• TABLE OF CONTENTS
HIDE
 Half Title
 Title Page
 Advertising
 Dedication
 O principio
 Introducção
 O beato da cruz
 O beato Vicente
 O beato Ricardo
 Mané Côco Secco
 Zé Pedro
 Mané Chiquinha
 Antonio Calangro
 Pedro dos Anjos vulgo Perdo...
 Antonio Vaqueiro
 Canuto dos Reis
 Chico Pinheiro vulgo Senhozinh...
 Quintino
 Zé Pinheiro
 Conceito
 Errata
 Table of Contents














Group Title: Beatos e cangaceíros : história real, observaca~o pessoal e impressa~o psychológica de alguns dos mais celebres congaceros do nordeste
Title: Beatos e cangaceiros
CITATION THUMBNAILS PAGE IMAGE ZOOMABLE
Full Citation
STANDARD VIEW MARC VIEW
Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/UF00081163/00001
 Material Information
Title: Beatos e cangaceiros historia real, observacao pessoal e impressao psychologica de alguns dos mais celebres cangaceiros do Nordeste
Physical Description: 248 p. : ;
Language: English
Creator: Oliveira, Xavier de
Publisher: s.n.
Place of Publication: Rio de Janeiro
 Subjects
Genre: non-fiction   ( marcgt )
 Record Information
Bibliographic ID: UF00081163
Volume ID: VID00001
Source Institution: University of Florida
Rights Management: All rights reserved by the source institution and holding location.
Resource Identifier: aleph - 003160501

Table of Contents
    Half Title
        Page 1
        Page 2
    Title Page
        Page 3
        Page 4
    Advertising
        Page 5
        Page 6
    Dedication
        Page 7
        Page 8
    O principio
        Page 9
        Page 10
        Page 11
        Page 12
        Page 13
        Page 14
        Page 15
        Page 16
    Introducção
        Page 17
        Page 18
        Page 18a
        Page 19
        Page 20
        Page 21
        Page 22
        Page 23
        Page 24
        Page 25
        Page 26
        Page 27
        Page 28
        Page 29
        Page 30
        Page 31
        Page 32
        Page 33
        Page 34
        Page 35
        Page 36
    O beato da cruz
        Page 37
        Page 38
        Page 39
        Page 40
        Page 41
        Page 42
        Page 43
        Page 44
        Page 45
        Page 46
    O beato Vicente
        Page 47
        Page 48
        Page 49
        Page 50
        Page 51
        Page 52
        Page 53
        Page 54
        Page 55
        Page 56
        Page 57
        Page 58
        Page 59
        Page 60
    O beato Ricardo
        Page 61
        Page 62
        Page 63
        Page 64
        Page 65
        Page 66
        Page 67
        Page 68
        Page 69
        Page 70
        Page 71
        Page 72
        Page 73
        Page 74
        Page 75
        Page 76
    Mané Côco Secco
        Page 77
        Page 78
        Page 79
        Page 80
        Page 81
        Page 82
        Page 83
        Page 84
    Zé Pedro
        Page 85
        Page 86
        Page 87
        Page 88
        Page 89
        Page 90
        Page 91
        Page 92
        Page 93
        Page 94
        Page 95
        Page 96
    Mané Chiquinha
        Page 97
        Page 98
        Page 99
        Page 100
        Page 101
        Page 102
        Page 103
        Page 104
        Page 105
        Page 106
        Page 107
        Page 108
    Antonio Calangro
        Page 109
        Page 110
        Page 111
        Page 112
        Page 113
        Page 114
        Page 115
        Page 116
        Page 117
        Page 118
        Page 119
        Page 120
        Page 121
        Page 122
        Page 123
        Page 124
    Pedro dos Anjos vulgo Perdo Pilé
        Page 125
        Page 126
        Page 127
        Page 128
        Page 129
        Page 130
        Page 131
        Page 132
        Page 133
        Page 134
        Page 135
        Page 136
        Page 137
        Page 138
        Page 139
        Page 140
    Antonio Vaqueiro
        Page 141
        Page 142
        Page 143
        Page 144
        Page 145
        Page 146
        Page 147
        Page 148
        Page 149
        Page 150
        Page 151
        Page 152
        Page 153
        Page 154
    Canuto dos Reis
        Page 155
        Page 156
        Page 157
        Page 158
        Page 159
        Page 160
        Page 161
        Page 162
        Page 163
        Page 164
        Page 165
        Page 166
        Page 167
        Page 168
        Page 169
        Page 170
    Chico Pinheiro vulgo Senhozinho
        Page 171
        Page 172
        Page 173
        Page 174
        Page 175
        Page 176
        Page 177
        Page 178
        Page 179
        Page 180
        Page 181
        Page 182
        Page 183
        Page 184
        Page 185
        Page 186
        Page 187
        Page 188
    Quintino
        Page 189
        Page 190
        Page 191
        Page 192
        Page 193
        Page 194
        Page 195
        Page 196
        Page 197
        Page 198
        Page 199
        Page 200
        Page 201
        Page 202
        Page 203
        Page 204
        Page 205
        Page 206
        Page 207
        Page 208
        Page 209
    Zé Pinheiro
        Page 210
        Page 211
        Page 212
        Page 213
        Page 214
        Page 215
        Page 216
        Page 217
        Page 218
        Page 219
        Page 220
        Page 221
        Page 222
        Page 223
        Page 224
        Page 225
        Page 226
        Page 227
        Page 228
        Page 229
        Page 230
        Page 231
        Page 232
        Page 233
        Page 234
        Page 235
        Page 236
        Page 237
        Page 238
        Page 239
        Page 240
        Page 241
        Page 242
        Page 243
        Page 244
    Conceito
        Page 245
        Page 246
        Page 247
        Page 248
    Errata
        Page 249
    Table of Contents
        Page 250
Full Text













IUeaitos e (Gangacelopos


"I F
". '-.'"..-




lavief do Helm


Beatos e an3aceiros
HISTORIC REAL, OBSERVACAO PESSOAL E IMPRESSiO
PSYCHOLOGICAL DE ALGUNS DOS MAIS CELEBRES
CANGACEIROS DO NORDESTE


RIO DE J ANMIRO
ltgC)





















DO ACTOR:
ALBUM DOS DOUTORANDOS. (ediqao luxuosa)
JERUSALEM BRASILEIRA (Joazeiro do Padre Cicero),
em elaborac8o























AO PROFESSOR AFRANIO PEIXOTO, MEO MESTRE
A GUSTAVO BARROSO (Joao do Norte)
















0 PRINCIPIO


Quando em 1909 cursava eu o primeiro anno
gymnasial no Collegio S. Jose da cidade do Crato,
meo Mestre do vernaculo, o revdo. Conego Pedro
Esmeraldo da Silva, entho, professor daquelle Colle-
gio, e hoje, vigario da freguezia de Joazeiro do Pa-
dre Cicero, deo um dia para them de aula de com-
posicao 0 CANGAIO (1) NO CARRY.
Ent8o, nem elle nem eu poderiamos prever hou-
vesse aqui de ser transcript aquella simples, humilde
e quase ingenua composi~go do modesto primeiran-
nista, do Collegio do Crato.
Mas o fago cor tanto maior prazer, quonto foi
ella o principio deste livro, que vem em gestagpo no
meo proprosito firme, desde aquelle dia, para mim.
memoravel.
Ei-la tal como a deixou, depois da correcgao
possivel, o meo revdo. Mestre:

(1) Termo regional empregado na accep;ao de bandifismo






BEATOS E CANGACEIROS


-0 CANGAO NO CARIRY..-- Tempos hou-
ve em quite o Cangaco era quasi desconhecido no
Cariry, agora 6 tio commum comno naquelle Pa-
gehd, outrora ,'aqui tto detesiado.
Antigamente era o Cariry conhecido pela sna
fertilidade e por muifas outras riquezas naturaes de
que d dotado, hoje, pelas innumeras desordens que
nelle se dfo, e apontado como umr desses logares
donde a felicidade e a paz fugiram por complete
e onde reinam sdmente a desespero e a desgrapa.
De certo: o assassinio, o roubo e today sore de
crime sio os frac/os colhidos dresses bandidos de
que se acham repletas todas as localidades desta re-
gido. E' que o facinora d um typo que today so-
ciedade polida detesta, t que os senhores do Ca-
riry o acolhem corn benignidade e o iratam com
o maior respeito e acatamento.
E se esses thomens o acolhem e porque apoiam
seas feitos, se o tratam corn benevolencia d para
que esteja sempre promnp4o para executor as des-
grafas de que o incumbem, se o protege e por-
quve slo egaaes a elle, pois, tanto furta quem furtou
como quem protege o ladrdo.
Os cangaceiros1 teem feito diminuir as fortunes
do Cariry; jd nem se podem enunterat as mtortes
que teem feito unicamente para roubar.

1 0 mesmo que bandido. -. bem de notsr, porm, que, no Nor-
desfe nem sempre o congaceiro e bandido. Muita vez instrument de polili-
ces inescrupulosos, oulras fanlas reivindicadores de offenses amiliares, e
nSo raro. meio de vida mris facil, com o qual, em geral, nao worre de fome






BEATOS E CANGACEIROS


Malar para roubar!...

Se os senhores seas protectores raciocinassem
am pouco sobre essas palavras, poderiam avaliar
nrais ou menos o que e am cangaceiro.
Quantos ais, quantos suspiros magoados ndo teem
soltado as pobres das viavas d falta do esposo que-
rido que os bandidos mataram e roubaram!
Quantas lagrimas de sangue nao teem chorado
os filhos orphnas de saudade do pae estremnoso cuja
existencia thes era tdo preciosa!
Oh Cariry! Eu como filho que son tea, lamen-
to a tza sorte!
Quisera poder rasgar a negra mortalha em que
Le achas envolvido, a qual, pouco a pouco, jd te tern
anniquilado moralrnente.
A lei nTo regular mais em ti; sd o rifle d que
faz e desfaz; governa quem ter cangaceiros, fern
razdo quem valente, e cidaddo quem assassina e
assim vae tudo...
Ndo ha mais neni~Ama garantia; os governan-
tes sdo os nuaiores persegaidores da ordem publica...
Ao ten governor compete perseguir esses ban-
didos que infestam a maior parade da zona sul do
Ceard, e ndo mistwrar com elles os seas soldados,
nAo ijntar os seas officials corn esses cangaceiros
chefes qae, por desgrapa, representam o Cariry ci-
vilmente.






BEATOS E CANGAOEIROS


A ede cmnpre prever todo o mal que possa
chegar a essa part de seu Estado, e rio por ex-
trema covardia sua, deixa-la permnrecer no estado
em que vae, dando assim a entender que apoia os
feitos de seas subalternos.
A elMe cumpre emfim restabelecer aqui a ordem,
ier compaix~o dessa mnocidade que, criando-se tw
mal, habitua-se a elle e fica irremediavelmente per-
dida.
E jd que assim nao procede, dd logar aos
filhos desta terra dizerem que d elle o legitimo can-
gaceiro, o unico causador das rniserias deste Cariry
outrora tdo feliz.
Crato, Collegio S. Jose -- 909.
Xavier de Oliveiram.



Palavras de um adolescent, de um collegial, es-
criptas sem outra preoccupaeao que nao a de bem des-
envolver um them, que Ihe f6ra dado em aule de
composigio vernacula.
Buscando-as hoje. dez annos depois, em meo
cartapacio, envio-as como uma lembranqa, envolat
numa saudade, ao meo inesquecivel Mestre, o Revdo.
Esmeraldo.
0 papel, velho, sujo, gasto do tempo, ainda con-
serva bem nitidos os tragos fortes do seo lapis, ne
corrigenda do them, para o aperfeicoamento da




BEATOS E CANGACEIMOS


phrase, para a pureza da linguagem, para a forma-
co do estylo.
Depois de a mim, s6 a elle p6de interessar esse
trapo em que firmei, uma idea, que e delle tambem,
porque me veio dos seos ensinamentos, e de que hoje
tiro um conceito este !ivro.
Pois que, quando o reler, haja de rir gostosa-
mente outra vez, corn aquella mesma doce philoso-
phia cor que, em tempo, dava aos mocos cariryenses
grandes licH6es de sciencia pura, de b6a moral christf
e de civismo elevado.
Hoje, as minhas ideas ainda sao as mesmas.
Certamente, as suas, ainda o sao tambem.
Vivemos, pois, sempre de accord.
Estarao de acc6rdo comnosco o governor do
Ceara e os homes do Cariry?
Nao tenho ben' certeza.
Mas, e possivel que ja sim.
Encerremos este capitulo do passado e entre-
mos, de cheio, no assumpto.
Antes, por6m, e de bom aviso um esclarecimento
ao leitor.
No correr destas paginas, p6de parecer estra-
nho que, fratando embora dos cangaceiros do Nor-
deste em geral, eu s6 me refira, quase, aos que five-
ram, ou teem ainda, como campo de accao, o Ceara,
nomeadamente o Cariry, e, especialmente, o Joazeiro.
A razao E a mais plausivel.
O Cariry, por suas condic6es especiaes de fer-




BEATOS E CANGAOEIROS


tilidade dos6lo, de exuberancia de produccoo agri-
cola e de grande desenvolvimento commercial, atlrahe
para si gene de today a regiSo nordestina.
E o mesmo succede corn Joazeiro, cidade co-
smopolita, j6 pelas mesmas raz6es inherentes ao Ca-
riry em geral, ji pela influencia religiosa do Padre Ci-
cero.
Foi 18 que, em annos consecutivos, colhi todo o
material deste livro. desde a figure macabre de Pedro
Pile, o jagunco bahiano, que defended, do principio
ao fim da tragedia, o reducto do Conselheiro seo Bom
Jesus de Canudos, a1t 6 individualidade. essencial-
mente fanatic, do Beato Vicente, o pernambucano de
origem hollandeza. que, de quando o conheco, s6
deixou o machado de lenhador, para pegar no baca-
marte bocca de sino, cor que defended heroicamente
o logar santo de seo padrinho Cicero e de sua Mae
das Ddres !
Sem o querer, cahi num circulo vicioso : vim
do jagunco de Canudos ao romeiro do Joazeiro.
Mas, E nesses dois extremes que se acha a ga-
leria terrorist, que me proponho movimentar.
Ella represent toda a escala que vem do he-
roismo a baixeza.
Parte de Canuto Reis, o cangaceiro here, va-
lentc e nobre, incapaz de uma traic;o, incapaz de
uma perversidade, o home honest, que prefer pe-
dir uma esmola a roubar um vintEm : e chega, de-
scendo, ati ao alagoano Ze Pinheiro, o famigerado





BEATOS E CANGACEIROS 15

bandido, covarde e perverse, traiqoeiro e vingafivo,
typo de canalha, alma de reprobo, que quiz comer o
cadaver de ur home. para quem, antes de o mater,
nunca tivera coragem de olbar frente a frente !.

