Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05219


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Auno de 4844.
Sabbado 9
O.I*IO|ublio-e Uu!ui o (lias que nao forem santificados : o preyo i)t aaipnatur
h: di iri- h mi!", por qn artel pagoa adiantados. Oe annuncioado aatiftnaiiiee aSo inaaridoi
redamacoea danraa aar ,lri
dencia luja da iivrosn Si 8
h: di ln-h mi!", por tro artel pagoa adiantados. Oa annunoiosd
ratM, e 08 d."-s l|U nao torea rasan ile 80 res por linha A
gula" i 1 fPt| ra daa Cruzes n, "4 ou a praga da Independe
PARTIDA DOS CORRF.IOS TERRESTRES,
QOIAIW*)* l'arahy)a,!-;undas aeXtas fritas. Rio Grande do Norte, cbe>; a Se2Je par-
ic Sie 34 Cabo, Serinhanm RioPonuio, Macev, PorloCaNo, a >.loav no I. 1
41 jiddsRarli raei. Jaranliuns e lonito a 10a -Id. cada mei Boa-vista a rlor-
aai3i '18 Hilo. Mulato d Vi.uoria. quintas oirai. Ofinda t.i los o di
DAS DA SEMANA.
4 Seg |u Carlos Barromeo. Aud do J. de D. da 2. r,
b Tarca 8. Zaerrias. atol, aud. doJ. de D,d 1. r.
6 Quarla s. Se tuto Aud do J. de 1). da 3 ?.
7 Ouinta a Floraaoio Aud do 1. de I) da 2. t
24 Sextas. Seveiiano. Aud. do J. de 1). da i. v.
D Sah s. Tlieodoro Bal,
40 Doto O Patrocino de N %
21.. -"
de Novembro
AirO XX. X. 251.
Todo arma apanda da toa nanaoa; da no,, pradt c .. odaragao1 en rji.: r0-
m, s romo priaeipiaaoa.. a lereta! apuntado! ooai ida>iraO>i mire a .. man
Cilicios Ru ui4 ,s uk KOVKMBB. '
' Cambios roLia Londres L'5e l|'.'uom, | OoM-Mueda de 6
< da '
Prata 'al
i i icaaoa
i a Pari J r a | ,.,,.
u Litboa .11 | .premio f
i '- .-- sr par
Idaai ra latra le >ae ir. .ai i n m/i
venda
17 :.U0 I7,M1U
i l.'ti 17,.-it
j W ,7lH.i
' ,i i y>()
i.-.iu 1.920
l'l! \.Si;.S DA '.!' V NO HEZ DE 01 lftRO.
La aeis ., -Jfi ai 2 liras e 4-1 mn. da m I Luaoiira ilinil !, atia. da larda.
iju* omu JO ai a li,ras e 4-t nrn. na m i MMniiTa ilin '.i i,
M nnuiiiie 4 u j horaa a min ,1 larda Craaoanle a s o a :
a. da larde.
Praamr dt hoje.
Primaira s 3 lioi la da lar Je, uli, h \ lioi c minuloi !.i un!.
DIARIO DE PER
EJ !S!1 .UU i' ,'.aKr.ft7a----- .^^a;--3iBaiJia\aEJjaaB6C;-_ .. .^_____r-ait.-..:; .

