Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10260


This item is only available as the following downloads:


Full Text


' '
AMO XXXIX BDMERQ 280.
Por tres mezes adiantadts 5SOOO
Pw tres mezes veicidos 6SO00
.Kit i' i ;
^
SABBADO 5 BE DEZEMBRO BE 1863.
Por anno abantado. T i9$GOO
Porte para o sobscriptor. 3$0)U
DIARIO DE PERNAMBUGO.
ENCARRKGADOS DA SUBSCRIPgAO NO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima'
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracaty,
Sr. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira; Maranhio, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Manoel Pinheiro & C.; A-
mazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO NO SUL
Alagdas, o Sr. Claudino Faleao Dias; Baha, o
Sr. Jos Martins Alves; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
roira Martins & Gasparino.
EPHEMERIDES DO MEZ DE DEZEMBRO.
PARTTOA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo e Escuda todos os dias.
Iguarassu", Goyanna e Parahyba as segundas e
sextas-feiras.
Santo Antao, Gravat, Bezerros, Bonito, Caruarn',
Altinho e Garanhuns as tercas feiras.
Pao d'Alho, Nazareth, l.imoeiro, Brejo, Pesqueira, 84 La cheta as 11 h., 23 m. e 14 s. da t.
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Tacaratu', Cabrob,
Boa Vista, Ouricurv e Exu' as quartas feiras.
Serinhem, Rio Form'oso, Tamandarc, Una, Barrei-
ros, Agna Preta e Pimenteiras as quintas feiras.
Una de Fernando todas as rezes qne para ali sahir
navio.
Todos os estafetas partem ao Va dia.
3, Quarto ming. as 8 h., 49 m. e 2 s. da m.
10 La nova as 4 h., 29 m. e 2 s. da t.
17 Quarto crese. as 8 h., 20 m. e 32 s. da ra.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 8 horas e 30 minutos da manhia.
Segunda as 8 horas e 54 minutos da tarde J
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o sol at Alagas a 5 e 25; para o norte at
a Granja 7 e 22 de cada mee; para Fernando nos
dias 14 dos mezes dejan, marc., maio, jul, sel. enov.
PARTIDA DOS MNIBUS.
Para o Recife : do Apipucos as 6 % 7, 7 'A, 8 e
8 V da m.; de Olinda as 8 da m. e 6 da tarde; de
Jaboatao as 6 da m.; de Beaifica as 8 da m.
Do Recife : para o Apipucos s3 /* 4, 4 /,4 Vi,
' J-i' 5."*e 6 da Urde; para Olinda s 7da
mannaa e 4 '/* da tarde; para Jaboatao s 4 da tar-
de para Caehang e Vanea as-4 '/, da tarde; para
Bemfica as 4 da tarde.
AUDIENCIA DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal docommereio: segundas e quintas.
Relacao: tercas e sabbados s 10 horas.
Fazenda: quinta s 10 horas.
Juizo do commercio: segundas s 11 horas.
Dito de orphos: torcas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel : tercas e sextas ao meio
dia.
Segunda vara do civel: quartas e sabbados a 1 hora
da tarde.
DIAS DA SEMANA.
[30. Segunda. S. Andr ap.'; S. Troyano b.
1. Terca. S. Nahum prof. S. Eloi b.
2. (Juana. S. Bibiana v. m.; S. Policiano.
3. Quintil. S. Frangisco Xavier ap. dasladas.
4. Sexta. S. Barbara v. m.; S. Osmundo.
3. Sabbado. S. Pedro Chrysologo b.
& Domingo. S. Nicolao b.; S. Leoncio m.
ASSIGNA-SE
o Recife, em a livraria da praca da Independencia
ns. 6 e 8, dos propietarios Manoel Pigueiroa de
Faria 4 Filho.
PARTE OFFICIAL.
HINISTERIO DA FAZENDA
EXl'EOIKKTR DO DIA 12 DK NOVRMBRO DE 1863.
Ministerio dos negocios da fazenda.Rio de Ja-
neiro era 12 de novembro de 1863. O marquez
de Abrantes, presidente interino do thesouro na-
-oienal, transmiti aos Srs. inspectores dai thesoa-
rarias de fazenda, para a devida inteiligencia e
ex cuelo, as nstrucces desta data, constantes do
exemplar Acluso, a respeito do pagamento das
pensoes do monte-pio de economa dos servidores
do estado aos pensionistas que residirem fura da
corto e provincia do Rio de Janeiro.
A escriplurac.o dos livros de que tratam os ar-
tigos 2o e 3* das mesmas inslruccoes ficar a car-
go dos escrives das caitas das respectivas the-
sourarias, e no priraeiro mez de cada trimestre se
dever marcar sempre o dia em que deve comecar
o pagamento das pensoes, de modo que nao pre-
judique o das outras despezas, nem se exija para
esse servieo outro pessoal alm do ordinario das
thesourarias.Marquez de Abrantes.
JnstruccSes a que se refere a circular 52 desta
data.
Ministerio dos negocios da fazenda.Rio de Ja-
neiro era 12 de novembro de 1863. O marquez
de branles, presidente interino do tribunal do
tiiesouro nacional, em deferimento pelieao de di-
versos contribuintes do raonte-pio geral dos ser-
vidores do estado residentes as provincias, e de
accordo cora as provincias solicitadas pela direc-
ria daquelle estabeleci ment, ordena se observe o
seguinte :
Art. 1 Os pensionistas do monte-pio de econo-
ma dos servidores do estado, que residirem fra
da corte e provincia do Rio de Janeiro, podero
receber, de ora em diante, as suas pensoes as
thesourarias de fazenda provinciaes.
Art. 2 As pensoes sero pagts por trimestres
vencidos, e vista de recibos dos pensionistas, ou
de seus procuradores, passados por duas vas. Este
recibos sero notados em um livro qne se domi-
nar de pensos.
No alto de cada folha deste livro se inscrever o
nome do pensionista, a importancia da penso an-
imal, a data da autorisacao do monte-pio para o pa-
gamento, a em que este tiver de comecar, e a em
que deve terminar, se forem vares ou pensio-
nistas.
Art. 3o Haver um livro parareceitae despeza,
ou caixa especial do monte-pio, e nelle sero es-
-cripturadas as importancias das joias, annuidades,
multas e quaesquer quantias receidas dos contri-
buintes, que preferirem satisfaze-las as provin-
cias, bem como as dos recibos pagos.
Nenhum artigo de receita se hincara neste livro,
seno vista de guia ou documento datado e as-
signado pelas proprias parles, por duas vias, no
qual esteja declarado, em algarismo e por extenso,
a quantia que se estirer arrecadadacoa designa-
?:o de SUa provincia, do lempo 4 ncimento, so
r annuida, e do nome do contribuinte por conta
de quem se lizer a entrada.
as cadernetas dos contribuintes se annotaro
as quantias receladas por conta destes, se as apre-
sentarem.
Art. 4o Os livros de que tratam os arts. antece-
dentes sero fornecidos por conta do monte-pio, e
rubricados por empregados da thesouraria, que o
inspector desigHar ; serviroemquanto tiverem es-
pado em branco, passando de uns para outros
* annos.
Quando, porm, se encerrar a escripturaco de
un dos referidos livros, a do outro nao poder
continuar, e sero ambos remettidos ao monte-pio,
depois de transportado o saldo que existir em cai-
xa e as inscripcoes das pensoes para novos livros.
Art. 5" As pensoes sero pagas pela caixa es-
pecial do monte-pio, a cargo do thesoureiro da the-
souraria.
A mesma caixa ser supprida pela thesouraria
ora as quantias que forem necessarias para os pa-
gamentos de cada trimestre.
Art. 6o Nos mezes de outubro, Janeiro, abril e
junho, as thesourarias saccaro por urna s via, e
a quinze dias de vista, contra o thesoureiro do
monte-pio em favor do thesouro, pela importancia
do supprimento que estiver em divida, e remetie-
ran ao secretario do monte-pio urna das vias dos
documentos, de que tratam os arts. 2* e 3o nume-
rados seguidamente, tanto os de receita, como os
de despuza, declarando no officio da remessa a im-
portancia total delles e a do supprimento pelo qual
se tiver effectuado o saque.
o mcsmo olicio ser incluida urna relacao da
quanlia que representar cada documento, e do nu-
mero que Ihe couber.
Art. 7o Os recibos pagos em cada trimestre se-
ro numerados seguidamente e laucados em urna
s partida de despeza na caixa especial, na dita
em que forem remettidos ao monte-pio, de modo
que se possa verificar o saldo real em dinheiro
que ticar existindo na mesma caixa.-
Art. 8 Segundo se acha determinado pelo aviso
circular do ministerio da fazenda du 12 de julho
de 1861, as thesourarias saccaro vista contra o
thesouro e a favor do monte-pio pela importancia
dos saldos em dinheiro verilicados na caixa espe-
cial, quando forem provenientes do renda do esta-
beleciinenlo.
Os saques sero effectuados as mesmas pocas
declaradas no art. 6o, ou immediatamente, dada
que seja a arrccadaco da joia e correspondente
annuidade de algum conlribuiute recentemente ad-
niittido ao monte-pio.
Estes saques, porm, nao tero lugar, se duran-
te o mez em que se verilicar a existencia de sal-
dos tiverem as thesourarias de pagar por conta do
monte-pio despeza igual ou superior somma dos
mesmos saldos.
Art. 9" Logo que qualquer thesouraria recolha
por conta de algum empregado recentemente ad-
mittido ao monte-pio a conlribuico de joia e an-
nuidade correspondente, no caso do nao poder sa-
car inmediatamente na forma do art. antecedente,
offlciar nesse sentido ao secretario do monte-pio,
para que possa abrir-se assentamento de matricu-
la ao contribuinte e expcdir-se-llie o titulo.
Art. 10. As pessoas que receberem pensdes as
thesouraria* por conta dos pensionistas, apresenta-
ro no principio de cada semestre, attcstacao de
vida dos mesmos pensionistas, e no trimestre de
julho outubro de cada anno procuracao on titu-
lo que os habilite a receber c darquitar/io.
1" Nao sero admittidos traslados ou publicas
formas de procuradores, e nenhuma proeuraco po-
der vigorar alm do exercicio em que fr aprc-
sentada;
2 As procuracoes passadas de proprio punhe
sero reconhecidas por tabellies dos lugares on-
de funccionarem as thesourarias.
Art. 11. Nenhum pensionista ser inscripto no
livro de pensoes das thesourarias, sem estar com-
petentemente habilitado perante a directoria do
monte-pio, e sem preceder communicacao do res-
pectivo secretario.
Art. 12. Os pensionistas que j esto no gozo de
suas pensoes nos podero receber pelas thesoura-
rias, seno depois de obterem concesso da di-
rectora do monte-pio para esse flm.
Art. 13. Os pensionistas, para cntrarem no go-
zo das pensoes a que tiverem dircito por morte dos
contribuintes, podero entregar as thesourarias
devidamente sellados, para serem enviados di-
rectoria do monte-pio, os documentos cora que ho
de habilitar-se, a saber :
Io As viuvas certido de casamento e bito
dos contribnintes, e declaracao de herdeiros em
inventario judicial a que procedam ;
2o As filhas ou flihos menores certido de ca-
samento, ou titulo que prove legitimario, certido
de bito do contribuinte, de baptismo proprio, de
declaracao de herdeiros, e do termo de tutella ou
curatella ;
3o Os filhos maiores, no caso do art. 7 | Io do
decreto de 22 de junho de 1836, alm dos referidos
documentos justifleaco authentica daincapaci-
dade physica, ou moral," ou exame medico que a
yeriflqne, sendo tanto este exame, como aquella
justificacio feitos e julgados por sentenca em juizo
competente;
4. As ascendentes, concorrendo como nicas
pensionistascertido de baptismo e bito do con-
tribuinte, e de declaracao de herdeiros; concor-
rendo com as viuvasalm dos referidos docu-
mentos, justificado authentica julgada por sentenca
de que viviam em companhia e do amparo do
contribuinte fallecido;
5. As viuvas, concorrendo como nicas pensio-
nistas,certido de baptismo e bito do contribu-
inte, do proprio baptismo, de casamento, ou titulo
de sua legitiraaco de declaracao de herdeiros;
concorrendo com as viuvasalm dos referidos
documentos, justilicaeo authentica julgada por sen-
tenca de que viviam em companhia e do ampare
do contribuinte fallecido;
6." Os herdeiros, testamenteiros, no caso do art.
7 5* do decreto de 22 de junho de 1836, -certi-
do do testamento, em que forem instituido, de
bito do contribuinte, e justifleaco authentica
julgada por sentenca de que nao existem viuvas,
descendentes, ascendentes e irmos que devam
profen-les na penso, nos termos do mesmo art. 7o
do citado decreto.
Art. 14. As despezas do expediente e as de
qualquer mitra natureza, relativas ao monte pi,
sero feitas por conta deste, e era caso algum abo-
nadas pela fazenda nacional. Mrquez de Abran-
tes. Communicou-se directoria do monte pi.
G0YERN0 DA PROVINCIA.
Eipediente do dia Io de driembro de 1863.
.Offlcio ao commandante das armas.O Exm.
Sr. presidente do Rio Grande do Norte communi-
cou-me emoOicio de 27 de novembro ultimo.haver
naquella data em vista do termo de inspeceo que
aqui ajunto concedido tres mezes de lirenca na
forma da lei para tratar de sua sade ao 2 cadete
i sargento do 9o batalho de infamara Germano
Antonio Machado, que se acha naquella provin-
cia : o que declaro V. Exc. para scu conhe-
cimento.
Dito ao mesmo.Mande V. Exc. alistar em um
Jo* corp.* um nnaruii;:lu na&ta provincia Anto-
nio Joaquimde Souza, que se olfereceu para servir
no exercito e foi julgado apto em inspeceo de
sade como constou do termo annexo ao offlcio de
V. Exc. n. 2,233 desta data.Officiou-se neste sen-
tido ao commandante do corpo de polica.
Dito ao mesmo.Recommende V. Exc. aos che-
fes dos estabelecimentos militares onde nouver
illuininaco gaz, que communiquem sem demo-
ra directoria das obras militares, qualquer trans-
torno que se d no encanamento da referida illu-
minaejio, ou oulra qualquer cousa que possa pro-
duzir derramamento de gaz ou falta de luz, afim
de providenciar como fr conveniente.
Dito ao inspector da' thesouraria provincial.
Pelajverbaeventuaesdocorrenteexercicio man-
de V. S. adiantar ao naturalista Luiz Jacques Bru-
el a quanlia de 2005000 rs., para as despezas de
seu transporte at a provincia da Baha sendo que
para indemnisaco dessaquantia dever V. S. sac-
car letra sobre a thesouraria de rendas daquella
provincia e a favor dessa conforme solictou o res-
pectivo presidente em offlcio de 27 de outubro ul-
timo. Communicou-se ao Exm. presidente da pro-
vincia da Baha
Dito ao commandante do corpe de polica.Por
terem sido julgados aptos para o servco do cor-
po sol seu commando os paisanos Alexandrino
Januario da Rocha Falco e Geroncio Antero de
Souza Reis apresentados com o seu offlcio n. 490
desta data, autoriso V. S. de mandar engaja-los.
Dito ao juiz de direito da Boa-Vista.Devolvo a
N me. a conta em duplcala da despeza com o tra-
tamento de dous presos da cada da villa do Boni-
to, que acompaiihou o seu offlcio de 17 do mez pas-
sado, afim de satisfazer-sc a exigencia da thesou-
raria, constante das informacoes juntas por copia.
Dito aos agentes da companhia Brasileira de pa-
quetes a vapor.Pdem Vmcs. fazer seguir para o
sul, amanhaa, a hora indicada em seu offlcio de
hoje, o vapor Cruzeiro do Sul, procedente dos por-
tes do norte.
Portara.us Srs. agentes da companhia Brasi-
leira de paquetes^ vapor, mandem dar passagem
para Baha, como solicita o respectivo presiden-
te, ao naturalista Luiz Jacques Brunet, sua se-
nhora, dous filhos menores, dous criados e tres es-
cravos, dos quaes um menor, e bem assim trans-
porte para sua bagagem, composta de 46 voluraes,
devendo a respectiva despeza ser paga pela thesou-
raria daquella provincia, e licando sem effeito a
portara expedida para este lim em 27 de novem-
bro prximo passado.
Dita.Os Srs. agentes da companhia Brasleira
de paquetes vapor, mandem dar transporte para
a corte, no vapor Cruzeiro do Sul, ao alienado ca-
pito da guarda nacional, Joaquim Antonio Seve, o
qual deixou de para all seguir no vapor Tocanlins,
conforme se delerminou em portara de 18 de no-
vembro ultimo.Officiou-se neste sentido ao bri-
gadeiro commandante das armas.
Despachos do dia 1 de deiembro de 1863.
Requerimentos.
Anna Maria do Sacramento.Informe o Sr. des-
embargador provedor da Santa Casa de Miseri-
cordia.
Antonio Ferreira Guedes.Espere que venha o
crdito que se pedio.
Antonio Joaquim de Souza.Requeira por inter-
medio de seu commandante.
Joaquina Maria do Espirito-Santo. Nao ha
vaga.
Coronel Jos Cavalcanti Ferraz de Azevedo.In-
forme o Sr. inspector da thesouraria provincial.
llaia dt Espirito Santo.A' vista da informncao
por copia inclusa nao ha que deferir.
Dr. Pedro Dornellas Pessoa.Informe o Sr. des-
embargador provedor da Santa Casa da Miseri-
cordia.
Paulina Rita de Barros.Nao ha vaga.
EXTERIOR.
*Uurs< militar dos Estados-
Unidos.
c O ultimo panuote de New-York traz noticias
interessantes, No momento em que se julgava que
os dous exercitos col locados em reciproca observa-
cao no territorio da Virginia deviam prolongar sua
inaccao era consequencia de ficarem enfraquocidos
nao s pelos sacrificios da batalha de Gettysburg,
mas sobretodo por terem enviado consideraveis re-
foreos aos generaes Rosencranz e Braxton Bragg,
o hbil e infatigavel general Lee tomou de repen-
te a iniciativa de um movimento muito bem con-
cebido para tornear o exercito federal, colhe-lo
de flanco, e forca-lo a um combate as condic&s
mais desvantajosas. !N o dia 8 de outubro comeaos
esta inteligente manobra, dando em resultado, po-
rm, nao a destraicao do seu adversario, mas a re-
lirada do exercito miraigo sobre o seu proprio ter-
ritorio.
Os confederados atravessaram em 8 de outuhro
o Rapidan, um dos! tributarios do alto Rappahan-
nock.
Jorge Meade teve ao menos o merec meato de
nao se deixar sorprender, de descobrir o projecto
de seu temivel antagonista, evidentemente nao quiz
dar batalha e manobrou com pericia bastante para
nao ser constrangido a acceita-la e para nao se dei-
xar rodear, nem involver.
Em 10 de outubro as duas cavallarias tiveram
as margens do pequeo rio Roberlson um conflic-
to, em virtude do qual os federaos retiraram para
Culpepper.
A infamara de Lee depois de passar o Rapidan
tinham desfilado ao longo de Bluebridge para to-
mar dianteira ao exercito de Meade, mas este ulti-
mo que flzra evacuar seus hospitaes na vespera e
queimaras bagagens pesadas que Ihe embaracariam
a marcha continuou a retirada atravessando o Rap-
pahannock.
No dia 14 a vanguarda dos confederados e a re-
taguarda dos federaes tiveram um recontro serio
na estaco de Brtstow no caminho de ferro de Ale-
xandria; estes nltimos ganharam vantagem pois
que a parte do general Meade em data de 16 anun-
cia ao commandante em chefe das forcas da unio
que as suas tropas rebateram o inimigo tomando-
Ihe urna batera de artilharia e fazendo-lhe 450
prisioneiros. Lee se assenhorera das passagens
do valle de Shenandoah e dos montes de Bull-Run,
avancava a sua columna sem descanso para chegar
a Chantilly e a Fairfax antes de Meade ; porm, os
federaes marcharam anda mais depressa, chega-
rara s planicies de Mannassas e estabeleceram-se
em boa ordem em Centreville encostados s linhas
de Washington, d'onde poderam tirar soccorros e
abastec men tos.
A retirada de Culpepper nma especie de cor-
rida, onde os federaes ganharam, o premio, mas
prova que nem se achavam em disposicoes nem
com forcas para se medirem com os confederados.
De certo, estes ltimos teram recebido reforcos
consideraveis para aggressivo to sbito e vigoroso.
Cr-se mesmo que a divisao de Longstreet, depois
de haver contribuido para o successo da batalha de
Chattanooga, teria voltado das margens doTennes-
see ; sendo assim, esta diviso teria verificado um
prodigio de locomocao pois que teria percorrido
mais de 1.500 kilomalras 40.1...
As vias frreas que ebrtam a America facilitam
multo estes esforcos de velocidade ; comtudo nao
provavel que o presidente Jefferson Davis se hou-
vesse decidido a enfranquecer o exercito de Brax-
ton-Bragg, que deve cnter Rosencranz em Chatta-
noga, impedir a junecao de Burnside e achegada
dos corpps que foram enviados em scu auxilio.
Os dous exercitos esta va m em 17 de outubro
frente um do outro n'um terreno que j tem sido
fatal duas vezes causa da unio, e que comecou a
serie de suas derrotas pelo desbarate em Bull-
Run.
E tambera o mesmo general que commanda os
separatistas, Lee, o grande estratgico, que tem
diante um joven geral, que nao pecca por excesso
de audacia nem por excessode prudencia, que sa-
be ler no jogo os projoctos do seu adversario, e
que j teve o mrito de sustara carreira do triara-
phos do invencivel Lee, de Ihe infligir um revz e
forca-lo a urna retirada ; mas, urna retirada nun-J
ca deshonra um chefe de exercito quando bem
feita.
O abandono da linha do Rappanhannock um
golpe sensivel dado ao orgulho do governo de Was-
hington ; c at se diz que o general Meade incor-
rra era desagrado o que se tratava de rende-lo
pelo general Sickles, que d'entre os majores ge-
neraes o que mostrou mais talento e firmeza no de-
sastre de Chancellors-Ville.
A mudanca de general nesta stuaco seria um
erro tanto mais imperdoavel quanto certo que
Meade nao merece seno elogios pela seguranca de
seu golpe de vista, pela habihdade de suas mano-
bras, pela prudencia em nao disseminar as suas
forcas, e nao fornecer occasio de que as debelas-
sein em algum ponto.
Se os confederados esto no mesmo terreno onde
ganharam a batalha de Eperons, os federaes tem o
mesmo general, s mesmas legioes que alcanca-
ram a victoria da batalha de Gettysburg ; tem cm
tudo, impossivel nega-lo, a desvantagem de estar
reduzidos defensiva depois de haverem tomado a
defensiva.
As noticias do Tennessee sao assaz contradicto-
rias. Urnas representara a posico do exercito do
Cumberland e de Rosencranz como das mais cri-
ticas, por assim dizer, desesperada, sem outra al-
ternativa que urna retirada desastrosa ou urna ver-
gonhosa capitulaco, e do-se como provas as cor-
reras de cavallaria que redemoinham em torno de
Chattanooga, levantara os carris das vias-ferreas,
arrombam os viaductos, interceptan! toda a com-
munieaco, impedem a chegada de todo o reforco;
outras ao contrario figu rain Rosencranz em estado
de repellir qualquer ataque como nunca, e at em
circumstancias de tornarse dentro em pouco ag-
gressor.
Rosencranz, com eUeito, nao devia achar-se em
perigo mui grave ; em primeiro lugar as linhas de
Chattanooga que oceupa sao realmente de notavel
for^a, formam urna serie dedegros e rampas se-
mclhantes s de Fredericksburg, onde vieram que-
brar-so todos os esforcos de Burnside; foram for-
tificadas com muito cuidado por Braxton-Bragg du-
rante os seis mezes que as oceupou, e ainda est
por saber-se a razao por que samo dellas. .
Ainda mais ; Rosencranz tem detraz de si tres
bases de apoio muito solidas, Trullatroma, fortifi-
cada igualmente pelos confederados, Murfreesbo-
rouah, theatro de sua vicioria sobre Braxton-Bragg,
e Nashville, seu deposito principal e seu armazem
geral. Nenhum destes |>ontos tem sido levado da
forca nem sequer damnificado pelos corpos avul-
sos, que esto senhores dos arredores no dizer dos
jornaes de Richmond.
Forcoso pois, admittir que os confederados tem
precisao de urna {orea assaz imponente para conter
suspenso Burrside na estrada de Athen. O sanhe-
drio militar de Washington enviou uns vinte mil
bomens na diroeco de Chattanooga ; seno che-
garam l, necessarlo de certo urna forca equiva-
lente para oppor-se a passagem deste reforco, Ac-
creseeotem-se es corpos volantes de cavallaria que
poreorrem a campanha e procuram intereeptar as
estradas, o que compoe urna forca de 40 50,000
bomens quo nio podem concentrarse para effeo-
tuar um ataque em massa contra as linnas de Cha-
tanooga.
Asparles bolligeran'tes temoadaurna dou9exer-
citos quasi de igual forca, quo parecem dlspostos
l ?L .c3.e divisiva- e urna parte acha-se Lee, Manoel Antonio da Cruz, bronchite.
,nm, ?I, ta!e1nt01mifcr da guerra da America, e Jos da Silva Ferreira, syphils.
seus intrpidos lugar-tenentes, Hll, Ewell, Brax- Tiveram alta :
ton-Dragg. Da outra parte, um general ainda mo- Antonio Gomes Benicio.
co, saoeaof, que se desenvolveu no fogo de Gct- Jos Manoel de Luna,
tysftorg e por urna grande victoria alcancada sobre
omciaes costumados a sair victoriosos; Rosen--------------
cranz, arremettedor e que com tudo se deixou ,.m .., ,. ,,.
surprehender e encantoar; o seu imraediato, ge-' UB P0UC0 DE T0D0-
MCai Thoraaz, que supportou durante dous dias Escrovem de Nienbnrgo Gazette Sei>tentriom-
toRs os ataques de um inimigo vencedor e salvou '*" do Manover, sobre o balao-Nadar o seguinte :
o resto do exercito destrocado. Esta manhaa (19], s nove horas e nm
Desta situaco podem sair duas victorias e duas derrotas. Se o norte fr vencido nesses dous re- *luerda do Weser com vento sudoeste, passou so-
contros, scr-lhe-ha bem dilUcil conservar a menor Dre a nessa c'dade. A cor do balo nao se p-
esperanca de restabelecer a velha unio e de con- de cnamar branca, e tinha grandes riscas verme-
tinnar a luta. as eleigoes que acabam de fazer-se I "?as" ^ma Darca eslava pendente na parte infe-
noOhio.oPcnsylvania, dous esudos das fronteras !rior'.e nel,a viam-se algnmas pessoas. Aparte
(border States) contando a populacao de cinco mi-' mftrior Ao bnlao pareca nao conter gaz, e agita-
Ihes e meio de habitantes, onde o partido conser-
r esperaya triumphar, os republicanos parti-
va-se na rede que a circumdava.
O baio passou a- pequea altura, imme-
danos da administraco Lincoln, da guerra e da aialanientc cima das casas ; as pessoas que esta-
abolico dos escravos, obtiveram grande maio-'"
na. Nao seria, portanto, de admirar que mesmo
soirrendo novos revezes, os estados do norte ani-
mados de urna obstinaoSo indomavel prodigali-
sassem seus thesouros e seu sangue para obter um
resultado quasi quimrico.
(Presse.=Rerolurao de Setembro,
REVISTA DIARIA.
Amauha pela noite levanta-se a bandeira
de Nussa Senhora da Conceico dos Militares, cuja
estmdadecelebrar-se-ha no dia 8, havendo vespe-
ras no anterior, hem como missas n'um e n'outro
pela madrugada, sendo todos esses actos cercados
da pompa e magestade proprias do culto externo
votado Mi de Deus,
Oram no Ecanyelko o Rvm. pregador da capella
imperial frei Joaquim do Espirito Santo, e no Tc-
Deum o Rvm. padre mostr Leonardo Joao Grego.
A orchestra dirigida pela maestro Sraoltz, e a
msica de composico de Mariano Russo de Mes-
si na. ,
Nos tres dias cima indicados diversas bandas
de msica marcial tocain no templo differentes
pecas.
Ha fogo artificial noite.
- Hontem encerrou-se a 6* sesso judiciaria
do jury desta comarca do Recife, depois de pre- queno
vam na barca pareclam ter tncfio d descer,
porque quando o balo passou no Hanover, na
altura do caminho de ferro, laneou urna fatecha,
que tocou quasi em trra, na direceo em quo
passa o caminho de ferro, sem que os operarios
do caminho, que de toda a parte corriam para
all, podessem alcanca-la.
A barca em que, segundo dizem aquclles
operarios; estava urna especio de casa, destruiu
um poste telegraphico. O balo subiu ento, e
drigiu-se na direceo da villa de Woelpe, onde
comecam as lagas e os terrenos mpraticaveis.
D'onde vera aquelle balo? Do Rheno ou de
Paris? '
19 de outubro, noite.
Os aereonautas desconhecidos quizeram eviden-
temente descer em Nienbourg. Urna das fatechas
que se laneou cahio no tecto de um pequeo pa-
vijhAo do jardim de Mr. Kapp, sombreireiro, mas
nao encontrando apoio solido, arraston urna pe-
quena trave. Ficou a fatecha naquella casa com
um pedaco de corda de oilenta ps de compri-
mento, que se quebron ou que provavelmente foi
cortada. O publico concorreuem grande numero
aquella caso para ver a fatecha. Tinha uns dous
ps e meio de compido; de ac, com cinco den-
| tes, e pesa 60 libras. Pode ser dividida em seis
! ou sete partes.
_ Depois de ter passado sobre o Hanover, o ba-
lo, prximo da primeira casa da guarda ao sut
de Nienhof, foi de encontr aos postes telegra-
phicos, destruindo quatro fios e derrubande tres
postes.
A barquinha, que se assemelhava um pe-
wagon, arrastou era trra por bastante
enchidos os dias da lei. i tempo. Segundo as medidas que se toraaram no
- Informam-nos, que acha-se arruinada a pon- terreno em que ella tocou, deve ter uns quinze
tezinha do Maduro, de modo que impede o trans- ps de comprimento. Biz-se que alli estavam
to, que por alli se faz. nove pessoas, que por muitas vezes pediram soc-
h pois, i'umpre que se trate de effectuar os ne- corro, sem que as pessoas reunidas na proximida-
cessarios concertos, para remover esse incommodo de podessem lancar mo dos cabos qua da barra
Iillblico. Ulna ve/, uue auiiHlItx m a
fizei-am, apenas cifraram-se no arranjo do corri- forte.
mi. permanecendo no ontretanto o estvado no c Prximo de Woelpe, o bao elevou-se muito
p de damnificaco anterior. para passar pela parte superior das arvores, e so-
O resultado do eollego de Papacaca, chegado bre Kraeke (montanha coberta de hosques), pare-
hontem, reunido aos de todos os outros do distric- cendo dirgir-se para os desertos de Lichtemoor e
assembla de
to, forma assim a lista dos membros
Erovincial pelo 4 districto :
r. Joaquim do Reg Barros ....
Conselheiro Francisco de Paula Baptista ,
Vigario Jos teixeira de Mello. .
Antonio Vctor Vieira......
Dr. Demosthenes da Silveira Lobo. .
Joo Braulio Correa e Silva ....
Seguiram-sc-lhe em votos:
Dr. Sergio Dniz de Moura Mattos .
Dr. F. Jos Pernandes Gitiranna .
Apolinario Florentino de A. Maranho .
Dr. Guilherme C. Coelho Cintra .
Dr. A. R. de Torres Bandeira ....
E'o seguinte o resultado dos collegios
Brejo, Villa-Bella e Cimbres, pertencentes ao
districto, na eleico de deputados provnciaes :
Dr. Caetano Xavier Percira de Brto
Vigario Burgos.......
Dr. Lopes de Barros.....
Vigario Francisco Pedro. ,
Dr. Estevo Benedicto Franca .
Dr. Jansen. | .
Dr. Buarque de Macedo.....
Dr. Gitiranna ........
Antonio Jos de Oliveira.....
Rolhem.
At agora nao se tem recebido outras no-!
274 ticias dos infelizes aeronautas. Emquanto a barca
242 dava em trra os impulsos, caliiram differentes
233 pedacos de corda, assim como urna poreo de fer-
230 ro com a forma de um cepo de ancora, urna
186 trombeta, e um outro objecto com forro de pan-
177 no encerado. Tambera se encontrn um chapeo
' que havia sido comprado no boulevarde de Sebas-
163 pole, em Paris. E' pois possivel que os aereonau-
100 tas sejam parisienses.
94 20 do outubro.
89 i c O balo de Mr. Nadar deseen hontem pela
36' manhaa era Rethem, pequea villa no Aller, pro-
do ximo da cidade de Nienburgo. Tocando a trra.
5 o bale cobro completamente a barquinha, de
! maneira que es viajantes que nella estavara, s
106 com difflculdade poderam sahir, auxiliados pelos
89 numerosos operarios que alli concorreram. fihz-se
86 que des nove viajantes, cinco esto mais ou me-
81 nos gravemente feridos. Segundo outras noti-
781 cas, s dous fl'elles foram completamente saos e
74 salvos. A senhora quo estava na barquinha sof-
681 freu mHito, e um viajante quebrou as pernas
481 quando quiz saltar para trra.
30; t A legaco franceza foi logo informada deste
Pelo delegado de Carnar foram presos Mar-1 incidente, e immediatame.ite cxpedio para o ponto
colino Bezerra Torres e Fernando Tleotonio do
Sobral, ambos por ladrdes.
No lugar tapera, do termo da Boa-Vista, foi
brbaramente assassinado Jeronymo Jos de Sen-
na, por Custodio Jos Mereira e Francisco Jos
Moreira, que consegliiram fugir para acdale de
Paracat, era Minas Geraes.
Hoje se extrahir, pelo plano das loteras iphco agencia Havas-Hutlier
extraordinarias, a 4" parte da 2* lotera em bene-
ficio da irmandade do Senhor Bom Jess das Do-
res, sendo o maior premio 10:000.
Reparticao da polica :
(Extracto da parte do dia 4 de dezembro).
Foram recolhidos, casa de detenco no dia 3
do corrente :
A' ordem do subdelegado do Recife, Alfredo,
americano, por embriaguez e insultos ;|Felippe,
crioulo, escravo do major Faustino Jos dos Santos,
por desobediencia.
A' ordem do de S. Jos, os pardos Francisca Ra-
mos e Floriano Jos da Silva, por infraeco de
posturas; Manoel Jos do Nascimento, por distur-
bios ; os crioulos Dainio Jos de Barros Prata,
por embriaguez ; Benedicto, escravo de Jefelus,
por suspeito de andar fgido, e Quintiliana, escra-
va de D. Clara ou Joo Marinho Falco, por f-
gido.
A' ordem do da Boa-Vista, Marcelina Mara dos
Prazeres, parda, para correco; Liberato Nunes
da Silva ou Salles, crioulo, por ferimentos leves.
A' ordem do da Magdalena, Antonio Miguel,
Africano, escravo de Joo de Carvalho Paes de An-
drade, por fgido.
A'ordem do delegado do 3 districto, Antonio
Jos da Silva, ou Antonio Ferreira Pinto, pardo,
por ferimentos.
O chefe da 2* seceo,
J. G.ieMesquita.
dia 3 de
onde o balo desceu, com tanta infeKeidade, um
empregado, cora o doutor Meller, do Hanover.
Quando estes dous individuos iam fwrtir. annun-
ciou um telegramma que os viajantes feridos ti-
nham chegado ao Hanover s nove horas da noi-
te, n'um trem expresso.
Mr. Nadar dirigi o seguinte despacho telegra-.
Mevimento da casa de detenco do
dezembro de 1863 :
Existiam. . . 325 presos
Entraram . . 12 .
Saturara. . 10 i
Existem. . . 327
A saber :
Nacionaes. . . 226
Estrangeiros . 32 >
Mulheres . 4 >
Estrangeiras t >
Escravos . . 56 .
Escravas . 7
328
Alimentados a custa dos cofres pblicos. 135
Movimento da enfermara no, dia 4 de de-
zembro.
Tiveram baixa:
Os feridos do Gigatiite foram transportados
para o Hanover, e entregues ao cuidado da eui- '
baixada franceza. O rei du Hanover mando um
dos seus ajudantes de campo para os roceber.
Tres esto feridos gravemente : sao Mr. Saint-F-
lix e Mr. e mad Nadar. O-iprimeiro tem a clavicu-
la, esquerda fracturada e o rosto bastante-macera-
do. Mr. Nadar dcslocou. ambas as pernas, e mad.
Nadar soffreu urna grande cempresso,no thorax
e tem urna perda mal, ferida.
< O ponto em que-cahio o Gigante, diz a fVo i
ce, llca urnas 650 bguas de Pane. Era tar a
forca da ascenco, 1u6 o* viajantes, teriam infaH-
velmente perecido, se Julio Godard-, com perigo da
sua propria vida, nao tivesse aberio o aeroslato.
golpM de espado, para que o gaz podesse sahir I
em abundancia, e assim se suspendesse a corrida
furiosa do baio, que na trra dava saltos de qua-
renta cinpoenta metros; a barquinha leria sido
completamente destruida, se- os apparelftos nao
tossem, por aquelle meio instantneamente separa-
rados. de Ua,
O balao pesa. ... 400 kil.
t Fios, cabos ele. 600
c Barquinha etc. 1,100
Total.....2,WO .
A torca ascencional era de 90 quintaos.
As quatro horas do dia 21,recebeu-se em Pars
o seguinte despacho:
c Aehamo-nos no Hanover, e bem, ainda que
soffrendo muito. Saint-Flix tem um braco que-
brado, mad. Nadar est ferida, e eu finuei com
ambas as pernas fracturadas; vamos melhorando.*
E' da Sra. anonyma a seguinte poesa :
eu morro !
Eu morro I... de urna dr cruel, pungente.
Que vai-rae a vida aos poucos consumindo I
Eu morro I... e, tendo a alma espedaoada,
Para o mundo hei de olhar sempre sorrindo I
Eu morro!... e hei de ir por entre as turbas
Em meu rosto ostentar prazer fingido I...
Eu morro I... ah I e nao posso em desafogo
De minha alma soltar um s gemido I...
Chorar?... Soutofeliaf Ah sim, folguemos.
Va-te oh negra tristeza eis-rae sorrindo
Sustem-te oh lagrima o, assim traidora
Dos meus ollxos nao vas lenta cahindo I, ,
Mas nao I corre, oh minhas doces lagrimas !
Banhai-mc a face triste e macilenta I"...
Soffrertaes magnas, com o sorrir nos labios,
Faz meu martyrio, minha dr augmenta....
Basta j de sofirer tanto em segredo.
O martyrio da minha infeliz sorte.....
Quero chorar... gemer at que sinta
Arrojar-me na campa a cruel morte I;...
No Annuario Mathieu de la Bro** l-e eea
prophecia :
Convide os amadores que quizerem ser teste-
munhas d'uma das mais terriveis tempestads-do
seculo, diz M. Mathieu, a eslarem na Vcnecia nos
ltimos dias de novembro de 1864.
Assistiro ao espectculo mais affltctivoque os
elementos desencadeados pdem, olferecer a. vis-
tas do horaem.
Este grande acontecimeno. produzir-sc-ha de
29 de novembro at 3 de dezembro, mais .prova-
velmente 29 ou 30 de novembro que 3dede-
zembro.
Trata-se de tempestades- e de tormidaveis in-
nundaces.
0 Echo de Vesone traz a. seguinte notc :
O systema da direceo. dos aereostatas capti-
vos pelo vapor, devido ao- nosso compatriota, o Dr.
Moreaud, de Saint-prc, vai ter em Paiis urna
applicacao muito em grande pela construaco de
um caminho aereo da praca da Concordia ae bos-
que de Rolonha.
O engenheiro Julio Seguin, sobrinho. de Jos
e Estevo de Mongolfier, e oujo nome honrosa-
mente figura ba mais- de ) annos nos trahal I ios
da industria franceza* est testa d'esta bella em-
preza.
O Jornal dos Debates escreve:
O telegrapho noticiou hontem uo> incidente
singular, que, por nosso turno, vamos contar,
para dar urna idea do procedimenlo d soberano
de um pequeo Estado al lemn, o eletlor de Hes-
se Cassel, com a representacao, nacional do seu
paiz.
Ha tres dias, o* cmara dos. deputados estava
reunida para ouvir a leitura do.discurso de encer-
raraento da sesso legislativa, porm o chefe do
Estado, que estava no theatro, eeperou tranquilla-
mente que a peca arbanse pan. assignar o decre-
to de encerramento.
Foi s depois de cinco horas, de espera, s 10
horas da noite, que os ministras puderam levar
cmara a mensagem assignada, bus qual fal-
tava a frmula habitual de baneAolencia q>ie ter-
mina as communicacacs ofckws.
E nao tica n'isto o caso, ponqu se falla em crise
ministerial. *
Parece qpe. os ministros,, por um movimen-
to de >usceptihildadi! que- ninguem estranha,
depositarara as suas pastas, as mos do prin-
cipe.
It'^tftHft 'tlA A lU-dont^.
O Hesse Cassel uro princ4ado soberano com
una populacao de 644:000 habitantes.
O soberano d'este principado o eleitor Frede-
rico Guilherme I, que succedeu a seu nai, Guilher-
me II, em 20 de novembro de 1847, e casado cora
a princeza Gertrudesde Ilanan.
O Sr. Y. Jnior reroc-lte-aos a seguinte poesa l
blla.
K gentil, mimosa, e delicada,
Como o jasmira quena haste se vergou,
Ou como'a sensitiva melindrosa,
Que, se alguem pegou n'ella, se fechott
Sao negros os seus elhos como o veo
Da noite sem estroWas, bem escura,
E brilbam como l na immcnsidade
Entre astrevas da noite a estrella pura..
Os labios-rseos e celeste o riso,
Negras as trancas e morena a face,
Foi uvas aereasqual viso dura soaju),
Que na mente noite perpassou fugace.
E;:lantas graeas, tantos mimos, tantos !
Quaes s possue o anjo das alturas,
E to celesta que dir-se-hia ao ve-la
Apjo perdido, por entre as creatijras!
O Commenio- d Porto diz o seguinte:
6 proprietario- de um prado, situado na Pome-.
rania, tinha o.direilo, em virtudc; de una atig*
servido, a urna presa de agua para regar o seu
prado no dia em que a igreja f^-teja cada um dos
apostlos.
At aqu tinha asado do seu, direito 12 vezes
por anno, pori descobrindo qua S. Barnab-tau-
bem fora,apstol, quiz aproveUir-se do seu direito
em um. liJ. dia.
O dono de um moinln;,, prximo onpez-rse. e
d'aqui resultou um processo, que foi levado aos
tribunaes.
Este faeto valeu urna, terceira advartencia
Gazeta de Pomerania,. que deu a noticia com a
cpigraphe Doze ou troze apostlos.

