• TABLE OF CONTENTS
HIDE
 Front Cover
 Front Matter
 Main
 Back Matter
 Back Cover
 Spine














Group Title: Boletim do Governo da Provincia de Mocambique
Title: Boletim do Governo da Provincia de Moçambique
ALL VOLUMES CITATION THUMBNAILS PAGE IMAGE ZOOMABLE
Full Citation
STANDARD VIEW MARC VIEW
Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/UF00095049/00007
 Material Information
Title: Boletim do Governo da Provincia de Moçambique
Physical Description: Serial
Language: Portuguese
Creator: Mozambique
Abraham, Donald ( former owner )
Donald Abraham Collection
Publisher: Na Imprensa Nacional
Place of Publication: Mozambique
Mozambique
Publication Date: 1860
Frequency: weekly
regular
 Subjects
Subject: Colonies -- Administration -- Periodicals -- Portugal   ( lcsh )
Colonies -- Periodicals -- Portugal -- Africa   ( lcsh )
Genre: federal government publication   ( marcgt )
periodical   ( marcgt )
Spatial Coverage: Mozambique
 Notes
General Note: Description based on: Anno 1854, no. 1; title from caption.
General Note: Rare Book Collection copy from the Donald Abraham Collection.
 Record Information
Bibliographic ID: UF00095049
Volume ID: VID00007
Source Institution: University of Florida
Holding Location: University of Florida
Rights Management: All rights reserved by the source institution and holding location.
Resource Identifier: oclc - 55954140
lccn - 2008229252
 Related Items
Succeeded by: Boletim oficial da Colónia de Moçambique

Table of Contents
    Front Cover
        Front cover 1
        Front cover 2
    Front Matter
        Front Matter 1
        Front Matter 2
    Main
        Page 1
        Page 2
        Page 3
        Page 4
        Page 5
        Page 6
        Page 7
        Page 8
        Page 9
        Page 10
        Page 11
        Page 12
        Page 13
        Page 14
        Page 15
        Page 16
        Page 17
        Page 18
        Page 19
        Page 20
        Page 21
        Page 22
        Page 23
        Page 24
        Page 25
        Page 26
        Page 27
        Page 28
        Page 29
        Page 30
        Page 31
        Page 32
        Page 33
        Page 34
        Page 35
        Page 36
        Page 37
        Page 38
        Page 38a
        Page 38b
        Page 39
        Page 40
        Page 41
        Page 42
        Page 43
        Page 44
        Page 45
        Page 46
        Page 47
        Page 48
        Page 49
        Page 50
        Page 51
        Page 52
        Page 53
        Page 54
        Page 55
        Page 56
        Page 57
        Page 58
        Page 59
        Page 60
        Page 61
        Page 62
        Page 63
        Page 64
        Page 65
        Page 66
        Page 67
        Page 68
        Page 69
        Page 70
        Page 71
        Page 72
        Page 73
        Page 74
        Page 75
        Page 76
        Page 77
        Page 78
        Page 79
        Page 80
        Page 81
        Page 82
        Page 83
        Page 84
        Page 85
        Page 86
        Page 87
        Page 88
        Page 89
        Page 90
        Page 91
        Page 92
        Page 93
        Page 94
        Page 95
        Page 96
        Page 97
        Page 98
        Page 99
        Page 100
        Page 101
        Page 102
        Page 103
        Page 104
        Page 105
        Page 106
        Page 107
        Page 108
        Page 109
        Page 110
        Page 111
        Page 112
        Page 113
        Page 114
        Page 115
        Page 116
        Page 117
        Page 118
        Page 119
        Page 120
        Page 121
        Page 122
        Page 123
        Page 124
        Page 125
        Page 126
        Page 127
        Page 128
        Page 129
        Page 130
        Page 131
        Page 132
        Page 133
        Page 134
        Page 135
        Page 136
        Page 137
        Page 138
        Page 139
        Page 140
        Page 141
        Page 142
        Page 143
        Page 144
        Page 145
        Page 146
        Page 147
        Page 148
        Page 149
        Page 150
        Page 151
        Page 152
        Page 153
        Page 154
        Page 155
        Page 156
        Page 157
        Page 158
        Page 158a
        Page 158b
        Page 158c
        Page 158d
        Page 159
        Page 160
        Page 161
        Page 162
        Page 163
        Page 164
        Page 165
        Page 166
        Page 167
        Page 168
        Page 169
        Page 170
        Page 171
        Page 172
        Page 173
        Page 174
        Page 175
        Page 176
        Page 177
        Page 178
        Page 179
        Page 180
        Page 181
        Page 182
        Page 183
        Page 184
        Page 185
        Page 186
        Page 187
        Page 188
        Page 189
        Page 190
        Page 191
        Page 192
        Page 193
        Page 194
        Page 195
        Page 196
        Page 197
        Page 198
        Page 199
        Page 200
        Page 201
        Page 202
        Page 203
        Page 204
        Page 205
        Page 206
        Page 207
        Page 208
        Page 209
        Page 210
        Page 211
        Page 212
        Page 213
        Page 214
        Page 215
        Page 216
    Back Matter
        Page 217
        Page 218
    Back Cover
        Back Cover 1
        Back Cover 2
    Spine
        Spine
Full Text
~LI _i II i i


II I i I i L, I I i i






' .: .i8; ;- :.. : ............. ........-.


-. -


9

...."I P .FnI
IIL-l---- ti


OFFICIAL


1)0)
DO



Este Boletli semanal ser publicdo todos os sbbados e no A i t Pr-o de asssigna:lra por anu. ............. r. 2eB80
dia ant-cedente ou na ,. feira seguinte quando aquelle for D A Pr seis imezes. .......................... r l500
feriado,: assiba-separao mesmo emuMoambiqu noEscri- Por Ires mezes. ... ..................... 100
ptorir> do Estabelecimenfo da Imprensa Nacional e nos Dis- Por folha avulsa.........................
triceos, nas Secretarias dos Governos ou Commandos de D n i E I DR Preo dos annncis por linha.............. 04Q
Villas, as assiguaturas sio sempre pagas adiantadas. II 1 Correspondencias d'interesse particular, idem.. ~039
.' .. "" _- ,,, .,. ^ 1


a ,-
GOVERI O EilRAtL

w :ru AmU. Ia ,,, -
N.O 1 -De 2 de Ja-eiio. Promovendo ao posto de
furriel para uma das Companhias da Zambezia o Cabo de
Esquadra do Batalho de Infanteria de Moambique Euge-
aio Augusto Quaresma de Almeida.

N.0 2 -Em conformidade com o que dispoem o arti-
go 21 das Instrucoe para a Colonia Militar de Tete, quet
acompanham a Portaria do Ministerio da Marinha Ul-
.triamr n0 8 de 28 de Junho de 1859, O Governa-
dor Geral da Provincia de Moambique, determine o se-
guinte :
1. So nomeados para compr o Conselho Adminis-
trativo da Colonia Militar de Tete o Capito Comman-
te d! refferida Colonia Delfim Jose de Oliveira, como Pre-
:idenrte, e V gaes o Alferes da'mesma Companhia Luis :Ax-
tonio Maria Gorisalves, e o Alferes aldido mesma As-
censo E luardo Pinheiro, devendo servir do Secretario do
mes:o Conselho o 1.0 Sargento da Companhia, ou quem
suas vezes fizer.
2. .-- o Conselho constituir-se-ha immediatamente, re-
.mettendo Secretaria Geral, copia da Acta de installaao
e entranilo no exerciio das,funces que pelo mesmo ar-
tigo 21 lhe incubem.
O que se comnmunica ao Commandante military da mes-
ma Colonia para sua intelligencia e execuo.-Palacio
do Governo Geral da Provincia de Moambique 2 de Ja-'
neiro de 1860. =Joo Tavares, dAlmeida, Governador
Geral.
-"---y--.

N.9 .- mll." SSir.-= Em Portaria do Minister:o da
Marina e Ultramar, n.* 103 de 22 d'Agosto do anno pro-
ximo pas.ado, Sa .MagestadeIEL-REI, se Dignou Mandar
comm,'nicar a este Governo Geral o seguinte: -
Q, Oe sePdevem dar graas Providancia por ter aca-
i bade as iCid.adck: aoCottin00 de Moaniliti6ae o fl


gello da Colera-morbus. que tantas victims fez; e que
o Governador do Ibo (unico dos Districtos da Provincia,
onde clla se desenvolveu) digno de louvor por ter dado
nessa crise o exemplo da firmesa, procurando desvancer
quanto era possivel o panico, dando as providenci que
as circumstancias exigiam e animando e fasendo voltar
aos seus trabalhos, os habitantes que haviam escapade
epidemia. --O que gostosamente me cumpre parti-
cipir a V. S." para seu cobhecimento e satisfao na parte
que lhe diz respeito. = Deos Guarde a. V. S." Palacio
do Governo Geral da Provincia de Moambique 2 de Ja-
neiro de 1860(.-=Il."no Snr. Joaquim da Cunha Carvalho,
Governador intarino do Ibo.-- Joo Tavares d'Almeida,
Governador Geral.

N.o" .- ll."~ Snr. = Por Portaria do Ministrio da
Marinha e Ultramar, n 103 de 22 de ASosto do anno
proximo findo Sua Magestade EL-REI, Foi Servido Man-
dar communicar a este Governo Geral o seguinte .
Que pelo bom resultado da execursao feita contra o re-
gulo Cobete merecem louvores o Governador do Oistricto
de Louren!o Marques,, assim como os moradores que o
coadjuvaram. a
O que me .muito agradavel ter o dever de o fazer cons-
tar a V. S." para sua plena satisfao, e para que assim o
faa constar aos moradores d'esse Districto que toma-
ram part n'aquell" execurso j pessonlmente com as
suas lanchas e gente, j fornecendo os auxilios de que po-
diam-dispr; no que deram provas de patriotism, e devoo
civica dignas de merecerem os louvores de Sua Magestade,
que V. S." lhes transmittir por meio d'Officio, afim de que
possa permanecer esta prova dos seus bons servios, e
do apreo que mereceram no Real Animo de Sua Ma-
gestade.
Muito me compraz ter esta occasion de tornar putii;cos
actos dignos de ser imitados, e aos quaes em geral o,
habitantes d'esta Provincla se ni as circumstancias o exigem. Deos Guardes a V. S.'=*
Palacio do Governo Geral da Provincia de Moambique
2 de Janeiro de 1860. I.111. Snr.G-overnador ihterino
do District de Loureno Marques. =Jogo Tavares-d'Al.
meida, Governador'Geral.
Identico para o Major Francisco de Salles Machli d
ex-Govener dor do Districto de Lourenot Mlarie
.i ..-.


>








ZAMIBEZIA.
Ilendihment> d ilfude1[ dijdeV rido do is-
frlf '< f>) IlZ#le .2'VOo. mndn'< dc ? MCz. d


Por? e itraili de -Generos nacionaes
).Dios estraingeiros
Por sida de Ditos n cionies..
Ditos esra;ngeiros
Ton:el igemn Na"ional.......
S Estrangeira ......


13l~'08
76t}~~ 3 1


F sel 'ireitos de vinho.
Fu:1 esI ei;al. iaposto a Navios e
de olonisaio ) : ',i...)..... 209')


131 408

76 0i' 375



2000


E.v- .:s ieYpichados.............. .
A,' 11~i' i;aie i ......................... 736
M ','i:i s ............................. ; .
DiriSo-0 de enb-ideiramuient .............
Toum dias. ..............................__
S.nma ........... ...... 19
Alfndega de Quenimane 1." de Dezembio de 1859. O
1.0 'sc,-ivo Francisco Antonio Pinto. O Director inte-
kiao =-Manel Velloso R9cha.

Notta ,dis embarcae;s proprias deste D1)s-
rirl(>, io dia 3i de I)ezemlro de 1`35(.
Hiate, Filipp;in, de 76 toneildjs, propiietario Pilip2i-
ao Manuoel de Suiza Dias.
Allfaiiega de Quelimane 11 d1 Maro de 159g. O 1.0
Escrivo Francisco Antnio Pinto.

1' ,r i ft-,inestf'e l ef:i de l.is'ruciydoi Primaria da Villa de
QO /",'pnfe.


Na ur i s


de 9uelimana .................
de Senna.....................


a de Tete................. ..... .
Totl................. '.
Queli'nane 30 de Setemhbr de 1 :59. O Professor Re-
gio -= larcos Antoni> d( Souza Bellarm;n).

JEscol Rei?'j d'li ftr.:io Primaria do Se-
ro f"e ,nnf, li '1' f!#. de Q,'hm ,>'.
F-e4ue-itaro esta Escola durn'e o mez de Setembro
apnoe ideu lo p-nneiras Iptras, coze- e marcar, 9 discipu-
1a34 :n r ires CleSta Villa.
,)u liminne 30 de Setembro de 1359.-= Henriqueta Car-
lot't Ozorio, Proffessora.
ADMINISTRAO DO COcNCELHiO DE MOAUIIQUE.
iIiippat dos Cerenes eni.oads n', miz de
Deze-n-,ro de 1359 dos di ferentes dstridlos
lo Sul e Vorte.
Arroz.............. panjas............. 2i
Miluii a .o........... .............. 1:831
Dito grasso......... .............. 620
F j ............. ....... .... .. 99)
.-Mudobim.......... .............. i;22
acaca,.......... .. ........ ........ ..1;079
aT~ima',.. 0..0.-. ............. 6 2oo


Adinii istrai. o o Concelho, 1." de : -eiro de 1860.,
= Amilcar Baicitni Ne.rcs, Administrador do Concelho.

Rel/ado Mortuaria do mez de Dezembro
de 1659.
SEXO MASCULINE.
No dia 2-Nezamudmi Mamud Bay Valegi, fiiho de
lamud Bay Valegi, natural de Damno, edade 35 annos, Ma-
hometano.
Francisco Mathe;s., christ'o. Soldado n.o 208 da
." Companhia do Bata'lho d'I a;teria de Moambiu
Y.* 1,
No dia 3 Florindo Augusto de Sales, filode AiitOhio
de Sales, natural de Lisboa, chrifiio, Soldado n.0 220 da.
2." Companaiia do dito.
No dia 6- Luiz %ntonio, filho de Marcelino Luiz, na-
lural de Capelud(;s, christio, Soldado nr. 81 da 1. Cm.-
pal,ii do nBtalhlio td, Ca. d.xes N. 1. , .
-- '.cn( l de .',SLS ( ia ;: I tus, ilO de~ M:i.oel
de Jesus Or a a es, nauinal de T1a ira, christo, Solda-
do n.0 86 da 1." Companhia do dito.
No dia 8 Antonio Jose de Antunes, Ulho de Manoel
Antunes, natural de Coimbra edade 32 annos, cristo, Sol-
dado n.o 87 da Bateria de .'r ilheria.
No dia 1 -- Rupenchande Amarchande, flho de.Amar-
chande, n. tural de Dio, edade 56 annos, solteiro, Brimi ne.
No dia 15 -MIld, natural de Zanzibar. edade 18 an-
nos, solteiro, Mahomietano.
No dia 19- Rafael Angelo de Mirand,, filho de Augus-
to Fre.er;co Gariciu de Miranda, natural de MoamnLique,
edade annro, chr;s o.
S- Manoel d'Oliveira Marqueiro, filho de Henrique
Jose, natural de Villa Nova da Rainha, christao, Soldado
n.o 129 du 2." Companhia-do Batalho d'Infanteria de Fo.t
ambique n.o 1.
No dia 20-Antonio dos Santos, filho de lose los San
tos, natural de Lisboa, chris;o, Soldado n.o- 68 da Bate-
ria de Artitheri'.
No 23- Manoel da Luz, filho de Antonio d'Oliveira,
natural ae Lisboa, ed de 37,annos, chriisto, i." Grtmete
do Rrigue. l ila FIhr..
No dia 25 Antonio Jose dos Santos, f lho de Jose An-
tonio de Matt:;s, natural de V'iain.i, chliisto, Soldado n.*
215 da 3.' Companhia do Batalho d'Infanteria de Mo-
ambique N.o 1.
Na dia 26-Huma criana recemnascida, falleceu no
Hospital, ignora-se a filiao e o nome.
--Antoiio Pinto, ch.isto, degrdaddo.
--.'ose Br nco. fiiho de Pedro Branco, na'uril do
B:spado de Tuy, chris o, Soldlado n.o 230 da 2.8 Compa-
nhia do Batalhlo c'Inf.Unteria de Moamlique N.o 1.
No dia 27 iMarcos Antonio Lobo, t:lho de Antonio
,oL:o, natural de Bellas, edade 23 annos, christo, Fur-
riel n.o 79 da-Bteria d'Artilhe ia.
1. B. O 8. individio mencionado nesfe mapp' qu eera
Marinheiro do Paiguio Arabe. .Mlar'ul/1 Gomne, morreu de
desastre na occasion em que se deitara ao mrpara ir agar-
rar o bote do dito P;ngaio que hia garra.
Administriio do Concelho de Moambique, 2 de Ja-
ne'ro de 1860. O Administrador do Concelho =Amilcao
Barcinio ,Ncves
BATALI O D INFANTERIA DE MOAMBIQUE. N.o0 .
elta~ d' pra dgas dd a : *reu ito.' Baa&ia~ih&








filh"4Jse u T.0 me'i) d3 '
6:o d/e 1>59, com design,ado das mportmucias
tutnes dos seus espolios.
1.* Companhia, n. 21U Soldado, Joo Victoria, filho
Maria Victorip, natural de Oiteiro le Povolide Concelho e
DD;s:ricio Ad ninistra"ivo de Vizeu, edade 27 antios, soltei-
ro, falleceu a 27, ficou devendo ao Concelho Adminsitra-
tio 2:585 ris.
2." dita, n." 196 Soldado, Jose Pedro, filho de Mnnocl
Pedro, natural do Carrgal Comarca de Vouzella, Distri-
eto Administrativo de Vizeu. edade 28, solteiro, falleceu a
16, ficou devendo ao Concelho Administrativo 1:330 ris.
['iem, n.o 206 Soldado, Jose da Costa, filho de Manoel
Jose da Costn.'natural de Modim de Baston Districto de
Villa Real, edade 23 annos, solteiro, falleceu.a 28, no
dc;xou espolio algurm.
Quarter na 'Praa de S. Sebastio 1. de Dezembro de
185'). = Luis Antonio Ozori6, Tenente Cor.oel Graduada
Commandantir .
HOSPITAL IILITAR DE MOAMBIQUE.
Relado das praas do Corpo e Companhia
abaixi mencionadas que fallecerdo durante o
mez de Dezembro de 1859.
*Batlho d' nfanteria de Moambique N.O 4.
1." Companhia, n. 220 Soldado Florindo Augusto de
Sales, filho de Jose de Sales, natural de Lisboa, entrou cm
22 de Setembro, falleceu a 3 do eorrente, de 'dizenteria
chronic.
2.' Dita, n." 129 Soldado, Manoel d'Oliveira Murquei-
ro, filho de,Jose Heniiques, natural de Villa Nova da Rai-
nha, entrou a 18 do corrente e falleceu no mesmo dia, de
febre perniciosa. -
3." Dita, n.0 215 Soldado Antnio Jose de Mattos, f-
lho de lose Antonio -de Mattos, natural de Vijnua, en-
tr:u a 2 do corrente e falleceu no mesino dia, febre per-
niciosa apopi!tica.
2," Dita, n.0 230 Soldado Jose Branco, filho de Pedro
Branch, natural do Bispalo de Tuy, entrou a 22 do De-
zembro. fallaceu a 26. do corrente, de febre perniciosa e
diarrhea.
SBateria de. Arilherta.
-N. 87 Soldado Antonio Jose Antunes, filho de Manoel.
Antunes, natural de Coimbra, entrou a 7 e falleceu a 8 do
corrente, de meninge consecutive a contuzao profunda com
derrme de sangue nta regino das costas.
N.0 68 Antonio dos Santos, filho de Jose dos Santos,
natural de Lisboa, entrou a 13 e falleceu a 1I do corren-
te, de dizenteria hemorroidaria.
.N.0 79 Furriel Marcos Antonio Lobo, filho de Antnio
Lobo, natural de Bella, entrou em o 1.0 de Novembro,
faileceu a 27 do corrente, de dizenteria, hepatite e pneu-
monia.
2.0 Batalho de Caadores N.> 2.
?1.. Companhia, n.'81f Soldado Luiz Antonio, filho de
Marcelino Luiz,, natural de Capelludo, entrou a 28 de No-
vembro, falle:eu a 5 do corrente, de febre perniciosa (in-
termnitene). '
Idem, n." P6 Soldado Manoel de Jesus Ora a Deus, fi-
ho, de outra,. natural de Tavira,, entrou a 30 de Novem-
bro, falleceu a 5 do cor'ente, de gastrite agda seguida de


"i B,';.,"' d:i"'( eri-a ? ti: rir.
12. Companhia, n.0 46 1. Grumi te Manoe: da Luz;.
filho de Antonio d'Oliveira, natural de Lisboa, entrou a
8 e Ialleceu a 22 do corrente, de Pluisica tuberculoz. .
Secretaria'do Hospital Militar do Moambique 3 de Ja-
neiro de 1S60. No i.npedimento do Director=Joaqtui,r.
Francisco Colla:, Cirurgio: de 32. Classes.


Sjnoipse 4o mvimelio
Zemtro de 18i.

DESIGNA'ES

xistiam.......... .....
Eniraram ... ..........
SSaira CuradS ou mtlhr.'3
SFallecera-m.......
Ficam existindo..........


Cl~nico do mez de DeL


-o 0
o' c i-0
S.. .- -,.
86- 1- 1 91.
174 23-12- 2-211
162- 27-12- 2-203
11- 1i
87--.. 3- 1- 91


Secretaria io Hospital \liltar de M.oambique 3 de' Ja-
neiro de 1,t6'. No impedimento do Director-Joaiuit
Francisco Collao, Cirurgio de 2.. Classse.




Plano para um Regimeento ou nova Constitu;io Econo-
mica e Politica da Capitania de rios de Setia, com todas
as observaes e inif..riiu ,, rsi necessarias pa"a o refe'rido fim :,
orgdnisado' pelo 6overnador .da mesa Colonia ,Ant mio
Norberto de Barboza de V:ills-=o. s Trio, no anno de.
S806 (datado de 20 de Maio em r te).
.Coni2nad do n.' 53 do anno [indo.
O.salitre que de Bengala se export em grande quan-
tidade pelos hollazdezes e ouaras naes da iEurop;a, o be:n podia extrahir-se de todas as terrs die Uios de Sen-
na. A falta de popala' e de industria faz que nem1 ao
menos se tenha tentado fabrica-lo.
O ambar uma das producoSe d is terras da Cora
que confinam com o mar. Os colonos o.paga u a guns
emphyteutas como penso annual.
Todas as terras de ios de Senna so muito proprias
para a cultural da cana de assucar: ella nasce espontanea-.
mente nos Districtos de Quelimane, Senna, e Telt ;.e iio
obistante apenas se cultiva bastante e fabric' algum n'esta
ultima Villa. Como ha falta de iiavegao direc:a para o
Reino e para a Asia, e natural que ninguem cultive seno
algiim para os usos domesticos, e para uma pe:uena ex-,
ptorta'o nas Villas de Senna e Quelimane., Este assurar
send bem manufacturado da melhor qualidade, apesar
da falta de conhecimentos na agriculture, e to grande que
nem procuram o terreno mais !'roprio, nem sabem a esta--
5o verdadeira de fazer as plantaes.
O algodo uma plant geralnmente cultivada em todas
as terias da Coroa, mas:no se lhe d uso alg.am seno
em manufacturas grosseiras de pannos para vestuario das
escravaturas. para admirar que se no faa a minima
exportao ao menos para Moambique e que seja neces-.
shrio mandar vir. da Asia para aquella capital todo o-al-
god'o que ali se consome. Em Moamb que ninguem cul-'
tiv, algodo, e em Rios de Senna nem ro ao menos a-.
bem %ua ' a vordadEira sta o de: _semear, .por ser d e


~___~___ ~~_~_ ~______ ~____








gada esta pequena cultural rotina cega dos cofres do paiz.
O caf e o anil so plants indigenas em Rios de Sen-
na, de que ninguem tirou nunca partido. Apenas dois mo-
radores tm cultivedo caf nos seus jardins mais por di-
vertimento do que para utilidade. O anil das plants
mais vulgares em Rios de Senna ; muito ordinario ap-
parecer pelos matos, nos values e nos oiteiros entire pe-
dras, e mesmo em sitios'que nAo produzem outras plan-
tas por serem estereis. Nas ruas de Senna e Tete apparece
O anil por ent e as pedras.
Todas as terras produzem muito tabaco, mas o melhor
6 o das terras de Tete e dos Maraves. Sendo esta plant'
uin objecto de luxo, mesmo entire as .naes barbaras,
por isso o cultivam e fabricam soffrivelmente para o to-
marem em p e em fumo.
O arroz faz o principal object da cultural nas terras de
Quelimane, e tambem comea a ser cultivado nas de Tete,
de modo que a primeira Villa j no extrahe t;,nto arroz
Sp.ra esta, poisque os moradores de Tete onhecem que
o seu arroz muito superior ao de Quelimane na quali-
dude. Fste legume tem para Moambique uma grande
saida, e, todo o que se gasta n'aquella capital, onde tem
um grande coisumo, se de Quelimane. D'aqui vem que
em raso d'este consumio.a agricultura do arroz tem feito
bastantes progresses. X melhor exportaao que pde ter o
arroz de Rios de Senna para o Cabo de Boa Esperana,
Sonde se no cultiva nem produz esta plant. Todo o arroz
que se importa para o Cabo vae de Bengala; mas o de Que-
limane mais estimado por ser de melhor qualidade.
A. mandioca devia ser cultivada em Rios de Senna cem
preferencia ao milho para sustento das escravaturas' Ape-
sar da funesta experienia que tem todos os colonos de
alguns annos de secca e de fome, apesar de conhecerem
que a mandioca no est tao sujeita irregularidade e
vicissi'.ude das estaes como as outras plants legumi-
nosas, comtudo a sua inercia tal que apenas cultivam
alguma para as mezas, e estamesma limitada cultural nem
todos a ft.zem, mandando vir de lnoambique a quantidc-
de de que precisam. para admirar que se oca de Te:e superior de Moambique e mesmo da
America, n o adiantem es!a cultural para todo o comsum-
mo do ppiz. As minhas admoestaes e reflexes tem j
conseguido algum augmento d'esfa plantao e outras ma-
is que com o tempo faro maiores progressos.
O trigo no se cultiva seno nas terras de Tete por
gerem as unicas proprias de similhante cultural. Como tem
mutito consummo nas outras Villas, e muito maior em Mo-
ambique, onde sempre conserva bom preo pela sua su-
perior qualidade, esta prompla extraco tem fomenlado
e animido bastante a sua cultural, e dado. um novo ramo
de commercio Villa de Tete.
Unia das plants mais interessantes que se conhece em
Rios de Senna e sertes circumvisinhos uma especie de
canh-mo, a que no paiz chamam Boazi,' plant cuja uti-
lidade ignoram. O linho Boazi em quanto plant n'o se
parece nem com o canhamo, nem com o linho ordinario,
cresce em formal de arbusto. Depois de preparado o li-
nho tem seis palmos- de comprimento e a sua consisten-
cia e rijeza maior que a do catnhamo. Eu o fiz semear este
anno. para observer todas as suas propriedades e introduzir
Bnr ramo de agriculture e commercio utilissimoao paiz.
Entre as plants que tem a qualidade de produzir as
Sementes oleosas para a extraco do azeite, aquellas de
que se faz uso so ogerzelim, o amendoim, ea carrapa-
t~ira ~i0o vulga~remB toda a Amtrica portugueZa. Se pg "o


lo::ia algum dia for povoi!d e eexamin,"da por rinturalis-
tas, saleremos ,proveitar-rnos de uma grande quantidaded
de plants e terras, de que podtc extrahir-se as melho1
res tinltas.
(Contina)'

QObservades meleorolo icas n,7 Fidade de
Ito(ambique nos fdis 1. n 15 de
Novem, o de 1 8~S.
Bar,;m tir<- 'ri n.r iiui -trn, sycrrometr,, VCla
( Pressao ( Temperatura )( Humililde) metri


- Miinimetros


Grtisu C. Cor 100 N,


O,. 3 1 Om 31.- Om 31.
l-763 94-7 7809-g2.2-33.5-85,6--75 -
I f71i3 60o-762 l2-2R~.s,3O.H-95 -7ft 3-
3-764.50=-763 64--f7.3-27.,5--6 -89 8-
4-764 03-761,1~-211 *-33.3--118 9-743-
5-764 14-7. 3. -3,-4 4-3 3-85.4-74.3-
6-7"3 6*4-76i 82 -55 3-28 1-H6 8 -992.4-
7-764-02- ifi.40-33.3-3-33 3-85 -7 1.*"-
8-762 N-761 6fi<- 32 3- 33 3- R8 8-79 9-
9- 33,91-76 38-31 3-33.4-816.8-75.1-
1(1-762 45-759 90-"3 3-29 3-85.8-83,1
11-761 45~-759 67-29.8- 32.3-87.3-84 6-.
92-761 92- 71:q 75-35 3-34 3-85.6.I-7A
1-3-761 90- 76o 185-36 3-U,35-R<. 4-81,1-
14-761.87 --760:28-35 1 5L8R-H5,2-73.g-
1,5-76, 1$3-75q,87-27,3-29 6-9f,4-3,1-
hliIura harometrica correcta,
APitiuie d1o tmaom(etro 3,25 melros.
Teml:eratura A s

14 b.
e
a


MOYM T DO PO i T) Ii M( iAMB FF.
de 51 de-Dezembr< find a 6 do corrente.

EMBARCAES ENTRADAS..
.No dia 2 lde-Pangaio Arabe, Da; de 20 tWneladas, Mestre Aje, equli
pagem, 8' pessoas de Zanzibar e!.: 29 7 passageirs gentios send 8 hon.ens e .4 mulheres.
EMEiARCAOES SAIPAS
No dia l.*-Bar'a Franceza, C.,tingucba, de 176 toneladas, Capitto
Audibert Antoine, equipagem 11 pessoas, para os portos de Madagascar
em lastro e f passageiro negociante.
No dia 5-Panraio ortuguez, Ajal ida Jonga, de 18 toneladas, Patrio
Ajevije, equipagem S1 pssoas,'para o Ibo, em lastro, e 1 passsageiro pa,
dre gentio.
No dia 6 -Pangaio Portuguez, Salamoty, de 40 toneladas, MestrM
Muunibe, equipagem 14 pessoas, para os portos de Madagascarem lastro,
para receber carga. -
Capitania do Porio de Moambique 6 de Janeiro de 1860. ==dntoi
Maria Guedes, Capito d.i Porto.


Achando-se vago o logar de Sub, Delegado da Delegalo da Zambezla.
na Villa de Sena assim se faz public, por ordem de Sua Ex o Govefr-
nador Geral da Provincia, para que aquelles individups que pertendertm q
sobredito logar apresentem n'esta Seretaria .do Govero Geral, os seus tra
querinientos convenientemente instruidos; no praso 'de 15 dias a contar
do I resent aviso. Secretaria do Governo Geral da Provincia de Mambi*
que 7 de Janeiro de 1860. -N) impedimento de Secretario Geral. 0'08O.
cial Maior interino. = Francisco Ferreira de MellaPor.tugal da Graa. "':

Em conformidade da deliberao da -Jiita da Fazendas publico-para c
nheciniente dos interssados, que .0o dia 12 de cada mez, se hade pagar na
'hesoureiria Geral, a todos os enpregadi, que tiverem:ate 120~000 reis
de ordenando annual o recibo de seus vencimentos do mez findo Contadu,
ria Geral 5 da Janeiro de 1860. O Escrivo Vogal da Junta. a Jose Z..
ferino Xavier Alves.



MOAMBiQUy= NA IMPREWN IMQNAZs,.


< ~ _ __L ~L__ _______ '__ _I


t












BOLETIMI


IUMERO .





OFFICIAL


DO

0om ?U GR IV E19 A1Oo'1Ii 11 RI U*l1

Este Boletim semanal ser publicado todos os sabb:, dos e no 1 BR t II j Preo de asssignatura por anno........... .r, 2:o0
dia antecedente ou na 2.' feira seguinte quando aquelle for 1 D i U Por seis mezes .......................... 1~
feriado : assigna-se para d mesmo em Moambique no Escri-, Porf tries nfzes ... .... ........ ... ,, io
ptorio do Estabelecimento da Imprensa Nacional e nos Dis- 14 Por folha avulsa. .........'..... .. ,, 0o
trictos, nas Secretarias dos Governos ou Cmmandos de Preo os an ios por linha. ............
Yillas, as assignaturas sao sempre pagas adiantadas. D E J H U Cor respo ndncias d' r intense part lar,.. 330
jrresondencias d'inteiee particular, idem. -


MINISTERIO DOS NEGOCIOS DA, MARINA E ULTRAMAR.
N.0 159.= Circular. =Manda Sua Magestade EL-REI,
pela Secretaria d'Estailo dos Negocios da Marinha e Ul-
tramar, remetter ao Governador Geral da Provincia de
Moambique para seu conhecimento, e execuo a incl.-
%a copia do'Decieto com fora de Lei de 28 de Agosto
ultimno, pelo qual se estabelece nas Provnmeias Ultramari-
nas, um imposto sobre cada escravo valido que se achar
registado. tanto do sexo masculino, como do femenino, e-
de idade entire quinze e sessenta annos. Pao em o 1.9
de Setembro'de 185'8.i~ 'S da Bandeira.

Copia. Sendo da maior urgencia ccoprr, pelos pro-
prios recursos das Provincias Ultramarinas, s suas des-
pezas; e no tend chegado a ser convertida em Lei a
Proposta, que Camara dos Senhores Deputados foi apre-
sentada em 12 de Junho do anno proximo passado, afim
de se estabelecer nas mesmas Provincias um imposto so-
bre cada escravo' valid, que se achar registado; Confor-
mando-Me com' a Consulta do Concelho Ultramarino de
9 de Junho do dito anno: Hei por bem Usando da au-
thorisao conferida pelo paragrafo primeiro do artigo de-
cimo quinto do Acto Addicional Carta Constitucional
da Monarchia, e depois de Ouvir o Concelho de Ministros,
Decretaxi o seguinte:
Art. L.- estabelecido nas Provincias Ultramarinas
um imposto sobre cada escravo vlido, que ,se achar re-
gistado, tanto do sexo mascuino, como do femertino, e
de idade entire 1,5 e 60 annos;.
S. 1.-Este imposto no Estado da lndia, e nas Pro-
vincias de Cabo Verde, de S. Thom e Prncipe, e. de
Angola, ser de 400 reis para os escravos de sexo mas-
culino:e de 200 ris para os do sexo femenino.
. 2. -Na Provincia d'Moambique, e nas Ilhas de
Timor e Solor, ser o mesmo imposto de 200 reis para
os escravos do sexo masculino, e de 100 reis para os do
sexo femenino.
Art. 2.0-Os Governadores das referidas Provincias,
de accord com as respectivas Juntas da Fazenda toma-.
ro as providencias necessarias para a arrecadao do im-
posto estabelecido pelo present Decreto.
Art. 3;- -Fica-'revogada tod a Legislao em con-
trari ; ......


O VisConde de S da Bandeira, Pr do Reino, Minis-
tro e Secretario d'EstAdo dos Negocios da Marinha e Ul-
tramar, o tenha assim entendido e faa executor. Pao erti
28 de Agosto de 1858.= Rpi.= Visconde. de S:i da Ban-
deira. Est conforme. = JManoel Jorg'e d'Olivezra Lima.


GOVERNOil G ERAL.

W-i IB mt:E atr.-JmL_ I Ax BISe
N. 4.==O G6veitador Geiral da Provincia de Nioam-
biqute, tendo em considerao os servios, e mais circuIns-
tancias que concorrem iio' 2.: Pharmaceutico desta Pro-
vincia, Antonio Joaquim d'Almeida, e vaga que no res-
pectivo quadro dd Saude sd dd pelo fallecimento do 1 o
Pharmaceutico ntonio Frraz de' Castro, determine o
seguinte:
nomeado interinameute 1.0 Pharmaceutico do quadro
de Saude desta Provincia o B2. Pharmceutico Antoaio
.oaquim d'Almeida, o qual haver os vencimentos que
como tal lhe compete desde a data desta.
Ha-de pagar de sell 1000 reis; pela melhdiria dos
seus ordenados:;
As auctoridades a'quem o conhecimento desta deva per-
tencer assim o tenham entendido e cumpramzn Palacio do
Gverno Geral da Provincia de Moambique 1 d'e Janeiro
de t860.--Joo Tavares d'Almeida, Governador Gei-al.
-
Ni 5- Constando por participao do Presidente da
Assemblea do Circulo Eleiti al deste Districto que se acham
nesta Cpital os Portadores das Actas para a eleio dos
dous Deputrds, a quee se iandou proceder por Portaria
'deste Gdverno Geral' n.o 4 de 4 de Janeiro do anno pro-
ximo findo.
O Goveriidor Gral da Provincia de: Moambique, em
Coiicelho, determine o seguinte:
No dia 15 do corrcnte mez, se proceder ao apuramein-
to dos' votos de todoo Circulo Eleitoral, devendo para esse
fim o Presidente da Camara Municipal desta Cidade con-
vidar os mencionados Portadores d'Actas a reunir-se nos
Paos da Camara io sobredito' dia pelas D1 horas da manh,
As auctoridadess q uaes o conhecimeito desta perten-
cer assim o tenham entendido e faam executar. Palacio
do Governor Geral da Provincia de Moambique 12 de Ja-
\









.eir de 186Q0,= Joo Tavares de Almeida, Governador
Geral.

SECRETARIA GERAL.
N. 9. =1Ill." Snr.=-Foi present a S. Ex" o Gover-
nador Geral da Provincia o officio de V. S." n. S acom-
panhado do mappa dos rendimentos da Alfandega nos cin-
co annos civis-comprehendidos entire 1855 e 1859, e em
resposta manda que diga a V. S.a que vio com muita sa-
tisfao o augmenito que taes rendimentos tiveram no an-'
no findo, o que devido no s a um augmento de iim-
portaao que denota um maior movimento commercial
da Provncia, mas egualmente ao bom servio que a caza
fiscal a cargo de V. S.& tem desempenhado; o que S. Ei."
muito se satisfaz em reconhecer dando a V. S." os mere-
cidos louvores, bem como aos Empregados sob as suas
ordens, a quem.V. S." se servir transmittil-os. Deos Guar-
de a V. S.' Secretaria do Governo Geral da Provincia de
Moambique 9 de Janeiro..de 1860. 1li.m" Sar. Director
da Alfandega de Moambique. No impediment do Secre-
rio Geral o Official maior interino, =Francisco Ferreira
de Mello Portugal da Graa.


p- F
ao 3-



o
o \3

.-o a
o c~ n


o no or
~1
to
o =
IIg
4'.
o


g c..



co,



o o


2.



Ciz wC C.0 -4-4
C"4. C~ o 1




[I -4i lN 11 L i Q0
C;-c W w 4 - C) =. ;~
wc , w C4 -C C4 CX C4 -4 W 4















oQ000
i ..










4' C~O M~ g p
E
C3I ,s 4 C 4' Ob '













DISTRICTOT DB, CAEO DELGADO.


600


Co






CO,
os


ob3


O 'Governadorinterino participate em data de. 57 de De-
aembro ultimo que fota inpecionar o estabelecimento da
Bahia de Pemba,. e ali chegara no dia 14 do refferido mez,
que encontrra todos qs colonos, e trpa contents, e sa-
tisfeitos, empregando-se na cultural das terras. Tendo ins-


peccionado a tropa e os proprios colonos observra todos
no maior acceio, e boa apparencia.
Visitou a enfermaria aonde encontrou quatro doentes,
send im delles um soldado do Batalho de Moambique
com pequenas feridas, e 3 colonos, dois dos quaes foram
dos que ali deixou na suapassagem o Brigue D. Joo de Cas-
tro : send de-pouca gravidade a molestia de que soffriam.
A enfermaria estava na melhor ordem e os doentes em
camas separadas, e bem arranjadas, o que tudo era reco-
nhecidamente devido as Facultativo Jose Antonio de Mi-.
randa, que julga, digno de elogio pelo accio, e ordem em
que tem a enfermaria, e pelo seu zelo e cuidado no trac-
,tamento dos doentes.
Passou a inspeccionar os terrenos cultivados, acompa-
nhado dos colonos, e soldados estabelecidos na praia de Ma-
zeze, achando que 'todos se tihham entregado com boa
vontade aos trabalhos arduos do campo, e esto hoje ani-
mados das melhores esperanas.
Apesar da pequena distancia de um quarto de hora de
caminho que ha dos terrenos emcultura praia de Maze-
ze, aonde se acham as habitaes ordinarias dos Colonos.
estes comeavam a -construir palhotas nas terras que tem
trabalhado, para no tempo competent as irem guardar,
sem abandonar o estabelecimento da praia.
Tendo-se demorado neste ponto por mais 3 dias. b-.
servou a melhor regularidade, e boa. ordem tanto nos
trabalhos agricolas, como no porte dos colonos. No dia
18 passou a visitar a ponta de Miranembo, aonde esto
destacadas 1t4 praas, e 6 colonos, commiandados pelo; Al-
feres Cfmpello. Estes, do mesmo modo que os da Praia
de, Mazeze receberam o Governador formados, e com a
melhor apparencia.
Observa o Governador do Districto que vio com a mai-
or satistafao a ordem, a regularidade e os exforos em-
pregados, tanto pelos' soldados como pelos colonos neste
ponto, e diz que cada um delles um lavrador, que se
entrega aos seue trabalhos sem temor da chuva, nem dos
raios ardentes do sol, Considera este sitio como umdoa
mais bellos, da bella e magnifica Bahia de Pemba, O
terreno coberto de grandes e frondosos tamarineiros :
sombra dos quaes se podem estabelecer as habitaes. Se-
guindo por uma bella estrada observou um quartel come-
ado de madeira unida que pode alojar 30 praas, eijunc-
to bastante terra cultivada pelos ditos colonos, e um sol-
dado do Batalho de Moambique. Perto d'este estabe-
lecimento se acha em construcao um poo que j tem
3 braas -e meia de profundidade, com 5' palmos de
agua.
A distancia a qne as terras cultivadas ficam da Ponta
de Miranembo, proximamente de uma-hor de caminho,
o que parece no ever obstar a que aquelle estabeIlci-,
mento ali progrida; e se desenvolva.- As terras, julga-as
o Governador no seu relatorio proprias para a cultural da
cana, do algodo, do arroz, e mandioca, alem de todos os
mais ceriaes indigenas, a que as terras desta Provincia se
prestam geralmente-Alem disto ha formosas colinaspara
pastagens de gado, &.- demandando sem'duvida tudo isto
muito trabalho, constancia, e zelo para que se possam:
tiiar todas as vantagens que da magnificencia, e riqueza do,
sitio se podem obter.-Ha egualmente, neste ponto bel-
las madeiras, que se podero approveitar nao s para 'a
Colonia, como para a exportao:
Entre ete estabelecimento e de Mazeze ha como uma
especie de rivalidade nos trabalhos, e progress, qne deve
redundar em proveito de ambos. Tambem ha nestas terra


i;- is i i --- LI








uma quantidade de caf silvestre, que se transplantara
fzcinieute, e pode de ser de grande vantage.
Depois disto o Governador voltou para a Vilia do .-bo
aonde chegou no dia 24 de Dezerbro, da onde vae mMn-
4ar diversos objects que julga necessarios Colonia, co-
mo ferragens, ferramentas, macutes para os telhados, &.
Finalmente concle o Governador do Districto que es-
t certo que os progressos da Colonia iro cada dia seudo
mais viziveis, e que nap s ella no morrer, como os que de
tudo duvidam tem querido prognosticar, mas que hade
prosperar sem carecer de grande, sacrificios.
Participa mais em data de 29 de Dezembro que houve
na Villa de Ibo uma pequena desordem feita por alguns
macas na casa de Joaquim Cardozo de Figueiredo, aonde
tinham roubado alguns objects, e maltractado 3 escra-
vos, mas que tendo acudido um auxilio de tropa prende-
ram 34 negros e 4 negras, que vo ser julgados eqnve-
nienteimente. Nada mais tinha occorrido de novo naquelle
)istricto, que se achava em socego.

PBRSIDIO DE BAZARUTO.
Pela Escuna de guerra, Angra, receberam-se noticias
deste Presidio que alcanam at 12 de Dezembro ultimo.
O destacamento tem sido regularmente rendido pelos Sol-
dados da Companhia de Inhambane segundo as ordens ulti-
mamente, dadas. Haia socego no presidio, e continent
fronteiro, donde os matus se haviam retirado cessando
as depredaes do costume-Havia alguma escassez de
mantimentos, a que os socorros remettidos pelo Governa-
dor interino de Sofalla haviam remediado-e da qual nao
havia que receiar depois da chegada daquelles que a Es-
cuna para ali conduzio---0 regulo Tumbaire havia feito
cesso solemne das 'suas terras denominadas Chatuco, -
de que se remetem oscompetentes termos.--O Comman-
dante de Presidio iemetteo para esta Cidade o regulo Inha-
cengo da Ilha de Bazarto, e mais 2 pretos por serem preju-
diciaes ao socego. daquella Ilha, .e a reclamao do povo
da mesma, Havia soeego, e tranquilidade tanto no Pre-
sidio como Ilhas dependents, e no continent fronteiro.

AD1miISTRna Xo DO CONC1ELHO DE MOAMBIQUE.
Mappa demonstractiva dos Baptismos, Obitos e Cazamen-
tos que tiveram logar em Dezembro de 4859.
Obitos Indigenas............. ...........
Cazamentos,........ ................... 2
Igreja da S Matriz de Moambique 31. de Dezembro
de 1859. O Prior P. Joaquim da Virgem Maria --Est
conforme. Administrao do Concelho de Moambique 3
de Janeiro de 1860. O Administrador do Concelho==
mikcar Barcinio Neves


I IRTU, I k 11 lU i L1

Plano para um Regimento ou nova Constituio Econo-
mica e Politica da Capitania de rios de Senna, com todas
as observaes e infrmaes necessarias para o refriido fim.:
organisado pelo Governador da mesma Colonia Antonio
Norberto de Barboza. de Villas-Boas Truo, no anno de
4806 (datado de 2) de Maio em Tete).
Continuado do Boletim n.O 41,
Tenho mostrado que 0no houve at o present o mini-
mo esforo para dirigir a'industria dos colonos, e que o


commercio nunca foi outro seno o do marfim, oiro e es-
ci avos.
O commereio da Napo n'esta parte. da Africa feito
em um terreno immenso, o equal tem de comprimento de
norte ao sul trezentas e cincoenta leguas pouco mais ou
menos, contadas desde o Cazembe at Manica, e duzen-
tas leguas de *lete a oeste desde Quelimane At o' Zumbo;
mas corno os coimmerciantes mandam as suas fazendas
muito alem do 2umbo, pde dar-se duzentas. e cincoenta
leguas segunda dimenso. Portanto o nosso commercio
feito em um espao de terreno que tem oitenta e sete mil
e quinhentas leguas quadradas. Postoque- no seja sempre
constant o product das, exportaes em marfim, oiro,
escravos, trigo, arroz, etc., pde avaliar-se uns annos por
outros em duzentos bares de marfim, cento e vinte pastas
de oiro, quatrocentos escravos, tres mil alqueires de trigo,
den mi aolqueires de arroz, cujes generous vendidos em Mo-
ambique pelos preos ordinarios dareo 500:000 crtizados
de marfim, 130:000 cruzados de oiro, 50:000 cruzados de
-escravos, 30:000 cruzados de trigo, 30:000 cruzados de
arroz. O valor da3 exportaes de Rios de Senna de um.
milho de cruzados, dinheiro provincial de Moambique,
que correspond a ~00:00 cruzados de Lisboa.

Todas as terras, exceptuando bem poucas nos Distrc-
tos de Rios de Senna, sSo fros da Cora que se tem da-
do sempre aos colnos com as condies seguintes: o em-
phyteuta nomeado no foro ser primeira vida com facul-
dade de nomear seguhda, e esta a terceira em ascendente
ou descendente legitimo. Pela Proviso-de 3 de Abril de
1760, se determine que as terras que npvamenta'se empra-
zarem nunca tero mais do que tres leguas de comprimeri-
to e uma de largura, -o send em Districto de terras mi-
neracs, porque n'este e nas que ficarem em beiramar ou
nas margens de algum rio navegavel se dar smeite a
cada foreiro meia legua de teira em quadro.
Porm como as. divis5es das terras aforadasj estavam
feitas de tempos antiquissimos, coni uma irregularidade e
abuso oxtraordinario, tem continuado sempre o mesmo
abuso, poisque findas as tres vidas sempre se do' as mes-
mas terras,
Alguns prasos, mesmo nas margens do Zambeze, che-
gam a ter quinze e mais leguas tanto de comprido como
de largos Outro tanto acontece com os que confinam coni
o mar e que encerram terras mineraes.
As caSsas da decadencia da populao e da agricultu-
ra resultam da mesma constituio dos prasos da Cor6a,
e so as segurntes
S1. Causa-- Falta de segurana no direito de proprie-
dade. Ou as terras da Cora devem tomar um nova cons-
tituio que segure ao proprietario, ao emphyteta e seus
descendentes as suas possesses, ou niio haver nunca em
Rios de Senna agriculture nein populao.
2a Causa-Pequeno numro de proprietarios e grande
numero de families que no tem propriedades, ,
3." Causa-Esta causa da dimiinuio na populao de
Rios de Senna result dos grades prass possuidos por
.emphyteutas ausentes, que nunca viram, nem administra-
ram as suas terras. So moradores de Goa e Moambi-
que, a quem se concederam estes prasos contra a mente
das Leis de Sua Magestade e os verdadeiros interesses do
Estado. Ainda ha outro abuso qual possuirem prasos no
District de Senna alguns moradores de Quelimane e Tete,
que os trazem arrendados. Estes emphyteutas ausentes so
os qua causam os maiores damnos, no s porque dimi-


- ~~ ~c _= i --i i i i-- i-c~--a i i I i i i iii
----- - --- ~ ~~~`~









S n em a populao, privando a, colonia de outras tantas fa-
milias, mas porque entregam as terras a arrendatarios que
a; arruinam, vexando os miseraveis colonos, que no en-
contram outro allivio de tantas oppresses, seno fugindo
muitas vezes para as terras dos Rgulos independents. Mui-
tos d'estes arrendatarios tem chegado a vender como es-
cravos os colonos. forros e families inteiras, augmentam os
penses estabelecidas por modos arbitrarios, e procuram
mil pretextos de crimes imaginarios para castigar e inui--
tas vezes matar despoticamente os miseiaveis negros.
Os Governadores de Moambique, ignorando pela maior
parte'o que se passa 'em Rios de Senna,' no do para a
Crte informaes qne tenham o character de veridicas e
exactas. J no anno de 1760 o numero das povoaes de-
caa muito.
4.a Causa-Resulta das extorses, violencias e oppres-
ses dos frades Iominicos, que so os Parochos das Igre-
jas de Rios de Senna, e mais que tudo pelos obstaculos e
difficuldades que per aos matrimonios. Estes homes avi-
dos, avaros e dissolutos olham para as suas Parochias cc-
mno para um estabelecimento de commercio de que devem
tirar-se todos os intereses, todos os lucros possiveis. T&em
estabelecido preos exorbitantes pelos enterros, pelas Mis-
sas, pelos Sacramentos, e esta especie de tributos co-
brada com a maior insolencia e vexame do povo. Todo o
pobre que more, se no deixa com que pagar tanto de
tumba, tanto de sepultura, e tanto de acompanhamento,
no se enteira na Igreja, porque o Parocho no d um s
pass que no seja por avultada paga.
Porem o que se faz mais escandaloso, e que preju-
dicial populao e aos bons costumes, so os preos ar-
bitrarios e exorbitantes que os frades tem posto aos ma-
trimonios, mesmo dos pobres.
Um grande numero de terras da Cora so possuidas
pelos mesmos frades, como emphyteutas, mas pelo seu des-
potismo, e pela independencia que querem ter dos Governa,
dores, querem isentar-se dos eneargos a que esto sujei-
tos os seculares que possuem terras similhantes.- As suas
terras so as mais mal cultivadas, e muitas esto de todo
ariuinadas pela oppresso e violentas extorses que fazem
Aos seus colonos. So possuidores de terras ainda mais
prejudiciaes que os. arrendatarios.
(Contina)

Observaes meterofogicas nva Cidade de Moambique nos
dias 46 a 50 de Novembro de 4859.
Barometo- Thermometro Psychrometro Udo-
(Presso ) (Temperatura ) (Humidade) metro
Millimetros Grus C. Por 100" Millim-
Snas
9 m. 3 t. 9 m. 3 t. 9 m. 3t. S4 h.-
6-7,6-7 -06760,90-2a8,-32,3-84,1-84,4- "
17-760,15-757,78-35,3-32,8-92,6-92,1- "
18-761',92-760,46--35,2-33,3-85,2--86,9- >
19-760,60-758,78-29,3-32,3-80,9-76-,5- '
120-763,32--760,80-29;3-34,3-83',7-76,2- .
21-762,57--60,71-a-2'9,8-35,6-86,6-79,6- >
22-76,32-76,-7,52-28,7-35,3-9,4-87,3-
etovembro 23-7-6',10-759,69-927,3-35,2-84,8-81 -
24-761,90-761,52-30,8-35,3-88,9-87,3-
55-761,17-760,80--25,3-34,2-92,6-88,5- ,
26-762,42-760',46-28,8-35,3-86,3-70,5- ,
27-761,75-760,80-30,3-31,6-87,5-79,2-
28-761,47-760,76-31,3-34,5-84,1-64,2-
S29-732,82-761,60-28,5-29,3-86,5-77,9- a
30-762.677-760,66-29,8-36,3-85,1-64,4- ,
tltura barometica correct. /-
Altitude do barometro 3,25 metros,
STomiperatura A sombra.
-- -


MOVIMENjTO o POIT(i) DE OIAM CBI .UO

.
de7 a i5 do corrente


EMBARCAUIS ENTiADAS.

No dia 7, Pangaio Arabe, Narra)>e Pass, de.67 toncladas, Mestre
Qca, equipagem 9 pessoas, 2 bocas de fogo, de Bombaim em 29 dias, com.
fazendas, e differences generos de commercid, 1 passageiro, bathia negoci.
ante.
- Escuna de Guerra Portugueza, Angra, de 180 toneladas, Com.
mandate o Capito Teixnte d'Armada Real Joo Euzebio d'Oliveira, 53
praas de guarniio 6 bocas de foge, de Bazaruto em 25 dias, com 1 offici-
cio para o Governo e 2 passageiros pretos processados ; tendo morrido na
viagem 1 outro preto, que tambbemn vinha prezo.
Pangaio Inglez, Geramo Passd, de 95 toneladas, Mestre Issaca,
equipagem 10 pessoas, 2 bocas de fogo, de Bombaim em. 20 dias, com fa-
zendas e mais gcneros de-commercio, e 1 passageiro mour negociante.
No dia 8- Pangaio Arabe, Laquimine Pass, de 81 toneladas, Mestre
Achanmo, equipageii) 8 pessons, de Bombaim, com fasendas e mais generous,
do commercio, em 23 dias, cio 2 passageiros Mouros. '
-,, iate Poriuguez, Boa Lembrana, de 25 toneladas, Patro Fi-
lippe, equipagemi 16 pessoas, da Ilha de Ibo, em 7 dias, com "urzella, e B
ipassageiros, 1pretos, trouxe S Qflicios, para o Governo, e malla para o
Cu;ieio.
Nc dia 10 Batel Portuguez, Amina, de 21 toneladas, Patro Amor,
cq-i; .~ei;a 10 essoas, do Ibof em 2 dias, com urzeila, S passageiros, sende
1 gentio e 1 preto.
1MBARCACES SAIDAS

No dia 10 -Pangaio Arabe, Mocoage Ingoma, de 30 toneladas, Mes*
fre Amisse, equiipagem 28 pessoas, 2 bocas de fogo, para os portos de Ma.
dagascar em lastro.
No dia 11-Batel Portuguez, Se Des Qiizer, de 15 toneladas, Patro
Joaquim, equipagem 10 pessoas, para Mujuncal em lastro.
'No dia 13--Pangaio Arabe, Da, de 30 toneladas, Mestre Ajy, equi-
pagem 10 pessoas, "para os portos de Madagascar com fazendas.
Capitania- do Porto de Moambique 13 de Janeiro de 1860. =-Ato~n'
Maria Guedes, Capito do Porto.



A tequerirmento de Panachante de Talacante Testamenteiro do finado Da-
mador Bovanidas, e em conformidade do despacho da Junta da Fazenda, se
faz public, que no dia 1'8 do corrente mez pelas 4 horas- da tarde, nas casas
casas onde morreu o dito finado, se hade proceder ao leilo de alguns ub.
jectos, e escraios pertencentes ao espolio do memo. Contadoria Geral 13
de Janeiro de 1860. O Escrivo Vogal da Junta.= Jose Zeferino Xavier
Alves.

Pela Recebedoria Particular deste Conselho se anhleicia novamente que
desde a data deste se acha aberto o Cofre para a arrecadao das collects,
da Decima Predial d'esta Cidadade para aquellas pessoas que no pagarLo
na primeira abertura, relatives ao 1.0 e 2S. Semestre de 1857. E que o
mesmo cofre se conservar aberto pelo espao de' tfinta dias, a contar da
abertuia, desde as 9 horas da inanhla ate as 3 horas da tarde, afim de se
receberem as importancias do lanamento. Recebedoria Particular de Mo.
ambique 9 de Janeiro de 1860. O Recebedor Particular.= Caefatn
Xavier da Conceido.



Guilherme lenrique' Dias Cardozo, Presidente da Camara Municipat.
de esta Cidade etc.
Fao saber, que tendo S. Ex.* o Governador Geral da Provincia, pela
.Portaria n. 5 da data de hoLtcm, designado que no dia 15 do corrente, pe-
las 10 horas da manhi, tenha lugar a reunio da Assemblea do Circulp Elei-
toral deste Districto, para se proceder ao apuramento dos vottos de todo
o Circulo Eleitoral, nas Elcioes dos dois, Sr.' Deputados as Cortes,-feitai
em 17 de Julho do corrente anno, pelo present Edital so convidados os
Snr.' Portadores das Actas das Assembleas Eleitoraes de todo o Circulo,
e bem assim os Funceionarios e mais Cidados que devem concorrer a esta
acto, para que no supra mlencionado dia 15 do corrente pelas 10" horas da
manh se reuno nos Paos do Concelho para se proceder aodito apuramento..
Dado, nos Paos da Camara Municipal desta Cidade, aos 13 de Janeiro de
1860; E eu Caetano Paulo Gomes, EscrivAo Interino da mesma, o escrevi.
= Guilherne Henrique Dias'Cardozo, Prezidelne.



MOAMB~QUE = NA IMPRENSA NATIONAL.


__ _ _I __
- i i L1;







iET :i' ....



i ; ..O-- is, ca -,a ..trt.. ... -,J


|IFllERO AL





0LFICIAL


DOO


,,:$ I e e uwal' r pu l ica?;do todos oka)ad os eixo
f~~~iz U ....... r. aLc
ti anteced' e'e ou na 1 2 eif!rL seguine qiutiilo) a 1,1, I) o P r sei- iiieZ'C&. .. . .. ,I, B e
frriadlo: -.-irai i--vi ]'Ir'L v u'-go um Mouaique no lscIri- ] Porr.'s mezs. ....-.............. .......,
p'loriu do i ei .1. 1'' ii1 ri[...I d 1preuisa Nacional e uos Disfl Pol.folha avulsa.
tai Secra'is silo (ouiOre o5 i an'tarausua dc f l Prro dos annuncioc por linha. .. ............ O
Vlis, as uissignaturas YZlo s9uiirc pmids diaatadi s J Ni 1 R 0 Curresp`undleuicias d>inieresse particular, idemi.. O


O Eiw G!AL.
VIe itt iCg ilg&I, ..
.,..---.-aa>-BE.-Bag-------

N.o G. O ,Governador Geral da Provincia de Moeam-
bique, attendenrdo ao que lhe foi requerido pelo Escriv1o
Verificador da Alfandega de Quelimane, Antonio Firmo:Fel-
ner, pedindo quinze dias de liceia registada, e informao
dada soblre, esta sulicitao pelo Escrivo da Junta da Fa-
tenda, deternina o seguinte
, concedida licena registada por quinze dias ao refe-
rido ,Escrivo Verificador da Alfandega de Quelimane, An-
tonio Firmo Feiner.
As auctoridades s quaes o conhecimento desta deva
Spertencer assim o tenham entendido e cumpram.--Palacio
.do.o. overno Granl da Proviincia de Morambique 1i4. de Ja-
. iinro. de- 180..= Joa, :lTavarcs d'Almeida,. Governador
li~ral. .

NO 7.==. O Governador Geral da Provincia de Mi am-
bique, ja por convenienite deInittir a Tiburcio Custodio
d'Araujo do logar de Fiel Apontador do Arsenal de Ma-
rinha, para que Ihvia sidQo nomeado por Portaria,d'estc
Gove'rno Geral de 10 de Dezembro de 1857 ,
As uietiurildde s .s quaes; o conheciriento desta deva
pertencer assiml'o tenham entendido e cumpram. Placio
do Governor Geral da Provincia de Moambique 16 de. Ja-
Sneir.o de 1860, = Jooo Tavares 4d'Almeida, Governador
Geral. .. .. , n

SN. 8..--O Governador Geral da Provincia de Moam-
biqte, ha'por convenient ao servio. nomear a Jose Her-
Smlino de Mello, Fiel Apontador- do- Arsenal de. Marinha,
com o ordenado annual de noventa e seis mil ris, 6fia-.
do no Oramento em vigor. No carece de 'confirmao.
Regia, para estar, cioiipreheindido na disposio do art.
7. do Decreto' de 13 de Setembro dae 1856.; e por isso
tem de pagar os direitos de merci pelo desconto da 4.
padt,-do r.epri to -Ordenado. Hlade pagar mil ti do
selllo* ; ; *, .
.As auctoridad'es's quaew'o conhecimento desta deva per-
,tender' assim e tenhami~tendido e

Governo Geral da Provincia de Moambique 16 de Janei-
ro de 1860.= Joo Tavares d'Ameida, Governador Geral.

.,N. 9.= Sendo necessario nQmear um Official Superior
para Membro da Junta de. Justia, em que deve ser jul-
gado: o Alferes do Batalho. d'lnfanteria de' Moambique
n.o 1, Vicente Joo de Suza Machado; o Governador Ge-
ral da Provincia. de Moambique ha por convenient no-
mear o Capito Tenente.da.Armada Real, Joo Euze-
bio de Oliveira, para. funccionai como Vogal- supplente
da referida Junta de .Justio,, no. impedimento legal do
Vogal effective della, .Q .Tenente Coronel Luiz Antonio
Ozorio.
As autoridades s. quaes oc onhecimento desta deva per-
tencer assim o tenham. entendido: e cumpram. Palacio do
Governo Geral da Provincia de Moambique '16 de Janeiro
de 1860.- Joo Tavares d'Almeida, Governtadr Geral.

Relao dos vottos.que tivr.anm os Cidados candidates a
Deputados s Cortes, pela Provincia de Moambique, nas
Eleies de .47 de Julho. do anno. proximo findo, em todas
as Assembleas Eteitoraes Crimarias .d Circulo desta Pro-
vinca, 'resultado obtido no apuramento feito, pela Meza da
Assemnbla geral d'apuramento, em '47 de Jaieiro de 1860.
Vottos
Joaquim'Pinto de Magalhes 255
SJoo Caetano da Silva Campos 220
Augusto Xavier Palmeirima 190
Joo de.Souza Machado 1 3
Joaquim. Jose Cecilia Kol 4.1
Mianoel.Albino Pacheco. Cordeiro' t
Vasco Guedes de Carvalho e Menezeo 20
Joo Pinto de Magalhes 7
Jose Antonio Maia 8
Pedro Jose de Moraes
Rangy Punj "
Aifredo Duprat .
SCelestino Feliciano- de Mcneze 1
Jose Ignacio de Andrade Nery 1
SCandido da- Costa: Soares 1
SNI'B. Os Vottarits em todas as Asse*iblas frao 4,9,
hotive prert uin votto em branco.
~sa d'Assemhla Geral d'apuramento, aos 17 de :Ja
reiro de 1860. --0 Presidente d'Assembla -==.uilhermn
IF, .'i: Dias Cardozo.
,:









VILLA DE SENNA.
Estatistica dos crimes que consttm no Cartorio desta Vila
referidos aos annos de 1856, 4857 e 1858.
Em 18S6, furto ................. ........
Em 1857, Latiocinios. ............. ..... 3
Em 1858, no houve nenhum crime que constasse.
Senna 25 d'Abril de 1859. O Juiz Ordinario = RomUtal-
do Patrzcio.

Estatistica daproduco deste Districto.


Produces


Arroz ..............
Milho fino...... ......
Mexueira .. .......
Mendoim ..........
Gerzelim ...........
85. Naxenim ............
Jugo ................
Feijo chibambo.....
Dito miudo .... .
Milho grosso.........
Arroz .............
Milho fino ...........
Mexueira..........
JMendobiti ............
SGerzelim. ..........
1 7 Naxenim-,............
Jugo ............
Feijo chibambo.....
Dito miudo..........
Milho grosso ..........
Arroz ..... ......
Milho fino..........
Mexueira ., .........
SMendobim .!..........,
Gerzelim .............
Naxenm............
Jugo .................
Feijo chibambo... ...
Dito. miudo, .........
Milho grosso ..........


1 B. No se pode dar com exactido o numero das pan-.
jas de mantimento que se colheram em todo o Districto des-
ta Villa nos tres ultimos annos, porque a cultural e colhei-
ta foi sempre enterrompida com as depredaes e incur-
ses dos Landins e dos Salteadores do Chamo. Camara
Municipal da Villa de Senna, 29 de Abril de 1859.-0
Escrivo Joaquinm Antonio da Silva Mello. O Prezidente
= Francisco Henrique Ferro.

Estatistica da populao nos annos seguintes.
1856-No consta do livro dos assentos.
1857-Nascimenos,....................
1858-Ideim ........................ 8
-Obitos..... .............. 7
Rezidencia, Parpchial da Villa de Senna 25 de Maro
de 1859. O Parocho da Freguezia,= Padre Antonio Lou-


Estatistica dos nascimentos e obitos nmas annos de t*56,
487 a &858


Habitantes livres


Annos |

1856 1 1 24
1857 1 1 24
1858 1 1 24


3 62
3 62
3 62


SQbD

oo

13
131
1 3 1
1 3 1


a


8:551


a
20:000
20:000
20:000


So


200
30:000
-10:000
3:000
1:500,
1:000
2:000
650
1:500
3:000
25:000
40:000
8:000
2:500
1:000
S800
2:400
8:000
1:000
4:000
3:000
55:000
4:000
2:000
1:000
600
S3:000
1:000
'1:200
4:500


120
120
120
120
350
120
350
350
200
200
120
120
120
120
350

350
200
200
120
120
120
120
350
120
350
350
200
200


Annes


Camara Municipal da Villa de Senna, 9 de Junho de
1859. O Escrivo=Joaguim Antonio da Silva Mello.-~
Joaquim Manoel Varella, servindo de'Presidente.

BATALHO D'INFANTERIA DE MOAMBIQUE .O l.
Relao das praas do sobredito Batalho e Companhia do
Artilheria que falleceram desde o 1.0 at 50 de Dezembrr
de 1859, com designao das importancias totaes do* seus
espolios
Bateria d'Artilheria, n.o 68 Soldado Antonio dos San-
tos, filho de pais incognitos. natural de Elvas Districto Ad-
ministrativo de Porto Alegre, edade 36 annos, solteiro,
falleceo a 27, deixou d'espolio 9330 ris.
Idem, n.o 79 Furriel Marcos Antonio Lobo, filho de
Antonio Lobo,'natural de.Belem'Districto Administrativo
de Lisboa, edade 24 annos, casado, fallecco a 19, deixos
d'espolio 37745 ris
Idem, n.o 87 Soldado Antonio Jose Antunes, filho do
Antonio Joaquim Antunes, natural de.Pedra Alva, Conce-
lho de Braga Capital do Districto Administrativo, edade
29 annos; casado, falleceo a 8, ficou devendo ao Conce-
lho Administrativo a quaiitia de 1885 ris.
1." Companhia, n. 220 Soldado Florindo Augusto de
Sales, filho de Jose de Salles, natural de Lisboa Capital
de District Administrativo, edade 27 annos, solteiro, fal-
leceo a 3, deixou d'espolio '4 519 ris.
2." idem,,n.o 208 Soldado Francisco Matheus, filho do
Jose Matheus, natural de Sarnadas de S. Simo, Concelho
1d'Oliveira, Districto Administrativo de Castello Branco, eda.
de 20 annos, solteiro, falleceo em o 1.0, ficou devendo as
Concelho Administrativo a quantia de 1530 ris.
Idpm, n." 129 Soldado Manoel d'Oliveira Murgueiro, fi-
lho de Jose IIenriques Murgueiro, natural de Villa Novt
da Rainha, edade 26 annos, solteiro, falleceo a 18, dei-
xou de espolio 89520 ris.
Idem 230 Soldado Jose Branico, filho, de Pedro Brai-
co natural do Reino da.Galiza Bispado de Tuy edade 31
annos, cazado, falleceo a 26, deixou d'espolio 260 ris.
3.* idem, n. 215 Soldado Antonio Jose de Matos, filho
de Jose Antonio de Matos, natural de Vianna do Castello
edade 32.annos solteiro, falleceo a 24, ficou devendo ao
concelho Administrativo a quantia de 15 25 ris.
Quartel na Praa` de S. Sebastio 1.o de Janeiro do
1860. = Luis Antnio Ozorio, Tenente Coronel Graduwad
e Commandante.


PARTI NAO 0IIAL

Plano para um Regimento ou nova Constituio Econt'
mica e Politica da Capitania de rios de Senna, com lodas
a obsertafes e informas necessarias para o referide f~e&








______________________________________________________ ----


organisado, pelo Governador da mesma Colonia Ationio
Norberto de Barboza de Villas-Boas .True, no anne de
4806 (datado de 2) de Maio em Tete).
Continuado do Boletim n.< 2.
Todas as Naes da Europa que tem colonies nas ou-
tras tires parties do Mundo, seguiram sempre a maxima
fundamental de fazer, com ellns um commercio exclusi-
oq, para tirarem d'estes estabelecimentos todas as van-
tagens de que elles so susceptiveis Postoque este sys-
tema de economic tenha muitas objeces contra.si, cer-
to que ainda mesmo admnittind o commercio das outras
Naes, a nietropole deve ter o priimeiro logar, e conser-
var com as suas colonies um commercio director e active
de importaes e exportaes. Mas tem sido por ventura
praticadas em Rios de Senna, e geralmente em todas as
Possesses portuguezas da costa oriental da Africa, aquella
naxima rigorosamente observada na America' por todas'as
Naes da Europa ? Todo o consummo que se faz em Mo-
-ambique e em Rios de Senna acaso-ser das produces
e manufactures do Reino ou d'aquellas que tenham saido
dos seus ports? Viu-se ainda que entrasse pela barra de
Lisboa alguma embarcao, cuja carga seja das produc-
es da agriculture d'esta colonial ? O mesmo oiro e mar-
fim, que fazem os principles objects do seu commercio,
seguem outro rumo different, e d'este modo as relaes
da costa oriental de Africa so to limitadas comt a me-
tropole, como se fosse a colouia de uma Nao estrangei-
ra, ou para melhor dizer, as Naes estrangeilas so as
que tiram d'elle todo o partido, contra todos os princi-
pios que devem dirigir a sua administrao. Os navios de
Lisboa que vo muitas vezes fazer carregaes de algodso
aos portos da Asia, com menos despezas as fariam em Que-
limane ou Moambique, se soubessem que de Rios de Sen-
na se export algodo, assucar ou outros generous.
Uma das instituies, e aquella de que tem resultado
a ruina e decadencia do commercio e agriculture, foi o es-
tabelecimento de uma embarcao chamada Barco de Via-
gem, lembrana funesta do Capito General Antonio de
Mello e Castro, em 14 de Abril de 1786.,Esta embarca--
o tem o privilegoi exclusive de carregar todo o marfim
que se .pela barra de Quelimane e de Rios de Senna para
oMoambique, e emquanto este navio nio tem completado
a sua carga, nenhum outro pde receber marfim. Depois
da introduao d'este perniciosssimo monopolio tem nau-
fragado bastantes barcos de viagem, -outros tem sido to-
mados pelos pirates na guerra passada, e como todos os
negociantes foram obrigados a carregar no barco" privile-
gitdo, no houve um s que no perdesse.
Os navios que de Moambique vo a Quelimane carre-
gar mantimentos, como so arroz, trigo, milho, feijo, etc.,
tiram d'estes generous pequerios fretes, motivo por que no
vo quelle porto, seno com a esperana de levarem tam-
bem furtivamente algum marfim. D'aqui vem que send
poucas estas embarcaes, tambem falta quem transport
mantimentos, e muito ordinario ficar o trigo dos mora-
dores de Tete e o arroz de Quelimane empatado n'aquelle
porto, e muitas vezes perder-se por falta de,embarcaes.

Estas, ordens -sempre deixam uma perta aberta para os
abusos e .nomeaes arbitrarias (dos prasos da Corda),
D'aqui vem o qne se v todos os dias que term uns
tres prasospeoutros- nenhum; serem nomeados alguns em
moradores de Moambique, que por principio nenhum es
4evern pssui por r estarem sempnre ausentes.


A populao e agriculture certamente no far progres-
sos, emquanto as terras da CorBa tiverem esta constituio,
e muito principalmente emquanto o direito de nomea-las,
sempre controvertido entire os dois Governadores de Mo-
ambique e Rios de Senna, no for definitivamente decidi-
do por un modo certo e invariavel para evitar os abusos.
(Continta)
.... I- l I I -- i II

^^ MOV1EMTIO BO POuiit DE MOqAMBIQUE. ,
S de4 a 20 d corrente.

EMBARCACES. ENTRADAS.
?(o dia 14-Barca Franceza, Cotirguiba, de 176 toneladas, Capito
Audibrrt Aiitouin, lequipagea s.11 essue, d Ilha de Miotta em r dias
em liatro, o com o mesmo passageiro com que sahiu.
EMBARCAC ES SAIDAS
No houve.
Capitania do Porto de Moambique g0 de Janeiro de 1800. c=A omtl
Maria Guiedes, Capito .do Porto.

Relao das embarcaes entradas e saddas *o Ports
de-Quelimane nos annos de 4856, 4857 e 1858.
EMBARCAES ENTRADAS.
1856
inMue Portiagiea,' Zntbeze, de 64 toneladaS, Commandante Miguel Ma.
ximiano da Cunha, 54 praas de guarniio. de Moambique coif generous.
Pangaio Portaguez, For de Moambique, de 39 toneladas, Capito Ali
Jabu, equipagem i7 pessoas, de Moambique em 8 dias, om generous.
Hiate Poriaguez, Zamtbee, de 64 toneladas, Commandante Miguel Ma.
ximano da Cunha, 64 praas de guarnio, de aXaruto,
Escuna Hamburguezat Carmelta (Capitb BiSpossine, equipagem 1 pea-
soas, do Cabo de Boa Esperana em .59 dias, com genero^,
Pangaio Portuguez, Flor de Moarbique, de 39 toneladas, CaitfAo Ali
Jabu, equiqagem 20 pessoas, de Moambique em 35 dias, com generous.
Hiate Portuguez, Flor bella, de 24 toneladas, Capito Vallegy Esmael,
equipagem 10 pessoas, de Moambique em 8 dias com generous.
Idem, Esperana, de 39,toueladas, Capito Dand Ibramo, equiqagem 1.
pessoas, de Moaibique, com geners.
Brigue Portuguez, Amizade, de 92 toneladas, Capito Amad Bay Alegy
equipagem 16 pessoas, de Moambique am 1 dias, com generous.
Hiate,idem, Sardinha, de 28 toneladas, Capito Mussa Dado, equipa-
gem 10 pessoas, de Moambique em 8 dias, com generous.
Pangaio idem, Flor de Moambiqie, de 39 toneladas,'Capito Ali Jabu
equipagem 17 pessoas, de Moambique em 8 ditg, com generous.
Hiate idem, Sardinha. de 8 toneladas, Capito, Mussa Daudo, equi.
pager 10 pessoas, de Moamnbique em 8 dias, cota generous,
SIdem idem, Lucmi Papa, de 8? toneladas, Capito Dado Valegy, equi-
pagem, 17 pessoas, de Moambique em 10 dias, com generous.
Pangaio idem, Fortuna d'Africa, de 91 toieladas, Capito Jabu Bino
Ali, equipagem 20 pessoas, de Moambique em 12 dias, com generous
Idem idmi, Flor de Moambque, de 39 toneladas, Capito Jabu Ali.
equipagem 19 pessoas, de Moambique em 8 dias, com geners, ,
Hiate idem-, Zambeze. de 64 toneladas, Commandante Migael Maximia.
no da Cunha, 30 praas de guarniio, de Meambique em 8 dias, com go.
neros.
Idem idem, Esperana, de 39 togfIadas,, Capito Dando Ibramo, equipa.
gem 15 pessoas, de Manambique em 6 dias, com generous.
Par!gaio idem, Boa Fortuna, de 39 toneladas, Capito Alfeni, equipa.
gem 13 pessoas, de Moambique em 8 dias, com genertos
Palinha idems R*Farel, de 81 toneladas, Capito Caamo Bay tssene,
equipagem 18 pessoas, de Moambique em 10 dias, com generous.
Barca idem, Felicidade, de 300 toneladas, Capito Faquit Bay Esmael
36 pessoas d tripula'o, de Moambique em 20 dias, com genero. '
Hiate idem, Esperanca, de 38 toneladas, Capito Daud Ibramo, eqai.
pagem 15 pessoas, de Moambique era 8 dias, coMI generous.
'Pangaio idem, Flor de Moantbique, de 39 toneladas, CapitIo Jabo Ali
equipagem 16.pessoas, de Moambique em 9 dias, com generous.
Idem idem, Fortuna d'Africa, de 91 toneladas, Capitfo, Jabui Bie Ali
equipagem 0 pessoas, dq Moambique em 10 diag, com generous.
1857
Panganlo Portuguez, Flor de lfJoambique, de 3f fonclada, CapifIo JabU
Ali, nt|lipagem 22 pessoas, de Moambique em 14 dias, com generous.
Patacho de guerra Portuguez, Zambeze, de 64 tonelads, Commandauto
Migupl hMaximiano da Cunha, 27 praas de guarnio, de Moambique com
PIatngai Portuguesig Boa fortania, da 38.toneladas, Capitla Ali Bine Ami.










' c,, efuiipgemn, 17 pessoas, d Moambique em 4r dias com generous, naa-
Iragou dentro da barra. .
Barca Americana, Parod.s, de 350 toneladas, CapitLe John Jones, equi-
pageai 17 pessoas, de Majunga em 10 dias, com dinheiro.
Idem Portuguesa, Tejo, de 30.8 toneladas, Capito Joo Francisco Amor,
equipagem 14 pessoas, de Lisb9a.em 130 dias, com generous.
S Hiite i pagemu 14 pessoas, de Moambique em 6 dias, com generous,
Idem, Aguia, de 79 toneladas, Capito Achumia.G.ulamo, equipagem.14
pessoas, de Mocaimbique em.5 dias, com generous.
Idem, idem', de M,amnbique em 7" dias, idem.
Ideim, Dais Irmos, de 75 toneladas, Capilto Musgagy Valegy, equipa-
geoi 19lpessuas, de Moambique em 6.dias,. com generos..
idem, Esperana de 49 toneladas, Capito Mamud Ali Ussene, equipa-
geai 13 pessoas, de.Moambique em 8 diaa, coqi gneros. ..
Idem, idem. equipagem 14 pessoas, de Mgambique em 14 dia idem.
Ide;n,-Or,;/la3 de 66 tonelidas, Capita tapudino Ibraum, equipa5Ls1V
14 pessoas, de Moambique em 15 dias, com generous.
Idcm.; idem, e'imp.i,..u9 p- ..". L, de Moiambique e 8 dias, idem.
Barca Americana, Nuthaniel Coggeel, de. 306 toneladas, Capitlo C. B.
flfambolim, equipagem 14 pessoas, de Moambique em 16 dias com algpdio..
: Hate Portugnez, Agiuia. de 79 toneladas, Capito Achumi Gulamo,
equipagem 14 pessoas, de Moambique em 5 dias, emn lastro.
Barca iiem, Felieidade, de 262 toneladas; Ca ilto Avelino E. de Car-,
valliu equipageni 15 pessoas, de Moambique em 19 dias, com pedra.
Pangaio idem, Fortuna da Africa, de 61 toneladas, Capito Daud Aca-
bugi, equipagem 22 pessoas, de Moambiqne em-7 dias, coma fazendas.
H'iate idem, Carmelita. de 28 toneladas, Capitio Agy Abacar, equipa-
gem 10 pessoas, de Moambique em 6 dias, coml mantiimento.
Idem, idem, em 10 dias, arribado com generous.
SPngaio idem. FlIr de forintique, de 39 toneladas, Capito Abudulo
amane, equipagem 3 pessoas, de Moambique em 4 dias, com generous.
1858
Pangaio Portuguez, Fortuna d'frica, de 91.toneladas, Capito Daud
Acabugi, equipagem TO pessoas, de Moambique em 7 dias, com generous.
,Hiato Americano, E, HI. Miller, de 172 toneladas Capito H. A. S. Po-
tir, equipagem 10 pessoas, dos Estados Unidos em 120 dias, com generos.-
Idem, idem, de Inhambane em 6 dias, com generous.
Id-em, idem, equipagmi 11 pessoas, de Nosb em 7 dias, idem.
Pangaio Portuguez, Flor de.Moamnbique, de 39 toneladas, Capito Abdulo
"'air,ani, eqiuila.aenm 24 pessoas, de Moambique em 39 dias, com generous.
Escuna de guerra idem,'Angra, de 180 toneladas, Commandanie Joo
i'Euzebio d' Oliveira, 41 praas de guarnio, de Molambique em 8 dias.
Idem, idemn, 46 praas de guarnio, de Bazaruto em 29 dias,
Hiale idem, Aguia, de 79 toneladas, Capito Sapodino Ibramo, equipa-
genm 16 pessoas, de Moambique em 6 dias com generous.
Idem, idem, Capito Achumia Gulamo, equipagem 15 pessoas,, de An-
Joane, em 6 dias, em lastro.
idtem, Orphila, de 66 toneladas, Capito Daud Acabugy, equipagem 10
pessoas, de Moambique em 20 dias,- com generous.
SIem, ideim,'em 4 dias, idemi.
Idem, idem, airibado em b dias, em lastro.
Brigue Portiguez, Dois Ir.mos, de 79 toneladas, Capite Musamgy a-
legy, equipagem 16 pessoas, de Moambique em io dias, com generous.
Idem, idemi, em 5 diasa, em lastro.
Brigue, de guerra Pottuguez, Filla Flor, de 260 toneladas, Comman-
dante Alvaro 'Jose Soares Andrea, 100 praas de guarnio, de Angola em
72 dias..
Chalupa Portugueza, Maria Jose;, de 54 toneladas, Mestre Daud Musaz,
equipagem 10 pessoas, de Moambique em 16 dias, com generous,
Hiate Americano, mnerican, de 86 toneladas, Capito Juhn Jones, equi-
pagem 6 pessoas, dos Eitadis tJnidos em 93 dias, com generous.
Idem Portuguez, Boa viagem, de 85 toneladas, Capito Ibrama Nona,
equipagem 11 pessoas, de Moaimbiqie em 7 dias, com generous.
: .E .MBARICAES~ SAIDAS.
1856
Hiate de guerra Portuguez. Zambesz, de 54 toneladas,' Cemmandante
Wigiel Maximiian da Cunha, 64 praas de quarnio'a para Bazaruto.
Idem, idem, para Moambique com marfim.,
;ldem,.ideen, 30 :praas de guarniio," para Moambique.
Pangaio Portuguez, Flor de JMoamibique, de 39 toneladas, Capitla Al
Jab,'"(quipageni 17 p -'.'ias para Moambique, com marfim.
Idem, ideni, cquipagLin 2u pessoas, idem.
: Idem, idem, equipagem 17 pessoas, idem.
Idem, idem. equipagem' 1 pessoas, idem.
:.idei, idem coar geinros.
.Escuna Hamb.urgueza, Carmelita, Capito B'possine, equiqagem 10 pes

Hiate Portiguez, Flor bella, de 24 tonelidas, Capito, Vallegy Esmael
aquipagem 10 pessoas, para Monibitque, com marfim.
Idem, Esperana, de 39 toneladas, Capito Dand Ibramo, equipaem, li
peBnbas,'p'M MoaMiibique com marfim;
Idem; *':' -: : ..
,Jd'em,:com.ige~i os, :
Brigu'ii orIuguezi AIntizade, de 9 toneladas, Capito ALad3'Bay Ale
V equitagein 16 pess,,a, para M9eambiqne, com maria,


Hiate idem Sardinha, de 28 toneladas, Capitio Mussa Daud, equip2gem
10 pessoa, para Moanibique, com marflm.
. dem, Lacmi papa, de(. 8qoneladas; Capito Dauil.Valegy, equipagem
17 pessoas, para Moambique em lastro.
Paiogai Portuguez Fortuna d'A4frica, de 91 toneladas,'Capi Jfbn Br-
ni Ali, equipagem a0 pessoas,'para Moambiqu com marfim.
Idem idem, com generous.
Pangaio Portuguez, .Boa fortune, de 39 toneladas, Capito Alfeai equni
pagem 12 pessoas, para Moambique com marfim.
Palinha idem, Ituparel, de 81 toneladas, Mestre Caamo laj Ussane
equipagem 18 pessoas, para Moambique,
.Barca idemTFelicidade, de 360 toneladas, Capito, Faqnir Bai Eamael
equipagemi 36 pedsoas, para Moambiqae.
857
Pangaio Portuguez, Flor de Moambique, de 89 toneladas, Capito Jaba
Ali, equipagem, 2 pessoas, .para Moambique, com marfim.
Pataoho de guerra Pootigez, Zamineze, de 64 toneladas, Coinandarite
Miguel Maximiano da Cunhi, 7 praas de guarnio, jara Moambique.
Pangaio idem, Jioa f/rtuna,; e 38 toneladas, Capitio Ali Bine Amica,
equipagem 17 pessoas, nanfragou dentro da barra.
Barca Americana, Parrdei de 350 toneladas, Capito Joha JonC, eqni.
page 17 pessoas, para Zanzibai'com' marfim. : ':
SIdtm Portugueza, Tejo, de 318.toneladas, Capiiio Joo Francisco Amer,
equipagem 14 pessoas, para Moambique com generous.
Iliate Portuguez, 1:sperana, de 39 toneladas, Capito Daudo Ibrame,
equil:agemi 14 pessoas, pari Moambique, com generous,
Idem, idem, Capito Mamud Ali Ussane, aquipagem 13 pesaoe, pme
Moambique em laitro.
Idem, com generous.
Iden, guia, de 79 toneladas, CapitAi AchumiL Qulamo, equipa~em 16
pessoas, para Comores, em .lastro.
Idem, idem, para Moambique, cem marim.
Idem, Dois Irrmos, de 75 toneladas, Capito Mussagi Valegy, equipe
gem, 19 pessoas, para Moambique em lastro.
Idem, Orphila, de 66 toneladas, Capito iSpodino Ibrame, etauipa.ge
14 pessoas, para Moambique, em'lastro.
Idcm idem, para Moambique., com marfim.-
Barca Americana, Nuthael iCofgeel, de 306 toneladas, Capitto C. B.
Hainbolim, eguipagem I *pessoas,, para Ziaizibar com marfim.
Barca Portigueza, Felicidade, d'e 263 toneladas, Capito Avelino E. tl
.Carvalho,, equipagem 15 pessoas, para Mauricia, com madeira.
Pangaio idem, 'Fortuna de Africa, de 91 tonelalas, Capito Dand Aea'-
bogy, equipagem 22 pessoas, para Moambique, em lastro.
Hliate idem, Carmelita, de 28 toneladas, Capito Agy Abacar, ethipse-
gem 10 pessoas, para Moambique, com lanjas..
Idem; para Moambique.
Pangaio idem, Flor de Moambiqgui d'e 39 toniEldas,- Capit' iib nl
Raniane, equipagem n5 pessoasr para.Moambique, :com.marflm..
"t1858.

S Pangaio Potuigiex, Fortuna de Africa, de 91 tonel.da, -CapltZ Da Oa
Acabogy, equipagem 10 pessoas, para MoaVabique, com generous.
Hiato Americano, C. I. Miller, de 112 toneladas, Capitlo, H. A. L.
Poter, equipagem 10 pessoas, para Zanzibar, co geaerrs..
Idem, para Moambique,idem, com generous.
Idem, para os Estados Unidos, idem
Pangaiu Portuguez, Flir de Mfoambiqu#, de 39 .tneladas,.CaptlU Ab*
dulo Ramianii, equipagem 24 pessoas, para Moambique com generous:
Escuna. de guerraidem, Angra, de 180 toneladas, Comiandaat3e Jeo"
Euzebio d'Oliceira, 41 praas de guariiio, -para-Msambiqac.
Idenm 46 praas de guarnilo, idem..
Hiate Portunuez, Aguia, de'7Q tonetadas, Capitio Sapodino Ibramo.
equipagem 16 pessoas, para Moambique com generos..
Idem,'idem, Capito Achumi Gulamo, equipagea.15 pessoas, para e*
amiabique em lastro.
Iddm, Orphila, de 66 itoeladae, Capite 'Daud Acabeoy, enirageiu'
pessoas, para Moambique, com telhas.
Idem, idem, com generous.
," Idem, idea, eiu lastro. .
Brigue Portuguez, Dos. Irnimos, 'd 79-toneladas, Capitlo Museeagyi V
legy, equipagem 16 pessoas, para Moambique, em 'lastru.
Idem.
Brigue de .guerra PoirtUigie, Vilas Fr,' te Alvaro Jose Soarss Andre, 100. praa:-de]guarnio," para Moamibique
Chalupa Portugueza, Maaria Jose, de.54 toneladas, Mestre Dand Mussa,
equipagem 10 pessoas, para Bazaruto, cm generous,
Hiate American', American, de. 8'6 toieladas, Capit John Joaes,
equipagam 6 pessoas, :para Moaribique com generous. .
Idem Portugues, Boa viagem, de 25 toneladas, Capito Ibramo Nona~
equipageim 11 pssoas, para Moambique, com generous.
S Alfandega d' iQuelimane 11 de M'ro de 1859.' 1.* EscrivS'a Fr~e
SciNco'Antonio Pilto. .



S|OAMBIQU II NA IiMPRNSA ACIONAI. .


~,,,,,,~- .~-m----~u i;-)ipli"l~ - --T---Li- ~-sC~T~-~II- --~------ I a]llC1





aN -1 S I .. B ku8 a!iU no 4,





BOLE IM OFFICIAL



DO

8GOVE1 O RAL H IA PROVI-CIA DIE O 1AMBIOU ..
=. .wi u w w n t ,.
lste Boletim semanal ser publicado todos os sabbados e no 0 Preo de asssignatura por ano ............... r. 2800
dia antecedente ou na s.a feira seguinte quando aquelle for A l A D U Por seis nizes........................... n 14509
'feriado: a.signa-se para o mesmo em Moambique no Escri- Por tries mezes ........ ............ ... 80
ptorio do Estabelecimento da Imprensa Nacional e nos Dia- O Por folha avulsa ... .................... .. 080
trictos, nas Secretarias dos Goveruos ou Commandos da n A EI Preo dos annuncioa por linha.............. 04*
Tillas, as assignaturas s-o sempre pagas adiantadas. f N t Correspondencias d'interesse particular, idem. o 036
"| i| I- I --- -


GOVERNO GERAL.

*E?(DEilFA~1R. ,, ,
N.o 40.= O Governador Geral da Provincia de Moacm-
bique, attendendo ao que lhe foi requerido por Joaquim
Manoel Pires do Rozario, e s informaes havidas a seu
respeito do Governador do Districto de Inhambane, deter-
mina o seguinte:
nomeado para exercer interinamente o cargo do, Es-
crivo da Delegao de Inhambane o referido Joaquim
Manoel Pires do Rozario.
Esta lhe valer pelo espao d'um anno.-Hade pagar
de sello 5O000 reis, e os direitas de merc pela decima
parte dos seus ordenados, em conformidade da Portaria
de 5.d'Outubro do 1849..
As autoridades s quaes o conhecimento desta deva per-
tencer assim o tenham entendido e cumpram. Palacio do
Governo Geral da Provincia de Moambique 16 de Janeiro
de 1860.= Joo Tavares d'Almeida. Governador Geral.

N.? 4I1.= O Governador Geral da Provincia de Mo-
ambique, attendendo proposta que lhe dirigio o Paro-
cho da Fregezia da Nossa Senhora dos Remedios da Ca-
baceira grande, determine o seguinte:
nomeado Sachristao da Igreja da referida Freguesia
de Nossa Senhora dos Remedios da Cabaceira grande.=
Paulo de Barros. Hade pagar mil ris de sllo.
As autoridades s qyaes, o conhecimento desta deva per-
tencer assim o tenham entendido e cumpram. Palacio do
Governor Geral da,Provincia de Moambique 23 de Janeiro
de 1860.= Joo Tavares d'Almeida, Governador Geral.

N. 42. -=0 Governador Geral da Provincia de Moam-
bique, attendendo ao que lhe foi representado pelo Gapi-
tio-mor e Commandantc das Terras Firmes ha por conveni-
ente demettir a Joaquim Salvador Pereira do logar de Ma-
onde das Terras Firmes do Districto de Moambique para
que havia- sido nomeado por Poitaria d'este Goveroo Ge-
ral de 20 d'Outubro de, 1858. -
As autoridades s quaes o conhecimento desta.deva per-
tencer assii o tenham entendido e cumpram. Palacio do
Governo Geral da Provitcia de Moaabique 26 de Jaueiro


de 1860.= Joio Tavares d'Almeida, Governador Geral.

N. 43. = O Governador Geral da Provihcia de Moam-
bique, attendendo proposta que lhe foi feito pelo Capi-
tio-mr e Commandante das Terras Firmes do district
de Moambique, de Nicolau da Costa Assis para o cargo
de Maconde das mesma"Ferras Firmes, ha por convenient
nomear o referido Nicolu da Costa Assis para exercer o
cargo'citado de Maconde das Terras Firmes do district
de Moambique, com o vencimento marcado na Portaria
d'este Governo Geral de 30 de Janeiro de 1858, approva-
da pela do Ministerio da Marinha e Ultramar de 24 de
Julho do mesmo anno.-Hade pagar de sell 1 000 reis.
As autoridades s quaes o conhecimento desta deva per-
tencer assim o tenham entendido e cumpram. Palacio do
Gdverno Geral da Provincia de Moambique 26'de Janeiro
de 1860. = Joo Tavares d'Almeida, Governador Geral.
ZAMBEZIA.
Rendimento da Alfandega de Quelimane no mez d'Ou-
tubro de 1859.


Por entrada de eneros nacionaes...
SDitos estrangeiros...
Pr saida de Ditos nacionaes. .
Por sida de.. Ditos estrangeiros:..
Tonelagem Nacional .. .. ...
Estrangeira. .. ..
Fundo E p c 'Direitos do vinho .
.de Co onisao Impostos a Navios e
e oloPangaios.sao
"angaios. .......


&
t-8j077

*#
A
$


18077


Escravos despachados.... .. .... . 1.183
Armazenagem. .... ........
Multas. ... .. ....... .......
Direitos de embandeiramento.. ...... .. .
Tomadias.. ,.. .......... ......
Somma' ... .. .. ...... 19$262
Alfandega de Quelimane 2 de Novembro de 1859. O
1. Escrivao =--Francisco Antonio Pinto. O Director inte-
:ripno= Manoel Velloso da Rocha.


AR RegmeN O OFaIClIAIn

PlaMno p-ra m Regimento ou noara onstiu,.,9 l Ecow-








nica e Politica da Capitania de rios de Senna,' com todas
as observaes e informaes necessarias para o referido fim:
organisado pelo Governador da mesma'Colonia Antonio
Norberto de Barboza:' de Viltas-Boas Truo, no anno de
48096 (datado de 2) de Maio em etee).
Continuado do Boletim n.o 6.
O augment dos direitos na Alfandega de Moambi-
Sque uma das cau>as da decadencia do commercio
em Rios de Senna.
SSendo as fazendas dos portos da Asia e algumas da Eu-
lopa, como so velorio, missanga, etc., as que servemn de
object de permuta no, commercio de Rios de Senna, e pa--
gando todas ria Alfandega de Moambique direitos de 40
por cento, seria\ necessario que os cafres negociantes dos
sertes diminuissem' na mesma proporo o valor do seu
oiro e marfim para que similhantes direitos no prejudicas-
iem o nosso commercio. Ordinariamente o comprador
quem paga este augment de preo; mas isso o que acon-
tece n'esta parte de Africa.
Os cafres que rios' vendem o [oiro e marfim, depois de
estabelecido. um certo preo, e estando habituados a elle,
por principio -nenhum pagam as fazndas mais cars, e so
capazes de levar o seu marfim a dois mezes de viagem mais
long, na esperana de ver se conseguem um pequeno aug-
mento de preo. Os cafres pela maior parte vestem-se de
pelles de animaes, muitos fabricam panno de algodo pa-
ra seu, uso, outros andam em uma perfeita nudez, e a
missanga, velorio e fazendas de algodo, so objects de
luxo sem os quaes passam muitas 'naes. Os mouros da
costa de Zanzibar, das Ilhas de Zanzibar, de Quiloa, Mom-
Laa e Melinde, entrando comnosco em concorrencia neste
commercio, exportam uma grande parte de oiro e marfim
Depois da infeliz viagem do Governador Lacerda ao Ca-
zembe, ficou interrompido e nosso comrhercio com aquelle
reino, com a nao' dos 'Muizas e part. dos Maraves; mas
nem por isso estas naes deixaram de vender o seu marfim
aos cafres Mujos, que o tem levado aos portos da costa
de Zanzibar como se sabe por informaes certas; e al-
guns d'estes cfres ainda continuam aquelle commercio
por lhes ser mais interessante, como temn dito. aos nossos
commerciantes. O augmento de direitos da Alfandega de
Moamblque em' ultima analyse vem a recair nos hossos
Iegociantes.
i? Totas as fazendas, que se importam n'aquella capital
(Moamlique ):vem dos -nossos portos de Diu, Damo e
Goa, sio artigos de primeira necessidade em Monambique,
Rios de Senna, Sofala, Inihambane etc.
Tein-se observado e est provado por um grande nu-
mero de factos..que o oiro tem diminuido sensivelmente
nas minas da Rios de Senna, de maneira que-as que se
trabalhavam nas terras da Corda esto hoje quasi todas
abandonadas por se acharem exhauridas; e quanto. s mi-
nas existentes nas terras dos Regulos independents, pos-
toque ni tenham tio grande esterilidade, comtdo ellas
niao do tanto oiro, e os cafres commerciantes dos sertes,
ou-se'--por este motive, ou por conhecerem hoje melhor
os seus interesses j o no vendem pelos preos antigos,
e do pela mesnma-quantidade de fazenda uma tera par-
te de menos do que davam havinte ou trinta arios.
O conhecimento que tei'ho do modo de commercial em
Moambique, e os facts 'de que tenho sido testemunha,
me permitted asseverar que uma tera part, pelo menos,
das fazendas-importadas. e exportadas de Moambique no
pagant direitos, porisso. mesmo que n'estes contrabandos


se lucra 40 por cento, e os. modos de fraudar a Li so
tantos e tao faceis......
.*: j ,

Todo o commercio da Africa, e particularmente o de
Rios de Senna, abirgendo nas suas operaes um grande
espao de terreno e yastissimos sertes habitados pelos
Regulos independents, no pde fazer-se sem grandes ris-
cds. Todos estes Regulos e seus vassallos so ladres que
roubam continuamente com differences pretextos, e d'aqui
vem a necessidade de fazer-lhes voluntariamente alguns do-
nativos a titulo de present ou de trib,uto, dando uma par-
te das fa2endas do commercio .pelas nUo perder todas.
Esta foi a verdadeira origem -o regulamentQ para o Pre
sidio do Monomotpa, estabelecimento feito pelo Capito.
General Balthazar Manuel Pereira do Lago, com bastan-
tes despezas annuaes feitas ao Estado e de que bem pou-
ca ou nenhuma utilidade se tira.
Este. Imperio (M on.omotapa )_,_emoutro tempo dejmae
extenso enorme, est hoje reduzido ultima decadencia,
depois que.os portuguezcs o desmembraram de todas as
terras que fazem a. colonial de Rios de Senna, e depois queo
o Imperador Changamira lhe usurpou uma grande part
para fazer um estado separado, bem cbmo fizeram outros
muitos Regulos, que send em outro tempo sujeitos ou
tributarios, hoje o no reconhecem nie. o independentes.
Os: seus limits so pelo nascente :e sueste as tcrras da
Cora d Tete, pelo sul o. Reino do Baru, pelo::sudueste
as terras dos Muzuzuros ea Abutu, da parte do, poen-
te a Chicova, e pelo norte confina com as terras de Te-
te e com o Zambeze. Ns nio fazemos commercio algum
Snas terras do Imperio, porque vivendo os .vassallos do Imn,
perador na mais extrema. miseria, e cultivando sniente as
terras para seu modico sustento,. nem.trabalhamnu as: minas
de oiro, nem caam ou matam elephants com o bem fun-
dado receio dos roubos, e desordens dos Munhaes, que,
como titulo de soldados, discorrem pelas povoaes a rou-
ba-las, unico modo que tem de.subsistencia. Logo a unica
dependencia que temos do Monomotapa o facultar-nos a
passage livre para os Muzuzures, e parao nosso estahe-
lecimento do Zumbo, situado na margem esquerda do Zanm-
beze a quinze dias de march da, Villa de Tete. Esta ui-
ti.ma dependencia da passage para o Zumbo pde muito
bem eyitar-se, fazendo marchar os commereiantes pelas
terras dos Maraves, seguinido a margem esquerda do Zam-
beze, como se recommend nas Instruces.dadas por Bal-
thazar Manuel Pereira do Lago ao Governador de Rios de
Senna, Ignacio de Mello Aboim, em 5 de Abril:de 1767.
E system ha muitos, annos, seguido pelos. Regulos, -
conhecido pelos moradores de Rios de Senna, que no ptin-.
pio dos Governos, emquanto se- no conhece a .condcta
que tero os Governadores, os Regulos mais visinhos, print.
cipiam. a querer ganhar ascendencia e a ter pretenes in-
auditas para apalpar quem govern: .se encontrarn. frou-
xido e indulgencia,, as pretenes sobem de ponto; se
conhecem energia nos Governadores: se experina ntlii o
minimo castigo ou ameaa, Jogo: passam da maior audacia
ao maior abatimento :e 'humiliaao, e .n'esteestado tira-se
d'elles todo o partido. Todas estas, reflexesu;so outras
tantas verdades adquiridas pela: minha experiencia; prin-
cipalmente com. o Imperador Changara, que reinava no Mo-
nonmtapa no principio do meu Governo, o qual costu-:
mado indulgencia e. condescendencia de um dos meus
antecessres, :pretendeu tratar-me:com superioridade, e s6.
0ous.0u.i y-lo humilhad9,. prendendo castigando -os sei2.


JL9i :







~iir~i--i i ~ iilrr.."-~4-~ ^~:I j~i-~` .-'~l~.~~iap.l.-i, -..r, ~_--i ',,;~.~..-; 7 ~~5~.- ~.... iii~;-i


munhaes, quando vinham fazer insultos e roubos mesmo
nos arrabaldes de Tete, e enti-ando finalmente no Imperio
testa de um corpo de tropas.que exterminaram e quei-
maram quatro povoaes onde e- refugiavam as nossas es-
cravaturas. Finalmente adagio antigo n'este paiz, muito
confirmado pela experiencia: O cafre faz quanto lhe sof-
frem, e soffre quanto lhe fazem.
O actual Imperador Mutua, que expulsou do Imperio
,o Changara,' cujo project me Communicou antes de
6ae pr em pratica, tendon a poltica de pedir-me o.meu
consentimento, umm prineipe descendente de um Impe-
rador antigo. Os seus costumes so differences dos outros
cafes, bastante civil, e tem comigo today a qualidade de
indulgencias, estando por tudo quanto a benefieo do Es-
tado, e dos moradores de Tete. As. suas terras estno lives
de ladres, c o nosso commercio dos Muzuzuros actualnen-
te florece muito pelo cuidado que tem de nos franqtear os
caminhos. .
Em todas as Vilas de Rios de Senna ha Camearas pre-
sididas por Juizes Ordinarios, que sao os que administram
a justia civil e criminal. As Cmaras nio tem rendimen-
-to algum para as suas despezas, e por isso mesmo as que
sno mais indispensaveis s,o feitas a custa dos Juizes or-
dinarios e dos outros Camaristas,
Assim comca'm Rios de. Senna ha duas qualidades de
habitantes, que stio os braneos que possuem terras da
Coroa como eymphyteutas, e os negros forros que habi-
tam as mersm~as terras, que. as cultivam bem ou mal ; a
ignorancia e um antigo inveterado costume introduziu du-
as legislaes differences, uma puramente barbara e ca-
freal para os negros, e' outra-para os broncos, composta da
nistura das leis do Reino e da monstruosa jurisprudeneia
dos cares. 1Nos prazos da Cora os emphyteutas sojuizes cm
primeira instancia' em todas contends movidas entire
os colonos; em todos os casos decide civil e criminal-
mente; e quando as parties no esto pela sentena appel-
Iam verbalmente paia os Juizes ordinarios do Districlo,
,ue muito poacas vezes praticam, Esta uma magistra-
tura s propria do governor feudal nia rigorosa accep'o
do termo,.cuja magistratura no sei que tenha fundamento
algum na nossa legislao ou em graa e privilegio espe-,
eial. Todos os crimes, milandos, so expiados por meio de
multas, e quando f enlpado no tem por onde pagtue, ou
fica escravo da parte offendida, ou paga com a morte o
attentado comettido, .


COMMUNICADO.
We Moniteur de l'lle de la Runion = de 0 de Agosto de 8 05 .de--"
paramos com a seguinte noticia, sob o titulo =- de alguns proda'ctos desti-
nados Exposio de Maltricia.
Purificado, clarificado, e flitdifitae doameite de coco pelo Snr. A.n
tsnio Jose da Cruz Coimbra, de Quelimane.'r:= Ainda que o exponente nro
pertena i ilha da Rcuniko, aonde smente, se acha de passage, no quiz
elle perder a occ;asito de fazer conhecidos s.duas Colonios irms os seus
magnificos products 'de azeite de coco apurado, e fluidificado. = Com -ef-
feito difficil ehservar umia amostra mars bella de azeite do que aquella
que o. Sar, Cruz, mandou ExposiFe da.Ilha visinha. O azeite tb clato
to transparent, e tilo limpido como.agua-= mesmo cm temperaturam rela-
tivamente muito baixas, se mostra isemplo da sua consistencia, e arde semo
emnittir os vapores acres e abundantes que caracteriaamn, qunsi todos os azei-
tes empregados na Colonia, e em particular o azeite de coco: no seu es-
tado rdinari. 'Os produetos gazosos, que este azeite purificado desenvol-
ve so rmuito combustiveis, e muito luminosos.
Pela fluidez e.pelo pro nminimo de custo elle eminentemente proprio
a substituir nos caudieiros moderadores o azeite de colza, to intperfeitoo e
to-coto para ossconsumidores.
Tendo sido exper-imentafo por muitas vezes nestes ca'ndieiros, o r'ewstat-
do tem sido sempre satisfiatorio. O'azeite tem ardido todo atd ultima go-
ta, sem deixar residno, sem que a" tocidia tenha ficado oxrbonisada, dando
uma lui branea, intnsa e .cli., '


A amortrt que observmnios foi prepared, com azeite comprado aM M .
Lory e. Pitel; o preo da c ompra do litro (dois quartilhos portuguezes e 8
deciinot) foi de 1 franco e 50 centimos ( 70 ris);.a purificawo ficou por
8 a 10- centimes( 10 a 18 ris ) Assim um litro, (2, 8 qpartilhos ) de azeite
purificado, clarificado,.e fluidificado, superior em todo o sentido ao aiete de
colza, obtem-se pelo valor minimo de 1 franco 60 centimos, ( 290 r.* ) ei
qu:anto que aquelie 'azeite cuata o preo enorme de 3 francos, ( 540 r. )
o que .quasi o dobro.
V,-se pois de quanta vantage iin o seria para nds em adoptar para o
azeite d'eo-op, o nu thodo de purifica~o d Snr. Cruz.
A quert;o do azeite, ou pro outra a questlo de llu'ininago, uma das
nossas questes economicas mais interessantes. O azeite, que como quasi
tudo' nos venc do estirangeird, e -subjeito a variaaes de preo muitas ve-
zes eixa';lradatS
Podfriaims pois corninuar a ser provides pelo estrangero.; fint pirifl-
cando aqui o azeite exotico, e dando-lhe todas as qualidades de uma boa
merecdcrii poderiamos emu todo o caso, -m vista do pouco custo da fludi-
difica.o, dal-o ao cosunio pormenor preo que o azeite de colza.
Sabemos que o Sar. Cruz obteve amn medalha particular que lhe foi
conferi"da pelo Ju'ry da EsposiIo de Mauiicia, pela perfeio do product
que expoz, e que ino lhe foi conferido algum dos premios da Exposio por
no poder sr contemplado no numero dos concorrentes por isso que a exposi-
o foi cxpecialmente destinada s colonies dc Mauricia, Reunio e Ceylo.


OfIMNTO O PORTOBE MOfaIB-IUB
deI 21 a 27 do corrente.


EMBARCAES ENTRADAS.
'eo dia SI ==-Pangt:io Portuguez, Vinte de Novembro, de 18 tonelada9s
Mestre Macassar Mnpate, Xouipagem 17 pessoas, do Ibo em 7 dias, 'omi',
rzella..
No dia 3 = Pangaio Arabe, liar Singar, d 65 toneladas, Mestre Sal-
le, rqfiipAgem 8 pessoas, de Bombaii em 2m6 dias, com differences generous,
2 passageiros bati s.
No dia 25 = Pangaio Arabe, .Mabraque, de -24 toneladas, Mestre Ab-
dalla C.mbo, equipagem 18 pessoas, de Zanzibar em U5 dias em lastro.
LMBARCACES SAIDAS
= = Brigue de Guerra., F Vla Plr, de 250 tonefadas, Comm4ndante
o 1.* Teneite da Armada Real Jose Maria d'Araujo e Silva equipagem 82
pi'ana de,guarni&o, 1:0 bocasde fogo, para GOa ema commission do,Gover-
no Geral.
s<= -i Barca Fanceza, Angelina, de 52 toneladar, Capito J. Blan-
din, equipagem i9 pessoas, 2 bocas de fogo, para Bengalla com escaila
por Ibo e Zanzibar com differentes generous e 2 passageiros.
-=u 3rigue I capanhol, Caridade, de 168 toneladas* Capito D..
Jayme Ygorra, eq~uipagem 15 pessoas, 2 bocas de fogo, para Cadis com
differences generous do comeniifeio.-
Capitania do Porto ite Mo.ambique 27 de Jaeiro de 1860.= i Antonio
Maria Guedes, Capildo do Porto.

Movimento do Porto da Villa do Ibo desde o 1.o a 50
de YNo'emb; o de 1859,
EMBARCAC ES ENTRADAS.
No dia 9 -Pangaio Arabe, Nunda, Mestre Macime, de Zanzibar em
18 dias, com faze~das, e mai generous, 9 pessoas fie tripulao, 4 paesa-
geiros Arabesi
MAiARCAS SAlfiAS.
K'o dia 5 1ri~tf Il espanhol, Caridade, 'Capito, Jayme 1,rorra, para
Zanzibar, com'differentis geieros, 13 pessons de tripulaSo.
o dia 16 --Batel Portugud, Pa1lmeira, Mestfe.Sery, para Moarabi-
que, com gergelim, 8 pessoas de tripulsaio.-
---Batel Poftuguz, Invencivel, Mestre Alf, para Moambique, com
gergelim, 18 pessods de tripulao.
No dia 8-.- Lancha Portugueza, Providencia, Meatre, Ascane, para Mo-
ambique, .com gergelim, 12 pessoas de tripulao.
Pangaio Arabe, Ni nda, Mestre, Macme, para Zriziliar, com
cauril, e, gergelim, 9' psoas de tripula7o, 1 passageiro Bathia.
1 o dia 30 Lancha Portugueza, Ajal de Janga, Mestre, Agevija, para
Moambique, com V-r'lini, IS pessoas de tripulao.-
Praa de S. Jotih' bo de. Dezembno' 'de 1'859, = Theodoro Lli'
de Souza, Condestaftl dla Praa. Est eobrforme Secretria do Governo
no Ibo S7 de Deaelibr de 1859. = Jos foniz Cabral, Alferes s Ordensa

S n. mni;l: do Porto da illa do Ibo desde q 1 a 354
de Dcismbro do 4859.
SEMBARi CdES ENTRA.IAS
No dia 3-I-riate Portugue2, Bda Lembranga, Miitr Felippe, dd Mo.
ianmbiqti

I






- 16


4 passageiros, o Director d'Alfandega com sua Senhora e seu filho menor e
1 filho de Ga.
No dia 5- Fragata a Vapor Inglesa, Lyra, Commandante Oldfield, de
Anjoane, em 9 dias com 11 bocas de fogo, 120 praas de guarnio. .
n- Lancha Portugueza, Amina, Mestre Vezir, de Moambique em 4
dias com taboas de mucuruce, 10 pessoas de tripulao
No dia 8 -Barca Franceza, Angelina, Capito Blandim, da.Reunio
em 15 dias comn differences generous, 19 pessoas de tripulao, 4 passageiros
9 francezes e 1 portuguez com seu criado.
No dia 11 -Brigue Hespanhol, Caridade, Capito Jayme Igorra, de
Zanzibar em 3 dias com couro e differences -generos, 13 pessoas de tripu-

No dia 12- Pangaio Arabe, Muginge, Mestre Maamo, de Zanzibar em
dias com fazendas e mais generous, 15 pessoas dB tripulaao, 8 passageiros
mujojos.
No dia 29-Pangaio Arabe,. Ambuanga, Mestre Saide, de Zanzibar
em 10 dias com fazendas para Madagascar, 15 pessoasde tripulao, 5 pas-
sageiros gentios.
No dia 25-Pangaio Arabe, Sugar Passd, Mestre Heregy de Bombaim
em 27 dias com fazendas e mais generous, 8 pessoas di tripulao9, 1, passa-
geiro, bathi como sobre cirga.
EMBARCAES -SAHIDAS.
No dia 8 -Fragata a Vapor de Guerra Inglezi, Lyra, Commandante Old-
fleld, para cruzar, com a mesmqa guarnio com que entrou.
No dia 22ide.Dezembro -Barca Franceza, Angelina, Capito Blandim,
para Moimbique com differences generous a mesma tripulao >com que
entrou, e os mesmos passageiros.
n-- Pangaio Arabe, Amilbuanga, Mestre Saide, para Madagascar e*m
fazendas 15 pessoas de tripulao.
No dia 31 Hiate Portuguez, Bds Lembrana, Mestre Felippe, para
Moambique com urzella, 15 pessoas de tripulailo:
Quartel na Praa de S. Joo do Ibo 2 de Janeiro de 1860. Theodoro
Luiz de Souza, 2. Sargento Condestavel da Praa, Est Conforme.- Se-
aretaria do Governo no Ibo 4 de Janeiru de 1860. Jo se. Jfsauim Moniz
Cabral, Alferes s Ordens.

Movimento do Porto de Quelimhn no e .es de Outubro
de 1859.
EMIBARCAES NTRADAS
No dia 16- fiate Portuguz, Filipno, de 76 toneladas, Mestre Faquir
Bay Esmael, 17 pessoas de tripulalo, de MoambiquQ em 2 dias de via-
gem, com generous da Praa, 7, passageiros, e 1 criado.
-- ii-1iate Portuguez, Esperana, de 39 toneladas, Mestre Mussa
-Daude, 16 pessoas de tripulao, arribado com 18 dias de viagem, com
acarga com que tinha said,
No dia 28 Hiate Portuguez, Missanga, de 66 toneladas, Mestre Daud
Acabugy, 11 pessoas de tripulao, de Moambiqhe, em 8 dias de viagem,
com generot da praa, 10 passageiros, 3 criados, 1- pras de pret.
EMBARCAES SAIDAS
No dia a4 Hiate Portuguez, Esperana, de 39 toneladas, Mestre Mussa
Daud 14 pessoas de tripulao, para Moambigue com 108 arrobas 31 li-
Lras de marfim grosso, 22 arrobas 6 libras do dito meo, 71 arrobas miudo,
54 arrobas 10 libras de cera, 25 arrobas 22 libras de Cavallo marinho, 36
arrobas 25 libras de Cera bruta,- 88 panjas de legumes, 6050 Cocos, 28
arrobas 16 libras de azeite, 1 boca de fogo.
L- -Hiate Portuguez, Filipino, de 76 toneladas, Mestre Faquir Bay
Esmael, 17 pessoas de tripulao, para Moambique com 20 ariobas 25 li-
bras e meia de marfim grosso, 24- arrobas S2 ditas miudo, 1 arrobas 16 li-
bras do dito cera, 2 arrobas 5 libras de Cavalo makinho, 1 arroba de Cera
bruta 38 panjas de legumes; 4 arrobas e meia de azeite 1 volume com
adoelas, 1 dito com arcos de ferro, 3 passageiros, 1 Soldado 5 criados, e
1 prezo.
Alfandega de Quelimane 3 de Novembro de 1859. = Mano4l Fellexs do
jocha, Director interino.

Rlegisto do Porto de Inhambane no anno de 1859.
EMBARCAES ENTRADAS.
No dia 17 de Setembro. = Hiate Portuguez, Aguia, de 79 toneladas,
iestre Achumi. Gulamo, 10 pessoas de-tripulao, 2 passageiros, 2 bocas
de fogo, com different generous, 3 dias de viagem de Moambique.
No dia 27 de Oufubro =Brigue Portuguez, Margarida, de 303 tonela-
das, Capito Francisco dos Santos, 19 pessoas de tripulao, 16 passagei-
ros, 2 bocas de fogo, com differences generous, de Moambique com 6 di-
as de viagem. .
No dia 8 de Novembroo, Hiate Portuguez, Aguia, de 79 toneladas,
Mestre Achumi Gulamo, 10, pessoas ,de tripulao, 22 passageiros, com
diffrentes generos, 1 bocas de fogo, de Mbambique, _.on 6 dias de
liagem.
EMBARCAES SABIDAS.
eo dia e 4 de Setembro.= Hiate Portuguez, Aguia, de 79 toneladas,
Mestre Achumi Gulamo, 10 pessoas de tripulao, 1 passageiro, 2 bocas
Se fogo, para Loureno Marque.
Quarter na Praa de Inhambane 10 de Novembre do Ifi(. Adtnis
S .~suz Teiirira, Alferes Ajudante da Prai..


Observaes meteorological na Cidade de Moambique nos
dias I." a 15 de Dezembro de 4859.
Barometro Thernometro Psychrometro Udo-
( Preaso) (Temperatura) (Humidade) metro


GrAus C. Por 100 Millim.
ias


9 m. 3 t. 9 m. 3t. 9 m. 3t. 94 h.
1-757,33-758,07-2 8,3-30,4-84,2-88,4,r- *
2-761,57-760,77--36,3--32,3-90,3-80,9- a
3-762,42-760,70-30,3-32,5-86 -75,5- 11
4-757,90-759,82-8,1-30,1-86,5-87,5- o
5-762,05-761,80-28,5-29,5-87 -82,2- -
6-759,74-757,72-2-8,5-31,3-79,8-68,5- -
7- "- -
Novembro 8=- s n -- -- n -
0- a -u o n a
10- o .- ; -- N M -
11-- -- I-- -- --
12- -- - -- = --
13--758,72-757,92-26,3-89,6-97,3-80,8- si
14-761,29-761,22-28,8-31,9-82,5--82,8- 41
14-762.25-760,12-898-- 29,6-87,4--85,-' 10
Altura barometrica correct.
Altitude do barometro 3,25 metros,
Temperature A sombra.


Em conformidade da deliberao da Junta da Fassnda, se faI publioe pra
ra conhecimento dos interessados que nos dias 30 e 31 do corrente mes, a-.
de ter logar na Thesouraria Geral o pagamento ide um mes de vefcimento a
todas as classes subsidiadas pelo cofre Publico, e aos Empregados que ti.
verem at 1201000 reis de ordenadc annual, se pagar o mes de Desembre
de 1858, Contadoria Geral da Fazenda 6 de Janeiro de 1860. O E~crilvi
Vogal da Junta. = Jose Zeferino Xavier Alves.

No dia 3 de Fevereiro do corrente anno pelas. 4 horas da tarde no Edi-
ficio da Junta da Fazenda, se hade vender em hasta public em conformi-
dade do artigo 15. do Regimento de 25 de Outubro de 1853, os objects
e escravos pertencentes aos espolios dos fallecidos Antonio Ferri de Cas-
tro, Faustino Jose Cardozo, e Manoel da Costa, o que se annuncia para
conhecimento do public. Contadoria Geral 27. de Janeiro de 1860. O sE-
crivo Vogal da Junta. = Jose Zeferino Xavier Alvas.-


D#utor Jose Ignacio de Abranckes Garcia, Juiz de Direite efm eladt
nesta Comarra de Moambique e seo term porSua Magestade Fidelissi.
ina aquem Deos Guarde etc.
TFao saber que neste Juizo pelo Cartorio do Escrivio que este subscre-l
correm annuncios por 10 dias para a venda d'alguns moveis pertencentes ao
Doutor'Bernardo Francisco de Abranches, que devero ser vendidos em
hasta public no dia 6 do future mez de Fevereiro pelas tres horas da tarde
na praia da Ba Vista, nas cazas do dito Abranches; bem assim pelo mesmo
Cartorio'correm preges por 20 dias para a venda d'uma Maxamba cita
em Sauasaua, no district de Mossuril foreira Camara Municipal per-
tencente o Augusto Candido d'Abranches, avaliada em 800000, reis aqual
se dever vender em ultima praa no dia 16 do future mez de Fevereiro,
pelo ieio dia no tribunal da audiencia por assim me ser requerido
pelo Procurador das supra ditos Abranches, E para que chegue ao co-
nhecimento de todos mandei afixar este nos lugares do costume. Me~am*
bique 26 de Janeiro de 1860. = Eu Francisco Filizardo Sauda de Car.
valho que o escrevi. Jose Ignacio de Abranches Garcia.

O Doutor Jose Ignacio d'Abranches Garcia Juis de Direito com alse
da nesta Comarca de Moambique e seo term por Sua Magestade Fedelies
sima aquem Deos Guarde etc.
Fao saber que na conformidade do Decreto de 27 Dezembro de 1851,
e nos terms dos artigos 891 e 892.de'Novis. Ref. Jud. e do AlvarA de
14 de Abril de 1785 se acha aberta a Syndicancia de resideicia de Ex-
Delegado do Procurador da Cora e Fazenda desta Comarca, o D*stor
Luiz Carlos Garcia de Miranda, por espao de 30 dias da data do present.
te edital, e para que chegue ao conhecimento de todos o mandei afixar
nos lugares de costume e publicar no Boletim do Governo. Moatbique,
7 de Janeiro de 1860. -- Eu JoLo da Silva Carro Escrivo aomeadN
ad hoc que o escrevi. = Jose Ignacio d'Abranches Garcia.


Hospital Militar de Moambique. Quem quizer fornecer ple para
Hospital Militar desde o primeiro 'de Fevereiro proximo seguinte, compa-
rea no mesmo Hospital no dia 30 do corrente, onde em Sesso da Junta
Inspector sero' declaradas as condie do fornecimento. Hospital Militar
de Moambique 24 de Janeiro de 1860. -No impediment do Director,
= Joaquim Francisco Collao, Cirurgiad de 2.* Classe.

MOAMBIQUE = NA IMPRENA NATIONAL
MOAMBIQUE = NA IMHPRENQA NATIONAL.


.i -~ i i i . -. . -


Millimetroa









BONoLE8TI


B13LETIMI


OFFICIAL


DO

0G E ERNO GERXL DX P[IOVI0,NIA DIM OH BIAMUIUL,
*f- i,,,.'- lr'-- ---'*"* *' ----- '-*-*** --"L *.
E'tB Boletim semanal serr publicado todos os sabbadose no 9 D Preq de asssignatura por anno ...... .... r. r 800o
dia antecedente ou na B.B feira seguinte quando aquelle for DD i Por seis mezes............................ 18500
feriarn : assigna-se para o nmesmo em Mo ptorio do Estabelecimento da Imprensa Nacional e nos Dis- M Por folha avlsa. ........................ ,, 08)
trictlo, nas Secretarias dos Guovrnos ou Commandos de Preo fos annuncios por linh. .............. ?04M
Viilas, as assignatulras so sempre pagas adiantadas. Correspondencios d'interesse particular, idem.. 030
l I E Correspondencias d'interesse particular, idem.


Sli O F 0 III L,

SGOvEINO GIERAL.


SN.0 '44 == Sendo indispensavel regular de um modo con-
vniente a forma do process da alheaao dos terrenos, de
que tracta o Capitulo 4." da Carta de Lei de 21 de Agosto
de 1856, em relao s circusmtancias especiaes da Pro-
vincia de Moambique:
Considerando que send a evidence intnlo da lei fa-
ci!ilar a. acquisio dos terrenos incultos, a ordem do pro-
cessomella estabelecido traz muitas demoras, e embaraos
pira a ditinitiva concesso dos terrenos sem vantage al-
guma, antes com consideravel prejuizo para o Estado, e para
os pertendentes :
,Considerando que ordem dos terms do dito process
marcada na referida Lei tendo em vista a grande distancia
e a dificuldade das communicaes dos.Districtos aonde as
concesses de teireno tem de ser, levadas a effeito, pode
ser alterada, em vantagem da brevidade do- process, sem
quebra das disposies essenciaes da Lei :
SConsiderando que nesta parte a lei puramente regula-
mentar, e que as alteraes so para mais prompta, e're-
cular execuo da mesma Lei nesta Provincia com mani-
festa utilidade public:
Considerando mais, que j se tem suscitado duvidas, e
embaraos na execuo da mesma Lei nos differences Dis-
trictos, como que tem soffrido os pertendentes a simillhantes
concesses; e convindo remover takes embaraos para o fu--
turo, facilitando o process da atheaSo: o Governador Ge-
ral, em Concelho determine o seguinte, em quanto Sua
Magestade no Mandar o contrario:
S1. As propostas, ou requerimentos para a eompra oa
afforamento de terrenos nos Districtos da Provincia, nos
limits marcados no Art. 24. da Carta de Lei de 21 de
Agosto, de 1856 sero dirigidos ao Governador Geral da
Provincia como determine o art. 30.0 da mesma lei, send'
porem entregues- ao Governador do respective Districto
quando 'os pertendentes nelle residirem.
2.o -O Governador do Districto logo que takes requeri-
mentos ou propostas lhe forem entregues proceder na
forma do que dispoem,o art.o 32 e seus t . da lei citada
e uiando nao haja opposicfo e a inforiaUi daCamara


Municipal, onde a houver,, ea do dito Governador fr fa-
voravel pretenao, passar mandar proceder medio,
demarcao, e avaliao dos terrenos nos terms do art.0 34.0
e seus e ao que determine o art.o 35, perante a Delegao
da Fazenda respective, ou perante a auctoridade local que
ella determinar.
3.,-Quando porem tenha havido opposifo, ou o pa-
recer da Camara Municipal, ou a informao do Governa-
dor do Districto no seja favoravel concesso, ser a.dita
proposta ou requerimento enviada ao Governador Geral
para serem resolvidas as duvidas que se appresentarem;
e nesse caso se' no proceder s diligencias estabelecidas
no artigo 34."-e seus % e no artigo 35.0.
4.-Os requerimentos instruidos com todas os docu-
mentos que demostrarem a execuo das prescripes dos
art.0" 32, 34, e 35 2. 2.0 e 3." sero enviados ao Gover-
nador Geral da Provincia para este proceder conforme o
art.o 33; e depois se houver logar remctter Junta da
Fazenda os auttos da medio e se proceder s outras pres-
cripes consignadas no . 1.0 do art.0 35. e no art.0 38.0.
As auctoridades s quaes o conhecimento desta deva per-
tencer assim o tenham' entendido e cumpram. Palacio do
Governo Geral da Provincia de Moambique 3 de Fevereiro
de 1860.= Joo Tavares d'Almeida, Governador Geral.

PRESIDIO DE BAZARUTO.
Estatistica dos products exportados 'para Moambque.


'Annos


Designaas


( Arroz., .. ..
1 86 Marifim ....
Cavallo marinho...
SCera bruta ....
SUrzella .'. .
f18. Marfim .. .." ..
SCavalio marinho'.
( Cera bruta....
SU rzella ....
f 8g8 Marfim ...
) Cavallo marinho
[ Cera bruta< ...


45
109
13
"19

7204
158
482.
108
9
31


. . *





.. ,.
. . .




* f *
.. ..
..
.* '
.. . *


23

22

13
a
r
,28
17
10


Estatistica criminal nos annos abaizo designados.
1856-Deste ann* nria cansta,








1857 -Deste anno nada consta.
-I58-Houve um assassinate, um roubo, um furto e
muitos damnos, causados por um Mouro de-
gradadlo. .

istatistka da populado nos annoas abaix designados.


ru

'-
o
-e


Annos


Habitantes
t m
O ca
O "~
"d .SP


O1
0 j.


- P 3
_9 O o
e '- Od
O SE


1856... 121 14 134 t 9,1 3 6 4 4.
1857.. .. 92 911-1 77 3 6 2
1858.. .. 7 ,6 41 1 24 3 5 1 9
Quartel do Commando Militar no Presidio do Bazaruto,
12 de Dezembro de 1859.=-.Antonio Jose Rodrigues Pi-
nho, Commandante.


?ARTEB,,I A fIA L

Plano para um Regimento ou Inova Constituio Econo-
mica e Politica da Capitania-de rios de Senna, com todas
as observaes e informaes necessarias para o referido fim:
organisado pelo Governador da mesma Coloni Antonio
Norber'o de Barboza de Villas-Boas Truo,-no anuo de
18.Q6 (datado de 2) de Maio em Te2te).
Concluido do Boletim nft .
-' Cpitania de Rios de Senna deve ter duas qualidades
de defza': uma da parte do mar, e outia da parte da ter-
ra. No, havendo n'ella outro porto frequentado seno o
da pequena, Villa de Quelimane, no difficil ieunir ali
foras suficientes para o defender; mas para isso precisa-
va-se Construir uma fortalza guarnecida de artilheria com-
petente na entrada. da barra, ou, ainda melhor em- uma
das margens do. rio na suiaa erbocadura defronte de um:
baixo que ha. no Zambeze.chamado o Banco pequeno, pe-
lo qual se navega em duas braas, e meia de fundo no es-
pao de meia legua pouco mais ou menos. Se na margem
opposta se construisse outro forte em pouca distancia do
primeiro, julgo impossivel que as embarcaes inimigas
chegassem Villa de Quelimane, .
A defeza pela parte daterra nao de menor importan-
cia a uma colonial que est rodeada por todas as parties
de' regulos independents. Esta colonia. no tem para sua
defeza seno uma fora moral que se chega a perder-se-ou
a dissipar-se um prestigio que nos favorece, ser quasi
impossivel recuperar-se sem grandes esforos. Reunindo
todas, as tropas nas ,differentes. .Villas e. portos ,destacados
nos sertes,, :cmo .so. s do Zumbo eManica, a sua som-
ina apenas :chega a cento .e. setenta homes, .quando pre-
cisava pelo ,menos, de .mil e di.uentos, .porque no s6 a
defeza o unico objecto das tropes .em Rios de Senna, mas
sim a,protecio que jllas devem.dar.ao commercio, e com-L
boiar as caravanas,.unico mei.de se fazer com vantagem.
Os Regimentos de milicias Ique p.odiam :supprir ou au-
Sxiliar as tropas regulars em.casos: de necessidade no
existem -eno .em 'nome., porque, sendo muito diminuta-a
populao, nenhum d'elles. tem.mais de sessenta homes'
negros forros, cujo numera diminue. continuamente por
serem os unicos de .que se tiram recrutas para as tro-
,pas dasguarnis. Elles em nada difrerem dos cafres mais
Sbrutos e pusilanimes. Seo, 9:omo t194Q qs p ree,.faltoe de


'alor de coragem e resoluo: ao minimo indicio de perigo
logo fogem. Se'ainda possuimos esta colonial porque os ini-
migos que-a cercam,,. aln .de es~ m igualm.ente timidos, no
tema resoluo de nos atacaLEem vahtajosamente, nem temi
a political de fazer allianas para reimirem as suas foras.

. Toda' as Igrejas d'esta conquista so servidas e admi-
mntradas por frades Dominicos da Congregao de Goa,
que vem para a costa de Africa com o titulo, de Missiona-
rios. Elles parochiam nas Villas de Quelimane, de Senna,
e de Tete, onde possuem terras vastissimas da Cora, mal
administradas e despovoadas pelas oppresses que fazem
,aos seus colonos e escravaturas. Os que so Vigarios nos
dois estabelecimentos ou;feiras do Zumbo e Manica, postos
estabelecidsosos sertes para o commercio do oiro e rimr-
fim, no possuem terras da.Cora, porque ali as no temos,
so pagos com ordenados da Faenda Real, e tem de mais
os exorbitantes emolumentos arbitrados por elles, e mui-.
-tas vezes extorquidos porelles.com arrogancia e com amea-
os, o que tamlem costumam fazer os das Villas acima re-
feridas. Uma profunda ignorancia em today a qualidade de
conhecimentos humans, e at dos principios da moral e
da Religio, cujos Dogmas costumam substituir com su-
persticiosas praticas de aces dirigidas a vistas de inte-
resse pessoal, uma perversidade de costumes to'escandalo-
sa, que nem ao menos por decencia procura salvar as ap-
parencias, uma. decisisa falta de respeito e obediencia a
today a qualidade de superiores, cujaauctoridade se atre-,
vem a negap,, superioridade, quetudo' procura, abater e sujeitar, um sys-
tema seguido de insubordinao e' usurpao dos diieitos,
reaes para arrogarem a si maiores regalias e autoridade do
que aquellas que lhes compete, tal o character, costumes
e comportamento d
Toda a industrial ;dos colonos de empregar-se no com-
mercio das .produces da agriculture,, do aniil, ,algodo,
caf, assucar, tabaco,, etc., que *nas suas expoi taes do
maiores lucros ao Estado e particulares do que o oiro.

A navegao interior do Zambeze est interrompida on
diflicultada desde o mez de( Junho at Novembro. O Zam-.
beze na distancia de trinta a quarenta leguas. do mar
divide-s em.dois braos, que formal as barras,de Linde
e Qpelimane. O brao. que se dirige barra. de Quelimane
no navegavel seno seis mezes no anno duranite o tempo
das invernadas,_ em que o rio leva uma grande massa, de
aguas; e como a barra hchamada de Linde no frequen-
tada; fica, n'aquelle. tempo interceptada a communicao,
por agua .com a Vila de, Quelimana. Apenas algumas
embarcaes -navegam ,cni diJlulbdade e graides riscos d'
avar,ias por um anal:que se communica de um brap do
Zambeze a outro no tempo das luas novas com o soccorro d"a
mars, navegao defeituosa e prolongada,, que peeessari~g-
menies hade demorar, o transport dos differentes generous.
.0 meio mais proprio, e. tal ez unico, de remediar estt
defeito abrir um novo; alveo ou canal ao-brao esquerdo
;do rio.que se dirige a Quelimane, pera,o: poco dis-
pendiosa, pois .qu ser bastaie. fg er' esta abertura no
espa o de meia legua, profundando quanto, for sufficient
,para encaminhar ao referido brapo esquerdo as aguas pre-
cisas pai-a darem passage s embarcaes no tempo: das
grades ,,ecc,a, p'este :,mdo fi~ar nasegavel o Z ambeze-
todo .o annp p es .pao..de cento e vinte: leguas 4e Tjete
Qelimi, et comna,,-qi maigr part .da -te ras.ie . ,
. .


I C i -C~ -- ii-- -.ii.-~-il.-- - -.- - .







-I
ua m o s algumS se e n-J ".... ...---- --- "" L
duas mrargens do referido rio, postoqu alga mas se sten- 'centivo aos que podem empi ehender esta cultural, dedican-
dam a grande distancias para um e butroi lado, o traris-l do a eita braos, e terras proprias.
porte das'prdCdos ser to facil coino se houvesse u.m A A baunilha foi intrpdusida na Ilha da Reunio em 1817';
grande numero de rios navegveis. < e foi muio depois, a um criotulo, jardineiro, que se deveo
a interefissante descobhrtr da fcuiindap.n a niniiln at6 n-


A "Nao portgueza tira bem pouca uilfdade das Sas
colonies da Africa oriental e dos differeples ports que
pssue na Asia. As correspondencias e operaes de com-
mercio com Moambique so limitadissimras, porque
excepo da nau de viagem, ou ao muito duas embarcaes
-que tocam n'aquelle porto quando passam para a 'sia,
nenhumas outrafs ali apparecem. Estas mesmas levam muito
poucos artigos de venda par fornecer a colonial, que est
sempre em continu precises de todos os generous da
Europa, e conseguinteiente tambem d'ali conduzem bem
pouco para a Asi,, e nadia para o Reino, excepo de
alguma tartaruga. Todas as Naes estrangeiras, princi-
palmente Fiana e os Estados Unidos da America, intro-
duzem emn faude os artigos de primeira e segunda neces-
sidade,-e mais que tudo os de luxo, com o pretext de
fazeiem carregaes de escravos, e devendo levar para
suas compras unicamente patacas, chegam ao ponto de
tender em Mpambique muitos generous que podiam safr
Sdo Reino, e mesmo de Rios de Senia, e que por esta con-
correncia ou no se exportam ou dijiinuem por falta de
consumo. Tal o assucax, a' 'achaa, o trigo etc.
.Logo 'primeira vantage que result do estbelec-'
mento de uma companhia animar o commrcio da Naio
na costa'de Africa e na Asia, importando ali 'tudo quanto
vem da Europa, excluindo a prejudicial coticorrencia das.
Naes estrangeifas, segurando, em proveito d Estado,
as exportaes de Rios dte Sinia, que nunca tero valor
algtm- cm uma' navegao ti limitada como que faziem
actualmente os negociantes livres.,
Todos os negociantes que ha na costa de Africa com
funds capazes 4e fazer o commercio por meios licitos e
uteis ao Estado no passam.de quarenta.
Em Moambique, e mesmo em Rios de Senna, muito
ordinario comprar calado que vendem j feito as embar-
eaes estrangeiras.
( innaes do Conselho Urltii*anarino.J

Tendo-se sido introdusidos nesta Provincia, ha um on
dois annos, alguns 'ps de baunilha, cujo crescimento, e
perfeito desenvolvimento, demonstra que -iem o* terreno,
nem o clima lhes so contrarios, e tendo-nos vindo mo
nm folheto que contem algumas instruces praticas sobre
cultural daquella plant por M. David de Floris.habitan-
te da Ilha 'da Reunio; aonde a cultural da baunilha tem.
tido' nestes ultimos annos grandedesenvolvimento: -j'ul-
gmos faster um servio de alguma utilidade aos -moradores
desta P'rovinci'a' que queiram entregar-se cultural desta
plant, tradusindo aquelle folheto, e fasendo-o publicar no
Boletim Official, afili de que por meio da breve noticia que
lhes'offereemros possam- colhr alguns resultados vanta-
josos os seus interesses e aos da Provincia, unico al:o a
que mirmos. Oxal este pequeno trabalho desperate a at->
tenao- dos proprietarios de terrenos para esta cultural, e
qu b que hoje nio .passa de meros ensaios, Ou de object
de curiosidade, seja em breve um object de until e impor-
tante commercio de exportao.
O ,consumhi quiea baunilha tem nia Europa, e o boi; pre-
qo que ainda hoje por elle se pde obter, nild inferior a 8
pezos o ilogramo, (a) segundo nos informam, servir de in-
( Jiuogramo Ainal as artrrtia'e U r weetasiimaor peroigae


Io esteril.

Cultural da Baunilha.
A Baunilh,' uma plant. trepadeira, que requer re-
gies quentes e humidas. --Ha duas species, que se cul-
tivam na Ilha da Reunio, e que se distinguem' facilmente, a
baunilha pequena, e a grande a primeira originaria do
Mexico, mais cultivada e de mellor qualidade; a segun-
da tem folhas largas, e grossas, de inferior qualidade'e
as bagns cem antes de amadurecerem.
A baunilha planta-se de estaca, junto a arvores que lhes
serve de apoios ou junto a muros, ou latadas abrigadas.
A estaca -deve ter pelo menos tres ns, quatro, cinco,
ou ainda mais, conform a disposio dos apoios, ou do
abrigo que elles lhes podem offerecer. '
.Uma plantao de'2400 estacas, feita em Maio do anno,
passado, diz o actor do folheto que transcrevemos, com
braos de 0Q a 12 ps deu fructos no mesmo anno, e produz
abundantemente nesta occasio; mas deve-se accrescentar.
que estes braos tinham .olhos que continuaramn a crescer.
- Todas as arvores so boas para varas, ou apoios, except
aquellas que mudam a casca. As melhores so: a manguei-
ra, bois noir, o dragoeiro, a jaqueira, o algodoeiro, o
pinha da India, &, &;. mas o pinho da India no se po-
de plantar s, por causa da queda das folhas que tem to-
gtr 'eactaimente na occasiao em que a baunilha fruictifi-
ca. O sol 'dardejando a baunilha, e suas bagens, prejudice
mbas. E por tanto mais convenienite plantar.o pinihho da
Iidiai ehntri s dragoeiros, o algodoeiro, ou outras arvo-
res, cujas folhas possam dar-lhe sombra, assim como
baunilha, a quem elle protege durante certo tempo do anno.
As arvores devem ter de distancia cinco ps sobre qina-
tro de leste as oeste, ou seis sobre cinco, conforme o ter-
reno de que se dispe mais ou menos considera*el.-
No haveria inconvenient em plantar estas arvores a dis-
tanaia de seis= sobre seis, pois que isso facilitar icsmo
a circulao do ar na plantao.
Osystema de 5 por 4,, que o auctor adopto para as su-
as 'plantaes de dragroeiros, lhe merece a preferencia. E'
ento essencial faser passar os ramos ou pernadas de uma
arvore a outra, para evitar a agglmeraio na mesma va-
ra, e cravar utna estaca forte entire as arvqres para prender
bem as pernadas, evitando os abalos que poderao prdusir o
Vento, e- queda dos ramos sobre as pernadas enlaadas; es-
ta quda dos.rams pode evitar-se decotando muitas vezes.
Nas plantaes de baunilha j estabelecidas, e cujas, va-
ras,-tem maior distancia, necessario obrigar a descer as
pernadas, quando ellas tem chegado a muita altura, enrol-
al;- na altura de um home nos galhos naturaes ou pr-
lhe ganchos fortes ps arvores que os no tem afim de con-
serva r sempreestes rainos.o alcance dos braos para facili-
tar fecundiao. Acontece entretanto que s vezes os galhos
ficam mais altos, o,que ex.ige ento o'emprego de escadas.
O s mezes conhecidos como os mais proptios. para.a
plantao s o S s de MIo, Abril e Maio (a) Podim porem
approveitar-se os meze de Setemibro, Outubro, Novembr~,.
e Dezembro, itndo cuidado de regard as plants se hou-
ter grande seca nestas epochas.
As arvores varas devem dar bIstfte sombra antes de
() Leta n'tir-j9"qa9 ast .aiestCF para a Il* lia tleniwh (M.wra)b






B~ 'I I __ _2.8,li


se plantar a baunlha, carecendo-se.porem de plantar an-
tes que s arvores deem a sombra necessaria convem cer-,
car as plants com folhas de plmeira com preferencia,
e regal-as mais vezes do que se ellas recebessem a' som-
bra natural, tendon o cuidado de pr as plants no lado op-
'posto ao sol, para lhes evitar o ardor.
Quanto mais longa for a estaca maior numero de ns se
devem meter na terra.
Um n, quando a estaca tem trez, dois quando ella tem
quatro e quatro a cinco ns quando s pIantarem grades
ramos.
Estas estacas devem pr-se deitadas na terra, as gavinhas
(pattes, o accr6ches) para o lado da arvore, bem seguras
com dois ou mais atilhos chatos, conforme Q comprimento.
No se devem empregar fios redondos, que cortariam.
a plant. A folha de vacoa o melhor atilho.
Se o terreno - seco, ou mediocre, boin, e at indis-
pensavel empregar, terra vegetal para faser a plantao, O
estrume- nocivo.
As plants novas com raizes, por excepo, podem ser
plantadas com estrume comn tanto que seja bem fermentado.
O adubo vegetal, menos quente, composto de .quaes
quer folhas carnosas - tambem muito bom, e at pre-
ferivel, mas necessario tambem qupe elle esteja apodre-
cido. por que as: raizes da baunilha, muito particularmen-
te, as novas, so muitas tenras; e delicadas.*
A rega sempre de necessidade nos primeiros dias de-
pois da plantao, com especialidade nas locadidades seccas.
As plants dispostas na fora do-inverno definham,'per-
dem os olhos, e pela maior parte morrem. '.
*A terra deve ser calcada depois de ter sido bem regada,-
para evitar a aco muito nociva do ar.
Se a plantao da baunilha feita'em um terreno pro-
ximo do litoral necessario abrigal-a bem contra o ar
salino, que queimaria a plant' u a enfraqueceria.
,0 decote das arvores a que ells se apoiam deve fazer-se
de modo que deem tantd sol conio sombre, e mesmo mais sol.
As ba gens que, tem imuita sombra so compridas, mol-
les, delgadas, e difficeis de am:adurecer; em quanto que
pelo contrario, quando elias esto expostas conveniente-
mente ao sol, so grossas, rendoudas, duras e contem muito-
mais aroma.
Nos terrenos accidentade o lado do poente preferi-
vel ;par que a baunilha no fique exposta ao vento, e p-
ra que receba mais calor.,
Uni cerco de'pedras em cada uma das rvores que ser-
vem de'varas indispensavel para suster o estrume que se
core depois de pedras chatas para evitai a evaporao,
conservar afrescura nos ps das plants, impedir,que aguas
da chuva descubram as raizes, e tambem para evitar.a
,aproximao dos animals. .
O estrume collocado debaixo das pedras renova-se uma
vez por anno, pouco tempo antes da florao. -
As estacas podem par-se em viveiro em logar lavra-
do, e pouco sombrio, em distancia, de cinco a seis po-
legadas.umas das outras, e.ao iado' de estacas protectors
sobre os quaes os rebentos novos trepam com actividade.
Feunidao das flores.
Na. floor da baunilhar ,0 orgo'-macho est separado do
orgo fmea por uma.pellicula que obsta fecunda4o na-
tural.- j~erciso ento depois que'a floor est complec-
ta mente aberia, levantar com um pequeno instrument
esta. pellihula, 'e por ma leave presso o do dedo polegar, e
do indicador, favorecer, a commiunicC_ deOL. ogos,.


"A fecundao opra-se. depois das nove horas da ma-
nhh at s tres da tarde, e pde prolongar-s at s qua-,
tro, ou cinco horas; mas as bagens fecundadas mais
tarde no adquirem nunca o comprimento e a grossura
das fecundadas em tempo opportuno
O instrument que se emprega. para esta operao de
ordinario de trez ou quatro polegadas, adelgaado e arre-
dondado em umadas po'ntas,--- perciso que no seja nem
cortante, nem triangular, porque ento offenderia os orgao
da flor, ou faria cair o pollen (poeira crada da, athera),
ou poderia cortar o orgo macho.
Os palitos de palmeira ou coqueiro servem com prefe-
rencia de instrumentos/para a fecundao; depois de ha-
verem servido, e para s ter mo todas as nanhs pre-
gam-se nas folhas' da baunilha.
Para fecundar as flores quando, as mtos no- podem
alcanar,` empregam-se escadas leves.
Os odrgos da floor no devem ser comprimidos 'com for-
a, e esta operao deve ser- sempre feita com muito cui-
dado, por dedos bem exercitados.
As flores da baunilha comeam a apparecer em Junho,
eso fecundadas at Septembro.
Nas iegies elevadas, e mais frias, as flores apparecem,
e" as bagens amadurecem mais, tarde.
necessario fecundar com preferencia as primeiras flo-
res, e arrancar as outras depois de adquirir a certesa que
as cinco ou seis bagens que se devem conservar esto seguras.*
S'Deixam-se de ordinario, cinco ou seis bagels em ca-
da acho, quando a baunilha est bem carregada de flo-
res, e se querem obter be!llos fuctos. Mas'acontece algumas
vezes, que uma bella pernad no produz se no alguns ca-
chos, pode-se neste caso fecundar oito ou dez flores, at
doze, porque a plant pode por fora, nutrir mais fructos,
Colheita.
A colheita da baunilha tein logar quandoas bagens tem
chegado ao seu-gro de madureza. Conhece-se que a ba-
gem est madura quando o p comea a amarellecer,'e
tambem por uma cr amarellda, novo indicio que torna
opportuna a colheita das bagens.
As bagens colhidas muito verdes custam muito'a secar,
ficani subjeitas a tomar mfo, e apodrecem s vezes quando,
o tempo humido. Acontece tambem que as mais verdes
se fazem brancas, e no servem ento para nada.
Importa pois vigiar a colheita, e mandal-a fazer' por pes.
soas intelligcntes..
A colheita faz-se de dois em dois dias para evitar que as
bagens mais desenvolvidas se fendam. Acontece porem, que
apesar desta precauo se encontram' assim algumas, j
porque tenham sido esquecidas, ou porque tenham ficado
occultas debaixo das folhas : estas ultimas bagens,ficariam
abandonadas se no fosse o cheiro suave que exhalam.
As.bagens fendidas so quasi sempre as mais bellas, e
.melhores, precise para as soldar-( reunir as duas valvulas)
fazer uma operao, minuciosa ; molha-se a parte fe dida
em agua morna, e envolve-se em tirnhas de panno aper-
tadas com fora.
Assim preparadas, estas bagens se dependuram ao ar
por meio das mesmas tirinhas que as apbrtam e assim se
secam perfeitamente.
Tambem se pode depois qu. a -parte- fendida est sol-
dada, passar por agua quente a parte alta que, se fend'
raras vezes, para lhe activar a secagem.
As tirinhas so apertadas duas ou trez-vezes, i .medide,
que ai bajns diminuem de 'rossura quand6 vo'eec ando.





21


Estas bagens soldadas ainda'que exhaltem peifume supe-
rior por'isso que chegaram ao seu ultimo gro de madureza,
o que se tornem redondas pelas presso das' tiras, no so
to appreciadas no commercio, por no serem to communs.
As tirinhas;s4rvem para lmuitos apnos, para o que se
indireitam, e guardamt;
A bagempara ser colhida inteira segura-se pelo p e se-
para-se do cacho puchaajndq-a 4dlado, com bastante fora.
Algumas pessoas tomam a bagem plo meio, u pela
ponta puchando-a para si, acontce nto que a baunilha
se.quqbra, e muitas vezes o cacho inteiro arrancado com
bagens verdes ainda. ,
'Outros colhem a baunilha ortand4o-a com as unhas
mas ento, a.bagem sem p, obsta uniformidade dos
mlhos, e produz difficuldade na'venda.
No fim da colheita como as ultimas bagens amadure-.
cem ao mesmo tempo, deve colher-se o cacho. inteiro.

Preparaodas bagens.,
Em cada colheita, ,quando as bagens tem sido separa-
das d'os cachos, e postas em um cesto mergulha-se este
cesto durante 18 a ,20 segundos em uma .caldeira de agua
quente, mas odo a ferver.
Quanto aos baunilkles, c a) onvm escaldal-os separada-
mente, mas s durante 15 segundos. Para conhecer se a
agua chegou ao gro de calor perciso, ' necessario poder
molhar o dedo, esentil-a ber, ou pprveitar o moment
em que eia lana um fumo espesso, e que comea a pro-
duzir em certo ruido, o queiacortece' um pouco antes que
a agua tenha chegado ao seu. gro de ebullio.
.Depois tirando as -bagens' contidas no cesto, depoem-se
immediatamente sobre -hervas secas, esteiras o0 goniz pa-
ra, escorrerem. :
SUm quarto de hora depois desta operao, expoem-se
ao sol, drante seis a oito dias, ou mesmo alguns dias mais,
conforme o tempo,' sobre mczas guarnecidas de cobertores
'de 'l, at que se tornem palidas, e murchas.
Todas as noites se guardam em caixas egualmente for-
radas de l3, que lhes servem d'estufa.
Depois que as bagens estejam murchas, e pardas, depo-
is da requerida exposio ao sol, depoem-se, sombra em
logar arejado, e sobre armaiios guarnecidos de cuberto-
.res de la, afim de'lhes appressar a secagem, impedir o
mofo, e sobi' tudo para que possam conseivar ainda que
secos a flexibilidade exigida pelo condmercie.
Estas bagens ficam nos armarios at a dessecao.
Em quanto ellas esto ao sol, s duas ou trez horas de-
pois do meio dia, quando ainda esto-quentes, necessa-
rio aperta-las com fora entire os dedos para as achatar um
pouco, e faser estender egual e'iegularmente na bagem'o
leo essential, e a semente, que existem em maior abun-
dancia na parte inferior; para as tornar macias, e mais ilus-
trosas, emfim mais prprias parq a venda, que a exige, com
esta preparao. Esta operao se faz alguns dias depois
da suaexposio ao sol, quando ellas'esto bastante murchas
mas sempre antes de serem postas, no deposit da secagem.
Conhece-se facilmente quando as bagens esto secas,
quando esto negras, ou antes cr dechocolate, e que no
fica nenhuma hutiidade particularmente no p part que
a ultima a secar. '
SAs bagelss seas so eseolhidas, e mettidas em' caixs de
folha de flandres, aonde alcanam o gro de perfeitr des-
secago,, e de. le xib~idade. .
Este trabalho feito. de dois em dois;, ou de trez .Om
(a) Blgei peqluenas, qiue no-tXe tido todo o seu. deen'vlvimtenti. ,


trez dias, c. s vezes necessario fasi-o tOdsos dias, se*
gundo o numero de. omens nelle empregados, e princi-
palmente no fim da colheita.
SAs bagfis' so depois postal em molhos; e afim de que
estes molhos sejam do mesmo comprimento necessario
ter a escolher entire grande quantidade, 'de bagens secas.
Estes mlhos so compostos de cincoenta bagens,,e ata-'
dos no centro, e com prefeiencia, um pouco mais proxi-
mo das pontas que se abririam sem esta precauo.
Para atar os mlhos , mais preferivel um fio seco, ma-
cio e forte.
.2Enfardamento.
O enfardamento faz-se em caixas- de folha de flapdres
acommodadas ao comprimento. dai bagens, e altura
dos molhos que devem center. Cada- caixa contem 60 mo-
lhos, ou 6 ordens'de 10 miolhos.sobre postso,
Este enfardamento0conforme ao do Me.ico exigido pelo'
commercio.
As caixas de folha so cobertas com um rotulo que
indica o numtero dos molhos, o comprimrento das bagens,,
seu peso liquid, e a tara das caixas. Depois, se se querem-
remetter para Frana reunem-se em um caixote de po, do
tamanho n'oessaiio para as center. Para preservar de fer-
rugen as caixas de folha convenient e mesmo neces-
sario envolvel-as em serradura de madeira.

(Givre.)
A Givre (a) ('cristaes brancos e brilhantes,' ou aeido ten,
zoico) forma-se sobre as bagens quando estao guardadas em
vasos bem fechadosdepois de 3 ou 4 mezes de enfardadas.
Muitos negociantes,preferem a baunilha givrde outros
parece no lhe ligarem importancia, e outros perguntam.
o meio de lhe faster adquirir a cristalisao anrites da' x-
porem venda .
Sem julgar esta questo delicada, no se poder impe-
dir que a givre se forme naturalmente -sobre as bagens,
except se se empregarem processes que poderto preju-
dicar a bellesa das bagens, ou o seu perfume, /
Quem colhe uma quantidade, considera'vel de baunilla,
deve ter, para a expr ao sol, grades mesas. sobre:esta-
cas .cravadas no cho sobre as quaes:se mandamn faster ligei-
ras armaes de varinhas, afim odpoder sore cllas pr, em
caso de chuva, encerados. ,
A baunilha depois de seca d quinto do seu pezo.
Uma plantao de baunilha quo produz 500 Kilog. ( 1200
arrateis, pouco mais ou menos)pode ser mantida por dez
trabalhadores, que.bem exercitados bastam para a fecun-
dao das flores: e ainda poderiam estes trabalhadores 'ser
emprgados em outros trabalhos no decurso. d, anno. As
plantaes de baunilha, renovam-se de oito emi oito, ou de
dez'em dez annos, dependendo isto da gra dbza,oe 4as lo-
calidades aonde ells existem.
H& ainda muitos outros pormenores que.sp oem oh-
servar, mas que d dispeqsavel indicar, pots:que estas nota:
contem a essential do que. convem sadber para obter
bons resultados.
(a) Conservaimos o proprio termo Irancez,, porque provav.ei,. ite p.r el .
le haver de ser conhecido o fenomeno a qiie se refere.
- ---------- 11


de 28 de Janeiro a,5 do corrente,

EMBARUCAES ENTRADAS.
No dia sll-Patache'AiAericaho, shejsard, d 170 toneladas, Capitf


-r---l









Jalm C. Pdnd, equipagem 11 pessoas, i boc de fogo, dos portos de Mada-,
gascar em 8 dias, com arros, couros, pau santo e sal, 1 sobrecarga do navio.
EMBARCAES SADAS = No houve.
Capitania do Porto de Moambique 3 de Fevreiro (e 1864. = Antonio
afaria Guedes Captto do Porto.

Movmmento do porto do Presidio de Bazaruto desde 1856
a 4858.
PMBARCAc ES ENTRADAS.
1856
No dia 16 de Janeiro- Hiate de guerra, ZambeWe, Commandante o 2-*
Tenente Miguel Maximiano da Cunha, 18 praas dlo guarnio, de Queli-
mane em 3 dias com diferentes generous "
No dia 21 de Novembro dem, 30 praas de guarnio, de Quelima-
ae em 5 dias, com farinha.
No dia 1.o de Fevereiro-Escuna de guerra Portugueza, 4 de Abril,'
Commandante Vellegy Amade, 12 praas de guarnio de Sofalla em 6
dias cem monies de guerra.
No dia 2 de Julho -Brigue Portugxiez, Estrella de Damo, equipagem
8. pessoas, de Moambique em 11 dias, com fazendas de lei.
No dia 24 d'Outubro Galera idem, Vsajante, Capito Jacintho de Je-
sus e Silva, equipagem 26,pessoas, doRio de Janeiro em 38 dias, com
vinho, agoardente e various generous. .
No dia 9 de Maaio -Batel iem, Bom amigo, Mestre Augusto Carvalho.-
dos Reis, equipagem 11 pessoas, de' Moambique em 81 dias, com algodio
cenchadas,
1857
No dia 29 de Maio -Patacho de guerra P.ortugue, tambeze, Come
mandante Mussa Daud, 15 praas de guarniFo, de Moambique em 11
dias; com fazendas e dinheiro para o Estado.
'Mo dia 3 de Julho Idem, 13 praas de guarnio, de Inhambaae em
8 dias, com marfim.
No dia 10 d'Agosto -Idem, 1 3praai de guarniio, idem em 3 dias,
com'marfim.
No dia 3,de Setrmbro--Vapor de guerra Inglez, Gasper, 1100 toneladas,
Commandante Comer Wall.
,n- Hiate Portugu,ez, Enigma, de 139 toneladias, Capitio de Manoel
Jesus e Silva, equipagem 16 pessas, de InhambaSe em 2 dias, com mar-
fim e mais generous.
No dia 2d de 'Dezembro Escuna idem, Capfto Mnssa Daud, de Mo-
ambique em 9 dias, com differentes generous. -
No dia 10 de Dezembro Brigue Portugues, Pala Rnparel, de 81 to-
neladas, Capito Cssamo Bay Ussane, equipagem 33 pessoas, de Chiluaae
em 5 dias, com urzella.
1858
No dia. 10 de Julho Brigue de guerra, Vilit Flr, CommaadaBale o l1.*
'Tenente de Marinha, Alvaro Jose de Sousa Soares d'Aidrea, 100 praas
de guarnio, de Loanda em 60 dias.
No dia 4 d'. Outnbto Escuna ideni, Angra, Commandante o 1.0 Te-
nente de Marinla Ioo Eusebio d'Oliveira, 46 praas de guarnio, de Mo-
ambique em 10 dias, com carga do Estado.
No dia 17 de Maio- Patacho Americano, E. H. Miler, Capito L.
Poter, equipagem 19 pessoas, de Inhamhane em 1' dia, com generous.
No dia 19 do dito Escuna Portugueza, Enigma, de 139 toneladas,
Capital Mussa Daud, equipagem 17 plssoas, de Inhambane, em 3 dias,
com diferentes generous.
No dia 4 d'Agosto-- Cuter idem, Maria Jose, Patro Daud Mussa. 9
pessoas de tripulao, de Quelimane em 5 diasr com carga do Estado.
SEMBARCAFS SAIDAS.
S- 1856
No dia 9 de Janeiro-Escuna de gu,-rra Portuguez, 4 Abril, Comman-
dante Vallegy Amade, 12 praas de guarnio, para Inhambane em lastro.
No dia 12 de Maro Idem, 11 praas de guarnio idem.
No dia 30-de Janeiro- Hiate de guerra Portuguez, Zanmeze, Comman-
dante o 2.o Tenente de Marinha Miguel Maximiano da Cunhas 18 praas
de guarnid, para Quelimane.
No dia 30 de Novembro- Idem, 30 praas-de guarnio, para Moam-
bique com iarfim.
No dia 8 de Julho Brigue Portugunr., Estrella de Damo, equipagem
88 pessoas, para Inhambane,, com marfim e cavallo marinho.
No dia 5 de Novembro-Galera ide.n, Viajante, Capito Jacintho de
Jesus e Silva, equipagem -6 pessoas.
Batel idem, Bom amnigo, Mestre Augusto Carvalho dos Reis, equipagem
i1 pessoas. ,
1857
No dia 3 de Junho -Patacho' de guerra Zambeze, Commandante Mus-
sa Daud, 15 praas de guarnio, paraInhambane com marfim.
No dia 16 de Julho Idem, 12 praas de,guarnio, para Moambique
cdm marfimn
No dia 16 de Agosto Idem, 13 praas de guarnio, idem.
No dia 16 de Setembro Vaphr de guerra Inglez, Gasper,, de 1100
toneladas,, Commandante Combr Wall .. .
'No dia' 7 de Setembro Hiate Portuguez, Enigma, de.139 toneladas,
4Ql&iti Maael d l Jesus oSilvy para MombiqSe, cmm maram.-


Baromelro Thermometro Psychrometro Udo-
(Presso) (Temperatura ). (Humidade ) metro


Dezembro


S Millimetres -Grus C. Por 100 Millim-
nas
9 m. t. 9 m. t. 9'm. 3 t. 44 h.
,16-759,67-757,7--28,8-31,3--86, -70,8- .
17-76 ,27-761,70-28,8-29,4-99,2-83,5-
18-758 -759,16-28,6-30,8-87,2-89,6- 11
19-758,63-757,97-29,3-32,3--92,-80,8- *
20-762,25-760,12-29,3-29,6-87,4---82,2-
21-762,9--760,20-27,5-30,5-93,1-80,6-
22- -161,43-761,40-28,3 -9,8-84,1-88,4- ,
3-760,47-761,08-27,3-29,7-82 -96,2- e
24--761,30-761,16-28,7-31,4-84,8-72,8- .
25-758,43-760,06-28,5-30,6--85,8-86,8- e
% 6--762,30-760,10-27,4--29,4-93,1-80,6- -
27-758,93-758,98-28,8--307,-86,5-87,5-.
g8-760,21-757,92--28,3-31,3-92,3-80'5- 95
39-761,90-761,98-28,6-29,7-92,4-91,2- 47
30-769.78-759,29-28,7-30,7-88,7-86,8- 19
31-761,80-762, 3-29,7-31,3-88,9-91,3- c


Altura barometrica correct.
Altitude do barometro 3,25 metro,
Temperature i sombra.