8
t

y-,5
Govcrno da Provincia.
KXPKU1KNTE DO DI \ 5 DO CORBENTE.
OlTicioAo Bacbarcl Joao Antonio de Sou-
sa Bllrao Araujo Pereira declarando em res-
posta ao seo. ofrcio de hojo (5, que visto a-
char-so impedido o Juiz Municipal dazegunda
vara, que est privativamente enearregado da
presidencia da extraccao das diflerentes loteras
d'esta provincia, he S, me. como seu primei-
roSupplentu, que duvo substituil-o noexerci-
io do semclhante funecao.
Dito \o Inspector da Tbesouraria das
Sendas L'r.ivinciae^ ordenando, que mande
por em praca a obra das calcadas deempedra-
mento no largo do palacio da Presidencia, e
cuja duspeza. segundo o orcamento polo Engo-
nbeiro em Cliefe organisado o pela mesma Pre-
sidencia approvado, monta 2:465,000 rs.
Corninunicou-se ao Kngenlieiro em Chefe e ao
Inspector Fiscal das Obras Publicas.
PortarasNomeando Supplentes do Dele-
gado do tormo do Rio-Kormoso em primeiro
lugar a I-'rancisco da Rocha Barros Wandorluy,
om segunJo h Francisco da Rocha Wanderley,
em terceiro Francisco Antonio Bandeira de
Mello, em quarto Francisco Machado Tei-
xeira Cavalcanti, en quinto a Manoel Xavier
Paes Barreto e om sexto Francisco deGou-
vea e S/>u/a.PartiopoQ-se ao Chefe de Po-
lica.
Coinmaiidiv das Armas.
EXPEDIENTE DO DA 18 DO PXSSADO.
Ao Exm. Presidente, pedindo-lhe esclareci-
mento a cerca da ntelligencia dos Imperiaes
Avisos de ;J0 de Agosto, e 22 de Setemliro des-
te anno que diziao respeito ao particular Sar-
gento Ajudanto Francisco Xavier Rodrigues de
miranda.
DitoAo mcMiio Exm. Sr., rogando-lhe a
cxpedie,"o de suas ordens h Tbesouraria para que
o Capilao Commnndante do Destacamento do
\ batalbio ne Vrlilhariaa p fosse pagoda
(uantia de 6^040 ris que despender com o
tiiterramento do soldado Severino Alves de Sou-
/a, alecido hontetn (\1) o Hospital regimen-
tal visto que este soldado nao perttncia a nc-
huina das confrarias militares.da provincia.
DitoAo mesmo Exm Sr., submettendo ao
seu defer ment as peticoes dos- guardas Nacio-
naos do corpo d'lnlantaria destacado, Joan Fer-
reira da Silva Jos Caetano de M< lio, Mano-
el Ignacio do Oliveira. Feliciano Dias de Arau-
jo Cabral Manoel Gomes do Nascimento, e
Joaquim Alves do Sousa. os quaes pediao ser
esligados do mesmo corpo por atlondiveis md-
t
i
tivot rjus allcgavao.
DitoAo mesmo Exm. Sr. informando o
requerimento do Capilao d'Infantaria da ter-
ceira classp do exercito Antonio Paes Cortez,
n> qiial supplicava a S. M. I. a graea de o
reformar na conformidade da le, visto echar-
se em idade avansada, e impossibilidado de
continuar no servido em ra/o de ser defeituoso
d tuna perna.
DitoAo mesmo Exm. Sr. enviando-lho
urna petic.ao de VIaria Henriqueta do Brito
Noronha viuva do Capilao de primeira llnlia
Joao Antonio de Noronha, para que tivessea
hondade de solicitar do Commandanto enT cho-
lo do exercito do Rio Grande do Sul, a satis-
fac&o do seu pedido, relativo a remessa dos
bous que o mesmo Capilao deixara, de sua
gua de vencimento, le d'officio, c certidSo de
bito, para com taes documento, poder re-
querer, e entrar na percepcao do meio sold
que a le Ibe consede.
DitoAo mesmo Exm. Sr. informando o
requerimento do Capito do Artilheria F. C.
P. de L. que S. Si. I, supplica a graca de
Ibe conceder passagem para o estada maior do
exercito, em razao do exercicio em que se
acha.
DitoAo 1.' Tenente Commandante do
destacamento do Brejo da Madre de Dos, com-
municando-lhe que o segundo Tenente Epifa-
nio Borges de Menezes Doria com 20 pracas
do 'i." bataihao de Artilheria a p, segua a
rendel-o, e recomendando-lhe que logo quo
elle all se apresentansso regressasse para esta
capital com o destacamento do 2. a bataihao da
mesma arma, condusndo-o na melhor ordem,
('disciplina, nao consentindodo forma alguma,
que as pracas em caminho praticassem dis-
turbios.
Dito Ao Cliefe de Polica, di/endo Iho
am resposta ao seu oflicio desta data, que se
lavrara ordem para ser o preso sentenciado
Agostinho Fernandes Gatanho de Vasconcel-
os, tranferdo das Cinco Pontas para a cadeia,
conforme determinara a Presidencia.
DitoAo Commandante do corpo do Infan-
taria de G. N. destacado, para que houvessc
de entregara disposicao do Chele de Polica o
preso sentenciado A. F. C. Yasconccllos, que competentes concelhos de disciplina, corto
vista das relexoes feitas em seu oflicio de 16 quo para taes concelhos devia nomear o Capi-
tonio Gomes do Oliveira, lodos do corpo de
m iiiliiiiu do Guarda Nacin ii destacado.
DitaMandando que fossem ligados no de-
posito, para o fin de seren nicamente foriie-
cidos do urna raoao do etape, e tratados no hos-
pital regimental o el-Cadete Bento Jos da
Costa Vasconcellos, e o soldado Manoel Jos do
Bomfim que estavao a e-pera de transporte
para as provincias do Norto tudo do confor-
midade com as ordens dadas pelo Exm. Sr. Pre-
sidente em oflicio de hon tem datado.
dem no da 19.
OflicioAo Exm. Presidente rostituindo-
Ihe o requerimento do Capilao de Guarda Na-
cia! Je liudu ju' Goncaives do Miranda ,
queso o fie recia para fazer servico nesta capital,
e informando quo sendo, corno presuma, gra-
tuito este servico nenhum embarace enconlru-
va para que fosse por S. Ex. acceilo.
DitoAo mesmo Exm. Sr. rogando-lhe
a expedicao de suas ordens a lim de que fosse
fornecida ao segundo Tenente Doria que desta-
cava para o Brejo, urna cavalgadura para trans-
portar sua hagagem.
Dito Ao mesmo Exm. Sr. remeltendo-
Ihe as conlas do que se eslava a dever de farda-
mento ao Cadete F. F. Cavalcanti de Albu-
querque, a Jos Themoteo de Mallos, Jos Ma-
laquias da Fonseca Antonio Jos Januario e
Francisco Felis das Mcrcs pracas qne forae
da companhia de Artfices, para (|ue houiesse
de mandar satisfacer a importancia dellas.
Dito Ao Delegado do Brejo da Madre de
Dos participaiido-lhe que em virtude de or
dem do Exm. Sr. Presidente, seguia i render
o destacamento conimnnda.lo pelo 1.o Tenente
J. A. Barbosa o 2 'Ponente E. B. de M.
Doria.
Dito Ao Subdelegado t!a freguezia do S.
jRs, dizendo-lhe que om virtude do sua requi-
sicao estavo expedidas as ordens para Ihe ser
apresentado, e interrogado sobre o aconteci-
menlo (uc teve lugar na travessado Monteiro
na noute de 16 o Anspecada Manoel Joaquim
de Moraes,
DitoAo Commandante do corpo de Infan-
taria de Guarda Nacional destacado devol-
vendo Ihe as partes accusalorias de varias pra-
cas dcserloras, para que fi/.esse organisar os
_-.'^:-5Kit
sentar na Secretaria pelas 10 horas- da mnnhaa
dodia21, o Sargento Quartcl-Mostr, para
entfiose providenciar sobre o fornecimonto do
agua do me/, do Setombro.
..iimi.j. j._j
EXTE!0B-
tao Dornellas, e 2." Tenente Franga.
MU v.
..:- I ',,,,,r,-. -."___'*
iFOLMITU
l\ DI' "\
J.o
A nEVELA^O.
Ambrozio fallou assim ;i Ricardo.
Tu viste, depois que chegaste idade de
razao, essa fabrica de fiar o teccr pannos sus-
tentar, pela prosperidade de que gozava, a
existencia da aldeia visinha, e at tornal-a um
posteo feliz ; ojo vista todos os das esses pobres
camponezes, arrancados miseria, ahencoarem
o nomo de teu pai, di/endo que s elle deviao
Ir.ibalho-e pi. Como pensas tu queeu, igual-
mente camponez e pobre, destituido de ins-
Iruccao, de recursos, de apoio, poderse fazer
pruneirainenle os odiandatamentos necessarios
aos desgracalos operarios, e depois prover as
(*) Vhleo Diario n. 246, 247, c248.
do corrente, e da ordem tfue acabava de recc-
berdo Exm. Sr. Presidente, havia s
ferido; do seu quartel para a cadeia. ; cando-o da sua nonieagao para os conselhos de
Portara Mandando excluir com guia disciplina do corpo de infantaria do Guarda
paraos batalhoes que liantes pertencio j Nacional destacado, e para quo o mesmo fizes
segundo ordenara a Presidencia o Cabo de se constar ao segundo lente Franca.
Esquadra Jos Joaquim da Silva e guardas
Manoel Antonio do Nascimento Clemente
Rodrigues, Manoel Rodrigues do Sousa e An-
despezas quo o estabolecimento da oflicina
exiga ?
Pelo seu trabalho, meu pai.
O velho moneou a cabera.
Estes bracos foro bem robustos, bem
cora|osa l'oi esta alma ; mas no mundo em que
vivemos, tudo o que com isto se pode conseguir
he um miseravel salario.
As feicoes de Ambrozio tornaro-se mais
carregadas, a voz mais baixa.
He preciso que te (alio da minha moci-
dad, contiuuuu elle, e por mais curta e sim-
ples que seja esta narraco, bastantes desgos-
tos ha de despertar.
Ha trinta e cinco annos, que eu depois do
licar orpho em mui tonra idade e haver traba-
Ihado na cultura da trra, deixei o municipio
de Meudon, onde nascera, e vim habitar a al-
deia de Cerny. Oulro prente nem amigo
linha sobre a trra senao um irmao mais moco
do que eu alguns annos, que acabava de ordo
narse, e de ser nomeado cura dcste lugar. A
igreja e casa que Ihe pertencia erao situadas no
ciMiie da collina que fica ao p da aldeia ; e
vindo morar aqui, eu podia vel-o frequente-
mcnle e a todos os momentos do da olbar
DitoAo Tenente Coronel Commandante
do segundo bataihao de Guarda Nacional a-
quarlelado, exigindo que Ihe mandasse apre-
para a sua habitado cuja cruz sobresalia por
cima do arvoredo.
Nenhum meio porm tinha de comprar an-
da a mais miseravel cabana ; achci aqui as rui-
nas docastello de Ccrnv. abandonadas e es-
quecidas de seus possuidores e servindo de
alojamento aos morcegos. Com ramos dar-
vores e algum colmo fecliei as fondas das pare-
des, c constru urna especio do habtaco.
Com os meus jornaes que ia ganhar nos arre-
dores ajunlei em breve o pouco que me era
preciso para compar o terreno que em ou-
lro lempo servia dejardim, e ebegava at o
rio : elle anda conservava algumas Iructeiras,
eeu abi plantei legumes, quo ia vender Mar-
ly. Desde entao subsist commodamento com
o producto dessas poucas bracas de trra. ...Fiz
mais anda, criei urna menina.
Una noute vendo todos os camponezes en-
traren? em urna casa da aldeia que estava com
a porta aberta, dirigi-me tambem para all :
lodos lancavao agoa lienta em um esquile.
Todos os moradores se reduziao a urna defuncta,
o urna menina de cinco annos, que (cava sem
in i o sem pai. A pequea bavia-so enrolado no
panno mortuario que cobria o esquife, para se,
Recebemos pelo paquete ingle/, mais algun
nmeros do 7'imes dos quaes o ultimo he de
2 de Outubro prximo passado ; mas pou:oa-
diuntao as noticias que lentos publicado.
A Rainha \ doria o o Principe Alberto an-
da estavao em Bl. ir Atht I (na Escocia), onde
ji no dia 29 de Setombro so aziflo preparativos
para a sua volta a l.omlres a qual teria lugar
provavclmente u'uiii vapor de guerra. A hora
da partida estava lixada para 889 da manbaa do
dia l.8 de Outubro o o auiiuiicio ollicial feito
as autoridades de Dundee era que S. M. B.
podera ser all esperada das 3 para as 4 horas
da tarde. Suppunha-sc que ella chegaria a
Wooiwliich no dia 7> pelo meio dia so nao
antes.
Ao Castalio de Windsor havia chegado no
dia 1 pela maobSa urna communicagao do do
Blair Athol annunciando que su podia espe-
rar por S. M a Bainha e S. A. R. o Principo
Alberto n'aquelle castalio a 3 de Outubro do
meio dia ;s 2 horas da tarde sendo de suppdr
que se executasse a jornada de Blair Athol a
Woolwhich dentro em 48 ou ?><) horas.
Pela ebegada do Maynet, paquete da compa-
nhia Geral da nave acao por^apor, a Brightau
no da 1.* de Outubro soube-se que o Re dos
Francezes Luiz Philippe embarcara no dia 10
em Treport para a Inglaterra. ntreos pas-
sageiros que levou aquello paquete ia um cor-
reo enearregado de despachos do M. (iuizot.
As noticias de Pars recebidas em Londies
alcsncavo a 30 de Setembro.
A prxima visita do Rei a Inglaterra comeca-
va a excitar attencio na imprensa e entre o pu-
blica.
O Moniteur conlinha os clculos da produ-
cao o consumo do assucar interno da Franrja ,
dos quaes se vin que no 1. de Setembro ulti-
mo anda havia 32o fabricas em exercicio isto
he menos 59 do que no periodo correspon-
dente de 1843. A quantidade de assucar fa-
bricado durante a estaco, inclusive 3,871,314
kilogrammas, que ficaro do anno anterior,
era de 32.531,345 kilogrammas das quaes
30.991,161 linhaosido vendidas para consum-
mo. Os direitos impostas sobre elle tenderao
5,443,490 Ir.
O Conde Carlos Jacqucs uchalel pai do
Minislro do Interior, tinha morrido a 22 de
Setembro na sua fazenda de Mirabeau no
Sul da Franca com 93 annos de idade.
FSIMiaM1
agazalhar do ar gelado, pots que nesse quarto
havia o fri de Janeiro e o fro da morte, e s
Ihe apparecia a loura cabega, eo rosto pal I ido.
Estendi a mao pobre crianga ; que sentindo
(inn so a aiiuecia melhor do que o esquife, se
agarrn niiui Orei a Dos pela deluncta,
e trouce contigo a filha.
Desdo entao tomou a minha vida novo ca-
lor ; trabalhei para a minha orph ; quera,
a despeilo da sorto, educal-a e Cazel-a feliz.
Renovei o meu trabalho fura da aldeia, dema-
nhaa e a tarde cultivara o jardim ; em tudo do-
brava o meu ardor. Quera ganhar pelo
suor do meu rosto, com que comprar para a
minba filha quanto Ihe era necessario e quan-
to me pedisso. Em casa era o seu criado, la-
zia tudo que a mova a rir-se, a cobrir-sc do
bellas cores ; at que adormecondo om meus
bracos, mutas ve/es assim tambem adormeca,
por nao a ler querido deitar em sua cama,
onde receiava que sollresse inuita fri. Fez-se
ella grande, o as suas necessidades tornando-so
dispendiosas, eu augmentei o meu trabalho,
que quando ia bem, dava-nos para vestir o
manler-nos ambos; c quando elle diminua,
cortava eu por tudo quanto me pertencia, pata


i
_*
donde Duchatel havia eito parte do coDcelho
dosQuinhcntos. No tempo do imperio foi
chamado ocjncei'o de Estado eadireceSo
geral da repartieao i!o degisto e Dominios. Du-
rante a restauraco loi elle mombro da Limara
dos Deputados e sempre votou com a opposi-
ii i libera!. Depois da revolueao de Julho ,
presidio por muitot annos na mesma Cmara
romo SOU membro mais velho e foi Horneado
Par de Franca en 1833.
llavie chegado a Pars o Coronel Evnard.
Ajudantc de campo do Marechal Bugeaud Foi
portador das banderas tomada na li.ttalha de
Islv e do parasol do fllio do Imperador. A
tonda deste que se descreve como extrema-
mente curiosa ainda nao tinlia chegado ca-
pital Fraoceza. O Coronel Evnard linha apre-
srntado ao Rp um exacto desenlio d'ella. As
banderas dcvio de ser apresentadas a S. M. na
tolta do Marechal Soult n'urna revista dos re-
gimentos da guarniciio de Pars que tinhao
servido em Algeria.
A Gaxtta ojjicial do /temo das duat tieilias
de 17 de Seeeinbro annunciava que tendo n 5
o Duque de Monlebello Embaixedor francei,
pedido formalmente a mao da Princeza de Sa-
lomo para o Duque d'Aumalc tanto o pai da
joven Princeza como o Re tin o ambos m i-
nilestado o seu assenso proposcao. O He e i-
Rainha de aples andavao eulao visitando o
districtos de Calabria que tinhao sido a scena
das ultimas desurden?.
O Courrier trancis expressava algunias du
vidas a respeito da quesillo se M. Guizot ou-
saria aconselhar a ratificacSo do recente tratado
de paz concluido com Marrocos,
O Principe Augusto de Saxe CoburgO e a
Princeza Clemeolina de Orleans tinhao voltad
a Paris da sua jomad i Austria. Os Duque'
de Nemours c Montpensier eriio esperados n'a-
quelia capital no da 28 de .Setembro.
O Marechal Soult 'avia chegado a Paris a
17, noute.
A tenda do filho do Imperador de Mar-
rocos tomada na batalha de Isly. h.ivia de
ser armada nos jordins das Tulherias para b
inspeccao do publico Pari/iensc.
O Nacional dizia. que a receita da Associa-
<;o para a Propagaco da F cuja direcrao re-
side em Lvon,montan dur.mte oanno de I8V3
na -omina de 4,163,065 fr. A associacao sus-
tenta com os seus fundos 139 Hispes e 4,220
padres missionarios, que andao presentemente
pregando o evongclho, Da frica, America e
no Occe.inu Pacfico.
Us j >rnaesde Pariz do ultimo de Setembro
oceupavao-se principalmente com a descrpeao
da revista passada pelo Rei no dia antecedente
(domingo 29). e com a da subsequente solero
nidade que teve lugar na igreja dos invli-
dos.
Kis-oqui alguns pormenores relativos ccre
m'onia :
(guando a guarda de honra que cercava as
banderas Mouriscas, linha tomado o seu pos
lo direita do Rei adiantou-se o Marechal
Soult, Ministro da Guerra, edisseSenhor,
apresento a Vossa Magestade as bandeiras to-
madas na batalha de Isly peloexcrcito I'rancez.
na tomada de Mogador pelo Principe de Join-
ville. Digne-te V. VI. de recebe-las c de per-
iiiittir que sejo depostas debaixo dos arcos da
capella das Tulherias. O Rei respondeo
c Aceito estas bandeiras em nome da nacio
Franceza. As 4 horas menos um quaito che-
gou a procisso ao Hotel dos Invlidos, ondea
recebeo o Tenente-General Petit, a frente do
teu estado-maior.
'I'rinta officaes invlidos nao commissiona-
dos approximarao-se tntao do destacamento
que levava as bandeiras, c receberao as d'el-
le. Durante esta ceremonia a banda militar
do Regiment 62 executou muitas arias nacio-
naes. As tropasencamnbarao-se entilo para
a igreja, onde forao recebidas pe) capelloe
seu clero; e comecou depois a parle religiosa
da ceremonia da benco das bandeiras qual
ussistirSo os Generaos e seus estados-inaiore >
e durou meta hora. A's G horas tinhao as tro-
pas voltado aos seus quarteis.
A Princeza Mara Carolina Augusta de Sa-
lerno, noiva eleita do Duque de Aumale, nas-
ceu a 20 de Abril de 1822. Sua mai he irma
do Imp rador de Auslia. Ficar consegun-
tcmento o Duque sendo sohrinho porafnida-
de do Imperador Francisco. O Principe e a
Princeza sao quasi da mesma idade pois que
aquello nasceoa 16 de Janeiro de 1822.
Corra em Par/ que se o Principe de Join-
vilie voltasse antes da partida do Rei para a In-
glaterra, a Rainha acompanharia a S. M. na
Joinville era n'aquelle momento tao delicada ,
que a Rainba nio quera dexa-ia s durante a
suzenca de seu Augusto Espozo,
O Rei e a Familia Real deviao partir no dia
30 de Setembro de St Clond para Fu.
(artas de Toulon com data de 26 annuncia-
vfio a chegida n'aquello dia da nao de linha
SufJ'ren, acoinpanhada pelo fragata Montezu-
ma de Cdiz, as qu:es sairiio a 21. Apenas
sppareceo vista a nao do Almirante tuda a
populadlo concorreo as eminencias que doni-
navaoa vista do surgidnuro, as tropas estavao
em arma-, e todas as autoridades preparavo-l
so a sabir ao encontr do Principe de Joinville
Todsvia grande foi a sua surpresa, quando
souberfio que o Piincipe ficra em Cdiz,
e nao voltaria a Franca por va de Toulon. Es-
ta resoluca do Principe eia diflerentcmente
explicada polos Officaes da Suffren. Segundo
alguns, o Principe devia embarcar no vapor
l'iulon em direitura a Treport e ajunlar-se
com a Familia R, al no Caslello de Eu. Elle
eslava inquieto por nao ler recebido urna carta
da Princeza de Joinville depois da sua separa-
cao e estando elle mismo levemente ndispos-
to. desojara evitar urna jornada b'nga e fMt-
dioa por torra. Outrosdiziao que o Principe
O altentado, do que Ibes fallei na minha
anterior a cerca dos de Barreiros, produzio al
gum abalo, e dizem-me que all dever appa-
recer alguma providencia extraordinaria. Dos
permita que essa medida coutras posso li-
vrar-nos de urna guerra civil...
Entre os papis velhos encontrados dentro
dosurro de certo velhoTapuia que morreo
la para as partes das Alagoas eslava um muito
bemembrulhadinho, tendo por fura escripto o
seguinte=/teia para curar a mana da-
quelles, quem stm merecimento te esforco
ser Deputados Gtraet e provinciaes = Logo
que tal receita nos chegue asmaos a aprsenla -
remos ao respeitavel publico. A descoberta
ser semduvida de mais utilidade, que o bal-
samo de Foripes. e qne a Triaga Venezianna ,
edella se poder colher melhores resultados
que do sebo de grilo manteigueiro.e para dizer
por urna vez, ser o oleo santo que dissipo o
estado cacbeticodo paiz.
Pcrgunlava um procurador de causas,porque
rasao o8o houvera audiencia da 1.* vara do civel
nem terca feira nem boje ; ao que outro res-
ponda : pos nao sabe que estamos com ou-
tra elek/ao entre mos, e o patrarcha da praa,
quando trata disto, nao cuida em mais nada !
A fallar a verdade o que valem autos e
demandas em presenca de tao alto interesse ?
Se os juizes, como devia ser, nao podessem ser
representantes, outro curso levariAo os nossos
negocios mas que assim nao acontece, he atu-
rar com paciencia estes lezadores inculcadas ze-
ladores dos interesses pblicos.
Ha muito tempo que ouco dizer que o jambo
he um froclo malenco ; es morcegoi porerr. po-
licavo por tal modo a cousa que se nao sen-
tiao os males: mas este anno parece que a
polica dos marcegos teve tamben de oceupar-
se de eleicoes e nao deo os costumados vare-
jos e abi eslao os jambos a causar desintheri-
as de sangue que tem posto alguns bem pros-
Irados e leito oceupar os mdicos.
1,605 barricas com bacalho ; oos consig-
natarios.
MoviierUo do iPorlo..
I
estafa descontente co:n o Ministerio, e queria
es(iuivar-se s ovacG-s prepiradas para e||e em
Toulon. Outros em fm diziao 1ue e"e julg-
ra necessario (car em Cdiz, al- (lue o tratado
fosse r tfica lo pelos dous Governcs
'i
r '-f TTTWMiMr*
Ef WAMI
^*H?
que Marianna andasse hem nutrida, e tivesse
os seus bonitos vestidos novos.
Amei a menina com toda a minha alma
quando se ella fez moca, adorei-a Fu nao
indagava (juando o amor de pai se havia trans-
formado c::; amor de amante, porque senta
que ambos em mim se haviao sempre confun-
dido, qtlfl sempre linha havido paixao na mi-
nha ternura pela crianca, o haveria sempre
santidade paternal na minha idolatra pela mu -
Iher Esperava que tivesse ella dezoito annos
completos para a esposar ; cimiiuiiiquei-lhe
omeu projecto,que ella accolheocomo cousa an-
teriormente determinada, porque nao conhe-
cendo nem amndonoste mundo senaoa mim,
nunca Ihe viera ao pensamento que nos pu-
dessemos separar.
Quando porm cu Ihe fallava em casamento
fixava-lhe com ella o dia, e com olla contara i
cada instante o tempo que ainda nos separava
desse momento desojado, nunca Ihe dizia urna
polavra e amor ; quando a paixao eslava pros
tes n rnanifestar-se em rr:eus olhos, cu os abai-
xava ; nao (|ueria tirar a minha santa esposa
nenbum dos seus encantos de innocencia ; que-
ra conservar-lhe loda a divindade da fu alma.
CURRE 10 DO RECIFE.
COllIUSPONDENClA DA C1UADE E PROVINCIA.
Nao me tenho querido oceupar largamente
de noticias das Alugoas pela razao, como ja
disseemoutra occasiSo, deque sendo as no-
ticias que me dao dos negocios daquella pro-
vincia todas desasradavois, e quanto a mim
desinstro auguro, urna vez que o Governo
que as deve ler mais circunstanciadas e verdi-
cas, nao as publica nem eu tamben as quero
publicar, c so elle o nao fa? porque nao sabe,
tambom os particulares o nao poden saber.
Tinhao-me dito que os cabanos rio haviao
lomado parte nos movimentos polticos das
Alagoas, e apo/ar do muitas noticias d'aquem
de Jatupe os darem como em movimento ;
la I vez pelo desojo queeu linha de nos nao ver-
nios bracos com esses meninos, acredite: a
primeira noticia ; agora porm me alfirmao e
alguem ja o notciou. que os cbanos lomarlo
parte activa na rebelda dos Alazanos, cal
no segundo choque entre as duas forecs havido
um Macei Eontau? Temos segunda caba-
nada !
Alfandega.
Rendimentododia8.......... 28:82782l
Desearregio hoje 9
BriguePa?Hona-macbinismo e canos de fon.
Rrigae sardoUniversomercadoras.
RrigueMary Jones dem.
IMPORTACAO.
Universo, brigue sardo, vindo de Genova,
Marseille eCette, entrado no corrente mez,
consignacao de Lui/. Bruguire, manilestou o
seguidle :
De Genova 121 balas de papel, 600 res-
mas dito deembrulbo, 8 fardos alfazema, 17
caxas man, 155 ditas massas, 6 barricas bola-
xas, 1,240 malhas pegas de louca preta.
De Marseille 50 barris e 25 caxas azeite
de olveira, 20 barris oleo de linhaca, 14 lardos
alfazema, 40 caxas enxofre, 5 barris alpsta,
i2 caixassabo,100 ditas velas de espermacette,
10 caxas marrasquino, 20 ditas licores, 50 sac-
cas pimenta, 50 caxas chumbo de rnunico, 1
caixa fructas em conserva, 1 dita salames.
De Cetle 140 pipas com vinho ao consig-
natario.
Fura do manifest.
900 resleas d'alhos, 150 dilas cebollas, 9
caxas e 1 embrulho ignora se, 3 caxas objectos
de uso, 2 ditas figuras de gesso, 750 libras do
gesso ; ao mesmo.
beron. brigue inglez, vindo de Terra-No-
va, entrado no conenle mez, a consignacao de
Latham & Hibbert, manifestou
Navio entrado no dia 8.
Ass; 9 das, brigue brasileiro Oros te Guarde,
de 138 toneladas, capitiio Manool Lu/. (|03
Santos, equipagem 12, carga sal, pallia
couros : a Jos Pereira da Cunta.
Edita!.
20 Hlm. Sr. Inspector desta Thesouraria
em cumprmento do offico do Exm. Sr. Presi-
dente da Provincia datado de hoje manda fazer
publico que no dia 15 do corrento mez, ao
meioda ir a praga conforme o regulamento
dasarrematacesde 11 do Julho de 1844, oem-
pedramento no largo do Palacio do Governo,
com as clausulas especiaes abaixo transcriptas.
1.'
As obras que dependem da primeira arrema-
tadlo sero fetas conlorme a planta, eor-
camento appresentados n'ests data ao Exm Sr.
Presidente da provincia pelo proco de dous
contos c quatrocentos e sessonta e cinco mil, o
cem ris2:465cl00.
2.'
As obras prnciparao no praso de quinze d-
as e so acaDarao no de quatro mezes, ambos
contados em conformidade do artigo dcimo
do regulamento das arrematar/oes.
3.*
O pagamenlodo importe d'arn'mataciio rea-
lizarse-ba conforme o artigo 15 do respectivo
regulamento, sendo de seis mezes o praso d
responsabilidad^.
4.' ,
Para tudo o mais que nao est determinado
as presentes clausulas seguir-se-jia inteira-
mente, o que determina o regulamento das ar-
rematacoes de 11 do Julho de 1843.
Os licitantes devidamentc habilitados, com-
pareceeo no mencionado da na mesma The-
souraria.
Secretaria da Thesouraria das Rendas Pro-
vinciaes de Pernambuco 5 de Novembro dt
1844. O Secretario interino, Joo Vak*
tim Villela. (3"
c!aracK'S
Fila eslava s comigo, sob o tneu tocto, e toda
em meu poder, e por isso levei a minha reserva
at a austeiidado ; nao quera trahir a Provi-
dencia que m'a havia confiado.
Aproximava te o dia da minha ventorn ; <'>
um me i ne rtstava a esperar. ..
A estas palavrns que devio recordar as doces
lembrancas, o rosto do velho aldeao cobrio-sc
de estranha pallidez, cas rugas se Ihcaprofun-
daro enormemente : dssereis que o sopro da
morlc Ihe bafojra o rosto. Guardou um mo-
mento do silencio, durante o qual tao profunda
se mostrava a sua dor, que o filho nao ousou in-
terrogal-o, nem levantar os olhos para elle.
O velho conlinuou com voz lenta e magoada :
Houve ento um anno nn minha vida que
dove ficar encoberto para t, assim como o ficou
parfi todos nesto mundo ; anno de experiencias
crueis.mas acujo respeito posso repousar o pen-
samento com a tranquilidade do homem que
ficu bem coinsigo mesmo, satisfeito da sua
coragem o da sua honra. No fim dosse tempo
casoi com Marianna, c eu o amava mais que
nunca, e tu linhas vindo aomundo, meu filho...
Al! siin, meu filho querido Eu havia reco-
brado a paz, o h licidade, tanto quanto he pos-
1 O Administrador da Mesa da Recebe-
doria das Rendas Geraes Internas, tendo po:
muitas vezes annunciado pelos Diarios, cha-
mando a todos os dovedores que stao a dever
os impostos de escravos, do banco, de barcos
canoas, de seges e carrinbos, e bens de mao
mora, abaixo declarados, que venhao, no pro-
fixo prazo de qoinze dias da data deste, pagaro
que estao a dever, pena de seren executad,
e pagaren de mais 3 por cento, con.o determi-
na o regulamento ; e para que chegue a noticia
a todos faco o presento annuncio.
Irmand. do arco daConccicaodevc 2semestres.
Mosteiro de S. Renlo 1
Sacramento de S. Antonio 2
Sacramento do Recife 3
S. Benedicto 1 >
Conceifaj do Collogio 2
O. 3.a de S. Fr. (doma casa) 2
Sra. do Amparo 2
.^r Bom Jess das Porlas 1 >'
Sr. Bom Jess dos Passos 1
S. Benedicto de S. Francisco 2
S. Luzia 2
Rosario dos pretos 2 *
S. Tiago 2
sivol tcl as nesle valle de'lagrimas. Pcnsava
pastar assim o resto da minha vida, e ora digno
dsso, pos que bem pouco pedia para ser feliz.
2 a:nos porm haviao apenas decorrido,quan-
do ;: proprietario.para qaemeu havia Iralha-
do.vendeo assuas torrase me nao pagou : sent
ento os primeiros botos da miseria ,\i> muni-
cipio nao havia traba Ih i. o fui ohrigado a il-o
procurara tres legoas d'aqui. O tempo, que
me absoivia o trajelo, reduza de tal sorte o
trabalho e o salario que j nao bastavo par8
nos dar pao. Em quanto eu estava fra, Ma-
rianna era obrigada a fazer o servco da casa, a
cultivar os legumes, a colbel-os e leval-os ao
mercado ; o que tudo era para mim o cumulo
do Miflrimeiito : meu pensamento a acompa-
nhava todo o da, e na hora em que eu sabia
que a fraca e delicada mulher carregava em
seus bracos c hombros pesados cestos, que Ihe
rasgavao e pisavo os me nbrot, meu cora^ao
desfalleca ; algumas vezes caba sobre o camp i
em que trabalhava, e ensopava de lagrimas a
trra por mim lavrada. Todos os dias via eu
Marianna mular o enfraquecer sob o poso do
tantas fadigas, o da dor que havia dous annos
se Ihe nao tinha riscado d'alma... Oh meu
filho.' lvre-le Dos de saberes algum di'
o que he soflrer por aquillo que amamos
Quando eu pedia a Marianna que cessasse uc
trabalho que a matava, ella me mostrava sel
io, que precisava ser nutrido, e eu mec-
lava. ...
Ambrosio parou nestas palavras : a sua fron-
te, que pareca de rochedo, eslava curvada so
o peso das passadas angustias, quo com tan"
amargura se Ihe pintavao D'alma. Levantou-*'
de repente, travou da mao de Ricardo, e dlS**
Ihe:
\ em, segue-me ; n'oulro lugar lio 1U
eu devo continuar *> que me resta a dizer-tc.
E comu/io o rapaz ao tim do jardim, u"11
pequea elevacao de terreno plantada do algu-
mas flores e de altos chopos. Esso lugar rodea*
do de espessa folhagem, recehia por cima un"
Iraca luz ; e a cloridado da la, onlo no pi*
pareca a de urna alampada noturna, que so v
lumia o rep usu. Ambrosio enlrou ueste''-'
Ireito recinto, o fez sentar o filho junto as"
ao p das grandes arvores.
(Continnar-se-ha )


