• TABLE OF CONTENTS
HIDE
 Front Cover
 Half Title
 Title Page
 Introduction
 Foreword
 Preface
 Sesmaria D . . seiz lego
 Sesmaria de duzentas bracas de...
 Carta de partilhas
 Tersaldo da escritura
 Tersaldo authentico
 Tersaldo authentico da doacam dos...
 Folha de partilha do
 Folha de partilha dos bens que...
 Aucam que pos a este
 Escritura de transac am entre o...
 Outorga de outra es
 Peticam dos testamen teyros de...
 Papel de rematacam
 Escritura de transac am que se...
 Sentenca dos P. de S. Bento Contra...
 Sentenca do conserua dor dos relig....
 Tresaldo da carta de sesmaria de...
 Doacao feita por Lou renco de Brito...
 Sesmaria dada no anno de 1568 a...
 Escrituro de venda feita p este...
 Escrituro de venda que fez Ignes...
 Escrituro doz chaos e cazas que...
 Testamento de Manoel Nunes Paiua...
 Escritura do conserto q'ouue entre...
 Sesmaria de Luis Vas de Paiua e...
 Escritura de uenda de humas cazas...
 Escritura de aforam ento que fez...
 Escritura de hums cha ons junto...
 Escritura pela qual fo ram dadas...
 Escritura de venda que fes Ignez...
 Sentenca da Legacia que Alcancou...
 Testamento de Maria Roiz de...
 Testamento de auto de pose que...
 Escritura de uenda que a este conuento...
 Sentenca de Lic. para Adrianna...
 Escritrua de uenda que fez o Tenente...
 Escritura de uenda que a este conu...
 Escritura de uenda que a este conu...
 Escritura de Aforam doz chaos em...
 Escritura do distrato que se fes...
 Escritura, e pose de duas moradas...
 Treslado da doacao de huas cazas...
 Treslado da escritura de uenda...
 Sentensa de Folha de partilha que...
 Sentenca de compozis sam e desistencia...
 Sentenca de segunda via o prouencial...
 Sentesa de liquida sao do dom aBbade...
 Snn. de transaucao por termo de...
 Escritura de composi cao entre...
 Sesmaria de seis lego as de terra...
 Escretura de uenda que fas P. Rodrigues...
 Trespasso que fas gon callo pis...
 Trespacasao e doacao que fez Luis...
 Escretura de venda que fas Antonio...
 Escretura de obriga cao que fazem...
 Escretura de concer to e transaucao...
 Doacao que fes Gonca llo Afonc...
 Folha de partilha de Francisco...
 Escretura de uenda que fes Francisco...
 Snn. do reuerendo padre Dom Abbade...
 Escretura de uenda que fazem Antonio...
 Tresaldo de uerba do testamento...
 Escreptura das cazas que se uenderam...
 Escreptura de venda que me fes...
 Venda de huns chaos nesta...
 Peticam que fes O P. Dom Abbade...
 Tresaldo da sem. . ia do Dez B....
 Carta de sesmaira dos chaons que...
 Certidao da folha de partilha da...
 Escretura de V.nda que fas o capp....
 Escreptura das cazas qu. se...
 Doacao que nos fes o capp. Bernardo...
 Escreptura q.e. fazem o coronel...
 Segunda sexmaria de Jorge de Mello...
 Segunda sexmaria de Manuel Lopes...
 Escriptura de venda que fes Luiz...
 Escriptura de doacam q' Fazem Thomazia...
 Testamento de Gabriel Soares de...
 Sesmaria dos reueren dos P. do...
 Treslado da doacao de que o instromento...
 Doacao que fez Francisco Affonso,...
 Treslado de hua peticao do R. P....
 Tresaldo de huma certidao da conseruatoria...
 Sentenca de transac cao, e amigauel...
 Tresaldo da Sn. doz R. P. de S....
 Tresaldo de hum documento em que...
 Indice dos documentos
 Indice onomastico
 Indice de oficios
 Indice de assuntos














Group Title: Documentos histâoricos da Congregaðcäao Beneditina Brasileira ; v.1
Title: Livro velho do tombo do Mosteiro de Säao Bento da cidade do Salvador
CITATION THUMBNAILS PAGE IMAGE ZOOMABLE
Full Citation
STANDARD VIEW MARC VIEW
Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/UF00075975/00001
 Material Information
Title: Livro velho do tombo do Mosteiro de Säao Bento da cidade do Salvador
Series Title: Documentos histâoricos da Congregaðcäao Beneditina Brasileira
Physical Description: xxxix, 513 p. : illus., maps (part fold.) ; 24 cm.
Language: Portuguese
Creator: Salvador (Brazil) -- Säao Sebastiäao (Benedictine abbey)
Publisher: Tipografia Beneditina
Place of Publication: Bahia
Publication Date: 1945
 Subjects
Subject: Church history -- Sources -- Brazil   ( lcsh )
Genre: non-fiction   ( marcgt )
 Record Information
Bibliographic ID: UF00075975
Volume ID: VID00001
Source Institution: University of Florida
Rights Management: All rights reserved by the source institution and holding location.
Resource Identifier: oclc - 19387206
lccn - 48014769

Table of Contents
    Front Cover
        Page i
    Half Title
        Page ii
        Page iii
    Title Page
        Page iv
    Introduction
        Page v
        Page vi
        Page vii
        Page viii
        Page ix
        Page x
        Page xi
    Foreword
        Page xii
    Preface
        Page xiii
        Page xiv
        Page xv
        Page xvi
        Page xvii
        Page xviii
        Page xix
        Page xx
        Page xxi
        Page xxii
        Page xxiii
        Page xxiv
        Page xxv
        Page xxvi
        Page xxvii
        Page xxviii
        Page xxix
        Page xxx
        Page xxxi
        Page xxxii
        Page xxxiii
        Page xxxiv
        Page xxxv
        Page xxxvi
        Page xxxvii
        Page xxxviii
        Page xxxix
        Page 1
        Page 2
    Sesmaria D . . seiz lego
        Page 3
        Page 4
        Page 5
        Page 6
        Page 7
        Page 8
    Sesmaria de duzentas bracas de Praya ou Salgado que nos deu o Governador
        Page 9
        Page 10
        Page 11
        Page 12
    Carta de partilhas
        Page 13
        Page 14
        Page 15
        Page 16
        Page 17
        Page 18
        Page 19
        Page 20
        Page 21
    Tersaldo da escritura
        Page 22
        Page 23
        Page 24
        Page 25
    Tersaldo authentico
        Page 26
        Page 27
        Page 28
    Tersaldo authentico da doacam dos recifes e salgado defronte de N. Sr. da Conceicao
        Page 29
        Page 30
        Page 31
    Folha de partilha do
        Page 32
        Page 33
        Page 34
    Folha de partilha dos bens que couberam a Hyacinto
        Page 35
        Page 36
        Page 37
        Page 38
    Aucam que pos a este
        Page 39
        Page 40
        Page 41
        Page 42
        Page 43
        Page 44
        Page 45
    Escritura de transac am entre o L. Ant. Cordr.
        Page 46
        Page 47
        Page 48
        Page 48a
    Outorga de outra es
        Page 49
        Page 50
    Peticam dos testamen teyros de Antonio Borgez
        Page 51
    Papel de rematacam
        Page 52
        Page 53
        Page 54
        Page 55
    Escritura de transac am que se fez entre os Reuerendos P. de Sam Bento
        Page 56
        Page 57
    Sentenca dos P. de S. Bento Contra os testamentos de Antonio Borgez em que se julgou
        Page 58
        Page 59
        Page 60
        Page 61
        Page 62
        Page 63
        Page 64
        Page 65
        Page 66
        Page 67
        Page 68
        Page 69
        Page 70
        Page 71
    Sentenca do conserua dor dos relig. dada contra o ld. ou medico cordeiro
        Page 72
        Page 73
        Page 74
        Page 75
    Tresaldo da carta de sesmaria de Diogo Alz Avo de Lc. de Brito Correa
        Page 76
        Page 77
        Page 78
    Doacao feita por Lou renco de Brito Correa das terras de N. S. da graca
        Page 79
        Page 80
        Page 80a
    Sesmaria dada no anno de 1568 a Catherina Alz da terra de villa velha
        Page 81
        Page 82
        Page 83
        Page 84
        Page 85
        Page 86
        Page 87
        Page 88
        Page 89
        Page 90
        Page 91
        Page 92
        Page 93
    Escrituro de venda feita p este conuento a Simama frz
        Page 94
        Page 95
        Page 96
    Escrituro de venda que fez Ignes Machada Veuua
        Page 97
        Page 98
    Escrituro doz chaos e cazas que foram do P Vigario Matheus Vas
        Page 99
        Page 100
        Page 101
        Page 102
    Testamento de Manoel Nunes Paiua em q'deixa a este convento
        Page 103
        Page 104
        Page 105
        Page 106
        Page 107
        Page 108
        Page 109
        Page 110
        Page 111
        Page 112
        Page 112a
        Page 113
    Escritura do conserto q'ouue entre Luis Vaz de Paiua
        Page 114
        Page 115
        Page 116
        Page 117
        Page 118
        Page 119
        Page 120
        Page 121
    Sesmaria de Luis Vas de Paiua e seu irmao Manuel Nunes de Paiua
        Page 122
        Page 123
        Page 124
    Escritura de uenda de humas cazas junta as portas de S. Luiza ou S. B. feita
        Page 125
        Page 126
        Page 127
    Escritura de aforam ento que fez o Prou e irmaos da caza
        Page 128
        Page 129
        Page 130
    Escritura de hums cha ons junto a Sam Bento
        Page 131
        Page 132
        Page 133
        Page 134
        Page 135
        Page 136
    Escritura pela qual fo ram dadas em dote huns chaos e cazas sitos
        Page 137
        Page 138
        Page 139
    Escritura de venda que fes Ignez Machada aos Reverendos Padres
        Page 140
        Page 141
    Sentenca da Legacia que Alcancou este conu.
        Page 142
        Page 143
        Page 144
        Page 145
        Page 146
        Page 147
        Page 148
        Page 149
        Page 150
        Page 151
        Page 152
        Page 153
        Page 154
        Page 155
        Page 156
        Page 157
    Testamento de Maria Roiz de oLieu.
        Page 158
        Page 159
        Page 160
    Testamento de auto de pose que tomou este mosteiro das cazas dexadas
        Page 161
    Escritura de uenda que a este conuento fez Adrianna Gomes
        Page 162
        Page 163
        Page 164
        Page 165
    Sentenca de Lic. para Adrianna Gomes
        Page 166
        Page 167
        Page 168
    Escritrua de uenda que fez o Tenente Gnl. da Artelhaira Sebastiam
        Page 169
        Page 170
        Page 171
        Page 172
    Escritura de uenda que a este conu fes o Coronel Gon. Rauasco
        Page 173
        Page 174
        Page 175
    Escritura de uenda que a este conu fes o Coronoel An. de Silua Pimentel de seiz bracas de terra
        Page 176
        Page 176a
        Page 177
        Page 178
        Page 179
    Escritura de Aforam doz chaos em que Antonio frz fez as cazas junto
        Page 180
        Page 181
        Page 182
    Escritura do distrato que se fes das cazas de Maria Roiz
        Page 183
        Page 184
        Page 185
    Escritura, e pose de duas moradas de cazas q' temos na travessa
        Page 186
        Page 187
        Page 188
        Page 189
        Page 190
        Page 191
    Treslado da doacao de huas cazas que ficarao a este mosteyro
        Page 192
        Page 193
        Page 194
        Page 195
        Page 196
        Page 197
        Page 198
        Page 199
        Page 200
        Page 201
        Page 202
        Page 203
        Page 204
    Treslado da escritura de uenda que fez Manoel da Motta
        Page 205
        Page 206
        Page 207
    Sentensa de Folha de partilha que deu Manoel da Motta
        Page 208
        Page 208a
        Page 209
        Page 210
        Page 211
        Page 212
        Page 213
        Page 214
    Sentenca de compozis sam e desistencia entre Joao dias brauo e Amaro da Crus
        Page 215
        Page 216
        Page 217
        Page 218
        Page 219
        Page 220
        Page 221
        Page 222
    Sentenca de segunda via o prouencial da ordem do Patriarca Sam Bento contra Catherina fugassa
        Page 223
        Page 224
        Page 225
        Page 226
        Page 227
        Page 228
        Page 229
        Page 230
        Page 231
        Page 232
        Page 233
        Page 234
        Page 235
        Page 236
        Page 237
        Page 238
    Sentesa de liquida sao do dom aBbade de Sam Bento
        Page 239
        Page 240
        Page 240a
        Page 241
        Page 242
        Page 243
        Page 244
        Page 245
        Page 246
        Page 247
        Page 248
        Page 249
        Page 250
        Page 251
        Page 252
        Page 253
        Page 254
        Page 255
        Page 256
        Page 257
        Page 258
        Page 259
        Page 260
        Page 261
        Page 262
        Page 263
        Page 264
        Page 265
        Page 266
    Snn. de transaucao por termo de dizistenca de aucao de libello assinado
        Page 267
        Page 268
        Page 269
        Page 270
        Page 271
        Page 272
        Page 272a
        Page 273
        Page 274
        Page 275
        Page 276
        Page 277
        Page 278
        Page 279
        Page 280
        Page 281
        Page 282
        Page 283
        Page 284
        Page 285
        Page 286
        Page 287
        Page 288
        Page 289
        Page 290
        Page 291
        Page 292
        Page 293
        Page 294
        Page 295
        Page 296
        Page 297
        Page 298
        Page 299
        Page 300
        Page 301
        Page 302
        Page 303
    Escritura de composi cao entre o Reuendo Padre Dom Abbade
        Page 304
        Page 305
        Page 306
    Sesmaria de seis lego as de terra nos lemites e serra
        Page 307
        Page 308
        Page 309
        Page 310
        Page 311
    Escretura de uenda que fas P. Rodrigues molinar e Sua Molher
        Page 312
        Page 313
        Page 314
    Trespasso que fas gon callo pis aos padres de Sam Bento de seis legoas
        Page 315
        Page 316
        Page 317
    Trespacasao e doacao que fez Luis Rodrigues e sua Molher da terra da praia
        Page 318
        Page 319
    Escretura de venda que fas Antonio dos Santos e Sua Molher Maria de Arahujo
        Page 320
        Page 321
        Page 322
    Escretura de obriga cao que fazem o Reuerendo Padre Dom Abbade
        Page 323
        Page 324
        Page 325
        Page 326
        Page 327
    Escretura de concer to e transaucao e amigauel
        Page 328
        Page 329
        Page 330
        Page 331
    Doacao que fes Gonca llo Afonco
        Page 332
        Page 333
        Page 334
    Folha de partilha de Francisco de Saa de bitanquor
        Page 335
        Page 336
        Page 337
    Escretura de uenda que fes Francisco de Saa de Bitancor de huns chaos
        Page 338
        Page 339
    Snn. do reuerendo padre Dom Abbade e mais Relligiozos
        Page 340
        Page 341
        Page 342
        Page 343
    Escretura de uenda que fazem Antonio Ramos e sua molher Joanna Coelha
        Page 344
        Page 345
        Page 346
    Tresaldo de uerba do testamento qu. fes Fernao Piz
        Page 347
    Escreptura das cazas que se uenderam a Thomas Pires
        Page 348
        Page 349
        Page 350
        Page 351
    Escreptura de venda que me fes Thomas Pires
        Page 352
        Page 353
    Venda de huns chaos nesta c.dade
        Page 354
        Page 355
        Page 356
    Peticam que fes O P. Dom Abbade de Sam Bento
        Page 357
        Page 358
    Tresaldo da sem. . ia do Dez B. Ferras
        Page 359
        Page 360
        Page 360a
        Page 361
        Page 362
        Page 363
        Page 364
    Carta de sesmaira dos chaons que estam defronte das olarias da banda
        Page 365
        Page 366
    Certidao da folha de partilha da 4. parte das cazinhas que nos vendeo
        Page 367
    Escretura de V.nda que fas o capp. domi.gos
        Page 368
        Page 369
        Page 370
        Page 371
    Escreptura das cazas qu. se compr
        Page 372
        Page 373
        Page 374
    Doacao que nos fes o capp. Bernardo Vi.ra Rauasco
        Page 375
        Page 376
    Escreptura q.e. fazem o coronel Antonio da silua Pimentel
        Page 377
        Page 378
        Page 379
        Page 380
        Page 381
        Page 382
    Segunda sexmaria de Jorge de Mello Coutinho dada em 13 de junho
        Page 383
        Page 384
        Page 385
    Segunda sexmaria de Manuel Lopes de Saa dada em 2 de Julho de 1609
        Page 386
        Page 387
        Page 388
    Escriptura de venda que fes Luiz Vas de Paiva a seu jrmao Manoel Nunes de Paiva
        Page 389
        Page 390
    Escriptura de doacam q' Fazem Thomazia Nunes e Suas filhas
        Page 391
        Page 392
        Page 392a
        Page 393
        Page 394
    Testamento de Gabriel Soares de Souza
        Page 395
        Page 396
        Page 397
        Page 398
        Page 399
        Page 400
    Sesmaria dos reueren dos P. do patriarcha Sam Bento
        Page 401
        Page 402
        Page 403
    Treslado da doacao de que o instromento de posse adeante fez mensao
        Page 404
        Page 405
    Doacao que fez Francisco Affonso, e sua m Maria Caneira
        Page 406
        Page 407
        Page 408
        Page 408a
        Page 409
        Page 410
        Page 411
    Treslado de hua peticao do R. P. Fr. Anselmo D. Abbade
        Page 412
        Page 413
    Tresaldo de huma certidao da conseruatoria doz chaoz
        Page 414
        Page 415
        Page 416
        Page 417
        Page 418
    Sentenca de transac cao, e amigauel compozicao
        Page 419
        Page 420
        Page 421
        Page 422
        Page 423
        Page 424
        Page 425
        Page 426
        Page 427
        Page 428
    Tresaldo da Sn. doz R. P. de S. Bento da Emenda
        Page 429
        Page 430
        Page 431
        Page 432
        Page 433
        Page 434
        Page 435
        Page 436
        Page 437
        Page 438
        Page 439
        Page 440
        Page 441
        Page 442
        Page 443
        Page 444
        Page 445
        Page 446
        Page 447
    Tresaldo de hum documento em que se acha huma Lic. do Senhor Bispo
        Page 448
        Page 449
        Page 450
        Page 451
        Page 452
        Page 453
        Page 454
    Indice dos documentos
        Page 455
        Page 456
        Page 457
        Page 458
        Page 459
        Page 460
    Indice onomastico
        Page 461
        Page 462
        Page 463
        Page 464
        Page 465
        Page 466
        Page 467
        Page 468
        Page 469
        Page 470
        Page 471
        Page 472
        Page 473
        Page 474
        Page 475
        Page 476
        Page 477
        Page 478
        Page 479
        Page 480
        Page 481
        Page 482
        Page 483
        Page 484
        Page 485
        Page 486
        Page 487
        Page 488
    Indice de oficios
        Page 489
        Page 490
        Page 491
        Page 492
        Page 493
        Page 494
        Page 495
        Page 496
        Page 497
        Page 498
        Page 499
    Indice de assuntos
        Page 500
        Page 501
        Page 502
        Page 503
        Page 504
        Page 505
        Page 506
        Page 507
        Page 508
        Page 509
        Page 510
        Page 511
        Page 512
        Page 513
        Page 514
        Page 515
Full Text





Documentos hist6ricos da Congregaaio Beneditina Brasileira. Vol.I.


LIVRO VELHO DO TOMBO
DA BAHIA.























































Os desenhos do titulo e da capa e as vinhetas no texto sao
do beneditino Irmao Paulo Lachenmayer.







JVRO VEIHO
DO TOMBO
DO MOSTEIRO DE SO BE1NTO
DACDAADE DOSALVADOR.


TIPOGRAFIA BENEDITINA BAHIA-BRASIL MCMXLV

L i S.i' ,


i'-l-




















Desde muito, era intencio nossa e da Comunidade monAs-
tica desta Abadia de Sdo Sebastiao da Bahia levar a cabo Aste
tentAmen de que agora sai o primeiro volume da serie, a saber:
a impressao dos documents essenciais do vultosissimo e tres
e meia vezes secular arquivo de nosso cen6bio.

Nao era, por4m, somente o desejo de resguardar da destruiCao
eventual 6stes pap6is compendiadores da existancia de nosso
Mosteiro, o que nos instigava A realizaqao desta obra. Queriamos
tamb6m n6s trazer a nossa contribuiQao ao enriquecimento do
acervo documental dos fastos nacionais, certos de que em nosso
arquivo peas hi de subido valor para o estudo das fontes da
civilizaVio brasileira, para a remogio de duvidas geneal6gicas
eventuais e assim por diaite.

E' pois com a maior satisfaco que aos nossos amigos e
ao piblico em geral entregamos hoje este volume de impressio
dos documents quinhentistas e seiscentistas do nosso Livro
do Tombo.
Nada facil foi a sua composicgo, desvaneco-me em lem-
brA-lo. Nao s6 pelo estado dos velhos pap6is desbotados e As
vezes atacados pelos insetos papir6fagos ou corroidos pelo ataque
quimico da tinta ao papel, escritos em ortografia antiga, frequen-
temente de dificil leitura pela mA letra e emprego de abre-
viaturas numerosas e de dificil interpretaQco.

Pusemos o maior empenho em resguardar a pureza da
transcrigao documental, o que exigiu penosa s6rie de revises
atentas.







Mas, louvado Deus! a boa vontade dos compositores, revi-
sores e impressores tdo grande foi, que o nosso volume se apresenta
corn todos os carateristicos de autenticidade. Motivo de verda-
deiro desvanecimento seri para n6s, se quiser algu6m dar-se ao
trabalho de um confront entire as nossas peas originals e as
que aqui se acham reproduzidas. Nao & que nos orgulhemos de
infalibilidade. Pelo contrario! Sabemos perfeitamente que pode
e deve haver nestas pAginas erros de tradugco e interpretaco.
O que queremos ressaltar e deixar patente, 6 que A confecQio
destas centenas de pAginas presidiu a intense preocupacqo da
fidelidade e da exaqCo que se imp6em na publicaQao de docu-
mentos, sobretudo os de datas remotas, nas suas hesitac6es de
ortografia, nos seus erros de redaQco, na incoerencia ou despro-
p6sito da pontuacqo, nas abreviaturas, sinais, etc. Compete ao
leitor expurgar- o document dessas esc6rias para maior clareza
da leitura e melhor compreensio do que o document informa
e diz.
Tivemos, repito, 8stes cuidados e a impressio foi feita obe-
decendo ao crit6rio de s6 poder ser mais fiel que este volume
alguma c6pia fotog-rfica ou fac-similar. Apenas uma alteraZio
ousamos: a separagdo das palavras que vinham unidas e articu-
ladas umas As outras. Pareceu-nos inconvenient conservar esta
balda de escrivdes antigos que s6 traria a grande desvantagem
de fatigar o leitor. Lembramo-nos de que este livro nio vai
ser lido apenas pelos doutos e peritos acostumados a lidar cor
velhos pap6is, mas tamb6m pelo grande piblico.

Exemplifiquemos. Nao 6 melhor, logo As primeiras linhas
da primeira sesmaria, ao inv6s de "Diz o pe. D. Abbade domostro
de SamBento desta Cidade que requerendooCoronelP.0 Barboza
Leal em hua causa..." imprimir: "Diz o pe. D. Abbade do
mostr0 de Sam Bento desta cidade que requerendo o Coronel
P.0 Barboza Leal em hua causa... "?

Como ganha em clareza de leitura, sem nada perder em
exatidao de c6pia, compor: "O suppte Nos seus artigoz" em
lugar de "OsuppteNosseusartigoz"; ou "juntamente e com outro
escrivao"; em lugar de "juntamenteecomoutroescrivao"; ou "P.
Avm. lhe facam" em lugar de "P. Avm. lhefacam"; ou ainda







"nos limits da serra de Jurara" em lugar de "noslimitesdaserra
deJurarA"!
Poupamos corn isto um trabalho que, necessariamente, o
leitor, qualquer que &le seja, teria que fazer no ato da leitura,
sem prejudicar o valor autentico dos documents transcritos,
conferidos, consertados e reconhecidos todos eles oficialmente
pelo tabelido, cuja letra, subscriCqo e sinal public destacamos,
na impressio, pelo tipo grifado. Algumas reproduces fotogrA-
ficas do original acompanham, A guisa de ilustraq9o, este tomo.
Como a distribuigco da mat6ria impressa pelas pAginas do
volume nao corresponde a numeraago das f6lhas nos livros ori-
ginais, usamos intercalar no texto, entire parentesis, a indicagco
do local em que, no document, se passa de uma folha para
outra ou da frente para o verso da mesma f6lha: "(fl. ), (fl. 2 v.)".
Quando pela corrosao da tinta ou pela destruiaio da traca
encontramos frases, palavras, sflabas ou letras desaparecidas no
document, esse fato ficou assinalado no texto impresso por es-
pacos em branco; nos casos, por4m, em que a desapariqgo nIo
era total, mas tornou impossivel ou duvidosa a leitura, fizemo-lo
patente pela colocacao de pontos, em nfimero correspondent As
letras desaparecidas. Ber pode acontecer que algum decifrador
perito venha a entender o que nIo percebemos.
Sentimo-nos jubilosos, todos n6s, cooperadores intelectuais e
materials desta obra por termos podido concorrer corn esta con-
tribuicao para a grande obra de se tornar a tradigio cat6lica
brasileira mais conhecida e esclarecida.
Outra remuneraQco nao pretendemos. E permit Deus que
tenhamos f6rcas para o prosseguimento de uma empreza que nos
6 e serA sempre tao cara.
Resta-nos agradecer, cordialmente, a todos os Amigos que,
de mais perto, corn interesse, cor uma palavra de Animo e at6
corn alguma colaboracio, incentivaram e auxiliaram a present
publicag9o. Entre 8~es, o ilustre conterrineo Dr. Jos6 Wanderley
de Araujo Pinho, cujo precioso estudo, prefaciando este volume,
veio enriquecer-lhe as paginas e dar-lhe, de inicio, uma visdo
feliz e erudita de todo o assunto nele tratado, e o Dr. Artur
Hehl Neiva, a quem devemos valiosissima documentacio. Muito







gratos somos tamb6m ao ilustre Diretor do Museu Paulista, o
Dr. Afonso de E. Taunay, ao respeitavel bahiano Dr. Manuel
PirajA da Silva, ao Sr. President do Instituto Hist6rico da Bahia
e a alguns dos seus Membros, Amigos nossos. Como homenagem
p6stuma de estima e gratidfo, aqui deixamos assinalado o nosso
respeitoso reconhecimento ao eminente cientista Dr. Artur Neiva,
de saudosa mem6ria, cujo interesse tanto incentivou o inicio desta
obra. Sua morte premature veio priva-lo de ver concluido o
trabalho que tanto nos animara a empreender.
Seja-nos por fim permitido destacar de modo especial o
nome do Revmo. Padre Emilio Indlekofer que, na c6pia, exame
e corretura do texto, foi dedicado e incansAvel, e cujo z&lo nos
ajudou a vencer as dificuldades desta publicagQo.


Cidade do Salvador, 30 de janeiro de 1945.


DOM PLACIDO STAEB 0. S. B.
Abade do Mosleiro de Sao Bento.








Na filtima pAgina do original visto, consultado e aproveitado nos
seus trabalhos por: Fr. Gaspar da Madre de Deus, Rocha Pita, Fr.
Ant6nio Jaboatdo, Melo Morais, Francisco de Adolfo Varnhagen, Acioli
e outros lemos as seguintes impresses:


Vi e examine este livro preciosissimo para a historic do Mosteiro
e da Cidade da Bahia.

Bahia, 19 de Oulubro de 1936.
Theodoro Samfaio


Vi e compare varies trechos deste velho livro que guard um
precioso thesouro de verdade historic.

Bahia, 20 de Fevereiro de 1937.
Pedro Calmon


Se os nossos historiadores antigos conhecessem todos quanto de
precioso se encerra neste livro, ndo correra mundo, em letra de firma,
tanta inexactiddo sobre o passado da Bahia.

Em I6 IX 37.
J. da Silva Campos


Preciosos iniditos repousam entire as paginas amarelecidas deste
livro, os quais, publicados, lanfardo uma torrente de lus sobre episodios
de nossa historic, desde 1536. E corn indizivel respeito que se pesquisam
os documents dessas folhas, atravez dos quais o passado, lentamente,
ressurge aos nossos olhos. Sua divulgalJo serd um dos maiores servifos
prestados ao conhecimento das nossas coisas.

Salvador, Io de fevereiro de 1942.
Artur Hehl Neiva


Este livro, pelos preciosos documents que encerra, constitue ver-
dadeira tesouro national.

14 de marqo de 1942.
Arthur Neiva








Corn satisfagho registramos o precioso parecer de Amigos, aos
qnais enviaramos, para maior garantia de 6xito e aprovagho, o texto
original da obra:


0 LIVRO VELHO DO TOMBO DO MOSTEIRO DE S.
BENTO da Cidade do Salvador I um citmllo de real valor para o
esclarecimento de controversial da Historia Nacional.

Deixamos de mencionar os assunios vdrios de que esid ele referto,
para so apontar o testamenlo de Gabriel Soares de Sousa, o mais
famoso cronista do Brasil seisceniista, como se ve de sua monumental
obra NOTICIA DO BRASIL, titulo este corn que foi publicada
em 1825, ou TRATADO DESCRITIVO DO BRASIL EM 1587,
conforme lhe deu Varnhagen, quando a editou em 1851.

De ha muito que deveria ter sido divulgado a precioso Livro
Velho do Tombo, tdo apreciado pelos hisloriadores.

A' Veneravel Ordem-Benedifina da Bahia, da qual I abode o
virtuoso D. Placido Staeb, se deve a benemerencia da publicardo desta
obra, que obedece a ortografia'daquela epoca e I enriquecida de valiosas
e interessantes ilustra;fes.

S. Paulo 26 -7- 1944.
Piraid da Silva



Exmo. Snr. Dom Abbade Dom Placido Staeb, O. S. B.

D.D. Abbade do Mosteiro de Sdo Sebastido da Cidade dO Salvador

Sobremodo grato d generosa oferta de V Ex. Revma. venho
agradecer-lhe a remessa do precioso volume que V. Excia. Revma. teve
a excelente iniciativa de imprimir: o Livro do Tombo de sua Abadia e
iniciativa pela qual tenho a honra de exprimir-lhe os meus calorosos
parabens.
Foi iuma empreza digna, sob todos os pontos de vistz, de beneditinos
e certamente assinalard notavel face do governor de V. Ex. Revma. i
test de sua abbadia tres e meio vezes secular. Nao e so preciosa
contribuifdo oferecida & historic da Igreja no Brasil; constitute tambem
dadiva da maior importancia para o estudo dos nossos fastos nacio-



x








naes envolvendo como involve tantos fatos da vida regional bahiana e
tantos aspects da historia territorial e da civilisaado brasileira pelo
exame das condiJoes pregressas de suas instituiges juridicas, dos seus
aspects economics seculares etc. etc.
Examinando cuidadosamente as centenas de paginas do grosso
volume que acaba de me chegar ds mJos, verifico corn o maior prazer
quanto foi conscienciosa e atentissima a sua confecao. E' o que se exige
de obras desta natureza. E sob este ponto de vista tenho a impressao
de que V. Ex. Revma. e os dignos monges de sua piedosa Comunidade,
e seus colaboradores nessa t o patriotic empreza de levar a cabo a
obra nada deixaram de fazer afim de que o grosso codice do seu Tombo
se imprimisse corn a mais absoluta fidelidade.
Quanto pormenor precioso para a reconstituifdo dos ambientes da
velha Bahia se encerra nas centenas de atos juridicos condensados em
sua bela publicadoo, cartas de sesmaria, escrituras de compra e venda,
cartas e folhas de parlilhas, doa(Jes, traspassos, papeis de arrematafdo,
escrituras de obrigafao, aforamento e distrato, sentencas de composicdo
e concerto, liquidado, lransaado, etc. etc. Que copioso e rico material
post ao alcance dos estudiosos do passado e reconsiituidores de ambi-
entes de antanho! recordador das formulas juridicas processuaes e
tabelioas desuelas e das-variacies do valor dos terms e das expresses!
das al/erao(es dos valores de terras e edificios, oscilaf6es de prepos de
escravos e aparelhagem da vida comum, etc. etc.
Para a historic territorial da cidade d'0 Salvador I inestimavel
a contribui ao que V. Ex. Revma. e seus monges vieram trazer.
Os testamentos insertos no Livro do Tombo interessam ao Brasil
todo por fornecerem fefas em condifoes de serem confrontadas corn as
congeneres de outras regimes do pakz.
Como I interessanfe ver-se surgir, subitamente, a transcri do de
testament de home ilustre, do relevo de Gabriel Soares de Souza
em suas duas cedulas!
Apreciei as vinhetas que ilustram e enfeitam o volume. Sdo muito
expressivas.
Ha meio seculo o nosso velho acervo documental publicado ainda
se achava diminutissimo. Tem-se avolumado imenso nas principals regimes
do Brasil. E a nova contribuiydo que V. Ex. Revma. lhe traz I de
subida importancia.








