• TABLE OF CONTENTS
HIDE
 Front Cover
 Dedication
 O romance
 Romancistas
 Back Cover














Title: O romance cearense
CITATION THUMBNAILS PAGE IMAGE ZOOMABLE
Full Citation
STANDARD VIEW MARC VIEW
Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/UF00075965/00001
 Material Information
Title: O romance cearense
Physical Description: 127 p. : ; 23 cm.
Language: Portuguese
Creator: Montenegro, Abelardo Fernando, 1912-
Publisher: A. Batista
Place of Publication: Fortaleza
Publication Date: 1953
 Subjects
Subject: Brazilian fiction -- History and criticism -- Cearâa (State)   ( lcsh )
Brazilian fiction -- Bio-bibliography -- Cearâa (State)   ( lcsh )
Genre: bibliography   ( marcgt )
non-fiction   ( marcgt )
 Notes
Bibliography: Includes bio-bibliographies of the authors.
Statement of Responsibility: Abelardo F. Montenegro.
 Record Information
Bibliographic ID: UF00075965
Volume ID: VID00001
Source Institution: University of Florida
Rights Management: All rights reserved by the source institution and holding location.
Resource Identifier: oclc - 05514269

Table of Contents
    Front Cover
        Front Cover 1
        Page 1
        Page 2
    Dedication
        Page 3
    O romance
        Page 4
        Evolucao do romance cearense
            Page 5
            Page 6
            Page 7
            Page 8
            Page 9
            Page 10
            Page 11
            Page 12
        Romance regional
            Page 13
            Page 14
            Page 15
            Page 16
            Page 17
            Page 18
            Page 18a
            Page 19
            Page 20
            Page 21
            Page 22
            Page 23
            Page 24
            Page 25
            Page 26
            Page 27
            Page 28
            Page 29
            Page 30
            Page 31
            Page 32
            Page 33
            Page 34
            Page 35
            Page 36
            Page 37
            Page 38
            Page 39
            Page 40
            Page 41
            Page 42
            Page 43
        Notas
            Page 44
            Page 45
            Page 46
            Page 47
            Page 48
    Romancistas
        Page 49
        Page 50
        Jose de Alencar
            Page 51
            Page 52
            Page 53
            Page 54
            Page 55
            Page 56
            Page 57
            Page 58
        Franklin Tavora
            Page 59
            Page 60
            Page 61
            Page 62
        Manuel de Oliveira Paiva
            Page 63
            Page 64
            Page 65
            Page 66
            Page 67
            Page 68
            Page 69
        Adolfo Caminha
            Page 70
            Page 71
            Page 72
            Page 73
            Page 74
            Page 75
        Emilia de Freitas
            Page 76
            Page 77
            Page 78
        Domingos Olimpio
            Page 79
            Page 80
            Page 81
            Page 82
            Page 83
        Araripe Junior
            Page 84
            Page 85
            Page 86
            Page 87
            Page 88
            Page 89
            Page 90
            Page 91
            Page 92
            Page 93
            Page 94
        Ana Faco
            Page 95
            Page 96
            Page 97
            Page 98
        Rodolfo Teofilo
            Page 99
            Page 100
            Page 101
            Page 102
            Page 103
            Page 104
            Page 105
            Page 106
            Page 107
            Page 108
        Francisga Clotilde
            Page 109
            Page 110
            Page 111
            Page 112
        Joao Miguel da Fonseca Lobo
            Page 113
            Page 114
            Page 115
            Page 116
        Antonio Sales
            Page 117
            Page 118
            Page 119
            Page 120
            Page 121
            Page 122
        Cordeiro de Andrade
            Page 123
            Page 124
            Page 125
            Page 126
            Page 127
    Back Cover
        Back Cover 1
        Back Cover 2
Full Text




ABELARDO F. MONTENEGRO


o ROMANCE CEARENSE


















TIP. ROYAL
Fortaleza Ceari
1953






V/ ABELARDO F.


a- ^


/i


0


)N 0.Oi







CEARENSE


LATIN AMERICAN COLLECTION
UNV-I. ,YC FLO.:.A


..


1953
Fortaleza Ceari


~sS .-.II--


















OBRAS PUBLICADAS:

Ruy Earbosa e a Revolug5o Industrial no Brasil, 1951 (esgotada)
Soriano de Albuquerque, um Pioneiro da Sociologia no Brasil, 1952
(esgotada)
Parlarmentarismo, Presidencialismo e Patriarcalismo, 1952 (esgotada)
Duas Teses, 1953 (esgotada)

A PUBLICAR:

Ant6nio Conselheiro
Ceard (Tentativas de interpretagio)
Tobias Barreto e Machado de Assis
Introduako a Keyserling
A Ansia de Gl6ria de Balzac e outros Ensaios
Cruz e Sousa e o Movimento Simbolista no Brasil

EM PREPARO:

Mercantilismo e Coloniza'io
Hist6ria do Cangaceirismo no CearA
Hist6ria do Fanatismo no Ceara
Tcoria dos fins do Estado
































A mem6rla de

Heloisa Semiramis Montenegro, minha mie


A

Paulo Pedro de Moura Montenegro, meu pat










0 ROMANCE















I EVOlIU O 10 ROMANCE CEARENSE



S6 a poesia pode brotar durante a infancia intellectual de um po-
vo. Sendo o romance produto de cultural jA formada, de literature a-
dulta, nao encontra condiqBes existenciais em organismo social atra-
sado, incompativel cor uma especializagao de fung6es literdrias.
Em todo o Brasil, at6 a segunda metade do s6culo XIX, a litera-
tura pr6priamente dita, isto 6, a obra escrita com a intengHo literaria
e de arte, 6 quase exclusivamente constituida pela poesia, se nao o 6
totalmente. (1)
As mais remotas manifestag6es da literature cearense sao em
versos. Os contos da tradicgo oral supriam a falta de romances. Per-
sonagens universais transformavam-se no sertdo, adquirindo outras
caracteristicas por mimetismo folcl6rico. (2)
Fortaleza, na primeira metade do s6culo XIX, lia muito pouco, e.
quando o lazia, eram obras do tipo de O Fado pr6prias para as notes
ds danto Ant6nio, Sao Jos6 e Sao Pedro. Na segunda metade do s6cu-
lo, a Loja Nova, de Manuel Ant6nio da Rocha Jfinior, alugava livros,
jredommando os romnnticos, entree os quais Victor Hugo e Walter
Scott, e os folhetins de Paulo de Kock.
Para a quaresma, a Loja Nova recomendava a leitura de Vida de
Jesus Cristo, 0 Anjo Cust6dio, 0 Escudo Admirdvel, Relicdrio Angeli-
co. 0 Cearense publicava folhetins de autores franceses. Os jornais li-
terarios, em 1858, vinham de f6ra, a exomplo do Panorama, hebdoma-
aario lisboeta, e Ilustragdo luso-brasileira.
De 1850 a 1870, florescia uma geragao literAria romantic, quase
totalmente constituida de poetas consagrados ent5o, pela milsica das
modinhas. Juvenal Galeno, Ant6nio Bezerra, Xavier de Castro, Fran-
cisco de Paula Barroso e vArios outros v6em seus versos errar de boca
em boca. Era a fase romantic da poesia, cujo carter popular per-
deu, quando a escola parnasiana a aristocratizou, tornando-a ao al-
cance s6mente das classes letradas. O mar, a lua e as limpidas areas
da praia constituiam fonte inexaurivel de inspiragao para os poe-
tas. (3)
Jornal do Icd, de 31-5-1862, publicava o primeiro capitulo de "A
Caridade e a Gratidao", romance original, cujo nome do autor nao con-
seguimos identificar. T6m por cenario uma das cidades da Provincia,
durante a sica de 1845. Filia-se A escola romAntica. S6 conseguimos
ler as publicacBes dos nimeros 6 a 14 do aludido journal.
Ainda em 1862, surgia o primeiro romance cearense Os Indios
do Jaguaribe, de FranklinTAvora, que o publicou em Recife. Em 1869,
por6m, Oliveira Sobrinho, no roda-p6 de Constituigdo, iniciava a 20 de
Margo, a publicacgo de Mdrio ou as Desventuras de um Voluntdrio, o
primeiro romance de cearense publicado como folhetim emn journal no
Ceara.
Estavamos em pleno romantismo. Conservava-se o romance no
puro domino da imaginagAo, desinteressado dos problems do dia,
alheio as crises socials. Eram seus principals elements a pintura dos
coskmes, a luta das paixoes, os quadros da natureza.










-6-


Nesse clima intensamente romantico, Jose de Alencar, em 1865,
langava Iracema.
O folhetinista Stdnio, em 1871, dizia que falar s6bre o calor, a
poeira, o inverno, a carestia dos gnneros aUimenticios, o estado sanl-
tdrio, era tao prosaico, tao incompativel cor a construcgo nervosa e
delicada das leitoras... (4)
Araripe Jinior em 15 de Novembro de 1872, iniciava a publicagdo
de A Casinha de Sapd em roda-p6 na Constituigdo,
O sentido do romance cearense modifica-se. bD xaropada ro-
mantica passava ao meio-naturalismo tradicionalista e campesino.
Araripe Jfinior sofria o influxo das correntes cientificas da 6poca exa-
minadas nas reunites da Academia Francesa.
Para os franceses, a literature era a expresso da sociedade, e
t6da obra literdria, sendo um meio de tornar mais fiel esta expressao,
representava um foco de que podia jorrar abundante luz. (5)
A Provincia nio possuia pfiblico ledor. O autor escrevia, pensan-
do num leitor sertanejo, um leitor ideal, de ceroula e camisa que tinha
a pachorra de folhea-lo, deitado numa rede, a balangar-se soprado pe-
los ventos da praia. (6)
O romantismo entretanto, dominava. A educaVco da mulher
processava-se em tal clima, contra o qual o folhetinista Alfredo Fal-
cdo se rebelava.
"Habituadas desde 0 mais tenra idade a tal vida, de deducgo
chegastes persuas5o de que sois realmente criaturas divinas, nasci-
das para serem eternamente adoradas... Rompei corn os romances; a-
prendei antes a fazer um caldo... Nao fagais versos. T6da a vez que
qualquer poeta choramingas chamar-vos de lirio, flor ou estrela, di-
zei-lhe que 6 um infame". (7)
Contra o romance atuava o preconceito religioso que o taxava de
pernicioso e impio. Faltava tamb6m ambiente. Jos6 Leandro, em
1875, asseverava que muitos romances em vez de leitores tinham as
tragas. (8)
Jos6 de Alencar, numa homenagem a terra natal, dava A publici-
dade O Sertanejo, em 1876.
Araripe Jfinior, em 1878, publicava Luizinha e, em 1883, indicava
ao romancista o vasto material que a political oferecla. O romance de-
via exibir a influencia dessa Circe famosa, infecunda Messalina, s6bre
o brasileiro. (9) Ainda em 1878, publicava no Vulgarizador, do Rio, os
dois'capitulos iniciais e inicos de O Retirante.
A sociedade cearense reclamava a pena de um Daudet ou o pin-
cel de um Manet. Assim 6 que Tomas Pompeu estreava, na Gazeta do
Norte, de 13-3-1881, cor uma sbrie de contos sob a epigrafe Silhuettes
a crayon, que constituiam o registro quase fiel de alguns acontecimen-.
tos da 6poca, produzindo tal escAndalo, que o autor, para guardar con-
ventincias sociais, se viu obrigado a interrompe-las logo na segunda
Renata. (10)
Farias Brito, biografando TomAs Pompeu, afirmava que le pode-
ria representar papel saliente no romance naturalista pois revelara
vocag5o na serie de estudos psicol6gicos que publicara no period de
1882 a 1884. (11)
A 13-3-1881, publicava TomAs Pompeu Luiza a mulher solicita-
da por natureza sensual, educago sentimental e po6tica repassada
desse misticismo religioso que eteriza o mundo numa visdo celestial.
Entregava-se ela aos transbordamentos da mente acariciados nas lon-
gas horas de ociosidade. Lia um desses romances da moda, em que se
descrevia o amor corn certo colorido celestial, corn o tom sentimental e









- 7I-


po6tico do idealismo. (12)
Se Luiza 6 tipicamente citadino, Renata 6 totalmente rural. In-
felizmente, Tomas Pompeu n.o concluiu Renata que seria um inters-
sante romance campesino, em que a seca j. surgia cor o cortejo de
miserias.
"Dobram-se entdo as temperas mais rigidas; e nessas violentas e
titanicas crises fisicas que transformam as condig6es de vida de um
povo, reina uma tolerancia absolute, resultado da cobardia moral, con-
sequente ao reconhecimento da pr6pria impotencia para debela-las,
que f aclita a corrupt~ o dos costumes, a postergagio das consciencias".
(13)
Em 1887, a maior parte do reduzido pfiblico ledor ainda se delei-
tava cor os romances do Escrich e Paulo de Kock, as seletas de recita-
tivo e as discusses da imprensa diAria. (14) Em 1888, por6m, o criti-
co Jodo Lopes que se escondia sob o criptonimo de Gil Bert, chamava
a ateng5o do romancista para o estudo de nevrose, da fraqueza apa-
tica e m6rbida que nos incutia a natureza, e da ago direta do meio fi-
sico sobre o home. E, pela primeira vez, no Ceard, ensinava o que
era o romance naturalista, em A Quinzena. (15)
A 6 de Fevereiro de 1889, Oliveira Paiva iniciava a publicagco em
roda-p6 no Libertador de A Afilhada, romance urban francamente
naturalista embora sem os exageros da escola.
Filiado h mesma escola naturalista, Rodolfo Te6filo publicava,
em 1890, A Fome, o primeiro romance formal de seca em nossa litera-
tura.
O naturalismo ia, paulatinamente, conquistando adeptos no Cea-
ra, at6 triunfar com o movimento da Padaria Espiritual e Centro Lite-
rdrio, em 1892-1894.
Adolfo Caminha, em 1892, escandalizava a provinciana capital
cearense cor A Normalista o primeiro romance cearense escandalosa-'
mente naturalist.
A Padaria Espiritual constituia o primeiro movimento literario a
produzir certo nfimero de romancistas, surpreendente mesmo, levando
em consideragqo o meio.
Entre os romancistas-padeiros, achavam-se Oliveira Paiva, Rodol-
fo Te6filo, Adolfo Caminha, AntBnio Sales e Artur Te6filo. E isso numa
epoca em que Aluizio Azevedo afirmava que era ato de grande abnega-
cgo e extreme heroismo fazer obra literdria e publica-la, pois ningu6m
lia livros. (16)
Esse florescimento literdrio caracterizava-se pelo espirito nacio-
nalista. Artur Te6filo definia a missbo do romancista cearense: Es-
tudar o nosso meio, descrever as nossas paisagens, transportar para o
romance... os nossos homes, carter, afetividade e tendencias, sem
exagera-las com artificios pedantescos e nocivos. (17)
As sess6es literdrias dessa memordvel fase eram agitadas e fecun-
das. Liam-se capitulos de romances em prepare. Festejavam-se as
obras recem-publicadas. O direito de autoria era heroicamente de-
fendido, e os jornais vapulavam os gatunos literArios e plagiadores im-
penitentes.
O naturalismo estava vitorioso. Um dos critics oficiais consa-
grava-o: 56 no seu bojo, ha espago para as complicag6es da vida mo-
derna. (18)
No interior, os autores rominticos permaneciam no cartaz. Jose
de Alencar, Dumas (pal e filho), Escrich, Macedo e Bernardo Guima-
raes constituiam os prediletos. A paz romantica modificava-se, ape-









-8- -


nas, quando surgia um ou outro estudante cor prosapia materialista
que condenava essas leituras imbecis e aconselhava A Came, de Julio
Ribeiro, conselho que, em geral, merecia repulsdo do meio misoneista.
(19)
Mesmo nessa fase aurea, havia mais contistas e poetas do que ro-
mancistas. FenBmeno natural. O conto existe desde quando o ho-
mem t6m palavra, a a poesia e filha das eras primitivas, enquanto o
romance rebenta no solo social ja trabalhado, exigindo grande luxo de
vida interior (20) como produto recent que 6 do seculo da observa-
~go o s6culo XIX. (21)
A despeito de fatores impedientes de maior desenvolvimento do
romance, Graco Cardoso prognosticava sua vit6ria s6bre a poesia.
"O romance t6m por f6rqa no Brasil de meter a poesia num chi-
nelo cor todo o seu farrancho de elis6es, de hiatos, de m6trica e de
censuras... Ha de ser grossa a estrelada das rimas, mas ndo terao ou-
tro rem6dio sendo ceder o campo ab novo campeao que em todos os
tempos, ha sido o seu successor natural". (22)
Em 1894, a 2 de Dezembro, em sessao do Centro Literario, Viana
de Carvalho lia um fragmento de seA romance Moga, que nao publi-
cou.
Em 1895, Rodolfo Te6filo publicava Os Brilhantes; em 1897 Ma-
ria Rita; e em 1899, O Paroara. Todos sob influencia discreta do na-
turalismo.
Artur Te6filo tinha em preparaeqo O Cigano, a respeito do qual
Waldemiro Cavalcante dizia que o autor havia posto todo o esmero da
forma e toda a f6bra de sua ardente imaginagao de poeta tropical e,
prosador consciencioso. (23)
Com a publicago de A Rainha do Ignoto, de Emilia de Freitas,
em 1899, romance de inspiragao romantica, surgia a primeira roman-
cista cearense.
K'contecimento alvigareiro o aparecimento da primeira mulher
romancista nas letras cearenses.
Naquele tempo, a mulher fazia literature entire quatro paredes,
quando fazia, porque a quase totalidade nao tentava palmilhar um
caminho proibido e condenado pela moral, dominant. A beletrista
nHo gozava de boa fama.
A mulher, no fim do seculo XIX e comego do XX, "nao compre-
endia a noite sem a poesia de uma hist6ria; sonhava acordada sob a
luz suavissima dos astros com princess rutilantes de brocado e pedra-
rias, com principles poderosos que desposavam camponesas belas e ri-
cas de virtude".
O fim do s6culo XIX, entretanto, caracterizava-se pelo roman-
ce de observagAo. E, no Brasil, exceptuando Machado de Assis e Raul
Pompeia, s6 vozes do norte se faziam ouvir. (24)
Nas letras cearenses, ressaltava a contradiCgo entire o romance
naturalista e a poesia. Enquanto o lirismo dos poetas exaltava uma
sociedade idealista chela de transports, de devotamentos e virtudes,
capaz de sacrificios a heroismos, o romance estereotipava uma socie-
dade de hip6critas, de corrompidos, de traidores, de safados, de vis.
(25)
Seguindo o exemplo de Emilia de Freitas, Francisca Clotilde lan-
cava, em 1902, Divorciada. Em 1903, Domingos Olimpio produzia um
dos melhores romances regionais Luzia-Homem. E Targino Filho,
sob pseudonimo de Garcia de Queiroz, publicava em roda-p6 no journal
A Cidade, de Sobral, o romance Nuncy, dramalhdo ao gosto da menta-
lidade dominant.










-9 -


Antes por6m, em 1900, nas sess6es do Centro Literdrio de 12 de
Setembro e 10de Outubro, Jos6 Luis de Castro e Joaquim de Araifjo
Domingues Carneiro, respectivamente liam capitulos de romances em
prepare. O primeiro escrevia Hospedaria, de orientagdo naturalista;
o segundo, A Volta, de fundo mistico maeterlinkiano, simbolista.
Produzia-se com espantosa facilidade, estilo descuidado e desco-
nhecimento das regras gramaticais. O piauiense Galdino Chaves, quo
prometia publicar uma serie de novelas subordinadas ao titulo Cenas
do Norte, certa vez, em Baturit6, discutia, cor seu empregado o
poeta Cruz Filho a grafia do imperative do verbo fazer. Cruz es-
crevera faze e Galdino corrigira para faz. (26)
Em 1903 ou 1904, Jos6 Gil Amora escrevia uma novela sob o influ-
xo do romantismo morboso a Alvares de Azevedo. Era uma cena no-
turna, tragica, cheia de libag6es em tascas escuras, de onde resultaram
lutas, assassinatos e outras coisas de arrepiar, diz-nos Mario Linha-
res. (27)
Tivemos a oportunidade de manusear o caderno-manuscrito con-
tendo o didrio intimo de Jos6 Gil, em poder do seu sobrinho o poeta
Manuel Albano Amora. Anunciava Jos6 Gil duas novelas que nao cbe-
gou a cscrever: Hist6ria de uma andorinha (em torno de acontecimen-
tos de sua infAncia) e E... se a Humanidade enlouquecesse de repente?!
Nao teria Mario Linhares lido Noites de Ins6nia, cr6nicas algu-
mas publicadas e outras por escrever ou publicar, conforme diz Jose
Gil em seu caderno de mem6rias? (28)
Em 1907, Ana Fac6 publicava, em roda-p6 do Jornal do Ceard,
Rapto Jacoso e Nuvens, romances ainda de inspiragdo romAntica, mas
superiores aos de Emilia de Freitas e Francisca Clotilde.
Gustavo Barroso, em 1909, publicava, como folhetim no Jornal do
Ceard, a novela Jodo Ferreira; Gustavo da Frota Braga iniciava a pu-
blicag5o de Didrio de Carlos no 6rgbo da classes caixeiral Centelha.
(29) A Tribuna, de Sobral, publicando ensaios s6bra Caracteres L 6r-
bidos, provava que o naturalismo deslocava fronteiras no interior do
Estado.
No Rio, em folhetim no roda-p6 do Jornal do Comdrcio, Araripe
Junior matava a saudade da terra natal cor O Cajueiro de Fagundes.
86 em 1914, Ant6nio Sales publicava Aves de Arribaago, roman-
ce que escrevera na provincia na iltima decade do s6culo XIX. Joao
Miguel da Fonseca Lobo, no mesmo ano, estreava corn A Camponesa,
obra nitidamente rom&ntica.
Em 1921, morria Temistocles Machado e deixava in6ditp o roman-
ce A Vitima.
Nelson Catunda anunciava, em 1924 e 1925, a publicago de dois
romances: A Esfinge Maldita e Araci. At6 hoje, por6m, esses romances
nHo vieram a lume, sendo um deles de costumes praieiros. (30)
Nessa mesma 6poca, Carlyle Martins prometia Velas Brancas.
cujo primeiro capitulo lemos em A Regido, de 26-5-1925, journal que se










- 10 -


editava na cidade de Crato.
Apreciando a vida literdria cearense, Os6rio Lopes afirma que os
movimentos, de nota continuam a girar em t6rno de Ant6nio Ssles e
Rodolfo Te6filo, nomes de ontem.
Esse marasmo, ausencia, de novos romancistas, explica-se pelas
condig6es especialissimas do meio cearense. A falta de incentive, a
inexistencia de casas editors, a situacgo material de classes do ro-
mancista e limitacgo do mercado, constituem fatores ponderavels.
A vocagRo artistic nao pode substituir sem 6cios emocionais e
prazenteiros fecundos em inquietag6es. Traumatizado pela iuta quo-
tidiana, o escritor acaba sufocado em suas fontes criadoras. Como
fazer profissao de romancista, se as frequentes crises climAticas e eco-
n6micas tudo aniquilam!
"Uma Provincia ou um Estado em crise financeira ou em agita-
c5o political desvia os escritores das agitag6es intelectuais sadias e
boas e nao permit ao povo o gozo das leituras que Ihe fazem bem ao
espirito que o educam e o fortalecem e o encorajam para as grandes
pelejas da vida". (31)
A revolugao liberal de 1930 exerceu uma agco desinibidora,
desempenhando um papel psicol6gico de libertagdo de tenddncias re-
calcadas. (32)
O volume de fatos, no campo social em ebuligao, corn ampla re-
percussao na natureza e na inteligencia do home cearense, exigia
romancistas que os registassem.
A romancistica cearense adquire um novo sentido cor a publica-
cio de O Quinze, de Raquel de Queiroz' e de Quarta Feira de Cinzas,
de Martins d'Alvarez em 1930, de Classe Media, de Jdder de Carva-
tho, em 1934 e de "0 Santo do Brejo, de Gustavo Barroso, em 1933.
Novos romancistas surgem cor obras publicadas no Ceara e f6ra
do Ceard. Fran Martins, Jesus Duarte, Jaime Sisnando, Mario Alcan-
tara, J. Figueiredo Filho, Juarez Aires de Alencar, Angelica Coelho,
JoHo Climaco Bezerra aproveitaram o Ceard como cenario de seus ro-
mances, cujos nomes apresentamos no mapa cronol6gico anexo.
E' inegavel afirmar que o romancista cearense conta hoje cor
um pfiblico potential maior. Luta l6e, por6m, com dificuldades quase
Insuperaveis. A edigao de uma obra custa muito dinheiro e a sua si-
tuagao material de classes nHo permit horas de lazer.
Ha um grande nfmero de escritores que se v6em na impossibili-
dade de publicar os seus livros, motivo por que a romancistica cearen-
se perde em qualidade, tamb6m, pois ha novos valores que muito pro-
metem.










MAPA CRONOLOGICO DO ROMANCE FORMAL CEARENSE

Ano Romance Escola I Cenrio Autor


1862 Os Indios do Jaguaribe RomAntica


1865
1876
1878
1890
1892
1895
1897

1899

1899

1902

1903
1914
1914

1926
1930
1932
1933

1934
1934
1935
1936
1937
1937
1937
1937
1937
1937
1938
1938
1938
3939
1940
1940
1941


Iracema
O Sertanejo
Luizinha
A Fome
A Normalista
Os Brilhantes
Maria Rita

O Paroara

A Rainha do Ignoto

A Divorciada

Luzia-Homem
Aves de Arribagdo
A Camponeza

O Ticgo do Inferno
O Quinze
Joio Miguel
O Santo do Brejo

Classes M6dia
Cassacos
Ponta de Rua
Brejo
Morro do Moinho
T6nio Borja
Renovacao
Caminho de Pedras
Sertao Bravio
Rapto Jocoso
Nuvens
Dr. Geraldo
Pogo dos Paus
As trbs Marias
Cumbe
O Mundo Perdido
Inquietude


RomAntica
RomAntica
Meio Naturalista
Naturalista
Naturalist
Naturalista
Naturalista

Naturalista

Romantica

RomAntica

Naturalista
Naturalista
RomAntica

Realista
Realista
Realista
Realista

Realista
Realista
Realista
Realista
Realista
Realista
Realista
Realista
Realista
RomAntica
RomAntics
Realista
Realista
Realista
Realista
Realista
Realista


SertAt do
Jaguaribe
Sertio
Sertao
Maranguape
Fortaleza
Fortaleza
Sertao
Sertao do
Aracati
Sertio
Amazonas
Itaigaba
Amazonas
Fort. Reden-
ao-Amazonas
Sobral
Caucaia
Ibiapaba
(sertio)
Sertao
QuixadA
Baturit6
Fortaleza
(arredores)
Fortaleza
Sobral
Fortaleza
Sobral
Fortaleza
Sobral
Crato
Fortaleza
Quixeramobim
Beberibe
Fortaleza
Fortaleza
Carids
Fortaleza
Jardim
Juazeiro
Fortaleza


Franklin Tavora
Jos6 de Alencar
Jos6 de Alencar
Araripe Junior
Rodolfo Te6filo
Adolfo Caminha
Rodolfo Te6filo

Rodolfo Te6filo

Rodolfo Te6filo

Emilia de Freitas

Francisca Clotilde
Domingos Olimpio
Antonio Sales

JoaoM. da Fons&ca Iobo
Gustavo Barroso
Raquel de Queiroz
Raquel de Queiroz

Gustavo Barroso
Jader de Carvalho
Cordeiro de Andrade
Fran Martins
Cordeiro de Andrada
Martins d'Alvarez
Cordeiro de Andrade
J. Figueiredo Filho
Raquel de Queiroz
Jaime Sisnando
Ana Fac6
Ana Fac6
Jader de Carvalho
Fran Martins
Raquel de Queiroz
Juarez Aires de Alencar
Fran Martins
Jesus Duarte










MAPA CRONILOGICO D1 ROMANCE FORMAL CEARENSE

Ano Romance Escola Cenri!o Autor


Nasci para casar
A Estrela do Pastor
A Crianga Vive
Dico

Eu quero o sol
NAo ha estrelas no c6u

Ritmos Humanos
O Cruzeiro ter cinco
,Estrelas
D. Guidinha do Pogo

Sol Posto


Realista
Realista
Realista
Realista

Realista
Realista

Realista

Realista
Naturalist

Realista


Fortaleza
Crato
SFortaleza
Fortaleza
e sertAo
Fortaleza
Lavras da
Mangabeira
Fortaleza

Crato
Sertao de
Quixeramobim
Lavras da Man-
gabeira e Fort.


Jaime Sisnando
Fran Martins
Jader de Carvalho

MArio AlcAntara
Jader de Carvalho

Joao Climaco Bezerra
Angelica CoSlho

Fran Martins

Manuel de Oliveira Paiva

Joao Climaco Bezerra


1942
1943
1945
1946

1946
1948

1949
1950

1952

1952















II ROMANCE REGIONAL



Regionalismo nao 6 nacionalismo esteril e auto-suficiente, ou
exclusivismo cultural. A regiao, bem compreendida, pode ser mais
fundamental do que a nago como condiCgo de vida e meio de expres-
sao ou criagho humana, diz Gilberto Freyre .(33)
Ha quem pense, entretanto, que o regionalismo sempre foi nocivo
ao pensamento, nao havendo obra regional que preste ou tenha "fica-
do" em qualquer literature. (34)
Consideramos fecundo o regionalismo. Condenamos, apenas, os
delirios do mal entendido orgulho provincial. (35)
Cada grupo manifesta o seu temperament atrav6s de llteratura
pr6pria, em que se estampa a sua fislonomia. No CearA, a literature
de ficcdo apresenta acentuado carAter regionalista.
O romarice cearense constitui o conjunto de vozes da natureza
tropical e reflete a latitude da terra martir. E' tributArio fiel da ie-
giAo. O romancista cearense, como bom regionalista, v&, no amor a
provincia, a cidade ou aldeia native, a condicgo bAsica para as obras
honestas, autinticas e criadoras. ,
Focalizando os costumes de um grupo sub-nacional, o romance
cearense mostra a necessidade de serem respeitados os elements re-
presentativos da vida regional, evitando-se-lhe a degradagAo ou a pa-
dronizagio.
A luta entire a Europa e a America, entire o europeismo e o indi-
genismo, inicia-se cor Jos6 de Alencar, em Iracema, e plenifica-se no
movimento da Padaria Espiritual.
Em Luzia-Homem, de Domingos Olimpio, um frances estarrece-
se diante de Luzia que carrega uma parede de tijolos. Estatelamento
que significa, simb6licamente, o triunfo do Novo Mundo.
Nem todos decobrem regionalismo na literature cearense. Alfre-
do Castro, em 1911, assevera que, ao menos em linhas gerais, nada v0
de diferente na literature cearense que a distinga das outras, quer na
c6pia da natureza, quer na influencia que, s6bre a sensibilidade dos
poetas e prosadores, deve exercer o ambiente fisico, quer na represen-
tagAo que da do espirito e da vida regionais. (36)
"Nao sera necessario acrescentar que as escolas e correntes pou-
co possuiram de original, nada criando pr6priamente os nossos escritc-
res no romance, como em outros g6neros: tudo mais ou menos de im-
portagAo, a exemplo do que ocorreria na political, nas ideas gerais,
nos pr6prios estilos de vida francamente europeizantes",,salienta 0-
tavio Tarquinio de Sousa. (37)










- 14 -


A negagpo do cunho de regionalidade da literature cearense peca
por absolute miopia da parte dos critics. Ao tempo em que Alfredo
Castro escreveu, j& havia uma pujahte afirmacgo artistic, localista.
O romance cearense j6 contava com as notaveis contribuig6es de Ro-
dolfo Te6filo, Adolfo Caminha, Domingos Olimpio e Oliveira Paiva, em
cujas obras se podia sem esforgo, identificar o genio dos lugares.
No romance regionalista cearense, as personagens sdo inferiores
ao ambiente e aos acontecimentos. O que dA o sentido ao romance 6
precisamente essa pequenez da criatura diante do destiny, afirma Lfi-
cia Miguel Pereira. (38)
HA, no romance regionalista, a exaltagio do sentiment que se
sobrepec as leis socials: a simplificago primAria da vida, diz Lficia.
(39) Ela adverte, entretanto, que nao hA oposigao ou diferenga essen-
ciais; mas diversidade de sensibilidade e maneira de escrever. (40)
Ja em 1907, Joaquim Pimenta salientava a contribuigao do ro-
mance para o enaltecimento das tradig6es gloriosas do povo cearense,
tao heroicamente singular e tao singularmente socializado. (41)
Soriano de Albuquerque, por sua vez, ressaltava a influ6ncia do
bacharel em direito, considerado "digna de apreciaAgo a sua attitude na
literature national, dando-lhe o cunho native". (42)

a) NORTE E SUL

Nao se pode exigir de um continent cultural complex come o
Brasil, um rigido ideal de uniformidade em detrimento das diferengas
hist6ricas e geograficas.
Politicamente, o antagonismo Norte-Sul v6m de long. No Cea-
ra, os saquaremas do Rio Grande do Norte editam O Nortista
(11-6-1849), enquanto em Pernambuco circula O Sulista dos luzias.
Com o correr do tempo, ha o temor de separatismo.
"Ora, se uma sexta parte do pais, com mais de 10% de individuos
Ictrados que o restante, detim mais da metade de sua populagao e pos-
sui mais de tres quartas parties de sua fortune e de seu patrirh6nio ru-
ral e industrial, 6sse desequilibrio, assim formidAvel, 6 para impressio-
nar os mais otimistas. Sente-se que 6sse grupo de Estados progredirA
sempre e cada vez mais em progressjo geom6trica, ao pass que os ou-
tros ficarao estagnados, mergulhados em uma semi-barbarie, que aca,
barA por tornar impossivel a coesAo national". (43)
Sob o ponto de vista literArio hA quem inquira: Por que hao de
andar a op6r a escola do Norte A escola do Sul? (44) Silvio Romero a-
pressa-se em explicar: Nao se chama isto dividir a literature national
em duas: 6 apenas afirmar a unidade na multiplicidade.
Fol o cearense Franklin TAvora quem, de modo sistemAtico, fir-
mou as bases dessa divisao geogrAfica da literature national. E o cea-
rense Clovis BevilAqua reforgou o ponto de vista do conterraneo, quan-










- 15 -


do se convenceu de que o nosso pais 6 bastante vasto para ter em sua
literature uma cor fixa e sem nuangas.
"Cada regiao, acrescenta Clovis, em que diversificar o clima e a
mesticagem, a raqa e o melo, poderA criar uma forma divergente de
conceber, de poetar, de fazer literature, tendo alias sempre um fundo
comum por onde todos se hdo de assimilhar, porque certos elements
constitutivos do povo, em t6da extensdo do pals sao os mesmos". (45)
Nos nossos dias, ningu6m mais nega a existincia de nficleos cul-
turais diversos no Brasil. O do Nordeste 6, entAo, assinalado como uma
das sete chaves da literature national. (46) E nao Ihe negam certa
supremacia. A ascendencia da literature do norte chega mesmo a pe-
culiarizar a renovacgo literaria post-modernista.
O home nto pode viver f6ra do seu ndcleo de cultural, sob pena
de se Ihe extinguir o fogo interior. (47)
O contrast de areas culturais cor imediato reflexo na literatu-
ra, observa-se entire o cearense e o mineiro. O romancista mineiro res-
sente-se da influencia municipalistano sentido de despreocupagAo
pela repercuss.o da obra literdria e da inaptiddo para o proselitismo.
Introvertido, ensimesmado, de poucas andanqas, contrast cor o cea-
rense extrovertido, tendencioso, amante da gl6ria. Enquanto um va-
loriza o element sentimental, lirico e estritamente literdrio, o outro da
mais valor ao element politico e social, agindo, assim, cada um em
funcdo do grupo a que pertence. (48)
O Norte conservou-se mais acentuadamente agricola e pouco
cosmopolita: o Sul industrializou-se pouco a pouco, urbanizou-se c
recebeu quase todos os contingentes imigrat6rios. Isto refletiu no ro-
mance, tanto 6 assim que, no norte, o romance e mais rural, enquanto
no sul 6 urban. (49)
O pr6prio modernismo exemplifica a dualidade. A integraqco do
lirismo, no sul, dirigiu-se ao meio fisico; no norte, ao melo social.
O modern naturalismo do romance brasileiro, qual o compreen-
dera Franklin Tdvora... 6 tamb6m um produto do movimento do norte,
diz Silvio Romero. E Lfcia Miguel Pereira confirm, asseverando que
o naturalismo foi entire n6s predominantemente nortista, parecendo-
the que isso se deve menos aos nicleos intelectuais do que a um feitio
constant nos filhos daquela regiao. Os romancistas nortistas sao
mais extrovertidos, e portanto mais aptos a observer, atuar em geral
no sentido realista, ao pass que do centro e do sul chegam contribui-
cges mais marcadas pela interiorizagdo e pelo idealismo. Comparem-
se,. hoje, as obras dos nortistas Raquel de Queiroz, Jos6 Lins do Rego e
Jorge Amado com as dos mineiros LDcio Cardoso, Corn6lio Pena e Ciro
dos Anjos. (50)
A literature sulista 6 mais universal, mais plastic, mais profun-
da; a literature nortista a dos que nao sofrem a influencia da Ca-
pital Federal -- 6 mais regional, mais pitoresca, mais sincera.










- 16 -


OS escritores do Sul procuram descrever um aspect da alma hu-
mana; os do Norte tratanm da psicologia das tradig6es e usangas dos
seus patricios, como que adquirindo, a feigdo de deus do mito, novas e
mais vivas energies ao contact protetor da terra mZLe. (51)
Al1m das diferenciag6es entire o Norte e o Sul, hA o recipocro des-
conhecimento de homes e coisas. O carioca 6 acusado, pelo roman-
cista cearense, de nao conhecer o Norte, nao indo sua visio al6m da
baia de Guanabara. (52)
Na primeira d6cada do s6culo XX, era moda descobrir o Norte,
(53) enquanto na segunda, a imprensa de Fortaleza lamentava o es-
quecimento em que ficavam os escritores cearenses. Os livros de cri-
tica nao os menclonavam, nao ocorrendo o mesmo com outros que, pe-
lo fato de viverem no mostruario national o Rio tinham gl6ria e
fama. (54)
SOs jornais da capital cearense, como compensabgo, atestavam a
tnferioridade'intelectual da parte meridional do Brasil. (55) Sob certo
aspect, essa vantagem 6 reconhecida ainda hoje. O paranaense Wilson
Martins afirma que, na divis5o regionalmente bipartida do romance
brasileiro, podemos verificar desde logo que o romance do norte se en-
contra muito mais "adiantado" que o romance do sul. (56)

b) CARACTERI'STICAS DO ROMANCE CEARENSE

Ha, indiscutivelmente, um romance cearense. As obras de Ro-
dolfo Te6filo, Doningos Olimpio, Franklin Tavora e Oliveira Paiva e-
videnciam a afirmativa.
Representa o cearense uma excepcao no pais, isto 6, t6m caracte-
risticas diferentes entire os demais filhos do norte e do sul. (57) O ro-
mance do letrado da terra dos cabegas chatas nHo p6de, portanto, del-
xar de revestir manifesto carAter regionalista.
Romancista cearense 6 aqu6le que, nascendo no Ceard ou para
61e tenha vindo muito crianca, se consider cearense 100%, e revela,
em livros, os atributos naturals do Ceard: a vivacidade do tempera-
mento de seu home, o tropicalismo de seu clima e o sabor sertanejo
de seus costumes.
No romance cearense, ha o bin6mio homem-regido, personagem-
-cendrio. Sucede, as vezes que a personagem cearense so movimenta
em cenario nao cearense Amazonas e S5o Paulo, centros de emigra-
gCo. Nao perde, entretanto, as peculiaridades regionais.
Caracterizam o romance cearense: a) a paisagem native; b) o
home cearense; c) a linguagem regional; d) o tema.
A lingua usada no romance regional cearense 6 a lingua falada.
O romancista sabe que a lingua literdria n5o se adapta a discussed ou
narragao de fatos (58), e que, como veiculo de expressed, a lingua do
povo n5o 6 um jargdo dependent de capricho individual. Nao 6 que









- 17 -


o romanclsta cearense queira dar carter literdrio ao argot. (59) Acha,
entretanto, que, acima da posse de qualidades flaubertianas de estilo,
esta a capacidade de dar as personagens a impress5o de que vivem e
sHo feitas de came e osso como n6s.
Alencar jh iniciara a aceitacgo de formas vulgares, retempe-
rando, nas fontes vivas da lingua falada, a sua prosa artistic. (60)
Descrever a alma cearense t6m sido o objetivo do romance regio-
nal. Ha uma vigilAncia em t6rno do que se refere ao Ceara. O ro-
mancista Jos6 Luis de Castro critical Alberto Rangel por nao interpre-
tarem as personagens deste, em Infer no Verde, a alma cearense.
HA quem condene fazer regionalismo no Brasil, campo de limi-
tadas tradic6es e de costumes pouco originals. (61) Nao vemos, nisso,
por6m, tarefa quase de artificio e de preciosismo as avessas.
O portugues Jos6 Sim6es Coelho ressalta a riqueza da tematolo-
gia cearense, asseverando que os literatos nao precisam sair do torrao
natal a conquista de temas para os seus livros. Sao em barda os as-
suntos; irrompem do solo com proverbial fertilidade. (62)
"Fato 6 que a terra com as suas particularidades, o ceu e a at-
mosfera com os seus incidents, a gente com a sua feigdo, e a vida
com os seus usos e costumes nao deixam de oferecer, talvez como cm
nenhuma outra circunscrigdo brasileira o melhor motivo, a melhor im-
pressao, o melhor molde enfim, para um quadro de literature sobera-
namente regional", afirma Alfredo Castro. (63)
Em carta a Bruno Barbosa, Ant6nio Bezerra cita como temas da
hist6ria cearense capazes de aproveitamento: a) A reango do cearen-
se contra a s6ca; b) A resist6ncia dos tapuias Cariris na defesa do tor-
rao natal, fcitos que obscurecem a gl6ria dos Tamoios; c) As paisa-
gens naturals: beleza da cidade de Jardim, serras do Araripe e da I-
biapaba, as lagoas da Iguatiu, os campos do Urid, o carnaubal do Ja-
guaribe e os mon6litos de Quixadd. (64)
O romancista cearense sabe aproveitar essa tematica nativista.
Afasta-se por complete dos prosadores franceses, cujo assunto predi-
ieto 6 o adult6rio. (65)
E' tal o indigenismo no romance cearense que algu6m jA pergun-
tou se o romancista regional do future ainda encontrar6 novos estados
de alma, ou aspects de natureza exterior, que meregam ser explorados.
O romance cearense nao esta onerado do complex de inferiori-
dade de que se ressente o romance boliviano. (66) O romancista cea-
rense faz questao de dizer que tal fato ocorre em tal lugar, dando o
nome verdadeiro da cidade, a nao ser quando o escAndalo o obriga a
agir de outro modo.
Ha quatro tipos'de palsagem no Ceard: a praia, a planicie regada,
o sertdo e a serra. 0 cartograma anexo dU uma id6la dos cenarios do
romance cearense, estabelecendo uma relacgo entire este e a geografia
e salienrij preponderbncia das concentragces demogrAficas-cen-









- 18 -


tros de maior interesse da parte dos romancistas.
No aproveitamento dos tipos regionais, observa-se que o sertanejo
sobrepuja o praieiro. Este tipo ainda nao possui o seu romance.
A poesia e o conto tem utilizado rfotivos praieiros. Na poesia de
A'lvaro Martins, cada estrofe encerra o verde dos mares do Ceara, a
brancura das areas do Mucuripe; as suas rimas tem o ciciar das f6-
lhas dos coqueiros e se enfunam como a jangadinha branca a perder-
se na risca do mar. (67)
Herman Lima, em Tigipid, canta a praia do Meireles numa como-
vente exaltagao do jangadeiro.
A ausencia de um romance formal do jangadeiro cearense decor-
re, na opinion de Gustavo Barroso, da falta de observago direta, do
contact seguido com o jangadeiro. Em geral, os homes de letras
veem do sertao ou frequentaram o sert5o. Nao conviveram com a gen-
te das praias.
No nosso modo de pensar, essa lacuna prov6m da pr6pria civili-
zagdo pastoril predominante, tendo por eixo econ6mico e por quadro
ecol6gico o sertao.
Jader de Carvalho, respondendo a nossa pergunta, explica:
"Nao pcssuimos o romance de praia justamente por isto: a falta
de expressAo economic do nosso literal. A pesca de jangad~, de bote
e de currais nao p6sa na estruturago da infra-estrutura do nosso Es-
tado". (68)
Nao tardara a ser preenchida a lacuna. A questao social mobill-
zou os cscritores revoluciondrios e estes nao demorarao em explorer a
veio.

c) ROMANCE URBANO E ROMANCE RURAL

O romance cearense mostra o contrast entire a capital incorpo-
rada & civilizagco e o sertao que recua no tempo. Recuo cronol6gico
que se constata pelos modos de expressed do povo, vestuario, processes
de lavoura e ideals politico-socials.
"Duas tendincias se patentearam para logo e bastariam para dis-
tinguir os nossos romancistas, tavlez ainda os de hoje: o ruralismo, a
predominio do ambiente, do quadro s6bre os valores humans, ou pe-
lo menos a sua equivalencia, e o urbanismo, o romance-crbnica, em
que as figures humans se antepbem ao meio natural". (69)
Ate 1880, o Ceard s6 possuia pequenas cidades no interior tipica-
mente rurais. Aracati, Ic6 e Crato tiveram a sua fase &urea e decal-
ram. Nas duas filtimas d6cadas do s6culo XIX, Fortaleza, apesar de
muito provinciana, constituia o centro urban digno de registro.
Entre 1880 e 1890, surgiu, em roda-p6, no Libertador, o primeiro
romance urban cearense A Afilhada de Oliveira Paiva. E na
d6cada seguinte, publicou Adolfo Caminha A Normalista. ELm amboa
os romances, de inspiragdo naturalista, a fabulagao Ij 1 a cr6-




CAQTOGQAMA bOP0
SbO QOMAiMCE FORMAL


C EN3A'QO1/fl
CEACEfN/E.


7I~AO DO IN~IANO -










- 19 -


nica social de Fortaleza cor as rodas de calgada contra as quais se re-
belava, em 1879, um tourist.
De todos os costumes da vida do norte o que revelava menos pu-
reza de gesto e educacgo 6 o das rodas de calgada que s6 se encontra
no Ceard". (70)
O aut6ntico romance cearense, entretanto, vive no campo, onde
os motives sao mais ricos. O campo constitui o ambiente da poesia po-
pular, do folclore. E' o quadro pr6prio para a literature de ficgio.
Cumpre ressaltar que o clima natural do romance 6 a cidade. O
romance 6 de natureza, um.fen6meno citadino, diz Genolino Amado.
"Se a aCgo exterior as vezes se desenrola num piano rural, a agdo in-
terior 6 ainda um reflexo da cidade, porque para o campo as persona-
gens levam os problems intimos, os choques de alma ou de inter6sses,
que s6 podem existir quando existe a grande vida urbana e que resul-
tam da pr6pria complexidade das metr6poles". (71)
E' o que sucede com Jos6 de Alencar, Domingos Olimpio e Arari-
pe Junior, que, na Capital Federal, se voltam para a terra natal, pro-
curando reconstituir o passado e a vida do sertao.
Depois de Oliveira Paiva, e Adolfo Caminha, volta a dominar o
romance rural que s6 cederd lugar ap6s 1930, quando JAder de Carva-
Iho, Fran Martins, Raquel de Queiroz e Martins d'Alvarez estreiam no
romance urban.
Os temas do romance rural; quando nao sejam, agora, explorados
de modo mais artistic, pelo menos o sHo de modo mais cientifico. As
contradig6es entire o campo e a cidade nHo tem mais fundo romantico.
Adquirem significado sociol6gico.
A paisagem foi tAo poetizada no Brasil, criou-se um localismo
tho,falso, mentiu-se tanto s6bre a vida rural, que o romancista moder-
no, essencialmente anti-romnntico, sentiu a necessidade de desmasca-
rar 8sse convencionalismo campestre, mostrando a verdade nos seus
aspects primarios e brutais". (72)
Papi Jinior, certa vez, disse a Cruz Filho que Fortaleza nao ofe-
recia campo para romance (73) "Nao possuimos nenhum romance
pr6priamente s6bre o Rio de Janeiro (nem s6bre qualquer outra cida-
de brasileira), que se possa enquadrar na categoria de romance urba-
no, no sentido rigoroso de suma romanesca da cidade, segundo a clas-
sificago de Thibaudet. O que possuimos, assim mesmo, em nfimero
reduzido, sao romancistas urbanos ou citadinos, que fazem da cidade o
cendrio e o melo em que principalmente se desenrola a trama dos seus
romances, corn personagens, tipos, costumes, modos, paisagens peculia-
res da cidade, afirma Astrogildo Pereira. (74)
Nos nossos dias, a cidade de Fortaleza j& possui os seus dramas
e trag6dias que exigem a presenga do' romancista que nao pode per-
manecer no sertao ouvindo desaflos dos cantadores.
Sob o influxo do reF mo revolucionario, hl uma retomada de
velhos temas no romance 2arense, assim como uma reinterpretag5o
dos mesmos.














d) ROMANCE CEARENSE E ROMANCE RUSSO

Ensaistas como Vicente Licinio Cardoso e Fernando de Azevedo
jA tracaram o paralelo entire o Brasil e a Rfissia. Observaram que, em-
bora geogrifica e climdticamente diversos, sao ambos paises de con-
trastes e de insuficidicias, trabalhados pela confusao de elements
6tnicos e por males sociais (o regime feudal dos latifundios e o analfa-
betismo), assumindo a mesma attitude de fatalismo motejador e de fa-
diga melanc6lica diante de int6rminas paragens desertas (estepes e
sert6es), sob a ago entorpecedora das longas invernias e dos sois ar-
dentes. (75)
Fernando de Azevedo assinala, ainda, a semelhanga do regime do
mir com a colheita em comum, o nosso mutirbo de encantadora solida-
riedade rural. (76)
V. Licinio Cardoso< salienta a igualdade de posic.o do mujique
russo desfibrado pelo inverno rigorosissimo do setentriao e o sertanejo
nordestino tostado pelas inclementes soalheiras. (77)
Ao romancista cearense Adolfo Caminha nao passou despercebi-
da a feicgo nativista da literature russa produto da rigidez das ins-
tituig5es politics e da fatalidade geogrdfica e climitica. (78)
Padaria Espiritual, como movimento nativista, deve ter sofrido
a influencia do nativismo russo. O padeiro Artur Te6filo, ao falar em
nacionalismo na arte, lembra o nome da Rfissia. (79) O padeiro Walde-
miro Cavalcanti tem como nome de guerra um nome russo: Ivan
d'Azov. Tolstoi, em 1893, 6 traduzido e publicado em folhetim em A
Rep2tblica. E 6 na Vila Tolstoi, sita no Alagadigo Velho, que, por volta
de 1895, se reunem os literatos da ppoca.
I
As personagens do romance cearense e do romance russo jamais
arrenegam suas raizes provincianas, nem escondem as cicatrizes re-
g!onais, as cicatrizes de lutas cearensissimas ou russissimas com o cli-
ma a seca ou o inverno e a fome. Ao contrario, ostentam, com
orgulho, os tragos da formacgo rural ou urbana e do passado local.
Nos dois romances, ha as mesmas cenas de misticismo. Xavier de
Carvalho, em correspond&ncia para o Didrio Popular, de SHo Paulo,
diz que certo jornalista visitou Tolstoi e perguntou se conhecia o Bra-
sil. O romancista russo, entire outros, abordou o caso de Canudos.
"...andam a bulha com um certo fanitico (Ant6nio Conselheiro)
que tem muitos pontos de contact com varios santos varies que apa-
recem tamb6m por aqui". (80)
As personagens do romance russo, quando deixam o solo natal e
a 8le regressam, beijam a mae terra, num comovente gesto de amor fi-
lial. As personagens do romance cearense, quando emigram com a
seca e retornam com o Inverno, algumas transformadas em paroaras,
nao podem center as lagrimas e cobrem de beijos a area da praia de


- 20 -










- 21 -


Iracema.
No romance russo, o process de evasao opera-se por meio do
vodka; no romance cearense por meio da cachaga.
Como se parece a terra russa corn a terra cearense! Sao as mes-
mas mutag~es bruscas do tempo. E o folklore atesta idWntica ignorAn-
cia do engenheiro e do astr6nomo diante das f6rcas da natureza e dos
elements, e bate o instantaneo do riso zombeteiro do matuto e do mu-
jique.
Melchior de Vogue conta que um' engenheiro russo construlu um
dique s6bre o rio e que este transportou o seu leito a um quil6metro
mais long e ficou a fazer troga do pobre home. (81)
Uma personagem de Luzia-Homem, de Domingos Olimpio, afir-
ma: "Estamos numa terra onde os burros sabem mais que astr6no-
mos". E' a conclusAo de interessante epis6dio em que o empirismo da
sabedoria sertaneja da quinau na ciencia citadina incapaz de desven-
dar os segredos da incerta meteorologia cearense.
A personagem russa 6 produto da sopa national, e a personagem
cearense, da care sica corn farinha. Ambas, prolongamentos vivos
da floresta e do sertao, surdas aos grandes rumors do pensamento;
mas, se agitardes essas almas adormecidas pela mis6ria em que vivem,
surgirdo delas her6is como os desbravadores da Amazsnia ou os povoa-
dores da Siberia.

TENDENCIES E INFLUENCIAS

O primeiro romance formal cearense, da autoria de Franklin
Tavora, ndo express o nivel cultural do CearA em 1862. Os I'ndios do
Jaguaribe foi publicado em Recife.
A primeira manifestagdo a de Oliveira Sobrinho 6 de ins-
piracdo romantica e patri6tica. A terra e o home cearenses nao apa-
recem em sua floragdo regional.
O romance de Tavora, entretanto, constitui admiravel prognOs-
tico. Com pequenas excepg6es, o romance cearense caracteriza-se
pelo notavel senso da realidade na descrigAo da vida sertaneja, pela
restrigo do element sentimentalmente idealizador.
Araripe Jiinior, sofrendo o influxo de Tavora e Alencar, realize a
primeira tentative tipicamente regionalista, assinalando a influincia
do meio sobre o home.
Constitui A Casinha de Sapd o primeiro romance a brotar de so-
lo literario cearense em que a ciencia interfere na esquematizavgo.
Alencar e Tavora fizeram a apologia da raga ancestral o indi-
gena. Araripe Jiinior, obedecendo um pouco aos cAnones naturalis-
tas, dA-nos o primeiro tentamen ciWntifico da novelistica cearense.
Focaliza o novo tipo dtnico resultante do cruzamento o curiboca.
Jose de Alencar, escritor national, quer ter a gl6ria de escritor re-










- 22 -


gional. A tendencia sertanista ja havia sido iniciada cor Franklin
Tivora. O sertanejo alencarino sofre do mal indianista: o irrealismo.
0 espirito do tempo, condicionado pelo desenvolvimento econ8mi-
co e cultural do Ceard, val plasmando novas tend6ncias, e o romance
cearense surge sob novo aspecto-o social. Os rudimentos de uma socie-
dade urbana em Fortaleza produzem a tentative naturalist de To-
mis Pompeu. O romantismo m6rbido e histerico vai perdendo terre-
no. O escandalo social ja 6 utilizado como material, o que revels o
emprego do mdtodo de observacgo e de processes analiticos pr6prios.
A tendencia social de inspiracgo naturalista efetiva-se cor 011-
veira Paiva e Adolfo Caminha. O romance cearense assume, ent.o, a
importAncia de um document human tomado ao vivo.
O sexualismo, repudiado como indigno pelo romantismo, ingres-
sa no romance cearense. Naq o justifica, apenas, a escola naturalis-
ta. Numa provincia pastoral, onde se move as personagens, s6 pode
ser o aspect sexual um dos mais pujantes. O assexualismo, como
contradigdo ao imperative do meio, encontra explicagRo nacensura,
no super-ego social.
O romance naturalista de Caminha sofre a influencia de Aluizlo
Azevedo o grbo-mestre do naturalismo no Brasil.
Da primeira tentative rombntica de Oliveira Sobrinho a reali-
zag5o de Caminha, cecorrem, apenas, vinte e tris anos, quase uma ge-
rago. E' natural que haja transformagdo.
E' verdade que a provinciana Fortaleza ainda nHo comporta
muita coisa A luz do dia.
Cidadezinha de fuxicos, de insidlosa. observacao por trAs de pos-
tigos e de absolute preocupagao com a vida alheia, um romance do ti-
po de A Normalista enche a media, estoura como uma dinamite. A-
dolfo Caminha tem a coragem de realizar o que TomAs Pompeu inicia-
ra e nao prosseguira: o romance do escndalo social.
Por ser pequeno o meio, havia a crenga de que o romancista nao
podia criar personagens e que estas, forgosamente, correspondiam a
criaturas de came e osso. Crenga que mais se justificava corn a con-
sagragAo do process naturalist do romance de Caminha, cujo caso
ruidoso era recent. Dai por diante, todo romance cearense oferecer6
um quebra-cabega: a identificagRo das personagens.
Com Rodolfo Te6filo 6 que surge o romance da sica, de tendencia
social e moralizante. E' o romance cearense em que, pela primeira
vez, se combat a exploracao do povo reduzido b maior pobreza pela
calamidade.
Rodolfo Te6filo da uma nova orientagao ao romance cearense.
Consider a arte pela arte uma gafeira que deve ser eliminada de um
s6culo faminto de ensinamento social. Pela primeira vez o romance
se transmuda em instrument de libertagdo de um povo.










- 23 -


Essa tendencia aproxima o romance cearense do romance russo.
Em ambos, a simpatia pelos miseraveis sobrepuja o amor ao belo.
0 romancista russo comunica ao naturalismo uma beleza supe-
rior, de inspiracgo moral: a compaixdo, filtrada de todo o element
impuro e sublimada pelo espirito evang6lico. (82)
O romancista cearense nao se prop5e a um fim puramente lite-
rarlo. No romance de sica, a sua obra 6 comandada por duplo objeti-
vo: o da verdade e o da justice.
Na trltima decada do s6culo XIX, o romance cearense propende
para o estudo psicol6gico. O cangaceiro desperta o interesse do ro-
mancista empolgado pelos ensinamentos antropol6gicos e psicopatol6-
gicos da 6poca.
O desenvolvimento das f6rgas de producgo, a industrializagEo in-
cipiente, a elevagdo do nivel cultural da classes m6dia e a constituicho
de quadros proletarios, concorrem para o surto do romance realista e
revolucionario.
A trag6dia cearense e a dura realidade das classes socials sdo in-
terpretadas por escritores intencionais e extremists.
0 romance social cearense perde o cunho descritivo estritamente
evang6lico, para ganhar colorido ideol6gico. Nao interessa mais ao ro-
mancista situar a personagem cor sua psicologia no meio social
que descreve. O romancista revolucionario faz as personagens expri-
mirem pontos de vista morals s6bre a sociedade, defendendo doutrinas
reformadoras. (83)
Os contrastes, numa area de fome, agugam mais a psicologia do
home que acorda mais cedo para a realidade da vida. O romance
dessa area nio pode deixar de assumir um tom sectirio, de solidarie-
dade cor os famintos.
O romance cearense, depois de 1930, infenso que ja era A intros-
pecgAo e sondagem do mundo interior, consagra, definitivamente, a ob-
servagdo objetiva da realidade social.
Acentua-se a necessidade de possuir o romancista uma concep-
cgo do mundo e da humanidade subordinada a um crlt6rio de classes
capaz de fornecer-lhe um ideal de libertacgo e progress.
O romance populist cearense entende que o dever da literature
consiste em ajudar o home a desenvolver, dentro de si mesmo, o de-
sejo da verdade, e que o sentido da vida reside na beleza e na forga da
aspiragdo a um fim superior.
O romancista confunde-se com o povo para sentir os seus dra-
mas intimos e assistir As suas lutas em pr61 de direitos postergados e
de liberdades ameagadas.
Concretiza-se, no romance cearense, de certo modo, o desejo de
Araripe Jfnior que, em 1883, lamentava nao houvesse um romancista
que se preocupasse ou que tlvesse o espirito preparado para impressio-
nar-se cor o que se passava nas altas regiles do poder. (84)









- 24 -


O romance politico-social de Jader de Carvalho, ressentindo-se
de temperamentais deformag6es, focaliza a com6dia political.
Essa nova tendencia do romance cearense sofre a influencia ine-
vitdvel do romance russo revoluciondrio. Peculiariza-se, por isso, pela
multiplicidade de fung6es: tribune, escola, pridica.
A essencia sutil de uma cultural local cede lugar, no romance in-
tencional, ao ideal de manumissbo da classes dominada. O sopro uni-
versalista, ou melhor, internacionalista, anima as personagens que se
desvencilham das amarras regionais vendo irmaos nos que, em todo o
mundo, lutam pelo triunfo do proletariado.
Triunfa o realismo em toda' plenitude. O sentido de filosofia so-
cial domina e alafa o sentido puramente est6tico. Se o romance cea-
rense ji era incompativel com a sttira e o humor, mais anti-macha-
diano se torna. 1
O sentiment de trag6dia de uma regiio de seca e de fome nao
pode harmonizar-se cor o picaresco, o fescenino. O romance, espon-
taneamente, assemelha-se ao libelo.
As inquietag6es socials depois de 1930 geraram uma nova tenden-
cia no romance cearense, a tend&ncia astrol6gica. O romancista, ton-
to, sem atinar cor as causes das crises econ6micas e morais, dirigido
pelos acontecimentos, apela para a sorte, para os hor6scopos, para os
signos, para a astrologia.
A tend&ncia romantic morbosa nao vingou na novelistica cea-
rense. As tentativas de Jos6 Gil Amora e Joaquim Carneiro nao fo-
ram al6m.
Da tendnrcia romantica e meio-naturalista da exaltacgo dos ele-
mentos antropo-genhticos a tend6ncia populista de comunhio revo-
luciondria cor o proletariado, o romance cearense pode ser analizado
como:
a) Indlanista;
b) De seca;
c) Psicol6gico;
d) Hist6Fico;
Se) De Costumes;
f) Sertanista;
g) Filos6fico;
h) Da Classe Mddia;
i) Astrol6gico;
j) ProletArio.
Esses tipos de romance, embora brotando de um mesmo solo lite-
rario, tem caracteristicas pr6prlas. Assemelham-se aqueles cristals
de neve descritos por Bentley.
Pertenciam todos ao sistema hexagonal; mas eram diferentes.
Do romance 6pico-patri6tico de Franklin Tavora ao romance e-
pico-social de Jader de Carvalho, hi o grande amor A terra natal que














- 25 -


cresce na razdo direta da distnncia, provocando aquela indecisao sen-
timental entire o Botafogo e o sertdo, e aquela volipia de criar origina-
ria da nostalgia.
AfitBnio Sales, entire o asfalto carioca e Parazinho, prefer, como
Mr. Chips, apanhar os resfriados na pr6pria casa, no torrao natal. E
Raquel de Queiroz, entire a Ilha do Governador subfirbio carioca -
e a fazenda paterna de Muxiop6, finda por ever a paisagem native.
Seria simples nostalgia da vida intra-uterina a saudade da terra
natal? Ou estaria ela ligada A situacgo material de classes do nostAl-
gico?
O espirito local permanecera triunfante no romance cearense?
Quando o home cearense sera focalizado como cidaddo do mundo, de
cultural universal, reivindicando para o ambiente esplritual tudo o que
e do home? (85)
O romance social cearense, por mais intcncional que seja, ja se
libertou do estreito espirito local para se confundir cor os anscios u-
niversais de um mundo melhor.
Acreditamos que o romance politico-social tera superior porvir
s6bre o romance simplesmente regionalista e paisagistico, se levarmos
em conta que nossa existencia pessoal e national, no conjunto civic,
estA sempre tradicionalmente vinculada A hist6ria political. (86)
No romance tipicamente regional parece haver um despovoa-
mento de assuntos. HA, entretanto, uma retomada de temas A luz de
criterio cientifico no romance de JAder de Carvalho.
O romance cearense esta a exigir uma nova ampliatdo de temas.
Como afirma Claude Morgan, para uma humanidade em plena trans-
formaqpo, que se modifica de ano em ano, impulsionada pelo desen-
volvimento fantAstico do maquinismo e das inveng6es espetaculares,
os antigos temas literArios parecem simplesmente irris6rios. Pols s
impossivel exprimir a complexidade infinita dos seres.vivos, limitan-
do-se ao conhecimento de uma finica parte dos homes sempre a mes-
ma. (87)
O romancista cearense nao pode ser hoje um home de gabine-
te, esperando que o mundo venha a 8le. Como assevera ainda Claude
Morgan, deve realizar o esforgo para ir ao encontro do mundo, como o
fizeram Balzac e Zola. O escritor deve explorer, p6r-se em contact,
de qualquer forma, corn esta massa de homes que produzem em con-
dig6es sempre novas e em evoluqgo as riquezas da terra, analizar suas
condig6es de vida sentimental, social, intelectual, definir sua menta-
lidade, descrever seu esforco. E com isto nao queremos dizer que deva
perder da vista a nocgo do individual. Muito ao contrario. Mas,. que
saiba romper o quadro estreito e caduco do debate -inicamente psico-
16gico, torado de maneira isolado do conjunto do mundo. (88)
Como vimos, o romance cearense de "aned6tico a principio, de-
senrolando-se em torno de um caso, de um acontecimento, foi ganhan-










- 26 ,


do aos poucos densidade, alargando ou aprofundando os seus objetivos,
deixando de ser epis6dico para tornar-se uma interpretago de vida,
um ponto de vista s6bre os problems essenciais do homem. (89)
A tecnica do romance cearense tamb6m se transformou. No prin-
cipio deste s6culo a romancista Ana Fac6 afirma que tecer um roman-
ce 6 former uma espiral de fatos cujo polo deve ser a coesao, 6 ir adian-
te e voltar atras, alternadamente. (90)
Essa tcenica adequa-se com a provinciana Fortaleza do comego do
saculo atual quando o romance sucede no tempo. 0 ritmo da vida ur-
bana de hoje s6 pode ser expresso pela simultaneidade e nao pela su-
cessdo. Obedece mais a superficies e volumes do que a hordrios.
Cor o romantismo, tivemos romance narrative. Cor o natura-
llsmo, psicologia narrative, drama em forma narrative, estilo narrati-
vo. 86 a tdenica do modernismo, como salienta Oswald de Andrade,
farla mover a tecnica narrative, dando-lhe o nervoso dos desenhos a-
nimados, as ondas liricas da inconsciencia e as alturas da invencFo
intellectual '(91)
No romance cearense, hA uma side de gl6ria, uma Ansia de con-
sagrag o. E' o complex de inferioridade do romancista provinciano
em atividade, forgando-o a buscar uma situacgo de suficincia, em
que a fama supera a obscuridade.
A idia fixa de consideraVgo literaria e de predominio artistic
nao o abandon.
Em T6nio Borja, de Cordeiro de Andrade, ha a revolta da plani-
cie por nao se poder mudar em montanha. Anseio orogrAfico de gl6-
ria.
Como compensaco ao quase anonimato, ha a revolta invarjivel
contra os tabfis, os bonzos do Rio.
"O Rio de Janeiro e uma especie de mostrador que tern a proprie-
dade de enganar; e a terra do calote literfrio que arma cavaleiros su-
jeitos que noutra part nunca sairiam da obscuridade". (92)
Mas, Medeiros e Albuquerque perguntava: O Ceard 6 um lu-
gar que se viva? E respondia: No Brasil, em matdria de literature,
s6 se pode viver plenamente na Capital Federal, em cujos subfirbios
comeca o sertdo.
No selo dos romancistas provincianos, e indlsfargdvel a ambiva,
lncia de sentiments em relagio a Jos6 de Alencar, que atingiu os ga-
larins da gldria, grangeando renome naclonal, tendo sido o seu nome
escolhido para patrono de uma cadeira na Academia Brasileira de Le-
tras, para a qual s6 entrou at8 hoje um finico romancista cearense:
Gustavo Barroso, para nao falarmos em Araripe Jfnior um de seus
fundadores.
Domingos Olimplo chegou a candidatar-se. Ensaiaram o langa-
mento da candidatura de Ant6nio Sales. Nenhum deles, por6m, atra-
vessa o p6rtico da Casa de Machado de Assis para refestelar-se numa










- 27 -


de suas poltronas, como mortal.
"Depois quis Alencar simbolizar a sua terra natal em um tipo
imortal..."
Luizinha, Maria Rita e Luzia-Homem sdo personagens epinimas
que procuram superar Iracema a padroeira efetiva da terra cearen-
se.
Nessa ticita rivalidade, toma parte o infatigivel JoHo Miguel da
Fonseca Lobo que, em A Camponesa, nHo pode recalcar o sentiment de
antipatia a Alencar a quem acusa de ter vivido na corte e nada ter
feito pelo Ceard. Apontando-o, diz: "E' o sr. Jose de Alencar que faz
romances..."
Em todos, h. o manifesto desejo de exalgar a mulher cearense,
que Jose Juliano de Sousa, em o Maranguapense, de 21-3-1875, louva-
va nestes versos:

Pordm de t6das deste imp6rio vasto
Mals brilha, encanta a cearense bela!
O mogo, o velho e o gentil menino
Por isto exultam... de viver por ela!

a) ROMANCE INDIANISTA

Romance de inspiragio rom&ntica, surge ele, no Brasil, da neces-
sidade que tern a aristocracia native de escamotear suas origens ple-
beias na luta contra o lusitanismo.
Esse choque de lideranga pela posse e dominio da terra provoca
um exacerbamento nacionalista. A consagracgo do indigena result
diretamente do empenho de apurar o sentiment de nacionalidade na
linha das acentuacges-hist6ricas. (93)
Torna-se motivo de orgulho ter entire os ancestrais algum ame-
rindio idealizado como herol de algumas das guerras colonials contra
os franceses ou contra os holandeses. (94)
Os fundadores do indianismo eram bastante ligados a political
do Imp6rio. Nao tinham coragem suficiente para aproveitar o passado
brasileiro em suas agitadas lutas contra Portugal, para expressar as
aspirag6es do povo. Foram ao indio numa fuga romantica sem ferir
os melindres imperials. (95)
O romance cearense ter a sua tendencia indianista cor Jos6 de
Alencar e Franklin Tavora.
Gil Amora, em seu caderno de anotag5es feitas em 1878, em Re-
cife, onde cursava a Faculdade de Direito, trapa um piano do roman-
ce em que fala numa virgem das florestas, na nagdo de indios pitigua-
ras.
Parece haver em Gil Amora aquela ambivalencia de sentimen-
tos em relacLo a Alencar, pois, em seu plano, afirma que o romance de-










28 -

ve iniciar cor a descrigco poetica de Messejana.
Joho Miguel da Fonseca Lobo 6 um romancista indianista frus-
tro. Seus romances indianistas nao foram publicados. Ha, neles, o
sopro romantico, a exaltagio do aborigene cearense em luta com fran-
ceses, holanideses e portugueses. Em O Ceard, a personagem Camare-
ma 6 feita nos moldes de Iracema.
No romance indianista cearense, lobriga-se conscincia patri6ti-
ca, apego ao passado e exaltacgo da paisagem native. Assumindo o
carter de poema simb6lico, permit todos os caprichos da imagina-
gCo. A personagem indigena parece-se corn portugues pintado a
urucfi. (96)
Alem da deformagao indianista resultar da contradigqo roman-
tica entire o ideal e o real, o indigena cearense estava distant. Entire
6le e o romancista, havia espago bastante para largas transfigura6es.
Mantinha-se a camada indigena estranha ao process de formagco da
mentalidade cearense.
No romance indianista de Alencar, ha o contrast entire a palsa-
gem e o homem. A terra e o indigena cearenses sdo exaltados, refu-
gindo a t6da perspective.
A decoracao desmedida dos cenrrios e o colorido desregrado das
personagens qiue mais parecem figures cerebrinas, sao corroboradas
por Saint-Hilaire. /
"V&-se que isses selyagens (Botocudos de Jequitinhonha) assim
como os Macunis, nada tem em sua poesia dessa elevag5o que se de-
leitaram em atribuir aos indigenas americanos. Os indios dos livros
sao series convencionais como certas personagens de nossas.com6dias.
Nao vi nos veidadeiros indios sendo desgragados, vivendo no present,
finlcamente ocupados de suas necessidades materials, muito inferiores
a n6s e dignos, por isso mesmo, de toda a compaixdo. (97)
O romance indianista nio 6 o que traduz a realidade da terra e
do home cearenses, embora seja uma de suas personagens a padroei-
ra literAria do CearA.
Contra o artificialismo indianista, na decada seguinte a da pu.-
blicago de Iracema, Rocha Lima manifesta-se: "Sera verdadeiro tipo
da raga o indlo estoico, inteligente, discursador, poeta, especie de Ro-
cambole das selvas, que nunca encontra obsticulo que nao venga, e
cuja inteligencia nunca esta em falta?" (98)
A despeito de tudo, o romance indianista cearense estA prenhe do
sentiment da terra, cenario dos esponsais das duas racas que entram
na 'etnogdnese.

b) ROMANCE DE SECA

O romance cearense de sbca 6 o registro das calamidades climi-
cas, dos epis6bios da luta humana pela existencia, das soalheiras in-










- 29 -


clementes obrigando os filhos da terra a deixarem-na e partirem em
busca de climas mais amenos e propicios, fugindo de plaga em plaga,
como aves de arribacao, que v6am livremente para onde as atraem as
louganias da primavera. (99)
O romance de seca 6 um romance de uma regiao pastoril, de ser-
t6es de. reia rangendo debaixo dos p6s, das paisagens duras doendo
nos olhos, dos mandacarfis, dos bois e cavalos angulosos, de figures de
homens se alongando quase em figure de El Greco. Romance de terra
dura e area s6ca, que n2o se deixa marcar pelos p6s da gente, que re-
pele a bota do europeu e o p6 do africano, a pata do boi e o casco do
cavalo, a raiz da mangueira da India e o broto da cana, cor o mesmo
enjoo de quem repelisse uma afronta ou uma intrus5o, assevera Gilber-
to Freyre. (100)
O romance da s6ca 6 o romance da diaspora cearense, da disper-
sao, da emigragco para mais ferteis parancas. Da debandada da fa-
milia cearense, do abandon da casa de infAncia. Romance cujas per-
sonagens crescem ouvindo o relate das emigrag6es de seus antepassa-
dos.
0 romance de s6ca 6 a etopeia de cenas revoltantes, da sensuali-
dade brutal dos jumentos, dos que compram a honra por cuias de fa-
rinha. Romance-libelo contra a exploragao dos atravessadores e for-
necedores que enriquecem por meio da muamba que ndo acaba, por-
que e filha da seca.
As personagens do romance de s6ca t6m macilenta a fisionomia,
em que se percebe a profunda discrasia do sangue, o esgotamento das
reserves nutritivas acumuladas e a autofagia dos gl6bulos verme-
lhos. Personagens que, mesmo antes do fen6meno extra-teltirico que
desarranja as condig6es meteoroldgicas do litoral ao alto sertdo
ja vivem em condig6es alimentares bem abaixo das normas estabeleci-
das nos esquemas cientificos.
O romance de seca 6 o romance do Ceara trdgico. Focalizando o
estado de degradacio a que pode chegar um povo acossado pela fome,
adverte, ao mesmo tempo, que nao se deve rebaixar o carter de um
povo julgando-o nos dias negros de sua desgraga. (101)
A fome 6 um reagente tao sensivel para todos os fatores da cons-
tituigAo psiquica, que pode ser empregada como m6todo de valor, so-
bretudo nas investigag6es da psicologia individual. (102)
Sob 6sse Angulo, o romance de seca oferece preciosos elements
a uma interpretagao cientifica das influ6ncias psicol6gicas do fen6-
meno coletivo s6bre a conduta moral de um povo. Pode-se arrancar
dele os elements interpretativos de uma psicandlise dos flagelados da
s6ca. (103)
A inanigAo determine uma mudanca fundamental em todos os
processes fisiol6gicos acompanhada paralelamente de uma mudanca
na experiencia psiquica subjetiva. Provoca alterag6es no dominio da









30 -

sensagao, da percepgco e da atenvgo. O alimento, corn suas imagens,
impera no campo da consciencia. A inanigco muda totalmente a con-
duta humana, observe Sorokin. E acrescenta: Ag6es praticadas sob
o influxo de estimulos da falta de alimentacgo nao podem ser avalia-
das como as que sao praticadas em estado normal. O home inde-
pendente corn Esafi 6 capaz de vender seu direito de primogenitura,
sua dignidade'e'sua liberdade por um prato de lentilhas. (104)
A seca amplia a experiencia e esmera a emotividade do cearense.
Forca-o a conhecer os outros aspects da natureza. Varia-lhe as sen-
sag6es. Enriquece-lhe a mente de imagens. Desenvolve-lhe o racioci-
nlo.
O romance de seca entumece de crengas milendrias, de convic-
C6es escatol6gicas e de profecias a Frei Vidal.
Como arma de combat contra a emigracgo, nao produz o ro-
mance de seca o desejado efeito. (105) O generoso intuito de mos-
trar quanto 6 penosamente ganho o dinheiro corn que voltam do norte
os cearenses quando voltam nao encontram a ansiada ressonAncia.
O instinto de conservagco e mais forte do que o apego ao solo nati-
vo. (106)
E' raro o romance cearense que nao pode ser incluido entire os
romances de seca.
A incidencia s6bre tal tema prov6m da fidelidade do romancista
A hist6ria local e da ausincia de solugdo do problema. O romance as-
sume a feiAo de veemente protest contraa mis6ria.
A seca desempenha um grande papel na literature cearense.
Constitui perene motivo.
A exaltacgo da chuva e do vento, na literature cearense, 6 pr6-
pria dos povos sujeitos As intempdries climaticas. L6vy-Bruhl diz-nos
que a chuva, os relAmpagos e os troves sao simbolos importantes nas
cerim6nias religiosas dos zufii, dos australianos, e em geral de tBdas as
sociedades em que a seca prolongada constitui ameaga para a pr6pria
existn'cia do grupo: (107) Philip K. Hitti afirma que o vento ocidental
ter sido um tema favorite entire os poetas da Arabia. (107 A)
A hospitalidade cearense -tema predileto do romance pare-
ce ser principio entire os habitantes de regi6es dridas e semi-&ridas. "A
intense compqtigdo por agua e past, a que se prendem as principals
causes do conflito divide a populagao do desert em tribes guerreiras,
mas a compreensao de sua impotencia diante da natureza teimosa e
maligna desenvolve o sentiment por um ever sagrado: o da hospita-
lidade". (107 B)
"Nao sei de livro cearense, diz Jos6 Luis de Castro, em que as s&-
cas nao venham narradas cor o seu cortejo de mis6rias e lgri-
mas". (108)
"Antigamente, a primeira cousa, que o rapaz chegado do norte
fazia, era escever sobre a seca. Dai a quantidade enorme de contos










- 31 -


e livros baseados nesse tema. Chegavam, eram apresentados a secre-
tArios de jornais e revistas, e, bumba, la vinha hist6ria s6bre a seca.
Atd n6s mesmos, sem nunca terms estado la, rabiscamos linhas com
a imaginacgo no flagelo nordestino. O resultado foi banalizar &sse
estupendo motivo, embora nao se possa negar que 8le nos tenha dado
bons livros". (109)
O romance de seca surgiu cor Rodolfo Te6filo e nao com Jose
Americo de Almeida, como afirma o sr. Mario Graciotti.
Qual sera o future do romance de seca?
A reprodugdo das mesmas cenas de retirantes, de emigracgo e de
nostalgia do torrao natal, levaria aquela mastigag~o nietzscheana da
palha seca a moda de ruminantes.
Para fugir A monotonia e exigir de modo mals urgente a solug~o
do problema, nao cederd o romance A monografia cientifica? Nao dei-
tara o romancista a sua carga ao mar e nao a recolhera o cientista?
Cor Cordeiro de Andrade o romance de seca "nHo se preocupou
em descrever isoladamente panoramas esturricados, Arvores esquel6-
ticas, urubfs e outras cousas que ate assustam a genee. "O aspec-
to social interessou-o mais que as descrigces dos campos vazios e dos
bois de ossos espetados". (110)
Acreditamos que essa tendencia social s3ja a predominante no
romance de seca que s6 desaparecera cor a solugdo do problema.

c) ROMANCE PSICOLO'GICO
A introspeccao aumenta a experiencia psiquica internal. Embo-
ra haja quem defend a paralizagdo da psicologia introspectiva e o a-
bandono de seus m6todos, ha quem entenda que o aperfeicoamento da
t6cnica da introspecpHo 6 necessArio para o conhecimento dos proces-
sos conscientes da emoEo e do raciocinio.
Watson consider esteril a introspecgco que s6 conduz a uma s6-
rie de quest6es especulativas e infiteis que nao podem submeter-se a
uma confirmagdo experimental. (111)
O romance cearense caracteriza-se pela ausencia quase absolute
de ifitrospeccionismo. O romancista cearense, sendo um tipo extrover-
tido, corn os olhos fitos no mundo exterior, preso as realidades concre-
tas, e sofrendo as imposig6es mesol6gicas, de uma terra batida pelo
sol inclemente, nao tende para a auto-concentragao, para o intense
cerebralismo.
O romance cearense contrast com o romance mineiro, em que
predomina a introversAo. Para o romancista mineiro, nao ha maior
aventura do que a descida na alma humana, verdadeira aventura em
profundidade.
Realista por excelencia, repele o romance cearense em geral a ex-
clusiva exploragdo das paix6es, a absolute laparatomia dos sentimen-
tos.










32 -

No romance psicol6gico, o inter6sse transfere-se da trama As fi-
guras, dos atos as pessoas. Opera-se a substituigAo filos6fica da subs-
tAncia pela funcgo. (112) O sentido do realismo mais elevado nao re-
side totalmente na excitagAo das representag6es da realidade. (113) A
ac5o nao vale nem impression pela sua forma exterior, pelo seu mo-
vimento, a sua pura tensdo dramdtica, o seu magnetismo sentimental:
mas como uma attitude mais sensivel e palpavel da id6ia, afirma Olivio
Montenegro. (114).
No fim do s6culo XIX, Farias Brito jA estabelecia, no romance
cearense, levando em conta o element preponderante, a diferenga dos
dois m6todos, d6s dois processes: o objetivo utilizado pelo romance na-
turalista consistindo na observagdo dos fatos, na descrigAo da nature-
za e do home em geral, e o subjetivo utilizado pelo romance psiqui-
co, consistindo na pintura de certos e determinados tipos, na descri-
gco das id6ias e dos caracteres. (115)
Romance dificil 6 o romance psicol6gico, m6rmente cultivado por
espirito refractario As interiorizag5es. Eis por que quase todos os nos-
sos romances psicol6gicos estdo reduzidos a fotografias de costumes.
Emilia de Freitas, Rodolfo Te6filo, Targino Filho e Antonio Sales
tentaram o romance psicol6gico. Em Emilia, ha a influencia do espi-
ritismo; em Teofilo, a da hereditariedade na g6nese do cangago; em
Ant6nio Sales, ressumbra o influxo de Bourget e Proust. Uma das
personagens fala da psicologia penetrante de Bourget. Os estados
dalma das personagens sdo completados pelo didlogo.
Raquel de Queiroz e Cordeiro de Andrade sao os finicos roman-
cistas cearenses que produzem romances psicol6gicos introspectivos.
Jodo Miguel 6 diografia do criminoso occasional. T6nio Borja 6 a psico-
logia da derrota. Em ambos, ha o clima dostoievskiano.
O romance psicol6gico requer do romancista que: a) tenha pas-
sado pela mesma situagco das personagens que cria; b) saiba repre-
sentar o papel do sexo oposto ao seu; c) tenha ouvido das pr6prias
personagens as narrativas emocionantes que as assoberbam. (116)
Do contrdrio, o romance psicol6gico ficard reduzido a fotografia de
costumes, A confissAo, A auto-an&lise.
Ha quem consider sem valor o romance do mundo interior; (117),
o romance mera expressed da emogdo, o romance de quarta dimensdo.
A arte fotogrdfica traz uma attitude realistic do individuo e da
mentalidade social e talvez seja o fator preponderante na eliminagao
da idade romantic. Romance deixa de ser uma linda palavra para o
que nao e verdade, pots a disseminaigo da mentira esti hoje se tornan-
do cada vez mais dificil dados os meios de informaqgo de que disp6e
o home modern, observa Roger Burlingame. (118)
O triunfo do realismo, pregando a percepedo das formas artis-
ticas corn a interceptagAo da fantasia, nao implica na condenaqgo do
romance psicol6gico desde que este continue a ser o veiculo da verdade.










- 33 -


O romance psicol6gico presta inestimdvel ajuda A psiquiatria na
compreensdo dos casos de desintegragdo de personalidade. (119) Ofe-
rece revelagies de personalidades que nao se encontram tdo francas
nos contacts da vida real. (120) E' atrav6s dos estudos das perso-
nalidades do romance que o soci6logo pode completar o estudo das re-
lag6es inter-pessoais e das relag6es de certos tipos de personalidade
cor o meio, diz Gilberto Freyre. (121)

d) ROMANCE HISTO'RICO

O romance hist6rico cearense caracteriza-se pelo nativismo, pelo
manifesto intuito do mestigo native de ferir o branco rein61.
As personagens de Rodolfo Te6filo e Araripe Jinior mant8m viva
a chama do 6dio ao portugues. Nao toleram o aventureiro que anda
& procura de drvore da pataqueira.
Em ambos os romancistas, ha a exaltacgo do mestigo cearense.
Maria Rita e Fagundes sao mestigos. Maria Rita 6 descendente de
portugues e tupi. Por que nao de tapuia? Nao haveria nisso o pre-
conceito de raga?
A tia InAcia, de Rodolfo Te6filo, lembra o av6 do capitao Galdi-
no de que fala Ant6nio Sales. O capitao Galdino, noutros tempos,
saia a rua no dia 7 de Setembro, religiosamente, todos os anos, armado
de vara, para surrar quanto marinheiro encontrasse.
Como romance hist6rico, em sua pretensdo de estudar epis6-
dios do Ceara Colonial, Maria Rita ressente-se de falhas e erros. Um
critic da 6poca salienta que o primeiro capitulo comega dando como
s6de do governo do Capitao de mar e guerra Rubim a Fortaleza, j6
cidade, quando Rubim foi deposto em Novembro de 1821 e a Carta Im-
perial elevando a vila de Fortaleza a categoria de cidade 6 de Marco
de 1823. (122)
Em Araripe Jinior, o romance estd ligado & reagZo contra a influ-
6ncia francesa 'e lusitana na literature brasileira, a nacionalizagdo
desta. Ja em 1869, na Carta s6bre a literature brasileira diz 81e: "In-
felizmente, por6m, a mocidade de agora parece hesitar .... Abandona
tudo quanto 6 nosso, pr6priamente nosso, parece at6 ignorar a exis-
t6ncia das suas ricas fontes, e nem mesmo liga valor a hist6ria brasi-
lica na part em que ela 6 uma verdadeira epop6ia. Que atengdo lhe
pode merecer a luta do colono, cor a exc6ntrica indole do indigena,
da civilizagao cor a selvageria, se o seu espirito desapegado das coi-
sas patrias s6 se nutre do que 6 europeu e s6 europeu. (123).
A substAncia de O Cajueiro de Fagundes foi tirada da monogra-
fia s6bre FBo e Torres conform carta do autor ao Bardo de Studart.
(124). *
No romance hist6rico de Araripe Junior surge o Ceard Moleque
que 6le define como a "encarnagAo de t6das as qualidades elementa-










34 -

res resultantes da mestigagem, nao s6 fisica, mas tamb6m moral, da
plebe cearense. Alegres, audaciosos, despreocupados, mofando de tu-
do, pertinazes, os cearenses dessa origem, com os seus habitos serta-
nejos, quando perseguidos pelas intemp6ries, pelo tufdo da desventura,
hibernam, mas nio sucumbem. 2 bem possivel que na confecgdo des-
sa resist6ncia de faquires, tenham mudado muito as crises climtticas
das s6cas. Todo home nascido naquelas regi6es 6, em regra, de tem-
peramento peri6dico: ora abundancia, ora penfiria. Contudo, o f6lego
6 sempre alerta". (125)
0 Cear'd Moleque 6 representado pelo aracatiense Fagundes -
"uma nova esp6cie de Greg6rio de Matos o B6ca do Inferino", (126)
que, no fim do s6culo XVIII, sob a fronde de um cajueiro, metia o be-
delho na vida alheia.
Por que Fagundes 6 aracatiense?
No nosso modo de pensar, a resposta prende-se ao florescimento
do Aracati nos uiltimos quart6is do s6culo XVIII, quando essa cidade
constituia o malor escoadouro dos produtos do Cear& colonial. O ara-
catiense passava, entdo, por tipo viajado e sabido.
Rodolfo Te6filo, em Maria Rita, 6 de uma fidelidade hist6rica e
clentifica hilariante. A descrigSo desta cena do defumador 6 impa-
gavel.
"Os gases retidos nos intestines se deslocaram, se revolucionaram
e fizeram caminho pelas cavidades, que encontraram vazias. Em bre-
ve alcaneavam as aberturas do tudo digestive e sairam numa estrepi-
tosa ventosidade por cima e por baixo. Quando a onda gasosa, que des-
cia, caiu como uma lufada de fole no brazio, ardeu como uma chama
azulada, como um fogo fdtuo, mas tio quente que chamuscou os pelos
de Vic6ncia. A doente assombrada pulou fora do caco, enquanto o ar
tressandava a chifre queimado. (127)

e) ROMANCE DE COSTUMES

"Os chamados romances de costumes s5o os de determinada 6-
poca, cor seus vArios tipos de gente, habitos, gestos, modos e moldes;
pr6priamente o romance do exterior, transposto para o livro o mais
junto possivel da cousa vista". (128)
Em 1888, o critic Jos6 Carlos Junior tracava diretrizes ao ro-
mancista brasilelro.
"S6 quando os romancistas brasileiros comegaram a explorer a
mina quase virgem ainda dos costumes do interior, deixaram as ci-
dades e o litoral, onde falta a originalidade para ir estudar e revelar
a vida dos centros, das vilas e povoados, engenhos e fazendas, o ho-
mem em contact imediato cor a natureza horrorosamente grande e
rica, fatalmente bela e pr6diga, que nos esmaga cor as suas caricias".
(129).










- 35 -


O critic afirma, ainda, que s6 depois dessa exploraqto 6 que se
poder6 cor seguranca tratar dos fen6menos sodiais e acompanhar o
desenvolvimento dos fatos. (130)
Antes, por6m, desse roteiro, Araripe Junior, em 1872, d6 inicio,
no romance cearense, A tend6ncia consuetudinrria, publicando A Ca-
sinha de Sap.
Oliveira Paiva, em A Afilhada, e Adolfo Caminha, em A Norma-
lista, ddo-nos os primeiros romances de costumes urbanos sob a inspi-
raqdo do naturalismo. Em Caminha, o romance adquire o aspect de
uma clinic.
0 romance de Caminha apresenta-nos uma Fortaleza que se dife-
rencia cada vez mais do sertao. 0 comercio, mais intense cor o resto
do pais e corn o estrangeiro, havia dado origem a uma classes social que
se robustecia. Uma burguesia enriquecida esforeava-se por se aristo-
cratizar. Caio Prado aristocrat paulista, president da Provincia
e querido das mogas consagrava os costumes parisienses. a 6poca
em que proliferam os nomes franceses com os quais se batizavam caf6s
elegantes e casas de moda.
No tempo de Caio Prado, o burgues fazia praga de sua prosapia,
pondo em pr&tica o sistema de passear a cavalo g chouto, de aparar a
cauda aos animals de sela. A pequena burguesia enfronhava-se na
political a cavar melhoria de p6sto. A grande massa de pobres habita-
va as areas e levava vida miserdvel.
No romance de costumes, as personagens agem em funcao das
usangas locais. SHo 6stes que empolgam o romancista e, ndo, a descri-
gAo das paisagens, a daguerreotipagdo das personagens ou, mesmo, o
desenvolvimento romAntico prbpriamente dito.
O romance de costumes urbanos, sob o influxo do naturalismo,
volta-se de preferencia para os casos de alcova. As suas personagens,
portanto, diferem s6bre posse das personagens aureoladas pelo roman-
tismo. Joao da Mata, de A Normalista, senate a camaradagem do 18do
e do crime, ao contrdrio dos her6is romAnticos que vivem perto das
estr&las.
Ha o prazer da descoberta, a sensacgo de desembarque em conti-
nente novo, no romance de costumes. O romancista escreve no esta-
do de espirito do descobridor e do pioneiro arrebatado pelo aspect
original dos seres e das cousas. Revelando o sertanejo ou o citadino,
assemelha-se o romancista de costumes ao desbravador de terras vir-
gens que exibe tipos nativos A ciyilizagdo.

f) ROMANCE SERTANISTA

Quase todo romance cearense 6 sertanista, no sentido de dar u-
ma visdo do sertao, que as personagens ora percorrem rumo ao litoral
acossadas pela sOca, ora nele estacionam para recuperar a sa~Tde per-










- 36 -


dida, ora atrav6s dele circulaui em deambulag6es numa comunh5 o e-
col6gica cor os animals e as Arvores, ou numa fusdo panteistica cor
a natureza.
O sertAo constitui a grande Area pastoral habitada por popula-
c6es perfeitamente adaptadas ao quadro geografico, possuldoras de
sabedoria proloqulal, ciencia empirica e rico folk-lore.
O sertao represent magnifica fonte de inspiragdo para todo ro-
mancista cearense. 2 que ele oferece uma pujante paisagem humana.
Tipos variados que se prestam ao ficclonismo e ao realismo. 0 vaquel-
ro, o retirante, o cangacelro, o beato, o curandeiro, o violeiro, o combol-
elro e o fazendeiro sio tipos sertanejos que dAo vida ao romance.
Comr Area geografica, o sertao significa poderoso eixo econ6mi-
co. Ter sido por isso, mais aproveitado do que a praia e a serra.
Jose de Alencar, em O Sertanejo, deslumbra-nos cor as cores de
um quadro geogrAfico que ele pouco conhece e cuja deficlncia supre
cor a poderosa f6rga da imaginago.,
D. Guidinha do Pogo, de Oliveira Paiva reflete, de modo admird-
vel a vida da InterlAndia cearense.
No romance, sertanlsta prepondera o triangulo constituido pela
casa grande, curral e capela. Romance essencialmente feudal, em que
se esboga, nitidamente, a hierarqula de classes.

g) ROMANCE FILOSOFICO

O romance cearense ter a sua tendencla filos6flca. AliAs, ela se
observa, apenas, no romance de JoHo Miguel da Fonseca L6bo.
Discute o romance filos6fico, em digresses perturbadoras, o por-
que dos fen6menos e das cousas. O entrecho romAntico pr6priamente
dito sofre interrupg6es provocadas pelas preocupacges filos6ficas do
romancista.
Fonseca'Lobo 6 um estudioso da filosofla, autor de obra no ge-
nero. No romance, continue a ventilar os seus temas transcendentes
prediletos!
No romance filos6fico cearense, as personagens, por mals igno-
rantes que sejam, emitem conceitos metafisicos surpreendentes. Ope-
ra-se, assim, umai especie de clivagem, em que se lobrlga, em plans
diversos, a fabulago e a discussAo filos6fica.
Romance apegado A terra, realista por excelencia, a tendencia
filos6fica 6 esdrfixula e esquiz6ide. Nao se harmonica, portanto, cor
a tendencia preponderante no romance cearense, que nAo perde o con-
tacto coni a realidade social ou com o quadro natural, acreditando que,
em primeiro lugar, estA a vida e, depois, a filosofia.
O romance filos6fico, entretanto, coloca a filosofia acima da vida,
erguendo-se as personagens nas asas das abstrag~es.
A tendencia filos6fica contrast cor as tendencias para o hu-










- 37 -


mano, o quotidiano, o terra a terra dominantes no romance cearen-
se. Mas, nao se pode condenar, peremptoriamente, tal tendencia, mor-
mente quando ela se dissimula habilmente.
Infelizmente, Joao Miguel nho sabe disfargar as suas cogitag6es
de ordem transcendent.
No comago do s6culo XX 1907 Soriano de Albuquerque afir-
mava que nao havia mais oposicgo entire a literature e a ciincia que
se faz: e que era para o maravilhoso cientifico que caminhAvamos, nao
sendo, por isso, a literature estranha aos renovamentos da ciencia.
(131).
Em 1914, JoHo Miguel da Fonseca L6bo aplicava A filosofia as
considerag6es de Soriano. O seu romance objetiva provar a aus&ncia
de incompatibilidade entire romance e filosofia.

h) ROMANCE DA CLASSES M2iDIA

Jader de Carvalho, inaugura, na romancistica cearense, o ciclo de
romances da classes media.
Considerando essa classes a matriz de t6da cultural. entende que
a salvacgo dela nao esta na sua capacidade econ6mica e cultural; mas,
na sua adesdo a luta do proletariado contra a burguesia, luta que a
classes media dirigird por ser a mais capaz.
Assim confiante, n.o ter o otimismo macaulayano que qualifica
a classes m6dia de valente defensora da propriedade, nem o pessimis-
mo leniniano que a taxa de frdgil, lamentivel, vacilante, d6bil, aborre-
cida, desesperada, contemplative, divinizante, conceptora de Deus,
auto-flagelante, impotentemente anarquista.
No ciclo de romances de Jader de Carvalho, observa-se: a) a pro-
letarizag&o da classes media em virtude das crises econbmicas. Mocas
trabalhando no com6rcio e nas repartig6es; b) a avgo do espiritismo,
catimb6, cartomancia, como resultante de reivindicag6es humans Ir-
realizAveis num regime de desigualdades econ6micas; c) uma parte
da classes media proletarizada com vontade de veneer a linha de clas-
se mediante a aceitacgo dos padres de classes dominant; d) a pro-
letarizagdo da classes media aumenta a zona de influencia da burgue-
sia; e) aus&ncia de consci&ncia de classes do intelectual pequeno bur-
gues; f) a fascistizagio da burguesia; g) a classes m6dia como forma-
dora de lideres proletarios; h) o artificialismo da vida da classes m6-
dia, suas pretens6es a emburguesamento, sua linha de acgo incoeren-
te, sua fome de impossivel,,seus complexes, ambivalencias e conden-
sag6es oniricas condiciopadas pela situago material de classes; 1) a
desmoralizagao da political burguesa no objetivo de atrair a pequena
burguesia para a sua esfera political, elogiando-a nos programs e
plataformas e chamando-a de mantenedora das santas tradig6es na-
cionais; j) a iteratividade das personagens origina-se da riqueza










- 38 -


psicol6gica e sociol6gica da classes m6dia; k) uso da lingua falada pela
classes m6dia que 6 a lingua viva, sem os exageros da grande matriz
que 6 o povo e sem os requintes da lingua erudita imposta pelo Estado
atravis da gramdtica e da filologia oficiais; 1) traduqgo da linguagem
interior da personagem. A psicandlise 6, assim, ligada aos inter8sses
de classes, mostrando como se process a sedimentagao dos desejos e
ideals no inconsciente, facilitando a compreensAo do bovarismo das
figures tidas desejosas de realizarem o ideal mundano de vida e acio-
nadas pela id6ia fixa do triunfo social.
SNo sul do pais, Prico Verissimo 6 o legitimo int6rprete da peque-
na burguesia. Entre ele e Jader, hi uma diferenga fundamental. O
primeiro elabora um romance social, enquanto o segundo realize um
romance sociallzante.
O romance da classes m6dia 6 por excelencia sociol6gico.
Cada1 classes faz a arte dentro de seus temas, que sio os temas da
sua vida. A arte, assim, pode ser um instrument ou de afirmagro de
dominio ou de revolta contra a opress.o. (132).
O romance de Jader de Carvalho 6 a observagqo clentifica, socio-
16gica da classes m6dia.
Nos iltimos anos, em todo o mundo, o curso de sociologia resu-
me-se a iiofensivas generalizag6es, in6cuos detalhes de organizagco
e lugares comuns de moralidade rotineira, porque s6 d6ste modo os
professores escapam ao perigo de controversial. (133)
Os marxistas explicam que o 6dio a sociologia se original da bur-
guesla em panico, da conexio entire sociologia e sociallsmo. Os socl6-
logos, por isso, trabalham quase todos no domino da anatomia social,
desprezando a fisiologia social. A maior parte d6les possui a falsa
nogAo de que a fisiologia 6 dinimica e tende a relacionar-se com o
progress social. Temem pesquisar em tal terreno que se incline para
o exame das quest6es de reform social. (134)
Os quimicos e fisicos abandonam o animismo; mas a 6le voltam,
quando discutem quest6es socials e econ6micas. Os inovadores nas
cincias n4turals s5o respeitados. Os inovadores, por6m, nas cidncias
socalas, sad considerados her6ticos, suspeitos. (135)
Issue m6do da sociologia estender-se-la ao romance, quando, nela,
alicergado. Se a ci6ncia social nao passa da apresentagdo do conven-
cional, o romance, sendo forma de conduta, nao deve ferlr a respeita-
bilidade dominant. (136)
O romance, para agradar, ter de erguer o bardo saqueador e
profiteur como mod6lo de home bem sucedido na vida. (137)
Como you interessar-me pelos destinos imaginirios das persona-
gens se o autor me obriga a defrontar-me cor o crfi problema de meu
pr6prio destino politico ou metafisico! O novelist deve intentar, ao
contrArio, anestesiar-nos para a realidade, deixando o leitor recluso
na hipnose de uma existencia virtual. (138)










- 39 -


: 'Pedro Lessa, emrdiscutso na Academia Brasilejra de'Letras, en-
tretanto, jdedefendia o romance soci6l6gico. Diz 'le: '0 qu6 nao pos-
so admitir, 6 uma. certa critical literaria, que condena'eL proscreve os
romances, assim como os dramas, em que seetisinam, ou, pelo menos,;
se estudam, os remedies para os males sociais, que com aplausos'des-:
sa mesma citica sso'minuciosamente de critos, metlculosamielnte aiha
lisados, rigorosamente dissecados, em outra brdemn'de romances. 8e
as quest6es sociais podemi ser discutidas nas produgQes 'literArias, ao
lado da exposicAo da molestia deve estar a indicatCo do rem dio. E,
se ste frequentemente ndo cura, 6 porque tal tem sido a fungdo nor-
mal da maior parte dos remddios, tanto dos terapeutas como dos
soci6logos".
0 romance da classes media sintoniza com o espirito do tempo,
cuja caracteristica 6 a preocupag.o social. Jader de Carvalho conce-
be-o como instrument monogrdfico e microsc6pio social.
Em todo o Yais, ap6s 1930, a arte pura procura ganhar terreno.
Ela 6 o reffigio para o home apolitico. O exacerbamento das ideol6-
gias de classes e o desencadeamento do fascipmo levam muitos a uma
neutralizag&o na ci&ncia pura e na arte pura. Processa-se uma fuga
para o interior dos simbolos, como na apofAntica pura com o simbolls-
mo estenogrifico que conserve a estrutura topol6gica dos sistemas
verbals; mas a palavra 6 puro simbolo nHo ligado em sua estrutura ao
sentido que ela apresenta.
No Ceard, na d6cada de 1930 a 1940, o culto da indiferenga 6 pra-
ticado por numerosa confraria sob poderosa influencia do sentiment
de seguranga.
Esse fen6meno nao 6 peculiar is letras cearenses. O culto da in-
diferenga, a inclinacgo crescente para o vinho, as mulheres, a poesia
e o ocultismo taoista, no fim da dinastia Han, na China,'resultam dos
massacres de letrados pelos eunucos. (139).
SA melhor garantia constitutional da liberdade individual 6 a in-
diferenga. Ha, nisso, uma forma de auto-protegpo que se desenvolve
da mesma maneira que a casca da tartaruga. (140)
O romance da classes media toma decidida posicgo ideol6gica.
Certa ou errada, ela 6esposada corajosamente.
"Num mundo de pobres e ricos, de opressores e oprimidos, a arte
nHo pode fugir aos determinismo que poem os homes em choque, na
luta pelo enriquecimento ou pelo pbo. A classes que trabalha e sofre
nao pode ter os mesmos interesses, os mesmos sentiments e as mes-
mas aspirag6es da classes que nao sia para viver" (141).
O romance de classes media, imbuido de tais prop6sitos revolucio-
nArios, opoe-se ao romance imaginArio. 0 'romance sociol6gico n.o
vive no vdcuo de Torricelli. Sofre a aggo do meio fisico e social e os-
tenta a ideologia de classes.
O romance de classes media pergunta: Que vemos na socieda-










- 40 -


de? E responded: Vemos o parasitismo cor a diminuigdo correlati-
va da potdncia vital de uma classes e a complexidade orgdnica de outra.
O romance de classes media 6 intbrprete da realidade e d6 aos
fatos socials o colorido da verdade sob o crit6rio de classes. Como ro-
mance de tese, a verdade esta subordinada a uma demonstracgo exis-
tente a prior no espirito do autor. Modifica a realidade tendo em
mira ressaltar a superioridade de um principio s6bre outro.
As personagens do romance de classes media nao se assemelham
aquela est~tua de Condillac, a qual se content em receber as influ-
incias do meio exterior. Sdo personagens que reagem, que lutam, que
repelem a indiferenca como desonesta.
O romance de classes media, a despeito de sua parcialidade, de
seu carter vindicante, pode ser invocado pelo historiador como fonte
de informagdo para melhor compreensao da sociedade cearense.

i) ROMANCE ASTROLtGICO

Durante a Idade Media, a fisica nao passava de uma astrologla.
Pensava-se! que o movimento dos astros regia o porvir individual.
(142). Os ialqulmistas, baseados no principio aristot6lico de que as
mudangas do mundo inferior eram regidas pelos movimentos do mun-
do celeste, participavam de tal crenga e perguntavam qual a influencia
de cada corpo celeste s6bre os elements e qualidades components da
mat6ria. (143)
As estrelas relacionavam-se imediatamente corn os humores e os
6rgaos do corpo, e as funcges naturals estimulavam-se ou inibiam-se,
conforme a estrela que as presidia adotasse no c6u uma posicgo favo-
ravel ou adversa. (144)
A f6 nas sugestivas energies estelares surge no home atual co-
mo o eco distant da voz da humanidade antiga de que somos herdel-
ros. E' a manifestag5o atavica da soberbia teOfrgica que domina no
nosso ancestral. (145)
A impossibilidade de controlar a economic, no regime capitalis-
ta e a incapacidade' de prever e prevenir, ddo origem & florescencia das
ciencias ocultas, a cartomancia e quiromancia, A numerologia e astro-
logia.
A produg5o mercantil, cor mercado restrito, pode ser abarcada
facilmente Icom o olhar.
T6da Ivida social segue sempre pelo mesmo caminho. Comn o ad-
vento, porem, do comercio de mercadorias, o mercado se amplia e se
torna mais dificil de ser fiscalizado. O clculo da procura e dos es-
toques 6 cada vez mais incerto. O conjunto da vida economic depen-
de da especulacgo commercial e esta vai send cada vez mais arrisca-
da. (146)
Circula ainda hoje o prol6quio: Cada um r um artesdo de sua










- 41 -


pr6pria fortune. Remonta 6le aos tempos em que reinava a pequena
indistria, em que a sorte do home e de sua familiar dependia de suas
qualidades pessoals. Hoje, a sorte depend de mil circunstincias s6bre
as quais o home nao tem a menor influ~ncia. (147)
Nos tempos medievais, a astrolatria era praticada pelas classes
ricas. (148) Nos nossos dias, sao estas que difundem as crengas as-
trolatricas, a fim de apresentar o regime econ6mlco como cousa incon-
trolavel e sujeita a influinicias sobrenaturais. O comando de classes
justifica-se, entao, corn a determinaqCo extra-humana.
O desenvolvlmerito da sociedade cearense cria condig6es para o
aparecimento de um romance astrol6gico, em que cada personagem
ter a sua estrela, o seu hor6scopo, do qual depend a vit6ria ou a der-
rota na vida.
O romance astrol6gico afirma que tada um nasce com a sua es-
trela; que nao vale a pena lutar contra o destiny; que a resignago de-
ve compensar a predestinagdo.
O romance astrol6gico 6 de uma infantilidade a t6da prova. Bro-
ta do thdo duro do empirismo, da criancice das garatujas.

j) ROMANCE PROLETA'RIO

Depois de 1930, a inquietagEo social comeca a agitar a capital
cearense. A luta de classes se delineia de modo sensivel. Ha uma in-
dustrializasio incipiente. Foram-se os primeiros quadros proletarios.
E' no seio, entretanto, da classes m6dia que se process a proletariza-
9do. Delas saem os lideres revolucionArios e os te6ricos dos partidos
extremists.
Numa 6poca de aguda questAo social, os processes rom.nticos e
isaturalistas nao sao mais compativeis com o romance. Este, para set
fiel ao espirito do tempo, ter que recorrer a novos processes. E 6 as-
sim, que surge, na romancistica cearense, o realismo.
Conv6m ftizar que o idealismo jamais predominou no romance
cearense. Numa regio de skca e de fome, o home acorda mais cedo
para a realidade da vida. 86 a t6cnica do romance realista 6 capaz de
abranger essa realidade.
O romance idealista isola-nos da Vida. O perigo da arte idealis-
ta em geral 6 que ela visa criar um mundo bern mais sedutor que a
mundo real, e por consequ6ncia mais apto a nos desenraizar dele e a
aborrec&-lo, a odia-lo nao para corrigi-lb, mas para abandond-lo. (149)
O romance naturalista pirta os instintos mais baixos do home
de modo a nao corresponder a realidade em suas justas proporg6es.
O romance realista pode criar um mundo ficticio. Este, por6m,
tende a se aproximar o mais possivel do mundo real. (150)
A realidade social cearense 6 dolorosa. Os problems da s6ca e
da fome sao crbnicos. Exigem solugao urgente. Fugir a trag6dia re-










42 -

gional 6 impossivel ao romancista.
0 process romantic e antiquado; o process naturalista 6 in-
completo, poFs a degenerescencia nao e a nota preponderante da socie-
dade moderria considerada como um todo.
0 realismo nao se limita A descrigpo superficial da sociedade. Vai
al6m, aspirando ao realismo intenmo, A apresentagao da vida cearense
sem superfetagao.
O romance realista cearense caracteriza-se pela tendencia revo-
lucionAria. E' o romance que, pela primeira vez, tenta a fraternizagAo
das f6rgas do sertao e do litoral, procurando eliminar fsse conflito na
hist6ria cearense.
Depois de 1930, as crises econOmico-politicas produzem a exacer-
bagAo da questao social. Os exiguos quadros proletarios e a sub-classe
media arregimentam-se nas fileiras dos partidos da direlta e da es-
querda.
O integralismo, o legionarismo operArio, o partido comunista e
as juventudes cat6lica e comunista organizam as massas.
E' num clima semi-insurrecional e de irrequietude que aparece o
primeiro romance proletArio cearense, a focalizar a luta entire burgue-
ses e proletArios, senhores e escravos.,
O romance proletArio cearense, como o seu congenere em todo o
mundo, objetiva o desenvolvimento de uma conscitncia de classes revo-
lucionaria. E' anti-flaubertiano por nao permanecer alheio As paix6es
que p6em em jogo e por obedecer mais a um program libertArio. A
veemdncia panfletaria substitui o luxo estilistico, a pompa verbal, a
preocupag.o ornamentalista. A tendencia socializante exclui o fari-
saismo estitico.
O romance proletArio cearense observa como o medico que deseja
curar o mal e nao como sabio que acha interessante a carcassa hu-
mana.
Raquel de Queiroz 6 a romancista proletaria cearense. A sua po-
silgo 6 francamente revolucionaria em Caminho de Pedras, em cujo
romance ela permanece permeavel, recebendo, por todos os sentidos e
faculdades, a luta de classes, e retransmitindo-a num estado de espiri-
to prenhe de convicgo marxista.
O romance proletario nao apresenta personagens de pura fanta-
sia. A fabulagAo nao 6 polvilhada de ouro, nem ressumbra o lirismo
amante de paisagens fdceis. 0 drama nao consiste no cenArio, nem a
personagem no feitio, nem a verdade na fotografia.
0 romance proletario, como anAlise dialetica dos instruments
de dominagAb, nao consent na desumanizagAo da arte, na fuga da
realidade. A arte deve, ao contrario, estar a serving de ideals politicos
e socials, convertendo-se o romance em libelo disfargado, em verrina
vermelha contra a sociedade burguesa.
No romance proletario, domlna o tom panfletArio, a eloquencia










- 43 -


da reivindicag8o. O que 61e exige, antes de tudo, 6 a documentacao.
Se o romance esta bem documentado, nao pode ser ruim. Assim pen-
sa o romancista proletario que encontra consagragao na critical revo-
lucionAria.
Carpeaux, afirma que a documentagdo do romance s6 pesa en-
quanto esta no pr6prio romance; se romance e panfleto sHo identicos,
entao o romance nao 6 romance, e essa verificagpo desvaloriza o autor
como romancista; mas se o romance cont6m mais outras coisas do que
o panfleto bem documentado, entao essas "mais outras coisas ja nHo
merecem a mesma confianga".
No romance proletirio cearense, 6 indiscutivel a influncia do
romance russo marxista. Noemi, de Caminho de Pedras, admite o a-
mor livre que aprendeu cor aquela Vera de Leo Goomilevski.
O romance proletario afirma a capacidade do proletariado cea-
rense de lutar pelas reivindicagpes conduzido por lideres saidos da
pr6pria classes, divergindo do romance de clause media que julga o pro-
letariado, no atual moment hist6rico, incapaz de forjar seus meneurs,
devendo, por isso, ser guiado por lutadores experimentados e esclare-
cidos da classes media.
Em Caminho" de Pedras, o preto Vinte e Um diz: ... j estamos
fartos... de ir atras dos doutores, e os doutores iepois nos ddo o fora.
O operdrio ter que andar cor os seus pes... "L ainda:- "O operdrio
e que deve guiar o operario".
Romance tendencioso, docente, socializante, marxista, revolucio-
ndrio, o romance proletario cearense prega uma nova ordem. Raquel
de Queiroz, como Andr6 Gide, proclama: "Eu sou partidAria da ordem,
por6m me exasperam os que gritam: Nao nos movamos mais! e isto
quando ningu6m ocupa ainda o lugar que Ihe corresponde".
O romance proletario cearense nio sabe disfargar a tendencia,
quando esta "deve surgir da pr6pria situagdo e da pr6pria ago, sem
que seja explicitamente formulada, e o romancista nao 6 obrigado a
dar ja pronta ao leitor a solucgo hist6rica future dos conflitos socials
que descreve".
Um sopro internacionalista bafeja o romance proletario. Os te-
mas ultrapassam fronteiras e se confundem cor o espirito do tempo
conturbado. HA uma libertagdo de regido e uma afirmacgo de classes.
No romance proletArio cearense, o her6i nao 6 mais o conquista-
dor de corag6es o cangaceiro, o vaqueiro, o fazendeiro ou o retirante;
mas o revoluciondrio, o operario comunista.
O romance proletArio, entretanto, nao gerou uma figure que subs-
tituisse Iracema ou Luzia-Homem. Nao conseguiu criar uma persona-
gem que se popularizasse.
Noemi, de Caminho de Pedras, nao desbancou a irma, india, nem
a irma sertaneja.










44-



NOTAS



1 Jose Verissimo .........."Estudos literdrios" 3a. s6rie pg 2
2 Gustavo Barroso .... ......"Consulado da China" pg 29
3 Ant6nio Sales .... ....."Ceard Ilustrado", 28-12-1924
4 St&nib ... .... .........Constituig o, 1871
5 Capistrano de Abreu .... ..Maranguapense, 9-6-1874
6 Araripe Jinior .... ......
7 Alfredo Falcoo ...... ... Cearense, 3-8-1879
8 Jos6 Leandro.. ........ Constituigdo, 13-1-1875
9 Araripe Junior .. .. .. ."Lucros e Perdas" pg. 4
10 Pompeu Brasil .. ...."O Cearense na Literatura Regio-
nal" pgs 29-31
11--" "
12 Tomds Pompeu ..........Gazeta do Norte, 22-3-1881
13 .... .... " ,21-4-1881
14 A Quinzena.. .... ....... n0 1, 15-1-1888
15 Gil Bert .... ...... .. .A Quinzena, 31-1-1888
16 Aluizio Azevedo ..........0 Album, Jan. 1893
17 Artur Te6filo .... ....... A Repfiblica, 11-4-1898
18 Pedro de Queiroz ........Rev. Ac. Cearense pg 239-1898
19 Ubatuba de Miranda .. ....0 Povo, 22-9-1947
20 Pedro Silva ... ....."La novel y el cuento" -pgs 312-314
21 Silvio Romero ......... "Lucros e Perdas" pgs 47-48
22 Graco Cardoso ..........A Reptblica, 2-10-1897
23 Waldemiro Cavalcanti ...... 4-8-1899
24 Luicia Miguel Pereira ......A Provincia de Sdo Pedro, 6-1946 -
pg. 26
25 Silvio Romero .......... "Novos Estudos de Literatura Coni-
temporAnea" pg 113
26 Cruz Filho ...... ....... InformaCio prestada ao autor
27 Mario Linhares ........"Gente Nova" pg.104
28 Caderno de mem6rias de JosBGil em poder do dr. Manuel Albano
Amrora -
29 Gustavo Frota Braga ......Centelha, 24-6-1909
S30 "Ceard Ilustrado" ........
31 Augusto Franco ........"Estudos e Escritos"
32 Almir de Andrade .. .... .."Aspectos da Cultura Brasileira"
33 Gilberto Freyre .........."Interpretac0o do Brasil" pg 140
34 Gilberto Amado ...... ...."A Chave de Salomio" pg. 111
35 Nisia Floresta Brasileira Augusta
36 Alfredo Castro .. ...... ..A Repfblica, 30-11-1911









. 45 -


37 Otavio Tarquino de Sousa..Revista do Brasil 3a. fase Malo
1941 pg 2)
38 Lficia Miguel Pereira ......" 3a. fase 1941 pg 93
39- " ........ ". -3a. fase 1941 pg 96
40- " ........" -3a. fase 1941 pg 95
41 Joaquim Pimenta ........ Revista Fortaleza, no 9 1907
42 Soriano de Albuquerque ... .Terra da Luz pag 7 no 3 Fev.
1908
43 Frota Pesoa .. ...... .."A Realidade Brasileira" pg. 143
44 Carlos MagalhAes de Azeredo
45 Viana Moog ............"Uma Interpretacio da Literatura
Brasileira" pg 174
46- " .. .... Idem -pg 75
47 " .. .. .... pgs 46-47
48 Wilson Martins .........."Interpretag5es" pg 12
49 Ottvio de Freitas ........Revista do Brasil
50 Licia Miguel Pereira ......A Provincia de Sdo Pedro, 6-1946 -
pgs 25-26
51 Sales Campos ............
52 Rodolfo Te6filo ....... ."Os meus Zoilos" pg 6
53 Gustavo Barroso ......"Consulado da China" pg 171
54 A Repdblica ..............2-8-1911
55 ...... ......27-1-1899
56 Wilson Martins ......... ."Interpretag6es" pg 10
57 Ant6nio Bezerra de MenezesRev. Ac. Cearense Vol 5-1900 -
pg 146
58 Lin Yutang ...... ......"Minha Terra e Meu Povo" pg. 218
59 Humberto de Campos ..... "Critica" la. Serie pg. 99
60 Fernando de Azevedo ......"A Cultura Brasileira" pg.
61 Gilberto Amado .... ...."A Chave de SalomAo"
62 -Jos6 Sim5es Coelho ........"A Reptblica" 3-8-1911
63 Alfredo Castro .......... " 30-11-1911
64 Ant6nio Bezerra .. .... " 19-2-1901
65 Rodolfo Te6filo .........."Os meus Zoilos" pg. 78
66 Augusto Gfismin ......."Hst6ria de la. Novela Boliviana" -
S.pg27
67 A Repiblica ..............17-7-1905
68 Didrio do Povo .... ... ..30-3-1952
69 Otavio Tarquino .......... Revista do Brasil pg 2 Malo 1941
70 Cearense ........ ....19-10-1879
71 Genolino Amado ........ 0 Jornal, 28-8-1938
72 " " "
73 Cruz Filho .... .... .....Informacgo prestada ao autor
74 Astrogildo Pereira ........Revista do Brasil, pg 26 Maio de
1941










-. 46- -


75 Fernando de Azevedo .. ..."Ensaios" pgs 99-100
76 t' .. .. .... pg 100
77 V; Licinio Cardoso ......."Vultos eIdeias' -.pg 37
78;- Adolfo Caminha ........"CartasLiterarias" pg 46
79 Artur Te6filo ........ ..A.Repiblica, 11-4-1898
80 Xavier de Carvalho.... ..cit. in A Rep.blica; 15-10-1897
81'- 1Melhior de Vogue........."Le Roman Russe"
82 -. "" .. .. .... "- pg XLVII
83 Roger Picard .........."Le Romantisme Social" pg 200
84 Araripe Jinior ...... ...."Lucrosse Perdas" pgs 40-41
85 Jose Enrique Rod6 .. ....."Lanavela Nueva" pg 66
86 Rafael Angarita Arvelo ...."Hist6ria y Critica de la. Novela en
Venezuela" pg 153
87 -. Claude Morgan ..........0 .Pova, 6-10-1947
88 t .. .. .. .... " "
89 Otivio Tarquinio de Sousa..Revistado Brasil. pg. 1 Maio de
1941
90 Ana Fac6 .............."Rapto Jocoso" pg 51
91 Oswald de Andrade ......Revista do Brasil, pg 153 Maio de
1941
92 Jos6 Luis de Castro ......Almanaque do Ceard -pg 141-1907
93 M. Bonfim ............."O Brasil" pgs 266-267
94 G. Freyre ............."InterpretaCgo ,do Brasil" pg 214
95 Lidia Besouchet e Newton
Freitas ................"DiezEscritores de Brasil" pg 46
96 Artur Orlando ......... "Filocritica" pg 83
97 Saint+Hilaire ..........."Viagem pelas Provincias do Rio
Grande' do. Sui'e- Minas" pgs
143-144
98 Rocha Lima;.... ........ ..Constituigdo, 11-6-1875
99 Ant6nio Sales........ .."Aves .de Arriba0so"
100 Gilberto Freyre ........ ."Nordeste' -pgs 21-24
101 Rodolfo:Te6filo .........."Histdria da Seca" pg 239
102 A. da Silva Melo .. ..... ."Alimentacgo, Instinto, Cultura"' -
pg 301
103 Josu6 de Castro ...... ...."Geografla da Fome" pg 243
104 Sorokin .......... .. ....










-- 47 -


105 Farlas Brito ........................ A Repfblica, 8-11-1899.
106 Anutnio Sales ............. ....... Preficio ao "Contos do
Ceara," de Eduardo Saboia.
107 .LVy Brall .... ........................ Las funclones Mentales
el las S'cledades inferiores" pigs. 35/36.
107 A Philip R. Hitti .................... "Os Arabes" pig. 11.
107 B Philip K. Hitti ........................... Obr. cit. pig. 16.
108 Jose Luis de Castro ...... Almanaque do Ceara :pg. 148-1907.
109 J. M. Brinkmannn ......................... O Globo, 24-12-1934.
110 ... .. ........."
111 -. J. V. Vlqueira ...... "La Psicologia ContemporAnea" pag. 142.
112 Jos Ortega y Gasaet ............ "A desumanizagio da Arte"
pags. 98/99.
113 G Stidtel ................ "Mlanges de Phllosphfe Relati-
viste" pig. -103.
114 Olivio Montenegro ...... "O Ramance Brasileiro" pdgs. 85/87.
115 FPrias Brito .................... A Repdbllca, 31-10-1899
!1A Dias de Barros ............. Preftcio a "Arte e Neurose de
Jodo do Rio" 2.a ed.
117 Djacir Menezes ............... "Preparaq6o ao M6todo Cien-
tifico" pag. 250.
118 Roger Burlingame .............. "Mdquinas para a Demo-
crAcia".
119 Gilberto Freyre ................. "Sociologia" vol. I pdg. 62.
120 .. I 1 I
321 ............. pg. 63.
122 Pedro de Queiroz ......... Rev. Ac. Cear. vol. 3-1898- p4g. 245
123 -- Araripe Junior .............. "Carta sobre a literature Bra-
sileira" pig. 13.
124 Bario de Studart ............ "Die. Bio-Bibliografico" vol. 3.
125 Araripe Junior ................... "O Cajueiro de Fagundes"
126 Artur Mota ................... Rev. Ac. Bras. Letras 8-1929
127 Rodolfo TeSfilo ....... "Maria Rita" pigs. 190/191.
128 Orris Soares ............. Revista do Brasil pig. 181-Maio de
1941.
129 Jose Carlos Junior ................... A Quinzena, 15-1-1888
130 ............. .. .. .
131 Soriano de Albuquerque ......... Almanaque do Ceara pigs.
155/157.. ....... ...
132 Jader de Carvalho ............. Povo Fortaleza Ceard
133 J. H. Robinson ............ "A FormagAo da Mentalidade"
pag. 18.
134 Lester Ward ............................ "Sociologia Pura"
S135 J. H. Robinson ............................ Obr. cit., pag. 75.
336 ................................ .










48

137 Bernard Shaw ...................................
138 J. Ortega y Gasset ............. "A desumanizagio da Arte"
pags. 124/125.
139 Lin Yutang .......... "Minha terra e Meu Povo" pigs. 62/63.
140 ............. pig. 61
141 Jader de Carvalho ....................... O Povo
142 Pierre Duhem .............. "Le system du monde" Tomo II
pigs. 368/369.
143 P. A. Inchausti ................. "Origens do poder Econ6mico
da Igreja" pig. 155.
144 Carlos Morales Macedo ............ "Biologia Fundamental"
pigs. 48/49.
145 ..
146 Iautsky ............................. "Programa Socialista"
147 .................... ................. pg. 81.
148 P. A. Inchausti .................................... Obr. cit.
149 Fr. Paulham ............ "Le Mensonge de 1'Art" pigs. 244/246
150 ................. pigs. 250/251.












ROMANCISTAS









- 51 -


JOSE DE ALENCAR

(Nasceu em Messejana a 1-5-1829 e morreu a 12-12-1877)

Jos6 de Alencar 6 um romancista national. O seu romance ter
objetivo nacionalista, pois se debate pela autonomia literdria. Esta
devia suceder & independencia political. Se o Brasil nao era mais co-
!6nia portuguesa, nao o devia ser em qualquer sector de atividade.
A despeito da amplitude de seu romance, prescindido de frontei-
ras regionais, Jos6 de Alencar quis, apositadamente, ser um romancis-
ta de sua terra natal, um rorancista cearense. Iracema e 0 Sertanejo
corroboram, perfeitamente, esta assertive.
Sera possivel avaliar as influincias do meio provinciano cearen-
se na formacao intAlectual de Jose de Alencar? Ate que ponto elas
concorrem na plawmac~ o de seu cariatr?
i2e abandon os patrios lares aos doze anos, numa Idade, pordm,
em que o meio pode fixar indel6veis vestigios na mente em desenvolvi-
mento. Nao ha dfivida, portanto, de que, para a C6rte, 6le leva o san-
gue de sua raga ja trabalhada pelos fogos do sertao do Cariri, onde, no
primeiro quartel do s6culo de seu nascimento, se desenrolam os finicos
dramas de carter 6pico levados ao palco politico da entao provincial,
figurando, neles, como protagonistas de maior vulto, os seus pr6prios
maiores. Depois, nao devem ser desprezadas as emooges infants rece-
bidas na penosa viagem atrav6s dos vales que unem o Ceard a provin-
cia da Bahia. Influencia, como se v&, exterior e interior, derivando
esta do 6dio ao rein61 e do sentiment de independincia national tra-
dicionais em sua familiar, como ressaltam Araripe Juinior e Cruz Fi-
Iho. (1)
Aos 19 anos de idade, Jos6 de Alencar visit a terra natal, aonde
vaiem gozo de ferias. E', entao, que tern a ideia de aproveitar as len-
das e tradicges em obra literdria.
No Rio, corn o perpassar do tempo, v0 desenrolar-se, a cada ins-
tante, na tela das reminiscencias, as paisagens do pitrio Ceard. (2)
Com 36 anos, coberto de gl6rias conquistadas ria C6rte, onde se
adapta ha, nile, um constant e sincere voejar para os carnaubais de
sua terra native. As reminiscencias fortemente impregnadas de sau-
dade constituem factor preponderante na criagao da virgem tabajara,
salienta ainda Araripe Jinior. (3)
Nas sess6es do Parlamento, de 1860 a 1863, nao se destaca Jose de
Alencar. Nao 6 1a, entretanto, que quer honrar a sua terra. A imagi-










- 52 -


nagdo arde e, em labareda de inspiracgo, concebe o mavioso poema
que, cronol6gicamente, nao ficard como o primeiro romance cearense;
mas, que, em compensagao, a todos sobrepujar6, transformando-se a
personagem central em padroeira da terra cearense. O "Centro Lite-
rdrio", no art. 9o. da sua Lei OrgAnica, prometia empregar esforcos
para mudar o nome de Fortaleza para Iracema.
Iniciando-se cor um romance indianista de amplitude national,
Jos6 de Alencar sugere a Franklin Tavora a epop6ia da colonizacgo do
Ceara. O romance de cunho hist6rico de TAvora nao deve ter agrada-
do a Jos6 de Alencar que, intimamente, anseia por ser o primeiro a ho-
menagear a terra natal. Iracema, sob esse Angulo, represent uma su-
perago de complex. Nao ser o primeiro no tempo, mas ser o primei-
ro na voz das gerag6es porvindouras. E as edigOes de Iracema suce-
der-se-Ho e a terra chamar-se-a de Iracema, enquanto Os Indios de
Jaguaribe 6 dado A publicidade em 1862 e, hoje, poucos o conhecem.
Iracema constitui uma afirmag&o de nacionalidade. Como a vir-
gem tabajara difere de AMorgadinha dos Canaviais, de Jfilio Diniz!
Mesmo seja Iracema um anagrama da America mesmo n.o se-
duzam a Alencar preocupac6es locals restritas, absorvido que estA na
elaboragao do romance national, nao deixa de ser Iracema cem por
cento cearense, porque esta Alencar empenhado na consagragao do
torrdo em que nasceu.
Iracema 6 o registro civil da etnog6nese cearense, o pergaminho
de nascimento do povo cearense. E' o livro que mais popularidade dA
ao nome cearense. Poema doce e magoado do nosso sofrimento, por-
que nele se reflete com profunda nostalgia o martirio secular da terra
que repele o filho do seu bergo, afirma Jos6 Lino da Justa.
Iracema pertence a essa literature primitive chela de santidade
o enlivo, para aqueles que veneram na terra da pAtria a mae fecunda
alma mater e nHo enxergam nela apenas o chAo onde pisam, sa-
lienta Ant6nio Sales. (4)
O pr6logo da primeira edigqo de Iracema estA profundamente
impregnado no sentiment que os tabuleiros e os carnaubais lhe des-
pertaram. Tamanha concentrag5o de saudade s6 pode gerar e pagi-
nas genuinamente cearenses. (5)
Na romancistica cearense, surgirAo outras candidates a padroei-
ra da terra: Luizinha, Maria Rita, Luzia-Homem. Nenhuma delas, po-
r6m, 6 vivificada pelo poderoso sopro romantico que vem ao encontro
da imaginagco popular, infantil e criadora.
A viagem ao CearA depois de o romancista consagrado, serve pa-
ra satisfazer a natural vaidade de Alencar e reconcilid-lo cor os so-
nhos ardbicos, de que tanto revoara. (6)
Iracema, a despelto da vit6ria obtida, nao o satisfez plenamente.
HA um outro aspect da civilizagqo cearense que o atrai. E' a epop6ia
do pastoreio. Aparece, entao, em 1876, um ano antes de sua morte,
0 Sertanejo.