3
a
)) 2
2
2
2
2
9 i*
2
2
2
2
2
)> 2
2
1
4
RecolliiJas da-Gloria
SdeOlinda
Irmandade das Almas
Sacramento do Ji)lio.ito
Santa Anna do Cabo
N. Sra. d > Torco
Sr. Bom Josas das Dores
Sr. Bom Jess dos Martirios
Sr. Bom Jess dos AIII idos
S. Domingos do Gusmao
S. Ffligcnia
S. Jos da Penha
Sacramento de Bebiribe
Sr. Bom JcsuS da Via-Sacra
Patrimonio da Mitra
S. Anna d 'Soa-vista
Saqramento los Afogados
Rccelu'ihuia, 8 do Novembro do 181 V.
Francisco Xavier Cavalcanti d'AIbuquerque.
6 Companhia di Bebiribe.
Os Senhoros Accionistas da Companhia de Be-
biribe sao convidados para a segunda reunio
ordinaria dcste armo ; a qual deve efectuar-se
nodia 12 do correte pelas 9 boras da manliaa
no escriplorio da companhia. Os mesmos Snrs.
accionistas queirao realisar urna prestaco de 6
por /o (3,>00 ris por accao) dentro do praso
do 30 dias contados desla data. Escriptorio da
Companhia i de Novembro de 184-4. O Se-
cretario. B.'J. Fernanda Barros. (11
Lista das carto.s existentes no Comi, que
devem ser consumidas.
Jos Ignacio Rodrigues.
Manoel Bousonxetos.
Jos Pereira.
Sousa.
Santos Regadas.
Martins Ferreira.
Lourenco.
Luiz Medeiros.
Moreira Cavalcanti Jnior
Motla Madeira.
Nunes Barbosa.
Pinto.
Rodrigues Carvalho.
Silva Pereira.
Narcizo Jos da Costa.
Oliveira Goncalves e Companhia.
Paulino Augusto Silva F.
Pedro Coelho.
Jos Barros.
Monte Negro.
Boza Thcreza Cunha.
Rodrigo Antonio Felis Silva.
Ricardo "'uva Monteiro.
Santiago do Porto.
Sergio A nimio.
Severino Antonio Ribeiro.
Sebasliao Benlo Ooncalvcs.
Luiz Ferreira.
Serafina Jos de Oliveira Mello.
Simiio Pereira Almeida.
Theruza Goncalves Ferreira.
. Mara Brab.
Thom Francisco Costa.
Theodoro Joaquina Baptista.
Tiago Pereira Cahral.
Thomaz Ferreira liamos.
Marques de Jess.
Seares.
Viuva de Joaquim Martins Bamos.
Victorino Jos Gomes.
Vicente Jos Monteiro.
Vital Pereira Silva.
Zefeiino Domingucf.
Sanchos Hete!.
THEATRO PDSUCa
Antonio Lopes Ribeiro, director do thea-
(ro participa ao respeitavel publico, quo tendo
o actor Cabral quebrado prximamente a mo
esquerda, ncconleceo quo a Dama do panto-
mimo, na noute de 7 do corrente innadever-
tidamenle pegasse na mo do dito enfermo, do
que sentindo ello gravissimas dores se relirou
ropuntinamenlo da scena, e allerradas com
Uto as outras duas figuras, scguiro o mesmo
cxemplo sem azerem a devida reverencia an-
tes do baixar o panno : do que pede por si, e
por ellei humildemente perdao.
Swhe-k-wsib: SKnf^M9xzr-xtvs!r.
Aviso martimosr
- ____________.-r-S... -.........., .-r....... .. ...... *
sagorn, dirija-se ao mesmo CapitiSo, ou a seu J Rio de Janeiro a sua escrava de nome Romana. Portas defronte da intendencia, sobrado de
consignatario Manoel Joaquim llamos o Silva, i 3 Procisa-se 300,000 rs a uros de um e tres and?res :;. 147. (4
1Para Lisboa san ir com a brevidado [ moio por cenlo, dando-so penhores ou firmas 2 Desappareceo nodia 0 do correcto, s
que forpossivel, o patacho Espadarte, Capitao contento, por seis mezes, ou pelo lempo que 4 horas da tarde, um moloque crioulo de nome
Joao da Costa Neves ; quem nello qui/.er car-
regar, ou irdo passagom, dirija-se a Nascimon-
to SchaeTer & C., na ra da Cruz n. 45. (5
1 Vende-se o brigue Victoria, em hasta
publica, s 4 horas da tarde de 14 d> corrontc,
na ra di Aitorro da Boa-rista. porta do Illm.
Sr. Juiz de Orphaos Carneiro da Cunha. (4
3 Para o Maranhao sahir al o dia 15 do
corrente o veleiro brigue escuna f.aura ; quem
no mesmo quizer carregar ou ir de passagom,
para o que tem excedentes commodos, dirija-
se ao Capitao Antonio Ferreira Silva Santos,
ou Novaos & C., na ra da Cruz n. 37. (6
3 Segu para a Baha, at 15 do corren-
te, a sumaca Santa Anna ; para carga e passa-
geiros trata-so com Novaes & C., na ruada
Ciuz n. 37. (3
3 Para o Rio de Janeiro segu viagem,
com muila brevidade, o brigue Trtumpho A-
mericanu, anda podo receber alguma carga,
passageiros e oscravos; a quem convier dirija-
so ra da Cruz n. 23. (5
A V USOS
versos.
Sahir muito breve para o Porto o brigue
portuguez Primavera, CapitSo Jos Carlos
Ferreira Soarcs; quem no mesmo quizer car-
re" .r trate com o dito Capitao, ou com o con-
signatario Antonio Joaquim do Sousa Ribeiro.
0__ para o Aracaty sahir no dia 12 do cor-
rento a sumaca Ftlicidade, de que he mestre
Ignacio Marques ; quem quizer carregar ou ir
de passagem falle ao dito mestre ou a seu_ pro-
pietario Antonio Joaquim de Sousa Ribeiro.
t Segu tiagem para a cidade do Porto
com toda a brevidade o bergantina portugus
Importador, Capitao Jos Francisco Carneiro; j
quem no mesmo quizer carregar, ou ir de pas-j
Precisa-se de srvenles para pedreros, es-
cravos ou livres ; 09 pretendentes drijo-se
esta typographia.
Aluga-se urna boa casa para grande fa-
milia no Poco da Panella, defronte da casa do
Sr. Pedro Jos Carneiro Monteiro ; os preten-
dentes drijo-se Fra de Portas, a fallar com
Manoel da Silva Neves.
1 Precisa-se de 2:700,000 rs. a juros de
1 por cenlo, sob hypolheca em um sobrado de
um andar hem construido, na ra da Praia ;
quem os quizer dar annuncie.
1 Antonio /Ivs Vianna embarca para
Goianna, na sua barcada ltamaraquense, de
que he mestre Jos Mara, dez escravos, sendo
duas mualas Francisca e Felicia, esta de 20 e
aquella de 25 annos ; quatro negras, sendo 3
crioulas e 1 d'Angola, esta de nome Mara, de
idade 18 a 19 annos, e aquellas Sebastiana de
40 a 50 annos, Quitea de 20 annos, e Manoe-
la do 25 annos; urna negrnha crioula de no-
me Joanna, de idade 9 annos; Bartholomeo,
cabra, de 30 annos de idade ; e dous moleques
d'Angola, Antonio, de-20 annos, e Belizano,
de 15 annos. (12
O rapaz Portuguez que annunciou no
Diario n. 250, ter 17 annos de idade, e que-
rer ser caixeiro do qualquer arrumado, ou an-
da mesmo para fra da praca ; dirija-so a ra
da Cadca velha n. 30.
2 Quem precisar de feitores para sitio ou
engenho, ou mesmo para servigo bracal. che-
gados prximamente da Europa, dirija-so ao
Becio. ra da Cruz n. 23. (i
LORTEIA DE S. PEDRO
MARTYR DE OL1NDA
Nao pudendo ter lugar o andamento das
rodas da Lotera de S. Pedro Martyr de Olin-
dano diaGdo andante como eslava annunciado
ern consequoncia Je existir anda por vender o#
bom de sote coutos de rs. ; ordenou o Fxm.
Sr. Presidente, que ficasse para o dia 21 do
referido me/., o que ter lugar empreterivel-
mente, liquem ou nao bilhetes por vender.
Os ditos bilhetes, acho-se a venda, na ra
do Cabug lojas dos Srs. Pereira, & Guedes.
e nos mais lugares do costume. (14
I No deposito de bolaxa n. 2. da ra do
I'ozario junto da botica, acba-so bolaxa a
1920 propria para casa de familia, atsitn tam-
bem bolaxa para vendas, do boa farinba por
commodo prero de 3,360 res. (5
I Sociedade Terpsichore.
Nao se tendo reunido numero suficienlo dos
socios no dia 7 do corrente, a Commissio Ad-
ministrativa convida aos Srs. socios, pela ulti-
ma vez. para so reunirem no da 11 do corren-
te s7 horas da noute, a fim de se deliberar
sobre a mudanca da casa da sociedade, ou da
soIuqSo della, (cando cortos os mesmos Srs. so-
cios, que llavera deliberado com o numero que
comparecer, na forma dos estatutos. (8
3 Ha tres para quatro annos, ou talvez
mais, appareceo n'uma casa desta cidade urna
preta que al h' je so ignora so he livre ou es-
crava, nem a quem pertence, por nao haver el-
la querido declaral o ; e tendo-se por varias ve-
zes annuncindo, nao ha apparecido quem della
d ossignaes certos: pelo quo de novo se faz
sciento ao publico deste facto. para que se al-
guem se julgar com direito aquella preta, se
dirijo ra dasTrincheiras n. 19, 2.'andar,
onde, dando indicios evidentes della, se dir
em que casa existe. (12
3 Precisa se de um feitor que entenda de
jardim, borla c pomar ; na ra da Conceicao
do Recite a. 51, 1. andar. (3
3 Jos Candido de Barros embarca para o
se oonvencionar ; annuncie. [4 Lino, idade do 13 pira IV annos; estatura pro-
2 Quarta eira, 13 do corrente, .s 4 bo- porcionada idade, cheio do corno, muito vi-
ras da tardo, em praca publica do Juiz da 2.* vo, testa larga, enm iinn cicatriz, pequea no
Varado Civel, na ruado Sol, se bao de arre- mero, cor fula, narizcbato, boceaquasi rega-
malar tres suios com casas por acabar, os quaes j lar, tientes alv s, en lo os da parte superior
sao situados, dous no Caldoroiro, com frent bastantes largos; esti vestido de camisa de ma-
sobre o rio Capibarihe, o um nocaminhodo
Caldoroiro para o Monteiro, por execucao de
