Title: Field notes from the Gurupa Project, 1948, compiled by Charles Wagley
ALL VOLUMES CITATION THUMBNAILS PAGE IMAGE ZOOMABLE
Full Citation
STANDARD VIEW MARC VIEW
Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/UF00103047/00034
 Material Information
Title: Field notes from the Gurupa Project, 1948, compiled by Charles Wagley
Physical Description: Archival
 Record Information
Bibliographic ID: UF00103047
Volume ID: VID00034
Source Institution: University of Florida
Holding Location: Special and Area Studies Collections
Rights Management: All rights reserved by the source institution and holding location.

Full Text

Fubiglarla -
* uebranto .






Divination Theft (CV1. b.4 p. 03)

In 1902, from a "cJmerciante" form the hio Uruaf, 60 kilos of
Sernambf was stolen. "He did not suspect any of his fregueses" said
Veiga (It seems that the "comerciante" was anxious to make this clewr)
He reported the theft to the Police but it was not discovered who had
been the thief. Then, (oomes the comerciante, pcid several people to
prwy to dis cover the thief. oomae people ire able to r y nnd then
tha thief appears to then in i dream. Given even details s to where
the loot is located. .ut no one wos successful, so i-ones called one
Aai;.undo from the .,oju who was famous for discovering thiefs kad loc-
-ting stolen goods, itaimundo ask for a clear ,alss filled with filtere
ed water. ^aiiaundo plAced the glass at a table and t.en, he sat under
the table. T'.bie wvs covered with a. long cloth fallixi6 almost to the
floor, then, airmundo asked each person (there were mauy present) to
come look doviw tnto the glass. Finally he shouted "There is your thi-
of", for the image of the thief passed through the wood of the table
and R.was :bie to see him. Then It. said the sernmribi is hicien behind
this mnxn's house in the igarape jacupi. A group went imreaitely. there
and discovered the loot. The thief was jailed tnd iormes paid h. 100
milreis for his service.







Quebranto (C. p.22)

Amuleto'contra quebranto. Crfanra A pulseira no brago sebundo
D.Gertrudes e para evitar dor de dentes, e feita com carogo de milho,
(Cha de papagainho ou de carrapichinho com herva doce para dor de
urina).
Segundo M.Profeta e Morena Coimbra a puls&1ra e feita de amistica
e usada contra quebranto. colar e felot de uma figa de pedago de
-ilao.

0 nma n ome de todos os objetos ud ados tanto em pulseira ou colar
para espantar o mau olhado, agouro ou quebranto e burudanga (qquivalei
te do balangandan).


- -~-~-------- ------ r~'- --- - --'-~~---I ----







Mau olhado, quebranto, etc. 0C. p.39)

Almofada no pescogo contra visagem e para nao tirarem a sombra.
M.Profeta nao acredita em almofada.
Os bichos que tiram sombra sao : macaco, guariba, quando se mexe comi
ele. 0 boto e o chefe deles para levar para o fundo tanto mulher co-
mo home.

Mau olhado,- Quando a pessoa esta com raiva e elhdde e olhos atra-
vessados da mau olhado que pode causar dor de cobega, dor de estomago
enjoo, vomitos, tira a fome, da soneira.

0 quebranto e quando uma pessoa tem dor de estomago (as vezes por nao
ter comido nada e visit uma outra com cftanga e se agrada multo
da crianca. Com os seus agrados ela da quebranto a crianga. A crian-
ga flea mofina,, mas quando tem bom benzedor fica bom. D.Gertrudes e
boa benzedora de crianga corn quebranto.

Tirar sombna. Iaria Profeta contou que ela nasceu em Grupa e a
familiar mudou-se para o Icari. Todos os filhos nascidos la morreram
exceto a Morena, que tambem ficou muito doente. A mae chamou o cu-
rador que disse que no Lcarf eles nao cfiariam filho. Parece que havia
um velho enterrado l1. Quanao as criangas estavam px de uma certa Ada-
de ele aparecia (alma) para as crianSas e tirava as sombras. Nao ten-
do curador para por a sombra nas criangas elas morreram. Por isso a
familiar mudou para Gurupa.






frovoada (C. p.40)

8 porco quando esta alegre a signal de- trovoada de tarde.


~ .. I I





CHS

Eulseira contra quebranto C. p.72) Ernesto

'eita com lagrima de N.Senhoram com um piao pao de Angola
(velo de Belem) com encaixo de prata. Azougue e (de vitro e prata)
_(-:.' e a pedrinha dentro que ajuda descobrir minas de prata e
ouro(vem de Belem) e uma areola de osso alenicorno (passaroj e rodela
de osso da perna.


-- ---- -- ------ ---- ------ -- "






Dia aziago (C.p.79)

La. segundafeira de Agosto a dia aziago, nao se trabalha pois e
perigoso. Pode haver acidentes. Dia em que Sodoma foi arrazada.

Dia 24. de Agosto dia de S.Bartolomeu Dia em que o diabo anda solto por
que S.Miguel levantou o e. Nao se deve trabalhar. Tomar cuidado.


- :







Rezas para conquistar home ou mulher MC. P.104) M.Profeta-

Houve um preto aqui perto chamado Pojo que fazia "muamba" i.e.
rezaa para homes que quriam conquistar uim mulher que se osquivava deles
e que conhece caso de um home que queria uma mulher que fazia pouco ca-
so dele, mas depois da reza a mulher veio de noite atras dele implorar pa
ra que ele abrisse a porta para ela. Outra mulher que conheceu que ela
mesmo sabia "rezar" para conseguir os homes que queria. Uma vez ela
andou atras de um tio de M.P. que nao queria saber dela, mas ela jurou
que ele ainda la atras dela e na realidade uma noite a meia noite ele acor
dou chorando a foi bater na port dela e no dia seguinte amanheeeu la.
Disse M."rofeta que nao sabe se fa em feitiQos ou amuletos para ease fim
mas que reaas sabe qoe fazem.


.. 1. *


"i: - -I ~L -_ -. --- -_. __ .___






Relampago (C. p.154) -


Em casa de D.Dina o espelho estava virado pois houve uma trovoada
e relampago a diz que o espelho atrae o relampago.


- --







Receita para Espirito mal (C.' o.27 cad.2 ).

Um suador de copim,depois do soador urt banho de mato .folhas chei-
rosas), depois pode t aoalhar, ira dar ume febre nele maa nao pode re-
cuar, t eria que trLoalhlar ate a feore acabar. ni-uo nao voltaria.
Nao pode comer macaco,tracaja, peixe boi, por seis anos. be comer as
chagas aorlrial. 0 doente estava todo chaIado por denrro. iai oficio
da chb6as por dentro yqte uma passoa nao ver.






Miace'llaneous Agoros (CW. cad.2 p.41)

1) When a chicken crows ll'k a rooster then something bad is going
to happen in the house. Thu1uductL said "anguro" i.e. bad sign. he told
his wife that our white chicken tried to crow". One should kill the
chicken at once.

2) Then some house hold object disappears it is bad sign, sickness, ba
bad luck, etc.

5) Curiju Hasgo mortalia When sings and tulls over ones house it is
agoro; some one may die in the house.

) -'Wh-uT rooster. sings ao 0.50 PM it is aboro that "moqa vte fugir".
Eh, la vae uma ".

5) Sua cargo urupe. Jhen this happens this mezns that "moqa enco-
berta esta Drenha" Virgin is pregnant.

6) Dog which cries "agorando dono" the owner will die soon.

7) Dogs cried before the war in the door of the church. Firetelling
the war, before both wars.
I







Amulets' (C.W. b.3 p.54)

Vei6a calls them "almlofadas" (pillow, literally). These are small
sacks containing various medicines for protection. Thebones and the
feather of the Alencora a large bird which inhabits the campos" of
upper Amazona as well as of 'acuratu (of the campo) are used to pro-
tect children and even adults against sickness and "sombra de bicho".
Place in small sack and bring around the neck. The seeds of "-agri-
mas de 1jossa Senhora" made i-to a bracelet or necklace will protect
a chest against "falta de sombra".
The small son of .,:rnesto Mieireles is wearing a bracelet m-de of
seeds of "lagrimas de N.Senhora". His wife says that is protection
against "quebranto" diarrhea ) and Veiga says-that it also protects
against "falta de 6ombra". The mother says th&t "quebranto" is caused
by teething and the bracelets "helps" The Padre will not bpp tize
children wearing almofadas" or bracelets of this kind. It ispagan.
"So we take ter off for baptism and put them on later said V iga.


i







FeitiQaria (Ul; c.d.2 p.b2) D,.Ghiquinha

Fazem muita feitiguria aquii em Uurupa. Pergunl.a-se auma pessoa
se sabe de urm reiaedio.nin6uem sabe, mas nu hora da felticaria todo
mundo faz. Uma ocasiao ela delxou na corda una combinagao novinha
de tz-fet a uurante o dia, rouubaramt assim cCrmu tociass Ls calgas. Des-
de esse tempo D.Chiquinha nto tem sido feliz, lsou tudo a para fazeO'
aborrecirientos. Ela ter multa vontade iavar rou pa fora, mas nao man-
da porque iao tem confianga poem botar alguma coisana roupa. Elas
lavam a roupu com folhas que sao perigosas.
D.Joau''na contou que logo 6 x que a hosa c.agou de fra,t estendeu
um vestido na corda e tiraram um podl.ro do vestido. (para fazer feiti-
garia)
0 poor logar para fazer mal jo6rt roupa na sentina. D.Joaquina
seinre reco:ienda a filha nao deix&r a roupa solta ,, senore tomar sen-
tido e deixar perto do casa.
D.Ghiquinha disse que o marido dela nao e bonito mas que assim cor
ela quiz agarece gene taoibem. Assas raparijas fazem feitigaria.
Ela tambim nao tem confiani.a de te-r gente em casa, pois quando ola se
apercebe esta sem o marido. 1asa ela sabe corn queen trata .


_ _~I _







Feitigaria (G. cad.1 P.55)

Ana de Melo, feiticeira em Jocoj6. Sabe tambem rezar, mas e
conhecida como feiticeira. Prepara o feitigo com um botao, pedago
de vestido, comida ou cabelo da vitima. Faz um amarrado "joqueca".
Pode preparar la e enfeitigav a distancia, mas as vezes manda
deix ar no caminho da pessoa.
0 afilhado de Marinho namorou uma sobrinh de Ana, mas aca-
bou por casar cor uma outra moga. Ana botou feitigo nele ja com
2 anos de casado. Apareceu uma doenga no pau dele, ficou cheio de
buracos, quando orinava sala por todo lado. Nao conseguiram dar
geito. :lorreu caso ocorrido mais ou menos em 1927.


_ 1. I


- -~- I-L;-- --- IC - .V rP~






Feitigo (G. cad.l p.35)

R. estava passando com Bibi pela casa de Raimunda quan-
do deuauma gargalhada. Raimundo danou-se pensando que eles
estavam zombando delay. Nao houve geito de convence-la do con-
trario. Quando R. chegou em casa comeqou a sentir uma dor
sobre as palpebra. A dor piorou e apos uns dias R. perdeu a
vista. 0 seu irmao que duvidava esperou uma hora que todos
estivessemquietos e chegou o dedo ate o olho de R4 que nao
reagiu. Nao enxergava mesmo nada. Fizeram promessa, reza-
ram, mas- nada adiantou. A mae de R. mandou chamar Raimunda
com quem se dava. Raimunda olhou para R. e disse que aquilo
nao era nada. Fora ela quem bobara feitigo para ele nao ir
zombar dela. Mas ia tirar. Rezou e foi embora. Ja nesse dia
R. comegou a enxergar e com poucos dias mais ficou bom. Diz
que as promessas que fizeram em seu nome tambem ajudaram. Fize
ram promessa que todo ano ele mandaria rear uma ladainha para
S.Luzia promessa que ele continue a cumprir. Fato ocorrido em
1928.





I






Feiticeira (G. cad.1 p# 35v.)
Rainunda falecida ha bastante tempo, moradora no JacopL.
Era feiticeira conhecida e ela mesmo dizia que la botar fei-
tigo em fulano ou sicrano. Ninguem fazia nada porque tinha
medo. Sabia tirar o seu feitigo e diziam que as vezes bota-
va feitigo para ser chaipada paaa .tirar e ganhar dinheiro.
Ana de Melo, Jocojo, ainda viva, e outra conhecida. Sa-
be tirar tambem. Tem gente que vai procura-la. Pagam 10 a
20 cruzeiros para botar feitigo em outros. Preparam a "fo-
ueca" (enrolado em folha de naja) com.um objeto da vitima, botio
peda-o de roupa, comida, etd. Ana sabe botar comida na boca
de um sapo e cozer. Quando a boca do sapa espoca e que a vi-
tima more.