Em urna das ultimas sessocs da academia das
inscriproes, M. Len Jienier commttoicou aos seos.
collegas quatro photographias quo representam, o
esta do actual das explorajs que se fazem, por
ordem do imperador, na parte dq Palatino que do-
mina a igreja de Santa Maria Libertadora.
V-se em ubi, d'estas pholographias a Por-
ta romana do Palatino e o eomeco do Clwus Vic-
toria'.
As outras tres pholographias representan^ os.
restos da ponte que, segundo Suetooio, o im-
perador Cab'gula mandou. construir para, ir do.seu
palacio ao Capitolio por cima, do templo de Au-.
gusto.
A' parte d'esta ponte que exceda os limites,
do Palatino foi demolida no rojiaqo de Calii
gula.
O resto foi conservado e envel.vido qas cons.-
trucedes que no reinado de ero, foram acrescen-
tadas a esta parte do palacio.
Estas descobertas conflrmam, a veedade das as-
ser?5es de Suetonio.

O espirito, feudal vai soccessivamenie perdendo
terreno na Allemanha.
Em 1861 os israelitas obtiveram no Wurtemberg
o direito de burguezia, que ibes tinha sido recusa-
do at ento.
A commisso da cmara dos denotados d'aquel-
le paiz propoz ltimamente que Ibes sejam con-
cedidos todos os direitos polticos, pronunciando-so.
igualmente pelo direito de casamenta civil entre,
christios e israelitas, e pela complet igualdade na
reparticao da assistencia publica, sem distinocao
de religio.

Monsenhor Dupanloup, bispo de O/leaos, que
fra Savoia tratar da sua sade, ara esperado
no dia 21 da corrente em Paris para presidir
' proflssio da segunda filha de M de Mouta|etnb,er^
na ordem do Sagrado Corceo.
M. de Montalembert, que nao tem herd.eiro va-,
rao, tem seis filhas.



Diarlo de Peruaulnico ahitado 5 de Dezembro de (849.


--*
A mais vclha csposou o visconde lo. Meaux. JJoflerosa da vcrdade ha do linter
A segunda, que tomou o veo, leu 20 anuos de
e confundir os
idade.
...
Os Incendia* que houve Ulmamente em difto-
rentcs bairros de Constantinopla obrigaram o go-
verno a prohibir por algum lempo que petas roas
se rumassvm cigarros. .
O mi effeito d'esta decisJo M tanque fot pre-
U campe osla a be ra-De um lado esli es que
querem o progresso con os,dios passados, e d'ou-
iro lado es que em estar do
paiz con o esquecimento do passado, asumas que
decidan :*
iso revoga-la. ....-_
Os nal intencionados auribmram a prohihleSo
de fumar cigarros as rea i Inicial iva do direc-
tor da alfandega, Kiani-Paclia, too ha muitoteai-
iiodesejava sahida par a inmensa quantidade
d caixas de cachimbo oue cntulhavam
Mr. r.
Ir bao ttalilito Pessoa
de Mello.
Tendo coi vista o grande commuracado inserido
no Diarte de Pernambuco de 28 do prximo pat-
udo mez cun a assignatura do Sr. Dr. Urbano Sa-
a al-, bino Pessoa de Moli, deputado geral recentcmen-
>andega. ite e'eit0 Pe' '* districto eleitoral da provincia, nao
" O que certe qu asta espcculagio, so podemos deixa-lo passar sen Ignotas reflexoes,
que realmente o fot, dpu bem resultado, porque que serv rao para precisar o juzo nosso acerca da
nunca cm Gonstaulinopla *o vendern) lautos ca- questeo grave, que o partido progressista teni
chimbos como durante o lempo da prohihicSo dos. diaute de si a resolver, no dia 6 do corrente inez.
cigarro.
CHROUt V JUNCIANA.
TR1BIWI, DO JURY.
SESSAO.
BU 3 BE BEZKMHRfl HE 1803.
B nao se diga qne um intromettimento nosso -
a emissao desse juio porque elle nos parece
derivar do proprio direito poltico, que ha po\i".o
exercemos, qoando Ihe prestamos o nosso voto
como eleiter do districto.
Ninguem mais do que nos seriamente deseja
urna ordem de cousas mais conforme aos pre-
ceitos de una poltica generosa, elevada, humani-
""sis S2 Sosss.*** 5SassKa%tfrK
Pronto EULHSSSS* os'- jg* gradado' o noto estado poli-
mo Lobo ,... a u,.,ia R.ifl- Ningticm mais do que nos suspira por ver a lei
Escnvao o Sr.Joaquim Francisco de Paula ble- do _indivi(luo_ subordIiada tel Fda SOcieda-
ves Clemente. de i
A's W lloras da manhSa feila a clamada dos ju-, A-louvariamM ao Sr Dr. Urbano, se esti-
rados, *^W^M *"** __. I venemos convencido, de que o seu empenho ten-
huram mltenos em *** -"u'^lbia^^' ; dia nobremente a obstar, que naquellc nosso ve-
tados nos das anteriores, que nao compaie.eraii, ,|)0 esla()o do cmms ^'^ a ^fifi-t nova e bri.
c os que falterain boje. ..... ^v iban te era, que se nos abre, annunciando ao futu
Sendo insufficiente o numero de 4 jurados, o
Sr. juiz de direito lovaniou a sessao adiando-a para
o dia seguinte is 10 horas da manha.
4
Presidencia do Sr. Dr. Munoel Jos da Silva Neiva,
juiz de direit da 4* ara criminal.
Promotor o Sr. Dr. Francisco l.eopotdino de Gus-
mao Lobo.
Kscrivie o Sr. Joaquim Francisco de Paula Este-
ves Clemente.
Adveail9oSr. Dr. Amerieo Nelto de Mondonga.
A's 10 lioras da manha folla a chamada dos ju-
rados, aoharain-se presentes 40 seniwre*.
Poram manados cm S cada um dos Srs. mul-
tados nos dia anteriores, e que nao comparecern
boje.
OSr. Dr. juiz de direito dectarou aborta a
MMMk
Entra em julgamento o reo Antonio Ferreira de
Si Gavalcanti, aecusado por erime de tentativa de
roubo perpetrado na taberna de Antonio Dentin-
gues da Silva Pocas, sita a ra do Rosario n. 1.
O Sr. juiz de direito nomeou o Sr. Ainerico Nel-
to carador do reo, visto ser este menor.
Proeedendo-se ao sorteio do jury de sentenca,
foram recusados pela defeza os Srs. :
Dr. Manoel Ruarque de Maccdo.
Teoenle-cecontl Manoel Ignacio de Bricio.
Dr. Antonio Jos Alves Ferreira.
Dr. Luiz Salazar Moscoso da Veiga Pessoa.
Jos Pedro Velloso da Silveira Jnior.
Vicente de Paula Oliveira Villas-Boas.
Ka y mundo da Silva Maia.
Antonio Nobre de Almeida.
Antonio Ferreira d'Annanciacao.
Flix Francisco de Seuza Magalhaes.
Peh promotoria foram recusados os Srs. :
Scveriano Jos de Moura.
Francisco Lucio de Castro.
derivando ilabi o noma do novo partida que su em nonliima outra o poderam conseguir, mani- rcconheclda pelo seguintes representantes
acha no pi.lcr, o la sua nova Ian4clra. f"10- A Jiga.doHvs coiu os paros Ao 188 nao lares : -t-
Dahi |'is se v, que ja nao sao dous partidas, j faci novo em Pernambuco. 0 cnsul de S. M. I. Imperador do BrasH :
que simplesmentjse auxiliam boje ara derribar o Em 1843 presenciamos a liga dos conservadores O cnsul de S. M. el-rei de Portugal;
que ja cahio, e sim um s, grande e poderoso par-! extremos com os praeiros semprc mal dirigidos. 0 cnsul de S. M. a rainha da Gra Bretanha ;
tido, que nascendo dos dous, se levanta beio de Apenas se viram seguros, guerrearam igualmente O cnsul de S. M. I. o imperador do Franea;
vida <; de generosos sentimientos de patriotismo,'os ws. visconde da Boa-Vista, de Suassuna e de O cnsul de S. M. catltolica a rainha de Hes-
(lara curar des uule da no*m patria, seoa oibar Camaragibe. panha.
para o espelho b.i{o do passado, e so tendo em vis- Con aquella perfidia ubaaram-sc os ebefes Assim como tainbem pelos cnsules do Mxico,
ta o futuro!. praeiros, tendo-se em conta de peHtfcos penetra** Chile, Per, Buenos-Ayres, Nova Granada, Vene-
Corno, pois, pretender hoje o Sr. Dr. Urbano,, qne tes, e era sua estulticia nem ao meaos aere el ierra zuela, Equador, Uruguay, S. Salvador e llayli.
se opere de cholre e ao ou rebale,^ a dissoiucao de qae era ino exactamente oque aquellos sculioref | VIII.O preco da legitima salsaparrilbadeBris-
um tiio esperanroso partido T. *w^f*. Prev's, e desojado, porque toraando-se tol, longe de ser exorbitanto como asseveram al-
Cobio |>relnd'f r aue seja ouvido e seguido pelos solidarlo todo o partido conservador, os praeiros puns, pelo contrario auiifo rmonrel tomando-se
progressislas, quanoo injidiariamente diz, que se s podwwm dominar a provine eom a excitacao em conslderagao que p freto at o Brasil c os di-
a liga romper-sc, nada perderemos e que reu- permaoete de paixoes adversas ao hem publico, reitos dcstaalbndega augmenuocusto dclla mais
------- _______ lltu uulu llu M;vf|'|(jauc. azttiiu auuai, m
O jury de sentenca ficou composlo dos Srs. se- ^^ ^^ por c'cont|l.ijoj e m>
W Carta Perelti. I ?2ll!M' ^ risco m ,,ue $e '
ro-lao belas cores e tao bellos fructospara os
os (linos da nossa patria.
Sim I louvariamos ao Sr. Dr. Urbano, se o nao
viseemos, escarnecendo da ouimao, pretender que
o personalismo, tantas vetes e tao victoriosamente
batido, em oulros campos, polo espirito publico, se
aloje noja com afouteza no sen indituiuo e ajii se
tome a espada de sou velho commaodo I -----dan
do lugar a que lodos duvidem se as suas vistas
polticas teein outro alcance ipie nao sejaa eiovacao
do seu proprio Eu.......
N'essa duvida forcoso que apreciemos o que
o Dr. Urbano diz de si inesmo, sin rclacio aos fie-
les de que temos seiencia, e para que Ihe caiba ou
nao o direito que pretendede levar a barca para
mares s por elle couhecidos I..........
Diz de ti o Sr. Dr. Urbano que elle e sempre
foi um liberal eininonte tondo encelado a sua
vida poltica mi partido chimango em 1836 e
sendo este partido o liberal de eutao a*
i2, em que se crgueu por iniciativa sua o
grande partido praieiro. Mas ser islo verdade, ou
oslar engaado o Sr. Dr. Urbano, quando tacs
cousas affirma ? .
Temos dados para contestar ao Sr. Dr. Urbano ;
e o fazomospedirulo a este nobre representante
da naco que o repliquenao desfigurando os fac-
los, as cousas e as pessas, como as vezes se pre-
sume con direito salvede o (azar.
O partido clumango nao era, como diz o illustre
deputado o liberal, ou anti-oligarehioo da pro-
vincia, e pelo contrario foi o quelevantando-se
eom a apparenle uiissao de-medianeiro-entre
o partido da columna ou coreuuda e o partido li-
beral de entio, denominado patriota ( e depois
alcunhaudo de caranguoijo) succedeu aquello
no podertoruaudo-se logo depois inimlgo lio de-
clarado deste, que levou-lbe a porsoguicao ao ulti-
mo ponto do severidade, Cazando audar, por muito
os seus
achavam
as suas cabecas.
Dabi, pois, se v que, sendo o Sr. Dr. Urbano
chimango-desde 1836 at 1842, pao#odia ter mi-
litado na poltica desta poca como liberal puro,
sendo este partido autagonisla daquelle e por elle
perseguido.
Suas glorias de liberal prtenlo nio per-
teiiccm aquella poca, cm quej pelo contrario,
gozou elle sempre dos mimos do poder, ao
qual se acostara, vi vendo os liberaos, seus antago-
nistas, em verdadeiro ostracismo rom a pecha de
revolucionarios e desordeiros 1 .
Nao cabe ao Sr. Dr. Urbano tao pouco a gloria,
que se quer attribuir de croador do partido
praieiro rom os restos dispersos do partiiochi-
Hiaitgo porquanto para elle enlrou depois de
creado, e diflicilmente organisado cm columnas
luassoiiicas nulos Sis, Canciros (befes dos^ran-
na-80 o rorpo eiitetoral, nomeo-se urna direrco o que neoessariamente os fazia acabar na impoten
omposla das nossas intelligencias c illustracoes, cia,ne opprolio, ou em alguna revolucao estril e
(com elle frente) dos nossos homens honestos e mal succedida por ser Inteiramente pessoal.
independentos, amados e respoilados pela opiniao, Forcoso uconhecor que, se do Rio de Janeiro
com os deputados geraer, e provinciaes i frenle, e nos viesse algum agente conluiado com os cheles
est tudo feito?... vermelhos, tendo por principal niissao aluir a po-
Qnem deu ao Sr. Dr. Urbano, hoje, depois de se sicao poltica da provincia, e abrir primira bre-
apresentar em todas as reunios populares, e de cha, por onde os conservadores podessem assaltar
fallar ao povo como ligueiro, (onstttuindo-sega- o partido liberal, o compertamento desse agento
ranto da liga) e de ser eleito deputado pelos dous nao poda ser diverso daquelle que leu (ido o Sr.
elementos refundidos, pelo nobre partido progres- Dr. Urbano desde que aqu chegou.
sista, o direito ilo ordenar com a sua voz de chefe Apenas se vio eleito deputado pela unanimidade
soberano a iviso dbflleiras dos ligenos, a dos eleitores progressisias, proinoveu discordias
cujo favor diz que |se mandara falsificar actas, c entre os membros do directorio, e chamando si
dos libanes, que aprsente como trajepeiraraente aquelles que nao tlnham sido felzes na eleicao de
exeluidos pela presso do governoT... depulados, e os ambiciosos mais impacientes, do-
Para que essa intriga tao miseravel e lio desti- clarou-se chefe supremo da put'sa liberal, ebris-
tuida de gosto. por ser;materia, velha cj tao so- mando logo de liberaos lenuinos, sem cousa oue
bejamente conhecida de sua carlitha T Sr. Dr. Ur- duvida podesse fazor, aos Srs. Drs. Torres Bandei-
bao?. AI I Sr. Dr. Urbano, nao nos arropen- ""a, Aprigio, Baptisia,e a lodos quantosadmittiram
demos anda de Ihe ter prestado o nosso voto, por a sua supremaca partidaria,
que esperamos que passada a eleicao de senadores Com effeito, gracas i una aplidao rara para as
S. S. airepie canrira, t- nao queira continuar a (a- intrigas ordinariasi oorrupcao do lempo, a dos-
ier do grande, forte e poderoso partido progresss- leafdade douns, ao egosmo de outrne, conseguk)
ta, urna triste ala de companhias de fllbotes estul- segregar do partido progrossiste urna poi|uena
tos, que so morem c selagitem a/) menor aceno de fracsao de desueitados que logo oceupou no conti-
qualqoer pelotqueiro f... fl" trabalbo da dfawaio.
O partido progressista um corno colleclivo de Suppondo queand*uuMvam stmpos, ero que
muito maior nobreza, do que a que S. S. suppoe, ou a corrupcao da imprenu suppru as ideas de bu
Ihe quer attribuir, Sr. Dr. Urbano !... elle cqpv geral, em que o espirito publico sebbricava i von-
posto deste grande e heroico povo, que sofTre, e tade dos ambiciosos, er* que a oxaltecao das par-
que quer o remedio madura e desapasionadamente xSes nocivas basteva para adquenr nuajerosos ad-
applicado pelos seus novos eleitos!... elle com- herentes, derramou com profusio por entre o povo
posto desses centenares de varoes benemritos urna alluviao de pasquns, em eme atessalhava os
caneados de soffrer por amor da patria, e dessas caracteres mais nobres do partido progressista,
inlelligencJas modestas da nata da njocidade bras- *em que na calejada consciencia Ibe pozass o mal
leira, ainda njlo corrompida e avilteda, e que mais que razia ao seu paz natal, promovendo o regres-
de um mil ris cada garrafa.
IX.A legitima salsaparrlha de Brislol, o Ana-
cahuite peiloral de Keinp, as plulas vegeteos aa-
sucaradas e as pastilhas vermfugas do mesmo au-
tor podem ser recebidas m virtude do despacho
de S. Exc. o ministro do imperio laucado ea 3 de
novmbro de 1863.
c Os facultativos receilarao estas preparacoes,
se as acharem utes s molestias que tratarem. > -.
X.Em quanto existem tres differentcs inulta- JU
cues o falsificacoes da nossa original e legitima
salsaparrlha de Bnstol, parlicipamos-lhes que a
verdadeira vende-ce:
Rio de Janeiropor Brrini k C.H. Prins 4
CA. A. Moura Henriques.
RabiaGermano A u
MaceiClaudinho Falcao Das.
Pernambuco Coars & Barboza.-J. da C. Bra-
vo & C.
ParahybaThoiuaz da Cunha.
NatalDomingos Henriques Oliveira.
CeariBotica do Moroira.
MaraohaoFerreira & C
Pari-V. Sedeschi, successores Rosa 6 F-
Ihos.
S. Paulo37, ra do Rosario.
Porto AlegreMartel, Vicente Porto, suceessor,
e as sub agencias em todas as partes do imperio
do Brasil.
se dispflem ao martyriO por amor das ideas dos so da imprensa para os lempos da, su* goweruanca yn depolitica.
ni' iinini^c l,i nuil v.t iiiii^t-i -i nliii.' iil\r*ortiu'n^ at IlTlCirS l* M^^ta !
uoini.
No Progressista de boje diz e Sr. Dr. Feitoza, sob
o titulo .Mi./iim :
< lia muito temos ouvido dizer, sem acreditar,
qse o Sr. Dr. Urbano se ntoado com esvermenios
Patacho kespanhol Fidelle carne secca.
Brigut iaekx Qdtn carvio.
Barca inglezaLookaut mercadorias,
Inaporta^ao.
_ Hiate nacional Gmbaldi, entrado do Ceari, con-
signado a Tasso Irmos, manifostou o seguinte :
7 saceos oh 3,570 arrobo* de caf; aos mes-
mo.
Hiato nacional Inoencivel, entrado do Aracaty,
consignado ao capito Jos Joaquim Alves da Sil-
va, mamfestou a sentate :
961 meios de sola -, a Domingos Rodrigues de
Aadrade.
13 molhns com 32S pelles de cabra, 114 sarcos
eom 60 aJqueiree de gomma de mandioca, 16 ditos
com 6t arrobas e 8 libras de cera de carnauba c
128 meios de sola ; a Jos de Si Leilo Jnior
103 meios de sola, S08 momos com 5,360 im-Ups
de cabra e 2 jaccos com 97 arroba e 34 libras do
algodo; a Prente Vianna 4 C.
i(i meios do sola ; a Vianna & Guimaraes.
20 saceos com 12(3 arrollas c 23 libras de algo-
do; a Jos Goncalves Malvoira.
Vapor uacional Mamangnrpe, entrado do Araca-
i manifeslou o seguinte :
De Macei
2 caixoes charutos; a ordem.
' Do Penedo.
200 esleirs de perperv ; a ordem.
500 meios de sola ; a Antonio Gencalvet Torres.
178 saceos mlho ; a Joao da Silva Faria.
120 ditos arroz de casca a Antonio Alve de
Miranda Guniarcs.
Brigue ingle Oien, entrado de Glasgow, consig-
nado a J. Palor & C, manifesioae seguate :
350 toneladas de carvio de pedra ; ao masmos.
Patache portuguez Jorco, entrado da Babia, con-
signado a Palmeira & Beltrao, manifeslou o se-
guiste :
MiO alqueiresde sal; a ordem.
Patacho n.uiooal z>oi Irmim. entrado do Ara-
caty, consignado a Tasao Irmaos, maoiiestou o se-
guinte :
104 couros salgados, 40 molbes com 800 couri-
nhos cortidos, 1,210 metos de sola, 72 ceos cora
461 arrobas de algodao, 161 ditos comU4alqiu'ires
de guiiina ; aos consignatarios.
II ecebedori* de rendas iaMeraa
geres de rernamhnoff.
BondinR'irto do dia t a 3........ 8: W7JS726
dem do dia 4 ................. 73:,3 principios, do (|ue se presta a phosphorecencias de
paixoes, de odio, de phrenesi e de delirio d um.
que se quer dizer de chefe t...
O partido progressista, Sr. Dr. Urbano, nao lera
em vistas sotmute elevar as pessoas do ex-ctuman-
go de 1836, uem do cx^promotor de 1848, e nm
mesmo
praeira.
0 improperio, o insulto, a calumnia, quaodo nao
sao respondidos com iguacs torpezas, ten mutes
vezes sido rcpetldas com desabaios criminosos, o
mentira : nao preciso diaer que falso i que
nunca me entend com os vermelhos acerca de po-
lilica : devosporm, dizer que meotira ter o ir.
Dr. Feitoza ouvido tal eousa : nunca ouvio nio-
quando por desgraca constituem, como ja tem suc- goem ^^ que0 du |rmiciro o Sr. Dr. Foi-
cedido no Recife, a arma do partido, nica, reo- ,oia nmiiieii em segredo os principies oue profesar
do que eu o faca a
esmo a do cx-restaurador do partido liberal de- proca e tolerada, afarang a totelidade dos homens m /o m|bcs de vezes,
os de suicidado em 1849, e hoje denunciado por eminentes, reduzindo-os lodos a um bando de sel- primis T'ez
. S. como lllhote do Sil. Paes Brrelo t... ; vgens sembro, sem dignidade pessoal, e juste-1 Ha poneos dias foi visto
Tb
Vicente Licinio da Costa Cainpello.
Joaquim IVdro dos Santos Bezerra.
Manoel Antonio Simoes do Amaral.
Faustino Jos dos Santos.
Thomaz Ctrnoiro da Cunha.
Francisco Jos Martins Penna.
Francisco de Lemos Duarle.
Dr. Joo Honorio Bezerra de Menezes.
Claodino do Bego Lima.
Dr. Antonio da Assiimpcao Cabral.
Tenente Antonio Egydio da Silva.
E prestaran o juramento dos Santos Evange-
lios.
Foi interrogado o reo e procedeu-se a leitura do
processo.
O Sr. promotor pedio a eondemnacao do reo no
grao mximo do art. 269 do cod. rrim., combinado
com o an 974 u .cjme a. M glieijs -VnTn^msTas~'dV,s'7hiilVaTrgoslV ta rala.
OSr. advocado doduz.ndo a defeza pedio a ab- J^m Vj|d| Joio Fralu.sX.0 uJl;j'C.u.l;ulu
s Fiudos os debates ejpratdM_jfMWgffg deilc, como enviado eompo enteiaeate coramissio-
da le, o Sr. juiz de direito propoz ao jury de sen- ^ ,oalsarain peas;im.llt0 ,lu rtSl,ectivo ni-
tenca oa;quesilot respectivos. -____^Jckdor na corte, o grande patriota Antonio Carlas
lieeolluilo o jury de sen em a a sala secre a das remetlidas oerodicamenle as acias
conferencias a 1 hora da larde, voltou a l'/z o-
ra com suas resposUis i,ue foram lidas pelo Sr.
Dr. Antonio d'AssDmpcao Cabral, presidente do
conselho, o Sr. juiz de direito pnblicou sua senlen-
ea, absolvendo o reo eroiidemiiaiido a niunicipal-
dade as cusas.
Aehando-se tindos os 15 das marcados por lei
para funrcionar o jury, o Sr. juiz de direito cn-
cerrou a 6" sessao du corrente anno.
EHRATA.
No dia 2 de dezembro o Sr. juiz de direito dis-
pensen da sessao o Sr. Jos dos Santos Souza l.eao
e nao o Sr. Jos Carneii o de Ia;o, como (Kir tuga-
no foi publicado.
COMMUNICALOS.
a qnem ei'am remullidas peridicamente
das sesscs.
D'abi, pois, se v que o Sr. Dr, Urbano nem ao
menos teve o mrito do soflfriineitfo pelas ideas do
partido Liberal, c ilejiois praieiro porque s pa-
ra ello eiitrou, quando, por tao grande a poderoso,
eslava em termos do subir, e de cahir o do qual
fez transicao o Sr. Urbano, por motivos pessoaes,
ou lalvezvistas ronUecedoras da proveitosa uni-
da n ca.
Nao pode igualmente caber ao Sr. Dr. Urbano a
gloria de, como representante da nacao, ter sem-
pre pugnado pela economa e inldiesses desta, por-
quanto sabido pela historia do npsso parlamento,
que em certa pocas sua lgica e voz |iedero-
sadeveu-se o lcareni os nossos cofres gravados
em centenares de contos de ris, apphcados mila
pas
S. S
O partido progressista o que quer nicamente mele desprezadas pelas naecs ciwilisadas.
o lien da nossa patria, c o ongrandecimenlo e Mas ao meto desses exj)edientes irotaaraes indi-
prosperidadedo nosso acabrunhado povo !... Para ca ao menos o Sr. Dr. trbano algum erojocto- do
isto, s pdc convir uniao e aecrdo entre os seus lei, alguiua medida administrativa ou fioancoira,
representantes, c nao rebates falsos, por motivos do algum a cousa que emenda com o beui publico, e
rixas pessoan-s e de anbieoes individuaos, Sr. Dr. que revele aos neophytos que este baptisando de
Urbano I... Se tem qucixas ou ciumes do Sr. Dr. genuinos em que consiste a pureza liberal ?
Fetosa, ou do Sr. conselbciro Paos Brrelo, guar- Nada, ausolutameole nada, mais indica qo qu o
de-as comsigo em sogvedo, o se deseja vingaca, re- seu direito a ser incluido na lista triplico pola sua
serve-se para mclhor opportunidade, nao compro- imotaculadajiureza liberal, a qual nunca se roa-
mettendo em caso algum o partido, nemgaslando-o nfestou senao pelos factos meramente partidarios
em una rixade pessoas ; e muito menos queren- opessoaes que precederaro e preparara a revolu-
do S. S. so constituir do motu-proprio attitro su- cao que manietou o partido liberal por espaco de
premo da sitaacao, que nem dos conservadores li annos.
moderados, nem'dos liberaes genuinos, para deci- A menos o Sr. Dr. Ignacio de Barros, cujaelei-
dir S. S. mesmo da propria causa I... cao lano escandajisa o Sr. Dr. Urbano, diz o que
Essa misso nobre e elevada, Sr. Dr. Urbano, deseja a bem dos interesses da provincia, e pro-
pertence ao corpo eleiteral da provincia, que est mette aos eleitores, nao empregos, secbegar a ser
prestes a proferir o seu prudente e soberano jul- ministro, ou a ter inlluoocia no ministerio, mas
gamento I..... uma I*0* ,ei hypolhecaria, o crdito rural, a refor-
0 elettor progressista. ma eleitoral, tudo quanto tender ao augmento da
produccao do paiz, e da roalidade do governo re-
---------- prcsenlaiivo.
... Ignoramos se sto proprio de um liberal puro
AO pmint'O. ou impuro, mas o que sabemos que a proroessa
O Iadependente de Tamnndar e o Constitucio- de pugnar por estas ideas est na ndole do s> sie-
na/ noticiando a morte do minhi sobriiiba Emilia, ma representativo genuino, que os tartufos polili-
lilha do minua irmaa casada com Joao Alfonso de eos nao goslam de comprometimientos desta or-
Barros, teem procurado capacitar que um grande dem, que podem fechar a porta is suas ambicies,
eniiie foi prepetrado, e que sendo por inim exig- e que o aspirante a supremaca absoluta n'um
do o exame cadavrico, me (o negado, venho ante partido nao deve allegar imieainente um libcralis-
ii publico redamar contra semelhantc falsidade. mo abstracto, principalmente quando no passado
Minha sobrinha morava em nossa companbia; csse liberalismo se revclou unicaniuule por comi-
t ve sempre um comportemento serio, procurando nuas excitacoes populares, e por motins que deram
vver com muito recato c honestidade. Nao foi vic- n'uraa revolucao, em qu so perdeu o partido li-
tuua de seduccao alguuia, o nem a sua morte foi
proveniente tic qualqiier ineio cninmoso, nam se
fioder ver do attestado medico que oifcreco.
Apenas teve lugar o fallecimenlo, o delegado de
milicia acompanliado do facultelivo Almeida An-
beral.
o canoiaaro que nao aprsente outros (locumon-
tos para fundar o seu direito senatoria, deve pe-
lo menos ser suspcilo ao corpo eleitoral. 0 ada-
gio cesleiro que faz um cesto faz wn rento -lbe
drade, foram a mnlu casa a depois de ser exami- completamente applicavel. e os eleitores que nao
nado o cadver, declarou este ultimo que a idea de querem expr a tranquilidad-; das suas familias,
crime nao devera ser attribuida a morte de minha nao desejam ver retrogradar a prosperidade da
sobrinha, quando era saliente a causa que a linha provincia e do rnperio, devem considerar e re-
occasionado : logo o nesta parle tambem inexaeto considerar no vol que vao dar amanhia. Um
q noticiador de taes jomaos, que ainda desta vez, erro capital era poltica quasi sempre o principio
deixou sobresahir o sen despeito, adulterando os de uma catastrophe.
fados, impedido tel vez pela vertigem eleitoral. i
Ainda depois da morte do minha sobrinha, fui i
casa do juiz de direito e este distineto magistrado. <
proeiuou saber se eu suspetava alguma cousa, e
so quarte o exame cadavrico, ao que me oppux
com toda a forea.
Su minha sobrinha fallecesse, nao naturalmente,
mas assassinada, eu hradaria com toda a Torga pc-
diudo juslica, o sena attendido, |ior que o Sr. Dr.
Manoel Cle'iuenlno, magistrado mui distineto, nao
PBLIGACOES PEDIDO.
poneos (lias loi visto no corredor de urna
escuda da ra do Cabugi, em conferencia de mais
de uma hora com o Sr. padre Camposmas pen-
samos ser islo o resultado de um encontr fortuito.
I'orm desengunumo-nos, quando soubemos de-
pois.......
mentira. Kneontrei-mo uma noils casual-
mente com o Sr. padre Caiu|x>s na ra do Cabuga,
e conversamos (na calgada, e nao naesoada) cerca
de cinco minutos sobre cousas geraes. Conferen-
cia poiita no corredor de uma escada O Sr. Dr.
Feitoza est dolido : e a tel conferencia nao foi
casual, foi ajustada para o corredor de urna esta-
da i O Sr. Dr. Feitoza um intrigante miseravel,
perta infelizmente muito inepto.
A historia do clnb na noite de quina-feira 2
do*eorrenle, una nova calumnia. Fui nessa noi-
te em companbia do Sr. Francisco de Paula Car-
ntiro Lean visitar o meu mostr e amiga o Sr. Dr.
ledro Autran : ahi encontrei o Sr. Dr. Julio Bar-
bosa de Vascooceltos, juiz de direito do Bonito, c
mais niiiguein ahi esleve conversamos sobre
cousas geraes.
E' mentira que ah estivessem ou apparecessem
os Srs. [.adre Campos, S.mza Reis, Paula Baptista,
Vilella lavares o Mello IWgo : neulium dcstes se-
nhores ahi se achou, nem outra pessoa, alm das
qoe cima refer.
Nao sci se os eleitores de S. Lourenco votarao
em miin : votarao como entenderem, sendo porm
certo que nao mandei circulares i estes senhores,
nem pedi os seus votos.
Contino portento a dizer o Sr. Dr. Feitoza e
um mentiroso ahjecto, um intrigante desprezivel,
e alinal consttiio-se/i<7orfr palicia, acompanhan-
do os BMM passos, e dando a respeito denuncias
falsas.
Rccif!1, 38 de novmbro de 1863.
Urbano Sabino l'rxsoit He Mello.
X-.IMSSVi
Consolado proTlnclul.
Rendimento do dia 1 a 3 ......... C:981,S012
dem do da 4................. 4:930*127
U:91IIU>
MQVIMEMTQ BO PORTO.
Navm entrados no dia i.
Macei4 das e 16 horas, hiate nacional de guer-
ra Cayru', commandante o Io leueole Americo-
lia-ilio Sil vado.
Bio Grande do Sul35 das, hiate porliiguoz Ser-
ta I, de 120 toneladas, capilao Francisco Anto-
nio Leal, equipagem 8, carga 8,380 arrobas de
carne ; a Maia 6t Espirito Santo.
.Y'ir-iw sabidos n mesmo dia.
Cana! pela Parahybabrigue inglez Daniel Dijer,
espiten \V. S. I'amele; em lastro.
Maceibrigue inglez flama!*, eapitao V. A. Simp-
son ; cm lastro d e saL
EDITIS.
Perante a cmara municipal deste cidade de
Olinda estar em hasta publica pava ser arremata-
do nos dias i, 10 o 12 do corrente mez, por qnem
mais der, por tem|H> do um anno, o imposto de
eoqueiros por 400* : os pretendentes podem com-
parecer no paco da cmara nos referidos dias rom
seus fiadores habilitados na forma da le para po-
derem tancar, sem que deixarao de fazer.
Paco da cmara municipal da cidade de Olinda
3 do oVremhro de IW>3.Antonio Joaquim de Al-
meida Gnedes Alcoforado, pro-presidente..Anto-
nio Ferreira Lobo, secretario interino.
DECLRAME?.
DO
Aos IHros. Srs. facultativos em mclict-
na un imperio do Brasil
E" domingo o dia da eleicao. O paiz dari razio
a quera tem. Embora as intrigas e os manejos ten-
lera disvii tuar a expressik) do seu vol : embora a
boa f ou a tibieza dos eleitores se deixe arrastar
pelo que os enganam oti illudom, a-opiniao verda-
deira do paiz lia de vencer lodos os obstculos para
dar unta solemne demonMi-acao dos desejos, das
neci-s.-idades, das tendencias e das aspiracoes ueste
povo.
Nao o grito dos aduladores do poder ou das
turbas que .erige a reforma de immensos abusos,
e o remedio a infinitos males. Mais sincera, mais
leal a expressao lestes pedidos. Surge de lodos
os ngulos do paiz, ouvesc cm todas as conversa*
ofies, appareee era todas as manifestaeoes.
Nao o despeito que Inflamina s criticas, nem
a animosidade facciosa q:ie accorda as suas iras,
nem a ousadia que assopra as suas explosoes: a
tudo isso val o novo fazendo justica; mas a con-
v<-io da necessidade de attender soriamente ao
nosra estado, que vai chegando a todos os aramos,
que esperta os mais indolentes, e os obriga a re-
parar no erro em que estn, deixando correr a
reveba as cousas publicas.
O espirito do povo nao favorece as tendencias
exaltadas. Ama a liberdade, e apesar das decep-
nn> em oue tem cabido, sent o vigor dos amigos'
lempos para reagir contra as tramas que Ihe ar-
mara--Sincero c leal, t Ihe importe combater
porque o desinteresse e almegacao Ihe vedara cui-
dar dos lucros da victoria.
Que importa ao povo que no mcio desta lula,
em que s o valor de uma nobre da o indamma,
veiibam intromeMer-Sl,, inlrigando-se, os traidores
de todas os causas? Os nescos conlinuaro a ser
nescio, e as inertes flearao inertes.
A lico ja deve ter aprovertedo ao povo, mas,
porque o engao haja de repartirse, nem poi isso
a sua cansa fcar irrcmcdiavclmcmc perdi-
da.Os partidos deveram guardar mais respeito
a hita. A recremmaeSo nao senao um expedien-
te para os que pretenden] encubrir as propras
faltas. A ninguem pode aproveitar u/na pugna de
recriminacbes, qne nao tem o mrito da novidade,
e qne s serr multes vezes para abater. e rehaixar
os que recorrem i semelhadtos meios.
Assislimo? a factos Inacredltavois. Parece que
nina forca occnlte dirige certos bomens, e impera
cm e-rtos partidos para os arrastar a lodos os
perripirfos. B com ludo, ainda depois de terem
querido todos os percipicios, e enrolado a bandei-
ra com que animaram as massas, erguem a voz,
que a consciencia Ibes devera embargar, para pa-
icntcarcm o que nem j mesmo pode excitar a
indignarn.
Da urna deve sair o voto do paiz. E se assim
nao lor o onhisma nio dnrari muito. 0 tempo
das rcvoltiroes acabntx
Agora eunjpre trajar de dar vida e admmtra-
eao a e?dalerra.-Be os que apresentem-se fiara
serv-lg,a engaara; so os traficantes consegulrem
LAMAN' v KEMP, chimicos pharmacouticos com
pactaa com o crime, procurara apesar de pobre a I drogara estabeleida A. D. 1808 ns. 69, 71 e 73
vinganca da lei e osiou certo que seria oavido, por 'Water Street c n. 19 O d- Slip cm Nova York, res-
gosamente em armamentos para tima das nossas' que anda creio nos homens e as leis que nos re-, peitosanierite charaam allencao de VV. SS. aos
visinhas repblicas bspauo-amerieanas, com as' gem, mas njio posso e nao devo deixar correr sem seguintes faelos :
quaes poderiaraos ainda para o futuro ser enema*; resposta urna noticia inteiramente falsa esem lun-1 l.\ legitima salsaparrlha de bbistol com-
modados. ; damento algum. poMa de substancias ja muito conhecidas como go-
Como chefe de partido, nao pede o Sr. Dr. L'r- j Peco, pois, a csse notciador que nao continu zando do prop edades depurativas ; entrando em
baoo pretender tambem inuitas .glorias, porque, { neste terreno, que respeite a nossa dr e niio con-' sua confeccao uma quaotidade de espirito de v-
tomandoelle, logo de|Kiis do seu jngresso no par- sidere que a casa do pobre s apropriada pura a nho suliiciente para garantir a sua ronsGrvacao
tido praieiro a direccao respectiva, teve a nao prostituicao. e nem procuro laucar a ignominia e nos criabas calidos.
invejavel habilidado de ir pouco e pouco desvian-. a infamia sobre as cnzas de uma mulher qne mor- II.a lkutima miimiilfiMi de bristol prc-
do-o do terreno constitucional, em que o havia "
achado com um poder numrico enorme, at que
o sacudi fra da conslituicao, onde suieidou-se
com denodado herosmo, (icando todavaelle o
Dr. Crbno, a salvo na corle do Rio de Janeiro a
fazer e a ajunter consoanto -.. J.......
..........e qnem sabe o que por ahi
nao houve da Quitanda, que a malicia e |ierftdia
de tenias boceas quz lancar aobn a nobre fronte
do heroico Nonas Machado iminorredoura victi-
ma de verdadeiro patriotismo *?!....
Eis aqu ligeiramente fintas asretlexes a que
nos propozemos relativamente ao passado de Sr.
Ur. Urbano
durante o espaco de
mats rw
TB1NTA E UM ANNOS !
existem na e ao publico brasileiro perto de QUINZE ANNOS.
reu pura e virgen. : parada cuida losa e scenlilicamente (mediante a
Rio Formoso, 6 de novmbro de 1863. receita de uro medico de tlenlo reconhecido, o
Jos Correa de Luna. Dr. C C Bristrol da cidade de Brlalo no estado
Os documentos se achara nesta typographia para de Nova York) por uma casa de amiga e bem es-
quem quizer examinados. tabelecida repulacao.
__________* UI A LEGITIMA SAl.SAf ABRILHA DE BRISTOL tem
sido .(presentada ao publico
i:i.UK*i.
Dos tres partidos que actualmente
provincia, o conservador ou vermelho nao pleilea | IV.A legitima salsa pariulha de bbistol
a eleicao para si. Este na expectativa, activando approvada pela Exm.* mspecco de estudos da Ha-
a divjsao entre os progressistas e os amigos praei- vana c por muitas juntas e academias de modi-
quanto ao presente, cumpre-nos ago- ros, que seduzidos por apparencas de poreza libe- "
ra fazer nutras, para que possamos Firmar o nossp ral aceitaran! a ckifanca do Sr. Dr. Urbano,
juizo, visto que este nos poderi servir de guia para I Era a tctica mais assisada e proveitosa para
o futuro, para onde nos encamiohamos, tendo um um partido numricamente fraco, mas quasi mili-
abysrao profundo ou um deserto inmenso a atra- j tarmente organisado.
vessar 1 o nstincto do proprio interesse bastava para le-
0 Sr. Dr. Urbano confessa, que aera o conselhei-; var esto partido a fortalecer com todos os meios miniares e da marinha', pblicos, privados a de ca-
ro Chichorro leve conferencias polticas com o con- de que dispozesse qualquer fraccao que viesse a! ridade, t as rasas de sade as Antilhas e no
cia da
America do Norte,
America Central e
America do Snl.
V.A LEGITIMA SALSAPARBILHA DE BHIRTOL Usa-
da em quasi todos os priocipaes hospitaes civjs,
continente americana
VIA LEGITIMA SALSAPABBILIIA DE BRISTOL Te-
ccitada pelos seus collegas as ilhas de Cuba e
selhero Paes Brrelo e Si e lbuquerque, para a' segregar-no do partido progresssia.
formacao da liga, en que estes senbores entravam I O Sr. Dr. Urbano, ame.-trado nos ardis recondi-
com declaracao de ficarom em seus postos de con-1 los e tenebrosos da poltica machia vlica, nega com
servadores moderados, licando tambera os liberaes' estupenda persistem ta as suas relacdes passadas e' Porto Rico no Mxico, Guatemala, S Salvador Ni-
os neus, prestando-so todava auxilio reci|ico; presemes com o partido conservador. Reduz as' caragua, Honduras, Nova Granada, Venezuela
para destruirem o velho castalio dos vermelhos ou ] suas conferencias com o Sr. P. Campos as propor-1 Equador, Bolivia, Pera, Chile, Confederacao Ar-
oonservadores exclusivistas. Creraos francamente efiesde sim|iles encontros fortuitos, em que s fal-' gentina e Banda Oriental : na India e Australia
que islo se deu pouco mais ou menos, como narri lavam as variedades do tempo e Ras noticias do on'rie a salsa acaba de ser rotroduzida, c esperial-
ko Sr. r. Lrbano : mas, se assim foi, como acre-; Japao. (mem* pelos faeultavos os mais eminentes c dis-
ditar-se. o hr. Ur Lrbano na parle do seu mam-1 Nega e faz negar pelo seus novos alliados a tinelos neste imperio do Brasil,
testo e do cummunicado, cm que assevera que o reuniao que houve em easa do Sr. Dr. Autran, af-' VILAs curas devidas i legitima sabaparrilha
Sr. conselbeiro Paes Brrelo dis$era.lhes, que firmando que era uma simples visite, tarda sim,' de Brislol em caosde escrfulas, escnbuto
entrava para o partido liberal (repare-se bem para mas de pura e desinteressada affeicao ao seu anti- Rheumatismo,
a forca dos termos) como simples soldado ti .. ge m**tre. Chagas antigs,
Pois ser crivel que o Sr. conselbeiro Paes Bar- Cora a candura da mais infantil innocencia, diz Enfe'rmidades venreas e mer-
reto declarasse na conferencia que permaneeeria que nao sabe ora ipiem votarao os eleitores de S. curiaes, morpha e todas as molestias provenicn-
em seu posto (de eapitao prestimo) de eonserva- Lourenco, como se alguem houvcsse nesta cidade tes de nm estado caquetieo do saneue sao authen-
dor moderado, ---------=- !---------------------------------------j-
dor modelado, e ao mesmo tempo que entrara que gimrasse o que se esta passando aaquella lo- tlcadascom attestados Odedionos e innecaveis da-
como soldado para o partido liberal ? .... Nao v calidade. des espontneamente por pessoas oceupando todas
obr. Dr. Lrbano que, para ser crivel neste parte, Com igual coragem desmonto as relacoes que as posices soeiaes.
--i Barreto perdesse o teve coro o Sr. visconde da Boa-Visto, como se ja No caso de James Wyckoff mesmo por parecer
i sonso ? E pa- tivessem raorndo todos os habitantes deste cidade, uma cura quasi ncrivel, fizemos esforcos esneciacs
proposicao o Sr. Dr. que o virara almocar era casa do Sr. visconde, pas- para obter as pravas asmis ineotesteves e
i O'il"! lian enr onl*n_ Mr nol'jc me n/\ cu, K4rm a *nanm.e* nni;...;. ..... .. ...__j___. ... '
seria preciso que o Sr. Paes Barreto perdesse o teve cora o Sr. visconde da Boa-Viste,
crditoat de hornera de bom sonso ?
ra que aventou soroolliante
Urbano ?! Por certo que para nao ser acre- sar pelas ras po sen carro, e apear-se ordinaria- jiortento mandamos brar o retrato i
ditado em certas censas, que asevera !!.... mente na praca da Boa-Viste ; como se dos deba- daquelle infeliz, (o qual pode ser visto em todas
Vamos adianto : tes da nossa assembta provincial nao constasse as boticas) e publicamos um rotatorio de uma
Da poca em que leve lugar a dita conferencia a o apoio que elle prestou as suas medidas legislati- consulte de exame feite na pessoa de James Wve-
vas e administrativas em quanto nao perdeu a es- iuilT par um certo numero de eminentes mdicos,
peranca de ser recleito deputado geral. conformo vai confirmada pelas certidoes authen-
era que nos sonamos, os acontecimentos nio se
hao retardado tente, que se possa hoje sustentar
rezoadsmente, que o Sr. Paes Brrelo esteja ainda
preso a aquelle pensamento de permanecer no pos-
to de conservador moderado, sem modificaco al-
guma nos principios da poltica; c pelo contrario
l-'OltO COMHIN.
Pura os qoc culcii lem da materia.
Arl. 1' S ? do regulamento de 15 de marco de
I8i.Da decsao que nao admitte o terreiro que
vem oppor-se na causa, ord. I. 3* tit. 20 31, ver-
sa E tratndose, ed'aqui denotja eistn dos autos,
ou admitte nos proprws autos ou em separado os
embargos onpostos na e.cecuco.
A vista da disposieao cabida aftvern qnem diga
qne*a viste concedida para embargos cora suspen-
ciio da execucao nio cabe aggravo |K>r parte do
xeqcente, visto que os embargos ainda nao foram
recebidos ?
O artigo citado nao falla em recebimento dos
embargos, dizadmittir apalavra admiltir abran-
ge, dar entrada, receber etc., logo, lgico quo o
dispacbo qne concede a vista nos proprios autos,
tem admittido os embargo nos autos, e delle cabe
aggravo nos termos do citado artigo.
Esta inteligencia est consagrada no regulamen-
to de 2o de novmbro de 1830 no foro commurcial,
art. 6G9 II, que explieou todos os casos na exe-
cucao sobre embargos que admitte o aggravo: a
qu se acha de acord com a inteligencia que
damos a este respeito no foro commum.
Este a nossa opiniao, e desejamos ser contesta-
do para esclarocimento deste ponto, contravenido
por pessoas, a quera nao damos muito crdito.
D perfume do liciuisplierio occidental.
(Extracto do jornal A Chronirn de 23 de junho
de 1858.)
AGUA FLORIDA : no meio do oppresivo calor
que nos cerca e debilita c de que nos lodos mais
ou menos solTremos; consideramos aquelle que
nos pode proporcionar qualquer um meio do alli-
vo consolador o de mligacao smive para nossos
suflrimentos como um graude beinfeitor.
Os Srs. Liamaa & Kemp residentes em Water
Streel n. 69, fabricantes da Agua Florida, lor-
nam-sc pois com juste razio, eu suromo grao
dignos deste louvor: e o seu annunco jide ser
visto em uma outra columna deste edi^ao de bo-
je. Este excedente agua ou admiravel liquido e
usado para os usos ordinarios de banho por sera
duvida um dos cosmeticos ornis agradarel, assim
como o mais delicado e delicioso perfume que
jamis temos osado : i venda as boticas e lejas
de perfumaras.
COMMEBCIO.
NOVO BANCO
DE
EKWUBUO
O novo banco de Pernambuco convida os
credores das massss fallidas de Mosquita iV Dntra,
c Francisco Antonio Crrete Carnoso a apresente-
rem seus ttulos no banco para se proceder a res-
pectiva verificarao.
AMandeg*
Readimcnto do dia i a 3 .......
dem do dia 4.................
llovlnteuto da alfnndrsn
BEBERIBE
0 cai\a desla companbia coiunicR*-
dador Thomaz il'Vjiiinn Fonseca aclia-sc
autotisado a paar no seu egrriplom
ruado Vicarion. 19 das 10 hoiMSPin
tliantaoSr di>idendo na prapoitai
de 3$ por rada apolice, adverte-se
aos Srs. accionistas que e>le pas,anicn-
lo deve ser era moeda de robre que
na espere que o mesmo Sr. caixa tem
recebitlo dos arrematantes dos ehafa-
rizis'esta com|anhia,
Hsciiptori da i ompanhia do Be?e-
rihe 1 de novmbro de 1863.
0 escriptnrarM,
Barco lino Jos Pope.
Xa segunda-feira, as 2 lioras da tarde, mas
de baver a audiencia do juiz de paz do 1 districto
da fregueza de Sanio Antonio, per ser terca-feira
dia santo, e as demais audiencias continuara nos
dias tercas e sextas, todas ellas na casa publica,
na ra do Imperador, como de costume; o que
faco publico a quoin convier, de ordem do lili.
Sr. juiz de paz.-O escrivao,
Silva Reg.
(orrei.
Pela administrayao do correio se faz publico que
hoje (5) is 3 horas da larde cm ponto fecbar-sc-
hao as malas que deve conduzir o vapor a reboque
Camaragibe rom destino i provincia de Macei e>
portos intermedios.
Conselho administrativo,
O'conselho administrativo para fornecimeato do-
arsenal de guerra tem de comprar os objertos se-
guintes :
Para a companbia dos menores do arsenal de
guerra.
Caz 6 galoes.
Para o mesmo arsenal.
Penna;; de ganco 1,000, pennas d ago caixas io,
caivetes de aparar pennas 10, zarrio arrobas 5,
livro em braoco de papel pautado com liiO folhas
1, 1 dito de 200 foihas, ferro inglez em barra de
1 >i pol legada de largura e 3 oitevas da grosstua
quintaes 14 1/2.
Para o presidio de Fernando.
Oculos de alcance 2.
Quein quizer comprar tees ohiectos, aprsente
as suas propostas em carias (echadas na secretaria
do conselho is 10 horas da nnB? do di 11 do
corrente.
Sala das sesscs do conselho admimsiralvo para
fornerimeeto do arsenal de guerra. 3 de dezembro
de 1863, ^
Antonio Pedro de S Barreto,
Coronel presidente.
S. A. do Bego Barres,
Major vogal-st-creterio.
Recebedoru 4c r**ud s tuerta
Pela rocebedoria de rendas internas geraes
se faz publico, quo no crvenle mea Anda-so o pra-
7'?-;*5n\ s0 I)ara r*agatero dos imposto hmeado
i.totfrtw j exercicio de 1862-63; a saber: renda dos pro-
* to7T Pr'os nac'0Dacs foros de terrenos e de mariah*.
' derima addicional do mo mora, imposto sobre
lojas, casas de descont, #:., dito sobre easa de
S qnem estiyer allucinado pelo espirito do par- ticas dos dous magistrados residentes mais proxi-
tido praeiro, por odios pessoaes incoercveis, ou mos, assim como pelo offieial maior do condado
MW1OT OsvvrMaJI^PO T^Waa Na^aWWWBP
< com gneros.
e os membros do
todo o paiz sabe, que operada a liga, Iratou-sc im-
mediatamente na corte, c em varias provincias, de
refundirse o elementos que davam vida aos dous \ partido vermelho.
oceupar o iHgar qne mes nio pertence; nem por partidos colligados, em um s prpgramma dcec-' O interesse dos seus alliados da corte em divi-
eso a cansa publica flear perdida, porque a voz clelismo, com a denominado de progressista dir o partido progressista neste provincia, j que
por exorbitantes e infundadas ambiges, poderi om qoe ellos residen, ao qual vai attxada a cor
fingir para aluciar iiwxperlentes que nao existe lidio do magistrado- em chefe da cidade de Buf-
conluio e pacto formal, que de todo se nao pode falo.
occultar, entre o Sr. Dr. Urbano
Este relatorio foi lavrado naquelle tem neto
Dr. Thomaz Lee, e por elle dvidamente ajuraraen-
tado perante a magistrado em chefe da cidade
Voluntes sabidos
com
com
fazendas...
genaros...
133
S47
S8
Descarregam no di 5 c dezembro.
Barca ingtaxaheei'e n\.
Barca nglezaBtitith Qveme^arvM.
de Nova York ; cuja assignatura foi attesteda e. Polaca italiana-Linda-diversos gneros.
movis, ron pas. etc. o tasa do esevavesi segmn-
do-se depois a cobranca executiv : outro srm,
que ne mesmo mes ftnda-so |>r*eo do- pagamento
380 sem multe, relativo ao 1- semnatra do OTercicio de
1863-64 dos seguintes imposto^ decima addicio-
nal de mo mora, imposto sobro lojas e casas de
614 descont, e dito especial obre caws de movis,
roana, ole., fabricados cm paii ostrangeiro.
Reeebedoria de Pernamnue 3 d* dezembro de
1863.O administrador,
Manoel Carneiro de Souza Lcenla.
V
-
i
ttv
-*e*-



