o Dr.
chefe de polica, o qual coadjuvado por varios ci-
dadaos, |"i Irram a seus esforcos extinguir o incen-
dio, que araeacava devorar todo o quarteirao,
vista da falla d objectos proprios para tal servico.
i A tropa que para all foi mandada tez o ser-
vico da polica, evitando que se furtassem os ob-
jectos que se tiraram das lojas c tabernas conti-
guas.
Nenbum incidente houve.
Escrevem-nos da Granja em 28 de novembro
passado :
t Aqui esleve o Rvm. padre missionario Jos
Thomaz de Albuquerque, missionando por espaco
de oilo dias, dentro dos quaes fez o cemiterio, e a
capclla de Nossa Senhora do Rosario, fazendo tra-
ba Ibarhomens, mnlheres e meninos ; sahio cober-
to de heneaos do povo desta trra, edeixou eternas
saudades "nos cora^Ses de seus ouvintes.
Rio Grande. Nao recebemos a carta do nosso
correspondente. Os jornaes nada trazem que me-
reca menead.
Parahyba.A presidencia da provincia prorogou
por quatro dias os trabalhos da assembla.
A assembla, em sua sessao de 10, depois de
ouvido o Exm. diocesano, approvou em terceira
discussao um projecto transferndo a sede da fre-
guezia da Taqura para Petimb.
PERHAMBDCO.
REVISTA DIARIA.
Tem comeco hoje as ferias para os negocios fo-
No ultimo do corrente mez terminam-se
os trinla dias marcados pelo consulado provincial
para o pagamento bocea do cofre dos impostes
lulo e de desolacao em que estara agora" raergu- j da decima urbana das freguezias desta cidade e
Ihada nossa chara patria, se, um aeeno da nllni- dos Afogados, e dos 5 por eento sobre a renda dos
ta misericordia, nao tivesse o Amo Protector do bens de raiz pertencentes s corporac5cs de mo
se que o contrato nao approvado (tela assembla, mais garboso e huido se apresentou. A guarda
entretanto isto nao importar muito por isso se diz nacional esleve n'esse da alguma cousa melhor do
que a presidencia encerrada a sessao deste anno que costume ; compareceram muitos, guardas *
convocar no principio do novo, os deputados elei- os tres balalhoes da capital, bem fardados e mais Imperio eoberto com suas a"^elle que e a ar- mor ta sendo dos r.Mahvos ao 1- semestre*) an-
tes para urna sessao exlraordinar.a, alim de faze- amigos da ordem e da disciplina. ca santa das esnerancas do pwnvo :s>jnbo lo.au- no buance.ro de 186. *.
rem a lei do orcamento e trataran da approvacao Houve na noite do dia 2 theatro em grand* gata gusto da un.dadc nacional^ podra angula* do < A escola> central ^ melhodaJ^JJ esta
do dito contrato como negocio urgente sob novas e illuminacao dos edificios pblicos. Distes o que nossoedificio poltico, o nenhor sagrado *?**** batocidana roa.das llores, encerroa seus .
bases; visto como os deputados que ora funecie- eslava brilhante era o quartel militar do campo do cimento do throno e das sabtas instituiCues que balhos lectivos do torrente
nam levaran em negabas e indecises at ao fim e Ourique. Tinha na parte externa urna vistosa Jtu
sem nada fazer. i mnacao a gaz, composta de urna unto dte biccos o futuro em sea m\sti
recl-
estava brilhante era o quartel militar do.carapodo ^^ X'.'qem "daicomprehendiVo t[u I lando a allocuc^doeocerramentoomeaino Fran-
- B06 resol-! cisco Botelho de Andtade Junioc.
A festa esteve esplendida e bastante concorrida
Ha vendo urna praca do Io batalho de arti-
llara da guarda nacional deste municipio sido
presa no sabbado, era conduzida presenca do seu
commandante por dous soldados, quando des-
vencilhando-se deltas, e deitando a correr, foi per-
seguida aos gritos de pega lairao, dados jior aquel-
los soldados e por pessoas que acudirn) ao clamor
publico, de sorle que realisaram a sua priso do
novo na praca de Pedro II. Revoltou-nos essa mi-
sera vel trica inventada para prender o guarda, qne
talvez houvesse eommettido leve bita de servico,
e comnosco umitas pessoas, que acorrern) ao fu-
gar, pois que so infamava um homem, para satis-
fazer ao capricho de outro, quem a le collocou
apenas cima na hierarchia militar.
Esperamos que esses que assim praiiearam, re-
cebero um correctivo do seu chefe, que tem sem-
pre sido o zelador activo dos direitos dos seus
subordinados.
Informam-aos o que passamos em seguida a
expor, e que foi praticado pelo commandante do
va|tor Apa, ao cbogar nossa barra,na sexta-feira
noite ; e esta oceurrencia demonstra a inconve-
niencia que ha de ter-se, a frente de navios de cer-
ta ordem, pessoas que se nao ignoram, parecem
comludo dcsconlieeer os regulamentos dos portas
que frequentara.
Ao aproximar-se de trra, na sexta-feira as 9
horas c 3 quarlos da noite, mandou o referido eom-
mandante dar um tiro, o qual teve a competente
correspondencia pela fortaleza do Bru, suppondo
esta ser navio em perigo ; logo anos" Hhiminou
o navio quasi todo,,e. pondo-se ao largo, cntrou a
correr em sentidos diversos, fazendo suppor que
hava um navio em perigo, pondo tigellinbas, etc.
Pessoas mais temerosas suppozeram presenciar
a presa e o incendio de um navio americano por
algum dos corsarios, em nossas agoas; e os mais
animosos viam nsto um navio em perigo, que pe-
dia soccorro. No entretanto mui longe iam da rea-
lidade, jtois esta nao passava de que o Sr. comman-
itmmU pedia um pralico para entrar I! 11
l'm tal procedimento que poz cm alarma a po-
pulaco inteira do bairro do Recife, est cima de
todo o commento, pois retrata-se por si mesmo em
todos os seus alcances.
Mas ainda nao licou ahi em seus desmandos;
porquanto, nao contente com esse proceder, conse-
guio calcar aos ps os interesses do commercio, e
sahir no mesmo dia de entrada, causando trans-
tornos reaes aquelle* que entrelem relacoes para
o sul, e que preparavam suas cartas e encommen-
das contando com a demora do costume.
Esses dous factos vieram mais corroborar a opi-
niao que forma vamos acerca do pouco apreco que
merece direceo da Companhia de Paquetes Va-
por, o servico do norte'!
Pessoa que assistio reuno havda no sala
do theatro de A|wllo, no dia 16 do corrente, nos
pede a publicarlo da segrate resenha da occorri-
do na mesma reuniao :
A's quatro horas da tarde do dia 16 do cor-
rente, lendo-se reunido no salao e galera do thca-
i tro de Apollo cerca de 700 membros do partido li-
beral alim de recoastitui-lo, foi pelo Sr. Dr. Vi-
talia Tavaros proclamado presidente da reuniao o
Sr. Dr. Urbano Sabino Pessoa de Mello, que
unnimemente approvado, tomou o respectivo as-
scnlo.
Nomeando o Sr. Dr. Urbano ao Sr. Dr. Aprigio
para secretario da reuniao, o que foi geralmente
aceito, expoz em poucas palavras com lucidez e
energa o motivo da mesma reuniao, passando a
ler a seguinte proposta, que sem a menor discus-
sao foi unnimemente approvada.
Proposta.
Atlendendo que na ultima lula elcitoral o parti-
do liberal se exlremou completamente, dos conser-
vadores dissidentes, rom quem havia feito una sim-
ples allianea do occasio, que esta allianca so tor-
nou inijiossivel c hoje incorapativel com-os saos
principios da liberdade, tolerancia e inora,idade
que o partido liberal pi ofessa, com a sua dignidade
poltica, com os grandes interesses da provincia,
em vista dos graves e ponderosos motivos expos-
tos no manifest, 'que publicaram os distractos li-
beraes que se retiraran) e desligaram do directo-
rio do denominado partido progressista, proopo-
nho:
i." Que se declare rota a liga nesta provincia
cutre o partido liberal e os conservadores dissi-
dentes.
2. Que se constitua regularmente o partida li-
beral, nomeande-se um directorio composto de pre-
sidente, vicc-presidento, dous secretarios e mais
tres membros, e um conselho composlo de 20 mem-
bros, sendo as funeces e atlribuicoes tanto do di-
Lrectorio como do conselho determinadas em um re-
gulamento organisado pelo directorio e approvado
em sessao plena do mesmo directorio com o con-
selho.
3.- Que na falta ou retirada de qualquer dos
membros do directorio ou do conselho, seja o mes-
mo substituido por nomeaco do directorio com o
conselho.
4. Que se adopte como orgao do partido o jor-
ual denominado Liberal ,|regularisando-se con-
venientemente sua publicace oara ess lim.
Coi approvada essa propoti e tambem a se-
guinte :
Que os deputados geraes Drs. Urbano Sabino
Pessoa de Mello, Felippe Lopes Netlo, Jos Lean-
dro de Godoy Vasconcellos e Jos Antonio de Fi-
gueiredo, tenham assento c voto no directorio, sem-
pre que se acharem na provincia.
Em seguida o Sr. Dr Aprigio propoz que o Sr.
Dr. Urbano, como presidente da reuno, fosse as-
tonsado a indicar os noraes dos que deviam com-
pr o directorio e o conselho do partido, reservado
a reuniao o direito de approva-las ou regeita-los,
como Ihe parecesse conveniente, e aceito unni-
memente esse alvitre, foram approvados para o
directorio:
Presidente.
Dr. Joaquim Francisco de Faria, dead da S do
Olinda.
Vce-pres dente.
Capito Luiz Cosario do Rege, propretario.
! Secretario
Dr. Antonio Jos da Costa Ribeiro, advogado.
2* Secretario.
Dr. Aprigio Justiniano da Silva Guimaraes. lente
da Faculdade de Direito.
l>mbros do directorio.
Dr. Jeronymo Vitalia do Castro Tavares, lente da
Faculdade de Direito.
Dr. Antonio Raogel de Torro Bandoira, professor
do Gymnasio.
Dr. Manoel Pereira de Moraes Pinheiro, advogado.
Foram uomeados para membros do conselho os,
Srs. : r.
1'rapr.ietario, Francisco Acciol de Gouveia Lioi.
Di. Doodoro Ulpiano Colho Catando.
De. Joaquim de Aqui no Fonseca.
Dr. Caetano Xavier Pereira de Brito.



mmtT '
-**

Alarlo de Pernambuco Segunda felra 91 de Dezembro de i 3.
Dr. Manoel Nctto do Soma Bande:
Dr. Antonio Trisl.o do Sj:rpa Rrando.
Vigario Basilio Goneaives da Luz.
Proprielario e agricultor Sebasliao Altes da Silva.
Dr. Antonio de Vasconcellos Meuezes de Driun-
uiond.
Proprietario e conimendador Manoel da Vera Cruz
Lins.
Proprietario Vicente de Paula Oliveira Villas-Boas.
Proprietario Antonio Goncalvos Fereira.
Proprietario Joao Flix dos Sanios.
Proprietario Jos Hyginode Miranda.
Proprietario Jos Antonio de Rrito Bastos.
Tenonte-corenel Manoel Camello Pessoa.
Commendador Manoel Jos da Costa.
Proprietario Gloriado Ferreira Catao.
Dr. Jos da Cunlia Teixeira.
Depois disso usuu da palavra o Sr. Dr. Jerony-
rao Vilella e recitau uin discurso anlogo ao as-
suinpto 4a reunan o reconstituieo do partido li-
beral de IVrnainl.ueo e que foi ealhusiaslicamcn-
te applaudido, terminando por dar vivas S. M.
0 Imperador, constitulco poltica do imperio, ao
partido liberal.
Depois o Sr. Dr. Urbano em um breve discurso
agradeceu com palavras tocantes ao partido libo-
ral d* provincia o grande servico que acaba va de
prestar, rcorgamsando-se de um modo to solem-
ne e positivo : agradeceu ao corpo eleitoral a vo-
tacita livre e expontanea que uvera, tanto para de-
butado, como para senador, prometiendo que,
ola bavw obstculo nsuperavel, breve voltaria
provincia para estar com os seus amigos e pm-
partilhai dos trabalhos do grande e generoso par-
tido liberal, que tanto o tein honrado.
Lavrou-se a arta de todo o acontecido essa reu-
nido, a qual fui assignada pelos meiuluos pre-
sentes.
Em sua retirada para a casa tai o Sr. Dr. Urba-
no acompanliadu por uuu multido immensa de
liberaos.
Quinta-eira Urde parti para Podras do
Fogo oRvm. Fr. Surapint de Gatania, missionario
capuehinbo, aeeiu|ianbado por grande numero de
pessoas daquclU's lugares, coiu o Um de concluir
a importante igreja que all deu rouicco, tendo
mandado por mar tres sinos e urna va randa para
a frente do templo com IMi palmos; e espera da
Europa alfaias e ornamentos.
O fivm. missionario adiantou-so em ir terminar
a consruccao do templo, para ver se consegua
nella fazer celebrar aiguns actos na prxima qua-
rama. I
m Sabbado embarcaram com destino corte mais
3 depulados |ior esta provincia. Vo tomar assento
na represenlaco nacional, e desenvolver uovos
pianos que por vezes proclamaran), Uto econo-
ma di f.iienda puMica, exocucao das leis, c sua*
iuo iili.ae.ofs, para prosperidad* do pan, garantios
as hUonl.idos publicas, ce, etc.
Estas reclamaooes uuu tanto se teni annuueiado,
forain alitul aduutiiJas peto p >der moderador,
mandando proceder a uuu nova eleii;ao, que fe-
lizmente nao foi disputada pela parcialulade que
desde, a aMicacao tomn as redeas da admiuistra-
rao publica,com pequeas iuterruocoes, oque ceta
duvida tez servidos importantes ao paiz, pois o or-
ganisou, visto como os desvarios que se deram da
independencia abdicaco, pela passageui do r-
gimen absoluto para o constitucional, nao den lu-
gar a fazc-to.
A eleicao <| partid d'oealndodo poder, nao selreu opposicio,
mas um compeusacao fot cheia de dissabores e in-1
trigas, e deixou o paizscmeados de diseordias; no
eiitretaudo estando ella acabada, preciso cessar
este estado convulso e dar treguas aos excessos
4a imprensa. appellaodo-se para os trabadlos da
nova a-ssoiabloa quo nao lia de faltar ao paiz com a
xecucao da felicidad1 que Uto promettia.
O Kxm.Sr. presidente da provincia resolveu,
por acto de 19 do crrente, que, por se achar fra
dos municipios de sua junsdiceao o cominaudanle
superiur da guarda nacional de lili oda c Iguarassii,
coronel Juaquim Gavalcaoti de Albuquerque, assu-
misse o respectivo exercicio o coronel Francisco
Juaquim i'ureira Lobo que, na forma da lei, aecn-
niular as fuucces de dieta de cslado-maior nos
mesmos municipios.
Pelo agente Almeida lia boje um importante
leilo de objectos de luxo e modas, na luja n. i da
ra do Crespo.
Este ve bontem em nosso poito a crvela
vapor ingiera Pelaras, em viagem de Plymoulh
para o Ja pao.
Passagoiro da barca porluguera Mario, viuda
do Kio de Janeiro : Luiz Jos Pereira Caval-
canti.
I'assageiros do vapor .Inri, sabido para os
portos do sul: Dr. A. Herculano S. Bandeira e t es-
cravo. Gamillo Mendonca Furladu e 1 escravo, 7
escravos de Antonio B. doslteis, 11 ditos de Perei-
ra uiau & Araujo, Antonio A. A. Monteiro, J. Ja-
nuario P. de Carvalbo, Alexandre Rodrigues do
Souza, Renio Herculano M. Brrelo, Dr. Antonio
Vicente do Nascimento Feitosa e 1 escravo, Fran-
cisco da Silva Gardso e 1 escravo, I). Dolla A.
Porto Motira e 1 lilbo menor, capitao J. A. Se ve,
soldado Antonio Jos da Silva, Manoel A. do Nas-
cimeuto, 1 escravo de Joaquim A. F. Jacobina,
Antonio Jos de Siqueira e 1 escravo, 2 escravos
de S. B. de Carvalbo, 1 dito de J. P. Domingues, 1
escrava de Joao Alves da Cruz, 1 dita de M. M.
do Nascimento, 2 escravos de F. B. da Silva, 1 es-
erava de D. Maria J. das Mercs, I escravo de An- j
ionio B. Nogueira, 2 ditos de Joaquim A. P. Sero-
dio, Andr A. da Costa, Antonio B. du Sacramento, i
3 escravos de I). B. de Andrade, 1 dito do Dr. Fei-1
fosa, 1 dito de Jos D. das Nevos, Manoel Joaquim
4c Souza, suasenborae 1 lilho menor, Manoel Jos,
Francisco, Joaquim Correa Lima de Macdo, Ma-1
noel Verissimo da Cimba Moreira, Antonio Joaquim !
Dias. Brasilino Ernesto da Fonseca, Caetano Pinta
do Veras, Jos L. da Silva Menezes, Manoel A.
Amazonas, Antonio P. Guimares, Luiz de Franca
Lomos, Francisco de V. Mendonca, Mara M. de
Lima, Jos O. Santos, Antonio Fereira da Silva,
1 escravo de A. R. da Silva Cusma o, 1 dito de J.
P. Vianna,AlipioA. de Souza Monteiro, i7 escravos
de Sil vino Cuilbermc de Barros, Ur.Innocencio Sera-
tico de Assiz Carvalbo e 1 escravo, Dr. Fabio A.
C. Reis c 1 escravo, 13 escravos de Joaquim A. P.
Serodio, DcIQuo D. Rodrigues, Ildefonso V. da Cu-
nba, Dr. Braz de Maciel, 3 escravos de Adriano A.
A., Barnab C da Rosa Calheiros e 1 escravo,
J. R. da Silva, Feliulo E. de L. Gonzaga Jnior.
REPARTICAO DA POUCIA :
(Extracto da parte do da 19 de dezembro).
Foram recolhidos casa de detencao no da 18
4o crlente.
A' ordem do Ulin. Sr. Dr. ebefe de polica, o
pardo Daniel Oliveira Santos, como criminoso de
uiurte, vindo do termo de Agua Preta, e a crioula
Olimpia, escrava de Jo6 Magalbaes da Silva Por-
to, sem declaracao de motivo.
A'ordem do delegado da capital, Manoel Perei-
ra Vianna, pardo, por infrarco de posturas e dis-
turbios.
% A" ordem do subdelegado de S. Jos, os pardos
Francisco Lopes da Silva, Manfredo do Almeida
Barata, ambos para correccio; liento Jos da Rosa,
por embriaguez e offensa inoralidade publica.
O chefe da 2" seccao,
J. G.deMesqutta.
Paseageiros do vapor nacional Apa, entrado
dos portos do norte :Jos Pereira de Miranda,
Ziba Ferry Jnior, sua senhura e 2 filho, Jos
Francisco de Oliveira, Manoel Jos Bastos de Mello,
piloto da armada Francisco Xavier Rodrigues l'i-
nbeiro, Francisco, escravo entregar a Bastos k
Irmao. Dr. Americo Milito Guimares e 1 escra-
vo, Jos Luiz dos Passos Bastos,alfeivs rlenrique E.
Bittencourt Tourinho, Salvador Estevcs de Olivei-
ra, Domingos V. Nazareth, Manoel de Mello Mon-
tenegro Brrelo, Manoel de Castro Alfredo Hal-
liday.
Sguem |ara o sul :Manoel Frmno da Silva,
Vici'iite Ponb's de Oliveira, sua senhora e 3 es-
ravos, Maria Cyriaea, Francisca Romana, Xislo
de Paula Bausa, Augusto Rapltael Liwci e sua se-
nhora, Felippe Redondo, senador Joaquim Vieira
4a Silva e Souza e 1 criado, Veriato Bandeira
Duarte, sua senhora, 1 lilho e \ escravos, alferes
Antonio Ha ymindo da Rocha, Janaario Binto 6on-
\alvee Pereira e 4 escravos, Antonio Leite da Sil-
veira, Joaquim de Paula Gal van, ? cadele Ray-
mundo Rodrigos Bayma, 16 pracas para o eser-
cko e 17 escravos a entregar.
Pastageiroe do hiate nacional Santa Crus,
entrado de Penedo:Joaquim P. da Costa Morei-
ra, Francisco Goncalvw Torres e Joao Pereira da
Silva.
Passageiros do bngue inglez Offcn, entndo
do Rio Grande, do Norte :Rotnao de Foutes Per-
ra*. John Roberts.
Passageiros do hiate nacional Exhalai-ao, en-
trado do Aracaty : Horlanda Alves de Paiva, Joao
Ferreira Borges Teixeira, Manoel Lemos Ferreira,
JosTorquato de S Gavalcanti Jnior eLuiz Pin-
to da Silva.
Movimento da casa de detencao no dia 18 de
dezembro de 1863 :
Exisliam.
Eutraram
Sahiram.
Falleceu.
A saber:
Existen.
Nacionaes. .
Eslrangeiros
Mulberes .
Estrangeiras
Escravos .
Escravas .
306 presos
7 ^
9
1 >
303
204
30
4
i
55
8
303
119
de-
Alimentados a costa dos cofres pblicos..
Movimento da enfermara no dia 19 de
zembro.
t'eve baixa :
Manoel Joaquim de Lyra ; dores espasmodicas.
Obituario bo da 18 de df.zembro no cemite-
rio publico :
Angelo, Pernambuco, i dias, S. Jos ; convulsdes.
Sebastian Simos, Pernambuco, 96 anuos, casado,
S. Jos ; gastro nlerite.
Amelia, Peruambueo, 2 anuos, Santo Antonio, es-
cropliulas.
Francisco, frica, 63 anuos, solteiro, periwmte
chronica.
19
Maria Francisca da Gonceicao. Pernambuco 23
anuos, solteira, Boa-Vista; febre perniciosa.
Manoel, Pernambuco, 2 inezes, Santo Antonio;
convulsdes.
Francisco Jos da Silva, Pernambuco, 60 anuos,
casado. S de Olinda ; molestia de intestino.
Manoel, Pernambuco, 2 dias, Boa-Vista; ttano-
Isabel, eserava, frica, 43 annos, solteira, Boa-Vis-
ta ; anemia.
UM POUCO DE TODO.
Quebrou-se o vil lelhargo
Que servos mil rendeu.
Debaldu a mo dos despostas
0 gladio empunha agora;
A estrella redempiora
Rqluz por Ierra e coo I
i
Quem doma o fundo pelago
Que os alcants devasta ?
Quem diz altivo : basta !
Aos negros vendavaes ?
E que tyrauuo asperrimo
Se eleva sobranceiro,
Gritando a um povo inteiro:
Nio E o povo todo, impvido,
Quebrando os ferreos jugos,
Bradou entro os verdugos :
< Soq livre 1 e cinflm se erguen.
Bem bajas tu, Polonia,
Que despertasse agora -,
Da liberdade a aurora
Reluz por trra e co I
Bem hajas tu, que a purpura
Do sangue ten hanhada,
J qnasi vs rasgada
Por tua egregia mao.
Nos, do teu santo jubilo
Mil jbilos colhemos,
Nos, que rara bem sabemos
Vingar-nos da oppressao I
Em quanto a Europa, tmida,
Se esconde na impotencia,
Mai tyr da independencia,
Tu vas lutando s;
Audaz e novo Encelado
Que sotopondo montes,
Dos patrios borisontes
Varres o sangue e o p !
Deus te bense os mpetos,
Terra d'affectos santos -,
Que a liberdade, em cantos,
Te venha, einlim, saudar ;
E que, gigaute inclume,
Possas sorris da lida,
Tragando amor e vida
No teu festivo lar /
Dospracarara-se os embargos dnappellade.
Appelbiati', D. Siuhorinba Genoveva duAmaral
toiro ; appeUado, o Dr. Antonio de Garvalho
Raposo.
Confirmada a sontenca.
Dia de aoparerer.
ApptHado, Joaquim Antonio daSilveira ; appel-
lante, o bacharel Jos Rodrigues o Passo.
Julgou-se deserta a appefiaco.
A appellafao rrime.
AppeUantc, Joao Baptista Fragoso ; appellada, a
justica.
Confirmada a sentenca.
DILIGENCIAS.
vista ao Sr. desembargador promotor da
Com
justica
Appcllante,
Evangeiisla.
Appe liante,
Fonseca.;
O Edenburgh, Courant narra oque segu :
Um mancebo, chamado William Robertson, cai-
L-se no Mn de vas frreas : I de msica, de Buchanan-Street, em Glasgow, aca-
Quando na corte do imperio se ouve o sibillodas ba de ser preso, por ter roubado a seus patroes,
locomotivas que, rompendo o espaco, despedem sua que n'elle depositav.-w a uiaior conlianca dilleren-
carreira veloz como a bala que se deslere 4o ca- tes quantias, que formam um total de 2:0o0 libras
nhao, deixando fluctuar ao cap icho dos ventos sous j sterlinas (9:OO5000p^___
longos penachos de fumo, que se desenham na at-; Declarou que a quasi totalidade deste dinheiro a
mospbera, como o tropho imponente do progresso empregara em despezas religiosas e caritativas, e
do seculo presente e dos vindouros; quando as' subscripcoes para concertos religiosos, estabeieci-
cidades de prmeira ordem se tem copstruido e se: mentos caritativos e eitcur-spes, organisadas em
estao construndo caminhos de ferro, a opulenta favor das escolas, etc.
As appellardes ermet.
o jtiizo; appellado, Joao Baptista
o juizo; appellado, Manoel Leao da
Appellante, Jos Germano de Lima ; appellada,
a justica.
Appellante, o joiro ; appellado, Francisco Tho-
maz de Aquino.
Appellante, o juizo ; appellado, Antonio Manoel
de Souza.
Appellante, o promotor ; appellado, Manoel An-
tonio de Moracs Marcoalhado.
Appellantes, Antonio Ignacio de Souza e outro ;
appellada, a justica.
Appellante, o juizo ; appellado, Pedro da Ro-
cha Filgueras.
Appeltante, Jos Lucio Monteiro da Franca ; ap-
pellado, Francisco Jos da Silva Santos.
Appcllante, Domingos da Escocia Drunimoud ;
appellada, a justica.
Appellante, i.ai indo Francisco Brasil; appella-
do, Faustino Jos1, da Costa.
| Appellante, o ioizo ; appellado, Manoel Pereira
de Carvalbo Ralalau.
A|ipellanle, Jos Pedro Xavier da Costa; ap-
pellada, a justica.
Appellante, o promotor; appellado, Manoel Gae-
tano dos Santos.
Appellante, o juizo ; appellado, Silvestre Fran-
cisco do Monte.
Appellante, o promotor; appellado, Venancio
Jos de Lima.
Appellante, o jnizo ; appellado, Joaqmm Marco-
lino de Carvalho.
Appellante, o promotor; appellado, Pe4ro Alves
dos Santos.
DILIGENCIA CIVEL.
Com vista ao Dr. curador geral
A nppellarao citel.
Appellante, Lourenco Bezerra de Siqueira Ca-
valcanti; appellado, o bacharel Amaro Joaquim
da Fonseca Albuquerque.
PASSAGEWS.
O Sr. desembargador Caelano Santiago passou
ao Sr. desembargador Gitirana
As appellardes citis.
Appellante, Joao Pies Barreto de Lacerda
ap-
Xo Crrelo do Porto acha-se o secuinte pellada, a baroneza de Victoria.
Urna pessoa recentemente dMffSb doraekMb! klWe)lute> Josefina Sebastiana Cavalcant. de
da Franca conta um faci muito simples primei-. ^buq^rque ; appellado, Bernardo Jos de Bar-
ra visto, masa que tal vez se possa ligar urna sig-
ros.
a
provincia do Rio Grande do Sul nao deve "deixar
de prestar tao poderoso auxilio ao scu commercio
e industria.
Essa provincia, que em civilisaco corre pare-
Ihas com as maiores e mais acreditadas do imperio .,
im acceitar essa idea, que urna das mais grin-: nilicagao que imporlaria urna revelacao, Urda sem | Ti u' Ma1noe'''om" de Ma6iii Botelho,
diosas e que mais sympathias merece de quantos, duvida, mas seguramente extraordinaria. appenado, Manoel Jos da Graca.
se interessam pelo futuro do nosso paiz. Esta pessoa achando-se no cartorio de um ubel- i Sr ^mbargador Girana passou ao Sr. des-
Uma estrada de ferro, que ligue a provincia de liao dos suburbios de Lyon, por motivo de um ne- em,,arfWor Lourenco Santiago
Santa Gatharioa do Rio Grande do Sul, servir gocio de interesse, leve occasiao de receber com- <>ppr<<< .
.,. j--------1-------------------:-- #-.u:... .-.-. ......:- Appellante, Domingos hranrisro de Souza Leao;
appellado, Joaquim Manoel do Reg Brrelo.
O Sr. desembargador Lourenco Santiago passou
ao Sr. desembargador Reis e Silva
A appellaro crine.
Appellante, o juizo; appellado, Raymundo, es-
cravo.
o Sr. desembargador Reis e Silva passou ao Sr.
municacao directa do testamento de um jevene ri-
co proprietario da locaiidade, fallecido ha mezes
de molestia pulmonar, e que nos ltimos annos ti-
nba em Lyon fama de grande extravagante.
No numero das clausulas do testamento acha-se
urna cuja escrupulosa exactido se afilrma e que se
para desenvolver o commercio e facilitar o trans-
torte das mcrcadorias, engrandecendo ao mestno
lempo a industria dessas duas importantes provin-
cias, cujo solo ulierrimo.
Os navios estrangeiros carregados de gneros po-
dem dirigir-se com mais facildadc a Santa Cama-
rina, cujo porto bom e cuja barra fcil, d'onde, resume'n'istu :
depois de descarregados, seguirn os gneros para I
Porto Alegre pelos wagons.
A' primeira rista parece qneesse mclhoramcnto s alcancara o mais vil cmplice, legava, |ara se *nn,ii,,a \aPPf"af c,v%a
prejudicar o commercio da importante cidade do recommendar por urna obra meritoria clemencia n ^Pl'enanie, u. joanna de Jess noves yuan.Mii.
Rio Grande; mas longe do ser assim, trar elle o divina, urna somma de 130.000 francos (27:0005) UlJa^e ; 1aPI'e|la>. Joaquim Francisco Duarte.
estabeleciment de urna linda de vapores entre a para fundacJodeumasyioexclusivamente destina- sr. desembargador Motta passou ao br. oes-
capital da provincia e a dita cidade, e portante do s criadas quo nao puderem ganhar a sua vida en,Dargador Peretti
grande consumo de combustivul. pelo Irabalho. I .A< appeUnroes atis.
Ilavendo grandes minas de rarvao de pedra as Seguem-se diversas dis|K)sicoes relavas fun-; d APPell;inte, Antonio Pereira Monteiro ; appella-
circumvizinhaneas de Pelotas, o sul da provincia dac.io proscripta, terminando o testamento por urna ao- ^ "vniuiido Vieira. ,nnoiW(i
obter urna espantosa vantagem com a exploraeao rogativa quelles que devem ser atormentados T APPL"anl. a amara municipal ; appenauo,
desse ramo de riqueza, que alli se acha aliando- pelos mesmos remorsos para cooperaren), na ra- x'aJano Aniimes de Alencar.
nado. zao da sua forluna respectiva, para a realsacao e A***"*,.**^JPmtat^A?^,P|g>*l?:
Encarada, sob qualquer ponto de vista, a ideado xito da obra expiatoria,
construir-sc urna estrada de ferro, que ligue a |iro- Eis-aqu o que um lioinem dedigno declara ter
visto com os seus olhos.
Admittido o faci, ha fundamento para tirar del-
le urna singular deduccao e perguntar se M ho-
rneas barbados, sobre a cumplicidade dos quaes
Dumollard apoiava a sua defeza, teio, realmente,
existido e exercdo sobre o clebre assassino das
criadas a pressao tyrannca que elle Ihes attri-
vincia de Santa Gilharina do Rio Grande, scdiu
c deve ser acorocoada pelos altos poderes do esta-
do. Quando o mundo circnmda-se de vias frreas,
a provincia do Rio Grande do Sol nao deve conten-
tarse somente com a abertura de urna barra, cu-
jos beneficios nao podem ser comparados com os
que Ibe resultarao da conslrucrao de urna estrada
de ferro que, atravessando os seus amenos valles, buu.
abastecer o mercado tanto da sua capital cmoda ------
commcrcial c rica cidade do Rio Grande. A Nucto refere :
0 ministro brasileiro em Vienna trabalha para
O mesmo jornal tratando dos nossos correios es- o casamento do archiduque Luiz Vctor, tercero
creve o seguinte: irmao do imperador da Austria, com a prioceza
_0 regulamento que rege os correios do imperio, imperial do Brasil,
nao poda continuar pela incoherencia de suas dis-
teira; appellado, Jos Joaquim de Almeida Leite
Sampaio.
0 Sr. desembargador Assis passou ao Sr. desem-
bargador Doria
A appellacao crhne.
Appellante, o juizo ; appellado, Jos Brillianle
de Alencar.
As 2 horas da tarde encerrou-se a sessao, c de-
ram-sc as ferias do natal.
posices; c a organsacao delles resenle-se de mui-
tos defeitos, at mesmo na denominacSo o classili-
cacao do seu pessoal.
Xo possivel que ocorreio geral da corle, do
magestose municipio neutro, ponto central de ri-
queza e sabedoria, onde esta erguido o docel impe-
rial, onde funecionam os ajtos poderes do estado,
continu a funecionar em urna casa acanhada, mal
collarada e sem proporcoes para o bom desempe-
nho do variado servic que Ihe compete, niio se
prestando, portante, a liscalisacao immediata de
scu ebefe, como convm.
Uina ilas principaes neeessidades relativas ao
jiessoal dos nossos correios, o augmento do sen
numero.
O crdito desta reparticao,
desapparecendo, niio porque sso dem causa os
seus empregados que, em geral, sao bons, honra-
dos e intelligentes, exige urna prompla e immedia-
ta reforma no seu regulamento.
E quanto antes convm que sejam eliminadas
para sempre essas malditas listas nominaes, prati-
cando-se com as nonas cartas para o imperio como
se faz, em virtude da convencao postal, com a l'ran-
>r'; que se altere o pernicioso systema de seguros,
que tein sido e ser sempre funesto para os empre-
gados que se estabeleca a nniforniidadonas Mas.
que ora pagam as cartas c os jomaos.
Que se reformem os sellos actuaes, creando-se
novo*, de valores adaptados s correspondencias,
islo de accordo com as dilTcrentes laxas que s
iuipozerein mesma correspondencia em relaco
ao seu peso. Assim, nos taremos brevemente"al-
guma cousa mais regular e mais em harmona com
o progresso que este ramo do servico publico tem
adquirido nos correios da Europa e em alguns do
novo mondo.
Os empregados do correio da capital do imperio,
PBLICACOES A PEDIDO.
ELEIQAO
da mesa regedora da irman-
dade de Nossa Senhora da
Concei#io da Coigrega-
(?ao para o futuro anuo de
1864.
Juiz por eleicao.
0 lllm. Sr. Bcrnardino Correa de Rezende Reg.
Juiz por devoc.au.
O lllm. Sr. Manoel Joaquim Rodrigues de Souza.
raneo ao ocano, Marselha com Dunkerque, pas-l Juiza por eleicao
! ando pelos valles do Rhodano, do Saune e do Sena,! A Exma. Sra. D. Maria Rosa Monteiro Maia, espo-
que de da a da va | ote. Seria o prolongamento em Franca do canal sa do lllm. Sr. Antonio Ferreira Silva Maia.
(3 .Ve-York's Heraldofferece a seguinte enume-
raciio das tropas confederadas:
Burato de Lee na Virginia, 112,000 homens:
exercito de Bragg na Georgia 173,000; exercto
de Johuston no Mississpi e Alabama, 49,900;
exercito de Beauregard em Cbarlestoun e Savan-
nah, 22,000; tropas de Price, Krby e Smth (Ar-
kansas), 65,000; corpos destacados em dilerentes
pontos, 20,000; total, 431,000.

Diz o Cosmos que se falla de um vasto projecto
concebido por M. de Croy, e que consiste em cs-
tabelecer um grande canal para reunir o mediter-
Marsilba com Dunkerque,
devem ter melhores ordenados, e o seu pessoal de-
ve tambem ser augmentado, garantindo-se-lhessua
sorte futura, e cuidando-se do seu bem-estar, que
ruim, seno pessimo e desgracado.
Os empregados dos correios sao em tudo e por
ludo verdadeiros.Parias 1 Quem diz empregado
(Ur correio, diz tambem infeliz servidor do es-
lado I
Por ventura os outros empregados pblicos se-
rio de ouira massa T Alm dos domingos, dias
santos e de festividade nacional, estes gozam de
outros dias feriados. Mas para os do correio nao
ha isencao de servico nem na sexta-feira sania, e
ncm em outros dias, taes como o do corpo de
Deus, etc.
A reforma, pois, da lei orgnica dos correios ou
do seu regulamento hoje urna das primeiras e
mais urgentes neeessidades.
de Suez, o mais curto caminho para ir das indias j Juza por devoco
aos mares do norte. A Exma. Sra. D. Maria Joaquina Ferreira Villaca,
Este vanal immenso ter o nome de canal Xa- esposa do lllm. Sr. Manoel Ferreira Antunes Vil-
poleao.
CHROMCA JUDICIARM.
laca.
Escrivao por eleicao
0 lllm. Sr. Olinto Dornellas Cmara.
Escrivao por devocio
O lllm. Sr. Albino Jos da Silva.
Escrivaa por eleicao
A Exma. Sra. D. Gulherniina Emilia Moreira.
Escrivaa por devocao
A Exma. Sra. D. Claudina Francisca da Silva, es-
posa do lllm. Sr. Jos Henrique da Silva.
TRIBUNAL I A RELA^XO.
SESSAO EM 19 DE DEZEMBRO DE 1863.
PI1ESIDENCIA DO EXM. SR. CONSELHE1BO
, SILVEIRA.
As 10 horas da manha, achando-se presen
tes os Srs. desembargadores Caetano Santiago, | Tbesoureiro'
Gitirana, Lourenco Santiago, Reis e Silva, Motta, O lllm. Sr. Joaquim Lopes da Costa Maia.
Peretti, Accioli, Ucha Gavalcanti, Assis, Doria, e
Guerra, procurador da cerda, abrio-se a sessao.
Passados os feitos e entregues os destribuidos,
deram-sc os seguintes
JULGAMENTOS.
Aggravante,
do, o juizo.
Agjjratos de petirao.
Joao Francisco Saraiva ; aggrava-
Do Monitor Portuguez
poesa do Sr. E. A. Vidal :
exlrahiraos a seguinte
A KILONIA.
Erguen-se o braco intrpido
De um povo d'opprimidos,
Aos ais desfallecidos
Succede a indignacao;
Trocou-se em bereo um tmulo,
Surgi a beroicidade,
Responde a liberdade
A' voz da escravido I
Oh I que alvorada esplendida
Scintilla e rompe ao largo 1
Relator o Sr. desembargadbr Ucha Cavalcanti,
Sorteados os senhores desembargadores Caetano
Santiago, e Aacioli.
Negou-se provimento.
Aggrarante, Manoel Ignacio de Albuquerque
Maranhao ; aggravado, o juizo.
Relator oSr. desembargador Assis.
Sorteados os senhores desembargadores Motla,
e Peretti.
Deram provimento.
Habeas-corpus
Negou-se a soltura pedida em habeas-corpus por
Antonio Ferreira Pinto.
Mandaram soltar a Manoel Pereira Vianna, em
onlem de habeas corpns.
Appeltacoes citis.
Appellante, Mathias da Costa Barros; apellao
Jos Antonio Pacheco.
Desprezaram-se os embargos do appeUado.
Appellante, Joaquim de Souza Leao ; appellado
Joaquim Manoel do Reg Brrelo.
Desprezaram-se os embargos Appellante, o Dr. Deodoro Ulpiano Coelho Ca-
tanbo ; appellado, Jos Paulo do Reg Barrete.
Confirmada a sentenca.
Appellante, Joanna Francisca dos Reis ; ap-
pellado, Jos MalhcH-o de Albuquerque.
Reformada a sentenca.
Appellante, Joaqmm Ignacio de Medeiros ; ap-
pellado, Jos Francisco Ferreira.
Reformada a sentenca
Apollante, Vicente Ferreira de Salles; appella-
do, Manoel Ignacio de Araujo Sampaio.
Procurador geral
O lllm. Sr. Jos de Almeida Nones Lima.
Procuradores
Os Illms. Srs. :
Manoel Rodrigues da Silva.
Antonio Domingos d'Almeida Pocas.
Mesarlos
Os Illms. Srs. :
Diogo Thomaz Estevcs Vianna.
Manoel Jos Machado.
Antonio Jos dos Reis.
Joaquim Antunes da Silva.
Joaquim Antonio Pereira.
Joao Baptista Boaventura Rodrigues de Almeida.
Joio Jacintho de Medeiros Rezende.
Joaquim Francisco des Santos Maia.
Joao Alves Machado.
Joaquim Jos Lefto.
Mordemos.
* Os Illms. Srs.:
Joao Teixeira da Rocha.
Manoel Jos Lopes Guimares.
Joaquim Francisco da Cruz.
Jos Pereira Bastos.
Augusto Frederico dos Santos Porto.
Manoel Soares Figueirdo.
Antonio de Souza Carvalho.
Bento da Silva Rosas.
Jos dos Santos Ramos de Oliveira.
Francisco Moreira da Costa.
Manoel Jos do Miranda.
Francisco Tavares da Silva.
Jos Joaquim da Cunha.
Manoel Antonio de Carvalbo Silva.
Dionlzio Goncalves Maia.
Jos Luiz Ferreira da Costa.
Jos Fernandes Lima.
Manoel Joaquim Pereira
Bernardrao Jos da Silva Maia.
Antonio Rodrigues de Souza.
Antonio Pereira de Carvalho Guimares.
Manoel Albino de Amorim.
Custodio Moiiliiibo da Silva.
Jos Joaquim de Piano Mendonca.
Mordomas.
As Exmas. Sras.:
D. Carlota Marcolina Soares Pinheiro.
D. Maria da Silva Campos Guimares.
I). Silvana Ja imana da Silva Agr.
D. Francisca Vieira da Silva Laura.
D. Candida Maria Possidonia de Carvalho.
Padre Joao Jote da Costa Rtbelro.
Salsa de Bristol.
0 grande purifieador de siagoe.
A nica preparacao original t genuina para a
cura radical dos mais perigosos e confirmados ca-
sos de escrophula ou mal do rei, chagas antigs,
leicensos, tumores, abeessos, ulceras e todas as
qualidades de crupeoes escabrosas e escrophulo-
sas a legitima sasaparrilha de Bristol. prepara-
da por Laminan & Kemp. E igualmente um re-
medio certa para rheumatisnio, empigens, tinha,
escorbuto, tumores brancos e affeccocs neurlgi-
cas, debilidade geral e nervosa do systema, falta
de appetite, languidez, tonteiras e todas as moles-
tias do ligado, febres, tabres biliosas, frios incteri-
cia, o mellior e emlim o nico remedio certa para
a cura de todas as molestias provenientes de um
estado impuro e viciado do sangue. Os que sof-
frem destas molestias podem estar na certeza que
nao tem a menor partcula de substancias niine-
raes, mercuraes, ou outro qnalquel veneno nesta
medicina. Ella inteiramente innocente e pode
ser tomada por pessoas no maior estado de fra-
queza ou as enancas mais delicadas sem Ihes cau-
sar o menor mal.
preciso acautalar-se contra as tres falsifica-
edes e imitacoes que existem pedindo a legitima
salsa de Bristol preparada nicamente por Lam-
inan & Kemp. A' venda por Caors Barbosa J. fe
C. Bravo A C
COMMERCIO.
NOVO BANCO
DE
PERNAMBUCO
O novo banco de Pernambuco convida os
credores das massas fallidas de Mesquila A Dutra,
c, Francisco Antonio Correia Cardoso a apresenla-
rem seus tiilos no banco'para se proceder a res-
pectiva verificacao.
Alfandega
Rendimento do dia i a 18........ 370:5684700
dem do dia 19................. 17:4393694
^'fandega de Pernambuco, 19 de dezembro de
186.3.
(Assignados) -.
O !. eonferente, Joaquim Aarelio Wanderlei.
O 2. conferente, Jos Thomaz (CAguiar.
Approvo. Airandega de Pernambuco, .19 del
dezembro de 1863.Carvalbo Res.
Conforme. O 4. eserintarario, Joao dos San-
tos Porto.
Recebe doria le residas Internas
geraesde Pernambuco.
Rendimento do dia 1 a 18........ 13:5443078
dem do dia 19................. 3:5453838
388:0083394
Movimento da alfandega
Volumes entrados com fazendas...
com gneros...
Volumes sabidos
cora
cora
fazendas...
gneros...
72
280
352
Descarregam no dia 21 de dezembro.
Barca franeezaGuerriercarvo.
Barca inglezaBtitish Onccn=carvo.
Escuna dinamarquezaAeolusfarinha.
Sumaca bespanhulaAnwlia chaqu.
Pataclio portuguezJorrosal.
ALFANDEGA DE PERNAMBUCO.
PAUTA DOS PRECO DOS GENE1IOS SI JKITiS A D1REITO DE
EXPOHTACAO. SBHAJiA DE 21A 26 DO MIZ DB
DEZKMUIIO DE 1863.
Mercadorias. Unidades. Valores.
Abanos.........eento
Agurdente de cana.....caada
dem restilada ou do reino >
dem caxaea........ >
dem geneiira.......
dem alcoul ou espirito de agua-
ardente.........
Algodo em cai'oco.....arroba
dem em rama o em laa. t
Arroz com casca......
dem descascado ou pilado t
Assucar niasravado. t
dem brame.........
dem refinada......
Azeile de aniendoim ou mendo-
bim.........ranada
dem de ciico '......
dem de mamona......
Batatas alimenticias. .... arroba
Bolacha onlinaria, propria fiara
embarque.......
dem lina........ >
Caf bom.........
dem esculla ou restollio ...
dem torrado.......libra
Caibros.........un
Cal...........arroba
dem branca.......
Carne secca (xarque).....
Carneiros........um
cento
u m
eento
libra
<
um
cont
libra

i
um
cento
arroba
alqueire
arroba
i
um
arrolia
una
Carvio vegetal......arroba
l'.averuas de sicujiira .... una
Cera de carnauba em bruto. libra
dem idein em velas.....
Cha.......... >
Charutos........
Ceyados (|iorcos)......
Cocos (seceos). ,.....
Odia..........
Couros de boi, salgados .
Idea idem seceos espichados. .
dem idem verdes.....
dem idem cabra cortidos. .
dem idein de onca.....
Doces seceos.......
dem em gela ou massa.. .
Idem em calda......
Espanadorcs grandes ....
dem pequeos. .". .
Esleirs para forro de estivas
de navio........
Estopa nacional......
Farinha de de mandioca. .
dem de araruta.....
Fej.io de qualquer qudldade. .
Flechaos........
Fumo em tolha, bom ....
dem ordinario ou reslolbo .
dem em rolo bom......
Idem ordinario ou restolho .
Calimbas........
(omina ,m.....arroba
I|iecarnanlia (raz)...... .
Lenha em achas......cento
Toros.......... >
Lindas e estetas.......um
Mel ou melaco.......caada
Milho..........arroba
Papagaios........um
Pao Brasil........quintal
dem de jangada......um
Podras de amolar.....urna
dem de UMrar......
dem de rebolo.......
Piassava.........molho
Pontas, ou chifres de vaccas ou
iniviilms........cento
Pranches de amarello de dous
costadas........um
Idem de louro........
Rap..........libra
Sabio...........
Sa| ,........ aiqueire
Salsa parraba....... amiba
Sebo em rama. ...... ,
dem em vidas....... ,
Sola em vaqueta...... urna
Tabeas de amarello. .... dtuia
dem diversas...... ,
Tapijcos......... arro^
Tatajuba......... auiatoi
Travs......... SaM,
Indas deboi....... Ceato
V assouras de ptassava. *
Ditas de timb ..... 1 ,
Ditas de carnauba ,
Vina^e........ caM(la
13400
600
600
400
600
700
63250
253000
130H0
23(1110
23itl0
33500
43160
23000
13600
800
13200
:1300o
73000
83000
730(K)
440
360
280
500
23700
: 13000
13600
83000
250
360
13500
23500
153000
33500
300
170
240
100
350
1031X10
13 320
500
43000
23000
133000
13600
13500
53000
13K00
53000
143000
83500
83000
53000
600
13700
2530IX)
13500
114000
83000
200
13000
23300
53OOO
53OOO
840
43080
13*00
120
53000
203000
103000
13000
120
400
233000
53000
73000
23800
UO3OOO
733000
23800
23000
63000
23000
IO3OOO
83000
3000
509
7:090n:ig
Consulado provincial.
Rendimento do dia 1 a 18......... 67:163306!-
dem do du 19................. 4:032157
71:295-|8
PRAQA DO RESIFE
10 DE DEZEMBRO DE 18ft3.
s i horas da tarde.
Revista semanal. .
Cambios........ Os saques da semana regularam
por 2 76,000 ao cambio de 28
% a 28 ,H, d. por 13000 sobro
Londres ; sobre Paris a 340 rs.
por fr. e sobre Lisboa a 1*6 p ir
cenle de premio.
Algodo........ O desta provincia vendeu-se do
2SH6 a 263000 par arroba, o
de Macelo, posta a bordo, de
203200 a 263500, e o da Para7
hvba, tambem posto a bordo, d
263000 a 873200.
Assucar........ A entrada foi tao avultada, que
parte fcoa por pesar; vndeu-se
de33400 a 43200 rs. por arroba
do braneo, de 23900 a 33*! do
somenos, de 2*750 23'JWUta
masca vado purgado, c de 23550
a 23700 do bruto.
Agurdente..... Vendeu-se de 603 a 623000 a
Couros.........Os seceos salgados venderam-se
a 180 rs. por libra.
Arr<..........O pilado da India vendcii-se a
23100 por arroba.
Azeite doce.....O de Lisboa vendeu-se de 2550>
a 23700 por galio.
Bilbao!.......Em atacado vendeu-se a 123*10,
por barrica, e a rctalho de 133-
a 143000 -, ficaudo em deposi-
to 10,000 barricas.
Batatas.........Venderam-se a 800 rs. por ar-
roba, e era gigos.
Bolai'hlnha...... A americana em barriqui nha*,
vendeu-se de 33800 a 43i<'.
Ca'e........... Vendeu-se a 73300 por arroba.
Cha............ dem de 23000 a 23200 |mh li-
bra.
Vendeu-se de 53250 a 546OO
a duzia de garrafas.
A de Philadelpbia e New-York
vendeu-se de 143000 a 17300O
or barrica, a de Baitimore. de
43OOO a 163000, e a de Trieste
de 213000 a 223000; Bcando
em ser 5,800 barricas da pri-
meira 21,800 da segunda, *,<00
da tereeira, e 3,900 da quatfa.
Dita de mandioca ReUlhou-se de 33500 a 430ni a
sacca.
Cenebra........ Vendeu-se a 320 rs. a liotija. .
I.(mea..........A ingleza ordinaria vendeu-se
com 310 por cento de premio so-
bre a factura.
Massas.........Veuderan>se de 63500 a 63800
acaiza.
bletn de 73500 a 83500 a caixa.
Idem a i:i3000 a arroba.
Os flamengos venderam-se a
23:)00 cada um.
O amarello vendeu-se de 160 a
220 rs. a libra.
O de Lisboa vendeu-se de 8300O-
a 83500 por arroba, e o de San-
tos a 73OOO.
Vinagre........O-de Portugal veudeu-se a 115*
a pipa.
Viudos.........Os de Lisboa venderam-se de
1903 a 2253000 apipa.
Velas.......... As de composico regularan)
a 520 rs. o masso de seis velas.
D.escontos.......O rebata de letras eontinuou do
8 a 10 por cento ao anuo.
Fretes.........Para o Canal inglez carregando
nesta provincia a 40, carregan.1
na Parahjba a 476, para Li-
verpool, do lastro earregando
aqui e Macei a 20; carrefiaiiilo
ua Parahvbaa 176; edo algo-
dio de Vi a Vi por libra.
A do Rio Grande do Sul reta-
Ihou-se de 33400 a 33600 rs.
por arroba, e a do Rio da l'rata
de 23400 23800 rs., Ileando
em ser 68,000 arrobas da pri-
meira e 30,000 da segunda.
*
Ccrveja.........
Farinha de trigo.
Passas..........
Presnntei.......
Queijos........
SabTw..........
Toucinho.......
Carne secca..
MOYIMENTO DO PORTO.
Nados entrados no dia 19.
Portos do Norte7 dias c 20 horas do ultimo porto,
vapor nacional Apa, de 917 toneladas, romman-
dante 1. tenente Joaquim de Paula G. Alcotara-
do, equipagem 59.
Rio de Janeiro 22 dias, patacho nacional Crrela,
de 251 toneladas, capila'o G. F. Vianna, equipa-
gem 10, carga fumo, caf e ontros gneros; a
Palmeira & Beltrao.
l'enedo 5 dias, hiate nacional Santa Cruz, de'
lu toneladas, capitao Jos Victorino das Neves,
equipagem 7, carga sola, algodao e outros gne-
ros ; a C. C. da C. Moreira
Sanos sonidos no mesmo dia.
Rio Grande do Xorte- Rrigue inglez Oden, capitao
William Grible, em lastro.
AracatyHiate nacional Exalarao, capitao Traja-
no Antunes da Costa, carga differentes g-
neros.
Portos do SnlVapor nacional Apa, commandante
1.* tenente Joaquim de Panla G. Alcoforado.
.Vinos entrados no da 20.
Rio Grande do Sul 19 dias, hrigue nacional
alinda, de. 214 toneladas, capitao Candido Fran-
cisco Simoes, eqninagem 12, carga 10,000 arro-
bas de carne ; a Baltar & uliveira.
Rio Grande do Sul30 dias, barca nacional Ce-
mentina, de 201 toneladas, capitao Joaquim An-
tonio Grade, equipagem 13, carga 13,000 arre-
bu de carne ; Maia & Espirito Santo.
Rio de Janeiro13 das, galera ingleza Roscoe, de
86o toneladas, capitao Henry N. Jay, equipagem
25, em lastro; Johnston Pater & C.
dem-13 dias, barca portugueza Maria, de 412
toneladas, capitao P. .*. Martins, equipagem II,
carga caf, barricas vasias e outros gneros ; a
Carvalho & Nogueira.
Plymoulh pela Madeira25 dias, corveta ingleza a
vapor Pelorvs, commandante Boyce. Veto entre-
gar urna mala ao cnsul inglez, e seguio para
o Japao pelo Rio de Janeiro.
-Vario sahido no mesmo dia.
LiverpoolBarca ingleza LookOut, capitao Cheva-
lier, carga assucar e algodao.
Observacao.
Suspenden do lamaro para New-York a barca
ingleza Maria Sumes, capitao S. Me. Lean, com a
mesma carga que trouxc de Table Bley no Cabo
da Boa-Esperanca.
EDIT1ES.
O lllm. Sr. inspector da ihesouraria provincial,
em cumprmem da ordem do Exm. Sr. presiden-
le da provincia, manda fazer publico, que ne dia 7
da jaiieire maimo fusnre, perante a junta da f*-
zeada da mesiua tsiesauraria, se ha de arrematar
a quem por menos flzer a obra dos reparos preci-
sos da pontos da Tacaras*, Santo Amaro, Arrum-
bados eVaradouro na estrada de Olinda, avadados
emr36*300.
\

"W


Diario de Fernambaco cgnnda felfa 1 de tzenibre de ISOft

lematace ser, feila na forma da *>i pro- de dezemuru ile 186, quadragesimo se-
n. 343 de 15 de amo de iK>*i e sob as g.,,,,^ da independencia1 e do imperto do
A ,1lTcmata(
viudal
clausulas epecaes abaixo declaradas.
As i*ssoas que sepwpezarem a essa arremata-
cao, e,.mpn.c>am na salaZlte sess&s da juila, no Eo, Manoel d Giryalho Paes de Andi adft,
da cima mencionado, pelo meiodTa, compleme- cscrivao, 0 Sbscrevi.
*o tabii Tristo de Alencar Araripe.
Brasil.
E para constar se mando affixar o presente o
publicar pelo jornal.
Secretaria da Uaesouraria provincial dt Pernam-
Lneo, 16' de dezembra de 18 O secretario,
A. F. (FAimtmciaro.
Clausulas especiaes para a arremalacao.
1:" Estes reparos sero fcitos de eonformidade
mu o a instroartan doingenkeiro, im-
|..lt!.Hid..'ei7:t6531
DECLABi?OES.
rVfa.UiaaraTia.|rov4iraa4se faz publico que a
anemaa*i*d6isnstnto fespreao* llr*"*^ casa
de detengo, foi transferida papt o da 24 do cr-
rante.
Secretaria da tnesouraria proviucial den einamr
i.- Oarre^naunta^daj pfiu,:ipio aos trabalhos! _^re7Br'a ^^tKW~
no praso de 15 dfas e os eoncror no de um mez, co, 17 de Miembro de 18.
contados da da di atf-enaue#i
;i.' u pa#amentofteia*r'sa-na em.nmt>s urac-
tacu, no liui da obra.
4." Parar todo o mais que nao estiver especifioa-
0 secretario,
A, F. irAnnuiu-ia Pela tnesouraria provin*! se faz pubUW,
que a arremalacao da obra da reconstruceao. de
de urna pacta do caos entre as pontos da fu4icSo
Oconsclho econmico la fortaha-d> Brttm
convida as pessoas necer no 1" semestre do anuo de 1854 os. gneros
abaiio declarados, apresentem suas propostas ate
o dia t docorrente na secretrria da referida for-
taleza, : arroz pilado, assucar reflua* masnavi-
no,azeiie doce, bacalbio, caf de carogo, carne
secta, carne verde, tariulia de mandioca, feuao,
lenua manteiga trauma, piies di 6 oncas, ditos
de i oncas, toucinlto do reino e vinagre ; sendo
lodos os generas do boa. qualidade.
Fllippe Manmes dos-Santos teniorr
9* tenente agente.
ATISOS MiMTIMDS.

COMPANHIaV KftAaTT.KTRtA
DE
i.Rt^irE
reata da *<*natora da lloair.
S. Etc. SntibUwlc t% lente
iMiMOOdOOOe .aaordftoomoalxaass;wu^otein
Lotera exttm&inaria
.te* 10:000501)0 e 24Ot#OO0.
O abaixo assignadfr te n?sol\ido,ex-i
i P Ti A fl LZZ5'=*^= ;f?'* fel h Senhira- iVM.
J JA I dia do nasciment 10 Redemptor do Uni- dt> ia ,51 d coneate ueZ, pra 1/ "?
\prsn nma IntPria H.xtraoi (linaria, a (lilil j.mfiro YlOdoHr Mlilillit, 15 df uV-
verso, urna lotera extraordinaria, a qual e
J. Falque, qnerendo liquidar, far leilao de to- rt miinta em beneficio fia
das as fazendas existentes no seu armazem da raa ? 1u.ar" P"6 uac (l,"nw \ r '^IL' A*
do Crespo n. 4, constando de una grande porcao greja de Nossa Senhera do Ouadernpe aet
deroupa feita de todas as qualidades, calcado, 01 inda, e a sua extracc^io ter lugar no con-
perfumarias, bengalas finas, chapeos para homens sstorio da igreia de N. S. do Rosario da
e senhoras, urna immensidade de arligos de luxo, frpfmp..ia (ip^Santn Antonio
sendo tudo vendido sem limites e em lotes a von- ,rea",1aL a.e f>d,U0. BA ranu n. 1
tade dos compradores. Os bilhetes e meios acham-se a venda na (
14 J i: respectiva thesouraria ra do Crespo n. 15
Segunda-feira<2\ do cor *******
zembrode 186a.
Namml Luir.' Vies.
rente x 10 horas
do si-nir-s-Wa o qm dispoe lei n. 20. i t- =t- --a- ^ j.."^^ M 0 dia W do ebr-
5." arrematante nao lera direiloa reclamaeao aB"r ^- ltH '""eiiua para ^""
al^nma tendente aiindemnisa^ao, qualquer qae
eja a natureza a ^ue a firaae para tal lim.
'w Conforme,
A. F. if Amuncwcm).
0Illm.Sr. inspector dathesouiariaprovincial,
i 1-umpriineiilo- da ordam-de Exm. Sr. presiden-
te da provincia, manda fazer publico, que no dia 7
rente.
Dos porte* do sul 'esparado O agente ALMEIDA competentemente autorisa-
at o- da 3i> do corrale o vapor do far ieilo das fazendas cima declaradas, e
Cruzeiro do Sul, cominandante o convida aos seas freguezes e amigos aproveitarem
triz n. 44, loja do Sr. Pimentel; ra Wreita
n. 3, botica do Sr. Chagas; rita estreita do J ]
Rosario. 12, typographia, do Sr. Mira erua
da Caiieia n) 45; lAja do Stx Porto.
Os premios de 10:000,5000 at 2ftJOO0
Idisino de preparatoria.
O hachare! A. It. de Torres Bandeira,
professor de geographia c historia no
Gymnasio desta provincia, contina a
esinar estes inesmos |ire|Kiratorios, e
bem assim rnetorica e philosopla. Os
cursos csiao abertos para cada nina des-
las disciprinas, na casa da residencia do
anminciante, ra estreita do Hosario n.
31, terceiro andar.
Secretaria oaanaseurania provincial dePernan-
bvee, lidedezembrodetHM rjfesde j mwbeni-se pawiageiros e engaia-
A FfAnciacao. carga r .i ivv o **-ov* serenaros* no da de sa chejrada: encom-
(.0IISUlMlO prunHOiaI. mendas e-dinheiro afrete*t* o da da sahidas 3
Pela mesa do consulado provincial se fai puWi- horass agencia rt' da Grut n. 1, eacriplorio do
de Janeiro prximo, futuro,.peranle a junta da fa-, Co que os 30 lias uteis marcados para a arrecada- Antonio bui* de-Otiveira Anevedo t H.
senda da niesina flleseuraria, se ha de arrematar, a pi bocea do cofre do l" semestred arnio Imn- -----p(YM"PATffTlA BB A STT.TiTR A
capitto de-mar e guerra Gervazio aoccasiode se proverem de mu tos arligos ne- sero pagos uma hora depois da extra(!C3Q, ^"^" fo p .^ ,
Mancebo, o qual depois da demo- cessarios e outros_ proprios para presentes de e OS OUtroS no d seguinte dep.OS da dUk> i d ", ^
segnira parat portes'de, norte, festa.cuja aequis.cao farao por pouco d.nhe.ro. llhlTSS^S^JSS^LWS.
Antonio Carneiro Machado Utos.
Administrador.
Rwebfilntio de-reott inlernas.
<.
slrada do sul, por lempo de umanno.e pela quau-
tla de-KHOMWH).
A arroniataco ser frita m ftoia da.lei n. 313
d.' 15 de raaio de Ittav o'SOD as. clausulas espe-
fiaes abaixo declaradas.
As |M'ssoas quo se propozerem a essa arremata-
ban eoMi(>areean na sal das sessoes da referida
junta, iwdla cima nreneinado, pete meio dia e
<" ni|'i*nimeite habiladas.
E para constar so mandoa publicar o presente
Dfli jornal.
Secretaria da thesoarana previneial de Pernem-
<)ueo. I de dezemnro de 1863.
j i^drU^M^Lo i exeVcicio de'862-6> a. saber: renda'dos pro-
en.e,,.,. a-ngana %g%*Z u 1 S'd^ff'f tSr n? ccutiv": ootro g"im,
anno, pela quanlia do 5.0005O9O, constante que no .^^ mcz fln^a.se praso do pagamento
lasa do US das, contad*, dadala da anemataiao, fe de
fV,aa^^^^^^^^^?d decon." e^ioepe^sobrTcasai de movis,
-" l !K'', d2S?t no,ua ruBU,iUBafl, de W ^ | roupas, etc., fabricados em paiz estrangeiro.
t&m -^^TiisrTXinistSor^03 de dezcrabrode
BkBOMea ie de eonformidade cen o art de M.-0 adlninitiador
D
cima urbana-dns fregneziasdesta cMado e da dos
Afopidos, ede o 0O sobre a reuda dos bens de TJ AETlTCC A \">VPIR
raz pertenreotes corporaedes de ma am se-, jaFi*yrl)i 1JD** _i* j.".! 5lS
principiam a coutar da dia 4* dadeeeniBe wa-
Mesa do consulado provincial de Praambuco
25 de novembro de 18K1.
Dos portos de norte esperado
at" o da dt ianerro o vapor
Prmeeza de Jmenle, eotnraan-
' danta Araojo, o qual depois da
demora do costHme seguir para
os portos do sul.
Dtsdu j reebtuu-*c passageiros. e engaja-se a
- Pe, recebedoria de rendas internas eraes <2U2%& SoS
se faz putoneo, <|ne m corrente mea Unda-se _o pra- dinheiro a trele at o, di da sabida a* 1 h-
sopara o |gamento dos impostes laucados do raSi agenca.rua (j,. cruz n: I, eseripforio de Aa-!
ton'io Luiz de Oveira Azeveite. & C^ ___
BOJE
DK
8 fardos de algodo para stM^ros e o-112
dilos de algodo de 1 slras.
O agente Almeida far leild por conta e risco
de quem pertencer de 8 fardos de algodo para
saceos e 5 4| ditos de algodo de lislras. Em seu
escriptorio ra da Cadeia do Recife n. 48, s 10
horas em ponto. _________^^^
buico das listas.
eOfltPAIttflA PERN-AMBUCAKA
DE
."aTpga;5o eostrlra arapor.
O' W|w Jaguaribe, comman-
dante Lobato, segu nu dia ti do
csrreute as a horas da tarde
para Maeei escalas Penedo e
Arac,->j. Recebe carga at o dia
22. Encomrnendas, passageirbs e dinheiro a fre-
te at odia da saluda as i horas da tarde : es-
criptorio no Ferte do Matlos n. f:___________
igitat*,
nieiuo regulatnento.
a Para ludo mais que nao se acha mencionado
uas presentes clausulas, nem na ornamento, se-
guir-se-ha o (le dispoe o rejiulamento de 31 de
agosto a K-i de provincial n. 286.
5? 0 arrematante nao ter direito a rex-lama^o
Manoel Carneiro de Souza Lacerda.
COMPANHIA PEIWAMBUCANA
DK
niavega^So costetva, a v|or.
I'arafcvba, \l*i, Mar*.. Ararat) e Ccar.
O vapor .Wimii*#uai*. coui-
mandnnle Meura,seguir para os
pui'tusacima indicados no dia 28
do corrente s 3 horas da tarde
' Recelier carga at o dia 20. En-
llu(:ifhito le inVanfaria n. 9.
r.unsi'lhii econmico.
O inesmo conselho contrata para o fornecimen-
to de suas pracas arransadas dorante o Io semes-
a tendente Tndeinlsacao qualquer que sja I tre do anno vindouro os gneros seguintes, de boa
a nattireu em que s fdnde para tal fim.. J qualMado : arroz assucar branco da Conforme, 1 raascavado refinado, azeite doce em garrafas, ba- _____
.1. F. tMuummamT* calho, caf em grao, carne verde, carne secca, comme-ndas, [vissageiros c dlnlreiro a frete ateo
i) Dr Ttisto deAleacar Araripe, ofllcial da im- lannha da trra, feijao, lenha em achas, manteiga da da sa),ida s 2 horas da tarde :. escri|4orio no
in'iial iirdem da llosa, jpiz de direito especial franceza, paes de i e C oncas, toucinho e vinagre. p^.,,, a^jiattosn. 1.
do i-ommokto da eidade do Recife e seu termo, qoem pois se qoizer propr, aprsente soas pro- ---------------- *r-ari#v
i-iiMtal da urovineia de Pernaraiwco, por Sua postas em cartas fechadas na secretaua do dito arara o Aracaiy
M < de L nen TcSSoSSS o Sr. D. natalfaao al as lOheras em ponte de dia 21 do cor- O hiate t)ou, /mw pretende seguir com bre,
Pe. i a r n Deu" Sarde ec rento m vidade, toado parte da carga, e para o resto tra-
l-Vo verara do anno vindouro, se ha de arrematar por zembro de r863.-0 tonente-secretano,
v-ncla, a ipcM nis der, em praca deste jurao.
depeia da audiencia respectiva, a casa terrea n,
i, sita na travessa do PeiKoio. freguezia de S.
las, con |tortaa frente, dtias salas, dous quarlos,
porta que deita fura da ra do Alecrim, quintal
en ab.-rl*., avallada em 800* e dita casa per-
teaeeaU a Isidro Jos Duarte, o vai praca por
ejecutan que contra o mesroo inuve Antonio
l'iancisco dos Keis, e na falla de licitantes ser a
arremaiaco feila pelo prego da adjudicago com o
ibaliuieuto da lei.
E |iara que chegue ao conhecimento do todos
iiamlci fazrro presente edital qne ser affixado
nos lugares do coslmne o piiblicailo pela imprensa
Jado e passailo nesiacidde do Recife de Pcr-
.:iambueo, aos 18de dezemhro de 1863.
Ka Manod de Carvallio Paes de Andrade, es-
crivao, o sbscrevi.
Trislao de Alencar Araripe.
O Dr. TiIjo de Alencar Araripe offtcial
da imperial orden da Rosa, e juiz de di-
n:iio especial do commercio desta ci-
dade do Recife e seu termo, capital da
nrovincia de l'ernambuco, por Sua Ma-
gestade Imperial e Constitucional o Se-
nlior D. Pedro II, quem Dos guar-
de, ect
Frico saber pelo presente que Guitnares
A- Iluda me dirigirn a petnjo do tlieor se-
,'iiiiti':
lllm. Sr. Dizt'in Guiruarries 4 Rocha que
estando a fmdar-se o praso dentro d t)W
.luus.rcvc a le ta de quatro centos si-ssenta
w mil tivsentose (atenta ris, que Ibes
, vii.iu Jos Manuel Fernatides, e queren-
do os supplicantes interrompia- semelhante
Irmaos.
Jos Francisco de Moraos e Vascoacellee Pnivt-rv
ConselAo dr roaaaix-o* navaes. 1 < U l (>.
Contraa o consall no dia ti, de enfrente mez Se'gue at o fin do corrente a mu veleira barca
a lvageni de roiipa dos eslabeleeimenlos de roa- poj-tugueza Sumpatlua : para atenma carga o nas-
rinha no trimestre prximamente vindouro de ja- ageiros trata-se con>Raltac Llivoira, ruada
neiro margo, e o forneeimento dorante este mes- Cadeia n. 26._____________________________
mo tompo dossegnintos objeetoa de fardamento. senmoim.^cerivetnienlo quarta-feira 23 do
Para os apreodizes arliuces. corrente oara a eidade do Porto o veleiro brigue
l'ni sltto na Capnaga Vetba.
0 agente Almeida autorisado pela viuva do fal-
lecido Joo Evangelista da Costa e Silva vender
em Ieilo um grande sitio no lugar da Capunga
Velha, com urna boa casa de pedra e cal; aouten-
do 3 salas e 8 quartos, cosinha fra. casa para
escraves e feitor, 2 tanques, viveiro, a m*aen do
rio, muitas arvores de fructo bem coma) ofluei-
ros, larangeiras, sapotizeiros, goiabeiras al.
Terfa-frira 22 do corren le.
Em seu escripioHo nu da ldela.iW Recife n.
48, s 11 horas. ^
miQ
m
Uma casa le campo.
'Krnrar feir*2 2.nt dnemb ri.
0 agente Pinto far Ieilo s 11 horas do dia
cima dito de nina casa edificada na estrada do
Monteiro, porto da povoaco, sobre pilares c ali-
cerecs de pcra e cal, am i salas o o quartos,
quartos parmtpaelas e estriaria for para 8 ca-
varlos, cacimba com boa agua e baixa decapim, o
referido Ieilo ser eectuodo no dia e hora ci-
ma dito na ra da Cruz u. 38, onde poderao os
preteudentes obter qualquer informaeao a res-
alto.________
em- oito leitiwas, cnatm este livni a mais bella ex
0 tbesoureiro, posid* do mystcrio da vinda dos Magos ao presc-
Antonio Jos Rodrigues de Souza. P'<> Bel(',m-. nome autor o seu mais
---------------------------------------- i completo elogio.
mu livro utilissimo para a educaco moral e
religiosa das familias nao s pela sua doutrina e
conlieciinento de um dea mainres e mais eonsola-
doros myslerios de nossa religio, rom- petos, ora-
ches que acompanhain a todas as leiluras. um
i'nteressante oitavario para a celebrarn da festa
dos Reis Magos.
O seu producto destinado pelo autor para au-
xilio do collegio de orphos, ipio o virinoso hispo
de Cear est fundando na capital de sua diocese :
be'rtoresde la, colcho de linho el unos de palha,
colchas de algodo, frdelas de panno azul, fro
nha
pn
guardar
palha.
Para a Baha pretende sabir com milita bre-
Tturetm, capitn Jo
parte da carga :
-se com os consig-
nataries Palieira & Heltro, largo do Corpo Santo
Para os iroperiaes marinheiros e aprendizes ditos, n. i, primeiro andar.______________________
Bonets de panno azul, camisas de brim branco, Para o Rio le Janeiro
calcas de algodo azul, calcas de brim branco, na- M Q da 30 ()i) correnle ,,reU}ni|15 seguir im-
iicnas ue aigoaao, larueas ue panno aui, "- .... K- --.....
lias de algodozinho, gravatas ou lengos de seda vidado o veleiro patacho nmn
reta, lences de algodozinlio, sapatos, saceos de Corroa Lima, por ter a raaior \
lardar rupa, c travesseiros de linho cheios de para o resto que Ihe falla. Ira S
_..:.,^ tlnLLAin* V, lf>it<'.t Ul'flt
misas de algodo azul, caigas e frdelas de panno preterivelmnte 0 patacho nacional Beberile, para
s o resto da carga que Me Taita e escravos a frele
para os quaes tem excellentcs eommodos trata-se
com os sens consignatarios Antonio Luiz de OH
azul, lencos de seda pela para grvala, pelaii
de panno' pelo, sapatos e saceos de lona de man*
nhagem.
L LE Hit O
A casa de Henry Gibson ronliimar poi' inler-
vengo do agente Pestaa, o seu Ieilo de grande
variodade de faiendas inglezas iroprias do mer-
cado e para fechar coates
Tcrra-ffira, 21 ao rarreute.
s 10 horas da manha em ponto, em seu arma-
aem, ra da Cadeia de Recite.
Terea-feira ** l correte na
rna da Cadeia n. 51.
a II hora.
K seiu I ni i le.
Pelo agente Eirccbio se vender em Ieilo di-
versos ohjeolos de ouro e piala para ultimar con-
tas. e bem assim oiiras de marcinciria.
AO 10,(KH):0(MI
C\S\ l\ F0IITl\A
Bilhetes garanlidos
A' roa de t'.rrsjw. n. Zi-e- casas do eostume
Ao dia 24 de corrente se extrahir a quarta
parta da quinta lotera de N. S. do Guadalupe.
O abaixo assignado recommendando o respei-
lavel oublico a compra de seus milito afortunados este anmmoio e portan lo um t&em as almas
bilhetes garantidos, lembra-lhe a vantagem que ha christas para que ceneorram rmi un esmola
em receber os premios twr inteiro,,ner qnanto pwa nm m ta po e taelouvave.
quem tiran a so'rte- grande en. hiHMta gaiantide Vende-se na hvrar.a da ra estrena do Rosario
nao receber somonte 8:i0fS, em virtude dos n. 12, c na livrar.a econmica de M%'ueira, a 2 o
destentes de 16 por cento que Ihe farao em visto exemplar encadernado._____________________
das leis, mas sim os 10:000$, que vem a ser os : --------------------**#.
ditos 8:4005 e mais 1:600* que pagar o abaixo; i i,i a,
assignado, importancia de ditos descontos. Os pre-' Aluga-se o terceiro andar do .sobrado n. 28 da
os aeri pagos ceiaa-de cosame ra .do Queimado, com eommodos para familia a
wm-~.~~ trat jena loja-____________________________
Aluga-se o armazem n. 4 da ra do Apollo, e
otcrceiipandar da casa n. 88 da ra da Impcra-
triz ; na na da Aurora n. 36.________________
Dcsappareceu no dia 15 do corrente um nio-
leque d uoiiie Luiz, de idade 7 anuos, pernas tor-
tas, nariz chato, levando vestido um roupo de
mussdiua branva, tem falta dC (lentes na frente :
pede-se as autoridades iniciaos e capitaes de cam-
j po de o pegarem e leva-ln loja da ra da Cadeia
com inuitos, do Bees fe n.aVque se ree^npmsaia : outro sim
eommodos e preces razoaveis : na ra ireila n. i se protesta proceder contra qualquer pessoa que o
3, ou no niesmo "lugar na padaria Sebastopol. I lonh aouaclado.____________ i________
Caetono Pinto d Veras, partindo nesta dato _. Alugam-se as asas terreas na rua d
para a cuite do Rio de Janeiro, nao pode peto bre- caj^da n> 48 e rua Velha n. 2 : a tratar
vidade de sua viagem se despedir pessoalmente de *~" ai
todas as pessoas que o honram com a sua amiza- "a nu "' "u l_ _
d, o que inulto sent, e por isso usa por meio des-,
to despedir-se de todos, o oUeroce na inesma corte
o seu pouco presumo para tudo quanto for do seu
seivico.

Frccni*.
Bilnotes interos..* .
Meioi bilhetei. .....
Onarjos........ 350*0
Para as pessoas que comprarem
de 1005 para cima.
Klhettt........

. 55S0O-
. 25800
M'inoel Martins Fiuza.
Aluga-se una isa (i Jaboato,
Meios.
Cuartos.
FOLHINHAS PARA 1864,
Na piafa da Independencia livraria ns. 6
Ara-! e 8, acham-se venda as segiiinies folhi-
Aluga-se a casa terrea n 10 Ja rua do..... .-----.
gao, a qoal s serve para algum estabelecimonto nhas para I8G4 impressa tiesta typograpnia
ou olllcina : quem o pretender, dirija-se ao quar- em exce)|ente IVPO e bom [tapel,
tel de policial tratar rom o- capitao Te.xc.ia ou f de por,a contendo as male-
na botica n. 6da praca da Boa-Vista, quo achara ; tl)l11"" f |(.ft
com quem fazer negocio sore o dito aluguel na | te, r>.
mesma botica ahi encontrar a chave para se cor-
re a dita casa. ______. ___________,
Dita de algibeira, sob a epigrapbe
religiosa, contendo alm das materias
do costme os sele passos da Paixao
canti-
iratiflcactlo
Acha-se fgido desdo J" do mez prximo passa- Q Nosso Senlior JestiS GhristO .
do.o escnivo crionlo de nomo Augusto, com 18 an- Mariano ; liymnus e jacla-
nos de idade, seceo do con, tem o braneo dos "* u'' Saeramenlo- ev
olltos enfumacados, quando anda levanta os dedos I Sa lilsimo baeramenio, ex
dos ps, muil prosista, traja roupa muito suja, plictiles de diversas ora^oes; toroa
temsempre no honU*o um panno de que faz ro- Serapliica ; exercicio ao sagrado cora-
dilba para ganhar pela rua : quem o aprehender ,j ojarau para visitar as
lene rua do Livramento n. 31, segundo andar, *
que ser gratificado.
LKIU
caixii6 de
Para os fuzileiros navaes.
Bonets de chapa e palla, calcas de brim branco, Z"' .
calcas de panno azul, camisas de brim branco,
veira Azevedo & C, no seu escriptorio rua da
frdelas de panno azul, fardas de brim branco, Rio de Janeiro.
gravatas do couro de lustro, polainas de panno o brigue brasileiro Trovador segu com muita
pjeto e sapatos. brevidade, pode receber carga e escravos a frete,
Para os africanos livres. trata-se com os consignatai ios Marques, llarros 6
Calcas e camisas de algodo azul. largo do Corpo Santo n. 6.________________
Para as africanas livres. _.__ .,.TrTT.n
Camisas dealgetlozinhoe satos dealgo 15o azul. PARA l hli J AIVLiU
convida o conselho aos pretendentes a apre- ^^ in|)re,erive|men,e no da 16 do correnle o
sentarem suas_proposta.s naqnelle dia at s 11 b*> lmrtinte f rcct,no nscrav0s a frete, para
horas da manhaaeni cartas fechadas; sendo que xcellenlcs commedos : tra
atosseelTectuaraosobascond.roesdOLS- ron8ignaiarios Antonio Luiz de
lasive quanto aos objectos de fardamento ^ Q escl.i|)lorio. rua ua
...apanharein as respectivas propostas as i
nresertpeiO) v protestar contra ella, pelo amostras das tozendas, e de screm os de manufac-
iue reouer que >* tome por termo 0 seu taradlo feitos de forma conveniente, e segundo M
I**' 1 mnilidnff itflillo i
Cruz nu-
-|iic requer, que
jH-otesto, e seja intimado ao supplicado de-
w k sendo poim a inlimailo feita por
.lilal. per quantu o supplicado se atha au-
sente e em lugar incerto e nao sabida como
provanio os supplicaiites.
tylo, inele
de acompai
l (v '"n*" "i" ----------'
Para a Hahia
medidas dadas aos contratantes. O palhabote Uuribahli prelcmle seguir com bre-
Sala do conselho de compras navaes 16 de do- vidado para este porto, tendo parte de seu carre-
zembro de 1863. gamento, e para o resto trata-se no escriptorio de
Alcxandrc Rodrigues dos Anjos. Tasso|trmos na rua de Amorim._____________f
Secretario. | ----- ~ H ^, _m^^ a
- Pela subdelegada de S. Jos, se faz publico, | ^ || \ 1>B^ ISU.
que se acha recolliido casa de delenco a preta ,,,,
bren iade o bem contiendo
mesmo
of-
g-
ga-
rio n. 19, primeiro andar.
Pela subdelegada da freguezia de S. Jos, Para Lisboa pretende sahir com muita brevi
se faz publico, que foraapprehendidoum chapeo de jj^ 0 patacho Jareo, capito Jos Marques Coe-
i daudo ino Sobrinlw, por ter parto de seu carregat
tratado : para o resto que Ihe falto, e passag
do de- trata-se com os -eus consignatarios Palmeira i
Pedem V. S. Illm. Sr. Dr. juiz espe- ^arciza, que diz ser escraara de Joaquim Lopes da sahira com a maior
i il do commercio assim Ihe delira. E.
ft. M.(luimataes A- Hocba.
I-; mais seno continlia nem oulra alguma
i-.;, m d.vlarava em dita petican aqu
verbo adverbum IranscripW e copiada : na
qual dei profer o despacho do tbeor
segiiinle:
Sim; justificando a ausencia para o que
marco o dia da manbaa a uma hora da lar-
lc.Recife. H de dezembro de 1863.
Alencar Aran pe.
E mais seno continha em dito despacho
aqu verbo adverbum transcripto, em nim-
jirimento do qual produzimlo os supiHican-
les as suas testemunhas que deposerano; con-
venientemente acerca da ausencia do sup-
licado Jos Vianoel Femandes, e sendo
competetuemeate sellados e preparados os
;iulos subiram minba concluso, e nelles
lei e proferi a senteuca do tbeor se-
guinle :
Julgo precedente a jnstificaco, e assim
mando, que o justificado seja citado por
edilos de trinta dias para o lina requerido.
Recife, 18 de dezembro de I8G3.Trista
palliinha para senhora; quera for seu dono daudo ino Sobrinlw, por ter parte de seu carregamenlo
os signaes, Ihe ser entregue. tratado : Dar o resto que llie falto, e passageiros,
subdelegacia da freguezia de S. Jos, 11
zembro de 1863. Reltrao, largo do Corpo Santo n. 4, primeiro
Pela thesouraria provincial se faz publico, naiT
que a arrematadlo da obra dos reparos de conser-
vacao de que neeessua a ponte do Anjo sobre o rio
Seriuhem, fea transferida para o dia 31 do cor-
rente.
rara o Rio t.rande d> *nl.
Sahir com brevidade o brigue nacional Cortim-
! id, recebe carga a frele e escravos : quem quizer
Secretaria da thesouraria provincial dePernam- nelle carregar cntonda-se com Manee! Ignacio de
DE
Ui mela-aguas e um
pedra e cal.
O agento competentemente aulorisado far Iei-
lo de um caixo oara casa em altura de receber
travejamento sito na rua da Concordia n. 67, com
40 palmos de frente o 70 de fundo, em cujo ter-
reno esto collocadas 4 meia-aguas que rendem
8,5measaes cada uma; meia-aguas sitas por
traz do mesmo terreno (travessa da Palma) de
ns. 4 12 que rendem cada uma 105 por mez e
:t .tilas em frente das mesmas de ns. 1 3 que
rendem 125 mensaes cada uma.
Tprca-feira 22 to mrenle s 10 horas
do diaem seu escriptorio na rua da Cadeia do Re-
cife n. 48.
A CMiimercio e M publico em |fr*l.
Joaquim Piola de Miranda, tendo arrematado
em Ieilo. por mandado do lllih, Sr. Dr. juiz espe-
cial do commercio, a arraaco e mais objectos da
loja de modas da rua Nova n. 50, quo foi perlen-
cente a madama Rosa-Hardy, vem participar
ao
igrejas no dia da Porciuncula ; orafo
para escolha dos eslados da vida ; dita
a Senhora da Conceigo ; e mediiavcs
sobre a reforma da consciencia, rs. .
Dita de dita, sob a epigrapheVa
riedade, contendo alm das materias do
coslume : teceilas uleis e necessarias
3-20
320
r\
c
DO
Casco, npparclho e mais pftrtences do
hiate na' ion I Jaguaribe.
lnaria-i'cira 3 do corrate.
A requerimento do capillo do hiato nacional
JayiKiribe, Pedro Jos Francisco, e por despacho
do lllm. Sr. Dr. juiz do commercio por intermedio
do agente Pestaa iro a Ieilo todos os pertences
do mesmo hiate, consistmdo em veame, poliame,
cabos, correntes, mastros, vergas, ferros, etc., os
quaes se achara no armazem do baro do I.ivra-
mento na ponte nova onde ser elTectuado o leilao
quarta-feira 23 do corrente pelas 11 horas da
manha.
respeitavel corpo do commercio o ao publico era i aQ d myslerios da vida ; physt-
na gerencia do referido estabeleciraento a mesma pillierias e ralices; poesas; charadas;
madama Rosa-Hardy, que tica com procuracao, maximas e pettsamenlOS Colligidos por
bastante com todos os poderes para por elle ser rnr;n representado : e para que isto chegue ao conhe- uumaiiiusu^--------_-----,---------- ----------
cimento de todos os freguezes e do commercio \ Precisa-se de nma criada que saiba engom-
para que nao se chame a ignorancia faz esto que ; mar : na rua do Imperador n. 17, segundo andar.
far publicar por tres dias. Recife, 20 de dezera- TINTURARA.
bro (lt> >8 Precisa-se aliar urna escrava cr e omais barat0 ,,0ssivei: na rua do
para tolla serviCO lie uma Casade pouca Rangel n. 38, segundo andar.
familia: na rualmpciial n. 33.
Casas para aliigar.
raa loja o primeiro andar na rua das Cruzes,
uma casa terrea na rua da Alegra, um terceiro
andar e sotad na rua do Encantamento : a tratar
com Joo Ribeiro Lopes, rua da Cadeia n. 33, loja.
- OITerece-se uma mulheridosa edebonscos-
lumes para ama de qualquer pequea familia : i
tratar na rua do Sebo n. 45.
LKiaiiAO
DK
i ni grande sobrado de un an-
dar na eidade do Aracaly.
Oagente Almeida (ara Ieilo requerimento dos
administradores da massa fallida de Seve Futios
.No largo da Sania Cruz n. 16, precisa-se de
um rapaz para caixeiro, que tenha alguma pratica
de taberna, e que d Hador a sua conduela.
Para a festa
Aluga-sc um sitio na Vanea cora bastantes ar-
veredos de fructo e perto do banho : a tratar na
rua Augusta n. i._______________________
Aluga-se un sitio na Capunga velha, com
boa casa, contendo 4 quartos, gabinete, cacimba
com boa agua, quartos para pretos, estribara e
fructeiras, todo murado : quemo pretender, diri-
ja-se rua do Crespo n. 18, primeiro andar.
Precisa-se de uma criada que saiba engom-!
mar e cozinhar : na rua do Crespo n. 18, prknei-
ro andar. _,_____________ j
sitio
Agencia de passaporte.
Claudino do Reg Lima, despachante de passa-
porte, tira-os para dentro o fra do imperio por
commodo pareqo, e com presteza : na rua da Praia
n. 47, segundo andar.__________________
Aluga-se a casa confronte a S. Jos do Man-
guind : a tratar na rua Augusta n. 26._______
Aluga-se a casa terrea n. 26 da rua da Ale-
gra : a tratar na rua da Imperatriz n. 40.______
A casa da rua da Palma n. 24 acha-se justa
e contratada por venda com os herdeiros do tinado
Joaquim Lopes Pereira Guimares : quem tiyr
alguma reclaniaco a fazer sobre este predio, diri-
ja-se nestes quatro dias rua da Aurora n. 36.
A pessoa que annunciou precisar de 1 MI
a premio, dirija-sc rua da Praia n. 9.
fferece-se umpessoa competentemen- ^
le habilitada aensinar frada capital pn- i^.
meiras lellras: quem de seu presumo se
quizerutilisar dirjase a esta tvpogra- Z&
phia em carta fechada com as imciaes
da rna do
buco, 17 de dezembro de 1863.
O s'icrelario,
A. F. ORR-RIO T.EBAL.
Rclaco das carias seguras viadas o nerte telo
Oliveira & Pilho, largo do Corpo Santo n. 19.
Para o Rio de Janeiro.
Opatoelw nacional Capuam. pretende seguir
com muita brevidade, tem parte de seu earrega-
mento engajado, para o resto que Ihe falla e es-
cravos freto paraos quaes tem ons eommodos
vapor tlai otra, us senltiree ahano aleda- trata-se com os seus consignatarios Antonio La
de Oliveira Azevedo & C, no seu esenptorio rua
da Cruz n. 1._____________________.
Nada mais se continha em dita sentenca
observancia da qual J5
radus :
Adamson Howie & C.
Dr. Antonio Jaosen de Maltos Pereira.
Dr. Antonio Ral mo de Souza Ucuoa.
Rastos 4 Oliveira.
Diniz Creman (.Naatos).
llygiuo Raymundo Gomes.
Joo Pedro Soares Moreira
Jnior.
aqu transcripta, em
respectivo escrivo Manoel de Larvaltio Paes' ^ AnU,nio ue Siqueira.
I Vudrade que este subBCteveu, im (as- Loureuco Alves de Souza^
*:!r editaes Vifiui di* peto Correio gei-al.
",c al e "seu Sri db Rosario Pereira da Silva.
instiGca- Vicencia Alexandrina Pereira Dutra.
titear intimo e- hr por intunado ae justiuta
.1. ausento Jot-Mmorf P*^lei^g \ Pe|a adrainistracao do eorreio desta eidade se
pcftgao ;,cima JV^ T. "' I faz publico que em viraaaie. da convencao postal
Para ^wU
A barca portuguea S. Munotl 11 segu imprete-
nvelmente para o Porto no dia z* do cerrante, e
s recebe passagciMS, para os quaes tem cxeel-
lentes eommodos : a tratar no escriptorio de M. J.
Hunos e SUva&Genn, na,rua do Vigario n. 10
LEII5lS.
Nc sitio n. 8 junto ao Hospital Portuguez, Aluga-se o 2* andar do sobrado
compra-se um negro de boa conducta, e que oo- jmpe|.a(jor n. 79, bastante fresco, e decente para
, tenda bom de plantaco : quem o tiver e quaer umi fim|a : a tratar com Antonio Jos Rodrigues
T Ce mandado.* Im. Sr. Dr. juiz especial de vender,- lave>e ae mesmo sitio, que achara com de &,ura> na rua do Crespo nMS.
commercio, de um sobrado de um andar com 35 quem tratar. ----------------------_^------ jm>
- Precisa-se de um bom cosioneiro ede uma
palmos de largo ton* 3 JanoJtos na fren, na rua
das Flores da eidade do AraCaty em chaos forei-
ros cmara municipal de dita eidade.
SMU-fcira 8 Ae jamn de 1861
porta da associacao coramercial s 11 horas_; os
liretendentes podem olrter agente cima.

irnos DIVERSOS.
fxider fazersoientedt>todaotpandido.
o presente sor affixado nos lugares do
i- i-tuiue, e publicado pela imprensa.
Dado i? pa'ssado tiesta eidade do Recit,
cnpilal da provincia de Pernarabuco, aos 19
liKIliAO
11 i KAKKal\A.
ihui: A
(y agente Pestaa legalmenle aatortsa* vende-
o contedo na
neto ujual, qualuuer prente e amigo OU co- ce|et>rada pelos goveroaa brasileiro e francez, se-
Z dS ocite *ao, *W** rOrexpedidas inalaap.ra^d.a^do
ra tntes da mm fr marcada para a sahida do r por conta irisen* quem pertencer todo os
vanor e os jornaes ato i lloras antes. gencroeemsteotes na tora sita na trayess das
AdiinrMo do.eorreio de Pernamnuco 10 de Crozes n. 6 onde c agwite eirertuaca le*Oo se-
demSSdeT863,- administrador, rgunda-feira 21 do corrente pelas lOltoras dama.
Domingos dos Passos Miranda. I nhaa em ponto.
OSr. ios Francisco Pinto Guimares, cirur-
Bio lela escoto real de cirurgia de Lisboa. Irans-
forio sua residencia para a roa Nova, n. 60, pri-
meiro anda/, onde pode ser consultado todos os
dias utei* das 7 s O-horas da maoha, acerca das
doencas demnninadas oirurticas ou oxleraas espo-
ctolnonlo daqueHao, em cojo tretameio mais fre-
(mentomente interven a medicina operatoria
ama "quei saiba engoramar o lavar: tratar no
sobrado n. da roa da Aurora._____________
Antonio Jos Rodrigues de Souza, na rua do
Crespo n. l> nreeisa alugar um moleque para o
service de casa familia, e que saiba. bolear car-
ro, sendo de bons costumes. _______
Precisa-se de 4:0005, pouco mais ou menos,
mediante um juro regular, com hypothecae m es-
cravos ou predio : a pessoa qne quizer fazer este
negocio pode deixar o seu nome e residencia sobre
Preeisa-se de uma ama livre ou escra-
va, para lodo o servico de urna casa de
familia, a excepeo do cosinha e qne
saiba engommar bem : na rua eslretla
do Rosario n. 3l, terceiro andar.
Aluga-se o terceiro andar do sobrado da rua
Nova n. 19, com bastantes eommodos para fami-
lia : a tratar na rua da Cadeia n. 6i, segn*
_ Francisco Jos de Souza Piulo morador na
povoaeao Cruang tem no engenho Vertenle co-
marca de Nazareth junto a povoaco Vicencia
as iniciaos A. L. P. C. para ser procura*, na rua andar_________________________________
do Ooro n. 69^______________________| Alnga-se o terceiro andar da rua larga de
- Francisco da Silva Cardoso retirando-se'para Rosario n. 24, muito fresco e cora ^* m;
> Rio de Janeirodeixa por seu procurador o Sr. modos para familia por preco muito commooo a
loo Maria Cordeiro Lima e oncarregado da li- tratar no segundo andar do mesma_______ .
o
Joo
quidacao de sua casa.
Botlea.
PedC-Se aO Illm.Sr. cnsul de. precisase de om caixeiro quelenl alguma pra-
rfr.8tl .li^ne-se onlenara scus-e- j&ffS^fi^**^
pregadOS IJUft ailHriUHfl a Mlir-|ie a& Aluga-oa caa n^rea n. 36 da r"*^* JJJJf
ilo-querendeiroJosCAto-al Oliveira Mello njisoas OHC 0 prOCnrai, D0S eHBS S da ltoa-Vi.at por baratorpraco :
89.-S780. quem quizer comprar entenda-se com o r ,. sMtun* andar do sobrado n. t
S93S780. quem quizer
dito Pinto que todo o negocie tora.
Precisa-se de urna ama para cozinhar em
nermjtlem fa*-lo a tiawB Ibes- coo-
>.-- ffeBi*.
Ama. de leite.
Xa rua estreita Rosario n. 43, primeiro an-
casa de pouca familia : na rna da oda, sobrado j AUlwlll_se a freguezia da Varzea 4 mo- .....
de um andar, na esquiaa, com voneziaoas, por ci- rdaS ,ie casa de lijlo acabada novo, bem a dar, precisase ama ama qne lenlia borne aoun
ma da taberna___________________ inargem **io, assw come no mesmo lugar o sk danto leite,________________r__^
Jl"preisa-se*.uma.ama qne saina, cozinhar tioque foi Dr. lbtopin com eommodos para 0 gr Lu2 paui*m0 Cavalcantt de Al-



Diaria de Pcrsambnco
--------------------1u______
- f&qgunda feto 91 de Bezcmhro de IS8.