Fechemos esta pagina triste.
E medifemos em que tudo isso se pass neste
Brasil, cor ur seculo de Independencia e corn trinta
annos de Republica !. .










IntroducQao















Foi nessa praga do Joazeiro que, em 1913, oito mil e
quatrocentos (8.400) homes se reuniram corn o fim, que reali-
zaram, de dep6r o illegal president Marcos Franco Rabello do
governor do Ceara.
Essa photographia, que ahi veeim os leitores, foi tirada
cinco annos depois, em 1918, e represent uma procisslo da
Egreja Catholica, Apostolica, Romana, na qual tornam parte,
cor tanta ordem, quanta piedade religiosa, algunias centenas
de futuras mnes brasileiras.
Pois foi para degollar essas innocentes criancinhas, e
todas as denaia de mna cidade de quarenta mil (40.000)
almas, a quem a Patria nega a esmola do alphabeto, que, a
voz de -DELENDA JOAZEIRO do falso president Rabello,
os seos soldados e cangaceiros afiaram os seos faces em
Crato, a 8 de dezembro de 1913.
O Ceara ji condemnou i execraglo o seo filho maldito.
E a Egreja, por sobre a phrase barbara DELENDA
JOAZEIRO ja inscreveu outra CONVERTA-SE JOA-
ZEIRO.
Quando sera que a Patria inscreverd a sua, que deveri
ser -EDUQUE-SE JOAZEIRO? .










II




4Aiiimi.


Tr-tr', ;I


Pra a da Liberdade emt Joazeiro do Padre Cicero











INTRODUCQAO

Causas geraes do banditismo no Nordeste: Analphabetismo
-Ausencia de Justica Falta de trabalho e exiguidade
de salario Politicagem
I
ANALPHABETISMO Falham-nos as esta-
listicas. Mas. as vezes, os governor dos Estados,
numa resenha de fim de anno, fazem umas paginas as
respectivas assembl&as, e a que dao o tifulo pomposo
de mensagem, e e nellas que melhor se p6de ver o
que vae por esses Brasis f6ra. Nao vae long ainda,
ao folhear algumas dessas resenhas, fiz ur estudo
comparative sobre diversos Estados, no tocante ao
cuidado dos seos governor reference 6 instrucbao do
povo.
0 Rio Grande do Sul vinha em primeiro logar:
vinte e cinco por cento de sue receita para os diver-
sos misteres da instructao, comprehendidos os en-
sinos primario, secundario e superior.
A Bahia vinha em ultimo logar: apenas QUATRO
por cento de sua receita. para a instrucaio dos seos
milh6es de filhos.
Sao Paulo e Ceara vinham em segundo e terceiro





BEATOS E CANGACEIROS


respectivamente, com vinte e dois e meio por cento o
primeiro, e corn vinte e dois o ultimo, dedicados 6 in-
struccao do seo povo.
Para o Norte, a cola do Ceara 6, deveras, con-
soladora. O mcsmo, porem, ja nao succede corn as
outras unidades dnquella parte do paiz.
No Nordeste, propriamente, a cifra do analpha-
betismo 6 desoladora. Nao e nenhum absurdo esti-
ma-la na proporc&o de noventa por cento.
E o que pode sentir, pensar, fazer um povo de
noventa por cento de analphabetos?
A Egreja brasileira, em todos os tempos, ha
trazido um grande contingent de beneficios 6 nossa
civilizacao.
Seja nas selvas, aos indigenes dos invios ser-
t6es brasileiros, naquellis paragens onde, a nio ser
o missionario evangelizedor, s6 chegam a coragem
indomifa e o patriotism ardente de Candido Ron-
don: seja na zona rural do Brasil, semi-civilizada e
semi-barbara ainda, 16 vae ella, carinhosa e audaz,
na sua nobre missao evangelizadora, lever um pouco
de luz ao espirito rude da humilde e boa gene serta-
neja.
Sejamos coherentes:no Nordeste, ainda foi a
Egreja que chegou primeiro, precedendo o Estado.
Na regiao dos tormentos j6 tlla ergueo, corajosa.
as fortalezas da fe, nos pontos estrategicos do campo
a conquistar.
Os bispados de Floresta, em Pernambuco, de





13EATOS E CANGAOEIROS


Cajazeiras, em Parahyba e de Sobral e Crato, no
Cear6, para s6 falar daquelles que se acham situados
mesmo no coragco do Nordeste, sao o maior pass
dado para a realizacgo da obra fifanica de instruir e
educar aquelle povo.
Cumpre, pois, que os governor, ao menos, se-
cundem a acc8o do clero, neste ponto de vista.
E cor os elements deste, que la estao espalhados por
toda parole, fundem Collegios, para a instruccao se-
cundaria dos mocos, e Escolas Normaes officializa-
das, onde a mulher sertaneja se possa habilitar para
exercer corn proveito a nobre miss8o de dar a instru-
ccao e educacao primaries 6 infancia desvalida e des-
prezada daquellas regi6es.
Pondere-se bem que nas cidades, nas villas, nas
povoan6es, nas aldeias, nas fazendas, em today parte,
16 estao moaas pobres, que, uma vez diplomadas, em
casa de seos proprios paes ou esposos, cor a maior
facilidades para ellas, e cor a menor despeza para os
governor, podero exercer o magisterio.
A mulher do povo, a operaria, em cerfas zonas
do Nordeste, chega muita vez a ganhar a ridicule
quantia de duzentos r6is ($200) por onze (11) ho-
res de servigo no campo.
Tomando por base essa proporcao, bem se p6de
avaliar o pouco que e precise para compensar a pro-
fessora camponeza, nascida, criada e educada no
meio onde deva exercer a sua nobre profissao.
E' o que 6 precise fazer e o que 6 mais facil de





BEATOS E CANGACEIROS


executar, em bern da instruccao e educacao da infan-
cia infeliz daquelle (recho da federagao.

I I

AUSENCIA DE JUSTICA No sertso n8o ha
lei, nao ha direitos, nao ha jusliga. E por isso, e
como nos tempos primitivos: cada um se garante a si
mesmo, como p6de.
E' possivel heja nessa affirmative. assim cafego-
rica, um pouco de exaggero.
Mas, apenas exaggero.
Porque, no fundo, ella e verdadeira.
Ha 16, de facto, magistrados encarregados de
distribuir a justica. Em verdade, porem, nem sempre
Ihes 6 possivel fazE-lo. Porque, muita vez, a isso se
opp6e o proprio governor dos Esiados.
Quanta vez, ali, nao e removido, de uma para
outra comarca, um juiz que proferio uma sentenca
contra um politico influence, cabo eleitoral ou chefe de
bando do president ou governador do Estado ?! !...
Vamos aos factos, que melhor comprovarao es-
sas asserc6es, que ate parecem absurdas.
De uma feita, um juiz integro, home de grande
cultural juridica e social, jornalista eximio e orador
fluente, uma figure de Nabuco, perdida, estragada na-
quelles sert6es, (eve a coragem de, num discurso vehe-
mente, proferir algumas phrases reprochando o proce-
dimento dos chefes da sua comarca, que protegiam
cangaceiros!





i, 1-4 E CANGACEIRO9


Teve vinte e quatro (24-) horas d:, prazo para se
retirar da cidade, para onde o nomeara o proprio
president do Estado
Mas o Padre Cicero interveio.
E arranjou, nao s6 que elle nao fosse batido a
cacde. findo aquelle prazo, como ainda que este fosse
augmentado de um para oito dias, afim de o governor
ter tempo de achar para onde remover o seo magis-
Itrdo .
Mas e que esse juiz era um novato, um caloiro.
Porque um juiz experimentado, um juiz traque-
jado, faz com o meo amigo, o Dr...... .....
Certa vez, por cslar cor o governor, um sujeito
meo conhecido forcou a um outro, meo conhecido
tambem, a liquidar uma velha questlo de terras,
Poz a agulha na fazenda do outro, onde bem
Ihe aprouve, fincou o marco, e o meo amigo juiz, de-
pois, Ihe deo razao na demand e posse nos terrenos
roubados.
Mas succedeo que, denfro em pouco, mudou a
situacao political. E eis que foi o outro, entao, quem
entrou cor a agulha pelas terras do que antes Ihe
roubora as suas...
E o iuiz, dessa vez. do razao 6quelle mesmo a
quem negara antes.
Para nao ser removido da comarca.
Ambos os questionadores fizeram tal qual como
o Rio Grande do Norte corn o Ceara, na questao de
limits de GRossos.
Quando ern ministros no governor da Republica





I3EATOS E CANIGACELROS


ou no Supremo Tribunal Federal, o Rio Grande do
Norte agita a questao; quando o nao tern, faz pro-
longer a demand.
E' interessante como os pequenos factors, do vi-
do commum, nada mais traduzem do que os pheno-
menos que se passam nas grandes esphercs dos
coisas.
A vida das amebas e como a dos seres superio-
res: nascein, adaptam-se ao meio e reproduzem-se.
E a sua vida est6 para a do home, no mesma ra-
zao que a questao de terras dos meos conhecidos do
Cariry, para essa outra questlo, tambem de terras,
dos meos n8o menos conhecidos Estados do Nor-
deste.
Mas, d6-se muita vez, o que se julga lesado
corn a sentence do juiz, nSo se conform, e 16 pega
de um rifle e de um punhal, para se garantir a si
mesmo, como possa.
E' dizer que para defender os seos direitos e
precise fazer-se cangaceiro.
Depois de matar alguns individuos, nao se quer
sujeitar 6 prisao, porque esf6 debaixo na polifica.
E la se vae, sertio em f6ra, a commefter novos
crimes.
O home honest e trabalhador de outrora e
um bandido agora, por cause de uma questao de
terras.
E' fal qual como foi no Contestado, entire San-
to Catharina e o Parana, e como sera, falvez, nesse





BEATOS E CANGAOEIROS


outro Contestado entire o Cear6 e o Rio Grande do
Norte...
Como os pequenos factos, da vida commum, ape-
nas traduzem altos phenomenon das grades esphe-
ras das coisas!...
Outras vezes, um individuo, por uma razao
qualquer, assassina outro. A familiar do morto debal-
de espera da justiCa o castigo do homicide. Como,
por6m, em geral, nao 6 punido ali o criminoso, um
membro della vinga-se, matando, ou ao proprio assas-
sino, ou a um seo parent. Faz-se cangaceiro e crimi-
noso, para poder se fazer justiga por suas proprias
maos.
E' o que succedEo cor Antonio Silvino.
Mataram-lhe o pae, quando elle ainda menino.
Nao punio a justi;a o assassino.
Quando Silvino crescEo, vingou-se, matando-o
a elle, o criminoso, e a mais quatro irmaos seos.
Depois,. correo o sertao, durante vinte annos, es-
palhando o terror, desafiando os governor, roubando
nas estradas, tocando fogo nas fazendas e saquean-
do o commercio.
Tudo isso porque nao ha policia no Nordeste.
Nao ha, nem poder6 haver, nas actuaes condig6es
de educa(go dos que a devem constituir.
Uma vez nos serftes, os soldados se identifi-
cam cor os seos parceiros de armas, os cangacei-
ros, seos antigos camaradas, seos amigos, seos pa-
rentes...
O governor ter espalhado forCas regulates do





BEATOSS E CANGACEIIRO9


excrcito, pelo interior dos Estados de Minas Geraes,
Sao Paulo e Rio Grande do Sul.
E' essa uma media que, af6ra no Rio Grande,
onde e ainda pela necessidade de guarnecer a fron-
teira, tem o grande merito de servir a Defeza Nacio-
nal, la e nos outros Estados.
Era de bem systernatizasse elle a distribuicao
do nosso exercito por todo o infer-land brasileiro.
No Nordesle, principalmente, onde o exercito,
a fropa de linha, come i1 chamado. e, cor razao.
lido e havido como inimigo dn povo, inimigo e per-
seguidor, seria de um grande alcance essa media.
Dentro em pouco, nao mais se rcpcfiriam essas
phrases corriqueiras la Cabra v6 p'ro Amazonas
mas nao senfe praoa. Cabra se ha de roubar sen-
fe prage; e sempre me/hor ser soldedo do que ser
ladro. ..
Ademais, s6 mesmo a dislribuicao de corpos
regulars do exercito, pelo interior brasileiro, poderia
regular e executar, cor efficiencia, o sorteio military
obrigatorio.
Acresce ainda que, 16 no sertfo, o soldado di-
sciplinado, instruido, ordeiro, seria o recurso unico pa-
ra infundir respeito aos cangaceiros, que logo veriam
nelle um mantenedor da ordem, e nao um mero exe-
cutor das manobras political dos defenfores do
poder.
A minha maneira de encarar este problema vae
ao extreme de julgar que todas as Regiaes Militares





1-3EA'i'A E CJ' ,*('A( EIROS


da Republica devam ter suas scdes no interior bra-
sileiro.
Vamos 16 a um pouco de franqueza:
Oue fazem os nossos soldados nas grandes ca-
piates ?
Acaso os combates para que se preparam de-
ver-se-6o travar em ruas asphaltadas de cidades ci-
vilizadas, ou em campos aggrestes de nossas longas
interminaveis fronteiras?
Na campanha, a respirar o ar puro do sertao,
deante das forcas vivas da Nalureza, affrontando as
infemperies, quer 6 luz ardente do sol brilhante dos
Iropicos, quer em meio aos furacbes fempestuosos
dos pampas do sul, 6 que melhor prepare poder8o
ter os defensores da Patria.
Nao nas grandes cidades, nao aqui, onde, pa-
ra inudar a guard do Catte!e, sahe de carrinho um
pelolao do quarter, disfante apenas poucos metros!
Rumo ao serfao os soldados do Patria!
Para o Nordeste, pelo menos, para conduzir
aquelle polo ao regimen da ordem, da legalidade e
da jostica .
Para o Nordeste, para confer, corn o seo exem-
plo de discipline, os excesses das milicias estadoaes.
La, as Regi6es Militares ao lado dos Bispados
Ecclesiasticos; a obra do prepare do home para
Deus, de par corn o seo prepare para a Patria !
Isso bastar6 para logo os que forem sendo edu-
cados na fe christa, e disciplinados no amor de Pa-





BEATOS E CANGACEIROS


tria, extinguirem, assimilando, os m6os elements da
regiao.
Joazeiro, na Bahia, Triumpho, em Pernambuco,
Pianc6, na Parahyba, Martins, no Rio Grande do
Norte, Sobral e Creto, no Ceara e Picos, no Piauhy,
deverao ser s6des de futures Regi6es Militares.
Para a munutencao da ordem, inexistente cor
a policia dos Estados, para garantia da magistratura.
para extincgao do banditismo, para efficiencia do sor-
teio military obrigatorio, e para melhor integrar o Exer-
cito Nacional cor o povo nobre, altivo, valenle e
patriots do Nordeste.

Ill

FALTA DE TRABALHO E EXIGUIDADE DE
SALARIO No Brasil, mesmo nos centros mais
adeantados, ainda nao existe organizaCao do traba-
Iho. E esse facto, s6 elle, e causa da miseria em que
vive o operariado brasileiro, pobre, faminto e niu.
Isso succede nas cidades mais adeentadas, nos
centros mais prosperous, onde ha trabelho, e onde este
E, bern ou mal, mas sempre remuneredo.
O que succederb, pois, nos logares onde nao
ha trabalho para excesses de bracos, nem alimentos
para excesses de boccas?
E' esse o quadro dantesco que apresenta o Nor-
deste, periodicamente.
No Cariry, em certa cidade, ha o que se chama
- feira dos frabalhadores. Centenas de homes.





BEATOS E CANGAGEIROS


reunidos em praca public, enxada ao hombro, prom-
ptos para o frabalho.
Chega o fazendeiro, escolle os mais robustos,
(e como se escolhera boi para o corte) e os leva 6
roCa.
Os outros, em numero de centenas, ficam sem
Irabalhar, e sem comer, elles, suas mulheres e seos
filhos.
Esta m8o, que ora aqui traca essas linhas, mui-
tas vezes, vae para doze annos, aos que tinham a
ventura de se empregar, pagou quinhentos reis ($500)
por um dia inteiro de trabelho !...
E como de praxe ali, antes do sol nascer, todos
a postos, para ganhar bem o dia, que s6 find, quan-
do o lusco-fusco nao mais permitted dislinguir uma tou-
ceira de arroz de uma de capim.
Assim. da segunda ao sabbado, cor apenas o
descanso de uma hora, para a refeicao rustic, de
feiijo de corda, farinha de mandioca e rapadura de
canna. eram onze horas de trabalho.
No domingo, o dia do descarso e da feira, rece-
bia, contente, o trabalhador rural, que encontrava ser-
vico, fres mil r6is (3$000), por seis dias de onze (11)
horas de trabalho de enxada !...
E as mulheres do Nordeste ?
Na colheita do arroz, suas mios pequenas, cor
uma faca afiada, fazem num dia o trabalho de um
home, durante uma semana.
No massapez, saias arregacadas, deixando ver
as lindas pernas roliias, de tez morena de jambo, a





BEATOS E C \NGACEIROS


repetir em voz meiga e saudosa as canr6es de Ca(ul-
lo, ao fim do dia teem ganho duzentos rcis...
($200)!...
No domingo, fcndo frabalhado da segunda ao
sabbado, recebem, contenfes, mil e duzenfos reis...
(1$200) por uma semana inteira de frabalho, de onze
(11) horas por dia !...
No entretanto. essas mulhercs dao. em media,
ao Brasil, dez (10) filhos Lie suas eniranhas, dez
brasileiros que, quando criados, sSo fortes, valentes
e patriofas, se circumstancias ferriveis nao os veem
tornar fracos, covardes e bandidos.
E quando Ihes morrein os c.,spcos. niao ha ali
Asylos de Orphaos, nem Casas de (Caridade para
abrigar-lhes os fillos.
Sao ellas inesmas. que ficam a crici-los fodos.
ganhando por dia duzentos Ieis ($200), quando en-
contram trabalho.
Ao commenfar esses factors frisiissimnos, que eu
vi, que eu senti, e de que hoje. aqui de long, me
lembro consternado, ouoo. dentro em mim, rugir, me-
donho, um s6pro de revolt.
E chego a querer dar razao ao bandido Ze Ri-
cardo, quando dizia as seguintes textuaes palavras a
um seo pacato amigo:
*Ze Divino, meo ve/ho. es um /ouco, passan-
do a vida inteira curvado sobre a fua enxac/a, que
s6 fe dd quinhenlos reis ($500) por dia.
Pois nao ves que um mez de fiabe/ho teo fe
vale doze mil reis (12$000) apenas; emquanfo que





BEATOS E CANGAGEIROS


eu fenho por dia o dinheiro que quero, dez, vinfe
mil reis, que os meos pafrdes me dao, de medo do
meo rifle?...
Dissesfe-me que ha ja annos nao sabes que
gosfo fem came de boi! Vem dahi, meo velho, froca
a fua enxada por um rifle, e assim ganhards num dia
o que jdmais ganhasfe num mez, e comers came de
boi, em mese posfa, cor os feos proprios pafrdes...
Maria Josepha, fu ganhas apenas duzenfos
reis ($200) por dia, e, por isso, nao fens, nunca fi-
vesfe um vesfido de chfa.
Nao ves minha mu/her, a ConceijCo ?
Pois bem, manda feo marido ser cangace.ro
tambem, e andards prompfa como ella.
E nunca mais feos filhos morrerdo c'e fome...

IV

POLITICAGEM 0 Norte, cor a Republica,
decahio polilicamenle.
E dado o surto economic do Sul, p6de-se di-
zer que elle, relativamenfe, decahio, political e eco-
nomicamente.
Sou dos que, nortista, veem contristados o des-
caso, o desprezo mesmo, cor que os governor da
Uniao teem tratado aquella parte do paiz.
Nao vae nenhum exaggero nesia affirmative.
Que os factos sao bem a confirmaCaodessa ver-
dade.





BEATOS E CANGACELROS


Mas, tambem, diga-se 16 corn today a franqueza;
essa situagao de inferioridade em que elle se encontra
foi creada, ate certo ponto, pelos proprios nortisfas.
Cada povo occupa no mundo o logar que
merece.
Nao you ao ponto de ver maiores aplid6cs para
vencer nos sulistas. Pois atE bem patent ser o
progress maior, deste lado do federacao, um pro-
ducto do emigrante europ0o.
Mas 6 para ver que, se, por um lado, a energia
ardente do nortista o levou a desbravar o Amazonas.
a conquistar o Acre, e a nao abandonar o Nordeste,
por outro lado, a calm perseverance do sulista con-
corrdo em b6a parte, para o progress maior dos
seos Estados. Encarando-os aos dois. nortista e
sulista, sob o ponto de vista moral, ve-se que a in-
dole ardente e, algum tanto intolerante do primeiro,
contrast inteiramente corn o temperament trio, dis-
simulador, mas persistent, do segundo.
E' evidence esse character, que d6 a um, o que,
talvez, falte, de todo, ao outro !
Poder-se-ia talvez, exemplificar esses dois typos
antagonicos da raoa nas pessoas de Pinheiro Macha-
do e Ruy Barbosa.
Duas singularidades, e verdade.
Mas veem a talhar.
Um, a energia calm, a forca de vontade tran-
quilla, a tenacidade serena, a manha, a astucia, tudo
o que levava 6 admiragao, de mistura cor um certo
respeito e temor.




BEATOS E CANGACEIROS


Era o symbol perfeito dessa entidade, antes
political do que geographic, a que se chama Sul.
O ouiro 6 a energia ardente, a forga vehemence,
a tenacidade nervosa, a franqueza, a sinceridade
mesmo, tudo o que nao verga, tudo o que nao dobra,
que imp6e a admiracao, e que leva ate a veneragao,
mas que, nao infundindo lemor, quase nunca vence.
Seria este o symbol perfeito do Norte, se as
ultimas gerac6es politics de la nao se desvirtuaram
e se desvalorizaram ao ponto de deixar que a Repu-
blica se tornasse um monopolio do Sul!,,,
Tudo, por uma razao soberana: porque no
no Sul se sabe e se pratica formula-A UNIXO
FAZ A FORKA.
E 6 por isso, que as grandes bancadas, tolerentes
os seos membros, nao teem s6 o peso numerico,
senao o valor maior da uniao de vistas como agem
na political federal.
Emquanto que no Norte, a comegar da Bahia, 6
o que se ve: o trafico dos Estados em favor das
facq6es politicas.-
E'o bombardeio da Bahia, o incendio de For-
faleza, os assassinios de Recife, as refregas de Be-
lem, c a revolugao do Joazeiro.
E' a intolerancia do nortista, que vem do parla-
mento ao sertso, dos deputados aos cangaceiros ..
De modo que estes, em geral, nio sio bandidos
como se pensa e se diz.
Sao expresses political da Republica...





BEATOS E CANGACEIROS


E de tanto maior valor, quanto seos serviyos sao
sempre disputados a dinheiro...
Em tempo, a organizaCqo era a mais perfeita.
Partia daqui do Rio, do Morro da Graqa, e che-
gava ate ao Joazeiro do Cariry, a um outro Morro
da Craga, residencia de um outro Pinheiro de 16, o
famoso Ze Pinheiro.
A forca moral deste, sobre os cangaceiros da
zona, s6 era comparavel a do Pinheiro daqui, sobre
os politicos do paiz. De modo que, cada um na sua
esphera, cram, moralmente, eguaes.
VW-se, pois, que a differenCa c apenas nas es-
pheras, ou nos meios, onde e desenvolvida a ac;ao.
Os typos variam cor os meios. E' assirn que, l) nos
sert6es, elles usam chapeo de couro. roupas de al-
godlo, alpercatas de rabicho. trazem o rifle ao hom-
bro, e as outras armas penduradas da cinfura.
Emquanto que, aqui. 6 sempre precise modificar
um ponco Assim, poem o revolver no bolso das
calsas e o punhal na cava do.collete.
Mas e essa a unica differenCa .
Hoje, porem, ja tudo estf mudado, e o Curiry e
como aqui o Rio: um seio de Abrahao.
Na praga da Liberdade do Joazeiro, eu vi, em
bandos, reunidos, os mais ferozes cangaceiros do
Nordeste, em acio political.
Agora, cinco anno depois, o que passam por ella
sao procissaes religiosas da Egreja Catholica, Apos-
tolica, Romana.
E assim send, c ja unia reminiscencia este





BEATOS E CANGACEIROS 35

BEATOS E GANGACEIROS Dentre elles,
como os mais afamados dos de meo conhecimento,
you apresentar aos leitores, os meos amigos:
O Beeto da Cruz, o Beato Vicente, o Beafo Ri-
cardo, Mane C6co SEcco, Z6 Pedro, Man6 Chiqui-
nha, Antonio Calangro, Pedro PilE, Antonio Vaquei-
ro, Canuto Reis, Chico Pinheiro, Quintino e Ze
Pinheiro.
Muilos delles ja sao com Deus.
Outros. por6m, ainda estao vivos.
Mas sao todos bons rapazes, e nada perdera o
leitor em travar relaqaes cor esses nossos heroicos e
desgraqcdos patricios.
Tenham, pois, o prazer de conhecel-os.










0 Beato da Cruz







r

I
i
1

K A


EIP ~l~' 1


0 Beato da Cruz


.'.'

Lh 7.z


t$ jt~











O BEATO DA CRUZ


Que 6 um beat 16 no meio religioso de Joa-
zeiro do Padre Cicero ?
E' um sujeito celibatario, que faz vofos de cas-
lidade (real ou apparentemente), que nao fem profis-
sao, porque deixou de trabalhar, e que vive da cari-
dade dos bons e das exploraces aos crentes.
Passa o dia a rezar nas egrejas. a visitar os en-
fcrmos. a enterrar os mortos, a ensinar orao6es aos
credulos, tudo de accordo com os preceitos do cate-
cisiro !
Vested 6 maneira de um frade : uma batina de al-
iodao into de preto, ura cruz as costas, um cordao
de Sao Francisco amarrado a cintura. uma dezena de
rosarios. uma centena de bentinhos de Sao Bento,uns
saquinhos com breves religiosos e cor orac6es pode-
rosas, tudo pendurado do pescoco.
Sao, geralmente, individuos vagabundos, hypo-
critas, delirantes religiosos, ou bandidos!
Nao cabe aqui a historic dos beatos do Joa-
zeiro, visto que, alem do Beato da Cruz, apenas dois
delles, porque incluidos no numero dos famosos can-
gaceiros do Nordeste, merecem descriptos: o Beato
Vicente e o Beato Ricardo.





BEATOS E CANGACEIROS


O Beato da Cruz nao era um cangacciro.
Nao andava de arma long, nem de arma cuIea.
nem mesmo de facho, e, apenas, trazia um punhal o-
ccullo na sua batina azul (excepgao entire os de sua
classes, sua batina era azul, envez de preta) de
modo a nao ser percebido por ninguem.
O Beato da Cruz nao era, propriamente, um
cangaceiro!
Apenas, dizem os romeiros que oconheciam do
Rio Grande do Norte, sua terra natal, quando era ahi
pelos seos vinte annos, assassinou seu pae..
Nao sei, ninguem sabe as razoes que o levaram
ao parricidio.
E por isso, mais difficil se forna fazer um juizo
approximado, a respeito da molestia que Ihe deve ter
perturbado a mente, desde entao.
De uma feita, os guarda-locacs Pedro Araujo,
Ze de Binda e Ze Bia, a mando de um famoso Jo8o
Bento, por esse tempo delegado da entao povoaCao
do Joazeiro, quizeram desinferrujar os seos faces
em suas costas.
Masse arrependeram da empreza.
O beato arrancou de debaixo da sua batina azul
o seo lingua de peba (um punhal de dois gumes.
estreito e long) e com a cruz numa mao, e com o pu-
nhal na outra, fez debandar a tropa que o queria sur-
rar.
Uai... Uai... Lai... meo Pae, perdoae-Aes
que nao sabem o que fazem-disse, embainhando a





BEATOS E CANGACEIROS


arma terrivel, e em pranto, marchou, corcunda. a cruz
6s costas,pelo beco da Velha Chica do Sobrado acima.
Que eu saiba, foi essa a sua segunda facanha,
e a unica que praticou durante a sua longa permanen-
cia em Cariry.
Nao devia, pois, figurar neste livro, que trafa ape-
nas, dos famosos guerriiheiros que conheci nos ser-
t6es nordestinos.
Em verdade, fui busca-lo no material que pos-
sio para a JERUSALEM BRASILEIRA -- (Jao-
zeiro Padre Cicero), ora em estudos.
E s6 o fiz, para o fim de, com a sua interessante
figure de beato penitente, dar uma idea exata e per-
feita do leifor, do que vem a ser essa entidade exotica e
singular. propria do meio religioso, que E o Joazeiro
do Padre Cicero.
Voltemos ao beat.
Ahi pelo anno de 1894, um rico fazendeiro
norte-rio-grandense, de nome Jose da Cruz, como
tantos outros milhares de sertanejos, veio em romaria
a Joazeiro, pagar uma promessa que fizera a Nossa
Senhora das Dores, padroeira do santo logar, e ao
Padre Cicero.
Empolgado o seo espirito fraco pelo sentiment
de religiosidade que ali observou nos romeiros resi-
dentes, encontrou, assim, o campo onde logo puderam
medrar corn exuberancia as ideas delirantes de que ja
se achava possuido.
Tanto chegou e, para logo, se tornou o que se vE
da sua figure macabra de beato penitente.





IEATOS E CAGA(.'EIROS


Assim, vestido a frade, a cruz ao hombro, a re-
zar nas egrejas, a ler a biblia e as histories dos santos,
comecou por querer similar o Santo Joao Baptista.
sem dispenser, nem mesmo o sco cordeirinho manso,
c animal sagrado dos israelitas.
Era para se penitenciar dos seos peccados mor-
faes..
Homem de c6r branch, de grandes olhos azues,
sem nenhum estygma physico apparent de degene-
rescencia, de quando o conheco (e foi desde que me
entendo) atl dois annos, quando fallecao, sua-vida foi
sempre a mesma : rezar nas egrejas e occupar-se das
coisas de Deus.
Humor trisle, facies abatido, olhar piedoso de
perfeito visionario, em constante anciedade, era sua
preoccupaCaounica salvar sua alma das penas eter-
nas!
Era para isso que passava a vida inteira a fazer
penifencia !
Nao sei se confessava sempre, o que nao e pro-
vavel ; mas 6 certo que levava o dia inteiro a ir de
uma para outra egreja, a postar-se de joelhos. contriclo,
deante do altar do Senhor Morto, a orar em extase,
a se lastimar, a chorar, a dizer-se culpado de estar ali
crucificado o Filho de Maria. o meigo Nazareno de
Belem e rei de Juda.
Uai... ai..ai.. Uai... meo Pai, fazia o
beato, prostrado aos pes da cruz, numa anciedade in-
descriptivel, offegante, a fazer caretas, banhado em
lagrimas e coberto de suor.





BEATOS E CANGACEIROS


Na mesa do Revd. Padre Luiz Maranhao de
Lacerda, vigario de Milagres, num dia de 1910 eu
estava, quando, com sorpreza para mim, portas a den-
Iro, entrou elle cantando, em voz sonora, e em som
de cantochao, o seo bemdicto predilecto:


Na quinfa-feire maior,
0 Deus Jesus Chrisfo previa,
Que na sexta-feira santa,
A's fres horas, elle morria.


Uai... Uai. Uai... meo Pae!..
A's ultimas palavras de sua toada plangente, des-
fez-se em pranto o beato.
Ainda era o mesmo.
Havia, seguramente, seis annos nao o via.
Fizera progress nos habitos de religioso, pois,
ja entao, estava cor a sua cruz de penitente cheia de
milagres que obrara para os fieis que tinham fe em sua
santidade, em seo prestigio junto a todos os santos
do ceo, e junto ao proprio Deus!...
ai Uai. Uai. meo Pail disse
em prantos, banhado em lagrimas, cahindo de joe-
Ihos aos p6s do sacerdote e beijando-lhe a batina.
Senfe-se ahi, Jose, deixe-se de choro e va -
mos comer, disse para elle o bom do parocho, apon-
tando-lhe uma cadeira 6 mesa.






BEATOS E CANGACEIROS


E o beato fez-nos compbnhia no agape.
Puxei entio de conversac;o com elle, e, duranle
todo o almoco, falamos de Joazeiro.
Disse-lhe o nedo que me causava quendo, me-
nino, o via aos pes da cruz, ou deante do Senhor
Morto, ao meio dia em ponlo, a chorar, a gemer do-
lorosamente ...
Uai... &ai. bai. meo Pae! .. e que
mais me parecia o uivo lastimoso de urn cao soffre-
dor do que os lamentos de um beato penifente.
Uai. Meo Padre. eu sou peor que um cao,
bradou lamentoso o beat. quando o padre:
Ora, Jose, nao faia assim deante do ma-
jor. ..
O major, na ironia christa do illuslre Revdo. era
eu, entao. um segundannista de gymnasio...
Sim meo Dadre, c terminou o beato di-
zendo-me de referencia ao Revd. Maranhao : elle e
mu.to bomzinho pars mim .
Consolado, continuou a comer.
Depois da refei0ao. dando gragas a Deus e ao
sacerdofe, que Ihe deram o pao daquelle dia, rezou
muitas orac6es, fez uma centena de em nome do
Padre os grandes olhos vermelhos do pranlo er-
guidos aos ceos, piedosos, despedio-se de n6s e
sahio, a cruz 6s costas, corn o seo manso cordeiri-
nho pelas ruas de Milagres, a cantar em voz cava e
sumida, numa toada plangente, o seo bemdicto predi-
lecfo:




BEATOS E CANGACEIROS


Na quinta-feira maior,
0 Deus Jesus-Chrisfo orevia,
Que na sexta-feira sanfa,
A's fres horas, elle morria.


Quem o poderia saber?
Era, talvez, o remorsodo beato, por haver mor-
to seu pae. possivelmente, numa sexta-feira tambem,
que explodia naquellas palavras que dizia cantando,
em voz penosa e sombria, e numa music funebre de
cantochio. .
S6 de tempos em tempos ia o Beato da Cruz a
Joazeiro, donde f6ra obrigado a sahir, em vista da
rixa que se creou entire elle e os guarda-locaes da
cidade que, de outra feita, o pegaram de geito, e Ihe
deram uma grande s6va.
Mas, ainda que distance de Centro .. quando
apparecia era um success.
Empanava o prestigio santo de todos os seos
colleges de classes, 6 excepio apenas, do beato Ma-
noelAnfonio da faba furada, bebedor de kerozene.
e fallador da vida alheia, como elle proprio se di-
zia
Este, que passava a vida a escrever is centenas,
aos milhares, as oragoes;




BEATS E CANGACEIROS


Oh! Maria Concebida sem peccaao
Rogae por n6s que recorremos o V6s

e a distribui-las gratuitamente aos romeiros, como aos
demais beatos, levava na troCa o proprio Bealo da
Cruz, a quem para melindra-lo, chamava-o em tor de
brincadeira: MANCEBADO
Uai... meo Pai, perdoae-he. .. fazia o
beato, e sahia rua f6ra a chorar, emquanto o seu col-
lega e rival, Manoel Anfonio de faba furada, ria 6
bandeira despregada, do effeito da sua pilheria.
Eis ahi estl o bealo de Cruz, corn o seo cordei-
rinho santo, 6 porta da egreja de Nossa Senhora do
Perpetuo Soccorro, em cuja nave, num carneiro a
um canto, 6 direita de quem entra pela porta principal,
esta o sepulchro do celebre beat Maria de Araujo.
Alem, por traz do beato ve-se um pared8o.
E'o muro do cemiterio do Joazeiro.
Foi la que em 1914 baixou ao fumulo o corpo
do celebre beato e grande cangaceiro Ricardo; e foi
la tambem que ha dois annos teve sepultura o corpo
innanimado do santo Beato da Cruz, que, apenas,
matou seo pae, e, cor sua cruz numa mao e cor seo
punhal na outra, fez debandar, em Joazeiro, um bando
de quarda-locaes.
O seo cordeirinho, certamente, ji foi comido pe-
los faminlos do grande metropole sertaneja.
Masa sua memorial e as suas virtues jamais
deixario de ser veneradns, emquanto houver um ro-
meiro credulo na JERUSALEM BRAZILEIRA.










0 Beato


Vicente

































Um trecho da trincheira do Joazeiro. VW-se o montAo de terra do vallado, bombeado de dois em dois me
tros, e em cima do qual o Beato Vicente, de pe, sustentou o fogo, no ataque A cidade.
Em baixo, estgo os cangaceiros em pleno fogo contra as tropas rabellistas. Entre elles v&-se u Turco
C4andido o 30 a partir da esquerda, cor as cartucheiras a tiracollo.










O BEATO VICENTE


0 Beato Vicente existe ainda, e mora 1a na ser-
ra do Horto, para os lados dos Carrs, perto da ca-
sa de campo do Padre Cicero Romao.
Excepcao entire os demais de sue classes, elle e
um home as direitas.
Ao envez de uma cruz, traz ao hombro um
grande machado de lenhador, sua profissao, e vive
de cortar madeira de lei para as construcc6es daquel-
le sacerdote, construcc6es de casas, de capellas, de
egrejas.
Nos tempos normaes, alem do habito de beat,
descalco e sem chapio, traz elle as costas fambem
um sacco branco de algodao, em que conduz o ali-
mento corn que se sustenta na matta virgem, onde
pass a maior parte do seo tempo, a trabalhar.
E' um home de estatura regular, robust,
branco e corado, sanguineo mesmo, olhos pequenos
e azues, nariz adunco e afilado, cabeca pequena cor
uma pequena calvicie, cego de um olho, e faltando-
Ihe o grande dedo do p6 direito.
Corfando um pdo, o maldifo (safanaz) fez
que elle me esmagasse o dedo, disse-me um dia.
Cor o machado mesmo aparei pela junfa,





BEATOS E CANGACEIROS


puz um pouco de terra em cima para esfancar o san-
gue e /icou assim, accrescenfou. mostrando-me a ci-
catriz regular e perfeita.
Eu ainda era crianca quando live corn elle essa
conversaao.
E. desde entlo, nunca mais deixei de ver no
Bcato Vicente um tigre em forma de gene.
Cortou elle mesmo, cor suas proprias maos.
o seo dedo esmagado por um pao...
Nao me era precise mais para considera-lo urna
fera humana.
Sua arma unica era o machado de lenhador,
que nao abandonava nunca.
Em sua ferra. quando moqo. (elle 6 pernambu-
cano de origem hollandeza) nao sei, ninguem sabe o
que elle foi, o que ell fez.
0 Beato Vicente e home calado, e, se bem que
de humor alegre, deixando sempre escapar, expremi-
do por entire os denies amarellos. um sorriso incolor,
nao fala no passado.
Vive dosalario do seo Irabalho diario; come
quando tem: quando nao ter tambem nio pede a
ninguem.
Na sua humildade e nobre sem ser egoista, e
ter bastante amor proprio sem ser, entretanto, or-
gulhoso.
Lenhador, pelas serras, na matta virgem, sem
temer as feras, la anda elle, dias seguidos, semanas,
mezes, a corlar madeira de lei para construccoes.
E bern de ver que Ihe aprouvesse aquelle offi-





BEATOS E CANGACEIROS


cio pelo facto do patriarch de Bethlem, o Santo Jo-
se, segundo reza a escriptura, ter sido tambem le-
nhador.
Nao e sem fundamento que avango essa suppo-
siFao corn vistas a elle.
Em geral, os beatos de 16 trazem comsigo,
amarrodo 6 cintura, ur cordao de Sao Francisco.
O Beato Vicente nao o tern.
Tanibem, como fazem os outros, nao traz com-
sigo os bentinhos de S. Bento.
Mas por dentro de sue batina, suspense de um
cadarco preto e sujo, e pendurado ao pescoco, eu di-
vulguei uma vez a image do milagroso patriarcha e
lenhador da patria de Jesus-Christo, e que e o santo
de sue devocao.
No seo officio, o unico inconvenient que encon-
tra C, 6 tardinha, todos os dias, nao poder ouvir os
conselhos e receber a bencao do seo Padrinho, em
Joazeiro.
Mas, 16 mesmo no mattagal onde vive, sempre
que o sol vae se occultando portraz dos montes al-
tos, na hora mysteriosa em que o crepusculo vespe-
ral vae a se embeber nas sombras tristes da noite, el-
le se ajoelha e se inclina em sentido 6 LOURDES
BRASILEIRA, e faz, contricto, a sua prece.
Justamente 6quella hora, o Padre, seo padrinho,
fodos os dies, da ao seo povo, a sua bencao.
E elle, o beato lenhador, ainda que de long, em
extase, em meio a solidao da matta virgem, virado pa-
ra a sua MtCA, certamente a receber tfambem.





BEATOS E CANGACEIROS


Depois, arma a sua tenda 6 beira de um corre-
go qualquer,aonde ainda exista uma poCa de agua,pre-
para elle mesmo o seo jantar: uma caca do matto as-
sada num espeto de p6o, corn farinha molhada, e um
pedaco de rapadura de canna, 6 guisa de sobremesa,
e come.
D6 gracas a Deus, por Ihe ter dado o pao da-
quelle dia, reza o rosario em frente 6 imagem do San-
to Jose, seo patrao, como elle proprio o chama, e
dorme tranquillo, a noite inteira, tendo por leifo sete
palmos da crosta do globo terrestre, e por tecto a
abobada do cEo estrellado do Cear6.
Foi quanto me disse, uma das vezes que o visi-
tei, em sua cabana do Horto.
Mas, Romualdo, sco college de classes e seo
amigo, um beato relachido e debochado. casado, pae
de filhos, muito lorcfeiro e nada rezador, disse-me
cerfo dia, que o Beato Vicente e o cabra mais valenfe
que ha naquelle Joazeiro de cincoenta mil pessoas.
Guardei na mente as palavras de Romualdo que,
alias, vinham ao encontro do juizo que eu, ja entdo,
fazia do seo amigo.
Para os outros e elle um bealo suspeito. Nao vae
6 missa, nao se confess, quase nao vae a egreja, e. s6
raramente, assisted a bencao do Padre, a quem pouco
procura.
Ademais, no emrn cordao de Sao Francisco amar-
rado na cintura, nem pendurado ao pescoco uma de-
zena de rosarios, nem os bentinhos de Sao Bento,




BEATOS E CANGACEIROS


coisas que, mesmo sem ser beato, raro e encontrar
um romeiro que nao as conduza comsigo.
Livram de mordeduras de cobras, protege con-
tra os malfeitores, e defendem contra as tentay6es do
sujo...
0 beato Vicente 6, pois, um beato suspeito.
Porque nao e vagabundo, porque vive de sua
profissao, porque se occupa das coisas profanas en-
vez das coisas de Deus.
Na malta, a cortar madeira, envez de ajoelhado
aos p6s dcs santos, nas egrejas.
E' claro.
Sendo um home de bem, honest e trabalha-
dor, nao pode ser um beato complete!
Ter es mros callosas do seo labor diario, e
nao os joelhos. de longas oracaes, que nao faz!
S6 e bealo, emfim, porque, em verdade, o ha-
bilo, em part, faz o monge!...
Mas, que enthusiasm o seo, quando a frente
de centenas de romeiros como elle, nas quebradas
das serras, no seio da matta, vae a cada canto, no pi-
co de um rnorro, no talvegue de uma grufa, no leito
de um riacho, no fund de urn valle, a buscar os t6-
ros de madeira de lei por elle corlados, para as con-
strucc6es pias !...
E que gloria para elle, ao penetrar num temple
da cidade, e ver sua trave principal pesada e grave,
cortada por seo machado de lenhador
Recorder a serra onde a cortou, o tronco anno-
so que 16 esta ainda, a brotar outra vergontea, o suor




BE ATOS E CANGACEIROS


que derramou no trebalho afanoso que leve em dcr-
ruba-la! E aquella outra, que foi a que lhe esmagou
o dedo do pe, obrigando-o a, corn o proprio macha-
do que o corlava, fazer a amputlaao do mesmo, corn
um golpe certeiro, bem ao nivel do articulaigo!
Tudo isso e que faz o seo orgulho.
Mas e urn beato suspeito para osoutrs ... \ae
pouco a egreja, nao tern callo nos joelhos. nao tcm
cordSo de Sao Francisco na cintura, nao iem benli-
nhos de Sao Bento, nem rosario no pescoco, por f6-
ra do batina para ser tudo bem vislo pelo povo.
Mas tinha un.a in-agem do Santo Jose, o po-
frinrcha e lenhador de Bethlem, a quem elle procura
initar. preza de um cadarco prcto e sujo, e pendura-
da ao pcscooo. por deniro da btina! ...
Um dia, ahi pordezembro de 1915, da malta
virgem, machado ao hombro. consado, note ji, vi-
nha elle para o seo rancho do Horlo, rezando o sco
rosario, descuidado dos miserias da terra e da mal-
dade dos homes, e embevecido corn as bellezas do
c6o !
No caminho alguem o interrompe para informa-
lo de que o RABELLO ia mandar atacar o Joazeiro,
para crucificar o PADRE CICERO, degollar a popu-
lagao e tocar fogo na cidade !...
O beato deixou sahir, expremido enfre os denies
amarellos, o seo sorriso incolor.
Depois, despedindo-se do romeiro:
-Louvado seja Nosso Senhor Jesus Christo?
Paia sempre seja o Senhor louvado, re-




3EATOS E CANGAOEIROS


spondEo o outro, e separaram-se, cada umr para o seo
destino.
0 beato chegou a sua cabana do Horto com ar
sombrio.
E nessa noite nao como !
Seria possivel?-imaginava elle-crucificar o
seo Padrinho,degollar os seos romeiros e focar fogo
em seo Joazelro?
Afirou o machado para um canto, foi a sua ma-
la velha. lirou de la um cano de ferro, urna coronha
de madeira, um fuzil de aco, e uma pedra de fogo.
Apoz ludo em seos respectivos logares, armou o
cao, fez um disparo e vio brilhar na noite escura uma
faisca
Ainda e o mesmo, suspirou.
Azeitou-lhe os fechos, encostou-o a um canto o
seo bacamarte bocca de sino, e dormio tranquilla-
menle nessa noile. em sua lipoia de cip6 craud.
No outro dia, ao amanhecer, quando a es-
trella dalva ia a se embeber na aurora, e o sol lu-
zento dos tropicos apontava rubro no oriented, o Bea-
to Vicente, tendo descido a ladeira do Horto, acha-
va-se ji na Babylonia do sertio do Nordeste, donde
conemnplava saudoso e risee os serrotes illuminados
de !uz dourada, onde, havia tanto tempo, vivia tran-
quillo e feliz, no seo trabalho honrado de todos os dias.
Pegou da enxada, resoluto, e com cincoenfa
mil romeiros, Irabalhou de noite e de dia, durante uma
semana, no vallado, para a defesa da cidade.




BEATOS E CANGACELROS


Depois, trabalhou lambem na cerca de pedra,
para a defesa do Horto, onde mora.
0 vallado, a trincheira inexpugnavel do Joa-
zeiro. tern de profundidade dez, e de lagura doze pal-
mos.
Toda a terra foi carregada para a parte de den-
tro,a alguns metros de distancia,formando uma barrei-
ra de seis palmos de altura, bombeada a espa;os re-
gulares, prompta para recebero ataque.
Sao fres leguas de valado.
E cincoenta mil pess6as, homes. mulheres e
meninos, o fizeram em seis dias.
0 beato Vicente. cor ar sombrio. solurno, ca-
lado, sem dizer palavra, sem falar corn ninguem, co-
mo e seo modo habitual, frabalhou os seis dias.
A nove de dezembro de 1913, as forgas legaes,
(compostas de soldados e de cangaceiros) do gover-
no illegal do Sr. Franco Rabello. corn o prefexto de
garantir a autoridade de um prefeito por este nomea-
do. atacaram Joazeiro.
Um vulto negro. corn um bacamarte bocca de
sino nas costas, era visto passar lentamente, de um
para outro lado, por cima do montao de terra da
frincheira, a espreifar, long, a (ropa.
Era o beato Vicente.
Foi uma sorpreza geral: era a primeira vez que
elle trocava o seo machado de lenhador por uma ar-
ma de jagunco.
Vieram afacar minha casa, minha obriga-




BEATOS E CANGACEIROS -


ao era defender-me-disseme elle, explicando-se-
me porque voltara a ser o que jB f6ra um dia...
Quer ha que contest a raz8o que tinha o
beato ?
Quem ha que negue o direito que assisted a todo
home de se defender, quando atacado em sua pro-
pria casa?
Na noite mais escura, no dia de sol mais claro,
de p6 fire, por cima do monte de terra da trincheira,
de um lado para o outro, a espreitar os soldados, la
estava o beat.
Cego de um olho, alejado de um p6, nao tinha
importancia.
Rapido, joelho em terra, e nao Ihe era precise
fechar uma das vistas para poder dormir na pon-
taria cerleira num macaco do Rabello.
E ai! daquelle em quem o beato puzesse a uni-
ca vista que term. ..
Joelho em terra, e urn iro monstruoso do seo
bacamarte bocca de sino, carregado de pregos, de
chifre de boi, de cEra de vela benta e de contas de
rosario, reboava, medonho, em toda a cidade, fazen-
do estremecer todas as casas, e bater apressados. .
todos os cora;es.
Era o canhao do Rabello, pensavam, aquelle fa-
moso obuz, construido em Fortaleza para, assim co-
mo os canh6es de Moreira Cesar em Canudos, bo-
tar por terra as forres das egrejas do Joazeiro, e, ate
mesmo as collossaes paredes de pedra e cal, e de dez




13EATOS E CANGACEIROS


palmos de largura, da egrea do Horto, em constru-
cCao dinda.
Mas, para 16go, se espalhou a nova: era o tiro
do bacamarte do beato.
Tal a certeza que tinham de que elle nao gas-
tava muniq0o 6 (6a,que, logo o ouviam, e rezavam urn
Padre nosso corn uma ave-Maria, em intenao da al-
ma de ur que se ia deste para o outro mundo .
Assim tambemo Beato.
Era tao seguro da queda, ap6s o tiro, que fanto
que punba o joelho no chao, e apontava o bacamar-
te, ia logo rezando as oray;cs por alma do que se ia
desta para melhor...
Um dia interroguei-o a respeito.
Nada me quiz dizer.
A todas as perguntas respondia corn o seo sor-
riso incolor. apertado entire os denies amarellos.
Quiz tirar-lie o retralo.
Nao o consentio.
Isso e coisa da besta-fera, disse-me.
Mas o Padre Cicero tira, ponderei-lhe. para
convence-lo.
Sim, mas Chrisfo fambem Endave sobre as
aguas e neo se afogava. 0 meo Padrinho pode
ale pisar em fogo e nao se queima.
Mas eu e que nao quero o *Capirofo, fenha
/a o meo refrafo.
Vejam o beato; nao se deixa photographer
porque acha que isso e coisa de Satan, e teme que




BE3ATOS E 4('NGACEIROS


esle, ficando la corn seo relrato, quando elle morrer,
mais facilmente o encontre !...
Dos oito firos que deo na guerra do Joazeiro,
vio sele quedas...
E affirmam os seos companheiros ter elle cho-
rado, e passado sem comer um dia inteiro, de raiva,
por haver perdido um tiro de seo bocca de sino...

Nas maltas do Cariry, o lenhador do Joazeiro
vollou a cortar madeira de lei para as construccqes do
Padre Cicero, consfruccfes de casas, de capellas,
de egrejas...

Nota Foi em 1915 a ultima vez que falei ao Beato Vi-
cente, insistindo para que se deixasse photographer. Agora, cin-
co annos depois, por intermedio de um amigo de Joazeiro, ten-
tei, novamente, obter a sua interessantissima photographia. Inu-
til. Como resposta, recebi o seguinte telegramma:
Beato ndo se quer deixar photographer.
Seria perigoso, a contra gosto seo, tirar-lhe um in-
stantaneo.
Um photograph que o conheca, jamais o faria.
E eu, que ainda o pretend ver e falar, nio a publicaria
sob minha responsabilidade...
Isso e coisa da besta-fira, pensa o beato.
Longe de mim passe pela sua mente ser eu um enviado
de Satan, aqui i terra, corn o firn de tirar-lhe o retrato, para que,
quando elle morrer, mais facilmente, seja encontrado no outro
mundo...
Longe de mim ai de mim...










0 Beato Ricardo












~--



.*U*


4 '#' .i


*7


A trincheira do Beato Ricardo, que se acha no grupo, em pleno fogo. Conio se vO, os com-
mandados do famoso beato e celebre cangaceiro estao animados, destemidos, e prestes a
pular a trincheira em perseguiiao aos soldados em debandada.


^


Von











O BEATO RICARDO


Entre as beatos de Joazeiro do Padre Cicero,
era Ricardo dos mais populares, sem ser, entretanto,
daquelles cujas virtudes inspirassem maior confianca
aos romeiros credulos da JERUSALEM BRASILEIRA.
Nao e que elle, pelas qualidades de espirito, e
pelos seos habitos pessoaes, nao fosse um beafo, na
verdadeira accepCao do vocabulo, naquella zona.
Vagabundo, hypocrita, rezador, frequentador
das egrejas e dos logares santos, vestido 6 frade :
sem chapeo, batina de algodao into de preto, corn
semente de acoraco de negro e lama de argilla, cor-
dao de Sao Francisco airarrado 8 cintura, uma deze-
na de rosarios pendurados ao pescoco, uma cruz
negra de penitente ao hombro, emfim, tudo elle tinha
para ser o beato complelo, que de facto era.
Mas, faltava-lhe ainda alguma coisa.
Nao tinha o ar de docura, de cordura e de santa
ingenuidade do meigo beato Jose; long estava de
ter o feitio de bondade sincere, de humildade e de
resignagao verdadeiramente christas. do magro e
santo, tao magro qubo santo beato Chiquinho; nem
mesmo a f6, a crenca forte, inabalavel, do beat
Elias, o gritador, um italiano filho de Roma, e que e





BEATOS E CANGACEIROS


o superior da ORDEM DOS PENITENTES DO JOA-
ZEIRO.
Era, talvez, um bor beato, a julgar pelos actos
de caridade christi que praticava para cor os enfer-
mos.
Mas, nao sei por que. nao inspirava muita con-
fianca aos crentes do sexo masculino...
Agora, o cangaceiro.
Este sim; quem quer que o visse havia de crer
nelle, na sua bravura, no seo desprezo pela vida.
Nem sei como uma transformacao t(o profunda
se p6de processor num mesmo home, ao cabo de
poucos mezes apenas!
E' uma prova cabal do quanto pode a hypocrisia
quando ao servico dos que verdadeiramente o sio.
Fez de Ricardo um rservo- do Senhor e, para
logo, um simile de Satan: um beato de cruz nas co-
stas, e, a seguir, um cangaceiro modelo, de rifle, pi-
stola, punhal, facao, cabaqa, patu6 e matolao.
O devoto, cantador de bemdictos santos nas
sentinellas aos defunctos do Joazeiro. era agora o
typo mais bern acabado do jagunco feliz, alegre, fol-
gazao. pairador, lambanceiro e valenfe.
Sobretudo valente.
Quando o conheci beato em Joazeiro, e logo
travel de relac5es cor elle, era o seo emprego unico
- AJUDAR A MORRER AOS MORIBUNDOS, FAZER
SENTINEL LA AOS DEFUNCTOS E ENTERRAR OS
MORTOS.
Nao era pouco.




BEATOS E CANGACEIROS


A Ciceropolis conta seis mil fogos, em oitenta e
tres ruas, cor quarenta mil habitantes.
Mas o coefficiente de sua lethalidade correspon-
de a, mais ou menos, metade do do Rio de Janeiro, pois
que a luberculose, a syphilis, a dysenteria, as paraty-
phoses, a lepra, todas as molestias catalogadas na
pathologia e, talvez, alguma ainda incognita dos
nosologos, se encarregam de matar ali, diariamente,
uma media de trinta brasileiros.
A comparaCgo e desoladora.
No Rio, corn um milhao de habitantes, morrem,
em media, sessenta pess6as por dia; em Jaozeiro do
Carriy, corn apenas quarenta mil, morrem trinta.
E nao ha ali um hospital, nem um asylo para a
infancia desvalida, nem mesmo uma ambulancia me-
dica, para os menores soccorros aos quarenta mil
operarios da maior cidade do interior do Nordeste
Brasileiro.
Bern raz8o tinha o inclito super-homem Miguel
Pereira quando affirmou, categorico e convencido:
-0 Brasil ainda e um immense hospital.
Eis, pois, que nao era pequeno o trabalho do
Beato Ricardo, qne era, ali, ajudar a morrer a todos
os moribundos maiores de sete annos, que 6 a edade
em que comeam a correr o perigo de errar o cami-
nho do Paraiso, na viagem para o outro mundo. ..
Num casebre, la dos suburbios da grande e pobre
cidade, uma note, curioso, eu vi todo o desenrolar da
scena tragica da more de um romeiro do Joazeiro.
-JESUS VEM COMMIGO, disse o Beato Ricar-




BEATOS E CANGiACEL1:OS


do ao penetrar, corn ares de sacerdote, no Icit,- de
mode do velho Antonio Manoel. Acto continue, d&o-
Ihe a beijar a sua cruz de penitente, poz-lhe deante
dos olhos uma imagem de Jesus Crucificado que Ira-
zia ao pescoo, acccndlo un'a vl6a benta, c paz-lh'a
ina mao direita.
Era para illuminf-lo no ct-minho do Paraiso, que,
prestes, ia trilhar.
JESUS VEM COMMIGO, disse em voz pe-
nosa o beato, contricto, olhos semi-cerrados. e de
joelhos sobre a esteira de ;palh de carnauba, que
servia de leito ao agonisante
-- JESUS VEM COMMIGO, JESUS VAE COM-
TIGO E1 TU VAES CO)M JES';S. ,>H IRMAIO rep[elto
em voz trcmula. Iando ii !un rntnoaao u.n som de
cantochao,
Era um quadro doloroso
JEsUS VAE COMTIGO, E NOSSA ,MA:E DAS
DORES 1 TUA GUIA ATE' A' PORTA DE SAo PE-
DRO, insistio.
E O ARCHANJO GABRIEL, SANTO E GUER-
REIRO, COM A SUA ESPADA NA MAO, TE DEFEN-
DERA' CONTRA OS ATAQrES DO INIMIGO, affirrmo,
energico.
Uma morena, forle e bonita nos seas dezoito
annos, e que li estava para cantar na sentinella com
o beato, diz enthusiasmada :
-ISTO E' QUE E' SABER AJUDAR .
Nao findou a phrase, e urna pedrada estalou no
telha va do casebre.





BEATOS E CANGACEIROS 67

E' o ESMULAMBADO (salanaz) DE RAIVA
POR NAO PODER FAZER NADA COM A ALMA
DELLE, POR CAUSA DA PRESEN9A DO BEATO,
concluio a rapariga .
0 beato continuava na sua cantilena -JESUS
VAE COMTIGO, TU VAES COM JESUS, ate que en-
tregou a alma ao Deus que a creou, o velho Antonio
Manoel.
JESUS, MARIA E JOSE' ESSA ALMA VOSSA E'
murmurou Ricardo, erguendo ao ceo os olhos pie-
dosos.
-A PAZ DE DEUS SEJA COMTIGO, OH! IRMAO,
E QUE ELLE TE LIVRE DAS PENAS ETERNAS,
terminou, erguendo-se, e dizendo aos presents:
-IRMAOS, OREMOS POR ELLE.
A seguir, ajoelhou-se ao p6 da sua cruz. e rezou
corn os circumstances a LADAINHA DA VIRGUM e o
OFFICIO DE NOSSA SENHORA.
Tomou, ao terminar, uma chicara de cafe, -tem-
perou- a guela, e deo comelo aos canticos religiosos
da sentinella.
A morena, sua devota e admiradora, por suas
qualidades vocaes, linha a honra de canfar em dueffo
corn o beato, 'tirava adeante, corn elle, e o c6ro res-
pondia depois de cada quadra :

Oh I M&e gloriosa,
Oh! MAae do Joazeiro,
Oh! Mae virtuoso,
Oh Mae dos romeiros...





BEATOS E CANGACEIROS


E proseguia o beaoo. tirando adcanle em duello,
corn sua gentil companheira :


Nossa A'lae Nossa Senhora,
Virgem sanfa e Mae das Dores,
E a guard de n6s fodos,
De n6s todospeccadores.


OH MAE GLORIOSA. respondia o c6ro.


Tem dues beatas sanfas,
Na mafriz do Joazeiro.
Meo padrim Cigo Romio
E o rei do mundo infeiro.


MEO PADRIMI CIlO ROMAO
E' O REI DO MUNDO INTEIRO .


arrematou enthusiasmado todo o coro dos pre-
sentes.
Naquelle moment ale o defunct me parccEo
erguer-se da sua esteira, para dizer tambem em voz de
alem-fumulo:
E DO CE'O TAMBEM. ..






BEAT08 E CAMGACEIROS


Entro, interroguei Ricardo:
-Para quetoda essa cantilena?
ORA, IRMAOSINHO, E' PARA DEUS NO
CE'O, OUVINDO AS SUPPLICAS DOS FIEIS NA
TERRA, PERDOAR OS PECCADOS DA ALMA QUE
PERTENCEO EM VIDA A'QUELLE CORPO VELADO.
Guardei na rrene as palavras de Ricardo e
despedi-me delle, que ficou a presidir a sua sentinella,
no meio de dezenas de mulheres velhas, maduras e
novas, viuvas, casadas, solteiras e donzellas ..
Adeanle, da curva da rua, ainda ouvi perfeita-
mente a voz plangorosa do bealo:


Meo padrim Cigo Romeo
E' o rei do mundo infeiro. .


E o c6ro responder, forte:


E' 0 REI DO MUNDO INTEIRO...



Certo dia o Beato Ricardo desapparecEo.
Roubou uma moga e fugio cor ella, dis-
se-me o Beato Elias.
E ja tinha desflorado mais quatro, accrescen-
tou-me, sorrindo, o pandego Beato Romualdo.






IEATOS E CV\GACEI1"QS


Foi moror em Lavras, onde, de couveiro gracio-
so que era cm Joazeiro, passou a ser sapaleiro, sco
anterior officio, e assim ia vivendo muilo bem corn
sua mulher.
Eis scnao quando, Ca!angro, o celebre bandido,
que durante um anno inteiro Irouxe aquelle sertao em
sobresalto, apparece a atacar a cidade.
Foi o pretexto que Ricardo encontrou para chegar
ao fim desua carreira de-BEATO A CANGACEIRO...
Um rifle, um sacco de bala e um punhal. e, 6 fren-
te de oito homes. o enlto sapateiro de Lavras. o
iesmo antigo bealo, que no Joazeiro AJUDAVA A
MORRER AOS MORIBUNDOS. canlava as bemdiclos
santos nas sentinellas aos defunclos e rnterrava as
mortos, foi ao encontro de Calangro, par esse tempo
o maior cangaceiro da regiio.
*Aosprimeiros firos- contou-me o ji entio
celebre cangaceiro Ricardo, em 1912, cerlo die, em
casa do Mestre Simao quebrei a perna e um dos
cabras de Calangro.
Aias o negro e uma fera, e fem pIofa corn o
MULAMBUDO, continuou Ricardo.
Imagine s6. Pegou do cabra. poz elle nas co-
sfas, corrio no mala-pas[o fazendo rod6 que ,em
uma burra de padre, e alirando como um damnado.
Impossivel me foi pega-!o na bocca do meo
rifle.
Fugiram para a serra, que licava perfo.
Mas, como eu nao gosfo de deixar negocio
empaeado; persegui elles.
Ah I eu cd sou assim: fraz-zas n6 cego.






BEATOS E CANGACEIROS


Vendo que Calangro esfava era deixando que
anoilecesse para nos afacar novamenfe, segui nos
seos colcanhares.
So finhamn uma vereda por onde subir a serra.
E I. ou ganhavam a chapada, ou finham de
descer por onde subiram.
Dei alguns firos para insular elles e esperei
enlrincheirado.
NA'o fardou muifo, veio o primeiropassaro.
Lsfrepei-o.
:oi-se cor Dcus, e rezei /he uma ave-Maria
nas coslas.
0 mesmo succ edeo cor mais dois.
Depois, de um buraco onde esfava sem ser vis-
fo.atirei num que vinhlr correndo e pulando que pa-
recia urn veado. Assenfou o cabello (morreo) bem
perfo de once eu esfava.
Isso e o que me pareceo.
0 malandro deifou-se, esticou as canellas,
[remeo um bucado. como nas fonfonas da more, e,
depois, ficou qulefo.
Rezei-lhe urna ave-Maria, e nao me incommo-
dei mais corn elle.
Mas, quando eu dei fe, o desgracado esfava
cor o cano do rifle enfre os dedos do pe, procu-
rando fazer ponfaria em minha cabeca.
Eu me abaichei, e fiz que ndo finha visfo a ma-
nobra.
Franqueza como five medo do cabra; pensel






13EATOS E CANGACEIROS


que pulasse denfro do buraco para decidir o nego-
cio a arma branch.
Por precaugao, puz o punhal enfre os den-
ies, peguei-o de geifo. e sapequei-lhe dois firos no
lombo.
Ferido de more, afirou 6 f1a, e ainda me con-
vidou para brigar a punhal.
Sosinho para vinfe homes, nao ia sahir de
foca.
Acabei de mater elle a liro mesmo.
Depois espaneii os cabras, afirendo para as
bandas onde esfavrm, e corri para a cidode
Calangro desapparecej.
Mas, ao menos uma vez na vide, elle ha de dizer
que enconfrou home.
Foram achados quahro defunctos. no outro dia.
-E voce nao cantou alguns dos seos bem-
dictos no enterro delles? perguntei.
-Qual, pafrao, ja me esqueci, e creio afe que
jd perdi a voz, respondeo-me Ricardo.
Em Joazeiro, perfeilo cangaceiro, nas luclas
em que se achava, sempre mostrou ser home de
inexcedivel coragem.
Nao me consla haja roubado, nem crimes per-
versos praticou.
Sempre alegre, falador, pilherico, engratado
mesmo, arranjava-se cangaceiro cor pericia admira-
vel.
A elle the ia da mesma forma o -habilo- de beato
.e os petrechos do cangaco.






BEATOS E CANGACEIROS


Na revolucao do Joazeiro provou o que delle
diziam.
Af6ra outros lances, naquella guerra, em que
brigou t(o bem, como sabia ajudar a morrer um
moribundo quando era beato, ha o fogo do P6o
SEcco, onde mostrou ser mais valente ainda do que
pensavam e diziam.
A lucta travou-se inesperadamente, e eram pou-
cos os romeiros que o acompanhavam contra os sol-
dados e cangaceiros rabellistas.
Mesmo assim, Ricardo nao negou combat.
Cercado por todos os lados, entrincheirou-se
numa pequena casa de faipa, que Ihe nao era grande
amparo, e brigou como um here.
No meio do fogo, rccebendo firo por todos os
lados, nem por isso deixou de estar alegre, a sorrir
das pilherias que elle mesmo dizia-
vae uma para os oculos do Rabello,
e disparava o rifle, e dave urna gargalhada.
Nossa Senhora guiar6 esfa afe o queicho
barbado do Moreira da Oncg, e 6l ia outro firo, e
outra gargalhada.
Agora e o proprio archanjo Gabriel quem
vae guiar esta outra atf 6 careca do Danfas Bar-
refo. ..
Era assim, pilheriando, rindo is gargalhadas,
nos moments mais perigosos, que brigava Ricardo.
Mas vio, em dado moment, que a lucta assim
desegual e peito a peito podia ser-lhe fatal.
Pulou f6ra da case, trocou tiro a queima roupa






BEATOM-- E, CAN(A(CEIl RO.


coin os cabras mais valenlcs que delle sc aproxima-
ram, e correo, esirateoicamente, pela capoeira vasta,
para umas quebradas de serras que ficavam perto, e
que lhe garanderiam a vida.
Assim foi.
O destino, porem, parece, marcara all o termo
das sas facanhas.
Na serra, sao e salvo, depois de se haver batido
como ur here, achou de mro para si. para a sua
fama, o haver dado as costas ao inimigo e Ihe nio
levar logo a *revanche -
E' quando Ihe ac6de 6 menfe uma idea sui
generis.
De um animal qualquer, no laboleiio, roubou
um chocalho.
Talvez tenha sido esse o seo primeiro e unico
roubo.
P6z-lo ao pescogo, e, corn res companheiros.
que lanto era ahi o seo exercilo. sahio. estrada em f6ra.
manso boi a caminhar em pass rhytrr.ado para a
bebida.
Depois de um grande tiroteio, ao fim da larde.
num caminho estreito, alto a baixo, um chocalho a
tocar.. im ... fo.. .tim... (o... pausada erc-
guladamente.
Tim. to. im. tao. o som penoso
do chocalho de boi manso. que vae vereda em f6ra.
caminho da bebida.
O boi era Ricardo...
Era evidence.







3EATOS E CANGACEfROS


Immediatamente ap6s um tiroleio, nao ha boi
do genero vacum, que se atreva a vir passar pelo lo-
cal onde se effectuou, porque todos correm amedron-
lados pelos taboleiros f6ra, a esconder-se, long, na
malta.
Isso mesmo pensaram os inimigos de Ricardo.
Ademais, nao se lembrou esse boi de ir co-
mendo algum capim, alguma folha secca, que, certo,
enconlraria no caminho, como o faria um boi de
verdade.
Se assim o fizera, o seo chocalho de quando
em quando faria... tim-to ... lim-tim... ao-fao-t io-
tao. .. desordenadamente, e, talvez, nao houvesse
mesmo despertado a atlenao dos seos inimigzs.
Da-se, ainda, que, enIre estes, havia gene que
conhecia Ricardo muito bern, para saber o quanto era
capaz de realizar cor suas astucias.
E para esses, principalmente, aquelle toque rhyt-
mado de chocalho, de um boi que nao parava, que
nio comia, e que nem sequer tropepava num barranco
ou mesmo batia corn o chocalho num ramo secco da
vereda estrcita, lhes parecEo estranho. tim ...
to .. lim ... tao... tim .. tao...
Puzeram-se a espreita, a beira do caminho, por
(raz de uma grande pedreira, uma trincheira natural e
inexpugnavel.
Es'ou que s6 assim, seguros, se atreveriam a
tocaiar um boi qualquer, que pudesse vir a ser
um romeiro-..
Nao se enganaram.







BEATOS E CANGACEIIOS


Do alto, a direita de um velho engenho, dcsce
para o brejo, em baixo, a vereda que conduz ao
bebedoiro o gado.
A' esquerda. em frente ao cngenho, e um pouco
adeante, numa esplanade, velha e grande casa, um
solar antigo, em baixo de cujo tecto secular, veio ao
mundo um grande revolucionario, um grande patricla
e um grande brasileiro: o federalista de 1817, Padre
Martiniano de Alencar.
Dali, perto, vinha ja o *boin Ricardo, certo 6
velha casa dos Alencar. onde previa estarem cntrin-
cheirados os seos inimigos.
Tim ... .to...
Ricardo, chocalho ao pescoco, rifle na mro en-
gatilhado, seguido pelos seos tres fieis e valorosos
companheiros... todos de cocoras... andando agacha-
dos. quase rentes ao ch8o na vereda esreita. .
Coda um secure o seo, disse o chefe dos
cabres da pedreira.
E ali mesmo, cor um chocalho eo pescoco, e
cor seo rifle no mao, finou-se o grande cangaceiro
Ricardo, o mesmo antigoBeato Ricardo que nas ruas de
Joazeiro AJUDAVA A MORRER AOS MORIBUNDOS,
cor palavras consoladoras -JESUS VEM GOMIGO,
JESUS VAE COITIGO E TU VAES COM JESUS...
OH IR. 1 O ...










Mane


C6co


Secco




































Orupo onde figure ao centro, o 3" a partir da esquerda, Tertulliano Santa Cruz, sobrinho do celebre ba-
charel Santa Cruz de Alag6a do Monteiro, em Parahyba do Norte, e que, dizem. commandava
os cabras que mataram o capital Jose da Penha, no fogo de Miguel Calmon.
A' sua direita estA o capital da Guarda Nacional Jose Santanna, e d sua esquerda estao os famosos Ze
Ferreira do Bigodao e ZU Felippe.


CL' ~










MANE C6CO SECCO


Eu era menino, quando ij ouvia falar de uns
homes terriveis. que havia no sert8o de Pernambuco,
na zona de Pagehui de Flores, no Riacho do Navio,
especialmente.
Diziam-me que andavam armados, de cabeqa
aos pes, que sangravam a gente na guela, e que be-
biam o sangue, para ficarem mais valentes ainda, e
ferozes.
Appellidavam-nos de JAGUNgOS ou CANGACEI-
ROS, indifferenlemenie.
Diziam-me ludo isso, quando eu era crian;a
ainda.
E certa noile, a dormir o somno innocent dos
meos sele annos, fui despertado por ur forte firoteio!
Assombrado, corn o que nunca vira no entio
pacalo Joazeiro do Padre Cicero, ergui-me de um
salto, da minha rede manhosa.
Esfreguei os olhos, dei alguns passes, apurei
bem os ouvidos, e certifiquei-me de que nao estava
sonhando: pei. pei. p p pei. pei.
ouvia eu nitidamente os tiros, de mistura corn gritos
roucos. que nao sabia bem se eram de homes, se
de demonios.




BEATOS E CANGACEIROS


Passado o primeiro moment de horror, a curi-
osidade vencEo-me os receios, c arrisquei-me a che-
gar alt a porta. a espreitar o que seria.
F6ra, na rua estreita, um vulto negro passava
em march apressada, visivel, na note escura que
fazia.
Subito, um pouco alem, a voz conhecida do Pa-
dre Cicero se fez ouvir energica, em meio o espoucar
dos bacamartes de uns cangaceiros que tiroteiavam
uma casa, perto. E ao ouvi-la, amea:adora, correram
espavoridos, de mEdo do castigo que Ihes promeltia
o sacerdote, zongado pelo atrevimento que tiveram de
desrespeitar a sua terra santa, de Nossa Mae dos
Dores!
S6 ao outro dia se veio a saber que f6ra um
grupo de cangaceiros vindos do Pagehi, que (enlara
motor um home, por uma questao de mulher.
Foi, certamente, essa a primeira vez que canga-
ceiros de outras bandas pisaram terras do Cariry.
Mas, que vinha a ser um cangaceiro ?
Esta a indagacio que era em meo espirito infan-
til, no dia seguinte.
Contaram-me coisas de sele cabegas, que elles
praticaram em Canudos!
Mas delles, entao, sabia apenas as historians.
Porque, at6 1904, contrariando a affirmative do
grande Euclydes de Cunha, nem o Padre Cicero alli-
ciava cangaceiros em Joazeiro (o que, alias, elle pes-
soalmente, nunca fez, nem fara) como no Cariry, ate





BEATOS E CANGACEIROS


entao, nao havia ainda banditismo de nenhuma especie.
Tanto assim que, quando foi da revolucao de
Crafo, naquelle anno, deante da inercia do governor
do Estado, os conspiradores mandaram vi-los de Per-
nambuco, para poderem atacar o chefe da cidade, que
foi por elles deposto.
Mas, pegou a moda. .
Porque, de logo em deante, o president s6 no-
mcava prefeito dos municipios o chefe que dispunha,
nao de mais eleitores, mas sim de maior numero de
cangaceiros !!!
Plantou vento para colher tempestade depois.
Ensinou i propria Fortaleza como e que devia
fazer political.
E soffrEo as inevitaveis consequencias.
Foi assim que penefrou, no Cariry e em todo o
Estado, o bandifismo.
Foi assim que vim eu a conhecer Mane Coco
Secco, depois.
De Milagres para Crato. chefiando um bando,
viera elle a mando do seo chefe, defender o prefeito
daquella cidade e vice-presidente do Estado, que se
achava preso. E posfo que soubesse ja perdido, derro-
tado, o home a quem ia soccorrer, nem por isso
deixou de cumprir as ordens recebidas. Entrou na
cidade, 6 frente dos seos homes, dando vivas a
Nossa Senhora dos Milagres, padroeira de sua terra,
e a Nossa Senhora da Penha, padrodeira do logar
que atacava.
Mas vio que se continuasse a dar combat as





BEAD)S E CA.NGAIx.'ElINOS


forcas revolucionarias ja victoriosas, poderia compro-
metter a propria vida do chefe a quem ia defender.
Resolveo, pois. render-se, sem comtudo entregar as
armas, que, pertencendo aos seos patr6es, s6 a estes
entregaria ...
Tal a bravura corn que se portou. que os ven-
cedores acharam de bom aviso manda-lo em paz...
Era isso. mais ou menos, o que C6co Secco dizia
ao Padre Cicero, em Joazeiro, quando delles me apro-
ximei.
Mas, pouco ou nada me interessava a sua con-
versatco. 0 que s6 me preoccupava era a figura do
primeiro cangaceiro que via !
Primeiro olhei para a sua cabega. Chamavam-no
Coco Secco, e, por isso, eu pensava que tivesse a
cabeca secca...
Tinha-a, por6m, normal, como os outros homes.
Foi para mim uma desillusao Verifiquei que o
cangaceiro era um home como os demais. E. desde
entao, perdi-lhe o medo. Hoje descrevendo aqui o
C6co Secco, vejo que elle era uin cangaceiro a anti-
ga : chap6o de couro pequeno, alpercatas de correia,
uma faca de ponta de um gume s6, e, apenas, de pal-
mo e meio de folha, uma pistol de espole(a, um ba-
camarte de pedra e fuzil, que j' nem se usa mais, e
uma grande carlucheira de couro coberta de pala,
cheia de carluchos de papel, para a carga da arma
antiquada.
Os cartuchos eram tubos de papel em que pri-
meiro era collocada uma bala de chumbo, de chifre





3EATOS E CANGACEIROS


de boi, de vela benfa, ou de confa de rosario... de-
pois uma bucha de cip6 craud, e em seguida, a pol-
vora fabricada pelos proprios sertanejos.
E' inleressante como manobram a arma.
Rolando pelo chao, para se livrarem das balas,
os cangaceiros corlam os cartuchos com as proprios
denies, p6e-nos no bocca do cano, batem-Ihe com o
choice ao s6lo para escorva-la, e eis carregada a arma
morfifera.
Teem grande fama os que melhor executam essa
manobra, de que, principalmente, depend o exifo da
lucia Iravada.
C6co Secco era dos mais dextros nesses mane-
jos.
Eram incontaveis os tiros que, assim, dava por
minute.
Mas era um cangaceiro 6 antiga.
Hoje, corn a fama que tinha, se apparecesse em
public corn aquelles trajos, dada a evoluiao que tern
soffrido o cangaceiro, seria vaiado. .
Porque ji n8o e admiltido no rol dos grandes
cangaceiros modernos, os que nao manobram o rifle
americano, ou mesmo a carabina do Exercito Nacional
do typo 908.
Homem de grande coragem, mas nio fazendo profis-
sao do crime, C6co Secco, parece, tomou os conse-
Ihos do Padre Cicero, e trocou sea bacamarte por unma
enxada, e foi cultivar a terra, envez de mafar gene.





84 BEATOS E CANGACEIROS

Porque, nunca mais ouvi falar delle, e hoje aqui
s6 o descrevo, como uma reminiscencia de minha in-
fancia, por ter sido elle o primeiro cangaceiro que vi
no Nordesfe, no serfao do Cear6, na zona do Cariry,
Joozeiro do Padre Cicero.










Ze Pedro

















































Z6 Pedro, o vencedor de Crato, a 24 de Janeiro de 1914










ZE' PEDRO


Os Pedro sao uma familiar numerosa, que habitat
um quarteirao inteiro do rua da Conceicao, em Joa-
zeiro do Padre Cicero.
Sao muitos: Mane Pedro, Chico Pedro, Anto-
nio Pedro, Joao Pedro. Joaquim Pedro, muitos ou-
Iros Pedro, e Ze Pedro, o mais velho dos irmaos e o
chefe da familiar.
Conheci muitos delles, homes do trabalho,
lovradores de mandioca no chapadao do Araripe,
mercadores de cereaes nas feiras do Cariry, artifices
de um ou outro officio, carpinteiro, sapateiro, ferreiro,
cor que se mantinham.
Viviam mesmo cor certa prosperidade, de tra-
balhadores que eram Mas, ainda que em vida pa-
cata, eram havidos homes decididos.
Nao se afastavam da regra, pois.
Porque naquellas terras, para viver, 6 precise ter
coragem.
E' assim que o agricultor, muita vez, e obrigado,
dentro de sua propria lavoura, que tanta vez falta ao
home daquellas paragens flagelladas, a viver de rifle
em punho, a matar o gado que a destr6e, e a ficar,
depois, a espera dos vaqueiros que, quando nio inti-





BEATOS E 2ANGACEIROS


midados, confinuam a fazer a engorda dos rebanhos
nas plantac6es dos pobres.
Assim fambem para o commerciante.
Urn bandido qualquer vae sua casa, e Ihe pede
dinheiro.
Se e attendido, muito bemr
Se, porem, nao o e, ameaca niatr o que (eve o
atrevimento de lh'o negar!..
Vae depois para as esfradas, como tanta vez
fazia o celebre Antonio Silvino, toma-lhe os comboios.
vende barato o que Ihe convem. distribute corn a po-
breza outro tanto, e loca fOgo no resto
Isso, quando no o o ggride, ou nao a maa.
E' por assim ter procedido scmpre, que Silvino
foi havido como um perseguidor dos ricos, mas como
um bemfeitor dos pobres dos Sert6es.
Os Pedro porem, quando agricultores, nao
sao homes para deixar que os rebanhos dos pode-
rosos e dos abastados destruam sua lavoura.
Malam o gado e matarao tambem os seas
donos, se apparecerem a aggredi-los.
Desla sore, por effeilo mesmo de vida que leva-
vam, a mostrar coragem a cada pass, depressa se
habituaram 6 lucta.
Ze Pedro E o chefe do bando.
E dos mais valentes e menos perversos, dos can-
gaceiros do Nordeste.
Foi elle, 6 frente dos Pedro, e mais quarenta ho-
mens, quem comecou o ataque de Cralo, em Vinte e
tres de Janeiro de 191-.





BEATOS E CANGACEIROS


Tivera ordem, apenas, de insultar a tropa de
guarnicao da cidade, para faze-la gastar muniqao.
Mas nao se conteve.
Tomou a primeira, a segunda, a terceira frin-
cheiras.
E contra as ordens supremas... mandou chamar
os romeiros, e, em vinte horas de fogo, tomou a cidade,
emquanto o chefe em Joazeiro dizia: Padre, esta-
mos perdidos, aquelle home e doido, eslamos sem
munieao e el/e desobedeceo as minhas ordens.
Reza, Padre... e manda o povo rezar... dizia
afflicto o chefe, emquanto Ze Pedro tomava a trin-
cheira do Borro Vermelho, a do Fundo da Maca e a
da Praca do Rosario.
Reza, Padre... E Ze Pedro quebrava as gra-
des da cadeia do Crato e restituia 6 liberdade o fa-
moso Ze Pinheiro.
Estava victoriosa a revolucao do Joazeiro.
Honra the seja.
Foi esse general negro do Cariry quem venceo
o coronel branco de Fortaleza.
Mas 6, apenas, um cangaceiro.
E, s6 por isso, nao mereceo ainda as honras de
uma estatua...
Certo dia, numa bodega a beber, uns soldados
o quizeram prender. Raymumdao, se bern me lembro,
um soldado valente e desordeiro, foi querm he deo a
classic voz de prison : esfeje preso.
Antes nao o fizera. Porque, certamente, pela
primeira vez, sua cabeca soffreo a consequencia da







sua ousadid, do sco atrevimento de qucier prender 6
mais valente dos Pedro.
Ura forte bofetada. de mnio fechada, estalou-lhe
tao pesada no ouvido, que ille baqueou, pesadamen-
le, no s6lo.
Fechou o tempo.
Cerca de quinze soldados eram presents.
Ze Pedro, sua arma unica, ahi, era um punhal
de ires palmos. Era quanto bas!ava.
Como, [orcm, nao era perverse, preferio apenas
abrir-alak .
F6ra da asca, na rua. cor o punhal mesmo
trahou uma circumferencia, collocou-se de pe, no
centro della, e bradou a anea;a lerrivel: o mei-
caco (e assim que os cangaceiros chamar os solda-
dos) que p6r o p6 nesfe risco. morre...
Morria mesmro.
Os soldados tinham plena cerleza disso.
E essim, acharam melhor dar por findo o inci-
dente, e continuar a beber corn Ze Pedro, camararia-
mente .
Com um cangaceiro valente, nao procede de
outra forma a policia dos Sert6es...
Um parenthesis.
Na Bahia ainda perdura essa reminiscencia an-
tiquada, que os nossos av6s trouxeram de Coimbra
- o rote.
E' uma velharia antipathica.
De umia feifa, um estudanfe alagoano, antes de
Ze Pedro em Joazeiro, 1a no adro da velha e gloriosa


ITATO~S Ecac.i::l ir





MEATS E CANGACEIROS


Faculdade de Medicina, fez corn os colleges, a mesa
scena que elle corn os soldados.
Apenas, envez de corn o punhal, fracou a cir-
cumferencia cor um carvao, na lagea da calcada.
Depois, no centro della, faca empunhada, bra-
dou lto energico quanto o outro: quem puzer o
pe neste risco, morre...
Morria mesmo.
Porque naquelle moment, a difference que ia
do estudante da ex-metropole scientific do Brasil,
ao cangaceiro do Nordefse, n8o passava al6m da con-
jugacao do verbo...
Como as scenes da vida real se repetem sempre,
em todas as espheras da vida social!
De facto, a cidade do Salvador e o serfto do
Nordeste cobriram os dois de roupas differences, na
fazenda e no feitio,
Mas, certamente, o ago da faca do estudante
da Bahia E da mesma qualidade do do punhal do
cangaceiro do Norte.
Voltemos ao Ze Pedro.
Na chapada do Araripe havia grande plantaco
de mandioca, e os criadores de Pernambuco acharam
que deviam fazer solta de seo gado, na lavoura dos
romeiros do Padre Cicero, os desbravadores e culti-
vadores daquella serra. Foi essa a causa principal do
flagello maior da secca de 1915.
Porque o governor de Pernambuco, deante da
reaccao dos romeiros, mandou para aquella serra uma
forca de policia para garantir o gado dos criadores





BEATOS E CANGACEIROS


do seo Estado, na destruicao da lavoura dos agricul-
tores do Cariry.
Ze Pedro e Mane Chiquinha, seo amigo inse-
paravel, s6s, foram ao encontro da tropa.
E no fogo da Taboca, do embate dos dois cor
o excrcio pcrnambucano, resultou sahir ferido un
porco, o qual, morrendo depois, o official comman-
dante se apressou em indemniza-lo ao respeciivo
dono !..
Como ensina a ser bom a quern por ella passa a
serra Araripe, dos romeiros do Joazeiro...
De certo. para Recife, a historia foi contada de
modo a realcar a correccao do official commandante
da tropa que enfrentou dois cangaceiros e que matou...
um porco!
Sao sempre ber contadas as histories dos sol-
dados que entram no serlto. em busca dos cangacei-
ros. La, porem, se sabe a razao da generosidade e
correccao do bravo commandant.
Soldado de policia nao briga corn sertanejo.
E o do exercito nao devia brigar, porque a Patria o
fem para defender seos filhos e nao, e nunca, para
os trucidar.
Nesfe sentido, ha um episodio da guerra do Sul
muito bem commentado pela ironia ferina do marechal
de ferro.
Um commandant telegraphara ao entao presi-
dente:
As forags legaes seguem paralle/as as revolu-
cionarias.





BEATOS E (\.V Erl:''~


Lendo em voz alia para alguns amigos esse
telcgramma, diz Floriano, entire risonho e triste:
Vejam voces, o Firmino... vae se enconfrar
com os revolucionarios no polo...
E' o que fazem os soldados que perseguem os
cangaceiros do Norle.
Seguem sempre pa:allelos a elles.
Antonio Silvino andou vinte annos no Sertao.
E s6 por traigao, e porque perseguido por can-
gaceiros fardados, veio a ser preso umr dia.
Seguindo parallels aos cangaceiros do Arari-
pe, passaram largo tempo as tropas de Pernambuco.
Emquanto isso, como no Far- Wesf, os bandi-
dos, dentre elles, tocavam o gado gordo com a man-
dioca dos pobres, para os mercados mais proximos.
Teem sido dessa ordem as providencias dos
governor do Norte, na repressao ao banditismo.
Ze Pedro bem podia ter chamado a serra o
exercifo de Ze Pinheiro, e cor elle expulsar de la as
forces de Pernambuco, que estavam garantindo o
gado na destruiCao da lavoura dos pobres.
Teria assim feito diminuir, ur pouco, a calami-
dade de 1915. prestando mais um grande serving ao
Estado...
Mas n8o o quiz fazer.
Quiz elle, cor seo camarada inseparavel, s6s,
ousados, nos matagaes da chapada, fazer correr os
soldados.
Affeito as grandes caminhadas, ia pela matta





BEATOS E' CANGACEIR08S


densa da cha, ate chegar 6 vereda estreita, onde os
soldados eram forcados a passar.
E escondido numa moita, ou (repado numa ar-
vore, de repente, sem ser visto, um firo.
Era o panico, o terror na soldadesca.
Pazia assim por brinccdeira; nunca maei
um mcacco, disse-me elle um dia.
Ze Pedro, pois, nao e um bcndido.
Nao toma dinheiro a forca, nao mala cpr perver-
sidade, nao deshonra. nao incendeia. E' um canga-
ceiro valente, que s6 briga, ou quando provocado, ou
por quesfoes politics .
E' um cangaceiro nobre. a quem Ihe sabe n uito
mellior vencer pela coragem que femn, do que pelos
crimes que possa pratici.r.
Seo physico. de um perfeito cafuz, e seo trajo
sao o do commum dos cangaceiros da zona.
Negro alto, corcunda, ter a cabeCa chata, e cs
cabellos encarapinhados Testa estreita e franzida
horizontalmente, a que se sobpoem uns olhos peque-
nos e vivos, km urn nariz nao muito chato, mas de
azas muilo abertas.
Face, bocca, denies e orelhas regulars, a nao
ser a cabeqa, aliis conforme para os de sua raCa,
nao ter nenhum outro estigma physico apparenfe de
degenerescencia.
Traja-se, porem, de cangaceiro, cor cerla negli-
gencia.
Nao 6, pois, dos mais enfeifados. Chapio de
couro grande, quebrado na testa, um rifle, um revolver,





BEATOS E CANGACEIROS


um punhal, duas carlucheiras e um sacco de bala, eis
ludo para elle, e post sem preoccupaco nem vai-
dade.
Essa rosa, que ahi esit em seo chap6o, cerla-
mente foi post por outrem nao por elle.
Apezar de normalmente carrancudo, esft sempre
alegre e risonho, quer na paz, quer na guerra.
No fogo do Buriti, a resistir uma forca aguerrida
e preparada 6 espera, fez prodigies.
A povoao conta apenas poucas casas, num
lado s6 de rua.
Perlo, um engenho.
E deniro delle, enlrincheirada, a tropa.
Nem assim.
Um cannavial ao lado, agua a dar pelos joelhos.
foi o campo da lucts.
Mas elle venceo.
F6ra buscar generos para os camaradas.
E levou.
Ouando briga, quer corra perigo quer nao, e,
deve ser ainda 16 naquelles sertoes, sempre alegre,
risonho, satisfeilo, zombando de ludo, sem nada
temer.
Depois, victorioso, admirado por todos, nao
conta valentia, nao reclama gloria para si, nem quer
ter superioridade entire os companheiros.
Ha homes assim naquelle meio.
Nem ha como saber por que sio cangaceiros.
Nao s8o criminosos nalos, nao fazem profissao
do crime, nem mesmo teem instinclos perversos.





BEATOS E CANGACEIROS


Ze Pedro 6 ur desses.
Se Ihe offerecerem dinheiro para molar al-
guem, creio, nao o acceita .
E se acceita, nao mata.
Em tom de brincadeira, contar6 depois a histo-
ria ao que devera assassinar, sem, comtudo, dizer
quem f6ra o mandate.
Se Ihe mandarem tocar fogo numa propriedade,
nao o fara, e avisar6 ao seo donor que se precavenha.
Se Ihe mandarem roubar a mulher de um home
qualquer, em hypothese alguma o farb. E eslou que
nem consentirI, se puder, que alguem commetta esse
tamanho crime,
Ha cangaceiros assim.
E, pois, em geral, elles nao sao t1o maos como
se pensa e se diz.
Como Z6 Pedro, muitos eu conheci, honestos,
valentes, nobres.
E, pois, piedade para elles.
Envez de bala e cadeia, um livro e uma escola.










Mane


Chiquinha


















































l1uan COhiqlinha, que pertencho ao celebre bacha-
rel Santa Cruz, de Alag6a do Monteiro, da
Parahyba do Norte. Como se v6, sua arma predilecta
era a carabina do typo 908. E elle a manejava cor pericia e
cor coragem











MANE' CHIQUINHA


0 ex-presidente Joso Machado, por uma ques-
too de capricho, quiz sanear do cangago o Estado
da Parahyba.
Junfou sua fropa, munio-a de armamento e de
dinheiro, e a mandou para o Sertao.
Entre elle e o celebre bacharel Santa Cruz de
Alagoa do Monleiro. havia umas contas a ajustar.
N0o 6 que esse magistrado fosse, propriamente,
um congaceiio, pois um doutor em leis e que, de
facto, ainda o e.
Massim porque Santa Cruz, na revira-volta po-
litica que entao se estava formando no Estado, tinha
gene em sua fazenda corn que botar abaixo um
qualquer governor do Parahyba, mesmo que fosse elle
incarnado na pessoa de um JoSo Machado.
Por assim, o energico president, o seo primei-
ro acto foi mandar oitocentos soldados tocar fogo
em Santa Cruz, em sua familiar, em todos os seos ca-
bras e em todas as suas fazendas tambem.
Se elle nao mandou, ao menos, foi o que fez a
sua tropa.
Tal qual como Antonio Silvino e seos cabras,
la mesmo nos sert6es do Parahyba.




University of Florida Home Page
© 2004 - 2010 University of Florida George A. Smathers Libraries.
All rights reserved.

Acceptable Use, Copyright, and Disclaimer Statement
Last updated October 10, 2010 - - mvs