.
Diario de Penaanibnco ftabbada & de Dezembro de i ft3.
Consulado de Portugal
0 eoasot de Portugal nesla provincia, tendo de
preced* aoarrolamento do todos os subditos por-
tuguezes, lidia rnlrntnn. para a organisaco da
estatizaba gt*ai da poputagfw portuguoia rearden-
ta neskt imperio, oque muilo Un A MremaKnda-
dw pelo govertlo de S. M, F., convida e pede to-
dos estes seus compatriotas, que remettam este
consulado at di 3) de dezembro prximo,
urna relacaoooatanae os atas nemes, idades, es-,
tado, filiarao, naturalidade e occupa<;ao e bem as-
m* aome da pessoas de sua familia, Indura-
do caiitoiros o priado*, eem as respectivas desig-
ii ioOus eoni as mesma* d*daraedes.
As pessoas que nao souberera escrever e que no
mha quem Ihes faca estas reteooes deverio vir
ao consulado faie-las verbal mente, onde mes se-
rio tomadas todos os dias uteis desda as 9 horas
la mania at s Jt da tarde.
Os naiieiros ou oulras qaaesquer individuos
ifn* no estojan em casas portuguesas devem
mandar as relacoes relativas a suas possoas.
O cnsul dePortugal de|tois do tantas pro vas
de deferencia qno tem reeebido de seus compa-
triotas aqu residentes, nao pode duridar de qae
IUr conoederj mais esta qua desde ja agradece.
Entretanto ve-se na necessidade de Ins declarar
que o consulado nSo reconheoer como portugoe-
te, nem prestar auxilio atgum em nomo da seu
goveruo aquellos que at o referido dia 31 de de-
zembro nao acudirera a arta convite.
Kojja-.se ajtodos os portaguezes que deem toda
a publicidad uosslwl a este anuncio.
8-
I
1
c
<
I
II
s
I !
i
o
I
P
9=
P f
f s P 5
l i
O. ^_
8 a- 1
S. * 1
B5 *> 1
i o- * 8"] f i
i
v.
S.
-------
7 *

IUAE
i
n
ESTADO
r
1-
B
I.
<3_
s
! !
9
-i
/
F3
ITU
fr
>
5
f
cr.
en

1
"8
a
v
i-
1


2
>
osa
I
w
r
o

fe

>
50
o<
M
Battonry Born.
Wauted on the ship and cargo ef the English
Barquo 3/ary Lord, captaiu Jolto G> Moar, about
rs. 5:0905, raore or lcss, for repairs and porl-cliar-
ges at this, port; to enablesaid vc$sel lo proceed
on her voyage to Liverpool. Seal#d tenders to be
addressed to the captaiu at llie Brilish consulate
and to be openod in lite presence o/ B. M. cn-
sul, ou Monday uext at i P. M. Recife 3 rd. de-
comber 1863._____________!_____________
Blsoo marilimo.
a Larca ingleza Marg l Moorc, precisa da quantia de rs. 5:000, pouco
irais ou menos colora o easoo a carga de dito na-
vio, para os reparos e mais despegas ueste porto,
de forma quo possa seguir a sua viagam para Li-
verpool. Ftecebem-se propostas.cm carta fechada,
no consulado bntanaico, dirigidas ao capitao, tu-
las serio aberlas na presenta do cnsul de 8. M.
B., na segunda-feira prxima, 7 du corrente, i
hora da tarde. Recife 3 de derewbro de 1963.
Mi'iiiir- cCitifiancti.i
Pretende sahir brevemente para Lisboa, recebe
carga e passageiros, para o que trata-ce com cus
consignatarios Carvalho & Nogueira na ra do
Apollo n. <0.________________________________
Para o Rio GraBde do Sul segu com muita
brevidade a escuna Formosa, tero prompto a marer
parte do carregamento, o para o resto a frele, tra-
ta-se com Amoritn Irmaos, ra da Cruz 3.
Para o Por I a
segu brevemente a veleira barca 8. Mmoel II que
lem engajado metade de seu earregameiito ; para
restante e passageiros, a quem offerece fwllos
commodos, dirijam-se aos consignatarios M. J. Ba-
mos e Silva 4 Searot, ra do Vigario n. 10, pri-
meiro andar.
.i.ni...................... r i..........
LISBOA.
Segu para o indicada porto com a possivel bre-
TiiiaJ! o veleiro brigue portnguez Joven .4w/i pito Rodrigo Antonio Branco : qaem quizer rarre-
gar dicJja-se ao seu consignatario Antonio de Al-
weida Gomes, ra da Cruz n. 33 pntnetro andar.
Para o Rio de laneiro.
0 pataetio nacional Ccpuom, pretende seguir
com-raaita brevidade, tem parte de seu carrega-
uieato engajado, para o resto qoe Ihe falta c es-
cravos a frete para os quaes tem bons commodos
trala-secoraos aeui consignatarios Antonio Luiz
de 01 i veira Azevedo & C, no seu escriptorio ra
da Cruz n. 1,
CASA DA rOMlM
Itllhotes garantidos ;
A' ra d lrecpa n. i t casas dj> rusUnac
% io.*om>.
lloje 5 de dezembro se uxtrabira a quarla par-
te da seganda loterin pelo plano das loteras ex-
traordinarias, beneficio da irmandade do Senhor
Bem Jess das Dores.
abaixo assignado, reoommendando ao ros-
itavi'l publico a compra dea seus mu elizee I-
",es garantidos, lembra-lhe a vantagein que ha
ora raceber os premios por' inteiro, por quanto
luem tirar a sorte de 10:0005 em bilhete garan-
tido nao receber somente 8:4004, cm virtude dos
deacontos de 16 por cento que Ihe farao em vista
das leis, massim os 10:000,5 -|uc vem a ser a dita
quantiaemaisade 1:6(X)# qiio pagar o abata
assignado, imporuncia de ditos dfescontos, aconte-
cendo o mesmo com as outras sortes.
Os bilhetes garantidos pelo abaixo assignado,
levarao a sua assignatura de chancella atraves-
da na frente do bilhete.
Os premios maiores de 30 serao pagos urna
hora depois da extraccio.
Preeos.
Bilhetes inteiros..... 125000
Meios bilhetes...... 65000
Para as pessoas qua OQBiprareB
de 1005 para cima.
Bilhetes........ 115*00
Meios......... 55609
MamM tkifUnt Fiuza.
Alaga-se o prnoiro andar do sobrado da ,
rea do Crespo n. 23 : a Iratay na loja.__________|
Antonio Jos Uodrifues de Souca, na ru* do
Crespe a. 15, precisa alugar um moleque para o
crvico de casa da familia, oque saiba bolear ear-
ro, sendo de bons eostumes.
LEILOES.
Bentsfa amenrano
|P ^cw-Vork, ma do Im-J
rador n. Dr. W. H. Me. Grata, offerece ao res-
peiuvel publico de Pernambuco os ser-
vicos de sua profissao, todas as opera-
ces da bocea e denles serie executadas
com o ultimo e muito raelhorado princi-
pios de cirurgia dental.
FAZENDAS DE BOM GOSTO.
&drmotatn^^core?er 'pSi** .*"" -demos que tem rtndo a Peruami^.
Lindas sedas de cores a 25200 rs. o eovado.
Ditas de ditas de quadrinbos a 15 e a 15200.
Morcanlique oariaczim cor da moda.a 15200 o eovado.
Seqwriore cortes de blonde para noivas.
Lindos cortes de crep de Hespanha eem barra de cores as. mais lindas que se pode deseiar.
Cortes de lia com barra de cor. ^
Ditos de lia cora barra aquille.
Lindos cortes de grinadine de seda com barra de gostoi inteiraraente nevos.
Linda fazunda para vestidos denominada crep de Hespanha de cures mu lidas.
Superiores lias de cores matisadas.
Grande e variado sortimento de percales de cores para vestidos.
Ditode chitas francezas muilo finas escuras, claras e matisadas.
Lindas catilmetas para vestido, gestos Inteiramente aovos.
kupenores corles de canibraia braocos bordados e eutras muitas faz. ndas de bom gosto para vertido de senhor a.
Para hombros de senhoius.
Superiores capas prelac a 205, 435. 305, W5 SO*.
aanUombarques de camkraia ricamente enfeltados.
Ditos de eachemira de eores a brancoc enfeiudos com muito gosto.
Lanas capas de caximira de cores as mais modernas que tem vindo a esta praca.
Superiores zuavos de carebraia e de seda preta.
Luidos postilhes do merino de cores.
Grande e variado sortimento de camisinbas bordadas
dem t chales de merino lisos de barra estampadas de quadros o de crep a 45500, 55, 64, 75,85.94 e 105
Para cabera de seniora.
Superiores chapelinas de palha de Italia.
Lindos chapeos de paiha de Italia enfeiudos com muito gosto e grande variedade para escolher a 125,145 e 165
Moderos enfeiles de dores caegados no ultimo vapar rancez. ^*
Vanado sortimento de aafeiles deiMminados conservadores para tabeja.
Bordados.
Grande sortimento de ntremelos brdalos a 15,14200 e 14500 a peca.
Lindas tiras bordadas largas a 25, 35a 45 a peca.
Calcas bordadas muilo liaas para senbora.
Superiores e modernas saias bordadas.
spajtilhes superiorec e outras muitas hiendas de costo na^loja das columnas ra do Crespo n 13, de Antonio Corroa de Vasconceltes & C
Pechiiicha sem igual.
^ .LVm.l,\i,,ja ?-2 co,umnas vende.se cortes de cambraia organdjs de barra de duas saias e de babados raasados com 14 a 16
corte a 09, B5, it5 c 125 o corle. a *w
WM cada
y. Jet, Aicvedo de Andr.idc faz
iciiilo aaeerpn do commeicio desia
- OSr. la Poliao Cavak-anti de Ai- P'f8 frofiieacs en^r-l, fd
buquerquo, tem urna carta nesla typographia. tMiisferio a sen rst >b IfciniPiit de fa-
lendos silo tan do Crespo lo ja n. 20
g
3
z I
i
1