Em conformidade do disposto no art. 7.* do project para a arreeadaC
dos diimos, publicado no Boletim official n.O 49 do anno de 1858, e de or-
dem da Junta da Fazenda, se faz public que no dia do corrente polas 19
.horas do dia prante a mesma Junta, hade andar em praa o rendimento
dos dizimos do anno findo em 31 de Dezembro, debaixo das condices do
refferido project ; as pessoas 'aquem convier fazer a arrematao do dite
rendimelto comparecero no edif~lio da mesma Junta no dia e hera acima
indicada. Contadoria Geral 1 de Feyereiro de i880.-O Escrivo Vogal
da Junta= J ie Zeferino Xavier Alves.

O Doutor .ose Ignarco d'Abranches Garcia Jwis 'de Direit eram alads
nesta Comarca de Moambique, e seo term por Sua Magestade Fidelissi.
ma aqum Deos Guarde ,
Fao saber que neste Juizo, e pelo Cartorio do Escrivo que subscreve.
correm annuncios por 10 dias para a venda dos bens moveis peftencentes
ao Cazal do fallecido Jose da Silva Carro, que deverlo ser vendidos em
hasta public no dia 1 do fturo mez Fevereiro, pelas 3 horas da tarde
na rua de Thesorro, cazas do mesmo fallecido Carro, por assim o terem
requerido os seus herdeiras. E para que chegue ao conhecimento de todos
mandei afixar este nos lugares do costume. Moambique 30 de Janeiro de
1860, Eu Francisco Filizardo Sauds de Carvalho, que. ,aescrevi. Jsse
Ignaco d'Abranches Garcia.



Carv Givam, tendo-se-lhe extraviado o recibo de vencimento do 2.*
Escrilturario da Contadoria Geial Estanislu de Menezes( hoje fallecido)
relative ao mez de Janeiro do anno proximo .passado,-assim o faz pnilice
para que no seja pago a pessoa alguma que por ventura o apresento. Mo-
ambique 31 de Janeiro de 1860.



MOiAMBIQUE = NA IMPRENSA NXACIONAI.


No dia. 3 de Dezembro Escuna idemi, Capito Mussa Daud, idem com
diferentes generous.
-No dia ;ae Dezembro Brigue Portuguez, Pala Ruparel, de 81 te-
niefadas, Capito Cassamo Bay Ussane,, equipagem 33 pessoas, para Mo-
ambique com diferentes generous
1858 -
No dia 4 de Jullio Brigue de guerra Portuguez, VilU Fldr, "Comman-
.dnte o 1.0 Tenente de Marinha Alvaro Jose de Souza Andrea, 100 praas
de..gnariio, para Quelimane..
-No dia. 16 de Outubro Escuna idem, Angra, Commandanse o 1.0 Te-
nente de Marinha Joo:Eusebio d'Oliveira 46 praas de guarnio, para
Quelimane comcarga do Estado.
No dia 17 de Maio -Palhabote Americano, E. H. Miler, Capito L.
Poter, equipagem 10 pessoas, para Quelinane com diferentes generous.
S---Escuna Portuguesa, Engma, de 139 toneladas, Capito Muusa
Daud, equipagem 17 'pessoas, para Moambique com diferentes geneios.
No dia 21 de Agosto -Cuter idem, Maria-Jose, Mestre Mussa Daud,
equipagem 9 pessoas, para Moambique com diferentes generous. .
Quarter no Presidio do Bazaruto 12 de Dezembro de 1859. Antonio
Jose Rodrigues Pinho, Commndante.

Observaes meteorologicas na Cidade de Moambique nos
dias 46 a 51 de Dezembro de 1859.












BOLETIM


OFFICIAL


DO


Este Boletii iiman;i l rri publicado todos os sabbados e no
dia antntcce u t na feira seguinte.quando aquelle for
feriado: asKii;gn-.i para o.-mesmo eniMoambiquc no Escri-
pturi,' 'o'itfliiecimentiio da Imprensa Nacional e nos Dis-
tricLs, nas Secretarias dos Governos ou Commandos de
Tillas, asa.si!iiaturas s' o sempre pagas adiantadas.
-I -1


ABRBADO


DE FEVEREIRO,


Preo de asssignatura por anno.............
Por seis mezes..........................
Por trs mezes .............. ...........
Por folha avulsa.......................
Preo dos annuncios por linha. .......;.. ..
Correspondencias d'interesse particular, idem..


GOVERNOR' GERAL.


N.o 5. = Tendo reprezentado alguns moradores da Zam-
bezia que em consequencia da sua.auzencia do Districto, ou
a grande distancia em que habitam das povoaes, lhes
uo permittiu registarem em tempo competente.os escravos
que possuiam dentro do praso marcado no Decreto de 14
de Dezembro-de 1854 quando se poz em execuo o referido
Decreto n'aquelle Distrieto, requerendo que por estas cir-
cunstancias lhes fosse permittido fazerem o registo na con-
formidade da mesma lei:'
Considerando que a vasta exteno dos ditos territories,
a falta de commiuncae' regulars. a grande distancia em
que alguns rnoradore' se acham do centro das povoaes e
a demora que alguns d'elles podiam ter em expedies lo.ngi
quas nos sertes, a que muitos d'elles se do para exer-
cerem o commercio, e o ser em taes cazos, mui curto o prazo
de trinta dias, so. razes dignas de serem attendidas:
Considerando por outro lado que estes pedidos por parte
dresses individuos souma homenagem prestada lei, que se
lhes deve.levar em considerao; attendendo tambem s
irregularidade havidas na execuo do mesmo registo, a
que foi necessario provr por disposies especiaes; e que se
por hum lado lamentavel que o registo pedido no-
houvesse sidp feit6 em tempo, e competentemente para que
a lei podesse produzir todos os seus effeitos, no tambem.
menos just que se attendam, comn for possivel, scauzas
justificadas, que obstaram ao cumprimento d'ella:
-Vista a Portaria do Ministerio dos Negocios da Marinha
e Ultramar n.o 133 de 1858, qire auctoriza o actual Gover-
nadir Geral a ornar as medidas convenientes para que o re-
gisto dos Escravos se leve a effeito, o Governador Geral da
Provincia de Moambique em Conselho determine o'seguinte:
Art. 1."-Os moradores do Districto da Zanbezia que
no registaram os seus escravos na forma-do artigo 1.o do'
'Decreto de 14 de Dezembro de 1854 dentro dos prazos
marcados, e que perante a auctoridade local justificarem no.
o haverem-feito por estarem ao tempo auzentes do seu do-
micilio, ou por ignoraren as disposies superiores,'sobre a
execuo do dito Decreto no, pras6 legal nelias marcado,
pr- se acharam domilciados a grades distancias das povoa-


oes, em que o ieferido Decreto e instruces foram publi-
cadas; ou por impedidos de coummunicarem com as auc-
toridades por motivo das desordens, ou guerras que du-
rinte essa epochal occorressm no Districto; podero f;;zer
register os seus escravos perante as auctoridades competen-
tes em um praso improrogavel de t'rinta dias contados desde
a data.da publicao desta Portaria por meio debando e edi-
taes, em cada uma das Villas de Quelimane Senna e Tete.
Art. 2;0-O Governador de Quelimane e os Comman-
dantes Militares de Senna e Tete faro o registo dos es-
cravos,, cujos .senhores se acharem nas circumstancias acima
mencionadas, em tum caderno numerado, e por lles ru-
bricado, cujo model vai junto com esta, ,e que contem
os mesmos dizeres que o livro do registo.
Art. 3.--Findo o praso marcado, que correr para
cada uma das. Villas, e seus Districtos desde o dia da
publicao desta Portaria em cada uma dellas, o Gover-
nador do Districto, e os Commadantes Militares nas ou-
tras Villas, encerraro o caderno do registo por meio de
um termo, para depois o remetterem ao Governador d
Districto com um mappa resumido, segundo o mdello
junto dos escravos libertos registados, em consequencia
das disposio desta Portaria, e este os remetter ao Governo
Geral da Provincia.
Art. 4.0 -Os Senhores dos escravos e libertos pagaro
por este registo os emolumentos que marca o Decreto
de 14 de Dezembro de 1854, os quaes tero a applica-
o marcada no' n. 8 da Portaria do Ministerio da Mari-
nha e-Ultramar n." 1403 de 1855 (Boletim n.8 de 1856)
devendo s que pertencem Junta Ptotectora ser-lhe te-
meUtidos na mesma occasiao cm que as relaes d re-
gisto o forem Secretaria Geral.
Art. 5.-Os registos feitos nestes cadernos sero' na
Secretaria Geral passados para os competentes livros, e as
relaes uemettidas Secretaria d'Estado em conformida-
de.do que dispoem o artigo 3. do Decreto de 14 de De-
zembro de 1854.
Att. 6.-Os individuos encarregados deste registo
daro aos interessados aS 'ertides que determine a Por-
taria Circular do Ministerio da Marinha e Ultramar ti.*
1498, de 1856 que se remette copia.
As autoridades As ques o conhecimento desta deva per-
ten'cer assim o tenham entendido e cumpram. Palacio. do
Governo Geral da Provincia de Moambique 4 de Fevereiro
de 1860. atJoo Tavares de Almeida, Governador Gerali
i i i .


r. .3oO
Q300

"U '$O3O


l


'


'










N.o 16.= O Governador Geral da Provincia de Moam- As autoridades a quem o conhecimento destd deva perten-
bique determine o seguinte: cer assim o tenham entendido e cumpram. Palacio do Gover-
E nomeado Commandante do Patach: de guerra, Zam- no Geral da Provincia de Moambique 6 de Fevereiro de
beze, o 2. Tenente, da Armada Real,' Germano Augusto 1860.= Joo Tavares d'Almeida, Governador Geral.
da Silva.

JUNTA DA FAZENDA PUBLIC DA PROVINCIA DE MOAMBIOUE.

1858- 1859

Balancete, do Cofre da Thesouroria Geral no 2. Semestre de 1858 a 1859,
saldo do mez antecedente .. ... .. .. ... .. .. .. ........ ... .. .. ...... 577,316
Receita durante o semestre.. .. .. .. ....... ;............. .. .. ... .. .. 68:1233308 68:T004618

Despeza durante o semestre... .. .. .......... .. .......... .. ... .... ... 48:940960O

Saldo para o anno seguinte.. ........ .... .... .. .. .... ........ ........ 19:7604013

Desenvolvimento da Receita.


Saldo do mes antecedente.. .. .. .. ... .... ... .. .......... .. ..
' Impostos Directos.


Rendimento da Dizimos.. .. .. .. .. . .. .. .. . . .. .. . .. 65340
Recebedoria Par- Papel sellado ............. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. 12 983
ticular de DezenL-Sello de,verba. ...... .. .. . .. ...... .. ...... .. ... 4364819
bro a Junhe \Sias .... .. .... .... .. .... ...... .. .. .. .. .. .. 69$384

Impostos Indirectos.


57741


8965e5i


a National.. .. ................... 10:960338
Importao Estrangeira. .... ... .. .... 31:05690

Exportao Nacional .... .. ...... .... .. ...
,p a Nacional-. ... .... .. .. .. .. .... .. 44.933
Rendimento da Tonelagem Estrangeira. .. ..... .. .. .. .. .. .. .. 1174399-
Alfandega desde o
mez de Dezembro Armazenagem ... .... ...... ............. ..
a Junho do 1859 Fundo espe- Direitos de vinho Nacional. ... .......... 357$29a
cial de Col. Imposto a Navios e Pangaios. ...... .. .. ..... 46200

Escravos despachados.. .. .. ........
Tomadias. ..
M ult .. .. .. . .... .. .. : .. .. .. ..

'. I Proprios nacionaes e diverios rendimenton.
Correio.. ........ .... .... .. ... ..
._tendime to da oos .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .
Recebedoria Par- R o mensaes. ........ ...... ...... 4470

bo a Junho Rendimentos de espachos.: :...: .. .. 14 04
Impresses ven. Manifests .. .. .. .. .. .. .. ...... 6 79
dos Boletins .. ................
didos ao public Manifestos e Despachos por *ellar ,.. ...... .94
S Annaes do Conselho Ultramarino ............ 8;664

Remessa do Ministerio da Marinha e Ultramar por conta da subveno votada. em Corte. ..
Idem para as despezas da Estao Naval. .. ..... ........ .....
Rendimento da Botica do Estado de Setembro a 10 de Maro de 1859....... ..
Doentes particulares tratados no'Hospital.. .. ..... . ...... .....
Entregue pelo Director, proveniente de escravos de particulares tratados 4o Hospital durante a
cholera .. .. .. . . . . .. .. .. .. . .. .. .. .
Reposio. do Director do Hospital ..... .... .. ...... ........
Entregue por Joo de Souza Machado promptificaao da sua patente.. ... ... .. ..
Idem por Jose Luiz 'dos Santos idm idem .... .. .... ...... ......
Idem por Jose Duarte Madeira, sello da sua Portaria de Escrivo da Delegao de Tete .,
Idem pelo Almoxarife, generous vendidos para o rancho do Batalho.... .....
Idem por D. Maria Roza, multa imposta na policia correccional.. .. .. ......... ..

Smlas.' ..... ........ .

Desenvolvimento da Despeza.
Governor e Administraco Geral.
Governador Geral. Tencimento dos meses de Julho a Novembro de 1858 ... .. ..
Secretaria Geral.
Secretario Qeral.== Soldo e gratificao dos mezes de Julho a Novembro'de 1858.... ..
.Empregados. = Vencimento de Janeiro a Maio ......... ........ ......
Amanuense Cardozo. = Idem de Outubro a Novembro-de 1858 ..... .. .
-Dito Ferreira. Idem de Setembro a Janeiro de 1859.. .. :

G 'overnos Siubalterno.
:Ditricto de Tete. ==Aq Commandante da Villa, por'conta da sua liquidaio n.*.'... .

Smmn,..* ** ... ** ** ** *. .** ** ** ** *.* ** .**** ... .. ..


8:059791

-162335

584682

403429

1 3l883
2~600
15,~I66 51:g27~9l*




I 17i5a


38$35'


9:O000~OO
:750090
%25ar>I40


?,j~OOU


Wooo
8g1o0
3O~OO 68:123531e

Gfl:700$818


1e9e$ft5
905$o00
14;400



o3o30 .5

S00ogQUU 1;63i$1Q5










Transport. .... * ** *
District de Louren Marques. Governador, por conta da sua liii-' "i';. n. 4. ..
Idem de Cabo Delgado.= Governador, soldo e gratificaito dos meZes de Jan.o a Maio 1858 .
Zdem de Inlhambane. = Governador, soldo e gratificao de Outubro a Maio de 1853. ..
Idem de Sofalla.= Governiader,do Prezidio' de Bazaruto, idem d'Odtubrd a Janeirii de 1*50 ,


professor. Vencimento de Dezembro a Maio. ...... .. ..
Dito substitute e Mestrs, *- Vencime-nto de Janeiro a Maio de 185U . . .... .
In.Mpreimsa& Nacidoai.

Spr_'l.-,.= VIencimr.nto de Setembro a Janeiro de,1859 .. ......... ..
Apreudizes, =i'elha de Fevereiro de 1859 a Abril ..... ......................
Sande PBiilaca.


Cirurgiiio 4inr. Soldo de Janeiro a Maio de 1858......... ..........
Comeansa;Lo de Setembro e Outubro .. . .. .. ..

Cirurglio de 1.a Cl;.se.== Um mez de sold e dois de gratificao adi-ntamento .. ..
Dito da Ar:adi Director interino do Hospital, gratificao de Janeiro a Abril de-1859 .
Dito de <." Classo J. F. Collao. Soldo e gratificaco do Janeiro a Maio de 1858. ..
~'or co kia da sua liquidao n.0 47 ... ........ .. .. .. ..

Cirurg-io de 2.a Classe. = Soldo e gratificato de Novembro a Mlaro. .... .. .....
Ideci ,'ir.;!:!a. = Soldo desde 22 de Fevereiro a Abril. .'. ... ..
Gratifica,io de 9 a 30 de Abril .... ... ... .... ...........
Comedotias de Goa para sta Provncia ...... . .. . . .....
Idea raes para o Ibo .. .... ** *.......... *

Xncarregado do curativo em Bazaruto. =- Vencimento de Julho a Agosto de .858 e Fevereiro
a.Maro de 1859.. .* .* ** .
ObSras ~ esflI .cai.

ospector. = Vencimento de Setembro a 1 io de 185. ...............
Ferias aos operarios chinas desde o 1.0 de Outubro a 30 de Maio de 1859 ... .. ..
Idem aos chinas prezos, de Outubro a Dezembro de 1858 ........... .. .. ..
Itages aos ditos, de Outubro a Dezembro .. .. ...... ...... ....

Ferias aos operarios dos mezes de Outubro a Maio de 1859.... .. ... ......
' Idem aos operarios particulars 1e Outubro a Maio de 1-8509... .. .. .. ... .
Idem aos operarios que trabaltiaruo na rampa e quartel de Mossuril.. ........
SIaterial .. .. .. ............* *
'ABBmi5nisii'ao e' IPaenB6a,
Junta da Fazet da. = Escrivio e Thesourirq, vencimento de Setembro a Janeiro de 1859 ...
SCon ~a~aoria Gerai.

,nmpregados. Yencimento de Janeiro a Maio de 1858 .. .- ... ...
.A 2 ditds extaordinarios.= Vencimento de Julho a Novembro de 1858 ....: ..
ko 1.0 Escripturario.- Idem de Setembro a Dezembro de 1857. .. ... .


Ao ex Director Cardinas. = Vencimento de Novembro de C357. ., .. .. .. .. ..
Empregados. = Vencimento de Janeiro a Maio de 1858 .. ........ .....
Dito Verificador. = Idemi de Julho a Novembro.. .. .... .. ... ... ....
Dito Aspirante. =''Idem .e Setembro a Dezembro ..... ... . . .
Dito Pezador e medidor. Idem de Dezembro a Fevereiro de 1859........ .. ..
A 2 Guardas. = Vencimento....... .. .... .. .. .. .. .. ...
Porteiro. Idem de Setembro a Novembro de 1858.... .. .. ; .... ...

Alfardega de LEtOearcce iarques.
.o ex-Director por conta da sua liquidaio np. 3 .. .. . . .. . .. ,.
o ex Guarda por couta da sua liquidaio n.". . .. .. .. .. .

Adadit&ciatr o de dwsMea.
Juiz de Direito. a= Vencimento de Julho a Ouiubro de 1858... ...... .. .. ..
.Delegado do Procurador Regio. ; Vencimento de Maio3 aSetembro de 1853 ........
Sustento dos prezos indigentes na Cadeia nos rnczes de Dezembro a'.Maio de 1859,.'. ..

Admaaiiniistsrea .Prelazia. = Quinto da Congrua ao Prior da S, Janeiro a Maio de 1858 .. ... ... .
Paroclhias. = Prior da Se, vencimento de Janeiro a Maio de 1858. ..... .. .. .: .. '
Vigario de S. Sebastio. e Parocho de Mossuril. Vencimento de Janeiro a Maio.... ...
Parocho da Cabaceira. = Janeiro de 1353... .. .., .. .... .. *
Sachristgo da Cabaceira e Mossnril. Vencimento de Janeiro a Maio. ...


judantes d'Ordens. = Soldo gratificao e forragens de Jhneiro' a Maio de 1858 '. ;
Bateria d'riilheria. Officiaes. = Soldo e gratificao de Janeiro a Maio do 1858 ..
Pret de Janeiroe Fevereiro de 1859.. .. -.. .. .. .. .. .. ..

. Batalho d'lnfqnteria. = Oifiacs. = Soldo., g atificao e forrarens dle Janeirp Miio 1853-.
Ao Capitao Vascon.celloS Spo de Outiblo de i857 a Maio de 1 .. .2 .
,.: v ':.ma' .. *'. .. *^.. "' t .'' '' "" .. ". ,^"'" ."* ..' *' .'*


7C~333


1176'U3O


534>990
287-5o50
664000
4ls9oq



1' 102
qp- ,6
146-lOt


1:O3l5105


1;954~490



89l3~og3


:210oop


311X,J'iQ

7,2 "000











63.$5800





i377Z93D -


1O8~fi35
63 580
t28~o85 1:G8980 6:579$906


38>4l40!


* gbooo
fJ1a875
:1340O
L -


8S3P013


55i0114


!1.00 80o0oo 1:797fi7


1733600
,O.700 5fla585


20;~000
75p~000

14,400


59Q1~525


2l4~b01
Si21>6G56
'6;73~78 U85~BBG

L.:54l3,I38
16 '>

I\ 'i~'jl"--iiF-~i~Li~t-F~iji.~;p- II~ -I~-`l-L' -irili -- Li I\ I I
--`- Ii -- -- i i






26i.


Transported .. .. . .. .. ..
Ao li ne te Mello e Alferes Botto. = Soldo de Agosto a Abril de 1859.... .. .. .
Frct de Dezembro a Fevereiro de 1850.... ........... .
Idem d'Agosto a.Dezenibro de 1858 ao Contingente vindo na Bara, Novi Paquete ..
Melhoria de rancho de Janeiro a Junho de 1859.. ...... .... ,..

Comp.anlias dos Portos
Ao Capito Almeida. = Soldo de Junho de 1857 e de Janeiro e Fevereiro de 1858.....
Said da sua liquidao.. .. .. ... . .. .. .. .. . .. .. .

Ao Alferes Machado. = Soldo de Janeiro -a Maio ............. .......
Ao diti Msq;:ita = Idem de Janeiro a Maro...... ............
Ao diLo Ribeio. := Idem de Juhho, ...... . ... .
Por c~ata da sua liquidao .... ...........

Commando de Practs.
Praa de S. Sebastilo.= Commandante, sold& e gratificao de Janeiro a Maio de 1858....
Capitania mnr das Terras Pdirme.
CapiL o mur. = Gratificao de Maio de 1859 ... .. .. .. ....
Emniregados. = Vencimento de Janeiro a Maio de 1859.......... ......

Au'citoria Militar.
Expediente.. .. .. .. .. .. ... ...........
lHosptal ailitar.
Soldadas e gratificaes aos empregados menores, escreventes de Dezembro a Maio de 1859 ..
Baoes aos degradados e serventes de Janeiro a Junho de 1859.. .... ..

Ditas desde o mez de Novembro at Fevereiro de 1859. .. .. .... .... ..
DespezAs miudas feitas pelo Director do Hospital ... .. .. ............
Entrezie aJ Escriv, Deputado por delibera5j da Junta da Fazenda para compra de roupas,
camas e diversos utensilios para o Hospital p or'occasiao da Colera. .... .. ....
Despeza feita com a compra de um fardo de Algodo Americano. ...... .. ....
Despezas pagas a diversos por utensilios fornecidos at Maro-... .. .. .... ..


Bgtica. = Pharmac'utico. = Soldo e gratificao de Dezembro a Maio de 1858. .. ....
1.o Praticanie. = Suldu de Setembro e Outubro de 1858....... ......
2.0'ditu. = Vencimento de Outubro awJaneiro de 1859...................
Medicamentos fornecidos desde Novembro'a- Maio de 1859. ... .... ........

SOfciaes em disponibilidade.


tm Tenente Coronel. Soldo de Janeiro a Maio de 1858. .... .. ....
Um Major., Soildo de Janeirj a Maiu.. .... .. .... .. .. .. .. .
Um Dito. = Soldo de Janeito Fevereiro .. .. .. .... .. .. .. ..
Umn dito ,raduado.-_= Soldo de Janeiro a Maio.. .. ......... .... ..
U. Tenente. = S.ido de Maro a Junho de 1858. ......... ...... ....

C.mnanniVa de Veteranos. = Pret de Dezembro a Maro de 1859...... ........
Conmanhia Discipliiar.= Pret de Fevereiro a Abril de 1859 .. .. . .. ..

AdministracFo da Marinhla.
Arsenal e Caaitanta do Port Inspector e Capito do Porto.=Soldo de- Jan,o a Maic 1858
Escri,i = Idem idem. .... .. ... ...... ... .... .
Almoxarife. = Idem de Setembr) a-Dezembro .. .. ...... ..... .
Ao ex-Almux.rife. = Suldo e.gratificao de Dezembro a Abril de 1858. .. ...
Apontadur. = Agosto a Dezembro.. ... .. .. ............ ..
Porteiri. = Veacineanu de Dez1inbro a Maio .. .... .... ...

Offiinas. = Ferias aos operarios de Dezembro a Maio de 1859... .. .. ....
Idem aos operarios' e fra de Aril e Maio de 1859 .. .. ...... ....
Soldo, almoo e man:imelito aos.'serventes e libertos de Dezembro e Maro de 1859. .. .

Soldl marinhagem do Arsenal de Novembro a Maro de 1859 .. .. .. .. .. .
Ra~os dita e degradados ide.m .. .. .. ...... ......... ...

Material desde Novembro a Maio de 1859 ..... ...... .... .. ..

.rmanmento Naval. = Escuna, Angra. =Soldo e comedoris aos. OTiciaes ..... ..
Si l gnarni .. .. ... .. .
Races vella e fundeada pagas ao Escrivao encarregado, ao ftrnecedor, at 15 de Julho 1859
Material. .. .. .. -.. .. .. .. .. .. ., .. ... .. .

Palacho, Zambeze. = Soldo ao Mestre e a Marinheiros de Janeiro a Maro/de 1858 .. .
'Equivalente de raes ao dito e guarnio de Maro e Abril de 1859 .... ....
Liz .... .. ... .. .. .. .. .. ... .. ..

Serving do Porto. = Patro mr da barra. = Soldo de Janeiro a Maio.de 1858. ...

Encargos geraes. Reformados. = A 1 Brigadeiro, soldo de Dezembro a Maio de 1858. ..
A'2 1enentes.Coroneis, soldo de Janeiro a Maio de 1859 .. ...... .. ......

Abonos para encontros. = Fragata, D. Fernatnd. = 18 bois para fornecimento da dita. .
Frete de lanchas para servio da mesma e diversos navis .. o ........ ......


1:708,s438
15 l5d.16 3
2:234,378
405,727
130J)-U0


405000
30000 70~000


36-. )00
12000
299~797 3114897





I25504
1400343




185679
671160. 252~839


824348
51i600


80,:)00
s~ogoo
11 5)00




:165~937






* 7,000


75~OOQ



303900
18"000,

485,5610
74770
9743190

9632M)0


4:584r870L








477?L9s?






1531$45












1 :543~58?













*`s~s7 61Il0o00f


47.3 -31 1:778,148

2 5 ,3.5 1)
48'3l5
74:p*5
66 11". ~:553900


l275'90
1.5<75 99~772


371j!0)75, f66i0O75


96;'00 240Q800


Brigue de guerra, Filia FIr. = Comedorias e gratificao aos Offeiaes at Maio de 1859. 1:07748300
Soldo guatniSu e praas avulsas at Janeiro de 189. .. .. .. ........ :4.5,84 3:52i3064
Bao~sl~ .. .; *. .. ': 4080 4:45


6c30~075









Transporte .* *..
Equivalente de rabes pagas ao Escrivo dos mezes di Janeiro a 15 de Julho de 1859.. .
Idem ao Fornecedor de mantimentos. .... .. .. ............

L u z .. . . * * . .* . .* *
Material .. .. .. .. .
hempezas diversas.
SGratificaZo ao escrevente da dcima de Setembro' a Abril de 1859.. ........
Ao Negociante Antonio Michel, pagamento do emprestimo por elie feito em Dezembro ...
A Francisco Pedro Ferreira. Piloto da Barca, Novo Paquete, importancia de lpor cento do
free do dinheiro vindo de Lisboa. .. .. .. .. .. .. .
Comiedorias raes e adiantamentos a diversos Offciaes que for?. em servio para as Compa-
nhias dos Portos.. ... ... .... .. . ** .. .... ...
lRemessa de.dinheiro para 4 Delegao de Sofalla ..... ....... ,, ....
Em generous e papel sellado. ... ... .... .. .. .. ..
Idem para a dita de Loureno Marques moeda ........ .. ...... .
-Em gcxiero,. .. ....... ..... ..**.... ** ** ** **
Idem para a dist de Quelimane mpeda.. .... .. ...... .. .. .. .
Pedra calcaria e ficte. ......... .. ... ..... *...... *

Idem para a dita de Inhambane moeda .. .... .... ..........
SEm fawendas.; .. ... ..... .. .. .. .

Para o Prezidio de Bazarnto, mantimento e fazendas ........ .. ......
Comxpra de diversus objects para forhecimento dos Armazens da Fasenda ........
Material para a praa de S. Sebastio .... .. ........ .. .........
Transporte de.praas para o Continente desde Dezembro a Maio ... .. .. ..
Sustento dos prezos e gals da Praa de S. Sebastio desde Novembro a Maio de 1859 ...
Expediente d Junta do Lanamento da Decima .... ... .........
Liquidao a diversas praas de pret; e prestaes por conta a outras, de seus vencimentos em
divida.. . ** ** * ...........
Rlaes a diversas praas que forno para os Portos. ...... .. ... ..
A tripulao da lancha do Estado vinda do Ibo, raes, .. .. .. ... ...
Despeza com a tripulao da lancha que foi ao Mocambo.. ... .. ......
Raes abonadas a 3 marinheiros Espanhoes vindos de Inhambane. ........ ...
Despeza com a participao que se fez aos Regulos da morte do Capitio-mr .. .
Soldo a 2 Sargentos da Armada Real .... .. .. ..... .. ..... ..
Gratificao pela capture de 3 desertores ...... . ... .. .. ...
A uma-praa da Escuna, Angra, liquidao de seus vencimentos em divida ........
Ao Alferes Avellar, liquidao segitndo a sua guia.. .. .. .. ... .. ....
Liquidao dos vncimentos em divida ao fajlecido Contador ..... .. ....
Ao negociante Bod Cassimo por conta de seus fornecimentos e alliguer da caza da Alfandega
em Loureno Marques .... .. ..... .. . * * ... .. ..
SAo negociante Prootomo Damador por conta de seus fornecimentos .. ........
Gratificao s praas do Brigue, Villa Flor, por occasio do Cazamento de S. M. EL-R .
Gratificao para melhoria de raucho s praas do Batalho d'Infanteria de Moambique N.9 1
nos 3 dias por occasion do casamento de Sua Magestade EL-REI.. .. ..
Liquidao dos vencimentos em divida ao fallecido Hermenegildo dos Santos Ruas .....
A CAru Jiv a sua liquidao. . . . . ,. .. .. ................
Sofnmta.. ... .. .. . .. *. ..


3:523&8G4 240;,~l 44:45J&di


1:389700
S83,270 1:972970


1:68Q!
556

3:000~
.33

4,:00O
70O

5:000
286


ooo
~000.

5000


68400O
39 520 5:803$554. 6:044g364

48467o


0-15705,O

2l5S408

l:6558000


&200 3,033&200
~0ooo
5000
g3000 4:070;000

271 5:02"c271

332978
2 33,392
34ti53



[1 7464
1131.50r>
107$5lO


5,5490
'7R8i1




"SSO
470500



254000
~450001:4389IK4W9


Thesouraria Geral da Junta da Fazenda 1,0 de Fevereiro de 1860. O Thespureiro Geral -= Adolfo Joa o Pinto de Magalhles.


ALFANDEGA DE MOAMBIQUE*
Rendimento da Alfandega de Moambique no mez de


Janeiro, de ,1860.


S, Generos nacionaes.,
Por entrada de Ditos estrangeiros. .

Por sahida e Generos nacionaes..
0 Ditos estrangeiros..
Acrg Nacional....
Ancoragem-- Estrangeira.. ..


Armazenagem., .. .. ...
Tomadias........ ..- .
Direitos de vinho e aguardente national.
Imposto para o fundo de Colonisao...

Somma.. .. ... .


10:838O10
6 53280


9- 6OO
5r3o
_12600
81oo
7,20O

10:9M 1Q0


SN. B. Na referida importancia entrao sete contos cen-
to quarenta e sete mil trezentos vinte e oito e um tero
ris em letras a saber:
A A vencer no 1. de Maro 2:766666)
E Abril 2:366i666J 7:147328
" -em 30 idem 2:012995
Alfandega de Moambique 2 de, Fevereiro de 186I. O


Director por Commissao =-Soza Machado. Est confor-
me. = Adolfo Joo Pinto de Magalhes

ADMINISTRAO DO CONCELHO DE MOAMBIQUE,
Mappa dos Cereais entradosno mez de Janeiro de 1860
dos differences Districtos do Sul e Norte.
Arroz............ .Panjas. ............ 66
Milho fino......... .............. 272
Dito grosso....... -.............. 180
Feijo ........... ...... ...... .. 566
Mendobim. .... ........... 36
Macaca.......... .............. 450
Somnma. ........ .................. 6:002
SAdministrao do Concelho, 1. de'Fevereiro de 1860
-=Amilcar Barcinio Neves, Administrador do Concelho,

Relaao demonstraiiva dos baptismos obitos e casmentos
que tivero logar em Janeiro de 1860,
Baptismos............................ i
Obitos Europeus........... ............ 1
S Caxameuto ;.. ... .... .......... .... ,; ,








Igreja da S, Matriz de Moambique 31 de Janeiro de
1860. O Prior== Padre Joaquim da Virgem Maria. -= Es-,
t conforme. Administrao do-Concelhb de Moambique
3 de Fevereiro, de 1860. O Administrador do, Concelho
SAmilcar. Barcinio Neves,

Relao mortuaria do mez de Janeiro- de 4860.
SEXO MASCULINO.
No dia 10 -Antonio Ferraz de Castro, christo 1." Phar-,
maceutico da Provincia, ignora-se tudo mais.
Idem 18 -Joo Jose de Mendona, filho de Joo Jose
de Mendona, da Ilha das Flres; edade 36 annos, casado,
ehristo, degradado servente do Hospital.
Idem 21 Amad Abudal, filho de pais incognitos, natu-
ral de Moambique, edade 60 annos, solteiro, Mahometano.
SEXO FEMENINO.
No dia 7-Uma criana recem nascida.
Idem 8-Maria do Remedio, filha de Custodio Joaquim
dos Santos, natural da Ponte de Lima, edade 31 annos,
casada, christ.
Idem 11 -Muamina Abudal, filha de pais incognitos,
natural de Moambique, edade 16 annos, solteira Maho-
metana.
Idem 29---Magarida do Espirito Santo, natural da
Ilha da Madeira, edade 24 annos, casada, christ
N. B. falleceram durante o mez, 4 praas sendo 3 do
Batalho d'Infanteria n.o 1, e 1 da.Bateria de Artilheria.
Administrao do Concelho de Moambique 1.O de Fe-
vereiro de 1860. O Administrador do Concelho. = Amil-
@ ar Barcinio Neves.
BATALHIO D'INI1ANTERIA DE MOAMBIQUE N.* 1.
Relao das praas do sobredito Batalho e Bateria de
Artilheria e Addidos que fallecero desde o 1.o at 51 de
Janeiro de 4860 com designao das irrportancias totaes de
seus espolios.
Bateria de Artilheria,- N.* 102 Soldado Joo Fran-
cisco Charrua, filho de Joaquim das Dores Mide, natural
de Portei, Districto Administrativo de Evora. edade 21
annos, solteiro, falleceo no 1,o de Janeiro, ficou devendo ao
Concelho Administjativo a quantia de 2'710 ris.
Batalho d'lnfanteria.= 4. Companhia, n." 151 Solda-
do Candido Jose, filho de Antonio Francisco, natural do
Concelho de Agueira Districto Administrativo de Lisboa,
edade 27 annos, solteiro, falleceo a 17 do corrente, ficou
devendo ao Concelho Administrativo 3300 ris.
Idem, idem n.o 234 soldado Manoel da Silva, filho de
Francisco da Silva, natural de Bellas, Districto Adminis-
. trativo de Lisboa, edade 20 annos, solteiro, falleceo a 25
do corrente, ficou devendo ao Concelho Administrativo a
quantia de 2 170 ris.
Idem, 3." n." 210 Soldado Manoel do Nascimento, fi-
lho de Manoel do Nascimento, natural de Manearapacho
Concelho de Juvilhas, Districto Administrativo de Faro
edade 24 annos, solteiro, falleceo a 27. do corrente, ficou
devendo ao Concelho Administrativo a quantie de 1515 r.s
Quartel na Praa de S. Sebastio 1.o de Feveieiro de
1860.= Luiz Antonio Ozorio, Tenente Coronel Graduado
e Commandante.
HOSPITAL MILITARY DE MOAMBIQUE.
Relao das praas dos Corpos e Companhias abaixo men-
cionadas que falleceram durante o mez de Janeiro de 860.
Batoria d'Artilheria, N.o 102 Soldado Joo Francis&


DESIGNAES

Existiam..............
Entraram ........... .
Sairam 1 Curados ou melhor.o'
)Falleceram ......
Ficam existindo.......,..


87-
209-
200-
6-
90-


3- t- 91
10- 6- 1-226
7- 6-,1-214
1- 7
5- 1- 96


-Secretaria do Hospital. Military de Moambique i de Fe-
vereiro de, 1860. No impedimento do Director- Joaquim
Francisco Collao, Cirurgio de 2.a Classse.


\ MiOVIMENTO IDO PORTO DE IIOAMBIQUE,
S de 4 a 10 do corrente

EMBARCAES ENTRADAS.
No dia 4 Pangaio Portuguez, Novo Viajante, de 2O toneladas, PatrIe
Assane, equipagem. 15 pessoas, do Ibo em 4 dias com urzella e gergelim,
passageiros sendo 1 francez e 1 preto,
No dia 6-Pangaio Arabe, Mutanda, de 81 toneladas, Mestre Hery,
equipagem 18 pessoas, 2 bocas de fogo, do Ibo em 'dlas coui fazendas e mais
generous do coimmercio, 2 passageiros sendo 1 bati, e 1 mujojo com criado.
EMBARCAES SAIDAS. = NO houve.
Capitania do Porto de-Moambique 10 de Fevereiro de. 1860. -= Astoni
Maria Guedes, Capitlo do Porto.


No se tend arrematado no dia 8 do corrente o renlimento doe disi-
mos do anno find, conform foi annunciado no Bojetim n.O 5 por isso se
faz public que no dia 15 do corrente mez, pelas 12 horas do dia, peran-
te a Junta da Fazenda public, hade andar em praa o dito rendimento.
Contadoria Geral da Fazenda- 9 de Fevereiro de 1860. O Escrivo Vogel
da Junta = Jose Zeferino Xavier Alves.
D'ordem da Junta da Fazenda se faz public, que no dia i1 do corrente.
mez, pelas 11 horas da manh, perante os Delegados da mesma Junta hade
andar em praa o arrendamento das propriedades que foro do fallecido Jo.
se Simes da Fonceca, a saber, uma casa na rua do Conselho, e um Pal-
mar na Cabaceira grande. que confront pelo N. com as propriedades de J.
da C. Shares, pelo S. com a do Ex."" C. C.'Soares, pr L. com a de A. J,
P. de ATagalhes, e pelo O. com a Langoa; 'as pessoas a'querm convier a
dito arrendamento, compareerho no edificio da mesma Junta no dia e ho-
ras acima indicado. Contadoria Geral da Fazenda 9 de Fevereiro de 1860.
O Escrivo vogal da Junta = Jose Zefersno Xavier Alves.'
Achsm-se impressos e venda neste Estabelecimento Tipographieo *
Modelos da Ordem Fora Armada, n.O 17 de 1859, de a L, pelo pree
de 40 ris, bem como as Cadernet as do as da praas de pret dos Corpue,
da Guarniao, contend 3 annos completes, pelo preo de 10 r.8 cada uma.

MOAMBaIQUE s NA IMPRENSA NATIONAL..


a+P~a~aaaiiaiiiriiiiiii~iiiiii I Iii i--iir~-~v-i


~:1`- :*"":"~-S~aarr*aT1~T-


co Charruas, filho de Joo das Dores, natural da Portel-
la, ehtrou a 3 de Dezembro de 1859 e falleceo 2 do cor-
rente, de febre perniciosa sobrevindo ao estado anemico.
Batalho d'Infanteria N.o 1.-4.' Companhia n." 151
Soldado Candido Jose, filho de Airtonio Francisco, natu-
ral de Torres Vedras, entrou a-21 de Fevereiro de 1859
e falleceo a 17 do corrente, de disenteria sobrevinda ao
estado cachetico, e supurao abundante.
Idem, idem n. 234 Soldado Manoel da Silva, filho de
Francisco da Silva, natural de Cintra,, entrou a 20 e falle-
ceo a 26 do corrente, de febre perniciosa.
Idem, idem n,. 210,Soldado Manoel do Nascimento,
filho de Manoel do Nascimento, natural de Mancarapacho,
entrou a 16 e falleceo a 27 do corrente, de disenteria.
Hospital'Militar de Moambique -1. de Fevereiro de
1860. No impedimento do Director= Joaquim Francis-
co Collao, Cirurgio de 2." Classe.

Synopse do movimento Clinico do mez de Janeiro de 1860.






s ~i~o;.r ssB
i





-~@LETBTI~H


DO

cG)0vERNO. GTI? U DA R IX 1iLDA PI- 0 AV II UFD,

.Este noleir semaniil ser publicado todos os sabbadoe no 1 Preo de asssignatura por ann ........... r, .90
dia antecedente ou na 2.t feira seguinte quando aquelle for A D IV Por seis mezes. ...................... l..
feriadoi assigna-se para o iesmmo em Moambique no Escri- Por trees mezes .......................... ~ o;0
ptorio do Estabelecinmento da Imprensa Nacional e nos Dis- Por folha avulsa. ......................... 080
tricteo, nas Secretarias 'dos Governos ou Commandos de p g Preo dos annuncios por linha .............. ~O40
Villas, as aslgnaturas so sempre pagas adiantadas. DU e E V E R E I R Correspondencias d'interesse particular, idem.. 030
mi--I'-'~ n'~ i~'I


S 1A li T U fi1A t ,

GOVEIL-NO GERAtL.



N.* 18. de 11 de Feverero. Nomeando o Tenente
da Batalho de Inanfteria de Moambique n. 1 Frederico


Augusto Gourgete membro da commisso nomeada para
organisar o regulamento do Arsenal de Marinha em subs-
tituio' do 2.0 Tenente da Armada Real, (iermano Augusto
da Silva nomeado Commandante do Patacho Zambeze.

N." 19 de 14 de Fevreiro. = Nomeando Joo da Silva
Carro para exercer interinamente as funccs de Dale.eadi
do Procurador da Cora e Fazenda, em consequenia d,. fal-
Iecimento do que o ra o Bacharel Alvaro Jose Raais.


JUNTA DA FAZENDA PUBLIC DA PROVINCIA DE MOAMBIOUE.
1859- 1860

BlJancete do Cofre da Thezourara Geral no 1," Trimestre do anno economy eco de 1859 a 1830.
Sa!tio lo anrij findo. .1 ,. . . *. .. ..* ** ** ** * 19:7603)1
R ceita durante o Trimestre .. .. .. .. .. .. .. .. 5:t65'l S33 45:411071


Despeza durante o Trimestre.. .. .. .. . . .. .. ** .
Saldo que passa ao seguinte... . ** ..


Desenvolvi'mento da Receita.
Saldo do anno find. ,. ... .. .. ........ ..**. .
ainpoBsoM Directom.


O: 152 5,11
15:258 514


1:780;018


Re imento da Re- Papel sellado... ... .. .. .... .. . .. ..
cebl n Particula r Sell de verba.. .. ... .... . .. .. ..
ebe oria Partcular Dizimrs. ..l.. .. .. .. .. .. ..... ... . ..
.u i'rimetre Siza. .. .... ...... .. .. ... .. .... ..

I' postos Indirectos.
SjImportao Nacional.. .. .. .. .. ... .. .. .. ..
Importao. E tane.r.
Estrangeira. .. .. .. .. .. . . .. ...
Exportato. Nacional., .. .. .. .. .. .. .. .. ..
Tonelagem Nacional ... . ... .
Rendimento da Al- Estrangeira . .. .. .. .. .. .. .. .. ..
faudeg no l.O Tri-
ero Armazenagem. .... ..... . .. .. .. ..
Funddo especial Direitos de vinho national .... .. ... .. ..
de Colonisao Impostos de Navios e Pangaioas... .. .. .. ... ..
Escravos despachados. .. ... ... .. .. ..
Multas.. .. .. .. .. . .. '.' . .. . .. ..


94 173



9:q1wo739 1O:8f8,635
8:1080185
13383
14293 1 1560264
67ile39

389400 ZO:31%4

40892 %e0:13104@


Rendimento da
Recebedoria Parti-
cular no Trlimestre


Proprios n aconaes f dteroios rindinentos.
Correio.- .. .. .. .. . .. .. .. .. .. ....
Foros. . .. .. . . .... .. .. .. * ** *.
Laudemios .. .. ... ..
RiRecibos mensaes.. .. .. .. . .. '" .. '
Impressos ven- Manifestos por sellar ..... .. .. .. 1
didos ao public Despachos idem.. .. . .. .. . .. . .. I
co Exemplares da Decima.. .. .. .. .. .., 4


13946
n~23536
34M300
O59
5039
b274
p9o0o 80f70 79199O54
SQ47r~m385 I9:7Boe~6il3


oun a *. ..** . **. ** . .. ** ** ** .. ** * **


ONtIAL 7.


FFIC'iAL










'ITra sport . .. .. .. . .. .
Rendimeiios da Botica pelos remedios vendidos nos mezes de Abril a Maio de 1859. .....
Idem de doentes .Iarticulares tratados no Hospital nos mezes de Fevereiro a Julho de 1859 .
R -pLsio do Director do Hospital. .. .. .. .. .. .. ..
Entregue por D. Antonia dos Santos Pinto decima funeraria... .. .. .. .
Inportancia dos saques feitos contra o Pagador Geral da Marinha por conta du subvenio...
Entregue pelo negociante Jaciitho Jesus e Silva agent do negociante de Lisboa Thomaz Maria
SBessone, despezas com o Contingente que foi para Maco segundo a Portaria do Ministerio de
Marina de 10 de Janeiro de 1859.. ........ .................
Ideai pelo Doutor Juiz de Direito da tomarca de Bardez importancia da multa que lhe foi impus.
ta ctel Tribunal da Relao da Goa...... .... .... ...... .. .

Sanmma.. .. .. .. .. .. ..


O:479385 T9:76O0os
97~0oo
9o6~25

40000
4:0328041




85 45:42 607

45:41~ IBO71
~; 1IQ


Desenvolvimento da Despeza.
woverno e Administraeo Geral.
Governador Geral. Vencimento de Dezembro a Fevereiro de 1859 .... ..... .. ..
Secretaria Geral
Eecretario Geral. == Vencimento de Dezembro a Fevereiro de 1859 ...... .... .
Fimrregados. = Ideni de Janeiro a'Agosto de 1858 .............. .....
Um Amanuense. = Idem de Fevereiro a Abril de 1859. ........ .... ,

Goverlos Subalternos
Distristo de Lurenio Marques. = Governador, = Por conta da sua liquidao N.O 47 ....
Dit', i1e Cabo Delgado. = Governador. = Soldo e gpatificaeio de Junho de 1858 .. ....
Ddti. de Ihhaunbane. =- Governador. = Soldo e iatificaito de Junho a Julho de 1858.. .. ..
Dito de Sofclle. = Governadur do Prezidio de Bazaruto, ez de Fevereiro de 1858 ......

'Instrncco Publica.
Professor e Mestras.= Vencimento de Junho a Agosto de 1858 ...............
nImprensa Nacional.
Corpositor e I:tI resEor, = Vencimento de Fevereiro a Abril de 1859 .. ........ ..,
triaa aos A;;renlizes de Maio a Julho de 1859 ......... ........ .. ..

Saude Publica.
Cirurgio mir. Vencim'nto de Junho a Agosto de 1858.. ... ..... .. ..
I:. te 1.* Classe. = Liquidao de seus vencimentos at 31 de Agosto de 1859.......
Di., de t.' Classe e Direc:.r substitute do Hospital. = Soldo e gratificao de Junho a Agosto 1858
Diiu, pr conta di sua liquidao N.. 27............-... .

Dito de 2.8 Classe = Vencimento de Abril a Junho de 1858 .... .. .... .. ....

SOras Publicas,
Inspector. -- Gratificao de Junho a Agosto de 1858 ... ....... . .. .. .
A i. tx-:it == Idem nle Outubro de 1858. ...... .... ...... .. ....
Ferias aos urt raros de J.rho a Agosto de 1859.... .. .. .. .. .. .. .. .. ..
Di ,.s a.,s dits linas de Junho a Julho idem ... ... ........ .... ..
Dilas a. s (itoi r'e fura. le Junho a Agsto idem.. ...... ............
Mairial cinq. rsdo desle Junho a Agosto idem, ............ .. ...

Adminibirac o de PFzenda.
Junta da Fr,zenda. Escrivo e Thesoureiro.= Vencimento de Fevereiro a Abril de 1859 .4
Contadoria Geral.
Em.prga'~s,. Vencimento de Junho a Agoslo de 1858 .... .. ..... ... ..
Dilt..s c'iraiiditiinOY s.==Idem de Desembro a Fevereiro de 1859 .. .... ..
Ao, 1.1 scri rili rio. == rde deJaneiro a Abril idem. .... .......... .. .,

Expediente. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. ..
Alfande oa.
Empregads, = Ver.cimento de Junho a Agosto de 1858 .... .... .. . ..
Lii u extrao;rdiii ri e ao Porteiro. Vencimento de Dezembro a Fevereiro de 1859. .. ..
A, 2." Escrivi(k. = tm de Fvetreir a Maio de 1858,.. .. .. .... ........
Asrirante Vali = lifem de Janeirc a Maro de 1859........... ..... ..
P<7ad!ur = Item d. lvaro e Abril idem .. .. .. .... .. .. I .. ...
(i arda Siva. = Idi ri, de Outubrj a Dezembrode 1858 .. .. .... .. ......
Dito Veiga = lif m dc Maro a finho de 1859.. ................ ..
Lito Barboza. Idem de Julho de 1859...... .... ... .....

Alfandega de Lonreno Marqune.
Ao ex Guarda por conta da sla liquidao N.O 132. .. .... .... ...... ..

Administraciib de Justica.
Juiz, e P ireit'. = Juiz de Direito Vencimento de Dezembro a Maio de 1859.......
Coniederias, 1 as,g. n' e ajuda de custo para Goa.. ...... .. .. ..

ul bsiitwto do Jii7 de Direito. = Vencimento de Maio a Julho de 1859 ... .. .. ..
Ao e~- bstitii.o ('o Juiz de Direito B. F. Abranches liquidao 'de seus vencimentos em divida
Eustents. aos rezos indigentes na cadeia de Junho a Agosto. de 1859 .... ........

SOifnla6... . .. ... .. .. .. .. . .. ., *, "'* ** .b


1743760 341;280


oai4,j99U
57-,500
13 i:U0
3 7.5JO 762490.


148g9SO



li.o~ 63~60O


leg~7g8
60~00U


15050005


189~S793

13%800
so


5205,3


70ooo

27 p -- .30
69540

55'ti/o 4fl5n08 S:055T1


336;000


63~66O
71532
385400 372$5g2



65'uuO

li5i05
7 333
21375

l3~500

'43550 402B235


15000 1 v226;329



'30Q000 7036


1:470 109
4 1 2:454 65 4 4:


-I.


5i'o OOe0






381


Transport .. ........... .... .. "..... .... ... ....
Administraco Ecclesiastica.
,prelazia. = Quinto da Congrua.ao Prior da S dos mezes de Janeiro a Agosto de 1858 ... ..
Parrochias. Prior da S, do Mossuril, dito da Cabaceira Grande, e dito de S. Sebastiao. = Ven-
cimentos-de Junho a Agosto de 1858: .. .... . .... ..
Sacrhistes. = Vencimento de Junho a Agosto de 1858. ...... ...
Dito daS. =Idemde Abril de 1859.. .. .. ...... .. .
Adminitratfio Militar,

Ajudante. d'Ordena, Alferes S Nogueira, =Vencimento de Junho a Agosto de 1858.. ....
Coniedrias e adiantamento para Goa .. ** ........ .. ...

Ajudante d'Ordens, Alferes Palma: Soldo, gratificao e forragens de Junho e Agosto de 1858 .
Dito Alferes Botto. = Idem idem de Maio e Junho de 1859.. ..... .. .

Bateria de Artilheria, = Aos Officiaes. = Soldo de Junho a Agosto de 1858 .. .., .,
Pret dos mezes de Maro a Julho de 1859.... ... .. . ., .. ..- ..

Batalihlo d' infanteria de Moambique N. 1. 1= Oficiaes.. Soldo de Junho a Agosto de 1858 ..
Alferes'Seixas idem de Maro a Maio de 1859 .. .. .. .. .. .. .. .. ..
Aos Alferes, Siiva, Arez, e Mangas. .= Soldo de Junho a Agosto de 1859 .........
Alferes Mesquita. = Soldo de Abril e Maio.de 1858.. .. ..... .. .......
Ao dito, idem de Janeiro Junho de 1859 ........... .... ....


54.000


316t0 0 -
3Q~333~ 204~53S.


~IIL' fi33"4

4 4 32 '7
46$rn2d 25'la745


l:O22$j3.3 1:l33d100.


;- ~,333 1:lO58'.64


Melhoria de radcho dos mezes de Junho a Setembro de 1859 .. .. ...... .. ,. .. .9i0,03
Pret dos mezes de Maro a Julho de 1859. .. .. .. .. .. ........ 3:93;a .a9 4:024S58 5:1295709


Companhias dos Portos.
Ao Capito Castello. = Liquidao de seus Vencimentos em divida aLe Juuho de 1858 .. ..
Alferes Ribeiro. Soldo de Julho e Agostu de 1858 d . .
Coiniiirid de Praas e Fortalezes.
Commandante da Praa de S. Sebastio. se Soldo e gratificao de Junho a Agosto de 1858. ..
Capitania mr das Terras Firnae,.
Capitio-mir. = Gratificao de Junho a Agosto de 1859 .. .. ........ .. .
Empregados.= Vencimento de Junho a Agosto de 1858 ... ... ...
Auditoria Militar.
Expediente. .. ** ** ** *. .
H hospital iilitar..
Encarregado do curativo ea B&zaruto fazendo servio no Hospital. =. Vencimento de Abril a Ju-
nho de 1859 .. .. * ............................. .. .
Soldadas e gratificaqes aos Empregados menores e serventes, dos mezes de Junho a Agosto 1859.
Raes aos degradados e serventes de Julho e Agosto de 1859........... .. ..

Despezas miudas desde o mez de Maro a Junho de 1859.. .. .. .. .
Dietas desde'Maro a Agosto de 1859., .. .. .. .. .... ....... ..
Despezas pagas a diverSos por utensilios para o Hospital .... ........ ..
Ao Escrivo Deputado, saldo da sua conta segundo a deliberao da Junta de Fazenda.. ..
Pur um estojo de Cirurgia para o Hospital .. .... .. .,....

Btica. 1.O Pharmaceutico, = Vencimento de Junho a Agosto de 1858 . .. .. ..
1.0 Praticante. = Vencimento de Maro a Maio de 1859.. .......
2. dit. = Idem de Junho e Julho de 1858 ...... .. .... .... .. ..
Me licamentos pagos ao fornecedor dos mezes de Maro a Julho.de 1859. . ...... ..
IJeia ao negociante J..de J, e Stlva segundo as suas liquidaes N;0" 6, 10 e 117.. .. .. .
Ofeiciaes em disponibilidi~a e.
Um Tenente Coronel. = Soldo de Junho a Agosto de 1858... .... .. ......
Dois Majores, Pires.e Cardinas= Soldo idem idem .... .. ........
Um Dito, Gama. Soldo de Maro a Maio de 1858...... ........ .. .. .
Um dito Jacinto. =.Sldo dc Agosto de 1858......... ...... .. ..
Um Tenente. = Soldo de Agosto a Outubro de 1858 ..... .. .. .. .

Offlciaes em Commiss9o. = Um Alferes. = Soldo de Junho a Agosto de 1859. . ..
Companuhia Disciplinar. = Pret dos Mezes de Maio a Julio de. 1859. ., .. .. .. ..
Administriao dla Marinha.B
Arsenal e Capitania do Porto. = Inspector e Capito do Porto. -'Soldo de Maro a Abril 1858.
Inspector aposentado. = Vencimento de Junho a Agosto de 1858 .......... .. ,
Escrivo e Porteiro, idem idem. ...... .. ..... ....... ......
Almoxarife e Apontador idem de 1859. .. ... ........ ........... ..
Ao ex-Almoxarife. = Vencimento de Junho de 1858. ... .. .. ..

Officinas. = Ferias aos operarios dos mezes de Junho a Agosto de 1859.. .. .. .. .. ..
Ferias aos operarios de fura idem idem...... ........... .... ....
Suldo ao 2.0 Marinheiro do Arsenal, de Outubro a Maio de 1859. .. .......... ..
Raes 4 Marinhagem do Arsenal, de Junho a Agosto de 1859.. .... .. .. .....


53l.140
05,,45 556.'53S






91S2dt) 136 s8OG

-4---e


1363
1U L[3ta 1.041,7j1

7'34l5









lOO ?74 L*996OL
163










gi 1000
45,uO

1t~,oo 227000O
330 19980


og3211
5+,300
I
+b3OO


840700'

80O571


MLaterial desde Junho e Julho de 1859.. .. .. .. .. ... .... 787<796
Idem por Jagu Bimogi segundo a sua liquidao N O 68 e 73.. .. ...... 1751014 *i
Idem pelo negociante Silva segundo a sua liquidao-N. 1.. .. ... .. .. .. .. .. 10lO8000 1:070~8f0 f1794p879

Smma.,.. .. .. .. . .. ... .. .. .0 ., *. .. .d :79J 1 i;yi


~...i-~ins;i- --


.









Transporte ... .. .. .. ........ .. .. ...*.
Armamento Naval. = Escuna, Angra. = Soldo e comedorias aos Officiaes, de Maro a Maio 1859.
Soldo Guarnio de Setembro e Outubro de 1858 .... ....... ......
Equivalente de Raes pagas ao Escrivao de 16 de Julho a 15 de Outubro de 1859. .. .. ..
Material ... ... .. . . . . . . . . ... .. .....

Patacho, Zambeze. = Prestaes. por conta do concerto do dito. . .. ... .. '.
Soldo ao Mestre.do mez de Junho de 1858 .......... .. ....
Raes ao dito e criado .. .. .. ........... .. .. .. ..

Servio do Porto. Patro-m6r da barra. = Vencimeuto de Junho a Agosto de 1858. ....
Brigue, D. Joo de Castro.= Equivalente de raes pagas ao Escrivo de 0 de Julho a 30 de
Setempbro de 1859 .. .... ................. ..........

Encargos Geraes. = Reformados.-A um Brigadeiro, soldo de Junho a Agosto de 1858 ..
Idem idem a S Tenentes Coroneis.. .. .... ....;. .. .. ......

.Abonos para encontros. = Brigue, Villa Fldr == Comedoras e gratifcaaes aos Ofliciaes de Junho
a Setembro de 1859 .. . . . . . . . . .. .. .. ,. ..
Soldo Guarnio e Praas avulsas at Maio de 1859...... .. .. .......... 964$235
Soldo de Junho a Setembro de 1859 aos Officiaes avulsos.............. 48"400
Idem idem ao Mestre Fieis e Carpinteiro ... .. .. ...... .. .. .. .. ....* 82;80o

Equivalente de raes em dinheiro pagas ao Escrivo de 16 de Junho a 30 de Setembro de 1859.. 621105
Em generous pagis ao fornecedor. .. ... . ..... . . . . . .. 80800

Luz. ., .. .. .. .. .. .. .. ,, ,, .. .. .. .. ..
Material ..................... .. .. ....

Desmpezam divcrmas.
.Gratificaio ao escrevente da decima dos meses de Junho a Agosto de 1859.
Sustento dos trezos e gals da Praa de S. Sebastio nos mezes de Junho a Agosto de 1859. .
Liquidao a diversas praas de pret vindas das Companhias dos Portos e prestaes por conta a ou-
tras de seus vencimentos em divida .... ...... .. .. .... .... .
Liquidao ao Alferes Are. .. .. .. .. ........ ..........
Idem ao Alferes Ribeiro....... .............. ... ... ..
Compra de diversos objects para fornecimento dos Armazens da Fazenda ..... .... ...
Entregue ao Escrivo encarregado do Brigue, . Jso de Castro, para compra de bois ......
Rancho aos degradados vindos na Barca, Novo Paquete. ............. . .. .
Gratificao s praas do Batalho no dia 15 de Julho Aniversari de Sua Magestade a RAINIA. .
Idem idem Companhia 'de Veteranos .......... .. ...... .....
Idem idem da Escuna, Angra .. .. .. ...... .. .. ..
Idem idem sWpras do Brigue, Villa Flor.... .. ......... .. .. .
Idem idem Marinhagem do Arsenal... .. .. .. .. ....

Liquidao ao negociante Jaintho. Jesus e Silva por transport de Empregados, Officiaes e Praas
de pret abordo do Lugre, Petulante, e Escuna, Enigma, para os Portos, segundo as suas liquida-
es N."9 1 a 7 ... .. .. ..- .. .. .... .. . . .. ..
Ao Capito da Barca, Novo Paquete, fretr de various objects mandados pelo Ministerio da Marinha
A Buda Cassimo. = Saldo da sua liquidaao N. 33...
A Curgi Damador, importancia de uma balana..... .. ..... .....
Gratlificaio s praas do Batalho no dia 16 de Setembro Aniversario de Sua Magestade EL-Rr..
Idem Companhia de Veteranos. .. .. .... .. .. ..
Idem Companhia Disciplinar. .... .. .. .. ......
Idem da Escuna, Angra,.... .. .. *.* ......... .. ..
Idem do Brigue, Filia F r. .. .. ................. ... .
Somma.. .. .. .... .


Thezouraria Geral da Junta da Fazenda 10 de Fevereiro de 1860. O Thezoureiro Geral A4dolfo Jeo Pinto de


1.7,94,879 16:9i931bi


275%350
i 4583907
33930
18 0,/77 1:2598934



6200 867P800

8U458

1144,170


240.000
519,%500


4:0755771


384~0O


1:095435


901$905

60,40o
1:3393500 3:918$740 4:3Oqt)74*


1$is0o
43&940


~og000
11400
Wl700
5 300
p600


29G$425
43;000
10$000
677'44"
4503<)00


Z9;376


1161~582
149)6i5






Magalhes


BATALHIO D'INFANTEBRI DE MOAMBIQUE N.o 1.
Ajustp de contos de fardamento feito s praas abaixo
mencionadas que fallecero durante o mes de Janeiro find.
Saldo


Sg Nomes -


B.8 102 Soldado Jolo Francisco Charrua 3 4310-- i
4.* 15 Idem Candido Jose 44000- ,
2 a34 Idem Manoel da Silva 5470- "
8.* 210Idem Manoel do Nascimento 4~27

S~mm 18 i055-

Quartel na Praa de S. SebastiSo 1.' de E'evereiro de 1860.= Luiz
antonio Ozorio, Tenente Coronel Graduado e C.umiandante.


1MOVIMENTO 00 PORTO DE M0AMBlOIQU.
Sde 1 a 17 ao corrente


EMBARCAES ENTRADAS.
Lo dia 18 -pangaie rabe, Laguis Passa, de 50 toneladas, Mestre


Ab, equipagem 8 pessoas, de Bombaim em 29 dias, com differentes gene-
ros do commercio.
SEMBARCAES SAIDAS.
No dia 10 -Pangaio Portuguez, Novo Viajante, de 20 toneladas, Pa-
tro Assane, equipag,-m 24 pessoas, para o Ilio, em lastro.
No dia 11 -Batel Portuguez, Dois Amigos, de 16 toneladas, Patro
Amade Abdalla, equipagem 10 pessoas, para o Samuco, em lastro
No dia 16 Pataciho de guerra Portuguez, Zambeze, de 80 toneladas,
Commandante o 2.0 Tenente d'Armada Real, Germano Augusto da Silva,
18 praas de guarnio, ] boca de fogo, para Quelimane e Inhambane, com
ferro, e agoardente, e mais generous de commereio, 12 passageirs, send 1
Negociaut, e 11 praas de pret.
Hiate Portuguez, Filippini, de 76 toneladas, Mestre Faquir Bya
Ismael, equipagem 13 pessoas, para Quelimane, com fasendas, e mais gene-
ros de commercio, 17 passageiros, e 6 criados.
Capitania do Porto de Moamibique 17 de Fevereiro de 1860. = Atonio
Maria Guedes, Capito do Porto.

ERRATAS DO BALANCETE DA JUNTA DA PAZLEIpA PU]LLICADO OBOLE-
TIM OFFICIAL N.o 6 DE 11 DO CORRENTE.
Capitania mr das Terras Firmes =Na .* linha emlugar de Maio de
1859 leia-se = Maio de 1858.
Hospital = Na 1.' linha em lugar de escreventes leia-se s= erventes, *
na 3.' em lugar de ditos leia-se = dietas.
Encargs. Gernes = Na 2'& linha em lugar de Maio de 1859 leia-se -
de~ ';.o e 1859.
MoAMBIQUE NA IMPPIRENSA NATIONAL.


-- -, i- i i -- --
I ---












BOLETI8 '


OiFICIAL


DO

8I0R o GERA DAi PIROMW1 IA DEl MOC UAOl fiE,
'Este.joletimn semanal ser publicado todos os sabbados e no Preo de asssigiatura por anro .............. r. 2800
dia antece feriado: ,assi4gna-se par:i o mesmo em Moantbique no Escri- a Por.tres mezes .......................... q
ptorio do Eistabelecimento da Imprensa Nacional e nos Dis- Por folha avlsa. ........................ n 080
trictos, nas Secretarias dos Governos on Commandos de E ~ I, V I? I Preo dos anuncios por linha.............. 040
Villas, as asaigna;tusrasao sempre pagas adiantadas. H 1 E l 1 IR Correspondenceas d'interesse particular, idem.: >4 i030


o m, cu .

GOVEI Uil O GERAL.


N.0 17.== De 6 de Fevereiro.= Dando Intruces ao
Comlmahdante do Patacho Zambeze.

N.o 20.-= No existindo na extenso, costa da Provincia
de Moambique um unico farol, que indique aos maritimos
vindos de portos distantes a sua aproximao aterra, e
que siiva de guia navegao costeira; e send este ob-
jecto digno da mais sria attenio, em vista dos prcjuizos
que podem resultar humanidade e ao commerco pelo
risco, a que, em taes circumstancias se'acliam expostas
as 'embarcaes; o Goverpador Geral da Provincia de Mo-
ambique determine o seguinte:
O Director das Obras Publicas de combina-o com o
Capito do Porto, tractara de escolher o local nas proxi-
midades da barra desta Cidade que for mais prprio para
a construcio de um farol, devendo o dito Director, logo
que se achar determinado o dito lionto, proceder de accord
com o' Capito do Porto, confeco do projectt, e or-
amento da respective torre, com a altura convenient
para que a luz seja vista pelo menos a 20 milhas de distancia.
O Inspector ter em vista, que para diminuir o custo da
torre, e em attnao difficuldade de obter a cantaria lavra-
.da, ser esta construco feita de alvenaria de pedra e caiada
para servir tambem de signal aos maritimos durante o dia,
O que se communica ao Capito do Porto, e ao Ins-
pector das Qbras Publicas para seu conhecimento e exe-
cuno na part que acada um respeita. Palacib do Go-
verno Geral da Provincia de Moambique 14 de Fevere-
ro de 1860. Joo Tavares d'Almeida, Governador Geral.
N.o0 21, 2 e 23. = De 17 de Fevereiro.= Dando es,-
:cusa do servio a 3 praas 'de pret do Batalhil d'Infan-
'teria de Moambique n. 1.

N.0 2 .I. Tendo sido mandada publicar e cumpri nesta
,Provincia a Carta de Lei de 21 de Julho de 1856, publi-'
:cada na Ordem Fora Armada n. 10 de 30 de. Junho
do 1859, pela qual so regulados os castigos correspon-


dentes aos diversos crimes de deseres militaes, e send
necessario para a sua complecta execuo, que tenham
vigor nesta Provincia as instruces provisorias da-Por-
taria do Ministerio dos Negocios da Guerra de 7 de No-
vembio de 1857, pelas quaes se remove alguns. emba-
raos suscitados tanto sobre a inteligencia como sobre o
cumprimento de alguns dos preceitos da mesma Carta de
Lei: O Governador Geral da Provincia determine que seja
publicada a referida Portaria, e se cumpram as suas dis-
posies no quefor applicavel; devendo adoptar-se tambeih
o formulario, juncto, para os Conselhos de Disciplina qce
devem julgar os desertores segundo a Carta de Lei de
21 de Julho de 1856.
As auctoridades a quem competir assim o tenham en-
tendido e cumpram. Palacio do Governo Geral da Provin-
cia de Moambique 17 de Fevereiro de 1860.= Joo Ta-
vares d'Alneida, Governador Geral.

MINISTEIUO DOS NEGOCIOS DA GUERIRA. $
Tornando-se necessario desde j, e em quanto se no
confeccionam os Regulamentos prescriptos no artigo 20.0
da Carta de Li de 21 de Julho do anno proximo passa-
do, que se removom as duvidas e embaraos suscitados,
tanto sobre a inteligencia como sobre o cumprimento
de alguns dos preceitos da mesma Carta de Lei: do que
tem resultado achar-se paralysado um grande numero de.
processes, com gravissimo prejuzo do servio e discipli-
na do Exercito, e grande vexame para'os interessados:
Manda Sua Magestade EL-RE, pela Scretaria d'Estado
dos Negocios da Guerra, conformando-se com o Parecer
Sdo Procurador Geral da Coro', e Consulta do Supremo
Conselho de Justia Militar, que interinamente se obser-
vem as seguintes instruces provisorias: 1.o As disposies
do artigo 4.o da mencionada Carta de Lei so applicaveis
a fodas as praas de pret, 'hajam ou no concluido o tem-
po de servio determinado por Lei. 2.0 Aos militares que
houverem desertado antes da publicao da referida Carta
de Lei, ainda, que apresentados ou capturados posterior-
meqte, no lhes so applicaveis as suas disposies devendo
ser julgados, segundo a Legislao anterior; todavia ser-
lhes-ha applicavel a nova L'epislaio, quando esta melhore
e no deteriore a condiio dos rus; e por,este principio
s se justificar por crime de desero a atusencia illegi-
tima do servio por 15 dias consecutivos; e por 30 dias
consecutivos pra es Soldados recrutas no 1.0* omestr*





-" "" f,


de praa. 3.9 As deseres posteridres promulgao da
Carta de Lei de 21 de Julho de 1856 sero punidas com
a pena nella imposta, sem penhuma contemplao das an-
tecedentes, por isso que a Lei no faz-distinco, e gene-
ricamente reprimne qualquer dellas com a sanco penal
rn'lla declarda. 4.0 Os desertores que.houverem tambem
.commettido outros crimes sero primeiramente julgados
nos Conselhos de Guerra pels crimes civis ou militares
diversos das deseres; e depois por estas nos Conselhbs
de Discipline, quando a pena d'ellas no estiver impedida.
ou absorvida pela sentena condemnatoria j proferida nos
Conselhos de Guerra. 5.0 Finalmente, nos Conselhos de Dis-
cipJina ,se, adoptar o foimulario que acompanha e faz
parte desta Portaria, e vai assignado pelo chefe interino
da Repartio Militar d'este Ministerio. Pao em 7de No-
vembro de 1857. = Antonio Rogerio Gromicho Couceiro.
Segue-se o Fomulario.

N. 25.-= Tendo em considerao-o desamparo e pe-.
nuri em que ficam as mulheres das praas de pret do
Batalho d'Infanteria de Moambique n. 1. e da Colonia
Military de Tete, quando seus maridos baixam ao Hos-
pital, faltando-lhes durante a doena d'elles os unicos
meios de subsistencia que tem: O Governador Geral da
Provincia de Moambique em Conselho, com o voto da
.Junta da Fazenda, em vista do art.0 3. e seu . unico do
Decreto de i de Agosto de 1856, determine o seguinte.:
l.oiAs mulheres das praas de pret do Batalho de
- Infanteria de Moambique n o 1., da Bateria d'Artilheria, e
da Colonia Militar de Tete, em quanto se achai'em n'esta
Cidade, quando seus maridos tenham baixa.ao Hospital
Military, serao, quando o sollicitem, abonadas de rancho, du-
rante o tempo que os ditos seus maridos se achem em tra-
tamento no mesmo Hospital.
2.--- Este abono terI/ logar por meio d'um valle feito
pelo respective Commandante de Companhia, rubricado pe-
lo Commandante do corpo, em vista.4o qual a Administra-
o do rancho do Batalho de Moambique fornecer o
rancho ou ranchos pedidos.
3.-0O Commandante do Batalho ou da Colonia faro
publicar em ordem regimental quando comea e quando aca-
ba o abono de rancho de que se trata.
4." -Este abono ser compi ehendido nas mostras res-
pectih s .do modo seguinte : Abona-se mais 750 ris mu-
lher d; SolMarad ou Cabo d'esta Companhia n..*. F. .....
.u~ c *in:u ranch 15 dias a rasCo de 50 rispor dia.
5.0- Os abonos assim feitos sero verificados em vista
dos valles diarios e das observaes de mostra.
6. -O numero de dias de abono de-rancho, quindo
tenha !ugar, no pode exceder ao numero de dias que a-
praa, de cuja mulher se trata, esteve no Hospital.
As auctoridades a quem competir assim o tenham enten-
dido e executem. Palacio do Governo Geral da Provincia
de Moambique 17 de Fevereiro de 1860.= Joo Tava-
res d'Almeida, Governador Geral.