t



FAZENDAS DE BOM GOSTO
Superiores cortes de seda de edr 505, 005, 705, 805, 90J o 1005 ada corto; os mais modernos que leTinit a Pornambicb.
Ditos do moreantique de cores e pretos.
Liadas sedas de cores a 25200 rs. o covado.
Ditas de ditas de quadrinlios alio 1520O.
Moreantique carmezim cor da moda a 13200 o covado.
Superiores cortes de blund para noivas.
Lindos cortes de crep de Uespanha com barra de cores as mais lindas que se pode desojar.
Cortes de la com barra de cor.
Ditos de laa com barra aquille.
Lindos cortes de grinadine de seda cora barra de goslos inteiramenle novos.
Linda fazenda para vestidos denominada crep de Hespanha de cures mu lindas.
Superiores las de cores matisadas.
Grande e variado sortimento de percales de cores para vestidos. ,i (
Dito de chitas francezas muito finas escuras, claras e matisadas.
Lindas catilinetas para vestido, gostos inteiramenle novos.
Superiores cortes de cambraia brancos bordados e cutras rauitas fazendas de bom gosto para vestido de seobora.
Para hombros de senhbras.
Superiores capas pretas a 205, 255, 305, 403 e 503-
Santiembarques de cambraia ricamente enlejiados.
Ditos de cachemira de cores e brancos enfeitados com muito gosto.
Lindas capas de caximira do cores as mais modernas que tem vindo a esta praca.
Superiores zuavos de cambraia c de seda preta.
Lindos postilhoes de merino de cores.
Grande e variado soriimento de camisinhas bordadas
dem de chales de merino lisos de barra estampadas de quadros e de crep a 43300, 33, 63, 73,83,$3 e 103-
Para cabera de sehora.
Superiores chapelinas do palha de Italia. ( .
Lindos chapos de palha de Italia enfeitados com muito gosto e grande varedade para escolher a 123,143 e 163-
Maternos enfeites de flores chegados no ultimo vapor francez.
Variado sortimento de cufeites denominados conservadores para cabrea.
Bordados.
Grande sortimento de ntremelos bordados a 13.13200 e 13300 a peca.
Lindas tiras bordadas largas a 25, 33 e 43 a peca.
Calcas bordadas muito linas para senhora.
Superiores e modernas saias bordadas.
Espartilhos superiores e outras multas fazendas de gosto na< loja das columnas ra do Crespo n. 13, de Antonio Correia de Vasconcellos
PechiiK*
Na mesma loja das columnas vende.se cortes de cambraia or
corte a 63, 83, 103 e 123 o corte.
-
igual.
de duas satas e de baados matisados com 14 a 16 varas cada
I 'Contraria venda o n. i do RAIO, nos luga-
res Hocostume._______
Furtaram do engenho Tinoco n Serlnh3cm,
floxia Io de dezembro, um cavallo rugo pombo,
pequeo, com urna malha vermelha no lado es-
qnerdo do pescoco, o casco do p esquerdo branco,
anda bem baixo e inteiro : quem o anprehender
u der noticias dell.j no liiesmo engenho Tinoco,
; ou na estrada nova do Cachang, no sitio de Tho-
maz Cavalcanti da Silveira Lins, ser generosa-
mente recompensado.
AUJga-se um sitio no lugar do Caminho No-
: vo, ra da Esperanca, quem vai para o Manguinho,
tendo boa casa e muito fresca, com 6 quartos e 4!
salas no andar terreo, 3 salas- no salo, o qual tem j
11 janellas, e por isse torna-se mullo fresco, casa
era banhos, duas grandes cacimbas com agua de
ber, casa para criados, estribara, e o sitio todo
murado e com larangeiras de umblgo, frocta-pao e
jaqueiras : a tratar na ra do Deslino n. 16. |
O administrador da. -asa de banhos do pateo
do Carino roga as pessoas que possuem antigos;
carmes, hajam de ir trocar por novos al o da 31
deste mez; ficando inutilisados se o nt fizerem.
An. 29..
Nava leja dos baraleires na rna 4o Queimado.
Velludo de cores fazenda muito boa o covado
33000, baldes de panno 33200, ditos de arcos
33000, 43000 e 53000, las^ de duas larguras
para vestido o covado 500 rL chitas francezas o
covado 360 rs., metim braheo para forro de
vestido o covado 120 rs., taratanas de todas as
cores a vara a 720 rs. /
* n. 29j "
Nova loja dos harateiros na ra do Queimado.
Cassa lisa pelle do ovo a peca 73500, cambraia
lisa muito fina a peca de 17 varas 103, cam-
braieta peca de 12 jardas 73000, cambraia adamas-
cada para cortinado a peca de 22 varas 103000,
mcias finas para senhoras a duzia 43000, chales
de laa pona redonda 323500.
Ao n. 29.
Nava loja dos baraleires na rna do Queimado.
Blcos pretos de linho a vara 120, 160,240, 320
rs., franjas de seda a vara 80 e 160 rs\, galoes
de seda de algodao e de lita para enfeites de vest-
do a peca de 10 e 15 varas a 400, botes de seda
de velludo e de fustao duzias 120.
Precisase de um copeiro : na ra do Trapr
chc Novo n. 22.
Alugam-se as lojas dos sobrados do paleo do
Terco ns. 13 e 29 proprias. oara qualquer estabe
Ieciineato{K>r ser ein boa localidad* e bom espa-
cosas : a tratar na ra da Praia n. 36.
Proclsa-s alugar urna prea te toa conduc-
ta que salba engomniar bem e cozinhar : na ra
do Queimado n. 44, primeiro andar, pagase bem.
Na ra da Moeda n. 5, segundo andar, pre-
cisa-! de um caixeiro para escripia que seja de-
sembarazado em seu servico, e de muito boa con-
ducta, e que d fiador da mesma.
DENTISTA DE PARS
19lina Nora-19
Frederico Gautler, cirurgiao dentista,
faz todas as operacoes de sua arte, e col-
loca dentes artificiaos, tudo com supero-
ridade e perfeico, que as pessoas enten-
didas lhe recqnheceffl.
Tem agua e pos dentificio.
Aluga-se o primeiro andar do sobrado da
ra do Crespo n. 23 : a tratar na loja._________
Antonio Jos Rodrigues de Souza aluga a sua
casa e sitio do Monteiro, em frente ao oitao da
igreja de S. Pantaleao, com bastantes commodos :
a tratar na thesouraria das loteras, ra do Cres-
po n. 15.
COMPRAS.
Compram-se Diarios : na ra estrella do
Rosario n. 1, taberna do Pocas.
RECIPE AO S. FRANCISCO.
Do primeiro de Janeiro de 1804 at outro aviso, as partidas dos trens'serao regula-
das pela segiiinte tabella.
Na ra da Gloria n. 89, compra-se urna me-
sa de jantar elaslica em bom uso at a quanta
de 703.
=
ESTACES
Cinco Ponas (partida)
Afogados '.
Roa Viagem .
Prazeres .
liba.....
Cabo.....
Ipcijuca. .
Olinda.....
Timb Ass .
Escada .
Frexeiras .
Aripib.....
Rbelro .
Gamelleira .
Cuyambuca .
Agua Prcla .
Una fe negada). .
THKiVS \n\ O IM I lUOll
Dias de trit balito
'a-* 'gtlrol
. I.i.
3 cIum.
MAMIAA
II
M.
45
51
8 4
8 U
8; 37
8 52
9. 10
9, 25
9 40
9! 53
10|
10,
ao
38
10, 57
lli 17
11
II
38
56
Mentad..na*
ni e t
:i el.
tahue
12 20
M
30
50
30
5
25
45
S
25
PMttieiroi
d.. I. i. r
3 cImm.
TAHIlE
11. M.
30
36
50
57
24
40
Domingos e
iH.is niiiIon
Pussugeirosde I.*, 2
e '.' classe.
MAMA
7
7
8
8
8
8
9
9
9
9
Ki
lo
lo
11
11
H
12
M.
45
SI
4
11
37
52
10
25
iO
53
20
38
"7
17
38
56
20
T\nnn
ti.
\
ESTACES
1 11KAN lio ia 11 IIIOII
Dias de trabalbo
l'.SSager -
3 dM-.
HANIIAA
50 Una (partida).
50 Agua Prela.
10 Cuyambuca.
17 Gamcleira.......
44 Ribeirao........
Aripibd.........
Frexeiras.......
Escada.........
Timb Ass.....
Olinda.........
Ipojuca.........
libo..........
liba...........
- Prazeres........
Roa Viagem.....
Afogados.......
Cinco Ponas (cheg.).
II.
M.
20
36
3
lo
24
30
Mrrcailurirfs 1
..,. ,1.. i. .1 <*
3. cl..*c.
3 rlli.'
IIANHAA
II.
8
8
8
9
lo
10
10
11
11
11
12
12
1
II.
27
52
17
5
25
50
10
30
45
15
40
TARDE
II.
12
1
1
1
2
i
i
a
3
3
3
*
4
4
40
4
25
43
3
22
40
7
20
35
50
8
23
49
4' 56
9
15
Domingos -
das sanios
Pasxageiros de 1*, 2.a
e classe.
HANHAA
II.
M.
20
36
3
10
24
30
TAIIPR
II
M.
21
45
3
23
42
27
40
55
10
28
43
9
16
29
35
i. Aitstin, superintendente interino.
-
gi:[g|ig|-
ciiiisia aneriraio
le \cw-lork. rita do
rador u. 63.
Dr. W. II. Me. Gratli, offerecc ao res- 5
peilavel publico de IVrnambuco os ser- ja
$K vicos de sua proflssao, bulas as opera- ^
i ees da Iwccae dentes serao execuladas S
S com o ultimo e muito nielhorflo princi- JK
$[ pios de cirurgia dental.
Ausentou-se no dia 13 do correte mez, o es-
cravo Luiz, de estatura baixa, e j de dada, levou
vestido camisa de bata astil, caiga branca, chapeo
de palha pintado; roira-se a todas as autoridades
policiaes e canilles de campo a captura domesmo,
podendo o levar a qual |ikt hora ern Santo Amaro
a sea senher Manoel Custodio Peixoto Soares, ou
na |naea Corpa Santo.
O Rt. Antonio Vicente do Nascimealo Feilo-
-a, tendo de retirar-se para a corte do Rio de Ja-
neiro, alim de tomar ascento na cmara tempora-
ria, como deputado assombla geral por esta pro-
vincia, avisa ao respeitavel publico, e com especla-
lidade aos seus constituintcs desta e de outras pro-
vincias, que o sen escrlptorlo na ra estrella do
Rosario n. 23 contina sob a direccao de seu com-
panheirae collega o Sr.Dr. Joaquim Jos de Mi-
randa. Os solidos estudos do Sr. Dr. Miranda em
jurisprudencia, a platica que possue dos negocios
forenses, o conheciincnto que tem das causas do
esrriptario, onde irahalha lia cito annos, e o carc-
ter prwbo que o distingne, sao garantas sullieien-
tes d'' (fue na ausencia do Dr. Feitosa"os negocios
forenses a seu cargo, e os que occorrerem de novo,
proseguiro com a mais perfeita regularidadt
ODr. Teitosa avisa, outro sim, ao res|ieilavel
publico, plicas pessoas que quizerem ouvir suas
opinies, jtoderao reinettei-llie para a corte suas
consultas por intermedio do mesmo Sr. Dr. Miran-
da, certo-e que a resposta Ibes ser enviada pelo
primeiro vapor que d'alli partir iJepois do recehi-
mento da r da direccao de revistas ou de quaesquer nego-
cios forenses.
O mesme Sr. Dr. Miranda fica munido de pro-
curacao bastante para tratar de qualquer negocio
que diga reefielto ao Dr. Foitosa, quer particular
quer or%nse.
(lab.tiele medico nulifico ra dts
Flores n. 37.
O Dr. Eslevao Cavalcanti do Albuquerque da
consultas medico cirurpiras era seu gabinete das
Sis 11 horas iz manliaa e das 11 ate s 3 horas
da larde, os chamados deveras ser por escripto e
(les,a hora em dianle daver ser procurado na ca-
sa de sua resideicia no Chora-fcaino.
I. Partos.
2." Molestias de pelle.
3. dem dos albas.
i. Irl>in dos orgias genitaes.
Pratkar toda e qualquer operaeio cm seu ga-
binete ou em casa dos doentes conforme Ihes fr
rnais conveniente.
Aluga-se urna casa no Manguinho, no entrar
para os AlRietos, prraeira casa a esquenas, wm 6
quartos, coznha e cacimba com boa agua de be-
ber, aJguns arvoredos de fruclos : a tratar te da igreja de i. Jote do Manguinho, portao ao p
da taberna.
= a ra do Crespo n. 19, loja, deseja saber-se
onde assiste o Illm. Sr. Braz Maciel, alim de rece-
barse urna cncommenda que trouxe de Paris para
er entregue a Jos dos Santos Nevet,
Msicas para piano e cants de todas as forcas, e methodos dos melhores autores, e vcnde-1
Jsc baralissimo.
EXCELLENTISSIMAS SENHORAS,
Apuveitem as pcchiichas da loja roa do Crespo n. 17
DE
JOS GOMES VILLAR.
Para apurar dinheiro est vendendo liaratissimo,
Aprovelteni iodos.
Recebeu de New-York 2,000 bales de 20 arcos e vende a 2 I xtmordiiiaria pecliincha, sem igual.
Liias de cores, de quadros a 280 e 400 rs. o covado.
Casaas de cores a 200, 240, 280, 320 o covado I I I
Chitas francezas muito boas a 320 e 360 rs. o covado.
Madapoles, pecas de 20 varas a 75, 85, 95, 105, 115 e 125 a peca.
Cambalas lisas, pecas de 8 1|2 varas a 2-5500, 45,55, <>5, 75, 85 a peca.
Capas pretas, manteletes pelos bordados a 205 c 325 rs. I
Sotambarqucs prelos de 255 a 305 rs.
Capas de casemira de cores a 255 e 305 rs.
Outras fazeudas de multo gosto.
PROTEJAM TODOS
Cortes de camhraias bordadas ; cortes de vestidos de blonde para noivas, com capella ej
'manta. Chapeos Marta Pa a 125 cada um I Meias para senhora a 45, 55, 105 e 125'
rs. a duzia. Bramante de linho, de 10 palmos, a 25 a vara. Bramantes belgas a 35 a vara ;
esguioes de linho finissimo -. bmbazinas pretas para luto ; merinos pretos etc. etc.; da-
mascos de laa de 8 palmos de largura, proprios para colchas e para cortinas de salas.
^oiuauiaaioqeisa ouussuueiJodui! ossa? 'sbjs seuixa 'OBaajojj
-OJiaquip b 'seujissiieiKq sepuozej
-i:|u.ioj||K.> .tou ep si:|.mn|ood se uijpoaoj somaoMvaisa a soMV3iaiv[v\[Had^
Mudanza de estabeleci-
mento.
Flix Venancio de Cantalice avisa aos seus nu-
merosos freguezes d'aqui da provincia como de f-
ra, que mudou seu cstabelecimento .de alfaate da
ra do Imperador, para a ra Nora n. 19, no qual
est sempre prompto para cumprir com qualquer
encom^nda tendente a sua arte.
Aluga-se a casa da ra da Concordia n. 69
A, con 2, salas, 3 qu?rtos e um solio, quintal e
cacimba; urna dita na travessa do Monteiro n. 4,
rom 2 alas, 3 quartos, quintal e cacimba : quem
as pretender alugar, dirija-se ra da Praia nu-
mero 154,
AMA.
Precisase de urna ama para cozinhar : na ra
larga do Rosario n. 12, segundo andar.
Aluga-se um bom sitio na estrada do Hospi-
tal Portuguez, com urna boa casa de vvenda, con-
tendo os sguintes commodos: 4 quartos, 2 salas,
coznha e despensa a parle, senzala, estribara, co-
cheira, cacimba com sua respectiva bomba e tan-
ques : quem pretender, dirija-se ao sitio n. 1 na
dita estrada, a tratar cora o seu proprielario.
Aluga-se urna easa'nova e pmtada, proprla
para passar a festa por ser perto da praca, na prl-
meira entrada para a Capunga, antes de chegar a
S. Jos do Manguinho : a tratar ao p da mesma.
Precisa-sede um menino de 12 a 14 annos :
na taberna da ra larga do Rosario n. 3._______
Aluga-se por prece cmmodo o
sitio dos 4 leps na Soledade, com boa
casa de sobrado, cucheira, estribara e
lauque para banhoe encllente agua:
tratar no mesme sito das 4 lunas as
7 da neile.
Joao Raplista Goncalves Bastos e Joo Ber-
nardo da Costa Reg Montere, oulr'ora estable-
cidos com loja de fazendas na ra Nova n. 47, sob
a firma de Bastos & Reg, fazem-sc publico e com
especialdade ao respeitavef corpo do commecio,
que tendo expirado o seu contrato social no dia 3
de correte dissolveram amlgavelmente a socieda-
de, (cando todo o activo e passivo cargo do so-
cio Bastos e do Sr. Antonio Leite de Magalhaes
Bastos, conforme o contrato que nesta data cele-
braram. Recife 16 de dezembro de 1863.
Jos Azevedo de Andrade faz
scimte ao corpo do commercio desla
praca e a seu freguezes cm ger. I, que
transferio o seu est zendas silo ra do Crespo loja n. 20
A para a de n. 18 da mesma ra.
Compra se urna escrava de meia idade que
saiba bem cozinhar : na ra do Crespo n. 18, no
segundo andar.________________
Compra-se una escrava que lenha habili-
dades e de boa conduela : na ra da Cadeia n. .15.
Compra-se urna mulatiuha de 12 14 annes,
sendo sadia e de bons costumes: na ra do Cres-
po, loja n. 15.
Comprase effecilvamenie uro e prata em
obras velhas : na praca da Independencia n. 22
loa de bilhetes.
Sapaios para senhora a 240 rs., gapalees de con-s
ro de Instre francezos a 35, borzeguins para ho-
mem a 25500, ditos franeczes a 45, sapatos de ta-
pete para senhora a 640, para hornera a 800 rs.,
sapatos de marroquim com salto obra de 35 a
15560, sapatos de lustre para senhora a 800 rs. -.
na ra dos Qoarteis n. ti, junto a loja de funi-
leiro.
C\LI)ELIS0\
Vendem-se barrls con cal des-
ta procedencia, en pedra, chega-
da hoje, e nnlea aova, que ha no
mercado, na rna do Trapiche n.
13, armazem de Manoel Teixel-
ra Basto.
Meias do Porto.
Vendem-se na loja de ferragens da rna da Ca-
deia Vellia n. 44, meias de linho e igualmente de
algodao, por prego muito coramodo.___________
FARINHA FONTANA.
Farinha da muito acre-tita a marca
Fontana ccseubarca por preco mais commodo do que em
qualquer outra parte : na ra da Cruz
u. 4 rasa de X. 0. Bieber k C. succes-
sores.
Contina a vender-se
a guia do processo criminal, obra indispensave,
aos delegados, subdelegados, jnizes municipaesl
suppjentes, .etc., para a formcao dos processos
criminaes e diligencias policiaes ; na qual o autor
trata de capitular as differentes disposigoes do c-
digo do processo criminal, lei de 3 de dezembro
de 1841 e regulamentos respectivos, de modo que
torna fcil o conheciinento dessas mesmas dispo-
sices as mencionadas autoridades; escripia pelo
Dr. Vicente Ferrera Gomes, juiz de direito, ele,
I volume. em oitavo encadernado 25 : na ra do
Imperador n. 73.
VENDAS.
Madame Ruessard Millocheau tendo recebi-
do de Paris una encommenda especial para a fes-
ta, previne aos seus numerosos freguezes que aca-
ba de receber rquissimos chapeos de palha, lin-
das camisinlias com golas e manguitos, lilas largas
para sinto, bonitas flores para cabera e vestidos,
lindas grvalas para senhora, tarlalana branca e
de varias cores, muilo rica musselina e fil de
grande largura, bicos de todas as qualidades, sa-
patnhos de enanca para baptisado, ricos bouquets,
um grande soriimento de galdes e litas para ves-
tidos, espartilhos para senhora c menina, emfira
um variado sortimento de varios objectos de toi-
lette.
DEPOSITO FRANCEZl
iBord
Precisa-sede orna ama eserava'que se-
ja boa eogoamadeira se preste a tedo o
servico de na casa de familia, excepto
o de cos nha : na ra esireita do Rosario
n. 31, tereeiro andar.
O Dr. Sarment Filho, medico operador
do hospital Pedro II, para maior com-
modidade das pessoas que o honrara com
a sua confianza, participa que ser en-
contrado todos os dias no referido hos-
pital das 7 s 10 da manha e dessa hora
yj em vante na ra do Queimado n. 44, se-
K gundo andar,onde ha estabelecfdo o seu
consultorio, ou em casa de seu paiCam-
po das Princezas.D consultas gratuitas
lodosos dias no dito hospital, onde pra-
tica toda e qualquer operato de que os
pobres precisem para o seu restabeleci-
mento. Incumbe-se especialmente da
cura das molt stas do dominio da medi-
cina operatoria, que se ha dedicado,
das affeccoes do ulero e da uretra.
Ama.
Precisa-se do urna ama para urna casa de pouca
familia : na praca do Corpo Santo n. 17.
Contina para alugar-se a casa n. 72 da ra
Aluga-se o sobradan*) da ra Imperial n. Imperial, com bstanles commodos : a tratar com
40, com excellentes commodo* para familia: a Jos Oiaa da Silva na ra do Imperador sobrado
iralar na ra da Cadeia n, 62, segundo andar. n. % airada pea ra de S. Francisco.
... mm mm Wm
Maques sobre Portugal.
Oabaixo assgnado, agente do banco
mercantil Portucnse nesta cidade, saca ef-
fectivamente por todos os paquetes sobre
o mesmo banco para o Porto e Lisboa, por
qualquer somma, vista e a prazo, po-
dendo logo os saques a prazo screm des-
contados no mesmo banco, na razo de 4
por cento ao anno aos portadores que as-
sim lhe convier : as ras do Crespo n.
8 ou do Imperador n. 51.
Joaquim da Silva Castro.
ttociedade de seguros mutuos
de vida installnda pelo flanco
i uio na cidade do Porto.
Os agentes nesta cidade e provincia Antonio
Luiz de Oliveira Azevedo & C escriptorio na ra
da Cruz do Recife a. 1, estao autorisados desde j
a tomar asslgnaturas e prestar todos os esclarec-
mente* que forem necessarios, as pessoas que de-
sejarem concorrer para to til e benfica empre-
za, segurando um futuro lisongelro aos associados.
Na ra da Moeda n. 5, segundo andar, preci-
sa-se de urna ama para tomar conta da direccao de
urna casa, mas que saiba cozinhar, engommar, co-
ser com perfeico, e que seja perfeita em todo o
seu servico, dando fiador a sua conducid?
Contina a haver pao de senteio novo nos dias
quartas e sabbados de cada semana, na nadara
em Santo Amaro ao p da fundico, na ra'da Im-
perairiz n. 22, e ra do Rrum, confronte o chafa-
riz n. 47, ra das Cruzes, deposito n. 39, na Pas-
sagem, taberna da esquina do Sr. Rento, que vira
para o Remedio, e no armazem progresso, largo
da Penha n. 10.
19 Kna d'Apollo 49 }
speelalidade de vlnho |
de Bordeu* *
eaux superior a du-j
zia 6#000.
Liroros, cognac, vermoulh o mais barato .:
qne nunca appareceu.
ii:< iii\< ni t
Custodio Ccirvalho Campa-
nilla.
9 9Ruado (tueiuiado 2 3.
Novas laaziuhas escossezas muito lindas, fazen-
da encorpada, propria para vestidos de senhora e
cnancinhas, pelo barato preco de 2.40 cada co-
vado.
Na ra Imperial n. (2, vende-se um cabrio-
le! de 2 rodas, em bom estado e barato, bem assim
na mesma ra duas casinhas de n. 136 e 138.
Brincos de ba'ao.
Xa loja da esperanza, ra do Queimado n. 33 A
vendem-se brincos bales dourados finos, fazenda
para a festa, a 15 o par, nlnguera daixa de andar
na moda; luvas de pellica de cores e brancas, lio
ejastico branco e preto, trancinha para bordar, de
laa e de seda, e enfelles nos gneros que se fazein
precisos para os vestidos Mara Pa.
ATIENDO.
i Vende-se um sitio era Olinda, no lugar denomi-
nado logo da Rola, tendo una grande casa de pe-
dra e cal, em chaos proprios, com os commodos
seguiutes : tendo nina sala na frente e um lem-
co, um gabinete, seis quartos, sala de jantar e co-
znha fra, um grande soto com quatro quartos,
e janella para os oites, e tamhem una cacimba
com boa agua, coberta de telha e murada, e dous
hanheiros de pedra e cal, tambem alguns ps de
flores, leudo rauitas arvores de fructo, por preco
coramodo, visto a pessoa querer retirar-se : quera
quzer, dirija-se ao mesmo lugar que achara com
quem tratar a qualquer ora do dia.
m^
0 Dr. Cosme de S Pereira conti-
na a residir na ra da Cruz n. 53,
i e 2o andar, onde pode ser procu-
rado para o exercicio de sua profis-
sSo medica, e com especialidad!;
sobre o seguinte
Io molestias de olhos ;
2o de peito:
3o dos orgos geniti
urinarios.
, Em seu escriptorio os doentes se-
rao examinados na ordem de suas
entradas comecando o trabalho pelos
doentes de olhos.
Dar consultas todos os dias d 6
6 as i 0 da manha, menos nos de-
mingos.
Praticar toda e qualquer opeca-
c3o que julgar conveniente para o
prompto restabelecimento dos seus
doentes.
mmm&mmmmmm
Aluga-se barato o segundo andar do so-
brado n. 44 em a'rua da Aurora, que lti-
mamente fra concertado e pintado de no-
vo : quom o pretender dirija-se a loja de
Bastos A Reg, na ra Nova, que achara
con quera tratar.
Vende-se urna casa pequea com um terreno de
15 palmos de frente e 320 de fundo, na travessa
da ra do Principe na Soledade : quem preten-
der, dirija-se ra do Bruin n. 76, que achara
com quem tratar.
s senhoras.
Ricos cortes de la de lindas cores c os mais
modernos ( Mara Pia) acabara de chegar a este
mercado pelo ultimo paquete da Europa, e vnde-
se em porcao e a retalho por preco muito e muito
barato: na ruado Crespo,loja que faz esquina para
ra das Cruzes n. 20.
Escravos bons
Tres cscravas, sendo urna raucamba recolhida
de idade 18 annos, com boas habilidades, 1 esera-
vo para todo o servico por 6505, 1 dito bom cria-
do e cozinheiro : na travessa do Carmo n. 1,
ptima acquisi^So de es-
tabelecliuento.
Vende-se a loja de ferragens da ra da Cadeia
do Recife n. 64, com pequeo fundo e anda bem
sortida, tanto de ferragens como de miudezas, as
quSes estao em bom estado, vende-se s com as
mercadorias, e garante-se o arrendamento da casa;
propria para algum principiante, nao s por ter
pouco fundo como por estar j afreguezada e ser
urna das lojas mais bem locslisadas desta cidade :
os pretendentes podem dirigir-se mesma loja,
nao so para examinaren! o bal meo como o estado
das mercadorias.
Tranca
Tranca
Tranca
Tranca
Tranca
Trinca
Tranca
Tranca
de la preta lisa a 80 rs. a peeinha, so na loja de
mindezas da ra do Queimado n. 16, depressa an-a
les que se acabe.
TABOADO
Vende-se taboado de peroba e canda de muito
boa qualidade e por preco commodo : a tratar no
Forte do Mallos trapiche do Cunha.
Trancas de la prelas e de cores, v
Sendo lisa a 80 rs. a peca, e de caracol a 100 rs.
a peca : na loja de miudezas da ra do Queimado
n. 16.
Luvas de Joavin
brancas e de cores para homem e para senhora a
15500 o par : na loja de miudezas da ra doQuei-
raado n. 16. __________
R0IM1ITA.
Na ra do Queimado n. 43, esquina que
volla para a Congrcgacao.
!:" pechlncha.
Paletots de casemira a 5, 6, 7, 8,12 e 145, ditos
de "panno preto e azul a 9, 10, 12, 16 e 185, ditos
sobrecasacos de panno muito fino por 245 o 285,
ditos de alpaca preta e de cordo a 4, ti, 6 e 75,
calen.- de casemiras de cores a 5, 6, 7 c 85, ditas
pretas a 65500, 8, 9 e 105, paletots de fustao o
ganga a 25, 25800,3 e 45, calca- e colletes de to-
das as qualidades o por preco muito barato, len-
ces de puro linho a preco de 25800 e 35, rober-
as de chita a 25240, collarinhos de linho puro a
600 rs. cada um, e outros muitos objectos que s6
vista ; e para isso se pede a attenco dos fre-
pticzes.
Tranca preta de la.
Vende-se tranca preta de laa, lisa, para enfeites
de vestidos, zuavos e roupas de meninos a 120 e
160 rs. a peca : s quera tem o beija-flor na ra
do Queimado n. 63.
s in i os travlata
A loja da aurora na ra larga do Rosario n. 38,
recebeu ricos sintos traviata, bordados, os de
melhor gosto que chegado a este mercad'), grava-
linhas com lago e ponas bordadas para senhora,
enfeites Mara Pia, tambem de muito bom gosto,
boas luvas de Jouvin brancas'muito frescas para
homem e senhora, ludo islo se vende barato : quem
duvidar venha ver.
Vende-se una machina de paular e nscar
papel, ue paula de 10 20 resmas |ior dia : na
ra do Imperador n. 29, loja.
Vende-se um cabriolet em pr-rfeito estado :
quem pretender, dirjase ra da Roda, cocheira
que fo do Sr. Paulino, que achara com quem
tratar._______________________________
Panno de algodao teci-
do de Minas, fazenda larga e
encorpada, apropriada para o
servido da lavonra, qier para
r@npa de escravos, quer para
saceos de assucar : grande
deposito no largo do Corpo
Santo n. 17, escriptorio de
Augusto F. de Oliveira.___
MO na taberna do cimenta.
ra do Amorlm n. 3G
.Nozes, libra 200 rs. *
Quejos de prato, libra 700 rs.
Ditos flamengos do paquete 25700
Aletria, macarrao e talharim 400 rs.
Vinagre de Lisboa puro a 200 rs. a garrafa.
Vlnho Flgueira puro i80 a garrafa.
Vende-se urna escrava perfeita rosinheira o
engommadeira : na ra do Cabug n. 3, primeiro
andar.
Na ra do \ gario armazem n. 7, ha para ven-
der os sguintes artigos :
Panno de algodao da Rahia.
Vinagre do Porto.
Vinho es|>ecial do Collares, em ancoretas.
Dito dito do Porto em caitas de 1 e 2 duzias, o
melhor que ha no mercado.
Dito particular do Cartaxo, em ancoretas.
Pregos calbraes.
Pomada de sebo.
I,inha de roriz.
Diversas qualidades de vidros proprios para bo-
tica.
Sabao nacional do Rio de Janeiro.
Velas stearinas.
Farinha de mandioca de S. Matheus.___________
Soutenabarqnes de eOres e pre-
Acaba de chegar os mais ricos soutembarqnes
de grosdenaple preto moito bem enfeitados o di-
tos de um tecido de seda de cores sendo os mais
modernos que existen) no mercado o vende-se por
preco commodo : na loja do Pavao ra da Imne-
ratriz n. 60 de Gama & Silva. '
A capas do Pavao.
Vendem-se as mais modernas capas pretas para
senhora sendo ricamente enfeitadas vende-se
por preco razoavel na loja do Pavao ra da Impe-
ratHz o. 60 de Gama Silva. F
AJ




}



/
CALCADO
45 Ra Dirata
Aprovekem en quauto (enipo \
Borzeguins francezes de lustre pa-
ra homem................. 5*000
Borzeguios francezes de cores pa-
ra meninaa.,............ 25000
Borzeguins france/.rs preto para
meninas.................. 20500
Sapatos de lustre para senhora.. 10000
Sapatos do. lustre as avessas.----- 500
Grande liquidara* do r^epdts al a
festa, para se lindar coalas, apro ei-
57 RA DO IMPERADOR
Na bem conliecida loja que foi do Flix alfaiate.
Paulo Ferrclra da Silva, proprietario destenovo estabelecimento, tendo ohegado da Europa, aotule escolheu um
VUleiH que deltas peruiaclias nu na J grande e variado sortihtento de molhados, tem a honra de os expor ao respeitavel publico dqsla cidade pelos mais resumidos precos. Ein to ptima occasio, por estarmos prestes a festa de Natal, o proprietario do grande armazem Allianga. afferece aos seus (ga
amigos e freguezes que o conhecem desde quando foi socio dos armazens Progressivo e Progressista as maiores vantagens em com-
prarem em seu armazem. *
Hoje de novo establecido mais precisa da concurrencia ae todos estes snhores ao seu estabelecimento. certbs de que
nesta casa jamis deixaro de ser eumpridas as grandes vantagens por ella offerecidas.
sempre : na roa da Iwperalriz, loja
carinasen d Arara n. 56,de tou-
renco Percira Mendos Gniniares.
Cehertores da Arara a i$.
Vende-se cobertores de pellos a 13 e 13600,
cobertas de chita mii ; na raa da Imperatriz n.
36, loja de Mendes Guimaraes.
A Arara vende as laazinhas de 9 pal-
mos al $200.
Vw*e-sc laazinhas de urna se cor c quadrinhos
proprios para capas, com 9 palmos de largura a
1,200 o covado, ditas para vestido a 280, 320 e
108rs. o covado: na ra da Imperatriz, loja da
Arara n. 56, de Mendes Guimaraes,
Brim da Arara a 40 ris o
corado.
Vende-se brim pardo de linho com pequeo to-
para calcas e palitots, a 400 rs. rs. o covado;
brim braaco de linho a 13 e 13200 a vara, faslao
de cores para calcas, cleles palitots a 509 rs.
o covado : na ru da Imperatriz, loja da Arara n.
56, de Mendes Guimaraes.
I.aalnha Sarta Pia da Arara.
.Veede-se lawMta* a Mam Pia muito finas, com
quaOros e palmas de seda, para vestidos 460 o
covaflo, sedinhas finas a IWO rs. o covade, na ra
da Smperatriz n. M
A Arara vende as capas a 8,100 rs.
Vende-se ricas capas .para senhora a $$, chales
de merino estampado a 23300, ditos Otos matisa-
dos de novo (rosto a oj, dito de ponta redonda o
Vrlota a 733*0 : na ra da Imperatriz n. 56,
laja da Arara de Mendes Guimaraes.
Oh que pcebincba, laazinhas a 280 rs.
Vende-se liiizinhas finas para vestidos a 28*
9 320 rs. o evado, leacos brancos cem barras de
cores a 20t rs., meias finas para senhora, a 400 e
500 rs., ditas cruas a 400 rs., ditas ipara homem a
160 e 00 es.; na rea da Imperatnrt n. 56, loja da
Arara.
A Arara vende as cassas a 200 rs. o covado.
Vende-se cassas de quadrinhos t 200 rs, o cola-
do, ditas finas a 260 280 o covade, organdys usos
a 240 e80 o covado : na ra Sa Imperatriz n.
56, loja da Arara.
PechiMha, ediuhasda Arara a 800 rs. o covade.
Vende-se sediribascom quadrese lisas, escuras,
proprias para quem est de luto, por ter urna so
cor a 800 rs. o covado, ditas da mesma qualidade
de cores para vestidos a 800 rs. e ditas de sti-
nhas ."500 rs. o cevado: na ra da Imperatriz n.-
56, loja da Arara de Mendes Guimaraes,.
Peekwrha na Arara, cortes 'Ce chita a 2#ii00.
Veade-se cortes de chita franceza com pequeo
toque-de mofo a 15500, cortes de riscado francez
com d covados a ;I3> cortes de cassas (ranelas
pintadas a 25 o-norte, ditos de barras a 23, :D c
'i5 : a ruada hnperatriz n.'80, loja da Arara de
Menta Gu i maraes.
Cascaras a 1)5600 o covado.
Veade-se casemiras de cores para calcas, 'Cole-
tes e.paletots, infestada, a 15600 o covado, oertes
de casemira infosuda a I600 e 25, e em covado a
15 : na ra da Imperatriz n. 56, loja (la Arara de
McaOao Guimaraes.
a Arara vende ronpa fnila e batata.
Vende-sc paulte de casemira a 45500, (5 e
85, calcas de 35560 a 5-3, palitots de panno a W5,
ditos nos de 125 e 145, palrlots de brim de cor
a 25300 e .15, ditos de meia casemira a 33500,
calcas de brim de cores a 25 e 25500, ditas Ufan-
cas de llnho a 35500 c 45, ditas de meia casemira
a 25, oaletes a 25500 e 35, camisas francezas a
15600, ditas linas a t& e 25500, ditas de linho
prega larga a 35, serouias finas a 15600, ditas de
linho a 25 e 25500 : na ra da Imperatriz n. 4G,
loja da Arara de Mendes & Guimaraes.
Bfltcs da Arara a U, J05OO *k
Vende-se baloes awericanos, os melhoros -que
lem viada, de 20, 30,35, 40 arcos a 35, 33*0,
l o iJit'J, ditos (o brillantina a 45, ditos de
madanolao a 35600 : na ra da Imperatriz n. 9$,
loja da Acara.
.Chitas da Arara a 2M rs.
Vende-se chitas a 240 rs. evado, di las fran-
cezas com pequeo toque de ninfa a 280 rs., dila-s
linfas a 320, 360 e 400 rs. o covado : na ra da
Imperatriz n. 56, loja da Arara.
A Arara recebeu pelo vapor um serlinienlo de ro-
meiras para senhora, des meUtores goslos que
tem vinil. s prec de i$, 1*1*00 e 2)5.
Vende-se rotueiras para senlioras de cambraia
6c salpicos brancos e de cores c bordados a 15,
1V500 e 2, gotahas rom botaozinho a 580 rs.,
ditas com peitos e iMitaozinho a 15, ramizinhas
para senhora a 15,15600 e 25, aventaos c corpi-
aho para meninas a 500 rs. : na ra da Impera-
Wk. -n. 56, loja da Arara.
(iaa


Manteiga ingleza a mais superior ueste ge- dem mais baixo a l,5oors. a caada, e 2oo lijlo para limpar facas a lio rs. cada um.
ero 8oo rs. a libra1, e comprando de 8; rs. a garrafa. Toucinho de Lisboa e Santos a 30 rs. a
dem em garrafSes com 4 V* garrafas por libra.
l,2oo rs. com o garrafao. i Sevada muito nova a loo rs. a libra.
Ameixas francezas em caixinhas com ricas Pexe em latas grandes, savel, pescada, cor-
estanpas no exterior de l,2oo a 2,ooo rs. j vma, e outras qualidades a l.ooo rs. cada
cada urna. I lata,
dem em frasco de vidro de diversos tama- Passas muito novas a Io,ooo rs. a caixa e
ni ios a l,5ao e 2,5oo rs. i 5oo rs. a libra,
dem em latas de i 1/2 e 3 libras a l,3oo e Palitos lixados para dentes a lio rs. o maco.
2,3oo rs. cada urna, e a 8oo rs. a libra. dem de flor a 2oo rs. o maco.
Figos de comadre em caixinhas de 4, 8 e 16 Presunto para fiambre inglezes e americantts
librrs a l,3oo, 2,5oe e 5,ooo rs. cada a 85o rs. a libra.
urna caixa. dem do Porto a 48o rs. a libra.
libras para cima a 72o rs., esta a mais
superior que pode haver, tambem ha mais
baixas para menos precos.
dem franceza muito nova a 6oo rs. a libra
e 56o rs. em barris ou meios.
Peras seccas muito novas a 48o rs. a libra.
Cha perola de especial qualidade a 2,8oo rs.
a libra,
dem hysson muito superior a 2,7oo rs. a
libra,
dem uxim a 2,ooo rs. a libra,
dem hysson ai2,3eo rs. a libra,
dem dem a 2,oeo rs. a libra,
dem preto de qualidade muito especial a
2,ooe rs. a libra,
dem idem inferila l,6oo rs. a libra.
Chocolate francez, hespanhol e portuguez, a
9oo e l,2oo rs,a fibra.
dem em caixinhas de folha a 32o rs.
dem em caixas grandes a 2oo rs. a libra,
dem em latas ermetimente (aeradas de I,6oo
a 3,ooo rs.
Arroz da India C Maranho a 80, 100 e 12o
rs. a libra, e 2,5oo e 4,8oo rs. a arroba.
Charutos dos aelhores fabricantes da Babia Amendoas de casca mole muifo novas a 4oo
e de qualidades especialmente escolhidos,
de 2,ooo a 4,i5oo rs. a caixa.
Farinha do Maranho muito atva a 14o rs. a
libra,
dem de aparla verdadeira a 4oo rs. a libra.
Vinho do Alto Douro engarrafado, e os ais
rs. a libra.
Ceblas novas a l,2oo rs. os molbos gran-
des e a l,ooo rs. o oeuto.
Alpista a 14e rs. a libra 4,6oo rs. a arroba.
Macarrao, talharim c. aietria muila nova a
4oo e 48o rs. a lilra.
Queijo prato a 8oo rs. a libra.
dem flamengo viudos no ultimo vapor a
. 2,8oo rs.
Sardinhas de Nanles muito novas a 32o rs.
a Jala.
Sag muito novo a 2oo rs. a libra,
dem muito superior a 28o rs. a libra.
Sabo maga de diversas qualidades a 2oo e
24o rs, a ibra.
dem inferior de 12o a 18o r& a libra.
Genebra de Hollanda e frasqneiras a 6,5oo
ris.
i dem hamburgueza em frasqoeiros a 3,8no
bem esootoidos, lagrimas do Douro, D. Pe- Biscoitos e bwlachinhas inglesas as ultimasteis,
dro V, ft, LuizI. Buque genuino, Nctar cltegadas ao hosso mercado a l,2oo 0, dem de Hollanda e garrafoes grandes a
superior, Malvasia fiaa, Bastardo, e outros, I,loo rs. cada lata. -v^-""'' 3'^0 , a 11 ,ooe e 12,ooo rs. a duzia e l,ooo rs. Bolachinha de soda e lunch em la&ts grandes, dem em botija a ltm> rs. cada urna,
a garrafo. a 2,ooo rs. -cada lata.
dem Chercy e Madeira a 1,5o rs. a garra-' Cognac de superior qualidade a Sao rs. a gar-
fa e *6,ooo rs. a^duria. rafa.
dem Bordeaux de diversas marcas de8,ooo dem muito superior** l,ooo rs, a garrafa.
a 1 o.ooo a duzia e 8oo re. garrafa.
Bolaxinhas americanas a 4,000 rs. a barrica,
e a 3ee rs. a libra.
Batatas muito novas a 1,000 re. o gigo, e6o
rs. a iibra.
GarrafSes vasios de diversos tamanlte a 5oo,
6io e l,2oo rs.
Gomma Graixa a loo rs. alata, e l,2oo rs. a-duzia.
a libra, e a 8,000 -e, Licoresfinos francezes em .garrafas e irascos
de diwersos tamanhos ei'w a 800 rs. ca-
da UBI.
a 6,000 rs. a uzia, e 5o Marmelada imperial de todos os conservemos
de 'Lisboa a 94o e 7oo rs. a libra.
Cali": a 28e e 32o re.
,ooors. a arroba.
Gerveja das aielhores marcas do nosso mer-
cado de 5,ooo
rs. a garrafa.
Banha de poico refinada a 4So rs. a Itera 'Consenas aglezas a Iho rs. o frasco e8,6o i Massa de tomateuito -nova a 64o ts. a li-
em barril a 44o re.. rs. a iluaia.
Vinho em piqa de Lisboa, eFigtaeira, de S,ooo Doce em calda a "ioo rs. a lata.
a 4,000 rs. a caada, e 5oo rs. a garrafa. Ervilhas francezas mnito novas a 6io rs.
dem de Lisboa em ancoretas de 8 a 9 cana- dem portuguezas a 72e rs. a lata.
das per 27,00o re. dem seccas *a2oo rs. a libra,
dem do Porto muito especala 5,500 rs. a Bassouras^o Porto com arcos de ierro a 32a
Ganada e 72o rs. a garrafa. rs. cada urna.
bra.
Marrasquino de'Zara a 646 rs. o frasco,
, dem em frascos grandes a 800 >rs.
; Corainhos muito ikjvos a 00 rs. a iHbra.
; Erva-doce a 2io rs. a liljia.
Pimenta.a 36o rs. a libra.
Cravo da India a 64o rs. a libra.
^3
te te
K
s3 T,
a ce
(t
S
C3
fiC
<
3
K
O
w
<

i
S

o
9
4
X
W
u
F51
G3>
0)
r*
O pix>prietario do grande armazeiu do Baliza, considerando que apro-
xuna-se a festa, e que dealgum modo deve mimosear aos seus freguezes, com alguma cou-
sa que revele o seu contentamente e gratidao, resolveu expr a venda quasi pelo custo da
entrada o seu grande sortimento de gneros, que como todos sabem, sao sempre capricho-
samentetescolhido entre os da saelhor qualidade do nosso mercado.
St^eito a um severo regulamento, o Baliza est firme em seu posto de honra, e ja
ais iiroamstanciaal'gumaofar arribar do magestoso quartel em que se acha abrigado
esperando o i n migo sempre de frente.
Nascido em trras de Portugal, o Baliza teve^a fortuna de ver bem cedo esta bella
provinora. Foi > infancia primarea,seus fcabitos fot fio aqui adquiridos, suasalTeires existem no meiu dest'e po\o,
taogeaerosoquanto hospitaleiro.
A preferencia pois que Ihe tem dado os Pernamburanos, um favor, verdade ;
mas um favor que o Baliza tem merecido, e continuar a merecer sempre, a despeito da
guenra surda Para se ganhar dinheiro nao de mister Iludir o povo. As fortunas adquiridas
por mios pouco lcitos Yenliam, pois, aquel les* que ainda nao abasteceram as suas despensas nesta casa' ve-
'Pificar por si mesmos quanto h de verdadeiro nestas palavras.
O Miza est a testa do estabelecimento e nada escapar s suasvistas q uc passa
cahir no desagrado dos seus benvolos freguezes.
Axete doce refinado, francez e porluguez a
800 rs. a garrafa.
iDito em barril, a 4,806 a caada e 640 rs. a
garrafa.
Arroz da India edoMaranhao a 120,100 e 80
rs. a libra.
manhos a 500 e 10 a garrafa e 4( o par
de garrafas grandes, que depois de vasias,
valem o que se deu por ellas cUeias.
Linguasjamericanas de um tananbo ahni-
ravel a I ;> cada urna.
dem em garrafos oom 4 V garrafas por Vellas de espermacete da melhor qualidade Cannella a I,loo re. a libra.
2,5oors. como garrafao. I a600 rs. o maco. Alfazemaa 2oo rs. a libra,
Vinagre.de Lisboa metilo superior a 2^000 dem de carnauba e composicao a 32o e 36o'. Sal refmao em frascos de vidro a ;6oo rs. o
rs. a .caada. re. a libra e 10,000 re. a arroba. I fraco.
Amendoas de "casca mole a 280 rs. a libra.: Manteiga, neste genero ha capricho da parto
Ameixas em diversos vazos a 10, 1,5500, do proprietario do Baliza ter sempre o
20aOO e 800 rs. a fibra.
Azeitona6 aovas a 1*200 o barril.
ATTENCaO.
Kesle grande armazem de -molbJos vemSti-se em grandes jiorces e aretalho, fazendo-se differensa eoosideravel a quem
comprar de 1000 para-cima.
Alpiste a 160 rs. a libra, e l??800 a arroba.
Aietria a 480 rs. a libra.
Arartrta verdadeira a 480 rs. a libra.
Siscditosebolachinhas inglezas recentemente
chegadas a l500a lata com qualidadeses-
peejaes.
DUo mais aatigos no mei-cado a 10300.
Dito lunch ou soda muito nova a 20000 ala-
ta com 5 libras.
Para o dia de iataL
ra, dito
llanieugo do ultimo vapor a 35000, manteiga in-
gleza Or a 800 e 700 rs. e a franceza a 560 rs.,
cha uum muito hom a 25560 e 25400, eaf de
primetaa sorle a 280 rs. a libra e 85500 a arroba,
banha renada a 400 rs., biscoitos inglezes a 15400
a lata, Uiiaxinba a 240 rs. a libra, vinho duque*do
Porto verdaoeiro a 15500, Chamico 15000 e 700
rs., Rordeaui Tino a 640 rs., Figueira puro a 480
rs. a garrafa c a caada a .15900, Lisboa a 400 rs.
agarrafa e a caada a 25800, ser veja branca e
preta a 480 i*, genebra de Hollanda e de laranja
a 480 rs. o frasco, vinagre de Lisboa a 200 rs.,
a&eite doce a tffltf rs., talharim, estrellinha e aietria
i 480 rs., farinha do reino c de Maranho a 120
n. a libra, gnmma a 80 rs., arroz a 80 rs., touci-
nho aovo a 280 rs., ag a 280 rs., batatas a 60
rs., etearinas a 560 rs., composicao a 320 rs., car-
nauba a .160 rs., azeitonas a 240 rs. a garrafa, mas-
sa de tomate a 640 r., lata de doce de goiaba a
560 rs., eaiao, palitos lixados a 160 rs., lijlos
para limpar faca a 140 rs., sebolas, pimenta, albo,
cravo, cominos, canella, erva-doce, ludo muito
baratissimo 5 no armazem da Estrella largo do Pa-
ra izo n. 14.
AGENCIA
DA
FNDICiO DE L0W-M00R.
Rna i* Senzalla nova 1. 42.
Neste estabelecimento contina a haver
um completo sortimento de moendas e meias
moendas para engenho, machinas de vapor
e tachas de ferro batido e coado, de todos os
tamanhos para ditos.
Arados americanos e machinas para
lavar roupa: em casa de S. P. Johnston & C,
ra da Senzalla Nova n. 42.
Jila
Barricas com breu : na ra da Cadeia o Reci-
te, loja de ferta#ens de Bastos.
Cal de Lisboa
chegada ltimamente ; na ra do Vigario a. 19,
primeiro andar.
ytna (k urna hypothtca.
Os liquida torios da massa fallida de
FUVM^AO AO BOWMAH-RA 1M>
BRM -X. 38.
Este muito acreditado estabelecimento est prvido de um eomplelo sortimento
machinismos proprios do fabrieo de assuear, a saber:
Machinas de vapores as mais modernas e mais acreditadas.
Rodas d'agua de ferro com seus pertences.
Moendas e meias moendas de todos os tamanhos.
Rodas dentadas, angulares e de espora.
Taixas de ferro batido e coado.
Boceas d
1 |S v.H|m ilft. ^as uc fornalha pelo novo systema Wetson.
ose Antonio Hdsto veaae a iijpotiie- Ai^biques de ferro funddo.
ca que tem nos esgcuhos ; Uo Grcsso Fornos para cozer farinha.
e tajahuss na teroio de Serahcm no Moinhos para moer mandioca.
valor de o"1:835$9i1 rs.; tratar ns| Arados americanos, etc. ete.
easas a roa do Trapiche n. 34.
numero de ta 10 barris de manteiga a-
bertos, afim de salisfazer os seus amigos
e freguezes, sendo que o pceo da man-
teiga verdaderamente flor de 900 rs. a
libra, e as demais qualidades a 800, (JOG
e IOO rs. a libra.
dem franceza a 500 rs. a libra, muito nova
e de excellente gosto.
Marmelada imperial dos melbores fablian-
tes de Lisboa a 640 rs. a libra.
Dito de Lisboa muito proprio para deente, Massa de tomatea 6iOrs. a libra,
visto erem preparados para esse mister, i
em latas grandes c pequeas de 3000 e Moslarda ingleza em potes grandes a OO
1(J500 a lata. | ris o pote.
Bolachinhas ami-ricanas, em barricas a 3;>0P0, Marrasquino de zara a tio rs. o frasco,
e a libra 200 rs. n ,
Banha de porco retinada a 480 rs. a libra, Pefl f rande8' savel e 8* ;1
de | q em barril 4i0 rs ipauu a lata.
Batatas novas a J^OOOogigo, eafiOrs. a PPfJ >ve pautado e liso a 34300 a re*
Ililli lili!.
O* perola qualidade especial a H a libra.! *2 j"* ^ 48 *' i,,ra'
Dito hysson qualidade especial a H00 a
a libra.
Dito uxim a 2/5600 a libra.
Dito hysson a 2#400 a libra.
Dito dito a 2# a libra.
Dito nacional a 1/600 a libra.
Dito preto, muito superior a 2 rs. a libra.
Vonde-se urna carroca nova e muito bem
construida : para ver, na fabrica de carros do
francez Carlos, no lim do beeco das Barreiras, e
paraIratar, na ra Xova a. SI; e tambem e ven-
de um boi novo para o servico da mesma.
Vende-se farello de Lisboa, cal lti-
mamente chegada e carvo animal: na ra
do Vigario n. 19, primeiro andar.
Fita para debriiiH de vestidos.
Vende-se tita para debrum de vestido, a peca
com 11 varas a 400 rs. : na ra do Queimado, lo-
ja do beija-llor.
Arma rao.
Vende-se urna rica armadlo envidracada, com
todas as commodidades, propria para qualquer es-
tabelecimento : na ra Nova n. .'16.
FAZENDAS BARATAS
99--RU4. DO Q11:LH.IHI--99
Custodio, Caroalho & C.
Finas eambraias organdys indianas pelo baratissimo
500 rs. a vara.
preco de 300 rs. o covado ou
i: baralgsimo.
Francisco Pinto da Costa Lima com
estabelecimento de alfaiate na ra larga
do Rosario n. 38, primeiro andar, vende
pannos muito linos aij e 45500 rs. o
covado, lazenda que pela sua superior
ijualidade val 03 e 103 o covado. As
pessoas que aprovi-itando a pechincha,
compraren) dos ditos pannos podem que-
rendo mandar fazer as obras no eslabe-
lecimento do annunciante, pois sero fei-
tas com presteza o por mdico preco,
tanto sobrerasacas e paletoL, como ja-
quetas e paletots para meninos.
Grande sortlinenlo
dos mais finos baloes de arcos para senhora e pelo barato preco de 33 cada um, ditos de ma-
dapolao para meninas a 23500.
Novidade
Os mais lindos e mais finos e modernos cortes de lila com ricas barras, tendo cada corte
20 covados e pelo baratissimo preco de 203-
Fil de linho vara a 500 rs.
Modernas laazinhas para vestido o covado a 440 rs.
PiilllOS I10V0S. Camlslnhas com manguitos
Os melhoros que tem vindo a esta praca fabrica-! **! so l*lvao'
Acaba de"chegar para a loja do Pavao, um
grande sortimento das mais finas camisinhas de
cambraia com manguitos e gollinhas bordadas,
um excellente piano por preco commodo dirija-se "0 S vend,e a ,**8: *f** endo tam
ra Nova n. 9 primeiro audar. b<^n",an'f.u"os1 ^<"^\ P^ ralo preco de
' 1(K)0 : so na loja do Pavao, ra da Imperatriz,
n. 60, de Gama & Silva.
Manteletes curtos a 3$000.
dos de encommenda por um dos melbores fabri-
cantes de Pars, especialmente para este clima :
quem quizer aproveitar a occasio de munir-se de
ano por pr
primeiro
baratas para acabar.
Sedas de quadaos e de listras a 320 rs. o cora-
do, lindas las de quadrinhos a 360 o covado, su-1 -
priores cassas de cores a 200 rs. o covado, dita* | roriiM circular propria oara qualquer
VenOe-sc sement de coentro muito nova a
240 a garrafa, ole* de ricino a 460 a libra : no
largo do Carino, esquina da ra de Hortas n. 2.
. Xozes e batatas.
Vendem-se saceos com oito libras de nozes pelo
barato preco de 13000, e caixas com urna arroba
de batatas por 800 rs., nada mais barato vista da
boa qualidade : na ra da Madre de Dos ns. 5 e 9.
Kua da senzalla Vova n. 42.
Neste estabelecimento vendem-se: tachas de
ferro coado libra a 110 rs., idem de Lo\r
Moor libra a 120 rs.__________________
- Vende-se urna rica e excellente
armario de amarello envernisarfa de
Cal de Lisboa e petassa da.
Rnssla.
Vende-se na ra da Cadeia do Recife n. 26, para
onde se mudou o amigo e acreditado deposito da
mesma ra n. 12, ambos os gneros sao novos e
legtimos, e se vendem a preco mais barato do que
utra qualquer parte.
KOiflE ItlH l IO
Manteiga ingleza flor a 800 rs., franceza a 600
rs., chouricas novas a 700 rs., toucinho nevo a 320,
arroz a 100 rs., gomma de aramia multo alva e
nova a 100 $., espermacetc a 600 rs., vinho da
Figueira e Lisboa a 400 e 500 rs. a garrafa, cana-
da a 33 e 33800, do Porto a 640 a garrafa, tana-
da 43500, azeite doce a 640- a garrafa, de rtirra-
pato a 280, banba de prco refinada a 400 rs., quei-
jos novos a 23 : na ra das Cruzes n. 24, esquina
da travessa do Ouvidor.
Acaba de chegar para a loja do Pavo, um bo-
nito sortimento de manteletes curtos de cambraia
e de fil bordados, que se vendem pelo barato Ervilhas francezas e portugueza a 700 e a 500
Dito dito menos superior a 15600 a libra.
Chouricas novas a 480 rs. a libra.
Champagne (marca aguia) do Conde de To-
ro a 10# o gigo ou 16 rs. a garrafa.
Charutos dos melhores fabricantes do Rio e
Baha a 800, 1,5400, 2*, 25500, U,
3&500, 45 4/5500. e 55 a caixa com 100
charutos.
Chocolate francez, de canella la Romain.
i Caf a 280 e 320 rs. a libra e a 85, 8/500 e
95 a arroba.
I Cognac de muito boa qualidade a 15 a gar-
rafa.
; Dito solTrivel a 800 rs. a garrafa.
, Cerveija da marca tenente em botija, (en-
commenda feita pelo proprietario do Baliza)
qualidade esta que nao pode continuar
a vir em consequencia de licar por preco
muito ako a 65500 a duzia de grandes bo-
tijas e 85 por vinte quatro m< ias, e de ou-
tras marcas a 35, 40, 55 e 55500 a du-
zia de garrafas.
Conservas inglezas, a 800 rs. o frasco e 95
a duzia.
Doces (francezes) em frascos lindamente enlej-
iados em calda de assuear e em alcool a
15 e 500 rs. o frasco.
Dito de goiaba em latas e em caixoes de di-
versos tamanhos e objectos pelo qual se
nao engeita dinheiro avista do grande de-
posito que ha.
preco de 33000 cada um ; romeirasde cambraia e
de fil a 130OQ: s na loja do Pavao, ra da Im-
peratriz, n.60, de Gama & Silva.
Manteletes a 85000.
Vendem-se ricos monleletcs de cambraia borda-
dos com mangas a turra, pelo barato proco de
830OO: na ra da Imperatriz, n. 60, loja de Gama
& Silva.
(ollinhas a 240 w.
rs. a lata.
Dita secca a 200 rs. a libra.
Figos novos a 320 rs. a libra e a 65 o barrili-
nho.
Fruta em calda de assuear em latas a 500
rs. a lata.
Farinha do Maranho, muito superior, a
16o rs. a libra.
Vendcin.s finissinjas gollinhas de cambraia, v,*"'? 'f'-" ""Toa im lt>n .1,
bordadas, a 240 rs.: na loja do Pavao, ra da Dita de trigo, a 120,140 e 160 rs. a libra.
Imperatriz, n. 60, loja de Gama & Silva.
Kua da Senzalla n. 42.
,*Vende-se, em casa de S. P. Johnston d C,
4 /onv* fif Mein tfiivn semns e s''noes inglezes, candieiros e casti- Gomma do Aracaty a 100 rs. a li
Y /> llLllf UU Iti Ufl IGif U caes bronzeados, lonas inglezas, fio' de vela, j Dita menos superior a 60 rs. a libra.
Frasqueiras com genebra de laranja, de
Hollanda, e de Hamburgo, de diversos
precos conforme os tamanhos.
Garrafes vazios, de 5oo a 152oo.
libra.
, Ra do Imperador n. 28 e caes de Apollo n. chicotes para carros e montara, arreios para Graixa a 120 rs. a lata e 15300 a duzia,
rifrJK; T^mJ?r^T^s. ^latelcciment-: para ?*r e tratar na 67> a 200 a Ubra> e de 8 libras par^ ciraa carros um e dous cava!l0S< 'e relogio^ de Lkores francezes dasIelhores fl.uctas dJEu
codcoIIos & c li"** d "ra* 1. 14. la 54^)00a
i aarroba.
ouro patente inglez.
ropa em garrafas lindas e de diversos ta-
Palitos para denles a 160 rs. o maco.
Dito dito de flora 240 rs. o maco.
j Prez unto para fiambre vindo lodos ns vapo-
res a 900 rs. a libra.
Dito do Porto em barril a 480 rs. a libra.
(Jueijos londrinos chegados no ultimo vapor
a 800 rs. a libra.
Dito llainengns do ultimo vapor a 2/200 o
:5000.
Dito prato superior 640 rs. a libra.
Dito dito menos super.'or a 480 rs. a libra.
Sardinba de Lisboa minio bem preparadas
em latas grande a 640 rs.
Dita de Nantes a 320 rs. a lata.
Sag novo a 240 rs. a libra.
Sabo massa a 120, 160, 200 e20
libra.
Sevadinha de Franca a 200 rs. a libra.
Sevada a 120 rs. a libra.
Toucinho de Lisboa, de Santos, a 320 e 3(50
rs. a libra.
Tijolo para limpar facas a 140 rs. cada um.
Vinhos, nette geneno o armazem Baliza tem
o melhor sortimento possivel, Lagrimas
do Domo, Mara Pia, Cames, Bucage, D.
Pedro II, D. Pedro V, e Hali/.a. que se
vende muito barato em vista de sua espe-
cial qualidade a 10,5000,12000 e 155000
a duzia.
dem esquesitos como sejam Clierry, e Madei-
ra, Velmute, etc., de 155000 a 2000Q a
duzia.
Idem d Figueira, Lisboa e Porto a 35000,
45ooo e 45500 rs. a caada
dem de Lisboa de minha propria marca em
ancora de 8 / a 9 caadas por 285000
a ancora, e da Figueira.de 8'i a 9 ca-
adas a 285000 rs.
Vinagre de Lisboa em caada a 15000,158oo
e 25000 rs.
dem mais baixo a 15280 rs. a caada.
Iilrm de Lisboa em garrafes com 5 garrafas
por 15200 rs. Com o garrafao.
Vellas de espermacete superiores a 600 rs.
o maco.
Mera de carnauba de 320 a 360 rs. a libra,
em arroba de 95000 a 105ooo rs.
Vassouras d<> Porto com arcos de ferro a 4oo
rs, cada urna.
Vinhos de Bordean neste genero temos as
melhores qualidades que se fabricam em'
Bordeaux, tanto branro coma tinto, e espe-
ramos por todos os vapores franceses, nos
pequeos barris contendo cada um de Sfl
a 90 garrafas, e qne sero vendidas o mais
barato possivel.
I
L


Diario de reroartbwc* fttgundn fct>a *** dtinzemhrti'v t'5*3.

