Title: Trabalhando com Conservação com Base Comunitária e Enfoque de Gênero : Um Guia
CITATION PDF VIEWER THUMBNAILS PAGE IMAGE ZOOMABLE
Full Citation
STANDARD VIEW MARC VIEW
Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/UF00091734/00001
 Material Information
Title: Trabalhando com Conservação com Base Comunitária e Enfoque de Gênero : Um Guia
Physical Description: Book
Language: Portuguese
Creator: Rojas, Mary Hill
Publisher: Managing Ecosystems and Resources with Gender Emphasis, Tropical Conservation and Development Program, Center for Latin American Studies, University of Florida
Place of Publication: Gainesville, Fla.
 Record Information
Bibliographic ID: UF00091734
Volume ID: VID00001
Source Institution: University of Florida
Holding Location: University of Florida
Rights Management: All rights reserved by the source institution and holding location.

Downloads

This item has the following downloads:

00003-40B ( PDF )


Full Text




-0






0






=9
CIO







mmcl



CR=


5c7







c-
uw,
- -


4CL
Z= 1


com Conservagao com Base
Enfoque de Genero: Um Guia.


Mary Hill Rojas


MACARTH
The John D. and Catherine T. MacArthur Fo


S7 PESACRE
grupo d pesquisa e ektetso Aem
sislemas agroflorestais do Acre





UR I ECH
undation


IVIGE
MANEJO DE ECOSISSISTEMAS E RECURSOS
COM INFASE EM GLNERO



Estudo de Caso No. 3
Junho/2000


Trabalhando
Comunitaria e


I UNIVERSITY OF
PF"FLORIDA


D~GeUl

'lull










GENERO, PARTICIPAQAO COMUNITARIA E

MANEJO DE RECURSOS NATURAIS


Serie


Merge (Manejo de Ecossistemas e Rec
com Enfase em Genero) ,
Tropical Conservation and Development F
Center for Latin American Studies
University of Florida
P.O. Box 115531
Gainesville, FL 32611
E-mail: tcd@tcd.ufl.edu


Fundag5o John D. and Catherine T. Mac/
WIDTECH
Universidade da Fl6rida


Marianne Schmink (Universidade da Fl6ri


Constance Campbell (The Nature Conser
Avecita Chicch6n (MacArthur Foundation)
Maria Cristina Espinosa (IUCN)
Denise Garrafiel (Pesacre)
Susan V. Poats (Flacso Equador)
Mary Rojas (WIDTECH)


Eliana Kampf Binelli
Richard Wallace
Ronaldo Weigand Jr.
Mariana Varese


Universidade da Fl6rida
Pesacre Grupo de Pesquisa e Extensao
Sistemas Agroflorestais do Acre
WIDTECH -A Women in Development
Technical Assistance Project
FVA Fundacgo Vit6ria Amazinica
USAID/Brasil -Agencia Americana para o
Desenvolvimento Internacional
Fundag5o John D. e Catherine T. MacArth
Flacso/Equador Faculdade Latino Ameri
Ci6ncias Sociais
PNUD Programa das Naq6es Unidas pa
Desenvolvimento
The Nature Conservancy
Conservation International Peru


Estudos de Caso

A Serie de Estudos de Caso do Merge sobre
Genero, ParticipagAo Comunitaria e Manejo de
Recursos Naturais, apoiada por doagoes da
program FundagAo John D. e Catherine T. MacArthur, e do
Widtech, foi planejada para mostrar como um foco
em genero tern sido relevant e util em projetos de
manejo dos recursos naturais. Os casos enfocam
exemplos concretos de extensao, pesquisa aplicada,
e atividades de planejamento participation
Arthur envolvendo comunidades rurais, especialmente
aquelas dentro e no entorno de areas protegidas na
Amrria Latina corn as quais o program Merge tern
colaborado. O format serve para aplicagoes
da) praticas assim como para o treinamento em genero e
manejo dos recursos naturais. Os casos sao
publicados em tres idiomas (ingles, portugues e
vancy) espanhol), e estAo disponiveis na Internet
(http://www.tcd.ufl.edu).

A seguir, sao apresentados os primeiros Estudos
de Caso da Serie:
1. Modelo Conceitual sobre Genero e
Conserva0ao corn Base Comunitaria por
Marianne Schmink, 1999.
2. Genero, Conservagao e ParticipaGao
Comunitbria: o Caso do Parque do Jai,
Brasil, por Regina Oliveira e Suely Anderson,
1999.
3. Trabalhando corn ConservaGao corn Base
Comunitaria e Enfoque de Genero: Um
Guia por Mary Hill Rojas, 2000.
ur
cana de
ra o







Sdrie Estudos de Caso sobre Genero, Participagao
CommunitAria e Manejo de Recursos Naturais, No. 3









Trabalhando com Conservaqao com Base Comunitaria
e Enfoque de Genero: Um Guia.

Mary Hill Rojas

Tradugco de Eliana Kampf Binelli


Junho/2000







G&nero, ParticipayAo Comunitaria e Manejo dos Recursos Naturais, No. 3, 2000


Trabalhando corn Conserva ao corn Base ComunitAria e

Enfoque de Genero: Um Guia.

Mary Hill Rojas

O projeto WIDTECH, patrocinado pelo Escrit6rio de Mulheres em Desenvolvimento (Office of
Women in Development) (G/WID) da Agnncia de Desenvolvimento Intemacional dos Estados Unidos
(USAID), oferece assistdncia tecnica e capacitagAo em assuntos que envolvam gdnero para escrit6rios e
missOes da USAID. No primeiro semestre de 1998, a pedido de Eric Fajer, da Agnncia USAID na
America Latina e Caribe, eu servi como membro da equipe de avaliagao do Projeto Parques em Perigo
(Parks in Peril PIP). A equipe de avaliagao consistiu de Laurence Hausman (lider de equipe e
responsavel pelas rela9oes e fortalecimento institucionais), Allen Putney (responsavel pelo manejo de
areas de protegao), Mary Hill Rojas (desenvolvimento de comunidades, participagAo e genero), e Lorenzo
Rosenzweig aspectss financeiros de conservagyo).
A present avaliagao revisou o andamento do Projeto Parques em Perigo, uma colaboragAo entire The
Nature Conservancy (TNC) e a USAID. A avaliagao incluiu visits de campo a sete areas de protegao no
Mexico (La Encrucijada, El Ocote, e Sian Kaan), Equador (Machalilla), Peru (Bahuaja-Sonene), Costa
Rica (Talamanca), Guatemala (Sierra de Las Minas), e discussOes com funcionarios nos escrit6rios
centrais do USAID e TNC em Washington, D.C.
O objetivo da equipe foi "avaliar a performance total do projeto PIP em relagAo ao seu prop6sito e
resultados, assim como delineados no Marco de Resultados Conceituais da USAID." O objetivo
estrategico do program e a "protegao de parques e res ervas na America Latina e no Caribe, selecionados
de acordo com a sua importincia na conservagao da diversidade biol6gica do hemisferio".
O prop6sito da avaliagao nao foi avaliar os locais individualmente, mas sim avaliar o projeto PIP na
sua totalidade. Dessa forma, as observag9es feitas durante as visits de campo a cada local foram usados
como exemplos que ilustram assuntos mais amplos. Esse guia baseia-se nos resultados dessa avaliagao e
usa exemplos das visitais locais para sugerir maneiras nais quais os integrantes do projeto PIP possam
facilmente, eficientemente e equalitariamente integrar gdnero ao seu trabalho.
WIDTECH vem colaborando com MERGE em muitos programs relacionados com conservagao
com base comunitaria, gdnero, e areas de protegao. Continuando com esta tradigyo, e uma satisfaqAo para
mim que este guia possa fazer parte da serie de estudos de caso do MERGE.
Agradego Eric Fajer, LAC/USAID e Constance Campbell, TNC, e Marianne Schmink,
MERGE/University of Florida pelo apoio a este projeto. Agradego tambem os funcionarios do TNC e
seus colaboradores que trabalham com PIP. Agradego tambem aos homes e mulheres locais que moram
no entomo das areas de protegyo, que fomeceram os exemplos de gdnero usados nesse document.

Mary Hill Rojas
Washington, D.C.
Dezembro de 1998

l IS 'I


O Projeto Parques em Perigo (Parks in Peril -
PIP) foi desenvolvido para conservar ecossistemas
ameagados na America Latina e no Caribe para
"guarantir o manejo local de areas oficialmente
designadas de protegAo e que contenham diversidade
biol6gica de importincia global". "Parques em
Perigo" e um termo usado pelo The Nature Conser-
vancy (TNC) em aproximadamente 55 areas de con-
servagAo na America Latina e no Caribe. Ate entfo,
a Agnncia de Desenvolvimento Intemacional dos
Estados Unidos (USAID) fomeceu apoio financeiro a


28 dessas areas, com plans de adicionar novas areas
num future proximo.
Com o apoio da agnncia central da USAID em
Washington e seus escrit6rios regionais em cada pais,
a TNC trabalha com um ou mais colaboradores e com
organiza9oes nAo-govemamentais (ONGs), em cada
local. Em 1998, os colaboradores nas areas visitadas
durante a avaliaygo, foram:

.es La Encrucijada, Mexico: Intituto de Hist6ria
Natural de Chiapas;







Genero, Participa9Ao Comunitaria e Manejo dos Recursos Naturais, No. 3, 2000


AE El Ocote, Mexico: Intituto de Hist6ria Natural de
Chiapas;
Ae Sian Ka'an, Mexico: Amigos de Sian Ka'an;
Ay Machalilla, Equador: Fundaci6n Natura e The
Conservation Data Center;


Ay Bahuaja-Sonene, Peru: Pro Naturaleza;
A. Talamanca, Costa Rica: ComissAo
Caribenha do Corredor Biol6gico de
Talamanca;
A. Sierra de las Minas, Guatemala: De-
fensores de la Naturaleza.

Todos esses colaboradores tra-
balharam, por sua vez, com outras ONGs
locais. Um dos colaboradores, a Co-
missao Caribenha do Corredor Biol6gico
de Talamanca, 6 composto de catorze or-
ganiza9Oes locais de comunidade de base.
Essas sete areas mencionadas acima con-
tem ecossistemas sumamente diversos, de
reserves costais a florestas tropicais, sa-
vanas e florestas de altitude. A meta
principal do PIP 6 obter apoio e envol-
vimento das comunidades locais que
vivem dentro e ao redor dos parques e
reserves, de modo que eles tambem
tenham atua9Ao e voz ativa na conserva-
9ao de biodiversidade.


A meta pril
do PIP 6 c
apoio
envolvimen
comunida
locals que
dentro e ao
dos parqu
reserves, de
que eles ta
tenham atu
voz ativa
conservagi
biodiversi


Aten9Ao a genero 6 uma parte important da
conservag9o de recursos naturais com base comu-
nitaria e das political publicas e programs que
ap6iam a conservag9o. Este guia, desenvolvido
atrav6s de exemplos e li9Oes aprendidas durante a
avalia9Ao meio termo do PIP, estabelece seis passes
para comegar a entender a analise de genero e sua
importincia para a conservag9o. O guia 6 destinado
aos funcionarios das areas de proteg9o, seus parcei-
ros locais e outros trabalhando com conservag9o com
base comunitaria, seja no campo, dentro das insti-
tuignes, ou no nivel de political publicas.



Este guia pode ser tanto utilizado na sua integri-
dade, sob a forma de curtas oficinas de genero (duas
a tres horas), ou como parte da agenda de reuniOes de
funcionarios (20-30 minutes). Em ambos, um facili-
tador prepare o "treino." Cada pass do guia comega
com uma "discussao conceitual relacionando genero
a conservag9o. A discussao conceitual 6 seguida de
um exercicio direcionado aos participants da oficina.
O facilitador pode copiar e mandar previamente cada
passs" aos participants ou pode apresenta-los na
oficina ou reuniAo. Cada "passo" apresenta um exer-


cicio para engajar os participants na discussao do
material. Cada exercicio result em um produto con-
creto, um raciocinio para conservag9o com base co-
munitaria, ou uma habilidade especifica, como por
exemplo, uma rapida analise de genero a ser con-
duzida nas instituig6es ou no campo. O objetivo
principal nao 6 a transmissAo de conheci-
mento. A informa9Ao deve ser sim com-
ncipal partilhada atrav6s de atividades estru-
)bter turadas para grupos pequenos e o conhe-
cimento deve ser construido atrav6s de
e
discussOes em grupos grandes e exercicios
ito das interativos.
ades Ao completar o treinamento, os par-
ticipantes serAo capazes de:
vivem Ag Desenvolver em sua institui95o um
redor raciocinio para incluir genero em
Ies e conservag9o com base comunitaria;
A Analisar o papel da mulher e do
modo home e suas relagoes com o manejo
mnbm de recursos naturais;
A. Destacar as realizag~es de mulheres e
a9ao e homes em documents
na organizacionais e materials de
do de educa9Ao ambiental;
o Analisar os grupos de mulheres e sua
lade. contribuin9o potential a conservag9o;
A. Articular a importincia da participa-
9o de mulheres nos esforgos de conserva9ao, os
obstaculos enfrentados por elas, e maneiras de
remove-los; e
Ae Promover trabalhos inter-setoriais em educa9ao e
democracia e gestAo como um meio de discutir
questOes ambientais.





Discussdo Conceitual
"Porque se preocupar com genero?" A conser-
va9ao da biodiversidade depend do envolvimento de
pessoas, de todos os stores da comunidade, tanto
homes como mulheres, cujos interesses e perspecti-

vas em rela9Ao ao meio ambiente podem ser bastante
diferentes. Entretanto, as mulheres sAo freqUente-
mente sub-representadas ou mesmo nao sao repre-
sentadas no nivel local, dentro de institui9Oes e no
nivel das political publicas, onde as decisOes sao to-
madas. Para incorporar genero ao seu trabalho, os
integrantes do projeto PIP necessitam desenvolver e
articular uma l6gica que integre genero a conservagao
com base comunitaria. A seguir, um exemplo de tal
16gica:
"O Program Parques em Perigo esta em sin-
cronia com a political do primeiro Congresso Latino-







Genero, Participa9Ao Comunitaria e Manejo dos Recursos Naturais, No. 3, 2000


Americano de Parques Nacionais e Outras Areas de
Prote95o, realizado em Santa Marta, Col6mbia
(1997), a qual reconhece a conservag9o como um
assunto social. IDntro do Programa PIP, reconhece-
se que envolver as comunidades para promoter a
conservag9o da biodiversidade e o bem-estar das
areas de proteg9o 6 muito important para a viabili-
dade das reserves a longo-prazo, especialmente
quando a fome e a pobreza se encontram proximas
aos limits da reserve. Alimentag9o,
meios de vida, habitat e saude dependem A per
de um meio ambiente saudavel."
Aqueles que trabalham cor conser- conse
va9Ao da biodiversidade reconhecem a base (
diversidade das parties interessadas e os se de
varios niveis e defini96es de comunidade
- aqueles dentro das areas de proteg9o ou partir
nas suas fronteiras, as popula9Oes ur- Vi
banas, e no nivel mais amplo, as comuni-
dades regionais, nacionais e internacionais ml
que ap6iam as reserves. Genero 6 central home
para essa perspective, afetando como na co
na cor
comunidades e domicilios estAo
organizados e, por sua vez, como estes se no mai
relacionam cor o meio ambiente em que ambi
estao inseridos.
A perspective de conservag9o corn
base comunitaria se desenvolve a partir
dos pap6is vitais que mulheres e homes possuem na
compreensao e no manejo do meio ambiente ao seu
redor, tanto em areas rurais como urbanas.

A Abordagem
A. Fomenta decisOes ambientais, lideranga, e par-
ticipagao de mulheres e homes na sociedade
civil, para que eles possam servir como defen-
sores de questOes ambientais de seu interesse, e
de interesse de suas families e comunidades.
Ae Desenvolve estrat6gias para conservag9o e
manejo de recursos baseadas em principios de-
mocraticos, e tecnicas participativas de cidadania
plena.
e5 Aumenta a compreensao de como o genero de-
lineia o acesso, a participag9o e o program de
atividades coletivas que afetam o meio ambiente.
Ae Discute especificamente as limita9Oes econ8mi-
cas, sociais, institucionais e legais no manejo
efetivo de recursos naturals realizado por
homes e mulheres.

Como parte dessa abordagem geral, a analise de
genero 6 um instrument de conserva9go bastante
util, j que ela:

A. Auxilia na dissoluqdo de estere6tipos: A docu-
mentagao da presenga de mulheres ocupando


specti
rvaia
;omur
senvo
dos p
tais q
ilhere
ns po
npree
nejo d
ente a
redor


cargos de diretoras de reserves e de guards flo-
restais no Peru serve para refutar a opiniAo geral
de que areas de protegAo sao muito remotas para
atrair profissionais do genero feminine. (TRD
1998:22 e 31)
.A Desvenda papeis que sao negligenciados: Fre-
quentemente, as mulheres sao definidas, e se
auto-definem, como donas-de-casa, mascarando
seus pap6is de gerentes diarias de recursos
naturais, fomecendo agua e lenha
va de para suas families, cuidando de hortas
e pomares, eliminando lixo e criando
o comr
o com animals.
nitiria .A Ajuda assegurar a representacdo da
Ilve a diversidade em materials de
educacdo ambiental: As mulheres
)ap6is tnm um papel central na educa9ao
ue ambiental ja que suas rela9oes
pessoais cor suas comunidades e
s e families fomecem um meio ideal para
ssuem a difusao de mensagens ambientais.
nsdo e No entanto, as mensagens de
ns o e
educa9ao ambiental retratam os
o meio homes de uma maneira excessive no
.o seu manejo de recursos naturals.
A. Representa as comunidades e as in-
stituicges que as ap6iam: As normas
institutionais taiss como parentesco,
casamento, religiao, etnia ou classes) fre-
quentemente determinam quem toma as decisOes
sobre como utilizar os recursos naturals em uma
comunidade. Essas normas sao baseadas nas
rela9Oes de genero. Por exemplo, as mulheres
geralmente tnm ura presenga political pequena
nos conselhos comunitarios. ReuniOes locais sao
frequentemente tidas como espagos masculinos e
as organizag9es e instituig9es locals podem ser
baseadas em hierarquias masculinas. Essas
barreiras institucionais precisam ser
reconhecidas na mobilizag9o de apoio public
para melhorias ambientais.

A inclusAo de mulheres e homes locais em
atividades pode melhorar os resultados ambientais de
um projeto, enquanto que a exclusAo destes pode,
muitas vezes, condenar uma interven9go. De fato,
isso 6 verdadeiro em rela9go as mulheres em par-
ticular, ja que sao mais invisiveis que os homes e
sao geralmente excluidas. Um recent estudo con-
duzido em um ecossistema de mangue no Golfo da
Fonseca, fronteira entire a Nicaragua, El Salvador e
Honduras, ilustra esse ponto (Quadro 1).







Genero, Participag9o Comunitaria e Manejo dos Recursos Naturais, No. 3, 2000


Exercicio
Distribua uma c6pia do raciocinio acima aos
participants antes da reuniAo ou oficina. Dis cuta o
raciocinio em pequenos grupos. A seguir, cada grupo
pequeno relata suas id6ias para o grupo todo. O ob-
jetivo final e obter, por consenso, um marco aceitavel
para se trabalhar cor genero na area de proteg9o. No
caso de nao ser possivel obter um r nsenso geral,
este marco pode incluir a opiniAo de uma minoria.

Pass Dois I*cnsri Termo
I I Ia khlii Ka Com reede rnkii sz e~
Rea. e de Ge ne


Discussdo Conceitual
A linguagem frequente-
mente mascara o trabalho re-
alizado pelas mulheres. Muitos
terms usados em diversos
idiomas, tais como "agricul-
tor," "silvicultor," e "medico,"
retratam uma imagem mascu-
lina. O agricultor usou um
vestido" 6 uma frase surpreen-
dente. Ao se desconstruir ter-
mos, o trabalho feminine fica
mais visivel e incentiva-se a
conserva9ao.
As mulheres que vivem
ao redor de areas de proteg9o
muitas vezes se auto definem e
sao definidas por familiares,
funcionarios de areas de pro-
tegao e outros, como "donas-
de-casa". Os homes possuem
titulos mais descritivos, como
"pescador", "agricultor",
queijeiro," os quais retratam
mais claramente sua relag9o
cor os recursos naturais. E
important desconstruir o
termo "dona-de-casa" para que
se entenda como as mulheres
interagem cor o mundo natu-
ral a sua volta.


Exercicio
Antes da oficina, pe9a aos funcionarios e outros
que, quando estiverem no campo, perguntem sobre o
que as mulheres e os homes fazem em diferentes
6pocas do ano ou durante um dia tipico. Posterior-
mente, os participants levam essa informa9ao cole-
tada a oficina para compartilhar cor o resto do
grupo.


Um primeiro exemp lo vem de Bahuaja-Sonene
cuja duas maiores ameagas a conserva9Ao sao o
garimpo de ouro e a coleta illegal de castanha-do-Bra-
sil. As mulheres foram identificadas como "donas-de-
casa" e os homes como "mineradores" e "coletores
de castanha". A diretora de uma ONG local uma
mulher analisou o termo "dona-de-casa" para
esclarecer os pap6is das mulheres nessas atividades:
es Coleta de Castanhas do Brasil. Tanto as
mulheres como os homes se deslocam para a
floresta para coletar castanhas durante a 6poca de
colheita. As mulheres coletam, secam, des-
cascam e, frequentemente, vendem as castanhas.
A maioria dos contratos para coleta das cas-


tanhas estAo


listou as tarefas


sob o nome de mulheres. Os
homes tamb6m coletam
as castanhas; quebram a
casca para retirar a
castanha usando a
machete; carregam os
sacos de castanhas
(geralmente 75 quilos) nas
costas para fora da floresta;
e as transportam por barco
ate o mercado.
eA Garimpo de Ouro. Tanto
as mulheres como os
homes montam
acampamento na floresta
perto da area de minera-
95o. A mulher compra a
comida e a prepare e,
geralmente, monta a
"casa" temporaria. Muitas
vezes a mulher 6 re-
sponsavel pelo contrato
para explorer o ouro e
vend&-lo. Garimpagem de
ouro 6 um trabalho
bastante arduo e os
homes escavam e
processam o ouro.

Um segundo exemplo foi
fornecido por uma agent de
extensao, a qual rapidamente
que colocam a dona-de-casa em


contato direto cor os recursos naturais dentro e nos
arredores da area de proteg9o em El Ocote:
Ae Pesca. Algumas mulheres pescam mas todas
cozinham, limpam, vendem e preservam o
pescado.
Ae Ervas. As mulheres cultivam ervas (chipitin;
hierba santa; achiote; pimienta) para adomo,
uso medicinal e alimenticio.
.5 Colheita.


Quadro 1: Uso de um ecossistema de
manguezais no Golfo da Fonseca,
fronteira entire a Nicaragua, El Salva-
dor e Honduras.
Numa tentative de conservar os
manguezais, foram impostas restri6bes
a pesca nos estuarios, al6m de tentati-
vas de preservar a reserve madeireira e
limitar o uso de lenha. A maioria das
mulheres pescam nos estuarios, en-
quanto os homes pescam no mar
aberto. Os pap6is das mulheres em
relag5o a pesca nao foram entendidos e
as restri6bes limitaram seus direitos de
acesso. A fonte vital de protein e a
fonte de renda domiciliar foram perdi-
das. A mulheres tamb6m coletam ma-
deira para lenha. Individuos continuam
a pescar no estuario secretamente e a
coletar lenha para uso pr6prio ou para
venda. "Isso destaca uma important
lig~o de conservacgo: as tentativas de
mudanga de uso de recursos podem
nao ser bem sucedidas a menos que se
consider as limita6bes que os in-
dividuos e as comunidades encontram
ao modifica-los" (Gammage et al.
1999:4).







Genero, Participag9o Comunitaria e Manejo dos Recursos Naturais, No. 3, 2000


Milho. As mulheres armazenam o milho,
maceram-no e diariamente preparam a tor-
tilla e o atol.
Cafe. Algumas mulheres plantam e ajudam
com a colheita. Todas as mulheres proces-


sam (selecionam,
lavam, debulham,
secam e empacotam)
os grdos ap6s a
coleta. Os homes
vendem o cafe. As
mulheres torram,
maceram e preparam
o cafe para o uso
dom6stico.
Chili. As mulheres
preparam as
sementeiras,
transplantam,
controlam os insetos,
e cuidam das plants.
Elas cortam e sele-
cionam o chili de
acordo com o
tamanho e a cor,
empacotado-os e
vendendo-os no
mercado.
, A Horta A mulher 6
responsavel pela horta, a qi
tanto para a familiar con


ual
no


fornece alimentos
para o mercado


tomatoes hierba santa, hierba buena).
Ae Animais. As mulheres criam galinhas e perus
para uso dom6stico e permuta.
Ae Frutas. As mulheres coletam nance, laranjas,
limes, e limas para venda no mercado ou para
fazer conservas.
&, Agua e Madeira As mulheres sao responsaveis
pela coleta de agua e lenha para tender as ne-
cessidades da familiar.

Um exemplo final, no Quadro 2, ilustra a im-
portincia de desconstruir os terms para definir como
a mulher se enquadra no manejo dos recursos
naturals.





Discussdo Conceitual
E important que o envolvimento de mulheres
se tome visivel durante todo o projeto PIP, a fim de
que se atribua cr6dito as realiza9Oes alcangadas e para
que as li9Oes aprendidas durante o process sejam
documentadas.


Esposas e Maes


Quadro 2: Criagdo de I
O trabalho feminine
genciado quando term
de uma maneira restrita
iguana em El Ocote fo
um trabalho executado
Por6m, quando defini
mente, incluindo o abat
pele, e o prepare d
mulheres desempenha
igual aos homes emb
recebam os benefici
Descontruir terms nao
estere6tipos mas ta
vis6es importantes qua
recursos naturais. Tais
direcionar o planejamer
a tomada de decis6es q
vagao.


Aldm da participagAo direta das mulheres nas
atividades do PIP, as mulheres se orgulham de seus
papeis como esposas e mres. Esses pap6is sao
importantes para mulheres e homes e podem ser de
utilidade para a conservag9o de
recursos naturals.
guanas. Um exemplo vem de
pode ser negli- Sierra de las Minas. Don Juan
S sao definidos 6 um catequizador que vive
a. A criaqgo de com sua familiar perto da re-
i definido como serva e 6 respeitado pela co-
pelos homes. munidade local. Eles possuem
do mais ampla- um sitio misto que 6 um
e, a retirada de modelo de agriculture susten-
os animals, as tivel: compostagem de
ram um papel minhocas, curvas de nivel cor
ora nem sempre cardamomo e cafe, arvores
os do projeto. frutiferas e um lago para
somente destr6i criagAo de tilapias. A placa na
mb6m oferece porta da casa diz "a floresta 6
nto ao uso dos vida cuide dela para seus
reflexes podem filhos". Sua esposa apoia seu
ito estrat6gico e trabalho, auxiliando-o
luanto a conser- principalmente com o cultivo
de plants nativas e plants
medicinais. Ela conhece as
plants para curar doengas
infants e viaja cor o marido para compartilhar esse
conhecimento cor os vizinhos.
Um segundo exemplo vem de Sian Ka'an. A
reserve patrocina um viveiro de plants que resgata
as antigas tradig9es Maias de conservag9o de solo,
proteg9o a floresta e cultivo de plants nativas e
medicinais. Um home local administra o viveiro,
conduz pesquisa basica e serve como agent de ex-
tensao. Sua esposa tamb6m trabalha no viveiro e
conhece as plants usadas para tratar picadas e mor-
didas, gastrite, artrite e parts. Nesse caso, a esposa
auxilia seu marido sem pagamento. E necessario
reconhecer o valor do trabalho da equipe
marido/esposa na conservag9o dos recursos naturais.

Lideres e Profissionais
As mulheres sao visiveis em varios pap6is de
lideranga e como profissionais em toda as areas do
projeto PIP. Elas ocupam varios cargos, tais como
chefia no Minist6rio do Meio Ambiente (Mexico);

fundadoras de ONGs parceiras (Sian Ka'an); agents
de extensao (La Encrucijada; El Ocote); lideres de
conselho na reserve (Talamanca); guards e diretoras
do parque (Bahuaja-Sonene); diretoras de ONGs par-
ceiras; lideres de grupos indigenas (Sierra de las Mi-
nas); lideres de atividades promovidas pelo PIP
(Machalilla); funcionarias-chefe das agencies e







Genero, ParticipayAo Comunitaria e Manejo dos Recursos Naturais, No. 3, 2000 6


escrit6rios do USAID; e membros do conselho de
diretoras da TNC.

Torando-se tais mulheres visiveis em
publica95es, materials de educayAo ambiental,
relat6rios anuais e apresentag6es publicas, outras
mulheres sAo encorajadas e estere6tipos sAo
derrubados. Por exemplo, em Bahuaja-Sonene, a
presenga evidence de mulheres que ocuparam cargos
no passado de diretoras de parques, guards
florestais, trabalhadoras na area de saude
comunitaria, e guards florestais voluntarias, serve
para banir a nofao tao comum de que areas de
protegAo sao muito remotas para atrair pro fissionais
do sexo feminine.







Genero, ParticipagAo Comunitaria e Manejo dos Recursos Naturais, No. 3, 2000


Exercicio
Distribua a cada participate um exemplo
diferente de materials de educayAo ambiental, ou
outras publica95es sobre conservagAo. Pega aos par-
ticipantes que fagam uma analise individual dos ma-
teriais para determinar a freqUencia em que homes e
mulheres sao representados de forma escrita e
grafica. Cada individuo relata seus resultados ao


grupo inteiro. De uma maneira geral, os
homes sao retratados massivamente em
ambas formas. A maneira pela qual o
genero 6 abordado nestes materials reflete
a atenyao dada a diversidade. Por sua vez,
a diversidade 6 um indicador de
inclusividade, que 6 important para a
participagao da comunidade em nome da
conservagao. Os resultados desse
exercicio deverAo ser utilizados por
aqueles que estAo desenvolvendo


educacionais, destinadas
parceiros comu nitarios.


Padrdo Um: Atividades Economicas de
Mulheres
Dois exemplos ilustram as varias atividades
econ8micas ao redor e dentro das areas de protegAo
do PIP:
OS 0 Comite de Mulheres, fundado em 1996 em
Machalilla, ter criado galinhas para venda a
hot6is locais cor sucesso. Essas mulheres sao


A placa na porta
da casa diz "a flo-
resta 6 vida -
*riiAc' Ado Iora


seus filh


materials


as areas de protegAo ou


Discussdo Conceitual
A experidncia mostra que, geralmente 6 mais
efetivo integrar mulheres as atividades centrais dos
projetos ao inves de "esforgos" direcionados somente
a mulheres. Entretanto, isso pode variar, especial-
mente em areas onde existe uma tradiygo de trabalho
em grupos das mulheres ou tabs contra mulheres e
homes sem parentesco trabalhando juntos. As
vezes, esforgos extras devem ser dirigidos as
mulheres para superar discriminag~es sofridas no
passado ou para auxiliar as mulheres a desenvol-
verem a autoconfianga necessaria para evitar confli-
tos ou competigao cor os homes (Dixon-Mueller e
Anker 1998). Dirigir atividades as mulheres
separadamente dos homes pode ter sentido em re-
giOes onde muitos dos domicilios sao dirigidos por
mulheres ou em lugares onde as mulheres se espe-
cializam em tarefas que poderiam ser mais produtivas
caso houvesse assistencia especifica direcionada a
elas.

Surgiram varios padrOes de mulheres que tra-
balham em grupos separadamente dos homes nas
areas do PIP:


de meia-idade. Segundo elas, as
mulheres mais jovens nao participam
devido ao ciume dos maridos ou a
responsabilidade de criar filhos. O
projeto ter fornecido capacitagAo
especializada em gerenciamento de


acu a microempresas, tals como
oS". contabilidade, calculo de custos e
administrayAo. O projeto tamb6m
proved assistencia tecnica para
servigos veterindrios e cria 9o de galinhas.
Ae Um grupo de mulheres em Sierra de las Minas
vem trabalhado conjuntamente por seis anos cor
o objetivo de obter renda. Elas comegaram cor
projetos de costura direcionados tanto ao uso
dom6stico como ao mercado, cor pouco
sucesso. Cor ajuda do Corpo de Paz (Peace
Corps), elas comegaram a preparar bis coitos e
vendd-los. Atrav6s de uma agencia gover-
namental, elas estabeleceram contatos cor
outros grupos de mulheres e obtiveram bolsas de
estudo para continuar seus estudos escolares. As
mulheres tamb6m iniciaram uma horta e tinham
plans de fornecer servigos alimenticios aos
turistas. Nenhum desses empreendimentos foram
economicamente bem sucedidos ate hoje. Uma
iniciativa recent de cultivar cafe organico
parece promissora, ja que existe uma vantage
competitive pois o cafe 6 um produto
comercializavel e que possui um valor agregado.

Exercicio
Pega a um funcionario que trabalhe diretamente
cor atividades econ8micas de mulheres para que
apresente um breve estudo de caso. Ap6s a apresen-
tag5o, pe9a aos participants que avaliem a atividade.
Como a atividade em questAo se relaciona cor a con-
servacao de biodiversidade? Existe uma vantage
competitive e um produto de valor agregado? Esse
produto ter potential commercial? As mulheres pos-
suem as habilidades e ferramentas necessarias para
gerenciar uma microempresa? O PIP subsidia a
atividade de forma que esta nao 6 sustentavel sem
esses subsidies?







Genero, ParticipayAo Comunitaria e Manejo dos Recursos Naturais, No. 3, 2000


Padrdo Dois: Mulheres como Pioneiras
Na area de protegao Sian Ka'an em Punta Allen,
existe uma apreensAo e certa urgencia para transfor-
mar pescadores em guias turisticos antes que os
corais da regiAo morram. Iniciaram-se aulas para
ensinar Ingles e outras habilidades necessarias para
esses guias turisticos. Uma mulher participa das au-
las de guia turisticos. Embora nao seja pescadora, ela
foi aceita pelo grupo pelo seu carisma e entusiasmo
em participar e fazer parte do grupo. Ela represent
um modelo a ser seguido por outras mulheres. Mui-
tas vezes, as mulheres que rompem com a tradigao
sao ora destacadas com orgulho, ora com desprezo.
Elas sao agents de mudanga.

Exercicio 0 deba
Durante uma reuniAo de
funcionarios, promova uma "chuva-de- COn
id6ias" para discutir quem sao as mulheres espe(
pioneiras dentro da comunidade. Discuta
se elas sao lideres comunitarias. Discuta mul
como elas podem ser colaboradoras int
efetivas na conservagAo de recursos
naturals. comply
ati
Padrdo Trts: 0 Departamento ou
Sessdo de Mulheres de uma Or- prin
ganizaago organic:
Perto de Bahuaja-Sonene, existe um hi mt
sindicato de trabalhadores rurais. A
equipe do sindicato tenta incorporar mulheres na
associagAo atrav6s do uso de linguagem sensivel a
genero e destacando homes e mulheres em suas
publica9Oes e programs. Ao mesmo tempo, ha um
component pr6-mulheres que inclui uma agent de
extensAo trabalhando com mulheres e com atividades
do sindicato direcionadas especificamente a elas. O
debate a respeito de se ter um component especifico
pr6-mulheres ou integra-las completamente is
atividades principals da organizagAo existe ha muito
tempo. Uma combinagAo das duas alternatives parece
ser a mais produtiva.

Exercicio
Antes da oficina, pega para cada participate
fazer uma breve analise institutional de uma organi-
zagao ou agencia que trabalhe perto ou dentro das
areas de protegao do PIP. Essa analise deve incluir as
seguintes etapas: identificar os agents de tomada de
decisAo e avaliar a proporgyo de homes e mulheres;
no component pr6-mulheres (se houver algum)
analisar sua produtividade, programs, political e
estrutura de poder; entrevistar informalmente homes
e mulheres sobre sua avaliagAo da participagAo de
mulheres naquela instituigAo; e, observer quem faz


te ar
e ter
ipone
;ifico
lheres
egra-]
etam(
vidad
cipai
zadao
ito te


parte da sua afiliagAo e a quem esta oferece servigos.
Cada participate leva os resultados de sua analise a
oficina para ser compartilhada com os demais par-
ticipantes do grupo. No grupo grande, pega aos par-
ticipantes para responder a seguinte pergunta: Como
os resultados da analise podem ser uteis?





Discussdo Conceitual
No Peru, Rosa Barrantes do Instituto de Saber,
escreve "... se existisse uma political
public na qual as mulheres pudessem
espeito participar com voz propria e tivessem
um poderes para tomada de decisoes, seria
inte possivel enfrentar muitos dos grandes
problems que afetam o meio ambiente"
pr6 (Man 1991:31).
Ou Conversando com funcionarios e
moradores lo cais durante a avaliagao do
as PIP, surgiu um raciocinio sobre a
ente is importincia da participagao de mulheres
[es nos esforgos de conservaygo:
A As mulheres sao lideres comunitarios,
s da mas frequentemente sao invisiveis
existe aos olhos de visitantes;
A Sao as mulheres que, na maioria das
mpo. vezes, organizam events ambientais,
desde o resgate de tartarugas ate a
comemoraqAo de ritos e valores tradicionais;
A. As mulheres gerenciam recursos naturals
diariamente tais como hortas, coleta de lenha,
plants e ervas medicinais e desempenham
pap6is centrais na agriculture, pesca e caga;
Ae As mulheres desempenham papel fundamental
na criagao de criangas, as quais trasmitem
mensagens de carter ambiental;
&S As mulheres nao "bebem" os lucros das
atividades econ6micas nem gastam o dinheiro
em seu proprio proveito como os homes. Ao
contrario, as mulheres utilizam essa fonte de
renda para a educagAo das criangas ou em itens
para o lar.

Entretanto, em todas as areas visitadas durante a
avaliaygo, varias razOes foram levantadas para justifi-
car porque as mulheres nao participam mais no tra-
balho do PIP. Essas barreiras a participagao das
mulheres mencionadas acima incluiram uma mistura
de fatores culturais e institucionais:
.& As mulheres indigenas nao falam espanhol;
&S As mulheres nao saem da comunidade e nao pos-
suem tanta mobilidade quanto os homes;
.& As mulheres devem ficar em casa;







Genero, ParticipayAo Comunitaria e Manejo dos Recursos Naturais, No. 3, 2000


A& As mulheres nao participam de reunites publi-
cas;
.& As mulheres casam-se jovens e desistem da
escola mais jovens do que os homes;
e As mulheres nio sao procuradas pelos fun-


cionarios do PIP;
&S Ha uma prevaldncia de machismo;
.& Existe dume dentro da comunidade
caso uma mulher local seja
empregada como agent de extensAo;
A. Existe uma id6ia err6nea de que as
mulheres nao querem participar em
atividades de capacitagAo e
treinamento; na verdade, muitas
vezes, elas estAo animadas para
participar;
&S As mulheres sao vistas somente como
donas-de-casa; e
.& Pouco valor 6 dado ao trabalho e aos
pap6is das mulheres cor recursos
naturals.
Existem id6ias preconcebidas sobre
quais atividades as mulheres poderAo
executar ou nao. Em El Ocote, a apicul-
tura foi adotada, mas pensava-se que as


9oes de mulheres. Existem redes regionais de or-
ganizag~es de mulheres, tais como a "Red de Mujeres
Afrocaribefias y Afrolatinoamericanas" sediada na
Costa Rica. Existem grupos indigenas, tais como as
mulheres Ayamara da Bolivia, que formaram organi-
za9Oes para defender sua cultural, terras e territ6rios.
Muitas dessas organizag~es direcionam seus esforgos


Existe uma idWia
err6nea de que as
mulheres nao
querem participar
em atividades de
capacitagao e trei-
namento; na ver-
dade, muitas
vezes, elas estao
animadas para
participar


mulheres nao deveriam cuidar das colmeias pois a
abelhas eram muito agressivas. Entanto, os homes
abandonam as atividades de apicultura assim que o
cafe estiver pronto a ser colhido.
Muitos dos obstaculos sao especificos a cultural,
pais ou regiAo em particular. Na Guatemala,
funcionarios publicos estavam satisfeitos pelo fato de
que viuvas de um grupo indigena perto de Sierra de
las Minas iriam receber titulos de propriedades por
serem consideradas chefes de familiar. Entretanto,
essas mulheres estavam envergonhadas de tomar
posse dos titulos em public. Se a literature mundial
servir como guia, essa vergonha pode estar
relacionada a noyAo de que a mulher fracassou em
manter seus maridos vivos e esta morando em um
domicilio onde nao ha um home (ver Owens 1996,
e Chen and Dreuze 1992, por exemplo, sobre a grave
situayao das viuvas do mundo inteiro).
Dado que a conservagAo depend da participa-
9ao de ambos homes e mulheres; dado que as
mulheres participam menos que os homes por uma
serie de barreiras e dado que muitas dessas barreiras
sao especificas a determinadas cultures, uma estrate-
gia simples para direciona-las 6 contar cor a ex-
peridncia e conhecimento de ONGs locais que tra-
balham cor mulheres e assuntos relacionados ao
genero.
Em todos os paises onde ha areas do projeto
Parques em Perigo (Parks in Peril), existem organi-
zag~es trabalhando em prol das mulheres. Somente
no Mexico existem aproximadamente 370 organiza-


particularmente a genero e meio ambiente
ou em maneiras de envolver mulheres no
desenvolvimento comunitario. O tema da
primeira conferdncia international sobre
mulheres da floresta amaz6nica, sediada
em Rio Branco, Brasil, em 1999, foi
mulheres, desenvolvimento e meio
ambiente. A conferdncia proporcionou
novas parcerias e contatos al6m de
reforgar antigas aliangas.

Exercicio
Durante uma reuniao, promova uma
chuva de id6ias para identificar grupos
locais e design a cada participate um
grupo para pesquisar e fazer contato.
Muitos desses grupos poderAo ser poten-
ciais colaboradores em conservagao, os


quais possuem tecnicas e experiencia para chegar as
mulheres e superar as barreiras de participagAo que
muitas delas enfrentam.





Discussdo Conceitual
Uma abordagem de protegAo ambiental e
manejo sustentavel de recursos naturals cor base
comunitaria reconhece a interayao entire meio am-
biente, uso de recursos naturais, e as forgas political,
econ8micas e sociais. A interayao entire conservagao
da biodiversidade e educayAo e a interayao entire con-
servag5o, democracia e gestAo sao de importincia
vital para o PIP.

Educagdo
Entre 1970 e 1990, o analfabetismo na America
Latina decresceu, muitas vezes dramaticamente, mas
cor variag~es entire os paises. Por exemplo, entire os
paises visitados pela equipe de avaliayao do PIP,
somente a Costa Rica possui um indice de analfa-
betismo abaixo de 10%. Mexico, Equador e Peru
possuem indices entire 10% e 20%. Na Guatemala,
existem mais de 20% de analfabetos. Em todos os
paises visitados, cor exceyAo da Costa Rica, existem
mais mulheres analfabetas do que homes. Na Gua-
temala, Peru e Equador, existem diferengas significa-
tivas no numero de homes e mulheres analfabetos.







Genero, ParticipagAo Comunitaria e Manejo dos Recursos Naturais, No. 3, 2000


O numero de mulheres analfabetas e muito maior que
o numero de homes analfabetos. Grupos indigenas
e rurais frequentemente apresentam maior analfa-
betismo do que a populagao em geral e maiores dis -
crepincias de analfabetismo entire homes e mulheres
(Valdez Gomariz 1995:98).
Em um levantamento national sobre a
consciencia ambiental da populagao no Peru, houve
diferengas significativas entire homes e mulheres em


relayAo ao conhecimento de assuntos
ambientais, incluindo conservagyo de
biodiversidade e areas de protegAo.
Quando comparados, as mulheres tinham
um conhecimento menor do que os
homes. Entretanto, essas diferengas
desapareceram quando a educayao foi
levada em conta. Dessa maneira, os resul-
tados desse levantamento demonstraram a
importincia vital da educayao no debate
de questOes ambientais, incluindo conser-
vayao. A hip6tese foi: a) dado que o


O apoic
educapa
principalme
apoio edu
de mulher
important
prote ao am


conhecimento sobre os problems ambientais e as
medidas necessarias para supera-las aumenta com a
educayao; b) dado que nos pr6ximos anos, o nivel de
educayao dos peruanos aumentara; c) dado que a
diferenga entire a educayao de homes e mulheres
diminuira, pode-se esperar que o conhecimento
ambiental da populagao ira aumentar. Assim, o apoio
a educayao e, principalmente, o apoio a educayao de
mulheres, e important para a protegao ambiental
(Rojas 1998:6).

Democracia e Gestdo
Sabe-se que a conservagAo de biodiversidade, a
saude e o bem-estar das areas de protegao sao fre-
quentemente dependents de solugOes locais oriundas
de iniciativas comunitarias.
A Em Machalilla, as estrategias adotadas pelos
funcionarios da reserve variaram desde a ex-
clusAo de pessoas das areas de protegao (atraves
de policiamento) ate o planejamento participa-
tivo com as comunidades no manejo da reserve.
Ae Em La Gandoca, parte do Corredor Ecol6gico de
Talamanca, as terras da area de protegao per-
tencem aos membros da comunidade. Sem o seu
apoio e participagAo no manejo, n~o existe area
de protegao.
No entanto, enfoques comunitarios podem agir
contra os interesses das mulheres. Por exemplo, no
mundo inteiro, frequentemente as mulheres ten uma
presenga political pequena nos conselhos comu-
nitarios. Reuni6es publicas sao muitas vezes vistas
como espagos masculinos. Em La Encrucijada, uma
reuniAo public para os avaliadores do PIP numa pe-
quena aldeia atraiu somente os pescadores homes.
As mulheres estavam trabalhando em outros lugares.


Uma mulher comentou, "Muitos programs nao tem
mulheres. Muitos funcionarios nio conversam com
elas. Elas sao mulheres." Essas sao barreiras co-
muns e existem estrategias simples para supera-las:
a Mulheres em varias cultures do mundo inteiro se
sentem mais a vontade para conversar entire si e
em algumas cultures mulheres conversando com
homes fora de suas families nao sao bem vistas.
Em El Ocote, La Encrucijada, Machalilla, fun-
cionarios do PIP fazer chegar suas
& mensagens as mulheres usando
mulheres locais como lideres
o e, comunitarios e agents de extensao.
nte, o A Para fazer as mensagens e programs
cayio de consewaago chegar as mulheres e
important identificar onde elas se
es, e encontram. Muitas vezes, os espagos
para a publicos nao sao espagos para
mulheres. As mulheres criarao seus
lbiental pr6prios espagos de reuniao, se sua
participagAo e opiniAo forem
valorizadas. Tambem, e important identificar
quais recursos estAo sob a influencia dos homes
e quais estAo sob influencia das mulheres.
Frequentemente, os recursos naturals sao
estratificados por genero; um exemplo sao as
mulheres tendo o control do fruto mas nao da
arvore frutifera.
.& Em algumas das areas do PIP exite um ambiente
de p6s-conflito, um period de transiyao que vai
desde um estado de conflito ate uma crescente
democracia e descentralizayAo. Por exemplo, a
guerra na Guatemala ironicamente deu as
mulheres um espago public maior,
especialmente atraves do not6rio Comite Na-
cional de CoordenayAo de Mulheres e atraves de
lideres indigenas tais como Rigoberta Manchu e
Rosalina Tuyuc. O Acordo de Paz da Guatemala
enfatizou o apoio as mulheres maias. Essas
aberturas democraticas fornecem um forum para
que as mulheres discutam muitos assuntos de
interesse, incluindo aqueles relacionados ao meio
ambiente.

Exercicio
Ae Discuta como o apoio a educaygo, especialmente
a educayao de mulheres, pode ser um instm-
mento de conservagAo. Nesse ambito, o apoio de
programs do USAID, tais como o Programa
Educacional de Meninas e Mulheres do Es-
crit6rio de Mulheres em Desenvolvimento
(Girl's and Women's Education Program of the
Office of Women in Development) sao vistos
como atividades que ap6iam os objetivos am-
bientais e de recursos naturais.







G&nero, ParticipayAo Comunitaria e Manejo dos Recursos Naturais, No. 3, 2000


A& Discuta em grupos pequenos como os processes
participativos do PIP nio somente promovem a
conservagao e o apoio as areas de protegao mas
tambem sao vitais para o fortalecimento de or-
ganizag~es sociais e instituigOes democraticas,
incluindo os direitos das mulheres. Cor o grupo
inteiro discuta em livre debate como aqueles tra-
balhando cor assuntos de democracia e gestAo
podem colaborar cor o setor ambiental para fins
de aprendizado e apoio mutuo.



Este guia de capacitagAo foi escrito como resul-
tado da avaliayao de meio termo do Projeto Parques
em Perigo, e responded a uma das recomenda9Oes de
tal avaliayao, documentaryr a experiencia do PIP corn
temas de gdnero" (TRD 1998). Dessa avaliayao
surgiram varios exemplos valiosos da importincia de
gdnero para a conservagao. Ao completar os
exercicios do guia, os funcionarios das areas de
protegao e seus parceiros locais nas reserves e seus
entornos comegar o a captar a riqueza conceitual e os
metodos participativos que o enfoque de gdnero pode
fornecer a conservagao da biodiversidade. Essa ca-
pacitagao gera habilidades valiosas, que vAo desde a
desconstrug5o da linguagem, a qual evita uma com-
preensAo complete da forma em que homes e
mulheres usam os recursos naturais, ate a investiga-
9ao das estruturas institucionais que excluem as
mulheres. Apesar dos exemplos usados neste guia
serem da America Latina, os conceitos e exercicios
aqui apresentados sao apropriados para qualquer
lugar do mundo. Nao resta duvida de que a variavel
gdnero e um component central para aqueles que
trabalham cor conservagao cor base comunitaria.




Chen, Marty e J. Dreuze
1992 Widows and Well-Being in Rural North
India. Discussion paper IN. 40: London
School of Economics.
Dixon-Mueller, R. e R. Anker
1988 Assessing Women's Economic Contri-
butions to Development. International
Labor Organization: Geneva.
Gammage, Sarah et.al.
1999 Population. Consumption. and Environ-
mental Linkages in a Mangrove Ecosys-
tem in the Gulf of Fonseca. International
Center for Research on Women: Wash-
ington, D.C.
Marin, Alexera Ayala, editor.
1991 Muier v Medio Ambiente. Fundacion
Natura-CEPLAES: Quito, Ecuador.


Owen, Margaret
1996 A World of Widows. Zed Books: Lon-
don.
Rojas, Mary Hill
1998 A Gender-Focused Analysis of the Peru
Environment and Natural Resources
Survey and the Design of a Public Pres-
entation of the Survey.
WIDTECH/USAID:Washington, D.C.
Tropical Research and Development, Inc. (TRD)
1998 Parks in Peril: External Evaluation of
LAC Region. Gainesville, Florida:
USAID and Tropical Research and De-
velopment Inc.
Uldfelder, William et al.
1997 Participatory Conservation: Lessons of
the PALOMAP Study. Working Paper
No. 1. The Nature Conservancy: Ball-
ston, Virginia.
Valdez, Teresa e E. Gomariz.
1995 Latin American Women. Institute de la
Mujer de Espana and FLACSO: Santi-
ago, Chile.




University of Florida Home Page
© 2004 - 2010 University of Florida George A. Smathers Libraries.
All rights reserved.

Acceptable Use, Copyright, and Disclaimer Statement
Last updated October 10, 2010 - - mvs