Honrique Jorge contra seus devedores Julio
Boyer & Lamach. (9
oConstando ao proprietario das trras cun-
prehenJidas na sesmaria que tem na comarca
ilo Bonito principiando pelo poente da barra
da Xala da prata seguem polo rio Una at a
Caxoeira grande, e pelo n aseen te com os marcos
do sua divisa > quo essas torras oulr'ora oc-
eupadas com lavouras o sao actualmente por
gados de toda casta pertencontes a estranbos ,
que aIIi os conservo sem nulorisaciio do dito pro-
pietario ; e nao convin lo a continuacio de se-
molbante abuso cujas consequencias podem
ser faaes a seus. autores e do fado o sao s
rendas publicas, que soflrem considoravelmen-
te com o desvio do emprego dessas trras ro-
ga-se aos Srs Fiscaes da comarca do Bonito ha-
jo de dar por ellas repetidos va rejos e multa-
rem os donos do todo e qualquer gado que l en-
contrarem visto nao perlencer urna scabeca
dclle ao referido proprietario e ser digna de
seu esclarecido zelo essa diligencia. (20
2- Aluga-se, para passar-se a lesta ou por
anno, a casa do sobrado, com cocheira, estri-
bara, e todos os commodos para familia, sita
na Ponte do Uchoa ; quem a pretender dirija-
se ao sitio do Sr. Francisco Antonio de Olvei
ra, ou ao seu escriptorio na ra da Aurora.
Tambem ologao-se duus andares as casas do
mesmo Sr. F. A. de Oliveira, sitas no Atierro
da Boa-vista. (9
2 Precisa-se de urna ama de leile, nao im-
porta seja captiva, sendo boa criadeira, paga-se
bem ; na ra da Aurora n. 48. (3
2 Precisa se de urna ama, que seja de boa
conducta, para lomar conta da casa de um ho-
mem solleiro, e quo saiba coser bem para tratar
desuaroupa: annuncie. (4
1 Offerece-se um rapa Brasileiro, de ida-
de de 18 annos, isento da G. N., com bom ta-
Iho de letra, para escrevento do algum carto-
ro, ou para caxeiro de escripia ou cobranca de
alguma casa de negocio, dando fiador sua
conducta; quem precisar dirija-se Cinco-pon
tas n. 63. i"
2 Aluga-se, por anno ou pelo lempo da
festa, urna casa de campo para grande familia,
cujos commodos sao os seguintes : urna grande
sala, toda ladrilbada de marmore, com quatro
quarlos na frente, grande sala dejantar.com
despensa junto, e mais tres quartos, um recreio
no centro, urna boa cosnha, com fogao e for-
no, estribara para dous cavallos, cacimba com
muito boa agoa de beber, sabida Iranca por
dentro para o rio Capibarihe, muito fresca e li-
vro do sol ; cuja casa he no lugar do Monteiro,
a segunda indo do Becile, ladoesquerdo; quem
a pretender dirija-se ra do Rosario, 2. an -
dar da casa n. 21, que achara com quem tra-
tar. (15
2 Oabaixo assignado, para que ninguem
ignore, faz publico pelo presente annuncio.
que tem de usar dos meios quo a le Ihe conco-
do contra a autora sua sogra F'lorencia Marga-
rula dos Prazercs, visto que ella particularmen-
te nao Ihe quiz pagar a quantia do cento e qua-
tro mil oitocentos oitenta e dous ris, de custas
constantes de urna sentema que contra ella ob-
teve, pela qual j foi requerida, c por ter dito o
procurador della, que a mandasse metter na
cadea. Francisco Jos Dias da Costa. (11
2 Aluga-sc um grande sitio na campia
da Casa-forte, com casa reccm-cdicada. com
um bello copiar na frente, ptimas accomoda-
cocs, cosnha fra, cocheira e estribara, mu-
tos arvoredos de fructo, campo para quaesquer
plantacoes, e paracapim ; aluga-se niensal ou
annualmcnto : na estrada do Cordeiro, sitio de
Nuno Mara de Sexas, ou na ra do Amorim
n. 15. .(9
2 Pede-so a pessoa que tirou urna caixa
de prata para rap, que baja de deital-a por
baixoda portada loja n. 21 da praca da Inde-
pendencia, pois sBbe-so quem a tirou : igual-
mente previne-se a qualquer ourives, a quem
for offerecda dita caixa. que he j usada, e
aonde o seu nomo
ois que tudo he po-
dapolSo lino, ja toda rota, cuicas do brim bran-
co, trancado, lino edequadros pequeos, lar-
gas, bastante sujjs, e com suspensorios, sem
chapeo ; quem o pegar, ou dello souber noti-
cias, podo dirigir-se ra Imperial, sobrado
n. 79, quo ser generosamente recompensado.
2 Procisa-se de urna am > de leite, quo le -
nha boa conducta c soja cjrinbosi. para criar
um menino que tem Imita dias de nascido ; a
trotar no 1. andar do sobrado n. 20, atraz do
thealro. (5
2 Cjucm precisar do urna ama de leite,
parda captiva, sem cra e com abundancia de-
leito, procure no Arraial, sitio doDutra, de-
fronte do do fallecido Joao Carlos Pereira de
Burgos. (5
5 Honrique Amante Chave ain, Francez
de Nacao, morador em l'ora de Portas n. 82.
tem a honra de prevenir ao respeitavel publico,
para que de forma alguma deem a um seu mu-
alinho por nomo Antonio, anda mesmo com
escrito em nomo seu 'Chaye ain nem dinbei
ro, nem fazendas, nem outra qualquer cousa ,
soja em BCOUgues, vendas, lojas, armazeus, ca-
sas de negociantes &c. Scc
possa leralgum crdito,
sitivamente fa'so e de forma al;uma por nada
inleiramente se rcsponsahilisa, nao mandando,
por merc de Dos, nunca pedir cousa alguma
fiada em casa de ninguem, mandando sem pro
comprar comdinhcro o indo elle pessoalmen-
te comprar como pode, o que precisa para sua
casa, como as pessoascom quem ello trata nao
ignorSo (18
22M.c-Callum ^'Companhia respetosamen-
te aviso aos sonhores de engenho e ao pu-
blico em geral que na nova ruado Brum, que
passa por detraz do Arsenal de Marinba teem
estabelecido urna ferrara ( sendo a ultima do
lado do poente da mesma ra) onde fazem
cavilboes atracadores, parafuzos ole apertar e
outras ferragens para engenho, eixos', tullios e
outras ferragens para carros parasos e por-
cas de todos os tamanhos, ferragens para na-
vios, verandas, portees, carros do mo e todas
as mais obras de forreiro; e como os seus appa-
relhos recentementechegadosde Inglaterra sao
de primeira qualidade, promettem agradar aos
seus freguezes tanto na qualidade da mo
d'obra como no proco e promptido. fifi
I'BEN ENO CONTRA OS FALSIFI-
CADORES.
Fstevao Gasse, saliendo que em algumas lo-
jas e vendas desla cidade se vende um rap
le lo nesta provincia com o titulo de princeza ,
o falca ;:!;;;ai de limes rotulo de S fabrica,
previne ao publico seus freguezes que a bem de
direito de proprledadesua, acressenta nos ver-
daderos botes do sua fabrica um sello com sua
firma e nsinuac&o do nico deposito do legiti-
mo rap princesa nesta provincia. A vista do
exposto, qualquer oulro rap inculcado com a
denominacao a cima he falsificacao as fabricas
de Fstevao (iasse nico inventor e proprietario
do rap princesa (leito no Brasil), tanto no Rio
de Janeiro, Baha, o em deposito no Mara-
nhao Para, assim como em Pernambuco na
ra da Cru do Recife n 38. (18)
3 Bodrgo da Costa Carvalho faz publico,
que arrendou ao Sr. Jos Kogerio Marcellino
a casa de dous andares o soto, sita na ra D-
reita n. 100, quo poro mesmo foi arrematada
em praca pelos alugueis, no da 17 de Outu-
bro do corrente anno, por cujo motivo Ihe pas-
sou quatro letras da quantia de 56,124 rs. cada
urna, vencer a 3, 6, 9 e 12 mezes, as quaes
nao sero pagas senao ao dito Jos Rogorio,
como consta do papel do arrendamento por el-
lo passado, visto j ler recebido dinheiro por
c:::;'.;; :2B !>ncrriaci n {{{g foz publico (12
3 Sociedade theatral Philo- J'halia.
O 1." Secretario avisa aos Srs socios, que os
bilhetes para a recita de 9 do corrente sero
distribuidos nos dias 7, 8 e 9, em casa do The-
sourero, na ra do Collego n. 5 ; assim como,
c|e a direceo se reunir no dia 8, s 7 horas
da (arde na ra do Bangel n. 50, para appro-
vacao de convidados (8
2 Mara da Penha (em de hypotbecarsua
mil ris, portanto se alguem so julga ter nella
algum direito, appreca no prazo de tres dias
da dala deslc. (5
3 Arrcnda-se o sobradnho de um andar ,
tem um quadro liso na tampa, e outros na la- casa da ra do Sebo, pola quantia de duzenlos
vragem, e no meo dos quaes tem uns cachi-
nbos a imitago de uvas, e sem dourado no
fundo, que a tome e leve loja cima. (10
2 Alugao-se e vendem-so canoas de car-
reira, fechadas e abortas, para familia ; vende- esotao, na ra de Agoas verdes n. 2, c opri-
se tambem urna duzia de. paos dleo, para mar-! meiro ailar do sobrado da ra do Queimado n.
ceneiro, tudo por proco commodo ; na ra do 37, com fronte para esta ra, e pateo do Colle-
Bangel venda n. 50- (5 Ro, e as lojas do sobrado da ra do Rozaro es-
2 Aluga-se urna negra com bastante leite. treita n. 25, a fallar com Antonio da Silva Gus-
ra criar; quem a quizer dirija-se a Fora de. mo. (7
para


I atort-v f
r *
'--.. :'.: t. ::'! :_-;.---
tar bb* ctaia* a? :
_ :.-. sni l '-.-- Casar
.-So o> Franr ;
'
asa de Avn* Irmb. na -ni di C
I I BBBBBr>: >-, ;-*::. -.-
:'--- : : :.
--
r*- F.?T!ff t. i rdd*-sp i ma eesap**"^ c? ras (
1*
3 *tiBOS
J-Tl
- U-f-
n.i .esa.
- .
: r.
t-.f.-i:- M4H .
cae* a* ren:
r efeseos La eizr-
!.:::: .--;. ,:n IfJM fBi .: : i
e*B BB8 IrtiCf-r ->B Wt.hBtt -a etOBpB? -
?pai: t ". _.
-. .
araispr :-..
A* Saet
i j.-r. : \,-,
can de bsawa f
I km :_.
...
-
ser : a
-
lee ir-b' ->i. -"i
i Qaeei
CTUBT AtrfB-ei
i staraAede un andar, i
: : j; :
: :
:
1 It-4 bbbbi
- i
j : --
A B.: .
;. .
"t :- :: .. ": -- t- .- : .
'
.-I.. .
- .
se -.t ;. : ;i
tr.zz i:
t m :
"i::*: : -t: M m: .- -^ -. -
e prata : intK
.;:..--
pie se rea ota ti ;'-. : .< n '- '
; '
- --*- : : --:;. ;-
-