- 53 -


Jos6 de Alencar nao conhece a vida sertaneja, nem as paisagens
que descreve, pois, quando visitava o Ceara, nao saia dos arredores da
capital. Acicatava-o, entretanto, aquele complex exacerbado por
Franklin Tavora. Este tentara, sob certo aspect o indianismo -
invadira seara alheia. Alencar antes de morrer, elegendo a terra natal
como cenario, tenta o sertanismo, campo de acgo literaria de Tavora.
0 Sertanejo constitui o canto de cisne de Alencar na porfia cor Ta-
vora, da qual, muito embora aflorem rancores e vaidades feridas, res-
sumbra o ardente amor ao torrao natal.
Depois de sua morte, Iracema e 0 Sertanejo sao discutidas, m6r-
mente pelos romancistas cearenses que veem em Jos6 de Alencar um
marco indestrutivel na evolugdo do romance cearense, um nome que
a todos ofusca. Tentam por Isso, fazer-lhe restrig6es, diminuindo-!he a
refulgencia, numa compensacgo do complex de inferioridade.
Prolonga-se, neles, a rivalidade de Franklin Tavora.
O cronista JoHo Brigido afirma que Jos6 de Alencar cai nos maio-
res absurdos, corta infinitamente as distAncias, supreme, imagine e de-
sanexa localidades, nao poupando scquer as idades que muitas vzzes
confunde. (7)
O pesquisador Ant6nio Bezerra assevera que, na 6poca em que
Alencar situa Iracema, a lagoa de Porangaba nao existed ainda, pois
se forma posteriormente, pelo meado do s6culo XIX pouco mals ou
menos, o que quer dizer que nao tem fundamento as lindas narragces
relatives aos primeiros tempos da colonizago do Ceara e por conse-
guinte que Iracema nHo pode ter torado banho em lagoa inexisten-
te. (8)
Joao Brigido fala na dfivida em que ficam muitas palavras tupis
quanto A sua significagdo, e d!z que ela procede do pouco criterio de
literatos brasileiros e estrangeiros que, no comego do seculo passado,
andaram a fazer lexicologia da lingua tupi.
Dai a perpetuagAo de krros tais como a palavra Ceara primitiva-
mente significar jandaia, canto de jandaia, papagaio e outros absur-
dos em que cai Jos6 de Alencar, pouco conhecedor das nossas antigui-
dades. E acrescenta que nao ha, nao houve, nem poderia haver jamals
papagaios e jandaias numa praia varrida por ventos fortissimos, como
os aliseos, nem nas dunas que se empinam s6bre o mar, despidas de
t6da vegetagAo e agoitadas pelos mesmos vendavais. (9)
Fazem sindicAncias em t6rno daatuaqao parlamentar de Alencar,
e descobrem attitudes imperdodveis.
Em discurso proferido na sessho de 17-4-1877, falando s6bre a
sica que assola a Provincia do Ceara, Alencar entende que ela nio se
pode comparar As de 1825 e 1845. Diz l6e: "Ha incontestavelmente
muita exageraEgo. Quem conhece a provincia do CearA e o interior
das provincias do Norte sabe que ate o mis de Maio ou meados do ano










- 54 -


nao se deve desesperar do inverno; por conseguinte nao 6 possivel na
quadra em que estamos, anunciar desde ja uma s6ca acompanhada
dos efeitos desastrosos daquelas 6pocas a que me referi"
Em outro discurso, durante a sessAo de 3-8-1877, opina que a Es-
trada de Ferro de Baturit6 nHo merece o beneficio do Estado, motive
por que o romancista Rodolfo Te6filo aproveita a oportunidade para
exprobrar-lhe o procedimento.
"O conselheiro Jos6 de Alencar ergeu a voz, nao para pugnar pe-
la realizaqco de um dos melhoramentos mais fiteis A sua terra natal,
mas para condenA-lo perante o pais. Ainda desta vez, apresentava ar-
gumentos errbneos que mais pareciam filhos do despeito do que de um
espirito culto".
Jo5o Brigido, no diArio intimo de viagens, ao falar da inaugura-
gco, no Rio, da estatua de Jos6 de Alencar, chama a 6ste de o mais e-
goista dos seus conterrdneos. E acrescenta que vao fundar corn o no-
me dele, que nunca estendeu a mdo a um pobre, uma Beneficencia.
(10).
O romance de Jos6 de Alencar, apesar dos defeitos que o inqui-
nam, inerentes ao romantismo, constitui pujante manifestaqao de bra-
sileirismo em oposigqo ao lusismo.
O romance indianista de Alencar 6 de acentuado otimismo. De
finalidade nacionalista, seu objetivo verdadeiro 6 limpar as origens
plebeias da aristocracia pr6priamente brasileira em luta contra o colo-
nialismo luso. O indigent, romantizado, lastra geneal6gicamente, a
classes que assume o comando da realidade econ8mico-politica brasi-
leira.
As confrontac5es romAnticas obedecem ao imperative de classes.
Jos6 de Alencar, porta-voz das camadas superiores do povo brasileiro,
cria as personagens representatives da nacionalidade para o confron-
to com o lusismo.
Peri, pode ser indio como Madame Chrysantime, de Pierre Loti,
6 japonesa. (11) Mas, nao deve surpreender encontrar uma alma o-
cidental sob as plumagens multicores dos herois de arco entesado e fle-
xas sibilantes. Que 6 o selvagem de Rousseau, sendo um fil6sofo que
vive ni?! (12)
O indianismo express os sentiments e as aspirag5es da nova
nacionalidade, ainda vivamente abalada pelos sucessos da Independ6n-
cia, do Sete de Abril, das Reg6ncias e da Maioridade, assevera Jos6
Verissimo. (13)Y Traduz o sentiment de superioridade a Portugal.
Revela a mudanga das condigpes de vida da sociedade, que se volta pa-
fa as florestas, num culto quase totimico ao selvagem national, que
chega ao repiidio do pr6prio nome de familiar para adotar os apelidos
indianos, transformando o caboclo em simbolo nocional, na expressao
de Capistrano de Abreu. (14)
Artes, o exaltado 6 o lusitano. Em Santa Rita Durio, o indianismo










-.55 -


6 mais o cAntico do Brasil portugues, do Brasil cristdo. 0 indio 6 para
Ele a semifera gente viciosa.
Em Basilio da Gama, as imprecag6es contra o estrangeiro invasor
tem acentos, cuja f6rca e sinceridade chegam a iludir, como se f6ssem
d o intimo do c o r a g o do poeta. Ja canta a resistencia
o p os t a pelos indios ao d o m in i o portugues.
Em ambos, o 4ndigena entra como acess6rio. (15) E' que, ent.o, o
sentiment de dependencia da metr6pole e da honra de colono preva-
lecia ainda bastante s6bre o patriotism brasileiro, para que se pudes-
se representar os portugueses sob um aspect desvantajoso nas rela-
gces com os indigenas, (16) salienta F. Wolf.
Cor Alencar,'ja robustecido o sentiment de independ6ncia na-
cional e realizada a separacgo antropol6gica, passa o luso a'ser ridicu-
larizado, enquanto se opera o process de idealizacqo do incola. E' o
modo de tratar a este que distingue o indianismo romantico do india-
nismo clbssico.
Nao se original da pobreza de mitos e tradigies o ar vazio e morto
da obra romAntica do Brasil. No que tange aos rom&nticos indianis-
tas, ndo podem 6les superar o realism d floor da pele, de olhar timido
e curto. Os processes de pcneiramento dos motive her6icos e de ide-
alizagdo estdo subordinados as necessidades da classes dominant que
fizera a Independencia e assumira a diregao political da nacgo.
Para lutar e veneer a aristocracia lusa, carecia a aristocracia bra-
sileira da idealizag~o de suas origens, de uma raga formadora que pu-
desse superar o portugues em arrojo e heroismo; de uma raga forma-
dora que se identificasse cor a pr6pria terra brasileira. Eis por que
os indios de Chateaubriand e de Marmontel ndo possuem os sentimen-
tos elevados de honra, de amor, de gratidio e de coragem que depara-
mos em Aimber6, Tabira, Peri e Iracema, observa Haroldo Paranhos.
(17) Dai, ainda, o otimismo estravagante s6bre as nossas coisas. O
romance move-se entire os caboclos hiper-idealistas, mestres em plato-
nismo alexandrino. (18)
O indigena presta-se a essa romantizagdo. A cidncia da 6poca
romantica nao chega ao Brasil cor a verdadeira idWia do que seja um
povo selvagem. Apenas, envolta nas confusas e sedutoras n6voas da
lenda, aos romAnticos chega, atrav6s das cr6nicas dos jesuitas, a hist6-
ria das perseguig6es movidas pelos colonos contra os miseros indios a-
presados. (19) afirma Clovis Bevildqua.
0 caboclismo de opereta contrast corn o caboclismo real. Alen-
car paga o seu tribute ao tempo e preenche os requisitos de um roman-
ce de classes esquematizado pela imaginagpo lirica e pela exaltagio su-
perlativa.
E' Issue o motive por que Jos6 de Alencar fracassa sempre que se
propoe a escrever romance de costumes, quer tome para assunto a vida
rural, quer a sociedade urbana. A imaginagco anula-lhe todos os










- 56 -


meios de observacgo e os pretensos tipos e costumes Ihe saem defor-
mados. (20)
Querendo glorificar o ciclo her6ico da vaquejada, Jos6 de Alen-
car escreve O Sertanejo. Sucede, por6m, que 6le nao conhece os ser-
t6es do Ceard de visu e fica, por isso, muito a barlavento da verdade,
dando-nos, apenas, uma sombra po6tica da vida do interior e das fa-
zendas, diz Araripe Jinior. (21)
0 Sertanejo foi escrito s6bre informag6es. O autor nao viu os
camps que descreve. Nao tendo said dos arredores da capital, ignora
completamente a vida do vaqueiro, de sorte que se ve na necessidade
de fantasia-la. No mato, a coisa 6 sdriamente medonha e bem dife-
rente nos seus incidents do espetaculo ameno, que se encontra nas pa-
ginas demasiado coloridas do romance. Acresce que o her6i do livro,
em quem Alencar procura estereotipar o carAter cearense, n.o 6 field
como espelho da verdade. O tipo do sertanejo 6 muito amigo do fan-
tastico; e o Ceara 6 talvez a provincia, onde existiu e existed mais acen-
tuado o sentiment da realidade, da luta e da f6rga. Se a mis6ria ter
sido tantas vezes flagelada! Arnaldo, pois, romantico de sobra, esta
muito long de ser a imagem dos filhos robustos do vale do Cariri, (22)
diz ainda Araripe Jfinior.
O negro nao inspira a Alencar as mesmas arrancadas romAnticas
por motives de classes. O negro nao pode ser idealizado como o incola.
E' e1e o esteio economic da classes a que pertence Alencar. Este, por-
tanto, jamais poderia exaltar a resist6ncia do escravo negro ao senhor
branco.
E' 8sse o motive real da conduta literaria de Alencar em relagdo
ao negro, e nao o que consider o negro permanent quotidiano a em-
botar a curiosidade dos literatos, enquanto o aborigene, pela distincia,
fala mais a imaginagdo, comb tenta explicar Amadeu Amaral. (23)
Romancista de um moment hist6rico, falta-lhe a aptidao para
o romance psicol6gico.
S6 se interessa Alencar pelas cenas risonhas, os quadros alegres.
Seu espirito na.o pode receber das cousas a impressed dolorosa nua e
ingrata que os climas do norte dep6em no sens6rio de seus poetas. (24)
Em tdda parte, os romanticos sdo acusados de falta de fidelidade
etnografica e hist6rica. Em Alencar, portanto, nao surpreende que a
exaltagao lirica absorva o realismo da concepgao e que as personagnes
se transformem pelo despotismo da poesia, redundando seus indigens
em figures decorativas, em ret6ricos, em herois de fabula. E' o resul-
tado da antitese romAntica entire a raz.o discursiva e a vibragao po6-
tica.
Mesmo inquinado desses vicios, O Sertanejo tem o seu m6rito. E'
possivel que se deva a Alencar nao haverem os nossos romAnticos en-
veredado pelo subjetivismo puro, ressalta Lfcia Miguel Pereira. Mesmo
deturpando, l6e escreveu o romance da vida mestiga cearense, do meio









- 57 -


provincial sertanejo com a sua paisagem, moradores, costumes e ativi-
dades peculiares. (25)
O dr. L. da Fonseca public em O Seculo impresses s6bre o nor-
te do Brasil. Ao falar sobre o Ceard diz: Minha amavel leitora.... por
nHo querer abusar de sua benevol6ncia... omitirei o muito que poderia
dizer... enviando-vos para o livro O Sertanejo... (26)
De Moacir o primeiro cearense que emigra a Arnaldo, o va-
queiro romAntico das caatingas, ha t6da a hist6ria da antropognnese
cearense, incomplete e inverossimil, mas que prova o amor de Alencar
A terra natal.
A distincia requisite romantico concorre para a maior exal-
tagio do torrdo natal.
A paisagem native, ap6s as lutas na C6rte, serve de reffigio. Re-
gressar a ela, pela imaginagao, constitui um regresso quase freudiano,
uma esp6cie de nostalgia analitica da vida intra-uterina.
A fecunda imaginacgo de Alencar desmente esta afirmativa de
um dr. Lima que, em 1858, assevera: A configuracgo do cr&nio dos ce-
arenses 6 ordinariamente aquela de que sdo dotados os homes prati-
cos, com escassez dos 6rgaos puramente de imaginag5o. (27)
Para traduzir um mundo novo e uma sociedade diferente, s6 uma
lingua tamb6m diverse. E l8e nfo tergiversa. Rompe corn a religiao
do purismo. Protesta contra o estado de colonia gramatical. E inau-
gura a lingua falada como instrument literario.
Consciente de nossas carcteristicas idiomaticas, desafia a Casti-
Iho o cerzidor de palavras de lei prova que a lingua 6 uma psico-
logia; que nZo cabe num compendio; que a gramatica 6, muitas vezes,
um tfmulo, um cenotafio, um sarc6fago, nao sendo possivel a aferigio
da lingua media a c6vados, pesada a quilos e distribuida a litros, no
dizer de Tobias Barreto.
"O filho dos tr6picos deve escrever numa linguagem sua pr6pria,
deve ser indianista por indole, e mesmo por birra; o seu estilo deve ser
suave e melifluo como o gorgeio de seus passaros; doce como o nectar
de seus frutos; magestoso come a densid5o das suas matas; ardente
como o sol que o abraza; soberbo como o fenomeno das pororocas...
inebriante como o perfume das suas flores". (28)
A despeito dos defeitos romAnticos, ningu6m melhor do que A-
lencar tem a intuicdo da vida colonial. E, ainda que parega parado-
xal, ele adota a attitude mais pr6xima do meio em que vive, assevera
Lfcia Miguel Pereira. (29)
Iracema e 0 Sertanejo permanecem, apesar do div6rcio da reali-
dade cearense, como duas balisas a assinalarem o amor filial a terra
mater. Ainda hoje, ouvimos as suas palavras repassadas de saudade:
"Quando te tornarei a ver, sertdo de minha terra, que atravessei hA
tantos anos na aurora serena e feliz da minha infAncia? Quando tor-
narel a respirar tuas auras impregnadas de perfumes agrestes, nos










- 58 -


quals o home comunga a selva dessa natureza possante". (30)
O Ceara deve muito ao divino Alencar (32), motivo por que a
Padaria Espiritual, no art. XX de seu program de instalagAo, diz: Nas
fornadas e permitido ter o chapeu na cabe6a, exceto quando se falar
em Jose de Alencar.
Certo poela ingles afirmou que os crepfisculos se tornaram mais
radiantes e suntuosos depois dos quadros de Turner. Podemos dizer,
tamb6m, que, depois de Iracema, as nossas praias adquiriram mais be-
leza e poesia.
"Eu nao posso ver o oceano que nao me lembre de uma cousa,
comegou Gracinha Macedo.
"De que ? De que ? interpelaram algumas.
"Do g6nio de Jose de Alencar que imortalizou estas Aguas".
(31)
Imortalizado pelo gfnio de Alencar o mimoso perfil dessa linda
selvagem vencida pelo guerreiro branco reflete-se atrav6s dos tempos
s6bre as alvas praias e as risonhas dunas que orlam os "verdes mares
bravios" marcando uma nova fase A literature indigena ..." (32)
NOTAS


1 Cruz Filho..............
Araripe Junior ............
2 Araripe Junior .............
3 ...........
4 Ant6nio Sales
5 Araripe Junior ...........
6- ...........
7 Joao Brigido ..............
8 Ant6nio Bezerra ...........

9 Joao Brigido ..............

10-- ...........

11 Medeiros e Albuquerque ....
12 Salomon Reinach .........
13 Jos6 Verissimo ............
14 Capistrano de Abreu .......
15 AfrAnio Peixoto ..........

16 F. Wolf ..................
17 Haroldo Paranhos ..........

18 Silvio Romero
19 C16vls Bevilaqua ..........


Almanaque do Ceara 1929
Jose de Alencar" pag. 7
pag. 104
pag. 8

Obr. cit. pags. 116, 85 e 86
pg. 86
"Publicag6es diversas" pr. 165
"Algumas Origens do Cear", -
pg. 19
"CearA Homens e Fatos" -
pgs. 2-3
cit. in Leonardo Mota Correio
do Ceard, 30-7-1947

Orpheus" pg. 13
"Letras e Literatos" pg. 133
"Estudos e Ensaios" pg. 93
Rev. Ac. Brasileira de Letras -
vol. XXIV pg. 405-8-1927
"Le Bresil Litteraire"
"Hist6ria do Romantismo no Bra-
sil"

"i.pocas e Individualidades" pg. 6









- 59 -


20 Ant6nio Sales ............
21 Araripe Junior ............

22 Araripe Junior ............
23 Amadeu Amaral ...........
24 Rocha Lima .............
25 Luicia Miguel Pereira .......

26 Dr. L. da Fonseca ..........
27 Dr. Lima .................
28 C6nego Ulisses Penafort ....
29 Lfcia Miguel Pereira ........
80 Jos6 de Alencar
31 Conego Ulisses Penafort ....
32 Francisca Clotilde ..........


"Retratos e Lembrangas" pg. 47
cit. in Bardo de Studart "Dic.
Bio-BibliogrdficQ", vol. 2, pg. 311
"Jose de Alencar" pgs. 177-178
Revista Americana
"Critica e Literatura" pg. 83
Provincia de Sao Pedro 6-1946
- pg. 26
A Republica, 11-4-1895
Cearense, 5-1-1858
"Mandf" pg. V
Rev. cit. pg. 5

Obr. cit. pg. VII
"Ceard Intelectual" 1910


FRANKLIN TAVORA

As contingencias da vida levam Franklin Tavora para Pernam-
buco, onde educa e enriquece o espirito, e toma parte nas lides liter&-
rias.
Pernambuco constituia um centro de agitacgo intellectual. As
novidades importadas da Europa geravam a inquietagdo e levavam
os estudantes ao debate das recentes teorias filos6ficas e cientificas.
Inteligencia viva, solicitado pelas necessidades do meio ambien-
te e sob a influencia de novas iddlas ,TAvora observa que o process de
idealizagdo romAntica 6 falho e que urge explorer o manancial de tra-
diq6es regionals ao calor de uma maior identificagdo do home com
a paisagem native.
Mesmo ausente do Ceara, o seu primeiro romance tem como ce-
nrrio a terra natal e ele o escreve aos 20 anos de idade. "Os Indios do
Jaguaribe", editado em 1862, focaliza a expedigco de Pero Coelho ao
Ceara, em 1603. E' o romance da colonizagdo.
Josd de Alencar iniciara seus romances indianistas dentro dos
postulados nacionalistas lus6fobos. TAvora sofre a influencia de A-
lencar e resolve dar ao Ceara o que Alencar dera ao Brasil; uma epo-
peia.
Orgulhoso da obra que escreve em plena mocidade, Tavora envia-
a a Jos6 de Alencar que demora a Ihe externar a opinion, irritando-o.
TAvora encoleriza-se, quando sabe, por intermddio de um amigo, que
Alencar resumira o parecer num dito caustico: tais indios precisam
ainda de ser descascados. (1)
Jose de Alencar, em pleno fastiglo literario, vivendo na C6rte,
senate, intimamente, a iniciativa de Franklin Tavora, iniciativa que tern









- 60 -


a melhor acolhida em todo o norte do Brasil, por parte das rodas lite-
rdrias, embora nao repercuta na C6rte e no Sul do Imperio (2)
Jos6 de Alencar estd ocupado cor o romance national, com te-
mas amplamente nacionais; mas o romance de Tavora explore o filbo
indianista e elege como cendrio a terra natal.
Desse ciume freudiano dos filhos pela terra-mater, surge a con-
tenda entire os dois ilustres cearenses, por alguns envenenada e por
muitos mal compreendida.
Franklin Tavora nao esquece a opiniao critical e aguarda melhor
oportunidade. Jos6 de Alencar, aguilhoado pelo complex, public Ira-
cema, que 6 uma resposta a Os Indios do Jaguaribe. TAvora, entAo, re-
dige as Cartas de Sempr6nio, por interm6dio das quais se desforga da
opiniao de Alencar s6bre o seu romance.
Em Recife, Franklin TAvora, M. Lopes Machado e outros se reu-
nem em noites determinadas e exp6em na melhor conviv6ncia os tra-
cos de uma literature do norte, singela e popular, mas avivada pelos
mesmos sentiments que acenderam a imagina9go de Byron e dos poe-
tas da Franga. (3)
Jos6 de Alencar 6 consagrado como romancista national. Resi-
dindo na C6rte, as suas obras t&m ampla repercussbo. Franklin Ta-
vora pensa nesse sucesso e, amargurado cor a nao consagracgo de Os
Indios de Jaguaribe na C6rte e no Sul, julga ter encontrado a chave do
enigma na idolatria que merecem escritores mais provectos e de firma-
da reputagdo e na dessemelhanga de impresses do leitor do Norte e do
leitor do Sul, dessemelhanga que se estende a habitos e modos de pen-
sar condicionados por circunstancias mui' especiais de natureza e cli-
ma. (4)
Procurando superar o complex da inferioridade, Franklin TAvo-
ra da inicio a sua operosa batalha para cindir a literature brasileira
em duas grandes agrupag6es: a do Norte e a do Sul. (5)
Nessa divisao, Jos6 de Alencar passa a concorrer para a fbrma-
gco da literature austral (6), enquanto que 8le encabega a literature
setentrional. E' uma compensagao do complex e uma maneira de fe-
rir a Alencar no ponto mais sensivel: desliga-lo por complete da terra
natal, eliminar Iracema.
O CearA represent o pomo da disc6rdia entire os dois cearenses
que se ilustraram em outras plagas, enquanto a atividade intellectual
da provincia natal se cingia A imprensa militant fortemente partida-
ria.
Jos6 de Alencar 6 um nome national; Franklin TAvora 6 uma
esperanga regional. No primeiro, o cendrio significa tudo e a persona-
gem quase nada; no segundo, o sentiment da natureza 6 muito d6bil.
Num, os indigenas falam linguagem banzeira; no outro, o carAter do
incola se reveste de maior heroismo. Em Alencar, a exaltagpo da ter-
ra-mater abrange a orla litoranea para depois penetrar no interior; em









- 61 -


Tavora, essa exaltagio envolve inicialmente o sertio. Ha num mais
lirismo; em outro hi mais pendor para o pat6tico. Em ambos, por6m,
hi id6ntico desejo de glorificago do aborigene; a mesma Ansia de re-
vivescencia do scntimento de pAtria; igual aproveitamento do roman-
ce como aparelho de proclamagdo das virtudes e belezas da terra na-
tal.
As letras t6m, como a political, um certo carter geogrAfico; mais
no norte, por6m, do que no sul abundam os elements para a formavgo
de uma literature pr6priamente brasileira, filha da terra, assevera
Franklin Tavora. (7)
O Norte, por sua hist6ria tao rica de feitos her6icos, por seus
usos, tradig6es e poesia popular, h. de ter cedo ou tarde *uma bibliote-
ca especialmente sua. (8)
Para concorrer cor os romances de Alencar, Franklin TAvora
pensa em aproveitar as tradig6es e cr6nicas das provincias setentrio-
nais. Apressa-se, entretanto, em dizer que ndo o anima sentiment
algum de rivalidade. O Norte e o Sul devem ter literaturas pr6prias,
porque o genio de um nao se confunde corn do outro, diz, ainda, TA-
vora. (9)
Franklin Tavora, mesmo buscando uma condigCo de plenitude
literAria acicatado pelo complex de inferioridade, inicia um movimen-
to fecundoeque 6dios e incompreensoes frustraram em sua verdadeira
significagAo e em seu patri6tico alcance.
Silvio Romero, ao apreciar Os Poetas ,Sergipanos, assevera que
lebs n8o t&m a fama, devido exclusivamente ao pouco valor politico, so-
cial e representative de sua terra. (10)
A fungdo literaria e intellectual de nossas antigas provincias nao
e a de criarem literaturas a parte, como, com alguma ironia, se alvitrou
no Rio de Janeiro, depois que TAvora falou em literature do Norte. (11)
Nao foi no sentido incriminado o seu pensamento, corn o chamar
a atengdo para as tradiqges, os costumes, as cenas nortistas e cor o
aludir aos bons talents daquela zona, afirma Silvio Romero. (12)
A fung&o das provincias, dia ainda Silvio Romero, 6 a de produzi-
rem a variedade na unidade e fornecerem a capital os seus melhores
talents. (13)
O apotegema balzaquiano jA havia condenado fundar a ag~o em
lugar que se nao conhece. Foi o que TAvora fez criticando a Alencar
que confiava em demasia na imaginagCo. (14)
HA os que, dominados pela visao total, negam a visAo parcial de
nossas cousas. Artur Orlando, por exemplo, consider o regionalismo
de Franklin TAvora formula demasiadamente estreita, senao extraor-
dinariamente ridicule. (15)
No Ceara, TAvora nao 6 exaltado como Alencar. Iracema conta
cor diversas edic6es. Os Indios do Jaguaribe nao vai a segunda edigto
complete, considerando-se, hoje, obra rara, possivelmente guardada









- 62 -


cor clume por bibli6filos.
HA, entretanto, vozes que proclamam o valor de TAvora, acor-
dando os conterrqneos para a consagraqgo do filho Ilustre, do mais re-
gionalista dos escritores. (16)
Valentim Magalh5es e Oliveira Lima deram, respectivamente, o
Piaui e Pernambuco como o torrao natal de Franklin Tavora. Certo
plumitivo cearense nHo se conforma e protest contra essa hist6ria de
subtrair ao Cear os seus homes e deixar-lhe s6mente as secas e os
retirantes.
O romance cearense, a despeito de tudo, seguiu a orientagio de
Tavora. E' regionalista por excelencia. E as restrig6es que os roman-
cistas cearenses fazem a Jos6 de Alencar parecem ser a perpetuaco
das recriminag5es do pr6prio Tavora, nessa porfia quase freudiana.

NOTAS

1 Clovis Bevildqua ..........Rev. Ac. Cearense pgs. 21-22-1904
2 Alfredo D'Escragnolle Taunay.. Rev. Trim. Inst. Hist. e Geogr.
do Bras. Vol. 51 pg 354
3 M. Lopes Machado ..........Rev. Inst. Arqueol. e Geog. Pernam-
buco Vol. 36 pgs. 67-68.
\ 4 Alfredo D'Escragnolle Taunay....... Obr. cit. pag. 355
5 Alfredo D'Escragnolle Taunay.. ...... Obr. cit. pag. 355
6 Franklin TAvora............Carta-prefAcio a "O Cabeleira"
.7 .... .... ..: pg 12
8 .. .... ..... pg 13
9- 7 ...... ... i" pg 14
10 Silvio Romero .......... .."Outros Estudos de Lit. Contem".
pg. 29
.11 ...... ... ... pg. 227
12 " ...... .... .... " pg. 227
13 .. ......... " pg. 228
14 Sempr6nio ............. ."Cartas a Cincinato" pgs. 15-16
15 Artur Orlando ........... ."Filocritica" pg. 84
16 Gustavo Frota .... ........Fenix, Agosto 1915
17 Valentim Magalhes ......"Noticia critical dos principals es-
critores" Lisboa 1896














MANUl IE LI0EllRA PAIVA

(Nasceu em Fortaleza a 12-7-1861 e morreu a 29-9-1892)

Manuel de Oliveira Paiva inicia os primeiros estudos em Forta-
leza, seguindo, logo depois, para o Rio, onde cursa a Escola Militar.
Atacado pela tuberculose, regressa ao Ceara, onde procura curar-
se em estadias no sertdo.
Vivendo numa quadra de agitagAo social, quando Fortaleza vi-
brava ao calor do entusiasmo aboliclonista elrepublicano, Paivinha, co-
mo era conhecido na intimidade, mesmo doente, torna-se um vanguar-
dista.
De um rigor mordaz e de uma vontade de ferro, fora da political,
6 ele um bo8mio palrador, um trocista que diverted amigos e companhei-
ros cor a alegria folgazA pr6pria da mocidade. (1)
Proclamada a Reptiblica, Oliveira Paiva 6 nomeado secretirio do
governor provis6rio do Ceara, o que revela prestigio e capacidade.
Jornalista, dA a imprensa cearense um certo relevo que a eleva As
alturas em que hoje estA. (2) Funda cor Juvenal Galeno, Joao Lo-
pes, Virgilio Brigido e outros A Quinzena e Libertador.
Cor uma inclinagdo insopitavel para as letras, inicia-se na poe-
sia e, logo depois, no conto e no romance, em cujo g&nero descobre a
sua vocacgo.
As suas primeiras produg6es em verso e em prosa aparecem na
imprensa o veiculo acessivel aos mais afortunados, m6rmente no
journal que dirige Libertador considerado o journal dos novos, dos
incompreendidos. (3)
Redator de A Quinzena e tesoureiro do Clube Literdrio em 1887,
afirma que nada acende mais os brios de uma nacgo do que a literatu-
ra, embora saiba que os cearenses sAo Ad6es cr6nicos que vivem a ino-
cente vida vegetativa. (4)
Identificado cor o espirito do seu tempo, 6 um revoltado contra
preconceitos e injustigas (5) e, ao mesmo tempo, um inovador.
Reator e filoneista, utiliza-se do romance como instrument de
clarificacgo da classes media que se apresenta cheia de iniciativas.
Quando cursa a Escola Militar, public Paivinha no journal Cru-
zada, "Tal filha, tal esp6sa". E, jA no CearA, A Afilhada, que sai como
folhetim no roda-p6 do Libertador, de 6 de Fevereiro a 20 de Abril de
1889.
As viagens que 6le fIz ao interior cearense, para tratamento de
safide, inspiraram-lhe um romance tipicamente rural "Dona Guidi-
nha do Poco".









- 64 -


"D. Guidinha do Poco", entretanto, s6 veio a luz da publicidade
em 1952, em edigco da Editora Saraiva, gragas aos esforgos da escritora
Luicia Miguel Pereira.
Nesse admiravel romance rural, o-que empolga o critic nao 6 o
drama sanguinolento que tern a fazenda Pogo da Moita por cenario.
Drama que nada'de original oferece, pois era frequent naqueles tem-
pos bArbaros, quando rigido c6digo de moral e honra dava "A vida dok
antigos sertanejos um acentuado tom medieval".
O que provoca o entusiasmo do critic pelo romance rural de
Paivinha 6 o seu pioneirismo. O seu esquema del romance rural ainda
hoje pode servir de model aos que se aventurarem no terreno da no-
vela ou do romance.
Numa 6poca em que o romantismo opunha tenaz resistencia ao
naturalismo, 6 de surpreender que um espirito inovador nao se deixas-
se dominar pelo pormenor naturalista, e, cor equilibrio, retratasse a
terra rude e a gente primitive.
A sua visao da sociedade sertaneja leva-nos a reconhecer em Pai-
vinha um espirito forrado cientificamente e debrugado s6bre os graves
problems socials do seu tempo.
As personagens de "D. Guidinha do Pogo" comp6em o quadro da
sociedade sertaneja, quadro emoldurado pelo meio geografico respon-
sdvel em grande parte pela rusticidade do ruricola.
Lficia Miguel Pereira diz, por isso, com muita propriedade, que
"o important do livro 6 menos 0 caso sentimental de Guidinha do que
o meio todo em que se envolve".
Ha uma interagdo constant do bin6mio personagem-meio, refor-
cando a nossa convicQao de que o author desejava mostrar que o rurige-
na era uma plant da drea sica do Nordeste como o xique-xique.
Na romancistica cearense, o citadino vez por outra anda as vol-
tas com a sociedade sertaneja. O choque dos padres socials urbanos
e rurais constitui veio sobreposse explorado pelo romancista.
Isso se explica pelo fato de ser o romancista home da cidade e
coletar material no sertdo, numa esp6cie de observac5o participate.
E' natural, portanto, que aproveite a sua experiencia.
Em "D. Guldinha do Pogo", Secundino Barroso 6 praciano de Re-
cife e 6 por 6le que se apaixona a heroina do romance, "sertaneja de
trinta e cinco anos, destemida e autoritaria, muitissima do seu sexo,
mas das que sdo pouco femininas, pouco mulheres, pouco damas e
muito fNmeas".
Guidinha express a f6rqa da terra e da sociedade sertaneja, le-
gitima filha da area pastoril que 6. Dai a sua ascednncia quase ma-
triarcal, deixando na sombra a figura do marldo.
Palvinha, em seu romance, fornece-nos todos os elements para
estudo e interpretacgo da sociedade sertaneja corn seus padres sociais
dominantes, cor seus tragos de cultural.









- 65 -


Incontestavelmente, 6 6le o precursor do nosso romance social
que teria na vocagAo sociol6gica de Jader de Carvalho o seu 'ponto alto.
Quanto ao romance A Afilhada, conseguimos ler gragas ao escri-
tor Dolor Barreira que salvou os recortes dos folhetins das tragas ou de
cousa plor, numa das dependencias da casa do Bardo de Studart.
A fabulagio do romance 6 a seguinte: O casal G6is, da alta so-
ciedade da provinciana Fortaleza do filtimo quartel do s6culo XIX, pos-
sul uma filha a Mariinha que ama a Vicente, o Centfi. A mae
- Fabiana quer casd-la com o Visconde Afrodisio, celibatario e
inclinado aos amores irresponsdveis, a quem ela pensa conquistar para
si. Mariinha, entretanto, ama a Centi, rapagio jovial que corresponde
a tal afeigio.
Paraelamente a .sse enredo amoroso, deoenvolvem-se os epis6di-
os frascdrios e degradantes da escravidao. Afrodisio 6 a concuspisc6n-
cia em pessoa. Uma tremenda rede de arrasta, em cujas malhas caem
escravas como peixes.
Afrodisio faz uma devastagao na casa do desembargador Os6rio
G6is. Enquanto isso, no plano ideoldgico, cria Oliveira Paiva a figure
do boticario Fernandes, element representative da classes m6dia.
O desfecho do romance 6 de notavel f6rga descritiva. O cego
Joao de Paula, pal de uma das vitimas da luxuria de Afrodisio, cor a
desonra da filha, perde a razdo de viver, entrega-se ao alcohol e trans-
forma-se numa figure popular O Cego da Viola acabando os
dias amargurados esmagado por unma locomotive
Quanto a Centi e Mariinha, estao casados e vivendo no Rio, de
onde escrevem aos pals pedindo doce de caji, care do sertlo, rapadu-
ra, batida, labirinto e renda, produtos tipicamente regionais, que ha de-
zenas de anos sAo remetidos do Cearx para console dos filhos nostdl-
gicos.
Em A Afilhada, o sentido sexual ndo 6 dominant. Oliveira Paiva
objetiva descortinar ao leltor a paisagei deprimente da escravid&o
que conspurcava as fontes da dignidade humana. Ele nao foi, portan-
to, indiferente As relagpes de senhores escravos, is consequdncias so-
cials da aboligdo, como o foram em geral os romancistas naturalistas,
na observacgo de Licia Miguel Pereira. (6)
O romance de Oliveira Paiva 6 o primeiro que nos descreve cenas
misticas, sob a influ6ncia do espirito cientifico do s6culo.
"No campo das parede bruxoleava um paraiso de quadros bentos,
bemaventurados de diversas condic~es e idades, mendigo at6 rei, don-
zela at6 messalina, salteador at6 pontifice, operdrio at6 ap6stolo; den-
tre todos ressaltava o Batista, metido numa pele' de carneiro, cor e-
nergia desusada, a desfraldar no tope do cajado a bandeira do Ecce
Agnus Dei; revolucionario, selvagem, puro, dos Idbios voando-lhe a su-
blime palavra do sdbio e do poeta, e pobre, e nA e s6brio, era, entire o
luxo e a ingenuidade dos seus colegas de Empireo, ali presents na pa-










- 66 -


rede em grande aur6ola em torno da c8moda como a casca de uma
arvore frutifera que alevantava o porte monstruoso dos seus bravos
por s6bre a casquilhagem de um jardim de flores ociosas. Mariinha
ficava horas de maos no queixo a admird-lo sem o compreender". (7)
A sociedade de Fortaleza da filtima d6cada do Impdrio encontra
em Oliveira Paiva um hdbil retratista. Seus instant&neos revelam cos-
tumes, folguedos populares, a divisdo de classes sociais, a desproporg5o
entire a roga e a cidade, o 6xodo sertanejo e a import&ncia da classes
m6dia, podendo-se considerar, sob este aspect, um precursor do ro-
mance de Jader de Carvalho.
E' quase sempre o boticario Fernandes que, em palestra cor o
desembargador G6is, tira conclus6es de profundo sentido social para
a 6poca e para o meio, o que prova as tend6ncias do romance de Oli-
veira Paiva.
Fernandes diz a G6is: "Sabe quem faz isso, seu Os6rio? SHo
os nossos lindos filhos. Agora, nao admira. Li eu algures que a infdn-
cia reflete a sociedade, e que pelo cachorro de casa, e pelos pequenos,
pode-se concluir o que sejam os donos. Os meninos borram e quebram
as obras de pedra e cal e voces as do Ideal, o Direito, a Lei, a Rellgido,
a Political (8)
Pondo em foco a importancia da classes m6dia cearense, Fernan-
des diz a Os6rio:
"- Voc6 esta vendo aquela empena? Ali, homeml No campo da
Amelia. Aquela empena cor andaimes. E' uma casa que estdo cons-
truindo, a custo de rigorosa parcim6nia. O fim dela serd cair em maos
da -oltgkquia dinheirosa. Quem edifica 6 o pequeno burgues. O gran-
de possul a favila do capital. Nao constroi, nem plant. Abocanha de-
pois cor a hipoteca". (9)
Neste trecho Oliveira Paiva descreve a populag~o mestiga pobre
como um PAteo de Milagres.
"Chegou a semana santa.
"Sexta-feira da paixdo, a Fabiana, de brago dado cor o Os6rio,
no rigor do traje preto, seguia para os atos da S6. Uma com o manual,
outro corn o bin6culo. Em toda a cidade havia o extraordindrio formi-
gar do povar6u pedindo esmola para o jejum de hoje, como 6 costume
naquele grande dia. A ausencia de sinos, de cornetas, de chocalhos nas
cavalgaduras, de trdfico, de toques de piano, punha a cidade como edi-
ficada em cortiga.
"O arrabalde invadia a povoagdo confortada. Ao long das cal-
cadas a plebe em turmas ia de porta em porta. Havia aglomerag6es
nas tabernas e mercearias, nos armazens das grandes casas comerciais,
e nos baixos dos sobrados das families de alta catadura que consagra-
vam ainda aquile uso traditional. Mulheres em quantidade, de-chi-
nelo, chaile enrolado, ou cobertas corn um lengol de tacos de chitas,
cabegdo sujo, cor o ar disfargado do cao que pisa em terreiro alheio.










- 67 -


Raro uma pessoa branca. A modo que estava ali a grande maioria
dos descendentes dos tapuias raramente cruzados cor os africanos, e
apenas de long em long retocados pelo sangue europeu. Criangas a-
companhando as pessoas grandes, e fazendo pela vida. Ao espirito es-
terilmente observador do Os6rio, aqueja multiddo, arrastando chinelo
e penfria cidade a dentro a pedir esmola, era uma grande revista em
ordem de march, do arrabalde perante a soberania da populagdo mes-
tra, duas especies distintas de gentes em claro confront ao sol da Re-
dengfo que celebrava o catolicismo. Trajes, costumes, feig6es, andar,
linguagem, e vArias particularidades, como de duas nag6es diversas.
"Por seu lado os mendigos de profissdo tinham ciimes daquele
uso. Cor que direito o mundo inteiro se despejava na rua tirando es-
mola? A populacgo vAlida tinha obrigagdo de prover-se. A mis6ria 6
que cabia o direito de caramunhar sem pejo o pelo amor de Deus, de
passar o dia acocorada no portao da Feira, de lamuriar A said das fes-
tas de igreja, de tucaiar o povo nas esquinas das praqas, de exigir na
porta de cada ur". (10)
Ningu6m melhor do que Oliveira Paiva revela o mundo mental
da escrava.
"A16m da influencia do bergo e da educacao, mae Zefa estendia
s6bre Angela e s6bre a Ant6nia outras muitas. Eram estas duas quase
da mesma feiglo, pois que a brancura de Ant6nia era enegrecida pela
misdria dos pais, por um descuido hereditario, pela existencia vegeta-
tiva de sua linhagem. Foi um tormento, quando a Fabiana Ihe p6s
nas mdos o Metodo Fdcil para Aprender a Ler; a menina gastava o
tempo abismada nas vinhetas, uma das quais, logo no principio, era
um mogo a cavalo, correndo, quase nf, com um volumoso X e por bai-
xo esta inscrigqo: Xenofonte era um fil6sofo guerreiro. Por6m a vinhe-
ta preferida era uma letra L, em que se abeiram uns lirios perseguidos
por um moscardo; os lirios quietos no seu lugar, e o inseto a dar vol-
tas como procurando o coraqgo de um deles para varar de uma fei-
ta". (11)
Este trecho prova a pujanga estilistica de Oliveira Paiva, quando
nos descreve os folguedos do Judas na semana santa.
"Seguiram-se os ruidos valpurgianos costumeiros daquela noite.
A tradigdo e os costumes populares iam cumprir-se na rua, como no
temple a ribrica. Aos devotos estavam suspensos os gozos de care pa-
rado o riso, fazia-se treva na alma. No ripanso an6nimo da plebe e ra-
pazio, ia entrar o diabolismo, os tumultos, a orgia, a inferneira da
grande pAndega d'o Judas. O arrabalde ndo dormia. O sitio do Bispo,
os quintals da rua de Baixo, as chacaras dos arredores, eram assalta-
dos pela troga em grupos, de calga arregagada, facao em punho, e cha-
peu nos olhos. A noite, como no oceano o ruido das vagas, vibrava de
gritaria, de apitos, de golpes de machado. Em vdo a pequena policia
da cidade, abubalhava no escuro dos bairros. Era um conluio de gente










- 68 -


de gravata limpa, disfargada de canalha, que atravessava uma rua
furtando um judas, uma malta de aracatienses, na serravgo da velha,
fazendo uma algazarra de arrepiar cabelo, na porta de algum octoge-
nirio, a serrar num barril, e convidA-lo "para morrer, que jA era tem-
po"; uma noite selvagem, tapuia, apreciadissima". (12)
Incontestavelmente, Oliveira Paiva 6 um espirito perspicaz forra-
do pela ciencia de seu tempo. Ele traduz a passage bagehotlana da
idade da violencia para a da discussed, ao salientar a fung5 o de O Mei-
rinho, journal de estilo mordaz, brejeiro e linguarudo, com estes concel-
tos magistrais: "O bacamarte traigoeiro de detras das arvores do ser-
tao metamorfoseou-se, merc6 do civilizamento, nos doestos, verrinas e
diatribes da imprensa limpa da capital... A plebe, em nos atacando,
esta no gozo de um direito seu". (13)
O romance de Oliveira Paiva estA para o Ceara na mesa propor-
gco do de Jose de Alencar para o Brasil, motivo por que podemos con-
sidera-lo o criador do estilo regional. (14)
A lingua, no romance de Paiva, nao 6 o necroterio da literature,
corpo inanimado exposto em mesa de aut6psia; mas, uma lingua viva,
saborosa e colorida, "que 6 uma fusio admiravel da linguagem escrita
e da oral". (15)
Espirito reator, adota cor habilidade, o naturalismo, sendo dos
primeiros a se rebelarem, no Ceara, contra a literature de ficelle. (16)
Nao se deixa, por6m, dominar pelos sestros da escola.
Assim, se Guidinha 6 langada ao adultdrio pelos impulses do tem-
peramento, 6sse fatalismo, tio do gosto naturalista, e apenas insinua-
do e se contrabalanga por um conjunto de circunstAncias a indife-
renga pelo marido, a convivencia diaria cor um rapas sedutor, a cum-
plicidade tacita ou ostensiva dos servigais que bastariam para ex-
plicar o afeto culpado, observa Lficia Miguel Pereira. E a maneira
por que se revelam r sses amores, apenas pelas suas consequ8ncias, es-
camoteadas como sAo t8das as cenas entire os amantes, nada ter de
realista, no sentido que no tempo se emprestou a essa palavra, diz a
mesma ensaista.
O romance de Oliveira Paiva caracteriza-se pela naturalidade na
dialogagdo, f6rga espontinea, expressed original, aptidio para o gene-
ro descritivo e para a analise de caracteres, imaginagao cultivada pa-
ra as fortes construg6es do romance de observagao, o que fazem dele
a, mais complete vocagco de romancista que o CearA jd possuiu, afir-
ma Araripe Jinior. (17)
Enamorado das formas goncourianas, a sua observagco nao for-
mula teses ou sentengas condenat6rias, embora compreenda o jogo
das paix6es como o psic6logo ou fisiologista. Paiva nao 6 moralista
impertinente, nem anatomista descritivo; mas sabe levantar uma obra
de arte sabre os dados da observagao. (18)
A tuberculose nao cessa o seu trabalho de sapa no organism









- 69 -


combalido de Paiva que falece deixando a familiar na maior pobreza.
Realizam-se espeticulos em beneficio da familiar do grande ro-
mancista (19), inolvidivel campedo das boas ideias, que se agitaram
nestes Altimos dez anos. (20)
A 29-5-1894, A Repbblica transcreve uma carta de Ant6nio Nunes
Valente enderecada a Frederico Borges, redator-chefe de O Tempo, na
qual o missivista, sabendo que Oliveira Paiva deixara o manuscrito do
romance D. Guidinha do Pogo, sugere a organizacgo de uma comissio
de cearenses para publicar a obra, revertendo o produto em favor da
vifva e da filha. (21)
E' insopitivel o amor de Oliveira Paiva A terra natal. Em A Afi-
Ihada, 6le confessa: "Mas uma f6rga me trouxe este novo sentiment:
o amor ao torrao natal. Anteriormente o Ceard me era uma region
tacanha, um povo inconsequente e mal educado, uma tribo de barbaros
num territ6rio que em remote future seria um desert libio. Hoje vejo
na minha querida provincia un pais curioso, tipico, imorredouro, en-
curralado na sua modest cordilheira circular, lavado com os seus rios
de seis m&ses nele nascidos e nele mortos, com os sert6es de inverno e
sica diferentissimos, com as serras cultivadas, com os brejais, cor os
ariscos, as dunas, o c6u lindissimo e cruel, o oceano amigo, e uma po-
pulagdo malaventurada, s6bria, nervosa e conquistador pela arma, do
trabalho, abatida pelo fogo do clima a lutar pela vida sempiternamente.
A nossa grandeza 6 t6da intima, e 6 nos sentiments intimos, do amor
A mulher e a familiar, que o cearense frui o suco da vida". (22)
Se em D. Guidinha do Pogo predomina a paisagem sertaneja, em
A Afilhada o mar L constant na associagqo de ideas e imagens do
romancista.
A id~ia fixa do mar parece ligar-se A infAncia, quando Paiva,
crian6, visitava o trapiche de Fortaleza em companhia de sua av6.
Este trecho de A Quinzena 6 sintomAtico: "...Ale ,o velho vBv6, do tem-
po em que minha av6 dizia a minha inocencia de crianga que os meni-
nos vem 6 do mar, quando eu lhe perguntava donde a gente nasce.
"Amo tanto aquelas taboas e aquelas ondas bravas de cujo turbi-
lhdo eu via a cada instant rebentar um nenenzinho". (23)


NOTAS

1 0 Operario ....................................... 2-10-1892
2- ... ,,
3 Temistocles Machado ................ A Repfblica, 1-4-1901
4 Oliveira Paiva .................. A Quinzena N.o 14-31-7-1887
5 Temistocles Machado .................. A Repiblica, 1-4-1901
6 Lucia M.guel Pereira .......... A Provincia de Sio Pedro pAg.
27 Junho de& 1946.
7 Oliveira Paiva .............................. "A Afilhada"









- 70 -


8 -
1 ............... ................... ... ..... "
9 ............... .. .... .......... .... ..
10 -.. ....................................
_.. ............... .... .. .... ...........
12 -
1 ... .. ...... .... ... .. .. .......
13 ...... ........ ..... ...................... ..
4, Pompeu Brasil ............ "O Cearense e a Literatura Regio-
nal" pigs. 32-33.
15 L:cia Miguel Pereira ..................... Suplemento citado
16 Temistocies Machado .................... A Republica, 1-4-1901
17 Araripe Jfinior ............ cit. in Barao de Studart Obr. cit.
18 ... ..............
39 Silvio Romero
20 O Operirio ..................................... 23-10-1892
21 A Repiblica ................................... 29-9-1892
22 Oliveira Paiva ............................... "A Afilhada"
23 ........... A Quinzena, pig. 30 N.0 4-28-2-1887


ADOLFO CAMINHA

(Nasceu em Aracati a 29-5-1867 e morreu a 1-1-1897)
Adolfo Caminha sai do Ceara para a Escola de Marinha, onde sv
distingue logo pelo temperament arroubado.
Por ocasido da homenagem a Victor Hugo, 6 ele escolhido pelos
colegas de Escola para orador official. Em pres:nga de D. Pedro II,
exalta o g8nio revoluciondrio do vidents de Os Misseriveis.
No Ceard, faz parte do Clubs Republicano. Ardoroso em suas
convicc5es, nio suporta cativeiros. Revolta-o, logo, o rigorismo da
vida de bordo, onde impera a truculencia brutal da chibata avil-
tante como instrument de punigpo de homes livres Denuncia,
por isso, os horrors desse regime, afirma Frota Pess6a. (1)
Concluido o curso na Escola de Marinha, passa Caminha a ser-
vir em Fortaleza, onde toma parts no movimento literirio da
Padaria Espiritual corn o cript6nimo de Felix 'Guanabarino.
Nao lhe e possivel, entretanto, viver em paz. Uma grande pai-
xao leva-o a raptar a esposa de um seu colega do Exercito, incom-
patibilizando-o cor a sociedade local.
A capital cearense, na 6poca, e um meio pequenino, em que o
escandalo social sofre a malor repulsa. A aventura romanesca, por
Isso, obriga-o a abandonar a carreira naval,, aceitando a nomea-
gdo de praticante da tesouraria da, fazenda no Ceara. IS nesse pe-
riodo qu6 escreve A Normalista.
Retalhado pela lingua virtuosa do catonismo imperante, deixa









- 71 -


a terra natal cor o 6dio, concentrado no coragio, comprometendo-
so consigo mesmo' a tomar desforra.
No Rio, onde se fixa, public A Normalista em 1892. O romance
francaments naturalista, estoura como uma bomba, na provincia.
As personagens visadas movimentam-se. Apesar de todas as pre-
caug6es, o livro chega a Fortaleza, mesmo ainda sem capa como o
que Tiburcio de Freitas cnviou para Alcides Mendes. (2)
A Normalista constitui um revide ao meio. Esti, por isso, im-
pregnado de malevolente pessimismo. Sente-se surdo designio de
desforra, assevera Ant6nio Sales. (3)
Cor todas as adulterag6es, por6m, represent a cr6nica de
Fortaleza do iltimo cuartel do s6culo XIX; de uma Fortaleza cor
jogo de vispora, mexericos, soldados rezando no quartel h Virgem
da ConceilCo, casas iluminadas a velas de cera de carnaflba, alco-
viteiras agindo livremente.
2 a cr6nica da capital cearense cor retretas no Passeio Pfblico,
para as quals anunciam os jornals: "No estabelecimento Conficio
e no Clube vendem-s2 cart6es de assinatura de cadeiras no Passeio
Pflblico com abatimento nos presos".
O romance de Caminha desvenda-nos o mundo da psquena
burguesia corn seus funcionarios pfiblicos em "sobrecasacas s6r-
didas, mordendo cigarros Lopes Sa, amarelos, linfdticos e est6-
magos a dar horas"; pequena burguesia que se d, ao "luxo de fa-
bricar sonetos no genero piegas dos iltimos trovadores do salo".
O romance de Caminha apregoa a canalhice de provincia,
apresentando a Escola Normal 'como lugar de prdtica de lesbia-
nismo e de leltura de obras fesceninas a :titulo de ilustrago sexual,
Caminha experiment o indizivel sabor ,da vinganga ao pin-
tar o Ceari como uma terra de bugres, em que s6 se fala em sica
e no prego da came verde.
Em A Normalista, predomina, como sentido, o folfato. A
Inhaca de Jodo da Mata impregna tudo de um bodum carac-
teristico de ambiente caprino.
Ha, por6m, um e splendido tipo de cearense morena Maria
do Carmo que ostenta as formas exuberantes da mulher re-
queimada pelo' sol que Ihe aumenta o sex-appeal.
Publicando A Normalista, Adolfo Caminha sente-se vingado.
iLberta-se da tensAo de 6dio acumulado. A provincia, entretanto,
rio o perdoa. E seus companheiros de Padaria Espiritual apro-
veltam a chance para extravasar a bills.
O orgdo oficlal da Padaria O Pao -- consider Caminha
birrento e rancorosa, Veemento, parcial, irritadico, bapaz de
mudar de crit6rio a todo instant h mercer de suas paix6es e de nio
recuar perante uma injustica contanto que essa injustiqa sirva
de v&lvula a um ressentimento. (4)









- 72 -


Rodolfo Te6filo, ferido em suas suscetibilidades p-la critical
de Caminha, escalpela o romance, apontando-lhe as seguintes .fa-
lhas: a) a existencia de um piano em casa de amanuense que per-
cebe apenas 75 mil rdis; b) emigra!5o em 1877 cor proviso de
boca e alforges cheios de came Q farinha; c) existnncla de igrejas,
cujos alicerces nio haviam sido cavados; d) falta de prepare ci-
entifico, provocando diagn6sticos err6neos como o da elefantias~;
e) estilo frouxo, capaz de produzir sincopes em cardiacos e acessos
em asmkticos; f) tipos mal pintados; g) romance mal arquitetado.
Vingando-se ainda de Caminha, Rodolfo aconselha-o a estu-
dar um pouco Hist6ria Natural, pois, o escritor naturalist nao
deve ignorar o como dos fen6menos.
O romance cearense de Adolfo Caminha 4 passive de critics;
mnas, a despeito das deformagSes, ter valor inoonteste.Constitui
uma das mais pujantes manifestag6es do naturalismo no Brasil.
A Normalista 4 o primeiro romance cearense, em que as per-
sonagens abondonam, cor alegria, o solo natal, tendo para corn
este amargas palavras.
Caminha inicia, na romancistica cearense, a vinganma de Dante:
a de meter no inferno, os inimigos pessoals. As personagens de
A Normalista sdo, em grande parte, pessoas implicadas no drama
do autor, na perturbagAo da felicidade adiltera.
Adolfo Caminha alarga os limits do naturalismo, enumerando
como paradigmas a Balzac, Stendhal, Flaubert, os Goncourts
Zola, Maupassant e, fora da Franga, a gloriosa constelacgo por-
tuguesa cor Eca como inica estrela da ficcao, diz Lucia Miguel
Pereira. (5)
"Adolfo Caminha foi um discipulo de Eca, um discipulo que fez
honra ao mestre". (6)
"Muito dos processes e mesmo da t4cnica eceana se repete
naquele livro de Adolfo Caminha, o que, a meu ver, nao diminul
sob certo ponto de vista, o m6rito do romancista cm si mesmo,
porque nao se descobre intenq.o de pastiche ou de passiva imita-
Cao". (7)
No romance indianista, ha a Ansia de superar a Jos6 de Alencar.
No romance naturalist, ha o desejo secret de sobrepujar a Alutzio
Azevedo, substituindo a Alencar.
Em A Normalista, Caminha diz: "Tinha aberto ao acaso o
seu romance querido A Casa de PensIo. Um livro important,
gabava; um livro que revelava o grau de adiantamento da 11-
teratura brasileira, nat deixando a desejar os melhores dos escrito-
res naturalistas portugueses".
Falando de Maria do Carmo, diz que "at6 aquela data s6 lera
romances de Jos4 de Alencar por uma esp6cie de bairrismo malenten-
dido"., .. ..-- ., ...,. . -., .









- 73 -


As personagens lem o Eca "de flo a pavio, pagina por pagina,
linha por !nnha, palavra por palavra, devagar, demoradamente",
/ deixando-se arrebatar por O Primo Bazilio, do qual Maria do Carmo
diz: Aquilo 6 que 6 um romance. A gente parece que estA vendo
as cousas que ezst sentindo.
S6 um romance naturalista poderia satisfazer as tendencias
do Adolfo Caminha e ao seu desejo de vingartIa contra o meio
provinciano de Fortaleza.
O naturalismo zolaista permitia uma expedicgo p:los pores
da alma hurnana. Se a vida continuea corrupgRo, 6 preciso des-
crever as infec5czs e secrecges de odores ,diversos. Da revelagio
nao p6de sair, portanto, um retrato agradAvel da pess6a humana.
A descrigAo do epis6dio dom6stico exige o revolvimento do todo e da
imundicie.
HA um naturalismo est6tico e um naturalismo inest6tico, afirma
Bimmel. O primeiro, define cle, apresenta-nos os detalhes de uma
cena er6tica de modo a transportar ao meio de sua realidade. O se-
gundo despreza tals meios e, pela simples harmonia de coloridos e
do ritmo das linhas, produz reflexos nos rec6nditos profundos da
,alma, reflexos que, originbriamente, nao estoo' ligados sendo & rea-
ltdade da vida er6tica; mas, separados dela, brilham,
(por assim dizer cm torno do que a reprodugao artistic tnm de pu-
ramente visivel, sem ter necessidade de representacgo de uma reali-
dade substantial. (8)
O mundo provinciano de Caminha s6 podia ser descrito pelo
naturalismo inest6tico compatival cor a ausincia de heroismo
sobrehumano que deprecia a virtuda quotidiana um pouco medio-
cre. (9)
O naturalismo favorece, ajuda a focalizar o home do povo,
o pequeno burgues, a criatura an6nima desprovida de dons sobre-
humanos. Ao process macrosc6pico romantico, substitui o pro-
cesso microsc6pico naturalista, observa F. Paulhan.
Na dpoca em que Adolfo Caminha estreia como romancista, o
Rio de Janeiro literario 6 uma senzala dominada por feitores,
idiz Frota Pess6a. (10). O 'romancista que nEo escreve consultan-
Ido o gosto pulha da burguesia, tmr necessidade absolute de um
ano inteiro para fazer sua obra, conifessa Adolfo Caminha.
Espirito de uma independencia extraordin&ria no modo de
se manifestar sobre os individuos e a sociedade, p6de-se fazer
luma id6ia dos pungentes martirios de seus illtimos anos d? vida,
sustentando mulher e filhos cor os vencimentos insuficientes
,de 30 escriturbrio do Tesouro Nacional.
Pobre, fraco, modesto, nao mercadeja a intelig6ncia. Quixo-
tescamente, arremessa-se contra os preconceitos de seu tempo,
.contra os habitos do respeitbvel piblico contra o protetorado de









- 74 -


Midas, onde o talent 6 calculado pelo tamanho das orelhas. (11)
Colatino chama-o de burro. Adolfo, em carta a Fran Pa-
chcco, diz que aceitara o qualificativo resignadamente. "Ser burro
6 uma delicia nesta terra de g&nios".
Foge das grandes rodas de letras e 6 pouco visto. Trabalha em
casa com afinco e corn alma, como escritor apaixonado pela sua
arts. (12)
Nao empunha o turibulo. Nao incensa os idolos do dia. NAo
.transige. Prossegue, intemerato, a defender o naturalismo e a com-
bater o decadismo. Nio o atral a fama facil, o cartaz. Sabe que os
independents, a minoria silencioss e revolta-ia, ficam na penum-
mra. .nquanlto a hora defla_:..i cR sua canonizaqco artf.tica nio
chega. (13)
Os sofrimentos resultantes da luta desigual pela vida, findaram
por consumer o organismo combalido. Poucos dias antes de morrer,
sabe Caminha que sera promovido a 20 escriturarlo.
Morre deixando duas filhas em circunstAncias as mais precarias.
Amigos, literates e conterrAneos abrem uma subscrig5o. Uma outra,
entire funcion6rios, rende 60 mil r6is.
Em 1899, o Centro Cearense, no Rio, abre uma subscrigo ,para
o mausol6u de.Adolfo Caminha.
Cor menos de 30 anos de idade, extinguiu-se uma vida iquase
toda entregue As'id6ias novas de seu tempo. Em political, republi-
cano: em arte, naturalist.
Leal aos principios de honestidade literAria Adolfo Caminha
s6 compreende a arte com inteng~es civilizadoras. Toda produg~ o
artistic deve trazer um profundo carter popular e national. Nao
admite que um escritor nascido e educado no Brasil, de onde nun-
ca arredou o pd, venha nos impingir cenas da Italia, da Gr6cia, do
Oriente, estudadas em Cesar Cantu ou nas describes de viagens (14).
E afirma: Sejamos o que somos na verdade e nao fechemos os olhos
ao inexplorado campo das tradig6es nacionais. (15)
No Rio, jamais esqueoe o Outeiro (subfirbio de Fortaleza), onde
escreve as piginas;mais verdadeiras e mais sinceras de seu primeiro
livro, e de onde descortinc as areas cor de ouro da Aldeota, bri-
ihando por cima da mata, zebradas duma vegetadvo langua e som-
bria como a triste veg3tagdo dos desertos e dos cemit6rios".'
A Normalista espelha a vida cearense. (16) Num assomo de
orgulho, Caminha assevera que nio se escreveu ainda romance de
costumes cearenses observado e verdadeiro como o seu.
Experimenta uma nostalgia da terra natal que, atravys da
distAncia, Ihe aparece grands na sua miniature de povoado risonho
que olha para o mar". E sonha cor o adorado bairro de lenhadores
e jangadeiros, onde amou, viveu e sofreu.
Nao julguemos Caminha pelas aparencias, pelos aspects pessi-










- 75 -


mistas, caricaturescos e vindicantes de A Normalista. Ai esta um
Caminha em plena reagdo, em legitima defesa de um amor que, por
mais ad6ltero que seja, 6 um santimento que se apodera de todo o
sou ser.
Consideremo-'lo um tipo temperamental, um espirito reator, que
perde a mae aos dois anos de idade e "entra na vida de luto, priva-
do dap joviais alvoradas das caricias insubstituiveis". (17)
"Quando ama 6 cor violincia, cavando em torno de si um fos-
so de erigadas antipatias e prevencges; quando despe a farda de
official de marinha 6 cor tal arrogancia que tira aos seus ichefes o
desejo de dissuadi-lo; quando estreia na literature, sobre o seu nome
e sobre a sua obra, se desencadeiam as mais vivas c6leras e os
mads inclementes despeitos; quando surge na critical, levanta o cla-
mor indignado e desperta a ira sanhuda dos d6spotas literarios".(18)
Por que nao fura Caminha o Rio?
Jos6 Carvalho, que formula a pergunta, responded: "Cearense
reactor, pertenos ele a muita inteirica raga do Nordeste, muito sin-
cera, muito verdadeira, como as suas secas, incapaz, portanto, de
se dobrar, se rebolar, se contrafazer, se desearact6rizar, para con-
seguir um fim qualquer na vida".
Waldemar Cavalcanti lobriga, na obra de Caminha, o desejo
do vinganga do home falhado e vencido pelo destino. (19)
Quase todas as personagens de Adolfo Caminha, nota o mesmo
critico, sHo manqu6ts, flutuantes a tona da vida. Sob o verniz, o
fracasso permanece, 6 claro. (20)
Essa sensacdo de fracasso result da pr6pria luta pela vida do
Caminha. "De um lado o obsorvente empiego piblico, doutro lado
a familla, e, fechando o triAngulo, a vocagAo literdria". (21)
A despeito de tudo, o romance de Adolfo Caminha represent
um marco no desenvolvimento literArio do Cear&.
NOTAS
1 Frota Pessoa .... "Critica e Poldmica" pg 219
2 Alcides Mendes .... Informagdo prestada ao autor
3 Antonio Sales .... "O Ceara" 1939
4 0 Pao .... 1-10-1895
,5 Lucia Miguel Pereira A Provincia de S. Pedro Junho de 46
6 Antonio Sales ....
7 Waldemar Cavalcanti Revista da Brasil Maio de 41 pg 159
8 Georg Simmel .... "MBlanges de Philosophie Relativiste"
9 F. Paulhan .... "La Mensonge de I'art" pgs265-266
10 Frota Pessoa .... Obr. cit..pg. 228
11 Adolfo Caminha .... "Cartas LiterOrias" pg 21
12 Gazeta de Noticias .... 2-1-1897
13 Adolfo Caminha .... Obr. cit. pg 19
14 .... pg 46









- 76 -


15 .... pg 47
16 Sabino Batista .... A Repiiblica, 4-10-1894
17 Frota Pessoa .... Obr. cit.
18 .... pgs 226-227
19 Waldemar Cavalcanti Rev. cit. pg 158
20 .... pg.163
21 Adolfo Caminha .... Carta a Fran Pacheco


EMILIA DE FIEITAS

(Nasceu em Aracati a 15-1-1855)
Pouco sabemos da vida de Emilia de Freitas. Alcides Mendee
- seu vizinho por algum tempo diz-nos, apenas, que ela cra
uma professor esquisita e md poetisa. (1)
A partir de 1873, colabora Emilia na imprensa cearense, reve-
lando-se uma inteligencia esclarecida para a epoca.
Professora, dedica-se ao magist6rio na solidio absolute das
margens do Rio Negro, onde escreve, entire as paredes desguarneci-
idas de uma escola de subfrbio, A Rainha do Ignoto.
O romance constitui uma maneira de vencer a nostalgia da terra
natal e indica o estado de' espirito de uma emigrada cearense. Pu-
blica-o Emilia em Fortaleza,; em 1899, e, num comovente gesto de
reconhecimento, oferece-o aos genios de todos os paises e, em parti-
ticular, aos escritores brasileiros, ,ndo vendo no seu gesto ousadia,
pois o mais poderoso monarca pode sem humilhacgo aceitar um
ramalhete de flores silvestres das mios grosselras duma campo-
nesa. (2)
Em A Rainha do Ignoto, o Cear. ,e o Amazonas constitute cend-
rios, provando, com tal escolha, as ligag6es indissoluveis estabeleci-
das pela emigragio cearense e seladas cor o sangue de seus filhos
no amansamento da floresta, na conquista da terra imatura.
No romance de Emilia, a capital cearense surge como a moga
pilida e rom&ntica de olhar languido, riso ideal, front divina e
candida; e Manaus como o agiota que pensa nas transacges dh
Bolsa, nas empresas lucrativas, nas grandes navegaSges e ador-
mece calculando para sonhar com perdas e danos. (3)
O enredo do romance 6 de'uma inverossimilhanga indiscutivel.
Emilia, entretanto, afirma a possibilidade de apoderar-ss do inve-
rossimil, pois a epoca consagra o espiritismo e as sugest6es hipn6-
tieas, motivo por que a Rainha do Ignoto ndo represent, na reall-
dade, um genio impossivel, e, sim, um genio impossibilitado que,
passando para o campo da ficdo, encontra os melos de realizar os
caprichos de sua imaginagio rarissima e da propensSo bondosa de










- 77 -


seu extraordlnario corago.
Tendo vivido em Jaguaruana, no valI do Jaguaribe, Emilia de
Freitas aproveita a lenda que corre acerca de uma moca encantada
em cobra que mora numa gruta na Slrra do Arar, 'pr6ximo do
Itataba zona limitrofe entire os municipios de Aracati e Jagua-
ruana.
Em Italgaba, aparece o dr. Edmundo corn a bossa de citadino
que, ferrotoado pela curiosidade, resolve conhecer a moga encantada
A sua persistincia na revelagio do encantamento 6 coroada de
Wxito e, certa nolte a desoras, Edmundo ouve e v6 a moga transformada
em bateleira deslizar sobre o rio Jaguaribe, cantando em frances e
acompanhando-se de uma harpa.
O romance dai por diante, vai num crescendo de inverossimi-
lhanca que s6 mesmo um espirita poderia justificar.
A Rainha do Ignoto 6 um dramalhao que 'nao convince. Falta-
Ihe, al6m da veracidade,;dos fatos, a naturalidade dos diAlogos. O
romantismo atinge As raias do delirante.
Emilia tenta o romance psicol6gico, em que a analise nHo 6 de-
duzida da obseivacgo, nem do racioclinio; mas da intuicgo. Asseme-
lha-se, assim, mais a' uma obra ditada do al6m, scrvindo a roman-
cista de.medium psic6grafa.
A romancista .procura, numa colekJlo de fatos triviais, estudar
a alma da mulher, sempre sensivel e muitas vezes fantasiosa. (5)
Em A Rainha do Ignoto, o que se salva 6 o pouco de descrigo
-dos costumes baixo-jaguaribanos. Nao Ihe escapa, tamb6m, o pa-
pel desempenhado pelo padre numa Area de sica e de fome.
"No interior do CearA o sonho dourado do fazendeiro ou do
agricultor 6 ter um:flho padre que nobilite a famllia. Alguns sAo
levados pela ambigpo, dizem que o padra ganha muito dinheiro
sem trabalhar; outros vdo atras das honras que Ihes v6m dai, e as
mdes sao levadas a este tentamen pelo fanatismo religioso: jul-
gam que ter na famllia um ordenado 6 possuir uma esp6cie de
santo que as santifica tamb6m". (6)
O romance ajuda a compreender o espirito de Emilia de Frel-
tas. Mesmo como estapafirdia propaganda kardecista, revela o de-
sejo da romancista de alicergar a obra naquilo que julga ser a ci-
&ncia de seu tempo.
A Rainha ,do Ignoto constitui um belo simbolo que Emilia ar-
ranca da Serra do Arar6 para eliminar todas as injustigas sofridas
pela mulher. A Rainha e as Paladinas do Nevoeiro sao criag6es do
idealismo da romancista preocupada cor a posigLo da mulher na
sociedade.
Emilia de Freltas pela elevagSo do nivel intellectual da mulher
que noo deve ficar reduzida a uma simples muchacha da muselina,
a uma mulher boa e honest, 6 verdade; mas sem instrugao, cujos con-










- 78 -


ceitos sobre a vida e a felicidade sao vulgares e prenhes dos preconcei-
tos correntes. (7)
"...julga voc6 que a boa educel:o consiste sbmrnte em saber
botar um espartilho, atacar um cinto, fazer um bonito penteado,
cobrir as faces de p6s de arroz, os l.bios de carmim, :calcar umas
jluvas, conhecer os artigos da moda, tocar um pouco de piano e
dangar quadrilhas e valsas? Ha outros conhecimentos muito mais
necessarios diz -uma das personagens de A Rainha do Ignoto.
E ,ainda: "...quero dizer que a boa educacgo nem sempre ter
a felicidade ,de sentar-se nas cadeiras estufadas dos ricos sales,
muitas vezes vamos encontrd-la na salinha caiada de branco,
costurando ou lendo b lut do candiciro de querosene". (8)
Vivendo numa sociedade em quo a mulher se dedica aos afa-
zeres dom6sticossendo-lhe vedada a ilustrac~o ao espirito, Emilia
ide Freitas 6 uma pioneira, uma precursora do movimento ceh-
rense.
As suas ideas, entretanto, sao dissimuladas. Ela usa de sim-
bolos e imagens para nao escandalizar o meio.
Tomando parte ativa nas lides literdrias e jarnalisticas do
Ceara, seu nome avulta. Carlos de Vasconcelos, em 190, apre-
ciando o demi-monde fiterkrSo-cientifico cearense, ressalta a
aptiddo intellectual de Emilia, de quem espera obra de elevado va-
'lor. (9)
O Barao de Studart afirma que ela publicou O Renegado, ro-
mance. (1) Nao nos foi possivel ler tal obra, ou polo menos obter
informag6es.
Romancista hoje quase inteiramente desconhecida, o romance
de Emilia de Frettas vota um profundo amor b gleba native. A pal-
sagem 6 essencialmente cearenie, da quadra invernosa, ouvindo-se
as palhas das elegantes carnaubeiras sussurrarem comn o vento que
corre na vbrzea jaguaribana. (11).
Ressumbra do romance a poesia doce e compreensivel a6 pelos
filhos do infeliz e glorioso Ceara. E as personagens juram eterno
amor ao adorado torrio natal, enquanto uma delas afirma: Nio
*roco a minha terra por nenhnuma outra. (12).
NOTAS
1 Alcides Mendes .............. Informacio prestada ao author
2 -- Emilia de Freitas ..................... "A Rainha do Ignoto"
3 .. .......................... I i I,
4 ..... ........ ....... ......
5 .......................... I
6 It o o... .. o.. "
7 Pisarev ........... "La Literatura Rusa" pag. 290 (cit. in)
P. Kropotkin .......
8 Emilia Fieitas ..................................... Ob. cit.









- 79 -


9 Carlos de Vasconcelos ................ A Reptiblica, 22-2-1909
10 Barao de Studart ................ Dcion&rio Bio-Bibllograflco
11 Emilia de Freitas ................................. Obr. cit.
12 .. .. ..... .. .. ... ...... "


DOMINGOS OLIMPIO

(Nasceu em Sobral a 6-8-1850 e morreu a 7-10-1906)

Domnfgos Olimpio Braga Cavalcanti, filho de Ant6nio Raimundo
de Holanda Cavalcanti e de Rita de Cassia Pinto Braga, nasceu numa
quarta-feira, a 6 de setembro de 1850, na cidade de Sobral.
Estudou preparat6rios em Fortaleza. Formou-se em Direito pe-
la Faculdade de Recife em 1873.
Domingos Olimpio sempre revelou pendor para as letras. Como
acadmmico, escreveu dramas e comddias, peas que foram representa-
das em Recife, Sobral e Fortaleza. Milltou na imprensa da capital cea-
rense, onde fiz parte da Academia Francesa.
Exerceu o cargo de Promotor PiTblico em Sobral. Desincumbin-
do-se das tarefas funcionais na pr6pria terra natal, 6 ile surpreendido
pela grande seca de 1877 que Ihe arrebata a esp6sa no ano seguinte.
Em 1878, encontra-se 6le no Park, onde milita na imprensa, na
advocacia e na political, abandonando o Estado por ocasido da procla-
magco da Repuiblica. Fixa-se no Rio em 1890, onde colabora em va-
rios jornais.
No Rio, Domingos Olimpio torna-se conhecido como admirAvel
"causeur", excedendo mesmo a Coelho Neto. "A sua conversagao, diz
Olavo Bilac, era um maravllhoso tecido de imaginagpo, de andlise, de
critical, um fogo de vistas, do qual rebentavam anedotas e inveng6es
que eram verdadeiras cria,6es literArias".
"Era um home alto, retrata-o Antonio Sales, corpulento, de
tez clara e rosada, corn olhos azues, cor um nariz um pouco arrebita-
do e uma certa semelhanga com Bismark. "Mas era um Bismark ale-
gre, de fisionomia atraente e a chispar de espirito pelos olhos e por
todos os tragos do rosto". (1)
Leva, assim, uma vida andeja antes de sedentarizar-se. Pensa,
como Nietzsche, que a vida sedentaria constitui um pecado cometido
contra os deuses, s6 tendo valor os pensamentos ocorridos quando an-
damos. Pensamento do qual discorda Flaubert para quem ningudm
pode meditar ou escrever senAo sentado.
A despeito de suas deambulacoes, nao esquece Domingos Olim-
pio o torrdo natal. Sdo duas imagens que se fundem e se condensam:
a da terra e a da esp6sa.










- 80 -


Ele nao deixa de ser cearense. Define a sua ausencia como a
mae do esquecimento; mas, long do Ceard, faz sentir a todo instant,
em sua palestra, os modismos regionais, contando piadas caracteristi-
cas do espirito sertanejo, diz Antonio Sales. (2) E' que ele guard o
culto da terra natal.
O exilio apura-lhe as qualidades, aumenta-lhe aquele sentido de
trag6dia que ressumbra de seu romance profudamente cearense.
Quem da amurada do navio nao viu sumirem-se pouco a pouco as
praias arenosas, os coqueiros elevados, os horizontes azulados da p.-
tria, nao sabe, nem pode compreender o que 6 o exilio, afirma Capis-
trano de Abreu. (3)
O exillo, define ainda Capistrano, 6 uma cruise letal, uma rupgAo
de tbdas as associag6es, um incdndio que encerra todos os afetos, um
furacdo que abala e arranca as raises da alma. (4)
Vivendo no maior centro urban do pais, nao Ihe sai da mem6-
ria a vida sertaneja associada & felicidade conjugal. O retorno pela
imaginaqgo a terra do bergo implica na revivescencia de uma quadra
venturosa ao lado da esposa amada.
Dessa nostalgia, surge, na sua obra, a oposicao entire o sertao e
o litoral que 6le procura abranger. Deixa indditas as novelas "Entre
esposa e amante" e "Justiga dos homess, nas quais descreve a vida da
cidade e a vida do sertao, manifestando, assim, o dualismo de suas in-
clinag6es.
A proporqgo que passam os anos, mais se arraiga o amor ao rin-
cdo sertanejo de Sobral. Concebe, entdo, o plano de um romance que
o liberte das recordaq6es dolorosas. Araripe Jinior aconselha-o a es-
crever a obra idealizada. E Domingos Olimpio, estimulado por outro
nost&lgico, concentra-se em plena Tijuca, na lembranga do sertao lon-
ginquo, esforgando-se por se alhear daquile meio florestal e hfimido,
tIo diferente do que queria descrever e traga cor mdo de mestre as
paisagens da seca. (5)
E' assim que surge "Luzia-Homem", ideal de raca, arqu6tipo,
canon, tipo darnunziano especie de nitologizagSo da mulher cearense.
Frineia tostada pelo sol nordestino a subjugar gragas A fascinante exi-
bigio da f6rga e da beleza.
No romance, Luzia-Homem reune as qualidades excelsas da esp6-
sa e da terra mater.
Ha essa transfer&ncia como process de libertagdo freudiano.
"Luzia-Homem" constitui um tipico romance de seca. A biografia
do retirante "pedaco de pau arrastado pela correnteza do rio, cain-
do nas cachoeiras, mergulhando nos rebojos, surgindo adiante, para
bater de novo s6bre pedras, tornando a ser arrebatado, at6 que, ao
baixar das aguas, para, coberto de pail e ervas secas, garranchos e
flores, que transportou de long, esperando a enchente na pr6xima es-
tagdo e continuando a trAgica jornada, at6 apodrecer em ribas desola-










- 81 -


das, ou perder-se na imensidade do oceano". (6)
Luxifria e fome constituem os dois polos do romance de seca. Es-
te focaliza as camadas pobres da populacio expostas ao contdgio da
lnfeccio, "varas estereis na coivara dos vicios, que se alastra como in-
c6ndio em matagal ressequido". (7)
Ha diflogos expressivos, icAsticos, das caracteristicas do povo cea-
rense. Entre elas, Domingos Olimpio salienta a feracidade do venture
da mulher cearense e, ao mesmo tempo, a mortalidade infantil.
"Voc6 nao v6 como estdo cheios de criangas os abarracamen-
tos de retirantes?!.
E' s6 o que Deus da aos pobres...
E' um morrer de criangas que at6 parece praga.
Se nao morressem, mulher, o mundo jd nao cabia mais gen-
te. Depois, anjinhos, nao faz mal morrerem. Vio para o c6u rezar
pelos pals". (8)
Interpretando o complex de anjo, o soci6logo Jader de Carvalho
assevera: "Ora, que hW de desejar instintivamente a mae proletAria,
numa circunst&ncia dessa ordem? Que o filho viva, tomando-lhe o
tempo e agravando-lhe a situagdo material?
E' nesse moment criado pela mis6ria econ8mica e pelo aban-
dono social que a alma do proletdrio se refugia em Deus incarna-
gao da sua filtima id6ia de amparo e de protegao. Nesse instant 6 que
se deve sentir e interpreter a sua resignagdo. Mais de uma vez tenho
escutado diante de cadiveres de criangas: E' niuito mais feliz do
que eu. Nesta hora, meu filho esta pertinho de Deus Nosso Senhor".(9)
O 6xodo sertanejo para a capital leva o home a se extasiar
diante do soberbo mar infindo e glaucp, "a rugir lamentoso, despejan-
do envolta em rendas de espuma, a generosa esmola de peixes, molus-
cos, e crustdceos saborosos". (10)
A mae de Luzia afirma: "Nunca vi o mar. Dizem que 6 boni-
to, perigoso e traigoeiro". (11)
Luzia-Homem represent uma exuberante manifestaqgo da vida
pastoril dos serties cearenses. A f6rga e o talhe incomuns surgem da
luta contra o gado, dos servigos da fazenda, das derrubadas do rogado,
das vaquejadas.
A utilizagAo da forga fisica da mulher pelo home constitui uma
das peculiaridades da sociedade de tipo patriarcal-agririo; mas, a
masculinizagdo da mulher, a transposigdo da feminilidade, pode-se dar
no regime pastoral.
Andando a cavalo por t6da a parte, lidando com os vaqueiros,
tendo uma firmeza na voz, uma autoridade de gesto, uma seguranCa,
um desassombro, uma resist&ncia igual a dos homes, a mulher serta-
neja difere do tipo litorineo, observa Gilberto Freyre.
Luzia-Homem n5o 6 um andr6gino, um virago; mas, o tipo rude
do sertdo sem os dengues e tregeitos emolientes da mulher urbana.










- 82 -


Luzia-Homem represent mais alguma cousa do que mero excess
de secrecgo do 16bulo anterior da hip6fise. Mesmo tendo ela existido,
temida e temivel, sem medo de home, encarna a soma das gerag6es
de mulheres cearenses na luta contra a seca, a fome, a emigraqRo e a
prostituigpo. E' bem o resume da sub-raga cearense.
Outro aspect interessante do romance cearense de Domingos O-
limpio 6 o que concern a ilustragpo sexual numa sociedade pastoral. A
experincia da vida nasce do contact cor os animals. Desde a mais
tenra idade, nas fazendas, assiste-se a cruzamentos.
O romance de seca de Domingos Olimpio 6, sob o onto de vista
de realizacEo tdcnica, o maior romance original cearense.
Em Luzia-Homem, h. linguagem correta, vernaculidade, natura-
lidade nos didlogos. Ningu6m escreveu, no Brasil, romance, onde se
houvesse post, na boca das personagens, dizeres mais verdadeiros,
mals pinturescos e mais naturals, afirma o critic Flexa Ribeiro. (12)
Na parte descritiva, falta a concisao necessaria. Os delinea-
mentos do cendrio ressentem-se de clareza e sintese. Em vez de paisa-
gens coloridas, dt-nos vagas nuangas, leves aquarelas. Mesmo da ci-
dade de Sobral, nao nos fica uma s6 rua, diz ainda Flexa Ribeiro. (13)
No romance, o Promotor 6 o pr6prio autor; a mulher do Promotor
e a primeira esp6sa de Domingos. A cena da venda dos cabelos de
Luzia-Homem retrata a fisionomia moral de Dona Adelaide.
Ha personagens que parecem saidas do romance russo. Terezi-
nha lirio que vive no charco assemelha-se a umna figure egressa
de "Yama", de Kuprin.
Por mais regional que seja "Luzia-Homem", "ha nele vida univer-
sal bastante para nao interessar sbmente ao rincao que o inspirou, mas
para dar-lhe os foros de romance national, e, como tal, refletir a vida
humana sob a forma que Ihe deram as tradig6es, o clima e as condi-
gBes, como elements components da gente brasileira".
A luta e a more de Luzia-Homem empolgam e emocionam. Te-
riam provocado a admiragAo de Poe, para quem a morte de uma mu-
iher bonita 6 o assunto mais po6tico do mundo.
Olavo Bilac ter razao, quando assevera: "Luzia-Homem" deu ao
author, em todo o Brasil, uma celebridade, que perdurara, enquanto
formos um povo, enquanto tivermos uma literature".
Considerado romancista de pulso, prosador perfeito e jornalista
eminente, concorre Domingos Olimpio a cadeira vaga cor a morte de
Jos6 do Patrocinio, na Academia Brasileira de Letras. Nao consegue,
porrm, vestir o farddo, embora conte cor a boa vontade de Olavo 31-
lac.
O triunfo literdrio de Domingos Olimpio nHo 6 suficiente para a
materializa;io do seu sonho dourado: aer membro da Academna Brasi-
leira de Letras.
"Prejudicou-o Machado de Assis cor a afeigco paternal que de-










- 83 -


dicava ao candidate & mesma vaga.
"Disse Alcindo Guanabara que tal injustiga praticada a um es-
critor de nomeada como era o author de "Luzia-Homem", foi o primeiro
escAndalo da Academia de Letras.
"Euclides da Cunha, encontrando-se cor o irmAo de Domingos
Olimpio o General Alcino Braga Cavalcanti disse-lhe: "Alcino,
precise dar-te uma explicaqAo. Inconscientemente fui eu um dos cau-
sadores da derrota de Domingos Olimpio. Em Manaus, recebi um te-
legrama pedindo-me o voto para Mario de Alencar e afirmavam-me
que nao havia outro candidate. Dei o meu voto sem saber que Domin-
gos Olimpio era tamb6m concorrente. Se eu soubesse!" (14)
O triunfo literArio de Domingos Olimpio acorda a sonol&ncia pro-
vinciana da "formosa cidade intellectual A Cidade, de Sobral, em edi-
Qco de 20-5-1903, falando s8bre "Luzia-Homem", afirma que a critiea
de Olavo Bilac, Artur Azevedo, Frota Pessoa e outros consagrou intei-
ramente a magnifico livro de Domingos Olimpio. E conclui: Que es-
ta cidade, teatro do romance e bergo do laureado escritor, nao seja in-
diferente a nossa honra".
Cearense andejo, regionalista e universalista, sonhando corn a vi-
t6ria nas letras nao esquece a terra natal. E 4 por intermddio do ro-
mance de seca retrato fiel da terra cearense que aspira a supre-
ma consagragdo literdria: o ingresso na Academia Brasileira de Letras.
0 Jornal do Comdrcio,-do Rio, entretanto, afirma que "o senti-
mento da paisagem brasileira 6 nos seus livros de uma realidade apa-
nhada por 6le mesmo. Conhecia o nosso pais diretamente; nao atrav6s
do olhar artificialmente complacente, na contemplag5o de belezas na-
turals, como alguns escritores descrevem as pompas do Oriente ou os
encantos da natureza brasileira, do vale amaz6nico ou de qualquer ou-
tra regido".
Em "Luzia-Homem", o leitor deixa-se empolgar pela ago. A lin-
guagem de tal modo se adapta ao fato narrado pelo romancista que se
fundem numa mesma cousa. O estilo de Domingos Olimpio vive. A
sua arte enconde o artificio e filia-se ao naturalismo.
A obsessao da gl6ria persegue-o. Em "Luzia-Homem", pretend
superar a Jose de Alencar na estereotipagao da mulher cearense. A
morte impede que conclua a biografia intitulada "A G16ria".
Faleceu Domingos Olimpio as 15 horas do dia 6 de Outubro de
1906 no Rio de Janeiro, vitima de uma embolia cerebral. JA era, en-
tao, casado em segundas nipclas com Dona Ana Torres Braga Caval-
canti.
Domingos Olimpio, diz Olavo Bilac, teve a morte sfibita e 6plca
das grandes arvores que o ralo fulmina em plena pompa e em plena
gl6ria, quando estdo dando a sua melhor sombra e os seus melhores
frutos".









- 84 -


O Cear& continue como a Terra de Iracema; mas, Sobral 6 a Ter-
ra de Luzia-Homem.
NOTAS

1 Antonio Sales ............ "Retratos e Lembrangas" pag 209
2 Ant6nio Sales ............ Obr. cit. pag 211
3 Capistrano de Abreu ...... "Ensaios e Estudos" pag 17
4 Capistrano de Abreu ...... Obr. cit. pag 17
5 PrefAcio da 2a. edigdo de "Luzia-Homem" pag 15
6 Domingos Olimpio .......... "Luzia-Homem" pag
7 Domingos Olimpio .......... Obr. cit.
8 Domingos Olimpio .......... Obr. cit.
9 Jader de Carvalho .......... 0 Povo (Fortaleza-Ceara)
10 Domingos Olimpio .......... Obr. cit.
11 Domingos Olimpio .......... Obr. cit.
12 Flexa Ribeiro ............ A Cidade, 1-7-1903 (Sobral-Cear&)
13 Flexa Ribeiro ............ Idem
14 Informag&o prestada pela familiar de Domingos Olimpio.


ARARIPE JUNIOR

(Nasceu em Fortaleza a 27-6-1848 e morreu a 29-10-1911)
TristAo de Alencar Araripe JAnior inicia, no dia 15 de Novembro
de 1872, a publicagao de A Casinha de Sapd, como folhetim no roda-p6
de Constituigdo.
Naquela 6poca a capital cear~nse contava corn pouco mais de
vinte mil habitantes.
A carreira literdria nao existia. Araripe Jfnior afirma: "A car-
reira literaria pr6priamente nao existe entire n6s; e para que se che-
gue a former uma vocacgo em qualquer ramo que seja, 6 precise que o
home exclusivamente a 8le se dedique. A menos que o mogo de ta-
lento nao se sujeite As agruras de uma vida bocagiana, s6 a f6rga de
muita independ6ncia e f6rea de vontade pode-se conseguir dar um pas-
so nesta send escabrosa". (1)
Araripe Junior, em 1872, exerce o cargo de Juiz Municipal de Ma-
ranguape, onde escreve o seu romance, provavelmente de uma das e-
min&ncias da imponente Serra de Maranguape, a que se referee na sua
carta a Jos6 de Alencar, e de onde desvenda o panorama que descreve:
"O cenArio que daqui se descortina nao pode encontrar rival! Ao lon-
ge a linha azulada do oceano, onde se baloigam como em uma fantas-
magoria os vasos mercantes que nos trazem o progress: mats perto os
lourejantes tabuleiros; ali a serra da Aratanha cor os seus pincaros
verde-negros, os verdes canaviais, as plantag6es do pobre lavrador, a
ermidazinha de Santo Antonio; acolA a linha f6rrea que se aproxima










- 85 -


e a locomotive que como um tigre de fogo langa-se terrivel em busca
do sertoo". (2)
Em A Casinha de Sapd, a figure central 6 Luizinha, "morenita
viva, garrida e cheia de tantos encantos nos seus menores movimen-
tos... Os olhos negros e rutilantes doudejavam como duas criangas
travessas... "Luizinha 6 amada por Alfredo estudante de Direito -
e por JoHo da Camocim o feroz curiboca.
Araripe Jinior realize interessante estudo de costumes rurais.
Falando s6bre o baiano, diz: "E' indiscutivel a influ6ncia que 6sse rit-
mo original soi produzir s6bre o organism human por mais insensi-
vel que seja o individuo. Os membros se agitam, o sangue ferve nas
veias, os nerves se contorcem ;nao ha nada enfim por mais intimo que
se nao deixe vibrar, e o corpo, passando por essa eletrizagao singular
parece dominado por uma f6rga infernal... Tal 6 o poder ignoto des-
sa mfisica misteriosa que o g6nio talvez de algum sertanejo, em horas
de tristeza, inventou para abafar as mdgoas do coragao ulcerado".
Outra personagem dominant 6 o feiticeiro Tatiu, "longinqua ca-
ricatura dos pag6s seus antepassados". O feiticeiro escolhe o Pitagua-
ri para a sua locanda, "o mais apropriado para exercer s6bre as ima-
ginag6es de um povo supersticioso a influ6ncia perniciosa de suas bru-
charias". Tudo recuava do Pitaguari, "receando encontrar nos seus
esconderijos a realizagao das lendas populares".
Descreve Araripe a lenda de Santo Ant6nio do Buraco, relacio-
nando-a com as manifestag6es de Tatf. Estu nada poupa "A bocal
curiosidade dos crendeiros".
"As moedas depositadas pelos peregrines no orificio da pedra
onde se reunlam as aguas da chuva produziam excelente sulfato de
cobre, colirio a que as mol6stias por mais rebeldes que f6ssem rara-
mente resistiam; e ao pass que os tolos lam acreditando numa influ-
8ncia sobrenatural o nosso mistificador se ia fartando a custa dos im-
becis e dos fandticos.
"Por um furo adjacent ao primeiro, que ia pelos intersticios do
rochedo findar-se na caverna, comunicava-se o embusteiro corn o
mundo invisivel.
"Fccil Ihe era fazer cor que os consultants esperassem s6bre a
lage pela resposta sibilina, enquanto, desaparecendo no embastido da
folhagem, descia para preparar-lhe o terrivel efeito.
"Ai chegando aplicava a boca a fresta do rochedo, e de repente a
voz potente do agoureiro retumbava do lado de fora corn pasmo dos
fanticos, que caiam prostrados s6bre o chdo de onde os vinha levan-
tar o bonzo pdlido e tr6mulo como se acabasse de falar com as potes-
tades infernais".
Ha, no romance araripiano, o conflito entire cabras e brancos.
Um dos cabras fala: "Cabra nao tern que carregar opiniio em neg6-
cios de branch! Os culpados, por6m, somos nds, os cabras, que ainda










- 86 -


fim de contas s6 sabem meter-nos no salseiro". E' este o primeiro co-
micio que se realize na romancistica cearense e que mais tarde tera co-
lorido revolucionario no romance de classes m6dia de Jader de Carva-
Iho e no romance proletario de Raquel de Queiroz.
Na romancistica cearense, A Casinha de Sapd constitui o primeiro
romance escrito cor certa preocupagio cientifica. Sob este prisma,
Jo5o da Camocim represent a figure central. O estudante de direito
Alfredo em face do curiboca famanaz constitui um simbolo. Represen-
ta o estudioso, o psiquiatra diante do caso teratol6gico.
Araripe Jinior, nos romances subsequentes, revelard essa pro-
pensdo pelos estudos psicopatol6gicos. Interessar-se-a pelos "casos
teratol6gicos do espirito humano. Essa tend&ncia para a observagao
clinic atingird o climax em Miss Kate. Este romance ressente-se
"da preocupagdo insistente e exclusive de reproduzir um caso clinic,
subordinado a sintomatologia adquirida em livros especializados de
clinic neurol6gica". (3)
Araripe Jfnior interv6m no romance para definir o estado psi-
quico. "A intengdo premeditada e estudada em minfcia prejudicou-
Ihe a criago", diz Artur Mota.
Em Joao da Camocim apresenta-nos o romancista o mundo men-
tal do curiboca dominado pelo terror primitive. A superstigLo e o
horror do desconhecido causavam-lhe uma hesitagpo indefinivel. O
mundo mental do curiboca ainda est& povoada de monstros. A men-
talidade selvagem subjacente domina nos instantes decisivos apagan-
do o verniz da civilizacao. Dominado pela paixao, o curiboca 6 um ti-
gre human. O terrificante silencio das notes sertanejas desperta
"nas cavernas da mem6ria biol6gica, misteriosas vozes de ameaga".
O estudo dos doentes 6 excelente meio t6cnico de pesquisa em
sociologia. O patol6gico serve de miscroc6pio do social. Em Araripe,
por6m, em 1872, nHo podia haver o psicanalista para quem o patol6-
gico conLtitui um instrument de descoberta. Nao podias haver a pre-
ocupagdo de sociologia gen6tica de base patol6gica de Janet. A psiqul-
atria hoje explica multos fatos primitivos; mas, na 6poca de Araripe,
Freud nHo criara ainda a psicandlise, nem a psicopatologia evoluira
tanto.
Na romancistica cearense, A Casinha de Sape 6 o primeiro ro-
mance informal a abordar o fen8meno do misticismo Sob 6ste pris-
ma, Araripe 6 o primeiro romancista a trasladar para o romance a tra-
digdo oral. Ele voltarA ao tema em O Reino Encantado.
Artur Mota entende que o romance se filia A escola romAntlca,
pois 6 "inteiramente adstrito aos processes rom&nticos, nao s6 quanto
ao desenho de personagens, como em relacdo ao entrecho imagina-
do". (4)
Silvio Romero, entretanto, diverge e consider o romance j6 meio
naturalist tradicionalista e campesino, revelando nao s6 influencia










- 87 -


de Alencar, mas de Franklin TAvora tamb6m, classificagdo que repu-
tamos mais consentinea cor os temas do romance que j: ventilamos,
embora a grande influencia de Alencar, aparentemente, de ao roman-
ce um sabor romantico.
Em 1871, Araripe Jinior e outros tomavam parte nas sess6es da
Academia Francesa, onde se procurava reagir contra o clima tremen-
damente romantico. Os franceses, como assim eram conhecidos,
controvertiam os problems cientificos e filos6ficos e pretendiam ini-
ciar a reacgo contra o romantismo que exalava os iltimos suspiros
cor Lamartine e Victor Hugo. Foram dles, talvez, os pioneiros da
doutrina positivista e da filosofia evolucionista no norte do Brasil.
Liam os autores mais autorizados da 6poca Comte, Spencer, LittrB,
Darwin e expunham o resultado da leitura, apurando a dial6tica e
dilatando o espirito de observagao de sintese, diz-nos Tomds Pompeu
de Sousa Brasil.
Enquanto escrevia e publicava o seu romance, Araripe Jhnior to-
mava parte ativa na Academia Francesa. Reagindo contra o roman-
tismo delirante, nao produziria 8le um romance xaroposo, mormente
quando a literature para os franceses era uma cousa sdria, "o espelho
onde se refletem e exageram t6das as evolug6es de uma epoca da-
da". (6)
Ainda em 1874, quando publicava os seus folhetins de A Casinha
de Sape, Araripe Jfinior colaborava na Fraternidade, 6rgdo magOnico,
participava da campanha contra o clero e fundava a Escola Popular
que visava esclarecer o povo, alfabetizando-o e informando-o a respei-
to dos problems socials, politicos e religiosos.
Em 1878, fixava-se Araripe JRnior definitivamente no Rio, onde
no mesmo ano public Luizinha e os dois capitulos iniciais de O Reti-
rante, sendo este em O Vulgarizador, romance que focalizava cenas da
seca de 1845 e que infelizmente nao teve prosseguimento, ficando in-
concluso, ou melhor, apenas iniciado.
Relativamente a Luizinha, embora nao tenhamos compulsado o
romance em poder talvez de bibli6tafos, achamos que e a mesma A Ca-
sinha de Sapd. Artur Mota que se refere & Luizinha, cita personagens
e cenas que sdo as mesmas do romance informal publicado em Consti-
tuigdo. Artur Mota afirma que Luizinha foi publicado num journal de
provincia em 1873, journal que Rle ignora qual seja. Ora, Araripe, como
ja vimos, publicou A Casinha de Sapd em Constituicdo durante os anos
de 1872, 1873 e 1874.
O Bardo de Studart pesquisador da hist6ria do Ceard, fazendo o
inventario da obra de Araripe, arrola A Casinha de Sapd em 1 volume,
dando, assim, a entender que foi editada, quando nao o foi.
No nosso modo de pensar, a explicago simples e 16gica e de que
Araripe havia publicado em folhetim um romance em journal provin-
ciano que nao tinha quase circulag5o e em uma pequena capital de re-










- 88 -


duzidissimo pfblico ledor. 0 romance nio teve, portanto, a merecida
repercussdo. Fixando-se no Rio e querendo grangear logo prestigio 11-
terario, editou A Casinha de Sapd corn o nome da personagem princi-
pal Luizinha fazendo uma concess~o romintica quanto ao titulo
posto em moda por Jose de Alencar em seus perfis.
N~o ha dlvida de que os dois romances sao o mesmo. O que
resta apurar 6 se houve refundigdo ou alteragdo essencial. E' provA-
vel, pelo menos, que tenha havido um trabalho de polidura.
Em Julho de 1911, no roda-p6 do Jornal do Comdrcio, como folhe-
tim, Araripe Jinior public O Cajueiro do Fagundes, epis6dio cearen-
se que decorre na Vila do Forte em 1795, durante o Governo de Luis da
Mota FBo e Torres. Em 1929, a Revista da Academia Brasileira de Le-
tras public mais uma vez o romance, em seus nfimerso de Janeiro a
Setembro. Araripe Jinior usa o pseud6nimo de Cosme Velho.
Ja em 1877, na Constituigpo, havia 6le publicado Um Motim na
Aldeia de que O Cajueiro do Fagundes 6 a ampliagdo. Segue o autor
as diretrizes tragadas em 1873, quando nos diz cousas interessantes a
respeito do romance hist6rico: "Geralmente tudo se 18 menos o que se
diz respeito ao nosso pais. E nao 6 de admirar que se encontre mogos
,saidos ontem dos bancos acadgmicos que sao capazes de produzir todos
os pontos da hist6ria modern da Franga, ao pass que ignoram quem
fundou a donataria de Pernambuco... O romance hist6rico, tal qual fol
concebido e executado pelos mestres, ainda n5o estd criado entire n6s...
A hist6ria nao ha de ser um simples ornamento, uma moldura em que
re enfecne o drama amoroso, a passage romanesca que arrasta 0
leitor e o prende mdgicamente As pdginas do livro... Entendo que isto
6 sacrificar ao interssse dramatico, ao enredo, ao sucesso das perip6-
cias a parte mais important da obra. A hist6ria, o fato, deve ser tudo
do romance hist6rico, a sua substancia. O drama sera ent&o, o meio
de fazer, como dizia Boileau em sua arte po6tica:
"Da cousa feia a cousa amAvel".
"A habilidade do artist acha-se em identificar, ou amalgamar
a fantasia corn a hist6ria de modo que venham a former um s6 tecido.
Compreende-se que, para evitar a aridez dos capitulos explicativos, se
restrinja a narragdo hist6rica; mas desenvolvam-se no dialogo, nos
perfis, nos caracteres, na agco, de maneira que da hist6ria nada falte,
nem o romance em nada se altere". (7)
0 francs Rocha Lima, em 1875, via na hist6ria uma fonte de
inexgotAvel inspiragao para o escritor de talent orientado pelo sao
espirito da critical e pelo sentiment poderoso do real e do verdadeiro.
Sugeria o aproveitamento da hist6ria dos primeiros estabelecimentos
coloniais, o qual nao deve ceder aos romances de Ponson, aos Rocam-
boles, aos quais os mais importantes jornais da terra sao os primeiros
a consagrar os folhetins. (8)
No romance hist6rico de Araripe vamos encontrar o francs de










- 89 -


1873 preocupado cor o aproveitamento literdrio de nossos epis6dios
cearenses.
Que agita a Vila do Forte em 1795? Uma sica? Uma revolugAo?
Nada disso. Apenas um cajueiro. A Vila naqu6le tempo, nao passava
de "um areal movedigo, aparelhado de tugfrios ign6beis, onde, para
obter agua doce, cavavam-se profundissimas cacimbas. O povoado
consistia numa rua desguarnecida que marginava o riacho Pajefi, hoje
rua Coronel Sena Madureira, desde a igreja at6 o sitio conhecido por
Aldeota". Na area do quarteirAo Sdo Bernardo, havia frondosissimos
cajueiros, onde brancos, mesticos e caboclos faziam o seu Bois. 0 mais
majestoso dos cajueiros foi apelidado de Fagundes. Nao era arbitrd-
rio o apelido. Em casa pr6xima do cajueiro, "estabelecera agougue um
capad6cio de marca, chamado Bartolomeu Fagundes, que se impunha
como o home mais popular da vila".
< Bartolomeu Fagundes nao era um galhofeiro vulgar. "Possula
em alto grau veia c6mica, que se Ihe aumentava com a mobilidade da
mascara natural, ajudada de um fisico ja de si falstaffiano. Era um
ator nato, e a anedota picante, a pilhdria engenhosa, a agudez vicen-
tina, o tornavam esquisito e raro".
Fagundes era aracatiense. Joao Brigido dA-nos a explicag5o da
naturalidade de Fagundes. Naqueles tempos, a gente do Aracati era a
mais civilizada do Ceard, assim na roupa como em tudo mais.. Do Ara-
cati, saiam para as outras vilas os homes que mais se distingulam em
misica, oficios mecAnicos, letras e cidncias.
Um home do Aracati podia meter a cara em qualquer neg6cio
e colocar-se no primeiro plano em toda a parte onde chegasse. (9 )
Debaixo do cajueiro, Fagundes fazia, diariamente, uma chacina
na vida do pr6ximo. At6 que um dia, o Governador, vitima dos co-
mentarios e troga da roda, resolve mandar cortar o cajueiro. Fagun-
des, por6m, mobilize o povo e convince os caboclos de que as autori-
dades judiciArias querlam esbulhar as suas terras. E, transformado
em advogado do povo, Fagundes exp6e o caso ao Governador, canali-
zando a sua ira contra o Ouvidor e o Tezoureiro. Salva, assim, o ca-
jueiro que s6 perde um galho.
Fagundes consolida o seu prestigio. E' Mle o lidimo representan-
te do Ceard Moleque. A sua vida cheia de altos e baixos 6 a do cearen-
se, cujo gnnio reside todo nessa inconscincia do perigo. Nao Ihe era
raro ouvir estas palavras da boca de seu pal: Desgraca pouca 6 boba-
gem!
Para compreendermos este romance hist6rico de Araripe, deve-
mos lembrar que Mle escreveu o Perfil de Greg6rio de Matos. 0 roman-
ce araripiano jd esta quase todo esquematizado no Perfil do Boca do
Inferno. Bartolomeu Fagundes teve como modelo a Greg6rio de Matos.
Ha uma similitude temperamental e de situag6es psicol6gicas, assim
como um anti-lusitanismo e anti-colonialismo em ambos.










- 90 -


Greg6rio chega de Lisboa A Bahia jA velho, acontecendo o mes-
mo a Fagundes que se instala na Vila do Forte ap6s as suas andangas
trans-continentais. Ambos sao solteir6es. Enquanto um 6 banido pa-
ra Angola, o outro 6 quase expatriado tamb6m. Portam-se igualmente
os dois em face do ultimate de conflssdo na hora da morte. Greg6rio
ao ver o padre com o crucifixo em punho e o Cristo cor os olhos en-
sanguentados, lembra-se de umas criangas suas vizinhas que sofriam
de sapiranga e solta este sanatico quartet:
Quando meus olhos mortals
Ponho nos vossos divinos
Cuido que sejam os meninos
Do Greg6rio de Morals.
Bartolomeu Fagundes, ao ouvir o convite do padre Ribeiro, en-
cara-o e despedindo-o cor um gesto caricato, acrescenta em voz ji
tr6pega: Padre mestre, eu me confessarei se voc6 disser qual era
a ocupagco do Eterno, antes de criar o mundo.
Greg6rio e Fagundes sao intelig6ncias nao contemplativas. Per-
tencem A raga dos dispersivos. Espiritos de fauno que espancavam o si-
lencio das florestas e a pacatez dos campos. Utilizavam uma lingua-
gem desbragada, um vocabulArio pornof6nico. A sttira em ambos o-
rigina-se da impossibilidade de corrigir a bandalheira dominant.
Escrevendo o Perfil de Greg6rio de Matos e Calueiro do Fagun-
des, Araripe Jinior objetivava, apenas, a execugdo do piano esquema-
tizado de uma literature national? Ou na retratagio do poeta satiri-
co e na criagdo do aracatlense agougueiro, havia algo de mais profun-
do?
Em palestra que realiz&mos na Casa de Juvenal Galeno, a 26 de
Junho de 1948, demonstr&mos que, em Greg6rio e em Fagundes, h&
muito de Araripe. No Boca do Inferno e no representante do Ceard
Moleque, descobre-se a propensAo de Araripe pela literature de chalaga,
assim como afinidade temperamental corn o seu retratado e corn a sua
personagem dileta.
O romancista cearense Antonio Sales ajuda-nos a compreender o
temperament araripiano, quando nos diz: "Araripe Junior corn uma
dessas fisionomias que nada denotam de esplritual, de olhos pequenos
que s6 brilhavam quando acesos de malicia er6tica, cultivava, de prefe-
r6nciaf o ginero livre em mat6ria de anedotas, agravado por um vo-
cabulario crfi que era um tormento para a pudicicia de Machado de As-
e para a gentlemaness de Nabuco. S6 quando a conversa se guindava
aos altos assuntos socials e literdrios 6 que se sentiam a vastidao e a
profundeza dos estudos desse caboclo do Norte, refratArio ao polimen-
to que a vida carioca costuma dar Ms maneiras e & linguagem". (10)
No nosso modo de pensar, havia uma fascinagRo arariplana pela
literature de chalaga. Ele nao deixava de ser uma figure representa-
tiva do Ceard Moleque. A sua posigio social 6 que lhe impunha regras










- 1 -


de civilidade que 6le, analiticamente, punha de lado, delas se libertan-
do por meio das personagens de seu romance.
Aquela malicia erotica, que Sales salienta, sente-se em Fagundes.
Ate o anti-clericalismo do frances Araripe se descobre no carniceiro
aracatiense. O romancista chega a se trair quando afirma: "0 espiri-
to rude do cearense estava muito long ainda do desenvolvimento que
se viu depois de 1874. Nao se discutia na Fraternidade a questdo dos
bispos e a magonaria. Naqueles tempos, no meio dos areas do Mucu-
ripe, ningu6m distinguia cat6licos de pedreiros livres nem havia quem
ppdesse ler os artigos de Ganganelli".
Na descricgo do fisico de Fagundes, hd bastante do tipo araripia-
no. Fagundes possuia veia c6mica, que se Ihe aumentava corn a mo-
bilidade da mascara natural ajudada de um fisico j& de si falstaffiano.
Era um ator nato, e a anedota picante, a pilhdria engenhosa, a agudeza
vicentina, o tornavam esquisito e raro".
Capistrano de Abreu retrata a Araripe nestas palavras: "Araripe
Jinior encobria com a mascara de Falstaff a alma dolorida de RenB".
Nao devemos esquecer que Araripe foi o autor da idWia da cria-
iSo do Clube Rabelais e que os rabelaisianos desconheciam o protoco-
lo e nHo queriam saber de estatutos. Fundador da Academia Brasilel-
ra de Letras, coube-lhe a cadeira no. 16, cujo patrono & Greg6rlo de
Matos. Convdm assinalar que a admiracdo pelo Aretino brasileiro vi-
nha de long, desde a sua mocidade. Simpatia que provinha nao ape-
nas do nativismo hereditdrio. Entre ambos, havia certa eletividade
idiossincrdsica.
Em correspond&ncia com os membros da Padaria Espiritual, su-
geria Araripe a biografia do Padre Verdeixa, cuja vida chela de inci-
dentes e peripecias devia passar A posteridade. Predilecgo que reve-
la a propensdo de Araripe pela literature de chalaga. O Padre Ver-
deixa constitula um tipo de padre desabusado, amigo da galhofa, pre-
ferindo perder o reino do c6u a deixar de soltar uma boa piada em
moment oportuno.
Araripe Jinior era um espirito jovial, irOnico e irreverente. Sol-
tava a sua gargalhada sem obediencia a convivencias socials. Fagun-
des a sua personagem 6 de uma alegria contagiante, conhecido
na Vila do Forte como o home mais alegre do CearA.
Certa vez, definiu Araripe o home circunspecto como um cana-
lha viajando incognito. Definicgo que ressalta a nota rabelaisiana, a-
retiniana, de sua personalidade. Trago dominant que 6 a origem de
sua predilegdo por Greg6rio de Matos e da criacgo de Fagundes.
No romance hist6rico de Araripe, sente-se o 6dio ao colonialista
luso. Tanto no Perfil de Greg6rio de Matos, quanto em O Cajueiro de
Fagundes, observa-se o prazer diab6lico corn que Araripe vergasta o
aparelho judicidrio, apresentando as autoridades administrativas e
judiciarias como venais e ladravazes. No romance cearense, em geral,










- 92 -


o flagelo que agoita as populag6es 6 a s6ca; no romance hist6rico ara-
ripiano, o flagelo 6 a justiga metropolitan cor as suas feras que se
cevavam na vida alheia, esfolando as parties desprecatadas. "Ouvidor,
juizes ordinarios, alcaldes, almotac6s... tudo isto 6 uma corja de quatis
que os doutores e os padres Inventaram para tirarem custas e missas,
e explorarem o povo em nome do papa e dos reis,, que Satanaz e a
Santa Madre Barriga juntou", diz Fagundes.
Araripe Jfinior pugna pela nacionalizagdo de nossa literature.
Insiste, principalmente, na influencia do meio fisico, dos cenarios tro-
picais. O seu romance, como assevera Artur Mota, constitui um caso
bem definido de reagdo contra a influ6ncia lusitana e francesa na li-
teratura brasileira. Luiizinha e Fagundes nao sofrem influencia dos
romances franceses. Sdo produtos do melo cearense.
Dentro da romancistica cearense, a posig5o de Araripe J6nior 6
a de reator. No seu romance campesino cearense, a linguagem ja 6
muito nossa. Em Greg6rio de Matos, admirava 6le as liberdades lexi-
col6gicas e sintaticas. Reforca o ponto de vista de Jos6 de Alencar.
"As musas gentis do Tejo ou do Mondego nHo podiam sentir nem des-
crever a natureza americana, brasilica". 11)
Araripe Jinior amava profundamente o Brasil. Como 6 possi-
vel, pergunta 61e, de nossas academias saiam doutores dispostos a con-
Correr para o engrandecimento desta Pdtria, se desde os bancos de pri-
meiras letras s6 se faz plantar em seu espirito a ideia de inferioridade
do carter national, da impot6ncia da raga a que pertencemos, da 1-
nutilidade do esforCo num meio social condenado pelas leis fatais da
hist6ria a ser mero campo de explorado de indfstrias de outras na-
g6es?" (12)
"E' interssante observar-se que muitos dos mogos que formaram
os grupos literarios do tempo eram descendentes daquiles varies for-
tes que tomaram parte nas lutas da Revolucgo de 1817 e nas de 1824,
tendo alguns parents muito pr6ximos que foram sacrificados pela c6-
lebre Comissfo Militar ou cairam no campo da luta. Havia, assim, en-
tre eles uma tradigio de liberdade, um juramento de fidelidade i li-
berdade que constitula heranga de geracqes, que nro podia ser sacrifi-
cado". (13)
Ora, 6 sabido o parentesno de Araripe Junior corn o her6i da
da Confederagdo do Equador Tristho Gongalves de Alencar. O pr6-
prio nome Araripe incorporado ad nome da familiar constitui um sinal
eloquente de nacionalismo.
Araripe Jinior sofreu uma grande influencia de Jos6 de Alencar.
Nos seus romances nao cearenses, tais como 0 Ninho de beiafflor e
Jacina, i Marabd, sente-se a influencia de Diva, de Iracema e do Gua-
rani. A Casinha de Sapd denota igual influencia. Luizinha tern Ira-
cema por modelo. Na mestiga maranguapense, ha o encanto selvagem
da virgem tabajara.










- 93 -


Ha no romance campesino de Araripe, aquela concentragoo lite-
rdria no grdcil que l6e salientou em Alencar. Sofre ele um process de
alencarizaco. Araripe em face de Alencar mant6m-se naquela atitu-
de admirativa dos 11 anos quando pela primeira vez viu o autor de
Iracema. Este para aquele assemelha-se ao mergulhador de Schiller
que mergulhava nos limbos do pensamento e quando voltava era para
trazer uma gema instimavel. Como Araripe nao desejava ver a natu-
reza tropical diluida na palheta de seu estilo!
A ci6ncia fornece a Araripe a tesoura para aparar as asas da a-
guia alencarina. Embora admire a Alencar, cuja imaginago potente
tudo transformava, Araripe procede de modo inverso ao de seu idolo.
A intelig&ncia do francs vence a imaginaco do romantico. Alencar
projetava a miragem s6bre a realidade para converte-la num eden; A-
raripe acaba por domar a miragem cor o senso da realidade Alencar
6 sintese; em Araripe ha a andlise, a aplicagAo dos processes de obser-
vagho psiquica.
O n~o div6rcio da realidade 6 a licgo de Araripe. E 6 isso o que
ele critical no seu idolo, quando faz restrig6es a 0 Sertanejo. Diz ele:
"As corridas de Arnaldo atras do touro bravio, por entire carrascos e
bamburrais, para deleitar simplesmente a angelica filha do capitao-
m6r, que espreita as suas faganhas de uma emin6ncia, sao cenas espe-
taculosas e de teatro. No mato a cousa 6 s6riamente medonha e bem
diferente nos seus incidents do espetdculo ameno que se encontra nas
pAginas demasiado coloridas do romancista; acresce que o her6i do 11-
vro, em que o autor procura estereotipar o carter cearense, nao 6 fiel
como espelho da verdade..." (14)
Alencar constitui apesar de tudo o ideal literario de Araripe. HA
como que uma artropomorfizaeCo da perfeita ,estilistica. Conv6m res-
saltar que Iracema, na opinido de Araripe, constitui o "canto mais
brasileiro..., onde cor mats intensidade rescende o perfume das garde-
nias, aonde com mais calor brilham os reflexos das' nossas lagoas".
"As brisas entire os carnaubals, aquelas vargens sonoras pelo arruido
dos passaros, aqudles taboleiros de verdura, aquelas lagoas aromdti-
cas nao encontram rival em literature conhecida". (15)
Em O Cajueiro do Fagundes, os cabelos negros de Magrica asse-
melham-se na c6r asa da grauna. Por que escolheu Araripe o caju-
eiro? Por que nao a mangueira? Fidelidade hist6rica? No nosso mo-
do de pensar, ainda ha aqui o influxo alencarino. Alencar compare as
ligrimas de Iracema as lIgrimas do cajueiro. "Chora o cajueiro quan-
do fica o tronco seco e triste". Quando more Fagundes, o cajueiro
parece definhar. A morte do aracatiense provoca aqu6le solugo e a-
quela tristeza que causa a morte de Iracema.
A originalidade do romance alencarino "consiste na subordinacao
da natureza bravia A beleza feminil, na transformagdo de tudo quanto
cerca a mulher, ainda mesmo o enorme e o repelente, no mimo, na gra-










- 94 -


ga e na candura". (16) Luizinha, de Araripe, 6 uma miniature alenca-
rina. A morena maranguapense domina a ffiria do curiboca, a feiti-
earia de Tatfi; atrai a admiragio do acad6mico Alfredo; apenas nao
arrebata ofuscando a visio do real por parte de seu criador.
Araripe Jinior, como Alencar, objetiva a criag~o de uma litera-
tura national, cuja originalidade estava na analise do fen6meno de
obnubi!agdo que consiste na identificagAo perfeita corn o primitivismo
da terra. Anchieta teve que se. fazer legitimo pag6 para contrabalangar
a influencia do sacerdote indio. Imposicgo do meio ou arte refinada?
A miss~o do taumaturgo brasileiro nao se pode explicar sendo pelas
feitigarias, escritas ou habilmente copiadas, dos piagas, e con que ile
catequizou os seus caboclos, assevera Araripe. (17)
No seu esquema de literature brasileira, esqueceu o negro. Expli-
ca-se l1e, por6m, argumentando cor a pequena influencia do elemen-
to africano no Ceara e em outras areas. Reconhece a contribuicAo do
negro em areas como a Bahia onde a importAncia da negra mina so-
brepuja a da mulher tupinambd. Que 6 o capadocismo bahiano senAo
a resultante do mestigamento nos costumes e ideals? I
Araripe quis tamb6m ser o romancista de sua terra. Amava pro-
fundamente o seu torr5o natal. "Pode ser preconceito meu, diz 61e, mas
creio que poucas cousas existem comparavels as faceirices caboclas de
minha terra. Nada mais voluptuoso do que as sestas passadas ao outao
das casas de engenho, ao som da voz de uma morena de .olhos luzidos,
de trancas cheirosas a baunilha, de selos timidos, que, acompanhando
a vagarosa junta de bois descanta os seus 6cios amorosos. Que ha ai
que rivalize cor o despertar da risonha natureza equatorial? (18)
Nos filtimos anos de vida, manifesta eTe um grande iesajo da
visitar o Ceard, de rever os sitios da infAncia, afirma Escragnolle D6-
ria. (19)
Araripe assinala a diferenga entire o seu romance cearense e o
seu romance nao cearense, quando diz: "Em Miss Kate trata-se de um
nortista infiltrado do meio carioca e que h& 30 anos se fami!iariza com
as suas idiossincrasiais. No Cajueiro do Fagundes, o caso 6 outro: ha
um autor cearense, que restaura as sensacges primitivas da cerra que
o viu nascer e onde viveu os melhores dias de sua vida, assimilando a-
quilo que hoje constitui a essencia de seu espirito".
E' o amor a terra natal que o arrasta a uma emulag5o com Jos6
de Alencar. No nosso modo de pensar, Araripe edita A Casinha de
Sapd com o nome de Luizinha numa tentative eminentemente regiona-
lista, no sentido de dar ao Ceard mais uma padroeira. O torrho na-
tal seria tambem a Terra de Luizinha.
A terra natal ainda nao pagou a divida de gratiddo para com o
filho glorioso. O seu centenario de nascimento nao foi condignamente
comemorado. Dia vira, porem, em que o frances, o anti-colonialista, o
brasileiro e cearense 100%, sera por todos exaltado como um legitimo
precursor.










- 95 -


NOTAS
1 Araripe Jinior ........ Folhetim in Constituigdo, de 3-6-1873.
2 Araripe Jinior ........Folhetim in Constituigao, de 17-2-1875
3 Artur Mota ...........Perfil Acadmmico, in Rev. Ac. Bras. Let.
pag. 483-1929
4 Artur Mota ........... Obr. cit. pag 480
5 Araripe Jinior ........ Folhetim in Constituigco, de 24-4-1874,
6 Araripe Jfnior ........ Folhetim in Constituigdo, de 3-8-1873
7 Rocha Lima ......... Constituigdo, de 11-6-1875.
8 JoHo Brigido ......... "O CearA Ridente" pag 96
9 Ant6nio Sales ........"Uma Roda Ilustre" artigo de journal.
10 Araripe Jinior .... .."Perfil de Jos6 de Alencar" pag 186
11 Araripe Jinior ......cit. in Perfil Acad6mico, de Artur Mota -
Rev. 'Ac. Bras. Let. pag 487-1929
12 Joaquim Alves ........ "Araripe Jfinior e os movimentos cultu-
rais do s6culo XIX" in Sup. de Unitdrio, de 27-6-1948.
13 Araripe Jfnior ......"Perfil de Jos6 de Alencar" pags 168-169.
14 Araripe Jfinior ..... Obr. cit. pag 194
15 Araripe Jinior ......Obr. cit. pag 47
16 Araripe Jinior ......"Perfil de Greg6rio de Matos" pag 30.
17 Araripe Jinior ......"Perfil de Jos6 de Alencar" pag 82
18 Escragnolle D6ria .... Rev. Ac. Cear. 1913 pag. 107


ANA FACO
(Nasceu em Beberibe a 10-4-1855 e morreu a 22-6-1926)
Ana Fac6 constitui um belo exemplo de tenacidade. Anima-a,
bem cedo, o desejo de instruir-se e conquistar a independencia econ6-
mica.
Abandonando a paisagem native do Beberibe, fixa-se em Fortale-
za, onde, aos poucos, vai concretizando as suas aspiraq6es.
Cheia de iniciativas, lastima a fragilidade feminine e, mais ain-
da, a futilidade.
"Por que fez a natureza tanta desigualdade entire os sexos? Por
que cumulou o home de tantas prendas fiteis e a mulher de tanto
gosto pela futilidade?" (1)
Moga pobre, vivendo em casa de parents, conclul que, na meta-
de do seculo XIX, a mulher que quiser trabalhar s6 pode abragar o ma-
gisterio. (2)
NWo se considerando mulher bonita, (3) 6 de um retraimento
enorme. Aguilhoa-a exacerbado complex de inferioridade que ela se
esforga por superar por meio do estudo. Distinguir-se pela beleza do
espirito significa contrabalangar a fealdade. A luminosidade da inte-










- 96 -


ligncia vence as trevas que descem s6bre o rosto.
Na luta pela vida, instala a Escola Fac6 a rua Formosa (atual
Bardo do Rio Branco) no. 173, que funciona com o curso primario e
curso infantil.
Anos depois, corn largo tirocinio e cor o nome consagrado nas le-
tras, o Governador Nogueira Acioli nomeia-a para o cargo de diretora
do primeiro Grupo Escolar de Fortaleza inaugurado a 12 de Julho de
1907, cargo que exerce a content.
Certa ocasido, pedem ao Governador Acioli a criagdo de um se-
gundo Grupo Escolar, sugestao que Nle deixa de aceitar, alegando que
nao dispunha de outra Ana Fac6, cuja familiar, conv6m lembrar, fazia
oposigco ao Governador.
Lourenco Filho, ao ocupar a Diretoria Geral de Educacgo do Cea-
ra, afirma que jA ha alguma cousa de ensino no Estado, pois ai estao
para provar os relat6rios de Ana Fac6. (3)
Espirito curioso, desembarcando em varios continents do conhe-
cimento, senate Ana Fac6 uma atracgo irresistivel pelo romance, que
Ihe oferece oportunidade de surgir cor outro semblante e reallzar os
seus desejos secrets por meio das personagens.
Em 1907, como folhetim no roda-p6 do Jornal do Ceard, sob o
pseudbnimo de Nitio-Abd, public ela Rapto Jocoso, cuja publicag&o
terminal em 11 de Marco do mesmo ano.
Desenvolve-se a urdidura do romance nas ribeiras do Pirangi, no
municipio de Beberibe.
Dunamira, formosa roceira, ama a Reinaldo, jovem de escassos
recursos. Os pais, entretanto, querem que ela se case cor o tio Ant6-
nio, sexagenArio apatacado, rico.
Certo dia, Ant6nio nao resistindo as agruras do amor nHo corres-
pondido, combine cor o pai de Dunamira o rapto desta, rapto verda-
deiramente jbcoso, pois o tio agarra a sobrinha, bota-a na cacunda e
vai deposita-la em casa de um genro.
Ap6s longos padecimentos morals e cerrada ofensiva da familiar,
Dunamira cede e casa cor o velho.
Na opiniAo de Ana Fac6, Rapto Jocoso 6 um romance popular e
hist6rico. De hist6rico s6 ter, porem, a veracidade do fato que nuclela
a fabulacgo.
Rapto Jocoso singulariza-se, ja pelo titulo, JA pelo motive, numa
literature trAgica e, portanto, de aus&ncia de senso de humor. En-
quanto quase todo romancista cearense focallza o lado trAgico, Ana
Fac6 salienta o faces jocoso.
NMo ha nela, entretanto, o humor machadiano. O seu riso nao
6 mau. As f8rcas positivas dominam as f6rgas negatives. Candida, de
Rapto Jocoso, e Ang6lia, de Nuven., sAo figures simpiticas que n5o
provocam o nosso 6dio, a nossa intima revolta, a despeito de a primei-
ra achar graga nas felas, e a segunda usar expedientes desleais.










- 97 -


Com o mesmo pseud6nimo de Nitio-Abd, a partir de 22 de Marco
de 1907, public, ainda no Jornal do Ceard, Nuvens.
Se Rapto Jocoso 6 um romance rural, Nuvens 6 um romance ur-
bano, que gira em t6rno de um fato veridico ocorrido em Fortaleza.
Ednir e Odar amam-se. Tiago apaixonou-se por Ednir e Angelia
por Tiago, que reside em companhia de Faustino numa rep2iblica. An-
g6lia, entdo, a fim de Tiago esquecer a Ednir, endereca umas cartas a-
morosas a Faustino, servindo-se do nome de Ednir que tudo ignore.
Faustino exibe a corresponddncia a Tiago e este a Odar que, re-
conhecendo a letra de Ednir, sofre dolorosa decepcgo e tenta curar o
mal casando com uma prima.
Lenil, entretanto, vela por Ednir e, como hibil detetive, desco-
bre a falsidade das cartas, salvando, no epilogo do romance, a situacgo.
A veracidade do fato leva a autora a pensar inicialmente em dar
ao romance o titulo de Cartas Falsas, substituindo-o, posteriormente,
para nao escandalizar.
Em vida, Ana Fac6 nao pode editar os dois romances. Nao dis-
p6e de recursos necessarios. Depois de sua morte, 6 que o dr. Antonio
Carlos de Queiroz Fac6 custeia a edigio dos dois romances langados
pela Livraria Editora Humberto em 1937 e 1938.
Os dois romances pertencem & Escola romintica. As persona-
gens citam Jos6 de Alencar e Victor Hugo e recitam Castro Alves. Ro-
mantismo anti-nefelibata que nos descreve costumes rurais e urbanos
sem deformagdo delirante.
No estilo de Ana Fac6, nota-se o pendor pelas antiteses hugoa-
nas. O romance de Ana 6 mais bem cuidado do que o de Emilia de
Freitas e Francisca Clotilde. Os pensamentos trajam vestes mais ri-
cas. A gramatica nao sofre os golpes costumeiros. A dialogacgo, em-
bora imperfeita ainda, supera A daquelas outras romancistas.
Ana Fac6 usa a lingua falada pela classes media. No romance
rural, porem, aproveita a pros6dia sertaneja, assim como as imagens
revelam o ambiente de trabalho do interior cearense.
A paisagem r quase inexistente no romance de Ana. Sente-se
ela atralda pelos fatos sociais, pelo j6go de paix6es e pelo entrechoque
de interdsses, que ela filtra a seu modo e de ac6rdo com uma sensibi-
lidade muito feminine amante dos contrastes.
Nao ha cenas fortes no romance de Ana Fac6. HI cenas delica-
das e epis6dios nao muito chocantes, em que predominam os tipos fe-
mininos que sao os mais bem retratados. Mulher, 6 natural que Ana
conhega melhor os segredos do coragdo feminine.
O romance de Ana goza de um clima de pureza e virgindade. A
A mulher constitui o centro de interksse. Tudo gira em t6rno da bar-
ra de saia, o que revela o ginocentrismo preponderante no romance
cearense escrito por mulher.
No interior e na capital, predomina o interesse econ8mico na es-










- 98 -


colha para o casamento. E', o que nos prova Ana, quando, em Rapto
Jocoso, Sinha Maria procura convencer a filha Dunamira:
"- Dunamira, ja estas na casa dos dezenove anos e, contudo,
ainda nao sabes o que 6 o mundo, nem sabes o que 6 o ter e o nao ter.
Vou abrir-te os olhos. HA neste mundo um rei que manda todos os
reis, que 6 senhor de todos os homes, que domina tudo; todos se cur-
vam a l6e, desde o trabalhador da enxada at6 o mais poderoso da ter-
ra; todos Ihe tnm mais amor do que a pr6pria vida; 6 por &le que ha
demands, que ha inimizades, que ha guerras, onde more tanta gen-
te que precisava viver. Sabes qual 6 6ste mandao, este rei sem igual?
E' o dinheiro.
"- Eu bem sei que 6 o dinheiro, bem sei que 6 por lIe que me
querem casar A f6rga...
"- Quem diz que nao? E' mas cor isso s6 temos em vista a tua
felicidade.
"- Minha desgraga pensou Dunamira.
"- Nao sabes que ter dinheiro 6 ser mayoral, 6 ter o gostinho de
dizer fago porque quero, mando porque posso? Quem ter dinheiro
6 grande, 6 bom, 6 querido, tem tbdas as virtudes e nenhum defeito.
Nao cantas todos os dias a cantiga que diz:

Cada um guardar procura
Na bolsa gordo vint6m,
Para o ceu vai quem merece,
Na terra vale quem tem!

"Pois 6 uma verdade. Se um negro ter n grande e manda; se
um branco nHo ter, 6 pequeno e obedece. Eu nAo tenho pejo de con-
fessar que gira em minhas veias um sanguezinho de mulato, muito
pouquinho, s6 do lado de minha av6, mAe de minha mae, todos os ou-
tros meus av6s e bisav6s eram brancos. Nas mesmas condiS6es esta
teu pai. E por que nada somos? Porque nada temos? 0 Nicandrinho,
o mais rico ou um dos mais ricos negociantes da cidade... 6 meu primo
carnal, nascemos debaixo das mesmas telhas e fomos criados juntos;
mas hoje esta grande, anda emproado... nao me cenhece mais. Se um
dos filhos dele ner 6 bom pensar nisto quisesse casar com uma de
minhas filhas, que nao sao tortas, nem aleijadas, gragas a Deus, nem
das mais feias, havia de v6r o barulho que 6le fazia, havia de dizer que
o filho queria enxovalhar-se, queria envergonha-lo, casando-se cor
uma moga do povo, urma canalha de pd no chdo. Donde vem tanta
grandeza para ele e tanta baixeza para n6s? Da riqueza dele e da po-
breza nossa, minha filha. Nossos bisav6s foram ricos, nossos av6s ar-
ranjados, nossos pais, pobres, e n6s, mais pobres ainda. As demands,
as quest6es de partidos dos nossos maiores foram as principals causes
de ficarmos quase todos reduzidos ao que estamos. A!6m disso, as cou-




University of Florida Home Page
© 2004 - 2010 University of Florida George A. Smathers Libraries.
All rights reserved.

Acceptable Use, Copyright, and Disclaimer Statement
Last updated October 10, 2010 - - mvs