r.
Pcde-sc toda at'cacao.
Custodio Jos Aires Guimaraos, dono da teja in-
titulad Gallo Vigilante, rea do firespo n. 7, avisa
aos se numerosos tegnetes e ao respeitavel pu-
I lIA HE M iMLZAS :Mi'-'o, Ufeiendo de reformar no fimdestoaanoseu
iuUI iV I M3 /"- j *^V ?n e*atofeelW,*q**** MfiaOar grandlian-
1 l Hna d(\ I lIlfMllUUIO 11) lidade'* dWersos objacW, esterosohrkloa vender
10- mi UO ^HtfiiMiWfU. 1U tudQ iior habimos, como sejam :
Peca? de tranca de lita- prota do cates lisa a pe^as eom-4f vradlralijasde linhoa 3*.
80 rs. unas com 45Mira$ de gafao de linho a 34.
Pecas de tranca de laa preta e de cores, caracol, a ya sortida para bordar, libra a 4*.
OO rs. Proco de cores sortidos, peca a 460 rs.
- de tranca de- linho branca do caracal a Manguitos para senhora, o par 880 rs.
100 rs. Golinhas de bonKos gostoia -400, 50 e !*
Pecas de tranca de linho mesclada de caracol a Salvas de metal principe a 1*500, 2* e 2*500.
100 rs. Ditas com copos de metal proprio para meninos a
Pecas com iO varas de fita de velludo cor de rosa |*J00.
1. ^ Facas e garfos para sobre-mesa a 4* a duzia.
Pecas com 10 varas de fita de veludo preto a 1*200 ntas ,. ditos dita cora cabo de marfim a 6*.
" 1*400. Bandejas de todos os tamanhos muito Onasa-i*.
Pfyas com 13 varas de Ota do velludo lavrado a i* i*oo, 1J400,1*680, 2*500, 3*500 e 5*.
NO
AJtMVZEM
If
UNIO
c 15200
Pacas com 20 varas de galao lavrado a 15500.
Pojas de franja branca estrcita a i*.
Pecas de .franja larga para cortinados a 35-
lUas de- (Ha de seda de cores a 360 o 800 rs.
Peras de franja de laa a 1*.
Pijas de franja de seda preta e de cores a 3*.
Pocas de lita de retroz preta e de coros a 240 rs.
Pe$as de bicos e rendas a 1*200 e 1*500.
Varas de bicos e rendas a 100 e 160 rs.
Varas de lucos pretos a 160 e 240 rs.
Varas de.bico preto da largura da um palmo a
500 rs.
Ditas redondas para copo de 500ts. para 2580ft
1 Tesouras em carteiras, a duzia a 500 rs., 640 e
I- 800 rs.
Peitos para camisas, a duzia a 25-
Cnmisinhas bordadas para senhora a l*30O*e *
Chapelinas para senhora a 3*.
Ditas para menina a 2*.
Chapeozinho para meninas de eseola e passn a
2* e 3*. onat
Flores francezas, eaixoe grandes, a 600 rs. |
Luvas de seda cem-pequene toque do mofo t 30U
Toueas de laa para meninos a 500 rs.,-l a 500 e
IO LiARCO DA PEIHA IO
Varis de labvrfntho de um palmo de largura a gno ri.t e seda a 800rs.
500 rs. Sapatinhos de merino a 800 rs., e de tea a tis.
V iras de bonitas fitas para cintos a 500 rs. Bolsinhas de missauga para meninas escola a
Varas de lita prta de borracha a 160 rs. 800 rs.
Varas de babadas largos a 120 rs. Botoes dourados para punho a 200 rs. o"par.
Yaras de galao- branco e de cores lavrado a 100 xnter0s de metal a 320 rs.
- Wis. Trancelins para relogio a 100 rs.
Fivelas de ac galvanisadas para sinto a 1*500. ptos de fta chamalote a 200 rs. &
lisos cintos com fivelas de pedrinhas a 3*. Escrivaninhas de metal a 3*500.
Grvalas de seda a 400, 600 e 800 rs. Colheres de metal para cha a 200 rs. a duzia.
davalas para laco a 800, I* e 15280. Dtas de dito para sopa a 2* a duzia.
Grvalas com bonitos passadores a 1* e 1*280. Bot5es de duraque pretos a 400 rs. a groza.
Grvalas de pona larga bordadas parasenhoras a cartas hespanholas para jogos a 1*200 a duzia.
1*280. Cartigs.es braneos e amarelkx de metal a 1*.
Passadores para grvalas a 500 rs. Carteiras para algibeira a 500, 600, 800 e !*?
Conservadores de continhas pretas e brancas a Sabooetes muito liuosa 1*200,15600 e 2* aduaa.
1->000. Fivelas para calca a 300 rs. a duzia.
V as ile perolasbrancas e detros, com cruz-es, got5es & ac para caiga a 320 a groza.
a 15- -_. Camnhascom alfinetes,grampos e colehetes a 329,
v litas pretas a balao com cruies a 1* e 1*500. ; 400 e 00 rs. icn
Voltas pretas de contas muito gradas a Mana Fi|as ^ borracha-prelas e de cor a 120el60rs.
Pu a lHOOe 2*500. ./w' avara. -
Voltas de coral pequeas e grandes a 600 c 25*00 Latas coul dous mass0s de aguthas por 800 rs.
Macinhos de coral a 360 e 600 rs. tinocos de aljofares a balo a 320 o par.
is de retroz preto e decores a 160 rs. Alfinete pretos e de cores com pedrinhas a 200 rs.
Pares de frainposenfeitados, a baloa i*. I e320.
Parw de brincos pretos e de cores, a balao, a ramsas para uomem fetos em Lisboa a 2*.
Peres de borracha para regaeo a 800 rs.
Defronte da loj do lrrgwi?a.
HUIRTE VLWEUpA
aeaba do abrir o sea grande e sortido armazem de molhdk dtooromado Unio e Om-
mercto. Este grande armazem ura dos mais bem montados que temos, emnossa greca,
nao so em Kmpeza e aceio, eomo as qualidades4apeciaes.desei9gefiMos.' 9praprie
Francisco Fcrnandcs Duartc dono deste muito acreditado armazem tario do Unio e Commercio offerece todos os senhores da p^aca, seakores de engento
demeha*)6, noabaderfeoeber nestenttro tanor o& mui desejados 8erfi*,*J e larradow a segainte tabella, por onde ver3o a grande economa que lho resulUem
por elle na Europa, todos nwito proprwspara a fest os quaes est resulvido a >ener por, 1
presos baratissimos como verao pela seguinte tabelte, e mesm pede a todos os Sre. da (comprarem era to til estabeleeimento, aQancando o masrao Indo e qualquer genero
praca, de engenho e> lavwdores para qoe mandem suas relaooes pra serem despaoliadas; armaaem
m Vpnimi do largo di Penha o. 10, aBm de verem a grade vantagem ***> <* araMm-
tira, tanto na snperfondade dos gneros eomo nos precos assfc dos, Dollinho francez em latas e caixmhas as mais
quo .
os Srs. que n5o poderem vir podero mandar seus portadores ainda que nao tonnam pra-
tica, que" serao tky bem servidos como se viessem pesseabnente
delicadas que tem vindo ao bosso merca-
do de 800 a 2,000 rs. a caixinha.
O interesse que tira o proprietarre deste acreditado armazem, j dere ser bem- co- ^ ^^ .^^ ^^ fe flr> ^j,
nhecide pelos seus numeroaos fregueges, pois simplesmente consiste em, servir beo ega-
riar pmtco, aflm de corrsegtr a cortiniracao dquellas pessoas, qae a prrmeira ver se dig-
narem honrar o seu estabeleeimento.
Pentes dourados com pedrinhas para regaeo a
o.
liras gnarnifSes de pentes dourados com cachos
e pedrintias e as marrafas iguaes a 4* e o*.
Ricos pentes dourados a 25, 25500 e 3*.
Bonitas marrafas com pedrialias al*.
Bonitas guaniicwe's de-pentes cora lago esmaltados,
cora marrafas Igcfies a 55.
Fitas de velludo lisas e lavradas a 800, i*, 1*500
2* e 3* a pega.
Ditas para sinteiro a 300 e 400 rs. a vara.
Caixinhas para costurado senhora a l*5W,-#.
3,4, 5 efe*. .
Coiii|>oteiras de vidro com pratos de metal a J* e
45000.
Franja de laa dar dobrunliar tap<-tes a 2* a pega.
Palitos de fogo, prova d-agua, a l*a gixoa ou
rs. a duzia.
120
Queijos flaattngfi chegados neste ultimo
vapor a 2,ooo rs.
dem do vapor passado a 1,80o rs. .
dem prato muito novos e de superior qua-
lidade a 40o rs, inteiro, e a 50o rs. a
libra.
Doce de goiaba fino em carnea cem >&:'/*'
libraBiior 600 ps.
Idewmaisbaixoa 5k> rs,
Manteiga ingleza flor a mais superior do
mercado a 72o rs. a libra,
dem de segunda qualidade a 64o rs. a libra.
Manteiga franceza de prtmeira qualhtede a
56o rs. a libra, e 520 rs. em barris ou
meios.
Sevadiaha de Fran?a a 2oo rs. a libra
Sevada muito nova a loo rs. a libra,
Cominhos^ enadoee e pimenta do reino a
:{6o rs. akbra.--
Genebra de Hollanda a 5,5oo rs. a frasquei-
1 ra com 12 frascos, e a retalho a 5oo rs.
cada um.
vir de
libra.
coiita propria, a 7oo a 800 rs, a
dem em botija hamburgueza a 4oo rs.
Genebra de laranja a l,ooo rs.
grandes.
Vinho de caj o melhor que ha no mercado
a I.ooo rs. a garrafa.
mu marrafas iguaes a 35-
!i mitos pentes de tartaruga a 4* e 55-
Honilos pentes do massa virados imitando tartaru-
pa a 19000 c 2-5.
PentesMo massa em caivinhas a 500, 640 e 800 rs.
- para alar cabello a 80, 160 e 240 rs.
Luvas de loara brancas e de porosa 1*500.
I,. as da Esce.sia brancas e decores a 500.
B initof batfi -s para punhos a 160, 320, 480 e 800
uzas de bonitos Imtocs dourados a 480 e 960 rs.
I),! ias de bonitos botos de vidro a 480 rs.
OolHihas brancas e de cores com continhas a 15-
Sapalos de transa do Porto a 15600.
1 iras linas nwi unhas e costuras a 500 c
rs.
Escovas para denlos a 160, 320 e 480 rs.
Estovas para untos, roupa, chapeo c cabello a
800 rs.
,; toucadoraj com ps a 25, 25500 e 45.
Caixas de bfalo enca das de junco e d>- canna a 640 e 15280.
Chicotes de junco c de baleia a 15 e 1*600.
ao de ac Hateada, dourada e ba-
Icia a 500 a l->
i). is de colheres de metal principe para cha a
MOOea*. ,..
Duzia de eolheres de metal para sopa a J*oOO e
00.
P,i( jled de papel de cures pequeo a nw.
C lunhas >'- papel aini/.ade a 80e 1*.
Catxinhas de papel de beira dourada a 15208.
Caixmhs de papal pbantasia de cores a 1*.
CaiKinhas com 100 envelopes a 800 e i*.
Caixinbas de lacre a 200 e 400 rs.
Caixinhasde |>enna de ac a 8(H), 15200 e 150OO
(iuhas de obreias de rala a 80 e 120 rs.
I nhos de Unta azul ou encarnada a 320 rs.
I,v de cures ou encarnados a 120rs.
H : .- tas pelos a 160 e 240.
B010 a!'. 1- de tinta Ingtaza a 160.
Pitas c cordoes para espartilnosa 80 rs.
En adoros proM para bortefatas a 160.
i^iixinlias Cuffl 100 a.-.i.is francezas a 240 rs.
Caixinha* com 100 airulhafc d.i Victoria a 320 rs.
Cartas portuguesas e francesas a 200 e 320 rs.
Cartas de alttneles a 80 < I60\s.
.Vi-- i- de superiores palitos libados a 240.
Caixi shas valias para guardarvjoias a 300, iOO e
500 rs )
Barias de canudos de pomada a 240 rs.
.-'.. metes franceses a 100 rs.
Frascos de-agua de Colonia a 400, 500, 800, 1* e
: *500.
- -iarnicois de pentes com laco para luto, Assim como tcm prande sortimento demuitos
mais ohjectos que se tornara enfadonho mencio-
na-los, que ludo se vender muito barato para li-
quidar : na ruado Crespo n. 7, e ra do Impera-
dor n. 59, junto ao passo, ecasa da liquidacao.
KU 0 OlKIHUM) f\. 03
. E.oJa do belJa-Qor.
Voltas do aljofares.
Vendem-se voltinhas de aljofares com podra,
imitando a brilhantes a 1* cada ama.
Botos para pubes.
Vendem-se botoes para punhos, multo bonitos
padrees, a 200 rs. o par.
Facas para meamos.
Vendem-se faquinhas para meninos, de cabooi-
tavado, a 240 rs. o talher.
La para bordar.
Vende-se laa de todas as cores para bordar a
65700 a libra.
Facas e garios.
Vendem-se facas e garfos de cal proto cravado
a 2*800 a duzia, ditas de balanco de 2 botoes para
mesa a 65200 a duzia.
Loras de Jonvin.
Vendem-se luvas de Jouvin chegadas pelo ulti-
mo paquete, tanto para Itomem como senheras.
Exlraclos inglczcs.
Vendem-se extractos, inglezes muito barato por
serem sido comprados em leilao a 240 rs. o frasco.
Estovas para denles.
Vendem-se escovas para denles a 120 e 240 rs.
cada urna, ditas muito linas inglczas a 500 rs.
Toacas de la.
, Vendem-se toueas de laa para menino a 800,1*
. e 1*280 cada urna.
Sapatinhos de la.
i Vendem-se sapatinhos de laa para meninos a
I 400,500 e 640 cada par.
Tcssaras.
Vendem-se tesouras para costura a 500 rs., ditas
para unhas a 400 rs. cada urna.
Collarinhos.
Vendem-se collarinhos de papel a 40 rs. cada
um. ditos de tanta a 640 rs.
Piulesilc travessa.
Vendem-se (Milites de travessa para menina, de
borracha, a 500 re. cada um.
Tocadores de Jacaranda
Vendem-se tocadores de Jacaranda a 2*500 e
2*800 cada um.
Escovas para roupa.
Vendem-se escovas muito Pinas para roupa a 400
e 500 rs. cada uina
Espelhos com estojo. *
Vendem-se espelhos com estojo para navalhas a
2*, 2*500 e 2*800 cada um.
Adereces pretos.
Vendem-se adereces pretos a 2*200 cada ade-
reco.
Botoes de perola.
Vendem-sc bol5es de perola para collete e vesti-
Palitos do gaz a 2,3oo rs. a groza I 2o rs.
a caixinha.
Cha perola neste genero no ha nada a de- dem de denles lixados a 16o rs. o maco com
sejar, e de especial
dem huxira o
qualidade, mandado 2o macinhos.
^r^^rca^'^oo Ervilhas seccas chegadas neste ultimo navio
melhor uo mcrcauo a z.ooo ,
vir de conta propria a 2,8oo rs. a
luxim
rs. a libra.
dem, de segunda qualidade a 2,ooo rs.
libra.
a 16o rs. a libra, e em porclo se faz aba-
limento.
Banha de porco refinada a 48o rs. a libra e
42o rs. em barril.
dem franceza chegada pelo ultimo navio a
56o rs. a libra, e em barril ter abatimenr
to.
dem ingleza em potes de 4 a 16 libras a
800 rs,. a libra e o pote separado,
Castanhas muito novas a.2,oeo rs. a canas-
tra e a f 60 rs. a libra.
Cha uxim o melhor neste genero, mandado
vir de conta propria a 2,8oo rs, a libra.
dem hysson, grande, muito bom a 2,6oo rs.
a libra.
dem preto muito fino, a 2,6oo rs, a libra.
' dem preto, mais bnwo, a 2,000 rs, a libra.
dem, verde, miuditiho, mais proprio pata
negocio, a i,5oo rs, a libra.
Banha de porro refinada muito alva a 46o
rs, a libra, c em barril se far abatimento.
Biscoitos inglezes das seguiutes marcas:
Craknel, Soda, Ceede, Captain, Travellies.
Lunch, Cabin, e ontras umitas mareas, a
l,4oo rs, a lata.
i Bolachinha de sdo, especial encommenda, a
2,2oo rs, a lata.
Biscoito ingtez Craknel em latas de 5, 7 e 15
libras a 5,ooo e 6,000 rs, e de l,2oo a
800 rs, a libra.
dem hysson muito superior a 2,aoo rs. a li-
Idem'preto homeopathico muito fino a 2,000 Vinho branco de superior qualidade proprio
,Ura I para missa a 64o rs. a garrafa,
rs. a uura. Que,j0S d0 re,rj0 pelo baratissimo preco de
Bolachinha de soda chegada neste ultimo Ameixas francezas em carxinhas elegante-1 l6o0 1809e3,ooo rs os do ultimo
navio a 1,35o rs. a lata, deste genero ha mente enfeitadas com ricas estampas *| vapor.
5S vSem todp^S2, SK [deffiSal em 0 d/vl^m tam- dem prato muito fresco a 64o rs, a libra.
?ontade S?c(lores! ; pa do mesmo contend. 1 i libran l,2oo Umi londr.no mu.to fresco a 800 rs, a hbra.
rs. s o frasco val quase o dinheiro.
dem em latas de 2 libras pnrl,4oors.
a retalho, e a 800 rs. a libra.
comadre muito novos em bahuzi-
Fi ascos de extracto? a 400, 500. 800 e 15-
el*.
1 1 ; .;,! de banha franceza a 400,500,800
. de paicholy a 400. 500, 800 e 15-
Frascos de oleo babosa a BOO e i>*K) rs.
Frascos de oleo pboeonM a 800 o 15-
Frascos de extracto de sndalo a 1*.
Frascos de banha transparente a 800 rs.
Frascos de banba japoneza a 800 e 1*.
r iscos de agua de Lavando ambreada.
Calalas de agua de Cavande ambreada.
Garrafas de agua Florida legitima a 15500.
, de Colonia a 800 rs.
Iem em latas grandes a 2,000 rs.
dem propria para lanche em latas grandes
a l,9oo rs.
Marmelada imperial dos clhores fabrican-
tes de Lisboa a 64o rs. a libra.
Frutas em calda em latas de l.ooo a 5oo rs.,
neste genero ha diversas qualidades a es-
colher.
Champanha superior das marcas mais acre-
ditadas a I,5oo rs. a garrafa e 15,ooo rs.
o gigo.
Serveja das melhores
Figos de
nltos muito proprios para mimo al ,28o rs.
caixas para retalho a 16o rs. a
dem em
libra.
Passas de carnada a 48o rs. a libra e
quarto com 8 libras por 2,5oo rs.
em
. Bolaxinhas inglezas de superior qualidade a
1 2,000 rs. a barrica, e a 2oo rs. a libra.
S ,?5VrS A Chocolate francez o melhor que se pode de-
gal 1 .na t a 0,000 rs. ^ nele genero a { ^ fs a libra
Vinhos em pipa: Porto, Figueira e Lisboa, a
48o, 56o, e 64o rs, a garrafa, e de 3,ooo a
4,5oo rs, a caada.
Marmelada imperial dos -melhores conservei-
ros de Lisboa em latas de 1 e mais libras
a Too rs, a libra.
Frntasem caldas das seguintes qualidades:
ameixa, rainha Claudia, peras, cerejas,
ginja, pecegos e alperch a 5oo rs, a lata.
Figos em caixinhas de 1 V* arroba e de 8 li-
bras a 8,000,4,ooo, e 2,000 rs, e a 3eo rs,
ajibra.
Vmendoas de casca mole a 28o rs, a libra, e
em arroba ter abatimento.
?dua 3 rS' ......" S dem preta superior a 56o rs. a garrafa e a Macas para sopa estrelinha, pevide, arroz de Toucinho de Lisboa a 36o rs, a libra e
maca a 48o rs. a libia, e em caixa a 2,ooo
rs. cada urna, macarrao. tallierim, e ale-
triaa 4>o rs. a libra
Amendoas de casca mole a 4oo rs. a libra.
Avelans muito novas a 2oo rs. a libra.
Ervilhas francezas muito novas
grandes a 64o rs.
1 e 2 libras a
Garrafas compridas.de asna
Frascos com banha e eWjW|IMM \ffl L>S 400 rs. a abotoadura.
:. linliascom 4 frasqu 111 los de extractos a ou.
x r>
- o o-
eb *
7 -.
o. o
o g e b.
o.
C6

i 3'
0
era <
'- 65
T. 3 ~
s, I g 5 s
. B S, 5 ? T a
-o n
as v- 9
\o armazem le fazenda l>ara-
l.-i.slr *;iii RCA DO Ql'EIMADO N. 19 VENDE-SE O SE-
Gt't.NTE :
Esleir da India
para torro de sala, do 4, 5 e 6 palmos de largura,
por menor proco do que em outra qualquer parte.
-, a. H. s cd g Lentos
3 !|L'3PS. 1JS i *> panno de linho pelo barato preco de 2*000.
a>
'?o
- tt ^, O
-1
i
-
->
2.S

3
2.
I
3
O
09
_ o a
O "i O
a S.
o--. O
o s? y
-a a
as -1
ii
o a
3S-

C3
S
3.
3-
a>
n
s
5,4oo rs. a duzia.
Vinho Bordeaux de differentes marcas, e as
melhores do mercado a 7,ooo, 7,5oo e
8,000 a caixa com urna duzia, e em gar-
rafas a 64o, 7oo e 800 rs., garante-se a
boa qualiilade.
dem Figueira de superior qualidade a 48o
rs. a garrafa e 3,5oo rs. a caada,
dem de Lisboa a 2.800 rs. a caada e 4oo i,iem em fl^ pequeas a 4oo rs.
rs. a garrafa. *
dem do Porto de superior qualidade para Mar de tomate em latas de
mesa a 5ii re. a garrafa, e 4,000 rs. a ca-. 64o rs.
nada. Salmo em latas de I 1 libra a 800 rs.
dem fino do Alto Douro da colheita de 1833, Lagostinho em hUs grandes a l,4oo rs. ca-
como sejam: Lutz, bettorta velho, Nec- da uma
tar, Carcavellos e Cam5es em caixa de
uma duzia a i),ooo rs. 1 Sardinhas de Nantes a 36o rs. a lata.
Lagrimas do Douro, especial vinho do Porto Cognhac inglez a 800 rs. a garrafa.
a l,ooo rs. a garrafa e lo.ooo rs. a caa. (.op france/ das mc|hores marcas do raer
Duque do Porto, Madeira secco, duque ge-; cado a 800 rs. a garrafa.
nuino, lagrimas doces a 9oo rs. a garra- Datalas chegadas ws^ ultimo nav0 em cai.
fa e 9,5oo rs. a duzia.
..... ^ xa com duas arrobas por l,6oo rs., e 4o
Garrafoes com vinho do Porto a 2,2oo rs. rs a 1bra
cada um.
em
arroba ter abatimento.
Massa de tomates a 64o rs, a libra.
Pimenta do reino a 34o rs. a libra,
Farinha do Maranhao a 14o rs,a libra,
1 latas Cbalas a 4eo rs. a restea.
Tjollopara Umprn- facas a 16o rs,
Cerveja das mais acreditadas marcas de 5,ooo
Cmiuho a 4oo rs. a libra.
Erva-doce a 5oo rs. a libra-
Champanha de 2fl>a-2,ooo o gigo.
Palitos do gaza-2,3oo- re. a groza e 2o-r& a
caixinha.
Milho alpista a 16o rev a libra:
Painco a 2oe rs. a libra.
G omina muito alva pan engaauar a 8e rs.
a libra, e em arroba se fara atatimento
Sag mHito novo a 28o rs. a libra.
Sabe verdadeiro hespanhol, qu* rara* vezes
vera ao nosso mercado a 28o rs. a Hbra.
Vinho branco o melor neste geneso aoo. rs,
a garrafa e 4,ooo rs. a caada.
dem Bordeaux de differentes martas, garan-
te-se a qualidade, a-8x>oo rs. a caixa com
uma duzia, e a 7oo rs. a garrafa.
Garrafoes com 5 garrafas de vinho do Porto
do Alto Douro a 2,2oo rs. com o garrafo.
dem eom 5 garrafas de vinho Figueira, mais
proprio para a nossa estaco por ser mais
fresco a 2,4oo rs. com o garrafao.
dem com 5 garrafas de vinagre a l,2oo re.
o garrafao,
Sab5o massa de superior qualidade a 18o,
2oo, e 22o rs. a libra do melhor que ha
Graixa enralas muita nova a 12o rs. a lati-
nlia, e l,3oo rs. a duzia.
Peixe em latas muito novo: savel, pescada,
curvin, salmo e outras muitas qualidades
preparados de escabexe, segundo a arte de
cozinha, de l,2ooa 2,000 rs. a lata.
dem do Alto Douro vindo do Porto engar-
rafado e esoolhitlo pessoalmeote por mu
des socios que se acha ero Portugal, das
seguintes marcas: Duque, Genuino, Ve-
lho secco especial. Lagrimas Doces de
1819, vinho especial D. Pedro V, vinho
velho, Nctar superior de 1833, Duque do
Porto de 1834, vinho do Porto velbo su-
perior, Madeira Secca de superior quali-
dade, vinho do Porto superior D. Lhk I
de 1847, Lagrimas do Douro, especia* vi-
nho do Porto, de l,ooo a 1 2oo rs. a gar-
rafa e de 10,000 a 12,000 rs. a caixa com
uma duzia.
Vassouras americanas a 800 rs. cada uma.
Velas de spermacete as melhores que ha no
mercado a 56o e 64o rs. e masso, e em
caixa se far umjgrande abatimento,
dem de carnauba e composico, de 4oo a
32o rs. a libra, e de lo,ooo re, a H,5oo
rs. a arroba,
Vinagre de Lisboa de superior qualidade a
2oo rs. a garrafa e l,2oo rs. a caada.
ATTE\O.
\d deposito de taca da fabrica do Bar-
ba Mo, roa do Imperador n. ti
Lenfes
de bramante de linho lino pelo barato preco de
3*000.
Colii rtas de chita da India
pelo barato preco de 2*000.
Lencos de cassa
braneos, Qoissimos, proprios para algibeira pelo
baratissimo preco de 2*000 e 2*400 a duna.
Cambraia adamascada
para cortinado, pelo baratissimo preco de 10*000
a peca.
Pecas do cambraia
de salpicos, fina, com & 1/2 varas, pelo baratissimo
preco de 4*.
Fil-liso fina
' pelo baratissimo preco de 680 rs. a vara.
Bramante de liana
' fino com dez pa'.mos de largura pelo barato preco
; de 2*300 a vara.
Toallas alcocfcsadas
para mao pelo baratissimo proco-, de 5*000 a dn-
zia.
Pecas de brelanha
de rolo com 10 varas propria para saia, pelo bara-.
to preco do 3*000.
Bill
Concervas inglezas a 75o rs. o frasco.
' Sal refinado em potes a 5oo rs. cada um.
Azeite doce refinado era garrafas grandes a | MoStaia ugie;a a l,ooo re. o frasco.
! dem franceza a 4oo rs. o pote.
Milito alpista a f 60 rs. a libra e 4,8oo rs. a
arroba.
800 re.
dem de Lisboa a 64o rs. a garrafa, e em
caada a 4,8oo rs
Presuntos inglezes para fiambre a 7oo rs. a
libra,
dem de lamego encommenda particular a
48o rs. a libra, e inteiro se faz abatimento.
Toucinho do reiuo o melhor do mercado
320 rs. a libra, e era arroba a 9,ooo rs.
Graixa
ris.
muito nova em latas grandes a 120
Latas com peixe em posta emticamente
lacradas das mellwres qualidades de pei-
xe que ha em Portugal .a l,2oo re.
Velas de espermacete de 4, 5, e 6 por libra r i in
: a 560 rs., e emcaixa so faz abatimento.'c
Ldem de carnauba retinad a 32o rs. a libra
e 9,ooo re. a arroba,
dem de carnauba pura do Aracaty a 4oo rs.
a libra e lo,5oo rs. a arroba.
. capa do Mills Lal&nm A C, na ra d-
30 0,1) menos do que em outra qualquer parte.' Crnz n. 38, 4nde-se Trro gatvanisado de um doa
10110a vidra.la de todas as qualidades, e to boa melhores fetfUftjntes ingieres, propno para cobers
cunto a que vem do cstrangeiro e mais barata. tas de casas.
Gomraa muito fina e alva a 80 rs. a libra.
Aranrta verdadeira a 32o rs. a libra
IJarinha do Maranhao muito alva e cheirosa
a 12o rs. a libra
Sag muito novo o 24 rs. a libra.
** qualidade a 32o re., dito
de 2a a 28o rs. a libra e 8,2oo*s a arro-
ba, dito de 3 a 26o rs. a libra e 7,8oo
r*. arroba.
Charutos suspiros dos melhores fabricantes
de 9. Eelix a 2,5oo rs. a caixa com loo
charutos.
dem finos de diversos fabricantes a l-,6oo;
l>8oo e 2,ooo rs. a caixa eom loo charu-
toSi t Prec< na in(UL'a'a boa ^"alidaae
porm deem-se ao trabalh de
mandarem c verSo a realidade.
a 7,5oo a duzia, e de 5oo a 600 rs, a gar-
rafa,
Prezunto para fiambre muito fresco e novo
a 800 rs. a libra,
Genebra de laranja a 9oo rs, o frasco,
Chourieas as mais frescas do mercado a 800
rs. a libra.
Cognac verdadeiro inglez a 9oo rs. a garrafa,
e lo,5oo rs. a caixa com uma duzia,
Licores francezes das seguintes marcas: Ani-
zete de Bordeaux, Plaisir des dames, e de
outras muitas marcas a lo.ooo rs. a duzia,
e a l,ooo agarrafa.
Passas muito novas a 5oo rs. a libra e a 8,5oo
re. a caixa. Ha caixas, meias e quartos.
Batatas- a 1,000 rs. o gigo com 38 libras.
Bolachinha ingleza a 4oo re. a libra,
Azeite francez c portugue/. refinado a 800 rs.
a garrafa, e 9,ooo rs. a caixa com uma du-
zia.
Conservas inglezas das seguintes marcas:
Mixed, Wckes, e ceblas .siroutes. a 800
rs. o frasco.
Mostirda ingleza preparada em potes a 4oo
rs. o pote. m
Grao de bico a 16o re a libra, e em arroba
ter abatimento.
Vasos inglezes vasios de 4 a 16 libras, muito
proprios para deposito de manteiga, doce,
e outro qualquer liquido, de l.ooo a 3,ooo
rs, cada um.
vtrem'O
Caf de Ia e 2a sorte de 8,3oo a 8,to rs. a
arroba, e de 28o a 32o rs. a libra do me-
lhor,.
Arroz da India, Mambla e Carolina a 3,ooo,
2.800 e 2,4oo rs. a arroba e a loo rs. a
fibra.
Frasqueira de genebra a 5,8oo rs.
rs. o frasco.
e a
Azeite doce em barril muito fino, a 64o re.
a garrafa, e em caada ter abatimento.
Papel greve pautado e liso a 3,5oo re. a
resma.
Genebra de Hollanda em botija de conta a
44o rs. a botija.
Bacamo a 14,5uo a barrica.
Lrvilhas fianceza e portuguez* a 040 rs a
lata de uma libra.
Chocolate francez, hespanhol, suisso e por-
tuguez a l.ooo rs. a libra, e a 28o re. ca-
da pao de uma %.

Garrafoes vasios de 5 garrafas at 3 caadas
de 5oo at l,3oo rs. cada ura.
Ameixa* franeezas em- eaixmhas elegante-
mente enfeitadas, Com diversas estampas
no exterior da caixa de 1,500 a 3,ooo rs.
cada uma; tambera fia frascos e lata differentes tamanhos que se vemlra por
mdico prego.
Massas parsepa: macarrSo, talbarim-eale-
trin- a 48o rs. a Ubre, e em caixa se ftir
abatimento.
GarrafSes eom H garrafas de genebra de
Hollanda a 5,5oo cada um.
1
Charutos de todas aa marcas- e. doa naelho*-
res rabricantes da Babia de 3,ooo a 4,ooo
. re. a caixa/
ATTEff^Att
Todos os senhores que comprarem para negocio ou oasr particular db fOOiJI gara
dm terSO-mais 9 a W'por 'b de abatimento; o proprieJario sdentiftc^ mais que todos
08'seus gneros s3o recabldos de sui proooiai encomreBda, razSo esta para pode/- w-
der por muito menos do que em outro qualquer estabeleeimento.
I

L


Diario de Peraaaafcwco Segunda felra 1 4c Beaenfero de !!.
;;

