Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05192


This item is only available as the following downloads:


Full Text

rnntMKP UiC JloafU.
segunda reir 7

0 IWo.-iihl...... ,,,, ai.q.n5o fon. n.tfie.d,: 0 pttoo da ,
he ,1. -ra mil r. p >r quariel p>Koi .,li.nll(lo, 0,
ff.;:% >i da* juc nao forem raiio de SO rea
unanoioidoi aa.ignaniea ato inaaridoa
por linha Ai reclamaooea drTera ir .1.;.:
ou a praga da Independencia lojt da li.roan. fi e 8
ro, l'.bl!ARTID,A ,)0S CORREIOS TERRESTRES.
<,0!! ranvlia.aegondaie
V*7 *to.-G..d, d Viejona, quinl f,irM._0lind. .odo, o. di.,
7 S~ a M, D,AS DA SEMANA.
7 Stg *. .Marcos And. do J. de D da y
"9* Br.?'d* ReU *u'1 *> d"D '* 3 t
Guaras. DtnWo Aid. do J. de D da 3 '
10 QOUU Ir.ncuco de BOrj.. Aud doJ.d.D d. 2.
fl Swtaa. Firmino. Aud. do J. d. I) d.-> T
J n,b \CP.tU" ?! -1" J.d. I)'.d. 1. r.
43 Don O latrocinio de S. Jos
de Outubro
m rana-B
. 11
Anno XX. S. 224.
"' la pmti.: !- !< pradn
0 j^r. .;...,. rrm- apuntado, ooai i
ilamaqa* da A..-.
a
I 9 Ml#rjra : "i 71-
' ira .* nagaja maia
N
cmioi rio lili 5 I)K ni : .
Cambio* HaWtLoaaVea ej( nom. fOurMoeda, \
.. >, Paria 3s i ren por franca
" Biaboa iSO poi I0U de premio .
i
...-da da cobre an pal mmnarea
Id.a da latra. .1* I>,. firca. 1
r
toa m- compra
17,51)0

I
I
1 en da
17/k.O
17,600
,7l0
2 020
fl 0
')0(,
DIARIO DE PEBNM
I'HASES DA LA NO HEZ DE O ri'BRO.
La ohaiaa '.'O a. haru e 44 min. da 1 Luanora 1 ., fj e 4 aio. da larde.
MinRiianla itllj boraa y tnin la lerda |Creaotfltt > S ,. .>, i,r,,.,
Prcamar de koje.
r mera a, 0 borai f niin -i 1 laido
mammmj
I ^'{1 1 ii ninuloa da lard


Duvidamosdesta ultima circumstancia, apozur A Chronica 0|gfl que a resoluga,, do Prin-

WI..j
RESPOSTA.
A Alfande^a renden o mez
passadn 269:676^71!. rs.,
nn nbstante os primeirns
ensains dobatalhan doSr.
Cutes Machado, osboatos
continuos de desorden.
por elle espalhados, e os
escriptos incendiarios de
sua produeco; porque,
tendo d'aqui a um mez de
ser posta em execueo a
nova tarifa, convem ans
negociantes despacharen)
aS SUaS azeildaS antes deS-l Entretanto que rara a Inglaterra desairada
sa poca. Ou os rabisei-!fielos ^ouros na sua "^(,'o8a n>^';3o? Nao
| l l I lie esta urna das quesloes menos d(Ticis de re-
ClOrCS (lO J.^JOVO Sao CStlI-l solver. Esperemos porm. Os acontecimentos
pidos, oupensoque nos
temos os oihos fechados.
de ouvirmol-a de boa parte.
Parece que a esquadra se diriga a Mogador,
eque S. A R. o Sr. contra almirante p^opu-
nha-se bombardear e destruir todos os fortes da
costa-
A nossa esquadra se havia retirado para Al-
geciras.
Essas noticias nao tem um carcter official ;
mas confiamos por mais do um motivo na sua
exactido.
>8oda mais alta importancia, e podrm con-
siderar se como o preludio de grandes e trans-
cendentes acontecimentos.
R.impeo a guerra entre a Franca e Marrocos.
Ao bombardeariiento por mar terao de seguir
se sem duvida as hostilidades por trra. Kn
tretanto nao he possivel que a Hespanha conti-
ne nessaneutralidade apparente que tanto po-
de prejudicar os nossos mteresses. Outras po-
tencias christaas vao ser por sua vez compelli-
das a entrar nessa lula da civilisacao contras
barbaria, luta religiosa, que poderia considerar-
se como urna reminiscencia do tempo das Cru-
zadas
EXTERIOR.
*'*i"w -n-r___r____,r-i, i i|.,i, -, i ,. .. .
NOTICIAS DE MARROCOS.
BdMttA^DEAMrNTO Dl TANOtR.
Caiz, 9 de Agosto.
rar-se discorrer largamente sobre elles.
Depois de escripto o que precede, lemos na
parte official da Viga as seguintes noticias,
que confirmao as que ohtivemos. Depois de
dnreonta da entrada do vapor de guerra frpncez
Vfloce, procedente de Tarifa, diz a parle: Os
Oficiaes deste vaso declarrao que no da 6 do
corrente come^rao finalmente as hostilidades
contra os Mouros. Homprao o o>o as naose
a fraga a Relie Poule, o qual princpiou s oito
cipe de Joinville foi resultado dos officios ou ios-
truegoes que recebeu d'Oran pelo vapor Etna;
mas o Etna chegou a Tnger no da 5, e as no-
ticias que trazia erao pacificas, sedevemos dar
crdito ao que di/a mesma Chrontca. Parece
nos mais provavel qu>- essas communicacoes do
marechal Rugeaud, que sem duvida motivarlo
o rompimento das hostilidades, as recebosse o
Principe deJoiovillo pelovapor.quesegundo re
tere o nosso correspondente de Tarifa.passou no
dia 6 pelas 6 horas da mnnhf.a em frente daqutl-
la praca com direcoo a Tnger.
O que he certo he que pouco depois da sua
chegada comecou o fogo emui graves deviao
de ser as cunsideracoes qne obraran no animo
do Principe, pois que nem consultou os agentes
inglezes nem quii suspender o bombardea men-
t (|iiando se Ibe apresentou o Sr. Hay, Cnsul
Inglez, que pareceebegra no vapor ingle/ Ve
tuviui. no acto critico do combate. Chama-
mos a attencao dos leilores sobre certas reticen-
cias significativas que se notao no modo por que
d a Chronica estas e as mais noticias que abai-
xo transcrevemos.
Resta agora saber at que ponto se ter com-
plicado a quesillo hespanhola depois do bom-
continuava a tremolar depois do so! posto. Pa-
rec- tambern que os vasos francezes nao soflr-
r8o muito na mastrearo cun quantn alguns
delles se acbassem a 800 ou 900 varas das bate-
ras, que erao muito inferiores no numero do
pecas.
O Sr. Hay chegou no Vesuvius ao meio dia
durante o bombardeamento; mas a sua presenta
nao produ/.io a menor inllucncia ventajosa.
8 deAgotto de !8U.
N8odese|avamosdsr oenhuma noticia parcial
dos ltimos soccessos de Tnger. Temos com-
tudo ra/oes para crer que esses sticcessos forSo
produziilos pelas instruccoes quetrouxe do Oran
0 vapor Etna,
O logo dos vasos france/es foi muito superi-
or ao dos Mouros; so i n o almirante disparou
.",000 tiros. Os Francezes romperlo o fogo. Os
Mouros, at enlao passivos, responderlo com
una rapidez queoausou admiracSo a seus iui-
migos, e, ape/ar de Ibes terem arruinado as car-
retas, continuarSo o fogo em quanto podorSo
servir as baleras, tremolando a sua bandeira
at o ultimo momento. Ignorarse anda a perda
dos Mouros, porque anda a cidade se acha n-
communicavel. O Francezes dzem que a sua
be insignificante.
bardeamento de Tnger. Sobre isto nenhuns Esta maubaa sabio de Tnger o Principe do
dados temos para poder formar urna opiniao, | Joinville com a sua esquadra e em direceo ao
O Govern > deve por todos os modos augmentar j oeste, e piomptamenle se restabelecer a com-
as nossas (oreas de mar e trra e preparar-se I municaefio com aquella cidade. Ou vimos dizer
para obrar activamente na luta cornecada, para que a cidade nao solTreo o menor damno.
o caso de ser necessario salvar o decoro da nossa Eistem nesta Babia os seguintes vasos de
dandeira e os iuleresses do paiz. guerra: n:ios da liona inglezas Formiduti'e e
(El Commercio )
Gibraltar 5 de Agosto dt 1844.
No nosso artigo de sabbado commeltomos um
erro que nos apressamos acorrigr.
Cid fem Salem escreveo urna carta ao segun-
Caledonia ; fragatas dinamarque/as (itfion o
Thetis ; vapores francezes Etna o Le Vas,
(Chronicli.)
Tarifa 6 de Agosto de 1844.
Hoje s 6 horas da manb passou no estreito
Por um vapor franco/, chegndo hontem a este e tres quartos e cessou as de/, e trez quartos ,
porto, se soube que no dia 7 le Agosto a esqua-I por terem ficado destruidas todas as fortalezas
dra do COntra-almirante Prncipe do Joinville! de Tnger. O Francezes disparro foguetes
rompen o fogo contra Tnger. O. fogo deve ter | Congrve para os matagaes onde os itlarroqui-
sido muito vivo, p is queseouvia em Cdiz nos emboscados tinho de espaco a ospaco obu-
apezar do vento contiario que enlao rcinava. /es de campanha para impedir um desembar-
Jgnoramos se a resoluto do Principe Irn- que, que, se se tivesse levado a effeito, loria s-
cez foi o resultado de alguma ordem do seu Go-
verno ou de outro acontecimiento extraordi-
do bem succedido.
Os fortes lizerao um fogo horroro'o e cer-
nario, ou se foi tomada em consequeucias de to, pois s a Suffren recebeo 42 balas. (!on-
haver concluido a ultima tregua concedida aos cludo este f. ito de armas, subdividio so a es-
Marroquinos sem que as negociaces tivessem quadra para bombardear todos os portos at
tido xito pacifico. | Mogador.
O certo he que as 8 horas e 3/4 da manhaa i 10 de agosto de 1844.
romper o fogo as naos Suffren o Jemmapes e O vapor de guerra francez entrado hontem de
3 ou 4 vapores contra as fortificaces de Tan- Rochefort tocou em Tnger ; mas nao sabemos
ger, e que s 10 e 3/4 da mesma manhaa em ;'que traga noticias, queadiantem s que publica-
que se suspendeo estavo quasi destruidas. A po- mus no nosso numero de hontem.
do governador de Tnger, segundo dissemos ; um vapor com direccao a Tnger, e s 8 e
mas a nomoacao do Sr. de Nyon por parte do vimos o ouvimos romper o fogo geral naquella
Principo de Joinville foi um an nuncio prema- haba e de trra em todas asdireceoes, duran-
turo. do at s 9 ', em que cessou, tornando a con-
A carta promettida uo (id, para assegurar allinuars 10 horas ate s 11; depois de meia
paz entre a Franca e Marrocos naotinba chega- hora de descanso, repeli se o fogo t a 1 do a Tnger hontem de manhaa, o que causava tarde, notando-so que os v,isoi que a/iao fogo
alguma inquietar/So; masjulgavu se que o Cid' erao de l a 1 V entre vapores e embarcatSea
viril em pesso< a Tnger. redondas; bavia outros muitos fra do alcanco
A cidad mandou um pedido verbal, e nao das bateras. A hora que escrevo anda nao
por escripto ao Principe para prolongar a sus- chegou correio nenhum daquelle ponto.
pulagao nada solreo.
Os outros vasos da esquadra fi/ero fogo de-
pois at ao meio dia contra outras fortificages
da costa immediatas a Tan er, que tambern jof-
/rrio tnuito.
Nao se lentou nenhum desembarque: os
Mouros eslavo preparados a inpedil-ocom nu-
A aio Su fren ficava as agoas de Tnger e
os outros vasos da esquadra tinho seguido para
Mogador ; mas esto porto offerece pouea segu-
ranfa aos navios de guerra, e por oulra parle os
Mouros tem all grandes fortificacoes. O Prin-
cipe de Joinville desoja por isso apoderar-se de
urna ilhota immediata a Mogador psra da
merosas forcas que tinho reunido naquellas I dominar a cidade e romper o fogo com proba
immediaces. Tlnhao muita artilharia o os bilidades de bom xito. Esperavao-sc roforcos
seus tiros nao deixavao de ser cerlos.
Os Francezes tivero 3 ou 4 morios e bastan-
de Franca.
Conlirma-se o que dissemos sobre ter se ne-
tos ferdos. A perda do, Mouros calcula-so em { gado o Principe a receber o inmediato do almi-
150 domea. A nao Suffren, a bordo da qual I rante inglez quando foi comprim ntal-o depois
se achava o Principe, eslava a mais chegada aoj do bombardeamento de Tnger. A circums-
fogo dos Marroquinos. Este vaso, assim corno tancia digna de reparo de nao ter se apresentado
os de mais da esquadra, soffrrao algum dain- | o almirante diz-se que loi a causa daquella re-
no, principalmente na mastreaeo Dispara- cusa. {Comm de Cdiz.)
r'io se alguns fugeles Congrve, que deita-
To fogo a um acampamento eslabelecido pelos
infeis fra de Tnger Descobrirao se ento va-
rias bateras que tinho sido postas em escale
para resistir no caso de desembarque.
Di/.-se que os Commandantes das estarces
navaes de varias potencias que ha naquellas a-
goas passarao a felicitar o Principe de Joinvil-
11 de Agosto de 18H.
As noticias que hontem recebemos de Gibral-
tar e S. Hoque alcanco a 8 do correle.
Segundo diz a Chronica, e segundo nos es-
crevem nossos csrrespondentes estavo arranca-
das no dia 5 por modo pa ilico as quesloes de
Franca e Hespanha com Marrocos, e o Gover-
nador de Gibraltar expedio no mesmo dia um
lu depois de terminado o fogo,temi feto ornes- proprio para Madrid communicando esta no'.i-
mo o aereniMmo Sr. infante de Hespanha era. Como he pois que, nao obstante este ar-
I). Henr que. Diz se tambern que o Commandan- j ranjo, a esquadra franceza rom peo o fogo no
te do vaso ingle/, mandou ao seu immediato e j dia 6 contra Tnger ? He o que anda nao sa-
que o Principe francez nao quzera recebel -o. i bemos.
. MUTILADO
pnelo das hostilidades; ao que respondeo S.
A. i que nao dava promessa alguma e que se
coiisiderava livre p ra obrar segundo melbor llie
perecease. Mas o seu carcter generoso o deci-
di al agora a nao precipitar urnas medidas tao
affliclivas .'i humanidade.
Sabemos por pessoa chegada hontem de Tan
ger que havia naquella baha tres naos de li-
nda, urna fragata, um brigue seto vaprese
um transporte.
(i de Agosto de I8ii.
A prorneltula carta de Cid fen Salem-Ali
recebeo se no da 4 quando j estavo todos do
sesperados; o seu conteudo he mu satisfactorio.
Hontem de manhaa chegou o Etna de Oran
em 38 horas, com a noticia de que o Marechal
Bugeaud, confiando em um arraujo amigavel ,
(iiha regressado ao territorio d'Argelia, o se di-
zia por toda a parto que Abd-el-Kader havia
oflerecido a sua submissao.
I>e tarde chegou de Tnger o vapor liecla ,
e sabemos que trouxo a satisfatoria roticia de
que o Sr. Hay chegaria all hoje no \esuvtus
com o Ministro do sullo e com o ajuste defini-
tivo entre a Franca e Marrocos e entro a Hespa-
nha e Marrocos.
O Principe de Joinvillo diz-se que vira ama-
nla a este porto.
Esta manhaa sahio para Madrid um proprio
expedido pelo governador desla praca.
7 de Agosto de 1844.
A nossos leitores causara admiraco saber
que, apezar das noticias pacificas que hontem
publicamos, hontem mesmo as 8 horas da ma-
nhaa romperlo os Francezes o fogo conlra Tn-
ger, ooual durou at aso horas da tarde, sem
ter leito, ao que parece, urna grande impressao
no animo dos Mouros, pois que a sua bandeira
5. Hoque, 8 de Jgosio de 1844.
No dia G foi bombardiada a praca de Tn-
ger pea esquadra franceza, Em duas horas
de fogo ficou arrasada a rnuralba o demolidos os
lories.
A esquadra parece quo leve 30 homens fra
de combate entre morios e forillos, que, diz-se,
?om para esta praca. A esquadra, depois de
reparar algumas averas, dirigirse-ba a I.ara-
che e Mogador, para tratar esses portos do mes-
mo modo. Assegora-ae que a nossa esquadra
nao tomara partir no comli le.
Advirlo a Yin qu a rtsolucaodo principe
di'Joinville para o bombardeamento foi toma-
da depois de adiar se ludo arranjado, de ter
transigido o imperador o de terem sabido do
Gibraltar os correios do gabinete com officios
para o nosso governo e para o embaixador in-
gle/ Parece que os uniros, apenas dero a
satisfacao, falt rao a ella com o rnaor descara-
menlo, e o principe nao quz tolerar esta nova
infracto dos tratados, decidindo-se a lomar
vinganca no acto do insulto.
((\irresji. do Comm. de Cadii.)
CAiny, 12 dk AGOSTO
Pelo paquele inglez que entrou hontem do
Gibraltar, recebemos as Chronicas de 9 o 10.
Segundo diz este peridico, linlia-se tornado
a abrir a communicacao com Tnger. Espe-
rava-se quo o corpo consular neutral sallara
em torra no dia 9. A cosa do Cnsul Portu-
guez linha sido maltratada Accrescenla este
peridico inglez que a destruido das fortifica-
mes nao era lio completa COtliu ^e suppunba,
e que os Mouros estavo mui dispi gtufl B resis-
tir aos Francezes se tornaaaam a alai;.: a praca.
A Suffren recebeo 40 balas no casco. Mr. Hay,
Cnsul Inglez, chegou a Gibraltar no dia 9 no
-faa.!
T
*


Yesuvius. Em Rabat havia 23,000 homens, e
em Tnger 1,500 cavallos.
Com referencia a cartas Je Oran do l.de
Agosto, diz a Chronica que 0 marechal Bu-
geaud, depois de ter devastado o territorio
marroquino em um circuito de 40 legoas, ti-
nha voltado ao scu quarlel general; mas tor-
nou posteriormente a penetrar no mesmo paiz
com direccao, segundo parece, a l'ez. Alguns
julgavao que nao passaria de Teza, onde acha-
ria mais facilidade para continuar as negocia
toes. Tarnbem se dizia que tinhao chegado
ltimamente propositos de paz do impera-
dor, porm nao devino ser inuito satisfactorias
quando, apezar deltas, o governador geral ti-
nh.i deixado Ouchda para internar-se n > paiz.
Na aceo de 3 ce Julho accrescenta a C'Aro-
nica, cujos pormenores forao publicados dizem
que o Marechal Bugeaud esteve cercado, e a
ponto de ficar prisioneiro. Os reforcos que
tmha peJido chegvo com muita morosidade,
pois su tinhao entrado 500 cavallos em Oran,
quando se esperavo 40.000 homens. O Ge-
neral Thierry-, Governador de Oran, tinha pu-
blicado um hando, impondo penas severas aos
que propulassem noticias desfavoraveis.
[El Comm. de Cdiz.)
(J. do Commtrcio.)
a dar 'immii
ULTERIOR
e que vira a esta capital p
sobre a sua marcha no prximo ver.io para o
I-Atado visinho.
O Commtrcio ja annunciou que o Baro es-
lava nomeado General em Chele dos ejrcitos
ili a los contra Rosas, e que Saturnino estava
nomeado Presidente da Provincia. He o quo
falta !..
Depois de ter mandado proceder seleicfles,
mandou o Ministerio dizer que a provincia
estava em estado excepcional, e que as-
sim o Barao houvesse aquella ordem por nao
tlada. Nao toremos pois eleiges, e continua-
remos a nao ser representados as Cmaras,
apezar de poder ser feita a eleicSe, pois que to-
dos os municipios estao em nosso poder, e em
peiores circumstancias estavamos quando se
procedeo aqui a eleioo da Regente. Di/em
que isto lie para que nao entre em concurren-
cia na lista triplico para Senador o Barao com
0 Saturnino, e no venho da escollia serios em-
baracos ao Ministerio. Tainbem se diz, e eu
creio.que o Ministerio nao tem plena confanca
no Barao, c receia de que a eleicao nao sahisse
do seu sentido. Seja como lr, atiui estamos
como moscas, entregues aos caprichos do Go-
\erno Dos nos de paciencia.
(S. daM.\
RIO DE JANEIRO.
KOT1CIAS DO V\POR.
Sentimos ter de annunciaj que S. A. I.
a Senhnra D Januaria padece ha (i dias de urna
lehre intermitiente de carcter hennigo. O es
tado de S. A. I. nao inspira cuidado, ella vai
melhorando ; mas inda nao se acha de todo res-
tablecida.
(Sentinella dt 18 de Sttembro.)
Hontem, dia de S. Januario, nao leve lu-
gar no Paco da Boa-vista o sarau que S. M. o
Imperador havia resolvido dar em obsequio a
>ua Augosta Irma, a Princeza Imperial a Se-
nhora D. Januaria, pelo motivo ja sabido de
achar-se S. A. I. de cama, com urna lebre
intermitiente benigna. Houve porm os mais
signaes de rego/ijo publico, usados em taes
dias, e S. .M. o Imperador dignou-se jantar
com SS. AA. II. no Paco da Cidade.
[demde 20.)
0 Sr. Dr. Francisco de Souza Martina oi
Temovido de Juiz de Direito de Nictheroy para
a comarca de Ouro Preto.
Ouvimos dizer que o Sr. Dr. francisco Dio-
go de Vasconcellos, que servia em Ouro Preto,
foi removido para o Para.
0 Sr. Dr. I* rancisco de Paula Negreiros Sayao
Lobato fui removido do Juiz de Direito da co-
marca de Yassouras para a do Rio das Mortes;
e o Juiz Municipal Fernando Manuel reman-
des para o termo de Ayuruca.
(7. do Commtrcio )
Rio Grande e Santa CatharinaO paquete
de vapor Todos os Santos, entrado n'este por-
to em odia 21, trouxe noticias do Porto Ale-
gre ate 23 de Agosto, da cidade do Rio Grande
at I l,i' de Santa Catharina at 17deSetembro.
Fallava-se em ter sido assassinado o famige-
r ido Juca Custodio, que inda ha pouco lempo
incendiara um lanchao da legalidade pero ('o
Rio Pardu, matando parte da tripulaco, alm
de outras faranhas ji praticadus, que o torna-
vo temivel.
Canavarro, nao ha como empenhal-o n'um
combate ; apenas seus vdelas descobrem al-
guma torca do exercilo imperial, d sgambias,
e saa-se o mais depressa que pode !
Bento Goncalves chegou a Capella das Dores
(distante ceicade7 leguas da capital), eabi se
conservou alguns dias, se n o menor abato, s
com os seus 200 caudalarios, que he a tropa
qne agora o segu ; e d'esses mesmos destacou
50 para recrutar gente, cavallos e dinheiros pe-
los arredores: com efteito lie vergonboso
lamanho 8rrojo para a guarnicao de Poito Ale-
O Sr. Bar > de Caxias eslava em Bag. Se
guiro para Jaguarao mais forcas de trra e
mar, municocs. pelrechos e artilharia, para
lortifcarem aquelle ponto, para onde o Gene-
ral em Chefe quer ver se reponta o treego Ca-
navarro.
Em Santa Catharina e.-tavao concluidas as
eleices, tanto de Senador como de Deputa do.
A lista trplice compoe-se dos seguintes nomes:
=Srs. Jos da Silva Mafra, 121 votos ; Diogo
Duarte Silva, 104 ; Dr. Manoel Paranhos da
Silva Velloso, 9i
Sabio eleito Dcputado o Sr. Ministro da
Guerra, Jeronymo Francisco Coel o, com 114
votos; e >upplenle o Sr. Desembaigador An
lomo Joaquim de Sequcira com 12 votos :
erao 130 os Eleitores.
O General Paz tinha chegado capital e
di/ia se que mandava vir a familia do Rio
Grande ...
Hoje nos foi communida a seguinte carta :
Porto Alegr>, 2 de Selembro.-- Nada sabe-
_____________________________ .......______.....____________________
mos da campanha, e nem mesmo nada ha. O desprezada pelo Sr. Juiz Presidente a excepcio;
Barao veio de S. Gabriel para Cacapava alim de prosegue-se a aecusaco, e o reo he condemna-
curar-se de urna inflammaco do rosto, e diz- do a 10 dias de priso e multa de 5 porcento du
valor do damno.
2 Presidente o Sr. Dr. Rigueira; reo An-
tonio, Angola, escravo de Joaquim Jos de
Santa Anua ; crime de homicidio em oulro es-
cravo do mesmo Sr.; delensor o Sr. Dr. Avelli-
no. Feito o interrogatorio, o Sr. Promotor re-
quer exame medico do estado mental do reo ;
os Srs. Drs. Nery da Fonceca, e Mavignier de-
claro o reo em estado de alienaco : o Sr. Jui'
Presidente adia ojulgamento.
3 Presidente o Sr. Dr. Rigueira; reo Mi-
guel Joaquim de Carvalho ; crime de estupro
com violencia de Leopoldina, crioula. de 10
annos ; defensor o Sr. L)r. Pereira. O defensor
poe a juslica publica a excepeo de incompe-
tencia, por s caber ser classificado o crime de
defloramento sem violencia, e a priso do reo
nao ter sidoem flagrante ; o Sr. Promotor im-
pugna : he desprezada a excepeo pelo Sr Juiz
de Direito interino por estar o crime classificado
de estupro com violencia, inaflancavel, pelo
despacho de pronuncia passado em julgado.
Contina a aecusaco : o reo he condemnado
a 7 annos e meio de priso, e a dota a oflendi-
da : appellb para a Relaco.
4Presidente o Sr. Dr Nunes Machado ;
reo Agostinho Fernandes Catanho de Vascon-
cellos ; crime de eslellionato pela apropria(8o
e espolio da sumaca Tres Irmos e do seu car-
regamento. Defensor o Sr. Aragao. OSr.Juiz

A
ami
Tribunal (a Relagao
JULGAMKNTO DO DIA 5.
(Oestmbtirgador de semana : o Sr. Villares.)
Mandaio dar vista as parles na appelltcao
civel vinda da commarca do Penedo, provin-
cia das Alagoas, em que sao appellanles D.
ernarda Theresa de Jess Barbosa, eoutros.
e appelladas D. Anna Theresa de Jess e
outra.
Foro despresados os embargos oppostos ao
arcordao proferido na appellaco civel, vinda
do juiso da 3 vara desla cidade em que he ap-
pellante Francisco Jos Rodrigues, eappella-
do Vinssimo Goncalves Coimbra.
Despresaro os embargos oppostos ao accor-
iliio proferido na appellaco civel, vinda do
juiso de Capellas desta cidade, em que sao ap-
pt liantes o provedor e mais mesarios da irman-
dade de S. Jos da Agona, e appellados o Re-
verendo Prefeito do Hospicio de N. S. da
Penha.
Mandar-'o dar vista as partes na appellaco
civel vinda do juiso dos orpbaos desta cidade.
em que he appellante Clara Francisca de
Miranda, e appellado o juiso.
Mandarlo dar vista as partes na appellaco
civel vinda do juiso desta cidade em que be ap
pedante Manoel Joaquim, e appellado Pedro
Jos Ribeiro Alves.
Mandaio dar vista as partes, na appellaQao
civel, vinda uise da 1.* vara desta cidade, em
que he appellante Joaquim Francisco de Mello
Cavallanti, e appellado Francisco Manoel da
Silva, por seu bastante procurador
Julgarao procedente o recurso; mandando
que fossea causa submettida a novo Jury,na ap-
pellaco crime vinda da cidade do Natal, em
que he appellante o Promotor publico, e ap-
pellado Jos Francisco de Faria.
Mandaran dar vista as parles na appellaco
civel vinda do juiso da cidade da Fortalesa, em
que he appellante a Fazenda Publica, e appel-
lado Jos Raimundo Pessoa.
Julgarao provados os artigos de hahilitacao,
e por bahelitados < s habi blandos para poderem
seguir na causa, na appellaco civel em que sao
appellanles os herdeiros de Benta Jos Alves, e
appellado Torquato Henriques da Silva.
JURY DO RECIFE.
4.a SESSAO.
Presidente o Sr. Dr. Juiz de Direito da 1 .*
tara do crime J. IVunes Machado Promo-
tor Publico o Sr. Dr. B. A de Magalhies
Tugues.
Dia -27de Selembro.Nao se rene numero
legal de Jurados ; ordena se a chamada de 00-
tros par : subslituirem os sorteados nao compa-
recentes.
28 \bre-se a sessao ; o Sr. Dr. Juiz Mu
nicipal Rigueira aprsenla on/e processos para
serem submeltidos ao Jury.
r>() Beo Antonio Pires ; crirne de armas) buco e a sua ebegada a esta cidade antes de um
prohibidas ; defensor o Sr. Dr. Salgado : o R.; mez depois dos dias de terror, porque passamos,
he condemnado a 4 mezes e 2 dias de prisao.
LdeOutubroPresidente o Sr. Dr. Ri-
de Direito interroga o reo ; o delensor requer
seja o roabsolvido da instancia por haver sido
0 processo formado na corte ; oppe se o Sr
Piomotor, e requer seja declarado pelo Sr.Juiz
de Direilo incompetente o Jury do Recile. e
dever ser julgada a causa na corte, onde prin-
cipiara : o Juiz de Direito indefere um e outro
requerimento. O defensor olerece urna ex-
cepcao de incompetencia contra o Promotor
Publico, por caber ao crime a qualificacao de
furjo, e de eslellionato. O Sr. Juiz de Direito
despreza a excepeo. Prosegue a aecusacao : o
reo he condemnado a 7 annos de priso, e mul-
ta de 20 por cento do valor defraudado.
