• TABLE OF CONTENTS
HIDE
 Front Cover
 Half Title
 Title Page
 Bebidas cafreais
 Essências florestais de inhamb...
 As raças indígenas de Moçambiq...
 Estação anti-malárica de Lourenço...
 Exploradores e naturalistas da...
 Crónica do trimestre
 Comemorações dos centenários...
 Recenseamento da população-194...
 Economia e finanças
 Colonização e fomento
 Livros e publicações
 Back Cover














Group Title: Moc¸ambique
Title: Moçambique
ALL VOLUMES CITATION THUMBNAILS PAGE IMAGE ZOOMABLE
Full Citation
STANDARD VIEW MARC VIEW
Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/UF00081146/00004
 Material Information
Title: Moçambique documentário trimestral
Uniform Title: Moçambique (Lourenço Marques, Mozambique)
Physical Description: v. : ill. ; 28 cm.
Language: Portuguese
Creator: Mozambique
Publisher: Govêrno Geral
Place of Publication: Lourenço Marques
Publication Date: 1935-
Frequency: quarterly
regular
 Subjects
Subject: Periodicals -- Mozambique   ( lcsh )
History -- Periodicals -- Mozambique   ( lcsh )
Genre: federal government publication   ( marcgt )
periodical   ( marcgt )
Spatial Coverage: Mozambique
 Notes
Dates or Sequential Designation: No. 1 (março 1935)-
General Note: "Oferta do Govêrno geral Moçambique."
General Note: Vol. for Jan.-July 1961 has subtitle: Documentário.
 Record Information
Bibliographic ID: UF00081146
Volume ID: VID00004
Source Institution: University of Florida
Rights Management: All rights reserved by the source institution and holding location.
Resource Identifier: oclc - 10872301
lccn - 2002238235

Table of Contents
    Front Cover
        Front Cover
    Half Title
        Page 1
        Page 2
    Title Page
        Page 3
        Page 4
    Bebidas cafreais
        Page 5
        Page 6
        Page 7
        Page 8
        Page 9
        Page 10
        Page 11
        Page 12
        Page 13
        Page 14
        Page 15
        Page 16
        Page 17
        Page 18
        Page 19
        Page 20
        Page 21
        Page 22
        Page 23
        Page 24
        Page 25
        Page 26
        Page 27
        Page 28
        Page 29
        Page 30
        Page 31
        Page 32
        Page 33
        Page 34
        Page 35
        Page 36
        Page 37
        Page 38
        Page 39
        Page 40
        Page 41
        Page 42
    Essências florestais de inhambane
        Page 43
        Page 44
        Page 45
        Page 46
        Page 47
        Page 48
        Page 49
        Page 50
        Page 51
        Page 52
    As raças indígenas de Moçambique
        Page 53
        Page 54
        Page 55
        Page 56
        Page 57
        Page 58
        Page 59
        Page 60
        Page 61
        Page 62
        Page 63
        Page 64
        Page 65
        Page 66
    Estação anti-malárica de Lourenço Marques
        Page 67
        Page 68
        Page 69
        Page 70
        Page 71
        Page 72
        Page 73
        Page 74
        Page 75
        Page 76
        Page 77
        Page 78
        Page 79
        Page 80
        Page 81
        Page 82
        Page 83
        Page 84
        Page 85
        Page 86
        Page 87
        Page 88
        Page 89
        Page 90
        Page 91
        Page 92
        Page 93
        Page 94
        Page 95
        Page 96
        Page 97
        Page 98
        Page 99
        Page 100
        Page 101
        Page 102
        Page 103
        Page 104
        Page 105
        Page 106
        Page 107
        Page 108
        Page 109
        Page 110
    Exploradores e naturalistas da flora de Moçambique
        Page 111
        Page 112
        Page 113
        Page 114
        Page 115
        Page 116
        Page 117
        Page 118
        Page 119
        Page 120
        Page 121
        Page 122
        Page 123
        Page 124
        Page 125
        Page 126
        Page 127
        Page 128
        Page 129
        Page 130
        Page 131
        Page 132
        Page 133
        Page 134
        Page 135
        Page 136
    Crónica do trimestre
        Page 137
        Page 138
    Comemorações dos centenários nacionais
        Page 139
        Page 140
    Recenseamento da população-1940
        Page 141
        Page 142
        Page 143
        Page 144
        Page 145
        Page 146
        Page 147
        Page 148
        Page 149
        Page 150
        Page 151
        Page 152
    Economia e finanças
        Page 153
        Page 154
        Page 155
        Page 156
        Page 157
        Page 158
        Page 159
    Colonização e fomento
        Page 160
        Page 161
        Page 162
        Page 163
        Page 164
        Page 165
        Page 166
        Page 167
        Page 168
        Page 169
        Page 170
    Livros e publicações
        Page 171
        Page 172
        Page 173
        Page 174
        Page 175
    Back Cover
        Back Cover
Full Text





documentdrio
trimeztral


T








,e,,a cd o Xov,,Erno ,,ral
ale Mopameue





MOCAMBIQUE
DOCUMENTARIO TRIMESTRAL














DCAMBIQUE


;UMENTARIO TRIMESTRAL

3 JULHO AGOSTO SETEMBRO 1940


S U M A R I 0

BEBIDAS CAFREAIS, por Atouguia Pimenta.
ESSENCIAS FLORESTAIS DE INHAMBANE, por Ant6nio de Figuei-
redo Gomes e Sousa.
AS RAOAS INDIGENAS DE MOCAMBIQUE, por Caetano Montez.
ESTA~AO ANTI-MALARICA DE LOURENQO MARQUES: Notes on
some anophellnes (Dipt. Calicida) from Portuguese East Africa, by Bo-
tha de Meillon and MArio de Carvalho Pereira. (Em ingles, seguldo de
version em portuguis).
EXPLORADORES E NATURALISTAS DA FLORA DE MOQAMBI-
QUE, por Antonio de Figueiredo Gomes e Sousa.
EXCERTOS E COMUNICADOS CR4NICA DO TRIMESTRE










IMPRENSA NATIONAL
LOURENCO MARQUES
1940













BEBIDAS CAFREAIS

AO INSPECTOR ADMINISTRATIVE CAPITAO PINTO CORREIA


I PROBLEMA DA ALIMENTAgAO INDfGENA

OLiTICA de alimentaqo>,, political de
venture cheio A sgo frases que ocor-
rem hoje na b6ca de todos os colo-
nialistas e na pena de todos os
escritores que se interessam pelas
questses colonials. Na verdade, antes
de tudo e contra tudo temos de
olhar a sdrio pelo problema da ali-
mentaago indigena. Uma populaqgo
sub-alimentada ou defeituosamente
alimentada 6 uma populaqno defl-
ihante, improdutiva e insusceptivel de progress. A populaqAo negra
la Africa 6, por via de regra, deficientemente alimentada. Come alli-
nentos que sAo insuficientes, muitas vezes na quantidade mas quAsi
empiree pelo valor energ6tico, muito fraco, e bebe outros que sgo
iefastos nao s6 pela sua toxidade, como pelos germes que trans-
)ortam: tais sio as bebidas cafreais e as Aguas dos pogos e dos
)Antanos de que o indigena faz uso, correntemente. E neste mal que
'eside em grande parte a origem da sua fraqueza fisica e muitas vezes
noral.


5












Todos os pauses se esforgam, presentemente, por ver resolvido c
problema da alimentagao indigena, procurando saber o que o pretc
come e bebe e o que deveri comer e beber para se tornar um sei
sauidavel, forte e produtivo. E claro que a resoluggo deste problems
depend de outros nao menos importantes, como o agricola, o pecuirio,
o dos transportes, o do aldeamento dos indigenas, etc.
Tenho s6bre a minha mesa de trabalho um belo livro, L'Alimen-
tation indigene plans les Colonies Frangaises, escrito por C. Hardy
e Ch. Richest, Filho, com a colaborago de quimicos, higienistas, colo-
nialistas, etc. Nele se apresenta, bem documentado, o esf6rgo que a
Franga tem despendido nestes dltimos tempos para resolver o complex
problema da alimentacgo indigena. Foi a sua leitura que me sugeriu a
oportunidade da publicago de alguns trabalhos empreendidos durante
os seis anos em que tenho estado a dirigir o Laborat6rio Quimico de
Lourengo Marques.
9 claro que a complexidade do problema exige estudos profundos.
Os trabalhos de que aqui publicamos uma stmula nao podem tomar-
-se mais que A conta de subsidies. A apreciagAo cientifica do problema,
,com a latitude que este requere, exigiria um quadro de operag5es e
anilises que excedem o Ambito do Laborat6rio. A criaggo do Instituto
Quimico de Mogambique seria um primeiro e indispensivel pass para
uma complete investigagao deste e doutros problems.

AS BEBIDAS CAFREAIS NA VIDA SOCIAL INDIGENA

Nao apenas o acto de beber mas ate mesmo a embriaguez tern
no quadro dos usos e costumes indigenas um lugar preponderante.
Se se disser que o indigena bebe nos moments felizes e alegres


6











de festa, bebe nas ocasioes mais solenes da sua vida, bebe quando a
tristeza ou a adversidade o apoquentam- nao se pretenders que se
enuncia um facto peculiar ao indigena africano... Todas as raqas e
todas as civilizacqes o fazem, cor maior ou menor moderacqo... Mas
o que ja 6 pr6prio ao indigena africano 6 a maneira de beber, inge-
rindo espantosas quantidades de liquid; e 6, tamb6m, que quando bebe
ele procura directamente a embriaguez, bebe para se embriagar; e que,
ainda, em certas circunstAncias, 6 de -lei> que a embriaguez em que
mergulha dure dias, semanas.
Henri A. Junod explica-nos que hi em tonga duas palavras para
dizer ,beber,. Uma, 6 cu-nud; outra, 6 cu-qhueba (h aspirado). Esta
iltima traduz beber a pequenos golos, moderada, discretamente; 6
assim que o tonga (e os outros indigenas) bebem o caf6, o chi. Cu-nud
significa beber s8fregamente, a plena gorja. E deste modo que o
preto bebe a Agua e as bebidas alco6licas. Nos bons tempos, quando
a bebida abunda, ele pode ingerir assim qualquer coisa como quinze a
vinfe litros por dia.
A grande festa tipica da bebida e da embriaguez, noutros tempos,
era, entire os tongas, o luma, a festa das primicias do ocanho, a bela
Arvore (Sclerocarya Caffra Sond.) de cujo fruto o preto faz uma das
suas mais queridas bebidas. Henri A. Junod conta-nos magistralmente
essa festa, a grande orgia dionisiaca dos sertSes de Africa, bebedeira
furiosa, fren6tica, que se arrastava por semanas (v. Moeurs et Coutu-
mes des Bantous, I, 575). Mas se essa era a apoteose ritual da embria-
guez, o indigena ensaiava-a freqUentemente em pequenas festas e ceri-
m6nias. Nenhum acto da vida do indigena passa sem libaqgo e a
libaqgo conclue sempre na embriaguez. Todos quantos conhecem etno-
grafia bantu nao ignoram a engenhosidade do preto para dos frutos e


7












plants que no mato crescem extrair bebida, destilada ou fermentada,
como nAo ignoram que tanto mais a bebida f8r rica em alcohol tanto
mais ele a aprecia.


ACORDOS INTERNACIONAIS SOBRE A REPRESSAO
DO ALCOOLISMO ENTIRE OS INDIGENAS

Nalgumas conferencias internacionais para melhorar as condicges ma-
teriais e morals da raga negra, a quest9o do alcoolismo tem sido object
de estudo e de medidas repressivas, embora o objective principal dessas
conferencias f6sse as quest5es de escravatura sob qualquer forma.
As principals conveng6es internacionais s6bre repressio do alcoolis-
mo sAo: acto geral de Berlim, de 26 de Fevereiro de 1885; acto geral
de Bruxelas, de 2 de Julho de 1890; convencgo de Saint-Germain,
de 10 de Setembro de 1919.

A conferencia de Berlim, de iniciativa da Alemanha, tinha como
principal fim estudar a liberdade do com6rcio nas bacias do Congo e
do Niger. O arfigo 6.0 do acto geral da conferencia diz, por6m:

Disposiqdes relatives d protecqdo dos indigenas, dos missiondrios
e dos negociantes, assim como d liberdade religiosa.

nos ditos territ6rios se comprometem a velar pela conservagAo das
populagSes indigenas, pelo melhoramento das suas condigqes morals e
materials de existencia, a concorrer para a supressAo da escravatura e,
sobretudo, do trifico dos negros; protegerAo e favorecergo, sem distin-


8











U 1L uc iLIiV114iu4uuca uc UIL uc ULIUu Luua cta IIIOULUiuVca c cUIpIbco
religiosas, cientificas ou de caridade, criadas e organizadas para estf
fins ou tendendo a instruir os indigenas e a fazer-lhes compreender
apreciar as vantagens da civilizaao.
Os missionarios cristfos, os sAbios e os exploradores, o seu mate
rial e as suas colecq~es serao igualmenfe object de protecgao especik
A liberdade de consciencia e a tolerancia religiosa sao express;
mente garantidas aos indigenas. 0 livre e pdblico exercicio de tod<
os cultos, o direito de erigir edificios religiosos e de organizer miss6i
pertencendo a todos os cultos nao serao submetidos a nenhuma re:
trigao nem entrave.,

1 claro que um dos principals trabalhos que tem a realizar <
paises cor soberania ou influencia s6bre as populag~es africanas, pa:
Ihes melhorar as condicges morais e materials, segundo a doutrina c
artigo 6.0, 6 combater o abuso das bebidas espirituosas. I~ o que emp<
nhadamente ter feito o nosso pais, como veremos.
Nesta conferencia fizeram-se representar catorze paises. Portug.
estava representado pelo Marques de Penaflel, Ministro de Portugal el
Berlim, e pelo Conselheiro Ant6nio de Serpa Pimentel.

A Conferencia de Bruxelas ocupou-se particularmente do uso
abuso das bebidas alco6licas pelas ragas africanas da regiAo enti
200 N e 220 S.
Eis algumas das decis5es tomadas nesta conferencia:

pelas conseqtiincias morais e materials que para o gentio import


.0












VUOV UdO ULPVUIUtO DO IIlUUODO, AUlUCI%4V111 I1ZJ C&lJLCcI -O %,OAAVO t, UVO
rtigos XCI, XCII e XCIII, a uma zona limitada pelo 200 de latitude
orte e pelo 220 de latitude sul, terminando a oeste no Oceano Atlan,
ico e a leste no Oceano fndico e suas dependencias, incluindo as
has adjacentes ao litoral atd A distancia de 100 milhas maritimas da
osta.
Artigo XCI--As potencias proibirgo a entrada de bebidas espiri-
uosas nas regi6es desta zona, onde por causa das crengas religiosas ou
or outros motives nao exista ou nao tenha tido desenvolvimento o uso
essas bebidas. O fabric das bebidas destiladas sera tamb6m proibido
as mesmas regimes.
Cada potfncia determinarA nas suas possesses ou protectorados
s limits da zona de proibiqao das bebidas alco6licas, etc.
Artigo XCII As potfncias que tenham possessao ou exergam
rotectorado nas regi5es da zona n5o sujeifas ao regime proibitivo e
nde as bebidas alco6licas sejam anualmente importadas lives de direi-
os ou sejam obrigadas a uma taxa de importago inferior a 15 frc.,
or cada hectolitro a 500, comprometem-se a langar s6bre esse alcohol
m certo direito, etc.
Artigo XCIII- Ser5o tributadas cor um direito de consume as
ebidas destiladas, fabricadas nas regi6es mencionadas no artigo XCII
destinadas ao consume do interior.
tsse direito de consume a cuja percepq5o as potencias se compro-
ietem, nos limits do possivel, nao sera inferior ao minimo dos direi-
os de entrada fixados no artigo XCII.>

Os artigos transcritos nao se referem sen.o As bebidas destiladas,
go se falando neles das bebidas sbmente fermentadas, porque, realmente,


LV























o acto geral da conferencia africana assinado em Berlim, em 26 de
Fevereiro de 1885, devia ser alterado; desejando assegurar por disposi-
g5es apropriadas As modernas exigencias a aplicagco dos principios
gerais de civilizagao consagrados pelos actos de Berlim e de Bruxelas,
acordaram nas seguintes disposigSes:

( seus respectivos sibditos e os dos Estados membros da Sociedade das
Nag5es que aderirem A presence ConvenSao uma complete igualdade
commercial nos territ6rios colocados sob a sua autoridade, situados dentro
dos limits fixados pelo artigo I do Acto Geral de Berlim, de 26 de



























t5 ImIsbueS CHInIU11LaS, U bCU maIIIr IIU cb bas suasdb LUIUUco CiU
igualmenfe object de solicitude especial.
A liberdade de consciencia e o livre exercicio de todos os cultos
sao expressamente garantidos a todos os sabditos das potencias signatf-
rias e as dos Estados, membros da Sociedade das NaqBes, que se for-
narem parties na present Convencgo. Nesta ordem de ideas, os missio-
nArios terao o direito de entrar, circular e residir no territ6rio africano,
com a facilidade de ai se estabelecerem para levar a cabo a sua
obra religiosa.
A aplicaao das disposiqges previstas nas duas precedentes alineas
~A comnnrfari as reqsrices necessarias nara a manufencao da sefu-

































-4- V ". %uU A wt tj c%-Jl .NWJ
dos produtores, fica sujeito, em
cambiaue administrados nelo I


ie tomou nas citadas
que o arfigo XC do
proibido o fabric de
o de 1892, regulando
daquelas bebidas mas



Moqambique direcfa-
rmitido fabricar alcohol,
ras bebidas destiladas
,cepto nos casos men-


de qualquer esp6cie,
nte destinadas ao uso
)S distritos da Provin-
I prdvia concessao de

nentadas de qualquer
eita em todos os dis-
e administrados pelo
7a. >

podia-se, pois, prepa-
compreende a excep-
ebidas, como as feitas
:omo a sura.











Seis anos depois, et
da Costa Ferreira, a portf
proibindo, sob qualquer p
mandioca e milho) nos s<

AAtendendo ao que
o costume de se fabric
milho, a que os indigenas
Considerando que o
cial a sadde pdblica e c<
Hei por convenience,
zenda, proibir no distrito
aguardente de mandioca
ventores desta proibicao n


n.o 29, de 1900, do goverr











































IZYPHUS JUJUB.4 SCLEROCARTA C,

VIAqX SELVAGEM CANH(














WI


1












ifi 4I/L- VISN M A II


NN





~wxOP

I,'n







TO VULGARES NO MATO MO9AMBICANO: PHOENIX SP. E HI-PHAENE













1i


IAXa












UIU U% A 7V% .k "vLI5III5 r .91 II4 %** ... W -. *v, a-- '-*'Wv --
Rosado; decreto de 10 de Abril de 1910, Boletim Ofcial n.0 22, d
1902, publicado no tempo do mesmo governador.
Em 10 de Outubro de 1902 e mais tarde, em 15 de Dezembr
de 1916, publicaram-se regulamentasges da fiscalizagio dos vinho
nacionais entrados para consume e da repressao do fabric e venda d
bebidas cafreais fermentadas ou destiladas no distrito de Lourengo Mar
ques.
Tal 6 a doutrina do artigo 42. do iltimo decreto:

aprovado pelo decreto de 10 de Outubro de 1902, a proibigAo de fabri
car e preparar, por quaisquer processes, para venda ou consume, bebi
das alco6licas destiladas, compreendendo-se nesta prolbicgo as bebida
cafreais, fermentadas ou destiladas.,

Parece que continuava de p6 a legislagao publicada at6 entsi
s'bre os outros distrifos at6 que, sendo o Dr. Manuel Moreira da Fon
seca governador interino, se publicou, a 8 de Janeiro de 1921, a por
taria n.0 1:744, proibindo o fabric de todas as bebidas cafreais ai
norte do Save. Tal 6 o preceituado no artigo 1. da citada portaria












O Governador Geral Jos6 Cabral, em 23 de Agost
publicar o diploma legislative n.0 256, prolbindo o us
cafreais em todo o territ6rio da Col6nia de Mogambiq
aberta excepSo para o putcho ou pombe. Tal 6 a al
tigo 1.0 do citado diploma:

FFica famb6m exceptuado do disposto neste artig,
bebida cafreal conhecida por putcho ou pombe, at6 a i


PLANTS E OUTRAS MATERIAS USADAS
NAS BEBIDAS CAFREAIS

Das diversas bebidas que o indigena fabric, um;
fermentadas; oufras, sao consumidas s6 ap6s desfilaqgoi
sio ingeridas quer fermentadas quer destiladas.
Quanto As matfrias que servem ao fabric, as b
poderiam agrupar-se assim: bebidas feitas de cereals; be
frutos ou outros produtos vegetais; bebidas feitas com












eiro quer o cajueiro sao belas arvores e, na quaara aa irutni-
ichem o mato de aroma estranho e perturbante.
ocanho 6 um fruto arredondado e amarelo quando maduro; e
to ocupado pelo caroqo mas a pouca polpa 6 aromAtica e sabo-
dos frutos mais consumidos pelo indigena, especialmente no
lave.
cajueiro, 6 o peddnculo, carnudo e suculento, imprbpriamente
fruto, que o indigena aproveita fanto para comer como para
mar bebida.
palmeiras duo, tamb6m, larga contribui'ao para o alcoolismo
E a seiva das palmeiras que, fermentada, da a sura, conhe-
norte a sul. Todas as palmeiras serve mas tres esp6cies
-- I -- .. rr











A maga selvagem, fruto da Zyzyphus jujuba Lam., da familiar das
ramndceas, 6 utilizada especialmente nas regi5es de Tete, onde 6
chamada nmagau, embora apareqa sub-espontanea por todo o territ6rio.
O frufo ter a forma de p8ro mas de menor dimensgo e, quando maduro,
toma c6r amarela.
0 tinzol 6 o fruto da Minusops caffra E. Mey., pertencente A
familiar das sapotfceas. Em Inhambane, 6 conhecida por tole-tole. Planta
de grande porte, comeqa a frutificar em Marco (na regiao do sul do
Save) mas s6 em Setembro e Outubro os frutos ganham a mafuridade.
O fruto, pequeno e avermelhado, n5o 6 desagradavel.
0 muxo 6e rvore de grande porte e bem copada (Syzygium
cordatum Hocht), da familiar das murtAceas. Habita de preferencia
os sitios humidos, margens de rios e lagos. De Margo a Abril,
em frutificalao pujante, a arvore tem um lindissimo aspect. O fruto,
muito semelhante a azeitona, no format e na c6r, 6 dos mais sabo-
rosos e aromiticos. 8 principalmente na circunscriFio do Maputo
e na Moamba que os indigenas o aproveitam para preparaqAo de
bebida.
A massala (Strychnos spinosa Lam.) 6 muito vulgar em toda a
Africa tropical. E a laranja selvagem. 0 fruto, quando maduro, amare-
lece, 6 pouco suculenfo, contend volumosas sementes, de gosto Acido
embora nao desagradivel. 1 um dos frutos mais empregados pelo indi-
gena e para os mais diversos fins: com ele fazem pequenas cabanas e
malgas, bonecas para as rapariguitas e bebida.
A melancia indigena 6 um fruto desenxabido, espontaneo em toda
a Col6nia de Moaambique. 0 negro utiliza-o na alimentaqao e prepare,
cor a polpa, uma bebida fermentada. A plant 6 uma variedade da
Citrullus vulgaris Schrad., provAvelmente uma forma degenerada da

20













:T~__~_~_~~~I












ep~
-:~::

a=~ar ~~

::::
~~-:~~5
s__~~sn






~,.~ ~ ,,, I~~sa~_:-,r: i; ~ ~~
~~i~:

::
:::~
: :
:

I ~


5~_~~a











2A



~abA


I











cucurbitAcea cultivada na Europa. O indigena ao sul do Save chama-
-lhe calavatcha.
Outros produtos vegetais utilizados na confeccao de bebidas sao a
cana de acdcar, a mandioca (Manihot dulcis) e uma rubiAcea, a Can-
thium locuples. A mandioca fornece, em larga escala, a substancia fer-
mentiscivel; a Canthium locuples 6 utilizada como fermento. A aguar-
dente de mandioca 6, sem d6vida, a bebida desfilada cujo uso estf
mais inveterado nas populag5es indigenas. E tambem, sem ddvida, a
mais f6xica.
Como ingredients doutra ordem, empregados no fabric de bebi-
das, podemos indicar o fermento vulgar de padaria e o fermenfo de
cerveja que o indigena adquire no com6rcio.


PRINCIPALS ESP9CIES DE BEBIDAS

JA dissemos que a utilizagao dos frutos varia de populacao para
populago. Por outro lado, o modo de empregar o mesmo fruto o caju,
por exemplo varia tamb6m. Assim, bebidas apreciadas numa regiao sao
desconhecidas noutra.
Uma bebida ha, por6m, cujo conhecimento 6 geral a todas as
populag~es: a bebida comum, de consume corrente, a . Este
nome da-se a foda a bebida provenienfe de fermentaggo de cereais,
mas especialmente A preparada cor milho e mexoeira ou mapira. Como
estes produtos constituem a base das cultures indigenas, hA sempre
proviso dales, permitindo a preparaa5o e consume da cerveja durante
todo o ano, ao pass que a preparagao e consume das bebidas feitas
de frutos estfo em relaao corn as epocas, varigveis de regiao para
regiao, das colheitas.












Ja em 1o00 o '.e Andre ternandes escrevia do Utongue
vincial de Goa:

,Na terra ha milho, mejueira (...) e o milho 6 maior e
parte de mantimento e o que podiam comer em trinta dias bel
um empombe que fazem dele.>

A tem various nomes, consoante as popi
boputcho (oputcho ou oputo) entire os tongas; pombe nas regi5
bezianas mas conhecido em todo o territ6rio; vdlua, na region d
limane; buddua, em chi-sena; d6ro, em chi-manica; uteca, e
macuas.
O process de preparagao varia, no pormenor, mas a linha g
mesma. O simples pombe 6 quasi inofensivo, pela sua baixa p
gem de alcohol. Isso justifica que seja o pombe a unica bebi
fabric e com6rcio entire os indigenas a lei nao probe.
O pior, por6m, 6 que, pelo menos no sul do Save, o i
achou o meio de reforgar o simples boputcho ou madleco, I
mando-o, por um da tfcnica da preparagao, e
ou mpheca, cuja frcga alco6lica 6 ja consideravel. Ao tratar
preparago examinaremos detidamente este ponto.
Junod diz que os Rongas aprenderam a reforar a biala, i
segunda cozedura com fermento, transformando-a em mpheca, en
-1896, quando se refugiaram, durante a guerra, no Bilene.
Deocleciano Fernandes das Neves, na sua ,viagem Ac
elefantes realizada em 1860, cita a beiala (evidentemente a bi
povoagao de Magude.
A sura (bossura) e outra bebida conhecida pela generalid















de sura, temn um sabor agradAvel e resisted melhor ao endu-
0.
tra bebida de uso geral 6 a feita de caju, embora o apro-
ito do caju para 6ste fim varie muito de regiao para re-

re os BA-Ronga, a bebida de caju 6 chamada bocaju. Muito
a, fomenta, na 6poca propicia, bebedeira geral. Ji em 1895
Enes pensou mandar arrancar todos os cajueiros. O apreqo pelo
Stfo grande que quAsi suplanfou a bebida bocanho, feifa do
ocanheiro, a pesar desta estar ligada As melhores e mais puras
tongas, como adiante diremos. A introdugCo do cajueiro no
Save 6 de data relativamente recent. Augusto Cabral, no seu
rgas, Usos e Costumes dos Indigenas de Inhambane (Lourenqo


>ida feita de sumo de caju 6 cl
lo Augusto Cabral, 6 de origer
Icky de Quay, no seu estudc
rsse au Zamb&ze (1928), apon
a feita de laranja e caju, desti


mada iamharaz. noni


etnogrAfic
t, na regi
ida, de ft


em Vieu.
de Queli
a alco6lic


do luma e que ter hoje ainda largo consume, era o
, bebida fermentada feita com a polpa do fruto do oca-
Hoje, do luma que Junod chama ,festa national dos Tongas,


I Itrl-tLSCUC&^c












tn vpC f' m'j- 1 mPiiiAltt,,cc-

bocanho, na povoaqgo do r6gulo. Bebem e danaam. Mas j
mais que uma modest comemoraqAo da grande saturnal d(
tempos>.
Tambem o bohimbi, bebida feita do fruto do mphimbi erz
alto aprCeo, embora hoje pareqa ter-lhe sido preferido o bocaji
0 chiiiiaiaaia ou sope, obtido do esmagamento da cana d
6 especialmente estimado em Inhambane donde se acredita ,
nArio. O nome sope foi primeiramente dado a uma aguardente
gem alemg, introduzida na regigo pelo comdrcio.
Ao sul do Save podem citar-se ainda o gonjogonjo, o bal
a tinta (Moamba e Maputo), o lanbeco.
Em Quelimane, merece meng5o a /lippa ou niplpa (fa
arroz e batata doce). A manga, o imbe e o tinzol sao freqUie:
aproveitados.
Em Tete, a bebida mais apreciada parece ser (com o
o cadjasso (do portugues cachaga), preparada cor magai
selvagem) e destilada.


COMO O INDIGENA PREPARE AS BEBIDAS


Desde a mais remota antiguidade que o home prepare
fermentadas. Calcula-se que o vinho era conhecido hi 5:000 c
anos e que os egipcios e gregos, mais tarde os romanos, se dt
com cervejas. De quando o indigena prepare as suas bebidas,
na noite dos tempos. Da carta do P.e Andr6 Fernandes, dafada <
















FRUTOS DO CAJUEIRO: + 1/4 DO TAMANHO NATURAL


FRUTOS DE OCANHO: + i/3 DO TAMANHO NATURAL


MASSALAS: + 1/3 DO TAMANHO NATURAL









A


I)
rt
y/


FRUTOS DE TINZOL, TAMANHO NATURAL




m


MELANCIAS INDIGENAS:--- 1/4 DO TAMANHO NATURAL











s6bre os costumes indigenas daquela 6poca, destacamos os seguintes
periods:

comerem. O seu vinho 6 de frutas do mato e de toda a maneira de
mantimento que come fazem que bebem a que sao muito afeicoados
e bebe um deles tanto como tres alemais.>

Deste pass se ve o uso que jA nessa 6poca os indigenas faziam
das bebidas cafreais. Mas 6 natural que muitos s6culos antes ji os
indigenas as conhecessem.
A quimica que preside As fermentacqes 6 vasta e complex. As
teorias de caracter cientifico aparecem pela primeira vez no s6culo xviI,
com Beche (1682) que asseverava que s6 os liquidos aqucarados podem
dar alcohol; depois, vem os trabalhos de Lavoisier, Thenard, Gay-Lus-
sac, etc., at6 que em 1859 Pasteur apresentou um trabalho cl6ebre
na hist6ria das ciencias. Posteriormente, Buchner, Harden, Guilliermond
e outros tem completado os trabalhos notAveis de Pasteur.
Em sintese, os fen6menos da fermentagqo resumem-se no seguinte:
Para que se produza uma fermentacqo 6 necessArio que uma subs-
tAncia fermentiscivel seja posta em contact com uma levedura. As
substfncias fermentisciveis podem ter as mais variadas constitui'ges
quimicas. No caso da fermentacgo alco6lica, que 6 a que nos interessa,
as substancias fermentisciveis sao agicares. As leveduras sao certos
fungos microsc6picos que actuam pela acqgo de substancias que se
segregam, chamadas enzimas ou didstases. As leveduras encontram-se
nas diferentes parties das plants fWlhas, frutos, etc., e sao especi-
ficas para determinadas fermentacqes.












duzidas pela pr6pria c6lula. Assim, as sementes amiliceas em g
gio contfm uma enzima, a amilase, que transform a maior t
amido em maltose e dextrina. Outra didstase, a maltase, que se
tra em todas as sementes de cereais, transform a maltose em
E 8ste aqdcar que fermenta pela accqo de certas leveduras, pro
alcohol e anidrido carb6nico. Estas leveduras sao do g6nero ,sa
mycetes>, entire as quais a mais important 6 a , visice> que se encontra em toda a part.
Humedecendo as sementes de cereais e deixando-as g(
depois secando-as para destruir a vida da c6lula, obt6m-se a amil
nao s6 transformarA o amido das pr6prias sementes, como o an
outras sementes que se encontrem misturadas, em maltose; esta (
formada, como vimos, em glicose, pela acqao da maltase.
Basta expor ao ar um most que contenha glicose, para
mentar e dar uma bebida fermentada.
Estas noqces sao evidentemente conhecidas dos nossos 1h
no entanto, achAmos convenient reavivA-las, para melhor apr
dos processes usados pelos indigenas na preparaqAo das suas 1
t Como conseguiram eles adquirir o segredo das ferment
a Saber - ou foram os primeiros colonos Arabes que elucidaram o genti<
arte ?
O segredo da destilacao parece ser uma aquisigao recent. O
director do Laborat6rio Quimico de Lourenqo Marques, Luiz Sorol
publicou no South African Journal of Science, 1922, um estudc
alcoolismo em Moqambique. Manifesta ai a opinigo de que a
da destilaqgo pelos indigenas remonta aos comeqos do s6culo p,













zia). Mas cre que ao sul o fact 6 mais recent e parece ter
ciado no distrito de Inhambane, pelos BA-Chope.
i verdade, os Chopes tfm sido, dos indigenas do Sul do Save,
entire os quais a destilagao atingiu maior expansgo. Augusto Ca-
seu livro, jA citado, sabre os indigenas de Inhambane, diz (1910)
abrico de bebidas destiladas, pelos indigenas, nao devia ir aldm de
ios. Emite o parecer de que 8sse fabric deve ter-lhes sido ensinado
siaticos. Nao parece provAvel e, de resto, o nome dado ao alam-
elos indigenas lambicu- parece testemunhar uma outra origem...
muito curioso que Bivar, nas Respostas ao Questiondrio Etno-
(1928), diga nunca ter encontrado, entire as populaqaes de Ma-
Sofala, a prAtica da destilacao.
:jamos agora os processes de preparacqo de algumas bebidas,
rando primeiro as s6 fermentadas, depois as destiladas.

BEBIDAS FERMENTADAS

ocanho A casca do fruto 6 tirada; a polpa 6 espremida e o
nistura-se com Agua. A casca 6 depois deitada na mistura e esta
fermentar, havendo o cuidado de remover as espumas que apa-
a superficie. O tempo de fermentacqo varia de dois a cinco dias.
ido 6 entao decantado para outros vasos.
aspect 6 turvo; aroma e g6sto agradAveis, fraco grau alco6lico.
)himbi- preparado com o o bocanho mas 6 mais alco6lico.
>caju ou xicaju- Depois de separado o fruto, imprbpriamente
to castanha de caju, o peddnculo carnudo 6 espremido mas o
ao 6 diluido, como sucede com o bocanho e o bohimbi. Mistu-





ra-se a casca no suco e aelxa-se rermentar por aois ou tres
quido turvo, com aroma repugnance e sabor pouco agradAve
alco61lico 6 relativamente elevado.
As bebidas feitas de ananas e muxo sao preparadas d
modo.
Sura-- t preparada com seiva das palmeiras. Na parte tf
palmeira 6 feito um corte e a seiva que exsuda 6 recolhida
cabaga ou vaso de barro convenientemente colocado. Algurr
quando a cabaga 6 retirada, a seiva esti jA em fermentagac
opalino, acucarado, de gosto agradAvel, refrescante.
Junod di curiosas noticias acerca de velhos costumes t
relagao com a sura. Quando a colheita era muito abundant(
vam parte dela num grande pote, gandjelo, escondido no mat
viajante o descobria, o costume autorizava-o a beber at6 qu
trepar A palmeira e beber da cabaga que recolhia a seiva,
bido. O que infringisse esta lei e fosse apanhado era assim i
Por acaso 6s tu uma abelha ou uma borboleta para
res duma cabaga que te nao pertence ?
Ligavam-no e deixavam-no assim, ao relento, toda a no
mesmo ser condenado a pagamento de multa consistindo nun
ou numa cabra.
Boputcho ou pombe E, como ji foi dito, a bebida comum,
com cereais, a cerveja cafreal. Sorgo e milho sao os products
pregados, mas a mexoeira, o arroz, a mandioca sao famb6m
No sul do Save, nomeadamente no distrito de Lourengo
onde nos foi possivel proceder a estudos director, um dos
adoptados 6 o seguinte:
O indigena comega por preparar a farinha de mexoeira i



































VARIOUS UTENSiL1OS EMPREGADOS NAS BEBIDAS CAFREAIS (SUL DO SAVE)
CABACA PARA BEBER O OCANHO,

FUNIL DE MADEIRA E COLHERES USADAS NA PREPARAAO DE BEBIDAS
















SVASO USADO NA PREP.
DO BOPUTCHO





Jo r
+! ... :. ,..am.












molhando as semenfes e colocando-as num lugar fresco, cobertas cor
ramos de Arvores; todos os dias, borrifa-as corn gua. No fim de quatro
dias, as sementes estgo germinadas; entfo, seca-as ao sol, tritura-as e
por fim peneira-as. Em seguida, prepare a farinha de milho em condig5es
de a poder misturar cor a farinha de mexoeira, desta maneira: a uma
porgao de milho pilado junta Agua fria, at6 former pasta homog6nea;
depois, Agua a ferver, at6 former papa rala; a outra porgAo de farinha
junta Agua e coze durante alguns minutes. No outro dia, deita mais Agua
a ferver nas duas papas, agita e mistura quasi toda a farinha de mexoeira
e uma porgao de farinha de arroz ou mapira. No terceiro dia, langa o
resto da farinha de mexoeira, agifa e coloca num lugar quente, geral-
mente ao sol. Dentro de algumas horas nota-se uma forte fermentagao.
Resta proceder a uma rudimentar filtragao afrav6s de filtros indigenas.
O filtrado 6 um liquid turvo e leitoso. Noutras regioes, em vez
de farinha de milho juntam mapira; noutras, ainda, juntam farinha de
mandioca ao milho.
Henri A. Junod refere a antiga maneira tonga de preparar o bo-
putcho: coze-se um pouco de farinha; deita-se num prato, com fer-
mento de mexoeira; junta-se Agua e a fermentago comega imediata-
mente. Ao cabo dum dia, a bebida estA pronta. 0 g6sto 6 agradivel.
A este boputcho que mal chega a ser alco6lico 6 que, naturalmente,
os BA-Ronga chamavam madleco.
Outra receita, tambrm registada por Junod, era a seguinte: p5e-se
a farinha de milho num pote, deita-se agua e mexe-se; a mistura 6
passada a outro pote, deita-se agua quente e vai a cozer; deixa-se
esfriar e junta-se um pouco de fermento de mexoeira; no dia seguinte
a bebida estf em condig6es e deve ser consumida prontamente, pois
depressa azeda.

35












Quer dum quer doutro modo, o que assim se obt6m 6
boputcho ou madleco, a cerveja fraca, muito pouco alco6lica. C
de milho, mesmo, tanto pode considerar-se como
uma papa espessa de farinha. O fabric da cerveja forte,
mais complicado, como ji dissemos acima. Para confront cc
cesso que indicAmos, resumimos a descriqao de Junod:

A preparacgo da biala demora nove dias. Os cinco price
destinados ao prepare do fermento:
1.0 dia: p5e-se a mexoeira de m6lho, deixando-a ai
o dia;
2. a 5.0 dias: escoa-se a igua e cobre-se a mexoeira c<
para a conservar humida, favorecendo-se assim o desenvolv:
germes; deixa-se em germinaqAo at6 o 6.0 dia;
6.0 dia: seca-se e moe-se o fermento; debulha-se milho
obtendo farinha;
7.o dia: p6e-se a farinha em vasilhas, junta-se-lhe fe
deita-se Agua quente, mexendo at6 que a farinha e a agua est
misturadas; deixa-se esfriar a mistura e junta-se-lhe mais
8.0 dia: a cerveja vai ao lume, devendo ferver durante n
po; A tardinha, retiram~na e deitam-na noutras vasilhas, pa
durante a noite, dA-se a fermentagqo;
9.0 dia: a cerveja 6 filtrada por um passador, retirandc
todo o farelo do milho.
A cerveja preparada deste modo conserva-se durante doi
cabo dos quais se avinagra.
A diferenca da cerveja forte, biala, para a fraca, madlec<
^-V* "Kl-IQ A -,* ;VlV* Vl tpyfnIla r- Cr m





















































0







EtA ~


r-a


U~i~;s~: dPUWLi""l6~9Epiie"~9lr~


m 3


m












olongada. Variando a quantidade de feri
)bt6m-se do simples boputcho ou mac
graduaqAo alco6lica e assim as boas
vre preparagao do pombe sao iludidas.
pode ainda ser reforqada, dando a mt
s cozeduras corn fermento. A percentage
luito forte.
6zia, um dos processes de fabric do
i, deixA-lo germinar, depois enxuga-lo.
s. Preparado este fermento, poem ao I
arinha de milho e agua, mexendo bi
[ue esta ferveu, tiram-na e juntam o
cor as mAos e mexendo sempre a n
is dias de fermentaSgo, consideram a be

o Entram na manipulaqao desta bebid
i, e farinha de milho a que se junta,
am o fermento de padaria, adquirindo-o
triturarem os frutos juntam-lhes Agua,
leixam fermenfar durante dois a tres diz
iste 6 turvo e de g6sto sui generis.


urante dois a frAs dina. np:anfnm n nir;n f,-


__


























As principals bebidas destiladas sao boca/u, lamb
reparadas com mangas, mandioca, massala, cana de a
issemos, varias bebidas sao consumidas tanto s6 ferment


























apresentam v~rios












tbLtINU lAb LUKt< IA1l



DE INHAMBANE
(Continuado do nimero 22)


YPHUS JUJUBA Lam. Encycl. M6th. I


SU pcqucIa tarvuic, muIIiaui VCCb ULuI1IJVUIIo C ; iraI
idades revestidas de um tomento curto, denso, ac
anco.
alternas, pecioladas, ovado-oblongas, 5 a 10 cent:
), obtusas ou agudas para o Apice, As vezes quasi
das desde a base, coriaceas, levemente crenado-de
:rior glabra, pigina inferior e peciolo puberulosos.
spiniformes, caducas, As vezes nulas.
is pequenas, axilares, paucifloras; flores hermafrodil
*eladas, sub-s6sseis ou curtamente pediceladas. CA]
5 16bulos internamente aquilhados; tubo persisted
apelada. Estames inseridos, cor as p6talas, num <
agonal, corn 10 depresses radiadas nitidas. Ovw
disco e semi-aderente corn 1e, bilocular; estiletes
o meio; 16bulos estigmAticos erectos.
ov6ide-oblonga, avermelhada, lustrosa e suculenta
comestivel, com um carogo bilocular.
o em Janeiro; frutificagao em Julho e Agosto.


Dio., n. 9;












, de admitir, pois que s6 se encontra junto das povoac5es e no
quintais ou em lugares outrora habitados por europeus ou asiaficos
0 conde de Ficalho (Plantas iteis da Africa Portuguesa, p. 120)
de opiniao que a sua introducgo na Africa 6 muito antiga, mesmo ante
rior A chegada dos portugueses. Nota-se cor mais freqiincia junti
da costa.
Nomes indigenas: Os colonos dAo a esta plant o nome de macieira ou maad brave
citado tamb6m pelo conde de Ficalho (1. c.) e pelo Dr. W. Peter
(Reise nach Mossambique, Bot. p. 111). Efectivamente o fruto 6 comes
tivel e possue um sabor semelhante ao da maca. O aspect geral di
plant lembra igualmente o da macieira.

4. DIALIUM SCHLECHTERI Harms in Bot. Jahrb. XXVI, 1899, p. 271
Leguminosas.
Arvore de 8 a 15 metros, f6lha rapidamente caduca, casca liss
Extremidades levemente puberuloso-aveludadas.
F6lhas alternas, impari-pinuladas, 4 a 6 pares de foliolos; peciolc
4 a 6 centimetros; foliolos curtamente peciolados, 1 a 3 milimetros
alfernos ou sub-opostos, oblongos ou elipticos ou ovados, 2 a 4 centi
metros de comprimento, 1,5 a 2 centimetros de largura, em geral un
pouco obliquos, base arredondada ou aguda, apice obtuso, agudo oi
arredondado, pAgina superior glabra, pagina inferior dos foliolos novos
peciolo e peciolulos minisculamente puberulosos, por fim glabros o0
sub-glabros; estipulas mindsculas, precocemente caducas.
Paniculas axilares e terminals multifloras; eixo, ramificagSes e pedice
los puberuloso-aveludados; flores pequenas, carca de 5 milimetros de cor












_ 7 //


(A. Sousa des. do nat., 1937)

Zizyphus Jujuba Lam.
a) Ramo b) Flor (muifo ampliada) c) Frufo
d) Margem crenulado-serrulada da fblha (muito ampliada)















~~. JI
;I -

-,I il
(- I a6







L~ )'













'ide. CAlice de 5 s6palas, imbricadas, ovadas ou largoovadas. Corola
Estames 10 ou menos (por ab6rto), inseridos na margem do
, glabros; anteras oblongo-ovadas, agugadas ou levemente api-
las, erectas, basifixas. OvArio inserido no meio do disco, pequeno,
curfamente estipitado, hirsuto-acastanhado, cor dois 6vulos; esti-
filiforme, curvo, glabro ou sub-glabro; estigma capitado, minds-

Vagem sub-globosa, em geral 2 centimetros de comprimento, 1,5
metros de largura, castanho-aveludada, pulposa; sementes 1 ou 2,
idones plans, albumen c6rneo.
Floraqao em Setembro e Outubro; frutificacqo em Janeiro.
Distribu'ifo geogrifica: Moqambique (regigo ao sul do rio Save).
'ito de Inhambane: dispersa por todo o distrito, mais freqiUente na
liforal. Terrenos arenosos.
Nomes indigenas: (bitonga), ,ziba, (ronga).
Madeira excelente para marcenaria e construsqo, muito dura e n5o
ivel pelos insects; fruto comestivel (polpa Acida que envolve as
notes) ; flores meliferas.
E uma das essencias constituintes da floresfa aberta e das mais
rtantes sob o aspect econ6mico.
Nos matos das dunas tamb6m se encontra As vezes, mas com
id8ntico ao das outras essencias, isto 6, arbustivo ou arb6reo
eno.
Nas dunas situadas entire a lagoa de Ravene e o mar existed
essencia em grande escala, chegando a former pequenos maciqos
stivos, muito densos.
Nos restos da floresta aberta, densa, sub-higr6fila que exisfem ao













encontram-se especimes ae porte elevaao, 1i a %u metros.
A germinaqao das sementes, segundo experiencias que
leva crca de dez6ito dias, e as plants nascem com basta
































ANTONIO DE FIGUEIREDO GOMES E S

5f












ZIZYPHUS JUJUBA LAM.


JUNTO DA VILA DE INHAMBANE


m m


DIALIUVI SCHLECHTERI HARMS


DIALIUM SCHLECHTERI HARMS


A copa apresenta-se vergada sob a acqo do venfo
ALTO DA MAXIXE


A arvore apresenta fWlhas novas
Na floresta aberta, enfre Massinga e o Rio das Pedras












KA AS INDIGENAS


E MOQAMBIQUE

(Continuado do numero 22)

LANDINS E VATUAS

Ao mencionar landings e vdtuas quando
se fala dos indigenas do Sul do Save,
deixar6, certamente, perplexos mui-
tos leitores, t o comumente ocor-
rem essas denominaD6es na litera-
tura colonial portuguesa e, ainda
para mais, aureoladas de prestigio
her6ico, como timbre de bravura e
nobreza dos guerreiros negros. A
verdade, por6m, 6 que nos domi-
nios da etnologia a propriedade
expresses 6 muito duvidosa, aconselhando-se o abandon delas
lo menos, muita discrigo no seu emprego. De mais tem elas
:orrido para embaragar e confundir o conhecimento da etnologia
gambique, em particular a denominag~o landim. De facto, se a
naqgo vdtua, embora de origem pouco clara, tem sido exclusiva-
aplicada aos invasores angones e changanes, a etiqueta landim
lo aposta confusamente a populaq6es diversas, sem se conhecer













quer a origem do termo quer a tribu ou clan que primitive,
mente, assim se designaria. Por isso Aires de Ornelas, na su
ria s8bre Ragas e linguas indigenas em Mogambique, declare,
da expressao landim, ,n o haver nome nos nossos cronistas (
res mais dificil de se frisar,.
Julgamos ter agora solucionado a questao, gragas a un
atenta de antigos documents e autores portugueses, bem c<
mas ou apressadamente lidos ou mal interpretados. Antes, p
expormos a nossa interpretaoo, convdm passar uma revista c
causes ate agora dadas.
HA, tamb6m, ao examinar-se o assunto, que nio esqu
fact: as expresses landim e vdtua sao exclusivas do territf
literature portugueses. Os historiadores, etn6logos e etn6grafos <
ros nio as utilizam e, se as conhecem, 6 por via de do
portugueses. E at6 no territ6rio de Mogambique os indigenas 1
tais denominag6es, pelo menos no sentido em que os br
empregam.
O facto ter importancia, porque desde logo assinala um
local, acidental, dessas denominag6es e uma transposiggo, fe
europeus, do sentido primitive delas.

LANDINS

O sAbio etn6grafo Henri A. Junod confessa que a p
suas pesquisas nao p8de descobrir a proveniencia da palavr;
(v. Grammaire Ronga, Lausanne, 1896). Afirma que, na
que os portugueses lhe emprestaram ou seja como designai
sub-raga, tribu ou clan, a palavra nao foi recolhida da lingua
































QUISSAN
Reino
do


MBANE


DIVISAO DAS TERRAS A SUL DE SOFALA

Segundo Sebastilo Xavier Botelho (1835)


_
I












ncalgenas, lanaim parece ter tlao, onglnaimente, o senuuo uc
preto. E o autor da admirAvel Vida duma tribu sul-africana


Rongas de Lourenco Marques empregam-na ainda nesta
eral; aplicamna a todos os negros, sem distincgo.>

remos, adiante, a focar esta possivel explicaqAo da origem da

do Vale, examinando a questao no seu Diciondrio (Lourenqo
1906) de portugues e chi-ronga, observa que -a origem deste
idim) nao 6 perfeitamente clara.>, ulga (a palavra 6 dele)
>uir-lhe como origem a forma verbal cu-landia, seguir:

di-landie ou land, segue-me (donde prov6m nandia, nanda
escravo, subdito, criado).,

nclue:

la, portanto, mais natural que a pregunta dos primeiros por-
lesembarcados na costa do distrito (de Lourengo Marques) de
sois v6s ?v os indigenas respondessem: Di-landi, segue-me,
'dia, eu sou escravo, sabdito. Concluiu-se, talvez, daqui, que
landis ou landins e o nome ficou.>

itica desta teoria 6 a seguinte: dum lado, tais respostas por
indigenas sgo muito pouco verosimeis; doutro, nao foi aos
da costa, do litoral que, como adiante se dirg, os portugue-












ses aplicaram originalmente o nome landings, embora depois o generali-
zassem as ragas de Lourengo Marques e Inhambane.
Francisco Toscano, num artigo s6bre ,Ragas, tribus e families indi-
genas na Provincia de Mogambique (in Boletim da Sociedade de Estu-
dos de Mocambique, n.0 37, 1938), afirma:

-A raga Landim nao existe, foi uma criagqo nossa que n5o ha
razao de existir. Land vem de terra. Pregunta-se a um preto: a <,Uena
mane ?, ( Voc8 que ?) responded: ~Mina melande (Eu sou da
terra). Esta palavra veio do convivio dos nossos pretos com a Africa
do Sul, nas minas do Rand.,

Isto e: Toscano faz provir a palavra portuguesa landim, por inter-
m6dio da palavra indigena melande, do vocAbulo ingles land. Ora, pois
que landim existia ji antes da exploragao mineira no Rand e antes da
chegada dos ingleses ao Transval, a teoria 6 insustentAveL
Como tiv6ssemos discutido na imprensa lourenqo-marquina esta
explicaqgo de Toscano, recebemos dum desconhecido que assinava
,Mchope> e 6 certamente africano uma carta em que se dizia:

-Mina melande di landim e significa car preta. Lande 6 abrevia-
tura de melande.>

Esta explicacgo coincide cor a de Junod. Mas: para designer o
preto em geral, o indigena africano, usavam os portugueses care; e,
al6m disso, foi aos indigenas duma determinada regido que original-
mente o nome foi dado. De resto, todos sabem que o termo landim
ocorre nos nossos escritores nao em acepggo geral, concorrentemente












mas apenas em reIerencia a inalgenas uas regioes ue roiala,
e Lourenqo Marques.
nente (nao conhecemos outras explicaqSes da etimologia de
Lugusto Cabral (em Ragas, usos e costumes dos indigenas do
Inhambane, Lourenqo Marques, 1909) julga , io oferecida por T6rre do Vale.




.to, agora, As populaces a que a denominaqao landim tem
,da, notem-se:

meida da Cunha (Usos e costumes, etc., MoCambique, 1885)
a Zambdzia as tribus de Sofala, com excepqo dos Ud-Nhai
ueros, eram designadas pelo nome gendrico de landings. Mas
no landins pr6priamente ditos os Ama-Tonga de Lourengo
isto 6, os Rongas.
iva Manso (Mem6ria s6bre Lourengo Marques, 1870) e,
e, muitos outros autores- diz: landins ou vdtuas. Isto 6:
, Manso, landins seriam os angones e changanes.
Idas Xavier (Reconhecimento do Limpopo, 1894) design
lins todos os tongas ao sul do Save, com excepSgo dos ma-
nguas e verrongas.
res de Ornelas, na id citada mem6ria, supie que os landings
s tribus de origem meridional que vieram estabelecer-se nas
Lourengo Marques> ou sejam os Ama-Languene vindos da
. e noroeste da Zululandia, da Malengane dos nossos cro-
Quinhentos.












T6rre do Vale consider landings os Bd-Ronga de Lourenqo
Marques. Augusto Cabral parece, nuns passes, aponfar como landins os
Bd-Ronga; noufros passes, por6m, parece aplicar a denominago exclu-
sivamente aos BA-Tsui e diferencia landings de tongas. Fala-nos de
duas invasbes landins, a primeira nos fins do s6culo xvIII, a segunda
nos principios do xix. Esta iltima, diz, ,deu lugar ao nome por que
ficaram sendo conhecidos esfes landins: macuAcuas., Informa-nos, ainda,
de que os invasores changanes alcunharam de hchenguas os landins
do norte,.



Vejamos, agora:
O mais antigo document que se conhece empregando o termo
landim 6 a descriqao, por autor an6nimo, da baia de Lourengo Mar-
ques, publicada na Mem6ria apresentada pelo Govdrno Portugues A
arbitragem de Mac-Mahon (Apendice VI 1.a Mem6ria). A data pre-
cisa do document ignora-se mas pertence aos fins do s6culo xvim,
sendo, com certeza, posterior a 1785.
Diz o author:

<... da montanha vem ter do reino de Quiteve muitos negros
comerciarem cor n le (cor o grann Caxa> ou seja o rei dos Cossas)
que trazem grande quantidade de ouro; estes negros sao todos lan-
dins (...).,

Temos, inequivocamente, nesta dupla indicaqo montanha e reino
de Quiteve a localizaqAo bastante precisa da regiao donde os landins
vinham. A tal ponto clara, que surpreende como tern escapado aos





c3

\p`
c3


cr~

Gi~


VILANCULOS UJ

DISTRITO
DE
INHAMBANE


DIVISAO ADMINISTRATIVE ACTUAL DE MANICA E SOFALA
E DA RODESIA DO SUL JUNTO DA FRONTEIRA MOCAMBICANA
tO











investigadores. Aires de Ornelas conheceu esfe important documenfo
mas interpretou-o desatentamente. Tomou aquela indicacgo como refe-
rida a todos os negros que viviam nas terras da baia de Lourengo
Marques. Ora, uma leitura cuidadosa do document claramente mostra
que landings sao os negros que ,vem da montanha, do reino de Qui-
fevev.
Assim, a regiao donde os landins vinham frazer ouro de Quiteve
ao grann Caxa e tamb6m As feitorias portuguesas do Manhiga (Rio
Incomati) e As praias do Limpopo 6 a regiao montanhosa que comeqa
a norte da linha do Save, por onde hoje corre a fronfeira Manica e
Sofala-Rod6sia do Sul. Para leste das montanhas, s6bre a linha do
Bdzi at6 Sofala e o oceano, ficava o reino de Quiteve.
Xavier Botelho (Mem6ria Estatistica, Lisboa, 1835) confirm e
precisa mais ainda esta indicaggo, dando-nos a 4localizacio fopogrifica,
como ele pr6prio diz, dos landings. Descreve-nos as terras ao sul de
Sofala. E, pssto que a descriqao nem sempre seja clara, situa cor
evidencia as terras dos landings a oeste e sudoeste da Madanda, da
Butanga (Botonga) e do Dope (v. mapa I).
HA, assim, coincidencia perfeita cor a noticia dada pelo author
an6nimo de fins do s6culo XVIIL Olhando-se os dois mapas que acom-
panham este arfigo, v8-se que na regiao indicada como dos landings
corre o rio Lindi, afluente do Save mas de mais vulto que o trogo
deste a montante da confluencia. Temos, assim, resolvido o enigma.
t do nome indigena do rio Lindi que prov6m a denominacio
land landing, aplicada primeiramente aos indigenas que da regiao onde
aquele rio corre vinham As terras do Incomati e do Limpopo comerciar
o ouro do Quiteve e decerto tamb6m cobre com os portugueses e
os austriacos.











Deve notar-se que na pronuincia indigena o i final da palavra
Lundi nao ensurdece, soa distintamente. Dai, em portugues, a desloca-
g5o do acento t6nico para a iltima silaba. A evoluiAo de Lundi para
land, landim, aparece, assim, perfeitamente de ac8rdo com as leis da
fon6tica portuguesa.
Pode conjecturar-se, pois, que os verdadeiros landins eram gene
caranga, chona ou nhai e nao tongas. Os seus mais legitimos repre-
sentantes nas actuais populaq5es de Mogambique serao os vd-ndau de
enfre PLng!e e Save e os bd-chope do Chongoene, Zavala e Inhar-
rime. Uns e outros vieram das regi5es do Llndi. E quanto A comuni-
dade de cultural, Xavier Botelho fornece informaq~es eloqienfes.
Convem, todavia, n5o perder de vista que a palavra landim n5o
tinha, originalmente, valor de denominagao tribal. Chamando landings
aos indigenas que habitavam no interior das terras de Sofala e de
Inhambane, l8 onde o Landi corre, os portugueses antigos designavam,
vagamente, uma regi5o. E por isso fanto eram landins os povos do
chefe Mutema (v. mapa I) de que provem os ndaus e os chopes, como
os chenguas e tsuas, do grupo tonga, que viviam nos sert5es de Inham-
bane, vizinhos daqueles, como ainda outros povos entire Landi e Lim-
popo. Eis porque em linguagem etnol6gica e etnogrAfica devemos
descartar-nos da express5o landim.
FAcil 6 agora, tamb6m, compreender-se como a denominaq5o, ini-
cialmente aplicada a gene das bandas do Landi se generalizou depois
as populaqaes de Lourenqo Marques. Sabe-se como As feitorias do
Manhica, de Lourengo Marques, de Tembe e da Inhaca como a toda
a costa de Lourengo Marques e Inhambane se chamava, outrora, Cabo
das Correntes. E A gene que nelas vivia se chamava gene do Cabo das
Correntes. Ora, era cor os landins que principalmente se fazia o













popo. Ia-se ao Cabo das Correntes comerciar cor os landins. Dai o
prestigio desse nome e a confusio de landins cor a gene do Cabo das
Correntes.
Tal 6, parece-nos, a soluHAo do enigma landim, solug~o que, uma
vez mais, nos 6 dada pelos antigos autores portugueses tfo conscien-
ciosos e exactos nas informaq~es que nos deixaram.

VATUAS

Embora de emprego mais especificado que a palavra landim, nem
por isso a palavra vdtua ter contribuido menos para obscurecer o
conhecimento dos povos indigenas do sul de Mogambique e sua hist6ria.
Foi por ocasiao das campanhas de 1894-95 que o uso da palavra
vdtua se acentuou, designando-se por ela os invasores angones e chan-
ganes. Mas, razao tern o Sr. Augusto Cabral quando, na sua obra ji
citada, nos diz:

que os indigenas me explicassem satisfatbriamente a origem da palavra
vAtua e, mais ainda, desconhecem-na na acepgSo em que os europeus
a tomam ou, se a conhecem, 6 por a terem ouvido aos europeus.,

De facto, assim 6. As palavras cor que os indigenas designam os
invasores sno bangune ou bangone (de bd-ng6ni) e changane, md-chan-
gane (de Sochangane, o Manicusse). Esta ultima expressAo, porem, e
mais recent.
Ja num trabalho anterior, publicado no n.0 10 (1937) deste













agora:
Vd-Tua (singular Mu-Tua) estA em relagAo cor o pais de Butuz
Abutua dos nossos antigos escritores, o pais a sul e sudoeste do impd
rio do Monomotapa, ou seja a sul do Save, no interior. Bd-Tuds erar
os povos do interior, boximanes ou outros. Assim, o nome foi aplicade
pela gene do litoral (verosimilmente, a aplicag~o do termo aos invaso
res de Zuaguendaba e de Manicusse 6 originiria de Inhambane) Aquele
que vinham das terras de Butua, as quais se estendiam desde o Save
-Lindi at6 A Suazilandia e Transval.
Como cor a palavra landim, nao e recomendavel conservar i
tfrmo vitua em linguagem etnol6gica.

















C A E T A N O MO N T E
ENCARREGADO DO ARQUIVO HIST6RICO DE MOCAMBIQU












h, IALAU AIN I-MALARICA

DE LOURENO0 MARQUES


trabalho que nas piginas seguintes
se apresenta faz part dum estudo
muito complete acerca dos Anofe-
linos da Col6nia de Moaambique,
estudo que sern publicado ulterior-
mente. A razAo que levou os auto-
res a publicar prbviamente $ste tra-
balho foi o simple prop6sito de dar
a conhecer alguns dados novos e
interessantes que virgo rectificar
algumas ideas que dizem respeito
As importantes espdcies anofelinas pertencentes A s6rie funestus.
Particular interesse 6 dado a este trabalho pela descrigqo duma varie-
dade nova que os autores denominaram em homenagem a Mousinho de
Albuquerque, a grande figure de capitso e administrator que tanto ilustrou
a hist6ria de Mogambique nos fins do s6culo passado. Assim e para per-
mitir maior divulgaogo do facto, imprime-se este trabalho em versao por-
tuguesa e versao inglesa.
A prospecAo anofelina da Col6nia de Mogambique de que resul-
taram o present trabalho e outros que subseqtientemente serso publi-
cados foi uma operaqgo realizada pela Esta~go Anti-Malirica de Lou-
rengo Marques, criada em 1937, e A qual compete ,ngo s6 o combat
da doenqa pelos processes jA usados ou por outros a que se reconheqa












superior encicncia, imas am IIi u u cbiuuu u catUs 1lcutUiL* Vu i,'
motas desse recrudescimento para que possam ser removidas ou, pel(
menos, atenuadas.



These notes form a preliminary communication to a larger world
which will deal with the Anophelini of the Colony of Momambique, Por,
tuguese East Africa. The object of publishing them is to make know
some new and interesting observations and also to define the Authors
attitude regarding the important species belonging to the funestus series














.. \ I /
from Portuguese East Africa

BY

BOTHA DE MEILLON
The South African Institute for Medical Research, Johannesburg

AND

MARIO DE CARVALHO PEREIRA
Da Secco de Entomologia da EstaCio Anti-MalArica, Lourengo Marques

The material for these notes was collected during an anopheline survey
of the colony made by the authors in the early part of 1940.


1 The Funestus Series in the Colony.

Species of this series resemble A. funestus Giles so closely that it is
often difficult and sometimes impossible to separate them. This is obviously
a matter of great importance as funestus is known to be one of the most
important vectors of malaria in Africa. The series has been studied by
several workers in the Transvaal, S. Rhodesia and East Africa but up till
the time of the publication of this note nothing was known about them
in this colony.
Our material consists of four members of the series namely, A. funestus
Giles, A. leesoni Evans, A. rivulorum Leeson and A. rivulorum var. gar-
nhamellus Evans & Leeson. We did not find the two varieties of funestus
namely, var. confusus Evans and var. fuscivenosus Leeson though they
where described from Southern Rhodesia and so might be expected to be
found in this colony. Unfortunately we did no collecting in the far inland
areas adjoining S. Rhodesia because of lack of time and the absence of
roads.














After the work of Leeson (1) on the East African members of the
series the position with regard to the identification of the adults seemed
to be solved at last. Our material has unfortunately again thrown the
matter into confusion and much more work is required before a complete
solution can be hoped for. Fortunately the identification of the larvae
remains a comparatively simple matter.
For the distribution of the members of the series see the map accom-
panying this paper.

A. funestus Giles.

(Fig. t)

We found this species very widely distributed in the colony from
the south right through to the north both along the coast and inland.
Adults could always be collected in Native huts though we occasionally
failed to find any larvae in spite of prolonged search. The apparent absence
of larvae in the presence of adults is a common experience with this species
and has been noted by several authors. Adults are known to fly great
distances (2) and larvae, even under ideal conditions, are not easy to find
so it is not surprising that the collector who makes a rapid survey will
sometimes fail to find the immature stages.
Both adults and larvae were absent from only two places where a
thorough search was possible namely, Namaacha, 594 metres altitude, in
the south near Lourenco Marques and Furancungo 1.260 metres in the
north in the Tete district. Altitude alone could not be responsible for the
absence of funestus since we found this species elsewhere at these altitudes.
Both these places are situated in hilly country, the small streams flow
very rapidly and we believe that this has some controlling effect especially
during the rains.
All the larvae collected by us were typical and we saw no noteworthy
exceptions. The very deep plaques, transverse pigmented bar across the
fronto-clypeus, simple or sometimes bifid post frontal hair and rows of














minute spicules on the abdominal sternites make identification easy (Fig. 1).
Many adults were reared from such larvae and they were typical of funestus.
In addition to reared material we collected and preserved 334 adult
females from 29 different localities spread over the whole colony. These
adults were examined for wing characters and all but three of them fell
into Leeson's four groups as follows:


Groups
Total
1 2 3 4

Number ............................ 125 95 88 23 331
O/, of total........ ................ 38 29 26 7 100


Leeson found in East African series that group 3 was a coastal form
and that it became rarer as one travels inland. When we compare our
material from the coast with that from places furthest inland we find that
in the former, group 3 represent 24 % of the total and in the latter 18 %.
The difference is slight and does not agree with Leeson's findings. Further-
more we find that group 3 is present to the extent of 41 % in places lying
between the coast and the hinterland so that the gradual disappearance of
this group as one proceeds inland does not occur in this colony.
Our numbers are admittedly small but they are representative of many
different localities spread over a wide area and our coastal catches at least
exceed Leeson's number from Pemba.
The pharyngeal armature of a specimen from each locality was exa-
mined and found to agree with that of the type.
The three specimens that did not fall into Leeson's groups differed as
follows: two had a preacessory dark spot present on both wings and the
third had this spot present on one wing only and in addition two basal
costal spots on one wing. The pharyngeal armature of the two first men-
tioned species was examined and found to be typical of funestus.
















I --b ---


the sides of the streams and rivers usually consisted of grass or reed
on two accasions larvae were found among floating Nile lilies (Eichh
sp.) and on another two among Pistia. Larvae were not invariably
cited with Pistia and on many occasions we failed to find any fur
among this plants.
The remaining collections, with a few exceptions, were made in cor
waters such as lakes, dams and ponds. The water was always cleal
shaded where larvae were found. They were absent from many lake:
ponds in which the water was discoloured or unshaded. It was intern
to note that Nymphaea lilies apparently do not provide sufficient
because larvae were never found among them when taller vegetation
absent.
On four occasions larvae were found in rice fields, once when
was but little shade and the water dark and dirty, but on the other
fair shade provided by the rice or other vegetation growing in the f
Once a single larva was founUl in pools left by a receding river,
was very little shade, this breeding place was obviously unsuitable
larvae of this species.
One of the most interesting breeding places was in a small pool i
ning a small stream at Mocuba. The stream appeared to be idea
funestus but none were found in it. The water was of a slight milky c(
The water in the pool was fairly clean, there was scanty shade alon
sides provided by some grass but almost the whole surface of the
was covered by leaves of a species of Marsilia (1). The leaves resting
on the surface of the water provided no shade and yet amongst the]
found larger numbers of funestus than we collected anywhere else
single breeding place (Photo I).

(1) Identified by the Department of Botany, Witwatersrand University, J
nesburg.















(Figs. 2 & 3)
s closely related to funestus in the adult stage but the
separable.
s and Leeson (3) described a new variety of this species
is. Later Leeson (1) in his review of the funestus series
mmed up what was then known about the subject and
r the separation of rivulorum, its variety garnhamellus,
ii both in the larval and adult stage.
Leeson the main adult difference between rivulorum
3 presence of a dark preacessory spot on the wing of the
y garnhamellus on the other hand agrees with funestus
, differs in possessing a pale area on the upper branch
wing.
Slarvae are, concerned rivulorum and its variety differ
funestus in possessing accessory abdominal plaques and
.aques. The larva of rivulorum is said to possess three
al plaques and the variety only one and on this character
ited.
w turn to the material collected by us in the Colony
e position unfortunately again becomes obscured. Large
resembling rivulorum were collected and a study of these
imber of accessory abdominal plaques is not constant.
1 gradation from the one extreme when three accessory
t on segments III-VII to specimens where they are only
d finally when only one accessory plaque is present on
therefore the two small plaques lying posteriorly to the
plaque which may be present or absent and this is not
even when they are present they are rather feebly de-
in colour.
to the adults over fifty specimens were hatched from
a ten different localities ranging from near Lourengo














exception of six adults all the specimens agree with funestus,
words the preaccessory dark spot on the wing is absent, the ba,
costa is usually all dark but occasionally has one single pale
vein 5.1 of the wing is all dark (Fig. 3,a).
Of the six exceptions four have a pale area on vein 5.1 (Fig.
thus differ from typical funestus and resemble rivulorum var. garn
however we have the pelts of three of these specimens and they
three accessory plaques as described for rivulorum. Of the remain
specimens one has a preaccessory dark spot on both wings and vein
dark it is therefore like typical rivulorum the associated pelt, '
has only one accessory plaque on all segments up to VI and on V
the one main accessory plaque and one other small one on the rig
side, the one on left side being absent. The other specimen a mal
a preaccessory dark spot present on one wing and not on the other
From the foregoing we feel bound to conclude that in specimen
this colony the preaccessory dark spot is a variable character E
it is not associated with the number of accessory plaques in th
This same conclusion applies to the ornamentation of the 5th veir
There are therefore two possible conclusions firstly, to reg
specimens from Portuguese East Africa as representing a new
which the larva resembles rivulorum and its variety, and the adult
or secondly, to consider rivulorum as a variable species which
Africa is easily separable from funestus and in this colony not a
to regard garnhamellus merely as an individual variation of t1
We propose to adopt the second course here for various reasons, the
however, must not be regarded as settled. It will be necessary to
large collections of adults with their associated pelts from differ
lities in the Ethiopian region before there is any hope of clearing
difficulties.
We may add that Mr. Leeson kindly compared a pelt that
him with his own specimens and declared it to be typical of rivulorn















IIU11 VWV 0lit V U UC
is may be rivcl
ad of funestus-

mains to state
rom rivulorum
rs on the post-
)m all our rin
3 patches on tl


ptured in habitations in this
irum. Short of examining the
ike adults from habitations

;hat we have examined a fev
larvae and found them to be
armature ridges and hence i
dlorum-like larvae were typ
3 palp as in funestus (Fig.


colony and iientineac
pharyngeal armature
this question cannot

r pharynxs of adults
typical, that is, with
like funestus. Also
ical in having only
3,e).


amng races: mne oreeaing places or tns species are similar to Lnose
us though the two species were not invariably found together. On
asions larvae were found among Pistia when no funestus larvae
sent. At Magude they occurred together with funestus amongst
lilies (Eichhornia sp.).


A. leesoni Evans.

ough this species is common in S. Rhodesia and the Eastern
dl we found only three larvae, one at Malema and the other two
)a both places being in the north of the colony.
larvae are easily recognizable by their deeps plaques with two
plaques, clypeal pattern and much branched post frontal hair

adult female hatched from one of the larvae collected by us was
cal though the costa and third vein are rather dark (Fig. 3,c).
ales of funestus normally have no preaccessory dark spot on the
I this spot is also absent from the wing of rivulorum from this
) this should form a ready means of separating them. In males
3 of leesoni have three patches of white scales (Fig. 3,f) and so
om funestus and rivulorum (Fig. 3,e).













Ttis species is noL regartea as a nouse irequenter ana we
collect any adults that might conceivably be leesoni.
We did not examine the pharynx of our solitary specimen but f
in Africa it differs from funestus in having short hairs on the pc
ture ridges and so resembles rivulorum.

Breeding Places. Along the sides of a small river amongst
Malema and among Pistia in the Licungo river at Mocuba in
with rivulorum and funestus.

Distribution. Malema, Nyassa Province; M'ocuba, Zambesi I
Portuguese East Africa.


2 Anopheles brunnipes Theobald.

1910 Nyssorhynchus brunnipes Theo., Mon. Cul. 5, 64.

(Fig. 5)

This species formerly only known in the adult stage was cc
to belong to the group Neocellia. The discovery of the larva and a:
nation of the pharyngeal characters show, however, that brunnipes
cal of the Myzomyia group and in having both the long mesopleu:
simple it falls into subgroup I of Evans (4).
Formerly brannipes had only 'been recorded from two localities
Bi6, Angola and Leopoldville, Belgian Congo. The present rec,
therefore of a great interest.
A single female was taken indoors at Aguas Quentes, at Pebai
larvae were found in large numbers there were unfortunately nc
tions nearby so little can be said about its house frequenting hal

LARVA A medium sized larva, very dark in colour. Head.
clypeus brown without any definite pattern or pigmented areas.













hairs, inner long with very delicate fraying; outer about half the length
of the inner and with more pronounced fraying; posterior delicate, simple,
reaching just beyond the base of the inner. Post frontal, simple, fairly
long. Vertical hair, with about five branches. Antennae, light brown with
a few large spicules on the inner side near the 'base; shaft hair simple
and short; apical hair long, bifid near its apex.

Thorax. Shoulder hairs, well developed but not unduly flattened,
mounted on tubercles which are usually separated by a short distance.
Palmate hair, absent. Pleural hairs, highly modified but of the type seen
in the group Myzomyia subgroup I of Evans. They differ from those of
other members of that subgroup as follows: basal tubercles large with
sharply pointed spines as usually seen in the group Cellia; prothoracic
group with the dorsal posterior modified in the form of a stout, strong
bristle with barb-like lateral processes somewhat as in nili Theo.; meta-
thoracic group with the two long bristles highly pigmented, one only mode-
rately long and pectinate and the other definitely short, about two thirds
as long as the pectinate one, simple, stiff and spine-like.

Abdomen: Palmate hairs, segment I, rudimentary with about 7 very
narrow undifferentiated leaflets; segment II, rudimentary very similar
to that on I but leaflets slightly broader; segments III-VII with 13-15
well developed leaflets, shoulders somewhat sloping with few serrations,
filaments short and sharply pointed. Tergal plates, anterior well developed
and pigmented, exceeding half the distance between the palmate hairs;
on segment VIII very large; accessory plates single. Saddle hair, short with
more than five branches; Pecten, heavily pigmented with six or seven long
teeth and about ten shorter ones some of which are very small.

Breeding Place. Large number of larvae were collected in a series
of small pools in a open drain alongside a road. The water was quite
fresh and very shallow. The breeding place was quite typical of A. gambiae
but no larvae of this species was found.













ADULT 'The adult agrees with the descriptions given by Evans (4) and
shows the markings on the middle femur as noted by Edwards for specimens
from Angola. In addition, however, our specimens show a faint line of
white scales along the tibiae; this line is very well marked in some specimens
on the mid tibia. Pharynx, ,, Typical of the Myzomyia group; crest of
the cones not bifurcate; with about 12 well developed cones with long
filaments and a prominent lateral tooth on each side at the level of the
base of the filaments; rods rather small; post armature ridges apparently
bare. Terminalia, V, as commonly seen in Myzomyia, phallosome slightly
less than half the length of the coxite, with from six to eight leaflets on
each side the uppermost one or two of which are fairly broad with marked
serrations; harpago with a short club with the apex much expanded, apical
hair slightly longer than the club.

Distribution. Aguas Quentes, Pebane, Zambesi Province, Portuguese
East Africa.

3 Anopheles seydeli Edws.

1929 Anopheles theileri var seydeli Edws., Bull. Ent. Res. 20, 522.

(Fig. 6)

This species was formerly regarded as a variety of theileri Edws. but
the discovery of the larva shows that it does not belong to that series but
to the marshall series of species. The larva is indeed very closely related
to hancocki Edws. We have therefore considered it advisable to regard
the insect as a distinct species.
Three males and one female were reared from larvae but unfortunately
owing to an accident fne pelts were almost completely denuded when they
were finally examined in the laboratory for detailed description.

LARVA A small very light brown insect. Head, fronto-clypeus with a
prominent pigmented bar across its anterior half. Clypeal hairs, inner














o .LDt3 CbULvUly 0Iut11u, auuiu. U.ttI UI11m U lltU IuA0ll V11 UI b1t1 llUU110-clypeukI
r hairs very short and stumpy somewhat as in marshall var. gibbinsi
ns.

Thorax. Pleural hairs typical of the group with both long mesopleurals
)le. Palmate hair, with a number of lanceolate leaflets as in marshall
related species.

Abdomen. Without the spicules which are typical of the theileri series.
nate hair, on segment I, with leaflets showing distinct shoulders and
bouncedd filaments; on segments III-VII, with short leaflets with serrated
Riders and short but sharp filaments as in marshall. Pecten with the
t teeth very short but not quite as in hancocki.

Anterior abdominal plaques, wider than in related species with one
ssory plaque. Saddle hair, short and much branched.

Adults, 6 9, We took the opportunity of examining the male terminalia
ie specimen and the female pharynx of another dissected from a pupa
;h had failed to hatch. The male terminalia was typical of many
)myia but differed from the marshall series in having the leaflets of
)hallosome rather narrow. The pharynx was also typical of this group
was provided with twelve rods and cones of the usual type; the post
iture ridges with very short hairs.
Some variation was noted in the adults which hatched from these
ie. The extent of the pale area at the apices of the fore and mid
was in some specimens at least twice as long as broad but in others
as much narrower. This also applies to the dark band across the
le of tarsus IV of the hind leg which in one male was quite small.
As far as what we could see the larva only differs from that of
ocki in the larger size of the abdominal plaques.

Breeding Places. In shade along the side of a very fast running














oulitaLL Wlbu poUloIlWUly U>iovd Wit2u1. -L110 OiIue Wab PJUVImU Uy b0lior grabs
and was not dense. At Cuamba larvae were recovered from slowly moving
water in almost complete shade under a culvert.

Distribution. Vila Cabral, Cuamba, Nyassa Province, Portuguese
East Africa.


4 Anopheles marshall var. mousinhoi var. nov.

(Fig. 7)

The larvae of this species were first mistaken for those of leesoni
Evans; it was noted, however, that the post frontal hair was simple or
at most split into three and that only one posterior plaque was present.
At no time, except when three adults hatched, were they suspected of
being members of the marshall series.
The adults are typical marshall Theo. except for the absence of a
preaccessory dark spot on the wing of the female. This spot is, however,
present in the wing of the male and in any case is not constantly present
even in true marshall. The larva closely resembles those of harper Evans
and hargreavesi Evans. The male phallosome is provided with leaflets so
apart from other more superficial differences it is unlike hargreavesi. It
remains to distinguish the larva from that of harper and the abdominal
plaques afford a ready means for doing so. In harper the main plaques
are quite small, somewhat as in demeilloni Evans whereas in the present
variety they are much larger and from segments III-VII they almost equal
the distance between the palmate hairs. Furthermore the filaments of typical
palmate hairs are long and delicate and never short and stumpy as in
harper, and the arms of the median plate of the scoop are very well
developed.
The pupa resembles that of harper in having abdominal bristle C
on segments IV-VI very delicate, short and much branched. In this respect
it differs markedly from marshall, its varieties and hargreavesi.













JJU.L-. -- V d LJ.VU.LLtJJL D JLU. JIIUjUO UJ.bU I LU .U.UJVL.Ll. UVl ,iUI t JL.J. L
id ornamentation. Head, pale scales white; apical and subapical pale
of the palps very broad making the intervening dark band less
half the length of either pale band. Mesonotum, with moderately
pale scales somewhat creamy in some lights but on the whole as
rshalli. Legs, with tarsal banding as in marshall. Wings, as in
abli but the preaccessory dark spot on the first vein absent. Pharynx,
arynx was dissected from a dead pupa which had been identified and
d in the larval stage. There are about thirteen rods and cones as
rshalli.


DULT 8, as in marshall and the terminalia of one specimen agreed
;hat species.

ARVA Head, with a conspicuous clypeal pattern as in leesoni Evans.
il hairs, inner long and simple; outer delicate, about half the length
inner, simple; posterior short and delicate, not reaching much beyond
se of the inner, simple; Post frontal hair, simple or rarely split into
* three. Vertical hair, with two or three branches. Thorax. Submedian
;ic hairs close together the basal tubercles not widely separated.
al hairs, as subgroup I of the Myzomyia, that is, with both long
leurals simple. Palmate hair, with 14-15 narrow undifferentiated
s. Abdomen. Segments with fairly large abdominal plaques nearly
ing the distance between the palmate hair on all segments except
II. Palmate hairs, on segment I, of 12-14 undifferentiated leaflets;
with about 12 leaflets, rather narrow, normally undifferentiated but
iionally a filament can be seen marked off from the rest of the
;; on III-VII fully developed, leaflets moderately broad with serrated
lers and delicate filaments somewhat varying in length, sometimes
Ig as the blades but on the average shorter but never stumpy or
ended. Pecten, quite normal with 5-6 long teeth. Saddle hair, long
imple. Lateral arms of the median plate of the scoop long.













PUPA Cephalothorax, meatus about 0.3 the length of the trumpet;
Abdomen. Paddle, external border with spines reaching almost to the level
of the subapical hair, spines abruptly replaced by very delicate hairs;
apical bristle long, about one third the length of the paddle; subapical hair
with five branches; Spine A>>, VIII with five branches on each side;
VII pointed, 0.4 to 0.5 the length of the segment; VI slightly shorter than
on VII and V slightly shorter than on VI; IV very short, pointed; III mi-
nute blunt.

Bristle , V-VII delicate, 3-7 branches slightly more than half
the length of the segment.

Bristle >, VII simple or with a slender branch, slightly longer
than the segment; IV-VI delicate, 3-9 branches, slightly more than half
as long as the segment.

Hair <
Hair 4, with branches as follows: VII 6, VI 7, V 8, IV 7-10.

Breeding Place. Several larvae were collected in a permanent swamp,
depth of the water about two feet and less, amongst grass and aquatic
vegetation. The water was slightly brownish. The larvae appeared to occur
in one spot only in the swamp as attempts to find even a single larva
elsewhere in the same water and with similar vegetation failed. Other
species present in this swamp were coustani Lav. and squamosus Theo.

Distribution. Manjacaze, Sul do Save Province, Portuguese East
Africa.

This variety is named in honour of the Portuguese hero and adminis-
trator Mousinho de Albuquerque.
Type ?, in the collection of the South African Institute for Medical
Research, Johannesburg.


















(1) LEESON, H. S. Bull. Ent. Res., 28, pp 587-603 (1937).
(2) DE MEILLON, B. Pub. S. Afr. Inst. Med. Res., 7, pp 306-311 (1937).
(3) EvANs, A. M. & LEESON, H. S. Ann. Trop. Med.. & Parasit., 31, p 384 (1937).
(4) EvANs, A. M. Mosquitoes of the Ethiopian Region II-(1938).













otas s6bre alguns anofelinos (Dipt Culicidae)

da Africa Oriental Portuguesa

POR
BOTHA DE MEILLON
De (The South African Institute for Medical Research>, Johannesburg

E

MARIO DE CARVALHO PEREIRA
Da cSeccao de Entomologia da Estagio Anti-Malarica', Lourengo Marques

O material para estas notas foi coleccionado durante uma prospecqdo da
a anofelina da Col6nia, feita pelos autores durante os primeiros meses
940.

I A s6rie Funestus na Col6nia

As esp6cies desta serie assemelham-se tanto ao A. funestus Giles que
ldsi sempre dificil e muitas vezes impossivel distingui-las. A questdo
wviamente, de grande importancia, visto que, como se sabe, o funestus
a dos mais importantes vectores do paludismo em Africa. A serie tern
estudada por vArios investigadores no Transval, Rod6sia do Sul e
ca Oriental mas at6 a data da publica9go diste trabalho nada so
lecia acarca deste problema nesta Col6nia.
O nosso material consist em quatro membros da serie, nomeadamente
unestus Giles, A. leesoni Evans, A. rivulorum Leeson e A. rivulorum
garnhamellus Evans e Leeson. Nao encontramos as duas variedades
unestus var. confusus Evans e var. fuscivenosus Leeson se bem
tendo a sua presenga sido assinalada na Rodesia do Sul, pudesse
rar-se encontrd-las nesta Col6nia. Infelizmente, nio pudemos explorer
reas do interior confinantes da Rod6sia do Sul, por carencia de tempo
Isencia de estradas.
Ap6s o trabalho de Leeson (1) s6bre os membros da serie na Africa















O nosso material, por6m, lanca de novo, infelizmente, o assunto em co:
e muito trabalho 6 necessario ainda, antes que possa esperar-se uma coj
solugao. Felizmente, a identificagco das larvas continue a ser prc
relativamente simples.
Para a distribuicio dos membros da s6rie, veja-se o mapa que
panha 8ste artigo.

A funestus Giles

(Fig. 1)

EncontrAmos esta esp6cie largamente distribuida pela Col6nia,
a norte, tanto ao long do litoral como pelo interior. Foi sempre p(
capturar adults nas palhotas dos indigenas, embora por vezes nao
guissemos encontrar nenhuma larva, a despeito de prolongada pes
A aparente ausencia de larvas com a presence de adults 6, con
esp6cie, facto freqiiente e tem sido notada por vArios autores. Sabe-i
os adults voam a grandes distancias (2) e as larvas, mesmo em con
ideas, nao sdo faceis de encontrar. Assim, nao 6 de surpreender
investigator que faz um rapido reconhecimento nao consiga, algumas
encontrar as fases imaturas.
Apenas em dois locals em que foi possivel aturada investigacao
ausencia tanto de larvas como de adults: Namaacha, 594 metr
altitude, ao sul, pr6ximo de Lourenco Marques, e Furancungo, 1:260 in
ao norte, no distrito de Tete. A altitude, por si s6, nao poderA expli
ausencia de funestus, visto terms encontrado esta esp6cie noutros It
is mesmas altitudes. Aquelas duas localidades estao situadas em 1
montanhosa, os pequenos cursos de Agua correm muito rApidos e su]
que estas circunstancias constituam factor favorAvel ao seu combat
especial durante a epoca das chuvas.
Todas as larvas que colhemos eram tipicas e nao vimos qus
excep9io digna de nota. A profundidade das places posteriores, a
pigmentada transversal do fronto-clipeus, a soda post-frontal simple














vezes, bifida, e as fiadas de espiculas diminutas nos esternites
ais tornam fAcil a identifica9go (Fig. 1). Grande nrmero de adults
m criados destas larvas eram funestus tipicos.
a do material criado no laborat6rio, capturAmos e conservamos
)as adults, oriundas de 29 locais diferentes e disperses por today
a. Estes adults foram examinados quanto As caracteristicas da
excep9co de tres, todos os outros puderam incluir-se nos quatro
[e Leeson, do seguinte modo:

Grupos
Total
1 2 3 4

............ ....... ..... 125 95 88 23 331
)m ........................ 38 29 26 7 100

ion verificou nas series da Africa Oriental que o grupo 3 era
ma do litoral tornando-se cada vez mais rara A media que se
para o interior. Comparando o nosso material do literal cor o de
mais distantes no interior, verificAmos que no primeiro o grupo 3
mntado por 24 por cento do total e no uiltimo por 18 por cento. A
I 6 pequena e ndo concorda corn os resultados de Leeson. Mais
erificAmos que o grupo 3 6 representado por 41 por cento em lugares
centre a costa e o interior. Assim, o desaparecimento gradual diste
media que se. caminha para o interior nao se verifica nesta

litimos que o nmimero dos nossos exemplares 6 pequeno; todavia,
;a um total que foi obtido em localidades diferentes e espalhadas
a Col6nia, e a nossa colheita no litoral s6 por si excede os ndmeros
n em Pemba.
examinada a armadura faringea dum esp6cime de cada localidade,
Ido-se concordar cor a da esp6cie tipica.
xrs esp6cimes aue nao puderam ser incluidos nos grupos de Leeson















as asas; o terceiro apresentava-a apenas numa asa e, adiciona]
manchas basais na costa duma asa. 0 exame da armadura
dois primeiros destes especimes mostrou-a tipica de funestus.

Lugares de criaaoo Foram feitas na Col6nia sessenta i
lecces diferentes de larvas. Em trinta e oito cases, acharam-
longo das margens de pequenos cursos de Agua ou rios, em Ague
e ensombradas. A vegetacgo nas margens destes cursos de aguw
sistia geralmente em capim ou junco.
Em duas ocasioes, porem, encontraram-se larvas em nei
chhornia sp.) flutuantes. Noutras duas, encontraram-se entree
larvas nao estavam, invarikvelmente, associadas cor Pistia.
ocasioes, mesmo, ndo se acharam quaisquer funestus entire estas
As demais colecces, com poucas excepces, foram feita
confinadas, tais como lagos, reprisas e lagoas. As larvas foram
sempre em agua limpida e ensombrada. Em muitos lagos e lag
ligeiramente turva e nao ensombrada, havia ausencia de larval
sante notar que os nendifares Nymphaea parecem n~o gara:
suficiente, pois nunca se acharam larvas entire 6les, desde que :
vegeta9ao mais alta.
Em quatro vezes, encontraram-se larvas em arrozais; numa
pouca sombra e a agua era escura e suja; nas outras tres, porn
sombra, produzida pelo arroz ou por outra vegeta9ao crescendo
Numa ocasiao, achou-se uma tinica larva em pequenas po(
por um rio peri6dico.; havia muito pouca sombra. Este lugai
era, evidentemente, impr6prio para as larvas desta especie.
Um dos mais interessantes locals de criacao era uma p(
junta a um riacho em Mocuba. 0 riacho parecia ideal para f
nenhum ali foi encontrado. A agua apresentava c6r levemente
poga a Agua era bastante limpida; nas margens, havia esca
produzida por capim, mas toda a superficie da Agua estava coberi














de uma esp6cie do genero Marsilia (1). As f6lhas, jazendo espalmadas s6bre
a superficie da agua, nao produziam sombra e, todavia, achAmos entire
elas maior nimero de funestus que o recolhido onde quer que f8sse num
s6 local de criagao (Fot. I).

A. rivulorum Leeson
(Fig. 2 e 3)
Esta esp6cie assemelha-se muito de perto corn o funestus, no estado
adulto, mas as larvas sao ficilmente diferenciAveis.
Em 1937, Evans e Leeson (3) descreveram uma nova variedade desta
esp6cie, denominada garnhamellus. Mais tarde, Leeson (1), no seu estudo
da s6rie funestus na Africa Oriental, refiniu quanto se conhecia acerca
do assunto e deu-nos uma chave para a diferenciaQao de rivulorum e sua
variedade garnhamellus, funestus e leesoni, quer no estado de larva quer
no de adult.
Segundo Leeson, a principal diferenca, no adulto, entire rivulorum e
funestus 6 a presenga de uma mancha pr6-acess6ria escura na asa do pri-
meiro; por outro lado, a variedade garnhamellus coincide corn funestus
nesse ponto mas difere em possuir uma Area clara no ramo superior da
nervura 5.1 da asa.
No que respeita As larvas, rivulorum e sua variedade diferem apre-
ciAvelmente de funestus por possufrem places abdominais acess6rias e places
principals menos profundas. A larva de rivulorum 6 apontada como pos-
suindo tres places abdominais acess6rias; a da variedade, uma, apenas -
diferengando-se, pois, por esta caracteristica.
Considerando, agora, o material por n6s reiinido na Col6nia de Mo-
cambique, a questqo torna-se de novo, infelizmente, obscure. Foi colhido
grande niimero de larvas semelhando rivulorum e o seu estudo mostra
inconstancia do nimero de places abdominais acess6rias. As variances en-
contradas foram: tres places acess6rias nos segments III-VII; tres places

(1) Identificada pelo Department of Botany, Witwatersrand University, Johan-
nesburg.


(Tradugco do Ingles)














cess6rias sbmente no segment VII e, finalmente, uma 6inica placa acess6ria
mn todos os segments. Sio, todavia, as duas pequenas places situadas
osteriormente h placa acess6ria central que podem existir ou nao, e isto
ao 6 de surpreender, visto que mesmo quando estao presents sao fraca-
iente desenvolvidas e de uma c6r muito t6nue.
Quanto aos adults, mais de cinqilenta esp6cimes foram criados de
irvas coleccionadas em dez lugares diferentes desde Lourengo Marques,
o sul, atW Messambo, Lago Niassa, ao norte. Com excepeAo de seis adults,
)dos os especimes sao conformes a funestus isto 6: a mancha acess6ria
scura, na asa, nao existed; a base da costa 6 geralmente toda escura mas
present, em cases, uma uinica Area clara; a nervura 5.1 da asa 6 comple-
umente escura (Fig. 3 a).
Das seis excep6Aes, quatro tnm Area clara na nervura 5.1 (Fig. 3 b),
iferindo, assim, do funestus tipico e semelhando rivulorum var. garnha-
.ellus; possuimos, todavia, as poles de tres destes esp6cimes e todas
presentam as tres places acess6rias, como descritas nos rivulorum. Das
ats restantes excepepes, um esp6cime tem uma mancha pr6-acess6ria em
mbas as asas e a nervura 5.1 6 completamente escura, sendo, por con-
3guinte, como o rivulorum tipico; a pele do esp6cime tem, contudo, apenas
ma placa acess6ria em todos os segments, at6 o VI; no VII, nota-se a
In.an. nrinrinna.1 nearpQriA~, an nm, nnufrn, noAnnu n nn Infn rlirrfnt nfn p'istpnte


) rnvuiOorum urua espeuie variu


mnestus; z.-, consa1(


ilte a an u uaI :














IIUIl.LLte ei, tullbu Ul IItIltb UBI Ux LIU yulniu~I u lltlraUltl l CUIIIO Uwima
lade individual do tipo.
'ropomos adoptar-se a segunda destas conclusoes, por varios motives.
estdo, por4m, nao deve julgar-se resolvida. Sera necessdrio ainda
nar grandes colecebes de adults, cor as suas respectivas poles, do
lades diferentes na regido eti6pica, antes que haja esperangas de remo-
s dificuldades.
'odemos acrescentar que o Sr. Leeson amhvelmente comparou uma
ue Ihe enviamos cor os seus pr6prios esp6cimes, declarando-a tipica
ulorum.
ilagao dos factos acima referidos 4, sem dilvida, que alguns dos
is capturados por n6s em habitagces desta Col6nia e identificados
funestus podem ser rivulorum. Sem o exame da armadura faringea
Ltenas de adults simili-funestus das habita95es, esta questao nao pode
lucionada.
,esta declarar que examinAmos as faringes de alguns adults pro-
ites de larvas de rivulorum e as achlmos tipicas, isto 4, dotadas de
sodas nas cristas posteriores da armadura e, portanto, nao concordes
mnestus. Tamb4m os machos de todas as nossas larvas simili-rivulorum
iipicos no facto de terem apenas duas manchas brancas no palpo, como
I nos funestus (Fig. 3 e).

ugares de criaqo Os lugares de criacho desta esp6cie sAo idnnticos
Sfunestus, embora as duas esp6cies nao f6ssem, invarihvelmente,
radas juntas. Em tres casos, encontraram-se larvas entire Pistia onde
istia nenhuma larva de funestus. Em Magude encontrAmo-las juntas
unestus, entire nenifares flutuantes (Eichhornia sp.).

A. leesoni Evans

despeito da vulgaridade desta esp6cie na Rodesia do Sul e Transval
al, encontrAmos apenas tres larvas, uma em Malema e duas em
a, locals, ambos, no norte da Col6nia.














As larvas sao fhcilmente reconheciveis pelas suas profundas places,
com duas places acess6rias, desenho clipeal e soda post-frontal muito rami-
ficada.
Uma femea adulta criada duma das larvas coleccionadas por n6s era
tamb6m tipica, embora a costa e a terceira nervura f8ssem um tanto
escuras (Fig. 3 c). As femeas de funestus nao apresentam, normalmente,
mancha pr6-acess6ria escura na asa, mancha que estA tamb6m ausente da
asa do rivulorum desta Col6nia. Assim, temos um meio seguro de as
distinguir.
Nos machos, os palpos do leesoni t6m tres manchas de escamas brancas
(Fig. 3 f), diferindo dsste modo do funestus e rivulorum (Fig. 3 e).
Esta esp6cie nao e considerada freqiientadora das habitaces e nao
capturAmos qualquer adulto que pudesse, razohvelmente, dizer-se leesoni.
Nao examinAmos a faringe do nosso uinico exemplar, mas por today
a part em Africa o leesoni difere do funestus em ter sodas curtas nas cristas
posteriores da armadura, carActer pelo qual se assemelha ao rivulorum.

Lugares de criagao Ao long de pequenos rios, entire capim, em
Malema; em Mocuba, entire Pistia, no rio Licungo, juntamente cor rircu-
lorum e funestus.

Distribuico Malema, provincia do Niassa; Mocuba, provincia da
Zamb6zia, Col6nia de Mocambique (Africa Oriental Portuguesa).



2 Anopheles brunnipes Theobald

1910 Nyssorhynchus brunnipes Theo., Mon. Cul. 5, 64

(Fig. 5)

Esta esp6cie, anteriormente s6 conhecida no estado adulto, conside-
rava-se como pertencendo ao grupo Neocellia. 0 descobrimento da larva 3


(Tradulao do ingles)













U tUAdl) U UU U Uwaul CiULutho IUl1116-0nU -lOU -U 1 1- -VI J1UVF 11 V ,I I
tipico do grupo Myzomyia e que visto ter ambas as sodas longas mesopleurais
simples inclue-se no sub-grupo I de Evans (4).
Outrora, o brunnipes f6ra apenas registado em dois lugares: Bie,
Angola, e Leopoldville, Congo Belga. Os dados presents sAo, pois, do
grande intergsse.
Apenas uma frmea foi capturada dentro de uma habitagco, em Aguas
Quentes. Em Pebane, onde se encontraram larvas em grande nimero, nho
havia, infelizmente, qualquer habitacgo nas proximidades. Assim, pouco
pode dizer-se sobre os hAbitos caseiros da especie.

LARVA Larva de dimensao media, c8r muito escura. Cabega: fronto-
-clipeus castanho, sem desenho definido ou Areas pigmentadas. Sodas clipeais:
internal, longa, com muito delicadas ramificagees laterais; externa, de cerca
de metade do comprimento da internal e com ramificacpes laterais mais
pronunciadas; posterior, delicada, simples, ultrapassando ligeiramente a
base da internal. Soda post-frontal: simples, moderadamente comprida. Soda
vertical: com cerca de cinco ramos. Antenas: castanho-claro, com algumas
espiculas compridas no lado interno, perto da base; soda antenal simples
e curta; seda apical comprida, bifida perto da extremidade livre.

Tdrax. Sedas submedianas: bem desenvolvidas mas ndo muito acha-
tadas, montadas em tub6rculos geralmente pouco distantes um do outro.
Seda palmada: ausente. S6das pleurais: muito modificadas mas do tipo
observado no grupo Myzomyia sub-grupo I de Evans, diferindo das dos
outros membros dsste sub-grupo no seguinte: tuberculos basais grandes cor
espinhas muito agugadas, como se observe geralmente no grupo Cellia;
grupo protorAcico com seda dorsal posterior modificada em forma de cerda
forte, grossa e farpada, um pouco como ocorre no nili Theo.; grupo metato-
rAcico com as duas cerdas longas fortemente pigmentadas, uma modera-
damente comprida e pinulada, outra nitidamente curta, mais ou menos
dois tercos do comprimento da pinulada, simples, rigida, como uma espinha.














LUO UI(IMI. 1OEUCC6 pAILCUuu ,U. b. jtLLUllibU -L IlCtllllull-iilc LUIIL LtOILcU Ut
7 foliolos muito estreitos e nio diferenciados; segment II: rudimentary,
muito semelhante a do segment I mas os foliolos sAo ligeiramente mais
largos; segments III-VII, corn 13-15 foliolos bem desenvolvidos, extremi-
dade da lamina com um pequeno serrilhado em escada, filamentos curtos
e muito agugados. Placas abdomninais: anterior, bem desenvolvida e pigmen-
tada, excedendo metade da distancia entire as sedas palmadas; no segment
VIII, muito largas; uma dnica placa acess6ria. Seda selar: curta, com
mais de cinco ramos. Pecten: fortemente pigmentado, com seis ou sete denies
compridos e cerca de dez mais curtos, alguns dos quais muito pequenos.

Lugares de criagao Grande nmimero de larvas foram colhidas numa
serie de pequenas pogas num dreno aberto ao long da estrada. A Agua
era perfeitamente limpida e muito pouco profunda. Este lugar de cria9go
e tipico do A. gambiae mas nao encontrdmos nele larvas desta especie.

ADULTO O adulto concorda com a descrigio feita por Evans (4) e
mostra uma distribulcdo das manchas no femur da pata median identica
a descrita por Edwards nos esp6cimes de Angola. Os nossos especimes
mostram mais, todavia, uma tenue listra de escamas brancas ao long das
tibias; esta listra 6 muito bem marcada, em alguns especimes, na tibia da
pata median.

Faringe, 9, tipica do grupo Myzomyia; cristas dos cones nao bifur-
cadas; cerca de 12 cones bem desenvolvidos com filamentos compridos e um
dente lateral, proeminente, em cada lado, ao nivel da base do filamento;
estiletes muito pequenos; cristas posteriores da armadura aparentemente
nuas.


Terminalia, 8, como em regra se observa no Myzomyia, falosoma
ligeiramente menor que metade do comprimento do coxito, com 6 a 8 foliolos
de cada lado, um ou dois dos superiores muito largos, com acentuado















dilatado, seda apical ligeiramente mais comprida que o process claviforme.

Distribuigao Aguas Quentes; Pebane, provincia da Zambbzia, Col6-
nia de Mocambique (Africa Oriental Portuguesa).



3 Anopheles seydeli Edws.

1929 Anopheles theileri var. seydeli Edws., Bull. Ent. Res. 20, 323

(Fig. 6)

Esta especie foi primeiramente encarada como uma variedade do theileri
Edws., mas o descobrimento da larva mostra que n2o pertence a essa serie
e sim a s4rie marshall da esp6cie. A larva 6, na realidade, muito apa-
rentada cor hancocki Edws. Julgamos, por conseguinte, aconselhAvel enca-
rar o insect como especie distinta.
Tris machos e uma femea foram criados de larvas mas, infelizmente, e
devido a um acidente, as peles estavam quasi completamente desprovidas
dos seus elements quando foram examinadas no laborat6rio, para descrigro
pormenorizada.

LARVA Pequeno insecto, acastanhado claro. Cabega: fronto-clipeus
cor uma bem marcada faixa pigmentada na metade anterior. Sedas cli-
peais: sodas internal, relativamente curtas, de cerca de um ter9o do compri-
mento do fronto-clipeus; sedas externas, muito curtas e grossas, um pouco
como no marshall var. gibbinsi Evans.

Tdrax Sedas pleurais tipicas do grupo, cor ambas as sedas longas
meso-pleurais simples. Seda palmada: cor um nmimero de foliolos lanceo-
lados como no marshall e esp6cies afins.














1ULLJuffIII KJUuu1 do oUiLao Lu uOL tjL U D Ulla LLi Ui llotU tCfUT 7.
Seda palmada: no segment I, cor foliolos mostrando a extremidade d-
lamina bem marcada e filamentos bem distintos; nos segments III-VII,
cor foliolos curtos e largos, cor a extremidade da lamina serrilhada e
filamentos curtos e agugados como no marshall. Pecten: cor os denotes
curtos, muito curtos mas nao tanto como no hancocki. Placas abdominais
anteriores: mais largas que nas esp6cies afins e cor uma placa acess6ria.
Seda selar: curta e muito ramificada.


ADULTOS 9 8 Examindmos a terminalia dum macho e a faringe
duma femea, dissecadas de pupas mortas. A terminAlia do macho apre-
sentava o aspect tipico de muitos myzomyia mas diferia da s6rie marshall
em ter os foliolos do falosoma mais estreitos. A faringe era, tamb6m, tipica
dsste grupo e tinha 12 estiletes e cones do tipo usual; as cristas posteriores
da armadura tinham sodas muito curtas.
Nos adults provenientes destas larvas notaram-se algumas variagces.
A extensdo da area clara no Apice do tarso das patas anterior e median
era, em alguns esp6cimes, pelo menos duas vezes tam long quanto larga,
mas noutros era muito mais estreita. 0 mesmo quanto ao anel escuro do
meio do tarso IV da pata posterior, anel que num macho era muito pequeno.
Tanto quanto pudemos apreciar, a larva s6 difere da do hancocki pelas
maiores dimensaes das places abdominais.


Lugares de criagao Na sombra ao long dum curso de agua de
corrente muito rApida, corn gua perfeitamente limpida. A sombra, nao
muito densa, era produzida por capim curto. Em Cuamba foram colhidas
larvas em aguas lentas e sombra quAsi fechada, sob um collector.


Distribuiao Vila Cabral; Cuamba, provincia do Niassa, Col6nia de
Mogambique (Africa Oriental Portuguesa).
















(Fig. 7)

As larvas desta esp6cie foram primeiro erradamente tomadas como
de leesoni Evans. Observou-se, no entanto, que a seda post-frontal era
simples ou, quando muito, ramificada em tres, e que apenas uma placa
acess6ria se achava present. Foi s6 depois que tres adults foram criados
que se suspeitou de serem membros da s6rie marshall.
Os adults sao tipicos marshall Theo., except pela ausencia duma
mancha escura pr6-acess6ria na asa da femea. Existe, todavia, na asa
do macho e de modo algum a sua presence e constant, mesmo em ver-
dadeiros marshall.
A larva assemelha-se de perto is de harper Evans e hargreavesi Evans.
0 falosoma 6 provide de foliolos; assim, e aparte outras diferencas superfi-
ciais, afasta-se de hargreavesi. Quanto a distinguir a larva da do harper, as
places abdominais fornecem-nos seguro meio. No harper as places princi-
pais sao muito pequenas, um pouco como no demeilloni Evans, ao pass
que na variedade aqui tratada sao muito maiores, e nos segments III-VII
quasi igualam a distancia entire as sedas palmadas. Mais ainda, os fila-
mentos das sedas palmadas tipicas s0o longos e delicados, nunca curtos e
grosses como em harper, e os bragos da placa median post-espiracular sao
muito bem desenvolvidos.
A pupa assemelha-se a do harper, por ter a seda abdominal nos
segments IV-VI muito delicada, curta e muito ramificada. Neste aspect
difere, nitidamente, do marshall e suas variedades e do hargreavesi.

ADULTO Mosquito de tamanho m6dio, assemelhando-se ao mar-
shalli Theo., no tamanho e na ornamentagco. Cabega: escamas claras,
brancas; an4is claros apicais e sub-apicais dos palpos, muito largos, fazendo
que o anel escuro interm6dio seja menor que a metade do comprimento do
qualquer dos an6is claros. Mesonotum: escamas moderadamente largas,













claras, um tanto creme em certas incidencias mas, no conjunto, como nw
marshall.

Patas: cor an6is tarsais como no nmarshalli.

Asas: como no marshall mas sem a mancha escura pr6-acess6ria nE
primeira nervura. Faringe: a faringe foi dissecada duma pupa morta qu(
tinha sido identificada e isolada no estado larvar; havia cerca de 13 estiletes
e cones como no marshall.

ADULTO ?. Como no marshall e a terminalia dum esp6cime ern
identica A dessa esp6cie.

LARVA Cabeqa: cor desenho clipeal nitido como no leesoni. Seda,
clipeais: internal, comprida e simples; external, delicada, simples, corn cArce
de metade do comprimento da internal; posterior, curta, delicada e simples,
ultrapassando ligeiramente a base da internal. Seda post-frontal: simple
ou raramente dividida em dois ou tres ramos. Seda vertical: corn dois ou
tres ramos.

Tdrax -Sdas sub-mediano tordcicas: muito juntas, os tub6rculoE
basais ndo muito separados. Sedas meso-pleurais: como no sub-grupo I de
myzoriyia, isto 4, coin as duas sodas longas meso-pleurais simples. Seda
palmada: cor 14-15 foliolos estreitos, indiferenciados.

Abdden Segmentos corn places abdominais largas e, except nos
segments I-II, quasi iguais A distincia entire as sedas palmadas. Sedas
palmadas: no segment I, cor 12 a 14 foliolos indiferenciados; no segment
II, corn crca de 12 foliolos muito estreitos, normalmente indiferenciados,
podendo ocasionalmente notar-se um filamento; nos segments III-VII
inuito desenvolvidos, foliolos moderadamerite largos corn a extremidade da
lamina serrilhada e delicados filamentos de comprimnento variavel, umas







































Cerda <, V-VIII de
metade do comprimento do


Cerda ((C> VII simDles


,eiramente



-4 ,




University of Florida Home Page
© 2004 - 2010 University of Florida George A. Smathers Libraries.
All rights reserved.

Acceptable Use, Copyright, and Disclaimer Statement
Last updated October 10, 2010 - - mvs