Spizaetus

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Spizaetus
Physical Description:
Serial
Language:
English
Portuguese
Spanish
Publisher:
Neotropical Raptor Network
Place of Publication:
Boise, Idaho
Publication Date:

Subjects

Genre:
serial   ( sobekcm )

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
University of Florida
Rights Management:
All applicable rights reserved by the source institution and holding location.
System ID:
UF00100958:00024


This item is only available as the following downloads:


Full Text

PAGE 1

BOLETIM DA REDE DE AVES DE RAPINA NEOTROPICAISSPIZAETUSVULTUR GRYPHUS NA COLOMBIA E BOLIVIANIDIFICAO DO RUPORNIS MAGNIROSTRIS NA BRASIL CONSERVAO DA HARPYHALIAETUS CORONATUS NA ARGENTINANOVO REGISTRO DE MICRASTUR SEMITORQUATUS EN MXICONMERO 16 DEZEMBRO 2013

PAGE 2

Nmero 16 Dezembro 2013 Edio em portugus ISSN 2157-9180 Tradutores/Editores : Helena Aguiar-Silva, Aldo Ortiz Reyes, Mosar Lemos Diseo grfico : Marta Curti Foto de la Capa : Vultur grpyhus na Colombia. Juan S. Restrepo SPIZAETUSBOLETIN DA RRN www.neotropicalraptors.org Spizaetus: Boletim da Rede de Aves de Rapina Neotropicais 2013. Este boletim pode ser reproduzido, baixado e distribudo para ns no comerciais. Para republicar qualquer artigo contidas neste documento, por favor, entre em contato com os autores correspondentes..

PAGE 3

A VA N OS SOBRE O C ONHECIMENTO DO C OMPORTAMENTO REPRODUCTIVO DE UM C ASAL REUNTRODUCIDO DE C ONDO-DOS-ANGES ( V ULTUR GRYPHU S ) NA CORDILEIRA S C ENTRAL DA C OLMBI A Juan S. Restrepo Car d ona & A l ejan d ro Betancur L pez ..................................................... 2 C ONTRIBUIO PARA O ESTUDO SOBRE NIDIFICAO DO GAVIO-CARIJ" ( RUPORNIS MAGNIROSTRI S ) E M UMA REA URBANA NA CIDADE DE CAIC" RIO GRANDE DO NORTE-BRASIL Emmanue l Sa b ino & J nio Gue d e s . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 1 E XPERIN C IA S C O M O C O ND O R A NDIN O ( V ULTUR GRYPHU S ) N A B O L V I A D iego R. M n d ez................ . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 6 N OVO REGISTRO DE FALO REL"GIO ( M ICRASTUR SEMITORQUATU S ) PARA MONTEMORELOS NUEVO L E"N MXIC O A ld o Ort z Reye s ......................................................................................20 P ROGRAMA DE CONSERVAO DA GUIA-CINZENTA ( H ARPYHALIAETUS CORONATU S ) NA PROVNCIA L A PAMPA A RGENTIN A M aximi l iano A d ri n Ga l mes, J os Hern n Saraso l a, & J uan Manue l Gran d e.......................... 22 R ESUMO DA I W ORLDWIDE RAPTOR C ONFEERNC E M igue l Saggese......................................................................................................... 2 7 D E INTERESSE .........................................................................................2 9 A RRN uma organizao baseada em a liaes. O objetivo contribuir para a conservao e pesquisar as aves de rapina neotropicais. Promovendo a comunicao e coloborao entre pesquisadores, ambientalistas e entusiastas pelas aves de rapina que trabalham na regio Neotropical. Para participar da RNN envie a Marta Curti, mcurti@peregrinefund.org uma breve apresentao e comunicando seu interesse na pesquisa e conservao das aves de rapina.

PAGE 4

PGINA 2 NMERO 16 • DEZEMBRO 2013 AVANOS SOBRE O CONHECIMENTO DO COMPORTAMENTO REPRODUTIVO DE UM CASAL REINTRODUZIDO DE CONDOR-DOS-ANDES ( VULTUR GRYPHUS) NA CORDILHEIRA CENTRAL DA COLMBIAPor Juan S. Restrepo Cardona1 & Alejandro Betancur Lpez2 1Investigador Asociado, Divisin de Historia Natural, Centro de Museos, Universidad de Caldas, Cra 23 # 58 – 65, A. A. 275, Manizales, Caldas, Colombia. 1,2Semillero de Investigacin en Ornitologa, Dpto. de Ciencias Biolgicas, Universidad de Caldas. (SIO-UC) 1E-mail : juansebio@yahoo.com; 2E-mail :lopezboenus@yahoo.com O Ocondor-dos-andes ( Vultur gryphus ) uma espcie considerada globalmente como quase ameaada (Near Threatened NT) e em perigo (Endangered – EN) em nvel nacional (Rodrguez y Orozco 2002, BirdLife International 2013), que se distribui ao longo dos Andes desde a Venezuela at o sul da Argentina e Chile (Lambertucci 2010). Na Colmbia suas populaes se encontram muito reduzidas em nmero e restritas em poucas localidades montanhosas (MAVDT 2006), nas Cordilheiras Oriental e Central, o Macizo colombiano, a Serrana de Perij e a Sierra Nevada de Santa Marta (Rodrguez & Orozco 2002, Salaman et al 2009). Continuando a reduo de suas populaes no pas, a sobrevivncia desta espcie pode ser seriamente ameaada no futuro imediato (Negret 2001). CCom a nalidade de uni car esforos para a conservao do condor-dos-andes na Colmbia, Condor-dos-andes, masculino, registrado no sector da La Poa, Villamara, Caldas Juan S. Restrepo, febrero de 2013.

PAGE 5

WWW.NEOTROPICALRAPTORS.ORG PGINA 3 em 1989, por meio de um convnio de cooperao internacional entre o Instituto Nacional de Recursos Naturais (INDERENA) e a Sociedade Zoolgica de San Diego, iniciou-se o repovoamento do condor-dos-andes em algumas montanhas e Pramos dos Andes colombianos (INDERENA 1990). Entre 1989 e 2013, setenta e um exemplares de condor-dos-andes foram liberados no pas (Fausto Senz com. pess .). Em 2006 foi criado o Plano de Ao 2006-2016 do Programa Condor Andino Colmbia (PACAC), que mediante mecanismos de sensibilizao e participao das comunidades busca promover uma mudana de atitude em relao a esta espcie. No caso do Parque Nacional Natural Los Nevados, a Corporao Autnoma Regional de Caldas (CORPOCALDAS) com o apoio do Ministrio do Meio Ambiente e a Fundao Renacer, entre 1997 e 1999, realizaram a liberao de 14 condores-dos-andes juvens, 10 machos e 4 fmeas, dos quais doze foram doados pelo Zoolgico de San Diego (Califrnia) e dois pelo Zoolgico de Cali (CORPOCALDAS 2013). Porm, devido a falta de monitoramento, alguns aspectos sobre a biologia e ecologia bsica deste ncleo populacional so ainda desconhecidos. Por outro lado, ainda pouco o que se conhece sobre a reproduo do condor-dos-andes silvestre. Apesar de terem realizado algumas observaes no Chile, Ecuador e Argentina, em sua Casal de Vultur gryphus registrado no sector da La Poa, Villamara, Caldas Juan S. Restrepo, febrero de 2013.

PAGE 6

PGINA 4 NMERO 16 • DEZEMBRO 2013 maioria, tratam-se de observaes ou registros pontuais em um ou poucos ninhos (Lambertucci 2007). Geralmente nidi cam em covas e rachaduras localizadas em escarpas rochosas (Mrquez et al. 2005, Lambertucci & Mastrantuoni 2008, Heredia & Piedrabuena 2010), em muitos casos inacessveis por meio terrestre para os predadores (Lambertucci 2007). Na Colmbia ainda no conhecemos quais so as caractersticas dos stios onde nidi cam e a informao sobre seu comportamento reprodutivo praticamente nula. necessrio intensi car os esforos de investigao desta espcie no pas, pois sem informao biolgica e ecolgica bsica muito difcil conhecer o estado atual e as tendncias populacionais do condor-dos-andes, e assim desenvolver programas de conservao e cientes. Neste estudo apresentamos alguns avanos sobre o conhecimento do comportamento reprodutivo de um casal reintroduzido de V. gryphus na Cordilheira Central da Colmbia, em um ninho localizado aproximadamente 20 km do PNN Los NevaLocalizao na proximidade do condor na Vereda Papayal, Caldas, Colombia. Area ninho Ponto de observao

PAGE 7

WWW.NEOTROPICALRAPTORS.ORG PGINA 5 dos e fora de sua zona de amortecimento. Mtodos O ninho est localizado aproximadamente 288 m do solo, em uma escarpa rochosa localizada no lado sul do planalto Cargaperros (0456N, 7529W) a 2.347m de altura, no Cnion Molinos formado pelos Ros Molinos e Campanario. A regio um mosaico de reas abertas destinadas a manuteno de gado associadas a fragmentos de oresta secundria e plantaes de pinheiro (Pinus patula), onde as rvores nativas predominantes so o pinheiro colombiano ( Decussocarpus rospigliosii ), a nogueira ( Juglans neotropica ), rboloco (Smallanthus pyramidalis ), yarumo blanco ( Cecropia telenitida ) e arrayan ( Myrcianthes leucoxyla ), entre outros. Entre maro e julho de 2013, foram realizadas visitas sistemticas ao ninho em dias consecutivos a cada ms, as observaes foram realizadas entre as 0800 h e 1800 h, utilizando binculos NIKON (10 50mm) a partir de um ponto elevado de observao, o Alto de Buenos Aires, localizado a 300 m de distncia do ninho. Com a nalidade de descrever parte do comportamento reprodutivo do casal se utilizou a metodologia sugerida por Lambertucci e Mastrantuoni (2008), para os quais se de niu o entorno do ninho, como uma rea de aproximadamente 1 km2. Registraram-se o tempo que cada adulto permaneceu neste entorno, o nmero de horas que cada adulto interagiu com o Local do ninho e o local onde o lhote foi colocado no Cargaperros, Villamara, Caldas Juan S. Restrepo, dezembro 2013. N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N N i i i i i i i i i i i i i i i i i i i i i i i i i i i i i i i i i i i i i i i i n n n n n n n n n n n n n n n h h h h h h h h h h h h h h h h h h h h h h h h h h h h h h h h h h h h h h h h h h h h h h h h h h h h h h h h h h h h h h h h h h h o o o o o o o o o o o o o o o o o o o o o o o o o o o o o o o o o o o o o o o o o o o o o o o o o o o o L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L L o o o o o o o o o o o o o o o o o o o o c c c c c c c c c c a a a a a a a a a l l l l l l l l l l l l l l l l l l l l l l l l l l l l l l l l l l o o o o o o o o o n n n n n n n d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d e e e e e e e e e e e a a a a a a a a a l l l l l l l l l l l l l l l l l l l l l l l l l l l l l l l h h h h h h h h h h h h h h h h h h h h h h h h h h h h h h h h h h h h h h h h h h o o o o o o o o t t t t t t t t e e e e e e e e e f f f f f f f f f f f f f f f f f f f f f f f f f f f f f f f f f f f f f f f f f f f f f o o o o o o o o o o o o i i i i i i i i i i i i i i i i i i i i i i i i i i i i i i i i i i i i i i i c c c c c c c c c c c o o o o o o o o o o o o l l l l l l l l l l l l l l l l l l l l l l l l l l l l l l l l l l l l l l l l o o o o o o o o o o c c c c c c c c c c c a a a a a a a a a a a a a a d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d d a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a

PAGE 8

PGINA 6 NMERO 16 • DEZEMBRO 2013 lhote, o nmero de ocasies em que cada adulto expulsou de seu territrio outras aves de rapina e o nmero de incurses destas ave de rapina no entorno. Resultados Em 25 de junho de 2013, registrou-se a presena de um lhote de aproximadamente 6 a 7 meses de idade, que se lanou do ninho e permaneceu por um par de dias caminhando no entorno. Em uma ao improvisada pela Corporacin Transformar, o lhote foi capturado e levado de novo at um lugar prximo ao ninho, mas a menor altura. Onde permaneceu e foi monitorado por um funcionrio da CORPOCALDAS at que em 20 de julho, ao tentar alar voo novamente o lhote no conseguiu planar e caiu de maneira brusca contra a vegetao densa. Em repetidas tentativas para sair da vegetao, sofreu graves leses que o conduziram a morte. Conforme a necropsia realizada por CORPOCALDAS e, alm das numerosas leses sofridas no acidente, o lhote de condor apresentava uma leso anterior, uma fratura em rdio medial com presena de calo sseo irregular. Apesar de que o nmero total de horas de observao tenha sido pequeno (70 hr), permitiu-nos registrar e quanti car alguns comportamentos do casal enquanto o lhote estava no ninho, como o tempo que cada adulto permaneceu no entorno (36% cada um), e o nmero de horas em que Filhote resgatado depois caiu na densa vegetao na rea de Cargaperros, Villamara, Caldas Juan S. Restrepo, julio de 2013

PAGE 9

WWW.NEOTROPICALRAPTORS.ORG PGINA 7 cada adulto interagiu com o lhote, macho 14,32 h (20.45%) e fmea 17,36 h (24.8%). Em 7 de julho de 2013 se observou um comportamento de cortejo entre os adultos, quando em um voo sincronizado muito prximos um do outro foram ganhando altura enquanto voavam em crculos e posteriormente se deixaram cair enquanto rosavam suas asas. Repetiram esta ao em duas ocasies mais durante o transcurso do dia. No nal de novembro se registrou uma cpula do casal no local do poleiro prximo ao ninho. Coragyps atratus foi a espcie que utilizou com maior frequncia (95 registros) o entorno, seguida por Falco sparverius (7), Buteo albicaudatus (4) e Cathartes aura (3). Em uma ocasio, observou-se a fmea expulsando do entorno, um indivduo de C. atratus e em outra, um indivduo de B. albicaudatus. O macho tambm foi observado em uma ocasio enquanto expulsava um indivduo de C. atratus. Discusso Na Colmbia no existe informao sobre o comportamento reprodutivo do condor-dos-andes em estado silvestre. Apenas se presume que a postura do ovo acontece provavelmente entre abril e dezembro (Ferguson-Lees & Christie 2001), informao que muito mais precisa at o sul de sua distribuio na Amrica do Sul, (setembro – outubro) no Chile, e outubro na Argentina (Ferguson-Lees & Christie 2001, Lambertucci & Mastrantuoni 2008). De acordo com Lambertucci e Mastrantuoni (2008), o perodo de incubao dura cerca de dois meses, e depois de haver nascido o lhote permanece no ninho durante aproximadamente seis meses. Neste estudo, o lhote observado em junho tinha aproximadamente 6 a 7 meses de idade, portanto, deve ter nascido entre novembro e dezembro de 2012, e a incubao do ovo, ter ocorrido entre setembro e novembro. As observaes em campo evidenciam que os dois adultos permaneceram a mesma proporo de tempo no entorno. Devido a que no se tinha visibilidade do interior do ninho, considerou-se o tempo que cada adulto permaneceu dentro do ninho como o nmero de horas que interagiam com o lhote. A fmea foi quem mais interagiu com o lhote no ninho. Inversamente, na Argentina (Lambertucci & Mastrantuoni 2008) e no Equador (INEFAN 1997) foi o macho quem mais interagiu com o lhote. Deve-se considerar que os resultados obtidos neste estudo so baseados em um perodo muito curto de observao e por pouco tempo, portanto, fazer comparaes com outros estudos que implicam um esforo no tempo muito maior devem ser consideradas com cautela. Na Colmbia o condor-dos-andes se encontra distribuido em seis reas protegidas, entre Parques

PAGE 10

PGINA 8 NMERO 16 • DEZEMBRO 2013 Nacionales Naturales (Los Nevados, Purac, Chingaza, El Cocuy e Sierra Nevada de Santa Marta) (MAVDT 2006), e uma Reserva Natural de las Aves (El Dorado) (Salaman et al. 2009). Considerando que V. gryphus uma espcie com uma rea de ao bastante grande (Lambertucci 2007), provvel que suas populaes no pas, da mesmo forma que o casal deste estudo, nidi quem e se reproduzam longe das reas protegidas mencionadas, em zonas desprovidas de qualquer ao conservacionista e onde a transformao da paisagem pode ser intensa e constante. Isto re ete que a proteo do condor-dos-andes na Colmbia no totalmente e ciente. A morte do lhote evidencia que a Corporacin Autnoma Regional e as ONG’s responsveis pela proteo do ninho no esto preparadas para atender uma situao to crtica como a vivida. Certamente este fato to lamentvel deve ser um incentivo para promover a conservao da espcie no pas, e especi camente a pesquisa e a proteo do nico ninho de V. gryphus conhecido na Colmbia. Segundo os relatos mencionados pela comunidade, o casal de condores habita e aninha no lugar h mais de dez anos e, nos ltimos seis anos nasceram trs lhotes de condor que tm sido observados durante poucos meses voando junto com os adultos. Em outubro de 2009 foi fotografado um juvenil (foto 2), e outro foi reportado por Zuluaga (2011), ambos registros em lugares Juvenil fotografado no setor do Cargaperros, Villamara, Caldas Johan Orrego, octubre de 2009. muito prximos ao ninho descrito nesta pesquisa. A taxa reprodutiva desta espcie muito baixa, e no melhor dos casos a reproduo acontece cada dois anos quando a oferta tima (Wallace e Temple 1988, Lambertucci 2007). Tudo isso nos motiva enormemente a continuar esta pesquisa, e atualmente com a aprovao de CORPOCALDAS seguimos realizando visitas sistemticas ao sitio de ndi cao, com a inteno de em longo prazo, descrever com mais detalhes, exatido e de maneira completa, o comportamento reprodutivo do casal de condor-dos-andes, a assim contribuir para o conhecimento biolgico e a conservao desta espcie no pas. Agradecimentos Principalmente a Pedro Pablo, Beatriz e Estefana por nos permitir trabalhar e descansar em sua

PAGE 11

WWW.NEOTROPICALRAPTORS.ORG PGINA 9 casa. A Alex, Isln e demais membros da comunidade por sua grande amabilidade e gentileza. A Fausto Senz, Sergio Lambertucci e Marta Curti por seus comentrios a este manuscrito. A Oscar Ospina de CORPOCALDAS pela informaes fornecidas. Referncias Birdlife International. 2013. IUCN Red List for birds. Downloaded from http://www.birdlife.org on 13/03/2013. CORPOCALDAS. 2013. Resumen del proyecto de reintroduccin de cndoresal Parque Nacional Natural Los Nevados. Documento indito. Ferguson-Lees, J.D., A. Christie, 2001.Raptors of the World. Christopher Helm, London, UK. Heredia, J.,J.Piedrabuena. 2010. Registros de nidi cacin del Cndor Andino ( Vultur gryphus ) en las sierras grandes de Crdoba, Argentina. Nuestras Aves 55:37-39. INEFAN. 1997. Los condores de Papallacta. Documento de divulgacin. Departamento de vida silvestre, INEFAN, EMAAP-Q, Fundacin Rumicocha, CECIA, Quito, Ecuador. Lambertucci. S.A. 2007. Biologa y Conservacin del Cndor Andino en Argentina. Hornero 22(2): 149–158. Lambertucci. S.A. 2010. Size and spatio-temporal variations of the Andean condor Vultur gryphus population in north-west Patagonia, Argentina: communal roosts and conservation. Fauna & Flora International, Oryx, 44(3), 441–447. Lambertucci. S. A., O. A. Mastrantuoni.2008. Breeding behavior of a pair of free-living Andean condors. Journal of Field Ornithology, 79, 147–151. Mrquez. C., M. Bechard.,F. Gast., V.H. Vanegas.2005. Aves rapaces diurnas de Colombia. Instituto de Investigacin de Recursos Biolgicos “Alexander von Humboldt”. Bogot, Colombia. MAVDT. Ministerio de Ambiente, Vivienda y Desarrollo Territorial. Programa Nacional para la Conservacin del Cndor Andino en Colombia. Plan de Accin 2006 – 2016. Negret. A.J. 2001. Aves en Colombia amenazadas de extincin. Serie de Estudios de la Naturaleza. Universidad Del Cauca. Rodrguez-M. J. V., R. H. Orozco, 2002. Vultur gryphus. En Renjifo, L. M., A. M. Franco-M., J. D. Amaya-E., G. Kattan., B. Lopez-L. (eds.). 2002. Libro Rojo de Aves de Colombia. Serie Libros Rojos de Especies Amenazadas de Colombia. Instituto de Investigacion de Recursos Biolgicos Alexander Von Humboldt y Ministerio del Medio Ambiente. Bogot, Colombia.

PAGE 12

PGINA 10 NMERO 16 • DEZEMBRO 2013 Salaman. P., T. Donegan.,D. Caro. 2009. Listado de las Aves de Colombia. Conservacin Colombiana 8: 1-89. Wallace. M. P. y Temple. S. A. 1988. Impacts of the 1982 – 1983 El Nio on population dynamics of the Andean Condors in Peru. Biotropica, 20, 144-150. Zuluaga. S. 2010. Posible evidencia de reproduccin de Cndores ( Vultur gryphus ) reintroducidos en Colombia. SPIZAETUS 10: 8-11. * *

PAGE 13

WWW.NEOTROPICALRAPTORS.ORG PGINA 11 A CONTRIBUIO PARA O ESTUDO SOBRE NIDIFICAO DO GAVIO-CARIJ" ( RUPORNIS MAGNIROSTRIS) EM UMA REA URBANA NA CIDADE DE CAIC", RIO GRANDE DO NORTE-BRASIL Por Emmanuel Sabino e Jnio Guedes, nitosabino@gmail.comAs aves de rapina so importantes agentes biticos na manuteno e funcionamento das comunidades as quais pertencem, sendo muitas vezes denominadas “predadores de topo”, pois geralmente ocupam posies terminais da teia alimentar de uma comunidade (Ricklefs & Miller, 2000). Casal de Gavio-carij (Rupornis magnirostris) nas antenas de transmisses da Radio Rural de Caic-RN, vigiando o ninho contra invasores Emmanuel SabinoO Gavio-carij ( Rupornis magnirostris Gmelin, 1788) se distribui desde o Mxico at a Argentina, presente tambm em todo o Brasil (FergusonLees e Chrisite, 2001), sendo uma espcie bastante comum e bem adaptada s aes antrpicas, podendo ser facilmente encontrado habitando os centros urbanos (Santos, 2008). Apresenta uma

PAGE 14

PGINA 12 NMERO 16 • DEZEMBRO 2013 grande variao de cores na plumagem, conforme a regio do pas. O ninho foi construdo em uma mangueira (Mangifera indica L. ), em uma pracinha de espera no ptio de um prdio onde est localizado uma rdio de telecomunicao (627’57.47”S, 37 5’56.54”O). A Radio Rural est em um prdio antigo da Diocese de Caic-RN e ca prximo ao Rio Barra Nova (627’58.86”S, 37 6’3.63”O), que tem sua rea de APP (rea de Preservao Permanente) ocupada pela urbanizao, restando apenas algumas espcies de rvores utilizadas pelo Carij para descanso, busca de alimento e visualizao de territrio como: Algaroba ( Prosopis juli ora ), Oiticica ( Licania rigida ) e Craibeira (T abebuia aurea ). O macho vigiava a fmea enquanto a mesma estava no ninho, mostrando uma agressividade a qualquer invasor em seu territrio. No perodo de observao vrios trabalhadores da Radio Rural foram atacadas e algumas vezes na poca em que os lhotes tinham nascido e que o macho cou mais agressivo, suas investidas acontecia com mais frequncia chegando a ferir algumas pessoas que chegavam desavisadas prxima a rvore onde estava o ninho do casal. Sua alimentao baseada em insetos, lagartixas, pequenas cobras e pssaros, tais como rolas:Rolinha-roxa ( Columbina talpacoti ), Rolinhapicui ( Columbina picui ) e Pardal ( Passer domesticus ). Essas aves so encontradas com grande facilidade e quantidade no entorno da rea onde est Localizao do ninho e territrio espacial do casal de Rupornis magnirostris.

PAGE 15

WWW.NEOTROPICALRAPTORS.ORG PGINA 13 hotes. Durante a incubao, a fmea permaneceu no ninho enquanto foi alimentada pelo macho. Nesse intervalo, por meio de vos rasantes, o casal defendeu sua prole contra invasores que se aproximaram dos lhotes. Tivemos a primeira visualizao de um lhote no dia 10 de dezembro de 2012 devido a um acidente sofrido pelo mesmo ao cair do ninho, e por estarmos em um ambiente urbano, o perigo com predadores como gato domstico Felis catus (Linnaeus, 1758) se tornou previsvel. Com a ajuda de alguns funcionrios da Radio Rural, conseguimos colocar o lhote o mais prximo possvel do ninho. Infelizmente, mesmo com a proteo do casal e dos funcionrios no perodo do dia, noite o lhote se tornava vulnervel e foi atacado e comido no dia 14 de dezembro de 2012 pelos os gatos que por sua natureza, so bons caadores de aves. Provavelmente o lhote mais velho empurrou para fora do ninho o irmo por competio. Isso ocorre com frequncia em aves de rapina, pois a diferena de idade entre os lhotes pode provocar a dominncia de um irmo sobre os outros, com isso os ninhegos menores morrem por no conseguirem competir por alimento com o irmo maior ou por fratricdio.. As observaes continuaram com o outro lhote, que passou a ser chamado de Maria pelos funcionrios, que com a perda do primeiro llocalizado o ninho do casal de Carij,facilitando assim sua busca por alimentos, tambm nidi cando em rvores no mesmo territrio. O ninho se encontra entre prdios antigos onde serve de morada para morcegos que so casados em seu pousos diurnos. No perodo de nidi cao que se deu nos meses de setembro a outubro, o casal produziu 2 ovos, comprovados com o nascimento de 2 lRegistro fotogr co do lhote no dia 02 de maio de 2013 prximo a Radio Rural (arriba). Filhote explorando seu territrio enquanto espera pela alimentao dos pais (abajo). Emmanuel Sabino

PAGE 16

PGINA 14 NMERO 16 • DEZEMBRO 2013 hote, passaram a expulsar os gatos que antes tinham total liberdade no territrio da Radio Rural. Devido a esse episdio, tivemos mais chances de estudar em conjunto, pois eram feitos registros fotogr cos por alguns funcionrios e visitantes do comportamento do lhote, mostrando assim, a aproximao entre o homem e o animal. No ms de janeiro o lhote comeou a explorar o territrio, dando seus primeiros vos de galho a galho, assim perdendo o medo e passando a ignorar a presena humana. As observao aconteceram at o ms de maro de 2013, onde o lhote j no mais contava com a ajuda dos pais para se alimentar, caando sozinho. Aos poucos foi deixando o territrio, devido a competio por alimentos com os pais, predominando o mais forte e experiente. Estudos que abordam o comportamento reprodutivo de aves de rapina apresentam grande importncia na compreenso da biologia do grupo e da ecologia das comunidades, uma vez que essas aves, mesmo tendo populaes pequenas, possuem um papel chave na organizao das comunidades. Dessa maneira, novas informaes Filhote aps cair do ninho (lado esquerdo) e o mesmo (lado direito), aps ser colocado na rvore. Emmanuel Sabino

PAGE 17

WWW.NEOTROPICALRAPTORS.ORG PGINA 15 sobre a nidi cao do gavio carij so importantes para aumentar a compreenso sobre a biologia reprodutiva dessa espcie em reas urbanas. O gavio-carij vem sofrendo diversas ameaas na regio. Dentre as principais ameaas para este espcie, talvez a principal, seja referente m fama que essas aves tm entre a populao. Outra ameaa para esta espcie o abate indiscriminado, sendo considerada prejudicial para as criaes domsticas, e como essa espcie habita campos abertos e centros urbanos, se torna alvo fcil de caa. Apesar de o gavio-carij ser uma espcie comum, a perseguio contra esses animais pode gerar uma srie de desequilbrios ecolgicos. Portanto, torna-se relevante a realizao de estudos adicionais sobre esse grupo de rapinantes para se determinar o real estado de ameaa que sofrem em ambientes alteradas e com a presena do homem em seu territrio de nidi cao, ou quando o mesmo utiliza o territrio urbano para construo de seus ninhos e criao de suas proles. O Rupornis magnirostris exerce um papel fundamental nas cidades, controlando animais considerados “pragas” como ratos, pombos, insetos e morcegos e os peonhentos como aranhas, escorpies e cobras. Colaboram tambm com o controle de infestaes de pombos e pardais. Referncias Albuquerque, J. L. B... [et al.].Ornitologia e conservao : da cincia s estratgias /Tubaro : Editora Unisul, 2001.344 p. Ferguson-Lees, J. & Christies, D. A. (2001) Raptors of the world. New York: Houghton Mif in Company Jaqueline M. Goerck. Programa de reas importantes para a conservao das aves(IBAs) – uma estratgia global da BirdLife International. Ricklefs, R. E. & Miller, G. L. 2000. Ecology. W.H. Freeman and Company,New York, USA. Santos, W. M. Site Aves de Rapina Brasileiras – Brazilian Raptors. Disponvel em: < http://www. avesderapinabrasil.com> Acesso em Outubro de 2008. Sick, H. (1997) Ornitologia brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. Plano de ao nacional para a conservao de aves de rapina / Instituto Chico Mendes de Conservao da Biodiversidade, Coordenao-Geral de Espcies Ameaadas. – Braslia: ICMBio, 2008. Aves de Rapina BR guias, gavies, falces e corujas do Brasil (Publicaes online) www.avesderapinabrasil.com http://www.diocesedecaico.com.br/ * *

PAGE 18

PGINA 16 NMERO 16 • DEZEMBRO 2013 S Smbolo nacional de vrios pases da regio Andina e um dos animais mais carismticos desta regio, o condor andino (Vultur gryphus) mesmo que seja protagonista de numerosos contos e lendas, um desconhecido em sua prpia terra. Na Bolvia se encontra amplamente distribudo entre 500 e 4500 m de altitude, em todo o ocidente do pas e at as terras baixas do Chaco no sudeste, com a maioria dos registros concentrados no lado oriental dos Andes (Hennessey et al. 2003). Enquanto pouco ou nada conhecido sobre os aspectos bsicos de sua biologia e ecologa, di cultando avaliar seu estado de conservao com mais preciso, o condor est categorizado como Vulnervel em nvel nacional porque a diminuio de suas populaes e a contnua presso de caa (por ser considerado erroneamente como uma ameaa para o gado) so evidentes (Balderrama et al. 2009). Entre os poucos estudos que existem no pas, em 2005 se estimou uma abundncia mnima de 78 individuos nas montanhas de Apolobamba, uma rea de <1000 km2 no noroeste da Bolivia, ressaltando a potencial importncia dos Andes da Bolivia para a conservao da espcie (Ros-Uzeda & Wallace 2007). Com o objetivo de conhecer o estado de conservao das populaes do condor andino no resto do pas, em 2012, com o apoio do Peregrine Fund, estimou-se a abundncia de condores em cinco localidades dos Andes oriental da Bolvia (Mndez et al em prep.). O estudo incluiu trs departamentos, Cochabamba, Chuquisaca e Tarija. TraEXPERINCIAS COM O CONDOR ANDINO ( VULTUR GRYPHUS) NA BOLVIA Por Diego R. Mndez, A sociacin Armona y The Peregrine Fund. e-mail: aetus14@yahoo.com Um condor andino voando sobre a Cuesta de Sama, ao fundo a cidade de Tarija, 20 Ago. 2012 Diego R. Mndez / Armona

PAGE 19

WWW.NEOTROPICALRAPTORS.ORG PGINA 17 balhamos prximo aos municpios de Omereque e Tiquipaya em Cochabamba; Yamparez, Tarabuco, San Lucas e Camargo em Chuquisaca; enquanto em Tarija trabalhamos na Reserva Biolgica “Cordillera de Sama”. Alm de obter valiosos dados sobre a abundncia do condor andino, esta pesquisa nos favoreceu a oportunidade de interagir com muitas pessoas entre autoridades, guarda-parques, pessoal tcnico e comunitrios das localidades estudadas. As experincias compartilhadas enriqueceram extremamente a informao obtida e permitiram Grupo de condores prximo comunidade de Real, Cochabamba, 02 Junho 2012 Diego R. Mndez Armonater uma ideia mais clara para desenvolver estratgias de conservao para o condor andino, compreendendo a perspectiva de quem executa um papel crucial na conservao no somente desta espcie, mas de toda biodiversidade. A importncia cultural e social do condor andino indiscutvel. Isto evidente pelo respeito das pessoas locais em relao ao condor, as lendas que existem em torno dele, e a persistente crena – em alguns lugares mais que outros – que o condor uma ameaa para o gado. As localidades onde visitamos esto em regies onde

PAGE 20

PGINA 18 NMERO 16 • DEZEMBRO 2013 a maioria dos habitantes de origem Quechua, e durante nossas viagens ns ouvimos muitas referncias a lugares localmente conhecidos como condor phuuna (onde os condores dormem), condor khechana (penhascos cobertos com manchas brancas caractersticas de fezes), condor thapa (onde o condor tem o seu ninho) e, particularmente interessante, condor mayllani (cachoeiras onde os condores vo se banhar). Ouvimos histrias locais, incluindo a “criana condor” – sobre uma mulher cujo lho foi roubado por um condor. A criana tem asas de condor e somente pode ser vista perto dos inacessveis penhascos, e quando ela percebe algum se aproximando, ela foge e desaparece nas nuvens. Dia Internacional da Sensibilizao Condor na Reserva Biolgica “Cordillera de Sama” com a participao de guarda-parques e pesquisadores (DRM segundo da direita para esquerda), 01/Setembro/2012 ArmonaOutras histrias contam que durante a poca reprodutiva das vacas “mais que uma vaca jovem ser perdida porque os condores voam baixo e comem-nas”. Outros indivduos mencionam des ladeiros inacessveis, onde os condores se banham, a rmando que “algum tem que ir por cima para v-los, mas no h necessidade de se aproximar”. Algo muito encorajador foi observar nos municipios com os quais trabalhamos, um crescente interesse en temas ambientaies, como cou claro em relao as instituies que nos receberam, sem as quais no teriam sido possveis desenvolver as atividades do projeto. No entanto, este estudo trouxe tona, que em geral as pessoas no tm

PAGE 21

WWW.NEOTROPICALRAPTORS.ORG PGINA 19 uma interpretaao objetiva sobre a importncia real de conservar e estudar o condor andino (nem qualquer outra espcie). Para mudar esta atitude fundamental empreender estratgias de educao ambiental, ressaltando por exemplo, a oportunidade que as comunidades possuem de gerar receitas implementando prticas de conservao tais como o turismo baseado na visita atrativos naturais e a observao do condor, junto com a demonstrao interativa de estilos de vida tradicionais e a comercializao de produtos prprios de cada regio. Na Reserva Biolgica “Cordillera de Sama” trabalhamos junto com sua equipe, cuja ajuda foi essncial no desenvolvimento de todas as atividades, ressaltando seu profundo compromisso com a proteo da rea. Nosso trabalho foi muito agradvel, compartilhamos muitas estrias sobre o trabalho no campo e as observaes do condor: sua histria natural, comportamento, as interaes condores-gado e a percepo das pessoas que vivem na Reserva. Trocamos tambm opinies sobre a pesquisa e a conservao nesta importante reserva – que protege a singular biodiversidade de Puna e el Bosque BolivianoTucumano no sul da Bolvia – discutindo aspectos tais como o re orestamento, o ecoturismo e a educao ambiental. A informao e as impresses locais que obtivemos so fundamentais para desenvolver medidas de conservao efetivas para o condor andino e seu hbitat, neste sentido esperamos fortalecer os vnculos estabelecidos e continuar com nossas pesquisas. Agradecimentos Um agradecimento especial equipe de proteo da Reserva Biolgica Cordillera de Sama e s comunidades: Real, Huanacuni Grande, Huari Pucara, Corral Pampa, Yunga Pampa, La Mendoza, Sarufaya, Sanimayu, La Quemada e Abra Calderillas. Agradeo Hernn Vargas por revisar este manuscrito e pela contnua colaborao neste Projeto, Rodrigo Soria e Sebastian Herzog pela constante assistncia. Referncias Balderrama, J.A., C. Quiroga, D.O. Martnez y M. Crespo. 2009. Vultur gryphus Pp. 363-364. En: Ministerio de Medio Ambiente y Agua 2009. Libro rojo de la fauna silvestre de vertebrados de Bolivia. La Paz, Bolivia. Hennessey, A.B., S.K. Herzog y F. Sagot. 2003. Lista Anotada de las Aves de Bolivia. Quinta edicin. Asociacin Armona/BirdLife International, Santa Cruz de la Sierra, Bolivia. Ros-Uzeda, B. y R.B.Wallace. 2007. Estimating the size of the Andean Condor population in the Apolobamba Mountains of Bolivia. J. Field Ornithol. 78: 170–175. *

PAGE 22

PGINA 20 NMERO 16 • DEZEMBRO 2013 Mediante o presente reporta-se o registro visual e auditivo de um individuo adulto de Falco relgio. O espcime foi observado o dia 22 de agosto de 2013 aproximadamente s 09:30hs vocalizando e pousado sobre um carvalho ( Quercus sp. ), o qual ao perceber nossa presena de deslocou fora de nossa vista e permaneceu vocalizando aproximadamente 15 minutos. A rea onde o registro ocorreu nas partes baixas da Sierra La zona del avistamiento del Halcn Selvtico de Collar Aldo Ortiz Reyes NOVO REGISTRO DE FALO REL"GIO ( MICRASTUR SEMITORQUATUS) PARA MONTEMORELOS, NUEVO LE"N, MXICOPor Aldo Ortz Reyes, Universidad Autnoma de Tamaulipas. Reynosa, Tamaulipas, Mxico O O Falco relogio ( Micrastur semitorquatus ) uma espcie de falconiforme de distribuio predominantemente Neotropical, desde o centro do Mxico at o sul do Brasil. Habita desde as orestas sempre verdes at as orestas deciduais (Howell y webb 1995). No Mxico considerada uma espcie “Em Risco” dentro da Norma O cial Mexicana (NOM-059).

PAGE 23

WWW.NEOTROPICALRAPTORS.ORG PGINA 21 Madre Oriental, na comunidade “Ejido Races”, no municpio de Montemorelos, Nuevo Len, Mxico (Coordenadas 14 R 0394285 E/ 2790662 N ) a uma altitude de 498 metros sobre o nvel do mar. A vegetao da regio corresponde ao tipo “Matorral Submontano” ( Helieeta parvifolia, Cordia boissieri ) misturado com elementos de bosque de carvalho ( Quercus sp. ) e elementos de vegetao de galeria ( Taxus sp. ). O sitio de registro prximo a rea de Importncia para a Conservao das Aves (AICA) 69 SIERRA DE ARTEAGA, a qual atualmente apresenta 61 espcies de aves incluindo algumas consideradas como espcies em perigo de extino como a Cotorra Serrana ( Rhynchopsitta terrisi )guia real ( Aquila chrysaethos ) e Falco peregrino ( Falco peregrinus ) (Del Coro e Marquez 2001). Discusso e Concluses O presente registros apresentado con gura o ponto mais ao norte para a espcie e se adiciona a outras observaes recentes feitas nas localidades de Chipinque e La Estanzuela, nas proximidades da Cidade de Monterrey e Santiago, Nuevo Len. O registro aqui apresentado refora a hiptese da presena de uma populao estabelecida da espcie na Serra de Arteaga, considerando que a regio funcionaria como corredor de disperso para espcies neotropicais, uma vs que forma parte do sistema montanhoso da Serra Madre Oriental que vai desde Monterrey at Veracruz. Em concluso necessrio fazer estudos para conhecer o estado das populaes desta espcie na Serra de Arteaga e contribuir ao conhecimento da biodiversidade na regio. Referncias Del Coro A. M & Marquez V. L 2001. reas de Importancia para la Conservacin de las Aves. CONABIO Howell S.N.G. y S. Webb 1995. Guide to the Birds of Mxico and Northern Central America. Oxford University Press, New York USA. Norma O cial Mexicana NOM-059-SEMARNAT-2010 http://neotropical.birds.cornell.edu/portal/species/overview?p_p_spp=22502 http://ebird.org/ebird/ map/coffal1?neg=true&env. minX=171.78165912997042&env. minY=-47.347993958547725&env. maxX=51.89884662997042&env.maxY= 40.903283497372165&zh=true&gp=false &mr=1-12&bmo=1&emo=12&yr=19002013&byr=1900&eyr=2013 *

PAGE 24

PGINA 22 NMERO 16 • DEZEMBRO 2013 entes ridos e semi-rido na regio centro-norte do pas. A pesar de sua ampla distribuio e status de conservao, esta espcie no conta at o momento com programas de conservao e PROGRAMA DE CONSERVAO DA GUIA-CINZENTA ( HARPYHALIAETUS CORONATUS) NA PROVNCIA LA PAMPA, ARGENTINAPor Maximiliano Adrin Galmes 1,2, Jos Hernn Sarasola 1,3 y Juan Manuel Grande 1,3 1Centro para el Estudio y Conservacin de las Aves Rapaces en la Argentina (CECARA) Av. Uruguay 151, 6300 Santa Rosa La Pampa, Argentina; 2The Peregrine Fund, 5568 West Flying Hawk Lane, Boise, Idaho, USA.3Instituto de Ciencias de la Tierra y Ambientales de La Pampa (INCITAP) Consejo Nacional de Investigaciones Cient cas y Tcnicas de Argentina (CONICET) Av. Uruguay 151, 6300 Santa Rosa La Pampa, Argentina A Aguia Cinzeta ( Harpyhaliaetus coronatus ) e uma espcie classi cada como em perigo de extino, distribuda na poro centro-sul da Amrica do Sul e que na Argentina habita ambiHembra adulta de guila Coronada alimentando al pichn con una serpiente del gnero Bothrops

PAGE 25

WWW.NEOTROPICALRAPTORS.ORG PGINA 23 monitoramento de suas populaes no nvel local ou regional. Com base na informao produzida durante 10 anos contnuos de estudos desta espcie na provncia La Pampa (Argentina), conduzidos pelo Centro para Estudo e Conservao de Aves de Rapina na Argentina (CECARA), identi caram-se as principais ameaas que pressionam esta espcie nesta regio. Baseando-se nestes resultados, a mortalidade por perseguio, a eletrocuo nas linhas de redes eltricas, o afogamento em reservatrios de gua para o gado, somado a perda de hbitat, tem-se mostrado como uma situao alarmante para a espcie, considerando a baixa taxa reprodutiva que apresenta. A partir do trabalho de cientistas e tcnicos do CECARA, e em conjunto com a Departamento de Recursos Naturais da provincia La Pampa, foram estabelecidas e projetadas uma srie de medidas para atenuar o impacto das atividades antrpicas sobre as populaes de guia-cinzenta. Desta maneira, e mediante a articulao entre pesquisadores e gestores, conseguiu-se estabelecer o Programa de Conservao da guiaCinzenta na provncia La Pampa apresentado durante a XV Reunio Argentina de Ornitologia, desenvolvida na cidade de Santa Rosa, entre os dias 18 e 21 de setembro de 2013. Hembra subadulta de guila Coronada electrocutada en el oeste de La Pampa, Argentina Maximiliano A. Galmes

PAGE 26

PGINA 24 NMERO 16 • DEZEMBRO 2013 O programa de conservao levanta atividades e aes para cada uma das causas de mortalidade identi cadas para a espcie nesta regio. Desta forma, para cada uma destas ameaas se projetou e desenvolveu um plano de trabalho com a nalidade de prevenir e mitigar o impacto destes fatores de mortalidade sobre as populaes de guias-cinzenta. A extenso para os moradores locais com a nalidade de conseguir uma mudana em sua percepo e atitude em relao a espcie foi um dos componentes fundamentais a considerar. Para tal nalidade, e como continuidade das tarefas de educao, sensibilizao e extenso que tem sido conduzidas pelo CECARA durante os ltimos anos, desenvolveram-se dois pontos para divulgao: televiso e documentrio “Que a guia continue voando” (“Que el guila siga volando”), que sero difundidos em palestras e reunies com os moradores locais, mas tambm por meio do canal estadual de televiso, com sinal aberto que chega a todas as comunidades includas na rea onde se desenvolve o projeto, no centro-oeste da provncia La Pampa. O documentrio, realizado por pro ssionais de comunicao audiovisual e com o apoio dos investigadores do CECARA na redao do roteiro, apresenta de forma clara e concisa a problemtica da espcie, os resultados das atividades de pesquisa e as aes que so promovidas para a sua conservao. Com a experincia adquirida a partir das atividades de extenso e difuso sobre a problemtica da espcie nas escolas rurais, est previsto dentro do programa, uma srie de o cinas nos Centros de Formao Docente para incorporar a guia-cinzenta como espcie focal em temas de Ecologia e de Conservao para que os docentes dos diferentes nveis educativos possam trabalhar em diferentes atividades educativas com a espcie. O afogamento de guias-cinzentas em reservatriButeo polyosoma ahogado en tanque australiano en el oeste de La Pampa. Maximiliano A. Galmes

PAGE 27

WWW.NEOTROPICALRAPTORS.ORG PGINA 25 os de agua outro dos fatores de mortalidade identi cados nesta regio e que tambm afetam outras espcies da fauna silvestre. Para mitigar o efeito destes incidentes sobre as populaes de guia-cinzenta foi estabelecido um programa de disposio de rampas de resgate. Estas rampas consistem em telas de malha metlica submersa nestes reservatrios que permitem aos indivduos subir por elas at a borda do tanque, no caso de cairem acidentalmente. Este programa ser nanciado pelo governo provincial, que iniciar uma srie de palestras informativas para que os prprios moradores locais projetem e construam suas prprias rampas de resgate. Finalmente, e para abordar a problemtica da eletrocuo em os eltricos, foram iniciadas uma srie de reunies com a Administrao Provincial de Energia para a implementao de medidas de mitigao nos postes de eletricidade identi cados como perigosos para a eletrocuo da guia-cinzenta. A abordagem da problemtica da espcie tem sido bem recebido pelos responsvei desta administrao j que a eletrocuo de aves Interactuando con el Lonco de la comunidad originaria Ranquel sobre el guila Coronada en el Fiesta Provincial del Chi Laura Beinticinco

PAGE 28

PGINA 26 NMERO 16 • DEZEMBRO 2013 de grande porte em reas remotas e de difcil acesso tambm acarreta prejuzos econmicos substanciais no momento de restaurar o sistema eltrico aps um incidente deste tipo. A concientizao da sociedade para a conservao da guia-cinzenta implicar uma mudana de atitude no apenas em relao a guia-cinzenta mas tambm para as demais espcies, independentemente do seu status de conservao. A execuo destas medidas de mitigao pretende bene ciar no somente a guia-cinzenta mas tambm a todas as espcies de aves que utilizam os postes de eletricidade como poleiros ou lugares para nidi cao, alm das aves e mamferos que so vtimas dos afogamentos em armadilhas mortais, como tem ocorrido com os reservatrios arti ciais de gua para o gado. Da mesma forma, a guiacinzenta se converter em uma espcie guardachuva para as demais espcies silvestres da regio rida e semi-rida do centro da Argentina. Esperamos que por meio deste programa de conservao e com suas medidas mitigatrias, algumas em andamento e outras a serem implementadas, se possa reverter a tendncia populacional negativa da espcie ao longo de sua distribuio. Considerando que as ameaas identi cadas no so prprias desta regio, estas medidas de mitigao poderiam ser aplicadas em outras zonas da rea de distribuio da guia-cinzenta. * Para obter mais informaes visite: www.cecara.com.ar Centro para el estudio y conservacin de las Aves Rapaces en Argentina http://aguilacoronada.blogspot.com.ar/

PAGE 29

WWW.NEOTROPICALRAPTORS.ORG PGINA 27 E Entre 20 e 24 de outubro de 2013 aconteceu na cidade de So Carlos de Bariloche, Rio Negro, Argentina, o I Worldwide Raptor Conference. Mais de 200 delegaes representando 30 pases e cinco continentes participaram deste encontro, organizado conjuntamente pela Rede de Aves de Rapinas Neotropicais, Raptor Research Foundation, World Working Group on Birds of Prey and Owls e Universidade del Comahue. Antes da conferncia aconteceram diferentes workshops com a participao de uma grande quantidade de estudantes e pro ssionais que pesquisam as aves de rapina no mundo. Os participantes receberam treinamento sobre o uso de veculos teledirigidos, aquisio de amostras biomdicas, tcnicas de captura e a correta instalao de transmissores satlite em aves de rapina. Os participantes tambm participaram de diversas atividades em campo, antes, durante e depois da conferencia, onde puderam aproveitar as maravilhas naturais que somente a regio da Patagnia pode oferecer, como a observao de numerosas espcies de aves de rapina e da fauna argentina em geral. A regio Neotropical foi representada por quase todos os pases, que puderam compartilhar experincias com pesquisadores da Europa, Amrica do Norte, Austrlia, sia e frica. O encontro tambm foi uma oportunidade para trazer delegados de todo o mundo, com interesses semelhantes e criar possibilidades para realizarem projetos conjuntos. Esta conferncia foi um exemplo de trabalho em equipe entre as diferentes RESUMO DOI WORLDWIDE RAPTOR CONFERENCEPor Miguel Saggese Presidentes do Comit Organizador: (esq a dir) Sergio A. Lambertucci, Valeria Ojeda e Miguel D. Saggese.

PAGE 30

PGINA 28 NMERO 16 • DEZEMBRO 2013 organizaes participantes, seus representantes e os organizadores locais. Esperamos que esta reunio conjunta entre as diferentes organizaes dedicadas ao estudo e conservao das aves de rapina se repita no futuro! Informaes adicionais sobre a conferncia, programao, lista de palestrantes e livro de resumos esto disponveis em http://www.raptorresearchfoundation.org/wp-content/uploads/2013/10/ WorldwideRaptorConferenceProgram.pdf * Ruth Tingay Raptor Research Foundation. Participantes en la I Worldwide Raptor Conference en frente del cartaz de la Rede de Aves de Rapina Neotropicais

PAGE 31

WWW.NEOTROPICALRAPTORS.ORG PGINA 29 WWW.NEOTROPICALRAPTORS.ORG PGINA 2 9 Viaje a Las Rapacespor Vctor J. Hernndez y Juan Varela Com uma seleo dos melhores desenhos e pinturas por Juan Varela e textos por Victor J. Hernandez VIAJE A LAS RAPACES um olhar diferente para estas aves, um livro que procura transmitir a emoo da observao direta de aves de rapina em seus habitats naturais. Visa todos os pblicos, de cerca de observao e biologia, comportamento e conservao das aves de rapina em geral, com exemplos de todos os continentes e numerosas espcies ilustradas. Para mais informaes visite: www.tundraedicions.es.TIOF ENDOWMENT FUND PROPOSAL http://www.ospreys.com/styled-4/index.htmlA Fundao Internacional guia-Pescadora (International Osprey Foundation – TIOF) apia atividades de pesquisa realizadas por estudantes de ps-graduao centradas principalmente com guia-pescadora. No entanto, o trabalho com outras espcies de aves de rapina podem ser consideradas. Para se inscrever, envie uma descrio do projeto com no mximo de duas pginas, uma estimativa detalhada dos custos, o nome e o endereo do orientador de ps-graduao. A candidatura deve ser enviada at 31 de janeiro de 2014 para: TIOF Endowment Fund, P.O. Box 250, Sanibel, Florida, USA 33957-0250. Rede de Aves de Rapina Neotropicais www.neotropicalraptors.orgNmero 16, Dezembro 2013 IX Congreso Nacional de Ornitologa, Ayacucho – Per, 2014. http://ixcongresoavesayacuc.wix.com/bienvenidaO Comit Organizador do IX Congresso Nacional de Ornitologia, composto por diversas organizaes da regio de Ayacucho, Peru, entre elas, a Associao Pr-Fauna Silvestre, a Rede Ecolgica Hatun Sacha, a Associao Cactus Ayacucho, a Gerncia Regional de Recursos Naturais e Gesto do Meio Ambiente, a Faculdade de Cincias Biolgicas da Universidade Nacional de San Cristbal de Huamanga e patrocinado pela Unio de Ornitlogos do Peru – UNOP, convidam muito cordialmente para este importante evento. O IX CON acontecer na cidade de Huamanga, Ayacucho, de 20 a 25 de abril de 2014. Durante os quatro dias de congresso, ocorreram conferncias, simpsios, workshops, exposies orais, painis e exposio de fotografas das aves do Peru.