5Presidente o Sr. Dr. Rigueira ; s 11
horas e rreia, nao havendo numero legal de
Jurados, o Sr. Presidente adia a sessao.
ELEITORES DA FREGUEZIA DE S. LOU-
RENCO DE TULCUPAPO.
Os Srs.
Tenente Coronel Joo de S e Albuquerque
Major Jos de > e Albuquerque Mello Gadelha
Capito Francisco Xavier d'Albuquerque
Juiz de Paz Vasco Marinho Falco
Coinmandante Superior Francisco de Paula C.
d'Albuquerque Lacerda
Juiz de Paz Felisberto Correia de Mello
Tenente Antonio d'Albuquerque Mello
Tenente Antonio da Caslro Delgado
Tenente Joao Jos de Castro
Capito Antonio Goncalves d'Azevedo
Tenente Antonio dos Santos de Medeiros
Tenente Stiro Clemcntino Coelbo Calanho
Tenente Antonio Senhorinho Bandeira deMello
Tenente Felis Antonio de Sousa Costa
Tenente Joaquim Jos da Costa
Capito Manoel Tertulianno de Sousa Costa
Alferes Manoel Monteiro d'Oliveira
Alleres Tertulianno de Mendonca Furtado
Alferes Manoel Rodrigues Ventura
DIAKIO DE PERNAHBCCO.
Sabbado 5 do correnle ebegou a este porto o
vapor Imperatrtz, vindo em direitura do Rio
de Janeiro, e conduzindo a seu bordo o Exm.
Sr. Thomaz Xavier Garca de Almeida, nomea-
do Presidente desta provincia. Os jornaes do
Rio pouco accrescenlo as noticias que aqui 0-
nhamos : em outro lugar acharao nossos leito-
res o que julgamos de mais interesse. Os mes-
mos jornaes snnuncio, que devi > partir no
fim do mez passado a corveta Carioca e o vapor
Guapiass com tropa para esta provincia. Diz-
se que vem um balalbo, e que o 2. da artilha-
ria deve partir para a corte.
No mesmo diachegou do .Norte o Imperador,
que deixou tranquillas as provincias por onde
pessou.
A Domeaco do Exm. Sr. Thomaz Xavier
Garca d'Almeida para Presidente dePernam-
gueira ; reo Francisco Alves de Lima ; crime
de damno. pela morte de um cavallo; defensor o
tem dado lugar a mil conjecluras mais ou me-
nos rasoaveis em todos os circuios. O Exm.
Sr. Joaquim Marcellino de Brito pedio com ins-
tancia a sua demisso aquella poca ; mas
Sr.r. Saldado. O defensor excepta o Sr. Pro-j que nao foi smente essa applica quem mo-
motor por incompetente para a aecusaco por- vec o Governo a esta to prompta medida, co-
er o ciimeparticular, e o reo nao ter sido pieso nhece-se claramente avista das outras provi-
em flagrante; o Sr Promotor impugna a ex- dencias que tomou, e que jA referimos. Oque
cepeo ; o Jury declara que o reo lora preso foi enlo que causou to grande abalo na Corte,
fugindo perseguido pelo clamor popular; he que tendo chegado all o paquete mglea 22, Ah est anda o Exm. Sr. AUtcelliuo di
ja a 24 annunciava o J. do Commtrcio a no-
meado do Sr. 1 homa/ Xavier, e que partira
como parti no dia 2S; o a 2S publica va a sa-
bida dos navios de guerra a 27 e 28? Sed e-
vemos acreditar o que senos referi de urna
conversacao entre pessoa, que tem raso de es-
tar bem informada e outras, que se increpavo
mutuamente em sua presenca, o que mais pe-
so deo a deciso dos Ministros da Cora, foro
algumas cartasdos principaes coryplieos do par-
tido da praia, que davo esta provincia como
em desordeni e a borda da anarch8. Dizem-
nos mais, que esses corypheos, presentes tal
conversacao, explicro o seu procedimento
dizendo que fallavo em outro sentido. Ape-
zar de nao podermos dar esta noticia, como
comprovada, inuilas rasoes nos induzem a
acredital a. Primeramente porque nao sere-
ines nos que irrogaremos ao Ministerio a inju-
ria de ojulgarcapaz de acreditar as mentiras
do Diario e Guararapes, nem as intrigas
Jos Baronislas, e do infame Candido Baptista,
pois muito pelo contrario acreditamos que al-
guns de seus membros s se deixara levar por
infoimacoes de pessoas de seu peito ; depois,
porque alguns actos do Ministerio que se nos
tem cominunicado revelo exuberantemente,
que nesie negocio andou dedo praieiro; em-
bora a nomeai,o de Presidente, e talvez algu-
mas medidas mais nao mereto as coi'gralula-
coes da praieirada ; e finalmente porq ue essa
noticia tem tido grande voga, nao ohtai.'te.al-
gumas variacoes por|que tem passado. A j.'e/ar
do nosso escrpulo em acreditar noticias de.yta
qualidade ; parece-nos que nenhuma temen-
(lade ba em aceilarmos esta com tantos e to
vehementes indicios de verdadeira.
Mas qual seria esse sentido em que escrevio
os corypheos da praia, e que os seus correspon-
dentes nao penetrarao? Quererio di/erque a
anarchia parta do lado Baronista, e do minis-
terial que nao be praieiro, aos quaes se tem a
pandilha mostrado nestes ltimos lempos igual
e atrozmente inlensa ? CJuererio dizer, que
do seu lado he que havia de sahir o salvador de
Pernambuco, como o Sr. Urbano dizia que
elle he que poda conter a gentalha ? Como
quer que fosse, parece-nos que Ihes falhou o
calculo, como era de esperar de operaces ba-
seadas no mais destemperado orgulho e na mais
cega ambco.
Assim pois em quanto esses Srs. ora punho
esta cidade a disposico da gentalha que elles
havio desenreado, armado e capitaneado, e
Ihe indicavo certas e determinadas victimas, e
em geral o commeicio, e os baron.'stas, acu-
lando-a a excitando-a com inaudito despejo,
com insolencia nunca vista, com diablico phre-
nesi a levar a pao, achicote, a cuspir na cara
&C &c. um partido, cujos crimes se 'eduzefli
ao deconhecel-os e detestal-os, ora cobrindo
de insultos a respeitaveis Brasileiros como o<
Sr. Visconde de branles e Candido Baptista,
a quem elles imputavao o attentado de informa-
ren! o deploravel estado em que acharan esta
provincia, era inventando clubs u'onde partido
essas noticias aterradoras, ora aecusando o Dia -
rio e o Guararapes de haverem propalado, o
que elles alias baviao pralicado curam populo.
e todos os dias conirmavo em seus jornaes;.
escreviao ao mesmo lempo para os Ministros da
Cora que a provincia estava a suhmergir**'
victima da anarchia, s com a esperanca de
obterem urna dessas decises inconcideradas,
que aeabasse de pdr-lhe as mos os destinos
de urna provincia de tanta importancia : Nao
be possivel conceber ideia de mais vibe/a, de
mais indignidade, de mais infamia 1 Ape/ar
de todo o mo conceito que esses homens nos
merecem, confessamos que os nao julgavamos
capazesde tanto! Assim podessem alguns Mi-
nistros fical-osd'agora conhecendo, e lerem os
seus mesmos jornaes para acabarem com o res-
to das duvidas em que anda se achassem. Fe-
lizmente em parte vollou se o f> tico contra o
feiticeiro, e o Sr. Thomaz Xavier vera breve-
mente, quem sao os anarchistas de Pernambu-
co; quem sao os que tem prostituido a im-
prensa, reduzindo-a a vehculo de infamias, de
insolencias e de desordem ; quem sao os auto-
res de clubs onde se trata da vida e da morte,
dos bens e da honra dos cidadaos tranquillos;
quem sao as autoridades que despero a loga,
para envergar a carmanhola, que despreso os
meios legaes, para lancarein mao dos recursos
dos conspiradores, e so tornarem chefes de
partido Dura experiencia foi a do seu ante-
cessor, aproveite-se S. Ex. della, se quizer en-
curtar as uas investigacoes ; e se de tanta pa-
ciencia se achar armado, leia os ltimos Imita
nmeros do D.-novo, e alguns do Guarda Na-
cional, e conhecera os bomens que circumva-
laro a seu antecessor, a quem todos os dias
fa/io por via de commssoes em que figuravao
entes miseraveis, exigencias to ridiculas como
insolentes sempre aooinpanhadaS de ameacas
infames, que revelavao loda a sua protervia,
todos os seus crimes.
r-


[
a nnrs Jt *. LV.
i>
Bfito. eelle conheceo que homens que se ha- pea^a DO recife, 5 de oitcbiio db 18H. ,em nesta Secretaria com as suas propostas no j n. 41 da rua Nova : trata-se no segundo andar
viao iancado nos ltimos excessos da demago -
, q;:c se Laviu < constituido cuero da cons-
piraces, excitadores de insubordinacao e re-
belda, panegiristas de sodicQoes e revoltas,
nao podiao d'um dia para o outro tornar-se ho-
mens ordeiros monarchistas, circumspeclos,
e hons conselheiros de urna administracao si-
zuda e legal. Uuca-o o Exm Sr. Thomaz
Xavier, e saber que cm Pernambuco existem
dous lados ministerialistas bem dislinctos,
bem oppostos; um que sempre foi ordeiro,
que nao deixa duvidas sobro as suas sympathias
pelo Ministerio actual, o outro sem re pertur-
bador, e rujo ministerialismo s seconhece
pula Rede que o devora, dos einpregos, das dis-
tinecoes e do mando ; um queguerreou os mi-
nisterios transactos pelos seus actos essenciaes,
pelas leis que promovern, pela poltica que
seguirlo ; outro que concorreo para esses ac-
tos, que volou nessas leis, que seguin essa po-
ltica, que colheo fructos desse procedimento
c que desertou das suas fileirns pela questao da
conservarlo de um Presidente ; um franco,
firme e leal, outro covarde e traicoeiro. Ea-
colba S. Ex. o apoio de um delles, e ter de-
cidido o conceito que devem fazer os Pernam-
bucanosdasua administracao.
Revista mercantil.
1 Cambios Foro diminutas as transaccoes
feitas pelo ultimo navio sabido esta
semana ; ha bastantes secadores pre
Sentomente, c t-m havido ofereci
ment de letras a 2t s/i d., nao tendo
havido tomadores a este cambio.
Assucar i) deposito diminue diariamente, c
P-SEf
Correspondencia.
Srs. /{eductores. O seu estimavel Diario
tem-se muitas vezes oceupado das justicas en-
tre nos, da immoralidade boje to corrente, e
particularmente da prolecco concedida aos que
intervem no nogocio dos bicudos e aos ladres,
por isso vou couimunicar-lhe um laclo que be
de multa ponderadlo em todas essas relaccs
He notorio que um Agostinho Catanho,
cunhado i!e um Joao Patriota vindo do Kio de
Janeiro Commandante c Gaixa em urna emhar-
caco de bicudos, fizera a desova em am porto
do Sul, e depois se levantara com a embarca-
cao e com o resultado da carga, pelo que (oi
processado por queixa do dono do navio pelo
estelionato, e ollicialmente pela introducen"
dos ditos passarinhos. O juramento pelo Jury
desta capital do primeiro processo devia ser,
como loi, no da 4 do corrente A causa era
de patriotismo, e por tanto o Sr r. Nunes
Machado, que apenas iberio o Jury abando-
nou-o ao Sr. Dr. Rigucira, e loi cuidar da
campanha eleitoral, reassumio nessediaaca-
deira da presidencia, da qual antes de findar-se
a discussn d i causa ja linha feito cesso, cha-
mando por doente ao Sr. Dr. Rigueira para o
dia seguinte, como dizem que virao alguns Srs.
J.UTudos.
as galeras viao-se diversas notabilidades
praieiras, entre as quaes pnmava o Sr. Custi-
nha ; o defensor era tambern urna capacidade
da praia o.antigo redactor do Athleta, o jo-
ven esperanzoso Aragao. Formodo o Conseibo
de sentenca, depois de algumas recusas por par
te da jUStca, que nao do acensado, que conta-
va com o (rumpho pela deeiso do Juiz de Di-
lo que julgaria percinpla a accusacAo, co-
mo Ihe tinho assegurado, quiz o defensor pro-
piir as suas exceptes, mas oSr. Juiz de Direi-
to precis iu fazer ante* algumas pcrgunlas ao
acensado. Oh escndalo As perguntas tinho
p >r fim eslabelecer que Pernambuco e nao o
Rio de Janeiro, era o lugar do domicilio d i ac-
cusado e da culpa, o nisso tinha de fundar se a
excepto, por ler sido o processo feito na cor
te. Dada assim a base da excepeo, loi ella
apresentada e discutida, servindo de assessor u
Dr. Mendes, que nao (altou.
A energia porta com que o Sr. Dr. Promo-
tor se oppoz a este desaforo tornou impossivel o
xito esperado, e o reo foi sujeito a aecusaco,
e por fim condemnado no mximo, a despeito
de toda a proteccao. Honra ao Conselho do
Jury Ficou perdido o festim preparado pelo
ecusado. da mesma sorle que todo o afn do
Sr. Nunes Machado, em cuja cadeira no dia
seguinto via-se com elTeito o seu substituto.
Nao (allSo ignorantes atrevidos que digaoque
o talcascabulho da defeza em consciencia est
ot.rigado restituidlo da paga.
E diga a praia onde est a infamia, a prosti-
tuirlo das funecoes mais s gradas, a falta de
pudor ante a opinio publica, e ainda mais a
piotecco dos ladroes e dos introductores de bt-
cudoi.
Sou. Srs. Redactores, c. O Piqui.
da 8 do crrante mei, pelas 11 horas da na- do mesmo. -.,.. ,
nhla. Secretaria da [nspeccSo do Arsenal de 2 = Francisco Xavier Par Jlhas embarca pa-
Marinha, 5 de Outul.ro do 18H.O Secreta- rao Rio de Janeiro urna escrava da nona Ma-
ra, de nacao Dacca. (,>
2 ts Deleja-Se fallar com algum dos paren-
io, Ahxandre Hodrigues d'is A"]os.
2 = O Arsenal de Guerra compra, e paga ,
vista, seiscentos corados de panno aznlordina- tes da lallec.da Sebastiana Caetaoa Furtado,
no. setecentas varas do m-idapolao. du/entas \ natural da villa de guare*.* desta provincia a
lapol
de brim liso, qua trocen tas de algo lio amerita-
os precos nao teem sofliido alterarlo, ; no, setenta e cinco birretinas de pello com
nao tendo havido entradas do novo, fundo desoa, setenta e cinco mantas de al-
Algodo Nao leve alteraco de preco, tendo godo,. setenta e cinco penachos para cavalla-
sido diminutas as entradas e vendas, ra, e igual numero de conloes de barretinas,
Couros Foro menos procurados do 120 a quatro bandas de laa para inferiores, setenta e
130 rs. a libra, eso os do Aracatv i cinco hotins, e cento e cincoenla pares de sa-
be que teem obtido 130 rs. a libra. palos.
Racalho Nao houvern entradas, o o mer-
cado est exhausto.
Carne secca As vendas foro pequeas du-
rante a semana ; o deposito he do
3,000 arrobas, estando o prec,o fir-
me de 2,800 a 3,400 rs.
Carvo de pedra Chegou um carregamento
de 100 tonelladas que foi vendido a
8,000 rs. a toneliada.
Chumbo Vendeo-se a 8,720 rs. o quintal
em barra, o 140 rs. em le neo I.
Farinha de trigoO deposito he de 6,500 bar
ricas em primeira mAo, nao tendo lia
vido entradas, e tem se vendido de
12 a 13,000 rs. a americana velba,
e de 10 a 18.000 rs. a nova, 12 a
13.000 rs. a franceza, e de 18,500 a
19.000 rs a de Trieste.
Folha de landresVendeo-se de 20 a 21,000
rs. a caixa.
Manteiga dem a 455 rs. a librada ingleza,
e 345 a franeeza.
Queijos dem de 1,200 a 1,280 rs. os fla-
mengos.
Rap de Lisboa Nao ba.
SabSu amarello Vendeo-se a 103 rs a libra.
Sal estrangeiro dem a 1,000 rs. oalqueire.
Sabiro 7 embarcarles, e niraro 9 ; exis -
lem no porto 28, sendo 2 americanas, 16 bra-
sileras, 1 hespanhola, 5 inglezas, 3 portugue-
zas e 1 sarda
As pessoas <|ue os qui/.erem vender compa-
reci, com as amostras e precos, nos das 5 e 6
desto me/., pelo meio dia ou a 1 hora
Arsenal de Guorra, 4 de Outubro do lS4i.
O Lscripturano --Francisco Sera/ico de Auit
l.arvalho. (17
Avisos linar!lunos.
*? o violento do Porto
Navios entrados no dia 5.
Rio de Janeiro em direitura ; 6 das, vapor
brasiloiro Imperatriz de 41)7 toneladas ,
Commandante o Capito Tenente Jesuino
Lmego Costa, equipagem 30, carga lastro:
a Joaquim Haptista Moreira. Traz o Exrn.
Sr. Presidente para esta provincia Thomaz
Xavier Garca de Almeida e sua familia.
Portos do Norte; 14 das vapor brasiloiro
Imperador, de 467 toneladas, Commandante
Jos Mara Falco, equipagem 30, carga
lastro : a Joaquim Raptista Moreira.
Navio sahido no mesmo dia.
Liverpool ; barca ingleza Pakinham, Capito
J. Morriam: com a mesma carga que trouxe
de Buenos Avres.
H .. .
Edita!.


." '; e>>
&ft
II
i%
lides-
Rendimento do dia 5....... .
Descarrega hoje 6
Escuna Carolina mercaduras.
t5rigue/ 162*680
1 __Deordem do Exrn. eReverendissimo Sr.
Rispo Director se faz publico pela Secretaria
d'Academia Jurdica de linda, que os estu-
dantes das aulas preparatorias que houverem
de ser examinados na mesma academia devero
appresentar at o dia 25 do corrente mez seus
requerimentos na Secretaria, a fim de seren
em lempo despachados e feita a lista pela or
dem allahetica, segundo ocdital ja publicado
em data de 20 de Agosto prximo passado, sob
pena de ficarem preteridos os que at essa data
os nao appresenlarem. E para constar mandei
affixar o presente nos lugares do costumes, e
publicar pela imprensa. Secretaria d'Acade-
mia Juridica de Olinda, 4 de Outubro de 1814.
Jos Miguel de Sousa Magalhdes Jnior.
Para Lisboa sahir brevemente por ter
urande parte da carga prompta a barca porlu-
gueza Firmeza, deque he Capito Joaquim do
Freitas Falcao; quom quizer carregar ou ir de
passagem, para o que te.n excellentes rommo-
dos, dirija-se ao mesmo Capito na Praca do
Commercioou a Francisco Soverianno Rabello.
1 |>ara o Ass pretende sabir com a maior
brevidade posaivel o bem conbncido nvoleito
patacho nacional Laurentina Bra*ileira : para
carga e passageros trata se com o Capito do
mesmo Antonio Germano das Neves, ou com
Lourenco Jos das Neves na ra da Cruz
n. 64 (7
2 = Segu para o Rio de Janeiro o patacho
Alberto no dia 8 do corrente, recebe caiga e
passageros ; trata-se com Germano Sarrio,
na prava do Commercio. (4
i^eilan.
tsss Joao Keller continuar, por interven-
cao do correlor Oliveira, o seu leilo d'esplen-
dido sortimento de fazendas bem conhecidas
de seus freguezes e as mais adaptadas para
esto mercado : terca-feira 8 do corrente pelas
10 horas da manha, no seu armazem da ra
da Cruz. (7
1Jones Patn & C faro leilao, por in-
tervenco do corretor Oliveira de grande va-
riedade de fa/endas inglezas : quarta-feira 9
do corrente s 10 horas da manha em ponto ,
no seu armazem, ra do Trapiche Novo. (5
Avisos diversos.
Declaracoes.
GALERA DAS ORDENS RELIGIOSAS
K MILITARES.
3Os Senbores assignantes desta galera
queiro mandr receber os nmeros que Ibes
faltao na pra^a da Independencia livraria n 6
e 8 onde continua-se a suliscrever, pra esta
nteressante puolicaco, e bavendo ja alguns
nmeros da segunda serie. (9
O N. 18 DO GUARARAPES,
PERIODrCO ORDEIRO E GOVERNISTA,
dchar se-ha venda, hoje ao meio da. na
livraria da Praca da Iiuepenlencia ns 6 e 8,
por 80 rs. cada extmplar.
__A pessoa que annunciou querer urna mu-
Iher para coser carnizas de homem e vestidos
para mulber e meninos dirija-se ao sobrado
contiguo uo veltio tbealro segundo andar ,
que achara com quem tratar.
__ O rapaz portuguez que annunciou no
dia 5 do corrente querer tomar conta de urna
venda por balanco dirija-se a ra Direta n.
23, que se dir quem preciza.
- Engomma se roupa nao s vinda a lavada,
como para lavar e engommar, tanto de homem
como de senhora ; na rua-dte Santa Rita casa
terrea n. 72. ^ ..
__Aluga-se urna canoa de lote de 000 lijlos
de alienara, por preco limito commodo : na
.ua do Queimado n. 57.
3_Arrenda-se o arma?em da casa de tres
andares da ra de S. Francisco n. 5. defronte
negocio que milito Ibes interessa ; annuncie. (4
2 = OSr Manoel Joaquim Antones Cor-
reia Gomes quoira vir, ou mandar a ra do
Crespo, lojada esquina que volta para a ra das
Cruzes, para se Ihe entregar urna encommenda,
o que j so nao tem feito por se ignorar sua mo-
rada. (<>
SsPrecisa-se fallar ao Sr. Jos lavares
Corroa i para se Ihe entregar urnas cartas que
se tirou do correio por engao,na ra do L)uei-
rnado, luja de iniudezas n. 11. (4
2 =Quem precisar de urna ama de leito, que
o tem em abundancia, dirija-se a ra do Fogo
n. 23. (;J
2 Aluga-se urna boa casa terrea na povoa-
eao do Monleiro.para passar se a festa.com qua-
tro quartos, cosiiiba fura, quartos para negros,
com sua cacimba, dous quintaos murados, com
porto, sabida para o rio, eduas estribarlas;
quem a pretender dirija-se Uoa vista, travessa
do \ eras, sobrado novo. (7
2 = lanoario Ferreira Cadaval faz sciente a
(odas as pessoas que teem pianos, que esta
prompto a fazer todo equalquer concert que
for preciso, por preco commodo, na sua casa ou
em casa de seus donos, e tamben) aflina por
mez, conforme ajustar; lrata-s na roa da
Concordia n. ~>. (.'
2 = U'm precisar do um rapaz Portuguez,
que sabe bem ler, escrever e contar, com todos
os conbecimenlos de negocio, para qualquer
occupac,ao commercial, em que sedesejaarran-
jar, pode procurar na tavessa d> Rosario loja
de bolaxa que ahi se dir quem he o pretenden-
te, que tambern tem slgums platica de arma-
zem de assucar. \
2 OBacharel formado Vicente Pereira do
Reg mudou a sua residencia para a ra das
l'rincheiras casan. 19, do Sr. Escrivo Reg,
onde pode ser procurado. (*
PREVENCO CONTRA OS FALSIFI-
CADORES.
Estevo Gasse, sabendo que em algumas le-
jas e vendas desta cidade se vende um rap
feito nesta provincia com o titulo de princeza ,
e falca imitaco de botes rtulos de sua fabrica,
previne ao publico seus liegue/es que a bem de
direito de propredade sua, acressenta nos ver-
daderos botes de sua fabrica um sello com sua
rma e insinuaco do nico deposito do legiti-
mo rap princesa nesta provincia. A vista do
exposto, qualquer outro rap inculcado com a
denoininaco assima he falsilicaco as fabricas
de Estevao Gasse nico inventor e proprietaiio
do rap princesa (leito no Brasil), tanto no Rio
de Janeiro Rahia e em deposito no Mara-
nhio Para, assim como em Pernambuco na
ra da Cru/ do Recite n 38. (16)
2=(Terece-se urna mulber para ama de
urna casa de pouca familia, ou casa de homem
solteiro com boas qualiuadcs, nao para sabir
a ra e quem do seu prestmo se quizer utili-
zar, dirija-se a ra de llortas n. 24 debaixo
do sobrado. (6
3=D. l/abel d'Auslria Souza Prado Masca-
ren has e Pecanba e sua Prima D. Aurelia
Umbilina Ribeiro de Carvalh > achao-se estabe-
lecidas com casa de educacao de meninas
na ra do Hospicio n. 9. e ah recebem elum-
nas internas e meias pensionistas com as seguin-
tes condic,es.
Cada alumna interna paga mensalmente, em
trimestre adicntado 25s000.
Cada meia pensionista paga mensalmente em
trimestre adientado ljOOO
As materias de ensino sao ; ler escrever e
contar, gramtica portugueza historia e geo-
graphia, e em quanto s prendas, cozer, mar-
car, bordar de todas as qualidades, e talhar.
As aulas de recreio, como msica, desenho ,
danca, e linguasestrangeiras sero pagas em
separado sendo msica vocal e piano por
mez 6*000 desenho 5*000 danca 4*000.
I(l_ -. Johnslon Paler &C. teem constantemen-
te venda taixas de ferrobatido iecoado mo-
endas de lorca de 4 cawtllos bax e alta pres-
sao, tudo por preco commodo : na ra da Ala-
O Vapor Imperador recebe as malas para os
port.iS do Nul boje (7) as 6 huras da tarde.
__O vapor Imperatriz recebe as malas para
o Norte boje (7) as 5 horas da tarde.
-Cartas seguras vindas do Sul e Norte pelos dacadeia; o mesmo toda casa altse ba.xos i de ^ n ^
vapores aos Srs : Administradores do patnmo- bavendo quem que.ra alugar luco junio j 5_ 0 abaixo assignado, engenbeiro civil,
nio dosorphos do Recife. Antonio Rorges quem pretender, dirija-se ao segundo andar | 8Cna.se n0 seu escriptorio desde a 9 horas da
Leal Carlos Auausto da Silveira Lobo.Francis- da mesma. (o! manha ate 3 da larde, no largo do Corpo San-
co Dornellas Pessoa Francisco Jos Regallo =Alugo-se dous quartos possaotesi para ,OD. 4f primeiroandar.-////redo deMornay.
Braca Cabnel Antonio Joaquim Nunes Ma- qualquer servido, tanto para dentro^ da cidade, | 8O agrimensor, abaixoassignado, ofierece
chado' Joaquim da Silva Pereira, Miguel da como para fra : trata se na ra do Livramento 0s seus serviros s pessoas que tiverem proprie-
Fonsea Soares e Silva. Silva e Antunes. venda n. 5. dades demarcar e afianca a mais escrupulo-
O Arsenal de Marinha tem de contratar o = Quem precisar de um caixeiro brasileiro, sa exactidao e o maior zelo no desempenho da
escrever sua art0 ; Revendo todos os que do seu prest -
r'a. mose qui/trem utilisar,dirigirem-se (porcarta)
e por iM>u u or. o quai >">" ......... rua ao mesmo abaixo assi^nado, na Rua-direita
Dr convida as pessoas a quem convenha I do Rosario da Boa-vista u. 46. terceiro andar do sobrado n. 40. Joaquim da
fazer semelbante fornecimento a comparece- j 2= Aluga-se o primeiro andar do sobrado Fomeca Soare, de Figueiredt. (9)
O Arsenal de Marinha tem de contratar o = yuem preciar u u. t.-.v..w
fornecimento da carne verde, para as embar- | tanto para loja como para rua. para escrev
caces da armada, pelo lempo a decorrer at o em cartorio. ou para oulra qualquer ca.xar.
fim de Dezembro prximo ; e por isso o Sr. ; qual da fiador sua conducta ; dirija se a r.


A
*...tj'--.. ....>
Aluga-se urna preta para o servigo de urna I sua morada para a ra da matriz da Boa-vista
asa de pouca familia, embola seja de meia n. 1! aonde t acharo sempreprompta. (5
idade; qucm a tiver dirija-se a palacio ve-
Iho defronte do theatro novo n. Id.
Aluga-se urna rasa para se passar a festa,
ou para morada, com bons COfBHJOdoS e fres-
ca sita na Solidado; a tratar na ra de S. lien-
to ao p de S. Pedro voltio.
Aluga-se urna preta escrava com muito
bom leite para ciar ; na ruado Collegio n 54,
primeirn andar.
De casa do Manoel Antuncs Corrreia J-
nior desappareceo no dia 2 do corrente Outu-
bro a preta designada no annunciofeito por o
mesmo por esto Diario n. IDO de 7 do So-
tembro p. p. e a vista do occorrido, so tem in-
teiramente desonerado de qualquer responsa-
bilidade a respeito da mosma preta.
i'ede-se encarecidamente ao Snr. Ihesou-
reiro da primeira parte da terceira lotera a
favor das obras da igreja de N. S. do Bozario ,
da freguezia da Boa-vista que declare por esta
folha quando paga os premios extrahidos na di-
ta lotera pois j faz bastante lempo e o an-
nunciantej nao pode esperar mais por pre-
ciso.
Aluga-se urna casa terrea sita na ra da
Gloria com 5 quartos duas salas cosinba
fura e quintal com boa cacimba ; a tratar na
na ra da Florentina n 20.
Aluga-se una casa terrea na travessa da
Tua Bella nova, com 4 quartos, duas salas
grandes cosinha fura, quintal e cacimba ; a
tratar na ra Bolla sobrado novo prximo a
mar.
A pessoa, que annunciou saber bem co-
ser de allaiatd o querer ir para urna casa par-
ticular, de manhaa at a turnio coser do mes-
mo ufficio dirija-se a ra do Aragao n. 13.
UTerece-so urn rapaz Brasileiro para
cobrar dividas nesta praca ou fra delta, dan-
fiador a sua conducta; quem o precisar annun-
cie.
OfTerece-seum Portuguez para criado de
urna casa particular nesta praca, ou fra dol-
a o qual d conhecimento de sua conducta ;
quem de seu presumo sequilar utilisar diri-
ja-se a esquina da Camboa-do-Carmo n. 46.
