• TABLE OF CONTENTS
HIDE
 Front Cover
 Front Matter
 Half Title
 Advertising
 Title Page
 Dedication
 Joazeiro do cariry
 O embuste
 Fiat-lux
 Egreja-arca
 Maria de Araújo
 Rafa
 Corruptio
 Heroina
 Ladrão cadimo
 Sancta velhinha
 Aman-ra
 O beijo de stellita
 Malparia
 A morte em casa
 Apos o enredo
 O cyntho
 Abutre por dentro
 O rabello
 Reserva de deus
 Herminia
 Apophtegmas
 O surdo-mudo
 Infame
 Manoel Antonio
 Horrendo crime
 Polvo social
 Crimes espantosos
 Alma gafa
 O genio do mal
 Table of Contents














Title: Joazeiro do Cariry
CITATION THUMBNAILS PAGE IMAGE ZOOMABLE
Full Citation
STANDARD VIEW MARC VIEW
Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/UF00082130/00001
 Material Information
Title: Joazeiro do Cariry
Physical Description: Book
Language: Portuguese
Creator: Peixoto, Alencar.
Publisher: Typographia Moderna
Publication Date: 1913
 Subjects
Spatial Coverage: South America -- Brazil
 Record Information
Bibliographic ID: UF00082130
Volume ID: VID00001
Source Institution: University of Florida
Rights Management: All rights reserved by the source institution and holding location.
Resource Identifier: aleph - 003153240
oclc - 191820591

Table of Contents
    Front Cover
        Page i
        Page i-a
    Front Matter
        Page ii
        Page iii
        Page iv
    Half Title
        Page v
    Advertising
        Page vi
    Title Page
        Page vii
        Page viii
    Dedication
        Page ix
        Page x
        Page xi
        Page xii
        Page xiii
        Page xiv
    Joazeiro do cariry
        Page 15
        Page 16
        Page 17
        Page 18
        Page 19
        Page 20
    O embuste
        Page 21
        Page 22
        Page 23
        Page 24
        Page 25
        Page 26
    Fiat-lux
        Page 27
        Page 28
        Page 29
        Page 30
        Page 31
        Page 32
    Egreja-arca
        Page 33
        Page 34
        Page 35
        Page 36
        Page 37
        Page 38
    Maria de Araújo
        Page 39
        Page 40
        Page 41
        Page 42
        Page 43
        Page 44
    Rafa
        Page 45
        Page 46
        Page 47
        Page 48
        Page 49
        Page 50
        Page 51
        Page 52
    Corruptio
        Page 53
        Page 54
        Page 55
        Page 56
        Page 57
        Page 58
    Heroina
        Page 59
        Page 60
        Page 61
        Page 62
        Page 63
        Page 64
    Ladrão cadimo
        Page 65
        Page 66
        Page 67
        Page 68
        Page 69
        Page 70
    Sancta velhinha
        Page 71
        Page 72
        Page 73
        Page 74
        Page 75
        Page 76
    Aman-ra
        Page 77
        Page 78
        Page 79
        Page 80
        Page 81
        Page 82
        Page 83
        Page 84
    O beijo de stellita
        Page 85
        Page 86
        Page 87
        Page 88
        Page 89
        Page 90
        Page 91
        Page 92
    Malparia
        Page 93
        Page 94
        Page 95
        Page 96
        Page 97
        Page 98
        Page 99
        Page 100
    A morte em casa
        Page 101
        Page 102
        Page 103
        Page 104
        Page 105
        Page 106
    Apos o enredo
        Page 107
        Page 108
        Page 109
        Page 110
        Page 111
        Page 112
        Page 113
        Page 114
    O cyntho
        Page 115
        Page 116
        Page 117
        Page 118
        Page 119
        Page 120
        Page 121
        Page 122
    Abutre por dentro
        Page 123
        Page 124
        Page 125
        Page 126
        Page 127
        Page 128
        Page 129
        Page 130
    O rabello
        Page 131
        Page 132
        Page 133
        Page 134
        Page 135
        Page 136
    Reserva de deus
        Page 137
        Page 138
        Page 139
        Page 140
        Page 141
        Page 142
        Page 143
        Page 144
    Herminia
        Page 145
        Page 146
        Page 147
        Page 148
        Page 149
        Page 150
        Page 151
        Page 152
    Apophtegmas
        Page 153
        Page 154
        Page 155
        Page 156
        Page 157
        Page 158
        Page 159
        Page 160
    O surdo-mudo
        Page 161
        Page 162
        Page 163
        Page 164
        Page 165
        Page 166
        Page 167
        Page 168
    Infame
        Page 169
        Page 170
        Page 171
        Page 172
        Page 173
        Page 174
        Page 175
        Page 176
        Page 177
        Page 178
    Manoel Antonio
        Page 179
        Page 180
        Page 181
        Page 182
        Page 183
        Page 184
        Page 185
        Page 186
    Horrendo crime
        Page 187
        Page 188
        Page 189
        Page 190
        Page 191
        Page 192
        Page 193
        Page 194
    Polvo social
        Page 195
        Page 196
        Page 197
        Page 198
        Page 199
        Page 200
        Page 201
        Page 202
        Page 203
        Page 204
    Crimes espantosos
        Page 205
        Page 206
        Page 207
        Page 208
        Page 209
        Page 210
        Page 211
        Page 212
    Alma gafa
        Page 213
        Page 214
        Page 215
        Page 216
        Page 217
        Page 218
        Page 219
        Page 220
    O genio do mal
        Page 221
        Page 222
        Page 223
        Page 224
        Page 225
        Page 226
        Page 227
        Page 228
    Table of Contents
        Page 229
        Page 230
        Page 231
        Page 232
Full Text





ALENCAR PEIXOTO
















Isto e apenas um vagn contor-
no da realidade, apontid nassuas
f.ei6es essence' er
SEA DE QUEIROZ


S EDIQAO PROVISORIA






TYPOGRAPHIA MODERNA' -
CEARA-FORTALEZA
1913

















A todo Jornal ou Revista que se dig-
nar de publicar qualquer apreciaco sobre
este livro, pede-se-lhe o obsequio de, o
respective exemplar, envial-o ao sr. Fran-
cisco Linhares Tourinho, em Fortaleza,
Rua Bar.o do Rio Branco, 89.


_LI








-eI


------7d~

----
_~I1SI-------C
















JOAZEIRO DO CARIRY









DO MESMO AUCTOR

EM PREPARA( AO:


A VILLA DO JOAZEIRO (ou apontamen-
tos para a sua historic).






ALENCAR PEIXOTO







JOAZEIRO DO CARRY


'Isto e apenas um vago contor-
no da realidade, apontada nas suas
feigoes essenciaes.
EQA DE QUEIROZ




EDIQAO PROVISORIA





,' .' -
j .-,, 11- .,._, 11 1 1; .,


1913
















DEDICATORIA



























0 ACTOR






























Meu Amigo:

Ha cinco annos que Ihe devo uma resposta...
Lembra-se d'aquella carta que me escrevera, datada
de 16 de setembro de 1907, pedindo-me o informasse
respeito j gente e As cousas do Joazeiro do Cariry?
Lembra-se ?
Ah! deve de lembrar-se.
Pois bem! a resposta que comecei ao retirar-me d'a-
quelle antro do Drag.o e aqui acabei estilado pela ne-
vralgia e mais ainda pela visao nostalgia do clima, do
ceu, dos campos, dos valles, dos araes, das serras, das
fontes, dos rios e da gente de minha terra; a resposta
ahi tern...
E' o livro que hoje se public; 6 este escripto que
t.o d'alma ]he dedico cor todos os seus sinbes esthe-
ticos, cor todo o seu furor de ineluctavel verdade.
Leia-o, na certeza, porem, na certeza moral de que








XIV


isto 6 apenas un vago contorno da realidade, aponta-
da nas suas feigoes essenciaes.
As circumstancias, si permittirem que saia eu a defen-
der em campo a inateria, que nao a forma d'esta obra,
entto veri o nobre do patricio e amigo a realidade por
complete, a verdade em today a sua plenitude de nartes e pistols, laigrimas e sangue, gemidos e berros,
anjos e demonios, como no -O que fazem mulheres',
de CAMILLO.
Assim manda o men catonismo de dignidade e assiml
o farei corn o favor de Deus.

Senna Madureira
(Acre)


ALENCAR PuIXOTO.
















JOAZEIRO DO CARIRY















JOAZEIRO DO CARRY



-Sim, meu caro, procurarei de alguma for-
ma satisfazer-te.
0 povoamento inicial do Joazeiro do Cari-
ry data, pouco mais ou menos, de 1800.
Comeqou cor o padre Pedro Ribeiro Mon-
teiro, de saudosissima memorial.
Apenas alli chegara, pioneiro, tractou de lo-
go esse padre comprar terras e de situar
n'ellas fazendas de gado e miucas.
Religioso que era, afortunado, dispondo de
uma larada de mancipios que trouxera com-
sigo dos sert6es de Jaguaribe-mirim, em quan-
to que assim procedia, levantava a primeira
orada, o primeiro altar, a primeira cruz.
Feita a ermida que consagrara d N. Senhora
das D6res, families, vindas de long e das
immediaqbes do local, foram-se a volta d'ella
arraiando.
De aspect alacre, a margem de um ribei-






JOAZEIRO DO CARIRY
18

rinho anonymo que se chamou depois Sal-
gadinho, ao poente a serra do Catol6, do nor-
te para o nascente a serra do Araripe, for-
mando ur triangulo corn o Crato e Barba-
lha, levantou-se, a grandes ragadas do sol for-
te, o pittoresco povoado.
Era, em comeco, e como tudo conspirava
para o seu bem estar-o ar mais doce e mais
suave, o ceu mais azul e rais bello, a nature-
za mais risonha e mais amavel, e o home
sobretudo mais livre, mais serio, mais espiri-
tual e mais celeste; era, em comeqo, um como
ninho de pombas, alli, n'aquella altura, inter-
rompido apenas pela bicharia dos brejos, can-
tarolando d noute a psalmodia da lama.
Mais tarde, pormr, corn a morte do velho
padre em 1856, si me nio engano, I' vieram
de romania as rixas e as discordias e as conten-
coes e os arrancos do odio e da ambicao
perturbando a paz, desconcertando a ordem,
desmantellando o ninho..,
Tho animado, tao cheio de vida que entdo
ia o logarejo, alargando-se cor as suas casi-
nhas, cor os seus humildes cochicholos,ruto
em f6ra de sua evoluquo social, estacionara de
todo, e, poucos annos clepois, em 1868, era
um cadaver, decompondo-lhe d forma a au-
topsia da morte.
Mas, em 1872, eis que, cor a presence do





JOAZEIRO DO CARIRY
19

reverendo padre Cicero, foi-se, a pouco e
pouco, cor admiraQgo de todos, recompon-
do o cadaver, e, recomposto, galvanisado, re-
surgira!
Em contact cor o jovem do sacerdote ac-
cendido em zelo de Jesus Christo, inflamma-
do em amor do proximo, as mdos cheirando
ainda aos sanctos oleos; em contact corn
esse sacerdote humilde e pobre que, a con-
vite dos macotas da terra, para I se f6ra e
1l se ficara como capello, deu mais o Joazei-
ro uns passes para adeante e de seguida es-
tacou.
Adentrado, corn as suas casinhas, formando
em conjuncto urn ponto branco no azul do
tempo, ah! esperava elle um d'esses momen-
tos invenciveis, tdo raros na historic de um
povo, para, vertiginosamente, e a semelhanga
de um grande polvo, estender por sobre
aquelle. scenario os seus tentaculos.
E esse moment chegou.
Corn a affluencia, em 1890, dos devotos,
vindos de todas as parties, attrahidos pelos
taes factos miraculosos que attribuiam < tuito de merces cor que Deus quena pre-
miar as gentes>, mas que a S. S6 condemnara,
desdobrou-se, pois, e alastrou-se, admiravel-
mente, o povoado.
Seu commercio que se resumia em tres ou





JOAZEIRO DO CARIRY
20

quatro tabernas de aguardente de envolta cor
tres ou quatro peas de fazenda, desenvol-
veu-se de um modo espantoso.
Em todas as direcy5es do logar ergueram-
se tendas e officinas dechumecos, de oleiros
de flandeiros, de carpinteiros, de imaginarios,
de alfaiates, de quantos artists, n'uma pala-
vra, havia por ahi f6ra.
Families contavam-se por centenas, e, como
sempre chegavam, iam os alveneis edifican-
do ao som de l6as ao sangue precioso, .* N.
Senhora das D6res, A beata Maria de Araijo
e ao padre Cicero.
E assim por mais de vinte annos, tornan-
do-se o Joazeiro, hoje villa por decreto do
governor n.o 1028 de 22 de julho de 1911, o
maior nucleo de populacao que existe em to-
do o Ceard.
N.o ha mal que, nas plicaturas de seu ves-
tuario negro, algum bem ndo traga.
O puro mal nao existe.















0 EMBUSTE















O EMBUSTE



-Sem competencia para fazer o historic do
tal acontecimento eucharistico do Joazeiro,
dir-te-ei, comtudo, alguma cousa a respeito.
Aos onze de junho de 1890, na capellinha
de N. Senhora das D6res, Patrona do logar,
por occasiAo de receber das mdos do padre
Cicero a sagrada forma, cahiu Maria de Araui-
jo pela vez primeira em anagogia...
Acudindo-lhe immediatamente o padre, e,
cor palavras repassadas de uncq.o e ternu-
ra, pedindo-lhe em nome de Deus voltasse d
si, ella promptamente o attended; abriu de-
pois a bocca, e exhibiu-se de public o mila-
gre de ha muito concertado: a transformaqAo
da hostia em sangue.
Espalhou-se rapidamente pelo logarejo a
noticia do prodigio, e o povo acudiu logo
ao local, humilhado e contricto, cor esmolas
e promessas.






JOAZEIRO DO CARIRY
24

Alargando-se a nova As localidades visinhas,
appareceram as romarias e, de envolta corn
ellas, medicos e punguistas attestando de afo-
gadilho o facto como sobrenatural!
Transpoz a alcaldada as fronteiras do Esta-
do, e la vieram families e mais families im-
plorando do tal sangue e do padre e da be-
ata gracas e favors; artists, lettrados e poe-
tas de agua doce, adrogando bencqos e mer-
ces; cegos, aleijados e febrentos, exorando
cura e fazendo promessas; ladrbes, assassi-
nos e desordeiros, esmolando perddo e sup-
plicando misericordia.
Os que li chegavam, 6-me excusado di-
zer aqui de passage, brindavam todos ao
padre, A beata, ao sanfgue milagroso e a N.
Senhora das D6res, cor os seus saguates,
cor os seus donadios, corn os seus presen-
tes em metal sonante.
O Joazeiro alargando-se vertiginosamente
com as suas edificaqbes, e gemendo com @
peso de tanta gente, uma hora por outra
como se por elle transitasse um pegulhal de
hufalos, todo estremecia...
Era o padre Cicero que entdo passava, ou
antes, era a multidio, o animal possante que
se lancava cor elle e o arrebatava como uma
palha para vel-o de perto, para tocal-o, para






JOAZEIRO DO CARIRY
25


protegel-o e amparal-o, para beijar-lhe a mdo
ou a fimlria A chimarra.
Dir-se-ia uma batalha contra um inimigo
indeterminado, invisivel, intangivel.
Sentimentos, qual mais obscure, palavras que
esses como combatentes nao saberiam abso-
lutamente definir, crearam esse delirio em que
alguma cousa ia de animal e de profunda-
mente melancholico como excess misturado
de impotencia.
Mas, continuando:
Divulgado jA por toda a parte o facto
prodigioso, S. Exc.a o Exm.o e Rev.mo Sr.
D. Joaquim Jos6 Vieira, entdo Bispo Diocesa-
no, mandou por uma commission de padres
processal-o, e, processado que foi, enviou-o A
S. S6 que o condemnou depois como em-
buste...
Si nao foi, porem, embuste, como ainda
hoje o affirma a puridade o padre Cicero, por-
que o nro aprovou a sancta egreja?
Si nao foi embuste, porque a olhos vistos
se corrompia esse sangue em que tantas ve-
zes no Joazeiro se tinha transformado a hos-
tia consagrada?
Si nao nao foi embuste, porque o mesmo
do padre Cicero mandou latrocinar os panti-
nhos ensanguentados que, de ordem do bis-
po, foram recolhidos ao sacrario da matriz do






JOAZEIRO DO CARRY
26

Crato, afim de mais tarde serem submettidos
a um exame chimico?
Si nao foi, finalmente, embuste, porque Je-
sus Christo gue para salvar a humanidade>(*), nao salvou
ao menos o Joazeiro e o deixou abysmar-se
no abysmo do crime, da prostituiqco e da
miseria? ah! nao o sabem porque? e nao o
sabes tu, Sazon?
Sorride? ah dunque tit lo sai perche.

(*) Palavras do padre Cicero.








(^^j4^^-' / -


FIAT-LUX














FIAT LUX



-Acaba de o amigo expor o que Ihe dis-
sera um conhecido seu, da visinha cidade do
Crato, quanto ao acontecido do Joazeiro.
Permitta-me, porim, falar-lhe corn essa fran-
queza que, bem sabe, me 6 peculiar: seu co-
nhecido, d'aquella terra, Ihe nro disse quase
nada a respeito.
Omittiu-lhe mesmo, nao sei si por igno-
rancia ou mi fM, as informac6es que nao po-
de absolutamente dispensar quem deseja que
se saiba da verdade.
Nao alludiu sequer d genethliaca d'aquelle
facto que sem as mentiras que depois deban-
garam, de arranjos officials de papeis que
o saturaram de opprobios, e documents que
o destruiram, nao podia deixar de condemnal-
o e, de facto, o condemnou a S. S&.
E como assim o deixou todo em escuro
batendo is cegas, procurarei de alguma sor-
te, dizendo-lhe verdade, fazer-lhe luz.






JOAZEIRO DO CARIRY
30

Milagre, um s6, de certo, o nunca houve no
Joazeiro, meu caro amigo.
Creia-me.
0 facto que li se deu da transformacao
da hostia em sangue; esse facto que tantos
males nos ter originado e que seria uma im-
piedade o, como alguns fanaticos, defrontar-
mos cor os acontecimentos eucharisticos de
Ferrara, de Asti, de Orvietto, de Bagno, de
Macerata, de Lanceano e de outros logares ;
esse facto, nao ha mais negar, foi parto da
miserabilidade do padre Cicero.
Tramou-o elle nas trevas e nas trevas o
concerto cor Maria de Aratjo, suggestio-
nado pelo espirito do mal que nao dorme e se
nao canga de, embondos, qual mais terrivel,
creal-os a nossa fe.
Concertou-o elle no sentido exclusive de
tornar-se bichago, redemindo-se das miserias
da pobreza que o traziam atropelado, trans-
montado e a corqo.
Concertou-o elle !...
Mas, s6 muito tempo depois, como se he-
sitasse cor o tamanho e as consequencias
de sua obra infernal, 6 que, de praca, o exhi-
bira.
Exhibido, e d impia f6 e misero credo de
um mahometano, pois -cor elle (eu li estava





JOAZEIRO DO CARRY
31

e li o ouvi) affirmara uma nova redempcao,
tractou de, logo, miseravelmente, explorer o
povo que accudia, como ainda hoje, de toda
a parte, cor promessas e esmolas, a despei-
to mesmo da condemnacao da S. S6, pouco
depois.
E assim, a deploravel miserabilidade de uma
irreverencia gravissima e detestavel, de um
abuso impio e sacrilego da Divina Eucharis-
tia, de um execrando attentado de Lesa-Divin-
dade, horrendo crime, esse, de que se nunca
penitenciou, e simplesmente por isso que con-
tin6a a, mais ou menos, render-lhe, 6 qut
chegou o padre Cicero ao scopo de sua am-
bico satan.ca e, a um tempo, sem o saber,
ao derradeiro laco que Ihe armara o decho e
que o perdeu para todo o sempre...
Millionario e cainho, eil-o ahi, pois, em meio
as victims de seus mais indignos processes
de exploracao, e sorrindo como urna d'essas
figurinhas pueris dos sonhos bucolicos de
Vateau ou Corot; sorrindo de p1 sobre as
remisgas do sangue que apodrecera, de Ma-
ria de Ara6jo; sangue esse que das gengivas,
a meu ver, fazia vir ella, e como queria, A
bocca maltratada; sangue esse, finalmente, em
que tantas vezes no Joazeiro se tinha trans-
formado, ou antes, dissolvido a hostia consa-
grada !!















EGREJA-ARCA















EGREJA-ARCA



A egreja do Horto!...
SEm poucas e mal tragadas linhas, eis ahi
a sua triste historic:
Apbs ter exhibido, como de Jesus Christo,
o sangue de Maria de Aratijo, fez ver o pa-
dre Cicero a necessidade de, quanto antes, le-
vantar um temple enorme, soberbo, grandio-
so, magnifico, onde esse mesmo sangue po-
desse ser visto e adorado de todos, a con-
tento.
Esmolas choveram.
Roncou, dentro em pouco, esbordando em
marulhos, um rio de dinheiro.
Nem uma palavra, sequer, deu mais o pa-
dre a respeito.
Calou-se de todo.
Foram-se mezes.
Accusado, e justamente, accusado de nao
satisfazer ao compromisso que contrahira pe-






JOAZEIRO DO CARIRV
36

rante o public, pouco ou nada importou-se
cor isto.
Annos, porem, annos depois, arranjou, Deus
sabe como, a meia legoa de distancia do Jo-
azeiro, um tracto de terra A serra do Catole
(tracto de terra, esse, a que chamou, e se fi-
cou sendo chamado Horto) e, por intermedio
de um seu parent, positis ponendis, deu co-
meco aos trabalhos.
Era de ver, entdo, como, dia a dia, sorrin-
do a tripa f6rra, assistia elle ao immane sa-
crificio penoso dos fieis a carregarem, do valle
para aquella serra, a agua precara, a cal, a
areia, a pedra, e a madeira que dariam em
conjuncto, no Horto, a grande egreja.
Dias e dias, assim, transcorridos, comegou
de estafar-se e, por ultimo, estafou-se, como
besta de carga, a multidio.
Nto tendo olhos para ver, nem coracdo para
sentir, nem alma para comprehender o esta-
do miseravel a que, sem remuneracqo, redu-
zira o pobre povo faminto, recorreu o senecto
do haloplanta A logical de sua villanagem, fal-
lando-lhe d'est'arte:
E' precise continuarmos com os traba-
lhos da egreja do Horto.
N. MWe das D6res assim o quer, e as-
sim, por mais de unma vez, m'o ter reve-
lado.





JOAZEIRO DO CARIRY
37
A' obra, pois, i obra de Deus, meus
amiguinhos !
Quem sabe si nao havemos de nos es-
capar alli de um enorme aguaceiro seme-
lhante ao diluvio ? !
Ah quem sabe ? !
A' obra de Deus, ainda uma vez, pois,
meus amiguinhos !
Nao se p6de, de certo, avaliar o effeito que
produziram n'alma do povo taes palavras.
Aquelle escuro enxame de gente de todas
as edades e de ambos os sexos, assombra-
do, amedrontado, apavorado em extreme cor
a imminencia de um segundo diluvio uni-
versal, retesou-se de supremo esforqo, e no
dia seguinte ao d'aquella prosma hypocrita,
corn mais ardor ainda que em comego, con-
tinuou cor o sacrificio, 16as, cantando-as ao
desalmado algoz...
Que de victims, ah! que de victims nao
as immolara assim a miserabilidade do padre
Cicero ? !
Quantos que, ao vencerem os derradeiros
tombos d'aquejle Calvario verde, por terra,
nao cahiram e, As golfadas de sangue, nao
succumbiram, nao morreram ? !
Quantos que se nao inutilisaram de todo
para a familiar, para a sociedade, para a pa-
tria?!
Informado que foi o prelado diocesano, de






JOAZEIRO DO CARIRV
38

que c padre Cicero, sobre continuar a alimen-
tar o fanatismo do povo, explorava-o desgra-
qadamente e sacrificava-o sem d6 e sem pie-
dade as inconcebiveis villanias de sua mise-
ria, prohibiu terminantemente, por uma porta-
ria, a continuaqdo da obra que se elevava ad-
miravelmente.
Pararam os trabalhos.
Em seguida, utilisando-se dos materials que
li se achavam amontoados em pilhas n'aquella
altura, construju o velho do reverendaco, ao
lado do churk embryonario, um palacete corn
me ndo lembro que portas de frente, com mu-
ralha, cor cisterna, cor desvdos, corn sub-
terraneos; um bello palacete confortavel, esse,
onde s6e passar o verao, vivendo A grande,
em quanto que la em baixo, na melancholia
poetica do valle, tripudiam A fome, victims
A typhlose de sua ambi~go, milhares de des-
gragados!
Em poucas e mal tracadas linhas, eis ahi
a triste historic d'aquella egreja que 1 se fi-
cou, no Horto, em menos da metade de sua
construccqo, e como-um prefacio a historic
das villanias e baixesas do padre Cicero.















MARIA DE ARAUJO
















MARIA DE ARAUJO



-Onde nasceu ?
-E criou-se?
-Sim!
-Nasceu e criou-se ella em um dos aros
mais surrentos e miseraveis d'aquella esmen-
surada almastiga de d6r, de horrores e de
abandon social, que se chama Joazeiro.
-Seu pae ?
-Um divezo que andava quase sempre em
temulencia; um negro, mancipio que fora da
gente do padre Pedro Ribeiro, de saudosa
memorial.
-Sua mae ?
-Uma cabra de cabello ulotricho e masti-
gado que servia.f6ra de casa, mas muitas ve-
zes n.o podia trabalhar e se ficava de cama
por causa das sovas que amiudadamente Ihe
dava o macho, o marido.
-A mulher de que fallamos, si, como me






JOAZEIRO DO CARRY
42

dizes, e eu creio, 6 um product, um cruza-
mento das duas racas mais detestaveis, nao
p6de deixar de ser, em todos os sentidos,
uma hybridez horrivel.
-De facto, amigo, e tdo horrivel como tal-
vez nao imagines.
-Poderds vasar-me em palavras a hybri-
dez esthetica d'essa monstruosidade feita mu-
Iher?
-Corn muito gosto.
-Pois vamos 1i.
E o moco desembaracadamente, e n'um
como rapto de alegria infantil que lhe oura-
va a cabeca:
-Maria de Arafijo que deve de orcar hoje
pelos seus cincoenta annos, 6 de estatura re-
gular; brunduzia, triste, vagarosa, entanguida,
essencialmente cachetica, porque tem ella uma
series ascendente de cacheticos ou tuberculo-
SOS.
A cabeca que, por casa, como por toda a
parte, traz sempre descoberta, ter a configu-
racao de um corridor de boi, escarnado.
O cabello que nem 6 preto nem branco,
pelo que suppor-se p6de ter ella quarenta e
poucos annos, 6 cortado d escovinha.
Os olhos pequenos, e sem um raio sequer
de expresso que Ihe illumine o semblante,





JOAZEIRO DOCARIRY
43

mexem-se hystericamente nas faldas de uma
testa estreita e protuberante.
O nariz irrompe d'entre os olhos, sem ba-
se, e, levantando-se, a pouco e pouco, alarga-
se de azas chatas at6 os ossos malares, acham-
boirados, estupidos, nas gelhentas bochechas
cavas.
Os beigos molles e relaxados deixam a des-
coberto em um dos cantos da cacostoma boc-
ca, d competencia cor a pelle c6r de azeito-
na em estado de putrefaccqo, denegridos, os
dentes laniares.
A saliencia do maxillar inferior, desafiando-
Ihe a protuberancia do frontal, semelha-se ao
de um home de Darwin.
O pesc6co como que quer desapparecer a
forquilha que Ihe formam os hombros altean-
do-se ao nivel das orelhas sem pingentes.
Eis, meu amigo, em ligeiros tragos, o tran-
sumpto d'essa cacodemoniaca creature que
deve de ser mulher, que assim o indica a
penula, a murga, a bata, o vestuario, sobretal,
de beata.
Para todos os que a viram e, como eu, a
conhecem, eu talvez mais que todos, que n.o
n'a perdia d'olhos, e segui-a por toda a par-
te, estudando-a, examinando-a, e mais ainda as
suas acc6es, a pintura, direi, paraphraseando
o classic auctor do Fanny, a pintura 6 por





JOAZEIRO DO CARIRY
44

demais mesquinha, apagada e fria em face do
original.
-Muito bem e que me dizes, agora, quan-
to ao monstro por dentro ?
-Quanto A hybridez moral d'essa candor-
qa diabolica a quem se ligara pela lei das
molecules affins, e cor quern concertara o
padre Cicero aquelle supersatanico embuste
iterativo da hostia em sangue transformada,
quem poderd debuxal-a? quem poderd deline-
ar o perfil d'essa alma soberanamente execra-
vel? quer podera relatar as suas miserias e
as suas torpezas? queen poderd enumerar to-
dos os males que ella, de mros dadas corn
o padre Cicero, tern causado a religiio, d pa-
tria e A huranidade?
E assim fizou o dialogo, o moqo.















RAFA







-U





RAFA



-De hoje, nao 6 nem de hontem que ou-
go fallar do Joazeiro do Cariry e, de presen-
te, ainda n.o pude former um conceito segu-
ro acerca d'essa pobre villa sertaneja.
-E' que, meu Djalma, ainda nao andaste
por i vendo, tractando, pelejando, exami-
nando, estudando...
-Mas, tu assim me-fallas, Pantosa, como
se jd estivesses por l ?!
-E como nao se acabo de chegar apenas ?
-Pois eu te julgava com bons fundamen-
tos na capital da Republica.
-Qual! durante todo esse tempo que d'aqui
me ausentei, e junctamente com a familiar
achava-me no Joazeiro.
-Pouco mais ou menos, que tempo?
-Cinco annos, precisamente, hoje.
-Entao folgo muitissimo com isto, pois
que s6 tu com essa isenq.o de espirito que





JOAZEIRO DO CARRY
48

bern que te caracterisa, e com essa firmeza
ou seguranca de ideas e conceitos que te 6
peculiar, poderds informar-me bem a respeito
d'essa terra tao fallada, tao discutida.
O bom do amigo, pois, que se digne de
esclarecer-me sobre o que respeita A gente e
aos costumes da terra, e tao somente isto,
que de milagres nada absolutamente quero
saber, que, de facto, nunca os houve, sinao
embustes de que lanqara mo o padre Cicero
para, explorando o povo, millionarisar-se.
-Com muita satisfaco, meu caro amigo
que n'esse terreno eu piso seguro de mim,
senhor e altivo, sem receio de que se me fal-
seie o p6 em resvalo de algum abysmo.
E approximando-se Pantosa um pouco mais
de Djalma:
-Uma das cousas, que mais impression
aos que, pela vez primeira, visitam o Joazeiro,
6, corn effeito, aquella agglomeracgo de gente
maltrapilha e suja aqui e alli pelas ruas, princi-
palmente em. frente i casa do padre Cicero.
O corac.o human, por mais callejado, por
mais empedrado que seja, darda-o deveras a
existencia d'aquelles miseraveis que, pela sua
extrema pobreza, ou pela sua rude profiss.o,
lembram-nos esses rocins da Europa ou es-
ses conductores de jin-rich-s/h nos centros
populosos do Oriente.






JOAZEIRO DO CARIRY
49

N'este torrio patrio de todos os brazileiros,
n'este immense paiz selvagem de rios cauda-
losos, de natureza pompejante, um lugar nao
o ha sequer que de uma idea exacta ou com-
pleta do que seja a miseria.
Preciso, 6 vir ao Joazeiro e ahi surprehen-
der esse drag.o terrivel que s6 a allianga hor-
rivel de todos os symbols abominaveis do
fanatismo de um padre, tIo disforme assim, e
tfo monstruoso, poderia engendral-o.
S6 n'esse desgragado recanto do sul do
Ceard, s6 n'esse ponto em extranho contras-
te cor os demais pontos d'aquella uberrima
zona do Cariry, s6 ahi e que se v. a palavra
-miseria em sua tremenda accepc~o.
Miseraveis, homes s6mente no nome, ho-
mens que mais semelham vermes a pullula-
rem dos tremedaes, encontram-se alli em ver-
dadeiros enxames; mumias surgindo de todos
os cantos; cadaveres transitando por todas as
ruas; esqueletos esmolando de porta em por-
ta a caridade public; mocinhas que a impu-
reza dos homes corrompera, cahindo pelas
calgadas, extenuadas de fome, cobertas de
muquiranas, a cabeca comida de piolhos; cre-
ancinhas no desamparo mais crfi, em logares
descampados ou ao p6 das arvores, nucegas,
arrastando o venture no 16do conmo batracios;
sedentos saciando-se aos aguagaes e As pu-






JOAZEIRO DO CARRY
50

tridas aguadas publicas; famintos roendo os-
sos e matando a fome nos esterquilinios e nos
monturcs, em quanto que outros, em grande
numero, arrebentados de exgotamento como
animals de fadiga, li se vao ter, arrastando-se
como serpentes, aos que jA 16 se acham nas
immundicies de um mocar a que chamam
de hospital ou As pudriddes de gente e lixo
ao lado csquerdo da capella de N. Senhora
das Dores.
E por cumulo, 6 meu amigo, por cumulo
de tamanha miseria--l dentro nos pulmies
de todas essas victims ha o vulcao que rou-
queja, ha a febre que escalda, ha o desaponta-
mento que blasphema, ha o desespero que
relouca, ha, finalmente, o passa-porte para o
tenebroso oceano da morte...
E' ver, como eu vi, e ver entdo pelas ruas
como. desfilam, caminho do cemiterio, uns
ap6s outros, defunctos e mais defunctos sem
guaia!
S6 assim se explica, como em tempo de
epidemia, a clade, a mortandade alli de todos
os dias.
Em resumpta, eis meu Djalma, eis o que
vi, o que presenciei de olhos abertos no Joa-
zeiro do Cariry, durante esses cinco annos
de residencia que 16 estive.







JOAZEIRO DO CARRY
51
-Ber, amigo que me dizes, porem, quanto
aos costumes d'aquella gente ?
Pantosa olhou para o chronometro e disse
destrahidamente:
-A prosa agrada-te, mas agora me lembro
que me esperam i Encruzilhada do Bom Fiim
e naio possb nem devo faltar.
Adeus, Djalma, n'outra occasiio havemos
de cergir a palestra justamente onde a inter-
rompemos.
-Adeus!














CORRUPTION














CORRUPTION



-Nem ha impedimento algum que me em-
barace b responder-te.
E ap6s uns segundos que levou accenden-
do um cigarro, continuou:
-A populagco do Joazeiro que se eleva
hoje a, pouco mais ou menos, trinta mil al-
mas, 6 quase que exclusivamente composta
de romeiros, o que vale o mesmo que dizer
-de assassinos, de desordeiros, de rufibes e
de ladries de cavallo que, perseguidos pela
policia dos Estados visinhos, alli se refugia-
ram sob a guard e protecgdo do padre Ci-
cero.
Ora, meu caro amigo, d'esse heteroclito pro-
miscuismo hybrido de scelerados e bandidos,
de brutos e matadores a cerrarem fileira alli
corn outros que se Ihes vAo chegando, que po-
deria resultar em beneficio dos costumes ou
da moral d'aquella terra ?





JOAZEIRO DO CARRY
56

-Absolutamente nada.
-Assim, a miseria de que bem a par te
achas, e por informagres que acabam de for-
necer-te, seguras; a miseria d'aquelle povo
nao podia deixar de alliciar-se-lhe a miseria
do roubo, das extors6es, dos assaltos d pro-
priedade alheia e do assassinate; miseria, essa,
arrematada pela mais baixa e mais vil e mais
degradante de todas as miserias-a miseria
da corrupc.o.
A miseria da corrupl o sim, meu caro
amigo, a miseria da corrupgao alli campeia as
redeas soltas, e de alto a baixo nem mesmo
respeitando a pouca edade.
E', na expresso do povo que bem a tra-
duz, 6 um horror !...
Families e families que, de Alag6as, princi-
palmente, alli chegam em visit ou de mora-
da, perdem o dinheiro que trazem, e mais que
dinheiro, e mais que tudo n'este mundo-
perdem a honra Gloriaa do nome, heranca
melhor dos pais>.
Raras, as que se retiram indemnes d'aquelle
abysmo de perdicgo e miseria; rarissimas, po-
rim, as que 1 se ficam e nao se abysmam.
Ah! meu amigo! corrupco como essa, eu
nunca a vi, nem t.o desbragada, nem t.o im-
pudente, em parte alguma.
Nao se computam, por impossivel, mulhe-





JOAZEIRO DO CARIRY
57

res, mocinhas e creancas de dez e onze an-
nos que 1I se v.o em revoas, pombas feridas
no que tinham de mais sagrado na vida, aos
lubricos pombaes da miseria no Crato, em
Barbalha, em MissAo-Velha!
E como, meu caro, como poderia deixar de
ser assim, si alli n'aquella terra sancta existe
uma grande corja de infames composta, em
sua maioria, de romeiros que mais se acercam
do sancto padre, cujo fim 6 unica e exclusi-
vamente-deflorar-perverter-corromper?
D'esses infames, um s6 chegou a confessar
alli de public, corn todo o descaramento de
hetaira esfomeada,--que tinha ja pervertido
quarenta e trez donzellas, e-que a tal corja
de que fazia parte, contava ja, de agosto de
1910 a junho de 1911, em menos de um an-
no, portanto,-setecentas e vinte e tres, setecen-
tas e vinte e trez 1!!
-Mas isto 6 simplesmente horroroso! e o
reverendo... o padre Cicero ?
--Recostado a um montao de dinheiro,
o bastdo de toparcha na mao, a physionomia
como sempre aberta, a cabeca pendida para
um lado como a de Nosso Senhor, a mansi-
d.o nos olhos, o risosinho nos labios, a bran-
dura nas palavras, tossindo a espacos e pigar-
reando de vez em quando,-tem e ha de aguen-





JOAZEIRO DO CARRY
58

tar-se cor a sua obra de perversao e mi-
seria.
-Ndo mais, amigo, que o que acabas de
dizer-me,' e que muito que te agradeco, 6 mais
que sufficient por convencer-me de que o
Joazeiro 6 a terra classic por excellencia da
miseria e do crime arrematados, como o dis-
seste, pela mais baixa e mais vil e mais de-
gradante de todas as miserias-a miseria da
corrupC.o e essa, pardelhas! em maximo de
sua potencia-em sua apotheose!















HEROIN

















HEROINA



-D'onde?
-De um pinhal azambujense!
-Queres dizer com isto que vens...
-Do Joazeiro.
-De novo, que ha por essa cosmopolis de
padre Cicero e Maria de Aradjo, de beatos e
fanaticos, de cadimos e rubies, de scelerados
e bandidos, de infames e assassinos, de bru-
tos e matadores?
-Nada, que eu saiba.
-Nada? pois corre por aqui, cor a sua
ja enorme cauda de commentaries, qual mais
desagradavel, a noticia de que uma creanca (*)
acaba de li assasinar a um pobre moco de
familiar.
-Ah! sim! 6 verdade! mas foi um crime

(*) Maria do Carmo, de 12 annos de idade.






JOAZEIRO DO CARIRY
62

que os homes de prol e de brio nao pode-
rao deixar de glorifical-o,-um sancto crime
esse-o crime de uma creanca que eleva tdo
alto o sentiments de sua honra a ponto de
matar...
-Como a esse pobre moqo indefeso!
-Sim! como a esse moqo que, a forca de
tantos mallogros, tentara, por ultimo, a forca,
pervertel-a! moco, esse, para quem a religiAo
era uma fabula; os sacramentos, uma explo-
rac o dos padres; a sanctidade, um erotismo;
a virtude, um product como o vitriolo e o
assucar; o pudor, uma nota de recolhimento
sem mais desconto; a honra, uma convencAo
abominavel e a virgindade-esse veu de pu-
reza original corn que os anjos cobrem, do
ceu, aos anjos ca da terra, um ab6rto, uma
aberraqCo da natureza ..
-Realmente, meu caro, realmente, uni san-
cto crime, o d'essa creanca-heroina; um san-
cto crime, esse, que importa n'um como sola-
men As dores, n'um come desafogo As mise-
rias de um povo.
-Mas, que solamen, que desafogo, esse, a-
migo, si a psychologia do facto, mesmo ao
rez de sua mais baixa esphera, escapou de
todo Aquella multidao informed?
0 Joazeiro, custa-me dizer, e como nfo si
em seus bracos chorei a primeira lagrima?-






JOAZEIRO DO CARRY
63
o Joazeiro nao lobrigou atravez do impulse
violent e sublime de uma das cellulas de seu
immense organismo, uma restea sequer de
vaporoso triumpho...
Tal, mais que nao em tempo algum, a sua
degradacqo de hoje-degradacao horrenda!!!
Pobre Joazeiro! como aquelle bom filho
de que falla Mickiewicz, como elle que, ao ex-
clamar, as zinas do desespero, juncto ao lei-
to de sua pobre mre, curou-a da lethargia d
que tombara, pudera eu, bradando-lhe aos ou-
vidos, p61:o a salvo d'esse abysmo lethargic
de corrupcqo e de miseria a que vertiginosa-
mente o arrastara a sanctidade omnimoda de
um sacerdote...
Pudera s6 unma forqa, porem, o poderA sal-
var; nao essa forqa que discute a sabre e d
bala; nao essa forca que destrbe e arrasa
como em Canudos; nao essa fcrca que as-
sanha e mata como em Pernambuco; nao es-
sa forca que asphyxia e extermina como na
ilha das Cobras; nao essa forqa que ensan-
guenta e assassina como no < e, ca-
minhando por sobre um mar de sangue, vae,
mais feroz que Attila, levar o incendio, o ter-
ror, a morte, e, cor a morte, a dor e o de-
sespero, o pranto e o luto, como, por bom-
bardeio, A Bahia; nao essa forca, finalmente,
que vem dos homes que se apoderaram da






JOAZEIRO DO CARIRY
64

Republica para humilhacao nossa e acanalha-
mento das instituiqbes; mas essa forga que
vem do alto-a intervencao divina por mila-
gre mais elevado que todos os milagres de
que falla a Biblia,
Somente ella.















LADRAO CADIMO
















LADRAO CADIMO



N'uma tarde dos ultimos dias de maio de
1909, um padre ji velho, de estatura mean,
gordo, um tanto sapolga, a cabega para um
lado, o carao redondo, a barba aparada i te-
sourihha, temperando a guela, fallando e sor-
rindo para os que o ladeavam, seguia, em
Fortaleza, pela rua Major Facundo em f6ra.
A especial attencgo e vistas curiosas que
a sua pess6a attrahia, denunciavam-n'o como
sacerdote de grande importancia, e, a avaliar
pelos gestos e modos que a vaidade e o or-
gulho Ihe imprimiam no guesso e desagei-
tado corpo, nada d'isto Ihe ndo passava des-
percebido.
-Aquelle padre, quem e ? perguntou um
jovem acadenico a um conhecido seu, de ha
muitos annos.
-Pois nIo conhece o reverendo padre Ci-
cero, do Joazeiro do Cariry?






JOAZEIRO DO CARIRV
68

-Nao nao o conhego; mas, diga-me, que
razbes especiaes se concentram n'aquella bar-
rica, para que assim estremunhe a attenAio
de tanta gente ?
-Ah posse em metal sonante o melhor
de mil contos de reis.
-Que ? !
-E' como Ihe digo.
-Mas como adquiriu elle to grande for-
tuna em uma diocese, ao que me dizem, tao
pobre como esta ? como ?
-Ora, com maos e unhas proprias, apode-
rando-se de donativos valiosos e das offertas
em dinheiro feitas d padroeira d'aquella terra;
com maos e unhas de santanario, purgando
a bolsa dos pobres e ignorantes que melhor
tern encontrado que pilulas de escamonea;
cor maos e unhas de gato, agarrando e cha-
mando para si a fazenda alheia; com maos
e unhas de fome, poupando i bocca, A saii-
de e A vida A pobre familiar o que Ihe 6 de-
vido, e tudo ensaccando, e tudo guardando
sem saber a gente para que, nem para quan-
do, e certo 6 que para nunca.
E nao 6 tudo.
Ainda lanca mao aquelle padre, de m5os e
unhas alheias...
Diz Lactancio Firmiano que a maior mal-
dade que commette o demonio, 6 a de tomar





JOAZEIRO DOCARIRY
69

especies- em facto de sensibilidade para per-
petrar abominaqces.
SDisse-o muito bem; e, si men.io falha a
memorial, deu mesmo elle a razAo d'isto: por-
que nao ha, nem p6de haver maior malicia
que despir-se uma creature de seu proprio
ser, e vestir-se da natureza alheia, sahindo-se
de sua esphera para mais poder offender a
Deus.
Tal, meu amigo, o padre Cicero ajudan-
do-se ainda de mros e unhas alheias: sahe-
se de sua esphera e vae mendigar, nas alheias,
modos e instruments corn que mais furtar.
Nao se contentar um ladr.o cor tantas
m5os e unhas, e ir buscar ainda, e empresta-
das, maos e unhas alheias para mais furtar,
6, cor certeza, e ji o disse alguem, 6 o sum--
mo da ladroice,
E agora, meu bor amigo, como corollario
de tamanha ladroeira-o atrazo e a miseria
de que ainda se serve o tal padre ou melhor
tal monstro para mais engrossar o seu the-
souro; o atrazo e a miseria das victims de
sua cobica e voracidade; victims que se aca-
bam dando comsigo aos milhares nos horro-
res da prostituihdo.
Crato, Barbalha, Missao-Velha, e, sobretudo,
o Joazeiro, onde elle mora, alafe, que o digam.
-E em face de tantas infamias e tantas





JOAZEIRO DO CARIRY
70

desgracas e tantos crimes originarios de sua
ambig.o, como se porta elle, o miseravel
d'aquelle histri.o ? como ?
-Como todo e qualquer ladrao de seu por-
te e tomo, sem que nenhum dos musculos
de seu carIo traha um sentiment sequer de
d6 ou commiserac.o: o granite como o ou-
ro do avarento n.o estremece commocqes...
E basta, amigo que as obrigacqes de meu
estado me n'o permittem por mais tempo fal-
lar d'aquelle padre hypocrita, o maior cadimo
de meu conhecimento, o maior ladrao, quigi,
dos tempos de hoje.















SANCTA VELHINHA















SANCTA VELHINHA



Virtude, brilho das almas, que im-
porta que desqas i vasa? es imper-
meavel como a luz...
COELHO NETTO.

Ha no Joazeiro, ha n'esse abysmo insonda-
vel, ,,cavado depois de outro abysmo,, uma
velhinha t.o b6a qcue nio duvido descam os
anjos do ceu por admirar adica as suas vir-
tudes.
E ella simplesmente se vae pela vida em
f6ra derramando a virtude como a estrella
derrama a luz, como a flor derrama o perfu-
Sme, sem por de certo o saber.
Que sancta velhinha!
Duas palavras, nao mais, bastam para epi-
logar toda a sua vida: ella di e perd6a como
Jesus.
Perdao e Misericordia! estas palavras corn
todos os seus synonymos jamais escaparam






JOAZEIRO DOCARIRY
74

de seus labios, mas trahem-se, divinas, em seu
sorriso, em sua amabilidade, em sua condes-
cendencia, em sua caridade de -todos os ins-
tantes, em seu deslumbramento de amor a como
que dilatar-se e fundir-se no ar corn as raias
de sua hypostase adoravel.
Divina, que velhinha!
De todas as virtudes, porem, que a enalte-
cem e a sublimam e a divinisam, a de que
mais me admiro, e a que mais de perto me
toca o coraqco e a alma, 6 a sua virtude da edi-
ficacqo.
Contam que, um dia, em uma de suas ap-
paricqes a um sancto, disseram-lhe os anjos:
forqoso, 6 que pecaes um milagre ou vol-o
impozemos.
* Pois bem, diz o sancto, que faca eu o bem,
sem o nunca saber.
Os anjos, por muito empachados, reuniram-
se em conselho e sahiram-se depois cor este
pensamento: toda a vez que a sombra do
sancto projectar-se atraz d'elle ou de seus la-
dos, essa sombra tera o privilegio de curar
os enfermos, anodynar as d6res e consolar
os tristes e desgracados.
E assim foi.
E, como o sancto andava, desenhava-se-lhe
a somhra is ilhargas on atraz d'elle, e rever-
descendo iam-se os caminhos aridos, e flores-






JOAZEIRO DO CARRY
75

cendo iam-se as plants estioladas, e reviven-
do iam-se os regatos mortos, e cobrando a
c6r iam-se as-creancinhas pallidas, e enxugan-
do o pranto iam-se as maes flebis, lugentes,
inconsolaveis.
A virtude do bom exemplo de nossa velhi-
nha, direi, moralisando aqui a lenda, 6 como
a sombra d'aquelle sancto: acompanha-a por
toda a parte e por toda a parte fazendo mila-
gres que s6 Ihe serao revelados depois da
more.
E ella, a sancta velhinha, simplesmente se
vae pela vida em f6ra derramando a virtude
como a estrella derrama a luz, como a flor
derrama o perfume, sem o jamais perceber.
E quantos a .conhecem, que admiram-n'a,
como eu, respeitando a sua modestia-esse
halo de luz que augmenta o esplendor de
suas virtudes, nada Ihe fallando de seus mi-
lagres, e quase que esquecidos de seu pro-
prio nome-d. Angelica Maria Romana, ndo
n'a chamam mais que-a sancta velhinha (*).


(*) Escuso dizer ao leitor que esta velhinha 6 irma do
padre Cicero.
















AMAN-RA















AMAN-RA




A proposito de padres... que me dizes,
Amavio, tu que o conheces, que o tractaste
de perto, que por algum tempo corn elle con-
viveste, e tudo sacrificaste por elle; que me
dizes do reverendo padre Cicero, em particular,
isto 6, como amigo?
-Acode-me de prompto A memorial, e de
molde a tua pergunta, meu caro, uma alcalda-
da que li, nao ha muito, em uma das follas
matinaes, de Paris.
Eil-a:
fazer acquisicqo da mumia da princeza Aman-
Ra, que viveu, ha uns trinta e cinco seculos,
antes de nossa era.
Figura no catalog sob o numero 22.452.
A historic do Egypto nao diz, nem M.
Maspero nos revelou ainda o que a princeza,
fez de son vivant, mas, com'o a Venus d'llle,






JOAZEIRO DO CARRY
80


ella exerce uma influencia fatal depois de sua
morte.
Foi descoberta em 1864 por um arabe que
a vendeu por bom preco a um home de
sua raca.
Este, bastante rico que era, ndo tardou
muito a perder a fortune em circumstancias
tragicas, e morreu de pesar.
Dois de seus famulos que transportaram a
mumia, morreram quase ao mesmo tempo;
um terceiro, s6 pelo facto de a ter visto por
algumas vezes, perdeu um braco em uma ca-
cada.
Um photograph que tirar-lhe quiz o retra-
to, foi punido de morte subita; victim de
um falso movimento, um outro deu corn a
cabeca em uma drofa.
Muitos, finalmente, que viram a mumia,
tiveram de amargamente arrepender-se de sua
curiosidade.
Em vista d'estes e outros incidents, o di-
rector do Museum mandou retirar a mumia
para um logar distant onde pudesse escapar
aos olhares do public.
O encarregado que foi d'esse trabalho, e-
nos escusado dizer ainda (conclue o noticia-
rista) que fracturou a perna,>.
O padre Cicero, meu bom Alcino, o padre
Cicero, si, como sacerdote, como cidad.o e






JOAZIERO DO CARIRY
81

como politico, 6 um home funesto, como
amigo intimo e particular nao o e menos, e
talvez mais ainda; porquanto, e n'este ponto
estou eu de acordo cor os oraculos do
psychologismo modern, 6 a reencarnacao vi-
va e palpitante de Aman-Ra, a exercer, como
ella depois "da morte, sobre quantos o cercam,
como sobre quantos o cercaram corn a sua
amizade, dedicacgo e sympathia-uma influ-
encia fatal...
E si nao, vejamos.
Jos6 Marrocos, seu amigo desde a infancia,
viveu uma vida de verdadeiro martyrio, e
morreu envenenado por um quidam, no Joa-
zeiro; monsenhor Monteirc cegou, e acabou
os seus ultimos dias na maior indigencia; pa-
dre Joaquim Sother acant6ou-se Id para as
bandas do Quixard onde vive a s6s, chucha-
do das bruxas e desprezado; padre Jodo Car-
los ji teria morrido d fome, si Ihe noo vales-
sem as suas bondosas parents; padre Vicen-
te de Alencar, meu parent, nao teve mais
al6u e anda pelo mundo como o Ahsaverus
da deuterose; padre Clicerio arrasta-se pauper-
rimo 1 para o Taboleiro d'Areia e como se
nao mais pertencesse ao clero; padre dr. Fran-
cisco Ferreira Antero, de tres em tres annos, re-
nova os sete passes de sua paixdo.; dr. Mar-
cos Rodrigues Madeira abandonou a familiar






JOAZEIRO DO CARIRY
82

que tanto estremecia, e lA se foi para o Ama-
zonas onde entregou-se d rapioca, fallecendo
pouco depois; dr. Ildefonso Lima foi desa-
peado da alta posicao que occupava junto
ao governor do Estado, e morreu quase arre-
negado de seus antigos correligionarios poli-
ticos; coronel Joaquim Secundo Chaves atra-
sou-se em seus negocics de pharmaceutico e
morreu de repente; tenente-coronel Jose Joa-
quim de Maria Lobo acha-se quase cego e
corn a telhice de ser um sabio como Ruy
Barboza; major Joo Cyriaco, de abastado
fazendeiro que era, estd reduzido a simple ven-
dilh~o de feira; capit.o Belmiro Maia nao tern
hoje de louca urn caco e s6 nao pede esmo-
la, porque ter vergonha; tenente Jose Duda
perdea uma filhinha e dois empregados no ul-
timo incendio qua devorou as suas officinas
de pyrotechnico.
Como estes, emfim, meu amigo, muitos ou-
tros--victimas da influencia fatal d'aquelle pa-
dre; muitos e muitos outros, cujos nomes
ser-me-ia impossivel declinar-te.
-Nao fallaste, porem, de ti, Amavio, tu que
pelo padre Cicero sacrificaste a bolsa, a saul-
de, a intelligencia e o future quc te sorria;
tu, que, por elle, eu bem o sei, expozeste a
propria vida, defendendo-lhe, novo Horacio
Codes, e ser mais ninguem-a ponte do Su-






JOAZEIRO DO CARRY
83

blicio prestes a ser invadida pelo exercito de
Porcena ? !
E o pobre do home affogando no triste
peito relampagos que Ihe afloravam as faces:
-Mas, tu nao ves, Alcino, a que ajo de pe-
nuria e exgotamento me acho eu reduzido ?
nao ves esta pallidez mate que me afeia o
semblante, e que ter as suas raizes funds
no Soffrimento que me consome e na D6r
que me esfarela? nao ves estas rugas que
m'as profunda o raio das impresses deses-
peradas? nao ves ainda que eu agoniso de
pe, nesta altura, a luz crepuscular das nostal-
gias? nao ves, meu caro amigo? nao vs ?
-Bern hajas tu, 6 matrio amor, que a bra-
za do lar, e, por muitas vezes, me disseste,
cheia de f6, cheia de zelo, cheia de carinhos,
cheia de desvellos pelos destinos de minha
vida: desgragado, meu filho, quem cor o pa-
dre Cicero se relaciona!















0 BEIJO DE STELLITA
















O BEIJO DE STELLITA



E' o beijo a mais doce recompensa
E a gloria maior! At, merecel-a
De uns labios virgens! Cahe como estrella
Na altiva front do que sonha e pensa!

LUCIO DE AIENDONCA

Foi no Joazeiro!...
Por uma d'essas tardes de setembro, cheias
de sol e pojeira, arrastando-ne por essa Rua
d'Amargura em f6ra, a que t.o impropriamen-
te chamam do padre Cicero; uma scena pre-
senciei que me tocou bastante o coracao:
uma creanga vestida de branco, esplendida de
lentejoilas, o cabello enastrado de fitilhos, fal-
lando e sorrindo para um rancho de creanci-
nhas esqueleticas, esfarrapadas e sujas que
se corriam, como de pudor instinctive, de si
mesmas, de sua propria nudez.
E com que graga e ternura ella, a creanca,





JOAZEIRO DO CARRY
88

Ihes nao sorria, fallando?! corn que encanto e
docura Ihes nio fallava, sorrindo?!
Certo, si as flores fallassem, haviam de fal-
lar como Stellita, assim chamava-se a peque-
nina dama; si as estrellas sorrissem, haviam
de sorrir como ella.



Stellita !
Si interessa ao amavel do leitor o transum-
pto d'essa amoravel creanqa, eu vol-o pinto,
que mais facil 6 desenhar um anjo que.uma
mulher: disse Flaubert.
Eil-o:
Debil, franzina, mimosa, sympathica e boni-
ta; a epiderme, setinosa e morena de cinna-
momo; as formas, delicadas, em doces con-
tornos que fariam o desespero de Phidias; as
m.ositas, afiladas de figurinhas de cera, pe-
dindo aneisinhos e provocando beijos; negros,
os grandes olhos scismadores sob a curva
fina das sobrancelhas; pequenina, a bocca, en-
tremostrando perolas; a frontesinha, intelli-
gente e meiga; o cabello, tdo negro como a
aza do mutum, e ora em sanefa sobre a fron-
te, ora solto para traz, ora preso ao alto da
cabeqa por ganchosinhos de ouro e lacinhos
de fita: no todo, como se ve, pois, um mimo,





JOAZEIRO DO CARIRY
89

um primor, uma joia especiosa a brilhar mes-
mo alli em meio ao borracal d'aquella terra,
como a estrella brilha na noute, como a vir-
tude brilha na morte...
Eis o retrato da creanga.
E, agora, uma creaturinha, como essa, assim
tao bella e t.o meiga e t.o adoravel, quem
nao n'a corteja como o Amor? quem nao n'a
saida como as Musas? quem n.o n'a cum-
primenta como as Oragas ? quem, sobretal,
nao n'a ama com todas as faculdades d'alma,
cor todas as forcas do coraco ?
*

Desde o moment em que vi Stellita, e ao
lado da Miseria innocent, andrajosa e famin-
ta, em idyllios de amor cor ella; desde esse
moment que comecei de amal-a: e, como quem
ama, deseja ver sempre o object amado,
d'ahi por deante, vel-a, eu procurava sempre.
Que tormento !
Mas, que doce console, a um tempo, quan-
do eu a via, passando por ella, ou ella pas-
sando por mim! que doce consolaqgo inven-
civel, quando, approximando-me d'ella, toma-
va nas minhas as suas delicadas mdosinhas,
e convulsivo lh'as apertava!
Era ver, ent.o, minha alma como se Ihe di-






JOAZEIRO DO CARRY
90

luia toda em sorrisos, em carinhos, em blan-
dicias ...
No mysterio psychologico de minhas affec-
c6es sentia, immense, que a amava com todas
as minhas faculdades, cor todas as minhas
forgas.
A despeito de sua pouca edade, pois con-
tava apenas cinco annos, ah! ndo tardou
muito sentisse a creanqa deveras o que eu
sentia...
Comprehendeu-me.
Bastante foi isto para que, com immense
gaudio de seus paes, as nossas relac6es de
amizade e amor e sympathia que tantas da-
masinhas da sua idade tanto invejavam ja,
de mais a mais se estreitassem.
Visitavamo-nos amiudadamente, um e outro
attrahidos pela d6ce lei ineffavel das molecu-
as affins.


N'um dia de festa national, em oarismo
com Stellita, no Escriptorio da Redaccqo do
0 Rebate, eu sentado junto a minha banca
de trabalho, ella de p6, recostada ao meu la-
do e tdo meiga como Cordelia compondo as
trancas desnastradas ao Rei Lear, pedi-lhe, cor
toda a sem ceremonia e franqueza de minha
alma-umr beijo.






JOAZEIRO DOCARIRY
91

A menina empallideceu, menina e ji mulher,
corn a enunciac.o apenas d'esse trecho de
Glitch ou Rameau, tao ingenuo e to puro;
olhou desconfiada, ou como se diz, hoje, en-
cabulada, para os que se achavam presents
e, um pouco, destacou-se de mim.
Todos, porem, como, cor razoes tao bem
concertadas, acudiram, celeres, em justificar o
meu pedido, a creanga, composto jA o sem-
blante, sorriu como sorriem os anjos e traz-
zas-collou-me na face o mais ruidoso e mais
sonoro de todos os beijos; o beijo que
nao trahe como o de Judas; o beijo que nao
fere nem mata como o de Brutus; o beijo
que nao avilta nem rebaixa como o de Albe-
roni: o beijo da Innocencia.
Depois, o que senti, por dentro, nao o sei
dizer; por f6ra desennuviou-se-me a front
abatida de velho de vinte e sete annos; des-
fizeram-se-me as rugas cavadas na testa pe-
los embates titanicos do pensamento em prol
do bem estar de um povo...
E desde entao para ci, que tempo ji de-
corrido, meu Deus! nunca mais sahiu-me da
cabega, oh! nunca mais! enchendo-me de pra-
zer como as dolorosas visoes de Rembrandt
-o beijo de Stellita!















MALPARIA















MALARIA



Contrastando abracadabrantemente corn o
marido, um home de bor character, amavel,
alegre, bondoso, expansive e digno, dedicado
e sincere, conciliante e tenaz ao mesmo tem-
po, era Malparia de mau humor, abichornada,
sombria, concentrada, barzoneira, calina, fraca,
timida e incommoda, algumas vezes altiva, sem-
pre teimosa e pretenciosa, brutal e vingativa.
Todos estes signaes moraes, -mne escusa-
do aqui dizer, trazia-os ella estampados em
todo seu exterior de mulher abatufada e gorda.
Estavam-lhe na attitude desleixada, presu-
mida, orgulhosa; estavam-lhe no andar dese-
gual e molle; estavam-lhe no rosto, cujos tra-
gos moves revelavam tdo fielmente as impres-
s6es, e cujas linhas reflectiam em repouso a
maneira habitual de querer e sentir; estavam-
lhe no olhar, ora apagado, ora perturbado,
ora perfido; estavam-lhe na palavra arrastada,





JOAZEIRO DO CARIRY
96

perplexa, exoterica; estavam-lhe, finalmente, em
todos os actos ainda nos menos importantes
de sua vida.
De mau humor, abichornada, sombria, con-
centrada, barzoneira, calina, fraca, timida e in-
commoda, algumas vezes altiva, semlre teimo-
sa e pretenciosa, brutal e vingativa, mulher
assim como a que apresento, de duas uma:
o diabo ella 6, ou ella d'elle.
Abrenuncio!



Casada de pouco tempo, em plena flora-
qdo da care, apaixonou-se Malparia de um
mandarete do marido.
Era um pretinho de, pouco mais ou menos,
quinze annos, franzino, remanchio, vagaroso,
estupido, Martinho de nome.
0 amor de Malparia para corn esse cama-
fonge foi assim rapido que inexplicavel.
E' que tudo 6 surpresa n'essa raptura dos
sentidos e o cora;.o,como diz Lacordaire, o
coracao 6 um raio: nio sabe onde cahe, si-
n.o quando cahii.
O que, entretanto, Ihe favorecia a esse amor
de exicio foi, de par corn a desordem de seu
coracao e a anarchia de sua vontade, a ocio-
sidade de seu espirito.
A ociosidade, bem diz um refr.o, a ociosi-






JOAZEIRO DO CARIR\
97

dade 6 a mde de todos os vicios, o que vale
o mesmo que dizer-de todos os crimes.
Mestra, os males que ella ensina, sdo, mui-
tas vezes, de tal natureza que se nao redi-
mem.
A alma despreoccupada semelha-se d uma
boica, ou a um campo sem cultural e mal guar-
dado; as hervas nocivas e os espinhos ahi
brotam e crescem espontaneamente; os ani-
maes damninhos e malfazejos ahi seemmos-
queiram, ahi se encoquinam.
Nao e surprehendente, pois, que, na creatu-
ra ociosa, napeira e remissa que nao sabe re-
primir os impetos de seu coraqco e as de-
sordens de sua vontade, a sensualidade se
manifeste a proposito de tudo e a proposito
de nada.
Em Malparia, fez irrupgAo...
No sentido de entregar-se corpo e alma ao
bigorrilha, talvez, nem imaginar, nem phanta-
siar possa a imaginaqco e a phantasia do lei-
tor, o que ella fez.

*

Certo dia, cerca de uma hora da tarde, cer-
to dia em que Martinho voltava de um man-
dado do amo a poucas leguas de distancia
do Joazeiro, e todo encarangado i fome, os





JOAZrIRO DO CARIRV ,
98

olhos cheios de arestas luminosas, Malparia,
sombria, concentrada e de mau humor como
sempre, mostrando-lhe a dentuca apodrecida:
-0 almoco esti prompto, disse-lhe ella, o
almoco esta prompto, entremos.
Martinho entrou.
Sentando-se i cabeceira da mesa, a um ges-
to dominativo da mulher que Ihe preparou
depois o prato vagarosamente, comecou de
servir-se corn sofreguiddo.
-Que tal a fritada? interrompeu-o ella.
-Muito 66a, minha ama! nunca comi uma
figanca tao gostosa, tao saborosa, tdo bem
preparada como esta.
-Pois fique sabendo que fui eu mesma quem
lh'a preparou, eu mesma em pess6a.
-Eu logo vi que tinha sido minha ama,
porque onde minha ama anda, nao nega.
-Continuar!
-E Martinho continuou a comer; comeu
como um alarve, estupidamente, brutalmente.
Depois do almoco perguntou Malparia ao
animalzinho:
-Sabe de que foi a fritada que acabou de
largamente comer?
-De figo, minha ama.
-Figo de que? Martinho !
-De carneiro ?
-Nao !





JOAZIERO DO CARRY


-De vitela ?
-Nada! venha ca Martinho, venha ci.
E agarrando-o pelo braco, levou-o a um
dos compartimentos da casa, e depois...
Horrorisado, apavorado, sem poder articu-
lar uma s6 palavra, o moleque desgarrou-se
da ama, transpoz de um pulo o limiar da
porta A casa, e, rapido, como a pomba das de-
vezas, enfiou-se mata a dentro que, mais proxi-
ma, Ihe ficava, e desappareceu para sempre,
sem que ninguem mais tarde houvesse que
desse noticias d'elle.
NMo foi para menos, o caso: tinha Malparia,
de facto, assassinado a seu proprio marido e,
do figado que Ihe arrancara,fizera aquellafrita-
da...




University of Florida Home Page
© 2004 - 2010 University of Florida George A. Smathers Libraries.
All rights reserved.

Acceptable Use, Copyright, and Disclaimer Statement
Last updated October 10, 2010 - - mvs