"' :.::. :.t. : ;
i .WM I t
- i f- 1
r*& a* *u (
: :-:*:-::.::- ;-.---;., :. >
-:- -' : -; -'. '.<'.'-. t *ree.
>.;:., :.::.;i .- : ;. -. :.
---..:
-'.--" -.;::. ;
:: r .: -1 : ;. ...
e* -
aaaAeda rae Ae Aatcraa
reteeseera:
mmmmm i l? Mipoacof ionio r-
(m oBdTfda a nwfceirf os pro c*b
iras; t tntm aa aacsati >fla. *
fDOt-** fctama e iatTc
faaitar a raaao de / a. .
i J*6i e.'aiarroau n,
tato rat: i -f r^., f oatra aniiu i
iac&i prr prerc roaanoaa ; dafroal* :
- aafla aara- a ra jaaLwiaawalt teva c -
-itnaa a 9f para | \ eno*-i* aana oecn de bnaita t;
*? 'taaaaa, fasiea-
t.
i Miau i r.uire ; a Mir.
- :
...'; aa aaar-
.
}i^arir a 18
b>'Ih.ii! i raar aa

li resa aa
- ataaai :*
o ac ca.ia .
: aa ra oc (}
3
criat.ic ia '.i t-
^-n, ti
a. rt cil aV -
ai gatlioadas ; bbu dita d> 1S aaaaa
:r*i- f encoamu: un dita H ildo. i

ora* i
. .Mea mi
t Taadaaa
?"(
aaaa a. 2^.caaa<
nu. oaaa i^t.n s^ara ,
ule. atare*.