Koga-se ao Sr. I)r. Joaquim de Lima de
annunciar a sua morada que se lile deseja
fallar a negocio de seu interesse.
Aluga-se urna casa no Coelho, na ra dos
Prazcres com duas boas salas e 3 quartos, co-
sinha e quintal feita a moderna e por prego
commodo ; a tratar no mesmo lugar n. 10.
O Portuguez de 22 annos, que annunciou
Querer tomar conta de urna venda por balanco ,
dirija-se ao Atterro da Boa-vista n. 54.
1 Deseja-se fallar nesta praca com o Snr.
Vicente de Souza, ou pessoa de sua familia, ou
seu correspondente a negocio de seu interesse;
na ra Imperial n. 47. 14
I No pateo de S. Podro n. !) d-se ligos
de msica pelo mais abreviado motbodo pos-
sivel e seguindo-se as mais approvadas regras
do conservatorio de Parir; assim como se en-
sino os instrumentos seguintes ; clarineta ,
flauta bugle (corneta de chaves } cornetim a
2, ou 3 pistons, clarim trompa ophicleide
, vulgo basso de armona ), trobone e breve-
mente se annunciar para quem pretender li-
gos do novo e armonioso accordeon a Se ti
loaches; na mesmacasa se copiao I traslada j
tansportao se tanto de tom como para qual-
qualquor instrumento qualquer msica em
copia muito intoligivel e aceiada ; a tratar em
dita casa das 6 as 0 horas da manhaa e de
urna as 3 e meia ta tarde. (tg
fas No da 9 do corrente, vai em praca do
Sr. r. Nabuco na ra do Sol 5 moradinhas
de casa de renda annual pertencentes a Jo-
s Mana de Amorim por exceugao contra o
mesmo de Joaquim Jos da Costa Fojoses
de ns. 3 7 ; quem as pretender, apreseote-se
no dito dia as 4 horas da tardo quo imprete-
rivelmentese arrematro. S
1 Qualquer pessoa, que quizer entrar com
450# rs. para urna sociedade em urna venda,
em um dos bons lugares da Boa-vista, para ven-
der a retalho annuncie. l4
1eseja-se saber aonde mora o Sr. Jos
Antonio Pereira de Abreo que se Ihe desoja
(3
3 Precisa-se alugar um moleque para o
servigo de urna casa ou compra-so um mole-
que ou negrinha do 10 a 15 annos; defronte
da matriz da Boa-vista n. 86.
LOTEKIA DE S. PEDUO
MARTYR DAGIDADE
DE OLINDA
Correm infalivelmento as rodas, no dia 10
do corrente e os bilhetes acho-se a venda
na ra Cabuga lojas dos Srs. Pereira & Guedes,
enos lugares j annunciados. (8
do a 200 rs., toucinho de Lisboa a 260 rs. Iidade cada ornamento de duas cores, e com
graxa n. 97, a 150 rs. batatas em gigos, a todos os seus pertences, por preco commodo;
1800 rs. e a 50 rs. a libra familia de trigo na ra da Gloria n. 73. (5
ptima para po-de-l a SO e 90 rs. e dita : I Vende-se um lindo escravo de nacao An-
rnais fina a 100 rs. linguicas a 360 rs. paios gola c de ptima conducta ; na ra cainita
a H40e2720, vinho da Figueira a 220 rs. a do Rozario n. 34. (3
porgan
Compras
2 Compra-se um par de fivelas de prata
sem foitio ; na ra do (jueimado n. II. (2
2 Compra-se urna morada de casa terrea
no bairro de S. Antonio um colar grosso de
ouro e sem feitio; na ra Direita sobrado
de um andar n. 56. (4
1 Compra-se toda a qualidade de papol
velho retalhos de papelo e mesmo papelo
volho a peso e tamben se troca por papelo
novo; na praca da Independencia, loja n. 21,
de Antonio Felipe da Silva. (5
1 Compra-se urna mulata de 30 a 35 an-
nos que soja acostumada a todo o servico de
urna casa o ongomme lave e cosinhe sem
garrafa r a caada a 1000 rs. dito de Lisboa a
160e240rs. a garrafa, vinagre muito forte
PBR a l|a caada e a garrafa (40 rs. vinho
do Porfo engarra fado a 480 rs. licores france-
ses finos a 320, 400, 560 e 640 rs. e todos os
mais gneros por preco commodo ; na ra lar-
ga do Bozario venda da esquina n. 39. [20
2Vende-se um elegante forro para sala, de
papel pintado n dourado o mais rico possivel,
IVende-se cera de carnauba em
earelalho; na ra da Cadeia do Becifo foja
n. 20. (3
1 Vende-se um boteem muito bom stado,
casco americano ; na ra Imperial n. 03. (2
1Vende-se superior Champanhe ; em casa
de Avrial Irmos. (2
1 Vende-se cha hisson da melhor quali-
dade a 2500 rs, charutos de todas as qualida-
e
e regala nonplusuitra a
100, e de 200 a 3500 rs ,
vicios nem achaques, sundo agrade paga-sn
bom ; em Fra-de-portas n. 90 a fallar com
Joaquim Lopes de Almeida caixeiro de Joo
Malheus ; assim como urna pedra de filtrar
agoa. (4
Compra se urna escrava que saiba co-
sinhar e engommar bem; no pateo da Penha
n.4. (3
urna balanca com peses de ferro e bronze pa- ae bem como regala. Havana, Manilha, Ham-
pel de ombrulho ; na ra de Apollo, arma- j)Uf Cachoeia, Nanoleao, e Baha, finos
'e?n'v A a r a .(5 .ordinarios; ditos d
2 Vende-se um prcto do gento de Angola, wj .I. ,t
de 2!) annos, bom canoeiro e pescador; M^-WwmDna m
ra do Queirnado loja n. 43. (3 ch8Pos de P8,ha dt) Chile a 380 ris promp-
2 Vende-se urna escrava crioula, de 30 an- tos, e por apromptar a 3^400 res, graxa ingle-
nos lavadeira edo servico decampo; na ra | za muito boa,papel,pennas, obreas, rap area
da Cadeia do Becife n. 26 (3 preta, princera. Gasse e Vilete : na ra do
2Vende-se urna larda de guarda nacional Bozario vindo pelo paleo do Collegio a primei-
por preco commodo ; na ra da Viraco, lado ra |0ja 18. (12
de S. Pedro loja de alfaiate. (3 ;\._ ya rua ^ova n. 12, acha-se de novo aber-
2 Vende-se farinha a 7o 13/ rs. a barrica, to umestabelecimento aonde se encontrar um
propria para bolaxa etambem boa para fabri- j compieto sortimento de fasendas francesas e in-
ca de chapeos ; na rua largado Bozario n. 18. \ ,iesas t como sejo ; ricos cortes de vestidos
2Vende-fe bolaxa de 7 a li patacas a ar-descdUj mantas, chales, luvas. meias de seda
roba sendo a de 7 patacas, propria para casa df. todas as qualidades capellas de flores mu-
de familia, e farinha de boa qualidade em bar- to ricas, riscadinhos de bom goslo la e ris-
ricase meias ditas ; na rua larga do Rozario :cad()S escoceses, cassas pintadas de superior
0 qualidade cambraias lisas e de flores, bous
para meninos, fitas de seda bicos de linho ,
Vendas
fallar.
2 Jos Antonio de Souza Grillo inudou sua
residencia da rua de Apollo para a rua da Cadeia
aonde continua a concertar e lazer instrumen-
tos nuticos e de engenharia, e tambem a traba-
Iharem demarcacoesde Ierras como agrimensor
2 Continua-sea tirar passaportes para den-
tro e fra do imperio; correm-ao minas e drspa-
cha-se escravos, ludo com a maior brevidade e
por prego commodo ; na rua do Rangel n. 34.
2 a ruado Rangel n. 3'i. copia-se sen-
toncas, processos e todo e qualquer papel judi-
cial com n.uito boa lettra preco commodo
e brevidade : assim como namesma casa se alu-
gncanoas de todos os tamanhos para con-
dusir trastes de pessoas quo tenho de passar
a fesla por preco commodo. (7
CABROS E
ALLGLKL.
Adolphe Bourgeois abri um estabelecimento
de carros de aluguel, no principio da rua ta
Aurora por baixo elo sobrado do Snr. M..rao- ,
no qual achar as pessoas que precisaren) ',
carros aceiados e por prego commodo.
3 Madama Haulelouille parteira france-
za, tem a honra de participar ao respeitavel pu-
blico a as suas freguezas, que tem mudado a
1Vende-se, por 1600 rs. a nova pauta
das Alandegas a qual tem de ser executada
de 11 de Novembro prximo em diante tal e
qual a que foi impressa na Typographia Nacio-
nal e veio olticialmente paia a Thesouraria
desta provincia ; na praca da Independencia ,
livraria ns. 6 e 8. (7
3 Vende-se um cavallo mellado em boas
carnes ; na rua da Cadeia de S. Antonio n. 14 ,
segundo andar. (3
2Vende-se, ou aluga-se a padaria da rua da
Gloria n. 55 sem l'arinhas s com os preci-
sos para trabalhar ou se d sociedade a quem
abone a sua capacidade ; tratar com Manoel
Ignacio da Silva Teixeira na travesea da Ma-
dre de Dos n. 11, at as 9 horas da manhaa ;6
2Vende-se um negro de naco Mozambi-
que de 25 annos para lora da provincia, ou
para o mallo ; na rua da Cruz n. 37. ;3
2Vendem-se meadas de muito bom fio pa-
ra sapaleiro a 400 rs. ; na rua estreita do Bo-
zario n. 13. (3
2Vende-se potassa russiana, prximamen-
te chegada por prego commodo ; na rua da
Cadeia do BeciTe n. 17. (3
2 Vendum-sb batatas novas chegadas l-
timamente a 50 rs. a libra, cha hisson a -2 rs.,
manteiga franceza a 480 rs. dita de porco a
320 cafo muido a 200 rs dito de cevada a
IN rs. hervilhas novas a 100 rs. letria a
280, talhaiim a 200 rs. bolaxa ingloia de 9
em libra a 120 rs. azeite doce a 480 rs. a gr-
rula vinagre forte a 100 rs. a garrafa assim
cuma urna cama nova de condur por barato
prego por se ter recebido em urna divida ; na
rua do Aragao, venda da esquina n 43. (i I
2Vende-se a parte do sitio que foi do fi-
nado Souto em Bebiribe, faz-se todo o negocio ;
dousbarris que foro de azeite de carrapato e
um peso de meia arroba ; na rua Direita sobra-
do de um andar n. 56.
2 Na rua Nova ns. 12 e 29 acaba de che-
gar um completo sortimento de fasendas fran-
cesa.-, de bom gosto bem como ricos setins la-
vrados braceos e de cores ditos lisos sarjas
bramase pretas luvas de seda curtas e com-
pi idas para homem e senhora cortes de la e
soda ditos de la, chita, e de cambraia com
llores de cores sedas escocesas chapeos de
sol, de seda cambraia adamascada e lisa, lon-
gos e mantas de seda, chales de seda, los bran-
cos e prelos de linho meias de seda brancas o
patas para homem c senhora, sapatos de couro
de lustioe marroquim para senhora, borzeguins
gaspeados de couro de lustro para homem ca-
simira clsticas dos mus modernos padres e
de muito bom gosto ditas lisas poituguezas ,
merino preto e verde pannos finos enfestados,
chitas de coberta esguiu muito fino, platl-
ilias lona superior, chitas de asse.itocoberlo,
sellms inglezes de patente ditos de nutras
qualidades, silbos c .tu assento de veludo e de
couro de porco longos de setim Maco para
uravata ditos escoceses ricos cortos decolle-
te de setim Maco, eoutras muitas fasendas que
se veiidem por prego commodo. (24
2 Vende-se manteiga ingleza a 040 e 720
rs. e francesa a 560 rs. cha hisson a 2400
rs. espermacete a 80o rs., carnauba a 520 rs. -
padaria n. 18,
2Vendem-se 7 a 8 mil telhas bem cozidas
de muito bom barro e por prego commodo; na
'ua larga do Bozario n 18. (3
2 Vendem-se 3 podras que foro de um
momlio proprias para qualquer obra por
barato prego ; na rua do Collegio n. 9. '3
2 Vendem-se ricas espadas prateadas, che-
gadas ltimamente, por prego commodo; ua
rua Nova, loja do ferragens n. 25 de Teixeira Andrade. ("4
2Vende-se urna banda de seda, em bom es-
lado ; urna rotula ; dous corijs bons cantado-
res em gaiolas de rame por prego commo-
do ; na rua do Aragao, venda da esquina que
volta para o pateo da S Cruz n. 43. (5
2Verde se superior Champanhe da marca
Comta o mais preferivel de todos os au-
tores pela sua bella qualidade; na rua da
Cruz n. 10. (4
Vende-se a venda da esquina da rua Im-
perial n. 2 ; uns bragos de balanga grandes e
pequeos com conchas e correntcs de ferro ,
um cavallo carregador, gordo e muito novo ;
a tratar com Joaquim Pinheiro Jacome, na
mesma venda.
Vende-se urna escrava de nago Angola, de
22 annos engomma cosinha bem lava, e
he ptima para todo o servigo de urna casa ; 3
pretas de nago, de 18 a 22 annos proprias pa-
ra todo*o servigo de urna casa e mesmo para
qutandeiras ; urna negrinha crioula de 14 an-
nos, propria para ser educada ; urna preta de
30 annos propria para todo o servigo ; um
mulatinho de 7 annos proprio para ollicio ;
na rua das Cruzes n. 41, segundo andar.
Vendem-se portas novas de costadinhode
ainarello, muito boas por estar a madeira mui-
to secca ; por detraz de S. Bita-nova serra-
ra n. 21.
Vende-se urna armago para venda ou
botequim com seu Dalco caf em grao a
120 rs. ; na rua do Nogueira n. 1.
Vende-se um bonito preto perito traba-
Ihador de massoira ; na rua da Senzalla-velba
n. 94, ou 68.
No deposito de vveres da rua da Praia ,
becco do Carioca por baixoda sociedade Phi-
lo-Thalia, n. 1 vende-se feljo de superior
qualidade arroz branco e vermelho pilado ,
dito de casca tanto a retalho como atacado;
n 1 mesmo deposito existem um rapaz Brasilei-
ro que sabe bem lor, escrever e contar, que
so offerece para qualquer arrnmago, tanto cai-
xeiro de iiiIiiauras como de escripia, ou mes-
mo para engenho ensinar meninos, ou paraou-
ta qualquer cousa.
1Vende-se um sobrado de um andar na
rua do Fogo n. 5 ; a tratar na rua da Cadeia do
Recite, com Jos Antonio Basto.
\ ende-se no Coelho, na rua dos l'ra,oros,
um terreno com 30 palmos de fronte e 125 ditos
de fundo com alicerces feitos e dous peda-
gos de oitoes e cacimba de boa agoa todo de
pedra e cal, e proprios para sobrado por se-
ren feitos para isto ; a tratar na mesma rua 11.
10, que a vista do comprador se far lodo o ne-
gocio, anda que seja metade a praso
Vendem-se duas mulatas e um mole-
que por prego commodo a vista dos compra-
dores se dir as habilidades; narua da Cru
n. 52.
Vendem-se canoas de carreira grandes e
pequeas travs do louroe camagary do 30 a
36 palmos de comprido arroz pilado e do cas-
ca vigas de 47 u 50 palmos de comprido, lu-
do por prego commodo; na rua do Rangel, ven-
da n. 50.
ptimas casimiras para caigas, chapeos de sol,
brlns de linho sellins inglezes cortes de col-
lete chapeos para meninos e outros muitos
objectos, que tudo se vende por prego com-
modo.
2Vendem-se bules, cafeteras de metal de
difTerentes gostos e apparelho.s separados,
('llegados de prximo por prego tvmmodo; na
rua Nova loja n. 41. (4
Escravos fugicr- m
2Fugio no dia 10 do p. p, um moleque
de nomo Joo de nago Benguella de 15 an-
uos, estatura regular, meio secco do corpo um
tanto fula, rosto redondo, boleos um tanto gros-
sos nariz chato olhos vermelhos o amorte-
cidos como quem beb ps grandes e muito
enchados de muitos bichos que se Ihe tem tira-
do e anda tem ; levou caigas de brm trancado
pardo dosbotado com um remend no assento ,
de algodozinho sem camisa e com chapeo de
castor branco e velho, o qual anda sempre ton-
to de bebida e por isso so suppde que este-
ja amoitado em alguma parto ; quem o pegar ,
leve a Solidado n. 30 que ser gratificado. (13-
2Fugio no dia 30 de Setembro una preta
de nonio Mara de nugo Benguella alta e
bonita, ps e mosgrpssas e urna marca as
lutria a 260 rs., matarro a 220 rs. bolaxinha
inglesa a 240 rs. quoijos flamongos novos a
1440 rs. ditos ingle-es de pralo a 560 rs. ce-
vadinba do Franga a 240 rs. cevada a 80 rs. ,
caf de uriuteira qualidade a 140 rs., dito mA-
1 Vendem-se saccas de farinha de mandioca
edo arroz branco de superior qualidade, epa-
Iha de carnauba ; na rua da Cruz o. o4. (3
1 Vendem-se bichas muito boas, e mais
baratas do que em outra qualquer parte; na
rua do Apollo armasem 11. 6. (3
1Vendem-se ornamentos novos de damasco
de seda da fabrica de Lisboa de superior qua-
e.ostas levou urna trouxa de roupa, assim
como um bocado de ouro, que consta de um
transelim um par de brincos defilagra e urna
medalha ; quem a pegar, leve a rua da Guia n.
31, segundo andar quesera recompensado. ;8
2 Fugio o cabrinha escuro de nome Silves-
tre, no dia 18 do p. p. levou caigas de algo-
do escuro e camisa de chila be baixo tom
urna cicatriz no beigo inferior olhos um tanto
espantados tem sido visto na Bibeira desta
cidado ; quem o pegar, leve a rua do Viga rio
n. 13, que ser recompensado. (7
I No dia 4 do corrente desappareceo um
moleque de m me Benedicto de nago Ango-
la de 14 annos, secco do corpo ; levou ca-
misa de algodo da trra e caigas de brim da
Bussia tem a marca P no pcito esquerdo e
a contra marca B as espaduas direita eesquer-
da ; quem o pegar leve a seu senhor Joo Lei-
te de Azevedo com loja de cabos defronlo
do Corpo Santo n. 17, que recebera 50$ rs. de
gratificago. (10
Fugio na noute de 5 do corrente urna pre-
la de nome Mequiliua de nago Cambinda ,
mas parece crioula em raso de ter vindo pe-
quena de sua lo. rea lio alta serca peitos
pequeos tem nos mesmos o nos bragos unas
marcas de custicos e n'uma perna junto do
lornoielo urna marca de lerida ; quem a pegar,
levo a 1 ir1 da Matriz. 11. 33.
Fugio no dia 5 do corrente um mulato
acabocolado claro de nome Cosme baixo e
rolorgado do corpo parece ter ti) annos ; le-
vou tamisa branca e caigas de algodo de ris-
cado azul, quando falla inclina a cabega para
a banda o a bocea da mesma forma ; quem <>
pegar, leve ao largo do Corpo Santn. II, quo
ser generosamente recompensado.
1 No dia primeiro do correte lugio um
moleque crioulo de nome Mariano, de 15 an-
uos baixo, mas um pouco reforgado I mu
camisa do madapoln o caigas azues e tem o
rosto redondo ; quem o pegar, leve ao Atierro
dos Alogados sitio da viuva do fallecido Ma-
chado que ser generosamente recompensado.
i II 1 6 me/es que fugio um crioulo de
nome Francisco de bonita figura, denles aber-
tos pernas um tanto linas, ps grossos e mos
grandes; levou caigas do pauno azul o camisa
d risoadinho tambem a ul ; quem o pegar ,
leve a rua Bella n. 45, que ser recompensado.
Rr.iBinj ha Ttp 0 MI', oh Fa;wa. U44.
.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EX4BBRZCJ_Y62EQH INGEST_TIME 2013-04-13T02:02:53Z PACKAGE AA00011611_05192
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES