• TABLE OF CONTENTS
HIDE
 Front Cover
 Half Title
 Title Page
 Comemorando um centenario,...
 Preface
 Parte I: Do fomento de angola em...
 Parte II: Generalidades sobre a...
 Parte III: Breves dados sobre as...
 Index
 Reference
 Back Cover














Group Title: Subsídios para o estudo da economia de Angola nos últimos cem anos
Title: Subsídios para o estudo da economia de Angola nos últimos cem anos
CITATION THUMBNAILS PAGE IMAGE ZOOMABLE
Full Citation
STANDARD VIEW MARC VIEW
Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/UF00080796/00001
 Material Information
Title: Subsídios para o estudo da economia de Angola nos últimos cem anos
Physical Description: 235 p. ; 22 cm.
Language: Portuguese
Creator: Azevedo, Joa~o Maria Cerqueira de.
Azevedo, João Maria Cerqueira de.
Publisher: Impr. Nacional,
Publication Date: 1945
 Subjects
Subject: Economic conditions. -- Angola
Colonies -- Portugal -- Angola.
Spatial Coverage: Angola
Spain
 Notes
General Note: Includes bibliographical references (p. 235).
 Record Information
Bibliographic ID: UF00080796
Volume ID: VID00001
Source Institution: University of Florida
Holding Location: University of Florida
Rights Management: All rights reserved by the source institution and holding location.
Resource Identifier: aleph - 003085502
oclc - 03981171
oclc - 3981171

Table of Contents
    Front Cover
        Front Cover
    Half Title
        Half Title
    Title Page
        Title Page
    Comemorando um centenario, 1845-1945
        Page 5
        Page 6
    Preface
        Page 9
        Page 10
    Parte I: Do fomento de angola em funcao das estradas, vias fluviais, caminhos de ferro, portos e transportes maritimos e fluviais
        Page 11
        Page 12
        Page 13
        Page 14
        Page 15
        Page 16
        Page 17
        Page 18
        Page 19
        Page 20
        Page 21
        Page 22
        Page 23
        Page 24
        Page 25
        Page 26
        Page 27
        Page 28
        Page 29
        Page 30
        Page 31
        Page 32
        Page 33
        Page 34
        Page 35
        Page 36
    Parte II: Generalidades sobre a evolucao de alguns produtos agricolas e industriais da colonia, durante os ultimos cem anos
        Page 37
        Page 38
        Page 39
        Page 40
        Page 41
        Page 42
        Page 43
        Page 44
        Page 45
        Page 46
        Page 47
        Page 48
        Page 49
        Page 50
        Page 51
        Page 52
        Page 53
        Page 54
        Page 55
        Page 56
        Page 57
        Page 58
        Page 59
        Page 60
        Page 61
        Page 62
        Page 63
        Page 64
        Page 65
        Page 66
        Page 67
        Page 68
        Page 69
        Page 70
        Page 71
        Page 72
        Page 73
        Page 74
        Page 75
        Page 76
        Page 77
        Page 78
        Page 79
        Page 80
        Page 81
        Page 82
        Page 83
        Page 84
        Page 85
        Page 86
        Page 87
        Page 88
        Page 89
        Page 90
        Page 91
        Page 92
        Page 93
        Page 94
        Page 95
        Page 96
        Page 97
        Page 98
        Page 99
        Page 100
        Page 101
        Page 102
        Page 103
        Page 104
        Page 105
        Page 106
        Page 107
        Page 108
        Page 109
        Page 110
        Page 111
        Page 112
        Page 113
        Page 114
        Page 115
        Page 116
        Page 117
        Page 118
        Page 119
        Page 120
        Page 121
        Page 122
        Page 123
        Page 124
        Page 125
        Page 126
        Page 127
        Page 128
        Page 129
        Page 130
        Page 131
        Page 132
        Page 133
        Page 134
        Page 135
        Page 136
        Page 137
        Page 138
        Page 139
        Page 140
        Page 141
        Page 142
        Page 143
        Page 144
        Page 145
        Page 146
        Page 147
        Page 148
        Page 149
        Page 150
        Page 151
        Page 152
        Page 153
        Page 154
        Page 155
        Page 156
        Page 157
        Page 158
        Page 159
        Page 160
        Page 161
        Page 162
        Page 163
        Page 164
        Page 165
        Page 166
        Page 167
        Page 168
        Page 169
        Page 170
        Page 171
        Page 172
        Page 173
        Page 174
        Page 175
        Page 176
        Page 177
        Page 178
        Page 179
    Parte III: Breves dados sobre as pautas aduaneiras, disposicoes pautais e estudos que, durante os ultimos cem anos acompanharam a evolucao agricola e industrial
        Page 180
        Page 181
        Page 182
        Page 183
        Page 184
        Page 185
        Page 186
        Page 187
        Page 188
        Page 189
        Page 190
        Page 191
        Page 192
        Page 193
        Page 194
        Page 195
        Page 196
        Page 197
        Page 198
        Page 199
        Page 200
        Page 201
        Page 202
        Page 203
        Page 204
        Page 205
        Page 206
        Page 207
        Page 208
        Page 209
        Page 210
        Page 211
        Page 212
        Page 213
        Page 214
        Page 215
        Page 216
        Page 217
        Page 218
        Page 219
        Page 220
        Page 221
        Page 222
        Page 223
        Page 224
        Page 225
        Page 226
        Page 227
        Page 228
        Page 229
        Page 230
    Index
        Page 231
        Page 232
        Page 233
        Page 234
    Reference
        Page 235
    Back Cover
        Page 236
        Page 237
Full Text

Joo Maria Cerqueira d'Rzeuedo


2.0 Verificador do auadro Tcnico dos Seruios Rduaneiros
das Colnias de Rngola e S. Tom e Prncipe





Subsdios

para o

estudo da Economia de Rngola


nos ltimos


cem anos













Subsdios
para o

Estudo da Economia de fngola
nos ltimos cem anos






Joo maria Cerqueira d'Rzeuedo


2.0 Verificador do Quadro Tcnico dos Servios fduaneiros
das Colnias de Rngola e 5. Tom e Prncipe






Subsidios

para o


Estudo da Economia de Rngola


nos ulimos


cem anos


~Y~g~
~~-zj









Comemorando um centenrio




1845-1945


O Governador Geral da Provincia de Angola e suas
Dependencias, determine o seguinte:-Sendo da maior neces-
sidade organisar quanto antes uma pauta para a arrecadao
dos direitos de entrada e said nas alfandegas desta
provincia e suas dependencias, que estando quanto seja pos-
sivel, em harmonia com a pauta geral das alfandegas do
reino, no deixe de attender s peculiares circunstancias da
provincial; hei por convenient nomear uma comisso, que
ser composta do escrivo deputado da junta da fazenda,
Jos Angelo de Barros, do thesoureiro da mesma junta,
Domingos Jos d'Almeida, do administrator da alfandega
de Luanda, o bacharel formado Euzebio Catella de Lemos
Pinheiro Falco, do prezidente da camera municipal,
Manuel Francisco Alves de Brito, dos negociantes Antonio
Lopes da Silva, e Augusto Garrido, e do escrivo da aber-
tura d'alfandega de Luanda, Joaquim Eugenio Ferreira, da
qual ser prezidente o escrivo deputado da junta da fazenda
e secretrio quem por elle fr escolhido d'entre os empre-
gados do estado, a fim de que haja de organisar e propor-
me no sentido indicado, para ter andamento necessario
uma pauta que regule a arrecadao e pagamento dos direitos
nas alfandegas desta provincia, devendo da mesma commis-
so que ser permanent para consultar o governor geral
sobre quaes quer duvidas a tal respeito, reunir-se desde logo,
a fim de commear os seus trabalhos; na cerleza de que
poder sollicitar das reparties publicas quaes quer docu-
mentos ou informaes que lhe forem precizos; chamar e
inquirir quaes quer pessoas que a possam illucidar sobre o
object que lhe incumbido; e funcionar sempre que estejam
presentes tres de seus membros. As auctoridades a quem com-
petir, o tenham assim entendido e executem, expedindo as
necessarias communicaes. Palacio do Governo em Luanda
17 de Setembro de 1845 Pedro Alexandrino da Cunha,
Governador Geral.













PARTE I


Do fomento de Angola em funo das estradas, vias
fluviais, caminhos de ferro, portos e trans-
portes martimos e fluviais.




PARTE II

Generalidades sbre a evoluo de alguns produtos
agrcolas e industrials da Colnia durante os
ltimos cem anos.




PARTE III

Breves dados sbre as pautas aduaneiras, disposi-
es pautais e estudos que, durante os ltimos
cem anos, acompanharam essa evoluo.
















lo leitor


OS LTIMOS cem anos marcam o incio de uma
nova e florescente poca econmica que veio subs-
tituir a do comrcio de escravos e do alcohol, at
ento predominante em Angola.

Para se estudar o present, em relao ao que possivel-
mente poder vir, indispensvel se torna rever o passado.
Por pouca sorte para ns foram escassos os elements de
consult de que pudemos lanar mo. Os arquivos de
Angola, na sua maioria, esto por organizer e aqueles que
se encontram sofrivelmente arrumados nem sempre esto
a jeito de se compulsarem.

, pois, lutando com inmeras dificuldades, que
vamos coligir ste trabalho.
Os valores econmicos de Angola so imensos. Os seus
valiosos recursos, ainda por explorer em grande parte,
podem considerar-se inexgotveis. Pas rico, muito rico,
a promessa real de uma prosperidade indubitvel.
Um exame s fontes das suas principals riquezas conhe-
cidas e aos benefcios que da se podero colher, o que
tentamos levar a efeito.

Muito modesto ser ste trabalho considerando a
vastido do assunto. Apenas um vago ensaio que se baseia
na reviso de um pouco do passado com a esperana das
possibilidades do future.

Descoberta Angola e feita, posteriormente, a ocupao
do litoral, passaram-se, depois, largos anos guerreando
o gentio, com o patritico intuito de se ocupar, tambm,
o interior.






10


Foi uma poca agitada, herica, sublime, nos fastos
da histria colonial, que os dissabores da invaso holan-
desa no conseguiram esmorecer nem empanar.
Os anos corriam e os sculos passavam sem que outros
valores econmicos preocupassem os colonos que no
fssem os do comrcio de escravos e do alcohol, at que,
aquele, foi abolido e, ste, entrou no seu declneo.
A Provncia tam depressa tinha uma vida desafogada
e rica como se via a braos com crises de arripiar.
As grandes fortunes, que numa vertigem louca de
luxo e prodigalidade, se dissipavam e refaziam, perdem
a sua consistncia, esvaiem-se e desaparecem.
Os colonos vem-se obrigados a recorrer ao trabalho,
rduo, certo, mas honroso e remunerador, e volvem os
olhos para a terra, que lhes oferece as entranhas prodi-
galizando-lhes, exuberantemente, todos os meios de
prosperidade.
E, h cem anos, principia a travar-se uma luta tit-
nica, homrica e nobre.
Consolida-se a ocupao, no sem sacrifcios inmeros
de perdas de vidas e de iluses perdidas. Coloniza-se o
Sul de Angola e inicia-se a explorao do solo, fecundo e
amigo.
Pesquisam-se algumas das suas riquezas minerals e
tenta-se explorer o seu potential agrcola.
Um novo ciclo de prosperidade comea para Angola.
uma poca de paz relative e de trabalho febril, embora
desordenado.














PARTE I


Do fomento de Angola em funo das estradas,
vias fluviais, caminhos de ferro, portos
e transportes martimos e fluviais

CAPTULO I

Estradas

Vejamos um pouco do que se fez, do que se est a
fazer e do que se torna necessrio que se faa.

As comunicaes, como aparelho circulatrio e vital
dste grande rinco angolano, comeam, desde logo, a
merecer cuidados especiais quer dos governor quer dos
particulares.
Em 23 de Dezembro de 1853, o Conselho Ultramarino
emite o seu parecer sbre a construo de estradas e o
Governador Geral de Angola public a Portaria n.o 534,
de 1 de Maio de 1857, que abre, para sse fim, concurso
nesta Provncia.

Por comunicao do Govrno Central, de 30 de Julho
do mesmo ano de 1857, o Governador autorizado a con-
ceder a uma emprsa particular, da sua inteira confiana,
maiores favors do que os que se indicavam nas bases
apresentadas pelo Conselho Ultramarino, a que nos refe-
rimos, e, dado o caso de que no aparecesse algum
concorrente, as estradas, para tender s necessidades mais
urgentes, seriam construdas por conta do Estado, para
o que o Governador contrairia um emprstimo, depois de
ouvida a Junta de Fazenda

Alm destas medidas foi, ainda, comunicado ao Gover-
nador que o Govrno de Sua Magestade estava a contratar,
com uma sociedade, a construo, em Angola, de estradas
frreas da espcie conhecida pelo nome de vias frreas
americanas, aconselhando, no entanto, que, caso a referida







12


Sociedade achasse dificuldades em levar a efeito as cons-
trues que se propunha, convinha no pr de parte a
abertura de estradas por onde, com facilidade, transi-
tassem carros.
J ao tempo se olhava para o transport de cargas
por gua, considerado ste transport debaixo do ponto
de vista econmico, lembrando-se a convenincia de
estabelecer carreiras peridicas de navegao em alguns
rios, especialmente no Cuanza e no Lucala.
Em ofcio de 30 de Julho de 1857, o Ministro S da
Bandeira comunicava, ao Governador Geral, que El-Rei
mandava remeter-lhe um modlo dos carrots, para trans-
porte de pessoas e mercadorias, usados na Colnia do
Cabo da Boa Esperana, tanto para o trfico interno da
mesma Colnia como para aquele que tem com os povos
de fora dos seus limits, aconselhando-o a mandar cons-
truir alguns para servio da Provncia e a excitar os
particulares a fazerem o mesmo, em sua prpria utilidade,
podendo tirar grande proveito do gado vacum que abunda
em Angola.
O modlo citado, que desconhecemos, de supor que
fsse o dos carros boers que tam bons servios prestarapm
na Colnia e que ainda hoje so empregados no Sul, com
incontestvel xito econmico.
Do que eram, em 1856, os meios de comunicao bem
se pode ajuizar desta passage dos Anais do Municpio
de Mossmedes, daquele ano, relatando o transport de
um engenho de fazer aguardente, daquela cidade para o
local do Bambo:

S na conduo do engenho perdeu le para
cima de trinta bois mortos de cansao pelos maus
caminhos por onde tinha de passar, em cujo trn-
sito gastou trs meses para conduo, e que poderia
fazer em seis ou oito dias, visto que no h ainda
estrada alguma.

Em 10 de Dezembro de 1858, S da Bandeira, de novo
em nome de El-Rei, aborda o assunto das comunicaes
sob o pretexto de estar a riqueza da Provncia de Angola
dependent delays e determine que sejam dadas providn-
cias para que as estradas, do Lucala para Golungo e
Ambaca, se concluam dentro de dois anos, e, a de Pungo
Andongo, dentro de trs.







13

Estas estradas deviam ser construdas como as que
geralmente havia no reino, antes de se fazerem as maca-
damizadas, tendo-se em considerao a facilidade do
trnsito dos carrots e a sua conservao, defendendo-as dos
estragos das guas.
Assim se v que as comunicaes mereciam particular
ateno dos poderes pblicos.
O sbio Dr. Welwitsch que, por conta do Govrno
Portugus, estudava a flora de Angola, referindo-se aos
meios de comunicao e transported, escrevia em 15 de
Janeiro de 1859 :

. .. talvez o mais poderoso dos obstculos que
dificultam os progressos da agriculture nesta
provncia de Angola, a lamentvel falta de comuni-
caes rpidas e baratas entire o interior e os
mercados da costa; .... . .
no basta somente a construo de
estradas, caminhos laterais e canais, torna-se tam-
bm indispensvel lembrar, criar e experimentar a
fra motriz mais barata e idnea, e ao mesmo
tempo mais persistent neste clima, para transpor-
tar, nos caminhos, uma vez construdos, os vrios
produtos do interior para os portos de exportao
dles.

O Dr. Welwitsch preocupava-se no s com a construo
de estradas como, ainda, com que os transportes fssem
baratos de forma a pr-se trmo aos obstculos que difi-
cultam os progressos da agriculture nesta provncia.
Dois meses depois do relatrio do Dr. Welwitsch, a
Lei de 9 de Maro de 1859 autorizava o Govrno a con-
tratar um emprstimo de 60.000$000 ris ao par, moeda
metlica, para serem aplicados na construo de estradas
e estabelecer os meios de transport, tanto terrestres
como fluviais, na Provncia de Angola, regulando as
portagens e os preos das armazenagens, dos fretes e passa-
geiros, e a aplicao do seu produto.
Este emprstimo podia ser elevado at 100.000$000 ris.
O artigo 6.0 do decreto de 18 de Dezembro de 1861,
criava um imposto especial sbre o valor dos objects
importados e exportados, exclusivamente aplicado aber-
tura de vias de comunicao, a outras obras pblicas e
municipais e a determinados servios das alfndegas.






14

Com estas providncias tentava-se dar incio cons-
truo da rde de estradas que, em nossos dias, constitute
um verdadeiro orgulho se bem que no obedeam, ainda,
aos rigorosos princpios da tcnica modern.
Em 24 de Setembro de 1864, o administrator da Alfn-
dega de Luanda, Augusto Garrido, criteriosamente escrevia:

Para levarmos a nossa exportao ao seu auge
carecemos de volver as nossas vistas para a agri-
cultura ; da que deve dimanar a riqueza da
Provncia. Quais os meios para chegarmos a sse
desideratum ? preguntarei eu, e parece-me ouvir
dizer a todos, que s um a isso nos conduzir,-
comunicaes para a conduo rpida e econmica
dos produtos agrcolas. Enumer-los desnecessrio
seria porque de todos sabido que o nosso solo
produz perfeitamente a cana sacarina, o caf, o
algodo, o mendobim em escala espantosa e outros
gneros, at hoje inaproveitados.
A agriculture h-de ser tudo, em grande parte
da Provncia, no no litoral, mas sim no interior, e
para o que preciso ser que os interessados possam
contar com os devidos meios de comunicao e
transport, mas estes devem ser maduramente estu-
dados antes de serem levados a efeito.

Tinha razo o antigo administrator da Alfndega de
Luanda.
A volta das comunicaes giravam tdas as esperanas
no progress da Provncia. E, tanto assim que, em 1881,
num relatrio do director das Obras Pblicas, deparamos
com ste important program de trabalhos:

Acabamento da estrada do Dondo a Calulo;
Conservao da estrada do Cavaco;
Conservao da estrada do Dombe ao Cuio;
Conservao do lano de Giral ;
Construo da ponte do Lucala, na estrada do
Dondo a Calulo;
Construo da ponte de Supia, no distrito de Ben-
guela ;

O pouco que se pensava levar a efeito bastante era,
ao tempo, do muito que a Provncia precisava, entretanto







15


os governor continuavam, num ritmo cada vez mais
acelerado, no aumento da quilometragem dste meio de
comunicaes.

Em 1926 tinhamos a important cifra de 29:118 quil-
metros de estradas, e, em 1940, existiam mais 7:932
quilmetros, o que prova um aumento considervel no
curto espao de 14 anos.

Estes 37:050 quilmetros testemunham o notvel
esfro dispendido pelo Govrno Geral, Governos das
Provncias e autoridades administrativas, atendendo-se
ao aperfeioamento dos mtodos de construo e subs-
tituio de algumas centenas de jangadas-o terror dos
automobilistas -por pontes de construo slida e defi-
nitiva.

No entanto preciso no supor que esta vasta rde
de estradas suficiente para suprir as muitas necessidades
que, de moment a moment, surgem com o aproveita-
mento de novos incultos, os quais se convertem em pujantes
mananciais de prosperidade. Bem depressa se reconhece
que a quilometragem existente , ainda, insuficiente para
tam extensa Colnia e que a dificincia da sua construo,
ainda moda das estradas do reino antes de serem macada-
mizadas como recomendava o Ministro S da Bandeira
em 1858, no satisfazem ao trnsito que, em largos perodos
do ano, fica interrompido em muitos pontos por mr ou
que quere dizer causa das chuvas e das enchentes dos rios,
fazendo com que os trans-portes motorizados se enterrem
nos leitos das estradas, donde s saem depois de porfiados
esforos, desgastes de materials, perda de tempo e, a
maior parte das vezes graas ao auxlio da traco animal.
Todavia o assunto tem sido, ltimamente, cuidado com
maior ateno. Uma brigada procedeu, de 1930 a 1932, a
importantes estudos, e novos trabalhos esto em urso.

Aos respectivos tcnicos compete pronunciarem-se
indicando o que h a fazer para que, de uma vez, se acabe,
pelo menos, com as maiores deficincias existentes.

Porm, as estrads s por si no bastam. Urge que se
ponham em ntima ligao com os caminhos de ferro e
vias fluviais.







16


Sbre o assunto, dste modo se manifestou, no seu douto
parecer, a Cmara Corporativa, a propsito do plano de
fomonte de Angola:

. convm desenvolver os meios de produo
das cousas que se exportam e facilitar o desloca-
mento para os portos de embarque (incluindo os
portos secos das regies fronteirias, por onde j
se efectua important comrcio externo) e indis-
pensvel promover o estabelecimento de pessoas e
produo de coisas necessrias para a vida humana,
e facilitar a circulao intense de umas e de outras.

Se Angola fsse apenas Colnia de explorao,
conviria, realmente, assegurar de preferncia a circu-
lao no sentido transversal (perpendicular costa),
que tambm o de tdas as linhas frreas de Angola.
Mas esta Colnia tem j intense vida prpria, nume-
rosos centros de populao europeia e grandes rela-
es entire o Norte e o Sul. O ncleo de povoamento
e as fazendas do interior j determinaram impor-
tante circulao de pessoas e cousas naquela direco
e ste trfego seria mais intense se as comunicaes
por estradas fssem mais cmodas e regulars.
No se deve pensar por emquanto em estabelecer
uma linha frrea de Norte a Sul da Colnia, seguindo
a linha dos grande planaltos : mas convm esta-
belecer uma estrada de bom traado, com bas'ante
la"gura e obras de arte permanentes, uma espcie de
auto-estrada de construo rudimentar, capaz de
assegurar no present e no future mais prximo
a ligao, pela zona dos planaltos, das diferentes
regies da Colnia. Desta estrada devem partir
ramais para as capitals de distrito no servidas
por aquelas directamente e para os principals cen-
tros de produo ou de populao.

. como a grande estrada central corta tdas as
linhas frreas da Colnia, ficam asseguradas ao
mesmo tempo as relaes com os caminhos de ferro
e com os portos de mar. J se v que o sistema
tem de ser completado-como se diz no decreto-
com outras estradas afluentes ou sub-afluentes da
nervura central e das linhas frreas, formando rde.







17


Completava, desta forma, no seu parecer, a Cmara
Corporativa, o relatrio do Estadista Reblo da Silva,
datado de 12 de Novembro de 1869, que precedia a apro-
vao das pautas do Ambriz e do qual constava :

preciso construir estradas que liguem entire
si os focos de produo e proporcionem o trans-
porte barato dos produtos, protegendo a navegao
fluvial ordinria e acelerada nos grande rios que
podem aliment-la, estreitando relaes polticas e
mercantis, e ampliando progressivamente a esfera
de transaces, pelos vnculos suaves da comutao
recproca e amigvel.



CAPTULO II

Vias fluviais

Vem de longa data o aproveitamento do curso dos rios.
certo que, salvo a barra do Zaire, as dos restantes rios
so ms mas no menos certo que, vencidas as dificul-
dades que elas apresentam, pode-se navegar no Bengo
40 quilmetros e no Cuanza 100 ; no territrio de Cabinda,
o Chiluango e o Luli so navegveis 60 quilmetros;
os restantes rios de Angola apresentam cachoeiras, quedas
ou rpidos a curtas distncias da sua foz, como sejam o
M Bridge que as tem a crca de 25 quilmetros, o Loge
a 35, o Dande a 40, o Longa e o Cuvo a uns 30.

Ao Sul de Benguela, na parte litoral do Atlntico, os
rios esto secos ou qusi secos durante a estiagem, infil-
trando-se as guas nas areas dos leitos.
Sucedendo que as cachoeiras, a que nos referimos,
impedem a navegao, a verdade que podem ser apro-
veitadas como potential para a produo de energia
elctrica aplicvel no s irrigao como s indstrias, a
montarem-se na Colnia, e viao acelerada.
Para pequenas embarcaes, de calado no superior
a Om,40 temos ainda, entire outros que no merecem meno
especial, o Cuango, o Luachimo, o Lungu-Bungo, o Cunene,
o Cubango, o Cuto e o Cuando.







18


No entanto a rde fluvial de Angola no se limita
smente aos poucos rios que acabamos e citar. vasta,
muito vasta e, tal como sucede no Ccngo Be'ga, poderia
ser aproveitada, contribuindo imen o para o barateamento
do transport de mercadorias em conjugao com as estra-
das e caminhos de ferro.
O Congo Belga, a que nos referimos, tem tirado grande
proveito de milhares de quilmetros dos rios que sulcam
aquela rica Colnia, servindo-se de embarcaes especiais
construdas para sse fim, as quais so divididas em quar-
teladas para mais fcil conduo at aos rios onde, depois
de armadas, as pem a navegar. Os tipos de embarcaes
variam conforme as linhas de gua, utilizando uma vezes
as de hlice, outras as de rodas laterais ou r, e as de
mquinas ou sem mquinas mas com velas estas ltimas,
considerando, ainda, os respectivos calados em relao
profundidade dos rios.
Para a sua utilizao torna-se necessrio reconhecer
o aproveitamento da navigabilidade dos rios e dos traba-
lhos necessrios para se regularizarem os respectivos leitos,
limpando-os, desobstruindo-os dos penhascos, dos baixios,
dos troncos derrubados pelas chuvas ou vendavais e arras-
tados pelas correntes bem como, da vegetao que os peja.

O Govrno de Angola providenciou, em 1908, sbre a
limpeza e desobstruo do rio Zenza e do Lucala, para o
que se serviu de praas de 2.a linha e, em 1909, iniciou,
com barcos prprios requisitados Secretaria do Ultramar,
uma campanha de explorao de mais rios.
O Norte da Colnia ressente-se imenso da falta de vias
de comunicao aproveitveis, no obstante a enorme
bacia hidrogrfica do Zaire que o banha. A agriculture
encontra-se num estado de relative atraso e os indgenas
entretem-se contrabandeando atravs da fronteira vis-
to, no Congo Belga, lhes pagarem por preos bastante
remuneradores os gneros que as mulheres cultivam
em Angola, vivendo l a maior parte do ano em ser-
vio dos belgas e deslocando-se, a territrio portugus,
s de tempos a tempos, com o fim de verem as famlias,
venderem, nas feiras clandestinas-que abundam nos
distritos do Congo e Zaire-os tecidos que introduzem frau-
dulentamente, e retirarem-se, pouco depois, com os gneros
das suas lavras, que vo mercadejar em territrio estran-
geiro.







19


Trazem-nos o que no nos deveriam trazer e levam-nos
*o que c deveria ficar para exportao regular e legal.
Em 1909 realizaram-se trabalhos para desobstruir o
rio Loge. Complet-los de forma a torn-lo aproveitvel,
salvo onde as quedas de gua o impedem, at rica regio
do Encoge, seria de grande vantagem para o embarateci-
mento dos transported e no deixaria de ser interessante
proceder-se a um estudo dos afluentes da margem esquerda
do Cuango com o fim de verificar-se se ser possvel ligar,
por meio de estradas, a navegao do Alto-Loge com a
daquele rio que por sua vez tambm merecedor de que
se olhe para le.

Aproveitados estes rios como vias de comunicao,
intensificar-se-iam as cultural ao long das suas margens
e os produtos, que se desviam para o Congo Belga, no
deixariam de ser aproveitados por Angola.

O mesmo cuidado merecem os rios Cunene e Cubango,
onde j se procedeu a reconhecimentos, devendo-se, ainda,
explorer o Cuto, afluente do Cubango, e os rios Luena,
Lungu-Bungo, Cuando, Cuanavale, Luiana, principals
afluentes do Zambeze, sem pr de parte o estudo das possi-
bilidades de navegao do rio Cuvo e do Loge, onde, em
1908, o empreiteiro Riaux, neste ltimo, executou traba-
lhos de rutura com grande resultados.

Entrementes no deixa de ser curioso recorder que,
em 7 de Julho de 1865, o Ministro Si da Bandeira comuni-
cava ao Governador Geral de Angola que, por virtude de
star contratada a navegao do rio Cuanza por meio de
barcos a vapor, no deixava de convir que os transported
do interior se dirigissem para aquele rio, devendo-se, para
isso, abrir estradas carreteiras que do Golungo-Alto e de
Ambaca comunicassem, atravs do rio Lucala, com
o Cuanza, e da margem dste, do stio do Dondo, junto a
Cambambe, com os concelhos de Pungo-Andongo e
Malange. Em nome de Sua Magestade recomendava tam-
bm, por muito convenient, a explorao do rio Lucala
at proximidade do forte Duque de Bragana, e, bem
assim, que se desobstruissem os obstculos que pudessem
embaraar a navegao ao long do rio, tais como rvores
cadas e outros objects de fcil remoo. Recomendava,
mais, que, emquanto no se concluissem as estradas,






20


convinha renovar as tentativas para utilizao de bois,
abundantes nos sertes da Provncia, no transport das
cargas, nos caminhos por onde no fsse possvel o trnsito
de carros, como se praticava na India e em alguns lugares
de frica.



CAPITULO III

Caminhos de Ferro

Tal como se pensava h 70 anos, postas em ligao
ntima as estradas com os rios aproveitveis, como vias
de transport, nada mais razovel do que estabelecer a
sua juno s linhas dos caminhos de ferro em contact
com os portos do litoral e dstes com a navegao de cabo-
tagem e long curso.
Sero, pois, os caminhos de ferro, dirigidos do Atlntico
para a fronteira Leste de Angola, os eixos principals do
sistema de circulao da Colnia.

O Govrno de Portugal no deixou por mos alheias
ste important problema e, por decreto de 25 de Setembro
de 1885, aprovou o contrato entire o Estado e a Companhia
Real dos Caminhos de Ferro Atravs d'Africa, a qual, no
Govrno de Guilherme Augusto Brito Capelo, deu inicio
construo da linha frrea conhecida pela Linha de
Ambaca, que foi inaugurada em 1886. Foi ste caminho
de ferro um dos primeiros construdos em territrio africano.
Mais tarde teve o Estado de lanar mo da sua cons-
truo, prolongando-o do Lucala, onde tinha o seu trminus,
at Malange, e, por Decreto n.o 368, de 17 de Maro de
1914, passou para a administrao de uma comisso
nomeada pelo Govrno, por virtude do abandon a que
tinha sido votado pela Companhia concessionria, at que
foi expropriado, o primeiro tro, com sse mesmo funda-
mento, transformando-se num caminho de ferro nico
com o nome de Caminho de Ferro de Luanda, o qual tinha
uma extenso de crca de 500 quilmetros. Posteriormente
a via foi encurtada em alguns pontos, com variantes,
aproveitando-se, para isso, parte do material adquirido
com as respectivas travessas metlicas, em 1923, para a







21


construo de 780 quilmetros de via, o qual tinha impor-
tado 936:000 e se destinava, alm do prolongamento da
linha de Luanda, ao alargamento de 1 metro para 1m,067,
da respective bitola.

Desde h muito que se encetaram estudos para o seu
prolongamento, salvaguardando-se, em todos les, as
zonas de influncia do Caminho de Ferro de Benguela e
visando, os principals reconhecimentos, a margem direita
e a esquerda do Cuje, na direco Leste, apontando a
Tala-Mogongo, e, para Sueste, passando o Cuango com
rumo a Mona Quimbundo e, da para Nordeste, a caminho
do Cassai. Tambm foi estudado o rumo Lesnordeste
(Capenda-Camulemba).
H bem poucos anos os engenheiros Miranda Guedes
e Corregedor Martins estudaram o possvel avano pelo
vale do Combo. Parece que o mais aconselhvel que, na
Lunda, o traado corte transversalmente os rios Culo,
Chipapa, Luachimo e outros, para maior aproveitamento
das parties navegveis dstes rios.
Em Janeiro de 1924 foi aprovado o traado do ramal
do vale do Cambo que, partindo de Malange, deveria
atingir a fronteira Nordeste do Congo Belga. O ramal do
Dondo, de construo recent e inaugurado oficialmente
em 28 de Maro de 1944, represent um progress notvel
nos melhoramentos das comunicaes ferrovirias, pondo
aquela riqussima regio, que tivera a sua poca de apogeu
como centro commercial, quando, pelo Cuanza, os produtos
coloniais se concentravam na vila que tem o mesmo nome,
e que o caminho de ferro, passando de largo, prejudicou
at o reduzir a insignificant importncia.
Assim, o rio Cuanza ficar em ntima ligao com o
porto de Luanda atravs do ramal, ora construdo.
Existem, ainda, ligados ao Caminho de Ferro de
Luanda, os ramais do Golungo-Alto, Cassoalala e Cabiri,
todos de intersse regional.

A idia de um caminho de ferro no Zaire vem de long.

Em 12 de Julho de 1894, foi concedida a sua construo
a qual deveria partir da margem esquerda do Zaire e ir
ao encontro do Alto-Cuango.
ste caminho de ferro muito viria beneficiary a economic
da Colnia, pois que defenderia a produo das colheitas







22


indgenas contra a inclinao que os pretos tm de as
levar para fora das nossas fronteiras, e a que j nos
referimos.
Houve quem a ste caminho de ferro lhe tivesse chamado
a Cinta de Ferro, por ter por fim evitar que as correntes
comerciais congolesas procurassem os portos belgas, a
exemplo do que os nossos vizinhos fizeram, construindo
a via frrea Boma-Maiombe, que cingiu o nosso territrio
do Enclave de Cabinda a fim de evitar que os seus pro-
dutos procurassem os portos protugueses.
rica a regio do Congo. No planalto de S. Salvador
desenvolve-se com abundncia o caf, a borracha, as olea-
ginosas e boas frutas ; no menos rico o Zombo, onde
o arroz e a urena lobata so produtos de largo future;
a frtil regio de Sanza-Pombo, grande centro de cultural
de arroz, piaaba, rfia e outros produtos, encontraria,
com a construo do caminho de ferro do Zaire, meio
de sada para as suas riquezas, mais econmico e fcil do
que o de ter de procurar os portos de Luanda ou Ambrizete
por estradas, com bastantes centos de quilmetros de
trajecto.
A Portaria Provincial n.o 72, de 20 de Agsto de 1891,
criou a Diviso do Prto do Zaire e Caminhos de Ferro do
Congo, encarregando-a do estudo, project e execuo
ou fiscalizao de quaisquer obras e trabalhos ou sistemas
a realizar ou estabelecer :

a) No prto do Zaire;
b) Na rde dos caminhos de ferro do distrito do Congo;
c) Na zona e margem portuguesa do rio Zaire ; nas
vilas e povoaes da margem ou ilhas do mesmo rio.

O Decreto de 28 de Novembro de 1902, concede a
Robert Williams a construo e explorao do Caminho
de Ferro de Benguela, tendo por principal objective servir
a regio mineira de Catanga (Congo Belga). A extenso
dste caminho de ferro de 1:347 quilmetros e a sua
bitola de ln,067.
A inaugurao, at fronteira, teve lugar em 1929,
assistindo a ela, entire outros, o Ministro das Colnias
Portuguesas, o Prncipe de Connaught e Mr. Robert
Williams.
Encarecer quanto valorizou esta important obra de
fomento a Colnia de Angola, desnecessrio.







23

Os ncleos de colonizao ao long da linha tm aumen-
tado, em poucos anos, de forma muito interessante, e,
com les, o desenvolvimento agrcola das regies que a
ladeiam. Tudo isto concorre para o aprecivel movimento
que, j hoje, tem o prto do Lobito.
Falou-se, em tempos, que a Companhia pensava em
construir um ramal que, partindo de Mucussueje, se diri-
gisse para os Luchazes. Se tal empreendimento fsse
levado a efeito muito valorizadas ficariam aquelas longn-
quas regies da Colnia de Angola, que lutam com a escassez
de meios de comunicaes, quer de caminhos de ferro ou
de estradas quer do aproveitamento da sua important
rde hidrogrfica.

Em 1899, foi concedido, Companhia de Mossmedes,
o direito de construir um caminho de ferro que se dirigisse
vila do Humbe, partindo da Baa dos Tigres ou de Prto
Alexandre.
ste caminho de ferro no s no teve o seu incio nas
localidades que a lei indicava, visto partir da cidade de
Mossmedes, como tambm no atingiu o Humbe, tendo
chegado, tam smente, a S da Bandeira (Lubango).

Inicialmente a bitola era de Om,60, estando a ser
modificada para lm,067, graas s medidas tomadas pelos
ltimos Governos de Angola, para o que se tem aproveitado
parte do material que foi adquirido, em 1923, para o Cami-
nho de Ferro de Luanda.
Mas, se virmos bem, tal como no Norte, torna-se neces-
srio uma cinta de ferro ao Sul, ligando a cinta aqutica
natural da rde dos rios fronteirios, Cunene, Cubango
e Cuando. Obter-se-ia, dste modo, uma linha de coloni-
zao e explorao agrcola, atendendo s boas condies
climatricas da regio e fertilidade do seu solo.
Lemos algures que do Lubango seguiria o caminho de
ferro para o vale do Cunene, atravessando ste rio a jusante
de Capelongo e dirigindo-se por Cassinga para o rio Cabongo,
abaixo da cachoeira de Maculungungo, onde comea um
brao de vrias centenas de quilmetros de extenso, em
condies de navegabilidade, susceptvel de ser ligado por
estradas a outras vias fluviais.

No se limita a estes caminhos de ferro a rde ferro-
viria de Angola.







24

Temos, mais ainda, o Caminho de Ferro do Cuio ao
Dombe Grande, cuja construo foi autorizada por Porta-
ria Provincial n.o 1:020, de 18 de Setembro de 1914, sendo
a sua bitola de 0,60.
ste caminho de ferro no tem explorao regular,
destinando-se ao servio da important organizao agr-
cola e industrial que a Companhia do Acar de Angola.
, pois, um caminho de ferro de intersse local.

O mais modern de todos os caminhos de ferro de
Angola o da Companhia do Caminho de Ferro do Amboim,
que tem o seu incio em Prto Amboim, antiga Benguela
Velha, e que, h bem pouco tempo, tem por trminus a
Gabela, graas ao auxlio financeiro prestado pelo Estado
Companhia.
A autorizao para que se construisse ste caminho de
ferro, foi concedida por Decreto n.o 57, de 21 de Outubro
de 1921, e o respective contrato, que de 1923, estipulava
que se prolongaria at ao Bimbe.

Incalculveis sero os benefcios que dste caminho de
ferro adviro para o fomento de Angola. Graas a le
esto j a ser drenados para o litoral, em condies bastante
econ micas, o caf e oleaginosas do Amboim e parte do
Seles; sisal e cera do Libolo e os cereais da Quibala. O seu
prolongamento muito beneficiaria aquela regio do centro
da Colnia.

Por decreto do Alto Comissariado n.o 278, de 22 de
Fevereiro de 1923, foi a Sociedade de Minas do Bembe, Ltd.a
autorizada a tomar de empreitada o estudo da construo
do Caminho de Ferro do Prto de Diogo Co ao Bembe
e a construir ste caminho de ferro.
Foi mais um sonho que, como muitos, se esvaiu.

Olhando para o passado conseguimos apurar que os
45 quilmetros de vias frreas, existentes em 1888, foram
aumentando gradualmente at atingirem, em 38 anos, ou
seja em 1926, 1:676 quilmetros a que corresponde, nesse
perodo de tempo, a construo mdia de 44,1 quilmetros
por ano. Depois de 1926 a quilometragem passou de 1:676
para 2:322, em 1939, o que represent um aumento de
646 quilmetros a que corresponde, por ano, uma mdia
de 49,6 quilmetros.









Bastante tm progredido, em menos de cem anos, os
meios de comunicao ferroviria, mas, atendendo
extenso da Colnia e s regies que aguardam a vez de
lhe aproveitarem as suas riquezas, muito h, como disse,
ainda por fazer e, como Jlio Ferreira Pinto, no seu livro
Angola-Notas e Comentrios de um Colono, ns diremos:

Angola precisa de mais caminhos de ferro,
certo, e que os actuais sejam prolongados; mas,
por agora, oxal possamos reparar convenientemente
e manter, os que j temos, em condies de satis-
fazerem s necessidades do trfego j existente,
no esquecendo o que se possa fazer em benefcio
da linha de penetrao do Congo, e das regies do
Libolo e Bailundo.



CAPTULO IV

Portos

Volvamos, agora, as nossas atenes para os portos,
cujo estudo tem de ser feito em conjunto com o dos rios,
estradas, caminhos de ferro e respectivos transported.
Os portos de Angola abertos ao comrcio que desde
1838 s se podia realizar com a Metrpole, quer em
carreiras directs quer por intermdio do Brasil, eram
Luanda e Benguela.
Por virtude do tratado de 3 de Julho de 1842, assinado
entire Portugal e a Inglaterra, o decreto de 5 de Junho
de 1844 permitiu a abertura dos referidos portos de Luanda
e Benguela ao comrcio ingls. Os restantes portos
ficaram reservados navegao national de cabotagem.
O mesmo decreto proibiu a importao do estrangeiro de
peas de artilharia, mixtos incendirios e projcteis, bem
como de gneros que a Colnia produzisse e costumasse
exportar com excepo dos produzidos nos pases circun-
vizinhos, quando importados por terra. Publicava, mais,
uma tabela de gneros e mercadorias que s poderiam ser
importadas quando de criao, produo ou manufacture
dos dominios portugueses e permitia a exportao, em
navios estrangeiros, para portos estrangeiros, de tdas as







26


produes da Colnia, com excepo da urzela ou de quais-
quer outras produes que viessem a estar adminis-
tradas pelo Estado, as quais s podiam ser exportadas
em navios nacionais.
Alm dos navios ingleses eram, nos mesmos portos,
admitidas as embarcaes dos diversos pases com quem
se estipulasse a liberdade de comerciar nas Provncias
Ultramarinas.

A portaria de 15 de Setembro de 1849 aprovou o regu-
lamento do prto de Luanda.
A portaria de 18 de Dezembro de 1856 determine a
abertura, ao comrcio estrangeiro, da alfndega da vila
de Mossmedes.
Em 1880 j se efectuavam melhoramentos nos portos
da Colnia, pois que, para se lhes proporcionar os respec-
tivos recursos, criou-se, por portaria de 21 de Outubro do
mesmo ano, o imposto de tonelagem cobrvel sbre a
navegao national ou estrangeira, de long curso ou de
cabotagem, o qual se destinava s obras iniciadas e a
empreender outros trabalhos, nos mesmos portos, para
mais fcil acesso e maior segurana das embarcaes que
os demandassem.
No relatrio das Obras Pblicas, referente ao ano
econmico de 1880-1881, o director, de ento, era de pare-
cer que se procedesse construo da ponte-cais de Luanda
e do muro-cais entire a ponta da Mi-Isabel e a alfndega
da mesma cidade.

Por acrdo de 16 de Maio de 1887, do Conselho de
Provncia, atendendo-se deliberao tomada pela Cmara
e Conselho Municipal de Luanda, em sesso de 26 de Feve-
reiro do mesmo ano, aprovaram-se as obras da reconstruo
da ponte denominada da alfndega.
Esta ponte prestou servio durante largos anos, exis-
tindo, ainda, restos dela, em 1919.
O prto foi melhorado com um muro-cais acostvel,
com 400 metros em fundo, para servio de pequenas embar-
caes de navegao costeira e de cabotagem, e possue,
tambm, um desembarcadouro flutuante.
Presentemente encontra-se a ser construdo um cais
acostvel para navios de grande calado, velha aspirao
da cidade de Luanda, cujo valor ser desnecessrio enal-
tecer. Esta important obra deve-se iniciativa do Ministro







27


das Colnias Dr. Francisco Vieira Machado que, em 21 do
Outubro de 1942, lanou ao mar, solenemente, o primeiro
bloco para a sua construo.
A baa de Luanda, abrigada das calemas, tem uma
superfcie de 887 hectares, com funds que vo de 7 a 27
metros, podendo acomodar grande nmero de navios de
alto bordo.

ste prto testa do Caminho de Ferro de Luanda
e por le so exportados os produtos que se encontram
sob a zona de influncia daquele caminho de ferro, bem
como das estradas do interior que a le convergem.
Possue um plano inclinado para victoria e reparao
de navios de pequena arqueao e a Companhia Nacional
de Navegao dispe de uma ponte privativa, em muito
mau estado de conservao, a qual j no permit que a
ela atraquem, como antigamente, os navios de long curso
para receberem directamente o carvo do depsito que
tem na ilha de Nossa Senhora do Cabo de Luanda.

Pela sua importncia destaca-se, tambm, o prto do
Lobito.
O decreto de 23 de Novembro de 1902, que concede
a construo e explorao do Caminho de Ferro de Ben-
guela, permitia, Companhia concessionria, a construo
de uma ponte-cais, onde pudessem acostar navios de long
curso. Esta ponte seria como que o prolongamento do
prprio caminho de ferro. Uma vez construda, prestou
servio durante longos anos, at que o cais acostvel,
mandado construir pelo Estado, cujo project defenitivo,
da 1.a Seco, foi aprovado por Portaria n.o 59, de 5 de
Agsto de 1921, fez com que a considerassem desnecessria,
pelo que a demoliram.

Em 1928 encontravam-se construdos 225 metros de
cais acostvel.
O Diploma Legislativo n.o 747, de 24 de Maro de 1928,
aprovou o regulamento para a sua explorao. Entretanto
as obras prosseguiram at que atingiu 853 metros. O Estado
gastou nelas para cima de 800:000. As que se realizaram
de 1930 a 1934, custaram crca de 58 mil contos. Est
dotado com guindastes elctricos e possue amplos arma-
zns, em beto armado e alvenaria, para receberem carga
de importao, exportao, trnsito e cabotagem.







28


A rea ancorvel do prto d& 429 hectares, variando,
os seus funds entire 5m,60 a 36 metros. testa do Caminho
de Ferro de Benguela e considerado um dos mel iores
portos da frica Ocidental.

Alm dos portos de Luanda e Lobito, existem outros
de menor importncia, na costa de Angola, quw mensal-
mente so demandados principalmente por navios de carga.
Dentre les o mais important o de Mossmedes,
servido por uma baa de dois fundeadouros. A superfcie
ancorvel de 399 hectares e os seus funds variam de
4m,5 a 33 metros. Tem, todavia, o inconvenient de possuir
alguns baixos de rocha e bancos de areia. testa do
Caminho de Ferro de Mossmedes e dispe de uma ponte
para embarque e desembarque de passageiros e servio
de carga e descarga de mercadorias.

Segue-se-lhe, em importncia, o prto de Prto Amboim,
testa do Caminho de Ferro do Amboim e servido por uma
ponte de madeira,cuja construo foi autorizada por decreto
do Alto Comissariado n.o 239, de 20 de Fevereiro de 1923.
Dispe de magnficos funds, ancorando os vapores
a pequena distncia de terra. Sucede, porm, que a ponte,
construda muito perto do Morro Cambiri, est sujeita
influncia da rebentao das guas do mar de encontro
aos escolhos do Morro, o que muito prejudice a atracao
dos bateles carga ou descarga, nos dias em que o mar
se encontra agitado.

Necessrio se torna a construo de uma nova ponte,
que melhor possa servir o prto, a qual dever ser colocada
em stio prviamente bem escolhido e que a livre das
contrariedades apontadas.
A ste prto est reservado um largo future, visto
servir tda a zona que se encontra sob a influncia do
Caminho de Ferro, a qual excepcionalmente frtil e se
mostra em condies de ser sujeita a uma explorao
intensive. o escoadouro natural dos produtos do Amboim,
Quibala, Libolo, Gango e parte da Quissama e s-lo-
tambm da rica regio do Seles, logo que as estradas tor-
nem fcil o dreno dos produtos para a Gabela, a fim de
alcanarem o Caminho de Ferro e demandarem o prto
logo que se encontre convenientemente apetrechado, o
que infelizmente no sucede.









O prto de Novo Redondo serve parte da regio do
Seles. Foi dotado, ltimamente, de uma boa ponte cais
que lhe permit, sem grande dificuldades, os carrega-
mentos e descargas, todavia os navios fundeiam a algumas
milhas de terra e a rebentao do mar prejudice bastante
o transport dos bateles carregados.

Novo Redondo est para Prto Amboim como Ben-
guela para o Lobito.

As razes que assistem a Benguela, para que a
navegao de long curso no demand aquele prto,
subsistem para Novo Redondo, uma vez que, bem perto,
se encontra o magnfico prto de Prto Amboim, o qual
apenas precisa de uma ponte, livre da rebentao do mar,
e de apetrechamento suficiente, para, com rapidez, desem-
baraar a carga.
Alm dstes portos existem, ainda, os de Lndana,
Cabinda, Santo Antnio do Zaire, Ambrizete, Ambriz,
Capulo, Benguela, Lucira, Baa Farta, Baa dos Elefantes
e Baa dos Tigres bem como o da colnia piscatria de
Prto Alexandre
O movimento commercial dstes portos no justifica que
os demandem navios de long curso sendo, a maior parte
dles, desabrigados e sujeitos e freqentes calemas.

H ainda os da Barra do Dande e do Cuo que apenas
servem a Companhia do Acar de Angola. Esta Com-
panhia, aproveitando o transport, em lanchas, pelo rio
Dande, arrecada a sua produo de acar e leos, da
Fazenda Tentativa, nos armazns que possue na Barra,
e, servindo-se do seu caminho de Ferro privativo, armazena
nos do Cuo, os gneros de produo das fazendas do Luacho
e Dombe Grande.
Os navios de long curso ancoram em pleno mar alto,
em frente queles portos, para carregarem. A se demoram,
dias injustificados, prejudicando a rapidez das suas derrotas.

Os demais portos so de mediocre importncia. Um
regular e bem montado servio de cabotagem, que os
pusesse em ligao com Luanda e Lobito, prestaria um
relevant servio ao transport das cargas de Angola para
o exterior, serv ndo admirvelmente a economic da colonia
e a navegao de long curso.







30

CAPTULO V

Transportes martimos e fluviais

No nos ocupando da navegao area, que est ainda
na sua infncia resta-nos apreciar as comunicaes mar-
timas e fluviais.

Em 1820, o Governador Tovar de Albuquerque, por
conta da Fazenda Pblica, tinha j estabelecido carreiras
de navegao mercantil no Dande e Bengo.
As primeiras providncias, de que temos notcia,
tomadas para promover e animar a construo naval e
desenvolver a navegao national para Angola, datam de
16 de Janeiro de 1P37.

Em 1838, um brigue e duas escunas, foam destinadas
aj estabelecimento de carreiras regulars diiectas, entire
Portugal e Angola, as quais comearam em 1839, substi-
tuindo, assim, as que se faziam por intermdio do Brasil,
acontecimento ste que bastante animou o comrcio.
A carta de lei de 18 de Outubro de 1841, aboliu o bene-
fcio nos direitos das mercadorias transportadas em navios
portugueses e concedido por decreto de 16 de Janeiro de
1837, determinando-se, por portaria rgia de 25 de Maio
de 1847, que se considerassem em seu inteiro vigor as
disposies do Cdigo Comercial, decretado em 18 de
Setembro de 1833, o qual reservou bandeira portuguesa
o comrcio de importao e exportao entire os portos do
continent do reino, ilhas adjacentes e domnios portu-
gueses de qualquer parte do Mundo, e mais leis do reino,
que se referem nacionalizao, registo e embandeira-
mento dos navios portugueses.
Em 1856, Tefilo Brenex Philipon, representando
vrios capitalistas nacionais e estrangeiros, obriga-se,
perante o Estado portugus, a estabelecer a navegao
regular, por barcos movidos a vapor, entire os portos de
Lisboa e Luanda, a qual deveria ser inaugurada em 1857.
Para isso disporia de trs barcos do sistema de hlice, no
tendo nenhum dles, menos de 800 toneladas, e de um outro,
de lotao e fra convenientes, para navegar regular-
mente na costa de Angola, entire Mossmedes, Benguela,
Luanda e Ambriz.







31


Assim se formou a Unio Mercantil.
Para que possamos ter uma vaga idia de como decor-
riam os embarques de mercadorias naqueles recuados
tempos, reportamo-nos a um artigo de Augusto Garrido,
que foi administrator da Alfndega de Luanda, publicado
em 23 de Novembro de 1864:

. .. porque se h poca em que os navios da
praa de Lisboa e outras tenham encontrado pronta
carga de retrno, a actual. Os navios que foram
para Benguela e Mossmedes l carregam sem
perda de tempo; os que esto aqui todos, com
pequena demora de dois meses e menos, regressam
a Lisboa. E outrora no estavam les 18 meses e
mais nos portos para carregarem?.

H 79 anos, os navios, que estavam em Luanda,
levavam, pelo menos, dois meses a carregar, porque
encontravam a carga pronta, todavia, noutros tempos, os
embarques levavam 18 meses porque estavam espera
que a carga se aprontasse!

Hoje sucede precisamente o contrrio. A carga pronta
aguarda, nos portos, alguns meses que os navios dem
praa, emquanto que os embarques se realizam em poucos
dias.

Entretanto o mesmo alto funcionrio escrevia, ainda,
em 1864 :

. .. Muito poucas pessoas h na provncia que
se lembrem qual era o comrcio lcito em 1842,
e da em diante at que aquele comeou a prosperar.
Naquela poca dois ou trs navios por ano levavam
os nossos produtos para a Metrpole e mais alguns
estrangeiros os vinham buscar. Compara-se isto com
a actualidade?



Se outrora houve muito dinheiro, com le se
pagava a importao na falta de gneros coloniais;
hoje paga-se com estes, porque aquele no impor-
tado por razes bem conhecidas.






32


O antigo administrator da Alfndega de Luanda,
queixava-se da falta de navegao a qual, at 1842 no se
fazia sentir porque o comrcio lcito no existia, porm, a
partir daquela data e falta de dinheiro importado, uma
vez que o pagamento das importaes passou a ser
efectuado com gneros coloniais, no satisfazia, j, as
necessidades da Colnia, a existence.

A navegao a vapor no rio Cuanza foi concedida a
uma emprsa por contrato de 10 de Junho de 1865, tendo
como trminus Calumbo, devendo os barcos fazer anual-
mente 24 viagens entire Luanda e aquela localidade e 48
entire ela e o Dondo.

Em 1886, constituia-se a Companhia de Navegao
do Cuanza.
Por portaria de 27 de Maio de 1870, o trminus passou
a ser o Cunga, a 40 milhas acima de Calumbo.
O decreto de 16 de Maio de 1864, autorizou a criao
de um Banco que se denominaria Banco Nacional Ultra-
marino com durao por tempo indeterminado e com a
sede e direco em Lisboa, constando do artigo 2.0 do
Contrato de 18 de Outubro de 1876, celebrado entire o
Govrno e aquele Banco, que ste se obrigava a former
uma companhia para a navegao com barcos de vapor,
no rio Cuanza, entire Luanda e Calumbo, e Calulo e Cam-
bambe.

Por portaria rgia de 5 de Abril de 1883, o Banco
Nacional Ultramarino foi autorizado a transferir esta
obrigao para a Nova Companhia.
Em 1891 constituiu-se, tambm, uma outra companhia
para a navegao entire os portos do rio Zaire e Congo.
A navegao entire a Colnia de Angola e as ilhas de
S. Tom e Prncipe era considerada como de cabotagem,
at que a Portaria nO 71, de 29 de Fevereiro de 1868,
ps trmo a tal procedimento.

Em 1883, conforme Portaria de 4 de Outubro, foi consen-
tido aos navios de long curso escalarem o prto de Novo
Redondo, send na mesma ordenado que se estabelecesse,
naquela vila, uma delegao da Alfndega de Luanda.
Em 19 de Maro de 1887, abriu-se concurso para a nave-
gao regular, por barcos a vapor, entire a Metrpole e as







33

Provncias Ultramarinas de frica, com o fundamento das
vantagens que resultariam para as boas relaes comerciais
entire Angola e Moambique.
Em 6 de Junho de 1887, o Boletim Oficial de Angola,
publicava o seguinte telegrama :

Governador Angola-Assinado hoje contrato
provisrio servio navegao duas fricas-Comu-
nique corpo commercial com qual me congratulo-
Comea realizao dste antigo desideratum comr-
cio national africano- Ministro Marinha.

O contrato a que ste telegrama se refere deveria ter
sido assinado a 4, visto que o artigo 1.0 do decreto de 20
de Agsto de 1887, que o aprova, refere-se qule d:a.
Temos depois a Mala Real Portuguesa cujo contrato
com o Estado, para a constituio da respective emprsa,
de 14 de Janeiro de 1891.
A marinha national encontrava-se, desta forma, em
tentativas e tanto assim que em 25 de Novembro de 1905
assinava-se outro contrato, entire o Govrno e a Emprsa
Nacional de Navegao.
Em 1918, esta emprsa transforma-se em sociedade
annima de responsabilidade limitada, sob a denominao
de Companhia Nacional de Navegao.
Em 1916, a frota national de propulso mecnica, era
de 73 mil toneladas. Neste ano foi aumentada com mais
234 mil, correspondents a 71 navios tomados aos Imp-
rios Centrais, atingindo, assim, a nova frota de comrcio,
307 mil toneladas.

Em 1918 a marinha mercante portuguesa, a vapor,
estava reduzida a 250 mil toneladas, por virtude da grande
guerra, ressentindo-se, com isso, bastante, as exportaes
das Colnias.
Os Transportes Martimos do Estado, que durante a
guerra e algum tempo depois do armistcio administraram
a frota apresada em 1916, entram em liquidao. Por esta
altura constituem-se, em Portugal, quatro novas com-
panhias de navegao martima a vapor, a saber:

Companhia Colonial de Navegao, a Sociedade Geral de
Comrcio, Indstria e Transportes, Ltd.a, a A Martima e a
Companhia de Navegao Carregadores Aoreanos, mas,







34

destas companhias, durante mais de vinte anos, s a Com-
panhia Colonial de Navegao manteve carreiras regu-
lares para Angola.

Estava, pois, a Colniaa ser servidapor parte dos navios,
da frota desta Companhia e dos da Companhia Nacional
de Navegao quando a Sociedade Geral de Comrcio,
Indstria e Transportes, Ltd.a, por volta de 1936, tentou,
sem resultado, carreiras para Angola.

De novo, depois de 1938, voltou a Sociedade Geral
aos portos angolanos, mantendo, desde ento, as suas car-
reiras, com bastante regularidade.
Em Dezembro de 1938, a tonelagem bruta da nave-
gao a vapor portuguesa, limita-se ao total de 188:500
toneladas.

Portugal, pas colonial e que faz qusi todo o seu comr-
cio externo por via martima, em 1938, encontrava-se
em lugar de manifesta inferioridade em relao a outros
pases mais pequenos, alguns de menor populao e muitos
sem territrios como so os do Imprio Colonial Portugus.

Vejamos o quadro comparative em relao a 1 de
Julho de 1938, portanto, antes de ter rebentado o conflito
europeu que se tornou mundial, das marinhas mercantes,
de propulso mecnica, de alguns pases europeus:



Pases Tonelagem
bruta
Noruega . . 1.613:175
Holanda .. . 2.852:012
Grcia . I.889:269
Sucia . . I1.571:054
Dinamarca .. ... 1.129:556
Espanha . . 947:963
Blgica . . 430:624
Portugal . 188:500

Estes nmeros ainda se tornam mais significativos se
atendermos a que a frota portuguesa, de propulso mec-
nica, em 1938, compreendia 64 navios de long curso,
cabotagem e navegao costeira, para servio da Metr-







35


pole e Colnias, distribudos por idades, tonelagem corres-
pondente e percentage sbre a tonelagem, conforme o
seguinte quadro :


N. de
Ndee ds n s Tonelagem Percentagem sbre
Idade dos navios uni-t
dades a tonelagom

Navios at 5 anos . 5 7.936,29 Total. 4,2 %
de 5 a io anos . 5 14.222,10 7,6 %
io a 15 . 4 2.340,40 1,2 %
15 a 20 13 12.734,85 6,8 %
> 20 a 25 a 33-713,79 > 17,5 %
mais de 25 anos 27 117.586,75 62,7 %


Estes nmeros, como disse, respeitam ao ano de 1938.
Durante a guerra perdemos algumas unidades e adquiri-
mos outras que j no eram novas.

O intensive trabalho, a que nos ltimos tempos estiveram
sujeitos os navios de propulso mecnica da marinha
mercante portuguesa, deve t-los reduzido a um estado
de aproveitamento econmico bastante duvidoso. A maior
parte dles atingiu o limited prticamente til para a sua
explorao, segundo o temos ouvido dizer e lido.
As frotas estrangeiras, hoje bastante depauperadas,
ainda devem manter a sua posio de superioridade, em
relao portuguesa, pois que se em quantidade j a
sobrelevavam, no lhe ficavam atrs em qualidade.

Entretanto sses pases tm, em regra, menores respon-
sabilidades internacionais e intersses inferiores, no campo
de trfego martimo, do que Portugal.
Em 1938, a Noruega possuia 22% de navios, da sua frota
mercante, com menos de 5 anos; a Holanda 19%; a
Dinamarca 14% e Portugal limitava-se a ter 4,2 %.
Se a superioridade, quanto ao nmero de anos, era impor-
tante, no menos important era a da propulso mecnica
a doptada.







36

59,5 % dos navios da frota norueguesa era propulsio-
nada por motors ; a dinamarquesa dispunha de 49,1 ;
a sueca de 45 % e a holandesa 43%. Portugal nem sequer
figure no cmputo das percentagens, no trabalho que
compulsamos.
Tal era a posio que ocupava, em 1938, a frota mer-
cante portuguesa.
Alm da navegao national eram, os portos da Colnia,
demandados, em tempos normais, por carreiras de com-
panhia alems, belgas, americanas, italianas e inglesas.
No se pode deixar de encarecer os servios que, a bem
de Angola, tm prestado, durante bastantes anos, as Com-
panhias Nacional e Colonial de Navegao, todavia, tambm
no se deve ocultar o facto de que as unidades de que
dispem no satisfazem j a uma eficiente explorao
econmica nem s necessidades das parcelas do Imprio
que servem, visto as suas cansadas unidades darem lugar
a que as viagens se tornem demasiadamente morosas,
para a poca em que vivemos, e com largo comsumo
de combustvel o que concorre para que os fretes sejam
muito caros e, portanto, econmicamente prejudiciais s
relaes entire a Metrpole, Colnias e Estrangeiro.

Torna-se necessrio a remodelao da marinha mer-
cante portuguesa, dotando-a de unidades modernas, rpidas
e de pouco consumo de conbustvel, de forma que o
embaretecimento dos fretes possa contribuir para um maior
aumento da colocao dos produtos metropolitanos em
Angola e os desta Colnia em qualquer parte do Mundo,
de forma a concorrerem vantajosamente, com os demais
produtos originrios do estrangeiro. Se o progress econ-
mico de Angola depend do aumento da sua produo,
no menos depend da facilidade de comunicaes e do
embaretecimento dos transported que esta precise de
utilizar. Desta forma a indstria metropolitan muito
ter a lucrar com isso e, sobretudo, o povo das Colnias
que, devido ao embaretecimento daquilo que importa e
necessita, mais fcilmente disso se poder utilizar, merc
dos preos que mais ao alcance de todos ficaro. O bene-
fcio ser geral. Uma vez que desapaream as causes que
provocam o aumento do custo de vida em Angola e as que
pem fora de combat os seus produtos no mercado mun-
dial, a Colnia ocupar a posio a que por direito tem
lugar, semelhante do Pas irmo-o Brasil.







37


PARTE II

Generalidades sbre a evoluo de alguns produtos
agrcolas e industrials da Colnia, durante
os ltimos cem anos

CAPTULO I

Agriculture

Foi a agriculture o recurso de que os colonos lanaram
mo aps as crises provocadas pela extino do comrcio
de escravos e do alcohol e pela queda da cotao da urzela.
A luta, entire o agricultor e a terra, desde h crca de
cem anos at aos dias de hoje, no menos brilhante nem
menos herica do que a travada entire o soldado da com-
quista e o indgena rcbelde, ou a do funante da ocupao.
O suor dos colonos regou as chanas ardentes dos terrenos
virgens e o rubro sangue que os adubaram, conver-
teu-se em seiva pujante a trasbordar de verdes esperanas.
Essas esperanas, que tiveram a sua poca, j no existem
porque se tornaram realidades positivas e incontestveis.
Sigamos, servindo-nos dos escassos elements de con-
sulta de que dispomos, a evoluo agrcola de h crca
de um sculo passado, tocando, ao de leve, em alguns
dos principals assuntos ligados s mais interessantes cultu-
ras da Colnia de Angola.
Entretanto no deixa de vir a propsito transcrever
parte do que h 73 anos, em ofcio de 16 de Maio de 1870,
o chefe do concelho de Caconda descrevia ao Governador
Geral, de ento :

A agriculture neste concelho pode dizer-se que
no existe, porque os moradores apenas semeam
milho e feijo, e h alguns europeus que tm hortas
nas vizinhanas da casa da residncia do chefe, mas
s tm repolhos (de sementes antigas), abboras,
ervilhas e feijo de diversas qualidades, no tendo
mais plantao por no terem sementes nem quem
lhas fornea.







38


Mal imaginava, ao tempo, o zeloso funcionrio, que
sse milho de que parece falar como coisa de somenos.
importncia, viria a ser um dos mais importantes manan-
ciais agrcolas do concelho que chefiava.
Outras cultural lhe prendiam a ateno, afora os repo-
lhos de sementes antigas. E, desta forma, le continuava :

Eu julgo estes terrenos bons para tdas as
plantaes de frutas, hortalias, vinhos, oliveiras,
algodo, caf, cana sacarina, trigo, cevada, emfim
de tudo que h na Europa.

No se enganava. O present testemunha a sua infor-
mao.
O trigo, sse, que s tam recentemente deixou de ser
importado, parecia merecer-lhe destacada ateno, pois
que, referindo-se-lhe, diz:

. .. o trigo, dum bocadinho que trouxe da Hula,
produziu bem . .

jQue desvelos no teria dispensado ao rebentar dessas
poucas sementes do precioso cereal, que, hoje, j abastece
tda a Colnia!
As suas experincias iam mais alm:

A semente de linho tambm produz ; a cevada
produz igual de Portugal.

Menos favorecidas pela sorte, o desenvolvimento destas
duas cultural ainda no ultrapassou as tentativas. Fala
tambm, das fruteiras, quando da sua infncia no planalto,
desta maneira :

Em frente da casa da residncia tem 7 ps de
laranjeiras doces, que foram plantadas em 1826. .
. H tambm um limoeiro plantado em Outu-
bro de 1858 . e uma parreira, que sendo podada
deu cachos de uvas menos maus.

Assim se falava da agriculture de Angola naqueles
tempos longnquos bem prximos dos nossos, se atender-
mos aos sculos j decorridos pela Colnia sob a guard
da bandeira de Portugal.







39

O que desde ento para c se fez maravilhoso. Oxal
que o muito que h por fazer no perca o ritmo de acerala-
o, adquirido nos ltimos tempos.
Especializemos, dentro dos limited do possvel, a
evoluo de algumas das principals ou mais interessantes
cultures, que dos colonos e indgenas mereceram ateno
nos ltimos cem anos.



ALGODO

Desde longa data que o algodo se cultiva em Angola.
Os europeus viram que os indgenas o aproveitavam para
fazer panos, com que se vestiam, bem como rdes, com
que pescavam.
Prevendo o future que a esta cultural estava reservado,
os colonos lanaram-se a tent-la. A crise algodoeira
norte americana, provocada pela guerra da separao,
animam-na at que, nos distritos de Benguela e Mossmedes,
por essa altura, toma considervel incremento.
Em 7 de Junho de 1844, o chefe do distrito de Calumbo,
tendo procedido colheita do seu algodo, ofereceu para
o Estabelecimento do Hospital Militar de Luanda dois
bons sacos cheios, que pesam 7 arrobas com caro tendo,
ainda, reservado algum para seus gastos. E no ofcio, que
acompanhava esta oferta, informava o Governador Geral
que a colheita poderia ter sido maior se no tivesse sido
obrigado a utilizar os seus trabalhadores nas plantaes
de farinhas de milho, visto estar-se na estao prpria de
tais trabalhos.

Oito anos depois, em 21 de Dezembro de 1852, o
Govrno da Rainha D. Maria II remeteu ao Governador
Geral de Angola, para serem distribudas pelos agricul-
tores que com mais eficincia se dedicassem ao da indstria de Angola, uma caixa com trs sacos de
sementes diferentes de algodo, de Nova Orleos; o
Ministro S da Bandeira recomendava que se deveriam
empregar todos os esforos no sentido do maior desenvol-
vimento possvel da cultural do algodo.
Em 9 de Dezembro de 1854, o Conselho Ultramarino
emitia o parecer de que o algodo que, em Moambique
e Angola se produz perfeitamente e de boa qualidade,







40

um ramo de agriculture e de comrcio de tal importncia,
que muito convm animar e que durante trs anos, emquanto.
ste ramo de comrcio e de indstria agrcola no se desen-
volver, no deve ter outro comprador seno o Govrno.

O Ministro da Marinha e Ultramar, Visconde d Athou-
guia em ofcio de 5 de Janeiro de 1855, dirigido ao
Governador Geral, exprimia-lhe que teria grande prazer
em ver prosperar a cultural do algodo, em Angola.

A verdade que o entusiasmo por ste ramo agrcola
se tornava cada vez maior, pois, em 29 de Maro de 1858,
o Governador do Distrito do Golungo-Alto, lamentando-se
das secas que prejudicaram as plantaes em Cambambe
e Massangano, pedia ao Governador Geral sementes de
algodo, as quais, com facilidade, poder-se-iam obter em
Mossmedes, onde constava haver grandes quantidades
delas e at das do algodo de flor amarela, que era de
muito boa qualidade.

No mesmo ano, uma sociedade de Manchester projectou
estabelecer, em Angola, uma emprsa que teria por fim
dar grande desenvolvimento cultural do algodo. A Por-
taria Rgia n.o 230, de 24 de Julho de 1858, autorizou a
constituio no s da referida emprsa como deu instru-
es no sentido de que o Govrno Geral protegesse, dentro
das suas atribuies, quaisquer outras de igual natureza.

Na Metrpole fazia-se a propaganda sbre o assunto.
Referindo-se s possibilidades da cultural do algodo em
Angola, o Jornal do Comrcio, de Lisboa, n o 1:792, de 1859,
publicava :

Pois o algodo pode tornar-se em object da
maior importncia agrcola e commercial, do que a
cera, marfim, urzela e todos os mais produtos da
provncia ; porque tem por consumidor o Mundo
inteiro e por concorrente na compra a vasta inds-
tria da Gr-Bretanha>.


Em 1859, j a Inglaterra importava algodo angolano
achando-o de muito boa qualidade, conforme se verifica
da carta dirigida de Glasgow, da casa Graham casa filial







41

de Guilherme Graham & C.a, de Lisboa. Essa carta que
datada de 8 de Setembro dsse ano, segundo a traduo
que transcrevemos, em parte, diz :



. . os senhores Carvie Smith & C.a de Liver-
pool, nos escrevem esta manh a respeito de 36
sacos de algodo de Angola. Eles nos dizem que
le superior a tda a qualidade de Angola que
les tm visto at ao de muitas outras procedncias
e que vale 7 pences por arrtel, a cujo preo les o
podem vender e talvez por mais uma fraco dste
preo. Ns lhe temos ordenado para o venderem
ainda que apenas v. realizaro o preo que derem
a por le. Entendemos que v. faro muito bom
servio aos seus fregueses de Angola, em comprar
qualquer quantidade de algodo que lhes seja
oferecida por les ou por possuidores da praa de
Lisboa pois intersse de ns todos o animarmos
a cultural de algodo nas possesses de frica portu-
guesa, o mais que nos fr possvel, sem olharmos
a pequeno prejuzo.



Isto mostra-nos no ser verdadeiro o que freqente-
mente lemos e ouvimos dizer, de que a produo do algodo
de Angola, antes de 1830, era qusi exclusivamente utili-
zada pelos indgenas. O document que atrs se transcreve
desfaz, em absolute, o que por vezes temos visto escrito e
confirmado, como sendo uma verdade indiscutvel.

Mas temos mais. A circular da Secretaria do Govrno
Geral de Angola, de 11 de Janeiro de 1859, portanto ante-
rior carta de Glasgow, demonstra-nos que as compras de
algodo estavam a ser feitas em Luanda, por vrias casas
comerciais, distinguindo-se, dentro elas, a de Francisco
Barbosa Rodrigues, que comprava qualquer quantidade,
que lhe fsse oferecida, por preos muito convenientes aos
vendedores. Depois de se referir s mquinas de descaroar,
existentes em Luanda, acrescenta que o mesmo comerciante
j havia comprado para cima de duas mil arrbas de
algodo com caro, ou sejam crca de 30 toneladas.







42

E a circular, incitando cultural as autoridades compe-
tentes, terminava :


Depois h-de tratar-se da escolha das quali-
dades, pois que est reconhecido que o pas pode
dar algodo do melhor. Se houver falta de sementes
v. s.a mandar busc-la a esta cidade, donde se lhe
fornecer em abundncia.


Por sua vez o sbio Dr. Welwitsch, em 15 de Janeiro
de 1859, lamentando a dificuldade de comunicaes,
escrevia :


. e ste impedimento torna-se, em relao
cultural do algodo, tanto mais grave e important,
por ser o algodo um gnero de grande volume, e
fcil de deteriorar-se pelas demoras e vicissitudes
climticas, com as quais os gneros actualmente
importados do serto, como o marfim, cera, azeite,
goma copal, etc., pouco ou nada sofrem.


So flagrantes, as provas que, de moment a, moment,
nos surgem, demonstrando que antes de 1860, no eram
s os indgenas que qusi exclusivamente consumiam a
produo do algodo. Ele merecia, quer dos poderes pbli-
cos, quer dos particulares, quer do prprio sbio Dr. Wel-
witsch, especiais atenes e cuidados. A sua cultural estava
a ser feita tam intensamente quanto o permitiam as
possibilidades da poca.
Em 1856 e da por diante, quer a sua produo quer a
respective exportao, j figuravam nas estatsticas ofi-
ciais.
Ao tempo ainda no vigorava, em Angola, o sistema
decimal de pesos e medidas. Por isso e para no alterarmos
as respectivas citaes, transcreve-las-emos em arrbas,
como se encontram mencionadas.
O algodo, produzido em Mossmedes, no ano de 1856,
foi de 1:672 arrbas ; em 1857 foi de 477 arrbas, ou seja
menos de crca de um tro do ano anterior ;em 1857,
ainda, exportaram-se, pela alfndega de Luanda, 320







43

arrbas ; pela mesma alfndega, em 1858, exportaram-se
304 arrbas e, pela de Benguela, 153 arrbas ; em 1859
exportaram-se, pela alfndega de Luanda, 2:019 arrbas
e, pela de Benguela, 316 arrbas; em 1863, o Ambriz
exportava, tambm, 16 arrbas.
Nenhuma outra produo agrcola, que merecesse os
favors do Estado, do comrcio e dos particulares, se lhe
antecipou.

Por portaria de 5 de Abril de 1861, foi nomeada uma
comisso para propor os meios mais eficazes de levar a
efeito, nas provncias portuguesas, a cultural do algodo
em grande escala.

O Conselho Ultramarino emitiu o seu parecer, sbre os
estudos da Comisso, em 9 de Novembro de 1861, relem-
brando que desde 1853 tinha prestado a maior ateno ao
assunto e que devido crise poltica do Estados Unidos,
principals fornecedores da Europa, se deveria aproveitar
a oportunidade para conseguir-se o que constantemente
]fra seu pensamento tanto mais que j em 26 de Julho,
do ano que ento corria de 1861, propuseram algumas
providncias que julga, am urgentes. Entre outras a tomar
lembrava a convenincia da iseno de direitos, por dez
anos, da importao de todos os materials, mquinas e
utenslios necessrios para a cultural dos terrenos, para os
edifcios e oficinas que nles se construissem e para o trans-
porte dos gneros da sua produo, e discordava da
proposta da comisso, relativamente a um emprstimo de
1:000.000$000 ris destinados a prmios e auxlios director
aos respectivos cultivadores, todavia acrescentava que
mais do que esta soma era necessrio gastar em melhora-
mentos, donde adviriam grandes vantagens para o comrcio
e indstria.

Entretanto props que se dispendesse a quantia de
20:000$000 ris, em cada ano, durante trs anos, com a
compra de sementes de algodo, mquinas de descaroar
e quaisquer instruments agrrios para a cultural e prepa-
rao do mesmo produto, e que se instituissem seis prmios
anuais, por espao de dez anos, a contar de 1 de Janeiro
de 1863, que seriam concedidos aos proprietrios que
apresentassem mais extensas e melhores cultures de
algodo.







44


Esses prmios seriam, respectivamente : 1 de
4:000$000 ris, 1 de 2:000$000 ris e 4 de 1:000$000 ris.
O project de proposta de lei foi aprovado e esta publi-
cada em 4 de Dezembro de 1861.
De ano para ano subia o intersse pela cultural do
algodo e tanto assim que o assunto foi levado Cmara
dos Deputados, tendo o Ministro dos Negcios da Marinha
e Ultramar, em sesso de 23 de Janeiro de 1864, apresen-
tado um relatrio donde constava, express em quilos, a
exportao daquele produto efectuada, nos ltimos anos,
pelos portos de Ango a.
Por le ficamos a saber que em 1859 a exportao
foi de 29:488 quilos; em 1860, de 24:734 quilos ; em 1861,
de 11:795 quilos e em 1862, de 33:729 quilos, bem como que
no ano de 1863 os navios a vapor da Unio Mercantil,
transportaram, de Angola, 96:140 quilos. Nesse relatrio
foi atribuda, aproximadamente, um quinto desta expor-
tao aos transportes de navios de vela, donde se segue
que, o total da exportao neste ano, deveria ter subido
a 115:368 quilos.

Se nos reportarmos s estatsticas oficiais referentes a
1863, vemos que aquele clculo se aproxima ligeiramente
da verdade, uma vez que atribuindo a ste ano uma expor-
tao de 7:256 arrbas, estas correspondem a 106:576
quilos, havendo, portanto, uma diferena para menos,
em relao ao clculo, de 8:792 quilos.
E, j agora, vejamos quais as quantidades e os portos
por onde, naquele ano, se efectuaram as exportaes.
Pelo Ambriz, 16 arrbas ; por Luanda, 3:222 arrbas;
por Benguela 2:129 arrbas e por Mossmedes, 1:889
arrbas.
O algodo tinha as mais variadas procedncias, como
se v de um ofcio dirig'do ao Governador Geral, donde
consta que no primeiro semestre de 1864, foram enviadas
do Seles e Benguela-Velha-hoje Porto Amboim-para as
praas de Luanda e Benguela, 1:780 arrbas.
Nos Dembos tambm em 1864 se procedia sua cultural,
como se verifica de um ofcio do Governador do Golungo
Alto, de 26 de Julho daquele ano, informando o Gover-
nador Geral que empreendedores das plantaes de algodo
no concelho dos Dembos lambm vo bastan!e animados.
Demonstrado como parece ter ficado que, anterior-
mente a 1860, no eram s os indgenas a empregarem,







45

exclus:vamente, o algodo, para seu uso, vejamos a causa
que certamente conduziu a tal rro.
O administrator da alfndega de Luanda publicava,
em 13 de Outubro de 1864, um artigo no Boletim Oficial
n.o 42, do mesmo ano, de que transcrevemos a parte que
se segue :

O algodo apresenta-se em uma escala crescente;
h quatro anos ainda le era exclusivamente empre-
gado pelos pretos para o fabric de alguns poucos
tecidos e de rdes, hoje deve-se calcular a expor-
tao em algumas mil arrbas, e se a estao correr
propcia a colheita do prximo ano dever servir
de base para nosso future, em tam important
ramo de agriculture, da qual, j hoje, muitos se
ocupam sriamente desde Benguela-Velha at Mos-
smedes.

Artigos dstes, a quem no estudar com cuidado o
assunto, no deixaro de conduzir em rro, levando a
supor que o aproveitamento do algodo pelos europeus
s teve lugar depois de 1860.
No vale a pena determo-nos por mais tempo sbre o
caso, j devidamente tratado, e vejamos o que o Governa-
dor de Benguela, Pedroso Gamito, disse, em 1864, ao
despedir-se dos seus governados:

Levo a satisfao de deixar o clima de Benguela,
um dos melhores da provncia, as cultures de algodo,
em crescido nmero, pelo que em poucos anos
Benguela far um vulto respeitvel na provncia.


Em 13 de Maio de 1864, foi regulamentado o modo,
por que deviam ser concedidos, aos cultivadores de algodo
os prmios de que tratava o decreto, com fra de lei, de
4 de Dezembro de 1861, atrs mencionado.
Porque no aparecesse ningum a habilitar-se a les,
no obstante as cultural se intensificarem com entusiasmo,
o Duque de Loul, em 18 de Maro de 1861, determinava
ao Governador Geral que informasse se conviria alterar
o regulamento em vigor, tornando mais fcil o process
para a concesso de prmios, ou, antes, aumentar o nmero
dstes diminuindo a sua importncia, deixando-se de exigir







46


uma grande extenso de cultural, isto, para favorecer os
pequenos cultivadores que dispusessem de poucos capitals,
sem todavia deixarem de empenhar grande esforos nas
suas emprsas agrcolas.
Comeara, no obstante os favors do Estado, a entrar
em franca decadncia, a cultural do algodo
Em 1872 tinha sido, infelizmente, relegada para plano
inferior.

Em 1890, a exportao atingiu 201:862 quilos e, vinte
e cinco anos depois, em 1915, no passava de 64:551 quilos,
ou seja bastante inferior exportao de 1863, que mon-
tara a 106:576 quilos !
Isto levou o antigo administrator do Crculo Aduaneiro
de Angola, Casimiro de Almeida Arez, a dizer no seu tra-
balho Algumas Consideraes sbre o regime pautal de
1822, que v-se o complete abandon a que tem sido votada
a cultural dste gnero provincial.
O comrcio de algodo oscilava num ritmo incerto
como se v do seguinte quadro de exportao :


Ano de 1892
IS93
1894
1895
1896
1897
1898
1899
I900
> 1901
1902
1903
1904
1905
1906
1907
1908
1909
1910
1911
1912


59 Toneladas
113
59
107
133
62
145
53
43
45
51
34 >
128
107
57
94
51
77
144
124
97


Seguindo rotas diferentes, o esfro do Estado e o dos
cultivadores redundavam em prejuzos grandes e em ima-
nentes perdas de riqueza til.







47

Era a crise com todos os seus sintomas de desagregao.
Em 1926 volvem-se, de novo, as atenes para a cultural
dste produto. O Decreto n.O 11:994, de 28 de Julho daquele
ano, regular a cultural do algodo, nas Colnias. A Portaria
do Govrno Geral de Angola n.o 131, de 14 de Outubro,
tambm de 1926, regulamenta algumas disposies do
Decreto n.o 11:994 e o Decreto n.o 16:392, de 10 de Janeiro
de 1929, determine que dois tros da exportao sejam
reservados ao abastecimento da indstria national. Final-
mente, o Decrero n. 21:226, de 22 de Abril de 1932, cumula
de benefcios os respectivos agricultores e, com o fim de na-
cionalizar os mercados, cria prmios de exportao.

Os resultados que da advieram esto patentes nos
nmeros que a seguir se transcrevem, referentes s quan-
tidades exportadas nos ltimos anos:


Ano de 1928 432 Toneladas
1929 796 >
1930 . 780
1931 . 454
1932 586
1933 99
1934 899
S 1935 I 1.400
1936 . 2.227
1937 3.331
1938 2.773
D 1939 . 5.265
1940 . 3.502
1 941 . 4.327 >
s 1942 5.291



No se pode deixar de encarecer, a propsito dos admi-
rveis resultados obtidos, a aco profcua da Junta de
Exportao do Algodo Colonial, criada por Decreto
n.o 28:697, de 25 de Maio de 1938, que no s se tem esfor-
ado por aumentar a produo como, principalmente,
melhorar a qualidade da fibra, concorrendo, para isso,
com assistncia tcnica aos agricultores, quer em conselhos
sbre os preceitos da cultural, datas das sementeiras, esco-
lha de terrenos, compassos, cuidados culturais e tudo o
mais recomendvel como sejam os processes de colheita
e escolha de algodo em caro, antes de ir a desgranar.







48


Tem, ainda, a Junta, intensificado a fiscalizao do
desgranamento e enfardamento de forma a separar, nas
fbricas, as diferentes variedades e qualidades, com o
intuito de evitar as misturas de tipos.

Sendo, em Angola, efectuadas as cultural, sobretudo,
por indgenas e, aprximadamente, 20 % por europeus,
dispe, tambm, a Junta de campos experimentais priva-
tivos, no Quinga, Ambriz, Ambrizete, Dondo, Samba-Caj,
Lucala, Prto Amboim, Cubal, Vila Luso e Vila Teixeira
de Sousa, e campos de prova instalados em determinadas
lavras como as de Pemba, Puai, Benguela e Pupa, onde se
procede ao reconhecimento algodoeiro dessas regies.

A estao experimental do Quinga aquela que maio-
res cuidados tem merecido. Procede-se ali a tdas as expe-
rincias de intersse para o desenvolvimento algodoeiro
da Colnia, sendo, extraordinriamente valiosos estes tra-
balhos experimentais, iniciados em 1940.
Tudo promete que a produo aumente em quantidade
e qualidade.
Nestes ltimos anos as necessidades da Metrpole esto
a ser satisfeitas pelas produes de Moambique e Angola.

At 1938 ela recorria, em parte, aos mercados estran-
geiros, como se v da importao de praas estranhas s
Colnias, constantes do quadro que se segue :



Ano de 1928 16:626 Toneladas
1929 16:346
1930 17:968
1931 14:787
1932 . 2 :3Ib
1933 21:66o
1934 9:009
1935 . 20:458
1936 15:175
1937 18:191
I1938 17:482


Pode causar reparo o facto de mencionarmos, como
trmo de citao, o ano de 1938. Fazmo-lo pela razo
nica e simples de que os anos que se lhe seguem, devido









ao estado de guerra, no se poderem considerar bons ele-
mentos de referncia, quanto importao.
ltimamente so as Colnias que abastecem o mercado
metropolitan o qual, em tempos normais, necessitava,
em mdia annual, de 23 mil a 24 mil toneladas de algodo
para laborar. Dizemos em tempos normais visto terem sido
extraordinrias as importaes de 1937 e 1938, que atin-
giram, respectivamente, 30 mil e 28 mil toneladas, para
o que muito deveria ter concorrido as vendas de tecidos
efectuadas para Espanha, por virtude da guerra civil que
assolou aquele pas.

Posteriormente tambm a Metrpole efectuou vendas
para a Sua, Marrocos Francs, Marrocos-Tnger, Congo
Belga e Congo Francs, mas estas vendas foram excepcio-
nais e s o estado de guerra as justificam.

de supor que volte o Pas, dentro em breve, a laborar
tam smente, as quantidades de algodo que laborava
antes da guerra de Espanha, visto no se nos afigurar pos-
svel que conquiste definitivamente aqules mercados, que
nos parece terem sido meramente acidentais.
Por outro lado tambm crvel que os pases estran-
geiros percam, como fornecedores de fios e tecidos de
algodo, o mercado portugus.

SPoderemos ns concorrer, a no ser excepcionalmente,
ao mercado international de algodo?
Talvez no, salvo se se conseguir embaratecer o pro-
duto pelo aumento da produo por unidade de superfcie
e a padronizao dos algodes de Angola, de forma a acre-
dit-los nos mercados estrangeiros.
De certeza teremos s que contar com as necessidades
nacionais. Estas so enormes. Nas Colnias portuguesas
existem milhes de nativos que, chamados civilizao,
torna-se necessrio vestir.

O indgena servial ganha pouco. Em Angola, em
regra nos centros urbanos, um cozinheiro recebe, em mdia,
por ms, Ags. 120,00 ; um criado de mesa, Ags. 80,00 ;
um servente, Ags. 70,00. Com estes escassos proventos
tm de pagar o imposto annual de crca de Ags. 120,00,
sustentar-se, bem como s mulheres e filhos, e vesti-
rem-se.









O custo dos tecidos no comporta os seus parcos sal-
rios. por isso que os vemos andar nas cidades de Angola,
na sua maioria, andrajosos e at, muitos dles, vestidos
com sarapilheiras, restos de velhos sacos j servidos a
taras.
Nas povoaes do interior, um curto pano volta da
cinta serve-lhes de fato, mas isto s quando se deslocam
aos centros de populao europeia, caso contrrio, simpli-
ficam o vesturio com duas peles de seixa ou de qualquer
outro antelope ou mesmo com cascas de rvore, como
tivemos ocasio de ver, em 1929, no Moxico.

H ainda mais. Os cobertores no passam de um luxo,
na maioria dos casos. Os de pso inferior a 900 gramas,
dados por obrigao de contrato aos serviais agrcolas,
so, em geral, de m qualidade, no tendo, em regra, mais
de 400 gramas !
Rasgam-se sob a mais ligeira presso, pelo que, s
dados, os pretos os usam, evitando, geralmente, com-
pr-los.
Os indgenas que no trabalham por contrato substi-
tuem-nos, para amenizar a temperature, no cacimbo, por
fogueiras que acendem dentro das cubatas.

Tudo isto acabar em Angola se se montar a indstria
de tecidos para consumo exclusive de indgenas, com
padres prprios que os tornem incapazes de serem
usados pelos europeus, tornando-os, no custo, acessveis
aos seus bem modestos proventos. Assim, o algodo pro-
duzido na Colnia, depois de abastecer o mercado metro-
politano, ter, o excedente, assegurada a sua colocao
na indstria angolana, j autorizada por despacho de
Sua Excelncia o Ministro das Colnias, Dr. Francisco
Vieira Machado.

Sbre tam acertada media muito lucrar a civilizao
e a economic da Colnia e at dar lugar a que acabe a
introduo fraudulent de tecidos para gentio, provenientes
do Congo Belga, importao esta que se faz margem da
Comisso Reguladora da Importao de Angola e se efectua,
em larga escala, pela fronteira terrestre da enorme Bacia
Convencional do Zaire, sobretudo pela do Congo, onde
nem sequer as feiras clandestinas faltam, em abundncia,,
para o respective negcio.







51


ALMEIDINA

No litoral de Angola abundam as caoneiras, donde se
,extrai o ltex condensado conhecido pelo nome de almei-
dina.
um produto similar da borracha.
O incio da sua explorao teve lugar volta do ano
de 1880.
Em 1886 obteve cotao razovel. Em 1927, a sua explo-
rao encontrava-se decadente, tendo-se exportado smente
97 toneladas, das quais 63 foram para a Metrpole, 13
para a Alemanha, 10 para a Inglaterra e 8 para a Holanda.
As restantes couberam a Moambique e Blgica. A cota-
o no era nada compensadora, acompanhando, mais ou
menos, a da borracha.
Em 1928 s se exportaram 420 quilos, sendo 140 para
a Metrpole e 280 para a Inglaterra.



ARROZ

No mereceu a cultural do arroz, nos tempos idos, o
carinho de que foi alvo o algodo. de lamentar, pois
que se lhe tivesse sido dispensado muito teria lucrado a
economic de Angola. Note-se, entretanto, que no faltou
quem a tentasse. O ofcio da Secretaria do Govrno Geral,
de 20 de Junho de 1848, dirigido ao capito chefe do distrito
do Zenza, bem elucidativo. Posto que um pouco extenso
digno de ser transcrito. Ei-lo:

Foi present a sua excelncia o governador
geral o ofcio de v. s.a n.o 223, de 13 do corrente,
que acompanhava umas espigas de arroz em casca
como amostra, que o morador dsse Distrito Joa-
quim Varela Marques apresenta dos ensaios da
procura dste to procurado cereal ; e o mesmo
excm.o senhor manda dizer a v. s.a que julga ser
ste arroz de muito boa qualidade, mui grado e bem
desenvolvido; e que grande mgoa no se apli-
carem os lavradores desta provncia produo
dste gnero com alguma actividade ; porque est
persuadido que, por pequenos que fssem os esfor-
os, uma vez que se tornassem gerais, ste valioso







52

artigo podia avultar no mercado, no s para suprir
todo o consumo interno, mas tambm chegar para
a exportao. Cumpre, pois, a todos os chefes, ani-
mar, instar, e dar o exemplo, para que o arroz chegue
a ser em Angola de um cultivo usual, como a man-
dioca, o feijo e o milho.


Que flagrante actualidade a dste admirvel ofcio,
no obstante ter crca de um sculo de existncia !

Ainda no tinha decorrido um ms e novo ofcio era
dirigido ao major Isidro Jos Fragoso, em 13 de Julho,
agradecendo a oferta de quarenta arrobas de arroz para
consumo da Estao Naval, em servio na costa de Angola.
O Chefe da Colnia dirigia novos incitamentos cultural
dste cereal significando que muito estimar que v. sr.a
empregue esforos reais, profcuos e perduraveis para que
por sses Sertes se cultive o arroz em grande escala-como
muito possivel e conducente para a prosperidade desta Colnia.

Em 1849, a questo de novo agitada. Desta vez fra
o comandante do presdio de Cambambe que comunicara
ao Governador ter colhida em caixa, e bem acondicionada,
a primeira sementeira de arroz da Fazenda Camongoa a qual,
produziu 300 arrobas em gro descascado esperando que
dos filhos da palha do mesmo arroz vir a ter outra colheita
que mno ser muito inferior em nmero de arrobas.

E, em ofcio de 2 de Abril do mesmo ano, o Governador
manifestava ter-lhe sido muito satisfatria a leitura do seu
oficio pelos bons resultados que vai produzindo a sobredita
Fazenda, que sem dvida prosperar se v. sr.a vigiar, como
at aqui por ste interessante ramo de agriculture, para seu
crdito e reputao.

E depois disto?

Passam-se muitos anos sem que de novo se agitasse
a campanha do arroz, todavia, a estatstica de 1857 acusa
a importao, s pela Alfndega de Luanda, de 6:709
arrbas e, a de 1858, nada menos de 14:343, o que nos leva
a crer que de nada valeram os conselhos do Governador
Geral.










Em 1925 deparamos com o incio da exportao do,
arroz.
Vejamos o que nos citam as estatsticas:

Ano de 1925 72 Toneladas
1926 201
S 1927 244
1928 . 140
S 1929 . 376
1930 . 660 i
1931 . 332
1932 814
1933 . 540
I934 . I1.082
1935 . 434
1936 1.038
1937 2.166
> 1938 I.68I
1939 1.440
1940 . 1.33
1941 . 2.092
1942 3.163


No ltimo ano de paz a exportao de arroz atingiu,,
aproximadamente, o dbro da de 1934 e, em 1942, triplicou
em relao quele ano. A exportao do ano de 1931 acusa
um decrescimento que se justifica no facto de se aplicar
Colnia a poltica de se bastar a si prpria. Em 1932,
o Diploma Legislativo n.o 365, de 28 de Julho, isentou de
direitos os maquinismos importados para o descasque,
polimento e limpeza de arroz.

bom notar que emquanto em 1927 se importaram,
em Angola, 543:352 quilos de arroz, em 1938 a importao
limitou-se a 68:540 quilos.
Intensificar a produo dste cereal seria de grande
alcance para a Colnia. Mas, aumentar s a produo,
no basta. Torna-se necessrio embaratecer o custo dos
transportes de forma a baixar-se-lhe o preo nos mercados
consumidores longnquos dos locais de produo.
Os centros de produo e de embarque esto separados
por longos quilmetros de distncia a percorrer, o que
onera, extraordinriamente, o produto. O estudo do emba-
ratecimento dos transported impe-se de forma a que,
diminuindo o seu preo, le possa concorrer a todos os
mercados.







54


BATATA

A Colnia est em condies de se bastar a si prpria
dste tubrculo e at de o exportar, sendo necessrio, para
isso, reduzir as despesas da sua cultural e, bem assim, as
dos transportes que os sobrecarregam, de forma a que possa
concorrer aos mercados estrangeiros vizinhos.

Em 1858, os moradores de Mossmedes, por virtude
da grande produo de batata que, em 1856, fra de 5:405
arrbas e, em 1857, de 11:268 arrbas, bem como de outros
produtos agrcolas, fizeram uma representao ao Govrno
na qual solicitavam benefcios de forma a impedirem
dificuldades respective exportao.

As suas pretenes no deixaram de ser atendidas.

A Portaria n.O 112, de 6 de Setembro daquele ano,
isentava de direitos a batata comum e a doce ou car, as
abboras, bananas, ananses e outros frutos semelhantes
bem como os legumes frescos e hortalias exportadas
daquela cidade.
Era de supor que 69 anos depois, isto em 1927, quando
j se estudavam novas pautas aduaneiras para a Colnia,
no se importassem batatas em Angola. Tal no sucedia
pois que naquele ano a importao foi de 29:211 quilos,
dos quais 7:055 da Colnia vizinha do Congo Belga!

No curto espao de 11 anos, ou seja em 1938, que, em
geral, como j dissemos, o ano limited tomado para ponto
de referncia, por ser o ltimo de comrcio regular antes
do conflito mundial, a importao baixou para 5:350
quilos, ou seja para pouco mais da quinta parte, dos quais
apenas so 90 quilos originrios do Congo Belga.

No deixa, porm, de ser interessante a exportao
no ano de 1927, a qual foi de 273:011 quilos, muito supe-
rior importao havida no mesmo ano. Para o Congo
Belga forneceram-se 112:114 quilos ; para o Congo Fran-
cs 9:465 quilos ; para consumo de navios 84:758 quilos,
sendo o restante da exportao para as Colnias portu-
guesas.
Em 1938 a exportao diminuiu sensivelmente em rela-
o a 1927, visto s se terem exportado 69:317 quilos,







55


dos quais 17:705 quilos para o' Congo Belga ; 800 quilos
para a Africa Equatorial Francesa ; 41:325 quilos para
consumo de navios e 9:487 quilos para S. Tom.

Em 16 anos perdemos qusi todo o mercado das Col-
nias portuguesas. Em compensao importou-se muito
menos batata, donde se conclue que a Colnia passou,
qusi exclusivamente, a abastecer-se com os prprios
recursos, no tendo recorrido ao exterior nem dispensado
a sua produo para abastecimento de outros pases.

Isto demonstra-nos que o consumo de Angola est
garantido com os meios de que dispe.

de supor que dentro em breve a produo exceda,
em muito, as necessidades da Colnia e, ento, novos
mercados se tero de procurar, como expusemos de como,
atendendo s exportaes realizadas nos trs anos abaixo
mencionados:


Ano de 1940 . 122 Toneladas
1941 . 147
1942 183


BAUNILHA

A cultural da baunilha foi tentada, com xito favorvel,
pelo agricultor Eduardo Ayala dos Prazeres, no concelho
de Novo Redondo, em 1881.

Em circular de 1 de Julho, do mesmo ano, o Governador
Geral chamava a ateno dos governadores dos distritos
e chefes do concelho da Provncia, para as instrues da
cultural desta especiaria, publicadas no Boletim Oficial da
Colnia e transcritas do da Provncia de S. Tom.

Segundo o Dr. Wewitsch, a baunilha poderia ser culti-
vada, sem dificuldade, escolhendo-se lugares prprios no
Cazengo, Golungo-Alto e, provvelmente, no Libolo, bem
como nas margens do Bengo e Dande.
Depois daquela data, que ns saibamos, a sua cultural
no mereceu mais as atenes dos agricultores.







56

BORRACHA

Lenda ou no, isso pouco importa, merece que neste
lugar seja feita uma transcrio, muito curiosa, do Boletim
-Oficial da Provncia de Angola, n. 4, do ano de 1893.
Ei-la :

H pouco mais ou menos oito anos a esta parte
que a borracha apareceu no Menongue, tendo a
novidade sido ali trazida pelos quibocos, que, por
seu turno, a receberam do soba Gongo, dos Lucha-
zes. Segundo reza a tradio, foram umas mulheres
desta tribo que passeando nas matas, primeiro
deram f da nova plant. Por curiosidade lhe pisa-
ram as razes, e, notando-lhe qualquer coisa de
normal, levaram ao conhecimento do soba a sua
descoberta o qual, j sabedor que em terras lon-
gnquas existia aquele vegetal, resolve fazer mono-
plio, escondendo a provenincia e modo de extrac-
o, ainda que desconhecesse o seu valor e a procura
que mais tarde havia de ter, receioso, sem dvida,
de perder lucros futuros ou que da descoberta lhe
adviesse terra qualquer mal estranho.
Parece, porm, que, por concesses especiais, os
luchazes no tiveram dvida em repartir com os
quibocos os segredos que possuiam.
Assim se conservaram as coisas at que a ida
ao Menongue de um funante branco, cujo nome se-
ignora, foi, pode-se dizer que o seu como de pros-
peridades pois j ento o mercadores aceitavam
a borracha e aqule funante por ela preguntava
com insistncia. A le vieram os quibocos permutar,
ficando ento os menongues assaz admirados do
valor que tal produto tinha.
O conhecimento dste negcio era alguma coisa
mas em nada lhes mudava a situao, quando uma
feliz circunstncia veio mudar a face das coisas.
Devido a uma calamidade qualquer, estranha sem
dvida, natureza, os quibocos acharam-se despro-
vidos de mantimentos e destinados, talvez, a emi-
grarem, o que lhes era muito penoso, por terem de
abandonar o seu requssimo solo, encontrando-se
os menongues, por feliz acaso, com os celeiros atu-
lhados.







57


Foi ento que ao soba dstes, ainda sculo nas
margens o Cube, surgiu a lumidosa idia da pro-
posta de cedncia de mantimentos qules, com
a condio de lhes ser confiado o segrdo da plant
e maneira de extrair a borracha. Aceito alegre-
mente o contrato de parte a parte, ficou desde logo
o Menongue senhor de grande tratos de terreno,
e, coincidindo esta poca com a da sua elevao
a ste sobado dia a dia le viu quo proveitoso lhe
tinha sido o ter cultivado em grande escala.


No de admirar que o soba Gongo, dos Luchazes,
j tivesse conhecimento da existncia, em terras longn-
quas, da borracha, pois, em 1864, o Governador Pedro
Alexandrino da Cunha conseguiu amostras dela, ao tempo
conhecida entire os indgenas de Ambaca pelo nome de
,,',,'*". .., as quais foram entregues a um negociante de
Luanda para as mandar examiner nos Estados Unidos
da Amrica do Norte.

Por virtude disso foi publicada a portaria ministerial
de 9 de Outubro de 1854, a qual autorizava a Junta de
Fazenda da Provncia de Angola a comprar, durante um
ou dois anos, nos sertes da Provncia, a poro de goma
elstica ou borracha, que abundava nos distritos de Ambaca,.
Cassange e Songo, e que os nativos extraiam de arbustos
ou rvores, para os tocadores de marimbas fazerem as
vaquetas com que tocavam.
Passaram-se longos anos sbre as pouco bem sucedidas
providncias do Governador Pedro Alexandrino da Cunha
at que, em 1867, comeou a exportao dste produto
a fazer-se pelos portos situados ao Norte do rio Loge.
Em 1869, Luanda tambm export, mas em pequena
quantidade, porm, em 1870, j saem crca de 15 toneladas.
A produo passa, ento, a aumentar num ritmo
acelerado. Em 1880 a borracha ocupa o quinto lugar na
exportao de Angola, atingindo o mximo nos anos de
1898 e 1899.
Em 1888, Luanda conserve o primeiro lugar na expor-
tao dste produto, perdendo-o, a partir dste ano, a
favor de Benguela. Entretanto, a borracha, em 1896,
alcana o primeiro lugar dentre todos os produtos de
exportao angolana.







58


Em 1900, principia a perder a situao conquistada;
em 1910, casualmente, a sua posio, psto que inferior
em quilos quantidade exportada em 1899, atinge, em
valor, a cifra de 6:207.826 000 ris, merc da elevada
cotao que, at quela data, jamais havia sido registada,
mas, em 1913, j no boa, seguindo-se, da por diante
uma descida acentuada.
Por outro lado o volume da exportao de borracha,
pelos portos do Congo, desde 1888 a 1892, -nos dada por
ste quadro:

Ano de 1888 472 Toneladas
1889 l >
1890 725 >
1891 780
1892 616


Em 1889, Luanda exportava 283 toneladas e, em 1891,
Benguela exportava 953 toneladas.
Em 1927, a exportao da Colnia foi de 116 toneladas
e, em 1928, foi apenas de 52 toneladas.
Melhor nos elucida, ainda, o quadro referente aos anos
que decorrem desde 1892 a 1915 e que transcrevemos a
seguir :

Ano de 1892 2.046 Toneladas
1893 2.579
1894 1 .850
1895 2.1o6
189 2.288
1897 2.810
1898 3.378
1899 3.380
1900 .996
1901 2.295
1go2 163
1903 2.775
1904 2.555
1905 2.155
1906 2.003
1907 2.377
S 1908 2 573
1909 2.897
1910 3.283
> I9II 2.538
1912 2.737
1913 2.oo2
> 1914 i 6. 5
D 1915 2.078









Ora a quantidade principal exportada consistia em
borracha chamada das ervas, de colheita e preparao
indgena proveniente dos arbustos conhecidos pelos nomes
de wvivungo> e otalampa.
A qualidade dste produtos era m, devido umidade
e impurezas que continham.
As plantaes de rvores de borracha no Ceilo, Brasil
Java, Malaca, etc., deram lugar a que nos mercados estran-
geiros aparecesse borracha mais pura e melhor cuidada que
a oriunda de Angola, fazendo com que esta perdesse a posi-
o que tinha e at fsse escorraada, por no obter cotao.

Tentou-se melhorar o sistema de aproveitamento das
plants borrachferas, todavia o solo da Provncia no era
favorvel aos respectivos esforos empregados pois que
alm dos arbustos a que atrs nos referimos, as trepadeiras
Sandolfia florida e Landolfia owariensis, no s eram
pouco abundantes como produziam apenas uma massa
pegajosa de pouca cotao.
Fizeram-se esforos para que os indgenas apresentas-
sem venda borracha bem limpa, sem terra, sem impurezas
e at sem pedras, o que costumavam usar para lhe aumen-
tarem o pso.

Foi tempo perdido.

Tentaram-se, ento, plantaes de rvores de borracha,
preferveis s trepadeiras e que levam menos tempo a
produzir.
O resultado no foi melhor.
A crise da borracha causara tanta runa e criara tanto
desnimo que o seu ressurgimento a ningum tentava.
Dissiparam-se fortunes enormes em desregramentos
loucos que causaram chagas profundas. Os anos s muito
lentamente as tm cicatrizado.
de supor, todavia, que o desnimo seja vencido.
Ultimamente, a extraco das heveas, nmanihots,
cartilas e ficus, na Estao Agrcola do Cazengo, tm
servido de adestramento nos processes de sangria, coagu-
lao e preparao de mantas e a verdade que do inte-
rsse que a borracha tem merecido muito h a esperar.
Grande quantidade de plants de heveas tm sido
distribudas com o fim de se aumentar a cultura das que-
melhor possam produzir.







60


Assim, de prever que, num future bem prximo, a
borracha reconquiste o lugar brilhante que ocupou na
exportao de Angola, no obstante serem bem pouco
animadoras as quantidades exportadas nos anos que vo
de 1928 a 1942, e que aqui reproduzimos :


Ano de 1928 o Toneladas
1929 13
1930 5
1931 5
> 1932 o
1933 o
1934 .o
1935 o
1936 123
1937 307
. 1938 52
1939 50
1940 71
1941 151
1942 II6


CACAU

Joaquim Rodrigues Graa, em 1863, enviou ao Gover-
nador Geral 3 vagens de cacau, fruto da cultural a que pro-
cedera na fazenda de Monte-Alegre, no Golungo-Alto.
Em 2 de Maro de 1864, o mesmo agricultor ofertava
mais 12 vagens, para serem remetidas ao Govrno da
Nao.
No ofcio que as acompanhava dava notcia de que,
em Junho de 1863, havia transplantado 309 ps, os quais
cobriu com ramos de palmeira e regava de 4 em 4 dias.
Em Novembro, do mesmo ano, o nmero de cacaueiros
transplantados fora de 1:000.
Grandes esperanas mostrava nesta cultural, pois que,
no seu viveiro, segundo nos descreve, germinavam muito
bem nada menos de 3:400 sementes.
O que certo que a cultural do cacau parece no ter
merecido grande ateno dos agricultores de Angola, ou
ter sido pouco feliz, visto que a sua exportao foi sempre
bastantes limitada.
Exportaram-se, por Luanda, em 1857, 1:876 arrbas,
porm, a estatstica referente a 1858 no acusa qualquer
exportao.







61


A sua cultural parece que tem probabilidades de um
regular desenvolvimento no Enclave de Cabinda, sobretudo
no Maiombe.

No Amboim e no Golungo-Alto tambm tem sido ten-
tada, porm, sem resultados apreciveis.

No ano que antecedeu as pauutas de 1928, Angola
exportou 351 toneladas pelas estncias aduaneiras da
Intendncia de Cabinda. Nos ltimos quinze anos nada
progrediu a cultural do cacaueiro, como se v dos nmeros
que se seguem, referentes sua exportao:


Ano de 1928 165 Toneladas
1929 374
> 1930 334
1931 242
1932 281
1933 208
> 1934 263
1935 237
1936 428
1937 193
> 1938 355
1939 323
1940 269
1941 151
1942 195 >



CAF

O caf constitute exportao de Angola h uns
100 anos, embora em princpio se fizesse em modest
escala (tonelada e meia). Aumentou mais tarde
por forma tal que em 1895 se exportavam mais
de oito mil toneladas, no valor de 2:700 contos de
ento. Houve depois abaixamento, em quantidade
e cotao, e em 1808, por exemplo, exportaram-se
cinco mil toneladas, no valor de 380 contos, repre-
sentando, todavia, assim mesmo, a exportao de
maior valor, em seguida borracha, cuja expor-
tao, nesse ano, foi de 2:400 contos. (Angola-
Projecto de Fomento-Por Henrique de Paiva
Couceiro, pags 117-Edio de 1931).







62


Nos Dados Estatsticos para o Estudo das Pautas de
Angola, por Joo Mesquita, lemos a pgs. 13 :

Cresce o comrcio do caf, por Luanda e Ambriz,
que por muitos anos vai constituir a principal
riqueza commercial da provncia ; em 1867 ocupava
o segundo lugar no valor da exportao e depois
de 1871 toma o primeiro, que mantm por muitos
anos, avultando o seu comrcio de 1883 por diante;
depois de 1895 cede o primeiro lugar borracha,
mantendo da por diante o segundo lugar.

O Ministro da Marinha e Ultramar no seu relatrio
referente ao ano de 1863 e exportao do caf de Angola
esclarece:

A exportao do caf foi muito superior a 96:000
quilogramas.

Em 5 de Maro de 1864, por virtude do agradecimento
de uns colonos, ao chefe dos Dembos, por os ter guiado
na cultural do caf, dles ignorada, comunicou-se, para
conhecimento de outros agricultores, que aqueles que
quisessem aprender o dito cultivo e nada saibo dele,
teriam ocasio de aproveitar tda a publicidade, que na
imprensa se ia fazer, do que lhes fsse til conhecer.
O Governador do Golungo-Alto, em relatrio de 26
de Julho de 1864, esclarece-nos que, em Cassange, a
colheita do caf foi o dbro da do anterior e que em vista
de tam reconhecida vantagem vo as plantaes dste ramo
generalizando-se tanto quanto se deseja e se tem recomendado.
Em 13 de Outubro de 1864, o administrator da Alfn-
dega de Luanda publicou um artigo de que se transcreve
a seguinte passage:

A falta de uma estatstica dos gneros coloniais.
em quantidades e valores no me permit entrar
em comparaes definitivas, mas parece-me que
pessoa alguma poder contestar o progress havido
na agriculture do caf, principalmente no Cazengo
e Golungo-Alto, de cujos pontos pessoas competentes
asseveram que a produo da prxima colheita no
ser menos de 40:000 arrbas. Pouco , mas, em
relao ao passado, avultada quantidade.







63

Em relatrio do director das Obras Pblicas, publicado
no Boletim Oficial, n.o 50, de 1868, deparamos com o
seguinte:

A fertilidade dste concelho prodigiosa, para
demonstr-lo basta dizer que se podem fazer em
dois anos cinco colheitas de cereais ; mas a prin-
cipal produo de Cazengo o caf, tendo sido de
40:000 arrbas a exportao dste ano.

E, expraiando-se continue, exalando o nome de um
agricultor dos tempos idos, assim:

Existem neste concelho, como v. exca. sabe,
grande proprietrios, dos quais no tive ocasio de
visitar seno o comendador Albino Jos Soares da
Costa Magalhes em cuja casa fui recebido de um
modo que verdadeiramente me penhorou. Vi a pro-
priedade dste cavalheiro intitulada Colnia proto-
tipo certamente uma das mais importantes fazendas
da provncia, graas aos laboriosos esforos e aturada
perseverana do sr. Albino que ali se acha h doze
anos, tendo completamente criado tal fazenda, que
era mato inculto, que ste senhor transformou em
tam extensa e bela propriedade, tendo para isso
de lutar com inumerveis dificuldades, que nesta
provncia, como bem sabido, s se superam,
muito especialmente naquela poca, custa de mil
trabalhos e fadigas diante das quais o gnio empre-
endedor do sr. Albino jamais desanimou. Rende tal
propriedade j hoje perto de 10:000 arrbas de
caf e estou bem certo que em breve atingir a muito
maior desenvolvimento porque presenciei a grande
fra de vontade e abnegao, at em desprzo da
sade, com que o sr. Albino ainda persevera em
elevar a uma propriedade modlo a sua Colnia
prototipo onde j se admiram uma excelente e
cmoda habitao, belos pomares e magnficas
estradas que atravessam tda a fazenda.

No resistimos a esta longa transcrio porque simbo-
liza um hino de louvor aos pioneiros da cultural do caf,
representados, h crca de 80 anos, pelo comendador
Albino da Costa Magalhis.







64

Para que possamos admirar a important produo da
Colnia prototipo basta que nos reportemos um pouco
atrs, confrontando-a com as respectivas exportaes.
Em 1857, exportaram-se, pelo prto de Luanda, 5:216
arrbas de caf; em 1858, exportaram-se 4:981 arrbas;
em 1859, a exportao foi de 9:959 arrbas. Neste ltimo
ano, pelo prto do Ambriz, exportaram-se 207 arrbas.
No deixa de ser curioso lembrar aqui que os roceiros
do Amboim, ao falarem das suas colheitas, ainda hoje as
mencionam em arrbas.

Passaram-se anos.
Em 1888, a exportao foi de 5:618 toneladas, das quais,
s alfndegas do Sul do Loge, cabiam 5:359 e s do Congo
259; nos anos seguintes vai aumentando sucessivamente
at que, em 1895, atinge 11:066 toneladas, cabendo 9:354
s afndegas do Sul e 1:532 s do Congo. Da em diante
decresce a exportao at que em 1907 era smente de
4:012 toneladas, das quais 3:897 exportadas do Sul e 115
do Congo.
Em 1910, sobe para 6:140 toneladas, mostrando-se
neste ano uma important baixa na exportao do Congo,
que foi apenas de 84 toneladas.
Dez anos depois nenhuns progresses acusava a cultural
do caf pois que, em 1920, exportaram-se, pelas alfndegas
do Sul do Loge, 3:524 toneladas. A partir dste ano assen-
tua-se uma melhoria. O quadro seguinte bastante eluci-
dativo:


Ano de 1926 .9:343 Toneladas
> 1927 10:04
a 1928 9:826
1929 8:816
1930 11:839
1931 1:381
1932 9:477 "
1933 11:998
1934 11:721
1935 10:277
1936 9:553
1937 16:423
1938 16:637
> 1939 17:605
> 1940 :o66
1941 14:176
1942 18:966









exportao de caf em gro escolhido temos de acres-
centar a de caf sem escolha, que foi como se segue


Ano de 1933 2. Toneladas
> 1934 313
> > 1935 1:3 2
> 193 0 2:360
1937 2:341
> 1938 2:309
) 1939. 3:126
S 1940 4:707
a 1941 8
1942 554


Diversas providncias se tomaram para que o caf
de Angola se acreditasse nos mercados externos, e, dentre
elas, destacam-se o Decreto n. 771,-de 19 de Agsto de
1914, que s permitia a exportao de caf limpo e expur-
gado de impurezas, e a Portaria n.o 126, de 27 de Junho
de 1922, que proibiu a exportao de caf sujo.
Em 1928, o Diploma Legislativo n.o 733, de 21 de Maro,
aprovava a organizao provisria da Estao Experi-
mental do Caf.

Na Colnia, as plantaes de caf encontram-se situa-
das em meios prprios para a sua explorao econmica,
como sejam as zonas fitogrficas das florestas pluviosas
do Maiombe, Golungo, Cazengo, Libolo, Amboim e Seles.
O cafezeiro, para que bem se possa desenvolver, precise
de terrenos ricos de humus, temperature, sem grande
variaes, umidade e abrigo contra os ventos.

Isto tudo encontra nas regies citadas.

O caf indgena, conhecido pelo nome de robusta,
devido sua pujana, resistncia, longevidade c produo
pertence variedade W\Velwitschii> e compreende qusi
tdas as cultural de Angola. Nas regies planlticas tenta-se
a cultural do caf arbica. Parece que as tentativas, da
cultural dste tipo, no tm sido felizes, o que se atribue
falta de resguardos contra os ventos, aos rpidos esgota-
mentos dos terrenos e, ainda, aos efeitos das geadas.
Esfora-se a Junta de Exportao do Caf Colonial no
s por aumentar a produo como por melhorar a sua







66

qualidade. Com sses intuitos esto a ser restabelecidas as
Brigadas Cefecula do Uije, cuja aco se exerce nos secto-
res de Uje, N'Gage, Sogo e Bembe; Cafecula de Encoge,
com os sectors de Nambuangongo, Dange e Quitexe-
-Quiculungo, Caculo-Cabaa e Samba-Caj-Quibaxe-
Pango-Aluqum e Bula Atumba c Cafecula do Cazengo,
no sector Golungo-Alto, Quilombo e Gomguembo.

Cabe Repartio Central dos Servios de Agricultura,
por intermdio da Estao Agrcola do Cazengo, a orienta-
o tcnica das Brigadas.

Tem sido important a aco da Companhia Agrcola
de Angola, a que se encontra ligada a Companhia Agrcola
do Cazengo.
Compreende uma grande organizao que molda a sua
actividade nos mais modernos princpios da explorao
cafecula, com assistncia tcnica especializada e organi-
zao modelar, o que lhe d jus a ocupar posio de des-
taque dentre as actividades agrcolas da Colnia.
A situao do caf, porm, no das mais desafogadas;
para nos certificarmos disto vejamos parte da acta da
Sesso do Conselho do Govrno de Angola, de 27 e 29 de
Fevereiro e 2 de Maro de 1936, que ainda tem flagrante
actualidade e que transcrevemos :


Por largo tempo considerado gnero rico (o caf),
at h pouco constituindo uma cultural regularmente
remuneradora, hoje deve enfileirar na classes dos
produtos pobres, tanto desceu a sua cotao por
causes que me abstenho de apontar por serem de
todas conhecidas.


O pessimismo talvez fsse demasiado.

Angola no pode deixar, por emquanto, de considerar
a cultural do caf como sendo uma das suas principals
fontes de riqueza e, tal como dizia o antigo e malogrado
chefe dos Servios de Agricultura e Comrcio, Colonizao
e Florestas, engenheiro Jos Bento Alves, ns diremos :-
preciso produzir muito e cada vez melhor para vender
barato.







67


CEBOLAS

Em 1924, importaram-se, em Angola, 130 toneladas de
cebolas ; em 1927, a importao foi de 155 toneladas
e, em 1938, de 173 toneladas.
Em 1924 exportou-se uma tonelada de cebolas; em
1927, a exportao foi de 3 toneladas e, em 1938, de 5
toneladas.
H, pois, um grande desiquilibrio entire a importao
e a exportao, no obstante a sua cultural se praticar
desde longa data, visto que em 1857 se exportaram, pela
Alfndega de Mossmedes, 3:400 cebolas.
A importao faz-se qusi exclusivamente da ilha da
Madeira e a exportao efectua-se para S. Tom, Congo
Belga e consumo de navios.
Nada justifica que a Colnia no produza o bastante,
pelo menos, para o seu abastecimento, uma vez que ste
produto se desenvolve com tda a facilidade, em Angola.


CENTEIO

Desde h muitos anos que se cultiva no Lubango e
na Chibia.
A Junta de Exportao dos Cereais das Colnias
esfora-se por aumentar a sua produo, no intuito de
melhorar as condies de vida a muitos colonos do planalto
da Hula. Entretanto no descabido transcrever aqui o
que Juri Semjonow nos diz no seu admirvel trabalho
Os Tesouros da Terra :

O centeio mais sedentrio do que o trigo.
Grande amoroso do velho continent, pouco lhe
interessam as colnias do ultramar.


COLAS, GOMAS E RESINAS

grande o nmero de variedades existentes na Colnia.

Vejamos algumas delas:-O copal-encontra-se
em Angola (j Welwitsch o dizia) exclusivamente
na zona baixa litoral, de larguras variveis, que vai







68


do Zaire ao Cunene, em regies de aspect rido,
ordinriamente. Nunca aparece acima de um certo
limited de altitude.



Elemi-exuda do tronco de uma rvore (Canarium
edule)que os indgenas chamam mubafo. Existe,
segundo Welwitsch, em Golungo, Cazengo e outros
lugares.



Resina vermelha da rvore Mutune-Haronga
madagascarensis), tambm do Golungo.



Kino ou sangue de drago-resina cr de sangue,
com aplicaes farmacuticas, que exuda do tronco
de N'Gila Sonde ou Mutete (Pterecarpus erinaceus),
rvore de Pungo-Andongo, Malange e Hula.



Resina de mubango-<(Croton Mubango), rvore
do Golungo-Alto, Ambaca, Pungo Andongo e
Malange.



Resina de alos-que se pode extrair das flhas
dos alos existentes no Cacuaco (perto de Luanda)
igual ao Alos socotrino (Socotor com amaro
aloe famosa, como cantam os . . E tambm existe na Chela.



Resina-ltex da Cassoneira-(Euphorbra Tinu-
calli) arbusto que vive no Ambriz, Luanda, Ben-
guela e Mossmedes. O produto conhece-se vulgar-
mente com o nome de






69



Goma amarela- que exuda do tronco da
Mugunda, (Symphonia alobulifera), pequena rvore
das matas do Golungo.


Goma-arbica-que exuda da Quibondo came-
nha,-Sterculia Tragacantha, grande rvore do
Gloungo.
Goma-arbica de N'Gungo (accia),-rvore
muito freqente em Malange.


Goma-arbica de accia Kirkii-que existe nos
planaltos, alm da Chela, e em vrios pontos pr-
ximos do Cunene e do Cubango, etc., e que pode
tambm obter-se de outras accias do Sul de Angola
(Accia etbaica da regio de Benguela e Accia
erubescens da regio da Chela).



Produtos de aspect semelhante guta-percha
-provenientes da Disaco (Sideroxilon), rvore
do Golungo e do Cafequesu (Mimusops), rvore
de Cazengo, Golungo e Dembos.



Noz de cola proveniente da coleira (cola
acuminata) ou riquesu dos indgenas, rvore
espontnea de Angola.

A noz de cola contm princpios semelhantes
aos do ch, caf e cacau e por isso tem valor comer-
cial no s como alimento mas pelas suas aplicaes
farmacuticas.

Tudo isto sbre colas, gomas e resinas foi transcrito
de Angola, de Henrique de Paiva Couceiro, o que nos leva
a crer que a colnia rica em produtos desta natureza, aten-
dendo autoridade e responsabilidade de quem o disse.






70

Consultando, ainda, os Anais do Municpio de
Benguela, referentes ao ano de 1860, deparamos com
passagens como estas :

A verdadeira riqueza de Benguela hoje o seu
comrcio e s-lo-ia tambm e mais do distrito a
agriculture, a que o solo tam maravilhosamente se
presta, se, animada pelo govrno, encontrasse por
ela uma ardente dedicao. A cera, a goma copal,
o marfim, o sal mineral, a urzela que lhe constituem
a principal exportao, tem sido fontes de proventos
realizados e no quimricas fortunes.



Ao Norte, nos modernos concelhos de Catum-
bela e Egito, importa Benguela a goma copal.


ste trmo importa, a que se referem os Anais, no
tem o significado que restritamente lhe cabe, mas sim o
de recebe daqueles concelhos.
Dentre os produtos citados, o mais important o da
goma copal, existindo o fssil e semi-fssil, que se encon-
tram enterrados a diferentes profundidades, em pontos
onde as rvores que os produziram j desapareceram.
O copal fssil de cr vermelha ; o semi-fssil, ama-
relo.

Existe, ainda, o copal fresco, que branco.

Joo Mesquita, nos seus Dados Estatsticos para o-
Estudo das Pautas de Angola, escreveu :


A goma copal, que ocupou um dos primeiros
lugares entire os artigos de exportao de 1844 por
diante, saindo por Benguela, Luanda e Ambriz,
em quantidades anuais superiores a 400 toneladas,
diminue considervelmente de 1866 em diante e
mais ainda depois de 1872, baixando no perodo
de 1889 a 1895 a nmeros pequenos, que sobem em
1896, mantendo-se da por diante na mdia de 165
toneladas ; Pelo Congo a exportao qusi nula.







71

Reportando-nos s estatsticas, vemos que em 1888
se exportaram 105 toneladas ; que em 1890, a exportao
foi de 44 toneladas ; em 1900 subiu a 253 toneladas para
descer, em 1905, a 107 toneladas, voltando a subir, em
1913, a 251 toneladas.

Em 1927 a exportao era ainda inferior, limitando-se
a 133 toneladas, e, em 1938, sob a rubrica e resinas figuram, como tendo sido exportadas, tam
smente 62 toneladas.

Almeida Arez, nas suas Consideraes, a que j nos
temos referido, diz-nos que a goma um artigo cuja expor-
tao comeou em pequenas quantidades em 1825, passando
a elevar-se de 1850 a 1859 a uma mdia que foi calculada
-em 900 toneladas.

Infelizmente v-se agora que as actividades econmicas
de Angola tm descurado a explorao desta fonte de
riqueza, o que bem nos demonstra o quadro relative
exportao nos ltimos dez anos, abaixo mencionado:



Ano de 1933 94 Toneladas
1934 II17
1935 84
1936 93
1937 39
1938 62
1939 51 D
19.4o 19
1941 7
1942 15 I >



ERVILHA

No tem merecido, por emquanto, especial cuidado a
cultural da ervilha. Em 1927, exportaram-se 15 toneladas,
baixando, em 1938, a exportao, para crca de uma tone-
lada.
A sua produo limita-se, tam smente, ao que baste
para abastecer a Colnia. Tal como sucede com o feijo
cultiva-se em todo o territrio de Angola.








72


FEIJO



H muitos anos que se cultiva em Angola. De um rela-
trio do Governador do distrito do Golungo Alto, datado
de 26 de Julho de 1864, consta que as colheitas, naquela
regio, foram boas, chegando para abastecer os povos do
distrito, que estiveram ameaados de fome.

A sua exportao tambm se faz de h muito. Em 1859,
exportaram-se pela Alfndega de Luanda, 182 cazunguis
(arrbas) ; seis anos mais tarde, as estatsticas, bastante
irregulares na poca, acusam-nos a exportao, em 1867,
de 398 arrbas pela Alfndega do Ambriz. Desde 1888
a 1904, que saibamos, no mencionam qualquer quantidade
exportada, porm, em 1905, do-nos 12 toneladas, as quais,
gradualmente, vo subindo at 1913, em que se exportam
551 toneladas.



Nos quinze anos que decorrem de 1928 a 1942, a expor-
tao foi a seguinte :


Ano de




s


>
,

> 1

1
1


1928
1929
1930
1931
1932
1933
1934
1935
1936
1937
1938
1939
1940
1941
1942


4:875
4:593
3:009
3:381
2:384
2:144
2:873
3:785
5:251
8:239
4:577
5:678
10:977
7:665
7:681


Toneladas









i>











Tudo nos leva a crer que a produo aumente ainda
mais num future bastante prximo e que os mercados
externos se abram sua colocao, sobretudo os das Colnias
portuguesas e mesmo os da Metrpole.







73


FRUTA


Em 1856, a variedade de rvores de fruto, no Sul de
Angola, no era grande, segundo se depreende dos do Municpio de Mossmedes, daquele ano, que apenas se
referem a limoeiros, laranjeiras, cajueiros, cajaseiros, goia-
beiras, romanzeiras e, de uma maneira particular, s figuei-
ras que davam frutos de um tamanho espantoso chegando
a haver uma com menos de quatro palmos de alura, e outros
tantos de circunferncia e menos de seis meses de idade,
carregada com mais de cem frutos.

Ora o Dr. Welwitsch dizia-nos que Angola tem capa-
cidades reconhecidas para a produo de frutas tropicais
e tambm de muitas da Europa.

De facto assim .

Existe na Colnia abundante variedade de bananeiras,
mangueiras, goiabeiras, figueiras, laranjeiras, pessegueiros,
limoeiros, tangerineiras, macieiras, pereiras, videiras e
muitas mais plants de fruto que do o anans, os moran-
gos, piteiras, abacates, safus, marmelos e outras que cit-las
seria fastidioso.

Tdas elas se desenvolvem admirvelmente bem, em
certas regies da Colnia, e so saborosssimas. A sua
produo suficiente para abastecer o mercado interno
e ainda chega para exportao, infelizmente o seu acondi-
cionamento defeituoso e as ms condies de transport,
no auxiliam nada a sua explorao commercial. A fruta,
a enviar para locais distantes dos respectivos pomares,
colhida, em geral, verde e acondicionada em gigos ou
caixas que, a maior parte das vezes, serviram ao trans-
porte de latas de gasoline ou de conservas de peixe.

No h seleco na qualidade, no tamanho do fruto,
nem, tam pouco, na sua arrumao, sendo amontoada
qusi ao acaso.
Disto result que a sua apresentao seja m, o que d
lugar a que se prefira a fruta da Metrpole e sobretudo
a da frica do Sul, que se vende bastante cara, no obs-
tante no ser melhor nem mais saborosa, mas sim por se







74

encontrar bem apresentada, bem acondicionada, colhida
no moment prprio de maturao para ser exportada
e chegar aos mercados de Angola em frigorficos, portanto
em magnficas condies de conservao.

As uvas de Angola no so nada inferiores s que se
importam. As laranjas, saborosssimas, poderiam ser
exportadas em grande quantidade e fcilmente conquis-
tariam os mercados a que concorressem. As mangas no
deixariam de ser apreciadas nos mercados do exterior,
atendendo s superiores qualidades que se desenvolvem
na Colnia. Emfim, sendo esta parcela do Imprio tam rica
em frutas, a sua explorao econmica est muito long
de ser mediocre.

Em 1927, exportamos 14:614 quilos, no valor de
Ags. 14.614,00, sendo 70 quilos para a Matrpole ; 200
para o Congo Belga e 14:344, para consumo de navios.
Em 1938, a exportao foi de 21:171 quilos, no valor de
Ags. 181.942,00, sendo 8:353 quilos para a Metrpole;
1:593, para o Congo Belga ; 2:532, para a frica Equatorial
Francesa e 8:693, para consumo de navios. Entretanto,
em 1927, importaram-se 73:979 quilos no valor de
Ags. 231.960,00, e em 1938 a importao foi de 116:641
quilos, no valor de Ags. 501.334,00.

A pomicultura em Angola merece ser cuidadosamente
estudada, porque se pode converter numa esplndida
fonte de receita para a Colnia.



GERGELIM

O gergelim pouca ateno tem merecido dos agricul-
tores de Angola. Em 1888, exportaram-se 3 toneladas
desta oleaginosa. Em 1905, a exportao foi de 76 toneladas.
Em 1920, 1921 e 1922 exportaram-se, pelos portos situados
ao Sul do rio Loge, respectivamente, 151 toneladas, 60
toneladas e 66 toneladas. Em 1927, subiu para 243 tone-
ladas.
Nos ltimos anos que decorrem de 1928 a 1942, a expor-
tao flutua indecisa, numa manifestao certa do pouco
intersse que a ela dedicam os agricultores.







75

Vejamos:

Ano de 1928 526 Toneladas
1929 795
1930 448
1931 320
1932 325
> 1933 395 '
1934 104
> 1935 320
> 1936 360 >
1937 794
> 1938 689
1939 981
1940o 731
1941 321
1942 I:301



GINGUBA

Em 1857 exportaram-se, pela Alfndega de Luanda,
'883 cazunguis de ginguba, tambm conhecida, em Angola,
pelo nome de amendoim, e, em 1858, a exportao foi de
6:759 cazunguis.
Isto mostra-nos que o seu aproveitamento econmico
data de h bastantes anos. Teve a sua poca feliz. Em 1867,
exportaram-se crca de 1:900 toneladas e, em 1869, a expor-
tao subiu a 8:300 toneladas. Devido concorrncia
senegalesa, a exportao comea a diminuir seguindo, de
perto, em quantidade, a exportao do gergelim.
Entretanto, pelo distrito do Congo, exportavam-se
271 toneladas, de ginguba, em 1888 ; 1:179 toneladas, em
1889; 442 toneladas, em 1890; 6 toneladas, em 1891
e 10 toneladas, em 1892.

Em 1920, 1921 e 1922, exceptuando a exportao feita
pelas estncias aduaneiras do Congo e da fronteira terrestre,
exportaram-se, pelas demais casas fiscais da Colnia,
respectivamente, 59:158 quilos, 74:116 quilos e 56:698
quilos. Em 1927, a exportao qusi acompanhou, em
quantidade, a do gergelim, sendo, na Colnia, de 277:942
quilos. Em 1938, deu-se o mesmo fenmeno, pois que se
exportaram 640:292 quilos. O mesmo no sucedeu com os
seus valores pois que sendo em 1927, o valor do gergelim
exportado, de Esc. 405.980$00 e o da ginguba de







76

Esc. 453.984$00, em 1938, o valor do gergelim foi de
Esc.857.042 $00 e o daginguba, apenas, deEsc. 554.082$00.
A quantidade de ginguba exportada, no perodo de
tempo que decorre de 1928 a 1942, foi a que os nmeros
abaixo nos citam:


Ano de 1928 295 Toneladas
> 1929 315
1930 261 2
1931 117
1932 8
1933 307
1934 6I
1935 157
> 1936 514 5
1937 627
1938 640
1939 599
1940 335
1941 230
1942 636




GRO DE BICO


O gro de bico enfileira ao lado de muitos outros gneros
considerados pobres. Em 1927, a Colnia importou 20
toneladas e exportou 10. Em 1938, a importao foi de
18 toneladas e a exportao de uma.

Segue-se que, tendo aumentado a populao europeia
em Angola, concluimos que a insignificant exportao
de 1938 foi devida ao abastecimento do mercado interno.



HORTALIA


Em 16 de Maio de 1870, o chefe do concelho de Caconda
escrevia ao Governador Geral dizendo-lhe que julgava os
terrenos, daquela regio, bons para tdas as plantaes,
dentre elas as hortalias.







77


O que certo que j anteriormente o Governador
Geral, em 4 de Agsto de 1858, dirigira a Antnio da Cunha
de Melo Cardoso o seguinte ofcio, que bem merece ser
transcrito :


Recebi a carta de v. sr.a de 29 do ms passado
acompanhando um caixote com quatro couves, da
variedade denominada couve-flor, as quais v. sr.a
enviou no intent de me fazer ver a curiosidade
da cultural da fazenda rural Equimina, e quanto
o terreno se presta s produes da Europa. Fiz
distribuir trs das ditas couves a diversas pessoas,
porque na verdade bem mereciam todo o apreo
e farei dar publicidade no boletim carta de v. sr.a,
porque entendo que so bons todos os meios de
animar o desenvolvimento da agricultural.



Quem diria que quatro couves-flor mereceriam, h
cerca de 90 anos, as honras de serem citadas no Boletim
Official de Angola !

Na poca actual a cultural das hortalias est desenvol-
vida de forma a satisfazer as maiores exigncias. Tal como
na Metrpole, em geral, nada falta nos mercados.



LINHO

No se tem exportado mas cultiva-se em Angola, o que
nos prova a exportao de sementes de linhaa. No
menos verdade que o seu desenvolvimento tem aumen-
tado e que a sua cultural vem de long, pois que, em ofcio
de 16 de Maio de 1870, o chefe do concelho de Caconda
informava o Governador Geral que a semente de linho
tambm produz bem. Em 1927, exportaram-se 2:544 quilos
de sementes de linhaa e, em 1938, a exportao subiu
para 12:110 quilos, descendo em 1939 para 10:480, no
nos acusando as estatsticas, a partir dste ano, qualquer
exportao.







78


MILHO

A cultural do milho muito antiga em Angola. Noutros
tempos limitava-se, tam smente, ao abastecimento do
mercado interno, constituindo a principal alimentao do
indgena, no obstante, em 1857, se terem exportado
3:179 cazunguis, pela Alfndega de Mossniedes, e 20
por Luanda, em 1859.
Deu-se a crise da borracha pelo que as vistas se volta-
ram para a explorao da aguardente, a qual cedeu o lugar
ao milho.
Em 1905, a exportao foi apenas de 110 toneladas.
Trs anos depois, isto em 1908, triplicava, pois atingiu
337 toneladas.
Cinco anos mais tarde subia s 2:117 toneladas. Os
nmeros abaixo indicados, referentes exportao, mos-
tram-nos suficientemente a importncia dste cereal, que
conquistou o primeiro lugar, em tonelagem, dentre os
produtos cultivados em Angola:

Ano de 1926 37:605 Toneladas
1927 67:034
1928 63:210
1929 53:956
1930 71:249
1931 55:335
1932 54:448
1933 90:967
1934 86:198
> 1935 46:I93
5 1936 115:136
1937 114:585
1938 128:745
1939 11o:926
1940 97:916
> 1941 1. I54:783 5
1942 124:155 i


Cultiva-se, em geral, nas regies planlticas. o prin-
cipal alimento da populao native, dessas regies e das do
litoral, fornece-lhes os recursos necessrios para o paga-
mento do imposto indgena e um dos mais importantes
elements de vida das actividades econmicas das regies
onde se cultiva, bem como dos caminhos de ferro e com-
panhias nacionais de navegao que tm as suas carreiras
organizadas para servir a Colnia.







79


Mal se pode imaginar as probabilidades que existem
de se aumentar a sua rpida produo, convertendo Angola
num celeiro importantssimo.

Desde 1913 que se tm promulgado importantes provi-
dncias legislativas e a Junta de Exportao dos Cereais
tem envidado os seus maiores esforos, no s pelo
desenvolvimento da sua cultural como para que se
seleccionem cuidadosamente as qualidades, acabando-se
com o milho mistura.

Em Liverpool existe o Instituto de Investigao Comer-
cial, relative aos trpicos. Esse Instituto. com os seus
conselhos prticos, deu lugar a que o milho de Lagos
conquistasse um nome altamente acreditado.
E de prever que se os agricultores de Angola, sem
exceptuarmos os indgenas, aceitarem e respeitarem as
instrues da Junta, conquistem, como os de Lagos, um
lugar de destaque pela apresentao do seu produto.

Para isso duas coisas so necessrias- cincia e
mtodo.

As sementes devem ser escolhidas com cuidado, as
seleces meticulosas e os tipos fixados de forma a poderem
ser acreditados.

Se isto se tiver em considerao, o bom produto ser
uma realidade que s redundar a bem da economic desta
grande e rica Colnia, que Angola.



PIMENTA


Nas matas do distrito do Congo colhida, pelos ind-
genas, de plants trepadeiras que abundam, parece, em
grande profuso. Os comerciantes de Angola, devido
escassez desta especiaria que s se importava da sia,
por motivo do conflito mundial, volveram para ela as suas
atenes e principiaram a export-la para a Metrpole.
E de supor que num future bem prximo, a sua explorao
se faa em condies apreciveis.







80

RFIA

A sua explorao, segundo parece, recent, todavia
prometedora no Congo, destacando-se em Sanza-Pombo
e no N'Gage. muito usada para o fabric de tecidos,
chamados mabelas, bastante empregados como embala-
gens, substituindo as sarapilheiras.

A exportao tem-se feito em pequena escala.

Na estatstica de 1927 figure, sob a rubrica Tecidos
de rfia a que corresponde a exportao, para a Metrpole,
de 10 quilos.

Em 1938, a exportao de rfia atinge maior volume,
sendo, no entanto, pouco important, pois que se limita
a 850 quilos.



RCINo

Marselha tornou-se um grande centro industrial de
sabes, estearinas e leos, por usar de preferncia, como
matria prima, os leos provenientes das plants tropicais
que, geralmente, so, em rendimento, superiores aos forne-
cidos pelas plants oleferas das regies temperadas.
No deixaria de ser interessante seguirmos o exemplo,
a fim de podermos dar sada s oleaginosas que abundam em
Angola.
As suas utilidades so inmeras. No falando j nos
sabes e estearinas, podem ser empregadas no fabric de
tintas, vernizes, lubrificaes e, ainda, para fins alimen-
tares, sob a forma de azeites, banhas e manteigas, bem como
para usos farmacuticos e de perfumarias.

No nos mostram as estatsticas antigas as exportaes
discriminadas por espcies, visto englobarem-nas tda
sob a rubrica sementes oleaginosas. Entretanto vemos
que, com excepo das estncias aduaneiras do distrito
do Congo e da fronteira terrestre, exportaram-se, em 1920,
1:393 toneladas de rcino; em 1921, 1:296 toneladas e,
em 1922, 1:155 toneladas e, ainda, em 1927, a exportao







81

foi de 1:262 toneladas no valor de 1:259 contos. Do con-
fronto verifica-se que as quantidades exportadas, naqueles
anos, pouco oscilaram. Em 1938, a exportao, que foi
a maior at ento observada, tinha subido para 5:507
-toneladas, com o valor de 4:143 contos.

Ao aumento da quantidade exportada em 1938, no
correspondeu, proporcionalmente, em relao a 1927, o do
valor.
A partir de 1938, a quantidade exportada diminue
como se v do quadro que a seguir transcrevemos


Ano de 1928 1:559 Toneladas
1929 1:309
1930 1:469
1931 853
1932 1:122
1933 885
1934 779
1935 4:318
1936 2:496
1937 4:028
1938 5:506
1939 4:175
1940 3:749
1941 : o8 :
1942 2:853


SISAL

A Colnia de Angola rica em plants txteis. Umas
so de desenvolvimento espontneo, outras de cultural.
Dentre elas, alm do algodo, do linho e da rfia, existem
o anans, a mafumeira, o rami, a matebeira, o cnhamo,
a urena lobata e muitos mais hibiscos, substitutes da juta.

Dentre todos o sisal mereceu, ultimamente, as honras
do maior aproveitamento, no obstante se ter verificado
que Angola tem condies para a explorao de todos les.

A iidustrializao do sisal, na Colnia, limita-se
desfibra, em fbricas que existem junto s fazendas agr-
colas, para ser exportado, exportao que se faz relativa-
mente h poucos anos. Entretanto j vem de long a expor-
tao de fibras diversas, pois que as estatsticas mostram-







82


nos que em 1888 se exportaram 493 toneladas ; dez anos
depois estava reduzida a 56 toneladas; em 1907, a 97
quilos e em 1908, a estatstica no acusa qualquer quan-
tidade exportada.
Crca de 1928, voltam-se, de novo, as atenes para o
sisal e vemos que, de ento por diante, a exportao
aumenta bastante, como nos prova o seguinte quadro:


Ano de 1928 62 Toneladas
1929 569
1930 422
1931 1:225
1932 1:418
1933 1:982
1934 3:860
1935 4:295
1936 4:907
1937 5:105
1938 6:521
1 939 5:771
1940 6:198
1941 3:127
1942 4:395


Alm destas quantidades foram mais exportadas as
seguintes, de desperdcios de sisal:

Ano de 1928 o Toneladas
1929 o
1930 o
1931 o
1932 o
1933 198
1934 398
1935 284
1936 6oi
1937 386
1938 993
1939 678
1940 6o8
1941 250
1942 67


Vrias providncias se tomaram no sentido de animar
o seu aumento e, dentre elas, destacam-se as do Diploma
Legislative n.o 388, de 14 de Setembro de 1932, que isentou
de direitos a exportao emquanto o sisal de 1.a qualidade







83

no atingisse, nos mercados de consumo, o valor de
18-0-0 por tonelada, sendo os direitos da pauta redu-
zidos 50 por cento, quando a cotao fsse de 18-0-0
at 20-0-0 e s estando sujeito ao pagamento integral,
quando superior a 20-0-0.
A esta outras se lhe seguiram visando tdas o mesmo fim.



SUMAMA

Existe em Angola a rvore conhecida pelo nome de
mafumeira, que produz sumama (capoque) a qual se
emprega em estofos, sendo muito procurada nos mercados
externos, por virtude de ser impermevel e prpria para
a confeco de cintos de salvao ou flutuadores.

Pouco se aproveita na Colnia, tendo os indgenas
bastante relutncia em colherem-na, com o pretexto de
lhes molestar a vista.
Existe em abundncia no Bengo, Cazengo e Golungo.



TABACO

J em 1855 a cultural do tabaco era recomendada pelo
Governador Geral em ofcio circular, de 25 de Setembro,
dirigido aos chefes de distrito e comandantes de presdios,
no qual chamava a ateno para as grandes vantagens
que poderiam resultar, para as provncias de Angola, da
,sua exportao.

Em 1856, com o intuito de animar a respective cultural,
foi publicado, no Boletim Oficial n.o 557 e n.o 558, de Maio,
cpia de um opsculo sbre a cultural e preparao do tabaco
na Virgnia, da autoria de Jordan Floyd, proprietrio no
condado de Dinwiddie daquele Estado, mandado imprimir,
em portugus, pelos caixas gerais da Companhia doTabaco,
Sabo e Plvora, do Reino.

O Governador do distrito de Icolo e Bengo enviou
algumas plants de tabaco, em 1856, ao Governador Geral.









Em 30 de Setembro do mesmo ano, foi acusado, pelo secre-
trio geral, o recebimento, destacando-se, do respective
ofcio, o seguinte perodo :

Sbre o propsito que v. sr.a manifesta, de se
dedicar muito cultural do tabaco, por haver reco-
nhecido que o terreno dos seus arimos, nesse distrito
de Icolo e Bengo, lhe grandemente favorvel,
s. exc.a no pode deixar de excitar a que nle se
conserve, tendo em vista segura extraco que h-de
ter tal produto, para as fbricas do reino-como
tem sido anunciado nos Boletins do Govrno, por
parte dos srs. caixas gerais do contrato do tabaco.

A portaria de 19 de Novembro de 1857, com o funda-
mento de que Angola importava uma grande poro de
tabaco fabricado, tanto em p como de fumo, e que, mos-
trando-se pelas amostras enviadas para Lisboa, do de pro-
duo da Colnia, que le era da melhor qualidade, deter-
minou que se promovesse a sua cultural e fabricao a fim
de se obter no s o que fsse necessrio para consumo da
provncia mas tambm para que houvesse mais um gnero
de exportao o que, com o tempo, poderia vir a ser da
maior importncia.
Com ofcio de 4 de Maio de 1858, o Governador Geral
mandou para Lisboa amostras de tabaco Chibeles, para ali
serem examinadas.
Em 19 de Agsto do mesmo ano, foi comunicado o
resultado do exame levado a efeito nas sete flhas enviadas,
que, por terem chegado scas, no se encontravam em
condies de se lhes conhecer a fragrncia e fra. Depois
de molhadas e de feitos charutos com elas, dos quais um
foi fumado e os restantes enviados ao Governador, notou-se
que a cr era muito desagradvel vista, parecendo-se
com o tabaco Virgnia, porm fumando bem mas fraco,
talvez devido ao estado de secura.

Assim deu a sua opinio Rodolfo Cambiasco.

Passados tempos o Governador recebeu pela barca
Novo Paquete um caixote com sementes, tipo Havana,
enviadas pelo Govrno da Metrpole em 26 de Julho do
mesmo ano, para serem distribudas, conforme fsse con-
veniente.







85

Fizeram-se novas tentativas. Mandaram-se mais amos-
tras de flhas para Lisboa.
Em 28 de Agsto de 1859, a Secretaria de Estado dos
Negcios da Marinha e Ultramar comunicava ao Gover-
nador Geral que tendo sido examinadas com todo o escr-
pulo as amostras, verificou-se que o tabaco era de muito
boa qualidade, maduro e perfeito, e como chegasse com
tda a frescura e fragrncia, que lhe era prpria, foi possvel
apreciar a sua bondade e vantagens.

Os Anais do Conselho Ultramarino, de 1858, citam
14 amostras enviadas do Golungo- Alto, Massangano,
Ambaca e Cazengo, as quais foram tdas classificadas
como de boa qualidade, pela Fbrica do Contrato do
Tabaco.

Durante largo tempo a respective cultural no se fez
dentro dos preceitos cientficos aconselhveis. No se
olhava s regras necessrias acrca das terras, lavras, dre-
nagens, adubaes, forma de colheita, tratamento da flha,
nem aos processes qumicos, o que era important visto
que provindo as suas qualidades da nicotine, de que
depend o aroma, necessrio se tornava considerar tambm
as substncias produzidas na fermentao.

Esta falta de cuidado teve o seu trmo.
Comeou-se a pensar em produzir em qualidade e preo
de forma a poder-se concorrer no s ao mercado metropo-
litano como ao estrangeiro.
O tabaco cultivado pelo gentio, que em regra o fuma,
masca ou vende para abastecimento das regies onde no
o h, de cr castanha ou escura, de flha pouco larga
e com nervura pronunciada, o que lhe dificulta a aplicao
industrial. O paladar forte e o aroma pronunciado e
desagradvel. Este tabaco no tem condies de ser
aplicado ao gsto e paladar dos europeus ou assimi-
lados.

H, no entanto, um tabaco de cultural indgena que
de melhor qualidade, aproveitado pela indstria angolana
e exportando-se parte para a Metrpole, conhecido pelo
Ambaca e que do tipo Havano.
Tem as flhas estreitas e pouco consistentes, mas o
paladar, aroma, combustibilidade e cinzas so bastante






86

razoveis ste o tabaco de maior cosumo, regulando,
a sua produo mdia annual, entire 400 e 500 tone-
ladas.
A crca de 50 quilmetros de Malange, na regio do
Zanga, cultiva-se uma variedade de tabaco, tipo Kentucky,
de cr escura, dimenses regulars, quer em comprimento
ou em largura, de paladar agradvel, bom aroma e conbus-
tibilidade e de cinzas razoveis.

A sua cultural, devida iniciativa do colono Manuel
Gaspar, feita por europeus ou indgenas por les
orientados, e a produo, que regulava por 40 toneladas
anuais, tem sido bastante aumentada. A sua cotao
regular pelo dbro da do Ambaca.

Entre Quilengues e Vila Arriaga, desde Quizanga ao
Lola, qusi exclusivamente cultivado por europeus, existed
outra variedade de tabaco, de cr clara, com flha de
comprimento e largura regulars, paladar razovel mas
spero, muito sco e com pouco aroma. A combustibilidade
e as cinzas so boas. A produo annual regular por 25 tone-
ladas.

o nico tipo de cr clara existente na Colnia, o que
d lugar a ser o mais valorizado de Angola
A influncia que a cultural do tabaco vir a ter na eco-
nomia da Colnia depreende-se dos seguintes resultados
ltimamente obtidos :

No trinio de 1936-1938, a mdia da importao na
Metrpole foi de 2:887 toneladas de tabaco em flha, no
valor de 23:000 contos, tendo qusi s Angola comparti-
cipado com 373 toneladas, no valor de 2:155 contos.

No trinio de 1939-1941, em plena guerra, a mdia da
importao passou para 3:068 toneladas, no valor de 31:991
contos, subindo a comparticipao das Colnias para 514
toneladas, no valor de 3:045 contos.

Foi principalmente, em 1941, que a importao do
tabaco de Angola concorreu para o aumento dessas mdias
pois que, nsse ano, forneceu 713 toneladas, no valor de
4:170 contos.







87


A exportao de tabaco em flha, nos anos de 1928
a 1942, foi a seguinte :

Ano de 1928 605 Toneladas
1929 640
> 1930 346
1931 442
1932 239
1933 485
1934 425
> 1935 509
1936 523
1937 481
1938 278
1939 559
1940 546
1941 865
1942 1:171 7



TRIGO

A sua cultural, em Angola, no modern. Os Anais
do Conselho Ultramarino citam a produo do trigo, na
estatstica de Mossmedes do ano de 1858. No entanto, em
1857, j le se exportava, como se v dos Anais do Muni-
cpio de Mossmedes referentes a sse ano, em que a expor-
tao figure com 4 cazunguis.

Em ofcio de 16 de Setembro de 1864, dirigido ao
Governador do distrito do Golungo-Alto, mandava o
Governador Geral de Angola louvar Antnio dos Santos
Marques Carneiro por lhe ter oferecido duas amostras de
trigo cultivado no stio de Calamuxito, em Malange, facto
ste que muito concorreria para a prosperidade desta
Provncia
A necessidade da cultural do trigo para abastecimento
da Colnia e at para exportao para a Metrpole, era
manifestamente reconhecida.

Para se intensificar a sua produo, publicou-se a
Portaria n.o 119, de 27 de Abril de 1920, que determinava
aos Governadores de Benguela e Hula, a promoverem, por
intermdio das respectivas autoridades, a sua cultural, de
preferncia nas circunscries civis da Ganda, Caconda,
Bailundo, Huambo, Bi, Andulo, Psto Humpata, Hula







88

e Lubango. Para isso os Governos deveriam adquirir
sementes de trigo national e estrangeiro, at 100 toneladas
para o distrito de Benguela e 10 para o da Hula, mais
12:000 enxadas gentlicas, sendo 10:000 para Benguela e
2:000 para a Hula, as quais deveriam ser distribudas
pelos indgenas, a trco do d.bro da semente fornecida
a cada indgena, por ocasio das colheitas.

As cultural tentaram-se debaixo de grandes hesitaes,
experimentando-se muitas variedades de sementes com o
fim de escolher as que melhor se adaptassem Colnia.
Faziam-se experincias para se determinar a melhor
poca das sementeiras. As dos tempos das chuvas estavam
ameaadas de ser atacadas pela ferrugem ; as que se fizes-
sem mais tarde, seriam prejudicadas pelas geadas ; as do
tempo sco requeriam irrigao.

Foram grande e so ainda as dificuldades para se
conseguir sementeiras vantajosas.
Pouco seguros so os ensinamentos do passado. As cam-
panhas, com previso assegurada, no se podem alicerar
ncjs resultados ento obtidos. Est ainda por fazer o reco-
nhecimento agronmico das zonas onde se pratica a sua
cultural. Muito h que lutar para se conseguir uma explo-
rao bastante compensadora e que permit, que o po
em Angola, seja menos caro, podendo entrar em casa de
todos-pobres e ricos.

Esfora-se, presentemente, a. Junta de Exportao dos
Cereais das Colnias, no s por aumentar a produo
do trigo como por melhorar a qualidade. Para isso tem
procedido preparao de sementes, tratando da sua 1 m-
peza, calibragem, desinfeco e desnaturao, alm da
abertura de valas para irrigao e preparao de terrenos.

Por seu turno, a Repartio Central dos Servios de
Agriculture tem efectuado ensaios de adaptao e compa-
rao de grande nmero de variedades de trigo e estabe-
lecido campos experimentais para a determinao das
densidades, process e data de sementeiras, adubao e
calagens, armao de terra, consociaes de cultural, etc.
Angola, hoje, s excepcionalmente importa trigo ou
farinha de trigo, tendo-se, desta forma, valorizado extraor-
dinriamente a sua economic








89


Os nmeros abaixo mostram-nos a sua importao,
durante alguns anos at 1938, ano em que foi condicionada:


Ano de 1923
1924
+
1927
+93
D 1938


2:491 Toneladas
S 2:339

3:066

* 3:193


A exportao -nos representada pelo seguinte quadro:


de 1924
1925
1920
a> 1927
1928
> 1929
1930
1931
1932
1933
1934
1935
1936
937
S1938
1939
1940
1941
1942


14
189
201
1:466
2:311
3:757
4:517
4:637
5:463
8:o86
3:354
7
o
730
2:197
834
5

o


Toneladas








CAPTULO II


Indstria


Aps ste ligeiro esbo sbre a evoluo da cultural
de alguns produtos que se desenvolvem em Angola ou
que so capazes de se desenvolver, resta-nos falar um pouco
do que se tem passado com a indstria, a qual, diga-se do
passage, est ainda na sua meninice. de supor, no
entanto, que dentro em breve enverede pelo caminho do
progress a que tem jus.
Que se pensa em vida nova, no nos restam dvidas
algumas, dando-nos a certeza disso as afirmaes que,
em fins de Junho de 1942, o ilustre Ministro das Colnias,







90

Dr. Vieira Machado fez, em Luanda, discursando numa
festa official, e que recorto dos jornais ento publicados:

Creio contudo que a iniciativa particular tem
explndida oportunidade para, sendo prestvel
colectividade, fundar emprsas novas.
Com efeito, em vez de multiplicarmos emprsas
comerciais, mais acertado e proveitoso seria a fun-
dao de emprsas industrials, que laborassem
matrias primas da Colnia e que nela tivessem
mercado assegurado.
Bem entendido, no devemos pensar s no dia
de hoje, mrmente neste particular. As indstrias
cuja fundao preconizo so aquelas que tenham
viabilidade em Angola nos tempos de paz e no
contrariem os princpios da unidade econmica
national. No desejo nesta matria oportunismos
perigosos, mas tambm entendo que no devemos
perder o concurso das circunstncias favorveis do
moment presented.


No deixaro, certamente, tam animadoras palavras,
de ser ponderadas por todos aqueles que podem canalizar
os seus capitals para Angola, fazendo-a ocupar, no mundo
industrial, o lugar que merece, bem como por uma maior
assistncia por parte dos industrials metropolitanos que
vivem descansadamente sombra de uma pauta rasgada-
mente proteccionista.

Pouco mais ou menos por essa ocasio, o Governador
Geral, comandante Freitas Morna, numa entrevista que
concede ao Didrio de Luanda, afirmou que se estava a
estudar com todo o intersse, o problema da energia elc-
trica com o intu'to de se procurar facilitar a instalao
de vrias indstrias nas Colnias.
Interrogado pelo entrevistador s6bre o que se lhe ofere-
cia dizer a propsito da instalao de indstrias txteis
em Angola, o primeiro magistrado da Colnia responded :

Penso que, mais tarde ou mais cedo, no deixa-
ro de vir instalar-se aqui pelo menos indstrias de
tecidos de algodo de consumo indgena, mas h
ainda muitos factors a considesar para o efeito.







91

E esclarece:

S seria de aconselhar a instalao em Angola
de tais fbricas por iniciativa dos prprios indus-
triais da Metrpole, desde que estes se constituissem
ali em sociedades e transferissem para aqui alguns
dos seus grupos industrials e os seus prprios
operrios, com suas famlias, que constituiriam aqui
novos elements colonizadores.
No duvido mesmo de que isso venha a fazer-se
por iniciativa dos industrials da Metrpole, desde
que tenhamos aqui fra hidro-elctrica em abun-
dncia, que permit o rpido funcionamento dessas
indstrias. Creio at que outras importantes inds-
trias surgiro atravs de Angola, logo que tenhamos
resolvido, como espero, o problema da energia
hidro-elctrica.


Estes dois ilustres homes pblicos fizeram declaraes
que muito bem calaram na alma daqueles que desejam
uma Angola maior, que maior torne, tambm, a grandeza
do Imprio e o prestgio da Nao.

O Ministro das Colnias ao preconizar a industriali-
zao, vivel em Angola, subordina-a unidade econmica
national.
O Governador Geral de Angola, ao tempo, era de opi-
nio que mais tarde ou mais cedo se viriam a instalar
fbricas de tecidos de algodo de consumo indgena.
No deixar de ser tarefa rdua e difcil conciliar os
intersses da indstria metropilitanos com as necessidades,
cada vez mais prementes, da vasta Colnia de Angola,
o que tudo deve ser considerado no s debaixo dos pontos
de vista tcnicos e econmicos mas tambm sob os aspec-
tos polticos e administrativos.

Pode-se dizer que as indstrias fabrics de Portugal
vivem, em grande parte, dos mercados das nossas
Colnias.
A proteco pautal deu-lhes alento e mantem-lhes, talvez, a
existncia. Agora torna-se necessrio conciliar todos os
intersses, atendendo s convenincias pblicas impostas
pela oportunidade do moment.







92

Na Metrpole empregaram-se muitos milhares de con-
tos em fbricas de tecidos e existem, tambm, muitos
milhares de operrios nelas empregados.
A indstria txtil national no pode passar sem o mer-
cado das Colnias. No dia em que o perdesse pode-se dizer
que sobreveria, para ela, uma catstrofe.
Mas a Colnia tambm no pode nem deve estar inde-
finidamente a sacrificar-se pela manuteno dessa e dou-
tras indstrias.

Em Angola existem muitos milhares de nativos que
preciso civilizar, portanto, vestir.

Para isso torna-se necessrio e indispensvel fazer com
que seja acessvel aos seus proventos o custo dos tecidos.
Emquanto as matrias primas, produzidas em Angola,
forem enviadas para a Metrpole para da regressarem
convertidas em artefactos, o seu custo ficar por tal
forma onerado com os fretes de ida e retrno, seguros,
imposies aduaneiras e tantas outras despesas, que o
indgena, ainda que queira deixar de andar qusi nu, no
o pode fazer.

E aqui quedamos a pensar se a certas indstrias lhes
assisted o direito de contar por tempo indeterminado com
os favors do Estado para poderem manter os seus mer-
cados ultramarinos, uma vez que no procuram servir
estes mercados enviando-lhe os produtos, em igualdade de
qualidade preos com que outros pases os podem forne-
cer ou que na Colnia possvel produzir.

Cabe-nos o direito de defender a indstria national do
proteccionismo dos pases super-industrializados, como
fabrics em massa e navegao subsidiada pelos Estados
ou organizaes financeiras e comerciais poderosas. Tam-
bm temos de considerar a concorrncia das Naes que
fazem progredir a sua indstria custa da escravizao
da mo de obra e que utilizam os meios proteccionistas
prprios dos pases capitalists e super-industrializados.
Mas no devemos esquecer que havendo a possibilidade
de se acabarem ou prepararem, em Angola, certos produtos
de matrias primas nela existentes, com indiscutveis van-
tagens para o consumo e progress da Colnia e at com







93

utilidade para a indstria national, esta se no esforce
por se adaptar aos processes tcnicos e econmicos moder-
nos, teimando em manter os lugares conquistados com o
sacrifcio da Colnia e sombra da proteco pautal e
favors do Estado.

Do magistral discurso proferido pelo Doutor Oliveira
Salazar, na 1 a Conferncia do Imprio, subordinado ao
ttulo Os Problemas Econmicos do Imprio Colonial
Portugus, transcrvemos a importantssima passage


Cada qual pretend bastar-se a si prprio, e
intil nestas economics que tem a agressividade
doentia da misria encontrar formulas de transi-
gncia ou colaborao amiga. Tda a poltica se
faz por dinheiro ou produtos. Ora sem qualquer
compensao ns damos, a pases estrangeiros, feitas
tdas as correces possveis no deficit commercial
da Metrpole e das Colnias, 500 a 600 mil contos,
grande parte dos quais de gneros e matrias primas
que so ou podem ser produzidos aqui ou no Imprio
Colonial. Nenhum princpio, convenincia ou inte-
rsse nos pode levar a preferir economics estranhas
nossa prpria economic, se os seus agents tm
a conscincia desta unidade e dos deveres que
impem para no verem, smente, em regimes de
favor, a fonte de lucros parasitrios.



Angola, como manifestao de Colnia progressive,
tem necessidade imperiosa de acompanhar o movimento
industrial dos territrios estrangeiros que lhe so vizinhos.
Quer na Unio Sul-Africana quer no Congo Belga esto-se
a desenvolver, com grande intensidade, numerosas inds-
trias, e, dentre elas, a dos tecidos, o que faz com que,
pelos seus baixos preos, sejam introduzidos, em volume
considervel, por contrabando, em territrio angolano, o
que se comprova com os padres caractersticos que os
belgas confeccionam e os indgenas de Angola vestem,
no s nas regies fronteirias mas at no litoral, como se
verifica na cidade do Lobito







94


A resoluo do problema da industrializao de Angola
no s concorrer para o progress econmico da Colnia
como, ainda, para a melhoria de nvel de trabalho e de vida
dos indgenas e, bem assim, para a criao e satisfao
econmica de novas necessidades e aumento de riqueza
individual e colectiva de indgenas e europeus.


i Poder-se- Angola desenvolver smente como forne-
cedora de matrias primas Metrpole, para as transfor-
mar, atendendo distncia a que dela se encontra ?


Cremos bem que no. mesmo de supor que, dentro em
breve, a Unio da frica do Sul recorra a Angola para lhe
fornecer matrias primas e, se o fizer, no deixar de
contar, como contrapartida, que a Colnia lhe compare as
respectivas manufactures.

A industrializao de Angola um problema muito
melindroso, certo, mas isso no impede que se encare de
frente e a tempo, para que no perigue a indstria metro-
politana nem, tam pouco, a aco progressivamente civi-
lizadora e colonizadora de Portugal.

H tempos, no journal londrino Times, um colonialista
aconselhava a Gr-Bretanha a montar indstrias nas suas
colmias, o que considerava indispensvel, mas acrescen-
tava que, para isso, s se deveriam utilizar matrias primas
de cada uma delays e atender-se a que os produtos indus-
triais tivessem ou viessem a ter mercado local important
bem como que fssem mais baratos que os importados e,
sendo possvel, at melhores.

Baseava o seu modo de ver na possibilidade de se
contribuir, assim, para a melhoria da vida dos ind-
genas.

Ao defendermos, em princpio, a industrializao de
Angola, no pretendemos, por forma alguma, queixar-nos
do que a Metrpole nos fornece. Em 1933 as Colnias por-
tuguesas figuravam, entire as Colnias dos outros pases,
numa percentage bastante pequena em relao s impor-
taes provenientes das respectivas metrpoles.







95


O seguinte quadro, referente qule ano e relative ao
comrcio das colnias com as metrpoles, tambm publi-
cado no Times e transcrito de O Primeiro de Janeiro,
bastante elucidativo :


Colnias ou mandates


Mandatos japoneses..
Colnias japonesas . .
Filipinas e outras dependncias
dos Estados Unidos.
Colnias francesas . .
Colnias italianas.....
Mandatos franceses . .
Congo Belga . .
Colnias portuguesas.
Colnias inglesas. . .
Mandatos ingleses .
ndias holandesas...


Mercadorias
Implortao d as Exp;ortao para as
metrpoles por cen- metrpoles por cento
to dototal import. lo total exportado
do pelas colonias pelas coliias


94,9 97
83,1I 88,5
80,2 96,6
66,7 88,5
59,3 65,5
56,4 46,3
43,4 71I,
43 49,5
24,4 32,5
17,9 31,4
11,9 17,6


+ + + + +.


Dentre as naes coloniais e daquelas que tm manda-
tos, foi a Holanda a que menos exportou para as suas
Colnias do Extremo Oriente, convencida, sem dvida,
das dificuldades da distncia, que a tal no permitiam.
Deve ter partido do princpio que a sua grandeza
metropolitan dependia da valorizao e desenvolvimento
que lhes proporcionasse, para o que no se poupou nem ao
emprgo de capitals nem criao de actividades. Impossi-
bilitada de ter com elas intensas relaes comerciais, dei-
xou-as importar donde quisessem o que precisassem, e,
tambm, exportar as suas produes para onde mais lhes
conviesse.
Convencida, portanto, da ineficcia da colocao nessas
terras longnquas da produo metropolitan ou de receber
delas a totalidade ou parte dos seus produtos, nada mais
fez do que esforar-se por enriquec-las.







96

Portugal j no se encontra precisamente nas mesmas
condies da Holanda. Pode e deve colocar os produtos
da sua indstria em Angola e comprar-lhe o que ela produz
sem, todavia, descurar o seu enriquecimento, criando
actividades e empregando nela capitals.
Do enriquecimento de Angola, tal como sucede
Holanda com as suas colnias, advir fartura e bem-estar
tambm para Portugal.



ACAR

H crca de quinhentos anos o uso do acar, que s
nas boticas bem fornecidas poderia ser encontrado, era
na Europa, um mimo de requintado luxo.
O mel das abelhas ocupava o lugar que hoje lhe cabe.
Parece ter aparecido, pela primeira vez, na Flandres,
no sculo xIII, ido da Sria e do Egipto, havendo ainda quem
opine que tambm da Siclia, onde, no sculo x, a cultural
da cana sacarina, proveniente da ndia, fra introduzida
pelos rabes.
H mais quem diga que a posio que no comrcio
mundial conquistou, se deve aos portugueses.
O que parece estar averiguado que nos comeos do
sculo xv se tentou a cultural da cana sacarina no Algarve
e que foi na ilha da Madeira, descoberta em 1419, que se
desenvolveu e prosperou rpidamnente a indstria do fabric
de acar.
Atribue-se ao Infante D. Henrique a remessa, para
aquela ilha, das primeiras plants de cana, provenientes
da Siclia.

Seria assim ?

Pouco importa.

Do que no restam dvidas que, em 1472, essa cultural
era ali j de tmo e que se exportava acar para a Flandres.
Nos comeos do sculo xvi a cultural da cana esten-
deu-se ilha de S. Tom e, pouco depois, ao Brasil.
Os acares do Levante perderam a sua supremacia
por no poderem competir com os do Ocidente, nem em
quantidade nem em preo e Deus sabe se at em qualidade







97

J l vai o tempo em que os homes ricos da Europa
deixavam, em testamento, legados de pequenas quanti-
dades de acar.
Conta-se que, entire os bens arrolados de uma das mulhe-
res de Carlos V da Frana, falecida em 1372, figurava uma
pequena quantidade de acar como que tratando-se de
uma preciosidade, e que Carlos VI, tambm da Frana, ofe-
receu ao soberano da Armnia, que os sarracenos haviam
expulsado dos seus domnios, treze arrteis daquele hidrato
de carbon.

S por mera curiosidade nos referimos a estes factors.

A histria da cultural da cana sacarina e da sua indus-
trializao, para o aproveitamento do acar, o que
neste moment nos interessa.
provavel que tivesse sido introduzida, em Angola,
pouco mais ou menos na mesma altura que em S. Tom,
pois que desde h muito se utilizava para o fabric de
aguardente.
Em 1856, havia, no Sul da Colnia, falta de acar, o
qual parecia importar-se de Cabo Verde.
Isto mostra-nos a seguinte passage dos Anais do
Municpio de Mossmedes referentes quele ano:


. a escassez do acar, h seis meses a esta
parte, fez que os lavradores fizessem destorcedores,
nos quais, fra de braos moem a cana, de cujo
caldo tm feito acar nada inferior, e algum muito
superior ao de Cabo Verde, com o qual se tem
suprido a vila e suas imediaes.


Nos Dados Estatsticos para o Estudo das Pautas de
Angola de Joo Mesquita, deparamos com a informao
de se fabricar acar em Mossmedes em 1853, no Icolo
e Bengo em 1855 e em Ainbaca em 1857.
Ignoramos as fontes de informao em que o autor se
baseou.
Em 1857, os Anais do Municpios de Mossmedes
mencionam as produes agrcolas daquelacidade figurando,
dentre elas, a de 267 arrbas de acar contra 178 arrbas,
produzidas em 1856.








98


Esta produo nada representava em relao s neces-
sidades da Colnia, o que comprova os dados estatsticos,
referentes ao ano de 1858, da Alfndega de Luanda que
acusam uma importao, por aquela estncia aduaneira
de 7:172 arrbas, e os de 1858, da mesma alfndega, que
citam 8:109 arrbas.

Passam-se anos, mesmo bastantes. Pode-se dizer que
dos nossos dias a aco intensive de fabric econmico
de acar, em Angola, devida a colonos talves ousados,
mas de ousadia bafejada pela ba sorte, sem dtvida empre-
endedores e que bem merecem pelo muito que fizeram.
O quadro que se segue, referente exportao, sufici-
entemente elucidativo:


Ano de 1903 185 Toneladas
1904 4
1905 io
1906 298
1907 787
1908 976
1909 1:352
190Ig 1:717
1911 1:157
1912 3:262
1913 4:562
1914 2:977
1915 5:266

1921 6:074
1922 7:605

1924 11:235

1926 9:557
1927 9:824
1928 9:469
1929 14.807
1930 11:994
> 1931 21:798
1932 15:988
1933 . 21:095 >
1934 19:727
1935 27:659
1936 28:997 >
1937 26:165
1938 32:087
1939 35:864
1940 30:845
1941 39:432
1942 . 44:655









A importao em Angola de acar estrangeiro deixou
de se fazer, graas aplicao de medidas de proteco
ao acar angolano. Por sua vez o mercado da Metrpole
absorve o excedente da produo de Angola.

, sem dvida, esta, a indstria mais prspera da
Colnia, depois da indstria da extraco dos diaman-
tes.
Importantes companhias se dedicam sua explorao,
sobressaindo, dentre elas, a Sociedade Agrcola do Casse-
quel, a Companhia do Acar de Angola e a Sociedade Geral
de Construes.

A primeira tem a sua magnfica fazenda atravessada
pela linha do Caminho de Ferro de Benguela e servida
pela estao da Catumbela, distant treze quilmetros do
prto do Lobito.

A segunda, fundada em 1920, resultou da fuso de
diversas emprsas e companhias de explorao agrria e
tem as suas fazendas nas provncias de Benguela e Luanda
e, psto que menos favorecida pelos meios de comunicao
e transport, visto no as atravessar nenhum caminho de
ferro, tem sabido tirar todo o proveito daqueles com que
a natureza a dotou e criado outros que muito tem infludo
para o seu desenvolvimento. Dois portos martimos
facilitam-lhe os embarques-o da Barra do Dande e o
do Cuio.

So portos maus, certo, de funds baixos, mar aberto
e de calemas, mas isso no impede que os navios de carga
de long curso os demandem quando se torna necessrio
proceder a embarques. Estes portos esto apetrechados
com ptimos armazns para 10:000 toneladas de carga,
cais acostvel para embarcaes de 90 toneladas, ponte
metlica, guindastes, plans inclinados, estaleiros e oficinas
de reparaes. No Dande dispe duma frota de crca de
quarenta bateles que transportam o acar, rio abaixo,
da Fazenda Tentativa para a Barra do rio Dande e desta
para bordo dos cargueiros.
No Cuio possue mais bateles.
Tal, como a fazenda do Cassequel, as da Companhia
do Acar de Angola e da Companhia Geral de Construes,







100


dispem de vastas rdes de caminhos de ferro privativas,
sistema Decauville, com muitos quilmetros de extenso.
A Companhia do Acar de Angola, s sua parte, possue
mais de 170 quilmetros com 15 locomotives e 870 vago-
netas, e, dentro das suas propriedades, tem uma rde de
estradas, bem cuidadas e arborizadas, em geral com pal-
meiras e fruteiras, que ultrapassam, em extenso, 260
quilmetros.

E, j agora, aproveitemos a oportunidade para nos
referirmos mo de obra de que dispe. Tem ao seu servio
permanentemente perto de 300 europeus e os indgenas
andam volta de 8:000. Na'ilha de Luanda possue a Com-
panhia duas boas residncias, para repouso dos empregados
europeus, e uma outra em S da Bandeira. A Sociedade
Agrcola do Cassequel tambm dispe de uma bela quinta
com residncia, nos arredores de S da Bandeira, para
os seus empregados descansarem por ocasio das frias
que lhes so concedidas.

Para irrigao, das suas propriedades, dispe a Compa-
nhia do Acar de Angola de duas grandes barragens,
sendo uma no rio Dande, com cinco comportas e quatro
mil litros de gua por segundo, e outra no rio Coporolo,
com trs comportas e a mesma quantidade de gua da
barragem do Dande. So utilizados, para rega, 65 quil-
metros de canais principals, 2:100 quilmetros de canais
subsidirios e 78 quilmetros de canais de drenagem,
equipados com grupos de auto-bombas.

A Sociedade Geral de Construes tem dois vapores de
cabotagem que transportam o acar produzido na fazenda
Bom Jesus, pelo rio Cuanza, para Luanda, onde se procede
aos embarques para exportao.

Dispem, ainda, as companhias e sociedades aucarei-
reiras da Colnia, de fbricas produtoras de acar apetre-
chadas com os mais modernos maquinismos, frente das
quais se encontra pessoal especializado em todos os ramos
da respective explorao, bem como laboratrios para
experincias qumicas e fsicas, indispensveis, por mais
exigentes que elas sejam.







101

ALCOHOL

A cultural da cana sacarina, para a produo de aguar-
dente, desenvolveu-se, em Angola, a partir de 1860, segundo
os Dados Estatsticos para o Estudo das Pautas de Angola
por Joo Mesquita.
Os Anais do Municpio de Mossmedes, referentes ao
ano de 1856, esclarecem-nos que anteriormente qule ano
j na Colnia se fabricava aguardente e tanto assim que
Bernardino Freire de Figueiredo Abreu e Castro ofereceu
uma memria da qual constava possuir um engenho que
se moveu, pela primeira vez, em 2 de Fevereiro de 1853.
A ste engenho faltava-lhe a casa de destilao, possuindo,
apenas, as de purgar e encaixamento.

Parece que no foi muito feliz a primeira safra, com
ste engenho, porque tendo demorado muito as obras
para a sua instalao, s se pde moer a cana quando ela
estava estragada.
No ano seguinte, com mais contrariedades teve de lutar
Abreu e Castro, pois que um incndio destruiu-lhe a casa
de purgar alm de duas mquinas de descaroar algodo,
madeira para prensa, aparelhos de farinha e grande quanti-
dade de algodo em caroo.
No lugar do Bombo, Jos Leite de Albuquerque tambm
se dedicava, quela data, cultural da cana sacarina, tendo
de enfrentar a insalubridade do local. Montou o respective
engenho concorrendo, com isso, para auxiliar o comrcio
do serto com a grande quantidade de aguardente que tem feito.

Em 1856, Jos Joaquim da Costa levantou um terceiro
engenho, na Boa Vista, com propores gigantescas, para
ser movido por bois.
A verdade que em 1856 se fabricaram, em Mossmedes,
41 pipas de aguardente e, em 1857, 21 pipas.
A produo do alcohol generalizou-se na Colnia. Abolido
o comrcio de escravos constituia a aguardente o principal
artigo de comrcio e permuta com o gentio. Ao tempo a
importao era muito important, como se v dos nmeros
seguintes :

Em 1857, importaram-se, por Luanda, 41:204 almudes,
ou sejam 692:227 litros, e, pela Alfndega de Benguela,
17:737 almudes, ou sejam 297:982 litros ;







102

Em 1858, importaram-se pela Alfndega de Luanda,
26:605 almudes, ou sejam 446:964 litros, e, pela Alfndega
de Benguela, 13:514 almudes, ou sejam 227:035 litros.

Em 1890, j se exportava, pelo prto de Benguela,
aguardente em grande quantidades.

certo que na estatstica figure como tratando-se de
exportao a sada de aguardente de uns para outros portos
da Colnia. Mesmo assim merece que se faa meno da
aguardente sada por aquele prto de Benguela, e que foi
de 203:790 litros.

Mas, voltemos atrs. Em 1882, o chefe do concelho de
Novo Redondo, num relatrio, escrevia :


O concelho de Novo Redondo atravessado
pelo rio Gunza, que o divide em duas zonas : Agr-
cola e commercial. A primeira estende-se nas campinas
da margem direita na extenso de 25 H2, aproxi-
madamente, sendo a sua produo a cana sacarina,
e fazendo-se ali mesmo a aguardente nos diferentes
engenhos de moagem, destilao, etc.
Estes ltimos aparelhos so importados de
Lisboa e feitos na fbrica de Colares daquela cidade,
todos so de jacto contnuo.
A irrigao feita por meio de elevadores mec-
nicos da fbrica Rolay & C.a, de Londres.
A produo mdia annual de aguardente de
mil pipas aproximadamente, empregando-se neste
trfego serviais indgenas e um nmero limitado
de europeus que servem nicamente para mandar
e detalhar os diferentes servios.



A produo de tal forma, a partir de 1880, que,
pelos portos do Sul do Congo, deixa de ser importada,
o que sucede, pouco mais tarde, por todos os portos da
Colnia, pois que as fbricas aumentaram a sua capaci-
dade de produo, por virtude dos benefcios das pautas
de 1892, benefcios estes que mais se assentuaram depois
de 1895.









103


Desde
seguinte :


1892 a 1915, a exportao de aguardente foi a


Ano de 1892
1893
1894
1895
1896
1897
1898
1899
I900
I90
1902
1903
1904
1905
1906
1907
1908
1909
1910
1911
I912
1913
I914
1915


200:813
447:142
456:956
582:311
345:689
414:476
278:737
185:774
148:262
I38:071
47:081
6:345
5:638
2:011
i:8o8
1:950
969
468
6:495
623
379
253
190
50


Litros












i>
















a
>
>
r
r
n

>

i)
B
a
a

B
R
i)


A cana sacarina fra o mais important produto agr-
cola de Angola e o de cultural mais regular.
Sucedeu, no entanto, que a Acta de Bruxelas de 1890
e a Conveno de 1899 substituda pela de 1906, impuse-
ram a represso da destilao e do comrcio das bebidas
espirituosas na frica Equatorial e que a Conveno de
1906 tratou especialmente da substituio do suco da cana
pela do fabric do acar, em Angola.

Em 1911, foi, na Colnia, extinto o fabric de alcohol
pelo decreto de 27 de Maio. A Portaria n.o 49, de 23 de
Abril de 1924, aprovou o regulamento para o fabric de
alcohol desnaturado de melao, na fbrica do Cassequel,
da Sociedade Agrcola do Cassequel e, por Portaria n.o 118,
de 15 de Setembro de 1926, foi aprovado novo regulamento
para o fabric de alcohol desnaturado de melaos e do
alcohol etlico em natureza exclusivamente destinado a
exportao.




University of Florida Home Page
© 2004 - 2010 University of Florida George A. Smathers Libraries.
All rights reserved.

Acceptable Use, Copyright, and Disclaimer Statement
Last updated October 10, 2010 - - mvs