• TABLE OF CONTENTS
HIDE
 Front Cover
 Front Matter
 Main
 Back Matter
 Back Cover
 Spine














Group Title: Boletim do Governo da Provincia de Mocambique
Title: Boletim do Governo da Provincia de Moçambique
ALL VOLUMES CITATION THUMBNAILS PAGE IMAGE ZOOMABLE
Full Citation
STANDARD VIEW MARC VIEW
Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/UF00095049/00005
 Material Information
Title: Boletim do Governo da Provincia de Moçambique
Physical Description: Serial
Language: Portuguese
Creator: Mozambique
Abraham, Donald ( former owner )
Donald Abraham Collection
Publisher: Na Imprensa Nacional
Place of Publication: Mozambique
Mozambique
Publication Date: 1858
Frequency: weekly
regular
 Subjects
Subject: Colonies -- Administration -- Periodicals -- Portugal   ( lcsh )
Colonies -- Periodicals -- Portugal -- Africa   ( lcsh )
Genre: federal government publication   ( marcgt )
periodical   ( marcgt )
Spatial Coverage: Mozambique
 Notes
General Note: Description based on: Anno 1854, no. 1; title from caption.
General Note: Rare Book Collection copy from the Donald Abraham Collection.
 Record Information
Bibliographic ID: UF00095049
Volume ID: VID00005
Source Institution: University of Florida
Holding Location: University of Florida
Rights Management: All rights reserved by the source institution and holding location.
Resource Identifier: oclc - 55954140
lccn - 2008229252
 Related Items
Succeeded by: Boletim oficial da Colónia de Moçambique

Table of Contents
    Front Cover
        Front cover 1
        Front cover 2
    Front Matter
        Front Matter 1
        Front Matter 2
    Main
        Page 1
        Page 2
        Page 3
        Page 4
        Page 5
        Page 6
        Page 7
        Page 8
        Page 9
        Page 10
        Page 11
        Page 12
        Page 13
        Page 14
        Page 15
        Page 16
        Page 17
        Page 18
        Page 19
        Page 20
        Page 21
        Page 22
        Page 23
        Page 24
        Page 25
        Page 26
        Page 27
        Page 28
        Page 29
        Page 30
        Page 31
        Page 32
        Page 33
        Page 34
        Page 35
        Page 36
        Page 37
        Page 38
        Page 39
        Page 40
        Page 41
        Page 42
        Page 43
        Page 44
        Page 45
        Page 46
        Page 47
        Page 48
        Page 49
        Page 50
        Page 51
        Page 52
        Page 53
        Page 54
        Page 55
        Page 56
        Page 57
        Page 58
        Page 59
        Page 60
        Page 61
        Page 62
        Page 63
        Page 64
        Page 65
        Page 66
        Page 67
        Page 68
        Page 69
        Page 70
        Page 71
        Page 72
        Page 73
        Page 74
        Page 75
        Page 76
        Page 77
        Page 78
        Page 79
        Page 80
        Page 81
        Page 82
        Page 83
        Page 84
        Page 85
        Page 86
        Page 87
        Page 88
        Page 89
        Page 90
        Page 91
        Page 92
        Page 93
        Page 94
        Page 95
        Page 96
        Page 97
        Page 98
        Page 99
        Page 100
        Page 101
        Page 102
        Page 103
        Page 104
        Page 105
        Page 106
        Page 107
        Page 108
        Page 109
        Page 110
        Page 111
        Page 112
        Page 113
        Page 114
        Page 115
        Page 116
        Page 117
        Page 118
        Page 119
        Page 120
        Page 121
        Page 122
        Page 123
        Page 124
        Page 125
        Page 126
        Page 127
        Page 128
        Page 129
        Page 130
        Page 131
        Page 132
        Page 133
        Page 134
        Page 135
        Page 136
        Page 137
        Page 138
        Page 139
        Page 140
        Page 141
        Page 142
        Page 143
        Page 144
        Page 145
        Page 146
        Page 147
        Page 148
        Page 149
        Page 150
        Page 151
        Page 152
        Page 153
        Page 154
        Page 155
        Page 156
        Page 157
        Page 158
        Page 159
        Page 160
        Page 161
        Page 162
        Page 163
        Page 164
        Page 165
        Page 166
        Page 167
        Page 168
        Page 169
        Page 170
        Page 171
        Page 172
        Page 173
        Page 174
        Page 175
        Page 176
        Page 177
        Page 178
        Page 179
        Page 180
        Page 181
        Page 182
        Page 183
        Page 184
        Page 185
        Page 186
        Page 187
        Page 188
        Page 189
        Page 190
        Page 191
        Page 192
        Page 193
        Page 194
        Page 195
        Page 196
        Page 197
        Page 198
        Page 199
        Page 200
        Page 201
        Page 202
        Page 203
        Page 204
        Page 205
        Page 206
        Page 207
        Page 208
        Page 209
        Page 210
        Page 211
        Page 212
    Back Matter
        Page 213
        Page 214
    Back Cover
        Back Cover 1
        Back Cover 2
    Spine
        Spine
Full Text
rl rsail I I II 'lr


1 - 1 i






ANNO-1858.

Este Boletim serannal seri publicado todos as Sabados,
So no (dia antecedente quandro, queile seja feriado; assigna-
ie para o mesmo Bqletim, em Moambique no Estabelerimen-
to da mnprerI.. National, e nos Dist ictor da Provncia, nas
SSecretariafh 'rn.,,iern3s e Cmmanldos de Yllas; as assi-
Sratura sdo remyre pagas adiantadas. *


1 -


11; JiI`T1

94) e,0VERWINO. CERAL D'A PIRQVENCIA DEMOfIBI'UE


sAgia~AuPo 2 usm~ .j


G OV ERN,O GE IiAL



SGvernador Geral da Provincia de Moam-
iircui'r. biqu, ten o de (lar cimprimentio s ter-
minantes ordens de Sua Mlagestade EL-REI sobre a exe-
couo dos Decretos de_17 18 e 19 d'Outubro de 1853,
qu, abriram os portos d'esta Provincia ao commercio em
geral, crearam Alfandegas,-estab leceram as respectivas
Pautas, e regulram a administroo fiscal das mesmas Al-
fandegas; mias d(sejando antes de tii o crear a commisso
p)rmanente de Pautas a que se refere o artigo 10.0 do
Decrets de 18 d'Outubro,' no s para qu esta lhe pro-
ponha em rel:icic diispiOices em vigoi, asIalteraes mo-
difi:-aes que con-rir fa7er para que ci,tados Decretos
sejam cumpridos de accord com as l)eIrmirnaies do Go-
Verno ro mesmo Augusto Senhor, consignadas em Porta-
ras do iinisrterno da Mariiia e do Ultramar n.' 1 i.08 de
I0 de tlaro, n.' '72 de 7 de Si tembro de 1855, n.'
1610 de 21 de Novmnbro e n." 1628 de.18 de Dezem
bro de 1856, como tamhem para que a dita ccmmisao
fique funccionando permanintemente'para ser ouvida em todos
os casos em que se suscitar duvida sobre a intelipcncia das
disposie dos citados Decretos; ha por convenient dc-
t'minar o seguinte.
SArt. 1.- E nomeda a nomnmisso permanent de pau-
tas a que se refere o artigo 10 do Decreto de 18 d'Ou-
tubro de 1853,. e compost dos. se2uint Do Secretarin Grale visitador das Reparties Fiscaes
Jose Narcizo Ferreira de Passos. que ser o Prczidente.
1)o Coriator Geral, serviindo interinamcnte de Escrivo
da Junta de Fazenda, Duarte .Mamnoil da Fonseca.
Do director interino da Alfandega de Moambique, Fran-
cisco Borges dos Saintos Bicldo;
Do proprietario Celestino Fel'oiano de MNnezes;
Dos negociantes, Jouo da Costa Soares e Jose Prazeres
da Costa:
E do Primeiro Escripturario da Contadoria d, Junta
dt Faz(nda, Reginaldo Joo do .lcgo, que s~rCiir de Se-
cretario.
,Art. 2."-Incumbe commisso, desde j, cempu'-
sando as dispsi,es dos Decretos de 17 e 19 .r'Outu-
hio de 1853; as alteroPWs ftitas nos mesmos Decretes
pelo meu antecessor, e que ,se adiam em vigor; e as. Por-
tarias do Ministerio da iMhranuLa e do Ultram)u ui.;'3 1408


. . . .. .


1'732, 1610 e 1628 former rim relatorio circumstaniia,)io
de tudo que se achar wn opposi4o com os me4.mos Decre-
tos, e proper o que lhe parecer conveniente para a exe(i-
o d'elles conformc as ordens do Governo de S a~I-ages-
tade.
Ait. 3."- O local da reuniio da cemmiss'o ser em
uma das sallas do edificio da Junta de Fazenda, e a pri-
neira convoca&o dever ser feita pelo respectivo Pre2ideu.-
te, o mais breve que for possivel.
O que se participa a cada um dos nomeados pira os
effeitos co respor lentes. Palacio do Governo Gpral da Pio-
vincia de Moambique, 29 de De7embro de 1857. = Joo
'avares d'Almeida, G,.v'rnador Geral.

Statsti,'a da correspond( ncia Oi/.e al expredl a prIo Sr-,-
co civil da Secretariu do Governo Geral da 'irovrnc.a dle
Ml( anbique' dsde o dia SG de Slemnbro iiUwmo, em qr e t1-
mou posse (1d (overjo Eo Ea. Sr. JoLo Taares d'TAlmntid
ae u dia 51 de Dezci,,bro fndo.

EXTERIOR.
Officio para o M;nisterio (da 1fannha e do rlirn-
mar.......................... ........... '37
Ditos para o C;is:, io :ltrarari iio ........ . .
Ditos para as auitorin des e iidividuos de fora do
Poivincia. Esaciona ies ou str;:rngii ; pnra os ('(om
mandontes das (mnilacaR 'is ide guerra I, cieraes. qie
no so do servio d ii ro i"rci, e [ara es Conn rn-
dantes e outros iindi'iduos das trc!a.c:;(Cs (srtir
geiras....... ................ .. ... .. 22
hltt'Rfon,
Acias do Conclho do Governo ............. :
Portarias, Po'tarias e O()Wcios Citruircs, o);le nd,
disposi:s de adirnistraio' p:.tlica; lintrutces,
Avisos ou Arnnuncies assignados pelo -i eeri;na)ir Ge-
ral, e Bandos....... ..................... 40
Portarias de nomrieair exonera,o, suspeno, e
license ; ApostilIs .......... .............. 3S.
0licios para todas as a.itoridades, e indiiuios
nacinnaes ou estran.eros, residents na Capitael r'a
Provincia ou nus terras firms, para oS Con mrndJpr
tes das embarcaes da Provincia ; (Guiizs lara sup-
prirem >Pa.saportes, Baixas ao Hospital milrtor.. Ar-,
nunci<,3 .... ..... ................ .... 155
Oflicios para o Governadrr, auctcridades ireri.-
duoqs ti'entres no Districto de 'ahbo D).lhldo .... .9
1jde! Idem nio Districto de Quelmane .......... .


ly ~------ I_~- I --------~- i


tr". "- *
NUM iMrO, 4.


Preo d' ss.gnttrUa, por annoa....... ...... r. ~Mf -
Por seis mese .... ....................
Por trpz meze ......................,......, Sif
Por folha avulsa ...; .....................
Preo dos anntncios, por linha ............. o
Correspondencias d'interease part~cuar, Idam ,-
--'+.


* -


Ba 61 'AP











Transporte

Tlem Idem no Districto de Sofala e Presidio de
Bataruto. .......................... .....
lmrn Idem no I)istriito de lihambane ........
Idem Idem no Districto de Liureno Blarqu-s ..
NB. Esta corresponlencia com os Goveinadiorcs
e au:toridadles dos Districtos exclue aquella, cuja ma-
toria tiver silo object de Portarias, Portarias ou
Ofi'-ios Circulares, e listruces, por todos estes Di-
plomas tfrem registo especial, muito embra sejam
di iiains aos referi iK disls os d)illornas Reaes.. ..............
Passaportes para fora da Provincia.. ..........
Ditos pirao ii)teri(r...... . . . . . . .
Ptsdp)ortes a embarcaes rnacionae. ............
Vistos nos Passaportvs das diversas embarcaes..
Termosm em geral ..... ..................
Ieequierit.enttos despachados ................
Copias. . ....... .......... .......
NB. O n." olas Portarias e Olticios Circulares jn ii-
ea i:' d'oldem, e no o n." de exemplares expe-


3.14 "ias
Sdo
lez


2
3
4


10
7
EK
3
3c

16
96
I3


di los
Verbaq .............. ... ; .......... ... 25
Certi.-i s ..... .... '. .. ......... ........ 1
Pause ( us umbibariaCt- ......... ......... .. 37

769

eerotaria do Governo Ceral da Provinei de Moambi-
que, l. de Janeiro de 1858. = Jos Nuciso Ferieira de'
l'asss, Screa. io Geral.


Sinopse dos Offfcis expediidos pela Seco Militar da Secraaria
do Governed Geiwl da l rovuiida de iMo'ambigue desdt o dia
5 29 de Setmbro de 1857 .

Mez de Setmbf*


A4 'cem
diriPs 1I


S19 Ao Com man-
naOte da e' .-
p.a Pruofiz.

30 to Com man-
d inte do Hata.
lho


p Co Com mnn-
danle d: Pra.
a'deS. Sebas*
tia)
a 4o Inanector
do Arsenal


p Ao romman-
dante do Bae
talhaj

a M'jor radui
Caidenas
S4 o T nente
Cor.,n al efor-
ma lo J ae iAn
tunio Pereira

3 Ao Comman-
dante do Ba.
trlho ,
t A .*lliS a
H Au S.* Tenca-


OBJECTS

TDe-arind a que nS, nodia fer Irini a pretenao
do soldado n.* 10H Antonio J.se d s Santos que
pedia pasar a Cumpanhia de Soflea, no puatj
de f'ab,) d'Esquadra.
Enviando a Portaria. que exonerava o Major Theo-
bildo niamn'io da (iamu. d i Comimando do Bata-
lhWo e nameava Commani!ante do mesmo ao Tenente
(oron. I Griaduado do Exercilu d, Pouiugal, Luiz An-
toni, Ozorio.
Idem.



Mandando apres-ntar 0O bor)iepn ao Pomranndante
'da Piaa de S. Sbbarliao afim de filzerem a descarga
d trem military e demnis obljctos da Fazenda, que tinham
vindo na Frawata = ). Fernando.
SEtiviando a cpia dai Portaria do Ministerio daMari.
nha pela qual s" c.nliecia ha"er sido indi frido o re-
querimento do Porta Bandeira du Batall.&o em que
pedia ser promoli-lo a Alferes.
Enviando a copia da Portaria do MinisteriodaMa-
rinha qne lhe dizia respeito afim doe que se servi6se
responder ao exarado no coitheudo da mesma.
Enviando a cn.pin di-Portaria do M:nisferio da Ma-
rinha que lhe dizia respejto peL. qil s3e liio ftzia cons-
tar haver sido indeferido o reqiueiientu em que pedia
ser restituido ao servio effective.
Mez d'Outubra
Envianaj, o modelod'uma relatio para acompanhar
as pretenes das praas que as tive,em nas ,pochas,
que pelo mesmo se fixara -.
Communicando que se lhe hlavi concedidsI a- eax


A qu-,rt
dil iji iOs


te d' trmalda
Cunha
1 A-, (Commin-
dante ta Fra-
gata -= lom
Fernando
a Ao Escrivo
Deputado

2 Ao Comnian.
daute do Ba-
talho

n Ao Comman
dante da Pra-
a de S. nebas-
tiao
e Ao Maior J -
cintir, H nri-
ques d Olivei-
ra Junior
r Ao Escrivio
LDeput.dou


Idea


n Ao Comman-
ddnte do 6a-
talho
n A> Adminis-
tialordo con-
celho

e Ao Escrivo
DIeputa lo
s Ao (tn:oman-
dante do BaA
tallih
3 Ao M3ijor Re.
frrmadu Bap-
tista.
ri Ao Comman-
dante da Pr.-
adeS. Sebas-
tiio
4 Circular


5 Ao Comnmai-
dante d, Ba-
talho
6 Idema


Ao Director
iuttr.*do lai-
-pital '1ilitar
7 Ao comii ni-
dante d. 1Ba-
talhao
IJem

n Ao Director
intr. d pital 'Militar
9 /o Comman-
dnte da Pra-
a de 4. Sebas
tio
e Ao Director
initr. 'do Hos-
pilal Militar

n A.o Commian-
dante du Ba-
talho
10 Idemn




n Ar Comrian-
dante da Pra,
a de S. Sebas
tilo


OBJECTS

neralo, que pedira de Capito do Porto.

ilem que tendo sido c. needida a exenre'arLS ao
2.0 Teuente d' Irma;da Cunha, da coiimi.isE. qno
exercia te CapitAoudo Porto, o mesmo solicitava seguir
viageim o navio do ser eornind n>.(
Idem comnmuiiicanlo a exoner:alX concetila ao 2S
Tenente d' rimada da commuiisasL que exercia de (C'
pitao do Porto.
xonfirmando as licenas arbitradas 'ela Junta Mi-
litar de Saude ao soldado n." el di c>ompanhiia te
veterans e ao anspeada n. 55 da 3.' compianhlia dj
Batallho.
Mandanlo activar a azoada nara a Fraeata -- Dom
Fernando=, providenciando acerca d'esse object.


Communirando-lie que lhe havia sido eoneedida a
exonerao de c. mmandant dio Forte de S. LIu.rno;j
.que pedia, e t anno de licena parabir ao Heino se.a
vencimenlo.
Fazendt-tlhe constar oue havia sido concedida a es-
onerao de Cin mandate d.I Furte de S. Liu-ren,
e 1 anno de licena ao Maj.ir Jatinthu Ileniiques de
Oliveira Junior.
Remettendo a Portaria.pela qual foi ni,,eaI', C'm-
mandante do Batallaho o Tnenle < oronei Graduado
do Exercito de Portugal Luiz Ant.nio Ozorio.
Concedendo licena reisinadn ao 1." Sargento da
companhia provi'.oria Antonio Maria 'Trres.

Mandando render por uma outra praa o 1.* Sar-
gento da comp!ani.ia ,rovizoria Antoni.i Maria Trr,.s,
que se achava cominaidaindo a guard de policia da
Caliai'l. .
Avisando para ser passada mostra no Patalhbo.

Mandando apresentar ao Administrador do concr.
Ih, o cabo do contingeile Euiirpeo, Jaquim PInto,
para tumar o commando da guard de policia..
Enviando, a n.meatS de commandante du Firta
de S. Loureuo.

Para que informas:e sb)re o requorimertt o do Afe
res Cordeiro, pedindo ser exoneiado do exercicio d'.Ajt<
dante da Praa.
Determinando as honras que deviio ser f:.itas' ao
aniecessor de Sua F~.a o Conselheiro Vasco Gn-,les
de Carvalho e Menezes por occasion o sru. embarque.
Concedendo que s-ja inspeccionado pela Junta d<
saude Militar, o .llfres Jose de Sequ ira Campello.

Envianlo a guia dos as enoo e copi: da r:llima in-
fornmao semesire piapis relatives ao AY res d)r E\.
ercito de portural M.guel luziurto da Silva (, rdeirn.
Communicand, que de f.utro deve ter I li ro ema
que os. olffiiaes de vista ao H zsital mencionem as
occorra-ndias ou novidades que eicontrem.
In 'ferindo orequeri, ento d' soldaio n.o 85 do coa.
tingente europeo M noel Luiz, em que pedia passar
-ao Exercito dos Estardosda India.
D'eterminando, que seja nmnieado diariamente uii
retem para acompanhar os galEs em servio no Hs; ilal.
Reniettendo o mutIlo' dd) ma,-pa. que deve ser ida
do do resultado da inspero da Jiintta de s;,ude e re
comendando a-maior circumspec.a nas insp,'cos.
M indando apresentar ao Director do Hospital 8 in.
dividuos. para serem empregados como seiventes do
mesmo Hispital.

Para one providence acerca da lalv!agm da roupa
do Hospital n- conf.,rmidade do regulamento e que
dispea do servio do H.splital os pretos lilbertos, que
estavo alli empregados como serventes.
Confirmando as lic litar de sade ao 1.0 sarzento n.O 1da c)n-i!aniiit pro.
viz,,ria e sl lado n.. 56 da mesma compani'ia.
Determinando qne envie nma rela nominal de to,
dos os oiliciaes inf riorts, cabus e anspvadas da, Ba.
talhilo companhia provizoria e do conlingente tom :i
datas dospotos e d-claracto das ordens que os pronto.
verio, na conformidade do modelo enviado.
M'ndnd> entregar ao ('in.mandaiite do Balalhai
ns numerous de metal que e.distemn arrecadados no de(a
poAitJ da praa.


do
Xlez


- _--, --'-; I I-


*.


L


j









4 qi geral de bens. *,800
d,' dro OBJECTOS 2. De confisso de divida, com designaco dee .
e. epoeha de paganmenio em prestaes, ou por onasi.
a Idem .Mandando dar differences destinoa aos degradados, giao de rend'itento 96O
SAo command. aqu viro na Fragata Dorm I"ernrando. 3.. De contrato de mutuo com hypotheca, ditin.
dante do Ba. M guindo-se esta pela designaao- de propriedade, lo-
talho calhdades, e confrontacio d'estas i23 .
n A, Inspector Determinando que sej1o empregados nos trabalhos 4. De quitao simple ..00
d.) Arsenal do Afspnal 7 degradados. i.
'13 Ai Commmnn. Confirmando as licena.s rbitradas pela Juntadesa. Quando incluida na de venda, OU a outra'tian-
dante do Ba. udo a 1 praas do Batalho. sacao snente .
taloDiro bcd. De quita_o, incluindo ajustamento de contas
A 4, Dirpctor Indicando a mnicyira porqle deve ser feita df.de j e dstrace e uro e3r.i pt ,' o. 'obigaes:
iltr.* do ios a lavagem das roupas do Hospital. e distracte de outras escripturas ou.obrigaes. 16
pital .Mitar OI De venda de Lendct raiz, simple, sem confron- .,
W Idem Ordenando que a Junta tenha a maior cantella naS taco de titul s, e smente com. ce.rtio de siza. 080;
ana iuspecqes e observando que grande o numero 7 De venda de bens de taiz, incluindo confront.
de licenas que estA cunferind ).
t .4o C,>mrman. Determinando que seja maundia tara bordo da Est taco de titulos,, certides de siza, e designacio da.
dantela Pra. cvna.a= 4 rna =, peademaontanha, comas come natureza de bens se form foreiros a particulares. 1 200 -
a de S. Sebaa tentes mu!i;es e palamentas. E incluindo tambem a certido do Adirinitralhw
t Ao Comma. nDterminando que w pea de calibre 1, qne edlste do Concelho, se form bens foreiros Fazenda Na.
dailed,>Fr. no Frte seja mandada com as c'mpet<'ntes muniSea cional I. .
te de .e I.J se e palamenta para burdo, da Iacuna=, ngr.. 8. De Venda de bens- moves em gll)o 'bo
em Mossurll ...
14 4 Cunm.n Cor.eeden l. 90 dias de licena registada a uma pra Com' designaco dos objects veoli los, mais 100
d4nte ao Ba-. a do bataluao. 9.0 De troca.de bens de raiz, incluindo a confron'
talhilo ,'taco dos predios trocados 2;000
a Ao Coniman. Mandando aprdmptar'.0armmeotcs com.etosiual E sendo de mais de. dois predios, ou. de bens
dantc da Pra- numero de correamis e bem assim 2:0D0 eacrTuxo em- do; in i ertido de do eceso
a deS. Sebas balados para a colutla de pemba. vincuados, e incluidocertido de iza do excess
t:mo l(ontina.) do valor, se o houver. .. 2;400
S ------ 10." De verida de navies, 20. 20
Contina a Tabella dos Emolumentos e Scarifs Judiciaes, qu# l." De venda de embarnca~o menor ou que na-
colnecou a publicar-s no Poletim niO 19, de vegue et rios. ., 960
9 de Maio de 1857 . 12 De promessa-de venda simple~. .
Fica i biio o caceei r Incluindd a f6ria do pagamento cuir as bases do
3, Fica inhibiqo o cacereiro de,tiraro qualquer. contrato, designaco e confrontao de beas, mais 0
preso do quart.., _m.que estiver, except em caso 13. De aforamento, ou renovao de prazo de
extraordinario e com authorisaao do respective .rra s1 propriedade, to as suas mre dineso e confrn
.Juli i cessando, porm,: causa, imediatamente.o tra s propriedade, oni as suas mdi es.e c far regressar aQ. mesmo uarto, acm poder exi. E ecedendos a 5000 rise qualquer qie seja o
gir-lhe nova. entrada. ri quaqueqe ja
valor. ; . 9. 0
N'a saida da Cadiea. 4.0 Deaforamnto oa nnovaio de prazo de mais
4 De prso, qe sr s e n r de uma propriedade, iiucluido as suas respectivas
4. De prso, quiP sair solto, e no .for pobre, eies e confrontaes. i
q~alificado como tal, tendo estado ate o dia da edio o e confront aes. s e
.. De aforamento de bens vinculados, em. que
s o l t u r a : : .
nsolura xnvia 2 intervenha o iininediato succeoi-or, qper comprthei- e
Em ennxvia 210 da uma, quer. comprehlenda miais propriedades, in.
Em. sala livre . 4 80 cluindo as suas respectivas confrontaes, e trmdices.
Em quarto separado,. e inepe-ndente, ainda 16. De subemphyteuticao de uma s6 proprie.
mesmo no caso do n. 3.0, infine 720J dade com suas.medices e confrontacites,: e refeie.
Disposi,o geral. ia ao contrato primordial de aforamento..It : '
E send mais de uma propriedade,- desigiadas '
5 De cara certido, ou de priso, ou de soltra,r as suas respectivas medies e confrontaes. 2.1e(H)
a requerimento de Parte, que no seja preso pobre, 17. De reconhecimento de foreiro siraples. t80u
cono tal qualficado' 160 E quando incluido em escriptura de venda, ou
ARTIGO 2. troca, smente. 4 00
18. De arrendamento de urna, ou mais propie.
SCARCEREIROS DAS CAD ETAS ciS FOPA D CABE A DA COMARIR dades, tomadasem globo, Coim as cotliee. usues,
LEVARAO DE SALARIO. e sua fiana. ..
'E com designao da propriedades, e send es
Dos acts comprehendidos no artigo antecede as diersas, e ara cujs anhos e bemf-toras
tas diversas, e para cuj'j anmanhos ,e bemif;1to61ias
te, dois teros do taxado n'elle. -seja precise estipular mais condies, do que s

TITULO VII. usuaes e sua fianca. 2, o
TIT O V 19.0 De pro'rogao de arrendamnto. -no in o.
"s TABELLIuES DE ARTIGO 1. E innovnsdo ou repetindo as condies d'lie .1 0.
2. 0. De sublocaco de todos,. ou de parte dos
S s "3scEtivA~s i~E DIREITO COMO TABZIEtniAES bens arrendados, r('n deaigrnao di pin co e epocas.
VAROd DEo pagamento, e rtferacia s condioes do piimeiro
UsVARAO, DE SAIARIO.
contrato. ,
21.0 De eneampa: de aforamniSi ou arrend~
.:. Em Escrptptlra. f o 20 i
.-' m criplar De fretanmento ,
S.1 De confisso de divida'simples, ci obrigaoi 23.0* De contriato d locao de obra. t-iG .









v-
1o..f D i, orR'to de adniistran, dte bens, ou -
pe tfed;c!ment'm qnisqlwri com condi,, que re'.
nI; o pxprrviCi)n ad,'iniriistra'or, e nmutuas obri-
ga,ci's .estt..e eia administrado. ('0
v2." De iontrto social sobre qualquer pequeno
e~stabelecimento, on ramo commercial, sem firm 2~000
E sobre casa commercial de. grosso trato, ou com
fia. : 300
E sen Io de empreza. in companhia com Accio-.
h5is. Skidins e Directores. 600oo
S-:?fi .'lDe traisae i e co'mpo-icop, extineio pleiros. e mnit!ias desi tencias. etc. 2,40(0
-':Setidn, piw:.:de desistencia simples de qual..
quer plpiti>,' smeate. 800
27.0 De rnovac-,.ic declarao de, qalquer con-
ti'a ,. 'ou, adl-!itamento de alguna, condio. .960
2S0 De in.tituicoi de vinculo, comprelieni.,ento
a dle.inac'o.' mledico e confrontaco c.is hf nrs,as
vocaes dlo instituidor, e mais ciicuiistacia.s pre-
ci. 9600
29'* De ce so com.pr-nciraco'em cansa propria. .i-00
.."' D1k nonwaPo le prazo ou doao intei^vzivos,
o Mu mor/is iuI;les. 1 o200
F cno reservea e outras obr'igaces I',4(0
?t *o e -contrato eponcalicio : 4..8(
32 e fiance. on hypotheca prestada como garantia -
de atimna ob ig 'o. 9 -
33.' Ye. perflhao. 6. -
1: lk Ie leini-sn de patio pa,)er. -'"00
3a:~ De .prertaco de alimentos; ()
36.O De +ec.lamao .. .
.'7: Dle per li ,... bJa0
S H De ratificaC~n de partilha amintvel e xtra-
idicdwial.si iilul, r,-ferencia devi-o> ftita enti'e os
cM.hr<',ros, dianrdo uns aos outros mutual quitao n1$200
9g De :p'atilha amigavel e extrajudlicial, com.
d'isiI cin, de iens, em toda a nia latitude, e ldo!
pr gainntrs de cada um dos co herdeiros; seri:lu
valor parlivf:
-A' 6f)00,l00 ris incn'1;vamnntp. -- r(0O
1)- 600.n 00) iis, at l:20UPil0 r,i. 4.4i('0
D'.lhiipara, .ciia;. j20)0
40 o Dn conctirdata de crrlores entire si e com o
de .rdrr co>mmum. .. 32000
/li I)o renuncia de pervicns- 201))-
42.* De letra de riso mariti:no. 2i(J'O
''4:3.' De oi,tlhorga.e consentimento da .muilhr a
1y;lth.lV'ca de lins de raiz, de ottro qutuluer
corntrato fite pelo maii:i. 000
-'

iramePtos e r nat s .s:8trTmentos e artel faitors as Notas.
1." 't(ian'etnI 'de utma perssoa, ou de ,rii com-
-i"nm. intrre nile.r e marido,, contenlo .imples
'ni:tiriciao de lheirhiros, e di:.coices pias. : 1|600
SE quando, conprehende tanilen< iisposies'prio
fjans 'de ., i au de aintos os testadores. 2'r00
S" odi illo. 2.00
In-trumentn de posse, lavrado em continuao
de -cr;'i itra de venda, aforamento ou parti!ha. 00
4 "' 'rotactaio geral de uma press, ; oee i.arido
pi1. iil r, rrie ru 'ae e filhos, que ci(m elli s i- .
v:n ; ri.aos, que residam juntos, ou de C(tpo
fc<( ctivo. Pon
lCu r ia' 'r fat im dtermihadi fiin sdwn'ie. 4t 0
rpa in'a oa (jiIe Mn aisinltrvier (afm
..- y;F na('~s, t eas testutnLnhas que '(ia-m uittir-
r mais. ... ,'C60
;. -'P ... .. :r I : + ( C w lit .s * i


C.-4MIR i i iUAICIPAl.
i r ccrnt, ti a CGania, (araliuro da Ordem -de Christo,
'e Preidlpnte da Camara Municipal.
A Camara Municipal devendo proceder revisi o annual
do Recensamento em cumprimento no dispost'o no art. 1 it
do Decrcth Eleitoral de 30 de Setembro de .Is82,'f a sn-
ber que a dita revisio comear em 11 de' Jaeiro pro\i-
mo vindouro nos Pdas do Concelho.. seguindo-se nas rias
opperaes as formula; prescriptis nos a'rti;,os 26 e 97 do
alludido Decreto. At o dia,23 se coicluir, affixaindo-se
-o immediate as rela s em os Ingares comfpet nte : ft
28 se recehero as reclalirraes, W,' 30 der'edidas, e (m 31
pubhil'a!os os sius resultados. O recurso ,da decis.ces da
Camara seri para o Sr. .luiz de Pirito na forma do dis-
posto nos artigos 3. e 35 do .itado) Dtcreto Elhitoial.
E para que che,,ua io conhecimento de todos sR n'an-
dou affixa:r este ns lugares do costume, e publical-> no
Botltim do Governo.
D.a) nos Paos da Camara Municipal. ana 393 de TI,-
7embro dle s857.. Eu Caetano Pau'o Goines, Emsriio, que
o escrevi, =- Jose -'icn' da Gania.


COr.VI'NflORI.I GE'tAI. I) FiAZAN;D ,.
Para onhlieriment do public, se ariniurr'. que nro
dias , 5 e7 de .aneiro proximo future, ter lniai op-
garmento de um mz de venciaiento a todlas as Cl.i's's i;b-
si iiadas p-lo) Cofre Public o qual se elfceiuarl )esid as
1 hlioras i s 2 da tarde ,dos 'rferidos d;s. MCarn bi-
que 3')'ie I)ezembro de 1857. No imperdimeni(, do Es-
rrivio, da Junla,,U Contador Geral = IAa:-e Malnar da
Fnseca,


)Do .lorial lo Co(: imerrio lfe 22- de Setucibi o tiliino
eltrahimns as seguintes noticias de Portuga!, que alcatnam
"Ce 2I) a 31 dl'Ago to.
Por decreto de 12 do corrente deIrtr~nia-snpe n a Ses para o preenchimento de 22 vagaturas na cainara ilos
deptilaos se verifiquem a 2? do proxim,,o mez lie Setrebrfr.
A questao que m.is atrahe a atlentlci a de ferro. A situao critics do merca'lo de Ln.irus, a im-
nirnsa q'antiflaiee e iuiiera io> expedlilo para a India, a
elevaila rp.lo i ache :lifficilhli'l eum ci ,ler os l,(h () c',nmls ;le 'que carece
antes dea conn pa'r cada kil(iintio die c Entreluanto codnta-se que I.go q',ie se'assigne o a;iO'aRn-
eto dlefinitiv oi novo concessionario iio deixar de cum-
prir as estipulaes a qiue ; olbriga; e sir Morton pra 'ra rea-
lisar alguiisa. milodificaces, de accord com o giv!erno por-
tnguez, para satisfa'er as eclanaces de varios. capitalis-
tP.s que desejo associar.se sua. eii prea.
O conde dle Reus e o duque ,de livugares, que trnirao o
c;min ho d ferro de Cintra e que lena:iniavo tomar a linha
do Porto a Vigo, taiibnem fizeiao propo.ta pa-ia o caniiinio>
de ferro de lI.-te, que Pett( se adjil.icou p'r, isoriamente
:lbalran o L. 50() p.r kil'imTetro, na subvencao, e que na
totalidade da liitaniia dle 320 kilonieri.,s i)portariia para
o E:tado a ecoii(ii:ia 'die ('20 c'neto.s de ris.
A 19 enbarceo os pi ir il)es (de Oiage e iiviner,
que vitiao %i:itar a (al niia iiia po.tugpuea Partirio para
o spl na fragata a v o.r l.fillanfley'a Adnmi/ l 'an G ,senaas.
O principle de Orange estl .pa:a caaiar com a eiicez Alice,
5


I
'C C? ----- ~-r*r-~- ----i-~~--.-
:. ~:~. ..~.. -.~.~-~~-.~ii~ -, '--~ -~-----~ o ~i-i "~~2i;i- ~ ;r;;-il~;Ssr-y--_-i~- I~ix)-~a'~ia~;-~i~ii~----2~l-~--









filha da rainha Vitoria; e corre que o principe. Ruvinei'
pedira a mo de S. A. a infante 1D. Antonia de Portugal.
-Escrevem de Braga: Espera-se aqui de volta o zelo-
.o governador civil D. Rodrigo de Menezes, que descobria
enorme machine de cunhar dinheiro falso, existence nos
auburbios da cidade.
Faz um mez' desde que foiro press os implicados
n'este crime. O process tem anlado com muita activida-
d-, no que merecedor de elogio o juiz de direito Perei-
ra Leite.
u Uma estalajaleira do Porto por nome Jacoba foi aca-
readla com o preso Albino Pederneira,intitulado proprie-
tario e editor do journal Moderado, a qual explicou o eni-
gma da correspondencia que havia entire os complices.
Passados alguns dias foi intimado para ir depr um
criado do preso Domingos Jos da Cunha, o qual confes-
sou ter a.judado a mudar de casa de seu amo para outra
ria rua das Congontas no Porto os caixes em que estavo
diversas peas da machina as quaes foro conduzidas em
im Carro. t
Em consequencia deste depcimento, expedio-se depreca-
ta para a MA;lhada afim de ser alli inquirido um sujeito
que havia sido caixeiro dto referido Cunha. O respective de-
legado foi muito feliz na sua diligencia. O caixeiro decla-
rou no depoimento que logo que soube achar-se sMU aumo
envolvilo na fabricaco de moeda fala, tratra de aban-
donar a sua casa; A devassa j est cuclui la.
E>te processo'interessa no s a Portugal como ao Bra-
zil. Uma .arte das notas-falsas ahi introduzilas prova-
vel que sahissem da officina da freguezia de Aldles, tal-
,ez a principal existence na provincia do Minho
A escola polytechnica, tendo contrahido umiiempres.
timo com o banco de Poitugal para o acabamento dosum-
Stuoso edificio das.aulas, sito na Patriarchal Queimada,
deu um forte impulso s obras. Espera-se que at ao fiml
do anno se ache concluida a magestosa frente dessa cons-
trucao, que ser uma das mais nobres da capital.
O lente de chimia Julio Maxiiimo d'Oliveira Pimentel,
partio para Parii a 14, encarregado d(a compra de machines
para o laboratorio chimico que se vai estabelecer na Povoa
par fabricao de soda e outros products.
O caminho de ferro transportou tourada de Villa Fran-
ca mais de 1.500 pessoas.
A estrala de Cintra esteve cheia de earr'.O.geas, oanibibus,
seges, carros, cavallos e jumentos.
Ramo3 e Silva Mello,'directores dissero aos visitantes daquella, obra que o caminho at
Vendas Novas estaia prompt em Maro de 1858.
Os emolumentos que os arrematantes do contract
do tabaco pagaro ao .thesonro or co por 6:000$ O pro-
curador geral da fazenda Simas queria .que fossem so-
mente divididos pelos funecionarios que assistiro arre-
matac o; porm o ministro da fazenda no annuio a pre-
teno, e determinou que se. distribuissem por todos os
empregados da repartio, except o ministro.
O padrinho do casamento do Sr. D. Pedro V. com a
princeza IIohlnzollrn Signaringe o Rei da Prussia, e a
mnadrinha a Rainha Victoria. Ambas as .augustas ptrsona-
gens tenciono fazer-se representar nessa occasio em Lis-
boa por altos dignatarios Jas respectivas c6rtes.
Foi demittido do lugar de giarda-mir da torre do Tom-
bo JoaquimJos da Costa de Macedo, e o historiador Ale-
xandre Herculano fica habilitado com esta resoluo para
proseguir os seu trabalhos litterarios, at agoia interrom-
pidos por no querer ir aquelle estabelecimento em qpan-
to l estivesse o mencionado Macedo.
Por portaria de 21, expedida pelo'ministerio das obras-
publicas ; se deU rmina que o director geral do institute
agricola faa subir real presena uma exposiao circunii
stanciada' crca do euL.framitno das vihas,-dos re ata-


dos que tenho chegado ao seu conhecimento, bem como
dos meios praticos que se devem seguir para o applicar
vantajosamente.
Falleccu em Cintra o baro de Aerssen, ministry de IHoI
lauda, cujo corpo foi sepulta to no cemiterio los Inslezts.
O Visconde d S da Barrioira, cie fi s CalHas da
Rainha faier uso de aguas theriaes, acaba dte regressar
capital, e tomou outra vez a direco das repaitiies de
guerra e mn inha'.
O minintro do reino Marquez de Lonl, acomparihador
de pessoa:s competentes, foi vi-itar o lazareto .ia Torre
Vefha em frente de Belmi, e promette em breve mandar
comecar os trabalhos para alargar esse edifficio, e dr.r-lle
as propores para servir cabalmente ao fim a que des-
tinado.,
A 18 do corrente celebrou-se um contract com oban-
co de Portugal, em virtude, do, qual este se incunibe ,'e
realisar um emiipresimo de 600:000,~. para estiadas, ao
juro de 6 2ao anno.
O conselheiro Placido, director das obras publicas do
norte, auxiliado pelos mergulhadores da companhia lo
Inglez F!etcher, 'depois de varias experienc ;as em porto
pequeno, resolve ertietuiar eni ponto grande o qteb:;,.-
mento de algumas rochas na foz do Douro por meio da
electiicida le. A 20 de manha atacou-se a large do Abre
por meio de um c:'f:ie com mais de 100 arrateis de p~,''
vera. A exploso fui mornentanea e prompta Pr motive
de forte trovoada que houve naquella occa-.io- no se fez
a, exploso de out:o -cofie com igual poro lde polvcra.
As tentativas continuio, mas no de crer que o result.
do seja muito imnportante.
Houve no Porto assembla geral d cormpanhia los vi"
nhos do Douro, cuja existencia finda, em ~.85. lDe' que continuasse a sua gerencia em virtue dos ,cro.s que
aperar da abolio dos privilegios tem daIo ao,. sacios,
O governor man'rou analvsar as 10 pipa- de supiOsto vi-
nho do Porto entradas no Douro para d'alli'regressarenm
docas de Londres. A failkificain de inhio ou imiitaro te'u
adquirido na Franca vastas propoices, e j foi submnlii-
do o process Academia da, SAiencias, a qual nada achou
prejudicial saunde. ret.-rinou porem que a imintaea se
denomitne Enoide para evitar confuso.
Torna apparecer chuva depois de larea quadra seccsa
Ainda veH beneficiary alguns mdlhs. Terminou a celheitt
dos trigos. Em todos os districts excelente.- Ajtzar do
calor de Julho o estado sanitario da capital prosegue ,x-
celente. Ap( nas algumas cclicas fi.brp's gastricas, proprias
da poca. Os hospitals tmn menos enfeurmos dto que eia
igual mez de outros annos.
O Capito de mar e guerra Tiitro Frartico Gutimna-
raes ficou reconduzido no governor de M.uao por mais 3.
anlnos.
Foi nomeado Governador das Ilhas de Cabo Vpr lo o
capito do estado maior Sebastio Lopes de Calheiros e
Menepes.
Para as Ilhas de S. Thom e Prircope foi,,lespachado eo-
vernador o 1? tenente dla armada Franci-co, Antonio Corra
O Periodico dos Pobres do Porto, em um artigo acerca
do commiercio de vinhos, diz que. apezar de ter dobra !o
e mesmo triplicado o preo do genero em Inglaterra, o
consume nio tem diminudo, antes augii;entou, como se
,v ida seguinte nota:
No 1."Osemestre d 1855 despar-arao-se para consume
do Reino Uiidio 9,840 pipas de 113 gales imperiaes tde
vinhos de Portugal; no de 1856 desplhlrio-se' 10,668
pipas, e no de 1557 o1,867 pips. Em geral o d.spaceo%
para consumo de vinho de todos os paizes au'gmenrtou na
Gra-Bretanha nos primeiios semestres de 1855 e 18lFs
de 4,689 pipas, send naquelle eidi anno de 28,733 pi-
Pis, est e de d 33,422.


--- - -----:









Foro apresentadas na junta do credit public as acces
do caminho de ferro de Leste, que na conformidade do
decreto por inscripes recebidas a 50. O valor das acces de
932:850$, e o das inscripes a receber ser de 1,865:700,
a que corresponde j juro annual de. 55:971/. .
mnarcha do lanco Melcantil dc Porto, dirigido pe-
lo habil financeiro Cornelio Stear, muito lisongeira.
So 1. dle Setembro reune-se a asseinbla geral, e consta
que a direco prope um divi'leado de i% por aco.
Consi.leran'lo que as prestaes so de 2a, e que entra-
ram com espao de 3 mezes de uma outra, result que
po.ividenilo na razo de 7 ao anto ; isto no comeo,
quando sempre so consideraveis as despezas.
Por outro la lo, ainda fico alguns contos de ris em re-
serva. As acces tem si lo muito procuradas, e as poucas
que appareeem vendem-se com 25 de premio.
As do Banco commercial do Porto vende:ii-se com 47"
de premi,, e no so menos procu, alas.
Em Braga, em Vianra Barctllos e Villa Nova de Famalico
ohserva-se o seguinte: A illunina9 a gaz, a iuuidaao de,
n Ivos hoteis, a edeficaco de theatres, de casas, abertura,
de jardins, propagao commercio e amiizale muitiplico como por eincntu, gra-
as s estradas Mac-Adamn. O que ser quauii t:o a rica
fertil provincia flo cortada por cainahos de ferro? No
Stcmneri.lade supprque a populao ein breve dujicaa.
Ihontem foi assignado pelo miniirti das ouras publdicas
e por sir Morton Petto o contrato definitive para o ca-
minho de ferro de Lisboa ao Po:to, o concessionaiio partio
para Londries a buscar material e operarios.
'Comecou a armar o brigade de guerra Pedro Nunes, de que
Coinaiandante S. A. o Ipfante D. Luiz.
Os 5 deputados migueli tas que nao quizeriojurar, e foro
postos fra da camera, agora publico novo iiiaaulesto, repu.
fndo-( e ainda eleitos do povo. e cou -jus a appreseiita
rem-se no seio da represeniaco nacional.
O Conde de Lavradio toi encarregado de concluir a ne--
gociao relative ao casamento do Sr. D. teuro V, e es-
Se fitalgo encarregado de conrduzir- a niva a Portugal no
Smez de Maro'do seguinte anno.
' S. M. o Sr. D. Pedio V veio a Lisboa presidir ocon-
selho d'estado em que se tratou do* contraito.tleiiiunoio para
a via fer-rea do Porto, decidindo-se aceitar a modulicaaau
proposta por sir Morton Petto para que a linha terrine.
na margem esquerda do Douro em frente de Villa Nova.
Para que a via feiorea atravessasse o Douro n'uuia ponte
seria mister levar o caminho quasi at hegoa, e a uespe-
2a seria inuito iais consideravel.
Depois de assignado o contrato, o ministry das obras
publicas' apresentou a El-Rei sir loi ton Petto, e S. M. aco-
lheu este industrial coma maior distinco e allbhelidaUte.
O concesionaiio obrigado a former companhia seis nme
zes depois daassignatura do contrato. Entretanto as obras
da linha -na direco de Santarem pirogridiii por cCuta
do governor, que depois liquidar com o empresario as
despezas! effectuadas.
Sir Morton disse que se acharia de volta o mais taruar
at 'ao mez d'Ou0ubro.
Apenas o banco de Portugal annunciou praa o em.
prestimo de 600:000g de que o governor taitce para es-
tradas, correrao os subscriptores a tomar todas as series
desse adiantamento, havindo empenhos para obter aduis-
sano nesse negocio. Eis a i,rova de que. se conta com o pre
dominio da tranquillidade que ha seis annos desfrutai.os, e
que cmnmta a dar aos capitalistas o ardor de especulau,
.que havio perdido.
A feira da agonia em Vianna do Minho.tem alli attrahido
imnmeisa gente di provincia do Minho. As hospeaali*aa-
quella cidade regorgitio de viandantes, e.o pietu u< .l~u,.


M I4lMiQlB: --, En 4 i MIIII

tiveis resentio-se"de tanta affluencia.
A 24 comou em Vizeu a feira de S Baolholomine., cm
que os ourives e os-vendedores de pannos de li.ho e de lIa
tem feito bom negocio.
a festa do Senhor Jesus da Serra, na villa de Bellas, le-
vou alli honitem unia consideiavel poro de gente de Lisboa

Do mesmo journal copiamos um artigo, relative neces.
sidade da renovaio ds plantas de. canna de assuc.r em
alguns pontos das Pri:vintas do bul do imperio do Bra1il,
onde tem sido ameaado de complete destruimo. pelo ,p-,
parecimento de uma enfermidade, a canna conhecida pdl
-nume de cayanna.
Eis o que contem c artigo;
R n, ba:ia, das plants da Canna de assucar.
O Sr. Herman Hcrbst, commission lo peh, go crno ;im
perial, auaba de partir para a ilha de Bourbmon ou ia I Iu*
nio, afim de trazer para o Brasil novas especits de cania
que renovem a nossa cultural.
E' sabido que ha muito tempo a canna branch do Ota-
hiti, conhecida vulgormente com o nome comeou a degenerar tanto em deseivolvimnto corro em
producao de assucar; e que ultimamenete 'm ,aris pon.
tos de certas provincias do Sul, est.a Pspecie est arreaa.
da da complete destruio pelo a|lareciiicnlo de unia ei-
fermidade que parete achar-se no seu ultimo e mais fatal
period.
O governor imperial, instado pela soiiedade Auxiliadora da
In-lustria Nacional, no podia deixar de acu sir protnit- .
mente a jm mal que, a no se lhe applicar um remed heroico, anniquilaria em breve tempo uma das principal .
indutrias do paiz.
Aproveitando a occasio, devem vir com as plants de cai:-
na. mudas e sementes de grande nunero de vegt takes "uteis
da Asia e da Africa, adimados em Bourbon, graas el s
situao dessa ilha entire os dous continents.
O ca' de Bourbon o segundo na estima dos Europeos,
depois do de Mokai. Alm da canna e do caf, o agent tem
ie trazer mudas e sem"ntes de arvores e de arbubtos i u.-
ti:eros, raizes, tuberculos, bulbos, etc., deveno, es'iuar a
cultural dresses diversos vegetars, e especialmiite, a cultural
da canna e a fabricao do asiucar.
No seu regresso, o navio que trouxer essas riquezas ve,
getaes deve tocar em Pernambuco e Una Bahia, deixar
niaquellas provncias parte da sua carga.

iOSrfITAL M IL, fIR.
Movimti. dos dErntes de< 23. Dezemb o 1,57 ,i ,do c~rr.*





., '" S '
I)DJENTES. C
'0


1 7 1 r 1 Si

"tll 9 3 47



N. B. As molestias de que vierl>' a f,Ilcer for,.: e febre ileiueciw,

terino, tooI.qim I'rancico col ao.
l-- alle --j..n l | | ^.
termno, == .loaqimii I"ranci*co

t







ANNO-1858.

'Este Boletim semanal serd publicado todos os Sanbads,
Sou no dia antecedente quando aquelle seja feriado: assgna-
Se para o mesmo Boletim, em Moambique no Estaieleriemen-
t.o da Imprensa Nacional, e nos Districtos da Provincia, nas
Secretarias dos Governos e Commandos de Fillas 'as assi -
Sgtaturaa so sa mpre pagas adiantadas, '


NUIk E lO 2.

Preo d'assignaura, pIr anno.............. r. 2 8n
Por seis mezes .,. ............ .- ...... o 1 o500
for trez mezh's ...................... :...' ",~ioo
Por faha.avulsa.................. ........., n0a
Preo dos anMnuncios, por linha .............. A 040
Correspondenciar d'iitrese particular, 1 dem. ~ 030


DO GOVERNOR GERAL DA PROVINCE IC DE MOABIuiZQUE.'


SSA rIAL DO. 09 J Ar i L.


SPA TiEl OFIf IAIA

-O Gnvernador ao Districto de Cabo Delgado, participa
o seguinte *
Novembro de 1857 Em officio de 22, que no dia 21
do g7esmo mez se havia dado comeo aos Barracass que
deviao servir provisoriamente para- abrigar os colonos'e a
tropa, que igualminte se principira. a abrir'a estrada
da praia para o acampamento; e que tendo-se posto em
march ao r tmper do dia, com a fora military, e parte do's
colonos para o"cita-lo acampamento em que se pertende
estabelecer a povoaio, alli havio chega lo uma hora depois.
Em o'icio de 2~, rtcmCtte as copies da correspondeBcia,
que tem tido com o Regulo Mugabo. e pela mesma cor-
iespondencia' e con'lhee as boas rlaCes d'arrisade, qu-
com elle se acham contr.ahidas e com os ,demais Reglos,
que sto subordinados'ao.refreido Mugabo:
Em Oilicio de 26, d conta das providencias, q:e tomiou'
eerca de dois -Navios franceze.. que lhe constoi ahatenm-
se fundedos nio Rio Majnpa ao Norte d'Aniza, ao3 quaes
mandou intimar se fizessem devla, por constar, que per-,
tendio proceder ao' ehngjamenio de trabalhadores, o. que
assim s verificou, e eTfectivamente sbhiram 'do ancoradoi-
ro citado.
Dezembro {817 Em oficio de 1 rei'nette a Copia do
termo que mandra lavrar no dia 11 do mesmo mezIpor
occas'!o da ben@o -do terreno, que tinha' sido escolihdo
para servir de cemiterio. -
Em ofTicio de 2., queen g eslavao comptando as madei-
ras necessarias, tanto para a onstruCio da nova residen-
ciao como da Capella; que ambas ficavao com a frente vao!-
tada para o largo da Povoao, e que tia data: deste'officio
se dava co'mno 1." cum as seguirntes dimeniStes de fren-
te 60 ps. c de largura 30. Na. tesma -data remette a
Copia da Circular, que dirigjo s aactoridades do lho,
afim de ser estabelecida uma linha de correio,', que copm-
muniquem por terra com a vila do Ibo, passando Ilu-
antie, Arimba, e Quissanga, para que o correio prta
de Pemba todas as 4."' feiras com a correspoindencia, e to-
doos os sabbados:um outro do !bo para Petmbia.
Em ofiicio de 2',: remette a Copia da declaraio feita
pelo Capito do Brigue Francez = L. Alexandre = a que
sP referee d Portaria deste Governo Geral de 24 Novem-
bro, e que tinha hido' do. Cmoro :quelle Porto afim de
engajar trabaladores.
Em oficio de 27, que tendo-lhe sido commm'nicado'p'!o
Regulo Mugabo, que o,Arabe Aly Buna-Sayd, havia prati-
cado o' roubo constant da copia da ordem quie expedira


.para a sua capture, e que abaixo se transrreve, o man-
dava preso por essa razao para esta Capital, -acescentando",
que aquelle Arabe n'i queria obedecer s aiioridades e
que se tornava prejiJicial a sua residencia ia' Xanga,, li-
gar situadl ao Sul da Bahia..de Pemria, 'onde ~'t 'seun-
do itifoimaces obtidas dos Regufos. Mug bo e Mhitica, coi-
mettido today' ua sp'cie de crimes.
Copia da orIemn que. fica mencionada ~Tii"' Sr.'=>
Sirva-se V. Sr.' nomear 1 sargento 'e lI,soldados, prom-
ptos de tudd para irem seni perda de tempo .Xanga em di-
ligencia abordoo o Cuter Maria Jose =, afim de "reni
deremin e Cindusirerr '-ara este Navio, umi Arabe por nome
Aly.B ana Sayd, que segundo a participuno do Regulo
ui: i.1, roubou i Lancha 'ortiugue.a =Ulabo = e fe~
iog a' rua tripulao. =-Deus Guarde a V. Sr ao do
da E n deguel a = Angir = su'rtao na Bahia te Pem-
ba 18'de On:zmnbro de: 1857.= I ll"" Sr: Comrna'ri'dnare
intelino ila Colonia de Dezemb.ro.'= st conforme. lor-
do da Esce!;a uerra = Anra =, surta na Bahia de Pemba
;2 d'c)ezembro. de 1857. = fiomero..
S Remette igualieite por esta occasito. a oopi "da patr
ticipai~o da (tiligencia e. capture do Arabe .itado, ,em que
o Coimmanantu da mesma diligencia, faz saber a coadjuu-
vao, que recebera de 120"homeris' atmads perteince'te 4
ao Riegulo Mugabo, conseguindo-assim lovar a effeito mais
facilm.nte a sua. commissao.
Janiro 1858 --- Em Oi:iio datado de 3 --,envia, is act-
as e demais papois Originaes das Eleis,que e ve rifia-
:ram no dia 27 de Dezemjbro do anio proxiim find na Vil-
la do 'hi, e' do resultailo.das mesmv ase conlere que fica-
ranm ronstituindo a drota Camara MuiniipM, que j tomou
poQse, Jose Victori.o Alexandre de BriJt, Constantino An-
tonioi Resende. Luiz Jos Pinto, Manoel da Campia Slin-
dro e Antnio Franco Carrilho.
'Qu forec t eleitos- Juiz ordinrio. queT ji tomou p~Fss,
Franciso Feleciano Dias, 1. substitute' Joo Carlos Pinto
e 2." Vircene Africano Dias.
'Juiz Eleito, Joao Carlos Pinto, 1.0 suhstituto Jose'1Tfaria
Dias, e 2. Antonio .Franco Carrilho. -,
Juiz de daz, Joo Affonso d'Athayd, f. substitute Fran-
cisco Feliciand. Dias', e 2.".Joao.Carlos Pinto.
Em officios da mesnia data comimhnicn, que o-Distriefo
'se acha em perfeito' srcego, envia os ihaippas do monvi-
mento dos'doentes dos quaes se publia. o resume dodo ultimo,
C. OLONIA D PE1ftBA.,.
i Resumo do mappa do ,moviento d, is doentes e,
tratamento no dia 2 de Janeiro 1fS58.
litae. i,. i. . . . . . i ..' 4












Transport 4
Slonos Homens.... ......... ..... .. .
SMulheres .. ........ ..... .. 3
Arabes....... .................. .. .' 2

Sonimn. ........: 13


D'estes, 6 so de febre, e os restantes de feridas.

Pela correspondencia official. recebida do Governaror do
'Pistrieto de Loureno Marques, e condusida pelo Brigue
Portuguez= Clara =, que fundeou no Porto. de Moam-
bique em 3 do corrente mez, consta o seguinte:
01iino n.071 de 27 Novembro, remette o registo dos
Escravos e Libertos do estado, montando os 1.03 ao nume-
ro de 1I. P os 2.`' ao de 1i : envia tambem a quantia
de 2 ~137 r.' da dotao- da Junta Protectora dos Escra-
vos e Libertos proveniente do referido registo, tendo esta
somma j sido entregue mesma Junta.
Officio n." 72 de 28 Novembro, participa o fallecimento
no dia 12 d'(ste mesmo nrez de Remedio Caetano Dias,
que alli se achava funccionando como Escrivo da Delega-
-_0 e d Alfanlega.
Officio n.o 75 de 16 de Dezembro, dando part do apri-
sionanento do. Cuter inglez =Herald =, que ,em' licen-
a 'las aurtoridades locaes andava negociando, pela Costa
sujoita ao, dominio Portuguez. Os documents que acom-
panharam este officio, foram logo remettidjs ao Ministerio
fiuhlico, para promoter em Juizo, os trainrtes legaes do
respective process e o seu j'ulgamento.

Contina a Sinopse dos Officios expedidos pela Seco Militar da
Secretaria do Governo Geral da Provincia de Mocambique
no mezd'Outlubrode 1857. .


Dias
do
Mei


A quem
dirigidos


OBJECTS


15 Ao Coinman- Mandando que respondZo a conselho d'investieaio
dante do Ba- o Capilio 'Cruz Almeida e o Alferes Ascenso, e nome-
talhio ando os vogaes para o-mesmo conselho.
*" Ao Major Tri- Enviando a ordem pela equal nomeado Prezidente
xira Pires do con.elho d'investigao mencionado no officio an-
lecedente.
Ao CommRui- Remeltendo os mappas do resultado da Junta para
dante do Ba- preenchimento do que determino as ordens, a talres-
talhao pei o.
16 Idemi Ordenando que seja conferida escuza do servio, por
preferir esse destino ao de passar companhia de vetera-
nos. ao soldado n.O 90 da companhia provizoria, que
foi juliado incapaz pela Junta Militar de saude.
I.dem riEnviando o attestado de liraa pedido pelo cabo de
esquadlra Diogo ('atano Balthazar.
Ao Phatrma- Para qe infirme cerca dos inedicamentos'qiepo--
ceuticodo loa' demi ser mandados para a villa de Tete.
pital Militar
A, coniman- Recomendando, que se proceda ao ajustamento das
_dante do Ba- contas das'praas, que tinho ja desde muito tempo si-
talho do mandadas para Tete e ordenando que lhe fossem en-
viadoa os saldos.
Idenr Enviando a, guia dos assentos referida ao cabo Ma-
noel Riodricune.
r Idem Idem do Alfres Fernando Alves.
S, Idem Ordenando, que as reuna um conselho d'investiga-
.o para tomar conhecimenlo da fulia de 2 gals que
estavo em servio no Hospital Militar.
1. Ao Governa- Declarando, nue'ser attendido em tempo competen-
dor de Lo- te o requerimento lo Tnente Mie(nl Jose da Silva,
reno'Marques em que pedia regressar a esta capital.
O. Idem Comminicando, rie na primeira occasilao opportuna.
que se offerecer, se.', mandados os ped:eiros que re-
quesita para o concerto da pra:a,;e quarteis.
0 Idem Enviando as copias das instruc8es, quetinhio sido
pidlidas nara serem transcripts no comeo dos livros
destiniades para livros mestres.
IdeM* Dando conhecimento que fora maidado servir para


A4 quem
diri9idos


* Idem

n Idem

n Ideia



" Idem



19 Ao Com
dante do
taliiao


1 Idem

o Idem




Ao Tir
intr.0 d,
pital Mi
Ao Com
dante do
talho
Circular


w Ao Govei
de Queli


r Idem



R Idem

20 Ao Com
dante da
a de S.
tio
e Ao G.v
dor de S

Idem


20 Idem


Idem



21 Ideia

Ao Com
dante (la
tadeS.
tiao

SAo Ca
servindo
editor
23 Ao Com
dante d.
talhlio



Idea


OBJECTS


aniiell prezidio um official em atleno . sa soli-
sitaRo.
(ildenando. que s- confira -scuzado servio por -a
sim a haver requerid,,, ao soldad, Luiz Xavier.
Indeferindo a solicitaqlie que fazia de ser julgad
p,,r um conselho de guerra.
Communicando. que bii, responder a conselho do
guerra o Capilil Cruz Almeida e o Alferes Ascene
servindo de baze ao mesmo os docuhmntos que havia
enviado em officios de 1 e 19 de Fevereiro.
Accusando a recepo do conselho de dliciplin fli
to ao deserlor Joaquim Machola de diversosoftiir:'s o
demais papcis que havia enviado para a Secretaria do
Governo Geral. -.
uman- Mandando conferir ruia de passaem companhia
SBa- de veterans por haverem sido julgados incapazes do ser.
vio pela Junta Militarde saude. ao sargerito ajud:in-
te Rodrico Vaz Rodrigees e ao soldado da 3.a compa.
chia Manoel dos Santos.
Remettendo a relao nominal de 11 praas com o
resultado dos requerimentos que tinhlo f.ilo.
Mandando castigar com priso o enfermeiro mdr do
Hospital Militar e o cabo d'esquadra da companiia-
provizoria Jose Maria Barboza, por se haver prova.
do em conselho, terem sido' os culpados un fuga dos
dous cals, que se achavio empregados como serventeo
no Hospital.
pctor Communi-ando a determinaio, que fica exarada
Hos- Io oflicio antecedente.
ilitar
man- Mandando assentar praa adous negros que se aclih
Ba- vo empregados no Arsenal.

A todos os Governadores dos districts e demais au.
ctoridades militaries cerca das informaes semestres
dos oficiaes.
rnador Ordenandn qne sejao rem t ias com a possivel hre*
mane vidade- as guias dos vencimentos relativas-ao soiladi
n.O 35 da companhia provizoria e cabo n.O51 da coi.
paubia de veterans.
Determinando, que seja mandada conferir esrtiz do
servio, conforme requereo ao 1.0 ,sargento da compa-
nhia auxiliar J se Auuesto ravares, apenas concluir
o tempo, porque se obrigou a serrir n'esta Provincia.
Enviando a guia dos asse.ntos do Alferes Fernanldo
Alves.
man- 'Mandando encaixotar 15 arn amentos e coryeamee
Pra- completos para serem enviados para Sufala.
Sebas

erna- Concedendo licena para vir a esta capital afim de
ofala powder tratar da sua saude ao 1.0 sargento JuoA Bapa
tista Loureiro.
Communicando, que fii mandada coiferir guia do
passaeem para hirem servir na. co.mpanhia d'aquelle
districto a 1 olfcial e 10 praas.
Approvando o haver dado o commando da praa e
da companhia do district ao Alferes Cotta, por ef.
feito do fallecimento do Alferes Neves.
Ordenando que made -apresentar n'esta capitqI
soldado que tinha recolhido e de sero, acompanha.
do d" competent conselho e ntteslado de praa para
ser julzado em conselho de guerra.
Participando que se remetter, 15 armamentos e cor.
reams completes e 2000 cartuxos .embalados.
iman- Determinando, que sejao mandadas para hordo:do
Pra- Hiate=-19 de Maio=.,, duas peas de calibre 3"
Sebas pertencentes a Ecuina= Annra =, com as pa.amen.,
tas competentes e uns poucos de caixotes com a mar-
ca 1. Moambique Peinba.
pi tfo Enviando o respective conselho de discipline e at-
d'Au testado de praa d'um soldado para responder a cona
selho de 'ilerra pelo crime de desero.
iman- Mandando embarcar o destacamento nomeado para
SB.i- a'Bahia de PIemba no Hiate= l9 de Maio=, to-.
nmando o coinmantdoo mesmo destacamento o Alferes
Joai Gunl:erme de B-ito, e orden-inaio. que o. dito
destacamento leve unia reserve de polvora de 1:000
artuxos embalados.
S Determinando, que se proceda ao encerrame'to de'
contas de vestnariois praas do Batalhio at o dia 31
de Dezembro do corrente anno, oliservando para esse
Om o que dispoem as instrueaes amiexas a ordem do'
Exercito n.O 54 de 31 de Dezembro de 1855, e que
desde o dia 1.0 de Janeiro do anno de 1858 em dian-
te seja posto em execiieo o. Novo Regulamento de P
ceada Militar do Exercito de Portugal;


::. i8

1 I ; r i --- - _~--- --=










A
I li
Idrm


23 ~4o lI


_ __~


jtal Miii lar

a l'de


Determiuando< que seja concedida licena registada
a duas praas que a requererio.
Confirmafdo o parecer da: Junta Militar de Saula,
que arbitrou 20 dias de licena ao Alfercs fi smelli.
( Contina. )


CONTADORIA GERAL DA FAZENDA.
)e ordem dla Junta de Fazenda: se, public, que nos dias
9, 1I, e 20 do corrente se hade vender em hasta public
prrante a mesma lJunta a (luem mais der,'a Escuna = 4.
dl'Abril=-, ava!iada em 10(0p000 r. *.Contadoria Gr'il
da Junta dre Fazenda 1 de .Janeiro de I85. ,Nu impedi.
mento. do Escrivo d(a Junta de Fazenda. O Cointador Ge-
ral,= Duarte Manorl da Fonseca,



Caoutchouc-Gomma elas!ica-Indian ruber..
A existencia do caoutchouc foi revelada 'Europa pelo
celebre la' Condamine. Os primeiros ,ensaios irdustries
tentados sobre esta material datam apenas de uns 50 annos,
e foram to pouco felizes que lia talvez 30 annos,- quasi
que s fra empregada para apagar,olapis do papel, e co-
-mo object de coriosidade.
Depois disso o trabalho do caout'chltc tem tido :um de-
senvolvimento. extraordinario. As suas applicaes long
de se term esgotado so hoje quasi enumeraveis. E' em
milhes que se avalia, o valor dos prqductos que lhe
devein a existencia .
SMuitas species d arvores d 'America meridional, da
Asia, e da Africa fornecem o cuaotchouc em vm sicco lei-.
toso, que escorre quando se lhe faz uma inciso bastante
profunda e at mesmo logo debaixo da casca..O liquid
recebido sobre frmas endurece ao contact do ar, ou do
calor, e enviado para a Europa em borrachas, ou em
massas compacts mais consideraveis do pezo de 120 a 200
arrateis. Pode-se tambem mantel-o liquid resguarlando-o
do ar, e transportando-o por consequencia em vasilhas fe-
chaldas. At htje o caoutchouc .solido o que tem sido em-
pregado na industrial, e smente se tem feito uso delle em
estado liquid para algumas experinccias. As qualidades.
desta material, o seu estado de pureza, e por consequencia
o sPu valor noI estado: bruto, ;variam consi leravlmente.
O Caoutllouc branco do Par, fornecido pelas florestas
do Brasil o mais estimado. Java, a Conchinchina, ea-'
maio parte dos outios paizcs donde se.extre nao o produ-
zem seno de c6res mais ou menos escuras. A sua iimssa
no im;ente porosa, mas apresenta numerosos vasios ap.
parenrtes Ete , mnais difficil de trabalha, e let ni' maior
quebra que -o caoutlchuc branch e denso, que . o unico
piroprio para,:ser :tratisformado directamente em fios re-"
elondos. Com a' material parda s se podem fazer encera-
dos, ., fios qad, riTqi destinados a serem cobertos.
O caoutckouc, ougomma. elasica.i iim principio, inmieda.
to neutro que se encontra, cortio diseinos, emi miitas plan-
tas particularmente na syphioni? cauck ou' heta guiantn.
ars na jatrphoph elastica, na .casille djae 'isc e nia cecrupia per-.
'lrta; elc. -


_.. ~_ Cl .- <


qnemn OBJECTS
rgidos
Que made , :as do Batilliu, indicando as meios quii tem a segui i
parn o cimprimenio d'esta dtermiiniio.
Plvolvenilt as patents d .vidmente regisladas dos
.Alf'res, Castro, Seixas. Gonsalves, e Cabral.
Ordenai Ilo, que made entregar s praas empre:ia-
das no Iospital o seu pret, p(:r isso que nio evenen
ser distrahidas do servio d'aquelle esiabeireiienrto.
)irertor Delerminando que continii no exercicio d'Am'anuuse
do THos da Botica, a praa que alli se acha empregada cono tal.


O caoulchouc em borrachas ornadas de desenhos on lafro.
res geralmente de c&r escura. Para o colher desta frma
forman-se moldes de tera e depois de tir applicado uma
camada de succo sobre o molde seco, faz-se secar elta ex-
pordo-a ao sol, ou ao fego, cujo fumo ennpgrece.o oaoutchc/tc;
applica-se depois segunda camada de sueco, terceira, 'eas-
simn por diante, fazendo-as secar do mesmo modo que a
primeira. Quando o caoutchouc temi sufticiente grossura,
lana-se na agua para amollecer. o barro, que se; faz sair
pela aoertura superior.
O caoutchouc assim obtido tem a c6r negri por efMito
do futmo, e contem alem disso todas as mtateriss estranhas
contidas no sueco. Tamnbem se formam chapas espessas, o0
cylindros de cr branch, amarella, ou pnrda.
SubmnetIido acco do calor o .cnoulcoct findc-se um
pouco acima de t20,_espalhando um cheiro forte, e par.
ticular, e converte-se, em uma massa- viscosa d'umi pardo
eseuro, quese mantem neste estado depois do r; fr'ini.nto
durante anno.s intiros. Aquecido em uma tem perni.tua suin'i
cientemente elevada ao contact' do ir.,-o *.a,'/,-ouespa.
lla uni cheiro forte, e inflama-se e arde depois.cou'uma
chama clara e fuliginosa.
Damos estas breves notlci s ,obre este rroriucto ve~:geal
por que. tem es boas rases para areditar, que se pnrontra
nas inattas desta Provincia, e por que nos parCe qnue
vale pena explorar este.novo ramo de expovtai o. A ns
pertence-nos chamar 'a attenco dos habitantes deta Pro-
vincia .sobre estes objects; e outros analogos, a elles per-
tence aproveitar estas indicaes, e explorari as riquetg
que lhes fferece este rico e vasto solo. Ns ccumprim's o
nosso ever, queiram elles fazei, o seu, no interesse pro-
prio, e no-desta terra. .

A Gutla prciha
Esta preii;sa substancia, que a inrdistia ' .' !'ojo a
milhares d(e n; s apenas conliecida a ha i n i: :;ia de an.
nos. Originar i da oceania, e impoirta.a primper.l em In-
glaterra; torriiu se j object de um coiimercio iiniportant..
Quando *a. ,uita-percha absolutamente pura,, branch,
semi-ntaneisarente ; a do commnrcio de cl r parla clara,
dao-lhe a farina de chapas de pouca espessura, que offe-
rcemn a alpparencia de tim couir.grosso. A vIlin-a.ercla
eastica mas muito menos que o taoutchouc; mais'dura
que este pelo menos na temperature ordinaria.; Quando
se aquece na~temperatura de agua. a ferver, torna-se-conm-
pletamente molle, amolda-se beni, e solda-se uma a outfa
com a maior facilidade.
Pode-se mistiaUr emn quente com o caot: conm; "nma
part degutta-percJh mi.tu rad'l intimamente com l:<'s por-
tes de aotclhouic e volcanisadi, isto , impr'gnada de mma
certa qua.ntidade de eixofre, fUrna umia material mais dura,
e mens elastic 1que o caoutchacc, emiientemenue proprii
a certos usos especiaes.,
A gutra-per:i. 'mais leve ique a agua; e riao se disiol,
ve, nem neste liqnido, neim no alcohol.
%'E uma arvore do genero isonandra familiara das sapotea-
das )cujo suiecC forrneee a guita-pericha. Esta arvore chega a
grandes' dimienses ec:resce espontaneamente nas imiLrenas
florestas da peninsula de Mtalaca e priniiipalmentth ei Sin-
gapura. Para extra1ii:a gsuta-picrch, derrubami a arvore,
levantam o tronhc, sobre o qual fazem, de distancia Cie
'distancia, incisoes pelas quaes escorre um suco leitoso qPue
colhem et "folhas de bananeira: Uria arvore e dtm an-ho
ordinario' 'podd dar umias 30 a '40 carnadas decst sueco,
quese deixa evaporar livreinente ao a r.
SO redsidu, desta evapciraeio enviao ra a Enaroa . a-
gutla-per/ehi em bruto,; mistirada cri n 1-i '1: de fCllias
ou .raamos; inalterins trrosas, ...
Antes de a emipregar indispensavel purifical-a, por meia
de unm -rccee,,o, que cro relaart mcs aqui.






?10.


-Fabricamn-se le gutta.percha vasos de todas as quli:la-
des, propr'ios para qnaesquer liquids, que no tema fragi-
lid:ale dos vasos de loua, ou porcelana.
A gutta-percha convey perfeitamente para moldar, por
presso e a quente, medalhas, ou baixos relevos, etc, que
se reproduzem pela galvanoplastica.
A gula percha serve para a preparao do calado in
permeavel, para difelrentes instruments de cirurgia &
Mas a applicao mais notavel desta curiosa substancia,
o uso que s" faz ,ella para cobrir os ,fios metalicos dos
telegraphos eletricos subinaririos. % t
Os cabos dos telegraphos sub-marinos so formados de
muitos fios. O estabelecinmento destes .telegi-aphos teria
apresentalo difticiillades talves invencveis se se no co-
nhece-se a outta-percha.,
Os fios cobertos co:n gutta-percha convem muito bem
telegranhia terrestre: em lugar (le os sustentar por meio
de postes isolantes com, se faz aos fios ordinarios, en.-
terram-se no cho, por que o involucro degutta-percha os
isola completamente. .
Os tubos de gutta-percha so de uso frequent nos la-
boratorios de phvsica e chimica. Em Inglaterra muitos fa-
sendeiros se serve delles para espalhar sobre as sua,
terras os a lubos liquid.os. Os tubos de g-utta-percha apre
sentam sobre os tubos ou mangas de couro, ou de tecido
impermeavel esta grande vantagem, que a material prima
conserve, sempre p seu valor qua.i lo os tubos se inutiiisamn,
em, quanto que os pe-aos de couro, ou de tecido no tem
quasi valor algum.
Se como nos consta'e muito provavel que esta sub tan-
cia exista nesta. Provincia, e seja at ,conhecia e apro'-
veitala pelo- negros, que della fazem vasilhas e alguns
outros objects de ornato,-e em vista do gran le consum-
mnri que esta substancia tem na Europa, poderiam os
habitantes da Provncia manlar colhel-a e juntal-a para
Ifzer della objecto de exlorta, porque acharo sempre
prec, que convi le. '
Nds, pe limos aos proprietarios que tiverem conheci-
mento lestes, e de outros products pouco conhecidos,
que remettam ao -Governo Geral da Provincia as amos-
tras para seremti envialas ao Conselho Ultramarino afim
de as fazer estular, e analyvar para conhecer da sua uti-
lidade, e applicac na in lustria ; devern I takes remessas
ser acompanharIas com to los os esclareciineutos que se
po sam obltr, tatto em relaco ao mo 1) por que pro-
du7iila a substancia. e colhida; como em relao a sua
abundancia, logaxes de pro luco. meios de a obter, &.
Advertinlo que nestes esclarecimentoz nunca se pecca por
excess, antes sim s pode peccar por defficiencia.

SMOfIMENTO DO, PORTO

de 26 de ezembro 18.5j7 a 8 do corrente

EIIMBARCACEs ENTRADAS.
'No dia 27 de Dezmbro-B rigue Francez= Fetiche
de 178 toneladlas,'Capito Martins, da Costa da Mina em
113 dias, em lastro, com 13 pessoas de tripulao..
SNo dia 30 Barca Americana =Siormking= de 371
toneladlas, Capito Charles Millett, de Zanzibar em 10 dias
con marfim. caf, cravo, goinma capal e outros generous para
a America, I bora de fogo, 14 pesseas de tripulao e A1
senhora com 1 filha menor passageiros tamibem para a
America.
No dia 3- Barca fimbhurgueza -Norma =, de 300
toneladas, Capito I A Hoies, de Zaniibar em 5 dias com
cauril, 2 bocas pe'figo e 12 pessoas de tripulaca'
Brigue Pbrtugiuez =- Clara ==, de 194 toneladas,
Capito Jose Antonio d!Oliveira, de Lisboa pelo Rio de Ja-


neiro e Loureno Marques, d'cste ultimo port em 13 dias
com agordente, 1 boca de figo e 17 pessoas de, tripulaa
3 officios e I livro para a Secretarim'Geral do Governo, 1 ou-
tro officio para Alfan legal, dmffrentes cartas para o correio
5 massos de .lwonaes do comumercio, e 5, passageiros, que so
o Capito e 4 marinheiros do Caiter Inglez = HIerald -,
aprezado em L,,ureno Marques.
No dia 5 Pangaio trabe =4 Ary Passa = de 30 tonela-
das, Mestre He r de Zanzibar, arribado em 8 lias, com a car-
ga que levria d'este Porto em 23 de Setembro ulti-nq, 2 bo-
cas de togo e 1 4 pessoas de tripulao.
-' Cuter Portuguez = Maria ose -=, Capito Joso
Evaristo, do Ibo por Peinba em 2 dias, com urzela, cauril, e
gergelim, 14 pessoas de tripulao, e prezo I Arabe, officio e
mala para o Governo, 2,:para o Director da Alfandega, diffl.
rentes cartas para o corrcio e I mala para Lishoa.
EMnARCGAES SAIUrDs.
No di- 2(i de Dezembro Pangaio Nacional Fortuna
d'Af'ria =, Queiimane com differences generos do paiz. e algoldo, 1
boca de fogo, 2; pessoas de tripulao, correio e various
.ffi -ios, e 4 passageiros. o negociante Francisco Maria de
Azevedo, o Reverendo Pad're Gabriel da Costa, o Patrao
Mir da Barra de Qudlimane, e Caetano Piedade d'limei*
da para se empregar no commercio, e 6 pretos creados das
1."o 3 passageiros.
io dia '30 Barca Hamburgueza = Trio =, de 500 toa
nel.ilas, Capito f Lubb, pari Zaitzibar com algumas mer-
cadorias, 25,'000 pezos, Fergelim e arroz, 2 bucas de fo-
go, e 16 pesioas de tripulaco.
No dia 1.0 de Janeiro Barca Americana Stormking
=, de 371 toneladas, Capito Charles Millett, para Ame--
rica com os mesmos generous que trouxe de Zawizibar o
mais 420 arrobas de marfim, 1 boca de fogo, e'a mes.
ma tripulao e passageiros.
No dia 2 Barca Franceza = Continguiba= de 133 to-
neladas, Capito Ronaza, para NMarselha com differences ge-
neros.do paiz e couros de boi, 11 pessoas de tripulao e 1
officio do Governo.
No dia 5-Barca Hambhirguea= Norma=, de 300
tonelaras, Capito .1. A Hoirs, para Palma. fcor a mesma
carga, bocas de fogo e tripulaco com que entrra.
Pangaio Arabe =. acemine =, de 50 trnelarlds,
Mestre Selemane. para S. Louireno com algumas fazendas
de lei. 2 bocas de fog e 2N pessoas de tri'pulao.
Capitaqia do Porto de Moambhique 8 de Janeiro de
1858.-=- Mi iouel Au uso ida.'ilva Cordeiro, Alferes do Exe>-
cito, servindo de Capito do Porto.-

HOSPITAL MILI[I'Al.


(7oiet08do dwmnIrs


DOENTES.


EKxirAran

'iaram


de a 8 do cor, e




40 3


37 1 < 1 1 38
,17 3 1 3 a
127* 111 1 34


Fallcrerain 1 l I
Piram 'xisitindo 49 2, 79
A, B. A molestia de.que veio a fallcecr fti dPesnterin agd'a que pada'
ci muito tempo: efoi tratado no Hospital desde 4 ald f..
Hospital Militr de Moambiqule 8I de Janeiro de 1848 O'Director ia.
terino, Jo qvim Francisco Coulao.

IOAMUBIQB NA I MPRE-SA NACioruLA
hIoSiim OI : ---NA IIm"aI(SA NaPCmt ,.






A NNO- 858.

Este Boletim semanal ser publiedao todos os Sabbados.
*ou no dia antecedente quando aquelle seja feriado; assigna-
le para o mesmo Boletim, em Moambique nro Estabelerimen-
to da Tinprensa A acional, e nos Districtos da Provincia, nas
Secretarias dos Goternos e Comrnandos de Villas; as assi-
gnaturat sao sempre pagas adiantadas.


NUMEBO 5.

Preo d'Xssignaiura, pr amno..............r. 2t.O0
Por-seis-mezes ..... .................... .. 1fiO5'
Por trez mezes ........... ....... ........ ...i
Por folha avulsa .. .. ...... ......... ... go0!
Preo dos annuncios, por linha ............ .r j400
Correspondencias d'intereuse particulaI, Idem n #0i O


BOLETIM

0O GOVERNOR GERAL DA PROVINCIA DE MOAMBIQUE.

SA. l2AIO g16 IE JANEIRiO.


MINIrTERIO DOS NEGOCIOS DA MAiFINHA E DO ULTRAMAR.
SECXo DO ULTRAMAR.
N.o 15j 5=Foi present a Sua Magestade EL-RIrio Ofi-
cio que o Governador G, ral da Provincia de Moambique
dirigio pela. Secretaria d'Estado dos Negoios da Mariiha
e Ultramar em data de 17 de Maro do anno proximo
passado sob n.O 82, no qual participa que conformando-se
com o unanime voto do seu Conselho de Governo deter-
min4ra por Portaria de 13 do mesmo mez, de que enviou
copia, se pozesse em execuo a Tabella de sllo que faz
parte do Decreto de 10 de Julho de 184 com o abati-
m'nto d'um tero, modificando assim outra Portaiia em
Conselho,' pela qual estabelecera que a diminuio fosse da
quarta part: e senlo tambem, present ao Mesmo Augus-
to Senhor em Consulta do Conselho Ultramarino de II
de Maro ultimo, em que este Tribunal ponderou que em
nenhuma das ditas Portarias se d motivo suffi iente que
justifique a alterao d'aquella Lei, no o sendo a q,'irta-
da que o Governador Geral d no seu dito Oticio= que
anteriormente erno as verbas do sllo arrecadadas em moe-
da fraca, e como hoje tudo se regular em moeda forte, era
foroso que as ,iitas verbas (as de sllo) tambem se re-
gulassem pela ihesmp forma com uma diminuio razonvel
att-ntas as circumstancias do paiz = : que quanto s
verbas de sllo que tem por base vencimentos pagos p la
Fazenda Publica a reform da moeda em nada aggravou a
siluao dos contribuintes, visto que, s esses vem imentos
em moeda fraca passaram a ser menos em moeda forte,
tambhm o sllo regulado em proporo a esses venci-
mentos a4sim reduzidos; e quanto s outra,s verbas de sl-
lo, sSo ellas na Provincia poucas e-de 'pequena irportan-
cia, e alm 'd'isso a reduco posteriormente feita nos
emolliuentos dos documents administrativos ou judiciaes
sugeitos a s~!lo, compensa a differena que poa outro la-
do se d no mais forte valor da moeda em que hoje se.
deve pagar o mesmo sllo. Ponderou mais que quando o
Govern lor Geral entendesse que alguma reduco convi-
hnha fazernas Tabellas da Lei de 10 de Jlho de 1843,
era mister que essa media que vai affectar os ren;iimen-
tos da Provin:ia losse em Conselho demonstrada to ur-
gente que nio podesse esperar pela deciso do Governo de
,Sua Magestade para desde logo poder ser alli adaptada,
dando-se dep'is parte com as informaes e esclarecimen-
tos convenientes: o que tudo visto e pondefado, O Mes-
mo Augusto Senhor. Conformande-se com o parecer do
aito Conselho, Manda, pela ditu Secretaria d'Estado que a


Lei de 10 de Julho de 18'3 e suas Tabellas se exouiite
na Provincia de Moambique sem alterao alguma, e cn-
mo i'eila se contm; e se algumas razes se olferenerom
dignas de attenrio para o fim de se modificarem an diq-
posies da dita Lei, o Governador Geral da dita Provin-
cia, as propor tenwo ouvido o respective Conselho, para
Sua Magestade Prover ou Mandar que pelo seu Governo
se leve ao Poder Legislativo este necocio se lhe competir.
O que tudo o mesmo Governador Geral cumprir e far
cumprir. Pao, 10 de Maio de" 1856.= iscund' d'Ath.-
gua. ______

SGO VE I O B111WI&L.

IluL.'.k_ l '^&. 3 ,
NO Sendo necessario estnabi lcer legalrrente as( l'h
Regimental do Batalho d'Infanteria de Moamhiq:e, n. 1
que se acha finecionanlo em conseqrencia do olficio do e,
Secretario Geral, Jose Barbosa Leo; de,8 d'0)iulbri de
185.; e encarregar da dire no della um individuo com-
pieente, %isto que que a est regendo o no su9:i lo
informa o respective Commandante em olficio de 21 de No-
vembro ultimo; o Governador Geral da Provincia le lMo-
armbique, em Conselho, ha-por convenient ao servin de-
ti rminar que o ensino na dita es, bola st ja ibrigatorio para
todas as praas do Corpo que delle p'ecisarem, e ratiiito
para os mancaebos de fora do Crpo que delle se quiie'-cm-
apioveitar, tudoem conformidade com o I)Dcrt o -de 13
de Janeiro de 1837 ; determinardo, -utro smni. Q(e soja
encarregadp de reger a dita esch. la o Alferes .Io e Joaquiiim
Monit Cabral, com a obrieiao d'instruir os olliciaes mine-
riores na escriptura,ao de Companhias. e deve'res de su,-
postos; rec ebendo por isso a gratificaio que o mesmo I'e-
creto estabelece, quando estas escholas sio repidas pi 1
Capellies dos Corpos: devendo esta g.atifi aao sahir pol
tisoriamente, em quanto o Governo de ,ua lMagestiJe no
approval a constituio da dita eschola, da verba votada
para os Professores de segunda, classes, d'ens-ino primario,
em cortisquen(iia de nio estarem provilos estes lugares-, e
a, despeza ser anaologa, pois que tf nIe in trucio publi-
ca. O que se participa a) Escrivo da Junta de Fazenda.
e ao Comnmandante do Batalho d'liifanteria, para os cor-
respondentes (ffeitos. Palaio do Goterno Geral da .Provin-
cia de -toambique i1 de Janeiro de 1858. == Joo Ta-"
vares d'Alnei~da, Governador Geral.

N. 2-= Nio tendf sido declarada nulla,- crmo cunpria
que o fosse, depois da recepCio da Portarii n.' 1i 2 r, e'xpe-
dida pelo Ministerio da Mariuha e do Litramar em 10 de







M1ai; da 1(6. a disposiao final doi ait. 11 do regula-
mnnto intrino das Alfanlegas desta Provincia, de 8 de
Julho de. 1{ q 1, que fstahehlce que as guias bem como
quiaesquieroutros ds dhos dlas mesmos Alfandegas sejamn
sOllados com o sllo 'l taxa de 43 reis isto contra a expres-
sa determin'-ito da Lei de 10 de Julho de 1843, na clas-
se 2 idla t)bh 'la n 2; o Governador Geral da Provinwia
de. 'N Iamhique, hia por convenient annular a citadia dis-
posio final do artizo I1 l do referido Regulamento, e
dpel rrinar q'ie em todas as Alfandegas desta Provincia se
cumpra o que na referida Lei de 10 de Julho de 1843
est determinado a tal respeito.
1 que se participa ao EscrivAo interino da Junta de
'Faenda em resposta ao officio de 7T do corrente para os ef-
f,,itos convenientes. Palacio do Governo Geral da Provin-
cia de M>;amhique 13 de Janeiro de 1858.==Joo Ta-
vares d'Alneidd, Governalor Geral.

Synopse das P,,rtarias de nomeao e exonerao expedi-
das pela vcre;aria Geral d'este Governo desde o dia
2 ut o dia 15 de Janeiro corrente.
Janeiro 2 Exonera pelo requerer Fernando Marcelli-
no Santimano, do cargo de Porteiro da Camara Municipal
de M :smbiq'i, e de carcereiro da respective. ca.la civil.
Nomeia Pedro Jose Nolasco, para os referidos
li]ares.
'-.- Renova a nomeao do Reverendo Padre Jo-
se Loureno Vaz. de Prior da S Matriz, exercendo as
funco-' de ,etreareado da Prelasia.
S --- ~uoneia o Regulo Sid Aly. Capitio mr das
T:rras de Muange ao Norte e dentro da Bahia de Pem-
ba, vpenendo a gratificao mensal de 40000 ris.
-- Nomeia o Regulo Bacaze Buno Abodala, Aju-
dante do Hegulo Said Aly.
Nomeia Lingua Said Aly, Sargento mr das
Terras de Mluiine ao Norte e dentro da Bahia de Pemba.
--- Nomeia o Regulo Mazeze, Sargento mr das
Terras de Mnqurte n'as rargens da Bahia de Pemba.
--,--,-Nonmeii o Regulo Mugabo Capito mr das
Terras de Mugabo pertencentes ao territorio da Bahia le
Pernha. venrndio a gratifi,'aio mensal de 4,000 ris.
,- Nomeia o Regulo Mutica Sargento mr das
Terras de Mun.aho.
-- Vomeia o Secretario Andiqe do Regulo Mu-
gabo,, Ajiunnte do mesmo Iegultb.
o Nqomia J ~e Sopres, guard de numero da
Alf'anl"ga de M,ambiqupe.
-- - Nomeia Joe Joaquim da Silva, para igual
ertiprego.
Dito If Nomeia o Aspirante de 1.' Classe da Arma-
fa Real Francisco dos Santos Alineida, Commandante do
IHiate- 19 de Maio.=
--"-'- Nomeia Joaquim Gomes do Valle, Aspirante
da Alfanlega de Mopnmbique.
-- Nomeia Mnoel dos Santos Queiroz, Porteiro
da dila AlI'ndega.
Dito 13 -.N meia o Padre Caetano' Vicente Fernan-
des, para na Puse~tia do Pa~ocho da Feguesia 'de S. Se-
lIastiao, o Padie Galriel da Costa, funccionar como Capel-
Io la fr.pella de S. Paulo, e ministrar aos doentes do Hos--
pital Militar todes os Sorcoiros Ihligiosos, sem que por
.isso venca. iais do que a congra que deixa de ser paga
ao dito Padre Gabrielda Costa.


O N. 4 I11."` Sr.= TTinlo sido present a S. Ex." o
Governador Geral da -Provincia um Oficio do Duector do
Hospital Militar, datado d'ontem, expondo que a maior par-
te dos individuos que so tr,atdos, como indigentes, no
dito Hospital quando alli chegam a dar entrada se apre-
sentam muito mais gravemente doentes, de que se apre-
sentariam se tivessem quem immediatamente lhes,passasse
as competentes baixas, na obteno das quakes percorrem
today Cidade sem encontrarem o Provedor da Misericordia
ou um Mesario da mesma que se prestassem a este acto
de caridade, uns por estarem ausentes no Continente, e ou-
tros talvez por que se no julguem para isso auctorisados;
send certo, que pela Secretaria Geral j por vezes se term
obriado a estes males, ppssando o Secretario Geral' a tona
a hora que lhe so solicitadas as baixas que alguns indi-
gentes em ultimo recurso lhe tem vindo pedir ; e sendo'de
toda a necessidade pr termo a este estado de cousas, que
muito compromette a vida destes desgraados, determine o
mesmo Ex.m" Sr. que V. S.` na sua qualidade d'Admin:s
trador do Concelho, e no uso das funcces. beneficas qre
a lei lhe attribue, fique de hoje para o futuro encarrega'd
de assignr-as ditas baixas, passando esta' obrigao, sem-
pre que V. S.' estiver impedido, para a pessoa que o su-
bstituir.
I)etermina outro sim o mesmo Ex,~o Sr. que V. S." d
conhe,'imento do cmnteu lo deste Offimio ao Provedor da Nlia
sericordia para os fins conve'nientes. Deus Guarde a V. S."
Secretaria do Governo Geral da Provincia de Nloaoribique
8 de Janeiro de 1858 = ill."" Sr. Administrador do Coni-
celho. = Jose Narciso Ferreira de Passos, Secretario Geral.

N."0 f= Il.`"" Sr.== Em resposta ao Oficio deV. S.:
n.' 3, datado d'ontem, dizendo que devendo ter lugar no.
dia 11 do corrente a distribuio dos negros libertos en-
contrados abord da Baica franceza = Charles Y'George = ,
a 'Junta a que V. S." preside preciza de quem se encar-
regue das funces de Curajor dos escravos e libertos, por
isso que nio tem conhecimento certo de quem- se acha no-
meado para este cargo; encarrega-me S. Es." o Goverfda
dor Geral da Provincia de fazer sentir a V. S", para que
o faa present mesma Junta. que no pode ser admis-
sivel tal allegao, por isso que haven lo sido communica'ia
referida Junta a Portaria de 12 de' Novembro ultimo,
que nomeou J.oo da Silva Carro. Curator dos press po-
bres e dos escravos e/libertos, sem que esta Portaria te-
nha sido altera.ta por outra, por consequlencia o dito Car-
ro, o individuo competent para exercer tal cargo, e nesta
conform lade a Junta o dever chamar a funccionar nos
actos em que carecer do seu servio, sem se fazer cargo,da
altegao que elle por ventura possa fazer de ter pedido a
su' exonerao. por isso que esta no lhe foi concedida,
nem ser em quanto no,aparecer quem possa preencher
o dito emprego, no que se vai d'accordo com as ponderea
ces da nincionada Junta em seu Oficio de 27 de No-
vembro do anno ultimo. Deus Guarde a V. S." Secretaria
do Goverjno Geral da Provincia de Moambique 8 de Ja.
neiro de 1858. = 11,'" Sr. President da Junta Prote-
ctora dos escravos e libertos. -=Jose Narciso Ferreira d9
Passos, Secretario Geral.

;N." 53= II."" Sr.= Em resposta aoOfficio n. 2. da,,
tado d'ontem,, en que V. S.' diz, em nome. da Junta a
que preside, que constando mesma Junta que S. Ei o
Governador Geral da Provincia deseja escolher para o ser*


b~ri I- --










vio military alguns- dos negros libertos encontrados abordo
da IB.irca franceza Charles cy George =, e que a ser
ist) assim, seria convenient que no dia 11 do corrente
alguem 'se apreseutasse para fazer a escelha d'aquelles que
estivessem em circumstancias apropriadas; encarrega-me o
mesmo Ex."'" Sr. 'de lhe fazer constar que no relerido dia
se apresentaro para fazerem.a convenient escolho, o Ca-
p<.tlo do Exercito de Portugal Jose Maria Pereira d'Al-
meida, e o Tene.nte do mesmo Exercito Joo da Cunha
Carvalho. Por esta occasiao quer sua dita Ex." que eu fa-
a sentir Junta Protectora, que seria muito convenient,
que ella se prestasse a dar o maior numero de libertos pro-
prios para os trabalhos d'agricultua -para a nova colonial
de Pemba, onde seriam collocados solb a vigilncia especial
da auctoridade, e ,;istribuidos por ella aos colonos curopeos
com as condies que Junta parecesse dever exigir como
tutera dos ditos libertos, e no interesse dclles, e qud S.
.x.' o Governador Geral tomaria muito a peito fazer cum-
prir para utilidade, tanto dos referidos libertos, como da
prosperidade da Colonia, send tudo isto conducente a sa-
tisfazer aos melhores desejos do Governo de Sua Magesta-
de sobre o desenvolvimento da mesma Colonia. Deusl Gu-
arde a V. S'. Secretaria do Governo Geral da Provincia de
31o0ambique 8 de Janeiro de 1858.= Il11" Sr. Presiden-
te da Junta Protectora dos escravos e libertoS.p==Jose Nar-
cisu Ferreira de- Passos, Secretario Geral.

Condc e a Sinopse dos Oicios expedidos pela Seeeo Militar da
Scretaria do Governo Geral d Provincia de Moambique
no mes d'Outubro*de I.857.


d*, A4 quemr
ed dirigdos

85 Ao romman-
dante do Bata-
lhao
a Ao Escrivio
da Junta de
Fazenda

a A Dirrefor
intr.o dl. os-
pital Militar
W0 Ao Comman.
dantte do H:a-
talhio
a Ao Capitib ser-
vindo d',4di-
lor
if Ar Commarn-
d'nlte do Ba-
talhlio
a A ('apiliossr-
rinlo d'Audi-
tor '

# Ao Comman-
dnnte do Bata-
Ihbo
a .Idema

a Idemi
Idem

41 Idemi

i Ao F criv Junta
Ai Poimm:an
dhnnto do Bata.

48 Ao Comman-
dante dea Praa
de Sehbastlio
n Ao Efetiluoda
Janta


OBJECTOR


Pommnnleando, que Sua Magestade, houve por bem
deferir favoravelmente a.preteno do ''enente Gourgelt
pedindo 1-anno de licena vara ir a,> Reino.
Enviando por copia as Portarias d.> Ministerio da
Marinha. acerca do.lMajor Jose Antonio daSilveira, e
dos .Capitails Joo Bap!ista Carvaliho e Mariano An-
tonio Ferreira Braklamy.
Peiindo esclarecimentos Acetra dos individuos em-
pregados em servio no Hospital Militar.

Mandando considerar prezos para conselho deguer-
ra ao Capilto Cruz Almeida e Alferes Asceno.

Enviando o coflselhn d'investigaio para servir de
base ao conselho de ueira a que devem responder
o Capito Criiz Almeida e Alferes 4sceno.
Mandando confe;ir guia de passage a. 10 praas
para hirem continuar o servio na companhia de Sufala.'

Ordenanlo que devolva o conselho de discipline.
qUe lhe tinha sidl enviado em a1 do crrente ',orc ns-
tar que i rraa a-qtue o mesmo se refere, comettera
j rinva desero.
Enviando as guias dos-assentos e copies da ultima
informao semestre, dos Alferes,, Castro, Gonsalves,
Seixas e Palma.
Enviindo o model, para o Mappa Diario, e instrc-
OPS para a sua 'confecco.
Mandando conceder licena fteeistada a uma praa.
Determinando, que made desftaados para o Przi-
dio de Bazaruto 2 Cabos escolhidns.,
Providenciando acerca do service da Guarniio. e
regularisando-o em relao ftlta d'lffciaes para o
servio.
('sorminnicando o nome do Oficial que march para
o Prezidio de Loureno Marques.
Enviando as euias vindas dos Corpos a que perten-
cito, deduas praas do Contingente.

Mandando satisfazer uma requisiilo d'armamentos,
corramnes e equipamentos, feita pelo Conselho Admi-
nistrativo do Batlhbo.
Rermetten'lo uma requisiio d'ntencilios para o a-
talhe.


Moambique 12. Janeiro. 1858
Pelo hiate portugupz = Aguia= chegadlo a este porto,
hontem tarde se soube do naufragio da Barca franceza
= Maris Stella = em Anjoanes.
Eis algun.s pvomenores extrahidos r'uma carta dirigirtd
a S. Ex.' o Governador Geral por Mr L. Fiy d'Esclanrls,
delegado a bordo eda Maris Stela datada de 3 de .laneiro.
A Maris Stella ra a Barca franceza, Capito Schmrniih,
que entrou neste porto emri 5 de Novembro, e que se de.,
tin-va ao engajamento- de colonos nesta Provincia, e que
em consequencia de S. M. LRnE sobre esse objecto, sguioviagem para An-
joanes, anle teve logar o sinristro que passamos a referir.
As boas lembranas, que deixou nes(a Cidade oCapito
Schmith, e o delegado que o accoiipanhava, Mr d'Esclan.
ds. tornam esta noticia, que gentimos ter de dar, mais in-
teressante para grande numero dos habitantes desta Cilade,
que tiveram com elles tilaes lhnrosas para o character
daquelles dois individuos, que a desgroa ferio to pesa-
damente.
Senhor Governador Geral -A 3 dfo miez uti mo,. s 10
horas da noite, um temporal horrivel, sem-prpcedente nes-
u Ia regio, cahio sobre a costa, em que estava fundeada i
Maris Stella. Uma-chuva continue, um vento violent, umn
mar medonho, rapids relampagos 'que cortavarm o a r; nos
faziam pressagiar o terrivel acontecimento quee s' prepa r.ava.
O navio tocou s 10 horas e um quarto. A -ta seguio-
use umna segunda pancada violent, que como por effe;tco
a de um destes estranhos abQaos electrics, o navio abrimi
SA's 11 horas o tombadilho, a coberta, e o convez no exis-
o tiamn ja, e era facil de ver vagas monstruosas, dle.frrincld
acom furia, arrebatar tudo o que lhe op:punha obbtfc o


I i --
i I --''- r r


l>tas
do A, quem OBJEqTOS
le iirigi lo OBJECTOS
S8 Ao Juiz de Enviando o Processo do CapilRo Tenente d'Arma,
Direito da. Antonio .orrea a da Silva Leote.
Idem Enviando o Processo do Piloto do Patacho =i iam.
beze=-, Mussa DI)nde.
Idem Idem r of.rido a .5 praas do Rata!h'.
Sildem' l|m rftf4irido a 4 praas do RBaalIUho.
30 Ao Cirurmio Defriiiido o reqhiprimento. m qiue pediaa qr re-
mr da Provia- senate Inspeco da J(inta Militar de sande.
ti!a
Ao Comnian- Indicando a maneira por que deve ser levada a ef.
dante doBata- feito, a organisaao da Ijateria d'Artilheria.
lhao
31 Idem Mandando passar Companhia de Veteranos, 2
praas.
Ao'Tenente Enviando a copia da ordem para a fjrma,i do
('Crnml Prmsi- Conselho de Guerra. a que devem ser presentes, o Ca-
dente :ose An- pitoa Cruz. Almeida e Alferes'Ascenb.
toni', Pereira
A Ao Major Re- Identico.
formado Bap!is-
ta como vozal
Ao Comman- Identico, para fazer constar ans Officiaes nompadlo
dnante do Bala-
iilhk
Ao C api tl o Enviandb a ordem para a f.rma.> do Consellhr
servindod'Au- de Guerra, e reunio do niesmo, aque devem resp ii-
ditor der e serem presents, o Capito Cruz Almeida eAl-
.feres Asceno.
Ao Comman-, Enviando a relaco das praas', que deveu terpas-
dante do Bata- sagem Bateria d'Artilheria.
lhao
N B. Alem 29 30 de Setembro e no mez d'Outubro, que so .............. 1 Ii
Expediram-se mais:
'Porlarias ..... ... .......................... ........... .
Offcios d'expediente ordinario ( nd extrlctados) ............ 93
Copias d'Oilicios e Porlarias ............................... 33
Modelos para Mappas e Ielaes...................... ..... 7
Ordens fora armada ... .. ........ .. ........ .........
Ditas para Conselhos ................. ... ................ 4
Guias de marcha... ..................... ...** ..* ........ .
nSumma.... e< 11









Toda a gonte i ue compunha o pessoal da Maris Stilla,
-e tinha refugiado sobre o mastro da mezena unico re-
curso. to fiaco, que parecia, a cada novo abalo, to
'poderoso, dever submergir-se de instant a instant. E
Sentretanto, fenomeno ainda inexplicavel, este mastro s
a cahio s 8 horas da manh.
Muitos marinheiros canados de estarem sobre os ca-
hos, e cim to pnoca' seguraria, se deitaram ao mar
a.s 4 horas da manh. Entre elles se contava Mr Rep-
ton. Outros preferiram esperar que chegasse a manh e
a seguir a sorte dos restos do navio. A's 7 horas de 4 de
Dezembro, o resto da tripulaco, achou um asylo preca-
> rio mas feliz, em uma especie de jangada que a Provi-
-lencia pareceu ter colloca lo ao p de ns. Bem, depres-
sa 'o funrr das vagas nos arrancou este ultimo recurso e
a unica perspective que nos restava era luar com ani-
a .o contra ellas. O co livrou a maior parte de ns de
z uma morte certa. Com tudo tivermo a desgraa de experi-
mentar tres dolorosas perdas ; Mr Repton que ahi tendes
' visto, n Immediato, e o Mestre da Maris Siella.
Naufragos, ns temos sido objpcto da soiicitu le parti-
cuilar do Sr. Consul de S. M. Britanica. uma felicidade enr
contrary, sore plagas estranhas, em similhantes, e-to tris-
aps vircprmistancias coraes nobres e elevados. ento umna
r-alma patriotic se lisongcia que exista unia political que ten-
de unio de todooss povos ........
x Nada se pnlde salvar ; as vossas cartas para o Sr. Gover-
a nador da Reuniao, assim como tudo o mais, Sr. Governa-
a dor Geral, foi disperso.
lntma cousa comtudo, singular, que em um canto da pop-
a pa do navio ce encontrou, por acaso, depois que o( rrar acal-
mou uma caixa que continha cerca de 50b 000 francos. Fa-
cto inaudito, e inexplicavel.,
.......................... .................. ',.."*.. ...
lspero Sr. Governador Geral que as vossas boas inten.
rk sencoqtrem sympathias na vossa lProvincia, e que a leal-
dade do vosso character arhe recompensa na dedicao ; o
a dfesjo sincere qie eu ntro pelo que 'os diz respeito.
Tenho a honra de ser &. 3 Janeiro 1858.= L. Fry d'
Esclands:

Conclude Taibella dos Emolumnentos e Salarios .udiciaet, que
comeou a publicar-se no Boletim n." 19, de ,
9 de Maio de 1857.


&." averbamentos na Nota, em qualquer'titulo, por
diLtrarte, ou alterao de qualquer contrato
6 0 Registos de quaesquer documents, em papers
- avulsos. que'no faam parte de escriptura, e qne
n tenham vicio, no se podendo lanar na Nota
sem despacho do .Iuiz territorial, o duplo da raza,
contarido-se na conformidade do n. 14.o, d 3..
e do 7.< do present Artigo.
3.


G06o


Instruementos e.outr os.actos, que ke celebram fra das Notas.
f o Approva de testamento, ou codicillo 800
2. Instruinento de procurao geral de uma pes-
soa ; de marido e mulher, me, ou pae e filhos,:
que com elles vivam; de irmos que residam jun-
tos. ou de corpo' collective '480
De prooir.ao especial para negocios forenses,
oi para qualquer'objecto determinado, nno envol-
vendo as cnndices de um contrato. .'240
.E envolvendo, por extenso as condies de qual-
quer contrato 0480
E de cada pessoa, qie mais interview, alm das
deignadas, e das testemunhas que devem intervir,
mais i 660
3. Instrumento de substabelecimento de procu-


rao, sem restrico ;:... 090:
E com especificao de determinados fins; no '.
comprehendendo a integra das condies de algm'
contrato 150
E envolvendo a integra de qualquer contrato I.360
4. Instrumento de per lo, declarao, e confis-
so de diviila, ou de qualquer outro contrato; in-
cluindo o registo, que se dever fazer por extract
em livr privativo 800:
5. Certides narrativas, no ccmprehenlendo as
confrontaes dos documentss' ou livros, dos quaes
se exija alguma parte em public frma, de cada'
lauda de trinta regras, e cada regra de quarenta
letras, sem rza 1 50.
(. Averbamento fra da Nota, em qualquer ti-.
tulo, por distracte, ou alterao de qualquer con-
trato g 20
7.0 Termo de alhrtura de signal no livro, com
testemunhas de abonao para a identidade de pes-.
soa,. ou supprimento d'elle pelo proprio conheci-
mento do Tabellio .' 120
8. Reconhecihmento de fianas, send d! uma
pessoa. de nmarido e mulher, de familiar em object
de casal por indiviso, ou de corporao L040,
E comprehendendo mais signaes diversos, ou de
outras pessoas. no imesmo papel, debaixo do mesmo
reconhecimento, de cada uim ;030
De reconhecimento, potm, de recibo para co-,
branca de pen.o, ou subsidio de caridade, s-
mente a metade de qualquer das addies em ca-
sos d'ellas.
9.0 Protesto de letra com a sua respective inti-
mao, sendo a uma s pessoa, incluindd o instru-
mento e registo s800
E sendo a duas ou mais pessoas, no sendo ma-
rido mulher, nem corporao, de cada pessoa in-.
timada, mais $2 10
E send simples apontamento com o respective
registo $?240
10." Exame public, ou judicial, sobre signaes.
documents, livros ou papeis, a que assi tirem co-
mo Peritos, seu caminho, ou algum outro emolu-~
mento:
Dentro d
Fra da Cidade ou Villa, incluindo o caminho 1,600
1 1. Em to.los os actos, que seja' preciso exercer
fra do cartorio, exceptuando os exames, acr.rescer
o caminho, que sera: .
Dentro da Cidade ou Villa 'P00
Fra da.Cidade ou Villa 1G60
12.' Pelos actos dos seus officios, para que form
chamados .de noite, a pedido de Parte, para serem
praticados fera docartorio, almi do caminho, que
ser ento dorado, levaro sobre o salaiHo, que pa-
ra um dos mesmos actos lhes fica marcado, 'uma
tera parte mais.
E quando praticadosde noite, mas no cartorio,
levaro o .dobhro do salario, mas sem caminho.
13.0 Pela' busca no livro das Notas:
-Dentro dos primeiros quarenta annos, conta-
dos d'aquelle eri que estiver para traz, de cada um
dos que buscarem apontados pelas Partes ;120
Dos que excederem a quarenta annos, de cadq
um do. que buscarem' apontados pelas Partes j240
Apontando a Parte o dia, mez eanno, levaro
smente metade da busca de um anro, segundo a
differena acima estabelecida.
Quando a mesma pessoa tiver j pago busca
pelo, mesimo object, ha menos de seis mezeu, na.
levaro salario algum de buaca.


-iii-~-iill- -------e~--~ --------------~*--II9-~~-








li. O; traisla l;. 'las escripturas, e quaesquer
publican frmas, pagar-se-ho raza, contando-se
de claa cincu regras e,coi quarenta letras cada
regra
Se, porm, as Partes, nos tialados, ou ras publi-
cas-frrmas, quizerem maior ou nmenor numneo de
reg-as e letras, se far o calculo, e a conta pelas
regras e htras na p ropoi','r da raza ;, o que-tera
logar smente noa aso do" Art. 14.0, Tit. IX.
$ 4.
Varias disposies.
Os Tabellies si obrigados a declarar nas estcri
pturas e mais papeis lanados nas Notas, a'ssim co-
mo nos traslalos, ce'rti.les, e publicas frmas, a im.
portancia da raza ou salario que receberem ; e beni
assim se levarem busca, de que annos, e quanto,
em conformidade, ,e cori as penas da Ord., Liv.
1.O, Tit. 7."0
5.

SSo igualmente oh igados a ter dois livros nu'
i eralos e rubricados pela auctoridla'le competent,
em um dlos quaes regi-.taio todos os lastrimeritos
Se mais actos que praticarem f4ra das Notas: e no
outro os terms de abertura'de signaes com as res
ptctivas abonaes.
Estes livros sero apresentados com ow das Nlotas,
no aco da correio.


Para evitar a faciliad e de falificaces commetE
ti4ias sempre em prejuizo do public, e descre lito,
dos Tabellies, so estes-obrigados'-a rub.idar peso
soalmente os traslados, as certi.les, e publicas fr.
nias, em cada uma das suas folhas, quando tenham
mais do que una folha, sem' q4re levem pela rubr-i
ca salario algum .


No venr'em raz., except nos traslados das es
eiipturas, -nas publicas frmas, e nos registos de
que falla o n.' 6.* do 2."- d present Art de<
Tendo ento contar-se como fica taxado no a." 14.o
3.: d'este mesmo Art,
ARTIGO 2.6
isclR.VES DOS JUIZOS ORDINAPROS, COMO TABKLL1-855
DE NOTAS NOS JULGADOS.
LkVARAO DE SALARIIO.
Erni tods os actos da sua competencia, 'o mesmo
taxa-lo' no present Art., menos, porim,- uma quar.
ta part.
iTITULO -.X.
SDISPOSIES GERAES.
San app1iiaveis Provincia de Moambique, nri
- part resectiva, todos os Art. e seus ,das dis.
' rosicisgeraes contidas nos Art. 1.* a 46.' do Tit.
XI da Tabella, qlie faz paite do Decreto d 26 de
l)ezembro de 19H8.
Secretariat de Estado dos Negocios, da Marinha e
':ltramar. fL de Dezembro de 18b4. = VsconE d
d'Athoguia.

, -^ S <


o020


O President da Commisso permanent das Pautas, con-


vida a todos os Vo1.aes da nmesma Commisso, para se reu-
nirem no dia 18 oo corrnte,. pelas ft horas' da manha
no edificio da Junta de Fazen la afim de comearem is tra-
balhos da mesma Corrimisso. Moambique 15 de Janeiro
de 1858. Jose Narciso Ferreira de Passs.

Achando-se nos arn azens d'esta Alfandega diversos ob-
jectos para serem vendidos em leilo pr estarem nas cir-
cumstancias prescriltas do Titulo 7, Capitulo 1 e 2, do
Ilegulamento Geral das Alfandegas de lMoambique; faz-se
public que no dia 20 do corrente mez hade ter logar pelas
11 horas da manh o leilio dos referidos objects n'esta Al-
fandega ; ua certeza de que os arrematantes pagaro previa-,
mente os competent' direitos send o product liquid da
arrematao entregue Junta de Fazenda. Alfandega Prin-
cipal de Moambique 13 de Janeiro de 1858. O Director
=Frar aciso Borges dos San ~as Bicho.

Pela Rep itiao d'Alfandega deM,,amhique se far sahbr
que em cumprimento da Portaria do Sr. Governador Geial
ob o 1n.0 2 de 13 do corrente communicada por oierio
circular da Junta de Fazenda n.9 2ff de 1 (; d'ora em
;liante todas as guias de generous despachados para embar-
que ficam sujeitas a taxa de sllo de f 0 r.? os outros
despachos ao sllo de 2(1 r.' conforme a Classe 2.' da'Ta-
bella n." 2 da Carta de Lei de 10 -de Julho de 1843.
Alfaudega Principal de Moambique 15 de Janeiro de
1858. O Director interino= Francisco Borges doe Santos
Bicho.


G 11 I C U LT UI i R
Cultural do arroz de sequeiro.
O arroz o cereal cuja cultural mais geral sobre a iu.'
perficie do globo. Do)is teros da popilac humana se sus-
tentam deste gro. Originaric do extreme Or'iente tnes-
ses paizes que elle mais aburdante. Na China, nas In tias,
emi tolas as ilhas desta part do globo, o arroz a base
1o niutrimento dos habitantes.
O arroz fornece duas principals esipecis hbm conheei.
das'dos cultivadores que o proluzem: umi 6 pode cres-
cer nos terrienos ,inundados, a outra produz muito bem
nas terras secas. A cultural do arroz nos arrosa's submer-
giJos a urica que, at lIa mui pouco tempo, linha sido
adoptala na Europa;.
Os miasmas que se exhalam' desta especie temporarios so taes, que regulaments sevros fixam e li1
mitamn a sua formao a distant, ia& determinadas das cida-
des, cuja populao seria cruelmente iiziiuiada se elles ni
fossem considirv.elmente affastados das povoaes.
Portugal a'onde a cultural deste arroz t-m toinmado uli-
mainente grande incremento, experiment tambem os ter-
riveis effeitos das emanaes do. pantanos que precise
,conservar para o desenvolvimento da plant. e muitos 1<-
-gares, que at, ha pouco gozavaim de uma sal`uri'lade .in.
vejavel teem-se tornado verdadeiros f6cos de febres inier-
mittentes, e perniciosas. .Em Frana,;e em outros paizes
severos regulairentos sobre esta cultural procurain attenuaa
este mnal que lhe inhfrente.
SA cultural do arroz seco nao offerece os inconvenienteq
da do aqroz-aquatico. Se este ereal se cultivasse nesta Pro-
vineia, offereceria grandes recursos s wubistencias, e po"
dfia ser um excellente ramo de exportao' para outros
paizes, principalmente para a Ilha de Rleuniao, e Mauricia;
que o vo procurar a grades distancias. Est cultural d'a
ria logar a um cummiercio reciproco .de que reualtariaUi


----- -P I CiCI _2--- i -~- -- L 1i- __








immensas vantagens para a Provincia, que tanto career de
navegao, e de augmientar o seu commercio. Escusamos
de citar esses immensos terrenos,, que hoje ahi jazem sem
cultural, e quasi, abandlonados. A agriculture, e ,s interes-
ses do commercio, tornal os-hiam a povoar, e a fazelos
largamente productivos, aos senhores, e colonos. L ma
vez reconhecila a vantage desta applicao dos muitos
braos, ne que ainda poilem dis( 6r )s habitantes d'esta Pro-
vinia, e que to mal aproveitados so, estamos certos,
que a face d'ella mudaria em breve; As lutas que a ocio-
silade, en vicio hoje prodtizei, cessariam de todo, e a
abundlancia e a riqueza se es.,alhariam, e com ella a civili-
acio, e o progress em todos os sentidos.
SNo i-to um sonho, unia utopia, a crena, a f
no progress da humanidade, lei eterna de I)eus. que ha-
de cunmplir-.e, mas que n6s devemos promover com zelo,
.por que' nisso vai a nossa vantagem, e a dos que nos suc-
Ce lr'o-nm.
Voltemos porm ao nosso assumpto. Asseguram alguns
liue no ha em rigor arroz de sequeiro e que aquetlle que
tem esse nome um gio que no cresce senao nos pai-
zes, aonde a chuva sub.titue as innndaes. A humi lale
artificial l intermittent, ou permanent seria pois uina c< n-
dio sempre rigorosa da produco do arroz seco, ou hu-
mi lo.
Ha muitos anhos a cultura do arroz de sequeiro tinha
si lo < bservada nas montanhas das Inlias. Um viajante 'ran-
.C7. tamb-m a observou nas montanhas da Cochinchina que
eH-e atravessou la j mais de um seculo. E por esse tetii >
foi por ell. transporta to o arro& de sequeiro Ilha de
Franca, aonde ese gro precioso, produio perfeitamente.
E-ta semente fi j introduti la em Argel, comn pleno
success, e como o paiz no tem chuvas idurante a cultural
do arroz, no se po 'e dizer que o bom resultalo seja de-
vido hu:miladle, oru s inundaces. O que um ficto
reconhecilo hoje, que a cultural do arroz de sequeiro,
tende a auigmentar no s na In lia, mas mesmo em pai-
lei aori le era desconhecida, em .quanto que a do arroz
aquatic ten le a diminuir, facto facil de explicar. Para
ciltivar o arrori quatico necessario logares proprios para
serem alaga los; o arroz-de sequeiro pelo contrario no
tem limits sua cultural, os paizes montanhosos, como os
de planicies secas lhe convem, ao mesmo tempo que no
tem os graves inconvenientes dos arrosaes pantanosos, cuja
aco miasmatica geralmente nociva saude das popu-
laces.
A acclimataao, e a cultural do arroz seco seriam tanto
mais importantes para as subsi4tencias quanto as suas pro.
pprielades- nutritivas, cono a sua producco, so muito van
tajosas. Dizem que este arroz mais rico em gluten que o
arroz aquatic ; portanto mais nutritivo. Por outra par-
te o seu gro rende muito mais que o outro. Assim em
quanto que o arroz aquatico d 30 a 80sementes por uma,
o de sequeiro produz 100 a 120 por 1.
A introduco por tanto deste cereal nesta Ponvincia se-
ria um grande servio feito agriculture. Com effeito no
ha preparaco alguma culinaria a que este cereal se no
preste o melhor possivel. Preparado de toros os modos,
offerece sempre um alitnento so, e nutritivo. Misturado
com a farinha de trigo para fazer po, depois de moio,
on de re eollente po no s muito nutriente, mas de um gosto agra.
davel, e de fail digesto.
Os Chinezes povo essencialrr.ente agricultor, sustentam-se
em grande Farte de arroz em quasi toda a extenso do im-
perio ; mas como as grande secas comptomettiam perio-
dicamente a cultural ldo arroz aquatico, secando os arro.
saes submergidos, resultavam por muitas ve'zes fomes de-
sastrosas. Para prevenir -tas calamidades principalmente
oas localidades em que as aguas pouco abundantes podiam


falter durante o estio, os chinezes adoptaram e proppga.
ram a cultura. do arroz de sequeiro, que entire elles hoje
praticada como a do tiigo, e d'outros cereaes entire os) po-
vos A cultural deste arroz temponro, chamado arror impe-
rial, por que foi um lmperador que o des4cbi io, e cultivou
nos seus jardins, tem logar nao s nos paizes fiios, imas
tambem nas regies, em que a temperature inoderada,
aonde se. fazem duas colheitas.
Mas os chinetes no tem s uma especie de arroz seco,
tem muitas variedades.
Uma dellas apenas gasta 60 dias em amadurecer, e de-
nonmnam-no por esta razo arroz de 60 dlias. Seria esta
unia especie preciosissima, e cuja cultural deseria dalr gian-
dles pr veitos a quem a oiuprtehendesse nesta Provinciu.
Na China semeio o arroz seco exattamente como o tti-
go, e a terra destinada a recent -o prerarada da ia iisu,a
nianciia. tamibem Pverigualo que a culti ia do. air oz
sco, e menos dispendiosa que a do arroz aquatico, se(ii
.ser itmnos productive; e se a esta vaniagr, se ac e.-ctiila
a de no causar as febres, e outras doet cas miai. ou mie-
nos series S povoaes que lhe so vi-inhas, a dopt,o
aqutatico.
Entire a. diversas variedades de arroz seco cultivadas
na Chinaa ha luas piin(cipaes que so as fla priiiiavena, e
as do invf rno. O arroz de invern) semeia-se no outwio, e
o la plimavera de Maro a Abril.
Os Lhinas semeiam o arroz .si-o em toda a quali '. te
de terrenos, tanto ao norte, ceio ao .sul, quer nas ii, i-
lanhas, quer nas planicies; e por toda a pa te este g'!a
prodluz excelleiti entnte, com tudo parece que uns tei ieno
argiloso lhe convem muito.
Eim Poriugal tanhemi a cultural deste-arroz foi introdn-
ida pelos cuidados do Sr. Avres eIr S Nogueira zeltso eri a.
dotr da Camara Municipal de Lisboa, ei caUnsael pr'opagal,,r
de to los os mehllora inentos agricolas.
Appellimos ns aqui tanbem para o zelo. e int ligemicia
dos propiietatios desta Privincia, cujo exemplo ie.rte e
n'outros assumptos deve emu breve produzir incalculaveis
resultados para o imelhoramento, e auginit> dar i produc-
es deste fertil solo, que s espera o itabalho o li, nic-n
para produzir com abunlancia tudo o que se confiar ao .s ii
seio: e sem duviida nenhuma, o cereal precio:o so,,bre 0ue
dAmos esta noticia, no deixar de powder ser iiliin r,,te
cultivado, logo que a isso se proponhamn o. iudi\iduo,
para quem appelllinos com confiana.


ROSPITML MIL TTAR
Movmt. dos dos pnIts de 8 a 15 do orr a

l.e = -
SDOENTES.

v:x.n.... 49 49 -2 7'.9
Eniraram ni 3 7 41
Ia nom na 82 8 5 3 l'
Saram 3. 9 2 44
Fal ecerani I 1 l
Ficam exislindo 49 25 l j 75.
N. B. A fallecida fi ma prta pertancente i' arrne Frincesa are^.
sada = Charles & George =, que morreu de desenteria agdda.
Hospital Militar tPrino. = Jnqianin Franciosen Collao.

MOAMoQuE :-- NA IMPIENSA NACIONAL.


- - C i I i- -----~---~i - n~L






A~NO-1858..

ESte Boletim semanal ser publicado todsos os Sabados,
ou no dia antecedente quando taqelle seja feriado; assigna-
se para o mesmo Boletim, em Moambique no Estabelerimen-
to ia Imprensa Nacional. e nos Distric os da Provincia, nas
'ecretariaS -dos Gor~ernos e Commandos de Fillas ; as assi-
g,9!ura ad o nmy)jrc paga aediantadas.


NUMERO 4.

SPreo d'alsignatura, por anno.............. r. S8anO
Por seis mexes.... ...................... 1500
Por trez mezes ........................ .. R<(>o
SPor folha avulsa .......................... .0 1
SPreo dos,aniiuncios, por linha ... ........... 040
Corripondencias d'iuterese particular, Idema 0 S


* W'1 GOVERNOR' GERIL DI. PNUVINCIA DE MOAIIBIQUEa


SB.flBADbO ~F3 Ei JAETn~iairio.


r^ELa ^cces.!53Eis. 3ar-3sLCT^@,
Accordam em Conselho de Districto Y Que visto e
examinado o Orament6 da Camara' Municipal do Conce-'
lho de Moambique lhe prestam a sua approvaao, salvas
algimas emtaelas, alteraes, e supresses, que em seguida
lo notadas, a saber :
Carnes Verdes.
Que esta verba de receita calculada em 12',$000f ris,
exes;sivamente pequena, e pessimo o systerfia, que a Ca-
mara aloptou para cobral-a. Convem pois, que logo que
termine a arrematao, que foi feita a favor do proprio f.ir-
niecedor da care, a Camara faa. com que um dos seus
otliciaes assist arrobano da rsi e pelo respective peso,
ser o fornecedor obrigado ao pagamento do imposto, pelo
meio que a Camara entender mais convenience.
S'Gratificaai ao Administra lr do Concelho.
Que seja redtiila a 109~00() ris, como sempre foi
paga a tolos os Alministradores do Con:elho que tem ha-
vilo, e que s foi mandada elevar e pagar pela cifra de
I.n '),0W) ris, ao Administrador do Concelho, = Teixei-
ra de Carvalho.
Ordenado do Escrivo da Administrao do Concelho.
Que a Camnara informed se 'esto, emprego pode ser accu-
mulado com vanitagem do servio no Escrivo da Camara,
e polendo ser qu'l a cifra, que se deve deduzir d'um pa-
ra augmenthU ao o'tro, isto' quando se tratar do future
oramento.
Policia da Cidade.
Que seja approvada como a Camara propoz a extincao
da Guarda da Policia, conservando-se unicamente 4 praas
das mais intelizentes e de melhor comportamento, para fa-
zerem o servio de Cabos de Policia.
E para que possa surtir os effeitos legaes por isso que
as disposies do present Accordam tendem a regular a
melhor administraso dos rendimentos municipaes, Mandam
se cumpra.
Sala das Sesses do Conselho de Distrirto 12 de Janei-
ro de 1858. -== avares d'Almeida. == Silva Campos.= C.
SI. Mouls.= Duarte-'M. da ~, eseca. = P. Jose Lureno
,oz. Celestino Feleci no i Menezs.

: Accordami em Conselho de Districto,.'- Que- vita e


examinada a Postura da Camara Municipal do Concelho de
Moambique, approvada em Sessao de 16 de 1) zembro
ultimo, pela qual'a mesma Camara elevou a verba de
2.i30) ris, annuaes que artualmerte pagim as lijas dos
Sapateiros a 6O000 ris annuaes, no lhe prestam a sua
a.pprovao por entenderem que as 'suas disposies no so
em proveito da commodidade public, e qu, no evitam o
mal que a Camara pareceu querer remediar.
Sala das Sesses do Conselho de Di.trieto 15 de Janeiro
de 1858. = Tavares d'Alincida. = Silva Canipos. = ,. lI.
Monues. = uDarte M. da Fonsoca. =P.e Jose Louren>
Vaz. = Celestino Feleciano de Venezes.

O Governador do Districto de Cabo Delgado participa
o seguinte:
Janeiro 1858 Em Offieio de 6 que o estado nni-
tario da Colonia, continuava satisfator iamente, as r-la,,s
dr'aizade com os. Regulos visinhos, ,ala vez'se hiSo ex-
ter lendo mais, que as obras da Colonia continuavio regu-
larmente, e que tinha rerebido resposta amigavel crt ,
jue havia dirigido ao Sultio de Tungue.
Em Otfirio de. 16-que os negorios da Colonia. conti-
nuavao satislatoriamente, que por causa das chuvas SP I:-
'nha diminuido um pouco o trabalho, e que no Distiucto
no havia novidade alguma desagradavel.,
COLONI4 DE PEMBA.
Resumo do mnappa dos doentes em tra'ainen!o
no dia 9 de Janeiro de 158.
Militaries ................ .. : .... ..
Colonos Hmen.. ......................
C Mulheres................ .... 2
Arabes................... .......... 1

Somma........ i

D'cstes, 6 so de feb-e, e os restantes de feridas.

JUNFrA DA EAZEND.i PUBLIC,

De orlem da Junta de Fazenia, se faz public que nw
quarta feira 27 do corrente se hade concluir a arremniiia
ao -da Escuna 4 d'Abril=, e que os lanon podem ser
offerecidos em dinheiro, ou em recibos de sol.los, ou or-
denados de inezes anteriores a Maio de.1857.
Contadorias Geral de Moambique 22 de ,ane-io de 18. 9.
No impedimnento do Escrivo da Junta. O Contador G'
ral, ==s Darte Manotl dla, Fonseca.,


[3 I,]Ij E









Balancete do Cofre Geral da Irovincia de Mofambique do mez de Derembro de 1857.
Existente em 30 de Novembro........... .............. ................... ................ ...... 19:493$44' .. 21:536 o05
Receita do mez corrente........................ ................. ............. . :03i6S9
Despeza no mesmo mez ........ ............................................... .. ...................... 7:5 718
SExistente em 31 do corrente. Em'j Oinh'iro...................................... ....................... 7:322~545 .. t::9 Lt;33
iRecibos interinos.......... ....... ... ....... ............ .... ........... 6:619, 787 =

Existente em 30 de Novembro. Em Difibhiro..................... ...................... 4 :4'0544! ..19:493&441
Recibos interinos ..................................... 7:093000
Desenvolvimento da Receita.
/1 cima predial................................ ....... ... ... 115 99
Impostos zr)nzinos....................... .................. .............. 6544 1479
-Directos Papel sllado ................................... ......... ..... .. 13 300 147 93 a.. :S
WSllo de verba........... ..................... ............ 1250
Imp stos Indirectos.
Por entrada.. Generos Nacionaes................................ ..207 925
S Ditos Estrangeiros..... .. ............... ........ 1:52354 i
SAlfandega "or sabida .. Ditos Nacionaes .................... ............. 5804'*
Tonelagem .. N cional....: .............................. ......... .72800,2 483 .. 2: lt0 CO
SEsrrangeiro......................... .............. 13.3.3 1- '
Escravos despachados .......................... .................. .. 5780
Para fund especial de colonizag ...................... ... ... ......... 53300
Tomadias ........ .............. ** ..*** ............. -* *..... *....... 5 500
Proprios Nacionaes, e Diversos -Iendimeatis.
Foros ............. ................................................. ..533
Rendas de Predios ......................................................... 651000 ...... 6723a3
Impressos vendidos ao Publico........... .. ............................. o000
leesenvolvimento da Despeza.
Ordenado aos Empregados d' dminstraRo Geral ........................................ :14g4e1 1:15501
Gratificao ao Inspector, e Escrivo das Obras Publicas ..................................... l1200 i
Ordenado aos Emprerados d'Administrano de Fazenda .................................... 431,4088
Remessa de moeda para Inhambane e Loureno Mirone.s................... l:0n0oo l:731S330 ... ":1i2418
Pagamento dos fornecimentos de fazendas para o Prezidio de Bazaruto.......... 731330
Ordenado aos Empregadls d' 4dministra> l de Jusia .......... ...... .......,............. 1035695 1053495
Subsidio aos presos indigentes ................................................... ....... 1.... 11:400
Congrua aos Empregados d'Administraao Eccletiastica .................... ............................. 77048
Alministraido Militar.
Ajudantes d'Ordeni do Governador Gieral. ..................... 733o10
Soldos emais ven- ,Oliciaes do Batalho d'Tnfanteria............................ 3r>0049.
Omciaes vindos dos'Port cimentos aos Oniciaes das Praas e Fortalezas........... ................ 4b3o00')
SOficiaes em disponibilidade ................... ....... ........ 000
Comedorlas a 1..Oticial, e raes s praas de pret-................. ............... ....... 20j?292
Pret as praas Pret is praas da Companhia Provizoria e Contineente de Portugal na dit mez 1:36fi50,';R S:4#156
Pret ls praas da Companhia de Veteranos no mez de Novembro ultimo........ 1655940 ** 25 ". :...:68T7
Pret a uma praa vinda de Lisboa .......................................... 2$860
Ordenado aos Empregados das Terras Firmes......................... ................... 935050
Ordenado aos Empregados do Hospital Militar e Botica........................ '56366 .
S. $ ..... 63101
Fornecimentos de viveres para o mesmo Hspita.......................... ...20'7?i
SA ministrad o da Marinha.
Ordenado aos Empregados, Artifices, raSees spraas de marinhagem e degradados 1835!3. ,
S ".... 194032'
Diversos fornecimentos;............ ............................. ..... 10900
Jornaes aos operarios libertos ................. .......*** ....... ... ... 9 900
Voncimentos aos serventes libertos........................................ 90000 .... 115.950 .... 37/932
3Mantimnnto e.conducto aos pretos do Estado ............ .................... 165050 ,
Raes is praas de marinhagem do Patacho= Zambez- =...................................495200
Vepcimentos ao Patrio mdr de Moambique, e de (juelimane................................. 13750
Encargos Geraes. Soldos aos Offiiaes 'reformados............**....................................... 1245733
niversus Pesperzs.
Passagem aos Empregados do Estado... ................... *........ ... .............'.......; 40
Fretes d'uma lancha, por conta ............. ................ ****................. .... .. .. .05 00) 16
Vencimentos ao ex-Almovarife da Fazenda. Fiel e Esrrevente-da Junta do Lanament ............. 95469 168" 6
\ Rafes- s praas de marinhagem da Escupa = Angra ...... ....*...*...................... 68&500
Dinheiro .......... .....** ..*****.....* ............................. 7:3225545
Existente 'em 31 de Dezembro. Em .. 13:9427338
Recihos Interinos .........***** ..*.... .... .......... ........ .6:6195787 ==i -- --..a
Thesouraria Geral de Moambique 31 de Dezembro de 1857.= =A4.olph .'i o 1'i',to de Magalhesa, Thesour iro Geral.
MINAS OE TETE. De Maassa, d'alem do Rio, distant da Villa 8 legona
Reloaco dos Jarigos de minar d'ouro conheridos na Villa pouco mais on menos. Este prazo Fateosim, e perlence
de Tete, confecionada pela Commissro, que em vlrtude d'or. a Confaria de Nosa Senhora do Rozatio da VilladeTete.
dem Superior foi nomeada pelo Comumiandante Militar desta De Maruca, que fica alem do Rio Zmbeze, distant da
mesrma illa. Villa Ppouco mais ou menos 4 legoas. As terras deite pra.
e l zo so proplriedade de Joo de Souza Nunes d'Andrade.
No prazo Marabne. d'lem do Rio Zambere e Revubne, De Nhamtarara, que fica lem do Rio Zambeze e Re-
que perttnce Naco e fica distant da Villa cerca de 3 vubue, distant da Villa: pouco mais ou menos 4 legoas.
legoas pouco mais ou menos, apenas consta haver algum As terrais deste prazo so propriedade de Anselmo Henli.
ouro, porem em pequena abundancia e o mesmo succede ques Ferro.
s prazos ,seguintes:. De todos s prazos, que fico apontados se ignore a ex.
De Chicorongue, d'lem do Rio Zambeze e Revubue, tenso, do terrtno, epoca do descobrimento, por quem des.
distance da Villa 10 legoaspouco mais ou menos. cobertos, e a que distancia lcam do Porto de mar e qhal
tod," a









a denominao d'este; sabendo-se porem que no :o la.-
virad s. '*
No Districto, que pertence a Pedro Caetano Pereira,
vulgo, Chissaca, existed os' prazos, Machinga, .aua, Chi-
iii lunlo, Capata, Missalle, e Mano, que fico ('alern do
Rio Zambeze, distantes da Villa, cerca de 60 legoas pou-
c) mais ou menos, teem uma extenso de terrenos incal-
culaveis, saben'lo-se apenas terem, uma pequena poro de
ouro, e que no so lav.rados; porque do resto tudo se
ignora
No District dos Sertoes da Villa, existe o prazo Muze-
zuros, que tem jazigos immensos os quaes teem princi-
pio nas terras de Butongagem pelo la o do Sul e vo dir
at antiga Villa de Daiibarara, que foi extincta em 1i10
a extenso dos terrenos incalculavel, abundantissimos de
ouro da melhor qualidade que se tem conhecido, no so
lavrados, e todos o3 demais esclarecimentos se ign.ro.
Villa de Tte 29 d'Agosto de 1857.= Candido Jos da
Costa Cardozo, Presidente. = Pasconl de Menezes Guarda e
&Seqvira, Vogal. Pedro' do' Rozario e Gama, Vogal.


IISTOR4I NATURAL.
A Cochonilha.
A cohonlha ( corcus cncti ) um insect cua femea con-
tem uma forte proporo de material colorante rubra, ex-
tremamente bella.
A ocrhonil1ha femea ovoide, levemente achatada pela
parte interior, o zeu corpo coberto de anneis sempre
-v.i-iveis, pouco numerosos ; d'uma cr parda argentina, en-
tre os 2 primtiros pares de ps tem um ferro com o qual
se fixa sobre os cactos, aonde depois-fecundada pelo ma-
cho: ento o seu corpo se desenvolve, arredonda-se, e aca-
ba por produzir um grande numero de ovos de que nas-
cem outros tantos insects, se se no tem tido o cuidado
de a colher antes' desta poca: em fim more, e mirra-se
no legar aonde viveu.O macho de menores dimenses,
n<( tem ferro, e sim 2 azas bem desenvolvidas por meio
das quaes voa paia procurar as feneas, que no as tem,
e fecundai:as.
A co ohoilha maais precioza vem do Mexico, cem eila
gqe se fasem as mais bellas c6res purpuras, e escalates.
A cultural deste insecto de unia grande antiguidade, nesta
pai te dla America. Depois da invaso dos hespanhees os In-
dios, expostos a today a'(asta de vexaes da part dos con-
quistadores, abandonaram quasi inteiraniente este ramo de
industrial, de sorte que lem das proximidades de Goaxaca,
j se no v em mais part alguma. S se encontram no
Mexico duas species de co.,hotilha ; afina que se colhe na
,Provincia de Honfclras, e se'ajincta sobre os nopaes culti-
va los com esmero; e a cochonilha silvestre que cresce, e mul-
tiplic naturalmente, e sem socorro sobre os.arbustos; es-
ta ' mais pequena, e mais barata. -
A cochonilha final colhe-se sobre o nopal, cactus opuntia
(figueira da India).
Os Mexicanos nioadoptam em toda a parte o mesmo
mie.hodo de cultural; mas todos plantam os seus nopaes
ao redor das suas habitaes, ou nas encostas das monta-
nhas, no fund das ribeiras, bem abrigados dos ventos de
leste, que so niortaes para os insects. Esta especie deca-
cia inuito espinhoso; a sua altura varia entire 4 e 6 ps i
a sua floor pequena c vermelha como sangue ; cresce in-
distinctamente ein todos s terrenos secos, pedregosos, ar-
gilosos ou. foites-; no se precisa amanhar os, ps, seno 2
ou 3 vezes no aino, para arrancar as ervas. Um s home
pde cuidar de ui terreno. quadrado, que lenha 300 ps
de lado, de -cactos da: cochnilha. Semeiam-se os insects
ordinariamente, no mez d'Outubro, que no Mexico, prin-
cipio do bom tempo. .Poem-s 8 ou 10 fmeas em pec


quenos ninhos de algodo, ou qualquer material filamento-
sa muito inassia, e collocam-se na plant, segurando-os-nos
espinhos, voltando o fund do ninho para a parte do nas-
cente. No fir de alguns dias as cochonilhas novas, do ta-'
manho de pontas de alfinetes, se espalham nas folhas, e se
fixam nellas,"
O crescimento march com uma rapidez'admiravel, eas
folhas no fim de um me- esto coberta-como de uma espessa
camala de bolbr. As femeas vivem dois mezes, os machos
um mez. A postura dura entr dez e qutorze- dias. A ori-
meira colheita, faz-se no fim de tres a quatro mezes. Se os
nopaes esto em, boa exposio, pode contar-se com tres
a quatro geraces. Tem-se observado que os nopaes situa-
dos em sitios elevados do igqalmente, bellissimos prodr!
ctos, mais ta'rdiamente, porem, que os dos valies.. Este.s do
cochonilhas maiores; mas so tamhem cercadas de iniiTiors
que lhes fazem uma guerra de morte: os, ratos, os lagar.
tos, o. reptis, os passaros devoram grandes quarntida les.
Conservain-se as sementes da cochonilha em ramos carre-
gados de insects novos, e de algumas mes prenhes. Estes
ramos separados do tronco, p sem raises, conservam a sei-
v, e o sueco, muitos mezes sem scar. Os indios os ven-
dem. oi os compram no inercado--die Goaxaca.
Durante a est>co das chuvas, que. lhes seriam nocivas,
emi-nos no interio".de um telheiri. ou de uma cabana co-
berta de palha. Comtudo a. maior parte dos nopaleiros
( naturaes de paiz criadores da.cochonil-lia') seuem um uzo
muit antigo, que a de fazer viajar a cochonilha para
a subtrahir aos effeitos pernicioros da humidade, como
os hespainhoes fazem viajar os merinos.
Nesta part da zona torrida chove nas planicies, e
nos values lesdes.Mai at Outubro, em quanto que do on-
tro lado das montanhas- visinhas as chuvos nso so fre-.
quenles ser to desde Deze.mbro at Abril. Em logar de-
guardar 'o insect no tplheiro durnte a m estacan, asimn
como dissemios, os Indios poem as cochonilhas mes co-
bertas com folhas de palmeira, camada, por camada emn
cestos ou canastras e levam-nos s costas o mais depressa
possivel montanha a 9 ou 10 legoas das suas plantaes.
Tractam de as distribuir, sobre os nopaes preparados para
isso, e aonde ellas ficam at- Outubro, em que acabam as
chuvas nos valles, e' ent as tornam a trazer para os seus
campos de Goaxaca.
Para colhei- a cochonilhi servem-se de uma folha de fa-
ca sem ponta, que se passa entire a camada de insects que
sh lanam ,cm um cestinho. e a folha de cacto, tomando
sentido de no a offender. Qando o nopal muito velho
destroe-se o,que tem logar aos-8 ou 9 annos. Conmtudo
no terminal aqui o trabalho dos nonaleiros, resta-lhes ma-
tar o insecto o mais depressa possivel'; o processo'no
em today. a part( o mesmo.
Uns mergulham a cochonilha em agua a frerver. a 'e
cam depois ao, sol. Outros poin-na sobre folhas de ferro
ao calor do forno; esta maneira a melhor.
Neste estadode secure a. cochonilba pode conservar-se se-
cuios: toma a forma de'gros pequenos estriados irregu.
larment,, concavos de um lado, convexos do outro. A mais
estimada de todas a de cr parda'de ardosia avermelhada.
A cochonilla silve.tre mais pequena, que aquella de
*que se acaba de faliar. Ella se distingue taibem por
uma material felpuda, e por pequenos plos que se al-
longam, e.se pegam plant parecendo, de long fro-
cos de neve. Este insecto vive mais isoladamente do que
o outro;- chda uma das nmes forma um grupo. Cresce na-
ituralmente sobre cactos espinhosos, e outros arbustos do
mesmo genero. Os Indios a cultivam taln em sobre os no-
paes dos jardins; .a sua colheita mais facil. O mais ha-
,bil nopaleiro no pode fazer mais de 10 onas de cocho.
nilh/ia na seca; e pode fazer 3 arrateis da silveslre, quann
do a colhe nos olaleiros .de 'jardim. Creada sobi e esta


. iiais i* i~ ~------s~11-- ~-- *sl c I 1,


1









plant a cochonilha silvestre torna.se quasi do tamanho
da outra, e segunda ou terceira gerao perde a sua ma-
teria felpii.a;
A cochonilha fir do Mexico foi transport la para Argel
e tem sino cultivada sobre nopaes da America; esta cul-
tura tpe dado resultados mui satisfatorios.
Ha maitRs outras species de cochonilha, que se encon-
tram na Europa, e que se nao cultivam.
Os Russos tem uma que cresce sobre a pimpinella, so-
bre a parietaria e sobre a pilosella.
A colhpita feita de. 2 en 2 annos. Apanha-se em gros
do tamanho das sementes do pimenteiro. Fazem-na mor-.
r-r merguihando-a em vinagre, ou agia quente. e secar ao
ron. Os Armenios servem-se della assim como os Persas
para tingir a se ,, os seus marroquins, e a cauda dos seus
casallos. As mulheres dta Asia occidental serveminse della
para crar os dedos dos ps. e das mos.
Cmo a cultural deste insecto valioso pode fambem ser
introtidri nesta provncia, aonde nos parece que ha to-
das condies para que possa prosperar, pareceu-nos
cr alguma utilidade.

An i NISTRAIO t0 CONCELLRO.
Mappa dos CeraIes entrados n'esta Cidade no mez
de Dezembro 1857, dos differences Districtos
da .Sul Norte.
\ihoa finn................panjas .............. 88
Dio l rosso ...... ... ....... .............. 4.

M1endoiw------------------------..... .'22822
Feglli .. ................ ..............
IMeninim .. ........ ..... .............. '228
Gergelim ...L .......... ... ..... ... ..... 37"
blacaca .................. ............ 1190>
Somma.. ....... 3370

A'mini'traco ro Coneelho 2 de Janeiro de 18S.. O
A liinistrador do Concelho, =Jose Francisco da Piedade
Pereira.

MOVIMENTO DO PORTO
S -
de 8 a 22 do corrente

EmBARncAEs ENTRADAS.
No dia R Paiagaio Arabe = Saala = de 50 tonela-
.as, V'"estre Amad, de Zinzibar por lho e Pemba, em 30 dias
do 1." Porlo e em 3 do 2.', com urzella, assucar, cauril, ger-
gplim e algodo, 2 locas de fogo, 16 pessoas de tripulaCi,
3 offirios, 2 para a Secretaria do Govtrno e 1 para a Al-
fandega, e 2 passageirns negociantes com 1 criado.
) Panaio Arabe = Assemine = de 30 toneladas
Mestre NMuss Mualimo, de 7anzibar em 13 dias, com 50 bar-
tri de olvora, 20 Espineardas para uzo de lordo, 1 pes-
s~as de tripulao, 2 offcios e G6 passageiros najojos nego-
ciuntes, com 6 criados.
-) Pangaio Arabe Tuacane =, ie 50 toneladas,
!.osltre Amisse, de 7anzihar em 12 dias, com 36 barris de
pI Ivera. algoi'o, 15 Espingardas para uzo de bordo, 17 pes-
soas de tripulao e 1 n.ulher pieta, criada do mouro Niza-
nIolim.
No dia 11 liale Portuier i = Aeuia de 79 td7 -
rledas, Capitio Achumia Cailamo, d'Anjoanes em 6 dias,
e* m fio de vela. 4 ho de ltuLo (, 2 bocas de fogo, e 14
pessoas de tripulao.


No dia 13- Pana;n Aiabp= Amenital de 31)
tonelada,, Mestre Sali Bitabite, do Cpmoro para 7nnzjihr.
arribado aqui em 7 'dia, com cauril, 1 boca de fogo e 17
pessoas de tripulaco,
No dia 16--Pangain Arabhe=Salemonte=de NO to"
nela tas- Mestre Sahiie ',Bine AmisqP. de 7anvihar em i1
(lias, com 1 fardo d'algodio e 1:000 peros, 2 bocas de
fogo, 8 espadas e 1 espingarda de seu armamento, e 20
pessoas de tripulao.
a Panraio Arahe=- T irefa = de 30 toriellnad,
Mestre Aly, de 7anzibar em 1 dias A em lastro, cem 6
espadas de seu uro e 16 pesonas de tripiac to.
-Pananio Arabhe Far = de 30 toneladas., MI<-
tre Mubaraca. de 7anzibar em 17 dias e em lastro, com i
pessoss de tripiulao.
No dia 19- Paneaio Arabe = VFatalquer --- de ) to-
neladas, Mestre Abdal' Bine Champlane. do lho p(or'Ppw-
ha em 5 dias. com urzella, gergelim, 19 pessoas de tri-
pulao, 2 olficios e 9 caitas para o correio.
EMBARCAES SAHIDAS.
No dia 292- liate do Estado-=.19 de Maio= Com-
mandante o Aspirante de 1." Classe d'Armada leal Francisco
los Santos A'lmeila, para Pemba com 1 boca de fogo, 10 pri.;-
as de guarnm;o, diversos volumes e caixotes, 39 passacpeis9
l'Estadto, sendo colonos europeos, praas il, pret e 2.5 libert"s,
7 dos quaes so do sexo femeiino, I mala e correspondencia.
o'ici. ,
a- uter Portuguez = Maria Jose =de 6t tone-
ladas, Capito Jose Evaristo dos Smnitos, para o lho pir
Pemba, com differences gencros, 1 pessoas ld tripnisc,
e 1t passageiros do Estado. send 11 praas da Fseuin
=Angra= 3 ditas d'lifaiiteria e 1 degradado com uma
mulher e 2 filhos menores.
Capitania do Porto de Mocarnhiqw' 22 de Janeiro de
1858. =- miguel Augusto ra .ilva Cordeiro, Alfer/ do Exer-
cito, servindo de Capito do Porto.

HOSPITAL MILITARY.
Moving.0 dos dopntes' d i 16 a 2-2 do onrr

Dois c Z ---- c
j >DONTES.
) oasms

SI !"

i,, oari i H i 31, .
S~aram 1 ( 1 | 4 1
Falleceram | l I
Ficam exislindo 51 24 2 77
N- R. Os falpciiosf,,a pretos pertpncentes t Barca apresand= 5 ('lar
les & eurge =, um dos quaes morreodedlesentPria euutro de fehrr alaixica.
'Hospital Militar de Voaml;iqne 22 de Janeiro de 1858. O Director jn-
terino, = Joaquim Francisrn fPollao.


A Tabella d'EmoIlumer'tts e Cus'as .lud;iraes que arab0h
de publiear-se no ultimo rnmeio d'est lrtio"im, narh-sg
impress em folh tls nwfnda por 200 ris cada um,' na Re-
cebdoria, Particular d'esta ,idade.

MOAMBlIQUE;--NA IMPUmNSA NATIONAL. .


<-"I i--ii -ii iill ~ __~~1. __~_~_





ANNO 1858. NUMERO 5.

Este Botetim semanal serd pbtlscadeo todos osf Sa>bbados, 1Pre d'rssignatkso, ~ -pr anne..0W.......r. .
ou no dia antecedente quando- aquelle seja feriadO: assigna- P>or seis mezes .... ......... ...., R. f5<>
se para o mesmo Boletim, em Moambique no EstabeleriMner Porwtiz mezej .... ...............j... 00
to da Imprensa Nacional, enos Districtos da Prolincia, nas Por foSShS avulsa .. ,.. ... ..r.. ... .... *Offo
Secretarias dos Governos e Coimando de ils; asas-i- a Preo dos annuncios, por linha............,. 040
anaturas ide sempre pagqs adiantad'as. Correspoidenciai d'interesse particular, Idera $o 8r O


SO L.E T

Dfi GOVERNOR GER IL D.\ PROVVINCIA DE MOX'IBIQUE.:

Sr SAIBIB.ADO O0 IUL JA LEllti.


:I ii ri j OB l' lf ,T & 1 5ll.o0 Sr.- Annuindo aos desejos expresses por V. S.i
I 11 I l I 1 ,1 L no seu offlcio n." 2- de 25 do correnie, em. que exie
_|'' __ o estado da sua debilitada saude e ani'mado do6 seu ndo
desmentido r.b qluel'irido que o servio march regular-
mehte, V. S.` solicit equ o consider dispensado tempo-
.rariamente dos ohriga-s "do seu cargo, e nomeie qunm o
.g sa 8t l,,.l__m A / .- substiiua durante o seu impediment, mandei passar a Por-
taria inclusa.
T EN-O representado o Secretario Geral deste Governo Foi bem doloroso para mim ter de assignar esta Por-
Jose Narciso Ferreira de Passos, rrfo pier conti:.uar taria, em que por hem da saudede V. S." priva ainda que
por algum tempo a exercer as finees do seu cargo, coi, smente por pouiro'tempo seaindo esperoa, esta Provincia
aquella assiduidade que ellas demandam em vista do esta- dos sets valiosos trabalhos, e a mim da sua- sincera e Iral
.do da fsua saude, e da falta de foras em q':e se acha, e coadjuvao. Se a Provincia, e o servio perdem rto'esia in-
sendo necessario nomear quem o substitua nas funees do terrupio.. eu soffro duplicadamente como home public
referido cargo durante este impedimrto temporrio; o e como particular. Quer n'um, quer n'outro character, as
Governador Geral, determine, que o Capito do Exercito n'ssas ideas tem sempre ma 'chado de. accord. Compraz-
de Portugal Jose Maria-Pereira d'Almeida, seu Ajudanr- me aflirmar aqui, que no conheci jamais em V. S.' outro
te de orders, exera as fuicies de Secretario Geral deste interesse, seno o interesse do servio. Elle o preocupava
Governo em quanto durar .o impediment do' Secretario constantrcmente, e por elie fez V. S,' n'estes ultins tem-
Geral Jose Narciso Ferreira de Passos, continuand ao ames- pos mais do que podia,-mais'do que'devia, em rela.a ao
mo tempo no exercicio em que se acha, de encarregado seu melindroso estado de sade, Nem as minhas repetidas
do expediente military. solicitaes amisaveis, nem o prop-io interesse da sua sa-
As .Auctoridales s quiaes o conhecimento d'esla do- uie. poderam vencer os escrupulos do seu excessive zelo
va pertencer, assim o tenbam entendido e cumpram. Pa- e amor do servio, foi necessario que as,,for;as lhe faltas-
lac!o do. Governo Geral da Provincia de Moambique. 26 sem para ceder.
de Janeiro de 18' 8. = looa Tavares d'Almeida,' Gover- No tenho outro, meios para retribuir-os valiosos wsr-
nador Geral. vios de V. S.', parece-me que faltaria a nm ever sagra-
S____ do, se no approveitassc esta occasiio para dar solemnie e
Spublico testemunho do apreo, e alta conta, em que tenho
N.O 4= ~TIll." e Ex.mo Sr.=O, mei e.dado d1e s ue os ses assiuos e constantes servios, e a sua podersa e
tem chegado a ponto de nio ser possivel fazer nada, abso- efficaz cooperaio nos deveres do mnu caro. Creia V. S.a
lutamente nada, do servio que sob mim pesa-eque see qu ee n oe 'cancrei d, fazer plna justia no seu mrc.ci-
atrazondo proporo em que eu vou cahindo n'um aba- mento, ouvando os seus. servi s, e levando-Is como
timento de foras physical e moraes. devo, ao cornhei iinto de Sua-Magestade. O seu galar-
Em- quanto poude, fiz talvez mais do que polia fazer,o sro msmo as
do.. no so as minhas palavras, no sero mesmo as
V. Ex. o presenciou, e creio firmemente, que no neces- recompensas que Sua Maestade t Iouver de dispensar-
sario justificar-me para comn V. ro.n. eque Sua M\iestae Uhuver e dispen que j usmi-facar-m to, paraqueom e.rioEx. lhe, mas sim. a satisfao intima da s ia conscienrcia, E
O que um: fact, . que o servio nao pode continu-ar esse eu sei qe V. S." apprecia, esse que n ver-
assim; levado, pois pelo zelo do mesmo, peo a V, Ex." me ladeiro alardio, qe Vd qe V. S.ap gzar,. pe r que po-
considere deaohrigado das funces do meu cargo, em quan- e otamnt dize queshe cumprir o seu der.
to a minha .saude for tam precria como actualmente ,_ spero qu- a doena que nme priva p'r apora da road
monmeando alguem, que me- stbstitua durante- esse impedi- juvao valiosa de V. S. dcsapparecer bem depressa, con-
neto.-- Deus Gurde V. Ex. Secretary do Governo dppree em deresa,
mento. Deus, Guarde V. Ex." Secretari do Governo forme os meus vehementes desejos e' o hem do servio ca-
Geral da Piovincia-de Moambique 25 de Janeiro. de 18-8.
-III.mo e Ex." Sr. Governadort Geral tda Provinci'a d earde V. Ger d Provin de
Mombhique. Jose Narciso Ferreira de Passos, Secreta- lMombique 26de Janeiro de 1858 .=11."" Sr. Jose
ri <,erdl. ': no d=S
",. N. .. arciso Ferreira de Passos, Secretario Geral. -= Joo Ta-
S -- .. var'es- d'Anmeida, GovernadOr Geral,







- - -;-- ;-- 2 k


ii'.**, ..:.;
Sinopse dos Offiios- expedidos pela Secco Militar da Secretaria
do Governor Geral da Provincia de Mocambique '
no mez Novembro de 1857. ,


A dirinm
dirigidoq


OBJECTS


2 Ao Pfirurgiao Confirmando a licena arbitrada 'pla Juuta Militar
mdr da Pro- de S,,ude ao Cirurgiao mnr da Provncia. :i


Ao Comman- MIndand' frmar Conselho d'iinvestiza3o ao cabo
dante do Ba- n, 20 da 4.- C)ompanhia Francisco Xivier Peixoto.
talho .servindo-lhe de base. a copiado oflicio do Cap1a,, m r
das trrns firmse, em que o accusa de haver roubado
iuma espingarda. -.
40 Prezi.ente Dando cnhecimento das medids que se hioj ado-
da Camera Mu,' ptar cerca da policia da capital.
niripn:
4 A,dministra Dpterminando que envie os Psclarerimentos preci-
dor do Cotice. 'so- para serem dadas iilstrces'ds patrulhas da Ca-
lho pilal.
3 Co Cmomman- Mandando reforar a Zuarda principal afim de dar
fl nte do Ba- as patiulhas para os giros qu- lhe fossem marcados:
talha.,


S,:, Juiz d
Direito
4A> Pscriv
da -Junta
Idem


4a nat P mn
dant- do Ba
talho



i) Ao: ntrerto
intr.* d i H>s
pital Mililar
Ilem


Idem.


6 Ao C'ntnran
dante da aP
adeS S Seba
tino
8 A /Coinman-
dante do Ba
talho
* Idem


SIdem


to Dire'fto
intr.o0 Hos
pital Mi'itar
* xo Commnan-
danie do Ba-
tali' i
1 Ao Commn-
dante do FPr-
te de Sinto
Antonio
9 Ao Cmma-
danteda ctm
ppnhia deve
tranos
Idem


4o- inspector
do Arsenal
t Ao'omman-
dante do Ba-
talho

Idem

o Idemi


e Enviando a'copia.da Portaria, que nomeou os vo-
gaea effectivbs P suplentes do conselho de Justia.
o Enviando a copia a dportaria pela qual 'e deu no-
va nrzani-aa, fra military existence na capital.
Communicapdo, que firo concedidos 60 (dias de li-
cena para tratar ,la sua saude ao cirnrgilo m6r da
pirvi neia
Intelf-rindo o requerimento do Anspeada n 0 da
- companhia de Lmilrpn;o Marques, addido ao Batalho-
em que pedia regressar a sua Companhia, em cons"-
qiiencia d'ainia poder ser preciza a sua presena co-
mo testemunha di conselho de guerra do Capito Cruz
Almeida P A.feres Asc nso.
r Codicedend fase alterada debaixo dar condies
- marcadas a 1." dieta do -'Has.,ilal Militar.

Comm'incanlo a deliheraAo tomada em sesso da
Junta,de Fazenda acerca dos vencimentos e -ra lif,
careo em divida aos empregados do IIaspital Militar.
Enviando a portaria acerca da' man-ira porque de
fi'uro dveri' seri provides os empregos do Hospital
Military
S Mandando mnelter no paiol da praa as munies
Sque estiverem abordo do d=-Zambeze-'. '
s

Concedendo licena registada a uma praa.
a

Ord"nan'io. que se-proced a conselho d'investiga-
c o> para' se conhecer da part dada contra o,s6odado-
n.O 94 da 1 a companhia e 406 da 4. .
Mandando passar guia de marehnla, para seruir via-
gem para Sofala ao Alferes Jose Maria de Magalhes
Alho.
Ordenando, a sulstituiZa d'uim ,enfernmriro do
Hospital por um'notro em consequencia d'estar mais
apto para aquelle servio.
Determinando que seja mandado destacar para o
Forte de Santo Antonio, um cabj da Companhia de Ve-
teran $.
Participando que se or'len-n fasse para alli manda-
di um cabo d'esrinadra da C>mpanhia de Veteranos pa-
ra commander o destacameuto.

Determ;nando que seja mandado apresentar ao oan-
sul de S. M. Britanica, o shgiado que j o antecessor
de Sna Ex a lhe havia concedido como interprete.

Mandan o que f'ta procedr ao oramento da despe.
za a fazer com o concerto dos telhados do quartel da
companhia.
Ord, nando que envie uma nota das muinies de guer-
ra nnue devio existir abordo do P:ttacho = Zamheze.
Ordenando que sejo escuzos do servio por haverem
sido julgados incapazes do mesmo pela Junta Militar
de Saude e preferirem este destino ao de passarem a ve-
teranos os soldados n 44 da 1. companhia e 63 da 3.a
Idem pela mesma razo ao cabo n. 20 da ex-com-
panhia proviz.ria.
Determinanido que tenhao paqsagem companhia
de veterans por haverem sido julgados inzapazes pe-.
la Julnia Militar de Saude o 2.0sargento'n.* 79 da 1.a
companhia 2 praas da exti nta crompanhia proVizo-
ra o o soldado an.U 107 da 4.' companhia.


d 4 queme
dirigidua0
,vez.


OBJECTS


Dina
do
Msez


talhmo,
i Ao Admini
trador ido co
celho .

S1 A EscrivAio
Junta da
zenda-
13 A4 hnspecto
Arsenal

o A. nireci
intr. do Hf(
pital Milita
n A Comina
dante do B
talho


a Ai Direet
intr. d, i H
pital'Milita
l Idem




Ao Di rect
da Alfande


14 Ao Comma
dinte da cor
panhia d Vi
teranos
n Idem


is- Communi cando no procedimento qule se mandou ter
a- com o capil.a do Batalho Frederico Jose Franeisco
por cansa tia ocecorrencia qne teve lugar entire elle
e o Escriv'o d' Administrao.
)da Enviando piara ser satisfeita a requisiio para as
Fa- luzes necessarias no destacamento em Mussural.

rdo reterniinando que quanlo o Director interino do
lTspital Militar lhe requisitar serventes satisfaa a
reqniisio dando part a .esta'R-parligo.
or C;mmiiniando a odem a cima dada.no, Inspector do
os- Arsenal e fixando o inumero ds serventes do Hospital,
r
n. Ordenando que sejam mandados na conformilade
a- do splicitado pelo Director interino do Hospital Mili-
tar para p.aticantes d'enfrmeiro os soldados i. 5603
da 2.' companhia e 46 da extincta companhia provi-
zoria.
or Comimunicando, que annuinido-sp sua proposta foi
-s- dada ao Ratalh. a oldem constant ;do oificio ante.
r cedente.
Fazendo sentir o pouco cuidado com que tinha an,
.dado admittindo n'aqiuelle IH spital a um individuo,
que te disse Guarda da Alfi'ndega e que nunca apre*
sentou a sua baixa ao H,spital como tal; pois se verity
/firara ter deixado e o ser desde o dia 21 d'Ontuhro.
or Accusando a recepo da quantia de 5550 reis imi
ga portancia da part que pertencia aos s. Idades do Ba,
talha, que tinhamn aprehendido os objects que foram
arrematados.
n- Comnuinicarido que por lecisoda Junta de Fazen,
a da se hia proceder ao-concerto dos telhados do quartel
e- da Companhia. "

Ordeuando que envie mensalmenteo mappa daspra4
s 'que fillecerem durante o mesmo com as indicaes
Sprescriptas no modello.
( Contina. )


JUNTA DA. FAZENDA PUBRICA.


Para conhbiimento do publicose annuncia qne desle o
dia 1.0 at 15 de Fevereiro proximo future ie,'achar aHer-
to o Cofre da Recebedoria particular, desde as 9 horas da
manh ate s 2 da ta rde dos referidos: dias, afim de srerea
recebidas as importan,.ias de.;fros e Dizimos do anno
proximo findo. Contadoria Geral de Mocambique 28 de
.Janeiro de 1868., No inpedinml(Fn do Escrivo da Junta,
O.Contador Geral Duarte Manoel da Fonseca.

Em execuco das ordens da .unta de Fazenda, se faa
public que nos dias 2, 3, e 4 de Fevereiro proximo fui
turo, desde as 10 horas,da.. iaih at s 2 da tarde se


n Idem Mandando que nos mappas do resultado da Junta
abra mais uma casa para. dar a inf.jrmao constant
do ,nodello que se envia.
s Idem -Ordenando que seja admoestadoo capitAoFrederico
pela occorreneia que se deu entire elle e o Escrivo
da' Administraa do concelho.
n Ao Adminis- Participando que um soldado do Batalhilo se havia
trador do coS precipitado das muralhas da Praa do que lhe resulta-
celho r a morte e por esse motivo f)sse praticado oque de-'
termina alei a semnelhante respeito.
It Ao Es crivo Dentarmiinando que cesse o abono d azeite que atr
da Junta de aqui se fazi\ para a illlniinata interior do Palacio
Fazenda de sua,Ex.. por tal-abono no ser auctorisado por lei.
a Idem Commnuni-ando que fi nomeado commandante do
prezidio de Bazaruto o Capito Antonio Jose R drigues
Pinho.
.s Ao Comm.an- Manlando passar guia ao capito Pinho, para se-
dant' do Ba. guir viagem para o Bazarnut por haver sido nomeado
talho commandante d'aquelle prezidio.
Idem Determinando que seja passada gnia ao official iu.
ferihr e aos 2 cabos d'esqtiadra, que devem hir desta.
cados para o pr'zidio de Razaruto. '
Ao .uii de Enviandto-oprocesso verbal e summario formado em
Direito conselho de guerra ao Capito Cruz Almeida e Alferes'
AscPno.
A> Comman- D:terminando qie sejam entregues no archivo da
dante do Ba- Secretaria Geral os livrs mestres findos.


1


j









hade effectu c pagamento d'um mez de vencimentos a
tolos o" Enlpe gadros dv E-tado que 'percebem pelo cofre
public. ~contl'Ioria Geral de Moambique 28 de Janeiro
de 1858. No jimpedimento do Escrivo da Junta, O Coa-
tador Geral'- Duarte Manoel da Fonseca.
S -'r '- -- "


SAGI RI(ULT U R l
b'enr'gem, ou enxugamento das terras alagadas.
A palavra 'drenagem, vem d'uma expresso inglesa que
.significa secar, enxugamento. A drenagemno umaope-
rao 'Sova,.provavelmente a sua pratica remonta aos pri-
meirios tempos em que a terra foi submettida a agricultu-
ra ; e os Inglezes s descobriram uma modificao a mna-
neiUa pela qual el!a era feita.
Inaginaram empregar, para fazer correr as aguas, tubos
de barro de 2 a 3 palmos pouco mais ou menos de com-
primento. sobre 3 a 4 polegadas de diaimetro, e simple.
mente collocados uns adiante dos ou ros, de. modo, que a
agua penetrasse pelos inteirsticios que resultam da unio
detlas especi'es de 'aqueductos fiaticipialos. Os antigos,
principalmente o Romanos, fazian aqueductos subterraneos
com pedras convenientemente dispostas para o fim pro-
posto. Acontece mtuitas vezes aos cultivadores, da Europa,
en',intrar cavando terra, aqueductos deste gernero, que
existiam talvez-ha muitos seculos sem ser conhecidos,
'Antes do modo de enxugame;nto subterraneo dos In-
lezes, esta operao: era difficultoza nos terrenos despro-
vilos de pedras, seixos, ou ma.lira. Daremos uma cur,
ta explicao que far comprehendcr po'rque.
Seca-se seinpre ui terreno fazendo escoar as aguas, ou
por fossos aco aberto, ou por fossos cobertos, 1no'fundo
dos quaes assentam os aqueductos. Para former eStes aque-
ductos, emnpregam-se pedras, calhos ou faxinas.
Eis co'mo se piocede:
Quando ha pedras, e muitas se encontram sobre o pro-
prio terreno que se quer enchugar, abrem-se fossos'de dois
ps de largura sobre 3 e meio de profundida le, e outras
vezes mai<, segundo as circunstancas. Escolrhem-se as pe-
dras cujo feitio se aproxima mais de um quadrado allon-
gado, e formam-se duas fieiras de cada lado do fund do
fosso. Depois escolhem-se pedras mais achatalas para se
porem sobre aquellas, de modo 'que formem uma series de
pequenas-pontes que, forminam o,aqueducto. A dimenso des-
tes aquoductos ' ordinariarnente regulada pela dimenso
do p do trabalhador. Este colloca, com effeiro, o seu p
entire as primeiras pedras de que fallamos- para tornar a'
sua distancia uniform de, um extremo ao outro do aque.
ducto, e posta a pedra que o cobre no seu logar, o traba-
lhador tira o p, para. continuar do mesmo modo a ope-
rao.
Algumas vezes o operario cobre o aqueducto com terra
a me:idla que o vae fazenio, mas quando elle tem pedra
miuia sua disposio, colloca-a em camar!as sobre os
tectos do aqueducto at p e meio do nivel do terreno;
depois cobre tudo de terra, e esat a operaco councluida.
Quando s ha pedra miuda, eolloca-se no fund do fos-
so uma camada de uni palmin de altura, e mais, seg'indo
a profundidade do fosso, e quntt;lad' d pedra miuida de
que se pode dispr. Cobrem-se estas pedias com tc'rra, e
a agua circula, fittra atravez dos seus intersticios de- ma-
neira que enxuga .bmn o terreno.
lFormam-se tambem aqueductos com pedras achatadas
encostadas umas as outras em forma de urm V. invertido,
mas estes aqueductos no so to solidos, como os de que
j fallimos. As pedras-assim dispostas,. qebram-se s ave.
zes, com o pezo da terra o, sse-desarranjam, c neste caso
o aqtueducto fica obliteiado. ''


Muitas vezes tambem, e pl.icipalmente nos terrenos la-
macenrtos se pode empregar este meio de enxugamento,
dispoem-se o fundo do fosso em forma de angulo (V) e
com pedras mais ou menos chatas, ficando ento com a
forma triangular, o aqueduct para dar escoamento s
aguas.
Quando no ha, nem pedras proprias para fazer os aque.
duetos, de que acabamos de fallar, nem mesmo pedra miu-
da, e que -se pde obter, lenha ou ramos proprios para
fazer faxinas por preo commodo, dispoem-se estas em.ci-
lindros iais ou menos allongados, atam-se, e colocam-se
no fund dos fossos, umas no extremo das outras.
Estas fachinas deixam intersticios que d'o passage s
aguas. Pode-se assim fazer esgotar terrenos aquosos, se-
cal os e tornai-os sadios.
Ties so os processor ordinarios. conhecidos, desde tem-
po immemorial, quer para remediar impermeabilidade
do sub-solo, qtme retem as aguas pluviaes, quer para fazer
esgotar aquellrs que nascem de fontes, e formam lameiros
pantanos, &.
- Quando as terras de cultural tem grande quantdade de
pedras, que so um inconvenient mais ou menos srio, pa-
ra o uso dos instiumentos agriculas, os fossos empedraios
offerecem a dupla vantage de sanear o terrenoa por.num
lado, e pelo outro center as pedras que nelle se 'enter-
ram, e de que se fica livre ;tambem neste caso o metho-
do iiglez ter menos emprego que,,os fossos empe:lrados;
Mas a inveno dos lnglezes offerece 'ima enorme van-
tagem para as terras desprovid Ella facility o meio economic .e simples de sannar or so-
los humidos, e tornar ferteis aquelles cuja fecundidade neu-
tralisava a presena, d'aguis estagnadas.
A drenzgem ingleza chamada a representar um gran-
de 'papel por toda a superficie do globo, no s por qIe
preenche bem o fim desejado, como por quti por toa a
part s3 vae introduzindo com reconhe"ida vantagem.
Concebem-se facilmente os felizes effeitos do arroteamen-
to dos terrenos, quaesquer-que. sejain os mo'los emprega-
dos para' o produzir. Primeiramente saneiamn se os loga-
res que as aguas mortas tornam insalubres pnaqlos babi-
tarn'es, e este resultado o o inmenos feliz, nriir o :menos
important e philantropico: em segundo logar, a present,
ca ermanente da agua um obstculo, no s cultural,
mas a vegetaao.
Todo o vegetal tem necessidade para nascer, crescer, e
reproduzir se, de tires agents sem os quaes a existencia "
inpossivel. Estes ties agents so o cpalorico, o ar e -a hu-
midade. No fallamos agora da tuz, e d'a electric(idade.; Es-
ta represent talvez no fenomeno da vegetao, iiumpapel
mais important do que s.e pensa. Ora a agua que sub-
merge um terreno no lhe permitted, ter a quantidaIte de
ar, e de calor indispensavel vegetao das plants, que
n's cultivanios. Por outra parte nppoem-se.a pratica, das
operaes agriculas feitas para as obter. E necessario puis se-
car as terras para as cultivar,.e fazer-lhes produzir as co-
lheitas que se lhes pedem. A.drenagerm inglesa, ou.os ou-
tros processor de enxugamento conhecidos, e praticados
anteriormernte, preenchem amrimiravtelente o fim.
SUmna-poro desta Provincia con.ta deterrenos alagados,
que no s no so approveita'dos para a.cultura, mas, con.
.tribuem altamente para tornar insalubres ailguns .pontos,
que o no seriam, ou o seriam muito menos, se a cultuw
Sr, por- tanto a drenagem, ou enxugamento, por qual-
quer dos meios mencionados, -fosse empregada. A hunma
nidade, e o interesse esto' aqui de mos. dadas, recla.
mando estes beieficios se' urna raso no for bastante pb-
de sel-o outra, e ambas reclamm a aplicao do syste-
ma ,que fasemos conhecer aos nossos leitores da Provincia,


I i d ~i -- ~-~i -- ---i-- ~- Jep- '----~
,------------- ----~--~














Nomes

Keboul-Francisco Jo3o
-,araj b, Daudo
Josi Franoisco
i 'ntonio R-.iII- U s -
'Wanoel -da Silva :
.lo Jos Pereira
G uchande Pragaji
S Francisco X',vier Peixoto
S'".- ;Mianoel:Jos Paeri'ra
Francisco de Gouvia i
Antonio Gonsalves
Fernando
S Unlielina C. da Cunha.
A Antonia Bispa


DvINTNISTRA(O DO CONCELHO.

M. appa f.o'rtuarzo.d mez de Dezembro -de 1857.

Fado Natturalidade Idade Estado Religitio


Daulo-Muss
Jos Francisco
Ignora-se.
Joda da Silva
Manoel Jos Pereira
Pragaji Narany
Joo Peixoto
Inora-se ,
Jos Gouvnis
Joo Gonslves
Manoel Jos Pereira
Ignora-se
Antonio Teixeira


Jozim ',45 annos
Moambique 46 .
Chilhapane 45 E *.'.
Inora-se Ignora-se
:Villa da F 45 annos
Porto 4
Dip, 60 n
Vianna do Cast.' 37
Tgrora-se Ignora-se,:
Chimbra 38.ann.is
V.. de Sargad.a 29 .,n '
V.W Real 6 i.ezes
Ignora-se Ignoira-se
Canavezes 50 n nos


Cazado
Solteiro

Ignora-se
S-
n
Viuvo
Casadi,
,Ignora-se

Cazada
Cazada


Chnistio
]R1ahon>iet.c
Chnistbo'


Gento
Chrislgo


ii


: Observaes .

S. Capitiid da brca f anceza'.
SPescador
Sold n.0 17 da (Con p ` de Veternuoa
,Cabo n. 183 da 1.a Comp.'du l:atalhio
Degradado
Pedreiro
9.il', n;. '75 ,a Comap.~ de Veteranos
IPegradadiu seryvente du Huspital
Sold.,o n.0 126 da 4.: CmP.a do Batalho


AdministraXo do oncelho 2 de Janeiro de 1858. O Administrador do Concelho. = Jose Francisco da Piedade Pereira.


IlUMARii i DAI DA Dii O DA 0 FAZEND V El QUILMASE.
Movimento do Cofredesde 1. ate 30 de
Nov.em.bro de 1857.
RECEITA. ,." .
Saldo existence em Cofre; no dia .31 d'Outibro.
Em moeda fa7 .2:0149q58
Recibos interinos 7327665 2.7471723
'lI


,:Pelo que. produziram :n'este,
inez diversos, rendimentos. .
SIllo de verba........ 940
Papel silado........ 2 720'T

Rendimento d'Alfanoiega do6
prezente mez. : '
Despacho dos escravos 2 27
Generosestrangeiros $H368

DESPEZA.
Gratifica do .mer d'Oiutnbro
aos 6 libertos do Estaldo remado-
res do' Escaler d'Alfandega ......
C ratificaco do mez d'Outubro
ao GovernadoiPdo nixtricto ..
Pret e mais vencimentos Com-
,panhia Militar dos mezes 'le Maio,
Setembro' e Ourihro.'........;
Vencimento d*b'patarios qii tra-
balharam nas obras d"A1fand'g
desde Outubro at 3 'do corrente
,Fazenda para Cartuxxame d'Artil
I:heria *'.. . .. .. ...... ... ..
Azeite -para liizes. 4o ,Quartel :da
Comnanhia Militar de' Setembro e
Ouiubro .. . ... ..........
*.Mantimiento para o sustenio dos
libertos do: Estado em servio nas
.obrasi d'Alfndega '.... ..... .....
"- .. "- 7 ::: "._,, .": .


2s59.60 2:753p326




;2~613


~~439












l~'887


2;448

12 0~0000


115,%6961 :J'


11J1765 3 5it

1~83RC.:






~:5~O60


Saldo existence em Cofre.
Em moedla e fazendas.:..... .1:662!2 2
: Recibos inteinos .. ...'.'.. 27.27665


2:39.


Thesouraria da Delegao; da Junta de Fazenda em Que-
limane. 30! de Novembro de 1857. = Christovao ,C. Gene-
roo,. Thesoureiro, Almozarife interior. Anselmn Jose 'Gomes
Xavier, 'Escrieo. .


O $'SPITA'L MIIiTAt.

SMoviimt. dos drii ts de 23 a 29 do corr.e


,. ". O
DOENTES. 0
. ,' .. 24 '
Kxissam a 51. j s4 ) 2 | 77
Entram 22 5 3 30'
7~ 273j 5 107
'Saram 4, 1 3
Falleceran 3



niriosa; e l pretax pertencente a Barca apresada= Charles -& George-=,
que morreu de desenteria agu'da. -
Hospital Militar de 'ncambinii 29 de Janeiro de 1858. O Director in.
terinoo,- Joaqsmn Francisco Collao. .
., .


MOVIMENVTO DO P 'ORTO

de 23 a 29 do torrente


SEniBACAiE ENTRADAS. '

SNo dia 28- Pan7aio Arabe =Fatalker -, de 96 to.
neladas, Capiton Sahid Bine Amad, de 7anhbar' em U,
,lias. comV;i' farlos d'algodo; 2 horas .de 'feo,"9:espadas
e 7 espingardas para uso Je bordo, e 29 pessoas de tri-
pUlao.

EMiEnBARcES SAliliS. '

Niqo houve "

Capitania do Porto de,.Mocmbhiqgne 9 2de, Janpiro de
!858.- M.iguel Z1 ugus/to da Silva. Crdeiro; Alferes do Exer,
cito, servindo d de PrCpo.iu Pr i o.


MOAUIIQIL :- Nhii~uI NAGruL


:. .-.. :
_.i


).I


r ---- -'~ ---- ---- - IIUIII~lll --L~II~ACI


. . . -


''





ANNO-1858.

Este- Boletim semanal serd publicado todos es. abbidos,
Sou no dia antecedente quando aqhiele seja feriado assigna-
te para o mesmo Boletim, en Moambique no Estabelerimen-
so da Imprensa Nacional, e nos Districtos da Provincia, nas
Secretarias doa Goverinos e Conmands de Villas ;s a as0i-
gnaure ti 54 iempre pagas adiantadas.- -


-'NUIER 0:f.
Preo I'asa !'Pe leis ees ....r. .............. ..... .... w 1$500.
Por trez Iiee$ .............. ....... -08m cnR
P folha avulsa .o o ..;....4..w %%ROB
Pre0doao anlnciospor If hha d os4o
Coi-rtespon..snci~a d'joterense parlicur, Idem.* u sO8


OLE.TIM''

O GO VERNO GERAL DA. PROVINCIAL DE MO AMBIQUE.


SABUAO CO >E, FEVIFmino.


----- w5 fl z-' '
a OVErR O. ;EIB1ALa .



T ENDO em considerao: o que em seus requerimentos
1 representaram, Joaquim Salvador Pereira, Maconde das
Terras Firmes, Yossufo Chally, Ajudante do dito, AIy'Sayd
Ajudante d'Ampoense e 'mais Cabos; e Sarcnts das Ter-
ras 'Firmes, qiqe por effeito da Portaria de 17 d'Otitubio
proximo- passado,. que mandou' pr em vigor -o Decreto
com fora de lei do t.".de SetembrQ de 1854, que fixa
'o Orameneto da receita e despeza public desta Provincia,'
foram supprimiios os vencimentos das' ultimas 3 classes, e
dimirnuiidos os Ordenados- do laconde e sou Ajudante, que
-haviam sido estabelecidos pordeci d a'ec Junta de Fazer-
da de 13 .de Setembro de 185.;' ilegando6 qte com esta
diminuio e suppressor no podiam continuar a servir, vis-'
to que o servio a que em rasao dos seus cargos eramn obri-
gados lhes no 'permittii -entregar-se como convinha aos
seus negocios particulars, que tinham d'abandonar sem
compensao conveniente-e eom alguma responsabilidade:
Attendeno to' que pori esta diminuio e s;ppresso deo
ordenados os ctuaes empregados pediram -a sua demisso
logo que -'lia lhes ceri-fo u; que no obstante tem servi-
do at hoje, por no haverem sido substituidos: -'
Attendendo informao do Capiit Mr das Terras
Firmes, que exppe que- no tem achado individos,' que'se
prestem Aquetle eservi,que no d quasi outros provents
senvo:.os paquenos ,ordenados concedidos pela refrid reso-
luo da. Junta de Fazend': -: '. .; -:
Considerando que os serios 'destes empprgados, segun-
do a informalo do referido Capito Mllr, Commandante
das Terras Firmes, indispensavel, emrnquanto a'adminis-
traao das Terras Firmes, se achar:'m6ntada como aIttal-.
mente: '
Considerando 6 estado de pouca segutanaem que se:
acha' actualme'ite o Districto das Terras Firmes pelas cor-.
rerias que' :os- negros lemitrophes, tem feit 'ultiiamente
nas terras dependents deste Governo, e que takes cirtutilis-
tancias ;exigem, um servio mais active e assiduo' da par-
te dos individuos, que exercem -os e.mpregos referidos: -
Considerando, que sem esttes agents da auctoridade, a
arae do Capito r 'das Trras Firtres, seria coinpleta"
mente'nulia. que' traria srios eimbaraos, e compromet-
teriaa -segurana' don'habitantes desta Provinriri, que alli.
possuem vastas piopriedades 'e que tudo isto exige prom-


ptas providencias para que esta falta de socego .seguran-
a no tome maiores .propores, e antes se lhe podha ter-
mo quanto antes:
Considerando tnais que em vista do que fica Iponderdlo,
as providencias que estas.circumstancias reclama'n.,no po-
dem esperar pela deciso do Governo de Sua Magestadle.
que no poderiam obter-si antes de grande espao de tem-
po,- durante o. qual sofreria : servio public, e podendo'
a demora na adopo de promptas- medidas, comprometter
a segurana desta important parte da Provncia:
- Q Governador Geral da Provincia de'Mloambiqu2, em
Conselho, usando da auctorisao conferida pelo artigo 15."
do Acto Adldicional Carta Constitucional:
Visto o disposto-no artigo 3. do Decreto de 14'd'Agos'-
to d 1856 :.
Viston a delarao previa d'Euriencia votada pelo mesmo
Conselho,. determine proviso iamente o seguinte,. at6.ulte-
riorrtesolur.o de Sua Magestade EL-Ri;; 1 :.
1. O iMacoride vencer d'ordenado mensal..... 4FOo
'2. O Ajudainte d'Ampoense-d."-' ".. .. 000
3. 10 Gabos das Terras Firmes-'d."- d. .t--
da ....... .. ... .............
4.: 10 Sargentos'das .: d."- .. d.0 .. 5t00
O que se participa ''ao Escrivno da Junta de Fazenda e
ao Capito Mr das Terras Firmes, para. os efTeitos cot-
venientes. Palacio do Governo Gral de Moambique 3').de
Janeiro de 1858= Jodo Fava-res d'Almeidoa, Governador
,Geral. "

1 tNDo-partieipacil<> oCa'pitio mire ComnlmaWtinte ras Ter*
I ras Frmes, que alguns: negros arimados tem feito corire-
rias, que perturbam bOsoeego, e ameaam a segurna.,'do
Districio a- seu- argo, e a que convem obstar por miiic>
te meiidas adequadas; o Govel-nidor Geral da Provincia,
de Moambique, attendendo a que precise quanto antes'
'pr um teriio a estes acts contrarios a boa ordem e paz
public, adoptando as providencias convenientes para que
o socego se restabelea, e se mantenha o respeito devido
'auctoriade.e' domnio Portuguez: tendo ouvido o Conse-
lho do,Governo determine o seguinte:
'.1 O Capito mir e Coinmanlante das Terras FPmes,
congregando os propirietrios' de fazendas do seu.Distri-
*cto, e avaliando a e.tenso, e situao das suas proprie-
dades; ei'quanto: possivel-, de combinao com Alies, ,deter-
minra a cada' u;m -o .humero.de:homens :de seu servio
,escravos. ou livresque devem :aprs~-etaf' armados, quer
para, a segu-ana e defesa da sua proprieda le particular,
cquer' para-a seguran;e defea geral..
2.0 O numero de homenm que cada proprietario. dee,.
ser obrigado'a coWlervar armados, segundo o numero d
s.rvntas lives, ou escraTra que possuir, er dividide





26,


em 'luai parts. uni destinada idefesa do'logar dla pro-
prie lal e, sob a direen do prforietario ou. seu- feitir.
ou outra qlual;uer pessoa por eje proposal, e a outra.
prompt:i e detinmaa a defesa geral, sol a direce.o do
Capito nmr, dos seus epremga os, ou dos indiviluos que
elle para esse fim nomear.
S3. O Capitio mr para execuco dos artigos anteceden-
tes organizari una lista, cantendo-o numero de escravos
ou serventes que cada proprietario tiver proximamente,
e por ella regular o servio que proporcionalmente lhes
devr exigir quan.io se carea, procedendo a diviso-acima
menlciana-l
.4.' O Capito.. m auxiliary com arms; e munices de
gieira os proprietaiios'que no possuirem as,armas bran-
cas. ou 'de fogo necessarias para armar os homes que de-
v-r; fi"an-lo os djios proprietarios ou seus feitores res-
p).nsaveis peas armar do E-ta lo, e pelo'" epreg o das nmu-
liicues que se lhes distribuirem, de que .passarro recibo
para por meio dell e sexigr a restituio das di-
tas armas; e das munic5es que no tiverem, sido. empre.
ga:tas contra o inimigo.
5.*0 Capito m6r das Terras Firme esetahelecer um
signal" qualIqerl que ielhor ju'lgar que far conhecido, para
que -daIo elfe tio n-os oshormens, 'qne' cada proprietario
competir ariinar se.acheni promiptos; os destinados defe-
za particular. nas propriedarles respectivas os co ntingentes
desti-nados defesa geral no lopal, ou locaes, que lhes fo-
rem previamente determinadlos pelo referido Capito mor.
6.* Os proprietarios sero responsaveis por si e seus fei-
tores ou encarregados, das faltas que a-estas chamadas
geraes, fizereim os inlividuos queelles devem apresentar,.
ou -estas chamadas tenhian logar por prevenco, ou em
consequnencia de qualquer' ataque que seja precise repeilir.
7.* Em determine los dias,.e- a hora approp'iadra o.Ca-
pito mr-por si, ou-seus .ltlegadIs, fa'ra reunir nos pon-
t',s con.v.nientes, e que seja m- os' mais tentraes dos diver-'
aos districts emnque para -este fimteniha de dividir as Ter-
ras Firmes,, os Iromen.s armwalosy e por meio de giros ou
ron Ias exam.irara ou farc.. examiner re os homes desti-
nado. d.,efi'sa. particular se -conservam nos togares de-
tereminialos e prompts para o servio que se lhes destinnu.,
.8. Os propl itarios que por qualquer.imodo se eximii-
rem ain'quefi-ca determinad o pos artigos prece'entes ficairo
niij.-ils a umia 'iilta de 20$000 ris, alem' as penas que
lhe, implem 'lo C;:ilgPenalno frtigo 188.0' seu -.
9. O Capito mor idoptar por meio dos seus empre-
gadlos. subalternos todas as medidas necssarias.para a exe'
cuo do que fica determinado.
0O ) GCapito m6r e Commanda-nte das Terras Firmes
far publicar esta Portaria por. meio, de band.. com as
formalidades do. estyl para q, e, chegue ao cohecimentoi
de tpdos, e se nao possa allegar ignorancia. .
O que se parli.ipa ao Capito .mr das Terras, Firmes
para sua inteligencia edevida execuco. Palacio 'do Gover-
no Geral da Provincia de Mocambique 3 de Fevereiro de
1 6~8.=- Jo..io. res d'Almeida, Governador Geral.t


Pede Jer considered, para paamento de direiios que
tier a p:igar, quer por importaao, quer por exportao, n:a
eguallnide dos inglezes, e americanos dos Estados unidos.
Conriilerando que o Supplicarite est. .nas.mpsmas circums-
Imncias que qthalquer outro estrangeiro, com cuji nao
Purlugnl no tem Tractado de commerrio. parece Com-
"misso permanent das Pautas que a pretern de Gusta-
vo Groot nio pode ser deferida, pois que importaria-faser-
lhe uma conrcesso, que para os outros estrangeiros a go-
sarem foi necessario que precedessem as: formalidades e as
solepnidades d'um Tractado. Sala das Sesses da Commis-
so Permanente das Pautas 21 -deJalneiro de 1858.
Jose Narciso Ferreira de I'assns. = Duarte Manoel da
Fonseca.= -Francisco Borges dos Santos Bicho. = Celestino
-Feliciano de Menezes.== Jose Prazeres' da Costa.

Visto o requerimento d'Antonio Michel, 'Negociante Fran-
cez residence n'esta Cidade.
Allega ter arrematado no leilo dda Barca franReza = thar.
les _' George= 177 saccbs d'arroz. e 400 couros com desti-
:no 1'exportal-os para fora da Provinci.
Pede que send estes generous evidentemente do consi-
mo externo elle seja aliviado do pagimento dos direitos d',
imporiai, e smente obrigado aos d'exportao na ocra-
sio de sabida dos ditos volumes.
"A Commissio permanent das'Pautas censiderando" que
por im a.cto d'equidade ainda, poderia ser attendida a pre-
teno doSupilicante seno acto da arrematao no tihes-
se precedido .a derlarao: previa, por part da aIictorriade
que a ella presidia'de que todos ois generos- arren atados
ficavam. sujeitos ao pagamento de direitos de consumo, pa-
rece Commiuso que o requerimento do Supplicante no-
est no caso de ser deferido, pois que o contrario impor-
taria conceder ao Suppiicante um favor iue outro qualquer
arrematante no. tardaria avir reclamor pretex;indo qual-
quier .esperinzo motivo; parecendo ever, dedusir-se que
Squando o Supplicate .acceitou a arrematao corn os nesmr ,
onus corn. que a aeceitaro os outros arrematantes, scIm a-
setr nenhuma reclartfaCro, se sujeitou a toda as consquen-
cias da Legisla o fiscal em vigor. Sala das Si ssoes ia
:Commissno Permanente das Pautas 21 de Janeiro de 185.
,=Jos" *Narciso Ferreira de Passos. = Duarte jlanoit da
Fonsera: = Francisco B r 'es dos Santos Bicho. = Celestino
Feliciano de Menezes. = Jose Praseres-da Costa.

ircu!ar. N.0 31= Ill.1"' Snr.,= Ordena S. Ex.B o Goe
vernador Geral dta Provincia, que. V. S.8 :remitta desde
j, e assim o continue a fazer toios os semestres;.,uma re-
laao dos degradados, que existem sob as suas ordens, con-
ptendo nomes, natiralidadeso,filiao, tempo de.degredto, des-.
de quando se comou a contar', empiegos ou collocai~o,
'meios de vida, comportamento, servios extraordinar.ios


S... nissaa e l : e. das us. que tenham prestado, e todos os demais esclarecimentos,
Commssaa. Permanente das -Pautas. t.- a
S c onvenientes para poderem. ser ,rt.cmendaoos por S.,.E
O Governador Geral da Pr.odin a de Moiambique, con- caso o, meream :por seu, co.iportert.e)ti; exemplar, signa
formou-se com oas se uinl's ,pare'eres 'd'arrepenlimento, emenda,;e servios; a fim de' que .Sa
Visit o- requerimenio de Gustavo:Gioot Negociante en- i -agstade .exeraem.seu, aypr se. asim lhe Aproiver, a'
earireead da sasa d'Adol" Jalih e Filhos' de Hamburgo. .Sua Regia Clemqncia, e lh(s;diminia a tempo de degredo,
SAliega que o sou commerrio no'p6deompetir com o.com- :se fr do Seu Real. Agradoo. ,. -..
mnercio i'doutros- Esrangeirns aqui eslabeleridos' em coinsi- O .mesmo l x.," Sr. muito, recomenda a V., S.,-; que se-
quencia' da4s :espeetivt s Na .s':i'sd4 ibllis terem Tractados ija &upimamente escriFulozo nas' suas infiormaies, afim,.de'
de commercio com Portugal d''hde lhes resulta a a'ta-nit que;a8s rcomendages, qe. se lhiuveren'.,de fazer ao G
genie coned'da 'pelo' nitesmc Tractads.' S Y erpo de Sua 1,agestade em couegneqn ia:' &llas,, recaiSa


'.: -:- ~~:; ..... _;....~; i ;L








reatmnte: sobre iniivni'iioau digios d receberim uma tno-
elevada graia da R-1egiaGC' niencia de Sua Magestade. Deus
Guarid'a V. S:, 'icrr luri do Governi Geral de Moambi-
que: 27 die Jian i.ro de 18 8. = I111."' Sr. Co.mma.ndante
do iBatalhiiA de Infanteria de Moambique rn. 1 =-.ose-
Maria Per.ira: d'.4lmeida Capi Ajudanie d'Ordens, Encr-.
reg.,l :do. Expi'dintei Militar, servindo de Secretario t.eral.
Idnticas aos Governadores dos Districtos, ao Adrinis-:
trador do Coicelho, ao jiMspetor do Arsenal, ao Director
intPriiio do IIepilal 'ilitiarie'ao Comminridante-da Comipa-
nhiia de Veteranos.,

N 5' n =111 Sr. =D'or en de Sua E&X o'.Governa.
dor Geral la Provincia, devolvo a V. S." o requerimento
de D. Eficeia. GaCnrli-ta de Mello .Castello que acom.pa.
nioiu o se'i offieio 'de 30 de Janeiro findo, no qual pede
Camara NMunicipal lhe seja aIfIrada iuma poro d.e ter.
reno ao Sul da Cida-e, para que V. S." se sirva, proceder
a respeito deste pedido e de tooos o' 'Ie ais que form
da msesma natureza na conforiidade das instruces que se
seguem e que o mesmo Ex.'mo St. ordena, sejam de,futuro'
observasdas. .... ,. . .-
S1.* Apenas qualquer pFeso; requercr CamaraU- rtni.i.
pai o aforamento de .bens pertencentes a Municipio, de-
ver logo a mesma Camnara annunciar no Boletim do-Go.
verno, coin anteci pao de 1. ddias, -o- dia, hoara 'e local
do exame e vi.toria'sdbre os nesiTos 'ens, Oqual ser feio
ta com a asistenc.i: do Presid"erut"e Verea.ior. Fiscal dai
Camara, do Escrivo pai!a,'av r.a. 8~ respeotivo auto, e de.
dois peritol para faserem avaliacio.
. No 'dia fisadio a:Camara procederU ao.esarne e. vis-
toria, fasen;its declarar' no respective auto, primeiro, as
confrontacies . mpico: dos bens pelo Norte; Sul, Nascen-
te, e Poente; segundo, o.seu valor como livres; e terceira,
quanto se lhes arbitra de foro, e sendo em, generous o.
preco em dinheiro pelo qual se' coiita ara.
Se no acto do eiain -e iistiri' alguein s, opposer
ao aforamento apresentando douimeiltos;. ou 1i apoio, de
duas, 'ot nais pessoas do Minicipi,; a: Camara' mandar.
mencionar os, respectivos requetimentos no.anto d'exame,.
o qual lpnt de ser-assignado, pior tadas as pessoas designa-
das no artigo 1.* o dever ser tanmbem. pelos requerentes;
e os interessados promovero a sua opposiao ou perante
o JIuiz'de Direita'oou. ordinarioi quando a-sua material f6r
conteiciosa, ou ,.perante, o ,Conselho ,dq Districto, quando.
seja aduminiitrativa,' sobre estando-se, no process do afora-
irento at, final deciso, da mesma opposico. .
,4.* Feit eixa.me victoria, e na havendo pposicao,
ou depois de. removida esta pela lecli-' das AJtri'
des competeintes,' a 'Caiara ndarai i em ipregao e a-
fixar Elitaes de 2tF"dit; ,q'ice conten'hatm odas' a declara-
ees feitas no aiio de vitiri,- e a desigriaco to di"'in
que hade verificar-se a' arrreinatacio' do ein :pi-sanwito,
patentean o durante aquelte perio lo nos Paos dlo Conce'
lho o auto d'exame e vi;rtora a todos .que .interessarem,- e
tendo em visra o.que sobre a frminalilades da arreneataoa o
se acha dispoto na Part. 2.! Tit. 12. .da: eP'. Jud. : a falta do,
cumprimento deste artigp sujeitar os, Ver;cldre., da Cama-.
ra pena comiinnad na Ord., Liv. 1.o, 'it.6g 6 '.
S5.* No tempo dos preges o Pi'rsidente da amnara 'fara
toniar. poi tiermo lavi~ado pretio EscriiSh.qiual qi' 'lant<.o que
se ,ff'-recer, no-qui1l se designarao as condies'no'u vatrtgens
propostas pi 1 licitante, e o nome e fiador d'este, dandi.i-,.
'6 Findl,. o4S preges poceder-se-h :na arreimalaco com
as lfnrnahlidadl'a do ePllo, e diella' se lavrari competente
auto, no qual se designaro tod'as as coidiches do Coniracio.
T;' PreferitaS :~ e!.ai.deaiia".aada.s;g :Inst.uc.es,.
ser o process, reniiltido pela Camnara ao Governo Geral
para ser present n.o Cunselh dbe'Dticko : ate process


devera set' instruido:.: 1 ', com o auto d'exaine e it4oria
dos bens que se' pretend aforar--2.*, com a certido da af-
fixaco ddos Editaesl de.que trata o art. 4,". destas Instrucees,
"ea' opia do annuncio.mencictnado no art.4 ., 3 *,com os:pi:,p
ges e terms de lano-.4.. corn :au.th,d iarematao e -&
com os titulos dos bens oquando ,a Camara os possua pgr
acquiiao especial
-8. Todos os aforamentos, que no estiverem confirm.
dos competentemente se acham sujeitos e.stas slemni.
dades para- poderein ser approvados pelo Conselho de Dis-
tl ilto, se!n o qup se n,u.p)dem repu.tar.validos.Jeus Gua'-
de a V., S,i,- Secretaria do Governo Geral da .provincia de
Micamhique 4 de Fevereiro de 1858. == Il Sr.' Presiden-
te da Caniara Municipal.= fose Maaria Pereir d Alleida,
Capito .Ajudante d'Ordens, Encarregado do ednte.Al
litar, serving de E Seretario; Geral.

District Militar de Quelimane' e ,lios'deSe n'ia n." 57
-= III"" Sr. Par ser' present a Sua Ex." "oGvernal r
Geral da Provincia, tenho a honra de renmetter a V. S.' o
'incluso. officio do Coirni l Galdino Jos NunesCm'mrindnte
Militar desta Villa. a ompanhado de cinco papeisinimerdos
desde n." 1 at 5 contendo cada papel uiia pequena por-
c, de calilnlos dl-iindiviluios de diflercnts raas'. e tribus,
conform se exigia na: Portaria do iriisterio' da Marinha
e Ultramar h'. t1615 de 26 de Novembro b anriuo proxiino
passado; em ref'ren corresonncia ei d Ministro doqs
Estados Unidos em Li:sboa: cumprindo nesti ocassiif dizer
a:V. S; que se torna muito dilffiil satisfascr pe.dido' do:-
Governo da Unio, que alis parece uma couza muito faril;
a quem ignora os uzos e costumes dos povos africans. Q
,a sna-inlo!e en;inntemeute supersticiosa Se a qualqu:er Af-
ricano, mesmo aos polici.idos q!ue ,:viv entire ns Eu-
ropea, se lies pedir um boeao- do seu cabell:, aiida que
se lhes dig que |iara firis scitntiicos,, ficami desrona.i',,,
Sque para Ilies fazTer 'feitio'F e a mnlr custo ilaroo oca-.
bedllO' as se lhes soibrevi'er alv gu doena. logo' se per-
sua lm qe f rgiro infertiados;'e arria.iam--e a nirrerom. Isto
e .ai'issimo, e'muito poderia eu dizer a tal'respeto. com
tudo veremos b que dizem n os Conimaiilnies d Senna e
de Tte, que talvez manidem algimas amostras tde cahello,
que me apressarei a remetter a V. S.', devendo nolar que
o cobelio que agora vai, foi tirado da cabea de- escra6os
do' proprio Coronel Galdino, que para voluntariniente
conseguir. foi ipreciso vilir-se de oadivas e enganOs, pf:r no
:lhe convir que os pretos ficassem com a idea d'algum ma-
'leficio. E quiato sobre esie ibjeto se me offerece d'i.er a
.' S.' Deus Guarde a V S.aQ uai.,te do Governo de Que-
limanie e i ios de Sepnh njm Qoelimine:. 2) 'de Set!mibro
1857.' !1 Sr; St e-tlario Ger4 lda. Proicia. -Joai.
de, Swoua M hachao, G;,ire'riw l frior i. .. "

Coinmmando Militar da- V iVla de Qielimaer n. f19=.
111."m Sr.'= Em c mprim'ento ao officio Circular de V.'S.
'n.f46 de 10 de Junho ultimo qjue acompanhou a Copia
:da' Copia Ala Puri;iria'do Ministro da MaiBlia e Ultiami;
e esta a 'ra'luicio d.uima o*r respon.lri ia do Min"iro. d(s
EstadAls hidos, na' qual pede Cdhelloa de divyrsis. ,ril'"s
liimanas para cerlas indaganeai scienlificaq. rmettoa V a 1,
cineCo mader s de cabetlos ,que. pude obter; as quaes iao
numral as'e especificam a raa a,'que pir1nc ni ; c.sido
uma a'ellas de raa crnzBna de europeo com preto <'oron
Uri- a br de cria 4
tudo se vv do dn." da lista, edo papel onnle vai em bruhiado0
p cabello; fetido observado V' S. que send acente de-te
Pait. muito cheia de suipestiges mruito dificil o podler-ae-lbe


~-q~jl --I IC--- i3-i- i i 4 i -






~iaiii~iiq~gpn~a28


obter cabellos pois que. tudo tomam por feiticeia; e es
o motivo por que no poude: obter mais. Deus Guarde a'
S. Quartel do Commando .ilitar da Villa de Quelimwa
19 de Setembro, de 1857. 1". Sr, Joo de Souza Machat
Tenente Cronel -Governadoir de Rios de Snna e Queliman
=eGaldino Jose Na nes, Commandante- ,iilitasr.,

Lista dos Cabellos que poude obter 'das 'Raas Huma-
nas do paiz como abaixo se deWlra.
N.* 1 -Cabello d'ifm rapaz d 20 annbs, pouco ma
ou.menos; filho de'"Mai de raa' da Trihu Munhai e c
Pii Europeu filho doAlemtejo. Este rapaz ;de raa cruzi
da em primeiro gro.
N. 2 --I tem d'um rapaz preto de 20 a 25 anhno
pouco, mais ou menos, da Tribu, ou nao Mun:hai,-ra(
pura. Este tem molestia de pellet a que os brancos chamai
mal de lararo, e os pretos em Ttte chamam 'fassere.
N.3 3- I--em d'um rapaz preto de 20 a 25 annos, pop
co mais ou menos; da Tribu ou nao Ruiba do District
de Ttte, do Regulo Bire; de raa pura.
N.' 51-Idem i'um rapaz preto de 20 a 25 annos, po
co mais ou, mnnos,' da rribu u Nao Senga e de raa pur
N. 5--. -dem d'um home preto filho do Muteco, DiE
tricto desta Villa de raca pura. Este home por ser fi
lho desta Villa pode-se-loe dar o nome de Creoulo. Quar
ttl ,do Commiani o Militar da Villa de Quelimine 19 d
S4tembro de 1857.= Galdino Jose, Nunes, .Commandan
Military. '

JUNTA DA FAZENDIV PUBLTCA,


Annuncia-se em observancia da Carti de lei de 2t d
Aosto de 18'8, ihaver rtequerido D.. Francisca 'Margarid
de Soua Ruas o pagamentodo saldo que se ficou defend
por liquida,,,'a seu finado marido Prancisco Hermenegild
dos Sanrtos Riias t." Praticante de Pharmacia ; afim de qu
qalqier pessoa, que se vulgar com melhor direito ao dit
sal o. ou a part delle,- requeira por esta Repartio den
trdo d pra't. de 60 dia's 'contados da ,daa do preseri
s*n iaio, fin'lo qu l-ser resolvida inencionadl pretenc,
Contadoria Geral 30 de Jniieiro d 1.858. Noimpodimeni
*do E. da Junta, O Contador Geral. =.Duarie Manoel d
Fonseca.

SPara dar o devido cumprimenio aoiArtigo 8.* do De
creto de 29. de Dezem'bro .de' 18 2 transiripto no IBole
tim .Oficial n.' 2 e '22 de Maro de '1856, o Contade
Geral servindo no impedimento do Escriao da Junta d
Fazenda, convida a todos os snr' Negocanites, donos d
quaesqur estabelecimentrs que tenham' Guarda-livros- Es
criptu:rarios, Caixeiros e outros Empregados de quaesque
estabelecimrntos, anrmazens, e lojas 'de" commercio de,pe
-queno e.grosso, tracto; ,e a todos 'os mais Sintr. que te
nhami em sua caza algin iui ndvidi'u que habitar part del
la, a aiprasentarem na. Cpnt'doria Geril. at ao dia 20 d
corrente as .elaes deesignadas 'pelo artigo 17. do referi
do )ecreio de 29 de Dezembro de '1852; na certeza. d
que nio 'dei~ata dee ser aplicailas as penas imposita pel
art. 9.0 do. mesmo Decreto aos que nellas incorrerem. Con
tadoria Gel de Moambique 4 de Fevereiro de.1858. N
impedimento do; Escrivo da Junta da Fazenda. O Conta
dor iGeral_Mouci, r Manlei da Fonseca. '.


1* i iOsp
)ooimt.' dos doenp'.s


ITAL MILITAIt.


de5 de. Jan3iro a 5 do Cnrorr


1


MOFIMENTO DO PORTO

de 30 de Janeiro a 5 do corrente

'EBARCAES' ENTRADAS.
-' wasca "Es' N TR ADAqs.


N dia 31- Pangaio Arahe -- Salamotti =, de 0 1to-
neladas, Capito S)gerrm, de Zanzibar (m 2 dias com
e polvora, relogios, algodo e outras fazendas, boca de fo-
le .go, 2 espadas e .espingarda d'uzo de bordo.'26 pessoas
de tripulao, sendo mulheres 6 e 1l cartas paia o correio.
:No dia 2- Panoino Ar he Fatalker= de 40 t(-
Sneladas, Capito Sahid Binassr, de Zantibar em 19 dias e
ein.lastro, 'I boca de'fogo, 3 espadas e 3 espifia.rdas para
uzo de bordo. 15 pessoas de tripulao, officio para o
e Governor e 5 cartas avulsas.
a - Pangaio Arahe =Leadra ,d e 50 toneladas,
o Capito Manad Bine Abud, de Mavota para S. Lourenr'o,
o arribado aquiem 13 dias: com agoa aherta e' mn-atr que-
( brado, em !astro, I hoca d -:fogo, e 3 espinbardas de stu
o uzo, e 23 pessos de tripulao.

,e
<. No dia 30 Pangaio Arabe = FIata!kpr -- de 96 to-
to neladas, Capito'Sahid Bine Amad. para S. Loure " com
a algodIo, 2 bocas de fogo, 9 espadas e 7 espinCmaies para
uzo de bordo, e 29 pessoas de tri-ulao, s-ndr- mwlhrces ..
S--- Pangaio Arabe = Lt6la ,= de 30 'inneleann,
ScCapito Aly para o lbo. em Iastro com 6 cspingardas para
Suzo de bordo e 16 pessoais de tripularIto.
,r -- Pangaio Arabe = Salamatti = de 50 toteladas.
e Capito Sayd Bine A'misse, para S, Loureno, com 1 fardo
e d'algodo, e, 10.00, pezos, 2 bocra de fogo. 8 espadas, e
- espingarda para- seu zo .e .20 pessnas de tripulaio.
!r No dia 2--Pangaio Arabe= Sahala=-, de 50 tone-
-' ladas, Capito Amad, para S. Loure.no em lastro,'com 2
- bocas de fogo, e 19 pessoas de'tr.ipulao.
No dia- 3- Brigue Francez-'Ftiche =, do 178 tol
o neladas, Capito F. Martin, paraGronle Popo W. lydoh.
- costa occriental d'Africa, com, generous. do paiz e 14 pes-
e soas le. tripulaio.,. .
o Capitania do'Porto de. Moambique 5 de Feverero do
Slb8t --.--'igel u ugu^sto da Sia Cordeiro, Al/f rs do ExTr-,
o cio, servindo de Capito o d Porto.
< : -NAJPIE NAOr


D ENT o

Sxisiam :... 38 1 1 ,4 1 66
'Entraram 33 [ 4, 1 37
Sima 71 | 103
Saram [4 3 9
Falleceram 1 3 1 '4
Ficam existindo 46 23 i 1 70
N. Bi Os fallecidos. so 3 Europens, e 1 preto pertencente Barra Fran-
cesa= Chares & George=, os primeiros vieram- ,a.morrer de febre en-
tern ittente, 'e ultimo de rnangrna da perna esquerda. "
Hospital Militar de Moambique 5 de Fevereiro de 1858. O Director.in-
terino; = Joiquim Francisco CollaFo..





ANNO-1858.

SEste Boletsim semanal ser publiado tqdoIor-Sabiados,
Scu no dia antetedente quando aquelle seja feriado; assigna-
te paya o memo Boletim, em Moambiique no Estabeleciiten-
so d Imprensa Nacional, e nos Distritos da Provincia, nas
St.ret,tris dopS-Governos e Comnmandos de Villas; as assi-
Sa1.r ,ri'as sdo sempre pagas adiantadas.


NUMERO 7.

Preqo dasgtr anno... -r. QW60
Por sezs. mezes ........ w I,5OO
Por trez meses;;.... c c....;i:;.. ; 'fb1O
Por folha avulsa ............1 ..,...... *OB, -
,Preo dosa a*unciosr por linha ............. W OM4
i brreponlencia~ dcintereute p#cdar, fien. ;9


B O LET IM '

I)o GOVERNOR GERAL -DA .ROVINCiA DE MOAMBIQUE.


sIBRADO 1:Z ;kF fEV, 11EuIIO.


GOV1ER O (G 'RAL.
'.-0 FUi IAs ,..L


Accordam. em Conselho de Districio C.---Que visto e
examinalo o Qramento da Camara Municipal' do Cone-
iho de Sofalla; lhe prestmn. a sua' approvaio, por se aciar'
cofforme s prescripQes do Codigo, Leis e Regulamentos
subsequentes, e Mandam se.cumpra. Moambique, Sala do
Conselho de Districto em Sesso de 3 de Fevereiro de 1858.
= Governador Geral,. Tavares d'lAhneila.-- J.oo Cae-
tano da Silva Campos, = C. 11, Moules. = D. M. da Fon-
seca.- P.' Vas. = Menezes.

Accordam fm Conselho de D)istrcto -.-9 Que vista e,
examinada Acta da Sesso da Camrara Muxinicipal do Con-
celho del Moambique 'de 1.1 de .Noiembro. do anno pr-
ximo find, pedindo .ser auctorisa'a a pazar pelo Cofre do
Municipio aos: solHados da: C'opanhia da Policia os abo-
noi do mantimento e pret, que percebio pelo Cofr da
Fateinda, e deiourori-e sr-lid s abonados ,desde o dia 17
d'Outubr9 emi.consequencia.'de o, bhavera verba votada no
O -amento .do, Etado, para ser;,,appIicda a tal despeza'; e
bem assim, que em vista da pequena cifra, qu, hoje rendia
o Cemiterio, Casse ordenado lque o enterramento dos sol-
dados se fizesse por meio d'uma ver ba, paga aritualmniemte
pelo Cofre do Batalhilo; que em quanto primeira propos-
ta, prestam a sua approvaoo, e auctorizam a Camara a pa-
gar do Cofre do Municipio, as :quantias que deixaro de
ser abonadas pela Farenda aoos~ olda4os, da Companhia de
Policia, desde dia'17 d'Outu ho de 1S7.-at ao dia -1
de Jaheiro do orrente. anno,' data do Accordam que a
mandou dissolver, por isso que 'estivero se'mpre emiprPga-
dos em servio durante aquelle tempo : no prestando poremi
asua approva0o ' 2' parte, por star .em nmanifesta' op-
posirco, com o prescripto no art. 3.* do Decreto doe8 ie
Outubro de 1835, e Mandam qPue assim, se cumpra., Mo
ambique,' Sila do Conselho de Distrilto e'm Sesso de 3
de Fevereir de 1858.'- O Goverinador Geral, Tvar.es
d'A Inid. = .J.oo, Caela lo dl Sila Casipos. == M. Mou-
les. ^D M., iSa .onisecia.'- Vaz.'Z- MeSzcze s."'

"Accordam em Consilho'de Disticlo .'---Que Vstos e
examinadb os dois artigo,, d'addicionamento s Postura?,
confeccionadas pla-Camara Munitipal do Conrlho de Mo-


.ambiqie, e approvados em Sessio da mesma Ca.mara de'
27 de Janeiro do corrente anno pelos quaes se fixa, no art,
1." o numero d'onas, que deve t r de peso cada po, q o
se exposer 6 vend-, quer, em casas, quer pelas ruas, 'ebern
rssim .a maneira por que deve ser feito ; impondo ao con-
traventor d'aquellas disposis lem da pena da perda de
today a quantidade de po,: que se lhe enrontrar mal mani-
puado ou, sem o peso marcado, a multa de 1:000 ris pela
primeira infracao, .do duplo pela 2. e assim sucLessivamen-
te,, e no caso desert escravo, retido emn priso. at o res-
peitiV, S -ioir pagr ag a multa indicadai e no art. 2. iin-
poldo a obrigao a. tod o fabricante de Cal de, a no po-
der vender. senio- mAddai por barris afferidos na ,Camrp.
estabelecendo a multa de 2:000Q ris ao que irffriigir 'a
disposio0 pir-' primeira 'vez, do duplo por 2. vez. e assim
por diante send egualmente expresso, que as multas que
houverevil dese.applica r pelas succeqsivas traiisgresses nun-
ca excedero a 20:0:0 ris,: que, no prestam asua appro-
'vajo primeira parte do art. 1.0, que estabelece o nu-
:mero d'onas,que deve ter de pes,. cada p,, por isso, que a-
tendeiilo ar oo.dpo por'que . mnanipirhd fl b com .Tifficuade s
poderia obter a execuo de semelhante dilsposio cQntra-
ria a.antigos halbitos e.costimes, prestando porem a sua
approvao, a.orestante do predito, art. 1 ea todo oexa-
'rado no art.: 2., 'afim de que possi 'surtir os effeitos le-
gaes, por isso q,ue as suas disposies sem conterem iinfrac-.
o de Lei., tetidem a regular a boa policia santaria e Mu-
nicipal, com-manifesta vantage e proveito dos habitantes
do ..unicipio.
SMui;,.,n}ii,., Sala do Conselho de'Distrito em' Sess-o
de 3 e, Fevereiro de- 1.85g8. =. Goirnador' Geral, Tr-
t.; d .;llwic.la.,= Jo.oo o qetanpo da lva 'ai p.id.= v.
M.l Moules. ='D. U. da Fonseea. P.* Vaz.= Minezs.

'Relaovi da choda.l Principal..d'Jnl'ruco Primaria
: ; da Pi,'oul.ia .de Jlwii,,biqe., .refe.rid ao 3.
: -.: : Semestre .do anno.findo de 4.857.
Esbola Principal d"Ihstricao' Primiaria-da Provinidi
,le M ambique, 'a meu argo, teve durante'o 2.0.Sepmes.
tre d anno pr oxi m psadn, nr seu'andamento e -ostui
imada reiularidadeo, tendo' lies do'-anhas e.'de. (arde ',;s-
Fundo as' ordns;'' e .Os. euh ahifmnosi no getal,4;tiero 'nro
Semestre regular con'(uct, apptliCa)o: ' aprov'eitameneto:.
Q numerp d'aliu'inos :'quedurainlt o 'Smeietr frequtin-
iiaro a' "schiola foi de '63' 6~4: i xiti ti no d principio
do 'eestie e64' alumnos; 'entrara o de' nnvo durattetllre
t0 a'urinds, o que prefez umn ttilP de 7.1- 'SahirS.oda
EsJn'a eto:mari o difTrn'ten' destitbs 10''lohmnhs; falle-








cru 1. P a eMiKtenia no f." de Janeiro do corrente anno, indubitavelmente maior, e mais Ia il de consguir. se a
df (1I alumnos de todas as dilferenles geraes que po- Eslh.la tieise um Ajudante competence; por que, o nu-
v.im M.Ncnmbiqui : meo. dos alumnos e de matlrias que ensina, e lem 'en-
Esta .Echoila. E .." "r nW) somente a Echola da Ci~ sinar, como Echola graduada, alt.unente o reInma; pois
dade como alzuns erradamente julbo.. E o titulo que tem sabido e conhecido, que.quando os alumnos d'uma Es.
d'Rsrhola Prin ipal d'Instruco Primaria da Provincia de chola excedem a 30, j ella para ter bom e-regular an-
Mnamhiqpe. cabe-lhe completamente; 'por que. 'llem dos damenlo, carece d um Ajudante.
alumnos da Cidde, que a frequentam, tem-nos, e t'on-nos 4 falta de compenrdios identicos tambem se fez sentir,
tido sempre, da Cabaceira Grande, P.quena e MossRril:; 'e por este motivo o Professor tinha requisitado ao-Minis-
mesmo aliuns lhe vemei, dos .)istrictosdo interior. Recebe terio da larinh e Ultramar os q.ue vier.o e outros; e
e instrue reiularmentte- discirilos de todos o Districtos da era falta que muito paralizava o anamm'nto regular da Es-
Provinia, que lhe veem enviados nas mones: Loureno chola. Este inconven.ente porem,, foi::remediado ja, empar-
llarqiies, Inhambane, Soalla, Quelimane e lho ~8 teem te, pela Real Junta da Fazenda, despachando a requisiio
dado um soffrivel contingent Eschola, cmo se v do que fiz em Dezembro proximo, passado, para a Eschola.
_lappa jnnto. E apesar de haver Escholas nos'Portos, pode A pouca assiduidade dos alumnos neste Eaiz..-eas amiu.
dizer-se. que a Eschola geral da Provincia. dadas faltas que comettem ; a sua pouca inclinao, no ge-
Os portos da In,lia, tan hem lhe teen enviado hom nu- ral. para o estulo; so tambem um 'tropeo no pequeno
mero d'alumnos, especialmente Damo e Diu, d'onde ordi- para o encarreando da educao e instruicCld da mcci.-ade:
riariamente lhe veem alguns em todas as mo nes. 'Final- por que, j pelas amiiwadas.doenas que afligem as crean.
mente, x.'m Sr., M seato.. Zanihirar e Ajo'ns. tamberm as neste Paiz, j por que mui a miudo perdem semanas
teem enviailo a esta Echol0a por differntes vezes alumnos. inteiras d'applicao, por irem para p Continente com as
As materials d'rEnsino e o sy'thema segaid'o dranteo Se- famlias que para ahi vo curar das suas cultural; e j
mestre, forfio osm mesmos que nos. dutros se tem seguido, finalmeote,. por ellesno serem upplihios,:pela maior par-
a sa[ier: tLr,,'Escrever e Contar. Doutriia Chr'ist, Mo- te fazem longas e amiudadas faltas, que no ha remedio
ral e Civili a le. GCrammatica Portuigezn,.,Analise e Regencia. ernu tolear \e dissimular, attentas as circumrtancias espe-
grammatiral : Aritlhretica propriamente dita : Orthographi' ciaes do Paiz. Faltas estas que foro o Professor a ensinar
e Caligranhia pratica ;e noes da Historia Sagrada, do Velho aos' estudantes, por duas, tires e 'quatro vezes o que j es-
e Novo Testamento, de Geometria, Geographia e Histria ge- tava ensinado e aprendido. E que augmernto consideravel,
ral e de Portugal ; tudo pelo systhema d'Enisino Simul'tan'eo mente o trabalho do Professor, e fazem com que os alu-
Normal. E desde 7 de Dezemnbro proxim. passado, em que mnos perco os seus lugares de classes, e-fazem finalmente
15e foi dala por'substituto Joo Fereira dri0Csta Sampaio. com que seja impossivel explicaras materiaspor classei;
tem tambem tido regularmente o Enrisi d 'e Franez e In- o que to convenient e recomendado em todos os sys-
glez, que est A cargo do m eniionado substitat'. themes d'Ensino.
Todos os a'umnos Ia Eschola frequentara as' tires pri- A localidade da Eschola e seu edificio, Ex.mO0 nr.,
mairas .mater;as, e frequnhto por escalla' e'segundo os tamb.m no o mais convenient, nem se prpstl aos flus
seus adiantaments,s as que se lhe' viro sequindo. Uns 21 para que esto servindo, como j tenho exposto ao ante-
alumrios frequentaro' Grammatica Portugueza,' e destes cessor de V. Ex., nos anteriores relatrios' 'pouco cen-
uns 8 se exercitaro em analyse e regencia grammatical, train e adequada; Ilem disso, carece de reparos e ar.
emn i rthograpiia pratica, em noes de Geometria, de ranjos, especialmente a claraboia q' q lhe hd a principal
Geo'iaphia, d'Historia Sagra la e de Portual.' Uns 30, cllrilade, que, por mal onistruida, por mais concertos que
com mais ou menos anroveitamento, se exercitaro em ca-. se lhe fao,' introduz sempre na Fsthl today a agua que
ligraphia pratica, e os maiis, segundo o adi:.ntamehto ou em quali'uer dia de chuva lhe cabe em cima, e alga a
progrpsos que vo apresentando; foro passando d' cla- bancada principal dos alumnos, o qu, lem dinconiverirn-
sep inferiores, paraas supPriore descripta. Uns 12 tia na te bade acabar um d d'arruinr completamente o terra.
'Eschola,, que desenvolvem .operaes maiores d'Arithmieti- o e inutilizar a Eschola..
a.. em maior ou menor. isealla, segundo o adiantamento '. Continua-)
que vo apreseit ando' 'e' lem destes, muitos desenivolvem
as cquatro species fupdamentaes, e outros, se xercFit b
n'Ilas. CIM4R MUNTCIPL .
Finalmente, Ex." -Snr., d'entre os alumnos, alguns hal, .ia .l-. .
que. tendo frequentaeo todas as materials d'nsino Prima- 'se Viente da'nman Cavall'iro da Ordem de Christo
rio superior, que se en'sino n'esta Eschla, se aperfeioso e reiete da Gamar a Municipal .
n'ellas e se adiantho em contabilidade; e destes, uns 6a a Ml
frequent. ao, mesmo tempo a Lingia Franceza, e l a In- Htavendo sido app-ovados por 09 A'cordam doConsilio da
gleza, com aoroveitamento : ,e pelo seu desenvolvir ento Districto preferido em Sessio d3 doo corrente, os dois
-em today s materias,, peguntados no envergonhar.) o artigos addicionaes s Posturas, pripostos. pela Camaria hMu
Professor que os ensinou, nemt faro desmerecer o seu tra- nicipal em Sesso, de 27 de Janeiro, a mesma Camnara
balho e, mithodo d'Ensine, enmimn Fx."1 Snr., todos os public para a suai deiida Eecuo. os artigos seguintes.
altumnos que se acho em circumstancias d'isso, passo 1."-- Todo o pio de trigo que se expoe venda, quer
d' umas materials, s outras successivamente, em casas, quer plas grass, setrl todo de rolo,' liip de
E pode com verdade dizer-se, que, no geral, todos teem material etraiihs e bem cozido.
tido aproveitamentwo tanto, quanto as circumstancias -spe- unico - Cortraventor, lem de perder a quantida.
ciaes deste. Pair,-e a qualidade dos. Escolantes o permitted. de.toda -'do po assim' encontrado, pagar, pela 1.'" ~vez
iverdade -Ex. Snr., que est.:aproieitamentio. eria f~ 000 is de multa,; pela 2,' o 'd'pip, a astsih, stcces,




se


sivamente. Sendo escravo serb retido na prizao policial, at
que o respective Snr., pague a supra indicada multa.
2.- Todo o fabricante de cal, no a poder venderr,
seno media por barris afferidos na Camara Municipal.
u unico--O Contraventor pagar pela 1.' vez 2O000
ris de multa; pela 2." o duplo, e.assim successivamente
As multas que se applicarem pela luccessiva transgres-
sao dos artigos a'ima estabelecidos, no excedero a
20~000).ris.
E para que.chegue ao conhecimento de todos se man-
dou allixar este no lugar do costume, e publicar no Bole-
tim do Governo. Dado nos Paos da Camara Municipal aos
10 de Fevereiro de 1858. Eu Caetano Paulo. Gomes, Es-
crivo interino o escrevi. =Jose Vicente da Gama.
' i -- - -- "



A Camara Municipal vai proceder por arrematao as
obras da Cadea ,e d'uma das paredes dos Paos do Conce-
Iho,: quem pretender arrematal-as comparea na Sala das
s';as Sesses pelas 11 horas do dia 18 do corrente, aonde
lhes sero apresentadas as condies, a que se dever su-
jeitar o arrematante. Secretaria da Camara Municipal aos
10 de Fevereiro de 1858.' Caetano Paulo Gomes, Es-
crivo interino.

A Camara, Municipal a requerimento de D. Efigenia
Candida de.Mello Castello, vai proceder, na conformida-
de do art. t, das Instruces Regulamentares sobre affo-
rementos, de i do corrente publicadas no Boletim n.o 6
vistoria d'um terreno na ponta do Sul da Ilha, que con-
fronta por Nascente com o cho de D. Maria Sebastiana
de Menezes, por Poente com o de D. Valentina Salazar,
por S. com os herdeiros de Thedorico Jose de Abranches,


e pr N. com diversos afforantes. O arto da vistoria ter
lugar no dia 25 do corrente. pelas 4 horas da tarde: quem
se julgar com direito no dito terreno comparea no supra-
,mencionado lugar hora indiciada. Secretaria da Cama-
ra Municipal aos 10 de Fevereiro de, 1858.- Ciaetano
Paulo Gomes, Escrivo interino...

J UN A A FZEND. PUBLTA.
'Para as obras putbicas se preciza comprar um.por< o 4e
Cal, as pessoas que a tiverem, e quizerfm tender, podero
lrigir. suas. propostas Contadoria Geral, da mesma Junta.
Moambique f2 de Fevereir9 de 1858. No impedimento do
Escrivo da Junta, OContador-Geral, =D. M. da Fonseca.

HOSPITAL MATLTAR.
Movimft. dos doent s de 6 ad 4 2 o fcrr *


DOENTES. ,




S''iceram '
- ------ ---- -i- i ____ ___ l ____

Ficam existindo '62 23 T [ 86
N. R. Os fallecidos si. e homens e 1 mulher e' todios Eiropeos, a mi-
lher falleceu de anasarca simptomatia da hpeatoq ele.nite ; n. h"me'.Pns n.
leceram 1 de febres interiittentes pernecioas, e outro da congesto pul-
monaria.
Pr inalvertencia se deixou :de-mencionar no mappa do movimentoia i
ultima semana, que s 3 Europeos consfiates do memo ma.>pa fallecram
de febres intermittentes pern4ciitas.,
H.,spital Militar de MViamh;que 1 de Feveeiro de 1858. O. Director
interior, = Joaquim Francisero Clollao.
: = h 't -


MIappa des doentes; que eistioo no de Janeiro de 1857, dos qu entraro, 4os
istentes at o fim de Dezembro. do mesmo anno.


curados, dos fallecido e dOs ex-


Existiao Entrarto Curados Fallecidos Existem .
, r r.j i ,, ., ^ ...
Metes 8 o Q a. Observa3ee

faneiro.....l-"-w-- 49- 2 -2- 56- 44- 8-l--,,-1- 8--- '--- 8
Fevereiro.,. 8- *-- 43- *--- 531- 39- S- t--, -,.-- 11- ..--,,-ll .
Maro... .. ----" 103- --*-116- 87- --3- ,.--,,-24.-- ..-24 O.ompafiano R miortalitdlde Ravldi no ffripltat
Abril..;.'., .934--.- s- 4-4- 125- 94- 1- -2-1,,-,.-2- 3--3-27 'oos annos 1856iA i57 da em reitad-o, osa.
, Maio .... ..< -3-3 -93 7_4-- 31 84-~ 5-6-1 -,.-,,-229--. 5- -35 2uinte:. no primeiro Ooitoes: eSi8Oentrado'
Junho.....9--'5-1- 69- 9-9-122- 73- 8--8--,,-.,-17- 6-2-25 ou 5.16em100; no sgundo 47 bilos em 1209
SJulho......17-6----2- 65- 3--9- 96- 63- 6-= 2-5- ..-,,-14- 3--2 ( entradosou 3-88 em 100. Por cnnseeninte a
'Agosto. ..14-3--3- .63-- 9- 3- 95 -- 43i- 3-3-4-1-,.-30- 8--3 -41 mortalidade nested, ltimo anno fi menor 4o
Setembro ..30-8-3-.. 84-'5-~,9- 139-- 84- 12-7-2-,,-,,'.-8- 1-5'-34 qque noantecedente.
Otuibro.... d-l-5-.14- .ff' --4-191---11 3-5-6-.- ,,-49- 6--.-4 -59.
Novembro..49-6-4- 140- 4-5-2-08-155- 7--7-4-1-,,-30--. 2-2-3 .
Dezembro .. 30 2-- 9 48 6s-- 207 14 10 -"-.- 5 -l -,,- 3) -- 39- 2 7 I Existentes no fim do anno de 18'57
Somm)as p:rciaes ......-1059-99-51- -9qq--57-48-43-3-1- '


Sotmma t al. ......... 109.:. .- 1413. 47. -


Hospital ,Militar a de Feve eiro de 188a. O Director iiiterino, = .loaqina FraInesco Coll ",.
SADOMNVSTKRAO0 '0 COCEHIB ...-
SMJappa mortuario do mnes de Janeiro. de ,R..
Nomnia FPilinaNo Naturalidade Idade : Estado RBeliio O re raiC e
. Francisco Ma-no) RSoares Antonio Pefpira Ignora-se Ignora-se Ignora-se Chrisilo Dperadado vipdo na Fragata D. Ferlando.
S.Antonio Ferreira- Domingos Martins Guimariep n a
SJose Theotonio.Corra Franc.O Xavijr de Mend.* Lagos 40 Solteiro Soldn.0'n 29 di3'f' 'omp.6 do'Bafa!i'o d'fifantl
Victorino Jose. :. Gregorio Bomnndo -.. 'Villa de'focho 30, -.a' nr . Dito n., 68 da dit dd Batalho dInfanteria -
i Maria Quiteria MInoel Jose Ilezende 33 ,-gnora-se .. .'
S-IeFatima Benta Agi- '- A-gi! .. .. .. Angajia 18. Caiada, Mahomt..
N B.. Fallererlo mais ,. egr1e liberto'ra saher Mi!,ejra, f~zamho, Mitetea, Buifeta e 1 moleque sem nome, toaos apreidpdnM aliorlo da, Barca
Francesa=Charles & George.: Administraao do Conailho 1a.' d Fevereiro de 1858. O Admidiftrador to Concellio, s=ma Francisc daPiedade Pere fT


-i - -iil ....~.- -;--ii II ......... -- -- '---- --C~










Mappa dos Cereaes entrados n'esta Cidade no mez .
S de Janeiro 1858, dos diferentes Districtos / '
do .ul ,e N.orte.

Milho fino.. .8... ... panjas...... .... ... 8
Dito grosso. . '. . .' .. 7
Feijio .. ..... ..... 153
Macaca ....... .. * .4 2
augo a .. ; ... .. .,. .*.. : ...

u, .Somnia ..... .820,


Ad!ministracro do Conmelho 2. de Ferveeiro de l8. O :
Alministrador do Concelho,, A-Jose Francisco da Piedade
Pereira.



SMOVIMENTO DO PORTO t

d e'6 a ,12 do corrente;


EARCASs ETRnADAS.
No dia II Barca Anmprirana = Elisabeth Hall=, de
$20 tonelaras, Capitran shlv, de Uojanga em 4 dias com
assnuar e couros de boi, boca de fogo, e 15 pessoas dle
tfinulaco.
No dia 19 Paneaio Ara, = Madeu Passa -, de 96
tonelalas, Capito Abii, de Bombaim em 38 dias, com di-
forentes mercadorias, 1 6oca de f 1go II pessoas &ld tri-
pulaco e .11. passageirop sejndo 1, 1.- Sargento do .Bata
Ihi d'Infanteria A'esta Capital; 8 negociantes e 2 criados:-
2.officios para.o Governo, 2 imallas .22 cartas avulsas
para o CorrEio..
Panaino Aqrabe -Fatlaarimo=, de 81 tonela-
das, Capito Snal Muamarl, de Bombaim em 32 dias-com

pulao, 1 passageiro mujojo e 13 cartas. para o correio.
EMBARCAES SARIDAS.
'No dia 12 -.Pangaio' Arabe -Salamriotti== de 40 -to-
npladas. Canitio Sogr, para S. Lourien;o, conr ralgodo e
. outra.s fazendas, 1 boca de fogo, 2 espadas1e espingar-
da para uzo de.bordo, e 21 pessoas de tripulao.- --
Capitania do Porto de Mocambique 12 de Fevereiro de
1rq58.-s. W liuel /AitousIo da, rea Cordoiro, AlIrcs do. Exer-
eito, servindo de Capito. do Porto.;,, .


or mPAvHlA D' VET'RNaOQS
Relao nominal dos praas d'esta Cotipanhia usr-Falle
ceracP..os mezes de ,ovembro e Deembro" de .1857' 1
No di 17 de Novembro, o Soldadorn'0 38":Tos# Maria
Lisbo, filho de Sebastio Lisbo, natural d'Oliveira ,
3F annos d'idade p casado; product do seu espolio
13 350 ris. > . -
No dia 2 de T)Dzembro, o Soldado n,* 17 .TIo Francis-
co, 'do qual no consta a filiaco, naturalidade,: idade':
estado; nrod.ucto do seu espolio l85> riisi ,
No dia 11 do dito, o Sollado n.o 75 Fraicisco Xavier
Peixoto. filho de Jioo 'PitXno, natural de Vianna, de 47
annos d'idade e' csadqo;' e'si aa ni~' ab deixou 'ciza al'
guma. em ,se esno'o, .por ser casads., .
Quar'el em Mossuril. 31 de 'Dezembro de 1857.=Car-
los A4ugAzsto 'Teixeira de Carvalho, Alferes Commandanez inte.
rine da Companhia

*


4'"' '.

"1 1.: j CO



4.!





$O-C cJ;
5












p o 'ao 6 'f.'~~'*
; :;~!n,
aza


















44
a> O -





- 1
r ,:;,s :-I


















o tq
a




















0
E.a
:'1 '; u i
'a' 4 ' Ign~ a>-tr !;F E-0 2






'El





.5c










15 oc
4 a AI P cegp.'O
'o "Ef L
-- ag A)
404"'a" -?


O ;,'a-Cfmas= >>
O '-. .5 O ~5~
cC- .4D" oujM: r~Mi mV;) t
'-4` ' a' .'r''
';L aa .
O 5 a;



6'" o -


f~''' .3
~lOawqv :i Ali Irs. AIN
'a; w:> =


I I --






ANINO-1838.

Este Boletim semanal serd publieado todos os Sabbados,
oi' no dia anteedente quando aquelle seja feriado; assgna-
te para o mesmo Boletim, em Moambique no Estabelerimen-
so da Imprensa -Nacional. e nos Districtos da Provincia, nas
Secretarias dos Governos e Commandos de Villas; as assi-
gnaturas ado sempre paoas adiantad4s.


NUMEnRO 8-

Prero d'aissgnature, por arn............. r. tnf00
Por seis mezes .... .................... l1>500
Por trez mezes ................... ..... ..r on(o(
Por folha avulsa ............* ............. A na
SPreo dos annuncios, por linha . ....... .... 50
Correspondencias d'interesse patrticIef Idlem ~ 080


BOLE TIM

'ao GOVERNOR GERAL DA -PROVINCIA -DE MOAMBIQUE.

SSAIIBABtlO 0 ,)EI~ FEVERlEIRIO.


PAl T I ~1E OmI- .iAL ,
MINISrTERIO o0 NREGOCIOS DA MAUINHIA E )O ULTtAM~AR.
SECO DO ULTRRAMAK.
Circular ri." t588.- Manda Sua Magestade, EL-RET, pe-
la Secretaria d'Estado.dos Negocios da Marinha e Ultra-
mir, remntter ao Governador Geral da Provincia de Mo-
cainhique' p'ra seu conhecimento e pontual execuo, a
indiza copia anthientica do Decreto de 1 do corrente mez,
pelo (piali Houve por bem em virtue da faculdade con-
cc lida pelo I. do Artigo 15 do Acto Addicional Car-
ta Constitucional da M;-narchia, regular o modo de pro-
cssar nas Provincias Ultramarinas, os delictos commetti-
dos por abuzo de liberdade de imprensa. Pao 4 de Outu-
bro de 1856.=aS da Bandeira. *

Copia. Sendo de reconhecida necessidade regular o
niodo de processat nas Provincias Ultramarins, os deli-
ctos eommettidos por abuzo de liberdade de imprensa, vis-
to no existir alli em vigor a instituio dos- Jurados, e-
no tendo-chegado u ser discutida pelas Cortes a propos-
ta de Lei, que sobre este object lhes foi apresentada pe-
lo: Meu Giverno em 2 d'Abril do correite anno; Hei por
bem Conformando-.Ie com a Consulta do Conselho Ultra.
mirino de 31 d'Agosto do anno proximo passaio, Usan-
do da faculdade conferida pelo 1.0 do artigo 15.' do
Acto Addicional Carta Constitucional da Monarchia, e
depois d'Ouvir o Co'nstho de Ministros, Decretar o seguinte:
4rt .'-Os.luizes de primeira instancia dasComarcas
do Ultramar so competentes para julgarem de facto e de
diceito oscrimes commeltidos por abuz.o de liberdade de
imprensa.
Art 2.- N'estes cimes se observara, conm a imodiica-
*o do artigo antecedente, a ordem' e forma do process
estabelecida pelas Leis de 2 de Oezembro de 1834, 10
de Novembro de 1837, e 19 d'Outubro de 1840, as quaes
so declaradas em execuo n Ultramar, na parte em que
no foram alteradas, e se acham en vigor no Reino.
4-Art. 3 O 'ltposito, ou fiana, ou hypotheca.exigidas
pela ultima das citadas Leis, para a publicao de um Pe-
riodico, sero computadas no Ultramar em moeda pro-
vincial. ..
Art. 4."--S poder ser Editor responsavel d'am Pe-
ridico do Ultramar, o Cidado aIli elegivel Fara Depu-
tado s-Cor-tes.
Art. 5.-- Ficam por esta forma alteradas e revogadas
as referidas Leis, na parte em que se opposrem ao pre-
.sente Decreto.
O .Visconde de Sa da Bandeira, Par do Reino, Ministro
e -Secretario d'Estadu dos Negocios da Marinha' e Ultra-
mar, o tenha assim entendido e faa executar. Pao em I-
d'Outibro de 1856. -=, Ri Visconde de S. da:Bandeira.
Est conforme, = Antonie 'Pedro de Carvalho.


Con"b.ts d,' Relatorio da ESchola Pr;ncipal d'anstra-
co Pirimaria-da Provincia de Moambiquw, refe-
rido o 2. Semestre do anno findo de 1857.
S'servi e timpez da Eschola, Ex.' Snr ..,tnmbem
nao feito, nem o pode ser, com a regularidade necessaw
ria, por nao haver quem o fa. -
A Eschola actualmente no tem nenhum servente effe-p
ctivo, como teve sempre, para ser empregado neste servi'-
o; como j fambiem tinha exposto ao. antecessor de V.
Ex." nos aiteriores relatorios, e negocio, que tambe'm
pede urgente providencia de V..Ex."
Esta Eschola tinha antigamente dois serventes:( nertos
libertos do Arsenal ) para o seu servio e limpera. Um foi-
lle tirado temporariantente para ir setvi"r nos Navios de
Guerra la Provincia, e ficou de se lhe dar outro para o
seu logar. O outro liberto que ficou, vendo-se s, evadio-
se para o Continente', e assim ficou a Eschola sem nin-
guem para o servio e limpeza diaria. E smente por uma
providencia dos ultimos dias do governor do antecessor le
V. Ex.'/ e por eu continuamente.o pedir, foi detrmina-.
do que um gal da praa aqui viesse fazir a limpeza. Es-
te gal vem uns dias por outros, e a horas improprias e
incompetentes e mal se pode fazer a limpeza e servio desta
forma. Este negocio reclama tambem urgent providencia
de V. Ex.'1 por que, a Echola no pole deixar de ter
ao menos um servbefe constant para lhe fazer a limpeza.
Finalmente, Ex."0 Snr., submettenlo considerao de
V. Ex." com todo'o respeito, como do rnme ever, o
present relatorio e mappa do mdotfmnto dos alumnos de
esta Eschola. durante o proximo passado Semestre, conliiu
lembran,'l a V. Ex. a urgent necesside que- esta Es-
chola tem 'd'um Ajudante, o que j at pela Metropole foi
reconhecido e providenciado, mandando um para servir na
Escholai em companhia do antecessor de V. Ex.", o que
infelizmente nao teve effeito, por ser mandado ensinar em
Quelimane, onde se acha,, e entender o anteressor de V.
EX.*, que-alli era mais necessario. e iiedindo a V. Ex.8
que no sendo possivel destinar-lhe outro focal nmais cen-
trai e apropriado, o qu muito convinha. ao menos, se sir-
va V/.x'. ordenar que para o sertio e limpeza regular
lihe seja destinado um servente constant e elTfetivo, que
se fhe f.a o alguns arranjos de que cnrece, o que ja tiye
a honra de levar tambelr ao conhecimento do anteceror
de V. Ex.a no relatorio do 1. Semestre do anno proxi-
mo passado, e se torna de muita urgencia.
Moamibique, IEschola Principal 'Instruro Primaria
em 4 de Fevereiro de 1858. O Professor Guilhermin
HTIerique Dias Cardozo.










Maj pa do movimento dos alunmnos da Eschola P, ;ipl d' lnitrucaIo Primaria da Prnvinea de M-ipnhbiqqu, duran-
to o 2.. Semestre do annr proxjno passado de fS57, ddcl'arndo quakes so os alumnos EuropeDs, Nativos,
e Asiaticos, que frequentaro a Eschota no dito Semestre e as Rli;gies a que pertencem.


Existiam no 1 de Julho


Entraram duran-


- 7-

- 2-



l- l-


"Total


-: O
-- i.




a a,

4. 4. O


det 1857 te '> Senutre


a O 3

ir 41


at L 1. .5-

-O O
O .0 e O 0 -,
Se I E-C- a~E


Sahiram dlitan., Fqlle.
t o Semp>tre ceram


o Q.
a aC
- .~


Exlstencia no 1:o de
Janeiro de 185S


o
a


oi
eO
a'
41


ooo

- 4.~ 4. 0 O 4.~
41 41 41 o ~'s 1
e e a e e <> 4>cr


2- 4-




- 4-
-1--1-

- 4- 4--


1- 3-27-18- -f
- 1- 1- --
-8- i-
-5-.-
1- 5
-- ---


-48
- 2
-4
-5


I- l
-t


Monam'inmie.,.... 3-2i-16--
Louteno Marques 1- 1-
Inhambane..;....- 2- -
'fallia ....... 5- -
Ilios de Senna.... -
A njoans........
lMascatte........ -."
--
Di ......... -
D ii ..... .......


-46-
- 2-
- 5-
.- -


4- 4-
o- -,2-


.T)taliIad-s... 3-36 17- - fi-64~- 3 f-i- 3-39-23- 2- 7--4- <- 6-(i- 1- r- 3-37-tf- !t- 1-63


Observatdes-'Os alumnos que-sahiri. tiverai> diwvrsos destinos, rcolhendo dois sua palria, tinl,a tidl suffrivel adiantameato.
O Pallecid., era um mouirn bastantemente ,diantedo.
Eschola Principal d'lnstrucio Primaria da Provincia de Moaml innm pm 4 d i F'vereiro de 1858. O Professor,= Guilherme Henrique Dias Cardoze.

S ~ nonsP das Olbsraoes U-porooTiras m"lfies e corrertas durante o mer proeimo passado.


Barrmetro
Adie
'442


9 da n.
Altura.
Correcta


Millimetros


Thermometro


9 b. -d, n. a 9 h, da n.
Thermoinwtrographo. Variac.o Media
Maximo. Minimo. Nocturna. da noite.


Graus Centesimaes


Psychrometro


+


9 da n.
Tenso do Gras de'
-Vapor ath- humidade.
mospherico.


Millimetros


:100


l1edias l 568,69 28,88 27,08 1,80 27 98 23,18 -95,28.
i i mez


o Presso
9 da n.
MaxirsM i .. 760.75 em 27
M Minima .. 153,88 a 17
Variao max*.6,87.


Temperature
9. da n.
Maxima absoluta..........30.7 em 9
Minima ..............23,3 24
Variao maxima.......... 7,4


Hiumidade.
9 da n.
Maxima .... 99,1 em 9
Minima .... 85 1
Variaco max* 14,1
1


SPluviometro

de Mr. Babinee


a>

-1.


OBSER VAES.
4Altura -A elevaro media da caza das observate 3,25 metros.
A do Pluviometro contada do plan o o terrao 1,17, metros.
A do Psychrometro id., 1,77 metros.
A do terrao onde estio situdos o Pluviometro e Psychroimetro sobre o terrenot immediatamente adjacent. 8,70
metros.
Horario- Epochas diaries constantes das observaes: 9 da m., 3 da t. e 9 da n.

Durante o mez, a athmosrihera esteve alternadamente coberta de Ci, C e St; Ci C, Ci-St, Ci.-C, C-St, Ni; guns dias totalmente for ada ; porem sempre de Ci e C. sgaseada mtnipouces dias, e os horisonies.grosss pela maior parte.-
Houveram algumas descargas electrias por todos os qq: -sendo seguidas, ,instantan as e quasi, imminentes a esta Ilha
em a noite de 16, madrjgada d 17, nesta n, panhalas de grades agiaceiros e verio note frte te de rajadas. Entre -asl'. :'horas da .noite de 16, houve um golpe
di- vento imrietuoso, 'que durou 8 mintdos; -e em differences diashouveram algumas deseargase.electricas para, o'qua-
drante de NO, pnrem sem chuva. -
Posto Meteorologico no Palacio do GovernioGeral de Moambique d 9de:evereiro de -:1S8W .IWsrnomoe Pristsu'tdu
Palma Junior, A/lere'ts Ordtns.


3-99- 1- -S5-

- 3- 1- - 4--
- 5- - 5-
-1- - -1-
-- 1---
---1--1-
- - 5- 5-
- 2- 2-


I





; - - 1 -i


I ; - -


'i -?r






. .- ". i ( t, i .. . .


Julgamos interessante a seguinte publicao de uma car-
ta do Doutor Livingston a Lord Clarendon sobre parte da
sua viagem de Loanda a Tete. Os trabalhos deste intrepi-
do e incanavel viajante devem em breve ver a luz publi-
ca, mas em quanto isso no tem logar parece-nos que se-
ro lidas com curiosidade e interesse, as noticias que esta
carta contem em relaIo geographic, e aos uzos e cos-
tumes dos onaturaes do paiz que atravessou o illustre via-
jante.

O DNutor Livingston ao Conde de Clarendon. Tete, ou
Ny ngue, no rio Zambeze--. Africa 19 de Haro de 856.
Snr. Como notorio que o governor Inglez; mais que
outro qualquer, toma interesse em desenvolver os recur-
nos, e promoter a eivilisaAo da Africa, eu estou anlelan-
te por fazer chegar a um de seus membros algumas infor-
maes sobre esta part do Continente, que ultimamente
tenho tido occas"io de observer. Offereo-as como couza
de mui mediocre merecimento, e por assim dizer s com
o intent de contribuir, na minha limitada esphera, para
os grande fins que successivas administraes tanto tem
tomado a peito, No tenho na mente nenhum.projecto de
rizer dirigir novas emprezas scientificas, ou outras, para
\frica; com tudo, como provavel que se volte agora'pa-
a outras ,parts do globo, o perseverante zllo desenvol-
ido nas regimes glaciaes do norte, por espao de neio se-
,uto, talvez possam ser uteis alguns dos elements quc te-
idho rcligido, na discusso da conveniencia d'um similhan-
te .proj.cto se nisto no presumo demais, como sempre o
receio nais concluses a que sou levado. Estas informaes
podem tombem ter um interesse Commercial. Submetten-
do-as ao jtizo de V. 8.a, rogd-lbe que no tenha a condes-
-cr leacia de dar-me resposta.
A povoaio em que estou escrevendo a mais interna-
da das que occupam actualmente os portuguezes: descen-
do. porm, o Zambezi, encontrei ruito antes as ruinas de
outra. ,denonminada Zumbo. na confluencia d'aquelle rio com
o Loangua, Se V. S." quizer lana os olhos sobre o toseo
esboo, que vai incluzo, de uma part deste paiz, a leste
apparecer-lhe-ha- esta ,ultima localidade como admiravel-
mente apropriada para protege todo o commercio do in-
terior; pois que d'alli ha vias fluviaes em no menos de-
tres direces,-a -saber: pelo Logngua, um.a larga corrente
at coirsideravel distancia para o lado de Cazembe, ptrcor-.
rendo todo o Balonla: pelo Kdfu, para todas as tribus
Bashukulompo (assim denominadas por,trasereim o cabello'
da cabeha -6 feiio de. um capacete de:drago,) e pelo pro-
prio Zambezi. em grandee extenao paia.o sul sudoeste.i
Observando a corrente acima da confluencia do, Kafu, v-se
este bello rio flainqueando uma montanha oblonga, a qual
concorre, para der geographia physica do interior d'Alrica'
uma forma notavel. Parase passar ao centro do continent,
atravessa-se esta montanha, e ainda que ella no parea, ter
grinle elevano- effectivamente irio tem mais de 4:000 pes
sobre o nivel do mar -, nenhuma dasoutres proximas tem
tanta altura. Nositio em que tivelogi'r de.as ver, ellas for-
mam como.'itma .(specie, de baixa franja na, falda da grande
montanha, Outra montanha de gual elevaio existe par o
lado d'oeste do,,paiz, ,e o terreno comprehpen4do. i, et, s
duas, posto que bastante superior iauperficie.do jnar, co-
mo uma cova, em ela o ,s,.altas.e extensas barrtiras que
o ladeam:a leste e. oeste.. O -.Sitio n,;qgue.o Zanbezi, rom-
peu passagem,;a travez da bmo nhh i b de- kte,'. nttat.)


Como quazi todos os rios. africanos de importance. este
poveentie de antigas, e grades lagoas, cujas aguas toma-
ram corrente 'por similhantes meios. Emprehenderti dar
dellus uma idea. '
Caminhando para leste, desci o rio desdle Seshk at
6 cascata que os Miakololos denominami Mosi-oa-tnya(o,
fumro tfa bulha). Este logar foi antigamente chamado
Shongwy. au deboa vntade lhe poria o nome de casca-
ta fumegaonte, e sonora de Victoria; mas pareceri rmpru-
dencia, sobre tulo n' ixr particular, dispor' assim do nome
de Sua Magestade. A' distancia de cinwo, ou seis mi-
lhas, vimos cinco, ou seis grande columns de fumo, que
pareciam subir at as nuvens. Como o rio no trazia mui-
ta agua, podemos ir n'umia pequena canoa a uma ilha que
tem no meio, e fi' a horda da sinuosidade sobre que se des-
penha o caud:i1ozo Zambezi. Esta cascata no forma la
como as outras: consist .n'uma larga abertura de 60 a 80
ps, praticada na dura tocha de basalto, que forma o lei-
to; a altura da queda de 100 ps, p ur mais ou m,,-
nos. O desvio do rio foi primeiramente em direco per-
pendicular ao seu curso anterior. De pois, afastou se da
margem direita, correndo por um espao de 30 a 40 mi-
lhas sobre pequenos montes cobertos de arvores. Junto 4
abertura ter i:000 jardas de largura; saltando alli, om-
primido no lindo n'lum espao de 15 a'2:) jardas, de lar-
go, e obrigado o mudar de direco da margem direita para
a esquerda. A forrmidavel compresso que soffre na 'queda
qui' proluz a formao, e subide das gran-les columns de
vapr. Na a4tura de 300 a 40W ps toram-se estas esiu'-
ras como fumo, e descem em permanent orvalho. Quan-
do o rio vai erosso, pode ouvir-se a bulha da queda, e
ver-se o voari, na distancia de 10 R 1 milhas.. Depois
de ir saltando e rugindo por entire montes, 'o rio reaia-
rece placido e espaozo, dirigindo-se para o n,r-:oroest;i
( para altitude de f 5." 37'-.-a cascata esl em 17.'
>57's.ul) "" " "
E' evidence que este salto deve ter sil!o uma comp'eta
barreira para a navegio das canoas de leste, d'isde que
se formou. E ha' ainda outras razoes para crer que1as
mercadorias europeas no penetram no grande va!!e seno
mui recentemente. .Pondo de parte a asseiro dos indig'e-
nas dc que era esta a primeira vez que trAtavani com ga~t!-
te branch, direi qu vi, n'urma ilha chamiala Kalai, 8 mi-
lhas a cima da cascata, o tumulo d'um Chefe, ornado coui
70 grande pontas de inarfim, enterradas em volta ; ha-
vendo mais 30 nos logares em que jaziam parents do
mesmo Chefe. fIreIt vamente, era neste uzn, e para fazer
braceletes, que uiiiamiente s empregava to valioza mer-
cadoria, em tolo o opaiz do Batokis. NS o se pode 'expli-
car um tal descuido dos conmerciates europeus, seno pe-
los selvagens cosiitmes daquelles indigenas. Alli os cranes
dos estrangeiros so coinsiderdos como tropheos: em uma
.povao., ontei eu o0 a 0i espetados em paos.
Um, ponto parai qgual eu peo licena de chomar mais part;
cularmente a atlenao de V. S, o seguinte. As j men-
cioadas montanhas so decedidamente saidaveis o s val-
les, e o pa;z junto .s praias, est conhecida que so insa-
Jubres. Esta .a optirio geral dos. hibitantps', e dos p( r-
tuguezes. qque o tem experimentado emn div, ros pontns. Os
Miulolo.s. .que so divesas tribus oriui:di9s de distrwits
notavelmente saiubres, contigUa asao 'desrto de Kalahari,
passaim innos sem term febres, em quanto vivem na
moiilaha de leste: mas, quaindo sto obrigalos a proci-









rar refugio juntoaos profundos e abundantes rios do gran-
de valle. logo as doenas arrebato a maior parte da'tribu.
A minha propria experiencia coincide com a delles, e
posto que n'o seja de grande valor a induco tirada d'um
s6 exemplo, este tem o apoio do.dos portuguezes, observa-
do em ambos os,.lados do continent.
Acreditava-se antigamente em Angola, que.o. degredo
para as Pedras Negras de Pungo-- andongo ra un castigo
muito mais rigorozo que para outro ponto.da costa; isto
-p4la sua suppsta insalubridade. Hoje est completamente
reconhecido que Punzo andongo o district mais saudavel
d Angola; e, comtuilo, menos elevado que as montanhas.
Outros logares a oeste, taes como Caconda, afamados pela
borilade do "'lima, podem ainda ser citados para demonstrar
que,. quanto maior for a elevao do terreno, mais saude
gozarao os seus habitantes. O mesmo acontece na costa orien-
tal. Os rios Quelimane e Senna sio mortiferos; porm Te-
te comparativamente saudavel. Aqui os habitantes no
fomarr remedios para a febre, salvo duranio-lhes alguns
dias. O Governador, com a costumada bondade que os por-
tuzuezes me teem mostrado, aconselho-nme que ficasse
na sua companhia, at comear a boa estao no baixo rio.
Elle tem uma experienoia de mais de vinte anuos, da costa
e lojntinor, e por si proprio, e com referencia tropa eu-
ropea, d testemunho da maior salubridade. do clima nas
-povoa,s do interior. Zumbo aindl'mais saudavel que
T-te. A'falta de instruments proprios para medir alturas,
tenho-me visto obrigaol a avalial-as pelo grau de ehullo
da azua, e outras indicaoes que servem ao menos para as
co-nparar: assim, o trigo, que produisoffrivelihente em fe-
te, d o gro com dobrada grossura no Zumbo. Tambem.
6 ticto, que quando se di cazos .de febreno interior, ob-
decem mais failmente ao tratamento medico, que noli'ttu-
ral. Alli no j a terrivel int-rmittente da Africa occiden-
tal: apresenta-se mui modificada pela differena das elevaes.
Dirigino-me a V. S.'. e procurando dar a ma.is perfei-
ta idea da relao de salubridade entire as terras altas e
baixas em Africa, parecer que tacitamente estou re-
comendando alguma empreza. Os meus fins, .porem, no
so sno os que passo a expr, em quanto no tivermos
adquirido maior experiencia deste'objecto.
E muito provavel que mais para o norte, aonde nao che-
garam as minhas investigaes, existam roontanhas. O Ma-,
jor Monteiro, indo d'aqui para Cazembe pelo inorte, encon-.
trou muitos rios que se dirigia o para o la'go central a oes-
te; ao contrario de tdos os rios parciaes, que alimentam
os mais consideraveis do paiz occidental, os quaes ns vi-
mos correrem primeiramente para leste, para o mesmo valle
e depois voltarem ao norte, ou ao sul, conform o en-
grossar os principals do oeste, ou de leste--o Zaire, ou
o Zambezi. Sir. R. J. Murchison tambem expendeu as
mesmas ideas, com admiravel clareza, fundando-se em
principios geologic; isto 3 annos antes de eu ieconhecer
a sua verdade, no obstante achar-me nas localidades. Con-
siderando. poise, a particular configurao do ferreno, com
relao salubridade, que eu tenho ce mo inegavel rias
montanhas, pode convir a qum intentar expedies a Afri-
ca -seja para os fins commerciaes, indagaes scientificas
ou- plans de benevoleneia, e civilizafo conhecer os loga-
res proprios pela sua elevao pra servirem de conva-
lescenas ( ,) a certa distancia de ambas as costas. A mon-
tanha de leste pode- ser reconhecida no s pela sua ele.
pao, como tmbem. por ser falta de florestas, fontes, e
<*)No original Inglez est, snatoria. Nao achamos melhor tradn'ceo.


' pantans. A mior part da sua ondulante superficie co-
berta de relva, aprosentando o aspect com que os poetas
'descievem um paiz pastoril.
( Contina)


A4LFNIEGA DEMlO'AMBlIQUE.
Faz-se saber: que..tendo re.queriLo Jos Anionio d'Oli-
veira, CapitoP do Brigue Portugue-z.= Clara-==_, -vtinda
nem leilo por conta de quem pertene-r de.309 barri, de
Aguarde'nte do Basil que d'alli trouxera, p sendo-lhe, con-
forme. o disposto. no Regulamento, concedicto; a elle se
proceder no dia 26 do preente -mez nesta. Repartio
d'Alfandega. O que se faz public para geral coniheimen-
to. Moambique Alfandega 18 de Fevereiro .de-858. O
Director interino,= Francisco I~orges -Santos- Biche.

BHOSPITL Mr LtAnR.
Moilio t.0 dos doRnpns de 13 a 19 d1o cnr .


DOENTES. r
-. i* s
i I .lT I 6i 3




Fallereram 1 L 5
Ficam existindo 1 52 19 '3 74
N. B. Trs ds.'f|lecidcms foruo Enropeos.. e os ontros 8 for-o prm.*ns 'i
Ilarca-apresada = Charles & hres intermiietetes pernpeiLLas. el i r dezentina aselia. Os Pretos, l de
sexo masculino e outro do femeninon morr-rao de dezenteria agsd:
Hitspital Militar dp Moambiqlu 19 de Fevereiro de 1858. O Director
interino. = Juauin Francisco Collao.

WMOV1i4ENTO DO PORTO

S"de 13 a 19 do corrente

EMnARCAcES ENTRADAS.
No dia. 14 -Pangain Arabe = Harin ar =, neladas, Capito All, de Bonmbaim em 28 dias com iffe.
rentes mercadorias, 1 boca de fogo, 8 pessoas de' trippla.
o, 32 cartas para o correio e 2 passageiros Bathias nego-
ciantes.
No dia 18-Brigiue Hamhbrgiiez =--rl Ritter=. de
280 toneladas, Capito Bockwllt. de Hamburgo em 82
dias,e em lastro, corii. 2 bocas,de fogo, e 12 pesops de
*tripulaon.
->-Pangaio Arahbe= = sugar Passa =, de 53 tonela.
das, Capito'rage Bay, de Bombaim em' 29 dias com df.,
ferentes mercadorias. 2 bicas de fogo, 9 pesnas de tri-
pulaao, 1 passageiro Bathia. sobre carra, 1 officio para I
Alfandega, 7 'nmassos de jornaes e 57 cartas avulsas paria
correio.
'EMIiA~ICACEs'SlinAs.
No dia 19--Pangaio Arabe = Assimine ,' de 30 to.
neladas, Capito iMuss, para S. Lourenco .cnm polvora, al-
godo e outras fazendas, 1 boca de fogo e 21 pessoas de
tripulao.
Capitania do Porto de Moeambiqne 1 d Fevereiro'de
1858. Miguel Augiuso da Silva Cordeiro, Alferes do Excer
cito, servindo de Capito do Poro.

MoAMBIQUE :- NA IMPumESA NAcionAi.


CS~~: ----- --~--- -----
~ ---- --~-- -n n`-`-pR~-~f







A'NNO--1858.

Este Boletim semanal sertd publicado tolo os s Sabados, Prcfo d'aJCsi
S.no dia antece,lente quandn aquelle seja feriado; assigna- Por seis metes
,e iara o mesmo Boletim, em Moambique no Estabelerimen- Por tres mezes
o da Tfiprensa Nacional. e nos Districtos da Provincia, nas p Por folha avuls
Seretrorias dos Governos -e Commandos de Villas; as assi- Preo dos ann
gnaturas sdo sempre pagas adiantadas. Correspondencia


n, 0


NUNIEPtO !Y.

, T ato.............. r.23R00
..~~~.... ..... ........ ... pgoo
a-.. ..... .. n UO1O
*~O S, pl* nha ........ M %o4o
i d'Jnterasseparticular, Idcm a%03


W 1O0VERNNO GERAL DAI PROVINCIA DE 11OWB1BUi9E3


sAnn.,%uO 2, ic, Vicifus o.IO


Gnverno de Maco, = Expediente Geral.. ;N. 48. = 111
e Ex."" Sni,. = Em vista do que determi a Portaria do
linisterio da Marinha e Ultrainar n." 14 de 27 de Fe-
ver uma Copia .do contract pelo qual se engajaram 30 ope-
rarios Chinas constantes da relao iiiduza que vo de
passag'em para Mcambique na Barca= Adamastor=, ten.
'do todos recebido por adiantamento nesta cidade 30 pa-
tacas para abi seiemn descontadas a razo de uma pataca
por mez dos seus salaries, levando cada um os instrumen-
tos lda sua profisso, bem como a sua contract.
As ordens da Metropole "ero para engajar at 50 ope-
rarios, por'em em consequencia do incremento do com-
inercio, e populag, nesta cidade ha sobejo emprego para
home d'officio, e por isso tem subido os preos dos jor-
naes extraordinariamente a ponto de alguns me pediresm
40 patacas mensaes para irem para Moambique e dei-
xando aqui uma mezada s families paga pelo Governo.
Os operarios que vo so pela maior parte de fra de Ma-
cow. -No foi possivel arranjar carpinteiros de navio. Deus
Guarde a V. Ex.'8=-Maco 16 de Dezembro de--l5R17
I!'I." e Ex.". Snr .Joo Tavares d'Almeida, Governadom
Sda' Provincia de Moianbique. =-lidoro Francisce Gtnima-
res.

Relaco nWmdin', dos op'rarios China que em vista da Por-
toria n.I 14 de ~2 de Fevereiro ultimo vo para Moambique
na Baica = Adamastor =, -por conta do Governo.
Pedreiros ,1 C('fhoqueiros = Tom- Haiu = Leom-Aquan=
Li-Achi = Tanm-4has =GChau-Acliem =Tom-Afat = Hip
Asv H i-Ahoc= Chau-Ayao = Chan-Acao = Leom-Ahiyu
=Tom-ut lIiac. .
Carpinteiros Cham-Afoc = Leom-v-fu ='Voug-Atui =
Chaun- sso = To- Aquem = Guan-Achom =Yom-Asso=
M-l-Atui.
SCobreiro. = Cluom-Achou --- Voug-Actuom = Chau-Alo
== Voug-Avac. ,
Ferreiros = Ly-Achy = Tom-Aciac = Cluo-Alioa
Clia n-fom. -
Picadores de pedra = Moc-Atac = Lv-Ahyoii.
Maco, Secretaria do Governo 16 de Dezembro de 1857.
Jose Carlos Barros, Offical da Secretaria, servindo de Se-
cretario.

natural da Villa de na Provincia de
na China d'idade de annos, declare que te-
nho concordado cnm o Governo de Maco a embarcar pa-
ra Moambique a bordo do navio Portuguez= Adamnas--
tr =- obrigando-me logo que chegue ao meu destino, a


emrpregar-me alli t'ordens do Governo d'aquella Provin.
cia pa-a trabalhar pelo meu oflicio de duran-
te as horas destinadas ao trabalho, ou como possa ser
mais convenient ao dito Governo. dindo cumprimnto
ao meu trabilho por dez patacas de solo mental ; e uma
rao diaria de oito onas de Vacca e meia libra de outros
suitentos alimenticios, assistencia medical, o reinedios, re-
cebendo por anno duas mudas de roupa, um cobertor; e
uma camisa rde la ; concordan nl-se egualmente, -que eiu
occasio.de doena, excedendo ella quinze dias o meu
salario ser suspense at que eu volte ao trabalho4 conti-
nuando porm a ser tratalo poi conta do mesmo Governo.
Cumprindo estas obrigaces por espao de oito annos
continuados, que est fixado para termo deste contract,
durante o qual no me ser- permittido larger a colonial
nem near os meus servios ao mencionado Gover-
fio; findo 'este prazo me dar plena liberda:de para
obrar o que melhor me convier. A minha pdssagem e sus-
tento a bordo do navio sei' por conta lo Go;verno Por.
tugiez, recebendo aqui- afliantado por conta do Govern-
de Macao a quantia de 30 patacas para os meus.arranjs
mnentos do meu offirio ; com a contico de que a mencio-
nada quantia me ser desconta la alli do meii salario a ra-
zo de uma pataca por mez, at ao final embolso ; deven.
cdo-se entender que por nenhum outro molivo me ser
deduzida cousa alguma do meu salario, o qual principiar
a correr 24 horas depois do meu desembarque na dita
colonia. Mac'o de dte 185 .

Emn conformidade do disposto por Portaria do Ministe-
ri,) dos Negocios da Marinha e Ultramar de 8 de Janeiro
de 11856, Sua-Es.' o Governador Geral da Provincia, mau-
da publicar o-seguinte:
Annaes do Municipio
Copia.= Vinte e seis de Setmbro de mil oito. certos
cincoenta e sete.- -Neste, dia pelas dez Ihoras da manhia
teve logar no Palacindle S. Paulo com assiitencia de todas
as Corporaes, Authoridades, Furiccionarios Publicos de to.
das as Classes, e d'tflna grande part dos habitantes d'es-
ta Cidade, a posse do Governo da Provincia, doCoronnl
de Artilheria do Exercito' de Portugal .I,o Tavares de
Almeida, nomeado Governador Geral, pelo Decireto de
vinte e seis de Desembro. de mil oito centos cinco nta e
seis, como foicomriu nicado Camara Municipal por Caria
Regia de lJezesete de Maro d'este anno. A posse foi se-
guida de Iodas as soleminlades d'estillo.
Extrabido do Livro denominado c='nnaes do Munic-
pio= fl. 1.
Est conform. Secretaria da 'Camara Municipal 19 de,
Fevereiro de 1858. O Escrivo interino= Caciano Paule
*Gomes. = Jos.FViceite da Gama.
i













Wo dia9 19 do orrier te nelas 4 horas da tarde fund'eou
pie ste rto a galera nortugtieza = \ lamastor =, Capito
Manoel Francisco dIe 1onza vind'a die Mico em 62 dias e con-
d'i,;,i o.0. 30,oora'noch nas le diversos officios, send 8
Carpinteiros. 1 2 Pedreiros, 4' Ferreiros, 4 Cobreiros, e 2
Picadrorps de pedra, que o governor da metropole desejo-
o dte prormover o nmelhoraniento, e progress desta im-
far-pnte psseSSao man'd o engajai em Maco, para intro-
(duir npota Provincia t'abalha ioies laboriosos, e sobrios,
qu'e po-lero com o seu exem lbo, e com o seu trabalh >
util-nente aproveitado servir de grande vantage a es-
ta Provincia. Nesta mesma tar le desembarcaram, e depois
de cerem interrogados como era po'sivel, e bem recebidlos
e tracta-los peh, Governador Geral-ete lhes mandou
prviso-iamente dar quartel na casa chamada do Ouvi-
dar. e lhes mandou fornecer mantas para seu abrigo, en-
rreeqni o os seus Ajudantes de procurar que os recem-
che?,a ,1is tenham todas aquellas comnnoli tades que f r
ps,9-ivl *lar-llh-s para iie Alles no extranhem demasiado
a n'i laiica nara terra to estra ha aos seus habitos.
TIlos os chins parecem rle boa constituio, e bem dis-
pos s : to lIn vem muito acea'los, e alegres ; e possivel
one no obstante chegarem na peior quaira do anno, em
vista dos habits de sohriedade e de trabalho que os ca-
ra,'t,-i',a, a son crnsqituio os preserve sufficientemente
da inT'.incia fatal do clima,
P enrio affiancar rque dl parte do G"verno no have.
ri a rmenr nealigen-ia oi, falta de eiiila lo em relacio-ao
bor-tractam-nto a que estes uteis indii luos tem direito.
O seu engai~mento phr 8 annos. eo Governa'dor de
Mlico cujo zelo to c'onhecido diz t"- ti lo dificlndadle
e;m annsar estes onerarios cnm as conlicoee, com que vie.
ram por niererem os chinas geralmente, outras vantagens
qu aiquellas com q'ie e9tes vieram.
N3 nr)re offici-i damos a coniq do officin dro GrCverna-
dor de Maco, bmn como o.numero, nome e officio de
cada uni dos operarios chinas.
O Capito da galera= 'amnastor ,' sonbe preencher esta
commission de um modo digno de elogios. evitan io a' me-
nor queixa dos colonos que transporton,, e'apresentan. lo
os s7as. e contents. Comprazemo-nos em consignar estas
eircunmstancis4 qe daro prayer ao refe'rilo Capito, e
a,) digrno. e prestanfe proprietario do navio, o Sr. Besso-
ne. com qemr o governor contractor o transrorte de tro-
pas Lara Macio, e dos colonos nara esta Provincia.

No dia 2'~ do corrente, palas 5'horas da tarde fndeonu
nDst- Porto, a Fragata .Portiigueza = D, Fernando=, Com-.
inrilante o Ex."f Chefe de Divisoi Antonio Ricardo Gra.
a. vinda de G;a. em 22 dias. tra7endo a seu hbodo os
passageirns seguintes : com destino para esta Provincia -
Ariton;o Tivares d'Almeipra Canitun do Exercito ao Esta-
dlo da India =0 menor ;iJoo Tavares d'41mnida, filho d dito -L renic de Le'nos, criado do dito= Jose Zefe-
rino Xavier Alves. Escrivo da .J.nnta da Fazenda de Mo-
amhtbiqe .Iloo Augu-to ( prto ), criada do dito = lo.-
quim Serwio T Iles ld'vellar, .1 Sargento Graduado As-
pirante a Offiqial do Exercito do Estado da India= IgrZacio
Caetano de Noronha, sem emprego = loanna ( preta ), cria-
da = e mais 15 deradados.
Para Angola Manoel Gonsalves Saboga, sem emprego
Para Lisboa -.lnJoo Carlos d'Oliveira.. com 8 piess,,as de
familiar incluindo 5 menores, Capito do Exercito de Portui-
al = Antonio Augussto Je Leo com 1 filho menor, Idem
Jose da Silva Cnrado com 9 pessoas de familiar incluindo 5
menores. Tenente Graduado do Exercito de IPortugal=
Jose Francisco da Fonseca, Director-d'Alfanaega principal


de GOa ==0Omenor Antonio Daniel Correa da Cunha, Or.
fo= jHigino Xavier Craveiro Lnpes. Idem =-Viente 4n.
tunes Delgado, proprietario =- OI inigos Pereira Bacr,
inarinheiro de navios de Commerri. l-== I-)eodata Felicida-
de de Souza, mulher de Joaquim d'Oliveira, Barbeiro da
Fragata = 4 praas de pret = 1 9 escuz.ns do- servio -.5
mulheres com 2 menores, famiia dos ditos,

lRelai'o dos lesran'ldo. qur a Fra7gala= fn. l rnan-
do =-, condurio de Gdapara esta Proincia.
Venaneio lHenriqnes Allemo, filho d'Allemo, natural de Salcete. d'i lade de 31 annos, sol-"
teiro, proprietario, conudemnado em 10 anfno fr) triba-
lhos publircs,, ,onta los desde o dia 20 :'Ouiitlb.o de 1857.
Exequiel Filippe Manoel Furtado, filho de Joo Viilippe
Furtaio, natural de Varc, Comarca de Sal",ett, d'i(ad' de
3:) annos, solteiro, proprietario, condemnado em anns
de degredo, contados' desde o dia 20 d'Outihbro de 1857.
Joo Baptiita cdo Santos, filho ,de Pe Iro Loirenco 'ls
Santos, natural de Nirul, d'idade 56 anns, ca-a.lo, traha-
hia lor do campo, condemnalo a trabalhos publicos perI
petua mente.
Aleixo G.nsalves. filho NicolMo Gons lves. natural 1e
iAosiim, d'idale 27 annos,.solteiro, trabalhador. condemn
nado em 15, ainos de degreto, coin prisa de 6 me7es
no logar -lo degredo, contado, o mesmo degredo desde 11
de.lulho de 1857.
Antonio Vicete Regis, filho de Constancio .ose. de No-
ronha iegis, natural le Salcete, d'i la le de 34 annno, ca-
sado, propi itario, conlemnado a trabalhos publicos per-
petuamente.
Joaquim M ilato, filho d'Antonio de Mello, naiural de
Pielade, f''i lade 20 anns, ca-ado, carpinteiro, condem-
nado em 5 annos ie trabalhos publicos, contados desde
11 de, nlho de 1857;
Fernando Antonio das Mercs, filho de Sehastin.Lula
Pereira natural de Diu, d'idadl 44 anrins, casado; ex-se-
gundo Ec. ivo da Feitoria, cori-emna.lo a ttabalhos pu-
blicos perpetuam ente;
Rafael Gonsalves, filho de Nicolo Gonsalves, natural de
Aro'siun, d'i lade 46 annos pouco mais ou menos, solteiro,
trabalhador do campo. con'demnidio em 15 annos de de-
gr.edo, com pri , de 6 nezes no') >1ar do degredo. contan-,
do-se.libe o tempo do ditu degredo desde 1i de Julh d(a
1857.
Bovane Ir, filho de Ir' Valgi, natural de Patan, d'ida-
de 36 annos. vinvo, ourives, con-lemnalo em 3 annos de
degree lo. conta los de4de 23 d'4bril de 1856.
Ago-tinho Preto, filho de Sebastio, natural de Pond,
d'i lade 32 annos, solteiro, trabalhador. condemnado a &
anni, de trabalhos publicos, contados desde 14 de Mar.
Co de 1857.
Simrno Fernan les, filho d Manoel Fernandes, natural de
Cuncolim, d'i lade 38 annis;, asado, trabalhador, con-
'demna aI a 4 annos de degredo, contados desde 11 Jul
lio I1l57..
Ftlix Jose da Silva, fiilho de Paschoal Luiz da Silva,
natural de NMargo, d'idade 45 annos, viuvo, et-Cabo d'E,.
quadra degredo, contados desde 11 Julho 1857.
Aurora, Preta Escrava, condemnaha a 4 annos de degre-
do, contados desde 5 de Maro de 1857.
Joaquim Antonio Barradas, filho de Anto"nio .lose Bar.
radgs, natural de Fronteira, Districto Administrativo de
Porto Alegre, d'idade 31 anaos, solteiro, ex-Espingardei.
ro do Batalho de Maco. comdernnado em 2 annos de
degrerd, contados desde 24 Outubro de 1857.
Clemente Antonio Batalha, fillio de Antonio Ferreira
Batalha, natural de Maco, d'idade 30 nnos, casado, aem


L -- CI I I^IIQb--~il~~-L-ii__











emprego, condremnqrlo em 6 aQnos de degredo, com pri-
so de 1 annn no logar do degredo, contando-se-lhe o tem-
1o do dito degrelo, desde 23 de Maio de 1857.





Mocambique 26 de Fevereiro de 1858.

HTjoe chegou a (ete Porto o Pangaio de Anjoanes = Ma-
bturissa =, trazenro a seu bordo o Principe Dremah, ir-.
inat d, lt hrio de Anjoanes, que foi portador d'uma carta
para S Ex.' Governailor Geral da Provincea, .
O principle foi recebido por S. Ex," que lhe ofTerecen as-
simn como sua .comitiva alguns refrescr". e como o princ'i-
pe, ein intenao de demorar-se a ',n' dias S. Ex o Gover-
nador Geral mandou pr sua dispoisc uma casa para
sua resilencia.
A carta do Sullto pm termos mui obseqniozos offerece a
S Ex." todros os auxilios oue, por ventura crep r delle Sul-
tin, e solicit as boas relaes, e correspondencia do Gover-
no da Provincia.



MOVIMENTO DO PORTO j

de 19 a 26 do corrente


EMBARCAEs ENTRADAS.

No dia 9 -Barca Portugueza -= lamiastor =, de 401
toneladas, Capito Manoel Francisco de Souza, de Maco
em 62 dias com differtnes mercadorias da China, 2 bo-


caq de fogo, 12 espadas e 16 es'ingaras para no117 d bor-
.o0,,3 pessoas de tripulao. I officio para o Governo e
t8 passageiros, que so o Cirulrgio de 1 a Classe dla Ar-
nada Real- Maia-Sua Esposa, 3 filhos e I criaia, 1
.x-2. Sargento, e 1 ex-Soldlado do B.italhlo d'.rtilheria
-e Maco, todos com destino para Lisboa, e 30 Chinas, co-
(lonos para-e-ta Provioria. .
No dia 23 Fragata Portugneza = D. Ferna.o =
Cominandante, o E."o Conelhiiiro Chefe de Divi/io ntonio
Ricardo Graa. rie G(,i, em 22 -ias com 4 bocas de fogn,
190 praas de Guarnio, 3 iialas e divers offici)s, pol-
vora, cabo de cairo. arroz, pimenta e neu teras, e 81 pas-
ageiros, Fsndlo para Angola 1, para Lisboa 56 e para es-
La Provincia 24.
No dia 2 i -Vapor de guerra Francez-= Mahd = de La-
hourlonnais=. :le 2*70 tonela las, e da fonca de 35 ca-
vallos, Commandante E. Yves, da Co-ta de Malagascar em
3 dias com 4 bicas de fo o, 53 praas de guarnio e al-
gumas cartas para o correio
No dia 26 Pangaio Arabe = Mahicssa ~, de 21 to-
,ueladas, Capito Ahb ii-Ramane, d'Atjoanes em [3 dias,
com 10 far-los ,l'algodo, 4 bocas de fogo, 2 1 espingar-
las e H esplas para nzo de bordo. 25 pessoas de trip.
lao, 1 officio para o Governo e 2 T passageiros, que so
SIrmo do Sulto d'Anjoanes e 19 mujojos que o acom-
panham.

EMBARCAES SAHIDAS.

No dia 2=Brigue Hamhurgnez=Carl Ritter=, de
280 tonetadas, Capito B ckwldt, para Zan.ibar em las.
tro.com 2 bocas de fogo, e 12 pessoas de tripulao.
Capitania do Porto de Moambique 26 de Fevereiro de
1858.=-- Iiguel A4,susto q il'va Cordeiro, Alferes do Exer-
cito, servindo' de apilt d Porto.


Balancete do Cofre Geral da Provncia de Moambique do mez de Janeiro de 1858.

Rxistia em 31 de Dezembro proximo findo ... ............................... ...................... 13:942 33 1... 16:774 500
Receita do corrente mez........................ ......... ............... ................... ... 2:8312'68
Despeza durante o dito mez............. .. ........ ........................................................... 7:951&492 -
Existem em 30 do corrente. Em Dinheiro ........................................................... 3:680$93S ..',, 8:8.008
,ecibos interinos............................................... ...... 5:142069 ----
\


Existia ema 1 de Dezembro proximo passado. Em Dinheiro ..... ........................... 7:322 5451 ..
SRecibos interinos .................... ...... 6:619787 l
.DesenvolRimento da Receita.


Impostos Dli


? Decima predial........... ........ .. ..... ........ 2572
e o Pi el sllado.......-..... ..... ........l.......


de verba ............................... ....... 76 04
Landemios ................................ .. ... i~..
(Direitus de Merc......... ................................ 7 256
Impostos Indirectos.
Por Entrada rleneros Nacionaes ....................... 6700 .... 718050'
SDIitos Estranzeiros. ................... ......650 85u
Por Sabida Ditos Nacionaes....... ....................... :788R5Mr
Nacion.l.................................... 1, 333 ...... 7633 :6
S Finelagem Estranseiro.............. .................. 64 999 (
Escravos despachads. .............................. ... ..... ............ 00
i)irpitos de vinhos.............................. ... ............. ..' .3 .925
A rmazeagem ...................................................... 5%105
Para fund especial de Coloniza .. .. ...... .............................. 00
SProprios lAacionaes e Diversos Rendimentos.
Fretes do 1Navio do Estado ............................................. 4047~B ...,., 788154
Obras feitas no Arsenal a particulares. ....;,....,,......,.,,.,,. ..., 3,,68


.. 16:7741500


~uaud II ~j-I.ii angiio ----i^-~~__~











Transporie..., ..... !....., .9... .'....... ~'i(L~77-~~jd C
Desern'olciment~o da DSVtoeZu.


bhsilia3 4 tripula.l a los Navi.s aprelzadt a ais dezradd )s...................................6i04
Fretes Ile'l;ncha., e ia;ssa:rens ................ ..... ........... .......... .. 148i t60(
C.>n'l~t d'u:na miiina para os Arm azens......... ............................ ..... .8
Mintimenta fornee'loa ais pretos encontrados na B.rca Fritceza= harles &
George ................. ... ,. ....... ........ ............ ......... 18000 .... 75.10

RBes as nraas de pret diestaeadas na m."sma Barcaa............... ....... 57100 .... 489J169
0,--lends) ao Ex-AI ia.ixarife, Fiel e zratificaa > s Ecrevente da J ihta d, LiAan'iameto ......... S9169
S>ldi. ai, C ,ia lanilante, e ao As;pirairte da.Escunia = knzra'=,.por conta de .. .
s-* vsaeriinent s. ...................... ........ .... ....... .. ...... .... 74500 118 500
R4a5 s s praas de i trinia;e da ine nPa E.cun eoi s"rvi.> n> P:itacho = Zain- -..
bhez =....... ............. ..... ... ..... ................ ..44 4000
I1,aem aos Col i! idlen.; .. ..................... ........ ..... .. .. *... ..... ................. I7i400l
RestituiCi feita a Pedru Antn.a .1 Iri i-e., d- Lauleminis que pazuii iadompelentemente.......... 540.0
I>ianihir. ........ ....... ...... ........ ........................... 8:080 9 9 --9
Exist ema 30 de Janeiro. Emi .... :8S0
Si.Rhos interios................................ .....................514069 -----
Thesoararia Geral de Miambiqiue 30i de Jaaeiro dt. 1858 = i!o'n1q .Toi'i fPint de dagal/les, 'Ithesurdiro Geril.


HOSPITAL MiL TTAIt.
"M'vimtf. dos dloantes dl 20 i 27 1do


corr.e


DJENTES. Z

r..a a.lia iii ~19 3 74 _
Enrarisiu .64 1 J 65
2o 1e IIR .11

38 1
Fallereram 1 ___ __ ___
am exislindo 7 1 5 1 7 94.


flHspital Militar de, Moambique 27 "e Fevereiro do 1858. O Direct
interino, -~ Joquidr Franciscn Ciollato.



JDMlVrsTRcJO I'() CONCELHO.
Na Administrao do Con'elho, se acha arrecadado um
eastial de prata, que hbum Npegro desconhecido levou pa-
ra tender a casa do Ourives Pasos; quem tiver direito
ao mrsma, ven!ri dr ns irifrmaces precizas nesta Amin--
nist rarao, para ser eitreue,p pgano o custo deste Anituni
.cio. .Adrliniitrno d.) C4Irlho 27 de Fevereiro de 1858.
O Administrator 'do CocelhO -=- J.se Francisco du Pieda-
de Pereira. .


I. B. Tres .,fleis f flrpci s m Enropeos e os oi os f franm preti) da
Bare aprezada = Chnrles & Georre=. Os Europeos, 1 home e 2 mi- '
heree, filleceram de fhre intermilente pernfciis e conv estRi piilminair; -, _
e anuelle de febre intermittent pezneaioi.. Ol pretus falleceram d de- '" I Il Ip r NC O *I'
- nateria agada, MOAM .:..NA i NAC .


-Or.?nldo aos EnoDregad> s d's iArministraSo R er al.. . ..;....; .. .. ..". . .... .... ...... I:180I 766
Graiilicao au- inspector e l scrivi, das biras Publicas......................... I~6fi00 i 304950 16l
Almoos jorntes aos operarios no mez de Novembro e oDezembro de 1857...... 18sR350
O lenad, aos Eu pregados d'Adliniitiora;ai de Fazenda.... ................ 40i75
S..... 514975) ,
Expeli,-nte e papel para Osllar. ...... ...... ....... ......... ...... 108000 1 ; l:041l i5
F ,iinPi',nento de fizsnda piar o Prezidio de.Razlruto..... ;... ......................... 52e6340
O;denado aos Empregados do Jislia ....: . .. .................. ....................... 03b 69a
S " ' 2SOR ^7,,
Sl;hsilii aosi proso& ini.igente. ... ........... ................... .... .... ............ 1... 1$100
Cnrgrua aQo Elmpregad s d'Aininistrai;So Ecleziasiica ............. ..................................... 8639S
Administracilo Militar:
SL tildlautas d'Orldens do G(iiernador.Geral ........... Rfi8g 21
)Micia- d< BIaal"afo d'lnfntelria ................ 375"916
laoldo e maasa Veitmentos aos )ffmci is das Praas e Fortalezas................... 139499 .... 763C058
iO'iciaes vinls9 dos Prtas secundarius ............ .9355'0
SO ficines emu l.is.p nibili lade ...................... 68000
Ra '~8 5 praas qiiu marcha-a para a B-ihia de Pemba........................ ......... 75
Pret s prtas d1 Cont nontte viindo de Lisboa, dos mezes d' thril a Setembro .
Inca niv de 183 ......... .... ..................................... .. S:84.~934 857 .. S:O.5706S 89B
Pret i praais di Cmpanhia de Veti.rq'ms. Id mes de l/>z-minbro de R57 ...... .18~ai"
Veacimento ao E- kuditior dos mps s de Jinho, Julho e A.,sto de 1855...................... 5450 >
Empregados das 'Terras Firmes........................ ................... 9550
Ordenado aos
Dito" do Hospital Militar e Botica.............. ...... ..................,. 45168
SAdrministrao da Marinhka.
Orienados aos ERmpregadnia, Artiflce, e r,~is s -pr prns de marinharzm e' dgrladaos ........... 159;060
J.rnaes. e Almoos aos ope-arios, particulares e libertos, nos mezes de Novenmbro e -lDeem-
4 u. de 1857 .................. ............................. ...............98 5~ 5
Venci-nntos aos serventes lihertos...... .... ........................ 10880lt ... 571907
Manij.nnto e cm>nlu to aos prelos F do Estal,. ................. ............ 16 l15
Cniiprt de carvlft ifrerentes frnecimento!, ..... ...........................S349yB ..,. 87;8s3
Venci.uento a rare r s praas de marinhagem do atachou=Zambeze ==........ .33665 !\

lpn, elmentos, enndiglo le manri!entos. e'obrns fitas nara.o mPsma Pataiho.... 815015 -
T-ncimentos ao Patro mir d M:Ijamn>i'iu................................................. .6250
E- argus Garaes, S&ldo aos OXicisos geformados....................... ... ........... ..................1s8733
Diversas Despezes.


.. 9:951~41~6





";:







A'NN0188


NUMERO Q


- Este: Boletim semanal: ser publicajo toos ado ,s Saib dst Prepa d'as dgnrapr aonn ............. Samsno
ou no dia antecedente quando auelle seja feriado; assigna-. Por t'ets mezes ......... .. .. ....... 1 50
se lparat o mesmo Boletim, em Moambque no Estabelerimen- Por tre mexes ......... .............., 'AOS
to da ImprenTa Nacional, e nos Districtos da Provincia, na Por folha avulsa ....................... n
Secretarias dos .Gnvrnos e Commando e riElas ;ar a sO- Preo dot nnuncios, Tpr tlina ...........i h O4
g>naturas sdo resre fa.gEsadianr t da.- Correspondenciai d'istestse parctidar, fS.e r ~08



BOLETIM

DO GOVERNOR GERAL DA POVINCIA ,DE MOAMBIQUE.


SA. BAI G iiBb E ARC... .


.I T I, .+
PAIIT E AM ICtAl
MIlISttiio 0os NEGoCIOS DA I MARaiHA E DO LT1RAiAR.
SECo Dn ULTiAMAA.
SN. 13'. -2." via.= Manda Sua Magestade, EL-Rma, pe-
l Secretaria d'Estado dos Negocios d'a Marinha e Ultra-
mar, remetter ao Governador Geral da Prvincia de Mo-
ambique o incluso exemplar doDecreto de 12 do cor-
rente mez, pelo qual se mando preencher as vagaturas
que ha na representao Nacional, afim de que o mesmo
Governador Geral faa proceder eleio de.um Deputa,
do que falta pela referida Provincia, por ter sido eleito
por Lisboa Antonio Cabral de S Nogueira, observando.
se para o dito fim as.disposies do citado Decreto, de 12'
do corrente mez,'em conformidade com as do de 30 de
'Setembro de 1852, modificado com relao a Moambique,
pelo de 12' de Janeiro de 1853. Fao 22 d'Agosto de
1857. = Si. da Bandeira.
DECRETO.
Tendo-se verifiado a vacatura de viiate e dois legares
de Deputados na Carbara Electiva, e cumprindo que, pra
o complement da Representao Nacional, se proceda s
eleies .conpetentes: Hei por bem, Tendo em vista o
Decreto Eleitoral de 30 de Setembro de 1852, e a resolu-
o da mesma Camara, tomada-em Sesso de'6 de Julho
do cortfente anno, Decretar o seguinte:
Art. 1'.o So convocadas para o dia 6 do pro-Ximo mei
de Setembro as Comrisses do Receseanmertc dos Con-
celhos ou Bairros do. Continente do Reino"' em Cujos CiC.
culos Eleitraes hade ter-logar a elitko. -
Art. 2.- 'A designao d'estes Circulos, e-o ntimro
de Deputades'que lhea compete eleger, constam do map-
pa junto que faz p arte d'este Decreto, 'e c1 m nlle baixa
assignado pelo Ministro e Secretario d'Estado doas Nego-'
cios do Reirp.
Art. 3.0--'No desempenho dos obriigaes que, pelos'
L. e 2.* do artigo 11-0.0 do citado Decreto -Eleitoral,
so impostas s Commisses. de.Rceriseamerito, devem el-
las noYrear desde logo .os Presidentes das-Assemblas elei-
toraes, enWiando.lhes opportunamente os cadernos de Re.
censeamento, alludidos no artigo 44.- do mesnmo. Decreto.
convocar os Eleitores para a reunio, nas'suas respeptivas
Asseublas; annlncar porEditaes, nos terms do refei do
aitigo 110.' l~.,,que a reunio das Assemblas' bade .ve-
rifear-se no Domi'igo 20 do: sobredito mez de Seteiibro,
no mesmo local, e. -mesma hora eni que teve tlgara elei
o geral decretada em 29 de Setembro do anno proximo
passado; declarando n'esses Etditaes o numero de Depu-
tasos, marcado no mappa junto a este Decreto, que.as
Assemblas. devem eleger .
Art. 4.' Os trabalhos a cargo das A1snmblas Eleit0raes
*


sero por lias regulados, segundo as prescri pes do ar-
tigo 49 o e seguintes do citado Decreto Eleitoral.
SArt. 6."-Os Portadores das Actas devem comparecer
com .elas na cabea do respective Circulo Eleitoral, no
Domingo irimmediato 27 do mesmo mez de Setembro, no
qual ter logar o apuramento de vdtos de todo oCirculo,
e este trabalho ser regulado pefo modo que deteruina o,
Titulo 12,,. formando-se a competent relao par, o caso
de segundtr escrutinio, pretisi dio artigo 9~5. do Titulo
13.6 do mesmio Decreto.
Art. 6---Os Gcvernadores Geras de Goa e Mocam-
bique', segundo as lnstruces' que receberem do iiniste-
rio dos Negdccios da Marinha e Ultramar, daro cumnpri-
mentdaao presented Decreto na parte que lhes respeita, de-
signando para a reunio daN Commisses de Recenseamen-
to, e para a celebrao dos actos 'eleitoraes, os dias que
forem cormpativeis coin as distancias e meios de coninmu-
nicacao.
O Ministro e Secretario d'tstado dos 8egoios do'Rei.
no assim o tenLa entendido e faca executar.
Pao em 12 d'Agosto de 1857. =- r E == ,arquez'de Loule.

JfIappa dos' Circuos leitoraes do Continente, 'e/o Ieino e
.Provzncial Ult'iamarinas, em que, na conifrmidade da Decreto,
da data de koje, ha-de ler togar a eeico de Deputados.

N.o de De,
Districtos -Adnministrativos. Capital de cada put.'que
Circulo Eleitoral ha de efe
ger cada
SCirculo..
Vianna ,. .. . .. .. .Vanna" ..... N." 2 2
Sra Braga ..., ..N. 3 1
Brag ............. Barcellos ....N 4 2
P o Porto ...... N 6
o o ......Porto....... N. '. ,
Villa Real' . .. .. ... .Villa Rea ... .. N." 1 1
Bragana .;... ..':Moncorvo.. .. N.* 1t'
Aveiro .. eira........N.0 15 1
vro ..... ..... Oliv." l'Azam." N.Y 16 I
Coimbra ..............Coimbra.... .N. 17 2
Vizeu ........ .... La. ego .... 2
Lisboa...... N." 27-
Lisboa............. Lisboa......N 28 1
Torres Vedras N.", 30
Bja :........ ...... Beja....... N. 3a 2
Goa .... ... ..... Goa ............. . "
loambique ...... Moambique...... 1

22
Secretaria d'Estado dos 'Negocios do RTeino, em 12 de
Agostd de 857 f 1 arquez de Loul.
li ezd Lu







41~2


- o6VUil1IO F-1 It A L.


'.5
r ..
4,


=> a ..aCBEiF-ar^^^-B^ac^e *^ .
TNo 6-= Teno de proceder-se eleiceo de um Deputa-
do pelo Circulo Eleitoral desta Provincia em conformiltal
de com o -Decreto de 12 d'Agosto; d6 185', peloqual' se
mandam preencher as vagaturas quie ha na representaan
N-rional, e em observncia a da Portaria do Ministerio da
M:rinha e Ultramar n." 137 de 22 do mesmo~ mez ; em
q-ie Sua Mlagestadle, EL-REI,ordena que se proceda a so-
bredita eleio por ter si'n eleito por Lisboa Antonio Ca-
iFal 'de S -Nogueira:: O Governador Geral da Provincia
de Mocambique em Conself-o: tendo em vista as dispoi-
ces do refnrido Decreto. as do de' 30 de Setembro de
1852 modificado- com relaco -a esta -Provincia pelo de
1 de Janeiro de 1853, e a Portaria em '.ConEelho de 28
,d"khril *le 1l.854, determine o seguinte:
Art, l."- So convocadas para o dia 4 do mez de Ju-
lho 4-este anno, as Assemblas eleitoraes, desta Provincia
etahPbllpridas pelo art.0 4 O da Portaria em Conselho de
9q d'Abril de:1854, a'm de procederem a eleiao d'um
*Deputado. .conformando-se nos trabalhos a seu cargo com
as prPesripes do Decreto rde 30 de Setembro de 1852,
modificaias Delas do de 11 de Janeiro de 18S5..
Art. 2.*- As Camaas Municipaes que shstituem nesta
Provfncia as Commisses de recenseamento, de que tracta
o art, 'i. do Decreto de 30 de Setembro citalo, no de.
sempenho das obrigac0 s 'que lhes impoem o art. 110.ddo
mesmo I)ereto, convocaro. os eleitores para a rpunniao
das assemblas, annunciaro por Editaes qne a reunio das
mrmas aSsei blas hade verificar-se no referido dia 4 de
Jlho do c.irrente annn indicando o,mesmo loral e a mes-
inq hori em quevet elugar aeleicao geral de 9 de9.hnho
1dl 18.S', declarando nesses Elitaes que um Deputado.
qui as assemhblas devem eleger.
Art. .".-Quando todos os Pdrtadores das Actas no-
meados pelas Mesas das A.ssemblas eleitoraes de f"ra dla
Coit.al se. acharem na Cidad de Mocambique o Gover.
n ior ,Geral em Conselho, determinara o dia para a sua
riunii afim de procederem ao apuramento dos votos de,
to ln o Circulo.
S ct 4 0- O' Governadores dos DisIrictos. ou Villas fa-
cilitar5 n,'i meion ao seui alcance a partida para a Ca-
* pital do.Circulo Eleitoral; aos'Portadores das artas, ou a
remessa das mesmas. aos nomeados pelas Mesas das Assem-
das Eleitoraes, residents em Moambique, segundo lhes
foiir requilitad *
ts anrt 'ri lads a quem n conherimenton-drsta perTpner.,
asiii o tenham entendido e cumpram. Palacio; do Go-
vcrno Geral dra Provincia de Mocaimbique 6 de Maro de
1 q R8, = To, Tn.ares de A lm.ida, Corv'rnaado Geral.,


JUNIA -1A FAZENDA. PUBLIC.
Na conformidade das ordens da Junta da Fa7enda, se faz
puiblico, que no dia 2' feira-8 do orirete' comea o p-
ganmento de um mez de vencimento a todos os Emprega-
dos do EStado, que. percebem pelo cofre publico' o qual
paga'mento segue a ordem seguiute: nos dias, 8Administra-
co Geral, 9 de Fazenda ,11 de Justia, 12 Ecclesiasticos, 13
Military, 15 de Marinha e I6 Encargos Geraes. Contadoria
Geril de Moambique 4 de Maro de 1858; No impedi-
mnrito do-Escrivo da Junta, O Gortador Geral. %r .' .
da Fonseca.

S CiMA al MUi CIPd .. "
A ,Camiara Municipal aviza a dos` os' ]po suidorje dos


-- -~-i--^- -- --:-;- .i -t~i-~"->~


r- --p-s~i-- ----- --- i- ~-~ -I- -I -- --- -- --LIYiYIii-~*I


ltere sos que bordo a estrada que doi largo de N. Senho-
S Saude se dirige para a ponta da'Ilha, que nao tendo
iels cumprido o disposto no artigo 12. das Posturas, que
.4de levantarem os parapeitos dos respectivos chas Ot
o fim de Junho de 1857, e por isso achando se incursos
na disposico penal do artigo 13.0; so por este intimados
todos 'os sobre dtitos possuidores para at o dia 15 do cor-
renle acabarein de levantar os respectivos parapeitos na
alturafindicada na sobre'dita Postura. na certeza de que a'
quem o no fizer ser'aplicada effectivamiente a pena comina.
da no. art.0 13.* das referidas. Po-turas.
Secretaria da' Camara Municipal 3 de Maro de 1858:' No
impedimento do Escrivi da Camara. O-Escriv-d'Adti.
i;itrao...= iberato Antonio Dias.

A Camara Municipl manda .pr em prego por .tempo
de 20 dias contados da -presente data o afforaniento "i
terreno na ponta do Sul desta Ilha requerido por D Efi.
genia Candida de Mello Castello,.o qual tem de frente
12 braas e 12 d fund e confront por N. com o. terre-
no de D. Maria Sebastiana de Menezes, por S. coif os her-
deiros de Theodorico Jose d'Abranches, por E. coom di-
versos afforantes, e por O. com o de'D. Valentina Barh-.l
za: na victoria e eame procedido em 23 de. Fevereiro
proximo passado, foi arbitrado'ao dito terren o foro de
1,200 ris annuaes como consta do respective auto, que
fica patente nos Paos desta Camaraduirante os dias de
prego: quem o pertender. comparea ai o dia 24. do
corrente, em que se deve ultimar a.arrematao nos mes.
mnos Paos. para offerecer .b seu lanco que Ilh sera tomna o
por term lavrado no respective ato com designsaco fla
conlies e vantagens propostas. Secretaria daC'aiiara 1?i.
nicipal'3 de Maro de 18-8. No impdimento do f.sr',;T
vo da Camara. O Escrivo da Administrao=- Libe'rt(u
Antonio, Dias.

SrnISrvrsTni lo o cONCELIO..
Mappa dos Cereaes entrados no.mez d& Fevereiro de
1853 dos diferentes Distrilcos do Sul e !Vorte..
Arroz . ....... .panjas .... .. ... .... 42
Milho filho.......... a ........ ..... ..8
Macaca .,..... .... . ... .. .. ... .... 2 3

m srta :. :-, ,..... ... .

N. R. Nio .vao indicl-dos *'este maia-op- generous en.
tralos pelo Pontos fis.ies.< Ce.lir e da Praia (da Roa
Vista.. Aiministrai' do Conclho 3 de Marco de 1 9.. O
A:mininitrador 'do Concelho,' Jose Francisco da liedod.
Pereira..

Doutor Livinqston ao Cond de (lateerf s,,. Tete. o,
NTyungue,' no rio Zanibeze --Aica 19 d i-ar o de' Jf656.
r ( roni;tiad o do Boletimap 8,.
O Comnmerio: do Zamliezi :es't redusido a -um' stado.de
decadefcia lamfentavel. A falta do barbaro' estimulo o do Ira-
fico d esravos produzio este 'estado'; ainda que se attribuia
tahmbm, em part guerrsi, Suttentada: contra as tribus
indigena$, durante dois annos. Mas como 'ha ja quatro anmis
que o Governo de Muam :ique, :por, falta .:de meilos. n1o'
tem podidi pagar a ofticiaes-,e. soldados, anau le abatimento
do caimerio. deve ter uma caus', anterior guerra. (a .-Os'
Portuiuezes.:mais inteligentee, entiree os quaeea consider o
actual .Goivernador-:de: :Tete, francaimente dao .como prinri
pal, motive' dol. present definhamento da Africa ori nt8ta
: (a.) I;rstas'eirilmrnstaucia oiito :fdlipindfe.t niidadia, e u atrasu di usl'
doa e pretax dos uldados tem diminuido muito., Fevreiro 1858. )


'v '









o abandon da cultitra 4a terra, e 'de outras fontes de i-
queza, pelo trafico da escravattera, por part da populao
europea. O nosso paiz obstando a' que sejam artancdas
do-seu solo natal, e s suas affejes, as infelizes victimnas
da escravido, e forando assim os negociantes d'escraveos
a desviarem a sua aetenao de um traffco que raras vezes
enriqiuece, para outras fontes de riqueza mais permanentes,
tem por tanto, trabalhado nobremente para alcanar um
duplo beneficio.
na verdade para notar tanto aqui como em Ango-
la, o pequeno numero de pessoas, que tem eu>reiqecido,
com o trafico de escravos, e a grande copia das que com
cilc tni empobrecido. Faz tristeza ver o estado deste bel-
lo e fertil pai. Por entire as plantaes d caff apenas
Ee pode -encontrar uma arvore. O bom anil propaga-se es-
ponfaneamente: o algodo aproveitado pelos indigenas.
para os seus tecidos : mas ns portuguezes no cultivamn o
algodo, nem o anil. Os antigos lvadoiros d'aras auri-
feras, s se conhecem hoje pelos renques de tamariideiros,
e mangueiras, que'alii ficaram, tendo desaparecido as ha-
bitaes temporaries.' Tete est em ruinas: das ricas casas
de campo, que crbriam o' paiz adjacent, s restam os der-
rocados muros. Parte desta desolao devida F guerra
dqs ultimos dois ,ninos-. Os indigenas,.infelizmerite, ram
capitaneados ipot dois homes de; origem portugueza e azia:-
tica, e o inimigo, possando-se de um. ponto na confluencia
do Zambezi, com o LienyIa. rdubava todas as embarcatis
que condusiam. gereros pelo io acima : o bons habitantes
de Tele estavam corno er sitio, e redosidos a alimentarem-
su do que achavam:, except uns doa outros.
Por quatro vezes j. o actual Govertiadr. de Tete, Major
Sicard, tem -.conseguido fazer cessar esta estagnao do'
commercio, causada pelo -bloqueio, -em consequencia do
grande respeito que lhe guardam es indigenas, pelo seu
excellent character. \
N~ menos. para cansar tristeza a scetra que se apre-
.enta em frente'd minha janella -o magestoso rio cor-
randlo ociozo para o o reano. Medido junto ao forte tem 500
braas, ou 1:200. jardas, de largua, .e no all. a part
mais larga., De .iovembro a Junho so as enchentes: en-
tis no ha' melhor lgo para 'm vapor median. Depois
deminue; mas conserve sempre mi.ta aguo, nao. ,endo nun-
ca vadeavel. No ponto, chamado. Lupata, a 30 milhas de
aqui pouco maias ou menos, muito' str'eito, ter talvez
200 ou 3100 jardas mas muito fund. AM-,suas. ag!ais dei-
vildm-se em numetrof s braos, ,por entr os deltas pro
ximns a Quelimnae; que faz com que s no forme uma.
just idea deste rio. i'aqi ao Zumbo encontra-se um
logar ande a corrente' - torapida que Se, torna' neces-
srio descarregar as canoas, e arrastaI-as por cima das' ro--
chas, aot passar lem: eu h:no "i. este sitio. Para diante
o rio belno, at& falda da. montnha de leste. o ca-
minho que eu tenciono seguir na minia retirada, A eachente
do Zambezi comea, a leste da'montanhai em Novembro:
mntivada' pelas chuvas que turvam aagua. A inundao do
valle mais tarde, e aguas. conservam-se elaras. Come-
Sardo em Leshelik no mez de Fevereiro, chega aqu em Mari-
o.: mas como a agua vem sempre turva, durante a estao
,huvoza, as duas enchentes no se destinguem tanto abaixo.
Duraite o period: m que.o rio resce, ' arrasta- materies'
estranhas, Quelimane SeIonna B mui insalubres. O meloer
tempo em Maio, Junho, Julho e Agosto; e os mezrs maisl
propriol.para a subida do rios- Maio e Junho,;por q.:q
ento elle se acha n'um regimen'medio, nem rapid como as


grades enchentes, nem baixo que impossibilite a navegao;.
i Quasi de fronte desta povoao desagua no Z bSawibei um
rio d'e oito jardas de, iagoh, pouc mais ou menos. Seguin-
do por este riacho uman dez milhas. encontrei dois veios de
ca rvo de pedra, a descoberto,,.tendo um delles 9 polega-
das de i iametrQ. Hea mitos outros do mesmo lado do rio.
De cinco d noticia o Governador, na mrrgem do dul, ou
paiz de:Shimida, como lhe chamam. Eu descobri mniis dois
veios, alem daquelles proximo a Chicova. Ch'icova.era ci-
lebre pel prata 'que alli se achava: presentemente es' ri(ti-
gnas no conhecem este metal, e dizem no.tec nome no
seu idioma para o designer. As camadas de pedras esZer-
deadas, que alli se veem interposts nos stracu da ro ha
basaltica, na direro de Chicova, julgo que, geJogicamen-
te, indicam muitas vezes a existenci" de veios, metalic.;s.
Os.-indigenas conhecem bem o oiro, wras poucu8 o extraiw..
Antigamente apuravam 130 libras; hoje apenas 8,-a 'tO
O motivo desta diminuio no a falta de ineta!; rmas
.sim a geral, paralisao do commercio. Nunca o procuraram
a maio'es profundidades. A area que eu exanirtei aipe-
sentava o oiro, em particular tenuissimas, como se l'iose o
resultado de uma triturao, por. virem de grande (lii-
ancias. O oiro de Mashinga mais grosso, eo de ,bu,ua
e Mani'c do tamanho de -ras- de trigo;, o que. parece
indicar que o verdadeiro terreno aurifero tem a figure
semicircular, no centro do qual ha uma minq de tirio de
pedra. Com. isto, .bastantes madeiras, aga: e provii.es, 6
um complex de vantagens que se no encontram na tali-
foinia, ou na Australia. :


Da Abelha de Bonmbaim -de 16 ide Janeiro- d .eorrnto
anno, transcreve-mos os seguintes: .
'Preqos .Correztes. -. :
.Alg obo. Por'Candil de 184 lbsa, .
SSurrate e Barohe Rs. I I 5
Dholern ,. 4 a I f"
Uimrawaddy 1 .a. l '0
Compta. 114 ' li
Dhariar (linpo) i40 a l.45
Area. Por Candil de b88 is,
Mangalr-branca '. 3
Gna dita 34 a .6
Dita Iermelha' 38 .a 4U
Assfafro. Por Candil de 588 Ihs.
Malaba- ,50 a 5
'Azedite. Por mCq de 28,lbs. "
SCoco ., 3, a -4
Gergeli 25 a .
Recino 2:5 26'5
Arr De Ben"alia por Sae'a de 168 Lbs a 6.5' a' 7.5
Malabr por Nuide 48 h1 .5 a 2,75
Canara por dito ,.? a. 2,5
Concan por Candil de, 8 Varas: 28 a, -0
Azas t)e Tubaro por'Cw ., 14 a .
Assucar. Po Bngalla por Sacca del681bso 3 a ;.3
bito. Clino por oo de 38 lbs ,. 7 aH.
.1ito. Siao por mio de 37.5 Ibs ' n a
Peda ,Cinchlow por Balcinha,. . 10 a t0:
fita o;ttra por Bala de 40,25. 1h' . 9 a. 0
.AmlnJqs. Pormo de 39,5. bs 45 a 4,
.Aro Por Cwt. .
Pipas 1 1
Feixes. 8 a 10
Ani. iPr mo de 28 Ibs.
SBPualia. si 5


.uT"a-iu;ir.i~wri-i;-riiiriiC-Ls '*~tC;~'LI-IU~iUrU**~ICIICMC~ill~Pi









Scindy ,
Buchos. De Peixe, por,Cwt
Cera. Bruta por nio de 29,2t lbs
Dita. Lavrada por mo de 28 lbs.
fDe Cochim e Gna ; ..
Cairo. Por Candil de 588 Ibs
Ceilo
Lacadivas
Cochim -- .
Caff. Por mo de 41,5 lbs.
Mocca .
Malabar
CrJlumba. Por Candil de 784 lbs
Cocos. Com casca (Rumd) por 1120
bito. Seni casca por 1250
.Copra. Por Candil de 644 lbs
SCaroos de Cajf. Por Candil de 588 lbs,'
Com casca
.Sem casca
Chumbo. Por Cwt.
Barras '
Pastas
Core. Por Cwt.
Folhas ?
Pregos,
Cerveja. Por Duzia .
Ferro. Por Candil de 746,5 Ibs,'
SueEia barras
Inglez ditas
.Folhas por Cwt
Pregos dito
Arcos de Ferro
Folha de Flandres. Por caixa de 225 folhas-
Fio. Par lbs .. .. -
Fo'has de Senna. PoirCwt
Gengibre Malabar. Por Candil de 588 Ibso
Gro. Por Candil de 8 Faras.
Guzerate
Gati
Gomma.. Por Cwt.
fAnimi '
"Arabica'
Copal por mo de 37,25 fbs
Incenso por Cwt
Bejoii por mo de 37.5 lbs
Lenha. Por Candil de 784 Its
Linho. (Canhamo) por Candil de 5881bs
Calicut
'Rajapore ,
Ghti ou Concan '
Guzerate por mo de 74 Ibs.
.Manteiga. (Ghee) por mo "de 28 1bs.
Karachi
Guzerate
Concan .
Mirabolanos. (Hurda ). Por Candil de 10
Faras
SMarfim. Por mo de 3'7, h13a.
Europa grande'
Dito miudor
Dito cera
Galmga ouChuribar '
.Opio. Por caixa '
leo de Linhaa.' Por Galo. D:
Dito de Terbentina dito '"
Pontas da Abada. Por mio de 37,0 lbs
.Pimenta Longa. Por Candil de 588 Ibs
Sementes. Por Cwt.
Linhaa'
Mostarda, '


35 a 38
30 a: 35
14 ,a 1Y

16 a 17.


16,5 a 11
9 5 a 10
24 a 25
.23 a 26
25 a 30
47 a 50

6 a 7,5
40 a 42


13 a 14
12 a 12,5


- 7o0 a
60 a
6"

56 a
32 a
8 a
6 a
18 a
6 w:

0,5
5 a
66 a

19 a
16 a


65 a
18 a
28 a
13 a
11 a
S3 a


71
62
O

59
34
6,5'
12
7.
21

6
68

20
18

- 95
24
34
22
30'
4


42 a 43
38 a 39
28a 30
.38 40

5!75 a ,6
'7 a 8,5
6,5, a 7

10 a 14

nominal
Dito
Dito
115 a 125
1210 a1220
2,5 a 2,75
2 'a' 2.5
15 a 20
30 a 40

4,75 a 5
&a 6


--


1-.23:a: 25


-Gergelimn branca,por Candil de 588 lbs.
,Dito negro por Candil de dito
SSal. Por Rass de 40.
Toreladas ,
Salitre. Por Saca de 168 lbs .
Tartaruga. Por lbs.
1;. Sorte
2.' Sorte "
Tamarindo. .or Candil de 821,25 Iba
Trigo. Por Candil de 8 Faras.
Guzerate .
Ghat \
Tinta a Oleo. Por Cwt.
Branca
Verde
Tutenagre. (spelter.) Por Cwt


23

10
10


a 25

a. 200
a 14


12 a 14
4 a 1i
20 a 22

38,5 a 22
16 a 19

7 a '13
7 a 10
16 a 17


SMOIMENTO DO PORT. .

de 27 de Fevereiro a 5 do corrente .

EMBaRCAceEs'ENTRADAS.
'No dia t. de Marc.- Pngaio Arahe Tanacil =, d 16
toneladas, Capito Amad Che, de Quizungo em 5 dias, com
marfim e gergelim, 10 espingardas par uzo debordo, 17
pessoas de tripulao e 4 cartas para o correio.
- Pangaio Arabe == .Mabruque -=, de 24 toneladas,
Capito Abdul Combo, d'Anjoanes em 8 dias, com 6.bois,
31 pessoas de tripulao, 1 offieio para o Governo oe 1
-passageiro, que o Consul.Inglez em Anjoanes.
No dia 2- Pangaio Arabe= Rame Pass==, de 84.to.
neladas, Capito Anando Naran, de Bombaim em 34 dias,
com differences mercadorias, 4 bocas de fogo; 19, pessoas
de, tripulao. 1 o 5 cartas para o correio, e 16 passageiros,
send Batis 10, Banianes 2, Mouros 2 e Gentios 2.
Lancha Portugueza i Fate Mabruque =, de 28
toneladas, Patro Malemo Ussene, de Quitungo em 6 di'as,
com urzella e *12 pessoas de tripulao.
No dia 3 ~--Pangzio,- Arabe = Lacmi Passi=, de 50
toneladas, Capito Ab,-de Bombaim em 28 dias, com dif-
lerentes mercadorias, 1 boca de fogo, 8 pessoas de trip.
lao e 25 cartas para,'o correio.
No dia 4 Pangaio rabe =I{arama'ne= de 30 tone.
ladas, Capito Manabo, de Zanzibar em 8 dias,.'com al-
godo e fazendas de caixa, i boca de fogo, 8 espingardas,
8 espadas para uzo d bordo, 15 pessoas de tripulao, sen.
do mulheres 2, 2 officios e' passageiro mour o negociante.
- Pangaio Arabe '.Fuli -, de 30 toneladas, Capi-
'to Salimo, de Zanzibar em 25 dias, com algodo ou-
fras fazendas, 2 bocas de fogo e 15 pessoas de tripulao.
S--- Pangaio Arabe= Assane-=, de 30 toneladas,,
japito ShaideBine Amad, de Mungau' em 30 dias, com
,capril e gergelim, 2 bocas de fogo,, SI pessoas de tripulao,
send mulheres 4, e 1 passageiro do Ib mouro negociante.
n -Pangaio Arabe Dloti Pasa s=. de 96 tonela.
das, Capito Gh;, de Bomiain em .32 dias," com diffetrn
tes 'mercadorias r2 boca's de'fo'go, 12 pessoas de tripula
i, 8 massos de jornaes, 19 cartas 'pra o coreio ,i 2:
passageiros, Batias negociantes.
SEBARcAEs SAmbIDS;
-- --Pangaio Arabe =Mabuassa=, de 24 toneladas,
Capi ao. Abdu Ramarn, -para, Madagascar, coiu algodo, 4:
bocas de fogo, 23 espingardas,.e 8 espadas para uzo, de.
bordo, 25 pessoas doetrpulao e 20 passageiros, que s o i'-
mao do Sulao d'Anjoanese 1l9 mujojos que o acmpanham.
Capiania d Porto de Moambique 5 'de Fevereiro de
1858. S- Migul Au guisto da Silva Cordeiro, Alfere do Exer;
ito, 'servitdo del apito do Porto.
MOAMBIQUE NMaIPa& NAUIoAI..


J
~ ~.. ...,;,'.,,- -I ---;I --~-~- I


'


f







ANNO-1858.

Este Boletim semanal ser publcado todo os Sabbados,
on nw dia antecedente quando aquelle seja feriado; assiqna-
se par, o mesmo Boletim, em Moambique no Estabelecimen-
to da Imprensa Nacional, e nos Districtos da Provincia, nas
1S.-crelcrias dos Governos e Commandos de Villas ; as assi-
Pia strwts so sempre pagas adiantadas.


NUMERO 1 .


Prepo' d'sstgnatutra, pqr a.nen............. r.
Por seis inezes........................;.
Por tries mezes ............................
Por folha avulsa ..........................
Preo dos annuncios, por linha ............
Correspondencias d'interesse partictdlr, Idem -


2a$3no
;aoo
bOio
eo4o)


O0 GOVERNOR GERAL DA PROVINCIA. DE MOAMBIQUE.


SAIBAIO 13 lDEI ,1ARiM.

-i-- -- -* -- ----- ~-- ^ -- --i' ^ ^ ~~ L : ~ ^


PAllTE 01U10 I L,

O Governador do Districto de Cabo Delgado em Ofleio
de 10 de Fevereiro findo, remette a Copia d'um outro que
lh foi dirigido, pelo Presidente da Camara Municipal da
Villa do Ilo; que do theor seg.uinte:
opia. -- Camara Municipal das Ilhas de.Cabo Delgado.
:= N." 7. = Ill.mo Snr. = A Camara Municipal d'este Con-
celho deMejante concorrer para o bem d'este Mlunicipio.
coadjuvaudo aos Colonos Europeus em Pemba, reunida em
Sesso de 2 do corrente deliberou recorrer ao patriotibmo dos
Habitantes do mesmo Concelho, para pedir uma subscri-
peo a fim de dar de vestir com seu product aos Liber-
tos, que forno mandados para a nova Colonia na dita Pemba,
pelas auctoridades de Moambique no Hiate= 19 de Maio
=; em cuja consequencia sendo aberta a dita subscri-
p,o no dia 3 do corrente, deu em resultado a quantia de
66,190 ris: e a mesma Camara na. Sesso de 4 vio com
satisfao. que a quantia da subscripo era sufficient
para o vestuario dos referidos libertos; por isso deliberou-
se que fosse auctorizado o Tliesoureiro d'esta Camara
para com a referida quantia mandar fazer 50 Camizas, e
50 Calas par seem distribuidas pelos mencionados li-
bertos e no cazo que sobejasse o dinheiro, do resto se
comprasse mantimneno para os mesmos, o .que tenho a
hotira de.levar ao conheciment-de V. S.a= Acompanrha
este a copia da Subscripo. para V. S.a dar o devido apre-
o phylantrcpia dos Municipes. Deus Guarde a V. S."
Ibo S de Fevereiro de :1858 = -I1.". Snr. Governador de
este. Distrirto = .Jos' Victorino Alexandre de Brito, Pre-
sidente da Camara Mjunicipal. .

Copia da Copia== A Camara Municipal d'este' Concelho,
desejando concorrer quanto em suas foras couber para o
bem do seu Municipio, e send certo que a nova Colonial
de Pemba ensaiada com Europeus pode dar grandes. van-
tagens a este Distiicto. principalmente com a dcliberago
que tomaro as auctoridades de Moambique em mandar
negros libertos para serem distribuidos pelos Colonos, e
sendo just qne a Camara' promova uma subscripo para
com o prdduPto',d'ella' se poderem devidamente festir os
mencionados libertos e tambem para que por esta f6rma
possAmos dar uma demnstra'o dos nossos sentimentos e
desejos qnetemos que'a referida Colonia prosper, para o
bem dt todos os municipes, e gloriado G'iveno; recorre
por isso. phylantropia ds seus, conoiddadas,: para: qu.e ca-
da umn concorra. com o que pu'der; 'nia certeza'.de: que today
e qualquer quantia ser acceite coimo uma .prova de doa-


,o. lbo 3 de Fevereiro de 1858. = Jose Viclorino Alexan-
dre de Brito, Presidente da Camara Municipal.
Jeronimo Romero............... ... ... 7000
Bernardino de Barros C. ............ .... 43)0
Antonio Jose Sotero.................... .2J00
Luiz Joo Gonzaga ..... ..... ....... 4~500
Francisco Feleian9 Dias. ................ 22200
Constantino Antnio Rezende............. 1 000
Joo Carios Pinto.. ....... ... .... ,00
Joaquim Jose Dias.................... 1 j~0
Luciano Policarpo de Souza............. 4,000
Vicente Africano Dias........... ........ 44000
Francisco Dias dos Santos................ 3.500
Theotlorico da Silva Calheiros........ ... ...... 2Or00
Bruno Vicente Gonsalves. ................. 2Q000
Xavier Antonio de Lima................. 16000
Joaquim Monteiro Baptista .............. 4.50l)
Joaquim Cardozo de Figueiredo. ............ 2000
Sumuchandy Quisange .................. I00o0
Irochande Guilar. ........... .......... 809
Quissange Guella ..................... ...O
Nar2i Lequimicqne............... ..... .. fq
Chandap da.................... . .-. ~00
Mamade Antomane .................. .... 4('0
Prosotamo Visso ...... .. .. .... ....... .. 1 2)0
Valmadace Quit ....... .. ........... 1'. 00
Umurci Canalanege................ .. 00
Manoel Joao Valente.................... 600
Jose Maria Dias .............. ....... ... 00
Luis Jose Pinto ................ ... .. 200)
Caetano Jose Rezende............... ...
Jose Victorino Alexandre de Brito .rt...... .. 430
Do.mingos 'Joo Canot ........ ... ..... !)00
Somina ..............(i6; 0

Importancia total da subscripao sessenta e seis mil cen-
to .e noventa ris.
Estconforme -= Joaquim Jos'Dias, Escrivno da Cn-
mara. = Est conforme = Jos Victorino Alexandre de Bri-
to, Presidente da Camnara llunicipul.

Em um outro officio da mesa data reinette a copia do
termo, que foi lavrado pela occasio em. que a Regulo Mo-
ery, e a sua gente prestaram voluntariamente obediencia
ao Governo de Sua Magestade, ELREIsde Portugal:
Copia Aos vinte e outo dias do mez de Janeiro do
anno do Nascimento de Nosso Senhor .lezusChristo de mil
outo centos cincoenta e outo, achando-se present o Go-
vernador do Distrieto de Cabo Delgado, o Capito M1









das Terras fires, Sargento mr e mais algumas auttori--
dades e moradores todos reunidos na povoao de Quissanga,
n'estas circcumstancias, compareceu o Regulo das terfsas de
Moery, que fica a seis dias pela terra ientro, o qualvindo
acompanhado com mais de vinte pessoas de-sua gente,
declarou que a sua vinda!era para prestar obediencia ao
Governo de Sua Magestade com toda a sua gente, da mesma
maneira por que o fizero os Regulos da Bahia de Pem-
ha, e solicitar que os Muzengos continuassem a ir nego-
ciar ssuas terras por que desejava acabar o milando que
se achava pendente, para cujo fim trazia cinco denotes de
marfim para entregar aos tres moradores que tinho sido
roubados por sua gente.-A"'vista pois da declarao do
R-gulo e ficaremn, conforms as parties, o Governador e
m:s'is auctoridades declararo que ficava decedido o milan-
do e que se devia considerar o Regulo Moerv e sua gente
como sub:itos obedientes de Sua Magestade, EL REI de Portu-
gal.. O menclonado R1gulo ao receber a Bandeira Portu-
gueia jurou prestar obediencia ao Governo em toda a sua
plenitude, em vista do que e para que conste se lavrou o com-
petente term em que todos se -assignaro comigo Escri-
vo da Delegao da Junta de Fazenda Luiz Jos Pinto
-= Tronimo Romero, .Governador do Districto = Regulo
Moery ==Buana Cheque Daly = Diogo. Baptista, Capito
mr das Terras firms = Abadry Araia =Buana Amade
Jamali= Mussa Bacar= Abudala Pefo Daly= Mamad Ser-
fo = Araia Chanle Tuari Imamo= Buana Ainade Falume
e=Faqui Bniaua Ag = Araia Amlea = Abadala Allyv
Massacar Pate Ally Orrufo = Momade Ambu = Biche
Dalv = Rana Tumo m'ba =A rogo da gente de Moery,
Pura = Mohidella= Menlalia -Fumo Magy= Fumo Ch-
nego= Francisco Feleciano Dias-= Jos Victorino Ale-
xandre de Brito. = Luciano Polycarpo de Souza== Joo
Castro Pinta= Agostinho Salvador de Souza.

Em Officio de 17 do referido mez de Fevereiro, envia
a Copia d-1 term, que foi lavrado na occasio em que se
deu pose de Capito mr de Muange, ao Regulo, Sayd.
Ally. que do theor seguinte:
Copia = Aos desesseis dias do mez de 'Fevereiro doan-
no do Nascimento de Nosso. Senhor Jezus Christo, de' mil
outo centos e' iincoenta e outo, achando-se reunidos em
Mu'sange, Povoao do Regulo Sayd-Ally, o Governador
do Distrieto de Cabo Delgado, o Capito mr das Terras
firmes, a frficialidade que compunha o seu Estado Maior,
a Companhia .d'Infanteria da .Villa do Ibo, um Destaca-
mento do Batalho.de Moambique, a Guarnico da Escu-
na de guerra = Angra =, o Commandante e mais pracas
de Hiate de guerra =19 de Maio =. o Regulo Sayd:Ally
e os grandes da sua terra, todos juntos na porta da resi-
dencia 'do mencionado Regulo, com .a tropa formada;, e
nestas eircumstaicias' o Governador do Districto, declarou,
que, vinha mandaif pelo Governador Geral de Moambi-
que para entregar, as patents, de Capito mor de Muan-
ge ao Regulo Sayd-Allv, de Sargento mr a Lingua Savd
Ally, e de Ajudante a Bacare Buno Abudala, cujas paten-
tes foram lidas em alta voz, e entreguess sessoas a quem
vinham dirigidas; na, mesnta ccasio se entregoti a Ban-
deira Portugueza ao Regul. Sayd-Ally, e foi iada dian-
te de todo o auditorio tendo-se dado por esta occasioos
Vivas A Sua Magestade, EL-RI, O Senhor D. Pedro V,-ao
Governador Geral da Provincia, e ao Regulo, Sayd'Ally,
e a ioda a sua gente; tendo-se dado por essa occasi 3
'descargas :de fusilaria e alguns tiros a bordo do Hiate;
tendo o mesmo Regulo agradecido e retribuido com os
Vivas ao Governador do Districto 'e,a todas as pessoas
que o acompanharam, declarando por essa meima occasiao,
que desde hoje por diante elle e toda a sua gente se con-
sideravam cono suibditos fieis .de Sua Mage'tade' Fidellis-
:;ma. e que para o' future quaxtdo se desse o caso de ha.


ver algum milando entire os habitantes das terras de Mus-
sange, e os d'outro qualquer ponto do Districtn se confor-
maria com o que fosse decidido,,pelo Governador do Dis-
ttlicto, e por elle Capito' mr de Mussange; e ento'o Go
vernador declarou, que quando se desse o caso de no
ficarem satisfeitas as parties se devia recorrer ao Gover-
nador Geral da Provincia como Chefe Superior, e Dele-
gado de Sua Magestade ; no que todos concordamos: E pa-
ra constai e produzir os effeitos correspondentes, se la-
vrou o.presente, que vai assignado por todos depois de
ser lido por mim Jose Leonardo de Moraes Callado, Fis-
cal de Fazenda em Pemba que o escrevi e assigned. O Fi -
cal de Fazerna. Jose Leonardo de Moraes Callado = Jero-
nimo Romero. Sayd Ally. Bum Abudalla, Capito mr. Lin,
gua Sayd-Ally, Sargento mr. Bacar-Buno Abudalla, Aju-
dante. = Luiz Feleciano Guerreiro Barradas, Capito. Jo-
se Maia Rebocho, Tenente Commnandante da Forca. Fra -.
cisco dos Santos Almeida, Comnmandante do Hlate= 19 de
Maio=. Diogo Baptista, Capito mr6r das Tsrras firmes.
Augusto Frederico de Lima Pereira, Escri'vo Encarrradlo
da Escuna = Angra =. Neutel Correia Mesquita, Alferes.
Joo Guilherme de Brito, Alferes Encarregalo do Expe-
diente. Boana Maude Buno Abudall. Aly Buna Lingua. Mar
seri Buno Sasd-Ally. Toacali B Sasd-Ally. Roched B. Saip
Alli. Alussa B. Said-Ally. Adi Buo Sayd-Ally. Burairr.o Savd
Ally. Sellemani Burainmo. Ally Buno Abulalla. AleneB.
Abudalla. Simba Bethudalla. Bcari B Abudalla. Abdu B.
Abudalla. Safari B. Abu:alla. Tuia B. Abudolla. Cocoi R.
Abudalla. Mehio Bem Abudalla. Regulo Nabio B. Abudal.
la. Jama B. Abudalla. Cutucu B. Abudalla. Bunama B. Abu.
dalla. Maburuna B-. Abudalla. Mococoto. B. Abudalla. Mu.
babo B. Abudalla. Butia B. Abudalla. Iuito B. Abndalla,
Miansi,B. Abudalla. a Abudaa. ira B Aud Naquia B. Abudal.
la Namire B. Abudalla. 'Nicia B. Abudalla. = Jose Mascal
Contra mestre da Angra, Francisco dos Santos Semith 1(.
Sargento Commandante do Desta amento. Antonio Maria
da Silva, Manoel Alberto Magno. Jose Carlos Lopes. Fran-
cisco Soares. Serafim Gonsalves. Guilherme Carlos da Sil-
va. Fortunato Antonio. Francisco Jose dos Santos. Joo
da- Cruz., Joo Jose. Luiz Maria Tavares. Loureno Cor-
reia. Jose Antonio 'do Outeiro. Joaquim, Jose d'Oliveira,
Soldado. Jeronimo de Brito Soldado. Loureno Mocurato
Soldado. Jose Luiz Gonsalves Soldado. Domingos Anto-
nio Pereira, Narque Jenaique Soldado. Amaro Sabino Sol.
dado. Roberto Francisco d'Almeida 1.0 Sargento. Diogo Jo-
se de Sequeira 2 Sargento. Francisco Franco Furriel. An-
tonio Agostinho Ferro Cabo. Vasco Antonio de Macedo
Cabo. Joaquim Jose da 8ila Cabo. Francisco Agostinho
Calheiro Anspeca:a. Manoel Antonio Callado Tambor. Ben-
to Agostinho Calheiros Soldado. Guilherme Jezus da Sil-
va Soldd. Pedro Gonsalves da Silva Soldado. Alexan-
dre Jose. Manoel Baptista Pereira Soldado. Lourenco Ro.
drigues Soldado. Luiz Leite Pereia Soldado. Joo do lo-
zario Soldado. Joo Ribeiro Baptista Soldado, Francisco
Jose Simplicio Soldado. Estevo Jose Pereira Soldado.
Francisco Leite do Rosario Soldado. Ricardo da Rocha,
Soldado. Domingos Francisco Soldado. Xavier Baptita.
Soldado gunifacio Picardo Soldado. Jose de Brito Sol-
dado. Est conforme Romero.

Em officio de 29- do dito mez de Fevereiro remette a
seguinte copia do termo, que se lavrou por occazio da
posse do Capito mr, Sargento mr, e Ajudante do Regu-
lo Mugabo:
Copia. = Aos vinte seis lias do mez de Fevereiro do
anno do Nascimento de Nosso Senhor Je.'s' Christo de
mil outo centos ecincoenta e outo achando-se reuniidos na
Povoao de Masese o Governador do Districto de Cabo'
Delgado, Capito mor das Terras firmes, e mais official;
dad, parte da companhia de Infanteria da- Villa do Ibo,


--- I' C -3~-~iui--- i-ii----L










algumas praas, do Batalho de M oaambique, da Escuna de'
guerra Angra, e do Hlate'Deanoe e de Maio, e bemi ssiin
o Irmo do Regulo Mugabo, com toda a sua cometiva ;nes-1
tes terms foi li la a authorisaco que o Regulo Mugabo
entregou a seo Irmo, para virassistir como se elle fosse
posse de Capito mor, e entrega dra Bandeira Portu-
gueza. O Governador. achando 'na devida forma a dita au-
ctorisaaco, e reconhecendo que por causa da rigorosa in-'
vernada, no era compativel hir Povoao do Regulo
Mugabio, que dista mais de tres dias de viagem pela ter-
ra dlentro, onde no ha caminhos para se transitar; por
tolds estes motivos o Governador decedio ser a posse nes-
te logar, e declarou que estava auctorisado pelo Gover-
nalor <(e'al da Provincia, como Delegado de Sua Mages-
tade, para entregara patente de Capito rtor ao 3egulo Miu-
gabo, e juntamente a Bandeira Nacional Portuguie'a, igu-
almente a patente de Sargento.nmr das Terras do Mugabo
ao Regulo M.utica, e de Ajudante, ao Secretario 'Andique,
o que tudo foi entregue nas mos do Imo do Regulo M--
gabo, e do Regulo Mutica, tendo-se dado por esta occasio
os Vivas com todo o enrthusiasmo A Sua Magestade EL..LlI
O Sr. D. Pedro V. ao Governador Geral da Provincia, ao.
IRegnlo Mugabo e a today a sua gente, ao que correspondeo
o Irmo do dito Regulo, com os 1ivas ao Governador do
Distrieto e a toda a sua cometiva; e por essa mesma occa-,
sio foi icada a Bandeira Nacional, dando.se tires descargas
de fuzil, e 'alguns tiros abordo da Escuna, e para tudo cons-
tar se lavrou o'presente Termo que vai assignado Por to
dos que se achavain presents de pois de ter sido lido por
mim Jos Leonards de'Moraes Callado, Fiscal em Piemba
que o subscrevi e assigned Joqe Leonardo de Moraes Cal-
lado.== Jeronimo Roimero, Governador do District == Re-
gulo Mugabo, Capito mir, Regulo Mutica=Regulo Ma-
sese=;= Regulo Magona -= RegIuo Mocote, = Rigulo Nal-
saer, = Regulo Nadanqe Regulo M'ifa Regulo Calina,
= Regulo Madida 'Regulo Sta:nbul, Abudarahansani-Bono-
Alv Capito mr de Quitangonha ; = Biri= Amades Re-
gulo Madigo, &bujade., Joo Guilherme de Brito Alfers
Commandante Intr." da Colinia- -Francisco dos Santos
Smith 1.0 Sa-gen'to Commandatite do Destacamt.*=- Rober-
to Fianisco de Athaid'e 1. Srgent d Compafhia do Ibo
Felecian Jose, Sebastio Jose, Manoel Gonsalves da Cu-
nha, FranciscaAntonio, Fernando Antonio, Celestino Preto,
Francisco Jose dbs Santos, Antonio Maria da Silva, Ma-
noel Alherto Magno, Joaquim Athaide `Correa, Joo lda
Silva Calheeir'os,,1.o Sargento Jose.loaquim Mendes, os Solda-
dos, Joaquim Jos d,'Oliveira, Guilherme Gonsalves da Sil-
va, Agostinho BUptista, Inocencio do Nasciment Flor, Ben-
to Agostinho Calheiros, Bonifacio Piirdio, Jose Luiz Gon-
salves, Jeronimio- de Brito, Joalqurii Sivdoi. Cota, Ale'
xandre Jose, Largi Narique, MarIo. d'bliveira, Indio Bes-
tias Amaro Sabino, Joo do RosarIo'. Lor'enco, Mocarato
o. Cabo Antonio Agosti'h'o Ferrto o Tatiibor Jose Calhei-
ro e Miguel .Theotonio. Est conforme= Ronero.


O Doutor Livigst on a Conde de Clarendoi. Tele, ou
Nytinigue, no rio Zainbez Afric i d9 e Maro do 1856.
(Continuado do Boletimi n.0 40)
Alien de cirv-o de pedra 'e de oiro, ha em' various e con-
venientes points 'd ri, grande quaritidd de excellent mi-
neral de fer. Ehnontra-se . superficie do terreno, ou es-
cavando com iaus, em plhetas, e pedaos redondos. Se me
no engano a qualidade que os chymicos denominamn oxy-
do. prelo de ferro. Tendo, sido muito cosido, nas operaes
espontin'eas'da natureza'no 'he Inagnetic' presentemeite.
Alguns veios so de metal puoio.'Quando is indigeinas o
funrnse; assemelham-se, na 'c-r O' dueza no mellhor ferro
de Suecia.


_~ rlr-::*---- _,~~


Cd.mo no quero dizer, a V. S. s'nai o que creit
powder garantir, deixo j os metaes, e passo a tratar das
produes medicines. Tete,'e seus arredores abundam em
senne de mui sofrivel qtralidade.'A calumba tambem aqui
se encontra, e exportada, como droga de tinturaria, de pon-
tos inferiores do rio. He digno de observar-se que, posto
haja aqui as arvores que do o celebrado quinino, so em
pequena quanti ade; ao pass que em Senna e Quelimane
,ronde se tornam muito mgis precizas, como febrifuges,
ba-as em abundancia. Como ainda lhe nio vi a ilr no
seise so eguaes s do Per. Ha mais vinte ou trinrta plants
medecinaes, bem conhecidas dos indigenas, das quaes algu-
mas obram como studorifias, .febrifugas, :f : a falta de tem-
po impedio-me de verificar se eram eiicazes, e se algu-
mas seriam superiores s do nosso paiz.
O Zambezi he muito povoado, em ambas s iargens,
por uma rn,a de ngros fortes e museulozos. Nao lhes per-
mitiindo a venenosa mosca chamada tsi que conserve
gados, entregam-se todos agriculture. A extrema ferti-
lidade do solo d-lhes grande colheitas. Logo que as en-
cientes do rio diminuem, comeam a ficar extensas por'-
es de terreno a descoheIrto, e prompts a receberem a
semente. Em quanto o cho est molhado, faze-,i telle roA
vas com-urma pequena enchada, em cada uma das quaes
deitam alguns gros de trigo, cobrindo-os com a mesma
terra, que chegam com o p. Este process resume todos
os nossos trabalhos d'tesgotar, arrotear, lavrar, estrumar
e; o certo be que, no fim de 4 mezes. excellcntes sea.
ras se acham prornptas a ser eifadas. Em outro tempo
exportaram mais; hoje pouco, regulando .o preo de 35 a
WO shillngs por quarter. O milho mostra igualmente 'a fe'-
tilidade da terra, pois' que quasi tio grosso como o qve
os Americanos vendem no Cabo, para semente. Das, pro-
duces indigenas, trigo da cafreria, ou de Guin, milio
ritiui de varias qualidades, especialmente de uma que os
Arabes chamam dourrha, feijo, 'aboboras, e atroz fazem
grades colheitas. No so avaros na' sua abundancia; pois
que a minha comitiva, compost de 112 homes, fti bem
sustentada durante todo o caminho, at proximo de Tete..
Davam sempre com bom modo; muitas vezes desculpan-
do-se, com a falta de tempo, por no terem mais alimen-
to prompto. Acreditavam no que lhes'diziamos de no ter
que lhes offerecei' em troca, em quanto no chegassemos
aonde melrlor nos conhecessnm coimo christos.
Tivemos ento dc nos desviar do caminho das povoaes.
Posto que parea que eu dou bello carter ao indigenaas,
qIe ainda nio esto contamiiados dos vicios da civilishao,
o certo que julgo muit dilficil. fixar a fdea exac a.do
que elles so. Mui variadamente os tem descript). Vivi
eritre elles por espao de quinze annos, e a maior parte d('s-
te tempo o passed sem sabr o que havia de pensar das
suas muitas aces boas e admiraveis, e outras nno mrenos
extraordinariamente ms. Provavelmente, a verdade , que
nem elles so os puros e innocentes filhos da natureza, se-
gundo os philosophos, nem tambem um compost de trai-
o, sensualidade,: peguia, e crueldade, confornie outios
escriptores; ms sim unia mistura de bom e ma;, como
o home s mostra em today a parte. No se encontram
nelles a constaite disposiri ,de benievolencia, das classes
elevads para os inleriires, que se observa bo nosso paiz :
riem tio pbac se v, e.cepto oo caso de larentesco, iaju-
daren-se os pobres niutuanmente, como entire ns. Para
comiosco, porem, devo-o confessar, deu-se o caso do po-
bre soccorrendo o necessitado. Desejo ardentemente poder










"anm dia retribbuir-lhes, e disto no .perco a esperanai;
Tenho-me visto em bastante embarao com os nomesque
os portuguezes ho dado aos clefes in!igenas deste paiz. O de
Cazembe chama-se Imperador, e tributario do Matianvo,
o qual, posto que tenha grande nomeada pela numerosa
populaao que rege. apenas tem algum poder. Este nome
invocado por muitos CheWes, como uma especie de es-.
pantalho, quando se arreceam uns dos outros. Tambem
lho mandam presents algumas veses, em reconhecimento
de superioridade. As, palavras Muata, Moene, Mona, Mo-
rena, so todas derivadas do termo hebreu Moraina, que
.ignifica Senhor. A inossa palavra Chefe express melhor a
idea, passei ultimamente pelo chamado In.perio'de Mono-
matapa ( Senhor-Matapa ): a-sua populao, est disse-
minada em pequenos logarejos, tendo cada um o seu pro-
prio maioral, o qual cobra um tribute de trigo, feijo, N, pa-,
r o Chfe. O paiz que no maito extenso, chama-se
Shidima. O actual chefe, com as'suas cem mulheres, tem
certamente muito menos powder que o nosso Sandillah na
carreria. O system ,de governor uma interessante simi-
lhana de rpublica feudal, muito, do gosto dos negros. O
irmo, irm ou sobrinho, podem herdar o cargo do chefe;
mas nunca, o filho deste lhe succede. Ha alli uma classes
media de homes livres, que nunca so vendidos : a escravido
existe, e hereditaria. Isto parece bem mostrar que'as tri-
bus prezam geralmente a independencia.
Uma part do terreno das minas de carvo de pedra per-
tence aos portuguezes, por direito de compia, bem ccmo
alcuns logares no paiz aurifero; mas ptlos lavadoiros de
Bazzula, Abutua, Manica, Mashinga, s(, pagam aos Che-
fes certos presents, em fazendas, reconhecendo assim o do-
minio destes em taes sitios. O Governador de Tete di2 que
os donos das-terras nunca so desarrasoados nas suas exi-
genFias, com os commerciantes. As fazendas dads por es-
tes, quando vo aos lavadoiros, enriquecem a tribu. Pesde
alguns annos, nenhum europeu se d a esta .occupao.
( Contina))


MOVIMENTO DO PORTO

de 5 a 12 do corrente.

EMBARcAEs EnTRADAS.
SNo dia 5- Pangaio Arabe = Laerni Pass-=, de 85 to-
peladas, Capito Meggy. de Bon baim e'n 29 dias c< m dif-
ferentes mercadrias, 1 boca de fogo el espada, 11 pes-'
soas de ,tripulao, 3 massos dejoroaes e 75 cartas para o
correio.
No dia 8-Hiate doFstado=19 de Maio=-, Com-
man dante o Mestre Joo Jose, de .Pemba em 8 dias, com
1 boca de fogo 8 espingardas, 9 pracas de guarnio, I
rmalla para o Governo e outra para a Alfandega, e 1 pas-
sageiro colono.
No dia 9 Lancha Portugueza =-Papagaio =, de 37
toneladas, Patio Quilimone, seguia para o Ibo, arribada
a este Porto com agua aberta e com a mesma carga, tri-
pulao e passageiros com qne sahira no dia 8.
,- -Pangaio Arabe=Eatalker=, de' 98 toneladas,
-CapitoMuamad Binomisse, de Zanzibar em 17 dias, com
,missangas, fazendas de caixa e 2 cavallos,'2 b, cas de fo-
go, 3, zagios e 1 espada para uzo de bordo. 35 pessoas de
tripulao, 4 officio para o Governo, 25 cartas para o cor-
reio e 3 passageiros, sendo o negociante Suglez Rufus Gre-
ae com 1 criado e 1 Banian mainate.


-- -Pangai, Arahe=Sagy=, de 40' toneladas, Ca
,pilo Asane, de Zanzibar em 10 dias e em lastro, com 1
.boca de fogo. 1 espada para uzo de bordo, 18 pessoas de
i'ipulapo e 7 cartas para o correio.
Pangaio Portuguez Fatalker=, 48 toneladas, Capito
Danm, de Goa em 30 dias com differentes mercadorias, 2
bocas de fogo e espadas, 12 pessoas de tripulao. 2 offi-
cios, 1 para o, Governo outro para a Alfandega, 22 cartas
para o correio, e 3 passageiros, sendo o Tenente do-Bata-
lho d'Infanteria d'esta Capital Sireno, sua espoza e 1
criada.
No dia -10- Brigue Portuguez = Dois Irmos =, de
74 toneladas, Capito Mussagi,Bay Vallegy, de Goa em 31
dias cem differences mercadorias, 2 bocas de fPgo, 20 pes-
.soas de tripulao, 1 officio para a Alfandega e 29 cartas
para o correio.
Pangaio Arabe= Tlambane'=, de 38 tcneladas,
"Capito Binalfano, de Zanzibar em 22 dias. coro 7 espin,
gardas, 5 espadas; 24 pessoas de tripulao e 400 pezQs
para comprar mantimento.
EMiARcAEs SAIDAs.
No dia 7 Brigue Por tuguez = Clara =, de .194 tone.
lades, Capito ,Jose Artonio d'Oliveira, para Pemba eIbo
com .aguardente, 1I boca de figo, 1.7 pessoas de tripulao
correspondencia official e malla do cornio.
- Lancha Portugueza = Papagaio =, de 37 tone-
ladas, Patro Quilimane, para o Ibo com differentes gene-
ros e mercadorias, 8 pessoas de tripulaco e 2 passagei-
ros para negociarem alli, os quaes s.o Antonio de Padua
Freitas e Lima, e Manoel Gonoalves de Souza.
No dia 8.- Aviso Mixte = Mal de Labourdounais =, de
270 toneladas, e da fora de 35 cavallos, Comn>mandante
E..Yve, para Bouibon por Maycta e Madagascar com 4
bocas de fogo, 53 praas de guarnio, algumas cartas e
o,Delegado e tripulao da Barca apresada =Charles &
George. =
No dia 9 Fragata Portugueza =.D. Fernando =, Com.
mandate o Ex."o Conselheiro Chefe de Diviso Antonio
Ricardo Graa,-para Lisboa com escala por Mossamedes,
Benguella e Loanda, com 4 bocas de fogo, 173 praas de
guarnio, 2 mallas e alguns officios, cairo, arroz, p.imen-
ta e meudezas e 127 passageiros. sendo pa'ra Angola 2(1
de Goa e 1 da Provincia) para Lisboa 125 (53 de Goa e
72 da Provincia).
La'n( ha Portgueza = Estrella tdo Mar =, de 29
toneladas, Patro Srise, para o Ibo em lastro com 14 pes-
soas de tripulao.
- -Lancha Portugueza=Invencivel,=, de 14 to.
neladas. Patro Mamiad Marabo, para o Ibo com 2:C00
cocos, 18 pessoas de triFulao e 1 officio para o Gover-
nador d'aquelle Districto.
No dia 11 Patacho de guerra = Zanibeze em ser.
vico do Estado.
Hiate Portuguez= Aguia =, de 179 toneladas,
Capito Abhumi Gulamo, para Sofalla com 4iffer'entes fa-
zendas 2 bocas de fogo, 15 pessoas de tripulao e 1 senhora
de passage, mulher do sobre carga.
u Pangaio Arabe = Bahamane =, de 30 toneladas
Capito Momicabo, para S. Loureno com algodo e fa-
zendas de caixa, 1 boca de fogo, 8 espiu gprdas e 8 espa-
das e 15 pessoas de tripulao, sendo mulheres 2.
Pangaio Arabe= Fili=, de 30 toneladas, Capi-
to 'S4himc, para 'S. Loureno com algodo e outras fazen-
das, 2 bocas de fogo, e 15 pessoas de tripujao.
Capitania do Porio de Mocambique 12 de Marco de
1858.=- Miguel Augusto da Silva Cordeiro, Alferes do Exer-
cito. servrndo de apito do Porto.
MOAMiIQUB:- NA IMPRENSA NACIONAI..


-L-~~--l II T I --C-IC---i9 ------- -~iiC--C-------i--







ANNO-1858.

Este Boletim semanal ser publicado todos os Sabbaidos,
Snu no'dia antecedente quando aquelle seja feriado; assigna-
se pa)a o mesmo Boletim, em Mloambique no Estabclecimen-
to lda Imprensa Nacional, e nos Districtos da Provincia, nas
Serretarias dlos Governos e Commandos de Vilas ; as assi-
gniat:. s' sao u snre pat ga adloantladts.


NUMERO 42.

Preo d'assignatMrad por anfmo..............r. 2r lno
Por-seis mezes ........................ -100O
Por tres mezes .......................... 8oo00
Por folha avulsa ........................ o080o
Preo dos annuncios,'por linha ............. . 040
Correspondencias- d'interesse particdar, Iden mo 030


SBOLETIM

o < GOVERNO GERAL DA PROVINCIAL. DE' MOAMBIQUE.


SAIBBAi O 20 j)E JBIARCO.
'' --IL] ... ii i' I I- - . ....


MlunISTEmO Dos NEGOCIOS DA MAIUINIA E DO ULTRAMA,.
SECc DO ULTRIAMAR.
*N." 5- -Tendo Sua Magestade, EL-REI, Sido Servido
exonerar por Decreto de 26 do mez pr6ximo passado o
Escriv-io Deputado da Junta da Fazenda da Provincia de
Moambique, Manoel d'Aguiar, O Mesmo Augusto Senhor
fla pir" bem Nomear para servir por Commissao o referi-
do logar, em quanto difinitivamente niao fr provide, na
conformidade do Decreto de 15 de Setembro do anno pro-
ximo.passado, o Official de Fazenda d'Armada, ora resi-
dente na dita Provincia Jose Zeferino Xavier Alves: o que
se communica, pela Secretaria d'Estado dos legocios da
Marinha c Ultramar, ao Governador Geral da referida Pro-
vincia para seu conhecimento e execuo. Pao 20 de Mar-
.'o de 1857. -= S da Bandeira.


.G0@ VI EINO, G ERIAL.
-~ ma~~ r~


N. 29= Tendo cessado o's inotivos, que deram logar
Portaria deste Governo Geral N." 1 de 28 de Setembro do an-
no findo, que nomeou provisoriamente a exercer as funces
de Escrivo da Junta de Fazenda, ao Tenente Coronel do
Exercito de Portugal, Custodio Jose da Silva,'Gov.ernador
nomeado para o- Districto de Quelimane, o Governador Ge-
ral 'da Provincia de Moambique, determiina, que fique sem
effeito o disposto na Portaria citada, '
As auctoridades a quem o conhecimento desta pertencer
assim o tenham entendido e cumpram. Palacio do Governo
Geral de Moambique 16 de Maro de 1858.= Joo Ta-
vares d:'Aleida, Governador Geral.

N, 50 = Tendo-se apresentado para tomar conta do
logar'd'Escriv~io da Junta de Fazenda, o Official de Fazen-
da da Armada, 'Jose Zeerino Xavier Alves, que foi no-
meado para exercer aquelle emprego, por commisso,- em
Portaria do Ministerio dos Negocios da Marinha e Ultra-
mar, N." 38 de 20 de Maro do anno find, o Gover-
nador Geral da, Provincia de Moambique, determine, que
o refrido Oflicial de Fazenda da Armada, passe a exercer
na conformidade do disposto 'a Portaria citada, as func-
es d'Escrivo da Junta d'e Fazenda.
As auctoridades a querm o conhecimento desta pertencer,


assim o tenham entendido e cumpram. Palacio do Gover-
no Geral de Moambique 16 de Maro de 1858= Joo
Tavares d'Almvida, Governador Geral.

N. ,1 = 1mo0 Sr. ==Por oflicio n. 49 de 30 de Agos-
to do anno proximo find, communica V. S.' que o Con-
mandante Militar da Villa de Senna, conseguira por meio
d'uma subscripo levar a effeito o principio da edificao
d'uma nova Igreja para aquella Villa; porem. que sendo
possivel que a quantia obtida no possa chegar para a.
concluso da obra, pede V. S." que a Delegao d'aquella
Viila, seja auctorizada pela Junta de Fazenda a concorrer
sendo preciso, com os. necessarios auxilios para o seu aca-
bamento.
Sua Ex." o Governador Geral da Provincia, a quem foi
present o expendido por V. S." no seu citado offi-io, en-
carrega-me de comrpunicar-lhe, que approval o procedimen-
to do Coronel de Melicias, Commandante Militar da Villa
de Senna, Isidoro Corra Pereira, e determine, que, V. S.`
lhe signifique, que a Sua Ex." foi agradavel esta prova do
sea zelo pelas cousas do servio de Deos, e do Estado; e ao
mesmo tempo espera, que dada a conta da importancia da
subscripao e da sua applicaao, se lhe communique o que com
esses meios,. se houver feito, e dos que ainda se carecerem
se ellhs no chegarem para, o complement da obra, -de-
vendo V. S." ter em vista a escacez dos meios de ,qu.e a
Fazenda pode dispor, para ento em presena do que fica
dito, se pedir a-verba indispensavel Junta da Fazenda.
Deos Guarde a V. S.a Secretaria do Governo Geral da
Provincia de Moambique 10 de Maro de 1858. Ill. *Sr.
Governador 'Interino do Districto de Quelimane, e Rios
de Senna. = Jose Maria Pereira d'Almeida, Capito Aju-
'dante d'Ordens, Encarregado do Expediente Militar, serve
vindo de Secretario Geral.

N. = Ill.m Sn. =A Sua Ex.a o Governador Ge-
ral da Provincia, foi present o Officio de V. S. N.o 50
de 30 d'Agosto do anno proximo findo, em que V, S.a
participa, pelas razes que no mesmo expende,. ter orde-
nado ao Commandante Militar de Senna, a'factura d'uma
casa, que sirva no s de residencia aos Commandantes
-Militares daquella'Villa, como tambem. para na mesma se
estabelecer a Secretaria e o Archivo do Commando.
Sua Ex.' encarrega-me de dizer a V.' S.', que approval
a ordem que deu para a edificaio da casa mencionada, e
deseja se lhe communique a execuo e os meios empre-
Sgados, para levar a effeito a referida -ordem, e incumbe-
me igualmente de louvar a V. S." o zelo que desenvolve
pelos objeptos do servio public, zelo que torna a V. S.,









digno de, toda a considerao de Sua Ex." o Governador
SGeirl.
Deos Guarde a V. S. Secretaria do. Governo Geral da
Provincia de Moambique 10 de Maro de 1858. IlM."
Snr. Governador Interino do D)istricto de Quelimane e
Rios de Senna. -Jose Maria Pereira d'Almeida, Capito
Ajudante d'Ordens, Encarregado .do Expediente Militar,
servindo de Secretarwo Geral.

Copia. Movimento do Porto da Villa do Ibo desde .
o 1.o at 30 do mez de Novembro de 185'7.
Embarcaces Entradas.
No dia 1. Barca Franceza = Maris Stella =, Capito
Smith, de Bourbon em 10 dias, em lastro, 19 pessoas
de tripulao, 2 passageiros francezes. -
No dia 7 Pangaio Arabe = Jacimini -, Mestre AmiS-
si, de Moambique em 10 dias, com mantimento, 17 pes-
soas de tripulao, 1 passageiro francez;
No dia 10- Pangaio= Dungomaro :, Mestre Jama,
de Zanzibar, em 30 dias, com fazendas, 20 pessoas de tri-
pulao e 4 passageiros muojoos,
No dia 11 -Patacho Amburgez=Schomer Cleteni
Tlarh.=, Capito J. C; M. Joder, de Zanzibar em 4 dias,
com fazendas,- 8 pessoas de tripulao, 2 pasageiros, 1 por-
tuguez e 1 mujojo.
No dia 14 Pangaio Arabe = Migengi =, Mestre Agi,
de Zanzibai em 18 dias, com fazendas e differences gene.
ros; 10 pessoas de tripulao e 2 passageiros mujojos._
- No dia 16-Pangaio Arabe =Fatalker -, Mestre Ah-
dala, arribado da Ilha de Madagascar em 30 dias, em las-
tro, 14 pessoas de tripulao.
SEmbarcaes Salidas.
SNo dia 2 Lancha Portugueza = Cosinjamaji-=, Mes
tre Silvestre, para Moambique em lastro, 8 pessoas de tri-
pulago e 4 passageiros portuguezes.
No dia 3 -- farca Franceza = Maris Stella =, Capito
Smith, .para Mocambique em lastro, 19 pessoas de tripu-
lao e 4 passageiros,. 2 francezes e-2 portuguezes.
No dia 4 Pangaio Arabe Massapunga =, Mestre
Muthana, para Zanzibar, com cauril e 17 pessoas de tri-
pulao.
.- Pangaio Arabe s Abaricine -=n Mestre Agi, para
Zanzibar, com cauril e 10 pessoas de tripulao.
No dia 9 -Pangaio Arabe =:lasimini =,.Mestre Amis-
si, para Zanzibar, com mantimento, 17 pessoas de tripula'
Lo e 1 passageiro friancez.
No dia 16 Lancha Portugueza= Flor de Matibane =
Mestre Silvestre, para Moambique, em lastro, 6 pessoas de.
tripulao e 1 passageird portuguez.
No dia 20 Pangaio Arabe= Dungomaro =, Mestre
Sefa, para Zanzibar, com ceuril, e 20 pessoas de tripulao.
No dia 25 Patacho Amburguezs~Schoner -Cleteni
Tlarh= Capito J. C. M. Joder, para Zanzibar, com cau-
ril, 8 pessoas de tripulao e 1 passageiro mujojo.
Quartel. na Praa de S. Joo do Ibo 1.0 de Dezembro
de 1857'-Teodoro Luiz de Souza 2.0 Sargento encarre-
gado do Cominando da Praca. Est conforme. = Joo Gui-
ISerme de Brito, Alferes encarregado do Expediente.

Copia- Movimento di Porto da Villa do Ib desde
o 1.< ate 31 do mez de Dezembro de 1857. -
.Embarcaes Entradas..
3o-di 3-Lancha Portugueza = Cosinjamaji =, Mes-
tre Silvestre, de Moambique em 9 dias, com fazerdas, e
differences generous, 8 pessoas de tripulao, 3 passageiros
portuguezes.,. .
No dia 10 Lancha Portugueza == 16 de Set:mbi'o =-,


Mestre Amad, de Zanzibar em 13 dias, em lastro, 13 pes.
soas de tripulao..
Nq dia 13 Pangaio Arabe== Frague ==, Mestre Bara-
ca, de Zanzibar-em 3 dias, em .lastro, 8 pessoas de trip.
)aco.'
No dia 18- Brigue Francez = Alexandre =, Capito
Nagoroles, das Ilhas ude Comoro em 13 dias, em lastro,
e 15 pessoas de tripulao.
-- Pangaio Arabe = Massapunga =, Mestre Muthana,
de Zanzibar em 21 dias, cm fazendas e 15 pessoas de
tripulao.
No dia 20 -Pangaio Arabe = Chirico=, Mestre Am.-
cy, de Zanzibar em 16 dias, com fazendas, 1 passageiro
portuguez e 12 pessoas de tripulaco.
--Pangaio Arabe -- Macofe==, Mestre Agy, de Zan.
zibar em 16 dias, em lastro e 9 pessoas de tripulaco.
No dia 22- Pangaio Arabe = Nunda =--, Mestre Gech,
de Zanzibar em 13 dias, com fazendas e 12 pessoas de
tripulao.
No dia 28 -PangaioArabe = Nima =, Mestre Gemba,
de Nacib em 120 dias, arribado com agoa aberta, oom ar.
roz, cairo, 14 pessoas de tripulao e 9 passageiros mujojos.
No dia 29 Pangaio Arabe = Assumine-=; Mestre Ba-
guily, de Zanzibar em 18 dias, em lastro, e 17 pessoas de
tripulao.
Embarcapes Saidas.
-No dia T-Pangaio Arabe =Miginge=, Mestre Agy,
para Zanzibar, com cauril e 10 pessoas de tripulao.
No dia 11 Lancha Portugteza = Ajal de Janga =,
Mestre Nandila, para Zanzibar, com gergelim, 1-2 pessoas
de tripulao e 2 passageiros banianes.
-Lancha Portugueza = Boa noticia =, Mestre As.
sane, para Zanzibar, com gergelim e 10 pessoas de tripulaco.
No dia 22-Brigue Francez= Alexandre=, Capito
Nagoroles, para Nacib, em lastro e 15 pessoas de tripulaco.
Quartel na Praa de S. Joo do Ibo. 2 de Janeiro de
1858 Theodoro Luiz de Souza, 2.0 Sargento encarregado
do Comnmando da Praca. Esta conform= Joo Guilehrms
de Brito, Alferes Encarregado do Expediente.
-*
Copia Movimento do Poto da- PVlla do Ibo edes
o 1.0 at 31 domez de Janeiro de 1858.
Embarcaces Entradas
No dia 3 Pangaio Arabe = Ambucangi =, Mestre Said,
de Zanzibar em 38 dias, -com fazendas *e:. pessoas de tri-
pulao.
No dia 10-Pangaio Arabe -Buty=,.Mestre Chande,
de Zanzibar em 14 dias, em lastro, e 8 pessoas de tripulao.
No dia 15 Pangaio Arabe = Selemuti=-, Mestre Ami-
cy, de Zanzibar em 18-dias, com fazendas e mais generous,
14 pessoas de tripulao,
No dia 17 Pangaio Arabe =Fatalker =, Mestre Sin-
goro, de Zanzibar em 25 lias, com fazendas e polvora,.,21
pessoas de tripulao.
No dia 27 Pangaio Arabe = Paraate =, Mestre Assane,
de Zanzibar em 26 dias, com fazendas, e 1 pessoas de
tripulao.
Embarcates Sahidas
No dia 4 Pangaio Arabe = Ambuange =, Mestire Said,
para. Madagascar, com fazendas, e 10 pessoas de tripplao,
Pangaio Arabe Fatalker =, Mestre Abdala, para
Moambique, com urzella e gergelim, 14 pessoas de tripu-
lao.'. .. ,
No dia 5 Pangaio Arabe==Sala = Mestre Rabugnh para
Moambique, com cauril e mais generous, 12 pessoas de trip.
lao e 1 passageiro portuguez. .-
-- Pangaio 4rabe = Massapunga M= Mestre Mluth.


iiiiiilaac- ---~--~P~ I -I~_~_iiiiiI~IIL C~ LI i~bl.








*,* ":


ana, .para Zanzibar, com cauril, -e 15 pessoas, de tripulao.
Lancha Portugueza = Luisela =, Mestre Usy,_pa.
rF Zanzibar, com cauril, 6 pessoas de tripnlaco.
Pangaio Arabe = Macofi =, Mestre Agi, para Zan.
zibar, com.gergelim, 9 pessoas de tripulao.
'No dia 7 Pangaio Arabe = Nund =, Mestre Gedra,
para Zanzibar, com gergelim e mais generous, 12 pessoasde
tripulao.
No dia 8 -Pangaio Arabe Chirico =, Mestre Amicv,
para Zanzibar. com mantimento, 9 pessoas de tripulao e
1 tassagciro Mujojo.
No ia-9 --. Pangaio Arabe --= Assimini=,Mestre Ban-
ouily, para Zanzibar, com gergelim e mais generous, 17 pes-
doas de tripulao, 2 passageiros, um Bathia e 1 mujojo.
So dia 1 1- Pangaio Arabe = Selimute = Mestre Ami-
cv, para Madagascar, com fazendas, 14 pessoas de tripulao.
No. lia 18 Pangaio Arabe Buty=, Mestre Chande,
para Zanzibar, cqm mantmrentos, 8 pessoas de tripulao.
No dia 20 Lancha Portugueza = Tijar 2. =, Mestre
Indiagama, iara Zanzibar, com gergelim, 9 pessoas de tri-
pulaao.
No dia 23 Pangaio Arabe = Fatalker =, Mestre Lun-
goro, para'Anjoanes, com fazendas, 21 pessoas de tripu-
laco.
Quartel na Praa de S. Joo do Ibo 1. de Fevereiro. 1858.
-Theodoro Luiz ,de Souza 2.-Sargento encarregado do
Commando da Praa.
Est conforme == Joo Gui!herme de Brito, Alferes Encarre.
'ado do, Expediente.

Matoimento do Porto da Bahia de Pemba dutrante
mez de Janeiro de 1858.
Embai ca.es Entradas.
No dia 2 -Lancha = Quideque==, Mestre C. de Car-
valho, do Ibo em 2 dias, com fazendas para o Estado e 8
homes de tripulao.
-- -Cuter = M. Jose=, Mestre Jose Evaristo dos
Santos, do Ibo em 2 dias, com urzela e 15 homes de tri-
pulao.
Ngp dia 6- Pangaio-a Salato =, Mestre Naverord, de
Za'nzibar em 15 dias, com urzea, fazendas e assucar, 1 5
homes de, tripulao e 2 passageiros.
No dia 7 Pangaio Fentarei --, Mestre A. Chame.
lan,,do Ibo em 45 dias, com arroz, milho e 19 homes
de tripulao.
.No dia 8 Pangaio.-,Unfarah6 Mestre B; Biia Al-
ly, do Ibo em 3 dias, com pedra e 6 homes de tripulao.
.No dia 2t -,Cute'r M.' Jose= Mestre Jose Evaristo
dos Santos, de Moambique em 5 dias, com vinho, agoa-
ardente, 1 5 homes de tripulao e 18 passageiros do Estado.
No dia 28 Iiate de Guerra= 19 de Maio, = Com-
mandante F. dos Santos Almeida, de Moambique em 7
dias, com object, do Estado, 8 homes de tripulao e
3o passageiros.
Embarca-ces Sahidas
SNo dia 3 Cuter = M." Jose= Mestre Jose Evaristo
dos Santos, para Moambique, com urzela 15 homes de
tripulao, 1 passageiro, malla para'-Lisboa e Moambique
e 1 prezo.
'No dia T7-.angaio =Salato --, Mestre Naderod, para
Mloambique, am urzela, fazendas, 15 homes de tripu-,
lao e 2 passageiros .
* No dia 8 Lancha =- Malembons = ,'Mestre Patricio, pa-
ra o lbo, com mantimento e 6 homes de. tripulao.
- No .dia' 16 Pangaio =. Fentari=-, Mestre A. Chame.
lon, para Moambique, com urzela e 19 homes de tript-
lao. ,
Pangaio Semfarap-=, Mestre B. Bina Ally,
para Moambique, com pedra e 6 homes de tripulao.


No dia 28 Guter = M.1 Jose Mestre Jose Evaristo
dos Santos, para o Ibo, com agoardente, vinho, 15 ho-
mens de tripulao e 4 passageiros.
Bordo da Escuna de Guerra -= Angra 1. de Feverei-
ro de 1S58. = Joo Guilherne de Brito, Alferes Encarrega.
do do Expediente.

Movimento do Barometro e Thermometro, e ventos
reinantes, durante o mez de Janeiro de 1858.


o , E oiSERrAiES.


1 7I Virao brand de E NE at s 7 da noite, depois bonanr
S 0 -'7 ;a at madrugada em qie veio para o terral de NO.
3-30- 88-Virao pouco fresca de EN E at is 7 e meia da noite,
depois bonana at madrugada em que veio para o ter-
ral de N O brando.
4 Virao fresquinha de E N E N E at s 7 h. da noite,
5 29,9 87 depois bonana at A madrugada em que veio para o ter-
6 ral de N O um pouco mais fresco.
7-30 -87 Virao pouco fresca de E N E at As 8 h. da noite, em
que veio para o terral de ONO at s 8 h. da maniii
mais ou menos fresquinho.
0 30 86 Virao de E N E brando at 8 h. da noite, em que veio
para o terral de E N E fresco.
9- 30 -86-Virao de E N E brando at As 9 b. da noite, em qne
veio para o terral de B pouco'fresco.
1l0-9,3-87-Viraio fresca de EN E at s 8 h. da noite, em que veio
para o terral de N. alguns agoaceiros e trovoadas ao O.
11 -30-82 -Virao das 3 s 8 h. da noite de E NE. fresca, alguns
agoaceiros fortes e trovoadas durante o dia, depois veio
para o terral de N. at s 8 da manha calma. ,
12-29,9-82- Agoaceiros fortese trovoadas de E N E. os quaes nao pro,
duziram vento algum at as 8 h. da manha calma.
13- 30-82- Viraao pouco fresca de E N E. agoaceiros trovoadas do
OSO. at s 8 h. da noite, em que veio par& o terral
ESE.
14 -29,9-82- Durante o dia, agoaceiros formados em diversas direcees
e trovoadas s 5 h. da tarde agoaceiro com potica fora e
vento em todo o dia O.
15-..30-84- ViraSo fresquinha de E NE. s 6 h. da tarde uma forte
trovoada e agoaceiros do 0. que produzio muita chuva e
algum vento;
16--29,9-87- iralo de NE. pouco fresca at s 8 h. da noite, eM
-que veio para o terral de fN.
17.-29,9-84-Conservoo-ae todo o.dia vento N.,em que veio para o
terral de NO. as 8 h. da noite.
18-29,9-84- Vento VN em todo o dia alguns agoaceiros, que produzi.
ram poiuca chuva e muito vento.
19-29,9-87- ento A. em todo o dia -brando.
0- 29:9-87- At ao meio dia vento N, depois NE. As 8 h. da noite g.
21 -29,9-78- Ao meio dia fortes aroaceiros e trovoadas de O. conti-'
nuando assim todo o dia e noite.
22-29,9-78- Chuva em.todo o dia de O NO. at As 5 h. da tarde em que
rondou para NO.
23 -29,9- 79-- Alguns agoaceiros de N. aft As 7 h. da tarde, em que
vio para NO.
24-29,9-82- Fento -trral de'O. em todo.o dia.
25 -30- 82- Calma em-todo o dia do O. at s 5.h. da tardo, em qiu
veio para ENE.
26 -30,1-82- ento E N E. brando em todo o dia,
27 -30,1--82-Idem e agoaceiros formados do NO.
28-30,1-82- ento NO. brando at As 8 h. da hoite, em que veio
para O.,
29-30,1-84 firao de ENE. brando em que veio para o terral do
30-30 -86 O. s 8 h. da noite.
31-30,1-86
S ,Bordo da,Escuna= Angra=, .1.* de Fevereiro de 1858 = Joo \Gui ,
lherme ds Briti, Afferes Enearregado do Erpediente.



O Doutor Joo Caetano da Silva Campos, Juiz de Direiti
com Alada nesta Comarca de Moambique e seu termo, por Sua
Magestade Fidelissima que Deos Guarde &..
Fao saber que a requerimento do Ministerio Publico
vae ser vendido em praa, um palmar,- silo na Cabaceira
grande pertencente a Valgi Giverchande, devedor Junta
da Fazenda, pelos fros e dizinms de 34 annos; cuja ven*
da ha-de ter logar nos dias 19, 22 e 26 dC proximo mez
d'Abril, nas casas ida Camrara Municipal, pelas 11 horas dos








ai-..i LC ~ II~-IC- 1 -Q


ditos dias, d'audicncia ordinaria: toda e qualquer ,pesoa
que o0quizer arrematar comparea no local supra dit0,:pa'
ra que chegue ao conhecimento de todos .mandei affixar'-2
deste ther nos legares do costume, e publical-o no Bole-
tim do Governo. Mcambique 19 de Maro de 1858. Eu
Antonio Jose Cordeiro, Escrivo que o escrevi. = Joo Cae-
tano da Silva Campos.

JUNTA DA FAZENDd PUBLIC.
Para que chegue ao conhecimento de todos se faz pu-
blico que'desde o dia 22 do corrente ate 7 d'Abril pio-
ximo future, seachar aberto o cofre da Recebedoria par-
ticular afim de receber as colectas da Decima Industrial e
de Foros relatives ao 2. Smestre do anno de 1856.
SOs Collectados que pertenderem pagar por encontro,
conforme os Decretos de 11 de Setembro de 1826, e de,
12 de Novembro de 1802, ou em objects de que a Fa-'
zenda carea, apresentaram os seus requerimentos na Re-
cebedoria particular ate ao dia 1.0 d'Abril. Contadoria Ge-
ral de Moambique 19 de Maro de 1858. O Contador
Geral = D. M. da Fonseca.


A Junta de Fazenda d'esta Provincia, precise comprar pa-
ra fornecimento da Botica do Estado os medicamentos se-
guintes.
Semente de linho= Cevada, em gro= Oleo de recino
=e Camphora, as pessoas que tiverem os mencionados
artigos, o outros quaesquer miedicamentos queiram com-
parecer no dia quarta feira 24 do corrente, pelas 11 ho-
ras da manh, perante a mesa Junta, afim de seem
comprados aquem por menos preo os offerecer, sendo de
boa qualidade; na certeza de que a importancia ser sa-
tisfeita na Thesouraria Geral, logo lque seja apresentado
o respective conhecimento em forma com a competent
liquidao. Contadoria Geral de Moambique 18 de Maro
de 1858. No'impedimento do Escrivo da Junta. O Con-
tador Geral = D. M. da Fonseca.

Em execuco ao artigo 15. do Regimento de 25 d'Oi-
tubi-o de. 1853, e por deliberao da Junta de Fazenda em
Sesso de 17 do corrente, se ho-de vender em basta pu-
blica no, edificio da mesma Junta em o dia 24 do corren-
te pelas 4 horas da tarde, alguns objects pertencentes ao
espolio de Francisco dos. Santos Almeida, o que para co-
nhecimento do public se annuncia. Contadoria Geral 18
de Marco de 1.858. No impedimento do Escrivo'"-a Jun-
ta O Contador Geral,= D. M. da ,Fonseca.

CAMERA MUNICIPAL.
Tendo fallecido o arrematante d' renda da banca de
peixe Faustino Sotero Pacheco:; a Camara Municipal, per-
tende arrendar a dita banca do 1.0 d'Abril at 31 de De-
zembro d'este anno: quem a pertender comparea nos Pa-,
cos do Concelhd no dia 24 do corrente pelas 11 horas;
devendo o arrematante apresentar no acto d'arrematao,
um fiador idoneo, ou solver adiantada uma prestao cor-
respondente a um trimestre. Secretaria da Camara Mu-
nicipal aos 17 de Marco de 1858. O Escrivo interino
= Caetano Paulo Gomes.

HOSPITAL MILITARY.
Quem quizer arrematar as dietas e mais objects neces-
sarios para o Hospital e Botica desde 1, de Abril proxi-
mo seguinte, comparea no dia tera feira 23 do corrente
s 10 horas da manh no mesmo Hospital onde sero de.
claradas as qualidades dos objectos, a fornecer .e as copdies
do fornecimento. Hospital Militar 19 de Marco- de 1858
p= Joaquim rancisco Coltlao, Director interino.


SRelaco nominal da praca abaixo mencionada, que falle-
ceo no Hospital Militar em 12 de Fevereiro de 1851.
N." 47, Soldado, Antonio Simes de Carvalho, filho de
Antonio Simes, natural de Poiares, 58 anns d'idade,
Casado, e no ddixout expolio algum. QCl l em Mossu-
ril 28 de Fevereiro de 1858.= Carlos Augusto Teizxei
de Carvalho, Alferes Cammandante Interino.


S MOVIMENTO DO PORTO

de 12 a 1 9 do correntm.
-- II.-iFl IN - r-- --i

EMBARCAES ENTRADAS.
No' dia 12-Pangaio Arabe= Naga=, de 38 tonela-
das, Capito Issifo, deZanzibar em 17 dias, com 3 fardos
d'algodo e 4 enibrulhos de fazendas de Caixa, 1 boca de
fogo, 3 espadas e 32 pessoas de tripulao.
No dia l 3 Pangaio Arabe = Touil = de 40 tonela.
das, Capito Amisse Bine Ainad, de Zanzibar em 17 dias
3 fardos d'algodo e 4 embrulhos de fazendas de caixa, 1
boca de fogo, 6 espingardas e 5 espadas, 22 pessoas da
tripulao e 14 passageiros mujojos, sendo mulheres 5.
No dia 16 Pngaio Arabe =Sahain=de 15 tonela.
das, Capito Adimo, dc Zanzihar em 20 dias, com 1 far.
do d'algodo, 1 embrulho de fazendas de caixa e 1:000
pesos para comprar mantimento, 1 espada e 11 pessoas
de tripulao.
-- Pangaio Arabe = Rizali =, de 15 toneladas, Ca-
pito Anmisse, deZanzibar em 20 dias,, em.lastro, com 1 es-
pada e 11 pe cas de tripulao.
EMBARcAEs SABIDAS.
No dia 12-Lancha Portugueza= Papagaio =, de 87
toneladas, Mestre Quelimane, para o Ibo com diflerentes- ge-
neros e mercadorias, 8 pessoas de tripulao e 2 passa-
geiros para alli nf'gociarem, que 'so Antonio de Padua
Freitas e 'Lima e Manoel Gonsalves de Souza.
No dia 17 -Pangani Portuguez = Flor de Moambique
=, de 39 toneladas, Capito Aldurremane Ibramo; para
Quelimane com.differentes generos e mercadorias, 22 pes-
soas de tripulao, correspondentia official, tnala do cor-
reio e 3 passageiros, que so o negociante Augusto, e Joo
Baptista Loureiro com 1 criado.
--Pangaio Arabe = Naga =, de 38 -toneladas, Ca-
pito Issufo, para Madagascar, com 2 fa'rdos d'algodao 4
embrulhos de fazendas de caixa, l' boca de fogo e 3 es.
padas e 32 pessoas de tripulao,
No dia 18 -Pangaio Arabe = Saharr =, de 15 tone-
ladas, Capito Adimo, para Madagascar coiA l fardo d'ala
godo, 1 embrulho de fazendas de caixa, 1:000 pesos pa.
ra comprar mantimento, 1 espada e 11' pessoas de tripulao.
- -- Pangaio Arabe = Rizali =, de 15 toneladas, Ca-
pito Amissi, para Madagascar em lastro, com 1 espada e
8 pessoas de tripulao.
---Pangaio Arabe= Touil =, de.40 toneladas, Ca-
pito Amisse Bine Amad, para Madagascar, com 3"fardos
d'algodo e 4 embrulhos de fazendas de caixa, 1 boca de fo-
go, 6 espingardas e 5 espadas, 22 pessoas de tripulao e 14
mujojos passageiros, que trouxera de Zanzibar pra S. Lou-
reno.
Capitania do Porto de Moambique 19 de Marco de
1858. = Miguel Augusto da Silva Cordeiro, Alferes do Exer-
cito, wervindo de Capito do Porto.


IcOAMBIQ N, IMP NSA NACIONAT
oAMI'QE: : NA IMPnEHSA NACIOKA .


~--- I


T





ANNO-J858. NUMERO 45.

Este Boletim semanal ser publicado todoo of Sa iadoa, Preo d'assignatura, por anno.............. r. S;00i
Sou no dia antecedente quando aquelle saja feriado ; assigna- Por seis mees .... ............. ...... 1500
se para o mesmo Boletim, em Moambique no Estabelecimen- Pr trees mezes ........................... 800
to da Imprensa Nacional, enos Districtos da Provineia, nas Por folha avulsa............................ 0p n
Secretarias dos Governos e Commandos de Villas; as assi- Preo dos annnncios, por linha.. ............ 840
gnaturas so sempre pagas adiantadas. Correspondencias d'interese particular, Idem a 5Oa



BO LETIM

DO GOVERNOR GERAL DA PROVINCIAL DE MOAMBIQUE.


SARBBAIO 8I ,E ~AiRO.
~--c I----- I II- -,


G OVERN GIfLAL.
c:o~in~r U3flUU I


N." 7 Tendo-me representado por mais d'uma vez a
Director do Asilo da Infancia do sexo femenino d'esta Ci-
dade, que lhe no so- dados meios para prover susten-
taco das EEducandas, confiadas ao seu cuidado e direco
pelos Estatutos da Archiconfraria do Santissimo e Imma-u-
lado Corao de Maria, approvados por Portaria d'este Go-
verno Geral N..367 de 21 de Dezembro de 1855; e que
esta falta absolute de meios devida ao abandon da Di-
reco :
Considerando que de urgente necessidade conhecer das
causes que do logar a estas justificadas queixas e provi-
denciar dilfinitivamente sobre semelhante object: O Go-
vernador Geral d Provincia de Moambique, determine,
que uma Commiss5o composta do Contador Geral .Duarte
Manoel da Fonseca, do Administrador do Concelho Jo'se
Francisco da Piedade Pereira, e do Proprietario Celestino
Feleciano de Menezes,- que nomear d'entre si o Presidente
e Secretario,, se reuna immediatamente para em presena
dos Officios da Directora, das contas' da Direco do citado
Asilo-e da Copia da Portaria do Ministerio dos Nego-
cios da Marinha e Ultramar, n.o 1607 de 14 de Novem-
bro de 1856, documentss que lhe so enviados-ouvi-
da a Directora internal, convidando a Mesa da Archi-
confraria do Santissimo e Immaculado Corao de Maria
a reunir-se para egualmente .sobre -este assumpto serem
ouvidos os seus membros,, visto que sob sua proposta, e
sob seus.especies auspicios, que se pertendeu,fundar o
referido estabelecimento de Caridade, cujo estado decaden-
te demand promplas e urgentes mejidas, que devem dis-
pertar o zelo caritativo, que animou os irmos d'aquella
Archiconfraria quando fizeram a proposta de semelhante
instituio; e depois de obter todos os esclarecimentos, de-
.ver informar quaes as razes, por que se no tem pro-
vido, como convem subsistencia e vestuario das Educan-
das-quises os recursos ou rendimentos de que actual-
rente dispe a Archiconfraria para aquelle fim -- aquelles
com que se pode contar e se so ou no os suflicientes -
e finalmente dar a sua opinio sobre, as alteraes, que
convenha adoptar nos Regulamentos que regem a Admi-
iisftrao do Estabelecimento- propondo todos. os meios,
que a caridad e o reconhecidozelo pelo bei public, que
anima os referidos individuos, lhes sugerir,' fim de que


au'pelle stabelecimento possa subsistir, como convem, e
.para que na conformi:ade da citada Portaria do Ministe-
rio da Marinha e Ultramar, se possam proper ao Governo
ae sua Magestade 'os competentes Estatutos que assegurem
ei estabelecimento as condies indispensaveis d'existen-
cia,' de que carece todo e qualquer Estabelecimento de se-
melhante natureza, para que possa satisfazer ao fim bene-
fico da sua instituio.
O Governador Geral espera da intelligencia e zlo dos
nomeados, que no mais curto espao de tempo possivel sv-
jam appresentados os seus trabalhos, para que conveniente-
mente examinados pelo Conselho do Governo, possa tomar-
se uma resoluo fundamentada, e no caso de ser submet-
tida approvao de Sua Magestade, EL-HET, com todos
os esclarecimentos, que se tornam necessarios sobre to im-
portante assumpto.
O que se communica aos nomeados para seu,conheci-
mento e devida execuo. Palacio do Governo Geral da
Provincia de Moambique 23 de Maro de 1858.= -Jao
Tacarqs (d'Almeida, Governador Geral.

." 8 = Attendendo ao que me representou o Proprie.
tario Celestino Feleciano de Menezes- nomeado por Por-
taria deste Governo Geral N." 7 datada de hontem, p:a-
ra fazer parte da Commissio, que deve conhecer do es-
tado do Azilo d'lnfancia do sexo femenino desta Cidale
allegando Alem do mo esta lo de saude outras razes at-
tendiveis-O Governador Geral da Provincia de Moam-
bique, ha por convenient determinar, quefique sem effti-
to a sua nompaao, e nomear para o substituir para o fim
indicado na citada Portaria, o Presidente da Camara Miu-
nicipal desta Cidade Jose Vicente da Gama.
O que se communica aos membros da Commisso j
nomeados-ao Proprietario Celestino Feleriano de Miene-
zes--e ao Presidente da Camara Municipal desta Cidade
.Jose Vicente da Gama, para seu conbecimento e devida
execuo. Palacio do Governo Geral da Provincia de Mo-
ambique 2 de Maro de-1858.= Joo Tavares d'Al-
nrieida, Governador Ge,'al..

'Coinmisso Permanente das Pautas
O Governador Geral da Provincia de Moambique, con-
formou-se com o seguinte parecer:
Visto o requerimento de Jacintho de Jezus e Silva, Ne-
gociante resident nesta Capital:
.Allega que tendo despachado algumas fazendas impor-
tadas de Maco na Barca *Nacional Adamastor, lhe foram
consideradas. n'Alfandega, desta Cidade como estrangeiras,










e como tal consideradas Nacionaes nas Alfandegas d' Me-
tropole, send importadas em Navios Nacionaes:
Pede que as supraditas fazendas sejam-classiFeadas Na-
cionaee, e como taes' pa!uem os respectivos direitos.
Visto o Depreto de 27 de Setembro de 1SE4.
V~sto o artigo 1,0 do Decreto de 18 de Outubro de
18i, (lecgilaco particular desta Provincla.)
Vista a Portaria de f1 de Maro de 1851 relativamente
aos direitos que Thomas Maria Bessone deveria pasar, por
uma partida de Avac transportada de Maco para Lisboa,
na Barca .Novo Paquete, conheceu que o dito Avarc foi
mandado considerar Nacional por ter pago os respectivos
direitos de consume em Maco.
SVista a CertidNo passada no Manifesto das mercadorias
em qguestio, e no se achando n'elle outra declarao mais
do q term embarcado no Porto de Maro.
A Comrimssao considerou as ditas mercador;as comnre-
lendidls nos artieos 2. e 7. do Decreto de 20 de No-
vembro de 1848, e que por conseguinte no pagaram di-
reitos de consumo. pelo que lhe parece :
Que as mercadorias de que se trata, estam no caso do
artigo 2.o e se $ do Decreto de 18.d'Outuhro de 1853,
e oqe como tal devem pawar as respectivos direitos.
Sala das SessPs da Commisso Permanente das P-autas,
13 de Maro de 19r8. = DarIte. Manopl da Fonseca.
Francisco Borgess dos Sans Ri'cho.-= (el"stin Felfe'ano d
Menezes. = Jose Prazeres da Cosia. = Reginaldo Joo do
.ego.

SO Governador interino do Disricto dinham bane. em Offi-
cio de 12 de Janeiro do corrente anno, remette os Livros


de: registo dos Escravos, e pelos mesmos se.conhece, have-
rem sido registados 3:122 Escravos d'ambos os sexos.
Igualmente se acham registados 51 Librtos do Estado
e 5, 'de particulares.
Em officio de 19 de Fevereiro, -remette os Mappas
'que se transcrevem:


Mappa Estatistico dos Lbertoo e Eseravws Registados
no District d'I4hambane referido ao dia
40 de Janeiro de 4858.

.IChristaos. omens.'..;...............
Do Estado..... nulheres............... 5
Li s. Gentios., Homens. .... ......... 98..
Libertos Gentos ulheres...................14
Dos Paiculares.-Christaos. inens.................:
Milulheres..................
Total dos Libertos......................... .. .. ........ ... 6

(Menores de 18 annos............. 18
Homens. ; Mires or 18 annos.............. .1
aChristos. Maiores dIP 6O annos ............. 4

Mulheres Maiores de 18 annos............. 21
Maiores de BO aunnos............. I
ksEravos Fugidos Registados por lembrana. 4
MenorBes d 18 annosa............. 5l
-omens. Maiores de 18 annno ............ 79
Homes Maiores de 60 annos.............
Gentios. Fuidos Registados por lembrana. 77
iMenores de 18 annos............. 54
li r MaiIeps de 1a anuno............. 10
Maiores de 60 annos................
Fugidos Registados por lembrana. 110
Total dos Escravos....... .. .. :.................. 3 eg


Gente Livre =-lappa da Populao da Vilia d'lnhambane referido ao 4. de Janeiro de 4858.


embeane ................... ........ ....
aTe mbene ..........................
.ialanme ..........................
' Chiliahino..


Christlos Mouros Parces itong

J Homens j Mulheres 'Homens. ) Mulheres jl H Homans 'Homens Mulheres
CA ai tt 02 02 02 02 02 02 0 2 ia wa i 0s vi ia i as 02
S a a a a a a a a ea
0 O o o o
0 r a e o 'e 5 oc ^Tc o 4 co ed ce Z ca is
C~OO o C O cb
- < n- l - y. s a y. 4 2i a a ca a a iii a a a a 42 w a
0 a s o Q o 0 o o

2 .2 .2 2 .2 .2 . . .2 .. .2 .2 a 2 .
. "*' -et Ci f -~* . <8 "U 'f fi t li tt D (O <3 O
ya a s e5 a g '~ a a s a a .a a- a a
~p: Q a, u ~ o 9. e>W 4), Q n )0


..19- 17- -_99- S7- 4-41-5f- 2-38-55- 7- 2- - 1-315
.1.- 9I- 1-1- 39- 7- 1- S- 3-- ---- 4- 1- 4- i-- 1-118
Si3- 20S- 9- I- g- -3-3 - 2 4- 2 3 4


. .- 9R -


Somma ..............................-'01- 4-7O-'Sn-I4--45-R7- 2-4'-6- 7- 9- 1- fi- 8-.3-- 8-45- S-fi9
Comitnhip'd'Tnfanteria............ .... .( 9 9 1 9 I I 10

Resumo do 'Mappa Estatistico oas Te'ros da Corda Lanchas..... ..... ,. ......... .... ..... .41
Portugueza do Districto d' Tnhambanne, referido Canbas.... ............. 5
ao 1.* de Janeiro do corrente anno. Botes ......,........................... 32
Fogos Habitantes Gente de Guerra Somma ................. 1
22:138 56:444 19:265. -
8 56 'este numero entram duas Lanchas do Estado, um Bote
SB,.- 16-2"5 homes da gentei de guerra uz5o do e itma Canoa.
arco e flecha---e os 3:000 restates de Zagaia e rodella
Conta-se Mlem do numero citado de gente de tuerra, ReLgsto do Porto d'Inhambane de 12 d'Aqos-
mais 290 Caalores pertencentes a differentes Regulos, to e 857 a 27 de Jnero de 8.
sob as ordens do Commiandante ds Terras Firmes.7 de Janeo de
EMBARCACEs ENTRIDOAS
Os habitantes ach o-se espalhad,os por 51.povoaes com- E 2 de Agosto de -857 Palhabote Enigma, Capi'
posths de maior, ou menor n. de fogos.. ot
costs de maior, ou menr n. de fogos to Manoel de Jezus e Silva, de Loureno Marques em 4
,dis, com 2 bocas de fogo, Tripulao a mesma menos o
Rela.o das 'EfbarcacUes miudas do Districit d'inhamnban. 2. Tenente Augusto Carlos Reis, que desembarcou em Lon-


_ __~_ ___ _ __I~~_ ___1_~~
___I__ __ 1II__7


1- 9-i- 4- -! 1- 1- - -101









------

renico Marques e carga part da que tiouxe de Lisboa.
Em 25 de Setembro dito-Barca Portugueza Tejo, Car
pito Joo Francisco d'mnir, de Moainbique en 11t dias,
com 22 homes de tripulao, 2 bocas de fogo, 2 pass.
geiros e 1 -criado preto livre, e carga de differences gene-
i'OS.
Em 14 de. Novembro dito -Brigue Estrella de Damo,
Capito Valegy Amad, de Moambique em 8 dias, comr
32 homes de tripulao, 1 pea montada, 8 passageiros,
10 criados e carga de differences generous.
Em 18 idem --'f iate Livramento, Mestre Sabudine Ibra,
nno, de Moambique em 19 dias, com 13 homes de tri-
pulao, 8 passageiros e carga de differences generous,
Em 9 de Janeiro de 1858-Escuna Enigma, Capito
Massa Daut, de Moambique para -Bazaruto em 9 dia;
aoade se demorou 10 dias e veio a este Porto em 4
comn I'lhomens de tripalao, e 5 passageiros, send 1
Alferes, 2 praas de pret, 1 Senhora e 2 criados pretos,
com-carga de fazendas e mais' generous.
EMBRnccaE SAmlDas
Em 12 d'Agosto de 1857 Brigue Potuguez Amizade,
Capito Amad, Bay Alegy, para, Moambique com a mesma
gente de tripulao, 2 bocas de fogo, 12 passageiros, 10
criados e criadas 'e differences generous.
-)- Brigue N. S. do Soccorro Fldr do mar, Capito
Ussand Amad, para Moambique, com a mesma tripulao
que trouxe, 4 bocas de fogo, 4 passageiros, 9 criados e
carga de differences generous.
No 1.0 de. Setembro dito- Palhabote Enigma, Capito
Manoel de Jezus e Silva, para Bazaruto com a mesma tri-
pulao, 2 bocas de fogo e carga de differences generous.
Em 3 de Novembro dito -Barca-' ortugueza Tejo, Ca.
pito Joo Francisco d'A mor, para Loure,no Marques, com
a mesma tripulao, 2 bocas de fogo, 1 passageiro e 1
criado, preto livre e carga de differences generous.
Em 15 de Janeiro de 1858 Escuna Enigma, Capito
;Mussa Daut. para Loureuo Marques, com 16 homen~s de
tripulao, 2 passageiros parte da carga com que entrou.
Quartel na Praa d'Inhambane 27 de Janeiro de 1858.
maAntozio de So .za Teixeira, Alferes servindo de Ajudante


'Obitos que houveram na Freguesia de N. S. da Concei
tco d'Inhambane, do 1. de Julho at 31 df
Dezembro de 1857.

Em 7 de Julho-Candida Corria, filha de Jose Cor.
reia, natural d'Inhaiiibane, Chiist, de cOr branca, de 4
mezes d'idade. N
Em 20 dito-Alberto Ribeiro, filho de Marcelino Ri-
be'ro, natural d'Inhambane, Christo,de cr preta de 2
mezes d'idade.
Em 21 dito -Jose Custodio Fernandes, filho de Luiz
Custodio Fernandes, natural d'Inhambane, Cbristo, de cr
preta, de 1 anno d'idade.
SEm 3 d'Agosto- lose Maria Furtado, filho de M anoel
Furtado, natural de G6a, Chiisto, de cOr morena, de' 40
annos d'idade, solteiro.
Em 10 ditd-'Jose Manoel Proena, filho de Salvador
Manoel Proena, natural d'lnhambane, Christo, de cor
morena, de 2 meies d'idade.
Em 17 dito- Joanna Silvestre, ignora-se a filiao, na-
tural d'Inhambane, Christ, de cor parda, de 48 anuos de
idade, solteira.
--Julio Rodrigues. ignora-se a filiao, natural de
Porto de Mz, Christo, de cr branch, de 50 annos de'
idade, casado, ra 1.0 Sargento Condestavel do Forte de
S. Joo da Boa Vista.
Em 2 de Seteinbro,- Francisca de Mussurate. inora-se
a filiao, naturald'Inhambane, Christ, de cOr parda, de
25 anunms d'idade, cazada.
Em 4. dito -Joanna. Vz, filha de. LiberatQ Vz, natu-
ral d'Inhambane, Ghrist, de cor parda, de 10 arnos -doe
idade.
Em 10 dito-Catharina Ferreira Mexias, filha de Ber-
nardo Ferreira Mexias, natural d'Inhambane, Chiistio, de
cr preta, de 34 annos d'idade.
Em de Dezembro-Thomazia Tacinta, ignora-se a fi
liao, natural d'Inhambane, Christ, de c4r preta, de 53
annos d'idade, solteira.
'Em 30 dito-GCandida Joaquina Fernandes, .filhp de
Francisco Mano'el Fernarides, natural d'Inharlmane, Chris,
t, de cr 'branca, d 6 mezes d'idade.


AdbmNISTRA 1O Lou CO,CELIO.
Mappa mnortuario do mez de Fevereiro de 1858.


Nomes
Antonio ALfo'isso
Bento JCe
Ltiz d'Arajo -
tntonio Jose Loureao
itntonio Simes de Carvalho -
Eleiterio Cailos Luis deSouza
Antonio Correa
Flrancisco Leite
Joio d'Oliveira
Jose Rodrigues Peres
Joo da Silva
Antonio Rebello
"i 1Mar a d' AssumpSo
i Maria Joanni d'Almeida
Fabiana Maria
Maria Roza


Filiaio
Manoel Alonsso
Francisoo -Jose
Jose' a Costa
Mianoel Jose Louieno
Antonio Simes
.Joo Luiz de Souza
Manoel Correa Lopes
Aatonio Pereira Leite
Manoel Anthib d'Aguiar
Ignora-se
Manoel da Silva
Igora-se
Jose Francisco d'l.Aleida
Diogo Jose d'Almeida
Luiz Manoel
Ignora-se


Naturalidade
Valena
Porto
Braga
Aveiro
Paris
Moambiqixe
Tavir
Guimares- ,
Baltereno
Ignotra-se -
Alemqer
Ignora-se
Lisboa
Ourique
Braga
Ignora-se


Idade
27
35
22
38
51
32
4
36
a
50
Ignra-se

.21
S8
34
Ignora-se


-Estado
Solteiro

Ignora-se
Vinvo
Ignora-se
'Cazado
Solteiro

Cazado .
Igiora-se

n
Solteira

azada
Ignora-se


Religiao
Chiristfto
o'
15
'o
n5


o

'o


Observa5es
Soldado do Batalho d'Infanteri4
Anspeada. dd dito
Soldado da Bateria d'Artilheria
Idem do Batalho d'Infinteria
Idem da Companhia de Veteranos
Thespureiro da CamaraMunicipal
Menior
Soldado do Batalho d'Infanterias
Idem da Companhia de Veteranu
Idem da Bateria d Artilheria
SIdern do Batalhlio d'Infanteria
Degradado


N B. Falleceram pais 5 libertos pertencentes Barca Francezs = Charles & George=, por nomesSalamo, Nacibo, Antocomonia, Acatica e Antl
comua. Administrao do Co_:celho 3 de Maro de 1858. O Administrador do Concelho, = Jose Francisco da Piedade Pereira.


J UNTA DA FAZENDA PUBLIC. -
Objectos que se precizam para fornecimento do Hospital
Galinhas, po, Vinho, agoardente, Assucai refinado,azei-
te d'Oliveira, azeite de coco; manteiga, Velas, Cera Vir-
gem, amendoas ,com casca, ch, arroz fino, e papel.
Quem tiver e quizer fornecer os artigos :acima men-
cionados, ou algum delles; comparea perante a Junta de


Fazenda, no dia 2. feira 29 do corrente pelas 11' horas
da mnh; Cpntadoria Geral dd Fazehda 24 de Maro de
1858. Oonrtalor Geral servindo d'Escriv da Junta =
D. Mi. 'd ~nseca.

Ill.m" Sr =-= Inlusa envio-a V. S.a a folha da receita, e
despeza da gerencia da Mesa Administrativa da ArchicOn-
fraria de Santissimo Imnmculado Corao de Maria, rela-


rBr-i-=~i~~IPBIIi+Uli~ I i ____I.









tiv ao anno findo de 1857, em conformidade do officio de
V. S.a da data de 16 do corrente, n. 174. = Deos Gu-
arde a V. S.' Moambique 19 de Maro de 1858. =-111'mo
Sr. Jose Maria Pereira d'Almeida, servindo de Secretari-
Geral. Padre, Jose Loureno Vaz.


Conia da Receita e Despeza d'Archiconfraria do
SS. Immaculado Cora-o d& Maria durante o
anno de 1857, de Janeiro a Dezembro.

RECEITA.


Saldo existente na folha da con-
ta do Thesoureiro passado.......
Penso paga por Maria Affonso
d'uma pensionista .......... ..
Prestaes 'pagas pela Santa Ca-
sa de Mizericordia........ .....
Idem donativo feito pela Junta
da Fazenda. ..... ..........
1 em de prestaes da Camara
Mur-icipal ........ ...... .
Slem da Confraria do Santissi-
mo Sacramento .-... ..........
Esmola dada pelas praas do Ba-
talho.......:. ............ .
Idem de 3 ditas do Contingente
FIem da Companhia provizoria
Idem por various indivduos e Ir-
njos eleitos e caritativos........
Idem idem da Villa de Queliman
DESPEZA. -
Iportancia despendida para o
' ubsidio das Educandas durante o
anno como dos documents da des-
peza e Livro ..................
Idem de various objects compra-
dos para o consumo, ejespezas miu-
das durante o anno.............


9000

254000

1211$800'

'7Spw000 447'900

.300000 0

11$720
4J9%500
30q655

68W5o700
464'060





2613641, 421j828


1 60o'187


Saldo que deve existir pelo balano ... ".. 'go1i72

Ris. 447'900
Mocambique 19 de Maro de L858.- Padre, Jose Lou-
renco Vaz.



MOVIMENTO DO PORTO

de 1 9 a 26 do torrent&

.
EMBARcAES, ENrTRADs.
No-dia 19-pngaio Arabe= Laquine Passa -=, de 54
to.neladas. Capito Muamad, de Bombaim pelo Ibo em 40
dias, com differentes nercadorias. 1 boca de fgo, 8 pes-
soas de tripulao, 1 officio para o Governo, e 32 cartas
para o correio.
No dia 20 Hiate Portuguez = Livramento =, de 66
toneladas, Capito Sabodine [bramo, d'lnhambane em 12
dias, com marfim, urzella, cera, arroz e mantimento, 13
pessoas de tripulao., 6 officios, send 3 para o Governo
e 3 para differences Reparties, 43 cartas para o correio
e 2 passageiros, que so 1 mouro negociante e um criado.
S Pangaio Arabe= Mamucuro,, de 64 toneladas,
Capito Robia, de Zanzibar em 30 dias, com algodo, fa-
zendas de caixa, polvora e tamara, 1 boca de fogo, 4 es-


padas, 2 espiigardas 43 pessoas de ,tripulao, .sendo
5 :mulheres.
--n- Pangaio Arabe Fatal-ker =, de 54 toneladas,
Capito Bassaine, de Zanzibar em 14 dias, com'fazendas,
de caixa e algodo, 2 bocas de fogo, 3 espadas e 30 pes.
soas de tripulao.
-,-,-Batel Potuguez = Do meu gosto =, de 13 tone-
ladas, Mestre Assome, de Lury, em lastro com 10 pessoas
de tripulaco.
No dia 22-Pangaio Arabe-Mamipunga =-, de 18
toneladas, Capito Dine, do Ibo em 7 dias, com urzella,
1 boca de fogo, 2 espadas, 2 espingardas, 21 pessoas de
tripulaco e 2 cartas para o correio.
i -Pangaio Arabe = Salamoti =-, de 16 toneladas,
Capito Matte, de Zanzibar pelo lbo em 30 dias, com as-
sucar, fazendas de caixa, e algodo, 13 pessoas de tripu
lao, 10 cartas para o correio e 2 passageiros Batias ne-
gociantes.
N, dia 23-Lancha Portugueza= Fl6r do mar==, de
12 toneladas, Patro Jamli, do Ibo em 5 dias, com ur-
zella le 7 pessoas de tripulao,
Lancha Portugueza-- Ussanga =, de 11 tonela-
das, Patro Vandila, do Ibo em-5 dias, com urzella e 12
pessoas de tripulao.
- -Lancha Portugueia-=Boa noticia=, de 12 to-
neladas, Patro -Assane, do Ib eni 5 dias, com urzella e
gergelim e 8 pessoas de tripilao.
- Lancha Portugueza = Ayalda Janga =, de 1 to-
neladas, Patro Antilba, do Ibo em 5 dias, com urzella,
gergelim e 14 pessoas de'-tripulao.
No dia 24-Pangaio Arabe = Fatal-ker=, de 30 td-
neladas, Capito Aly, de Zanzibar em 17 dias com'fazen-
das de caixa, algodo, sal e- arroz, 1 boca de fgo, 2 es-
padas, 1 espingarda e 25 pessoas de tripulao.
'-- -Pangaio Arabe = Maconde ,= de o5 ItoRda!ls,
Capito Aly, de Zanzibar em 11 dias, em lastro, com 400 pe-
zos, para compt ar mantimento, 2 bocas de fogo, 2 espadas.- 1
espingarda, 7 zagaias e 41 pessoas de tripulao, send.
mulheres 6.
No dia 25 Escuna de guerra Franceza = Egl =, Com-
mandante Le Claire, .de Mayotte em 4 dias, com' bocas
de fogo, 22 praas de guarnio, correspondencia official
para o Goverdo, malla para o correio e 6 passageiros sub-
ditos ,Portugue7eq.
EnMARCAES SAHIDAS.
No dia 22-Batel Portuguez = Fortuna d'Africa =, de
1.3 toneladas; Mestre Amad, para Lury com differences fa-
zendas de lei e 7 pessoas de tripulao.,
No dia 23- Pangaio Portuguez-Tanacil=, de 16
toneladas, Capito Amad Ch, para Madagascar com dif-
ferentes fazendas de lei, 10 espingardas para uzo de br-
do, e 17 pessoas de tripulao.
,Capitania do Porto de Moambiane 26 de Marco de
1858. = f Wfiuel Augusio da Silva Cordeiro, Alferes do E er.
cito, servindo de Capitio' do Porto.


Previnem-se os Senhores que Assignaram para este Boletim
pelo tempo de 5 mezrs, que com o presence n. 155 se acham sa-
izsfeitas as suas assignaturas; e que para lhes continuar a
ser distribuido preciso que as renovem no Eserptorio
d'este Estabeleimento.

SMOAMBQUE:- NA IMPR SA NACIOAI .


irr i-i--liiiaiii~-_l i = i-~-
'






ANNO-1858.

Bste Boletim semanal ser publiaddo os o abbados,
ou* no dia antecedente quando aquelle seja feriado. asszgna-
se para o mesmo Boletim, em Moambique no Estabelecimen-
to.da Imprensa Nacional. e nos fistrictos da Provincia, nas
Secretaries dos Governos e Commandos de Filas ;- a assi-
.nat3auras #do sempre pagar adiantadaM.'


NUMERO t4.

Prero dasstgnatura, por anno..... .......r. f~8o \
SPor seis mezes.... ..... ....... ....... .. is 1oj
Por trec mezes ...............,...........e 80O.
Por f./ha avalsa .......................... o080.
Preo dos annuncios, por linha ............. a 0 40
Correspondencias d'interesse particular, Ide'mt, O $8


BOLE TIM

DO GOVERNOR GERAL DA PROVINCIA DE MOCA MBIQUE.

*SAIBA DO Bi'A RIBtirL.


SARTEI O FFIUIAL

-e,---
GOVERIO GERAL.



N." 9 -. ,Attendendo ao que foi ponderado em Ses-
aio da Jnta da Fazenda de 24 de Fevereiro findo, sobre
a necessidade de proceder a um Balano do Cofre Geral da
Fazenda e do dos Defunctos e Auzentes -O Governador
Geral da Provincia de Moambique, determine, que um'
Cominisso composta do Coronel Commandante interino 'd
Praa de S. Sebastio,. Candido Maximo' Moules, como
President, do Proprietario Jose Prazres da Costa, co-
mo Vogal, e do Professor da Escola Principal desta Ci-
dade, Guilhernme Henrique Dias Cardoso, como Secretario
passe a fazer o exame e verificao dos Saldos, que de-
vem existir nos citados Cofres; dando conta do'resultado
que obtiver do exame e verificao, a que hover
procedido em vista dos livros e documents, que lhe de-
vem ser apresentados pelo Thezoureiro Geral, e' dos Sal-
dos existentes;
O que seo communica aos nomeados, ao Escrivo da Jun-
ta da' Fazenda, e ao Thezoureiro ,Geral para seu conheci-
mento e devida execuo.
SPalecio do Governo Geral da Provincia de Moambique
9S de Maro de 858.= Joo Tavares d'Almeida, Go-
vernador Geral.

N.o 59 s Il."0 Snr.== ommunica V. S.8 por Ollicio
aL, --226 d tado de. hoje, que no-tendo sido possivel es-
perar por mais tempo, que fossem mandados os operarios
dq Estado para procederem aos concertos de que tanto ca-
reciam os terraos do Hospital Militar cuja Direco in-
terina lhe est confiada -em conseque)cia da muita agoa
da chuva que cabia ,nas Enfermarias, alagando as mesmas,
resultando d'abi um grave prejuizo, para os doentes, que
se encontram em tratamento recorrera por essa razo,
e levado pela fora: das circumstancias que se davam,: ao ar-
bitrio de mandar: proceder ao concerto dos referidos ter-
raos, (que, cada vez .se tornava. mais urgente,) por ope-
rarios dos particulares, .fazendo a despeza por conta da
rerba,,votada para despezas.ordinaias desse Estabelecimen-
to-- ubmettendo este arbitrio proveniente: dos motives
'.xarados, 6 .approv'aa.:.de S. Et.a: ::,' :' d a : l
Por esta occaziao d V. 8.? cnhecimento dos auxilies


que lhe foram prestados desinteressadamente pelo Sr. Cae-
tano Maria d'Oliveira, resident nesta Capital, auxilios de
que resultou, conseguir que a obra se concluisse em 3 dias
e com muito menor despeza.
Como do meu ever, fiz present a S. Ex.a o Gover-
nador Geral da Provincia o citado Officio de V. S a e o
mesmo Ex.`" Snr. me incumbe de dizer-lhe, que approval
a deliberao que tomou, e man<:a louvar a V. S" pelo
seu zelo, tantas vezes provaio e o encarrega de em no-
me de S. Ex." a quem igualmente foi present a rarida e
e generosos sentiments do Sr. Caetano Maria d'Oliveira
d'agradecer-lbe a valioza e desinteressada coadjuvao, que
prestou ao Estado e principalmente aos doentes do Hos-
pital, dando no s os seus operarios, cal, entulho e de
mais objects necessarios para a obra, como mandanda
parar os trabalhos, que aquelles operaiios andavam fa-
zendo em sua propria casa, para que assim com mais ctele.
ridade fossem, livres os'doentes das incommodidades' que
estavam experimentndo. Deus %uarde a V. S."= Se-,
cretaria.do Goveruo Geral da Provincia de Moambique
31 de Maro de 1858. =I11:m Sr. Director interino do
Hospital Militar. -lJose Maria Pereira d'Almida, 'api-
to Ajudante 4'Ordrns. Encarregado do Expediente Mi(itar,
seriindo de Secretario Gerals

Moambique 5 d'Abril.
No dia ." d'Abril a Cidade e Districto de MoaCP bi-
que soffreu os effeitos de uma tempestade horrorosa que
'em menos de 21 horas destruio muitas, fortunes, ;motou
muitas: esperanas,. e roubou a vida a um grande numero
de pessoas.
No temos ainda noticias ciycumstancidas sobre o ex-
tenso das perdas, que o temporal causou. Fsperamos
que ellas nos sejam fornecidas pelas auctoridides compe-
tentes, mras infelizmente podemos desde j informar o pu-
blico, que ellas foram muito grades tanto no mar, como
na terra.
O Porto de Moambique conitava fundeados os navios se-
guintes Barca Franceza, Charles G' ,Gorqe, Galera
Portugueza, Adanastor, Brigues.-' Amisado. 2 Irmos, e V.
S. do Soccorro Flor do mar, Hiates -.9 de Maio, Espe-
rana e Livramento, 29 Pangaios Arabes: e a Goleta
-de 'gherra Franceza .-- L'Egl.
O tempo tinha' estado inconstante desde o dia 29 de
Maro-.-alguns agoaceiros, ventos variaveis, e a-athemos-
fora coberta de grossas nuvens, carregadas de electrieidai-
de, foram principio do terrivel temporal, qu_ come i na.









atanha do L.* de Abril.- Ats horas do dia, oas*aga-
ceiros fortes deS O. ;o- tinham tido nada de extraodina-
rio..
Mas ao meio dia o veto comeou de soprar com furiai
os agoaceiros foram mais frequentes, e os horisontes mais
curtos, e carregados.
) vento foi constantemente crescendo, e o mar com elle,
de sorte que depois das 4 horas da tarde algMns Paigaios
o Hiate 19 de ialo, o Iiate Livramento, e iiutros-na-
vios. havianm garrado cedendo violencia do veto. -As
rajadas foram augmentpndo para, a noite d sorte que o
terpor-al era j furioso ao pr do sol..-- Desde entho f.fo
elle gradualmente crescenu de modo, que todos os Pan-
gaios, excdpto um s chamado Mantalla, perderam as suas
amarraes, e alguns delles bem como os Hiates 19 de Maio
e Liv;amento, foruni arrojados contra a costa da Caba.ceir,
e ahi. encalharam.- Hiate Livraniento lanado primei-
.raiente sobre a costa do norte do Porto, virou-se---e de-
pois -de ter sido impellido sobre a outra ban'da veio
sn-sobrar ao meio do canal grande, quaindo vento onii-
dou para u'pa direco onposta.
Quatro homes que poderam segurar-se ao casco, que
se np submergio completamente, foramn salvos pela tripu-
laco da Galera, .4dawastor, cujo Capitno rranduii um es-
cul[r acudir aos naufragados. que bradavan por soctorro.
As 9 horas da noite o vento abrandou um pouco da sua
furia, e pareceu que a tempestade tinhla thrninado.- Ls-
te 'so ego porm foi de curta durao. O vrnto parent u
cessar para comear de novo com maior in petuusi('ade
soprano o'do N(. -Os estrag'os que a I.' part desta
acena terrivel tinha causado, fram j ber consi'eraveis. -
As fazendas da outra banda j tinham solfrido bastante.-
muitas aivores tinham sido derrubadas muitas pllhotas.
e casas tinham, sido arruinadas-e algumas embarcaes
tinham solfrido grades avaries; mas isto ainda r8o era
Ltastante, era necessario que esta calami 'ade j grande pp a
ra o estado decadente desta Provincia, fosse ainda- maior,
n1;ais (coMpleta.
SProximamente s i11t horas depois do socego illis1rio
de que fall#nioq, o vento se desencadeu u furioso de N O.
-- Duras riijadeas se-:surccedia rapidameitnte -ias s -
tras, rign,-ntando sempre de fora.-,- Os apgraceiros We
toriarani mais aniudados, e violerntos. O Ceo escuro, ca-
lizihoso. io deixava perceber uma s, estrella A :sfu.-
tidso medonha da noite: vilba augmentar horror das
irenas que este grand transtorno da natureza produsio.
*ti transit era, impossivel nas ruas da Cidade, inunda-
das de agoa; e a areia levantada das praias redemoinhava
nos ares. elevan lo-se a grande altura.. As casas. ainra
as mais solidas, tremiam com a .violencia impetosao do
vento, que deratbava. tudo quanto encontrava,:
A chva.: optosa: encheu as. casas moitas arvores,
e altumas, colossaes, foram 'derrubadas, e os arbustos e
plants rasteiras ficaram queimadas pelo'vento-P.grossos
ramos foram violentamente arrancados dos troncos, e le-
a-,los a grande distancii.'Tods estes sons sinistros, mis-
turados aos gritos dos: infelizes, qu"e por intervallos sibre-
saiam horrorosos, ao sybili do vento, levaiaam o terror, e
o susto populaoi consternada da Cidade.
'Muitos tectos e paredes das palhota da missanga- foram
arrebatdos- pelo vento, muitas outras ficaram quasi enter-
Sradas, na reiaia que .o, mar, e: o veto lanava sore' a
'i ha : .. ,


Mas se-esta tormenta era hoirorosa,. e medonha em ter-
r4., tianto' mais o no deveria lla ser sobre o mar Ali
aonde a todos os horrores do temporal, havia a acrescentar
ainda a furia, do mar encapellado, a fragilidade das em-
harcaes, a es< urido medonha da n( it e a impossibilidade
absolute de esperar soccorro alheio; devendo sei bem cru*
eis a, hboras de arnustia assim passadas pelos infeliz(s que
b temporal colheu sobre as embarcaes. frageis ifugios,
contra a. violencia de uma tIo temerosa tempestadel!-
Quando o vento se torinu verdadeiramente terriyel, isto
depois de 11 horas da noite-os Pangains comearam a
descabir inris sohr, os outros, sem poderem nem segurar-se,
nem evitar-se. Tudo foi desordem, con"uso, e terror.
Fnto era triste ouvir os gritos .esesperados dos infte
lizes, que vendo 1 mol te diante de si,. bradavam soocorro,
e levantavam os. braos para Deus, que s os podia Q!l.
var. Confrangia ouvir esses grilos penetrantes dados por
homens, e creenas no maxuio desespe ro-ou quando o
mar os erivolvia e ameaava engulil-os tu quando arrojadns
praia vinham despedaar-se contr .os. rochedos. Al-
g ns Pangaios sossobraram -- .utros vieram quebrar se in-
teiraneiete na praia d(a liha. Os destiroio numerosos
que se tricotitram pela praia attestam ao mesrro t( po a
violencia do ten poral, as extepso da catastrophe. Com
elles alguns radav.res tem su ioencontrados ainda, que nAQ
em grande r.unmro.
Semente podi.Eram conservar-se nas ama.rrac s o Ires na
vios, que m,?ncionmos. Galera Adamastor, a Barca C(ar4
les ( Georg.. e o Bi ic~ue Amwisade.'
A (ioleta Franceza, L'Elq, que poude sustentar-e,. e
segundo de crr ticaria firme sobre osferros, tPmlwtr
garrou depois das. tI horas d -noite em conrequencia de
dois Paneaios, que cairam sobre elia, e dos quaes poud
ainda salvar 1I pes.aos.
A pericia intrepidez dos officials, a dis.cip!ina da guar,
nio, e os, moios de qiue dispunha no poderam evitar,
que a goleta perd-se alguns ferros, perdc-se o leme,
e com ouvras avarias encalhasse.- Felizmente a solid;
da sua construcao a preservou d'airir agoa e hoje esl
salva,,.depois, de alguns ex~oros felizes.
.. iate do Estado 19 de Maio,. tambem foi lanado
sJchre a praia da Cabaceira com pequena avaria no casco,
e b m assim um Paagaio mandado do Ilbo e retido neste
porto, abordo do qual estavm 4 praas portuguezas de
marinhagem, que nada soffreranr.
Alem dos navios, e Pangaios perdidos durante o temporal,
um uran le numero de l4n'l,s, e ilut'as embarcaes niudas
toram feitas pedaos contra a praia.
Os Brigues 2 -Irn,os,- eN .. do Soceorro: Flor do mear,
aarados. na praia da Ilha com .mais ou menp&avariasi aindu
se podero, utilizar, fazendo-lhes:.o- grades conertos d
que, carecem para fiavegar.
Na. terra fire, outia banda, o-tempnraldestruio; algumas
casas, derrubou muitas cabanas, arrancou muitas arvores--
matou alguns negros,. gadow-- e arrasou palmares, a
plataes inteiras. Nenhuma propriedade alli deixou de sofr
frer : e os estragos ainda que at agora nos naio spjaim iriu-
damente: cenhecidoe; sabemos que so muito: consideraveie,
e. devem austr-senaoea ruinarompleta dos proprietarios, pe
lo menos graves perdas. Na tarde do dia 2 t tempestade
foi gradualmente declinando, at cessar de: todo durante a
noite desse.dia,:
Em fim esta temporal foi uma catamidade, que, *ffwrtar


__ r. -i~_ si i ---









mais on menos a today Provincia, -no s pelos resultados
immediatos, como por aquelles que se lhes hao. de 'seguir.
Tordas as ,providencias possiveis se adoptaram pura pre-
venir os roubos, e 'desordens conseguintes a simi~hantes ca-
tastrophes Abrio-se h Alfandega, postaram-se postos Mili-
tares em diversos pontos -entertaram-ss os cadaveres -
fiseram-se recolher Alfandega os objects naufragados, e
emfim, apesar de grande numero de escravos de que'a I)lia
abunda. no ha an m grades roubos, nem desordrm alguma
a lamentar.
A media q e obtivermos .informages iremos danlo co-
nhecimento dellas ao public.
Confimos na Provideneia, tenlhamos nimo i tesig'na
.fo, e esperamos que o Governo da Metropole no vera in-
differente esta catastrophe, que to terriveis effeitoo pro-
dusio sobre a fortune dos habitantes, devendo retardar
aindla mais o desenvolvimento agricola e commercial Provincia, j pouco prosper.
d, justia mencionar que, oSnr. Juiz de Direito Silva
Campos-- o Capito do Porto, os Empregados. do Arse-
nal, o Capito Pereira- d'Almeda, Capito Taares d Almeni-
da, fe ente Carvalho eo Alferes S Nogueira, officials do
Estado maior. o Sir.' Fonseca Escrivo interino da Fazenda,
e os offi.iaes de Marinha Oliveir, e Souma d'Andrade, acomar
panhram o Governadr Geral, o coadjuvaram com os
sfi;s servios, cumprindo as ordens que lhes foram oades,
e as circumstancias exigiam "cem todo o zelo, e promptdo.


O :ufao em Moambique.

A Cida1e de Moambique acaba de presenciar e sofrrer
uma das maiores calamidades por que poderia.passar.
Como se no bastasse a progressive decadencia que ha
muitas dezenas de annos tem .cabido em sorte a esta Pro-
vincia, digna por. certo de melhor destino, a Pr'videncia pcr-
mittio'que, nos dias passados, caisse sobre ellaom furioso
temporal que arruinou para mvito tempo uma boa parte
da sua navegao e commercio; e destruio em larga esca-
la a j de si deminuta agriculture da terra firime, de cu-
jos products se alimenta a populao da Cidade.
I)e 4 havios, que se achavam fundeados no porto, ape-
tias escaparam do temiporal' e se .mantiveram seguro ns s
suas amarraes, a Barca; .Adaqm.aso a Barca Franceza,
Charles Georqe, e Brigue', Amisade.
OTs de rais., parte sossebraram abertos em agoa, parte
'oram arrojado s spraias pela violence 'do mar e do vento
Uns com ruina total, -outros wom avaria notavel,
Acresce mais esta desgraa que nem os ,leros do aba-
tilo eommercro animam os armadores s despezas do Trepa
ro de suas embarca&es, nem Moambique possue infe-,
lzmente um arsenal, provide do pnecessario,, pra acudir de
prompto a desastres desta ordem. )a se ainda uma outra
circumstancia que agrava este grandemal. Parte dos navios
sui?;os no porto, estavam proximos a seguir para os portos do
sul da Provincia com os effeitordo cormmercio trazidos do hor-
te. Haver por tant difficuldade de abastecer os merca.-as
do sul com os artigos que alli so pedidos, os quaes, tendo
de ficar detidos na Alfandega da-Capital, perderam a oppor-
tunidade de bo venda, e sero depreciados, por que a Ci-
dado nio offereet .progres, de hbstante consume.
Muitas vidas se perderan tambem neste desg~:ardo'acot-
tecimento: milhares de.piniciras e outras-rv.ores foram ar*


rancadas e'arrojedas larga distatncia: os campos, ficaram
taludos i as sementeiras, 'e pantaes d'arbustos, inteira*
miente distruidos nestas visinhanas: o que hade necessarir'
mente ter decedida influencia na subsistencia public deste
Districto.
Havia 8 dias que o mo tempo se tiha annuniriado pot
copiosas chuvas, que lesaram a ruina a'muitas hanitaaa.
da Cidadee do Continente p porem na' madrugada do I de
Abril o vento declarou-se pelo cudoest, e foi crescendo com
impetuosa foria durante o dia inteiro at is 9 horas e
media da ncite.
Comeou ento a abhnanciar: Ts 11 o mar "cahio de
repente: o vento tornou-se perfeitnamnte calma: e a athe
msfera mostrava a mais serena:apparencia.
Mentirosa illuso I....
O baromptro maritime tinha indi adco :com -nTtee que 'un grande temporal hia ter logar : des o progrs-
sivamente, at as 1i horas, a 28 polegadas e, 74 cen-
tesmos.
Tendo o vento e mar, cessado a esta horse, era de esperar
que esta rircumstancia coincidlisse com a subida do Barome.
tro: nio succedo porem. assim : pelo contrario contimura
a d'escr ate 28 polegadas e 70 cerPtirltros: o que na
verdade era de -nuito wito P Iouro~ E com Pfftito log.,
drpois o vento saltou aq noroeste com mais irosa furia, e comr
mamir estrago.
De sorte qiui, eh qanto o- emporal tcoria desrito ilo
quadrante do udoestt, ia arremnssando. as emhari-aCe ao
littoral da fabhaeirae e. auindo as arvores do Continierte:
e depois de saltar ao noroeste arr jata s praias do norte da
Cidade os navio e embarraes miud~i que tinhmri de ser
parte dest horrorosa destruio, e abatia ho Continente o
arvoredo, que no p uide resistir h tathi tiolencia.
SO temporal continuou cori fra hb dia 2: porem'do meio
dia. em diante roi declinando: e agarosa subi suila do bro-
metro deu signal de que o mbo tempo i ressar. E na verda-
de assim aconteceu. O vento rondou finalmnte no dia 3
para o nordeste; que este o remate dos tules; ou
mo .nioocains, nestas paragens.
O porto de Moambiqa e mui exposto a fstes rp oes. por
ser completamente desabrigado, e de mo fundio. E no
ha meio algum efficTi de pr term a to ruinosss ptrdai,
causadas pelos tufes, seno Iranuferindo a 4ede do Noverno
ieral para as rrs rehs da bahia da CondiIa, ondeo rln-
merci achar um bom port e a despjada-s 'gu;n, e
agr;:ultur do continent mlior desenvolvimenitt impur.
tancia.
( rotrnufdi'')



JUTrA DA PZ/NDa P uICA.
Quem quizer fornecer as dietaspara os eoentes..do ts>%.
pital, as ques eotstanm dos artigos mencionados no aviso
de, i4 dto eorr~'te, que se aeha insert no:; f Itimn na. 13,
comnparea rio-di 4.* feira' 7 d'bril pwlas 11 boa' rda
mInh, perante a J.utta da Fazenda, afim de se ultimar a
arremntaco. Contadoria Geral 30 d(e Marie de 1 58.
O-Contadori Oral, servindo de Escrivo' da junta', =a >. M
d ifoma daFon aa.ta a aa .

Na etQCoimiddf das Ordens d Juinta da ta4end 'e^tai


r-.-- I -- -ii- ---- ..









public que no dia 5.. feira 8 de Abril comea o paga.
.gamento de um mez de vencimento:a'-todos os Emprega.:
dos do Estado, que peicebem pelo Cofre Publico.;'o qual
pagamento segue ordtm seguinte, dia 8 Administrao Ge-
ral, 9 de Fazenda, 10 de Justia, 12 Eccleziastica, 13 Mi
litar, 15 de Marinha, 16 Encargos Geraes. Contadoria Ge-
ral 30 de Maro de 1858. O Contador Geral, servindo de
Escrivo da Junta.= D. M. da Fonseca

ADrINISTRAlO DO CONCELHO.
Mappa dos Cereaes entrados no mez de Mareo a
S188 dos diferentes Distrirtos daSul e Aorte.
Arroz Rath. ...............panjas.. ...........
Milho fino ...... .. ...... ..;.... ....... 2
Feijo. .................... "4
alacaca ............... a...............644

Somnma.........782

W B. No vo indicados nestevrnappa os generos en-
trados pelos Pontos fiscaes de S. Gabriel, e da praia da
Boa Vista.
Administrao do Concelho 3 d'Abril de 1868. O Ad-
mi nistrador do Concelho,= Jose Francisco da Piedade Ps.
eir -

COMPANHI DE rETEER .4NOS,
4 appa das praas que falleceram no Hospital Militar
durante o mez des laro de 1858.,

N. 59 Anspeada, Jose Manoel Rodrigues, filho de Jo-
se Rodrigues, natural de Conquelim, 30 annos d' lade,
solteiro, no deixou Espolio algum. Quartelem Mossuril 31
de Marco de 1858. = Carlos Augusto Teixsra de (.urta.
fhe, 4Aeres Commandante interino.



MOTIMENTO DO PORTO

diS T de"Maro a 2 d'Abril.

EnUBARCA5Es ETKnADs. -
No dia 27 Hiate Nacional; -Esperana, de 39 tonela-
das, Caoit Mamud. Ally Ussane. de Damo em 30 dias,
com differente- fazendas e arrz, 1 boca de fogo. 5I pes-
soas de tripulao, l officio para A&lfandega e 66 cartas
para.o.correio.
--- Brigue Nacional, Amisate, de 92 toneladas, Ca-
pitoo Amal Bay Alegy. de Goa em 33-dias, com. a.croz.a3-
suear e differences fazendas. 2 bocas de fogo. 6espadas, 25
pessoas de tripulao, officios -para a Alfandega, 11 ma-
las e 115 cartas para o correio e 14 passag.iro-, sendo 2 ba-
tis, 4 mour cianites e 6 criados.
:; N dia 29 --Pangaio Arabe, lassdmin,,dle 30, ton'eladas,
Capito Saide Bine .Sagvy de:,Zanzibar pelo Ibo em 24
dias. com algdo, fazendas Ade caixa, polvora e ..0 spin-
gards, 1 espada e 19 pessoas de tripulaio. .
- -P angaio Arabe, Mabreque, de 40 toneladas, Ca-
pito Sefo Bine Nascer, apresadoi em Pemba, d'aquelle
porto para este em 6 dias com 667 pezos e 3 quartos, 1
espingarda, 2 espadas, 4 facas e 1 Zagaia, 1 pessoas de
tripulao. 2 officis'para a Junta, 2 para a Alfandega, I
malla para- o Governo, 10 praas da. Escuna, .Angra, 'pre1


tos'para coadjuvarem a navegao. Vindo Caetano Jose Re.
'zende, encarregado do Pangaio. .
N dia 29- Lancha Portugueza,.14 de Julho, de 9 to,
,nelaias, Patro .Estevo, do Ibo em 11 dias com urzela,.
e. tartaruga, e 8 pessoas -de tripulao.
-- -Pangaio Arabe, Gomene, de 24 toneladas, Calpi.
to Amnissi, de Zanzibar pel Ibo em 36 dia, com.algo-o,
fazendas de caixa, massas, 1 dente de mar:fim, 15 eipiri
gardas, 37 barrios de polvora e 18 pessoas de tripulaco,
sendo mulheres 2
No dia 31 Pangaio Arabe,SFatal.ker, de 0. toneladas,
de Zanzibar com- destino para-S Loureno. arribadr, a
qui em 12 (lias, com algodo, fazendas de caixa, e differ
rentes medicaiientos, 2 bocas de fogo, 3 espingardas, 1
espadla e 12 zagaias, 37 pessoas de tipulao, e 1 passa%
geiro para S. Loureno, negociante Arabe.
S--Pangaio Arabe Faraha, de 54 toneladas, Capi.
to Sahid Bitane, de Comoro em 7 dias, com cauril e ger.
gelim, 1 boca de fogo. 3 espadas; e 3 espingardas, 5 za.
gaias, 38 pessoas de tripulao, 2 cartas para o correio o
2 passageiros, pretos pescadores. ,
Brigue Portugues, N. ASenhora do Soccorro. Flor do'
mar, de 90 toneladas, Capito Manoel Bay Gulanno, da
Diu por GOa em 41 dias, cori differences fazendas, 4 bo.
cas de fego, 8 espadas, 36 pessoas-de tripulao, 14 mal.
las para o correio e 11 cartas, 2 officibs para a Alfandega
e 3, passageiros, sendo banianes 4, gentios 30, mouros i
e parcel 2, para negociarenm.
Em~I cAE8 SAmIAs.
No I~ouve,
Capitania do Porto de Moambique 2 d'AbrilMl 1858.
= 4iguel Augusto-da Silva Cordeiro, dlferes do Exercito,
servindo de Capito de-Porto.

hOSPITAL MILITIA. .
Movimt.* dos doentes de 8 de Fevereiro ai 3 de Maro :



/,.mna -
D 1 OENTE.

a .o,,,m i 7o5 17 j : i 9| 9
ilram 0.6 )o -| 18 |

S aaram ^ 209' 6 10

lVicam existitdo l < i 8 j 8
N. B. Dos 19 fallecidos. 14 foram Eiropeu, 2 de lioa, e 5 nrpros" d'~
B-rca Franm eia apresada ( Charles & lGerge =..Os Europeu.. homes
e mulher, vieram a fallecer, esta de ascite essential, e aquiltpe de penep
monia cl-ronica, collite'aguda, febres intermittentei' pernpciosam. e f hro
tiphoid. O de Goa vieram a fallecei de peneimmnia cbronica ,, e outro
de hepatite aguda. Os negros falleceram de collite ehronica..
Hopdial Militar de Moaminque l.' d'Abril de 1858 O Director i,
terino, = Joaquitn Francisco Collao.


SErrata.= No number .aptecedente na Pag. 54, 5. linha
l.-.col. aonde se ,1 1858, deve lr.-e 1838.





Mo.ABIQEa : NA -iPE .nSA ,NACIOi L


~ ______





ANNO-1858.

S ste Boletim- semanal serd publicado todos os Sabbirdos,
ow no htfa antecef&nte quando aqelle seja feriado ; assigna- J
se para o mesmo Boletim, em Moambique no Estabeleerimen-
(t da Imprensa Nacional, e nos Disti~ctos da Provincia, nas
Sfecretarias dos Governos e Commandos de Villas ; as assi-
:'.atarns -do sempre paegas adiantdas.


NUMERO I5.

Preo d'asdagi tura, par annt.............r. ffo \
Por seis meze!s ............. .... .. 5 n
Porires mezes ,................. .... ROn
Por folha avulsa ........... .. ............ ar,
' Preo ros annuncios, por linha ............. 040
Coredipondencils d'interesse piarfic dar, U I,:r *go)3Q


SOLE TIM

DO G4OVERNO GERAL DA PROVINCIAL DE. MOAMBIQUE.


SAUBMAO -O WAfRIKIL.


VA ll TRAlm ,
-..................E...h..


6er t a n Vlliatc Kli I
N.0 40 = Tendo requerila o Prop-ietario Jose Praze-
res da Costa, nomePdo por Portaria .d'este Governo Geral
ry. 9 datada de 24 de Maro find, para faser parte dai
Comminsso, que deve proceder ao balano, exame e veri-
ficaRo, d Core Geral da Fazenda, e do dos defoocto. e
auzentes ser dispensado de tal Commiss'o allegauda, a
char-se doente, e em tratamento da sua saude O Gover-
nador Geral da .Provincia de Moambique, ha por conve-
niente, determinar, que fique sem effeito' a sua nmea,So:
e ornmear para o substituir -como membro d Commiso
indicada o Major Griduado do Exercito de Portugal, Mar-
cos Auretio godrigues de Cardinas. .
O que se communica aos n mmbros da Cotimiss'o j
inoteados ao Proprietario Jose' Prazeres da. Costa, ao
Escrivo e ao Thesoureiro da Junta da Fazenda,. e ao MLa-
jor Graduado do Exercito de Portugal, Marcos Atreli Ro-
drigues de Cardinas, para seu conhecimento e devida exe-
c-io. Palacio do Governo Geral da Provincia de M!o-
ambique 8 de Abril de 1858.= Joo Tavares d'Almnri.
da, Governador Geral.
N. 22= 1ll.mo Sr. = Tendo tido conhei'imicnto pelas
participaces do Capito do Porto, que abordo, da Goleta
de Sua Magestad imperiall L'Egl; foram salvos, e soccor-
ridos 14 individuos pertencentes triFulao de um Pan-
gaio, que arrastado pelo terrivel temporal na noute do l.0
do corrente, veio cahir sobre a Golla Franceza, vou em
nome d'esses irifelites que V. S." e a tripulao francza
salvou de uma morte erta, : fmtiincnte, exprimif a V. S.
os meis agradecimentos, por um act' de humanidade, que
V. S." na nobreza dos.seus sontimentos julga natural, mas
que nem pwr isso menos digno da gratid&ro daquelles
desgraados que lhe deveto a vide.
Sbei-lor deste facto, officia'menteera do meu dever, e
cumpro-o com today a satisfao, dirigir a V. S.' as mi-
nhas cordeaes expresses de reconhecimento por este ,vefr
darleiro servio que mais uma prova, se tanto fosse pre-
/-cso, que aqelles. que tem honrado -.o'seu paiz por tan-
tos actos de bravura, e intrepidez, no o deixam de hon-"
rar mnieos por actos'de huimanidade e caridade, quando
se apreseinta a occasiato, C Deos Guarde a V. S. --= Pala-
cio do Governo Geral da Provincia de Moambique '6 de
Abril de 1858. 11."m Sr. -1. Bridet,, Lientenaut de


Vaisseau. = Joo Taivares de Almeida, Governador G"rar.
N.o 23 = l1l."m 'S. = Constando-me que na note do
terrivd temporal do 1. de Abril, que tantos desastres e
perdas de vidas causou neste, porto-- V. -S.* eg~utando
s6mperte os seus caridosos, e humaiins sentiments, salvou
a vida de marinheiros da tripulatno d Hiate Lirramen-
to, que sossobrra em consrquencia do tempo, e sobre a
quilha do qual aquelles infelizes tinham achadp um ulti-
mo .ailo, que os niio poderia salvar, se V. S. os ano man-
dasse soccnrrer pelo. escaler do seu navio.
Julgo d que me causou este acto de raridade, que honra tanto a
V. S como a tripula'o da Barca Adamaslor, a queen di-
riio en noie daquiiles nafragos os mais cordeaes agrade-
cimentos. Deos Guarde a V. S.'= Palacio do Governo
Geral dta Provincir de Mocamiie ique 6 d'Abril de I40R4.
= Joo Tarares de Almiida, Gveernador Geral. = 111.
Sr. Mlanoel Francisco de Souza, Capitio da Bat'ca' Portu-
gueza = Adainaslr.
*
QuaIrtel do Gverrno Geral da PNovintca de .ntl 'qi,.:
fio Palacio de S. Paulo 19'de Ferereiro de 1858.


( Governador Geral da Provincia, Inanda publica o
seguinte, para que tenha a devida execuo:

o 1 havendo nesta Provincia disposio alguma escripta,
11 relative maneira, por que se deve proceder :veaifica-
co d Fora Armada da Provincia, 'do que resultam grved in.
convenientes ao servio e interests d'a Fazenda; send
da marer conveniencia regulariAar um to important ra-
mno de fiscalisaao pondo-o em harmonica com o, que se
pratica no Exercito de'Portugal, a semilhante respeito: o
Governador Geral da Provincia de Moambique, ha por
convenient deterininar, que seja posto em execupao o ie
guIanienio Provizorio, que abaixo setranscreve.
As aactoridtldes a quem o coheeimn.to desta' perten-
.erc, assim o tenham eritendide e. cumpram. Palacio doi
Governor Geral da Provincia de Moambiiue 29 de'J.ani-
ro de '1858 8 Joro Tavares d'Al1meida, .Governador Geral.
Regulament, Proviizorio, para as: Inspecoses de Mostra,:
CAPiTULO I.
evistas de Mostra.
Art,5 t.0--As revistas de mostra, ao Corpo d'Infanteria


!





62 .
i. ......". I

de Moambique N. 1, s Compa01ias dos Districtos, De- al: e ntio ordenar omesmo Commandante, que as pra.
positos de Fora Armada, Companhia de Veteranos," Pra- cas entrem nos seus legares para responderem chamarli
cas e Presidios, so uin acto fiscal por parte da Faienda individual. \
Public, sobre os funds que fornece para pagamento e Art. 11. O Commandante da Companhia que tiver
manuteno dos individuos e dos objects pertencentes, d'entrar em revista,-entregar em duplicado as relaes ,de
quellas differences E-taes. mostra da sua respective Companhia, documents estes
Art." 2."-As revistas de mostra so. da exclusive attri- que devem ser assignados com antecedencia e datados do
buio da Junta de Fazenda e das Delegaes da mesma, dia da mostra.
nos differences Districtos, e consistem, na vVrificao da Art.0 12.0 -Na confeco das relaes se seguir a or-
existencia e situao mentos da Fazenda, e no.abono e liquidao.dos respe- ver uniformidade no s a respeito ias praas que exis-
ctivos vencimentos. iam nas Companhias durante o mez a que pertence o
Art.* 3. Aa revistas sero mensaes; e a liquidao no vencimento, mas tambem as que acresceram at ao dia da-
"exceder a 3 mezes. mostra ; a estas pore.m, no se mencionarao os soes ven-
SAt 4. Para a verificao da existencia individual, cimentos, e serio relacionadas depois da importance li-
as _relaes de mestra sero onfeccionadas na conformida- quida das rresmas relaes
de do modllo-- A- e s results geraes, segundo o mo- 'Art.* 13.* Nas ohsrvaes se declara,, tudo quanto ti.
dllo B- .. ver occorrido a respeito de cada praa, e que possa ir-
Art." b.*-Na Capital da Provincia, a revista de mos- fluir nos vencimentos que so abonados; bem comio a res
tra ser pas.ada fora ou foras militaries aquarteladas peito da situao d'aquellas cujo vencimento no se meo-
na mesma, pelo Lsciivo Deputado da Junta de Fazenda, ciona, mas que o exame e conhecimento sja das attribu.
e as revistas de mostra das Companhlias dos Districtos, ies do Fiscal.
sero passadas pelos -Thezoureiros A'moxarifes das tDle- Art.' 14.-A siluao .das praas comprehendidas na
gaes dos mesmos Districtos. moAtra, deve ser inli S rico- No impediment, u falta' de qualquer dos dente aos ,dizeres do resume geral, marcando-se as com-
empregados mencionados n'este Artigo sero substituidos parecents e effectivas com o algari.mio 1---..
pelo empregado qi e fizer as suas vezes. Art. 15. -0 encarregado da revista de mostra, 'com
Art." 6."-Os empregados encarregados das revistas de uma das relaces, nodello -A -, far a chamada s pra.,
mnotra, preveniilo por escripto, com a necessaria anteci- as com parecentes, comeando pelo Estado Maior, e em segui.
pao Seco Militar, o dia e a hora em- que ha-de ter da , Companhia, ; respondendo as praas de pret '"p- I nua-
i:gar a revista. mero, quando sejam chamadas pel, nome e vice-versa; des.
1.- A communicao de que trata esle Artigo, diz cancando a arma n'essa occasio, e respondendo s per.
respeito ao encarregadloda revista ,de mostra pna Capital; guqtas que o Filcal fizer, quando assim ojulgue necessario
por quanto, os encarregados de pa.sarem a mesma revis- para alguma serificaco.
ta s Companhias dos Districtos, a Presidios, devero At' 16.-O Fiscal veriicar a existenria das pracas
fazer egual communicao, auctoidade superior dos mjes- que estiverem de Guardla ao Qnartel do Corpo, ou Corn.
mos. panhias, press e doentes; e para mais-facilitar esta con-
2.1 Recebida qite seja a comrrunicacao,,incumbe s ferencia sei entregue ao mesmo Fiscal uma relao das
suctoridades especificadas no antecedente, assim fazel-o ditas pracas devidainente assignada econfeccionada segun.
tonstar ao Cornmandante .doCorpo, ou das Comnpanhias io o mo ello--B. e.
respectivas. Art.* 17.'- Finda a revista de verificaco individual da.
Art. 7." O Corpo, ou C passada imostra, se aliar no dia t hora que lhe for in- a quarters e passar o Viscal a Secretaria do Corpo para
dicada postado em forma no logar da sua Parada, ou no cotejar as alteraes orcorridas em presence do livro ms*
terreno mais proximo do, seu Quartel, de maneira que o tre, titulos, e documents que oeCommandante do Corpo
Fiscal possa ver rapidamente todos osmovinentos, no ou das Companhias lhe mostraro ; e que o mesmo Eis-
devendo praa algumha setirar.se da.forna, sem que o mes- cal obrigdo a pedir para verilicar tudo o que n'ellas
mo Fiscal d por concluida a revista total da vetificao, estiver declarado.
individual. nico Qua.ndosurceda qne o Cor-po, ou Companhia'
unico- O Corpo dever former em column aberta; n'o tenha o livro de registo em dia, o Fiscal o participate
e as.Companh ias s dos itritos em linha. logo auctoriuiade compeetete, a fim de se providunciar
Art.* $P -Fa frenie de cada umna das Conpanhias. se convenientemente.
apresentaro a uma. pequena distancia das mesmas, os Of-. Art.~ 18.-0O C',mman lante do Corpo, o Major e Aju-
ficiaes, Officiaes inferiores, Cabos, Anspealads, Cornetei- dante, dever-o assistir em companhia do Iiscal, no s s
ros ou. Tur!ibores, pOrdclasses separa Ias ; a iihi de facli- revistas, mas tambem verificao dos livros e documents
tar a verifinao doseu numero pelo resimo geral.. na Secretaria do Corpo, ,para se. poderem solver as duvi-
Art. 9*.1.- Forniado que seja o Corpo, ou Companhia, das qie occorrerem e faserem-seos necessarios exar.es..
o Commandant quer d'aquelle, quer desta, enitregaa ao -Arti. 19 Verificada a copfereticia o Fiscal rec bei
encarregado da revista de mostra o iesumo, geral pr, elle do Quartel MeStre a relaco decommardos, e d result ge-
assignado e confeccionado segundo o modello- C. ral em duplicado ds relaes de mostra(modello B.)
Art." I).-i Oencarregado da revista de mostra munido
\ do dito resume geral,:passar a verificar se as praas apre-" ( Continua. )
sentadas em Parada, so. por classes correspondents ao
numero n'elle indicado. N. 57 ='111i. Sr. No dia 1t. do corrente mez a
unico-Quando o resume no estiver conforme com m oisa chuva sprndo doSul rijmene se a
o numerc~ das praas presents, se solvero as duvidas fa- a c Sul rij e d e
sendo-se no mesmo resumo as declaraes que forem pre. 4 horas da tarde, sobreveio, s 8 horas da noute um tem-
cisas; e, estando conform o encarregado da revista de porol do' SO. arrazando arvores, abatendo palhotas em
mostra previnir o Commarnt le de que a revista geral grande numero ediscubrndo oa tectos das mais bem. cons-
se acha concluida, e que pasisa.a da verificao individu-. Iruidas. .







<15


s tO horas abrandando por alguns minutes, saltou an
O. hum segundo furaco que cotn'pletou a ruira, e durou
6 horas, arrojando por terra tudo quanto P l." no tinha
devasta do.
Pelas l hors da manha correo ao quladrante de N. O.
nsais alguma cousa enfra uecido; e pelas 5 e meia horas
apontando ao, N. abrandou.
A chuva foi t3o copiosa, que" anno4 r ae. tem espe-
rimentado igual,-e amoilecend0 os te'renos em alguns si-
,tios, houveram palmeiras de braa e meia qu e enter;aio
at )s olas.
SAs 6 horas, via-se todo o0 distiicto corlhado de arvores:
derrubadas por terra, e setmelhantementee nos limitro!le,
e distrito de Quitangonha. and traibordi-u a 'poria
d() rio que conduz ao sillo denominado Suiihute, subinrtrgin-
dosse casas, gi.io e gene.
Algumas pessoas pretax morreram abafadas Cr'm a queda
- d:ns palhotHs ; finalmnente s vista se pode apreciar, hum tal'
esrago ; o ,que 'tudo se dignar ltvar ao conhecimnito
do EFx." G4veriandor Geral. Oeos Guarde i V. S. "= Mos-
suril 4 de Abil de 18';8. Ill.mo Sr. Jos Maria Pereira
de (Almeida, Capitio Ajudante d'Oroens, Fncarrpgao do
.Fxpediente Militar, seivindo de Secretaria (Geral= Th.o-
baldo Anionio da Gama, Miajor, Calpto dr e Comimandanue
das Terras Firm7es.

N" 143 I11.m Sr. -- Tthilio a honre de comnmunifar
a V. S.' para que se sirva de letar [ret';a de Sua
Ex. o Governador Geral da Provincia, que iiabo de to-
niar posse d'esta Hepartioa, conio se v da cpia do auto
qie incluso envio. l)eos Gtuarde a V. S. Moambi-
que 6 d'Ahril de 1858. -z=- ."" Sr. Secretario Grer ~'i .-
terino =O Escrivo .Vogal por Comrmiasu, Jose Z, rinm
*XLvier Alces.

]N." 26 = 111.m" Sr. =- T;nho a honra de remetter a V. S.
para sf r preente a Sua Exi." o i;fovriiuadr (;erd da ;Proi ii -
cia. o incluso mappa no qual demonstro cor, a exailido
ao me-u alcance em presena. dos ecS0lari imenitos que piqude
cdlher de pessoas tidei iinas, a8 perda as das cnrl aa as,
Tfazenwas e vidas, habidas n'este Poito no fatal nia e iiute'
do 1." do corrente mnez : e queira V. S.' asseverar a0o r.enio
Sx.ma Sri que no poupi, diligencias para me apruxiitar
o mais possivl' da verda(e.-
-evo fazer metal o aqui. para que V. S.' se sirva fazer
'tambem present a Sua :Ex., que Esru a (de guerra Frain.CsaZ = 'Eye='L.elaire; e da
Barca Portutgueza = Adawas: p~ir =rlanoel Francisco de Sou-
'a, se houveram na iioute da catastrophe do modo-hiais
.umano .pssivr.I, salvandc o' 0 1. : pessoas de 2 Pdnaai-
os c o 2.' 4 do H iate = Liirameito-- ;:eircumsniajnciai que Jiul-
guei rIpefialilar para ser submeltida consid!Iaio do mes-
mo E .mo Sr. = l)eos Gnarde a .. -= Capilana do Porto
de Moambique 6 d'Abrnl de 1~5.= l11) Sr.- C pi-
to Ajudante d'Ordens, Encarregado do Expediente Mili-
tar, servindo de Secretario Gernl:== iguel Ay.qusio da
dilva Cordeiro, Alferes servindo de Capia do Porto.

C CAPITANIA DO PORTO DE MOAMBIQUE.
MAppa demonsiratiio das embarca's que, achando-se fun-
adas insti Porto no do corr1nte mes, ,au'fragarami e
das qte soffreram avaria pelo temporal desfeito dcse dia atli
'madrugada do seguinte.


Embawrafes Peidldas.
Hiate Portleez Livrnmenti, Capitilo Sabudikie Ibramo. Quebrando o
ferro fui garra e sossolroii junto Barca Portugueza Adamnastor, salian-
do-se 4 pessoas da tripulf ,o por auxilio da mesma lBrca, teIdu mrrido
j uma.
Panzaio Arabe Salarmotti Capitao Matt. Garrou at praia junto 86
Matriz, onde se partio, perdendo part da carga, aalvando-se porem a tri-
pulao.
-- .Laulau, Capiio Adamo. Garrou vindo quebrar-se na rocha
da praia em frente diu Palacio do Governo, salvando parle,do 4ue posbuia
etuda a tripulaao.
---n Ursanga, Capilao Salemnne. Garroi at praia junior da
casa du Damador Bevanidlasle, onde se quebrou, salvando-se a tripiilna).
*- '- Leadra, Capitao Amad Bine. Abud. Estava enapalhado .em
lasiro na praia do Seleiro, quebrui a amarra, foi ao mar e tendo de.novu
vindo d'encontro praia qnal"rou-se salvanlo-se a tripulalo.
- m Fatal-Ker, Ciil ilo Baralumo. Estava encalhad(h, a praia do
Seleiro, qulerou a afarra, f,i para o mar onde abrio totalmenfe em flrn-
te da casa do Ear'ivao Cordeiro, morrendo ,7.pessoas da tripulai;o.
S-- a-- oanapunga, Capito Dine. Havia salido deste Punlo ;ara o
Norte no dia, 30 d.,Maro, tendo vento Norte descalii para .oSul e nu
dia J1. veio so.isohrar junto i Chaa morrendo 14 pessoas da tripjulao.
-. -- Faraia. Capital Sahide.RBitane. Garroui f.i sossobrar a. 30
braas de distancia para a terra, da Barca iA(ntmastor, perdeildo 'a car-a
e morrendo 9 pessoas (a Iritilao, tendon o rest sido salva ;_pla Escuna
de Gu-rra Franeeza 1'El. '
F--Fatal-Ker. Capito Amad. Garrou, estando em lIstro, indo
d'cncuntro rocha junto casa do Nizamodine, onde se quebrou salvando ,
part do que posniia e toda a tripulaasJ.
-- Jasseminie, Cabil Salimo Bine Salimo. Garrou l a praia
de S. Gabriel < ndi se quebrou, em lastro, balvando-se poreim .tripulaio,.
-- Jambene, C'apito Binalfane. Quebrou o ferrny ti f gri r:ig
desredaando.se na praia fronteira casa de Jose Filippe d't(liveira, sal-
vando-se toda a tripulao e muitos objects.
-- -- Gomnne, Capito Amissi. Garrou at cabaceira grande emn-
fre-nte ido-riachoInlacate, onde sossobrou, nio se salvando pessoa, alguuna
diisJ-j qu<"e comniinhapi a tripulao. : .
*--.-..-'Fatal-kter, Capitrio Sahide Binacer. Quebraido a am'rra fti
d'encrintro rociii junto casa de Nizamodune, onde partio, perdendo a
rarga e 3 pessoas da tlipula!lo.
Embarraces que saffreram grades avarias.
fliate do Estado 1J9 de Maso, Mestre-Jo'JoJose. Ganou quIhirardo o
ferro. foi praia da ('ala Sse:una deguerra Franceza L'Eiir, Capilao Le Claire. Perdeu o leme e
veio praia srei trrda de pessoa algum, havendo de doilte salad parte.
da tripuilai(: de 2 Paneios.
Brinue Ptrtiinuei., i. S. do Soccorro For do mar, Capitlo Mamael Ray
Giilamo. Veio A garra at praia junto S,, onde abrio e avariou part,
da ca r a. salvando-se pomin toda,. a tripula,,. ,
L 1-- I ris Irmn,os Car'iito Mussagy Rry Valie2y. Veio ', rarra
at Ipraia junto du Arsenil, .co m m bocado da amurada partid a a bum-
brrdo. salv;indo-se porem a tripulaio, com alguns objects avarindos.
H ulte P-rlImeiez .tpraia, Capif Msmad Aly Ussene. Quebrando o
ferro. veio praia jlnito au Arsthal, tendo partido o leme, e umi bocado
da amurida, salvanmil-se porem a tripulao.,
P'iangaio Aral.e } tal-Ker, Ca'it1o Abdal Bine,Chamelan. Filando rni
railido na praia dio teleiro quebruu a alnurra e fr.i ao mar na ft nte lda
casa do' EF< rivil, .Crdtiro, pirlindo a popa, ialvando-se pot m a trijimlasiSo.
--- .Manuvcro, f apilit, Rubia. Estava encall'ado na praia do
seleiro quebrou a amarra, foi ao mar, e soperdeu o Escaler
---*----Fatal-Rer, UC'ili, Piruiro. Fstava encalhado na praia d
sel-riro, peldeu o leme e abrio cosiira, salvando-se a tripiia,o.
.- Stgy, t apito Ass,,ne. Qutbrando o ferro, prnfunidoii viran-
do-se em frentp a. casa de Jose Vicente da Gama, morrendo 2t pessoas da
trijiuliri;- F.i sfo i o dlia 5 sei 'maiores avarias.
-- --- fatat-K ', Capitlo Mamad Bine Amiisl. Garrou e fi.A
prian da cibaceira grepde, salvando-se a tripulao.
- Fat'li-Kli Capitio )A)y. Garrou e f;i A dita praia perdendo
parte da caga,. r av.ari'rdo oulra, salvando-se po'rem a tripiulano,.
-- a- : .lina.'.-de, Capitio Aly. Garito at- praia mencioadai; per.
dedi)b 4 Tf rros, salvanado '.lrm a t'rpulai>, ,
---.'--i--.labrq e,,. Capito Sefo Bine Nacer. Garrou e fri & dita
praia, avaliando um pouco a carga, salvando-se poem a tripula o, 5 pr.
as (Ia tscunna sniora, e o dineiro que trouiera de Pemba.
-L-a -- Fraha,' Capito lMbaraca; Garroui e foi kate ao matngaiL '
beira da'praia dd cabaceira grande,; salvando-se porem a tripulao e
mais. que linha. "; '
-"'"--a Ccat~pitlo Salide Bine Amad. Garroi -eroli paia
da cabi-ceira grande enl lastro, cnde abrio,. adIvano pore-m'an triplii "o.'
N. H. Alem 'das: FmbarcaeSe' ja designadas.. periermin-s e', avatiia
ram.-se qitasi todas as medas que existiam aeste Porto.
Res.m. -
S EmiFnareaes perdidas. ... .... : .. ... I
Ditas que soffreram grades avarias .................. ....... 15
Pessoas morts.; ................................. .... 55
CalJitania" do Porto de Moambique mu 6 'Abril de 1.858. = 1 igvelo
4i:gsitt d triSlai Cord3ro. A-tere4 do xerc'lo, sorrtislo .dS CL t'ro









Sy~opse das OLservaes Meteorologicas medias e corrtrtas durante o mez de Fevereiro do corrente aane.
. ____ I ______.. * : __ ._ __ .'- * ,__ _


O .9, da n.
.' Altura
Correcta


- Millimetro
SMillimetro


s


rhermometr '


9 h. da n. a 9 h. da n. '
Thermometrographo. Variacio Media
Maximo. Minimo. Nocturna. da noite.


Graus Centesimaea


Psychrometro


.i i~"~----r1


9 da n.
Tensio do Graus de
Vapor ath- humidade..
mospherico.


Millimetros


-edis i i i a,
do mezdias .59,04, 29, 22 -7, 25, 23,22 94,9
do mez


Presso
S ., 9 da n.
Maxima .. 762,98 em 3
S Minima .. 755,48 14
Variacio miax' 7,50


Temperature
9 da n.
Maxima absolute .........30.7 em 4
Minima ......... ......26,3 2
Variao maxima .......... 4,4


H.umidade
9 da n.
Maxima .... 99, em 8
2 Minima .... 91 .- 9
Variao mx' 8,


Pluviometro
de Mr. ,Babi.
net


O







o
1-


OBSERFVAC ES.
At ur1 A elevao media da casa das Observaes 3,25 metro.
A do Pluviometro contada do'plano do terrao 1,17 metros.
A do Psyhrometro id., 1,77 metros.
A do terrao onde esto situados.o Pluviometro e Psychrometro sobre oterreno immediatainente adjacent 8,70
fnettos.
Horario- Epochas diarias constantes -las observaces: 9 da m, m-d, 3 da t. e 9 da n.
Neste mez esteve a athmosphera alternadmente cuberta de Cirrus, Cumulus, Nimbus, alguns Stratns, e de Strato
--Nimbus; porem a maior parte das veses de Cirrus. Bem poucos dias totalmente forrada e alguns sombrios, mas fres
cos. -Nos dias 3, 4, 5, 8, 9, 10, 12, 13. 14, 15,, 16 e 20, honveram trovoadas: as mais sensiveis foram quasi immi.
nentes a esta Ilha, tiveiam logar nas noites de 12. 13, 14, 15 e 16. -Cahiram fortissimas eseguidas descargas elec,
tricas com alguma chuva e vento norte de rjadas; em as noites de 12 e 13. Pelas 9 da noite d. 12, houve um'
grandissimo p de vento e com alguma chuva, o qual foi de mui pouca dlurab..- As descargas electrical partiam por
ultimo de .todos os quadrantes, em as notes ultimamente indicadas.
N. B. Os nomes das nuvens que no mez de Janeiro form constantes e cuja publicao em Fevereiro foi abbret
viada, podem conhecer-se agora, que tem logar por extenso as que respeitam ao citado mez de Fevereiro.
S. As Observaces que ora se publicam pertencentes a Feveieiro, no poderam ter' logar em todo o mez por motivos'
attendiveis; -- entretanto vo exactas as dos dias em que se podei am fazer. Posto Meteorologico de. Mocanhbiqu6 no
Palacio do Governo Geral 5 d'Abril de 1868. = Jeronimo Vicente da Palma Junior, Allres s ordtns.


SMOIMENTO DO PORT

de 3 a 9 do corr.ent

EmiArciEs ENTRAD4AS,
No dia 8--,Lugre Escuna Portuguez, P#tulunte de 240
toneladas,.Capiti Francisco Domingues Villa Nova,. de Ga
em 34 dias cor' Assucar, ralitroe fazendas de lei; 12 pes-
soas de tripulaco'"t Ifnah para u correio e 7 passageiros
sendo 1. Europeu e 6 mouros, ex praas do Brigue D. Joo.
de Caruro. .
No dia 8 -B'rigue Portugu z, Vcstal, de .93 toneladas,
Capito Cassamo Vallegy, de Goa em 45 dias com 1 mas-
tro quebrado fazendo agoa, differe,ntes fazendas e generous;
1 boca de fogo, e 1 espada, 20 pessoas de tripulao, I
efficio para a Alfandega, .230 cartas, 4 malas e 8 massos
de jornaes para o correio e 8 passageiros,' send 6 nego-
piantes e. .2 riados..
Hiate Portuguez, Camelita, de 24 toneladas, Ca-
pito .D)al, Acubugy, de Quelimane em 4 dias com lenha,


1 boca de fogo, 10 pessoas de tripulao, 1 officio para a
Alfandega, I carta r.ra o coardio e 2 passageiros, send
1 Baniane negociante e 1, mouro marinheiro.
No dia 9- Hiate Americano, E. H. A'iler, de 172 tone.
ladas, Capito H. A. L. Patte, de Quelimane em 4 diae
com algodo, 1 boca de fogo, 10 pessoas de tripulao, 4
officious para o Governo, 1 para a Alfandega, e outro com
61 cartas para o correio, e 5 passageiros, send o Reve-
rendo Padre Jose Francisco Na-areth, o negociante Chris.
tovo Colombo Generozo, e 3 criados, .


-EMiiRaicES SaHinAs.


Njo houve.


Capitania do Porto de Moambique 9 d'Abril de leSb.


r A
=- iue ugo N I CordiroP Alier, o .it



MOAMBIQUEI: NA IMPRENSA NACIONA i.


--i







ANNO- 858.

SEZe Boletim semanal .ser pugblcado iodois as Sabbados,
i,: no dia nteeedenti quando aquelle seja feriado; asigna-
e para o mesmo Boletim, em' Moambique no Estalelcri;ien-
}to da Tplrensa Nacional, enos Districtos da Provincia, 4as
. Rcretrias dos Governos e Conmmnandos de Villas ; a ass-
' :c!,raJ So emiprs pagas adiantadas.


NtJf~1BO ~6.


Prseo d'assiagnDlra, p.', anno............. r.
Por seis n. ezes .... ............. .... .. .
Por trees mezes ...... ..........
Por folha avulsa .......................
Preo dos annuncios, por linhi ...........
Correspondencias d'interesse particular. idce .
h!


!!800
l500
&0oo
&20o


hEi

G,01UvERNO GIr:.BL B A PI O H N C 1 A DBE MOCAmBQff'E


Accordo em Copselho de Districto o .
Que vistas e examinadas as contas da Receita e Despe-
7a-da Camara Municipal do Concelho de Cabo Delgado,
relatives ao anio de 1857, I'e prestam a sua ajprova,C,
por serem encontradas em conformi(ade do Oramento,
que lhe havia sido mandado 1:6r em xecuo -sendo a
lteceita de 300 058 reis-a Despeza de 6533',1 reis
c o-saldo a favor de 23M-717 reis--que Iiassam ao ac-
tual anno de 18"8.
M7oambique, Sala do Conselho de Districto em Sessio
de 31 de Maro de 1838. O Governa or Geral, Ta-'
vares d'Alm eida. == SUrla Camrpos.- C,. l. Mo.ults. = F n-
seca. = lenezes. C. ardinas.


Accordo em Conselho de Districto .
Que visto o examinado n Oramento da Camara lMuni-,
rlal do Concelho de Cabo Delgado para o corrente anno
de 18;8, lhe prestam a sua approaco, por se achar con-
forme s presripes do Codigo, Leis,, e lt'egulomentos sub-
stquentes; devetulo porem a C aara quiando de f.1luro
Louver de proceder conifec do sfu Oisrmento, especi-
fcar todas as verbas de Ibeceita, servindc-se para esse fim
quando forem incertas- -a noedia dos rendimrentos dos
cinco annos anteriores.
Moambique, Sala do Conselho de- Districto em Sesso
de 31 de Maro de 1858. O Goernador Geral, 7ora-
res d'AlmiPda. = Sil'a c('mpos. = C. M. 'Muuls. == on-
seca. -= fenezes. = J. Cardinas.


Accordo em Conselho de Districto '.
SQue vistas e examinadas as contas da Receita e Des-
peza, da Confraria do' Santissimo Sacramento da Freguezia
da S Matriz de Moambique, referidas ao anno de 1855,
lhe prestam a sua approvaao, pelas acharem justas .e con-
i rmes-tndo sido neste annoa Receita de 959693,
rers, a.Despeza de 149/'025 reis, e o saldo a favor 8106G8
reis ;'devendo porem .de future as mesmas contas serem
datias e confeccionadas, em conformidade do que a seme-
lhante respeito se acha prescripto pelo Decreto de -21 de


C-0 E1 1 1%o G I, 1 Ak


Outulro de 1836, e Instr-ces subsequentes de 12 do
Dezembro de 1843.
iMoambique, Sala do Con'selho de .Distrio em Sessao
de 31 de Maro de 1858. O Governador Geral, Tava-
rs d'Almeida. = Silva Campos. = C. M. Moules. F Fn-
seca. = Menezes. = J.' Cardinas.


Accora o emr Conselho de Districto N.i
Que vistas e examinadas as contas da Receit e nepepa,
da C nfraria do Santissimo Sacramento da Freguezia da
'S Matriz de IMoambique, referidas ao anuo de 1856,
lhe picstam a sua approvaio pelas acharem justas e con-
fornres- tendo sido a Receita ,de -67S,142 reis, a Dets-
peza 7F i-8 reis, e o saldo a favor de 791a,292 reis
devendo porem a Confraria seguir a respeito das contas de
ipual natureza, o que fica dito no Accordo que apUrovou
as relatives ao anno de 185,.
Srtanmique,: Sala do Conselho de Districlo em Sessro
de 3f de MIaro de'1858. O Goyernador Geral, Tora-
rs d'Almeida. = Silva Campos. = C. M., Moulses. F=n-
secu. i Mlcnezs. = J. Cardinas.


Accorrio em Conselho de' DiStricto t
Que vistas e examinadas as contas-de Receita e Despeza do
Camara Muniiciipal do Concelho de Moambique, referidas ao
annofindo de M857, lhe prestam a sua approvao, pelas ail a-
rem justas. e conformes, tendo sido a sua Bereita
de 1:070 t4 reis-a Despeza de 1:121.,692| reis-
resultando um saldo contra de 51:547 reis. A Carar
dever de future, quando apresentar as suas contas, fazel-as
aconianhar das Copias dos Orameirtos referidos aos dois
annos anteriores.
Moanibique, Sala do Conselho de Districto em Sesso
de 3,1 de lMaio de 1858. O Governador Geral, Tara-
res d'Alme'ida. = Silva Campos. = C. M oles. = Fon-
seca. = Menezes. = J. Cardinals.


MN." 09 == Ill.m Sr. A boa vontade e promptidio,
com que V. S.' pz disposico do Arsenal, todos os pei-
tences necessarios, para poderem ser socorridos os navios,
que o demandavam ser, por effeito das avarias, que soffre-
ram cor o' temporal, que teve logar no, dria 1. do corren-
te, nuo podia por mim deixar desert agradaveliente nota-
Ja,' e muito ;me compraz agradecer a V. S" este fact,
que servio para mais comprbvar, os, seus desinterssados, e
generosos sentimentos, b-m como a sua decedia coadjuva-


.A










o,. que sempre se tem mostrado promto a prestar ao Go-
verno desta Provincia. Deos Guarde a V. S. = Palacio
do Governo Geral de Moambique em S. Paulo. 10 d'Abrdi
de t158.. 1ll.'" Sr. Jacilthli de Jesus e Siva. = Judo la-
iares d'Almneida, Governador Geral.



RBRh.e11 A ORC RlM,.A
( Concluido'-do BooletI n.* 45.)
CAPITULO II.

Disposies geraes.
Art.0120."- O Commandante do Corpo e Companhias,
4o respnnsavpis pelos actos da sua administrao, t pela
-auctoridale que lhes confiada.
Art.' 21.o-Quando qualquer Comnmaridante deixar o
Commando, nq s assignar os docuimetitos relatives a
sua amninirtrao, mas tambem responder por qualquer
.alcance, ou irregularidade que for eicontrada.
Art. 22.- Commiandante que tomar o Commando,
verificar dentro do prazo d'um mez, contabilidade e
gerencia da a lministrat(>. do seu antecessor; e quando,
encontre alcance ou irregularidade, o con:n.uticai logo
ao Governador Geral da Provincia afim de que possa a
tempo obrigar o verdadeiro responsavel, a indemnisar a
Fazen ia.
unico-Quando .por motivo de morte, ou outro ca-
so acci mental no poder o Commandant.e responsavel pies-
tar a sua aisignatura na conforimidade do que fica dito no
artigo antecedlente, o Cmni andante. seu successor suprir
essa falta assignando as contas e documents precisos; fi-
canto .porem salva 'a responsabilida tura houver feito previamente a dita participao com to-
das as circumstancias que ficam referidas.
Arte 23. O encarregado da revista de mostra no
auctorisar abono algnm, sem que esteja leteriiinldo por
lei, u ordleri v-igente; ou sem que pelo Governador Ge-
ral lhe seja ordena-lo em Poitatia especial.
Art.0 24. as revi.tas de mostra sero passadas impre-
terivelmente at ao dia 5 do mez immediate quelle a qiue
a mesma mostra diz res.eito ; e achar-se-io liquidadas den-
tro do prazo marcado no artigo 3.? do cap. 1."
SArt." 25.'- Os encarregados das revisits de mostra, con-
responder-se-ho com as auctoridades competentes,para
.haverem d'ellas todos os esclarecimentos, que. o bem do-
servio, exigir, quanlo form ne'essarios takes esclareci-
Inentos para a liquida dtls mostras e de mais trabalhos
a seu cargo.
Art. 26. Depois de ultimalos os trabalhos da liqui-
dao,.o encarregado Comman.lante do Corpo uma das relaes de que trata o
Artigo 11.* dto Capitulo 1.0, declarando por extenso a im
portancia em que foi verificada e abonada na result ge-
ral: cuja declarao-assigriar, e esta relaco ser enviada
Estao competent para o resgate dos interinos do Corpo.
Art." 27. Quando por qualquer cauza accidental no
*possa ser pas-ada a revista de mostra .dentro do pi'azo
marcado ,no artigo 24.0, os encarregados das mesmas re-
vistas o conmmnnicaro auctoridade competent.
Art." 28.- No caso de duvida nos abonos, o,encarre-
gado das revistas de mostra no.demorar por isso a-sua,
liquiaco, por quanto dever fazer o'competente abati-
mento dando parte aurtoridade superior e a esta per-
tencer conformar-se, ou no com a opinio do, Fiscal.
Art.o 29.-1 TudQ quanto fica prescripto tios differences
Artigos a respeito das ieistas de mostra a passar aos Cor-


pos, ser applicavl mutatis mutandis s Companhias dos
Districtos, de Veteranos, Presidios, Depositos, &.
Art.0 30."- Os moddllos mandados adoptar serviro pa-
ra todos os Corpos,, Companhias de Districtos, de Vete-
ranos, Presidios, &, e devero ser impressos na Impren-
sa Nacional, d'esta Prvincia.
Art.0 31."- lncumibe' Junta de Farenda, mandar pro.
ver as Delegaes dos DiLstrictos, de tantas Relaes e' de
mais miodllos, quantos os que entender precisos, para se-
rem expostos venda, para consume da foia ou foras,
*nos imemios estacionadas.
'Palacio.do Governo Geral da Proiincia 'de Moambi.
que 29 de Janeiro de 1858.= Joo -Taztaies d'Almeidau, Go
vsrnador. GsraL,
(seguem es modellos)


Tendo.se cJe.ervado, qute algiumas inforimaes. e guiars
d'assentaninto de praa, pertnenentes s praas. que mu-
ldanm de destino, o.u ,ao-mnandadas passar a continuar o
s io d<'umas1 ara outras Companbias *dos Districtos, tou
destas para o Batall,o d'Inanrteiia de Mtani.bique n." 1
e vice.versa, no so coordenadas com a exactido e tla-
rerz precri,,., rir 'iso que algumas tem sido enviadas a
Sei o Militar com faltas e erros nttaveis nos seus differientes
pontos; e send de absolute necessidade, que aquelles do-
cumentos iu quaesquer outros relatives carreira military
das praas sejair confeccionados com a maior regularidade ,
o Coevernador Geral da Provincia de Moambique, deter.
mina :
1.' -Que os Governadores dos Districtos, Cmmandan.
tes, de Pracas, do 1atalho d'Infakiteria de Moambique
n. 1, e demais auctoridades nilitares, prestem a maior
atteno e cuidado, para qne na factura d'aquelle rnao
d'txpediente se sia'm as rdens em vigor, que auctori.
zam as differences verbas dos assenlainentos.
2. Que solicitem pela Seco Militar os esclarecimen-
tos precisos, para preenc.hinen-to d'aqueliles pontos em qus
nos differences Livros Mestres se encontrem faltas, erros,
ou enganos.
3."- Finalmente, que as guias dos assentamentos per-
tencents s praas, a quem forem concedidas passagens do
umas para outras C2ompanhias dos Distiictos, ou do Bata-
lhao d'lnfanteria de Mlciiambique rn. I aiaa estas, e vi.
ce versa, sejam sempre re nt.tttiias Ser5o Militar. pa.Ta
serem em si-guida por alli .enviadas ao destino ct:nmpetena
te.
As Auctoridades a quem o conhecimento desta pertencer,
assim o tenham -entendido e cumpram. Palat io do Gover.
no Geral de 'Moambique 30 de Janeiro de 188. = Jos
lavares de A4lmeida, Governador Geral.


Por Portarias do Governo Geral.
De 4 de Janeiro.

Batalho d'Infanttria de Moanique N.' 1,
Nomeando Tenente Ajudante, -o Tenente que se achava
exercendo interinamente aquellas funces, Frederico Au.
gusto Gourgelt.
De 5 de Janeiro.
Hospital Militar.

Dispeisando do exercidio de Director, ao Cirurgino m6r
da Proviniia Manoel Antonio da Fonseca, por assim o haver
pedido, allegando o seu estado valetudinario, o numero de
anno'do servio effective prestado nesta Provincia, e estsa


~~-L--ar.ra~~--g~-irr~---.-c i i-- c~ai-i~ilaiiiiiii-~iiiv r-Li~YC11iIii~ I~-Y-~
-- --






. 67


dependent da rezoluco ds Camaras Legislativas a proposta
" feita pelo Governo de Sua Magestade para a reform do mes-
mo Cirurgio, ficarido comtudo obrigado s Inspeces da
.luata de.Saide, e quelle servio, que ascircumnstancias exi-
.girem, compativel com as suas foras;
Nomeando, Director interino, ao Cirurgio de 2.' Classe,
Joaquim Francisco Colla:o.

O Governador Giral da Provincia, tendo observado por
occa .,io da vizita que fez ao Hospital Militar desta Cidade,
0o dia 1.o de Janeiro do corrente anno, o aceio em que o
mesmo se ac:ava, e a reguraiidade com que o servio era fei-
to, manda louvar nao s o (.irurgio de 2.' Classe Joaquim
Francisco Collaco, encarregado interinamente da Direcco
d'aquelie Hospital, como tambenia todos os Empregados do.
mesnmo pelo zelo que teem desenvolvido no desempenho das
obrigaes inherentes a um to important ramo do-ser vio
public.

Sendo coavenieate regular o uniform de que devem uzar
os (fic:iaes dai extinetas miiicias, aquem forami conservadas
as honras dos postos que lhes liaviam sido conferidos, se
declara para conhecimento dos :memnos officials., em ana-
logia com o Avizo do Ministerio da Guerra de 22 d'Gutu-,
brio de 1853, que os ri feridos ofliciaes podero uzar das
golas, canhes, e vivos dos Corpos a que pertenceram,
com a altelao, porem, de ser a solbrecazaca, e barreti.
na, do actual padro d'Infanteria de linha, maj com bo-
tes, divi/as, charlattiras,-e chapas de metal biaiieo.=
Joo Tavares de. Almetda, Govervador Geral. Est con-
forme, Secretaria do Governo Geral de Moambique 19
de Fevereiro de 1858. = .osl Mria Iereira d'Almeida, Ca-
vito iAjudants d'Ordens,, Encci regado do Ezpedients ilitar.

SSinorse das Portarias de nomeao e exonerao e.pe-
disas pela Secretaria Geral d'esie Governo, desde .9 de.ia-
wniro findo ale 13 'do corienie.

Janeiro 29 Fxonrra pelo requerer, Joaquim Salva-
do- Pereira, do cargo que exercia de Maconde das Terras
Firmes.
Fevereiro 4 o- TVoieia, Jose Tgnacio da Pena Assis, Me-
didr. e Peiador, da Alfandega de l.oambique.
Dito 28- Exonera pelo r, querer, Jose Pedro de AI-
ieida Cabrita, do lugar de Amanuense de 2.* Classe ,dia
;.crertalia Geral do Governo ,
M~aro 12 H-novo a nomee.c'0o de Paud Ban, para
continuar a exercer o lugar de Patrao do Escaller da Al-
ftndega de Mioambi.ue.
- Nomeia, Antonio Pedro, Marinheiro Graduado,
que foi do Brigue de uerra --T'jo --e depois Mestre da
Escuna---. d'Abril Mesre do Patacho de guerra-
Zambez.
Abril 12-Nomeia, Miguel Theotonio Rafael Condi-
nho, Amanuense 'de 2. Classe, da Secretaria Geial do Go-
verno.
Dito 13-Nomeia, o 2.* Tenente da Armada Ral
Antonio Joaquim Rodrigues d'Oliveirr, Commandante da
Barca apresada Charles George.
Nomeia, o Guarda :Marinha da Armada Real,
Eduardo Augusto d'Andrade e Souza, Iminediato da Barca
apresada Charles. ." George.
Relao das Embarca oets miudas, qu6 se 1)erderm- e
Relfio das JEmbarcaps miudas, que se perder'rcm e


das que soffreram grandes avarias, na noute do 4.o do cor-
rnote por efeito do Temporal que teve logar.


N." dos Proprietarios


SEmrbnrcaes miudas

Perdidas rera
avarias



a ,1- S ,,
-C3 3 < C O
ia -i i.i- a ^


53 2 8 15 2 11 3

O Alferes do Exercito, servindo de Capito do Porto,
d part em officio de 14 do corrente, que no dia 1.U
naufragra na Bahia de Ferno Vellozo o Pangaio Arabe --.
Mlabruque= que tinha sabido do Ibo com destino a sta
Cidade, carregado de differences Fazendas carga que per-
leo---salvando-se porem a tripulao e 200 pezos em di-
nheiro. A gente que compunha a tripulao chegou no dia
12 a esta Cidade.

JUNf'A DA FAZENDA PUBLIC.


A Junta da Fazenda precise comprar uma porso decal
Ipara as obras puhlicag, as pessoas aquem convier arrematar
este fornecimento pelo tempo de tires mezes, comparecero
perante a.mesma Junta na proxima Sesso de 21 do cor-
rente. Moambique, 17 d'Abril de 1858, O Escrivo Vo-
gal por Commisso = Jose Zefenno Xavier Alves.

O Doutor 'Licingston ao Conde de ('larendon. Tete, rn
Nyungue, no rio Zambeze Africa 19 de Maro de s 5G.
( Concluido do Boletim n. 11 )

Para concluir, pedirei a atteno de V. S." para um im-
presso sobre o effeito dos esforos empregados para sup-
primir o trafico d'escravos. uma publicao, quasi offi-
cial, do Dr. A. Bryson, na qual se diz, a pag. 254 a que
as medidas preventivas tem falhado completamente at ago-
ra, havendo disto provas lamentaveis, e toda a razo para
crer que contintarao a ser inefficazes E mais adiante se en-
contra que evidence e claro que ns ttmos augmentado
os horrores do trafico da escravatura .
Esta publicao foi feita em, 1847. Eu julgo dever of-
firmar a V. S.", do modo mais positive, que takes idas s
p(odem ter sido suscitadas por commerciaites de escravos,
em paiz aonde se exerce-se este trafico. com effeito nes-
tes paizes que se propala aquella opinio, por parte dos que
so direct, ou indirectamente interessados no trafico, pas-
sando assim quelles que no so uma nem outra cousa, e
no tem meios de saber a verdade.
Aqni me ho dito, com a maior seriedade, que os Ma-
ravis matam agora todos os seus prisioneiros, sem excep-
o, entretanto que, antes da supresso do trafico, os guar-
davam para vender aos brancos. esta mo, tandade que
constitutee uma parte do augiento de horrores que se nos
attribuem, em razUo das nossas medidas para aquella' supres-
s,o Porem e'i tenho observado, que as guerras, a no se-
rem por causa dos gados, raramente tem logar. Muites


'I' -~--UII I~ I ~"L~~~I."P-L~"U--~ IIP -~-LC~-L
-










tribus deixam de os crear, por serer origem das invazes.
Concluo, por .tanto, qie as guerras. com o fim de fazer
prisioneiros, d#,vem ser consideradas como conseqduencia
exclusiva do trafico de escravos, e a morte' daquelie deve
tambem ser lanada .mesma conta.
Teno sido distrahido, por este especioso argument em
favor da escravatura contra os nossos cruseiros, dtiei ago-
ra, que me ufano de pertencer a um paiz cujo governor
tem a elevada coragem moral de prosseguir rios seus es-
foros para beneficiary os escravos, apizar de sin:ilwtantes
soprhsmas com que se pretend contrarial-o. Entre ettes
beneficios, ninguem poder near o facto de j se no 've-
rem as Fecuas. de escravos, capinhando aberlamente para
os Jogares de embarque. Os proprios commercianies. dizem,
que ha actualmente maior risco ncquelle trafico, do que em
qualquer jogo d'azar. A isto podemos ajuntar a opinio
geral, de que o trafico de escravos, afastando a industrial
de todas as fontes estaveis de riqueza, tem sido a causa
principal do estado de abatimento da Africa oriental e oc-
cidental.
Se o Governo portuguer no tem ,conseguido mais, em
obstar a que o seu proprio povo se erregue oo illicito tra-
fico, isto anui no surprehende, coino na'lnglatrra. So
muitos os embaraos que -soffrem bqui a execuo das Iris
repressivas. Sendo diminutos os vencimentos dos officiaes,
que exercem a auctoridade superior nas colonies, elles se
acham na necessildade de commercial para subsistirem;
por isso mal poderm executar rigorosamente a lei contra ou-
tros commerciantes, com quem podem ter dependencias pe-
cuniarias.
Bin desejra powder indicar algum meio de desenvo'ver
os ricos recursos deste bello paiz, tornado imnross.ivel a
volta do trafico de escravos..Se uma contpanhia particular
quiresse dedicar-se extra o de carwno de pedra, ,u tde
ferro, seria um feliz principio para animar os habitantes;
tmas no.sou asss visionario para affianar o bom resultado.
Este paiu he muito inlhor que o do CaLo, e para ns de
grande importantia ; pois que a maior parite do seu com-
mercio se faz .paia a India. no )uavendo outro meio cir-
culante seno a fazenda de algodo iiglea e americana :
a primeira he tida em muita estimao. A Inglaterra he mais
beneficiada neste conmercio que PoVtugal.
eceio ter ,isnseivclmtbente passado para um estilo mais
familiar do que he proprito: escievendo para a minha pa-
tria, aonde espero achar-me d, ntro de um ou dois mietes,
depois de desseis annos de i;is, nia, era-nie difficil re-
primir 'a expanao d>s sentimentos. No send isto um
do,:u neinto public, espero que Vossa Senhoria me des-
culpar.
O seu -mais obediente e humilde servo, (Assignado)
David Lniingqstnm.

MOVIMENTO DO PORTO

de 10 a 16docor'ent

EiBARCAcES ENTRADAS.
0o dia 10 Patacho -le'guerra, Zambeze, Commandan-
te o 1l. Tenente.Joo Euzebio d'Oliveira, de cruzar na c(rs-
ta cdm 1 boca de fogo e outros armamentos 23 praas
de guarnio.
Brigue de guerra Inglez,.Persian, Commandante,
Chads, do Cabo da Boa Esperana em 20 dias com 14 bo.


cas de fogo e 149 praas de guarnio.
-Pangaio Arabe, Mazurco, de 16 toneladas, Ca.
pito 'Bobi a Bine Amad, de Zanzibar emn 14 dias e em
lastro, com 3 espingardas e 10 pessoas de tripulacao.
- Pangaio Arabe, Fate Reemone, de 54 'toneladas' Ca-
pito Ally Bine Sahid, de S. Louiero em 1b dias com
differences fazendas, 1 boca de fogo, 2 espadas, 2 espin.
gardas, e 3 Zagaias, 19 pessoas de tiipulao, 12 cartas
para o correio e 25 passageiros miujojos, que so Capito
do Pangaio Ca'aly- naufragados- em S. Loureno-
Racar Abdal, 24 homes de tripulao tiazendo este 11
barris de polvora e algumas fazendas que, poude salvar.
- -Pangaio Nacional, -Fortuna d'/4rica, de 96 to-
neladas, Capito .luin Bine Ally, de Quelimane em 6 dias
com cea, marfim e cobie, 1 boca de fogo, 28 pessoas de
tripulao, I officio para o Governd, 1 para AlfaMlnega e
54 cartas ,para o correio, 10 passageiros, sendo 5 bania-
nes e 5 ci iodos, e 11 negros prezos a fei ros pelo crime de
salteadores.
No dia 11 Patacho Inglez, Renshau, de 167 to.neladas,
Capito Eduardo, com differences gereros e-fazendas, 9 pessoas de tripulaco
1 (fficio para a Alfandega, e 2 passageiros, send 1 Inego-
ciante sutii ito Ingltz e sua Espoha.
No dia 12 -Brigue t oruguez, I'alla Tporel, de 81 to-
neladas, Capito Cassanmo Bary I ssane, das Ilhas de Chilu-
aie em 9 dias com urzela, 1 Loa 'de fogo e 18 pessoas
de tripulaco.
No lia 13-Parnaio Aiabe, .biba, de 18 toneladas, Ca-
pito An.aa, de Maldgascar paia Saiboquine, arribado aqui
em 1 5 dias por falia de agoa 'e niantimenrit, com algodo,
polvora, armas e 1:000 p-zos, 7 espiiganras e 5 zagaias
para iuo de bordo, e 25 pessoas de tiipulacao.
No dia 14- Pangaio Aiabe, Bote Quizela, de 30 tone-
ladai, Capito Agv, do Ibo em 12 'lias com urzella e g'r.
gelim. 2 bocas de fi go, 1 espada, 15 essoas de tripulao
e 4 cartas para o correio.
Pa gaio Arabe, Maconde, de 30 toneladas, Capi.
to Atho, de 1.oaly para S. Loureno, arribado aqui corm
agoa aberta, em 15 dias, 1 boca de fogo, 4 espadas, 2 es'
pIitgaidas, 2 zagaias, 10:000 c9cos, 21 pessoas do tripu!a.
ao e 8 passageiios mujojcs, negociantes para S. Loureno.
EsnuAHCAcES SAuIDAS.
No dia 1 Logre Escuna Portuguez, Petulante, de 240
ton ladas, Cal ito Frarisco Domingues Vil .Nova, para
o Ibo cmiii agunas ftzerdas de lei;' 4 pessoas de ti ipu.
lao e 2 i assigeiros, que- so o 1.0 Tenente da Armada
heal Jo(o Euzebio d'Olivtira e o 2." Tenente Marques.
No dia 13- 1Hiate Americano, E. H. Miller, de 172 to.
neladas, Ca|,ilo I, A. L. Poil,, para Zanzibar com algo-
d g,eiros, que so, "o negociante subdito Inglez, Grimne e-t
ci iado.
No dia 14 --Escuna de guerra Franceza, L'Egl, Com<
andante Le Claire,-para Bourhon com 2 bocas de fogo,
22 praas de guaitnico e cor.respondncia official,
No dia 15 Pangaio Arabe, Mazrco, de 16 toneladas,
Capito Robio Bine Amad, para Madagacar em lastro, a
com as mesmas espingardas e tripulao com que entrara
no dia 10.
-, Pangaio Arabe, Abiba, de 18 toneladas, Capito
Amad, para !aiboquine com as mesmas armas, dinthiro
e tripulao com que entrou no dia 13.
- Capitnia do Porto de Moambique 16 d'Abril de 1858.
= jiguel Augusto da Silva Cordeiro, Alferes do Exercito,
servindo de Capito do Porto.

1MOGAMBIQUEn: -NA IMPRENSA NACIOimAI,


"P"~L~PP4CPPaPCU)r~ansD~IIIBIC~liai- ~0~4
L-------






NNO- 1858,
--a e :---mg =B-- ~
Este Boletim semanal ser publicado feddo os Saba los,
Sou no dia antecedente quandio aqnelle seja feriado' assigna-
separa o mesmo Boletim, en Mooamlique no Estabelerimen-
.to da Tmprensa Nacional. e.nos- fistrictis da Provincia, nas
SSecretarias dos Governos e C amandos de Villas ; ai asi-ai
Snatwras ao snmprs poagas adiantades.


NUMERO I.

Preo d'assi gnatura, pnr anna......,....... r BnR
Por seis mezes ................... ......... 1 500
Por tre miezes ...................; ........ 8(On
Por folha avulsa ......... .................... eoo
Pr'ro das annlmcios, par lin a .......... ... 0>40
Correspoudenciat d'interesse par' 'uar. ,e'im, M Oib


SGERAOL DA PROV A BE MA

no GOVEnNO GERAL DA PROVINCA RE MOCAMWIQUE.


SASBAel 94 B&' 8SB ISBc .
I ... : :~ j i ii-"


1 A 1i T R Ft. II i i'i1 Li,

eC OV E.K Ri L ]o Ciw A L. ,
------*-B- ----

N.O 1 = Sendo necessario rpr em harmonia o Regui-
lamJento Geral das AJ~'an!epas.hoje em vigor e que foi corifec-
cinado em virtu.,e do piescripto por Portaria lteste o,(,erfo
Geral de 17 de Junho de 1851, e approvado por Porta-
ria de 8 de Julho domesmo anfno, com o li.terniniado pilo t
I)ecretos de 17- 8 e 19 de Outubro de 1853., Goveimndor
firal da Provincia de Mocmnlhique, deteimina, quei umra
C,,mmiss'o cmpnsta do Escrivio interior da .lunta da Fa-
senda Jose Zeflr;nqo Xavier Alves,,do Contador Gera', 1>u-
arte Manoel da Fonseca, do Ihrector interino d(a Allaridt pa
de M,ambique, Francisco Bbrges dos Santr s Iicho, do l.."
FasriBo -da mesma Alfandega, Jose da Silva farto, do
rrcprittario Celtestino Feleciano de tMen ees. t que n(,-
metar d'entre si o Presidente e Secrelario : passe a conie-
ecionar um novo 1egulamento (eral jara as Alfandegas
da Provincia, tendo min vista as disposi's contidas nes
Decretos menvionados; e espera do zelo dos- iom ados,
que s'otiuiparo no tiabalio que lhes iomnmettido com a
as.diiuidaIe que se torni indispnpsavel.
O que se omiunica aos nom# aio. parn seu conIieimento
e dv vida ex,' u.o Palacio do Gove ino G rai ia Prrvi,.cia
de Moaanhiqu:, 23 d'Ahril de 1858.= Jd o Tcares de
Ahneida, 6vernador feral.

Sentpenas prferri,'as por Accordo da .ntia de
Justia et Sesso de 14 do correrae.
Aeordo em Junta de; Jiist.ia Criminal V.
Quei confirmo a Sentena a fl- do cons, lho de Guer-
r, pelos fun.'aneentos na mnsma exarPdos, e nrandfm que
o Rpo .ne l)omingos, Sni!ado n 31 da 1.' Corrpanhia
do Batalho d'hlnfiateiia. seja post em liberdade.
Moambiqiue em Sesso' da Jnt d .rn e Jji'stica aos 1I de
Abril de 1858.-Joo Caetano da Silva CPrrpos-Ta-
?ares d'Almeida C. M Moules Luiz Antonio Ozol io
-Jose Maria Teixeira Pires. Major Vopal- Augusto F.
Garcia Caean 'Maria d'Oliveira Fui present Mdr-
rMs Aurelio Rodriaures de Cardinas Promotor = Cumpra-
se. Palacio do Governo Gerl 'da Provinia de Moambique,
If d'Abril de 1858.= Joo iTavares d'AIweida, (over-
fador Geral;


Accordah em Junta de Justia Criminal /.
Que confirmo a S-niteua a If -(do C( rse li o ]e Cour-
ra pelos fundamentos nella exaradcs, Iv; ndo ornem en
conta o tempo de pristo, e cf nde niino ao if o It rmn l da
Gama' Soldado ir." 18 dfa 4.'"C mp[i8iilia dlo bfta'liao de
lihanrteria, em dous annus det tabalhos Flijicos. Nu t ti-
do sido publicada a Sentrna, rrc(cnnm!indo que pira i lu-
turo haja todo o cuidalo na chLseViiAnia das lun.ltas le-
ages Oo process. ft'canlitque em Sesso da Ji.l a e .
Justica aos i t d'Ab cit- ( 18f8.- Jeto Caitano tia Sil-
va Campo -Tavaes d'Almeida C. l. M tlule Luis
Antonio Ozjrio heol:aldo Anterio de (:Crt:a-Augrs-
to F. G. Vit.anda Caetmno Maria d'Oliveirn Fui 're'-
sente Marcos Aurelio lodrigues de Carinas ri( nictr==
Cumpra-se. Palacio do {'verr o Cttal Ja 1; ,iiricia di Mlo-
anibiquPe 15 d'A nril de 1858. J.io lavaresc d'Ahei-
da, Governador Geral

Acordnlo em Junta de Justia Cnriinal &'.
Que coiiirrro a SentPiea a EC-do C( .use lo de guerra
peles fIndnsFtfii s !a nesn.a etxarades, nirdindan it;u o
Ro Voeroinpos i'ertira Soldado da '..' Ctn'leulia do Bia-
t llito d'linfi:eria dlest Cidade,. ssja pcsio cm lilr ri ,e.
MeNt-erir;qti (m Stssio da Jin.ia oe Justia ass 1 de
Alril de t W .. JSo Caetano
vares d'A!n-ida C. M. Iv(u'es -Ltiz Atfdtio O -,ii o
Jose Maria '1i.ix< irsa 'ires, AljetjI Vogal A AugiFt F. G.
AlMraila Caetano I a;ria d'Oliit.ira Fui ptcs(',eC, War.
c(,s Aurelio Riodriues de Cardiras, Irnrrnotor -C prg-
se. I'Palrcio de( Gttrnc t':reul d Pcl Iiolr cia de ?r;:n iqi e
15 d'A'rnl de 1'58.=-- Joo 'Turr es a'Alrntida, tovr-
'radar Geral.

Acccrlr efmn Jimta de Justia Crrminal 4.
(e viitcs e rela(tid's etles autos .coi.r.iro a senten-
a p f!- do (:Censell de giu ra, em qir i.to julga iuova-
do o rime de r ib', de (lcere, feito r necasa do uon ba-
te no haiarrte do 1^o i'a Pntrndira na. rra dee S SHtas-
tirio dfsta Cidade, e a ali fAo fI,rmcn na iate, final For se
Rtai(r ties Rieos diffitrcntts graus de crin i;alidade, snJdo
uns Autors .e fentres Cun plic-s, c,m as cir umstancias ag-
.gi~8 ntfis de'serem .os BRos, o riimeiro degrdado por sete
armn:s pario crime de roubho e o segundo e tcrceito por to-
da a vida, pelos' crirreq de roube e mortes violentas.
SPor tanto e de mais dos autos xeira Prinmiro, Soldado do Baiallbo, em seis anrios de de-
gredo para Goa, cem tifibalhos' na casa da pclvera, e os
iRoo Stldados do Batalhalo, Jose Rodrigues Elias e Pc.i-





70


carpo Soares por toda a lida pRra Goa com trabalhos na
casa da polvora.
Ao Soldado Jose Domingos Marques, 4do por expiada a
culpa pelo tempo de priso que tem slffrido e mandan as-
sim se execute Moambique em Sessio da Junta de Justi-
a aos 1 d'Abril de 1858. -Joo Caetano da Silva Cam-
pos-Tavares d'Almeida--C M. Moules-Luiz Anto-
ni Oiorio-The, baldo Antonio da Gama Augusto F.
G. Miranda -Caetano Maria d'Oliveia Fui present
'Marcos Aurelio Ro'iri.ues de Carninas Promotor- Cum-
pra-se. Palacio do Governo Geral da Provincia de Moam-
bique, 15 d'Abril de 1858.= Joo Tavares d'Almeida,
Governador Geral.

O Governador int(-tino do I)istric~L de Quelimane e
Rios de Senna, em Olicio de 23 de Fevereiro do corren-
te anno communica, que a Escola Regia de Insthico Pri-
maria contava 23 iiiiutrins.
Em Olficio de 25 de Maro, d part que na Vilia de
Quelimane ha\iam sido registados 9:935 Escrxos d'am-
bos os sexos e 59 lihberos, ignoranio at qucl!a data-
resultado do registo em Senna e Tl'i,-e envia igualmen-
te os seguintes mappas do inoiimento do Poito de Queli-
mane desde 13 de Novembro t '31 de Dezembro do'an-
no proximo passado.

Movimento do P(i o de (letlimane dsde 43 de
Novembro at 51 de-Dezembro de 1857.
Narios Entrados.
Em Novembro- 1 Pangaio e em Dezembro 1 Iiate.
Navios Sahidos.
Em Novembro-l Pangaio, el Iliate. Em Dzembro
1 Pangaio.

O Gowernalor do I)istri.an do Cabo Delgado, remette
em offcio datado de 17 de M.ro findo o mappa do mr-
vimento dos Tioentes na Colonia de Pemba referido ao mes-
mo dia, e por elle" se acharem-se em tratamento 8, ho-
mens, sendo destes 6 de Ft ie e os 2 restates de Feridas.
Em officio da mesa data, envia o n apa do movimenoi
do Porto do hbo durante tto: o mez de Fevereiro do ror-
rente anno. e por elle se ronhece, que entraram no refi-
rido mez n'aqiielle Porto, 1 Fs e que' sahirmrn, I Escuna, e 3 Pan,.ais.
Iunalmeote remette em otiff io de 18 do citado me7. o
sguinta mappa dos navios C'ilrados e saIidils da jBahin de
Pemba, acompar hado das observaes MI etorolhpicas fri-
tas a bordo da Escuna de guerra Angia, 'referidas ao mez
de Fevereiro.

Movimento do' l'oro di h1rhia de Pe7na duran-
te o mez de Feveieiro de 1858.
Embarcafes Entradas.
No dia 17- .anclia do E'tado, Mestre Jose Preto, -lo
Ibo 'em 3 dias. com fazendas e naniiniento para o Estado,
8 homens-de tripulao e .q passagiros.
Nos dias 10 11 e 12 -Hiate 19 de Maio, Commanlante
Francisco dos Santos Almeila,, arribado, com man.timen
tos para a sua guarnio, 1 honiens de tripulao 'e 2 pas-
sageiros.
No dia 18-Lancha da Escina Angra, Mestre JoseMar-
cal, airibado, com mantimentos paia a su< guarnio e 11
homes de tripulao.


Nos dias 19 e 20-Hiate. 19 de Maio, Commandante
Francisco dos Santos Almeida, arribado, com mantimento
para a sua guarnio, 7 homes de-tripulao e 2.,passa.
gei ios.
Embarrcaaes Sahidas.
No; dias 10 11 e 12- Hiate 19 de Maio, Commandante
Francisco dos Santos Almeida, para o Ibo co>m iantiiiien
tos para a sua guarnito, 7 homes de t ipulao e'2 pas.
sagei i os.
No dia 17 -- Lancha da Escuna Angra, Mestre Jose Mar.
cai, a c ruzar para o Sul, com mantimenlos para a sua guai mi.
o e 11 homens de tripulao,
'Nos dias 18 e 19-Hiate 19 de Maio, Comrrandanto
Francisco dos Santos Aliitida, para o ILo, con inaiitiu en-
tos paa a sua guariio, 7 homes de tiipulao e 2
passageiros.
No dia 20- -Lancha do Estado, Commandante o Te.
nente Rebocho, para o Ibo a cruzar ate Cabo Delgadio,
com mantimentos para a sua guarnio, 23 homes de tri-
pulao e 2 passagtiris.
No dia 21 Lancha da Escuna Ang,'a, Mestie Jose Mar.
cal, a cruzar, pr;a o Sul, com mantimientos, para a sua guar-
nio, II homes de tripulaco e I passageiro.
No dia 21 Lancha Ta7ixe, Mestre Chamade, para Que-
rir ba. com nianinotm ntos ara a viagem, 5 homens-de tri-
pulao e 11 passageiros. Entre os' 11 passageiros fi o
Capi'o mr D)i<(go Baptista e o Sargento Ajudante.
Bordo da Ecuna de Guerra Angra, surta nta Bahia de
Pemba 1.' de Mlaio i:e 18I8.= lionmero.

Observaros M,'terroiogicus f'itas a bordo da Escuna An-.
gra, sura a uclBahia de Penua d:.rante o mes de Ftwevenrcr
de 1858.


-" g l, OBSERVAOES.


I 30.1 Vira o fresqninha de ES ; at s 8 da Uaute em que
8 -3,) ~ eio para 1, terral 'de N O. at s 8 da manhl calm.
3-30-85- Virais, de S F. branda chuva continuada desde as 2 d4
n,)ile al s 8 da manh do Sul.
4-30-84- 1einto brando de SS E. em todo o dia.
5 -30 85 ento variavel chuva durante, o dia. I
6 -30 84- irao brand do S E. e trovoa.las.
7- 30 85 Vrao dio N E. branda, alzuns agoaeiros.
8 -30-86i Vento N N E. ag.aceiros durante o dia.
9 --30 86 Frao de N E. ate & madrugada em que rondou para SE,
t0 30 i FVira ;, de-SE. ate s 5 da t irde em que rondou para N E.
S11 30 85 Fertu S. ate s 2 da tarde depois IV.
12 -30 -86
13-30- 86 V Y-.t' N N E. agoaceiros fortes com bastante vento.
14-30 -85 .
a 30 -86- Idem, i hastantes trovoada'.
16 30-8i Fento N E, aogaceiros fortes com vento bastante.
17 31i- '
II 30 80 V eento variavel, fortes agoaceiros e trovoadas com vento.
19- o30-8,
0 30 -84- Vento SE. agoareiros e trovoadas.
2 30 87 V nto S SF. aguaceiros e-trovoadas com pouco vento e
muita chuva.
2--30 8
23-40-82
4-3-82 '
5-- 3)- 8a Vento SE, Idem.
S- 30= 84
27-30-83
28 30 84
Bordo da Efcuna de Guerra Angfra, surta naBahia de Pemba 1.o de
Maro de 1858. = Romero.

O mesmo Governador de Cabo Delgado em officio de 6 do
corrente mez d'Abril, communica, que o Districto se acha
em socego.
Em olficio de 8 envia o mappa do Movimento do Porto
da Villa do Ibo desde o I." a 31 do mez de Maro find,


iY-- I
I-. / -










peor elie se conhece. que entraram no referido Porto du-.! ta'o Naval, Joo Eusebio d'Oliveia, tendo sahido deste
rante aquelle mez, 12 Pangaios, e 5 Lanchas. SuhIiram 1 Poito no dia li de Maro ultimo no Patacho Zi~arbe
Cuter, 12 Pangaios, 5 Lanchas e 2 Bateis. para ir cliCar na Costa. do Norte, d part emr oicio
S____de 10 do correite, que se conservou eni set io at aquil-
O- Alle -d'a--- at a la data, stir ealoiitrar novidade, tenio duran.e aquelle
O Alfcres do Batalho d',lnianteria de MoCambique N._ tempo entrado e fundeado em dilferentes pontos.
1, Jose de Sequeira Campello, eim Oilicio de 4 de Feve-
reiro ultimo, d parte que em consequenci, da ordem que O Afferes do Exercito de Portugal, servindo de Capi-
recebera deste Governo Geral. sabira do Porto desta Ci-a- t o do ortio, Mi2uel Aigustoa da Sila Cordetro, partiipa
ac com uma lora no ldia 31 de,.laneiro, e se fizera de em Oiio de 19 do corr-nte mez d'Abril, qu. ei virtu-
vela com direco Bahia da Conducia, e chegado que de das ordens e lustrueces, que recebera deste Governo
alli foi, passarn a revistar a Bahia, e romo nada encontrou, Geral, sahira r neute de 17 deste Porto, na lancha do
fizera saltar- em terra metade da fora do seu commniido Estado ardihada, com uma fora, e prosseguira para a
conservando na lancha a outra netade, e apezar de tol s Bahia do 3Morambo, conde chegou no dia 1S de mania e
as diliiencias. qti? empreuou para discobrir qualquer indi- que tendo perccrr:do tods os pontos da mesrna Bahia e
cio, que motivasse desconliana de pretenderem naquella' 'era d'ella no einco:tlara navio nilum fundeado, que sah--
Costa proceder ao embarue de Escravos, nada encontrara, e tara em era m se, ic coihera informaiies de diller in-
por essa vasno, retirara a i-ta iidade no dia ' d& Fevereiro (a t s individuos residents ns Pov.oaes (te Palane e Fugo
citado, havendo-se empregailo durante o tempo que se de- lio interior da Bahia, e foia inf'ormado pelas nesmnas de
morou, em .percorrer a Babia para os lados do N. e do S. que aipenas por a1r havia passado um-Pangaio no dia (6.
da mesma. Em consequencia io que recolhera a este Porto no ci-
tado dia 19 do corrente sem novidade.
O 1.' Tenente da Ainada Ilt.l, Commandante da Es- -a

ADImlT ISTRAd'ZO DO CONCELIIO.
laplfa horuario do meoz de MAro de '1858.


Nomes
Jouu da d ilva

Gonsalves Pires

Braz
Joaiquim Marli.n Pilar
Furtunato Leite (utliho

Tonquiii .Jose Paulista
.I>Jse dos iSantos

.ose Manoel RodTrigies
Rirenaldo .IoJ Junior
Aigagi Queilery
Faurlino S.tuio Pacheco
Jose de Moraes
\ Mau el Jose


Jose Vendilro-
l,.noel Btilho dos 'Santos
I)omingos Filippe da Cs'a
Mus. Sahelrangi
Manpel Antonio Rdrigiies
iitnio
Antonio Valente dos Anjos

Antonio Joaquim Pereiia
Antonio Goisalves da ( rn

Ju o Baptista dos Santus
Antuni., Ribeiro

Maria Clara
4n ira
f Monica de JeBan


FiliaLo
Miiurel da Silva

Jose Francisco Ribeire


Esperana Moambique
( mctanio Mrins PIaga
Ani.* Eir.0 fogr.B Fernandes Vizeu


J(@o Pereira; Parilita
Ignora-se

n5
Fli2enaldo Ji5o do BRgQe
(-luret 'ai.tlino S turo Pacheco-
MI' noel de *Viiacs
Aniunio Coutinho

Maria Vend!ira
J..>i Igmi-cio dos Sa:nos
1 i?. da < sta
b-alnargi unssagi
lDn ing, s J. sel Hodri-ue1
Antini, d- PI.dua de Linma
MlInoel Valnte dos Anjus

Joaquim Pe eira
Jo.e (-onitalves

Pdro 1. i nrino dos Santos
Ant,.ni. Ribeio .

Ignora-se

"Joaquim Ferreira


Naturalidade Idfde E. lado Relegiio ObservanGes
Alemquer 35 anni.)3 Igora-se Christiu Suld.' da l.a Comp.a do Ba.
lallitU d'll n'eria
izeu Ignora-se n ,, Pra.a de pret..da Fragata D.
Fernande


n
Ignora-se

GCa -
'i.a4an;bique
Caichy
h,ambiquue
RiLeira
La mego

l3,Iinhlos
' ib.ira grande


1 illa de Chaves
li,a n;il i[uic
Santa Mari ia

Valena
SVilla de Tejo

Ca
.amero


lenora-se
Moambique
Porto


1 anno MU-nor
q0 -- a ,lirio
15 ,


30 arno
Iguira-se~ Ignoa-si 5

39 anuas Felteiro

26 e, :do
7, b 1c.]eiro
27 a
59 se


23 a

36 '
33. as

4 mazes
40 anaL.a


n2

Cazado

Sol! i rpo

' cik. iro


41 n C'aza 40 a Suiltro

56 rasaalo
19 n biteiro

Ignora-se -l*nora-se
, S ancos 'anor
30 C('azda


lj.nsto


Chi ro
Clil bLij


Degradado de' Liboa
Segd.o Grumete da Patacho Ztri-
bzse.
S. ld k n. 83 do E:Ial,~alI d'lnf ~
Sold.' da 4.' ( on p.` do Bata-
1 bi'o d'lnf.' ,
Anspid.' da Lomp.. de Veteranoa
1


,, So!ld. da Bat.a d'Art."
.,, 'auiiicua da I.'a ( taltl o d'lU .a
,, Fld. idem
Ide i da .bal.a d'Art.`


Degradado


,. Cabo da 2:a Comp." do Bata-
ihao d'linf.
,, Degradado
,, Sod.* du 3.' Cromp.a do Bata-
1ihao d'lnf.'
,, Deird. ind ,, Suld.* da 4.a ( onu." do Bata-
lhll intllf,


Moira
Chrlisit


N. B. Falleepram mais 3 Nfegit, a sabh I por nome Jarintlo de Gale; outro por non e Miterir, e ,'1gra Raliori;, arnmbl per!enenres p Prr-
ca FranIeza apiresada Charl.s & Grore. Lil.trtos. Adn,inistrati do ( nacilio 3 d'Abril de 185i. O Adn.niistradur du Concelho,= Jose Iraeirsco
da Piedade Per ira. -


MOVIMENTO DO POi'TO

de 1-7 a 23 do corrente


EMiBRCAES ENTRADAS.

No dia 18 BRael Portuguez, fstrellW d(o mar, def 16 to-
nelafdas, Patrao Ilisse, do Ibo em 20 dias com urzella, 14
pessoas de tripulao e o passageiro negociante Figueire-
dq com 1 criado.


-,- Batel Perr.tgutz, Inmenidel, de 186 tonladas,, Pa-
tio Ama-d iMarabo, do Ibo-em 21 dias com urzella e i
pessoas de tripulao.
S-- Lancha Forlugueza, Dourada, Patro Iclar, d0
SangBge em 3 dias cmiurze!la, gergelim, goma copal e 13
pessoas de tiipulao.
-,--- Pangaio Arabe, GomeEe. de 24 toneladas, Capi-
to Amissi, d'Ancha, tm 3 dias e m labtro, ccni 18 ,pessoas
de tripula No dia 19 Lancha do Estado, de costear, com 1 boca
de 1ogo;' 11 pessoas de tiipulaS.i, 13 pra.as de pret e o








Alferes Cordeiro co'mman land a diligencia.
No dia 22 Piantaio 4rahe, :Chrico, de 18 toinlaRaa, Ca-
pito Madine, do Ibo em 6 dias com or7ela, 12 pessoas,
2 officios para o 'Gvern,. 1 para a Alffndega, 29 cartas
para o' correio, e l preto livre.
EMBARCAES SAtnA.*.
No dia 1 Lancha de E-tado, em diligencia do servino,
SNo dia 21 Lancha Portiugueza, Amor,. de I tontila
da. Patrio Sahid, para o Ibo em lastro com 6 pessoas de
tripulao.
--Pangaio Arabe, MIacomle, de 30 toneladas. Ca
pito Atybo, para So L)ureo com i0ias, cocos, I boca
de fogo, 4 espedas, 2 espingardas, 2 zagaias, 21 pessoas
de tii pulao e 6 passagtiros mujojos ngori4ntes para S.
Loireno.


Marpa estalislieo da



PESIGNO


populao do
A; 10 an-
nos



E A
W. S


Prezdio do
De 10 a 60
annls


ditUo LstriCo, re'ferido ao dia 1. de JIaneiro d? 1858,
Maiores de
60) annos

e
40


o IW -


Europeus........


Americanos.... .....*


Azisticos .............






+


Indigenas..


Livres,.'..


Escravos..


SO 1ii4 A


- 3b
2




18






6
2




- 2
S 1












-- 2 -
- 18






6
2






9







1









j 36 32

.43 29 188

.68 +69 ;78


Quartel do Governo de Luureno Marques
Ditrit, jct.


7-





















13


213''

123


S- Negociantes
- Empreg." Publ."
- Cirurgio
- Legistas
- Comnpraores
- Ciiado de servir

Mililareo


Compralor
Negocviantes
S,-m emprego
Cia lo die servir

SNegociantes

-- Cozinheiro

-- Militarcs


Negociantes
Pedreiro
S- Criado de servir
-- Negociante
[ Negociantes
Caixeiroq
Cozinheiro

Militares
Libertos do Est.*
12 *
Militares
1


Solteiros



ViIvo
Cazado.
S .r;,ias
Viuo

Solteiros
I,


Vilivo
Caiados


Solteiros Mouros


Carada
Ca alos ,
SCa Gentios
Soh1 iro
(asado Parce
Cazaros

Solteiros Baniane

Catholicos

Solteiros Nenhuma

Mouro -
Solteiros Nenhuma


S3 13 8

1." de Janeiro de 1358. Francisco dl Swllte Muachado, Geovrnader de


M)1IOUIQUz : rN MP ImrA NCIOIJUL


C __ __


, ,-- ,


Now. ia 22 Pangdio Arabe, Bote Quizella, de 31i tone.
'laias, Capito Agy, para Madagascar em lastro, com 2 bocas
de fogo,,1 espadra, e 15 pessoas, de tripulao.
- Pa ngaio Arahe, Faracha, de 30 toneladas, Capito
Mubarata, para Madagascar em lastro, com 11 pessoas de
ti pulao.
-. B.-O Pangaio Arabe, Gomene, entrado no dia 18,
o que se imencionou no Boletim n o 5 corno sossobrado
em frente do riacho Inhacate, acontecendo porem, ter
gara:lo noancoradour e ser levado fora da tbrra, fui para
a Bahia de. Angoche.
Capitania do Porto dMoambique 23d'Abril de 185.
-l= iel An.Augusto da Silva Cordeiro, Alfer#s do sercifi
servindo de Capito do Porto."


DjSTRlCIk DE L0L111,,N,0 1,\oUF,.


1




j






ANNO-1858.

.Este Boletim semanal ter puibliado todos o, SaMiabdoe,
,u no ndia antecedente quando aquelle seja feriado; nss'gna-
se para o mesmo BRletim, em Moambique no Estabfe rimen-
to,da nmprensa 7acional, e nos Districtos da Provincia, v, a
Sec~etarias dos Governos e Cnmmandos de fillas. as assi-
fnoaturas so serpre pagas adiantedas,


iUME)o 1,


Pre d'fassinatur, por anne.. ........r. r ,o
forseismezes.... ..........,** **......... 1f500
Por tret mezes ............................ o),o
Por folha avulsa ........................ ....o0n
Prep dos annuncios, ior Uinha .............. i400
Correcpondencias d'interese pertiTtelr, fiXe ..r w081


O LE T-IM


900'GOVEI,>,NO GERAL DA zcia MOAI% MBJQI
sno.1Saflaa4fl,*tnnaSfl.fl


-n- T -I'e ~1'n '

11i T I5 V 1. (11 EA L5

TilWiSTERnO Dos NEGOCIOS DA MAT'INIA E DO ULTlRAIMAl.
SSECCo rO0 ULiTBAMAR.

N." .~- =Manda n Sa S lUcEisade Ft-. Lr: pFla Secre-
taria d'Estado dos NegKios da ariniha- e Ultramar, re-
mr.tter ao Governador Geral da Provincia de !cambque, pa-
ra seu c"nIcin enito e effeitFs convenientes, a inclusa. ('.pia
'ulphentca do Decreto de 2 do ccrr(tle ir z de Olltituro,
pelo qual O Mesmo Aiuguisto Senlt, r, lh ute per Lemn ( n-
ceder ao Alferes da G;uarni@o da relfeida Plovirci'a, .1r''o
(uillihrrme de Brito. a d] misso (,'aquelle pcosto, paia que
fora nomeado por Pecreto de 27 de ailo de 18(i --
Pa em 12 de Outubro de 1 sr7.= a a a Bandtita.

(Copa- itendendo- sao que me representio o Alteres
da .iuarniio da Proimncia dil 1'i,' iI qu, Juoo Gulhern.e
de Brito, por seu Prouriadcr e Pai J,3o Guilhi n e de.
Brito; fiei por hem Conceder-lh a demisso do referido
post para que foi rotmeado por Decreto de 27 d de 1856.-
O Viscade de S da Bandeira, Pr do Reino, Ministra
e Secretario d'Estado dos Negyrios da Marinha e Ultra-
-mar. assim o tenhn entendido e faa executar. Pao f m
2 ite < oulibro de 1857.= RET.= Visconde deS. da Ban-
deira, s Est4 conform, = mAntonio Pedro' de Ca)vaido.


g B V Eial. O GE; i A* i
G .vF -i, N t,
uUc

2EPT A'N.- = =Tndo.se apresentado o 2.0 Tenente da Arma-
da Rpal Capito i fle, to desta Cidade Antonio Maria Gue-
des. O Gorernader Geral da Provincia de Moambiq.ue -
determina --que o Alferes,do Exercito de Portugal Miguei
Auguisto da Silva' Cordeiro, jue por Portaria de 1 d'Ou-
tlbro de 1857 f,.i nomeado interiinamente Capit, do
Porto desta (idade faa entrega ao referido 2.. Tenen-
te. do Archivo, e demais objects pertencentes Iepar-
tico, ficando assim exonerado d'aquelle seivio que de-
semipenhou com zelo e aceito.
As anitoridades a quem o conhecimento desta' pertencer
assimt o tenham entendid' e cumpram. Palacio do Gover-
no Geral da Provincia de Mocambique 30 d'Abril de 1857,.
~Joo Tavares d'Almeida. Governador Geral.

N.3" 38 = Attendndo ao que representou Rafael de


i;rnn!nc, Almoxarire do Arscnnl de Manll n da C i!ide
de MIoanlbiquiw. Encaripgdo <('.lCbras Prt.lii(s, ePinido
ser t'xonerado ('e exvrer as funt Cl inhltcrwpl s gos para que, fi non.eado por i'rtarius dt(se Goui rui Geral
de 26 de JPr eiro de .lfS e 17 ie Ciutilbro de 1 87 .-.,
Governador Gi'ral da Prcovin ia de IMeambique, l'a por con-
veniente, ordenir, que seja eXonerado do exercicio dins fuinci
es ciladas.cm(, que se 1-ouve si rpri' om z(lo e icerto, re-.
'lrivic Rafael de Merirfna, por assim o pedir ever.de farvr
entrepa dos ArrmaCPns e objects sua responsabilidade i3 a-
riano V(ente de Nirorina, norreaio por Forteria desta nes-
ma erao ptra o ,ubsti1,ir no cerpo de Alnmo;xrif' do A'
senal, e dos. ,bjctos p,-ten tnies. is Obras 1'uifi.s ao A-
frts ,o Exercito de Rortul2ral .ervindh enn Cofni.ii.sto nO'-.
ta Provir cia, ltiguel Augusto da Silva Cordeiro, fun prin)oq
que ta rece l@o e entrega sejam guurdadas- odas ais or-
malidades indispensaveis.
As ouctoridact s Iq n).) o conhein.rtio pdesla dc.a p rtin*'
cer aisim o ternham enUtndid e cripyraur. Palai ido do 6vc r
no Geral. de Pro incri de lMon bique 30 de A bi il de 1858:
SJoo Tatar'es de Anheiao, -oireriador Ceral.

IV." 39= Serdo diteninrad( pFer Portriai de, r' I es
ia data, out- t(.n:e corta, ta Insprcf-i. (!o Arsenal, '* 2..
Ti;er-r.e dai Aiii .da. ArtItni~M-Be ia (Guedes, laaur (quie era
exercido por i3athids Aulunes:.de b uza, o (;verrinator
Geial daa riica d M< aubique, detirimina, qai: o re.
ferido Malhias Antunes dte Siua, faa entrega an tr:elcieo.
nado 2.0 Tenente (ia In; pecoo .do Arser.al. Icgar de que
fica 'exonerado, e que -ex.ireto Cr(ni niil.o zelo e aceito.
As auctu.tidades a qu( o conbhein'er-to desta 'eva per.
1tncer, assini, tenr am t-ntenii-io e-run rrplan. P-alai n do
Governo G(tia!, da IPirvirnci (e Niotan liqt,e 30 dt'Abrii
de 18-t == poo 7arares d'4Almeida, Govetnidcer Geral.

N'. 40 = Tendo regressado a esta Cidale o 2." T,,nr'n
te da, ArmadaAntonio' Mari Guedes, O ;GoernadoGe-rals
da I'tovincia de Moambique, deternina, que -o referido 2.
Tientite (ntre no t.xerciio (do seu privative errprepo,e Lem
assim que riicon(frmidnde d'ddtlernii.rado plo plDerrto com.
fora de lei do 1." .de Setembro de 18'4, thwe conta da
Inspec7o do Arsenal, reunmdo as attribuies d'intrnrdente
da Marinha. Cumprindo que na entrega e recepio tanto do
Archive e demais papeis relatives Capitania do Porto. co-
mo ao Arcihio Ida Secretaria e demais objects a cargo do
Inspector de Arsenal, se-observem todas as soletonidades in-
dispensaveis.
As auctrridades aqucm o conhecimento desta deva per-,
tencer, assim o tenh.am entendi.do o curmpram. 'aiUciot ,







74


GovernoGeral da Provncia de Moambique 30 de Abril de
(858.- =J.ao Tarares d'Almeida, Govertador Geral.

SN.* 41= Tendo concedido 'por Portaria desta nmesrma
data, a Rafael de Mendonca a exonerao que pedio d'Al-
moxarife do Arsenal de Marinha -O Governadr Geral
da Provincia de Moambique,' h por conveniite deter-
minar-que pa:se' a exercer as funces de Almoxarife
do Arsenal da Mtarinha Mariano Virente por Portaria de 17 d'Outubro de 1851, havia sido exo(e-
vado do lagar de Almoxarife dos Armazens dalJunta da'
Faienda, e encarregado provisorianente da Direcco da
Alfandega do Ibo, ficando sem effeit e:ta nomeao.
As auctoridaded a quem o conhecimento desta deva per-
tencer assim o tenham entendido e cupnirani. Palacio do Go-
,erno Geral da Provintia de Mccanibique 30 d'Abril tde
1858. =.Joo laares d'Almeida Governador Geral.

N." 42 aHavendo sido exonerado por Portaria desta
wrema data, do lagar d'Enrarregado das Obras Publicas
Rafael de Blendona, O Goveinador (,eral da Provincia de
Moambique, determine, que c Alferes do Exercito de Por-
tugal, servindo em Commissao nesta Provincia, Miguel Au-
gusto da Silva Cordeiro, passe a exercer as funtes de
Encarregado das.Obras Publicas, recebendo para esse fim
por meio d'inventario todos os objects que estavam a car-
go do mencionado liafael de Mendona.
As auctoridades aquem o conhecimento desta deva perten-
cer assim o tenham entendido e cumpram. Palacio do Governo
Geral da Piovincia de Moamlique 30 de Abril de 1858.
i" Joo Tavares de Almeida, (;overnador Geral.

N.* 44-=Sendo necessario prover o logar de Secreta-
rin Geral de.ta Provincia. vago pelo falleciiento de Jose
?arcin.o Ferreira de Passos, o Governador Geral da Pro.-
vincia de Moambique, attendendo As circumstancias que
concorrem tn' Jose Maria Pefeira d'rAleida, Capito de
Infanteria do Exercito seu Ajudarte d'Ordens, h por con-
vcniente. ao sei vi., nrnaear o referido .lose Maria Perei-
ra d'Almeida para xKferce interinamente o Ioga-' de Se-
cietari GCeral. at que Sua Magestade Seja Servido pro-
irr diffinilivamente o ine.nmo emprego.
As auctoridadesaquem oconheciment9 desta deva perten-
cer assim o tenhaii. entendido e cun prani. Palacio do Gover-
no Geral da Provincia de MWanibique, 1.* de Maio de
1858. JoFo 7aiares d' 4lmeida, Govermador Geral.

Y. 4r5=-O Governador Gerel da Provincia l e BMo-
aobique, tendo nricteado For Poitarr desta n esn c data
Se-retario Geral inteiin o' d'esla PreoiFria, o Capito de
Infanteria do Execito seu Ajudante d'Oi dens, JosP Mario Pe-
reira d'Almeida, La por onventerne, determinar, que pase a
exercer as fucbes d'Ajudante d Ord tis di, (Govro;ador Ge-
ral, o Alferes dcsta Provincia Jeronimo Vicente da Palma
Junior.
As auctoridades aquem o conhecimento desta deva per-.
tencer, assim o tenham entendido er cunIprar. Pala"io do
Governo Geral da Provincia de Moambique, 1." de Maio de
1858. s=Joo Tavares d'Aireida, Governador Gei al.

Sentenos proferidas por Accordos da Juinta de
Justia e.. S sses de 21 e 50 d'Abri findo
Arrordso em Junta de Justia Criminal, que vistos cre-
latados estes autos.


O Mininterio public no libello a fl pede' que a RW' rdarii
Anna, vulgo Maria da Reg6a seja condemnada nas penas
do artigo 361 2 o do Cdoigo Penal por tpr morto coui
pancadas um muleque seu escrav). A Ri. defetle-se comr
a contestao a fl -, allegando ue o mutf!e i f;ilcerra di
.molestia, e no de morte violent, o que tudo l;sto, e ex.
aminado o auto de exame e corpo de dple'(, siumnmari, inter.
rogatorio, accusiio e dcfezada R; roosrou-se qe nti occa-
sino do exame e do auto de corpo de delito, f!rS encn-
tradas no referido muleque duas feridas, uma na c'bha
e outra no corpo. alem de variant cieatrises. O( Faruitativo
pcrem declarou, que estas feridas no 4o )ro :;us ihmnediw ts
da more, a qual attribue ao pouco ruiddo, ou antes des.
leixo da R no curative das mesmas. As festemunhas da
querella pela maior parte depoem de ouvir vngsriTente, o
que em Direito noo produz fb:; algumas ha porei, que d.-
poem de rita, as quaes ainda que nizemo a .P?' rava mal
o muleque.. seu escravo, com tudo n1o derlari)o precisa-
mente que clie miorrre do n.au tratamento que lhe dama a
R, do que apenns rteultuo siiu.eitas e indicios contra a
mesma. = principio em Direit crimrtinal qiw quanto
mais Crave : o crime.'mais clara e con-ludente deve ser
a prova dos autos.
Essa prov no existe, antps pelo contrario os tes-
temunhas de defe'?a do auto, de diwrussao atenuio a forca
dos indicios der que s declare dluas ferilas que ai arearFo
no cadaver dofalleirdo, foram protenientes, uina dl'um tirncr,
e outra de mordidela de' c3o. Por tanto e mais d-l auios
no existindo prova clara do crimO de assasiiato ; s im
do espancamento. ebsolv-m a t ,do primeiro, e dio por
expiado o segundo pelo tempo de irisiio que tPor soffr-o,
e mand-am que assim so execute. Moambii em 9 f seo da
Junta de Justia aos .21 de Abril de 1858.-J.lo Car-
t;no d Silva Campos-- Tavares d' AJmeida C. M 'doules
--Jose Iaria Trixeira Pires -S eastio Jose Mathias
Rodrigues Caetano Maria de Oliveira Fui preseuti -
Luiz Carlos Garcia de '4irana.

Arcordiso em Jnnta de .Jutia. -
Que vistos e rplatados estes autos cnnfirrr'in a R;-pteea
a I1- do Conselho de Guiirra na porter qu, ha por pro.
sad o crime de insubordina,o, aggrnvada p'las circums-
tancias que o acompafl'aon, e cc,;sto ,dos autos, e. al a
terfo na part penal cnndemranid,lo l Ro Avionid Correa
Soldado n.O 42 oa Bateria de Artilherin r, 3 annns de
degredo para Ga Fstados dts India. com trinalho in casa
tia polvera. P manda assini se exe ute. Moambique, em
Sesso de 50 de Abril de 18.8 Joir, Car-1aio da Silva
amirpos Tavares d'A lrida- 1. Miuls Jose Mba-
ria Teixeira Pires, Major Vopal Theoinldo Antonio da Ga-
rra Auusto 1 (iarci Miriarda Caetano tiaria de Oi-
veira Fui [presenti Mpr os A urelio Io *i iieis de Cardinas
Promoter Curpraa-se, Palamio o :ov, r Gral da Pro-
vinci, de Mt camiiqu," de, Maio de 1858. = Joo Tavares
de Almeida, Govervador (,eral.

Accordso em Junta de Justia. &
Que vistos e' relatados estes ailtos confirmo a S-ptentt
do conselho de Gtuerra, t'r qu;nto iuleon provuao o cri-
me de insuhordirakOn appravada .pa reioiiderci'a, de que
accused o -Peo Francisco Jose Loureno Solda do n.? 11
da Bateria d'Artilheria, a alterno poremn nr part( penal
attendendo Is circumstanocias attenuantes que constlo d<


~i*"~A~aiaie~~__~,~___











autos, e condemno o Reo Francisco Jose Leureno em
dous amnos ae degredo para (.,a, Fstado da Lndia, corr
tirnbalhos na casa da polvora, e mando assim se execute.
< aambique, in Sesso de 30 de Abril de 1858. Joo
Caceano /a Silva Campos -Tavares de A lmeida- C. ~i
iloulesa-Jose Maria Teixtira Pires, W.jor Voal' -
Theobal,lo Antonio da can Augusto F. (arciaU- iran-
da Caetano Maria de Olieira. Fui prrsenitp'Aarcos Aur<-
lio !odrigues de Cardinas, Promotor. Cunpra-se. ralacic
do Governo (Geral da Provinria de M, an biqu 1 .` de .ouie;
de 1858= Joao Tavares de Almeida, Governador Gera:.


Acrordo em Junta de(c stiia. &
Que vistos e relatados estes autos, cpnfirmao a Si ntena
a fl- do Ccnselio de :uerra, na poate que jrlgou, pio-
vado o crime de irnsuhordia8o aggravaia pela reincid, n-
cia, e a alterio pornem na prrte peial coniemnani Antonio Pinto,.-Soldado n." 41 da Bateria de Artiltier-
na pena de vinte annos de degredo para Ga, Estados '(a
India. c< m tralalhos, e ianaoo assim se execute. Mloam-
bique, em Sss'o de 30 de Abril de 1858.- J,o(o Caetona
da Silva Campos Tavares de Almeida C. M. Moules -
Jose Maria Tisxpiira rps, Major Vogal- Theoboldo Anto-
nio da Gama Augusto Faria Gaicia Miran a Caetano
laria de Oliveira; Fui Freiente Marcos Aurelio lodriues1
de Cardinas, Promotor.- Cumpra-se, Paleio o dGoverno
Geral da Proincia de Mocamirique, 1.f de iaio de 1858.,
== Joo lavares de Almeida, (rv'rnador Geral.




Mr. John Lvons Mac Leod tencionando retirar se com
a sue faotilia, dle M-camibique. ioga a todas as pessoas
que com elle tierem erntas.-de lhas apireenrtarfi afim ide
serem co Maio de 185.


.JUNTA DA FAZEADA PUBLICA..
A Junta da Fazenda precisa conmpai algumas fa endas


., _________________________________________________


e- lei : assim como contractor o fornecimento de dietais pa-
ra o Hospital Militar; as pe sca. aquem convi(i faier os
ditos fortecinientos, qui-fo. cumarecei no dia 5 dlo cor
rente pelas li horas da manh |,erant, a mesma Junta,
afim de serem contra(tados cem quem r(; menos' preo
os 4cfferecer. Secretaria dia Ilunta e Fazenda 1 de ifaio
,'e 1458. O Esciivo Vogal por Cc-niisso -= Jose Zeferi-.
no Xavier Alves.

CA4idAR.I tU.UICIPAL.
A Camara Municipal a Rpquierincrnto de Guqlap-Cam vai
proceder na ntrmi;dade (do art. 1. dara :- I:tntses Re.
gulaimeitaris. sMIEeP afo-ramnentos. rh 4 eaRdas no BEl(-liii n.o 6. Visitia de mni te 'rr-n, l'bidio
-ito em Saretcl e que tem d< eC iiin i- nt t r:O tacae e
ie. larguia 500 i;its. que rcrmnfitrot ria i -,e d<, N com
.p'raia. pelo S. e< m a farnatas <"e'- l-ob- gi Man Ir? lo E. c((i o teri no dl:io, e :ehl O..'"om a- faRendr de
Salitirane Fergi O ac to da iistoria tu tr lgai ,g i dia 22
te Maio pela-'(o horas da n(iha, quem se julgar com
*irfito a.o dito tei n no ca no su'r logar, e hora iniisiada St c rnia i. ( arra:a I Mritiipal
aos 22 d'Abril de 186bt. O lE-r iv inltitc= Laeta cine
i aulo Gomes.

4DMI[ L 17RA( 4, .< l :O VCFLIJfO.

J!appa dcs ('erraes eir17i.dos o niez d' 4Aril de
1858osd enters st do enes rido Svl e liorte.
* Milho fino........... ...pRnjas ......... ....92
Dito grosso ............... .............. 4f8
Menrloim. ................ .............. 98
Feij o .................. .............. 44
Macaca ...... .......... ..... ...... . 66

Soma ...........

N. B. NMo vo indicados neste mappa os gpne:ros 1 rii a.
dos pelos Pontos fiscaes da Piaia da Boa vi- a. e eh S.
Gabriel. "
Administraco do Concelho I.od'Altil de 185'.~ ( Ad.
ministrador do Cor.celho. = .ose qramisCo da zleudai ie.-
reii a.


S Noyzs
t Ju. da Roza
J,o Manoel
JLaqim de Ramo@

\ntonio Jcaq~in

'rtse Gomas~

f usebio .Joe
~ (Jo~' d'A edradre
-1 04o d'Ararijo

1 Francisco
ose N,,re.0 Ferr.a de Passo3
J-'se Vijrg
Agostinhu Feina ndo d'Atir '

Jose da.Cunha

Pitimimr Laemane
1). L;eonilla C(anil,' d C. e S.a
Eau-Sntrn Ab"fdaI
M..ria las Dores
Aduinihraso do CXkcelho 1.0


Muppa Mortuari do mez d'Abril de 1858.


FrILAO
Manoel da Roga

Manoel Jose
Jose de Ramos

Jose (la Rocha


N 1ATURALTIRA D


IDA-B


Castello Bianco 28'

Lisl ba 99
Silla de Ooivaa 29

Lagoa 28


Bebastili' `Rodrigue# Vizeu


Pai3 Incgnitos


1sT&o FSLTGIIO 0 nPELM.sO


'-irn's Ignora-se


a li

,, Soilteiro


Evora 27 u lgnonixse


Jose Maiia d'Andrade Porto Ignora-se
Jalo Netto i Ilha de S. Miguel 35 annos


Francisco Jose -


' Setubal


Agostinbo Jose Vieira Prnga.
Ignora-se Ignora-se
K


Casado
.ai


au
Igno]


ICLrato Sld." on.o 88 da ?.0 r<,n'.P do Ra'
~taiia ',l;jv ~i
o (,meia cio F;Libii, d'lnfnp'-j-ai
A 2.0 Sarzeiit, i.0 70. da ( iwj de
1' <-er: il( 5s
se Sold. 1,.' !47 da i., C1n..` do
1, a ; 1 i 1 d, 1rf; ot e 1
N -s(id." O 67 da 4!.' ( nun.j do
B3ata ti P,' d lifai il ia -;
S s;ii.1 wildido n.' 5 da C -u., dc
eti. rrnoF.

5itY. n 161 d Fatsl1u d'lnhfntenia h
SolIl ` n. 63 da J.ieria d'Artiltie-
ria
Secetari" G eral do Governo


ra-so Igno i-se o C'ao.n. 19i5 d; 4)- CUwr. do
BataIlil ri' rf.ntrria
gna a Sot. o 163 da: 4," k.rn.1 do
BatalidIu d'Ilau:teda.


Lacmrane Punj Dhiu 2 annos Solteiro Gentio Pedreiro
f'usiodio J.se da Silva I.islta 6 ( hristta
AbndalA Maseate 15 (" Csada Mujoja
Francisco Maraues Lisl6. 3 Menor C hrist
de Maiode 1858. O Adminisirador do Concclh.i. Joce Frantideco da Jie

*










CO.> i4NHIA DE FETERA,.VS..

Mappa de ur:a praa que falieceo no Hogpilal Militar
durante o me: d'Abril de 1858.

N O, 2." Sarginto. Joaquim dos Ramos, filiho.fose Ra-
.nos, natural 'da Vila de G< uveia, 29 annos d'idade, ca,.
sa.io, falleceo no dia 13 i'Abril. Nada deixou d'Espolio
.pr e'r casado Quariel emi~ i Mo. suril 30 d'Abril de 18 58.
CGarlos Augusto T.iztira de Corvahlk, At ere; Coumnan-
daute interinoo.


DTSTRICT'r DE LOUR'E.,O 1I RQUES.
SPrincipaes generous do consume e o seu preo no mercado.
Arroz bath, Mixueira, .Fcij ri branch, Dilo.encarnarlo.
7Imilio grosso e Dito fino, um dinheiro por cada qiciapo, cor-
re-,pondendo este proximaniente a duas panjas, e repu"i
tanio-se aquelie p)r umn enxada, um capotim de fato de
lei, etc. Quartel do Governo de Loureno Marques ? de
Jaetroa de 1858. = Francisco de Salles Machado, Governador.


IOSPfTA4L M[iLITA4i.

Movom m o&los dofents de 28 ;! Feprreiro a 31 de foar>n

~ r |
DUJENTE. I1 .

Exit iami fi5 13 8
Entraram 1 156 8 9 173
_ __W ~ jt321 21 17 | 59
Sairam 14 j o 1 IO
Falleinram !I I | [ I1
Ficam exislindi I 15 7 98

Yf. Og faaUecid 'e firan 10 homens e 1 menina da idade de e annos.
.r'ta veio a fallecer de febre verminoza. e aquelles de febres inlirmittln-
tes perniciozas. asziti simptomatica de hepato. "r'.leniti rbroxirea thezira
tuboreculr2a cechelia consecutive febre intermittenle perniciza, e de-
,enteria aeda.
.Nio se incluem nf numero dos falleridbs maia 2 ;rinividuos que pere-
ceram poucos mnementos depois 'de chegar ao Hospital.
Hospital Militar de Mora ml,;iue 1 da Maio de 1858 O. Director in-
terino, = Joaquim Franciscn Collao.
---- --
---------- -- -- *-------
MOFIMENTO DO PORTO

de 23 a 30 do corrente


EMaARCAES ENTRADAS.


No dia 2 -EEvcna loor,liigeza. Eniema. de 139 to-
seiadas. Caritio Mits. Daud, de Loureno Marques; IrihIam-
bane e Pasarito, d'e-t' .ltino .,orto (m 4 dias, co cera
urzella, mnarfm. en;mril, 2 U'rcas de fogo, 32 pessoas de
tripilaco. 10, officio,< para o Governo, 2 para o Jni2o lde
D;reito, 5 para a .Jnta de agendaa, 3 para a Alfarndfga
77 cartas para o correio 7 passageiros, que 'so o Gover-
nador e n ex Director da Alfandega, de Loureno Mar-
ques, o Capito do Porto Guedes e sua Esposa, 1 Parce
e 2 criados.
No ia '24 ---Brigue Portuguez, Lecticia, dP 176 tonela.
,das. Capito Mamad bRv Mussay, de Lourepo Marques,
em 10 dias com marfim, urzella abada e dentes de cava-


lo marinho, 2 bocas de fogo, 38 pessoas de tripulao,-2
officios para o Governo, 2 para o .luizo de Direito, 3 pa"
ra a Alfandega, I para a Junta de Saude, 1 mala e 84
carias para o correio, 6 Soldados prezos e 27 pvassageiros
sendo mouros 4, gentios 8, pretos 2 todos negoclantes, ~
13 criados.
No dia 6 Pangaio Aiabe,' Incrhima, de 38 tonelada;,
Capioo A.lanio, de Comoro em 10 ,li-s com fazendas de
ilgolo, catril, couro., C 18 cabritos, 2 bocas de fogo, 9
Espingarda-, e es1pada, 29 pessoas de tripulao e 8 passa*
,ei'os it.fljos negocianies.
No dia 28 -Vapor de guerra Inglez, Syr, da f ra de
60 cav;lls, Cominandante Ollfield, de Loureno Marques
pir 1rian.ibane em 1 dias com 1 roldiio, 9 bo *- 100 praas de guarnio, 2 officios para o Governo e
.2 ca tas para o coempo.
-,,- Pangnio Arabe, Alima, de 40 toneladas, Capilo
Tu.s:a, de S. Lourenqo u11 7 dtias. com 320 quliapos da
airnz, I boca de fogo, 1 espahd, l pessoas de t:ipulao
e G passageiro munjoos n'g(ciiantes.
No lia 29 -' Escuna de guerra Portugueza; .Angra, Com.
andante o 1.0 Ter-nte .1. E. d'Oliveira, de Peunha em 4
dias com 4 bocas de fiogo, 26 oraas deguarnio, 1 ofi-"
cio para i Governo, I pa!ia a Junta dec Fazenda, outro
para a Alfandega. 12 cartas para o correio, o Alfere, J.
G. de Brito, e 15 negros pertencentes ao Pangaio Mabru.
que,'que alli foi apresado.
EaARcAcaEs S'AniAs.
No dia 23-Pangaio Arabe, Pele quizeda, de 94 tone.
laia., Capito Agy para o Ibo emi lastro, com 1 boca de
fogo, 15 pessoas de tripulaco e 3 passageiros, send o ne.
i,ciante tWeenlde com 2 criados.
No dia 21'-- .'atn)iio Aiabe, Faraha, de 30 toneladas'
Capito Miubauaca. pata Maiadagascar em lastro com 1 ba.
ca de fogo e 11 pessoas do liipldao.
--n- P(,:'aio A r.bc, ,ovit./,o, d ie 30 toneladas, Capi-
to Salimo Biitu Talite, para Madagascar com lopas, 1 bo.
ca de fogo i 1,5 i es.as de lti ipulaco.
No dia 2- Lac(ba Pr rIiiami2a, S.occroi de 9 t.nela-
das, Patrio Jcse, para o Ibo com algumas fazendas e 12
pessoas de tripiulh - Lancha Poi Itpieza,. LI rvulIo, de 29. toneladas,
Patro Sanigy, aa'o Il, om algin.as faend :oas, de tripuhl.cao e 6 pa s-geii o'', send o cidado Antunio
Vicente de Scuia, sua curnhada e 4 cria-as.
No dia 2 Par,,'io Arabe, Fatal-/er,, 'de 30 lop(ladas
Capiio Aly para Ma:agas ar coip a.s ni,.smis fazendas,
arnias e tripulaao (cn, que r ntlila no dia 24 Oe Marco
ultimo.
,- Parngaio Arabe, i'hirio, de 8I toneladas, Capi-
to Madine. para o: Ibo com algun:as lazendas de lei, 12
pessoas de tripulao, e 7 passageiits, send 1 ex-.oldaio
do Batalho d'ltnfariteria de fMitan.bique n. 1, uma n;u.
lbtr, 3 gentios e 2 batias.
No dia 29- Pangaio Arabe, Gomene, de 24 toneladas,
Capilo missi, para S. I (irenco com algodo, fazendas
de caixa e 18 pessoas de tipulaco.
Parigai, Aiabe, Ary Pass, de 53 toneladas, Ca-
pitio Her, para B<.ii>baim crmn njamafin e(auiil, 2 bocas do
fogo e 14 pessoas de tripulao.
Capitania do Porto de Moambique 30d'Abril de 188.r.
bigueel. Augusto da .Silva Cordeiro, Alfer9 s do Exercit,
servindo de Capito do Porto.


MIoca.muiQuE:- NA lmPRrzusA NIor4AJu.


- ~swim*-l -~a~i-~aa~r~iiiapisripls~









Este Boletim semanal ser, 4Micsd toJcldre Sabbandos,
ou no dia antecedente qguand aqielle seja fer? do: assgna-
is para o mesmo- Boletim, em Moambique no E abelerimen-
'to da Tmprensa acional., e nos Districtos da Pr incia, nas
Secretarias 'ids Governos e Commandos de Vileas; as asri-
fnalvras do mpr e pagasl adiantadr.


NITERO f9.

Pree d'assignatu-ra, p>0 anno.. ............. r Ra
SPor seis .pzee .... ... .....'.... .. .... 1~ <00
Por tres tezes ......................... "0
Pr f.-,i! avulsa ................. ....'.. ** 8
Prea riof rantnor#, P Corresoondencias d'intlergateprticl e,, Ide. e bog


00 GOVERNO GFRAL DA PROVIiNCIN DE MOAMIflRyQyUE


-SA BR i3n o E o puiI.


0 0OV ALN'G 11IAL


311'WB p 1 B1AL i

N.1 33-=Convindo assetgurar a tranquilidade e segiu'
raca dos habitantes e moradores poaifios do sitio da Ca-
baReiri grande aonde abunda grande numero de negros escra-
vos, O G.verindor Geral ia Pi ovincia de Moambique, a b. m
da crdem e sorego public que lhe cumpre nanter, orde-
na o seguinte : que ser publicado por bando para conhe-
cimento de todos.
Art. 1."-l)epois das 7 horas da notite, ppebuni es-
craveo poler transitar pilo sitio da Cabaccib, sem ser er,
seri;o. do seu' enhor,.e n'esse caso trar uma lantern

Art. .O--Todo o escravo, ique depois do hora indica-
da for enroontrado vaneando pelo sitio referido, scrarpe-
zo. o conarluidon 6 presena do rapita-rr e Cnrrmandatn-
tedas Terias Firmes, e enviado por este no dia ir.me-
diato ao Coninmmnrinnte da Praa de S. Sh bastilo n'e sta Ci-
dale, para ser por catiigo enr pregado nos trabalhos publi-
cs. pelo espaco de 8 dias.
Art. 3 '- A primeira reincidencia na infr~ae'n d pres-
cripto no artigo I .c-s< r puniic a pelo (derro do trh
de prizao marcada no artigo anteced nte, devendo as se-
guintes sRl-o por cada Vez. plo0 espsCo de 30 dias. liirte
n;arrado no arligo 48.9 do Codigo Penal.
Art. 4.0-O Capitno-mor `e CoMrrandanfe flas Terras
Firmes.- far executar pela 'iarte que le teca. as itisj:osi-
ies da present Portaria, dando as instruc'e casi~nier-
tes aos Soldados do Desta'ainPmto 'le ~ossuril n sredoi
patrulhar at ao sitio da rCibareira. ;rinde, e s(r6 <'nad-
juvado reste servio, pelos seuu -nmprepedes sil.alternms..
. Art. S."- A prestiile Portaria tel e xenrivo 3 dias
depohis da sua publicaeo por bando, devendo a dita pnHli..
caso ser feita em acto su'?essivo do s FU re.irrecnto pe.
10 Capital-wr r e Con.mandarte d&s Terras Finmies.
; As auctirdades a aqu;em-o coiihercin'cento desta d!eva
pertencer. askim..o.tenl an entendidc e irrltarm. Palaiio
do Govern, Geral JO Provinia de MIoan,. qiue 4 de h iri
o 1858.3==Joio Tararre d'AInteida, <(overnador Geial.


l. 16 z Tendo .trnttido o GCvernadr interior do


Di re*amr naquella Villa para os cargo Municiaes e Paro*
chiaes, o conhecendo-se pela Ititura do Processo, que a
lehi nio deveria ter tido I.g~ar, por se terem dadn as
rircumst-ncias previstas- pelo artigo, 9f do Codigo Admi.
nistradrivo de 1 de Maro .d 1842, e que em logar de
ser remutttido o aito r que se referee o I do enciona la
a~ igo, -e favrara une -Arta, U Governador Geral da Pro.
vincia de Mocambi wue, em Conselho, finccionando cDmo 1
Conselho de Districto, uando da auctorisaco que lhe coa.
fere o artigb 93d r6 dito Codigo. ha por conveniente de.
terminal, q'ie at proxima eleio dos ditos cargo, aue
Sdever effectiar.se no corrente anno em eonfoinfllade
com as.disposices da Dortaria de 14 de Novembro h1>>
anno proximo findo, continue em exercicin os' in ivji
duos que actualmente comipoem a Camara Municipal,
aquelles que esto occupando os cargo Parochiaes.
O que se comoniica -ao Governador do Ditriceti de
Qui-limane, e ao Presidente da Camara ria menma Villa,
para sua irteligencia e mais effeitos.cinpetentes: Palrio do
Govern, Geial da Prfevincia de Mocambique 7 Rde Maio d6
1 8i8. m- Joio Tavares .d' llmeida Governador Gerai.


.al t wBjB&Eu IDI. u ** -
Aceordo ea- Conselho de Districto &.
Que visto o ,ecurso irt, rpo>to. po Manoel Caetano fer.
nandessarenr tantv do- tabrio ra Casa.da Cin-ara lMuni.
cipal do Concelbo de Qui limane, ce;ntra a res luao (i:ma.
da pela mesma (Camara t n St.so e do qual con ta que tew c-lhe a Can.ara adjudicado a
arrerratr.(o da cbtras-e-fabic'I -.a casa da miesmia, em
conseqtiuncia .de um teni 1.oral forio parte das c.bras des.
morirn.as. e que por e-se n(,-tvo a (aniara lhe cor3cede.
ra ina inderniis-eo da.- perilas ff~idas, e mai- iii
certo sl.ae. de tempo para o acabamento da (oba, e
nimtrando-se tani+t m, que ,e .ecorrtntc reclarandio no pra.
70 respective vistioea e.em seguida a essa a yre~tlaro cor.
respg yindte que na conformidade do seu contracto ti.
nha direito, a no obtivera se np muio< tarde, e por essa
lazao se via ,obigado a interr( per a '-ra. e a,'pdir de
pois do ibisolso qii se lhe fez da prestao comnpetr.tP d
a prcrogacor do prayo correspondent ao tempo de de,
lmra n'esse enimblso:
Vend<,.'e que a Camara resolvendo ermsentido nrgativo
aquella .olicitacito, nao procedera c'rrn justia:
Por e.tets motivess, Conselho de Diatricte, tt.endenb -
aque o becnrrente fiindan:entoii a sua s; licitao com. do.
cumentos authenricos, n,nda que seja concedida ac .Be-
correrte aprorcgaao de niais 3 mezes por elle pedidos,
para o acabamento da obra da casa da Camara de Que,
linirae qe q e fihei adjudicada por arrematfac-v Moam biqut*,
$Sala das Sesses "o "Conselho de Districio 2 de Mai:d&d






b


185t. s Governador Ceral, Talares d"'Almeida, a J.
Caetano da Silva (Campos= C MA Mo J '=s. J. Z* X.. ~a.
awPadre V' d Menezes .lJoo Cardna-..


Ac lantT.s p Tir prover os olgares "de' A-rnanuease fda
Contadoria Geral la Fazenta com O or lena:.l annual de'
4R:00() reis; os 1 gares rde The7onireiros, Almixarifes das
Dl,,'ewcs de Qulli;nane, T te, lliambane e Loureno
?MaTques. om so o rlernados anna's ile240:0(0, ri' : os de,
t-cives das lmlegac s de Quelimare, ',I'te, Ilit'aani.ane e
touieno Marques. com nsardenados annuaes de 180:t,(0
reis: os de E,-rivep verificadorps da, Alf-itidegas. de Que-
litrane com 2/i0 CiO reis, annuacs, do lho. I ahambe 1
Lourenco Marenr, S, com os ordenados an,1ae:, de 360:000
reis cada im: declarado por Sua Ex a o Govei'ad.or
Geral da P,, vincia. aberto o concuri o por esaso..de ho.
irente dias, a cont.r da dara da publicaeo deste An'nun-
cio no B; ldtinm Of)t'rial, para o provimento de:s ditos em-
prrgos em confo Decreto de, 1 de Setembro de 18 I8B
Os conrorirentes ldeveiro apresentar.
1 Certi'lo dle idade.
2. Drnumentos pelosquaes prove as suas habilitaes
litteraHias.
So dispencados os documents originaes em consei.
quencia dIe qualquer extravio que po..san ter; e adnri.
tem 'e niiblicas foi mas com tanto que sejam,reconhecidas
por Inlia e. Mina. .
S.; D cnrmentos pelos quaes prove os divers' empre-
gs. que tenham servido ; acceitando se pelas ra es ,itas
as publicas firmas de takes documents, do mesmo nmool
authenticadas.
4* Attesta1res da maneira, como tiverem desempenha-
,do.taes emprego.,
b.* Certiao de bom comportamento civil, moral, e
religiozo.
t. Cer IO. .rprn gos que tiverem xereido ;
1T Cei tido de quites cem a Fazenda Publica p-rosem.
pregos de ie.sponsahilidade para com, a mCema Fazerida
que tiverem servido.
V. Alvar de folhatetriu .A '
Finaln ente tildos e qoiesquer outirs dcuiretntos que
jiuIguemi conveniente r-xhibir. Secretara do Gi vwrnc. Geral
tla Prrvinci.a 7 de Mpi< de I 5-S,:- Jose Alaria Pereirad di
illmeida, &Scretario Geril intelrin .


~*iisl' iiil;~~"L 1 4 ~ 1 - --- __- -~iiPiI-riia


SDog.s CiGuarde -a .V. 1 s SPcretaria- d< Governo Geral da
Provincia 6 de Maio (te 1tR8. III Snr Joaquim Fran-.
dis.co Collao, Di>ci!tor interino do Hospital, Milit.r. JoF,as
' Saria Pereira d'Almeida, Secretario Geral rtnerino.


DISTRTCTO DE CAP.O rELGAnO.
Em Offcio de 29 de Marc, con munica o GoverS.
dor ba, bi 'rte P( ,Iuo z = Claia=., comn o fim de' prince.
der a cora .t-urzla-.onvira .. urza onvi a Capiito mr R igu
!. t- Miis.s nge. pa r eica'regar se dlas transaRcescCimnier.
ciaesk para ser levadoi a < fleio o carregamento do navri
coneite que -io l. In.t' Iegulo fii accite. certificando por
essa <;c qe i.ai. que i; 6 Cap ito io Brigue i Clara -,
seita beni tratado. rmas Isaibemi que i sua gente ers Iseco
iieni io paia que desire nlgo se ocupasse na apanha
da orrJlla.
En, Oficiiode 27 2d'Abhil findeo-participa qe no.dia
30 de Marco, fot, i, ad ror primeira rvez a Banitira
Portugueza na' Porns d Mir'i Nembo.




JUN rI DA FAZEANDA PtIBLtCA.

Por ordem da Junta do Fdzenila se faz, publico, ou se5
hir brevmente para Lisboa a Barca Charles "' Geor-
ge. Commanerlinte o 9." Tenente d'Armaida.AnL, quim Rodripgus fe MOiivrira., Quem qpui7er arregar no di-
to Navio. queira diridir-se a Secretari'r da-Jnta do Fa.
zendia, para se tratar do ajtist dis frites. Suiretaria da
Junta da Fa7.hida 6 de iaio. de 18.K8. O( Ege)riuio Ve*
wal. por (Con.misi su== .I
I \ , - i *

De ,rdem. 'no Junta da Fazenda' se far.publi *o para rPO.
nhoecimeoo dos int!erssados, que o Cofre da TiierouiarIa
G'ral se aehar abhrto no <.' feira lT. do crrente, parg
se c.mtar o ppgamnenrto d'um rPez de vencim nto a toudas
as clasep' susidinadas pelo slafd. Secretariat <)l .untia da Fa-
Un-da. 8 de Maio *ie 1,858 .O Esrivau Vogal por Com,-
missoo == Jose Zeferino Xavier Alves.


.: 710ff-il." S.nr ==- Fm rfficio n.' 5Oil datdo e
nrtePm.. pwrticipa V. S." que- o Proprietario Caetano ariaa
l'Oliv vira, r iaRte Itp estawCirtde, de novo.se prestwra. m
I maior deprrtewiPr e eenerosidade a fornecer gratuitamen- O Sntr Jse Narcizo Ferreira de.Passos, Se^
te esse Hospital. na matirriap e operarios prpeisni pna cretario Geral do Governo e i a ue
,i;rCfrentie, ob1,'a que era d'ur, ririri fossem feits nesse .i d e ~~, a q .
Qfta";,rmi nlo, e t s' qa'is ge achwm d'hoji Conrhidas s aida na fora da ida e, cheio de esperunas,
q,,e a ~zenda tivessA a-dispenider q iantia aBluma. mas arruinado por logos servios na Africa,
SSuo .Fx." o Govperhdor (eral .a Proviiia. aqum roi ccideitl, e 'irientat, aicaba de fallecer, vier
prfsente o menCinadn oltfio de V. S. manda louvar timad uimapenosa molstia, que oninavalen-
n,'adem'er ao Poprietanrio Caetano, Maria d'Oliveira, ss- ta. . ,
na novos sri ins preMadros ac -^Estado. na roprerto f.oaitaphlMitr. :desoa Cidade, e . para, -us E:x, msiito qavel pacientia, aos exforosdasciericia; e ao
tirneiro ter de- rpltit ta.es louvonre. que. honram wr'e cuiddods e :erit hos de sua extremosa esppsa,
enfpia o tnrwir rde o p0sta tee b erito ~~Cir Bo. a ptodo, disveo (dos seus mais cars ami os
'e mnio m 'EK: S1r tW rirnrariga ce dAier a V.S, P ;sei isauiam. a
-sira itze r ritf itr o 'mcoi-tiado' ?iopri s l s As.qualidades que distitguiam o Snr Pas
a vore e agraibe4i~entpa -kpressps. po re t.g g so s.. os0a home, e come empregado eram Do<








torias, eno tinham egual se nio na ua exces- de no trabalho, e a sua intelligencia e .e
aiva modestia. o fizeram escolher pelo EX.'00 Sr. V. d S
Nascido em Lisboa d'uma familiar bem co- da Bai~ieira-para-seu Official de Gabinete, car-
nhecida pelo nobre character de muitos dos seus go que exerceo com o seu incansavel 7elo, ati
membros, foi apenas contava 16 annos normea- ao moment de embarrcar para Moanrbit
do para um Emprego no Ultramar. Servio co- que.- Antes desta commis-o t:nha-Se Sua
mo oficial da Secrearia military de Cabo Ver- Magestade dignado n:meal-o Secretario Geral
de e nessa Provincia foi Sub-Delegado da Re- d'Angola, de done foi tra- sferido para egual
cebedoria de Guin, Oticial archivista da Se- cargo nesta Provincia. A -eitando esa trans.
cretalia do Governo e Director Interino da ferencia, o Snr. Passos attended mais aos in
Alfandega da Villa di Praia. Em todos es- teresses do servio, do que ao* prprios, e
tes logares se houve sempre como bom empre- foi durante a sua viagem para esta Frovincia
gado, zeloso pelo servio, e intelligentenas suas que se aggravaramn consider a:eln ente os seus
fuineqes. Em todos elles mereceu sempre padecimentos que con inuiaram depois da sua
o elogio dos seus superiores, e a estima,'e con- chegada a esta Provincia.
siderao dosseuscollegas.--Voltando aPor- Em quanto teve algumas foras,jluiou cota
tugal depois de 11 anuos de bons servios em a molestia, animado pelo mais ardente tde
Cabo Verde foi nomeado em 1848 Secretario sejo de preencher os seus deveres^- ma a
Geral Interino desta Provincia; e passou de- mal tinha leito taes progressos, que no foi
pois a exercer o logar de Escrivo Deputado da possivel deixer de ceder r- e reconheier qu
Junta da Fazenda, e Visitador das Reparties j lhe fallavanm as foras nec essarias para conf
Fiscaes. Incansavel no trabalho parecia que o tinuar a exercer o .seu logar, como elle de-.
seu unico praser era bem servir o seu paiz. sejava, e sabia Cedeu pois, e julgando que
Na rganisao do Conselho Ultramarino o a mudana de areas, e algum descano p po-
seu merecimento, e os seus servios io foram deriam restabellecer foi viver para o Coeitit.
esquecidos pelo Joven, e int.-lligente Minis- nente, aonde a princAipo sentio algum alivio;
tro, que ento dirigiaoos Negoios da Mrinha mas essas illsriias i~elhotas duranara pouco.:
e Ultramar, e o Snr Passos foi nomeado -1.0 Cada dia o rial cresca a olhos vistes t N6r
Ollcial (la Secretaria do Conselho Ultramari- dos o notavam, s o i o conlheca S. e 8 s
no. O Ministro que.o tinha conhecido, e sos, que parecia nutrir esperanas :el'd.
nvaliado quandotambem servira na Provincia que a doenf progred;a,
de Cabo Verde, soube fazer justia nomean- O temporal do 1. d'Abril, que tfatcs pa
do.o para um cargo, que elle no soilicitou, les, e prejuisos causou a esta Cidade, e eu.
mas a que lhedavam direito os ses servios, e Distric.o, pareceu ter uma deciidda irufu r
o seu merito. Uma vez ainda justia foi fel- .cia no esindo do Snr. Passos. ,-TPesde esse dia
ta na patria aquem bem long d'ell traba- o mal seaggravou.-voltOnainda.O iur. Ifas.
lhava humilde, mas conscieneiosamente por sos para a Cidade, e depois de atsrces spf.
bem servil-a, 'e lonral-a.- friments que elle sabia peculiar ateo c c iPU'
O trabalho a que se dedicava com uma do, e que encebria sua propria eposa --
ossiduidade que lhe nopermittiai nem a fra- falleceo -o dia 25 d'Abril s 9 horas, e media
queza da sua coustituio, nem a influencia da noite :depois d'`ir bireve ,onip ~- con-
periiciosa do clima, detriraro onsideravel- servando todis as suas feculdadcs, ph' asa oe
nmente as ji debe liladas fras ds Shrn Pas- timos moments, _n3 qle exp1, o --cem .O
es, e ~oi grande pesar, o Govemador en,* soceg de um just, e a resi-,i at~o de un
tlb desia Proviniia se resolve a fael-o par.- christo.
tir ppaia aEiitopa. AJil n oConselho Ultra- Poro st resu es-o,o d 'urn a s: t!sn
marino continuous o Snr. Passos a servir com cheia de servios, se conhece quaiito lerIr ne-
tanto zelo, e prestfo como era ij costume; recia do seu paiz, -o S r. -.N. RFerreiraPdo
e soube ganhar, comosempre, a arnizde, e a Phiso. ---A todaas as virtues cvias que odis-
consideraao dos Membros desse Tribtinal.- tinguim, jintaina ~o Snr. Passos fr Lon-
A aptido do $ur. Pass6s, a a'iuida Adett48 t la..d. arter e de orao o que 6 podi









aprecar, qaem de perto o conheci, quiem
sob aquellas modestas, maneiras podia; pelo'
tracto intimo, descobrir muilas qualidades
generosas, que elle encobria aos olhos dtos ou-'
tios, como o ,varo guard o seu tbesoui.ro.
Alma pura, espirito nobre, e recto, sua
vida foi um consItAte sacrificio em pr6 do
seu pai7, dos seus Pmis.i, e cd sua suainilia. -
Ufinimamente qiando a niolestia que o leou
sepultura, se rmanilestou mais infensa quan-
tas vezes elle derranmaa lalrin:as no seiode
um -amigo, para as enxugar na presena (da
espsc, qi;e no queria mortificar, dando-lhe
suspei!as de que duNidava do seu restaLele-
ci mento ? Quantos esforos no -fez aquella ai--
i? a ftiwe em corpo to debil, para occultar
OS soffrinientos atrozes, que o atormentavam
di~: e noitl. At ao ultima morrnto lhe no
faltou a riaso que Deus The conservou pu-
. r r, oara dar mais una prova de quanto po-
iim a ,ontade, ea. fora de animo, sobre os
pFdeern enlos phisiccs. No n eio'de olr-
meritos 11 eriveis, que s Fpde.p aliar qu m
es presenciou, tinha o Snr. Passos sempre
mrn srri sso, -uma pala ra de bondade, para
,. pr,;,- Cue o con.II la : -pcique elle ti-
Ir- n ais animo n ais resig kac cc que'aqrel-
les que o v;am scffrer com tanta paciencia
Fem qie ella nem por um moment se des-
ir, entsse.
Bem eaffrael para com todos, a sua n:or-
lp peor tdos lan: en1(aa cono a de um1 in-
tlero, .e yeloso errpregado, bom amuigo, es-
oe7o exfremozo, e cidado until.
SSem I en s de fortuna o Snr. Passes deixa
a sUa infili? espo0a, e um filho em telnra ida-
de. que a Patria a quem elle serio com tan-
ta honra ino deixar ao desamparo.
SOs soecorros do Estado no faltaro fami-
la daquelle que depois de o servir com pro-
bidadee velo por mais de 24 anuos nos in-
ionspitos cliwas da Africa lega somenle sua
fpmilia a remoria dosseus serios, e hon-,
-rsder7 do seu nome. Moambique l." de Maio
de 1858.

; ,. .- '? *--


Mfnr.VTMENO DO PORTO
Sde 30 d'Abril a de Moie#


Cb;~ii~ai~iriiailririaaiaiiiariirsiariia


Noi ia 4 de Maio lugre Portuguez,' revtae, de 224
^int!'s.:.Cp)ilo Francisc- Dcn.rigose Villa ,',va, Il pes.
'38as de tripulao, da Ilha d'( Ibo m 3 dia., cum an Pes.,
na raiga ccm qoue sbiio deste Prito. e trash irais d'acuel.
'e, Ui.r.lla.,.n-aifim. tartarug.a e 2 officios para o Goverto
.. .-Cholupa Po~rturizni pario. Jose le 54 tonrladas,,
( ap [io .ieaquin- I-ai r is C re pini. 6 pessoa i d tIil u
lacao, da li! a do lho em 3 dias, com rcaril e urcfla.
.- r-al.al:oe Portuguner. ._Avia. de 'j9 lti-aladas,
(apjic Axin i GCuh.no, 2(' p ess<-as de triuiilain, 2 lo.
ias f t(go, d' Scialla en. 3 dias. cna n ia,fi, urc.lla,
gcrgolin e ( rb,'a,, I menina,.- negb e 2 ol'fado paia o Ceverno e i jaa s .rnnta da i'aenda.
N1c dia S B igue Pcrtuguez, Eslrella de iDa2lmo, de 1 5
< niladas ( apito vallevg Anad, 98 pessoas de- tilpula-
Cda, 1 bei'a de fogo, de Irlan bane er.. 1 I dias, com war.
fio ritiila. rebc regttal. extra. 22 passageiros, cue sio i
idai',; e. I n)ero ~rezI 1 negra livre, e n rest nego.
atiies t outrguenes de (tififrtctes Belieieq. 8 criados,
4 n en rre, 2 ofecios paia o Governo, 8 para diffeierate
Auctoridades.
EnBAliCAcES SAIIDAS.
No di. ?0 d'Al'ril- Vapor de guerra Inglep. rarA. d
forca de 0 cOavallos, Cc.n mandarit Oldfield, o cruizai na
costa, cim l rodizio, 9 b.cas dt fcgo, e 100 pracas de
gu nricio.
SN,, dia 4 de oii- Po1npaio Arabe. Afolbruque, de 30
t(i eladas, Mlestre ALdall, 14 pessoas de tiipulaco, em
lastro I;BTa Arinj.ars.
N10 lia 6 Pa.ttl Portutiez, Inve2rivel de 14 toneladas,
fe tre eit.itrik( 4arabo, lh (-ssoas de tripuleo. para o
Hin rde terniir V'ell;o, ao rurte de ir:deiras, em liastro.
-- Patld Port:giez, Estrella do .kar, de 29 oncla.'
ias, Itlre ize, pesseas de tri. \li t~ para a Ilha do
Ibo nw forerdas, ap negoriante Portuguez cem I criado.
-- Batel P'rtuv uer, Forituna d'Alrira, de 13 -one.
JaPas. M.ire Anad. 6 pewsoas de tripulao. para o Rio
Li. reVw farendas, esi ingardas e mais general.
Nt, dia 7-Pringaio Arabe, .7ate'Rlmer de 50 tnne.
!aclas ie store Aly Bine Salid, 1:8 ,pessoa de trii uilaco,
lA.bea de. fgo. :ara os portos da Ilha de Madagascar
< ni different fazendas.
Capitania do Porto de Moarbique 7 de Maindf 18~P.
-= Antnio. Aaria Gutede, 2.* Tenante d'Atmuda e CapiIt
do i orlo.



ERRATA.

O movimento do Hospital Militar public
eado no Boletim da semana antecedente, re-
fere-se:ao tempo decorrido do 1.0 at 30 de
Abril ullimo e nao quelle que por engan
.se publicou.



oui IqUE : NA IMPRBSA NAUma.lo
.: i; i ~ ,. ,* -.< ', .* <
\'


~ ~~ rii


-----


? :










,r Roo alim semanal serd p71,71icado 90.)s s &eg:tdRoir,
oid~'o d.a antecedente qownado aquelle seja feriado; assigna-
pt 1ara o fl,3Ilo Rqleizm, em -ilo?nbiqge no Estaleteri7nen-
p) da Ioo1lreuoa iacionad. e nos Distrietos da Provincia, nas
SSre.1rria.- rdoa Gover2u? e Conmnwandos de Vilias ; as assi-
qr~u do semp*i,2re Pega:~ adiantada,.


NUMERO 20..

Preo d'aOss)intu .ra, wr a'no..... .....O...'r. n
Por seis mezes.... ............. ......... 1M500o
Por tres mezes ............................ 300
Por folha ivulsa ........................ ^ ,o
P;-eo dos annunctos. por liuha ............. 040
Corrcapoadencits d'interesse particular, Ilder, M oBa


0no wo0VEfto GERAL, DX PROVINCIA-D E MOW BIQu1E9


8!BAflOriBj 15E B)pr Q]AQ


G*O EllV FB 0 4G ; ERAL.




'idular N. 7 47 = Em conformidade com o disposto no
arti o 4. d; Portaria em Ccnselh de 14 de. Novemiro
do anno find. o Governadr Geral da Provincia de Mo-
C'imbique, em Couselho, fuincionando como Cornsldho de
Lisirito, determine o seguirte'I
Artigo 1." So conocadas para o dia 28 de Novemnibro
do correpte anno, para ais 9 boras da niiw;h .as assenmblt-
as eleitoraes, de cada um dos Conselhos -Municipaes oests
Provincia. no local desin!ado pela lti afim de procederem
S.elhrio dos cargos- MIunicipaes e Parocltiaes, midade c<.m os artigos 47' e 48 do Codigo Administra(-
t!vo de 18 de Maro de 1842.
Artigo 2. Os indiUiduos eleitos para os cargas i~uhi-
cipaes e Parchiaes, em conformidade cem o artig, prie-
cedente,. entrarao em exercicio no, dia 2 de Janeiro de
1859, e funcrionarrio at o fim do anr.o de 1860.
Artigo 3." Firam em vigor todos s artigus da Pertaria
CMr uiar deste Goveno Ge ;l, de 14 de ..ov* n hro de
1837,. na part que nio alteraremi as disj.osies cntidts
na present Portaria.
O que se participa a todos os Presidentes das Camaras
Municipaes desta Provincia, para sua intetign(ia e de-,
vida exetu to. Palae' do Governo (Geral da Pro|incia de
Moambique 10 de Maio de 1858. =- Jooo lavares d'Al-
i ida, Governador Geral.



fircrlar ,A." 48 Aclando-se decrrteda a eilistituiiec
da Junta Geral de Iistricto para esta. Provincia, p(or U-f-
creto de .14 de ( utubto de 1SL6,, deentdo a sua or-,
SBiiu:,ii. e eleio ser reguladia em conformidade con o
que dislu o Codigo Aduninistractivo de 18 de Maro de
18'2.
Attenwendo ao determinado no citado Decreteo e Por,-
laria do Ministerio dos Negocios da Marinha e' do:Ultra-
mar i.' 1604 de li de Novembro doidito anno de 1856,
e s circumstancias especiaes da Provincia e.
) Governador Geral da .Provincia de Mioambique, em
Conselho de Governo, funccionando como Conselho de Dis-


11MUtE OMUILIll


tricto, terido em vista os attigos 183, 18' e 187 do Co-
digo A nriniistra,-tivo, determine o seguinte;
Artigo. l.o As GCmaras unicipaes da Provincia reunir-
se--io, no dia 9 de Janeiro do poximo future anni de
1859 para procederem eleio dos Procuradores a Junta
Geral do Districto, mandauda constituir nes.ta Provincia por
Decreto de 14 ie Outubro de 1856.
Artigo 2. Proceder-selha a esta eliio na form do
que dispoem os artigos,' 186, 188, 190, 191 192 e 193
do referido Codigo, eser tido em vista o disposto no ar-
tigo 1P6 do mesmo.
Unico. O prazo marcado no artigo 194, ao Procura-
dor ,daito por mais de. um Conselho, para a opo da
procurao que escilhe, s pode contar-se depois da reu-
nio da Junia Geral na Capital da Provincia.
Artigo 3.' A -4eio dos treze Pro(uradores,. que devem
constituir a Junta Geral de Dist,rieto, ser feita 'pPla secuin-
te lorma-, Ibo 2, INenbique 3, Quelimane 2, Sinna 1,
Tete 2, Sofolla 1, Ihtiambane 2.
ArtioU- 4." A Sesso. 'ordinaria da Junta Geral de l)is-
tricto, ter legar; no dia f." de Setemibro de cada anno e
-durir pilo -spa,o de quinze dias'utis conise nutivos, al6
ulterrer det-1rn1irai o de Sira Magestade FL-tEI.
O que se coin munica aos Presidentes das Cawaras Mu-
nicipaes da Provincia. para seu conhecimento e dt v'(a ex-
ccuO I'alacio do Gverno Geral da Provincia de Moanm-
bique 10 de Maio de 1858, Joo Tavares d'Aln .eida,
Governador Geral.

Circular. N. 19 -= Attendendo s representaes, que
foram feitas, cca a dcarestia dos mantimentos, escacez
que progressivamente se vai notando dos mesmos nesta
Capital, e bem as-im s poucas espeiangas de que a colbei-
ta seja a sufficieite para o consume doi habitantes dtsta
(Ci;ta te e seu district.
O Governador Geral ,da Provincia .de Moambique, em
Conselho, ha por convenient determinar, que fique pro-
hibida at ulterior resoluo a exporta'o de iiantiimento
produco do paiz, para fra desta Provincia, :ficando assim
alterada e revogara to smente .nesta parte, o dispo.ito
por Portaria Circular deste Governo Geral de 9 d'Outu-
bro de 1857.
O que se participa ao Director interino d'Alfandega de
Moanibique, para sua inteligencia .e para qu lhe lhe d a- e
vida publicidade, e execu(to. Palacio do'Governo G.etal de-
Mocambique 10 deMaio de 185--.= Joo ITav rts d'A4tl~i.
da, Governador Geral.


NV. 49.',= O Governador Geral da' Provincia da Mlo.










ambique, atendenido ao que lhe representou Fra.ncisco
Borges dos Santos Bicho, Director interior da Alftao'ega
de ,Moambique, ,edin 4o ser exonerado do exer.chio des-
te cargo, para que havia ii.Jo nomea'> o por Purtaria de
.e-te G.verino .Geral ilb 1 "cie Dezen.hro dei 1857 lia po'-
_coivenieone, conceder ao rn fridto Francisco 1Brges 'los
Santo.s Biihu;, a exon-raa) requeri Ia de Director interi-
no da Alfandega, de.Moaambiqhue, logar que des"mnperihou
com ilo e.iritelgenicia.
As auctori lades a quem 4) conhecimento desta deva per
tener, as.im o -tenhan,, entdndi-lo e cutiirant. Palacio
,do Gverno Geral de Moambique 12 de blaio de' 1858.
S.;oaoo Tavares d' .Almida, Governador Geral.


Swnse i as. 'Potari;s exped;das peln ,Screfaria
do Governor (eral, desde 14 d'Abrl ae
15 do corrente.

Abril 2T---Nomneanro uma Commisso para proced.r
viM<'ria !o Hiati-= 19 de Mai,.
Dito-9 98-- N Pairm iao e apresentanr o por mais um


lIoules, Conmandfintc interino rda Praa de S. r ha'tiKo.
-= .,s MVaria Pereira .'41 neit d, 1. rc!re'ario Ge'ra inter'no.
Ilentiicas s( exspeliiam a Ma r'c s Aurliio RBi!ritc-s de1
C!)id:nias, ajor Grisahil)i o do 1 xerrito d'e I>Prtea!. e n
Giilherme Henriques Oiaz CarIdoio -rofes.or r'Iistrucro
Primaria la Es,.hdl Principal de Mt ;amhique.



O Capi(to mr e Com mandate Oas Terras
Firmes renielteo a este Governo Geral uima
carta por elle )recebida do Cheque da Qui-
tangniiha, em quie lhe participa, que ol em-
,poral do 1. d'Abril find, eslragara na quel-
le lisiricio, todas as Mangueiras, e Cajuei-
ros, e que u.o nutri esperanas de que com
brevidad e se achassem em bom estado, prin-
cipalmenite as Palmeiras, que tinham tamntem
dnirffs oI m l;to O! uepr1 e oh tla-


ainn- PHrcho da Frruenta Ie S. Joo do Ibo ao P'U- ",
p Pa'o d0 d Iari" o [ na orandne falta de cocos. A terra que es-
rir- ( srano ,Io ,o>/arin Vilie. _.
I tao o-- Erxonerando Jse de- Soiira Calas. do 1oar lava coberta d'agoa, e que quem tinh ; fel o
de Guar)ia da Alfan'lea da Vilia do lho; por aim: o eli- i. piantafC)es, ou cul liado proxiNmio do ri: .ai-
Dito -.Idrm Francisco Lopes Ferreir,. d'o Iar le Por- ( coheria das suas sementeia-. Que io ti-
teiro e Fil da Delegalo Vla, illa o Ilo. por aissin o suas e i
avr ,,. ha embarcaes em estado ,"e ?ervitm, e
haver pprditn. .
Dito-- ftm .Pasqoa) 'alva lor da Cruz. do lohar de ,a- que s timham emi estado de servir as Barqui-
chriino da Igreja da Villa do Ibo, por assim o haver re- i has e crxs Qie alli tiha hido paar m~.
quero.' anoaio que vinha n'aquella rcPsiao do bo,
),lo- .1 --' Mandando admrittir 'wro offil' TIhio- q a a o
granho na Imprensa Naioinal, a Jobo Cinfroniode Carvalho, que acossado do tempera enca'lhara na pia-,
___ __ ia, sofirendo grande aNaria, e ptlo que res-
peitava a perda de gene, apenas lhe consta-
-ae^ 3 a haverem morrido 3 pessoas. Que liua.
Aerora4o em C,-nshino de Dilstri.to .' dado as suas ordens para que os can-inhos
Q.,p iso e examinsdo o Orcamnto da da depei a ar f osse limpos e desobstruidos, e para que
com as obras pre,.zas, para a eo rulussao d um t utro I(- -
rit, rio para esta Cidade. Orcan ento apres ntado pela Cania- 's habitaites procedessem a plaintaqo de
ra Mrrnieipal de Moambique na importan'ia i e 1:'ti!00 0() mandioca.
rIs -- aprovam o m smi O.;tmlnto, e auictorisam o C:.-
n ;ra a pr(p6r a nanevra poique mais fa ilrmerune. i.d:er
haver a quantia, que precisa para I var a eliilo ,quella .DMINISTRAO DO CONCELHO,
obra, reclamada por bem da shIublridtle do Mun.tipio.
liearmbique, Sal, rias Sess(is do Conselho de .li1trfrto Pr',.s corrin:'s do mercado no mez de Abril de 48.4,
2 de Maio de 188 =- (mGo,'rnndor Geral. Twars de
Alr jeida. ,;iha 'a mp .s. i. i.l.s. P s A^oardentp, oa arraf ..... . 5S3SI Farinha de pto. a a ja.... ,'
.Z a. X- ,S"e n eile.= a d it .. ....... ii)0 Ge|tin de Diu pintado .... &,
J. Z. X. Aloes. M= enZP s. J. -ardin s. 9 de arrola..... pit ............ 0


" N."> 20=--.ire~dar 11."o r. Sua x o Gover-
Dadr f;eral da Provincia aquem foi jres'nte o O(ficio e
r ,latorio da Commniso nom ada por Portaria de 2. ,e
-Maro ultimo e de que V. s. rtez part', toa.anido em coon-
-sieiaco os trabalhos da CmmisSia, maria l S e a adp um dos seus membros pplo zelo e int'lrgentia
com que satisfizeram a incumb, neia, que-lhes foi fiita, e
me en'art,.ga, de. comniiunicar a V. S.".que os trabalhb.s a
que a Commisso procedeo, serao em devido tempo atten-
di:os, como mprecem,. em bem do servio. i)eus (uarde
a V. S.' Secretaria do Governo G;eril da Povincia de Mo-
ambique 14 de Maio de 1858. ==Ill.m Sar. Candid Maximo


i de iergelim, d Asiu, ar 00 | Goma colpal, a arroba ..... Saiftq
A mAniicano. di'a...... 7o00 | G rt. bira i. tija.......... ~$0
ordinari.,. dita ....... 3sSio0 Licor, a Wgarrf......... 900
ilhos a libra ........... .. .. ~t,(i T ratr, a dita . ., .. r
4 Iliodo en, raiLna, dn:).... 'i3 1 lr'p de 1ari('e;(i' 0" aif. 1 ,4<10
Arro tno, a panj .......... 14)0 a finos deDiu, dita .... 1 S)0O
Bn (r'osa, ditla...........' O 14o M snttieA do rpino. a ilira. . , (O
fircalI d.'O mi .ea.. &9.O0 -',an terra ita ....,. ,. 4. 0
a de 16 o,," dita. ... lO M ,ca iM ro, dita, ...........
8ru do reinu, a arroba. .... 1000)O M 'rintu(ts'rafldesdu inuo.. 900
, di ,rlet. dita..... . .1d 00. M,)rim ordin in,, d,- 40 jar-
Rrande, a 'arrafa.......... A00I(0 ldas. '(ea.............. 41100
(oguiac, dita............... 6.. 00O |ilho fino. a p.nja ........ &54o0
Chourios do reino, a lilra.: $'300 a rosso, dita,......... .3(i0
( af em (riu a arroili ..... 7S ( Muxure. dita ............ .4n00
Palunmha. dita........ .... 0 vtacaea, dita;... ..... .... ,)0
Cera bruta, dita........... 7420 i Mendoim em cawea. dilb,. ... .&30
o em vellas da terra, dtr 16,200 Maiiam grosqo, a arrnba .. ..47(0('0
. av4itas de Goa, dita. 9~aOO n- meiui.dita .,.,, ,,,40fOu#0


--~-=---- ~----< i


.82











(hi spiirior; a liLra,.;... I,5Q00 a miutio, dita. .,......42 (000
o. rdin rio, dita' ....... 1420(o cara,-dita. ..... ..... 500
Cane!lia, dit:i ........... 20 on j Manilhas de cLbra, a corja. 1 07(00
Cravo dtia fidia. dila....... 200 OIlo de ricino, a garrafa... 600
Cardaiimo o, dita........... 800 J Prezunio a libia......... .. -100
Chocolate, dlta ....... .. 500 Pai- dita ........... ... 131)0
Colnii ho, a rr .b........ 4A 0 P o d' ito onas, ....... 0 5
Carl.ii iaui, a eva ..... ... 9il0 Pimenta redunda, a libra... 125
C(ssa br de l-rjardas, dila' 1480o Pratos azues, a duzia. ...... i,200
Chita inglez.i ordinarii, dita 0(10 Snlah-o a libra ... ......... f2
Castaniia de cujd. a pnj.. Toucinho da terra', dita..... 100l
Coral do rio, o maniss ..... ~0000 'apioa, dita .. .. .... 400)
DUlutin ad Goa de 30 minbo. Trigo de Goa, a pu.nja...... 1u206
a p a . .. .... .. 900 n de seiina, dita ........ l 'I0
de carVi. dita........ .I l00 I iull into a garrat.c..... 450'
D)oiugim pintad.'. dita 700) o branch, dita......... d50:;
J')rougo;nim pinisdo, dita.... s80O I imuscatel branch. tiI. ,9r0
Deiil torto de cavallo mari- u de careavellas: dita... .. 00
1io. a arr. a ......... 50, 000 f du o prt d pr t ....... )
o diri-to de dilt, ilt .. 9W00O0 Zuarte de curree - de 80
.Feijo encarnado, a pania. .. 40o mios, a pea ......... 90
branch, dita.,....... ..500 1 deCarvide a3ditad, d. 1840-
Cambio da Moedia.
t.O P.A
Ona IFlspanhol a.......... 148300 Pezo HTespanhol........... l1l00
a Colhmlb)iaina .......... 14i01I a M'xeinaau. .......... lf.
Ml ii dIbla.. ............ 8.00 i n Francez ............. I90i
irauo ... ...... .. 4i500) uipia cherina............ 450
j.uies ................ ..3 600 --
-'aenil, inue 15 de Maio de 1858. O Administradur do Concelli=o,
Jr )-Fraciasio da F~edade Pereira,


aUNICIPALtDADE DE CABO iELGADO.

Bdauio dos preos correntes do mnrcadu d'.sta Villa
do ibo, no muz de Fevereiio de 1858

Agnarrlente, a carrafa..................... 800
A/eite dcke, dita. .. .... ......... .... 900
---a-fde coe(, 'ita.................. 1..
-- de gprgelim. dita :......... ...... 150
Algodn -- em rama a arroba ............. ...3 Go0,i)
Asuear do norte a arroba.... ............ 4,50t)
Arroz fino a panja. ....................... tl0
-= gross,, dita....................... 8'40
Breu .o norte, a arroba ...... ........ 1.31 0
Barcal, a cirja. ........................ 164-tl0
Bascatp, dita ...... .................. .9.'010.
Cera em vella de Goa alibra. ............. 6(00
Caf em gro de Maka, dita............... 150
Ch verde, dita ........................ 900
preto dita ....... ..............
Canella, dita.;....... .................... 150
Cravo da India dita ....... ....... ...... l1h0
Cardamnomno, dita ..... ................... 61)0
Chita ingleva a peca........... ... ... 45ho)0
franceza, dita .................... 51iOO
.Coral do rio, o masso. ................... 3'00
Cauril a panja ................ ......... HSUO
Congru a coija'......................... 94000
Dente torto de cavallo miarinho a arroba.. .2-4000
a- !dieito, dita. ..... .............. .(l'000
Dogagiin de diu, a pea ................. 14 200
Farinha de po, a panja............. ... 6100
Feijo encarnado, dita........ ...... ... 4b0
Goma copal a-arroba ..... .... .. 36(0
Getim de diu, a pea .. .................. 1200
- pintor dita ....... ............... 2(0
Leno de carregao dita: ............... 1..l 00
---- de diu dita ...... .. ,. ...... 2700Q.
Loupa, dita....................... .1~000o
-- --larga, dita. .,, ., ,,,: ,. it200


Milho fino,.a panja...-..; .'. ........ S00
rosso, dita .... ...... ....., 0
iMuzuere, dit. .............. ,.....' 350
PMscaca, dita., .. .. .... .. ............ 2.. 0
tMarfimi girosso a arroba. .............. ..45500
- ni-mio dita .....................304000
n- miiuido dita. . .. . .. .. . . . . .2(l$)(000
-cersio dita................... ..... li000
cera" dia.. t a
Mloriti oridinaii'o a pea de '40 jardas ...... 4(000
fino branch a pea ................. 6/.000
Manteiga do norte a arr aba. .............. 54(i'0
Manilha de cebre a corja. ............... 1'W00
Pinme ta redonda, a libra................. 200
Quieoe a corja .................. .. .. 94g000
S. Lbao a.pericano a libra. .... .. .......... I. 0.
Tai trua, dita. ....... ........... G 00
Tign, do norte a panja...... .... .......... 14100
Lrzella a arroba ........................ 2000
iinho de caju a gai rafa............... 200
Vinagre da terra dita .................... 100
Ibo 1. fle Maro ,'e I188. C Esrtivo da Camara=- Joa,
quum .Jose Dias. E-t confoim m-= Roimero.


Relael'o dos pre'os correntes do mercadro desta Villa,
tdo Ibo no nme dsMAlaro de l 58.

Agoardente, "a garrafa..............,,.. 800
Atite d - de coco, dita .......... .... ... .. -.50
de gergelimn dita................ .. I 5
A-uucar do tioirte ...................... 4.':0
Algodo anwericano a pea .............. 3' 1 h)5
,---en rama, a arroba .. ..... ......
Ai: oz fino a panja......... .. ... .,, ....
Arroz giosso, .ita' ............. O......
B eu do norte 'a arroba..... .............. n14350
barealaa corja ......... ... ............ .1 64 '0
Haracates, dita...................... 9.(0.
Cera em velia. lt Goa a libina. .. ......,. 600
L.af cim gro de Mlaka dita............. 200
Cha verde, dita....................... 9
".- prelo ita..... 8<0
(Canella, dita.............. ........... 200
Cravo da Inlia, dia ..................... 50
'Ca ardai ni o, dita .................. . 6.,0
(hita inigleza orrdinaiio ia pea....... .... 44500
fanceza Coral dlo rio o masso ............... 3. )i0
(autril, a I:ai. ............ ....... 9(10
( ongru, a cofja ........ .. ............. 4. (t 6
Denie torto du cavalio marinho a arroba ....2 0'(
.- <-nireito dita....................... 1,o'( o
Dgapimi de rdiu a pea.......... .... 1 l900
Farinha de ro a lanja.............. .... 6000
Feijo' eInarnado dita ............ ... .... 4. 0
Goma copal a arroba .................. 3~c: 0
G(t'im de diu, a pea............... ..1'200
U-- pintor, dita...................... 12(0'
Leno de rarre'ga(r o a pea ........... (800
d diu dita ................... 2700
Lupa dita ................... 900
- larga dita .................... ; 1 1ti0
Miliio fino a panjp. ......... ... ... .. .30
-o-grsso dita. .................. 50
uxuere dita ..... . ..... ...... a. .
Macaca dita.. *. ....... ,........ .. 2 O
XIarlim gros9s a arirba,. ,,.... , 4500 "


ps.c~-~a~rrgltrrr~~ol~tax~~araarr~~.









-- meiaon dita.................... 360000: .
.- -- iudo dit . ........ ... ". . . 2000 '

Morim hbanco ordinario, a pea...... . '.
-> --fino dita ..................... .
Manteiga de diu n arroba..... ...... ~ 5[00
,Manilha de cobre, a ,orja.....'.:. .... l SffO
Pimenta redonda, a libra......; ........ 00
Quiroe, a coria ........................ 9 000
5bhao americano, libra .. ...... . . .
Tartaruga, data.... ..... ....... ..... 3 .6. 00
Trigo ido norte, a. p'!a.. ..... ........ 900
Urielln, a arroba........ .......... .. ") 0
Vinho de. caju a garrafra .. .......... 00
Vinagre: da. terr dita.-..-. -......... 1,00
lho l. 'lf'Ah;il df 18, O Escri~o da Camai a
Jocquim J ose Dias. Est o0flornre = IR0mCeo.


---
MO VIMENTO. DO PORTO ,

de 8 a 14 do corrente .


EMBAncAcES ENTRADAS.

No dia 12--Cove. ta a .Vapor. Ingleza, tyra,. de 400 to
Bela:lss, Comman'nante oCapito- Olfield, 100 pessoas
de trijulaeo, 9 bocas de f EMBARCAcES SABIDAS-

No dia -8 Escuna de Guerra Portugheza, An4gra, de
1 (O tone!adas, 'Cci iandnt oT TB'nete d'Armada .Jc.o
Eizt-bio d'Oliveira, 41 pess<.as'de guarnui,io, 2 boccas de
fego, para 'Qvlimane coi 32 passageiros, que s(, o Go-
eirnadidr de Quelimiiiae c:mi 2 filhas, e 3 criados, 2 Of.
ficiaes do Batalho e 27 pravass de piet..
-- ,Pair, air Aabe, Fatal ker, de ,50 toneladas, 3Mes-
tre Juum iinpe An'iss, 20i pessoas de tripulaoi- co, fa.-
Szendas para a Ilhadcl S Loureno e 35 passageiros Mu.
jjojs, que vieriam nodito Pangalo.
-Pangair Arabe, Sayy, de 50 toneladas, Mestr As'
sane, 17 pessoas de tripulao, 1 boca de fogo, para Zan.
zibar, com fazeounas cauril e 31 passageiros Arabes, que
vieram no dito Pangaio.
---Pangai.i Arabe, Fatal.ker, de 40 toneladas, Mes.
tre Jumau, 22 pessois de t ipuilao, para os Portos da
Ilma'sle, MadagaJscar, em lastro, com 7 passageiros Mujojos
com que cnritu neste Porto..
No dia 9--Pangaio Port1rguez, Boa Noticia, de 13 to-
reladas, Patrio Assane, 13 pessoas- de tipulao para a
Ilha do Ibo, cim fazenldas e differences generos, 2 passa-
geiros neg, cianite 'Prtigu'es Barianes. com 3 criados.
I- Batel P Patri o Vandll, 14' pessoas de i ipulao, paia a Ilha do
Ibo, .omh faenridas' eniais generos, e 1 Padre gentio pas-
sageiro.
-- Pangaio Arabe. -Sucar Pass, de 50 foneladas, Mes-
tre Aragy Bai, 8 pessoas de'tripulao, 2 bocas de fogo,
para Bnmhiiir com :marfii e eauriL..' ,
- angaio Arabe,. Madiu lavsd, de .10 toneladlas.
lestre hbb,. 12.pssoas. de .tripulaiO, .1 boca .de fi(go,
para Bombaint com niai.f.i,.:cauiil e.urella.
--, Pangaip. Krbe, ,.a.quimy .Pas4., ,de 48 'toneladas,
Mestre Abb, I.. pessoas de tripulaop, l, oca de fogo, pa-
ra Bombaim com niarfisn e cauri.


rmil-i------------i--i-C


c --iri.irr~-us~i~era -~ IPr~-ianu--iu rii--iii ---i- -, j. ..L.


S ,-'Pangaio Arabe, Hassingas, de, 66 toneladas, MeS.
tre Aly, 1 pessoas de tripulaao, 1 boca de fogo, para Bom-
baim, com marfii, e cauril.
No dia 11 -- Pangaio Arabe, Dolrl Passd, de 85 tonela.
das, Mestre Goa, 1 3 pessoas de tripulaao, 2 bocas de fo-
o, para Bomibaim com ceur:il, marfim e abada 2 pass.
geiros hathias.
--- PaIngaio Arabe, Laquim Passa, de 71 toneladas,
Mestre .Mamadle, 7 pessoas de tripulao, I boca de fogo,
para Biomba;n ctm i)oarfimi, e cauril
-.Pan eaio Inglez, l(' t Carino, dt 8HI toneladas, Mes
tre Shli, 11 pessoas de tripulaco. l boca de fogo, para
Bombaim com cat il- e marfim, 4 passageiros, stndo 2
mourCs e 2 christos, negociantes Portuguezes, com 2
criados.
--Pangaio Arabe, Saquimi Pass, de 85 tc.ntlhddas,
Mestie Meguegy BatrneryC 10 pessos de tripulao. I bo-
ca de fcgo, para Bon baim co maniarim, e'uriil e cocos.
- -Pangaio Arabe. Alasuro. de 8 roneladas, Me.tre
Rubia. 42 pessoas de tripulao I Loca .de- f<,go, para os
Portos de Madagascar, com fazendas difflerentes, 6 passa.
geiros mnujojos naufigados.
'No dia 13-Pangaio Portuguez, Faala-ker, de 48 tofie-
ladas, Me.,t~e Damn Cfgal, 16 pessoas de tripulao, I bo-
ca d'e fogo, paia Bombaim com cauril e nai:tim. 9 passa.
giiros subiditos.Portuguezes, Ban iane, Gentios, e Mouros
com 4 criados.
Capitania do Porto de Moambque 14 de.Maio de 1858.
.== Aitoni2'o. Mria Guedes, 2? Tenente d'Armada. s Culilre
do 1r'orto,




ADMINISTRAO DO CORREIO GERAL.

Pela Administraao doCorreia Geral de
Moambique se faz public. que nos dias 5."
feira 20 .e Sabbado .22 do corrente mez s
6 e meia horas da tardese hade fechar a m-
la para Lisboa por sahida das Barcas da-
mastfr e Charles tas para lanar no Correio devero dirigil-as
at os dias e horas acima indicadas. Moecam-
bique 15 de Maio de 1858. =='Caetano Hen-.
riques, Encarregado do Correio.


O Advogado Jose Francisco da Piedade Pereira, como
Encarregado da arrccadaco do Espolio de'ilol Bava, per-
tende pagar aos:Credres do mesmao, desde o. dia 20 do cor-
rente, c 6.* dividend a unm e meio..por cento, o que se pre-
vine por este.a t')dos. os C, edores, aquem -igualmente pede,
que tenham a bondade de.reunii-se na noite do dia 1.'
de Junho seguinte em casa do knnnrciante para se delibe-
rar sobre .a restante cobrana domestic Espolio, e entrega
dos papeib respectios, visto o Annunciante no powder coti-
Linuar mai, .tempo por. 1rtender Tetirar-se para Goa. Mo-
ambique l de Mlaio'de 1858.




Sl oiaUIQUE.- NA I MPRE SA NAC.ioM,







A NO- 858.

lste Boletim semanal sert publcado taos os Sobadcs,
ou no dia antecedente quando aquelle seja feriado,; 'asfigna.
ce para o mesmo Boletim, em Moampique no Estableeeime's.
tlo da Imprensa Nacional, e nos Districtos da Provincienas
i orctarias dos Governos e Command* de Vllas; es arei-
1 :~l;ii ; a, scioi r paMs;pa~~ swtads..
l 1 i


NUMERO 24.

P reEo I'4ntsgnntura, pOr anno........... ;r. 1800
Por seipees ..... ............. ........;. 150o
SPor trees mezes........... .......... .. R800
Por fo ka avusa ............... ...... .. o,
Preg do. annacios, por linha ... ...... *040
CorrespondenCiai d'ntsirefe'pirtier, Idin a s0O9


... ...E.LD.E:VTINMI:. E: ..

ts0 .OVERNTO GERAL DA PROVINCIA DE MOAMBIQUE.
.... ....... .. B .Q UE.. .


ASSAB 4100 S BE MAIO. -.

liH i 4 SofalSa L.- de Novemibro de 18'57. O Vigrio --P."
l i IIl' IIIj1 Mauricirao Micaelf rcanjo da Costa.
DISTRICT DE SOFALLA.
I I F .4 UTQappa morluario. dos Mouros nested Disrielo de So-
if 1S=, Governo de Sofalia IllIP Snr,-c nbo a falla. desde ... a 31 de Dezembro de 4857.
'. aiifaio de participar a. V.. S." para levar ao conhecimen- 1
to de 8. Fx.' o Snr. Governador Geral, que ste Dis- Tab. filho de Tacarc Punja, natural de Sofalla, da 7
tr;cto at esta data goza de perfeito socego e tranquilids. "nnos de idade, Religiao Mabhomtana;
de A saude public nuo se tem recenitdo muito. 'N,,no Abiba ls.fo ..filo d-ue oll,
A irregularidade da chuva sentio.se s.ensiveliente em 45 annes d'idade, viluvo, RIeliagio Mahoometana.
relaao A produco dos cereaes, que parece-ite. ser es- Nuno Ava Adamo, filho de Adamo Bujam, natural do
cassa neste anno.--Tem tamibem harido algumas 'ebres Sofalla, 70-annos d'idade; vinvo, Religio MahoPetansa.
forces. ........ Capitania mr dos Mouros em Sof4lIa 1." de Janeiro
nrdl mai4 ha occerrdo digno de se notary. Daus 'Guar- de 18S 8 Assanieulam rapiiMo M'.
de a V S." Quartel do Governo de Sofalia 29 d'Abril de
188 ==-ll." Snr. Jose Maria Pereira d'Almeida, Aju- Mappa dorovif mento dante d'Ordens servindo. de Secretario Geral- -aetau 1 do Jdho de 4857 a 34 de Maro .de 858.
Piedade e S, Gbvernador-intedrio. ... ...... . C t iris digenas Mouros Genrios

-Em afficio de 27 de Maro ultimo, envia as actas e de. a......oi aa .
mais papeis Originaes das Flit-5s. que se verificaram no g m
di 22 de Novembro do annr proximo findo. na .Vdla de' Eiaiami em l de .Jlho;. t4- -7S4-s-so--4-9-- n- -eO
Sofalla. e do resultado das mesmas se conhece que ficaram ir .....tid......... .. -- 12- i- '5 -- -.-
icram, existindo....... IUl-1,-'138-935--43---- 5 ,,---
constituiodo a nova Camara Municipal, David Francisco de. Va1iceiaam ............. 1- - a- 8-- '-- .- o-
Andrade, Joaquim Baptista Sat mento, Jose Joaquim Baptista :iStei:. ..'........ la4-i1s- 730-97-.9--48--4- -5-- -OIl
Cererilo, Jos' Gonsalves, e Francisco Sebastio- de Souza. Quart.l do Guverno do Districto de S~.falla 17 d'Abrit cae"S -t.'O e-,
S .. ?a se.Piedad e Sd, Gooernwor Interina. -
Que foram eleitos, para Juiz ordinari Filippe .da Cos- ....e.... . _io.
to Correa, 1.o substitute Manoel Joao Jorge, e :2.* An- Iovimrnto do Porto d .ofalla desde o dia do
onio Rodrigues Nunes. Dezmbro de 1857 ate 24 d'Abril de t'58.
Juiz de -Pa., Joo ;onsalves, 1." substitute Rarfel Pa- .
tricio Martins dos 'Anjos, e 2.. Salmangi Vallegi. .. E.A.Cac.ES ETRADA .


Por officio de 15 de Abril ultimo, cmmunica o Go-
vernador interin do Distrieto, que se achava concluida
a obra e reparos de que carecia a Praa de So .Caeta.
no. na importaneia.total de. 107:(000 reis. Que no d.iaw22.
de Maro teodo entrado no Porto d'aquflle Distrieto o
Hiate== Aguia == e fundeado no sitio do.Mtto.Girosso,.su.
hedera ter hido d'ehcontro a -praia da Mhota, -a onde. enu
ealhou por effect, dA impetuosi lade'do vento S. qne des-,
de o dia 28, 'ipiou eom grande furia perdendo um ferro
eapoz esse, o~u ro, a que felirmente, fora. possivel demen-
calhal-o. bpm cnloq.rocegar. os ferros, dos quaes s6 -um se
poude obter.. .
I gualintc remette as psguintes estaltacas;

Sista' morluar ia 'da Fregeia e IV'. Senhora do.
Sozario desde o 4.o 1.-a 54 d'Outubro de 1857.
Zacarias da Costa Correia, .ilho de PaUo -da Costa, Cor-
reia.- natural de Sofalia, 14 a nos d'idadi, si"*otio. reli
iao christi. Igreja Patochial de N. S. 'do Rozario em


I No dia Y de Dezembro de 18t7'. Palinha Buparel. Ca.
pitoCCassamo .Bay Ussane de Mo awbique, 18 dias de via.
gem, .com farendas de Lei bebida- espirituozas, 12 pessoas
de tipulao, 21 passageiros e um criado preto, 81 toIe-
ladas, 1 bca de ftgo, e 'lawtrt de pedra e ferro.
No dia 20 de Maro de 181W Hiiate Portiguez.',4geia,
Capito Achumi Gulamo de'Moanibique. 10 dias devia.
gem, cthif'az'endas de Lei 21 pessoas de tripulao unm pas,
sageiro, tires criados, duas peas de fe~ro, com lastro de pedra
e ferro(sendo b1 toneladas de pedra e duzentos lingoa-
dos de'ferro).
.EnBiARCAcES SAinDas
No dia 4 d Dezembro de 1857 Hiate, ddsza, Capitio
Achumiu Gulamo.para Moambique, cori marfim:-e arroi
quinze pessoas 'de tripuilaio, um passgeriro (Sargento Lou-
reiro ) e uma senhora, quatro Triadas e um criado 'duas pe.
as de ferro, 19 toneladas, .co. lastri de-pedra e farro, an-
do fetrro.. 00 lingoados e pedra -15 toneladas.
.No dia 20 de Dezeibro, Palinha Rupared,. Capio Cas-.
samo Bay Ussane ,para Cheroane; 21 pessoas de tripulaio
21 passageiro 4 criados negros, os phassgeiros 5o. tedoc


.~--o


i ,











do Estadlo que vo para o Bztarito, t boca de fe Sofalla {2 d'Abril de 18bH.=.i ,oiy Freiasies
%lleladai, last o ferro e pedra. Qaurail na Praici n~d l/i. ',1 t, A.cre Ciendanants do Praq.

a rNTA DA-t ':, B ~ LICA.
Balano do Cofre Geral da ,'ovincia kd Mioambique do mez de Fevereiro de 1858.
Pxisitnt, em st de Jlaneu pronim Ii aid............. ....... ................................ 8:.i3:00i
Receits do corrente .................. ..... ........... ... ..... ............. .......... ... : I0: .-... O: q
)eapesa duranle o referida mes..... ............... ..................................... ... 8:84S1g

Ais.t*ate *em de Fevereir.. nm inR b ro...................................................... 61 fi .. 4
Recib inte ins .......... U.. F. .. .......... ....................... I,;474 7o ** fl! b 4Bd


Rei ...teri, .....:... .....................6 j0 i

Duseno/himmt d, Reeita.
e ia pre lial......................................... 9..8..
itsimoi;..............................................,.. Sft' '
wsu OirentosP.. Pap ld ................... .............
H4.,I]-, de vrh, ..... ............. ....:....;........... I atW \
.iltul de Uer........................................... l 5j41I

Imp. st I If d aruirrs..

at' /e_ M'Warionee, ........ ... ........... .... ll. .
SI l Dr i .. Etairo... ..... ............. ... .8 .4. ".
Por ~hidal, Ditce s.riinaes ......... ....... .. .... 3So




o ............... ... ............ ... .. ............. ........... ', .,..,.... 1 4
Impressoa' vndide'. so Puhlico t... .............. .... ........ .....,. ... 8(
Pir-mcnto dan depegas frtita r'vn na Prea Franei a harle & C-r4-r. ........... 04ttl
V Rir RendfiimPiti da N.tiir........ ..................... .................... ... ..l 7 6
Rep' sii ...... . .. i.. .... ... .................. .... ........... ... 1.875H
Pelo deLite, por eatentro- a C.Lre.de .fuiftre e Ausente t.......................8087 t
Wipvoihmnti do Desperza.
(dir'e ado 4 os Fmprp igoh da A.miiiirf.ttr iir .................j.... ..... ..,,,,,..,...... 18 il0
G atifi.tl o In rpector. Factiv1. da. Obrais nbhlins....................... .... o .... if
PV rneriieita der ieeriso pare concerto aj vaii, o iAriei' ...................... (PP6 ' ..... 18 5 *
OrdPendo asa 'rpregadiL da A Pi.rnerin.en deP FaPendas para o PrePjii Q;, i ndo ao. Fdrprcadei da Ad~ ipitrarfB d .JiuAti, .......................... ......... '!7 77 i
A nul sirlio o s.idire a........... ...................................., ..... ....... .*500 ,
*,ir.um 4.us .Empregad . -'i -: : .-dminmiraca MUItHr. '


S i ulagafem d''Ordel .................. ................ ~8 .
li a .,r af4 an~" raisp do Ptailo ia lrf Interia............. ............ .8ll4R:'I
.a ( .aes ~ fcis ci 0rf'ian inl a r Ofriaetsm diapoalliUdad .......... ............. ..88 00
freit if prr as d, Pat-iFoa d lf ntaria e Blterie d'ArtiTariT ,am-s.i a dAr vn Pro. r Pi eP br. d I1S7 e laneiro d; 1B8I. ... .. ............. ..:.. 4 84/O4 .., : 7 4 8... *8:89 158
irai af raar s Ia (< f anirai rie' etlrali do npa- d, niP, iltih <1d4 -IRS.,....... 15IHdfi l
*O dd ..l EBEpregado. dai Terraa Firmea........................M................ 4S'(
S Uit, do ,pitai iilitr o!tic ............................ ........,. s7 s \
*t d o Ade *ri ,,d f'1a dM ilrinrria. e "


--rde ....aos o .r mpvr.Ioao c st I da (rna. da.u.rinhaBa r degradados,....a. TS4Xi
prV rnrii'rento lde ferro. ,.,, ... ............ ............... .... ... ...,. 41 rd1 .
- :nrimnlou e ra8is i pras de 'a rinbtnieat it PtaIrb, ~7emet ............... 1 087.
11er8. a:ros rir*npfeie ,e 5i FraCrpu al C0 1tio li !9 de A'..................... SRt6O1
t'enci ePnttr ao Pa.tro .rnr ^, MoquW iatir'.,......,..... ..... .. ......... ..... 4' 8
tncargo Gerae Soldo aoOfciiae R; i r.ad,..........;* ****** .................................
Dieersas Jespero,&


4811,51i


I


.. *:S5II


Su'la#Io triruleen la' PDapf ~aa,' paeu/iaadn. a i Ordenadn no kx IAmoyPril'. Fi',l. e Vratifiraie #. Faarr'reviat da Jui ta d,+ L- -o,sn a' ....st,46.i
r ,recimpato de cal s.1 Amnn.... ................. .... .. ..........?607'
&.tdo ao 0..wmandAate dk Fcuai A pror conta doo samCiraeu t.a............435<.a
*ale 4 praa daecam. a. zno.l...... ... ....... ....
Id ~Il praa, de 'pret destacada#. na Mareei !rancea Chpie (urg4,........ ....... 14$tino

-. ., .,..~....... ................. .., 14

~ibrns.mrpia e.ro'I P .e5a5IaMq 1? da F.I n da .. 3) '. (~toIe-









Devendo ter logr Dp dia io de Junho pro- panG&' alo Sn,r. 1o7a ate Oo (Yn'~ pomttlu ele rv
linio, a Procisso d Corpo (1e Deos nesta Ci. '; ""> i'.<>~ f"'>'> r a C i 'CCOinPanhako
1 n ccleo C1 -0, s
da.de, so por este avza prevenid tods os N 4, povrce-o dpsua.-. caa at o tlg rib z3.Pp -
e)nmmenddores e Cavalleiros, dias differen-, quiarlo acy w~m So,' Si coroi r bituqne~ ea;iae
mais ;de 40 gru pos diferentes <''amhos o6 As, pSra s
Oi Ordens Militares, e demais funecionrios qca ipeIa m 'sma sort 'r''o r ~tiio c fm i 7,13
publicos, existentes na Capital -para comipa- coral, mungaz. e witrao mitgrnla h ta;vbeni fluIT a.
'CcerCeM rio referido ia pelas 4'horas da trde T'ndno.se pwRasso o0 dia 923. C< m inpparr(r o rUlhbo 9
refeido iThsetre, segundr2o proLllettera. e para 'n dli'atar a -a-prm n Q
i StS M~a1rizfim d'assistirem~ citada sem- ,r' Rora N r-ceNd1o us injtrtIs7VP d',ell Slr. rc>vp,'n8-'
dade.I,' hp;aiio embarcando %1, 10 de rilanh5 0. que se firz public W'ordeens de Sua, XB n p'4.<" Mae~'.'>a. erra lo RCulo '~'is para xtratr
.ete .so>be a 7ntrega do blin o ('Ver'na(lor 'Geral da Provincia. keenp1- n'mpanhii um CabQ "oe ai.in- p-&rte escolta, e o Re
ria dlo, GjroveirnoeraI 22 de Maio de 1858 P !.-t7d3a.
.' 9 d2a mni h de 55 o Snr.eiint ur~r PIs
9zJog.e -Maria Pereira d'- mctf',eV ri, Secrta 8, M idjIr-"ra% sentin
Geral interino. usse. 4d o comCbr, e o tin 1I!muinju
____ or4dem para Frue ao Sar2 Rf1 5? mi, O ne.1 flC-
________________ "i 5ro. Ceiht~. tErr~nrio do t; -, jSr r,a tp4l-
gZu o enviad e parents . ?w-50 p!BR"o
ItF-i4raru> tia p .f Goiven1dor do Disticto de r:ft>h ao SQgiq . i ra irem ar (Ynia. ner, 'oVar- uas pptiran na mA,iiga'aa t
Lasi'P~ ti qusa~~lidae deP trre me;t da '7l ? i'si? is dal A8soiraf&o0 daB sc~Gphn).Fiao doi M'RiW ?: a.'~S~ Ar 9 horas da manbh do 1.3 d1'O1tibrn 1R>,reO unaI
Imaa foi e pitfl4mad p108. tiF r(lOS 8 Fi- ,a4eudo Fes -
3wj'"15j .I l aquirn apaoia %rin por9~l<', 7keodor -'ic *a- :lLea'lores )subdanaii~ .desermiJi egand os'1 Ma; rt~u~o.a. i ern.
;ops, J (qA m R Ia Ia rdE co7m rign rio fi;riroedo de &nw 4do dscravos el.nare ne-,
NanneClJoo JOr~e ir Emilio PiallrE. de Suza. gras. uetrinhaq, e muleques rn ubdnos:
-No dia 1 de eten-lro de 1 3E,7 d pois de ter dad' O Snr. Governador cn .o poucoe forca. qu5. lIetva. a
Vdas ProsiderCiasno Districoe d uma issa ee, culVa5 i-ma canianheiro ri Vige!T'. c1cndcoe r n aallio desta Vilia accc'mranl ado dos si(,be djt,s, d'ti nia esEPs escruv<'s 1reis, priem a rr-PI.xo ,C (i 1P eQ.Ie plio..
'caolta de 6 sildads)R .e uin 2.? Sargerto. fO ne:grofs eun- iPrt reaiiyado riaija grande 1rejui7r o; tr;eto pde So.
duCtore5 de foizejhda e cc'miiwei, v ains outs p*'r. fali 1( hoje e ni)e extineItIcs re.
encentes ~A"soeiaio. e eguindo w. iasica 2S 2 bj')ras l-ue.s ( armizde com o No-?"ircvs^. cc',io aooteeea etri
de,sa 'tard crc rnn.' na .CIio do Wvouro 18.4 6, fe-z.c.zD qe i!esistiswe do, project e icho que obrou
,MUssrzg. d'Criris 4. 4 Foitras seguimns at ac Chnivo eUm toida a ciruldencia0
ao'nde chegu s 8, trnoit('u abi cili casa d'euL.o tiou- No dia 29 d'ordle dO r, S' se "una rCa8a corci
ri'> A~nadde 1 Em 11 tendlo narrblado s 86 da anui prela 10 i"i' la Iio e<.l3iidon doni. l',.fulos, e sro; guos. dias endb
0am~,'AQ (-mha, (nie o e-tw%o esperando, -por ourdena *1>rtia se &rar baram r< i'. doiq. A <'ai'rie destes hufalon
jreedenitemnaite ~.xpedida. 1 c<'xo e 1. larcha para o eoa e ada differe du de. vaca n,, osto.
4rnapoti de todn Jew~]at e rdnde' w1nero de csrgasA de 't-das, b l"'ar (#a ti.rApe no dia 1 ? rec4heu5? l nuw" ~ tR
farendas Vpr 'ctrt!a da A>.socipCi. e d'Ile pedeat. Con.(leoato de 10deo P'4
traves'ado o -rin,( chirede, dos II s 2 da tarde frlos SCS'uido a ?.esro' Ia affirn,tiva, de. Chia. (ida ,hre entrega do 41io0
j-canr tia, powovofici r4<': i. gulo .Ie ru prrzc> da C- das niiaa, e rcoom.endlava brevla r6 d'o ffipsir ruv me. ( lrinAe., Ness.e mnee0 (ia Qsr u'cdirr rport>nOres para chamros.2 /1ahrcs B1.ia 'dous diatamerte Orm 1 se oroenou ao, Regulos dci Ps. 'ri<;*
f:tiIo,, de ti -ia de Altirg para 'ScCflnF';.ahari> ao morde para pruuutareiu mantiment abii T,,40 o dia 93 das w a r a r F lt a oite, se, tacsn 4l bo ri eio dia de 19 ma>r trai danca caf' iaes d.as'nrtrciSf d.ii*ti IpaO (]'- MO. "Fcanl;adrtc4 ateufi des mecionado; por,9r tpvas. k',3 e tieia:
IOhi'<1a4?or4sm ~ ,ccesi,vos em nptmero de' 2 fv'it'a j as'a dca tarde l.jse dor comr o uio NIMarIra. ( rrra, do 'I,); a
se911quiar ao Arerpd&tplaf,*h -d e r-a. o 0R e.io Sni- S. queas b chgiu 6 pooato. do negro Gipo. onde 'e passou
retriIuio Q e( e limu i ew ini p;w ,de zuarte, altem dei a nite.
aMoita nhisanga. co nnmo e outra de'?enhad, INesta, pVGcho derois de designadlas as palh1t03 pora
qlle e1!l Isincava no cv,,,,i >q, Q cdar)cayan.i osviageiro*s e'feitas as cer-nuonias- de ma-'
a que a% amimavaq nvlte Tt da ci despea era por curdi. Of'( ofl'erdin de 9aIlihohaa e fal ira- )ia,)rvo b tO e.e
I 'do prnprio ('ovrnador. quilr-nos 9dJons grItpos de danadoiewd'um e tutrio so;
Em l 15 marchocu se is 4(u 8 ^v ma nnli can,iriho -de terra. os'* (itoaes, ,()1oo r#-tlUirlB S osn) 2 e meiia z[uartes e fp ti i da tarde rPos ~lj'J s r ui(a %ca da RpegilI. Ala. de wissargaL a fora o aRradecimento d10o oszir. E&tas,
ju0e0re. onde rib> es erqko os Matavas Li i ?eu (.4 [Fe. deanPeZa -foran, por conta da ssoeniacao
-No di I hgiB o ai'i a' Beglos de qgo0t por no. nh indo de.ssa pov<,aczo, as n e mera do UL
ies, jkhdrgeir fe 9ingu'.~>. 17 r o ksalire, a qua o 'fijga'os l-gea denonxindaJoui. mf.e se Fzar'-
feitsa as rfFerenual dlo estilo rafria, atando lhse irao; e pela
dtuartr com unm quiftndo-de farinh-a de milho, ni.r dou Ic(&2n0wmos na pC.Vaao do 'negr.q W8a, e ahi bA 1mc Z-
c\ );o 0 .0e>araicodarenu da avoy 11t '>as noitou por n-n pode rp 'kg,3ir moia para lianitk.
O.Gd me d dito r. reti O )RvYe amtarui: da aop(..VnO ti O U a
'-Nib dia dlr`~d ~l dllad. E~t r~i .iL- Rg~a nrpa ~~bn t6Ts a ~~~t









uioa de maconeve e o obsFquio.u qom um grup dp:dadina-.
rioas que -foi. retribuido com um iuarte-e -24-fios de mis.
sanga por conta da Associaro.
Achei por convenient fallar'aqti .sobro a Algoa In
Aaura. Esti ella situada numar vasta planicie. A sua extehio
ser de 3 quartos de-leg.oa dt comprimento, e meia legoa de
largo. e a profundidade de 2 braas. Abunda em differen-
tc qualidade de aves aquaticas, d de beber anmanadasde
diversas castas de quadrupedes bravos que habito os seus
arredores, e aos viandintes que proximros d'ella caminhio.
Em 21 s 6 da manh sahindo da povoao de .Mataca
ao meio dia chegmos de Drer, tendo encontrado nes.
ta jordada 2 manadas de, bufalos, cada uma de mais de
60, e outros quadrupedes ferozes, quie passavam inoffensi.
vos.'Para dar algum descano aos carregadores e machileiros
se passou o resto do dia e onite tambrem neste sitio.
1' da tarde desse' dia recebeu.se outra carta do Sur.,
IRoza pedindo, que abreviassem a .twar ha, visto elle eseus
companheiros estarem disFrrovidcs de comestiveis, entio
o Snr Governador sem dfn oia expedio 2 riatavas parti-
cil.andolhes a sua proxima chegada.
Este Regulo igualmente observou o maconewee, F obre quiou
com danas dos negros- e n gras, que levara em retribui-
iao 2 e meio zuartes.-
Partindo desse Regulo As 0 da manh do dia 22, pelas
10 chegmos ao no Luvava',- limited entire Paranjava e-In-
nhaoxe ambos pertencentes ao Chia, ao meio dia po-
voao do'cUco, aonde se fez o almoo. Aqui nos espera.
T Uim negro enviado do Snr. Roza desde o dia antece--
dente para nos avizar que elle estava na povoaio de
. ambere, e que no passasse pela d'lphaoxe, sem fazer as
ceremonies cafraes~. *
Abalando-se .s '2 e meia dessa povoao de Ucco.
rao derigimos de Bambere. onde pelas 4 se reuniro to-
do,; inclusive o tal. Joe Pipa.
No immediate dh 23 se fizero as ceremonies seguintes.'
Participou-se a chegada a< Bambsre. como filho do Prin-
cipe' Maeneca, com uma .e meia loupa e 1 pea e 2 varas
tde zuarte.
Ao Regulp In.haoxe iiua e meia loupa e 2 zuartes, de
.amba, ou ceremtnias pelos defrictos, para o que se deo
tima' meia pea d'algodo e 2 braas de dotim.
Deude Funda e' vestimenta ao negro que .figurou da
parte do Cia com 1 loupa, 2 zuartes, l" eno fino,
garirfa d'agoardente.
Feitas estas solemnidades. io dia 24 as 9' da manh
sahimos da povoao de Bamber e pelas 11 chegamos
i do RBeguo Inhaoxe, e nos eativemos at 25, em quan-
to este fez as ceremonies de Bamba
No dia 26 s 7, da mainh accmpnhado d'Inkaaxs Bem-
hr.re, a sua gente. homes, mulheres e crianas, nos di-
rigimos ao sitio da ir.ins as a proximidades do rio, MS.
da, aonde pelo meia dia nos alojmos.
SEm 21 as 8 da manh, junto com os ditos Regulos, En-
Siados, Capitio.'n/r, e outros companheiros hindo s mi-
nas na dit4ncia de quarto de hnra do logar di alojamen-
to, tirou o Snr. Governador uma gamela; d'aria, ou barro
e a poz lle o Cpito-mr e o Regulo Inhaoxe. e depois
trazendo mais outros, todos fizeio o numero ie ,12
inandou' laval o, que feito apareceu piquena poro de
ouro do pezo de meio matical,'que levou o Regulo Inhaoxe
para fazer as suas ceremcnias do estilo cafrial.
Canados j os rarregadores pela jornada forada e por
outra part a falta do mantimento no se poude. explorer
rais.nenhuma poro; pois tendo esse Regulo InhaoSe
promettidd vender mantimento ,negou dizendo que
o no tinha por medo- dos Matavas,, que lhe levavio toda
fazenda dadja em troca.
Levantando-se deste-sitio s 6 da manh de28 se deri-
gio i povoao d'ihaoxe, onde pelas 9 ez' alto ,para fa-
zer as cerenmoias da sua entrega ao dito Regaulo, quem


pwr este.-motivo se deu meio zuarte, etambenj para man.
dlar ao Chia.o prezente de 10- zuartes, 1 Chaile de lanzi.
.lia e 1 cabaia de rhita.
Pelas 3 d tarde feiio o:jantarseguio.o, caminho de
volta, e s 6 e meia alcanand o o Dfere peruoutmos na
sua povoaco, onde. nos provmros d'algum mantimento.
No dia 29 sahindo de Derers, pelas 6 e meia chegmos
a. sataca Was 9 e dahi sem descano' fomos ate kagoa
Inkaura. Ao meio dia se fez a refeio, e levantando-se d'aqui
s 3 veio ter s com Gipo pelas 6 para dormir. Depois parti,
mos s 5 e meia da manh do dia seguinte e chegamos aQ
Chironde pelas 9.
No dia 1." de Novembro embarcando' s 9 do dia em
Maaputtra. sa 2 da tarde chegimos ao J#ow, aoide pass.
mos a ni ite. Sabimos s 5 da manhi imniediata,. viemos
a Chambo pelas 8 d'aqui entramos nesta Villa pelas 4
horas da tarde.
Eu que fui um doe companheiroq deta jornada e par.
leno a Associao, achei que, feita esta nota de derrota
seria util, se nDo todos no rrenos aos Socios, que houW
verem de ir a Inhaexe por lhes indicar todos os logares
onde se possa discancar. e. por semelhante motivo me r^.
olvi a fazel-.a. Emilio Piedade deSouza. Esta conforme
Governo de Sofila 13 de Maro de 1858 =Caetano Pie.
dids o S, GovernIdar interine.


siiwlS *-- I l- ---~ -- v
MOVIMENTO Do PORTO

Je 14 a 21 do corrnta

EiBancCAE ESMTRADAS.
N4,0 houve.
EmaIRCAC&Es SAHBIDJ.
No dia 15 de Mait Pangaio Aiabe, liam, Pat.d, de
84 toneladas, Mestre Nar.ane, 11 pessoas de t.ipulao. 2
boras de fogo, para Bonbaim com marfim. cauril; 3
passageiros com 9 criados, os passageiros- co 1 nogociau
te batia, outro gentio, e 1 Padre da. mesma religiio.
No dia l!'- Corvet aa Vapor Inglesa. Lyra, de 41U0 to.
9eladas. cna.andaate Capito Oldfield,. 100 praas de
guarnio, e *9 bocas de fogo, para o Cqbo. da Boa Espe.
.rana, ronm o Consul Inglez, sua Lksposa, 'e criada.
-. Brigu e de guerra Inglez, PIrsia Commandon.
&t- Chades. 149 praas de guarnio, 14 boca de figo, pa.
ra o (abo da Boa Esperana.
Capitinia do Porto de Moambique l2'dep aindt 13.18.
cAntonia Maria Guedts, 2.' T~nannt d'Arrmada a C-tti
d Poerte


CAMARA MUNICIPAL.
Devendo so dia 3 de'Junho proximo a'guinto ter lo-
gar a solern.e Procisso de Corpo de Deus, que Sahindo
da Igreja da S Matriz pelas' 4 horas da tarde, deve per-
correr as ruas abaixo indicadas: para se recolher 'mesma
Igreja: A Camara Municipal consida a todos os habitat.
tes, residents nas ruas por oide tem'de percorrer a Pro-
cissao, para -que tenham ornadas as frente.- dos edificios
das suas' residencias e limpas as respectivas testadas.'
A Procisso perorrer a' rua da S, a rua do Arsenali
a de Thesouro, Largo da Unio, rua do;Duro, -ea do
Concelho. Secretaria da' Camara Muniipal, '22 de Maio
de 1858. O Escrivo interino- Caetane Pato Gomes. -



P~AirtBa:- NA ImN apRE N'4 I"


4 ~..GU--- m ~ -w~ - M 1 i1 .







ANNO-1858.
. .. O .. ..... ,

Este Boletim semanal serd publicado teos Sabbadts,
Sor ro tia antecedente quando quelld seja feriade ; assign-
se para o mesmo Boletim, em Moambique no Estabelecimen-
t da, Imprensa kacionat, e nos Distiictos da Provincia, nas
Seeretarias dos oiverrnos e C' mmandos de Villas; as usai-
-gnaturs aso saoemre pagas adiatads. .


NUME RO 22.

Pre d'Easitnatera, pwr aqr n............. r. ian
Por seis-meze ... ..' .. .. .... ;...... ..
Por trees mezes .'; ........................... a' n-
Por folha aiulsa .......................... olf
Preo dos annufcios, wor linha ...,......... 040
Carrespondenwis d'niteresse particular, Idsm a iO 1 )


e0 G



-_~ ".'-.--'--m- .1


p 1 T E -0 eF jU L


V.0" 2,?= 1ll.`o Snr. = Tendo sido- notado'por S.,F.."
o trernalor Geral da Provincia. que na Cidade se andam
a con4truir iovas. Palhotas, sem oue se siga a respeito das
m"snas neni-umas das mnitas. recomeria~i s eicumstan-
ciltai, que devem serOtidas e.m vista- quando se procedemn
a ta-s construc'e,. como as do aliinhameitl e outras.; or-
dlena o mesmo Ex."" Snr., que V. S.' no. consinta, que
nenhuma Palhota, ou' qualquer 'outra construco wsja le-
v1iitaita, sem a previa auctorisao da Camara Municipal,
nour a ,onstruc~ao deva 'ter' bwfar, em terreno d#a proprim
Carnara. quer rm terreno propriedade d'algum particular,
e hem assim qup soilicite da Camara que faa subordinar
takes ronstruces a 'um plano regular, que alem de guar-
dar as neesarias e requeridas condies indi.ipensaveis,
satisfaa aos rdemais pTr.eitos hygienicos.
Por esta dcasiio S. Ex." manda recoiendar a V. S. ,
que Midl;'ite '!a, Camra Municipal, que mairi te proceder
*lh)prcza das russ da Cidade, e que-.tanto V. S',. cono a
niesma -Camara, empreguem os me.as_ao seu lAcance, para
acabar com a divagao dos animaes, qu, vagueiam e apa-.
renem pir tolas as, p!aries da- Cidade, ta end p6r em 'exe-
cuti n as Postu-as a similhinte respeito.
N~o devy roifnrcdere mens aittenoo a V. S.' as Paifib
tas e si'as arruinalas ou demolidas, fazendo ou com que.
as riumas delias sejanm-removidas, oua que sejam res-uar-
da ias id'um muro ou tapume, vedo-ndo assim que se tor-
n..in guarida de vadios, e. nuitas vezes depositos d'immun-
dices,. iue so outros tantos focos d'infeci, que se tor'na
d, nriicessid'd'e'exfinauir.
'S. Ex epera,' que com today a 'brevidade ser dada-
plena ekeieno ao' .qne levo apontado de sua ordem, a V
e.*., f que nn ter de repetir as suas determinaies' cer-'
ca destes objects de reconhecida importanria, e que rnmi-
to devem meicreer^ o assildti exforos de V.'S.' e da Ca-
miira Municipal, por que na sua execuo 1ai o interesse'
him .iiltnlido dos seus- 'dmnii''sttra'ds-: ~Deis' r'uarde'.
V. S.' Secretaria do. ,overno.Geral, da Provincia. de Ilo-
arioliqu 29 de Maio de .1858.= 11l.mo Snr. Administra-
dor do Coneelho.:.= Josa Mara, .Per~iri !m4nmida,i 3Scre-
tario fierla ntterino.


CONTADORIA GERAL-DE FAZENDA.
1


C*recdar. N.o 23 = Havendo a Delegao de Tette pe-
dfido esclarecin.etons relativamente s datas em que dEve..
comear a scr ahonado o vencimento do Professor nompa-
do para aquthle.Districto; pois que se acha (m duvida se
lhe d ~e mandar abonar o seu ,encimento desde a deta.
de sua Nomeao, ou desde o dia em que tiornou posse;
a Junia da Fazenda de-sejando n3o s enitar toes duvidas,
nBas tambem que todos o anrin's sejo feit1.s com a re-
gnlaridade e igualdade pieriza faz saber s suas Iel'ea-
es. que salvo em caLms positive mente oriienados, a- tods
os Empregfindos lindos da Metrop(,le (omtc,o a vencer d e,-
de o dia doemharque alli, e igualmente por identidade do
razo todos aquelles aqui( in-i adeis vrclem c sde o dia
em:.que-enMilarco- paira seu destino, que send todas as
grltifiraiC,e data's ao 'exerdcio se no deve -tntender c(ai
ellss esta disposiio.; e s serDo abonadas desde da .epcar
em que o empregado entrar no 'eerciio pelo qlul lies
deve ser abonada a grafifi, ao, iAo: se devinio isto nt r-
der conm os Sr "Governadores Subalternos, cuia dispoic.o
da Junta e4l ildep;iindniv' do Gov rno Superior. Deu.s GCer-
de a V. S.' Moainbique 30 d'.Oituhro de 1857= l."''
Su." Presideni. e Vogaes da Delegao da :Junit d, Fa-
zends 'na Vilia de iilianibarte No inpedimeiit, d FcPf(i'
vio da-'Jurit~. O Contador Geral= Duarte' Mur cl da
Fonca.


riercidar V:. % =--Determinan 'o o nrtio, 3..do 0 e-
c 'ritos de imporinlo do vinho e agoardente, de prodouro
Vari,,mal, que nas Provincias Ultrarniias forao nain'aios
r'stWbhellecer. pelo mesmo I)ecreto sejio arrtradados em se-
'paiiloj formando i:ste' rendimento unm fundo especial para'
Colonmzao, e sen-do igpuairtnte mariado' pi lo 7.' d!a
'TabeliH 'n." ( do Rt.ulTamento das Alfandegas, que o iri-
posti no fito 'marcado. tenha igul iaplicaao- D'irdl ; oi
da'Jiunta de Fazenda V. S." tero a devida onsid.ernc,,
para q ud se -ixecute o supradito I)ecreto de 30 d'Agosto
de 1852, e que.fao remetter Contad.iria'Geal no fim
ie cada trimiestre do anno Civil, uima nota ds sm'rmas
txistentPs ni Cfre do erdicinaido fund,c). Deuc. C(uridt a
V. S '9 .M,;amhique '29 de. Novenbro de 1 >7; == 1' =.'
Snr.' Presidente e Vogaes da I)eliano da Junla de Fa-
a idem e nha ambi'ne. No impedimn"nio do d s-rsivai diti JJn-
ta. ....,ontador Geral-= Duarte Manuel da Funseca.










('ireular. N.' 36f ==Tenilo o Thesoureiro A(moxarife da
Delegao da Junta da Fazenda de Cab.' Delgado. por seu
ofliio n." 21 de 17 de Novembro ultimo, pedido explica-
es Acerra da taxa que devem pagar de sllo as licernas
e os passaportes das embarcaes miuda,, man Ia a Junta
da Farenda remetter a tolas as suas Delehgaes (que della
arerem ) a copia da Carta de Lei de it de Julho de R148,
que regular o Direito de sll que devem pagar es passa-
port-s de todas as rmbarcacs segundo a sua tonelagem.
e b"m ssim lhes mnda der-larr que no Boletim n 5 de-
Junho de 181'4, do Conselho Ultramarine a fl 34 e 35
s, a -ha transcripta a Portaria de 29 de Maio de 1852.
que design a consideraho que tem .os passaportes das
emharaes de cabotagem.
IIualmente a mesma Junta nanda declarar a todas aw
hli, g ies qu'- no Roletim, e Annaes do Conselho Lltra-
wariiio ni 28 a 30 se acha tranuripta a Carta de Lei
de O de Julho de 1843. a qual na Classe 4." da Tabrl-
Ir n. P. marca as verbas que devem pagar'de s ilo todia'
as li encas, devenlo-se intended que as verbas designadri
p.,r a Cidade de- lisbo e Porio, +sto as que devem pa-
gar nesti Cidale, e as marcadas para as demais Cidades
e Vill.-. do Reino. so as que se devil m receber nos ou-
tr,, Prtos desta Provinia. sendo a taxa igual tanto para
Nacionas. como para Esrangeiros. quando a Lei nlo fi-
zer distinci. Deus Guarde a V S'" Moambique 18 d
Janeiro d4 188.= 11."' Sn.', Presidente e V gaes da
1) DIegaAo de Inh:-mbane. No impedimento do Fscrivao da
Junta. O Contador Geral = Duarte Mancel da Fonseca.


CAMERA MUNICIPAL DA VILLA D INHAMBANE.

N." 5 IIl Snr = A Camara Municipal em Sessa,
de hont m etrmirnu a bem .do 4Vunipio que ten
a honra de repres, ntar; de xpor a V. S.' o seguinte,
A falta de huva e.o calor excessive que pertinasmente
ainda continue, tim dslecido os campos, e queimado as,
seinenteiras de forma que desde- j .se pode calcular coep
Cerlte/ uma falta absolute de mantiment'is.
Todas as terras situadas ,a Oeste e Sul que forneiiao
em grande parte o ahastrcimento da Villa so as qu" mais
tem sofrido. e j os Lndins aroilem as praias *m procu-
ra de mantimentos ; e sabendo-se pela ultimas noticias qui
a eexieuidade das colheitas geial em today a Piovinia, a Ca-
mara incorreria n uma grande responsabilidad e e no so-
Initase e V. &.' a mr'dida preuvntiva, e prudent, dc
prohibir a sabida de today a qualidade de cereaes fazendo
. a e-e effeito publicar um hando, e 'ando ortens rus-
trictas ao Director da Alfandega. para prohibir o em-
Li qne.
,mara espera que V S." annuir a este seu pedido,
que poderA ser provizorio, .ate a resposta de S. Fx.' o<


S ir. Governador Geral da Provincia. Deus C:urde a V. S."
Carpara Municipal aos 10 de Maro de 18~i-= III."' Snr.
,lacintho fH-nriques d'Oliveira, Major Governador leste iRs-
trieto. O Presidente da Camara Municipal ~ arlos Anto.
nio Farnesino.

Registo do P.rto d'Inhambane em, Maro de 1858.
FMausCAr.OKS ENTRADAS
No dia A EKcuna truericana, E.. H. Milar, Cavitio
L. Potin, der L Marques em 6 dias, o1 possoa de
tripulacio, I- rasalg'iro, 1 boca de fogo, algodio, polvora
armas e.diff,e'ntg.W generos.
No dia 19 --E-cuna Portuguera, Enigma. Capitio Mns.
.s lI)ud, d ri L. Marquee em 11 dias. 11 pensoas de tri.
pulacin,. 2 asaaeiro e l criado, send o Goivernador
He L Manie, er n Dirretor r'Alfandega de Quelimant, 1
b(ca d Ftnr~cArcs SAmIAS .-
No dia I.*- Hit te Porruiirez, Livramenlte Mletre Sohbu.
dtirie I'~in o, raa Mga8 esrbique, 13 pe I pissgeirio criado, c No lia 14-E:runa Americana. IF. H Miltr, Capitio
4. L. Pottu. para Bizatiito. 10. pesoas de tripulao, 1
boca de figo, cnm parte da carga- cm, qu entirou.
uOrtel' na Piaca -'lrhimbane 1 d'Abiil de 1858.--
,.loe Eduard;le ibeire, A/l/reri do Batal/a d'Infantarimr d
Mtofambiqu n." 1 Afijdantr interino.



... adei, par. ulica, e f:rtivtal s d'~nsino primary ion
scfiAotnrio, cow o numit en d indivinvai que{ fre-
wue#nto, relative ao I)istricio daInhambane.
FscWoLAS.
Ensino primario.
Ler, M screver civilidade moral, e dortrin Chrtiril prin-
cipios de eramatica portuouera. Uma Cadeira public
na Villa d'lnhanrbane em que se niasricularam (7 Iisci-
pulos, deixaro de frequentar 6 e sahbiro prompts 4.
'Ensin, sc.ntario.-= Nl hla,.

-Parechins do D' stricP d'Inhanm ban. e temiterins
para h- sias ierisl'nt s tio mesmo Disolicio.
Uma Piro hia na Vilia d'InhambaBe, e 1 Cemiterio no
alto de S. Joo da Bo, Vista.

Sae-4doies existent no Districlo ,d'Inharbane.
O Padre .Joaquim .te Santa Rita Montanha. Vigprio da
igreja Matris desta Villa. por Decreto de 14 de Novem-
bro de lit56, t.n'oo servido antes int rinamnte deade 28
3e Setembro de 1836. Natural ie Lisboa.


SJUNITA DA FAZENDA PUBLIC. '
Balano do Cofre Geral da Provincia de Mo,mbi^ue do meI de Maro de 1858.
Vxitenter em 1i leceit d corrnte me..................................................................... ... .. :55.9 58 1 ...^
DeslpK, duraite o me........ ................ .............. .........................................4:
Dinheiro... ....................... :..... ........... i
iiteiatc em'.81 de MarS. Em, M .'t Recib& iaterinos................ .... .......... ,,,, 1..080; 19i .... .85545


I i i i -i---i:;c-- --i,-- - I








91



Dinheiro ............................ 1........ 6714fi5 :6
Eisteafre em 8 de Fevereiro. Em...... ...1 t ecibos uireri, s.:........;....... 1:4747 * :l6
LDesnivolimaent 'da IRecite.
D)ecima predial..i... ................... 34416
izim s UZ I .......... ......... :............ 3U14794
Inipostoi Diretos ......... pel slld....................... 9e500 1""
Sell de verba.. .................. ,..... 8&5O. ..... 6:705. 9 SS

SLmpestos lIdirectos.
Pr trada iSaros Nacionaes ......................... ... 45S: ;.5 635
1 I'itiis Estanitiro ............. ........... 4:029r4g4
z r Cabira I)ii.,s 'ciUnaes. ........................... ........ .. ... T l 49I I I
.inorarom Frstrangeira ..............................................: 354i0 ...4:403015 .9 ,
r if r ni agem ..... ..... *** ** ***-- ********* ........'......... 1 16?
, !>ir- eil s d Vinho................. ..... .............................. 9. '
F' nde especial de Colenisiio ...................................... o00
i'roprios Nucionaes Di/'trrsus Rendimenloi.
-,oor ........... .......... ..... ...... ....... ........ 11 387
Rpndimens 1 de Predio. ... .................... .. ..... 1l O0. ., 64.61
M-Alicamentus ............... .. ........ .......... 38 8 230
IDeenr.luinmerte da Despeza.

Or l.aadoU des EmpreFraoi da 44ministriln Geral.. .................................. 1:IR 718T
1; atiireao ioi Inspector. Ficrisli das Obras Publicas ...................... I & l:381it2
Anmi, '. e Jorna's a';s operarioa. do m s de Janiiiro e Ir-vereiri, doi 1858. que ... ll 3 l
tr>ih.lharam rtas 7tita. ohras... ........... ............................... 1 ll39,
Or.ln;,adu a as r;i!regadoi da Admirniplro d Fiazaena ....... ...................... b(4'6(' t( 6186509
FaraB-riment d- Fazendias para i Preridio d BSazarito..................; ............... 143;990
Oit.en:.do aoIs mprergridos da Adn.initrai' d`- Justia .................................. STl66 L ( f o<09f,
.eitennt>, aos prensP indiiante. ......... .............................. .......... ... 24aB (iO
Congrua]d> emipregadbs da 4(ministra;: Eccleaiastica .*............................................... 414 19
A.dminitrliare "lfilitir.


S' jida ,is d'OrdasB do Goern............................... 840o)
Sold*e ratiflra8~, Ilif' si, O.aiaa i (f ritiap da. 'lraas e Fortal.-sas........................... I'90 * *
( O Pret 1s praasidas ompanhis de Veteratn;s, do >as- d- revereiro de- '158......... ......... 115569j
(' inmeirias a um owlifial sua Esrpis. RBca s ~ praas vindas de- Lii,'>a na 1Traitta 1.
Fr>nn! ,i mantiminte.Bh f raecidos praas que marcharam ren servio, Transporte is praas !
o:- marcharam' para continrnte ..................... .......... .. ...... .......... .. 1145 040
i mpregadosl das Terras Firme. ................ .......... ....... i.. 10I
Ordemadois e.... ?
Or eitid do R spital Hilitar e Botica ........................ 45S7018
Viveres, e varias despesas miudas para o mesm.: Hospital...... 678050 i
Administralce de Marinha. = Arsenal.


1:IB15'4


*. :1159


Ordeuan4o. Graticralo, a"s mPpreoeadn 4krtifice, racies is raas de i ari-
aa-m. ................. .. ...******.......* *....................
Fone'imnnl",'ts. de madeira, ferro e mais objecti. .................. ........
Maintlnmeato e conducto as pretos serventes d.; I~stid....................
J a,rnaes e ahmni aos operariis da mesp d.- Janeiro e r everfirr c.irreni ......
Vepn imento as I ',rvitnes lihertoi............... .......................
f('miidorias. RaRhas. e Lii. por coata dos vencimentos dto E ('ioamandetnte ilo
Briia >. .l'Jo0 de c'', atr. Hastaos........................... .....
V nriiiiintoe a um tsirirai-t a Piloti. fe iu .* ruiietter no mishiu Bri-ue.....
R -ci-s s praas doe mrinharem do Patachu Z.mbeze.....................
F'rn"-ii,entoi. e obra. f i'as a1. mnes,: Patach ...........................
'Vncimnrntis ao Pratico do Cahique IS do Mie ......... .................


0160~ 5125797


156131 716#034

1363 001
woo .I
Q e


.. lOnUU
Frrneciment sf -itos ao mesmo tahinie.................................... 3.8600
Eneargo Geraes. Soldo aos Ollicias Reurmadi s.. ;. ......................... .................. .....
Diversas DI)eeron.
Sul sidi'i I trioubirlo do Paarsio aprio oaido, a draados............................
Pantragm a t passargeiros da Estado .......... .... .. ... ................ ........ 4I.4(
l' m;a- d'n.imas i.nas no C nrinente .............................................. 35.Q.i
Oii nado ao EK 4lmoxariff. Fi.l,e. Qratificai u d slcrevete da Juii ta de L: naan.fto...... ..94'"
Iiverisos fornerimentts a Capella de-S. Paul...................................... ......
Ciun.iir,i> de leInha para a Irgiata f. Fern do ..................................... ... l8Ui
S~,ldo e ra4es pago aou r! anandiate da- lruma A'ngr pOr "'nlat dos s1si -
iearin>m atis................. ... ........ .............. .. ... .... . i6 00 .. 1344i

Bcr e* .a praa da mesa Escuna ...................... ......... 00
V-nieimentos, e raaies a unia praa do Corpo de marinheiros............................. 554tWi
l *r's lB s praas.d.ltapadas n BaRrra Fr.nres Charles A GefirgeS........................ 124f40)
Vari>s f,,rnercimentos Ieitos i Fseuna Enigma t uma Lancha quii. seiiirqua viagerm fni commi.-iso
dd Governor ...................................... ............................ ...... 4 10
S*L Oh htiroa ....... ..........................................................
Exislerts em 31 de Maro. Em..... .
li ;L.i'a tm. ila :.";. ... .... .. . .. ...... ..... '


194p533


88g5k,'i


is -tttl :Hia54


* .- -. T~.auuaria Grail de MaambiquS 3 de Maro de 1856. o ) T nesou reiru dosral, Iddafo Jaoo Pinto de Noiso hie..










MorrMENTO DO PORTO .. .

de 22 a 28 de corrente


EMnBACACrZS EITRADAS.
No 'lia 2-Pagaio Arabe, Faal-ker, de 20 lonladas,
Canii. \mna;. 13 pessoas de tripulacio, da Ilha ile S.
L ruiteno em 4 ~ias, com arroz em casca, e 10 passa-
geiros mujojos negociantes.
EKuARCES SnIDs..
No dia 22- Barre Portugueza, Adamrastor, de 401 to-
nelalas, Capito Manoel Francisco de Souza, 22 pessoa.n.
de tripuilaa, 2 hocas de fogo, para Lisboa com urzellai
cera, marfim, e generous da china,, os mesmos passageiros
que trouxe de Miaco, menos 1 que ficou no Hospital-
doente.
Hiate Portuguez. Orphilla, de 66 toneladals, Mes.
tr-- D,'i Boy Acahbgv, 9 pessoas de tripulago, para Que-
limiane com fazendas, 8 passageiros, 4 criaiios. Os passa-
geiros_ sa 2 Europes, human menor,, 2. aiaticos, e 3 pre
to., lives, to ios portuguezes.
- Patacho InZlez.. Rerrshaw, de 167 toniladas, Ca-
pitio Alfrdo Edward, 8 pessoas. de tripulaio, para-o
.Cibo de BR.a Esperanca, com part da carga com que en-
tiou neste Poito, o Sobre Carga e mulher. J
--. Hiate Portliuez, Aguia 'de 79 tonela'das, 'Mestre-
Sh.t>ihe n cdir fazen.las, 2 bocas de fogo, 8 passagitiros, 6.cria-
do,. oc passageiros so 1 Senhora, o Padre Vigario.'de
Qu liinane, 2 negociantes chritios, 2.banianes e 2 gen-
ti,)r todus Poi;tugueres.
No lia23 Brigue Portuguez, Doui Irmos, de 74 to-
rlhlis %lMe.tr Mua-agv Vallegy, 15 ,esNoas de tripulaIo,.
2 bocas de fogo, para Quelimiane, con ,fazendas de L i e
finals. 3 piassageiro. 2 criados, os passageiios so I Chris-
to 1I Parce negciante e 1 preto livre.
No dia 24 Pangaio Poitoguez, Fortuna d'Africa, de,
91 ton-ladas, Me!tre Amn-r, 3h ptssoi de tripulao, in-
clu,n'o a mulher do Mestre, e 3 criados livres, para os
Portos de ,Madagascai, com fazendas, 3 boeas de fogo.
Capitania do Porto de Moambique 28,de Maio dt IS -8
m= Antonio aria Guedts, 2.' Tenentt d'Ariada Cupitia
de te.




A Junta dle Fazenda desta ProviJnia, preiia comprar
pa-a t'ornecinento da Botica do Hospital, os medicaien.
to' eg;niiites:
Ari o ciit ri', acido hydrochlorico, acido tatararico, ai.
eaciiz em p, alcohol de cocharia. aloes s.cotrino, bicarb-d.
nato ie soda, borax em p, clorureto de potassa, carbo.
nato d'a'nmoiaco concrete, cattoem p, cremor de tartaro,
erpirito de coeliaria, ett,-r nitrico,'estracto de beladona,
tstracto de salsa parrilha, estiacto de genciana, emplasto
adekivo estendido, floor de sabugo, fios, gomma arabica,
ly.iriodato de potassa, jalapa.-em p, lberr'aune ( liCo),
linhaca em 16, niassa de pilulas de walete, mel d'abelhas
limostarda emn o, manna ordinrio, :iiusgo islandic*, ne-.
tio em p, -oleo de amiendoa.rs rleo meimnendro,, onidq de
nmagisezia pedra hirpe, dila calcinada, ps de joanes, qui
pina, quina em p, razuras.de. quacia. ruibarbo em p&
riaspas ttat de bismuto, sal amoniaco, subcarbonato de'potaPsa,


-- -- --. -- ie~iiiiiiiiriioiiiliiiiiilo~~


subliiado corroziyo, sulphate de soda, tartro emetico,
vinho anteserabuto, trees. borraxinhas de gomuai, elastic,
cipos isad.as, ditas pequenas, potes de lua branch, ditos pe-
quenos, vidros grandes com suas rolha,, litos pequenos;
garrafas pretas, sacs ,pequenos, oleo de copaiba, capsules
de motro, capsulas de figado de bacalho, amendoas do-.
ee<, althea. se for d'Eurpa. gomima arabica. linhaca,(se-
niente). As pessoas que tiverem os mencionados artigos,
e outros quaesquer rmeliameentos, queiro comparecer, no
.ita 2 ilo seguinte s 1.1. horas. da .manh, perante a mes-
mia .unta, a fim de serem comiprados a quem por menos
pre'o'os 1ff.: cer. Secretary a A .Inita' de Fazenda 29 de
laio de I 58H. O Escrivo Vogal por Commisso= Jos
Z-ferino Xavier "Alves.



ADMINISTRAAO DO CONCELHO.

Previne-se por esta Administrao -nos
Proprietarios d;s Casas, Lenim cono os In-
quilinos, que fao caiar as paredes exte-
riores dos Edificios,. em conformidad do
art. 3." das Posturas, sob comminaqao da
multa marcada no 1.U do dito ,att; ser-
vindo esie avizo como primeira intima-
o. Administrao do Concelho 29 de Maio
de 1858. O Administrador do Concelho
= Jose Francisco da Piedade Pereira.





Te-ndo sido encontrados empenhados no Calabiuco das
prcas de pret. do Batilho. .d'li.intria de M N." 1 alguns- ailigos de vestuario, quem ff1 a chain c-i:m da
,reto a file, compFaIet perante o Conselho A'iiti'-nati-
vo do ito Corpo no dia 16 ,de Junho prximo, do c> an
trario serio ~endidos eno leilo e o seu proitrlo aplicado
para o Ha-ncho. Mosibique 29 de Maio de 1858.




AJntiono Maria Guedes, ndo podendo j
de prompto, p.elos seus afazeres, agrode-
cer pessQalmente aos seus Amigos e ma.is
pessoas, que tiveram a bondade d'assistir
aos Enterros de suas multo prezedas Fi-
l ha, Au, e Sogr; o faz por este meio, em
quanto ndo powder pessoalmente hir cum-
prir com um ever tdo Sagredo.
Moom.bique 29 de Maio de 1858. '



O B .-.,N UI.-
.. loearl e:-lQ- UE: ,lar.mis I ,nt.'







A ~: 4 858.

Este Boletim semanal scrd publicado todosos S abtadoz,
I ou nb dia antecedente qundito aquellte seja feriado; assgna-
se para o mesm Boletim, em Moambique o Estabelerimen-
io da f impensa Nacornal, e nos Districtos da Provincia, nas
Secretarins dos Goivernos e Comnando: de Fil as; as assi-
Sntvefra. s sAlr smpr asac asdinianfas,


0u q VE RNTNo GERAL DAP IROVINCIA DE MOA M1(IER

ri i-- -.-I1I~- ----i


9 B il E pliU tF g 1t


IGOV i.o o EI L


.. .
Xo. 5.-- Havendoo Director da Alfa::dePa dl Distri-
c!o de Quelimane, Diioeciano F.rian'2es das Nev, s, pe-
ddo ser dispensado deste servio, por isso que S o lhe
coninha acceitar a transferencia.da Alrandega de Louren-
o Marques para a sobredjta de QueJimaai, decretada no
1.0 d'Abril do anno de 1857--O Governador Geral da,
Provincia de Moambique. no podendo acceitar ao indi-
vidluo em'questo a renuncia que deckira az-r do cargo
de Director da Alfandega de Quelimane, em consequencia
de lio ario permittir a disposio da Portaiia Circular n.0
1.W3 expedida pelo Ministerio dos Negocios da Marinha
e Ulramar em data de 7 de Maio de 185(, h por con-
vtniente ao servio., considerar ao referido Diocdeciano Fer-
nan4es, das Neves, quanto ao exerccio de Director da
Alfan-lega d Quelimane, com licena registada,, sem ven-
cimentos, at que o Governo ,de Sua -Magestade Haja de
acceitar a renuncia que elle dito empregado declare fazer
do alludido cargo, para que foi transferido, pelo citado De-
creto do 1.0 d'Abril doe 1857.
0 que se participa.ao Escrivao da Junta de Fazenda e.
ao exonerado para'os devidos effeitos. Palacio do Governo
Geral'da Provincia de Moambique .?. de Junho de 1858
= Joo Taxares d'Almeida, Governador Geral.


N. 53~= favendo sido pelo art. 3. da lPortaria' desie
SGoverno Geral N 10 de 17 d'Outubro-de 1857, encar-
regado interinamente da direco da Alfan ega de Lou-
reno Marques, o ex Guarda mr da Alfandega, de Moam
bique,. loao'da Silva Carro, e tendo este pedido ser dis-
pensado de hir'exercer aquellas funees o Governdor
Garal da Provincia de 'Moambique, ha por c ao servio, conceder a' exonerao pedida dologar de Di-
rector interior da Alfandega de Loureno Marques por
Joo da Silva. Carro-e declarar de nenhum effeito a
nomeao que do mesmo individuo 'tinha sido feita, para
o: Cargo -citad. pelo art. 3. da Portaria deste Governo
Cer.l ji mencionada n.O 10 de 1'7 d'Outubro de 1857.
O que se participa ao" Ecrivao da Junta da.Fazenda, e
ao exonerado para os devidos effeitos. Palact" do Gcverno
.


Geral da Provincia de Mnambique 1., de Junho (d e t58,
= Joao Tuvares d' ilmeida, Governador Gerni.


N 4-O Governador Geral da Provincia -de M~ieam-
bique, attenrndndo a que por Portaria desta data, i'i de-
clarado dtf nrirhum elfeito o artigo 3.0 da de 17 d'Ou-
tuhro de 1,857 que nomeou interina;rente para exercer
o cargo de Director tda Alfindega de Loureno lMrques
a JoAo da Silha Carro ; tendo em considrrao as cirenis-
tancias qne concorrem, na pessoa de Pciro Antonio d>Oli-
veira,-Segundo Escrivo d'Alandepa de Mocambiq.ce,
lia pot convenient ao servio, nohwal-o Director inttrino
da Alfandega de Loureno Marques.
Hlarle pigar de slio fO000, e os direitos de mer>'.
pela necinma parte de s(us ordenados, em conformidade
coam a Portaria supriormente approvada de 5 d'Outubro
de 1849.
SAs Auctoridades, as quaes o coidecimnido desta deva
pertencer assim -o tenham intendido e r.miann.. P'ilatio'
do Governo Geral da Provincia (ee M1ota:(; ique I. dce Ju-
nho de 1838= Joo lacares d'lAhnl da, C .. .,.r:,l.' Geral,


N. 55=O Governador Geral da Ptro<;ncia dce MlIam-
bique attendendo a que de necessi1dane priverl a vaga.
tura que se deu de Escrivo da Alfanrd ga ide uiirenoo
bMarques'-pelo falleciTmerto de IRemedio (ae:aeii Das-
hD por conveniente- nomear para exercer iiteri:nmenite
aquelie eniprtgot-ao Empregado extraordina iu, do Coa-
tadoria da Junta da Faynda Bliguel da Penia Nt ves.
Hf-de pagar Direitos de Merc 'pela decima part do.s seus orilrenitos,
na confortniiade da Portatia siuperiornieinte approvada de
5 d'Outulbro de 1849.
As Auctiridades a quern o 'onbhecimcnto d'es'a deva
perteiner assim o tenham iptendido e emuirprani. -'alacio
do Gve-rio Geral da.Provihcia di- M.can:hioi 1. de .Ju-
nho de l 1 858. Jo o ,Tarares d'4Almeida, Governador Gral.


N.0 56= O Governadlor Geral da Provinria de Moram-
bique, attenderido a que por Portarja do L. de Dezem-
bro de 1857, foi mandado considerar 'cor lireuea regi-a-
.da at que o Governo de Sua Mag'estare houvesse por 'b m
acceitar a renuncia que Joao Vicenrte RoIdrigues de Cardi-
nas, declarou fazer do cargo de Direr.ter da Altandega de
Inhamban, para que havia sido tiansferido p do ;. 'd'Abril do referido anno de 1857, e send de rw.,


NUMEBO 25.

!Prefo d~asa~raigwia, yon' anno. .....`.. r. ilJ'0 o
Cor seis mezes 15OO
Por tires mtezes ....... ........... ... 800
Por jltal" avulsa .. .........)...... ........
Preo dds annuncios', por,linha .............
Gorrespondenciat d'titresse pvir csdr It Q &a










Pessilade p'ovr a futile emprego. ba por convenient ao Governa idor .Geral da Provinria lia ,por muito recomenda-
sr-vio, nomear para exercer inwerinamele o cargo de if- do a Y. S." para que se sirva recomendar ao Chefe da.
rc!tor d'Alifnde~a d'Inhambane ao Oficial .1a1ir da Se- Alfandega do Diistrito a seu cargo, que proceda, nested pon-
er taria d'esti Governo Geral -'Frederico Carlos da Sil- to 'tra. o zelo, que lhe compete em favor dos intereasea
Vpira REtrella. da Fazenda Puhlica, e dos negociantes, ou dispachantes
Had-l pagar 10,0f.O de sllo, e os direions de t,eri de ba f, e que empregue os meios ao seu alcance, para
pela J' rima partf it seus, orrenados, em conformiiadecom que no sejo defraudados os interesses nacionaes que 6
a P' rtrria superiormente approvada de 5 de Oulubro do seu rigoiozo ever, zela'r eficblmente.
d I9. ,.- E quanio o mesmo Chefe no tenha nas leis, rtrguila
As -uroriales. s quaes o conhecimento desta deva mentosou instrurees fisc'e .os nimeos nece sarios, V. .
pprt!nfer assimr o tenham intendido'e cumpram. Palario lhe retomeniear, os prop iha motivadamonte .para ae
dri Goiivrnn. Gtral da Provincia de Moamhbiqu( t.o de Ju- rem suirmettidos considerao- de Sua Ex." pnra este to-
hl !te 1858 = Joo Tavares d'Almeida, Governador mar as medidas coinvtnientes e que o b'm do. servio -i
(Geral. tal caso xiigi. Deos. uarde a V. S Se~re taria do.io
erno Geral da Provinria de nonumii<'up 4 de ,tnhm: do
---- --- "----- 1 8Ifi BI! nf i r.. ir L>lnUr;.a> l lnP irr


VO 7 TPegdo por PortaMia deste Goverao Geral de.
2$' de I)ezemrbro do anno de 1857 nomeado a Commis
&ao Permianente '4e Paula a qu e e refere o art. J. O do
IlecFetp te 18 d'Ouihthro de l18t3, e faltando actualmente
dik. -Membros 'la dita Conimisso por bhaerei .falleci l
o seu P-rpesiilte loe Narcizo Ferreira de Pases s- e o
V >1Y-l Franciacn BR>ges dos Santos Bicho-o Gover'ador
Grra' d4a Proviriia ,Ie Miiocanilbique, attenitendo necessi
dra lI 'le, -oainml'tr a m',nma Coiumissio,. e de que ella 'de
cira a mniior brevidade contas dos' trIbalbos que lhe fo
raim inmibi ohi, na citada Portaria :-l 29 de Dezembroo
de Ia'lr -ha pQr convenient nomear, para Presidente.
dia iCmminso Permanente das Pautas, ao Escrivi int.
ri:io da J.Inta de Fazenda, .lose Zeferian Xavier Alves-
B' para Jogal la 'nesina ao 1.' Escrivoi inerino da Alfan
-dea le I1oamhique, .Inse da Silva Carro.
O quee M, cimnrminica a cada unii dos nomeados para os
effeitlis convenierirs, Palaeco do G verno Geral da Pro.
iini'ia ie lin,-inmbiquie 4 de Ja.nao de i868. Ji. Tawurst
4',dlratsida, (,overnador Geral.
, t -

Srfetrlar N.? 1 'Al.= Iil.". Si.- Sua EX:-o Govr-
pador G<;ral, da Pruvincia, ordena que todas as vezes que'
form man, ados pari os' ldfferentes )istrictos um qualquer
uinner,' d'irmnmentos e eorreames, sejam enviados para es-
ta Capital un numero.equivalente quelles que d'aqiui tive-
re n sid iitanliados, afim -de serem dvimoamentt concertados
psmpre que isso seja possivel, e no hajam fortes raa, s em
.ontrario; outro sim se lhe suscita a mais escrupulosa vi-
gil tiua para a conservao lde todos os artigos no s de
anntmento, como de quaes quer outros pertencertes Fa-
z:r;! ptbhila, tornando effectivamente responsaveis oquelles
qu i-mn etes mesmii objects esto carregados, e que de-
V-.n velor pela-su.a -onpervao. )eos 'uarde a V. S/Se-
eretaria do Governo dGriit' da Provincia de Moambique
d .lJuio dP 18!58. 111.'" Sor. Governador do Distrirto de
Loureno. Marques = Jose Maria Pereira d'41Aida, -Se-
crelrin ';pral inirrino.
ldeticas' para todos os Governadores dos Districtos.


-i'reuear NO 2, 8.= IllI Snr.= Tendo-se obsera-
do a maneira por que se fazem as avalhaes dos ol)jectods
despachaus por entrada, e por sabida bas Alifndegas, quasi
sempre por um valor nuto inferior quiel1; que Os obhje
ctoa realmente teem, .e muito. .mais ainda em -relao ao
valour de" ::3rCe sa Ci:u. a "; '>., ; ,, S "." 9


ques.-= Jose Maria Pereira d'Almeida, Secretario hers i
interino.
Identical para todos os Governriore; dos D strictos,

Circular 'o. 25 = Ill.o Snr.= Sua Ex. o Governa-
dor Geral da'Proiinria. ordena que fique sem efirito oqua
foi det.'rriinado em oficio p.' 209 do L." de Junho de 18t6
n equal era expresso, oue as praas que marchassem d'um
para outro tistricto, ou.para a Capital, tivessem, passalgm
para a Companhia do lDiitricto para onde fossem mandsa-
das 'testacar ou em diligencia ou para o Betlha< se hou-
-B asem si:l- mandadas para a Capital. e ordena outro sim
> mesmio Ex m "'Sr. que tods as veres, que ferem marin
lados destacamentos ou diligencias de uns para outros l)i'.
trittos e destes. mesmos paro a a ( Opitl, e vireversa -a pra-
cas sejo contideradas como aldidas s Companhnas ou ao
Batalho do Pistrio>, ahl. lhe sejao abonados os 'seus Vn-
'*amentos par relacoe suplementares, e no finm de caia
mez se qonf'e,'iionar a competent mostra tanibem supI-
mentor, .da qual ser enviada um exemplar Coampanhia
ou Batalho a que as uraas pertenceu m. que servirade titulo
p'l4 gqual e averbarao as competentes notas no1 Livros do
rer(sto respectivos. Deos Iruarde a V. S. Secretaria do ,
vcrnO, Geral de Uoambique 5 de Junho de 18.8. 111."
Sur. Giovrnador Ido Iistrieto' de Loureno Marques. = Js
Vari Pri'ira ,' .4lmeida. %cretari Geral interim',.
-Identicas se expediro 'aos mais (iovetnad cios,


Firul'ar, V.0 24 Ill- o 11 n Sr. = Sua" Ex. o onverna,
dor (Geial do Provincia de Moambique manda recomendar
a V. S a origorozo execuo 'de toitas as disposies do
tractado de navegao e ('m'nmercji entire Portugal e a
Granr-Bretantla de de- Julho de- 4182, e priniiipalmei;te
na parte que respeito a exCPep: do a~~tigo 5. modifi|adQ,
pcri ordens posteriores quanto a efonnfsso de 10 Fscravos
que est 'abolida, mas emt plenaexecu.o em tudo o mais
n'tlle disposto.
O mnesmo Fx".'O Snr. recomenlda egualmente a V. S,8p.
fiel observancia do' I)reto d.e 1 de de ezernbhro de 1836
sob sua especial repsporisalilidaea, pe'ii1 obstante qual quer
sublerfugi. ou1 e~svai, faor rigorozanmernte perseguir' pe-
rante os Tr.ihunaes, os infra stores, alm da conta especial
que ser dado ao foverno de Sua. Alpgestade, dos factor
abusivra e cointtarios lei, citada, jpgo que 'opsti, '
Smaa Ei kIue ko0 praticad;s' p eW 'lemin q!4 -up Vja?


a







-rsiiiPa.-F.---91~ ~i ~I~IIIIiAI~T9:;iC


PDe~ Guarde a V. S.' Secretaria do. Grwern. Geral de Mo--
ambique 5 de Junho. de "185. Tl'"` Snr. Governaodor
do Districto de Lourenao ,Marqu.esq==.. st .aria iM'.rt,:
d'Almeida,. Secretarin Geral inter,;o.
S1 ionticas s'expediro.:aos de mnais Governadores des Dis-
-trictos, .


HOSPITAL MILITARY.

jia'i:i. dos doents d;sde o i." at 1 53 de ,lfaio lde 5.


Do ums.

E- rtism Ta J l ?
JJratraram 9l 19 I 6 8 1.
-.mou i 167 16 18 I
fia .. . .1 I 7 |1
AIpre,,'n .d14 I 1
Picas i.in ,iq 55 1 r 1 L S_ .
4s molestias de que vieram a fallecer os 14 Eiuropeus ( lf'h,,mns e
pulhleres) foram febres intermittentes perneciozas, *pthisi,'as tuberculnsa,
indig^stlo privenieate de abuso da comida, caehexias resultantes 'dP fbre
perneeioza, febre tipblide, anasarca, hepatite aguda. e drsenterla 'agura.
Os .hatirvw vieram a fallerer dedesenteria aguda e hepat, -.nterite Ox tsia-
lico>, < de G,,a e 1 da china, falleceram este de deseteria aguda, e aqouel
ljs e '-senterita chrnica e cachexia.
Hospital Militar de Mlianbique 1. do IJinho de 1858 O Director in-
trino, == joaquin Francisco Colla'.



DISTRICT DE 'LOURENO MARQUES.

jlappa ,o s dontia tratad- a na lFnfermaria klilitar ds
L ,ueno Marqus d. sde o dia 8 dre Jtlho de
J. 8516 atdo dia 50 do Iovembro de 4857.


'xnist..4,,,.,,, ....
Fotrara . .. . i .i . .
Sahiram c:urado,.......
Falle'eran .. .. .'...
Eitdspi ... ., .., ,.


= .- -

s -c -, s -o


4-19-230-253-
- 2- 14- 16-
1-- a- 2- 3-


N. B. Dos fallecidos So., 8 de febre pernicioza; R de
desenterij,; de fractura eommninutiva (mordedura do
bypopotawo) i; 1 de dearre,a chornico; 1 queimadura ex-
tensa, outro d'aneurismna d a rta ; 3 dep phipicatiberru-
joza. e de ppodrilo .dos Hospitaes que 11i corpi licou
uma extensa ulcero que tpmaa;, todo dodrso do p egqei-
do ,ompraehndendo a rticulao tybio-torsica que ti(ou
des completa.mente esphacelados, e a pezar .da tumefao- que
coniprthendia a articulao fenerotybial, a amputao da
coxa seria 'o unico recurso. -ra inevitovel a more: falle-
se, no dia 10 de Julho de 1856."
Se se tiver em linha, de conta o estrago lento emt que
iodegradidos.. em djosTrr.cera ine~'t i os que soffreram;:
:otrherer-se-b~a que .aindoa m.ilio pelg.e o crestido nu-
mnit( dt 17 europeus mortos.


E .conluir-se-hb que em tam pessimas condies hyii-
nicas, e n'um ponto emique.a agua de beber Hio nrerece
a menor atteneo havendo tantas e tlo ricas onese, con.
cuir-se-ha que o rlima deste Distrseto no to t mau co-
mo se quer inrulcar; sendo pelo Tontrario para admirar
haereni s aquellas vicrimas. Loureno Marques 1 de
Dezembro de 1857.j Julio Pio dos Safiwos, Cirurgi4a
do 'Distrieo,


Rila
desde "i1 d-Des Dembro de 1857 a 8 de Maro- de 5&,.
EMsBAcacEs ENTRADAS
No dia 8 de Fevereiro: de 1R58-Escuna Portugueza
Enigma, de 139 tonelladas. Capito Mussa Daud, de Mol
ambique em 48 dias e ultima-mente d'Inhambane em 1
dias, com fazendas, 2 bocas de fogo, 1T pessoas de trip.
lao e t passageiros send 1 praa de pret e 1 mulher,
No di. 9.4- Escuna Americana ingleres Providence, da
172 tonelladae. Capitio H. A. L Potta, de Quelimane em
15 dias, cooii diversa catrga, 1 boca de fogo a 10 pesoaf.
de tripulao,

EnIABCAES SAHIBA6
'No dia 21 de Dezembro de lb7 -'Rf-igue PortuTaue
Clara, de 1 94 tonelladas, -.C.pito Joo Antniio d- livrein
ra. para Mioambique com ,agoardente, boca de fogo, 17
pessoas de tripulao e 6 passageiros send 5 Irnglezes a
1 portuguez t.ipulaodo Cuter Inglez Herald.
No dia 12 de Fevereiro de 1851 Barca Portugueza Tfa,,
de 318 toneliadas, Capito Francisco dos Santos, par,' Lii.
boa, com mardi e -masA geeroa, 2 bocas de fogo, 19 pessoag
de 'tripulao'e 2 passgeiros com 2 e'ria2lTs pretos,
No dia 2 de Maro --Escuna Aniericana l~ leres irovidnrt.
es. de I12 toneliadas Capit H.' A.'L P'orta, para Inliiiba,
ne com o re.to da carga com que entrao, 1 bcba de ftgo d
1(1 pesisoas de tripulaaq. -
No dia 8 Escuna Portugueza Enigma, de.1 39 tnnellao
da ;,Capito Mussa laud, para loanibique conresculla por
Inhambane, com urzella e mrrfim, 2 boas de fogo, 17 pes,
soas de tripulao e 3 passageiros que ~io o Sur. Governador
Machado, o Director da Alfandega de Quelimane e 1 filha
de Goa.
Quartel em Loureno Marques 31 de Maro de 1858
arJoie Joaauim Reinaud Sampaio, Cowhmandants Interine


ADMINISTRAAO DO CONCELHO.

Y.appa dos Cereact entradot no mie" de' Mdio de
1St8-dds dirtf trs DiLtricet do Sul e. Artis.
Arroz Bat.............. njas.... ........ 4
Milho grosso.. .. ... ... ............... 10
Feio ......... ...... ** ..... 18
M1acaca. ,........ .. ......... ...,..... .4

Soma,..,..........32

N.: B. Nio vro indirados neste mappa qs generos en-
trados pttos pontos fiscaes d-a P.iaa d Boa Vista, do Ce-
leiro, e de S. Gabriel.
.Administr'ao do Concelho2 de Junho de 1858. O Ad-
ministrador do Cncello.-- s-ose Frncieco da Piedlada P
reira.'








* 94
Z r.


Mappa JMortuari, d m, .de Maio de -1858 .


' Antonio Mirtins

Albano de Paula
Jumt Abudal
zaidre Cardozo a

iuois Branqueza
lanoel Jose dta Vinha
1 se da S.." Cutharina

n /fpn Hnrio lnriiqes' d AleniSo
SEsequiel Felippe
klManel Furtado
SChane Lassimo .
rancidi Burges Santos Bicho
'naquis Coutinho
Sv':G oa "
.atinio dua Santos

"La!i Nary .
Ly..' Aquiin
M.,Atnho Ferreira
J6se icolau-dos Santos

Marie Pereira
" h Luiza Amnlia Banael
' '. Faacisca X.vier Ferreira
to nia da iledsd
'".ntancia Maria
Maria da C'onseio '


nrae' Ao lo

Pais incognitos

Abudali '-
Pais incognito

Joao Branqueza
Jose da 'inlha
Antonio Mendes

SJoaquim Felipe d'Alemo
ilnorn-se
JoS' F lippe Furtado
Cassimo "
SIgnoira-se
Antonio Mendes Coulin1ho
Juo Antopio
Bernardo dos Santos


ATI RAL'DA.D AIDADhI EISTADO R1ELIOXo


Aveiro


Z;tnsi:..ar
,dicoar

Lisboa

Coiniabra

Ii~vora.ss
Goa
Dio
Imnora-se
Siz2eu
LPmn,o,
I.hb(itl


Narcy Caixe
Lyen Aqan Item Ping
Pais incognijosr Setuhal
Antonio Manoel dos antbs* Lonl


Sabastiao Gonealies
Joaquim Jose ,Rangel
Ignora-se

.ntonio Cdiutiuho
Jose da Conceio


.Aveiro
Mloambique

Ignora-se
' Lamego
Tatira


SI aunos Iguora-.o Christio


92

$4 n

84 e
30 n

210 a


Ignora-se
IJn, ra-se
3 anuos
Ignora-se
28 nniios


329

21 n

'3 .
Ignora-se
a
30 na os
S


a
a'



Sulteiro

Caguodo
Vissvo
L.nszad,
Igoura11-se
a
a

SoiPiero
( azado
Snorna-se,
a



Ignora-me

Cazada


al'


Soldado n.* 154 de Ratalhil doi
Infaiteria
Dito dito dito


ristlo Soldado n.' 140 da 4." Co0p.p,
do Batall ,, d'lnfanierna
.. Dit" n.O 170 da .dita
,, lMarinheiro do Arsenal de Ma, .&
~~ ~speadai n.* 79 da S ( -n-
paddlia .do-RataHui Ld lnffanit.
, Servente do H spital Militar
S Dito dito
S Dito dito


Maliirnietairo
Chrtstiio
o,


Bnthia
Uliina


SoiJ.O n.? 25 (ia <'otnp,.d'drt.Y
A.* G;umple da irscuna .Infra
Sold.' a 140.da Lmp.0 (15
4rtillseria

Pedreiro
$(ld.,ou.h 34 da Comnp.` d'r>4r
liuziic 11.0 8 da 18 ` Upa,
fih'a do Batali,,o d'Jnfanteria


A:. B Foi da,'a i sepultura no Cemiterio de N. S. d Saude aos rests mooltas de D. Antonia dos SantesAnuedes, liha de Antcnfo' Iaria Cune
gkS, f.ilerida na Ilha de Bazaruto, em 3 de Janeiro do corrente nono da idade d'. 3 annos.
S:,administrtYsFo dd Concelho 1.' fd Junho de 185.8. O Administrudor, d' oncelho, = Jose Fiancisco da Piedade, Pereira.


JUNTA DA FAZENDA PUBLIC,

Pela .Repartiio da Junta da Fazenda Publica. se an-
nuncia. que no dia 4.V feira 9 do corrente pelas 3 n reia
horas da are. na casa do fallecid Majr Iteforniadr, An-
ton-ro Pe(ro Baptista (onsalves, Io-lbro da Uniiu, .s. hade
prioeder ao le.ilio do espolio do ditI. Majo, n conformni-
dade do artieo I5." do' RBe 'im.nto ihe25 de Outubro de
18t53, Moambique 4 deJunhdo ie 18&8. O Eserivo Vogal,
- por Coumisso = Jose Z)ferinu Xabir r Alves.



Pela Rep rtio. da Junta da Fa7endi se faz public, que
no dia 15 do corrpnte pelas 3 e meia horas da tarde lno
I lficio ca mcsma Jnnta, se ad.e vender em leiloo o es
polio do fallecido Antonio Jobquim Pereira; em confoirmi-
cdde do artigo 15 do Regimento de "2 de.Outubro' d,
1 53. Secretaria da Ju.nta da Fazenda 5 de Junho de\l 85
O Escrivo Vogal por.Commiss'o= Joe Zef riuo Xavier
I .... ....... ....... ..... "





^^^^ "d Ma'- 4 dO re


O .. .. ,
lI de 28 -de Maio a 4 do corren|e .ii


:. 6 o, .... i MBAR.cAc Es ETAD AS ;' d. ;

SNo ria 2 -Patacho de-guerra Francej, pEsafete, de 200
otneladas. Coimauaridante o Tenente Lger, 41 praas de
guarnio, 4 bocas de fogo, vem de cruzar no Canl, e,


iiltimament e de Quliane' d'onde sal.io 12 dias; t-,u-
xs, umu officio para o Governo Geral, do Governador de
:'-)Qalimnia ne.
| 'No dlia. 3 Patigaio Arabe, Gogemanga. de 14 t:-nela<
,la'. MI stre Ri-ebuque, 5"pessoas de tripulao, dos Portos
ks Madga'scar ei 16 dias com cauril.-'
Nio 'li 2- Pangai Arabe, Bitue, de 30 toneladas, Men.
tie Alhumnane, 11 pessuias de tripulacIo, da Ilha de Co.
mutro cai 5 dias. -com gado lanigero, areca, e 14 passa.
geiros: nijojos negociantes.

SEMn ARCES S4mrDAs.

No dia 9 --'Barca Franceza Charles & Georg. de
.t 4 toreladas, -Comniandante n 2., *Tenente, d'Armada
Itea Antonio' iose Rod. igues d'Oliveira, 22 pessoas .do
guarnicao, para Lisboa coa cairo. e 3 :pasageiros', 3 me.
nores,e 1. criado, os passageiros so a.YViuva de, Secretario Ge.
Sai Passos,, 1 Capito do Exercito da ldia, 'Capiiao fi anrce
queftoi da dita Barca, I negoiante' poirtugcz; I ex.Alfe.
res desta Provincia, I indigente,.. viuva de 1 shldado-.com
2 filhos, vai mais 1 menor e 1 'criada.
SNo dia 2 Patalio de guerra Francez, Esiafete, de 20'
loneledas, C gatirnio, 4 bocas de fogo;, para a ilha de Maita.
N, dia 3 Pangaii Arabe, 7'anaril. de 40 toneladas,
Mestre Amrisse, 20 pessoa: de tripulao, 1 boca de fogoi
para os Portos de Madagascar, tem lastro "de pedra e'com
1:000 q'{iissapos vazios pra conmprar arroz.
-Capitania-do Porto de Moambique 4 de .lun-o dt 1.868,
= -Anntoniio, .-Mrpia Guedes, 2'. Tinmnte d'Armddam e Cocit l
do Porto. ,





IU-l.IlQUIE J-E -n : 1P NES 'NC.tA .
IO .


r,




University of Florida Home Page
© 2004 - 2010 University of Florida George A. Smathers Libraries.
All rights reserved.

Acceptable Use, Copyright, and Disclaimer Statement
Last updated October 10, 2010 - - mvs