ATTENCAO
9 IiARCill DO (1I5HO 9
GRANDE SORTIMENTO
DE
PARA A FESTA.
ARMAZENS
DO
PROGRESISTA
RA IIAH CRUZES HT. 3G
E
RA DO CRESPO V. 9
No balrro de Santo Antonio,
foaquiui los Coacs de jMonza scientifica a seus numerosos fregu,
zes e ao publico em gem que acaba de estabeleccr um novo armazem de molhados
rja do Crespo n 9, aonde se encentrar sempre os melhores gneros de estiva, que
se vendero a retalho e por atacado, por menos dos que se venderem em outra qualquer
parte, aTiancando-se aquellas pessoas que comprarem nestes armazens a superior qua-
lidade de gneros, preeos commodos e hom acondictonamento.
38RA DO IMPERADOR38
Agua natural de Condllae,
muito recommendada as affeccoes do tubo gastrointestinal, nos dos rin., e Lxica ourinari.i,
suas propriedades alcalinas, e o acido carbnico que naturalmente cnntm em susnenso, d
mais commodo que a agua le Yichy, ede propriedades talvez superiores pela grande anantida
acido carbnico. Injectuo llrou, agua d le Cheeleii, cupahiba de Megc, injecco Fugas de tnate
de zmoo, muito recommendada as gonorrheas. srroy francez verdadeiro ; na mesroa casa
algumas caixas de instrumentos cirurgicos para operares de ilaticu e Charriere
\OS AR9IA%Eil
CONSERVATIVO E CONSERVADO!
21 e 23Largo do Terco21 e 23.
Participara aos seus numerosis freguezes e ao publico em geral que acaban de!
r.veber de sua propria eneommenda, o mais lindo e completo sortimento de molhados,
os quaes vendra por grosso e a retalho por menos 10 por cento do que outro qualquer
annunciante, como verao pela seguinle tabella que abaixo notamos, garantindo os mes-
raos proprieterios nao so o peso como a qualidade de seus gneros.
ATINO.
Talos os senbores que comprarem para negocio ou casa particular de 10O# para
cima terO mais 5 a 10 por cento df abatimerrto, os proprietarios scientrficam mais que
todos os seus gneros sao receidos de sua propria encommenda, razo esta para poder
vender por amito menos do que ouro qualquer estabeleciraenlo.
Castanhas muito novas a .ooo rs. a caixa, e Vellas de carnauba e composico de 22o a
a Hio rs. a libra.
Manteiga iagieza perottamente flor manda.la
vir de cerrta propria a 8oo rs. a libra.
dem franceza a mais nova do mercado a 56o
rs. a libra, e 34o rs. em barril.
MhH de poma refinada nuito al va 46o rs.
a libra.
RpwrtR pata fiaabre a 800 rs. a libra.
Cha uxim mUidinbo vindo de conla propria,
o melhor to mercad* a ,8oo rs. a Hbra.
dem hyson de superior qualidade a 2,Goo rs.
a libra.
dem pereda o melhor qoe se pode desejar a
2,7oo rs. a libra.
UM preto imrito fino a 2,5oo rs. a libra.
dem mais baixo pouco a 2,ooo rs. a libra.
dem mais baito a l,8oo rs. a libra.
Vinho do Alto Douro viudo do Porto engar-
rafado garante-se a superioridade deste vi-
nho. das segwalM marc-as : Duque, Ge-
nuino, velho socco, especial lagrimas do-
ces de 1819, vinho especial D. Pedro V.,
vinho velho, Noctar superior de 1833, Du-
que do Porto de 1834, vinho do Porlo ve-
ino superior, marleira secca de superior
qualidade, vinho lo Porto superior D. Lu-
iz I de 18i7, lagrimas do Douro espe-
cial, vinho do Porto de l.oooa l,2oo rs.
a garrafa e de lo,ooo a 14,ooo rs. a caixa
rom tima du/ia.
BolaChiflha do soda especial encommenda e a
mais nova que ha no mercado a 2. loo rs. a
lata.
Biscoitos inglezes das melhores marcas em
latmhasde 2 libras a l,3oo rs. a lata.
IdenD inglezes crakuel em latas de 3 e 7 libras
4c i.ooo a 6.000 rs. a lata, O em libra a
8oors.
Queijos do reino chegados pelo ultimo vapor
de 2,ooo a 2,2oo rs. cada um.
dem prato a 7oo rs. a libra.
Vinho em pipa das mais acreditadas marcas
como sejamBct F., PRR, JAA, outras
militas marcas. Porto, Lisboa e Figueira ;
de 48o, 5oo, 3Go, 64o e 8oo, rs., e-o do
furto fino em garrafa, e em cenada a
3,ooo, 3,3oo, 4,ooo e 6,5oo rs. o melhor
do Porto.
36o rs, a libra e de *o,ooo a 41,ooo rs. a
arroba.
Genehra de Ilollanda em botijas de conta a
440 rs. a botija, e em duzia ou em barrica
lera abaiinento.
Massas para sopa macarro, talharim e aletria
a 48o rs. a libra e em caixa ter abati-
mento.
dem estrellinha, rodinba e pevide em caixi-
nhas de 8 libras, muito bem enfeitadas de
2,3oo a 3,5oe rs. a caixinha e a 6oo rs. a
libra.
Doce de goiaba em caixas de diversos tama-
itos de 6oo a l,ooo rs. o caixo.
Sabo massa de 2oo a 24o rs. o melhor, em
caixa ter abatimento.
dem bespaiihol a 28o rs. a libra.
Peixc em latas muito novo ; savel, pescada,
corvina, salmao e outras mintas qualidades
preparada de escabeche 2 a arte de cosi-
nha de l,2oo a l,8oo rs. a lata.
Figos em caixas de 1 arroba, e 8 libras
a 8,000 4,ooo e 2,ooo rs. a caixinha.
Frutas em calda de diversas qualidades a
ooo rs. a laiitiha.
Marmelada imperial dos ra Ihores consenti-
ros de Lisboa a 7oo rs. a l-itinliade 1 libra,
ha latas de 1 'i e 2 libras.
Massa de tomate em latas de I libra a 64o
rs. a lata.
Ameixas francezas cm caixinhas elegante-
mente enlutadas de l,5ee a 3,ooo rs. a
caixinha, tamhem ha latas de l'jafi li-
bras de l,2oo a 4,5oo rs. a lata.
dem em frascos com lampa de rosca a l,6oo
rs. o fnasco.
Chocolate portuguez, hespanhol, francez e
suisso a l,ooo rs. a libra.
Conservas inglezas das scgiimtes marcis:
Mixde-Picles e cebollas simples a 75o rs.
o frasco.
Mostarda ingleza preparada em potes a 4oo
rs. o pote.
Sardinhas de Nantes a 32o rs. a latinha.
Charutos das mais acreditadas marcas da
2,*>oo a 4,ooo rs. a caixa.
Champagnhe a melhor do mercado de 12,ooo
a 24,ooo rs. o gigo, ede 1,2oo a 2.ooo rs. a
garrafa.
Joaquina Simues dos Santos, proprietario destes estabelmmentns de ronmMkK
participa ao publico e a lodos em geral, que vende nos seus armazens os generes or
O armazem da ra do Crespo situado no melhor local desta cidade com o as- ,mcn?s de 3 l0 Por cent0 do 1ue em oulra qualquer parte, garanti-Jo-se pela
qualidade.
seto qwe de necessidade manter-se com estes estabelecinMiitos, faz crer a sea pro- Manteiga ingleza perfeitamente flor a 800 rs. a libra.
prietario, que uinguem deixar de sortir-se n'um eshibelecimenlo aonde se encontra sin- ?em fr1anceza' vinda PeI "Mrao navio a 560 rs. a libra e 540 rs. em barris ou tmo,
Banha de porco retinada, a 400 e 44o rs. a libra,
ceridade, para ir-se comprar aonde se nao oflerecem tantas vantagens. Velas de espermacete e carnauba a 860, 400 e COO rs. a libra.
Sende este armazem no verdadeiro ponte de iwrtitfa para os arrabaldes desta Sa do Rb de Ia e 21 sorte a 270 e 300 rs. a libra,e a arroba a 800 e 9/000 rs
dd*. se M tp*. ~~ ,-e *. de parto oS ^m dareo, M SSKd. U^i^SK fZ&XS 'SLL
encommendas neste armazem, que sempre lhes offerecer os mais agrada^-eis gneros,ena de *a 2a 3a c 4a sorte a 2?5800, 25300, 2<$000, e 1^800 a libra
,.m .:. i.___, Azerte doce de Lisboa a 3,0000 o galio, e a 600 rs a garrala.
dem muito superior a l.ooo rs. a garrafa. lim de carrapato. a 280 rs. a garrafa, e a 20OO a caada.
Caf a 28o e 32o rs. a filtra e a 8>,oe >Genebra verdadeira de Hollanda, marca gallo a 400 rs. a botija.
otrs. a airn Mllho alpista mais limpo ('ue ,ia a ,C0 rs- a Hbra a i*800 a Tota.
*W verdadeiro Figueira e Lisboa, a 500 e 400 rs. a garrafa e a caada a 90MO e 3;(((
Cerveja dasmelhors marcas do nossa mer- *dtm do Porto, a 4500 a caada.
E alm dos gneros annunciados ha oulros muos baralissimos. assim romo
na.
dem Kordoaux das mais acreditadas marcas
a 7oo rs. a garrafa, e a 8,ooo rs. a caixa.
Garrafoes com 5 garrafas de superior vinho I grCVC **nMo U lis0 a Vk> rs" a res"
do Porto a 2,2oo rs. com o garrafo.
dem mm 5 garrafa de vinho da Figueira mais
proprio para a nossaestacao por str mais
fresco a 2,4oo rs. com o garrafo.
dem com 5 garrafas de vinagre a l,2oo rs.
com o garrafo.
Vinho branco o mais superior que vem ao
nosso mercado a 6oo rs. a garrafa, e a
. 4,2oo rs. a caada.
Velas de esparmacate as melhores neste ge-
nero de 56o a 64o rs. o maco, e em cai-
xa ter-i grande abatiment> por ha ver
grande porcao.
Azeite doce em barril muito fino a 64o rs.
a garrafa e 4,8oo a caada.
dem francez refinado a 8oo rs. a garrafa.
Emilias francezas e purtugueas a 64o rs. a
lata.
dem portuguez a 18o rs. a libra.
Toucinho de Lisboa a 36o a libra, e em
arroba ter abatimento.
dem de Santos a 32o rs. a libra.
Gaf de 1 -\ 2.a e 3.a qualidade de 26o, 3oo
e36o rs. alibn, oCearde8,2oo, 8,4oo,
c 9.2oo rs. a arroba do melhor.
Arroz da India, Java eManmhaV) de 2,2oo a
3,ooo a arroba, e de 8o a Ico rs. a libra.
Passas muito novas a 8,5oo a caixa e 5oo
a libra, ha caixas meias e quartos.
Sevadinha de Franca a 24o rs. a libra.
Sag muito novo a 28o rs. a libra.
Cb perola de especial qualidade a 2,8oo rs.
a libra,
dem hysson mufto superior a 2,7oo rs. a
libra,
dem uxim a 2,5oo rs. a libra,
dem hysson a 2,3oo rs. a libra,
dem idem a 2,ooo rs. a libra,
dem preto de qualidade muito especial a
2,eoo rs^a bwk
ydem idem interior a i,6oO' rs. a fibra.
Champagne a melhor neste genero a 1,5oo
rs. a garrafa e 18,ooo rs. o gigo.
dem inferior a lo.ooo rs. o gjgo e l.ooo rs.
a garrafa.
Cbocolate francez, hespanbol, e portuguez, a
a 9oo e l,2oo rs. a libra.
Charutos dos melhores fal*4caaes da Balna
ede qualidades, especialmente escolbidos,
de 2^oo a IJm* a caia.
Farinha do MaranhSo muito alva a 14o rs. a
libra.
Idem de araruta veidadeira a 4oo Bh a fibra.
Vinhe do Alto Douro engarrafado, e os mais
bem escolbidos, lagrimas do Dro, D. Pe-
dro V, D. Luiz L Duque genuino, Nctar
superior, Nntna fina, Bastardo, e ontros
a i.ooo e 1.2,000 vs. a duzia e l.ooo rs.
a garrafa.
Idem Cherry e Madeira a l,5oo rs. a garra-
fa e 16 ooo rs. a duzia.
dem Bordeaux de diversas marcas de 8,ooo
a lo.ooo a duzia, e 8oo rs. a garrafa.
Bolaxinhas americanas a 3,ooo rs. a barrica,
t oo rs. a liita.
Batatas muito novas al,ooo rs. o gigo, e 6o
rs a libra.
Banha de poroo refinada a 48o rs. a libra, e
era barril a 44o rs.
Vinho em pipa de Lisboa, e Figueira, de3,ooo
a 4,ooo rs. a caada, e 5oo rs. a garrafa.
dem de Lisboa em ancoretas de 8 a 9 cana-
das por 27.ooo rs.
Idem do Porto muito especial a 3,5o rs. a
caada e 72o rs. a garrafa.
dem era. garrafoes com 4 4 garrafas por
2,-ioo rs. com o garrafo.
Vinagre de Lisboa muito superior a 2,ooo
rs. a caada.
dem maisbaixoa l,3oors. a caada, e 2oo
rs. a garrafa.
dem em garrafoes com 4 '/i garrafas por
l,2oo rs. com o garrafo.
Manteiga inglext a 6oo, 7oo, 8oo e Ooo rs. a
libra de primeira qualidade.
dem franceza a 56o rs a libra em barril, e
a 6oo rs. a retalho.
Ameixas francezas em caixinhas com ricas
estampas no exterior de l,2oo a 2,ooo rs.
cada urna.
rs. a garrafa.
Conservas inglewis a 73o rs. o frasco e 8,6oo
rs. a duzia.
Doce emcalda 3oors. a Uta.
dem de goiaba em caixas e diversos lma-
nnos o de diversas qualidades de 64o a
l.ooo rs. cada urna.
ErviUias francezas muito novas de 48o a. 64o
rs.
queijos nevos, chouricas, servejas das melhores marcas, aletria, ameixas secada,
uno, erva-doce, pimenta, sabo, canella, phosphoros do gaz, que tudo se ven le per
menos de 3 10 por cento, a dinheiro contado.
dem em frasco de vidro de diversos taa-
nnos a l,3oo e 2,3oors.
Idem em latas de 1 1/2 e 3 libra a I,3oo e
2,3oo rs. cada urna, e a 8oo rs. a libra.
Idem da peso pautado ou fizo de 3,5oo a
4,ooo rs. a resma.
Gomma muito fina e alva a 8o rs. a libra.
Milho alpista e painso de 16o a 2oo rs. a li-
bra.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a grosa e 2oo rs. a
duzia.
Vasos inglezes de 4 a 16 libras vastes muito F'g0S comadr? Cm baz.nhos de fo'ha Pr0"
proprfo para deposito delce m& pr'S para mm0S a l'flo rS' <*** um'
ou outro qualquer liquido de l.ooo a dem em caixinhas de olha a 32o rs.
3,ooo rs. cada um. j dem em caixas grandes a 2oo rs. a libra.
Licores das melhores marcas e mais finos dem em latas emticamente lacradas de
a 1 ,ooo rs. a garrafa e em caixa ter abati- 1,6oo a 3,ooo rs.
Arroz da India e Maranho a 8o, loo e 12o
Cognac verdadeiro inglez a 9oo rs. a garrafa rs, a libra,
e lo,5oors. a caixa.
Amendoas de casca mole muito novas a 4oo
rs. a libra.
Azertonas superiores a l,2oo rs. o barril.
Chouricas as mais frescas do mercado a 8oo
rs. a libra.
Genehra de laranja em frascos grandes a
l.ooo rs. o frasco. Alpista a 14o rs. a libra e 4,6oo a arroba.
Serveja das mais acreditadas marcas de, Letria a loo rs. a libra.
5a'Sn-aafa6,500 *** "^ *" ""'Biscoitos e bolachinhas inglezas as ultmas
Idenfem botijas, e meias, sendo pretal ebegadas ao nosso mercado a i, 2oo el, 4oo
muito creditada marca T de 6,5oo a 7,8oo
i. cada lata.
rs. a duzia.
Ceblas em melhos grandes a 1 ,ooo o molho
e em restea a 4oo rs. cada urna,
Pimenta do reino a 34o rs. a libra.
Farinha do Maraaho a 44o rs. a libra.
Tijolo para limpar facas a 16o rs. cada um.
Cominho a 64o rs. a libra.
Erva doce.
Canella a l,ooe rs. a libra.
Batatas a 1 ,ooo rs. o gigo com 32 libras liqu
das.
dem portuguezas a 72o rs. a lata.
dem seccasa 2oo is. a Ubra.
Vassouras do porto cora arcos de ferro a 32o
rs. cada urna.
Volas de espermac'te da melhor qualidade
a 6oe rs. o ma?o.
dem de carnauba e composi$ a 32o e -M.
rs. a libra e lo,ooo rs. a arroba.
Tijolo para limpar facas a 14o rs. cada um.
Baante de Lisboa e Santos a 32o rs. a libra.
Sevada muito nova a loo rs. a libra.
Peixe em latas grandes, savel, pescada, cor-
vina, contras qualidades a r,ooo rs. cada
lata.
Papel greve patbulo e liso de 3,ooe a 4.ooo
rs. a resma.
Passas muito novas a 8,3oo a caixa e 48o rs.
a libra.
Palitos lixados para denles a 14o rs. o maco,
dem de llr a 2oo rs. o maco.
Pre/.unto para fiambre inglezes e americanos
a 83o rs. a libra,
dem do Porto a 48o rs. a libra.
Queijos prato de 48o a 6oo rs. a libra,
dem londries os melhores que se encontram
neste mercado a 8oo rs. a libra.
dem llamengos vindos no ultimo vapor de
2,8co a 3,ooo rs.
Sardinhas de Nantes muito novas a 32o rs.
a lata.
Sag muito novo a 2oo rs. a libra.
dem muito superior a 28o rs. a libra.
Sabo maca de diversas qualidades a 2oo e
24o rs. a libra.
dem inferior de 12o a 18o rs a libra.
Genehra de Hollanda em frasqueiras a 6,3oo.
rs.
dem hamburgueza em ditas a3,8oo rs.
dem de Hollanda em garrafoes grandes a
3,3oo cada um.
dem em botija a 4oo rs. rs. cada urna.
Garrafoes vasios de diversos tamanhos a5oo,
64e e l,2oors.
Gomma do Aracaty a loo rs. a libra.
Graixaa loo rs. a lata, e I,2oo rs. a duzia.
Licores finos francezes cm garrafas e fras-
cos de diversos tamanhos de 6oo a 8oo rs.'
cada um.
Marmelada imperial de b dos os conservei-
ros de Lisboa a 64o e 700 rs. a libra.
GR ANGEI AS antiblennorrhagicas de DUNAND
e'INT do HOSP. :os VENREOS de PARS -1? PREMIO 1854
nSFiy i**B ** P'f**" c*' M contra as 0~orrb. BleaBorrliMlM m, i. olena, e robeldei: -
Biieuo seguro epromplo, sem nauseaa.nem clicos, mib tremor. Ficis a lomar em segredo sem tisana
Injecgo curativa e preservativa
, cor* com rapidez tm irt, os escorrimontos conugioso'do ambos sexos. nombruui AJslrinnme o
vUMa, ortlflca os tegumento! e o preserr de iialqow alteoico. 1>*UIS, 5, rae da Uarckt-Shllwn.
Deposito geral era Pemambnco ma da Cruz n. 22 em casa de Caros & Barbozi
Os i)wm
es mais immm

D'nma |Mi1inaz muatao
ESCRFULAS,
ou imtsm ESCROFULOSAS,
Ulceras le Inda a esprar.,
SYPH1LI8, 06 MAL VKNKREO,
TUMORES, BnwUfceah
BERTOEJAS, - v>T^
OPHTHLMIA,
HydropLsia,
Emp:geasr
PEPES, 4^KVLpQ|bM|
/Pariros,
ERYKIPEUS
ESroRBITO,
Tiuli.i. |
Bolaxinha de soda e luneh em latas grandes
a 2,ooo rs. cada lata.
Cognac de superior qualidade 8oo rs. a gar-
rafa.
Massa de tmale muito nova a 64o rs. a
libra.
Marrasquino de Zara a 64o rs. o frasco.
dem em frascos grandes a 8oo rs.
Cominhos muito novos a 5oo rs. a libra.
Erva- Pimenta a 36e rs. a Ubra.
Gravo da India a 64o rs. a libfS.
Cauaella a l,loo rs. a libra.
Alfazema a 2oo rs. a Hbra.
Sal refinado era frascos de vidro a 6oo rs,
o frasco.
ATTENCAO
i axr de ser mantida pelo proprietario destes armazens.
fe
CHGAS ARTIGAS, ~ ~"
Rheumatrsmo Chrnn:co?
DEBILIDADE (I-RAL
Nfi'vosladc. Nt'vrak'ias,
I'ILTA DE ilTElTiTi. FASTO.
SUPPRESSO DAS REGRAS, ou
AMEWORRHEA,
unum. i mes mm
Retcnrio das l-rnas,
EMACIAgAO.
O.i 4 miii tiente do m>t INFLMACES CHfiOIflCAS,
Affec9oes Chronicas do Figado,
AshIM COMO TODAS A8 MAIs SIMULANTES NO-
LBSTIA8, l'KINOII'Al.MKNTK Qt'ANDO SAO
CAl'SADAS, OU l'ltODf/.IDAP PKI.O Mil
livre veo do Mercurio ou
tmlin como tumlx-ui pilu fivqupiile afta SBMICO c oatnu preanirHj'ew Minrritm
' To meute cedetu A beuefioa. poderojua
purificantes qualidades da mui
jnstamente afamada
suMPiRRyi m Hibm.
A venda as boticas deCaors d Barbn,
rea- da Crnt, e Jolte da C. Bravo C, roa
da Madre de Dos.
de nnna fabricante
Pereira Mendes Gumaraes vende bo-
Ca horneas, a dintleiro vista.
ra vistada perfeicao da obra:
na sa foja de fazendas e roupas teitas: na ra
da Imperatriz n. 56.
Chegado pelo tapar:
*o pamoTlfante, ra do Cres-
po n. 9.
At qae chegaram as muito desojadas rascan i-
Ihas iW. todas as cores com una litiuha da velludo
no centro, cousa muito elegante para eiifeite, assim
como de outras qualidades, e prec.s minio razaa-
veis : s no vigilante, roa do Crespo, n. 7.
I'ara dar de niiuio.
Chegaram as rujuissimas bonecns de ludos os
tamanhos, vestidinhos ricamonti iiifeitadus, cada
| um emsua caixinha, propriamente para um deli-
cado mima, por baratissimo preco : s no vigila?-
! te, ra do Crespo n. 7.
Para os senhores barharris.
Chegoo tempo a ri<|uissiina lila de clian
para cartas dos senhores hacharais, assim corno
branca, lisa, propria para abrir letras, oupaia
sintos : s no vigilante, na do Crespo n. "/.
I'enlea de marrafa.
Tambem chegaram os riquissimos nenies ile
marrafa com pedrinlias,os lindos pentes de nf en
para meninas, meias de seda e aapattehos pn
I para baplisados, meias de seda liara sunhora, !!'..s
| de lia pm debrum, lita de linho, trancas
i de linho e de seda, luvas de seda e pellica, o lio re
! Escocia e camurca, alllnctes de cabera chala, ear-
'! teirinhas com todas as agulhas precisas para r< i-
tura, fivclas de madre|jorola esmaltadas de a< n
para sintos, flores de todasas qoalidadcs, cai\i
com pastilhas de perfumara, abafadorea de Ia
|wra senhora, toucas e sajiatinhos de lan. polseiri-
nhas de borracha para segurar atangu utos, tac e
cordoes de borracha, sabonetes red ndos, ditos
chamados de familia, pomadas de todas as quali-
dades c dos fabricantes mais afamad..-. rolcl
pratiados muito fines, relioz de todasas qnalldadef,
retroz em carretel e cm novello. e de meada, de
todas as cores, escovas para dente?, ditas para
pa, ditas para chapeo e ditas para unlia, de I
os preeos, c outros mais objeetos, que se tornara
enfadonho annimciar, e vista dos fregnetw pm-
mette-se fazer todo o negocio: s no vigilante, ra
do Cespo n. 7.
lm chapeo por i00 rs
S no Vigilante
Custodio Jos AI ves Guimaraes. tendo Arremata-
do uma grande porcao de chapeos do sed para me-
ninas, c querendo que seus trsneles partillie rio
tal pechincha, est os dando pela diminuta quaniu
de 400 rs.: qnem deixar de comprar meamo pa-
ra as senlioras irem ao l.anho cobertas do sol.
S no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Julia.
Tambem arrematou urna grande porcao de linha
prela muito forte em massosde libra, que se vi n-
de pelo baratissimo preco de 800 rs. cada um :
no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Botes.
Lindissiinos Iwtoes para punlios tanto para
mem como para senlioras, pelo barato prct;u ue
240 rs. o par : s no Vigilante, ra do Crespo,
n. 7.
ESCRAVOS FGIDOS.
Fugio do engenho Pirau da comarca da 11-
dade de Nazareth em 29 do mez de uiaio do cor-
rente anno 18C3, um mulatinho de nume Matuii!,
deidadu 13 annos, levou vestido camisa i- cero:ila
de algodaozTirho azul, rnn tanto descorailo da cor,
tem os nos feies e os dedos deltes arrebiiad
ps adianto largos e os calcaohaies linos, v
costume de andar com acbela baixa, cabellos
estirados, de cabocolo : queni o pegar e irouxer
em dito engenho ser recompensado com 2oo.
Escrayo ftigido.
000 Continua fgido desde Janeiro o mulato de no:ne
Raymundo, natural do !c, estatnra regular, tan
de 18 annos, catees chata, cabellos caraprntics,
testa grande, rosto oval, com uma Ostula na far
esquerda, mafias salientes, deates limados uouui-
dos, bocea regular o principio de buco, ps e maos
pequeos, costumava aadar calcado, e intitulavn-
se livre : quemo apprehender, dirija-se ra da
Cadeiado Reeife n. 24, Luiz Antonio Sequeira,
que entregar a referida gratificaco.
FUGIO
no da 17 do correle mez, um moleque de idad,
de 12 a 14 asnos, de nome Manoel, cabrocha, le-
vou vestido uma calca de riscado, camisa branca
jaqueta de chita, chapeo de palha preto, tem um
signal no rosto, e os dentes todos quebrados:
ouem o apprehender leve-o ao becee do Veras n.
, que sera recompensado.

^^ry
J



6
Diarlo de Pernambnco tttgtind:t felra tt de Dezembro de 9A9.
LITTERATRA.
aborto para os especuladores graudos que saqueam
i os jogadores pequeos. Bem que os logrados te-
, nham visto os tratantes apromptando suas arma-
. /.^ dilhas, nao deixara decahir nellas: rao nessa
.%. noisa. i*j rua de Qujncampoix. (2) se jogar a agiotagem
Ha duas especies de jogadores na Bolsa : os desde manhaa at a noute, se rodar no rorrege
grandes o os pequeos. que Importa se se leva o seu pequeo salpico de
: randes, Jogadores seguros, oceupam na so- riqueza,
riedade as altas posiedes : conhecem os mvslorios n ....
Sotgo a tu imlhes s passadas, e os gastara P' *" set.mosccuo,
21 SU P o gosto de toma- J J-** ** P^ *
, ouro da janella do seu palacio para chamar u mul-
los a npanliar ,|(10es brj M ,ama ? Es|a nceza fo ._
-es gera mente comprara o que se chama um __ ......... '
r f _..,i. meira inventora da sociedad cm commandila nara
bom negocio, como sena una mina, urna grande .._ .,..,, x "auu'" i'"
* .. %. .. a cultura da trras do .Mississnu, do premio, c de
fabrica, um privilegio etc.: dao por elle um prego ^ a fmk a|)an|)aJa n0 ap
no sahbado, e no domingo o revendem a urna com-
panhia bonachona, da qual naturalmente tomam a O luxo provoca ao jogo, c o jogo pela sua vez
gerencia por contrato de sociedade. provoca a immoralidade. A casa do jogo da Bolsa
Depois emitiera a nietade das aegoes, c guar- arranca o homem do seu destino providencial, da
data a outra uietade ua carteira. Ein virtude do *M austera do trabalho, o nico quo ensina o va-
credito de que gozam como vetfcacos espartos que lor de cada minuto, e a virtude do cada gota de suor:
sao c da escassez das aigoes, a parle emillida *lm disso, accende no coragao do jogador um ap-
sobe de valor na raga, eugrossa, crescc como a l)elile fl""ioso de riqueza; nao desta riqueza ga-
mrt n,ia laboriosa o honrosamente ; mas riqueza con-
Quando cliegou ao mximo da subida, vendem V^ista_n'um instante em virtude de urna varinha
de repente a segunda metade, e assim in:endiam de condao.
o mercado. Euto principia a baixa, eleilo da a- para apagar esta sede de ouro a todo o custo, 0
buudancia, e do terror panieo quo elles espalham, pae de familia desprezar intrpidamente qualquer
o esta baixa desee alm do rasoavel. Enlo elles considerado de honra e do prudencia ; deitar so-
compran) por pouco estas aeges assustadas, eas bre o tapete, sem hesitar, a sua vergonha, o dote de
tornara a vender, passado o susto pelo seu valor, suamulher, o seu ultimo pedacinhode patrimonio,
Neste movimento de subida e descida, promo- 0 ultimo bocado de pao de seu filho.
vido artificialmente por elles mesmos, apuram mi-
lliOes.
l'de-sc cntao ter en> conta de es|culacao or-
gauisada por tratantes, destinada a depennar os
nescios, toda a companhia finanecira que joga na
Bolsa.
O que 6 a agiotagem ? o trafico sobre a even-
lualidade de um lucro. Cada um de nos tem a li-'uue um V1C, chama sempre outro, por sympathia
berdade de avahar, scguudo a sua fantasa, um lu- de natureza.
maginario, e tem tambem a liberdade de ven
Se perdeu, vivera como poder; sua mulher e
sua filha urna por um lado, outra por outro iro
cm busca de vida alegre; elle andar trocando as
pernas pelas ras, exercendo o offlcio de cavalhei-
ro de industria.
Se ganha, ir levar o seu ganho ao prazer, por-
cro
der pelo preco da sua fantasa a hypothese desse
I ucro. Disso nascc a agiotagem.
Como o homem prudente por sua natureza, e
a dobra o ainda mais do que o homem, parece
primeira vista, que urna empreza incerta deveria
sempre ser colada abaixo do seu valor; porque a
incerteza fallando mercantilmente, urna causa de
apreciagao.
Assim acontecera evidentemente, so cada um
romprasse o titulo que d direito a um dividendo
eventual, com a intengio de guarda-lo e de fazer,
como se diz, un) emprego de fundos. Mas nao :
comp ase tsse titulo para dar-sc-lhe um augmento
de valor, e toina-lo a vender com lucro, merc a
este augmento de convengio. %
Tara que baja premio, preciso que haja alta
j>ara que haja alta, preciso urna classe de horneas
intercssados em lite a dar: ora onde ha pro-
babilidade de premio, esta classe acode em chus-
mas.
Assim como as mesas girantes, que gram lan-
o mclhor quanto maior o desejo de v-las gi-
rar, assim as acgdes de urna sociedade sobem na
proporcao do desejo que se tcm de as ver subir.
Mais sobem, mais se compram, mais sobem cm
virtude do principio de economa poltica; que o
valor proporcional ao pedido.
A sita prtenlo produz a alta no mundo da agio-
tagem, c a produz artificialmente fra do valor real
da cousa vendida.
Emquanto contina a subida, tudo vae muito
bem para todos, compradores e vendedores cada
um pela sua vez. Comprei por dez francos urna
tira de papel, c a revende |or vinte francos a um
torceiro, que tambem a revende por trinta, e assim
por dianle.
Al aqui cada um de nos realisou um lucro sem
ter desembolsado um cntimo. Se a subida qui-
tesse continuar perpetuamente, o houiem teria as-
sim dcscoberto a pedia phylosophal. Produziria
sou bel-prazer a riqueza e sem trabalho. Infeliz.
mente porai l cliega um da em que esta subida adiante de urna lareira no gosto do renascimenlo ;
alcanca um prego lio desprojiorconado com o porque nesse tempo, o dono almogava sozinho,
prego real, que nuguem pode esperar de alcangar S(>mpre SOnho um pe|aeno ^ amassado com
luais leite, e urna chicara de chocolate : o sen estomago
L:.iau c 'v..,o n*, o seu possmdur procura o ja ia nPf[an(j0.)nc 0 St>rvco s d(J me ,or jm.
mais depiCMU possivel passar a oulraa inaua um p,sl<1 Ulll ,utni)|Kj ^ ^ Hym| (,mB||| s(J djg.
tituio i.io ,.ennoso, oaerado de uki pesadas hypo"
tecas.
E&H titulo -'i:do mais uffer.cidodo que pedido,
cae p.M uii:j.ia razio jorque liulia subido. Por-
que, tumo ja uii-iiis, 1'iu.ecouomia pulitica um
valor equivalente ao pedido^ AeuuU'Ce a agiota-
gem o que acontece a esse jogo Hle prenda em que
se passa e nio em mo um papel acceso. Passa-
e adianto, corre o circulo, torna a vir s mos,
torna-sc a passar, at que se apaga a mao de um,
iii: paga para ludos.
A ijuda terrivel. A subida ia com certa regu-
iaridade, porque no calculo do lucro entra sempre
certa lellexo.
Mas quando urna empreza fundada sobre a agio-
tagem comega a baixar, nao ha mais iransigo,
iiem parada.
Cada um tem receio de ver calar a casa sobre a
sua cabeca, cada um qur escapar calhastrophe,
e o seu mesmo terror o a precipita com maior ce-
ieridade.
Eis aqui porque toda a poca de agiotagem tem
sido seguida de urna grande crise financeira, tanto
sob o ministerio de Law, como sob o ministerio de
Colonne.
E como nao seria assim ? A agiotagem nao
mais que um jogo em grande escala, e que nao cria
riqueza: Apenas desloca a riqueza existente. E'
preciso que um pague o que o outro gauhoj, e o
paga iiejperadamenle, pensando lucrar em vez de
perder.
Necessariamente faz bancarota. Urna fortuna
demolida, arrasta na sua ruina oulras muilas. O
desastre liuan-,ero assim repercutido de echo em
echo, abala a sociedade.
Mas nao isso so Offerecendo ao capitalista
de um dia para oulro um beneficio por assim di-
zer improvisado, immensamente superior ao be-
neficio que costuma render o dinheiro em quai-
qur parte, a agiotagem attrahe na sua armadilha
o capital disponivel da nago, e o desvia de toda
a empreza ulil c fecunda de industria ou de agri-
cultura.
Assim dlminue o trabalho que reproduz valores,
e com isso impede a riqueza do paiz. Assim a his-
toria ah est a no-lo certificar : toda a epidemia de
agiotagem sempre empobreceu o povo, e estcrili-
sou o trabalho por muito tempo.
Mas que importa ? Ahi est o jogo aberto: est
(i) A Bulsa (iiornsE cm francez) o edificio on-
de se reunem banqueiros, negociantes o correcto-
res a tratar de seus negocios, e tambem a comprar
e vender fundos pblicos. Jogadores da Bolsa se
entendem os que arriscara seu dinheiro na compra
e venda destes fundos.
(Xota do tradurtor.)
nes, inexgotaveis do pensamenlo ou da conscien-
ca interroga e tortura debalde a materia, nao pode
arrancar-I he senao a lgubre melancola de Sar-
danapalo e de Tiberio.
A embriaguez, c depois della o enjo, a volupia,
e depois della o deboche, eis o circulo fatal. A po-
der de ter abusado da vida, emfim tem-se-lhe hor-
ror. Como o strapa inglez de volla da India, nu
aspira mais nada do que a degollar-se sobre urna
pilha de bilheies de banco, j impotentes a procu-
rar-lhe urna distraeao.
ei (ana i-ri.lf.tan.
(Preste.)
Discurso proferido pelo consellieiro Hr. Manuel La-
dislu Aranba llantas, no dia 30 dr novenbro,
por oreasio da solemne roiirrsso do yru aos
hoyos doloiirandos pela Kaealdade de medicina
da Babia.
Senhores dotoures.Nao esperava que me cou-
besse hoje a honra de drigir-vos a palavra neste
acte solemne, ao acabardes de ser laureados em
recompeasa de vossos trabalhos, credores do pre-
mio, que na cabo de tantas fadigas alfim consegu,
tes. E porin, impondo a lei a obrigagao de alguma
cousa dizer-vos, mesmo assim mal preparado, como
iue ado, depois de congralular-me comvosco hoje
nossos irmos, que outra sigoicacao nao tem o
amplexo, em que ha pouco estreitastes comaosco
os vnculos de fraternidade; e depois de exultar
com os outros vossos mestres pelo feliz resultado
de vossos esforgo, limitar-me-hei a apresentar-vos
resumida e subslancialineute algumas considera-
ges sobre a diguidade e importancia da profisso,
que d'ora em oante podis exercer em virtude do
gru, que vos foi conferido; essas poucas conside-
rages iinplicam um epilogo se quer dos principaes
deveres a que (abracando-a) vos obrigastes.
A dignidade de urna profisso se deduz de seu
carcter; e da missao que Ihe compete preencher
neste mundo se deduz seu carcter. Quanto mais
intelhgeote, moral e til fr esta missao, tanto
mais digna e importante ser a profisso. A me-
dicina (feralmente se diz) tem por fim conservar
a sade, curar as molestias, eu pelo menos mino-
ra-las ; mas nao para ala ; e se parasse, muito aca-
riada seria sua espuera: a sciencia medica, luz e
fundamento da arte de curar, tem outro fim mais
elevado, que conheeer o homem. Para conho-
cer o homem mister muito aprender, e nao basta
aprender que tal ervo ou sensitivo ou motor, e
que fluido esta ou aquella glndula segrega:o estudo
do homem deve comprehender dous systemas, um
systema vivo e um systema moral, o suas reciprocas
reagoes; pois o homem urna intelligencia servida
por ergaos; assim otinha j previsto um escriptor
pago, quando disse : animi imperio, corporis ser-
titiomagis utimur; alterumnobis enmdis,alterum
cum beltui.i commune est: e por certo ignora va o
que o propheta rei, referiodo-se ao Creador, j ha-
via dito do homemminuisi eum parlo minus ab
angelis; gloria et honore coronasli eum: el cons-
luistieum superopea manuutn luarum: nem tao
pouco se devem confundir os phenomenos moraes
com os factos do dominio puramente organice, que
seria isso desconhecer as leis moraes, e dar por
certa a balda, que aos mdicos cm geral assacam
de tendencia para o materialismo e para a incre-
dulidade. Para conservar, e para restituir ao ho-
mem a sade, quando deteriorada ou perdida,
preciso saber muito: para mitigar-lhe os sofTr-
mentos, cumpre ser em extremo dedicado. Tao
intimamente ligadas esto entre si estas cousas,
que nao possivel cortar-lhes o nexo sem risco de
mutilar a proGssao, com grave quebra da instruc-
: cao e do decoro medico. Queris mais, en prova
Lns eram vermelhos, outros azues, outros,\ ..... ,i: j
, ,' "a"va da nobreza e utilidade pub ica da profisso, que de
verdes, outros cinzentos, outros amarel os outros -
. ; rtM-""-' """'"'neuhuina outra e someuos? ouvi em conclusao
branros, mas parecan) todos doentes. atacados de n i j > i
, .' Micuns.iaLduo uc uomnes a, fas nnu reoroptus accedunt qncnu
nostalgia largando as peonas, encolhidos, dorm- umtem homiihus danilo. para mim 0 dilO(l0ra.
tando com o bico em descango sobre o papo. | dor roraano |K)aC exvTme> coraparado cora o di
No fim da galera hava urna pequea mesa ter do escriptor sagrado: Da locum medico: ele-
nim illum dominas creavit; et nom discedat a le,
quia opera ejns sunt necessariu. A profisso, que
assemelha Divindade o que a exerce, c de euja
assistencia nao se pedena os outros homens dispen-
sar, por certo a nenhuma outra cede cm dignidade
e importancia.
O medico pois tcm urna duplicada missao; urna
missao de sciencia, outra de pratica ou dedicago ;
mas aos esforgos, que tiver de empregar para
adquirir a sciencia, deve preceder a pureza de
suas intengoes. Consulte primeiro o adepto sua
Que importa o dinheiro assim prodigalsado
ostentago ou devassidao Achar-se-ha sempre
que se procure. O jogo nao na sua opinio, um
caixa condescendente encarregado de pagar sem-
pre as suas comas ? De tudo isso o que resta dez
mil pessoas arruinadas, e urna duzia de Samuel
Bemard condemnados ou absolvidos em polica
correccional.
Ha tempo fui ver um desses jogadores seguros
que tem a habilidade de ganhar milhoes por meios
expeditos. Era outr'ora urna especie de Fgaro
testa de muitos misteres, ganhando o pao de cada
dia. Tinha experimentado a pintura, depbis a es-
cultura, depois tinha viajado cusa do estado.
Hoje mora n'um palacete, edificio novo, nos Cam-
pos Elysios. Elle quera comprar um casebre his-
trico no seu cantao, sem duvida com a maior n-
tengo de trazer o nome histrico do seu antigo
morador. Tinha-me escripto incumbindo-me desta
compra. (3)
Ao entrar no paleo do seu palacio urna chusma
de mogos de estribara com veste encarnada almo-
gavam cm pleno ar meia duzia de carados io-
glezes. Tendo subido urna escadaria de marmore,
aclarada por un) zimborio gigantesco, dourado,
achei n'um vestbulo um lacaio de gravata branca,
de calrao e meia, que me introduziu n'uma immen-
sa galera envidragada, tapegada de camelias e de
arbustos de Japao.
Nao sei quo aborrecmento secreto pairava na-
quella atmosphera, mas o que sei que se respi-
rava desdo a entrada como um vapor de opio. Se-
guia-se entre duas carreiras de poleiros onde esta-
vam assentados periquitos c pajiagaios de varios
paizes
trabalho e o mais escrupuloso estudo, concer-
nente a origem e aos desenvolvimientos da sua
arte.
O conhecimento exacto das tradiccdes medicas
vos resguardar deste perigoso scepticismo, mos-
trando-vos que nao de hontem nem de hoje que
ha medicina; c no meio da fluctuagao dos systemas
um corpodc doutnnas, de verdades perennes, se-
gundo a engenhosa expressao do prolessor Lordat,
as quaes, applicayeis em todos os lempos e em to-J
dos os lugares, teem permanecido esti emes das in-
novages systematicas.
A medicina nao urna arte conjeelural, como
tantas vezes e tao inlustaniente so tem dito que :
comi>oe-se de theoras nao imaginarias e de pro-
cessos uteis; e quanto basta para faz-la digna de
geral estimagao.
Emsumma, penetrem-se a sociedade o os med-
gos desta sentenga de um grande pratico (Baglivi):
pode o numero dos remedios variar nos differen-
tes paizes ; mas em todos sao idnticos os precei-
tos quo indicam a maneira de bem tratar os doen-
tes (ben medindi).
O medico deve perseveradamente dedicar-se ao
trabalho, e este trabalho ha de ter por objecto ex-
clusivo a sciencia, fundamento da pratica, origem
de sua consideragao e de sua influencia. Oh quan-
ta forga a sciencia ministra-lhc quando se trata de
reformas sociaos, para cujo effeilo exigida a sua
cooperaco, e que as vezes cumpre-lho provocar !
Com as armas da sciencia foi que Pinol combateu
e levou debaixo as barbaras preoecupagoes de seu
tempo, relativas ao tratamento dos alienados, fazen-
do-os salar de suas masmorras tenebrosas para
submett-los a um rgimen humano e racional. Se
nao fura a sciencia, jamis lograra elle chegar
razao homens longo habituados a olhar, como a
um bruto cerval, a creatura mimosa de Deus pri-
vada da razo.
Agora a necessidade de saber do medico, con-
fundida com suas primeiras obrigagoes moraes. O
senso commum de todos os povos d a palma da
verdadeira gloria, nao intelligencia s, mas sim
intelligencia virtuosa.
A honra nao predicado s do medico : part-
Iha tambem de cada profisso, e de cada homem
em particular, quando no meio das mais diffieeis
circunstancias e affanosas lidas, fazem triumphar
as obrigag5es de sua consciencia. Ha porm na
sociedade duas classes de homens, a quem, seja
qual for sua sensiblidade natural, cumpre estar
pegados ao leito da dr; a quom mais especialmen-
te cabe, constrangidos nao pela forga seno pelo
dever, arrostar ainda o maior perigo com todas as
probabilidades possiveis de perder a propria vida :
o padre e o medico ; que sao os homens dos gran-
des infortunios sociaes e privados : vio ambos ter
a um paiz devastado por urna epidemia mortfera :
ahi fic.am a p quedo, em quanto dura o flagello :
tendo achado, ao chegar, o assombramento, a cons-
ternagao ea desorden) ;ao voltar, delxaram o alen-
t, a serenidade e a orden).
Muito na missao do medico
dos. nao se contenta com isto s: exige muito mais, gestade o Imperador foi presente o offlcio n. 60 de
qur o complexo de todas as qualidades moraes, 3 de abril ueste anno, em quo V. Exc. pede' so-
predominando entre ellas o amor do prximo, a iucao segrate duvda :
pureza de costumes ea firmeza de animo. Sem Sendo a mulher violada vrgem e menor de
as tres ultimas, a missao do medico pesada, 17 anuos, deve o ru responder nao s pelo crime
funesta, impossivel I Por certo que nao ser d0 ar(. 2*2, como tambem pelo do art. 219 do co-
possivel a pratica, se ao medico fallecer a precisa digo criminal ?
forca para insistir inflexivel nos preceitos, que t'- e o mesmo augusto senhor, concordando com
verJulgado racionaos e uteis a opinio de V. Exc, manda declarar que a ne-
ja vos dei a entender os perigos a que se expoe cutnslaneia do defloramento deve ser considerada
a familia, admittrado em seu seio um medico de como um du aguatantes do delicio, na forma do
costumes impuros. I ,/. 17 ,/ co crm /lerendo o crime em tal raso
Agora, ao desamoravel para seus semclhantes, ,. puul0 com (IS penas l} qrm m,ximo do art.
quaoeustoso e triste ha de ser o exerclcio di me- 222
dicina I Que far elle nessas innmeras occasi5es| ,Dcog g,,ard( y Exc jollo Uns Via
era que a sciencia emmudece e faina a pratica ? Cansanrdo de Stnimbu. Sr. presidente da provin-
0 que fazer pode o homem que nao ama o proxi- cia e s' P(lro (1 Rio Grande do Sol.
mo, como a si mesmo : id tenebris esl, el m lene-1 jjao declamamos : a mesma lettra do aviso falla
brtl ambulal el nescit qua eat, qnta tentbm obece por D0S 0 denoramenlo da menor de 17 annos
car-i-iinl oculos ejus. ts i|ue placido e benigno um crime bem como a C0|)U,a carnaI ^ meio da
apparecc o homem que sabe condoer-so das dures violencia ou ameacas com qualquer mulher bo-
de outrem, o medico hbil, caritativo, que tem a nrsta E- 0, d ^ 0 cod cm seus ar,gos
consciencia do dever ; e vendo queja lhe nao 9 222. Mas diz agora o aviso : nao; se nor-
dado esconjurar o perigo immmenle, deshila no ventura a copula carnal se seguir ao defloramento
coragao afilelo do enfermo o balsamo saudavel da da menor de 17 annos, neste caso dexar de exis-
consolagao, entrelem-n o com nsonhas imagens* ^ 0 crimt especificado no art. 219 1 passaro
tal vez com innocentes illusoes; e quando mais nao. fi.|0 do defioramenlo constituir urna das cir-
possa tecer-lhe esperangas de recuperar a saude, cumstancias aggravantes mencionadas no art. 17 !
com seus desvelos e seu bem modo, ao menos at- Mas mrantt Vrnlarpmns niss. N5o xistem
tenua-lhe a apprehensao da morle.
Nos hospitaes que ao medico se oflerece mais
vezes o ensejo de exercer este benfico ministerio.
Muilas vezes ahi vem para individuos, que ha-
viam recebdo urna educagio distincta, e a quem
outr'ora a fortuna bafejara, arrastados ou pelo
vicio, ou pela ventura adversa : ouvi o amargo
queixume de um homem, que com as armas ser-
viu patria, e com a penna subhmou-a at as es-
trellas :
. Aqui tcns companhiro assim nos feitos,
Como no galardao injusto c duro :
Em ti e n'elle veremos altos jicitos
A baixo estado vil humilde e escuro ;
Morrer nos hospitaes, em pobres feitos,
Os que ao re e lei servem de muro .
Isto fazem os reis, cuja vontade
Manda mais que a juslga eque a verdade :
queixume applicavel a outro, que por seu valor e
heroicos feitos mereceu os epithetos de Achules
Lusitano, de Sansio Portuguez, dous varoes, a
quem a inveja c a calumnia langaram na miseria,
e todava Ihes nao o escureceram a fama, mas \n-
famaram a memoria dos ingratos, que iniquamen-
te os desestimr.vam. De lempos a lempos, assim
como ('.anies c Pacheco, vera outros lindar no hos-
pital sua amargurada existencia. Esses desven-
turados, abalados de tristeza e desgosto, acham
desafsgo, quando o medico os diflerenga e distin
gue tendo para com elles algumas dessas atten-
goes, a que de ha muito estavam habituados.
E mais, muitas vezes os mais estreitos lagos da
familia desalam-se, e se esvaecem as mais ternas
afieigoes, vista de um padecimento longo e dolo-
roso, mormentc quando o paciente objecto do
asco. Eu tenho visto, dizia um excedente medi-
co, muilas mortes ardenlemente desejadas Te-
nho visto correr muita lagrima fingida !
No meio destas ruinas moraes, deve o medico
ser o vir ronstans : nao desampare o infeliz ; ao
contrario redobre zelo; c quando lhe cerrar os
olho-, estes olhos tero contemplado nos do ho-
mem de caridade o testemunho irrcfragavel da
mais pura c compassiva cordialidade.
Eis a vida do medico, vida de embaragos, de
agitagoes e de desengaos para o que nio tem a
requisita firmeza d'alma: mas fecunda cm gozos
suavissimos e indisiveis, em verdadeira felicidade
para o que possue as qualidades do eoragao e da
intelligencia.
Conhego, senhores, que fiquei muito aquem do
assumptoe mais continuara a Dcar, se contnuas-
a dedicago; mas' se. Bematarei, pois, recommeodando-vos quo em
nao tudo: tudo a moralidade que tem no Evan-! vossos coragoes jamis deis entrada aoorgulho, ao
gellK, seu principio e seu fundaraento.Eu estreraego, I %.<> -eja J^J^^^S:
senhores, sobre a sociedade e sobre a familia, ao |dade, que sobre vos pesa, ou por incurra, ou por
lembrar-me de um medico, cuja moralidade seja: inscencia, ou por transgressao da lei moral; cum-
dversa I figurae-vos um perverso, um desalmado, pn cabalmente vosso dever ; e wnises fcM0-
res da humanidade, a honra da patria, a gloria de
nou de me fazer apparecer. Pude ver pela primei-
ra vez esse sullao da ojtoJeneu seis ou sete vezes
mlionario.
Era outr'ora um rapaz cumprido c magro com
o nariz torio. O seu olhar era embagado, e pa-
reca Irazer a noute na sua physonomia. Fazem aptido, e veja bem se sua voeago bem decidi-
apenas qualro annos que improvisou os seus mi-' da : sem forga da intelligencia para sondar os
Ihocs na Bolsa, e j gozou sociedade de todas as myster-os da organisago, e sem energa de cora-
curiosidades do prazer. Nenhuma sensagao o faz gao para resistir s penosas alteragoes, que n'alma
estremecer. O cbampanhe j para elle urna*es- ter muilas vezes de sentir, nao se abalance a pe-
puma sem espirito ; a mulher um bilhete de netrar no sanctuario da medicina; porque, loiige
banco de menos na sua gaveta Espreguiga-se, de concorrer para sua gloria, vindo lalvez a am-
dorme, ou parece sempre dormir : a v-lo andar, pliar a magnfica e radiante eonsteilagao dos ge-
se dina que um somnmbulo.
Communicou o seu spleen s paredes da sua
morada. Os periquitos da galera parecem os seus
pensamentos empoleirados. Nessa casa nao se v
gosto algum, nem pela arte, nem pelo pensamento;
nao se ada nem um quadro, nem um livro. L'm
da s quiz fazer acto de magnificencia, e eomprou
um museu : sabis qual ? o museu de um par
nios, que a tem Ilustrado, nao far mais do que
augmentar suas desgragas, vindo a engrossar a
multidao dos membros imitis ou perigosos, que a
tem infestado, j comprchendendo mal e peior
exercendo-a, j transviando-se nos tortuosos car-
reros do charlatanismo.
Quando o medico tem posto resolutamente a
mira no fim moral e primitivo de sua profisso, a
que alm desta vida nada teme e nada espera; pa-
ra quem o estupro, o adulterio quando muito, se-
rio faltas venaos : capaz de sacrificar ao seu cu
material a honra, a vida, o bom conceito e a fazen-
da de seu semelhante, quando por gosto w provei-
to o possa fazer impunemente ; e tereis orna epia
fiel daquelle que s por si e para si obra ; cuja
moral a do prazer, 011 a do interesse pessoal, que
nao a do Evangelho O melhor conhecedbr e o me-
Ihor regulador da dupla natureza humana o
Evangelho; porque combate a todo transe todas as
indistnctamente, pois todas causara deterieragoes
physicas. Em algumas a medicina e a pbilosophia
tem achado graga : o Evangelho porm ordena ser
moderado at na alegra ; porque, se esta se eleva
ao gru da paxao, torna-se nociva : o organismo
nao pode resistir-lhe. l'ma mulher suppuzera seu
filho morto na hotalha de Cannas, torna a v-lo e
no mesmo instante morre! nao uneooexemplo,
c nem o acharis smente na historia romana.
Tem por tanto o medico que preencher urna du-
pla missao moral, a respeito da sociedade, e a rea-
paito da familia. Em suas relgoes coma primeiro
deve ser e fautor natural de todas as- instituiges
que tendam a consolidar os bons costumes ; pois
aprendeu a considera-las como parid integrante de
urna boa hygiene publica.
Ao seio das familias muitas vejes <; chamado,
nio para curar, mas para aconsellar ou para con-
solar : e quaolas vezes delle fia o pae de sua fami-
lia segredos que s a Deus quizera revelar As*
sim, tanto na sociedade, como na familia, sempre
faca predominar a lei moral por conselhos que fal-
lera a linguagem da mais sa philsophia : tempe-
vossos mestres, que a imitagaode Alexandre olha-
reis sempre, como vossos methores amigos, e o or-
namento da Faculdade que acaba de laurear-vos.
(Diario da Baha.)
A doutriaa do aviso dr 5 de aownbr* de I$62
contraria lettra r aa espirito dosarts. 219
t 222 d cdigo criminal.
A constituicao poltica do imperio reconhecendo
em seu art. 9" a diviso e harmona dos poderes
como o principio conservador dos di re tos dos ci-
dadaose o mais seguro meto de fazer eflectivas as
garantas que ellas Ihes oflerece, consagrou um
principio da mais transcendente importancia e da
mais restricta e absoluta necessidade, firmoii o as-
sento primario de todo o systema representativo,
cstabeleeeu a condigao de sua vitalidad* ; condi-
gao sem a qual a carta magna do imperio de sophis-
ina cm sophisma, de myslificacao era mystificago,
vae perd*r-se de encontr aos"rachopos mevitaveis
das revobjeoes...
Observar praticamente a sabia disposigao do
art. 9 da lei fuidameutalo grande desvleratur,
a vida real do systema constitucional. Quanto
mais exacta fr ean observancia, mais seguras c
ampias sei o as lberdades brasileiras, e mais re-
gular e- bem ordenada a admiuistrago nacional,
ma re haremos para a prosperidade; naver eren-
gas, espirito nacional e eiithusiasmo. (Cons. Pi-
menta Bueno.)
E' por isso que sempre lamentamos de coragac-
as-absorpgoes do poder legislativo pelo poder exe-
cutivo, por isso que nio podemos deixar de nos
contristar ao ver as magestosas prerogativas do
poder legislativo sacrificadas s frcquenles nva-
ses dos ministerios...
O aviso de o de novemhro ultimo revela mais
em desses attenlades, cujas terriveis consequen-
cias devem vexaloriamenle pezar sobre o organis-
mo social, e concorrer para e. maior discredli* do
Mas, porque ? perguntaremos nos. Nao existen)
dous criines differentcs pela diversidade dos ele-
mentos que o conslituem ? Sem duvida alguma.
No primeiro crime, no crime do art. 219 entrara
tres elementos :
O defioramenlo,
A virgindnde,
A menoridade de 17 annos.
Na hypothese do art. 222 os elementos constitu-
tivos d crime sao .
A copula carnil,
O emprego da violencia ou ameagas,
A honestidade da violada.
Porque razio, pois, hade ser riscado o art. 219
do cdigo, para se fazer do fado que elle qualifica
crime, urna circunstancia aggravante ?
Apreciemos as razes com que o Exm. Sr. mi-
nistro da justiga combatendo a opiniie, que sus-
tentamos procura justificar a doutrina do aviso.
Diz S. Exc. :
Exisiindo a copula depois do defioramentc, a
violencia empregada pelo delnqueme foi smenle
para aquelle fim, c nio para o segundo, que o
resultado natural daquelle acto. Se o delinquente
punido pelo defloramento, para o qual empregou
a violencia, visto que este elemento nao pode ser
duas vezes invocado para ser o delinquente casti-
gado pela copula, consequencia necessaria daquel-
le fado.
Se, como confessa S. Exc. a violencia empregada
s pode ter sido para o defioramenlo e nunca para
a copula carnal, que urna consequencia necesa-
ria deste, como capitular o crime no gran mxi-
mo do art. 222, se tal crime nio existe, porquo o
cdigo fez da Motearla um de seus elementos cons-
titutivos, e esta nao foi empregada senao para o
defloramento? Se a copula carnal com qualquer
mulher honesta nao for acompanliada de violencia,
nio ha crime ; e se nao ha crime, como phanla-
sia-lo no gran mximo do art. 222 ?
Parece-nos que a conclusio de S. Exc. peer em
face da lgica.
Se a violencia foi em pregada para o deftoram Mito.
o crime dever ser levado ao mximo do art. I9,
porque foi justamente ahi que o legislador marrou
as penas, que deveriam ser >mpostas ao deflorador.
O deflorador, qoe smenle se servhi da violencia
para a perpelraeo- do defloramento, nio pode sef-
frer as penas do art. 222, porque nio exirfe a ra-
zo de ser para a applicago de semelhante pena-
ldade. Esta r, sttppomos nos, a eonscqueneiB,
que se pode tirar das palavras e$. Exc.
As|reflVxoes, qoe acabamos de fazer, acham fun-
damento as mesmos palavras de S. Exc, eHa* sao
lio justas que nio pederam escapar penetraeSo
do nebre ministro. S. E*c. mesmo -quera di/. :
t Se- a copula na hypothese em questio, nao
pode ser qualifirada crime distinete tamben mi
piule ser castigada rara as penas do art. 222, ma
com a6 do art. 224, pois seria absurdo punir rom
penas mais severas semelhante del ido, que sem
elementoviolencia de inferior gravidade.
E se esta a opinio de S. Exc. eomo mandou-
avise-de 5 de novembro que o crime fosse punido
cora ao penas do gru mximo do art. 222 7 Se a
copula neste caso nio pode constituir um crime
distinelo pela ausencia, que foi apenas empregada
para defloramento, se o crime que existe o crime
do art. 219, tendo par rircumstancia aggravante a
violencia empregada, seguc-se era boa lgicaqpe
o delicio dever ser levado ao mximo do art. 249
porque ali que se trata do erime de deflora-
mento
Sendo a violencia, neste caso, elemento do ani-
me de defloramento. e nao da copula (ainda -S.
Exi'. quem o diz v visto que seria o maior dos
arbitrio punir como violencia semelhante copula
E no entanto foi o que fez o-aviso de 5 de-no-
vembro I E no entonto d'ora em diante o crime na
Iwpotheae verunte tem de ser capitulado ne-atl.
S22, firu mximo I Nao eomt>reheudeinos........
5. Exc. como jurisconsulto estille urna opintao- in
todamente contraria sua opinio de ministro '....
singular...
seus estudos os modelos vivos c os inanimados,
de Franga que tinha gasto seis centos mil francos sciencia, prestando-lhe entio torcas, vem corro-; iodos ministrados pelo pobre. Nio se hae de cifrar
1 reunir todos os primores da pornographia. (4)
Eis a ]ui para que este homem devorou na Bolsa
borar sua vocagao: ora pois, a sciencia, mais que a! estas obrigagoes em s prestar-lhes cuidados gra
oulro qualquer, lhe ministra os meios de aprofundar! tuitos na molestia, ou quando muito um pao para
o patrim'ontode 'rezenla's ou nalmotu familiaT cs,udo do hon,em' ,oca_lhc mais amar' e melhor malarlhes a fme : w"' n soU> Pane vilit komo>
E agora calculae que gasto de corrupcao nao : respe,tar a el,urapr,morosa deDeus' ^1***-sed tnomni verbo, quod egreditur de oreDei. Pois
preciso para desentorpecer estomago enervado, mente disseSpurzhe.n; o conhecimento do homem; da sciencia aprendeu que toda prevaricago phy-
Quaudo o olhar de um mlionario vagueia no es-
pago, as mies de familia tem que estremecer.
nos conduz ao dogma da indulgencia e da carida- sielogiea acarreto urna prevaricago moral, e
de mutua. A nogao da dignidade humana deriva qHe a reveses os excessos produzem os cri-
da sciencia; e se por ventura se dsse o caso de raes e os crimes os excessos; entrando na trsto-
Ah porque este homem procurou, nesla Ca- desapparecer da face da Ierra o sagrado principio' nha habitagio do pobre, recommendar-lhe-ha, por iulo'em que elle se occup'a dos crimes contra a
lifornia do industrialismo, as commodidades e o da egualdade moral diante de Deus e dos homens, amor da propria sade, o aceto, especie de dign-' *'g.uri 'a da honra ; mis n5 1uerenios 1ue um
luxo da vida pelo que sao ; a satisfagao do mo- no fundo do coragao dos mdicos remanecera
svslema que nos rege, aniquilando as publicas li-
ranga, imperio de si mesmo, torga e pureza d alma, j jrdades ; mais um desses golpes, que A respeito das familias pobres, sao immensas as1 do em vez apprem para quebrar a MlAwo;
, J ., ... ... 1 na, que consWae o sublime florao de gloria do
obrigagoes do medico, obrigagoes contratadas des- Byatnmf constitucional.
de quando se lhe abriram os cstabelecimenlos de Por este aviso o espirito de ambigao, que domi-
benefteencia, onde ainda na juvenlude achou para na de ordinario quasi lodos os ministerios, inva-
dindo o circulo das atlribuiecs legislativas, creou
urna legislagao nova toda "difireme da que se
achava estatuida nos arls. 219 c 222 do cod. crim.;
pela nova Iheoria por elle plantada ficarara nulli-
ficadas as razes phitosophicas que levaran) o le-
gislador criminal estabelocer as disposiges dos
citados artijios, o cahiu por trra o principio da
accumulagao das penas expressamente reconheci-
do e aceito no art. 61.
Nao somos apologistas do modo porque o legis-
lador legislou no art. 219, entendemos mesmo que
existe urna incongruencia indesculpavel as dis-
posiges, que formam a primeira secgio do eapl-
raento presente, o prazer superficial sem idea de ainda esse principio eterno e immutavel.
melhora para elle nem para o seu paiz. Mas a fe-
licidade est smente no espirito, e smente pelo
espirito. o espirito que a julga, e quo a procla-
ma felicidade. Ao corpo elle nio concedeu a parle
usurara ; a guardou para si em virtude do seu di-
reito do soberana.
De duas cousas cscandalisa-se justamente a so-
ciedade : de um padre sem t, e de um medico
sceptico. Cora effeito, sao os tristes representan-
tes das cousas mais respeitaveis, uro da religue,
de quem somba, o outro da medicina, da qual du-
poder eslranho se venha intrometler onde sao dis-
dade physica, que crgue o miseravel a seus pro- pensaveis os seus servigos, pelo prejuizo que sem-
prios olhos ; infundir-lhe-ha pelo mesmo motivo o prc os acompanha, nio queremos que o poder exc-
temor de todoe genero de excesso,particularmente culivo se arrogue si attribuigdes que por sua
das bebidas alcoolicas ; e concorrer assim para o | ^So111 S ^^ ^^^ a Pder lfr"
Abrindo a secgio em que a tratar do estupro,
' vida. E' mais urna illuso, em que muitos tem
Quando um homem abandonado do seu Deus in- sdo maqueados por urna pretensa philosophia, que
melhoramento moral
sociedade.
Jamis venham questocs de salario desluzira
assim se expressa o legislador no art. 219 :
Deflorar mulher rirgem menor de 17 annos :
penas de desterro para fra da comarca em que
belleza das obras e dos beneficios da medicina, residir a deflorada por um tres annos, e de dotar
Aquelles a quem o medico com seu presumo obri- a esta- Segumdo-se o casamento, nao torio lugar
tenor, pede a riqueza e os prazeres fugitivos dos abona-se de progpessista, nao obstante o principio, ga, devem prover-lhe a subsistencia ; mas nio se ^mas*adianfp no ... 1
sentidos, que se desvanecem com o desvanecer da de senso commum, que na immobilidade da duvi- capaciten), que com dinheiro est pago o medico. Ter~copula Cflni rac dft vio|encia ou
sensagao, em vez de pedir-lhe os prazeres peren- da vo|untaria e da nega?a0 impossivel ir avan- O reconhecimento, a consideragio e o respeito sao ameagas com qualquer mulher honesta : penas de
--------------------------------------------------------- te. Nio para admirar quando em sua cegueira' a devda paga do medico : esse, quando essa lhe prisao por Iros dose annos, e de dotar a olTen-
ffiiaR aas S'ac^da 'SSStSZSi f^ ^^ a ""** l LT1* I T^ZarZ ^ nd'e ** "^^
M^^^iT^&Z^TSnZ cia de por em duvida a certeza das verdades evan- do nao pode tirar o prego obra que de si boa.
o torneo real, onde tontos agiotas ficaram milliona- gelicas, c at de nega-las, arrastando a mocidade O orculo de Cos quera que o medico, para ser
rios, c d'onde salau a bancarota nacional. Era a ncauu a voragem da licencosidade irreligiosa, e respetado, andasse l.mpo, ataviado e fragrant,
tolsa daquelle tempo, ea primeira que houve em prccil)ltando nnahv,m. ,,. M<1, i)eVfndo 0 porquc v" conJ.eclura sf.r "<*> s
Franca. (|ireti|iiianao a noanysmo ao aua uevenao o outros, quem comsigo nao for cuidadoso : compos-
ftfota do traductor.) medico inspirar a sociedade urna confianga em si, t0 e serio no rosto, honesto em sous costumes, gra-
(3) preciso nao esquecer que o autor fth fallar nio desalmada, mas prudente, adquirida mediante ve quanto humano, afira de nem perder a consi-
sempre o seu tabelliao de provincia, e que na --------- | deragao oflerecendo e barateando odelos, nem des-
Franga os tabelliies sao os gerentes dos interesses. (4) Pornographia a arle da prostituir. mentir os da bondade. Sio motivos puramente
dos ricos i (N. do traductor). terrenos : a religio revelada em que tomos cria-
dida.
_ Se a violentada for prostituta : penas de pri-
sao por um mez dous annos.
V-se pela simples leitura destes dous artigo*
que o legislador quiz punir dous crimes suioeneris,
dous crimes diflerentes... Entretanto, o que fez o
aviso de 5 de novembro ? Reduzindo as duas dis-
posiges em urna s. transformon o crime do art.
219 em urna mera circumslanca aggravante !...
Kjs a integra do aviso :
Ministerio dos negocios da justiga, 5 de no-
vembro de 1862.Illm. e Exm. Sr. A' Sua Ma-
Nio se confina do que levamos dito que queira-
ntos a applicago do mximo do art. 219 quando
a violentada fr vrgem e menor de 17 anne; nao.
Se ha dous rimeso de defloramento e a copula
carnal,e se esles crimes sio ddferenles. duas pe-
nas devem ser impostas-; se o art. 61 do.cdigo
criminal, em que o legislador consagrou o>princi-
pio da accumulagao das penas, nao pode- ser neste
caso invocado, duvdamos que possa s-to-em qual-
quer outie.
Que o defloramento. e a copula carnal nao sio
urna c outra cousa, nio constituem um. o mesmo
crime cniface dos principios da legislasao criminal
codificada o que se comprehende pela combina-
gao dos arts. tlft. S23 e 22i; que o legislador nio
pretenden tambem incluir o crime do art. 219 no cri-
me do art. 222, formando urna das eireumstancia 1,
que o podessem aggravar o que resulla da con-
frontacodoart.ai9 com o art. 22A.
Quando no art. 219 o legislador criminal consi-
derou como rrime, sujeito as penas nelle impostas.
o (acto de deflorar mulher vrgem menor de 17
annos, nao quiz de maneira alguma confundir a.
mulher vrgem com a mulher honesta de que-
tinha de se oceupar era artigas posteriores: e-
embora no art. 221 linha-se servido da mesma pega
para o crime de copula carnal cora mulher hones-
to menor de 17 annos por meio da seduccao, drahi
nao se concilio que quando este didicto for ptecv-
dido pelo do art. 219 nao haja o ru incorrido. em
duas penas.
Para interpretar de am modo contrario a inten-
gio do legislador seria necessario dar como supe-
rabundante e intil a disposigao de art. 219. So a
mulher vrgem a mesma mulher honesta, e se o
crime do art. 22i pralirado em urna mulher vir-
gen) nio comprehende as proporges de dous rri-
raes diflerentes, para que o dispositivo do art. 2I9
se se acha elle incluido no do art. 924 ? No caso
do art. 222 quando a copula por meio de violen-
cia ou ameaga, o defloramento urna circumstantia
aggravante, eleva a nena corprea 12 annos de
prisio; bem : sempre ha um aecrescimo de pena-
lidade. Mas no caso do arl. 224 qual ser esse
augmento de penalidade ? O defloramento en nada
influir porque o mximo do arl. 224 o mesmo
do arl. 219. Como decidira o ministerio se a hy-
pothese fosse da copula carnal por meto da seduc-
Sio com urna menor de 17 annos precedida do de-
liramento ? Pelos principios do aviso de 5 de no-
vembro mandara punir os crimes com a pena
de desterro para fra da comarca em que residisse
a oflendida e di* dotar esta, E serla lgica urna
tal solucao em face do nosso cod. crim. ? Enten-
demos quo nto.
'
(Continuar-st-ha.)
P1RNAMBC0- TTP. uK M F. ?. & FILHO.
ILJESIVEL
u


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E7TOAEVV2_VY3C85 INGEST_TIME 2013-08-28T03:33:03Z PACKAGE AA00011611_10272
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES