Citation
Apresentando a abordagem ECOGEN sobre genero, manejo de recursos naturais e desenvolvimento sustentavel

Material Information

Title:
Apresentando a abordagem ECOGEN sobre genero, manejo de recursos naturais e desenvolvimento sustentavel
Creator:
Thomas-Slayter, Barbara
Donor:
Marianne Schmink
Publisher:
Agency for International Development

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
University of Florida
Rights Management:
The University of Florida George A. Smathers Libraries respect the intellectual property rights of others and do not claim any copyright interest in this item. This item may be protected by copyright but is made available here under a claim of fair use (17 U.S.C. §107) for non-profit research and educational purposes. Users of this work have responsibility for determining copyright status prior to reusing, publishing or reproducing this item for purposes other than what is allowed by fair use or other copyright exemptions. Any reuse of this item in excess of fair use or other copyright exemptions requires permission of the copyright holder. The Smathers Libraries would like to learn more about this item and invite individuals or organizations to contact Digital Services (UFDC@uflib.ufl.edu) with any additional information they can provide.

UFDC Membership

Aggregations:
Women in Development

Full Text
MfERGE
544
QUSAID
United States Agency for International Development Office of Women in Development




Apresentando a Abordagem ECOGEN sobre
Genero, Manejo de Recursos Naturais e Desenvolvimento Sustentivel
Barbara Thomas-Slayter Dianne Rocheleau Dale Shields Clark University
Mary Rojas Virginia Polytechnic Institute and State University




Apresentando a Abordagem ECOGEN sobre
Genero, Manejo de Recursos Naturais e
Desenvolvimento Sustentivel
Barbara Thomas-Slayter Dianne Rocheleau Dale Shields
Clark University
Mary Rojas
Virginia Polytechnic Institute and Stade University 1991
Ecology, Community Organization and Gender (ECOGEN) 6 um projeto conjunto estabelecido entre a Clark University e a Virginia Polytechnic Institute and State University, com a finalidade de examinar o papel do genero em sistemas rurais de subsistencia.




Este texto, publicado pela Clark University, relate um trabalho realizado sob os auspfcios das seguintes instituig6es: Social and Institutional Aspects of Regional Resource Systems (SARSA) Cooperative Agreement' no DHIZ 5452-AA-00-9083, na Clark University; Institute for Development Anthropology2; Virginia Polytechnic Institute and State University3; financial pela U.S. Agency for International Development (USAID), Bureau for Science and Technology, Division of Rural and Regional Development4 e apoiado por Women in Development (WID) Office, da Agency's Bureau for Program and Policy Coordination5. Sdo dos authors os points de vista e interpretag6es desta publicagdo, ndo devendo ser, portanto, atribufdos Agency for International Development ou a qualquer pessoa que vise seu pr6prio beneffcio.
'Sistemas de Pesquisa Regional sobre Aspectos Sociais e Institucionais (SARSA) Acordo Cooperativo
21nstituto para Antropologia do Desenvolvimento
31nstituto Polit6cnico da Virginia e Universidade Estadual
4Ag6ncia Americana para o Desenvolvimento Internacional (USAID). Department de CiEncia e Tecnologia. Divisjo de
Desenvolvimento Rural e Regional
5 Escrit6rio da Mulher em Desenvolvimento (WID) do Departamento da Ag&ncia para Coordenagdo de Programa c Politicas
(n.t.).




Agradechnentos
Os authors do texto "Concepts and Issues Linking Gender, Natural Resources Management, ad Sustainable Development" (Conceitos e Quest6es que Vincularn Genero, Gerenciamento de Recursos Naturais e Desenvolvimento Sustentdvel) do qual este documents f6i extrafdo, agradecem a vdrios specialists, cujas pesquisas e publicagdes, ao longo dos anos, t6m sido bdsicos para fundamental perspectives e id6ias aqui refletidas. Sao eles: Robert Chambers, Gordon Conway, Louise Fortmann, Goran Hyden, Marilyn Hoskins, Janice Jiggins, David Korten, Achola Pala Okeyo, Susan Poats, Paul Richards, Patricia Stamp, Irene Tinker, Norman Uphoff and Paula Williams.
Os authors agradecem, em particular, a Wanjiku Mwagiru, Diretor do Kenya's National Environment Secretariat (Secretariado Nacional do Meio Ambiente do Qu6nia), a Karen Schofield, Pesquisadora Assistente do Projeto ECOGEN e a Richard Ford, Professor do International Development Program, da Clark University, por seus atenciosos comentdrios e revised editorial. Suas acuradas observagdes e sdbios conselhos nos foram muito dteis. Tamb6m agradecemos o apoio recebido por parte de: Gerald Karaska, Professor de Geografia e Diretor do Projeto SARSA, e Dan Dworkin, Gerente deste Projeto na Agency for International Development, Office of Science and Tech nol ogy/Rural Development (Ag6ncia Americana para o Desenvolvimento Internacional, Escrit6rio de Ci6ncia e Tecriologia/Desenvolvimento Rural). Finalmente, 6 important ressaltar que o ECOGEN ndo teria sido possfvel sem o entusidstico interests e apoio contfnuo de Rosalie Huisinga Norem, do Escrit6rio da Mulher em Desenvolvimento (WID), e da Ag6ncia para Desenvolvimento Internacional (AID).




Prefficio
0 project ECOGEN f6i criado em meadows de 1990, na Clark University e Virginia
Polytechnic and State University, com o objetivo de conduzir pesquisas sobre o tema divisdo de g8nero, em atividades de gerenciamento de recursos, nos sistemas de subsist6ncia rural. Seguemse, resumidamente, os pontos-chave do product do primeiro project, um texto intitulado "Concepts and Issues Linking Gender, Natural Resource Management, and Sustainable Development" (Conceitos e Quest6es que Vinculam G6nero, Manejo de Recursos Naturais e Desenvolvimento SustentAvel), que estabelece a estrutura conceitual, define as premisses e metodologias e prev8 os desafios na condugdo da pesquisa ECOGEN. Este texto 6 seguido de studios de caso de vdrios passes Oniciando com tr6s do Qu6nia), e dard origem a documents de polfticas que examiner as maneiras pelas quais a atengdo a g6nero possam aumentar a equidade e efici6ncia dos programs de manejo de recursos naturals. Tais documents, incluindo a versdo complete do texto de fundamentagdo, podem ser obtidos na Clark University e no Escrit6rio WID, da USAID.
Esperamos que a discussed sobre aIguns destes t6picos seja Gtil As ag6ncias internacionais, governor nacionais e ONGs que trabalham no campo do desenvolvimento. Em um gerenciamento eficaz de recursos naturals, hd elements que podem ser modificados atrav6s do entendimento e do uso da andlise de g8nero. Os planejadores de desenvolvimento, que sabem como incorporar considerag6es de g6nero a interveng6es de desenvolvimento, aumentardo o valor e a sustentabilidade das atividades que estdo promovendo.
0 ponto de partida de ECOGEN 6 que a natureza e o impact de g6nero sobre o
gerenciamento de recursos naturals e as estrat6gias de desenvolvimento t6m sido negligenciados ou pouco compreendidos pelos pesquisadores, agents e elaboradores de polfticas ambientais para o Terceiro Mundo. Ao ser incorporado a trabalhos de desenvolvimento de recursos naturals e agrfcolas, as considerag6es de g6nero t6m sido focalizadas em uma perspective setorizada, com 6nfase nas "diferengas" entre homes e mulheres o que deve ser levado em conta no planejamento de projects e programs. As pdginas a seguir apresentam a fundamentagdo de ECOGEN para a andlise de g6nero no gerenciamento de recursos naturals, acentuando-se os aspects ecol6gicos e institucionais de uma nova estrutura. t tamb6m mostrado como a pesquisa ECOGEN estd explorando as aplicag6es de program e polfticas das novas metodologias e ferramentas de andlise de g6nero.




Uma Fundamenta do para a Anaffise de Ge^nero
em Manejo de Recursos Naturais
0 papel do G nero em Sistemas de Subsistencia Rural
Em comunidades, por todo o mundo, Tal enfoque, ndo sugere que exist
mulheres e homes; sdo os principals uma perspectivea feminine" e que todas as usudrios e gerenciadores de recursos e t6m mulheres sejam iguais. Classes, etnia e pap6is, responsabilidades, oportunidades e outras caracterfsticas levam as mulheres a restrigdes different no manejo de recursos experiences muito different. Essas naturals, tanto em casa quanto na diferengas, entretanto, ndo eliminam a
comunidade. A andlise de g6nero 6 bdsica necessidade de examiner as maneiras pelas para a compreensdo de como os quais os pap6is socials e econ6micos sdo
gerenciadores e usudrios dos recursos se estruturados por g6nero. Atualmente, 6 relacionam com os recursos e entre si. necessdrio engender como as mudangas no
meio ambience e nas estruturas
G6nero 6 uma construgdo social comunitdrias afetam homes e mulheres de determined dinAmica, hist6rica e todas as categories socials. 0 uso de
culturalmente, criado por homes; e g6nero como varidvel central para andlise
mulheres para definir seu relacionamento de sistemas de produgdo rural permit m6tuo e com o meio ambience. Isso inclui engender os papers masculino/feminino, o access aos recursos e seu control, num bem como as responsabilidades e process que 6 social e nao arenas considerag6es baseadas em genero, e
econ6mico (Berry et al, 1989). A andlise ainda, as respostas a mudangas ambientais de g6nero prov6 uma estrutura conceptual e e A degradagdo ecol6gica. instruments metodol6gicos para
desagregar informagdo sobre a dina^mica Tal desagrega(do ajuda a esclarecer
familiar e sobre o funcionamento
dom6stico e das organizag6es comunitdrias os panels masculine e feminine, as envolvidas no gerenciamento de recursos fronteiras indefinidas entre lar e familiar e naturals. Tal desagregagdo ajuda a as complexes forms pelas quais familiar,
lar, comunidade e ecossistema estdo
esclarecer os pap6is masculine e feminine vi nculados. as fronteiras indefinidas entre lar e familiar
e as complexes forms pelas quals farnflia,
Jar, comunidade e ecossistema estdo
vinculados.




Genero, Pobreza, Dedinio Ecololgico e Polfticas
No context do manejo de recursos Hd tamb6m uma consci6ncia
naturals do Terceiro Mundo, a atengdo a crescent de que a carga da destruigdo dos g6nero 6 particularmente relevant, pela recursos naturals deverd cair mais estreita conexdo entre crescimento da pesadamente sobre as mulheres de families pobreza e sua feminizagdo e a crise pores. Ern muitas dreas, independent da
ambiental mundial. Ern muitos passes do riqueza. e da classes social, as mulheres ndo Hemisf6rio Sul, estA se deteriorando, possuern legalmente a terra, o que limit.
significativamente, a base de recursos suas opgoes para usd-la de forma inovadora naturals da qual depended para sua (Okeyo, 1980 e Rocheleau, 1987). Assim,
subsist6ncia a grande maioria da desenvolver a vinculagdo entre pobreza,
populagdo. Presses para a comercializaga-o pap6is de g6nero, declfnio de recursos e freqOentemente afetarn o uso da terra e se degradagdo ecol6gica represents. urn contrap6ern As necessidades das families extraordindrio desafio As polfticas de mais pores. As presides cotididanas da desenvolvimento. pobreza forgarn famflias a cultivarern terras
cada vez mais fracas e ndo-produtivas e a No moment ern que aumenta, em
otimizar decis6es imediatas, na esperanga todo o mundo, o n6mero de families de que o amanhd talvez seja different chefladas por mulheres e estas, cada vez
(Leonard, 1989; Katz, 1990). mais, sustentarn seus filhos ern economies
rurais ern declfnio, 6 essential incorporar o
Entre as pessoas pores do meio tema g6nero A discussed, pois 6 important
rural, hd urn crescent ndmero de sem- posicionar tanto homes como mulheres terras. Assim como entre os extremamente frente a instituig6es que determined o pores aumenta. o ndmero de mulheres, access terra, a outros recursos e
inclusive daquelas que exercern o papel de economic mais ampla. chefs de famflia.




11. Estruturas Ecologicas para Analisar Genero e
Recursos Naturais
A crise da pobreza estd estreitamente adequadas para a continuagdo e a ligada natureza dos ecossisternas locals, profferagdo da vida. torque ela surge, em parte, devido A
escassez de dgua, comida, forragern e 0 enfoque de ginero, por parte do
combustfveis, associadas A crescent usudrio da terra, derive de todas essas destruigdo ecol6gica (Arwal, 1986; Shiva, tradip6es e inova!pjes culturais e 1989). Embora a perspective ecological ecol6gicas, com Mfase em mfiltiplos geralmente conduza a uma visdo isolada de usudrios e usos de recursos, em uma escala sisternas especfficos, ela pode incluir tanto gradual de andlise do individual ao condig6es polfticas quanto econ6micas, national e tambem da aceita do do configurando o uso local, national e conhecimento native como ciincia, bem
international de recursos e a divisdo como da valorizaCdo, na pesquisa, da
destes, a nfvel local e por g6nero. parceria da gente do campo.
Essa abordagern "desafia a tradigdo Esta "nova" ecologia presta-se bern A
mecanicista, enfatizando a troca de inclusdo de pessoas, uma vez que ela pode energia, de materials e informag6es entre
seres vivos e inanimados, no meio integral groups competitions e groups
ambience natural" (Merchant, 1989:7). Os cooperadores, como tambdm seu uso conceitos-chave sdo: interdependEncia e respective do espago e dos recursos num interrelagdo em sisternas complexes e dado local. As teorias e m&todos da dindmicos. Ao inv6s do mundo de exclusao ecologia cultural e polftica complementam esta nova ecologia com um enfoque mais
competitive. onde "o mais forte sempre integrado e abrangente de g6nero, de vence", muitos ecologists atualmente
ecologia e desenvolvimento rural
evocam images de cooperagao e comunitdrio. A ecologia cultural, em geral,
complementaridade. Eles trabalham a focalize as relag6es humano-ambientais e partir da hip6tese de que a Terra 6 um as prdticas resultantes do uso da terra, em super-ecossisterna, controlado por sistemas rurais nao-industriais.
organisms vivos que a ela se adaptam, e
simuitaneamente criam condig6es




Ecologia political, uma recent parceria da gente do campo (Rocheleau, ramificagdo da ecologia cultural e da 1987).
econornia polftica, tem uma visdo mais
crftica do gerenciamento de recursos rurais A pesquisa relevant para os usando muitos dos m6todos de campo e dos planejadores de desenvolvimento e para o conceits da ecologia cultural. Grande pessoal de campo, que procuram n6mero de specialists em ecologia compreender as relaq6es; entre recursos,
A
polftica focalizarn a distribuigao desigual organizagdo comunitAria e genero, deve de access e control de recursos por classes levar em conta as vdrias manifestagoes de e etnias. Recentemente os pesquisadores "insights" da perspective ecol6gica. Estes expandiram suas andlises da pobreza, do "insights" conduzern ao exame de fatores ndo access ao poder e da degradagdo hist6ricos, ecol6gicos e estruturais, que
ambiental, para focalizar cada vez mais as configuram as relaq6es de g6nero, o uso de diferengas de g6nero no access e no uso de recursos e a mudanga institutional local. recursos naturals. A abordagern ao usudrio Descobrir a ligagdo entre sustentabilidade a da terra com enfoque de g8nero derive de longo prazo e adaptagdo em pequena escala todas essas tradig6es e inovag6es de a condig6es ecol6gicas locals, involve o
ecologia cultural com 6nfase em mfiltiplos entendimento de um context politico e usudrios e usos de recursos, em uma escala ambiental, maior o meio ambience gradual de andlise do individual ao particular, os detalhes do cisterna produtivo
national e tamb6m da aceitagdo do local e os papers estrat6gicos
conhecimento native como ci6ncia, bern desempenhados pelas mulheres nesses como da valorizagdo, na pesquisa, da processes.
ECOGEN focalize:
1. Os "cinco Cs" do gerenciamento de recursos naturals: No interior e entre
famflias, por exemplo, as pessoas devern cooperar na conservagdo do solo praticando a agriculture em terragos, complementar-se uns aos outros pelo uso de recursos comuns de forragem, combustfvel ou fibra, compartilhar o uso de uma forte pr6xima, competir por terras para pastagern, comercializagdo ou cultures de subsist6ncia, e combater por seus direitos A areia ou dgua do rio para
irrigagdo.
2. Limits fluids e flexiveis para a farnflia, a comunidade e o ecossisterna,
enfatizando-se a flexibilidade na selegdo da unidade, escala ou andlise relevantes.
3. Os m6ltiplos usuArios e usos dos recursos, e a relevdncia do conhecimento
native.




111. lnsfitui 6es: Organiza do Local,
Parficipa do e Acesso ao Poder
s processes para. se chegar a meios de vida sustentdveis requerem atengdo As particularidades do ecossisterna local. Por definigdo isto inclui as pessoas e suas estruturas institucionais, assim como o cendrio que elas criaram e habitat. Para o desenvolvimento dresses sistemas de subsist6ncia, sdo fundamentals as capacidades das instituig6es locals de responder aos desafios no interior dresses ecossistemas. Mais ainda, a eficdcia das respostas institucionais estd ligdda aos pap6is tanto de homes quanto de mulheres dentro da comunidade local. 0 g8nero. como fator principal na divisdo de trabalho, de direitos e de responsabilidades, afeta o gerenciamento de sistemas locals em relardo a meios de vida sustentdveis e a um desenvolvimento equilibrado.
Instituig6es e organizag6es locals vidveis e fortes podem former uma fundagdo para gerenciamento eficaz dos recursos, produtividade agrfcola aumentada e sistemas de subsistEncia melhorados. No entanto, necessitamos saber muito mais sobre os tipos de groups socials e instituig6es que desempenham pap6is-chave na determinagdo de access e control sobre os recursos. As organizag6es que a nfvel local ajudam as families rurais a aumentar sua produtividade agrfcola e suas capacidades de ganhos salariais. Tais organizagdes desempenham assim, um papel catalizador, gerencial e planejador. Al6m disso, a populagdo rural pode muitas vezes melhorar seu access a products externos, atrav6s da participagdo em organizag6es locals, e pode reduzir nfveis de risco e incerteza pelo gerenciamento cooperative de alguns recursos.
Muitos analistas do process de desenvolvimento reconhecem, agora, o important papel das organizag6es locals e poderiam concordar que as areas de participagdo e de decisdo locals sdo das mais critics em todo o process de desenvolvimento (Korten, 1984; Thomas, 1985; Uphoff, 1986; Nyoni, 1987, Tisdell, 1988). Organizagdes locals incluern tanto redes informais como associag6es e organizag6es formats As quais pertencern
Precisamos saber muito mais sobre os tipos de groups socials e institui des que desempenham papiisfundamentais na determinaCdo de access e control de recursos.
homes e mulheres, para enfatizar o access a recursos, bens e servings p6blicos e privados, e a centers de poder e tomada de decisdo. Tanto as estruturas formats quanto as informais sdo relevantes para o process de desenvolvimento e vinculam Estado, political p6blicas, agents externos e farnflias rurais. A compreensdo do funcionamento dessas estruturas e de seu impact sobre mulheres e homes que delas participam 6 fundamental para determiner interveng6es adequadas para o desenvolvimento.




Ndo hd ddvida de que instituig6es, oportunidades e dificuldades econ6micas em process de mudanga estdo afetando os relacionamentos intra e interfamiliares, com implicag6es tanto no access dessas families a recursos, quanto nos padres de estratificagdo nas comunidades. Como conseq66ncia dessas mudangas, novos padres de cooperagdo, reciprocidade e troca entre as famflias estdo evoluindo e velhos padres, sendo adaptados no sentido de assegurar a sobreviv6ncia familiar e promoter o bem-estar. Tais padres sdo, em parte, configurados pela estrutura
local dos pap6is masculine e feminine, A estrutura ECOGEN para a compreensdo A media que eles evoluem atrav6s do de g8nero no gerenciamento de recursos naturals sistema de g6nero de distribuigdo de analisa: autoridade e responsabilidades.
1. Processes interativos nas quest6es
Hd evid6ncias de que redes e de g8nero, recursos e meio ambience. associag6es sdo cada vez mais
importance nos lares chefiados por 2. Vinculaoo entre micro e macro
mulheres, cujo ndmero 6 crescent no estruturas, em sistemas socials e ecol6gicos. mundo atual. As redes e associag6es 3. Diversidade de ecossistemas e
sdo valorizadas ndo someone por
raz6es econ6micas, mas como meios comunidades, em vdrias andlises e para different de dar poder aos mais fracas. Estas e especfficos locals, fatores e groups de usudrios forms de associagdo ajudam a da terra. controlar a incerteza e o stress nas
famflias rurais e nos sistemas de 4. A relevdncia de instituiqbes e
produgdo. Em vdrios lugares, essas orgamza 6es fortes e viiveis, para o eficaz incertezas estdo crescendo, A media gerenciamento de recursos, o aumento da em que aumenta a deterioragdo produtividade agrfcola e melhoria de sistemas de ecol6gica 6 declinam a produtividade e subsist8ncia. a renda. A investigagdo in loco das 5. As forms pelas quais organizar6es
associag6es e. redes ajuda a esclarecer locals e respectivas atividades de gerenciamento de que maneira elas fortalecem a de recursos sdo estruturadas por g6nero. populagdo local.
Bromley (1987) e Cernea (1988) assinalam que intervengdes desenvolvimentistas devem visar, explicitamente a ajustes socials entre as pessoas, A media que elas interagem entre si e com os recursos naturals. Ndo se pode chegar a isto sem uma atengdo A forma como o g6nero configure trabalhos, direitos e responsabilidades, em sistemas de subsistencia rural. Moser (1989) observe que, em todo o mundo, as mulheres assume uma triple responsabilidade produgdo, reproduqdo e gerenciamento de uma gama de atividades comunitArias. Ainda assim, a maior parte dos planejadores ndo tem reconhecido os different pap6is que mulheres e homes desempenham nesse nfvel e ndo tem adotado estruturas conceituais e instruments metodol6gicos para incorporar g8nero ao planejamento. Em lugar algum isto 6 mais important do que na drea da organizagdo comunitdria e de gerenciamento de recursos naturals.




IV. Os desaflos
Na 61tima d6cada, tem havido uma bern clocumentaclas em vdrias publicagoes,
crescent insatisfagdo com m6todos de como o recent relat6rio da Comissdo clesenvolvimento tecnocrdticos e Brundtland, Our Common Future, sobre a
autoritdrios, que ignoram as prioridades e situagdo do meio ambience mundial. Falhas interesses da populagdo envolvida. Sem de project sdo especialmente dramdticas ern ddvida, muitos esforgos, tais como a dreas de recursos ambientais e naturals
introdugao de segments hfbridas, de oncle os impacts adversos e a degradagdo fertilizantes e pesticides, t6m sido eficazes de recursos enfraquecem a capacidade a em a1gumas dreas. Ainda assim, a longo prazo de passes do Terceiro Mundo
populagdo pobre rural ndo tem tido access de prover sistemas vidveis de subsist6neia a esses beneficios e, em alguns casos, seus para populag6es em crescimento. 0 efeitos t6m sido negatives. relat6rio Brundtland clama por alternatives
que fagam cessar o declfnio ambiental e
As falhas clecorrentes dessa introduzam o clesenvolvimento rural abordagem autoritAria e tecnocrdtica estdo sustentdvel.
Novos Instrumentos de Andlise de Ge^nero
Constitui-se em important desafio gerentes de project na compreensdo da elaborar instruments mais acessfveis de divisdo de trabalho baseada em g&ero e andlise de g6nero que ndo s6 constatern as clas responsabilidades na agriculture e no diferengas nos pap6is, direitos e gerenciamento de recursos. Este responsabiliclades, mas que tamb6m instrument permit tamb6m visualizer
permitam pesquisar o g6nero em como as responsabiliclades baseaclas em
interrelagdo com outras varidveis-chave. genero sdo ligadas a groups ocupacionais Um instrument como a Andlise S6cio- especfficos. Entrevistas domiciliares
Econ6mica de Status (Socio-Economic minuciosas, assim como levantamentos Status Analysis SSA) permite-nos direcionados, podem ser adaptados para investigator as maneiras em que os papers de desagregar informagdes sobre g6nero. g6nero variam por posigdo e classes. Podese criar um calenddrio de atividades Discuss6es de groups focais sdo 6teis
sazonais para ajudar os planejaclores e os para gerar informag6es sobre a vida




comunitAria. Novas perspectives sobre os dando flexibilidade para. captar nuances de relacionamentos entre os members da expectativas e mudangas de pap6is.
comunidade, bern como novos points de
vista sobre as organizag6es e atividades a A pesquisa ECOGEN explore
nfvel comunitdrio podem ser obtidas abordagens alternatives para manejo de atrav6s da interagdo dos members da recursos, identifica forms cambiantes de
comunidade ern discusses de groups organic za(do comunitdfia e esclarece a
focais. Tais instruments permitern a importance do genero no manejo de andlise de g8nero ern different tipos de recursos a nfvel comunitdrio. farnflias e cfrculos s6cio-econ6micos,
Abordagens para Vincular Metodologias Participantes 'a Anaffise de Ge^nero
A pesquisa ECOGEN explore, a sobreespecializagdo interdisciplinary e
nfvel comunitdrio, abordagens alternatives conhecimento native, com base no para o gerenciamento de recursos, princfpio da triangulagdo, pelo qual se usa identifica forms cambiantes de mais de um m6todo ou fonte para obter os
organizagdo comunitAria e esclarece as memos dados.
importance varidveis corn base em g6nero
que estdo surgindo no manejo de recursos a A finalidade especffica da PRA 6
nivel comunitdrio. ECOGEN investing permitir a participagdo de comunidades vdrias abordagens de mobilizagdo e rurais na elaboragdo e implementagdo de organizagdo comunitdria e forms para abordagens mais efetivas de manejo de
vincular metodologia participative e andlise recursos sustentdveis. At6 hoje, a PRA ndo de g6nero. tem preparado quest6es relatives
exatamente a quem dentro da comunidade
Inicialmente, a nfase recai sobre participate do exercicio. Esta questdo 6 PRA (Avaliagdo Rural Participante relevant para. as linhas de classes, Participatory Rural Appraisal) (1990), uma ocupagao, genero e etnia. ECOGEN abordagem sobre o desenvolvimento rural explore estas quest6es em terms de comunitdrio, derivado do trabalho sobre g8nero, ligand esta varidvel, no RRA (Avaliagdo Rural Instantdnea Rapid gerenciamento de recursos e na Rural Appraisal), de autoria de Gordon organizagao comunitdria, A metodologia da Conway (1985,1988), Robert Chambers PRA. Ela aproxima experi&ncias passadas
(1983, 1985) e outros authors. A RRA em andlise de g6nero (na prdtica agrfcola,
prov6 uma metodologia rdpida e flexfvel de agro-florestal e florestal) de m6todos RRA coleta de dados, desenhada similares.




Aptica 6es de Politicas
Aproximadamente 80% dos pores comunidades, a mudanga institutional e os
do mundo vivem ern dreas rurais e, dresses, pap6is de g6nero. cerca de 60% estdo em resides de baixo
potential agrfcola e grande vulnerabilidade 0 conhecimento que emerge da ecol6gica (Leonard, 1989:20; Banco pesquisa deveria ser integrado As polfticas
Mundial, 1988). Nestas comunidades, os de desenvolvimento rural, com o intuit de processes de aquisigao meios de vida aumentar a eficdcia das interveng6es de
sustentdveis requerem atengdo As desenvolvimento. Esse conhecimento
particularidades do ecossistema local. De deveria tamb6m ser relevant para as fundamental importAncia para a melhori'a ONGs, no sentido de melhorar suas dos sistemas de subsist6ncia 6 a capacidade estrat6gias, programs e projects de das instituig6es locals de responder aos desenvolvimento rural. Uma vez
desafios dentro dresses ecossistemas. A estabelecida uma forte vinculagdo entre eficdcia das respostas institucionais na g6nero, pobreza e decifnio ecol6gico, 6 comunidade local estd ligada aos pap6is imperative examiner o papel de g8nero nas femininos e masculinos. quest6es de access e control sobre os
recursos naturals, que, acima de tudo,
Estudos de caso sobre o papel do constituent a base dos sistemas de
g8nero nos sistemas de subsist6ncia rural, subsist&ncia rural em todo o mundo e sdo a em meios ecol6gicos e institucionais, dardo chave para aumentar a produgdo de uma base firme ao fortalecimento de alimentos e promoter um desenvolvimento
polfticas de desenvolvimento que visem ao efetivo, justo e sustentdvel. gerenciamento de recursos naturals de
modo efetivo e justo. Apoiando-se em uma ECOGEN explore estas quest6es em
variedade de instruments analfticos. Esses terms de g6nero, vinculando a varidvel studios propiciardo a base para um melhor g6nero em manejo de recursos e entendimento sobre a dindmica das organizacdo comunitdria A metodologia da
PRA.




Uma Nova Estrutura para Anallise de Ge^nero no Manejo de Recursos Naturals
ECOGEN assegura que: 1) tanto alimentos, bem como as quest6es
homes como mulheres sdo gerenciadores ecol6gicas references a agua, solos, de recursos naturals; 2) g6nero 6 florestas e uso da terra, que t6m impact important para estruturar direitos e crucial sobre a produgdo de alimentos e responsabilidades, no tocante a terra, dgua sistemas de subsist6ncia. A compreensdo e vegetagdo. A estrutura de ECOGEN do papel de g8nero nesses processes 6 mais
enfatiza a andlise de padres de cooperagdo important que nunca. Trazer esta e complementaridade, bem Como compreensao ao campo politico e A
competigdo e conflict ou coexist6ncia, no implementagdo de programs 6 essential. esclarecimento das relag6es dos usudrios de A estrutura de ECOGEN pode contribuir recursos, entre si e com o pr6prio recurso. para isso. A estrutura enfoca os multiples usos dos recursos, seus mdltiplos usudrios e a Solu(jes para problems ecol6gicas
relevdncia do conhecimento native. devem ser baseadas no reconhecimento das
Solugbes efetivas para os problems diversidades existences nos stores rurais, a ecol6gicos devern ser baseadas no n[vel mundial.
reconhecimento das diversidades existences nos stores rurais, a nivel mundial. ECOGEN focalize a realidade dom6stica, a comunidade e o ecossistema, descobrindo suas fronteiras de modo interactive e flexivel e ndo de modo fixo ou agudamente definido. Ainda, as contribuig6es nacionais e internacionais, bem como as locals, sdo essenciais na definigdo e solugdo de problems ecol6gicos rurais. Hd vinculag6es crfticas entre comunidades locals e ecossistemas, e as estruturas maiores que ddo forma aos ambientes poiftico-econ6micos nos quais essas comunidades e ecossistemas estdo inseridos. Essas estruturas devem fazer parte da estrutura analftica.
Nunca estivemos tdo clients sobre o destiny do meio ambience mundial e das ligag6es entre ecossistemas em declfnio e recursos degradados, e pobreza crescent. Precisamos engender as relag6es intimas entre manejo de recursos e produgdo de




BIBLIOGRAFIA
Berry, Sara, J. Guyer, P. Peters, A. Issacman, A. Moore, A. Richard, and M. Watts. 1983.
The Food Crisis and Agrarian Change in Africa. Social Science Research Center,
National Research Council, Washington, D.C.
Bromley. Daniel W. 1987. Resources and Economic Development. Journal of Economic
Issues, Vol. XIX (3).
Brundtland Commission. Our Common Future, World Commission on Environment and
Development. New York: Oxford University Press, 1987.
Cernea, Michael M. 1988. Non-governmental Organizations and Local Development.
World Bank Discussion Paper #40.
Chambers. Robert. 1985. Shortcut Methods of Gathering Social Information for Rural
Development Projects, in Cernea, M. Putting People First. London: Oxford University
Press.
. 1983. Rural Development: Putting the Last First. London: Longrnan.
Conway, Gorden R. 1988. Rapid Appraisal Techniques for Sustainable Development.
London International Institute for Environment and Development.
. 1985. Agricultural Ecology and Farming Systems Research, in Remenyi, J. V. (ed.).
Agricultural Systems Research for Developing Countries. Canberra: Australian
Center for International Agricultural Research.
Korten, David. 1984. Strategic Organization for People-Centered Development, Public
Administration Review, Vol. 44, No. 4,341-352.
Leonard, Jeffrey. 1989. Environment and the Poor: Development Strategies for a
Common Agenda. Washington, D.C.: Overseas Development Council.
Merchant. Carolyn. 1989. Ecological Revolutions Nature. Gender and Science in New
England. North Carolina: The University of North Carolina Press.
National Environment Secretariat, World Resources Institute, Egerton University, Clark
University. 1990. Participatory Rural Appraisal Handbook: Conducting PRAs in
Kenya. World Resources Institute, Washington, DC, USA.
Nyoni, Sithembiso. 1987. Indigenous NGOs: Liberation, Self-Reliance and Development,
World Development, October.




Okeyo, Achola Pala. Daughters of Lakes and Rivers: Colonization and the Land Rights of
Luo Women, in Mona Etienne and Eleanor Leacock (eds). Women and Colonization.
New York: Praeger Publications, 1980.
Rocheleau, Dianne. 1987. The User Perspective and the Agroforestry Research and Action
Agenda," in Gholz, H. L. (ed). Agroforestry: Realities, Possibilities and Potentials.
Dordrecht, The Nederlands: Martinus Nijhoff/D.R. Junk Publishers.
Thomas, Barbara P. 1985. Politics Participation, and Poverty: Development through SelfHelp in Kenya. Boulder, CO:Westview Special Studies in Social, Political, and
Economic Development, Westview Press.
Tisdell, Clem. 1988. Sustainable Development: Differing Perspectives of Ecologists and
Economists, and Relevance to LDCs, World Development, Vol. 16, No. 3.
Uphoff, Norman. 1986. Local Institutional Development: An Analytical Sourcebook
with Cases. West Hartford, CT: Kumarian Press.
World Bank. 1989. Kenya: The Role of Women in Economic Development. World Bank,
Washington, DC, USA.
World Commission on Environment and Development. 1987. Brundtland Commission/
Report: Our Common Future. Oxford: Oxford University Press.
Obs.: Estes trabalhos foram citados de maneira condensada. Uma bibliografia abrangente
sobre os t6picos acompanha a primeira edicto do documento.




SOBRE OS AUTHORS
Dianne Rocheleau, Professora Assistente na Clark University's Graduate School of Geography, serviu no International Council for Research in Agroforestry (Conselho International para Pesquisa em Agroflorestamento) e na Fundagdo Ford, no Qu8nia. Sua pesquisa tem enfatizado os temas ecologia, recursos e g8nero, em agroflorestamento e conservagdo de solo, tanto na Africa Oriental como na Am6rica Central.
Mary Rojas, Acting Director do Office of International Development at Virginia Polytechnic Institute and State University, tem longa experi6ncia em elaboragdo de project, andlise de g6nero e atividades de treinamento em agriculture, florestamento comunitdrio e pap6is desempenhados por mulheres, na Am6rica Latina, Africa Oriental e Estados Unidos.
Dale Shields, Assistente de Pesquisa para o Projeto ECOGEN, tem larga experi6ncia de campo em agriculture e desenvolvimento, nas Filipinas, interessando-se, hd muito ternpo., por questdes de g6nero.
Barbara Thomas-Slayter, Professor Adjunto na Clark University's International Development Program, (Programa de Desenvolvimento Internacional da Clark University), tem trabalhado na drea de organizagdo comunitdria, desenvolvimento institutional e enfoque sobre quest6es de g8nero, tanto na Africa Oriental, como na Asia Meridional.




A. Project of
-The Futures Group in
collaboration with
Management Systems
* International
Development Alternatives Inc.
1050 171h Street, \ I, Suite 1000
~Ifashinglon,*DC 20036
Tel: (202) 775-9680 Fax: (202) 775-9699
* Telex: 9102504173Ff TURES IA SI
Contract #: 1'DC-0J00-Z-00-9044-00
United StatesAgency for
'InternaionalDeveopmenL
*Office of Women in
Developmentl
Department of State
U ashington, DC 20523-18 16
Tel: (703),875-4668 Fax: (703) 875-4633