• TABLE OF CONTENTS
HIDE
 Front Cover
 Title Page
 Front Matter
 Acknowledgement
 Preface
 Uma fundamentacao para a analise...
 Estruturas ecologicas para analisar...
 Instituicoes: Orgabizacao local,...
 Os desafios
 Bibliography
 Back Cover














Title: Apresentando a abordagem ECOGEN sobre genero, manejo de recursos naturais e desenvolvimento sustentavel
CITATION THUMBNAILS PAGE IMAGE ZOOMABLE
Full Citation
STANDARD VIEW MARC VIEW
Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/UF00089987/00001
 Material Information
Title: Apresentando a abordagem ECOGEN sobre genero, manejo de recursos naturais e desenvolvimento sustentavel
Physical Description: Book
Creator: Thomas-Slayter, Barbara
Donor: Marianne Schmink ( endowment )
Publisher: Agency for International Development
 Record Information
Bibliographic ID: UF00089987
Volume ID: VID00001
Source Institution: University of Florida
Holding Location: University of Florida
Rights Management: All rights reserved by the source institution and holding location.

Table of Contents
    Front Cover
        Front Cover
    Title Page
        Title Page 1
        Title Page 2
    Front Matter
        Front Matter
    Acknowledgement
        Page 1
    Preface
        Page 2
    Uma fundamentacao para a analise de Genero em manejo de recursos naturais
        Page 3
        Page 4
    Estruturas ecologicas para analisar genero e recursos naturais
        Page 5
        Page 6
    Instituicoes: Orgabizacao local, participacao e acesso ao poder
        Page 7
        Page 8
    Os desafios
        Page 9
        Page 10
        Page 11
        Page 12
    Bibliography
        Page 13
        Page 14
        Page 15
    Back Cover
        Page 16
Full Text

VERGE
544


pEnw


SAID
United States Agency for
International Development
Office of Women in Development















Apresentando a Abordagem ECOGEN sobre
Genero, Manejo de Recursos Naturais e
Desenvolvimento Sustentaivel







Barbara Thomas-Slayter
Dianne Rocheleau
Dale Shields
Clark University


Mary Rojas
Virginia Polytechnic Institute
and State University










Apresentando a Abordagem ECOGEN sobre

Genero, Manejo de Recursos Naturais e

Desenvolvimento Sustentavel










Barbara Thomas-Slayter
Dianne Rocheleau
Dale Shields
Clark University

Mary Rojas
Virginia Polytechnic Institute
and Stade University
1991













Ecology, Community Organization and Gender (ECOGEN) 6 um projeto conjunto estabelecido entire a
Clark University e a Virginia Polytechnic Institute and State University, com a finalidade de examiner o papel
do genero em sistemas rurais de subsistencia.








































Este texto, publicado pela Clark University, relata um trabalho realizado sob os
auspicios das seguintes instituicges: Social and Institutional Aspects of Regional Resource
Systems (SARSA) Cooperative Agreement' no DHR 5452-AA-00-9083, na Clark
University; Institute for Development Anthropology2; Virginia Polytechnic Institute and
State University3; financiado pela U.S. Agency for International Development (USAID),
Bureau for Science and Technology, Division of Rural and Regional Development4 e
apoiado por Women in Development (WID) Office, da Agency's Bureau for Program and
Policy Coordination5. Sao dos autores os pontos de vista e interpretag6es desta publicacao,
nao devendo ser, portanto, atribuidos a Agency for International Development ou a qualquer
pessoa que vise seu pr6prio beneficio.



'Sistemas de Pesquisa Regional sobre Aspectos Sociais e Institucionais (SARSA) Acordo Cooperativo

2lnstituto para Antropologia do Desenvolvimento

3Instituto Politecnico da Virginia e Universidade Estadual

4Ag6ncia Americana para o Desenvolvimento Internacional (USAID); Departamento de CiEncia e Tecnologia. Divisio de
Desenvolvimento Rural e Regional

5 Escrit6rio da Mulher em Desenvolvimento (WID) do Departamento da Agencia para Coordenagco de Programa e Politicas
(n.t.).









Agradecimentos


Os autores do texto "Concepts and Issues Linking Gender, Natural Resources
Management, ad Sustainable Development" (Conceitos e Quest6es que Vinculam Genero,
Gerenciamento de Recursos Naturais e Desenvolvimento Sustentdvel) do qual este
document foi extraido, agradecem a virios especialistas, cujas pesquisas e publicagdes, ao
long dos anos, tem sido basicos para fundamental perspectives e id6ias aqui refletidas. Sao
eles: Robert Chambers, Gordon Conway, Louise Fortmann, Goran Hyden, Marilyn
Hoskins, Janice Jiggins, David Korten, Achola Pala Okeyo, Susan Poats, Paul Richards,
Patricia Stamp, Irene Tinker, Norman Uphoff and Paula Williams.

Os autores agradecem, em particular, a Wanjiku Mwagiru, Diretor do Kenya's
National Environment Secretariat (Secretariado Nacional do Meio Ambiente do Quinia), a
Karen Schofield, Pesquisadora Assistente do Projeto ECOGEN e a Richard Ford, Professor
do International Development Program, da Clark University, por seus atenciosos
coment~rios e revisao editorial. Suas acuradas observaCges e sibios conselhos nos foram
muito tteis. Tamb6m agradecemos o apoio recebido por parte de: Gerald Karaska, Professor
de Geografia e Diretor do Projeto SARSA, e Dan Dworkin, Gerente deste Projeto na
Agency for International Development, Office of Science and Technology/Rural
Development (Ag6ncia Americana para o Desenvolvimento Internacional, Escrit6rio de
Ciencia e Tecnologia/Desenvolvimento Rural). Finalmente, 6 important ressaltar que o
ECOGEN n.o teria sido possivel sem o entusiastico interesse e apoio continue de Rosalie
Huisinga Norem, do Escrit6rio da Mulher em Desenvolvimento (WID), e da Ag6ncia para
Desenvolvimento Internacional (AID).









Prefficio


O projeto ECOGEN foi criado em meados de 1990, na Clark University e Virginia
Polytechnic and State University, com o objetivo de conduzir pesquisas sobre o tema divisdo de
genero, em atividades de gerenciamento de recursos, nos sistemas de subsist6ncia rural. Seguem-
se, resumidamente, os pontos-chave do produto do primeiro projeto, um texto intitulado
"Concepts and Issues Linking Gender, Natural Resource Management, and Sustainable
Development" (Conceitos e Questoes que Vinculam G6nero, Manejo de Recursos Naturais e
Desenvolvimento SustentAvel), que estabelece a estrutura conceitual, define as premissas e
metodologias e prev6 os desafios na conducgo da pesquisa ECOGEN. Este texto 6 seguido de
estudos de caso de v~rios pauses (iniciando com tr6s do Qu6nia), e dard origem a documents de
political que examine as maneiras pelas quais a atenCgo a g6nero possam aumentar a equidade e
efici6ncia dos programs de manejo de recursos naturais. Tais documents. incluindo a versao
complete do texto de fundamentacao, podem ser obtidos na Clark University e no Escrit6rio
WID, da SAID.


Esperamos que a discussed sobre alguns destes t6picos seja 6til As ag6ncias internacionais,
governor nacionais e ONGs que trabalham no campo do desenvolvimento. Em um gerenciamento
eficaz de recursos naturais, hi elements que podem ser modificados atrav6s do entendimento e
do uso da analise de genero. Os planejadores de desenvolvimento, que sabem como incorporar
considerac6es de g6nero a intervencoes de desenvolvimento, aumentardo o valor e a
sustentabilidade das atividades que estao promovendo.


O ponto de partida de ECOGEN 6 que a natureza e o impact de g6nero sobre o
gerenciamento de recursos naturais e as estrat6gias de desenvolvimento tim sido negligenciados
ou pouco compreendidos pelos pesquisadores, agents e elaboradores de political ambientais para
o Terceiro Mundo. Ao ser incorporado a trabalhos de desenvolvimento de recursos naturais e
agricolas, as consideracOes de g6nero tim sido focalizadas em uma perspective setorizada, cor
enfase nas "diferencas" entire homes e mulheres o que deve ser levado em conta no planejamento
de projetos e programs. As piginas a seguir apresentam a fundamentacao de ECOGEN para a
andlise de g6nero no gerenciamento de recursos naturais, acentuando-se os aspects ecol6gicos e
institucionais de uma nova estrutura. E tamb6m mostrado como a pesquisa ECOGEN esti
explorando as aplicag6es de program e political das novas metodologias e ferramentas de analise
de g6nero.










I. Uma Fundamentagio para a Anilise de Genero

em Manejo de Recursos Naturais







O papel do Genero em Sistemas de Subsistencia Rural


Em comunidades, por todo o mundo,
mulheres e homes sao os principals
usuarios e gerenciadores de recursos e t6m
pap6is, responsabilidades, oportunidades e
restrig es diferentes no manejo de recursos
naturais, tanto em casa quanto na
comunidade. A analise de g6nero 6 basica
para a compreensao de como os
gerenciadores e usuirios dos recursos se
relacionam com os recursos e entire si.

G6nero 6 uma construcgo social
determinada dinamica, hist6rica e
culturalmente, criado por homes e
mulheres para definir seu relacionamento
mltuo e com o meio ambiente. Isso inclui
o acesso aos recursos e seu control, num
process que 6 social e nao apenas
econ6mico (Berry et al, 1989). A andlise
de g6nero prov6 uma estrutura conceitual e
instruments metodol6gicos para
desagregar informacgo sobre a dinamica
familiar e sobre o funcionamento
dom6stico e das organizaq6es comunitarias
envolvidas no gerenciamento de recursos
naturais. Tal desagregaCgo ajuda a
esclarecer os pap6is masculine e feminine,
as fronteiras indefinidas entire lar e familiar
e as complexes formas pelas quais familiar,
lar, comunidade e ecossistema estio
vinculados.


Tal enfoque, nao sugere que exista
uma perspectivea feminine" e que todas as
mulheres sejam iguais. Classe, etnia e
outras caracteristicas levam as mulheres a
experiencias muito diferentes. Essas
diferencas, entretanto, nao eliminam a
necessidade de examiner as maneiras pelas
quais os pap6is sociais e econ6micos sao
estruturados por g6nero. Atualmente, 6
necessirio entender como as mudangas no
meio ambiente e nas estruturas
comunitarias afetam homes e mulheres de
todas as categories sociais. O uso de
g6nero como variavel central para analise
de sistemas de produCao rural permit
entender os pap6is masculino/feminino,
bem como as responsabilidades e
consideracOes baseadas em genero, e
ainda, as respostas a mudancas ambientais
e a degradacao ecol6gica.

Tal desagregagdo ajuda a esclarecer
os papeis masculine e feminine, as
fronteiras indefinidas entire lar e familiar e
as complexes formas pelas quais familiar,
lar, comunidade e ecossistema estdo
vinculados.









Genero, Pobreza, Declinio Ecol6gico e Politicas


No context do manejo de recursos
naturais do Terceiro Mundo, a atencao a
genero 6 particularmente relevant, pela
estreita conexao entire crescimento da
pobreza e sua feminizacgo e a crise
ambiental mundial. Em muitos paises do
Hemisf6rio Sul, estA se deteriorando,
significativamente, a base de recursos
naturais da qual depend para sua
subsistincia a grande maioria da
populagdo. PressOes para a comercializagao
freqiientemente afetam o uso da terra e se
contrapoem as necessidades das families
mais pobres. As presses cotididanas da
pobreza forgam families a cultivarem terras
cada vez mais fracas e n.o-produtivas e a
otimizar decisOes imediatas, na esperanga
de que o amanha talvez seja diferente
(Leonard, 1989; Katz, 1990).

Entre as pessoas pobres do meio
rural, hi um crescente nimero de sem-
terras. Assim como entire os extremamente
pobres aumenta o nlmero de mulheres,
inclusive daquelas que exercem o papel de
chefes de familiar.


Ha tamb6m uma consciencia
crescente de que a carga da destruicgo dos
recursos naturais deveri cair mais
pesadamente sobre as mulheres de families
pobres. Em muitas dreas, independent da
riqueza e da classes social, as mulheres ndo
possuem legalmente a terra, o que limita
suas opgoes para usi-la de forma inovadora
(Okeyo, 1980 e Rocheleau, 1987). Assim,
desenvolver a vinculacgo entire pobreza,
pap6is de g6nero, declinio de recursos e
degradacgo ecol6gica represent um
extraordinario desafio as political de
desenvolvimento.

No moment em que aumenta, em
todo o mundo, o numero de families
chefiadas por mulheres e estas, cada vez
mais, sustentam seus filhos em economies
rurais em declinio, 6 essencial incorporar o
tema g6nero a discuss, pois 6 important
posicionar tanto homes como mulheres
frente a instituic6es que determine o
acesso a terra, a outros recursos e a
economic mais ampla.









II. Estruturas Ecol6gicas para Analisar Genero e

Recursos Naturais


A crise da pobreza estA estreitamente
ligada A natureza dos ecossistemas locais,
porque ela surge, em parte, devido A
escassez de Agua, comida, forragem e
combustiveis, associadas a crescente
destruigao ecol6gica (Arwal, 1986; Shiva,
1989). Embora a perspective ecol6gica
geralmente conduza a uma visao isolada de
sistemas especificos, ela pode incluir tanto
condig es political quanto econ6micas,
configurando o uso local, national e
international de recursos e a divisao
destes, a nfvel local e por g6nero.

Essa abordagem "desafia a tradiCao
mecanicista, enfatizando a troca de
energia, de materials e informacqes entire
series vivos e inanimados, no meio
ambiente natural" (Merchant, 1989:7). Os
conceitos-chave sdo: interdependencia e
interrelacgo em sistemas complexes e
dinamicos. Ao inv6s do mundo de exclusao
competitive. onde "o mais forte sempre
vence", muitos ecologistas atualmente
evocam imagens de cooperacao e
complementaridade. Eles trabalham a
partir da hip6tese de que a Terra 6 um
super-ecossistema, controlado por
organismos vivos que a ela se adaptam, e
simultaneamente criam condigces


adequadas para a
proliferacao da vida.


continua.ao


e a


0 enfoque de ginero, por part do
usudrio da terra, deriva de todas essas
tradi9ies e inovagdes culturais e
ecol6gicas, cor n fase em miltiplos
usudrios e usos de recursos, em uma escala
gradual de andlise do individual ao
national e tambem da aceitagdo do
conhecimento native como ciincia, bem
como da valorizagdo, na pesquisa, da
parceria da gente do campo.

Esta "nova" ecologia presta-se bem A
inclus.o de pessoas, uma vez que ela pode
integrar grupos competitivos e grupos
cooperadores, como tamb6m seu uso
respective do espaco e dos recursos num
dado local. As teorias e m6todos da
ecologia cultural e political complementam
esta nova ecologia cor um enfoque mais
integrado e abrangente de genero, de
ecologia e desenvolvimento rural
comunitArio. A ecologia cultural, em geral,
focaliza as relacOes humano-ambientais e
as prAticas resultantes do uso da terra, em
sistemas rurais nao-industriais.









Ecologia political, uma recent
ramificadgo da ecologia cultural e da
economic political, ter uma visao mais
critical do gerenciamento de recursos rurais
usando muitos dos m6todos de campo e dos
conceitos da ecologia cultural. Grande
nimero de especialistas em ecologia
political focalizam a distribuicgo desigual
de acesso e control de recursos por classes
e etnias. Recentemente os pesquisadores
expandiram suas andlises da pobreza, do
nao acesso ao poder e da degradagao
ambiental, para focalizar cada vez mais as
diferencas de g6nero no acesso e no uso de
recursos naturais. A abordagem ao usuirio
da terra com enfoque de genero deriva de
todas essas tradicges e inovagces de
ecologia cultural com 6nfase em muiltiplos
usuarios e usos de recursos, em uma escala
gradual de andlise do individual ao
national e tamb6m da aceitacgo do
conhecimento native como ciencia, bem
como da valorizacao, na pesquisa, da


parceria da gente do campo (Rocheleau,
1987).

A pesquisa relevant para os
planejadores de desenvolvimento e para o
pessoal de campo, que procuram
compreender as relaqces entire recursos,
organizacao comunitAria e genero, deve
levar em conta as vArias manifestagoes de
"insights" da perspective ecol6gica. Estes
"insights" conduzem ao exame de fatores
hist6ricos, ecol6gicos e estruturais, que
configuram as relag6es de g6nero, o uso de
recursos e a mudanga institutional local.
Descobrir a ligacao entire sustentabilidade a
long prazo e adaptac o em pequena escala
a condigCes ecol6gicas locais, envolve o
entendimento de um context politico e
ambiental, maior o meio ambiente
particular, os detalhes do sistema produtivo
local e os pap6is estrat6gicos
desempenhados pelas mulheres nesses
processes.


ECOGEN focaliza:

1. Os "cinco Cs" do gerenciamento de recursos naturais: No interior e entire
families, por exemplo, as pessoas devem cooperar na conservaio do solo
praticando a agriculture em terragos, complementar-se uns aos outros pelo uso de
recursos comuns de forragem, combustivel ou fibra, compartilhar o uso de uma
fonte pr6xima, competir por terras para pastagem, comercializacgo ou cultures
de subsistencia, e combater por seus direitos A areia ou a agua do rio para
irrigagdo.

2. Limites fluidos e flexiveis para a familiar, a comunidade e o ecossistema,
enfatizando-se a flexibilidade na selecao da unidade, escala ou anilise relevantes.

3. Os miltiplos usuirios e usos dos recursos, e a relevincia do conhecimento
native.









III. InstituiGses: Organizagio Local,

Participaqao e Acesso ao Poder


s processes para se chegar a meios de vida sustentiveis requerem atencgo as
particularidades do ecossistema local. Por definicgo isto inclui as pessoas e suas estruturas
institucionais, assim como o cendrio que elas criaram e habitam. Para o desenvolvimento
desses sistemas de subsistencia, sao fundamentals as capacidades das instituicges locais de
responder aos desafios no interior desses ecossistemas. Mais ainda, a eficicia das respostas
institucionais estd ligada aos pap6is tanto de homes quanto de mulheres dentro da
comunidade local. O g6nero, como fator principal na divisao de trabalho, de direitos e de
responsabilidades, afeta o gerenciamento de sistemas locais em relacao a meios de vida
sustentiveis e a um desenvolvimento equilibrado.

Instituicges e organizac6es locais viaveis e fortes podem former uma fundacgo para
gerenciamento eficaz dos recursos, produtividade agricola aumentada e sistemas de
subsistencia melhorados. No entanto, necessitamos saber muito mais sobre os tipos de
grupos sociais e instituicges que desempenham pap6is-chave na determinag o de acesso e
control sobre os recursos. As organizaqges que a nivel local ajudam as families rurais a
aumentar sua produtividade agricola e suas capacidades de ganhos salariais. Tais
organizacqes desempenham assim, um papel catalizador, gerencial e planejador. Al6m disso,
a populacgo rural pode muitas vezes melhorar seu acesso a produtos externos, atrav6s da
participag o em organizaoges locais, e pode reduzir niveis de risco e incerteza pelo
gerenciamento cooperative de alguns recursos.

Muitos analistas do process de desenvolvimento reconhecem, agora, o important
papel das organizacges locais e poderiam concordar que as areas de participagCo e de decisao
locais sao das mais critics em todo o process de desenvolvimento (Korten, 1984; Thomas.
1985; Uphoff, 1986; Nyoni, 1987, Tisdell, 1988). Organizac0es locais incluem tanto redes
informais como associagces e organizagces formais as quais pertencem



Precisamos saber muito mais sobre os tipos de grupos sociais e instituicdes que
desempenham papeisfundamentais na determinacdo de acesso e control de recursos.

homes e mulheres, para enfatizar o acesso a recursos, bens e servigos ptblicos e privados,
e a centros de poder e tomada de decisao. Tanto as estruturas formais quanto as informais
so relevantes para o process de desenvolvimento e vinculam Estado, political publicas,
agents externos e families rurais. A compreens.o do funcionamento dessas estruturas e de
seu impact sobre mulheres e homes que delas participam 6 fundamental para determinar
intervencqes adequadas para o desenvolvimento.









N~o ha ddvida de que instituicges, oportunidades e dificuldades econ6micas em
process de mudanga estao afetando os relacionamentos intra e interfamiliares, cor
implicacqes tanto no acesso dessas families a recursos, quanto nos padrOes de estratificacgo
nas comunidades. Como conseqiiencia dessas mudancas, novos padres de cooperacao,
reciprocidade e troca entire as families est~o evoluindo e velhos padres, sendo adaptados -
no sentido de assegurar a sobreviv6ncia familiar e promover o bem-estar. Tais padres sao,
em parte, configurados pela estrutura
local dos pap6is masculine e feminine, A estrutura ECOGEN para a compreensao
A media que eles evoluem atrav6s do de genero no gerenciamento de recursos naturais
sistema de g6nero de distribuigao de analisa:
autoridade e responsabilidades.
1. Processos interativos nas questOes
HA evid6ncias de que redes e de g6nero, recursos e meio ambiente.
associag es sao cada vez mais
importantes nos lares chefiados por 2. Vinculac~o entire micro e macro
mulheres, cujo n6mero 6 crescente no estruturas, em sistemas sociais e ecol6gicos.
mundo atual. As redes e associacqes
sao valorizadas nao somente por 3. Diversidade de ecossistemas e
raz6es econ6micas, mas como meios comunidades, em varias analises e para diferentes
de dar poder aos mais fracos. Estas e especificos locais, fatores e grupos de usuarios
formas de associaggo ajudam a da terra.
controlar a incerteza e o stress nas
families rurais e nos sistemas de 4. A relevancia de instituicoes e
producao. Em various lugares, essas organizaoes fortes e viaveis, para o eficaz
incertezas estao crescendo, A media gerenciamento de recursos, o aumento da
em que aumenta a deterioragao produtividade agricola e melhoria de sistemas de
ecol6gica e declinam a produtividade e subsistencia.
a renda. A investigac.o in loco das
a. Ao i l d 5. As formas pelas quais organizaoqes
associaqoes e redes ajuda a esclarecer
Se r locais e respectivas atividades de gerenciamento
de que maneira elas fortalecem a
de que maneira elas fortalecem a de recursos sao estruturadas por g6nero.
populacgo local.

Bromley (1987) e Cernea (1988) assinalam que intervengdes desenvolvimentistas
devem visar, explicitamente a ajustes sociais entire as pessoas, A media que elas interagem
entire si e com os recursos naturais. Nao se pode chegar a isto sem uma atengCo A forma
como o g6nero configura trabalhos, direitos e responsabilidades, em sistemas de subsistencia
rural. Moser (1989) observa que, em todo o mundo, as mulheres assume uma tripla
responsabilidade producgo, reproduc o e gerenciamento de uma gama de atividades
comunitArias. Ainda assim, a maior parte dos planejadores nao t6m reconhecido os
diferentes pap6is que mulheres e homes desempenham nesse nivel e nao tem adotado
estruturas conceituais e instruments metodol6gicos para incorporar g6nero ao planejamento.
Em lugar algum isto 6 mais important do que na Area da organizag.o comunitAria e de
gerenciamento de recursos naturais.










IV. Os desafios


Na iltima d6cada. tem havido uma
crescente insatisfagao com m6todos de
desenvolvimento tecnocriticos e
autoritrios, que ignoram as prioridades e
interesses da populaCgo envolvida. Sem
dtvida, muitos esforgos, tais como a
introdugao de sementes hibridas, de
fertilizantes e pesticides, tnm sido eficazes
em algumas areas. Ainda assim, a
populacao pobre rural nao tem tido acesso
a esses beneficios e, em alguns casos, seus
efeitos trm sido negatives.

As falhas decorrentes dessa
abordagem autoritAria e tecnocr.tica estio


Novos Instrumentos de Anilise de Genero

Constitui-se em important desafio
elaborar instruments mais acessiveis de
andlise de g6nero que nao s6 constatem as
diferencas nos pap6is, direitos e
responsabilidades, mas que tamb6m
permitam pesquisar o g6nero em
interrelacao com outras variiveis-chave.
Um instrument como a Anilise S6cio-
Econ6mica de Status (Socio-Economic
Status Analysis SSA) permite-nos
investigar as maneiras em que os pap6is de
genero variam por posicgo e classes. Pode-
se criar um calendario de atividades
sazonais para ajudar os planejadores e os


bem documentadas em virias publicacoes,
como o recent relat6rio da Comissao
Brundtland, Our Common Future, sobre a
situagdo do meio ambiente mundial. Falhas
de projeto sao especialmente dramiticas em
areas de recursos ambientais e naturais
onde os impacts adversos e a degradacao
de recursos enfraquecem a capacidade a
long prazo de paises do Terceiro Mundo
de prover sistemas viiveis de subsist6ncia
para populacOes em crescimento. O
relat6rio Brundtland clama por alternatives
que facam cessar o declinio ambiental e
introduzam o desenvolvimento rural
sustentdvel.


gerentes de projeto na compreensao da
divisao de trabalho baseada em genero e
das responsabilidades na agriculture e no
gerenciamento de recursos. Este
instrument permit tamb6m visualizar
como as responsabilidades baseadas em
genero sao ligadas a grupos ocupacionais
especificos. Entrevistas domiciliares
minuciosas, assim como levantamentos
direcionados, podem ser adaptados para
desagregar informacges sobre genero.

Discusses de grupos focais sao 6teis
para gerar informacges sobre a vida









comunitAria. Novas perspectives sobre os
relacionamentos entire os membros da
comunidade, bem como novos pontos de
vista sobre as organizag6es e atividades a
nivel comunitdrio podem ser obtidas
atrav6s da interag.o dos membros da
comunidade em discusses de grupos
focais. Tais instruments permitem a
andlise de g6nero em diferentes tipos de
families e circulos s6cio-econ6micos,


dando flexibilidade para captar nuances de
expectativas e mudancas de pap6is.

A pesquisa ECOGEN explore
abordagens alternatives para manejo de
recursos, identifica formas cambiantes de
organizagdo comunitdria e esclarece a
importdncia do genero no manejo de
recursos a nfvel comunitdrio.


Abordagens para Vincular Metodologias Participantes a Anailise de Genero


A pesquisa ECOGEN explore, a
nivel comunitario, abordagens alternatives
para o gerenciamento de recursos,
identifica formas cambiantes de
organizaCao comunitaria e esclarece as
importantes variiveis com base em g6nero
que est~o surgindo no manejo de recursos a
nivel comunitario. ECOGEN investiga
virias abordagens de mobilizagao e
organizacgo comunitiria e formas para
vincular metodologia participativa e andlise
de g6nero.

Inicialmente, a 6nfase recai sobre
PRA (Avaliacao Rural Participante -
Participatory Rural Appraisal) (1990), uma
abordagem sobre o desenvolvimento rural
comunitario, derivado do trabalho sobre
RRA (AvaliaCgo Rural Instantanea Rapid
Rural Appraisal), de autoria de Gordon
Conway (1985,1988), Robert Chambers
(1983, 1985) e outros autores. A RRA
prov6 uma metodologia ripida e flexivel de
coleta de dados, desenhada


sobreespecializaCgo interdisciplinar e
conhecimento native, com base no
principio da triangulag o, pelo qual se usa
mais de um m6todo ou fonte para obter os
mesmos dados.

A finalidade especifica da PRA 6
permitir a participago de comunidades
rurais na elaboragao e implementaCao de
abordagens mais efetivas de manejo de
recursos sustent.veis. At6 hoje, a PRA nao
tem preparado questoes relatives
exatamente a quem dentro da comunidade
participa do exercicio. Esta questao 6
relevant para as linhas de classes,
ocupagao, genero e etnia. ECOGEN
explore estas quest6es em terms de
g6nero, ligando esta variavel, no
gerenciamento de recursos e na
organizacao comunitaria, A metodologia da
PRA. Ela aproxima experiencias passadas
em andlise de g6nero (na pratica agricola,
agro-florestal e florestal) de m6todos RRA
similares.









Aplicages de Politicas


Aproximadamente 80% dos pobres
do mundo vivem em areas rurais e, desses,
cerca de 60% estao em regioes de baixo
potential agricola e grande vulnerabilidade
ecol6gica (Leonard, 1989:20; Banco
Mundial, 1988). Nestas comunidades, os
processes de aquisigao meios de vida
sustentdveis requerem atengco As
particularidades do ecossistema local. De
fundamental importancia para a melhoria
dos sistemas de subsistencia 6 a capacidade
das instituigces locais de responder aos
desafios dentro desses ecossistemas. A
eficacia das respostas institucionais na
comunidade local esta ligada aos pap6is
femininos e masculinos.

Estudos de caso sobre o papel do
g6nero nos sistemas de subsist6ncia rural,
em meios ecol6gicos e institucionais, darao
uma base firme ao fortalecimento de
political de desenvolvimento que visem ao
gerenciamento de recursos naturais de
modo efetivo e just. Apoiando-se em uma
variedade de instruments analiticos. Esses
estudos propiciardo a base para um melhor
entendimento sobre a dinamica das


comunidades, a mudanca institutional e os
pap6is de genero.

O conhecimento que emerge da
pesquisa deveria ser integrado As political
de desenvolvimento rural, com o intuito de
aumentar a eficacia das intervenc6es de
desenvolvimento. Esse conhecimento
deveria tamb6m ser relevant para as
ONGs, no sentido de melhorar suas
estrat6gias, programs e projetos de
desenvolvimento rural. Uma vez
estabelecida uma forte vinculagdo entire
g6nero, pobreza e declinio ecol6gico, 6
imperative examiner o papel de g6nero nas
questoes de acesso e control sobre os
recursos naturais, que, acima de tudo,
constituem a base dos sistemas de
subsistincia rural em todo o mundo e sao a
chave para aumentar a produCao de
alimentos e promover um desenvolvimento
efetivo, just e sustentavel.

ECOGEN explore estas quest6es em
terms de g6nero, vinculando a variavel
genero em manejo de recursos e
organizacao comunitaria A metodologia da
PRA.









Uma Nova Estrutura para Anilise de Genero no Manejo de Recursos
Naturais


ECOGEN assegura que: 1) tanto
homes como mulheres sao gerenciadores
de recursos naturais; 2) g6nero 6
important para estruturar direitos e
responsabilidades, no tocante a terra, agua
e vegetacao. A estrutura de ECOGEN
enfatiza a andlise de padres de cooperaCao
e complementaridade, bem como
competigao e conflito ou coexistencia, no
esclarecimento das relacges dos usuarios de
recursos, entire si e com o pr6prio recurso.
A estrutura enfoca os multiples usos dos
recursos, seus miltiplos usuarios e a
relevancia do conhecimento native.

Solugbes efetivas para os problems
ecol6gicos devem ser baseadas no
reconhecimento das diversidades existentes
nos stores rurais, a nivel mundial.
ECOGEN focaliza a realidade dom6stica, a
comunidade e o ecossistema, descobrindo
suas fronteiras de modo interativo e
flexivel e nao de modo fixo ou agudamente
definido. Ainda, as contribuig6es nacionais
e internacionais, bem como as locais, sao
essenciais na definig.o e solugdo de
problems ecol6gicos rurais. Ha
vinculag6es critics entire comunidades
locais e ecossistemas, e as estruturas
maiores que dao forma aos ambientes
politico-econ6micos nos quais essas
comunidades e ecossistemas estao
inseridos. Essas estruturas devem fazer
parte da estrutura analitica.

Nunca estivemos tao cientes sobre o
destiny do meio ambiente mundial e das
ligag6es entire ecossistemas em declinio e
recursos degradados, e pobreza crescente.
Precisamos entender as relagoes intimas
entire manejo de recursos e producao de


alimentos, bem como as quest6es
ecol6gicas referentes a agua, solos,
florestas e uso da terra, que tnm impact
crucial sobre a produg o de alimentos e
sistemas de subsistencia. A compreensao
do papel de g6nero nesses processes 6 mais
important que nunca. Trazer esta
compreensao ao campo politico e A
implementag.o de programs 6 essencial.
A estrutura de ECOGEN pode contribuir
para isso.

SoluCdes para problems ecol6gicas
devem ser baseadas no reconhecimento das
diversidades existentes nos stores rurais, a
nivel mundial.










BIBLIOGRAFIA


Berry, Sara, J. Guyer, P. Peters, A. Issacman, A. Moore, A. Richard, and M. Watts. 1983.
The Food Crisis and Agrarian Change in Africa. Social Science Research Center,
National Research Council, Washington, D.C.

Bromley. Daniel W. 1987. Resources and Economic Development. Journal of Economic
Issues, Vol. XIX (3).

Brundtland Commission. Our Common Future, World Commission on Environment and
Development. New York: Oxford University Press, 1987.

Cernea, Michael M. 1988. Non-governmental Organizations and Local Development.
World Bank Discussion Paper #40.

Chambers. Robert. 1985. Shortcut Methods of Gathering Social Information for Rural
Development Projects, in Cernea, M. Putting People First. London: Oxford University
Press.

1983. Rural Development: Putting the Last First. London: Longran.

Conway, Gorden R. 1988. Rapid Appraisal Techniques for Sustainable Development.
London International Institute for Environment and Development.

1985. Agricultural Ecology and Farming Systems Research, in Remenyi, J. V. (ed.).
Agricultural Systems Research for Developing Countries. Canberra: Australian
Center for International Agricultural Research.

Korten, David. 1984. Strategic Organization for People-Centered Development, Public
Administration Review, Vol. 44, No. 4,341-352.

Leonard, Jeffrey. 1989. Environment and the Poor: Development Strategies for a
Common Agenda. Washington, D.C.: Overseas Development Council.

Merchant. Carolyn. 1989. Ecological Revolutions Nature. Gender and Science in New
England. North Carolina: The University of North Carolina Press.

National Environment Secretariat, World Resources Institute, Egerton University, Clark
University. 1990. Participatory Rural Appraisal Handbook: Conducting PRAs in
Kenya. World Resources Institute, Washington, DC, USA.

Nyoni, Sithembiso. 1987. Indigenous NGOs: Liberation, Self-Reliance and Development,
World Development, October.









Okeyo, Achola Pala. Daughters of Lakes and Rivers: Colonization and the Land Rights of
Luo Women, in Mona Etienne and Eleanor Leacock (eds). Women and Colonization.
New York: Praeger Publications, 1980.

Rocheleau, Dianne. 1987. The User Perspective and the Agroforestry Research and Action
Agenda," in Gholz, H. L. (ed). Agroforestry: Realities, Possibilities and Potentials.
Dordrecht, The Nederlands: Martinus Nijhoff/D.R. Junk Publishers.

Thomas, Barbara P. 1985. Politics Participation, and Poverty: Development through Self-
Help in Kenya. Boulder, CO:Westview Special Studies in Social, Political, and
Economic Development, Westview Press.

Tisdell, Clem. 1988. Sustainable Development: Differing Perspectives of Ecologists and
Economists, and Relevance to LDCs. World Development, Vol. 16, No. 3.

Uphoff, Norman. 1986. Local Institutional Development: An Analytical Sourcebook
with Cases. West Hartford, CT: Kumarian Press.

World Bank. 1989. Kenya: The Role of Women in Economic Development. World Bank,
Washington, DC, USA.

World Commission on Environment and Development. 1987. Brundtland Commission/
Report: Our Common Future. Oxford: Oxford University Press.

Obs.: Estes trabalhos foram citados de maneira condensada. Uma bibliografia abrangente
sobre os t6picos acompanha a primeira edicqo do document.









SOBRE OS AUTORES


Dianne Rocheleau, Professora Assistente na Clark University's Graduate School of
Geography, serviu no International Council for Research in Agroforestry (Conselho
International para Pesquisa em Agroflorestamento) e na Fundag~o Ford, no Quinia. Sua
pesquisa ter enfatizado os temas ecologia, recursos e genero, em agroflorestamento e
conservagao de solo, tanto na Africa Oriental como na Am6rica Central.

Mary Rojas, Acting Director do Office of International Development at Virginia
Polytechnic Institute and State University, tem longa experi&ncia em elaboragqo de projeto,
andlise de g6nero e atividades de treinamento em agriculture, florestamento comunitrio e
pap6is desempenhados por mulheres, na Am6rica Latina, Africa Oriental e Estados Unidos.

Dale Shields, Assistente de Pesquisa para o Projeto ECOGEN, tem larga experiencia
de campo em agriculture e desenvolvimento, nas Filipinas, interessando-se, hi muito tempo,
por quest6es de g6nero.

Barbara Thomas-Slayter, Professor Adjunto na Clark University's International
Development Program, (Programa de Desenvolvimento Internacional da Clark University),
ter trabalhado na area de organizag o comunitaria, desenvolvimento institutional e enfoque
sobre questOes de genero, tanto na Africa Oriental, como na Asia Meridional.















A Project of
The Futures Group in
collaboration with
Management Systems
International
DI'lolinpmeili Alternatives Inc.
1050 1.", I' r \i Suite 1000
IWashington, DC 20036
Tel: (202) 775-9680
Fax: (202) 775-9699
Telex: j '- ,1 ,I I 11 I'I 11 \,i l
Contract! #: I I ii l ili.., '144i.11

United MIleI. \alnuv for
International Development
Office of Women in
Development
Department of Slate
II iIIt~i.i. DC20523-1816
Tel: (-' .)875-4668
Fax: (703) 875-4633


/ I




University of Florida Home Page
© 2004 - 2010 University of Florida George A. Smathers Libraries.
All rights reserved.

Acceptable Use, Copyright, and Disclaimer Statement
Last updated October 10, 2010 - - mvs