s i
n

o
S
re
IKIIAO
IIOJE.
O agente Almeida far leilao u requerimento
dos curadores fiscaec da masa fallida da viuva
Amorim 4 Filho e mandado do Illpi. Sr. Dr. juiz I
especial do commercio de um repartimento para
escriptorio, quatro bahus com looca, um armario '
de canto, urna cmoda eem armario, duas mesas,
um cofre de ferro, urna caixa com medicamentos,
tuna frasnueira, um realeijo, diias macas para I
viagem, quatro mallas, dous |>otes para agua, duas
jarras, urna estante pequea, quatro gamellas, urna |
caixa de (landres com resmas de papel, urna caixa
com garrafas de vinho, diversos livros em broxura, | riz
dous bahus paqueos, urna frasqueira e um algui-
; dar, ludo perteucenje mesma|raa?sa.
>'o armazem na da Cruz n. 62,
i dia.
i:u*uo de preparatorio,
0 bacharel A. R. de Torres Bandeira,
professor de geographia e historia no
gynma.sio desta provincia, tem resol vid
abrir cirios particulares para o ensino
destas disciplinas, e bem assim para o
de rhetorlca e philosophia.
Os -so comer ario logo que haja nu-
mero sufflciente de alumnos para cada
um delles : na casa da residencia do
annunciante na ra estreita do Rosario n.
n. 31, terceiio andar.
Aluga-sa o armazem n. 4 da ra da Apollo, e
o t.'Aviro andar da casa n. HH da ra da Inipera-
na ra da Aurora n. 36.
A para a de a. 18 da mesma ra.
ymmmnmmmm 1
Umtlnua a haver pao de senleio novo nos dias I
quartas e sabbados de cada semana, na nadara
em Santo Amaro ae p da fundicao, na ra da Iro-
peratriz n. 22, e ra do Brum, confronte o chafa-'
riz n. 47, ra das Cruzes, deposito n. 35, na Pas-1
sagem, taberna da esquina do Sr. Bento, que vira [
para o Remedio, e ao armazem progresso, largo
da IVnlia n. 10.
AURORA
i. u
LARGO Di
BRILHANTE.
0
tem a
seu j
Est fgido desde o dia 20 de novembro, o
pardo escravo de nomo Salvador, com os signacs
soguiutes : 80 annos de idade, altura o eorpo re-
gular, falla de um dente na frente, bastantes mar-
*" cas de bexigas c ainda pretas, marcas de sarnas "'&< jiomiu e .............
___ as pernas, pea um potici apalheUdos, cosinlwi- fe ('na h>.st'n"""to r'n0 a ;>tH>, 2580 e 35200, dilo uxim a 25B80. dito preto muilo
Aluj,'a-se o primeiro aralaf do sobrado ro c enpomniador, levou voslido eal?a de casemira
8ANTACRIZ.
O dono do grande armaaeta de molhados denominado AL'RORA RILIIANTE
Honra de avisar ao respeiUvel publico c com especialidade aos seus freguezes, que i
muito condecido estabeleeimeiite acha-sc de novo sortido de bons gneros tanto do estra-
geiro como nacionaes e por procos muito commodos:
Manteiga ingleza flor pnmeira qualidade a libra 15120, segunda a 15*100 800.
e terceira a 640 e...... .
Dita francoza muito nova a libra 640 e em barril c meios a 580 e '. '. '.
Queijos do ro no do ultimo vapor os mais novos possiveis a 25400 e do passado
a 25000 c .
Ditosde manteiga inteiros a libraa 600ea retalho a '. .',",.
Bolachinha de soda a 640 e de araruta a libra a.......
Calas coinditas de soda com 4 libras a 25 e ditas com biscoutos ingleze a 15400
'14600 e
UnsiiUda i'viucial.
Pela mesa do consulado provincial se faz publi-
co que os 30 lias uteis marcados para a arrecada-
icao bocea do cofre do 1 sitmestre do anuo 1'uian-
ceiro correnlo de 1863 1864 das impostos da d-
cima urbana das freguezias desta cidade e da dos
Afogados, e de 5 00 sobre a reuda dos bens de
raiz perteucente* corporaijoes do mao morta se
Srineipiam a contar do dia 1 de dezembro vin-
ouro.
Mesa do consulado provincial de Pernambuco
2o de novembro de 18*3.
Antonio Carnciro Machado llios.
Admiiiistiadar.
De ordem do Illm. Sr. Dr. procurador fiscal
*la Uioouraria provincial avisase aos devedores
le dcimas e nutros impostos, que as relac.oes res-
pectivas se acham em juizo, u aos musmos sccou-
vodc o |iraso de 30 dias, contados de hoje, para
pagaran com guia.s desta procuiadoria fiscal, de-
vendo solicita-las no escriptorio da ra do Crespo
11. \, por cima da lujado Sr. Falque. Recife 1 de
dezembro de 1863.O solicitador da fazenda pro-
vincial, Joio Kirmino Correia de Araujo.
\BI\1ETC PTra ERECIIEIO
Caes 22 de Novembro
N. 40
Tin Fri-He ao passa-ico do Recife.
HOJE 3 DE DEZEMBRO DE 1863
(jiamle exposicao de diversas vistas dos paizes
*.nais nolaveis do universo, tiradas pelos mais ha-
lis pintores da Franca, da Italia e do Brasil.
O dircetor deste decente e elegante salo, reepn-
lemcnto cliegado a esta provincia, tencionando
iciirar-se muito breva, faz mudancas das vistas
inaLs pitorescas, de dous em dous dias, para deste
modomelbor recrciar as respeitaveis familias.
Estrada 500 rs.
O saln estar aberto todas as noite's, das 6 horas
em diante.
LIIilO
AVISOS MARTIMOS.
COMi'AMIlA PEKNA.MIUCANA
de'
Xavegaeo costeira a vapor.
.Marciii f escalas
No dia i de dezembro prximo
s '> horas da tarde seguir o
vapor Camamgibe para os portos
cima indicados. Receber carga
at o dia 4. Encommendas, passa-
yi-iros < dinheiro a frete ateo dia da sabida s 3
horas da tarde : escrijitorio no Forte do Mallos
n. I.
COMPANHIA PEKNAMBUCANA
DE
\-:iveg:iro costeira a vapor.
Parahrba, Matal, Haeao, Aracalv, Ceari e Araracu.
Ne dia 7 de dezembro prximo
seguir o vapor Mumatujuape pa-
ra os portos cima indicados, s a
horas da tarde. Receber carga
al o dia 5. Encommendas, pas-
sageiros e Uiuiieiro a frelo at o dia da sahida s
3 horas da tarde
. 1.
DK
l'ma fabrica de destilaeao e seus pertences, urna
dita de sabito e seos pertences, urna grande
propriedade e diversos terrenos, gneros de
destilaeao, botijas e garrafas vazias, garrafes,
.i'lias e 1 Tata.
0 agente Almeida autorisado pelas Srs. admi-
nistradores liquidatarios da massa fallida de Joa-
quim Lucio Monteiro da Franca, far leilao da
propriedade da ra Nova de Santa Rita n... na
qual estaocellocadas as fabricas de destilaeao e
de sab.io, sendo tambera urna grande casa de mo-
rada com todos os commodos nao s para familia
como proporcOes para aceominoilar empregados
necossarios para taes cstabeleciincnitos, urna mag-
nifica cysterna para conservar 200 pipas de li-
quido, alguns terrenos annexos mesma proprie-
dade, um dilo na ra Imperial, diversos gneros
comogenehra. vinho de caj, essuncias, grande
porcao de botijas, garrafas e garrapas vazias e
diversas obras de ouro e prata.
No dia 9 dt drzrnihro
do conenle anno, s 10 horas do da na mesma
fabrica.
s 11 horas do da ra do Amorim u. 58. proprio para es^
'criptorio : a tratar raa da Cadeia n. 62,
segundo amlar. ______
- Alu^'a-se itcasa ik-rrea n. o, do pri-
meiro becco da Gamboa: a tratar ra da
Cadeia d. 6, secundo andar.
Aluga-se a asa terrea n. S7 da ra Augusta
com 2 salas, 6 quarios, eozinha fra, quintal mu-
rado e cacimba, e igualmente a loja da casa n. 59
da lussma na : os pretendenles entondam-se com
o seu propriotario na mesma casa n. 59.
Woeledade de seguros uiudios
de vida installada orlo Banco
1 ui.lu ua ciaaoe alo t-orio.
Os agentes nesla cidade e provincia Antonio
Luiz de Oliveira Azevedo ^ (\, escriptorio na roa
da Cruz do Itecife u. i, estn autorisados desde j
a tomar assignaturas e jaaotar todos as esclareci-
mentos que forem necessarios, as pessoas que de- bnete ou em casa dos doenles conforme lh.es
sejareni coneorrer para to til e benfica eiripre-
za, segurando um futuroiisongeiro aos associados.
de algodo de quadros miudos, camisa de mada-
polao e um bonet preto. coarta que anda procu-
rando quem o compre nesta cidade e diz que a
'mandado do senhor : rogase sua apprehensao as
autoridades polieiaes e capites de campo a quem
se dar boa naga a enbvgar-se na ra do Hospicio
n. 24. junto ao quartel._______^_________
Gab.net''. racto cirurgico ra dos
Fiares a. 37.
O Dr. Estevo Cavalcanti de Albuquerque d
consultas medieo cirurgicas em seu gabinete das
8 s 11 horas da manha e das 11 ate s 3 horas
da tarde, os ehamados deverao ser por escripto e
dessa hora em diante divei- ser procurado ua ca-
sa de sua residencia no Chura-Meuiuo.
i.- ranos.
2." Molestias de pelle.
3. dem dos olhos.
4." dem dos orgos genitaes.
Praiicar loda u qualquer operacrio em seu ga-
fr
mais conveniente.
-!-f!
AVISOS DIVERSOS. *
A assignatura desle Diario nao
obri}fatoiia,e quem ela Dio cnnvm
uap e disf ede-se, e nao demora o paga-
mento, fizemfo o cai\i,:ro ir dez emais
Rentista d pars I
19Hua i\ova-19
Frederico Gautier, cirurgio dentista,
faz todas as operaedes de sua arte, e col-
loca dentes artiliciaejf tudo com superio-
ridade e |ierfeicao, que as pessoas enten-
didas Ihe reconliecem.
Tem agua e pos dentiflcio.
-- Precisase fallar rom o Sr
Ignacio
vezes para receberquantia tan diminn- Vieita de llrllo, rscrvao em Xazarcth,
la, em |)-';i drolijeco que, em oilusos sobre negocio que o mesmo senhor nao
paizesconhcceilmes da mprcasa.csem- ignor'; na ra do Iresp lja de fa-
p comeca A'vtstadissoespetamos quftos ----------------------------------------
Criado
Precisa-so de um, que entenda de santa) de si-
Ho tamhem, dando-se 1203 |>or anno e comida :
na ra Nova, sobrado n. *l, primeiro aiidar, das !>',
horas da manhaa al o meiodia.
nossos assignantes, que csioem atraso
no pagamento, mndem satisfazer suas
assignatnras, para evitarem que a im-
presa empique os meios que jul;ar
necessario para seu cm'tolso.
lotera extraordinaria
Corre hoje.
Aos 10:060500 e 2:000^000.
Sabbado i do corrente mez se extra-
hir pelo excellente plano das loteras ex-
traonlinariasa quarta parte da segunda lote-
ra da irmandade do Senhor Bom Jess das
Dores, no consistorio da igreja daN. S. do
Rosario da freguezia de Santo Antonio.
u mneles e meios acnam-se a venda na uu csuuciccimeniuuus rs. yuuuen > Agr,
respectiva theSObraria ra do Crespo n. 15 ru;i Nova, das 9 horas da manhaa i hora da
e as casas commissionadas ra da Impera- ,arde-
- Amanliadas 9 as ti) horas tem
mnibus para o Hospital Poi-luguez.
Precisa-so alugar um preto pai\i oser-
viixi de casa ; na ra da Cadeia do Recife nu-
mero 20.
Aarenda-so um hm sitio
em Pai aaamerim, estrada de Sant'Anna, com casa
de moradia, cocluira, estribaras etc., grande bai-
xa de planta do capim, bo agoa, e niuilos arvore-
dns de fruclo, e outras commodidades. O lempo
c as condieoes do arreudameuto serao favoraveis,
e Irala-se na praca do Paraizo n. 24 com S. A.
Prez.
MMM
Arrenda-se am sitio noHugar da Boa-Viagem,
com muitos arvoredos de fruclo, baixa para capim
' e proporcoes para vaccas de leite : quem o quizer
! arreudar dirija-se ra da Cruz n. 37, segundo
| andar, que achara com quem tratar.
lino a 25, *&:m e
Animas francezas em latas de 3 o 6 libras e meia a libra a WM, 2*100, 1 ajino e
Utas com marmelada da safra nova a libra 720 e.......
Ditas com liiios de comadre8 libras 2X00 4 ditas 15300 e libra .
Pas.-as novas em caixa de arroba a 65.*i()0. quarlo a 2,>00 e libra
Caixoes de doce de goiaba da casca a 400,500, 640, 880 e......
Frascos com conservas francesa e ingleza a 800 e 900 e de muslarda a .
Amendoas novas arroba a 6 e a libra a 240 e........
Scvada nova arroba a 2o00 e libra 120, sevadinha e sag novo a !
Vinhos genuinos dos melhores autores do Porto duzia a 14, 18 e 205 o garrafa a
11280, 1^600 e..............
Uite empipado Porto, Figueira e Lisboa a caada S&. aJWO,' U,'3SS00 e 3i e
garrafa a 400, 480,560 e.....-. -*>, -^ >*
Dilo branco proprio para missa do Porto, Figueira e Lisboa, Carcavelos, termo xe-
rez a 13, 800, 640 e..........
Espermaceti; verdadeiro a libra 800, 720. 640 e 600 rs., velas de composicao e car-
nauba arroba 100 e libra a.........
Farelo saceos erandes. farinJi. nabo o lo aaana a 4 UHOB 54 maio
pequeo a \ .....
I.inguicas do serlao a 320, costelas e cavecas e mais falo de porco secco proprio
para feijnada a............
Macarrao. talharim, aletria, pevide, eslrelinhas e rodinhas a libra .
Latas com peixe em posta muito bem preparado em molho a
Charutos finos da Baha dos melhores fabricantes a 25, 25500. 33, 35500, 45 e .
Genebra de llollanda verdadeira o frasco a 640 e 15 de laranja a
Verdadeira familia de mataraiia ou araruta em caixinha de 4 libras a 640 e a re-
talho a........ ....
Gamma muito alva arroba 25500 e libra 100 rs., dita mais amiga
libra. ........
Caf de moca a libra 360, dito do Rio a libra 320 e 280, e do Cear a
a 105,95500 e........
Toucinho.de Lisboa arroba 125 e a libra 400 rs., chouricas novas a libra
Presuntos para hambre a libra 800 rs. e ditos de Laniego pi
libra e inteiros a libra
Alpista novo arroba 55 e libra 160, grao de bico a 160 e ervilhas novas cm latas a
libra 640 e............
Serveja das melhores marcas branca e preta inteiras e meias garrafas duzia 53
5, e.............
Itesteas rom grandes sebolas o cinto a ..... .
MmmmmmmmmmwM wmm mmmum
arroba 15280 e
320 arroba
Laniego' para panella a 400 rs. a
400
560
15X00
640
400
250OO
35OOO
13000
800
320
480
I5OOO
500
320
280
25OOO
640
560
360
;i5oo
200
480
13000
33000
15000
800
60
85500
640
640
320
75500
25 00!
HA PARA ALUGAR
Um andar com soto na ra da Gruz, um ter-
ceirodito com sotao na ra do Encantamento, um
pequeo armazem na ra do Amorim, um arma-
zem proprio para oflicina ou estabelecimento na
ra das Cruzes : a tratar cora Joao Kibeiro Loiies,
ra da Cadeia n. 33, loja.
Ama para ser alugada.
Urna parda moca com todos os roquesitos para
urna casa de familia, sabe coser, engommar, vestir
urna senhora, e tratar de mancas : pode ser pro-
curada a pessoa que est enearregada de aluga-la,
no estabelecimento dos Srs. Quinleiro A Agr,
triz n. 44, loja do Sr. Pimentel; ra Direita
n. 3, botica do Sr. Chagas; ra estreita do
Rsala n. 12, typographia do Sr. Mira e ra
da Cadeia n. 45, loja do Sr. Porto.
Os premios de 10:000#000 at 205000
serio pagos urna hora depois da extraern
escriptorio no Forte do Mattos j e os outros no dia seguinte depois da distri- j j
buicao das listas.
O thesoureiro,
________Antonio Jos Rodrigues de Souza.^
COMPANHIA PKRNAMUCANA
DE
!Mavega?o eotelra vapor.
Illij de Fernanda de \oronha.
O vapor Jaguaribe logo que
chegue do norte seguir para a
liba de Fernando. O dia da par-
tida ser aiinunciado epportuna-
nienle.
- Para a Bahia vai sahir com muita brevidade
ta-se com os consignatarios Palmeira & Beltrao.
larg do Corpo Santo n. 4, primeiro andar.
Rara 9 Ido Ue Juneiro
Pretende seguir com muita brevidade o pata-
cho nacional Brberibf, tem parte de seu carrega-
mento prompto para o resto que Ihe falta e escra-
vos a frete para os quaes tem excetlentes commo-
Luz de Oliveira Azevedo & C, no sen escriptorio
ladaCrtnta. 1.
ara u\m raatlo lo l.
Saldr rom brevidade o brigue nacional Csrum-
tu, roeebe carga a frele e estraves : qoem quizer
ielle rarregar entenda-se cora Mannei Ignacio de
i veira d Filho, largo do Corpo Santo n. 19.
O Sr. Jos Francisco Pinto Guimaraes, cirur-
giio pela escola real de cirurgia de Lisboa, trans-
ferio sna residencia para a ra Nova, n. 60, pri-
neiro andar, onde pode ser consultado todos os
dias uteis das 7 s 10 horas da manh, acerca das
doenras denominadas eirurgicas ou externas espe-
cialmente daquellas, em rujo tratamento mais fre-
quentemi-nte inlervem a mdiciBa operatoria. i
Na ra das Cruzes n.
44, segundo andar, precisa-
O Dr. Sarment Filiio, medico operador
do hospital Pedro- II, para maior com-
modidade das pessoas que o honrara com
a sua cnuQaoea, pariicijia que sfcr en-
contrado lodos os dias no referido hos-
pito I das 7 s 10 da manhaa e dessa hora
em vante na ra do Queimado n. 44, se;
gundo andar, onde ha eslabelecido o seu
consultorio, ou em asa de seu paiCam-
po das Priucezas.D consultas gratuitas
lodosos dias no dito hospital, onde pra-
lira toda e qualquer operaeo de que o
pobres preciiem para o su restabeleci-
monto. Incumbo-se especialmente da
cura das raolislias do dominio da medi-
cina operatoria, que se ha dedicado,
das affercoes do tero e da uretra.
RESTARAKT
II Kui estreita do misario 11
O novo proprielarlo deste eslabelecimento con vi-
SP fillir Ofm HVfTPTiPlfl Qf\ SJi ^a respeitavel publico que d'ora em diante cha-' pois da festa dar as si
OC IWUll WUl Ul aUilUa W O, r0|as ^^^ cumeiuriasa qualquer hora Ao da Fiiriarvn no bair
Dr. ok
gaMes,
DA
V*;i de \os.s:i Mcnhora da Coa-
eelo tloa Militares.
No domingo (i do crrente, pelas 7 horas da noi-
. te, ao som da msica dos educandos do arsenal de
guerra, depois de elevar-se ao ar differentes gi-
' ramblas de fogo, ser basteada a bandeira da
mesma excelsa Senhora, sendo esta conduzida da .
igreja por mrnrnas trajando as vestes do innocen-
cia, seguindo-se na madrugada do dia 7 urna mis-'
sa qne ser annunciada por novas girndolas, on-
deas msicas de diversos corpos de linha locaro
lidas e variadas symphonias.
Au meio dia locaro as mismas msicas, e as 7
lioras da noile se dar comeco as vesperas.
Na madrugada do dia 8 luvcr nutra missa com
o mesmo apparato, o as 10 horas entrar a festa,
sendo o orador do Evangelho o distincto pregador
idacapella imperial o Rvm. Sr. padre mestre Fr.
Joaquira do Espirito Sant.>. sendo a msica de er-
chestra dirigida pelo insigue musir Smoltz, cuja
msica de propriedade do hospicio de S. da
Penha, que o padre mestre prefeito* para mais bri-
lliaulismu do aclo, a ronce Jen, visto que e ornada
de bellos e variados solos : sendo seu autor Ma-
riano Russo de Messina.
A igreja estar decentemente ornada. As* 5 ho-
ras locaro diversas musirs militares.
A noito ha ver o Te-Deuui Laudamus, no qual
orador o Ilustre pregador o Rvm. Sr. padre mes-
tre Leonardo Joo Greco, udo o qual ser com a
mesma pompa e brilhamismo tirada a bandeira,
seguindo-se ura lindo e primoroso fogo artificial,
com o que terminar a a*?>lividade.a
A ra estar competentemente nbandeirada.
Nao tendo rllegado as columnas e mais appare-
Ihes que a compaahia do gaz mandara vir para o
Iluminar a ra, nao ter lugar a illuniinaco pro-
jectadft, e per isso roga-se aos meradores da mes-
ma que lenhan a bondade de i!luminarem as fren-
tes de suas casas, para assim mais realcar a festa \
da excelsa padrocirn, para cujo rim tambera mar-
cha urna brigada da guarda nacional, a qual de-
salvas do estro.
RA DO IMPERADOR
N. 22.
Gratule armazem de tintas.
Este armazem contera tudo quanto
preciso para queaindustriadepintura.de
sualuer genero que sej, desempenhe
seu lim, isto embellezar, conservar e
reproduzir.
Montado em grande escala e supprido
directamente por grandes fabricas de Pa-
rs. Londres e llainburgo, pode offerecer
productos de confianca. e salisfazer qual-
quer encomienda grosso trato e a re-
tlbo.
Os Srs. artistas pintores, e os donos de
obras podero escolher vontade, pois
que tudo estar vista, as differentes co-
res de que tiverem necessidade.
Ua tintas em massa e em p iinpalpa-
vel. e romo as obras a envernizar s se
di've empregar tintas muidas, e nao mo-
recendo confianza as que vem de fra para
commercio, por'vclhas, e talvez falsilira-
dtts, neste armazem se as moer a vis-
ta do consumidor, que s assim ter tin-
tas frescas o verdadeiras.
Ha tambera ouro verdadeiro, verde em
p eem folha, prata em l'olha, p debren-
zear de varias cores, diamantes para cor-
tar vidros, burn dores, ncar superfina m-
carnada, amare!la c verde, tintas vege-
taes, azul, rosa, verde e amarella, inoffen-
sivas, nicas que se devem empregar as
confeitaria?, colleccoes de pinceis para
fingir madeira, rom propriedade, e outros
de varias qualidades, vernizes, copal,
graixa, branco ou escuro para o interior
e exterior, para etiquetas e quadros, tin-
tas finas em tubos, em crayoes ou pastel,
tollas para quadros, caixas de tintas finas
e papel para desenlio.
Esseneias aromticas verdadeiras, fras-
cos e vidros para vidrar;a de todos os ta-
manhos, e muitos outros objectos, cuja
utilidade e emprego s com a vista pode-
ro ser mostrados.
JoSo Pedro das Noves,
Gerente.
Consta ao guardio do convento de Santo Anto-
nio desta cidade que nina colleccao de ociosos, cu-
tre dles alguns negros captivos com capa de de-
vocao, esto pedindo esmolas, ou vo pedir para a
festa de N. S. da Saode, erecta neste eonveoto do
| Recife, sem licenca era eonsenlimento do respec-
| tivo prelado : portanlo scientiftco aos povos e de-
| votos da mesma Senhora que nao ccadjuvem ta
refinada maldade. Fr. Joo de N. S. do Rosario,
presidente in capit
M._^_------^---------------,-p..^^.. ^.. ..m_ .,....... ..v. .,...rro doRocife, da algibeira
' lOffO llIH* Hl* Vlnilltl Mil- ou noile, fornecendo-sc tambera mensalmente : o de sru dono, ura reiogio de ouro patente ingleza.
apprasival sorveto de bellaae deliciosas fru.-ts .lo W046 do fabricante James Hornby, 40 Siatrr 8.
Precisa-se de urna pessoa para tomar coata
de um raneho na Estrada Nova : a fallar no mes-
no lugar no sitio da viuva Yillaseca.________^^
Precisase de urna ama para casa de hornera
solteiro : na ra du Codorniz n. 8.
Francisco Pinto Oiorio contina a coj-
locar dentes artificiaos tanto por meio de
molas como pela pressao do ar, nao re-
cebe paga alguiua sem que as obras nao
fiquem a vontade de seos donos, tem pos
e outras preparaces as mais acreditadas
para conservaco da bocea.
Na ra da Gloria n. 89 aluga-se um moleque
e um aaaravo, por eommudo preco.____________
Acfca-se acstasuMelcgaaia dcaae o dia 27 do
mez de novembro prximo passado, um alfincte de
ouro e coral, que fra encontrado em mao de Mi-
guel Joaquim das Chagas, em orcasiaq que o pro-
curaba vender, que declarara o ter adiado :
inii*i for seu dono, provando, Ihe ser entregue.
Subdelegada da freguezia de Santo Antonio do
Rartfe 4 doxeaibio de 1963.-O aubdeh-gado,
Manoel Antonio de Jess Jnior.
paiz a 240 rs. o copo de meta garrafa, ao mdo da Liverpool; recoramenda-se aos sniores relojoeiros
dama-e polica apurchenso delle, caso ihe chagua s rT^TJiTi L^n 1
de sai. mU levandTa ra da Cadeia n. 17. laja, ou n. un f ,n'loJ[0 mesmo !
e a noile : aoxcellente papa das 6 horas
nhaa em diaaie ; bem como tedas as aoitos
hado paia o domingo a boa e substancial mo de
vacca, tudo por preeos eotnmodo*._____________
i "^- Acha-se a vmta io livraria As
D^-se 20* uwnsaos a orna ama que queira ac- a e L k.
barde criar um menino de 8 njcies, sendo para Sr. liaiaMrues 4 Wl\*'ll*a UM OpusCH-
passara festa com a mesma familia, distante destt '- .*/-
cidade : a tratar na ra Direita n. Vi. loja de al-
eado.
lo, qBf tem por itole-tfico de J8I53
en feruambuto-orfco 1$"
10. primeiro andar, quo se recompensara.
predio aluga-se vor resta ou por anno : quem o
pretender, dlrija-se mesma povoaeSo a Theodoro
PreTine-se a quem convier, que o sitio em 9 Lago, ou a f" "'o Queimade n.23.
Reberibe, pertooecnte Antonio Norberto de Sou- -------Preri^ da iima ion forra ou asorava
za Lcaldade s pd" ser por eHe arrendado em to-! ~ fffi WbbT '
do, ou em parto, e nao por outra qualquer pessoa; rBfl Wl i*___:___.____________________
ainda qi* soja pe mais especioso, motivo, sob Manoel Duarte Rodriimes aa roa do Trapiche
pena de indemnisar perdas e damnos dalii resol- a. 20 compra acedes da caixa filial do banco do
tantos. Brasil nesta.
Aluga-se urna parda scrava,perita cozluhei-
Afuga-se na povoacSo de Reberibe nma boa Ira, engommadeira e lavadrira, por S0 mensacs :
pequen sitio, tendo o j na taberna de S. Jos do Manpuinho.
Aluga-se um sitio na CapungTveiba com boa
casa, conlendo 4 quarios, gabinete, racimua rutu
boa agua, quartos para pitos, estribara e frunci-
rs, lodo murado,: auem q pretender, dirija-se
praca da todependeVia, ns. 'J7 e 39, ou ra da
Palma n. 41. __________
Augusto Jos da Cosa, sulnlito porluguei,
chegado da Europa no vapor ftu-aa. sogne para o
Rio de Janero.
'


..


Diario de l'ern&uibaco *a**ado s de Oczeuibro de isas.
- Antonio Jos RodrigoesrdeSouza alaga a sua Alagan -mn prioMin andar om sota.
>sa e sitio do Monte.ro, emircute ao oitatf da >l"'ntaUo beccodoPoc.ube a. 2b ; atraiar nai
itao e
u *-lra,ar "* rua
igreja de S. Pantoleao, com bastantes oommodw : da latina n....
a tratar na thesouraria dasi-Werias, rua o t po n. lo. t- ______________________casa de pituca familia ou eliomem-solteiro: quem
Aluga-se o" sobrada fc rua do Colho n. Itt, precisar, dirija-se rua Direita n. rom crande torraeo |r -cmamodo proco 4 a *
dos leoes na rua dos Prai res n. 36; ma dita a
mesma rua n. 32; una *a na rua do Socego
7 : a tratar com Jos Carne" o da Lunna._______
t arteiras betwdpathicas-
em raarroquim, com 24 c'48 tubos, medicamentos
muitos novos, e garantidos, mais lorato qoe em
ouira qualquer parte : na pra<;a do Panizo n. 4.
Companhla Adel Idade
segaros martimos e ter-
restres esafoeleclda no
Rio de Janeiro.
AGENTES RM PKPNAMBHCO
Antonio Luii df Oiiveira Azevedo k C.
compeU-ntemente .utorisados pela dirv*-
toria da companbia de seguros FideJida-
de, tomam segures de navios, mereado-
rias e predios no-seu escriptorio rua da
Cruz n .1.
Aluga-se a grawle casa com sotao, estribana,
cocheira e mais arraojos necessarios, no tugar de
Sanl'Anna de dentro, que fo do fallecido Uiiz Go-
mes Ferreira: quera apretender, dirija-se ao mes-
mo lugar a fallar cora o seu proprietario Jme Ve-
nancio Machado da Paz, que todo o negocio far.
Joao Jos Pinto Ue Oiiveira, commerciante es-
tablecido na vita do'Cabo, convida seus eredores
reunirem-se por si ou por seus procuradores no
da 9 do corrate, em casa do annunciante.naquel-
la villa, afim detratar-se a bem dos interesses dos
mesmos credoree.
Naques sobre Portnga_.
O-abaixo assignado, agente do banco
mercantil Portuonse aesta oidade, saca ef-
feciivamente por todos os paquetes sobre
o mesmo banco para o Porto e Lisboa, por
qualquer somma, vista o a prazo, bo-
dendo logo os saques a prazo seren des-
contados no mesmo banco, na razao de 4
porcentoaoanno aos portadores que as-
simlhe convier : as ras do Crespo n.
8-ou do Imperador n. 51.
Joaquim da Silva Castro.
O estrangeiro ou bomem solteiro uue preci-
sar de urna ama de bous costumes e bonesta : di-
rija-se ao tiecco do Camarao n. 11._____________
D-se constanteineute dinheiro a premio so
penhores de ouro e pfato: na rua da Gloria n. 27
so dir quem da.
Aluga-se a loja do -sobrado do pateo do Terco
n 12, propria para qualquer estabelecimento por
ser espacosa e bom local: a tratar na rua da Praia
n. 36._________________________________
Soeledade Fhjlosophlca Mtte-
rarla.
De ordem do Exm. Sr. presidente convido os
senhores socios cempareceram a sessao extraor-
dinaria de sabbado, 5 decorrente, as 10 horas
do da.
Joao Baplista Reg Costa,
Io secretario.
i
AO PUBLICO.
Oabaixo assignado, successor do Joao Baprisla
d06 Santos Lobo, faz scienteooirespeitovel publico
que nesta data tcm cascado todos os poderes que
havia dado ao seu procurador capitao Honorato
Jos de Oiiveira Figueiredo. >Roie 3 de dezem-
bro de 1863.
Francisco Ayres Sezinando de Moraes.
0 abaixo assignado, thesoureiro da confraria
do Senhor Bom Jess da Via-Saora da igreja da
Santa Cruz, declara que nem elle nem membro al-
gum da mesma confraria autorisou pessoa ajguma
paratirar csmolas para a festo da Senhora da
Conceicao, pois estando a igreja em obras nao se
pode celebrar festividad? alguma.
______________Bemjamin Viraes Dutra._______
Ainda est por alugar-se-o segundo an-
dar do sobrado n. 44, em a rua da Auro-
ra : quem o quizer dirija-se esta mesma
rua casa n. 10.
Irmandade da Seniora da
Conceicao daCongrega^ao.
0 escrivao da mesa regedora da irman-
dade de Nossa Senhora .da Conceic5o da
Congregaciio, para cuorprir o que deter-
miua o a'nt. 48 do compromisse -da mesma
irmaadade, avisa a todos os seus carsi-
mos irmos, para reunirem-se no consisto-
rio da mesma igreja, no doiaingo 6 do
eorrente mez, as 9 horas da mania, para
em mesa geral elegerem a nova Mesa que
tem de funecionar no futuro auno de
1864. __________________________
Ama.
Preeisa-s de urna ama para eosinhar, na rua lar-
- Precisa-se alugar urna escrava que saiba co- -- ^ d
zmhar e comprar, para urna asa de pouca famiha, g ao rosario, n. i* z inar.
ou urna criada forra para o mesmo servido : na Precisa-se de um 1
rua do Queimado n. 39. ama que saiba engommar e lavar : a
-^TSTuviniano Xavier de Souza queira ap- sobrado n. 32, da rua da Aurora.
. ii- .- .... .. \ ,.'#., i 4in>l um"
traur xfi
parecer no rm'azem" n."9"na,rua nova'de Santa i Ainda est por alugar a casa da rua de S.
Rita (nucir do peixe) a negocio de interesse, vis- Miguel nos Afogados n. 28 : a tratar na rua tal-
lo igcorar-se sua morada. perial n. 98.
Msicas para piaao e canto do todas as Jorcas, o metaodes dos melhores antores, e voade-]
te barassiino. < '
EXCELLENTISSIMAS SENIIORAS,
Aproveitcm as pethinclias da loja raa d Cresi d. 17
JOS GOMES VILLAR.
Para apurar dinheiro est vendeado barassiino. .
Aproveltena todos.
Roeebeu de New-York 2,000 baloes de 20 arcos e vende a 241300 cada um.
I xtraordiaaria pechincha, sera igual.
Lias de euros, de quadros a 286 e 400 rs. o covada.
Cassae-de Chitos francezas muito boas a 320 e 360 rs. o covado.
Madapoloes, pegas de 20 varas a 7&, 8&, 93, 103, 113 e 123 a peca.
Cambraias hsas, pegas de 8 1|2 varas a 23300, 43,53, o3t73J^83_a pega.
Capas pretos, manteletes pretos bordados a 203 e 323 rs. r^ ~^
Sotambarqiies pretos de 233 a 303 rs.
Capas de casera ira de cores a 233 e 303 rs.
Outras fazendas de multo gosto.
PROTEJAM TODOS.
Cortes de -eambraias bordadas ; cortes de vestidos de blonde para noivas, com capella e|
f manta. Chapeos Maria Pia a i23cada nm t Meias para senhora a 43, 53, 103 e 123*
rs. a ducia. Bramante de linho, de 10 palmos, a 23 a vara. Bramantes belgas a 33 a vara ;
esguiesde Haho fnissimo ; borabazinas pretos para luto ; merinos pretos etc. etc.; da- g>
mseos de laa de 8 palmos de largura, proprios para colchas e para cortinas de salas.
-ojuaujaaiaqBiso ounssijueijodui! ossab 'sbjs 'seraxa 'oB,5oatoji
'ojtouoip b 'seraissijejcq sepuazej
ljom3 Aso :p seqaafqaad se nijij.m>j soHiaoMVHisa a soNVDaajWVMaad^
Precisa-se de vm padre para capel 13o da po-
voagio do Correle; offeroce-se vantagem : tra-
tar no largo do Rosario ns. 17 e 19
Precisa-se de urna ama de ieite nao
tendo ftlhos, seja forra ou captiva: na rua
da Uoiao n. 50,_______________________
Guilhermo Moyne subdito francez retira-se
para fora da provincia.
Attencdo.
Veodc-se um excellente "escravo de 28 a 30 an-
uos, muito bra oflicial de pedreiro de excellente
couducto : quera pretender dirija-se rua do Quei-
raado n. 37,____________
PARA A FESTA
DA

FAZENDAS BARATAS
29--M7A DO QUEOIADO--29
Custodio, Carvaiho & C.
Finas eambraias organdys indianas pelo baratissimo prego de 300 rs. o covado ou
300 rs. a vara.
Grande sortlntentfo
dos maisinos baloes de arcos para senhora e pelo barato prego de 33 cada um, ditos de ma-
dapolao para meninas a 23500.
Xovidadc
Os mais lindos e mais unos e modernos cortes de laa com ricas barras, tendo rada corte
20 covados e pelo baratissimo prego de 203-
Fil de linho vara a 300 rs.
Modernas laazinhas para vestido o covado a 440 rs.
CASA DE SAUDE
Em Sanio Amare
Do Or. Silva Ramos.
nico estabelecimento desto natureza
que existe entre nos, montado do modo
que pode eora todo o commodo c zelo tra-
tar qualquer doente, que nella seja reco-
Ihido.
O edificio magestoso e conserva-se
cm perfeitu estado de liinjieza e conve-
nientemente mobiliado.
Os doenles sao separados, segundo os
sexos, natureza das molestias e condicoes
sociacs.
Ha quartos fortificados para os aliena-
dos, e urna enfermara para as partu-
rientes.
O proprielario encarrega-se de qual-
quer operacao.
O estabelecimento franqueado qual-
quer pessoa que o queira visitar.
Primeira classe 33000 diarios.
Segunda dita..- 23500
Terceira dita.... #3000
Para que qualquer doente sejaali rece-
bido, basta que se mande onomedo doen-
te e da pessoa que o remelle, com a de-
claragao da morada.
O proprietario aceita contratos annuaes
com qualquer que queira ter um ou mais
leitos sua disposigao.
O abaixo assignado faz publico que commet-
teu desde o dia 8 do prximo passado novembro o
encargo de recelier os alugneis de suas casas, e dos
foros de seus terrenos da Torre ao Sr. Cosme de
Abrcu Macedo. Becife 3 de dezembro de 186^-
Joao A. de Souza B. Araujo Pereira.
Aluga-se o segundo andar do sobrado n. 25
da rua estreila do Bosario, tendo commodo para
Srande familia: a tratar no caes do Hamo, subra-
o n. 2.____________________________________
Ha para so empregar um excellente coznhef
ro : quem precisar, dirija-se rua da Lapa n. 3.
Precisa-se de um caixeiro com pratica de ta-
berna : na rua Imperial n. 139.
i;om;i;ii;\o
Queijos do ultimo vapor a 23, vinho Figuoira a
Lisboa a 400 rs. a garrafa, o 23800 a caada, dito
do Porto a 640 a garrafa, manteiga ingleza flor a
800 rs. e 720, franceza a 360, cha porola a 23600
I e 23400, caf a 260 e 300 rs., -banha refinada a
400 rs., chourigas novas a 720; tourUmo a 300 rs,
l arroz a 80 rs., gomma a 80 rs.,. farinha do Mara-
: nhao a 120, sagd a 280, batatas a 13280 o gigo.a
libra 60 rs., aletria e macarrao a 400 rs., massa
de tomate a 640 a libra, azeitonas a 13200 a aneo-
reto, em garrafa a 240, latos com bolachinha de
soda e outras a 13300, conserva a 690 rs. o frasco,
espermaceti- a 560, do Aracaty 360, cerveja branca
e preto a 480 a garrafa, fraseos com genebra de
Hollanda e de laranja a 480, botija 400ts., ceblas
a 13 o molho, azeite doce a 680 rs. a garrafa, vi-
nagre de Lisboa a 200 rs., azeite de oarrapato a
80 a garrafa, e 200 rs. em caada : no-armazcm
da estrella, largo do Paraizo n. 14.
COMPRAS.
NOY ESTABELECIMENTO DE MEDICINA HOMEOPATHICA
RUA NOVA M. 43.
ODr. Sabino 0. L. Pinho mudou o seu CONSULTORIO para aloja de marmor
rua Nova n. 43, onde continua a dar consultas todos os das uteis desde o meio dia afe
2 horas.
Os enfermos, que o procurarem logo na invaso da molestia, sem que najam to-
mado qualquer remedio, nem allopathico, nem homeopathico, pagarao metade dos precoi
estipulados. Esta concesso tem por im facilitar a cura de molestias, que podem tornar
se complicadas pelos emprego intempestivo da therapeutica e ao mesmo tempo adquirir
para a nomeopathia maior numero de adeptos pela bateza da cura. j
Em attenco as pessoas pobres, que nao podem sahir de dia, o Dr. Sabino resol- i
veo lar diKs mnsnltas Dor semanas np tercas \p. sp.xtis-fp.iras das seis as sete horas da.
noite.
Os chamados para visitos e conferencias devem ser dirjgidos por escrtpto ao con-
sultorio desde 8 horas do dia at 8 da noite, na certeza de que sero attendidos na orden,
de sua precedencia, salva a circumstancia de eminente perigo.
ADVERTENCIA.
0 novo consultorio est prvido dos melhores medicamentos, desde a primeira
at a trigsima dvnaminjsacao.
E como os mdicos hespanhes e allemaes nao cessam de certificar a major effi-
cacia das ultissimas dynaminisaccs do tratamento das molestias chronicas, o Dr. Sabino se
oceupa agora de elevar os seus medicamentos s potencias mais altas ( por ora at 200.a).
afim de verificar:por si mesmo a forca dynamica, que se lhe attribuc.
Os mdicos, que quizerem experimentar taes dynaminisaces podero dirigir ac
consultorio suas receitas, que serao aviadas gratuitamente para os pobres.
No mesmo consultorio se vende a novisstma edicao do Thesoaro homeopatkia
ou Vademcum doJiomeopatha, obra indispensavel a dos que querem usar da homeo-
pathia.
Tudo o quedkz respeito nova medicina se acha abundantemente neste novo estabe-
cecimento.
SEGUROS DE VIDA EM MUTUALIDADE.
Adirccgao do BAKCO.UNIO tendo obtido dogoverno de S. M. F. a autorisagao para estabele-
cer o.seguro de vidas en mutualidades, faz publico que desde j toma subscripgoes annuaes por urna
so vez,^ebaixodas seguales condicoes :
/Com perda de capital e lucros
Dito capital smente;
Dito lucros smente;
devendo a primeira liquidado ter lugar no Io de Janeiro de 1859.
Asvvantogens do empr.ego de capitoes em mutualidade, sao obvias, porque nao smente se co-
in o juro de quantias diminutas, de que avusas se nao poderia tirar nenhum resultado: mas alm
disso, este vndiiiieiiUi augmentado pelo capital ou lucros, ou ambas as cousag, conforme as condicoes
da subsenpeao, dos que fallccem. Tambem partido pelos socios obreviventes tudo aquillo que os so-
cios morosos nos seus pagamentos,, .sao per este motivo obrigados a pagar, bem como caducidades que
occorrerem pela falto de cumpriatento do corapromisso social.
As liquidagoes sao pelo syttema daseorapanhias hespanholas, Tutelar e outras ; e parase poder
fazer urna idea do que pode produzir uma.enlrada annual de 103, pubca-se a segrate tabella basca-
da sobre a ejywriencia de muitos anuos decosipanhias desto natureza :
En 5 amos Em 10 airaos Em 1 anuos Em 20 anos Em 25 annos
Por um
Ka raa do Cre po ioja n. 13, ali-
ga-seoprimeiro, segundo c tereciro
andar do sobrado di mesma rua n. 9,
juntos oo cada nm de per-si.
Mudanza.
Jos Ferreira Moura mudou sua residencia para
a rua do flangel n. 6._________________________
FOLHINHAS PARA 1864,
Na praca da Independencia hvraria ns. ti
e 8, acham-se venda as seguintes folhi-
nhaspara 1804 impressas nesta typographia
em excellente lypo e bom papel,
Folhinba de porta contendo as mate-
rias do costume, rs.........ICO
Dita de algibeira, sob a epigraphe
religiosa, ronlpnrlo al.m ras maiprias
do costume os sete passos da Paixo
de Nosso Senhor Jess Christo ; cnti-
cos do mez Mariano; liymnos e jacula-
torias ao Santissimo Sacramento; ex-
plicages de diversas oraces; cora
Seraphica ; exercicio ao sagrado cora-
Cao de Mara; oraoao para visitar as
igrejas no dia da Porciuncula ; oraco
para escolha dos estados da vida ; dita
a Senhora da ConceiQao ; e meditagnes
sobre a reforma da consciencia, rs. .
Dita de dita, sob a epigrapheVa-
riedade, contendo alm das materias do
costume : receitas uteis e necessarias
aos diversos mysterios da vida ; physi-
ca e recreativa ao alcance de todos:
pilheriase ralices; poesas; charadas;
mximas e pensamentos colligidos por
um curioso..............
Yiolo roubado.
Gratifica-sc generosamente a quem der noticia
de um violao de faia (amarello) marclielado de
madreperola roubado pelas 9 horas da noite da rua
do Camarao n. 5.
It A \ O I \ I O
ESTABELEC1DO NACID.VDE DO PORTO
Agentes cm Pernambuco
Antonio i,uVi de Oiiveira
Vzc vedo C.
Sacam por todos os paquetes sobre o
mesmo banco prazo ou visto, sobre a
caixa filial em Lisboa, e agencias em Fi-
gueira, Coimbra, Aveiro, Vizeu, Villa-
Real, Regoa, Vianna de Castello, Guima-
raes, Barcellos, Lamego, Cevilhaa, Braga,
Penafiel, Braganga. Amarante, Angra,
una aa Terceira, niu (le Faias, niia da
Madeira, Villa do Conde, Valenca, Bastos,
Oiiveira de Azemeis, Chaves e Fafe, a
oito dias vista ou ao prazo que se conven-
conar, no seu escriptorio rua da Cruz
n. i.
Compra-sc um santuario em bom uso na rua
da Cadeia do Recife n. 40,1 andar._____________
Compra-se uraa ralieca pequea: entendam-
sena rua largado Rosario n. 36._______________
Compram-se garrafas vasias que sejam lim-
pas : na rua nova de Santa Rita n. 70._________
Compra-sc urna escrava que tenha habili-
dades e de boa conducto : na rua da Cadeia n. 35.
Compra-se urna mulatinha de 12 14 annos,
; sendo sadia c de bons costumes: na rua do Cres-
po, loja n. lo.____________________
Compra-se um escaler que seja pequeo e
em bom estado : a tratar com .-^ntonio Jos Rodri-
gues de Souza, na rua do Crespo n. 15.__________
I Compra-se eectivamente ouro e prato em
obras velhas: na praga da Independencia n. 22
loa de bilhetes._______________ ____________
Compra-sc cobre e latao velho : no arma-
zem da bola amarella no oito da secretoria de
polica.
VENDAS.
Rap grosso.
A loja da Aurora na rua larga n.38do Rosario re-
cebeu rap grosso da fabricado gasse do Rio de Ja-
neiro : tambera tora muito bom rap Paulo Cordel- arco de Santo Antonio,
ro, e de muitas qualidades ; todo este rap vnde-
se tonto a libra cora retalho.
CYLIMIKOS
para padaria.
Na padaria da rua Direita n. 84 ha sempre 03
bem conhecidos e acreditados cylindros america-
nos que se vendem a coraraodos precos._________
COFRE
AMERICANO
Na padaria da rua Direita n. 84 ha para vender
por commodo prego um cofre americano muito sc-
Boro, prova de fogo, e com muito pouco uso.
Vende-se urna urna de Jacaranda para depo-
sito de ossos ; na rua da Imperatriz, loja de mar-
cineiro n. 25.
Vende-se doce de caj secco e decada, novo,
de toda e qualquer qualidade, assim como se con-
feitain castanhas: na cidade de Olinda, rua de Ma-
linas Ferreira n. 12.
Cevada.
Vendem-se saccas com cevada muito nova c por
menos do que em outra qualquer parte : no es-
criptorio de Manoel Ignacio de Oiiveira & Filhor
largo no Corpo Santo n. 19.
Vende-se urna casa na povoagao de Jaboataor
bem construida, e collocada no melhor lugar, ton-
to para morada como para negocio : quem a pre-
tender, dirija-se rua do Livramenlo, loja n. 26,.
do Sr. Jos Francisco Brandao._________________
Vende-se urna taberna sita na rua da Sole-
dade n. 8, freguezia da Boa-Visto : quem preten-
der, dirija-se mesma.
Pianos novps.
Os melhores que tem vindo a csia praga fabrica-
dos de encommenda por um dos \mclhorcs fabri-
cantes de Pars, especialmente para este clima:
quem quizer aproveitar a occasiao de munir-se do
um excelleute piano por prego commodo dirija-se
rua Nova n. 19 primeiro andar.
Altenco
Vende-se urna bonita arraago feita a molernar
envernisada e iluminad i a gaz, propria para ta-
berna ou mesmo para loja do calcado por estar
em bom lugar: a tratar na rua Direita n. 48.
Vende-se um terreno na rua Real do-
Manguinho, esquina da rua da Amisade, o qual
tem cem palmos de frente, e duzentos de fun-
do, muito proprio para se edificar e eslabele-
cer-sc um destes armazens progxessistas, por ser
de esquina, do que ha por alli nao pouca necessi-
dade : a tratar na rua do Queimado n. 17, ou na
rua' da Espera nga Soledade n. 16.
Manual de contas fritas
para compra e venda de assucar e outros gneros,
obra muito un para o* negociantes e senhores de
engenhos; pois com um lance de vista pdese
saber o valor de quaesquer quantidade de arrobas
c libras : vende-sc na Iivraria econmica ao p do
O Dr. Cosme de S Pereira contir
na a residir na rua da Cruz n. 53,
Io e 2o andar, onde pode ser procu-
rado para o exercicio de sua profis-
so ihedica, e com especialidade
sobre o seguinte
Io molestias
12
'3
Vende-se urna armagao*de una loja de miu-
- Aluga-se urna casa envidragada no lugar do ueZas, propria para qualquer estabelecimento : ua
Caboc, com terraco na frente, 5 quartos, 2 corre- iia n. 7 da rua da Ladeia no Uecife. ____
dores, 2 salas, cozinha fra: a fallar na rua da
Cal de Lisboa e polassa da
Rnssia.
Vende-se na rua da Cadeia do Recife n. 26, para
onde se mudou o antigo e acreditado deposito da
mesma rua n. 12, ambos os gneros sao novos o
Imperatriz n. 21.
Manoel Jos da Silva e Manoel
res retiram-se para o Cear.
mm* Mmmmmwmm
Joao da Silva Ramos, medico pela uni-
versidade de Coimbra d consultas em
sua casa na rua Nova n. SO, das 8 s 10
horas da manhaa e das 4 s 6 da tarde e
recebe igualmente convites para dentro
ou fora da cidade com o fim de se en-
carregar de qualquer servigo de sua pro- |2j
flsso. C
Os chamados deverao vir por escripto. slg
5*. & ? *Sr ** v .** v "\ %\ y v. .* .v
Precisa-se alugar una mulher para todo o
servigo de urna casa de pouca familia, e de um
escravo que sirva para comprar e fazer todo o ser-
vigo de casa de urna familia, sendo ambos liis : a
tratar na rua da Cruz n. 63, armazem.
Vende-se a taberna n. 36 da rua do Arago, legtimos, e se vendem a prego mais barato do qu
bairro da Boa-Vista, com os fundos ou so a auna- utra ,lualquer parte.
Agostinho Pi- ra0 : a tratar na mesma.
XIIE]
- .
5 M
v
a 2o00 a caada, em garrafa a 320, c outros mui-
tos gneros baratos para liquidar : na rua larga do
Rosario n. 3o, junto a esquina, sobrado de um
andar._____________________________________
Vendem-se ditas escravas de 16 20 annos
de idade, com habilidades, eum cavallo rugo poin-
bo, novo, de boa figura c gordo, andador baixo
esquipar: a Iratar com o dono no largo da Ribci-
ra de S. Jos n. 7.
a>
"-3.2 5!2gS =
SS ea.0
^_ f s?
^ 3
o
!^2 3i'
z
Si-O r-
-s at
a 2
S X
'S-Scs
o c 2 a a
5 5.3 S *

s
3
es
o
-i
menino de 1 dia a 1 auno HU3 400* 900* 2:0005 4:708*
i .de 1 auno a 2 . 90* 300* 750* 1:7005 3:700*
.de 2 > a 3. 864 296* 720* 1:6005 3:500*
de 3 a 4 86 280* 710* 1:5605 3:400*
i de 4 a 15 > 86 270* 7004 1:5505 3:350*
pessoa de > de i5 20 > 86* 270* 7005 1:5405 3:330*
20 > a 30 > 865 270* 7105 1.5605 3:400*
> de 30 > a 40 > 86* 270* 7205 1:6000 8:700*
> de 46 > a 50 > 90* 300* 7505 1:8005 5:000*
entradas por urna s vez dio resultados muito superiores s annuaes.
rto, 10 de agosto .de 1863.Os directores do Banco fliao, Jos ia Silva Machado.F. M. van
As
Porto,
der Niepoort.
Agentes em Pernamhuco : Antonio Luiz de Oiiveira Azexeio & C, rua da Cruz n, I.
~ --'---------------------------------------------------------- -J-------------------------------------------------
DE
DE
J. VIGNES.
W, 55, A DO IMPERADOR K. 5.
Os pianos desto antiga fbrka sao boje assaz conhecidos para que seja necossario insistir sobr a
sua superioridade, vantoftns e garantas que efferecem aos compradores, qualidades estos incontesto-
veis que lies tem definitivawQfai conquistado sobre todos os que tem apparectdo nesto praga pos-
suindo.um teclado e machinismo mje obedecem a todas as vontodes e caprichosidas^pianistas, sem
nunca alhar, por serem fabricados de Broposito, e ter-se fci o ltimamente mclhoramentos impoiton-
tissimos para octima dest oaiz quaflfo & vozes sao melodiosas e flautadas, e por isto muito agrada-
VCS S^St^S^S^n^ ^ W o M d0 Sr- B,ondel> dexParS' *
corZ^Z^l^l^l^^i^ semPre, prfmiad0g ffffS&gJ**---- dos
No mesmo estabelecimento se aeh Hf explendido e vanado sortimento de msicas dos
melhores JSiSS^S^A c^mo' ha.^BI^ e Pianos ^nnonicos, sendo tudo vendido
por precos muito razoaveU,
de olhos;
de peito :
dos orgos geniti
urinarios.
Em seu escriptorio os doentes se-
ro examinados na ordem de suas
entradas comecando o trabalho pelos
doentes de olhos.
Dar consultas todos os dias d el
6 as Ip da manhaa, menos nos do-
mingos.
Prajticar toda e qualquer opera-
cao que julgar conveniente para o
prompto restabelecimento dos seus
doentes.
TINTURARA.
Tinge-se cora perfeico para qualquer
cor, e o mais barato possivel: na rua do
Kangel n. 38, segundo andar.
O Io cadete Jos Joaquim Fonseca de Albu-
querque, tendo de seguir no vapor Cruzeiro do Sul,
para a corte, onde vai continuar os seus estudos
na escola militar, e nao lhe sendo possivel despe-
dirse pessoalmente de todos os seus amigos e p-
renles, por meio deste faz as suas despedidas, offe-
raeeado alli o seu limitado presumo.
PAIW A FESTA
Aluga-se urna das melhores casa no Cachang
confronte a igreja, murada com caes e porteo para
o rio, pintada e caiada de novo : a tratar na rua
do Queimado, loja n. 43.
Quera aehou urna cadeia de relogio de cabel-
los encastoado em ouro, que perdeu-se pelos se-
guintes lugares, praca da Independencia, rua do
Crespo, do Queimado, e do Rangel, pode entregar
no pateo da Penha n. 6, primeiro andar, que dar-
se-ha o valor correspondente da raesraa.
Aluga-se o armazem do sobrado no Forte do
Mattos : na rua da Moeda n. 5.
Precisa-so alugar uraa preta de meia idade
para fazer as compras de casa de pouca familia, e
de tarde vender bolos : a tratar na rua de Hortos
numero 3,_________________
Aluga-ss urna casa na rua das Flores
AK'iicao!
Vendem-sc as trras do engenho Dourado, sito
na freguezia de Ipnjuca : quem pretender, dii ija-
HOSPltal L OrtllfflieZ (le Jiene- se a casa da Exm> Marqueza do Recife, na rua da
n r\ i i Trempc n. 1.
fieencia em Pernambuco
Vendem-se em Olinda as casas seguintes :
De ordem do Illm. Sr. provedor convido a lodos' i rasa no Varadouro cora todos os commodos, ca-
os senhores socio do Hospital Portaguez de Rene- cimba, quintal murado, chao proprio.
fieencia nesta cidade, a reunirem-se s 9 horas da i dita na rua do Carmo com pequeo sitio,
manhaa do dia 6 do correute mez, para, em assem-11 dita nos Quatro Cantos com casa de taberna,
bla geral, eleger-se a junto administrativa e com- 2 dita na rua do Ranho.
misso de exame de contas, que tem de funecio-11 sitio na Estrada Nova, com baixa de capim, con-
-
3
3 =='
o o

ese
2 3
S? =. s
4 f? "
.cus co
-i
O
1
<
a
o co s
v> = O.
nar no anno de 1864, como determina o 3o do
art 17 dos respectivos estatutos.
Recife 2 de dezembro de 1863.
Joaquim Ferreira Hendes Guimares.
Io secretorio.
A 10# por mez.
Aluga-se o excellente armazem da casa da rua
do Amorim n. 13, muito proprio para recolher g-
neros, ou para tanoaria : a tratar na praga da In-
dependencia n. 22, loja de bilhetes.
Ao n. 29.
Nova leja ios baraleiros na rua do Queimado.
Velludo de cores fazenda muito boa o covado
35000, baldes de panno 35200, ditos de arcos
35000, 45000 e 55000, las de duas larguras
para vestido o covado a 500 rs., chitos francezas o
covado 360 rs., metim branco para forro de
vestido o covado 120 rs., tarlatonas de todas as
cores a vara 720 rs.
Ao d. 29.
Nova loja dos barateiros na raa do Queimado.
Cassa lisa pelle de ovo a peca 75500, cambraia
lisa muito fina a peca de 17 varas 105, cam-
braieto peca de 12 jardas 75000, cambraia adamas-
cada para cortinado a pega de 22 varas 105000,
meias finas para senhoras a duzia 4*000, chales
de laa ponto redonda 32*500.
Ao n. 29.
Nova loja dos barateiros na roa do Queimado.
Bicos pretos de linho avara 120, 160,240, 320
rs., franjas de seda a vara 80 e 160 rs., galoes
de seda de algodo e de 13a para enfeites de vesti-
do a peca de 10 e 15 varas 400, bornes de seda
de velludo de fustao dnzias 120._____________
Manoel Jos Fernandes Barros pode ser pro-
rurado na rua da Scnzala velha n. 140, segundo
andar..______________________
Engomma-se com prorapdao e aceio : na
rua doJardim n. 14.
fronte com trras do do fallecido Gybson e do
Salles.
1 casa no Jogo da Bolla e 1 escravo.
1 escrava do 11 12 annos : a tratar na taberna
da esquina dos Quatro Cantos, rua de Malinas Fer-
reira n. l.oucom o Sr. Luiz Jos Pinto da Costa,
' padaria na ladeira da ribeira.
-3

09
O.
3
I
ca-
co
tf

s
S
U3
' c _
S-2.5
_ co
o 9-ca'
o.
US co c
-I 03
a, "s ~
U TS ti-
03 as "O
O "i es
tj os en
-I
o
8
Sai
, o. a> co
O s. as' 3 ^
3?" S?1
la
5:3
"a
a a;
as
ws
- O
O 1 B
1 o
o a?r
M
TS 8
as n
-1 _
as S
as
3
a
as
a>
a
P"
as
9
s
o
Rua da Scnzalla Nova n. 42.
Neste estabelecimento vendem-se: tachas de
ferro coado libra a HO rs., idem de Low
Tranca preta de laa.
Vende-se tranca preta de laa, lisa, para enfeites \i00r yi,,-, a j20 rs.
.de vestidos, zuavos e roupas de meninos a 120 o-------------------------------------------;-----
160 rs. apeca : s quem tem o beija-flor na rua J SSIICT (10 MonteiTO
do Queimado n. 63._______________
b is Rua do Imperador n. 28 e caes de Apollo n.
Cnatodo Jos 'ves Guimares dono da lojain- i 67, a 200 rs. a libra, e de 8 libras para cima
titulada gallo vigilante rua do Crespo n: 7, avisa a 50GOO aarroba.
ao respeitavel publico que
tendo recebido um
grande sortimento de salas de balo tonto bran-
cas como encarnadas e para liquidar de prompto
est resolvido a vender pelo baratissimo preco de :
2*^)00 cada um.
Transparentes.
Tambem chegaram os lindos transparentes para
jancllas que se vendero pelo barate prejo de 16*
o par.
quem
quizer falle na alfandega com Joao Duarte CarneU
ro Monteiro.
Precisa-se de 300* a dous por cento, por oito
mezes,dando-se em seguranca metade de um predio
\ que rende 75* mensaes : quem ti ver annuncie.
i
A ttewgo.
Prec|sa-se fallar ao Sr. Domingos Goncalve Pe-
Ainda estar por se vender a taberna da rua I reir Basto, negocio de sou interesse ; na rua
Pireite n. 25 : a tratar na mesma >,ova n- ^ lola ^ Carneiro Vianna.
PenAes sem iguaes.
Biquissimos pentcs de concha para os novos
perneados conforme os figurinos que vem na
mesma caixinha : na loja do gallo vigilante rua do
Crespo n. 7
Pechincha.
Baloes de 30, 35 e 40 arcos a 3* : na rua do
Queimado n. 44.
Botica e armazem
drogas
de
Rua do Cabug n. II,
DE
Joaqun Martinho da Cruz Corma.
Vende-se o seguinte :
Salsa parrilha de Bristel.
Pastilhas assucaradas de Kemp.
_ | Pastilhas vermfugas de Kemp.
i Elixir de citro lactoto de ferro do Dr. Tnermes.
Ron da Lafecteur.
RELOGIOS,
Vende-se em casa de Johnston Pater o
n ... An \r.n,in ^ -j .,m kii ..i; Xarope depurativo d odoreto de ferro de uoj
C, ruado Vigauo, n. 3. um bello sort- Xa' peitorai sedativo de Guy.
ment de relogios de ouro patente ift- i pastiihas peitoraes balsmicas de Guy.
glez, de um do* mais afamados fabricantes Piiulas da vida,
de Liverpool, e tambem uma varedade de Burel franciscano (mesclado) para imagens.
bonitos trancellins para os mesmos.
Injeccao Brow.
i Xarope de citrato de ferro de Clianie.
Pillas contra sesoes.
Salsa parrilha de Sands.
Extracto fluido de salsa parrilha de Bailys.
INJECCAO BROW.
Remedio infalivel contra as gno'rrheas; xSjg S'^aSa"consta,
antigs e recentes, unCO deposito na OfJ-1 Jet0 sonjmente de tintas, verniz, ouro para dou-
tica franceza, rifo da Cruz n. 22, pre- {.ar> preparados cfctrttw e pharmaceuticos que se
) 3^ vendem por commodos precos.
i
i



I i
Dlarh de rciuambuco al>bdo & de Dezenibro de *83.

NOVA LIQUIDACAO
de hiendas inglezas, francezas, allemias e suissa?,
que ee pretendem liquidar antes da fesla do na-
tal, por presos baratissimos, aflu de apurar di-
nheiro sendo a maior parte destas fazendas in-
teiraihente novas, chegadas pelos ltimos vapo-
res ; de todas se dao amostras, deixando penhor :
na loja e armazem do pavo, rua da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
Il laazinhas do pava.
Vendera-se as modernissimas laazinhas com 9
palmos de largura, sendo lisas e de |uadrinhos,
proprias para vestidos, capas soutara baques pelo
barato preco de 15-00 o eovado, ditas com 4 pal-
mos, lisas e de qnadrinhos a 300 r., ditas garibal-
dinas a 400 rs., ditas enfeitadas de quadrinhos a
360 rs., bareges matisados muito unos a 500 rs.,
laazinhas transparentes com palmas de seda a 500
rs., ditas matisadas a 320 rs. o eovado : s na loja
do pavao, ra da Imperatriz n. 66.
Os cortes de cambraia que vende o pavao.
Veadem-se cortes de cambraia branca com ba-
Fusto da pavao.
Vende-se fustao branco para vestido e roupa d
meninas a 500 rs. o corado, dito de palminnos
320 rs., tarlatana de palmiias a 320 rs., Al bran-
co liso, c tarlatana branca e de cores a 800 rs. a
vara : na ra da Imperatriz, n. 60, loja de Gama
Silva.
Ah bretanhaa do pavo.
Vende-se bretanha de algodao em pecinhas de
rolo, cada peca com 10 varas, pelo diminuto preco
de 35200 cada peca, assim como lencos brancos
muito superiores a 25 a duzia : na loja do pavao,
ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
A carnauba do pavo.
Vende-se cera de carnauba em saceos, por preso
muito em conta, ou mais barato do gue em outra
qualquer parte a tratar na ra da Imperatriz n.
60, loja de Gama A Silva.___________________
Chegado pelo vapor:
* para o vigilante, ra do Cres-
po u. 9.
At que chegaram as muito desejadas casrarri-
lhas de todas as sores com urna lltinha de velludo
badas a 2(5500, ditos a 35000, ditos a 45000, ditos no centro, cousa muito elegante para enfeite, assim
chinezesa 45000, pecas de cambraia transparentes con de outras qualidades, e precos muito razoa-
adasmacadas proprias para vestidos, tendo 8 varas veis : s no vigilante, ra do Crespo, n. 7.
e meia a 35000, ditas lisas brancas c de cores a
t5W, I*, 35500,45 e 35, pecas de cambraia deca-
rocinbs teodo 8 vaTas e meia cada urna, sendo bran-
cas e de cores a 35500, ditas a 25500, pecas de
cambraia para cortinados, sondo tapadas e trans-
parentes com 20 varas cada peca a 95000, isto tu-
jopara apnraT dinheiro : na loja do pavao, ra ta
dmueralriz n. 60, do Gama & Silva.
Os cuales fe pavo de ocambiqie a 1:000.
Vendem-se es mais modernos chales de Mocam-
'bique, sendo de urna s r, com barra o muito
grandes, pelo baratsimo preco de 45000, affian-
cando-se seren os mars modernos do mercado, dt-
tos de merino estampados a 25000, ditos a 1*000,
ditos mnilo finos de crepen com 4 ponta e ponta
Para dar de mimo.
Chegaram as riquissimas bonecas de todos os
taannos, vestidinhos ricamentt enfeitados, cada
nn em sua caixinha, propriamente para um deli-
cado mimo, por baratissimo preco : s no vigilaa-
*e> ra do Crespo n. 7.
Para os senhores hachareis.
Chegou tempo a riquissima fita de chamalote
para cartas dos senhores hachareis, assim como
branca, lisa, propria para abrir letras, ou para
utos : s no vigilante, ra do Crespo n. 7.
45-RUA DIBEITA--40
7ia'i-8:S iliVM'Ii
Eia, rapasiada, coragem! parece queja
entrogasles os voseos joanetes aos duros sei-
xos do pessimo calcamento da nossa cidade I
S se observa em vossos ps botinas acalca-
nhadas e gastas at a ultima sola; sapates
rasgados e quasi sem saltos nem tanto I
a quebradeira nao deve chegar at este pon-
to I Vinde ra Direita munir-vos de excel-
leote calcado com 40 e at 60 por cento
menos do seu valor.... attendei:
Borzeguins, Nantes, bezerro e va-
queta 2 e meia solas 8^500
Borzeguins, Nantes, bezerro, va-
queta e lustre 2 solas. 80000
Borzeguins, francez e hamburguez,
bezerro, lustre e couro de por-
co 70 e........64000
Sapates, Nantes, bezerro e vaque-
ta 2 e meia solas. .... 50500
Sapates, Nantes, vaqueta, lustre e
bezerro 2 solas......50000
Sapates, Nantes, sola e vira. 40000
Ditos para menina, com laco. 30500
Ditos de ditas, de cores. 20800
Sapatos para senhora e homem,
tapete.........
Sapatos de borracha para senhora.
dem dem para meninas.
Peiilea de marrafa.
Tambera chegaram os riquissimos pentes de (Sapatos de lustre para senhora
marrafa com pedriohs,os lindos pentes de regaco dem de lustre s avessas .
para meninas, meias de seda e sapatinhos proprios ,______________________
800
10400
i 0000
10000
500
redonda a 65000, 75*00, 85000 e 95000 : s na I para baptisades, meias de seda para senhora," fitas
loja do pavao, ra da Imperatriz n. 60, de Gama & de lia para debrum, fita de linhe, trancas de lia,
Silva.
(rosdenanles a 4 :o00, na loja do pavo.
Fazenda a 15500,15600, 45*00 e 25000 : na
oja do pavas, ra da Imperatriz n. 60.
0 pavo vende chapeos de
1:000.
sol para senhoras a
de linho e de seda, luvas de seda e pellica, e fio de
Escocia e camurea, alllnctes de caneca chata, car-
teirinhas com todas as agulhas precisas para cos-
tura, fivcias de madreperola esmaltadas de ac
para sintos, flores de todas as qualidades, caixinhas
com pastilitas de perfumara, abafadores de lita
para senbora, laucas o sapatinlios de la, pulseiri-
Vendem-scchauos deso, a ingleza, sondo co ^ deJwracha wrasegurar mangu.atos, filase
bertos de tinto ferrados de wrde, proprios para o?0** de borracba, sabonetes redondos, ditos
senhoras que forera passar a fesla, ou para meninas i **"* de familia pomadas de todas as quaii-
levarem para a escola pelo barato preco de 15000, **f dos fabricantes mais afamadas, clcheles
ditos marquerinhos dobrar a 25500, dilos de seda para horneas, sendo "f01 m carretel e ,!ra BOJTO"0> e de meada, de
com armacao de teleta a 65000 e 75000, isto para I todas as cores, escovas para denles, drtas para ron-
apurar dinheiro : s na loja.-do pavo, r*a da Im- V,dUas I eha,<, ? d'las para unha, de todo*
peratriz n. 60.
0 pavo >futir cachemira* da Escossia, corte
2:210, eovado 10 rs.
Vendem-se -wrtes de cachemiras da Escossia,
para calcas, pelo barato preo de 25240, tendo da
mesma fazenda para vender em eovado a 640 rs.,
sendo esta fazenda muito encorpada, a itacao de
casemira, e garante-se que nao desbota. Tambem
se vendem cortee de casemira ingleza, de cores es-
curas para cale* jelo barato preco de 15800 cada
corte, ou a 500 i. o eovado : sua loja do pavita,
ra da Imperatriz n. 60.
0 cavan vendeos vestidoo brancus liordados.
Vendem-se os mais ricos vestidos de cambraia
brancos, bordados. croch, sendo os mais moder-
nos que tem vindo ao mercado, tendo as saias 4
palmos, e vendem-se pelos baratos precos de 105,
125 e 465000 : s na loja do pavo, ra da Impe-
ratriz a. 60, de Gama A Silva.
A's perhinchas do pavo, antes que se acabem.
Ricosorles de cambraia branca com babados e
tinas saias bordadas croch, tendo bstanle fa-
zenda para vestido, polo baratissioio preco de 350001 a peca,
cada um, ditos de cambraia do seda com barra e
os precos, e outros mais objectes, que se tornara
enfadonbo annunciar, e visla dos fregueses ppo-
mette-se fazer todo o negocio: s no vigilanle, ra
do Cespo n. 7._________________
Xo armazean de fazendas bara-
tas de Mantos Coelhe
Rl'A DO QUE1MADO N. 19 VENDE-SE OSE-
GUINTE:
Esleir da India
para torro de sala, de 4, 5 e 6 palmos de largura,
por menor prooo -do que em outra qualquer parle-
Lencos
de panno de linho pelo barato preco de 25000.
Lenfes
de bramante de linho fino pelo barato preco de
35000. v
ohertas de chita da India
pelo barato pre$o de 25000.
Lencos de cassa
; brancos, finissimos, proprios para algibeira pelo
baratissimo preco de 25000 e 25400 a duzia.
Cambraia adamascada
para cortinado, pelo baratissimo ereeo de IO5000
Fede-sc toda al'eocao. ,
Custodio Jos Arres Gnimaraes, dono da leja in- i
titulada Gallo Vigilante, ra do Crespo n. 7, avisa
aos seus numerosos fi eguezes e ao respeitavcl pu-
blico, que tendo de reformar no fin oeste anno seu
esubelecimento, e querendo liquidar grantje quan-;
lidade de diversos objectos, est rosolvido a vender
tudo por pregos baratissimos, qomo sejam :
Pecas com 45 varas de franjas de linho a 35.
Ditas com 45 varas de galo de linho a 35-
Laa surtida para bordar, libra a 45-
Proco de cores sortidos, peca a 160 rs.
Manguitos para senhora, o par 800 rs.
Golinhas de bonitos gostos a 400,500 e 15-
Salvas de metal principe a 15500, 25 c 25O0.
Ditas com copos de metal pronrio para meninos a
15200.
Facas e garios para sobre-mesa a 45 a duzia.
Ditas e ditos dila cora cabo de marlim a 65-
Bandejas de todos os tamanhos muito finas a 15,
15200, 1J400, 15600, 25500, 35500 e 55-
Ditas redondas para copo de 500 rs. para 25800.
Tesouras em carteiras, a duzia a 500 rs., 640 e
800 rs. |
Peitos para camisas, a duzia a 25.
Camisinhas bordadas para senhora a 15500 e 25-
Chapolinas para senhora a 35.
Ditas para menina a 25.
Chapeozinho para meninas de escola ou passeio a
25 e 35.
Flores francezas, caixos grandes, a 600 rs.
Luvas de seda com pequeo toque de mofo a 300
rs. o par.
Toucas de laa para meninos a 500 rs., fil a 300 e
600 rs., de seda a 800 rs.
Sapatinhos de merino a 800 rs.,e de laa a 500 rs.
Bolsinlias de missauga para meninas de escola a
800 rs. 6
Botes aburados para punho a 200 rs. o par.
Tinteiros de metal a 320 rs.
Trancclins para relogio a 100 rs.
Ditos de fita chamalote a 200 rs.
Escrivaninhas de metal a 35500.
Colheres de metal para cha a 200 rs. a duzia.
Ditas de dito para sopa a 25 a duzia.
Botdes de duraque pretos a 400 rs. a groza.
Cartas hespanholas para jogos a 15200 a duzia.
Caslicaes brancos e amarellos" de metal a 15-
Carteiras para algibeira a 500, 600, 800 e 15-
Sabonetes muito finos a 15200,15600 e 25 a duzia.
Fivelas para calca a 300 rs. a duzia.
Botoes de ac para cairo a 320 a groza.
Caixinhas com al finetes,'grampos e clcheles a 320,
400e500rs.
ARMAZEM DE MOLHADOS
pe:
J&
rnoe-<
ae
,i*i
o
m;
Pecas do cambraia
babados a 25500 para acabar cortes de \vsiidos! de lpicos, fina, com 8 1/2 varas, pelo baratissimo
a Mana Pta, sendo fazenda de bonito gosto a 35500, nreco de 4
cortes de cambraia brancos com babadinhos a 25,
enfeiles para aboca, sondo Garibaldi e turca a
45000, ditos eoio fitas e flores a 25000. camiziohas
bordadas para senhoras a 15000, manguitos de va
preco de 45.
Fil liso fino
pelo baratissimo prego de 680 rs. a vara.
Ilramante de linho
ros modelos a 400, 500 e 640 rs., caleinhas para fino e^tn dez palmos de largura pelo barato preco
meninas a 500 e 640 rs gollinhas bordadas a 320 j de 25300 a vara.
500 rs., sedas de quadrinhos a OVO, ditas de liMas | Toalhas aleodioadas
a 4tl rs. o corada, fustao para vestidos eroupinhas para mo pelo baratissimo prego de 55000 a du-
de meninos a 320 rs. o eovado, alpakim ou gorgu- zia.
rao de linho a 260 rt, gangudin de urna s cor a
320 rs.o eovado, tealhas de linho adamascadas,
para rosto a 15000, vestuarios para meninos eme-1 j0 nreco do 35000
ninas a 5600 e 25000, liras bordadas centremeios
Pe^as de brelanha
de rolo com 10 varas propria para saia, pelo bara-
mais barato que em ouu-a qualquer parte, tudo isto' ~ Arada est por vender o boi Je carroca e de fl" se vendeu por 15600 a arara torra por 800
--"- na ra da ar da alfandega,
ROUPA UTA
Na ra d Qaeimado n. 43, esquina que
valla para a Coogrcgaco.
i: pechlncha.
Paletots ile casemira a 5, 6, 7, 8,12 e 145, ditos
de panno preto e azul a 9, 10,12, 16 e 185, ditos
sobrecasacos de panno muito fino por 245 e 285,
ditos de alpaca preta e de cordo a 4, 5, 6 e 75,
caigas de casemiras de cores a 5,-6, 7 e 85, ditas
pretas a 65500, 8, 9 e 105, palelots de fustao e
ganga a 25, 25800,3 e 45, caigas e colletes de to-
das as qualidades e por preco muito barato, len-
ges de puro linho a proco do 15800 e 35, eober-
tas de chita a 25240, colarinhos de linho puro a
600 rs. cada um. e outros muitos objectos que s
vista ; e para tsso se pede a altengao dos fre-
guezes. __________________ _______
PECHINCHA
Grande liquidaran de fazendas inglezas e fran-
cezas e de todas as qualidades se vende por preco
Itaratissimo para liquidar na loja e armazem d*o
arara ra da Imperatriz n. 56, de Lourenoo Pe-
reira Mendes Guimaraes.
Vende-se laazinhas de cores e de quadrinhos
transparentes proprias para capas de senhora e
vestidos com l palmos de largura a 15200 o eo-
vado, ditas de quadrinhos a 280, 320, 400 e 500
rs. o eovado : na ruada Imperatriz n. 56.
Arara vende as capas a *:>.
Vendem-se ricas capas para senliora a 85, cha-
les de merino estampados a 25500 e 35, ditos de
ponta redonda e borlla a 55, 65 e 75 : na ra da
Imperatriz n. 56, loja da arara de Mendos Gui-
maraes.
Lazinias da arara a 280 rs.
Vendem-se laazinhas para vestido de senhora a
280 e 320 rs. o eovado, gorgurao de linho para
vestido de senhora e roupa de meninos a 280 rs. o
eovado, popelina de algodao de quadrinhos para
vestidos de senhora a 280 rs. o eovado, enfeite*
para cabeca de! senhora a 15, redinhas para segu-
rar cabello a 15 ^ na ra da Imperatriz loja da
arara n. 56.
tiara vende as cassas a 200 rs.
Vendem-se cissas de cores com quadros para
vestidos a 300 rs. o eovado, dilas linas a 240 e rdd ulitis li.H.UO.
280 rs. o eovado : na ra da Imperatriz n. 56, loja i QUC Pi"aK> muito fresco a 480 rs. a libra, e in-
da arara de Mendes Guimaraes. i 'ero a 400 rs., bolachinha ingleza muito nova a
Sedadlas unas de 1,$600 a arara vende por 800 rs.. 20 rs- ''bia e 25 a barrica________________
Vendem-se scdtnbas para wslMoa de senhora! \ enda de limahypotheca.
(N <
S
J <
M w 0
-* s
z ce H
a s
3 s
ee
a w
c=> i. fe z o
ts i
te w 0
H
m
D

&

m

e*n

apro-
0 proprietat-io do grande arinazem do Baliza, considerando que
^xima-se a festa, e que de algum modo deve mimosear aos seus freguezes, com alguma cou-
Fitas de borracha pretas e de cor a 120 e 160 rs.; sa que revele o seu contentamento e gratidao, resolveu expr a venda quasi pelo custo ila
Uu^ra dous raassos de agulhas por 800 rs. i 2^JglJE? ^^ S^Jff T ^ ^T' ^ ^^ ^ ^
Brincos de aljofares a balo a 320 o par. samenteLescolhido entre os da mellior quahdade do nosso mercado.
Alfinetes pretos e de cores compedrinhas a 200 rs.; Sujeito a um severo regulamento, o Baliza est firme em seu posto de honra, e ja
e^20- am mais circumstancia alguma o far arribar do magestosoquartel em que se acha aln l'.uIo
Camisas para homem fcitas em Lisboa a 25- esperando O inimigo sempre de frente.
titas de velludo lisas e avradas a 800, 15,15300,1 m<,;,i ^ ^C i i 4 i n i- e i i ...
25e 35 apega. I Nascwo em trras de Portugal, o Baliza teve a fortuna de ver bem cedo esta btHa
Ditas para sinteiro a 300 e 400 rs. a vara. provincia. Foi na infancia que aportou em nosas plagas. entre us freqoenton a escola
Caixinhas para costura de senhora a 15500,25. primaria,seus babitosforao aqui adquiridos, suasalToiroes existem no meio deste i;o\o,
3,4,5 e 65. ,.^'tao generoso quantobospitaleiro.
Compoteiras de vdro com pratos de metal a 35 e;
Franfde laa nara debrunhar taoctes a 25 a eca I A I!relerenc,a P qe me tem uaao OS rernamoucanos, e
2 deSpTova daguliT5a gro"* oTfl mas um favor 1 Ballza tem merecido, e continuar a merecer sempre, a despeito da
rs. a duzia. guerra surda que Ibe fazem os bomens das libras de tres quartas, e vinbos falsificados.....
Assim como tem grande sortimento de muitos Para se ganbar dinheiro nao de mister Iludir o povo. As fortunas
sois ocjeclos que se tornar enfadonbo mencio- por meos pouco iicitos degrado a fiuem as possue.
na-los, que tndo se vender muito barato para h-1r \TJm__ ___n i u 7 ,
idar .na ruado Crespo n. 7, e ra do Impera-! Venham, pois, aquelles que anda nao abasteceram as suas despensas lienta casa ve-
rificar por si mesmos quanto h de verdadeiro nestas palavras.
O Baliza est a testa do estabelecimento e nada escapar s suas vistas que passa
cahir no desagrado dos seus benvolos freguezes.
po>
A preferencia pois que lhe tem dado os Pernambucanos, um favor, rerdade;
adquiridas
quid
dorn. 59, junto ao passo, e casa da liquidacao.
CTL HE LISBOA
Vendem-se barrfs con cal des-
da hoje, e nnica nova, que ha no
mercado, na na do Trapichen.
13, armazem de Manoel Teixel-
ra Basto.
Azeite doce refinado, francez e portuguez a
800 rs. a garrafa.
Dito em barril, a 4,800 a caada e 640 rs. a
garrafa.
Arroz da India edoMaranbo a 120,100 e 80
rs. a libra.
Kua da Senzalla n. 42.
Vende-se, emeasa de S. P.JohnstonAC, Amendoas de casca mole a 280 rs. a libra,
sellins e silhSes inglezes, candieiros e casti- Ameixas em diversos vazos a lt$, i500,
caes bronzeados, lonas inglezas, fio de vela, | 2#o00 e 800 rs. a libra,
chicotes para carros e montara, arreios para Azeitonas novas a 1200 o barril,
carros de um e dous cavallos. e relogios de, Alpiste a 160 rs. a libra, e 45800 a arroba,
ouro patente inglez. Aletria a 480 rs. a libra.
Araruta verdadeira a 480 rs: a libra.
Biscoitose bolacbinhas inglezas recentemente
chegadas a f#500a lata com qualidades es-
peciaes.
Dito mais antigos no mercado a 1300.
manhos a 500 e I I a garrafa e 'i o p;n
de garrafas grandes, que depoisde vasias,
valem o que se den por ellas cheias.
Linguasi,americanas de um tamaito abni-
ravel a 1$ cada urna.
Manteiga, neste genero ha capricho da parte
do proprietario do Baliza ter sempre o
numero de 6 a lObarris de manteiga a-
bertos, afim de satisfazer os seus amigos
e fragumes, sondo juo o prc^o du man*
teiga verdadeiramente flor de 000 rs. a
libra, e as domis qualidades a 800. 600
e 400 rs. a libra.
dem franceza a 560 rs. a libra, muito nova
e de excel lente gosto.
pechincha e vende-se para liquidar
Imperatrie a. 60, loja e aruiazem do pavao, de Ga-
ma & Silva.
Sedas do pavo a 500 rs.
Vendera-se sedas de quadrinhos eom pequeo
toque de mofo, pelo baratissimo preco de 500 rs. o
eovado, ditas m perfeito estado a 800 rs., ditas
com listas, para acabar a 400 rs., gorgurao de seda
para vestidos e roupa de meninos a 15000 o eova-
do : na loja do pavao, ra da Imperatriz n. 60, de ;
.Casia & Silva.
0 pava mflfl casemiras a i;6O0.
Vendem-se rasemirae francezas enfcsladas, pro-.
[rt"ias para calcas, collet-s, palitos e capas para se-
nioras, por ser de urna s cor, sendo fazenda que
sean se vendeu a 35000, liquida-se a J5000 o
eovado na loja do pavo.
0 rgandy dn pav a 300 rs.
Vende-se finissinio organdy matisado, branco,
para vestidos, pelo baratissimo preco de 500 rs. a
vara ou 300 rs. o eovado, cassas francezas finissi-
mas a 240 e 280 r*. o eovado, ditas com palmas
grandes, fazenda inteiramente moderna a 440 rs. o
eovado : na loja do pavao, ra da imperatriz n.
60, de Gama & Silva.
preco commodo : na
clk'ira da ra da Roda n. 58.

m
BARATO
.Na ra do Queimado n. 10 loja de Fer-
ro & Maia, vendem-se manteletes de
grosdenaples bordados a matiz, fazenda
intiiramente nova pelo diminuto preco
de 105 cada um.
co- rs. o eovado, di'as de sedinhas com listrinhu _
300 rs.. pompours matisado de flores solas a 15200 lftA
0 eovado, todas estas fazendas sao inteiramenlc
novas vindas pelo ultimo vapor da Europa na loja C3 (|UC lem IIOS ClICnllOS llMlIO Uri'SSO
\\V^G^S^rmU^9mm* 36' de,eCajabes_s no termo de Serinhcm no
Cortes de cuitas a 20800.
Vendem-se cortes de chitas francezas com pe-
queo toque de ;mofo por 25500, cortes de nsca-
I do francez com 14 covados a .'(5, lencos de seda
, de una s cr $ 800 rs., dilos de flores a 15 : na
rua da Imperatriiz n. 56, loja da arara.
Os liquidalarios da massa fallida de j Dtta K^-J mUt0 ^ a 2* a,a^ Marme.ada imperial dos mchores fabrican-
s Antonio Basto vendem a hypolhe- Dito de Lisboa muito proprlopara doente/n^de tomate*a640re ilibra
visto serem preparados para esse mister, '
em latas grandes e pequeas de 3^000 e Mostarda ingleza em potes grandes a GO
vi ni- de ftf-M 'QH M fi Iralip n {^500 a lala- r'is Pote-
'""' ue d1r02'5'VJ" *-"- ndS Bolacbinhas americanas, em barricas a 3^000, Marrasquino de zara a 64o rs. o frasco,
casas a na do trapichen. 34. e a libra^00 rs '
Peixe em latas grandes, savel e
Lutos de Poiivfn. : Banha de porco refinada a 480 rs. a
A loja da Aurora na roa larga do Rosario n. I e em barril 440 rs.
JSf^S?1 "-'as ^J?u!?n_par?..horaem._:e i Batatas novas a l?5000 o gigo, e a 60 re.
ibra,
ld300 a lala.
guras
PECJHINCH4
lr.na vendo as casemiras a 1 000. 2o00 e 3 Papel greve paulado e liso a 3-5300 a res-
nhos com graxa econmica a melhor que tem
pavo vende os relallios.
por precos baratissimos,
cassas c laazinhas :
mperatriz n. CO.
poreo de
na loja do
Vende
retalhos de ei
pavo, rua da
As chitas do pavo.
VenoeTNs chitas francezas, escuras, a280rs.,
ditas a :io r.. ditas a 360 rs., ditas matisadas mui-
to finas a 400 rs., ditas gretas largas e estreitas,
ditas matisadas com fiordes proprias paracobertas:
ua loja do pavo, rua da Imperatriz n. 60.
0 pavo vende os cortinados.
Vendem-se ricos cortinados adamascados pro-
prios para janellas. e camas para noivos, pelo ba-
rato preco de 95000 a par : na rua da Imperatriz
n. 60, loja do pavo.
0 pavo vende para lulo.
Vende-se linissimo sem da China, fazenda sem
lustro, proprio para vestidos de senhora, para ca-
pas e roupa para homem, tendo esta fazenda seis |
palmos de largura e sendo muito leve, vende-se!
pelo baratissimo preco de 25200 o eovado, garan-
tindo-se que nao se torna ruca, e vende-se nica- i
mente na rua da Imperatriz"n. 60, loja do pavo.
0 pavo vende cortes de calca.
Vendem-se cortes de calcas de casemira de co-
res a 25400, ditos de cachemira da Escossia a
25240, ditos de ganga a 15600, ditos de brim de I
urna s c6r a 25240, dilos de castor a 15280, ditos i
de casemira preta a 45000 e 55000, ditos de case-
mira fina de cor a 55500 : s na loja do pavo,
rua da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
os reos vestidos soutambar-
qne, que ehegaram para a loja
do pavo.
Chegaram pelo ultinio vapor francez os mais
ricos vestidos soutambarque, sendo com as saias
j bitas c ricamente enfeitadas e guarnecidas,
tendo a precisa fazenda para fazer o corno; com
seus competentes soutambarques primorosamente
enleiladns, vindo tudo em um s carlo, assim co-
mo as mais modernas camisinhas com manguitos e
punhos a balo ricamente enfeitados, e vendem-se
por preco favoravel : na loja c armazem do pavo
na rua da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Os modernissiruos vestidos do
pavo.
Acaba de chegar um variado sortimento dos
mais modernos cortes de laazinhas, proprias para
vestidos, tendo as barras primorosamente matiza-
das, trazendo bada um corte seu figurn para
amostra; e vende-se na loja do pavao, rua da Im-
peratriz n. 60, de Gama & Silva.
GRANDE
Vendem
caiga por
Madapolo franeez o mais superior que tem vin- ..ein P0V
do a este mercado, vende-sc a 600 rs. a vara, sen- uma ca .
do em peCa: na rua do Queimado n. 46, casa de ^'S^S^^S!!'^^^^ va,inhas e ,,ol5es durados j prnmptas~para qual-
Guimaraes & Basto, SmSSi SEU. Gu m ae ??" senhora, bous pentes fSS enf gua'rni-
.-,,. ..nj i Coes e a vulso, ditos dourados com pedras os de
*r .. melhor gosto para arrecacar cabellos.
\ endem-se uniformes completos de paletot, cal-
ca e collete de casemira ingleza a 105 e 125,
ma.
Passas a 8:00 a caixa e 480 rs. a libra,
Dito hysson qnaUdade "especial a 2^800 a D" ,m"lt0 "ov;'s-,
i:kL ^ Palitos para (lentes a 160 rs. o maco.
Cha perola qualidade especial a 33 a libra.
0 Perftte i! a Moda.
AGUA FLORIDA
De Murray cfc Lanman.
--------------------..........e.. ,., pa-
letots de brim de cores a 25500, ditos pardos a
35, ditos de meia casemira escuras e claras a
35500 e 45, ditos de casemira a 65, ditos finos a
85, calcas feilas de brim pardo a 35, ditas de fus-
tao a 25500, ditas de casemira a 35500, 45 e 55,
ditas de meia casemira a 25, colletes a 25500 o
; :I5, chapeos de massa a 15600, 25, 25500 e 35,
ditos de paluinha a 25500, seroulas finas a 14600,
ditas de linho a 25 e 25500, camisas francezas a
15600 e 25, ditas linas a 25500, ditas de linho in-.
glezas prega larga a 35, lencos pequeos pintados
a 25 a duzia : na rua da Imperatriz loja da arara
n. 56, de Mendes Guimaraes.
LA 110 plUO N. 63
Loja do beija-flor.
tollas do aljofares.
Vendem-sc voltinhas de aljofares com pedra,
imitando a brilhanles a 15 cada uma.
lniies para punhos. '
Vendem-se botoes para punhos, muito bonitos
padroes, a 200 rs. o par.
Facas para meninos.
Vendem-sc faquinhs para meninos, de eabooi-
tavado, a 240 rs. o talher.
La para bordar.
Vende-se la de todas as cores para bordar a
C.7(iU a l,l,i a. -
Facas e garfos.
Vendera-se facas e garfos de cabo preto cravado
Este raro quilo, delicado perfume
quasi que inextinguivel e to ebeio de
mimosa fragrancia e frescura como o
delicado ebeiro das proprias verdecen-
tes flores. Durante os mezes caloren-
t<>s do vero o seu uzo torna-se imineu-
temente aprazivel e dcsejavel em con-
sequencia da influencia refrigirante e
suave que ella prodttz sobre a pelle:
em .quanto que nzada no banho ella
imparte o carpo lnguido e caneado
uma certa elasticidade de vigor e forja.
EUa imparte transparencia as feicoes,
e remove pannos, *ard sobre apelle.
Bales da arara de 20, 25, 30, 3o t 10 arros.
Vendem-se bales americanos "de arcos os me-
lhores que tem vindo a 20, 25, 30, 35 e 40 arcos
a 35, 35500, 45 e 45500, bales de musselina 11- a 25800 a duzia, ditas de balance de 2 botes para
as a 45, ditos de panno a 35800 : na rua da Im- mesa a 65200 a duzia.
peratriz n. 56. Luyag de j0UYn>
tendem-sc colchas avelludadas a 8$. Vendera-se luvas de Jouvin chegadas pelo ulli-
V endem-se ricas colchas avelludadas para ca- mo paquete, tanto para homem como senhoras.
ma a 85, ditas de fustao a 55, cobertas de damas-1 E\lraelos inglezes.
ri,n e<.(lltasdechtaa-*: narua da Impera-, Vendem-se extractos inglezes muito barato por
iriz n. oo. serem sido comprados em leilo a 240 rs. o frasco.
rauneua de enilas a 2-10 rs. o eovado. Escovas para denles.
Vendem-se chitas escuras a 240 rs. o eovado, Vendem-e escovas paradentes a 120 e 240 rs.
ditas francezas largas com pequeo toque de mofo cada uma, ditas muito tinas inglezas a 500 rs.
porem loge que se lava fica limpa a 280 rs. o co- Toacas de lia
& ditas,finas Per.feitas a,:!20' 36 ,e. rs- Vendem-se toncas de la para menino a 800, 15
eovado : na rua da Imperatriz n. 56, loja da arara. e j^go cada uma.
Mais pee hincha de corte de cassa de cores a 2. | Sapatinhos de la.
Vendem-se cortes de cassa de cores a 25, ditos Je^era1fAsaPal'r,l.0S de laa para memnos a
; de salpico brancos e de cores a 25. djtos brancos *w, ouu e ou caaa par.
a 25 e 35, pecas de cambraia lisa fina a 35, 35500 Tesouras.
e 45, pecas de cambraia de salpicos de carocinhos \ endem-se tesouras para costura a 500 rs., dilas
com 8 1|2 varas a 45. cassas para cortinado com
20 varas a 85, ditas do 10 varas a 45500 : na rua
Imperatriz loja e armazem da arara n. 56, de Men-
dos Guimaraes.
Outra peebineha vende-se brim pardo escaro e cla-
ro a 100 rs.
Vende-se brim pardo escuro e claro com um pe- borracha, a 500 rs. cada um.
queno loque de mofo porm logo que lava-se de- Tocadores de Jacaranda
Vendem-se tocadores de Jacaranda a 25500
para unhas a 400 rs. cada urna.
Colarinhos.
Vendem-se colarinhos de papel a 40 rs. cada
um, ditos de linho a 640 rs.
Pentes de travessa.
Vendem-se pentes de travessa para menina, de
sapparecc a 400 rs. o eovado, garantindo ser de li-
nho : na rua da Imperatriz loja da arara n. 56, de
Mendes Guimaraes.
Madapoln francez entestado a i& e ioOO.
Vendem-se pecas de madapolo francez enfes-
tado fino a 45 e 45500, dito inglez com 24 jardas
marca moca n. 20 a 65500, dito rainha a 75, di-
to elephante a 75500, dito n. 6 a 85, dito n. 7 a
95, dito n. 8 a 105, pecas de algodao encorpado a
45, 55, 5,5500 e 65, brim de linho branco fino a
0 m ORIENTAL DE KBMP
PARA 08 CABELLOS,
uma preparaco admiravel para lim-
par, at'orinosear, conservar e reetabele-
cer oe cabellos. ,200 c liJi400 a varaj breianna de linho a
i ..._j___...__j. /.- i n.-kn.. 800e 15, hollanda de linho propria para forros a
A venda as boticas de Caors- & Barbora, 30 0 covado> saTgeUn para ^rros a 28o rs. o co-;
na da Cruz, e Jo5o da C. Bravo 4 C, rua vado : na raa da Imperatriz n. 56 loja c armazem Vendem-se boldes de perola para collete e vesti-
da Madre de Dos. da arara de Mendes Guimaraes. dos a 400 rs. a abotoadura.
25800 cada um.
Escovas para roupa.
Vendem-se escovas muilo finas para roupa a 400
e 500 rs. cada uma
Espellws e*m estojo.
Vendem-se espelhos com estojo para navalhas a
25, 25500 e 25800 cada um.
Aderecos pretos.
Vendem-se aderecos pretos a 25200 cada ade-
reco.
Botes de perola.
a libra.
Dito uxim a 2600.a libra.
Dito hysson a 2^400 a Hora.
Dito dito a 2$ a libra.
Dito nacional a 1/600 a libra.
Dito preto, muito superior a 2$ rs. a libra.
Dito dito menos superior a 13600 a libra.
Chouricas novas a 480 rs. a libra.
Champagne (marca aguia) do Conde de To-
r a 10$ o gigo ou 19 rs. a garrafa.
Charutos dos melhores fabricantes do Rio e
Bahia a 800, 1/5400, 20, 20500, 30,
30500, 40 40500. e 50 a caixa com 100
charutos.
Chocolate francez, de canella la Romain.
Caf a 280 e 320 rs. a libra e a 80
90 a arroba.
Cognac de muito boa qualidade a 10 a gar-
rafa.
Dito soffrivel a 800 rs. a garrafa.
Cerveija da marca tenente em liotija, (en-
commenda feita pelo proprietario do Baliza)
qualidade esta que nao pode continuar
a vir em censequencia de ficar por preco
muito alto a 60500 a duzia de grandes bo-
tijas e 80 por vinte quatro mi ias, e de ou-
tras marcas a 30, 40, 50 e 50500 a du-
zia de garrafas.
Conservas inglezas, a 800 rs. o frasco e 90
a duzia.
Doces (francezes) em frascos lindamente enfei-
tados em calda de assucar e em alcool a
10 e 500 rs. o frasco.
Dito de goiaba em latas e em caixes de di-
versos tamanhos e objectos pelo qual se
nSo engeita dinheiro avista do grande de-
posito que ha.
Ervilhas francezas e portugueza a 700 e a 500
rs. a lata.
Dita secca a 200 rs. a libra.
Figos novos a 320 rs. a libra e a 60 o barrili-
nlio.
Fruta em calda de assucar em latas a 500
rs. a lata.
Farinha do Maranh3o, muito superior, a
16o rs. a libra.
Dita de trigo, a 120,140 e 160 rs. a libra.
Frasqueiras com genebra de laranja, de
Hollanda, e de Hamburgo, de diversos
precos conforme os tamanhos.
Garrames vazios, de 5oo a I02oo.
Gomma do Aracaly a 400 rs. a libra.
Dita menos superior a 60 rs. a libra.
Graixa a 120 rs. a lata e 10300 a duzia.
Licores francezes das melhores fructas da Eu-
ropa em garrafas lindas e de diversos ta-
Dito dito de llora 240 rs. o maro.
Prezunto para fiambro viudo indos os vapo-
res a 900 rs. a libra.
Dito do Porto om barril a 480 rs. a libra.
Queijos londrinos allegados no ultimo vapor
a 800 rs. a libra.
Dito flamengos do ultimo vapora 2/200 e
20000.
Dito prato superior a 640 rs. a libra.
Dito dito menos superior a 4S0 rs. a libra.
Sardinha de Lisboa muito bem preparadas
em latas grande a 640 rs.
Dita de Nantes a 320 rs. a lata.
Sag novo a 240. re. a libra.
8/500 e Sabfto massa a 120, 160, 200 o 240
libra.
Sevadinba de Franca a 200 rs. a libra.
Sevada a 120 rs. a libra.
Toucinho de Lisboa, de Santos, a 320 e 360
rs. a libra.
Tijolo para limpar facas a 140 re. cada um.
Vinbos, DOVte geneho o armazem Baliza tem
o melhor sortimento possivel, Lagrimas
do Douro, Mara Pia, Camoes, Bucage, D.
Pedro II, D. Pedro V, e Baliza, que se
vende muito barato em vista de sua espe-
cial qualidade a 105000,120000 e150000
a duzia.
dem esquesitos como sejam Cherrv, e Madei-
ra, Velmute, etc., de 150000 a 200000 a
duzia.
dem de Figueira, Lisboa e Porto a 30000,
40ooo e 45500 rs. a caada
dem de Lisboa de minha propria marca em
ancora de 8 '/* a 9 caadas por 280000
a ancora, e da Figueira de 8 i a 9 ca-
adas a 280000 rs.
Vinagre de Lisboa em caada a 10600., 108oo
e 20000 rs.
dem mais baixo a 15280 rs. a caada.
dem de Lisboa em garrafes com o garrafas
por 10200 rs. com o garrafo.
Vellas de espermacete superiores a 600 rs.
o maco,
dem de carnauba de 320 a 360 rs. a libra,
em arroba de 90000 a l()0ooo rs.
Vassouras do Porto com arcos de ferro a 4oo
rs, cada uma.
Vinhos de Bordeaux neste genero temos as
melhores qualidades que se fabricam era
Bordeaux, tanto branco como tinto, e espe-
ramos por todos os vapores france/.es, uns
pequeos barris contendo cada um de 85
a 90 garrafas, e qne ser5o vendidas o mais
barato possivel.
\




tarto de
aMbado & *e Be*etfft>* de t9S.

UNI O
te:
COMMERCIO.
Defronte da loja da PregHlea.
IIVAIITE AliMEIDA
.aba do abrir o seu grande o sortido armazem de molhados denominado Unio e Com-
mercw. Este grande armazem um dos mais bem montados que temo em nossa pesca,.
nao s em limpeza e aceio, como as qualidades especiaes deseus gneros. O pnoprie-
tur.o do Unido e Commercio offerece todos os senhores dapraca, senhores de engeaho
e lavradores a seguinte tabella, por onde verao a grande economa que lhe resulta em
comprarem em to utH estabelecimento, afiancando o niesmo todo e qualquer genero
sabido de scu armazem.
Manteiga inglesa perfeitamente flor, mandada
vir de conta propria, a 7oo a 800 rs, a
libra..
Mein franceza chegada pelo ultimo navio a
"i6o rs. a libra, e em barril tura abaaken-
to.
Mea ingleza em potes de 4 a 16 Ubrae
800 rs, a libra e o pote separado,
Oiu uxim 0. mellior nesto genero, mandad
vm de conta propria a 2,8oo rs, a libra.
dem hysson, grande, mnito boma 2,6oo rs.
,1 libra.
Idea preto muito fino, a 2,600 rs, a libra.
dem preto, mais baixo, a 2,000 rs, a libra.
M,m, verde, miudinho, maisproprio para
negocio, a l,5oo rs, a libra.
.uiha de porco refinada muito alva a 46o
rs, a libra, e em barril se far alratimento.
Qiscpitos inglezes das seguintes mareas;
Craknel, Soda, Conde, Captain, Travellies.
Lunch, Cabio, e outras muitas marcas, a
1,400 rs, a lata.
!i >i t 'liiiilia de sdo, especial encommenda, a
i 20o rs, a lata.
Bi tito inglez Craknel em latas de 5, 7 e 15
'ras a .'.000 e 6,000 rs, e de l,2oo a
8 10 rs, a libra.
Queijos lio reino pelo baratissirao preco de
l,6oo, 1803C 2,ooo rs,, os do ultimo
vapor.
figem prato muito fresco a 64o rs, a libra.
dem loridrino muilo fresco a 800 rs, a libia.
Vanos em pipa: Porto, Figueira e Lisboa, a
i.it. 56o, e 04o rs, a garrafa, o de 3,ooo a
,."ik) rs, a caada.
wuusiajra impenan nos memores ermserv.M-
. is de Lisboa em latas de i e mais libras
a ~oo rs. a libra.
!i;i!.isein caldas das seguintes qualidades:
i.uieixa. ciinlia Claudia, peras, cerejas,
g'mja, pecegos e alpercb a 5oo rs, a lata.
Figos tiin caixinhas de i arrolo e de 8 li-
bras a 8,000,4,000, e 2,000 rs, e a 3oo rs,
? .1 libra.
Aiuoriilo.ns !. casca mole a 28o rs, a libra, e
em arroba ter abalimepto.
Sardinbas de Nantes a 32o rs, a latinlia.
Toucinbo de Lisboa a 36o rs, a libra e 1
arroba ter abatimanto.
M; isa de lmalos a 64o rsi. a libra.
Ptmenla do reino a 34o re. a libra.
Familia do Maranhao a 14o rs, a libra.
Ceblas a 4oo rs. a rMtM,
Tijollo para limpar facas a Ido 1,
Ceneja das mais arrediladas marras de 5,000
a 7,5oo a duzia, e do foo a 600 rs, a gar-
rafa,
Presunto para liambro muito fresco c novo
a 800 rs. a libra,
Genebra de laranja a Ooo rs, o frasco,
1 ii vincas as mais frescas do mercado a 800
rs. a libra.
Cognac verdadeiro ingle/, a noo rs. a garrafa,
e lo,5oo rs. a caixa na urna duzia,
Licores francezes zete de .Bordean \, Plaisir des damos, b de
outras muitas nwcas a 10.000 rs. a duzia.
0 a l.ooo a gaivaf.
Paaaas muito nova* 1 <<<" 1 a libra e a S.Soo
rs. a caixa. Ha caria?, nteias e guarios.
(* i'.itas a l.ooors. ogtgu com 38 libras.
Rolachinha ingleza a Ion rs. a libra,' -
A.L'ite francez e portuguez refinado a 800 rs.
a garrafa, e 9,ooo rs. a caixa com urna du-
zia.
Conservas inglesas das seguintes marcas:
Mixed. Pclte*. e ceblas simples a 800
rs o frasco.
Mostarda ingleza preparada em p I, O pote.
(ode bico a i60 rs a libra, e em arroba
tora abatimento.
Vasos ntffetei vasios de 4 a 16 libras, muito
proprios para deposito de manteiga, doce,
e outro qualquer Uquido, de 1,000 a 3,ooo
is. cada um.
Palitos do gaz a 2,3oo rs. n groza e 2o rs. a
eaixinba.

Milho alpista a 16o rs. a libra.
Painco a 2oo rs. a libra.
Gomma muito alva para engommar a 8q rs
a libra, eem arroba se far abat meato
Sag muito novo a 28o rs. a libra.
Sabo verdadeiro hespahhol, que raras vezes
vem ao nosso mercado a 28o rs. a libra.
Sabio niassa de superior qualidade a -18o,
2oo, e 22o rs. a libra do melhor que ha.
Graixa em latas umita nova a 12o rs. a Ltfi-
nha, e ,3oo rs. a duzia.
Peixe em. latas muito novo: savel, pascada,
curvin, salmo c outras muitas qualidades
preparados de oscabo.xe, segundo a arte de
cozinha, de l,2ooa 2,ooe rs. a lata.
Jdem do Alto Douro vindo do Porto engar-
rafado e esoolhido pessoalmente por um
ESTABELECIMENTO COMMERCIAL
de
C.UUE8\RI V K FUMIGO DE MET4ES,
lio ma ra do Bi-iiu n. 4 junto
a fundcia do *r. Rowaam, perteaeeBie a
Villana Irmas A c .
Mate estabelecimento oBcontraro os freguezes ura completo sortimento
de tudo que diz respeito as artes de caldereiro, fmiUiro, latoeiro, ferreko e
fundifoA e os abaixo asssignados que o dirigem, promettem servir a todas as
pessas que se dignaren de os procurar, com promptidao, sineeridade e pre^
.pos muito raseavei*. O dito estabelecimento estando montado em ponto
grande, tanto no que diz respeito a pessoai, como em materia prima, e tondo
habis officiaes, pode executar com toda a perfeico e seguranca qualquer
obra tendente as artes cima mencionadas e affoitamente pdem os abaixo as-
signados assegurar ao publico que nenhum outro estabelecimento lhe pode
fornecer mais barato e mais perfeito do que elles, visto que recbeos de sua
propria encommenda todas as materias empregadas em ditas obras.
Alambiques simples e continuos de to- Sinos de 16 libras 8 arrobas.
das os tnjannos e dimencOes. Parafuzos de bronze e ferro para re-
Machinas de cobre para destilar e res- das d'agua.
tilar espirito at 40 graos pelos sys- Torneiras de bronze e bronzes para
tomas de Logier e Derosne. engenho.
Carapucas e serpenfinas de cobre, e Encanaraentes de cobre e chumbo de
estanho, avulsas. I todas as grossoras,
Tauas a tachos da cobre para engenho! Bambas para cacimbas, aspirantes e
e refinaco, [ de repucho.
Parees de cobre e todos os cobres ne- Bombas para destilae&es.
cessarios para o fabrico do assacar. Ditas para regar jardins, hurtas e
Cobres para rodas de moer mandioca. | capim.
Machinas econmicas para lavar roupa Ditas paca navio e barcadas de varia
o mefbor possive!. I qualidades e dimongoes.
Cobre em lenco! e arrodeHas, estaihe em barrioba, cliombo em barra,
tonco! e canos de todas as grossucas.
Vltkpa kmo <$c C.
52C.>sSlr,
38-RA DO IMPERADOR-38
PROGRESSIVO
tiawj iajaaaaia
wmm
M.
MOLHADOS
Largo do Cari
Grande sortimento para a fcsta por menos
10 a SO por cenio do que em outra qualquer
parte. th ?
Duarte A C* acteoUficam aos seus freguezese ao publico mgeral, que acaba de che-
gar da Europa um socio que faz parte da Arma, com um grande e bello sortimento de
molhados por eHe escoRiidos, os quaes se rendem por menos de lo a 2o por /, do que ou-
tro qualquer annunciante, garantindo a boa qualidade e peso de qualquer genero vendido
neste ja muito acreditado armazem, aporiaso, Armados em que cumprem fielmente o
que premettem, pedem todos os Srs. da praca, de engenhos e lavradores, o favor de
mandarem suas encomraendas ou relaces ao armazem Progreesivo, cartos de nao terem
em tempe algum oocask) de se arrepeaderem.
Aviso.
Todos os Srs., que coaprarem para tornarem a vender, torio, alm da dbreoca
j publicada, mais 5 por /a de abatimento. Os proprietanes tambem garantem a bqm
acondiciouamente anda mesmo dos raesmos para o mais alto sertSo.
Agua natural de (oodllar.
algamas caixas do insiraraentos cirurgicos para operagocs de Haticu e Charriere.
muito reconimeniada as aflTeccoes dt> tivko ((astro-intestinal, nos dosrin?, e bexica OBFinaria, pela^
suas propriedades alcalinas, e o acio rartoBioo que naturaliuenut conlm em suspensa, d preco
mais commodo que agua de Vich-y, ede propriedades tal vez superiores pela grande quantidade de
acido carbnico". Injecqao llrou, aijua M U Chetlen, ctipahiba e Mege, jecrao Fugas de tanate
.la* cu-iaa una u ,.h am Dn.inai ^al'fozinoo, muito recominendod nas gnnorrheas. Le rroy fraocc veidadar ; n* eama casa tem
uwo btivios qu 5 dbHrt em roriugai, m> ,tonm9S raYa inRtrnmomn-i rirur-o nara (WrJurSfiS de Matien e. f.harrii>.re.
seguintes marcas : Duque, Genuino, %-
lho secco especial, Lagrimas Doces de
1810, vinho especial D. Pedro V, vinho
velho. Nctar superior de 1833, Duqnedo
Porto de 1834, vinho do Porto velho su-
perior, Madeira Secca de superior quali-
dade, vinho do Porto superior D. Luiz .
du 1847, Lagrimas do Douro, especial vir
nho do Porto, de i,000 a 1 2oo rs.a gar- Ro.das.dnto-las, anguJares a da espora.
... .a Taixas de ferro batido e coado.
rafa e de io,ooo a 12,ooo rs. a caixa com
urna duzia.
fl\nivao no iiowwvv-uii no
11 r in \. 38.
Este muito acreditado estabelecimento est prvido de um completo sortimento de
machinisraos. proprios do fabrico de assucar, a saber:
Machinas de -vapores as mai* modernas e mais acreditadas.
Rodas d'agua de-ferro com seus pertenees.
Moendas e metas moeudas de todos os tamanhos.
dem Bordeaux de differentes marcas, garan-
tiese a qualidade, a 8.000 rs. a caixa com
urna duzia, e a 7oo rs. a garrafa.
Garrafes com 5 garrafas de vinho do Porto
do Alto Douro a 2,2oo rs. com o gacrafio.
dem com 3 garrafas de vinho Figueira, mais
pmprio para a nossa estacao por ser mais
fresco a 2,4oo rs. com o garrafao.
dem com 5 garrafas de vinagre a l,2oo rs.
o garrafo,
Vinho branco o mellior neste genero a 600 rs,
a garrafa e 4,000 rs. a caada.
Vassoui-as americanas a 800 rs. cada urna.
Velas de spermacete as melhores que ba no
mercado a 36o e 64o rs. e masso, e em
caixa se far um grande abatimento,
dem de carnauba e composic3o, de ioo a
32o rs. a libra, e de 10,000 rs,
rs. a arroba,
Boceas de fornalba p.ek> novo systema Vfetson.
Alambiques de ferro fundido.
Fornos para cozer farinha.
Moinhos para moer mandioca.
Arados americanos, etc. etc.
7 RA DA IMPERATRIZ 7
Madama viuva Leromte tem a honra de participar ao rcspeitaTef publico que acaba de receber
pelo ultimo vapor francez um grande sortimento de ohjertos de porcelana, crystal, tartaruga, madre-
perolas, bronzes, marlim etc., assim como um rico sortimento de alfoeles de peito e flvelas para cin-
tos quer de madeira, (juerde metal novos modelos.
Citks^ard seuhonis e meninas.
Undas cintas de cotim o velludo enfeiUdas com a competente bolsa, tal e quai est se usando
em Pars, ligas de seda para suuhora, riquissinias caixinhas para presente de Testa com preparas de
costura 011 sem ella, de tartaruga, madreperolas, marroquim, etc., capellas brancas e para noivas de
i flores de laranja.
Finissimos chicotes com cartas de marfim, sndalo, etc., para homens e senhoras.
Perftimarias.
Perfumaras dos mais afamados fabricantes de Londres e de Paris.
Pos de arroz para refrescar.
a 1 l,Soo 0,eo c banhas jiara cabello.
Sabonetes Hnissimos.
Ditos inferior.
ar dentes.
., Gaf de i e 2 sorte de 8.3oo a 8,600 rs. a' {?"a i,ara l,mP
arroba, e de 28o a 32o rs. a libra do rae- \ aa de colonia.
lbor,
Arroz da India, Maranhao"c Carolina a 3,ooo,
2,8oo e 2,4oo rs. a arroba e a loo rs. a
libra.
Frasqueira de genebra a 3,8oo rs. e a 5oo
rs. o frasco.
Azoite doce em barril muito fino, a 64o rs.
a garrafa, e em caada ter abatimento.
Papel ,-grevc pautado e liso a 3,5oo rs. a
resma.
Genebra de Hollanda em botija de conta a
44o rs. a botija.
Champagne a mellior neste genero a 25,oou
rs. o gigo.
Bacalbao a 1 ,5oo a barrica.
Krvilbas france/.a e portugueza a 640 rs a
lata de urna libra.
Chocolate francez. bespanhol, snisso e por-
tuguez a 1,000 rs a libra, e a 28o rs. ca-
da pao de urna 4/.
Garrafes vasios de 3 garrafas at 3 caadas
de 5oo at l,3oo rs. cada um.
Ameixas francezas em caixinhas elegante-
mente enfeitadas, com diversas estampas
no exterior da caixa de 1,500 a 3,ooo rs.
cada urna; tambem ha frascos e latas de
diftcrenles tamanhos que se vendem por
mdico preco.
Massas para sopa: macarrao, taharim e a-
tria a 48o rs. a libra, e em caixa so far
abatimento.
Garrafes com 14 garrafas de genebra de
Hollanda a 3,5oo cada um.
Charutos de todas as marcas t dos memo-
res fabricantes da Bahia de 8,000 a 4,eoo
rs. a caixa,
Cheiros )>ara lencos e gavetas.
Escovas para denles e cabello.
Ditas para lmpar penti-s.
Pentes de tarlarujra de pentear.
Ditos de bfalo dito.
Suspensorios para homom.
Espelhos grandes e pequeos.
Agua para ungir cabello de todos os fabricantes.
Na mesma casa centina-se a fazer cabulleiras, tanto para homcm como para senhora, assm
como qualquer cabello swpposto.
Corta-se cabello e frisa-se por 500 rs.
7 Ra ta Imperatrlz 7
Leite antephelico.
Approvailo pelas academias 'le medicina de Paris ft Londres. "?
Este leite cura em poucos dias as sardas, ephelides, manchas de gravidez, tez
queimada, nodoas, cravos, borbulhas, bortoejas, espinhas, etc., como consta do livrinho
que o acompanha, cada frasco tem um livro que indica o modo de applicar o leite ante-
phelico.
O nico deposito na casa de madama viuva Lecomte.
7 RA DA IMPERATRIZ 7
RC.V 1)0 (IHIMI10L0JW.fi.
ESTEIRAS PARA SA1.AS.
Leja de lazenda de Augusto Frederico dos Sal- s Porto.
A este estabelecimento chegon um ptimo sortimento de esler para sala, com diversas larguras
e da mais superior qualidade que se vendem por presos mais mdicos do que em outra qualquer
parte.
Rnfettes para bailes.
Os mais delicados enfeites para baile se cncontram neste estabelecimento ; assim como:
. LVAS DE PELLICA DE JOVIN para homens e senhoras.
CHAPEOS DE PALHA DA ITALIA para senhoras, enfeitadus com flnissimas flores.
CHAPEOS DE PALHA para meninas, enteitados rom finos veos de seda. Atas e flores fiias.
CHAPEOS DE PALHA DE C9R para homens a 15200, 35500 e 45000.
CHAPEOS DE SEDA PRETOS para homens, de superior qualidade a 95000 c 105000.
CAMISAS INGLEZAS com colarinhos, peitos e punhos, de lindo, a 425000 a duzia.
CAPAS DE SEDA PRETA para senhoras, enfeitadas, e bordadas de diversos godos de 225 a S0500C.
CAPAS ESCOCEZAS DE CASEMIRA para senlioras, enfeitadas com ricas franjas, a 225 e 235000.
Tem este estabelecimento sortimento de fazendas de seda, laa, linho e algodao, como sejam sedas
pretas e de cores, laas para vestidos, panos finos, casemiras pretas e de c6res, toalhas para mesa e
"guardanapos de linho, bramante largo para lentes, platilhas, baldes de arcos e de musselina, escindes,
damascos, chitas e outras muitas fazendas que se vendem por mdicos precos; na ra do Quemado
n. 11.
HNK'SI
jl 1)1] 4 7ITII l^ft A l\i^|i"y^R I,i.rci!" internacional privado e a applicacao de seus
TTBJV^AO
Todos os senljoi-es iuc comprarem para negocio o casa particular de 400# para
ima kriio mais o a 10 dm- "9 de abatimento; o proprietario sdenlifica mais que todos
os sera genero* sao receidos de sua propria encommenda, razao e*ia para podar vea>
1 'i- por muito menos do que em outro qualquer estabetminenl*.
3 llHa da Cruz9
Vinho Bordean* superior a du-
zia mm.
principios com preferencia as leis principaes do
I Rrasil, em 1 volurae, por Dr. Jos Pimeata Bueno,
85000 : no esirintoro de Antonio Luir de Ollveira
Azevedo 4 C, ra da Cruz n. i.
CortiaadoM bordados.
Superiores cartinados Imntados para camas fran-
cez.is, ou para portas : vende-so somene na rna
do Qucimado n. 46, k.ja de Guimarfc's A Bastos.
Nossa Weohora da ConccI^So
Cnntina a eslar venda na ruadlo Imperador ,
n. 15 a novena de N. S. a Conreicio, conforme Cal Oe L.llM>a
usan os roverendos carmrtihw da Reforma do Re- cucgd* ultinamente ; nn ra do Vigarto n. !t,
cite, e nido o mais conformo os annuncioe feitos prmeiro andar._________.......
por este Diario.
Venderase 44 lijles grandes para
de foreo de padari. por pro^o rommodo
Direita n. 141.
______' Em casa de Mills Latham C, n roa d-
ladrilho Crm n. 38, vendt-se .ferro galvanisado de. um doa
na ra melhores fabricantes inglws. proprio para cotter<
j tas de casas.
Manteiga ingleza perfeitamente Qr, mandada
vir de conta propria, a 8o rs. a libra.
dem france-za chegada pelo ultimo navio a
56o rs. a libra, e em barril ter abatimen-
to.
dem ingleza em potes de A a 16 libras a
800 rs. a libra e o pote separado.
Cha uxim o melhor neste genero, mandado
vir de conta propria, a 2,8oo rs. a libra
dem hysson, grande, mutto bom a 2,600 rs,
a libra.
dem preto, muito fino, a 2,fjo rs. a fibra.
dem preto, mais baixo, a 2,oo rs. a libra,
dem, verde, miudinho, mais proprio para ne-
gocio, a i,5oo rs. a libra.
Banha de porco refinada muito alva a 48o
rs, a libra, e em barril se far abatimen-
to.
Biscoitos inglezes das seguintes marcas:
Craknel, Soda, Ceede, Captain, Travellies
Lunch, Cabin, eoutras muitas marcas a
l,4eo rs. a lata.
Bolachinha de soda, especial encommenda, a
2,2oo rs. a lata.
Bisceitoinglez Craknel em latas de 5, 7 e 15
libras a5,000 e 6,000 rs. e de l,2oo a
800 rs. a libra.
Batatas muito novas a 5o rs.
Queijos flamengos chegados neste ultimo
vapor a 2,2oo rs.
dem do vapor passado a 2,000 e l,8oo,
dem prato chegado neste ultimo vapor,
muito fresco a a 4oo rs. a libra e intei-
ro se far abatimento.
dem londriuo muito fresco a 800 rs. a libra.
Vinhos em pipa: Porto, Figueira e Lisboa,' a
48o, 56o, e 64o rs. a garafa, e de 3,ooo a
4,5oo rs. a caada.
Marmelada imperial dos melhores conservei-
ros de Lisboa em latas de 1 e mais libras
a 7oo rs. a libra.
Fructas em caldas das seguintes qualidades:
ameixa, rainha Claudia, peras, cerejas,
ginja, pecegos e alperch a 5oo rs. a lata.
Figos em caixinhas de 1 '/* arroba e de 8 li-
bras a 8,000, 4,000 e 2,ooo rs, e a 3oors.
a libra.
Amendeas de casca mole ti 28o rs. a libra,
em arroba ter abatimento.
Sardinha de Nantes a 32o rs. a latinha.
Toucinbo de Lisboa a 36o rs. a libra eem ar-
roba ter abatimento.
Massa de tomates a 64o rs. a libras.
Pimenta do reino a 34o rs. a libra.
Farinha do Maranhao a 14o rs. a libra.
Tijollo para limpar facas a 16o rs.
Ceblas a l,2oo rs. o molho, e a l.ooo rs.
o cento.
Cerveja das mais acreditadas marcas de
5,ooo a 7,3oo a duzia, e de 5oo a 600 rs.
a garrafa.
Prezunto para fiambre muito fresco e novo
a 800 rs. a libra.
Genebra de laranja a 9oo rs. a frasco.
Chouricas as mais frescas do mercado a
800 rs. a libra.
Cognac verdadeiro inglez a 9oo rs. a garrafa,
e lo,5oo rs. a caixa com urna duzia.
Licores francezes das seguintes marcas: A-
nizete de Bordeaux, Plaisir des dames, e
de outras muitas marcas a 10,000 rs. a
duzia, e a l,ooo rs. a garrafa.
Passas muito novas a 5oo rs. a libra e a
8,5oo rs. a caixa. Ha caixas, meias e
quartos.
Garrafes com 14 garrafas de genebra de
Hollanda a 55oo.
Bolachinha ingleza a 4oo rs. a libra.
Azeite francez e portuguez refinado a 800 rs.
a garrafa, e 9,ooo rs. a caixa com urna
duzia.
GrSo de bico a 16o rs. a libra, e em arroba
tera abatimento.
Conservas inglezas das seguintes marcas :
Mixed, Pickes, e ceblas simples a 800 rs.
o frasco.
Mostarda ingleza preparada em potes a 4oo
rs. o pote.
Vasos inglezes vasios de 4 a 16 librmuitos, a
proprios para deposito de manteiga, doce,
e outro qualquer liquido, de 1,00o a 3,ooo;
rs. cada um.
Palitos do gaz a 2,3oo rs. a groza e 2o rs. a
caixinha.
Milho alpista a 160 rs. a libra.
Painco a 2oo rs. a libra.
Gemma muito alva para engowmar a 80 rs.
a libra, e em arroba se far abatimento.
Sag muito novoaSSors. a libra.
Sabo verdadeiro bespanhol que raras vezes
vem ao nosso mercado a 28o rs. a libra.
Sabao massa de superior qualidade a 180.
200, e 220 rs. a libra do melhor que li;.
Graixa em latas muito nova a 120 rs. a lati-
nha, e 1,300 rs. a duzia.
Peixe em latas muito orno 1 savel, pescada,
curvin, salmo e outras muitas quahdades
preparados de escabexe, segando a arte de
cozinha, de 1,400 a 2,000 rs. a lata.
dem do Alto Douro vinde do Porto engar-
rafado e escolhido pessoabnente por um
dos socios que seacha <|i Portugal, das
seguintes marcas: Duque, Genuino, Ve-
lho secco especial, Lagrimas Doces de
1819, vinho especial D. Pedro V, vinho
velho, Nctar superior de 1833, Duqnedo
Porto de 1834, vinho do Porto velho su-
perior, Madeira Secca de superior quali-
dade., vinho do Porto superior D. Luiz I
de 1847, Lagrimas do Douro, especial vi-
nho do Porto, de l.ooo a 1.2oo rs. a gar-
rafa e de 10,000a 12,oog rs. a caixa com
umaduzia.
dem Bordeaux de difierenles marcas, garnte-
se a qualidade, a 8,000 rs. acaixa com urna
duzia, e a "00 rs. a garrafa.
Garrafes com 5 garrafas de vinho do Porto
do Alto Douro a 2,2oo rs. com o garrafa.
dem com 5 garrafas de vinho Figueira. mais
proprio para a nossa estacao por ser mais
fresco a 2,ooo rs. com o garrafao.
dem com 5 garrafas de vinagre a l,2oo rs.
o garrafao.
Vinho branco o melhor neste genero a 600 rs.
a garrafa e 4,000 rs. a caada.
Alhos a 80 rs. o masso.
Velas de spermacete as melhores que ha no
mercado a 600 e 64o rs. o masso, e em
caixa se far um grande abatimento.
Frasqueiras de genebra a 5,8oo rs., e a 5oo
rs. o frasco,
dem de carnauba e composicSo, de 4oo a
32o rs a libra, e de lo,ooo rs. a 11,5oo rs.
a arroba.
Caf de 1 e 2a sorte de 8,3oo a 8,600 rs. a
arroba, e de 28o a 32o rs. a libra do na*
mor.
Arroz da India, Maranhao e Carolina a 3,ooo.
2,800 e 24oo rs. a arroba e de loo rs. a
80 rs. a libra.
Azeite doce em barril, muito fino a 64o rs.
a garrafa.
Papel grve pautado e liso a 3,5oo rs. a
resma.
Genebra de Hollanda em botija de conta a
44o rs. a botija.
Champagne das mais a creditadas marcas a
l.ooo rs. a garrafa, e a lo.ooo rs.a duzia
ou gigo.
Sal refinado a 7o rs. a libra.
Ervilhas francezas e portuguezas a 64o rs.
a lata de urna libra.
Chocolate francez, bespanhol, snisso, e portu-
guez a l,ooo rs. a libra, e a 28o rs. cada
po de urna '/?
Garrafes vasios de 5 garrafas at 3 caadas
de 5oo at l,3oo rs. cada um.
Ameixas francezas em caixinhas elegantemen-
te enfeitadas, com diversas estampas
no exterior da caixa, de 1,Seo a 3,uoor&.
cada urna; tambem ba francos latas de
differentes tamanhos que se venden por
otodko preco.
Maesas mar sopa: macarra, taharim, e
aletria a 48o rs. a libra, e m a* te
far abatimento.
Doce de gojaba de 4oo a 800 rs. o caixa
grande,
dem a 2,ooo o caixSo grande.
Charutos de todas as marcas e dos melliores
fabricantes da Babia de 3,ooo a 4,oo rs.
a caixa.
1/


l
Alem dos gneros cima aonunciados ba um completo sortimento de cootoAOS, ar-
?a doce, alfazema e outros muitos gneros, que tudo se vende por baratisssimo proco.


Mario ic IVi-naiubuco -- abitado 5 le Uezembro le ISS
ARMAZENS
tto
PROGRESSISTA
RA DAS CKU2EES A. M
RUA DO CRESPO N. 9
HJo bairro de Manto Antonio.
jroaqnln Jos ornes de Miza scientifica a seus numerosos fregu,
w e ao publico em geral que acaba de estabelecer vm novo armazem de molhados
>ua do Crespo n 9, aomle se encentrara setnpre os melhores gneros de estiva, que
se venderlo a reUHio e por atacado, por menos dos que se venderem em outra qualquer
parte, afliancando-se aquellas pessoas que compraren* oestes armazens a superior qua-
lidade de gneros, precos commodos e bom acondicionaaento.
O rmazm da rua do Crespo situado no raelhor local desta cidade cora e as-
ocio que de necessidade manter-se com estes eslabelecimentos, faz crer a seu pro-
A
Yende-se por menos 10 por cento do qne outro qualquer
anjmnciante
soRTCfffif mm k mvk
yo
ARMAZEM
DI
prietario, que ninguera dmaii de ertir-se n'um estabelecimenlo aonde se enconlra sin- j.
cerMade, para ir-se comprar aonde se nao offerecem tantas vanlagens.
Sendo este armazem no verdadeiro ponto de partida para os arrabaldes desta
vdade, nfio sera-difflicil quelles *hores que tem de partir nos mnibus darem suas
rucomioendas neste armazem, que semprf lhcs offerecer os mais agradaveis gneros*
rs. a libra.
S nos armazens do largo do Terco.
Cita perola de especial qualidade a 2,Soo rs. Mem muito superior a i.ooe rs. a garrafa.
Idea hysswi muito superior a 2,7oo rs. a rf* a8 3*> J* a ,ihr*> a *> *
Irtira. 9,ooo rs. a arroba.
Iilem uxin a 2,5oo rs. a libra.
Idea hyssou a i,3oo rs. a libi-a.
Mein ideai a 2,000 rs. a libra.
Id*m preto de qualidade muito especial a
,rroo rs. a libra. Conservas ingieras a 75o rs. o Irasco e 8.600
Cerveja das melhores marcas do nosso mer-
cado de S,ooo a 6ooo rs. a duzia, e Sao
rs. a garrafa.
dem idem inferior a 1,600 rs. a libra.
rs. a duna.
Champagne a melhor neste genero a 1,300-Dooc em calda a Soors. a lata.
rs h NTvtifh c l*S 000 r^. o riti
l(kM inferior a io,ooors.o gigoTi,oors. ,dem *> ^iabf. caixase diversos farna-
a arrafa I nlws e de diversas quahdades de 64o a
b I i .00 rs. cada urna.
Chocolate franoez, Itespaahol, e portgaez, a ... .
l8cllwB.j bra Lrvdhas francesas muito novas de 48o a 64o
is.lV
rs.
<:h:nitosdosi?Whoresfaliricants da Bahia ia.m ri,.,1,.TO. na .
de ,,ualid.nCs, especiaUnente cabidos, rm P0,tuSu^ 72o rs. a lata.
Je 2,000.a 4,5w> rs. a caixa. *em seccas a 2oo rs. a libra.
4'arinlia do Ifaraiihu muito alva a lio rs. a Vassouras do porto com arcos de ferro a 32o
,i,,ra rs. cada urna.
dem de ararata verdadeira a 4oers. a libra. !voi>* a* 1 ,._ j iw ~~
. Velas de espermaeete da melbor qualidade
Viiilio da Alto Donro engarrafado., e os mais a 600 rs. o maco.
superior, Ma/vaaia fina, Bastardo, e outros re- a I,bra e ,0'000 rR- a arre,,a-
;. U.ooo e i2,oc*o rs. a duzia e 1.000 rs.' Ti0u> para limuar facas a 14o rs. cada um.
a garrafa. '
1 i. i^... m^i v Toucinho de Lisboa e Santos a 32o rs. a libra
Mein Ctaem e Manen-a a I,Seo rs. a garra-
fa e 16 000 rs. a duzia.
dem fterdeaux de diversas marcas de 8,000
a 4o, liolaxiuhas amoriranas n 3,h>o rs. a bernia,
8 M rs. a libra.
Itatntas muito novas a l.ooors, o gigo, e Co
rs. a libra.
Hanlia de porco refinada a 48o rs. a libra, e
em barril a 44o rs.
Viulio em pipa de Lisboa, e Figueira,deMo
a 4,w)0 rs. acaaada, e oors. a garraa.
dem de Lisboa em ancoretas de 8 a ) rana-
das por 27,000 rs.
dem lia Porto muito especala 5,5o rs. a
canaii e 72o rs. a garrafa.
dem em garrames com 4 4s garrafas por
..'no rs. com ogarrafo.
Vmagw de Lisboa muito superior a 2,ooo
rs. a r.aiiada.
O L A ROO II % PE\IIA tO
Os proprietarios deste acreditado armaem de molhados, tendo em vista as mil
urna vantagens offerecidas por este Diario ao respeitavel publico, pelos seus competido-
res, e desejado dar provas de que pessoa algnma p 'idade pelo prego que vendemos, Unto pelo diminute lucro a que nos reduzimos, como t^L*^0"" 'a*
pela Vantagcm de serem vindas de cunta prepria. Deliberamos Vender, InU mewdeti-
d os nossos collegas e anigos) por menos 10 por cont, garantindo-se como semprc a
boa qualidade.
Manteiga iuglen perfeitamente flor chegada Farinha de Maranhe muito alva e oheiroaa^
no altlmo vapor a 800 rs. a libra.
dem de 2.* qualidade a 7ors. a libra.
dem4e 3,*dita a 64o rs. a fibrt. I sarilinhas de Nafltes a 36o rs. a lata.
dem para tempero a 32o e *oo rs, a libra. Azeite doce de Lisboa a 610 rs. a garrafa *j
! 4^00 rs. a canada.
Manteiga francezaamaisnova que bao raer- vinagre de Lisboa a 2oo rs. a garrafa ea
cado a8o rs. a libra, e^m barril leri aba-. j^oo rs. a caada.
tinento. I GurraRtes com 5 garrafas de vinagre de Lfe-
Baaha de parco refinada a 820 rs. a libra. | boaf l < '' _^.ta^ ,
e Champanhe das ftiarcas mais acreditadas a
Vinho em pipa Porto Pigaetra e Lisboa a 4oo, j 8 e a lo.ooe rs, o gigo, e a 800 s. e
48o,5oo, 56o rs. a garrafa,em caada 1,000rs. agarrafa.
2,8o 3,000 3,oo e 4,000 rs. Serveja preta marca T XXX a ,*oo
7,ooo rs. a dittfa, e oo rs. -a "garrafa
s
CONSERVATIVO E CONSERVADOR
DE
N. SI e 23LARGO DO TER^O-N. H e 23
BttlAI.
Manteiga Ingleza perfeitamente superior a 880 e 900 rs. a libra,
dem franceza, a 560 rs. em barris, ha abalimenio.
Caf do Rio da Ia qualidade a 280 rs. a libra, e a arroba a 8,500 e 8,700 rs.
'Arroz pilado, 10t) a libra, e a arroba > 2,800 em sacco 2,700.
Cha de primeira, segunda e terceira sortc a 2,8oo, 2,5oo e 2,ooo rs. e 1,800 do pretb.
a libra.
Palitos do gaz mandados vir por conta a 2,3oo rs. a groza.
Vinho Figueira e Lisboa, a 48o e 4oo, rs. a garrafa e a caada a 2,8oo, 3,oOO e
. 4,ooo rs.
Goma de engommar, 100 rs. a 1 bra e a arroba a 2,700 ou sacco.
Milho alpista o mais limpo que ha a 160 rs. a libra a 5,000 rs., a arroba,
ijelo francez de grande tamanho a 14o rs. cada un.
Toucinho de Lisboa muito novo, a 32o 1 s. a libra.
Queijos do reino do ultimo vapor, a 2,ooo rs.
Velas de espermaeete, e carnauba a 600 e 3oo rs. .a libra.
Azeite doce de Lisboa a 6io rs. a garrafa, e de carrapato a 28o.
Banha de porco retinada, a 48o e 44o rs. a libra.
Serveja de todas as marcas a 500 rs. a garrafa.
Sevade. nova, a loO rs. a libra a a 2,80o a arroba.
Passas notts, a 480 rs. a libra e em caixa ha abatimento.
ROITPA FEITA
a 16o rs. a libra.
Toucinho de Lisboa a 32o rs. a libra ea !),ooo
rs. arroba.
NO
IRTIA/.KM
DE
% ^w*%
&b
/* -*
%
i
v
m
m
Sevada muito nova a 1 mi rs. a libra.
Peixe em latas grandes, savel, pescada, coi-
vina, eutras quahdades a 1,000 re. cada
lata.
Papel grevepautado* liso de 3,000 a 4,000
rs. a resma.
Passas muiio navasa-8,3oo a caixa e 48o rs..
a libra.
Palitos Usados paramentes a i 4o rs. o maco,
idem de Mr a 2o rs. o maco.
Prcwinto para fiambre ingleses e americanos
a 85o rs. a libra,
dem do Porto a 48o rs. a libra.
Queijos prato de 48o a 600 rs. a libra.
dem loiuli iuos os melhores fue se encotram
ueste mercado a Hoa rs. a libra.
Idem flameagos vindos no uitimo vapor .de
2,ooo a ,4oo rs.
Sardinhas tle Nantes mitito aovas a 32o re
a lata.
dem mata bino a i^ioo rs. a caada, e 2oa Sag muito novo a 2oo rs. a Mbra.
rs. a garrafa.
htera em frarrames c l,2oo rs. com o ganafao.
Manteiga ingleza a 600, 700, 800 e Doors.a
libra de prneira qualidade.
dem francez a 5Co rs a libra em barril, e
a 600 rs. a retalho.
Ameixas franceas em caikiiihas com ricas
estampas no exterior de l,2on a 2,ooo rs.
cada urna.
Upa em frasco de vidro de diversos tama-
itos a 1,5oo e 2,5oo rs.
Idem em latas de 1 1 2 e 3 libra a !,3oo e
2,3oo'rs. cada urna, e a 800 rs. a libra.
Fos de comadre em bazinhos de tolha pro-
pios para mimos a l,6oo rs. cada um.
dem em caixinlias de fidha a 32o rs.
Idem em caixas grandes a 2oo rs. a libra.
dem em latas ermeticamente la--radas de
I.600 a 3;ooo rs.
Aiiuz. da India e Maranhlo a o, loo e 12o
rs. a libra.
Amendoas de casca mole muito novas a 4oo
rs. a libra.
A/.eilonas superiores a l,2oo rs. o barril.
Alpista a 14o rs. a libra e 4,6oo a arroba.
Letiia a 4oo rs. a libra.
Riscoitos e bolachinhas inglezas as ultimas
rhegadas ao nosso mercado a 1,2oo e l,4oo
ws. cada lata.
Biilaxinba de soda e lunch em latas grandes
a 2,000 rs. cada lata.
Cognac de superior qualidade 800 rs. a gar-
rafa.
dem mnrto superior a 28o rs. a libia.
SaftSo maca de diversas quajidades a 2oo e
24o rs. a Liljra.
Mein inferior de 2o*a 48o rs a libra.
Genebra de Uollaada em frasqueiras a 6,5oo
rs. -
dem hanilmrgue/a em ditas aa^8oo rs.
dem de Hollanda em garrames grandes a
5,too cada um.
Mem em botija Aoo rs. rs. cada urna.
Garrames vastos de diversos ttmanhos a 5oo,
64 e l,2oo rs.
Gomma do Aracaty a loo rs. a libra.
Graixa a loo rs. a lata, e l,2oo rs. a duzia.
Licores fiaos francezes em garrafas e fras-
cos de diversos tamanhos de 600 a 800 rs.
cada um.
Marmelada imperial de t< dos os conserveb
ros de Lisboa a 64o e 700 rs. a libra.
Massa de tomate muito nova a 64o rs. a
libra.
Marrasquino de Zara a 64o rs. o frasco,
dem em frascos grandes a 800 rs.
Cominhos muito no vos a 5oo rs. a libra.
Erva-doce a 24o rs. a libra.
Pimenta a 36o rs. a libra.
Gravo da India a 64o rs. a libia.
Cannella a l.loo rs. a libra.
Alazema a 2oo rs. a libra.
Sal refinado em frascos de vidro a 600 rs.
o frasco.
ATTENCAO
dem em barril e mais superior que tem vin-
ao mercado a 600 rs. a garrafa.
Lagrimas do Douro especial vinho do Porto a
1,000 a garrafa e a lo.ooo a caita, o proco
nao indica a qualidade d'esle precioso vi-
nho, porm venbamao Progresso que a vis-
ta faz f, a este genero constantemente man-
damos vir de coata propria e por isse po-
demos vender per menos que utro fuab
quer amnmeranto.
Vinho lo Alto Etouro das marcas mais acre-
ditadas e especialmente cscolhido per um
de nossos socios, como scjumCamoes, Du-
que, do Porto, D.Luiz, Carcavellos, Cha-
misso & Filho, Madeira secco, e Foitoria a
9oots. a garrafa e 9,ooo ,rs. a caisa com
12 garrafas.
Garrafies com especial viufco do Porto con-
tend 5 garrafas a 2,5oo rs.
dem com 5 garrafas de superior \iabo Fi-
guorra a 2,400 rs.
Idem com 5 garrafas de vinho lasba a
2,4 Vinho branco do Lisboa proprio para missa
vindo j engarrafado de Lisboa a 64o rs.
a garrafa.
dem em barril muito superior a 5oe rs. a
garrafa e a i,ooe e 3,600 a caada.
Ameixas franceeas em caixmhas de 1 Va, 2
e 3 libras elegantemente enfeitadas com ri- Vinho Bordeaux das melbores qualidades
cas estampas na eaixa exterior a l,3oo' que tem vindo ao mercado a 72o e 800
1,600 2,000 2,5oe rs. j OU, e em caixa a 7,5oo, 8, e 8,2oo rs.
Idem em latas de. 1 Y* e 3 libras a i,4oo e Azeite doce refinado do fabricante Pelanol e
2,6oe rs, cada urna. outoos a 800 rs. a garrafa.
tambem temos -das mesmas marcas para 4,
e 4,5oo rs. a duzia, e a 4oo a garoafa.
Idfem branca Tobriitbaa5,5oo 6,000 rs,
a duzia e 5eo rs. a garrafa, tambem ha
para 4,oo rs. a duzia.
Graxa em latas grtades a l,3oe Ts.a duzia
e 12o rs. a lata.
Vassouras 4o Porto arqueadas 4e ferro obra
de marta duracae a 4oo rs. cada urna.
Palitos de denles massos grandes a 2oo rs.
e 28o rs.
Paltos do gaz a M rs. a caiximia e 2,3oo rs.
a groza.
Gela de Alpercle chegada no ultimo vapor
latas de 2 libras a 800 rs. pechincha.
Genebra de Hollanda garrafes com 16 gar-
rafas por 6.500 rs.
I 36o rs. o fresco aQianca-sc ser verdadeia.
dem de botija em barricas com quatro du-
ziae a 44o rs. cada botija.
dem de laranja em frascos grandes verda-
deira italiana a 1,00o rs. o frasco.
Marrasquino de zara a 72o rs.
Licor francez de todas as qualidades era
garrafas de vidro brancos a 72o e 800 rs.
LfcTREXRO VSXUDB.
Neste esUbelecimento ba sempre um sortimento completo deYOupa feita de ?K
todas as qualidades, tambem se manda fazer por medida, vorttade dos concor- ^
remes, para o que temum dos melhores professores, assim como tambem tem um 0
grande e variado sortimento de fazendas de todas as qualidades, para senhoras, a.-
! Iwmens e meninos.
Casacas de panno preto, 354 e
I SObrecasacas idem, 30l e .
Paletos idem e de cores, 254,
20*, 45* e......
Ditos decasemira, 20*, 15*,
30*600 GoHtes'de ftistao e brim hran-
25*000 co, 3*500, 3* e .
Seroulas de brim de finho,
10*008 2*400 e ......
Ditas de algodo, i*600 e.
i
2*000 <$
m
*?*
comadre m baiuciuhos de folha Conservas inglezas sortidas e de urna s qua-
lidade a 800 rs. o fraseo.
Ararat* verdadeira a 32o rs. a libra.
Figos e
muito proprios para raimo a 1,600.
I
dem emeaixinhas a l,4oo rs.
,. ...___J .. ^__... Gmma de engommar muito alva a 80 rt.
dem ent ca.xmhaswmet.c.mente facradas bra %^ r& arrobj
e muito bem eufedadas a l,8oo rs.
12*, 10* e...... 7*W0 Camisas de peitos de linho,
Ditos de alpaca, 5*e. 3*500 5*. 4*, 3* e.....2*500 }g
Ditos ditos pretos, 9*, 7*, Ditas de madapolao, 3*, ';
5*e........ 3*500j 2*500, 2*e.....1*C,0
Ditos de brim e ganga de c- Chapeos de massa, pretos fran- '
res, 4*500, 4*, 3*500 e. 3*000 cezes, 10*, O* e ..." 81*00
Ditos branco de Imho, 6*, S* e 4*000 Ditos defltro, 5*, 4*, 3*500 e *#6*
Ditos de merino oreto de cor- Ditos de sol, de seda, 12*,
do, 16*, 7* e..... 5*000; 11*. 7* e......4*500 'K
Caicas de casemira preta, 12*, Collarinhos de linho fino, ulli-
!*, 8*e...... 7*000 ma moda....... CO*
Ditas de cores, 9*, 8* e. 7*600 Sortimento completo de grava-
Ditas de meia casemira de c- tas.
res, 5*500 e..... 4*000 Toalhas para rosto, duzia, 1 g
Ditas de princezae merino pre- 9* c........ G/!DOO
tO de Gcjrdao, 3*, 4*500 e 4*000 Atoathado adamascado de 11-
Ditas de brim branco e de c- | nho vara......i^sfio .;
res, 5*, 4*500, 4* e 2*500 Chapos deso, de alpaca, pre-
ganga de cores, I tos e de cores.....4*000 f
3*000 ,
2*06(
v

Ditas de ganga de cores, I tose de cores.....4*000
3^500, 3* e..... 2*500 Lences de linho.....
Colletes de velludo preto e de | Cobcrtas de chita chineza.. .
cores, 9* e...... 7*000 Pennasd'aco, as mais superio-
Ditos de casemira preta, 5* e 4*000 res, a grosa......
Ditos de ditas de cores 5* Belogios de ouro orizontaes,
4* e........ 3*500! 90*. 80* e......
Ditos de setim preto. 5*000 Ditos de prata, galvanizado,
Ditos de ditos e seda branco, patentes e orisontaes, 40* e
6* e....... 5*000 Obras de ouro, adercos, meios
Ditos de gorguro de seda adercos, pulceiras, rozetas,
pretos e de cores, 6*, 5* e 4*000' aneis e cruzes.
CO!
."V.
70*000 N&
30*000
m
mm$
Idem a 2oo rs. a libra.
1 Sag muito novo a 24o rs. a libra.
Passas de carnadas as mais povas que ha ao, Sevadinba de Franca a 16o rs. a libra,
mercados 4oo rs. alifara, e a 6,000 rs. a ^^ myt0 ^ a ^ rg_ a libra e ^
caixa.
Salmo em latas ermeticamente lacradas a
800 rs.
Lagostim em latas grandes l,4oa.
Savel, corvina, cherne, vezugo, peixe espada,
preparados pela primeira arte de cozinha a
a l,3oo rs.
Queijos flamengos chegados no ultimo va-
por a 2,4oo rs.
dem do vapor paseado a 2,2oo 2,000 e
l,8oo, rs.
dem prato do ultimo vapor a 64o rs. alibra.
Doce da casca da goiaba caixoes grandes a
600 e9oo rs.
Chouricas as mais novas que ha no mercado
a 48o rs. a libra.
Chouricas mouras eucommenda especial nos-
sa a 5oo rs. a Ulna.
Prezunto verdadeiro de bmego em calda
de azeite 5oo rs. a libra!
Bofaxinha ingle mais novas que ha no
mercado a 2,000 rs. a barriquinha cora
i arroba, e a 24o rs. a libra.
dem de soda de diversas qualidades a f, 400
res.
dem em latas grandes, proprias para lunch*,
com 5 a 6 libras par 2,4oo rs.
Marmelada imperial da fabricante Abren e
outros conserveiros de Lisboa 6eo rs. a
libra.
Frutas em calda de todas as quahdades a
5oo rs.
Ervilhas bancazas a 5oo rs. a lata.
dem portuguesas a 64o rs. a lata.
Massa de tomate a 64o rs. a libra.
Amendoas confortadas a 7oo rs. a libra.
O proprietario dos armazens do Progressista jamis debtar de offerecer aos seus
freguezes tudo o que for preciso para que sejam, bem servidos, e como a festa se aproxi-: JV^ e a^i Volea 28o"rs." libra"
ma 4 ptima aoccasio dos seus freguezes experimentarem arealidade, que nunca dei-j
jara de ser mantida pelo proprietario destes armazens. i Ajelan a 2oo rs. a libra.
*
AGENCIA
DA
FUNDICO DE LOW-MOOR.
Rua da Seiualla nova a. -12.
Neste estabelecimento contina a haver
um completo sortimento de moendas e meias
moendas para engenho, machinas de vapor
e tachas de ferro batido e coado, de todos os
tamanhos para ditos.____________________
Arados americanos e machinas para
lavar roupa: em casa de S. P. Johnston C,
roa da Senzalla Nova n. 42. ______^^
O GALLO CANTA
J sabido que, <|uando chega o vapor da Eu-
ropa, o gallo canta annunciando aos seus numero-
sos freguezes as galanteras de maisgosto e da ul-
tima moda que i>or elle recebe, como sejam :
Cttmsmliat pera stnhoros.
Riquissirnas camisinfeas com manguitos c gra-
vatinnas para senhoras : so no Vigilante, rua do
Crespo b. 7.
Cirif/oHn/ita.
Riquissimas cirigolinhas ou graratinhas, sendo
cousa de muitogosto, e a primeira voi que acla-
rece para as senhoras de bom gosto : s no Vigi-
Idem a 28o o 3oo rs. a libra e a 8,2o, 8,4oo tmmm do Crespo n. 7.
e 8,700 rs. Pentes de concha.
Ha para chegar riquissimas guarnicfcs dte pen-
Velas de carnauba refinada 3 32o rs. a libra, teffde lindo gosto, tanto paraatar, como para mar-
raas, por precos raioaveis : s no Vigilante, roa
do Crespo n. 7.
ss. a arroba.
Macarrao a 32o rs. a libra.
dem e talharim o mais novo que ha no mer-
cado a 48o rs. a fibra.
Aletria a 5oo rs. a libra.
Arroz carolino a loo rs. a libra e a 2,8oo rs.
a arroba.
dem do Maranhao a 12o rs. a libra, e a
3,ooo a arroba.
Caf do Bio o mais superior que se pode de-
sejara32o rs. alibra.
e a 10,000 rs. a arroba,
dem de sper mcete a Gio rs, a libra.
Chocolate hespaahol e francez a 9oo e 1,00o
rs. a fibra.
Estrehinha e pevide muito nova a 4oo rs. a
libra, e a 2,000 rs. a caixinba com oito
libras.
Cha perotamttHb especial chegado neste ul-
timo vapor de eocommenda particular
nossa a 2,800 rs. a libra.
dem huxim muito superior a 2>7oo rs. a
libra.
dem hysson a 2,56e rs. a libra.
dem hysson a 2,000 o 2,2oo rs. a libra.
dem preto homeopitthtco emuitosoperiora
2,000 rs. a libra.
Mem nacional a 1,60o rs. a libra.
Batatas muito novas a 80 rs. a libra.
Charutos dos memores fabricantes da Bahia!
e de todas aS martas, como sejam: sus-1
piros, havaneiros, messecipes, regala ira- j
perial, flor das maltas, primores a 4,oo6, > a^a^se ewmmeais de fes* d* ar e de
3,5oo, 3,2oo, 3,000, e 2,8oo, 2,500, vista*: no armaiem da bola amarolla no oiao d
2,000 e 1,60o rs. a caixa. I *e*raria de polica.
FARWHA WlITAlfA.
Farinlw da muito acre^U a marca
Pontana ^cscmiiareftda hvje, yfiidf-se
por preco mais comraodu do que em
qtralqorr onlra parto : na roa da Cruz
h. h oaa de X. 0. Uielier k C. svceeti-
gpm.
lf VMt MI t^mmmmmma
t^ Rua do Crespo n. &
Na loja de Marcelino & C, vende-se
barege de lia de cores muito finos a 320
rsi o cavado, ditos lisos com 8 palmos de
largura, ricos soutembarques de cam-
braia bordado e outras militas fazendas
1 de g?lb prosrias para o tempo de testa
chegadas neste ultime vapor, precos mui-
to em conta.
Barricas com bren : na roa da Cadeia do Reci-
fe, laja de ferragens de Bastos.
Farinha de mandioca.
Vende-se farinha de mandioca da melhor <
mais nova que ha neste mercado : no escriptoiio
de Mamel Ignacio deOliveira & Filho Inrpo 1!.
Corpo Sanio n. 19, ou a bordo do palhabote I-Va-
mao e brigue Minerva, ancorados no caes > baro
do Livramento.
nums
baratas para acabar.
Sedas de qnadros e de listras a 30 rs. o cava-
do, lindas laas de (|nadrinlms a 360 o covado, su-
periores cassas de cores a 200 rs. o covado. ditas
muito finas a ikf o rovada : na loja das colnmnas,
na na do Crespn. 13, de Antonio Correia de Va?
roncal los & C.
Vendem-se caixas cbm videos para raneas,
de todas as dimens5es,corla-se c bota-secom 1 '
sa com toda a perfuigSO seguranQ.i, Unto no es-
tabelecmento como fra, pelo preco agrada ,1 :i
todos : na rua do Amgaon. 8.__________
Vende-se um carro novo de 4 rod.i>. Inri.
construido ecom coberta, acompanhando os n-iti-
petentcs arreios d*e metal principe : a tratar na
rua do imperador n. 89.
M ESCRAVOS FGIDOS.
Fo o (h* r
lesdesegonda-feira, 30 do pnssado, aus< 1-
toLseU casa de seasenhor o miilalinho Manuel,1
que rtprescHta ler 12 iimos, csliellos con
leude em um dos calcanhares um signal de ntaig..,
leswi calca de riscadoe camisa branca, fo t'sri mv
db Sr. Antonio Ferreira Pinw com loja de lenca
grossa, na r* do Ran^el: qoem o pegar leve .o
sobrado na travessa da Matr de Santo Antonia.
c(*t ser rcfontriensada.___________________
- .No Io do corrnte asentou-se da casa (!f si iV
senhor urna escrava crioula, de nomo Romn...
idade de SOannos, pouco mais ou menos, est
baila, um puco magra,cor bastante fula, cabell>V
cortado rente, levou vestido tfe cbita escura, poucO
limpo, como bem um chale axul: rogase, pm lan-
o, s autoridades policiaes ou a quem a nii
apprehender o favor de mandar levar rua Dkh:
ta 11. 23.
Fugio hontem 2 de deiembro as 7 horas ri;i
noite o preoLuiZj denaeo Angola, idade ib' 3* a
30 aunseestatura' baha, rosto redondo, barba Mi-
rada, porm pouca, espessa, dentes limados na
frente, emtregdb 00 serviede rdfinacSo, o q ue
0 ton beiW-ronhecido pelas calos que te#a as
maos. Este' pret foi pegada ha tres para m
nwos em Ierras do en^nho Anhomas-, ocun-i< le
flpiMnpta o mesmo engenba, 011 ierras de ht
genho das Lagens : quem o pegar leve-e rua A*
Jenrordift n % rafinrio1. oae ser-Beiiero?m*nie
'traacaoo.