1 AR 'l- I NA 0 o v I

Cultura do Algodo em Angola.
Rela',ario do naturalista o doutor Wel-
witsch, sobre a cultural do algodo.
Tenho a satisfao de assegurar,,a v. s." que send este


um dos objects a que especialmente dediquei os meus estu-
dos n'este paiz, e persuadindo-me ao mesmo tempo de que
o governor de S M. F., em cujo -servio, n'uma commisso
sqientifica, tenho a honra de me achar empregado, o tem
muito a peito, vou com o maior praser satisfazeres per-
guntas sobre os diversos pontos designados na referida sua
carta, offerecendo assim a v.- s. todas aquellas informaes
que estiverem ao meu alcance a este, respeito.
Se o algodo produz n'esta provincial ?
O algodo produz muito bem em quasi todos os dis-
trictos d esta 'extensa, provincia, uma vez que as esta-
es do anno corram regulars, e que as plants se achem
em terreno e exposio favoraveis, e isto se entende-nio
smente das diversas variedades do gossypium barbaden-
se e gossypium vitifolium, qjue so arbustivose j cultiva-
dos desde long tempo em Angola, mas tambem do algo-
doeiro herbaceo, gossypium herbaceum, da Luiziana, cu-
jas sementes, mandadas pelo governor de S. M. F. em 1858,
e distribuidas por mim aos lavradores d' alguns districts
montanhosos do interior, produziram logo no primeiro an-
no muito bem, apesar das grades secas que ento houve,
tornando-se,. no anno proximo passado, as colheitas do al-
godo d'esta especie, em algumas propriedades do Golun-
go-Alto, j assaz consideraveis.
Se o algodo indigena ou exotic, se annual
ou perennial?
.Para powder' responder cabalmente a esta pergunta,
cumpre me observer que as species de algodoeiro actual-
mente cultivadas em Angola- so trez, e vem a ser: 1.' o
gossypium barbadense (Lin.) com numerosas variedades:
2.' o gossypium vitifolium (Lam.): 3." o gossypium herba-
ceum (Lin.) ),da qual uma variedade, chamada em Luiziana
Buena Vista, desde poucos annos se cultiva' em alguns dis-
trictos do interior. Tanto esta ultima especie, como as que
so eralmente cultivadas gossypum barbadense, e. viti-
folirm-niio as repiito indigenas d'esta parte da Africa
Occidental, ainda que alguns ps dos mencionados, algodo-
eiros arbustivos se encontram crescendo espontaneamente
em muitos sitios desde a beira mar at ao remoto inte-
rior da provincial; mas a circumstancia de que estes p(s,
destacados sempre, se acham nas proximidades das habi,
taes, ou em sitios anteriormente cultivados, e nunca em
terrenos virgens, ainda que mais favorasves ao desenvolvi-
mento d'elles, esta circumstancia, digo, uma raso evi-
dente para qup estas species no possam ser consideradas
'omo indigenas da flora angolense, mas sim como introdu-
zidas, e depois uccessivamente espalhadas eela cultural.
Em respeito durao das species actualmento cul-
tivadas n'esta provincia, tenho a observer que tanto o gos-
.ypium barbadense como o_gosy.pium vitifolium formam
arbustos muito ramificados de 4 at.8 ps de altura, e so
por conseguinte perennaes. O gossypium herbaceum que.
quando cultivado' em regimes extra-tropicaes, annual ou
bisannual, se torna n'este clima equatorial tambem arbus-
tivo, no obstante florescer e fructificar poucos mezes de-
pois de semeado, exactamente como uma plant annual,
desenvolveido, porm, logo depois da primeira fructifica-
o, ramificaes lateraes4 as'quaes, tornando se pouco a'
pouco lenhosas 'formam j no fim do primeiro anno um
pequeno arbusto, o qual fica sempre rasteiro com os ra-
mos principles mais ou menos deitados no cho.
Dev-se, portanto, considerar todas estas species .d
algodoeiros como perennaes, com a differena de que a


- -410( I~ I~P- . i --- ;i ir i
'








g.'ssypiumn barbadense e o vitifolium duram por mais tem-
po que o gossipium herbaceum, e resisted melhor s vicis-
situdes do clima do que este ultimo, o qial porm fornece
um algodo muito mais fino, e geralmente mais preferido
nos respectivos mercados.
Qual a natureza particular do slo e do clima ?
Todos os algodoeiros so originariamente vegetacs das
zonas tropical, ou sub-tropical, ainda que muitas varieda-
des d'elle actualmitente so cultivadas com grande vantage
em quasi todos os paizes extra-tropicaes, aonde a tempera-
tura mdia do anno no se desvie, muito de 1 R; por
isso j se v que 'relativamente ao clima, a cultural do al-
godo n'um paiz situado todo na zona tropical como An-
gola encontra a mais favoravel condio possivel; e quasi
o mesmo se pde affirmar em respeito ao slo e terreno,
pois que o algodoeiro gosta principalmente da terra ffa e
substantial de mattas derrubadas, e terrenos virgens dan-,
do-se muito bem .nas encostas suavemente inclinadas das
montanhas, ao long de rios e ribeiros: exigindo, comtu-
do, para o seu prospero desenvolvimento, ser aBrigado
dos vents reinantes na estaco scca, e em Angola nomi-
nalmente dos ventos leste e sueste, os quaes causando gran-
'des e repentinas sccas, influem sempre desfavoravelmente
sobre as plantaes, destruindo s vezes, dentro de pou-
cos dias, as esperanas mais lisongeiras dos cultivadores.
Se a irrigao empregada na cultural
do algodo?
Segundo me consta por informaes fidedignas, e pelo'
que eu caesmo observe durante as minhas viagens ao in-
terior da provincia; a irrigao em geral fio enpregada
na cultural do lgodo, nem esta cultural se acha at agora
to desenvolvida, nem executada em tamanha extensor,
para exi'r os meios poderosos, e sempre mais ou menos
dispendiosos d'uma cultural em grande escalla.
Verdade que eu encontrei algumas plantaes d'al-
go.dto. que receberam irrigaes durante a estao secca,
mas isso s occasionalmente, por se acharem visinhas a
hortas ou a plantaes d'outros generous agriculturaes, de
onde se approveitou as aguas excedentes da irrigao, gui-
ando-as para o' campo dos algodoeiros. Mas como eu vi
muitas plantaes do algodoeiro arbustivo, e tambem ou-
tras do algodoeiro herbaceo, feitas nas encostas saves de
montanhas ao long de varzeas, que se achavam em optimo
desenvolvimento, e ricamente cobertas de capsulas tur-
gentes do alvo algodo, sem terem sido jmais regadas
artificialmente, julgo que se poderiam fazer grandes e van-
tajosas plantaes d'este genero valioso, mesmo sem irri-
gao, comtanto que a exposio dos terrenos destinados
a esta cultural seja favoravel, e principalmente quando abri-
gada dos ventos destruidores de leste e sueste, 'que no
interior do,paiz costumam soprar,i com perniciosa influen-
cia sobre todas e quaesquer plantaes, durante a estao
seca, a qual comea pelo melado do mez de maio, duran-
do at ineiado ou fins-de setembro.
Se esta cultural pde ser desenvolvida com
S facilidade ?
Tendo eu, como julgo, mostrado nas respostas s 1.8
e 3." perguntas que o clima d'esta provincia se deve con-
siderar como muito favoravel cultural das differences es-
pecies e variedades do algodoeiro, e send notorio que,
tanto nos district encostados beira-mar, como nos do
interior d'esta vstissinma provincia, immensos terreios ha
'cujo solo e a situaao e exposio vantajosamente se pres-


tam cultural do genero em questo, sem perjuiso d'ou-
tras culturas, fica evidence que por este lado no ha incon-
veniente nenhum para que a cultural do algodo se possa
desenvolver na maior escalla, e mesmo em extenso tama-
inha como ella em continent algum at agora no foi, nem
podia ser desenvolvida, pois seja-me permittido lembrar que
os' enormes resultados alcanados nos Estados-Unidos da
Armerica, na cultural do algo to, so pela maior parte de-
vidos fora- braal e d. constituio clinzaticamente muito
favoravel dos habitantes exportados d'este mesmo continent
africano, e da propria rino d'Angola, e raso nenhuma
se pode appresentar para que o indigena africano aqui, na
sua patria, no seu solo natal, no possa desenvolver e em-
pregar as mesmas foras phisicas,. e as mesmas faculdades
intellectuals, de que tantas proves d, e pelas quaes re-
sultados tamanhos se alcanam n um continente estranho,
uma vez que seja educado e guiado para esse fim.
Tambem existem outros, motivos "que me induzem a
prognosticar Q mais prosper resultado cultural do algo-
do n'esta-provincia, entire os quaes julgo dever lembrar
principalmente a circumstancia de que esta cultural ja no
primeiro anno pode dar algum product, e em todo o caso
no segundo anno; emquanto que muitos outros generous
colonies s6 do quinto at ao setimo anno principiam a
fornecer algum lucro ao cultivador. E de mais, ser com-
binada vantajosamente com a de outros generous, aprovei-
tando-se para outras cultures, onde o algodo, como acima
mencionei, quasi sempre d uma colheita favoravel, e assim
fica evidente.que os lavradores pretos, e tombem os brancos
menos abastadOs de. meios, ho de preferir a cultural d'unm
genero, que pouco tempo depois de 'semeado j reconm-
pensa os trabalhos e funds empregados n'esta cultural.
Se ha obstaoulos que se oppem a esta cultural .
e d que naturesa so?
No ha paiz nenhum, mesmo entire os mais adiainados
em agriculture, em.que a introduco de um novo genero de
cultural no encontrasse alguns obstaculos, mormente quan-
do-essa cultural exige ser executada em grande escalln, e
dirigida com cuidados particulares. Basta lembrar, n'esta
occasiao, que a introduco da cultura da batata na Prussia,
no reinado de Frederico o Grande, nao'foi alcanada se-
no mediante multas consideraveis e custa. de outras
'providencias e medidas coercitivas da parte do governor
prussiano, para d'este modo induzir os lavradores d'aqelle
reino a cultivarem o dito tuberculo, ento Io pouco apre-
ciado, e cuja cultural, pouco tempo depois, se generaliso
espantosamente, e com uma rapidez tal, que hoje em dia
lla se acha estendida com indizivel vantage para o gene-
ro human, sobre todos os paizes, e em todas as zonas do
globo terrestre.
Mas, fra d'este obstaculo geral, que s deriva d'uma
certa averso que todos os povos mais ou menos manifes-
tam contra a introducao de generous cul'turaes pouco co-
nhecidos, e contra manifestaes agricolas ainda no expe-
rimentadas e usuaes, accrescem aqui, na Africa tropical,
various outros motivos, que sobretudo no principio da intro-
'duco d'uma cultural em grande escalla, obstam ao.desen-
volvimento rapido de similhante culthra.
Um dos principals obstaculos result mesmo da bem
conhecida influencia do climax paia o ocio, e da immensa
fertilidade d'estes terrenos tropicaes, onde uma limitada
plantao de mandioca, um cantinho de milho e feijo, e
alguns grupos de bananeiras ao p da humilde choupana,
so mais que bastantes para sustentar lautamente e duran-


_ i_ i i -- -ii .. - I:







- .1


te'todo o anno os frugaes habitantes d'ella e onde mais o
occasional apanho d'uma poro de cera, e mel, ou o facil
alcance de umas pelles de antelope ou onas, fornece mei-
os bastantes para comprar o indispeisavel vestuario, que
apenas consiste n'um paninho de alguns palmos quadrados,
quando este mesmo no feito em casa de folhas de pal-
meir;as ou de casca de imibondeiro, que em toda a parte se
encontram. Achando-se assim satisfeitas, com grande fa-
cilid.de e sem cansao nenhum, todas as necessidades da
vida. claro que falta .todo o estimulo para emprego em
trabalhos penosos; e par esta mesma raso que muitas
empresas agricolas n'estas regies se tornam inexecutaveis
ou ao menos muito custosas, pela falta continue que iha
de sufficientes e aptos trabalhadores voluntarios.
Um outro inconvenient, que tambem impede conside-
ravelmente o desenvolvimento de empress agricolas na
Africa tropical, o costume geral que reina entire a po-
pulao preta de no se occupar o sexo masculine, entre-
gando a execuo de quaesquer trabalhos agricolas, domes-
ticos ou ruraes aos cuidados pouco acertados de suas nu-
merosas mulheres e creanas, costume este que natural-
mente deve diminuir e enfraquecer as'foras materials, bem
como a dexteridade, perseverana e experiencia necessarias
para a execuo dos trabalhos agricolas.
O terceiro e talvez o mais poderoso dos obstaculos
que difficultam os progressos da agriculture n'esta provin-
cia a lamentavel falta de cohimunicaes rapidas e bara-
tas entire o interior e os mercados da costa: e este'im-
pedimento torna-se, em relao cultura do algodo, tanto
mais grave e inportante por ser o algodo um genero de
grande. volume, e facil de deterirrar-se pelas demoras e
vicissitudes climaticas, com as quaes os generous actualmen-
te importados do serto, como o marfim, cra, azeite, gom-
ma etc. pouco ou nada soffrem. E para remover este obs-
taculo no basta s a construco de estradas, caminhos
lateraes, e cannaes, torna-se tambem indispensavel lembrar,
crear e experimental a fora motriz mais barata e idonea,
e ao .mesmo tempo mais prsistente n'este paiz para trans-
portfr. nos-caminhos, uma vez construidos, os various pro-
dactcs do interior para os portos de exportao d'elles.
Qaes sao actualmente os meios empregados \pelos
indigenaspara limpar o altgodo, e qual appli-
cao que d'elle fazenm ?

A separao das sementes (caroos) do algoda fa-
zem-na os indigenas actualmente por trabalho manual, ain-
da que lguns cultivadores do interior me expressassem
hastanie desejo de poder effectluar este trabalho penoso
por meio de machines adaptadas a esta operao; e a es-
te respeito julgo dever observer que, no caso de lhes serem
fornecidas algumas machines de descaroar, estas devem ser
da constrrcao mais simples possivel, afim de no se acha-
rem os proprietarios embaraados a cada moment com o
necessario concerto d'ellas, o que alis frequentemente acon-
teceria n'um paiz ainda no assaz provide de operarios e
artifices habilitados.

(Jornal do Commercio, concluir-se-ha.)

Movimento do Porto da Vilia do Ibo desde o l." ait 31
de Janeiro de. 860.
SEMBARCAES rE rATAS.
No dia 11 Pangaio Arabe, lVNunda, Mestre Gecha, de Zansibir em 11
-dias .cem fazedai 15 pessoas de tripula cp e spasgeiros,


No dia 23 Escuna Hamburgueza, Electric Flch, Capifito H. J. C. Zoo.
.der,'de Zanzibar em 3 dias, em lastro, 7 pessoas de tripulao e 1 passa.
geiro francez. ,
No dia 27 -Pangaio Arabe, Nasciry, Mestre Hery, de Zanzibar em 15
dias com fdaendas e mais gnieros, 11 pessoas de tripulao.
No dia 28 Barca Franceza Angelina, Capito Balandin, de Moam-
bique em 8 dias, com cauril e Igoardente, 19 pessoas de tripulaio, lpas-
sageio .portuguez el 1 criado.

EMBARCAES SAIDAS.
No dia 3 Lancha Portugueza,, Amina, Mestre Uaziri, para Moambi.
que com-urzella, 10 pessuas de tripulaito.
No dia 6'- Pangaio Arabe, Aligenge, Mestre Macham?, para Zanzibar
com cauril, 15 pessoas de tripulao.
No dia 24- Escuna Hamburgueza, Electric Flach, H. J. C. Zooder,
para Madagascar em lastro, 7 pessoas de tripulaio.
Lancha Purtugueza, Flor da Mtatibane, Mestre Faqui para Zan-
zibar com gergelim, 9 pessoas de tripulalo e 1 passageiro Bar'i.
No dia Pnio Arabe, asciry Mestre Hry, para Moambique
com fazendas, gergelim e mais generous, 11 pessoas de tripulao, 3 passa-
geiros send 1 Bati e 2 Munjojs.
No dia 31 Pangaio Porluguez, Novo Viajante. Proprietario'Jose Ma-
ria Dias, Pratico Assene, para Moambique com gergelim, 15 pessoas de
tripulao', 3 passageiros, send 1 Irancez e 2 pretos.
Quartel na Praa de S,. Joo do lbo 1.0 de Fcvereiro de 1860. = T'Pho.
doro Luiz de Souza, Condestavel da Praa. Est conform. Secretariat
do Governor no .lho 1. de Fevereiro de 1860. =.Jose Joaquim. lo.iz Ca.
bral, Alferes s Ordens.

Observaes meteorologicas na Cidade de Moambique nos
dias 4. a 15 de Jhneiro de 1860.
Barometro. Thermnometrpg Psychrometro Udo- -
(Presso) (Temperatura ) (Humidade) metro
Millimetros Gruiis Por 100 Millim-
nas
9 t m. 3 t- 9 m. 3 m. t .
1 -760,00-758,82-97,5-31,9-96,9-37,9- 9
2 -760,82-758,90-30,1-31,7-75,7-86,4- ,
3 -76140,-759,04-29,1-30,8-88,3-91,6-1- 17
4 -7U115-759,00-27,3-30,5-90,6-90,2- 55
5 -761,07-759,70-32,3-34.3-93,9-88,9-
6 -760(,55-758,51-30,5-31,1-92,6-91,3-
7 --.76(,95-758,80-28,7-32,9-92,4--89,8- 19 .
8. -760,40-759,75-27.8-32,7-86. 2-85,5-
Janeiro. 9 759,35-757,60--8,8---,7--92,4-90.3'-
10-760,17-757.!!80-28,3-24,8-88, --96, 44
I1-760,27-760,03-24,b--29,3-98,--97,6- 98
12-760 .-758,27-3S,5r-32,8-98',-89,5,- 16
:'-759,47-757,20-27,3-25,1-93,8-86,8-
1 --759,98-758,52-29,5-31,3-91,7-90,7-
15-760,7-757,07-24,8-39,3-91, -94,7-
Altura baromeirica correct.
Altitude do barometro 3,25 metros,
'lemperatura a sombra.



Em conformiidade da delibera.o da Junta da Fazenda, se fat public
para conhecimento dos interessados, que nos dias 27 e 28 do corrente mez,
se hade pagar n;a Thesoinaria Geral um mez de vencimento a todas as clas-
ses subsidiadas pelo cofre public e aos" Empregados que tiverem at
tI20000 reis, de ordenado annual, se pagar o mez de Janeiro do anno
findo. Contadoria Geral 23 de Fevereiro de 1860. O Escrivo da Junta. =
Jos. ZeferiAo Xavier Alves.

Errata do Balancete da Junta. da Fazenda publicado no Boletim Of-
ficial n. 7 de 18 do corrente.
Proprios Nacionaes e diversos rendimentos. = Pag. 30, na 11 linha
deve ler-se em seguida = quando ra Juiz de Direito desta Comarca.
dminiiistraio Ecclesiastica. = Na.5.a linha em lugar de fbril de 1859
= !i.-se = Abril e Maio de 1859, e na 7.a linha aonde se l 204 533 =
leia-se =204%533- :659 181.
A4dministrrin de Marinha. = Na 5.* linha em lugar de Junho de 1859
= lia-s = Janeiro de 1859.

.Icha-se impress e ienda neste Estabelecimento Tipographico, a Or-
denm i Fora Armada N.O 1 do corrente anno, pelo preo de 110 riis cadt
exemplar.


MOAMB1QUE = NA IMPRENSA NATIONAL.





GOVI3, I X 11 TE 0:i A

6I1h INO aG E RA L.:'


r" ----a. y- .m c "

.0 o -2G~6= Sendo de necessidade detrminar os uniforms'
.iilitares.,que se devem usar nesta Provincia adaptaido-os
.conrimodidade, dos individuos, s necessidades d servio,
,s condies do clima, e mais circumstancis, a fim de que
possa ser. appiov'ad pelo peobve'rno de S. M. e deffinitiva-,
m*itte doptado, um pl'iconr-eniente, e bem meditado:; e
bem Assim convindo 'fixar'a quiiidade, 'equalidade de to-
"dos os artigos e mais',roupla d'a ideni, que em attenao a4
.mesmas Circuislincias. se deve exigir que cada uma' ds
.praas de.piet, tenha para seW uso; no send tambei
'-menos necesssaribo estab'leer o meio mais adquado e eco-
nomico de se fornecerem tanto nesta capital, como nos
Corpos,, .eCppanhias.dos Districtos` que ora existem, ou
yenhfam. a existir, o os diffeteiites attigbs' de uniform, e
..vestuario,qwe conyier quie as incismns praas lenham, vis-
"ta a 'diliculdade, qie ha er ns Dino 'strictos de alinse po-
derem constituiti reiiglarniee os indispensaveis Conselhos
Administi tivos, e de -e poderem haver os objects nreces-
sarios para a ianufactira dos uniformss: o Governador
,Geral da, Prvncip de Moambique determina:o seguinte:
SUmii mis `sio compost do Coronel Commandatiite4da
Praa .de.S,' Sebastio C(ndido Maximo'Motls,. do Tenen-
te Coronel Grad~uado i~ia'nndante do Batalho d'Infante
ria de Moanibique1 N.'1'.' Lui- Atonio Ozo'rio, do-Majo
jGovernador, do Districio de Tee'Antonio Taares:~ de :Al-
ipeid,, do Major Js~h Pacificoe do Capito Commandante
Sda Colonia Militar, Delfinm '0s e deliveira; dos quaes a pri-
meiro servir de Presidente o ultimo de Secrettaio,: en-
carriada de proper 6 plano de uniforms' para os Officiaes,
Corpos, e :Companlias da IProvincid. '
'2.o~-A mesma commniss'o propor o meioi.mtiis con-
veniente de org-.nisa a d um Conselho Administrativo 'en-
.tral cuja sede seja nesta Cidade, para proceder mariufac-
turai,e destriuiaio aos artigos de fardamento; estabelecen-
do a mellor'forma por que issue conselho deve ser corns-
lituido; como deve funcionar eadministrar os funds que
s" hjami de pr sua disposio; quaes esses funds sejam;
.s arelaes offici'es que devam existir entire o refferidE Con-
selh Be a Junta de Fazenda e os Coihmindantes dos Cor-


pos, ou Companlias; organisando para isso os regulamen-
;tos necessarios, aonde se devem prevr' as diversas .hypo-
theses que, possam occorrer; a forma de se darem as con-
tas, e tudo o mais que convenha em relalo s circumi-
tancias desta Provincia. ,
O Governador Geral espera do reconhecido zelo, prati-
ca e conhecimentos especiaes de cada tim dos nomeados,
que elles satisfaro a esta incumbenoia com a maior bre-
vidade possivel, e' desempenharno esta important com-
miissao como mnelhor convenha aos interesses do servio,
publico, Paldcio do Governo Geral da Provincia de Moam-
bique; 2 de Fevereiro de 1860.,= Joo Tavares d'Aline-
-ma G-vernador Geral..

N. 27. = Determinando que tenha passage Com-
panlihalde'Veteranos 'por ter sido julgado incapaz, dp ser-
vio pela Junta de Saude em Sesso de 23 do corrente, o
Soldado n. 50 da 4." Companhia do Batalho d'Infanteria
de Moambique n. 1.' Manoel Feriro Neves.

SN.,28.-= Sendo necessario preencher o lugar de Ca-
pito-mr das Terras de Mugabp, per tcncettes ao territ-
rio da 'Bahia de Pemba, vago pelo fllecimto 'dl reguloMu-
gabo, o Governador Geral. da Provincia de Moambiqiue
attendendo proposta do Governador Interino do Distri-
to de Cabo Delgado determinea o seguinte-:
Snommeado Capitao mr das Terras d'e Mugabo,'per-
tencentes, ao referido territorio da Bahia de Pemba; o ie-
guio Mugabo(Jauara). Esta nromeao subsistir emnuan-
to convier ao servio; oiu S'ua Mgistde Ei.-R'Erno Mandar
o contrario; vencendo o. nomeado a gratificao 'iehsal de
quatro mil Iris estabell'cida por Portaria n. 8 de 1858
appro'vada por' S. M.'No paga'sello em atteno a ser uma
nomeao especil, sendo isempt'o do' pagmnto' de emo-
lumentos em qualqueri das, Reparties publicas da Pro-
Svincj p'els quaes tenha de transitar. .
As auctoiidades s quaes o conhecimento d.st' dceva
pertencer assim o tenham entendido e cumpram. Palacio do
Governor' Geral:da Provincia de Moambique 25 de Feveri-
: rode 1860.-.= Joo Tavares d'Almeida, Govern;dbr.Geral.

O%.-29. Attendendo; proposta feita pelo Tenente
Commandante interino'da Bateria d'Artilhera, e ao pare-
cer: dE Conselho? de, exame a que se :proeedeui para o,posto
de Furiiel da sobredita. Bateria, que julgou o Cabo da ms-
ma.nam? Vicente. Artonio. Marreirou, a"to' para e'"rer


S;.;..* ...^ ;; ;.. -.-- ..- . , . .






, Is ''l ;,rt sem',nal .tr. 'Iublieal]o tdosossabbadosefno l n n Preo de-asssignatura por anno............. r. 2 800
diantecedenteou naf." ferar.-egiiinl.qu.ando aquellefor a' 1 ,, l A Por seis mezes. ............,............. 1500
f.no, a. pn''' ameno em Mornimb : n qr- 3 Por trcs mzes ......................... ,r 800o
trio d, I t is.' lalprn'a Nacional e'nos Dis- Por oh avuls...... .... .. ........... 080
r i nas Secretarias dos Governos ou Commandos de t nn A Preo dos nnuncios po -linha................ 040
y., iaas aasignatfiras sie o ,e re pa-rn aliiantada .s 1 IM l U Cortespnde.ncias d'interesse particular, idem.. 030






"'~`"` V


aquelle posto; O Governador Geral da Provincia de Mo-
ambique determine o seguinte:.
promovido ao posto de Furriel da B-ateria d'Artilheria
o Gabo da mesma n.0 7 Vicente Antonio Marreiros
As auctcridades a quem competir, assim o tenham en-
tendido e cumpram. Palacio do Governo Geral da Provin-
cia de Moambique 27 de Fevereiro de 1860. ==Joo Ta-
vares d'Almeida, Governador Geral.

ADMINISTRA1O DO CONCELHO DE MOAMBIQUE.
Mappa dos Ceraes entrados no mez de Fevereiro de 1860
jdos diffrenles Districtos do Sul a Norte.
Arroz......... ..Panjas ............. 180
Milho fino......... .............. 1:728
Dito grosso...;.. .............. 52'2
Feijo ..... ..... ........ ...... 670
Mendbim. ........ .. ......... 120
Maacaca.......... ..........43
Soman ... ........... ....... 3:65(
Administraio do Concelho, 1.0 de Maro de 1860. O
-Administrador do Concelho -Amilcar Barcinio Neves.

Relapo demonstrative dos baptismos e.casamentos, no
niez de Fevereiro de 1860.
aptismos ... ... . .. .. 3
Gazamentos., ... . .. .. ..
Igreja da S Matriz de Moambique 29 de Fevereiro de
1860. O Prior= Padre Joaquim da Virgem Maria. Est
conformm. Administrao do Concelho de Moambique. 1.0
de Maro de 1860. O Administrador do Concelho =Amil-
car Barcinio Neves.

Relao mortuaria do mez de Fevereiro, de 1850.
SEXO MASCUtiNO.
No dia tl.- Manoel, filho d- Eusebio de Souza Rego,
naturall de Moambique, edade 7 dias, christo.
No dia 9 --Assan Cassimo, filho de Cassimo Bod, na-
tural de,Dio, edade 50 annos, casado, ijahometano.
No dia 10-Alvaro Jose Ramos, filho de Antonio Jose
itamos, natural de Chaves, edade 33 anons casado, christ'o,
.Delegado do Procurador Regio da Comarca.
No dia 12-Paschoal Salvador da Cruz, filho de Jose
. da Cruz, natural de Goa, edade 22 anns,:solteiro, christo,
Spreso.
SNo dia 17-Duarte Aurelio de Menezes, filho d'An-
Stonio Blthazar de Menezes, natural de Goa, edade 56 an-
nos, solteiro, christo.
No dia 26 Joo Manoel Gil, filho de Francisco Luiz
Gil, natural de Vallado do Minho, edade 59 annos, viuva,
..hristuo, degradado servente do Arsenal
SEXO FEMENTNO. ,
No dia 5-Maria Luiza da Purificao, filha d'Anto-
aio Joaquim, natural da freguezia de N. Senhora de Mon-
chique, edade 38 annos, viuva, christ.
No dia 18 -Feliciana de Jesus, filha de Pedro de Ramos;
'iatral da Ilha da Madeira, edade 38 annos, casada, christ.
No dia 23- D. Maria Josefa Nogueira, filha de Anto-
i ni Jo0se Nogueira, natural de Goa, edade 78 annos, viu-
Ta, christL.
No dia 25 -Joaquina Roza, filha de Maria Izabel, natu-
Sal da'Frguezia de S. Paio, edade'40 annos, casada, crista.
N. B. Falecerm mais durante o mz"17.prags..endo


14 do Batalho d'liifanteria de Moambique N. 1, da
Bateria de'Artilheria,1 da Companhia de Veteranos, ei da
Colonia de Tete; '-
'Administrao do Concelho de Moambique 0 de Mar-
o de 1860. O Administradoi do Concelho AmilcarBar-
ci io Neves.

ARITIE NO, OFFI.CU L,

CULTURE DO ALGODO EM ANGOLA.
Concluso do Relatorio db naturalista o doutor
W elwiisch, sobr-a A cultural do, agodoe --.
A applicao que os indigenas fazemdo algodo consist
principalmente na fabricao de pannos (tangas), cintas,
meias, bolsas e barretes, para. seu vestuario, e de redes
muito bem feitas para tipoias; tambem o empregam para
tecer d'elle saccos, -mais ou ~aenos- densos,.para o trans-
porte de farinha e fuba de.mandioca, deginguba, de goni-
mas e sobre tudo de urzella ecaf; alguma poro appli-
cada para torcidas de vellas e. alampadas, e certa quanti-
dade, principalmente do que cultivado em Mossamedes,
exportado para Lisboa, aonde, conforme sou informado,
no anno proximo passado j alcnou soffriveis preos.
Se os indigenas possuem boas seamenes de algodo, e se se de.
dicarao cultural d'ellas no caso de Ilies serem fornecidas ?
\ A exeepo d'alguns lavradores do Golungo-alto, Ca.
zengo e Ambaca, aos quaes eu dislribui, durante a mirha
estada n'aquelles districts, por ordem do Governo de Sua
Magestade Fidelissima; uma poroo de semerites d'algodo
da Luisiana, no me consta que os indigenas estejam na
posse de sementes de boa qualidade. O algodo geralmen-
te cultivado em Angola no desuperior casta, e fornece em
todo o caso um product muito desegual, como natural-
mente deve resultar d'umacltuia.pouco cuidadosa, e da
continue mistura, ou antes crusamento de especie ou va-
riedades degeneradas.
:Ha, portanto, bastante falta de semente's boas, e sen-
do estas fornecidas gratuitamente e a tmpo opportunq, te-
nho por certo que a maior parte dos lavradores intelligen-
tes se haviam de dedicar cultural d'ellas, m6rmente quan-
do os preos offerecidos, ao product recompensassem os
esforos e as despesas empregadas n'esta culture.
Tendo assim respondido, conforine o meu fraco en-
tender, a todas as perguntas que. y.s." me propoz na sua
estimada carta, resta-me ainda acrescehtar algumas breves
consideraes sobre os meios que.julgo mais aceitados pa-
ra promover e generalisar a importantissima cultural do
algodo n'esta provincia d'A0go'la.
S1. A cooperao energica e perserverante'da part do
goveino geral d'esta prpvincia, e bem assimn dos respecti-
vos chefes dos differences districts, afii de que todos os
lavradores, que desejarem applica;-se culiura do algbdio,
sejam foi necidos, conform a possibilidade, dds necessa-
rios trabalhadores indigenas, tanto para a cultural, como
para o transport do algodo colhido, gosando d'este-mo-
do das mesmas vantagens que teem os cultivadores do caf.
S2. A cooperao.sincera dos proprietarios mais abas-
tados e intelligentes, que pela sua posio e authoridade,
e mais ainda pelo seu exemplo,, podem influir benefica a
efficazmente sobre a populao, indigena dos respectivos
contornos induzindo-ae animando-a para a dita icltlura.
.3.o- Ensinar, a educar e moralisar a populaho preta







SUPPLEMENT AO N. 9




BOLE TIP M OFFICIAL

DO

OVERiNO -GENAL BIA P ROVI I AE DEl, Mj 0 11.,


QUINTA FEIRlA 8 DS MARO'DE 1 60. ,


MINISTERIO DOS NEGOCIOS DA MARINA R ULTRAMAR'
Portaria.
N.o 94. Circular. -Havendo Sua Magestade A Rai-
nha A Senhora Dona Estefania fatlecido no dia 17 do cor-
rente pela uma-hora da madrugada, no Real Pao das Ne-
cessidades; e Tendo Sua Magestade EL-REI Resolvido em
demonstrao de sentiment pela infausta morte da Rai-
nha, Sua muito Amada e Prezada Espoza Encerrar-se
por oito dias, e que, s tome luto por seis 'mezes, send
trez mezes de luto pezido e trez aliviado: H por bem Or-
denar, que durante oito dias successivos-se suspend o
Despacho em todos es Tribunaes e Reparties Publicas
nas Provincias Ultramarinas exceptuando as cazas Fiscaes;
e que se faam todas aquellas demonstraes que costu-
mam ter logar por occazies similhants : o que assim se
communica, pela Secretaria d'Estado dos Negocios da
Marinha, Ultramar ao Governador Geral da Provincia de
Moambique, para seu conhecimento e execuo ; deven-
do expedir as convenientes ordens s Authoridades Ec-
clesiasticas para que se faam pela Alma da fallecida Rai-
nha os devidos suffragios. Paoem 18 de Julho de 1859.
= Adriano Mauricia Guilherme Ferreri.

GOVERNOR GERAL.
Portaria.
N. 3Sf.- Sendo communicado a este Governo Geral,
por Portaria do Ministerio dos Negocios da Marinha e Ul-
tramar, .0 94 de 1859 a infausta noticia do fallecimen-
to de Sua.Magestade A Rainha A Senhora Dona Este-
fania, que teve logar no dia 17 de Julho de 189 -pela
uma hora da madrugada: o Governador Geral da Provin-
cia de Moambique, em conformidade com a referida Por-
taria, ha por convenient determinar, que n'esta Provin-
cia se faam as demonstraes de just sentiment por
to sentida perda: que se suspend por spao de oito ias
o despacho dos Tribunaes, e mais Reparties publicas,
exceptuando as. cazas'Fiscaes; e que se tome luto geral
por tempo de 6 mezes, sendo tires de luto pesado e tres
aliviado, tudo contado desde o dia 9 do corrente mez
n'esta Capital, e nos mais Districtos do dia, que for de-
signado pelo respective Governador.
As auctoridades a quem competir assim o tenham en-
tendido e cumpram. Palacio do Governo Geral da Pro-
incia de Moambique 5 de Maro de 1860= Joo Ta-
vares d'Almeida, Governador Geral.


Secretaria do Governo Geral.
SN. 50.--Ill.m Snr,--D'ordem de Sua Ex.' o Go-
vernador Geral da Provincia, tenho a honra de enviar ;,
V. S." a inclusa Portaria para que a Camara a que V. S.'
preside a faa cumprir na parte respective, dando co-
nhecimento ao public da infausta more de Su.a Ma-
gestade A Rainha A Senhora Dona Estefania por meio
de bando, como de estilo e costume, e mandando pro-
ceder aos officios pelo eteino repouso d'aquella Augusta
Senhora na S Matriz d'esta Cidade no dia 10 do cor-
rente mez, s 10 horas de manh, aos quaes devera as-
sistr .a Camara em corporao, todos. os Empregados e
habitantes. Deus Guarde a V.-S. Secretaria do Governho
Geral da Provincia de Moambique 5 de Maro de 1860.
-=Ill.m Snr. President da Camara Municipal de Mo-
ambique.= No impcdimepnto do Secretario Geral. O
Official Maior interino. Francisco Ferreira de Mello
Portugal da Graa.
N. 51. = Circular.= I1.mo Sr. =Tenho a honra de
enviar a V. S. de ordem de Sua Ex." o Governador Ge-
ral da Provincia a incluis Portaria, para os devidos cffei-
tos, esperando que V. S." assist no dia 10 do corrente
mez, s 10 horas da manh na S Matriz d'esta Cidade
s exequias pelo eterno.descano de Sua Magestade A Rai-
nha A Senhora Dona Estefinia, de saudosissima memo-
ria. Deos Guarde a V. S., Secretaria do Governo Geral
da Provncia de Moambique 5 de Maro de 1860.=
Ill.'o Snr. Doutor Juiz de Direito desta Comarca. No
impedimento do Secretario Geral, OficialMaior inte-
rino. = Francisco Ferreira de Mello Portugal da. Graa.
Identicas a todas as Auctoridades Civis, e Militares.

N.O SS. Ill.1' Sr. =Tenho a honra de enviar a V.
S.' d'ordem de Sua E.x' o Governador Geral da Provin-
cia para sua intelligencia e devidos effeitos, a inclusa
Portaria d'esta data. prevenindo a V. S.' que os oficios
funebres devem ter logar no dia 10 do corrente wmz, s
10 horas da manha, afim de que V. S.a providencie so-
bre este object, para que no referido dia s horas men,-
cionadas elles possam ter logar. Deos Guarde a V. S.' Se-
cretaria doGoverno Geral da Provincia de Morambique 7
de Maro de 1860.=IlIi."" Sr. Administrador da-re-
lasia de Moambique.=No impedimento do Secretario
,Ieral. Q Official Maior interino.= Francisco Ferreira
de Mello Portugal da Graa.
MOAMRBIQTE NA. IMPRENSA NACIONAl.,


-~bPRiRbliii4l~lb~e~BBB~$B~B~e~~~B~a$lB~








combatendo a polygamia e o 4ue,quasi todos vivem, e fa-
zendo-lhe comprehender e avaliar o preo do tempo. :
4. o estabeleciment6 de uma casa'de agencia ri capi-
tal com algumas filiaes ios-districtos mais populosos- da pro-
vincia, as quaes achando-se sempre suppridas de boa por-
o de boas sementes de algdo, poderiam effectuar*e di-
rigir a distribuio d'estas; servindo ao mesmo tempo de
locaes para a exposio public das mais adequadas ma-
chinas e ferramentas, que em paizes climaticamente analogos
so empregadas ina cultural e limpesa do algodo, bem co-
mo no acondicionamento d'elle para exportao.
5.o-A impresso em lingua portugueza, para distri-
buio gratuita, de folhetos em que so ensinados os.me-
ihores me'thodos de cultural do algodo, illustrada por es-
tampas xylographicas, tanto as species e variedades ma-
is vantajosamente cultivadas do algodo, como as machines,
e ferramentas indispensaveis erecommendaveis para a cul-'
tura d'estd genero em grande escala.
S6.--Estabelt er alguns premios aos cultivadores, que
no decurso d'um tempo determinado, apresentarem os me-
lhores resultados na cultural yossypina. Estes premios po-
dem consistir, part em dinheiro, e part em ferramentas'
e machines acima mencionadas, ou tambem em generous
de commercio.
7.-Estabelecer preos fixos para a compra das di-
versas qualidades- de algod6 produzido, e comprar a 'este
preo sem demora toda e qualquer quantidade d'elle que
apparecer. Os preos assim oflerecidos aos cultivadores
"devem ser estipulados, mormente no principio, edi retao
e harmonia com o fim para .que so estabelecidos, isto ,
:d'evem ser animadores. :'
8.-- Finalmente no posso deixar, de lembrar n'esta
occasio, que seria muito convenient annexa'r a'cada uma
das agencies que se estabelecer uma pequena hortaservin-
do de jardim experimental e de aclimatao, em que as
-culturas mais adequadas s varias species e variedades de
algodoeiros se possam preliminarmente ensinar; e onde os
curiosos cultivadores possam tambem receber instruco
pratica na cultural d'estes utilissimos vegetaes. .
Ficam concluidas as consideraes scientificas do dis-
'incto natuahlista.
S(Jrnal do Commercio.)

COLONIA DO CABO DE BOA ESPERANA.
Breve. noticia por Alfredo Duprat.
foi np anno de 1828, debaixo do excellent governe de'
Sir Lowry Cole, que esta, colonia principiou systematica-
inente a progredir, -augmentando de uma maneira espan-;
tosa as suas produces, o seu trafico, os seus 'rendimen-
tos a sua alta importancia como uma das Colonias, mais
"florescentes da, Cora d Inglaterra; e como illustrao.
d'isto" bastam alguns breves dados estatisticos relatives es-
pecialmente 6 sua exportao, da qual a I, vinho, couros,'
formam os principals items. N'esta colonia a, exportaao
dla la foi assim:
SEm 183 .... .. .. .. 113:077 arrat.
Em 1843 ... 1 .. A.75 ;733
SEm 853. .. .... 7.864:608
Em 155.. .. .. .. .. '12.016:415
SEm18'6.. '.... .. .14.920:988
Ein1857... .. .. .. 6.000;000
Sem duviwdheusa'surpreza este uniform e rapido.progres-;
so4io assim me8mo 'offerce esta colonia maisvastQoespago pa-


ra melhoran0S ptos, A exportao dos vinhos foi a seguinte:
Sales valor
Em 1853.. .. .. 271:767 26:799 L.
Em 1854 .. .. .. 361:253 39:165
Em '1856.. .. .. .. 616:749 72:000
'Em 1857. ..... ". 923:666 137:000
Sem contar a immensa quantidade que se consome no
interior.
As minas de cobre produziram, durante os cinco anncs
precedeiites; a saber:
Em 1853... .. .. .. .. 227 tonel.
Em 1854. .. .. .. ... 1:084
Ei 1855... .. .... 1:895
Em 1856,.. ... .. ...... 2:669
Em 'i 857... .. .... ... .. 3:500
Mineral,'contendo 30 por cento de cobre, no se po-
dendo transportgr- immensas quantidades de mineral mai*'
inferior, por.serem mui dispendiosos os meios de co'iduc1,o'.
Logo, a.,exportao d'esta colonia subiu n'este anno ac va-
lor deL. ,2.000:000, e a sua importao foi de L. 2.50':(i00.
SLnanando a vista sobra os rendimentos colopiaes e gas-
tos. nos ultimos vinte annos passados, acha-se a mesmna ia-
dicao de progress e prosperidade.
S'Em t837 foi o seu rendimento. 167:037 L.
Em 1t847... .. .. ... 222:014
Emr 1857.. .. ... .. 400:00)
Passando porm aos mappas estatisticos conve:n fazer
algumas. bserva,es sobre o aspect industrial, politico e
social d'esta colonia.
Muitos melhoramentos se tem effectuado. da!ilo-se
principio, a um' novo systema de irrigao, de grades es-
tradas abertas afravs' d' altas montanhis, promettedilo so-
bretudo aindad maiores interesses os'novos caminhos de frro
que em breve se principiaro, dando iugresso a um con-
tinuo fluxo de immigrao europea.
Sobre a posio social d'esta colonial sufiiciente dizer
que ge.almente so os seus habitantes pacificos, honestos
e-dados religio: os crimes s se encontram nas classes
as maiis baixas d'est communidade;'-attendeu o Govrno
devidaniente educao do povo, e desde vinte annos a esta
parte, que o system de educao adoptado tem preenchido
devidamente o que delle se esperava; comtu'la esse mesmo
system necessita de algutna alterao, visto o grande aug-
i'enrto e prosperidade d'esta communidade. Na proxima ses-
so do Parlamento, uma das questes mais importantes a tra-
tar, ser sem duvida a reorganisao das instituies deoedu-
cao, sobre bases mais amplas, firmes e comprehensives.
A legislature ria sesso do anho findo adoptou: viria~~
mportantes medidas para o melhoramento d'esta'colonia,
entire. as quaes se contam a introducoo de emigrados de
todas as classes, lespecialmente trabalhadores, creados,'ope-
rarios de officios ,mechanicos, a reduco dos direitos de
:transmisso nos bens de raiz e: a edificao de novas pri-
ses, a cohstriico'de um porto de refugi, a cohstruco
dos caminhos de ferro.
SPublicaram-se valiosas obras, entire ellas o Diccionario
'do distincto Missionario Mr. Dohne da lingui zula cafi-e,
o qual, ino obstante o seu valor intrinseco. 6 unico Dio-
cionario d'eta lirngua' africana ainda publicado.'

S CABRA DE ANGORA.,
Commis o Mixta da cidade do Cabo.=l N.* 10.=. Ill1."


II II I I II I iii~






''e0


e Ex.mo Sr. -=No 'segundo numero de uma pubIicac o
mensal The Cape onlyy Magazine, vem transcript uma
Memoria de Mr. Julius Mozenthal-sobre a introdcc'o -do
Angora Goat, cabra:de Angora n'esta-colonia. Alguns de
estes valiosos arimaes foram: trazidos aqui .de4tempos a
tempos lda sia,.porm nunca em numero sufficient para
formao de rebanhos' de:,-pura ra,a, nem. mesmo para
alterar at certo ponto o character d'aquelles aqui nas-
cidos. .., -- v ,
A cabra do Cabo, da mesma maneira.que o carneiro do
Cabo, a que chamam de cinco quartos,-no produz l ~al-
gumn; a cabra de Angora, comO o carneiro merino, pro-
duz um vello de 'l de grande valor; o preo da l 4a ,ca-
bra de. Angra, aida por 1 soldo e 11 dinheios a2 soldos
e 2dinheiros por libra, e uma cabra crescida produiz um
vello annualmente -de tres a quadro libras'de peso no va-
lor de shrllings a 8 soldos. No decurso de vinte a trinta
annos, de seis a oito milhes de caineiros do Cabo se trns-
formai'anm, de um rebanho ddstituido de la,:em outros de
ella hem cobertos, tudo pelo' constant augmento ou ac-
cesso de animaes superiores :'ihdos: da Australia e da Eu-
Sropa, em pequeno numero e no com grande despeza.
mais do que provavel que uma similhante mudana possa
vir a effetuar-se no character dos 'rebanhos das cabras que
aqui' se contam aos -milhares.. Os vastos terrenos que
primeira vista parecem. estereis e sem vegetao apparen-
te podemn dr sustento a immensos rebnhos.d'estes ani-
maes. -
O valor annua-da'l, dos carneiros em produccio n'os-
ta colonial anda por um milho de libras sterlinas; ppis
.proviavl que com a mesma prudencia e preveno os la-
-vradores do Cabo possam addicionar outro milho an-
-nu'lmente de vellos de l da cabra de Angora.
A pr'mira 'experiencia teve logar ha cousa de quinze
-e.anos :feitapor: um, Coronel da~ India, aqui com licena.
O numero era pequeno, e as difficuldades, de qbter a,raa
I:pi.rn muito: 'miores' do; que linl. im os importadoresdo;car-,
-necro meririo ; comtudo algufas d'ellas foram introduzidas
.em various districts d'sta colonial. ,
No.distriepo de Winterfeld,existe um rebanho de ca--
Fhras de Angora, abastardadas, de seiscentas a setecentas:
c,-'ens ; n pelo mui branco e comprido, porm, no se,
tendo introduzido, entire, ellas nova. -aa ou novo sangue
por, muitos annos, .,orno.u-se a sua l: aspera e sem valor,
aigum. Mr. Mozeinthal, negocian:te d'esta;,praa, obteve em:
fim. depois de grande esforo9s importer aqui grande nu-
inero d'aquells :.cabras, .que se venderam de. 100, a 120
L. por cabea. : ,' .
'Com o moviment.e commercial, de dia para dia com os:
.paizes apnde abundam,aquellas species, por via do Medi-
terraneo, Mar Roxo. eGolfo Persico, espera-se, que dimi-
nuirao as grande. difficuldades de se obterem, se oqon-
:summo vier aaugmentar gradualmente. : i.
A introducao, de similhantes animals, nodigo s.em
.Portugal, mas nas,-nossas colornias, tanto a..Oeste como .a
Leste, deve vir a ser um dia a origem de grades melho-:
rrameinos,' e de.ieportao, induzindo; os naturaes a entre-'
,garrem-se a um luidado inteiramente de seugost, popis sen-
dielles,pela maior parte povos nomades, o cuidado de at-,
tender a seusribanhos augmentar em proporo dos no-
vos recursos e novas commodidades que lhes ho de pro
vir da venda do product de seus rebanhos outr'ora nullos.!
.(, Annae. do Cqnselho. Ultramarino, Concluir-se-ha,)
'* '* *' '-*' 1 '--^ **- **:.^ ^ .


)V1~i'mi\TO no POwic i I IOA IBIO',.d
Sde '18 de Fevreiro a 2 do corrente

EMBARCAES ENTRAIDAS'.
No dia 25.-Barca Americana, Nubia, de 510 toneladas, Capito Jhq
B. Ashby, equipagem.16 pessoas, 1 boca de. fogo, de Salem em 93 dias coma
differences generous de commercio, 1 passageiraiSenhora do Caijito.' ;
*io dia 26-Pangaio Arabe Ramo Passa, de 84 toneladas, Mestre Aar
da Narany, equipagenm' 12 ipessoas, 4 bocas de fogo, de ,Bombaim em X9
dias com differences gencros de commercio, 1 passageiro padre gentio
EMBARCAES SAIDAS.
;No dia 25 -Patacho Americano, Separd, de 167 toneladas, Capito John
C. Pond, equipagem 12 pessoas, para Zanzibar, com diffrentes generous com
que entrou '"este porto;:, passageiro .Americano, sobre .carga.donavio.
SNo dia 25-Pangao Arabe, Jacimine, de 20 toneladas, Mestre Faque,
equipagem 11 pessoas, para os'Portos de Madagascar em lastru.
Capitania do Porto de Moambique S de Maro de 1860. Antos4i
*Maria Guedes, Capito do Porto. : .


O Doutor Jose Ignacio d'.Abranches Garcia, Juiz de Direito com ai.
ad4 nesta Cama)rta de Manambigue. e seo termo por Sua Mfagestade Fi.
delissima a Quem Deos Guarde etc.'
Fa saber que no dia 5 do corrente pelas 3 horas da tarde, na rua
de Thesouro; nas cazas que forHo do fallecido Joee.da Silva. arao alh se
vendero em hasta public os trastes de ouro e prata, objector dGeuzo e ma-
deiras para obras, pertencentes ao cazal do dito Carro; devbndo continuar
at finalizar-se E para que chegue ao conhecimento de 'todos mandei ai-
xar 'este nos lfugares ~d Eu Francisco Felizardo Sauds de Carvalho, que subscrevi; = Jose Ign.s
cio d'4ranrhes Garcia. .


'A Camata Milaicipal desta Cidade annuncia paraIcohecimento do pg.
lico o seguinte :, .
i. -Que contractor a arrematao e fornecimento .das carnes verses,
)ara o consumo dos habitantes do Municipio, durante os ;la, Tiezesido ..1,
de Fevereiro' do corrente, at 31 de Janeiro de 1861, com Man ..l Marce-
iio, morador na Praia Grande.
2.. Que pelo: contracto- com o dito arrematante Manbel Mardelind,
"elie obrigado a ve'nier ao public em todas as 5'.:" feiras e Domingos, a
carne necessaria para o consume ordinario.dqs habitantes do ~pnicipio, e
que se no pode recupir a vendei-u a qualquer que se present; munidd do
c.,ni.e.inlte dinheiro para a cmprir. ,'.
S3.. -~Que obrigado a matar cobn preferencia..acc.a, nos sulpratnencio-
nados dias, porem que, poder. suprir essa falta quando a no haja,.matan-
do carneiro, cabrito, ou porco, sem que lhes possa, por forma alguma aug-
mentar o preo actual; por que' antes lie';ieve' fazer a.equidade possivel
iopreo. E que as rezes devero ser gempre mortas na vespera A tarde dos
ditos dias, depois de serem examinadas pelo Administrador d Concelho,
afim de conhecer do seu estado, e para o que lhe 1 '*l parte previamente.
4. -Que e livre a todo e qualquer Cidado, particular ou logisla, ma-
tar para vender em qualquer dos.dias.da semana, except s 5.0" feiras e
Domingos, que perteuce ao arrematante, rezes de qualquer qualidade uinio
vez que paguem' ao ,reihatant. os direitos estabeloilosa de,5 ris par li-
bra, except temias, que ilo scjao de gado vaccum, dndo parte ao arre-
matenfe para fazir. a,rrobao e,rceber os direitof, devendo em todo o
caso malarr .nvespera do dia enl qpu quizerem vender a care verde, e
dar-anmbem na vespera bem coimo ' rrematante, parte:ao ArdminisIador
'para:este fizer examiner as rezes. ,. \
'..4 -.-Que livre pelo mesmo contrato a qualquer Cidado particular ou
logista, o powder matar em qualquer dia da semana,. as rezes que quizerem
e5mpregar em seu consumo,' sem que para isso:-catam de licen 'algrme,
nem tenham de pagar imposto algum,;cnm tanto que. no vendam p. rik,, al-
Sguma de care verde, -porque nesse caso so obrigados ;taixa.estabelecida
ea dar part ao Administrador para a rez set'xaminaa' :' '
*" '.6 Finalmente que o arrematante, 'no:caso de faltar a qualquer de
condies, deste contract pagar de multa.pela 1.a-ez 50,00. ris e.o ,do-
u.bro nus c is6s de reincidencia,.a favor do Cofre do Municipio. E que o par-
ticular ou logista que 'matar" para-vnder ao ublico,' ios dias que lhe "
permittido fazei-o, rez alguma sem ser inspecionada;pelo Administradot.ie
sem d(ar-patte ao arrematante para este 'lhe fazer a arrobao e receber a
cmpetente taixa, incorrena pena' de perdimento da carn e pagar 'alem
disso de multa 1000 ris. com os competentes direitos, pela l. ,v.e-, eo
dobro em cada uma reincidencia em favor do arrematante.E que, o que
no/ der part A'dminiistraao para a rez ser examinada, incre nas
mesmas penas, a favor do cofre do Municipio e do descibridor. ::,
Camar Municipal 'de Moambique 28 de Fevereiro de -860.. OErscrivo
interino Caetano Paulo Gomes. O Presidente da Camara A Guilh/erml
Henrique Dias Cardozo. . '.
:'" .. . -- ' ......... ,'... "


MOMBQU N' IMWS N;cO~~ ; = ;I


~;- ~. Wl -- -- . - 1 -- -- ---


!












BOLETIM


OFFICIAL


DO



Este Boletim senanal ser publicado todos os sabbados e no Preo de assaignatura por annu............. r .. 10O
dia anteced(ente ou na e.a feira seguinte quando aquell for O A D .1 II Por seis mezes........................... l500
feriado: assigna-se para omesmo em Moambique no Escri. l Por trcs mezes ....................... >, 800
ptor.io do Estabelecimento ria Imprensa Nacional e nos Dis- I Por folha avulsa. ....................... d8
trictos, nas Secretarias dos Governos ou Comimandos de n 1 n n A Preo dos annuicios por linha............... 040
Villa, as aseignatiuras so sempre paRas adiantadas. I III l 1 I *, Correspondencias d'interesse particular, idem.. & 030O
. . ,


I' A Ei li I A I L.,
'MINISTERIO DOS NEGOCIOS DA, MARIIIA E ULTRAMAR.
Copia.= Hei por bem Exonerar do Governo do Distric-
to de Cabo Delgado na.-Provincia de Moambique ao 1.o
Tenente da Armada Jeronimo Romero, para o qual havia
'sido nomeado por Decreto' de 15 de Janeiro d 18i7. O
Visconde de S da Bandeira, Pr do'Beino, Ministto, e
Secretario d'Estado dos Negocios da Marinha e Ultramar,
assim o tenha entendido,. e faa executar. Pao em 6 de
Setembro de 1858.- REI. = Visconde de S da Bandeira.
=Est Conforme.= Antonio Maria Campilo, Chefe da
Ropdrtiio de Moambique.


ordenado aos professors de insl
provincias ultramarinas.
$. 2.0-A concesso da aposi
professors das escolas principals,
ria das provincias ultramarinas, te
decreto de -14 de Agosto de 1845
o. 01.' e 2. deste, concorrend
para jubilao, a circumstancia de
de de 50 annos. Para a concesso
ordenado, autorisrda pelo artigo 1
Novembro de 1836, soguir-se-ha
art. 1.0 dd Carta de lei de 17 de A
Ar,. 2.- Para a concesso da
ou maioria do.tero *do vencimen
4 d 1- lh


vr --o aos Lentes ua Lscuo a l ti e
"0 9.-= Ci cular. Achando-se determinado pelo De- necessario haver consult especi
creto de 4 de Dezembro de 1856, que os Lentes da Es- escolar, referida ao requerimento
cola Mathematica e Militar de Ga gosem das vantagens a Sua Magestade, ou baseada sobr
que competem-aos da Escola Polytechnica de Lisboa, pelas se esteLjelecer para avaliar a cao
disposie, dios artigos lI.o e 15 o do Decreto de 11 de -ral do mesmo interessado: deve
Janeiro de 1837, no s em relao concesso do accres- os documents comprovativos de s
cimo de vencirientos, como 'da jubilao,, que tambem rio nas circumsti!ncias alludidas r.o
compete aos professors de instrucao primaria das pro- oes. A referida consult deve s
vincias ultramarines, pela disposio do artiro 5. do de- nadpr da respective provincia. o
creto de 14 de Agosto de 18.5; econvindo por isso esta- sua informao presena de Sua
belecer o process para a concesso das ditas jubilaoes, tio Ministerio.
e do accrescimo de vencimentos, nos carts em que o mes- s. 1.o-0 sobredito jury ser
mo deva ter logar para os professors de ensino public da Escola e dos dois lentes jubilad
das referidas provincial, em harmonica com o que dispe a tigos, e na falia de leritesjnhilado
Carta de lei de 17 de'Agosto de 1853, e as portarias re- que se acharem em exercicio, ser
gulamentares do Ministerio dos Negociot do Reino de 27 de cultativos militares, nomeados pel
Fevereiro, e do Ministerio d Guerra de 9 de Dezembro, cia, afim de darem o seu parccers
ambas de 185 : Sua Magestade Et-REI, Coriformando-Se sica do lente para conm a Consulta do Conselho Ul'ramarino de 25 de Janeiro 2. 2.O- Depois de ouvir a decl
do corrente anno, Manda pela Secretaria-d'Estado dos'N- interpor o jury parecer sobre o a
gocios da Marinha e Ultramar, que para o referido im se seu exame.
observe o seguinte: 3.0 -Quando o lente que p:
,. Art. 1.0'- A concesso da aposentao, jubilao, ou taco ou para ella tiver sido prpou
maioria do tero do ordenado pela continuao no servfo do de comparecer no jury, por mo
to magisterio, s ter logar para os Lentes da Escola Ma- se achar auzente em servio public<
tbeinatica e Militar de Ga, depois desatisfeitas as condi- clarano dos referidos f;cultativos,
pes estabelecidas na Carta de lei de 17 de Agosto de 1853,1 tros, tanibenm nom6ados pelo Govet
art. l. e seu 2.0, e artigo 3.I sua profisso no lugar da -rcsiJenci
,.. l.-Pelas disoosies da citada Carta de lei,nos testando, por document atlthentic
, ;*'.;e 2. do artigo l." e no 3.* se regular a don- robustez necessarinas para coninu
syIiio da aposentao, jubiaco, ou maioria do tero do i renters ao magisterio, ou vice-versa,


truco secundaria das

entao e jubilao aos
e de instruco primi-
r logar nos ternos do
, art.o' 5 o 6.0 e 1." e
o nos ditos professoies,
terem complet:do a idn-
da maioria'do tero do
9." doPecreto de 15 de
o disposto no .o 1.o do
,gosto de 1853.
aposentao, jubila.o,
ito pela continuao do
matica e Militar de Cca,
al do respective coi selho
do intercssrdo, dir i:o
e o parecer dojurN, qu'
acidade ph: sica cl: n e-
ndo ser instruida ccq
e achar o di'o fi'iici( ,.
art. 1.0 destas i: s!. i c
ei remettida ac (:,c'r-
qual a far sul.ir cem L
Megestade pe!o reslpec-

composto do drecror,
los da me'mn., m;is i;n-,
s, dos deis mais antigos
do-lhe arnexos dois fa-
o Go\einadtr drI Prcvin-,
sobre a cnpcidede ,h3-
o no professcrado.
arao dos f;culltativos,
ssumpto submettido ao,,

retender a sua aposen-
;to estiver impossibilita-'
fivo de doen., ou por
o, ser surhstuida a de-
pela informCo, de ou-
*nador. que xercerem a
ia do lente ;usente, at-.
o,'qu e elle- tem side e:
lar nas funces inhe-.






rw ~< -Lr


42


_____ -~ -


'. . --3 parecer do jury acompanhado da declaraiol
dos facultativos,.ser remettido ao conselho escolar, ao qtial
tambem o director apresentar informan o sua eontidencial
sobre o ser io' effec.tio preslido nos ultimos tres ianos
pelo lente de qie seitratar ;ou, send a prteno`de aug-
monti de ordenado, sabre a sua aptido para proseguir
no magisterio.
. 5. .- No process para a cPncessao da aposentaq,
cumpre provar-se, por documents authenticos, que o len-
te teve () annos de bom e effective servio, contados do
primeiro despacho; mostrando-se tambem o tempo do mes-
mo bo:n e effctivo servio',, ue elle contar sobre aquelles
10, raos.'e bem--ssim que se acha impossibilitado de cpn-
tinuwr to servio escolar. :: ,: .
6.0.- No processopara a concesso da jubilao com
o'ordenado por inteiro, se'dever comprovar, que o lente
comrletou a edade de,50. annos, e 30 de bom e effectivo
servio do magisterio; e para ajubilaco com o augment:
do tero doordenado, que, alein destes requisitos, conta
mais 10 annos do mesmo servio...
. 7.' --Finalmente, -no process para a concesso da
maioria do tero do, ordenado, pelo proseguimento no ser-
vio do magisterio, cumpre provar, alm dos requisitos
designados no . antecedente, para a jubilao com o or-
denad: por inteiro, que o lente ainda est apto para con-
tiliuir no mesmoa servio escolar.
Art. 3. Para a concess o da aposentao, jubila,op. e
inaioria do tero do ordenado pela .continuao no' mragis-
ierio, os p.-ofessores de instruco secundaria das,;Pro-
vincias Ultramarinas, seguir-se-h o ,disposto no artigo pre-
cedente e seus~~ c. com a differena smente, quanto ao
tempo de servio, de se comprirem as prescripes.do 1.0
do artigo 1.o da Carta de Li de 17 de Agosto de- 183.
$. unico.-No havendo- lyceu na prolincia, para o
respective' coiselho -director formular o process e con-
sulta de que trata o drtigo2i.,, pert.encer, este servio ao
conselho inspector de intruco primaria, o qual, ser re-
forrdo com mais 2 membros, nomeados pelo Goveraiador
da respective provincial, se assim for necessario para.esle
conselho ficar compost de 5 membros, pelo menos. Nes-
te caso, o jury de que trata o . 1.o do supracitado .ar-
ligo ser composto do vogal mais antigo 'o dito.conse-
lho inspector, e de mais 2 membros do mesmo conselho,
tirados sorte.
Art. 4o -0 process e consulta para a concesso da
aposenta, jubiao,. e maioria do tero do .ordenado
pela continuao bo servio aos professors das escola, prin-
cipaes e de-instruco primaria'das provincias ultrampri-
as. sero formados pelo respective Conselho inspector, e
em. tudo conform ao qu. fica statuido a- respeito .ds:
professors de instruco secundaria ; tendo-se em vista as
prescrip.es .do ". 2.do artigo s quaes se dever dr
inteira execuo. ,
. Unico. Nos Conselhos, presidios, ou districts das
-provincias ultramiarinas, ser ouyid a autoridade supe-
rior administrative, da ,localidade', pelo respective conse-
lho inspector de instruco, primaria, sobre o servio e
circumstancias dos professors da sua jurisdico.que re-
quererem jubilao, ou'forem propostos para,aposentao.
. Estis informanes deveraoacompanhar as consultas do re-
feido conselho inspector para o Governador, da provincial.
IArt. ."-A maioria- do tero do, ordenado, pelo pro-
seguimentno nservio do magisterio, ser concedida aos-
lentes e professores, por portaria do drespectivo Gover-
lador da provincial. '


SArt.;6.0-As disposies da Carta de Lei de 17 de
Agosto de. 1853, no . 3." do artigo 1.0, e no 4. 2." do
artiggo- 2, soapplica~iejknaos cnts da Escolj Malthma-
tica e Militar de G a,'e a todos os prolIss -esdeiI 1h uc-
o pri>marii. O que O amlemo Agusto Senhor MAnda,
pela Secretaria d'Estado dos Negocios''a e rtrinlrae Ii-
iram.r. 'participar ao Governador Geral de Moambique,
para.sua inteligencia e devida execuo. Pao em 16 de
Julho de 1859 = Adriano Mauricio Guilherme Ferreri.

SN.0 95.- Tendo o 1.o Tenente d'Armada Jeronimo
Ron.ero, encarregado de conduzir de3a a a Moambique
o Brigue, D. Jo de Castro, cedido" a beneficio da Fa-
:zefda as comedorias a que tinha 'direito por a"commis-
so do commando, como por este Ministerio communicou
a Junta da Fazenda do Estado da, lndia, em( fficio n.0
13 de 15 de Junho ultimo; Sua Magestade EL-REI Manda,
pela Secretaria' d'Estado dos Negocios da Marinha e Ul-
tramar, que o Governador Geral de Mo.ambique.lou~.e o
referido Jeronimo Romero pela cesso feita, em que d
uma prova de seu patriotism; e lhe faa constar'que Hou-
ve por bem Acceitar a mencionada cess. Pao em Lt. de
Agosto de 1859== Adriano Maurcio Guilherme Ferreri.

N.* 98. = Constando por Officio do Conselho de Saudo
,Naval de 25 de Julho ultimo, que o Chefe do quadro de
Saude da Provincia de, Moambique participara. quello
Conselho que o Cirurgio da Segunida' :Classe-e eDirector
.interino do Hospital- Militar dnaPrvinciJoloquim Fran-
cisco Collao, unico que faz o servio clinico,'trabalhan-
-do de dia, e noite cabeceira dos doentes do Hospital1,
de today a Cidade, apezar de estar incommodado de sade,
comp j tem acontecido por maisdeuma v,z, procedimento
este que 'se torna digno de reconmmendao.: Manda Fua
Magestad E.-I EI pela, Secretaria d:Estado dos. 'Negcios
da ~arinha e' Ultramart, que o Governador Geral da efe-
rida Provincia love em Nome do Msmo Augusto Ser.hor
aquelle Facultativo pelo zllo cm que elle tem ,cumprido
os deveies a seu cargo. Pao. em 6 de Agosto de 1859.
= Adriano Muricio Guilherme Ferreri.

N.. 4.00:.= Manda Sua. Magestade Ei-REI, pela Secre.
taria, d'Estado dos Negocios da Marinha e Ultramar, re-
metter ao Governador Geral da' Pov.iicia 'deIJoamrbiotl,
para seu devido conhecimeito, a inclusa copia do Pecreto
de,2 do corrente mezI pelo qual Houve por bem ihicFror
seni efflito o de. il de Fevereiro do corrente anno, pelo qual
havia sido nomeadoem Commisso para areferida Provincia
o Alferes do Exercitd:Jose.'-aria da.Csta. Po em .11 d
Agosto de 1.859.= Adriato Maurcio 6uilherme 'Ferreri.

SCopia.= Attendendo a que o Tenente do ExerciftJose
Maria, da Costa tend sida promovido' esse posto, em con-
sequncia ede estar 'nomeado;.'cmo 'pedio, para servir eni
conmmisso n Provincia, de, Moambique, no se apresen-
tou para embarcar para o seu destino, como devia, quando
a Fragata, D. .Fernando, sabio prawaquella Privncia 'no
principi6 do mez passadqo.;e psteriormente;declaroi, que
desistia das vantagens, que t-he havio sido 'coferidas;
Bei por -bem Declarar sem i;effeito :o Decreto de 4i: d
Fevereiro do. corrente annO: pelo: qual o referid Official
tinha sido nomeado para asobreditacommisSso. O Ministro;
e Secretario d'Estad. ds Negociog da Marinha:e Ultrihmar,
assim- ,;tenha entendido e faa executar. Pao em 2 d';
Agosto .de 1849. =Rlit= Adriano, Mauricio Guilherma









Ferreri. Est Confortue. = Manoel Jorge d'Oliveira Lima

N. 104.---Manda Sua Magestade EL-REI, pela Secre-
tai-ia d'Estado dosNegocios da Marinha e Ultram r, i'met-
ter ao Governador Geral da Provincia de Moambique, pa-
ra seu conhecimento e devidos ffeitos, a itcl .s copia do
Decreto de 4 do corrente miez, pelo equal Houve por bem
Ordenar que as cauzas sobre coimas, policia municipal,
ou transgresses das pstura's da Camara Mnicipal da Ci-
4ade de Moambique, sejao d'ora em diante processadas
pelo Jiz de Direito da iespectiva Comarca, como no
mesmo Decreto se declara. Pao em 11 d'Agosto de 1859.
=s Adriano Mauricio Guilherme Ferreri.

Copia. =Sendo-.Me present a Portaria, que Minha
Real Presena fez subir o Governador Geral da Provincia
de Moambique em seu Officio de 11 de Outubro do an-
no passado, pela qual elle commetteo ao Juiz de Direito
d'aquella Comarca, como 'ra de urgent necessidade, o
conhecimento, e deciso das cauzas sobre coimas, e poli-
cia municipal, que fossem promovidas no Conselho de Moo-
ambique ; Attendendo conveniencia de se prover
execuo prmpta, e regular' das Posturas Municipaes na
Cidade de Moambique principalmente das que dizem res-
peito policia, e aceio das ruas, e lugares publicos;-
Tendo, em vista que o Decreto de 3 de Novembro de 1852,
confirmado pela Carta de Lei ,de 1 deJulho de 1853,
relativamente a este assumptp, smente dispoz para o Reino,
sem' que se fizessem extensivas as suas disposies ao Ul-
tramar; Conformando-Me com a Consulta do Conselho-Ul-
tramarino de 8 d'Abril do corrente anno :sobre este ob-
jecto, e Usando da aculdade conferida pelo. 1. do'ar-
tigo. 15.* do Acto Addicional Cari Constitucioinl da
Monarchia, depois de ouvido o Conselho de Ministros,
Hei por bem Decretar o seguinte: -
Art. 1.- As cauzas, sobre' cotmas, policia Municipal,
ou transgresses das Posturas da Camara- Municipal da
Cidade de Moambique, sero d'ora em diante processadas
pelo Jidiz de Direito da rspectiva Comarca.
Art. 2. -O processor, ejulgamento das referidas cauzas
ser o prescripto no Decreto de 3 de Novembro de 1852.
Art. 3.0 -O Juiz de Ifireito receber de emolumentos
pelos actos em que forem devidos a metade smente do que
est taxado para iguaes actos- em outros processes, e os
demais Empregados judiciaes recebero os salaries fixados
para os Empregados do Juiz Eleito..
Art. 4.o-Fica revogada a Legislao em contrario.
O Ministro e Secretario d'Estado dos-Negocios da Ma-
rinha e Ultramar, assim o tenha entendido e faa exe-
'cutar. Pao em 4 ,de Agosto de 1859. =REI =Adriano
Maurici Guilherime Ferreri. Est Conforme. =Manoel
Jorge d'Oliveira Lima.

N.0- 0 .== Circular. = Manda Sua Magestade EL-RB.,
plla Secretaria d'Estado dos Negocios da Marinha e Ultra-
mar, remetter ao Governador Geral da Provincia de Mo-
ambique a inclusa copia do Decreto de 3 do corrente mez,
,sobre o modo de prover substituio do Presidente e ma-
is Vogaes das Juntas Protectoras dos Escravos e Libertos
das Provincias Ultramarinas; e regulando a guard dos
Cofres, da~ mesmas Juntas; afim de que o referido Gover-
nador Geral d6 conhecimento ~deste Decreto respective
Jnta. Protectora,;e lhe reomiende ao mesmo tempo, que
satisfaa ao preceito doart. 17.0 do Decreto de 14 de De-
sembro de 18.5 incluindo, no Regulamento de que 6lle


trata todas as provizes necessarias para a complete exe-
'cuo do mesmo Decreto. Pao em 12 de Agostode 1859.
- Adriano Mauricio Guilherme Ferreri.

Copia. = Conformando-Me com a Consulta do Conselho
Ultramarino de'16 do mez passado relative necessidade
de remover desde j qualquer difficuldade que embrace
as Juntas Protectoras dos Escravs e Libertos creadis pe-
lo Decreto de li de Dezembro de 1854, de exercerem.as
suas funces pori falta do Presidente ou de algum ds Vo-.
gaes d'elias; e sobre a;conveniencia de regular a guard
dos funds qu so administrados pelas mesmas Juntas ;
visto no estarem esses cazos. prevenidos no referido De-
creto,; Hei por beim Decretar o seguinte; '
Art. 1."-Todas as.ve.es que no comparecer nas reu-
nies de qualquer das Juntas Protectoras dos Escravos e
'Libertos o Presidente designado pelo art. 10.0 .0 1.0 e
2.0 do Decreto de 1 de- Dezembro de 1854, dever tomar
o seu logai o Vogal immediate, segundo a ordem por que se
achao nomeados no .O 3.o do citado artigo.
Art. 2. -Nos impedimentos dos- Vogaes effectivos da.
Juntas deveih ser chamados, em seu lugar, os indi'iduos
que os substituirem ns cargos que exercerem frad'ella.
Art. 3. -Os Cofres das Juntas devem ter tres chaves
differentes, uma acargo do Procurador da Cora e Fczen-
da no Estado da India e em Angola, ou do seu Delegado
nas outras Provincias; outra cargo do Presidente da Ca-
mara Municipal; e outra a cargo do Provedor da Casada
Misericordia, ou Presidente da Commissao Administrativa
da mesma'Casa; estando os Cofres deposittdos no rdif.cio,
onde se acharem os Cofres, publicos e nonmeando ais .un-
tas d'entre.')s menricnads tres Vogaes um que sirva de
-Thesoureiro. --
Art. 4.---Para a escripturaao do Cofre e outros tra-
balhos, dever ter cada Junta um Secretario; provendo o
Governador da respective Provincia a este seivio, e esta-
belecendo em Conselho a competent gratificao ou or-
denado, pago pelos funds do Corre da mesnimaJunta.
O Ministro e Secretario d'Estado dos Negocios da Ma-
rinha e Ultramar, assim o tenha entendido e faa execu-
tar. Pao em 8 d'Agosto de 1859. REI.= Adriano Mau-
ricio Guilherme Ferreri.--Est. conforme. = Mafno4J or.
ge d'Oliveira Lima.

Rendimento da Alfandega :de Moanmique no m es de
F-vereiro de 1860..
Por entr i Generos Nacionaes. ..
Por entrada de itos Estrangeiros. .. 2:328 558
Por sada de Generos Nacionaes. .. *
Por saida de Ditos Estrangeiros.. ..
Ancoragen Nacional. .... .. ..
nEstrangeira. .. .. ..
Armazenagem. .. .. .. ..
Escravos despachados.. .. .. .. .. .400
Direitos de vinho e agoardente national. .. t
Imposto para o fundo de Colonisao.. .. 1800
Somnwa. .. :330'758
Certifico que na referida importancia centra um ccIto de
ris emI etras-a saber:
Letras vencer em 30 do eoirente 500fC 00 rfii.
etasdem em 30 de Abril.... 00O000
Tendo por consequencia o Thesoureiro desta Alfndega
a fazer effectia .a etrada no Cofre da Thesouraria 'eual


~- - I






S44


'de toda a referida quantia, ao qual para a sua. descarga de ouvia natural da lha d adr, entrou a 17
ser-lhe-ha levadaeinm conta como dinheiro metalico a im- falleceu a 21, de febreint.ermitent perniciosa.
portancia das ditas letras segundo as ordens da Junla da .Idem:. 201 Soldado Loureno Neto; filbho de.LLo'uren-
Fazenda. 0o.Neto, naturalde!(uguciiI, entrou;.a 14, falleceu a 22
Alfandega de Moambique 2 de Maro de 1860.-Est do corrente, de disenteria aguda.
conforme= Adolfo Joo Pinto de Magalhes Junior. I, Idem i." 152 Jose Joaquim Forte, filho de Jose Joaquim
SFore, natural de Alte, entrou a 4, e falleceu .a 23 de di-
HOSPITAL MIITAR DE .MOAMBIQUE. s..enicria agda..
Synose do movimento clinic do me de Fevereiro de 860 1. Idem n." 2 8 Soldad., Jose Antonio, filho de Ma-
SnoP noel Domingues, natpralde S. Abbade, entrou a 17,e fal-
S: leceu a 22 do corrente de fehre iiierm.itten!e perrniciosla.
SDESIGNAES o 2. Idm n.0 231 Soldado .'o o Affonso d'Oliveira, ilbo
S. de Bento Joso d',Oliveira, natural de Ponte de Lima, .e-
Existiam..... ..... ..... 90- 96 trou a 18, e falleceo a 26 do corrente, de febre mnterini-
iEntraram............... 22- 12- 6- 3.-26 tente perniciosa..,, .
-E rCarados ou.lh.O 196- .- 4 2-213 4.a idem n.0 258 Soldado 'Francisco Varela, filho de
Sairam ll~a ceram. ....... 21- -12 -Antonio Varela, natural de Ourique, entru a 9 de Novem-
Fr a lle era ,. 2 1- 1 1- .. .... ... . ....
Ficam existing .... .. 99-. 2-- li107 brc de. 1859,; e falleceo a 29.do..corrente, de tuberculos
r .....pulmonares, diarreia colliquotiva.
Secrefaria do Hospital Militar de Moambique 1.o de i
ftaro de 186). O Director- Pedo .Sergio da Cosia Via- Compaihi de .Veteranos.
o eAndrade, Cirurgiode I." Classse., N. 68 Soldado Francisco Rodrigues de Souza, filhode
S- .' Jose odripues de Soiiza,entrou a 18, e falleeb 2a1 do
elagaTo das praas dos Corpos -e Comrpaohias abi ;xo corrente de febre intermitente p&rnicicsa.
mpencionad6s, f'llecidas durante o mez de Fevereiro de 1860. Secretaria do Hospital Militar de Moambique 1.. de
Ba a 'A, r.ilhria. iMaro de 1860. 0D)irectori Pedro Sregio da Cosia Vi
na e Aiidrade, Cirurgio de' 1. Classes. '
SN. 103 Soldado Antonio Maria; filho de Jose d'Almei-' "
da, natural de Vizeu, entrou a 12.de Janeiro, e falleceo. V D i
a 20 do corrente; de febre i;ntermitentlperitcibsa. MIE, NI TO-E, 'IRTi E Ail ( .
S" Balho de Caadores N.3' ."de a 9: o corrente. : ,


1.' Companhia n." 63 Soldado Bonifacio Jose, ilho de
Diogo Jose Fernandes, natural de Lisboa, entrou a 30 de
Novenmro de 1859, e falleceo a 3 de corrente de dia'rrea
consecutive a cachexia resultante de uma' fistula np dorso
,om abundante purgaio.- ,
Botalho d'Infanteria de Mtanili,;que .t -. ',
3:" Companhia n.0 212 Soldado Ignacio Goisalvs, fi-
'lho de Jose Gonsalvec. natiral de Vinhrcs, entrou a 30.
de Novemnbro de 1859, e falleceo rio 1." do corrente, de
'dizenteria agla. :
dmrn,n." 9.8 Cabo J.oaqui~ Jose: Clisto, filho de 'Joo
Jose Verissimo,, natural de Lisboa, entrou a'3,: e fi:llecei
a 8 do corrente, de eniuornoia gda.
4' .~' Ideh"P'.'56Sold'do M~noe d 'Oliveira, filbho de
-.i'noel d'Oliveirr, natural de S. Miguel, eilrti-a 28 de
,u'u,~ro de 1858, e fallece a 14 do corrente, de herp.ia
inguinal equrda, escrolhute,, febre pFernicos".
3.; Idem n., 217 Soldado ;Jol o Moiraes, filho de Ante-
nio `loraes, natural de.Vinhaes, entirou a 26 d'Ouut.1 re, e
fall .ea 15 do corrente, de, ulcera (eettena) gangrenose.
,1. Idem n." 274'Soldado. Antonio Alexandre, hiho d'e
Manoel Alexandre,, natural. .,......... entro.u a 4, e
fallecu a 17do ,pcorrente de febre intermitente perniciosa.
SIdem n.0 249 .Soldado, Joi.,Affons, filh,'de Joaquim
Affno, natural de. Pinheiro, novo, entrou Ia. 10,,e falle-
cieo a 17--do correrte, de febre intermitente perniciosa.
.-I'.i,m n- 209 Soldadd eodato Rodrigues, filho de'
Jose Rodrigues, natural de M1Mda, entrou a 6 de Janeiro, e
falle o 20 d corrente, de diarirea sobrevinda cachexia.
3.-' Idem n., 178 Soldado. Joo Lo'hirno, filho'de Frari-
.i co Loiureno, natural de,' Pena Loboh eintrou nol.l',de
Dezembro te1859, e'falleceo ai 21 do 'corrente, do diar-
r.ea sobrevinda cnhe ina proveniente gastrite chronic.
-4. Idem n.a2i 5Soldade Jose de Gouvei; filh de Jo0i


EMBARCAES ENTRADAS.
No dia i2- angaio Aralie, Fatal Ker, de 98 tneladas, Mestre Mamad
Bina~'Aruise, e'quipage'i 40 ressoas.' 2 bocas' de fogo, de Zanzibar' cm 14
dias,,com fazendas e missangs,.e 2, passageiros Eathlis aegociantis. .
NG dia ?-.E.val p< rILtgnP2, 1alneiga, de a. toneladas'Patro Fery,
:'quilaprm 12 [I' ..'ss.a, o Ibo m 2' 'dias, com u rella jfrgeliimt. '6 jlaisa.
"teiri qiie .4,,. 1 Palhi I MoW:ro, cIn- 'I riado, e3 retlos n'r." '
? Xo dia. 4-- Vangaio nglz,-, '..So r d'e~9 fr ielaidas, esiie ecircly, eqii-
pag(ni 11 csoas, 1 boca de fogo d,. P, rnlaio t rn C dias. 'cni dai'ndas.e
niais gpn r(cs de .ominer;i, e 2 I asa. Pairo-, ;.t n., rl Fscriva< nDeritlado d
.J;lit Fapri da, que ivemi' nrfame'ed d Pcrtugal'Ie liai orinro negrciante.
F:Pangaio':A rabe,. fiy oissd,. de 53 toneladas, 1V'estre Jiv, Fqpi-
fagtm 9 ,j-ssos. 2S 1:caa de fogo, de .Bombaim im_.i dias,.com fazendas
e'n ais pFiIrTS e('e colmtercio, i3 as irs rail i> rfg.rciarifs,
.No dia 5'- Pangai6 Portugue, fmnt hAi, e. 48.1ligenL]ads, Mestre DiW.
ma, equipagem) 12 Iessoqas, hocas,de fogo,.deGCa em S9 dias. con fa.
zendas, e nias generous do comniiercio, c5 passagcir-is Perrarlade'.
SKN dila 6 -'Pangio Arabe, *Mancriina,R dO. 40 th:rndlads. MiE ire "Ms''
made Bine (Chev, equipagem, 19, pes~roa,8. bocas d' fogo, de Zanzibar:eim
30 dias com..fazendas. ,, .
-" gd..* .rAb Fal er e45 toneladari Meetre Sahide,
ecuiijagem S3 scoa de 7ari ibar m. 11dias, 6com 'fieilwds.
''*'. MfiAs RiC.0r5tor sAinAs. ':
o"dlia:'3 Batel Porliguis, Afrircei, el 1(0 toneta~i:, Paftro Sabide,;
e.qu.ipagehni.J3 .pesso8a.,.:Rar os portos.de Ma'l-aascar em .lastro e-'oo 'al.
guns quissapos vazios para mantimento.
No dia 5- Barca Americana,' Nibia, de '5:0' t6neladas, p'Cpilo Joha
B; Ashby, equipagem 17 pessoas, -l boca de',fogo, para Zanzibar, copi' pr-
te da clrca, cm que entrou'n'estfe potl'o, 1 a-ageira'Senhor do Capito.
No dia 6-BateI. Porit1iFnz, F7'r der .'nriI, de 14 toneladas, Patro.
SJa.bo, 'eqii.i a'm'l:t p -ss.,a, para "o Rjo de S.iito Antonio cobi fazend is;
i-Capitania do: ;Porto, de. Moambique 9 de Maria GiieJts, Capillo do Porto. ,


Antorio Jacintho Baima, nao podndo yista dos seus continados io:
coimoMlos de- aude; ir' pessoalmeite agradecer' i~s' Il. m. Snr." qne lhe,
tributarao seus sentinmnto.s,. pela- sentidisilna. more de sua preza-la 'Atv,-"
a .Senhora D. Mari e.Josepha .;Nogueira, .o faz p. r este mnio pedinlo aos
mesmos d desculpem` por no roder de outra maneira satisfazer seu, desejo..
,Mw6ani'ijrite'.8 d'Mario' de 1iB0. ; ' '

-- I..A. B1U1 NA IMPRENSA A IONAIL. -






AINO-EI80.





BOLET! .
150-1 (H04


OFFICIAL
': -


DO
.. O **---*****


lte Boletim semanal ser publicado todos os sabbados no BA Preo de asssignatura por anno.............. r. 2~80o
dia antecedenteou na 2.a.feira seguinte quando aquelle for .'1 13 Por seis mezes....* ..................... 1S500
eriado : assigna-se para o mesmo em Moambique no Escri- i Por trcs mezes ............................ i 8OO
ptorio do Estalbelecimento da Imprensa Nacional e nos Dis- P Por folha avulsa ....................... '. 080
trictos, nas Secretarias dos Governos, ou -Commandos de n l A n C' Preo dos annuncios por linha.............. &4o4
Yillas, as assignaturas so sempre pagas adiantadas. I t e Correspondencias d'interesse particular, idem.. n O030
., ,


pt 1, hll'll OF1'I h, :-
MINISTEIIO DOS NEGOCIO.5 DA -MARINHA E ULTRAMAR.
N.O 104.= Manda Sua Magestade EL-REI, pela Secre-
taria d'Estado dos Negocios da Marinha e Ultramar, re-
metter ao Governador Geral da Provincia de Moambique
para seu conhecimento e effeitos necessarios, a inclusa copia
do Decreto de 16 do corrente mez, pelo qual Houve por
bem Apresentar o Presbytero Mauricio Micel Archanjo da
Costa, Vigario da Igreja de Nossa Senhora do Rosario no.
Distritco de Sofalla. Pao em 22.d'Agosto de 1859.==
AdrianOo Mauricio Guilherme Ferreri.
opia. =Attendendo ao que Me represent o Presby-
tero Mauricio -Micael Archanjo da Costa, e I informao
tlue a seu respeito 'Me foi present do Governador Geral
tia Provincia de Moambique em Officio de 28 de Setem-
biro do anno passado, Hei por bem Conformando-Me com
o. parecer do Cons'elho Ultramarino emittido em Con'sulta
de nove do corrente mez de Agosto Apresentar o mencio-
nado Presbytero Maurioio Mieael Archanjo daCosta, Vigario
da Igreja de' Nosa Senhora do Rosario no Districto de
Sofalla, com a congrua de 2200000 ris estabelecida pelo
Decreto de 14 d'Abril de 1858 cumprindo ao agraciado
,iollicitar pela respective Secretaria d'Estado dentro do
piazo legal, a competent Carta, pagos os Direitos- que de-
ter, afim' d'e effeitiiar a collao no beneficio ,Parochial
pard que nomeado. O Ministro e Secretariod'Estado dos
Negocios d%, Marinha e Ultramar, assim o tenha entendi-
do e faa executar. Paoem 16 d'Agosto de 1859. REI. =
Adriano' Mauricio Guilherme Ferreri.- Est conform. =
Manoel Jorge d'Oliveira Lima.
SPresbytero Mauricio Micaei Archanjo da Costa nomea-
do Vigario di Igreja de Nossa Senhora do Rozario no Dis-
tricto de Sofalla, tem a pagar pdra despezasdo seu encar-
te, o seguinte; .
Decreto:..... .. .. .. .. ,. 9600
.2 :por cento de 220000 ris... .. .. 4- 00
Cait- Feitio. .. 1080
Registo e verba. .. .. .. 1600
SPergaminho e fita.. .. .. ,. 1 200- 38880
Portaria para pagar por desconto os Direitos
*c ** .. *. 3|g200
1080,


S-r.. b. . . * *. . F vO
Sello da Cauza Publica. .. .' 11
.Registo das Mercs .. ..'.. 1$320 12320
Somma ... .i .. 33400
Secretaria d'Estado dos Negocios da Marinha e Ultra-
-mar em.22 d'Agosto de 1859.-0 Escrivo do Cofre==
Joo Bernardino Luiz Rodrigues.

N.* 05.= Manda Sia Magestade Et-REt, pela Sere-
taria d'Estado dos Negocios da Marinha e Ultramar, re-.
metter ao Governador Geral, da Provncia de Moambique
para seu conhecimento, e fins convenientes, a inclusa co-
pia do Decreto de 3 do corrente mez, pelo 'qul Houve
por bem Transferir o Capito ida referida Provincia Ma-
noelGaldino Marques, para o Exercito do Estado da India,
e Reforma-lo na conformidade do Alvar de 16 de De-
zembro de 1790: Pao em 22. de Agosto de 1859. =
Adriano Mauricio Guilherme Ferreri.

-Copia. ==Attendendo a que o Capito da Guarnio da,
ProVincia de Moambiqupe Manoel Galdino Marques, actu-
almente residindo em G6a, conta 31 annos de servio, e
foi julgado incapaz de servir tanto na Africa como na Asia
pela Junta de Saude ae Nova Ga; e Conformando-Me com
a proposta que sobre este object Me dirigio o Governa-
dor Geral da referida Provincia em 11 de Outubro.do
anno passado, e com o parecer emittido sobre ellapelo
Conselho.Ultramarino em Consulta de 12 de Julho ultimo;
Hei por bem Transferir o mencionado Cpit3o Manoel Gal-
dino i.Marques para o Exercito do Estado da India, e Re-
forma-lo na conformidade do Alvar de 16 de Dezembro
de 1790. O Ministro e Secretario d'Estado dos Negocios
da Marinha e Ultramar, assim o tenha entendido e faa
executar. Pao em 3 d'Agosto de 1859. == RI. Adria-
no Mauricio Guilherme Ferreri. Est conforme. -=-Ma-
noel Jorge rd'Oliveira Lima. :

'N. 106. = Circular. = Convindo que s praas destina-
das para o, servio no Ultramar, e que regressam ao Ex-
ercito dp Reino, se declare nas guias d'ellas o -motivo de
tal regresso, Determina Sua Magestade-ELE-REI, plha Secre-
tario de Es.tado dos Negocios da. Marinhb e Ultramar que
o Governador Geral da Provincia de Moambique expea.
as convenientes ordena,. ara queo s pragas n'aquellascir.


II'l|,lrl %'lllll I l'f


ur hl~ib~





''r u-ii,~h-w ir1 i


-_ _~._. ~ I_ r i- - -1 i- --- - -


cumstancias se faa a dita declarao nas respectasgfs guias
de regresso ao Exercito do Reino. Pao em'24 d Agosto de
1859. = Ariano %aur.idoouilher-e .erreri.

VN. .101. '- Sendo present a Sua Magestade EL-REI o
Officio n.` 159 de'2 de'Outtrbro d anno passado do Go-
vernador Geral da Provincia de Moambique dando part das
providencias, que adoptra,. relativamente aos Operarios:
Chinas engajados em Macu para trabalharem pelos seus Ofi-
cios n'aquella Provincia, visto ter conhecido pelo exame,
que se lhe fez, e por outras circumstancias, que elles como
operarios no presto servio algum until, e como indivi-
duos as suas quahdades pessoaes so ms; Manda O Mes-.
mio A ugistSenihor pela.iSecretaria d'Estado dos Negocios
da Matiiha e 'Ultramar, partcipar ao referido Governador
Geral, que H por bem Approvar a deliberao, que tomou,.
telativamente a tes; operrios; podendo mand-los para
Coloiiade ;Tte,.oui para algumq outro Districto da Pro-
vincia, e no cazo de recuza,- despedi-los do servio do Go-'
verno, como j aconteco com doze desses Chinas, que re-
cilzaro ir trabalhar em'Quelimane, (segundo consta do Bo-
letim do Governo Geral da Provinci4 de 26 de Fevereiro
do corrente anno ;) e devendo o 'mesmo Governador Ge-
ral proceder de modo, que taes. individuos nunca deixem
de ter meios de subsistencia na Provincia at poderem ser
transportI;dos para o seu Paiz, ou para onde convier. Pao
em 27 d'Agosto dee 859.q=- Adriano Mauricio Guilherme
Ferreri. .

: N. ;I09. -~TCirular. '= Sua Magestade LE-REI, Cnfor-
mando-Se comin, o parecer do Conselho Ultramarino em
Consulta de 2 do corrente mez, Manda, pela Secretaria de
Estado dos Negoyios da Marinha e Ultramar, remetter ao
Governador Geral da Provincia de Moambique, a inclusa
copia authentic, da Carta de Lei de 6 de Julho de 1855,
qu regular a presidencia das Camaras Municipaes, afim de
que-o mesnm. Governador Gerallhe faa' dar a devida exe-
cuio:. podendo porem acontecer qu -em alguma parte
ocorram inconvenientes na execuo da dita Lei, Deter-
mina O Mesmo Augusto Senhor, que o dito Governador
proponha as medidas que lhe parecerem adequadas para
se removerem takes inconvenientes. Pao em 10 de Setem-
Lro de 1859. =Adriano Mauricio Guilherme Ferreri.

C'pa. =~Dom Fernando, RET Regente dos Reipos, de
Portugal :e Algai ves -. em Nome d'Ei.REI, Fazemos sab er
a todos os sul:ditos de Sua Magestade que as Cortes Ge-
raes Decreta:ro. e Nos Queremos a Lei seguinte:
Art. 1. O Presidente de qualquer Camara. Municipal
logo que esta entire em exexccico, ser eleito plos res-
pectivos Vereadores em escrutnio secret plurlidade
aLsoluta; e da; mesa forma ser 'eleito um Vice-Pre-
sidente. -
.o udnico-, Na falta ou pimpdimento d Presidente e
-Vic.e-President'e, tom.ar presidencia, o mais velho dos
Vereadores presents, .
Art. 2.*"-Estas disposie. sDo extensivas s Provii-
cias Ultramarinas, em .que estiver em execuo o Codigo
Adnniisratio. : ,
S.,ArtI. 3.*- Fica revogad aa Legislao em contrario,
SMa.ndamos por tanto 'a todas: as Auc.toridades a quem
o conheimNento e execuo da referida Lei -pertencer;que
a cumprno e fao ciprir e guardar to. 'inteiraimeite
c,oio n'elia .se contem. .
O Mi'nistros i Secaetrioa d'Esta do s d Negocio -d


p-.--- ~ i;;


Reino, eda Marinha eUltramar, a. fao, imprimir, publi-
car e, correr. Dada no Pao das Necessidades aos 6 de Ju-
lho ,de 1855.=--R e Regen com rfbrica;-e-fuarde.
Rodrigo da Fonseca Magalhes.= Visonde d'Athoguia.
-Est conform. = anioet Jorge d'OlOiveira Lima.

N.C ./I 0. --=Manda Sua Magestade EL-REI, pela Secre-
taria d'Estado dos Negocios da Marinha e Ultramar, re-
metter ao Go ernador Geral da Provincia de Moambique,
para seu conhecimento, e fins convenientes, a inclusa co-
pia do Decreto .de 21. d'Agosto ultimo, pelo qual Houve
por Lemn Nomear o Bacharel Vicent Luiz de Abranchep,
.para servir interinamente o cargo de Escrivo D'eputadoda
Junta da Fazenda da iferida Provincia, em quanto n6"o
proi,.do este lugar por, meio de concurso na conformidade
da Lei. Pao'em 12deSetembio de 1859.= -Adriano Mau
ricio Guiiherme F~ereri.'

;-Copia. = Attendendo ao :que Me representou-Vicente
Luiz de Abraches, Bacharel formado em Phylosophia, e
em Direito pela Universidade de Coimbra; Hei por bem
Nome-lo para servir interinamente o Cargo de Escrivo
Deputado da Junta da Fazenda da ,Provincia de Mpwmbi-
que, em quanto n & provide esie lugar por meio de con-
curso na conformidaded da Lei, O Ministro e Secretario d'Es-
tado dos Negocios da Maiinha e Ultramar, assim o terha
entendido, e faca executar. Pao em 24 de. Agost6 de 1859.
;.Ei.' Afrianao Mauricio Guilhierme Fe-reri.- Est
conform. 'Manoel Jrge d'Oliveira Lima.

N." 11 2. Circular.-l Manda Sua Magestade EL-REi
pela Secretaria d'Estado dos Negocios da Marinha e Ultra-
mar, remetter.ao Governador Geral da Provincia dehlo-
ambique, para seu conhecimento .e devidos cffeitos a in-
clusa copia do Decreto deO t0 do corrente mez. provident
ciando so iE e.os inconvenientes encontrados na execuo
Sio Art, 26 do Regimnento approvado por Decreto le 4 de
Dezemnbro de 1851 cerca, dos papeis que devem acom-
pnbhlr o. product liquid dos espolios, dos defuntos, e
auzentes quando remettidos. para o Reino; e tem as-
sim sore a ntrega dos mesmos espolios aos,herdeiers de
qualquer natureza, devidamente habilitcdos. Pao .l 22
de Setembro de 1859.A==Adriano Maurrio Guilherme
Ferreri. :
-
SCopi'a.=T=Tomando em consider oo ue AMe foi reo
presented pela Junta d, Fazenda da Provincia. d'Angola
Acerca dadiliculdade que encontra em fazer register, co-
mo determinea o artigo 26' d Regimento.de 4,de 1)ezem.
bro de 1851', todos sos papeis que, segundo o diPposto no
Smesmo artio,p'devem acompanhar o product liquido.dos
esplios dos defuntos e auzentes, quando for remettido para
o Reino, e assim sobre" a ionveniencia de lhe se' facultada
.a entrega d'aqu.elles espolios aos herdeiros, de qualquer
Snatureza, de idamenle habiitados. .
At'eotfendn a que os autografos dos documents refe"
Sridos: no n. 2do. rtigo. 19.0do citado.Regimento', cujo
Sregis.i aequelle. que.mais tempo e trabalho iege; fcao
existindo nos cartorios judiciaes, noo -havend porisso,in-
conveniente et que, as esorituras e justificaes. ali nen-
Scionadas sejao registadaspor.extracto nos-livros4a Jinta
; da Fazenda, serid facjl,! quAndo, f6r necessario. rcorrer
Saomnesmos autografos e extrahir certidSo d'ells;: pdeid<
tambem ser 'exigiaos 'em a3plicado, para se evitar o, seu
Iregito, alguns docuinetos, como sejo os que comprovlo








asdespezas deqe iqe ratSo os n. 8 e d o io re artio approvo dde' esse' a ugmrento de deBpeza. Pao em 22
-19 e outros similhantes., de Seterihbro de 18:9;t Adriato Maurici GSuilherme
Attendendo a que a difmctildade, ehcontrada peta dita Fereric.
Junta -na exech~irso df' aoltudid"o preceito se d eni tn .-. ---
as demais Provincii9 por ideri:tfdade de azo ; e sendo por I.< Direco~ ~-$Sr.' nirtiao-CirefIrw., N.4.- .
isso necesario quee se obvie tal diificuldade em- todas elhas Tendo sido authorizado e Governo, por Carta de Lei dt
- igualmente por meio'de uma providence geral: 3' de' Junho.do correntie anho, para IeorganisAr as Repar-
Attendendo 4, convonienig'a,d.n se ampliar o'disposto no ties da dependencia d- *Ministerio da Marinha eUltramar,
art. 11. 'do mesmo Fegimento aps herdeiros.legitimos rno e estando j effectuada essa reorganisao coro determine
Ss ia Provincia d'A gola, mas tambda, n'aquelias das ou- o Decreto'de 6 do mez passada, publicado no Diario do
tras Provinciiis em cujos Regimentos os ditos berdeiLos Governo, n." 214 de'13 do mesmo mez,-Manda Su Ma-
.oQ s,o. m.encioa.dos nos, art.' correspondentss, gestade EL-REI, pela Secretrla d'Estado dos Negccibs da
Vista a urgencia de proper .sabre to important as- Marinmha e Ultramr, que .Q, Governador Geral da Provin-
sumpto: cia de Moambique, teno-ernm vista as disposies do re-
S sIei; por bem,'Usando da autorisa'io conferida pelo ar- ferida Decreto regule a sua correspthdencia com este Mi-
tigo 1i ,. 1.o do Acto Addicionil Carta Contilucional nis!erto de medo .que nenhum i fioio trate de mais de que
d& Monarchia,, C epormando-MIe om. a Consulta do Con- um o'! jc t, como j pr.vezes, se tem' reoimmend do, a
selh hUltramario.dce 17 de Junrho ultimo, e Tendo ouvido fim de que cada um desses Officios possd conveniente-
e.Conse&ho de Min;itri,. Decretar o seguinte.: mente ter entrada e seguiment- na Repartio a- que pr-
Art. 1.--, permittido fazer por extracto nos livros tencer o assumpto d'elle.. Pao em i d'Outubro de 1859.
das ;untas da Fazenda das Provicias Ultramarinas o re- = Adriano Mauricio Guilherime Ferreri.
gisto dis escrituras publicas e justificaes que, segundo '
disp:.m~ os Rgimeitos para a arredadao e-administra- '.`Direco- f.'Rparltio- irtla r. H-N. Pff;i
o das heranas, bens e cabedaes dos defuntos e cuzentes 'Sua Magestde EL-REr,tIa por bem Determifiar, peta Se-
das ditas Proineias, devemi acompanharo produeto dos cretaria d'Estado dos Ne'gicis dMaMriiha e i'ltrar-arrque
espolios 'arrecadadbs pelas mesiias Juntas da Fazenda. o Governador Geral da Prbvincia de Momhbique,* primrn i-o,
unico. Estas.Juntas poderio, quando: seja neces- ren tta no fim de cada trimestre; a este-Ministeilio, relativa-
sario, haver. certi4o, dos autografos: das ditas'escrituras mente a cada Hospital da mesma Provincia uni Mappa em
jstiicaiage'itenis nios artorios .judiciaes se ndo a que se declare no s o rmovihiento d'esse Hospital, entrPda;e.
despeza, que assim se fizer, paga pela percentage. deduzids saida de doentes, molestias e sia terminao, mas tainlc'm o
'dos respectivos esipolis eu.-poke product dos mesmos, tratamento empregado, e qiuasquer outros esclareimnritos
onde. tal perceifgemi nio- for deduzida. ,e i'qea aciencia possa' tirar i an eri', deendo smencio-
SArt.:. 2.,.--- Os documentss comprovativos das despetas nados 'fappas ser remettidos a elle Go ernador Geril, pela
de funeral e 'outras, que se hajo feito por conta dos.es- respectiva unta de Saude, que 6s de erli exigirdos:, re;'t-
polios nos terms da Lei, podero ser exigidos em du- res dos HIospitaes ; segundo, que, alm destes, Mappa~r,
plicado. remetta tanmben quaesqer outrosesclarecinentos reativos
Art. 3."-- As Juntas da Fazenda fica autori adas para Saude public, de que se possa colher alguma uilidde;;
a entrega dos pspolios e heranas dos defuntos e ausentes exigindo estes esclarecimentos dos.respectivos Facultativos.'
aos herdeiros legitimos ou instituidos em testamento que, Pao em 7 de Oqtubro dp 1859.= Adriano Mauricid Gu-
por si ou por seus procuradores, se lhes ;presentarenm com- lheme Ferrrri.
petentemente habilitados.:
Art. 4.o- Soo por esta formal declaradoos o Regimentos 2." Dhec=- 1." flepartio-- Cirtlyr. --N.. 17.. =
para a arrecadaao e adminstrao -das, herar8as, l:ens Srindo convenient regular as attribiies que coinpelem
cabedas dos defuntos e auzentes das diversas Provincias aos chefes das Juntas de Saude nas Proiricias Ultrimn ri-
Ultramarinas, e revogada toda a legislao em'contrario. nas quanto . xpedip das certid6es de docurrcntce ce:
O Ministry e Secretario d'Estado dos Negocids da Marinha estejam archiavdos nas Reparties a se cargo, pare eVi-
e ''ir -manr; assim o tenha *e iendido e faa executar., PD- tar os inconvenrentes que mui facilmite p'odra, restiltar
o emr';I de Sttemr'ro de1859.; REi.= Adriano Mau- de no ,hver uma- regra estabelecida a Itil respeito :
ricio Guithere Frrerri.= Eit eoiifirme Secretaria de Manda Sua Mages~ede EL-RE pela: Secrel-ai'ra dP s!a-
Estad d-os Noeiorda -Marinha e Ultramar; em 22 de do dos Ndegocios da MarjfiIa e UitroaMr'r, que-o Governador
Setemro. de t859..---Sin~o Jse de Luz. Geral da Provincia de oirbhiquii faa contar Junta ;:e
S -...... e Saude da Provncia'que dmtnistra-qu, emanoardo- enge-
." 1i.-- lManda SwriMfgestade. EL-RiE, pela Serre- ral o seui expedient o.rdinriai da Auctorid'ade goverr -
teria d.Es.tad6 ds N .gF:is dlarinha e Ultramar, par- tva das Promincia~ ondee stao esita bhcidas, soniente a 'e!
ticipar ao-'Governoder Geral da- Provincia de Moambique sa nictoridade tamri.m devem'dar conta da exeucu o que
em i'e.posa ao seu Olico o ." 1335 de'r3de Setembro do an- tiveram a suas orders e iue, por tanto, respective
no passado, qUe nformand"o-Secomn a opinii do Conselho PhisiCo-Mr, ou Cirurgio-Mt nio deve dar certides das
Ultraiarini emittidr e -Co~tslta dea12 de Maro d cor- orders .emanadqs d Governo Provincial,, nem do _ue
rente ann obre- reu -erinmenf de Ism algy ssengy, Pa'- pr. effeito d'ellas 's 'fiserisei que seja para rsso ex-
trao m o6r da Barra de Sofalia, que pdio aigmentp deaor- aressamente 'audfit'sad pelo mesmo governor. Pao e'
'denado, Houve por bem 'Permittir pr Portaria' de ,de 19 de Outbro de 1859tI. Adriano, Maurii Guilherme
Agesto ultimo dirigida- ao-referido Conselho que o Orde- Fr ri'. '
',d d f: dito PatroMttr fosse elevaido de .iC.OO ria ' '
48'0QOris, .par pano; incluindoiseno Oramento d gres- 2.' Direro- 1. Repartio.~rN f'. N-/' a-
pectiv Proviatia a convenient proposta s Crtes far -- giatade EL.-REIi poVl 0erCfar iue o Phartnaceu


E






148~
4f~ 0


tico JoAo Baptista Marques de Carvalho, que, por Decreto
de 6 de Junho ultimo, foi nomeado para servir na Coloiia
Military de Tete, passe a servir na Provincia de Cabo Ver-
de, onde lhe for determinado-gelo Governador Geral d'esta
Provincia:' o-.que,- pela Secretaria d'Estado dos. Negoios'
da Marinha e Ultramar, se participa, para os deids ffei-
tos, ao Governador Geral da Provincia de Moambique. Pa-
co em '18 de Novembro de 1859. =-iAdriano Mauricio
' uCilherme Ferreri


GOVe IaNO G :RAL.
': ;: *.**._.m ,,.. o-- , ,

N.o 50.= Tendo representado o Commandante do Ba-
talhod 'Infanteriade Moambique n.o 1, que por falta de
Officiaes no pode.ser constituido o Conselho de Disciplina
que o .? jO do artigo 12.6 da Lei de 21 de Julho de
1856 estabelece:.
Sendo necessario, supprir essa falta pela maneira possivel:
O Governador Geral da Provincia de Moambique ha,
por convenient, determinar que o Conselho de Disciplina
que ha de julgar os Desertores Joaquim Theotonio Sol-
dado. n. 100 da Bateria d'Artilhetia, e Joso Francisco
Monteiro, Soldado n." 65 da ." 'Companhia do Batalho
d'Infanteria de.Moambique n.o 1, seja compost dos se-
guintes Officiaes.:, Capito Commandante da l.a Compa-
nhia de' Caadores Delfim :Jose d''Oliveira; Tenente do
Batalho d'Infanteria de Moambique n" 1, Frederico
Augusto Gourglt; Tenente addido ao mesmo Batalho.
Miguel Jose da Silva; Alferes do mesmo Batalho Fran-
cisco Augusto de Seixas, e do Alferes fazendo servio na
l." Companhia do 2.0 Batalho de Caadores Joaquim
Emilio d'Abrunhoza Mangas, ficando assim supprido o
Conselio, de Disciplina do Corpo' para .este unico caso;
e devendo alias 'constituir-se o -Conselho de Disciplina dos
Officiaes do Batalho quando haja o numro sufficient
para o, former.
As auctoridades aquem o conhecimentoe execuo de
esta pertencer assim o t.enham entendido e cumpram. Pa,
lacio do Governo Geral da ,Prvincia de Moambique,.2
de Mai o de 1860. Joo Tavares d'Almeida, Govrenador
Geral.

N.O 32. ==, Governador Geral da Provincia de Moam--
bique, attendendo proposta do Governador interino do
District de Cabo Delgado, determine o seguinte :
S nomeado para exercer o logar de Fisca da Fazeond
ua Colonia de Pemba, Joo Florencio Raimundo Pereira,
logat que exerce desde 16 de Fevereiro proximo findo.
Hade pagar'de sllo cinco mil reis.
As auctoridades s quaes o conhecimento desta deva
pertencer assim o tenham entendido e cumpram. Palacio
do Governor Geral da Provincia de Moambique 5 de
Maro de 1860, = Joo Tdvares d'Almeida, Governador
Geral.

N." 53.= De 5 de f aro. Mandando passar Com-
'* -1 *ri A 1 J'. L'J S 4 2ir- *-J Al-*l----T


JMOVIMENTO fiO POiTO D' M4AMB IQU.
Sde, O a6--odo corrente

S EMBARCACES ENTRA-DAS.
No dia;13 Pangaio Arabe, Sultane, de 74 toneladas, Mestre Ratanl.
ci, equipagem 10 .pessoas, 2 bocas de fogo, de Bombaim com escala pelo
Ibo, tend trasido 33 dias de viagem, do Ibo bpaa esta Cidade 3 dias,
com differentes generous de commercio, 6 passageirs,' send 5 Bathiisi nego
ciantes e 1 Piloto Francez. ,,
EMBARACES SAIDAS.
No houve.
SCapitania do Porto de Moambique 16 de. Marode ,1860. *lto000
Maria GUedes, Capito do Porto.

Movimento' do Porto da Villa do Ibo desde 1.0 ai39.
de Fevereiro.
EMBAUCAiES ENTRADAS.
No dia 14. Lancha Portugueza, Palmeira, Mestre Amade, de Moam*
bique em 14 dias, com agoardente de caj, e goma copal, 12 pessoas de
tripulao.
No dia 22.- Pangaio Arabe, Sultane, Mestre. RattI, de Bombaim em
28 dias, com fazendas'e mais geners, 10 pessoas de tripulao, 4 passa-
geiros Baias.
SNo dia 26. -Pangaio Portuguez, Novo Viajante, proprietario Jose Ma-
ria Dias, Pratico Assane, de Moambique em 6 dias, com madeira, 15 pes.
soas de tripulao, 7 passageiros pretos;.
', Escuna Hamburqueza, Electric Flark, Capito HI. C. Zooder
de Santo Agostinho, em 6 dias com cauril, 7 pessoas, de tripulao 10 pas*
sageiros Arabes.
SNo dia 2 -Pgngaio Arabe, Mabrugue, Mestre Ally, de' Zdnzibar em
1U dias em, latro, :9 pessoas de tripula,o.
-. Pangaio Arabe, Butli, Mestre Chande, de Zanaibar arribado em
1 dias por falt' d'agoa, con fazeqdas 7 pessoas de tripulai, 7 passagei-
rTs -Arabes.
EMBARCACES SAIDAS.
No di, 1.*-Barca Franceza, Angelina, Capito Balandia, para Calf
cuti comi cauril 17 pessoas de tripulao, f passageiros 1 Hespanhol e 1
preto como criado.
No dia 25 Lancha Portugueza, Pdlmeira, Mestre Amade, para Mo.
aibique com ursella 1'pessoa 'de tripulao, 2 apssageiros l Bathi 4
1 Mouro.
. Quartel na Praa de- S. Joo do Ibo 1.* de Maro de 1860. theodor,
Luiz de Souza, Segundo Sargento e Candestavel da Praa. Est confrme.
-Secretaria do Governo no Ibo 1,. de Maro de 1860. -= Jose Joasui
Moniz Cabral, Alferes s Ordens.

Observaes meteorologicas na -idade de Moambique rn~
dias 46 a 51 de Janeiro de 1860.
Barometro Thermometro Psychrometro Udo-
(Presso) (.Temperatura) (Homidade) metre

Millimetros Grus C. Por 100 Millim-
9 m. .3 t. 9 m. 3 t. 9 m. 3 t. 4 hb.
16-.758,67-.756,00-6, 8-29,8-94,5--88,8- 11I
17-758,17-756,33-27,8-29,3-92,3-83,5s- 4
18'-757,69-756,55-,29;,3.-,31,-93,9-88,8-
: 9-756,77--7541,9.-29,5-31,1-91,4-91,8- -

22-755,1i-755,134--9,8-~ 30,7-912, -93,2- *
22.-756,93-755;24-30,3-330,8-91,7-85,-
J ni 3-75'7,69-756,55-S29,3-31;3-93,9-88,8- S9
Janeiro. 4756,77-754,98-29,5-31,1-91,4-91,8- S
=15-758,17-756,33-27,8-29,3-92,3-83,5- ,'
St6-758,19-758,74-27',9-30,7-91,5-84,8- ,
27-758.67--756, -6,8-29,8-94,5-88,8-
28-7,59,35-757,60m-28,8--29,7-92,4-90,3-. IT.
S9-760,00-758,82-27 ,5-3i ,9-96,9-87,9-. .
30-760,8-' 768,90-30,1-i-31i7- 75,7-86,4-. :
31--760,40-759,5 78,75-2,8-32,7-86, -85,--


pannia ao ino o Ansp.aua ,qa. aeria.ue Atiulheria nen- Altura barometricacorrecta. -
rque -Antonio. Altitude do barometro 3,25 metros, '
NX 3.e = De 6 de Maro.' Ilando passage Com- Temperatura sombra.
panhia de Veteranos .a-, Soldidosdo Iatalho d'Infan-
teria de Moambique N. 1.' ---- - .
S........ .. :.- MBQUE= I.MPREN8A "J.CIO"AL.
-' *.^ ^. . .,





0-.8 0' --





BOLETIM


F1FIUERO .,




-I AT-


DO


Este Boletim semanal ser publicado todos os sabbados e no : Preo de asssignatura por anuo... ........ .. r 800
dia antecedente ou na !." feira seguinte.quando aquellefor D I U Por eis mezes ........................... 1500
feriado: assigna-se para o memo, em Moambiucno Escri- Por tries mezes .........................." n 800
ptorio do Estabelecimento da Imprensa Nacional e nos Dis- Por folha avulsa. .............;...........-
trictos, nas Secretarias.dos Governos ou Commandos de A Pr.o dos annuncios por linha. ..... ... 040
Villas, as assgnaturasgslo sempre pagas adiantadas. 1 M A C 0 U 0 Correspon4encias d'nteresse particular, idem.. 039


T :R A I 0 111 llI11I s ,
SMINSTBEtI DQs nEcOCIOS DA MARINA E ULTRAMAR.
N.o 175.== Manda Sua Magestaae EL-REI, pela Secre-
tria d'Estado dos Negocios da Marinha e Ultramar; re-f
matter ao Govei-arldor Geral da Provincia de Moambique,'
para os finis coinveientes, a inclusa copia do Decreto de
2 de Novembro proximo passa4d, pelo qual Houve por bem
Nomear o Official de Fazenda da Armada Jos Zeferino.Xa-
vier Alves, para o lugar de Director da Alfandega da Ci-
dade de Moambique, com no mesmo Decreto se decla-
ra.- Pao em, 16 de Dezembro de 1858.== S da Bandeira.
Copia. --Attendendo 'a que Jose Zeferino Xavier Alves,
Official de Fazenda da Armada, servindo por commissao o
lugar.de Escrivo Deputado da Junta da Fazenda da Pro-
vincia de Moambique foi o candidate approvado pelo Co:n-
selio Ultramarino no concurso a que se procedeu nesta Ca-.
pital, e t'aquella 'Provincia, para o provimento do lugar
de Director da Alfandega da Cidade de Moambique; e
Confrmando Me com .a Consulta d mesmo Conselho de
15 de Outubro ultimo;: Hei -por bemn Nomear o referido
Official de Faztnda da Armada Jse Zeferino Xavier Alves:
paaa o 'lugar de Director da Alfandega da Cidade de Mo-
miique, ficaindo obigado' tirar Carta pela respectiva
S retaria d'Estado, com previ'o pagamenito dos competen-
tes Direitos. O Visconde de S da Bandeira, Pr do Reino,
Ministro e Secretario d'Estado dos Negcios da Marinha e
Ultramar, o tenha assim entendido e faa, executar. Pao e'm
2-de Novembro d 1858. RE. Visconde de S da Ban-
deira. -Est conform;. = ntAnio Jorge d'Oliveira, Lima.

' .'. Direco. 1." Repartio.- Circular. N.* 14 9.
STendo o Governadorfieral da Provincia de Angola, em
Olicio' d 30 de JTulho ultimo,' ponderado que seria .co6-
vnient"e qu as: Camaras Mnicipaes s remettessem ao'
Goverio os seus: Annes por intermedio do Governador da'
respective Provinei, pelo inconvenient que, no seu enteln-
der, teve a publicao dos Annaes Municipaes de'Mossa-
medes do anno de 1857, que elle Governadot Geralt havia
naridado traficar, e se imprimiram n Boletim do Conselho
Uttramarilt. Sua Magestade EL-RET, Attondendo a:que
n : get'ia. T acertad:-, que as Camras se podessem reputar
aOltobfl-idas' a 'lanar :'os. seus Anflaes as Memorias ede'
quasqu'P. d.esirtel*geniaos -ou questes que maia ,coniril:


ficarem esque'cidas, e'"que, por outro lado,' tambem, no.
seria acertado que os Governadores podessem impedir que
em takes Memorias se lancem noticias que, pdendo, por-
ventura, .ser muito Uteis, s aalgim Governador paieces--
sem inconvenientes: H por bem'Delerminar : 1 :- que
o Governador Geral de Moambique faa sentir s Cama--
rasMunicipaes que os seus Annaes s devem center noti-
cias de verdadeiro interesse public, e que ineream ser
conservadas, e por sorte neiihuma a memorial de desintel-
ligencias, ou questes que melhor seria nao-'terem existi-
do: 2.o -que os Annaes Municipaes sejani pelas Camaras,
'Municipaes remettidos a elle Governador Geral,'-o qual
os transmittir' a esta Secretaria. d'Estado, conipanhados,
di qugesquer informa'es que julgar convienientes, mas
sem que-possa mandar riscar qualquer part d'llas, fican-
do ao juizo do Governo decidir se os Annaes se'divero
publicar na sua integra, ou smente em parte : o que, pela
Secretaria d'Estado dos Negocios da Marinha e Ultramar,
se participa ao dito Governador Geral, para seu conhecia
me nto, e mais devidos effeitos. Pao em 22 de Novembro
de 1859.-= Adriano Mauricio Guilherme Ferreri..

S. Direco.-- 2." Repartio.- N..0 120; i Manda
-Sua Magestade ET-RET, pela Secretaria d'Estado dos Ne-
gocios da Marinha Ultramar, participarao Governador
Geral da Provincia de Moambique, para seu' conhecimento
e fins convenientes, que tendo sido inspeccionado pela
Junta de Saude Naval o' Major da referida Provincia Ja-
cintho. -lenrinques d'Oliveira Junior, Houve por'bem'con-
ede'r ao mesmo, 6 mezes de licena'para continuar a tra-
tar-se.. Pao em 22 de- Novembro de 1859. = Adriano
Mauriio Guilherme Ferreri

I .'' Direco.- 1. 'Repartio.= N.* 122. = Manda
uii Magestade EL-REI. pela Secretaria d'Estado dos Ne-
gocios da' Mariinha Ultramar, remetter ao Governador"
SiGeralda Provncia de Moambique, para os devidos effeitob,
S.a inclusa copia authentic do Decreto de: 12 d'Outubro
prximo pasisado, pelo qual O Mesmo Augusto Senhor,
'E.ercehdo' o:Poder Moderador, nos terms da Carta Cons-'
titucional do Mo.narchia,. Houve por bem Perdoarou'Comri-
miitr. as penas gue est. soffrendo aos i.eus constantes
Sda el,o ao mesm Decreto junta,: e de que tabibem se
lhe remete o-pic Pao emin8 d ,Novembrode ,1889.; :
Adriahi Mauricio Guilhermnd FerreriN
a -







Copia.== Querendo Uzar da Minha Clemencia.a favro simples degredo temporario pelo maximo do tempo, e le-
de alguns reos que se mostram dignos de comnmiserao, vando-se-lhes em conta o que j teem cumprido.
ou pelo tempo da priso soffrido, ou por-outras pondero- Balcunston Sadassiva Naiqu.e Parceucar, condemnado
sas razoes, que o.s recommendation: -Hei por-bem, Exer- more por Accordam da Relaco de Goa de 1 de.Julhq de
cendo o Poder Moderidor, ins terms da Carta Consli- 1845, pelo crime de hoiniciio, oluntario na pessoa de seu
luciinal da Monarchia, e Tendo Ouvido o Coinslho0 d e mo;,-cpmmutada esta pena na de trabalhos publicos
Estado, Perdoar, ou Commptar as penas impostis aos o por today a vida n'algum ponto de Africa Oriental.
dividuos constantes da Relao junta, que faz part. ii- Vitol Sinav Agny, condemnado a quatro annos de pri-
tegrante d'este Decreto, e baixa assignado pelo Ministro so por Accordain da Relaho de Goa de 14 de.Jneiro de
e Secretario d'Estado dos Ngocios da Marinha e Ultra- 1859, pelo crime de furto ;-expiada a culpacom o tem-
mar,. pela fornra que na dita Relaio se declare. O, Mesmo po de prison. que tem soffrido.
Ministro e Secretario d'Estado-o tenha assim entendido Secretaria d'Estado dos Negocoip, da lar arinha e Ultra-
e.f a executar. Pao-em 12 d'Outubro de 1859.=REI. mar, em 12 d'Outubro de 1859.. Adrinno Mauricio Gui-
-A-driano -Mauricio Guilherme"TFerreri. -Est conform. herine Ferreri. --Est conforme. Manoel Jarg -dOli-
==Manorel Jorge d'Oliveira Lima. veira Lima.

Copia. Relao os reos. a que se refere o Decreto, de -
es;a data, que lh!s perdda, ou commua as penas pela/for- GOVe IU~ OG AL
ia .n'ella declarada. ...
Rama Tfrgendo, condemnado a more por Accordam
da Relaio de Goa de 16 de Junho de 1857,1 pelo.crime N.X S5.= Tendo sido remnetido a este Governo Geral
de propinao. de.veneno; commutada a peia, na de tra- o Conselho de investigao mandado congregar ppi ordem
buihos publicos perpetuos na Africa Oriental.. n." 207 de 7 de Maro do corrente a -que teipondfeu
Joaquim Santa: Ann.a, Jose Correia, ,e Jose Ribeiro, Sol- Soldado n. 95 da 1." Companhia do Batalho de Ca'ado-
dados do Segundo Batalho d'lnfnteria do Exercito do does :n;, 2 Antonio Jeronimo, accusado de falta, de obdi-
Estado.da India, condemnados morte por Accordom do encia aos seus superiors em objects concernentes ao.
Conselho Supremo de Justia Militar de 12 de Janeiro de servio, aggravada a culpa com o seu anterior compoita-
1$57, :pelo crime de roubo com homicidio; commutada a pe- mento, irregular, e.venda dos objectos fprnecidos para seu
na na: de trabalhos publcos perpetuos na Africa Occidental. .uso, contra as ordens estabelecidas; e achando-se provado
PaulorPedro, do Rosrio, condmnado a dez annos d- nqmesmo Conselho a referid falta de obdiencia: o Gover-
degredo para Moambique por Accordam da Junta de Jus- nador Geral da rovincia de Moamibique tendo em vista
tia de' Maca.: e 15 de Dezembro de 1854, pelos crimes o h. 5. da Portaria do Ministerio da Marinha, e il-
de no ter denunciado um crime de pirataria com assas- tramar n." 353 de 1857 dirigida ao Governador Gqral de
sinato, e ser receptador de roubo; expiada a culpa' com Angola mandadaa observer em relaao- Colonia Militar-de
a prison de mais de dez anns que. tem soffrido. Tete no que for applicavel, por Portaria domemo, MinisT
Conrado Franoisco dos Sanfos, condemnadoa quinze an- terio n.0 12 de..858; determine seguine."
nos de trabalhos publicos por, Accordamda Juntia d Js- .i. -E expulso da.Colonia Militar de Tete.o Soldado.
tia de Macade. 4deDezembro del4-57, pelo crime de np. 95 da 1.V Companhia de Caadores n." 2 desta Prro
cumplice no crime de pirataria com reincidencia; commiuta- vincia Antonio Jeronimo, por se lhe provarev m em Conse
da em treznnos de. trabalhos publicos, contados d'esta data.. lho faltas graves no servio e discipline military.
Francisco Antonio das Mercs, condemnado a trabalhos -2... Esta praa ter passage para o Baitblo deIna,
publicos por todaa a vida em. Africa por Accordam da Re- fanteria de Moamhique n." i. aondeser considerada como
la.o de. Goa de 5 de Junho de 1857, pelo crime de fal- as-outras praas, que vieram do Deposito ,isplinar,. a que
sidade no exercicio do seu emprego; commutad a pe- pertenceu-antes de fazer parte da Colonia Miltar de Tete.
na pa dedegredo por.toda a vida para Africa. 3.- O, Commandante da Colonia Militr de'Tete ;;ro-
Lopi Naique ( vulgo- Gopuli), condemnado more por cedera ao competent ajuste, de contas at data: dest
Accordam da Relao de Goa;,de 20 de Outubro 'de 1857 encontrando na conta .de qu ea dita praa dSeve hFaienla,
pelo crime de homicidiovoluntario. --commutada a pena os mezes que deixou, de receber duranpe a viagem pra
i ~ de trabalhos publicos perpetuos em algum Presidio; da ':sta Provincia.
Africa O iental. As auctoridades a qem competir assim o tenham intn-
.iJco Vicente Gomes da Silva, ex-Escripturario da Junta dido, e cumpram. Palacio do'.GoYerno Ger) .da Prvinci.
da Fazenda da India, tendo-lhe j sido perdoada uma par- de Moambique 17 de Marod 1860..-=Joao. Tavares de
te,da.pena, .perdoada a que ficou subsistindo, de inha- Almeida, Governador Geral.
bilidade perpetua para qualquer emprego, sem que se e-n"''
tenda pdr is com direito a ser n'elle reintegrado. .lVN.. 6.-= Tendo sido present ao GorapdQr gr I, di
Manoel Placido de Mello, condemnado a tres annos de Provincia de Moambique, o Relatorio, e o projecto de
degredo para Moambique por- Accordam da Junta de Jus- Regulamento do Ar.enal de Marinha a que a rommisso
tia de Maca de 17 d'Abril de 1858, por cumplicidade nomeada por Portaria deste Goverpo eral n.o 18~ de 1859.
"eni crimes de pirataria ;--ommmutada- esta pena na de' procedeo, conform lhe foi pela mesma pprtaria inuqmbidQ:
priso pelo mesmo tempo, mesmo Governador G'ral ha por convenient aoq seig~
iBalthasar Jose Leite. Celestino Jose de Figeiredo Gon- considerar dissolvida a mesma Comnmissao, e declarer a
alves,ie Gabriel Pereira, condemiados adegredy perpetuo cadarum dos membros, que.a composeram que fimuito para
com trabalhos publics no Estado da Indiapor; Accordam louvar a-promptido com que nso obstante os diversos se
da Junta de Justia de Moambique de l'de Maio de' vios do quecada um dos refferidos membro s'ach en.
185,, pelo -crimse.e rovlta;-- eomaitada L esti pena rr.gado a4 misso .i lui a -o suas tbIt..w '







tero tomados, na deida considerao em. tempo oppor-
tuno. 0; que se comanonica .ao residende, e mais gnem-
bros;da Commissa nomeada para a confeco do Regu-
lamento doArsenal de M!.rinha, para sua intelligenc:ia, e:
satisfao. Palacio do Govyerno Geral da. Provincia: de IMo-
anibique 17.de Maro de 1860.== -Jo Tav4res d'Almei-
da, Governador Geral.

N.- 57. -.., Governador Geral da Provincia, attenden-'
do ao.que lhe.;representou A.dolfo Joql o Pinto de MagaiJhes.
actual Thesoureiro Geral d_ Provincia, pedindo ser dis--
pensado do cargo que exerce interinamente desde 25
de Junho' de 1838, e em consequencia da sua avanada
dade," epadecimnenlos, que inhibem de continuar no ser-
vio public com a assiduidade e,zelo que elle demand:
Attendedo egualmente. aos:,servios :queo refferig
Adolfo Joo Pinto de, Magalhes tem, prestado a esta Pro-
vincia nos, differe tes cargo .que inela tem exercido du-
rante mais deo 40, annos.; . recp.hecida probida.de, 'e elo,
pelo servip ptblico. que nelles, fem desenvolvido, como at-
testam diffpreqt.es documents corn que instruio o reque-
rimento' que dirigio a Sua Magestade' pedindp a ,uaa apo-
sentao. em recompensa destes servios:
Attendendo.mais, que, em quanto est pendente a de-
cis'o desse. requerimento, no justop, que fique. sem sub-
sidid algum ste enpregBao, e sem, umademqnstr.aa pu-
blic do apreo em ,que sjo tidos sses bons servios';:ten-
do ouvido o: Conselh do Governo a Junta da: Fazenda,
determine .o seguiinte,: ,. .
19- apqsentado cqip meiade do seu actual ordena-
do, o Thes.oureiro ,eral, interino desta provincja Adolfo
Joo Pinto, de .MagaJhes, ,
2.---Fica dependent da approvao do Govnero de
Sua Magestade. EL-REi,' a referida aposentao a qual o in-
teressado- ser obrigado sollicitar.
As nuctoridades s 'quaes 'o conhecimento desta deva
pertencer assim o tenha t intendido e' cmpram. Palacio
do' Governo Gerald Provincia de Moambique i7 de Mar-
o de 1860. = Joio Tavares d'Alneida, Governador Geral.

SN.* $8. = Havendo a Junta da Fazenda Publica desta
Provincia -em Sesso.de: t8 de Janeirq deste anno, proce-
dido nomeao do Thesoureiro Geral, em conformidade
com o disposto noo co do artigo 1.o do Decreto de
15 de Setembrode 1856, por lhe constarofficialmente que
e actual Thezoureiro Geral Adolfo Joo Pinto de Maga-
lhies hvija pedido ser exoneradp' daquel!e cargo para que.
fora nomeado em 25 de Junho de 1838, e que esta exo-
ner: o he havia sido concedida, e tendo inmea o l-
ludida recah'ido em Caetano Maria d'0Oiveira, ex-Thesou-
reiro d'- Alfandega desta Cidade;' o Governador Geral da
'Provincia de' Moambique determinia o seguint:
" i, nomeado 'Caetano Maria d'Oliveira para servi.r, o lo-,
gar d Thesoureiro Geral da Junta da Fazenda :Publica des-
'ta Provinia vago pela exonerao concedida a Adolfo Joo
Pinto de Magalhes, em Portaria desta data, devendo o
t omeado satisfazer ao prescript no artigo 32.* do Decre-
to de 2 di:Agosto de 1855, para entrar. no exercicio do-
'eeu cargo de que tomar conta perante a referida Junta
d;i Fazenda com s clarezas e formalidades do estylo.
As auctoridades a quem comipetir .assim o tenhiam en-,
teididoecumipraem. Palaeio do Governo Geral da Provin-
eia de Moa.nique 17 de, Marco de 1860.- J-io 'T wa-
'eI d'Almeid, Governador Geral.
,. ': .


N.i' 9.= Tendo sido. concedida, por Portaria desta
data,' a exoierao pedida por. Adolfo. Joo Pinto d: Ma-
galh'es do cargo de, Thesoureiro :Geral da Junta da Fa-
zenda, que exerceo em; virtue, de nomeao da mesma:
Junta em Sesso de 25 de Junho de 1838, e deve'do.
o mesmo. Thesoureir.Geral prestar ,as suas contas, e, fa-
zer a entrega dos funds, e. 6bjectos da Fazenda sua?
r~sponsabilidade ao-succesor.nomead por Portaria n.0 -:8
de hoje, Caetano Maria d'Oliveira : OGovernador Geral de,-
termina que o dito Adolfo JoZo Pinto de Magalhes de-
pois' de prestar as suas contas. p.erante'a Junta da Fazen-
da, e julgadas ellas, faa a entrega ao dito Caetano MWa-
ria.d'Oliveira, do dinheiio, deposits, papeis de credito,
documents, e mais objects a sen cargo por, meio .de
inventuario, que ser organisado na Contadoria da Jun-
ta da' Fazenda, guardando-se nesta: entrega todas as, for-
malidades indispensaveis,, assistindo & contagem do di-
nheiro dos Cofres- sua responsabildade os claviculatios,
dos mesmos, e guardando-se em tudo o mais as formalidades
necessarias e prescriptas, p.ara.que se conhea tudo quanto
pass responsabilidade do novo Thesoureiro, e se possam
toanar, as devidas conta,., em'tempo competentente. == .E-
crivao 'Deputado; o Thesoureiro'Geral Adolfo Jo Pint.:
d Magalhes, e o Thesou'ro Gerali nomeado assimo te-,
nham intendido e cumpram. ==Joo Tavares d'Anleida
Governador Geral.

N.. 40. = Tendo-se appresentado o l]acharel Vicento
Luiz de Abranches, para tomar conta do- logar de Escri-
vo Deputado. da Junta da Fazenda desta. Provincia' para.
que foi. nomeado interinaiaente peor D.ecret de '24 d'Agbs-,
to do anno passado:D Governador Ger: da Proyvinciaide-
termina que b refferido ,Bcliarel Vicente Luiz de -Abran-
ches, entire ino exercidi dg o emprego .parat que fti nomai-
do; toniando. posse, que; lhe deve ser dada com as forma-;
lidades do estylo pelo actual iEscrivo Deputado Interino
Jose Zeferino'Xavier Alves. : ;
:. As auctoridades a quem, competir assim: o tenham en-
tendido e cumpram. Palacio do GoVerno Geral.da Pr ovin-
eia de Moanibiqde 17 de rMo de t860. = .aJoo Tavares
d'Amlmeida-Governador 'Geral.:

N4L Tendo sidonomeado. Escrivo Interino da Juni
ta de Fazenda, por Decreto de 24 de Agosto do anno pos.,
sado, o Bacharel Vicente Luiz de Abranches, e devendo. en-
trar imipediatmente ntb exercicio das suas funices; O;GpI-
Vernador Geral da Provincia de Moambique determina que,
o actual Escrivo: Interino da Junta deFazenla ,desa. Pro-,
vincia Jose.Zefeiino Xavier Alves seja exonerado do.refe-.
rido exercicio para que foi nomeado,, por commissad, por
Portaria n.0 30 de 1857, do' Ministerio, dos Negocios da
Marinha. e Ultramar. ': : .:. ,- i
As auctoridades a quem competi-r assim o tenharm entenr:-
dido e cumpramr, ,Palaci'do Governo Geral da Provincia
de .Moambique 17 deIMaro de 1860.== Joo Tavarcesd'
Almeida, Governador .Geral. .
..- .o- . . . : ... .- .. . .
N. 42.==: Tendo cessado os, motivos, que deram :Iogar 6
nomeao do Tenete CorEnielrJoo de Souza 1Machado-para,
servir por Iommisso o., logr de Director e.,Theso.uri~~
da Alfndega desta Cidade, devendo desde logo entrar no ex--
ercito do seu cargo, o Director e, Thesoureiro da referida'
Alfandega nomeado por Decreto de Sua Magestade de2 de
Novembro dei 858, Jose Zefe'rino Xavier Alves: O Governa-,
ir G.eral.da Previncia ~lMoeambipue detm~aiia~. segjuiteo


*.
~Rv


1








o ."- E exonerado da commissao de Dirctor e Thesou-
reiro da Alfandega dest Cidade para que havia sido no-
mepdo por Portaria deste Governo n.? 34 de 1859 o Te-
nente Coronel da Guarnio desta Provincia Joo de Souza
Machado.
2.-0O mesmo Tenente Coronel .dar posse ao Di-
rector e Thesoureiro Jose Zeferino Xavier Alves, logo.que
este para esse fim se lhe appresentar fazendo entrega de
tudo quanto esteja a 'seu cargo com as formalidades neces-
sarias, e do estylo. '
As auctoridades'a quem competir assim o tenham enten-
dido e cumpram. Palacio do Governo Geral da Provincia
de Moambique 17 de Maro de 1860.=Joo Tavares
d'Almeida, Governador Geral.

N." 45. Tendo-se ponderado em Junta da Fazenda a ne-
nhuma vantagem que result ao. servio public da exis-
tencia de uma Recebedoria Particular nesta Cidade, e que
os encargos que a esta Repartio compete podem facil-
mente, e com reconhecida vantagem da Fazenda ser ap-
cumulados pelo Thesoureiro da Junta da Fazenda, econo-
misando-se assim no pessoal responsavel, como na maior
simplicidade de escripturao que dahi deve resultar; e
considerando que ate hoje o sobredito logar se acha interi-
namente exercido por um Escripturario da Contadoria Geral,
para esse fim distrahido do servio da Repartio, sem fi-
ana, e que tal logar pela tenuidade dos emolumentos no
tem sido pretendido por individuo algum competentemente
habilidado para o exercer:-O Governador Geral da Pro-
vincia de Moambique em Conselho, e tendon ouvido a Jun-
Fa da Fazenda em conformidade do artigo 3, e seu .* unico
do Decreto de i4 d'Agosto de 1856, determine o seguinte:
1.-Fica extincta a Recebedoria Particular desta Ci-
dade, estabelecida por Portaria do Governo Geral de 1.0
de Junho de 1850, devendo reverter Contadoria Geral o.
empregado que nella .exercia o logar de Recebedor.
2. -As atribuies que pela sobretida Portaria per-
tencia 'ao 'Recedor Particular, passaro a ser exercidas
pelo Thesoureiro Geral.
3. -0 Thesoureiro Geral ter um Fiel para o co-
adjuvar no servio que lhe incumbe.
.o-.O Fiel do Thezoureiro, vencer o ordenado de
12W000 ris, mnsaes e ser proposto pelo Thesoureiro
Geral.
S."-O Thesoureiro Geral tem direitos quotas dedu-,
zidas da receita, que. pertenciam ao Recebedor Particular
segundo o disposto na Portaria dei. de Junho de 1850.-
e Tabella annexa ao.Decretode 12de Dezembro de 1842,
a que a mesma se refere.
6.o-Os impiessos, que esto a cargo do Recebedor
Particular devero reverter para a Imprensa Nacional, d
quem se far de novo carga, para por ali continuarem a
ser vendidos.
7."-0 Correio ficar provisoriamente a cargo de The-
soureiro Geral em quanto se-no determinar a quem deve
competir a sua administrao.
S As auctoridades a quem o conhecimento desta deva per-
tencer assim. o tenham entendido e cunmpram. Palaeio do
Governo Geral da Provincia de Moambique 17 de Maro
'de 1860.= Joo Tavares d'Almeida, Governador Geaal.

N.0 44.= Sendo necessario fixar o estado complete da
L., Companhia do Batalho de Caadore n. 2 desta 'Pro-
vincia organisada em.Lisboa, e qup constitute a Colonia
*itad dT ; -n.*, '


Vista a Portaria do Ministerio da Marinha e Ultramar
n.. 12 de 1858, e o disposto nas Portarias n.o' 352 e 353
de 1857, e o $. unico do art. I." das Instruces para a
Colonia Militar de Tete: o Governador Geral da Provincia
de Moambique determine o seguinte:
1.o-A 1." Companhia do Batalho de Caadores n. 2
de Moambique ser compost na sua totalidade de euro-
peos, homes casados, prefferindo os individuos que tive-
rem praticados trabalhos agricolas e os que forem artifices
dos officios de pedreiro, carpinteiro, serralheiro, ou outros,
,na porporo proximamente de dois teros da sua fora
total de agricultores, e um tero de artifices.
2.-O vencimento destas praas o marcado na Ta-
bella para as praas, que voluntariamente vem dos Corpos
do Reino, servir nesta Provincia, e que acompanham a
Portaria do Ministerio da Marinha e Ultramar n.o
3.-,0 estado complecto desta Companhia, indepen-
dente daquelle que for marcado para as outrasCompanhias
do corpo a que -tem de pertencer, o seguinte:
Capito.... .. .. .. .. i
Tenente.. .. .. .. .. .
Alferes... .. .. .. .. .. ..
1.* Sargento. ., .. .. .. .. .'t
2.0' Sargentos.. . .... ,, 2
Furriel... .. .. .. .. .. i
Cabos. .. .. .. .. .. .. 6
Anspeadas. .. .. .. .. ..
Corneteiros... ,,. ..
Espingardeiro.. .. .. .. 1
Coronheir. .. .. .. .
Serralheiro... .. .. .. I
Soldados. .. .. .. .. 84


Somra... .. .. 1 08

As auctoridades a quem competir assim o tenha einten-
dido e cumpram. Palaeio do Governo Geral da Provircia
de Moambique 17 de Maro de 1860. = Joo Tavares
d'Almeida, Governador Geral.

11(IIWH T0 1)0 POiiT DE OAMiBIQUE.
de 16 a 25 do corrente.

EMBARCACES ENTRADAS.
No dia 16 Pangaio Nacional, Safina Natal Naga, de 85 toneladas,
Mestre Aba Libane, equipagem 16 pessoas, 4 bocas de fogo, de Ga em 40
dias com differences generous de commercio, 8 passageiros send 5 Degreda-
dos, 2 Banianes e 1 Chrislo.
r-Hiate Portuguez, Filippino, de 76 toneladas, Mestre Faquir Bay
Ismaelgy, equipagem 12 pessoas, de Quelimane em 13 dias com arroz e
marfim, trouxe Officios para o Governo e malia para o correio.
No dia 17 Pangaio Arabe, Uxar Mugane, de 40 toneladas, Mestre
Assane, equipagem,11 pessoas, do Ibo em 3 dias cqap differntes generous,
de comnmercio.
t Batl Portuguez, Flor de Ampapa 3.', de 13 toneladas, Patrll
Patricio, equilpagem 10 pessoas, do Rio Tembotem 3 dias, coma uizella."
No dia 21 Pangaio Arabe, Roaza, de 24 toneladas, Mestre Mbquina,
equipagem 16 pessoas, do Ibo em 6 dias, com fazendas e assucar.
EMBARCAES SAIDAS.
No dia 21. -Hiate Portuguez, Esperana, de 39 'toneladas, Mestrm
MussA paud, equipagem 14 pessoas, 1 boca de fogo, para Inhambane com
fazendas ferro e missanga.
No dia 22. Hiat Portugueg, Filippino, de 76 toneladas, Mestre Fa*
quir Bay Ismaeigy, equipagem 11 pessoas, para Quelimane com fazendas,
ferro, mibsnga, 1 passageiro gentio. .
- Capitania do Porto de Moambique -3 de Maro de 1860.= Astoni .
Maria G(etes. CapitUo do Porto.

i OAMBIQUE ===- t I4xlLPREA NACIONAL.


--- I I iiI .~ i IL
- -- --- 'C----l~ i - ---











SBOL.ETIM


NUiERO 13.





OFFICIAL


SDO

G, 0 E, 11 N, 1 RIL10ml11in,
Est Boletim semanl ser publicado todos sabsbados'e no n n Preo de asssignatura por anno. r. 209
dia ainitcedente on na 2.P feira seguinte quando aquelle fQr ii I U A ,I Por seis mezes .0...... ....... ...
feriailo: assira-se para o mesino eIMoamhiqnc no Escri- Por trcs mezes ..........................
ptorio do Estabelecimneo da Imprensa Nacional e nos Dis- l Por folha avmlsa.......................... 080
trictos, ias Secretarias Ados Goverdos diri Cominmndos de i n- '" Preo dos annuncios por linha.............. .,, 04
Villas, as assignaturas so sempre pagas adianndas. I A Correspondencias d'interesse particular, idem.. l039


: P TEffT I OlIi A.t
MInISTERIO DOS'NEIGOCIOS DA MARINA E ULTRAMAIR.
*2. Direco. --4 .i" Rep'artio. Circular. =- N.0 d 4.
SSendo necessario que, haja n'este Ministerio conheci-
mentodos processes judicias :que estio pendentes, desde
quando, o a razo por que; e convindo egualmente obter
circumstanciadas informaes sobre quaes sejam as pro-
videncias a adoptar para se removerem os obstaculos que im-
peam o: regular andamento da a.dministrao da Justia
-com prjui:zoados interests publicos, e quebra de uma
das:mais iinprtantes .necessidades sociaes: Manda Sua
M-agestade. EIS-.Ei, pela Secretaria d'Estado dos Negocios,
da Marinh: e Ultramar, que o Goverindor Geral da Pro-
vincia de Moambique remetta, com a possivel brevidade,
:a esta mesma Secretaria d'Estado uma relao dos process
que se acham pendentes, pela forma que acima sedeclara,
accompanhando-a de uma exposio dos meios que a expe-
riencia tenha suggerido como mais adequados, e efficazes
para removerem os tropeos que por ventura tenham obsta-
do ap andamento dos referidos processes. Pao em 9 de De-
zembro de 1859.= Adriano MVauricio Guilherme Ferreri.

-; ,GOV E RII O GER i *.ISIL. i


N. 4,5. -Sendo necessario supprir a falta de umn pro-,
videncia geral, que-regule nesta Provincia, a prestao de,
juramento de fidelidade ao Soberano reinante, e de obdi-
encia & Carta Constitucionil,.:,e s: Leis da Monarchia, a
qual tem dado causa de .haverem a maior partedos Func-'
cionarios publicos deido d,satisfazr I obrigaio que as
Leis do Reino impoem sobre este assumpto: ;:
Visto o disposto rin n." 12.o do artigo 22i do Codigo
Administiativo' em! vigor nesta Proviqcia. :
Visto o Decreto do; Ministerio: dos.; Ngocios do Reino
de 5'de Maro de 18a56: O Governador Geral daProyin-
cia de Moambique determine' o seguinte :
SArt. 1',0 --Nenhum Funccionario, da Provincia poder
ser admittido posse :e exercicio de qualquer cargo pu-.
blicoi, sem haver prviamente prestado juramento nas mos
da Auctotridad supperior:daProvincia, ou dos seus Dele-
gados' nos Di t riclu. '' .


n..unico. Desta solemrmidade se lavrra term re-
gular em livro appropriado, devendo a Auctoridade que
defferir o juramento lanar a verba respective no verso do
Diploma de nomeao, ou encarte, e firmal-a com a, .ua
assignatura.
Art. 2.6--A formula' geral do juramento sei o se-'
guinte:= -Juro guardar, e fazer guardar a Carta Consti-
tucional da ,Monarchia-ser fiel ao RI reinantel- cum-
prir as Leis ,e bem desempenhar as. funces do meu cargo.
Art. 3.?--Aquclles Funccionarios que achando-se no
exercicio de qualquer emprego public, ainda nao tiverem;
dado o juramento mencionado no artigo antecedente sero
mandados intimar pela Auctoridade competent para o
prestarem dentro do praso .que lhes for designado.
Art. 4. -Nos Districtos da .Provincia so auctorida-
des, competent para receberem o juramento, os Gover-
nadores dos mesms ou os Commandantes Militares que el-
les paia esse fim pelas vias competentes delegarem, deven-
do uns, e outros remetter Secretaria Geral as Certides
dos juramentos que d.efferirem aos diversos funccionarios
publicos do seu Districto, -ou,Commando. .
Art. 5. Aquelle Funccionario que se :recusar a prestar
o juramento na conformidade da formula prescripta no
artigo 2.0 desta Portaria; entender-se-ha que renuncia o
cargo, ou emprego para que se achar nomeado, ou que j
estiver exercendo. . :
Sunico. Da recusa dojuramento se lavrar logo termo re-
gular; ou para ser'vir de fundamento imnmdiata demisso
do recusante, s9 elle tiver nomeao do Governadori Geral
da Provincial, ou para a ssuspeni immediataee para a pro-
posta de destituio ao Governo de Sua SMage'tade,. se o
recusante tiver niomeao regia.
As auctoridades a quem competir assim o tenham en-
tendido e cumpram. Palacio do Governo Geral da Pro-.
vincia de Moambique 19 de Maro de 1860.-= Joo Ta-
.var.es d.'Aleida;, Governador Geral.

SN.0 46. = De 20 de Maro. Nomeando interinamen-"
te Thesoureiro Almoxarife da Delegao de Quelimane a
Anselmo :Jose Gomes Xavier, com o vencimento annual de
240) Q 00 ris. :
SN." 47.= Da mesma data, nomeando interinamente Es-
crivo dia' Delegao de Quelimane, a Rafael Damas, com
o vencimento annual de 180O000 ris.
J Y.N.8. = De 26 de Maro, = Dando'passagem i eon.-







panhia de Veteranos a uma praa da 1.j Companhia S2o zenda dos Districtos desta Provincia, commettido graves
Batalho de Caa.dores. '' abpsos .na arrecadao dos bens e cabedaes dos defuntos e
S-- ------ ausentes, no prestando a de\ ida attenao.como lhes um-
; r' Ba:B S B pre, ao qe determine o resp(.ctiuo Regiinento. publicado
N.o 9. -=- Snr. Foi Sua Magestade Servido por no:Boletim Official'n. 2 do anno de 1 85 ;'ora arredadando
Decreto de 24 de Agosto do anno findo, nomear para Es- os bens ie cabedaes dos fallecidos com herdeiros legitimos
crivao Deputado interino da Junta da Fazenda Publica desta n'esia Provincia, ou testamenteiros; ora vendendo em hasta
Provincia o Bacharel Vicente. Luiz d'Abranches, que ten- public objects que no podem, nem devem ser vendidos,
do-se apresentado para entrar no exercicio do seu logar, e retendo em seus cofres os dinheiros e objects arreca-
vae delle tomar conta, como ordenado por Portaria deste dados, no se podendo assim dar o devido cumprimento
Governo Geral da data. de' hoje. Em consequencia disto ao determinado no art. 26. e. unico, do art.'27. do
cessa V. S.a de exercer as funces'des Escrivo Deputado refferido Regimento: A Junta da Fazenda Publica desta
poT-:Commisso que tem' exercido at hoje, com o zelo Propincia, querendo evitar a continuao .Qde .tacs abuses,
que o destingue no servio public: e apezar das difficul- ha por convenience ordenar s suas De1egaes que cum-
dades inherentes ao desempenho de to difficicil logar nas pr'o estrictamente o dito Regimento, e que prestem atten-
actuaes circumstancias desta Provincia, compraz-me reco- o ao que deternminao os arto' 1.0 28., 29.0, 30. envian-
nhecer que V. S.! fez. quanto era possivel para bem o exer- do a esta Junta na primeira occasio. que se lhes offerea
cer zelando os interesses da Fazenda, e desempenhando com com a devida segurana, todos os espolios que se acha-
h'onra e reconhecida probidade, os seus deveres. Deus rFem 'arriecaadaos, acompanhados dosinventarios, testament
Guarded a V: S.a Palacio do Governo Geral da Provincia tos e mais papeis.. Moambique em Sessao de 8 de Feve-
de Moambique em S.;.Paulo 17' de 'Maro'de 1860.-= reiro de 1860. Joo Tavares de Almeida, Governador
IJl.:mSnr. Jose Zeferino Xavier Alves.=Joo -Tavares 'Geral, Presidente. Q Juiz de Direito, Jose Ignacio de
d'Almeida, Governador Geral.. :. Branches Garcia.= Jose Zeferino Xavier Alves, Escri-
vo Vogal. = Adolfo Joo Pinto de Magalhes, Thcsou-
N. .. 10 11."= Snr.== Tendo Sua Magestade EL-REI reiro Geral.= Para a Delegao da Fazenda de Quelimane,
Sido Servido Nomear para exercer as funces.de Director e identicas para as demais Delegaes.
* Thesoureiro da Alfandega de Moambique a Jose Zeferino '
Xavier Alves, o qual deve j entrar no exercicio do seu em- N.o 3. No tendo at hoje dado entrada no.Cofre da
prego, do que, at agora, o inhibia o achar-se exercendo Fazenda dos defuntos e auzentes o espolio do fallecido Da-
por commissao o logar de Esciivo Deputado da Junta de niel Martins, arrecadado pela Delegao de Fazenda da
Fazenda desta Provincia, cessaram as .ircumstancias que Villa de Tete, e no podendo por isso eumprir-se com o
deram logar nomieao de V. S.a para exercer por com- que determine o artigo 19.o do respectivoRegimento: A
misso aquelle cargo, motivo por que delle exonerado em Junta da Fazenda Puhlica desta Provincia, ha. por conve-
Portaria desta data. Cumpre-me porm dar a V. S." os niente ordenar sobredita Delegao que lhe faa remessa
devidos louvores pelo zelo,'e acerto com que V. S.' desem- do citado espolio com a segurana devida. Moambique
pnhou os deveres, de um cargo completamente alheio sua em Sesso de 8 de Fevereiro de 1860. ==Joao Tavares
profisso, e que V. S.a smhte acceitu por bemd'o servio d'Almeida, Governador Geral, Presidente. -'O Juiz de Di-
publico. Reconhecendo o bom servio quc V. S. prestou no reito, Jose Ignacio d'Abranches Garcia. Jose Zeferino
exercicio do seu cargo cumpro unidever da minha posio, Xavier Alves, Escrivo Vogal, Adofo Joo Pinto deMa-
que me sempre agradavel desempenhar. Palacio do Gover- galhes, Thezoureiro Geral.- Para a Delegao da Junta
n Geral a ].rnv;n O e M a Qam;rri e c D al ,n I -r da Fazenda da Villa de Tete.


Maro de 1860. -11.m Snr.Tenente Coronel, Joo de Sou-
za Machado. -'Joo Tavares d.Alineida, Governador Geral.

JUNTA DA FAZENDA PUBLIC DA PROVINCIAL DE MOAMBIQUE.
'N." I. = Circular. = Constando por factos. que se tem
dado, que algumas Delegaes da Fazenda dos Districtos
desta Provincia, no tem observado devidamente, o dis-
posto nas Cartas de Lei de, 10 de Julho de 1843, e 23
d'A-biil de 1845, publicadas nos Boletins Officiaes: n.' 29
30, 31, e 32 do anno .de 1858, especialmente na part
3.' da. tabella n." 2: A Junta da Fazenda Publica desta
Provincii ha por convenient ordenar as sobreditas Dele-
gaes o exact cumprimento das ciads Leis; tornan-
do-as respolssaveis pela' sua falta de cumprimento. Moam-
bique em Sesso de 8 de Fevereiro de 1860. == Joo Ta-
vares d'Almeida, Governador Geral, Presidente. ==O Juiz
de Direito, Jose Ignacio d'Abranches Garcia.=Jose Ze-
ferino Xavier Atves, Escrivo. Vogal. = Adlfo Joo 'Pin-
to de Magalhes, Thezoureiro Geral. = Para a, Delegao
-de Tzenda do Distrieto de Qulimane.
Identicas foro expedidas para as de mais Delegaes.

; 2 -= Circular. = Tendo algumas Deligas de ,Fa-


SECRETARIA DO GOVERNOR GERAL.
Relao extrahida das guias dos degradados que o Pan-
gaio Fatal Ker conduzio -de Goa para esta Provincia.
Domingos preto, filho d preto Fernando, de idade 22
annos, solteiro, condemnado pna de trabalhos publicos
por toda a vida nesta Provincia, p'elo crime de. espanca-
mento, ferimento, roho e incendio. AccordadT de 8 de
November de t859. ,
Mariano 'Frrnandes, filho de Francisco Fernandes, vulgo
Baray, natural de Na'velim, de idade 27 annos, solteiro,
condemnado mesma pena pelos mesmos crimes. Accor-
dam de 8 de. Nvembro d 1859. .:
Francisco ,Fernandes, filho- de Francisco:Fernandes,
,vulgo Foren Gond, natural de Taliga de:idade. 52annds,
viuvo, condemnnado a mesma pena. pelos mesmios crimes.
Accordam da :mesma data.
Agostinho preto, filho do CafreMathias, natural dh Pan,
gim, de idade 22 annas, criado de :servir; condemnadio ;mes-
ma pena pplos mesmos crimes.' Accordam da m'esma data.
Gapi Naique, vulgo Galpo, condemnado mrte- pir:
Accordam da R:elao do Estado' de 20 de Outubro de:
1857, commutda esta pena na de trabalhos publicos-per',








petuos em alg'ui Presidio, de Africa Oriental, por'Decreti
Real de 12 de .Otubro de 1869, mandado cumprir'por
Accrdam de 21 de Janeiro de 1860. .
.. -,-- ,
Relao extrahida das guias dos degradados que o Pan-
gaio Safina Natal -Naj, conduzio para esta Provincia
Bernardo Fetnandes, ex-Soldado, filho de Pais iineogni-
tos, natural de Taleigao, de idade 26 annos, solteiro, cn-
demnrado 6 pena 'de 6 annos de degredo para a Costa de
Africa Orienthl.' Accordam de 13 de Outubro de 1859.
Piedade da Cunha, filho de Custodio a Cunha, de idade
3- arnros, solteiro, Begarim, condemnado pena de de-
gredo de 3 annos e 6 'ixiezcs n'esta Provincia, pelo crime
de arrombamejnto e ,roubo de dinheiro. Accordam de '
d'Agosto de 1859.
Cosme Caetano Gomes, filho de Antonio Gomes, de
idade 44 ainos, viuvo, condemnado pena de trabalhos
publicos por todaya a vida n'esta Provincia. pelo crime de
noi-F(de sua mulher. Accordam de 28 de Junho de 18g9.
Agostinho preto, natural de Moambique de idade 29
anos mnais ou "menos, coridemni0do. pena de trabalhos
publicos por toda a vida n'esta Provincia, pelos crimes
d -i'sacinio e roubos com arrombamentos. Accordam de
12 de Agosto de 1859.
Lima Antonio, natural de Moamrbique, ,de idad 31
annos mais ou merios, dondemnado pena de trabalhos
publicos por today a vida n'csta Provinci pelos crimes de
assacinio e roubos com arrombanmentos. Accordam de 12
de Agosto de 1859.

S- "ZAMBEZIA.,
Copia. Commando Militar de Tete.- Serie de 1859.
=N.~ 345. -Ill.m" Snr.--Entraram n'esta Villa alguns
iMuizas no dia 22'do corrente mez com mar-fim'para ne-
gociar. Desde 1-834, so os primeiros que day's suas terras,
aqui se destinam. Informam que os sertes, Tombues, Che-
ras, e outros povos esto' em tranquilidade; inclusive o do
Cazembe cujo actual'Muata disem ser bom sujeito, e de qua-
lidades pacificas, e que mui provavel, que daqellas par-
tes; a qui tambem venhai negociantes com marfim, cobre,
e outros generous. Os Muizas prometem volver aqui no tem-
po das primeiras colheitas de mantimento, que em Mar-
o. Deos Guarde a V. S." Quartel do Commando Mili-
tar em Tete 24 de Novembro de 1859.- ll.`o" Snr. Gover-
nador-da Zambezia = Tito Augusto de Aratjo Sicard, Com-
mandante Militar.- Est conform Secretaria do Comman-
do Military de Quelimane 3 deJaneiro de 1860. Pedro Jo-
se Gonsaties, Alferes s Ordens Encarregado do Expediente.

BATALlXO D'INFANTERIA DE AOAMBIQUE N.O 1.
Relao das praas do sobredito Batalho e Bateria de
Artilheria. qiue falleceram no Hospital Militar desde o I.o
at 29 de Fevereiri'ode 4 60, com designao das impor-
tancias totacs de seus espolios.
Bacteria d'Artilheria n. .103 Soldado Antonio: Maria, fi-
lho de Jose d'Almeida, falleceo a 20, ficou' devendo ao
Conselho Admintrativo 4-12 5 ris.
3. Comp.anhia n. 212 Soldado Ignacio Gonalves, filho
de Jose. Gonalves,, falleceo no .1., deixou d'espolio 675 rs.
Idem. n-. 98 iddido'Cabo Joaquim Jose Calisto, filho de
Joo Jose Verissimo natural de Lisboa, Capital de Distri-
oto.,Administral io. edade 37 aunos, solteiro, fallece- aS,
deixou d',espolio 7;930 ris.: ....
4.* Companhia n. 256 Soldado Manoel d'Oliveira, fi-


lho' de Manoel d',Oliveira, natural da Ilha de S. Miguel,
falleceo a 13, ficou devendo ao Conselho 'Administrativo a
quantia dfe 510 ris.
3." Companihia .n:.217 Soldado Joo de Moies, filho
de Manoel de Moraes, falleceo a 15, deixou d'espolio 30 rs.
1. Idem 'h.0 29 Soldado Joaqiuimi Affonso, filho de Joa-
juim Affonso, natural de Pinheiro Novo de Vinhaes, Dis-
tricto Administrativo de Bragana, edade 30 annos, sol-
teiro, falleceo a 16, ficou devendo ao Conselho Adminis-
trgtivo 5015 ris.
Idem idem n.o 274 Soldado Antonio Alexandre, filho do
Manoel Alexandre, falleceo a 18, ficou devendo ao Con-
selho Administrativo 1 902 ris.
4." Idem n.0 209 Soldado Deodato Rodrigues; filho de
Jose Rodrigues,:natural de Langreiva, Concelho de Medas
District Administrativo da Guatda, edde 25 annos, sol-
teiro, falleceo a 20, ficou devendo ao Conselho Adminis-
trativo 4 172 ris.
Idem idem .n.0 252 Soldado Jose.de Gouveia, filho, de
Joo Gouveia, falleceo ,ai21, deixou d'espolio 277 ris.
3.' Idem n.o 178 Soldado Joo Loureno, filho de Frain-
cisco Loureno, natural de Penha-laro, Concelho d eSabu-
gal Districto da Guarda, edade 23 annos, solteiio, falleceo
a 21, deixou d'espolio 1$749 ris.
4." Idem n.o 201 Soldado Loureno'Neto, filho de Lou-
reno Neto, natural de Machados, onselho de Miranda,
District Administrativo de Bragana, edade 33 annos, sol.
teiro, falleceo a 22, ficou devendo ao Conselho Adminis-
trativo 27740, ris.
1.' Idem n.o 248 Soldado Jose Antonio, filho de Ma-
noel Domingues, natural de Atheia, Concelho de Mondim
de Bastos, Districto de Villa Real, edade 25 annos soltei-
ro, falleceo a 22, ficou devendo ao Conselho Administra-
tivo 4 90- ris '
4. .Idem n. 152 Soldado Jose Joaquim Forte, filho de-
Antnio Joaquim, edade'28 annos, solteiro, fallce a 23,
deixou d'espolio 9%245 ris. ..
2 Idem n.o 231 Soldado Jooo Affonso d"Qliveira, fi-
lho de Bento Jose d'Oliveira, falleceo a 24, ficou devendo
ao Conselho Administrativo 983 ris.
4.' Idem n.' 259 Soldado Francisco Varella, filho de
Antonio Varella, natural de Ourique, falleceo a 28, na
deixou espolio algum.
Quartel na Praa de-S. Sebastio L. de Maro de 1860.
Lrziz Antonio Qzorio, Tenente Coronel Graduade Com.-
mandante. .


P. !TI XN 014 Ir0 Fli, IA '
.... .. ,? ,,
CA BRA DIE ANGOaA.
Concludo do ffoltimi n. 9.'
Em, separado, tenho pois.a honra de levar presena, de
V. Ex.', debaixo de bandas,- os dois primeiros numerous'
do monthly Mfagazine, tendo eu marcado o lpgar.onde vm ,
descripta aquella. nova especie de gado. Por esta mesa
occasio rogo a V. Ex.?. queira desculpar-me se, mando ao
mesmo tempo um folhet que Seu auctor, f'.. Bayley, me
offereceu sobre a molestia do gado cavallar (Horse Sickness)
que sei eu lavra com espantp nas nossas colonies de Oeste.
Parece porm que aquella fatal doena aipda um mysterio
como a cholera, a doena que" d ns bttas, nas vinhas,
a ferrugem' no triog, ou a doena pulmonar no gado vac-
cum, que se nio pode curar. Este folheto contni alguis


- L ~ ----- -~-- ' ~~IIll~-Fli - rI--I-~ iI ~





S.


remedios'e .presenes insinuadaspeja experiencia, q~ue
podem si titeis' na pratica entre,A6s. ,, ,:,
SDeus guardea V, Ex.a=Cidade do Cabo,22 de Fe-i
vereira de ; t87. -.-Ill.mo e'Ex.0o Sr. Murquez de ,Louli.
-iAlfredoQ ,uprat. .
(. nnaes do. Concelho Ultramarino.)

S. CA VEGErAL.
l1."' e Ex'."1. Sr = Como espero oliter pel h'.ttenciosa
bondadde deSirGeorge Grey uma poro da seiete wax-
berry ou cera vegetal, apresso-me, ot-,agori me ser pos-
sivel, de offerecer a V. -,Ex alghu'ms informaes que ob-
4tive sobre aquella plianta' tit util ciomo iibteressante,, reser-
yando-me enviar aV.. Ex." ei tempo proprid a dita semen-
te, por via de Loridres.
No ap'pendice de um foiheto, 'a folhs 39, que j tive a
honra de rerpetter ao Conselho Ulttranarino, eom o titulo
de Florae Campe sis.Md1iae, 'ali se trata cieptificame -
te sobre aquella plant. .
Existem n'esta colonial seis species da' mrica, que ali
*vem discriptas Com 'ii's inotms ibianios: produzem to-
das elas cera, porm particularmente t-es d'elas. Pri-
mneira, a rnyrica cordifolia ( Lii; s:egind'o, 'myrca ser-
rata (Lamk); terceira, a m'yrica quFrcifohlia ( Liin.) O rbus-
to que proAluz a cera, e sobre o qual sou dar algumas
infornaes tiraadasd mesin 'folheto, ea myria cordi-
folia, mui commum nos suburbios arenosos 4esta cidade
e em outios d'esta co.loia, como Cibio" sd'aAgulhas, e
nos values papsos da lagoaBay. ':
,Planta nenhuma,, a par de sua grande uilidade, mais
propria para sustentar as arias moentes do que esta, e
diante de meus olhs' ten io eu' umi exemplo que mierece
relatar-se a V., tx.; "
Abriu-se, desde que aqui'r sido, uima bella estrada do
comprimento de yinte ,e quatro milhas, para s differences
villas e 'ideias.' que .circumiidati -. ta cidade"; por efla de
continuo transitam carruagens, carrose omnibus: porm'itei
cada vers'.era o Governo obrigado a despender grandes
somnas de dinheiro para desentlhar montes de arein, ique
o ento terrific do sudoeste li accumulava, impedindo at
mesmo a communiiko;'deitoue ismo'de rarios expedi-
e.nes para tal impedir, porm.seffiresultado alg-.i, quan-
,.'do o Honorable' Mr. Mohtagu, et to Secretario Geral do'
Governor, emprehenteu cultivar.eplantar o arbusto da ce-
ra aqs is lados 'da dita estrada, e a distancia dK iimami-
lha. 'D'esde rnto obleve-se o dobrado proveito das areas
se consolidarem, e do frcuto d'aquelle arbusto;. este meio,
em minha humilde opinion, merece a atteno do Gover-
no em circumsitancis igues, 'mesmo para os' nssos cami-
nhos de ferro, que com tanta satisfao vjo o Governo-
de Sua Magestade Io empenhadolem proseguir em.Portugal.
Voltando descrippo,d"aquelJa -planta, direi que a cera
que d'ella se obtem provm da superficie da fructa; ao tem-
po da sua madureza corre em estado liqu ido e indurece logo:
que fica eposta' a ar. A ,idrjca' cordifolia, antes de ker
corada,' possue uma cr veid-talido ;'o' setir'po e's&ecifi
,, c l xcede ao a prtoduzida'pelas abelhas ou cera animal;
mais dura e mais fragile, 'e derrete-se com mais facilida-"
de; contm igualmenle uma boa poro dima substan-
0ia peculiar-nui analog stearina ou acido-stearico, ,epor
isso lhe do o -nome de myriciana. ":' ~i':' '
- (Coitttmin.) *-
Si^ OMIMUNSICADO. .
Disco drs'irigido por 'Vicente. %ii d branchess ao Empregaedo do
Coniadoria Geral.


.-:-:. .lEMBARCAES' ENTRADAS., ,
'Nqo dia-:$9-Galeira Portugueza, fiajanfe, de; 369 toneladas, Capitlo
Joo Ignacio de Menezes, equipagem 21 pessoa, 4 bocas de fogo, de Ma-
cau em 52 dias, em lastro com arros e alunilas encojneidas para Lisboa,
3 passage'irs, para Moambique 'se;nd 'o t lferes Ars e S,praas de; iret, .
e 5 pa sageiruopara Lisboa que so Menor e 1 China, 1 Senhora e Ne-
gociantes, todos portuguezes. .
S' EMBARCAC ES SAIDAS.,
No dia t9- Pngaio Aribe, Nassir, de 50 toneladas, )estre'Heri equ.i
pagem-i pessoas, a bocas de fogo, para Zanzibar em lastro, passageiros
gentios extrangeircs. '
-Pangaio Arabe, Mabruqee,,;de Sa toneladas, Mestre Abdalla
Cambo, equipagem 12 pessoas, p ra os Portos dle Madagascar com fazendas.
No dia 30--Batel Portnguez, 'Flor de ~inii>pais', de 13 toneladas Pa-
tro Patricio, eqnipagem .10 pessas'i, para o Rio Tembo, com fazendas.
S- Batel Portuguez, Se -Deos .Quizer, de 7 toneladas, Patro Sali-
mo,- equipapem 10 pessoas, paa, o Rio embo con fazenUhs.
:Capitani do Porto de Moambique :,.30QdeMaro de 1860. = 4ntonia
.aria Guedi s, 'Cpita9ti do poro.. ,


;.i Junta da Fasenda. d esta Provinia .,em Seeso de 4;Maro c .1860,
rezolveu que se mandasse pagar aos empregados um mez de ordenado-
No dia 7 o pagamento ser feito aos em preg'doss'comprelhndidos nd ora-
mento no art. 1 a'0-; no "'dia -'8' aos empregados comprehehdidos no
art. 11 a 5; do -mesmo oramento e no dia. 29 aos mais empregados, 'e en-
cargos geraes -No dia 30 o pagamento ser effecluado aos empregados a
cin declatados que no se tuerem aprezenrtado em tempo competente ;'.
os queaassimi nio procederem, deverio requerer i'Junta da Faznda para
lhes mandar pagar os .respectivos ordenad.os. 'Eta dispoziio ter vigor, em
relao as ordens de pagamenuo, que d'aqui por diante a JunIta houver 'de
ordenar:com respeito aos ord.nados e solios doa empregadoi.'Os emprega,-
dos que tiverem u encimeinto annuaatal li06000 ris receberiXo'o ordena-
do relative ao mez de Fevereiro de 1860. Contaderia Geral de Moaimbi.
.que 26 de Mari die 1860. O Escriblo deputado interior da Junta da F.-
[zenda' F= icente Lniz d'Abrnches. '


SCarn Givane declare, que-fica sem effeito o annuncio publicado no Bo-
etim'dq Governo n. 5S de 4 de Feivreire ultimo, pbr'ter achado orecib
de que trata' mesmo annuncio. Moambique 21 de Maro de 1860.

Antonio Jacintho Baima 3.0. Escripturario da Contadoria. Geral da.Fa-
zendia, iendo-se-lhe desemcanminhado o seu'rer'cbo'de Veiciment'rrlativo
ao mez de 'Fevereiro proimo paisado assi'm o 'fi publito;para..qpe nio sieji
pago a pessoa alguma caso se presente..Moambique S I de eMaro de 1860.

:Previnem-se os ?en orrs que assignaram'para'este Boletim pelo tempa
de" rez me:es, que com o present n.o 13 se acha stlisfeita a stia asigna-
tara; e que, para lhes cnin(inaar a ser distribuido, precise que., s' n'rt~
renoval-a no Escrriptorii deslgeE 1abelerimenleo.


MOAMBIqgUE =. NA IMPRENSA NATIONAL.


Participando a V,S.as que tomei pose do lug.'r d'Ecriviio Deputadb da
Jiunta da- Fdenda, alfano-lhe's 'que, Wa iimita,o do meiu aniteceIsor, tra.i
'redii'a6t as-meldas' mais adequiadas para que o servi' publico'seji-
fe.itp com amaiorregularidade. ," . 1
P.oremi afim de que os' meus esforos ri e fiquem inutilisados, he miSter.,
que V. S." ine coaidjuyem, e tanto mais que, em toda e qualquer repiarii-
.o ch,:re ainda'meismo o mais active carecei do auxilio dos oulros Em-
Congrall-me pr ter sido collocado testa d'esta Repartio pois que
est.ou inif.rmado de que V.. S.;a tem conhecimento do respecti.,lsi.Je rr.s,
e so zelozos no cuinmpimemto dresses deveres;. e fiquem na perteza de quq
nunca eie- equ,aii r-me ao desempenho 'das minhas abrigaes, eutre as
quae s refetirei a'e promhovTr o b~i~ star de V,' S !s Dada porem a hyipo-
,ih.se de qu.exisil; ubgtacul para qiue V. S." p,.so gjzrr .inia.,auta-
den~, de nqe eceasi [, .eapp r' que imto em cou1a alguma dimniuui i o.~eIo
Ide V. S." no desemp aho daS respecura. oibrigaq'.e; pois que, corno sa-
bePi perritamente, ie lever do cidadJo, ainda niesm-. com sacrificiof, dc-
dicar-se ao sei-.vio do paiz, e no ter em vtsta outra iecompensa sen9 a
salisfal de pEaictar uma boa arii. '
MuiLo liede folgar que nas nossas rela3e. particulares o mu comporta-
mento seja tal que lhes merea o titulo d'amigo. : .


MO IMIELTO DO PORTO DE MOAMBIQUl-E,'i
.' de 92 a 30 4ot torrente'


i.





AINO-4860.





BOLETIM


IlER'O I .4,





OFFICIAL


.. : D O

0 VOYiR N IotUl vAth RlV)I1A D-1I0HllBlill
ELe Boletim semanal ser publicado tods os sabtados e no Preo de asssignatura por ano......:....... r. 800
ta aht'edden.te'ou n a 21.'feira seguinte quando aquellefor Por eis ezes...................... 1500
fe ripto: signa-se para o mesmo em Moambique noEscri- 'Por tres mezes .... .................... SOO
ptorio do Estabelecimento da Imprensa Nacional e. nos Dis- Por folha avulsa ........................ .,, 080
trictos, nas Secretarias dos Governos ou Commandos de A Preo dos annuncios por linha.............. .0040
Villas, as assintrs so sempre pagas adiantadas. Correspondencias d'interesse particular, idem.. 030


11 RT Ti OF FCI 1A I

COiiiERNO GEiRAL.


N' 49.= Tendo o 1.` Sargento de Companhia de Vetera-
nos, Boaventura Antonio Fernandes requerido passar ao ser-
vio activo, em consequencia de- se achar restabelecido da
doeha' que padecia, e em raso da qual tinha sido-jul-
gado incapaz. do servio pela Junta de Saude que em
sesso de 28 d'Outubro de 1858 o inspeccionou, e vendo-se
peio pareCer. da mesma Junta que em Sesso de 2-9 tocor-
rente o inspeccionou'novaniente, que aopresente o dito 1.*
Sargento no padece a molestia que' deu lugar a passar a
Veteranos : O Governador-Geral da Provincia de Moam-
bique deteriina o seguinte:
SPassa ao servio-activo do Batalho d'Infanteria de Mo-
ambique n. 1L, a que anteriormente pertencia, o 1.o Sar-
gento da Companhia deVeteranos Boaventura Antonio Fer-
nandes.,
As auctoridades a quem competir assim o tenham enten-
'dido'e cufnpram. Palcio do Governo Geral da Proivncia
dde Moaibique 30 de Maro de 1860. = Joo Tavares de
Alreida, Governador Geral. ...... ..
N. 50. = Circular. = Tendocessado os motivos que de-
ram' logar s disposies da Portaria deste Goveruo Geral n.0
203 de 31 de Dezembro do atino findo relatives ao expedien-
te da Secretaria 6eral; O.Governador Geral da Provincia de
Moambique determine, que .fiquem sem effeito as mencio-
nadis dispo.sies,. oon.tinuandoo .exp.ediente civil e inilitar
a'ser ssignado pelo Secretario do Governo Geral, como
at ento. Palacio do Governo Geral da Provincia de Mo-
ambique 4 de Abril de ,1860. = Joo Tavares d'Almeida,'
Governador, Geral. .

.o 1. =TIll.'" Snr. =De ordem'de Sua Magestade EL-
1Ei, communicada em Portaria do Ministerio da.Ma rinha e
Ultramar n. 98'de 1859, transmitto'a V. S. os Regis fou-
.vores que, Sa Magestade Foi Servido Mandar lhe f'ssi;
dados cb 1zelo cm que V. S. tem'cumprido os'divetes
a s igo."O iqe comimunico a V. Spara sua satriiaOd'
eftla -o-lVa'copia da refferida Portaria que 'e' ace~lapu-


blicada no Boletim n.t 10 de 10 de Maro corrente. Deos
Guatde a V..S."=Palacio do Governo Geral em S. Paulo
17 de Maro de 1860. O Governador Geral, Joo Tava-
res d'Almeida. -IlI.m" Snr. Joaquim Franisco Collao,
Cirgrgio de 2., Classe da Provincia deMoambique.
S -DISTRICTO DA ZAMBEZIA.
Relao dos Alumnos que frequentaram a Escola de
Instruco Primaria no antro de 1859.
Frequentaram a Escola durante o anno, alumnos.. 30
,Quilimane 31 de Dezembro de 1859.==Marcos Anto-
nio de Souza Belarmino.
Relao das disczpulas que frequentaram a Escola d'ns-
tr~teo Primaria no 2. Semestre de 1859.
Frequentaram a Escola. .. .. .. '9
Quelimane 31 de Dezembro de 1859.=D. Henrique.
ta Carlota Ozorio.
Relao das praas fallecidas na Companhia d'Infante-
ria de Quelimane durante o mez de Dezembro de 4 959, e
Janeiro de 860, com designao das importancias totaes
de seus sepolios.
N." 72 addido Soldado Antonio Joaquim. ignora-se a
filiaci e naturalidade.-= Era da Companhia Auxiliar do
Exercito de Portugal, addido a esta Companhia, falldceo
no dia 27 de Dezembro de 1859, pago de todos' os seus
vencimnentos por esta Companhia desde 1.o d'Abril at 27
de Dezembo de 1899,. deixou d'espolio 7'675, ris. No
trouxe guia por isso nada mais consta.
N.o 83 idm idem Silvestre da. Silva, ignora-se a filia-
o e naturalidade. ra, dia Companhia Auxiliar do
Exercito, addido a esta Companhia, falleceo no dia 2 de
Janeiro de 1860 pago de todos os seus.vencimentos por
esta Companhia desde o 1.0 de Maio de 1859 at 2 de
Janeiro de 1860, deixou d'espolio 4,930 ris. No trou-
xe guia e por isso nada mais consta.
Quelimane:2 de Fevereiro de 1860. =,Jose Emilirio Go-
mes Barbosa, Tenente Commandante.
- ista mortuaria da Freguezia de Quelimane desde o L.
de Julho at fim de Dezembro de 4859,
SEXO MASCULINO. .
Gregorio Caetano Dias, edade 48 inlos, naturalde Goa,
fa1Tceo a 12 de-Julhe. '.' .






'~


Francisco, edade 11 annos, Africano, 'allec#~i'&9- d'
Julho:
Antnio Ferreira Pedro, eJf $6 annos, falleeeo ai 3
de Agosto. :
Luiz de Morias,4 ed de 3 niezes, Africano fall'e a 3
de Novembro.
SEXO FEMFMINO.
D. Esperana Rodrigues de Mello, edade 35 annos fi
leceo a 24 de Agosto.
SMerciana Barboza de Moraes, edade 3 annos, Afiicana,
falleceo a 5 de Novembro.
SMaria de M'enezes, edade 43 annos falleceo a 30 de
Dz-fi'b0. -
Dezemjbro.
S:Igreja Parchial de Qfilim~ne 4' de Janeiro de 1860.
O Vigario interino =Padre,. Gabriel da Costa.

DISTRICT 'DE TETE.
Cnta da receita'. dlis"e d Camard .MKiciplf det
Tete relative aos afnos de 41856, 4857, 4858
m 856 .
.Em 1857. ..... .... ..
Eni 188;: Foi a receita total de ris. .. 83X585
Despeza totalFris '..- ... .. it964
Saldo.. .... .... ....71$621
N. B. At iA driti de' l8(8 D.-enim riedime~ito, ti-
nha a Caniara, depi i ue comeor a a recadir os da
fabric e cemiterio segundo' * disposies da' Portaria n.0
661 de S. Ex.' o Governador Geral da Pro.incia d-Mom-
bique. O Fiscal Joaquim Romo de Miranda.-- Est confor-
me. OPresidente = Pascal de~Menees Guarda e Figueira.

Estatistica da prodtco'fortnada pdla Cdimard Mtftali-
dipal de Tete, referida aos annoe' abaixo indicados.
A. -. : .1 -O .


Anfdl Desgh- O|
De* mg snaP e .* 5 S

Milho. .. .....60:000 172
s1856-Arro. .. .. .. .. 700 345
-Milho... .. .. 60:000 172
Trigo.... 1:000 690
Si .-Dito. de varies qualidades. t:080 172
1857- Arroz ... .... 700 3
S-Milho. .. .. ....60:.000. 172

.-Dito de varias- qualidades. t:200 172


,,Trig~. .. .. .. 200 690,
, -Dito ide varies qualidades 2:400 172
Joaquim Romo .de Miranda., Fiscal. =Agostinho d'Q-
livefra Barrdtto, yeriador. Paschoal: de Menezes Guarda
eFigueira,.Presidetite'.

* -. Relado dos A'lumno. e Almns que frequentaram a Es-
cola de Instruco Primaria nos antos abaixo mencion'ados.
Annos .:Atmn os Alumnas Total.
SE-18 57.'- Exiriat. .. 48 2-
Em 1858.-Idih. .' k .. 48' -0
'Em 1859.-Idem:nativos'.. ; 30
5 ::.-- Idem indgenas.. 10
i: cam eistind o. .. .. .* ,..


Tete 1. de Janeiro de 1860. O Professor'= Agostinho
de Oliveifa Barreto.
SLisia dhbs Baptismnos, Caodnentoi e Obitosna Frregezia
t Teekos annos abaixo iridicadol. .
Aiinos Baptismos. Casamentos. Obitos.
SEmi 1.856. .. . 26 21
SEm 1857. .. 34 1 28
Em 1-858.. ..... 64 2 28
N. B. Estes esclarecimentos referem-se clause dos Chris-
taos,-Da Cafraria, no ha registo a!gum.
Quartel do Commando Militar de.Tete 30 de Dezembro
de 1859.= =J. A. d'Araujo Sicard, Commandan.te interior.

Relao ,moftuaria da freguezia de S..Thitago Maior d
Tette desde o i. de Julho cd 31 'e DDeibr6p U.Sf869,.
SEXO ASULIrNb.:
No mezde' Julho.--Miguel. Maria d'e Azevedo, do eda.
de 23 annos, ignora-se a filiao, Cabo n." 60 da 2.' Com-
panhia, addido 1 Companhia desta guaTnio de.Tet,
.natural de Portugal.
No mez de Agosto.- Daniel Martins, solteiro, natural
de Goa, ignora-se tudo mais.
No mez de Setembro.-- Joo Antonio da Silva, natural
de Beja, ignor-se tudo mnais.
N mez de Dezembro Jose Pedroa vulgo Jose Peixe,
natural: desta Villa, de idade 28 anns ignora-se a,filiao,
falleceo- no Hospital Militar.
:- --Joaquim, natural ;desta V4il.4 filho de Mart od
Antonio de Nascimento,; de idade de 10 annosi;.
sixo Msi4IN6.
No mez de Agosto.- Carolina, fili de tigul1 Aiugi~t
ta de Gouveia, natural d' sta Villi, de' idade 8 dias.
No mez de. Outu'bro-- Caroflina' Joaquiia N1unies Car-
dozo, da idade 43 annos, filhlade'UJ9 da' Costa .Cardbozo
natural desta Villa.
Residencia P rchial ei S. Thiago- 'it:r e i dt t de
Jaeiro de 1860. O Parocho=== PiJdr Alitio' d arai o.

A.DMINISTRAAO DO CONCELIO DE MOAMBIQU$
Mappa dos Cereaes entrados n'eita' Cidade no nees ds
Maro de 4860, dos differences points do .Coitinente.
Arroz........... Pnjas... ... ........ 160
MilhofinQ.......;. .. ......... 1:196
Dito grosso........ .............. .56
Feijo ......... .............. io
Mendbim.. ..... ;............ .. .. f6
M .xueira.. ..... ........... 20
Maaca......... .. ..' .. .. ... 37
Sontm ... ....... ..... .. :. 2S 3i,
AdministrE do oncelto, fI.' de& Maro de- 1860. (
Aidminisftriador d Conicel]ho 'Aii~tca 'Bdii#iao 1Ves.

S Relao mortuaria do mes de Maro d 169.g -
SEXO MASCULINE
SNo dia 11- Punj _Guin, filho de.Gin Amange, na-
tural de Dio, e Iade 32 nriios, asid Gentio, pedreiro.
SIdem 12--Francisco, filo de"Balad linmy, naiturafdR
Moambique, edade i axino, c iristuo.
---- Venanci da SilVa, filho de J.os d Sii;;, fiii-
iraldeVinaxes, .dade 0 annos, casado, ch rist degtadado.
Sil e. 4- Victori6o Antnio Sampzn o de' o


~-~-c ~ p -. Ii` 'i "`~~ -C~-3c~-~t~---~m
---; - --


".`
~-~.a~x~i~j~;*ir





-l;l 59


miings A'nfonio Sampaio, natural Lanimg, edde ' an-
nos, viuvo, ihrifto, degrai.f i. .
iaerii i3 Iri Cut lr, filhode ` i~uf1tr"fi airiffrt di~i.
clie, edaidc 3i' ainos., t do; inkjt,; Mtfihitb tdif'5
gaio. = Ramoo Pas. .
SEXO FEMENINO
No dia 7 D. Luiza Maria Moreira der Menezes, ilha
de A:ntorg Jose Moreira, natural, de Moambique,, edade
"O4 rnnos, viuvaB chrita.. :
Idei 92,-- Paula Izabel, rintural da Ilha' de 9.- Miguel
edade 47 anns) viuva,- christa, degrad4ida.
Iden, 29 --- Mari de Menezes, filha de Joiqurim de Me-
riezesi natural 'diVillai Vioa;, edade 48 atinos, casidai
christs, enfermeira do Hospital.
SNB Faflecerm: mis'durant o meci'O praas .sento 5
praeas'do Batailho d'Infanteria de Moambiqren.' 1i 3
da Ilateria Artiilheria,'e 2 da Coaonia Militar de Tete.
SAdiininstra'ia do- Goieelho de Moambiqie 2 d'Abril
di 860.f -O Adiniuistradordo. Goneelho ii!lcir Bar-
vfinio J,wn. _,

SOSPITAL irnTrAR DEL M-oCA1mthciBi
'inojrt d o niokti i to CGliditd- CU h .r: de Marro de P6&80

D '' ESIGAES3 S o

,,, t, 5 1, ..
Existiaimi............... 98- 6. --i- -1'O
Entraram ............... 21--- 1'3- 5-- 3 -r-
'Sir- Curados otu melhor.0 208 -- -, -22-
Fa iecids... ...' T- - -
ica anistindo......... 9- 3o- 2-fO
Secretofria d Hospital Militar de Moambique ti-.':de
Abril de 1860. O Director= Pedro Sergio da Gosta Via-
wa- e, Andrade, Ci'urgiio de' 4. Cla3sse.

Relao da praas dos Corpos, e Companhias.abzixo
mencionadas 'que fallecero durante o mez de Maro de 1860.
SBateria d'Arterieria-- N.o 1f 4 Soldado Joaquim Gon-
palves Caixinha, filho de Jose Caixinha, natural de Fun-
do, entrou i 5dec Fevereiro ,e fdleec a 4 do corrente,
de dyksenteria sobrevinda de cachexia.
SIdeii. -N.0 116 Soldado, Jose dos Santos, fillo de Sc-
bastiao Maria, natural de Bragana, enirou a f:d Je anei-
ro e falleceo a 9 do cdrt~tit, d diysdtteria. -
' faeit --N: 9 Cabo Jo' b Atnto'tio Cnaquinhn,i filhede
Jose. Casquinha, natural de LagQs, entrou a '8 fa leeo ao
22 do corrente, de fbr ififerrmitntee perniciosa.
. dan'. -No '.1 0" SoldHad Manoel Joaquiii da- Costa, fi-
ihq de HI.enrique Jose da Costa, natural de.l Beji, entrou a
'9 de Fevereiro e falleceo a 31 d doc rtente de dysenteria
Batalhno de Caadores N. 2.=- L. Companhia, n.O 118
Soldado Francisco Pereira?, filho de Antonio Pereira, na-
tural de Paredde, .entrou' 2fd' d Jafeiio, e falleceo a 10
do eorr enter, de febre ihnermiitente pernii]osn.
SBatahltao d'Ifaateria de MoarnmbiTe N.0 1.- i, Geon-
pa'nfia, n." 2 2 Soldado Joaquini Lornio, 'fi~b d"Anlihio
Loureno, natural de Fro, entroua .i de Fevereiri falle-
cco a 3 do corrente meningite sobrevinda defebre perniciosa.
dl.er, 4.." idem, n.' 153 Soldado Ovidio dos Santos,
fio de Joe Mendes.- natura' de Mtides, entrouti ao d
Maiod'ec 1859: e fi Ileeo:: a 10 dor oorrente det dloera ci-
tte a na perna, e dysouteria.


Ideni':--I er, n." 297 Soldado Ignacio Jse, filho de
Francisco Jgse,' natural *d''S:. Mrtiiho, entraio a 6 deMai
de 1839 e' fallceen a- 13 do corrente, de febrepernicidsa.
!dei, 3." 'i iem n 23 Soldado Manol Rodrigues,.
filho de Jose Rodrigues, natural d-I'stos; enti.u -18 e'
fallebib a24 do corrente, de febrt ii temittente pernicioza.
Idem. -Idem, n. 21 'Soldado Francisco Jose de Sou-
za, filho de Joo Antonio Fernandes, natural de Beja, en-
trou a 9 de Fevereiro e falleceo a 29 do corrente de ca-
tarro' pu.lmcnar chronic.
N. B. No var relacionado n'esta o Soldado n."' ii da
l.'" Companhia do 2.0 Batalho, de Cdadores- TIigo Au-
gusto fle Menzes pori no tdr dado entrada no Hospital
mas sim o seu cadaver para ser sepultad.
Hospital Militar de Moambique 2 de Alibil de 1860,
O Director== Pedro Sergio da Costa 'ianna Andirad.
Cirurgio da i. Classes.




A, c 0diA, VEGETAI. '
Conlhilido do Bletinn f.> 13,.
A cera ds al'blhas coiit'i uia maor por~o:db deeftihW,
outro consatuinte da cera. A cera vegtal dissolve;-se em'
therebent Lia firveite, e combinada crm. s alkalis frti aima
maas ue qUe pbssg e a propriedide do sabo. Quado seVma-
auactira en hvlas, dev-se-llie misturair iu'a igual poi-,o
de cebo, para que a sua luz se trtore mais-.ura clara.
O tempo propri aqui, parW afcolhita d dita 8'ene'nte,
no- mez de Novembro; a semente madura facilmente se
obtem, saudindo-se o arbusto, d pondo-se deBaixode' seus
ramos um pahino. Seifeia-s no odtoti', d'po'is dJas primei
ras aguas torrirenir as ar eifas Dias; crecs e igulmerite
aquella:planta em terrezios-.fereis.
O metlihdb d' sepiara a cera do fructo ftir e de'
pouco custo. Deita-se: uma quantid'ad de sermente- eim uni
vaso de ferro cheio de agua;: qundo a agua ferve, a cera'
se acha deiretida e ria suprefici. dKf'agua ; estcmia-s, e
quando fria t6nia a cbnsistencia da cera. O process de
ferver-e escunar a ceira rep'tids votes coi agua; piatr, d
de a pr ao sol, lhe tira a cOe verde, e s torna ento mui'
branch: calcula-se qiue seis- a e'telibras d' senmenta da
myrida cordifolli dao p outco ais ou, menos uni libra ddb
Scera.
O pequeno folheto ao qual acimr ni rrdfti, ffiecbd-a
necessarias infornaes sobre aquelle artbu. t,; sbre o
eterreno onde se deve pl antir, sbbrt o. mnlofidr' iiicltd'o
de sua culture, de colher o frctb e fin'ainrt'di' i- . tl'ac-
oi da ceid. Conio object curioso initttre'i igluarimeite
Sum pequeno arbusto dimi a s'imet;, dssifi cmnio rit m'I
de cera brutal e- uma peqiuena c'ixa, c itldind in pibco
do; torrao Onde' melhor s'e"d: a plant.
O excellence aio, q d. .ju. ditigiu e' Pd~ is d
S r: Pimenfel. e qie li rios Ann ae, 'quii V. Ej. s'dignou
enviar-'md, sofre a ploita mafirr' qe pirodhz o ceb 've-
getal, mne induziu' a dar pdi ~tea V. E da exislencii aqiii
d aquelle product. natural, a ccrd vr tl; aqueli pilLnta,
Sestou cei-to, dev.e mii bei acclimatdr-s, no' s .ria' nos-
sas Priovincias d Ultra nari, cdio nh Portugal hi~s im-
mensas planici.es' de areia, do oUtio' ad' dlo Tejo.
(ueira '. .Ex:- ddscl'ri a hiniili ioua'ia it ffIie of- -
ficiar, qu ftio drm o triais prfoftund s i ifa' e ad1i-
rago, pelo i:qtaresse. es.larecido que V. Ex."' tdei~ti







tantemente mostrado pelos melhoramentos e prosperidade
das nossas possesses ultramarinas.
Deus guard a V. Ex.= Cidade do Cabo, 14 de Maro'
de 1857.= I11. e Ex."' Sr. Visconde de S da Ban-
deira. = Alfredo Duprat.
(Annaes do Concelho Ultrai.adrin.)

ANIL.
Descripo, cultural e preparao do anil.
.0 Indigo ou anil (pigmentum vindicum) uma droga
propria para a tinturaria e pintura, sendo extrahido das
hasteas e folhas de varias species de Indigofera, genero
da familia das Leguminozas, -cuas numerosas species se
encontraMr nos paizes tropicaes da Asia Africa e America-
SDe todas as materials colorantes, sem duvida esta plant
aque!la que apresenta mais numerosas species no commer-
cio, as quaes so divididas segundo o paiz onde'foram pre-
paradas, e tambem seguido a sua cr.
Sao conhecidas treze, species, divididas cada uma em
mais ou menos variedades. Aquellas que mais se cultivam
swo -as quatro species, Indigofera anil, Indigofera inc-
toria, lndigofera disperma, e Indigofera argentea.
Os droguistas, do, prefereqcia .ao anil da Asia, e da
. terra firme da America, especialmente ao de'Guatimala,
denominado, pelos Botanicos, Gualimala flora
O bello anil, em bocados chatos, de median grossu-
ra, no muito duro, limpo, nada sobre a agua, infla-,
mavel, e de bella cr azul ou'violta escuro, semeado por
dentro d'alguma's palhetas pardas ou argenteadas e pare-
cendo vermelho q-rando se esfrega sobre a unha.

A plant ou arbusto d'anil Indigofera anil, procede de
sementes, e cresce quasi a tres palmos d'altura :-suas
folhas so compostas de pequenos foliolos, que so redon-
dos-como os de buxo, de cr verde atirando um pouco
.para amarello :,---a sua floor avermelhada e semlhante
das ervilhas, produz umas bagens mais ou menos curvas,
que encerram pequenas sementes de c6r verde azeitona.
Requer muilto cuidado da parte do cultivador, alem de
uma excellent terra. O terreno deve ser plano, hmido
e fertil; e antres de s,emear-se, limpa-se de toda a erva
que tiver, e cava-se ou lavra-se a rego fundo. Depois de,
aplanado formam-se covas com tires polegadas de fund, e
palmo e, meio de distancia .umas das outras, onde se lan-
am em cada uma dez a' doze sementes, as quaes s'e co-
brem de terra ligeiramente.
Como faz cana'r muito o.terreno em que se cultiva, de-
Te ser plantado s, no se consentindo ao p d'elle, nem
o milho, nem o feijo, nem outros alguns vegetaes. Arran-
ar-se-hao today as ervas que crescerem em torno d'elle
at chegar sua perfeita madureza.
:Pode semear-se em todo o tempo, except durante as
grandes seccas. Se a semente fr lanada a`terra em tem-
po humido, logo em 3 ou 4 dias brotar, e em 2 mezes
o plant, se ac.har em estado de se poder colher.
Depois do. pri'meiro crte rebenta de nvo, e pode con-
tinuar-se a cortal-o algumas vezes no anno; bem entendi-
do, suppondo-se o tpmpo chuvozo, porque se se cortasse
em tempo de seca perder-se-hio os ps da planta, que;
a serem' bem tratados, podero servir 2 annos, sendo ne-
cessario arrancal-os no fim d'esse tempo. O product di-
minue, cntinuadamente depois do 1." crte; de sorte que
conveniente renovar todos os annos a, plant por meio
em - o ;


Requer no tempo sco frequentes regas, as quaes de-
vem ser conduzidas com prudencia e arte, para que a plant
nascente,,ou adulta se no veja obrigada a receber ou a
guardar por muito tempo uma humidade'superabundante,
que apodiecendo a sua hastea, iifallivelmente a far
morrer.
Dece cortar-se quando estiver bem sazonada ; a occasion
prpria para isso cohhecer-se-ha, quando 'as flores princi-
piarem,a; abrir,, e quando,'dobrando-se uma folha entire os
dedos, ella estallar como a folha do limoeiro,;por que neste
caso qufe elladar mais fecula e de melhor qualidade.
Pelo contrario, deixando-a na terra por maior espao de
tempo, a hastea se enrijecer e as folhas de baixo se tor-
narao amarellas e seccas, dando um ahil de nm qualidade.

Depois de cortada a plant n'este estado de perfeio
a duas'polegadas da terra em tempo humido, cumpre,
quanto.'se poder, apressar o seu transport para aIndi-
goria ou anilaria,, porque fermentando ella com facilidade,
um -principio 'de fermentao fra do tanque far-lhe-ha
perder muitas das suas particular colorantes, e.deteriorar
Sa sua bondade.
A Indigoriaou: Anilaria formada de dois alpendres:
um' destinado fabricaio do anil, outro a secal-o depois
de feito. (No se exponha ao sol)
O primeiro alpendre o podridoleiro de 30 palmos de
alto, sem parede, e sustentado por pilares,, onde esto
construidos 3 tanques visinhos mas em diversas alturas,
e proximo ,d'um reservatorio a agua, a qual deve ser
pura e clara.
no primeiro e mais alto tanque que se denomina,
demolhadeiro ou infundidoiro, o qual um quadrado que
tem uns 20. palmos por lado, e qne feito de pedra ou'
madeira, onde se lanam as plants, e se vo accummu-
lando, de modo que, pondo-se-lhe por cima taboas com
pezos, para que nao fluctuem, a agua sobrenada at 6
ou 8 polegadas as camadas, deixando-as ficar assim por
tempo de 15 a 18 horas.
.. (Continsta.)



&11OVIMENTO DO PORTO DE M.OAIBIQUE.'
de 31 de Maro a 6 do corrente.

EMBARCAES ENTRDAS.
Nodia 4--Batel Portuguez, Flor de Sancul, de 14 toneladas, Patro
Jaabo, equipagem 1U pessoas de Sangagy em 6 dias, com mantimento.
EMBARCAcES SAIDAS.
Nodia 5 -Pangaio Arabe, Roaza, de 24 toneladas, Mestre Muqueaa
equipagem 16 pessoas, para Zanzibar com fazendas.
Capitania do Porto' 'de Moambique 6 de Abril de 18C0. ndateii
Maria CGudts, Capitd do Porto.


D'ordem da Junta da Fazenda Publica, se faz public que no dia 10 de
corrente pelas 12 horas do dia hade andar em praa perante a mesma Junta
-o arrendamento da caza do Estado denominada d Bispo, debaixo das
condies que desde j se acham patentes ha Contadoria Geral. Contadoria
Geral da Fazenda de Moambique 4 de Abril de 1860. O Escrivio depu-
tado interino. Vitcente Luis d'Abranches.



: NOA BIQUE : NA IMPRENSA NACIONAJL .


~Ci~iii-rrrrwa~i~--i~iii~ii~iii i





A nO-I1,860






BOLETIM-


OFFICIA! ,






OFFICIAL


DO

ciO wi R C n nD lCARI ,

Elste Boletim semanal,ser publicado todos os sabbados e ro S l Preo de asssignatura por anuo.,. r. 28o00
dia antecedente ou na 2.' feira seguinte quando aquelle f r Por seis mezes ......... ................... 1500
feriado : assigna-se para o mesmo em Moambique no Escri- Por trcs mezes ... ,.. , ....... ,, 800
ptorio do Estabelecimento da Imprensa Nacional e nos Dis- 1 4 Por folha avulsa. ............... ..... .,, 08O
trictos, nas Secretarias dos Governos ou Commandos.de A Preo dos annuncio. por linha.;. ........ ,, 040
Villas, as assignaturas sio sempre pagas adiantadas. A L Correspondencias d'interesse particular, idem.. O



JUNTA DA FAZENDA PUBLIC DA PROVINCIA DE MOAMBBIQUE.
.1859- 1860

Balancete do Cofre da Thezouraria Geral no 2." Trimestre do anno economico de 1859 a 1860.


Saldo do -l. Trimestre ...... ..................... ....
Receita durante o P. T;imidsre .. .... .. .. .....
Despeza durante o mesmo. .. ...... .... ., ....... ...... .
Saldo que passa ao seguinte,... .... ........... .. ..... ._


Desenvolvimento da Ieceita,
Balde do Trimetre indo. .. ... .. .. .. ... ... .... ..
Impostos Directos.
Papel sellado..... .. ... .. .. .. .. .. ;
Sello de verba .... ...... ...... ... .. .. .
Sizas .. .. .. .. .. .. .. .. .. ... . .. .. ..
Decima Predial.. .. .. ... .,.. .... ..
IntIostos Indirectos.
.mportao Nacional., .. ... .... ..
Estrangeira .
Exportao Nacional.. ..................
Tonelagem Nacional ... .. ..
onelagem Estrangeira..... .. .. .. .. .. .

Armazenagem. .. .. . .. .. .. .. ... ..
Fundo especial Direitos de vinho .... ... ..
de Colonisao Impostos de Navios e Pang'aos. .. ....
Escravos despachado .............. ..
Tomadias..... .. .. .. .. .. ., .. .. .. ..
l*roprios naeionaes e diversos rendinaentosa
' ' orreio. ... . .. .. '. .' : . . .. :. ..

Impressos ven- Recibos mensaes. ...... .. .. .. ** ..
didos ao publi- Despachos por seller ... .. .... .. ..
co Boletins e Annaes do Concelho Ultramarino.... ..
SDespachlos Sellalos.... .. .. .. .. .. ,..
ntregie pelo negociante Francez Antonio Miclielimporta*icia da re'da de um anio do armazemi
do edificio da Junta que the estava arrendado . .... .......
R1smessa feita pela Delegao de Quelimane importancia do sello de duas Portarias. ......
Iledr do Ministerio'di Marinha e Ultramar por conta da subvenao.... .....
Idem idem para as despezas da Colonia Militar de Tete segundo a Portaria n. do Ministerio
Entregue pelo Almoxarife da Fazenda, reposio. .. .. .. .. . ..
Importancia paga a mais pelo negociante J. Jesus e Silva na conta de despesa do Continfgente de
Maco, engino no preo do resgate dos negros ..... .. .........
8aqnes-contra Francisco Antonio de Carvalho para serem pagos pelos funds da Fazenda que se
achio depositados no Banco Oriental de Bombaim. degundo o aviso 'do mesmo em Oficio de 27
S1 : : " mn s *.


t7:9.I4$376 43:1728553
30;9i2033
12:2,6O)485


156S584 143


162go93
5li798 *
3k8M667 6lIl604


8116 04


8:787~gSul
5:609746 8:3976l4
1:7789872
42133 .
101,333 i4346(;
3854103
37487
23~0oo 6l087

5 'J0 10:77628

33j


I1O59
"J412
1b647
5490 S6OM8


11~94f


50$000
6m00
3:b00000
97:;o
9~7 L8


P..Gs648a






S- 62


Transoarle. .. .. .. *" *. .. . .
de Junho de 1859, Rupias 8640 r. 13a. -3 p.. .
Entregue pelo Alferes Palma saldo do adiantaomento rccebii, em Lisboa.... ...
Idem p'r D. Maria Roza da Encarnaco,, decima uneraria. .. ... .. .
Reposio do Escrivio eiicirrtegado do Brigue de.iuera, D. .Ib de Castro...
Saques contra o PagadorGeral da Marinha por-onia da subveno votada em Cortes....
Entregue pelo negociante Jacintho Jesus e SII'ai, iiT..,ri..n.i. da despeza de dietas e medicamentos
com o tratamento de Marinheiros da .Galera, icjc.,1....... .. .. ... ... .
Entregue pelo 1.0 Pharmaceutico, saldo do rendimento da Bolica atd 10 de Novembro de 1859.,

Somfna Total.. ........



. Desenvolvimento da Despeza


S-overno e AdministraAco Geral&
Artigo I.0
Sceioa 1.a
Governo Geral..
.0 Governador Geral. Vencimento de Maro a Maio de 1859 .. ..........
Seco 2.'
Secretaria Geral.
Secretario Geral. = Soldo e gratificao de Maro a. Maio de 1859 ...... ..
Empregados. = Ordeuado de Setembro a Novembro de 1853 .... ....

Artigo 2.
Governor Subalternos.
S :eco 2.
District de Tete.
dovcrnador .., .. .. .. .. .... .. .. .,
Seco 3.*


District de Loureno Marques.
Ao ex-Goernador por conta da sua liquidaio n." 41 .. ..
Secdo 4.a
District de Cabo Delgado.


Jo ex-Governador. = Soldo de Julho de 1858 a Novembro de 1859.. ........ .
Secgo 3.1
District de Inhambane
Ao ex Governador Leote. Liqui:aSo de seus vencimentos at-Outubro de 1859.. .
Comedorias para a sua viagem 'para Lisboa.... .. . ..... .. .."

Artigo "3.
lustruacao Publica.
Professor e Mestras. = Ordenado de Selembro a Novembro de 1858 .... .. ..
Artigo 4."
SImprensa Nacional.
Compositor e Impressor. Vencimento de Abril a Junho de :1859 .. .
Aprendizes.-Folhas de Agosto a Outubro de 1859 .. .. . .. ..

Artigo 5,s
Satl!de Piblica.
Cirurgio mr. = Soldol e gratificao de Setembro a 15 de Dezembro de 1859.... ..
Dito de 1.a Classe. = Idem de Setembro a Novembro de 1859 ... .... ;. ....
Dito de 2." Classe. = Idem de Setembro a Novembro de 1858.. ... ...... 129798
'Por Saldo da sua liquidao. .. .. ... .......... 265786

Dito de 2.* Classe.= Idem de Julho Agosto e Novembro de 1858 .. .

Artigo 0.0
Obras Publicas.
Inspector. -Gratificaio de Setembro a Novembro de 1859 .. .. .. .. .. .,, ..
'A-o' .-Inspector. -Idnem de Novembro de 1858 .. .. ., .... .. ..
Ferias aos operarios; de Setembro a Novembro de 1859 ..... ...........
Ditas a operarios de fura idemn................ .... ....

Material .. .. .. .. .. .. .. . .. .. .. .. .. ,

Artigo 1.1
,Administrahcio de Fazenda.
Sesio 1.*
t.* Junta da Fazenda. Ecrivo e Thesoureiro, Maio a Julho de 1859,. .. .....
S... m. . . . .
,.~m, ,;.


26:646008
4:067&90
26668
200 000

7 :43935

'52a~50
14M~725

43:172.$513


Somma

Artigos Capitulo*


t253000
L24~600 353S00


-3499Q


36l750
'20oon. '43375M


1:7441g99


584lB~99S









200q00U
4500


*156~584

1 32.00 '533,~';8


27~000

3942r75
4t~94O


s5sg5a3


eO6C660 :6?581875 4:2~464~



O



I36,ltJ0 4:3348419


1:004$S<


a






63


Deevluret daJ'iepea .-Sa


Desenvolimento da Despe so
S- 'I Artigos
Trasor . ......* *........ * * * * ......* 36000
&cgdo 2.
Coatqdoria, Geral.

8.* Empregados.- Vencimento de Setembta, a Outubro de 1858 .... ......* .. 4135037
Ditos extra9rdinaripos. -Idem.e Maro a Maio de 1859 ;. .. 7..' 48819 8218
SArtfigo 8.
DelegaR6-e da .iasuta da Fazenda.
Secdo 4.a
Disiricto de Sofala. .


ima
Capitulos
4:331l64


aemessa em moeda .. .. .. ..
Presidio de Bazaruto. Rmessa em moeda.
Pagamento de fazenda retettida. .... .. ;


.. .. .. .. :. .. .. 1665558
S.* ** ** .. .... 8235128


Seco s'-
DEMstrkict, de Inhambane.


Remessa em moeda .... ...... **
Objectos para expediente .. ...... ** *


.. .. .. .. .. ....... 5005 00
S. : .. .. .. . .. 24000


Districto de Loureno Marques.
Objectos gara expediente.. .. .. ** .. .. .* '*


717P00 't:l51#ui4


.......* ...... .. ... .A rtigo. 1 .,
Alfandegas
Sec go i. '.
Moambique. :Empregados.-~ Vencimento de Setembro a Novembro de 1858.. .. .. 3143991
Ex-Verifidado'-- Liquidao de seus'ordenados desde Abril a 8 de Novembro de 1859.. -. *1145208 42991~
Secgo 3.a,


JIo. Director. Ordenado de Julho a Outubro de 1859 .. ..... ..
Comedorias para si e sua mulher .... * * * * .......
SSeco 5.
.Loureno Margues.== Ao ex-Guardai, sldo da sua liqdao.. .. .. .... -__
-- .. Adti nistra&o de- Jstia
Artigo 11.
y. Juizo de Direito.
: Seco 1.


91467 13A7 99


5166 55U"154 3:90a$459


1." Juiz de Direito,.-Vencimento de Jilho a Oatubro de 1859 ... .. .... 5000S
Dito Sibtituto. Idem de S.etembro e Outubro .' .. .. . .. : '62' 500
Delegado do Procurador da Coroa.e Fazenda. Vencimento de Julho a Outubro de 1859... 123a959
Ex Delegado. Vencimento de Outubro de 1858 a Outubro de 1859. .. .. 4395789
Ajuda de custo para a passage para Benguella .- .. .. .. .. 25050..0 6891789 1:166~5 .,
r ..


dos P. d Secgo 3. .
Sustento dos Preaos da Cadeia'desde Setembro a Novembro de 1859 .. .. .. .... ..


125150 5


,ArtigO I.,.
'. Administrao Ecclesiastica. ,
4.*fprelaeza .--Quinto daCongrua do Prelado. -Ao Prior da S de Setembro de 1858 a.OtU-
,bro de 1859..' .. .. .... .. ....* ..... .. ... ... *489400.


/ Seco g.&
Ao ex-Prior da S. Congrua de Setembro de 1858 a Novembro de 1859.. .. ,:... 253
Comedorjas para a sua passage para Goa. .... ............. 245000
Ao ex-Sacristo da S. -- Vencimento de Junho a Agosto de 1859. .. : ;. ; 00
Eacristao da S.-Idem de Novembro de 1859. .... .. .. .. .... .. .. .. .. 1~266


.v,
1545588


Secgo 3.
SParrochias. Parrocho do Mfossuril e Cabaceira. Setembro a Novembro de -1858 .-. .. 915200: :
Sacristes. ............ '..idem..... idem.......... .. 100500 1015700


Administrao dMilitiar. '
Artigo 13W* ... -
Setaao ..*
$., Alferes Ajudantes d'Ordens. -Soldo, gratificao e forragens de Setembro a Novembro de 18 16.$089
Alferes Palma.-Soldo e idem de Janeiro: a 11 de Novembro de 1859 ..', .,. -,.. .. 2~ s8857., 4o~Q926 4009I8
- . . . ..


...... . .. Artigo. 14.<>
Bateria de Artilheria.
QOffial. -,iSqe l. ifgaticao de Setembro a No.eibbro de 18 8... ... .... '. .

,1, t-..,..;:! . Scaimrr .. . *..;**: *'


4B213U11 4A(O39O99319p iPL1.


1:00U0000

98956i68


.#145000


111385390


004M68








- ;-.. ..r .C* t. --, .a' o. e.. ..r~,:sn7 r~ri(o rk~l i 'ejii^~-FoT..'s n.tr, ... r... ..i


J>esenvofrilti~f~ ?W~Y '~1. de;speza.


..~ap e .... ..


Somima
Artigos Capitulos
U2*5d~oe 4O596 eo9as 9b35j~19


Batalhdo d'Inafaneria de MlamrSique o.- 1.
.c Oficiaes. Soldo e gratificao de Sfeembro a Novembro de 1858 ...... .. :. 03
.Melhoria de fanchi de Outubro a Dezembro de 3859 .. .. ** * .. ** 90000 1:12?',93T ;I ". /'"
A tigo 1%.=
Companih a elos PortoI .
Capito CastellSo.== Soldo e compensao de Julho a Setembro de 18s9 ... ..... .. 965333
Capito Almeida = Soldo de Maio de 1857... .... ... ...... .. .. .. 0o000
Dito Andrade = Soldo de Fevereiro de 1857 . * o.
Tenente Barboza. = Soldo de Agostoa ede Outubro de 1859 a Janeiro de 1860 .. 705500
eaedorias para a sua 'iage m. .... ........ ..".. ...... O ..O .......65' 0 1 305d60 -O 68
Artigo 1[.o


Commando de Praas e Fortalezas.
SecEo 1..
.:'" : .. Praa de S. Sebastido,
coronel Commandante Soldo e grafilcaode Setembro a Novembro de 1858.......
Artigo 1S.0


', : Capitania-mr daTerras rr irmes.
Capit3o-mir== Tenente Coronel, gratificao de Setembro a Novembro de 1859 ... .. .. 755000
Emprgadus.. Vencimento de Setembro a Novembro de 1858 .. ... .. ...... 1605010 235;010 35p010
SArtigo *18.0
Anditoria MRilitar.


1quo


Expedientt.. .. "...,, .,. .. .. ..... .. ..
Artigo 19.
Hospital lMilitar.
C'" S ^ o .. : .


05000PO


Administrador. Gratificao de Junho Na-Novembro de 1859... ......
Emiregados Subalternos e Serventes = Soldadas e gratificao de Setembro a Novembro 1859..
RLaPes aoslegradados e serventes, de Novembro a Dezembro de 1859 . .. .... ..*
Dietas. =Folha do Administrador de Setembro a Novembro de 1859.... .. .... ..
Ditas de Novembro de 1857, pagas por liquidao a Andrade Mello. ... .. ..


Botica.-1.o Pharmacentico = Soldo e gratificao de Setembro- 'Il o mbrb a de 1858...
Praticantes de 4.a, 2,' e 3.* Class.. ........ ..... .. . .. .....
Medicamentos = Folha do Administradpr, de, Setembro a Novembro de 1859 ... .. ..
Ideu por diversas liquidaoes a Jagu BiMogj. ... .. .. ............
A*frtigo .*:'
.. Oflciaes em disponiblidade,
j um Tenente Coronel e a 3 Majord. S=Srd6ode SefemFlro a Novembro de 1858 .. .. ..
A ui Teneate. -Soldo de Novembro de 1858 a Janeiro de 1859. .........


Artigo 21.l


Omlctaes em Commisto.
1 Tenente Coronel do Exercito de Portugal- =Soldo: de Julho e Agbosto de S9 .... ..
1 Major do dito.= Soldo de Julho a Outubro de 1859'. .. .. .. . .... ..
Alferes do Exercito da Indig. Soldo de Setembro a Novembro de 1859.. ..,, ., ,.


Artigo 2.0
S Companhia de Veterans .:-
Pret de Abril a Julho de 1859.......... .. .. . .
.. . ... .. Seygo 2.* .. .....
Companhia Disciplinar.
Pret de Agosto a Novemboe de 1859. .... .... .. .. .. .. .. ..


865946
21)060
1':4975483$
1705537 1:8355698


395870

382.535 1~I5 806w


45b100





334560t1 i.45lf


37158Su


143$519


S5S0'2 Z1102 6:5 0 4&1


Artigo 2."*


Admitaistaao de Maritha.
4rsonal e Capitania do 'Porto. = Inspector e Capito do Porto, sold e gratificao de Junho
a Agosto de 1858. .. .. .. .. ...... .... ......... 1415000
kmpregados. = Vencimento de Setembro a Novembro de 1858.. ..~'.. .... .. 115S525 256155f

Officinas. -eras aos opvrarios elcectivos de Setembro -a Novembro de 1590 .. .. 73 495 .
Ferias aos operarios de ora ideu ....".. .... .. .. .. .. .... .... 113t925
Ditas aos degradados vindos de Lisboa, de 20 de Abril a 30 de ovem ro ide .. ... .. 571710 5454130

Praas addidas, marinhagem e deradados. = Ra6cs de Setembro a Navembrb de 185.9.. 53100
- material. ... .. .. ,...... ...... *
.. ,;0.s*. - ,... ia5293 ii;88Us 1l


t ------


.=.- -c~- ..-





65


D esenvAolvimento da Iespeza.


TransporCe. .,. * *
Armaniento Naval.
Artigo 24.0


Sec.o l.a
-Brigue, D. J3do de Castro.,

5.0 Ofmcias, =omedlorias3e gratificao de Julho a Dezembro de 1859.. .. ..... ..
Sold.a aos oflniaes' marinheir s ate.. .. ....... .... .
I'den- Guiarnio at .. ..... ... * * .
Equivalent de raes pagas ao Escrivo encarregado de Outubro a Dezembrude 1859 ....
Secdo 2."
Escuna, ,4ngra,

Ofciaes. = Officials MIrinlheiros.= Soldo de eJunho a Agosto de 1859 ........ .. ....
Guar:;i1g.,.= Suldo alt IDezembr, de 1858... ** ** *........ .. ..
Ao ex- scrivato encarregalo, liquidao. . . ** . ....... ;.
',EqF'ivalente de raes pagas ao EscrivUo de 15 de Outubro a 31 de Dezembro de 1859 ...
M1aterial..... .. .. .:* *. ** ** *' ** * ...... .....
Secdo 3.a
'Paacho, Zqmbeze.

Mestre. Soldo de Setembro a Novembro de 1858 .. .. ..... .. .. .. ..
'Raes ao dito e criado idem ... * .. .... .....
Cera ao Mestre .. ... .. **.................* .
Azeite .. .. .. ** ** * ** **
Artigo 25.0
Service (lo. Porto.

PatrIo-m r da barra. =Solo de Agosto a Novembro de 1859.. .. .

Artigo 2Si."
E^ncargo eraes.

1 Brigadeiro e 2 Tenentes Coroneis. = Soldo de Setembbro a Novembro de 1853. ... ..
Artigo 28.0


785437M
285967
44!t$9 35
1 29.600L




*282$9Ot6
405661
26579272
614500
2451700
1g6553


Somma
Artigos Capitulo&
1:658293 15:882631








t1;G50a3)








. 9205.88


11~3490
2$100 52~55O


2a:623~96


*16Z009 4:2UU9%6o


*8\OI


Abonoi para encontros.

Despesi com o Confingente qcte foi para Macau.. .. .. . .. .. . ........ 56I ~
Eq"is'ilenteh l 'rae's paras ao Commissiari: da Fragata, D. Fernando. ........ .. .. 276,.00
Coumn 1 rias i 2 Oficiaps da Fazenda que foro na Fragata, dita.. ..... ...96.a000
Ao ,apito ..d Exercito Jose Carlos d'Oliveira em Commisso para Goa. = Soldo de seis mezes
S pr, conta. . .... .. . . 144 000
Come irias para si e 7 pessoas familiar segundo a Portaria do Ministerio da.Marinha 144~009 388000 1:565-1S
Seco 2.a
Brigue, Villa Fldr.


Oflciaes. = Comedorias egratlflcalo de Oritubro a Dezembro de 1859 ..... .;
Sollo aos Officiaes Marinheiros idem. .. . .... ** *......
Idean Guarnimon, de Junho a Setembro de 1859. .. *......
SEquivalente de raes pagas ao Escrivo encarregado, de 34 d'Outubra a 31 Dezembro de 1859
Cera para os Officiaes'.... ..... .. .. .. ......
Material . . .. .'..* * * ""* * ** * *... .. .. .
S.' 'Artigo S29*
Dfsipe n _s Divernas.
8.* Ao Secretario dol anamento da Decima predial. Percentage . .. .. ..
Gratificao ao-Amanuense dos ftezes )e Setembro a Novembro de 1859 .... ..
Sustento aos Gales'da-Praa de S. Sebastiio de Setembro a Novembro de 1859. .. . ..
Ao Tenente Miguel Jose da Silva por conta da sna liquidaIo n. 28 ... ......
Co!onia Militar de Tete. = Officiaes, sold de Julho a Outubro de 1859 . . ....
Enfermeiros,, idem idem. ... . . . . * *...... *
Pret de Outubra e Novembro de 1859. .... *

Ao ex-EscrivIo de Fazenda de Bazaruto, ordenados de Dezembro de 1858 a Fevereiro de 1859..
Liquida4io a diversas praas de pret das Companhias dos Portos e prestes por conta a outras.
Comedorias e raes ao Governador interino de Loureno Marques a 1 Alferes e a diversas praas'
Pag aiento por transport de praas para os Portos.. .. . ...... .
Armazensda Fazenda. = Compras feitas pelo Almoxarife de Setembro a Novembro de 1858 .
Ao Ciommissario da Fragata, D. Fernando. importancia dos generous comprados dos ranchos secos.
A D. Jose Ferreira a sua conta . . . * *
*A Jag, Bimogy, idem . . .. * * * * * * * * * .

A Sifu Bini Nassir Mascaru. = Importancia dos objects extraviados prten entes io sei Pan-
gaio por ser juleado. .. ... : .. .. * .....* *. *..
Rancho as mulheres dos Soldados la Companhia de Tete, degradados e degradadas de 15 a 20
de Outuhro... . . . .. . . .* ** ** *
Liquidao a Antonio Maria Guedes. Saldo de fazendas que prestou.. . .. . .
Ao Capt>3 do. Palacio restal... . ; . * .......
Sommf total.. .. .. <.


84d300<)
p 4.7"oo
SOti$279 ,
6123900
3345 13
345$609 l:938~535; 3:454~T1t3 3:3830112


99$ 112
833$2 3 5


15$;000
1C7$251
.1234000


1:15$7745



1 3320


9445300

293$18: 2:.250,f$43g


l92~700



19$080 l3:287~~Y4 628d?4e
30:lf0a


--------- -- _


.. . ,




66.


Thesouraria Geral da Junta da Fazenda Publica da'Provincia de Moambique 13 de Maro de 1859. O Thesoureiro Geral = Adolpho Joo Pinto
d4 AIagalhdes.


PAIITE NAl 0O OFICIAI,

ANIL.
SDescripo, cultural, e preparao do anil.'
Continuado do Boletini n.o 4.
Depois deve observar-se exactamente o morirento em que
chega ao ponto de fermentao, de modo que, no referva
alis ficar o anil preto, o que melhor se conhecer pela pra
tica; isto , quando do fundo d'agua subirem algumas pe
quenas bolhas de ar e rebentarem na superficie, a agua no
tardar em tomar uma bella cr verde, e no moment do
maior gro de fermentao apresentar um reflexo de cobre
muito brilhante, que porm em breve ceder o logara uma
camada espessa de car roxa azulada, misturada com espuma
Ento-ser necessario abrir logo a torneira para passar
a agua para o 2. tanque, no send desacertado juntar-
lhe alguma poro de lexivia ou barrela de cinza no tem-
po da macera~io; por que ella ajudar a extraco das par-
ticulas do anil, destruindo o principio, gommo-resinozo que
as embaraa e faz alterar o mesmo anil depois de feito ;
e alem d'isto aviva mais a sua bella cr azul; podendo em
logar de lexivia de cinza supprir a agua de al que previ-
ne a putrefaco .e que absorve o acido carbonico que existe
no liquid, e que se oppoem separao do anil.,
Quando se passar esta agua azulada para o 2. tanque,
chamado, bttedoiro, que tem ordinariamente uma super-
ficie quadrada de uns 16 palmos de lado sobre uns 20 de
profundidade, dever haver a precauo de fazer pr no
cano um coadr, panno ralo, ou sedao para que a agua
passe limpa e sem fezes para este segundo tanque, onde
juntando-se-lhe tambem alguma poro da mesma lexivia
ou agua de cal, ser fortemente agitada durante 15 a 20
minutes com os batedores; (que so- palhetas de madeira
pregadas na extremidade de umas varas grossas, firmes pelo
centro em um eixo de ferro, e que batem com toda a for-
a a superficie do liquid, send postos em!movimento por
um pequeno engenho d'agua, ou com uma manivella).ad-
vertindo que o ponto de suspender este trabalho na ver-
dade o mais difficil e. ao mesmo tempo o mais important'
de se conhecer em tod esta operao, porque batendb-se
menos do. que se requer no assenta a fcula, nem se gra-
nisa o anil, o mas dissolve-se e no se precipita.
Pelo que o mestre da operao dever estar observando
em um prato ou caixa de prata bem limpa pequenas pores
da agua em quanto se bater, e em granisando ou vendo
que o anil se separa da agua, formando leves frcos, se po-
der suspender o trabalho.
Concluida esta operao, immediatamente se'far pas-
sar o liquid ao terceiro tanque, onde 'se conservar em
quietao por espao de seis ou mais horas, a fim de, se
fazer uma perfeita precipitao ; advertindo que o anil sa-
he tanto melhor, quanto maior o repouzo qqe se lhe d
depois de batido.
Este tanque chamado, cuba de assento ou repousadoiro,
ter, tries registos graduados uns sobre os. outros para
se ir despejando por elles a agua que sobre nadar o anil,
media que este se for precipitando.
Despejada esta;agua esverdeada( que j por est modo
no dar mais anil), se.deve abrir o ultimo registo, do
tanque e. fazer sair por uma pia que dever estar proxi-


ma ao polme do anil, d'onde se ir -logo lanando em saccos
de panno de linho feitos a maneira de pyramides com a
ponta para baixo, os quaes send depois pendurados escor-
rero fra a agua restante, e ficar o anil mais solido; a
maneira d'uma pasta ou massa.
(Continua.)

COMMUNICADO.
O dia 30 de Maro.
Ha 22 annos teve lugar o fallecimento do Snr. Marquez d'Aracaty ; es-
te'acontecimento (segundo fomos informados) cauzou bastante consterna-
o aos habitantes d'esta provincial.
Comquanto o illustie finado tivesse vivido pouco tempo rlesta terra, com-
tudo julgamos merecida a -confiana, que os habitantes da provincia Anlla
depositaro, pois que a doutrina por elle apregoada, e o bom desempenho das
commisses, de que ahteriormente tinha, sido incumbido, ero grantias sil-
ficientes de que o seu governor continuaria a ser benefico.
SNo obstante terem deccorrido U2 annos, e existirem poucos individuos
do tempo em que viveu o nobre general, comtudo ino ha individuo al-
gum que mais ou menos deixe de se recorder do benemerito general, sen-
do isto devido a que S. Ex.B durante a sua carreira public nunca se des-
viou dos verdadeiros principios de justia e de moralidade, seguiiddo assim
o exemplo dos seus antepassados, e deixaudo de si uma boa memorial sua
nobre familiar. l-
SEscrevendo estas linhas no fazemos outra couza mais do que, mostrar
o nosso respeito e venerao pelas cinzas 'd'um individuo, cuja morte foi
assaz sentida no s pelos habitantes d'esta provincial, mas tambem pelos
da metropole.= Vicente Luiz d'Abranches.


._ MOYIMENTO DO PORT DE MOAMBIQUEi
de 6 a 43 do corrente.

EMBARCACES ENTRADAS.
No dia 6 Irigue'de Guerra Inglez, Persian, de 400 toneladas Com.
mandante EduardHarding, 136 praas de guarnio, 12 bocas de fogo, de
crusar no canal vindo ultimamente da bahia de Pemba, done sahio'ha 4 dias.
"-Patacho Portuguez, Vestal, de 93 toneladas, Capito' Mamad
Bay Ibramo, equipagem 17 pessoas, 1 boca de fogo de Goa em 34 dias com
fasnds, 4 passageiros degredados, send 3 Europeos e 1 de G(a =1 Mou-
ro Negociante Portuguez com 2 criados, trouxe malla para o Governo. e
Correio.
No dia 9 -Pangaio Arabe Mabrugue, de 20 toneladas, Mestre Amade
Biny Ally, equipagen 10 pessoas, dos Portos de Madagascar em 5 dias com
gado e cabritos.
-Brigue Portuguez, Estrella de Damo, de 180 toneladas, Capi-
to Vallegy Amad, equipagem 37 pessoas. l boca de fogo, de G6a em 37
dias com fazendas e mais generous, 8 passageiros com 8 criados, e 3 degreda-
dos sendol de Macau e 2 de Goa.
No dia 10 -Pangaio Portuguez, Flor de Matibane, de 5 tonelladas, Mes-
tre Faque, equipagem 8 pessoas, do Ibo em 10 dias, com arroz, gergelim,
1 Passageiro gentio.
---Pangaio Portuguez, Boa Noticia, de 13 toneladas, Mestre Assa.
ne, equipagem 13 pessoas, do Jbo em 10 dias, com uizella.
Brigue Portugez, .mizade, de 92 toneladas, Capito Mamud Aly
Ussene, equipagem 27 pessoas, 2 bocas de fogo, de Goa em 40 dias com
fazendas e mais generous, 14 passageiros portuguezes, incluindo 1 mulher S
.meninas e 7 criados, trouxe malla para o Governo e Correio.
No dia 11 --Pangaio Francez,. Dupuis Cuvillier, de 82 toneladas, Mes.
tre Sahimine, equipagem 15 pessoas, 2 bocas de fogo dos Portos de'Mada-
gascar Nossi Bey em 15 dias com fazendas, polvora armas, 3 passageiros
incluindo o Proprietario. trouxe 1 oflicio para o Governo.
Patacho de Guerra Portuguez, Zambeze, de 90 toneladas, Capi.
to o 2.0 Tenente Germano Augusto da Silva, 18-praas de guarnio, 1
boca de fogo, sahio.de Quelimane Para Inhambane, vem arribado da altura
de Sofalla com agoa aberta, com ferro e differnntes generous, 8'passagei-
ros e 1 criado.
EMBARCAES SAlDAS.
No dia 9 -Pangaio Portuguez, Vinte, de Novembro, de 11 toneladas,
Mestre Ussene, equipagem 7 pessoas, para o Ibo com fazendas.
.No dia 10'- Batel Portuguez, Fortuna de .4frica, de 16 toneladas, Pa.
trao Songoro, equipagem 14 pessoas, para o Ibo com differences encomendas
Capi.ania do Porto de. Moambique 13 de Abril de 1860.= Antonie
Maria Guedes, Capitao do,Porto.

MOAMBIQUE == NA IMPRENSA NATIONAL.'














BOLETIM,


DO

/* Q pi ]i GviP 7Nil VIj Nj LI) rjI "'f,4 ,


ESte Boltim semanal ser publicado todos os sabbados e no
dia antecedente ou na .a feira seguinte quando aquellefor
feriado : assin-a-se para o mesmo em Moambique nouEscri-
ptorin do Estabelecimento da Imprensa Nacional e nos Dis-
trictos, nas Secretarias dos Governos ou Commnandos de
Villas. as assiguaturas so sempre pagas adiantadas.


8i B nO Preo de asssignatura por anuo.................. r, 800
DD B'l Por seis mezes............................ 1n500
SPor Iresmezes ..................... ..... .oo
Por folha avulsa.......................... DUO
S TI Preo dos annuncios por linha. ............. 040
Sn L Correspondencias d'interesse particular, idem.. n 030


/ i 'IT B ( i' I I'( i .,

JUNTA DA FAZENDA PUBLIC DA PROVINCIAL DE MOAMBIQUI.
1859- 1860

Bqlancete do Cofre da T/heouraria Geralno mez de Janeiro.


Baldo de Trimestre antecedente. .. .. .. .. ... .. .. .. .. ..
Receita durante o me. ... . ** .. .. .. .. .. . .* . .. .. .
Despeza durante o mesmo..... ** ** ** ** ** *
Saldo que pass ao seguinto .. .. .. ... ** ** ** ** ** ....* * .

Desenvolvimento da Receita.
aldo de Trimestre aatecedeate .. .... i ** * .. .......* * .
taepostom Direcso.
Papel sellado. .. .. ... .. .. ..... .. . .. ..
Sell de verba .. .. .. .. .. . .. . ... . ..
Sizas .. .. .... .. . . .. * .. .. .. ..
Decima Predial .. .... .. .. ... ...
SImpostos Indirectos,
Importai acional .. . ... .. .. .. .. .
Impotao Estrangeira. .. .... .. .....
Exportaio Nacional .. .. .. .. ... .... ..
Ancoragem estrangeirt. .. .. .. .. .. .. .. .....
Armazenagem.
Armazenagem. .. .. .. .,. .. .. .. . .. . .. .'. ..
Fundo especial Direitos de vioho .. . . .
de Colonisao Impostos de Navios e Pangaios. .. .... ..
Tomadias .... .. ... ........ .....
Proprios nncionaes e diverios rendimentora
Correio .. .. .. .. .. .. ** ** ** **. ** .... .
Impressos ven- Recibos meseaes- .... .. ..... .. ."
didos ar publi- Despachos por seliar........... ....
oo Ditos de saida, .. .. .. .. .. .. ... ..
lntregue plTo Almoxarife dbo Arsenal importancia das obras para particulars desde 25 de Abril
a 16 de Dezembro.. .............. ..... . ..... . ..
Idem por D. Maria Roza da Encarnaio, decima funeraria .. . .. .. .
Emprpstio da arca dos menores. ... ... .. .... ** .. .. ...
Sotfnma Total.... .. .. ..

g- .
SDesenvolvimento da D speza

Coverno.e AIdministlraeo Geral.
Artigo 1.*
Sceao 1.1
Governor Gera "
I tvaittarror UtGal. ,*fe u ieat da tunho. 8A~9. .. .. .. .. ." .'; ,. ,.


12:2580385
13:606354 e5:867$939
7:563731
13:30S346 1


,154770
S911 17

121.'65 8585094


10:3338010
65 270
)O 9l5300
..330
1n0




720200 500000




m:000o000
21iGO0 10:955% 310


5:639
losm



189t648
S:000i000
B5:86$7339

Soma

fttiNgo Capitulos


917mo0


M Il 1lrO .1 I






OFF CIAL










c Desenvolvimento da Despeza

'ra spor .. .. . ... .. . . . . .
Secdo 2.'
Secretaria Geral.
.o Secretario Geral; = Vencimento de Junho de 1859. ....... .. ........
Empre;adl>,s. = Idem Deziebro de 1858. ........ . .. ..... .. ...
Ditos. Ve eciamemto annual at 1201000, -ordeuado de Dezembro de 1859 (a)....- ...

Artigo 2.
Governio SurwBli(ernos.

Secico 2a,
District de Lourenuo Marques.
Ao ex-Governador por conta da sua liquidao n. 47 .............. ..
Artigo 3."
lustrIsucco Publica.
Prors ur= Orlenalo de Dezembri de 1858.. .* .. ..............
Aleitras. = idei de Dezembro de 1858 e Dezembro de 1859. ....,.. .. .. ...

Artigo 4""
I prelisa N1icional.
Comp:sitor e Imjressor. Vencimento de Agosto de 1859 .. .. .. ......
Apredizcs. iolhii de -\uvemLrj e Dezembr, de 1359.. ....... .. .. ..

Artigo 5."


Cirurgio de 1.* Classe. = Dazemhr de 1859 * * **
Ditu de 2.& Classe. = Idem de 1,858. .. ... .. .... .. .. .. .. .. ..

Artigo e."
Obras Puzblican.
.nsfector.-Gra!ificaio de Dezembro de 1859...................
Ferias aa operarios, de Dezmbro de 1859. . .. ... .....
Ditas a operarios de fra idem.. ... ...... ...* *...

3laterial, ..... .. .. .. .. .. ..** ....* . ...

: Administracaio de Fazenda.
Artigo 7.0
Sesao 1.'
1.* Junta da Fazenda. -Escrivo-' e Thesoureiro, Agosto de 1859.... ........
Sec do 2.'
Contadoria Geral.
Empregalos.-Vencimentos de Dezembro de 1858. .... ..... .. .....
Ditus-Idem de 1859. .. .. ....* ... ... '.

Artigo 10.0
Al fandPea s
Sect, 1.
MamUbique. = Empregados. Vencimento de Dezembro de 1858..... .. ..
Pitos.= Vencimentos de Dezembro de 1859........ .... ........

Adminti.traeao de Justica.
.'Altgo 1. -1
S SJuizo de Direito.-
3." Juiz de Direito e Delegado. =Vencinento de Novembro de 1359. .. ....... ..
Secii) 3.a
Sustentqo 4os prezos na Cadeia em Dezembro de-1859 ... ........ .. ..

Admilnistraco Eccleriastica.
ArBigO Et."


atfldm;
SArtsgrua C (auitut(*6
11 7~oOO'


75o000
35,i00
14o00O 124000


41"6fin
o20oo000




54o000
17200 71J200




15oo000
874256 I022G68


91000
169.795
12.334t0


341000,


17-7833




61665&


102264


191~135

100.275 S914410 1:04-15875


i1e ooo



1611393
56b760 218M153 3301






45, )) 79,500 793O00 40.9 68g


36 750

4650 98400


Seco 2.'
4.9 Sacristo da S. -- Deezmbro de 1859 .. . .......... .. ......
Seco 3.*
Parrochias. =Parrochos do Mossuril e Cabaceira. Dezembro de 1858.... ... ..
Sacristes. ... ... .. ....idem.. ... ilem.. .. .....

Admiiuisltraie o MIlitar.
Artigo,- 183.
6.* Alferes Ajudante d'OrdeBs. Soldo, gratificao e forragens de Dezembro de 1858.. .. ,,

omma. ...... . ,


305400
5.500 375900 37900


711~I3


98s400


31~90S


,- ---- I-I--- --_ ---..rm---T-L~~1rr~tll-s~i-il L -- ~Ii- -r--~--ila I iII I


- --


.


.
e










DesenvlUiwmcnto da espeza.


Tran.sportc * * . . * * **
SAatfgoa B1 ."
Bateria d'd tilheria
SSecgdo l.a
S.5 Oiciaes. = Soldo de Dezembro de 185 .......... ..
Pret de Agosto e Setembro de 1859... .... .. ..

Secgo 2..
Batalhdo d'Infantcria de iloamilique n.0 1.


Suunma
A-rtig,,s Ca 1 iulti
71LP~3, 1:59,2582l3


53 Sl4I
4O5jUO3 458~94~


Omlciaes. -Soldo de Dszembro de 1858 ... .. .. ...... .. .... 30rf3440
Pret de igjslt e Setembro de 1859.. .. ...... .. .. ..... .. ...... 1:6451i27
ibelihoria de rancho Janeiro de 80.i... .... .. .. ...... .. .. .... .. .. 30 )00 1:981n567 2:-40. 51,


ComPa~utahiin dos nPorlos.
Capit3o Castell3o. = Soldo e compensawco de Outubro de 1858 .. ... .. .
Artigo ,B
'Commnanando e Pracas e Fortalezam.
Secdo i.a
Praa de S. Sebastio.
Coronel Commandanie = Soldo e gratificao de Dezembro de 1858 .... .. .. .. ..


Capitana a-mir das Terras IFirmes.
Capitao-mor= Gratificao de Dezembro de 1859 .... .... ...... ..
Ex.-Capilto-mr. = Gratificao de Dezembro de 1858 ..... .... ..
Empregados. = Veniniehto de Dezembro de 1858 ..... .. .... .. .. "..
Ditos. = Idem de Dezembro de 1853 ... ........ .... .. ....

rti go 1 .U


Seco 2.*
Administrador. Gratificaao de Dezembro de 1859 ...... ............
Empregados menores e serventes. = Solidada e gratificaes de Dezembro de 1859..... .
Raes aos serventes e degradados, Janeiro de 86.0..... .. .. .........
Dietas. = Folha do Administrador do 1.0 a 31 de Dezembro de 1859. .....

Secdo 3 *
Botica. 1. Pharmaceutico = Soldo de Dezembro de 1858.. ............
S.o Dito, Soldo idem.... ..................... ..
Praticantes. = Dezembro de 1859 ...... .. . . ... .
Medicamenoos = Folha do Administrador, do 1.0 a 31 de Dezembro de 185'. ........

Artigo 20.0
fEcaeine em iaasenIibliate.
A um Tenente Coronel e a 3 Majores. = Soldo de Dezembro de 1858........

O* affl s e;" Commiso.
1 Major do Exercito de Portugal- = Soldo de'Dezembro de 1859 .... .....
1 Alferes do Exercito da [adia. = Soldo de Dezembro de 1859.... .. ....

'Adt rinifstracS eSe ariBinhna.
Aatlgo 93."
'. Arsenal e Capitania do Porto. = Inspector e Capito do Porto, soldo e gratificao de Setem-
bro e Outubro de 1858... . . .. .. . ... .. .. .. . ..
Empregad)s. = Vencimento de Dezembro de 1858. ........
Ditos iderm de Dezembro de.li59... ....... .... ............

'Officinas.= Ferias aos operarios Dezembro de 1859 .. .. ... ..
Ferias aos operarios de fora. idem .. ...... .... .. .......
Almoxarife. = Gratificao. de Dezembro de 1859 ...................

Marinheiros addidos. == Raes de Dezembro de 1859.. .. .. ., .. .. .. .. ..


25doa#~

35750(






.1o ooo
29~254

1t43b7:)<) 659 if23


483030


74.44 1583744


8173978


16176)7



1Ii~20 18,P7Of) 1F1~00 3:5a3'JT7


94m000
24-50,"


1613395
1038000
1 8), 3
~00ao


SArzmaeinentso iaewai.
ArFigo -24.
Seco 1.a
Escuna Angra. Officiaes. = Comedorias e gratificaio de 1 mez .. .. ...... .. 1478f00
Guarniaio. = idem pret....... .. .. .. .... ........... 15!86if6

Equivalente de raes pagas ao Escrivo de 9 a 15 de Fevereiro ............
SecSo .*
Pata.r- Znambeze.-= Ao mestre e criado, raes de Dezembro de 1859. .......... 6.00
Liquidago ao Piloto .. ... ..... .. .. ... 72,900


Somma. . .. . .i . .


1il93ooe



1'99579

173300 338~Ul3?






30894i6

a363000


79100 fi21,3G

'5osac 2733577


iiiii-iiiipi-i I _~- -- i--~-~Uspi-iipp~ _- ii ~-IIWII~ICii~I~IllBi~
---- ------


oo I











1. )esenvolvimento da despeza.


Transporiss. ........ * .. ..... . '" " ......
Artigo .5.
Servio do Porto.

.. Paltro-.mr da barra. =Dezembro de 1858.. .. .... ......
Artigo 2 .0
Encargos Ge-rae.

Reformados, 1 jrigadeiro e % Tenentes Coroneis- =Soldo de Dezembro de 18U5. .. ..
Artigo 28.*
Aboinos para enco*ntros.

Brigue Filia Flir. Officiaes, comedorias e gratificao de 4 mezes ... ......
Officiaes Macinheirus.= Suldo de Janeiro e Fevereiuo de 1860.. .. .. .. ., ..

Guarniio, r,ret de 1 a 15 de Novembro de 1859.'. .. ..
Praas avulsas pret de Setembro e Outubro de 1859 ............... .

Equivalent de raes pagas ao Escrivio, do 1.O a Sb de Janeiro de 1860.. ...... ..

Artigo 29 *
Despezas Diversaa.


SomUra
Artigos ( apitulos
060236 5:S7257257


40ooo


285$0o


2581S005
855068


Gratificao do Amannenass da Decima, Dezembro de 1859..............
Gales da Pr;,a de S. Sebastio. sustento de Dezembro de 1659. . .. ....
Ex-encarr.'gado da Fazenda em Bjzaruto. Maro de 1859. ........ .. ..
Colonia Militar de Tete. = Officiaes, sold e gratificao Novembro de 1859 . ..
Enfermeiro idem.... .. ** ** ** * .......... ..


Ao Tenente Miguel Jose da Silva por conta da sua liquidao -n. 3. .. .... ..
A Main ..*1 Marcelino a sua liquidaio...... .. ... *... ** .. .. ...
A rr.iA Jivatii a sia conta, f..rieciiientos A Fazenda .. ... ......
Liq li,, a diversas praas. de pret das Companhias dos Purtos .. .......
Raes a 9 praia de pret e l.cabo para Quelimane a 35000 ria .. .. .. ..
Somma total.. ......


964513e


1185901




37fi5004


3435073

1635700 885g773 1,013 &7f9





105300.



6u6300
4550007
83.4iU4
305005

7:5635791


Thesouraria Geral da Junta ta Fazenda Publica da Provincia de Moambique 13 de Maro d4 1860. O Thesoureio (eral= Adolp ho Jod Piint
id Magulides.


Mm]a, OII.f TDO DoPO,' DE m OAMUBIo`i`.
de 14 a 20 do corrente



EMBARGCA ES ENTRADAS.

No dia 16 -Fiiddiou fora da 1 rra a Fragata a Vapor de guerra Ingle,
za Sil'n. de 153 1 foneladas, Commiandante R. P. Crawvfrd, 310 praas
de guarnico. 22 bocas de f.igo, do Cabo de Ba Esl eiana em 15 dias.
N,. dia 17 Brigue Oldemburgiez, Arg d-' 220 toneladas, Capilto
Jihn HuSited, equipagem 10 pessoas, 1 boca de fLgo, de Hamburgo em 1,01
dias. vemartibado, indo para Zanzibar com falta d'agoa, com differences
generous.
EMBAlCACES SAIDAS.

WNo dia 15 Brigue de Guerra Inglez, Persinn,'de 400 toneladas, Com.
mandate Eiuard Harding, 136 praas de guarnio, 12 bocas de fogo, pa-
ta a Ilha No dia 17- Batel Portuguez, Fortuna d'frica, de 13 toneladas, Patro
Amate, tqni agem 9 pessoas, para o Ibo com fazendas, I passageiro Bati.
No que se achava fundiada fora da barra.
Nu dia 20 -Brigue Oldemburguez, Argo, de 220 toneladas, Capi.to
J.;hn IHusted, equipagem 19 pessoas, 1 boca de fogo, para Zanzibar com a
mesma carga c.,m qire entrou a'este Porto
Caritania du Porto de Moambique uO de Abril de 1860. = Antonio Maria
Guedes, Capitdo do Porto




A Junta da Faaenda em Sesslo de 20 do corrente deliberou que se pa-
gasse_ uni mez de ordenado aos empregados publicos. O pagamedto ter-
lugar no dia 23 aos empregaduo no governor admiiistraao geral, e na
administrao da fazenda; no dio 24 aos empregados na administUaao de


Justia, administraio ecclesastica e military; no dia 25 aos empregados na
administrao de marinha, send igualmente satisfeitas as despezas relati-
vas aos. encargos geraes, no dia 26 o pagamento ser effectnalo em relao
aos individuos, que no tiverem vindo 'receber os respectivos uordeina..,
nos dias acima declarados. Contadoria Geral de Moambique t2 de Abril
de 1860. O Escrivo deputado interino da Junta da Fazenda. = Vicento
Lus d'Abranches.





A Camara Municit,al d'esta Cidade. funccionando conto Conmmisso Elel*
toral na ci.nf,rmidade do .* 3. ldo artigo 23 do Decreto de 30 de Setim-
bro de 1852. faz pul;lico qiiu noDorningo 22 ldo corrente mez, pelas Ji O
horas da nanhii hade ter logar nos Paos da Camara a reviso do R-cenn-
seamento dos Cidadtl.s eleitores e elegiveis tanto para Deputados s Cortes
nas eleies que possai: ter logar durante o anno, como para os cargo Mu*
ricipaes. para o que nesta data s3o avisadas as Autoridadek competentes
e nos 4 dias seguintes se achar patente na Sala das Sesses da Camara o
livro do Recenseamento dos mencionados Cidados, para que todos psssao
ver se se aclia, lezadosem algum dos artigos da Lei. E para que chegue ao
donhecimento de tpldls, e qualqner Cidado possa reclamar'perante a Ca-
mara- nos dias .' 3.a 4.' e 5., feira, conforme as disposies do dito De.
creto, e recorrer para Instancia superior mandou afixar o present, declarando nos terms da Lei que find o dito
prazo,'fnenhum Cidad Outro sim se faz public que no Domingo 27 da' Maio ter lug4r a final
ratificao por causa ds que tiverem recorrido. E para que chegue ao co-
nhecimhento de todos se public o present edital pelo Boletim Official do
Governo e affixa nos lugares do estillo. Eu Caetaiio Paulo Gomes, Escrivo
Interino que o escrevi, Moambique Salla das Sesses da Camara Munici-
pal, fiinccionando como Commisso Eleitoral. aos 18 d'-Abril de 1860.-
O President da C'amara. Guilerm Henrique Dias Cardozo.






MOAMBIQUE =t NA IMPjRENsA NATIONAL.


i -I I


.*






B LE -186 T





BOLETIM


OFFICIAL


SDO

wV-E:hmX fiCPi n, riiw:1 1 o !1 ri,#.


SEsle holhtini semanal ser publicado todos os sabbados e no
dia antclente ou na 2.' feira seguinte quando aquellefor ,
feriado: as.igna-se para o mesmo.em noambiquc no Eacri-
ptori do Esaiaeleiimento.da lmprensa Nacional e nos Dis-
.Iriclo,- nas Secretarias dos:Governos ou Commandos de- '
Yilila, as assignatunras sto sempre pagas adiantadas.


: s A I: .


1 A li T I 0 l VI F I IAI I ,
MINISTERIO DOS NEGOCIOS DA MARINIIA E ULTIHAMA t'
2.* Direco.-- 1. Repartio. = Circular. = N." 137.
,=Tendo sido dissolvida a Camara dos Senhores Deputa-
dos, por Decreto de 21 de Novembro ultimo, e devendo
proceder-se a nova eleio: Minda .Sua Magestade EL-REI,
pela Secretaria d'Estado dos Negocios da Marinha e Ul-
tramar, remtter ao Governador Geral da Provncia de
Moambique os exemplares inclusos da Carta de Lei de
23 de(Novembro d'este anno, que alterou o Decreto com
fora deLei -de 30 de Setembro de 1852; e do Decreto,
de 28 do mesmo mez, que manda proceder eleio, e
contem varias disposies iegulamentires" e egunhlnete
a copia authentic do Decreto, de 21 do corrente mez,
que estabeleceu os novosCirculos eleitoraes em algumas
das Provincias Ultramarinas, em observancia do artigo
,25,.1da.. citada Lei de 23 de Nevembro find; a fim de
que b mesmo Governador Geral, na conformidade da Le-
gislao e Regulamentos em vigor, expea as ordens ne-
cessariaa para que se proceda elib.que deve ter logar.
a4o .em: 28 de Dezerfibro de 18' 9.= drano Mauricio
Guilherme Ferreri.

N-B.Ds exemplares foram fechados .parte ao cuidado
de Agente Portuguez em Bombaim.
No foaii'hi'ecebidas neste Governo Geral os exempla-
rei, a que se ref[re a nota supra,


Preo de asssignatura por annu............. r, .'10 )
Por seis mezes ........................ ... 1500o
Por trcs mezes .......................... l o0
Por folha avulsa. ....................... > ),1o
Preo dosa animinios por linha.............. ,, 040
Correspondeticias d'interesse particular idem.. n 010


tro e Secretario de Estado dos Negocios da Marinha e fli-
tramar o tenha assim erntendido e. faa executor. Pao em
21 de 'Dezembro de 18S9.=B Rm-. Adriaa> Mauricio
Guilherme Ferreri.
Mappa dos firculr s eleitoraes do Estado da India e das
Provincias de Ang.dla e de Moambique a qe se ;efere o
Dec'eto da data de hoje.
S' ESTADO DA INDI.A,
fc4 rL12s


CIRCULO


1i" Nova G6


2.* Mapu.

3.o.Margao

4. Damo.
5.o Dily...





1." Loanda


2.' Direco.- ." I&epartio. = Copia. =Estandode- '
terminado 'pelo a'tigo 25.0 da Carta de-Lei de 23 de No-
,.emlbFo.ultino que a elero de Deputaios se fa por Cir-
culos de um s Deputado, e sendo.o Governo authorisado
pelo art. 27.0 da mesa Lei parff4azer a divisio dos Cir-
culos nas Provincias Ultramarinas, ouvido prviamente o
Conselho Ultramarino ; e achando-se as 'Provincias de Ma-
cau, de S. Thomr "Trincipe, e de Cabo Verde, j divi-
d'das em Circulos de~um s Deputado pelos Decretos dei 2 Loand.
'19 d& Julho de 1843, 28 de Dezembro de 185:)2 e 11 de
Fevereiro de 1853; Hei por bem, Conformando-Me com o
,parecer -do dito Conselho em Consulta de 16 do corrente
iez, Determinar que o Estado da India, e as Provincias de
Angola e Moambique sejam divididas para ofim da sobre-,
Adta eioIeo nos Circulos constantes do lippa juoto ao pre .
i e~~k 4crreto, e que d'elle faz parte integrall. OLMii.......,..


)i - I llllnaZ
SPond e Embarbacem
a... Astagrar Billy, Chondrnvady.
Cacor,
Bieho'im, Sanquelini ou Stary.
Provincia de Bardez.
SPernm e Tir;icol...
1Provincia deSalsetd,
.,.. Canacona, e Cabo de Rama,-
'Angediva.'
.... Damnio, e Diu.
.... Ilhas de Timor e Solr
RnOV.INCI DE ANGOLA,


A Freguezia da S, (em Loanda).
Barra do Bengo.
Icollo e-Bengo.
Zenza do Golumbo,
i.. Dembos;
Golungo alto.
Cazengo.
Massangan,
Calimbo.
A Freguezia da Conceio, (emLoanda,).
Barra do Dande.
Libong.
A nibriz.
D. Pedro Quinto.
Encoge.
Alto ))Dinde.
"' Pungo Andongo.
Ambaca.
lquee de BraganinC
M.::large.
Tailla-'nmigoigo: ."" '. '
ICamhbimbe.
\Iluxima. l"


- -~-i ='~- ~ , -x-


: ~i--ii -- ir i ii ... .__,
. r '---_ .- ---


6






!'1'1S i -s


1ROVIN 1i DE .IN .GLA.
cIncULos Novo Redondo.

1 I;< ucl
S , h n ru e l l :. r
8.* Lo:nJa .. ... ,t C lumi eila.. .;
Dembe Grande.
Caconda.
Mossamedes.


8"
1.

s
1


9~c_


PnovINCIA DE MOAMBlQNO.'
Distrieto, de Moambique.
1. Mo 'qbiqueJ. Cabo-hl,:lgado..,
SDistricto da" Zambezia. ,
l" jejimane .. ' ' 'de Sofaila. --
iehmane.. lnhambane.
Loureno Marque.
Secretaria do Estado dos' Negcios da Marinha e do Ul-
tramar, cm 21 de Dezembro de 1859.---Adri,Pno Maari-
cio Guilherme Ferreri.--Est conforine. = Mnoal J-'rge:
d<'Oliveira Lima. .


BATAI.nLiO iINFANTERIMA rE MOAMBIQUE N.0 .
Ileaco das l.ratos do snb'redito jaialho.- e Bateria de.
Ari'i:erina ie fiefileiro desde 3 ~."' at 31 de Mrffa- c m
dilynai(no -ias riwpori'neciies tolacs. de scus espolios.
1. Comnpalthina r. 255 So'dado .osquim Louren'o 'C-
l)ri eiro, filhode At Toni 1ureob. nantiral de Faro, fal-:
leceo a 2, ficoui devendo ao Conselhb Amininistrativo a:
quantia de 1l1:40 r.'is. r .'
3." Idem:' 211 SoldadoaManoel Rodrigues, filho de Jo-


u


JUNTA DA FAZENDA PUBLIC DA PROVINCIAL DE MOAMBIQUE.
1859- 1860
BRlancete do, Cofre da Thezouraria Geral no iez de Fe
faldo 'do me antecedente..: .. . . .. .. .. ..,. .. .. ..
Receita durante o mez ... ... ...... .. .. .. .. ".. .. .
Despeza durante o mesmo. .. .. .... .... .. ... .. .. ..
Saldo que pass ao seguite .. .. .. .. .. .. .. ..


SDesenvolvimeto da Receita.
alalo' do mez antecedente ... .. .. .. .. .. ..
..Ipostot irectoe.
RendimenlodaRe- Papel sellado. ..,* '.. -... .. .. .. .. .* .. ... .. ... . ; :, ,.
.ceiedonri Particular ellI de verba .. .. .. .. .. .. .. .. ..
im Fevereiro i Decima Predial. .. ..' .... .. .. .. .. ... .. .
..-... : nmpostos IInldia'reetn, : .
R ,'dimenro da AI'i I'nporta o estrangeira .. ... .. .. .. . .. .... .
fandtga emi Fever ' ''(Escrav>os despachados, .. ....
Proprios nlacionaes e diversos rendkmaneptOb


ereiro.

- 4:: 528I



I7:o4a~48



'i~B:3O96II

I6;48~t5
44s72 1


13Bo,~ 68a


SCorreio. .. .. ..
tendimento da Re- Fros ... .. ... ...
eebe'oria' Particular Dizims. . .. ....
em Fevereir Recibos mensaes. .. ....
Despachos de importao .. ....


. *. . . .. *
.' a* *
.' i


Entregue pelo 8.* Pharmaceutlco,,. tndinerto da Botica do Estado de II a 31 deDe2embro 1859.
Idem pelo Director do Hospital, provenienre de escravos de j'articulares Iratados no Hospital ..
Reposiao de dois Soldados, equiivalehte de rateg que repostro por no marcharem para o Ibo e
Stereo tido baixa.. .o. . . . .. .. :. ..
Eutregue pelo 1.' Marinheiro da Armadla Real ht185 da 7.* Companhia Franciaco Tavare#, pen,
Ssio que deixuu ncm Lisboa 4d! tasria de Jaitro a Maro......: .. .. .. .. .


'
::-.;'7


!i~l275
sgQi4
'165690ss
274


.SomEma. Totnl'.. ,,.


,1.*.... i


vi~fat
855123j


eg0o,.

'' .'':: gi*!i58~69Q


~,
Y. v:
.r
ii
~: ,
i :
~ ~


st iodrigut., ~ uriai de iirito de Longa, Concelho de Vi-
nhaes, I)islri,. n Administriiivo de Brgana, odade 23 sol.
teiro, fa l!eceo 4- 2. otbc w ao IAsuio inis-
ti .in o:a quanta de 280~r Idem :idem n.' : 13 'Sold: o Fa ioFr o1e da SilK. '-
4lio de ,iJoe Aitoihio Ferns t &"n t rde' Brig,';' alle-
tec a 2R. deixou d'espolio a quantia de 195 ris
.4' idiem ni 133,Soldado Ovidio dos Santos, filho de
Jouse Mendes, natural de Midcs, falleceo- a 9, deixou de
espolip a quantia da 2 1 '0 ris.
Idem idem n. 257 Soldado Ignacio Jose, filho de Fran-
,cisco Jose, nttiri Te S. Martinhio, falleceo a 13, ficou de-
vendo ao Conselho Admihistrativo' 1(3`,5 ris.
L-Barteriow-d-Artilhteria n.- 11q Solado-Jonqiqim' (onaf-
vcs aixiuha, filho de Jose Ciixioha, naturMl do Fundio,
,falleceo a 3, ficou devendo ao Conselho Administrativa a
quantia de 415 ris'.
Idem n." 116 ISoldado Jose dos Sancs', filho de Sebas
4tic Maria, nali.ir de BR.'!!.iii;a frile.co. a 9, ficou deven-
do ao Conselho Ad.iTinistrati\ o 1~695 reis.
Idem n.o 9 Cal o Ju.i.o A n(onioo Casquinha, filho de Joa.
quim Josc Casquinha, natural de Lagos, Districto. dmi-
nistrativo de Faio, solteiro, falleceo, a 22, deixou d'espo-
lio a quantia d _44423_ 3ris.
Idem ri. 105 Soldado Manoel .Toarquin d Costa, filho
de Henrique 'Joc 'da ~ osta', inturil de Braga, fiillece' a
31, ficou deiendo ao ao onselho admninisirativo a qurniia de
615 ris.
Quartel na Praa de S. Se:asfiio2 d'Abrfi de 1880.(=
'Luiz Antonio OzoHio, Tvnnente Coroniel' Graduado a Com.
mncldante. _









---- T -- 1 ---~-


Desenvolvimento da Despeza


Governo e Administracfao Geral.
Artigo I.'
Governor Geral.
Sceao 1.,
S.* Governador Gerail. s, Vencimento de Julho de 1859 ....... .. ......
Secdo 2.
Secretariat Geral..
Secr-tario Cieral. = Suld., de Julho de 1859 .. .. .. ........ .... ..
Elpr..ti .s = VenIici :it,. 1.' Jaiiairo le 1859. .. ......... .........
Uitoa. = Veanciiat annual at .120000, ordenado de Janeiro de 1860 (a) .... .

Artigo 0.0
Governor Subalternos.
ecdo L.'
District de Loureno Marnmf .
Ao ex-Governadoi. aldo da ia liquidalo n.* 4 .. .. .. .. .... .. ..
'Artigo 8."
luntruco Publica.
Professor Ordenado de Janeiro d e 1859 ......... .... .. '....
Mestras. == idem,dJ Janeiro d# 1859, e Janeiro de 180 .... .... .. ..

Artigo 4.*
S.,.-. Imprensa Nacional.
Compositor e inipresor. =V encemento de Setemlo de 1859.. .... .. ........
Apr.edizesl. .- Folh de Jntfio de 1860. .1 ... .... ....- .. .. ..

Artigo 5.0
Saude Publica.
Cirurgi1o de 1.* Classe. ~Dezembro de 1859 .. .. .. .. .. ...
Ditlu de a.4 Classe.- Janeiro de 1859. ... .. ... ... .. .* *.

Artigo e.,
@Obras Pablicas.
Ins-ector.-GratificaSo eJaneiro Je 1i80..... .. .. .... .... .....
Frria.4 aus :,perarios, Idem de .. .. .. . ... .
Dilta a operaris de fdra idem....... ............. ..

Material. .. .. .. .. ... * ** ** ** **... .. .. .. .. .


Artigos Gapitule


U175UNo




19$200`


415p09





87&266 1925266


006.
1266635
125340


Admninistrao de, Fazend.
Artige 1.0
8eso l.~


1.8 Junta da Fazenda. -Escrivao e Thesoureiro, Stemlito de i859... .. .. .. .,
Sectio S.*
Emj!ir'zados.- Vencimentos de Janeiro de 1859............... .. .. .
Uit;.s-fdem le Janeiro de 1l59 e Janeiro 1860 (&).-. . .. .. .. ..

S . Artigo
Alandegas
..-. ...... .. AaBde s&B''
M a t:iquel. --- Empreaidos. Vencimento de Janeiro de 1859, ,, .4' .. . .
1~iLO. . VeBimenaos de Janeiro de 1859 e Janeiro de 1860.... .. ,. .. .. -..

Administraco *e de ltiga.
SArtigo 1."
Secdo 8.*
Juzo de Direiti.
S.0 Jniz de Difeito dVeacimento de Demhro de 18 .. .... ..
... .ec o 3.*
stlteutu deo prezo na Caia em Jan .. ...... .. .. .

A'dministrsac icelesiat tica,
S.ArtigO 12.*
4,'SaeristL> e 18). Seciaeio '.
4.'SacristS dla se. =s Janeir d e 1860 .. .. .. . 4 a .e
Sesfo.S.


81M~~O




6l&500




1015268


1475915

151n ris588- 7895393

L71-.~


112~000


61$156
i0 n0150 100d000



485~000
585a00 1065000


2T7S300




1065000 S835308


S$7oo sRa0


Paroco do Mossuril. Janeiro de 185I 1 .. . ... .. ** 1s00
SacritLo. = Janeito de 1859, e 180 .. .. o i .... .... .. .. .. ..4. 4000 9.

'.---.. .. ..... :' 1:..r.... .. ..
ir eunpno aliHiPa~io 4. itmif da Faai4da *lSmu40 l- de DetfSabre, ritcolm dois meos em cada ipaamento' att se otrem em dia, em
hi~ideraZo aos modice otdenad a.


a
s.


.-. r.






74,


- 'i)eszlnvw~u'-iurnenodJi4ez
~&ztAos Caitlou


Transp.rte .. .... .. * * *
,. .Administrai!u.o. aiilitar.' *.
Airgo..2;a.

8." Alferte Ajudantes d'Ordens. -Soldo, gratificao e furrajea &nde Jauerj de 1859, .. .. ..
S' "Arig.i
,.. Bateria d'Artlheria
Sec4*o 1.'
Offlciaes. -Soldo de Janeiro de 1859...' .. .. .. ** ....... ....
S. ecso e..
: Batqlhto d'Infa/teria de MoambiQue n.O 1.

Offliaes. -SoMo e gratlfitao de Janeir, de 15 . ..... ..
bleiearia do ranchJ dle Fevereir. le 1358...... ...... .
:' ', ; tArtigo S., IG '''

.Companeiiami dos Poitoa.
Capit ias1telo. .w Soldo o compeasal5 de Novemburo -di:35 .' .. .
: A digo i.*
CoEEaanA3o de 'r*np 4 PoriFlezas,
SPraga de S. Seb4tib. '
Coronel Commandante S*ldo e gratfifcao de Jaeiro'de 1859.. ......... .. ..
Ar..... o B.'
Captania-m6r Bda Terras Firmes .
CapitSo-minr.GGratificao do. Janeiro de 1360.. .... .... .. .. .. ..
Ex-,;:. iini --,ar. = i ratilica'iJ iJcm. de '185. .. ....... .. .. .... .. .a'.
Emtreidut .S. Veu;i aseto de Jaunire de i1859 e 1860 ..... ......... .
Ar1igo B .0
loSsptalc Miiottir. *
. Secao 2." ,.


Administrator:. =Gratifleao-de JaneiS o d 1389 - .. .. .. ....
Empreglo:.1 meuares e ser intes.= S olati s e :r.il1.:1.;'.4 de Janeirj de 1360. ... ....
Races aos serventesed du-rra laflu, F-w re- A 6 ... .... ........ ..
Dietas. I'utila do A miniistrador dj 1.* a 31 dt Janeirj de 135...... .. '. . ,
A -Manuel Marceliaj a' su conta de obecto foraeciJos em Novembro de 1857..

... S d Sei 3'
Botico 1.. Plharmaceutic.o Soldodel.aneiro de 1859.. .... .. ........
.;o Dito, Suldo e gratificaao- dem. .. ..... .. .. .... .. ..
Praticantes. --=-i'lem de fiO .... * * * * *...............
Medicamentos = i'olha do Administradir, do 1. a 31. de Janeiro .de 1360.. '. -p :. : ..

Artigo 20.*
OffleIaes em dispontibillIade, -
A um Tenente Corouel e a S Majores. = Soldo de Janeira de 1859. ... .. .. .
9 . ". .Artigo, 21..
S- O lciaes -em ComnmifssaoA
1 Major do Exercito de Portugal- = Soldo de Janeiro de 1360 ...., ...s:.-. ,. .. ..
l Alleres do Exercito da ndia. = Idemi .. .... ...... ... ..
. rtigo 2S..


CompauLbita de Veteran. -


Pret dos meges de Outubro e Novembro de 1859.. .... .. ... ..

A&dA ninstiracIo de M[arinha.
Artgo $3.
*.* Arsenal e Ctablfaniu :i Pirt. = Inspector e Capiti do Porto, solo e gratiicaes de Novemi,
bro e De ienlbr de 185 .. .. .. .. "' .'*.' .. .. .. .'. .'. .. ..
Em-:r.egadui. 'ile;. Janeiiode l3'59'e de 160. .. .. .. .. .. .. .. ..

Off inas. Feriau aos operatibs Janeiro de 1333.. .. .. .. .... .. .. ..
Ferias aos oiperarius de fora, idem .. .. .. .. -'. .. .. .. .. .

alariaheiroa addidua. Raes de Janeiio de 1860.. .. .. .. .. .........


14 ii6nU94i


o0o00o


84330I 4


,3


1oooe


e0s~00
O~Jo(> t1~O 1153qa eog


3I,-.i >7

4726d(i
5 3;0.i5


*- v, -- ,




*571355S.
1.*, .


48,~00G.
13750
50b754 140.501 7l2319q



la25yu0


18870O



gi0~716 17103909


5M1466 145$15




10~6'J0 318~94
e ..',.


Arnmamiiento mi ( Nato g
Ariig'o 24.
seunqkgra. Offlciaes. i Comedoilas ~gratifeaio de 1 mez. . .. m.l1&
Guarnio. = Soldo de 1 'lez 3.36
SquilIeafe de xaea pagai-ao a.ucriae9 de &-a 31 de Margo de 1360 1. 3. 3770-
r ...)

;no~I~sr.miu t r~~~~rcI~iiW i.* ..:' i ~ Og l~Q) .Iy~0





Id~s~o
ii~zoo isslroa
; ' : `









; Desenuolvid en lo da Despezau
Tra ,sporte .... . . . . " .. .* .. * ** ." : .. : . ,. *
.., : .. Secdo 2.'. '
a Patax` Zombrez?. Ao mes'i oElo!o.de Deznmibrode 1859 a Fevereir de 186.... .. ..
Raes do dito e criado .e Janeir ae 1 60 .. .. .. .. .
S. . Atigo- .
srv : d'r o laoro;
." Patrio-*m'r da barra. = Vencimeato'd Janeiro e Dzemt)ro de 1859 e Janeiro de 1860-.. .
Aif-Artigo 22.0
SEt.cargo- <"eranes
Refonrmalos, I Brigad'leiro e Tenentes Coroneia- Soldo de Jneiro de 1359 . .. .. **

PDefipezra Dia- srr-at
Oolonia Militar de Tete, = Soldo e gr8tifieao aos Oficiaes, Janf-ir( de 1869.. .... ..
Sustento aos gales ha Praa de, S. Sebastio, mez de Jaieiro deJ860.... .. .. ..
Coimedorias.e raes ao Alferes Mpsquita que fui para Quelimane. ...... .. ..
Liquidao a diversaas raas de prel da4 Companhias dos Portos de seus vencimentos em dividd
e prestais por conita a outra's.:. .-. .. .. ...... .. .... .. -


ArUg~uB (mI:aiiioMi


s0odooq .


', .'aas






IieBoo.


?2~aT5 l47~382 e75jI18I


,SO'mma total . : 4:2.15 s
Thesonraria Geral da Junta da Fanrda, Publica da Provincia de Moambi4uo 16 de Mato de 1,60. Q Thespurdiro Geral -= Adtito o a-int
de agisalles. '. ..... " .
. .. :- ? ",,. .


'T 0 F `Pl 1 ik

ANIL.
Descrip po, cultural, o preparao do anil.
Concluido do Boletim n.o 15.
Tirada ento dos sccos esta massa, ser conduzida para,
outro alpendre chamado,' secadeiro,_ e ahi se ira la:nndo em
pequenas pores co9m uima.colher em tal:aEiiros, ou ainda
Smelhor, em um panno que maneira de bastidr esteja
pregado em uma grade de 4 pos, onde scccnr de todo.
Dever haver precauio de evitar o so!, quando se scccar,
e ni.es que esta massa se seque de todo, se d:veri partir
Sem talhadas pequenas e quadrad s para maior commodidade.
Es.te anil no pode entrar no commercio sem ser per-
feitiaenwte enxuto.
Para este fim ficar us-quinze ou vinte dias amontoado
em grandes barricas, aotfid toni calr,' e passa por uma.
sorte de fermentao intestine, cobrindo-se com uma ef-
florescencia branca : torna a ser estendido para seccar, e
ento que -pode ser levado aos mercados.
Em geral.pode admittir-se que os pes do anil s(o de
iima aualidade tanto melhor qnantoo o seu pezo especifco
)mais pequeno, por que elles contm en ento menos subs-
tacias extranhas juntas por fraude.
,rns, vezes o.anil do commercio contem metadedo seu
'pzo de material colorante azul.
O restatf compoem-se de materias estranhas qe pro-
vm da plant ou que esto ahi juntas de propqzito.
Assim encontra-se algumas- vczes-no anil-ar'ia, -terra,
cinzas, tijolo em p, e outras'suLstancias..

Publicamos o seguinte, extrahidodo Boldim Governodo
E,'ado da India de tera feira.13 de Dezembro do anno pas-
sado. .
E- XTRACTO DOS- PERIODICOS: IGLEZES.
.:.s. descubertas do Doutor Darid ivingStone utA 4fica.
A Gazeta Cape. Town Mail<'do Cabo de Boa Esperana)
publicou cartas do Diiutir Livingstent, dirigidas a Sir Ge-
i'rge Gr;y.'; 'Na' priimira d'el1s ann uncia o descobrimento
e umn grande lago que ex cedm 4fuito, p. grandeata. o LaR'


go Ngami ': os seis hmites-nao estaoaiidla diffinidrs ; mas
diz-se que ligado a outro do deseoilhcida ex'enso. Du-.
rante o present anno nfiuitos d'estes -gran sero resolvidos, s aqueile empreheidedor tiver vida,: e
no sofreri na sude. .' '
S"io Chire 1..ie Jzuilh d 1859.
Meu querido Si-C GCorge. .Nos tenios ultiniamerite des-
ccber.i um bello -lago ao subirins joip este ; io acifi,;'na
nosa iancha 'a vap(;r. 100 milhas, e. :iarchlan:o de'pois a
p mais 50 milhas.' Caiirin-s' (C1.; i o lago gami
meramennte um tanque eii c particularmente interesrnie Rc factor refierido plos natiVos
das suas inargens, que separado pr uirna ingoa detler
ra, somelnte 5 ou 6 milhas d o laggo Nanja ou IN lyesi,
isto que ,ourton tnuha ido explorari: Nos fnada
ouvimos da sua expdio cm Ciirwa ; e 'no temos
obtido noicias algunias da Eui'opa depois que' vs
tivestes a bondiade de me mandar alguns exemp ,ures do
Times no anno proximo passado, de sorte que nio^sa.
bemos, se elle obteve bons i'esultados ou in. O Lago Ciir.
iwa no tem salida, e as sias'aguas so' amargas, mas po-
'taveis : abunda de peixes, bichas, croco"iills e cavalios
marinhos'.- Ns descbrimos tambem, 'exainiando purcial
mente uma. pQr, do Lago Chirwa, que elle iii dis.a me-
is de 30 milhas, d'um ponto aonide pode facilmente chegar
esta lancha, que as Gazetas dizem demandar '13 pole.
gadas de agoamas que actualmente demanda '31. ( lIr-go
muito grade ; de todsos s lados cer'ad'o de alias mon-
tanhas verdejantes. O D3zombo oU 7c1bi;n, coai o appe.-
lida o povo que mora mais perto d'elle', ed altirade ma-
is de 6 miil pes, e da me-n:ia ,rma que a Mrinanha da ime-
za mis habitada io cuine, outrass sao igualmenite alia'i,
mas inaccsfiiveis"i uimna a!t i'egiao ;il ,snmini laig em1 2
mil, pr acima do nivel do iai' ; ,de 20 a.3.0 niilhas
de largura, e 50 j'60 d': d"ompri.nt Ao" sibirmos
in montanha vimos' em umn maliar''ditadeia 2 -cumes, que
parecem jihas que se levanw.am no borisonte do ai.airUmaa
ilha montannhosa, hi'bita 4 estaiertodod loiar annde-nos
primeiro clegamos. Pela giranesa das 'ondHa do lago, pa-
rece ser fulndo, Mr. ,-aclcar hadrevos apresentar o mappa-
O.,Doutor Kirl, eu e 15 M akOlolos formamns a expedi.
co terrestre. 'paiz beri povoado,c semelhante ao de
Londa, que fica no ccentrii. Muitos rgueiros nacem dos
pantanos-a v~egetaao ta'mbemn idintica. Nunca vinnos
tanto alg.do cultivado, como (.n tre Is Mangangas doChire
q dosvalles do Slhirwa tod&o lclts teciii-noio fiamrio. So
.o-,.'e ..? /:,". :''. S' '*,; ;. 5''", "'. ",


7t
.. -~~ -- ~u~. -,-1-----~,,~~-I-~I,- _- irii iI-i -~---ri----in~-ri~-,~in~-r-










estas as latitudes, que eu tenho sempre apontado como
terras, para a cultural do algodo e assucar, e realmente
Ssopara isto muito proprias; mas tal o desinteresse de
alguma gente que os bracos so exportados para Bourbon
em vez de serem aqui empregados, 'O unico negocio que o
povo faz o'de escravos, eos .uncos symptonmas de se-
melhante impudencia achamos n'uia partida de negoci-
antes de 1'ajane ; mas elles mudaram o seu proposito quando
souberam que eramos Inglezes, e no Portuguezes. NIo ha
Maraves no Chirwa nem perto d'elle; elles acham-se ao Oes-
te do Chire, de modo que o Lago Shirwa j mais deve ser
chamado Lago Maravi. Os Portuguezes nadaasaben d'este
Lag- mas-op Ministro que. reclamou ( veja-se o Livro azul de
1851 ) a honra de ter primeiro sido atravessado o continent.
te africano por dois negros com nomes portuguezes deve ex-
p icar porque no at'aeas.aram o Lago Shiirwd. Elle fIca
40 a 50 milhas de cada :lado da latitude de Mo'nambique.
Elles vieram smente a Tete, distant 400 milhas de
Moambique.' Nos havemos de voltar ao Shiwa em Julho,
d'ali seguir para Nynyesi.
Extracto da Carta do referido Doutor Livingstone datada
da Barra de Kongone a 30 de Julho dt 1859,
Ns temos mandado um relatorio confeccionado por mim
e pelo Doutor Kirk sobre a febre africaia, e julgamos
vista da nossa experiencia que a temos tornado uma mo-
lestia menos formidavel do que era at hoje.
Podemos apresentar um Relatorio sobre a navegaco
do Rio Zambeze depois de havermos observado todas
as mudanas a que esta annualmente sujeito. Do que ha-
vemos observado, no present anno, fora do natural, tem
seccado muito ; uma embarcao que demandasse dois ps
Sd'agua, conimo as que usam no Mississipi poderianavegar,
nos annos ordinarios, anno inteiro; durante 4 ou 5 mezes
de cada anno grairdes embarcaces podem navegari at
'T'te. Aqui o rio tem 964 jardas de largura, quasi 3 vezes
tanto comoo rio Tamiza junto a ponte de Londres; a par--
,.te mais larga tem 3.milhas,.e dividida em 5 ou 6 canes.
Uma estaca posta, por minha suggestao, pelo 'Major Sicard
mostrou uriia'gradcual subida de 8 ps sobre a baixamar,
e d'ali para diante de 8 a 15 ps, durante algunsine-
zes; depois uma diminuico at 3 e meio. Nos vamos ten-
tar a expedtio do Nenyesi desde o Chire, tanto quanrito
este o Fermittir, O Chire rlais faciliiente navegavef do
que 6 Zambeze; pois ns temos achado constanemente
2 a 3 bracas de fundo, e pode ser navegado pelo Vapr,
de noite. Esperamos, depois de vencermos a difficuldade
das 30 milhas, hegar aos Lagos da. Africa Oriental, c en-*
t; seguir para oPaiz dos Makololos, por mar ou por terra.
P. S..Admiro porque os Negociantes d Cabo no man-
dam mais pela Costa acima, as suas mercadorias. Os Nego-
ciantes de Tete so obrigados a esperar mezes em Que-
limane pelas fazendas ,de algodo, ou at que venha al-
gum navio americano: estas fazendas tem a larguia de
uma jarda, so ordinarias, e no branqueadas, e mais.ca-
ras do que as inglezas. Os gentios da India pagam rm'ais
altos precos pelo marfim, em fazendas 'inglezas de"alg-
do., do que os americanos. David Livingstone.

Do Boletim do Governo Geral do Estado da India n.* 101
de tera feira 27 de-Dezembro de 1859, copiamos tambem
o seguinte :
As descobertas do Doutor David Livingstone na frica.
O Doutor Livingstone escrevendo de Tete a Mr. Aspinal
Turner appresenta um animador project aos negociantes
do algodo e certamente a todos os negociantes em geral.
Elle diz; Temos achado que 'ni necessario forne-
cer ao povo sementes de algodo, porque o que elles fa-
em produzir julgamos ser to botn, como o algodo das
terras alias da America, e algum n 1o comprido como o
do Egypto: este e todo importado, ouTonge-Manga (Estran-
geir. ) O Tonge-Kadja ou native notavelmente forIe,


encaracolado, e to aspero ao tacto, como seus; prolpiaos
cabekios. Ambas as piantas so annutalmente queima:c .
tornao a nascer no vero to vigrsas coilo an es. O paiz
ao Norte d'este logar todo terra de algodo.
Eu tenho chamado attenco sobre Angola com oparte db
Paiz do Norte, e oueo que o Governo obteve o relate orio d'nm
"natuialista Al!emo o Dr. Welwitch que inteiraiente co1-
firma tudo que tenho dito acerca do dito object. ,
A cana de.asuucar cresce egualmente bem. Eu pode-ri
cleber algumas cargas da plaita cde. anil das ruas e visi
nhanas de Tete ; e posso affirmar agora com certeza tuie
de excellent qualidade.
Temos navegado o Chire 100.milhas, e- o achl'mos em
todo esse espaao admiiravelmente piprio para a nnCa-
co a vap.r. O povo tem bastante porcao de alg dao para
seu proprio uzo, e vendeu-no:s algodo e linha do mesmo
em pequenas quantiladels. Incluo amostras. As provises
so abun.dantes ; im:,s o povo nunca foi antes visitado por
Europeos; e por-conseguinte'-nunca antes venderam o al-
godo.
( Contina. )



MOIM no PORTO )E mOCI IBIU
i ' de 21 a 17 do corrente.
-e-- :: I
EMBARCAcES ENTRADAS.
No dia-4 Hiale Portugi!iz, Pedh'lio, de 76 toneladas, Mestre Fa.
quir Bavy smsael, rqiipagem ] pessoas, de tQuelimane em 3 diai com
marfim, 0 passageiros e t8 criados.
No dia 24- hiate Pottiguliizi, AMissanga, de 66 toneladas, Mestre DIada
Bay Aciabogy, equipagin 11 pessoas, de Queliiane em 4 dias, cm anar-
fim, cera e cocos, 15 passageirii inclilialo :a degradlado, 11 criados, trau-
xe qficion para o Gverno e nialla Ipar o correio.
EMBAIrCAES SAItDA.S.
o dia i1 -'Barca Francoza, Ciligi'ia, de 176 toneladas, Cai'~tfi
Audibert Antoine, equipagem 11 I:essoas, para Marselha cnom d)fTtrenies
gener.s.
"- atel Portugiuez, Biu i ita, de 9 toneladas, Patrio, Ignacio,
equhilpaem pessoas, para Lnry om lazr-nlas.
No dia .G-Panaij Atrabe, Uxar AM"ga, de 30 toneladas, Iestro
Bmisse, equilag-nni 11 pesso:a, !ara Zaniibl),r com niarfili.
(;apitaniia do Porto de ouainbique !T de Abril de 1i60. -= AnUnie Karia
Gueder, Capilto o > orlo.
-- I


Arequerimento de Lalchande CalanChandl testamenteiro do Inado P.n.
pachande 'Amarchan:r, e em conformidade do deslaciho da Juita da
Fazeida se ifaz publico qiie no dia 7 (de Maio proxino futuro Itla.
4 horas da tarde, nas cazas' onde morou o dito finado se hiade Iro.
ceder ao eilo dea alguns objects e escravos aprteh,'entes ao espilio
do mesmo. (Contadoria Geral da Junta da Fazenda 24 de Abrii de
1060. O Escrivao Depuiado interino da Junta da Fazeuda. == Vicent*
Luiz d'Abranches.

Erratas do Balancete da Juinta da Fazenda Pi-
blica no Boletian OFeiicial i.". 15 Ie 1t d 1860.
Impostos Directos. -Na 1.- linha, Papel sellado 81791 -= leia-a,==
Papel sellado 69046.
*Prpoprios".Nacipnaes.-Na 5.1 linha Portaria n.0= leia-se = Portaria
n'.* 81.
Bateria d'Artilheria.- Na 1.' linha, Oficial = leia-se- Oficiaes.
Conmpahia dos Portos. Na 1.*'liha, 11859 = leia-se= 1858.
Brigue -D. Jano de Castro.-- Na .' linha, ate =-leia-se =ateDe.
zeiiibro.de 1859, e ria 3.' linha ate = leia-se = ate J.fanho de ttl9.
Servi., do Porto. Na l.' linha, 18159:= leia-se = 1858.
De'.ezaIs Diversas.- Na 5 a linha. Enf"rnmeiros = leia-se = Eafepi
m -ir. Na 7 a'liriha, de-Eserivo = reia.se = ex-Entharerado Na 15.*
linha, s r jilgado = leia se = ser julgado .nia preza, seinnd, iocia du G(
verno-Geral e delibera o da Junta da Fazenda. Na 16.' linha,, qiu
prestou = leia-se = que etaprestou; ,


IA B I II I A IMIl -INSI ACIO IL.
MoAMBI4e~sttEi1 na nA IPlrENsi NadosNks.


I I~__ __I_ ___ ~ ___ _1~ _~
i --- - - I






A NO-1860.,





BOLETIM


IFFIIEII 8,




OFFICIAL


DO



e Betiim scii anal ser publicad os os sabbaos e no Preo tde 4sssignatura por anno.............. r, SiO
dia aiitreelente ou na 2. feira seguinte quandi aquelle for 1 i I : V Pr seis mezes........................... r 15500
'iriado : assigna-se para o mesimo em Moanjbi iuc no Escri Por tres mezes .......................... ',00
orio do Estabelecimenoda Imprena aiona enos Di- Pr folha avulsa ......................... *, 030
trietos, nas Secretarias* dos Governos ou Commandos de y A do Preo dos annuncios por linha ............ ... 40
Villas, as assignaturas so sempre pagas adiantadas. i n Correspondencias d'interesse particular,,idem.. O'30


GOVERINO GERAL*.
___ -EiO gt-mir- -

N.o 5. ~De 12 de Abril. ==Nomeando uma Commis-
s'o composta do Capito Tenente Joo Eusebio de Olivei-
ra e dos 2.o "Tenentes Antonio Maria Guedes, Felieissimo
Xavier dos Reis para examiner o estado do Patacho, -Zam-
beze, e mais cisrcumstancias do navio, e verificar se justi-
ficada a sua arribada a este porto procedendo ao competen-
te exame e vestoria.
N. 52. =De 12 d'Abril. -Dando passage Compa-
nhia de Veteranos a Soldadon.,87 addido ao Batalho de
Infanteria de Moambique n. 1, Manoel da Conceio.
N.o' 53. Nomeando interinamente a Francis-
co Luiz Ribeiro. Praticante da Secretaria deste Governo
Geral, Amanuense de 2.' Classe da referida Secretaria.
N.o54. - -Idem idem, a Luiz Gomes de Mello
Castell'o. "
N.o sg. Idem, a Agostinho Baptista Montei-
ro, Porteiro da referida Secretaria.
N.o 56. De 13.- Idem, a Fernandes Mateclino
Santimano, Meirinho de Justia.
N.o 57. De 18.- Exonerando a Daud Bava, por
assim o ter pedido do logar de Patro de Escaler da Al-
fandega da Cidade de ,Moambique.
N.o 58. De 20.- Idem, a Alvaro Nunes Bernar-
des Cardozo, para assim a ter'pedido do logar de Medidor
e Pesador da Alfandega da Cidade de Moambique.
N:, '59. -De 30. Transferindo o Escrivo Ve-
rificador da Alfandega de Inhanmbane Romio Jose da Silva,
para o logar de 2.0 Escrivo da Alfandega da Cidade de Mo-
am'ique emquanto Sua Magestade no Mandar o contrario.

1o0.60. O Governador Geral da Provincia de'Moam-
1ique, conformando-se com o parecer emittido pela Jun-
ta Militar-de Saude em sesso de 26 de Abril proximo
find, em que de oppinio. que o Tenente Coronel da
Guarnio d'esta Provincia Joio de Souza Machado deve
mudar-se para utn clima mais sadio e temperado, afim de
se restabelecer; a attendendo ao que lhe foi requerido pelo
nmesmo official, para, que lhe foss concedido ir para Portu-
4alsenttpaiz tatal, determine o seguinte:


concedida licena ao Tenente Coronel da Guarniao
d'esta Provincia Joo de Souza Machado para ir a Portu-
gal, afim d'se restabelecer da sua saude, sem ter direito a
vencimento durante todo o tempo que ali se demorar, e sen-
do obrigado a transportar-se sua custa quer na ida p: ra
Portugal, qae iio seu regresso para esta Provincia, na con-
fonmidade das Orderis de Sua Magestade em vigor.
As auctoridades aquem o conhecimento d'esta deva per-
tencer, assim o tenham entendido e cumpram. Palacio do
Governor Geral da Provincia de Moambique 1.0 de Ilaio de
1860. -Joo Tavares de Almeida, Gmernalor Gera!.

N.o 6I..=0' Governador Geral da Provincia de 1Mo0
ambique determine o seguinte:
exonerado do Commando Militar do Presidio, de Ba-
zaruto, para que foi nomeado por Portaria d'este Gover-
no Geral n.o 27 d'Outubro de 1857, o Capit'o de Infan-
teria, da Guarnitgo, d'esta Provincia, Antonio Jose Rodri-
gues Pinho.
As aucto.idades s quakes o conhecimenfo desta devt
pertencer assim o tenham entendido e c umprmni. PaIlc:o do
Governor Geral da Provincia, de Moambique 1." d& Maio
de 1860.= Joo Tavares d'Almeida, Goizernador Geral,
N.o 62.=Tendo pot Portaria d'esta data n." 61 sido
exoneradodo Commando Militar do Presidio de Bazaruto,
,o Capitho d'Infanteria da Guarnio d'esta Provincia, An.-
tonio Jose Rodrigues Pinho o Governador Geral da Pro-
vincia de Moambique determine o seguinte:
nomeado para commander o Presidio de Bazaruto,
o Major do' Exercito de Portugal, servirndo em cormmis-
so n'esta Provincia Jose Pasifico. Ilade pagar de sell
10,000 ris.
As auctoridades as quakes o conhecimento desfa deva
pertencer asim io tenham entendido e cumpram. Palacio do
Governo Geral da Proviicia, de Moambique 1. de Maio
de 1860. .JoIao lTarares d'Almeida, Governador Geral,
N0o 63.= Convindo fazer cessar por uma iez as irre-
gularidades nos abonos de vencimentos que se tem feito s
praas da Companhia de Veteranos, s quaes por abuso se
tem abonado os vencimentos, que ellas tinham, antes do
passarem Companhia de Veteranos, que tem por lei ~en-
cimento especial: ,
,0 Governador Geral da Provincia de Moambique ten-
do ouvido a Junta da Fazenda, determine que o Commau.


11 T E~ B (fl l U, 1 A LI&









dante da Companhia de Veteranos de hoje em diante, no
abone s praas que compoem a mesma Companhia, qual-
quer que seja o corpo ou vencimnicitos' daquellas que para
ali tiverein tido, puppara' o future venham a ter passage,
outros vencimentos de pret, fardamento, e mantimento,
que no seji o marcado no artigo 21.0 do Capitulo 5." do
Oramento em vigor nesta Provincia, cessando desde o
1." de Maio qualquer outro abono, que por abuso at hoje
se tenha feito a quaesquer das referidas praas.
O que se communica Contadoria Geral da Junta da
Fazenda e ao Commandante da Comnpanhia de Veteranos
para sua intelligencia, e execuo. Palacio do Governo Ge-
ral da Provincia de Moambique em S. Paulo t." de Maio
de 1860. Joo Tavares d'Almeida, IGovernador Geral

ACCORDOS. -
JUNTA DE JUSTIA.
Accordam em Junta de Justia que no confirmam a
enin!i.i do( Conselho de Guerra a fl. por quanto tendo
s;:!o i!st!!urado o process no Juizo Ordinario de Tete, no
se o:sen;.,u ur I das formalidades qual o auto de que-
-reli. falta esli essencial nos terms do Decreto de 2 do
Ji,1Lo dc 1858; e tendo continuado o process Militar
Laseado no process preparatorio civil, nullo por aquella
falta, nullo est todo o process posterior. Por tanto an-
nullarn o process desde o auto do Corpo de delicto a
fl. e-inaiidam que sereformie. Sal das Sesses em Junta
de Justia 27 de Maro de 1860, Jose Ignacio d'Abran-
ches Garcia = Tavares d'Almeida.=C. M. Moules.==-
Luiz Antonio Ozorio. Jose Maria Teixeira ,Pires. Adol-
fo .Jo Pinto de Magalhes Junior. = Rafoelde Mendona.
==Fui present, Oliveira Major Promotor. Cumpr,-se.
= Palacio do Governo Geral da Provincia do Moo.mhique
27 de Maro de 1860. -Joo Tavares d'Almeida, Gov'r-
nador Geral.

Accordam em conferencia os da Jnnta de Justia,.que
attendendo a que do process se prova que o 1. Reo n.
38 Jose dos Santos desobedecera formalmente ao Director
do Hospital Militar desta Cidade, recusando recolher-se ao
calabouo do mesmo Hospital'; e attendendo a que os ou-
tros Reos Manoel de' Figueiredo Henrique-de Paula Gui-
miires, Joaquim das Neves da Fonseca, e Jose Manoel;
tendo na tarde do dia 23 de Maro de 1859 abandonado
o servio do mesmo Hospital de que estavam encarrega-
.do<, e tendo logo depois da sahida do Hospital:, reconhe-
cido a sua falta, tornaram a recolher ao anoutecer do mes-
mo dia, ni o confirmam a sentena do Concelho de Guerra,
e condemnam o.1.0 Reo.em 18 meses de rigorosa prizio, e
os outros quatro Reos em um anno tanmbem de rigorosa
priso, levando-se a iodos em conta o tempo de priso que
teem soffrido, o qual mandaim se cumpra. Palhcio do.Go-
verno Geral, da Provincia de' Moambique 21 d'Abril db
1860. Jose-lgnacio d'Abranches Garcia.-=- Tavares de
Almeid,. C. M. Moules..= Luiz: Aptonio Ozorio,- Jose
Maria Teixeira Pires..- Adolfo Joao Pinto de Magalhes
Junior. =Rafae:d e Mendona. 'Fuiprezente, Oliveira Ma-
jor Promotor..= Cumpra-se. Palaeo do Governo Geral da
Provincia de Moambique 21 de Abril de 1860. =JooTa-
vares d'Almeida, Governador Geral.

Accordam em conferencia os da Junta de Justia 'que
onfirmam'a sentena do Conselho de Guerra de fl. 25na
parte que julgou provada a desobediencia formal do Beo


VicenteJoo de Souza Ma hado Alferes da guarniio da Pro-
vincia em servio no Batalho d'lnfanteria de Moarmbique n.*
1, s ordens do Commandnite do nesm Batalho-; atten-
dendo porem ,as circumstancias attenuantes, que constam
dos autos no confirmam a dita sentena em quanto pe-
na, o condemnam a um anno de priso rigorosa .n'uma for-
taleza levando-se-lhe em conta o tempo que tem estado
prezo. E mandam se cumpra, Palacio do Governo Geral
da Provincia de Moambique 21 d'Abril de 1860. Jose
Ignacio d'Abranches Garcia. = Tavares d'Almeida. = C
M, Moules.= Jose IMaria -Teixeira Pires. J. E. d'O1i-
veira, Adolfo Joo Pinto .de Magalhes Junior. = Rafael
de Mendona.= Fui present, Oliveira, Major Promotor.
-Cumpra-se.= Palacio do Governo Geral da Provincia
de Moambique 21 d'Abril de 1860. = oo Tavares d'Al-
meida, Governador Geral.

DISTI iCTO DE SOFALLA.
Pela Chalupa, Fldr da Mar, chegada a este porto no dia
2 do corrente o Goverlnador Interino do Districto- com-
munica olficialmente o seguinte, em data de 23 de Abril
deste anno.
O socego public' tem sido constant, inialteravel. Os Va-
tuas de Manheu (filho do Potentado Manicusse, failecido) que
outr'ora tantos insultos faziam nas nossas terras proximias da
Villa, tem respeitado essas terras conservando-se q.iusi sem-
pre na Magova, e outras logares, mais pgra o interior Os
regulos visinhos respeitcm e obdecem a auctoridade. Os ca-
minhos no interior alem das nossas terras continuavam a
ser pouco commodos para os negociantes que por elles tran-
sitam, porque os niataos no lhes dispensam o conmpeenta
tributo, por irem negocier s sus terras.
Vieram Villa trez Trans-vaal Boers com as suas fami-
lia. Em I)indira mnatou-se um leo, que havia feito algu-
mas mortes, nos eolonos.
A lanchadenominada, JaIgada, no l.0de Dezembro pas-
sado naufragou juncto do sitio dematto grosso, pexrde;dc- se
a lancha que se partio e a carga de mantimento, mas sal-
vando-se a tripulao. Esta lancha pertencia ao morador de
Sofalia Theodoro de Aiaujo Rosa.
Neste anno a colheita da meixoeira foi satisfactoria. As
outras sementes que no Districto se costumam lanar ter-
ra, como arroz, gergelim, feijo &. promettem tambem mui-
to ; a do annno passado porm foi escacissima, chegando a
sentir-se grande falta, mesmo nas melhores casas da Villa.
Chegou a no haver venda se no gergelim, o.seu preo
era, e ainda , de 750 ris por panja.
O commercio no tem experimentado alterao. Todos
se queixam de prejuizos na compra de marfim, genero de
negoeio,- a que exclusivamente se dedicam. de support que
assim! cttinue a acontecee em ant os possuidores de fa-
zendas forem, ou mandarem procurar marfim, ao interior
em vez de virem os negros com elle procurar as fazendas,
sem as quaes no podem passar.
Os preos do mercado so os seguintes:
Marfim de lei pezos por arroba. .. .. .. 44
Dito meio ditos ... . ... .. 3
Ditomeudo-ditos. .. .. .. 38
Dito cera: ditos... .. .... .. ..2
Urzella .quintal ditos. .. .. ... .. 3%
Cavallo marinho torto, tendo mais de 4 lib. arro-
ba ditos. .... . ... 44
Dito sortido dita ditos ... .. .. .. ..
Dito cera bruta dita ditos.. '. ... ,. ., 6


-L_ i i II Ii I
L-l I










O estado sanitario regular Tem havido algumas bexigas
quasi exclusivamente entire os escravos mas no tem propa-
gado muito, e raros tem sido os casos fatas.
Alguns moradores tem feito casas na Ilha de Chiloane,
aonde em vista da ruina que o mar tem feito na area da
Vilia, e. pela falta de agua potavel que nella e ,experimen-
tai por haver s a cisterna da praa, parecia convenient es-
tabellecer uma nova povoao :prestando-se a Ilha ao de-
shvolvimento da agricultuia pela boa qualidade e exten-
sa do terreno, ao commercio pela bondade do porto;
maior facilidade do access.

iS'TRIiCTO DE LOURENO MArQUES.
Pelo Brigue, Letlcia, vindo de Loureno Marqdes, e chc-
Rado em 2 do corrente se reCeberam participas officials
que alcanam at 23 do mez passdo.
O-novo Governador :nomeado, o Tenente Coronel Ono-
fre Loureno de Andrade havia toanailo posse do Gover-
no do Districto no dia 2 de Novembro d anno passado.
O Disfricto gosava'desocego, os caminhfs dorsertes es-
tavam abertos ao commercio, e estes em paz; Havia com-
miuicaces sem enterrupo entire o Presidio; aRepifblica
dos Boers, e Inhambhan:
Os moradores haviam offerecid ao ogoverino duas lanchas
para o servigo' do Estado. Este acto de patriotism honra
sobremaneira aquelles moradores: e muito mais valioso se
torna accrescendo ao important offerecimento que os mes-
mos moradores, cujo. nom publicaremos em outro.!ogar,
fiserain de ontribuitem a "convite do Governador para a
construco de um recinto de alvenaria, -guarnecido com
trez haluartes para a defesa do Presidio, ao que se presta-
ram por meio de um s-ibscripo;, cujo product uma com-
misso nomeada pelo Go eri..id.or administra. As obras des-
ta linha de deffeza comearam em 6 de Janeiro e tem.conti-
muado. J em data de 22 de Fevereiro se achava prompt a
receber 8 bocas de fogo o baluarte do centro denominado
de S. Joo.
O Governador diz eim data de 14 de Abril que no Dis-
tricto' e paiz circumvisinho havia abundancia de generous al-
menticios, mas havia escacez de fazendas, que estavam por
alto pre~bo.
Os preos corirentes db' mercado em 10 de Abril eram
os seguintes :
Marfim tranca de 50 lib. para cinim a airoba 48 pezos
Dito grosso de lei dc 32 lib. a 50 lib. 46
Dito-dito d 18 a 32 lib. ...... .. ; 46
Meio de' 1' a 18 lib. ... .. .. 40
Meudo de 8 a 14 lib ..- .. 36
Cera at sete tres quartas lib .. .. 22
Abada 3 palmos para cima ... .. 12
Dita sortida . . .. ..
Cavallo marinho de 4 lib. para cima torto'
egrosso....... .. . 48
Dito de 2 e 4 lib. dito e dito .. .. 32
Dito sortido de lib .... .. 8
Urzella.'. ........ .- .... . 2070 ris.
Arroz bate.. .... quiapo .: .... dinehir.
Milho grosso .. .. 1-
liilo meudo.... .. .. . *
.Feijo. .. .. .. : .. . . 1
Meixoeira .. .. .... .. 1
O Brigue, Margar;da, havia said deLoureno Marques
para Lisboa no dia 5 do passado.


Lista dos habitantes de Loureno Marques que cmcocorre-
ram com as quantias abaixo delaradas parr as obras de
deffesa do presdio.


Nomei
O'norre Loureno d'Andrade.. ..
Ignacio Jose de Paiva Iaposo. ..
Ismael Nuz ......
Jose Nicolaii la Cunha .
Diocleciaio Fernaades Neve.. ..
Pedru Antonio de Oliveira ..
Miiguel da Penha Neves.....
Andre Ben'ici de Souza .....
Paiuo' Enilio Cabal.......
Marino Jeroniino de Azevedo. ..
Luiz Augusto da Camara.....
Desiderio. Dias Guillirmino..
Francisco de Paula Castro Domiingue
Priniuxand Dotal....
Cufege Rotangi........
Iraoliand Sabuchanfd..... ..
Dad Uc..
Manoel Francisco de Souza ..
Quirdor Olhomuxand.. .. .
Jose Aiitohio .. .. .. ... ..
Antonio Gabriel de Gouveia..
.Bod Cassimo. .. .. ..
Miguel Agostinho d'Abranches..
Punj Cca .. ... ...
Ibramno Daud........ ..
Arychand Bogonidias ..
'Damador Pogonidas........
Banegy Juta ... .......
Q-uirdor Lacomechaiid. ....
Mamud Bay Mussagi ......
Jos de Santana da Gama...
SoS0nma..


1844)0 1 l? 1>
1 3N001

400oo ,, ,' ,, i
54Mo00 "
18d4o0 ", 9



9. 400 9i `> <
8~40O i, n ,,





207~ to 1
20 'o 1. ..
9 40 30
.. 7~:16O n' ,
4g~600 "> -
4W600 I i
1.. 4~6<0 40 0 91
43(O0 0 1 i

4 30(, 0, 1
4~6O0 '. a. "

20 10 1
20o e0 1
4i0 >,, ii
S40 40 1 '1e
0o 0 20
20 ,. ,>, ,,


10 .3 5

346,o50 240 170 7. 5


Arroz. ...........
Milho fino........
Dito grosso......
Feijo ..........
Mendobim.,......
Gergelim.'... ...
Jugo ......... ..
Macaca ..........


Panjas . ........
. . . . . . .

S .. .. . . . .
xi
e
; .


3r2
1:0 1,
3.3
133
s.Cj

76
37,'.


Sotrn a....;.. ................. ..2:22
Administrao do Concelho, 1. de Maio de 1860. O
Administrator do Concelho --Amiicar Barcitio Nevis.

Relao mortdaria do mez de'Abril dii 1860;
SEXO MASCULINO
No dia 5- Jose Antonio Proein, filho de Antonio dos
Santos, natural de Questoios',edade 40 aunos, casado, chris-
to, degradado, servente, das Obras. Publicas.
No dia 2i-Francisco Baptista Sobral, filho de Joao
Baptista Sobral, natural de Ferreiros, edade 40 annos, viu-,'
vo, christoa, degradado.
No dia 26- Camissi, Marinheiro do Pangaio, Safina.
SEXO FEMENINO.
No dia 5-Clara Maria, filha de Joaquim Nogueira'
natural de Pena Fiel, edade 28 annos, casada. christi.
No dia 20-Antonia Affvso, filha de Antonio Affon-
.so natural de Sabugo, edade 50 anrios, casada, christ.
No dia 22--Francisca Cabral de Lemos Cardias, fi'


----
A-DIInISTRAiO DO CONCELHO DE MOAMBIQUE,
Mappa dos Cerea.s ni:ados ni'esta Cidade no mes de
Abril de 1860, dos dif'erePtes pontos do Continente.


' - fl
'''~~~' ~~ ----,








lha de Marcos Aurelio Rodrigues de Cardinas, natural de
Moambique, edade 3 annos, christ.
N l. -O 3.. individuo mencionado nesta relao mor-
reo afogado na occasio em que se virou uma Lancha do
dito Pangaio'no canal de Mossuril.
Falleceram mais durante o mez 11 praas, sendo 5 do
Batalho d'Infanteria de Moambique N.o 1, 2 da Bateria;
d'Artilheriq, 1 da Companhia Disciplinar, e 3 da Colonia
de Tte.
Administrao do Concelho de Moambique 1. de Maio
de 186). O Admin.strador do Concelho =Amilcar Bar-
oinio Neves.

SBATALHO DE CAADORES N.0 2.
RellZo nofinal das praas que falleceram desde a che-
gada da Companhia a' Moambique at 30 d'Abril de 1860.
N. 2 Cabo Antonio Teixeita, falleceo a 27 d'Abril de
1860, deixou d'espolio 2.5270 ris.
N.o 38 Soldado Jose Ribeiro, fallecco a 17 d'Abril de
1860, deixou d'espolio 15085 ris.
N.o 63 Soldado Bonifacio Jose, falleceo a 3 de Feve-
reiro de f860, deixou d'espolio 153625 ris.
N.o 81 Soldado Luiz Antonio, falleceo a 6 de Dezem-
bro de 1859, deixou d'espolio 9525 ris.
N.o 86 Soldado Mahoel de Jesus ra a Deus, falleceo
a 5 de Dezembro de 1859, deixou d'espolio 134305 rs.
N.o 90 Soldado Joo de Deus Nabeiro, falleceo a 17 de
Abril de 1860, deixou d'espoli 14 230 ris
N. 96 Gregorio Luiz, falleceo a 25 d'Outubro de 1859,
deixou de espolio 1 055 ris.
N.o 111 Soldado Thiago Augusto de Menezes,. falleceo
a,23 de Maro de 1860, deixou de espolio 15a300 ris.
N.o 118 Soldado Francisco Ferreira, falleceo no 1. de
Maro de 1860 deixou d'espolio 185175 ris.
Quirtel em Moambique 2 de Maio de 1860.==Delfim
Jose de Oliveira, Capito.

HOSPITAL MILITARY DE MOAMBIQUE.
Rlapto das praas dos Corpos e Companhias abaixo
mencionadas que fallcceram durante o mez d'Abril de 1860.
Batalho d'Infanteria de Moambique n.0 I.
V.1 Companhia ni.' 2'0 Soldado Gabriel Cardozo, filho
de Joaqumi Cardozo, natural do Porto, entrou a 17 de
Maro, e falleceo a 5 do corrente, de gastrite consecuti-
va a febre intermittent perniciosa.
2." ITdem.n." 115 Soldado Manoel de Brito, filho de
Jose de Brito, natural de Faro, solteiro, entrou a 2 e fal-
leceo a 8 do corrente, de dysenteria e gastrite.
3." Idem n." 219 Soldado Antonio Jose Velloso, fi-
lho do Luiz Jose Velloso, natural de Amar, solteiro, en-
tiou a 9 e falleceo 12 do orrente, de febre perniciosa
oobrevinda ao estado cachetico:
1. Idem n.o 233 Soldado-Joo Ribeiro, filho de Anto-
nio Ribeiro, natural do Porto, solteiro, entrou 16 de Mar-
o, e falleceo a 13 do corrente, de calculos vesicaes.
2." Idem n. 218 Soldado Manoel Jose da Silva, filho
de Joo M'anoel da Silva, natural de S. Loureno, casado,
entrou a 2 de Fevereiro, e falleceo a 17 do corrente, da
dysenteria agda, anasarca.
N.2,81 Soldado Jose, Pereira, filho de Manoel Perira,
natural do Porto, solteiro, entrof, a 10 de Maro, e falle-
,ceo a 17 do orrente, de diarrhea sobrevinda ao estado
. 4aotic?.,


Batalho de Caadores n. 2.
1,4 Companhia n." 38 Soldado Jose Ribeiro,, filho de
Antonio Ribeiro, natural de Castro-Daire,'viu-vo, entrou a
23 de,Janeiro, e fallcceo a 17 do corrente, de-diarrhlea,
fystula no suvaco esquerdo, d)senteria'agda
Idem idem n.0 9 Soldado Joo de Deus Nabeiro filho de
outro, natural de Castello de Vide, solteiro. entrou a 10
e falleceo a 17, de dysenteria agda,
Bateria d'Artilheria.
N. 95 Soldado Domingos Gerard Ranmit'o, filho de Do-
mingos Ramito, natural da Covilh, solteiro, entrou a 11
de Dezembro de 1859, e falleceo a 22 do corrente, de
diarrhea agda.
.N. 78 Soldado Angello Garcia, filho de pais incogni-
tos, natural de Lisboa, solteiro, entrou a 17 e falieteo a
27 do corrente de dysenteria aguda.
Secretaria do Hospital Militar 2 de Maio de 1860. O
Director Pedro Sergio da Costa Viatna e Andrade, Ci-
rurgio de 4.a Classe.


I "MOVIMII ETO DO mPII DIE OABII.IOL.
de 27 de Abril a 4 do corrente.

EMBARCAES ENTRADAS.
No dia 38 de Abril.- Pangaio Arabe, Butte, de 24 toneladas, Mestra
Chande, equipagem 17 pessoas, 1 boca de fogo, de Zanzibar em 30 dia&
con fazendas.
-, Pangaio Portuguez, Salamoty, de 40 toneladas, Mestre Munubij
equipagem 15 pessoas, 1 boca de,fogo, dos Portos ds Madagascar em 5 dias
com arroz.
No dia 1.0 -Chalupa Purtugueza, Flor do Mar, de 54,toneladas, Mes-
tre Nall Bay Chinai, equipagem 11 pessoas, de Sofalla em 6 dias com
marfim, 9 passageiros e 16 criados.
No dia 2 -Brigue Pertuguez, Palla Ruparel, de 81 toneladas, Capitia
Abdurramane Mussagy, equipagem 25 pessoas, 1 boca de fogo, de Stfalla
em 7 dias com marfim e urzella, 3 passageiros sendo 1 Alferes 1 Soldado e
1 neg,.siante 1ortuguez com criados.
- -Brigue Portuguez, Letiia, de 176 tbneladas, CapitIo Mamudo
Bay Missagy, equipagem 33-pessoas, 1 boca de fogo, de Loureno Marques,
em 12 dias com marfim, 20 passageiros, o ex-Governador de Louireno Bar.
ques, 1 -Alferes 9 praas de pret. 1 prezo civil 2 Mulheres, 6 neg ;cia'nte
portuguezes, com 13 criados, trouxe officios para o Governo e malla ]ara
o correio.
.EMBARCAES SAIDAS.
S do dia 27 de Abril. -Pangaio 'rabe, Mansurina, de 40 tonlada,
Mestre Momade Biny Chr, equipagem 20 pessoas, 1 boca de fogo, para
Zanzibar em lastro,
No dia 28 do dito. Pangaio rabe, Fatal Ker, de 113 toneladas, MeC*
Store Momade Biny Amisse equipagem 51 pessoas, para os portos de Mada-
gascar, com sal e quissapos vazios 3 passageiros, sendo I Arabe, 1 Mulher
e l Menor.
No dia 2- Escuna de Guerra Portugueza, Angra, de 180 toneladas Com-
mandante o Capitio Tenente da Armada Real JoAo Eiuzebio'd'Oliveira,
51 praas d guarniio, 6 bocas de fogo, a cruzar na costa.
Capitania do Portode Moambiquc e 4 e Maio de 1860. -= fte.ni MUire
Guedes, Capito do Porto.


Por ordem da Junta da Fazenda desta Provincia se faz public, que
existed na -Alfandega tl'esta Cidade a quantia de 73 3000 ris; os ndi-
viduos que se julgarem com direito dita quantia devero apresentar. os
documents necessarios Junta da, Fazenda no prazo de 15 dias, a contar
da publicao do present anuiincio no Boletim Official. Contadoria Geral
da Fazenda 2 de Maio de 1860 O Escri o deputado interino da Junta da
Fazenda. = Ficente Luiz d'Abranches.
Acha-se impress e venda-neste Estabelecimento Tipographicq o-Or-
dem Fora Artnada N.O 2 do corrente anno, pelo preo de 60 ris cadi
exemplar

M---AM E I MPRENA NACIO--
MOAMBIQUE = NdA IMPREN8A NATIONAL.


-R -----. ?- -- -P ---iii~ --





~ ~ g 6 f~.
~- ~-


I01ETIN OFFI CI



t xDO
Y- 14 ,D i' A 0*


AL


Este Bol.tim semanal ser publicado todos os sabbado. e no
dia antecedente'eou na .a'feira egunite quando aquelilefor
feriado: assigna-se para. mesimo em Moambique no Escri-
ptorio do Estabelecimento da Imprensa Nacional e nos Dis-
trictos, nas Secretarias dos Governos ou Comfiandos de
itras, as'asagintrti sia sempre'pagas a iantadas.


S, A B -A.O,

111 1I. 0O


li i --
Preo de asssignatura por anno ............'.. r. Bb80m
Por seis mezes.......................... 1500
Por trcs mezes ................ .... ....
Pur folha avulsa .... ........... ...... ..
Preo dui annnuncos por linha............. O4'
Correspondrncias d'interesse particular, idem.. &030


OCaRETO Crb RGkNIC DA SECRETARIA D'ESTADO D08
S Gc I,0l`'SIDA MR'II HA E ULIIlAMrAR."
ENHfOR. -A = conveniencia de serem reformadas as re-
V r i:t, superiores do iuinisterio da marinha e ultra-
miar lhi muito :teipo' qiue. est reconhecida. As caus;.s d'essa
Sdonienecia, ou, mais depressa, d'essa necessidade;, form
patente(;d;is com evidencia em um desenmtolido e lumino-
si trabilho, elaboriado pela commisso de inquerito nbmea-
pa pela camera dos seiihdres deputados cm julho de 1853.
As nolicias e esciareci men tos'colhidos por essa commis-
o foitarnam inm riteres3anlee informia o,' que occupa dois
ossssos volumes, a qd-al, achandob-s ha rmuito no domnio
8o public, dispense que os' eus conceitos sojam reprodu-
xidos n'esta exposigo. O resulted do minucioso exame .
que a referida comnissao procedeu, as judiciosas relieses
que fez, e as indicaes que offeieceu, levariaa adminis-
trao transacta firm convicclo de que cia e;.,i;', regu-
larisar o servio da nmarinha de modo a estabdelecc um
svstema mais "conforme com as .neihores praticas, que
d(sse garantias ,de boa orodem, economic e progress:
sem duvida por isso que a referida adfiftist fafi ofpbr duias
vezes leve:da a pedir s crtes auctorisaio para realisar es-
se pensamerio, o que'todavia no teve e'ffciij pr circ-fms-
tancias que ipnoro.
O actual'gabiinete, nio menos solicito, e tendo a peito
levar os possiveis meJhoramntos n tiodos os ramos da pu-
blica administrao, no recuando diante das dilficuldades,
julgou dever armar-se de uma igual aurtorisaio; que 'lhe
foi conceilida pPqa carta de lei de 3 de junho ultimo, e
com os dados .ue possuia tratou de estudar a questo, e'
dc'i'!ci'rir; pela >sa firme resolugo, o termo dos seus
desejos: oxal que o consiga de maneira a bem de corres-
poider confia'n que foi depositada nasiua boa vontade,
e a merecer o benevolo assentimento de Vossa Magestade.
O governo, pproveitando muitas das indicaes da com-
minssod idnierito, apartotr-se cointudo em un onto iin-
p"rtante, qual o da organisao de um conselho de almi-
ranitdo com' a denomiha io de conselho de marinha. Pire-
cru-lhee ie'esta reao dava no~sa mariniha uma estruc-
' ura defeituosi.; ist' grani.f e.' a para tin- peqnueno
corpo, e supposto este e ja suseptivel de crescer, jamais
poder tomar, as dlimerics 'agigantadas que teve outr'ora,
SqTreiitnr.vli' proporio-'nim a amplidSo-do conslh,
que ora se prctefidia'ftizerenas~er;. Esta iiituio. se4r


porventura propria p:ira as naes onde a marinha deman-
da uma admihistrago intrincada e colossal, e ainda assimn
l mesmo se lhe notam defeitos e inconvementes; mas para
ns,, na actualidade era na verdade impiopria, desneces-
saria e inadmissivel. Como se comporia este conselho ? Seria.
com as summidades da armada, como mais experiences e
dignas de considerao por seus longos servios ? Os seus
adversaries no lhes poupariam accusacesde inercia, geral-
mente attribuida idace avanada, d'onde resultaria pr
em lucta as ideas velhas com as modernas. Seria com as
intelligencias robustas, em quem se acredita saber e ener-
gia ? Desviavam-se ento do servio activo da marinha e das
commisses mais importantes as capacidades d'esta arma,
ao passo qu e se lanava um-certo desfavor no hnerecido so-
bre os officials mais graduados. Qual era, pois,, a posio d
ministry, compremido entra o conselho.de marina e o do
lutramar, sujeito morosidade das resolues que derivam.
dos corpos ,collectivos? Ficava de mos press, sem aqella
aco governativa, prompta e energica, indispensavel para
bem se poder administrar. Conviria dar ao conselho de
marinha a. iniciativa que s compete ao governor, porou
s ell quem tem a responsabilidade ? Tal iis'ttuio, Se.
nhor, viria a ser entire ns, no meu entender, uma cor-
p.orao para accommodar um certo numero de individuos,
no goso da vida pacifica e rendosa, sem produzir nenhu-
ma: utilidade real. O goverio entendeu que podia attiigir
ao mesmo fim de uma maneirri menos dispendiosa,,e a
seu ver.mais -acertada, pelas medidas contidas no plane
que tenho a honra de elevar ' considerao de Vossa Ma-*
gestade,' e que comea pela organisaao da secretariat da
marii!ha:e ultramar.
O pensamento que presidio, composio d'este plano
foi o da simplicidade, economic e centralisao, combine*
dos todos os elements para a machine poder funccionar
regularmente. .
.. Uma repartio de gabinete destina-se n pr ao. lado do
ministry um empregado da sua confiana, a quem possa
commetter a reviso de trabalhs importantes, e:entrg'ar
ao seu cuidado assumptos reservados; e bem assim com-
prehende.u m official military, a fim de por elle mandar
ver como caminha a execuo das suas rdns. Sem appa-
rato,.sem denominaes pomposas, nem augmento de des-
peza, os trabalhos do ministerio se dividem por trees direc-
es; a primcira;cura dos negocios de marinha, preparai
dos e apreciados por homes professionals; a segunda trata
dos. negcoa das -provincias do ultramar, divididas as-va-


JU.' vrBe !I


''


----~---


-- 'I- --





82


.' .-:-- .............. -:.. "-
riadas matpries pelas respectivas reperties, sen que. se
exija d<,s chefes, como acluamiente, o saber tntcclope-,
dico sobre :tantas especialidadcs, evitando-se que, a re,-
peito do mesmo assumpto, se espeam determinaes que
se contrariam, occoirercia devida diviso por provinces;
Ster:ceira "irei-o contendo tudo o que diz respeito a ad-
ministrao de fazenda, centralisou este servio debaixo da
superintendencia de um unico chefe, e n'esta unidide-de
direco facilitam-se as relaes qu ho de haver entire
esta direco e a repartio central do tribunal de contas.
Os negocios puramente militares das provincias ultra-
"mrinas ficam sujeitos ao exame de um official, que haja
servido no .iltramar, fazendo este parte da segunda repar-
(ico da secunda direco.
< cnaiselho ultiramarino. soffreu algumas alteraces qu:e
ipo affectam Psse;iciamente a sua organisao, mas que
pirece-.in onporiinas. estabelecidQ que o ministry da
minri:ih1i e iiltiinmr seja president do conselho, assistin.-
d > As sesses, except quindo e'tier constituido em iri-
1 nal de contas. N'esta modificao no se apresenta uma
novidide: o mesmo que acontece ao ministry do reino
presidindo ao conselho de instruceo public. ou 4o de
obras piblicas presidindo ao respective conselho technico.
A vantaigem evidence: o ministry, esclarece-se com as
discusses 'em assumptos que ha' de resolver; d impulso
aos trabalhQs, e ihndica aquelles que ho de ser discutidos com
pi-eferencii por serem mais urgentes para a governao.
* Por um principio de equidade e de boa raso o conse-
lho ultrani rino equiparado 'ao tribunal de contas, e os
seus empregados igualados em vencimentos aos da.secretaria
d'estado. Quanto s outras succintas alteraes est explica-
do o motivo no plano e instruces que d'elle fazem parte.
O argumehto adduzido para a restaurao do conselho
do almirantado consiste em que, podendo o ministry,
embora home d'estado, ser leigo em assumptos de mai
rinha, carecia ser auxiliado e esclarecido por homes te-.
thoicos e illustrados, como' aconetee com negocies do ul-
tramar, de sorte a ficar habilitado p,.ra powder resolver com
acerto. Acceitando a idia, o governor prope uma com-
missao consultiva compost de pessoas etenrdid s, a fim
de ser consultada quando o ministry julgar preciso ou
convenient, sendo assim supprido n'esta parie o supra-
dito ostentoso conselho por uma modest commisso.
A majori:i-general supprimida pelos mesmos funda-
mentos que orginaram a extinco do commando em chefe
do exercito, e supposto a.economia resultante no seja
,valiosa, isso succede porque aquella repartio no estava
organisada como o requeria a sua importancia e attribui-
Ces. Em circumstancias extraordinarias se de.er resta-
'belecer. pois ento mister outros meios de aco, e esta
mais rapid e enrgica. No entanto se estabelece uma auc-
toridade intermedia entire o ministry da marinha e o corpo
da armada, com a denominad de Chefe d'estadn-maior de
mnarinha, para se transmittirPm por este canal ao referido
corpo as ordens superires, e exercer as funcs que vo
designadas nas respectivas instruces.
O Min;sterio da marina e uiltramar, comprehndendo
,s variados assumptos de administra que so geridos
por todos os outros ministerios; a cada passo se offerece
occasio de ser preciso consultar um ho:iem de lei, e pa-
ra no retardar a soluo dos negocios, o governor en-
tendeu ever collocar jqnto -respectiva secretaria um
-Auditor, no s para aquelle fim, mas para tomar parte
tos trabalhos. relatives justia.
SSe por um lado se augmentaram alguns empregado na


;' - - - ---,._


classes de oiman nir:scs, diminuire.n-se poi outro na dos aspi-
rantes, equilibr. ndo o pessoal segundo as exigencias do ser-
vio, demonstradoas pela experiencia. -
Alguns vencimentos soffreram alterao para um aug-
mento dictado pelos' principios de justia relative; aipda
assim, long de exceder a cifra'total da despeza de todas
as reparties de que trata o plano, ha uma differena para
merios de 7904370 ris, como Vossa Magestade se dignar
ver na demonstrao junta, satisfazendo-se vantajosamente
ao preceito da auctorisao.
Na admisso e access dos empregados seguiu-se o sa-
lutar principio dos concursos, unico meio de supplantar a
rotina pelo merito, e, do estado obter bons servidores.
O governor, marcando as causes que podem produzir a
demisso dos empregados mostrou o desejo de' fugir do
arbitrio, que repugna no svstema constitutional, quando
.nmo justificado.
O fuuiro dos empregados nio esqueceu quando se im-
possibilitam de poder continuar a servir por sua ,avna-da
idade ou mau estado phisco, e uma rposentaco ou ie-
forma equitativa lhes concedida.
Restringindo-se as habilitaes dos amanueises smen-.
te ao necessario para o hom desempenho do servio a que
so destinados, retiou-se-lhes o direito de access, fican-
do-lhes todavia aberto o campo dos concursos: julgou-se
porm de boa raso que, passado um certo nurreio de
annos de servio regular, gosassem uma compensao no
avgnento dos vencimentos.
Tes so, Senhor, as condies que julgo poderem jus-
tificer as provies contidas'na primeira parte de pleno di
reform auctorisada pela carta de lei de 3 de Jur.ho pro.
ximo passado, reform que tenho a honra de submetter
approvao de Vossa Magestade. Secretaria d'eslado dom
negocios da nrarinha e ultramar, em 6 de setembro de
1859.= Adriano Mafuricio Guilhlerine Ferreri.
Tomando em considerao o relatorio do ministry e secre-
tario d'estadd dos negocios da marinhi e ultr'rrrr, e usauii
do da autorisrao concedida co M'eu cverno por carta.de
lei de 3 de junho ultimo: Hei por bem Iecretar o seguinte:
TITULO I1
DA ADMINiSTRAAO SUPERIOR DA MARINA E UITRAMAI
ARTIGO I. -A administrao superior dos negocios da
marinha e do ultramar centralisada na secretariat d'es-
todo d'esta mesma denomineo.
AnT. 2.-A secretaria d'estado dos negocios da mari-
nba e ultramar comprehend:
1." O gabinete do ministry;
2.0 A direco de marinha;
3.0 A direco do ultramar e repartiro central:
4. A direco de administrao de fazenda.
SAT. 3.- So auxiliaries da mesma secretariat d'estadoa
1.0 O actual conselho ultramarino;
2.0 Uma commisso consultiva de marina;
3." Um Chefe d estado maior de marina;
4. Um Auditor.
ART. i.0 So dependencias da dita secretaria d'estado t
1.0 As escolas da marinha;
2.0 O observatoi'io astronomico;
3.'A repartio de saude e respectivos hospitals;
4. O arsenal.,da marinha e estabelecimentos anniex6s,
TITULO II
SDO GABINETE IO MINISTRY
AIT. 5.-0 gabinete do ministry official com~poe~i
1.\, De um primeiro, official jeretarioi '





I 83


'" De um official de marina s ordens do ministry ;,
3.~ De um amanuense adjunto.
IA. PRIMEIRA DIRECoO
ART. 6.-' A. primeira direco, ou de marinha, com-
pe-e de tres reparties. O seu director um official su-
perior da armada, que ser tambem chefe da primeira re-
partiao. Um outro official de marinha ser o sub-director,
e chefe da segunda repartio.
Cada uma d'estas reparties tem um segundo official por
sub-chefe. Um facultativo da armada ser o chefe da repar-
tio de saude, e ter um amanuense adjunto.
DA SEGUNDA DIREcCO
AnT. 7. A segunda direco, ou do ultramar, compe-
se de quatro reparties, uma das quaes se denomina cen-
tral. O oficial-maior o director, e chefe de uma d'estas
reparties. A repartio central e as outras duas repar-
ties so dirigidas por um primeiro official, tendo cada uma
d'ellas um segundo official por sub-chefe excepo da se-
gunda repartio cuj. sub-chefe ser um official military, que
haja servido no ultramar.
DA TERCEIRA, DIRECO
AnT 8.*-A trceira direco, ou de administrao de
fazenda compe-se de tries reparties, uma thesouraria, e
um conselho de administrao. Esta direco ter por che-
fe um director, e por sub-director um primeiro official,
chefe de' uma das reparties. Cada uma das outras repar-
ties 4 dirigida por um primeiro official, tendo por sub-
chefe um segundo official.
Um primeiro official ser o pagador, chefe da thesouraria.
tendo por sub-chefe, ou escrivAo fiscal, um segundo offi-
cial, e um aspirant adjunto. O field da escolha do pagador.
O conselho de administrao ser compost de um official
de,marinha, president, e de dois empregados da terceira
direco, todos nomeados plo ministry. O seu exercicio
no durar alem de tres annos. Um dos empregados servi-
r le secretario, e outro de procurador, coadjuvado pelo
comprador. Ter mais dois escreventes.
TITULO III
DO CONSELHO ULTRAMARINO
Ant. 9.-Este tribunal conserve a organisao, que
lhe deram os decretos com fora de lei de 23 de setembro de
1851, e 29 de dezembro de 1852, que approvou o seu re-
gimento, except o que por este decreto vae alterado nas
seguintes determinaes.
1.* O ministry e secretario d'estado dos negocios da ma-
rinha e ultramar o president do conselho ultramarino.
Quando deixar de assistir s sesses ser substituido pelo
vice-presidente, e este presidir sempre que o conselho
funccionar como tribunal de: contas.
Subsiste o numero de sete conselheiros effectivos, dos
quaes um ser o vice-presidente.
2.' A coordenao da estatistica geral das provincias ul-
tramqrinas fica pertencend6o segunda repartio da segunda
direco, ou do ultramar, e a prganisao da receita e des-
peza terceira repartio da terceira direco.
S3." O conselho ultramarino ser sempre ouvido sobre as
alteraes que se propozerem nos oramentos do ultramar,
e compete-lhe o julgamento das contas.
4." O conselheiro extraordinario, que tiver sido nomeado
na utialidade de jurisconsulto, substituir no seu impedi-
mento o conselheiro effective em que se der a mesma qua-
lidade. Os outros,conselheiros extraordinarios substituiro
s effectivos, segundo a sua antiguidade no conselho.
OQs coqnelheirog extraordiparios, que forem nomea-


dos, sero eschlhido- d'eiire aquelles individuos que hou-
veenem bem servido no ultramar em eminentes cargo pelo es-
pao que a lei marca, tanto na administrao, comio na ma-
gistratura, o.u no servio military, e supposto no fiquem
com direito absoluto para passarem a conselheiros effecti-
vos. sero comtudo considerados para esse 'effeito tanto
quanto possivel, tendo-se em vista o determinado no i i-
co; artigo 2.Odo decreto de 29 de dezembro de 1:5.2.
6.0 O conselho ultramarine consultar com preferencia,
para os logares que vagarem de amanuenses no dito co'i-
stlho, os individuos que houverem bem servido no ultramar.
7.. S por ordem do governor consultar o conselho ul-
tramarino sobre os assumptos de que tratam os n." 6." e
7. do artigo 2i., o artigo 25.0, e os n.0" 3. a 10." do ar-
tigo 26.o do decreto de 29 de dezemhro-de 1852, elimi-
nando-se o n.o 6. do mesmo artigo 26. Os objects de que
trata o artigo 27." tero seguimento director pela respecti-
va secretariat d'estado deixando de o terpcr ordem, do con-
selh, como ataqui succedia, s auctoridades do ultrama.r.
8. O conselho ultramarino gosar de todas as vantagens e
'precrgativas concedidas por lei ao tribunal do contas em tu-
do o que no contrariaras disposies d'este decreto.
DA COMMISSO CONSUL'lVA DE MARINIIA
ART, 10.-A commisso consultiva Ie marinh'a com-
pe-se de sete vogaes, sendo quatro effectivos e tres. ano-
viveis, nomeados pelo governor. Os loges effectivos so:
1." O Chefe do estado maior de mariiha;
2.0 O Director da escola de mrnrii.ha :
3." O Inspector geral doarsenal de marinha;
4.0 O Gommandante de marihciros.
Os vogaes amoviveis so tres ofliciacs da armada, im dos
quaes servir de secretario ; mas nenhum d'elles poder per-
tencer commission por' mais de tres- annos. A patente mais,
graduada. entire todos os 7 vogaes da commisso presidir s;
suas sesses quando n esteja present o ministry. Os chefes,
de direco, o Presidente do conselho de saude naval e o Au-o
ditor, tero assento n'ella e voto'consultivo, quanrdoali form
chamados tractando-se dos objects relatives s repai;'tir es
a'seu cargo, e tel-o-ha igualmerite o Chefedos cons ru: toit s.
DO CHEFE DO ESTADO MAIOR'DE MARINA
AnT. 1 1.-0 Chefe do estado maior de marina um,.
auctoridade intermedia entre o ministry e o corpo d. ar-
mada, e pela qual sero transmittidas todas as orders su-
periores, dimanadas da secretaria da marinLr, se;6do d ';
suas attribuies o que se determine nas instruccts ;;:,o-
xas a este decreto, assignradas pelo Ministro e secr'et.i 'i-.;
es'ado dos neggcios da marinha e ultramar. A pg;.:tii; a
d'esta auctoridade no ser inferior de capito d :::- r e
guerra. Em circumstancias extraordinarias ser sul, ;:;,
por outra com as amplas attribuies do commando erm -.i:
fe da armada, e ento se denominar Major-general.
DO AUDITOR
O Auditor um magistrado a quem so commettido5 cr
trabalhos de justia, funccionando pelo modo indicdo naa
supraditas instruces. (Contina.)
DISTRICT DE INHAMBANE.
Pelo HTate, Esperana, chegado em 9 do corrente se
receberam noticias officiaes do Districto de Inhanibane que
alcanam at 27 de Abril; do relatorio do Governador
extrahimos o seguinte:
O socego public no tem soffrido alterao,' nenhumi
crime havia sido commttido.
As relaes com os regulos visinihos continuum a ser
amigaveis, except com o Mahunja, que tem reusado ea-









tregar os escravos fugidos. Nos cuminhos dos serltes tem
hnvido algumas pequenas que.-tes, mas nenhum roubo.
A colieita da Dis.ricto que consiste de arroz, feijo.
meixoeira, milho grosso eiino; mendobim, e mandioca, foi
um pouco escassa .inoanno passado por falta de chuva, mas
este anuo piomette ser abundante, parque as chuvas tem
sido regulars. A cultural do gergelimrnnao tem progredido.
O Ireo dos generos no merc;-do tem sido muito a-
riado, porm sempre elovado. O mantimento caifreal teve
mnais v,,or que o arroz, chegando a vwler mais de 6 en-,
chadis ou de ine:o pezo a panj,. O mendobim todo tinha
se ,do sentiido-se poi isso grande fTilta de azeite; estas
noiici:is j igricolas reiferem-se aoirnlo nassado.
is ter;is d, Cor:; produzem ilim dos generous refferidos a
cania de assuc.r, que diria vantagem se fosse cultivida en
gi;iide esclli, o que no acontece. porque apenas.um ou ou-
tro) proprietirio fiz uniu pequena poro de igumrdente para
anio'tr lii nelis cera bastante, send t seu p eo de sete a
sele pezqs e maio a arroba, madeiras de corstruco dela.n-
chis, e de casas; o tabaco nasce espontare. de soffrivel
qu.lidde minas no o sa;bem preparer; o algodo tonmbem
espontaneo, mas em mui pequena quantidade ; o caf'( de ex-
ceilente qualidade, mas ha mui pouca quantidade; havendo
egulmeue nas mesmas terrs terrs g ma copal, urzella, cauril,
gomima elastic, e anil em pequena quanrtidade.
A semente ds algodo ida ultimarnm!ite de Moambique,
e o tabaco fora n semeados pelos Snr.' Leforte eFornasini,
as seme :tes no se achuvam em bom estadd, porm o que
nasceu foi de exce'lente qual:dade.
O coinmercio temn sido regular, e as f .zrndas qu'e havia
'a 1illa costa estarem todas reduzidnis; o preo do mar-
Cfm grosso no mercado de i5 a 4A3 pezs a arrob meio de O4) a -2, o de meia arroba para cima cada, dente,
tem o valor do meio, e quando para fmenos de mein ar-
.roba 3 a3 33'pezos;' in.rim cera de Ii; a 2. pzos; ca-
vallo marinho apparece pouco, e os dents tortos de 6 li-
bras para cima tem o preo do marfin.grosso, e para me-
nos de 6 libras vale 6 a 8. pezs a arroba.
So estes os generous que o D)istricto export, e qu
So itvados pelos navios que na mono contduzem fLto,
ferro, e outres generns de consinmmr n.o r piz.
-Os meios de transport do interior soio os negrcs q.e
carrregamn porr os.pifticulares por me:o d'um salairi, exi-
gino, sempre o preo diautado e'muitas vezes fu-(irdo ria
ri.neir;i pI. .i);', ou no querendo sepuir seni nova paga.
No tri nsp:)rte de munies de guerra, t ril utosde naret'men-
to. cirles de misdeira, s. empregados o; buovgo, das Teilras
da. Coro,,, que so obrigados a este servio do-Est;'(o ,para
os prticuilres estes bitongas prestam-se 'iun iarI;menite a
f~azel-o, mis como fica dito, de modo que es'e meio fica muito
dispeandioso, e muito util seria a. introduco de carros,
O estado sanitario do Districto tem sido satisfactorio.
A causa principal das doenas deve attribuir-se aos pan-
tanos, que se trata d'ir intulhando pouco a pouio. Este ai-
no apesar de terchovido muito, tem-se olles conservado sec-
cos, o que tem coniribuido para no haverem graves febres.
Os moradores d( D)istricto pouca tendencia tem para a
agriculture, h porem algufis que nella se empregam. Em
g~,11l bs moradores chrislios, ',o;roBat'ianes; Parses e Ca-
ifes livres, empregam-seno commercio do sertio em maior
o.u menoi escala, segundo os seus meios, vivendo do product
dsse cominercio, e d'alguitn pequena cultural a que se do.
",o ha minas aiguma- explorada~, nem costa que as
bhja nas Terras-d Coroa.
Continue aibda que 'leintamente a uonistrI.co da estd'


.cada peio .i.dou du sul da Villa, e'a Praa tem sido reedi-
ficada no interior, porque se.achava em mau.estad. ..
O Brigue Margarida, de Lisboa quando se fez de vella em
1 '-de )Dezembro- do porto d' ihambane ,encalhou pIpsitio
denolini ndo M ,nji, 4ue fica distaste da vilia .poco mais
d.e meia milha. ,
SO overnadore o Director da Alfandega foram logo a bor-
do e deram as providencias, necessarias cointudo:o navio conl.
se.rou-se enealhado 4 hor;'s ficaido-sobre o lado de bom-
bordo ni1 'asante; tirou-se-lhe a ci:ga, e voltando ao anco-
radouro, fizeram-se-lhe os concertos que piecisava, e seguio
viagem io dia 29 do mesmo mez.
PREZIDIO DE BAZARUTO.
Por via dp Inhambane reteberam-se noticias do Prezi,
dioat 2 de Fevereiro. No tinha occorrido novidade altgu'
ma desde a data da ultima correspondencia: havi socego
no Prezidio e terras visinhas, sentindo-se porem alguma'
falta de mantimentos, como noticimos anterormenie.
71"--: "- ---- "--- I, -- --

S. J l E11 O V il ,TO, T II Pl MAiTO D IBIU CAi
@..'* de 4 al do corrente.

EMIBARCAES ENTRADAS.
SNo dia 4-Patacho Amnericano, Shiepard, de 176 toneladas, Capito Joh- i
C. Pundt. quipagenm 11 pessoas, 1 boca de fogo. deZanzibar em 4l dias con(
couros, polvora e nais generous 1 passageiro sobrecarga do navia Cone I criado.
No dia 9-H iate Portuguez, Esperana, de 39 toneladas, Mestre Missi
Dand, equritgemn 14 pessoas, -de Inliambaue em 9 dias cum marfim e cera,
26 passageiros cum 6 criados.
No dia 10- Batel Prituguez, Fortuna d',frica, de 16 toneladas, Patro,
Songoro, equipagem 14 pessoas, d Ibo em' 15 dias com urzellt.
,- Eseina de Guerra Portugueza, An.gra, (e 180 toieladas, Com-
mandante e Capito Tenente dia Armada Real Jou Euzebio d'Oliveira, 51
praas de guarnii, 6 bucas de fogo, de cruzar na,cos.a.
EMBARCAES SAIDAS.
No dia 5-11iate Portugi.ez, Filippino, de 76 toneladas,-Mestre Faqiir
Bay- Ismae!, ecquipagem 12 pessuas, para lLambane e Ba.ruto, cbm ferret
e faznudas. 6 passageiros.que so o Gij. ernador de Bazaruto comi 1 fiihu a
itgiciaiites proruguezes e.4 Suldados, e 3 criados.
Noi iaU-Pangaio Portuguz, 4jal de Janga, de 13loneladas.- IstrR Ba,
fael, eqipggem 12 pessoas, para o Ibo con fazendas vaYrias eiomuaii ndas.
-.Pangaio Poriugu z, Flor de A atibane, de 5 toneiidas, Paraa
Faqui. equii agem 8 pessoas, para o Ibo em lastro, 5 passageirus s( nil 4
Sitldados e 1 cabo.
". --- angaio Portuguez, BSa Noticia, de 13.tonela.!sr.,PatrQ As.
sane, iequipagemi 13 pessoas para o lio, com fazendas e iai gii;er .s.
SNo dia 9- Pangaio.Arabe, l Uaquimi Iassa, de 50 ioiicladis, iestre
Achano, equipagem 8 pes"ons, 2 bocas de fogo, para Bumbainim em marfitu
cairy e calumba, 6 passag.iros gentios incluindo 1 'miuiri.r e 3 i:,1i .r-s.
No-dia 10. Pangaio Arabe, "Ary Passd, de 53 toneladas, iYestre Jiv&
Baia, equipagi im 9 pessoas, 2 iocas de-fogo, para Caixe e Buimlaini', coan
niarfim, ca.ril, cocos, e-madeira, 8, passag iros scudo uo fiestre e 7.,mari-
nheir.s do Pa~ngai., Laquimi Passd, nai fragido ai 'uaixo le Pian-a.
-- Pangaio Arabe, Laquimii Passd, de 53 tulelailas, Mestre Al ,
equipagem 9 pessoas, l,boca fogo, para oibaim cmn inar ni, cauril e'nadei-
ra levou 1 Oflicio do (overnailr Geral para o agent priiiiiez em Bonoaimn.
No dia 11.- Patacho A'niericano, Shtepard de 176 toneladas, Cal.itio
John C. Pond, eqiipagem 1J pessoas, L buca de fjge', para os Porios de
idMadaascar com algodes aiiierianiis e mais generos
-,, Pangaio'Arbe, Mlaubuque, de 24 toneladas, Mestre Mamud Bay
A;iy, equiipagein 7 pessoas, para os ports de Madagasrar ein lastro.. .
-,-Pangaio Ara3e,'F.ital Ker, de 40 toneladas, Mestre Sahi. equipsa
geni 23 pessoas, para os portos de Madagiscar com quiapos vazios e taboas.
Capitania do Porto de Motambique 11 de Maio de 1860.. =.Adrtnido Mario
Guedes, Capito d Porto.

-Achanilo-se determinado no arigo 1 i7.0 ilo regulamento das Alfande;Q
desta Privincia, que os despach,,s ou manifestos de cIuaesqtiereffeilos que
p>,r sliiila tenham a pagar direitos sejam fei-tds em triplicado.;, e tendo-se
p:)r al~uso deixado de cumprir esta disposia.y. do mehcionado regulamnento
so i revenidlos os individiuos que despachham nesta Alfndega. ue d'hlije em
diante di scrto'admittidlas a despacho as mercadortas que fierem .compu-
:nhalas dis competentes manifesos.em tripliadot, send um sel!ado roma,
taxa de, 100 ris. Alfandega de toamiqigue 7 de Maio de 1860. O Dire-
ctor. = Jose Zeferrin Xarier Alves.

MOAMBIQUE NA t= A- IMPREN&A NAGCIONAL.-


-- -----~ ----- -T __ 1. = -si .1~- <











BOLETIM


S. DO

1U k C, P 1 D P 1i0 l IN C 1)mElM 0,
l' ser publicado todos os sabbadose no n A D Preo de asssignatira por anno.............. r. 2800
na 2. eia seginte quando quelle for 0 D A U Por seis mezes. .................. ...... 1500
lara o mesmo em Moambique no Escri- 1 Por tries mees ..................... .... ,, iso
imento da Imprensa Nacional e nos Dis- I Por folha avulsa. ...................... ... O,
irias dos Governos ou Comnimandos de n A Preo dos annunchis por linha ............. 0 4
iras sio sempre pagas adiantadas.. II A I 10 Correspondencias d'interesse particular, idem.. 5 03,


DECRIETO, ORGANIC DA. SECRETARIAT D'ESTA D DOS
NEGOCIOS DA,. MARINA ULTRAMAR.
Continuado do' Boletim n. 19,
S TITULO IV
DA ADWISSXO, ACCESS E NOMEAO DOS EMPREGADOS
ART. 13.9 Nenhum individuo poder' ser admittido no
logar de amanuense da secretaria d'estado dos negocios da
marina e ultramar: sem ter, alem de regular educao e
bom comportamento ,no. menos de dezoito annos de ida-
de, bom caracter de letra, e saber grammatica portugue-
za e arithmetic. .
: 1.o Os amanuenses ficam sem direito ao access de
classes, mas podem comtudo concorrer ao concurso para os
lagares mais elevados, com outro qualquer candidate. Ex-
oeptuam-se porm os actuaes amanuenses de segunda clas-
se, que na sua promoo.a. segundos oficiaes sero atten-
didos alternadamente nas vagaturas que se derem, send
uma d'ellas preenchidi por concrso, e a outra pela promo-
o de um dos ditos amanuenses.
< 2.o Os amanuenses tero em compensao da ausencia
do access um acrescimo de vencimento,; a saber: um quar-
to do ordenado depois de dez annos de bom e effective ser-
vio, e metade 'passando vinte anns. Este augmento porm
carece da approvao das crtes.
3.0 Na 'adliisso para amanuenses 'ero contemplados
com preferencia os individuos que houverem bem servido
no ultramar por tries annos, tendo as condies acima
indicadas.
AaT. 14.-Os logares de aspirantes da' terceira direc-
o sero pjreenichidos por concurso, mediante as habili-
taes e condies exigidas' pdlo respective programma.
ART. 15.o- Os logares de segundos officials sero con-
feridos por concurso geral, e tero direito de preferencia :
:1. Os bachareis formados em qualquer das faculdndes
da universidade de Coimbra, com premios ou informres
distinctas. .
2.o Os que tiverem curso complete da escola polytechnic
ou da academia do Porto, com distincio.
3. Os que houverem bem servido como secretaries dos
governor geraes, ou em outros logares importantes do ul-
tiamar por tres annos.
4.9 Aquelles individuos que, pelo seu reconhecido talent


e illiistrao, demonstrado em seus escriptos, se conheam
aptos para importantes trabalhos.
ART. 16. --Os logares de segundos' officials da terceira
dire,o ser dados por concurso entire os. aspirantes; so
porm admittidos a.este mesmo concurso:
1.0 Os bachareis em mathematics ou philosophia.
2. Os que tiverem o curso complete da escola polyte-
chnica, academia do Porto ou da aula do commercio, coia
distinco.
ART. 17.-Os logares de primeiros officials sero
preenchidos por concurso entire os segundos oficiaes; o
mesmo acontecer na terceira direco.
ART. 18.-Para a admisso e access dos primeiros e
segundos oficiaes, e amanuenses do conselho ultramarino,
regulain as mesmas disposies ordenadas para os emprega-
dos civis da secretaria d'estado.
ART. 19. Na actual organisaio passaro a primeiros
oficiaes os officials ordinarios da secretaria da mirinhla
e ultramar.
O mesmo acontecer com os que so agora cheres da
contadoria e contabilidade, com relao terceira -direco.
S1.o Do mesmo modo se'proceder, passando a segundow
officials os officiaes graduados, e amanuenses deprimeira
classes; e os officiaes, escrivaes, encarregados dos depositos-
do arsenal e cordoaria, e o escrivo da pagadoria. Todos os
mais empregados ficam pertencendo - classes de aspirantes..
2.< Se sobrarem dos quadros, ficaro addidos para en-
trarem nas vagaturas que occorrerem.
$ 3. preciso porm que uns e outros tenham condi-
es que possam garantir o bm desempenho do servio a
que sao destinados, de contrario se conservaro na mesma
classes at que se lhes possa dar destino para fra do quad:ro.
ART. 20:- So de nomeao regia os directares. os pri-,
meiros e segundos officials. So da nomeao do ministry :
O. Os sub-directores, os'chefes, e os sub-chfes da re-
partio, ouvidos os directors.
2. Os amanuenses.
CAPITULO V
DAS APOSENTAES, REFORMS, DEMISSES E GRADUAES
MILITARES
AnT. 21. Podeinser aposentados os empreRados civis
com o ordenido por inteiro, quando tiverem trinta annos
de bom e effective servio, e impossibilidade devidamente
comprovada de n'elle poderem tontinuar. Dos vinte at'
trinta annos de servio ser a aposentao com metade do


- OFFI


SEte Boletiin semali
dia antecedente ou
feriado: asigna-se
ptorio do Etabeleci
trictos, nas Sdere.t
Villas, as asignitu


-I I I I ~I-
- -- ---- r






e -..~B I.,..


ordenado, e dos quinze at aos vinte com um4ero.
unico. Aos militares, ou aos que ti\erenirgraduaes
militares, aproyeitar a leigeral das reforms para-os offi-
ciaes.do exerci .
ART. 220-- So causes de demisso::
1.0 A pronuncia definitive nos crimes de peit, *subor-
no, peculato, concusso, estelionato, moeda falsa, furto rou-
bo e lihmicidio.
2. A re elao de negocios reservados ou confidencies
da secretaria, e o abuso de confiana em material de ser-
vio public, tudo., devidamente comprovado.
3. igualmente causa de demissto a' impossibilidade
permanent pjhysica ou-moral de exercer o emprego, quan-
do o empregado se nao acha r nas circumsta cias de ser,
aposentado ou reformado, a desobediencia voluntaria s
ordens superiores em object de servio pullico das suas
atribuies, depois de ter j"'sffrido suspenso por effei-
to de reincidencias; a relaxao no cumprimento dos seus
deveres. ou de costumes, que offendam a moral public,
depois de se teiem esgotado a admoestao, a reprehenu
so e a suspenso.
AnT. 23. --No caso previsto no artigo antecedente,
J", se o empregado demittido se rehabilitar para o exer-
clcio do emprego, pde ser reintegrado logo que haja va-
gatura,: independentemente de novo concurso.
.ART. 24. -Os empregados da terceira direco gosa-
Tio das graduaes militares abaixo designadas, ficando
porm sujeitos legislao military em todas as suas con-
sequencias na parte disciplinary penl. Quanto f sua de.
inisso regular o que est disposto no artigo 22.*
GRDUAES
Director, chefe di 3.* direco-- apito de mar guerra.
Primeiro official; sub-director-capito de fragata.
Primeiros officials capites-tenentes.
Segundos officiaes- primeiros tenentes.
Aspirantis segundos tenentes.
TiTULO VI
DISPOSiES GERAES
A't., tS.' -s 'encargos cojnmettidots tod as a re-
parties de que trata este decreto mencionam-se nas ins-
triuces a elle annexas, as quaes podero ser alteradas
pelo governor, quando assim o exija a conveniencia do servio.
ArT. 26; --Regulamentos especiaes estabelecero a or-
demi de servio a cargo das ditas repatties, as atribuiz-
ek, obrigaes dos seus einpregados,' e o formulario do
respective expediente.
ARt. 27."- Os directors teem direito de admoestar
e reprehendr os seus subordinados, e d os suspender
at cinco dias, quando no cumpram com os seus deve-
res; porm pena maior s pde ser imposta pelo minis-
tro sem que exceda a suspenso a tres miozes em cada
atino. Este castigo importa suspenso de exercicio,' de 0br
dealdo, emoluimeitos gratificaao.
ART. 28. -Os empregados das repartites, n'este de-
creto mencionados,-que actualmente tem maiores venci-
mentos do que aquell lharcsados na tabella, que cons'-
titue o seu artigo :31., 'continuaro ,i gosar esse mesmo
abono at passarem a superiores Tvantagens: igualmente
conservaro asgraduaes, se por ventura as tiverem imaiores
SART. .29.- primeiro. official enparregado do archi-
v9 geral responsavel por qualquei ,extravio, e pela boa
ordem, conservao e "classificaeo d os: docuaentos d'otle
"'istentes. .


S/ART. 30. -Ficam extinctos a Majoria general da ar.
mada em tempo de paz, e quaesquer cargo, classes ou
logares, que pelo Ipresenle iecreitnosno so conservados.
S TITULO V'IlI t i
TAinStA DOS o,.ADROS, ORDliKADOS B dGRATIFIiCAES
r 1OS E1PREGADOS DA MARINA E ULTRAMAR.
ARTIGO 31.
SOLDO OTIFlC.
Ou OrnDEnADO o
ANNUAL
3 Diractores :
Chefe da 1. direco. efcial de mari~ha .. Q da patent 600p000
Chefe da t.a direcio, official-maior.; .. .. :' 8005000 1805000
Chefe da S.' direco, official de fazenda.. .. 7004000 540000
6 Priuimerrofociae: : ".,'' : .. -.. .
Chefe de gabinete.. .. .. ... .. ... 600000 90000
Chefe de repartio da t.* direcAo e sub-diter .
ctor. .. .. .. ...... ....... 600o000 15000
Dito.. .... .... .. 6o.oo000 90 s00o
Sito... .. ... .. ., .. oo ooo so90o00
Shefe da repartio central...... 600p000 90~00o
Archivista geral.. .600.000 9o1)0o
1 Of i'ial de marina -s ordens do ministry. .. O da patente 1t2000
Outro offcial da mesma arma., chefe da .a repar-
tio da 1. director. .. .. .. .. .... idem 3005000
1 lacultaiivo da araiada, chefe da reprtixo de Orvencim.* de
saudi. .. .... .. ..... .. eommiio active -
O official maior, e os primeiro# officials acima rte-
feridos vencem os emolumentos distribuidoo pe-
lo cofre comnimm das secretaries d'eatado
6 Segundos oflicies:
Sub-chefe da 1.a repartiilo, .a direco.. .'. 400 000 9000
Dito da 2.' .. . .. 400000 904000
Dito da1 I.*a direco .. 400^000 90&900o
Dito da 3.' *- .. .... .. 400p0000 096BO
Dito da Central. .. .. .. n .. .. 400$000 901000
Um segundo official.. .. .. ...... .. 4900000
1 Oficial military, que tenha servido no ultramar,
sub-chefe d 2.* repartio, 2.a direco .. O da patente 10500t
15 Amanuenses: .
Adjunto do chefe da gabinete.. ...... 40o000 o60o000
Dito do chefe da 3 repattio, .a diteco. 40000 60500a
Archivista da 1.a direco. -.. .. .. .. .. 40000 60j000
Dito da 2.* direco. .. .... .. 940 000 605000
Dito adjunto do archivista geral .. .... 1400000 60 000
De, para dittribuir pelas direces a ... .. S40000 i
S TERCEIRA DIRECCO.


6 Primeiros ofieciaess:
Chefe de repartioi e sub-ditector.. .
Dito .. ..........
Dito .. .. .. .. .. ..
Dito pagador... .. .. .. ..... ..
Dois para commissaries de mostmi.. ...
17 Segundos cflcaes:'
Sub-chefe da 1.4 repattiio.. .... .,
Dito d S... .. .. .. .. ..
Dito da 3.. .. .. ..
Dito da thesouraria ... .. .. ..
Archivista da direco .....
Sete encarregados do deposit, e,escrivlo, a..
Cinco para diversos servios a .. .. ...
Qs offciaes denominados de fazenda, pertence
ro ao quadro dos aspirantes, e quando esti.:
verem-fra da repartio em servio da ar.
mada tero os vencimentos de embarcados.
67 Aspirantes :
So destifiados aos diverson servior, tanto na
reparties,-omo fdra d'ellas a. ...
Os empregados nos deposits a ....... '
CONSELHO ULTRAMARINO.
ARTIGO 320'
I Secretario.. .. ... .. .. L
3 Primeiros oi ici es chefs de repartio ..
4 Segundos officials, sub-chefes a.... .. ..
4 Amanuenses para diversos servios a. ..
-1 Arthivista. .... ......
SA*ITIGO'33f.
Os oficiaes de marinha na commission consult;
va, quando no venam gratificaio por ou
tro servio
Sendo general .... .. ... .. O d
Official superior. .. .... .. ....
.faieateee... .. ., 4. .. .. .. .,


600$000
600p000

6004000
0oo0oo0
400o000
400~000
4005000
4005000
400p000
400o000
loo0g


S 2400%
k405000


6005000
:oolsooo
4005000
'404000
240b000




.a ptePts
idea
&elma


905B000


90b060
1L5iooa
905000
90p00
904000
60j000

-6










p05000
5
60500@r




5605000~
240*00U


''





8T5


WODO,
Q~9~Z419
q~osqr>p L1.-u5L


partiidntt do embarcadp
Empregados d' d, ito igar Elb qUe petencaqi 4 3.
Sdirec o .. .. ....... .. ooo
SICoiptador.. .., .. .. .. ',. .. s i'O oo
Escreventes.a .-.I .. ';.. .. ... 10000
AtMo 35.0
Chefe 6o. estado maiot de marinha. .. O da patente 1t20$I00
Aju4ante d dito.. idem J2OpO0
,.g Isefee;itS. '. .r .. .. ". 120~o 00
AtTicGO 36.
Auditot.. .. ,. .. ......... .. SQ^,00 .
Ad I!Go 37.0
iPorteiro d'a tecretaria d',gtado.. b00000
1 Ajiudate do dito ........ .. 4000o
6 Conjinuliuo rm para o gabinete, um para a 1 .
direcAo, ui paa a .' e doi para a 3. '39O00O0O -
4 Serventes a. ... .. .. ..... 44o000
. Correios.'a avallo. .. .. ... .. .. 480S000
SDit>,s a p a .. .. .. .. .. .. ., 9000
.i Fie) da thesuurria .... .. .. .. .. 40o 000 5
g Serventes para a theouraria e cuan)bho adio*
nisarativo a.. .. .. .. . . ., 14400.0 f
1 P.:rteiro du conselhodultramarino. .. .. 4000 00
I Cintinuo.. .. .. .. ..000
I Correio 4 p. .. .. .. .. .. .. 92o000o
O ministry e secretario d'estado dos negc*io da marina e ultramar as-
sim o tenha entendido e fa; executar. Pao, em 6 de Setembro de 1859.
aREL. A4idrano Mauricio Gutrieirme kerrei.
* (Contina.

.. BOVERE Bl O GERAL*


Ni 64. =De 2 de Maio, =-'Concedendo licena ao Al-
feres da guarnio desta Provincia, e Ajudante d'Ordens,
Eduardo Annibal Boto para ir a Portugal a fim de con-
tinuar o curso da Escola Polytechnica, em comformidade'
dsde, da Portaria do Ministerio da Marinha e Ultramar n."
129 de 20 de Dezembro ultimo.
N.O 65. =De 4' de Maio. = Dando instruces ao Com-
maindiante Militar do Presidio; de pazaruto,' o Major, Jose
Pacifico. .
N.. 66.,=De 5 de Maio. .Fxonerando do Commnan-
do do Patacho Za9mbeze;. o 2.0 Tenente da Armada Real,
Germano Augusto da Silva. ,
-.N.o 67.= De 11 de Maio Confirmando o parecer da
Junta Militar de S;.ude que arbitrou 15 dias de licena
pira convalescer, ao 3.o Escripturario, Manoel Pedro Lobo.

SN.. 68.= De t1 de Maio. = Concedendo passagem pa-
ra continuar no pervio active ao 1.o Sargento-da Compa-
l ^ > i . T ." -L T i-.-.^-*-- ^ j_ *


nnia de veterans, Joao Baptsta Loureiru, por ier sido '
julgado capaz pela Junta Militar de Saude. esignag ~
N.0 69.- De 12 de Maio.= Exonerando do logar de
Am iauense da Contadoria Geral, a Candido da Costa Cam- Existiam no 1.. d'Abil Jde 1859..,. 4 4
pos, pelo seu irregular comportamento. Entraram . .. .. .. .. .. 38 I1 138 177
SSairam...... ,..; ..3.. ... 38 1 134 1,73
SN," 70.= De 12 de Maioi=Dando passage-n Com- Flleceram.. .. .. .. 5
panhia de Veteranos ao ,Anspeada da Bateria d'Artilheria Existeinm.... .. ... 3 3
31anoei Jose da Rocha, por ter sido ijulgado icrdpaz de n ... ,. '
tdo oservio military pela unta Miliior de Saude. N B. Falieceram 2 de dyseneria cihronica, e 1 de cona
-- .. '". gesto cerebral svmpliomatica. 1 de fbre a taxica, e o ."'
N." 7f.. =-Tendo o.ecretario dee.Gopvrao~6 ra J.ose de fleimao profundo no labio inferior, cuja inflam;io pro-,
Mari Pereira de Almeida representado a impossibilidade pagando-se inucoza bucal tomou rapidaieute a fornia (?)


- i ~ ii


"i . r


em que se ach,,por effeito doss'eus padecimentos, de powder.
preencher'as funces. do seu cargo, pedindo que se nome,
pessoa.qe. o susbstitua durante o seu impediment: o Go-,
vernador' Geral, da Provncia: de Moambique deteimina,
o seguinte -
nomeado o Major do Exercito de' Portugal ex-Go-
vernador do Districto de Loureno Marques, Francisco de,
Salles- Machado, para exercer interinamente as func0es
de Secretario deste, Governo Geral.
As Auctoridades a quem competir assim. o tenham inm,
tendido e cumpram. Palacio do Governo Geral da Provincia
de Moambique 15 de Mlaio de 1860.== Jo9 Tavarc de
Almeida, Governador Geral.
ALFANDEGA DE MOAMBIQUE;
Rfendimento da Alfandega desta Cidade no me5 d'Abril
de 1860.
Generous nacionaes 36 5320
Por entrada Ditosestrangeiros. 1:511 02 :87539
Por i Ditos :naciones., 92k8449'
r a Ditos estrangeiros .' 9:.
Ancoragem National. 0 12 '800
in Estrangeira... 12800
Arm'azenagem. ......................
Multa..... .... ............ ... ... 19200
EsGravos despachados .................... 600
Direitos de vinho e agoardente national ... to500
Imposto para o fundo de colonisago....... 47100

Sommn ........ 2:0124133.
Alfandega de Moambique 2 deMaio de 1860. O Director.
=a;Alves.i .Adoffo- Joo Pinto de Magalhaes Junior. -,
Est' conforme. O Director =aJose Zeferino Xaviei Alves.;
HOSPITAL MILITARY DE MOAMBIQUE,
Synopse do movimento Clitito do mez de Abrilde 1860




Existiam.....,,........ 90-r- 8- 3- 2-103
Entraram ........ ...... 212- 5- 5- 1-224.
S i Curados ou melhor.o 203- 10- 8-- 3-92i;
Sairam Fallecidos.... .. 13- 1- -- 14
Ficam existindo......... 86- 2-- I-- 89
Secretaria do Hospital Militar. de Moambique 1.o de-
Maio de 1860. O Director -= Pedro Sergio da Costa Vian-
na e Andrade, Cirurgio de ."' Classse..

Synops dos doentes tratados na Enfermaria lilitar de,
Loureno Marques desdf o 1,' d'tbri 4.e 18.9 ae 31 de
Maro de io86 .-.




m1


gaflUrenziOi, stio quem qu euJ3 e iTi\-T iiimra Wiiinr. e-4igirci'-i -li: Parece que os nossos cruziro. nii po!)cl.
Enfermaria Militar de Loureno M'rques L-f0 di Ab;'P 'isi~ar 'enhuma embarcaco Franceza empiegada no sis,
de 1860i =-Julio Pio dos Santos; 'Cirurgio di isticto eale eaiigrlo; isso tem avivado o commercio de
Esta -cnformie.-Secreta ria do HIosPit, Militar de Mo- 'escravatura, ainda que'ele destr9 o seu powder( dos por.
ambique .5 -deSMaio de 16iO.- O )irclor-= Pedro Se r- tuguezes)e o. seu- cmmecio.Os. emig'adesotlinreisss
gio da Costa Vianna e Andrade, .irurgio de: I'ClassP e iandadot) pelo, io abaixo com correntes aos ps. ve.
D dara Ci-se q falle eri a'no iomba e. da Il ., d. a 'en- xatriio ver a falta de sensor pela equal a emigraao e dii-ada;
D lar~,a e'ique faledera noconibate da lIha.de'B en- O rs rancezes no podem cultivar a cana d e assuca eim
guellena no dia 25 de otnembro de 1858, e no na AE Bou-ban sem estrume; aqui a cana cresce bem sem elle,
fermaria Militar de Loureno Marques, como se piublhco e chama:se indigena. Os .nativos do Norie de Tete, no
no Boletim Official deste Governo Geral n." 17 de 1859, distance d'ali mais de 20 milhas fazem assucar queeu
as sele praas seguintes: tenho comprado para o meu proprio uso, e para o pro.
Alferes Jose Joaquim Reinaud Sampaio, vimento 'de mais gente,..a raso de. 2'jardas de fazenda
Cabo n.o 64 Joao Antonio da Silva: branca de algodo por um, pote que peza 25 arrateis; e
Soldado n.0 9 Francisco Teixeira. com tudo os trabalhadores so exportados para um solo
Dito n.o 64 Antonio Banadaque. peor- Eu tenho feito montar o aparelho de um moinho de
SDito n. 52 Antonio Gomes. cana de assucqr. e um pequeno engenho a fim de mos.
SDito1. 52 trar o que.se p.-le fazer com semelhante ,machinismo. O
Dito n. 7Mane Gomes. Comiman lante, home illusrado, e muito amigo nosso
Dito n.o 71i Francisco Jose de Sequeira. i jiga, como rin o julgmos, que o machinismo, deve dar
bTfis resufltdoi; mas ns temos vindo concluso, vendo,
1 TP'A I N Ol I~A OF l l IA L agora revyier- o nIgocio de escravatura que .havia sido
SIreprinido. pela vigilancia dos nossos eruseiros, que a co.
Sb : onisacao das terras, altas, sadia, ,pelos nossos concidados
EXTRACTO DOS PERIODICOS INGLEZES. se o Ille r p.beio de acabarcom^ shinelhane difficul-
sera o mc-hnr.' meio de acabar com semelhn`c diffiul.
Do Boletim d Governo Geral do Estado-da ndia. n." 101 dade. Eu no duvido que a nossa gente se torn rica;
te tera feira 27 de Dezembro de 1859, Copiamos tambeni ao mesm.\,tempo que virtualmente tambem sero bem
o seguinte : coroados os -nossos- coutiinuad'is esforcos'~ -paa a abolico
As descobertas do Doutor David Livingstone na Africa. do negocio de escravatra. Eu md tenho avenlurado a
Continuado do Boletim-n.' 17. suggerir isto .n'um Offcio sobre o commercio de escra.
Agora que a minha attenco tem sido dirigida para o di. vatuia.'Poucos Portuguees,- que np montam a mais de
-to object, eu me sinto,mais do que nunca convencido de 30 ou 40, se exceptua-imos a solidadesca dos degradados,
que a Africa na latitude .de 15 grus Sul incomparavel- affastam a outras naes desteimmenso territorio.
mente mas. propria para a produco do algodo do que -
outro qualquer paiz do Mundo. O paralello de Tete soffre lOiENTO D POBT) L) tAlt
faltas de,chuvas ; mas fora d'esse paralello no ha senme- d o
liante falta. Eu espero muito pouco dos Portuguezes., a do corrente.
Outra vez fallando o Dr. Livingstosne ds visinhanas do - -"--'---_-'--
rio Chire, diz:.Um paiz to proprio para a cutura do algo- MBARCAS- ENTRADAS.- No houve.
do no o: temos visto em outra part except Angola-. A EMBARCAES SA-IAS.
proporo que Iiamos para diante, mais important parecia no dia 1- Paugaio Arabe, Ary Singar, de 66 toneladas, Mestre Sallo.
ser aos .habitantes a cultural do algodo. Elles o plantam equipagem 8 pessoas, 1 boca de fogo, para Bombaim com marfim e cai.ry.
emn um tempo do anno, de modo- que cresca no inverno, e :- -- Pangaio Arabe, Narane Passd, de 67 toneladas. Mestre Uc,_
possa colher-se antes que comecem as chuvas, on appa- .equipagem 10 pessoas, 8 bocas de fogo,, para Bombaim com marfim, caury
recam os insects que destroem a plant. Todos fiam, e .- Pangaio Inglez, Sara, de 79 toneladas, Mestre Deney, eqipa.
tecem algodto, o qual-principalmente de especie indige. gem 11 pessas, 1 boca de fogo, para Bombaim com marfim e.caurv, 6
na 'e forte.- Venr-se chefes arranjando com seus dedos:os- passageiros gentios.
rolos de algodo. Elles no fazem negocio de marfim, nem -e Pangao Artabe, Javr Passd de 78 toneladaim estre Qu im"Xr
aloutr odsasEequipagem lopessoas, Sjbocas de fogo, par Bombaim com.mar.. e caiiry,
algum.outro, a nao ser de escravos. Eu nunca vi tanta ter- No dia 13- Pangaio Inglez, Gerano Pass, de 95 toneladda, 'Mesitr
r em cultural em outra parte, e o Paiz send to eleva- issaca, equipagom 12 pessoas, 2 bucas de fogo, para Bombaim cuni marliia,',
do como , sadio. A vegetao ,exactamente como a de caury e calnmba, 1 passageiro mouro negociante extrangeir,.
onda qe fica no meio do Paiz ( Africa); abunda de re- -Pangaio Portiguez, Saflina aal Naja. de 65 tonelalas, Mei.
L nda que fica no meio do Paiz (Ari a ) aun e tre All Lilma, equipagem 15 pessoas, 4 bocas de fogo, paraBombaim comf
gueiros correntes; e esta a regio que eu sempre4tenho maifim, calimba e calry 3 passageiros gentios c 2 criados
apotado como paiz mais proprio para a cultural do ago. Pangaio rabe, Sultane, de 51 toneladas, Mestre Ratanici, equi-,
do, e cana d'assucar. Quando eu vim pelo, rio Chire a pagem 10 pessoas, Z. bocas de fogo, para Bombim e Caxe, com marfim,
baixo, :povo trouxe-me algodo para vender.em peque- caury e madeira, 2passageiros batias negociantes.
molhov .ou b o d a dm a No dia 15-rPangaidPotguez, Fatal Ker, de :48 tnela4as, Mestre
na's saccas. Uni molho ou bola do tamanho d uma cabea .Dam Gcal, equipagem 18 pessoas, eSbocus de fogo, para Bombaim con'
custa sQmente umn p /de fazenda de algodo do preo de marfim caury, 10opassageirosnegociantes portuguezes incluindo mentor Ie.
um peiy ( dinheido) ; eu vol-o mando em uma caixa. vOi officio do Governo Geral para o agente portugueza em'Bombaim.
O nsse piosp eto nio se n '.ntolha.rilhante. p ne - -,pangaio Arabe Ram'Passd, de 84trielads, Mestre And, eiui;
-O. P .... P ',. ~ pagem 11 pessoas, 4, bocas de fogo, para Bombaim com marfim, caury a
gocio dio algodo do Chire esta preparado para ser desen- madeira, 3 passageiros negociantes portuguezes.
volido como o doNiger, se tivermos agents que.nos do, Capitania do Porto de Moambique.18 de Maiode 1860,. An as misses da Serra-Lea ; mas 'os .Portugtezes 'em vez de Gedes, Capitio dort. P i' "
colligir os differences artigos que ns lhes.havemos apon- '
tado, eomo de verdadeira.importancia commercial, occu .ifii. jnta F .
asesomente no insignifi.nte negocio de marfim. nd 4 hora dodia22 do corrente m
lpm-sesomente no insignificante negocio de marfim. sero,vendidos em'h asta -publica diversos objects de ouro e prata,, bem -ias.
*. Uma estao devia serestabelecida na entrada do Chire. sim fazendas e outras miudez.,, pertencentes aos espolios arrecadados pela
para o fim de reclamar todas as nossas exploraces no Norte, Jdinta da Fazenda.' Contadoria Gerl, ii de Maio 'de 1860. O Escrivi
e uma Alfandega devia ser creadarna boca do/.ambeze, cu- e Deputadntrin teri center Luiz d'Abr.aches. .
ja navegabilidade fomos'.nos somfnt qtie a descobrinmos. .
' ,O' Doutor Liingstone fallando tamibem do sy tuma da M iAMtBiuik NA IMPRIN NAUI i ONAL
. .. 1 ., '.. .T; ,-^ .'- ,- ', . .. '* .; "- .-, : ;,' :.- -.. '';'.^ : :. ,- :'.. ;, "._ :_ *.- : *' .. ,, '*:. ,, * : ,r '. ', ,- , "






ANO-t 860.
jmo-HG~6Q,
s,~- ,- .'. ~sa.--a- . -*a,*-'.--


BOLETIM[


OFFICIAL


DO0

aI1 '14H1'aO C n 1 P i UTIII1 r 1j p UUUOUi ,


Egie Boletin seinanal ser publicado todos os sabbados e no
dia antecedente ou na 2.1 feira seguinte quando aquelle for
feriado : assigna-se para o nesrfij em Moaambiqii tio Escri-
ptorio do Estabelecimento da Imprnsa Nacional e nos Dis-
trictos, nas Secr4tarias dos Governos ou Commandos de
Vilias, as assignattiras Ao sempre pagas aiantadas.


8ABB i 1) O
2R
DnE 81IAIO.


Preo de asssignatura por annou....;.......... r,
' PPr seis mezes....... ....... ...... .. ,
Poi trs mezes ........................ ,,
Por folha avulsa ............ ..;....... .
Preo dos anniincios por linha ............. ,
Correspondencias (d'interesse particular, denr.. i


Em continuao ao 1Dcreto Organico da Seretaria de
Estado dos Negocios da Marinha e Ultramar publicado
nos Boletins n.,' 19 e 20 do corrente onno.
INSTRUCOES
A QUE SE REFEREE O, DECRETO D ESTA DATA, QUE DE-
TERMINA A REORGANISA10 DA SECRETARIA D ES-
TADO DOS NEGOCIOS DA MARINA U(LTRAMhAR
CAPITULO 1
GABINETE DO MINISTRY
SAnT o 'Y.0-- O primeiro official secretario encarregado
dlos trabalhos que lhe form cirnirnettido's pelo ministro, e
dos assumptos reservados. Tem a seu cargo a biblio:eca, car-
tas geographicas, e outros objects que pertencem ao dito ga-
binete. Compete-lhe a reviso de todos os papeis, de irhpor-
tancia, assig nados pelo ministry. Faz o boletim de todas as
medidas expedidas pelo ninisterio. e que se devanu publi-
car no Piari do Governo. Ter um adjunto para o coad-
juvar,/e extrarhir dos jornaes estrangeiros tudo o que possai
interessar marinha,
PRIMEIRA )DIRECiO
SART. 2."-Pertence ao director superintender.o servi-
o da direco de marinha, rever os trabalhos :os schefes,
seus subordina ios, e apresenta-los a despacho do ministry,
acompanhados do seu relatorio ou informao,, depois de
haver feito o expediente preparatorio. O regul'mento in-
terno da sec'retara indicar como se ha-dedistribuiire de-
terminar o servio das, ieparties.
( t.0 da competencia da 1.* repartio:
Matricula maritime e recrutamAnto naval- movimento
de foras navaes discipline, instriico, regulao do ser-
vio do' corps de marinha, e guarnies- promoes -
mercN estabelecimentos scientiticos e de instruco -
nd onln.io de commaridos-ai'mamento e desarmimento
dos navios, insfruces aos commandantes dos navios, aos
ds estaes, ou de quaesquedr' fers travaels, e aos oticiaes
e. servico especial -pilptos-- veteranos-- engenheiros
Snavies hvdro~raphicos --desertores e, finalmente,' os
tahatlhbs'que deri:vttem da oinmisso costrltiva,'e:que
.thfearpm;,di .iivon.. ,' -
$ 2." \' 2. r.epartio tem a seu cargo -
Construces navaesr.tq esq.t- outras nos eatabeleci1.


mentos -e imaiinha- arsenals e estabelecimentos annexes
-artilheria-'armamento, e equipamento dos navios e
guarnies --fretamnento de transportes-- policia dos por-
tos, da navegao e pescarias maritimas--intendencias e
capitniaas de portos presidios, quarteis eoutros edifcios
-prises- trabalhos que derivarem da commiss con-
sultiva, e que disserem-respeito ao material.
S3. A 3. repartio compete:
A correspondencia com o conselho de saude -preparat
os trab alhos relatives aos diversos ramiosdo respective ser-
vio, e que tenham de subir presena do ministry com os
competntes relatorios -indicar tudo o que tenda a melho.
rar o servio de saude--examinar os d6cmentos relati-
vos aos hospitaes, e que forem rerimettfdos ao ministry da
marinha e ultramar former as estatisticas, tanto com re-
feiencia ao hospital da marina, como aos das provincias
ultramarinas, entendendo-se para este effeito com a 1.' re-
partio da 2.' direco-confeecionar o livro de registry
de todo o pessoal do corpo de saude da armada, e collitrir
as informaes periodicas que 'lh form respectivas -
tratismittir as ordens. do ministry em objects de servio
de saude.
SEGUNDA DIRECO0
AT 3.--Compete ao director o que est desigrnado no
artigo antecedente para o da 1 direcao.
1.o A repartio central tem a seu cargo
A abertura da correspondencia e sua distribuio pelas
ties direces e gabinete, be'm como a said de expediente
-reristrs, despachos n'o livro da porta-certid'es -
passaportes dos navios niercantes-- expedio de paltent.es
e diplomas policia arranjo do edificio -esttistica dos.
tra;alhos da secretaria-transmiss das parties telegra-
phics--regu faao do servio dos empregados menores -
archivos e todos os neuocios que no pertencerem s outias
reparties.- sua responsabilidade est o cofre parti-
cular da secretariat. -
S2; Compete 1."a repartio do ultriamar. ''
Administrao geral e municipal -elejo de deputados
-s'ude public -estabelecin.entos de beneficencia---
policia e segurana publica-adminisraao de justia-
negocios ecclesiasticos -ensino publico-e tudo'quanto
tenha relaan com'estes raiios..
3. Pertence A 2.' repartio doultramar:
:"rganisai o militar- recrutamento reforms e ore.
li ompensas'-- n!egocios extaeriho-coloonisa emigra-


"g80O
-14500
15oW
3)8
&)4
$c')ci


L ~- L i i~--


A


mJ





S' 90 '
____ ___ ___ ____^_^ ^ ^ia^ ^ i ^-> -^i ^^^ ^BMiiM MMrMB^-^i^ii-


o -escravos- abolio da escr vido -- onct a.o .de
terrenos -negocios. de fazenda-estatistica geral.
4.0 da competei liatda3.* ,parpfio do ultiamar:,
.Correios- obras publicas- induistria agricola, fabric e
commercial bens nacionaes pesos e medidas minas
-matas-e todos os mais negocios no conipreherididos-
nas duas antecedentes reprties.
TERCEIRA DIREC,',O
ART. 4.-Compete ao director a superintendencia de
todos os ramos que constituem a direco de administra-
.o da fazenda military, como ser.especificado no respec-
tivo regilamento. _
Sl".t A .l repartio ter- a sei cargo:
O process, liquidao, e fiscalisaao--o ajustamento
de contas,pecuniarias do cofre central, e de quewsqer em-.
pregados gerentes-da funds do minisierio- exame dos'
documents da. despeza liquidada funds e expedio de
regulamentos e .instruces sobre o servio-de contabili-
Sdide--assentamentos de empregados militares e civis,
dependents doministerio, e respective piocesso de ccntas
-emisso de titulos para paganmntos exame, e proces-
so de ferias mostras registro das patentes, diplomas,
e nomeaes-liquidisr de toda a despeza a cargo da
administrao -ajustamento de contas dos responsaveis
com a fazenda public fiscalisao de contratos ou ou-
tros quaesquer objects.
2. Est-a cargo da 2." repartio:
A e;:criptlrao de comtabilidade formao do ora-
mento das despezas- credits supplementares e extiaor-
dinarios- reiuisies de funds -expedio de ordens
de pagnmento, e delegao-transferencias-avisos de
conftrmjidade- contas de gerencia e exercicio- contas
com os outros ministerios.
3." Compete 6 .3.8 repartio:
Contabilidade das provincias ultramarinas--contribui-
es directs e indirectas-formao dos orcementos-
con-tas de gerencia e exercicio-escripturao das des
pezas eventuaes decrelamiento da despeza -creditos
supplementares e extraordinarios- requisio, e ordc-us
4d pbgcmeito.e de delegao fiscalisao das sommas des-
tinadas para as despezas centraes, e das cont's enviadas
pelas juntas de fazenda das respective prcvincias, e ludo
o mais de contabilidade, que lhe for relative, fica perten-
cendo a esta repartio.
TP.ESCRARIA,
AnT. .." A esta reprlicso ircumbe a arrec8deo das
sornees r!stas disposi'o do rinisterio--a transferen-
ci;: de fundos- o pa amerlto das despezas que lhe form
ordenades-a errecadato e entrega de depositos pelas
ordens que recel er, e a escripturPio de todas as verbas
de'reeita'e des~eza do cofre. Tem o chefe d'esta repar-
tio a responsabilidade dos dinheiros que lhe so entre-
gues, e sob fiana.
CONSEl.nMO'DE AMIINISTBACAO
AnT 6.a.-Os eneargos do referido conselho acbar-se-
ho mencioncdos no regulamento especial, que lhe
relative..
CAPITULO II
OMMTiSAO CoONSCIlTIVA DE ABIN.HA
ATir. 7. Pertence a esta commisso:
-, Pl ar o seu 'parecer sobre qualquer object respecti-
t o mariinha,;eE ado qual ministaoa queira consultr


g.: Confeccionar os regulamentos c propostas db lei so-
bre as ba'is que lhe form ministradas.
3.o Dar a sua opinion cetFca dia Constitiiio e oreganisa-
o das foras no~Saes e das ronstri.uces.
4.o Indicar o'modolde se fazer 0 aprovisionainento ge-
ral da.adrmnda e arsenaes, e qual o numero de navios que
julga l ever compor todos os annos a fora naval, e o seu
pessoal e armamento.,
5. Apresentar as suas idas relativantente a novas cons-
truces ou grandes fabrics, e a respeito de recrutamen-
to e matricula maritima, quando lhe forem exigidas.
CHEFE DO ESTADO MAIOR DE MARINA
AnT. I.o0- Es6'aaiictoridade, alem de servir para trahi-
mittir ao corpo da armada as ordens superiores, provenii
entes da secretaria da marinha, tem a seu cargo:
1.0 Inspeccionar os navios do estado na sua said e en-
trada no Tejo, e o desarmamento, e bem assim os corpos
de marina e guarnies de navios.
2. Obserrvar se as leis e regulamentos que dizem res-
peito_ ao servio, discipline e instrucao so rigorosanen-
te cumpridos, e dar conta ao ministerio, quando encontrar
qualquer transgresso ou irregularidade.
3." Fazer o detalhe do servio e das guarnies.
4.0 Nomear os officials para embrque ou outras come
misses, em conformidade com as iistruces superior-
mente expedidas.
5. Receber todas as participaes.'do corpo da armada,
acompanhando' com a sua informao aquellas quehouve-
rem de subir ao ministerio da marinha.
6.0 Fazer averbar os competentes assentamentos no li-
vro mestre dos officies da armda.
7." Receber as informaes periodicas dos referidos of.
f ciaes, archivando-as e mandando copias reservadas di-
reco de marinha. Dos officials que estiveiem em dis-
ponibilidade, inferiors em graduao ao chefe do estado
maior, se- este quem informar d'elles.
S8.0 Formar a escala da antiguidade dos offiiaes da ar-
mada, e notar as alteraes.
9. Redigir e publicar as ordens da Prrmada.
10. Corresponder-se com o cowirpwndrnte de mairi4ei.
ros e com os conimndantes d,,s navios de guerra, q.e lhe
Sdaro conta de todas as communicar ao ministerio da marinha.em mappa quin,
zenal. Ter um official s suas ordens, que dirigir a se-
cretaria, ajudado por dois escreventes.
AUDITOR
ART. 9.#-Este jurisconsulto tomar parte em to to
os ttabalhos que -lhe forem remettidos pelas direcaes, e
que disserent respeito a objects dejustia, Informar so-
bre qualquer duvida em pontos de direito, e cerca de
aquelles assumptos, em que o ministro quizer a sua opinion.
Secretaria d'estado dos negocios da marinha e do ul-
tramai, em,6 de setembro de 18i9.-= Adriano Maurici~
Guilherme Ferreri.

GOVERNO GiCALO
a: -aE wo. *anip Wasamk

SNo,7,2..* =De St de Maio. Nomeando a AbudulatifE
Bem Dully, Capito-mr de Quissanga, no Distrito de Ca,
bo Delgado, -
. . '. -






9'


N.o 75. = Sendo necessario regularisar a distribuio do
Boletim Olticial deste Governo, visto que a distril.ui; o que
at agora se tem feito no abrange diversos funccionarios e
BPparliies qs conem qh ue teitham corinhe'imiito dale-
gislao, portarias, e ordens, nelle publicadas, Governa-
dor Geral da Provincia de Moambique, determine o se-
guinte.:
1. --O Boletim Oficial do Governo ser enviado pela
Secreitria Gcral, que fica incuimbida desta remessa s Re-
lparties, e Funccionarios mencionados na Tabella junta,
que faz piarte da -presente portaria.
2.-O Official archivista da Secretaria Geral far as
requisies necessarias, que sero rubricadas pelo Secreta-
rio Geral, do numero de exemplares do Boletim precisos
para o referido fim.
.3. -- Estes Boletins farao part dos archives das Repar-
ties aquem so remettidos, e os respectivos funccionarios,
os devero entregar aos que lhes succederem nas suas fun
ces, no devendo o Boletim considerar-se como proprie-
dade particular do individuo aquem so destribuidos.
Cessa de hoje em diante a form' ,c(tualmente na se-
guida na distribui do Boletim Officialdo Governo devendo
as remessas que se fizerem pela SecretariaGeral para os por-
tos ser dirigidas aos Goveriadores dos' Districtos ou Pre-
sidios na malla official, devendo estes mandar entregar a
quem pertencer os numerous do Boletim, que para esse-fim
lhes forem remettidos.
As auctoridades a quem o conhecimento desta deva per-
tencer assim o tenham entendido e cumpram. Palario do
Governo Geral da Provincia de Moambique 22 de Maio
de 1860.= Joo Tavares d'Almeida, Governador Gral.
Tabella da.destribuio do Boletim O/cial da Provin-
Tabella da -destribuipo do Boletim Official da Provin-


cia de Moambique. que segundo a Portaria desta data se
deve fazer, teita Provncia.
Governador Geral.
,Secretario do Governo Geral.,
ecretaria do Governo.
Administrator da Prelasia.
Governadores Subalternos. e Commandantes de Presidio.
Cirurgio .mr da Provincia ou Chefe de Saude.
Juiz de Direito.
Delegado do Procurador da Cora e Fazenda.
Escrivo da Junta da Fazenda.
Thesoureiro da mesma Junta.
Contadoria Geral.
Commandante da Praa de S. Sebastiao.
Administrador do Concelho de Moambique.
Capito mr das Terras Firmes.
Camarojs Municipaes.
Juizes Ordinarios.
Sub-Delegados da Cora e Fazenda. -
.Delegaes da Fazenda.
-Alfandegas.
Commandantes dos Corpos de 1." linhia.
Vogaes do Conselihodo Governio.
Commandantes dos Navios'de Guerra.
Secretaria do Governo. Geral da Provncia de Monmhb-
que 22 de Maio de 1860. No impedimento do Secretario
Geral. Francisco de Salles Machado, Major.

N. 74. -De 3. -- -Nomeando Presidente da Jun-
ta. do Lanamento da Decima predial e Indu'strial'desta
Cidade, ao Major Jacintho ,Henrques de Oliveira.
N.9 75. == = Idem Vogal da mesma Junta ao Pro
prietario Sebastio Jose Mathias Rodrigues.


fappa do movimento dos alumnos da Eschola Principal d'Instruco Primaria da Provincia de Moambique. du-
rante o 2.o Semestre do anno de 1859, declarando quantos so os alumnos Europeos, Nativos e Asiaticos que frequen-
tardo a Eschota, no dito Semestre, e a Religio a que cada um pertence.
Existiam no 1.0 de Entraram durante Sairam dirante o Existencia cm 3 de
Julho de. 1859 o 2.0 Semestre Total S.Q Semestre Dezemhmrnod lcat r


Sortos a que pcrtncesm-




gIoambiqsw
Loureno Marques. ..
Inhambane .. .. .
Soualla. .... .. .
Quelimane .. .....
'Tete. .. .. .. .. .
Ioo. .. .... -.. .


Nations Nativos Nativos

a a a
.. g a .


a 1 1 a a, a a a a a 1
a,' 1 3' 1 3
. . l ?t ,, n I N l
n 8 S,- r n a
a a a 1 >aI 1 1 1 N l
M 2 r a 2 a s a l a 8 i
ar 2 2 ma a a, a a


Nativos






. 3 5 10
* I I

M M
a M I 1


Nativos
lo -Y n
.4 .

o S


4' 18 12 i 35
',, ,, 1
a 1 a
a 1 as 1
a a ,a ,.
'.2 'a..H


Obaera3e#e




-Dos ali .no saiaos. 8
forto para Lisboa na
- Fragata, embarciario
para apr,:nder pilota*
gem: 3 fairm aprender
officios; $ voltaramn pa
ra as families e 1 foi
riscado porincorregi vel


Tdtalidade .. .. .... 4 4 16 44 6 4 1 12 6 -9 20 1 '56 2 5 6 13 4 24 14 1 43
Boambique, Eschola Principal d'Iristrucil Primaria gos 15 d'Abril de 1860. O Professor. = Guilt'erme Henrique Dias Cardoxo.


,BATALIHO D'INFANTEBIA DE nMOAMBIQUE W. 1.
Rejao das praasdo sobredito Batalhd e Bateria d'Arti-
iheria e addidas que falleceram desde o 1.o at 50 de Abride
4860, com designao das importancias totaes de seus espolios.
4. p Companhia, n. 2 i.Soldado,Gabriel Cardozo, filho
de Antonio Cardozo, natural de Mondim Concelho de Ta-
rouca, Distrieto Administrativo de Vizeu, etade 27 annos,
solteiro, falleceo a 5, ficou defend ao Conselho Adninis-


2.' Idem n." 216 Soldado Manoel d Brito, filho de Jo-
se de Brito, natural' de Faro, falleco a 8, ficou devendo
ao Conselho Administratvo 3P031 ris.
,,3. Idem n.* 219 Soldado Antonio Jose Velloso, filho
de Luiz Jose rellpio, natural de Anas Comarca de Braga,
fallecco a 12, deixou d'espolfo 397 ris.
1.' Idem n. 233 Soldado Joo Pibeirn, filho de Manoel
Ribeiro, natural de Villa Portivar, edade 38 annos, falle-
ceo a 13, deixou d'espolio 7500 ri .


-










2.a Idem n.o 21 8 Soldado Manoel Jose da'.SIh, fiJhoh : '.i, u'Ii1 POIT10 BE 110'iOi Au E,,
de Joo Manoel da Silva, natural-de S. LourenoParo- r'
nho, falleceo a 17, ficou' devndo, ao Conselho Adminis- de,1 8 a ,25 do corrente..
trativo I 655 ris. R A E ENTR '
lateria d'Artilheria n. 95 Soldado Domingos Gerardo EMBARCACES ENTRADAS.
R;Blilito,' filho de Domingos Ramito, natural da Co ilh, -Noilia 2- Batel Portuguez Flr do Mar, de14toneladas, Patro Asi
*fali:ceo i i.22, .deixou. d'espolio 3474 ris. sane, equil;agem 9, pessoas, do Rio Tembo em 4 dias com mpntimento.
idein idem n." 78 Soldado Angello Garcia, filho de EMBARCAES SAIDAS.


pais incognitos, natural de Lisboa, falleceo a 27, deixcu
d'espolio, IfO I5O ris., -
Quartel na Praa de S-Sebastio 1.0 de Maio de 180.
Luiz Antnio Ozorio, Tenente Coronel.Graduado e Com-
ganadanle,

DISTBICTO DE LO'RENO MARQUES.
RPlaio n.9m!nal toas pracas da Companhia df Preferido
PDstricto que falleeeram na Enfermarii Militar dese N'o-
'egitbro de 1'859 at 15 -d'Abril de 1860.
N.o 8 Cabo Cypriano Silveira, filho de Francisco Sil-
-veira, natural de Coimbra, edade 27 annos, solleiro, fal-
leceo a 20 de Dezembro, deixou d'espolio 1:7,80 ris.
N.o 70 Soldado Francisco Sergio de Souza Salter, fillio
de Eduardo Salter, natural de Lisboa,, edade 19 anns,
solteiro, falleceo a 17 'de Janeiro.
Quartel.do Governi de Loureno Marques 15 d'Abril
de, 1860. = Onofre Loreno d'Andrade, Governador
interino.

Rela.o das pessoas fallecidas no referido Distrieto, des-
de 24 de Novembio de 1859 alt a data desta.
SEXO MASCULINE
Ussumano Gulamo, mouro, edade 20 annos, natural de
Piamo,. filho de (;uiomo, falleceo a bordo do irigue Lec-
ticia, a 8 de Janeiro do corrente anno.
"'Pdnj Cac, Batteane negociante, filho'de Cach, natu-
ral de Dio, edade 43 annos, falleceo a 22 de Janeiro do
corrente anno.
M aanoel Joaquim Marques Lourizella, negociante natu--
'ral ile Lourizeda, europeu, christo, filho de Manoel Joa-
quim,.nMarques, edade 1 annos, solteiro fiallctio na Eii-
fermaria 'ilitar deste Districto e'm 26 de Fevereirb do
corrente annl. : ,
SEXO PEMENIO.
Inhatuana preta, edade 42 annos,, natural' le. Matola,
olieira, faleceo em 28 de No~ernirp* de 1859 inrenua.
Maria da, Silva, preta, edade 12 dias, filha d: Henri-
queta, natural de Loureno Marques, chirisla.Jaeceo .a
26 de Dezembro de 1859. a
Maria, escrava preta d'o Baneane Provodas Juth, ralir-
yal do Manicusse, edade 20 annos, solteira,
Quartel do Governo de Loureno Marques 11 l'Abril,
de 1860. = Onofre'-Loureno d'Andrade, G overnador
interino. -' .


COMIVJUN CADO.
t nnm'anno forlo dados A sepultura os restos mortaes do Sn.' Vicente
Thoiniaz dos Santos; ficand& -por conseguinte ,privados d'um ainiga, que,
achand- n. s sem recursos alguns, proporcionou..nos os meios necessarios
para se realizar o nosso regresso a. Potugal afim de pu4rerms eirsar os es-
tudds superiores. A sua nmemoria sempre er ptr rUs. respeitada, e pelo
que d iiunstraremos a nossa gratidao para com o.indilviido, qie a nosso
favor praticuii um acto de generosidade, na occaziLo em que detle carecia-
aos. Muoambique 6 de Maio de' t60.'= l'irCale listU d JhrrA aheo.


Nio dia 20-- Galera Portuguza, Fiajante, de 369' toneladad,, Capite
J.uo Ignacio de detiezes, equipagem- S0 pessbas, 4 bocas do fogo, para
Lisbua com marfim, urzella e mais generous, 4 passageiros de Macu incluin-
du 1, ~senhiora c,>ni l criada, e i de Moambique que sio o Tenente Couroiiet
ilachadoi, ,.Alferes Bolto, e a Viuva do Delegado com 1 criada.
No dia 24-Batei Portugeuz, Flor da Missanga. de II, tonelalas, Pa-
Iro Assane, equiipagem 14 pessoas para o Ibu com differences encomendas,
2 l'assageuros coull 2 criados.
> -IangaiuoFrancez, Dupuis Ctuiillier, de t2 toneladas, Mestre Sa-
linine, equipagem 16 pessoas, 2 bocas de logo, para os Portos de Mada-
gascar, cun fazendas, polvora e quissapos vazios.
No dia 25 -- Hiate Portuguez, Bda Lembrana; de 25 toneladas, Mestre
lsmael Ussangy, eqitipagem 6 pessoas, para o Ibo com differences generous e
lastro, 1 passageiro francez e 1 criado.
Ca i tania do Porto de Moambique 25 de Maio de'1860. ==Antonio Aari
CGedes, Capito do Porto.

Movimento do Porto da Villa do Ibo desde o 1.* al 51-
de 'Mar>o de 1860.
SEMBARCACES ENTRADAS.
No dia 10.- Pangaio Arabe, Uxar Mugan, Mestre Amissi, de Zanzi1
bar em 10 dias com fazendas, polvora e mais generous 10 pessoas de trip*
lao. 2 passageiros rabes. .
SNo dia 13.--- Pangaio Arabe, Mutcichique, Mestre Faqiu, de Zanzibar
em 14 dias cum fazendas, 10 pessoas de tripulao.
No dia 16. -Pahgaio Arabe, Fatial Ket, Mestre Ucj, de.Zanzibar em
15 Balhii; ,
Nu dia 20.- Pangaio Arabe, Mugenge, MAestre Maxanor de Zanzibar
em 1.5 dias com fazendas e mais generous, 15 pessoas de tripulao,- pas-
sageiris mouras.
No dia 22. -Pangaio Arabe, Chirica, Mestre Bandar, de Zanzibar em
12 dias com fazendas, 9 pessoas de tripulao, 2 passageiruo Arabes.
'EMBARCAES SAIBAS.
No dia I.*- Pangaio Arabe, Buli, -Mestre Chande, levanio aseu bor-
d o Soldado n.' 91 que se achava de guard ao dito Pangaio,
Pangaio Arabe, Mabrqgue, Mes;re Aly, evadido.
Nu dia lo.-' Escuna Hamburgueza. Electrie Florih, Capilao H. C. M.
Zooder. para Zanzibar com caurill 7 4)essoas de tripulao, l0 passageiros
Arabps.
-.n Pangaio rabe, Sultane, Mestre Rat, para Moambique cotm
fazndas e mais generos, 10 pesso:Ss de tripiulao, e 5 pfssageiros Bailhks.
No dia 1,3;- Pangaio Arabe, ,'xar' Mugan, Mestre Amissi, para l3u1-
anmbique com'fazendas, 10 pessoas de .tripulao, 2 passageirnis 1uuj*jus.
Quarter nalP>raa de S. J.oao do Ibo d'Abril de 1860. = The,,duro
"Luiz de Suiiza, 2.1 Sargento.- Est conforme. Secretaria Ibu 2 d'Abril de 1860. Jose Joaquim Moniz Cabral, Alferes s Ordens.


N dia 28 do corrente pelas 12 horas do dia, a requerimento dg Nego-
ciante desta Prda JoAo da Costa Soares, como consignatario da Barea
Americana, Saide Bin Sultan, se proceder ao leil'o .de 250 Saceas comn
l'anmaras, que a dita Barca deixou ficar nesta Alfaan'ega, o qi.e se faz pih-
blico para geral c,..iicim.niit.. Alfandega de MoWambique 21 de-Maio de
i860. -O Director = Jose Zeferino Xavier Alves.

SHospital Militar de M.-tbique. = Convida-se a todos os individuos,
que quizerem ou poderem fornecer sementes da mamona ( palma cliristi)
em todas as qiiantidades; Ceotvenienteninte seccas, para exiracio d'uleo
de ricino, se dirij ao ao 1 Pharmaceutico Interino encarregado'da mesima
B,;tica. Secretaria d Hspital Militar de Moanmbique 21 de Maio de
"1860.- -O Dreireft* Pedro Sergio da Costa Fiania de Andrade, Cirur,
gido de..a Classe.
.-- -.-L--
Eduardo Anibal Botto despede-se por melo d'este de todas ai
pessoas do seu conhecimento, e pede desculpa .de o naI ter feite
pessoalmente, Moambique 19 de Maio de 1860.

.MOMBi U = A IMPRNSA NATIONAL.
,oqaAMeBIQ, = E N IMPEtgtlSA NC~IONIL.







AO-1g6)-


- . 11 ..,


e ~DO~

c, O~YINff, VA,~ N C1Ir RkOH A p 0 X 1 I111 N q,1l


Este Boletim semanal ser publicado todos os sabbados e no
dia antecedente ou na 2.a feira seguinte quando aquelle for
feriado: assigna-se para o mesmo em Moambique no Escri-
plorio do Estabeleimeinato da Imprnsa Nacional e nos Dis-
trictos, nas Secretarias dos Governos ou Commandos -de
Villas, as assignaturas so sempre pagas adiantadas.


DE jU HO.,


Preo de asssignatura por annu............... r. "80s
Por seis mezes........... ... ..".. 1 50
Por trcs mezes ........
rf h i ....' ...... ...... .. 00
Por folha avulsi. .0.s .. .
Preo dos 'ahnuicios por linla .......... .... ,, 04
Correspondencias d'interesse particular, idem.. ? 0O0


JUNTA DA FAZENDA PUBLIC 'A PROVINCIA DE MOAMBIQUI. .

1859- 18601f-ia. n z

Bflancete do Cofre da Theziouraria Geral no mez de Maro.


Sallo dio mez antecedente.. .. ;. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .,
ltceita J lranie o mez. .. .. .. .. '. .. .. .. .. . .. .. .. '.. .. '

Despeza durante o mesmo. ,.. .. ..... .. .. .. ..

Baldo que passa ao seguinte .... .. .. ... .. .. ... .. .. .


SDeseonvolmvmento da Receita.
&ldo, do nez antecedente. .. ......... '.. .. .. ...
Impostos Directos.
Sen,.netoda Re-, Papel sellado . .
Renl'li-eatlo,da Re- n - ... .. ..' ","
S ello di o verba .. .. .. . .. .. .. .. .
tebe Lo>ria Pariiclar ,. .
a i sidas.. .. . . . .. .. .. ..... ... .. ,. . :
flu ms de ul o Decima Predial.. .. .. .. .. ... ....... .. ...... ,.


nmpostos Iilirectos.
SImportao national .. .. .. .. . ... .. .. ..
Dita estraran ra .. ... .... .. .. .. .. ....

Ren imenro da A Exportao tacioonaI. ... .. ., .. ".. ".'. .. .'. .
n n me d AncoTrgm estrangirta .. '. ......... .. .
lan.,gao me Arnmazenagem ... .. .. .... ..... .. ..
,l'r l Tomadias .. ... .. .... .... .. .. .. .. ..
M ultas., a .' . . .. . . . .' ..'; i.. ..
SFundo especial de. Direito de vinho ... ... .. ..
Colonisao Imposto de Nario e Padgais. ... ..... ...

Proprios nacionaes e iveros rendmnienta
Correio. .. ... .. . .. ... ... .. ... .
Rendimento da Re- Louddildo .. .. .... a : '
cebedoria ParLicular Impressos vendi- Recibos mensaes ......,.......
dos ao public Manifestos por sellar.. .. .. .. .. .. .

EDLregue por um Soldado, eqiivalente d ta~io que- repoz- por noo marchar -para o Ibo,' ... ..
S.. ... *Smma'Total; .'. .; . .


De)isenvolvzm'ento dir:(les D3seza

GoPverno e gi~1Yinin.tmao-GeraK

GoveraCoj G~errl.
8qeaoIl.s~ *-'*-- '


17:043540it


10:71]6116

15.777C44u


-. -~ ~~
r~1id 1


6oitlf


7lsJi~y1.2 8:958B1O54



~35~380



38iU00 8KIl.3 9:356Jl77

-,- --





gSonim





*. -. .1eo> .. . -a:t8Y g


1. (lvernadoa Geral. Vencimento d? mez dAgogto de 1859~* .. .. .;. .. . ,..

t S2cret&ria G00a1 4

M.rnna... I~ *. o, ~e ~ 844joo n 77fa;


WrBrBn?8,,
i....~.,,


-- - -


I


t I ,


-.. '.


--









Desenvolvimento .da. Despeza


1.o Transporte. . . . ... . .
Emi regados. = Idem de Fevereiro de 1859... ..... ...... ..
DiLus.= Idem de Fevereiro de 1860..... ...........* .. .

SArtigo 3,.o*
lustrucao Publica.
Professor. = Vencimento de Fevereiro de 1859 ........ .. ..........
1estra. Idem de Fevereiro da 1859 e 1860.... .. .. .. .. .. .... .. ..
SArtigo 4.o
Imprensa Nacional.
Compositor e impressor.== Vencimento de Outubro de 1859 ... .. .: ...... ..
Folha dos apredizes Fevereiro de 1860...... .........

Artigo 5.*
Sand Publica.
Cirurilo de 1.4 Classe. = Vencimento de Janeiro de 1860.......... ......
Ditos de %.4 dita. = Idem de Fevereiro de 1859.... .. .......* *......

Artigo 6.0
So......bras Publicam.
Inspector. Gratificaio de Fevereiro de 1860 .. .... ... .. .. ... ,. .
Ferias aos operarios, de Fevereiro de 1860. ..* .* ** ** ** ** ** ** ** *
Ditas aos ditos de fora, ide4t idea.... ...* * **........ .......

AdministraIo de Fazenda
Artigo 1."
Sesio 1.*
*? Juuta da Fazenda. s-Es-rivli e Thesoureiro, vencimento de .Outubro de 1859.. ..
LEsrivu Aoranches.= Venciment ede Dezembro de 1859 .. ... ........ .

See&o 2.a
Contadoria Geral.
Empregado. = Vencimento de Fevereiro de 1859. .. *
pitus. = Vencimento de Fevereiro de 1800.... ** ** **..... ...

Artigo 10.*
Alfandega&
Alfandega de Moambique. -= Empregados, vencimento de Fevereiro de 1859.. .. ..
FP ts, veuPimneut de fevereitu d4 110. .. .. * ........* .. ..


So1nnu
Artigos Canitiuue

4i45100
125i00 .1195500 8045970



41M685





~60 &$;boa

155000


875266 1028





8P020 '1295610 7285~020
fla- a


4I r5ooo
85000i,


s15000


104M899
81(600 1885499


s36~499


675509o
455825 5 11s53a5 449583~


S* Administrao de Ju1tiai
SArtigo I1."
Secgei S.a. ..
Juizo de Direito.
3. Suij de Direito. Vencimento de Janeiro de 1800. .. .. .. ..**.... .. ..
Delegado. = Idem de Fevereiro de 1860.. **....................

Secao 3.
Sustento dos prezos indigestos na Cadue ao mes de Fevereiro de 1860.. .... .. ...

*Adminlstra&o Ecclelasitical
SArtigo 12.
SeEo 1.'
4.* Sachristlo da 4. i=Vencimente de Fevereiro de 1860. .. ._ .. .. .. .. ...
Secgdo S.*
Parocho de Mossuril. Vencimento de Fevereiro de 1859... .... .... .... ..
Sachristao idem de Fevereiro de 1859 e 1860 ..... .. ....... .. ..
Parocho da Cabaceira Grande. = Vencimento de Janeiro e Fevereiro de 1859 .... .. ..
Sachristi s= Idem de Janeiro e Fevereiro de 1859 e Fevereiro de 1860,.. .. .. ...

Administrao Militar.
Artigo 13.
6,* Alferes. Ajudante d'Ordens. = Soldo, Gratificaie forragens de Fevereiro de 1859 .....
Artigo 14.
Bateria 4'Artilheri
SecEao 1.
Pret dos meses de Outubro a laneiro de 1860. .. .. .. ... ** ... **
Secdo S.*
Batalhdo d'Anfanteria de Moambique i. I.


Oc"a. =Soldoo gratigcagie do Fe 1rulrei < 199 ..


U500o
8~15949


s83a74


4s800 89549


8a9g5


185000
3 9 5oo
5533 54$33 9 635


8545586


1 1 1 3 & s. 3 0 5 j 6 5 6

3pmma.. .. ~ i r d 88565 9545~88 O~5Iu6 1;S8UIiS


_
_ ~g ~ _







University of Florida Home Page
© 2004 - 2010 University of Florida George A. Smathers Libraries.
All rights reserved.

Acceptable Use, Copyright, and Disclaimer Statement
Last updated October 10, 2010 - - mvs