Assim permit que Ie reilere os meus aplausos calorosos pela
bela obra realisada, pedindo-lhe ainda que os leve aos seus dignissimos
colaboradores.
E' obra de legitimo cunho beneditino este tomo inicial da series
que V. Ex. Revma. quer entregar ao public.
Mil e mil farabens os mais sinceros for ado valioso e patriotic
empreendimento, repito-o.
Aproveito o present ensejo para a V. Ex. Revma. apresentar
a expressao do meu maior apre;o assinando-me de V. Ex. Revma.
am.0 mt.o admr. e menor cro.

S. Paulo, 31 de julho de 1944
Affonso de E. Taunay



















PREFACIO

Vai a Cidade do Salvador festejar em 1949 o quarto cen-
tenArio de sua fundaQao, e movimentam-se os bahianos visando
a uma alta e digna celebrago.
O Institute Hist6rico da Bahia agitou, jA vWo dois anos, a
iddia de fixar-se de logo um piano, um program, especialmente
no que concern aos aspetos culturais-hist6ricos da comemo-
raCqo, e alvitrou certas medidas .a serem tomadas a fim de em
1949 ja estarem publicadas colecses de documents e estudos
que enfeixarZo a hist6ria da cidade.
Formulados os apelos, vao sendo ouvidos e atendidos.
A Prefeitura Municipal ja deu a estampa, em belo tomo de alto
valor hist6rico, o prirpeiro volume de "Atas da Camara", period
de 1625 a 1641, e promove a publicacao de outros documents
de seu precioso arquivo; tendo contratado cor um grupo de
estudiosos a composicgo de monografias. Nalgumas reparti96es
pilblicas e instituiQ6es realizam-se trabalhos de colegao, c6pia e
anotadio de pap6is antigos que ndo tardario em ser dados a
estampa.
Tudo isso promete, ao lado de monuments e solenidades,
uma s6rie de trabaihos e valioso acervo de documentaqib que
projetando grande luz sobre muitos problems hist6rico-nacionais,
compordo a cronica e narrardo a vida de uma das mais interes-
santes cidades do mundo.

Arautos neste cortejo de estudos e pesquisas aparecem os
Beneditinos da Bahia cor o present volume.


XIII








Possuidores de riquissimo arquivo, fizeram copiar o "Livro
Velho do Tombo" cor rigorosa minicia, miuido cuidado, religioso
e'paciente ater-se a grafia corn suas hesitacges, As abreviaturas
cor suas mesmas obscuridades, as menores particularidades do
original que aparece, menos que impresso, fotografado nas pi-
ginas deste tomo.
Ao registrarmos tao apertada e fatigante exatiddo nao ha-
veria deixar de salientar, para louvA-la, a famosa... paciencia
beneditina, merc8 da qual a publicacgo que tomou a peito S.
Excia. Revma. o Snr. Abade Dom PlAcido Staeb ajudado dos
oficiais de bom gosto da oficina tipogrAfica do Mosteiro de Sdo
Bento da Bahia, sai cor rigores de ^tecnica e apresentacgo
artistica, padres para trabalhos semelhantes.
Os documents impresses alcancam um period de 196 anos
que vai de 1536 a 1732, e embora referentes, todos, diretamente
ao patrim6nio material- latiffndios, terrenos e casas--dos Be-
neditinos da Bahia, trazem informac9es de carter politico, social,
military, economic, geneal6gico, geogrAfico e hist6rico de grande
quilate.
Sesmarias, testamentos e doaq6es, compras e demands
envolvem assuntos e pessoas, uns esquecidos, outros agora es-
clarecidos, que o amante da hist6ria national e local estima en-
contrar entire as palavras tabelioas e as outorgas, condicies e
precos de tantas e tao velhas escrituras.


Nao so entire nos muito numerosos os documents do pri-
meiro seculo; grande 6 por isso a curiosidade dos estudiosos do
passado quando de raro em raro aparecem. Aqui se estampam
nio poucos de suma importAncia, embora alguns de maior p8so
e de mais ampla repercussio tenham ja sido publicados.
A sesmaria concedida por Pereira Coutinho em 1536 a
Diogo Alvares, objeto de magnifico trabalho do Revmo. Dom
Clemente Maria da Silva Nigra O. S. B. cor o titulo "Francisco
Pereira Coutinho e o seu document" (Rev. Inst. Hist. da Bahia,
vol. 63, pag. 211); o testament de Gabriel Soares, tambem divul-
gado por Varnhagen na "Historia Geral", e a doagco'da Igreja
da Graca, terras adjacentes e alfaias em 1586, por Catarina
Alvares Caramuri aos Beneditinos, ja os publicara Melo Morais







no "Brasil Historico" (2.a s6rie, i.0 ano, pags. 115, 124, 128),
sendo esta iltima escritura reproduzida sem maiores cuidados,
corn alteracqes ou modernizac6es de grafia, alguns saltos ou
omissoes e at6 o acrkscimo do apelido Paraguassiu aos nomes
de Catarina Alvares.

Desenha-se nos documents deste livro um prospect da
Cidade do Salvador de entire 1536 e 1732; debuxo minudente
que evoca e ressuscita.
Junto a barra o P6rto de Vila Velha, com a fortaleza e a
gamboa de pescar no mar fronteiro.
Das eminencias de Vit6ria e Graca cor suas igrejas, divi-
sam-se no vale, os "brejos"--um (Baixa da Graga) em frente
A capela que Catarina Caramuru doou aos beneditinos; outro que
vai por tris dessa ermida para a banda do nascente (Chame-
Chame). Serpeia entire arvoredos em busca do mar alto o Rio
das Pedras (ultimamente canalizado para a abertura de um novo
bairro de residencias, o Jardim Brasil) que nasce no primeiro dos
alagadicos. Os caminhos se estendem por tesos e ladeiras:-o
que vai para a Cidade, passando pela Praca e Terreiro aos
funds da igreja da Vit6ria, cuja fachada volta-se para o poente
.e o mar; a estrada que dai se dirige A GraCa, a esquerda da
qual, da banda do norte, estHo as casas de Catarina Alvares
Caramur' (pag. 66); a que tambem dai sai para o Forte de
Santo Ant6nio (pag. 62); a geral e pdblica que passa em frente
A ermida da Graca, correndo at4 a lagoa e o ribeiro (trajeto
atual dos bondes de Barra-Avenida, -pags. 63 e 72); a que vai
para o Rio Vermelho (pag. 63) e o discutido Caminho do Con-
celho (pag. 66).

VAo-se cristalizando tres nicleos de povoaqco Barra, Vi-
t6ria e Graca.
Ao redor da ermida da Graca espalham-se casas de ermi-
ties e de romeiros, residencias e currais da familia Caramuri, e,
para tras do pequeno temple, as ruinas (1636, pag. 66 e 67) da
Santiga fortaleza que outrora defender "o assento e a casa" em
que vivera Jiogo Alvares, sitio no dizer de Gabriel Soares,
"afastado da povoacao" do Pereira e que Caramurui "fortificou"








e onde se recolheu, de pazes feitas corn o gentio, mas contra
os ataques do qual tomara aquelas precaucqes militares.
Esses tres futures bairros da Cidade de hoje designam-se
pela expressao comum de Vila Velha ou Povoacio do Pereira
e deles corre (a atual Avenida Sete de Setembro) at6 a Cidade o
"caminho da Vila Velha" (1604, pag. 402) a cortar as terras
legadas por Gabriel Soares aos beneditinos (1584, pag. 399),
que valadas se estendem da banda do mar e da outra banda da
estrada. Eram chaos que o testador tinha como de muito valor
no future, pois nelas podiam os monges "fazer muitas Terisinas
ao Longo do Mar pera aLugar e pello Caminho asima muitos foros
de Cazas e muitas Cazas ao Longo da Estrada que tudo pello
tempo adiante uiram aRender muito pera o conuento" (pag. 399/
403) previsao que o correr dos seculos nao desmentiria ainda que
os frades, ao que parece, nunca construissem ou explorassem
trapiches e serviqos portuArios com as tais "terisinas", ou sejam
teracenas ou tercenas casas de guardar materials e aprestos
navais.
Num alto, como a chegar as Portas de Santa Luzia, bran-
queia a pequena ermida de Sao Sebastiao, doada aos da ordem
de S. Bento por Francisco Afonso o CondestAvel e sua mulher
(1580, pag. 404) e pela pequena planura e o descambar dos
vales as terras adjacentes onde se vio levantando os muros do
cen6bio e se multiplicam as casas dos foreiros, enquanto a capela
cresce em vulto e beleza na "igreja nova", jA comegada ao
tempo em que Gabriel Soares redigia o testamento e ainda em
obras em 1612, quando os monges necessitavam ter na Praia
tijupares para recolher cal necessaria A construgao (pags. 9, 40, 41).


Nao fora fAcil fixarem-se ali aqueles religiosos.
Se nos comecos do Brasil os conventos enobreciam as
cidades, tambem pesavam, em despesas e esmolas, s6bre os co-
lonos, moradores e cidadaos.
Conta Frei Vicente do Salvador que Diogo Botelho, quando
veio governor o Brasil, trouxera consigo religiosos da ordem
de Santo Agostinho para fundarem casa em Pernambuco "mas
o povo o nao consentiu dizendo que nao era capaz a terra de
sustentar tantos religiosos graves, porque tinham jA cA os da







Companhia de Jesus, de Nossa Senhora do Carmo, do Patriarca
Sao Bento e do nosso Serafico Padre Sao Francisco; e assim
dando-lhes uma muito boa esmola, que cor o governador se
tirou pelos engenhos, se tornaram pera Lisboa".
Tamb4m a CAmara da Bahia tentou impedir a fundacqo do
mosteiro dos Beneditinos na cidade de Tome de Sousa, pois se
o governador e o bispo os acolhiam satisfeitos, buscavam os
oficiais da Camara razoes ou pretextos para Ihes dificultarem o
estabelecimento na Bahia (1581, pag. 449).
Os frades foram, porem, sendo aceitos e queridos; e doa-
c9es, legados e compras Ihes desenvolveram patrimonio e riqueza.
Estenderam-se-lhes os domlnios em chaos, foros e casas pela
cidade-intra e extra-muros, tanto em Vila Velha como nas
Cidades Alta e Baixa.


A data da instalacgo dos Beneditinos na Bahia vem fixar
a da descricgo que da Cidade do Salvador fez Gabriel Soares.
Varnhagen publicou a obra do bandeirante corn o titulo-
"Tratado descritivo do Brasil em 1587"; tem-se verificado, porem,
que fatos e descriqces contidas no livro sao anteriores a esta
data. Ultimamente Jayme Cortezao, no seu excelente estudo
"Cabral e as Origens do Brasil", diz (pags. 25/26) que o livro
deve ter sido coligido e composto at6 o mez de agosto de 1584,
em que seu autor partiu da Bahia para Portugal.
Se pelos documents que agora se publicam, confirmadores
da noticia que ji tinhamos se fez certo que os frades de Sao
Bento chegaram A Bahia em 1580 e se Gabriel Soares ao des-
crever a Cidade redigiu este t6pico-"este mosteiro de Sao
Bento 6 muito pobre, o qual se mantem de esmolas que pedem
os frades pelas fazendas dos moradores, e ndo tem nenhuma
renda de Sua Magestade, em quem serA bem empregada pelas
necessidades que tnm, cujos religiosos vivem santa e honest
vida, dando de si grande exemplo, e estao bemquistos e muito
bem recebidos do povo, os quaes haverd tres anos que foram a esta
cidade corn licenga de Sua Magestade fundar este mosteiro que
Ihes os moradores dela fizeram A sua custa cor grande fervor
e alvorogo" nao hA divida de haver escrito Gabriel Soares,


XVII








pelo menos a descricQo da Cidade, em 1583. Recua-se portanto
de quatro anos o que nao 6 pouco a data que Varnhagen
consagrou para o "Tratado".

O convento ficava em boa vizinhanca. Cercavam-no terras
de gente. de fama, atividade, cabedais, nomes que figurariam em
destaque na cr6nica e na hist6ria da cidade Antonio Dias
Adorno, Sebastiio de Ponte, Clemencia Doria, Simdo da Gama...
Um pouco aquem do sitio de Sao Pedro, como quem vai
para Vila Velha, destaca-se a casa em que mora Sebastiao da
Rocha Pita, o av6 do historiador (1657, pag. 425) e ao long
do muro dos frades, por uma concessao destes (contra o que
reclamavam os oficiais da Camara), as casas em que se alojavam
os "retirados de Pernambuco" (1626, pag. 420) a avanCarem
para dentro da rua larga de setenta palmos, o duplo das demais
da cidade.
Desce, em face ao Mosteiro, para o poente at6 o mar, o
pendor da montanha disfarQado em degraus. A' meia encosta,
para o sul, estdo as terras dos Ravasco, e contiguas, na direqio
norte, as do Tenente General Sebastiao de Araujo e Lima, junto
de cuja casa se despenha at6 A Praia o guindaste dos Frades
de SZo Bento (no encontro das ladeiras da Montanha e Conceifgo).
Mira-se ao norte a Porta de Santa Luzia (sitio do edificio de
"A Tarde") cor imponencias de fortaleza, mal cobrindo o casario
da Cidade que desborda al6m da cinta primitive, jA que dos
muros nao hA mem6ria desde o tempo em que Gabriel Soares
escrevera o "Tratado" ou "Roteiro", "por serem de taipa e se
nao repararem nunca"; e no descambar da ribanceira para a
Praia, riscam-se no "bairro de Sao Bento" as "trincheiras", rudi-
mentos de defesa military que servem de marcos e pontos de
referencia--"das trincheiras para dentro", "das trincheiras para
f6ra" (1654, 1695, pags. 268, 269) e mais o "Baluarte de Sao
Thom6" que figure numa sesmaria dada a Baltasar Ferraz (1603
pags. 360, 365).

Na encosta entire a cidade e a Praia rampas, caminhos,
guindastes.
Das "Casas de Sua Magestade" (Paldcio Rio Branco), parte
a ladeira que, a certo ponto onde se arvora uma cruz de pau,


XVIII







faz volta em busca de Nossa Serihora da Cbnceicgo e se bifurca
no caminho velho que vai para o "Varadouro", at6 onde se
dirige outro caminho vindo das bandas de Vila Velhla.
Descai abrupta pela encosta at6 o forte junto "ao mar a
"Cava" que comeca unida as Portas de Santa Luzia. E IA esta,
na Cidade Baixa, a Plataforma da Pregui9a, acima da qual vemos
as casas de Antonio Lopeg Ulhoa e as terras de Bernardo Vieira
Ravasco (Ladeira da Gameleira).
TraCam suas linhas rigidas na encosta umbrosa os "Guin-
dastes", nao s6 o dos Frades Bentos, como os da Praca, o dos
Padres da Companhia e o dos Carmelitas.

Numerosos sao os panoramas e cartas seiscentistas da Ci-
dade do Salvador em que figuram os "guindastes"-planos. incli-
nados cor cuja ajuda subiam da "Praia" a "Cidade" os volumes
descarregados de navios e barcos, aparelhos de que nos ficaram
felizmente algumas descriqces de cronistas e viajantes, entire 8stes
Pyrard de Laval'(i6io), Dampier (1699) e Frezier (1714).


Ainda hoje, a despeito das altera6es, tao irreverentes a
tradiqdo, da nomenclatura das ruas bahianas, t6da a gente sabe
onde fica a 'Rua do Guindaste dos Padres", que assinala o sitio
onde, na Cidade Baixa, comegava o ascensor dos Padres da
Companhia de Jes's no local em que atualmente se acosta o "Plano
Inclinado GonQalves" que tanto pode ter este nome como ape-
lidar-se "dos Padres" ou "dos Jesuitas", ou ainda "Plano In-
clinado Visconde de Pedra Branca", pois Domingos Borges de
Barros foi idealizador e iniciador, corn a colaboraco de Gon-
calves, da maquina depois substituida pela que hoje serve aos
habitantes da Cidade do Salvador.
Se folhearmos "Na Bahia Colonial -1610-1764" (Rev. Inst.
Hist. Bras. vol. 114, pags. 234 e segs.) onde Afonso de E. Taunay
traduziu, comentou e resumiu os relates de viagem de estran-
geiros que visitaram a Bahia entire aquelas datas, teremos nio
s6 as descrigSes dos guindastes a que nos reportamos como ainda
a reproduco de vArias gravuras cor panoramas da Bahia antiga.
Na primeira delas, do tempo da guerra holandesa, estio
bem desenhados dois guindastes-da praga e dos Padres Jesuitas,








que figuram noutra da mesma epoca por Afonso Taunay titulada
de "Ataque da Cidade do Salvador na Bahia de Todos os Santos
pela frota holandesa ao mando do Almirante Jacob Willekens"
(1624 -- portanto).
Na gravura que acompanha o livro de F. Coreal (1728)
vOem-se tres guindastes o da Praca, o dos Jesuitas e o dos
Carmelitas (hoje Piano Inclinado do Pilar Vide An. Bibl. Na'c.
vol. 31, pag. 180); o mesmo acontece na do livro de Froger
(1695). Na de Pedro Schenck (1702) figuram dois guindastes
muito aproximados, ambos- altura da Praga. E nenhum foi
desenhado no panorama Frezier, embora nas legends haja refe-
rencia a uma "machine pour monter et descendre les marchan-
dises", que na plant parece localizada na Praca.
Aqui nestes documents cita-se um outro guindaste o dos
Beneditinos, que em 1698 adquiriam ao Tenente General Sebas-
ti~o de Araujo e Lima, duas bracas de terras contfguas A casa
deste vendedor "abaixo das portas de Sam Bento na boca da
rua que chamao do genipapeiro" para ai "fabricarem hum guin-
daste" (pag. 169 e segs.) o que faz crer que a largura destas
miquinas nio excedia das ditas duas bragas. E nio tardaram muito
os beneditinos em construir o seu elevador, pois em 1701 Gongalo
Ravasco Cavalcanti de Albuquerque vendia aos Padres Bentos
"h-ia sorte de terra junto ao guindaste que os ditos Mongez
ter nesta dita Cidade," (pag. 173).
Por pap6is do arquivo de S. Bento hi noticia de em 1784
existii, sem muita utilidade o guindaste dos Frades Bentos, tanto
que naquele ano era alugada a casa que o servia corn a con-
dicio do inquilino "zelar as rodas do guindaste, as amarras, cai-
xoens e o que pertencer e se guardar na dita casa". Quase trinta
anos depois, em "5 de Julho de 1813 esse guindaste foi demo-
lido por ordem do Senado", mas nao completamente, tanto que
em 1817 se falava de consertos a fazer-lhe. Em 1836 o contra-
tante da construcao da grande muralha para seguranga da mon-
tanha pretendia reconstrui-lo para serviQo da otra de que se
incumbira.
As referencias no plural aos "guindastes da Praca" (pag.
180) certificam-nos de que em 1630 situavam-se all pelo menos
dois. Um papel datado de dois anos depois alude, por6m, A








"Ladeyra da Praya junto ao Guindaste novo de Pedro Glz de
Mattos" o que gera duvidas se seriam tres, contado mais tste
do tio de Greg6rio de Matos.
Esta hip6tese de tres guindastes na Praga e desmentida
pela gravura de Schenck (1702), mas parece confirmada pela de
"Benedictus Mealius lusitanus" que cor a legend "Copia de
uma plant da Bahia em 1625" figure entire as pAginas 226 e
227 do Tomo II da "Historia Geral" de Varnhagen, edigco
Rodolfo Garcia.


Se passamos A Cidade Baixa vamos ver estender-se aper-
tada entire o mar e a montanha, aconchegada A rocha, a rua
unica, a "Praia", cor aquiles "grandes desembarcadouros" e
as tres fontes de que fala Gabriel Soares, no seu livro.
Alinham-se, nas imediaq5es de Nossa Senhora da Conceigio,
o "Porto dos Pescadores"; o "Varadouro" --onde querenam
naus, ribeira em que se constroem bergantins e se descarregam
as fazendas dos navios; e o "Porto de Balthazar Ferraz".
Deste porto de Baltasar Ferraz, que ter em face mais ao
mar o penedo grande, comecam, para as bandas de Santo An-
tonio e pertencentes aos padres bentos, terras cuja demarcacgo
fiscaliza aquele vizinho poderoso e vigilante (1596, pag. 9 e 1i).


O Dezembargador Baltasar Ferraz, a quem Frei Vicente
do Salvador viria a marcar cor descaridosa lembranca ("His-
toria do Brasil", Frei Vicente do Salvador, Livro V, cap. VI),
e de quem encontramos outras noticias em Varnhagen ("Historia
Geral", II, pag. 31, 49 e 68 e notas de Garcia), possufa na Bahia,
em 1591, casa onde hospedava parents ("Denuncia96es", pag.
503); em 1604 declarava-se maior de cinquenta anos (Rev. Inst.
Hist. Bras. vol. 73 pag. 180); em 1606, numa peticio relative a
umas terras do Engenho Cotegipe que'comprara, nomeia-se "pess6a
afazendada e abastada" e "pess6a benemerita" (Docs. Hist. vol.
18, pag. 377); em 1609 serve de testemunha no testamento de
Garcia Davila, que Ihe incumbe do cumprimento de certo legado,
e assina a rogo do testador o termo de aprovagAo ("Anais do
Arqu. Publ. Bahia. "Ano III, vols. IV e V, pags. 239 e 242).








Os documents que neste volume se estampam, em que se
lobrigam os empreendimentos do home de neg6cios a sobre.
pujarem as atividades do jurista e magistrado, de certo modo
confirmam aqueles tftulos de riqueza e benemerencia alegados
pelo letrado.
Assim 6 que em 16 de abril de 1596 compra ele a Luiz
Rodrigues de Pero Assi uma dada de terras com umas casas
de taipa cobertas de palha no "uaradouro na praia de nossa Se-
nhora da Conceica6," (pag. 318 e 361) e obt6m junto a essas
terras uma sesmaria que Ihe concede o governador Diogo Botelho
de uma lingua de terra e parte .do arrecife, nucleo provivel de
onde o legista expandiu-se em cometimentos comerciais e
portuArios.
Ainda em 1603, numa lingua de terra, entire o caminho que
corria ao long da praia na direcgo do "Porto dos Pescadores"
prometia Baltazar Ferraz construir edificios que enobreceriam e
fortificariam a cidade e ainda fazer aterros avangando s6bre o
mar saindo corn o terrapleno em que estavam duas peas mais
ao largo fabricando-o de pedra e cal (pag. 360).
Em 1612 o novo magistrado mora na "Praia" e segura-
mente no sitio daqueles chaos localiza o porto que Ihe tomou o
nome e mais "huris cases, e suadeiro de- asuq.re de pedra e
cal" (pag. 40).
Ndo se limita por4m a levantar esses molhes e secadouros
de acucar; ainda dentro dagua, no mar, quebra muitas pedras
grades que faziam dano ao service dos barcos, melhorando
muito aquele desembarcadouro.
E mais. Constr6i "logeas", e comega "por baixo do forte
a que chama6 de Diogo Correa de sande" um socalco e parede
para serviqo e caminho de tais "logeas", e 'defronte destas um
balcdo cor paredes de pedra e cal "quadouro de suas logeas"
onde secavam-se os aQ~cares dos dizimos e os inquilinos das
lojas carregavam e descarregavam fazendas e lavavam toldos
(pag. 39 a 45).
Cor nstes documents instala-se assim o Dezembargador
Baltazar Ferraz na historia da Cidade do Salvador como um
dos primeiros empreendedores construtores na Cidade Baixa e
p6rto. Sua casa ficou, a assinalar um dos extremes de um dos


XXII







bairros da cidade, na mem6ria popular e nos documents oficiais.
Numa das determinac5es das Posturas da Camara decretadas em
27 de Agosto de 1625 ,le-se: "que nenhum pescador de rede e
saveiros venda peixe em outra parte sendo na praca desta Ci-
dade, desde a fonte dos Padres at6 a casa do Ferras" (Vide
"Atas da Camara-1625-164 1"- 1i volume-pag. 7).
0 "Livro Velho do Tombo" nio nos mostra mais que essa
"Praia" contigua A ConceiQao, corn casas de palha e taipa para
agasalho dos negros barqueiros (1596, pag. 318), um forte on
baluarte antigo e defronte uns arrecifes correndo para a parte do
sul onde podiam fazer*se gamboas para tomar peixe (pag. 26 e 27).


Se volvermos ao lado da montanha entramos propriamente
na Cidade, onde as casas se agrupam e aglomeram em ruas que
hoje achamos estreitas, de trinta e cinco palmos de largura, e
que, sem batismos oficiais, vdo sendo apelidadas pelo arbitrio
dos cidaddos a buscarem designag.es nos nomes dos moradores,
na direq~o e acesso dos caminhos e na proximidade de edificios
e construg6es de vulto, quer religiosos quer governamentais on
militares.
JA esse aspeto da cidade nascente nos f6ra dado pelas
"DenunciaV6es" e pelas "Confiss6es" dos fins do s4culo XVI que
falam em "travessa de Diogo Lopes Ulh6a", "rua de Francisco
de Barbudo", rua "por baixo de Cristovio de Barros", "Ter-
reiro de Jesus junto das casas de Jorge de Magalhaes dos da
governanca desta Cidade".
Noutro document datado ainda do primeiro s4culo 1550
- hA referencia a uma "rua do Souza no cabo da Cidade,,perto
do caminho dos Soldados onde morava Diogo Moniz" (Docs.
Hist. Vol. XXXVI, pag. 418 e vol. XIII, pag. 251); noutro, datado
de 1581, alude a "rua de Paula Serrio" (vindo da Se) (Docs.
Hist. vol. LXIII, pag. 358) e A "rua public que e-de Andr6
Fernandes Margalho" (id. pag. 367).
Agora nestes pap6is dos Padres Bentos deparamos corn
uma "travesa que vay das cazas do mestre. de Campo Niculao
Aranha Pachequo para a rua em que Lourenso de Britto Correa
fes.. Cazas novas" (1677, pag. 186), isso no "bairro de Sdo


XXIII








Bento fora dos muros da Cidade" (6 o beco de Maria Paz ou rua
Sabino Vieira).
Vale confrontar o que a Aste respeito nos haviam dito as
"Denunciaqces" e as "Confissoes" e o que agora os pap6is cble-
cionados neste volume catalogam.
Naqueles registros da Inquisiqao v~m referidas as seguintes
ruas intra-muros: "junto de Nossa Senhora d'Ajuda", "tra-
vessa que vae da rua Direita para a rua de Nossa Senhora da
d'Ajuda", "praca desta Cidade", "rua direita antes que chegue
a Misericordia", "abaixo da Misericordia", "adro da SWe", "rua
da See", "rua que vae para o Colegio dd Companhia", "Ter-
reiro do Colegio de Jesus", "Terreiro de Jesus", "abaixo do
Bispo", "rua do Bispo", "junto de Sao Francisco", "rua de Sao
Francisco", "rua de Sao Francisco que vae para o Terreiro de
Jesus" todas perfeitamente identificiveis hoje ainda, nao sendo
possivel localizar as "ilhas do rio Freguezia da Se" e a "rua do
Chocalho".
Extra-muros sao mencionadas: "junto de Sao Bento arra-
balde desta cidade", "caminho de Sao Sebastiio ou da Agua
de Meninos".
Um document de 1619 cita a "rua que vai do Terreiro
de Jesus para a porta de Santa Catarina" e a "rua que vem da
porta de Santa Catharina ao long do muro" (Doc. Hist. vol. 63,
pags. 378 e 384).
Nestes pap6is dos Beneditinos encontramos agora bastantes
designag6es de logradouros: Intra-muros "indo de nosa Se-
nhora da Ajuda para a porta de Sam Bento" (1641, pag. 17),
"Trauesa da Mizericordia quando vam para a praia" (1634, pag.
115) "junto a porta... de Santa Luzia da banda de dentro" (1632,
pag. I25), "defronte das portaz da Cidade, que dao pera Sam
Bentto junto a huafis cazas derubadas em que morou Balthezar
barboza" (1650, pag. 205), "rua que vem da porta da Cidade da
Santa Luzia por detras da Igreja de nossa Senhora da Juda
em hum canto que fica defronte das cazas Sobradadas que fordo
de Dinis bravo" (1640, pag. 192), "rua que vem... por detras
da Igreja de nossa, Senhora da juda" (1633, pag. 196), "tra-
vesa que vem por detras da jgreja de nosa Senhora da Juda"
(1642, pag. 202), "Rua de Baixo de noSa Senhora dajuda


XXIV







Vindo das portas de Sam Bento" (1645, pag. 355), "rua que vem
direita das portas da cidade de Sao Bento" (1642, pag. 202),
"rua public que vai para a Praya" (1652, pag. 163), "Caminho
que vay dos guindastes para a Ladeyra para a praya" (1630, pag.
180). Extra-muros, no bairro de So Bento, na direcgo de Sao
Pedro e Vila Velha ou na diregio da Praia, ou ainda buscando
o Desterro e as Aguas interiores, matrizes do Dique:--"rua dereita
que vai da porta da Cidade adiante da Jgreia de Sam Bento"
(1658, pag. 312), "defronte do most.ro de S. Bento... Rua
pera a banda da porta de Santa Luzia da Cidade" (1621, pag.
347), "Rua dereita da Calcada que Vaj p.a o dito Conuento e junto
delle" (1659, pag. 373), "rua de Sam Bento Junto a Sam Pedro"
(1677, pag. 321 e 1678, pag. 344), rua "do portam pera o forte
de Sam Pedro" (1695, pag. 286), "Bairro de Sam Bento da
trinxeira pera dentro" (1695, pag. 268), "Bairo de Sam Bento
arabalde desta Cidade das trincheiras pera fora" (1643, pag.
269), "rua de cazas que fica pella Banda de nosa Senhora da
Piedade" (1695, pag. 286), rua "que Vaj pera Junto da trin-
9hirira" (1695, pag. 286), "travesa que vay das cazas do mestre
de Campo Niculao Aranha Pachequo para a rua em que Lou-
renso de Britto Correa fez.. Cazas novas que tudo vem a ser
no bairro de Sao Bento fora dos muros da Cidade" (1677, pag.
186), "abaixo do guindaste" (1645, pag. 159), "junto do guin-
daste que os ditos Mongez (de Sam Bento) tem nesta dita Cida-
de" (1701, pag. 173), "rua do guindaste" (1649, pag. 161), "rua
public que vai para a Praya" (1652, pag. 163), "abaixo das
portas de Sam Bento na boca da rua que chamao do genipa-
peiro" (1698, pag. 170).


Fornecem as sesmarias, escrituras e sentenQas deste volume
proveitosas notas acerca das construc6es civis na Cidade do Sal-
vador nos fins do s4culo XVI e s6culo seguinte.
Assim 6 que podemos registrar designac5es ou classifica-
95es de casas quanto ao tamanho, andares e arquitetura: Casas
terreas (1632, pag. 125, 1650, pag. 23, 1677, pag. 186, 1689, pag.
369); Casas terreiras (1650, pag. 205); Casas cor suas lojas a
retro abertas (1649, pag. 183); Moradas e urma loja por baixo (1649,
pag. 161); Moradas de casas sobradadas (1641, pag. 433, 1650,


xxv







pag. 205); Sobrados (1637, pag. 36); Casas de sobrado (1641, pag.
15, 433); Casas de hum sobrado (1605, pag. 349, 1605, pag.
352); Casas de dois sobrados com suas lojas (1634, pag. 115).
Quanto ao material de construc;o, distinguem-se: Tuiupar
(1596, pag. 319); Casas de palha e taipa de mdo (1596, pag. 318);
Casas cubertas de palha (1641, pag 17); Casas de pedra e barro
(1632, pag. 125); Casas de pedra e barro e taipa (1633, pag. 196);
Casas de pedra (1603, pags. 359 a 364); Casas corn faredes de
pedra e cal cobertas de palha (1641, pag. 15); Casas de pedra e cal
(1677, pag. 321, 1678, pag. 344); Casas corn paredes de pedra ebarro
cobertas de telhas (1650, pag. 205); Casas cor paredes de pedra e
cal cobertas de telha (1641, pag. 433, 1650, pag. 205, 1667, pag.
i86); Casas que tern portaes de cantaria (1677, pag. 324, 1677,
pag. 358).
tstes elements, completados cor outros aqui e ali respi-
gados tais como os que se encontram no volume 63 do "Do-
cumentos Historicos", as pags. 370, 387, 365, 242, 382, relatives
a casas existentes na Bahia em 1597, 1599, 1606, 16o8, 1621,
constituem um conjunto de dados de muita utilidade para o his-
toriador das construg6es urbanas no Brasil.


Ber vemos, em tao rApido passeio pelas pAginas do livro
que os Monges de Sio Bento nos oferecem, quantas dividas
da hist6ria da Cidade do Salvador encontrario at solugao.
Mas nio se limitam a isso aqueles documents, pois muito
nos dizem da hist6ria territorial da Bahia sesmarias de JurarA,
terras de Tatuapara e Itapoan, latiffndjos de Garcia Davila,
fazendas de Sergipe do Conde.... E nos falam de costumes e
epis6dios da vida social naquelas longinquas eras; e nos dAo pe-
quenas mas preciosas minicias hist6ricas, geogrAficas, biogrificas.


Se o leitor ai buscar notas de interssse econminico elas nao
Ihe faltardo.
Em relaQao a escravos por exemplo aparece-nos uma desig-
nagqo racial pouco comum, pois na 6poca chamavam-se os indios
de negros, ou negros da terra. Num document de 1577 (pag.
138), porem hi alusao a "escrauos do gentio da terra pardoz".


XXVI







Os mais sao "gentio de Gufn6", crioulos, cabras; e seus
precos nos meados' do s6culo XVII variavam entire 508, 45$,
40$, 20$, 15$, ii$; (pags. 14, 19, 54).
Em 1639 fazia-se distincio entire "os escrauos desta Cidade
e os de pernambuco" (pag. 53).


S6bre amucar, alem de pagamentos dos dfzimos dos ai'cares
em esp6cie (1612, pag. 44) e de pagamentos de obrigaqces em
aqucar "tanto asuqr branco e mascauado seco, e em caixa
do posto na praya desta cidade" (1626, pag. IIi), deparamos
com uma novidade. Ndo sabiamos que nos fins do seculo XVI
e principios do seguinte o aqucar transportado dos engenhos
era na "Praya" ou Cidade Baixa exposto ao sol para secar.
Havia mesmo quem tivesse balcoes ou "suadeiros" para isso.
SDocumento de 1596 (pag. 363) menciona "hum balcao de secar
asucar" na praia junto a Nossa Senhora da ConceiqZo;.e noutro
de 1612, alude a Baltasar Ferraz como proprietArio, na "Praia",
de um "caes, e suadeiro de asuq.re de pedra e cal", ou seja um
balcao para secar aqucar (pag. 40 e 44).


Poucas sao as notas colhidas de refernncia a gado, e t6das
relatives ao s6culo XVII.
JA em 1619 os beieditinos o possuiam: "gados de cujas
criacoens se sostenta6" e alegavam nao ter, terras para apas-
centa-lo pelo que pediam sesmarias (pag. 4).
Num document de 1649 (pag. 19) encontramos os preqos
comparados entire escravos e gados. No inventArio de Gaspar
Dias Barbosa da familia Caramuru --- enquanto uma negra de
Guin6 era estimada em 5o$ooo, uma vaca parideira era avaliada
em 5$ooo, e uma novilha de tres anos em 5$ooo.
HA menqco de currais em Perajuhia (1641, pag. 211) e de
criaces de gado de "meyas" de Duarte Lopes Sueyro em Ita-
parica (1641, pag. 15 e 434).


Datada de 1677 figure, a pigina 260, valiosa informacqo s6bre
arrendamentos de terras: "as terras de como quando se arendam
em rnatos Virgefis os primeiros annos nam pagamos rendeiros



XXVII








penssao senao depois de terem pla.tados os mantimentos e la-
uoiras e Sessam Canauiais uem a pagar ordinaria mente os quintos
passados os primeiros annos porque o mais tempo como h4
utilidade dos Senhorios lauranrensse suas terras as .am liures
sem pensa6 alguma."
Confirma-se assim o costume dos partidos ou meaqges de
200/o nas colheitas de canas em terras arrendadas, obrigado
o arrendatario ao pagamento dos "quintos"; verificamos, pordm,
que dos arrendatArios de terrenos ainda maninhos, em matos por
derrubar, s6 eram cobradas as pens6es ou mea95es "passados
os primeiros annos".


Trazem tambem ,stes documents alguns elements de in-
formaqio s6bre j6ias, alfaias, tecidos, utensilios nos dois primeiros
seculos.
Ao ensaio de W. P, publicado na Revista do Patrimonio
Hist6rico e Artistico: "Mobiliario, vestuario, joias e alfaias dos
tempos coloniaes" haveria que acrescentar: a "alcatifa" e os objetos
de prata: "jarro e bacia de agoa as maos", "saleiro" e "sinco
colheres de prata" e "lampadario" objetos estes doados por
Catarina Caramuru aos Padres de Sao Bento em 1586 (pag. 87).
JA em meados do seculo XVII (1641, 1649, pag. 19 e 2o,
184 e 211), vamos encontrar vestudrios: "saja de pano azul",
"sinta", "tualha da Cabessa"; tecidos de uso pessoal: "lencos",
"toalhas de maos", "toalhas de agoa As maos", "gardanapos",
"gardanapos dalgudam", "lanC6es", "lansoes e huA faixa",
"'hi trauisseiro com sua almofada e fronhas", "hua rede uzada";
alfaias e utensilios: "tacho", "tachinho", "forno de cobre", "cas-
ticaes", "bassia", "escopeta", "eix6s goivas", "escouproz",
"serra bracal", "peso de ferro", "cavilhas"; mbveis: "caixa de
Vinhatiguo", "toucadores", "cofre de framengo uelho pequeno";
prata: "colheres de prata", "corrente cor quatro colares", "gri-
Ihoefis"; ceramica: "hua palangana de meja Cuzinha", "quinze
perselanas da India".


Uma vez ou outra surge alusoes A polftica, As guerras
as "armas.


XXIII








Acerca das lutas corn o gentio ha uma preciosa nota s6bre
a presence dos aimords e sua pressio' s6bre os colonos, em 1596,
na zona do Paraguassl, onde os fazendeiros tinham que estar
sob as armas, em vigilAncia continue para se resguardarem dos
ataques daqueles ferozes indios.
A regiao chamada "Capanema" tao citada nos documents
antigos, especialmente sesmarias, nio estava, naquele fim do s&-
culo XVI, liberta dos perigos de tao temiveis vizinhos. Luiz
Rodrigues all morador em I6 de abril de 1596 doava terras cor
umas casas e "tijupar" a Baltasar Ferraz e declarava faze-lo
porque: "cor ocupaca6 de sua fazenda e opresa6 que ter
cor o gentio contrario ajmor6 que fraquenta a quellas parties da
Capanema... na6 podiam nem podem fazer na dita terra as befis
feitorias neCesarias" (pag. 318) t6pico que passa a ser nota
de alguma curiosidade ao capitulo trig6simo quinto da "Historia"
de Frei Vicente do Salvador.


A' guerra holandesa existem referencias As pags. 104, 248,
256 que nio sfo de maior significaqco.
A' pagina 439 documento de 1645) hA alusHo A quantia
de vinte mil reis paga "aoz officiaez de Just.a q' oz fora6
cobrar de finta que se fez p.a as querenas da armada do Conde
da Torre," subscriiao de que hA minuciosa informaQAo em pre-
cioso c6dice ultimamente adquirido pela biblioteca do Itamarati.
Nfo deixa de ter algum sabor a noticia de que os "reti-
rados de Pernambuco" levantaram casas e se alojaram extra-
muros no bairro de Sao Bento (1640, pag. 420).


Fartas sao as achegas biogrAfico-geneal6gicas e muito in-
formam de alguns magnatas colonials e de linhagens bahianas,
confirmando, autorizando e completando o "Catalogo Genealogico"
de JaboatAo.
Numerosas as passagens em que aparece a familiar Caramuri
- Diogo Alvares, sua mulher Catarina Alvares Caramur-f e
filhos e netos do casal.
E' de notar em nenhum dos documents aparecer o ape-
lido Corr&a sotoposto aos nomes Diogo Alvares; e 'nenhuma vez


XXIX








Paraguass4 juntar-se aos de Catarina Alvares, sua mulher, ora
mencionada como Catarina Alvares (pags. 60, 63, 66, 67, 80, 81,
83, 85, 90, 152, 250-documentos datados de 1628, 1630, 1636,
1654), ora como Catarina Alvares Caramurt (pags. 59, 68, 74,
76, 85, 143, 144, 146, 149, 150, 151- documents datados de 1630,
1634, 1636, 1638, 1654), ora como a Velha Caramurua (pag. 60 -
1636), Catarina Alvares a velha (pags. 244, 392 -1654), Catarina
Alvares Dona Veuva (pag. 89-1586) e ainda Catarina Alvares
a antiga Caramuru (pag. 429-1640) e- naquele document em
que fala e outorga 6 pelo tabeliao qualificada -- Catherina Al-
vares Caramuru (pag. 87 1586).
Nesta escritura de doacdo da Capela da Graca aos Bene-
ditinos ficaram alguns tracos que serviriam para o retrato da
celebrada cabocla. Nio falava senio pela lingua da terra, mas
parece entendia o portugues o bastante para confirmar por acenos
ao tabeliao a traducqo que int6rpretes Ihe faziam do que ela ia.
outorgando. Tinha terras, capela, alcatifa, pratas. Residia em
suas moradas na PovoaQio do Pereira (1586).
Por morte de Diogo Alvares procedeu-se a inventArio e
partilha de seus bens (pags. 82, 87, 152) e por morte de sua
viuva tamb6m se fez partilha entire os herdeiros afirmando um
document (pag. 66 1636) que deixara ela "melhor de vinte
herdeiros".
Em um t6pico da escritura de doagco da capela da Graga
enumera Catarina suas filhas, as mesmas a que alude o CatAlogo
Geneal6gico de Jaboatao: Ana Alvares, Pelonia Alvares, Ge-
nebra Alvares, Garcia Alvares, esta jA falecida em 1586 e na
Graga enterrada.
Ana Alvares, uma das filhas do casal Diogo-Catarina tinha
em 1577 casa na Povoacio do Pereira (pags. 137, 138) morada
em que se lavrou a escritura de doacao-dote que seu filho Andr6
Rodrigues fazia a sua irma dele Maria Correa, para casar cor
Ayres da Rocha Peixoto. Jaboatao no "Catalogo" chama a
AndrB Rodrigues, de Andr6 Rodrigues Correa e diz que seu pai,
marido de Ana Alvares, era Custodio Rodrigues Correa. Ana
Alvares vivia em 1591 (Vide "Denunciaqces", pag. 486).
Pste Ayres da Rocha Peixoto tinha casas de morada na Po-
voagao do Pereira em 1578, e aindci outras "telhadas" "cor seu


XXX







quintal" na praca da dita povoaqco, casas que naquele ano vendia
(pag. 99) e Ihe haviam sido doadas por MarQal Roiz, seu cunhado,
e Andrd Roiz.
Marfal Roiz, que Jaboatio inscreve: "o Padre Margal
Roiz, vigario de Vila Velha e Povoa9ao do Pereira" --, era filho
de Ana Alvares e irmAo de Maria Correa, sendo por isso cu-
nhado de Ayres da Rocha Peixoto (pag. ioo), e aparece nas
"DenunciaqSes" (1591, pag. 281): "Marcql Roiz clerigo tam-
bem mamaluco sobrinho da dita Felipa Alvares".
Pelos fins do s4culo XVI a familiar Caramuru, parece, t6da
ela residia em Vila Velha ou Povoacao do Pereira onde tinha
casas e terras.
Pelonia Alvares, filha do casal Diogo-Catarina, aparece-nos
como possuidora em Vila Velha de terras onde tivera casas
e que herdara ou haviam sido de seus pais. E como date essa
posse de 1589, daf podemos induzir que neste ano ou pouco
antes faleceu Catarina Alvares Caramurd (pags. 144, 146, 149,
150, 151). Senhora destas terras, por morte de Pelonia Alvares,
ficou sua filha Messia de Figueiredo que as legou A sua filha
Catherina Corr&a (bisneta, portanto, do casal Diogo-Catarina, pags.
144, 146, 149, 150, 151, 152).
Pelonia era casada cor Sebastiio de Brito Corria. Este
casal teve filho LourenCo de Brito Corr&a que em i628 afirmava
estar Catherina Alvares enterrada na Graga e se referia A sesmaria
do "Senhor Diogo Alvares". Seus pais ji eram falecidos em
1633 e provavelmente em 1628, quando fez a doacAo aos bene-
ditinos de terras em torno A capela da Graga que partiam corn
quintais de Antao Gil (pag. 80).
Garcia Alvares, outra filha do casal Diogo-Catarina, casou-se
cor Antao Gil que morava em Vila Velha perto da estrada (que
ia da Vit6ria para a Graca?), possuidor de muitas negras ao
tempo em que ainda havia muita gente em Vila Velha, onde
tinha quintals (pag. 60).
Assina em 1586 Antao Gil, como testemunha, a escritura
cor que Catarina doou a capela da GraVa aos frades Bentos
(pags. 60, 80, 88). Era em 1581 Oficial da CAmara (pags. 409,
449). Vivia em 1591 pois numa denunciagco ("Denunciac5es",
pag. 278) le-se: "dez ou doze negros de Caterina Alvares, de-
funta sogra de Antao Gil, morador em Vila Velha".


XXXI







De Genebra Alvares, a outra filha de Diogo-Catarina nao
dSo noticia direta os documents impressos neste volume. Mas
hA muitas acerca de descendentes dela, que jA se tinham desli-
gado do pequeno feudo de Vila Velha.
Uma filha de Genebra Alvares Catarina Alvares, casada
cor Baltasar Barbosa morava em Sergipe do Conde.
Em 1641 esta Catarina Alvares (neta e nao bisneta como
erradamente diz o titulo A pag. 429), seu marido e seu genro
Gaspar Dias Barbosa eram falecidos. Deixaram um filho Melchior
Dias Barbosa (nao referido por Jaboatio no Catilogo Geneal6-
gico) casado cor Maria da Rocha Pita que em 1649 assistia o
inventArio dos pais (pag. 18, 19, 22).
Aldm de Maria de Araujo, casada corn aquele Gaspar Dias
Barbosa, tinha o casal Catarina Alvares--Baltasar Barbosa mais
outros filhos: Domingos Barbosa de Araujo, Joana Barbosa, ca-
sada cor Antonio de Souza Dormondo, Francisca Barbosa casada
cor Cristovam de Saa e Felipa Barbosa casada cor Manuel da
Mota (pags. 17, 208, 235 e 429), esta nao referida por Jaboatio
no CatAlogo Geneal6gico.
Tamb6m deparamos corn outro filho de Genebra Alvares
As piginas 225, 228 e 233, onde se fala de uma tapera que
foi de Diogo Dias CaramarA e em "taperas de Diogo dias genrro
do defunto garsia dauilla" (1622). Ora, segundo informa Ja-
boatZo, Diogo Dias, filho de Genebra Alvares e Vicente Dias de
Beja foi casado corn Isabel de Avila filha natural de Garcia
Davila ("Catalogo Genealogico" pag. 87).


Nao se encontram referencias aos filhos naturais de Diogo
Alvares, um dos quais, pelo menos, sabemos que residia em
Vila Velha por volta de 1573. Ultimamente foi publicada no
volume 64 dos "Documentos Historicos" (pags. 21 a 23) uma
escritura datada de 3 de setembro de 1573, passada na Povoaqco
do Pereira nas casas de Gaspar alemio, relative a umas casas
vendidas aos jesuitas "pegadas A cerca do Mosteiro de Jesus",
e ai figure Felipa Alvares (ver Jaboatao, Catalogo, pag. 139 n.0
4), dona viuva de Paulo Dias, mde de Antonio Dias e cunhada
de AntUo Gon9alves. Nas "Denunciac6es" (1591, pag. 281 e 566)
Felipa Alvares 6 dada como moradora em "Perabassu".


XXXII








Alem da referencia a Diogo Dias ou Diogo Dias Caramari,
genro de Garcia Davila, varias ocorrem A familiar Avila.
De Garcia Davila receberam por legado os Beneditinos,
uras terras em Itapoan a respeito das quais, ainda vivendo
o testador, houvera uma troca cor a Miseric6rdia e arrenda-
mento a Manuel Pereira Gago, criado de Garcia Davila (pags.
224 a 238) e, depois de sua morte, demands com Catarina Fo-
gaga, viiva deste Manuel Pereira Gago (pags. 224 a 227).
Manuel Pereira Gago e Catarina Fogaga "gente honrada
de Porto Seguro" como afirma Jaboatio (CatAlogo Geneal6gico,
pag. 88) eram os pais de Ana Pereira e consequentemente so-
gros de Francisco Dias Davila, filho de Diogo Dias (e portanto
bisneto de Diogo Alvares- Catarina) e de Isabel de Avila, que,
por sua vez era filha natural de Garcia Davila. Num document
de 1630, alude-se a uma "tapera" que f6ra de Manuel Pereira
(pag. 233).
Garcia Davila e sua mulher Messia Rodrigues incumbiram,
durante certo tempo, da "capellania na jgreja de tatuapara" e
outros servigos religiosos aos beneditinos que depois os cobravam
fazendo um acordo cor a Miseric6rdia em 13 de marco de 1614,
ji falecida a dita Messia Rodrigues (pag. 230 a 239).
Francisco Dias Davila o neto de Garcia Davila e bisneto
de Diogo Alvares-Catarina, tinha em sua casa em 1641 um cri-
oulo escravo do acervo de Catarina Alvares (neta) (pag. 14) e
assina uma escritura de transaQco (pag. 225 e 227).


Estao os Moniz Barreto bem representados nestes docu-
mentos.
Egas Moniz Barreto, o fundador da familiar na Bahia aparece
em 1578 (pag. o10) como "ouvidor desta Capitania".
Sebastiao Moniz Barreto, que nao e citado por Jaboatao em
seu Catilogo Geneal6gico, figure em 1581 como official da CAmara
opinando contra a erecao do Mosteiro de Sdo Bento (pag. 449).
Henrique IMoniz Teles, filho de Egas Moniz Barreto, e em
1614 "Prouedor da Caza da Sancta Mizericordia desta dita Ci-
dade e Seu Ospital" (pag. 328 e 331).


XScxin








O Capitio Diogo Moniz Teles, filho deste Heririque Moniz
Teles, 6 em 1641 "Juiz ordinario este prezente anno" (pags. 14,
16, 18, 208, 209, 214, 432).
Diogo Lopes Ulhaa. Em 7 de outubro de 1630 aparece com
o nome de Diogo Lopes Uchoa (pag. 180) como morador e
official da confraria do Corpo Santo.
Antonio Lopes Ulh6a em 1685 ji tinha sido provedor-mor
da fazenda e possuia casas da banda do mar na rua que vem
de Nossa Senhora da Conceigio, junto a um chdo de Bernardo
Vieira Ravasco perto de aonde esteve uma plataforma junto ao
p6rto que chamam da Preguiga (pag. 375/376).


Tamb6m comparecem em forma os parents do Padre An-
tonio Vieira.
Cristovdo Vieira Ravasco em 1634 andava a demandar com
vizinhos. Pretendera fazer umas casas nos quintals de Antonio
Mendes, acima do caminho da praia, e Aste se opusera cor
agco de f68ra e o despejara dali (pag. .341).
Em 1645, 1648 e 1650 (pags. 37, 38, 337, 443, 444, 445) 6
escrivdo dos 6rfios.
Em 1654 ajarece como possuidor de terras no bairro de
Sdo Bento, arrabalde da cidade, das trincheiras para fora, que
faziam rumo cor outras de Francisco Valadam Pamplona, mas
em 1669 aquelas terras jA Ihe nao pertenciam (pags. 269, 272).
J. Lucio de Azevedo na sua esplendida "Historia de An-
tonio Vieira" (Tomo I pag. 12) localiza a casa de Cristovao
Vieira Ravasco, de onde o estudante do col6gio da Bahia partia
para o PAteo dos estudos: "Cristovao Ravasco morava nesse
tempo emi uma casa do arrabalde ao sul, em pouco mais de um
tiro de pedra f6ra do muro e porta da cidade, diz o mais antigo his-
toriador do Brasil, Frei Vicente Salvador, sitio que pouco distaria
da atual Praca Castro Alves ou do Teatro".
Assentaria a casa naqueles chaos?
Bernardo Vieira Ravasco avulta cor seus pomposos titulos
- Fidalgo da Casa de Sua Majestade, Alcaide-mor de Cabo
Frio, SecretArio de Estado e Guerra do Brasil, etc. a fazer uma
doaCao como testemunho de reconhecimento aos beneditinos.


XXXIV







Quando da grande crise da morte do Alcaide Francisco
Teles de Menezes em 1683, Bernardo Vieira Ravasco e seu filho
Gongalo Ravasco Cavalcanti de Albuquerque homiziaram-se no Mos-
teiro de Sao Sebastiao e ai foram tratados pelos Padres Provin-
ciais, Abades e mais religiosos beneditinos corn "preminengias,
honrras e fauores". Sensivel a essas distin5qes e num tribute de
antiga amizade que sempre professara Aqueles religiosos, seguindo
o exemplo paterno, Bernardo em 29 de julho de 1685 doou aos
padres daquele mosteiro uns "cha6s que hi da banda do mar
da Rua que Vem de Nosa Senhora da Conceiaio pera as portas
da Qidade".
Parece que estes chbos seriam entire a atual ladeira da
Montanha e a ladeira da Preguica. Perto ficavam as casas de
Antonio Lopes Ilh6a (Ulhoa) provedor-mor que fora da Fazenda
Real, onde estivera "huA plataforma junto ao porto que cha-
ma5 da Preguiga", entestando ao norte os chaos doados com
casas do Alferes Dom Francisco Varjon (pags. 375 e 376).
Gonalo Ravasco Cavalcanti de Albuquerque al6m da referencia
ao homizio corn o pai no Mosteiro de Sao Sebastiao, 6 men-
cionado como juiz ordinirio em 1695 (pags. 276 e 285) e como
Fidalgo da Casa de Sua Majestade e Secretario de Estado e
Governo a outorgar uma escritura de venda de uma sorte de
terras, junto ao guindaste dos Monges de Sao Bento, aos mesmos
religiosos (pags. 173 a 175),
Lourenco Cavalcanti de Albuquerque 4 em 1626 official da
Cimara (pags. 422 e 423).
0 Dezembargador Simao Alvares de la Penha data uma sen-
tenqa da Bahia a 6 de setembro de 1638 (pag. 68).
Rui de Carvalho Pinheiro, cunhado do Padre Antonio Vieira,
figure em muitos documents como escrivdo da Camara e Tabelido.


Assina como testemunha de certo termo de quitaqdo judi-
cial sem data, mas'que pagou solo a 7 de Outubro de 1697 um
parent de Frei Vicente do Salvador Fernam de Lemos Palha e
Manoel da Silua Lemos, moradores nesta Cidade" (Pag. 204).
]ste Fernam Lemos Palha, provide de serventia do oficio
da Relagio em 17 de junho de 1685 (Docs. Hist. vol. 33, pags.


XXXV







151 e 152) era sobrinho de Frei Vicente do Salvador, filho de
uma irma, Maria de Lemos Landim, do franciscano historiador.
(Vide Jab. Cat. Gen. pag. 471 n. 24 e 469, n. 2 e 40).


A familiar de Greg6rio de Matos esti present.
Em 31 de julho de 1649 Gregorio de Matos toma, como depo-
sitario, por ordem do juiz de 6rfaos, o licenciado Jeronimo de
Burgos, certo dinheiro de 6rfaos (pag. 184). Nao ha duividas em
que 6ste Gregorio de Matos e o pai do satirico poeta.
Nos "Documentos Historicos", vol. 63 (pag. 151), damos
em outubro de 1659 corn Gregorio de Matos e sua mulher Maria
da Guerra a outorgarem. uma procuragco ao filho de ambos, o
padre Euzebio de Matos, Religioso da Companhia. O pai do
jesuita e- do poeta nao assina a procuragdo por estar aleijado
das mdos e nio poder escrever, e a rogo de sua mulher Maria
da Guerra, por n~o saber escrever assina seu filho Pedro de
Matos (pag. 153).
Temos pois documentadamente certo que Greg6rio de Matos
e Maria da Guerra (vivos ambos em 1659) eram pais do Padre
Euz4bio de Matos e de Pedro de Matos (vivos em outubro de
1659 e presents na Bahia). E como sabemos que o poeta Gre-
g6rio de Matos era irmao do pregador e jesuita Euz6bio de
Matos, ha a acrescentar um terceiro filho- Greg6rio de Matos,
porventura entio ausente em Portugal.
AliAs esta questdo da paternidade do poeta fica definiti-
vamente esclarecida corn o termo de sua admissao como irmao
da Santa Casa de Miseric6rdia da Bahia "8 de abril, 1691.
Dr. Gregorio de Matos e Guerra, natural desta cidade e filho
legitimo de Gregorio de Matos e Maria da Guerra, irmaos que
foram desta Santa Casa, casado com Maria de...... filha legitima
de Antonio da Costa Cordeiro e de Mariana de...... irmios que
foram desta Santa Casa." (Livro de posse da Santa Casa de
Miseric6rdia da Bahia. Pste termo j6 foi publicado pelos Snrs.
Rodolfo Garcia e Pedro Calmon na nota A pag. 336 do II vQ-
lume da "Historia Geral" do Visconde de Porto Seguro).
Desde muito tempo, entretanto, se tem escrito e ainda se
repete que o poeta era filho de Pedro Gongalves de Matos e
Maria da Guerra, erro de que devemos acusar o licenciado Manuel


xXkvl







Pereira Rebelo na "Vida de Gregorio de Matos Guerra", publi-
cada por Vale Cabral em "Obras Poeticas de Gregorio de Matos
Guerra", Tomo I, Rio, 1882.
Pedro GonQalves de Matos, casado cor Maria da Guerra
(a primeira) ao que se deduz de documents publicados no volume
63 que vimos citando, parece ter sido padrasto de Margarida
da Guerra (casada cor o alferes Manuel Botelho de Carvalho,
1659, pag. 154), de Luiza da Guerra (casada cor o capitao Dom
Pedro de Sa e Melo, 1659, pag. 157 e 158) e de Maria da
Guerra (a segunda, mulher do primeiro Greg6rio de Matos, e
mae do poeta, 1659, pag. 151).
Pedro Goncalves de Matos cujo nome figure em muitas
atas de vereacqes do senado da cimara da Cidade do Salvador,
era home de cabedais. Adquiriu em pra(a piblica o engenho
de Sergipe do Conde que voltaria a posse e propriedade dos
jesuitas, tendo havido acordo, composicio e indenisaCqo aos her-
deiros desse adquirente.
Em 1670 jA Pedro Goncalves de Matos e sua mulher eram
falecidos ("Documentos Historicos", vol. 63, pags. 142 e 144).
Neste "Livro Velho do Tombo" encontramos, em mais de um
pass, Pedro Gongalves de Matos.
Em outubro de 1630 era Mle possuidor de uns chaos "ao
Longo da rua, e Canminho que vay dos guindastes para... a praya"
e ao sul de outros chaos da confraria do Corpo Santo (pag.
180). Um destes guindastes alias, a 8le Pedro Goncalves de
Matos pertencia, e ficava junto a ladeira da Praia e naquelas
eras de 1630-1632 era conhecido por "Guindaste novo de Pedro
Gongalves de Mattos" (pags. 181 e 182).
Outro provavel parent de Greg6rio de Matos 6 JoAo de
Matos Aguiar, 9 benem6rito fundador do Asilo dos Expostos,
cujo retrato guard a Miseric6rdia da Bahia que Ihe venera a
mem6ria. O famoso "Joao de Matinhos" era capitalist e em-
prestava dinheiro (1670, 1676, 1682) em moedas de prata "a
ReCao de Juro" na taxa de 61/,/o "como he uzual custume e
geralmente corre nesta idade" (pag. 276 e segs.).
Nos "Documentos Historicos", vol. 63, pag. 175 e 178, de-
paramos cor Joao de Matos Aguiar nas pousadas de uma tia (?)
de Greg6rio de Matos Luiza da Guerra e a r6go desta
assinando uma procuracqo.


XXXvi







Entre muitos magnatas daquelas eras podemos destacar das
pAginas deste volume: o Dr. Manuel Botelho de Oliveira, advoghado
nos cart6rios da Bahia em 1695, pag. 268); Luiz Salema de Car-
valho que firma um ac6rdao como desembargador da Relagao da
Bahia, em marco de 1654 e em dezembro de 1658 public um
ac6rdao em audiencia (pag. 91 e 252).


Sebastiao da Bocha Pita, nao o historiador, mas certamente
seu av6 materno videe Jaboatao, Cat. Genealogico, pag. 56),
surge-nos como morador em 1657-1658 na rua direita que vai do
canto da capela mor da igreja (Sao Bento) para a igreja de Sao
Pedro, rua larga de setenta palmos, o duplo da largura comum
das demais ruas da cidade, sendo a casa em que o Rocha
Pita residia propriedade dos beneditinos assinalada, em cima da
porta, cor um letreiro que dizia "S. Bento" (pag. 425 e 428).
Deste primeiro Sebastiio da Rocha Pita esta infelizmente
mutilado o termo de posse como irmdo da Santa Casa da
Bahia em 27 de marco de 1684, onde podemos ler: "Sebastiao
da Roxa Pita, filho legitimo de Joao ...... de Lima ...... desta
Cidade e de Maria da Guerra...... Lima" (Arquivo da Mise-
ric6rdia da Bahia).


Joao Paes Florido o velho o jocoso, que Jaboatio diz
ter-se casado em ii de julho de 1625 corn D. Brites, vifiva de
Manuel Rodrigues Sanches, (Cat. Gen. pag. 242) aparece em
1626, (pag. 103 a 114) ji como successor de Sanches casado corn
a viiva deste. Sanches morrera depois de 1621.
SFloriao 4 figure interessantissima do s6culo XVII e va
ganhando em ser conhecida cor os novos documents que se
Ihe referem, evidenciando-o cada vez mais como um element
da sociedade e hist6ria bahianas que esporadicAmente figure nas
cr6nicas paulistas. AliAs Pedro Taques, citado por Afonso de E.
Taunay, o radicara como um pro-homem da capitania de Sao
Paulo, quando, entretanto pela assistencia continue, pelos inte-
r&sses, pela fortune, pelos dominios rurais, pela aico social, po-
litica e military nao o podemos desligar da Bahia.
Ultimamente o volume 63 dos "Documentos Historicos" a
pag. 268/270 estampa document em que figure Joao Paes Floriao


xxxvm








como credor de um d6bito de 178$880 rs. cuja responsabilidade
os jesuftas assumiriam em i.0 de julho de 1643.
Dele trata o autor deste preficio documentada e longa-
mente em "Historia de um Engenho no Beconcavo Matoim-Fre-
guezia-Novo-Caboto -1552-1944" livro ainda inddito.


Outros muitos nomes de importincia na cronica ou nos
registros geneal6gicos bahianos ali figuram os Afonsos, os
Guedes de Brito, Silva Pimentel, Barbuda, Burgos, G6es, Dor-
mondo, Ferreira de Souza, Lopes Sueyros, Aragdo, Vargas Cirne,
Rocha Pita, Aguiar Daltro, Pereira do Lago, Aranha Pacheco,
Mendes Vasconcelos, Gomes Vitoria, Brito Freire, Cavalcanti de
Albuquerque....

Uma apreciagio critical dos documents que comp6em o
volume daria um long estudo que 8ste preficio ndo comporta.
Nestas linhas quisemos tZo s6 mostrar que sem exagero podemos
chami-lo um dos livros bAsicos para a hist6ria national nos dois
primeiros s6culos, dresses que sao indispensaveis nas estantes dos
historiadores, que muitas e muitas vezes*haverao de cita-lo.
Mas 6 precise que o esf6rco benem6rito de Sua Excia.
Revma. Dom Plicido Staeb nio fique ai. Sao nossos votos os
de que ndo tarde cor a publicagQo dos outros tomos tirados do
arquivo beneditino na Bahia e oferecidos aos que estimam a
certeza e se encantam corn o passado.

Rio Dezembro de 1944.

WANDERLEY PINHO


XXXIX










iz o P. Dom Abb. .. Mosleyro de Sad Bento desta Cidade
que elle quer fazer tombar, alguds .... as, cesmarias, e
escrifturas pertencentes ao seo Mosteyro neste Liuro q' p."
isso o mandou fazer, p.a effeio de se conseruarem sem
damno as dittas clarezas, e para q' fique cor fee^ public
o ditto Liur., e se lhe de inteyro Credito, he necessario
q' seja rubricado por taballiag.




