Spizaetus

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Spizaetus
Physical Description:
Serial
Language:
English
Portuguese
Spanish
Publisher:
Neotropical Raptor Network
Place of Publication:
Boise, Idaho
Publication Date:

Subjects

Genre:
serial   ( sobekcm )

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
University of Florida
Rights Management:
All applicable rights reserved by the source institution and holding location.
System ID:
UF00100958:00021


This item is only available as the following downloads:


Full Text

PAGE 1

BOLETIM DA REDE DE AVES DE RAPINA NEOT R OPICAIS REP R ODUO DO FALCO FEMORALIS NA BRASIL INCU BAO DO BUTEO VENTRALIS NO SUL DO CHILE PULSATRIX P ERS P ICILLATA NA COLOM BIA NOVOS REGISTR OS DE FALCO RUFIGULARIS NO PER U MIG RAO DE FALCES EM EL SALVADOR NMERO 15 JUNHO 2013 SPIZAETU S

PAGE 2

Nmero 15 Junho 2013 Edio em portugus ISSN 2157-9180 Tradutores/Editores: Helena Aguiar-Silva & Mosar Lemos Diseo Grfico : Marta Curti Foto de Capa : Juvenil Falco femoralis. Paul Spurling, The Peregrine Fund SPIZAETU S B OLETIM DA RR N www.neotropicalraptors.org Spizaetus: Boletim da Rede de Aves de Rapina Neotropicais 2013. republicar qualquer artigo contidas neste documento, por favor, entre em contato com os autores correspondentes.

PAGE 4

PGINA 2 NMER O 15 JUNHO 2013 A A Floresta Atlntica brasilei ra caracterizada por uma alta stituindo uma importante rea de endemismo de aves. Entretanto, terras no Estado do Rio de Janeiro bem como na fauna a ela associada. Neste contexto, as reas verdes do municpio de Niteri apresentam grande importncia local, e mesmo regional, constituindo verdadeiras remanescentes (Lemos, 2010). O municpio de Niteri (22o 52 51 S e 43o 06 15 W) possui uma rea de cento e trinta quilmetros quadrados e est localizado na mi Rio de Janeiro, Brasil, inserido no bioma Floresta REP R ODUO DO FALCO-DE-COLEI R A ( FALCO FEMO R ALIS) NA R EA U RB ANA DA CIDADE DE NITE R I, ESTADO DO RIO DE JANEI R O, BR ASIL Antonio Carlos da Silva Bressan 1 and Mosar Lemos 2 : 1 Faculdade de Veterinria, Universidade Federal Flu minense (aposentado), 2 email: lemosmosar@hotmail.com do e a temperatura oscila entre dezenove e trinta graus ao longo do ano. A altitude varia do nvel do Estadual da Serra da Tiririca (Wehrs, 1984). Antonio Carlos Bressan

PAGE 5

WWW.NEOTR OPICALRAPTORS.OR G PGINA 3 rem no municpio, encontram-se pelo menos 21 de-coleira ( ) um falcondeo de m dio porte habitante de campos e cidades, onde caa aves, roedores, lagartos e morcegos (Sick, 1997). Geralmente avistado o casal, s vezes Argentina, sendo bastante estimado como ave de geralmente aproveita aqueles que foram abandonados por outras aves, em rvores isoladas. no Mxico, foram en contrados ninhos em grandes bromlias ar borcolas (U.S. Fish and Wildlife Service, 1990). A mdia do dimetro externo de cinco nin hos no leste do Mxico variou de 28 cm a 100 cm, e a altura variou de 6 a 18 cm. O menor ninho provavelmente foi aproveitado de e o maior de (U. S. Fish and da raa costuma ocorrer entre os meses de agosto e dezembro, sendo a pos tos ou manchas marrons brilhantes ou marromavermelhadas e que medem de 40 a 48 mm de comprimento e 31 a 36 mm em sua parte mais larga (Brown e Amadon, 1989; Sick, 1997). Mader (1981) relatou um ninho na localidade de Guarico, na Venezuela, sados do ninho em uma palmeira ( rum ) no ms de maro du zuelana. O autor observou a captura de morcegos pe los adultos, que tambm utilizavam essas presas Hector (1985) estudando a no leste do Mxico encontrou 97% de aves compondo a biomassa de representassem 65% das presas individuais. O peso mdio das presas foi de 65 gramas. Exceto por um morcego todas as presas vertebrados Localizao de Niteri.

PAGE 6

PGINA 4 NMER O 15 JUNHO 2013 de 3% da biomassa de presas (Mader, 1981; Hec tor, 1985, Jimnez, 1993). Granzinolli et al (2002) acompanharam cinco eventos reprodutivos do Estado de Minas Gerais, Brasil, e relataram que embora nenhum casal tenha sido observado con struindo o ninho, dois indivduos levavam gal hos e ramos para os respectivos ninhos. A altura onde os ninhos estavam situados variou de 5,2m 7,2m Foram postos um total de 15 ovos (3 em cada ninho) dos quais eclodiram 8 e foi obtido ninho. O maior ninho media 77 cm de dimetro, 32 cm de altura externa e 25 cm de profundidade. As posturas ocorreram em agosto e setembro. Meyer e Williams III (2005) acompanharam os ninhos de 2 casais de em duas es no Novo Mxico (EUA). Os ninhos foram con casal iniciado as atividades reprodutivas mais de ovos variou de 1 a 3, com um total de 4 ovos oriundos de um nico ninho em 2002. O perodo deixaram o o ninho com 38 dias, nos primeiros dias de agosto. O casal utilizou uma Yuca ( eram aves. Os columbdeos foram as aves mais capturadas, com o gnero representan do 30% das capturas. Lencioni Neto (1996) ob lando no incio do ms de agosto (dia 8) e em 25 de construdo no ano anterior. tantes, pois mesmo representando algumas vezes 50% das capturas, contribuem apenas com cerca Antonio Carlos Bressan

PAGE 7

WWW.NEOTR OPICALRAPTORS.OR G PGINA 5 Relato de caso novembro de 2012 foi observada a atividade de uma palmeira rabo-de-peixe ( ), na rea urbana de Niteri, Estado do Rio de Janeiro, Bra estava localizado a cerca de 9 metros de altura, tes foram vistos fora do ninho pela primeira vez em 05 de outubro e permaneceram no local at 20 de novembro. mente de rolinhas ( ). Foram capturadas outras aves de pequeno porte, inclu ). Aps aram suas atividades ao redor da palmeira onde se encontrava o ninho e em outra a cerca de 20 morcegos ou roedores. Antonio Carlos Bressan

PAGE 8

PGINA 6 NMER O 15 JUNHO 2013 Em 11 de outubro o casal foi fotografado cop foi observado comportamento de nova postura no mesmo ninho. ao ambi relativamente preservadas, ainda que a principal casal tenha sido a ave mais abundante nas grandes cidades (Sick, 1997). Ao contrrio do que Mader (1981) relatou servado a captura de morcegos pelo casal, de lagartos como relatado por Jimnez (1993) ou de pung, 2005). A utiliza como presa principal coincidiu com as obser que encontrou 30% de espcies do gnero entre os co lumbdeos capturados um estudo no leste do Mxico. Os relatos dos di como O e (Granzinolli e Motta-Junior, 2006; U. S. Fish And Wildlife Service, 1990; Hector, 1985), o peso mdio das presas varivel de 34,29 g a 67,0 g 2005). Se considerarmos que o peso de Cpula Antonio Carlos Bressan

PAGE 9

WWW.NEOTR OPICALRAPTORS.OR G PGINA 7 pode variar de 35 a 56 gramas (m dia de 45,5 g), e que o casal de Niteri consumiu principalmente essa espcie, o peso mdio das presas abatidas foi menor que aqueles observa e Granzinolli e Motta-Junior (2006), porm foi vm ponderar que a raa que ocorre nos EUA e Mxico, maior e mais pesada que a raa que ocorre no Brasil, sendo assim mais capacitada para capturar presas maiores. aquele mencionado por Lencione Neto (1996) no criados pelo casal, o tempo de permanncia no ninho e a poca reprodutiva tambm concorda ram com aqueles de Lencioni-Neto (1996), Gran zinolli et al (2002), U. S. Fish and Wildlife Service (1990) e Meyer e Williams III (2005), embora es ses ltimos autores tenham observado os ninhos entre os meses de maro a agosto Alguns relatos Han como local para ninho (Lencioni-Neto, 1996; Granzinolli et al, 2002), porm Mader (1981) en controu o ninho observado na Venezuela na pal meira de forma semelhante ao Antonio Carlos Bressan

PAGE 10

PGINA 8 NMER O 15 JUNHO 2013 ninho aqui relatado que se encontrava na palmeira dos ninhos de em locais distintos; no Mxico (U. S. Fish and Wildlife Service, 1990) e no Brasil (Lencioni Neto, 1996). O ninho de pois o casal utilizou apenas a concavidade natural formada entre as folhas e o tronco da palmeira. 1989, 945p. v.8, n.1, p.8-19, 2005. coleira Falco femoralis Temminck 1822 ( : Falconidae) no municpio de Juiz de Fora, sudeste do Brasil. Biota Neotropica, v.2, n.2, p.16, 2002. ) and con ) by the Aplomado Falcon ( ) in Brazil. Revista Brasileira de Ornitologia v.14, n.4, p.453-454, 2006. ( n.87, p.336-342, 1985 Jimnez, J. E. Notes on the diet of the Aploma do falcon ( Journal of Raptor Research, v.27, n.3, p.161-163, 1993. Lemos, M. Ocorrncia e status de algumas aves de rapina no municpio de Niteri, Estado do Aves de Rapina. v.4, n.2, p.6-11, 2001. Lemos, M. Avifauna de Niteri: Um guia para res em www.ornitoaves.blogspot.com. Acessado em 03.11.2012. Lemos, M; Freitas, A. A. R. Occurrence of the Black-banded Owl ( ) in the urban area of Niteroi, Rio de Janeiro State, Brazil. Neotropi cal Raptor Network Newsletter, n.8, p.10-11, dec.2009. (Vieillot, 1818) e Temminck, 1822 (Aves, Accipitridae; Falconidae). Mader, W. J. Notes on nesting raptors in the Lla 1981.

PAGE 11

WWW.NEOTR OPICALRAPTORS.OR G PGINA 9 Meyer, R. A; Williams III, S. O. Recent nesting and current status of Aplomado falcon ( ) in New Mexico. North American Birds, v.59, p.352-356, 2005. the Aplomado falcon ( ) in an agri nal of Raptor Research, v.39, n.1, p.55-60, 2005. Sick H. Ornitologia Brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. 1997, 912 p. U. S. Fish And Wildlife Service. Northern Aplo mado Falcon recovery plan. New Mexico: U. S. Fish and Wildlife Service. 1990, 56p. 1984, 366p. *

PAGE 12

PGINA 10 NMER O 15 JUNHO 2013 O NOTAS SO BR E A COMPO R TAMENTO DE INCU B AO DO GAVIODECAUDAVE R MELHA ( BUTEO VENTRALIS ) NO SUL DO CHILE. By Javier Medel Hidalgo 1 Toms Rivas-Fuenzalida 2, 3 Nicol Asciones-Contreras 3 & Ricardo A. Figueroa R 4 1 1 Escuela de Ciencias Biolgicas, Facultad de Ciencias, Universidad Austral de Chile, Casilla 567, Valdivia, Chile 2 Red Conservacionista del Patrimonio Natural de Contulmo, Los Canelos #350, Contulmo, Regin del Bio-bo, Chile 3 Nahuelbuta Natural, Trettel #105, Caete, Regin del Bio-bo, Chile 4 Escuela de graduados, Facultad de Ciencias Forestales y Recursos Naturales, Universidad Austral de Chile, Casilla 567, Valdivia, Chile rambuena 2012). Os resultados deste estudo sugerem que a fmea se encarrega completa taria apenas a contribuir com as presas. de-cauda-vermelha para melhor esclarecer o pa fase do ciclo reprodutivo. Material e Mtodos Entre outubro e dezembro de 2012 estudamos o de norte a sul da seguinte maneira: ninho 1, ninho 2 e ninho 3. O ninho 1 foi encontrado no sop da O tos autores consideram que merece prioridade de era 1995, Jaksic Ulbrich 2008). Tambm, devido a pouca in tivo (Rivas-Fuenzalida 2011, Norambuena

PAGE 13

WWW.NEOTR OPICALRAPTORS.OR G PGINA 11 de Los Ros, e o ninho 3 foi localizado no setor idas na borda de um rochedo, na copa de uma Tepa ( ), e na copa de um ), respectivamente (ver detalhes dos nidos 1 e 2 em Rivas-Fuenzalida et Aceptada). realizadas entre s 9:00 19:00 h e o tempo m foi possvel registrar as atividades desde o aman uso de binculos 10x45, luneta 20-60 x 80 ou a tncia. Os trs ninhos puderam ser observados ninhos foram monitorados durante outubro de copa de um Laurel ( ) e o outro ). O terceiro ninho foi monitorado durante outubro de 2011 ) (ver detalhes destes ninhos em RivasFuenzalida 2011). Javier Medel Hidalgo.

PAGE 14

PGINA 12 NMER O 15 JUNHO 2013 melnico vs morfo claro) e a presena de marcas naturais (por exemplo, rmiges ou retrizes dani 2011, Norambue na 2012). Resultados Nos ninhos 1 a 3 as fmeas realizaram a maior principalmente no fornecimento de presas, em bora tenham sido observados incubando em 29 oportunidades (19.2 horas; 18.8% do tempo to 4 120 min). fmeas abandonavam o ninho (Fig. 2) para con voando, alongando-se ou alisando as penas pousa das nos galhos de rvores prximas ao ninho (6080 m aprox.). As entregas de presas por parte do macho foram estimuladas aparentemente pelas de presas trazidas pelo macho, as fmeas vocal Toms Rivas Fuenzalida

PAGE 15

WWW.NEOTR OPICALRAPTORS.OR G PGINA 13 izavam solicitando a presena dos machos para que as substitussem temporariamente na incuba no ninho, sendo recebidas e transportadas pelas fmeas at os galhos de rvores vizinhas ao local de ingerir cada presa, as fmeas regressavam ao uma fmea sobrevoou o territrio por quase meia hora, mais de 1 km de distncia, antes de retornar ao ninho para substituir o macho. comportamento dos adultos durante o aman hecer. Em ambas as oportunidades a fmea vo calizou ao iniciar do dia em um poleiro prximo ao ninho (90m de distncia), enquanto o macho permanecia cobrindo os ovos sem emitir vocal por 17 minutos do mesmo poleiro, a fmea voou at o ninho s 9:51 h para substituir o macho que havia permanecido incubando por pelo menos do ninho, o macho se dirigiu quase imediatamente ninho 2 e uma no ninho 3). sivamente pelas fmeas. Favorecendo a sombra sobre os ovos (Fig. 3) posicionando-se em p no ninho, com as costas para o sol, suas asas e cauda semi-estendidas, com a plumagem da cabea e do 3). As fmeas estavam no ninho para mudar a sua tambm o tempo para alongar, alisar e girar os deixaram o ninho sem qualquer apoio dos ma tarde (18:00 s 19h00) de dias claros, quando os trmica mais fresca. O abandono do ninho era 2). O tempo durante o qual o ninho 1 foi negli genciado em mdia foi de 7,5 minutos (intervalo com um mximo de 5 horas nas ltimas visitas. No ninho 2, os adultos estavam ausentes durante todo o dia 6 de dezembro, quando se descobriu interior do ninho os restos de um nico ovo. Em 11 de dezembro, o macho foi observado somente no ninho 3, visitando apenas ocasionalmente, en (assim como o ninho 2) havia falhado antes de

PAGE 16

PGINA 14 NMER O 15 JUNHO 2013 ser determinada. 5), imediatamente depois que estes trouxeram presas no ninho. Nos trs ninhos observados ocasionalmente, a torno das rvores dos ninhos, por isso, a maioria das vezes foi difcil determinar qual membro do casal permaneceu no ninho incubando. No en tanto, nos trs ninhos pudemos registrar de ma Discusso cauda-vermelha registrado durante nosso estudo se encaixa ao descrito para a maioria das espcies de aves de rapina diurnas (Newton 1979). Em bora em algumas espcies de aves de rapina, o casal participam de maneira quase eqitativa, sen sendo substituda pelo macho somente quando esta deixa o ninho para consumir as presas tra zidas pelo macho (Newton 1979). Em um estudo anterior sobre o comportamen somente a fmea foi observada incubando, en quanto o macho se limitou no fornecimento de presas (Norambuena 2012). Ao contrrio, durante nosso estudo observamos em seis nin macho-fmea, mesmo sem ter havido entrega de presas. Isto sugere que nesta espcie comum que ambos os membros do casal participem da tem sido observado em outras trs espcies de chilena ( Bu 2004). possvel que Norambuena pode ser muito difcil determinar a ocorrncia de mente quando ambos os parceiros tm o mesmo

PAGE 17

WWW.NEOTR OPICALRAPTORS.OR G PGINA 15 os resultados de Norambuena (2012), po dem ser explicados pela variabilidade comporta mental entre casais. Em muitas espcies de casais reprodutores diurnos podem variar individual a fmea tende a determinar o comportamento do macho (Newton 1979). Assim, o casal observado por Norambuena (2012) poderia ser um caso em que a fmea dominou e impediu o macho de O fato de que um macho foi observado incu bando vrias vezes durante as primeiras horas poleiro prximo ao ninho (possivelmente seu dormitrio), sugere que este macho poderia ter incubado durante a noite. Este comportamento sido descrito para vrias espcies de aves de rapi na diurnas (Green 1976, Liversidge 1962, Rowan Vilella 2005). O elevado tempo de negligencia dos ninhos 2 e 3 durante as ltimas visitas foi claramente um si Fuenzalida (2011) indicaram que a perse Toms Rivas Fuenzalida

PAGE 18

PGINA 16 NMER O 15 JUNHO 2013 o que causou o insucesso deste ninho. Estudos mais detalhados sobre o comporta permitiram determinar com mais clareza as pos hor o papel que cada sexo exerce nos diferentes momentos ao longo do dia, incluindo a noite. quais os ninhos desta espcie fracassam durante Agradecimentos Agradecemos a Fernando Medel, Marcelo Ri fornecer o equipamento de campo. Nossas ob suas respectivas propriedades. Finalmente agra deste artigo neste nmero. Bierregaard, R. O., Jr. 1995. The biology and con Falconiformes: a survey of current knowledge. ? Birds of ilucho comn ( ) en el centro y sur de la Argentina. Ntulas faunsticas. Segunda se rie 77: 1-15. hawk ( ) during the breeding season 349-352. Green, R. 1976. Breeding behaviour of Ospreys in Scotland. Ibis 118: 475-490. ecology and behavior of Broad-winged Hawks in Raptor Research 39 (4): 404-416. letin 3: 96-104.

PAGE 19

WWW.NEOTR OPICALRAPTORS.OR G PGINA 17 Liversidge, R. 1962. The breeding biology of the Little Sparrowhawk ( ). Ibis104: 399-406. Norambuena, H. V., V. Raimilla and J. E. Jimnez. 2012. Breeding behavior of a pair of Rufoustailed Hawks ( Journal of Raptor Research. 46 (2): 211-215. la (Aves: Accipitridae) en ral, 74: 687-697. ( ) en remanentes de bosque lluvioso tologa Neotropical 22:405-420. trategia nacional de conservacin de aves. Servi tura. Serie Tcnica 1: 1-16. Rowan, W. 1921. Observations on the breeding habits of the Merlin. British Birds 15: 122-129. 2004. Breeding biology and nest characteristics of the White-throated hawk ( ) in Raptor Research 38: 1-8. Forest-specialist raptors of the temperate forests of southern South America: a review. Revista Brasileira de Ornitologa 14: 317-330. Aires, Argentina. havior of the American Kestrel (Sparrow Hawk). Living Bird. 3: 75-96. *

PAGE 20

PGINA 18 NMER O 15 JUNHO 2013 A A murucututu ( ) a maior (41-48 cm) e mais pesada (Stiles e Skutch 1995, Knig e Weick 2008). Sua rea de distri tral e partes da Amrica do Sul, sil, e ao sul at a Bolvia e Ar gentina (Knig e Weick, 2008). uma espcie relativamente co mum, mas raramente observada. indo insetos, pequenos crustceos, rpteis, aves e mamferos e devido ao seu tamanho, podem se alimentar de presas pequenas como mas tambm de presas maiores como gambs e preguias (Mikkola, 1992; Gomez de Silva, 1997; Bryson 2009). Esta espcie usa diferentes am bientes ao longo de sua rea de mida de plancies e dos sops de montanhas. No Mxico, habita reas ribeirinhas, grandes frag 1993, Rivera A PR ESENA DA MU R UCUTUTU ( PULSATRIX P ERS P ICILLATA ) EM FR AGMENTOS DA FLO R ESTA TR OPICAL SECA NO VALE DO RIO CAUCA NA LOCALIDADE DE NEI R A, DEPA R TAMENTO DE CALDAS, COLM B IA. Juan S. Restrepo Cardona 1 Alejandro Lpez Betancur 2 & Sergio Crdoba-Crdoba 3 1 Investigador asociado Divisin de Historia Natural, Centro de Museos, Universidad de Caldas, Manizales, Caldas, Colom bia. E-mail: juansebio@yahoo.com ; 2 Semillero de Investigacin en Ornitologa (SIO-UC), Departamento de Ciencias Biolgicas, Facultad de Ciencias Exactas y Naturales, Universidad de Caldas, Manizales, Colombia. E-mail: lopezboenus@ yahoo.com ; 3 Department of Ecology and Evolutionary Biology, Guyot Hall R106A, Princeton University, Princeton, NJ 08544. USA. E-mail: sergcordoba@yahoo.com. registrada em do rio Cauca, municpio de Neira, departamento de Caldas, Colm

PAGE 21

WWW.NEOTR OPICALRAPTORS.OR G PGINA 19 (Enriquez e Rangel, 1997). No Equador muitas vezes refugia-se em manchas de bambu gigante e taquaruu (Freile ., 2011), enquanto que no grandes reas de taquaruu ( Guadua weberbaueri) os requisitos de tamanho de rea para o sucesso reprodutivo (Hume, 1991), esta espcie depende dio e baixo do Rio Magdalena, no Orinoco e para istros para os dois ltimos (Hilty e Brown, 1986).

PAGE 22

PGINA 20 NMER O 15 JUNHO 2013 Mtedos ridge, 1967). A rea um mosaico dominado por gramneas e para a pecuria (52,5%), e pequenas lavouras de milho, principalmente sobre os terraos aluviais (4%) composta principalmente de ub ( ) e outras espcies nativas veg etais como a goiaba ( ), formando louro-amarelo ( ( ais. Alm disso, existe um bambuzal ( Guadua an Toda esta rea abrange 90 hectares. bro de 2011, seguimos um casal de murucututu que encontramos descansando, em quatro oca resta secundria (1,5%), que est em terreno n greme nas colinas prximas s margens do rio prximo a uma cachoeira de cerca de 50 m de al ta, tais como samia ( ), congolo ( ), batata-da-praia ( ), pimenta-demacaco ( ), urtiga ( guito ( ), embaba ( ), arbusto de caf ( ), ing ( ), louro-amarelo ( ( ). foi observado, os indivduos adotaram ) ), localizada a 156 detect-los novamente. Discusso itat da murucututu, considerado entre os trs ecossistemas mais degradados, fragmentados e

PAGE 23

WWW.NEOTR OPICALRAPTORS.OR G PGINA 21 menos conhecido (IAvH, 1998). E, embora, apa rentemente, esta espcie tolere algum grau de al 2011), sabe-se disso, muitos dos restantes Bs-T que existem atu servacionista nessas reas. Concluses A murucututu uma espcie neotropical de am uma dieta variada, e ocupa o nvel mais alto da cadeia alimentar. necessrio determinar qual a ecossistemas nos quais foram registrados. Tendo em conta que entre as principais causas de ame tamento de seu habitat natural (Knig e Weick, actersticas do habitat que o murucututu utiliza e como estas variam entre as diferentes coberturas ., 2011 2013). Alm disso, a murucututu poderia ser promovida como uma espcie bandei bre a espcie e seus benefcios para o ecossistema e para os seres humanos, assim como sobre out Agradecimentos Manizales. Merganetta. Boletn Informativo de 032. en Manizales. Merganetta. Boletn Informativo No: 031. Wikelski. 2009. Evidence for Three-Toed Sloth ( ) predation by Spectacled Owl ( ). Edentata Journal 8-10:1520.

PAGE 24

PGINA 22 NMER O 15 JUNHO 2013 de conocimiento de las aves en el departamento cobertura de bosques y humedales entre 1957 y 1986 con delimitacin de las comunidades natu view. Journal Raptors Res. 27(3) 154-160. Owls of the Northern Hemisphere. 2nd. Inter national Symposium. Winnipeg, MB. Gen. Tech. to popular sobre los bhos en los alrededores de Rica. Etnobiologia 4: 41-53 2006. Taxonomy, distribution and conservation of owls in the neotropics: a review: 254-307 (en) de conocimiento, distribucin y conservacin de aves rapaces nocturnas en Ecuador. Ornitologia Neotropical 23(suppl): 241-250. owl ( ) during the rainy season in northern Oaxaca, Mxico. Journal of Raptor Research 31(4): 385-387. Hilty, S.L., y W. L., Brown., 1986. A guide to the New Jersey. Holdrige, L.R., 1967. Life zone ecology. Tropical Hume, R., 1991. Owls of the world. Running Instituto Alexander Von Humboldt., 1998. El ventario de la Biodiversidad. Grupo de Explor aciones y Monitoreo Ambiental GEMA.

PAGE 25

WWW.NEOTR OPICALRAPTORS.OR G PGINA 23 de Hidrologa, Meteorologa y Estudios Ambien ino Unido. nocturnal raptor species (Strigidae) in Southeast 376-380. Mikkola, H.,1992. Wood Owls: 108-140 (en) Bur Eurobook, Italy. Rangel. 2012. Ocupacin y abundancia de aves rapaces nocturnas (Strigidae) en la Reserva de la ta Mexicana de Biodiversidad 83: 742-752 Stiles, F.G. y A. F. Skutch. 1989. A guide to the Ithaca, NY. U.S.A. Stiles, F.G. y A. F. Skutch. 1995. Gua de Aves de Rica. *

PAGE 26

PGINA 24 NMER O 15 JUNHO 2013 O NOVOS REGISTR OS DE FALCO-CAUR ( FALCO RUFIGULARIS ) NO NOR OESTE DO PER U. O ) uma ave trado do norte do Mxico at o sul ao longo das Amaznia at o norte da Argentina (Misiones) e reas abertas, savanas, reas agrcolas, ao longo dos rios e riachos, incluindo at mesmo reas urbanas (Global Raptor Information Network 2013). Indivduos de insetos Jorge Novoa Segundo Crespo 1 Fernando Angulo Pratolongo 1 Alexander More 2 y Jorge Novoa 1 1 Centro de Ornitologa y Biodiversidad (CORBIDI), 2 Naturaleza y Cultura Internacional (NCI-Per) e-mails: screspo@corbidi.org; chamaepetes@gmail.com; jojunoco@yahoo.es; amorewild@yahoo.com

PAGE 27

WWW.NEOTR OPICALRAPTORS.OR G PGINA 25 que est distribudo do norte do Mxico ao sul ao longo de ambos os lados da Amrica norte da Bolvia, sul do Brasil e norte da Argen tina, e guai e norte da Argentina (Global Information Network Raptor 2013). A espcie considerada 2013). Mapa de distribuio e novas localidades de

PAGE 28

PGINA 26 NMER O 15 JUNHO 2013 Indivduos de asas Segundo Crespo plamente distribuda na Amaznia at 1500m de altitude. No entanto, rara e locais no noroeste (Schulenberg 2010). Na encosta ocidental primeiro registro publicado ocorreu em 18 de maio de 1978 no Rio Tocto (200 m) no depar so, a espcie tem sido registrada nas localidades rea de estudo das pelos autores e outros investigadores, entre novembre de 2006 e dezembro de 2011, detal

PAGE 29

WWW.NEOTR OPICALRAPTORS.OR G PGINA 27 Resultados mento de Tumbes e cinco no departamento de de indivduos solitrios ou em pares, os quais foram registrados pousados ou voando. Tam listadas do norte ao sul. )(Malvaceae) na estrada Quebrada An 80O; 340 m): em 15 e 16 de maio de 2009, alto de um galho de na encosta de frente para o riacho Angostura. Este indivduo vduo pousado em a cerca de 12 m o ponto de vista de Angostura. ) (Bom rea mais mida do lado sul da Reserva Nacional de Tumbes. vduo voando sobre uma rea de pastagem para gado no caminho de acesso estrada Jurupe at ( ) (Bixaceae) h 12 m de al tura. de 2006 s 14:30 h na ladeira de uma colina e em Los Antiguos. Os dois registros foram de indi viduos solitrios pousados em um galho exposto.

PAGE 30

PGINA 28 NMER O 15 JUNHO 2013 registraram esta espcie regularmente em novem bro e dezembro de 2011, pousada principalmente em rvores de Foi fotografada e 2011. e JN observaram um indivduo pousado em um de cultivos de milho que se encontram entre veg por rvores de ruizii mineral ilegal. 10:17 h pousados em uma rvore Um indivduo estava pousado no galho mais alto, a pousado num galho a cerca de 8m de altura. Eles grandes insetos (aproximadamente 5cm de com primento) que foram capturados em voo. Os in divduos sempre voltavam para o mesmo poleiro para se alimentar. Estes indivduos foram obser mado enquanto estava se alimentando. Na rea, e cabras. predominam rvores de e Almendro ( ) (Faba Jurez observaram un indivduo adulto pousado sobre uma rvore de O indivduo foi observado na mesma rvore em dois dias suces observou e fotografou um casal de na vocalizando e fazendo voos curtos no entorno da fmea, que estava pousada sobre uma dra e fotografaram s 9:08 h um indivduo pousado em uma rvore de no cruzamen mesmo dia s 14:24 h h aproximadamente 500 m do registro anterior, observamos, fotografamos e

PAGE 31

WWW.NEOTR OPICALRAPTORS.OR G PGINA 29 Discusso Os locais 1-6 se encontram dentro da rea de dis (2010). Os demais locais representam os primeiros reg Os registros aqui apresentados foram documen tados entre 130 e 950 m de altitude. Este regis tro est abaixo da altitude mxima conhecida 2010), no entanto, refere-se a Amaznia. Na titudinal para esta espcie est entre 100 e 950 m Indivduos de

PAGE 32

PGINA 30 NMER O 15 JUNHO 2013 aproximadamente. pre (Global Raptor Information Network 2013). No cie oriental dos Andes. Huarapo ( com um sub-bosque denso e semidenso geralmente cresce a alturas de 20m com um dos idas e tm rvores que crescem acima de 20m, dominada por espcies como (Fabaceae), ceae) e (Meliaceae), entre outros. Area), Suyo La Tina, (localidade 9), a prtica e afetando a continuidade do hbitat. Esta ativi reas naturais protegidas, localizadas ao longo cinco localidades anteriormente registradas, ver golo (localidades 7 e 8 deste trabalho) e a rea de dades 2 e 3 deste trabalho). Este bloco continuo de reas protegidas do es dos principais refgios para esta espcie e para as aves de rapina do noroeste em geral, assim como de espcies endmicas e ameaadas. ris tamentos realizados entre novembro de 2006 e dezembro de 2011. Esta espcie foi encontrada

PAGE 33

WWW.NEOTR OPICALRAPTORS.OR G PGINA 31 tapes como na cordilheira principal dos Andes. reas agrcolas, sobrepastoreio na pecuria, extra est presente, e desenvolver pesquisas para au mentar o conhecimento da espcie no noroeste Agradecimentos em 2008 e 2009, a Marshall Reynolds Foundation BirdLife International. 2013. Species factsheet: el 15 de marzo del 2013). Global Raptor Information Network. 2013. Spe cies account: Bat Falcon www.globalraptors.org (Acceso el 21 de abril del 2013). Instituto Nacional de Recursos Naturales (IN RENA). 2003a. Mapa de los bosques secos del departamento de Tumbes. Lima: Ministerio de Instituto Nacional de Recursos Naturales (IN RENA). 2003b. Mapa de los bosques secos del H. Wust. 1995. Natural history and conservation nal de Tumbes. Boletn Informativo de la Unin

PAGE 34

PGINA 32 NMER O 15 JUNHO 2013 Walker, B. 2002. Observations from the Tumbes Robbins. 1985. Birds of a tropical deciduous for Ornithological Monographs 36: 305-315 *

PAGE 35

WWW.NEOTR OPICALRAPTORS.OR G PGINA 33 A PRIMEIRA CONTAGEM DA MIGRAO COMPLETA DE FALCES EM EL SALVADOR. Ricardo Prez 1 ; Ernesto Ruelas Inzunza 4 ; Geovanni Garca 2 ; Jorge Ramos 2 and Keith Bildstein 3 1 Environmental consultant. El Salvador. Email: perez_leon@yahoo.com; 2 Environmental consultants; 3 Sarkis Acopian Director of Conservation Science, Hawk Mountain Sanctuary. Pensylvania, USA. Email: Bildstein@hawk mtn.org; 4 Field Museum A movimentos mais espetaculares na natureza, dessas espcies que normalmente podem ser os para se estudar as aves de rapina no Mxico, corredor biolgico Mesoamericano (Bildstein esforos tm desenvolvido uma tima oportuni aves de rapina na Mesoamrica ((Bildstein 2004, No entanto, ainda existe a necessidade de desen volver contagens similares em outras partes do corredor Mesoamericano, incluindo El Salvador e outros pases prximos (Bildstein 2004, Bild ni ) aves e bilogos tm registrado aves de rapina em 1987, Komar Neste artigo descrevemos os resultados de con

PAGE 36

PGINA 34 NMER O 15 JUNHO 2013 gratrias tm sido observadas passando em anos anteriores. Nossos esforos de monitoramento representam a primeira contagem de temporada completa em El Salvador, assim como a primeira apresentar as aves de rapina para os povos locais e turistas. rea de estudo O stio de observa em Suchitoto, uma pequena cidade na tral de El Salvador O), 400 m ao nvel do mar. A rea inclui montanhas, colinas, vales e terras midas. Uma matriz agrcola de cana-de-acar e tropical a partir de novembro a maro, e uma es Salvador est exposto a ventos de nordeste gera dos no hemisfrio norte, e aquecido pelo Golfo do Mxico durante outubro e novembro (SNET 2007). Mtodos Em agosto de 2005, ns conduzimos um encon adultos locais e as grupos escolares de crianas para infor m-los sobre a tem das aves de rapina, e para convid-los a visitar o stio de ob O sitio de obser est localizado no techo do Hotel O) a 410 m ao nvel do mar. As contagens foram realizadas de setembre a novembro, coincidindo ram no stio por 70 dias, cumprindo um total de

PAGE 37

WWW.NEOTR OPICALRAPTORS.OR G PGINA 35 iniciaram tipicamente as 08:00 e terminaram en tre 15:00 e 18:00, dependendo da ocorrncia de chuva no perodo da tarde. Os participantes reg istraram dados sobre o clima a cada hora, incluin o nmero de individuos de cada espcie obser vada. Utilizamos planilhas de contages elabora das por HMANA (Hawk Migration Association Titus 1996). Os observadores utilizaram bincu los de 8x10 para procurar as aves e uma luneta de do era necessrio. como a mxima visibilidade (estimada a partir da medida entre a distncia das montanhas at A migrao das aves de rapina em

PAGE 38

PGINA 36 NMER O 15 JUNHO 2013 gem da cobertura de nuvens no cu), e a altura mativa). Resultados Ao longo dos trs meses, a mdia da visibilidade mxima variou de 35 at 78 km, no entanto, du eram comuns. A temperatura mdia diria foi de as 16:00. Uma tempestade tropical em outubro obrigou o encerramento das contagens por trs das. No in cio de novembro, uma frente fria trouxe menores novembro o cu estava principalmente claro com poucas nuvens e sem neblina. As contagens iniciaram em 1 de setembro e ter tal de 327.313 aves de rapina diurnas e urubus, representadas em 21 espcies. O maior nmero de indivduos foi representado por trs esp cies: urubu-de-cabea-vermelha ( ), A migrao das aves de rapina em

PAGE 39

WWW.NEOTR OPICALRAPTORS.OR G PGINA 37 pa-gafanhoto ( que passaram mi grando em El Salvador, principalmente em outu bro e novembro. As espcies menos frequentes ) ). A riqueza de espcies foi mais baixa em setembro, as primeiras guias-pescadoras passaram pelo s em outubro antes de diminuir novamente em no e quarta semana de outubro e os primeiros das

PAGE 40

PGINA 38 NMER O 15 JUNHO 2013 de novembro, quando gravamos bandos de mil hares de aves que passaram ao mesmo tempo. Os primeiros 10 dias de setembro foram carac ( ), a espcie que numrica O maior nmero de espcies passaram entre 09:00 e 11:00. Em setembro, as aves voaram durante o horrio mais quente do dia (10:00-13:00); todavia em outubro e novembro a maioria das aves pas As aves utilizaram quatro rotas principais: (1) ao (uma montanha localizada no sudoeste de Suchi toto), (2) dentro de 1 km2 do sitio de observa e (4) atravs das colinas do norte principalmente planando em voo. Um total de 104 pessoas visitaram o obser vatrio incluindo pessoas locais, turistas, grupos escolares de crianas e estudantes de biologia. o propsito de educar sobre a importancia do tats destas espcies, os papel das aves de rapina no ecosistemas, e a necessidade de establecer um vador.

PAGE 41

WWW.NEOTR OPICALRAPTORS.OR G PGINA 39 do os observadores convidaram o pblico a ob novembro, os membros da equipe apresentaram compartilhar os resultados da contagem, bem como para enfatizar a importncia de continuar a Discusso se sazonalmente nos neotrpicos, pelo menos 40 aves de rapina representadas em 32 espcie utiliza o corredor biolgico Mesoamericano durante a 2000). O urubu-de-cabea-preta ( ) tem sido considerado uma espcie residente (MARN 2005). Os movimentos migratrios da espcie tm sido registrados em locais diferentes ao re dor do pas, mas falta uma contagem precisa da quantidade de sas contagens registramos em bandos mistos com Em 2007 a lista das aves de El Salvador (Komar foi considerada como uma espcie mi gratria parcial. ) considerado uma espcie residente em El Salvador (Komar indivduos foram vistos migrando no stio em rus ). Ambos foram observados migrando no stio em 2005. Outros avistamentos incluem os primeiros ( ) e sovi ( ), que passaram principalmente durante setembro. A migrante intratropical de acordo com Bildstein 2004) no incio de setembro foi surpreendente como a espcie migra para a Amrica do Sul no incio de agosto no Mxico (Ruelas 2000). itantes migrantes. No Suchitoto, ambas as esp cies foram observadas em baixo nmero, princi palmente em outubro. Concluses prolongado irregularmente at 8 de novembro, principalmente devido ao tempo.

PAGE 42

PGINA 40 NMER O 15 JUNHO 2013 eceu uma oportunidade de educar o pblico e compartilhar nossas experincias com eles. im portante seguir com estas iniciativas que promo rapina e seus hbitats. Sem dvida, necessitamos El Salvador e para conhecer a importncia da topografa do pas para essas espcies. Futuros Agradecimentos pamentos para realizar as contagens e obter da dos do clima doados pelo programa Birders Ex change (BEX) da American Birding Association. Recinos, diretora do Escritrio de Turismo Mu nicipal de Suchitoto. O acesso a internet foi favo e Erwin Aguirre, e divulgado por Roxana Snchez trabalharam como voluntrios durante a conta para a equipe e a Hilda Len, quem gentilmente Bildstein, KL. 2004. Raptor migration in the neo tropics: patterns, processes, and consequences. Ornitologa Tropical 15: 83-99. along the Mesoamerican land corridor. In Hawk 119-141. El Salvador. Field Museum of Natural History. Fuller, MR; Titus, K. 1996. Sources of migrant hawk counts for monitoring raptor populations. Avian population trends. p. 41-45. R. 2007. The 2007 list of birds of El Salvador, with an assessment of national conservation sta

PAGE 43

WWW.NEOTR OPICALRAPTORS.OR G PGINA 41 MARN (Ministerio de Medio Ambiente y Recur sos Naturales). 2006. Mapa de uso del suelo de Salvador, El Salvador. MARN. 2005. Lista de aves de El Salvador: ver cion.htm Ruelas I, E; Hoffman, SW; Goodrich, LJ; Tingay, burg, BU (eds). p. 591-596. SNET (Servicio Nacional de Estudios Territo nal El Imposible, El Salvador. SalvaNATURA. (Unpublished document). 33 p. M. 1987. Status of uncommon and previously ogy Vol. 3(3) 293 p. match: a global directory of raptor migration Life International, Hawk Mountain Sanctuary. 419 p. *

PAGE 44

que incidem sobre aspectos clnicos de aves exticas e sil A dades que constroem alianas estratgicas no hemisfrio oci dental. Subsdios Rede de Aves de Rapina Neotropicais www.neotropicalraptors.org Nmero 15, Junho 2013 Conferncias Esta conferncia internacional, ser realizada 21-24 outu uma oportunidade maravilhosa de conhecer e colaborar com Mara del Mar Contaldi