• TABLE OF CONTENTS
HIDE
 Title Page
 Foreword
 Table of Contents
 Consideracoes geraes
 De obidos a faro
 De faro a maraca-uassu
 De maraca-uassu a alenquer, pelo...
 De alenquer a santarem
 Santarem
 De santarem a villa franca por...
 Monte-alegre
 Geographia e aspecto da regiao
 Rio Tapajos
 Rio Trombetas
 Rio Jamunda
 Industria agricola
 Guarana
 Industria florestaria
 Succo da Macabanduba
 Madeiras das terras publicas
 A instruccao no inferior da...
 O Forte de Obidos
 Limites
 A grande inundacao de 1859 e seus...
 Populacao
 Advertencia
 Notas addiciones
 Errata














Group Title: regia~o occidental da provincia do Pará
Title: A região occidental da provincia do Pará
CITATION THUMBNAILS PAGE IMAGE ZOOMABLE
Full Citation
STANDARD VIEW MARC VIEW
Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/UF00082808/00001
 Material Information
Title: A região occidental da provincia do Pará resenhas estatisticas das comarcas de Obidos e Santarem appresentadas a S. Exc. o Sr. Conselheiro José Bento da Cunha Figueiredo, presidente da provincia
Physical Description: 248, viii p. : ; 21 cm.
Language: Portuguese
Creator: Penna, Domingos Soares Ferreira, 1818-1888
Lima, Oliveira, 1867-1928 ( former owner )
Publisher: Typographia do Diario de Belem
Place of Publication: Pará
Publication Date: 1869
Copyright Date: 1869
 Subjects
Subject: Social surveys -- Brazil -- Óbidos   ( lcsh )
Social surveys -- Brazil -- Santarém   ( lcsh )
Comércio -- Pará   ( larpcal )
Província -- Pará   ( larpcal )
Commerce -- Pará, Brazil (Province)   ( lcsh )
ParÁ (CondicÕes Sociais)   ( larpcal )
Genre: non-fiction   ( marcgt )
Spatial Coverage: Brazil
 Notes
Statement of Responsibility: por D.S. Ferreira Penna, e publicadas por ordem do governo.
 Record Information
Bibliographic ID: UF00082808
Volume ID: VID00001
Source Institution: University of Florida
Holding Location: University of Florida
Rights Management: All rights reserved by the source institution and holding location.
Resource Identifier: oclc - 23223786

Table of Contents
    Title Page
        Title Page
    Foreword
        Foreword
    Table of Contents
        Page 1
        Page 2
        Page 3
        Page 4
        Page 5
        Page 6
    Consideracoes geraes
        Page 7
        Page 8
        Page 9
        Page 10
        Page 11
        Page 12
        Page 13
        Page 14
    De obidos a faro
        Page 15
        Page 16
        Page 17
        Page 18
        Page 19
        Page 20
        Page 21
        Page 22
        Page 23
        Page 24
        Page 25
        Page 26
        Page 27
        Page 28
        Page 29
        Page 30
        Page 31
        Page 32
        Page 33
    De faro a maraca-uassu
        Page 34
        Page 35
        Page 36
        Page 37
        Page 38
        Page 39
        Page 40
        Page 41
        Page 42
        Page 43
        Page 44
        Page 45
        Page 46
        Page 47
        Page 48
    De maraca-uassu a alenquer, pelo lago grande
        Page 49
        Page 50
        Page 51
        Page 52
        Page 53
        Page 54
        Page 55
        Page 56
    De alenquer a santarem
        Page 57
        Page 58
        Page 59
        Page 60
        Page 61
        Page 62
        Page 63
        Page 64
        Page 65
        Page 66
    Santarem
        Page 67
        Page 68
        Page 69
        Page 70
        Page 71
        Page 72
        Page 73
        Page 74
        Page 75
        Page 76
        Page 77
        Page 78
        Page 79
        Page 80
        Page 81
        Page 82
        Page 83
        Page 84
        Page 85
        Page 86
        Page 87
        Page 88
        Page 89
        Page 90
        Page 91
        Page 92
        Page 93
        Page 94
        Page 95
    De santarem a villa franca por alter do chao
        Page 96
        Page 97
        Page 98
        Page 99
        Page 100
        Page 101
        Page 102
        Page 103
        Page 104
        Page 105
        Page 106
        Page 107
        Page 108
        Page 109
        Page 110
        Page 111
        Page 112
        Page 113
        Page 114
        Page 115
        Page 116
        Page 117
    Monte-alegre
        Page 118
        Page 119
        Page 120
        Page 121
        Page 122
        Page 123
        Page 124
        Page 125
        Page 126
        Page 127
        Page 128
        Page 129
        Page 130
        Page 131
        Page 132
        Page 133
        Page 134
    Geographia e aspecto da regiao
        Page 135
        Page 136
        Page 137
        Page 138
        Page 139
        Page 140
        Page 141
        Page 142
    Rio Tapajos
        Page 143
        Page 144
        Page 145
        Page 146
        Page 147
        Page 148
        Page 149
        Page 150
        Page 151
        Page 152
        Page 153
        Page 154
        Page 155
        Page 156
        Page 157
        Page 158
        Page 159
        Page 160
        Page 161
        Page 162
        Page 163
        Page 164
        Page 165
        Page 166
        Page 167
        Page 168
        Page 169
        Page 170
    Rio Trombetas
        Page 171
        Page 172
        Page 173
        Page 174
        Page 175
        Page 176
    Rio Jamunda
        Page 177
        Page 178
        Page 179
        Page 180
        Page 181
    Industria agricola
        Page 182
        Page 183
        Page 184
        Page 185
        Page 186
        Page 187
        Page 188
        Page 189
        Page 190
        Page 191
        Page 192
        Page 193
        Page 194
        Page 195
        Page 196
        Page 197
        Page 198
        Page 199
        Page 200
    Guarana
        Page 201
        Page 202
        Page 203
        Page 204
        Page 205
        Page 206
        Page 207
    Industria florestaria
        Page 208
        Page 209
        Page 210
        Page 211
        Page 212
    Succo da Macabanduba
        Page 213
        Page 214
        Page 215
        Page 216
        Page 217
        Page 218
        Page 219
        Page 220
    Madeiras das terras publicas
        Page 221
        Page 222
        Page 223
        Page 224
        Page 225
    A instruccao no inferior da provincia
        Page 226
        Page 227
        Page 228
        Page 229
        Page 230
        Page 231
    O Forte de Obidos
        Page 232
        Page 233
        Page 234
        Page 235
        Page 236
    Limites
        Page 237
        Page 238
        Page 239
    A grande inundacao de 1859 e seus effeitos
        Page 240
        Page 241
        Page 242
        Page 243
        Page 244
        Page 245
    Populacao
        Page 246
        Page 247
        Page 248
    Advertencia
        Page 249
        Page 250
        Page 251
        Page 252
    Notas addiciones
        Page 253
        Page 254
        Page 255
        Page 256
        Page 257
        Page 258
        Page 259
        Page 260
    Errata
        Page 261
Full Text



A REGIAO OCCIDENTAL

I):DPROVNCIA DO PAR .

RESENHAS ESTATISTICAS DAS COMARCAS DE OBIDOS E SANTAREM
APPRESENTADAS A S. EXC. O SR.

(OSEILEIRO JOS BENTO DA (LMNi. FI(GEIIIEDO

PRESIDENT DA PROVINCIA
POR


E PLBLIC D.S POR OIIDEI DO fiO)Eit,.












PARA-1869

Ty ipo r;lli )i; d1. Diario de' It,'












Tenho a honra de passar s mos de V. Exc. o Relatorio junto
contend os dados estatisticos que pude colher referentes s co-
marcas de Obidos e Santarem, em cumprimento da recommenda-
clo que recebi do Exm. Sr. Vice-Almirante J. R. de Lamare,
antecessor de V. Exc.
Eu desejei fazer acompanhar este Relatorio de um esboo de
mappa das localidades por mim percorridas, mas no me foi isso
possivel agora; no perco, todavia, a esperana de em occasio
opportuna apresentar a V. Exc. este trabalho accessorio. (.)
Com quanto em consequencia dos justos motivos, que verbal-
mente expendi a V. Exc., s hoje me fosse permittido fazer en-
trega do Relatorio, cumpre-me declarar que o conclui em 26 de
Setembro ultimo, ficando por conseguinte terminados desde esse
dia todos os trabalhos a meu cargo.
Com este motivo tenho a honra de apresentar a V. Exc. os
sentiments de meu profundo respeito e subida considerao
pessoa de V. Exc. a quem Deus Guarde.
A S. Exc. o sr. Conselheiro Jos Bento da Cunha Figueiredo,
President da Provincia do Par.

7. "Y /'veia JPkna.
Belem, 30 de Novembro de 1868.



(*) O mappa a que este document se refere acha-se j em poder de S.
Exc. o Sr. Conselheiro Presidente da Provincia. Esta nossa declarao
foi autorisada pelo autor do Relatorio.
Os Editores.


e (03x111;~ii. 8clitz













h REPERTORIO DAS MATERIALS


INTRODUCIO
Motives que deram logar a este trabalho.-ltinerario
em resulmo.-llellexes diversas . .. . ....... Pag. 7

DE OBIDOS A FARO
,t, los. seu aspect, posio, clima, salubridade e po-
pula(i; : estado de sua industrial em geral.-Cacoal
imperial. -Extincta colonia militar.-Recordaes
'istoricas.-Viagem a Faro.. . . . . . . . . Pag. 15

DE FARO A MIARACA-UASSU
Vt:iia de Faro: sua -ii oii e salubridade.-Industria
do municipio.-Projecto de transferencia da Villa
e n ii'\. 1. a vapor.-Recordaes historicas.-
Regresso.-Travessia do Amazonas.-Extincta fre-
guezia de Juruty .......................... Pag. 3 .
III
DE MARACA-UASSU A ALENQUER PELO LAGO GRANDE
Marac-uass: situao e estado desta nova povoao.
-Transferencia da freguezia do Juruty: episodic
iurioso.-Lago Grande das campinas; aspects di-
xersos. ................. ............. Pag. r






IV
DE ALENQUER A SANTAREM
Alenquer; sua situao, industrial commercio.-Re-
cordaes historicas.-Lagos e rio Curu.-Extinc-
to logar de Arcozello ...................... Pag. 57
v
SANTAREM
Aspecto, situao e estado da cidade.-Resenhas civis,
ecclesiasticas e militares.-Defeito na sua divisio
ecclesiastica.-Industria, navegao e commercio-
Recordaes historical .................... Pag. 67
vi
VI
DE SANTAREM A VILLA FRANCA POR ALTER DO CHO
Situao e estado de Alter do Cho; i..i:, i i1 -n .. his-
toricas................................ Pag.
Villa Franca: phenomenon de espelhagem; estado da
villa; sua transferencia no realisada; o seu muni-
cipio.- Pesqueiro real ..................... Pag. )7
lMunicipio de Itaituba: noticia geral das povoaes do
Tapajs ................................ Pag. 1 1(
VII
MONTE-ALEGRE
Visita a Monte-Alegre: o porto e a povoao.-Panora-
ma esplendido.-Estado actual da villa.-Condies
locaes e character dos habitantes.-Montanhas, rios
e lagos.-Industria e commercio ............. Pag. l 1








1
GEOGRAPHIC E ASPECT DA REGIO
Tl'riitrio e limites.-Montanhas, planicie littoral.-
)s Parananiirins.-Pequeno estuario do Amazonas Pa1. 13.

10 TAPAJS
Ionte-s d'este rio.-Itinerario de sua descida: curso,
exlenso, saltos, baixios e outros accidents do rio Pag. 1 :1
Hios Ar Araum, Arapichuna e Bahia de Villa Franca: o
primeiro um rio consideravel; o 2.o percorre a
peninsula (e nio ilha) do seu nome.-N -...,i a
vapor impossi\vel no curso mdio c superior do Ta-
pajs ........ ........ .. ............ Pag. 1(7

RIO TROMBETAS
ida geral do seu curso-Explorao no curso inferior.
-Ricos products das suas florestas-Os Indigenas Pag. 171
IV
RIO JAMUNDA
Fabula das Amazonas: sua habitaco e seus costumes
descriptos pelo Padre Acunha.-Ida geral do curso
do rio, e a sua verdadeira foz.-Nio affluent di-
recto do Amazonas ....................... Pag. 177
v
INDUSTRIAL AGRICOLA
(0 Caco)
Ligeiras reflexes sobre a agriculture na provincia e
sua influencia sobre os costumes.-Processo da cul-
tura e preparo do caco no Amazonas.-Produces
e valor d'este genero.-Contrariedades que as vezes
estorvam ao seu desenvolvimento ............. Pag. 182


S]G:< n~ATC?.XxE*f.SIl








GUARANA
Processo de cullura do guaranty e do seu preparo no Ta-
pajs.-Noticia sobre a patria e utilidade d'esta plan-
ta e do seu valor e *." 1 .................... Pag. 201


INDUSTRIAL FLORESTARIA
(Castanhas do Pura)
Noticia geral subre a plant que produz as castanhas;
valor commercial e exportaeo dos seus fructos.. Pag. 208s

VIII
LEITE OU SUCCO DA MAARANDUBA
Factos provando a vantage da introduco d'este ge-
nero no commercio de exportao.-E' o melhor
succedaneo da gutta-percha.--Abundancia, no Bra-
zil, da plant que produz esse succo ou leite vege-
tal que substitute tambem ao leite de vacca.-A
Flora Paraensis ......................... Pag. 213

IX
EXPORTAO DE MADEIRAS RESERVADAS
Conveniencia de franquear a sua extraco das terras
publicas.-Pessima conduct das autoridades encar-
regadas de sua conservao.-A liberdade da ex-
traco moderada por um regulamento florestario.
-Exportao de madeiras nos 20 annos ultimos. Pag. 221

x
A INSTRUCAO NA PROVINCIAL
Falia de instrucco no interior da provincia-Deleito da
da legislao provincial-Necessidade e ensino livre P.i 22(;







XI
O FORTE DE OBIDOS
il niico do Forte; sua pi.'i astronomical e sua alti-
tude.--Amplitude e fundo do rio defronte do Forte.
-As fortificaes por incompletas nio tem impor-
tncia military ........................... P1. 22
laiiicia militar.. I \ig. i2:-
XIIS
LIMITS COM A PROVINCIAL DO AMAZONAS
Os a:tuaes limited pelo rio Jamund sao falsos.-Erro
geographic que lhes deo origem.-Necessidade de
se designer outros, e de crear-se uma nova provin-
cia entire as do Par e Amazonas ............. ..Pag. 237
XIII
A INUNDAiO DE 1859
0 Amazonas e sua march ascensional; prenuncio do
hinverno.-Lentido do rio em 1859; inundacto
subita e geral das campinas; terror e tristeza dos
animaes; destruio do gado-Retrocesso das aguas.
--O tigre e reptis ferozes que perseguem os ani-
maes domesticos ......................... Pag. 2't
XIV
POPULAO
Numero approximado dos habitantes das duas comar-
cas.-A populao maior condensa-se fora das mar-
gens do Amazonas; erro de certos viajantes a este
respeito.-Vantagens e necessidade d'uma estatisti-
ca no duplo interesse administrative e humanitario Pag. 24R6
Advertencia............................... Pag. 2'9
Notas addicionaes........................... Pag. 25:;











e













CONSIDERAES GERAES







A colleco de factors estatisticos, que venho exhibir, relatives
s duas comarcas occidentaes da provincia do Par, o resultano
dos trabalhos a que procedi ultimamente, em virtude de recom-
mendaes da presidencia, sob a administrao de S. Exc. o Sr.
Vice-almirante Joaquim Raymundo de Lamare.
Achava-me em Obidos desempenhando uma commisso reserva-
da do governor provincial quando recebi da presidencia instruces,
rtcemmendando-me que, sem prejuizo d'aquella commisso, pro-
curasse conhecer e estudasse o estado e condies das localidades
,er onde tivesse de transitar, colligindo todos os dados estatisticos
que interessassem administrao.
Para satisfazer a esta nova exigencia, pareceo-me indispensavel
ampliar muito mais o campo das minhas degresses, pois que se-
ria extremamente incomplete qualquer trabalho que no compre-
hendesse, ao menos, os pontos principles d'aquella regio.
A estao era mui desfavoravel execuo d'esta incumbencia
que, por sua natureza, tornava indispensaveis algumas viagens.
O inverno ia effectivamente j muito adiantado, as chuvas eram
continues, os ventos raros, as planicies em geral allagadas, e innu-
meraveis chusmas de insects importunos, fugindo dos campos






-8-


inundados, invadiam as casas durante a noute, perturbando, d'umi
modo insoffrivel, as poucas horas de repouso de que o viajante
podia dispor.
No obstante, porm, a m estao, feito o meu programma,
tratei de executal-o. Aluguei uma pequena galeotM com as acom-
modaes apenas indispensaveis para viveres e para uma diminu-
ta bagagem; mas faltavam remeiros, e tal falta o maior obstaculo
com que tem de lutar quem emprehende uma viagem pelo inte-
rior da provincia, principalmente para logares longinquos e quasi
desertos, onde os recursos so nenhuns ou incertos.
Tentei de balde contractor os remeiros necessarios para a mi-
nha cana, dirigindo-me ora pescadores, ora a outros individuos
sem occupao regular, embora fortes e sadios. Todos, uns apoz
outros, respondiam-me invariavelmente por estas palavras :-No
posso, patro
Nem-um d'elles explicava a raso desta recusa,-humilde, fria,
mas inflexivel e capaz de impacientar e desesperar a um home
que no conhecesse os habitos e a indifferena d'esses individuos
para o dinheiro.
,Entretanto, si o subdelegado de policia ou si o seu comman-
dante, (sendo elle guard national) lhe ordenar que pegue o remo
e salte para a cana, no resta a menor duvida de que o home,
que a todas as offertas e promessas respondia-no posso-, es.
tar a bordo a hora da partida, vencendo ou no qualquer journal 1
Tal o viver do descendente do indio tal o poderio absolute
que sobre elle exerce a autoridade no interior da provincia!
Prevenindo, assim, d'este costume futuros viajantes, devo de-
clarar que no recorri quelle expediente para obter a tripulao
precisa; cheguei ao mesmo fim por outros meios, graas a bene-
volencia e bons officios de alguns cavalheiros da cidade que con-
seguiram por mim tudo que me era necessario para a viagem.






-9-


Em quanto estes arranjos se no concluiam, aprovetei o tempo
dte que dispunha para adiantar os trabalhos, percorrendo toda a
povoao, estudando as suas condies actuaes e consultando o ar-
chivo municipal afim de obter alguns esclarecimentos qqe me
guiassem no efudo sobre os primeiros estabelecimentos do logar.
Procedi a iguaes diligencias, durante a viagem, em outras lo-
calidades das duas comarcas, reconhecendo com pezar que os ar-
chivos municipaes so extremamente pobres de documents que
interessem historic, porque os mais antigos foram subtrahidos
ou queimados durante o dominio da rebellio de 1835.
As minhas digresses deviam dirigir-se em primeiro logar
villa de Faro, povoao isolada no extremo oeste da provincia, e
nunca descripta, nem conhecida na geographia do nosso paiz sino
nominalmente e de um modo inexacto.
Dous caminhos se me indicava para ir ter quella villa: O pri-
meiro e o mais curto era seguir de Obidos, Amazonas acima, al-
canar o Paramirim do Bom Jardim pelo qual subiria a encontrar o
do Caldeiro, descendo por este at o Jamund que vai ter a Fro.
O segundo caminho era entrar e subir um pouco pelo Trom-
Ietas at a foz do Jamund (chamado alli Igarap Sapucu) su-
bindo-se depois por este at aquella villa.
Embora mais long e extremamente enfadonho, prefer este
ultimo caminho, no s porque por elle me approximava mais
das fazendas de creaao, existentes entire os lagos Sapucu, Ma-
ryapixy e Algodoal, mas tambem porque, desejando reconhecer,
ainda que por um ligeiro exame, o ponto da margem do Ama-
zonas onde as cartas collocam a foz do Jamund, convinha acom-
panhar este rio em grande exteno do seu curso inferior para me-
lhor comprehender o que havia de exacto n'essas cartas.
Promptos os arranjos, larguei de Obidos nos ultimos dias de
Maro, fazendo o seguinte itinerario:






-10-


Visita extincta colonia military de Obidos.
Entrada no Trombetas e subida d'este rio at a cofluencia do
Jamund.
Jaiund acima at a boca do Lago Sapucu e degreseses por
este em toda a extenso.
Jamund at acima da villa de Fro.
Descida pelo mesmo rio at o logar do Repartimento e exame
de diversos lagos proximos s margens.
Subida do ponto do Repartimento contra a forte correnteza di>
Paranamirim do Caldeiro at sahir no Amazonas, e travessia
d'este rio para o Paranamirim do Juruty.
Paranamirim do Balaio at a nova freguezia de Marac-uass ,
Amazonas abaixo at a entrada do furo Curumucury.
Visita ao lago d'este nome e regresso ao Amazonas.
Paranamirim do Carapanim e de Muiratuba e rl-' -i a Obidos.
De Obidos, Amazonas acima at o Paranamirim do Carapanim.
Entrada pelo furo Irateua atravez d'uma vasta floresta e sahidi
nas campinas do Lago Grande, passando successivamente pelos pe-
quenos lagos Irateua, Boca e Porta, e sahindo no Igarap das Fa-
zendas. Visita ao lago do Sal e regresso ao Igarap das Fazendas.
Descida por este at proximo a sua foz no Lago Grande e de-
+.ii,,:i no Poo Grande.
Travessia pelas campinas alagadas at a extremidade occidental
do Lago Grande, e descida por este, at a sua foz no Amazonas.
Visita a villa de Alenquer e degresso poelos rios e lagos do
Curu, Botos e Macur at a povoao, nova do Curu.
Regresso do Curu; travessia por campinas alagadas para o
extenso lago do Tosto, d'onde se sahe ao Amazonas pelo furo do
Suisso.
Visita a various cacoaes no igarap e ilha Arapiry e regresso ao
Amazonas.






-1 -


Amazonas abaixo, passando-se pelas barreiras do Tapari e por
entre as ilhas do mesmo nome, at a sua juncio com o brao
meridional: subida at a cidade de Santarem.
Visita a Alter do Cho e Villa Franca.
Subida pelo ri* Arapium e exame da enceada entire Villa Franca
e a peninsula Arapichuna.
Visita ao rio d'este ultimo nome e regresso a Santarem.
De Santarem a Monte-Alegre.
Degresses pelo rio Curupatuba, Lago Grande de Monte-Alegre
e rio Maycur at o Cavado, canal artificial que communica o
Maycur com o rio Paytuma.
Descida por este ultimo, travessia atravez das campinas alaga-
das, passando-se junto Ponta de terras elevadas onde est ium
nucleo de povoao, chamada Cuar.
Entrada e subida pelo rio Erer, e visit povoao junto a
serra d'este nome.
Regresso pelo Erer e travessia pela campina alagada at o
Curupatuba, e por este at o porto de Monte-Alegre.

N'este itinerario gastei 52 dias de viagem contiuua, desde mi-
nha partida de Obidos, no comprehendendo n'esse numero os dias
de demora em Obidos, Sanitarem e Monte-Alegre, navegando das
1 112 da manh at s 4 ou 6 da tarde, interrompendo a viagem
somente o tempo necessario refeio e s descanando a tripula-
,:o depois da chegada ao pouzo, onde eu aproveitava o resto da tar-
lde para coordenar as notas incessantemente tomadas durante o dia.
Avaliei em 8t2 milhas a distancia por mim percorrida.
No preciso expor aqui as privaes, fadigas e mesmo perigos
que me acompianharam e que, como o sabem os homes experi-
mentados, so quasi inevitavelmente inherentes s viagens feitas
em canuas por ii .. pela maior parte, tam pouco frequentados,






- 12-


e em uma estai:i em que falham todos os recursos e elements
favoraveis, ao mesmo tempo que a cada passo se tem de lutar
com mil tropeos e contrariedades que se accummulam no cami-
nho que se trilha.
Uma unica compensao acoroa o viajante em taes condies:
a maior facilidade que encontra de poder apreciar pausadamen-
te os paineis da natureza e o desenvolvimento de suas foras na
estructura e nas modificaes infinitamente variadas dos entes orga-
nisados, particularmente dos que pertencem aos dominios da Flora.
E' isto sem duvida uma bella compensao, ou, para exprimir
melhor o meu pensamento, uma suave consolao; mas tam in-
soffrivel o isolamento em que o home se senate collocado nessas
solides, e a somma de incommodos tam avultada, que pode elle
considerar o termo da viagem como um dos dias mais felizes de
sua vida.
Quando cheguei a Santarem a tripulao estava estenuada: dons
remeiros haviam adoecido e a minha saude se achava bastante de-
teriorada. Estas circumstancias obrigaram-me a abandonar um dos
pontos importantes do meu programma: a subida do rio Tapajs
at as suas cachoeiras inferiores.
Fiz regressar a Obidos a tripulao e segui para a capital para
procurar restabelecer-me, voltando pouco tempo depois ao Ama-
zonas para concluir os meus trabalhos no district de Monte-Alegre.

Eu havia redigido o meu relatorio englobando no assumpto
principal outros que lhe so estranhos. Dou-lhe nova organisao
dividindo-o em duas parties: a 1.a comprehende simplesmente o
que propriamente do dominio da estatistica; a 2. como um
appendice contend o desenvolvimento de aluns dos artigos in-
dicados na primeira parte.
Assim, por exemplo, inclui n'ella uma noticia quasi complete






-13-


sobre o curso do T;iI L i'". e outra incomplete sobre o Trombetas
la Jamunda; resenhas sobre o process da cultural do cacdo e do
Iuparand e sobre o succo leitoso da macaranduba, succedaneo da
(;lita-percha; uma 1i.i \i 1 i sobre os limits das provincias do
Pa;i e Amazonl entree si, e assim outros assumptos que foram
igualmente destacados da 1." part.
No faltarro lacunas e provavelmente uma ou outra aprecia'o
ou i i, i. 1,,. inexacta n'este trabalho; direi mesmo que impos-
si\vel nio havel-as. Mas fiz o que pude e, creio poder dizel-o, fiz
mais do que me permittiam os recursos minha li.1 .l.. -
Agora o que convm e que outros corrijam o que est feito e
conlinuem o que tenho iniciado.


D. S. FEBnEnRA INN'A\,














DE OBIDOS A FARO.
*
Sulnnuario.-OBIDOS, SEU ASPECT, POSICO, CLIMA, SALUBRI-
DADE E POPULAO; ESTADO DE SUA INDUSTRIAL
EM GERAL.-CACOAL IMPERIAL.-EXTINCTA CO-
LONIA MILITAR.-RECORDAES HISTORICAS.-
VIAGEM A FARO.

Quando, depois de deixar-se Santarem e as barreiras de Pari-
caluba, navega-se para o poente at alem da ponta Sul da peque-
na ilha do Amador, quasi encostada a ilha grande dos Printes, a
que Tardy de Montravel deu em 1844 o nome de Boilonnaise e
a commisso de limits em 1864 o de Mamaur, avista-se uma
linha de collins de pouca altura, em cuja extremidade meridional
oin.ain a apparecer grande numero de casas que branquejam ao
long por entire as ramagens de mangueiras, larangeiras e outras
arvores fructiferas que na provincia formam o mais bello ornato
das povoaces.
Essas casas sio as da cidade de Obidos que se extended desdil
a margem do Amazonas, por um terreno bastante inclinado, at
quasi ao alto de um pequeno monte que a domina.
O primeiro edificio que se distingue de long, o Forte cons-
truido sobre uma especie de promontorio que, avanando em semi-
circulo para dentro do rio, da logar, do lado oriental, a uma peque-
na enceada ou remanso que o unico porto da cidade.
A posio do Forte 1 55' 23" de Lat. S. e 12"
21' 24." de long. O. (Rio de Janeiro)
O aspecto da cidade , comno j ficou indicado apprasivel e mui
pictoresco.






-16-


A sua situao sobre a face oriental da collina e os ventos quasi
constantes que vindos de E. modificam os effeitos da sua elevada
temperature, a qual, todavia, guard a mdia entire 280 e 30o, do-
lhe condies vantajosas de salubridade, de que nas margens do
Amazonas no se encontra outro exemplo sino ei Monte-Alegre.
Em geral, a excepo das febres intermittentes e as vezes dyar-
rhas, no prevalecem outras molestias que, como na maior parte
das povoaes do Amazonas, affligem a populao.
Obidos compe-se de 151 predios habitados, estando 2 em cons-
truco e 6 em ruinas; so dispostos em 2 praas e 9 ruas que se
cortam em angulo recto quasi todas, sendo em geral estreitas e
no caladas.
Seus edificios publicos so poucos e constam dos seguintes:
A igreja matriz, inaugurada em 1827, tendo por orago Santa
Anna; um bom templo, embora construido sem gosto. Acha-se
em bom estado, e o vigario tem conservado com decencia e zelo
os seus ornamentos e alfaias.
A capella de Bom Jesus, no alto da praa do mesmo nome. No
est acabada e no tarda a desabar. Chegou quasi a concluir-se.
tendo sido feita a custa de uma subscripo dos moradores no anno
de 1855 em cumprimento de promessa que fizera o povo 20 annos
antes por occasio da devastao dos cabanos. Informaram-me que
j esteve coberta, mas que tiraram-lhe tcda a telha e madeirame
que foi applicada em proveito particular.
O cemiterio um campo.... no est cercado. Este facto sur-
prendeu-me, porque reconheo em Obidos uma cidade bastante
adiantada em civilisao, havendo alli no s bons catholicos e excei-
lentes paes de familiar, mas muitos homes intelligentes e instruidos.
E' lamentavel que a irmandade, sob cuja administrao est o
cemiterio, o tenha deixado converter-se em pasto! Pena que a ca.
mara municipal no tenha procurado cumprir n'estas circumstancias






-17-

a disposio do artigo do seu regimento que a obriga a cuidar dos
c miterios.
A casa da camera e a cada no tem importancia alguma. A
primeira conserva-se, a segunda no offerece segurana, nem mes-
mo uma pristo com acommodaes convenientes.
O forte de Obidos o principal estabelecimento da cidade. J
dei uma ida de sua posio e em outra parte o descreverei mais
minuciosamente. E' actualmente commandado por um Coronel
reformado do exercito.
A populao da cidade foi por mim avaliada em 1,120 habitan-
tes; mas segundo o arrolamento posteriormente feito pelo collector
das rendas provinciaes em virtude da lei n. 520, o numero de
habitantes desceu a 965, divididos do modo seguinte:
Masculinos... 436 Brazileiros . 897 Livres ...... 703
Femininos.... 529 Estrangeiros.. 68 Escravos..... 262
A populao do municipio no bem conhecida; vive dispersa
por tam grande extenso de territorio, como acontece em todas
as mais comarcas da provincia, que quasi impossivel poder ser
enumerada com acerto. Creio que no ficarei muito long da exac-
tido, dando a todo o municipio 10,000 habitantes.
'Em uma relao official, organisada por ordem da policia, o
total da populao municipal no chegou a 6,000; mas este do-
cumento uma boa prova do que acabei de dizer: quasi im-
possivel obter-se uma enumerao exacta da populao.
A instruco public da cidade est circumscripta a duas escolas
de primeiras letras. Em 1867 a do sexo masculino foi frequentada
por 69 alumnos e a do feminino por 36. No 1.0 trimestre do cor-
rente anno tem sido frequentada a 1.' por 54 e a 2.a por 30.
Escola particular ha somente uma.
Houve em Obidos um collegio de S. Luiz Gonzaga, especie de,
seminario, instituido pelo Rvd. Bispo do Par, o finado D. Jos






-18-


Affonso de Moraes Torres; este util estabelecimento, por motivos
que me no souberam ou no quizerom dizer, deixou de existiri
No seu predio funcciona hoje a escola primaria de meninos.
No interior da cidade existem as seguintes casas de commercio
2 lojas de fazendas, 25 ditas e tavernas conjunctasi5 tavernas que
vendem fructas e 2 drogarias.
Tem as seguintes officinas e casas industries: 3 padarias, 2 aou-
gues, 1 quitanda, 1 bilhar, 1 loja de sapateiro, 1 dita de ourives, G
ditas de alfaiates, 2 ditas de ferreiros, 1 dita de marcineiro, 1 dita
de tamanqueiro e 1 olaria.
Fra da cidade, ha 14 casas de commercio em que se vende
conjunctamente seccos e molhados, comestiveis, joias, etc.
Obidos tem uma typographia que em fins de 1867 e principiws
de 1868 deu luz um periodic com o titulo muito seductor de
Industrial, que promettia ser de bastante utilidade; mas seus fun-
dadores ou redactores no souberam manter-se firmes no terreno
que com tanta nobreza escolheram: deixaram esse terreno, passa-
ram-se para o da political com o seu periodic que pouco depois
desappareceu por falta de assignantes.
O seu porto, talvez o mais important do commercio do Ama-
zonas, mui frequentado de canvas e barcos de vela; escala dos
vapores da 1.a linha da Companhia do Amazonas que n'elle tocam
quatro vezes por mez nas suas viagens redondas, e ponto terminal
d'uma linha mensal de ii,\ ;.:.i-. da mesma companhia contracta-
da ultimamente com a Provincia.
Trinta canvas, chamadas de regates, alm de outras menores,
esto em giro continue pelos rios e lagos, empregando-se no tra-
fico dos generous do municipio e dos de alguns districts visinhos,
ou navegando entire o seu porto e o de Belem.
Os obidenses so activos e em geral laboriosos; no despresam,
antes aproveitam todos os products naturaes que encontram, mas






-19-


applicam-se principalmente a cultural do caco e creaeo de gado.
Habituados trabalhos d'esta ordem, elles distinguem-se por
sua affeico muito pronunciada ao solo natal. So bons brazileiros
e bons paraenses, porque o Brazil sua patria e o Par sua pro-
vincia; mas so *inda melhores obidenses.
Os agricultores reputam como uma fortune o facto de se no
haver at hoje descoberto bons siringaes no municipio, porque,
dizem elles com raso, uma tal descoberta importaria o mesmo que
um golpe mortal dado industrial agricola, a qual ficaria desde log1
privada dos poucos braos que ainda lhe restam.
A cultural do caco a industrial favorite e quasi exclusive dos
lavradores de Obidos, e creio que nem-um outro municipio do Ama-
zonas possue tam grande numero de plantaes d'este genero.
As margens dos Paranamirins e as do Amazonas, desde os li-
mites da provncia at muito abaixo do Obidos, so, com poucos
itlervallos, extensas linhas de cacoaes.
A pi li. I -.. tem sido sempre animadora e raro haver um anuo,
ecmo o present, em que a sua colheta tenha sido mesquinha.
A exportao o o cacio do Obidos para Bolem no anno findo su-
I;ii a 66,405 arrobas e 29 libras.
O caf no exportado; sua producao s chega para o consum-
ini. E' cultivado em quasi todos os sitios e em muitos produz emt
quantidade animadora. As pil .iii. r.. porm, so muito limitadas,
p!,referindo-se a cultural do cacio por s(er mais facil.
O tabaco cultivado ainda em escala menor do que o caf. A
maior quantidade e a melhor qualidado que apparece no mercado
d, Obidos, proveniente dos vmocambos do rio Trombetas.
O algodo produz perfeitamente bem em toda a parte e, como
o caf, ha em todos os sitios pequenas plantaes que no do pro.
dlictos em quantidade sufficient s necessidades dos moradores.
Milho, feijo e arroz acham poucos cultivadores e esses mns-
ins t.o plantam seno em quantidades insignificantes.






-20-


Cars, batatas e inhames, alimentos tam sadios e agradaveis,
nao so conhecidos no municipio.
O guaran figurou tambem na exportao com 26 libras.
Este product procedente do district de Juruty, onde os des-
cendentes dos Mundurucs introduziram a sua crltura.
A mandioca geralmente cultivada no municipio e, todavia, sua
produco no sufficient para o fabric da farinha necessaria aos
habitantes, que muitas vezes mandam compral-a em Belem.
Na ordem dos products naturaes e extractivos, o municipio
conta muitos de subido valor.
O peixe (piraruc) de que se faz uzo geral na provincia como
a principal base da alimentao do povo, apezar dos estragos que
lhe fazem os pescadores semi-selvagem que o no sabem aprovei-
tar, ainda exist em abundancia nos lagos.
A exportao em 1867 foi de 16,367 arrobas e 16 libras.
A castanha abunda em various logares de terra firme e nos valles
de montanhas. E' o Trombetas que fornece a maior parte da que
chega ao porto de Obidos.
A exportao de 1867 foi de 10,466 alqueires.
De oleo de cupahyba foram exportadas 160 canadas.
Este product se encontra em numerosos logares do municipio,
mas a maior quantidade exportada procedente do Trombetas.
A exportao da salsa no mesmo anno foi de 154 arrobos e
16 libras. Provm tambem, pela maior parte, das terras altas do
Trombetas.
O cumart apenas figure na exportao de 1867 com 30 libras.
Alm dos artigos mencionados, exportou-se tambem uma por-
oo de toros de cedro e de falcas de itaba.
No genero de madeiras, Obidos um dos mais ricos municipios,
e o Trombetas s por si pde fornecer toda a madeira de que o
Estado precise para as suas construces durante longos annos.






-21-


Entre os products da industrial extractiva, figuram na exportao
1,267 arrobas de gomma elastic. No sendo semelhante genero
abundante ou existente no municipio, licito pensar que nos mani-
festos de cargas d'onde colhi os dados que acabo do exhibir, houve
algum equivoco ; eu-se provavelmente como procedente de Obidos
o que devia ser classificado na exportao de Santarem, ou de ou-
tros pontos que enviam aquelle genero ao mercado da capital.
A criao de gado vaccum , depois da cultural do caco, a indus-
tria mais geral do municipio; mas exercida por tantas pessoas, em
relao ao numero dos habitantes, que se pode consideral-a como
ainda em experiencias. Nem-um dos principles fazendeiros conta
mais de 1,500 cabeas d'esta especie de criaco.
No municipio lia 40 fazendeiros com 10,600 cabeas de gado,
inclusive a produco que calculada na proporo de 25 l1o.
Os campos ao SO. do Lago Sapucu, os de Mary-apixy e os do
Lago Grande, so os que contm maior quantidade de gado, por
serem tambem os melhores pastos do municipio.
A especie, si no de raa superior a da ilha de Maraji, tem-
se pelo menos conservado sem degenerar-se, e em geral igual
ar melhor gado que fazendeiros zelosos e intelligentes criam na-
quella ilha.
Este ramo da industrial rural sem duvida muito vantajoso; mas
nos districts de Obidos, como nos de Fro, Alenque-, Santarem,
Villa Franca e Monte-Alegre, tem sido muito contrariado no seu
progress por numerosas causes, entire as quaes se deve contar em
primeiro logar, as grandes cheias do Amazonas que do em resultado
a inundao total dos pastos, morrendo afogados centenares de ani-
maes que no se teve o cuidado ou tempo de retirar para as ter,
ras firmes.
A grande cheia de 1859 produzio tam grandes estragos no






-22-


gado que fazendeiros, que ento possuiam 5 a 6,000 rezes, no
contaram, depois d'ella, seno 100 a 300. Foi, dizem os habi-
tantes, um verdadeiro diluvio que cahio sobre os campos de cria-
o. Muitos criadores abandonaram a industrial, persistindo n'ella
o maior numero, mas sempre com o temor da*reproduco da-
quella calamidade.
A venda do gado em p para fora do district diminuta. O
valor de um boi em boas condies de 30i a 40. Os fazen-
deiros, porm, preferem carnear o gado, e em frma de care
secca ou de moura que fazem a principal exportao.
O product d'esta industrial em 1867 deu na exportao:
Carne de moura e secca 5,810 arrobas ; sebo 412 ditas; cou-
ros 1,700.
Aos ossos, chifres e unhas das rezes no se d valor algum no
municipio, porque no ha fabrics onde possam ser utilisados.
A criao de cavallos est ainda circumscripta s necessidades
do costeio das fazendas. Em algumas d'estas, onde lia produco
em maior escala, vo outros criadores supprir-se dos que lhes so
necessarios. Os cavallos de Obidos so estimados em Belem, por
seu porte, figure, conformao e robustez, sendo niisto iguaes,
pelo menos, aos de Santarem e Monte-Alegre.
A especie muar no conhecida nos campos de criao.
O gado miudo no se propaga facilmente nas fazendas, porque
perseguido pelo Jaguara at dentro dos curraes e pelo Jacar,
Sucurij e outras feras.
Do suino no ha criao sino em escala imperceptivel. Sublsi-
te entire o povo o prejuizo de origem hebraica e musulmada de
que a carne de porco muito perniciosa saude, esquecendo-se
assim que a boa ou m qualidade d'ella depend s e simples-
mente do alimento com que se cria e se engorda esse animal.






- 23 -


N'uma regio em que a base da alimentao do povo o peixe
salgado e a farinha, tendo entire os succedaneos a carne de animaes
silvestres (inclusive a anta) o vinho do assahy e da bacaba, causa
surpreza aquelle escrupulo para uma carne que em outros paizes
apreciada com8 um alimento innocent e muito estimado.
RENDAS PUBLICAS.-Devo dar uma ida do estado das reparties
por onde se arrecadam rendas publicas.
CORREIO.-Esta repartio no tem casa especial; funcciona na
do respective agent, cuja actividade e zelo intelligence se deve
attribuir o augmento sensivel que se nota nas rendas d'esta pro-
cedencia, como o demonstra o quadro seguinte:

Exercicio de 1865 a 1866 ............ 340i'180
1866 a 1867............ 431380
1867 a 1868 ............ 549890

CAMARA MUNICIPAL.-No tenho observao alguma a fazer a
respeito d'esta camera, que, como todas as cameras do paiz, no
tem uma organisao que faa d'ellas uma instituio util aos in-
teresses dos habitantes; , como todas, o orgo politico dos mu-
nicipes, sobre os quaes, em compensao, faz pezar muitos impos-
tos! Os defeitos da sua organisao so conhecidos em todo o paiz,
e no ha agora opportunidade de discutir isto, mas sim de saber
o estado das rendas da camera de Obidos.
Dou aqui um quadro da sua receita e despeza nos quatro an-
nos decorridos de 1864 a 1867.

ANNO. RECEITA. DESPEZA. SALDO.

1S6'- 2:761W076-2:711,W51- 404625
1865- 8:7725017-7:963M060- 8084937
1866- 6:080O686-5:891,543- 1294142
1867-11:227498-9:381690-1:8i55,800
l.o trimestre de 1868- 7:091,%469-2:9738183-4:118286






- 24 -


D'este quadro se v que a camera tem sido zelosa na distribui-
o de sua receita. O procurador da camera, assim como outras
pessoas de boa -ii'l .i... i. em Obidos, informaram-me que o aug-
mento notavel da renda municipal , em boa part, devido ao es-
tabelecimento da agencia da companhia do A lazonas n'aquella
cidade em principios de 1867, pois que o Agente com o zelo
com que desempenha seu cargo, auxilia a i-i. ii .,,i '", dos impos-
tos no acto do embarque, dando-se a nio pequeno trabalho na con-
ferencia das cargas despachadas e embarcadas.
COLLECTOiIA PROVINCIAL.-As collectorias da provincia e parti-
cularmente as do Amazonas, com rarissima excepo, no davam
at o armo de 184'8, vantage alguma fazenda em vista do seu
pouco rendimento, ou, para melhor dizer, em vista da falta de zelo
e exactido da part dos arrecadadores. Umas eram administradas
e outras arrematadas; mas em qualquer dos casos o negocio era
sempre peor para a fazenda do que para os seus procuradores.
As cousas andavam neste caminho quando o conselheiro Jero-
nymo Coelho tomou as redeas da administrao. Este home,
administrator pratico que tudo via, de tudo cuidava com aquelle
grande zelo e robusta intelligencia que lhe valeram o just titulo
le primeiro administrator do Par, e a merecida estima de todos
os homes de bem, reconheceu desde logo a necessidade de reor-
ganisar as collectorias e tratou de collocal-as em condies mais
uteis ao interesse da fazenda.
No poude isso se fazer de prompto, mas ficou-se conhecendo
a necessidade da reform que mais tarde se realisou e depois da
qual melhorou consideravelmenti a arrecadaco.
A COLLECTORIA de Obidos march; regularmente o sem outro em-
barao alm da dilficul;ide de arreca!ar-se os impostos em lo-
gares remotos, onde facil illudir-oe s diligencias dos colectores.
As rendas arrecadadas vo em agmentio como se pde avaliar
pelas dos annos seguintes tomadas ao acaso:






- 25 -


1887 a .. ............ 1:21l75970
1848 a 189 .............. 2:295O000
1851 ............. 2:6388,420
1852 ............. 1:68,1 905
*1853 ............. 1:8805412
1867............. 6:5934812
O augmento da renda em 1867 sobre a de 1851, que foi a
mais avultada das constantes do quadro acima, importou em
3:955r5392.
No um augmento animador, mas indica progress ainda que
lento.
A collectoria das rendas geraes, no exercicio de 1866 a 1867
arrecadou a quantia de 7:268i417.

Obidos a cabea d'uma nova comarca creada em 1867 pela
lei provincial n. comprehendendo em sua circumscripo ju-
diciaria o seu municipio e o de Faro.
N'esta cidade tem sua residencia o juiz de direito da comarca,
e o juiz municipal que accummula as attribuies do dos orphos.
O conselho do jurados, e a camera municipal reunem-se re-
gularmente nas pocas marcadas.
O jury tem em geral pouco a fazer por no haver muitos cri-
mes a julgar.
Fora publica.-Em Obidos ha um batalho de guards na-
cionaes do servio activo e uma seco de companhia do da re-
serva.
O batalho acha-se organisado do modo seguinte:
Estado-maior,-com 1 official superior que o tenente-coronel
sommandante e 4 subalternos.
Estado menor-com 3 officiaes inferiores.
Companhias 4, com 16 oificiaes, send 4l capites e 12 subal-
ternos.
1'/i ..sc' de ordens-48 cabos e 8 cornetas e tambores.






-26 -


Guardas 1,089.
Todo o pessoal-1,185.
Todos os guards e officiaes esto fardados e uniformisados.
Pertencem ao commando superior de Santarem.
A seco de companhia de reserve compe-se le
2 Tenentes.
1 Alferes.
4 Inferiores.
6 Cabos.
1 Corneta.
303 Guardas.
Ao todo 320.
A somma total do pessoal alistado no servio activo e de reser-
va pois de 1,505.
Do servio activo acham-se actualmente destacados 72 praas
que fazem a guarnio do Forte, sendo commandados por um ca-
pito.
Para o servio da guerra actual com o Paraguay, Obidos e seu
municipio tem dado o seguinte contingent:
Guardas nacionaes designados........ 57
Voluntarios ...................... 42
Recrutas ........................ 22

Total ....... 121
T'erritorio.-Este municipio como todos os mais da provincial,
a excepo de alguns da Ilha de Maraj, no tem limits conhe-
cidos e precisos, nem mesmo com os districts visinhos.
Fra das margens do Amazonas e da parte d'alguns rios nota-
veis, ou da bocca d'alguns lagos e igaraps, tudo mais completa-
mente desconhecido; nem mesmo o regato corajoso e atrevido
tem penetrado muito long, pois que suas excurses acabam onde
comea o desert.






- 27 -


E' pois impossivel determinar a superficie do territorio, como
o tem pretendido fazer alguns geographos sem um conhecimento
mais avanado do que o que hoje temos d'esta e de outras parties
da provincia.
Para no me arriscar a commetter erros que, mais do que a
mesma ignorancia, podem ser prejudiciaes a aquelles que nas
escolas comeam a apprender as cousas do paiz, prefiro guardar
complete silencio sobre este assumpto. No quero introduzir
notas falsas na circulao dos estudos scientificos.
CACOAL IMPERIAL.-Antes de deixar Obidos, devo fazer men-
o de uma propriedade que o Estado possue n'este municipio.
Refiro-me ao cacoal que existe junto a margem direita do Ama-
zonas, muito abaixo da cidade.
Esta propriedade constant de um extenso terreno com plan-
taes de caco e com uma pequena casa coberta de palha, tem
passado por diversas phazes.
Tendo ao principio pertencido a um particular, passou, no sei
porque modo, a fazer parte dos bens d'uma alda de indios admi-
nistrada pelos Regulares da companhia de Jesus, o que o mes-
mo que dizer,-o cacoal pertencia aos jesuitas, que com os bra-
os indios d'elles colhiam abundantes fructos.
Publicado o celebre alvar de 7 de junho de 1755 que tirou
aos mesmos jesuitas a administrao temporal dos indios das aldas
regias, e expedido o alvar de 17 de agosto de 1758 que creou
o directorio para as mesmas aldas, o cacoal real passou a fazer
parte dos bens do commum e, como tal, administrado pelo res-
pectivo directorio.
Tendo, porm, a carta regia de 12 de maio de 1798 abolido
os directorios das aldas, o cacoal foi encorporado aos proprios da
real fazenda.
D'essa poca at a independencia e ainda at o anno de 1830,
deu-se ao cacoal um administrator pago pelo thesouro public,






- 28-


devendo o administrator residir cm villa Franca para melhor
poder inspeccionar o estabelecimento, cujo product era ento
vendido em hasta public.
Em 1831 extinguio-se o logar de administrator, e desde o anno
seguinte comeou-se a pr em pratica o system le arrematao
dos fructos ou products do cacoal. E' o system que ainda hoje
se segue.
Depois de tantas vecissitudes porque tem passado o cacoal, res-
ta ainda dizer a ultima palavra a respeito do modo de tirar-so
d'elle o melhor proveito possivel. Em minha opinio essa ultime
palavra deixar-se o Estado de querer passar por competitor dos
agricultores: vender-se o cacoal a quem mais der, mesmo por-
que o governor do Estado tem, como proprietario, dado exuberan-
tes provas de que pessimo administrator.
A prova do acerto da minha opinio est no decrescimento cons-
tante do estabelecimento.
O cacoal que dura ha mais de um seculo, nunca foi replanta-
do, nem melhorado; pelo contrario, tem perdido uma decima par-
te do que era: chegou a ter mais de 40,000 ps de cacaoeiros e
hoje no excede talvez de 4,000.
Os unicos documents que tenho a respeito do valor das arre-
mataes das colhetas do cacoal so os que se referem aos 2 trien-
nios seguintes:
Triennio de julho de 1862 a junho de 1861: importancia da
arrematao 1:100%000, correspondendo a 366^666 em cada
anno.
Triennio de julho de 1866 a junho de 1867: importancia da
arrematao 1:7005000, que corresponded a 566^666 por anno.
RECORDnAES HISTORICAs.-A cidade de Obidos teve uma origem
toda military; diria melhor, a sua existencia devida ao facto de
passar o Amazonas todo ali por um estreito canal.
Quando em 1697 o Capito General Antonio d'Albuquerque






- 29 -


Coelho de Carvalho subio ai o Rio-Negro com o fim de inspecio-
nar e regular a administrao no Serto da capitania, chegando a
aquel!e estreito achou a situao tam vantajosa para uma fortifica-
o que immediatamente mandou ao superintendent das fortifi-
caes, Manoel d(a Motta e Siqueira que, em vez do forte que es-
te devia construir no Ituki, fosse fabrical-o em outra paragem
(diz o gen-ral em sua carta ao Rei) acima do Tapajs, no Rio das
Amazonas, da part do norte, onde estreita de qualidade que
qualquer pea alcana a outra parte, e fica pouco distant da bocca
do rio das Trombetas.
Manoel da Motta no se fez demorar n'esta deligencia e applicou
toda a sua actividade na construco do forte.
Para esta obra, como era costume, foram chamados os indios
que residiam mais perto e estes deviam ser os que habitavam no
logar ou junto ao Lago que alli existed.
O nome de Pauchys dado a esses indios que desde ento for-
maram alli uma alda, parece uma corrupo de Epaua-uchy ou
Epauchy, a palavra-epaua, significando logo.
Formada a alda, a custa da fortaleza, deu-se aos Indios Pau-
chys dous missionaries capuchos da ordem da Piedade, foi crescen-
do a ."i. .i no s com os recursos da fortaleza, mas com a
.,.1,.li,'. de novas families indigenas que para alli se mandava.
O forte subsistio mais de um seculo. D'elle porm j no exis-
tia ..''.. o logar quando em 1854 se tratou de construir outro
qne o actual.
Em 1758, a aldea dos Pauclhys, quando menos esperava,
fui elevada cathegoria de Villa com o nome de Obidos pelo Ca-
pito General F. X. de M. '...li.1n Furtado que foi em pessoa ins-
talal-a com a solemnidade possivel.
Pouc tempo depois, sabendo que a villa no apresentava in-
dicios de progress por falta de il iiul., mandou transportar
para dlia todos os Indios Bares que se achalam aldeados e esta-






-30-


belecidos junto bocca do Curu do Norte, onde tinham formado,
sob a direco dos seus dous missionaries capuchos, uma povoao
que o mesmo governador n'aquelle anno havia condecorado com
o titulo do Logar sob a denominao de Arcozello.
O titulo de cidade lhe foi dado em 1854 peta lei provincial
n. 252.
EXTINCTA COLONIA MILITAR.-Dispostos com grande demora e
difficuldades os arranjos de viagem para Faro e resolvido a visi-
tar de caminho as principles fazendas de creao, preparei-me
para chegar quella villa passando pelo Trombetas subindo pelo
Jamund, e parti de Obidos para a colonia military, hoje extinct,
que fica junto bocca septentrional do Trombetas.
Esta colonia que parece ter sido creada sem os conselhos da
experiencia, mal organisada e mal administrada, teve ainda para
apressar a sua ruina, de experimentar desde logo a violao do
unico artigo de seu regulamento que podia amparar sua existen-
cia, aquelle que garantia ao soldado a propriedade do terreno por
elle cultivado e dos fructos que tirasse d'esse trabalho.
Em Obidos como no Araguary, alguns soldados, logo que che-
garam colonia, cuidaram de cultivar seu lote de terras; mas
quando dous d'elles estavam em vespera de colher os fructos que
plantaram, uma simples ordem os rendeu chamando-os capital.
No foi preciso mais um exemplo para que os soldados, vendo
destruida a esperana de se fazerem proprietarios, se guardassem
de former novas plantaes. O desanimo foi geral e, desde que
este golpe foi desfechado, a colonia no tinha outro element de
existencia e permanencia se no sacrificando o governor avultadas
sommas com o seu pessoal e com os viveres, porque ellas o no
produziam.
Effectivamente foi o que aconteceu. A colonia viveu em quanto
o governor a sustentou, dando-lhe tudo que era preciso vida,
posto que ella nem um servio prestava. As casas comearam a






-- 31 -


caiic em ruinas. De 255 colonos mandados vir pela compnnlia
doi Amazonas e que para alli foram mandados em 1 854, no res-
tava um ao menos em 1863.
Em 186G, o president deo-a por extincta, porque para isso
tambem s faltt'a a declarao official.
Em um relatorio, que anteriormente appresentei ao governor,
mencionei que das cosas da colonial s restava uma em p, a ca-
pella no concluida e o territorio. Repito ainda aqui que ne-
cessrio aproveitar-se esse pouco que resta, vendendo-se em lasta
public a quem mais der, por qualquer somma que seja, para se
no perder de todo os 114:000000 que o Estado despendeu
com essa inutil colonial.
No estado em que se acha este estabelecimento, tudo que vieer
da venda dos bens restantes lucro, e today a demora, escrupulo
ou formalidade de repartio public prejiizo certo e infallivel
para o Estado.
A extenso do terriiorio da extincta colonia de cerca de 2
leguas de frente. E' limitado ao S. pelo Amazonas e Trombetas
(passando a linha pelo Paranamirim d'este rio), a E. pelo Lago
Surubij, ao N. pelo Igarap Cassamb comprehendendo o Lago
Curum, e a O. pelo Lago Kirikiri.
As terras so boas para cultural e contm boas pastagens, e penso
que os bellos valles da serra Curmn ho de, cedo ou tarde, ser
preferidos s varzeas para a cultural do caco, caf e mesmo da
cana de assucar.
Ha no territorio da colonia, como em todo o municipio, mor-
mente nas margens do Trombetas, madeiras as mais valiosas e es-
timadas para a toda a sorte de obras, mas que no tem sido
aproveitadas pelo commercio porque uma lei o prohibe!
VIAGEM A FARo.-Partindo da colonia, 5 minutes depois en-
trei no Trombetas pelo seu pequeno brao que tem o nome de
Maria Thereza, sahi no rio grande, como dizem os praticos, pas-






-- 32 -


sei a fz do Cuxuiry que um Paranamirim do Amazonas, e
mais acima deixei o Trombetas e entrei pelo rio Jamund, seu
amfuente, qua aqui chega com o nome mesquinho de Igarap Sa-
pucu.
Jamund acima at a bocca do Lago Sapucu O.
Uma visit a este lago at suas cabeiras para admirar sua lar-
gura de 1 a 3 milhas e sua grande extenso de 15 a 18 milhas;
para admirar sobre tudo o contrast de suas margens: campinas
nivelas ao S.; terras altas, ao N., povoados de sitios, aqui e ali,
por entire cafezeiros, algodoeiros, laranjaes e mangueiras.
Atraz de tudo isso a Serra Cunury que tem mais celebridade
na fabula das Amazonas do que altura e importancia orographica.
-Fazendas de gado de um lado, mas muito long (3,000 cabeas);
numerosos sitios de cultural do outro lado, mas em ponto pequeno.
Regresso ao Jamund.
Jamund acima; rio estreito (120 a 130 metros.)
Correnteza de 1 112 a 2 milhas.
Agua cr da do Amazonas porque de l vem boa part.
Sinuosidades e fitas do matto de um lado e do outro; lagos
pequenos atraz do matto, acompanhando a margem.
Ao N. Igarap Mari-apixy para o lago assim chamado e para
o Piraruac, ambos rodeados de fazendas de gado. Cacoaes mar-
gem do rio.
Ao O. Furo da Paciencia que vem d'aquelle lago.
Ponto do Repartimento.
Aqui est, no o repartimento das aguas, como se devia dedu-
zir do nome do logar; mas sim a junco das do Paranamirim do
Amazonas que entra de E. com as do Jamund que vem do S.
Jamund, limpo, transparent e semi-ceruleo.
Paranamirim, amarellado, lodoso e opaco.
Este, estreito (50 metros) pigmeu, arrebatado e violent,
obriga aquelle outro, largo (300 metros), calmo, masgestoso in-






33 -
dolente e fraco, a desistir de entrar no Amazonas e arrasta-o para
o Trombetas.
Continua-se Jamund acima; planicie sem fim, lagos por toda a
parte (no inverno smente) e sempre a fita de matto. Tudo inun-
dado. *
Furos, e mais lagos, alguns d'estes muito extensos.
Fazendas de gado.
Emfim, terra firme e pedregosa; signal que Faro est perto.
Paranamirim a esquerda; um emissariosinho do Amazonas
que bem o denuncia a cr da suas aguas lodosas.
Defronte, ponta do continent. Adiante dous canaes largos, a
esquerda e a direita.
Ilha grande e rochosa no meio; outra menor adiante.
Ahi est o Lago Grande de Faro. Terras altas ao N e os
montes que ao long guardam o lago a O.
Duas milhas mais, a travez do lago, tem-se chegado a Faro,









II.


DE FARO A MARAC- UASSJ.


Sillnlnlarlo.-VILLA DE FARO, SITUAO, ASPECT, CLIMA E
SALUBRIDADE, SEU ESTADO ACTUAL E INDUSTRIAL
DOS MORADORES DO MUNICIPIO.-PROJECTO DE
TRANSFERENCIA DA VILLA E DE NAVEGAO A VA-
POR.- RECORDAES HISTORICAL. -- REGRESSO;
TRAVESSIA DO AMAZONAS; EXTINCTA FREGUEZIA
DE JURUTY.

Na extremidade occidental de um bello lago com 3 milhas de
extenso e 2 de largura, rodeado de terras altas e pedregosas,
except do lado do sul; ahi onde o Jamind, deixando os pequenos
montes que bordam suas margens, desemboca n'uma vasta planicie
innundada cada anno pela superabundancia das aguas do Amazo-
nas,-est situada a villa de S. Joo Baptista de Faro margem
esquerda d'aquelle rio sobre uma larga ponta que desce do Norte
com inclinaco commoda at a beira d'agua, onde terminal em
praia de ara alva.
As duas linhas de montes que acompanham o rio o que de-
fronte e ao S. do lago se abaixam at confundirem-se com a plani-
cie, o estenso lago com suas aguas aniladas; o contrast da plan-
cie que alli perto comea com a serra fronteira villa, e a entrada
larga e magestosa do Jamund do a localidade um aspect natu-
ralmente aprsivel e, d'algum modo, grandiose.
O clima muito calido, mas os ventos geraes modificam muito
a intensidade do calor. As noites so ordinariamente frescas.
Segundo estou informado niio reinam na villa molestias epide-
micas a excepo d is febres intermittentes que so gcracs na pro-






- 35 -


vincia. Os habitantes,. io obstante a m escolha de alimentao
de que fazem uzo, so ordinariamente sadios.
A villa compe-se do uma praa, .duas ruas, tres travessas,
comprehendendo em seu perimetro uma igreja que a mtriz, a
casa da camera e cada, 16 casas habitadas inclusive as 6 de com-
mercio, e 34 que podem ser hlbitaveis, mas que pela maior part
no tem portas.
O numero total dos moradores de 78.
A vilia teve outr'ora grande numero de casas que foram desa-
bando, umas apoz outras, restando hoje smente as que enumerei,
ao passo que ninguem ha que edifique ou reedifique.
S Tudo, nortanto em Faro indica desanimo, desolao e deca-
dencia patente.
Assim, apezar de achar-se collocada n'uma situao das mais
agradaveis da provincia, presumo que a villa difficilmente poder
reassumir sua tal ou qual prosperidade que fruira na poca em
que abundavam indios, os quaes, obrigados pelos missionaries e
membros do directorio, entregavam-se a agriculture e a outras
industries uteis.
A matriz, bem que velha e mal construida, vai sendo conser-
vada, graas aos cuidados e zelo religioso de 4 ou 5 moradores
e do seu velho e bom parocho que faz fudo que lhe possivel
para ter sempre em maior decencia e aceio a sua igreja; ella
porm no resistir muito a ruina que a ameaa, devida a fraque-
za de sua construcao e aco do tempo.
A cadeia no tem segurana nem aceio.
A casa da camera que adjuncta a cadeia mal tem commodos
para as sesses que sio raras e para a sccretrria. O seu archivo
pobre, mas n'elle achei o precioso registro e acta da inaugura-
o da villa. A camera no tem rendas para reparar a casa de
suas sesses. Convem que o governor da provincia preste-lhe os






- 36 -


auxilios precisos para esse fim, assim como para reparos da igreja
matriz.
Na praa que tem o nome de S. Joo Baptista existe ainda o
primeiro e unico monument do tempo da instalao da villa: o
Pelourinho, pequena column de Itauba que me afirmaram ser o
mesma alli levantada em 27 de dezembro de 1768.
INSTRUCO PUBLICA.-E' escusado dizer que em Faro no ha
outro genero de instrucco sino ode primeiras lettras, pois que o
no tem outras localidades importantes, como Obidos, Santarem e
Monte-Alegre.
A escla de ensino primario foi frequentada em 1867 por 41
alumnos, e actualmente o por 50.
INDUSTRIA.-Na villa no ha industrial alguma por falta de po-
pulaio; a que houve no seculo passado era a defiao e tecidos de
algodo e uma olaria. Nada d'isso hoje existe. Fallarei portanto
smente do municipio.
A principal occupaao do povo a pesca do peixe-boi e pira-
ruc nos lagos, na poca da vazante.
O piraruc vale em primeira mo 4 a 5000 por arroba e sua
exportao regular 3 a 6,000 arrobas.
Estas differenas de valor e quantidade dependem da maior ou
menor abundancia de peixe, ou o que significa o mesmo, do maior
ou menor crescimento do Amazonas.-Grande enchente, vero
abundante,-tal o adagio dos pescadores.
A exportao d'este product no anno passado (1867) foi de
3,354 112 arrobas.
Cacdo no cultivado como genero de commercio seno bei-
ra do Amazonas, do Paranamirim do Bom Jardim, e em alguns
pontos do Jamund, a partir do Repartimento para baixo.
Em muitos silios de terra firme ve-se tambem plantaes mas
sem applicaes ao commercio, ou fornecendo mui poucas arrobas.
Em 1867 a sua exportao foi de 1,372 arrobas.







- 37 -


Cumpre porm notar quie a exportao d'este genero, como de
muitos outros, confundem-se nas resenhas officials com a de Obidos.
Algodo foi outr'ora o genero mais cultivado e mais em voga;
(s habitantes cuilavo de sua plantao com esmero; a producao
era a mais satisfactoria; as indias empregavam-se quasi todas na
sua fiao e em tecer redes e pannos grossos. Vendia-se assim o
algodo em obra e em bruto, de modo que constituia ao mesmo
tempo uma occupao until e um excellence recurso industrial do
logar.
Mas os indios desappareceram e no ha hoje plantao de algo-
do em parte alguma, a no se considerar como tal alguns ps
que vegetam n'um ou n'outro sitio, mais como prova da proprieda-
de maravilbosa do terreno para este artigo, do que como indicio
de que a suacultura ainda estimada no paiz,
E' tam sensivel essa differena do tempo passado para o pre-
sente, que hoje quem precisa de fios de algodo para uma rede,
manda comprai-os em Obidos, ou no Par, porque ha aqui abun-
dancia d'elles, vindos dos Estados-Unidos !
Cultiva-se algum tabaco que seria da melhor qnalidade si no
process imperfeito de sua preparao no perdesse metade de
sua estima. A quantidade produzida mal chega para o gasto dos
moradores.
Caf-vem optimamente, mas s cultivado nos sitios para
consummo dos seus dons. *
A.roz, nilbo e feijo no apparecem seno como amostras.
Cars, batatas, inhames, generous alimenticios tam nutritivos,
como sadios e agradaveis so completamente desconhecidos na
cultural do municipio.
Mandioca cultivada em today a parte, porque a farinha deno-
minada d'agua com o peixe a base da alimentao do povo.
Em todas as campinas alagadas vi extensos arrozaes selvagens
que no so aproveitados.







- 38 -


Informaram-me que a causa d'isto o incnommodo proveniente
da colheta d'este cereal, porque tem a casca coberta de escamas
aciculadas que a cada moment penetram na pelle de quem o vai
apanhar ou preparar.
Em outros terms quer isto dizer: Em quanto houver peixe e
farinha o povo no se alimentar d'outra cousa.
A respeito da c,, ~,,n' de gado, o municipio de Faro est mais
ou menos, nas mesmas condies do de Obidos: Grandes e uber-
rimas pastagens que no inverno se alagam, e grande numero de
creadores; mas nem-um grande creador.
A industrial de creao muito estimada no municipio; mas a
formidavel inundao de 1859 que destruio a maior parte do
gado, causando prejuizo consideraveis aos fazendeiros, trouxe-lhcs
tal desanimo que desde ento se tem notado sensivel vacilao na
march e progress de tam bella industrial.
Ella, todavia, tende a reanimar-se em vista da perseverana
com que alguns fazendeiros intelligentes tem continuada a dar in-
cremento e vigor a seus estabelecimentos ruraes.
Devo ao sr. tenente-coronel Meirelles, agent da companhia
do Amazonas em Obidos, uma relao nominal dos fazendeiros
dos dous municipios de Obidos e Faro contend o numero de ca-
beas de gado vacum que cada um possue.
Segundo esta estatistica que em geral est de acordo com as
resenhas que colhi nos logares por onde transitei, o municipio
de Faro conta '16,380 cabeas de gado vacum, incluindo-se n'es-
te numero a produco, e 34 fazendeiros de creao. no se con-
tando os que como takes se intitulam e que tem menos de 100 ca-
beas de gado ou mesmo smente 20.
Das 34 fazendas nem-uma tem mais de 1,500 cabeas, e lia
s quatro que possuem mais de 1,200.
O district de Faro export raros bois em p. A *.\l,',






- 39 -


se faz em care salgada, regulando annualmente 5,000 arrobas.
No consta qual a exportao de 1867.
Com este product exporta-se tambem couros seccos, salgados
e verdes, cujo numero em 1867 foi de 293.
De sebo forai- exportadas apenas 5 arrobas.
Por causa da difficuldade da .. \1p':'i ii: em p, o gado tem
no district de Faro um preo relativamente baixo. Cada boi que
no Par valeria 60$, vende-se nas fazendas de Faro por 2515
raras vezes 30;.
De Santarem, de Obidos e sobretudo de Camet affluem ao
district de Faro annualmente, pelo vero, numerosos negocian-
tes ou especuladores que alli vo a salga e a compra, uns de care
S seca, e de peixe salgado, outros de falcas de itauba, regressando
com seus barcos carregados, certos de que faro um bom nego-
cio, e realmente o fazem.
Nas fazendas cria-se tambem cavallos. Vi no retiro da fazenda
Paraizo, propriedade do sr. dr. Marcos, juiz de direito de Obi-
dos, alguns animaes desta especie que pareceram-me de bello
porte e figure, iguaes aos de Obidos. A quantidade produzida
no sufficient seno para o costeio das fazendas.
Alm dos products mencionados, Faro export outros cujo
valor e quantidade no figuram ordinariamente como seus, por
serem embarcados em portos de outros municipios; taes so, en-
tre os principles, os seguintes:
Casta'nhas, de que uma boa parte procede do Trombetas. A
exportao deste artigo em 1867 foi de 1,192 alqueires.
Oleo de cipahyba, procedente do Jamund e principalmeiie
do Pratuc. No mesmo anno exportaram-se 1,320 libras.
Cuimar. A exportao foi quasi imperceptivel; somente 32
libras. A produco dos fructos sujeita a ii i,.i-,, periodicals,
havendo abundancia de tres em tres annos, cm cujo decurso che-
ga as v ezes a faltar totalmente.






-40-


O municipio tem em abundancia um product capaz de enri-
quecel-o: fallo das madeiras, tam preciosas como diversas em
qualidades, usos, consistencia e valor, para todo o genero de
obras, desde a mais delibada pea de mosaico e de talha, at os
pesados esteios, vigas e quilhas de embarcaes..
Estas madeiras esto para Faro e para o paiz em geral, no
mesmo caso do thesouro do avarento, que o no aproveita nem
deixa a outros aproveital-o. Indico aqui algumas madeiras segun-
do uma relao que obtive no logar.
A itauba, tam estimada na navegao, frma as vezes colonies
no meio da floresta, facto mui raro na provincia.
Guariuba, madeira vermelha, propria para mobilias e cons-
truces navaes.
Jabutip, madeira marchetada ou pintada, propria para moveis
delicados.
Cupahyba vermelha, para canvas e moveis.
Mata-matd, notavel por sua compacidade, solidez e incorrup-
o na agua ou em terrenos alagadios.
Angelim, piqui, po d'arco, rosa e violeta, bacury, sapopira,
humiry, macacauba das varzeas,
A itauba no convenientemente aproveitada por aquelles que
costumam fabricar falcas, porque em vez de empregarem para
isso a serra, s fazem uso do machado; do que result que, d'um
tronco, que daria boas doze falcas, apenas tiram duas. Estragam
assim a madeira e a desperdiam d'um modo que os selvagens
no fariam mais grosseiramente.
Cada par de falcas de trinta palmos vendido em Faro por 3
at 4A, e em Obidos por 6 at 8.

TRANSFERENCIA DA VILLA.-Alguns dos principles fazendeiros,
observando a decadencia progressive da villa, sollicitaram e ob-
tiveram da assembla provincial em 1859 a lei n. 491 transfe-








rindo a sede da mesma villa para a margem septentrional do
Lago Algodoal.
Esta localidade tem a vantagem de achar-se quasi no centro
do municipio e nas proximidades das principals fazendas de crea-
o e sitios de Fultura; si todavia attender-se a que o lago, tal-
vez por causa da sua consideravel expanso, no accessivel du-
rante o inverno, mesmo a embarcaes que navegam no Jamund
e, durante o vero, s pequenas canvas, porque, n'esta ultima
estao, fica reduzido so quasi pequenos poos, reconhecer-se-ha
que a localidade, para onde a lei manda transferir a villa, no me-
lhora as condies d'esta, nem o commercio do municipio.
E' talvez por haverem conhecido isso que os promotores da
transferencia no continuaram em seus esforos, e conservaram-se
em silencio, com grande satisfao dos habitantes da villa.

NAVEGAO A vAPon.-Em Faro e principalmente nas fazendas
e sitios, est a populao toda desejosa de ver um vapor nave-
gando effectivamente nas aguas do Jamund.
E' uma pretenao muito just a que convm attender-se com
brevidade, afim de salvar-se do abandon em que vae cahindo
aquella important poro da provincia.
Qualquer que seja a somma destinada a este fim, nunca ser
menos productive do que outras que para servios identicos se
tem decretado.

RENDAS PUBLICAS.-Na villa no ha agencia de correio. Quem
quer remetter para alli uma carta ou jornaes, ou quem d'alli quer
escrever para qualquer parte da provincia, manda um expresso
em montaria, quando no ha outra occasio de communicao.
O governor e as autoridades, quando tem de mandar para alli
officios, ou quando querem que sua correspondencia chegue vil-
la, pedem por favor a qualquer particular para conduzil-a.
D'aqui result que muitas vezes a correspondencia ou aberta


- 41 -







- 42 -


e no chega a seu destino, ou, quando respeitada, l chega com
demora de um mez e as vezes de um anno! Penso que anoma-
lias iguaes no ha em outro paiz civilisado.
A collectoria provincial no tem tido augmento algum nas
rendas. Para se conhecer isto, basta indicar as (fos tres seguintes
annos financeiros, unicos alis de que pude obter resenhas, mas
que so sufficientes para comparao. Eil-os:

1847 a 1848................. 538M666
1853 ................. 293000
1867 ................. 529 W400

Ao passo que em todas as outras villas e cidades as rendas
ho tido augmento, ainda que lento, em Faro, em 20 annos, ellas
decahem; 538666 em 1847 e 529$400 em 1867.
A collectoria das rendas geraes no sei quanto arrecadou no
exercicio de 1866 a 1867, e ainda menos no de 1867 a 1868,
porque no consegui obter esclarecimento algum a este respeito.
Das rendas municipaes tambem no tenho noticias.

O municipio no tem fro civil; faz com o de Obidos um si
termo judiciario.
At pouco tempo comprehendia duas freguezias e districts; a
da villa e a de Juruty. Esta ultima pertence hoje ao municipio
de Obidos.

A sua guard national frma uma seco de batalho de in-
fanteria, commandada por um major, e uma seco de companhia
de reserve. E' toda subordinada ao commando superior da co-
marca de Santarem.
A seco de batalho tem o seu estado-maior composto de I
major commnandante, e o estado menor de 3 ofliciaes inferiores.
E' dividido em tres companhias, tendo cada uma







- 43 -


i Capito.
1 Tenente.
1 Alferes.
Todas, reunidas, tem
9 InferiAres.
36 Cabos.
4l Cornetas.
484 Guardas.
O pessoal todo de 546 officials e guards.
A seco da reserve compe-se de
1 Tenente.
1 Alferes.
4 Inferiores.
6 Cabos.
113 Pracas.
Todo o pessoal-125.
Total do activo e da reserve 671 praas e officials.
Toda a guard national est fardada, inclusive a reserve, se-
gundo dizem os mappas.
RECORDACES HISTORICAs.-Faro, segundo as tradies e noti-
cias que obtive de various habitantes, teve sua origem em uma al-
la dos Indios Uaboys, estabelecida abaixo da confluencia do
Jamund com o Pratuc, d'onde mais tarde, quando alli appare-
ceram os reverendos padres Capuchos da Piedade, foi, a conselhos
d'estes dignos missionaries, transferida para o logar actual, jun-
Lo do Lago.
Ainda hoje os praticos mostram o logar onde existio a vellih
alda dos Uabys ou Jamunds, nome com que geralmente se
design os indios que existiam n'aquella regi5o.
Aldda dos Jamunds, Nhamunds ou Nhiamundas, segundo a
orihographia de various escriptores, foi a denominao que lhe de-
ram os seus missionaries, os padres da Piedade.







- 44 -


Em 1758 o governador e capito general Francisco Xavier
de Mendona Furtado elevou aquella alda dignidade de villa,
dando-lhe o nome de Faro. A sua installao, porm, s teve
logar 10 annos depois.
*
Esta solemnidade se fez no dia 21 de desembro de 1768. Estan-
do presents o ouvidor Feij, o vigario, e outras pessoas, procedeo-
se a pilouros para a eleio dos Juizes e Procuradores da camera,
que deviam servir no 1.o triennio de 1769 a 1771. No dia 27.
depois de levantado na praa o Pilourinho e de dar-se tres Vivas
a El-Rei Nosso Senhor, que Deos Guarde (diz o auto da instal-
lao), abriram-se os pilouros, e os que sahiram eleitos, tomaram
logo posse do cargo da Republica.
Nas posturas que foram promulgadas n'esse mesmo dia, acham-
se as seguintes disposies, que revello o empenho com que, sol
a administrao d'aquelle general. se promovia os interesses
da Republica.
Ninguem (diziam as posturas) far casas seno segundo o ris-
co deixado pelo Intendente Geral Luiz Gomes de Faria e Sou-
za, tendo cada casa funds para quintaes, em que so obrigados a
plantar pacoveiras, mamoeiros, larangeiras, limoeiros e mais fru-
ctas para abundancia dos moradores.
As casas sero cobertas de telhas, feitas na olaria da villa.
Isto se observava risca, e quem o no observava, ia para ;i
cada, ou perdia a obra comeada, conforme o caso pedia.
Depois, a relaxao metteo-se de permeio, e com ella veio ;
a perda da villa, que hoje quasi uma tapra.

Rio JAMUND.-Tendo de tratar d'este rio na segunda part,
limito-me a dizer aqui somente o seguinte:
O Jamund, confluindo com o Pratuc, corre para E., form
depois uma larga curva, entra no lago de Faro, d'onde saheji es-
treito dirigindo-se geralmente a E. N. E. Depois de deixar va-






- 45 -


rios lagos a sua margem, inclusive o ultimo que o Acarakiaua,
volta-se para o Norte, e logo ahi, no ponto chamado Repartimento,
encontra o Paranamirim que vem do Amazonas, e com elle vai
perder-se no Trombetas, seguindo a N. E.
E' d'este Repartimento, cuja significao contraria ao nome j
licou determinada, que se deixa o Jamund quando se quer ir ao
Amazonas.
E' necessario ento ter os remeiros descanados ou bem dispos-
los, afim de poderem vencer a impetuosa correnteza do Paranami-
rim, a qual todavia, em pleno vero, no oppe muita resistencia
a embarcao.
Descendo de Faro at o Repartimento e, desejando examiner o
S ponto do Amazonas, onde as cartas mais conceituadas, como a re-
cente da commisso de limits, colloco, sem razo, a foz do Ja-
mund, deixei este rio, e entrando no Paramirim, luctei muitas
horas contra a correnteza at chegar ao Amazonas.
Depois de reconhecer este ponto e suas immediaes, atraves-
sei o Amazonas no rumo S.E. e alcancei a entrada do Paranami-
rim que vai former o do Balaio. N'este ultimo que se acha a
bocca do rio Jurutv.

O VELHO JURUTY.-No me sendo possivel visitar a extinct
freguezia d'este nome, limito-me a dar a seu respeito uma noticia
geral, segundo informaes de pessoas competentes.
A planicie e os lagos, junto a um dos quaes tinha sua sede a
freguezia, esto a E. dos montes ou serra dos Parentins e ao S.
d.s do Juruty, Jar, Curumucury e Aracury.
Esses lagos prolongam-se muito para E. entire os montes ou
serras mencionadas, e no so interrompidos d'esse lado seno por
um isthmo que os isola do curso do Arapiuns, penultimo
alluente da margem esquerda do Tapajs.
Juruty foi uma alda de Indios Mundurucs (.ullatma i, ), fun-
dada ha 50 annos (1818) e sujeita a direco de um missionario com






- 46 -


todos os poderes parochiaes. Logo que os indios construiram, a
sua custa e com algum auxilio da fazenda public, uma pequena
igreja, foi a alda creada freguezia com onome de Nossa Senhora
A povoao, porm, nunca prosperou; os indies foram se ex-
tinguindo, a populao diminuindo, e, por fim, chegou a tal estado
de decadencia que os principles visinhos, perdendo a 'Iepn ,i
de vel-a florecer, pediram a transferencia da sua sede para a
beira do Amazonas.
A lei provincial de 3 de dezembro de 1859, satisfazendo a este
just pedido, autorisou a presidencia a attendel-o; o que effecti-
vamente se fez, post que com grande opposio da part de al-
guns individuos do logar.
As terras de Juruty so de grande fertilidade; mas o povo no
plant seno mandioca para o fabric da farinha e, em mui pe-
quena escala, o guaran que os antigos Mundurucs alli introdu-
siram.
Os campos de pastos so de boa qualidade, mas a creao de
gado insignificant.
A pesca a unica industrial effective do povo:

PARANAMIRII DO BALAIo.-Deixando a direita o rio de Juruty
que retrocedia com grande fora, segui pelo Paranamirim do Ba-
laio que pouco mais largo do que aquelle, tendo apenas 40 me-
tros de largura ao principio, mas variando 1-l pli, entire 70 e 100
metros.
A sua velocidade ao principio moderada a ponto de deixar
crescer tranquillamente, junto amargem a soberba Victoria Regia,
tam conhecida e admirada por suas gigantescas folhas, em forma
de forno de farinha, que por isso tem o nome de Uapuass en-
tre os indigenas, e mais admirada ainda pelo explendor de suas
magnificas flores onde bellissimas cores se combinam l'um
modo o mais aprasivel.






47 -

O Paranamirim, correndo paralello margem direita do Ama-
zonas, passa successivamente por duas serras pouco elevadas, a
do Juruty e a de Maraca-uass, distant uma'da outra 10 a 12
milhas. A corrente terminal no Amazonas j perto e quasi de-
fronte da parte iferidional das ilhas de Maraca-uass.
Defronte d'este grupo de ilhas est situada a nova freguezia
para onde foi transferida a sede da de Jaruty.



















eT








III.


DE MAPICA-UASS A ALENQUER, PELO
LAGO GRANDE.

IIIIiiiIlalrio.-MAARACA-UASSU', SUA SITUAO, SALUBRIDADE E
ESTADO DA POPULAO.-TRANSFERENCIA DA FRE-
GUESIA DE JURUTY; EPISODIO CURIOSo.-LAGO
CURUMUCURY.-ENTRADA NAS CAMPINAS.-LAGO
GRANDE; ASPECTS DIVERSOS.

A nova povoao de Maraca-uass, para onde foi transferida a
sede da freguezia de Juruty, acha-se margem direita do Ama-
zonas, de front e a 1,200 metros, mais ou menos, do grupo das
ilhas do seu nome.
Da alta esplanada em que est situada, ella domina estas ilhas e
o largo canal que as separa do continent. Seu aspect nada
tem de notavel. Nas poucas horas em que faltam os ventos que
afli varrem a superficie do rio, o calor fortissimo; as noites, po-
rem, e as manhans so mui frescas. O estado de salubridade tem
sido sempre mui lisongeiro.
A povoao conta j um bom numero de casas e no poucas es-
to em construco, ao passo quemuitos moradores vo transfor-
mando as suas primeiras, que eram de palha e mui fracas, em
habitaes regulars e commodas; este exemplo, que foi primeiro
dado pelo rvd. vigario e pelo subdelegado da freguezia, vai sendo
seguido pelos outros habitantes.
Si os moradores no abandonarem esta obra de progress da
povoao que comearam, e si voltarem as suas vistas para a a-
gricultura que a principal e mais segura fonte de riqueza, Ma-
raca-uass tornar-se-ha em pouco tempo uma escala natural dos






-50-


paque tes a vapor, e ento marchar desembaraadamente no ca-
minho da prosperidade.
A igreja sufficient para a populao actual, est bem co-
berta, caiada de branco e muito decent, indicando assim muito
zelo da parte do vigario e dedicao dos moradois pelo culto di-
vino; porm provisoria, no tendo a solidez necessaria para sub-
sistir por muitos annos.
A populao no excede de 200 almas.
Tem uma escla primaria a qual foi frequentada no anno fin-
do por 38 alumnos e no primeiro trimestre do corrente anno por
22.
As terras visinhas so boas para caf, algodo, mandioca, fei-
Io, milho, arroz e arvores fructiferas.

FUNDAO DO ARRAIAL.-O logar que acabei de descrever foi
escolhido em 1863, por ordem da presidencia, pelo habil enge-
nheiro, o sr. 1. tenente Moraes Jardim, que soube bem consultar
n'essa deligencia todas as condies vantajosas do salubridade, fa-
cilidade de communicaes e meios de prosperidade.
O president da provincia, logo que foi feita a escolha da nova
povoao, cuja plant minuciosa foi levantada por aquelle enge-
nheiro com o maior cuidado, expedio as precisas ordens para ef-
fectuar-se a transferencia da sede da freguezia, ao mesmo tempo
que o prelado diocesano dava suas ordens ao respective vigario no
mesmo sentido.
Segundo as informaes que chegaram ao meu conhecimento,
occorreram ento os factos seguintes, que constituem um episode io
curioso da historic d'essa transferencia.
Muitos moradores do velho Juruty, logo que'tiveram noticia d'a-
quellas deligencias do governor, reclamaram contra a transferencia
com visos de resistencia a todo o transe.
O vigario aconselhou-lhes que obedecessem, porque o governor
civil o eclesiastico haviam reconhecido a conveniencia da media






- 51 -


Conselho vo os jurutynos, no s insistiram com maior fora,
mas declararam logo suspeito o vigario; e, desconfiando, com bom
fundamento, de que este pretendia conduzir da sua arruinada igreja
para a nova de Maraca-uass os paramentos e imagens, foram de-
clarar-lhe formalhente que nunca consentiriam em semelhante es-
bulho!
No tranquillos ainda com esta declarao, ou temendo que o
vigario os bigodeasse, combinram nos meios de no serem illudi-
dos e, distribuindo entire si o trabalho, puseram sentinellas aos re-
feridos objects. Uma das sentinellas era o sacristo da igreja,
ardente e intolerante partidista jurutyno que os seus correligiona-
rios consideravam como o protector das imagens e paramentos,
o zelador do status quo !
Em vista de tam exaltada opposio, o vigario mostrou-se re-
signado; no fallou mais em transferencia; ficou na alda ainda
duas semanas: depois partio para Maraca-uass, onde activou a
construco da nova igreja e da casa de sua future residencia.
Os jurutynos folgaram com a retirada do vigario, sem todavia
deixarem de fazer sentinella, de dia e de noite, sendo o sacristo
uma especie de official de ronda.
Passaram-se ainda muitos dias sem novidade na igreja. Os ju-
rutynos comeavam a tranquilisar-se, e, ao passo que inventavam
epigrammas contra o seu prudent vigario, enchiam a bocca com
grandes elogios ao virtuoso sacristo pela coragem, dignidade e
perseverana com que sustentava o que elles chamavam o partido
conservador dos direitos do povo.
Uma manh, porm, quando os interessados abriram as portas
de sias choupanas e, na forma do costume,foram passar revista
igreja, ficaram estupefactos, mudos e gelados de assombro: dentro
da igreja no viram seno um unico object: a pia d'agua benta !
As imagens, os vazos, os paramentos, tudo tinha desapparecido
com o famoso sacristo!







- 52 -


Foi d'este modo, unico que em takes circumstancias era licito e
possivel, que aquelles objects puderam figurar, como deviam, na
nova sede da freguezia, na igreja de Maraca-uass.

LAGO GRANDE.-COm o nome de Lago Grand% de Villa Franca
ou com o, pouco vulgar mas muito mais significativo, de Lago
Grande das Campinas, se design especialmente a mais extensa
bacia d'agua doce que se encontra na regio amazonica da pro-
vincia do Par.
Esta parte quasi completamente desconhecida dos geographos
e, si me no engano, tambem da administrao.
Como quer que seja, era eu provavelmente um dos que me-
nos adiantados andavam a este respeito, no obstante o empenho
com que sempre procurei estudar as cousas da provincia. Seme-
lhante ignorancia molestava-me sobremodo o espirito e, para dissi-
pal-a, consultava todos os escriptos e cartas, sem que me achasse
mais esclarecido.
Assim que, tendo de percorrer various destrictos das duas
comarcas occidentaes do Par, no quiz perder esta opportunidade
de estudar aquella. interessante regio; por isso, antes de partir
de Obidos, eu a inscrevi no meu programma, como um dos as-
sumptos a estudar. E' o que tratei de executar ao larger de Ma-
raca-uass.
Quatro furos ou canaes do, durante o inverno, entrada para o
Lago Crande ou, para exprimir-me com exactido geographic,
para as campinas que o precedem do lado occidental. Estes furos
que em sua march do Amazonas s campinas atravessam uma
floresta gigantesca com extenso de 5 a8milhas, so: O Curumu-
cury, o Irateua, e os dous Muiratubas.
Entrei pelo primeiro por ser o unico que, em qualquer estao,
tem corrente permanent e, como tal, offerece muito maior inte-
resse.
A sua forte correnteza, devida presso que uma parte do Ama-






-- 53 -


zonas exerce sobre seu estreito leito de 10 metros de largura, le-
vou-me n'um moment ao sitio do sr. Alfredo Brelas, distinct
cidado da Suissa, em cuja companhia agradavel e instructive pas-
sei o resto do dia que era o de Sexta-feira Santa, o mais venerado
dos catholicos. *
Fiz depois uma digresso pelo lago Curumucury, mui pictoresco,
tanto pelas lindas praias alvas e terras altas que o rodam, e pela
approximao d'uma pequena serra, como pelas numerosas habi-
taes rusticas que povam suas margens.
Do Curumucury foi-me foroso retroceder para ir a Obidos, afim
de substituir o relogio que soffrra um dessarranjo, e munir-me
de viveres que, por um d'esses accidents a que frequentemente
est sujeito quem viaja em canvas, vieram de repente a faltar to-
talmente,
Chegado a Obdos, tive, pouco tempo depois, a fortune de ver
fundear alli o vapor Belem, cujo commandant, o sr. capito de
Mar e Guerra Pereira Leal, com seu cavalherismo habitual e nun-
ca desmentido, que lhe tem merecidamente valido a estima o
considerao de todos que o conhecem, no so cedeu-me o seu
meio chronometro, mas prestou-me ainda outros muitos recursos
valiosos.
Subindo de novo o Amazonas e ganhando a corrente do Cara-
panim, entrei pelo Furo Irateua que para os obidenses o cami-
nho mais curto para as campinas, onde sahi em poucas horas.
Sahindo nas campinas e passando successivamente pelos lagos
de Irateua, da Boca e da Porta, no rumo geral de S SE cheguei
ao igarap das Fazendas e ao lago do Sal.
A S E e cerca de 12 milhas d'este lago est o igarap
Piraquara que, confluindo com outro menor, forma a cabeceira do
Lago Grande que pouco adiante, a partir das Fazendas de S. Ama-
ro e Arary, toma as propores d'um vasto rio, largo como o pro-






-54 -


prio Amazonas, mas sem outro movimento sensivel que no seja
o do jogo dos ventos que perturbam sua superficie.
Este lago que, at sua foz no Amazonas, no tem menos de
40 milhas de extenso com largura de 112 a 2 milhas at a ponta
dos Campos, onde a margem norte desapparece nohorisonte, divide
as terras.altas e ferteis que lhe ficam a direita, das campinas ni-
veladas, a esquerda, cortadas pelo igarap das Fazendas e salpi-
cadas, somente durante o inverno, de uma infinidade de lagos de
todas as dimenses, desde 20 metros at 8 milhas de extenso.
As fazendas de gado em n. de 52, algumas das quaes no con-
tam mais de 50 cabeas, esto situadas todas n'essas campinas,
havendo somente 2 ou 3 do lado das terras enchutas ao S. do
lago.
O n." total de cabeas de gado vaccum nas 52 fazendas no
excede de 8:000, e o do cavallar mal chega a 400.
O gado esquartejado e o peixe de que, apezar do estrago que
lhe fazem os pescadores, ha ainda grande abundancia, constituem
a riqueza relative d'este ponto da provincia.
Muitosbarcos, na estao do vero, para alli se dirigem, pro-
curando uns o igarap das Fazendas, e outros acompanhando as ter-
ras altas, todos para o mesmo fim: para carregar o peixe salgado,
alguns a carne de moura ou secca e as vezes o gado em p.
N'essa poca, a ponta do Uacay, uma das mais bellas e mais
pictorescas situaes do lago, constitue-se em um centro, ou me-
lhor, em um bazar onde o commercio de permuta se faz em larga
escala entire os regates e os moradores vizinhos que alli levo
seus generous.
A margem direita do lago, com raras e mui curtas fraces do
solo, toda de terras altas, freque ntemente bordadas de bellas pra-
ias, as vezes accidentadas por massas de penedos amontoados
Se sempre revestidas d'uma vegetao vigorosa e ordinariamente
d'uma forte camada de terra vegetal que as torna de uma fertili-
dade admiravel.







55 -

Alli com effeito florece e fructifica sem difficuldade toda a sor-
te do plants uteis, adaptadas ao clima equinoxial ou intertropical;
assim, em various sitios, como aquelle onde pouzei na enceada do
Curur, tive occasio de ver cultivados com esmero, posto que
em pequena escata, mas produzindo abundantemente, o caf, ca-
co, mandioca, algodo, cana, laranjas, abios e outras arvores fruc-
tiferas.
A falta de braos, porm, alli, como em toda a regio occi-
dental do Par, o escolho em que naufraga oagricultor; o
maior e muito serio obstaculo que se oppe irresistivelmente ao
desenvolvimento da agriculture e dos inexgotaveis recursos que
se podia tirar d'estas terras preciosas, mas actualmente quasi inu-
teis para seus possuidores e para o paiz.
O Lago Grande, depois de passadas as pontas do Uacay e do Ja-
car, contrahe to rapidamente as suas margens que, pouco adiante,
passa o seu brao principal por um canal cuja largura no excede de
300 metros, e depois chega ao Amazonas por duas pequenas bocas,
defronte da ilha Marimarituba, ao p da barreira Ecuipiranga.
Esta barreira, que ahi acompanha o Amazonas em rumo NE, no
seno um prolongamento da linha de eminencias que acompa-
nham o lago desde o serro Aracury, bello monte que se ergue ao
S. do igarap do seu nome como uma piramyde conica, coberta de
abundante vegetao.
Fallo aqui unicamente do aspect que o Lago appresenta
durante o inverno, aspect que muda quasi completamente no ve-
ro; n'esta ultima estao todos os lagos parciaes desapparecem e
o mesmo Lago Grande fica reduzido a um pequeno igarap de 300 a
400 metros de largara, que ora se encosta s terras altas, ora corre
por um vasto areal ou lodaal que, na estao do inverno, , total-
mente coberto pelas aguas.

VISITA A ALENQUER.-Para se ir da foz do lago das Campinas
a Alenquer, o caminho mais commodo subir pelo Amazonas at







- 56 -


a ponta occidental da ilha Mary-marytuba,' d'onde se segue ao N.
at alcanar a ponta tambem occidental (la ilha Arapiry.
D'este ponto em diante no ha mais a lutar contra a forte cor-
renteza do Amazonas, mas basta acompanha-la; fazendo-se isso, pola
costa N., ir-se-ha ter entrada do Paranaminim de Alenquer que o
rio lana esquerda ; seguindo-se essa estreita corrente, chega-se
a uma enceadinla que lhe fica a esquerda, na entrada (las cam-
pinas.
Ahi esti, emfrente, do lado oriental, a villa de Alenquer.












DE ALENQUER A SANTARElM.

a issanario.-V-ILL DE ALENQUER; SUA SITUAC O, ESTADO
ACTUAL; PP1ODUCO, INDUSTRIAL, COMMERCIO.-
rECORDAcOES HISTORICAS.--LAGOS E RIO CURU.
--IECORDACES DE ARCOZELLO.-DESCIDA A
SANTAREM.'

ALE:NQUER est situada margem oriental d'uma pequena en-
reada, formada junto a foz do Igarap Itacarar, que alli entra
do N no Paranamirim, chamado tambem Rio d'Alenquer.
O seu aspect no offerece cousa notavel. O clima sadio,
post que o calor seja muito intense em certas horas do dia du-
rante os primeiros mezes do vero.
Uma i i i do casas caiadas, cobertas de telha e ]em conser-
,adas, quasi Ledas ao rez do cho, prolongando'se quasi de S a
N; duas ruas paralellas, cortadas por curtas travessas em angulos
rectos; a igreja matriz no meio d'uma praa; o cemitorio
public; eis ahi a villa d'Alenquer.
E' clla uma das mais bem conservadas e, posso dizel-o, a
segunda villa da proviincia.
Ella consta de cerca de 100 casas, entree as quakes ia 3 de
commercio onde se vende generous nacionaes e estrangeiros de to-
daa soeic. Tem lambem um aougue e uma padaria.
Vora da villa lia mais 6 casas de negocio.
Como succede em todas as cidades e villas da provincia, Cxce-
pio em Santarem, a casa da camera uma propriedade particular.
Tem a vila uma boa matriz, da invocao de Santo Antonio, for-
icmente coiitruida d' pedra, mas ainda no concluida por falta


IV.







- 58 -


de recursos pecuniarios. Seria convenient que os cofres pro-
vinciaes auxiliassem a sua concluso com a somma de 8 a 10
contos de ris, porque o povo, que a construio a sua custa at o
ponto em que ella se acha, no pode supporter mais essa despeza:
O cemiterio bem construido e acha-se em bom estado, dan-
do testemunho de piedade dos habitantes da villa.

INSTRUCO PnIMA.IA.-As duas escolas de ensino elementary
tiveram em 1867 aseguinte frequencia.

A do sexo masculino ............... 84 alumnos.
A do sexo feminino .............. 18 alumnas.

No 1.o trimestre do corrente anno a 1." tem sido frequenta-
da por 44 meninos e a 2." por 17 meninas.

RENDAS PUBLICAS.-Nos annos abaixo declarados tem a colle-
ctoria do municipio arrecadado as rendas provinciaes seguintes:

EXERCICIOS. QUANTIAS.
1848 a 1849 ............... 575 408
1851............... 49'1 360
1852............... 509%470
1853............... 664729
1867............... 3:122M468

Como se v d'estes algarismos, as rendas em Alemquer esti-
veram estacionarias de 1848 at 1853, provavelmente por cil-
pa dos encarregados da arrecadao; pelo menos o que se pode
inferir da comparao das rendas d'aquelles annos com as de
1867.
No tenho conhecimento das rendas municipaes; o mesmo suc-
cede quanto as rendas geraes, das quaes no pude alcanar escla-
recimento algum.







- 59 -


No ha Agencia de Correios em Alenquer; esta villa, est quan-
to a isto, no mesmo caso de Faro: o governor e as autoridades
dependem do favor de particulares para fazerem alli chegar sua
correspondencia.

O MUNICIPIO-limita se com o de Obidos a O, de Monte-Ale-
gre a E, de Santarem ao S. e com a Guayana franceza ao N, igno-
rando-se completamente a extenso do seu territorio por este ul-
timo lado.
Consta de terrenos baixos ou campinas de excellentes pastagens,
de varzeas arvorejadas onde ha numerosos cacuaes cultivados, e
de terras altas que pertencem exclusivamente ao lado do Norte,
nas quaes se encontram abundantes castanhaes.
O seu unico rio notavel, depois do Amazonas, o Curuc do
Norte, a que alguns chamam Curu-panema ou Curu-manema.
E' extenso, mas estreito, reduzindo-se as vezes poos, durante
o vero; corre paraS O at tocar ao pequeno povoado do seu nome,
j ao p da entrada das campinas, passa pelo lago tambem do seu
nome, communica-se com o Itacarar, depois perde-se no Parana-
mirim de Alenquer, acima da villa. As terras, na parte media do
seu curso, so de notavel fertilidade, mas mui doentias, como so
em geral todas as que se destinguem por aquella qualidade. E'
mormente no principio do inferno que as febres intermitentes se
pronunciam fortemente, degenerando, as mais das vezes, em per-
niciosas, com cujo character faz grande estrago nos collectors de
castanhas e drogas que abundam nas florestas.
O appellido que lhe do de Curud manema ou panema, pala-
vra que indica em lingua indigena um estado morbido, prostrao.
infelicidade, justificado pela insalubridade de suas aguas, ou an-
tes, das suas florestas miasmaticas e sombrias.
O igarap Itacarar, a que j alludi, procede das terras alas,
com quantidade mui deminuta d'agua: espalhando-se pelas cam-
pinas e rcuaindo-se depois com o furo Jabur, brao do Curuti,







- 60-


banha a villa do Alenquer e abi perde-se no Paranamirii m (td'es
nome.
Os lagos so: Curu nas campinas, porto da margem esquerda
lo Amazonas.
Botos ao O do antecedente com o qual se confunde. i..,
ao N do dos Btos, j quasi junto as terras altas e na foz do furo
Mamaur.
Tosio entire o Paranamirim do Obidos ao S., lagos Caria e
Btos ao N. e furo Mlamaur ao N O. E' o mais extenso de todos
os lagos do municipio; tres quartas parties d'ello pertencem ao
district de Obidos. Fica totalmente seco no vero; no inverno
communica-se com o Amazonas pelos furos da Arraia, do Cardoso
e do Suisso.
Os lagos Uru.xy, Carunm e Capintuba fico junto a margem
esquerda do Paranamirim, abaixo da villa. O ultimo serve do li-
mite entire o territorio de Alenquer e Santarem.
No ha lago algum com o nome de Surubijii, que tem sido cre-
ado por various escriptores.
As ilhas principals do municipio esto no Amazonas e so as
seguintes:
Arapiry entire os ramos N. e central do Amazonas; a mais
occidental.
.truparipu)cui E da antecedente e ao S. da do Surubiji.
Surubija entire o Amazonas ao S. e o Paranamirim que a se-
para do continent.
O municipio de Alenquer iio tem foro ci\il: esta ruinido ao
term judiciario de Santarem.
A froguezia da villa d 5 eleitores que votam no collegio elei-
loral de Santarem.
Alenquer entretem um conm ercio active com a cidade cujo
unme acabamos de mencionar, recebendo della generous estrangei-
rs e nacionaes e remettendo-lhe os products do :u munici-
pio.







- 61 -


No anno de 1861, segundo informaues da camera miiiiiiipa
.i *, , n... de A[iinquer constou do seguinto:


C ac o ..............
C af ... ...........
Fum o ..............
Peixe ..............
Farinha de mandioca ...
Castanhas da terra....
Ditas de sapucaia ... .


10:000 arbs
O




41,000
1,300


Em 1864 ; -.,.,-,i;.. regulou como se segue:


C acto ..............
C af ...............
Fumo ..............
Peixe ..............
Castanhas ...........
Farinha de mandioca. .
M ilho ..............
F eijo .............


20,000 arbsl
150 a
40
4,000 a
10,000 alqs.
2,000
200
30


N"esse mesmo anno havia alli 2 olarias pequenas, I englenhoct
de moer cana que ainda existe, havendo outras iguaes. O motor
empregado o cavallo. N'ellas se fabric algumas pipas de aguar-
dente e alguns potes de mel cujo numero no excede d, 300,
D isto no lia exportao.
No anno findo (1867) a -i.' inl.i constou do seguinte:


Cacao .............
Pirarucu ...........
Sebo..............
Castanhas da terra....
Dita de sapucaia. .. ..


11,961 arbs.
14,069
12
2,590 alqs.
18







- 62 -


Couros de boi....... 196
Ditos de veado ....... 181
Cumar ............ 13 ls.

Estes algarismos differem muito, quanto ao*caco e castanha
principalmente, da exportao de 1864, differena que sem du-
vida deve provir de se no ter classificado como procedente de
Alenquer grande quantidade de generous que vo a cidade de San-
tarem onde so embarcados conjuntamente com os d'esta cidade,
sem distinco de procedencia.
Produces.-Do que deixei mencionado se v quaes os
products do municipio; basta pois dizer mais duas palavras.
No reino mineral no se tem descoberto product algum de
merecimento no commercio, por que todas as excurses e opera-
es da populao ficam sempre circumscriptas as varzeas e cam-
pinas, onde takes products se no pode encontrar; provavel po-
rem, que existam nas altas regies entire as terras brasileiras e as
da colonia franceza.
Nas campinas ha muitas fazendas de gado bovino, mas todas
com mui limitado numero de cabeas; o que tambem se obser-
va nos campos altos.
As terras altas do Curu so abundantes de castanheiras, cupa-
hibeiras, sapucaeiras, e mui provavelmente no faltar a sala.
As varzeas, sobre tudo as das ilhas, so notaveis por sua propri-
edade para a produco do caco. A cultural d'este genero a prin-
cipal industrial dos moradores que a effectuam em escala relativamen-
le maior do que em outros municipios.
Elles so activos e deligentes, mas, como em toda a provincial,
aferrados a rotina, no procuram estudar os meios de melhora-
rem as plantaes para colherem fructos mais abundantes.
A villa de Alenquer no ainda um porto visitado por vapores,
e por esta razo os valiosos products do seu municipio no so






- 63 -


bem conhecidos no commercio, confundindo-se no Par com os
de Santarem para onde so remettidos em canvas.
Parece-me que seria de grande utilidade que o governor da pro-
vncia desse execuo quanto antes a lei (pois para isso que foi
decretada) queo autorisa a contratar a navegao a vapor para
aquella villa, ou ao menos para um ponto proximo della, send
i'este caso preferivel a confluencia do Paranamirim de Alenquer
com o rio Curu, ponto important que serve de centro en-
tre as villas o os logares mais abundantes de caco, o rio Cu-
ru, d'onde descem barcos carregados de castanhas, os lagos
proximos onde abunda o peixe, e em fim as fazendas de gado,
d'onde pode vir a carne de charque.
Guarda Nacional.-No municipio ha um batalho de guards
nacionaes que o 280 da provincia e cuja organisao a se-
guinte:
1 Tenente-coronel commandant.
4 Officiaes do estado-maior.
2 Do estado-menor.
3 Companhias com:
3 Capites.
6 Subalternos.
16 Inferiores.
30 Cabos, cornetas, et.
272 Praas.
Ao todo 333.

Presentemente o corpo no tem tenente-coronel, nem major,
nem ajudante.
lia tambem uma seco de companhia de reserve com dous su-
balternos, 6 inferiores, 6 cabos e 95 praas.
\o todo 110.
Total da fora active e de reserve 443 praas e officials,






- 64 -


Do batalho esto destacados 8 praas na villa, a disposio da
autoridade policial.
Para o servio da guerra Alenquer tem concorrido com o se-
guinte contingent:

Guardas nacionaes designados....... 51
Ditos voluntarios ................ 18
Ditos recrutados ................. 7
Recrutas paizanos ................ 12

Total .................. .... 96

RECORDACES HISTORICAS.-Os habitantes guardo a tradio de
que a sua villa no teve sempre assento no lugar que hoje oc-
cupa, mas sim muito acima, ao p da boca do Curut-panema, e
apontam o pequeno povoado d'este nome como sendo o seu bero.
Os escriptores que tem tratado da geographia e historic da
provincia fallam sempre de um lago Surubi que os habitantes no
conhecem.
Este desacordo devido, segundo penso, a uma simples confu-
so de nomes: o pretendido Surubi dos geographos no mais
do que o mesmo lago Curu.
Alenquer tinha com effeilo originariamente o nome de alda de
Surubi ou Surubij<, nome que pertence a uma ilha e que o
povo d ainda a seco do ramo seplentrional do Amazonas no
curto espao por elle percorrido entire a ponta oriental da ilha
Arapiry e a occidental da do Juruparipuc.
Si a tradicco dos habitantes exacla a aldda Surubii era a
mesma dos Bars, na foz do Curui, rio que provavelmentl no
teve esta denominao seno muito mais tarde.
A alda pertencia a administrao dos reverendos Capuchos da
Piedade, distinctos missionaries que, como os Carmelitas e Fran-
ciscanos, contrastavam com os Jesuitas que deixaram com seus
ultimos actos no Par e Amazonas uma fama deploravel.







-65 -


No pude certificar-me da data em que a alda foi transferida
para a margem do Paranamirim; deve porem tel o sido muito an-
tes de 1758, por isso que n'este anno foi ella, j no lugar em que
se acha, elevada a cathegoria de villa com o appellido de Alen-
quer.
Esta cathegoria foi-lhe caada em 1832, mas esta injustia foi
reparada 16 annos depois, em 18413, pela lei provincial n. 140
que lh'a restituio.
Arcozello, hoje Curit. A excepo da villa, a unica povoao
que existe no municipio a do Curu a que ha pouco allidi, o
velho bero de Alenquer.
Esta pequena povoao est encostada ponta das terras altas
e consta apenas de 19 casas, quasi todas cobertas de palha e dis-
postas em uma linha, um pouco curva. Cada uma das principles
tem um quintal ou terreno, coberto de cafeseiros, algodoeiros,
macacheira, alem de larangeiras, mangueiras e outras plants taes
como a cana de assucar, pacovas e limes.
Esta povoao data de 1849, em que um morador de Alenquer,
o sr. Raymundo Simes, que negociava para o Curu, construio
alli uma barraca que logo converted em casa regular; outros a
seu convite e exemplo fizeram em 1853 o mesmo, e assim for-
mou-se a povoao.
E' na chapada de terra firme, em cima da actual povoao que
existia, at 1758, a velha alda dos Bares, que n'esse anno foi
graduada com o titulo de Logar de Arcozello, mas d'onde pouco
depois foram seus moradores tirados por ordem superior para irem
povoar a nova villa de Obidos.
Desde ento ficou extincto o velho Arcozello, que agora comea
a renascer de suas cinzas.
Esta expresso exacta, pois a esplanada, onde outr'ora existio
a alda, e onde se v ainda os restosde alicerces de casas, pedaos
do loua antiga e algumas sepulturas, tornouse to fertil que vai-






66 -

sendo quasi toda cultivada com plantaes de algodo, caf, tabaco
etc, atrahindo assim para o logar as vistas e atteno de muitas
pessoas.
Ao O desta povoao, ao p da foz do Mamaur, etambem en-
costada a mesma terra alta, ha cerca de 12 cazat, que no so
separadas seno por plantaes de cana, caf, larangeiras, algodo-
eiros, constituindo outro nucleo de povoao, que pouco dista de
Curu, com a qual se communicam os habitantes em poucos mi-
nutos.
A fertilidade do terreno e a affeio dos moradores para a cul-
tura permittem esperar que estes dous grupos de casas se aug-
mentem e venham a former brevemente uma boa e unica po-
voao.











SANTAREM.


SilHiin arioPO.-VIAGEM A SANTAREM, ASPECT, SITUAO, CLI,
MA, E ESTADO SANITARIO D'ESTA CIDADE.-RE-
SENHAS ESTATISTICAS.-LIMITES DO MUNICIPIO.-
INDUSTRIA, NAVEGAO E COMMERCIO.-RECOR-
DAES HISTORICAL.

Descendo-se de Alenquer pelo seu Paranamirim, deixa-se suc-
cessivamente as boccas dos dous lagos Curum e Uruxy es-
querda, direita o furo Sumama que segue ao S e vai sahir de-
fronte da ilha Juruparypuc; esquerda a bocca do Lago Capim-
tuba que serve de limited entire os municipios de Alenquer e San-
tarem; e, 6 a 8 milhas abaixo e com rumo S E entra-se em pleno
Amazonas defronte da ponta oriental da ilha das Barreiras, fican-
do na costa a esquerda a bocca do lago Paracary, que se fez co-
nhecido pela pretendida cura da morpha, com o suco da herva
que lhe do o nome.
Passada aquella ilha e acompanhando-se a grande de Aritapera
a direita, deixa-se successivamente as do Tapar e Palho es-
querda.
O rio toma n'esta seco o nome pouco euphonico de Urubu-
cuac, segue em grande estiro no rumo SS O, com largura de
2,500 metros, descreve no fim uma vasta curva para E com lar-
gura de 2 a 3,000 metros e tem logar ento a sua soberba junc-
o com o seu ramo meridional que, passando pelas barreiras do
Ecuipianga e Paricatuba, chega agora ahi j reunido com as aguas
do Tapajs, cuja barra est acima 5 milhas.
Desde a ponta Aritapera comea-se a avistar as serras e colli-






- 68 -


nas de Santarem para onde preciso navegar contra a corrente
do dito brao meridional.
Pouco depois entra-se nas aguas do Tapajs que em contact
com as barrentas e esbranquiadas do Amazonas, apresentam uma
cr apparent e comparativamente negra que lhevaleo o nome
de Rio Preto.
As collins esto a esquerda; passa-se a da fortaleza que pro-
jecta de sua base uma ponta em arco para dentro do rio e est-se
ento no porto e v-se a cidade de Santarem em toda a sua frente.

ASPECTO.-A primeira impresso que se senate ao entrar-se
nas aguas do Tapajs um pouco confrangente, e seria triste si a
graciosa prespectiva dos montes e a presena do edificio da casa
da camera, recentemente construido, no attenuasse o effeito pro-
duzido pela cor escura do rio, e pelo facto do se no ver a cida-
de se no quando se est j dentro de seu porto.
Assim para quem chega do lado inferior cio rio no ha uma
vista muito agradavel.
Esta cidade porm vista da bocca do Igarap-uass ou, ainda
melhor, a 3 milhas acima da povoao, apresenta aos olhos o mais
bello aspect que se encontra em todo o Amazonas e seus afflu-
entes brasileiros. E' uma vista tam pitoresca, tam cheia de or-
natos da naturesa que viria involuntariamente a imaginao
de um poeta a ida de saudar a cidade como a Rainha do Ama-
zonas.
Santarem est situada a margem direita do Tapajs em uii
terreno que desce com ligeiro declive de S. N. a 5 kilimetros da
junco deste rio com o brao meridional do Amazonas.
Posio astronomica 2 24' 52" lat. S.
11 33' 11" long. O (Rio de Janeiro.)
Altura acima do nivel do mar 16 metros.

SALUBRIDADE.-Ha 25 annos o dr. Lucas, medico da expedi-






- 69 -


cio da Boulonnaise ao Amazonas, exprimia-se nos seguintes ter-
mos a respeito de Santarem:
A temperature muito elevada e varia de 28.o a 30.0 centigr.
Os ventos reinantes sopram ordinariamente de E. Com tudo, as
vezes, e geralmenth no comeo das enchentes, e emquanto ellas
duram, em dezembro, janeiro, fevereiro, maro etc,, apparecem
ventos do S.
Quando reino estes ventos, ha quasi sempre muitas molestias,
tacs como as colicas nervosas, desynterias, febres e molestias dos
olhos.
A lepra endemic.
As colicas e desynteria so devidas principalmente a humi-
dade trasida pelos ventos do S., sempre acompanhados de chuvas.
A agua do rio que os moradores erdinariamente bebem,
tambem uma causa energica d'estas molestias.
As condies sanitarias de Santarem so hoje incontestavelmen-
te melhores. Podem mesmo serem excellentes talvez, si os habi-
tantes se resolverem a ser mais cuidadosos n'este interesse, e si o
governor mandar realisar a obra j estudada e orada de encana-
mento d'agua do Irur, obra essential para a saude public em
Santarem.
A collina sobre que est a velha fortaleza, agora em recons-
truco, devia ser destruida em beneficio no s da salubridade
public e da commodidade dos habitantes, mas tambefh em bene-
ficio dos cofres publicos, visto ser a fortaleza uma obra inutil e de
mero luxo.
Essa collina a causa do calor, as vezes suffocante, que duran-
te o dia reina na p, '.... i,, porque impede o livre curso aos ven-
tos de E, que no chegam a cidade seno j quebrados e enfra-
quecidos.
A camara municipal concordando com a opinio do engenheiro
que deo o plao da casa da camera e cadeia, reconheceu a conve-






-. 70 -


niencia de mandar construir esse edificio a E da collina, fora da
cidade.
Foi um meio de aconselhar os habitantes a procurarem de pre-
ferencia esta part para ahi formarem suas habitaes.
Como, porm, o que determine a escolha d^ povoaes a
commodidade e a conveniencia do commercio, e este acha na en-
ceada a OS O da collina um abrigo mais seguro para os seus
barcos e maior facilidade para o movimento de suas cargas, tem a
camera e alguns moradores em vo tratado fazer extender a ci-
dade para aquelle lado.
A povoao consta de duas parties distinctas: a cidade propria
que fica muito conchegada ao morro da fortaleza, e a aldea que
se estende para O.
Esta que ha 15 annos era ainda exclusivamente habitada por
descendentes de indios, comea a ser invadida pela cidade e ahi j
apparecem algumas casas bem construidas que contrasto com as
cabanas de palha dos velhos indigenas.
A cidadecompe-se de variasruas, travessas e praas com 310
casas, 15 das quaes no so habitadas ou esto em ruinas.
Uma excellent e bella igreja matriz, tratada e conservada com
esmero, bastante espaosa e dedicada N. S. da Conceio.
Um cemiterio bem construido, mas collocado em logar muito
superior a cidade, o que no deixa de ser um inconvenient.
Um elegant pao municipal, recentemente edificado conjunc-
tamente com a cada que faz parte do mesmo edificio.
Taes so os estabelecimentos publicos de Santarem, havendo
entire os predios particulares alguns construidos com gosto e am-
plas commodaes.
Segundo uma nota estatistica qe o juiz municipal e delegado
de policia. o sr. dr. Pinheiro Corra franqueou-me, a populao
da cidade apenas de 1761 habitantes, numero que eu consider
como o minimo calculado.






- 71 -


Os 1761 habitantes so assim classificados:

Nacionaes . . ..... 1711
Entrangeiros ........ 50
Adults. . .... . .... 697
Menores............ 1064
Viuvos............ 34
Casados ........... 169
Solteiros ........... 1558
Do sexo masculino... 750
Do sexo feminino.... 1011
Livres............ 1339
Escravos........... 422
Quanto as occupaes so:
18 empregados publicos.
73 commerciantes.
96 artists
341 lavradores.
O numero de pessoas que no tem occupao conhecida sobe a
1233.
Este numero parece muito avultado; mas convem observer que
n'elle se acham comprehendidos os menores, os escravos e mu-
lheres.
Quanto as rendas dos habitantes da cidade consta o seguinte:
Possuem
De 100% a 500~000...... 170 pessoas.
De 500 a 10000000...... 26
De 1000% a 2000000 ...... 10
De 2000% a 4000M000...... 6
De 4000 a 10000 0000...... 1
Sem rendas conhecidas. ....... 1548
Ha actualmente dentro da cidade 30 casas de commercio de
seccos e molhados, por grosso e a retalho, comprehendido n'esse
numero um armazem.






-72-


Em 1867 havia somente 27.
Fora da cidade ha 11 d'essas casas, cujo numero em 1867
era de 6.
Alem das casas de commercio a cidade conta os seguintes es-
tabalecimentos industries: *
1 fabric de licores e de vinho de caj.
2 drogarias.
2 padarias
3 sapaterias
3 ferrarias
1 tinturaria
1 officina de relojoeiro
1 dita de funilaria.
1 dita de fogos de artificio
1 dita de latoeiros
4 ditas de alfaiates
5 ditas de marcineiros
1 casa de bilhar
Nos suburbios ha 2 olarias em que se fabricam telhas e tijolos,
e em uma das quaes se prepare cal de pedra.
INSTRUCO PUBLICA.-Em Santarem ha 2 escollas primaries I
para meninos e 1 para meninas.
Em 1867 as primeiras foram frequentadas por 92 alumnos; e
no 1. trimestre do corrente anno a frequencia tem sido de 115,
A do sexo feminino foi frequentada em 1867 por 23 alumnas
e no 1.0 trimestre do corrente anno o tem sido por 23.
RENDAS PUBLICAs.-As rendas pro\inciaes arrecadadas pela res
pectiva collectoria dero nos annos financeiros abaixo declarados o
segointe resultado:
1847a 1848 .......... 5:453191
1848 a 1849.......... 6:5894748
1851 .......... 4:032$756






- 73 -


1852 .......... 3:983W690
1853.......... 4:527 186
1867 .......... 11:866%199
Estes dados podem servir para comparar as arrecadaes ha,
vidas n'estes ultiros 20 annos.
As rendas geraes arrecadadas pela respective coilectoria no
anno financeiro de 1866 a 1867 importaram em ris6:479F504i
sendo de renda propria 3:739.049, extraordinario 81t600, de-
posito 2:658d855.
As rendas da agencia do correio no exercicio de 1867 a 1868
importaram em 9471870.
PARTE JUDICIARIA.-A cidade de Santarem a cabea de uma
comarca da 2." entrancia e d'um termo que comprehend o
municipio da cidade e os de Alenquer, villa Franca e Itaituba.
N'ella reside o Juiz de Direito e o Juiz Manicipal que acu-
mula as funces do de orphios.
O tribunal do jury reune-se ahi regularmente,
No foro servem
1 tabelio de notas que lambem official do registro geral das
hypothecas e 3 escrives.
Tem 2 bachareis formados que exercem as i',i'il''i de advo-
gado e 2 procuradores de causes no provisoriados pela relaio
do district.
O numero de hypothecas realisadas at o present de 12, no
v'alor total de 64:062~065.
PARTE ECCLESIASTICA.-Santarem a residencia de um Vigario
Geral que tem sob sua jurisdio todas as parochias existentes nas
3 comarcas do Amazonas.
Esta vigararia geral que a 2." do bispado e tem a denomina-
o de rigararia geral do baixo Amazonas, foi instituida em 17
de agosto de 1821 pelo rvd. bispo diocesano D. Romualdo de
Souza Coelho.







- 74 -


Elia comprehendia n'essa epocha 18 parochias todas com o
titulo de villas, 3 misses e 7 logares.
A jurisdio ecciesiastica hoje no comprebende mais as misses
e lugares. No obstante consigno aqui todas essas divises en-




o .





.i.
i -3










o . . . .. . .
g ** ^
g O







So ; '
S S S

-n O



*'- .. * o
a ."O .

SI .: 3 .







-a g aO .*D
-oS-
S^~ ~ ^^J 4^^S -

n ; ? > S? .^ ; >
e E^ P< _ _^- = -






- 75 -


Ao todo a comarca ecclesiastica do Baixo Amazonas comprehen-
de 3 cidades, 8 villas, e 15 povoados, formando todas 22 paro-
chias.
A maior regularidade que lia hoje decommunicaCes entire a sede
do bispado capitall da provincia) e as comarcas p, e a difficuldade de relaes d'estas com Santarem aconselham
uma alterao na actual diviso ecclesiastica. Nada mais, todavia
acrescentarei a este respeito.

PARTE ELEITORAL.-A parochia de Santarem d 27 eleitores.
A cidade a sede de um collegio electoral para o equal concor-
rem alem dos eleitores da sua freguezia, os de Alenquer, Vill
Franca, Boim, Itaituba e Aveiro, formando um total de 61 elei-
tores.
A ultima das mensionadas freguezias (Aveiro) deve dar 8 elei-
tores, mas at o present no se tem alli procedido a eleio.

PARTE MILITAR.-Em Santarem no lia pessoal military; quanto
ao material military ha alli algumas peas destinadas a fortaleza
que se est reconstruindo.
A guard national do municipio tem a organisaio seguinte:
1 batalho que o 26. da provincia.
l Companhia de reserve.
O estado maior e menor do batalho tem :
4 Tenente-coronel commandant.
4 Officiaes subalternos.
2 Ditos inferiores.
Divide-se em companhias com:
6 Capites.
12 Subalternos.
25 Inferiores.
48 Cabos, cornetas e tambores.
68 Praas.





- 76 -


Ao todo 782 praas e officials.
A companhia de reserve consta de
2 Capites.
5 Subalternos.
12 Inferiores.
6 Cabos.
228 Praas.
Ao todo 253.
Total do batalho e da companhia, 1,035, praas e officials,
COMMANDO SUPERIOR.-Toda a guard national das 2 comarcas
de Obidos e Santarem est sobordinada ao commando superior
do municipio d'esta ultima cidade. Acha-se organisado do modo
seguinte:
Estado maior geral
1 Coronel commandant superior.
1 Tenente-coronel chefe do estado maior.
2 Majores ajudantes d'ordens.
1 Capito secretario geral.
1 Capito qnartel mestre.
Estado maior dos corpos.
5 batalhes.
1 seco de batalho, inclusive 2 officials ..- n ..,..
4 tenentes-coroneis commandantes.
1 major ajudante.
21 subalternos do estado maior.
14 inferiores do estado menor.
Tem 6 companhias do servio active.
1 de reserve.
3 seces de companhias de reserve.
Todos, inclusive os aggregados contam
31 capites.
67 subalterns.






-77-


127 inferiores.
281 cabos, cornetas e tambores.
'41 i1 praas.
Ao todo 4,964, praas e officials.
D'esle total tem sido tirado para o servio da guerra luatal.
3 voluntarios para o exercito.
199 voluntarios da patria-
38' designados.
30 recrutados.
Ao todo 616.

Da guard national d'este cominando superior achio-se desla-
cados dos respectivos corpos, a saber:

Em Santarem ........... 50 praas
Em Itaituba ............ '14
Em Alenquer ........... 8
Em Obidos............. 72

Total dos destacados....... 144

O muniicipio de Santarem tem coacorrido com o seguinte ron-
tingente para a guerra:
Guardas designados ....... 85
voluntarios........ 53
paro o exercito. 2
recrutados........ 12

Sommamn 152
Paizanos voluntarios. . 21
recrutados.... .
Sommam ........... (7

Total............... 219






- 78 -


Eis aqui o contingent com que cada municipio das 2 co-
marcas tem concorrido para a guerra, comprelendidos guards
nacionaes e paisanos, recrutados, voluntarios e designados

Faro............... 57 *
Alenquer ............ 96
Obidos .............. 121
Villa Franca.......... 124
Monte Alegre ......... 129
Santarem. ............ 2,19

Total ............... 746

DESCRIPO.-O municipio de Santarem limita-se ao Norte com
Alenquer pelo ramo principal do Amazonas, e pelo igarap e lago
Capintuba, e com o de Monte Alegre; a E com o d'este ultimo
por terrenos desconhecidos; a Oeste com os de Villa Franca e ao
Sul com o de Itaituba e com a provincia do Matto Grosso por ter-
renos tambem desconhecidos.
O seu territorio, na parte conhecida, pouco extenso e offe-
rece toda a variedade de accidents physics. Planiceis, varzeas
e campos nas ilhas e margens do Amazonas, muito apropriadas
no s para a produco do caco e outros vegetaes uteis, mas
igualmente para a creao do gado vaccum e cavallar.
Terras altas, collins, mesmo montanhas, ainda que pouco no-
taveis.
As collins comeam junto a cidade e prolongam-se para E
formando uma linha extensa e um pouco curva que vai terminal
na Ponta do Pacoval, margem esquerda do rio Curu cujo nome
tomou. Ellas apparecem tambem a OSO proximo a um ou outro
ponto da margem direita do Tapajoz, mas como montes isolados;
taes so os do Tapaci, do Curur e da Piroca.
Ao S. e proximo da cidade as serras Panema e do Irur que






- 79 -


dirigem-se para o Sul com alguma inclinao a S O, como que
indicando de long o valle do Tapajoz.
Nas serras gosa-se de uma temperature agradavel e as terras
ahi e nos values so de notavel fecundidade. No succede, porm,
assim na zona c.mprehendida entire os values e as margens do
Tapajs desde sua foz at Aveiro, por ser muito arenosa; ella no
offerece grande vantage a cultural, como o indica a vegetaco
acanhada e as vezes rachitica que mal cobre a sua superficie.

Rios.-O Amazonas banha a parte septentrional do municipio,
o Tapajs a occidental e o Curu a oriental.
Fallarei aqui smente d'este ultimo, reservando para a segunda
S parte o que tenho a dizer quanto aos dous primeiros.
O rio Curu do Sul ou Curu de Santarem (appellido com que
muitos o destinguem do Curu-panema ou Curu d'Alenquer)
uma corrente de importancia secundaria quanto ao volume de suas
aguas e ao seu curso no mui long. E' formado por dous ramos
principals: o Curu proprio e o Una, ambos ainda no explora-
dos.
O primeiro o mais extenso; corre no meio de campinas ao
rumo N O e conflue com o Una.
Este ultimo corre por entire serras que ficam ao S e S E da
Santarem; acompanha um pouco o Tapajs; interrompido por
muitas cachoeiras, que se acham muito acima de sua confluencia;
depois segue para E e reune-se ao Curu.
Na Ponta do Pacoval, cerca de 15 milhas distant do Amazo-
nas, e onde a serra que vai de Santarem curva-se para S E, o
Curu, j reunido com o Una, devide-se em dous braos.
O da direita, que ao principio o mais largo, passa ao S e a E
das Barreiras que apparecem ao p da bocca do Curu recebe a
direita o Tamucury e muito mais abaixo o Igarap Grande a es-
querda e logo entra no Amazonas com o nome de Cuary.








O brao da esquerda segue o rumo geral do N e sahe no Ama-
zonas ao p das Barreiras e em frente da ilha d'este nome.
O Ituki e o Mazc cujas entradas se v abaixo da foz do Tapa-
j os, no so seno dous defluentes do Amazonas que percorrem as
varzeas e igaraps da margem direita e terminam pouco abaixo em
uma unica bocca.

POPULAO DO MUNICIPIo.-Segundo as resenhas, que reputo
muito defficientes e incompletas, colhidas pelos inspectors de
quarteiro, o numero total doshabitantes do municipio de 4,847
individuos inclusive 89 estrangeiros.
Em 1830, poca em que a populao era incontestavelmente
muito menor, a estatistica achava para o municipio 5,255 mora-
dores, e no relatorio que o sr. conflheiro Brusque apresentou a
assembla em 1862 consta que a populao do municipio de San-
tarem era:
Em 1848............. 6,662.
1849 ............. 6,883.
1850............. 7,301.
1854 ............. 7,894.
1862............. 7,568.

INDUSTRIA FABRIL.-Em Santarem ha uma fabric de vinhos de
caj como j ficou referido. E' propriedade do sr. Silva Rabello
(Joaquim Honorio), home intelligence e laborioso.
N'esse estabelecimento fabrica-se vinho extrahido do caju em
maior poro e de outras fructas em menor quantidade, bons lico-
res, aguardente e um pouco de vinagre.
Extrahe-se excellent oleo de cumar e. o de ricino em poro
mui limitada.
As machines empregadas no estabelecimento so:

1 Engenho de cortar e esmigalhar fructas.
1 Prensa.


-80-






-81 -


1 Cylindro para extraco de oleos.
2 Aparelhos destilatorios de Egrot.
O product annual da fabric regular, termo medio:
5,000 Litros de vinho de caj.
8,000 GArrafas de licores.
Aguardente.
Vinagre.
Oleo de Cumar.

Os vinhos, bem que uma ou outra vez sejam muito adocicados.
ji, em abono de sua boa qualidade mereceram ao seu laborioso
fabricante dous premios que. como se sabe, se no do por em-
penho, nem por attenes pessoaes: mas sim por merecimento
real reconhecido por juizes competentes e imparciaes. Estes pre-
mios foram:
Uma medalha de prata dada pela exposio national do Rio de
Janeiro.
Uma medalha de cobre dada pela exposio Universal de Lon-
dres.
Para quem sabe quam valiosos so esses documents, nada
mais preciso para ter a certeza de que os vinhos de caj fa-
bricados pelo sr. Rabello merecem a estima dos apreciadores.
Infelizmente isso no bastante para combater o habito em
que estamos de julgar que o que vem do estrangeiro, embora
pessimo, sempre melhor do que o nosso, ou o national, em-
bora optimo.
Consome-se no nosso paiz muito vinho; (ordinariamente de sa-
bugueiro e campeche) muito licor de cascas de pao, de beterra-
bas e batatas, que nos chega de differences parties do mundo com
bellos nomes, bella cor e tambem bello preo: bebemos esses
charopes assucarados, pagamos mais caro e ficamos muito satisfei-
to da droga que nos vai arruinar o estomago, preferindo-a ao vinho
de caj que pode ser tam util a saude.






- 82 -


Seja a falta de cnsummo destes vinhos ou seja qual for a cau-
sa, certo que a fabric de que se trata, bem que j conte uma
existencia de 15 annos, no tem feito progressos, no est ainda
consolidada; pelo contrario tem indicios de decadencia,
A que se dever attribuir este fact ? Estou pArsuadido de que
a causa do mal est na falta bem conhecida do espirito de associa-
o entire ns.
Em assumptos de industrial agricula ou fabril, ninguem procu-
ra imitar os bons exemplos que nos d a Europa, como o das
associaes; ninguem quer comprehender que as associaes que
podem crear, nutrir, fazer produzir e prosperar estabelecimentos
industries que precisam de um capital um pouco mais avultado
do que o commum da nossa mesqiluha industrial.
Um industrioso, as vezes com grande dispendio e sacrificios;
funda uma fabric ou qualquer outro estabelecimento e, como
no ha quem o ajude a supporter as despezas do costeio
e os juros do capital emprestado, abandonao estabelacimento para
no se arruinar, ou si insisted arruina-se com elle.
Mas ordinariamente cada qual obra por si, inventa o que bem
lhe parece, faz o que quer, entende-se s comsigo, no quer
companhia nos lucros que sua ambio imagine, nem precisa que
por interesse commum lhe desvende os olhos; e quando vai mal,
reconhece, j tarde, que o seu egoismo o perdo.
No sei se o sr. Rabello procurou assosciados e no os achou,
ou se achou-os e no os admettio.
Felizmente, se a decadencia do seu estabelecimento s ap-
parente, ainda tempo de salval-o; basta que o fortifique com
algum capital maior do que o actual, chamando a coadjuval-o al-
guns capitalistas ou negociantes, que provavelmente se no recu-
saro a isso, porque est provado que o product bom, e tanto
basta para que a especulao no seja desvantajosa.
A cal que se prepare em Santarem no seno um product






- 83 -


de industrial extrativa. Ella no prove de uma fabric especial,
mas sim de uma das ollarias de telhas e tijollos, pertencente a
um negociante portuguez o sr. A. J. da Silva e Souza.
A cal extrahida de pedras vindas das margens do Tapajs,
perto de Itaituba* sendo queimadas no mesmo forno de coser te-
lhas, juntamente com estas.
A fabric no est ainda montada convenientemente; mas o seu
industrioso proprietario espera brevemente fazel-o, e ento poder
obter por anno 24,000 alqueires, em lugar de 6 a 8,000 que
hoje fabric. O preo d'este artigo actualmente de 1?i400 ris
por alqueire.
Na Ponta da barreira de Paricatuba, la, segundo me consta,
um estabelecimento igual ao do sr. Silva e Souza, de Santarem.
No sitio denominado Patacho ao p das Barreiras do Ecuipi-
ranga e da foz do Lago Grande, ha outro estabelecimento identico
aos antecedentes.
Tive a stisfaco de ver este estabelecimento onde, ao contra-
rio do habitual, reina muita actividade e promptido methodical
no servio, provavelmente porque este pessoalmente inspeccio-
nado pelo seu proprietario, o sr. capito Mattos, que alli reside
com sua familiar.
As pedras d'onde se extrahe a cal so vindas tambem do Ta-
pajoz em bateles que as condusem para a ollaria levando eila
em troca para Itaituba as telhas, tijolos e a cal j preparada.
O modo de obter este product o mesmo empregado em
Santarem na ollaria do sr. Souza; o forno em que as pedras so
queimadas o mesmo destinado as telhas.
Na fornada de pedras queimadas conjunctamente com as
telhas que occuparam tres quartas parties do forno, obtem o sr.
capito Mattos 300 alqueires de cal.
Na 2.a o product subio a mais de 1,200 alqueires, o sr"
Mattos contava tirar om junho urma fornada de 2,000 alqueires.








Estes estabelecimentos podem ser muito vantajosos e impor-
tantes si os seus proprietarios realisarem a construco de um for-
no especial, como tratavam de fazer.
A difficuldade ou demora da conduco das pedras calcarias
para a ollaria do sr. Mattos poder desappareceP logo que da en-
ceada do Ecuipiranga ou do porto do Arapiuns ao sitio do Pata-
cho na margem do Amazonas, se tenha aberto uma estrada pela
equal os carros transportem as padras alli chegadas de Itaituba. Para
isso basta alargar o caminho existente atravez do estreito isthmo
que separa as duas margens dos dous rios-Amazonas e Ara-
piuns.

INDUSTRIA AGRICOLA.-Em Santarem, como em toda a pro-
vincia, como em quasi todo o paiz, a primittiva; o que nos
ensinaram os primeiros portuguezes que conquistaram a terra aos
indios e, pode-se dizel-o sem receio, mais ou menos igual a inw
dustria indigena.
Ha, porm, alli um ou outro cidado que procura com empe-
nho afastar-se do carril antigo, abrindo novo e mais recto cami-
nho prosperidada e ao progress.
E' o que ao menos affirma com bom fundamento uma infor-
mao de cidados distinctos residents n'aquella cidade em uma
informao official onde acho o seguinte trecho:
Excepo feita do estabelecimento agricola de Pinto & Irmo
onde se tem introduzido a pratica de alguns dos modernos proces-
sos de trabalho no emprego das machines e instruments que ten-
dem a diminuir os exforos artificiaes e poupando os naturaes, e
tem por isso a sua produco obtido vantagens reaes no s na
quantidade como na qualidade dos productos;-os demais lavra.
does que em sua quasi totalidade se entregam a cultural do ca-
co, em cujo trabalho limitam-se apenas a limpar a arvore plan-
tada por seus antepassados, desconhecem absolutamente os meios
de aperfeioar e melhorar os seus systhemas de produco.


- 84 -






- 85 -


O cacdo com effeito o genero que occupa quasi exclusiva-
mente os braos dos lavradores, e a sua cultural dentro do mu-
nicipio s se fazia at hoje nas varzeas do Amazonas.
Ha 4 ou 6 annos, porem, segundo as informaes que tenho,
alguns lavradores observando que haviam sitios onde esta plant
produzia bons fructos, resolveram tentar a sua cultural nas terras
firmes do municipio de Itaituba margem doTapajoz, e o resul-
tado tem sido o melhor possivel. Isto indica que tende-se em fim
a abandonar-se os lamaaes das varzeas trocando-os por terras
enchutas para este genero de cultural.
D'este artigo exportou-se em 1867 pelo porto de Santarem
75,506 arbs. de caco.
O guaran no cultivado nomunicipio, mas sim no de Itai-
tuba, d'onde vem para Santarem. A quantidade exportada em
1867 foi de 1746 lbs, ou 54 arbs. e 18 lbs.
O feijo cultivado em pequena escala; todavia em 1867hou-
ve uma exportao de 161 alqs. para a capital.
E' um product muito estimado porque o seu uso como ali-
mento sadio e nutritivo vae se generalisando na provincia, mor-
mente na capital.
O fumo (tabaco) cultiva-se tambem em pequenas pores. A
exportao no anno passado foi de 6 arbs.
Alem dos generous mensionados cultiva-se somente em quanti-
dade stifficiente para o consumo domestic, a mandioca, o caf,
o milho, e o arroz.
A creao de gado tambem uma industrial interessante muito
da predileco dos principles babitanies de Santarem, mas como
nos mais municipios d'esta comarca e da de Obidos, ella se repar-
te por grande numerous de pessoas tendo cada uma sua pequena
poro de gado.
Os campos alis, no so muitos e nem muito extensos, limian-
do-se aos de Aritapera, aos do continent entire o Tapara e o dis-
tricto de Monte Alegre, e alguns ao S O de Santarem.






- 86 -


E' por essa razo que os principles creadores tem suas fazen-
das nos campos do Lago Grande do municipio de Villa Franca e
nos de Alenquer.
Esta industrial resultou para a exportao do anno passado os
seguintes products :
37 cabeas de gado.
852 arrobas de carne secca.
51 ditas de sbo.
3805 couros seccos e salgados.
No mesmo anno foram exportados 45 cavallos.
A pesca produzio para a esportao no referido anno 11,74 1
arbs. de piraruc.
A caa que podia ser uma important industrial do povo, por
ser muito abundante e variada, completamente despresada. O
acaso, e quasi sempre a fome que a peemaco. Ella produzio
na exportao 2207 libs. de pelles de veado.
Quanto a industrial extrativa vegetal os products exportados
em 1867 foram os seguintes :

Salsaparrilha. ........ 454 arbs.
Gomma elastica...... 5,651
Castanhas da terra... 16,766 alqs.
Ditas de sapucaya... 107
Oleo de cupahiba. .... 6,800 libs.

O municipio de Santarem, ou para exprimir-me com maior exac-
tido, os municipios do Tapajoz so ricos do madeiras estimadas
para todo o genero de construcao e de fina marceneria. A ex-
portao d'este product; si alguma ha, no figure em documen-
tos officials seno em quantidades insignificantes.
E' escusado referir a abundancia que ha de quadrupedes esti-
mados como caa, e j se vio que esta industrial no tem existen-
cia real no paiz.







- 87 -


Aves aquaticas e ribeirinhas, que se contam por milhes,povo-
am as margens dos rios e lagos, nos quaes a despeito do modo, as
vezes quasi selvagem, com que se exerce a industrial da pesca,
existed ainda uma prodigiosa quantidade de peixes de differences
qualidades, bm* como bom numero de tartarugas de diversas
species.
No reino mineral no se tem at hoje descoberto artigo algum
de interesse para o commercio. Para a industrial existe em massas
collossaes e inexgotaveis a pedra calcaria que forma um vasto es-
trado d'esde as cachoeiras do Maranho no Tapajoz at as do Ci.
party, seu ultimo affluent oriental.
N'este ultimo rio se encontram tambem quantidade de gesso,
o asbesto lenhoso e o amiantho; estes products, porm no so
ainda approveitados.

NAVEGAO E COMMNERCI.-Relacionados os generous de produc-
o espontanea e industrial, resta conhecer os meios pelos quaes
so transportados do interior para Santarem e de Santarem para
o mercado da capital.
O primeiro d'estes movimentos se effectua em canvas denomi-
nadas de regato que entram pelos rios e lagos, vendendo aos mo-
radores do interior as mercadorias que levam e comprando-lhes
ou tomando a frete os generous da terra para conduzil-os a Santa-
Fem.
As montarias e igarits do interior e dos municipios visinhos
conduzindo directamente ao porto os generous que recebe ou des-
carregando-os naquellas canvas.
Ha 20 anncs o numero e qualidades de embarcaes que ali-
mentavam este commercio era de 52, com uma lotao total de
93,990 arrobas, segundo uns apontamentos do intelligente e anti-
go negociante d'aquella cidade, J. Gouzennes, j fallecido; as
emb]arcaes que ento existiam no municipio eram as seguintes:







-88-


LOTACAO TOTAL
QULIDADES DAS EMBARCACOES.
POR ARROBA,

1 Galeota ....................... 210
13 Botes ......................... 9,020
9 Igarits ....................... 4,360
6 Vigilengas ..................... 8,500
4 Bateles ......................i 8.600
2 Barcos ........................ 4.,500
13 Cobertas ....................... 36,900
1 Patacho ....................... 6,000
3 Escunas........................ 15,900

52 93,990
N'essa epocha que a rapida carreira do vapor deixouja muitos
seculos long de ns, eram tambem os barcos de vela que faziam
exclusivamente o commercio entree Santarem e a Capital, com
aquella lentido e fatigante espera que o vento as vezes minorava,
mas que a mar de vazante e a inexoravel m ultido de insects
sucores faziam mil vezes insuportavel.
Hoje, c)mo consequencia da rapidez e regularidade da nave-
gao a vapor, que pe, por assim dizer, em contact com a capi-
tal os portos do Amazonas, facilitando as transaces, salvando mui-
tos e grandes interesses commerciaes, o numero de barcos a vela
destinado a navegao entire as duas cidades, apesar do desenvolvi-
mento considecavel, do commercio tem soffrido uma diminuieio
sensivel; ao passo que as canvas de regatlo que giram pelo in-
terior, appresentam um resultado opposto.
Estas ultimas eram em 1867 em numero de 14, numero que
se elevou no corrente anno a 26.
D'aquellas outras, porem, havia no mesmo anno somente 6, e a
actualmente este numero continue a ser o mesmo.
Graas a sua vantajosa situao junto a confluencia dos dous
grades rios, onde se constituem, por assim dizer, um centro de
unio mercantile entire as capitals das tres grandes provincias do






- 89 -


N. O, a cidade de Santarem entretem um commercio activo com
o porto de Belem por intermedio dos vapores da companhia do
Amazonas; com os districts visinhos que trasem a seu porto em
pequenas canvas uma extraordinaria variedade de generous; e com
Cuyab, por meio de canvas especiaes denominadas igarits e
ubs que annualmente descem das immediaes do Diamantino
trasendo couros, pequenos diamantes e ouro em bruto que trocam
por sal, ferro, ao, polvora, chumbo, loua, vinhos e guaran,
com que elles regressam para os pontos de sua procedencia.
Reunidos em Santarem tantas e tam variadas species de ge-
neros, os vapores da 1.a e 7." linha de navegao da companhia
do Amazonas effectuam o seu transport para o mercado de Be-
lem, tocando aos barcos de vela uma pequena poro que ora re-
presenta a 8.", ora a 4.a parte, conforme os volumes ou quali-
dades dos artigos.
O movimento das mercadorias do Par para aquelle porto ef.
fectuado igualmente pelos vapores da companhia que em suas
viagens redondas alli tocam regularmente 6 vez es por mez.
O valor da importao no anno de 1867, segundo as tabellas
annexas ao Relatorio da directoria da mesma companhia, unico
document que existed para se conhecer esse movimento, foi de
549:876i900.
Este algarismo refere-se unicamente ao valor das mercadorias
inportadas em Santarem pelos vapores da companhia no existindo
(ao menos publicados) outros documents que mostrem o valor
das importadas por barcos de vela. Creio, porem, no commetter
erro muito sensvel calculando-o em uma 4." parte do importado
pelos vapores.
Assim teremos.
Valor de generous importados em Santarem, a saber:
Em vapores............. 594:876 900.
Em barcos de vela ....... 148:719225.

Somma. ........... .. 73:5961M26.







-90-


O valor dos principals generous exportados para Belem no re-
ferido anno, segundo documents officials que tive a minha dis-
posio, importou em 778:738$250.

Todo o movimento commercial entire os dousportos foi, por-
tanto, de 1,522:334(375.

Confrontada a importao com a exportao v-se que esta
excedeo aquella em 35:142135.
No me sendo possivel, pe lo motivo j expendido, conhecer
todos os artigos de importao com suas quantidades e valores,
limito-me a appresentar aqui a seguinte tabella somente do que
diz respeito a exportao.

TABELLA dlas quantidades e valores dos principal.
generouss de Santarem em 18~ para do porto da ca-
pital da provincia.


GENEROUS. QUANTIDADEE UNIDADE. PREO. VALORES.

Caco......... 75,06 arrobas ..... a 6W490 483:238400
Caf .......... 15 7q500 4124500
Carne secca.... 852 5i500 4:686M000
Castanha....... 16,766 alqueires.... 4090 67:064 ,000
sapucaya.. 107 10,000 1:070,000
Cavallos....... 45 150000 6:750,000
Couros bovinos.. 3,805 5000 19:0t~250L0
de veado... 2,207 libras... ..... 800 1;765~600
Feijo......... 161 alqneir3s -.... 4C00 6W144 000
Gado bovino.... 37 cabeas 50000 1:850,000
Gommna elastic. 5,751 arrobas ..... 204000 115:0206000
Guaran....... 54 arbs., e 81bs. 60000 3.273750
Oleo de cupayba- 6,800 libras .......' 600 4:0804000
Pirarucu....... 11,741 arrobas ...... 5000 58:705,i00
Salsa.......... 454 24M080 10:896000
Sebo.......... 51 8,000 408"000
Tabaco........ 6 25o000 150i000
Vinho de caju... garrafas 36 duzias...

Valor total (ia exportago.......... 878:7381250






- 91 -


Il:nigrao americana.-No quero recorder aqui o delapso
du enthusiasm que em 1865 e 1866 se desenvolveo em quasi
ludo o imperio pelo immigraco americana, quando o espirito de
especulao mercantil voltou suas vistas para este ponto de inte-
resse public.
Recordarei somente que o primeiro signal dessa especulao e
abuso, quanto a provincia do Para, manifestou-se de um modo
muito claro na primeira proposta de Landsford Hastings, antigo
empresario de emigrao para a California, exigindo entire outras
cousas singulares 10 leguas de terrasdevolutas porume cada um dos
5 navios empregados no transport de americanos ao Par, (pa-
gando o governoas passagens), devendo os emigrados regerem-
se por suas proprias leis e regulamentos, independentemente das
leis e regulamentos do imperio.
O Governo Imperial a quem a presidencia enviou o proponents
com a proposta informada, fez-lhe algumas alteraes e autorisou
a presidencia a fazer com aquelie empresario um contract segun-
do as bases que remetteo.
Fez-se o contrato de conformidade com o que o Governo deter-
minou, concedendo-se favors importantes ao empresario, alguns
aos immigrants, e nem-um ou nem-uma garantia real ao pais
quanto aos inter sses da lavoura.
Desde logo um individuo, pseudo engenheiro,de appellido Sim-
pson. principal companheiro de Hastings e a quem o governor da-
va alimento, appresentou para ser paga uma conta exorbitant de
um alinhamento das terras escolhidas em Santarem, figurindo
elle na conta com uma diaria de 8?000 alm de despezas de co-
mida e de outras.
A conta, no obstante, lhe foi paga.
Como o empresario estava obrigado a appresentar no PJr den-
tro de 6 mezes pelo menos 100 colonos, mandou-se preparer
abarracamentos para recebel-os, mas no vieram seno depois de
8 ,.,u 10 mezes; e o empresario declarando as difficuldades com






-02 -


que luctou para trazei-os, pedio pagamentos de despezas feitas in-
clusivo com a publicao de um folheto, e declarando elle mesmo
que em virtude da demora dos colonos estando nullo o contract
pedia ser nomeado director da colonia com ordenado fixo e outras
garantias e vantagens para si.
Tinham vindo cerca de 160 colonos, eseolhidos ou tirados, se-
gundo geralmente se afiana, da classes peor que ha nos Estados-
Unidos; marinheiros e soldados que serviram contra o governor da
Republica, individuos que nunca souberam cultivar terras, outros
que no achavam arranjos em parte alguma, e muitos que prova-
velmente fugiam da justia que l os perseguia.
Toda esta gente foi para Santarem viver a custa do governor,
Nem-um tratou de former estabelecimentos, nem mesmo roas
porque fiavam-se na grande generosidade do governor e muito na
caridade public.
Depois alguns que por um ou por outro meio conseguiram ar-
ranjar o necessario para pagarem sua passage, foram-se retiran-
do para os Estados-Unidos, havendo entire elles uns que depois
de terem recebido dinheiro do governor trataram de sahir do pais.
Um d'elles allegou que ia ver sua familiar e dispoz os arranjos
precisos para voltar com ella a esta sua nova patria.
Hoje a colonia de Santarem est extinta por assim dizer. Dos
colonos que ainda existem uns subiram o rio e esto tirando se-
ringa e apanhando castanhas, outros andam pelas povoaes sem
occupao regular.
No me quero demorar em fazer consideraes a respeito d'es-
te assumpto, que nada tem de agradavel. Demais, nada adianta
para o governor da provincia que tem a sua disposio todos os
documents para melhor conhecel-o.

RECORDAES HISTORICAS.-Eu indiquei j a origem da denomi-
nao do Rio Preto dada ao Tapajoz. O nome de Topajs com
que hoje mais conhecido, foi-lhe dado mais tarde para desig-






- 93 -


nas-se o rio em cujas margens habitavam os indios de igual ap-
pellido. Era o rio dos Tapajz, como o Tocantins era o rio dos
Tucantins e o Amazonas o rio das Amazonas.
No entro aqui na questo sobre a origem dos Tapajs; con-
tento-me em dizer com Berredo que eram oriundos das Indias
Castelhanas de que se haviam separado, retirando-se at a mar-
gem d'aquelle rio onde viviam tranquiliamente negociando com
outros povos que os iam procurar.
Depois da conquista do Par os portuguezes comearam a ex-
tender suas excurses pelo Amazonas ; mas as diversas invases
de hollandezes e inglezes os detiveram por mais de 10 annos nos
estreitos limits do territorio conquistador, at que a espada glo-
riosa de Pedro Teixeira que foi no Amazonas o unico, mas bri-
lhante reflexo dos heroes lusitanos nas tries parties do velho mundo,
afugentando todos os inimigos europos, deixou livre o caminho
da conquista.
Os portuguezes comearam a fezer expedies pelo lado do
Amazonas, quasi sempre com o fim de trazerem escravos; nunca
porem, haviam avanado alem da altura de Monte Alegre.
Em 1626, Pedro Teixeira que por ordem superior subio aquel-
le rio em companhia de frei Christovo de S. Jos, religioso ca-
pucho de S. Antonio, em servio do resgate de escravos, entrou
no rio Tapajos e abrio relaes amigaveis com os indios que resi-
diam n'um sitio cuja discriplo, dada por Berredo, parece ser a
da bahia de Alter do Cho.
D'esta epoca em diante as margens do Tapajos comearam a
ser frequentadas pelos portuguezes. Ignoro, porem, em que epoca
clles ou os missionaries induziram parte dos indios a se es-
tabelecerem no lugar que hoje Santarem.
Mais de 40 annos depois da viagem de Pedro Teixeira, os
rvd.o' padres da Companhia de Jesus alli apparecram e estabelece-
rim successivamente de '1668 em diante as misses seguintes,
mui proximas uma das outras.







- 94 -


Tapajs hoje Santarem.
Arapiuns Villa Franca.
Borary Alter do Cho.
S. Ignacio Boim.
S. Jos Pinhel.

Em 1694 em consequencia de receios de invases de estran-
geiros, principalmente de franceses que ameaavam de Cayena
entrar em conquista, mandou o governor portuguez extender for-
tificaes por todos os pontos do Amazonas onde podesse ha-
vei-as.
Manoel da Motta e Siqueira, portuguez abastado, to bom pa-
triota, como amigo do seu rei, offereceu-se para construir a sua
custa as fortalezas com a condio somente de ficar o commando
d'ellas a sua disposio.
Acceito o offerecimento, Manoel da Motta que em recompensa
foi nomeado superintendent das fortificaes, mandou logo cons-
truir todas as que lhe foram indicadas pelo governador entire as
quaes a do Tapajs que em 1697 ficou concluida, sendo feita de
taipa de pilo, em forma quadrada com 22 braas de cada lado,
tendo cada angulo um baluarte.
Com o estabelecimento da fortaleza a alda do Tapajs cresceo
e progredio, ao passo que outras ficavam estacionarias ou deca-
hiam.
Em 1754., o capito general Mendona Furtado deo-lhe a ca-
thegoria de villa com o appellido de Santarem, e em 1848 a
lei provincial n. 145 conferio-lhe o titulo de cidade.
Em 1773 os Mundurucs (Muturucs) assolaram todo o Ta-
pajoz com fora armada, pondo em consternao os seus pacifico s
habitantes.
Esta valente nao que durante os 3 annos anteriores marchava
de victoria em victoria, sobre os indios que encontrava em seu
caminho desde as margens do Madeira, expellio ou reduzio os






-95 -

Tapajs que em vo pediam soccorro contra os seus formidaveis
conquistadores.
Os Mendurucs, acompanhados de suas mulheres que lhes pre-
paravam as armas e provavelmente excitavam seus brios durante
os embates, depois de se apossarem de numerosas aldas, foram
tambem medir-se com a guarnio de Santarem, atacando-a com
denodo e resistindo por muito tempo ao vivo fogo que se fazia
contra elles.
Desenganados, e vendo que lhes era impossivel obterem a
victoria, resolveram retirar-se.
Algum tempo depois d'estes acontecimentos, tratou-se e con_
seguio-se fazer-se a paz com esta belicosa nao que to valente'
e corajosa se mostrou na guerra quanto desde ento se tem mos-
trado sincera e leal a paz e fiel na amizade aos povos civili-
sados.









VI.


DE SANTAREM VILLA FRANCA
POR ALTER DO CHAO. *


Siunnaraio.-VISITA A ALTER DO CHO: SITUAO E ESTADO
D'ESTA FREGUESIA; RECORDAES DA SUA HISTO-
RIA.-VILLA FRANCA: ESPELHAGE M; SITUAO
E ESTADO DA VILLA; SUA TRANSFERENCIA PARA
ECUIPIRANGA.-O SEU MUNICIPIO.-O PESQUEI-
RO REAL.-NOTICIA GERAL, SOBRE AS POVOAES
DO TAPAJS: VILLA BOIM, AVEIRO, ITAITUBA E
OUTROS LOGARES.


ALTER DO CHio.-Partindo-se de Santarem para Villa Franca
a direco do caminho pela maior parte o mesmo para Alter do
Cho: acompanha-se a costa meridisnal, aronosa e as vezes uni
pouco empedrada, no rumo, ao principio O N O at, a grande
ponta denominada Maria Josepha, ficando de permeio a do Sal,
2,500 metros, mais ou menos, distantes da cidade; depois a
O S O, deixando-se a esquerda o outeiro esboroado do Tapuci
junto a margem, e o serro Piroca no centro entire a costa e a ba-
hiad'Alter do Chio, mas que por sua altura parece mui pr.ximo
da margem, e emfin o monte do Curur com sua ponta, da qual
parte um baixo de ara alvissima que se internal um pouco pelo
rio no rumo SSO, que tambem o do rio d'alli para cima.
A ponta Curur que determine, como uma balisa, a mudana
de direco do rio, assignala lambem a entrada da long bahia de
Alter do Cho que se prolonga ao S E cerca de 5 milhas.
No extreme d'essa bahia e na sua margem meridianal est a






-97-


freguezia de Alter do Cho que appresenta uma vista agradavel,
de long, com immediaes mui pittorescas e aprasiveis.
A povoao compe-se da igreja matriz situada n'uma praa
com casas somente d'um lado, e de duas ruas alinhadas a cordel,
partindo ambas 8a mesma praa para Oeste. Ha mais duas casas,
uma das quaes em construco.
A igreja, da invocao de N. S. da Saude, coberta de telha.
Bem que nada tenha de notavel, o edificio umico que avulta, e
de long mostra um certo realce. Por falta de auxilio dos cofres
provinciaes ou, antes, de espirito religioso dos habitantes, as obras
do altar acham-se mui damnificadas e carcomidas; o resto da
igreja e de seus pertences esto em estado decent.
As casas so todas mais ou menos iguaes em frma, altura e
material; so mui pequenas, except a do vigario, terreas e co-
bertas de palha.
O numero total d'ellas 47, das quaes 36 em bom estado,
10 chaidas ou estragadas e 1 em construco.
A populao de 138 pessoas inclusive as que habitam nas
immediaes; classifiquei essa populao do modo seguinte:

Homens...... 32 ] Mulheres...... 50
Meninos. . . 23 Meninas....... 25
Escravo menor. 1 Escrava maior.. 1

56 76

A freguezia d 4 eleitores de parochia que votam no collegio
de Santarem.
O estado de decadencia a que chegou a povoao aconselhou o
governor a cassar-lhe a cathegoria de villa, em 1841, sendo-lhe
conservada somente a de freguezia.
O district policial est annexo ao de Santarem.
A bahia, defronte e ao N. da povoaco separada de um lago,






- 98 -


que lhe fica a N E, por uma peninsula de ara de 8 a 12 metros
de largura, ficando encostado a praa da povoao um estreito ca-
nal de communicao.
O lago rodeado de terras altas formando various seios a E e
ao S. terminando todos em ,abeceiras de pequenas fontes que
descem dos montes visinhos.
O terreno ao N da povoao, do outro lado da bahia e do lago
offerece uma paisagem e aspect to risonho como pittoresco; ao
N O ergue-se o serro Piroca que d'este lado se appresenta do
mesmo modo que da margem do Tapajs, d'onde o acompanhamos
tendo-o sempre a vista; inteiramente despido de arvores, mas
todo coberto d'uma tenra graminea, desde a base at o ponto
mais alto.
Ao N. est o serro da Avenca em cuja face occidental se dis-
tinguem as calnadas de sua estratificao em degraos semi circu-
lares,
Ao NE. emfim v-se a linha irregular da serra Panema que
de Santarem vem correndo a S O.
Quando visitei Alter do Cho, o seu rvd. parocho achava-se
suspenso do exercicio de suas funces pela respective autoridade
ecclesiastica. No obstante, cuidava com zelo na conservao e
aceio da igreja, mostrando com satisfao o que ella tinha de me-
lhor e com pezar as ruinas que appareciam, mas que elle no ti-
nha meios de evitar.
No se havendo para alli mandado outro sacerdote, o povo,
privado dos soccorros da igreja, mostrava-sA afflicto e desgos-
toso, por que, diziam-me umas pobr es mulheres, nem para a
hora da morte la um padre para confessar
Este mal, segundo sou informado, vao ser sanado pela auto-
ridade competent.
As terras de Alter do Cho, a excepo dos valles ou quebra-
das das serras, nao so ferteis; participam da natureza das da




University of Florida Home Page
© 2004 - 2010 University of Florida George A. Smathers Libraries.
All rights reserved.

Acceptable Use, Copyright, and Disclaimer Statement
Last updated October 10, 2010 - - mvs