I






Feiti~o .(. cadi' p.36v.):

Quando um curador vai curar uma pessoa e descobre: ue V
feitiqo, ale ngo dc a n'me do' feiticeiro*,mas fornece urna so-
rio do detalhoa sabre a POSBOO cor o quo -ossivel Identific"
la*.







Quebranto(remedio) (G.c ad.l p.59)


Dente Um-dente pendurado no pescogo para nao dar quebranto ou
mau olhado.


_ ~__ __









r.eititu (i. cad.l p.47)

Raimundo vae escrever uma carta para M.Jesus para sa-
.ber se a velha Madalena morreu de feitigo. Se foi esse caso
diz que a curadeira pode mandur de volta na pessoa que botou.
X tinha urn cunhado muito namoradcr. Casou. iorreu com
19 dias de casado. -Raspa a unha do ,e, poe na espigarda como
se fosse chumbo, e atira na direSao da. essoal. U rapaz mor-
reu de feitiqo. Deram num cooo de assai. Trmuxeram o copo em-
hrulhado, ele tomou no ainmoo, ja nao jantou, passou a noite e
morreu ao amanhecer. Comia,sentia uma bola no estomago.
Cha'amram Deolinda (Borto de Moz'). Ela foi, disse logo que ele
nao durava, chamaram muito tarde e ele ia morrer de feitigo.
Pacova, Oriximina, Obidos sao os centros de feiticei-
ros, principalmeinte o pririro,(proximo de santarem). Para se
livrar do feitiqo a pessoa que vai banhar ou cagar deixa a rou-
pa virada do avesso porque assim o feitigo nao pega.
En Santo Antonio dO Machado um rapaz prometeu a uma mo-
ga uma corrente de outro. Dormiu com ela e nodia seguinte foi
embora por um navio que pcceva, sem dar a corrente. uaLcrio ehe-
gou no navio e foi urinal nao encontrou o pau. NTo podia urinar-
ficou com febre. Chegou em casa doente. A muller ja estava com
vontade de dar uma pauliad, descobriu que ele nao tinha mais o
pau. !le contou. Ela ficou danada mas disse que aquilo era feiv
tiqo e o geito era levar a corrente de ouro para a moga. Veio


-


- ~" I -1 -I


.L^^f.





ti-r, 1^


-'" Feitigo (k. cad.l p. 47 e seg.) -2-

A sorte foi passar logo ur ntvio de volta. Levou o cordaopara
a moga. Veib a mae dela e disse "isso e para ti conhecer". 0
rapaz pediu que ela desmanchasse o feitigo. /A velha foi bus-
car uma peneira cheia de paus. Tinha de todo o tamanho,mandou
o rapaz oapnhktr o dele. Ele foi bater num grande. Ela disse
"o teu nao e esse" e mostrou o que erb dele. Foi so bater a
mao e o pau correu para o lugar. 0 rapaz foi urinar. A so-
gra de RAimu!ndo e quem lhe contou esse caso, sabe o nome do raoaz.


A mae ensina a filha. A filha vira como bicho. A ve-
lha engole .a filha toda. l.i'ind a filha fazer o mesmo. Enquanto
esta nao consegue engulir a velha ainda nao esta preparada.
A maloria dos feitic&iros e mulher. Tem muito preto.
Vai gentepagar para botar feitiqo. urIando a uli o feiticei-
ro avisa a, future vitima olha vieram me pedir para botar um
feiti(o em voce." A pessoa pede a paga.para ele nao botar.


0 1_


'i' ~' p ' I







Doida (t. cad.2-p.14)

Desemoarcou ontem uma mulher doida para ser eirtregue ao
delegado. Veio a bordo do Uniao procedente de Breves. Vinha
com destiny a Mararu para ficar com um padrinho. Quando che-
garam a Mairaru o padrinho nao quiz receue-lat Disse que nao
era sua arilhada. a comandante resolve entao deixa-la em
uurupa, acompanhada da irma. Esta conta que ha 1 ano a 6 me-
ses estanessalida. Esteve no hospicio em a elem porque os pa-
rentes nao quizeram leva-la a uma sessaoespirita. Clarice, ben
zedora de Breves esteve tratando dela, disse que ela sofre de
espirito e psusensao na cabega. So fica curada se for a umases-
sao espirita.
A irma conta que ha 1 ano e 6 meses ela ficou doida, eram 2
horas da madrugada quando ela deu um grito e correu para a agua.
Correram para busca-la num casco mas ela alagou o casco e desa-
pareceu. Nao havia quem pudesse seguta-la. Ficou nagua todaya
Snoite. Quando a encontraiam foi ja de manha cgm agua e lo pes-
Spogo. Estava dura que nem os olhos mexiam. Dai para ca tem aces-
sose nao pode s r contraridda sinao daxdx fica de quebrar tudo.
0 delegado pretend recambia~la para Belem. Esta na dele-
gacia guardada por um soldado. Logo de tarde correu o boato
que ela para se curar tinha que comer uma crianga. Os visinhos
estavam desconfiados a nao deixaram as cianqas brincar perto
da porta.


L I _


SI -' -~ ._c.- I -~_ -





b" i a.I


Quebranto (k. cad.2 p.17v.) -B ibi

Banho de crianga quando esta' nova jogam no caminho para evi-
tar quebranto. Entornam devagar para a crianga nao ficar arreliada.
A parteira que faz isto.
Muito agrado que a pessoa faz estraga a crianga, da muita di-
a rreia. Quando a pessoa esta com fome e peua e agrada a crianga
ela pode ate morrer. Um irmao da mulher de Bibi morreu, dizem que
disso.-"Quebranto de fomae.
Agradar e razer festa, dar oala, danger, etc. So da em
crianga.

Mau olhado

Naosao todas as pessoas quo dao, sao as pessoas que entendem
de mandinga. Ulham brincando para apessoa 8 esta senate doer a cabega
"Mau olhado de fome" apessoa que bota o mau olhado esta comn ome.
"Mau olhado de raiva". n n n n raiva.
Quem daa maumoZhado e mesmo gente de.feitigaria. Dor de cabega, tem
pessoas que gritam como o diaobb So pass benzendo ou fazendo de-
fuagao. Stiro e .om para benzer essas coisas. Anastacio,iertnudes,
Teodoro (qiue mora com a\velha Barbara).


: , I







Haimunda Picancia (Virgem violrnttda-:'santa"). (G.cad.2 p.55)

Alem da Severs Romqna exisue urma outra "stnta" Reim.unda
Picancia. Ia passando pelo cumiterio da Scledede. Um rspaz
chamou; estava tudo desert. U rapaz pintou o caneco cor a
moga e espanqou-a. Uns meninos des cobriram. Mels tarde eles
gostavam de pe atirar ero. Da-ssranho. Umi merino viu h&inr:lnda
aparecer toda de b.anco. Quando chegou perto deseparecen. Contou
aos outroo. Outro die ouOro menino a 7iI.i., olnando como ae es-
tive~cemnelsncolica. Comegaram a fezer poildos a ela. UL- paregte
da nora (Manoel Tava.-esi cascn-se corn urna ..orinhir .*ue tinha mae
velha. Trabslhava rmuito, Lrn2 mnulto hone tos. Ele sal de manha
is pars o Ver o fero, ver se arranjava quailquer coise nora comer.
Enoontrou .'%a pretar-que vendia roscas. A prete nerLuntou onde ia
e porquc ostava tao tristonho. Cortou a nistoria de sua fome. A
preta perguntou se conhecia o zemit2rio da Soledado, lado esquerdo
de capela, um tunulo de Haimunda Picania.. Pegou 2,00 para ele-
comer Liqualquer coisa, e epquiu direto pars o cemiterio, acgou o
tumulo u rezo.u comrn ulta fe. Na esqli-na encontrou umn homem todo
bem vestido que o chamrou. 0 home perguntou o que estava fazendo,
onde trabalhava; contou que era dejempresado. Llfere''eu-lhe um
emprego. Era repaesentante da 8B.nger. U home Ihe deu 100,oo.
No dia seguinte ioi pare c emprego. Comrpuu tudo iusEito foi genero.
Foi correiido para o trabalho teve muita sorte nas vendas. De
tarde convidou a mulher e a sogre para fazer prec.







Canguara (k. cad.5 p.20)

Zoada que ae ouve guando esta formando tempo. Um trovao e aquela zoa-
da (canguerajmas nao chove Teeodosio ja ouviu muito quando era cri-
anga. Seus avos disiam que eram os anjos tomando banho no ceu. i sinal
de verao forte. ~ bom semear cinza nas plants (fruteiras e rogas),
"cura da plant" da fruta. Aparecia muito em Novembro. Ninguem sabe
bem o quo e. Tolentino acredita que a cura da plarta seja verdade Ror-
que levavam canoas de Abacate daqui mas ag6ra ja faz tempo que nae
da abacate. Ul&imamente nao tem aparecido


-- -- --- -- --- --






- Defumaqao de casa (cad. n8 2 -) .(c ta .

One "defuma casa" foi "felicidade" when friends don't come
and when nothing masxrx mXaxk one tries comes out right. The
house is smoked also to avoid sickness or to do away with "fright"
"assustamento"of a child especially".
A house should always be smoked out when it is new (even bel
fore one moves in) but primarily it is to keep an old house from
acquiring bad luck. bome people smoke out their houses every
week. Said taht both Dona Iaacinha, the shholl teacher and
leader of the church, and Dona Felicia Cara 6ouza old family,
both"gente the primeira" are accustomed to smoke out their houses
each week. D.Inacinha does it each Saturday. The best days, howe-
ver are Thursday and Friday, especially Friday which is the sacred
day.
.hen one "somokes out the house for "felicidade" one uses
"breu de curumaru", ninho de caure, ninho de andorinha, and "vae
bem" (this latter is a tubes which is grated and "tapioca" is tak
taken off) and leaves of the carajuru plant. This should be done
on both Thursday and Friday of a week. It should be done .about
six o clock. The ashes of the burner should be dibRxakMxH thrown
away in the direction of the setting sun. Une always in "defumagat
should follow this latter procedure and one in "defuma-ao" should
always begin at the front door of the house and "defuma" all the
walk back into the kitchen. The atvoe forWula as well as the
oiff.rs .elow are prepare and paced in a caco over burning





DefumacQo em casa (cad. notas no 2) ). ej-6 lr
coals.
The formula for "defumacao de casa" to drive away "assustamento"
or fright is as follows.
"chips" (rapa)" de chifre de boi, breu de rurumaru, caroco (seed) of
oxi, lixo de beira de casa (i.e. dust of the"telhas") as well as any
plant which is washed in by tide into mouth of igarape.
To avoid any disease which is prevelant : casa de abelha trussu
com aarogo de oxi" and folha de para para". This should be burned
in house each afternoon.
One can close all window and place the burner in the middle of the
room for any of these "defumagoes". These seems some individual variatio:
in all these formulas.


-






Yau olhado -' 9eaig Q

i .(quebranto) falando ease aquebranto (vomito ftebro ) against
this they use dente veado around neck or around wrist,


: ii - --







Peitigo -also called.moeo or mioko -

Luis Friitas suys tl t feitigo is call abondimento. He says
that all the rules for reitige can be found in livro de ao Ci-
,riano". Friday de Passion is an especially dangerous time.

VaQueiro encantado
Once Luis was riding horse in a cattle ranch in "Baixo "'ma-
zonas", His horse picked up its ears and began running. Nothing he
could do would hold the horse until it reached the coral. Luis saw
nothing but he was told that his horse had seen the Vaqueiro encanta=
do and was fridihtened.









(






Witch* ''eiticeira TlU. lI tU4IM
One can make a witcloose her power by switching her with 9
(galhos) twigs of 'pion -\ roao" one can let Jler go and she will be
harmless.
Some ten years ago both infoma..tes said there was a feiticeira
living her in Gurupa. Her name was!aai.lundaLoroira. She bad a "sitio"
nearby which had mueh fruit ", She would not (o there Lore than once
ur twice a year but the fruit would rot on the ground. She liked Jose
and would often come to give him gr sents of food. He would always he
said, try to please her g4i&ng pwelra n aw Nm ra mraP br on return
and being very polite but as soon as she left he would throw out
whatever she had brought. When I ask why people did not beat her with
"peas roxo" he said that there was a "De3egado" who would have prevent-
ed them. Said she knew this and openly admitted that she was a feiticeil
ra. He didn't know if any specific deaths whe had caused but he said
that whe was responsible for many.
Her own gran-children would not 1at food frora her "sitio" and
were afraid of her,


..: -. 1 .-C _-.. L- ~ ----- C-.---L--- -~




University of Florida Home Page
© 2004 - 2010 University of Florida George A. Smathers Libraries.
All rights reserved.

Acceptable Use, Copyright, and Disclaimer Statement
Last updated October 10, 2010 - Version 2.9.7 - mvs