<%BANNER%>
Spizaetus
ALL VOLUMES CITATION PDF VIEWER
Full Citation
STANDARD VIEW MARC VIEW
Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/UF00100958/00015
 Material Information
Title: Spizaetus
Physical Description: Serial
Language: English
Portuguese
Spanish
Publisher: Neotropical Raptor Network
Place of Publication: Boise, Idaho
Publication Date: December 2012
 Subjects
Genre: serial   ( sobekcm )
 Record Information
Source Institution: University of Florida
Holding Location: University of Florida
Rights Management: All rights reserved by the source institution and holding location.
System ID: UF00100958:00018

Downloads

This item is only available as the following downloads:

( PDF )


Full Text

PAGE 1

BOLETIM DA REDE DE AVES DE RAPINA NEOTROPICAISSPIZAETUSASSOCIAO DE FALCO SPARVERIUS ESTUDO SOBRE ELANOIDES FORFICATUS NA COLMBIAEDUCAO AMBIENTAL EM BELICEPRIMEIRA CONFERNCIA MUNDIAL SOBRE AVES DE RAPINA NA ARGENTINANMERO 14 DEZEMBRO 2012

PAGE 2

Nmero 14 Dezembro 2012 Edio em portugus, ISSN 2157-9180 Tradutores : Helena Aguiar-Silva, Carol Ewbank, Felipe Gomes, Mosar Lemos Diseo grfico : Marta Curti Foto de Capa : Falco sparverius em vo Rob Palmer, www.falconphotos.com SPIZAETUSBOLETIM DA RRNwww.neotropicalraptors.org Spizaetus: Boletim da Rede de Aves de Rapina Neotropicais. 2012. Este boletim pode ser reproduzido, baixado e distribudo para ns no comerciais. Para republicar qualquer artigo contidas neste documento, por favor, entre em contato com os autores correspondentes.

PAGE 3

U MA VEZ COMUM, ATUALMENTE MOTIVO DE PREOCUPA O: DESENVOLVIMENTO DE INICIATIVAS D E CONSERVA O E PESQUISA DE GRANDE ESCALA EM CONJUNTO COM A A MERICAN KESTREL P ARTINERSHIP DO T HE PEREGRINE FUN D A ll yson Woo d ar d & Matt Giovanni.... ................................................................ 2 E STUDO S OBRE O G AVIO-TESOURA ( ELANOIDES FORFICATUS ) NA C OLMBIA Santiago Zu l uaga Castae d a........................................................ ....................... 6 E DUCA O A MBIENTAL EM TOLEDO DISTRICT, BELIC E C e l es h ia Guy .........................................................................................14 C ONVERSACIONES DO C AMPO : ENTREVISTA CO N J OS DE J VARGAS GONZALE Z M ar k us J ais........................................................................................................ 1 6 P RIMEIRA C ONFERNCIA MUNDIAL SOBRE A VES DE RAPIN A N A A RGENTINA ................... 2 0 D E INTERESS E .........................................................................................2 1 A RRN uma organizao baseada em a liaes. O objetivo contribuir para a conservao e pesquisar as aves de rapina neotropicais. Promovendo a comunicao e coloborao entre pesquisadores, ambientalistas e entusiastas pelas aves de rapina que trabalham na regio Neotropical. Para participar da RNN envie a Marta Curti, mcurti@peregrinefund.org uma breve apresentao e comunicando seu interesse na pesquisa e conservao das aves de rapina.

PAGE 4

PGINA 2 NMERO 14 • DEZEMBRO 2012 P PPor ser a nica espcie de francelho no Hemisfrio Ocidental, o Falco Quiriquiri ( Falco sparverius ) facilmente identi cado desde o Canad at a Argentina. Essa espcie nidi ca exclusivamente em cavidades e caa em uma variedade de territrios; desde pradarias, at plantaes e UMA VEZ COMUM, ATUALMENTE MOTIVO DE PREOCUPAO: DESENVOLVIMENTO DE INICIATIVAS DE CONSERVAO E PESQUISA DE GRANDE ESCALA EM CONJUNTO COM A AMERI-CAN KESTREL PARTINERSHIP DO THE PEREGRINE FUND Por Allyson Woodard y Matt Giovanni The Peregrine Fund. e-mail: mgiovanni@peregrinefund.orgambientes urbanos, e amplamente considerada o rapinante mais comum na Amrica do Norte. Infelizmente, seu status populacional parece estar mudando. Um exemplo ocorre na regio de New England, na Amrica do Norte, aonde dados da US Geological Survey Breeding Bird Survey indicam que a populao de casais de Falco Quiriquiri em idade reprodutiva diminuiu em 88% nos ltimos 44 anos. De fato, o constante declnio da populao em atividade reprodutiva vem ocorrendo h algum tempo e de maneira evidente (http://kestrel. peregrinefund.org/kestrel-decline), porm, pesquisadores no possuem informaes su cientes para justi car de maneira exata as causas de tal Masculino Falco sparverius Kate Davis

PAGE 5

WWW.NEOTROPICALRAPTORS.ORG PGINA 3 evento ou reverter essa tendncia. Como espcies recentemente ameaadas, como por exemplo a guia Careca ( Haliaeetus leucocephalus ) e o Falco Peregrino ( Falco peregrinus ) so atualmente mais comuns em algumas regies do que o Falco Quiriquiri? Hipteses para explicar o declnio da populao de francelhos incluem reduo na disponibilidade de habitats para nidi cao devido ao cultivo de areas de plantao (ex: pastos e campos de centeio) para colheita, perda de protuberncias (rvores mortas ou adoecidas) e cavidades para construo de ninhos, alm de competio com outras espcies de hbitos reprodutivos semelhantes, como o Sturnis vulgaris e o Colaptes auratus Exposio dos ovos, lhotes recm nascidos, lhotes emplumados e adultos a doses siolgicas letais ou sub-letais de toxinas presentes no ambiente, como por exemplo: rodenticidas, chumbo e PBDEs. Uma ultima possibilidade para o aumento do nvel de mortalidade de lhotes emplumados e adultos seriam destruio e alterao do habitat devido ao crescimento e expano da populao de Accipiter cooperi Dados sobre o nmero de francelhos na Amrica do Norte esto disponveis, graas a extenFeminino Falco sparverius Raymond Barlow

PAGE 6

PGINA 4 NMERO 14 • DEZEMBRO 2012 arti ciais de francelhos por todo o Hemisfrio Occidental. O Peregrine Fund admitiu a falta de tais dados e em Abril de 2012 lanou o American Kestrel Partnership para instaurar um projeto de organizao de dados e um website abrangente, com recursos e ferramentas para monitoramento de ninhos arti ciais, rede de comunicao entre pro ssionais, padronizao e manejo de dados obtidos a partir do monitoramento de ninhos arti ciais. Desta forma nasceu a American Kestrel Partnership; um projeto a longo prazo, de grande escala e ambicioso baseado na tremenda capacidade de gerao de dados por grupos de cientistas amadores combinados a anlise de dados e pesquisa tcnica realizados por cientistas pro ssionais. A resposta de fs de francelhos tem sido extrordinria: desde Abril de 2012, a Partnership expandiu em mais de 250 parceiros registrados que geraram mais de 1500 observaes de ninhos arti ciais, representando aproximadamente 700 ninhos arti ciais de francelhos – isso mais que 1500 espiadas em ninhos arti ciais de francelhos em uma nica estao reprodutiva! A maioria dos atuais associados e ninhos arti ciais esto na Amrica do Norte, mas a American Kestrel Partnership foi criada como um projeto para o Hemisfrio Norte porque populaes de kestrel esto provavelmente sujeitas a processos ecolgicos parecidos por todo seu amplo sos, abrangentes e bem organizados programas de monitoramento como o USGS Breeding Bird Survey, da National Audubon Society’s Christmas Bird Count, e do Raptor Population Index (contagens migratrias). Dados sobre parmetros de nidi cao (ex: fenologia, ocupao, sobrevivncia e produtividade), entretanto, so geogra camente fragmentados e localizados, desprovidos de mecanismos de comunicao e organizao de dados entre centenas de cidados e cientistas pro ssionais que monitoram milhares de ninhos Ninho arti cial, Boise, Idaho, USA The Peregrine Fund

PAGE 7

WWW.NEOTROPICALRAPTORS.ORG PGINA 5 territrio. Portanto, estamos ativamente recrutando parceiros na Amrica Central e do Sul, cidados e pro ssionais de pesquisa. Voc estaria interessado(a) para contribuir com a pesquisa e conservao de francelhos? Possui um ativo programa de pesquisa sobre francelhos? Por favor entre em contato conosco para fazer parte deste projeto e contibuir com uma uma iniciativa histrica! Para este falco extraordinrio, todos os esforos e todas os ninhos arti ciais so vlidos. http://kestrel.peregrinefund.org/ * Um par de Falco sparverius com seus ovos, fotografado por uma cmera ninho no ninho arti cial, Boise, Idaho, USA. The Peregrine Fund

PAGE 8

PGINA 6 NMERO 14 • DEZEMBRO 2012 O Ogavio-tesoura ( Elanoides for catus ) uma espcie monotpica, com duas subespcies reconhecidas na Amrica: Elanoides f. for catus migratrio da Amrica do Norte, e Elanoides f. yetapa residente, ocorrendo desde o sul do Mxico at quase toda Amrica do Sul (Ferguson-Lees e Christie, 2001). Na Colmbia esta espcie medianamente comum nas regies de orestas midas at 2600 metros de altitude, como no alto Dagua, alto Patia, alto e mdio Cauca, e alto e mdio Magdalena (Hilty e Brown, 1986). Mais recentemente a espcie foi registrada nos departamentos* de Caquet (VelsquezValencia et al, 2004), Cauca (Ayerbe-Quiones et al, 2008), Magdalena (Strewe e Navarro, 2003, 2004), Choc (Franco e Bravo, 2005), Caldas (Botero et al, 2005), Risaralda, Antioquia, Meta, Nario, Amazonas e Orinoco (BirdLife International, 2005). O gavio-tesoura classi cado pelo BirdLife International (2012) como uma espcie pouco preocupante, o que sugere que as populaes esto aumentando. No entanto necessrio avanar no conhecimento das interaes que ocorrem entre as duas subespcies, pois alm de constituir um dos fenmenos menos conhecido e mais complexo (Mrquez et al, 2005), de grande importncia para uma melhor compreenso de sua biologia. Portanto necessrio identi car os grupos residentes desta espcie, bem como os locais de invernada na Amrica do Sul, contribuindo para preencher lacunas de informaes importantes. Atualmente no se conhecem os dormitrios desta espcie na Colmbia, e tampouco o comportamento que apresentam naqueles stios. A presente nota documenta o que constitui o primeiro registro ESTUDO SOBRE O GAVIO-TESOURA (ELANOIDES FORFICATUS) NA COLMBIA Por Santiago Zuluaga Castaeda, Bilogo, Universidad de Caldas, Colombia. Centro de Rehabilitacin de Aves Rapaces San Isidro, Colombia. e-mail: santiago.1710720106@ucaldas.edu.co, raptorscolombia@yahoo.com Elanoides for catus Santiago Zuluaga Castaeda

PAGE 9

WWW.NEOTROPICALRAPTORS.ORG PGINA 7 de um dormitrio de um grupo de gavies-tesoura na Colmbia e descreve algumas observaes sobre o comportamento dessas aves. Materiais e Mtodos Foram compiladas as informaes obtidas sobre a espcie Elanoides for catus na Colmbia, a partir dos dados de pesquisadores, em sua maioria, pertencentes Rede Nacional de Observadores de Aves da Colmbia (RNOACOL). Os dados solicitados para cada registro foram data, horrio, localidade, coordenadas geogr cas, condies O investigador em um ponto de observao na cidade de San Jos del Palmar, Choc. Santiago Zuluaga Castaedaclimticas, tipo de habitat e opinies das pessoas das comunidades sobre a espcie, entre outras notas ecolgicas registradas. As informaes foram complementadas com os dados obtidos pelo autor nos departamentos de Caldas e Choc. Cabe ressaltar que na rea de San Jos Del Palmar, foi efetuado um maior esforo em observaes ecolgicas, onde tambm foi possvel realizar entrevistas e explorar a percepo da comunidade a respeito das aves de rapina, especialmente sobre o gavio-tesoura.

PAGE 10

PGINA 8 NMERO 14 • DEZEMBRO 2012 Foram realizadas observaes de campo em dois meses a m de garantir uma poca de migrao (novembro de 2009) e um perodo no migratrio (julho de 2011). Foram utilizados binculos 10X50 e cmaras fotogr cas para observaes sistemticas em pontos elevados com ampla viso do local, e transectos lineares percorridos por caminhos previamente estabelecidos (Mrquez e Rau, 2003). O critrio pelo qual foi de nido o nvel taxonmico foi determinado pelas datas das observaes, j que para a poca de reproduo (maio-julho) era esperado que somente a subespcie Elanoides for catus yetapa fosse encontrada na Amrica do Sul (Zimmerman, 2004). Cultivo de Bactris gasipaes Santiago Zuluaga CastaedaAs observaes de campo foram realizadas no municpio de San Jos Del Palmar, departamento de Choc (Colmbia), a 1000 metros de altitude, entre as coordenadas 4o54’20’’N e 76o16’21’’W. A rea tem uma precipitao mdia anual superior a 6000 mm e a paisagem representada por uma matriz de pastagens, lavouras e manchas de oresta. A observao a partir de pontos elevados foi realizada entre 07:00-10:00 h e entre 16:00-18:30h. Os transectos lineares foram percorridos entre 10:00-12:00h e entre 13:00-16:00h. Foi registrada a presena dos gavies-tesoura, foi contado o nmero de indivduos de cada grupo, e foram registradas as observaes comportamentais. Foram percorridos aproximadamente 5 km

PAGE 11

WWW.NEOTROPICALRAPTORS.ORG PGINA 9 diariamente, durante quatro dias a cada ms, entre 800 e 1000 metros de altitude. Resultados e Discusso As observaes do comportamento da espcie na Colmbia foram realizadas principalmente por Hilty e Brown (1986) e por Mrquez et al (2005), que documentaram como a espcie, graas ao seu carter gregrio, vista em parelhas e grupos de 10 a 12 e at 30 ou mais indivduos. Nos casos de grupos de 10 a 12 indivduos, foi observado em algumas ocasies o voo acima do dossel, possivelmente seguindo um padro de forrageio ou de migrao (Mrquez et al, 2005). Para este estudo foi obtido um total de 310 registros de Elanoides for catus dos ltimos 20 anos. A maioria dos registros (n= 264) documenta apenas a presena da espcie, enquanto os outros (n= 56) documentam alm da presena, o comportamento, nmero de indivduos, alimentao, interaes interespec cas e intraespec cas, percepes sociais sobre a espcie e algumas ameaas que possivelmente causam impactos negativos sobre suas populaes. Os registrados compilados para a espcie revelaram uma rea de distribuio mais ampla na Colmbia, j que a espcie foi encontrada em outros departamentos tais como Bolvar, Boyac, Cundinamarca, Guainia, Guaviare, Guajira, norte de Santander, Putumayo, San Andrs, Providencia, Santa Catalina, Tolima e Vichada, alm daqueles em que havia sido anteriormente registrada (Hilty e Brown, 1986; Velasquez-Valencia et al, 2004; Ayerbe-Quinones et al, 2008; Strewe e Navarro, 2003, 2004; Franco e Bravo, 2005; Botero et al, 2005; Mrquez et al, 2005; BirdLife International, 2006). Nos locais onde a espcie habita na Colmbia so observados principalmente indivduos solitrios e grupos de 2, 3 e 4 indivduos, sobrevoando o dossel da oresta, os campos, as culturas, os rios e lagos, semelhante ao relatado por Hilty e Brown (1986) e por Mrquez et al (2005). Alm disso os resultados das observaes em San Jose Del Palmar sugerem que tambm ocorrem grandes agrupamentos de gavies-tesoura em diferentes horrios, porm mais frequentemente ao meio dia e ao nal da tarde. O nmero de indivduos registrado nesses agrupamentos era frequentemente de 10 a 12, e em menor proporo foram vistos agrupamentos de 20 a 26 indivduos. Apenas em uma ocasio (julho de 2011) foi registrado um grupo possivelmente superior a 80 indivduos, o que pode estar relacionado com a poca reprodutiva (Zimmerman, 2004; Mrquez et al, 2005). Nos agrupamentos da espcie pode ser observado o compartilhamento de correntes ascendentes (trmicas) com os urubus ( Coragyps atratus ) e com taperuus-de-coleira-branca ( Streptoprocne zonaris ), entretanto no foi observado qualquer

PAGE 12

PGINA 10 NMERO 14 • DEZEMBRO 2012 tipo de interao entre essas espcies, mas por outro lado foram vistos ataque de tirandeos dos gneros Tyrannus e Myiozetetes aos gavies-tesoura, possivelmente devido a encontros agonsticos em defesa de seus ninhos e lhotes. As relaes intraespec cas mostraram que quando alguns indivduos voam em bando sobre as bordas das colinas, fazem perseguies curtas uns aos outros, e o gavio-tesoura perseguido reduz sua velocidade e se deixa alcanar sofrendo um leve toque no dorso. Da mesma forma alguns indivduos permanecem vigilantes nos dormitrios, enquanto os outros cochilam, o que possivelmente est relacionado com um comportamento hierrquico atravs do qual os gavies-tesoura reforam sua posio e desempenham um papel no grupo. Na bacia mdia do rio Palomino, em Sierra Nevada de Santa Marta, a espcie foi vista alimentando-se de lhotes de tirandeos dos gneros Tyrannus e Myiozetetes nos ninhos, e inclusive comem os pintos de aves domsticas (F. K. Florez in litt, 2011). Nesta mesma rea tambm foram observados gavies-tesoura que se alimentavam de tanajuras (Atta sp), das quais comiam apenas o abdmen, enquanto deixavam cair ao solo a cabea e o trax (L. F. Caceres in litt, 2008). Diversos agricultores da zona rural do municpio de San Jose Del Palmar, departamento de Choc, informaram que a espcie se alimenta do fruto da pupunheira ( Bactris gasipaes) Relatam que possvel ver grandes grupos de gavies-tesoura na poca da colheita (entre os meses de janeiro a maro e julho a setembro), com centenas de indivduos que chegam para alimentarem-se nas plantaes de pupunha. Na Colmbia j havia sido documentada a espcie se alimentando com frutas. No departamento de Meta, Lemke (1979) documentou a espcie se alimentando dos frutos da rvore conhecida como “caucho-negro” ou borracha-do-Panam ( Castilla elastica ). O nico dormitrio conhecido da espcie na Colmbia foi localizado no municpio de “San Jose Del Palmar”, departamento de Choc, a 1000 metros de altitude entre as coordenadas 4o 54’ 20’’ N e 76o 16’ 21’’ W. Nesta ocasio (novembro de 2009) o stio dormitrio de 32 gavies-tesoura foi uma rvore de 50 metros de altura e com uma copa de cerca de 4 metros de dimetro, conhecida pelas pessoas da comunidade como “carra”. Estava localizado na encosta de uma colina, que apresenta algumas manchas de vegetao. Quanto s caractersticas do dormitrio foram observados dois tipos de poleiros para dormir. Alguns estavam localizados nos ramos mais apicais da rvore e outros nas rami caes interiores. Desta forma os poleiros para dormir estavam distribudos pela rvore mostrando dois setores preferenciais. As observaes do nico dormitrio documentado na Colmbia permitem destacar que os gavies-tesoura no frequentam o dormitrio

PAGE 13

WWW.NEOTROPICALRAPTORS.ORG PGINA 11 durante o dia, pois saem pela manh cedo e regressam ao nal da tarde. Geralmente ao deixar o dormitrio pela manh os gavies-tesoura voam ao redor da rvore durante horas. De uma forma geral no foram encontradas percepes mticas ou manifestaes culturais envolvendo o gavio-tesoura, mas sem dvida algumas populaes humanas como os indgenas Arhuacos, que habitam a bacia mdia do rio Palomino, na Sierra Nevada de Santa Marta, consideram a espcie como uma ameaa, porque capturam e comem os pintos das aves domsticas que criam em suas casas (F. K. Florez in litt, 2011). Por outro lado na zona rural do municpio de San Jose Del Palmar, departamento de Choc, o gavio-tesoura considerado uma espcie praga dos cultivos de pupunha, da mesma forma que o so as maitacasde-cabea-azul ( Pionus menstruus ). Adicionalmente foi relatado que em alguns anos atrs a espcie foi caada por um grupo familiar de origem indgena que habitava a regio e que periodicamente matavam de trs a quatro gavies-tesoura, que eram utilizados como alimento. Aparentemente essa espcie no afetada pela perda de habitat, pois comum encontr-la em paisagens com interferncia humana e em construes arti ciais como reservatrios, barragens e lagos. Tambm no parece que a caa seja uma Colheita de Bactris gasipaes Santiago Zuluaga Castaeda