ru* da'ja-
A>
-:l una dOa dt 13 aaitot. eta* a*
Beaidad ; aau tsertrt de 25
awnr- knas Mae e ooa ama era) de sai aw* ;
aaaa dita faaaahaara e aaataaierra oan atete-
as* de aaee de a aaoot: aa aaaaaai |a ta-
. fLtaca i -.i laatau a. X.
<
- .
.. -.i : -.
raa-eaaai b*r',-.. d ia--
i coaiB)
Veatae-M aa -"> L
btt Paedro t uaaa otra U:0ri, "

;-.-- m. 43. :
Vende-**- Ctaia**;
Vt-odea- ;-, t ^
-r* jfoj''
aiara*- aaaiaaraai, v
- t aala*; aa ra da Q getjj
/^~~^^\
Veode- >
na r- r:ncfcrat ; aa ra C dita
Faade-M aai a terrea a
Tatafc u r "da da rt ^
?&m tobt m aeas Bertt.:?;; UB.
rita l :-1 -; l; ;:" t(J/
pt eaa f ',t3
roa J ai ^oai rSaaeire I
t^ai parecada e de boa edacac* : t roa h
^aeiaaaaVj caa de Aotaaaada E .i* eaoeaa-aecaoa* Lia eaa earb
, adeaf anta* (,,5 _
paata caaaaaadj ; ut ra da C*dea-if.3ij j .
r:" rali
...... 4
i
-
- "
- : ; n : -
;:ir-:ri
-
....
"...
.
- -

i::
- -
' -
: "". : .- -
= -":'- -- t i Min
- : -i :
: "i
. : a
_..-2 :n- .: : i: ;n::f
-i
--:"- c. tit<: t
U : 2 i:.-:.:-. ; oes
ILTti t
> i r :
.
.n i^--.:. aa ion. .i*&;
-
a. eaj.
-j. .
:t ea. prnfii
."-.
n ; :ai;a: :: garrataj
*
- .:':
i aaaaaaa
i I
i faadaaa-at ~ts mtvtn t
;>ti i maCsada. e eseaceu it eaaaaa-
. i ta bk -oadreaec iraarr*-f bk
oerti:-r a ja ranal M*eu dt caaibrt-.i aor-
:t o^aaaoi a*r&** aa
i fkliOc* c&aiifcja de h para :ti ,
i.
. :i- >-
. i: ; :. -.:
;.;;. .
- -..-:: para aalat
aaaau< (aseadu de aaaa t -
:. :. :: :i 'li >":* t. *:
- :-rc.. a ake-
i, por prec.< a i .i caaa-
tdatra oaaiaaer parai aa im
t baun: liadasaai
: i : v
.
- Bl
: :-. i
i
. i' -
qi leaada Fraacs, < $.60 -
near. i.>-'.'.edeBVor:':_i.
.. .. --. -i\
.. H. i- -i. i *- i,.
.-"
. "R so pene .* rea. -.;.,
- i daaaaTO : a caaaaia; u
caaaa, : ..
eaaaa; ckarcpet oe aoaracuja, aaaaa/: afc,
ie. pri- .-:. rapa, U*rri. e de reuaj ae at_-.(,
- [S-
i 1". H I .: I-
- '-'- :-. :-:..: .-.. : va
r a eaaada e a retaja: i 1 v t%: n
Baeaa de licores, feacfcra, aft .

? '-:!-'... : r.M.i ; a
nifliitaf 3
- bm ti-r-i
'*-'- i'i fucoMM i eenafeta ; aa
:* 4-_ l rt. 3
ruft- ;. aaa cader ae arrcir. fanal i l' :i:t i~ :
;*aocae aaa.-:: aaai aaata, mi- -"- terlra ai taiartrts deidM
-- : :r'i.j. iei de H- :s :- j- ;-: : :,-.::.i\-
KM.;rm B. li
-- -::"- -"; >" bm, :: )aade-i :- de araaBba i :-: : eeai
- ;.:: r -i : .-::_!
'-4 : -: :.
nda*


.. : .
riadm-r ale para werser -.
t*aaaa* trtaiii. ^-.
asaa au ce :. e:aa .-.
'tr.-.i Zr?:*z: v.^i :*-"i:.-n;.. ,r.
ti* peaad* esU iarau .
aaw aaaa aBBfcera aac aat:- _
/i*s .\*a Uanaaarca.
:. :j ..
;:: : _; m ;.. -;..-. : -.
;*;'?--. awcaataaat : II -. i :-,
sr. >.a-ea>aa ?lac.
i rea da acuLa.
-
.ik- .ii oarta < :.r ;: L -
Bfi:..r i::. ;.>,- .
. -
:
. I
- ;
'
. :
: :i .
..a. li.
feade-ac airaia<
- -^ i- ... ::i -F.i
mx i iswra, t casada pj.
: nasnas >. atada t i. t ca aaetaao se___________
: 4 _.i ; -;:-.4-c-

: : r: ::.: :; ;:. z: .;-;:-
Escrros fu sido
: f
aa pakaa Aa Cars.: Ui
-
;-! : :, lss..-
. i:. : ; --
- i "
- -
6*
- t:;::-4> i* ira ir i : -.
1 r*. t tn : i ..; -4 e-a ;:*,i; : -
I- -
ssescratoj .
> : -r :
-i 4 : :.-.-;
' -
-T.-'jin-
: ;. :i: :i..de3
m c^rpa. da eeatte IM
- uif
rmrpi'iaati. ann !!
-. .. .- ::ce-
* :: ,. v j :
.... .y- : :-:- to- '-;.!:. ;-. ;. ,:
;;_:
r "
4
.
aaaaa -
. :i i bbbsi
i

.
.
: = k -
paltas b
i: i
- te iladin-K t
eaaaaaada eae*a**K
-:.defaaaai
^*ja de auraetro a. 43. 4
:****
mb e *eaa:-.-i. oe ;.. ;j
: :> aaaaBBCa ;: ;.z ....
. tocas e seda 1
aaaaar aaes da raprrior ajtsalaaade
- A M.4
kC aV aTBB 4aal ^^aBatMpal
.
- icracaaa ei 'as prego par ser ae ceaatraaooe
a iiOi-sti aa < .
3 vt-Lc^-i-; d^if ;i^.30M -aaalua
t*af -j ; ------tailprrr:
1 lia 1 taaaa. dbbi : >;uh j
. ._;-;_-.
****'staa- a. ..-u::
i r::t->T : t^rtaa saperaer eaa ti
->.-:. 1: l
;r-' 3! IgUJ"
. rrr.- ';
F.ic te d..*> i? p p. fe :ru/|,
- > fa* ua pr. ai &*'I0>
. .. -1 -- *
U sarraai la ata 1 P*9*0 pe*
- ~ --
- N -' .... -..:.r-ei
carie* e aoase Pao!.. ddoj
-: .V
.,1:- .-:, e aatrar
. i:
daas Mu
. aasatal e ca : aV
tar aa aeaa> rtv*
faa-* .-.- .-.. /rtiwfc':
rde aaaa, pntk. es aif^aeci
'^JtmctH I
Pxecasa se eax
:t
- :" :.<. ,-:- : ; : il .... ,_ _
*' -''-'- :.-.: 1 i.ii..;.'jj Cmi
1 ; -' han- Hwtleal, 3 1 D Seaartsaa cacserto rxieoia
"f ififciri, aacaaiiaat Aa- eaa aan : a aHerr da % ',
- % *ie-*e aaaa atea de aettr 1^14 ,
1 ^r aauiate.eai aaaa asa. raaadaa^.,
ta*c. aa aaara tai na das atanavata a 1
ftaaane ; zch-k aaaa raaaia asa t nw B ,, 4
I |&jaiBfB ceaaatiC. aa na Vdaa a.
ifc he
ila. naita caittemk aaeraece de lea em
* p*tit Aaata rAade: totea es-
IM taa*par pre- riaaidi j^ ^ a.#ttAaa Aoo e caicas oreara* :
.13 P oofil-
- ^dcasasaacaaetae S.^lraaaseai*
:.* paa*w; iMb^a rae 9
*.. sabeade pe- ,-\ de
pwta de ii Aagoli aaaas ta, cara redonda,
' Wi^ boa aaarrao or*^-. loraaaad Aaaa cir-
*a*toMr t* -'T' utB* canallas das per-v
1 u aaaJto J*i lasada C ..i desbotado, e s>
'--- ^ piba.
- ... do
-
i
.....
' ~ ^nlinua a estjir
. pretoActonw,
nc.>t" nao bi \ .crpo, car-
raansdd p torfos tmt* ^raca em roda
p<$ar. U
5

.
1344-


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ELIQPLX9X_XUQHNR INGEST_TIME 2013-04-13T00:16:51Z PACKAGE AA00011611_05219
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES