Title: As Heveas ou Seringueiras
CITATION THUMBNAILS PAGE IMAGE ZOOMABLE
Full Citation
STANDARD VIEW MARC VIEW
Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/UF00087424/00001
 Material Information
Title: As Heveas ou Seringueiras
Physical Description: 90 Ep. : ; 21 cm.
Language: Portuguese
Creator: Rodriguez, T. Barbosa
Publisher: Imprensa Nacional
Place of Publication: Rio de Janeiro
Publication Date: 1900
Copyright Date: 1900
 Subjects
Genre: non-fiction   ( marcgt )
Spatial Coverage: Brazil
 Record Information
Bibliographic ID: UF00087424
Volume ID: VID00001
Source Institution: University of Florida
Holding Location: University of Florida
Rights Management: All rights reserved by the source institution and holding location.
Resource Identifier: oclc - 31846986

Full Text



















ARROCHO E INCISES. MALES CAUSADOS
PELA EXTRACO DA BORRACHA


J tendo tratado do meio pelo qual se extrahe
hoje o leite das Heveas, devo occupar-me agora
das incises feitas pelo machadinho, e do sys-
tema antigo, que ainda, no Brazil, alguns em-
pregam, levados pela ganancia, e, no estrangeiro,
tambem se adopta.
Como disse, a borracha foi descoberta pelos
nossos Indios, que, sem interesse ou ambio,
tiravam s o necessario, que precisavam, para seus
usos, para o que tinham um grande manancial.
Por mais que estragassem, nunca chegariam a
matar uma arvore, e por isso empregavam o sys-
tema, que os civilisados adoptaram nos primeiros
tempos, e que ainda la poucos annos era o
commum, o do arrocho, como o denominaram,
sem razo, por no haver aperto algum.
Consiste o process do arrocho em circular o
tronco da seringueira, a um metro do solo, com


e_ I__ ~_ _~ I______~ _I_~_ p___ __ -iL-~-il~_l










48

um grosso cip, dispondo-o em sentido obliquo a
unir as extremidades em angulos a former gotteira.
Feito este arrocho golpeavam a casca da arvore,
em toda sua circumferencia, em diversas alturas.
Assim corria abundantemente o leite, que, re-
unido sobre o cip, escorria pela gotteira indo
cahir directamente no vaso que o recolhia. Desta *
frma a arvore dentro em pouco tempo morria,
faltando-lhe a livre circulao da seiva, pelos
golpes que separavam os tecidos e esgotavam-a
inteiramente. Quando eram simples golpes e no
havia casca tirada, de um para outro anno,
cicatrizavam e estabelecia-se a circulao ; mas,
ainda assim, pelas sangrias que annualmente fa-
ziam, dentro de pouco tempo morria. Foi assim
que se acabaram os grande seringaes das margens
do Amazonas, do Tocantins, do Jary e das ilhas,
assim como os do baixo Madeira e Solimes.
Posteriormente foi adoptado o golpe do macha-
dinho e prohibido, expressamente, o system de
arrocho, que em muitos seringaes alguns empregam,
porque at a elles no chega a aco da justia.
O system de incises, tambem prejudicial,
quando delle se abusa, obrigando a arvore a dar
mais do que possue, fazendo-se numerosas in-
cises sem dar descanso e tempo para a com-
pleta cicatrizao. Alguns, sem necessidade, do
dous e mais golpes para uma tigelinha, o que
prejudicial vida do vegetal.










8i

Posteriormente tornou a subir e com alterna-
tivas de altas e baixas, conservou o preo de
18$ooo a 25gooo at 1875. D'essa data em diante
comeou a augmentar cbnsideravelmente a pro-
duco e a procura. O preo acompanhou o au-
gmento com altas e baixas, a chegar este anno
a 1200ooo o kilo, tendo havido vendas a 15000oo.
At 1870 cotava-se a unidade por arrobas e d'ahi
em diante por kilos.
O quadro n. I, que apresento, da gomma elas-
tica exportada de 1827 a 1853, refere-se praa
do Par, unica que ento exportava a que sahia
de todo o valle do Amazonas. As cifras so ti-
radas de documents officials e de Fallas e Re-
latorios dos Presidentes que ento administravam
a Provincia.
O quadro n. 2 das duas Provincias do
Amazonas e do Par, sendo a unidade para a
primeira a arroba e para a segunda o kilo.
De 1853, data em que foi elevada a antiga
Capitania do Rio Negro categoria de Provincia,
at 1870 ahi se cotava em arrobas.
Notam-se, n'este quadro, a omisso da quan-
tidade exportada nos annos de 1858 e 1865, assim..
como dos valores dos mesmos annos e os de
1861, por no terem sido registrados, como o de-
clarou o Presidente Dr. Clementino Pereira da
Cunha, em seu relatorio e por causa da guerra
com o Paraguay, que afugentou os seringueiros,
6











82


paralysando a extraco. Comparativamente apre-
cia-se n'esse quadro a exportao das duas Pro-
vincias.
O quadro n. 3, de 1871 a 1883, tem, tambem,
algumas omisses, devidas falta de dados que,
aqui, me no foi possivel alcanar, dando-me por
feliz em poder, com os elements particulares que
possuo, obtidos quando estive no valle do Ama-
zonas, completar o referido quadro.
O quadro n. 4 apresenta, smente, a exportao
do Par at 1898, por no me ter sido possivel al-
canara do Amazonas, durante o mesmo period.
Deste Estado s consegui, sobre a exportao
dos ultimos annos, obter os dados seguintes:


Kilos
S 6.857.521.
. 8.315.916.
* 7.856.705.
* 7.149.742,5
. 7.942.548.
S11.142.170.
* 9.449.280.


Valor offioal
. 26.544:885$148
S42.577:959$63o
* 42.302:6I9846o
S45.815:545$075
* 57.813:235$~39


. 85.o21:38o$741


Sobre a exportao direct para a America do
Norte e para Europa, considerada a tonelada como
unidade, foi nestes ultimos 19 annos a seguinte:


374 ton. 1884.
. 307 1885.
S 430 1886.
* 655 1887.


o1014 ton.
1462
S1574
S 688


1892.
1893.
1894.
1895.
1896.
1897.
1898.


1880.
1881.
1882.
1883.




University of Florida Home Page
© 2004 - 2010 University of Florida George A. Smathers Libraries.
All rights reserved.

Acceptable Use, Copyright, and Disclaimer Statement
Last updated October 10, 2010 - - mvs