PAGE 14

PGINA 12 NMERO 14 • DEZEMBRO 2012 ameaa para as populaes da espcie na Colmbia, j que at agora s se tem registro desta atividade na zona rural do municpio de San Jose Del Palmar, lugar onde a espcie abundante. Por outro lado suspeita-se que a espcie possa estar sendo afetada pelo uso de produtos qumicos como o glifosato, que utilizado para o controle de ervas daninhas nas plantaes de pupunha. Estas suposies se baseiam nas entrevistas com a comunidade da zona rural de San Jose Del Palmar, levando em considerao alguns testemunhos de alguns agricultores que relataram que as mortes ocasionais de alguns indivduos da espcie Elanoides for catus coincidiram com o perodo de fumigao da lavoura com o herbicida. Alm disso, eles consideram que a espcie diminuiu em nmero de indivduos nos ltimos anos. Mrquez et al (2005) argumentaram “que a maioria dos indivduos desta espcie, observados na Colmbia, presumivelmente de migrantes parciais da subespcie Elanoides for catus for catus ”. Essa a rmao precisa ser reconsiderada j que grande parte das observaes ecolgicas apresentadas neste artigo foi registrada em uma populao da subespcie Elanoides for catus yetapa residente no municpio de San Jose Del Palmar, departamento de Choc (Zuluaga, obs. pes.). Adicionalmente um estudo efetuado por Zimmerman (2004) utilizando telemetria por satlite, com a subespcie Elanoides for catus for catus mostrou a Cordilheira dos Andes como um dos pontos de constrio importante ao longo de toda sua rota migratria. Com relao ao exposto sugerido ser necessrio dar alta prioridade a estudos que permitam planejar a conservao e gerar aes de manejo, a partir de um melhor conhecimento do comportamento da espcie nos locais de descanso e de sua alimentao. Neste sentido sugerido o municpio de San Jose Del Palmar, no departamento de Choc, como um dos locais mais importantes, onde devem ser iniciados os estudos que permitiro conhecer os aspectos ainda desconhecidos da biologia do gavio-tesoura, os quais tero implicaes decisivas na conservao da espcie no futuro. Agradecimientos comunidade da rea de estudo, especialmente famlia Pineda da propriedade “La Alcanca”, famlia Zuluaga da propriedade “La Divisa”, e ao Sr. Jorge Norvei Arenas. empresa “Serraniagua” por sua amabilidade e cooperao, especialmente seu diretor Cesar A. Franco e aos promotores ambientais Milton O. Pineda, Johnnier A. Arango e Zeneida Lpez. Mateo Barco e Diego Soler Tovar pelo apoio em algumas fases do trabalho. Marta Curti por sua assistncia permanente e comentrios sobre o manuscrito e muito especialmente ao Lloyd Kiff por seus comentrios e contribuies para este artigo.

PAGE 15

WWW.NEOTROPICALRAPTORS.ORG PGINA 13 Referncias Ayerbe-Q., F., Lpez-O., J. P., Gonzlez-R., M. F., Estela., F. A., Ramrez-B., M. B. Sandoval-Sierra., J. V. & L.G. Gmez-B. 2008. Aves del departamento del Cauca – Colombia. Biota Colombiana 9:77–132. BirdLife International. 2006. Fichas de especies para migratorias neotropicales en las IBAs: Elanoides for catus Downloaded from http://www. birdlife.org on 23/6/2010 BirdLife International. 2012. Species factsheet: Elanoides for catus Downloaded from http:// www.birdlife.org on 03/12/2012 Botero, J. E., Lentijo, G. M., Lpez, A. M., Castellanos, O., Aristizbal, C., Franco, N. & D. Arbelez. 2005. Adiciones a la lista de aves del municipio de Manizales. Boletn SAO 15(2):69-88. Ferguson-Lees, J. and D. Christie. 2001. Raptors of the world. Houghton Mif in, Boston, USA Franco, A. M., & G. Bravo. 2005. reas Importantes para la Conservacin de las Aves en Colombia. Pp. 117-182 en BirdLife International & Conservation International. reas Importantes para la Conservacin de las Aves en los Andes Tropicales: sitios prioritarios para la conservacin de la biodiversidad. BirdLife International (Serie de Conservacin de BirdLife No. 14), Quito, Ecuador. Hilty S. L., & W. L. Brown 1986. A Guide to the Birds of Colombia. Princeton University Press. Princeton, New Jersey, USA. Lemke, T.A. 1979. Fruit-eating behavior of Swallow-tailed Kites ( Elanoides for catus ) in Colombia. Condor 81:207-208. Mrquez, C., Bechard, M., Gast, F. & V.H. Vanegas. 2005. Aves rapaces diurnas de Colombia. Instituto de Investigacin de Recursos Biolgicos “Alexander von Humboldt”. Bogot, Colombia. Mrquez, C. & J. Rau. 2003. Tcnicas de deteccin, observacin y censo de aves rapaces diurnas en Costa Rica. Gestin Ambiental 9: 67-77. Meyer, K. D. 1995. Swallow-tailed Kite ( Elanoides for catus ), The Birds of North America Online (A. Poole, Ed.). Ithaca: Cornell Lab of Ornithology; Retrieved from the Birds of North America. http://bna.birds.cornell.edu/bna/ species/138doi:10.2173/bna.138 Strewe, R. & C. Navarro. 2003. New distributional records and conservation importance of the San Salvador valley, Sierra Nevada de Santa Marta, northern Colombia. Ornitologa Colombiana. 1:29-41. Strewe, R. & C. Navarro. 2004. New and noteworthy records of birds from the Sierra Nevada

PAGE 16

PGINA 14 NMERO 14 • DEZEMBRO 2012 de Santa Marta region, north-eastern Colombia, Bull. B.O.C. 124:38-51. Velsquez-Valencia, A., Ricaurte, L.F., Lara, F., Cruz, E.J. Tenorio, G.A. & M. Correa. 2004. Lista anotada de las aves de los humedales de la parte alta del Departamento de Caquet. VI Congreso Internacional sobre Manejo de Fauna Silvestre en la Amazonia y Latinoamrica, Iquitos, Per. Zimmerman, G.M. 2004. Studies of the annual cycle of the swallow-tailed kite ( Elanoides for catus ): migration, habitat use, and parasites. Georgia Southern University. *

PAGE 17

WWW.NEOTROPICALRAPTORS.ORG PGINA 15 S Se mexe, passarinho! Tem um cara novo na cidade. O mascote, enorme por natureza, “Hope” (esperana em portugus), fez sua estreia na escola comunitria, assim como o Zoolgico de Belize em parceria com a Fundao Belize de Pesquisa e Educao Ambiental (BFREE), para continuar sua campanha vital para a educao sobre a harpia. Esta campanha direcionada para as comunidades do entorno da Reserva Natural Bladen, no distrito de Toledo, que provavelmente o ultimo refgio para harpias ao norte da Amrica Central. A maior e mais poderosa ave de rapina das Amricas, a harpia foi tomada como localmente extinta em Belize com o ultimo registro visual o cial no ano de 2000. Isto estimulou uma parceria do Zoolgico de Belize com a colaborao do Peregrine Fund-Panam, para a soltura de 15 harpias nascidas em cativeiro nas orestas de Belize, entre 2003-2009, por meio do Programa de Reintroduo da Harpia em Belize (BHERP). Depois da nalizao do processo de soltura das aves, O Zoolgico de Belize continuou com seu componente educacional, para garantir que esta magn ca espcie tivesse uma chance lutar pela sua sobrevivncia. Assim, em 2005, harpias foram redescobertas na natureza em Bladen, comprovando que elas no estavam extintas, apenas restritas a reas orestais isoladas, longe do acesso das pessoas. A partir dai, a conservao da harpia s foi se consolidando, com o estabelecimento do programa de monitoramento BFREE e, com um forte e rmado programa de educao ambiental. EDUCAO AMBIENTAL EM TOLEDO DISTRICT, BELICE Por Celeshia Guy Education Of cer, The Belize Zoo & Tropical Education Center. e-mail:education@belizezoo.org “Hope” com os alunos The Belize Zoo

PAGE 18

PGINA 16 NMERO 14 • DEZEMBRO 2012 Esta campanha trouxe o Coordenador do Programa de Aves do BFREE, Willian Garcia, e o Educador Ambiental do TBZ, Jamal Andrewin, para as vilas de San Isidoro e Trio em Toledo, para desenvolverem outra srie de bate-papos sobre a harpia, como o BFREE havia realizado este ano. Depois de terem comeado com “o que so as aves de rapina” e “por que so to legais”, o Sr. Jamal desenvolveu sobre sua importncia no controle das populaes de presas, controle de doenas e pestes, e no turismo. Ai ento ele aproximou da conversa o “garoto propaganda” da campanha, a harpia, com uma pequena historia sobre a espcie, passando a palavra ao Sr. William, e saiu, prometendo voltar com um convidado muito especial. O Sr. William destacou que a harpia somente caa animais arborcolas, que no so danosas e perigosas para as comunidades, e que elas deveriam se orgulhar de possurem vizinhos to espetaculares no seu quintal, o Bladen. Os cineastas, Carol e Richard Forester estavam l para capturar a surpresa em vdeo e foto, com queixos cados e rostos iluminados, quando o Sr. William reapareceu com a mascote Hope, com suas asas de quase dois metros de envergadura, mostrando como uma verdadeira ave de rapina voa a caa. Hope distribuiu cartazes e livros de colorir, e chacoalhou as asas com os melhores estudantes que acertaram as questes em jogos de Perguntas e Respostas. Nomeada Hope (Esperana) por ser a ultima harpia solta por meio do Programa de Conservao da Harpia em Belize (BHERP), a mascote a mais recente ferramenta dinmica de educao ambiental concebida pelo TBZ, com a ideia de que a mensagem sobre a conservao da harpia tem um maior impacto quando vindo de uma harpia real, ao vivo. Um enorme obrigado vai do BFREE para as comunidades de San Isidro e Trio por terem sido as primeiras a testar e comprovar esse conceito. * Estudantes saudao “Hope” em Toledo The Belize Zoo

PAGE 19

WWW.NEOTROPICALRAPTORS.ORG PGINA 17 CONVERSACIONES DO CAMPOPor Markus Jais Markus Jais foi interessados na natureza desde que ele era um garoto. Seus principais interesses so a ecologia e conservao de predadores como gatos grandes, lobos e grandes aves de rapina, especialmente guias. Ele corre o site www.europeanraptors.org e um contribuinte para www.africanraptors.org. Ele entrevistou recentemente Jose Vargas, para a RRN. Aqui est um exerpt de que a entrevista. Markus Jais: Qual a situao atual da harpia no Panam e como a populao tem se desenvolvido ao longo das ltimas dcadas? Jose Vargas: No Panam, o harpia considerada uma espcie em perigo de extino, principalmente por causa das ameaas que afetam sua populao (perda de orestas e caa). Antes do ano 2000 haviam poucos registros con rmados de casais de harpia no Panam e se acreditava que sua populao era muito reduzida. Aps o incio de nossa investigao em outubro de 2000, novos ninhos foram encontrados a cada ano na regio da provincia de Darin. Atualmente contamos com 45 ninhos con rmados, de provavelmente 33 casais de harpia. A maioria destes ninhos se localiza fora de reas naturais protegidas ou reservas orestais que no garantem legalmente a proteo do hbitat. Por outro lado, nossa regio de estudo a que possui mais impacto humano sobre a cobertura orestal, o que se traduz em perda de hbitats utilizados pelo harpia tanto para nidi car, quanto para desenvolver outras atividades bsicas (caa e refgio). A medida que a fronteira agrcola avana, o refgio da vida silvestre (incluindo Jos de J. Vargas Gonzalez escalando uma cuipo ( Cavanillesia platanifolia ) na provncia de Darin. Kike Arnal, National Geographic.

PAGE 20

PGINA 18 NMERO 14 • DEZEMBRO 2012 espcies de presas) perdido, que se tornam presas fceis para caadores humanos. Baseado nestas informaes, e nos resultados de nossas pesquisas sobre suas atividades reprodutivas, podemos determinar que o status desta populao de harpia – a maior populao conhecida no Panam e Amrica Central – pode estar em risco. Ns estimamos que mais de 50% dos pares com ninho localizados em reas perturbadas por humanos no apresentam atividade reprodutiva em anos recentes, ou estabeleceram outras reas para reproduzir (ninhos alternativos que esto localizados em reas orestais). Por estas razes a populao atual de harpia no Panam est em risco devido a perda e/ ou a converso da cobertura orestal no curto e mdio prazo. A harpia uma espcie dependente de conservao (como outros pesquisadores tm expressado). MJ : Como poderia um ecossistema como a oresta tropical no Panam mudar se a harpia desaparecesse? JV : uma pergunta difcil de ser respondida porque no se tem realizado estudos comparativos sobre este assunto. Contudo, a teora prediz que se se extinguem os predadores em um ecosistema, uma srie de efeitos negativos ocorrem em cadeia, que afetam o meio como um todo, iniciando com crescimento sem controle das espcies presa, podendo converter-se em pragas e disseminar doenas, e concluindo com dano irreversvel a vegetao. O mesmo se poderia predizer para as orestas chuvosas do Panam com a extino da harpia. Romper-se-ia o delicado equilibrio da cadeia alimentar a qual mais sensvel quando tem poucas ligaes. So consequencias que no se podem medir em curto prazo, mas quando se manifestam so difceis de resolver. MJ : O que se sabe sobre a relao, competio e interao com outros espcies de guias neotropicais? JV : Este tpico pouco conhecido. Todavia, existem opinies que registram que o harpia uma espcie territorial, que exclu do seu territorio outras aves de rapina de grande porte como o uiraufalso (M. guianensis). Contudo, no existem publicaes cient cas que estejam realizando estudos sistemticos sobre este assunto. A intensa atividade de campo em Darin, nos tem permitido obter alguns registros que ilustram em certa medida a relao, competio e interao da harpia com outras espcies de aves de rapina. A primeira relao/interao que documentamos foi a observada entre um uirau-falso ( Morphnus guianensis ) com uma harpia fmea juvenil. Por cerca de um ano, o uiraufalso alimentou a jovem harpia, quando a harpia adulta estava ausente. Outras interaes foram registradas em trs ninhos de harpia, onde outras espcies de aves de rapina (uirau-falso Morphnus guianensis e gavio-de-penacho Spizaetus ornatus ) utilizaram os ninhos de harpia, ocupando-os aproveitando que no estavam ativos durante a estao reprodutiva. Estes mesmos ninhos, no ciclo reprodutivo seguinte foram ocupados novamente por casais de harpia.

PAGE 21

WWW.NEOTROPICALRAPTORS.ORG PGINA 19 MJ : A harpia caada ilegalmente no Panam ? JV : Todos as harpias so caadas ilegalmente, porque no existe caa legal no Panam desta ave e de outras espcies da fauna. Infelizmente sim, ainda continuam aparecendo incidentes de harpias caadas e/ou mortas por humanos no Panam. So poucos os casos, mas acontecem. Por exemplo: Este ano avaliamos nosso esforo de conservao analisando dados antigos provenientes de entrevistas diagnsticas e registros de harpias feridas ou mortas por causas antrpicas, e identi camos que com o passar dos anos e com a nossa presena na rea de estudo, manos casos tm ocorrido. Registros entre 1995-2003 mostram que 20 indivduos foram mortos por humanos, e entre 2004-2011, somente cinco registros foram relatados. Entre outubro de 2011 e setembro de 2012 no registramos nenhum incidente de harpia morta por causa humana. MJ : Voc acha que a populao de harpia do Panam poderia atuar como uma populao fonte para outras partes da Amrica Central, por exemplo, Costa Rica? JV : Consideramos que sim, a populao do Panam pode servir como fonte (“populao fonte”) para outras partes da Amrica Central. O problema a conectividade entre a cobertura orestal. Jos de J. Vargas Gonzalez medindo o bico de um harpia adulto fmea em Darin. Darisnel Carpio, The Peregrine Fund

PAGE 22

PGINA 20 NMERO 14 • DEZEMBRO 2012 Talvez ns poderamos pensar sobre o desenho de corredores biolgicos para a harpia, como vem sendo desenvolvido para as onas na Mesoamrica. MJ : Existem programas de conservao para a harpia no Panam? JV : O nico programa estabelecido no Panam o Programa de Conservao e Investigao da Harpia, o qual nanciado pelo Fundo Peregrino. Este Programa iniciou na dcada de 1990, mas foi a partir do ano 2000, quando se formalizaram as relaes de trabalho estveis e contnuas com organizaes governamentais e locais na provincia de Darin. Existem outras organizaes no Panam que realizam atividades intermitentes orientadas a divulgar informaes sobre a espcie. MJ : Voc imagina como ser o futuro da harpia no Panam e em outras regies? JV : O futuro sempre incerto, mas creio que no Panam estamos dirigindo nossos esforos de conservao na direo certa para assegurar o futuro da harpia. Atualmente existe uma estratgia nacional de conservao da espcie, a qual foi iniciada da Autoridade Nacional do Ambiente do Panam. Entretanto, necessrio a implementao de Aes que contribuam para o desenvolvimento integral das comunidades locais. A nalidade destas aes oferecer alternativas econmicas e de aproveitamento do solo para cultivos, para reducir ou deter a atual tendencia de utilizao da terra, que traz consigo o desmatamento (principal ameaa a harpia no Panam). * Jos de J. Vargas Gonzalez durante uma atividade de educao com crianas na comunidade Cemaco na provncia de Darin. Calixto Conampia, The Peregrine Fund

PAGE 23

WWW.NEOTROPICALRAPTORS.ORG PGINA 21 P LA REDE DE AVES DE RAPINA NEOTROPICAIS VAI PARTICIPAR NA PRIMEIRA CONFERNCIA MUNDIAL SOBRE AVES DE RAPINAPela primeira vez, uma reunio conjunta entre o Neotropical Raptor Network (O Fundo Peregrino), o Raptor Research Foundation e do World Working Group on Birds of Prey and Owls ter lugar. Esta conferncia internacional, a I Conferncia Mundial sobre Aves de Rapina (I WRC), ser realizada 21-24 outubro de 2013, no corao do Parque Nacional Nahuel Huapi, Bariloche Cidade, provncia de Rio Negro, Argentina. A conferncia ser organizada pela Universidad Nacional del Comahue INIBIOMA / CONICET, Bariloche, Argentina. Seminarios, passeios, e outros eventos especiais sero oferecidos antes, durante e depois da conferncia. O Hotel Panamericano Bariloche est localizado a poucos passos de distncia do lago Nahuel Huapi e no sop da Cordilheira dos Andes e apenas alguns quilmetros (menos de 10 minutos de carro) do Aeroporto Internacional de Bariloche e da estao de autocarros. Bariloche uma cidade pitoresca situada nas margens do Lago Nahuel Huapi. cercada por montanhas e orestas exuberantes. H muitas oportunidades para caminhadas, passeios de barco e observao de aves. Depois de uma extensa obra pblica e acmulo de arquitectura, a cidade surgiu na dcada de 1930 e 1940 como um centro turstico importante, com instalaes de Esquerda: Volcan Puyehue, Direito: Nahuel Huapi Mara del Mar Contaldi

PAGE 24

PGINA 22 NMERO 14 • DEZEMBRO 2012 trekking, esqui e montanhismo alm de inmeros restaurantes, cafs e lojas de chocolate. Ele oferece um clima fresco Mediterrneo, com veres secos e ventosos e invernos chuvosos. um ponto de partida para visitar parques nacionais da Patagnia ocidentais, incluindo Parque Nacional Los Arrayanes, Parque Nacional Los Alerces, e Parque Nacional Lann, entre vrios outros. A vida selvagem que pode ser visto em alguns dos parques e reas circundantes incluem Lontra longicaudis; Hippocamelus bisulcus; Pudu pudu o menor cervo do mundo e uma vez considerados em perigo, duas espcies de raposas, pumas, guanacos e maras. Avifauna inclui Campephilus magellanicus, Pterocnemia pennata gansos, patos, cisnes, corvos marinhos, aves de rapina e outras espcies interessantes como Turdus falckandicus O I WRC est aceitando a submisso de resumos para a conferncia. Apresentaes orais e / Bosque de Los Duendes Mara del Mar Contaldi Condor Andino em vo Mara del Mar Contaldiou psteres so bem vindas. Alm das tradicionais apresentaes orais, haver oportunidade de compartilhar informaes em profundidade sobre temas espec cos durante os simpsios especial. Esta conferncia ser uma oportunidade maravilhosa de conhecer e colaborar com os investigadores raptor toda a regio. Para mais informaes sobre envio de resumo, os detalhes da conferncia e inscries, visite: http://www.raptorresearchfoundation.org/conferences/current-conference * *

PAGE 25

Association of American Veterinarianshttp://www.aav.org/resources/index.php?content=grants Fondos estn disponibles para proyectos de investigacin que abordan aspectos clnicos de pjaros exticos y silvestres Pruebas diagnsticas, la farmacocintica de drogas / farmacodinmica, la gestin de la prctica, y la conservacin aviar. Becas estn limitadas hasta $10,000.00 US para proyectos individuales.Rainforest Biodiversity Group http://www.greatgreenmacaw.org/SmallGrant.htm Becas pequeas, hasta $2,000 US, estn disponibles para proyectos dirigidos a la conservacin de la biodiversidad en el Neotrpico. Las becas estn disponibles para estudiantes de postgrado y organizaciones sin nes de lucro (501c3 ) o equivalente, y apoyan la investigacin cient ca, la educacin ambiental, el desarrollo econmico sostenible (eco-turismo, por ejemplo) y otras actividades de conservacin. Raptor Research Foundation Stephen R. Tully Memorial Granthttp://www.raptorresearchfoundation.org/grants-andawards/grants/stephen-r-tully-memorial-grant Becas de hasta $500 US apoyan la investigacin y la conservacin de las aves rapaces, especialmente para estudiantes y a cionados con acceso limitado a la nanciacin alternativa.Raptor Research Foundation Dean Amadon Granthttp://www.raptorresearchfoundation.org/grants-andawards/grants/dean-amadon-grant Becas de hasta $1,400 US para apoyar a ellos investigando la distribucin y la taxonoma de las aves rapaces. Rede de Aves de Rapina Neotropicais www.neotropicalraptors.orgNmero 14, Dezembro 2012 Rapaces de VenezuelaPor Alberto Espinosa & Gustavo A. Rodriguez http://www.audubonvenezuela.org/index.php?option=com_ content&view=article&id=116:rapaces-de-venezuela&catid=1 7:noticias&Itemid=84 Um guia fotogr co para as 67 espcies de aves de rapina diurnas presentes na Venezuela, este livro colorido contm informaes bsicas sobre aves de rapina, em geral, bem como detalhes espec cos sobre as espcies, incluindo informaes sobre reproduo, alimentao, comportamento, entre outros.