4. VMJ.ce Ihe fafa m.ce manda. qu.
qualquer taballiad a q.i for aprezen-
tado o d.o Liuro o Rubrique na forma
do Estilo E R M
Como pede






Sos dezasele dias do mes de 7aneiro de mil e sete cents
e sinco annoz nesta Cidade do Salvador B.a de todos os
S.tos e pouzadas de mim t~am ahi por p.te do Reuerendo
.e Dom Abbade do Mosteiro de Sad Bento desta d. Ci-
dade me foi aprezentado este Liuro corn o despacho asim:
do Doutor Andre Leitad de Mello juis de fora desta ci-
dade e seu ter.o em obseruancia do que nu.erei e Rubri-
quei o d.o Liuro cor a minha Rubriqua que dis / Barbozal
e tem duzentas e d.ze meyas folhas except esta primeira
e a vltima em q. e vay o termo de enserra. ento em fee,
do que fiz este term. e eu Loure... Barboza t.am o escreuj
e asinej







Tambem estd lanfada .. traues a fl. 132 v.
Ndo teve effeito for se ndo chegar a pos-
suir e ndo val nada


SESMARIA D.. SEIZ LEGO
az da serra do ..rari.







1-iz o pe. D. Abbade do m.str. de Sam Ben.. desta
Cidade q.. requerendo o Coronel Po. Barboza Leal em .ua c..za
q' raz como Supp.te que se aj.ntase hua escritura de sez.aria da
qual fazia mensam o supp.te Noz seus artigoz o m.ndou com
desp.o do julgador, tresladar o Supp.te por e.tar incapax de .star
d.go andar em autos por sua antiguidade e porque o auto da posse
esti em tal forma q.. se na6 deixa bem ler e p.a tresladar h6 ne-
cessario que o escriua6 da Cauza Lourengo Barboza j.ntaMente
com outro escriua6 tresla..m o dito auto pello melhor modo que
poder perceber se o seu theor c...da a p.te para o d.to effeito p.r
tanto P: Avm Ihe faca m.ce ..n..r que se cite o Supp.do para vir
conferir o dito auto de posse, e sesmaria, e Ihe nomee hum dos
Tabaleaens para corn o d.o Louren9o Barboza fazerem a dita con-
fe..nc.. e receberi m.ce Desp.0 Como pede e sera qualqu.r es.riuam
aquem esta for Mostrado / Mendo... Jozeph Irma6 de oLiueyr.
es...ua6 da Vara do meirinho da Cidade emfantari. Certifico
que em vertude da .etica6 asima e seu desp.o city .m su. pessoa
ao Coronel Po. Barboza Leal pello cont.eudo nella q' Ihe declare
asim e damaneyra q' Nella se contem a qual Sitaca6 Ihe fiz pa hoje
pellas tres horaz da tarde, em fe do que passey a prezente na
Bahya aoz vinte e sinco diaz do mez de Abril de mil sete cents,
e quatro annoz/. Jozeph Sima6 de Oliveyra / Lour.co Barboza
tabaleam public do judicial e notaz nesta Cidade do Saluador
Bahya de todos oz sanctoz, e seuz termoz &a. Certifiquo e dou
fe que por p.te do mu.to Rdo. pe. Dom Abbade do Mosteyro do
Patriarcha Sam B...o desta dita Cidade me foi aprezentada a pe-
ti.am .etro esc.ita com o despo n..l. post do Doutor Jozeph
de Sa Mendoga Ouv.or geral do Ciuel n. R.am deste estado do
Brazil e bem asim se me aprezentou a Carta de sesmaria

fl. 1.
3







q' Nella se fas mencao para effeito de se tresladar com o auto de
pose q' se tomou das terraz pertencentez ao dito mosteiro decla-
radaz na dit. carta de Sesmaria .a qual e papeiz a ella juntos
com o d.o auto de posse o Theor de tudo de V..bo ad Verbum
he o seguinte.
Sesmaria dos p.es de Sam Bento folhaz Cento e
dezasete >
Saibam q.tos este public instromento de Carta de sesmaria Virem
q' No anno do nasimento de noso S.nhor Jezus Ch...to de mil e
seiz Centos e dezanove annoz aos Vinte e seiz dias do mes de Junho
do dito anno na Cidade do Saluador Bahia de todos os Sanctoz
partez do Brazil e pouzadaz de mim taba...m por p.te dos Reve-
rendos P.es de Sam Bento m. foi dada hua petiqa6 corn hum
..sp. do Senhor Dom Luiz de Souza Capitam e Gover.ador Geral
de todo o ..t.do do Brazil da qual p... am e desp.o o Theor he o
seguinte / O P.e P..si..... de Sam Bento desta Cidade e os maiz
Religiozos delle que ellez t.m s... gados de cujas criagoens se sos-
tenta6 por serem Religiozos que nam Vivem d. .s....z, na6 term
terraz bastantez para apascentarem os ditos gadoz e para faze...
s... rossas, e maiz bemfeitoriaz doz frutos das quaiz se sustentem e
ten..... .... (fl i. v) necessariaz para o ...ato do culto diuino, e
administraga6 doz Sacramentoz aoz fieis C.rista6s Pedem a Vossa
Senhoria que Visto o m.ito seruigo q' Neste estado fa.em a No...
Senhor asim por suas continues pregagoenz como comasistirem nas
aldeas entenden.o na n.va c.nversam do Gentio a nossa sancta fe
e a ... Magestade nas entradas que se fazem ao descobrimento das
minaz asim do salitre como de metaiz no que tudo com virtuozos
exercigioz .judam muito no aumento e conservagam deste estado
lhes de de sesmaria em nome de Sua Magestade seiz legoas de
terra em quadra no serta6 desta Capitania da Cidade da Bahia
nos limits da serra de .urarA fi.ando a dita serra no meio das ditas
seis Legoas e medindo della para cada huma das quatro parties
trez legoas e que sendo cazo que as ditas seiz legoaz, ou part
dellas esteja6 dadas a alguma pessoa que as na6 haja cultiuado
dentro de tempo que o foral de Sua Mag.e para isso as poem
as possa6 elles supplicantez haver por Suas e como takes as cul-
tiuar o que se obrigam a fazer dentro de hum anno e que estando
.crese... as ditas terraz cultivadaz por alguma pessoa possao elles ditos Re-
ligiozos encher a mediga6 das ditas seiz legoaz na maneyra asima
declarada aonde as over por dar nos ditos lemitez as quaes pedem
com todos seus pastos matos maninhos, campos, agoas madeiraz
entradas e sahidas e logradouros em o tudo recebera6 .smolas e
merce. Desp. /. Informe o Prouedor mor da Faz.a e com seu
p...cer tome / o Governador / Pella informagam que tomey da
terra que os Reverendos Padres pedem acho na6 ser de mais pres-

fl. i e fl. 1 v.
4







timo que pera gado e alguas partez pera mandioca pello que na6
prejudicando a terqeyro Ihe pode Vossa Senhoria dar o q' Ihe pa-
reser Bahia vinte e hum de Junho de Seiz centos e dezanove / o Pro-
vedor Mor / Desp.o do Senhor Governador / Passe Carta de Sesmaria
Vista a informaga6 do Prouedor mor das seiz legoaz de terra que
pedem os Reverendos Padres de Sam Bento na6 prejudicando a ter-
ceiro / Bahia vinte e hum de Junho de Seiz Centos e dezanove /
o Governador/ Tres.a.. do regimento de El Rey Nosso Senhor/
As terras e ag.az das ribeyras que ..tiverem dentro no termo e li-
mite da doagam digo da dita Cidade que sa6 seiz legoaz para cada
parte que nao forem dadas as pessoas que as aproveitem e es-
tiuerem vagaz e devolutas para mim por qualquerVia ou modo
que seja p.d.r.iz dar de sesmaria as pessoaz que as aproveitem
e volas pedirem as quais terras asi dareis liuremente sem outro al-
gum foro nem tribute somente dizimo a ordem de Nosso Senhor
Jesuz Ch.isto cor as condicoenz, e obrigacoenz do foral dado
as ditas terras, e de minha ordenagam titulo das Sesmariaz com con-
dica6 que a tal pessoa ou pessoas rezidam na pouoaga6 da dita Bahia
ou das terras que asim Ihe forem dadaz ao menos tres annoz, e-
que dentro no dito tempo as na6 possa. vender nem alhear, e tereis
lembranga que na6 deiz a cada pessoa maiz t.rra q' segun.. sua posse-
bilidade Virdes ou Vos pareser que pode aproueitar e se algua pes-
soa, a q..m forem dado terras no dito termo a estiuerem perdidas
por .. na6 aproveitarem e Volas tornarem a pedirVos lhas dareis de-
nouo para as aproueitarem com as condigoes e obrigag~enz contheu-
daz neste capitulo, o qual se treslad..A n.. Cartas das ditas Sesmariaz/
Com as tais condigoenz, e obrigacoenz deo o d.o .e..or Gover-
nador aoz Padrez as ditas seiz Legoaz de terra com tudo o q' ...las
ouu.., agoaz, matoz, brejos, campos, e no lugar aonde as pedem na6
prejudicand. a terceyro' nem sen.o dadas a outrem e sendo dadas
as tomaram a..nte onde as over todas ou parte delaz para ellez e
seus successorez .orr. e izenta sem foro nem tribute algum saluo di-
zimo a Deoz do que ne... ouuerem pello que Ihes mandou passar
sua carta de sesmaria p.la qual m.nda que elles hajam a posse e
senhorio de tudo e fara6 demaneyra que dentro de trez annos a
cultiuara6 e te.am feito nella algum proveito e dara6 (fl. 2) por ella
caminhos, e serventiaz que necessariaz forem p.a o Concelho pa.a
pontes fontez pedreiraz, Vieiros, e fa.am register esta C.rt. dentro
de hum anno nos Livroz da faz.a de Sua Mag.e e asinou aqui o d.o
Senhor Gouernador e eu Braz da Costa es.riuao das sesmariaz o es-
creui / o Governad.r / Dom Lui. de Souza / O qual ...tromento
de Carta de sesmaria eu Braz da Costa Tabaleam do public e ju-
dicial e Sesmariaz na Cidade do Saluador e seuz termoz por Sua
Magestade, em meu Liuro de Sesmariaz tomey e delle este fiz
passar, e a consertei, e asiney de meu public sinal / lugar do sinal
public /. P nada/. -----

fl. Iv e fl.2
5







Registo


Fica registrada no Livro que comesou a seruir em Treze de Jane-
yro de seiz Centos e dezasete a folhas .itenta e nove Bahia douz
de Junho de Seiz centos, e vinte Belchior Roiz/.---.

Procuracam
Frey D.ogo da silua Prezidente do Most.yro de Sam B..to da
Bahia e p.es abaixo asignados fazemos nosso bastante procurador,
ao pe Frey Gregorio Bap.ta para q' em nosso nome e deste Con-
vento possa tomar posse de hua data de terra que o Senhor
Governador nos fes mce. dar no Certa6 desta Cidade da Bahia na
serra de jurara para o q' lhe damos todos os nossos poderez, asim
para tomar pose da d.a terra como para por embargos, e seguir
todos os mais autos de justice B.a em onze de Julho de seiz
Centos e dezanove annoz / Frey Diogo da Sylua Prezidente de Sao
Bento: / Frey Mauro Fe.reyra / Frey Antonio dos Anjoz / Frey
Lourenco da Purificacam / Frey Andre / Frey Ignacio de Sam Bento./
Frey Ant.nio de Sam Paulo /---

Peticam
Os Religiozos do Mosteiro do Patriarcha Sam B.nto desta Cid.e que
Vossa Senhoria lhez fes mce. de seiz Legoaz de terra no serta6 desta
Cap.tani. nos Limites da Serra do jurara 'e porque he lugar mui
distant desta Cid.de, e os t.b.leaens na6 lhe podem ir d.r posse
das ditas terraz Pedem a Vossa Senhoria que s..d. primro to.os
notificados, e Na6 podendo, ou na6 querendo ir dar Ihe a dita posse,
lha possa ir dar o escriuam da Vintena doz Limites de Sergipe do
Conde e receb.ri ... / --

Despacho

Como pedem / o Gouernador. --

Repostas doz Tabaleaenz -
Eu Na6 posso ir a esta medigam e posse Bastia6 da Sylua / Te...
muitas ocup...ens e doentez e esta terra esta em parte muito re-
mota e long e h. .. ser m.tO detensoza a viagem e Nam posso ir
a ella/ Joam de Freytaz: / Eu tenho doentez .m Minha caza pe-
lo q' me he de impedim.o poder ir fora Braz da Costa /. Tenho
ocupagoes mui precis.z que me ocupa6 o tempo e a este resp."
Na6 posso ...er esta deligencia: / Francisco Pinto /:-- >

fl. 2.
6







Auto de pose

Auto de pose dada aoz Padrez de Sam Be.to nas terras de jurara
no ser... (fl 2v.) desta Capit...a da Bahia -

Anno do N e seiz centos, e dezanove annos aos vinte e douz diaz
do mez de Julho da dita .era fui eu escriuao Ma.... Vas de Les-
sa, ao Campo e serra do jura.. no principio do sert.. desta Ca-
pitania da Cidade do Saluador Bahia de todoz. os S.nctoz e sendo li
pareseo em m.nha pregenza e das testemunhaz abaixo nomeadaz o
Reverendo Padre Frey Gregorio Baptista .rocurador bastante dos
Religiozos do Convento digo do Convento dos Religiozos do Pa-
triarcha Sam Bento da dita Cidade da Bahia como me con.tou
p.r hua procuragam bastante que o dito Reverendo Padre .. ....zen-
tou, e logo por elle me foi juntamente aprezentada a petiga6 atraz
escrita, e ao pe della o despacho do Senhor Governador Dom Luiz
de Souza pello qual dava poder a mim escriuam da Vintena dos
Limites de Sergippe do Conde para poder fazer esta deligencia, Visto
o nam querer vir fazer nenhum dos Tabalaenz da dita Cidade
como consta de seus ditos atras contheudoz e outrosy me aprezentou
o dito Padre hua Carta de sesmaria pella qual o Senhor Dom Luiz
de Souza Governador Capitam G.r.. deste estado d. Brazil fazia
mercer, ao dito seu Convento e Religiozos delle de seiz Legoaz de
Terra em quadra nos ditos lemites da dita serra do jurara pello
que me foi requerido pello dito Reverendo Padre Frey Gregorio
Baptista, ometese de posse das ditas seiz Legoaz de terra na forma
da dita Carta de sesmaria e logo eu escriuam em o dito dia corn
as testemunhas abaixo nomeadas estando nos lemitez da dita serra
de jurari tomey terra, capim, ramos de arvores, agoa, e pedraz e
apregoando em alta v6s por trez vezes e outras muitas maiz vezes
se hauia algua pessoa q' tiv..se algua duuida ou embg.os a se dar
a dita posse ao dito Padre e por na6 ha... .essoa algiua que esta-
impedisse, nam se-se-; lhe dei posse real e actual .......das d.taz
seiz legoas de t.rra na maneyra asima declarada, e o ouue por
em...tido ao dito ..dre Nella aos seus constituintes o qual em pre-
zenca de mim escriuam, e das testemunhas abaixo nomeadaz e de
outraz muitaz pessoaz atrauesou e andou por espasso de dous diaz
por toda a dita terra fazendo nella bemfeitorias plantando arvores
de espinhos, e algodoaes sem .aver pessoa algua que Ihe contra-
..sese couza alguma digo nenhua couza pello que o ouue por
envestido em pose real e actual e pessoal e pacifica das ditas terraz,
e serra de jurara naz quaez nos mesmos diaz levantou cruzes, e fes
cazas, de que de tud. fiz este auto, em que asiney com as testemu-
nhas que prezentes estauam / Antonio Jorge Correa e Gaspar Fer-
nandez, e Domingoz Correa todoz moradorez em Sergippe do Conde/
Math..s Vas de Lessa: / Frey Gregorio Baptista / Antonio Jorge:/

f2 e fl. 2v
7







Gaspar Fernandez / Asino pella test.a Dommngoz Correa /hua
Cruz/ E senao contin.a maiz na dita sesmaria prouagam petiga6,
e auto de posse que tudo aqui se.tr s.adou bem e fielmente pello
melhor modo que se deixa .ntender do dito auto pr...eyra regra
do qual, e em outras parties leua huas riscas pequenas em lugar de
palauraz que se nam podem ler por estarem rotaz e tudo o mais
V.-. na verdade em fM do que com o theor de hua e outra couza
passed esta Certid.o doz proprioz que torney a entregar a quem
aqui asinou de co.. os recebeo e com elles .... me report a
conferi, cons.rtey e asiney com official comigo ab.... .sign.do
na Bahya aos dez de Setembro de mil sete Centoz e quatr. annos,
E eu Loureng. Barboza Tabaleam o fiz escreuer sobes..... consertey
e asiney diz a entrelinha digo dis a emenda a folhas duas (fl 3)treslado,
e a entrelinha a fo.has sinco vers. poder sobredito Tabaleam o
declare / Louren.o Barboza / Concertado po. mim Tabaleam/
Lourenco Barboza, e comigo Tabaleam / Domingos Glz Ramoz./
Frey Joseph de Santa Catherina Procurador Geral de Sam Bento.

0 qual treslado de sexmaria auto de p.sse e peticao eu Joao Bap.ta Carnm.
tabelliaj public d. judicial, e .otas nesta Cidade do Saluador Bahia de .o..s
os Santos e pouza digo e seu termo no offo de q' he propriet.ro Henrriq Val-
lensuela da Silua fiz tresladar bem e fielmente de him treslado passado por
certidaj pello T.am Lourenco Barboza cujo signal reconheso por uerdadeiro
p. to ter visto escreuer m.tas veses, e cor o d. Treslado este comfery consertey
sobscreuy e assiney corn o official ab.xo asinado e o d.O treslado torney a en-
tregar ao R. P.e Frey Joseph de Santa Catherina procurador gl. do Con.u/"
de S. .to desta d.1 Cidade q' aquj asmou de comno o resebeo na B." aos oito
de out.ro de sete cents e sinco Annos.



E comigo escriva6 dos Agg."os Joa5 Bap.ta Carn.to
Fran.co de Souza de Menezez

Fr. Joseph de S.ta Catherina Ct.o p. mim. T.am
Proc."o GI. da Prov.a Joa5 Bap.a Carnm.







NOTA:- Este mesmo document encontra-se tambem no Livro III do Tombo, a fls. 6v. a 8 v.

fl. 2v e fl, 3








SESMARIA DE DUZENTAS
brapas de Praya ou Salgado que nos deu o Governador
Dom Diogo de Menezez na era de 1612 comessando
do porto de Balthezar Ferraz para baixo.



S aiba6 quantos este instromento de carta de sesmaria virem
que no anno do nasemento de nosso Senhor Jezus christo de mil
e seis sentos e doze annos aos quatorze dias do mes de Junho
do dito anno na Cidade do Salvador Bahya de todos os Santos
empouzadas de mim escriva6 e Tabalia6 das Sesmarias por parte dos
p.e de Sam Bento desta dita Cidade me foi dado hua petissao com
hum despacho do Senhor Dom Diogo de Menezes do Conselho de
sua Mag.de Capitao G.or Geral do Estado do Brasil a qual petissio
e despacho he o segui... Convem dig. Os P." de Sao Bento
da cidade da Bahya que elles tern .......a.. (-*) de .ua casa na
praya para a despeza de suas obras desde o port. de Balthezar ferras
para baixo duzentas bragas no salgado para a banda de Santo ....... (:-)
(fl. 3 v.). Pedem a vossa Senhoria lhes made passar carta de sismaria
em que lhes faga m.ce das dittas duzentas bragas vista a necessidade-
Despacho do Snor. Governador- Passe carta de sismaria na forma
costumada da terra que os Padres pedem visto o que alegam nio
prejudicando a fortificasao, nem prejudicando a terceyro Bahya oie
nove de Junho de seis centos e doze O Governador. Treslado
do regimento del Rey nosso senhor; as terras e ribeyras digo as terras
e agoas das ribeyras que estiverem dentro no termo e limited da dita
Cidade q' nao forem dadas a pessoas q' as aproveitem, e estiverem
vagas e devolutas para mim por qual quer via, e modo que seja po-
dereis dar de sismaria as pessoas que volas pedirem 'as quaes terras
asim dareis Livremente sem outro algum foro ou tribute som.te o
dizimo a ordem de nosso Senhor Jezus chiisto, e corn as condisoens
e obrigasoens do foral dado as ditas terras, e de minha ordenaca6
titulo de sismarias com condisao que a tal pessoa ou pessoas residio
na povoasao da Bahya ou das terras que asim lhes forem dadas ao
menos tres annos, e q' dentro no dito tempo as nio possao vender
nem alhear, e tereis Lembranga q' nao d.is a cada pessoa mais terra
que aquella que segundo sua possibilidade virdes ou vos pareser que

NOTA: Este mesmo document encontra-se outra vez no Livro III do Tombo, a fls. 9 a 10 v.
(*) -A fl. 9 do Livro II le-se, na decima terceira linha "necessidade", e na decima
quinta linha "Antonio".

fl. 3 e fl. 3 v.
9







pode aproveitar, e se algias pessoas a que form dadas terras no
dito termo as tiverem perdidas por as nao aproveitarem e volas
tornarem a pedir v6s lhas dareis de novo p.a as aproveitarem corn
as condisoens e obrigagoefis contheudas neste capitulo o qual se tres-
ladara nas cartas das ditas sismarias com as tais condiso6ns e obri-
gasoefis deu o ditto sn6r Governador de sismarias aos Supp.tes Padres
de Sam Bento as ditas duzentas bragas de salgado no Lugar aonde
as pedem por sua petissao nio prejudicando a terceyro nem sendo
dadas a outrem para elles e seu Conv.to forras e izentas sem foro
nem tribute algum salvo o dizimo a Deus, pello que lhes mandou
passar esta carta de sismaria pella qual manda que elles hajao a posse
e senhorio do dito salgado e farao de maneyra q' dentro de tres
annos conforme ao regimento term feito nellas algum benef..io, e
darao por ellas caminhos serventias q' necessarias forem p.a o con-
celho p.a fontes pedreiras e vieyros, e farao register esta carta
dentro de hum anno nos livros da faz.da de Sua Magestade, e asi-
gnou aqui o dito Siior Governador, e eu Bras da Costa escrivao das
sismarias o escrevy e o G.or Dom Diogo de Menezes o qual instro-
mento da Carta de sismaria eu Braz da Costa escrivao das sismarias
nesta Cidade do Salvador e sua Capitania por sua Magestade em
meu livro tomey e delle este fiz passar e concertey e asiney de meu
public Sinal Sinal public Registado no livro dos registos
desta alfandega das sismarias a fls. 15o na volta avante oie dezaseis
de Junho Diogo Baracho escriva6 da alfandega por El Rey nosso
Senhor era de seis Sentos e doze annos Diogo Baracho.

Posse que se deu ao Procurador do mosteyro de
Sam Bento.
Saiba6 (*) instromento de posse virem que no anno do
nacim.to de nosso sfior Jezus Christo de mil (:) centos e doze
annos aos onze dias do mez de agosto do ditto anno na praja da Ci-
dade do Salvador Bahya de todos os Santos na praja do salgado junto
ao porto de Balthezar ferras defronte do penedo grande q' esta mais
(fl. 4) ao mar pello Reverendo Padre frei Bernardino de Oliv.ra foi
dito que elle era procurador do mosteyro de Sa. Bento desta dita
Cidade, e que a praja do salgado em que de prezente estavamos Ihe
fora dada de sismaria pello Governador Gl. deste Estado Dom Diogo
de Menezes como da carta de sismaria atras constava pelo que me
requeria em nome dos Religiosos do d.0 mostr.0 e como procurador
delles Ihe desse a posse das duz.tas bragas da terra do salgado desde
o porto do d.0 Balthezar Ferraz para-a banda de Santo Antonio e
requeria otrosy a Dom.0' da Rocha architector e mestre das obras

(*) A fl. 9 v. do Livro III 18-se, na vigesima sexta linha "quantos este ", e na vige-
sima setima linha "e seis".

fl. 3 v. e fl. 4
10







de Sua Magestade que prezente estava visse se prejudicava a d.a
data a fortificasa6 desta Cidade, e pello dito Dom.os da Rocha foi
dito que nenhum prejuizo fazia a dita data a fortificasa6 desta dita
cidade antes Ihe fazia m.to proveito, pello que eu tabalia6 Ihe podia
dar a posse do dito .algado e praja asima dita por bem do que eu
tabalia6 ao diante nomeado em prezensa das testemunhas aodiante
escritas tomey ao dito frey Bernardino de Oliv.ra pella mao e an-
damos passeando por parte da dita praja de hia parte p." a outra
tomando pedras e mudando as de hi'a para outra e logo eu escriva6
em altas vozes preguntey se havia aly algu'a pessoa, ou pessoas que
contradicessem a dita posse que dava ao dito Padre frey Bernardino
de Oliv.ra como procurador do dito mostr.0 de Sam Bento da praja
e salgado em q' estamos digo estavamos contheudos na carta de sis-
maria atras, ou quem tivesse embargos a ella viesse com elles, e
se nio eu Ihe hey por dada nelles emcorporada, e torney por mais
vezes a fazer as mesmas pessoas digo as mesmas preguntas dizendo
ha algia pessoa que contradiga esta posse que se da aos Padres de
Sa6 Bento ou q.m tenha embargos a ella? venha cor elles e sena6 eu
lha hey por dada, e por na6 aver contradissa6 de pessoa algua eu
tabaleam ouve ao d.o Padre frey Bernardino de Olivr.a por metido
e emvestido na posse das d.as duz.tls bragas de praja do salgado em
nome e como procurador do mostr.o de Sa6 Bento desta Cidade, e
o dito frey Bernardino a tomou logo por suas maos em nome do
mesmo mostr.0 andando de hua parte p.a outra 'sem nenhua pessoa
Ihe contradizer do qual todo segundo passou pello dito Padre frey
Bernardino de oLivr.1 foi requerido a mim tabalia6 em nome do d.
mostr.0 lhe fizesse este instrom.to de posse, e eu Ihe fis o prezente
pello qual o ouve por metido, e emvestido na posse da dita praja
salgada e o d.o Padre em nome do d.o mostr.0 aqual posse Ihe dey
pessoal real e autual tanto quanto cor dir.to devo e posso na forma
da carta de sismaria atras em pessoas do d.o Dom.os da Rocha archi-
tector, e mestre das obras de Sua Magestade, e desta dita Cidade e
o d.o Padre frey Bernardino aseitou a d.a posse em nome do dito
mostr.0 na forma q' ella mais direyto lhe pertencesse sendo teste-
munhas Damia6 Pr.a e Joa6 Roiz e Gaspar Glz Capello rezidentes
nesta dita Cidade, e o mesmo Dom.oS da iocha, e eu Joa6 de freitas
tabalia6 public do judicial e notas nesta Cidade do Salvador e seus
terms po. Sua Mag.de que a tal posse dey e della este instrom.to
passey, q' escrevy e asiney .. .eu public sinal q' tal he signal
public frey Bernardino de oLiv.ra D.o0 da Rocha Gaspar Glz
Capello Joa6 Roiz Damia6 P.r o qual instrom.to de carta de
sismaria eu Manoel da Silva public notario Apostolico ....vado por
auth.ridade Apostolica e do Ordinario conform ao deCreto do
Sagrado Concilio Tridentino (fl. 4 v.) fiz tresladar na verdade bem
e fielm.te sem cou.a que duvida faFa do proprio original que me
aprezentou o Reverendo Padre frey Joam Gondim Religiozo pro-

fl. 4 e fl. 4 v.
11








fesso da sagrada ordem do Patriarcha Sam Bento Sacerdote Confessor
e procurador do seu mostr.0 desta Cidade a quem a torney a dar
e de como a receb.. e levou asinou aqui e a ella me report em
todo e por todo, e este treslado com ella concertey corry e confery
corn que concorda por mim dito notario, e com o official comigo
no concerto asinado sob escrevy e asiney em razo aos nove dias do
mez de Julho de mil e seis centos e sincoenta e tres annos rogatus
pariter et requisitus / Manoel da Silva / concertado por mim Notario
Apostolico / Manoel da Silva / Receby o proprio / Frey Joam Gondim/.

0 qual treslado de sexmaria eu Joaj Bap.t Carnr.o Tabellia public dojudicial
e nottas nesta cidade da Bahia e seu termo no off.o de q' he propriet.ro Henr-
rique Valensuella da Silua fis pasar de hum treslado qu e me aresentot a
R.do p.e frej Joseph de S. Calherina Religioso do patriarcha S. Bento e sen
procurador gl. deste conuento a quem tornej a entregar e de como a resebeo aqIj
asinou, e corn o official abaixo asinado este comferj consertej sobscreuy, e asinej
na Bahia aos sele dias do mes de outr.o de mil c sete centos e sinco Annos.



E comigo escriva5 dos agg. 0S Joao Bap. t Carn.rO
Fran. c de Souza de Menezez
Ct. p. mim T.am
Fr. Joseph de S.ta Catherina Ct. mim T.
Proc.Or Geral da Prov.a Joao Bap. t Carn.ro




















fl. 4 v.
12







A fl. 9 estd a escrirt.ra de nenda q' nos
fez das cazas terra do Rio Real

CARTA DE PARTILHAS
que nos deixou Belchior Dias das cazas de palha qui nos
vendeo na rua de Nosa Senhora da Ajuda, cujo treslado
nos deixou para nosa guard, e titulo, em que
P.0 Joam da Costa dis e em huma parte das tres dis
huma cota no titulo de fora q' tinha este papel o treslado
da escritura de venda destas Cazas esta neste L.o f -9-.



B elchior Dias que elle ter para dar aos Reuerendos Padres de
Sa6 Bento os titulos que offerese de certas propriedades que Ihe
venderam e proprios Ihe sam necessarios para sua guard portanto /
Pede a Vosse m.ce Ihe made dar o treslado dos ditos titulos ficando
Ihe os proprios e recebera justice e merse/

Despacho
Dem se .he os treslados dos titulos que pede Bahia vinte e sete
de Agosto de mil seis cents sincuoenta / Araujo / (fl. 5).

Treslado do que se pede
Carta de partilha de Maria de Araujo veuua de Gaspar dias Barboza
do que Ihe coube nos bens que ficaram de sua May Catherina Alvares
O Capitam Antonio Camello Juis dos Orfaos desta Cidade do Sal-
vador Bahia de todos os Santos e seu termo e&a aos que esta minha
Carta de Sentenga e folha de partilha for aprezentada e o conhecimento
della com direito pertenser fago saber que neste juizo Se fes Inventario
daFazenda e bens q' ficaram por morte e falecimento de Catherina
Alz defunta mulher que foi de Balthezar Barboza outrosi defunto:
moradora que era na freguezia de Sergippe do Conde termo desta Ci-
dade por ella ficarem filhos filhas e netos seuz herdeyros alguns
delles menores entire os quaes foi Maria de Araujo mulher que ficou
de Gaspa. Dias Barboza, outrosi defunto, o qual inventario foi feito
cor Domingos Barboza filho da dita defunta Catherina Alvarez e
despoiz de ser acabado feitas as diligencias necessarias se fes partilha
dos bens conteudoz no dito Inventario e do auto della consta -
Aos sinco dias do mes de Margo deste prezente anno de mil seis

fl. 4 v. e fl..5







Centos e quarenta e hum annos nesta Cidade do Saluador Bahia
de todos os Santos empouzadas de Paulo Correa de Moura que se-
ruia de escriuam deste juizo estando eu prezente e o Capitam Diogo
Monis Telles Juiz ordinario este prezente anno adjunto a mim para
as ditas partilhas por eu ser intentado de sospeito nellas por mim
fora mandado aos partido..z deste Juizo Antam Saraiua da Fonseca,
e Paulo do Rego Borges e outrosi Andre Fernandez do Bastb adjunto
ao dito Paulo do Rego Borgez por tambem Ser reuisado de sos-
peito que os ditos partidores de baixo de juramento de Seus offi-
cios e o dito Andre fernandes do Basto pello juramento que re-
ceb.ra que todos Somasem bem, e verdadeiramente os befis que
ficaram da defunta Catherina Alvares conteudos nos autos do In-
ventario, e que desem a cada herdeiro seu direito quinham e os
ditos partidorez e adjunto asim o prometeram fazer e Logo por
elles ditos em minha prezenca e do dito Juiz ordinario meu adjunto
foram tomados e Liquidados todos os bens contheudos no dito In-
ventario, e achar somar todos quatro Contos trezentos noventa e
nove mil quatro Centos setenta e oito reis de que abatidos qui-
nhentos e vinte e sinco mil, e quinhentos e sincoenta reis de diuidas
que o Cazal devia a Domingos Barboza filho da dita defunta pro-
sedid. dos gastos que fes na demand que os Padres do Colegio,
trouxeram sobre a pertensam da fazenda de Canas da defunta, e maiz
de alguns pagamentos que fizera por Conta da dita defunta sua
May e ...alvidramento das pessaz que Ihe tirou de seu arendamento,
o que tudo constaua dos autos de Inventario e des papeiz juntos
a elle que (fl. 5 v.) habitos, digo habatidos como dito era ficaram
tres Contos oito Centos e setenta e tres mil nove Centos e vinte
e oito reiz em que teve de tersa a dita defunta hum Conto du-
zentos nouenta e hum mil trezentos e nove reis e nas duas parties
ficaram dous contos quinhentos oitenta, e dous mil Seiz Centos e
dezoito reis que partidos por sinco filhos herdeiroz da dita defunta
coube a cada hum de Legitima quinhentos, e dezaseis mil cento
vinte e trez reis dos quaes foi inteira da a dita Maria de Araujo
filha da dita defunta mulher que foi de Gaspar Dias Barboza pella
maneira seguinte Ihe deram a tersa parte da terra sita em Sergippe
do Conde que ouve da defunta em sua a metade nas partilhas que
se fizeram por falesim.0 de Balthezar Barboza seu marido asim
no past, e canas e cabeseiras e a tersa p.te das paredes velhas tudo
em sua avaliagam a dita tersa part de trezentos mil reis Ihe
deram quarenta e sete mil e duzentos e dez reis que averi de seu
Irmao Domingos Barboza-pellos Leuar de mais em seu quinha6 -
Ihe deram Miguel Crioulo que esta em caza de Francisco Dias da-
Vila em Sua aualiagam de quarenta mil reiz Ihe dara6 treze mil
e trezentos e trinta e trez reis que hauera de Domingos Rodriguez
Matinada nos oitenta mil reis que deue ao Cazal Ihe dera6 Mi-
guel Crioulo carreyro que esta em poder de Domingos Barboza

fl. e fl. 5 v.







em sua avaliag~o de quarenta e sinco mil reis Ihe dera6 humas
moradas de cazas terreas as quaes tem alguiis pedagos de paredes
de pedra, e cal cubertas de palha as quaes estam junto as cazas de
sobrado do Cazal que pella banda do Norte partem com cazas
tambem do Cazal e do Sul cor cazas digo com as ditas asobra-
dadas cor seu quintal em sua avaliagam de oitenta mil reis e
ficou cheo o dito quinham e tornara que Leua de mais dezanove
mil e quatro Centos e vinte reis a sua Irmaa Donna loanna ou
seus herdeiros na formal do qual quinham asignei eu e os ditos
partidores com os ditos adjuntos e feitas as ditas partilhas as ouue-
mos por feitas, e acabadas, e a reveria das partez e as julgamos por
Sentenga que mandamos se comprisem asim como nellas se continha
e condenamos aos herdeiros nas custas dos autos com declaracam
que ficou por past... gado q' tern de mais Duarte Lopez Sueyro
em Taparica como se faz mensam no Inventario das partilhas de
Balthezar Barboza que se nam partio por o dito Duarte Lopez
Sueyro nam vir declarar a quantidade que era para o que seria
Notificado para o fazer e da quantia se fazer partilha pellos her-
deiroz da qual sentenga se fez termo que asignamos eu e os ditos
partidorez e adjuntos e despoiz diso foi feito petigam por escrito
a mim e ao dito Juis ordinario meu adjunto na qual dizem Do-
mingos Barboza de Araujo filho da defunta Catherina Alvarez mulher
que foi de Seu Pay Balthezar Barboza defunto e Manuel da Mota
Genro da dita defunta e outrosi Maria de Araujo filha tambem da
dita defunta que nas partilhas que nos fizemos do benz (fl. 6) da
dita defunta Catherina Alvares May e Sogra dellez supplicantes
ouvera notauel erro por nam ajuntarem os ditos bens trezentos mil
reis do meio dote dos Seiz Centos mil reis que deram a Donna Joanna
filha da dita defunta e do dito Balthezar barboza quando a Cazaram
a qual a dita defunta outorgara como nas declaragoefis que se fizeram
no Inventario do dito defunto Balthezar Barboza se via e bem asim
nam ajuntaram quatro Centos mil reis que deram os ditos defuntos
a sua filha Francisca Barboza quando a Cazaram Como na decla-
racam que fizeram digo como na declaracam do dito Inventario
se via, no que recebiam de perda cada hum deles supplicantes de
mais de Cento e quarenta mil reiz pedindo se ajuntase aquella ao
Inventario, e que os partidores prezente mim emmendasem o dito
erro para que podesem cobrar o que direitamente Ihes cabia e re-
ceberiam merse que todo isto se continha na dita petigam dos ditos
Supplicantes, a qual sendo me aprezentada e vista por mim Como
dito Juis ordinario meu adjunto mandamos nella por desp.0 Se
ajuntase o Inventario, e os partidores perante nos viessem a desfazer
o erro que sobre aquella material se achasse Bahia dezasete de Abril
de Seiz centos e quarenta e hum em cujo comprimento sendo a
dita peticam dada ao dito escriuam elle ajuntar.. aos autos do dito
Inventario e partilhas e se fizera a emenda do dito erro do termo

fl. sv. e fl. 6
15







da qual Constaua Aos vinte e dous dias do mes de Abril do
anno de mil Seis Centos, e quarenta e hum annos nesta dita Ci-
dade do Saluador empouzadas do dito escriuam estando eu prezente
e o dito Capitam Diogo Moniz Tellez Juiz ordinario meu adjunto
e outrosi os partidorez digo os ditos partidores deste juizo Antam
Saraiua da fongega e Paulo do Rego Borges e bem asim o dito
Andre Fernandez do Basto adjunto ao dito Paulo do Rego Borgez
por mim e o dito meu adjunto fora dito Aos ditos partidores e
adjunto do dito Paulo Rodrigues digo Paulo do Rego Vissem o erro
que hauia nas ditas partiihas que estauam feitaz dos benz da de-
funta Catherina Alvares pello contheudo na dita petica6 dos Sup-
plicantes e satisfizessem o nosso despacho e Logo pellos ditos par-
tidores e adjunto em nosa prezenga fora vista a dita peticam digo
a dita partilha e inventario do defunto Balthezar Barboza appenso
aquelle e acharam haver erro no que os Supplicantes allegauao na
dita peticam e por elles ditos fora emendado o dito erro pella
maneira seguinte a saber diseram que os benz que ficaram por fa-
lecimento da dita defunta Catherina Alvares fizeram Soma de quatro
Contos e trezentos e noventa, e nove mil quatro centos Setenta,
e oito reis do quaes se abateram quinhentos vinte e Sinco mil,
quinhentos, e sincoenta reis das dividas que se deviam a seu filho
Domingos Barboza pellas rezoefis ditas no auto das partilhas atraz
e abatidas ficaram liquidos tres Contoz oito Centos Sesenta e trez
mil novecentos vinte, e oito reis nos quaes teve de tersa a dita
defunta hum Conto duzentos noventa, e hum mil trezentos e nove
reis, e que nas duas partez ficaram dous Contos quinhentos oitenta,
e dous mil Seiz Centos, e dezoito reis, aos quaes si haviam de ajuntar
Sete centos mil reis dos meios dotes de Francisca Barboza filha da
dita defunta dote que Ihe deram quando cazou com Christouam
de Saa e de Donn. (fl. 6 vs.). Joanna outrosi filha da dita defunta
porquanto cazaram no tempo que a dita defunta estaua ainda em
powder de seu marido Balthezar Barboza e asim dera outorga aos
ditos dotes como do inuentario e partilha que se fizera de seus bens
se via que andaua appensa aquelle que por erro se nam ajuntara6
os ditos Sete Centos mil reiz na partilha atraz a saber quatro Centos
mil reis de Francisca Barboza primeiro dote e trezentos mil reiz de
Donna Joanna segundo dote o que agora se fazia emmendando se
o dito erro que niso ouuera que juntos como dito era montaua
todo tres Contos duzentos e oitenta e dous mil reiz centos e de-
zoito reis que partidos por sinco herdeyros filhos da dita defunta
cabia a cada hum de-legitima seiz centos sincoenta e seiz mil qui-
nhentos vinte e trez reis e porquanto a dita Francisca Barboza tinha
em si quatro Centos mil reis no meio dote nam herdaua nos benz
da dita defunta sua may mais que duzentos e Sincoenta e Seiz mil
quinhentos vinte e trez reis e tornaria dos quinhentos e dezaseiz
mil cento, e vinte e trez reis que Ihe tinham dado no quinham da

fl. 6 e fl. 6 v.
16







partilha atraz e tornaria duzentos e sincoenta e nove mil seis centos
reiz, a. saber a Domingos Barbosa de Araujo Cento, quarenta mil
e quatro Centos reis nos mesmos bens por suas avaliacoeiis como
no dito quinham se declarauam, e a sua Irmaa Maria de Araujo
tornaria Cento e dezanove mil e duzentos reis que era o resto dos
mesmos befis pellas suas avaliacoens e outrosim porquanto Donna
Joanna segunda dotada tinha em si trezentos mil reis no meio dote
do que Ihe dera6 quando cazou nam herdaria dos bens da dita
defunta sua may, mais que trezentos e Sincoenta, e Seiz mil qui-
nhentos e vinte e trez reiz e tornaria do quinham que Ihe deram
na dita partilha atraz cento sincoenta e nove mil e seiz centos reiz
dos quinhentos e dezaseis mil Cento vinte, e trez reiz que Ihe tinha6
dado a saber vinte mil e duzentos reis a sua Irmia Maria de Araujo
nos mesmos bens por suas avaliagoens e a Manuel da Mota casado,
Cor Felipa Barboza tornaria Cento e trinta e nove mil e quatro
centos reiz nos mesmos bens que Ihe dera6 no dito quinham atraz
pellas mesmas ditas avaliagoens as quaez .ornas haueriam ellez ditos
acresentados Domingos Barboza e Maria de Araujo e Manuel da Mota
como dito era dos quinhoenz dos ditos Francisca Barboza e Donna
Joanna e do que maez acresceo a dita Maria de Araujo na emenda
do dito erro foi ella enteirada pella maneyra seguinte quinham
de Maria de Araujo do que mais Ihe cabe pella emenda das par-
tilhas que monta Cento e quarenta mil e quatro centos reis Ihe
deram vinte e hum mil trezentos e des reis que hauera do quinham
de Francisca Barboza na ametade dos quarenta e dous mil seis Centos
e vinte reis q' Ihe tinham dado na mio de Antonio Carualho a
qual a metade agora cobrari do dito Antonio Carualho que sam
vinte e hum mil trezentos e dez reis Ihe deram'a metade das
moradas de cazas terreas que estam dadas no quinham da dita Fran-
cisca Barboza que sam as primeiras indo de nosa Senhora da Ajuda
-para a porta de Sam Bento Cubertas de palha com parte das pa-
redes derubadas que partem da parte do Norte com cazas que
foram de Diogo de Noronha e da banda do Sul com outraz
Cazas do Cazal com seu quintal em sua avaliaca6 a dita a me-
tade de setenta e sinco mil reiz lhe dera6 (fl. 7) Pedro Cabira
barbado e velho que hauera do dito quinham da dita Francisca
Barboza em sua avaliaga6 de vinte mil reis lhe dera tres mil reis
que hauera mais do quinham da dita Francisca Barboza e asim fica
cheio do que della ha de cobrar Ihe deram maiz as dezanove mil
quatro Centos e vinte reiz que hauia de tomar a sua Irmaa Donna
Joanna Como dos quinh6es atraz se ve e nam Seri obrigada a torna
las e Ihe ficaram a Conta dos vinte mil e duzentos reiz que do
dito quinham de Donna Joana ha de cobrar pella emenda dita
dezanove mil e quatro centos e vinte reiz lhe deram Sete centos
e oitenta reiz que hauera maiz do quinham da dita Donna Joanna
para serramento dos ditos vinte mil e duzentos reiz e ficou cheio

fl. 6 v. e fl. 7
17







o dito quinham e asignaram Juizes e partidorez e adjunto E eu
Paulo Correa de Moura escriuam dos orfa6s o escreui Camelo/
Saraiva / Rego / Andre Fernandez do Basto a qual emenda do
dito erro foi julgada por Sentenga e mandado se cumprise asi e da-
maneira que nella se continha e condemnados os herdeiros nas Custas
dos autos e que se lhez desem suas folhas de partilha com a dita cla-
reza para cobrarem inteiramente o que Ihes cabia dada nesta dita
Cidade aos vinte e dous dias do mes de Abril de mil e seiz centos
e quarenta e hum annoz e por parte da dita Maria de Araujo ser
pedido carta de partilha do dito seu quinham que lhe coube nas
partilhaz principaez dos bens da dita sua May e do que maiz Ihe
acresceo na dita emenda se Ihe passou aprezente que sendo por mim
asignada e sellada cor o sello que neste juizo serve mando se cumpra
e guard como nella se contem, e que por ella haja a dita Maria de
Araujo per si ou por seus bastantez procuradorez a pose e entrega
de todos os benz que asi Ihe couberam atraz conteudos e declarados
para o que seram requeridos por qualquer official de just.a desta
'dita Cid.e ou seu termo as pessoas em cujo poder estiverem Ihos
entreguem e nam o fazendo seram penhorados executados na forma
da ordenaga6 e dos befiz de rais podera tomar e tomara pose e en-
trega de que si fara auto nas Costas desta para seu titulo e de tudo
sera satisfeito sem quebra nem deminuiga6 alguia comprio asim e al
nam fagais dada nesta dita Cidade do Saluador Bahia de todos os
Santos aos quatro dias do mez de Julho Simam Francisco Madris
a fez no officio de Rui Carualho Pinheyro escriuam dos orfa6s desta
dita Cidade e seu termo por Sua Magestade & Anno do Nasimento
de Nosso Senhor Jezus Christo de mil seiz centos quarenta e hum
annos pagou se de feitio desta carta e folha digo desta carta de Sen-
tenca e folha de partilha quatro Centos reiz com declaracam que
ha de ser tambem asignada pello dito Capitam Diogo Moniz Tellez
Juiz ordinario adjunto nas ditas partilhas Rui de Carualho Pinheyro
o sobescreui / Antonio Camello / Valha sem sell ex causa Ca-
melo / Diogo Moniz Tellez -

Sentenca de folha de partilha e tersa da alma de
que he herdeyro Melchior Dias Barboza

PHelippe de Almeyda Ouuidor Cor alcada e pro.... dor dos defuntos
(fl. 7v) e auzentes Juiz dos Reziduos e Capellas e Fazendas dos
orfa6s em toda esta Capitania de Sergippe del Rey e seus terms por
Sua M..de &. Fago saber a todos os ouuidores Prouedores Juizes e
mais Justigas e ministros delas como neste meu juizo da Prouedoria
se trataram e por mim finalmente sentenciaram huns autos de In-
ventario a requerimento de parties os herdeiros que ficarao por morte
e falecimento de Gaspar dias Barboza e sua mulher Maria de Araujo

fl. 7 e fl. 7 v.
18







sendo Inuentarizante de todos estes bens e fazendas Melchior Diaz
Barboza filho legitimo, e herdeiro dos ditos defuntos seus Pais Gaspar
Dias, e Maria de Araujo asim no q' Ihe tocase em sua legitima como
tambem na tersa dalma e testamentaria como tudo Largamente me
Constou pellos testamentos e autos de Inventario, que largamente
se vera em os mesmos cascos pello que sendo em os oito dias do
mez de Novembro do anno do nasimento de nosso Senhor Jezus
Christo de mil seis Centos quarenta e nove annos me foi requerido
pelo dito Melchior Dias que visto estarem Citados todos os mais
herdeiros pera Inventario e partilhas como mi constaua pellas certi-
doens que em meu juizo foram offerecidas, e o reconhecimento dellas
mandei fazer e se fizeram perante mim os ditos Inventarios e au-
tuados, e juridicos pello meu escriua6 e mais Justigas a quem tocaua
como delles constAra, e despoiz de apregoados sentenciados fechados
asignados digo serrados mandei os partidores a requerimento das
mesmas parties lhez fizesem suas partilhaz como logo fizeram dando
a cada qual o que Ihe tocase e tambem ao testamentr.0 e herdeiro
na tersa da alma de que outrosi o julgo herdeiro pella Vontade da
testadora junta, o que tudo feito e visto por mim e feitas as folhas
de partilhas pellos partidores Manuel Martins e Manuel Nunes Sa-
luado e por mim hauidas por boas e sentenceadas em os cascos e autos
e sendo me requisitado lhes mandase pasar suas sentengas na forma
custumada o fiz e mando por esta minha sentenga de folha .e lhe
entreguem ao dito herdeiro Melchior Dias todos os bens de sua le-
gitima e bem asi os da tersa da alma por suas adigoins distintas que
sam as que se seguem Coube ao herdeiro Melchior Diaz nesta
folha primeira da tersa huma negra do gentio de guinea por nome
Luzia em sua avaliacam de sincoenta mil reis Coube mais nesta
folha primeira da tersa huma negra do gentio de guinea por nome
Vitoria em Sua avaliagam de quarenta e sinco mil reis Coube maiz
Miguel Piloto do gentio de guin6 em sua avaliaga6 de sincoenta mil
reis Coube maiz hum crioulo por nome Antonico em sua ava-
liagam de quinze mil reis Coube mais huma crioulinha por nome
Margarida em sua avaliagam de onze mil reiz Coube mais quinze
vacas parideiras em sua avaliagam cada huma de sinco mil reiz se-
tenta e sinco mil reiz E asim mais dezaseiz mil reis que se deram
aos Padres de Sa6 Francisco de hui trintario de Sao Gregorio que
estaua ja pago nas quaes adigoens atraz fica inteirado da tersa
da alma e se seguem as de sua legitima as quaes adigoens atras da
tersa montam duzentos sesenta e hum mil e oitenta e seis reiz -
Coube ao dito herdeiro e testamenteyro em sua legitima em dinheyro
que tem ja em si Cento e onze mil oito Centos e quarenta reiz -
Coube Ihe mais hum tacho em sua avaliacam de dous mil reis -
Coube Ihe mais hum forno de cobre em sua avaliacam de nove m.l
reis Coube Ihe mais dous castigaes em sua avaliagam de oito Centos
e .itenta reis Coube lhe mais huma escopeta velha de sua ava-

fl. 7 v.
19







liagam de mil e duzentos e oitenta reiz Coube lhe mais que ficou
das adigoens da tersa para to.ar nove centos, e quatorze reis, que
aqui vam ja pagoz (fl. 8) Coube Ihe mais huma Corrente cor
quatro Colares em sua aualiacam de quatro mil reis Coube Ihe
mais hufis grilhoefis em sua avaliagam de mil reis Coube Ihe mais
duas eix6s goivas em sua avaliacam de seiz cents e quarenta reiz -
Coube lhe mais trez escouproz velhos em sua avaliaca6 de quatro
centos e quarenta reis Coube lhe mais huma serra bragal em sua
avaliagam de mil reis Coube lhe mais hum pezo de ferro de qua-
torze Livras em sua avaliagam de quatro centos reiz Couberam
lhe mais trez cavilhas em sua avaliacam de Cento e sesenta reiz -
Couberam lhe mais quinze perselanas da India em sua avaliacam de
mil e duzentos reis Couberam lhe mais duas colheres de prata em
sua aualiagam de oito centos reiz Coube Ihe mais hum almofaris
em sua avaliagam de mil e seiz centos reiz Couberam lhe mais
trez vacas em sua aualia9am de quinze mil reis Coubera6 lhe mais
sinco novilhas de tres annos em sua aualiagam de sinco mil reiz Cada
huma; vinte e sinco mil reis- Couberam Ihe mais oito nouilhaz
de dous annos em sua aualiaFam de vinte e quatro mil reis Cou-
beram Ihe mais nove vitelas de anno em sua aualiagam de mil e
quinhentos reiz cada huma, treze mil e quinhentos reiz Couberam
lhe mais trez nouilhos de anno digo de tres annos em sua avaliagam
de sinco mil reis cada hum quinze mil reis Couberam Ihe mais
sete garrotas de anno em sua avaliagam de douz mil reis cada huma
catorze mil reis Couberam lhe mais oito bezerras de chiqueiro
em sua aualiacam de mil reis cada huma oito mil reis Coube
lhe mais hum boy manso com huma perna quebrada em sua ava-
liagam de sete mil reis Coube Ihe mais hum boy manso em sua
avaliagam de des mil reis -- Coube lhe mais huma egoa braua com
hum poldro em sua aualiacam de oito mil reis Couberam lhe
mais trez colheres de prata em sua avaliagam de duas patacas cada
huma mil nove centos e vinte reis Couberam Ihe mais tres tua-
lhas de meza velhas em sua aualiacam de mil reis Couberam Ihe
mais em sua aualiacam trez toalhas de agoa as maos oito centos
reis Couberam lhe mais dous Langoes velhos em sua avaliacam
de mil e quinhentos reiz Couberam Ihe mais duas almofadinhas
em sua aualiagam de quinhentos reiz Coube lhe mais hum ta-
chinho em sua aualiagam de mil reis Coube lhe mais huma Cor-
rente em sua avaliagam de douz mil reis Couberam lhe mais onze
pessas de ferramenta velha em sua avaliacam de Mil seiz centos reis-
Couberam lhe maiz dezoito mil reis de tabaco do primeiro anno -
Couberam lhe mais doze mil e quinhentos pes de tabaco do segundo
anno Couberam lhe mais humas moradas de cazas em a Cid.e da
Bahia junto a Nossa Senhora da Ajuda em sua avaliagam de oitenta
mil reis Coube Ihe mais a metade de outras cazas misticas com as
asima em preco de setenta e sinco mil reis Coube lhe mais deza-

fl. 7 v. e fl. 8
20







sete mil e sento e setenta e sinco reis do dinheiro que esti em ma6
dos Padres do Patriarcha Sam Bento com que fica inteirado de sua
Legitima como os demais herdeiros em quatro centos oitenta e tres
mil seis centos e oitenta e nove reis pello que mando a todas as jus-
ticas desta Capitania e as de fora della requeiro e peco em nome de
Sua Magestade Ihe mandem dar Compriment. a esta minha Sentenca
asim e damaneira que por mim he mandado, ordenado e finalmente
sentenceado asim e damaneyra que nella se contem dada e pas.da
(fl. 8 vs.) e Tirada dos autos nesta Cidade de Sam Christouam em
os onze dias do mes de Janeyro do anno do nasimento de nosso
Senhor Jezus Christo de mil seiz centos e sincoenta annos por mim
asignada somente pagou de feitio desta sente..a quatro sentos e
oitenta reis e de asignar cem reis e eu Domingos de Andrade Ta-
baleam public e escriuam dos orfaos, defuntos, e auzentes em toda
esta Capitania de Sergipe del Rey e seuz terms por Sua Magestade
a fiz escreui, donde me asignei de meu signal razo e custumado
seguinte / Domingos de Andrade / Phelippe de Almeyda / Va-
lha sem sello e ex cauza / Almeyda. O qual treslado de folhas
de partilhas eu Francisco da Rocha Barboza Tabalea6 do public,
judicial e notas nesta Cidade do Saluador e seu termo por Sua
Mag.e fiz tresladar das proprias a que me report quem as apre-
zentou Antonio Frz Rocho, e as tornou a leuar, e aqui asignou de
como as levou, e sobescreui e asignei, e concertey com official
comigo abaixo asignado na Bahia em trinta e hum dias do mes de
Agosto de mil seis centos e sincoenta annos / Franc.0 da Rocha
Barboza Concertado por mim tabaleam Francisco da Rocha Bar-
boza / E comigo escriuam da ouuedoria geral Joam Pereyra Ba-
cellos / Antonio Frz Rocho/

0 qual treslado de Carla de partilhas eu Joa6 Bapt.a Carnr.o T.am p.co do
judicial e nottas nesta Cidade da Bahia e seu termo no off. de q' he pro-
prietr.o Henrriq Valensuella da Silua fiz pasar de hum treslado que me afre-
zentou o Rd.o p.e Frej Jozeph de Santa Catherina Relligiozo de S. B.to e
procurador gl. do seu Conu.to desta d.a Cidade, o equal resebeo a d.- Carta,
e aqui asinou, e com ella este treslado comfery conserley sobescreuy, e asiney
com o official ab.xo asinado na B.a aos sete de outr.o de sete centos e sinco Annos



E comigo escriva5 dos agg.vCs Joa5 Bap.ta Carn.r"
Fran."' de Souza de Menezez

Fr. Joseph de S.a Catherina Ctf. p. mim. T.am
Proc. GI. da Prov.a Joa6 Bap.ta Carm."

fl. 8 e fl. sv.






A fl. 4 v.o estd a f.a de part.a de B.or
Dias por donde the pertense estas cazas e Escrp.tra
a fl. ,142 esta a fl. de partilha de Fran-
cisco de.aBitancor e a fl. 143 estd a es-
crip.tra de venda q' fes o d.o B.or Dias

TRESLADO DA ESCRITURA
da venda que nos fez Belchior Dias das cazas de palha que
estam na rua de Sr.a da Ajuda de hia morada e de tres
parties da outra contigua cor ella como consta da escri-
tura q' esta nas notas de Mathias Cardozo, tambem desta
consta aquitaga6 que nos deo de sete centos mil rs das
terras de canas q' Ihe compramos ao d.o Belchior Dias
junto ao noso Eng.0 de Sergipe a que chamao a Lagem. E
por aqui consta ser toda nosa a terra do Rio Real porque
hauendo a nos vendido ao dito nola tornou a vender; Dis
huma cota estas cazas asima estam na rua desima as quaes
era6 de palha em que Po Joam da Costa tem huma parte
nas tres, isto he do Pe frei Pedro /



S aibam quantos (fl. 9) este public instromento de venda qui-
tacam e obrigaa56 virem que no anno do nasimento de Noso Senhor
Jezus Christo de mil e seis centos e sincoenta annos aos vinte e
sinco dias do mes de Agosto do dito anno nesta Cidade do Saluador
e Convento do Patriarcha Sam Bento aonde eu tabalea6 ao diante
nomeado fui e sendo La pareseram prezentes a esto outorgantes a
saber de huma parte como vendedor Belchior Dias Barboza mo-
rador na Capitania de Sergippe del Rey em seu nome, e como pro-
curador bastante de sua mulher Maria da Rocha Pita como me
constou de huma procuraga5 bastante feita em Sergippe del Rey
em os vinte e quatro dias do mez de Mayo da hera prez.te de seis
centos e Sincoenta annos na nota do tabaliam Domingos de An-
drade com poderes de vendedor digo de vender bens de rais e da
outra como procuradores digo compradores o Padre Abbade Frei
Ignacio de Sam Bento e os mais Religiozos juntos ao som de camp
tangida e logo pello dito Belchior Dias Barboza foi dito a mim
Tabalea6 deante as testemunhas ao diante escritas que entire os mais
bens de rais que elle e a dita sua mulher possam digo possuem

fl. 8 v. efl, 9
22







como seus que sam e bem asim como sam a metade de human Ndo pes-
sorte de terra sita junto ao Rio Real da banda do Norte e part *...*
com o dito Rio e com a Costa braua que he a metade de huma .... bera.
data que os Reuerendos Padres Ihe hauiam uendido pella herdarem
de Bernardo Ribeyro que esta mistica com outra a metade delles
vendedores e bem asim humas moradas de casas terreas cor seus
quintaes as quaes tem algumas paredes de pedra cubertas de palha
as quaes pella banda do sul partem corn cazas de sobrado em que
os padres de sam bento ter a metade e da banda do Norte com
outras Casas terreas que elles outorgantes ter a metade que humas,
e outras ouvera por titulo de heranga de sua May Maria de Araujo,
e sam mais na dita caza em que ter a metade, tambem que he
na outra a metade em que coube hum quinham a Francisco de
Saa Bitancor o qual elles vindedores a ouueram por titulo de
Compra do dito Franc.0 de Saa Bitancor, que he a metade da me-
tade das ditas Cazas como esta da escritura de venda e folha de
partilha as quaes cazas asima confrontadas e a dita sorte de terra
asima tambem comfrontada em todas suas entradas sahidas posse-
soenz quintaes, matos, pastos asim e damaneira que a elles Vende-
dores pertencem as ditas Cazas por seus titulos de heranga e compra
e a dita sorte de terra asim e damaneyra que elles a possuem e os
ditos Reuerendos Padres lhe venderam e melhor se melhor puder dar
dise vendia em seu nome e da dita sua mulher como defeito logo
Vendeo de hoje para todo sempre aos ditos Reuerendos Padres de
Sam Bento para elles e para o dito Convento e susesores em preco
e quantia a dita sorte de terra em Cem mil reis e as ditas Cazas Tornouce
no estado em que de prezente esta em cento e setenta mil reis que a tender
es a sore
huma e outra quantia faz soma de duzentos e setenta mil reis pagos de terra
Logo em dinheiro decontado a qual quantia de duzentos e setenta
mil reis e prego das duas vendas dise e confessou o dito vendedor
have los recebidos d6s ditos compradores em dinheiro decontado da
qual quantia e prego das ditas vendas dise daua como defeito logo
deo pura e geral quitaga6 aos ditos Compradores e Seuz herdeiros
e sucessores para sempre pello hauer recebido em si em dinheyro
decontado a dita quantia e que elle tiraua de si e demitia toda a agam,
pertensam senhoria, vtil dominio que elles vendedores tem nas ditas
Cazas e sorte de terra porque tudo logo se deo e trespasou Noz (fl. 9 v)
Ditos compradores e Seus herdeiros e todas as agoens reaes e pes-
soaes actiuas, e passiuas futuras, e prezentes porque tudo Logo deo
e trespasou nos ditos compradores para que Logrem e hajam as ditas
Cazas e sorte e terra cor. Couza que ja he sua e fico sendo por
vertude deste instromento pello qual lhe deo poder e Lugar para que
por elle somente sem mais authoridade de justiga p.ssao tomar, e
tomem pose das ditas cazas, e terras e quer a tomem quer nam Ihe
ouuera6 Logo por dada e nelle e seus herdeiros emcorporada pella
clauzula Constituti e se obrigaram a fazer sempre boa esta venda de

f 9 e f 9 v.
23







toda a pesoa ou pessoas que alguma duvida ou demand Ihe ponham
a tudo se dar por author e defensor a sua propria Custa athe mor
algada ou final sentenga do supremo senado e pello dito Reuerendo
Padre Frey Dom Abbade foi dito e os mais Religiozos aseitauam
esta escritura como nella se contem, e ao Comprimento della obri-
gara6 elles partez suaz pessoas e bens, de o ter, e manter em tudo
comprir como nella se contem de que mandaram ser feito este ins-
tromento nesta Nota que asignara6 que pediram e aseitaram, e eu
tabaleam como pessoa public estipulante e aseitante estipuley e
aCeitey em nome da pessoa, ou pessoas a que tocar posa auzente e
de dar os treslados Necessarios sendo testemunhas pedro Lopes de
Veras e Manuel Vieyra e todos asignaram Mathias Cardozo Taba-
leam que o escreui e declaram elles Vendedores a dita sort de terra
sita no Rio Real a trespassauam outra ves os ditos Reuerendos Padrez
e lha vendem na forma que os ditos reuerendos Padres lha vendeam
Hic sem mais outra obrigaqa6 alguma declararam os ditos vendedores
que sua May e sogra Maria de Araujo vendera os Reuerendos Padres
de Sam Bento huma sorte de terras de Cannas sita no Rio de Ser-
gippe e junto a lage e emgenho dos Reuerendos Padres por sete
centos mil rs o que della consta e por morte da dita Maria de Araujo
e elle vendedor como seu herdeiro cobrou a quantia da dita venda
da dita fazenda de Cannas pello que dise daua como defeito daua
digo deo pura e geral quitacam a elles Reuerendos Padres da dita
quantia e de sere centos mil rs prego da dita fazenda de Cannas, e a
seuz bens e herdeiros, e sucesores para sempre pella hauer recebido
em si em dinheiro decontado e se obrigaua a lhe nam ser mais pe-
dida por elle, nem por outrem por de tudo estar entregue pago e
satisfeito, e declare que as ditas cazas atras contheudas na escritura
de venda sam sitas nesta Cidade na Rua de Nossa Senhora da Ajuda
e com esta declaragam asignaram cor as testemunhas atras escritas
Mathias Cardozo Tabaleam sobredito escreui / Belchior Dias Bar-
boza / Frei Antonio de Sam Paulo / Frei Pedro do espirito santo /
Frei Pedro de Jezus / Frei Afonqo das chagas / Frei Bento / Frei
Domingos de Sam Bento / Frei Joam Frei Ignacio de Sam Bento /
Frei Mauricio / frei Gabriel da Natiuidade / frei Vicente / Frei Joam
de saa / Manuel Vieyra / Pero Lopez de Veraz / o qual instromento
de venda eu Mathias Cardozo Tabaleam sobredito em meu Liuro de
Notas o tomey donde este instromento pasei sobescreui, asigney de
meu public signal seguinte / Signal public /

Auto de pose
Saibam quantos este public instromento de posse virem que No
anno do nasimento de noso senhor Jezus Christo de mil seis sentos
sinquoanta annos aos sinco dias do mes de Setembro do dito Anno
nesta Cidade do Saluador Bahia de todos os Santos e Rua (fl. io) de

fl. 9v. e fl. 10
24








Nossa Senhora da Ajuda e Cazas contheudas na escrita atras aonde
eu Tabaleam ao diante nomeado fui e sendo l me foi requerido pello
Padre frei Pedro Procurador Geral do mosteyro de sam bento desta
Cidade pelo qual me foi requerido Ihe dese posse das ditas cazas em
Virtude da dita senten9a digo escritura, o que visto por mim taba-
leam ometi dentro nas ditas cazas e fechando e abrindo as portas
dellas e tomando terra em signal que tomaua pose das ditas cazas
o que visto por mim tabaleam dise por trez vezes se hauia alguma
pessoa ou pessoas que tiuessem embargos a se dar esta pose e por
nam hauer quem lha contradisese Ihe dei pose das ditas cazas Mansa
e pacificamente em virtude da dita escritura de venda e ouue por
emposado nas ditas cazas mansa e pacificamente sem contradicam
de pesoa alguma tanto quanto em direyto deuo e posso em direito
se requer e asim e damaneyra que na escritura atras fas mensa6 sendo
testemunhas o Alfes Luis de Almeyda e Paschoal fernandes Braga
Todos asinaram corn o dito Frei Pedro e eu Mathias Cardozo ta-
baleam o escreui asignei de meu public signal seguinte / Frei Pedro
de Jesuz / Paschoal Frz Braga / Luis de Almeyda / Signal public/

O qual treslado de escriptr.a eu Joaj Bap. a Carn.to T.am public do judicial,
e Nottas nesta Cid.e da Bahia e seu termo no off.o de q' hepropriet.ro Henrriq
Valensuella da Silua fis tresladar de hrim treslado em pr." forma passado q'
me apresenlou o p.e frej Joseph de S.t" Catherina Releijozo de S. Bento e procu-
rador gl. de seC Conu.to desta d.( Cidade a q." a torney a entregar, e de como
o resebeo aquy asinou, E con elle e o official ab.xo asinado este comfery con-
sertcy, sobscreuy e asiney na B.a aos oito de out.rO de sele centos e sinco Annos.





E comigo escriva5 dos agg.17" Joa5 Bap.ta Carn.ro
Fran.co de Souza de Menezez
Ct. p. mim T.a1"
Fr. Joseph de S."t Catherina t. im T.
Proc.or Geral da Prov.a Joa5 Bap.ta Carnm.









fl. 10
4 25








TREZLADO AUTHENTIC
da doacam dos Recifes e salgado defronte de Sr.a da Con-
ceiCam nesta Cid.e a qual doaca6 nos trespasou Manuel
Nunes de seitas, e ao despois ola retificou seu Genro e
filha como da escritura adiante a f 1v. consta esta doaca6
foi dada por Xpam Aff.o Genro do Me' Nunes e na6
por elle



O Pe Dom Abbade do Convento de Sam Bento desta Cide
(fl. io v.) que para bem de sua justice Ihe he necessario o treslado
de huma sesmaria que se deo a Manuel Nunes Seitas na hera de mil
e quinhentos 4 oitenta e seiz annos e porquanto dita sesmaria esta
no tombo do Cartorio do seu Mosteyro / Pede a Vosse merse lhe
faca mandar a qualquer Tabaleam aquem for aprezentado lhe de o
treslado da dita sesmaria em modo que faca fee e recebera justiga
e merse Desp Como pede Galuam -

Carta de sesmaria dos resifes de Nossa senhora da
Conceicam
Saibam quantos este public Instromento de Carta de sesmaria virem
q' no anno do nasimento de Noso senhor Jezus Christo de mil e
quinhentos e oitenta e seiz annos aos quatro dias do mes de No-
vembro do dito anno nesta Cidade do saluador bahia de todos os
santos, parties do brasil nas pouzadas de mim Tabaleam ao deante
nomeado pareceo Miguel digo Manuel Nunez de seitas Capitam da
guard do muito illustre Senhor Manuel Teles Barreto do conselho
de El Rey Nosso senhor e Governador Geral de todo este estado do
Brasil e apresentou a mim Tabaleam huma peticam com hum des-
pacho ao pee do dito senhor de que o treslado de verbo ad verbum
he o seguinte Diz Manuel Nunes de seita que defronte do forte que
esta a Nossa senhora da Conceycam estam huns recipes de pedras
Correntes, digo correndo para a parte do sul e que se podem fazer
camboas para tomar peixe. Pede a Vossa senhoria Ihe faca merse de
lhos dar de sesmaria e o que banhase a agoa salgada para rimedio seu
e de sua familiar. e recebera merse Desp.o Dou lhos se nam sam

NOTA:- 0 present document encontra-se tambem no Livro III do Tombo a folhas 23 v. a 25

fl. 10 e 10 v.
26







dados. Manuel Telles Barreto e com a dita condicam e com as mais
contheudas no regimento do dito senhor lha deo e ouue por dada
de sesmaria e os ditos recifes que estam defronte do dito baluarte
e isto pello poder que tim de sua Magestade para que elle dito Ma-
nuel Nunes nelles faga camboas para tomar peixe como dis em sua
petigam para elle dito Manuel Nunes e para todos seus herdeiros
para sempre para que dos ditos recifes asim como banha agoa sal-
gada posa fazer como de couza sua que he por esta carta de sesmaria
e manda elle dito senhor que della haji pose e senhorio para sempre
sem pagar tribute algum e sera obrigado a fazer register esta Carta
nos Liuros da fazenda del Rey nosso senhor dentro de hum anno
conforme o seu regimento com as penas nelle contheudas e porque
o dito Manuel Nunes tudo prometeo cumprir pela dita ma-
neyra e o dito senhor Governador Ihe mandou ser feita esta carta
de ses digo esta carta nesta nota que o dito senhor asignou c eu
Domingos de Oliueira Tabaleam que o escreui Manuel Telles Bar-
reto. Declaro que estes recifes sam aonde eu tenho o bal.arte antigo,
'e para a banda onde esteue o dito bal.arte e terra esta o dito forte
e tornou asignar o dit.o senhor Gouernador que mandou fazer esta
declaracam / Manuel Telles Barreto e eu Domingos de oLiueyra
tabaleam do public judicial po. El Rey Nosso senhor nesta Cidade
do saluador bahia de todos os santos e seu term. que este instro-
mento de carta de sesmaria tomey em minha nota donde o fiz tomar
digo tirar, consertey sobescreui asign.i de meu public signal que
tal he Pagou desta nota duzentos e sincoenta reis. A qual carta de
sesmaria fica registada no liuro dos registos das cartas de sesmaria
a folhas trinta e duas trinta e tres hoje doze dias do mes de No-
vembro de mil e quinhentos oitenta, e seis (fl. 11) annos / Domingos
de Morim Soares /
Saibam quantos este public digo este instromento de posse virem
que no anno do nasimento de Noso senhor Jezus Christo de mil
quinhentos oitenta e seiz annos aos treze diaz do mes de Novembro
nesta cidade do saluador na praia e sitio contheudo na carta de ses-
maria. atras onde Manuel Nunes de seita requereo a mim Tabaleao
Ihe dese posse dos Recifes e praia contheuda na dita carta defronte
do baluarte que esta a Nossa senhora da Conceigam para a parte do
sul e visto a dita carta eu Tabalea6 perante as testemunhas abaixo
asignadas tomey ao dito Manuel Nunes pella mao, entramos pella
praia dos Recifes por estar a mare baixa mar, e lhe meti na mao area,
pedra sexos, e agoa e elle tomou e desta maneira Ihe dei, e ouue por
dada a dita pose corporal autual e elle a ouue por tomada estando
por testemunhas Leonardo Pires morador na frequezia de Tasuapina,
e saluador frr.a morador na freguezia de Mare digo morador na fa-
zenda de Martin Ramalho, e eu Domingos de oLiueyra tabalea6 do
public judicial e notas p digo Tabaleam do public judicial por\
El Rey nosso senhor nesta cidade do saluador que este instromento
fl. 10v:.e fl. 11
27







fiz e asigney de meu public signal que tal he signal public / pagou
deste eida cem reis Manuel Nunes de seita Saluador frr.a Leonardo
Pirez / o qual treslado de Carta de sesmaria, registo e pose eu Fran-
cisco da Rocha Barboza Tabaleam do public judicial e notas nesta
cidade do saluador e seu termo por sua Magestade fiz tresladar da
propria a que me report, que entreguei a Antonio frz Rocho, que
aqui asignou de como a leuou corn o Procurador dos Reuerendos
Padres do Patriarcha Sam Bento, e o sobescreui e concertey com o
official comigo asignado e o asignei de meu public signal seguinte.
na Bahia aos treze dias do mez de outubro de mil e seiz centos sin-
coenta annos Francisco da Rocha Barboza, concertado por mim Ta-
baleam Francisco da Rocha Barboza / Antonio Fernandez Rocho /
O qual treslado de sesmaria eu Francisco Aluares Tauora Tabaleam
public do judicial e notas nesta cidade do saluador Bahia de todos
os santos e seus terms, bem e fielmente fiz tresladar de hum livro
que me aprezentou o Reuerendo Padre frei Hyacintho do Disterro
Religiozo de Sam Bento donde a tinha langado o tabaleam Francisco
da Rocha Barboza cujo signal do conserto reconheqo pello ter visto
escreuer e asignar muitas vezes e o dito liuro tornei a entregar ao
dito Reuerendo Padre frei Hyacintho que de como o recebeo aqui
asignou ao qual em todo e por todo me report e cor o official
comigo abaixo asignado este consertei sobescreui e asigney Bahia onze
de Marco de mil seiz centos e oitenta e nove annos / Francisco Al.-
ares Tauora / concertado por mim Tabaleam francisco Aluares Tauora
e comigo Tabal..am Manuel Luis da Costa / Frei Hyacintho do Des-
terro Procurador Geral de Sam Bento /:

0 equal treslado de carta de sexmaria eu Joa6 Bap.ta Carnr.o T.'am public do
judicial, e notas nesta cidade do Salvador Bahia de todos os santos e seu term
no off.a de q' he propriel. Henrrique Valensuella da silua fizpasar e lansar
aqui de hum treslado que me apresentou o R.do P.e frei Jozeph de Santa
Catherina Relegiozo de Sad Bento e procurador geral do Conu.to desta cidade
o equal estaua sobscrito (fl. 11 v.) p.to Taballiam Francisco Aluez Tauora cujo
sinal eu l.am Reconheso por uerdadr.o, E tornej a en/regar o d.o treslado ao
do p.e que de como o Resebeo aqui asinou e com o official comigo abx.o asinado
o confery conserley sobscreuy e asiney em a B.a aos sele de outr.o de mil
e sete centos e sinco annos


E comigo escriva6 dos agg."os Joa5 Bap.S Carn."
Fran.co de Souza de Menezez

Fr. Joseph de S.ta Catherina Ct. p. mim T.a1
Proc.or Geral da Prov.a Joa5 Bap.ta Cam.

fl. 11 e fl. 11 v.
28






A Sesmaria estd a fl. 10


TREZLADO AUTHENTIC
da doacam dos Recifes e salgado defronte de N. Sr.a da
Conceiga6 desta Cidade feita a este Conv.to por Xpam
Affongo o qual a herdou de seu sogro Manuel Nunes
Seitas a quem hauia feito merce o G.o' Manuel Telles Bar-
reto o que ccnsta da escritura atras neste L f 10 no fim



O Padre Dom Abbade de Sam Bento do Mosteyro desta Ci-
dade que para bem de sua justica Ihe he necessario o treslado de
huma doaga6 que Ihe fez Xpam Afongo e Sua mulher Izabel Do-
rotea ao seu Mosteyro no anno de mil seiz cents e quatorze, a
qual esta na nota do Tabaleam Manuel Luis da Costa Pede a
Vosse merce Ihe made pasar o dito treslado em modo que faca
fee e recebera merse Desp.o Como pede Cirne/

Treslado do que se pede

Saibam quantos este public instromento de escritura de doagam
Langada nesta nota a requerimento do Padre Dom Abbade de Sam
Bento virem que no anno do nasimento de Nos.o Senhor Jezus
Christo de mil seiz centos e oitenta e sete annos aos oito dias do
mes de Novembro do dito anno nesta Cidade do Saluador Bahia
de todos os Santos e pouzadas de mim Tabaleam apareceo prezente
o Padre frei Hyacintho do Desterro Religiozo do Patriarcha Sam
Bento e por elle me foi aprezentada huma escritura de doagam re-
querendo me lha Lancase nesta nota ao que satizfiz cujo theor da dita
doagam he o seguinte Saibam quantos este public instromento
de doagam virem que no anno do nasimento de nosso Senhor Jezus
Christo de mil e seiz centos e quatorze annos aos quatorze dias
do mez de (fl. 12) Agosto do dito anno na Cidade do Saluador
Bahia de todos os Santos parties do Brazil e pouzadas donde mora
Christouam Afongo laurador e morador na Ilha de Itapariqua termo
desta Cidade estando elle ahi de prezente a este outorgante e bem
asim Izabel Dorotea Sua mulher a este outorgantes por elles marido
e mulher foi dito em prezenga de mim Tabaleam e testemunhas
ao diante nomeadas que entire os mais befis e propriedades de rais
que elles tinham e posuhiam e asim huns recifez da banda do sul
fl. 11 v. e fl. 12







do forte que estam na praia nos limits de Nossa Senhora da Con-
ceigam que eram e sam bens para camboas, os quaes foram dadas
a Manuel Nunes de seitas defunto, e Pay e Sogro deles outorgantes
por titulo de sesmaria' que Ihes concede Manuel Telles Barreto
Gouernador Geral que foi deste estado do Brazil aos quatro dias
do mes de Novembro de mil e seiz centos e oitenta e seiz annos,
os quaes a recifes & a pertengas terras delle asim e damaneyra que
o dito Manuel Nunes de seitas os tinha e elles outorgantes lhes
pertence como filhos vniuersais herdeiros do dito Manuel Nunes
de Seitas doauam, e fizeram doacam irreuogauel ao mosteyro de
Sam Sebastiam da Ordem de Sam Bento desta Cidade e isto
pella muita deuo9am que a dita ordem ter e por Ihe fazer es-
mola e seruigo a Devs Nosso Senhor pello que diseram que
no dito mosteyro e padres delles sediam e trespasauam todo o di-
reito, augam, pertencao senhorio vtil dominio e todo o poder pre-
zente e future que tem nos ditos recifes e chaos pertengas delles
e todas as suas au96es reaes e pessoaes prezentes e futures e querem
e sam contents que os ditos Padres per si e cada hum delles e
qualquer outra pesoa que Ihe prover sem mais authoridade, ordem
nem forma de juizo posa tomar, e tome pose dos ditos recifez e
posse actual ciuel e natural para sempre e quer a tome quer nao
toda via lha ouueram logo por dada, e nelles emcorporada e bem
asim dos cha6s dos mesmos recifes delles e fizeram procurador a
cada hum dos ditos Padres em causa propria e prometera6 e se
obrigaram de comprir, ter, e manter o contheudo neste instromento,
e o nam reuogarem, nem contradizerem para o que obrigam Suas
pessoas e benz, e o melhor parade e em fee e testemunho de ver-
dade asim o outorgaram e mandaram ser feito este instromento
nesta Nota de donde o dito Christouam Afongo asignou e pella
Izabel Dorotea nam saber asignar rogou a Lopo Rodrigues morador
na Pitanga termo desta Cidade que por ella asignase e a seu rogo
asinou e pasou os treslados necessarios digo treslados pedidos que
o Reuerendo Frei Placido das Chagas Religiozo do dito mosteyro
de Sam Sebastiam da ordem de Sam Bento Procurador delle aseitou
em nome do dito Mosteyro sendo testemunhas Sebastiam Jorge
Leytam e Joam Pereira de freitas Rezidentes nesta Cidade e eu Ta-
balea6 reconhego ao dito Christouam Afongo e sua mulher Izabel
Dorothea serem os proprios doadores que esta6 ao prezente e todas
asignaram Antonio Guedes tabaleam o escreui, asigno a rogo de Izabel
Dorotea por nam saber asignar Lopo Rodrigues Christoua6
AfonFo Frei Placido das Chagas por testemunha Sebastiam Jorge
Leita6 testemunhas Joam Pereyra de Freitas, o qual treslado de doagam
eu Antonio Guedes tabalea6 public de Notas por El Rey Nosso
Senhor nesta Cidade do Saluador Bahia de todos os Santos em meu
Liuro tomey donde esta fiz tirar sobescreui e asigney de meu public
signal seguinte signal public, o qual treslado de escritura de

fl. 12
30







doaca6 eu Luis Alvares tabalea6 public do judicial e notas, e seuz
terms a f.z (fl. 12 v.) tresladar da propria que me aprezentou o
Padre Procurador Geral do Patriarcha Sam Bento Frei Hyacintho
do Desterro, a qual em todo e por todo me report e de como a
recebeo aqui asignou e com o official comigo abaixo asignado esta
consertey sobescreui, digo escreui e asignei de meus signaes razos
seguintes Luiz Alvares, concertado por mim Tabaleam Luis Alvares,
e comigo tabaleam Francisco Alvares Tavora Frei Hyacintho do
Desterro Procurador Geral o qual treslado de escritura de doagam
eu Manuel Luis da Costa tabaleam public do judicial e notas nesta
Cidade do Saluador Bahia de todos os Santos e seuz termoz no officio
de que he proprietario Henrique de Valensuella da Silua a fiz tirar
de meu Liuro de notas onde a langou o Tabaleam Luiz Alvares de
Tavora que este officio seruio a que em todo e por todo me report
e com a propria este conferi e somente leua de erro onde diz no
anno de mil seiz centos oitenta e seiz annos que he mil quinhentos
oitenta e seiz e no fim do concerto que dis eu Luis Alvares Tauora
Tabalea6 public do judicial e notas nesta Cidade do Saluador Bahia
de todos os Santos e seus terms consertey sobescreui e asignei com
official comigo abaixo asignado na Bahia aos dez dias do mez de
Novembro de mil seis centos e oitenta, e noue annos Manuel Luis
da Costa Concertado por mim tabalea6 Manuel Luis da Costa -
e comigo Tabalea6 Francisco Alvarez Tavora /

O qual treslado de Doafao eu Joaa Bapt.P 'Carnr.o T.am public do judicial
e nottas nesta Cidade da Bahia e seu termo no officio de q' he proprietr.0
Henrriq' Valensuela da Silua fis pasar de hum treslado que me aprezentou o
Rd.o pre Frei Joseph de S.t Catherina Relegio de S. B.to e procurador geral
de seu Conu.to desta d.a Cidade o qual aquj asinou de como a resebeo, e com
elle este comfery consertej sobscreuy e asinej em a Bahia aos sete de oulr.o de
mil e sete centos e sinco anno .



E comigo escriva5 dos agg.VOS Joa5 Bap.'t Carn.o
Fran.c de Souza de Menezez

Fr. Joseph de S. t Catherina Ct.o p nmi T.am
Proc.or Geral de S. BIO. Joa5 Bap.ta Carn.ro






fl. 12 e '1. 12 v.
31







Na6d essue o Mostr.o estas cazas


FOLHA DE PARTILHA DO
pe fr Pedro de Christo porque ficou a este Conv.to
pertencendo Ihe a metade de humas Cazas sitas na praia
desda Cidade pegadas ao canto junto ao Corpo Santo
contigua com as que couberam a seu Ir fr. Hyacintho



SDoutor Fernam da Maya Futado do Dezembargo de sua Ma-
gestade Dezembargador dos aggrauos da Relacam deste estado do
Brazil Prometor da justipa que ora 'sirvo de Juis dos orfaoz Nesta
Cidade do Saluador bahia de todos os Santos por empedimento do
proprietario delles &a. aos que esta minha Carta de sentence de folha
de partilha for aprezentada e o conhecimento della cor direyto deua
e haja de pertencer e seu cumprimento e execupam se pedir e re-
querer fago saber em como por morte e falecimento de Diogo Joam
preto defunto morador q' foi nesta (fl. 13) Cidade por delle ficarem
filhos orfa6s Menorez de vinte e sinco annoz fez o Juiz dos orfa6s o
Lecenceado Hyeronimo de Burgoz de Contreyraz inventario da va-
liaqa6 com os avaliadores das fazendas dos orfa6s de todos os befis
e fazenda asi move. como de rais que por falecimento do dito de-
funto ficaram, o qual se fez corn sua mulher Izabel Nunes e pello
auto do dito inventario entire as mais couzas em elle contheudas se
mostraua Anno do nasimento de Noso senhor Jezus Christo de mil
e seiz centos e trinta e sete annos aos vinte e hum dias do mez de
Janeyro do dito anno nesta Cidade do Saluador e pouzadas de Izabel
Nunes veuua que ficou de Diogo Joam onde o Lecenceado Hyero-
nymo de Burgoz Juiz doz orfaoz foi com o escriuam de seu Cargo
e os avaliadores deste juizo a fazer inventario dos befis que ficaram
por more de Diogo Joam morador q' foi nesta Cidade por lhe- fi-
carem filhos menores e logo o dito Juis Ihe dera juramento dos santos
euangelhos para que bem e verdadeiramente dese aquelle inventuario
todos os bens que Ihe ficaram do dito seu marido asim moves como
de raiz, ouro prata, dinheyro escrauoz diuidas que Ihe deuesem e
as que a fazenda deuia sob pena de que sonegando alguA couza sob pena
de cair na pena de perjuro perder todo o sonegado em dobro para
os orfa6s e asim declare se os filhos que Ihe ficaram do dito de-
funto e se fizer o testamento e ella recebera o dito juramento e
prometera ... declarar, e que os filhos eram oz contheudos no rosto
da Quelle Inuentario e que nam fizera'testamento e por nam saber

fl. 12 v. e fl. 13
32







escreuer rogara a Bertholameu Rodriguez Confeiteiro que por ella
asignase o qual asignou a seu Rogo de que o escriua6 que foi deste
juizo fizera auto do dito inventario e se fora continuando por suas
dipoens e avaliapoens e se ajuntaram algumas quitagoenz e outroz
papeiz e se continuara cor a partilha e pello auto dela se mostraua
ser somada pello dito Juiz e partidores toda a fazenda daquelle In-
uentario e acharam somar sinco contos oitenta e nove mil, oito centos
e quarenta reis a saber de gastos de Corpo prezente quarenta (fl. 13 v.)
e sinco mil sete centos e oitenta reiz como das quitagoenz constaua
e de diuidas que aquelle cazal deuia trezentos e setenta e sinco mil
sete centos e quarenta reis que vinham a ser os ditos quatro centos
e vinte e hum mil duzentos e oitenta reiz e ficauam para se conti-
nuarem digo para se partirem quatro Contos seiz Centos e setenta e
oito mil quinhentos e sesenta reis os quaes partidos pello meio cabia
a veuua douz contos trezentos e trinta e quatro mil duzentos e oi-
tenta reiz, e outroz tantos ao defunto as quaes feitos e partidos em
oito parties por tantoz serem os filhos do dito defunto cabia a cada
hum duzentos noventa e hum mil sete centos e oitenta e sinco reiz
e todoz foram interados pellaz adi0oeiis do dito Inventario ao orfa6
Perico Ihe coube o seguinte para satisfacam dos ditos noventa e hum
mil sete centos oitenta e sinco reis-lhe deram duzentos e sincoenta
mil reis na outra a metade das Cazas de sobrado asima cor sua Irmaa
Margarida--lhe deram que hauera de sua May quarenta e hum mil
e sete Centos e oitenta e sinco reiz-e ficou cheo de seu quinham e
por esta maneyra ouueram o dito juiz e partidorez aquellas partilhas
por feitas e acabadas a reueria das parties e os julgou por sentence e
mandou que se cumprise e condemnou os herdeiros nas custas dos
autos e mandou se lhe passase suas folhas de partilhas quando pedidas
fossem como que o Padre Dom Abbade do mosteyro de sam bento
desta Cidade fizera petica6 ao dito Juiz dos orfaos dizendo Ihe em
ella que elle tinha feito profissam ao Padre frei Pedro de Christo
filho de Diogo Joam como constaua de sua certidam que aprezen-
taua e como tal pertencia ao seu Convento hauer asi e cobrar a le-
gitima que Ihe ficou do dito seu Pay, pello que lhe pedia Ihe mandase
que junta ao Inventario se lhe passase sua folha de partilha pera co-
brarem aquillo que Ihe foi dado nella e receberia merse -a qual
petisam sendo aprezentada ao dito Juiz dos orfa6z e vista por elle
mandara por despacho pasase-por bem do que se Ihe passou a pre-
zente que mando se cumpra e guard asim e damaneyra que nella
se contem e em virtude della podera o dito Reuerendo Padre Dom
Abbade do mosteiro de Sam Bento ou seu Procurador hauer asi e a
seu poder os befiz da Legitima do Padre frei Pedro de Christo filho
de Domingos Joam Preto conteudos e declarados na torma de seu
quinham atras e sobre iso fazer todoz os requerimentos em Juizo e
foro delle que necesarios Ihe forem para bem e a Requerim.to digo
e a recadagam da dita legitima dada nesta Cidade do Saluador Bahia

fl. 13 e fl. 13 v.
5 33








de todos os Santos sob meu signal e sello que neste juizo ante
mim serue aos sinco dias do mes de Setembro do anno do nasimento
de nosso Senhor Jezus Christo de mil seiz centos e sincoenta e
trez annoz, Antonio Nogueira o fez por o sargento mor Ruy de
Carualho Pinheyro escriudo da Camera e dos orfa6s nesta dita ci-
dade e seus terms que este sobescreueo pagou se de feitio desta
Carta de sentenga de folha de partilha duzentos e vinte reis--de
que leuey a metade e de asinatura della vinte reis e eh Ruy de
Carualho Pinheiro escriuam dos orfa6s o fiz escreuer, e sobescreui-
Ferna6 de Maya Furtado-ao sello nove reis-sem sello ex causa
Maya /

0 qual treslado de folha de partilha eu Joa Bap.ta Carnr., Taballiad public
do judicial, e notas nesta Cidade do Saluador Bahia de todos os Santos e sen
lermo (fl. 14) no officio de q' he propriet.rO Henrriq Valensuela da Silua fis
pasar da propria folha de partilha bem e fielm.te que me aprezentou o Rd.o
p.e Frey Joseph de Santa Catherina Relegozo de S. B.to e procurador geral
do seu Conu.to desta dita Cidade e dita car/a me report e con ella este com-
fery e com o .... cial abx.o asinado conser/ej sobescreuj, e asiney E en...guey a
dita Carla ao d.o P.e que aquj asinou de como o Resebeo, na Bahia, aos nove
dias do mes de outr., de mil e sete centos c sinco Annos






E comigo escrivao dos agg. Jo Joao Bap.ta Carn.1
Fran.co de Souza de Menezez

Fr. Jozeph de S.ta Catherina ct. p mim T.am
Proc.or Geral da Prov.a Joa5 Bap.ta Carn.m













fl. 13 v. e fl. 14
34







Nad pessue o Mostr.o estas. cazas


FOLHA DE PARTILHA DOS
bens que couberam a Hyacintho de Moraes e hora
frei Hyacintho Religiozo de Sa6 Bento pella qual toca6
a este Conu.'o huma a metade de huas de sobrados junto
ao corpo Santo digo no Canto junto ao Corpo S.t0




O Lececeado Hyeronimo de Burgoz de Contreyraz Juiz pro-
prietario doz orfaos por sua Magestade procurador da Coroa e
Fazenda real do dito Senhor nesta Cidade do Saluador Bahia de
todos os Santos e seus terms &a. aos que esta minha Carta de
Sentenqa de folha de partilha for aprezentada e o conhecimento
della cor direito deua e haja de pertenger e seu efeito compri-
mento se pedir e requerer fago saber que por morte e falecimento
de Diogo Joam Preto defunto morador que foi nesta dita Cidade
se fez Inuentario de seus benz com sua mulher Izabel Nunes da
Costa por de entire elles ficarem filhos orfaos menorez o qual in-
ventario sendo feito e acabado, e aualiados os benz mo.eis e de
rais que nelle se lancarao mas d. aos partidores deste juizo que
entam seruia6 Antam saraiua da fonseca e Antonio Lopez Dor-
nelles que debaixo do juramento de seus officios bem e verdadei-
ramente somasem todos os ditos benz e os partisem dando a cada
herdeyro seu direito quinha6 eelles asim o prometeram fazer e logo
pellos ditos partidores foram (fl. 14 v.) somados todos os ditos bens
e acharam somar todos sinco contos oitenta e nove mil oito sentos
e quarenta reiz de que abatidos quatro centos e vinte e hum mil
duzentos e oitenta reis a saber de gasto do corpo prezente qua-
renta e hum mil sete centos e oitenta reis como das quitagoens
mostram e de d...das que o Cazal deuia trezentos e setenta e sinco
mil sete cents e oitenta reis que vem a ser os ditos quatro sentos
vinte e hum mil duzentos e oitenta reis e ficara6 para se partirem
quatro Contos seis centos e sesenta e oito mil quinhentos e sesenta
reis, os quaes partidos pello meio coube a veuua dous contos tre-
zentos e trinta e quatro mil duzentos 6 oitenta reis e outros tantos
ao defunto os quaes feitos e partidos em oito parties por tantos
serem os filhos do dito defunto cabe a cada hum duzentos no-
venta e hum mil sete centos e oitenta e sinco reis e asign... cor os
ditos partidores e o quinham de Hyacintho em que Ihe couberam

fl. 14 e f. 14 v.
35







duzentos noventa e hum mil sete centos e oitenta e sinco reis Ihe
foram dados e inteirados nas digoens seguintes.--
Lhe deram duzentos e sincoenta mil reis em a metade da outra
Morada de Cazas de sobrado na praia pegado as asima em sua ava-
liagam Ihe deram que haueri de sua May quarenta e hum mil sete
centos oitenta e sinco reis-e ficou cheio o dito quinham e asiney
cor os ditos partidores cor os quaes ouue as ditas partilhas por
feitas e acabadas firmes e valiozas damaneira que nellas se contem
e as julguei por sentenga a reuelia das parties e mandei que se cum-
prisem condemney aos herdeiros nas custas dos autos e que se Ihes
desem as folhas de partilhas quando pedidas fossem e asinei com
os ditos partidores na Bahia vinte e sinco de agosto de mil seis
centos trinta e sete annos Ruy Carualho Pinheyro escriuam dos
orfa6s o escreui-Hyeronimo de Burgos-Antam saraiua da Fonseca
Antonio Lopez Dornelles, e estando asim feitas e acabadas e sen-
tenceadas as ditas partilhas me enviou a dizer por sua petigam o
Reuerendo Padre Abbade do Mosteyro de Sam Bento desta Cidade
que no seu mosteyro della de Sam Sebastia6 tinha feito profissam
Hyacintho de Moraes e hora frei Hyacintho filho de Diogo Joam
e de sua mulher Izabel Nunes da Costa como mostraua da cer-
tidam que oferecia pella qual rezam ficaua o dito mosteyro her-
dando seus befiz e como seu Pay fosse falecido Ihe tocaua a sua
legitima mi pedia Ihe mandase que junta aquella ao Inuentario se
Ihe pasase sua folha de partilha para cobrar seus befis e receberia
justiga e merge, a qual petigam sendo me aprezentada e vista por
mim nella mandei por meu despacho, junta aos autos do Inuentario
tornase Bahia se.. de outubro mil seiz centos quarenta e oito por
bem do que se junta.a a dita peticam aos autos do dito Inventario
com huma certida6 do Reuerendo Padre frci Joam da Purificagam
escriua6 do dito Inventario digo do dito mosteyro de Sam Bento
desta Bahia (fl. 15) em que sertificaua que o filho de Diogo Joam e
de Izabel Nunes da Costa chamado Hyacintho de Moraes tomara o
habito do Patriarcha Sam Bento e estaua professor no dito Conuento
como melhor e mais largamente constaua da dita Certidam que se
juntara com o dito he aos autos do dito Inuentario e sendo me tudo
leuado concluzo por meu despacho mandey se pasase a sentence e
folha de partilha do que acontesera ao orfa6 Hyacintho vist. a cer-
tidam junta do Reuerendo frei Joam da Purificaga6 escriuam do
Convento do Patriarcha Sam Bento porque mostraua haver profes-
sado Bahia oito de outubro de mil seis centos e quarenta e oito por
bem do que se passou a prezente a requerimento do dito Reuerendo
Padre Abbade do dito Mosteyro de Sam Bento sendo por mim asi-
gnada e selada com o sello que neste juizo ante mim serue mando
se cumpra e guard como nella se contem pella qual sera dado a
pose do dito Reuerendo Padre Abbade ou seu bastante procurador
da dita a metade de cazas contheudas no quinham atraz nesta insert

11. 14 v. e fl. 15
36







que couberam ao dito Frei Hyacintho Religiozo professor do dito
Conuento e da dita pose se Ihe fara e pasara instromento nas notas
desta Carta e folha de partilha que em todo se cumprirai sem du-
uida, nem embargo algum que a elle seja posto por pertencer ao
dito Convento com os mais befis atraz declaradoz dada nesta dita
Cidade do Saluador Bahia de todos os Santos sob meu signal e dito
sello ao primeiro dia do mes de Dezembro Francisco de Azeuedo
o fez por Christouam Vieyra Rauasco escriuam doz orfa6s nesta
dita Cidade e seuz terms & a. Anno do nasimento de nosso Senhor
Jezus Christo de mil seiz Centos quarenta e oito annos pagou de
feitio desta Carta e folha de partilha duzentos e quarenta reis e ao
selo nove reis e de asignar nada e eu Christouam Vieyra Rauasco
o fiz escreuer, e sobescreui signal Hyeronimo de Burgos-Valha
sem sello ex causa Burgoz

Auto da posse
Anno do nasimento de nosso Senhor Jezus Christo de mil seiz
centos quarenta e oito annos aos dous dias do mes de Dezembro
do dito anno nesta Cidade do Saluador Bahia de todos os Santos
na praia dela onde eu escriuao fui. a Requerimento do Reuerendo
Padre frei Pedro de Jezus Procurador do Conuento do Patriarcha
Sam Bento para efeito delle dar pose das cazas conteudas nesta
folha atras pertencentes ao Padre frei Hyacintho que as herdou
de seu Pay Diogo Joam Preto e sendo na dita praia fomos as ditas
cazas que sam as do Canto da banda do Corpo Santo nas quaes
entrey corn o dito Padre frei Pedro de Jezus Procurador do dito
Conuento e o Padre frei Domingos de Sao Bento seu Companheiro
(fl. I5 v.) e as testemunhas ao diante nomeadas e sendo todos nas
ditas cazas tomey o dito Padre frei Pedro de Jezus pella mam e
andamos paseando pella dita caza dizendo eu escriua6 em altas
vozes intelligiueis se hauia alguma pesoa ou pesoas que tiuese duuida
ou embargos a se lhe dar a dita pose que uiese a mim que Ihe
tomaria seus requerimentos e logo fui com o dito Padre pella escada
das ditas cazas ao sobrado desima onde tio bem tomei o dito
Padre pella mam, e andamos paseando pella dita Caza dizendo
tambem em altas vozes intelligiueis se hauia algua pesoa ou pessoas
por trez, ou quatro vezes que tiuesem duuida ou embargo a se dar
a dita pose ao dito Padre que viese a mim que Ihe tomaria seus
requerimentos, e por nam hauer quem impedise o dito Padre fe-
chou e abrio as portas e janelas das ditas cazas em signal de pose
e por nam hauer quem a contradisese lha dey mansa e pacifica-
mente, e lha ouue por dada na forma de sua Carta de partilha
atras e o dito Padre se ouue por emposado das ditas cazas e suas
pertencas e eu escriuam lha ouue por dada real e corporal autual
siuel e naturalmente tanto quanto cor direyto deuo, e posso e elle

fl. 15 e fl. 15 v.
37








a aseitou, de que fiz este auto de posse que o dito Padre frei Pedro
de Jezus asignou com seu Companheiro e as testemunhas que a
todo foram prezentes Domingos Goncalues e Manuel de Sirq.ra e
eu Christouam Vieyra Rauasco escriuam dos orfa6s que o escreui
dis a entrelinha / dos sobredito o escreui Frei Pedro de Jezus -
Frei Domingos de Sam Bento Domingos Glz Manuel de Sirqueira /.

0 qual treslado da folha de partilha eu Joa6 Bap.tf Carnr.o Tam public do
judicial e nottas nesta Cidade do Saluador Bahia de todos os Santos e seu termo
no officio de q' he proprietf.o Henrrig Valensuella da sihla fiz pasar brm e
fielmente da propria a q' me report, q' me apresentou n Rd.o P.e frej Joseph
de S.ta Catherina Reliozo do patriarcha S. Bento e procurador gl. de seu
Conv.to desta d.a Cidade, a q.m a torney a enlregar, e aquj asinou de como o
Resebeo e com o official abx.o asinado este comfery consertey sob~creuy e asiney
na Bahia aos noue de out.rO de mil e sete centos e sinco Annos.


E comigo escriva5 dos Agg."05
Fran.co de Souza de Menezez


Joao Bap.ia Carn.ro

ct. p mim T.am
Joao Bap. t Carm."


Fr. Joseph de S. a Catherina
Proc.or gl. de S. B.to















NOTA: No original a folha 16 inteira estW em branco.

fl. 15 v.
38







AUCAM QUE POS A ESTE
Conv.to Bar ferraz contra a pose que tomamos na praya
desta Cidade que sa6 200 braCas que nos hauia dado
o G.0', Diogo de Menezes nam esti~ find -

Balthezar Ferras. / Padres Bentos -

Aucam summaria de exhibendo entire partez Au-
thor o Doutor Balthezar Ferraz contra o Padre
Prouincial e mais Religiozos do Mosteyro de Sam
Bento desta Cidade



A nno do nasimento de noso Senhor Jezus christo de mil seiz
centos e doze annos aos dezasete dias do mes de Agosto do dito
anno nesta Cidade do Saluador Bahia de todos os Santos e pasos
da Relacam em public audiencia que ahi a partez fazia o Doutor
Pero de Cascais de Abreu que serue de ouuidor geral com algada
na Relagam deste estado pello Lecenceado Gongalo home de
Almeyda Ihe foi dito, que a requerimento do Doutor Baltezar
ferras era citado o Padre Frei Romano serueira Dom Abbade Pro-
vincial do Mosteiro de Sam Bento desta dita Cidade em seu nome
e dos maiz Religiozos do dito Mosteyro pello contheudo e decla-
rado na petigam que offerecia pella qual os queria obrigar a que
exhibise a carta de sesmaria e pose que em virtue della tomaram
da praia e arecifes do salgado na Praia desta Cidade porquanto
era sua e della estaua de posse a muitos annoz por Legitimo titulo
pello que requeria a elle dito ouuidor o ouuese por citado e Ihe
asignase termo para os exhibirem ou allegar a duuida que a iso
tiuese, o que visto pello dito ouuidor fis pregunta quem citara ao
dito Padre Provincial de Sam Bento, e por eu Tabaleam dar fee
que o citara para todo o sobredito o mandou apregoar por Thome
da Silua porteiro da Relaga6 que o apregoou e por nam aparecer,
nem outrem por elle a sua reuelia o ouue por citado para todo o
sobredito e esperado athe a primeira audiencia para exhibir a dita
Carta de Sesmaria, ou dizerem a duuida que a iso tiuesem sob
pena de se Ihe julgar por nulla, e a petigam aqui ajuntey, e he a
seguinte Joam de Freitas Tabaleam o escreuy

fl. 16 v.
39








Petigam
Diz Balthezar Ferras que elle he informado que o Reuerendo Padre
procurador do Mosteiro de Sam Bento foi hoje cor o Tabaleam
... de Freytas a tomar posse de hufis cha6s praia e arecifes que
elle supp.te tem, e possue a m.tos annos por carta de sesmaria e pose
que dellez ter a m.tos annos, e que tern, aproueitado com hufis
caes, e suadeiro de asuq.re de pedra e cal no qual o Padre Procu-
rador, e o escriuam estiuerao (fl. 17) sentados ao fazer do instro-
mento, e onde dise que tomava pose sem elle supplicante ser para
iso requerido sendo morador na dita Praia/. e porque ter que
requerer sua justice contra a chamada pose e sesmaria porque
foi dada Pede, aVM made que seja notificado o Reuerendo Padre
Abbade, ou Procurador do dito Mosteiro, e nam dando Copia dise
qualquer outro Padre para que exhiba na ma6 do dito escriuam o
estromento da dita pose e sesmaria porque se deu para se dar de
tudo vista a Seu Procurador o Reuerendo pe. home de Almeida
para fequerer sua justiga no termo que a VM pareser, sob pena de
Vossa merse hauer por nulla a pose e sesmaria e recebera m.ce e
que o dito escriuam faca esta diligencia Balthezar Ferraz. /.

Despacho
Notifique se como pede, e o escriuam que deo a pose fara esta dili-
gencia Bahia .. de Agosto de 612./. --

Reposta do pe Prov.a,
0 que respondemos aos embargo, ou peticam do Senhor Doutor
Balthezar Ferriz he que se a terra ou arecifes que o s.or Gov.or noz
fez m.ce para fazermos huma caza ou Tejupar para recolher a cal para
a nosa Igreja he sua e della e em Carta que nam queremos couza
alguma antes sendo seruido toda a que temos esta a seu service em
16 de Agosto de 1612. /. Frey Romano Ceru.ra Prouincial de
Sam Bento. /.
A Reposta do Rd.o Padre Provincial esta a r.zoada ...teza a mas
com ella nam se satisfas ao que o Ouuidor Geral tem mandado poiz
de efeito lhe ficam em sua mam os papeis que o Supp.te quer im-
pugnar para poder uzar delles----deue vose merce mandar que o
escriuam autua estes papeiz e asignar termo para que o Reuerendo
Padre Abbade junto o que se pedem athe a primeira audiencia sob
pena q' se hauera por nulla a pose que se tomou e papeis porque
ella se tomou .. do dito Balthezar Ferraz. /.
Aos vinte e hum diaz do mes de Agosto de mil e seiz Centos e doze
annos na Cidade do Saluador' e pasos da RelaFa6 em public audi-
encia que ahi as partez fazia o Doutor Pero de Cascais de Abreu

fl. 16v. e fl. 17







que serue de Ouuidor Geral na Relagam deste estado pello Lecenceado
Gongalo Homem de Almeida Ihe foi dito que era termo do Reue-
rendo Padre Provincial exhibir a Carta de sesmaria e instromento
de pose que Ihe foi dada digo pasado do arrecife e praia desta Ci-
dade de que nestes Autos se fas mensam, que Ihe requeria que pois
a nam exhibia (fl. 17 v.) lha julgase por nulla e logo acodio Francisco
Dias Santiago e dise que elle era Procurador dos Padres de Sam
Bento, os quaes nam queriam uzar da Carta de sesmaria, e instro-
mento de pose no toq.te as testadas do do Balthezar Ferras e que
.lies asignariam este termo, o que visto pello dito ouuidor mandou
que eu escriuam fizese este termo e que asignase o dito Padre Pro-
uincial Joam de Freitas Tabaleam o escreuy -
Retificando o que asima escreui digo que mostrando o senhor Doutor
Carta de Sesmaria da sobredita terra maiz antiga que a nosa dizis-
timos da tal pertenga6 em doze de Setembro de seis centos e doze
frei Romano Cerv.ra Provincial de Sam Bento./.
Aos quinze dias do mes de Setembro de mil e seis centos e doze
annos na Cidade do Saluador Bahia de todos os Santos e pouzadas
de mim Tabaliao apareceo o Padre Frei Antonio dos Anjos Religiozo
do Mosteyro de Sa6 Bento desta dita Cidade, e'por elle me foi dado
o treslado 'da Carta de Sesmaria de que a peticam do Autor fas
mensam, a qual aqui ajuntey, e he a seguinte Joam de Freytas es-
criuam o escreui -

Carta de Sesmaria dos P.es de S. Bento.

Saibam quantos este public instromento de carta de sesmaria virem
que no anno do nasimento de nosso senhor Jezus Christo de mil e
seis centos e doze annos aos quatorze dias do mes de Junho do dito
anno na Cidade do Saluador Bahia de todos os Santos empouzadas
de mim Tabaleam e escrivam das sesmariaz por p.te dos Padres de
Sam Bento desta dita Cidade me foi dada huma peticam com hum
despacho do Senhor Dom Diogo de Menezes pello qual digo de Me-
nezes do Conselho de Sua Mag. Capitao e Gouernador Geral do
estado do Brazil, a qual petigam e despacho, e o treslado he o se-
guinte./. Os Padres de Sam Bento desta dita Cidade da Bahia que
elles ter necesidade de huma caza da praia, digo na praia para os
despejos de suas obras desde o Porto de Balthezar Ferris para baixo
duz.tas bragas no salgado para a banda de Santo Antonio. Pedem
a vossa senhoria lhes made pasar Carta de sesmaria, em que lhes
faca m.ce das ditas duzentas bragas vista a necesidade. /. Despacho
do S.or Gouernador. /. Pase Carta de Sesmaria na forma custumada
da terra que os Padres pedem visto o q' allegam nam prejudicando
a fortificaaam, nem prejudicando a terseiro. Bahia hoje noue de
Junho de seiz Centos e doze./. o Gouernador./. Treslado do re-
gimento del Rey nosso Senhor as terras, e agoas das ribeiras que

fl. 17 e fl. 17 v.
6 41







estiuerem dentro no termo e lemite da dita Cidade que nam forem
dadas as pesoas que as aproueitem, e estiuerem vagas, e devoLutas
para mim, por qualquer uia, ou modo que seja podereis dar de
de sesmaria as pesoas que (fl. 18) volas pedirem as quaes terras asim
dareis liuremente sem outro algum foro, nem tribute, somente o
dizimo a ordein de Nosso senhor Jezus christo e corn as condigoefis,
e obrigagoefis do foral dado as ditas terras, e de minha ordenagam
titulo das Sesmarias cor condigam que a tal pesoa, ou pesoas, residam
na pouoagam da dita Bahia, ou das terras que asim Ihe form dadas
ao menos nos tres annos, e que dentro nos tres annos, e no dito
tempo as nam posam vender, nem alhear, e tereis lembranga que
nam deis a cada pessoa mais terra que aquella que segundo sua po-
sibilidade virdes ou vos parecer que pode aproueitar, e se algumas
pessoas a que forem dadas terras no dito termo as tiuerem perdidas
por as nam aproueitarem e volas tornarem a pedir vos lhas dareis
de nouo para as aproueitarem com Az Condi9oefiz contheudas neste
Capitulo, o qual se tresladara nas cartas das ditas Sesmarias, com as
taes condigoefis e obriga0oefis deu o dito senhor Governador de
sesmaria aos SuppLicantes Padres de Sam Bento as ditas duzentas
bragas do salgado no lugar aonde as pedem por sua petigam nao
prejudicando a terceiro nem sendo dadas a outrem para elles e seu
Conv.t0 forras e izentas sem forro, nem tribute algum saluo o Di-
zimo a Deos pello que Ihes mandou passar esta Carta de sesmaria
pella qual manda que elles hajam pose de senhorio do dito salgado,
e faram demaneira que dentro de tres annoz conforme ao regimento
teram feito nellas algum beneficio; e daram por ellas caminhos, se-
ruentias, que necesarias forem para o Conselho, para fontes pedreiras,
e vieiras, e farm register esta Carta dentro de hum anno nos liuros
da fazenda de Sua Magestade, e asignou aqui o dito Senhor Gouer-
nador, e eu Braz da Costa escriuam das sesmarias o escreui. /. o
Gouernador. /. Dom Diogo de Menezes /. o qual --de Carta de
sesmaria eu Bras da Costa escriuam das sesmarias nesta Cidade do
Saluador e sua Capitania por sua Magestade em meu Liuro tomey e
delle este fiz pasar na verdade, e o consertey, e asignei de meu pu-
blico Signal./. Registada em o Liuro dos Registos desta Alfandega
das sesmarias as folhas cento e sinq.ta na volta avante, hoje dezaseiz
de Junho Diogo Baracho escriuam da Alfandega por EL Rei noso
senior a fiz de seiz Centos, e doze annos. /. Diogo Baracho /.

Pose que se deo ao Procurador do Most.ro de S. B.t0
Saibam quantos este instromento virem que no anno do nasimento
de noso senhor Jezus Christo de mil seiz centos e doze annos aos
onze dias do mes de Agosto do dito anno na praia da Cidade do Sal-
uador Bahia de todos os Santos, na Praia do salgado junto ao porto
de Balthezar ferras defronte do penedo grande, que esti mais ao Mar

fl. 17 v. e fl. 18







pello Reuerendo Padre frei Bernadino de oLiueyra foi dito que elle
era Procurador (fl. i8 v.) do Mosteyro de Sam Bento desta dita Ci-
dade e que a praia, do salgado em que de prezente estauamos Ihe
fora dada de sesmaria pelo Gouernador geral deste estado Dom Diogo
de Menezes como da Carta de sesmaria atras constaua pello que me
requeria em nome dos Religiozos do d.0 Mosteyro, e como Procu-
rador deles Ihes dese a pose das duzentas bragas de terra do salgado
desde o porto do dito Balthezar ferras para a banda de Santo An-
tonio, e requeria outrosim a Domingos da Rocha, arquiteto, e mestre
das obras de Sua Mag.de, que prec.te estaua vise se prejudicaua a dita
data a fortificaaam desta dita Cidade. Pello dito Domingos da Rocha
foi dito que nehum prejuizo fazia a d.a data a fortificacam desta dita
Cidade antes Ihe fazia muito proueito pello q' eu Tabaleam Ihe podia
dar a pose do dito salgado e praia asima dita por bem do que eu
Tabaleam ao diante nomeado em prezenga das testemunhas ao di-
ante escritas tomei ao dito Padre Frei Bernadino de oLiueira pella
mam, e andamos paseando por p.te da dita praia de huma parte para
a outra tomando pedras, e mudando as de huma parte para outra, e
Logo eu escriuam em altas vozes preguntey se hauia ali alguma pe-
soa, ou pessoas, que contradisesem a dita pose que daua ao dito padre
frei Bernadino de oLiueyra como Procurador do dito Mosteyro de
Sam Bento da Praia e Salgado em que estauamos contheudos na
Carta de Sesmaria atraz, ou quem tiuese embargo a ella uiese com
elles, e se nam eu lha hei por dada, e nellez encorporada e tornej
por mais vezes a fazer as mesmas pieguntas dizendo ha alguma pesoa
que contradiga esta pose que se di aos Padres de Sam Bento, ou
quem tenha embargo a ella venha com elles e se nam eu Ihe hei por
dada, e por nam hauer contradigam de pesoa alguma eu Tabalea6
ouue, ao dito Padre frey Bernadino de oLiueyra por metido, e em-
vestido na pose das ditas duzentas bragas de praia do salgado em
nome e como procurador do Mosteyro de Sam Bento desta Cidade
e o dito Frei Bernadino a tomou logo por suas maos em nome do
mesmo Mosteyro andando de huma parte p.a outra sem nenhuma
pesoa lho contradizer do qual todo segundo pasou pelo dito Padre
frey Bernadino de oLiueira foi requerido a mim Tabaleam em nome
do dito Mosteyro Ihe fizese este instromento de posse para guard
de seu direito, e eu lhe fiz o prezente pello qual ouue por metido, e
emvestido na pose da dita praia salgada ao dito padre em nome do
dito Mosteyro, aqual pose Ihe dei pessoal, real, e actual tanto q.to
com direito deuo, e posso na Carta de Sesmaria atras do dito
Domingos da Rocha arquiteto e Mestre das obras de Sua Magestade
e desta dita Cidade e o dito Padre frei Bernadino aceitou a dita pose
em nome do d.0 Mosteyro na forma que ella mais de direito Ihe
pertenge, sendo testemunhas Damia6 Pereira e Joam Roiz, e Gaspar
Glz Campelo rezidentes nesta Cidade, e o mesmo Domingoz da

fl. 18 e fl. 18 v.
43







Rocha, e eu Joam de (fl. i9) Freitas Tabalam public do judicial e
notas nesta dita Cidade do Saluador e seus termoz por Sua Magestade
que a tal pose dei e dela este instromento pasei que escreui e asigney
de meu public signal que tal he. Frei Bernadino de oLiueyra,
Gaspar Glz campello, Joam Roiz Domingoz da Rocha Damiam
Per.a O qual treslado de Carta de Sesmaria e instromento de pose eu
Joam de Freytas Tabaleam public consertey com a propria que
aqui asignou de como a recebeo, e a ella me report, e a consertey
corn o official abaixo asignado hoje quinze dias do mes de Setembro
de mil e seiz centos e doze annoz. /. Joam de Freitas. /. Recebi a
propria frei Antonio dos Anjos--e junto o treslado da dita Carta de
Sesmaria, e instromento de pose como dito he dei vista ao Lecen-
ceado Goncalo Homem de Alm." procurador do Author Joam de
Freitas tabaleam o escreuy. V.ta ao L.do Almeyda. /. -- Per Artigos
de exbulho e nullidade Diz Balthezar ferraz contra o Reuerendo
Abb.e e Conu.to do Most.ro de Sam Bento e se cumprir./. Prouara
que ha mais de oito ou dez annoz que elle A. esta de pose do sitio da
contend que esta junto ao porto a que chama6 de Balthezar ferriz
que he -. Vzou, e uza como couza sua, fazendo e cobrando nelle o
que Ihe he Necessario -. Prouara que como posuidor que he do
sitio da Contenda tirou delle muita quantidade de pedras, e quebrou
m.tas pedras grandez, que fazia6 damno ao seruico dos barcos que
uinhio ao dito porto e o fes mui melhorado do que deantes era pera
Soz barcos surgirem e descarregarem e carregarem nelle fazendo o
dito beneficio como em couza sua, e de que estaua e esta hoje de
pose. Prouara que no dito sitio e lugar por baixo do forte a que
chama6 de Diogo Correa de sande a donde estiueram no tempo dos
estrangeiros digo dos Flamengos duas, outras pessas de artelharia tem
elle A. comegado hum socalco de parede para caminho e seruigo
das Logeas que tem ao diante, em que Fran.co Tinoco de Vilanoua
recolheo o Dizimo dos asuq.re2 desta Bahia digo Capitania, e se seruio
e hoje serue os alugadores das d.as Logeas pellos dito Caminho quando
Ihe he necessario. -.- Prouard que defronte das ditas cazas para
o Mar no Sitio da Contenda tem elle A. feito ha muitos annos--
com paredez de pedra e Cal em que o dito fraficisco Tinoco secaua
os d.o8 aSuqres, e hoje uza dele os alugadores das d.1a Logeas, e dele
carregam e dez carregam suas faz.a e lauam toldos; e fazem o mais
que Ihes he necesario. -- Prouara que junto ao dito balcam defronte
de hum penedo grande (fl. 19 v.) que esti ao mar tem elle A. prin-
cipiado outros socalcos para fazer Cazas e delles esta de pose asim no
dr.to que correm as trincheiras como donde ellas acabam correndo
para Santo Antonio e banda da Vila velha destancia de sincoenta
bragas como consta do instromento junto da pose que de tudo Ihe
foi dada corn authoridade de justice. --- Prouarn que estando
assim o embargante na dita pose o Reuerendo Padre frei Bernardino
Procurador do dito padre Abbade e Convento se foi tomar pose

fl. 19 e fl. 19 v.







do dito sitio asima que elle embargante pesuhia em que tem feito as
sobreditas bemfeitorias em os onze dias deste mez pasado de Agosto
clandistinamente sem elle embargante ser citado sob pertexto de dizer
que Ihe pertence no que Ihe faz forga e exbulho priuando o da dita
sua pose injustamente, e em tanto he verdade o sobredito que --
Provara no dito e cal que serue de quadouro de suas logeas
tomou o dito Padre Frei Bernadino a dita pose, e no dito balcio
tomou pedra, e seixos com que se ouue por investido nella cons-
tando Ihe manifestamente pello dito edeficio que era fazenda alhea,
e posuida per outrem, e asim foi nulla euidentemente a dita pose e
por tal se deue julgar-He vox e fama-Pede V.t" e prouado o neces-
sario Ihe ser feito comprimento de justiga, o que pede pello melhor
modo de direito com custa /

0 equal Insrom.to digo o equal treslado eu Joaj Bap.'t Carn.r' T"m .co do
judicial e notas nesta Cidade do Saluador Bahia de todos os Santos, e seu termo
fiz tresladar dos proprios docom.tos a q' me Reporto, E os confery com os pro-
prios, e nao fassa duuida as regras done leua Riscos por q.to hera6 palauras
q' se nao podera6 ler por star o papel Roto, e os ditaspapeis torney a entregar
ao Rdo. p.e Prior do Conu.to de S. B."' que aqui asinou de como os Resebeo, e
corn o official abxo asinado consertey sobscreuj e asiney em a Bahia aos de-
zasele de feur.r de mil e sete centos e seis Annos.




E comigo escriva5 dos agg.ros Joa5 Bap.ta Carn.ro
Fran.co de Souza de Menezez

Fr. An.o da Trind.e Ct.o p mim T.am
Prior do Mostro Joa5 Bap.ta Carn.













fl. 19 v.
45







a Sent.ca de q' aquifas mensdo estd lan-
cada neste a fl. 34

ESCRITURA DE TRANSACT
am entire o L.do Ant.o Cordr.o e os R.d p.es de Sam Bento
de humas terras abaixo de N. Sr". da Vila Velha



S aibam quantos este public instrom.to de transagam e amigauel
compozigam entire viuos validoura virem que no anno do nasimento
de Noso Senhor Jezus Christo de mil e seiz Centos e trinta e seiz
annos aoz nove dias do mes de Abril do dito anno nesta Cidade do
Saluador Bahia de todos os Santos e parties do Brazil e Conuento do
Patriarcha Sam Bento aonde eu Tabaleam aodiante nomheado fui, e
sendo la pareseram prezentcs a este'outorgantez a saber o Padre Pre-
zidente do dito Conuento frey Ignacio de Sam Bento, e os mais Re-
ligiozos abaixo .asignados, os, quaes foram juntos ao som de Campa
tangida, e da outra o Lecenceado Antonio Cordeiro morador nesta
dita Cidade pesoa de mim Tabaleam reconhecida e pelo digo e logo
por elles todos juntos foi dito e por cada hum per si s6 inSolidum
em minha prezenga de mim Tabaleam e das testemunhas aodiante
nomeadas que por escuzarem duuidas e demandaz, e firn incerto
dellas e por se conseruarem em sua amizade com o dito Lecenceado
Antonio Cordeiro porq.to traziam huma demand contra elle sobre
as terras que o do Lecenceado posue por baixo de Nosa Senhora de
Vila Velha que parte dellas tem duuida pertence ao dito Conuento de
que corre demand ha mais de dous annos de q' he escriuam dellas
Simam .de Araujo escriuam do ecleziastico, e Juiz dela o conserua-
dor do. ditos Religiozos Pedro Velho, a qual cauza esta sentenceada
e appellada por parte do Lecenceado Antonio Cordeiro de que se nam
tirou a appellagam e que elles partez estam concertados na maneira
seguinte a saber que elles ditos Religiozos em seu nome e do dito
Conuento dizistem da dita demand, e nam querem uzar della nem
da dita sentenga antes a ham por nula conio se a nam houuera por-
quanto o dito Lecenceado Ant.o Cordeiro se obriga por sua sua pesoa
e befis que fazendo se medigam das ditas terras e das mais que per-
tencem ao d.; Convento em o destricto de Vila velha, e achando se
que a terra que o do Lecenceado posue ou p.te della pouca, ou muita
cahir dentro da mediaam do do. Conuento, e lhe pertencer por bem
da dita medigam elle Antonio Cordeiro lha aforara e Ihe pagara foro

NOTA: Encontra-se este mesmo document transcrito no Livro I do Tombo, fls. 117 v. a 119.

fl. 20 "
46







della ao dito Conuento de que lhe couber na dita medicare e o'dito
foro se aluidrara por douz homes o que pode valer cada anno a dita
terra de foro, os quaes o dito Conuento aprezentara hum e 6 dito
Lecenceado outro e nam concordando se louuaramn em terseiro para
Aluidrarem o que pode valer do foro cada anno, e o que elles deter-
minareml he pagara o foro cada anno, o qual elle seri obrig.do a Ihe
pagar do dia deste instromento .m diante ainda que se nam faca a
dita medigam se:nam daqui a tempos sera obrigado elle Lecenceado
a Iho pag.. de lo.. em diante e querem e sao contents ellez Reli-
giozos que (fl. 20 v.) o dito Lecenceado Antonio Cordeiro tenha
e posua as ditas terras asim e damaneyra que de prezente as tern a
saber de huma aruore grande que esti no segundo brejo por baixo
de nosa Senhora correndo da dita aruore para o nascente e do brejo
asima athe acaua demarcacam das terras delles ditos Religiozos e dahi
correndo o mar e da dita aruore para o poente correndo pello brejo
abaixo athe" a fortaleza de Sam Diogo nam tomando nada mais de
nouo das ditas terras mais que as contheudas nesta demarcacam, e
para clareza pegado a dita aruore se pora hum marco de pedra
para diuizam das ditas terras corn condigam que feita a medigam das
ditas terras elle Lecenceado Antonio Cordeiro nam encontrara as
ditas medigoenz nem ira contra ellas quando se quizerem fazer nem
em tempo algum ira contra ellas e julgadas as ditas terras serem do
dito Conuento ou parte dellas por Ihe cairem dentro da dita me-
dicam sera obrigado o dito Lecenceado Antonio Cordeiro as aforar
e pagar foro dellas ao do Conuento ao que obriga Sua pesoa e benz
e os ditos Religiozos outrosim em nome do dito Conuento seram
obrigados a lhaz aforar pelo que for rezam e o dito Lecenceado
Antonio Cordeiro as terA da mao do dito Conuento e porque em
as ditas medigoenz, e em se apurar a terra que he do dito Conuento
se pode gastar muito tempo e o do Lecenceado fica possuindo o que
hora ocupa que elles religiozos pertendem sem pagar nada della e
que se de em perda do dito Conuento he content o dito Lecenceado
Antonio Cordeiro pagar de hoje em diante ao do. Conuento o foro
que arbitrar quando se achar estar dentro da dita medicam como se
estiuera neste dia feita e o que tiuer pasado de tempo pagara ao asen-
tar do dito foro e porque nam posa hauer duuidas no valor do foro
daz ditas terras elles ditos religiozos tomaram hum Louuado pesoa
de Conciencia e o Lecenceado Antonio Cordeiro outro e o que
ambos asentarem vaLera dita terra de foro sera obrigado elle Lecen-
ceado Antonio Cordeiro a pagar aos ditos Religiozos aforar e aseitar
sem duuida, nem embargo algum de huma, e outra parte e porque
podem os ditos Louuados nam se conformar querem todos e sam
contents tomar hum terseiro a gosto de todos e estarem, pello que
determinar e porque asim o contrataram, e consertaram e que por-
quanto porque era necessario outorga da mulher do dito Lecenceado
Antonio Cordeiro Anna da Conceigam se obrigou a dar outorga

it. o if. 2o 6.
47







della dentro em quinze dias primeiros seguintes e ao cumprimento
deste instromento obrigaram elles parties suas pesoas e bens e os do
dito Conuento e de os ter, e manter e de nam irem contra o effeito
delle, antes em tudo o cumprirem como nelle se contem de que
mandaram ser feito este instromento nesta nota em que asignaram
que pediram e aseitaram e eu Tabaleam como pesoa public estipu-
lante, e .seitante o estipuley e aseitey em nome da pesoa, ou pesoas
a que tocar posa auzente e delle dar os treslados necessarios sendo
testemunhas Antonio Lopez Este..s, e Joam (fl. 21) de Valenga
Nunez, e todos asignaram eu Mathias Cardozo Tabaleam o escreui,
Frey Ignacio de Sam Bento frei Paulo do espo Santo frei Placido
das chagas, frei Bento da esperanga, frei Antonio de Jesuz, Frey Agos-
tinho da Piedade, frei Aluaro das chagas, frei Bernadino de oLiueyra,
frei Bernardo de oLiueira digo de Azeuedo, frei Furtuozo doz Reis,
frei Miguel do Dezerto, frei Paulo do espirito santo, frei Manuel da
purificagam o Lecenceado Antonio Cordeiro, Antonio Lopez Esteuez
Joam de Valenga Nunez, o qual instromento de transagam eu Ma-
thias Cardozo Tabaleam sobredito, e meu liuro de notas o tomei
donde este instromento pasei sobescreui e asignei de meu public
Signal Seguinte / Signal public

0 qual treslado de escriptura eu Joaj Bap.ta Carnr.o T.am p.co do judicial e
notas nesta Cidade da Bahia e seu termo fz tresladar de hud Escrit.a q' o
Rdo. pe Procurador gl. de S. B.1t Fr Joseph me apresentou sobscrita em
p.co p.to T.am Mathias Cardoso a q' me Reporto, e a tornej a entregar ao R.
P.e Prior do do. Convento, e aquj asinou de como, a Resebeo, e corn o official
abxo asinado este confery conserlej sobscrenj e asinej na Bahia aos dezasete
de feuro de sete Centos e seis Annos.




E comigo escriva5 dos agg."vo Joa5 Bap.ta Carn.ro
Fran.co de Souza de Menezez

Fr An.to da Tr.nd.e. Ct.0 p mim T.am
Prior do Mostr.* Joa5 Bap.ta Cam.o







fl. 20v. e fl. 2
48















r


-. -- -. -" s 4,' ,- -"

.. -,*, :.-,44- "- '* ,--- ** ;' ,,,* / ,,,-., .. ..







S.-






L
<-1^ ^ .^< ^^



/ -, it'-'. J. ^-D ^ ,.


4. .

44v -... .-.
-r ~j~-~r~r ^ "*.." '" -* ** .




















,' .<'- "- ***' ?'-^ *'* ^ .^ -
^^r i I"''

-' '" ~ -'" /^.' -*';.*.
















".
I-'
----~-- ', C
"-' ; '
-* '


Rcproduaio da tolha I do original (pag. I)







OUTORGA DE OUTRA ES
critura que fez o sobredo L.d Antonio Cordeyro com
oz fradez de Sam Bento, a qual outorga he de sua m.er em
q' consent no sobrefacto contract da escritura asima



S aibam quantoz este public instromento de outorga de outra
es.... ra virem que no anno do nasimento de nosso Senhor Jezus
Christo de mil e seiz Centos trinta e sete annos aos vinte e tres do
mez de Junho do dito anno digo do mes de Janeyro do d.o anno
Nesta Cidade do Saluador e pouz.das (fl. 21 v.) do Lecenceado An-
tonio Cordeiro aonde eu Tabaleam aodiante nomeado fui e sendo La
aparegeo prez.te a est. outorgante a saber Anna da Concey9am mu-
Iher do dito Lecenceado Antonio Cordeiro e Logo por ella foi dito
em minha prezenca e das testemunhas aodiante nomeadas que o do
Seu Marido hauia feito huma escritura de transapam aos Padres de
Sam Bento d.sta dita Cidade sobre as terras que ella e o dito seu
marido posuem defronte o forte velho de Santo Antonio, que partem
com os ditos Padres, aqual foi feita por mim Tabaleam em os noue
dias do mes de Abril e hera de mil e seis centos trinta e seiz annos
em a qual o dito seu marido o Lecenceado Antonio Cordeiro se obri-
gara a que ella outorg.te daria outorga da dita escritura a qual escri-
tura eu Tabaleam Ihe li toda de verbo ad verbum como nella se
contem diante as mesmas testemunhas e pella dita outorgante Anna
da Conceigam foi dito que entendera a dita escritura asim como
nella se conthem, e que ella outorgaua e daua sua outorga na forma
que o dito seu marido e ella eram obrigadoz, e a outorgaua, e con-
sentia nella com todas as clausulas, condigoenz e obrigagoens della
e a hauia por boa e a retificaua como nella Se conthem, e se so-
metia em tudo a dita escritura asim e damaneira que nella se con-
them e em tudo a outorgaua como nella e na dita escritura se
conthem, e asim e damaneira que era obrigada para q' em tudo
firme e ualioza fique cor todas suas clausulas condigoefis e obri-
gagoes, a qual dise obrigaua sua pessoa e bens e o melhor parade
delles e de ter, e manter este instromento e de nam vir contra o ef-
feito della em p.te ou em todo antes em todo o cumprir como nella
se contem de que mandaram ser feito este instromento nesta nota,
em que asignou, que pedio, e aseitou, E eu Tabaleam como pesoa
public estipulante e aseitante o estipuley e aseitey em nome dos
ditos Religiozos de Sa6 Bento auzentes e das mais pesoas a que tocar
posa e delle dar os tresladoz necessarios send testemunhas Ignacio

fl. 21 e fl. 21 v.
49







Rodriguez estate na dita Caza do dito Lecenceado Antonio Cor-
deiro, e Manuel Dias de Abreu morador nella, e por nam saber es-
creuer a dita outorgante Anna da Conceycam asignou por ella a seu
rogg o dito Ignacio Rodrigues e como Testemunha e todos asigna-
ram, E eu dou fee ser a dita outorgante a propria que nesta nota
asignou E eu Mathias Cardozo Tabaleam que o escreui. Asigno a
rogo da outorgante Anna da Conceigam e como Testemunha Ignacio
Rodriguez, Manuel Dias de Abreu o qual treslado de outorga eu
Antonio Cardozo da Silua tabaleam fiz tresladar de hum liuro de
notas adonde a tomou o Tabaleam Mathias Cardozo a que me re-
porto que sobescreu. e asigney de meu public signal seguinte na
Bahia em os sinco dias do mes de Julho de mil seis centos e sinco-
enta e trez annoz /. Signal public /.

0 qual treslado de escripfra Eu Joaa Bap.1a (fl. 22) Carn.r T.am p.co do
judicial, e Notas nesta Cidade da Bahia e seu termo fis tresladar da propria
escri~tr.a que me apresentou o pe procurador gl. de S. B.t fr. Jozeph, a q' me
Report, E a entreguej ao Rd.o p.e Prior do Conuto de S B.fo e aquj asinou
de como a Resebeo, e com o official abxo asinado este consertej comfery sobscreuj
e asinej Em Pl.c e Razo digo e asinej em a Bahia aos dezoito de feu.ro de mil
e sete centos e seis Annos






E comigo escriva5 dos agg.0s1 Joao Bap.ta Carn.t
Fran.co de Souza de Menezez

Fr Anto da Trinde ct.o p mim T.am
Prior do Mostr.0 Joa5 Bap. t Carn.ro













fl. 21 v. e fl. 22
50







A escriztra de contrato estd a fl. 24 v.o


PETICAM DOS TESTAMEN
teyros de Antonio Borgez e SentenCa dos sobejos das
terraz juntas a Nosa Senhora da Graga tudo de com-
pozipam corn obrigaram de 350 missas que diseram
oz Religiozos.



O Lecenceado Francisco Glz Arcediago da Santa See da Bahia
e D0o Ramos Testamenteiroz de Antonio Borgez defunto morador
q' foi abaixo de Nossa Senhora da Graga que o Reuerendo P e Dom
Abbade e mais Religiozos do Conuento do Patriarcha Sam Bento da
dita Cidade aLcancaram Sentenca contra ellez Supp.tes que passou em
couza julgada Como Testamenteiros vniuersais do dito defunto para
que Ihes largasem huma sorte de terra abaixo da dita Igreja a qual
se principiou corn o mesmo defunto, e porquanto a da Zerra da
Contenda digo terra da Contenda ha outra de pouca consideragam
e prestimo que nam serue huma sem outra pello q' elles supp.tes a
querem Largar aos ditos Religiozos para elles fazerem bem pela
(f. 22 v.) Alma do do defunto, a qual instituhio por sua herdeira
por nam deixar outros bens cor que sua aLma posa sair das penas
do purgatorio estam compostos corn elles Supp.tes a Ihe dizerem por
sua alma trezentas e sincoenta missas sacrificios equiualentes a ualia da
dita terra Pedem a VM. que visto o dito defunto falecer em Ja-
neyro deste prezente anno de 639 mes que conforme a alternatiua da
Concordata pertence a V.M. interponha a sua authoridade e decreto
judicial na dita Composicam julgando a por fire para que os do0
Religiozos possam tirar sua sentenga e Receberam m.ce. / o Arcdiago
Frangisco GLZ/. D.o' Ramos./.

Desp.0

Julgo por sentenga a compozigam e concerto que os Testamen.tros
do defunto testador Antonio Borges ter feito corn o Reuerendo
Padre Dom Abbade e mais Religiozos do Conu.to do Patriarcha Sam
Bento sobre a sorte de terra de que na petiFam atras Se trata e ha-
uerem por o prego della de dizer os ditos Relgiozos trezentas e sinqta
missas por a alma do testador no q' interponho minha auThoridade
e decreto judicial na dita Compozigam que aprouo por firme e ua-

fl. 22 e fl. 22 v.
51






lioza, e sera lancada no Liuro dos rezidiios corn o Theor desta petiCam
e despacho para que conste a todo o tempo Bahia o primr.o de
Agosto de Seis Centos trinta e noue./. Chaues. /.
0 equal treslado de petifad e despac/o eu Joad Baq~.f Carnr.o T.am p.co do ju-
dicial, e Notas nesta Cidade da Bahia, e seu termo fis tresladar de hud petiifa
e desp.o q' o Rd.o P.e Prior do Conuit de S. Bento me apresentou a q' me Reporto
e de como o Resebeo aquj e asinou, e con o official abxo asinado este conferj
consertej sobscrevj e asinej na B.a aos uinte de feu.ro de sele cents e seis annos

E comigo escriva5 dos .Agg.y's Joao Bap.ta Carn.o
Fran.c de Souza de Menezez
Fr. An.to da Trind.e Ct.0 p mim T.am
Prior do Mostr.0 Joa5 Bap.ta Carn.to





PAPEL DE REMATACAM
que se fez a Aleixo Cabral da faz.da de Anto Borgez
a qual como pasase a este Conv.to a elle se entregou
este papel o qual he o seguinte.
Os Testamenteiroz de Antonio Borges defunto (fl. 23).

Petigam do Reuerendo Arcediago francisco Glz e
Domingos Ramoz testamenteiros de Antonio
Borges defunto para se rematarem os negroz e
as rendas das fazenda.



A nno do nasimento de noso senhor Jezus Christo de mil e seiz
Centos trinta e noue annos aos trinta e hum dias do mes de Janeyro
do dito anno nesta Cidade do Saluador Bahia de todos os Santos e
pouzadas de mim Tabaleam pareseo Domingoz Ramos morador nesta

f. 22 v. e fl. 23
52







dita Cidade e por elle me foi dada huma sua petigam por escrito
em seu nome e do Reverendo Arcediago Francisco Gongalues como
Testamenteiro de Antonio Borgez ja defunto morador que foi no
destrito de Vila velha com hum despacho nella posto do Doutor
Joam do Couto Barboza do Dezembargo de Sua Magestade Dezem-
bargador da Relagam da Cidade do Porto ouuidor geral corn algada
em todo este estado do Brazil requerendo me Ihe autuase para efeito
de Se rematar em praga public a renda da fazenda que ficou do d.o
defunto por tempo de trez annoz e asim os escrauos que se mandam
vender para todo o tempo constar de Como juridicamente se fez a
dita uenda e aremataqa6 digo venda e arendamento por bem do que
eu Tabaleam autuey a dita petigam que he o seguinte Paschoal Tei-
xeira Tabaleam o escreui.

Petiqam

O Reuerendo Arcediago Francisco Glz e Domingoz Ramoz testa-
menteiros de Antonio Borgez defunto que faleceo junto a Igreja de
nosa senhora da Vila Velha que porquanto o dito defunto ao tempo
de seu falecim.o nam tinha herdeiro forgado, e he necessario para
comprimento de seus legadoz venderem se as pessas de escrauos
porque nam aConteca morrerem, e tiquarem elles Supplicantes fal-
tando com as obrigagoeiis do testamento, e porquanto o dito defunto
estaua de pose de huma Sorte de terra sobre que corre Litigio corn
os Reuerendos Padres de Sam Bento desta Cidade a qual o do. de-
funto manda se uenda o que nam pode ser por rezam do dito Leti-
gio e he necessario arendarse emquanto dura o do Letigio porque
notoriamente a destroem os escrauos desta Cidade e os de pernam-
buco / e a dita terra nam tern que dar saluo he alguma linha, e nam
se acudindo Corn breuid.e a arendarse totalmente em breue tempo
se destruird e sera notoria perda para o que o defunto (fl. 23 v.) or-
dena pello que /. Pedem a Vosse mce visto nam hauer herdeiros
forgados e estar tudo a dispocigam do que o do. defunto ordena a
elles Supplicantes e ter Vose mce tornado conhecimento da cauza e
mandar fazer inuentario dos bens pello Tabaleam Pascoal Teixeira e
visto o perigo que corre made que o dito Tabaleam faca logo re-
matar as pessas de escrauos que elles Supptes aprezentarem e outrosim
faga arendam.o em praga public da d.a sorte de terra e seja por tempo
de trez annos, a quem por ella mais der fazendo entrega a elles sup-
plicantes do procidido de huma, e outra couza na forma que con-
chauarem com os Compradores das pessas e rendeiros da terra e
recebera justiga e mce/. Despo. como pede/. Couto/.

fl. 23 e fl. 23 v.
53







Termo de rematapam da Renda da fazenda e uenda
dos negros

Ao Primeiro dia do mes de Feureiro de mil seiz Centos e trinta e
noue annos nesta Cidade do Saluador Bahia de todos os Santos e
praga public della onde eu Tabaleam fui a requerim.o do Reuerendo
Arcediago da Santa See desta Cidade francisco Glz. e de Domingos
Ramos testamenteiros de Antonio Borges defunto achando se elles
prezentes em suas pessoas requerendo me que asistise e dese minha fee
da rematacam que se hauia de fazer dos escrauos que ficaram do de-
funto, e renda da terra de Vila uelha porquanto p.a iso tinham ali
os ditos escrauos por bem do que logo o Porteyro do Conselho
Simam Matheus cor hum ramo verde na ma6 em alta vox andou
pella dita praca dizendo que quem quizese lancar em hum negro por
nome Joam Barbado e sua mulher Maria Zenca, Maria Angu, e M."
e gracia dos pes inchadoz que fazem sinco pesaz grandez cor douz
crioulinhoz piquenos e asim tambem se ouuese quem quisese arendar
a fazenda em que o defunto moraua por tempo de trez annos se
viese a elle e Ihe receberia o lango e logo appareceo Aleixo Cabral
Pinto morador nesta Cidade e dise que elle langou no negro, negras,
e crioulinhos que ao todo sam sete Cabecas em todas ellas cento, qua-
renta e sinco mil reis em dinheiro deContado que foi o ultimo lango
que langou porquanto os primeiros foram de menos dinheiro e asim
tambem langou na renda da da fazenda oito mil reis digo .... mil
reis cada hum anno por tempo de tres que fazem vinte e quatro mil
reis pera os pagar em dinhr.0 os quaes langos Ihe aseitou o do. por-
teiro, e dise que pellos ditos escrauos asim como estauam Ihe dauam
cento quarenta e sinco mil reis e pella renda da fazenda vinte e
quatro milrs por tres annos pagos oito milreis cada hum anno asim
como se for uencendo tudo em dinheiro decontado que se ouuese
quem Ihe mais dese viese a elle que Ihe receberia o Lanco andando o
dito porteiro pella dita praca de huma parte para (fl. 24) A outra
por grande pedago de tempo repetindo o d.0 pregam por muitas
vezes afrontando a todas as pessoas que estauam prezentes e fazenda
as mais Ceremonias, e requizitos necessarios e custumadoz em seme-
lhantes actos sem hauer quem maiz dese de renda pella dita fazenda
nem de Compra pelos ditos negros pello que os ditos testamenteiros
diseram que se rematasse tudo ao dito lancador Aleixo Cabral por
bem do que o dito porteiro Ihe meteo o ramo na mam que elle
aseitou hauendo Ihe por vendidos de hoje para todo o sempre o dito
negro Joam barbado, negras, e crioulinhos, de que elle logo se em-
posou e ouue por entregue como couza sua comprada por seu di-
nheiro, e tambem Ihe ouue por rematada a renda da dita Fazenda
em prego de oito milrs. cada hum anno por tempo de trez, e se
obrigou a que acabadoz elles a tornaria a entregar aos ditos testa-

ft. 23v. e fl. 24







menteiros, ou a quem direito for sem duuida nem embargo algum
que a iso ponha, e alentregara corn as aruores de espinho,.que sam
limeiras, Larangeiras romeiras que de prezente tern e corn as par-
reiras, e bananeiras tudo m digo bananeiras que ha tudo melhorado
e nam peiorado e Logo o dito Langador entregou cem mil reis em
dinheiro decontado por conta do prego dos Negroz que recebeo o
Testament.ro Domingoz Ramoz e delles deo pura e geral quitagam ao
do Langadoir e se obriga a Ihos leuar em conta e que se Ihe nam
pegam nunca nem couza alguma delles per si nem por outrem, e o
rest que fica que sam quarenta e sinco mil reis os pagara e entre-
gara o dito langador de hoje a hum anno como renda delle que sam
oito mil reis tudo em dinheiro decontado sem a iso por nenhuma du-
uida para o que obriga sua pesoa e befis moveis e de rais hauidos e por
hauer de que fiz este auto de rematagam quitacam e obrigagam em
que asignou o dito Lancador e testamenteiros que estiueram pre-
zentes e o porteiro, sendo testemunhas Domingoz da Costa, e Manuel
Gomes Gandio requerentes de Cauzas moradorez nesta dita Cidade
que asignaram e eu Paschoal Teixeira Tabaleam o escreui./. Aleixo
Cabral Domingoz Ramoz./. O Arcediago Francisco Glz./. Do-
mingos da Costa/. Manuel Gomez Grandio -

0 qual treslado de autos eu JoaJ Bap.1 Carnr.o T.am p.co do judicial e noaas
nesta Cidade da Bahia e seu termo, fis tresladar de hts autos em q' estd a Rema-
tafao de q' se tratapello digo fieitap.l0 T. am pal Teix.ra Pinto q' eu Reconheso e
todo me aprezentou o P.e Prior do Conu.to de S. Bento a q' me Reporto, e lho
entreguej que aquj asinou (fl. 24 v.) de como o Resebeo E Com o official
abaixo asinado este confery, consertej, sobscreuj e asinej com o official abaixo
asinado este comfery conserlej sobscreuj E asinej na Bahia aos vinte e dois de
Marpo digo de Feu.ro de sete cents e seis annos




E comigo escriva5 das apelag6- Joa5 Bap. oi Carnm.
ens e aggvo
Fran.c de Souza de Menezez t.0 p mim T.a

Fr. An.to da Trind.e Joa5 Bap. t Carn. r
Prior do Mostr.0






fl. 24 e 1l. 24 V.
55







A fitz'ab e despO de q' se trata estd ft. 22
e a Remata;a6 do .rendam.to q' fes Aleixo
Cabral afl. 23

ESCRITURA DE TRANSACT
am que se fez entire os Reuerendos P.es de Sam Bento, e
os testamentr.0s de Antonio Borgez./. em que largam aos
P.es os sobejoz da terra que posam pertencer ao d.o Borgez
na Vila Velha abaixo de N. Sr.a da Grapa por 350 missas
q' diserao os Religiozos como atraz diz.




S aibam quantos este instromento de transagam, amigauel com-
poziio virem que no anno do nasimento de noso senhor Jezus
Christo de mil e seiz Centos e trinta e noue annos aos vinte e quatro
dias do mez de Agosto No most.ro do Gloriozo Patriarcha Sam
Bento da dita Cidade pareseram a este prezentes e outorgantes de
huma parte o Reuerendo Arcediago francisco Glz e Domingoz
Ramoz moradores nesta dita Cidade como testamenteiros vniuersais
de Antonio Borgez e da outra o Reuerendo Padre frei Francisco de
Aprezentagam Dom Abbade do dito Mosteiro de Sam Bento com os
mais Religiozos do Conselho do dito Conuento que iram nomeados
nesta escritura chamados a congregagam a som de Campa tangida
segundo seu antigo, e Louuauel custume e logo por todos, e cada
hum deles foi dito que Antonio Borgez alcancara de sesmaria humas
datas de terras junto a nosa Senhora da graga da vila uelha de que
estaua de pose, e sobre ellas lhe puzera6 demand os dos Reuerendos
Padres, e aLcancaram sentenga contra o d.o Antonio Borgez que
pasou em couza julgada e porque intended elles ditos testamenteiros
que alem da medigam que os ditos Padres fizeram tem por suas
cartas e datas alguns sobejos, e por escuzarem mais contends sobre
os ditos sobejos se acazo os hauia se vieram a compor corn os d.os Re-
uerendos Padres athe larger como de efeito logo largaram 'todo o
que se achar (fl. 25) que pertense ou por qualquer uia posa perten-
ser aoz bens que ficaram do dito Antonio Borges ou aos ditos seus
testamenteiros em rezam das ditas terras por qualquer uia modo, e
maneira que seja porque toda e qualquer pertengam que niso tenha

fl. 24 V. e fl. 25
56









asim de terras como de bemfeitorias, tudo deste Logo largam cor
obrigaga6 que Ihe nam leuara6 nenhuas custas da Sentenpa que contra
elles tirarem da dita terra, e asim mais seram obrigados os ditos
Padres a dizerem e mandarem dizer das trezentas e sinq.ta Misas
pella alma do dito defunto Antonio Borges o que asim tambem di-
seram Ihe dauam pelo amor de Deus com as quais logo irao conti-
nuando corn a breuidade posiuel e por esta maneira ficaram hufis e
outros quietos e conchauados e ao comprimento de todo o Con-
theudo nesta escritura dizeram huns e outros que obrigauam como
de efeito logo obrigaram elles ditos Testamenteiros os bens que fi-
caram do dito defunto, e elles ditos Padre Dom Abbade frei Fran-
cisco da Aprezentagam e maiz Religiozos do Conuento digo do
Conselho do dito Conuento os bens e rendas delle que para elle obri-
garam cada hum na p.te que lhe toca, e em fee e testemunho de
verdade asim o outorgaram e por de todo serem contents e estarem
no dito Acordo e vontade mandaram ser feito este instromento de
transacam e amigauel compozica6 nesta nota que todos asignaram e
della dar, e pasar os treslados que forem pedidos, e declararam elles
d.os Testamenteiros que os bens do defunto Antonio Borgez que
obrigam sam somente as mesmas terras e bemfeitorias porque asim
como pertencem ao dito defunto as largam, e outrosim que o aren-
damento que por ordem de justiga se fez a Aleixo Cabral os ditos
Padres se aueram corn elle sobre o despejo, sem a elles ditos Testa-
menteiros ficar obrigagam alguma mais que nam encontrarem nunca
esta uenda, nem mouuerem duuida sobre as ditas terraz aoz ditos
Padres e corn a dita declaragam asignaram, e aseitaram sendo teste-
munhas Antonio Frz Roxo, e Antonio Frz Carpint.ro digo e Antonio
Joam Carpint.ro E eu Tabaleam dou fee bern conhecer aos outor-
gantes e serem os proprios contheudos neste instromento os que
prez.tes estaua6 e todos aqui asignaram Joam de Freitas Tabaleam o
escreui Frei Francisco da Aprezentagam Dom Abbade de Sam Bento/
Frei Calixto / Frey Ambrozio / Frei Bernardo / Frei Constantino da
Aprezentaca6 / Frei Fernando de Sam Bento / Frei Joam da Purifi-
caga6 / Frei Diogo Rangel Prior / o Arcediago Francisco Glz.de An-
tonio Joam / Antonio Frz Roxo / Domingos Ramos, o qual instro-
mento de transacam e amigauel compozicam eu Joam de Freitas
Tabaleam do public do judicial e notas nesta dita Cidade do Sal-
uador e seus terms por sua Magestade em meu liuro de notas
tomey donde este (fl. 25 v.) Instromento passed que sobescreui e
asignei de meu public signal seg.te na Bahia hoje dezasete dias
do mes de outubro de mil e seiz centos e quarenta annoz/. Signal
public

fl. 25 e fl. 2 v
57


M M







0 qual Instromto de Escript,ra eu Joao Bap.t Carn.ro T.am p.co do judicial,
e notas nesta Cidade do Saluador Bahia de todos os Santos e seu termo fis
tresladar da propria Escritr.a que me afresentou o Rd%. P.e Prior do Conuto
de S. Bento a q' me Reporto, e corn o ffecial abaixo asinado este comfery con-
sertej sobscreuj E asinej com o official abxo asinado na Bahia aos vinte e
quatro de Feu.to de mil e sete cents e seis Annos


E comigo escriva5 dos agg. 1O Joa5 Bap.'" Carn.o
Fran.cO de Souza de Menezez
Fr An. da Tr.nd.e Ct.o p mim T.am
Prior do Mostr.o Joa5 Bap.ta Carn."




ercripfra 24 vO

SENTENCE DOS P.ES DE
S. Bento Contra os Testam.tros de Antonio Borgez em que
se julgou pertencer a este Conv.to as terras de N. Sr.a da
Grara q' se medira6, e hum resto que ficaua pertencente
ao d. Borges seus testam.tr nos largara6 por 350 misas
como se ve da escritura atras, de q' de tudo junto to-
mamos pose como se ve neste L.0 a fI 32v.0



D om Phelipe por graga de Deus rei de Portugal e dos Alga-
rues da quem e dalem mar em Africa Senhor de Guine e da Com-
quista navegagam comersio de Ethiopia Arabia persia e da India &a.
A todos os corregedores ouuidores, juizes e justigas officials e pes-
soas de meus reinos e senhorios de Por digo a quem esta minha
carta de sentenga for apresentada e o conhecim.0 della com direito
pertenger f.o9 vos saber que p...te o meu ouuidor geral corn minha
algada em todo este estado do Brasil por quem esta pasou se tra-
taram e foram sentenceados (fl. 26) huns autos de Causa Ciuel
ordenados entire p.tes como Author 'de hua o Padre Dom Abbade e

fl. 25 v. e fl. 26
58







mais Religiozos do Patriarcha Sam Bento desta Cidade contra An-
tonio Borges reo da outra p.te que despois de seu falecim.o se pro-
seguio contra seus Testamenteiros o Arcediago francisco Glz e Do-
mingos Ramos e pellos ditos autos se mostraua virem os autores com
Libelo por escrito articulado dizendo em elle pello melhor modo Libelo
que em direito haja Lugar e se cumprise prouaria que entire os maiz
bens de raiz que a elles Autores pertensem jure dominij, vel quasi
era como he huma sorte de terra sita em nossa Senhora da Graga
ern vila uelha aqual ouueram por titulo de doagam de Catherina
Aluarez Caramurui, prouauao que das ditas terras estauam ellez Au-
thores de pose e persi e sua Antecessora de mais de dez vinte e trinta
e quarenta, sincoenta sesenta e maiz annos a esta parte, e nellas ti-
ueram seuz curraes e cazas de hermitaens e de romeiros que os aga-
zalhauam os quaes com todos as que estam ao redor do sitio da dita
hermida de Nosa Senhora da graca, agoas vertentes athe o brejo
athe o mar no qual brejo e terras fizeram assim elles Authores como
sua antecesora muitas bemfeitorias e tinham muitas aruorez de es-
pinho tanto que./. prouaram que as terras de se trata Se puzera nellaz
huma cansela com que as fechaua e sempre a tiueram athe que corn
os tempos se ueio a extinguir, e nunca nas ditas terras tiueram con-
tradicam alguma saluo de poucos annos a esta p.te que o dito Reo
se foi meter nellas clamdestinam.te sendo que entrara all da mAo de
francisco de Barros que tinha outra que partia com a da contend
e como estauam por medir nam sabiam aonde cabia intruzam.te se
metera nellas sem titulo que valido fose e tendo o p..testauam dizer
Contra elle por quanto sempre das ditas terras tiueram pose e nellas
tiueram hum negro por nome Thome que lhas lauraua e cultiuava
e asim por todas as vias Ihe pertenciam, e asim./. prouariam que as
ditas terras lhe foram dadas em Capellas com obrigagam de Ihe di-
zerem doze misas todos os annoz para sempre a saber dez resadas e
duas cantadas e o d.o reo Ihe ocupaua todas ou a mayor p.te dellaz
e tinha obrigacam de lhas Largar com todos os fruitos da indeuida
oCupagam athe real entrega, era fama public pedindo recebimento
e prouado o necesario fose o dito Reo condemnado a que largase e
abrise mam das ditas terras cor os fruitos da indeuida ocupagam athe
real entrega cor Custas segundo que todo isto asim era cont..udo e
declarado no dito Libelo dos Autores que Ihe for recebido Na forma
de direito e dando se vista ao Reuer digo ao (fl. 26 v.) Procurador
do Reo despois de algufis requerim.tos a que se deferio velo com sua
Contrariedade articulada por escrito dizendo que se cumprise pro- Contra-
uaria que o Reo estaua de pose de suas terraz conform suas Cartas riede
de Sesmaria de vinte sinco annos a esta p.te sem contradigam de pesoa
algua e quando os authors tiuesem algum direito nellas estauam
nesta cidade da Bahia de oitenta annos a esta part administrando
a Igreja de Nosa Senhora da Graga indo e pasando todos os dias pelo
dito caminho e vendo a elle Reo morar no sitio e Lugar onde estaua,

fl. 26 e fl. 26 v.
. 59







e vendo Ihe fazer bemfeitorias sem nunqua Ihe irem a mam porque./.
prouaria que do dito tempo a esta parte estaua elle Reo tam paci-
ficam.te sem contradigam de pesoa que diante da dita Igreja de nosa
Senhora tiuera elle Reo colonies e pesoas de sua mao que rosaram
e cultiuaram pagando Ihe sua renda porque. /. prouaria que os Au-
thores nam tinha6 titulo que Legitimo fose digo seja e tendo o pro-
testa dizer contra elle mais que huma chamada doaqam de hum
treslado do ...slado digo de treslado no qual se nam conhecia o que
os ditos authors tiuesem terra em Lugar certo mais que dizer a
defunta que deixaua a tersa de Seus befis em que entraua tambem
parte das terras que posuhia tambem no destrito da Vila Velha sem
titulo nem demarcagam alguma e tanto asim que / prouaria que cons-
taua dos autos appensos por grande numero de testemunhas se deram
digo que se deram por parte dos Authores contra o Padre Andre Lo-
bato da Mata e por parte do dito Padre contra ellez e muitas dellas
mui obrigadas ao comuento e nenhuma dellas concluia saluo que os
ditos Padres tiuesem pose no brejo que vae por detras de nosa Senhora
para a banda do nascente sem concluirem comprimento, nem lar-
gura Nem quadra, nem confrontagam alguma, que diga com uerdade
digo confrontacam alguma nem aueria pessoa alguma que diga Com
verdade que da banda da dita Igreja posuisem mais que a dita Igreja
de que Sam administradores por rezam da dita chamada doacam e
asim ./. prouaria que seos Authores tinham alguma terra seria a que
o caminho diuide que vai de Nosa Senhora da Graga para a paragem
onde tiueram hum Negro por nome Thome no qual sitio estiuera
huma aruore que era signal dos nauegantes que os Autores mandaram
cortar, e elles saberiam porque e nenhuma outra terra posuiham ./.
prouaria que se ellesAuthores tinham obrigagam de Capella a velha
Caramurua nam fora som.te pella terra que elle sabia que (fl. 27) era
cousa de pouca consideragam mas seria porgrasa, e outras digo seria
por prata, e outras muitas pesas de escrauos, moueis de sua Caza que
se nomeam na chamada doacio, quanto mais que lhe nam diziam
missa nem evangelho pella alma ./. prouaria que a cansella de que
os Authores tratam, nem elles nem a dita Catherina Alz a mandara
por rezam de posuir as terras delle Reo q' nunca intentara nem Ihe
pedira antez a mandara por Antam Gil outr.sim herdeiro da dita
Catherina Alvares afastada da frontr.a da estrada por causa da deua-
sidam de sua caza de pesoas que lhe inquietauam as negras por ter
muitas, e estar ainda no dito tempo muita gente na dita Villa Velha./.
prouaria que as terras que elle Reo possuhia hauia muitas pesoas an-
tigas que sabiam que foram de hum Joam Fernandez comprido, os
quaes nam ... pouoara por posuir outras melhorez e as pedir a velha
digo e as pedir a elle reo de Concerto e se Ihe deram como constaua
de suas Cesmarias de que estaua gozando Sem contradigam de pesoa
alguma mais que os Authores por serem seus inimigos capitaes e de
menos de hum anno a esta parte ./. prouaria que de mais digo que

fl. 26 v. e fl. 27
60




University of Florida Home Page
© 2004 - 2010 University of Florida George A. Smathers Libraries.
All rights reserved.

Acceptable Use, Copyright, and Disclaimer Statement
Last updated October 10, 2010 - - mvs