8
Mario de Per Bambuco Hnhho 5 t nrr.rmhro e i 944.
i
LITTERATRA

1
A ii-miia da caridade.
Non habebis dos ltenos comm me
l
Quem, na vespcra da batalha de Solferino, se
actos, hora potica do entardecer, nos ar-
raiaee trancezes, vena, cruzando silenciosas por
entre o acampamento, unas poucas de irtnas da
caridade, que, pelo p de que iraziam cobertos os
vestidos, pela foreada lenlidio do seu andar, sup-
perieis em raiuinho de dilatada viagem.
E assim era, que, n'ai|uelle raesmo Instante,
ohegavam de Franca, a cuja-naconalidade perten-
ciam.
Tornava-se. distincta, entre as demais, urna,
que, menos acodada e avantajada em estatura s
eompanheiras, pela magestade do ademan e res-
peitosa distancia a que as outras caminhavam uni-
das, inculcava ser a superiora e guia d aquella pe-
quena cohorte.
De aspecto juvenil, posto que extremamente
paluda, s com grave iujustiea Ihe pudra ser de
negado anda o titulo de formosa.
Oiha a irmaa Thereza 1 All vae a irmaa
Tnereza !repetiam eom religiosa veneracao
aquellos que haviam feito a campanha da Crimea.
Nisto, aquella que indigitavam com o nome de
irada Thereza chegou a um comoro, sobre o qual
se achavam conversando alguns otflciaes de eaca-
dores a p, que ao seu aspecto se levantaram, t-
ranJo respetosamente os bonets.
Sror Thereza passou, seguida pelas suas com-
partiheras, e os oflciaes formaram outra vez gru-
po, a excepfao de dous capitaes ainda mocos, que
se deixaram fiear de p, a alguma distancia dos
outros.
O primeiro, bretao de origem e por nome Ker-
kadec, pareca dominado por urna violenta agita-
* fo. Paludo, absorto nao sei em que amargas re-
U :xes iuteriores, que se Ihe denunciaram no ros-
to por duas lagrimas irrepressiveis, que dava-se
imnovel e de olhos Utos na volta do caminho em
que acabava de sumir-se o vulto magestoso de s-
ror Thereza, destacando-se entre grupo das
oompanheiras, como entre os myrtos de Um jar-
dim sobresahe a corolla de melanclico lyrio.
Que isso, Kerkadec ?disse-lhe alflm o
eoipanheiro com entoacio de surpreza, que subi-
r de ponto medida que o observava.Tu que
tens ?
Eu ?.. .nada.. .cousa nenhuma...respon-
deu Kerkadec cora nflxo de quem volta a si de
chaire e deseja conservar ignorado o motivo da
sua abstracto.
Porm de sbito atalhou, como se improvisa-
mente mudara de tenco :
Dize-me, Beaudouin: s meu amigo, nao
es?
Em vez de responder, Beaudouin estendeu-lhe
francamente a mao.
Eutio anda d'ahi;proseguiu Kerkadec
vamos ver se arranjaruos algum sitio onde possa-
mos conversar sem ser ouvidos.. .Quero que sai-
Las ludo, mas smente tu.
Dito isto, descerara os dous amigos a arribada,
d'onde tinham visto passar sror Thereza, atra-
vessaram uina azinhaga o principiaran! a subir
para um outeiro escalvado e solitario, que se ele-
vava defrontc. ,
Vinha/lescenuo a noule. Raras estrellas roca-
mavam ainda o fundo azul escuro do firmamento.
Hem leve aragem temperava o intenso ardor da
atmosphera. Ao longe ouvia-se um como rumo-
rejar, semelhante ao remaucoso embater das va-
gas era tempo de bonanea. Erara os ltimos ru-
nures do acampamento antes de so entregar ao re-
pouso que devia preceder o combate.
As tendas, allumiadas ainda pelos derradeiros
raios do crepsculo, estendiam-se indefinidamente
cm todas as direc^oes, semelhando urna vasta re-
de de vultos esbranquicados ; em cada eminencia
djsuhava-se mal dislincto o perfil de urna senli-
nella, ora immovel, ora agitando-se no meio das
trvas. De espaeo a espaco, o coruscar de urna
fogueira, o rufar de um tambor, os passos de urna
patrnlha, um grito de alerta, o estribilho de urna
ciuco, variavam o quadro. Por cima de tudo
Isto, porm, dineis que pairava nao sei que pesa-
do, tempestuoso e sinistro mysterio, que bem de-
notava estar-se na vespera de urna batalha.
Kerkadec deixou-se cahir para cima do tronco
de urna arvorc, e, aps alguns instantes de reco-
lhimcnto, principiou assim :
II
Sempre mofaste da minha propenso para a
melancola, da minha tristeza, porm nao estra-
nhars que eu assim seja, em sabendo a historia Qur quando se diriga para a egreja eom ade-
da miaba vida.
Minha mae morreu na occasio em que eu pela
primeira vez abra os olhos luz do mundo.
Contara apenas dez annos, quando meu pae
i se Ihe foi juntar.
Como vs, nada disto routoazado tornar a
gente de genio folgazao.
man castamente modesto, qur quando, mais apres-
sada e gil, sania a fazer as compras, todos se de-
tinham a contmplala com ar de dramelo e res-
peitoso sorriso.
Em casa, sabia conservar lude em tao boa or-
dem, que todos os irmaos Ihe obedeciam cegamen-
te, incloindo mesrao o pae, a quem por vezes, aos
domingos, quando elle Ihe pedia dinhero parades-
pezas extroradinarias, nao se privava de Ihe pre-
Por more de meus paes, fique, entregue a tu- S(u |)OCado de praca sobre a vlrtude '"s0_
e briedade, tao necessaria e til, mormente noThefe
do urna numerosa familia como a delle.
Nao vas cuidar, porm, que semelhante austeri-
figadal inmigo de rapazes.
; Felizmente, tinharaos por visinho em Saint-Malo
, um piloto, excellente homejn, cuja familia era dade de costumes produzisse a tristeza. Longe dis-
numerosa e a sua casa francamente hospitalera-' so; era a casa delles urna das casas da trra que se
Penhoelera o nome do pillotinha quatro tornavam mais notaveis pelo aconchego.prasenteiro
e grato, que usufruiam os seus habitadores.
Quando as ferias nos reuniam todos, reinava na-
1 fllhos e uina fllha.
O mais velbo des rapazes nao passava de quin-
ze annos; os dous immediatos eram quas da mi-' (>uo,la vivenda uma J^ialidade patriarchal, urna
nha edade. Quanto joven, contava um anno ^anca alegra ; at Gabriel e Benjamn esqueciam
menos do que eu e um anno mais do que o irmao a Sravidade 'nherenle aos hbitos sacerdotaes, cor-
mais novo, o qual, no nome e em tudo o mais, era rendo t*1 caraPs om ale8re de8aflo com os mais,
j o Benjamin da familia. se acertavamos do dar todos algum passeio aos ar- f
rabaldes. A propria Yva dava-nos esses das to-
| Apenas amanheca, mettia-mc era casa do pillo da a largai dtixaBdo.Se egnalmente levar da .n-1
e nao sahia de la senao nome. Era por -assim
dizer, um como sexto filho da casa, um outro ir-
nio de Yva, a quem efectivamente tratava por
innaa.
Yva era a fllha do piloto.
Que innocentes e alegres folguedos os nossos,
j no areal, j as muralla?, j na vetusta casi-
nha de taipa em que elles moravam I Como eu te-
nho saudades d'aquellas descuidosas horas da in-
fancia, passadas sem sombra de pesar ncm nuvem Para outro-
de tristeza 1
Nao tardou muito, porm, que me visse exilado
d'aquelle infantil paraizo, para dar entrada no
collegio de Rennes, onde meu tio e tutor arranj-
ra a metter-mc gratuitamente, como orphao de
um amigo militar.
Triste foi o dia dos meus adeuses f
Porm, ao cabo do um ano, assim que se do-
rara as ferias, que alegra quando nos tornamos a
abracar, que satisfacao por vermos que amos pas-
sar um mez juntos, um mez como os de outro
tempo 1
Verdade era que Corentin, o filho mais velhe i
fluencia do ar e do sol dos campes e da Mgaza
agilidade dos seus quinae annos!
Pois contava j quinze annos a nossa querida
Yva era uma formn rapariga, alta, de talhe gra-
cioso e esbelto, de feiges regulares como as de'
uma raadona, de olhos negros e melanclicos, de
sorriso como eu imagino o dos anjos.
Que mais te direi, amigo? Que a ama va... que
todos na visinhanca nos suppunhara destinados um
FOLHETIM.
A CONDESSA DIANA
POR
MR. MARIO IT.HARU.
(Concluso).
de Penhoel, andava entao fazendo o seu aprend-1
zado martimo com seu pae, para vir um dia a ser
piloto como elle.
Quanto ao segundo, que se chamava Gabriel,
eslava por dias a entrar para o seminario, a flm
de seguir o estudo ecclesiastco, ao qual se desti-
na va.
A mesma carreira bavia de seguir Benjamin a
seu tempo, assim como Brienc, o immediato ao
mais novo, se destinava j a abracar a mesma
proflssao de seu irmao Corentin, por quanto era
coslumo immemorial, quas uma especie de le en-
tre a familia Penhoel, que o mais velho fosse pi-
loto, o segundo padre, e assim por diante a res-
peito dos outros irmaos, para que todos chrsta-
mente se consagrassem, uns ao servico de Deus,
outros salvacao dos marinhelros.
Pelo que resneita s jovens, uma, ao menos, de
entre tres, devia ser religiosa.
Era uma santa familia aquella, uma familia de
verdadeiros bretoes!
No mesrao dia em que Gabriel parta para o se-
minario, embarcava Corentin para ir arrostar pela
primeira vez os perigos do mar.
Comquanto extremamente irapressionados am-
bos, nem Corentin se mostrava receioso, nem Ga-
briel cnorava,
Cada qual para a carreira qucabragoul
disseram elles um ao outro, apertando-se mutua-
mente as maos.
No fin das ferias seguintes, uma scena quasi
semelhante se renovava entre Brieuc e Benjamin;
este parta com Gabriel para o seminario, aquelle
substitua como grumete seu irmao Corentin, j
ento marinheiro debaixo das ordens de seu pae.
Nada mais tocante, repito, do que aquella fami-
lia, em que cada qual tinha de antemao destinado
o papel que havia de desempenhar e o aceitava
com uma simplicidade verdaderamente heroica.
Havia muito que a mulher do piloto tinha mor-
rillo e que sua fllha, posto que ainda menina, a
substitua no governo da casa, encargo de que ella
se tirava com limpeza e que com o andar do tempo
viera a fazer-lhe assumir uma especie de gravidade
precoce e quasi maternal. No dia seguinte ao da
sua primeira commuHho, Yva representava na
compostura e scriedade de seus gestos todo o as-
pecto de uma mulher feita, superior em edade aos
annos que ella contava.
Concluidos finalmente os meus estudos,. entrei
por ordem do meu tio, que de nada me tinha
feito sabedor al entao, para casa de um armador
de navios, na qualidade de caixeiro.
Porla-te-bem dissera-me elle. Grabas
minha heranca, um da vira em que Ihe succedas. |
Receioso, como andava, de que meu tio me
mandasse para longe de Saint-Malo, imaginas de
certo cora que afn, ao ver totalmente dissipados
taes temores, eu correra a communcar aos meus-
amigos esta boa noticia.
Bravo 1exclama rara a uma voz os quatro
irmaosL vio, visto isso, os receios que tinharaos
de nos separarmos.
Quanto ao velho piloto, apertou-me cordialmen-
te as maos, chamando-me filho.
Muito folgo 1disse-rae Yva com uma lagri-
ma de prazer nos olhos.
Oh! tudo naquelle dia pareca abrir-se-mc em
sornsos, que eu caidava serem os gratos prenun-
cios de um futuro infallivelmente venturoso!
Porm quanto a gente se engaa 1 Quanto vive
Iludida neste mundo I...
in
Aps uma curta pausa, proseguiu assim o capi-
lio Kerkadec :
Um anno decorreu sem que nada alterasse
ainda a suave intimidade em que eu viva com a
familia Penhoel.
Apeuas, porm, terminado este prazo. uma se-
rie de infortunios se desencadeou contra aqnella
familia, que eu j considerara como minha.
Em primeiro lugar, a partida de Gabriel, que,
mal recebida as ordens sacras, delberou trans-
portarle ao seio das hordas selvagens, com o san-
to intuito de derramar entre ellas a luz da f.
Porque nao ficas comnosco, filho ?dizia-lhe
comraovido o pilotoFica, o pouco valero protec-
coes de amigos que cont, se nao arranjamos a
obter-te uma abbadia aqu nos arrabaldes. Que
mais nobre missao do que a de pastor de almas, e
pastor de almas n'uma aldeia?
De certo, meu pacresponda o novo levita.
NSo contradigo Isso, antes espero que mBU'irntto
Benjamin sigaessa carreira, que nao menos gra-
ta aos olhos de Deus. Mas, pelo que propriamen-
te me respelta, sinto-me attrahido por uma irresis-
tivel vocacao para o santo mister de guia de almas
l longe, nessas remotas e quasi ignoradas regi5es,
ondo mal penetra o claro da luz do Evangelho.
E se tu por l ficas, meu filho ? Se esses a
quera desejas converter te remuneram com omarly-
rio a obra santa em que vaes empenhado a bm
delles?
Nem tal idea me demove, meu pae. Peca a
Deus por mim e nao inste comigo para qne deixe
de partir, porque rebellar-se contra a vonladede
Deus, que me chama!
Resignou-se alfim o pobre velho ; escondeu do
filho as lagrimas que Ihe trazia aos olhos a (brea
do aflecto e Gabriel partiu para a China.
Acompanhamo-lo todos at ao sitio do embarque.
Pude entao avahar toda a forca, todo o ardor des-
se instincto religioso, desse zelo vehemente, pecu-
liar a certas racas, ao qual se pode talvez dar o
nome de predestina^o apostlica. >
Ao ver aflastar-se o navio quo conduza o joven
missionario, a rada um dos tres irmaos, que Rea-
rara em trra, se Ihe iam os olhos de inveja no fr-
gil lenho, e at a propria Yva, como quo obodecen-
do a um irresistivel impulso, exclamou em niedo-
Parece-me que a estou ainda vendo com o seu so transporte:
trajo bretao, quas sempre de cor escura, e a sua j
grande touca moda de Saint-Malo, alva como a
nev.
se expoe em servico de Deus
influencia desta exaltacao nem o piloto esca-
pou.
Meus Deus Idsse ee, aleando os olhos ao
tu-acabo de tos dar um de mous litios..... Se
ajo e anda bastante, fallae... eu tenho mais 1
D'ahi a un hora, porm, quando chegou casa
o seu amor de pae foi superior resignaco qne
antes tinha apparentando.
Sentou-se, quebrado de alentos, na sualrustca
poltrona e desatou a chorar.
Passados momentos, cinginno mesmo abraco os
fllhos e a fllha, que se tinham agrupado em torno
delle a consola-lo e murmurou :
Ji eao Acaraos senao cinco !
E eu ?exclamei, atalhando o pilotoAs-
sim esquece quem desde muito se affez ventura
pe o encarar como pae ? Oh I consinta que o po-
bre moco, j seu filho no aflecto, o seja na real-
de pela sua uniao com Yva I
A esta franca expanso do meu recndito sen-
tir, voltaram-se rpidamente os tres fllhos do pi-
llo e fitaram-me os olhos com aspecto risonho.
Yva, sorprehendida e envergonhada, esconda o
rosto n'uma dobra da capa de seu pae.
I'tiilioel adiantou-se vagarosamente para mim,
pouson-me nos hombros as reforjadas raaos, en-
caroo-me lisamente e disse-me :
Ainda nao tens vinte annos, Kerkadec, po-
rm s diurno della e eu quero-te como a lilho meu!
A esta ultima phrase, tomoo-me a cabera entre
as maos, e puxando-me a s, bejou-me na testa.
Era o raesmo que adoptarme por seu filho, por
marido de suafilha.
Um clamoroso kurrak dos tres irmaos saudou
alegremente estes esnonsaes.
Pelo que me dizia respeito, fiquei tao gratamen-
te mpressionade. que apenas tive forca para bal-
buc ar :
Sr. Penhoel... visto isso, autorisa-rae a pe-
dir o consentimento de meu tio ?
Quando qsizeres, rapaz... 0 meu est dado!
Nao foi misler mais para eu correr a procurar
o meu tutor, que apesar de pouco se importar co-
migo, quera, comtudo, que Ihe acatassem o abso-
luto imperio que elle se arrogava sobre o meu fu-
turo.
Nao me faz conta nenhuma semelhante ca-
samento !disse elle, atalhando-me logo s pri-
meira palavras.
Sinto muito,respond-lhe euporm per-
mitta-me meu tio recordar-lhe que me chamo Ker-
kadec e nasci bretao... Jutgo que escusado di-
zer-lhe mais nada...
Pois- nao, meu querido sobrinbo f Porm
sempre te direi que tambera nao son menos Her-
kadec nem menos bretao do que tu. Por conse-
quencia, has de-ter a bondade de esperar at- aos
vinte e cinco annos. mas, antes de l chegares,
permitti-me reflectr-te qne temos o recrutamento.
Entao meu tio nao fez tenco de me lwrar ?
Com que ?
Bem sei que meu pae nao me deixou aada;
porm espera va... sim... cuida va eu...
Que te livraria mina custa talvez t
Sim, senhor.
Era essa, effectivamenfe, a minha tenco, e
se me promettes, debaixo da hu palavra de non-
ra, que brar todas as relacoes com a familia Pe-
nhoel, se me juras esquecer Yva-...
Isso que nunca !
Pois entao, meo amigo, gosto muito d"essa
franqueza, mas visto estares desses humores, des-
de j te desesgao que escasas de estar aldo a
mim!
Nao insist, perqu bem sabia que seriam iau-
teis todas as miabas supplicas, e voltei contristado
a casa, do velho piloto.
cruel t- disse-me el Leporm raza de
mais para obedecer 1 Um tutor o representante
de um pae e um pae o representante de Deus!
Cmo! pois quer que e deixe de amai sua
fllha f l
Ne-, ftlho. Quero someate que te armes de
paciencia e de resignaco ; qaero que nos proves
a todos que a tua affeicao das que sao capazos
de resistir ao tempo e a distancia. Yva ha de es-
perar por ti, fica descansado... e talvez que teu
tio venha um dia a deixar-se vencer pela vossa
constancia.
Mas que, se eu persisto a recnsar-lhe a
promessa que elle exige, come persistirei, deixa-
me partir.
Eentao? Partirs... servirs a teu paz,
seguirs os postos do exercito, a exemplo te teu
pae.
Mas eu nao quera ser soldado (
Talvez Dens, que o qoe dispoe das eousas-
te depare um bom numero.
Porm se a sorte me contrara ?
Ser porque assim vontade de Deus, e, por-
mmo, aretta-ra-nas como uma provacao qne elle
te envia, como um dever que nao podes declinar.
Estas palavras, cheias de alent, e, sobretudo, o
olhar de Yva, deram-me esperanza e restituiram-
me o animo.
Chegado o dia do sorteio, tirei um mu nu-
mero.
Paciencia, homem /disse-me Corentin, que
se achava comigoNao desanimes por isso. J
ha muito que eu e meu irmao, recelando isto mes-
mo, andamos a preparar os cabos para te desen-
calcar desses apuros.
Que queres dizer, Corentin ? '
Facamo-nos de vela at o sloop e eu l te ex-
plicare! o negocio.
Pozemo-nos a caminho.
Chegados barra do pillo, qne naquella occa-
siao, se achava no porto, puxou Brienc de um
mealheiro, cojo contedo alegremente chocalhava,
e exclamou :
O caso este : meu pae da-nos parte nos
lucros e l de quando em quando junta-lbe tam-
bera minha irmaa, s escondidas, algumas grati-
tcaesinhas maternaes.
Ora, vendo eu e meu irmao Corentin que teu
tio se recusava a livrar-te, disseraos um para o
outro : Pois ha vemos de livra-lo nos Odinheiro,
que haviamos de gastar mal gasto era cerveja e
tabaco, economise-lo, e dmo-lo a Kerkadec para
o pebre do rapaz nao ter de ir agora assentar
praeja
E ali tens como foi! rematon do lado o ou-
tro irmao-Percebes agora?
XXVIII
Em menos de um quarto de hora todos os habi-
tanies do castello, prevenidos por Basilio, corriam
a ver-nos. A noticia da minha pretendida loucu-
ra, c da minha detenjao havia contristado a esses
leaes coraces. Grupavam-se pois em torno de
mim, e manifestavam o seu prazer por verem-me
tao alegre, e tao bem disposto.
O Dr. Schultz partilhava da alegra geral, esfre-
gava as maos, signalque nelle denota muita satisfa-
ca. O seu olhar at ento cheio de melancola
quando com o meu se cruzava como sereceasse ler
a inquielacao que me inspirava, era naquella oc-
casiao firme, tranquillo, e seguro : o doutor |esque-
cera a sua desgrana, os seus sustos e tristezas.
Visitamos toda a casa e o parque. Os meninos
corriam pelos alegretes soltando gritos de alegra,
e colhendo llores que nos da vam. A' cada momen-
to eu e Diana tinhamos uma lembranca do passa-
do, e os nossos coraces palpitavam, e os nossos
olhos repetiam essa phrase deliciosa que repetir nao
ousavam os labios : iLembras-te 1
Em quanto se improvisava um jantar fomos vi-
sitar o meu castello, onde entrei acompanhado das
acclamaces da gente da povoagao. Essa boa gen-
te conhecera meu pae, e me vira nascer. Festeja-
vam pois o filho de um bemfeitor, cuja memoria
se Ihes tornara mais cara ainda com o interregno
de meu tutor e d seu intendente.
noute, vendo-rae a sos com Bastiao pense que
tudo era um sonho. Segundo os desejos de meu
pae nada fora mudado nessa casa, em que en nas-
cera. Ahi tornava a ver tudo o que me havia
amado; e evoca va no pensamento o mgico reflexo
do futnro.
Ma% ah I Uma nnvem sombra pairava sobre
a minha felicidade. Pensei no meu pobre Schultz,
Sne podia ser precepitade na loucura por um golpe
ulrainante, em qnanto eu nao consegnisse venoera
mais leve incerteza do seu espirito. E consegui-
rei cura-lo ?
No dia segninte despertei ao barulho que faziam
algumas pedrinbas jogadas sobre a rotula da mi
nha janella. Era Schultz que me vinha fazer a vi-
sita costumada.
D'ahi a pouco entrou no meu quarto.
Oh I oh disse ello vendo as velas quasi
gastas: por aqu esteve-se acordado at muito tar-
de. Ms repine! Ora ahi est, accrescentou sur-
rindo-se, esqueco-me .de que .nao sou mais o me-
dico I..
Apenas preparei-me, corremos ambos casa de
Diana, onde encontramos o tabellio Granger. A'
sua vista lembrei-me do que eslava interdicto pela
le. Nem tinha pensado nisto !
Receei alguma noticia desagradavel.
Oh meu Deus Ihe disse eu. Vera trazer
os meus ierres ?
Que ferros ? perguntou Granger admirado de
semelhante acolhimento.
De'sculpe, meu amigo, repliquei tristemente,
tinha-me esquecido de que fui declarado inter-
dicto !
Qual interdicto tornou elle a rir-se. Nao
se trata disto ; tranqulllise-se.
Como ? E a decisaode conselho de familia?
De nada mais vale. O Sr. bario passou a
poca da sua emancipacao, e o nico testemunho
da sua reclusao faz cessar os efleitos do juizo pro-
nunciado. Venho justamente receber as suas or-
dens para cuidar de po-lo de posse des seus
bens.
No lira de oito dias eslava tudo terminado. Re-
conquiste! os meus direitos, sou livre, senhor dos
meus bens, da minha vontade, o da minha vida :
emflm estou prximo a dar exocucao ao meu famo-
so projeclo. Nao ficarei pobre diminuindo o preco
das miabas trras arrendadas : esta principal-
mente a minha actual ocenpacao.
Meu caro, de boje avante'ollia-me com respeite.
Sou um joven que possue quinhentos o tnnta e sete
mil seisecntos e tres francos vinte e cinco cnti-
mos de renda, como dizem os inglezes. Os dous
milhdes que possues causam-me riso.
Os negocios de Diana tambera vio s mil mara-
villas. Gracas ao testamenta do Sr. de Maufert
ella nada herdon delle.
A' excepc'1 do castello, que sempre aquillo
I que j viste, tenho muito que fazor no mais.
preciso montar novamente a minha equipagem.
Compra-rae ahi em Paris uma meia duza de ca-
vallos, cavallos dignos de serem montados por
Diana.
Nomeei Bastiao meu intendente, e trato de casa-lo
1 com a sua Catharina. Tenho tambera era vista efec-
tuar o casamento de Magdalena por intermedio de
Diana; e tema tu mesmo sentido que hei de casar-
Percebo ; mas por essa forma Itnposeivel
i terem voces juntado dous mil franco I
L isso assim nlo ha duvid,repcou
(Brieucmas tu tambe o partes j ; s ifaqui
a alguns mezes. Portanto, d'aqui at ento, ir
bolo sempre augmentando... principalmente se
tn pozeres tambera alguma cousa de tua casa para
elle rrescer mais depressa. Supponharaos que
por nos todos tres arranjamos a juntar quinhentos
ou talvez seiscentos francos 1
E d'ahi ? apenas a quarta parte do que
necessario 1
verdade ; mas Corentin conhece um ho-
mem que negoceia com isso de recrutas, o qual,
dando-lhe nos essa quantia, se contentara com
jella at podermos aproniptar-lhe o resto.
Mil e quinhentos francos! Como ba vemos de
juntar nos tanto dinhero ,?
Qual nao untamos Juntamos, sim. Primei-
ro, porque tu nao tardas a principiar a ganhar co-
mo caixeiro. Em segundo lugar, porquo nos da
nossa parle continuaremos a poupar o mais que
podrmes at daqui a dous ou tres annos... ou
at dez, se fr preciso I
Isso tem l lugar! Pois havieis de privar-ve
de todas as vossas dislraccdes e prazeres por mi-
nha causa ? I
Ora, adeus Ento que tem l isso 1 Pare-
ce-te, acaso, que nao vale nada para nos o prazer
de conservar/nos minha irmaa o marido que Ihe
est destinado, a nos todos um bom irmao que
presamos ?
Dignos mancebos I coraces- generosos !
__ Abracei-os, estreitei-os a mim com toda a effu-
saodo reconhecimento, com os olhos arrazados de
lagrimas, mas lagrimas de alegra, porque me
considerava salvo.
. Chton Icontnuou Brieucnenhuma pala-
vra sobre isto a meo pae ou mesmo a minha ir-
maa O mealheiro est escondido- na caixa de
Corentin. Mas nada de abrir bico a este respeito,
seja cora quem fr!
D'ahi a dous mezes, uma horrorosa tempestade
destrua o sloop do pilote junto costo de Guerne-
sey, disseminando-o em fragmentos por sobre o
dorso das vagas.
IV
Dessa vez, tinha ticadb-em trra o piloto.
Quanto a Corentin e a Brieuc, ambos haviam
sidode votados pelas ondas.
Tao desastrosa oecurrencia causou geral senti-
mento em Saint-Malo, porque todos o seus ha-
bitantes conheciam e estraavam a familia Pe-
nhoel.
Segundo o costume bretao, a casa dos infelizes
martimos esteve hermticamente fechada at o
mar arremessar praia os cadveres das suas des-
granadas victimas.
Jamis esquecerc a passagem do prestito fne-
bre pelas diferentes ras que atravessou antes de
fazer a sua ultima estancia no oemitero.
Toda a corpora^o dos pesoadores e marinheiros
acompanhava os dous fretros, em cuja conduc-
cose revezavam. Logo alraz delles segua- o pi-
loto com o rosto banhado em lagrimasy os ca
bellos brancos, que Ih'os encanecer de unrdia
para o eutro< a forca da sua. grande angustia, po-
rm silencioso, gravemente sereno, firme o passo,
caminhandosempre avante,, raagestosamente reco-
lhido na sua estoica dr.
A' sua direita ia Benjamn, que pouco antes ha-
via chegado do seminario. Benjamin contava en-
tao dezoito annos. Dir-se-hia, ao ver a paltidez da-
auella fronte pura, contrastando com onegrume
os creps funerarios, que era o anjo da jnvenlude
acorapanhando melanclico* prestito de dous man-
cebos genenosos,
Quanto a. Yva, que acompanhava esqperda do
ancio, apnesentava o olhar e a.physionomiaque
os pintores do Mae das- Dores; ia divinamente
bella.
Descidos- mesma sepultura os cadveres dos
dous infelizes marinheiros, ajoelhou o ancio, ain-
da com Y'va o Benjamin a. sou. lado, e disse :
Senhor I Offereci-vo* todos os meus Albos....
j me toiuostes dous___ seja feita a, vossa von-
tade !
Amen !responden detraz delles uma voz
que os fea voltar a todos.
Era Gabriel, que chegava da China e acabava de
desembarcar ainda a tempo de prestar a seus dous
rmos os ltimos offlcios !
Caloui-se Kerkadec, ioterrompidopela commooao
da propria historia qne eslava narrando.
A este tempo era ja- noute fechada; a cpula
acal-ferrete do cea aofitrava-se eravejada domy-
riadesde estrellas, porm paJIidas e tristes, scin-:
tillando confusamente atravez da amplido do es-
paco.
Profundo silencio, reinava em toda a extensao
do acampamento ; nentuim. s. dos surdos rumores
quo ainda horas antes se cruza vam em diversas
dreccoes quebrava agora a monotona daqnelle
tristonho espectculo; as tendas e as sentinellas
parecan! outros tantos pnantasmas brancos e ne-
gros ; as fogueiras apenas vertiain morticos cla-
res.
Pareca que na propria immobilidade daquella
atmosphera sem a menor aragem havia nao sei
!|ue placidez estranharaente melanclica, em per-
eita harmona eom a dolorosa confidencia do o-
ficial bretao.
Este continuou :
Gabriel tambera nao tinha atravessade inc-
lume os perigos a que pela sua vocacao espont-
neamente se expoiera.
O pobre moco trazia o rosto, es ps e as maos
cheios de profundas ciratrizes.
A exemplo e como em irriso do Divino Mestre,
de quera fura pregar a paixo e derramar a dou-
trina, os barbaros haviam-o tambem coreado de
espiuhos e crucificado.
Oh terei sempre presente na memoria o en-
ternecimento e admiraeic de Yva e Benjamin,
quando, chegados a casa, Szeram assentar no meio
de si o piedoso missionario, e examinaram. apal-
paran! e beijaram com respeito as gloriosas cica-
triies de que elle trazia coberto o carpo, como me-
moria visivel de muito que havia pugnado e sof-
um refinado traidor,
dedicaco, passares
te cgualmentc. Todos esses casamentes, j se sa-
be, nao prejudicam um outro que medito I
Corre a mim, so queres gosar de um caminho do
mundo que um paraizo, onde se refugiou o
ideal 1
Vera, nos te esperamos.
XXIX
Wilhelm, j sei tudo ; es
Occultares-me a tua sublime
dous mezes ao lado do teu amigo e de Diana, sen-
do testemunha dessa felicidade que obra tua, sem
me abrires a tua alma generosa f
Tudo le devo, meu amigo, tudo sei. Foste tu o
adversirio do conde em Rhodes. E nao beijar eu
de joelhos essa mao valenlc e fraternal, que liber-
tou o anjo que adoro 1
Cruel, porque te calaste ? N'o foi o acaso, nao :
foi Deus quo. tudo me revelou, Deus que te quiz
dar um irmao, prompto a sacrificar tambem por ti
a sua vida !
No navio, que tres mezes conduziu a pobre
Diana a Marselha, achava-se de passagem um
mancebo que, vendo-a solada e abatida, cercou-a
de respeeto e cuidados at Paris.
Ante-hontem esse mancebo aqui veiu ter. Tre-
me, Wilhelm; elle chama-se o Sr. de Varelles, cn-
sul em Rhodes.
Dei-lhe hospitalidade, e hontem era conversa per-
guntei-lhe se sabia algumas circunstancias do duel-
lo ejilre o conde de Maufert e Sir George Fcrry.
Como nao hei-de saber, respondeu-me se fui
testemunha ?
Roguei-lho ento que me contasse essa his-
toria.
Foi uma aventura bem extravagante, tornou
0 Sr. de Varelles. Devo-lhe dizer que esse Sir
George apaixonado pelas ruinas. Todos os dias
ia elle passear ao redor da fortaleza bysancina que
hab lava o conde a lira de fazer os seus estudos e de-
senlies. O senhor conhecia o sombro humor do con-
de, que nao gostou aessa assiduidade de Sir George,
e toinou-a antes como uma tntenco hostil, tanto que
i urna manha prohibiu-o de subir a um muro de-
i sbado de onde se avisiavao seu jardn). Sir Geor-
1 geresistiu com a obstnacao de um antiquario que
' e perturbado em suas indagaees. O conde irri-
tou-se, Sir George riu-se fleugmatieamenle. D'ahi
a necessidade de um duello, ao qual o suppostoin-
' glez veiu-me pedir quo assistisse.
Como I O supposto inglez I
Ahi que esta o mysterio. Observandolhe
que elle devia escolherde preferencia o seu cnsul,
confiou-nie ento que era francez, de ama amiga
familia d'nlsace e qne se chamava Wil.hom Satis-
mam.
. Agesta declarado flqnei estupefacto Oh meu
irmo, mal podes comprchender as palpitares do
meu coracio ao pensamento de que possuo um tal
amigo Mais experiente de que eu descobrsto o
retiro de Diana, ao passo que rae desesperava por
nao poder consegui-o!
Oh I A felicidade de todos nos obra tua ; que-
ro que saibas como olla pura e radiante... Porm
o que te direi mais ? Viste j Diana!
Depois dos dous mezes que passaste comnosco
nada perlurbou a serenidado do nosso caro doutor
Schultz. A minha esperanca cada dia mais se en-
robustece. Entretanto approxima-se o outorano,
pessima estacao para os espiraos abalados: o me-
nor accesso pode destruir o progresso tao laborio-
samente obtido.
Salvo-lo-hei? Diana, a quem tudo confiei, me
suggeriu a idea de faze-lo residir no castello du-
rante a estacao tcmivel. Deste modo t-lo-he
sempre junto a mim, e raelhor velare na sua
cura.
XXX
Victoria completa, Wilhelm Passou o outomno,
a relva esta coberta de glo... e Schultz nao sentiu
a menor fraqueza.
Como haviamos projectado, chamei-o para o cas-
tello, e dei-lhe um quarto contiguo ao meu. O
nosso douter nao suspeitou a verdade, e quasi to-
das as noutes ambos ria-mo-nns da loucura. Nun-
ca conheci a sua razio mais (orle!
Eraflm para encartar razes acorescentarei que
o doutor velava mais em mim do que eu nelle;
pois tendo descoberto que en ia muitas vezes ob-
servar o seu somno, para evitar-me este trabalho
introduzia-se no meu quarto duas ou tres vezes du-
rante a noute.
O que ha de novo ? perguntei-lhe primeira
dessas suas visitas.
Venho mostrar-lhe que estou forte, respondeu
elle com o seu coslumado sorriso. .
E depois para nao despertar-lhe suspeitas dei-
xei-o continuar. Muitas vetes via-o entrar p an-
te p, approximar-se do meu leito, escutar-me a
respiracao; e eu nao rae bolia, e flngia estar dor-
roindo. Conservar assim em actividade a solioitu
de desse bom e sincero coracao, era distrahir tam-
bera o seu pensamonto. Muito preoecupado era
poupar-me qualquer desgosto, nao pensa em si
mesmo!
O amor, amisade, coracaoeis aqui talvez, meu
caro Wilhelm, o principio da psychologia medica;
e digo agora como Schultz : < Quo medico que a
felicidade I >
Se visses Diana no brotar de suas graeas, tan-
to tempo annuviadas por um (rio invern! A sua
frdo pela causa de B*us, era que so alistara sol-
dado.
E nenti admiraco do pae e podia furtar o
mancebo, quo Ihe"Ha no* olhos todo o prazer que
Ibe eslava dando a vista em espirito de seu passa-
do martyrie.
Que direi, porm, quando elle entrou a contar
a sua longa peregrinaco e dolorosas provaees,
quando descreveu esse singular e mjsterioso paz,
quando fallou dos perifes uuo tarria affrolKado,
dos soffrimentos qne tinha supporlado, das con-
versos que tinha a gloria de taver tevado a
cabo ?
Benjamn, -obre todos, Benjamn escalava-o
com a mais ardenle curiosidade, com um nthu-
siasmo, quo de dia para dia pareca augmentar.
De modo qne, quando Gabriel se dispunha a
partir de novo para a continuacno dos seus traba-
mos apostlicos, Benjamin exclamou com voz fir-
me e resoluta :
E eu vou contigo!... Pecle que me dei-
xes ir, porque desejb associar-me ao teu aposto-
lado I
Este frvido zelo, este santo ardor christao,
rommunicra-se a tees nos. No primeiro impeto
do seu piedoso enthusiasmo, at o proprio Penhoel
applaudiu a corajosa resoiucao de seu filho mais
novo.
Porm, cahindo logo em s, exclamou com os
olhos arrazados de lagrimas :
Oh t nao, meus filhes agora, que s vos
me restae, sdeme consolacSo e amparnos can-
sados dias da velhice Se vos morreis-tambem,
como os oatros que Deus acaba de arrebatar-
me ?
Quando se morro, como morreram Brieuc e
Corentin, respondeu Yva, atalhando sea pae -
como talvez morrero Benjamin e Gabriel... no
santo empenhode salvar horneas ou almas., .que-
ro dizer, era servico de Deus, a itiorte ao re-
compensa, um bem I...
Pronunciando estas palavras; Yva faza recordar
essa* virgens ctoristaas que, outr'ora, serena a
fronte, o sorriso nos labios, os olhes Iluminados
por um co/no divino claro, esperavam heroica-
mente, no meio de circo, a cora do martyrie-que
as lernou santas no cou e adorada na trra f
Part! part, ambos! diese ento o velho
Penhoel A vontade do Senhor- seja feita, so
sua vontade que eu fique s no mundo !
D'ahi por alguns dias, embarcavam para a gh>
na o* dous fervoroso*missionario, cata do mar-
tyrioque anceavam as suas alma.;-cheias de fe; e
nos, ajoclhavaraos no sop do cruzeiro que domi-
na a entrada do porto, implorando de Deus
mongb benigna para os que iam oonsagrar-se ao
seu servico, em paragen6 to remotas da patritr e
tao afastados dos seos-!'
Al entao nem uma s lagrima ha*ia derramado
o aneiao.
Poem, quando transpoz o limiar da casa deser-
ta e medu com os olhos do espirito toda a gran-
deza do-seu desamparo, eahiu prostrao para cima
da rustica poltrona, env torno da qaal se agrupa-
van outr'ora os quatro Sitios de quem se via se-
parado, e pendeu, chorando, a caheca para o peito.
Ainda Ihe resto eo, meu pae K disse-He
Yva,. cingindo-o nos bracos e beijando-lhe a fren-
te encanecida.
Quanto a mim, aperteWhe as maos com todaa
effuso de um verdadeit aflecto e exclamei do
fundo do coracio :
Acaso nao Ihe fica. tambem em. mim- nm
filho?
Meu Deus eu olvidava a divida de sangne,
cujo pagamente me estava reelam|indo a patria,
para s dar ouvidos voy do alTeib filial, que-me
tornava comoproprias as-ddres dJpobre velho r
O praso da partida attinga o seu Jlermo e a
impotencia dos meus recursos- nao me deixava.es-
paca-lo.
Recorr de novo a meu.to; instei; supptqpei,
como quem deseja conseguir e v na- recusa pos-
sivel, a perda de uma ventura que- Ihe era ex-
tremo regosijo do coraeao. Supplieas- e instan-
cias, foi tudo baldado para quem ja. de-ha muito
tinha feito proposito de fechar os oawdos a rogos
meus.
Vi-me, pois, toreado a< partir.
Quando fui despedir-mc de Penhoelie de sua fl-
lha, o honrado piloto apertou-me nos bracas, dei-
tou-me a. sua beneao e- mais urna, vez me pro-
metteu que outro n'en ti un seria o marido de sua
fllha.
nanlo, a Yva, trou do muito que m quera
forca para me dizer, sem trahir as secretes dores
que Ihe causava aquella separacao:
- Animo, meu querido amigo r Tambem serve
ao Senhor quem cumpre o seu tfever servindo a
patria t
VI
P8#saram-se cincoannos.
Acbava-me eu na Arioa, ondo tiuba a I canead*
uma condecoracao e as divisas-de primeiro sara-
guato quando, quasi simultneamente, recebi duas
cartas, ambas fechadas com obreia preta.
Anaunciava-me a primeira a mor te dePenhael;
a segunda a de meu tio Kerkadec.
Estava rico e senhor das minhas acefies.
A morte de meu tio deixava-me senhor dos.seu
lia veres, que monta vam a uma boa cifra, a- em
pleno uso da minha liberdade.
Part, portanto, imraediatamente para Saint-.
Malo, rntegostando. mentalmente do^uras. da. fe-
licidade que- eu suppunha me estava aguar-
dada.
Quando tianspuz o timiar da modeste casinbi-,
de Yva, pareca queocorago, a julgar pelos em.
bates que me da va no peito, o achava, acanhado*
mbito pana as suas pulsaces de prazer.
Quanto. donzelka, flguren-se-me ainda mais
bella doque eu a tinha deixado, como seu vestid
de luto ; acolhtfu-mi! com um ser-riso cheio,de
aflecto, porm lio impregnado de melancola, que
me causou impresso.
Yva I -exclamei eu, ajoelbando-mo aos ps
d'ellaEis-rae aqui At que alflm chegou o mo-
mento de realisarmos a nossa uniao I
A sua resposta foi apontas-rae para, o vestido
preto que a cobria.
( Continuajt-se'Bm )
primavera desabrocha, ella vive! Se nos visses no"
seu pequeo parque, oasis afortunado, onde passa-
raos os nossos dias, ora alegres e folgazes eomo
os meninos cujos briquedos imitamos, ora recolhi-
dos e pensativos como dous noivos que esperara o
momento feliz de se ligarem!
Por um sentimento, cuja delicadeza coaaprehen-
ders, ainda nao disseraos ura^o outro que o nos-
so amor eontinuava sempre nmesmo : mas cada
palavra nossa uma conlissao, cada olhar uma ca-
ricia.
Oh Como sao as nossas almas eloquentes 1
Entretanto, em nada dizer-lhe, taco loucuras para
embeilezar no castello o aposento, que foi de mi-
nha mae. O nosso discreto cura encarregou-se de
obtr do bispo a dispensa do laco espiritual que nos
ligou ante a pa baptismal.
Se consigo salvar Schultz, que existencia fe-
liz !
Estamos smente espera que chegucs. A mi-
nha matilha est completa : quarenta ces ingle-
zes capazes de irem ao inferno. Gedr-te-hei
Ralph.
Hasde ficar satisfeito, valente cacador 1 Diana te
espera : ella te qur como a um irmo meu, que
s.
O que serla se soubesse que foste t o supposto
Sir George Ferry I
XXXI
Sao passados dous annos tenho um filho de on-
ze mezes, louro, rosado, um anjo do cu !
Este menino hade ser um palrador como seu
pae t exclamou uma vez Diana fazendo saltar a
criancinha nos seus bracos.
Pelo contrario, respond logo, parece-se mais
com a mae.
A creanca olhou-nos e comecou urna dessas gra-
Iheadas infantts, que uma linguagem tao bella I
Schultz arriscou gravemente uma reflexo philoso-
phica. Travou-sea disoussao; Mina interveio con-
tra o marido, que abaixou a voz.
Esta scena teve lugar no hall, immensa galera,
onde se agglomeram movis amigos, tepessarias,
obleeras d arte preciosos, ao mesmo tempo musen'
sala de msica e de estudo. Ha ahi uma varand
coberta de flores de lado do jardim. o lugar era
que nos reunimos as horas do far mente. No par-
que tudo calma, silencio, e mysterio, e a nature-
za amorosa nos prodigalisa os perrums de mao.
O que ests leudo, meu amigo? perguntou
Diana vendo-me inclinado para um manuscripto
voluraoso, cuja leitura me absorvia.
As cartas que escrevi a Wilhelm nestes tres
annos, e que pedi-Hte rae restituisse.
Diana lanc^u um olhar inquieto para o doutor,

e nao pode contr um gosto de temor. Ella sabo
quo eu meditava uma ultima experiencia sobre a
razio, de Schultz, que alias considerava curado.
Para conflrma-lo nesta crencha, quiz apresentor-lhe
o quadro de suas miserias antigs. Se supportas-
se essa commocao, e esse abalo, nao haveria mais
receio de uma recalada.
Comtudo trem ao encelar este ultimo duelio.com
a sua razo. Se suecumbisse Para gravar o pe-
rigo percorri antes todas essas paginas eu que tan-
to se expande o meu coracae 1 litas apenas pene-
trei na leitura veiu-me ao pensamento uma idea
extravagante. Parecia-me lr uma legenda phan-
tastica inventada por algum cerebro enfermo.
Cheguei a esse dia em que Schultz eonfessou-me a
sua loucura, e j nao sabia o que err !... Prose-
gu na narracao desses aecessos em que o defend
contra os seus terrores.
Tudo isso produzia para mim o effeito de um so-
nho mu.
Todos que me rodeiavam flearam silenciosos,
Surprehendido cora esse silencio, levanto a eabe-
ca, e vejos immoveis, coramovidos e apoderados
nao sei deque angustia. Diana chorava. Schultz
e sua esposa esta vara quasi a tremer; e Bastiao
muito paludo por detraz delles.
Comprehendi tuda
Oh t doutor, doutor engaador! disse eu sor-
rindo. Zombou solemnemente comigo! Nao era
o doutor que estava louco!
Pois que! Supponhe...
Supponho que era eu, e est to claro como a
luz do dia.
Bravo! bravo! exclamou elle. A loucura l
fica enterrada!
E' verdade! e entorrada na charneca re-
pliquei sorrindo sompre. Amige, venha abra-
ear-me.
E apertei em meu peito esse bravo coracao. De-
pois cahi aos ps de Diana, que cingiu a minha ca-
beca ao seu seio, cobrindo-rae a fronte de bei-
jos.
Anjo t Ihe disse eu, A minha razio s t,
o teu amor !...
Oh! respondeu ella. Ento nunca mais cor-
rer o risco de suecumbir !
Eis aqui como fui salvo pelo men coracio. Ama-
va e era amado!
Eu tinha uma raadrinha, meu caro Wilhelm.
Assim acaba romo comecou a minha historia.
FIM
PERNAMBUCa- TP- Vi M. F. F. a FILHO.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EGP9H986S_TPN0QY INGEST_TIME 2013-08-28T01:25:19Z PACKAGE AA00011611_10260
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES