• TABLE OF CONTENTS
HIDE
 Front Cover
 Title Page
 Dedication
 Eu e o Ceara
 A terra e a gente do Ceara
 Os mais graves problemas do...
 O livro dos livros cearenses
 Projeto de historia sintetica da...
 Literatura poetica do Ceara
 A musa anonima do Ceara
 Marcas do gado usadas no Ceara
 Table of Contents














Group Title: Terra e povo do Ceara
Title: Terra e povo do Cearâa
CITATION THUMBNAILS PAGE IMAGE ZOOMABLE
Full Citation
STANDARD VIEW MARC VIEW
Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/UF00075955/00001
 Material Information
Title: Terra e povo do Cearâa
Physical Description: 194 p. : illus. ; 20 cm.
Language: Portuguese
Creator: Sâilvio Jâulio, 1895-
Publisher: Livraria Carvalho Editora
Place of Publication: Rio de Janeiro
Publication Date: 1936
 Subjects
Subject: Brazilian literature -- Brazil -- Cearâa (State)   ( lcsh )
Cattle brands -- Brazil -- Cearâa (State)   ( lcsh )
Cearâa (Brazil : State)   ( lcsh )
Genre: non-fiction   ( marcgt )
 Notes
Statement of Responsibility: por Sâilvio Julio.
General Note: Cover title.
 Record Information
Bibliographic ID: UF00075955
Volume ID: VID00001
Source Institution: University of Florida
Rights Management: All rights reserved by the source institution and holding location.
Resource Identifier: oclc - 00550028

Table of Contents
    Front Cover
        Page 1
        Page 2
        Page 3
    Title Page
        Page 4
    Dedication
        Page 5
        Page 6
        Page 7
        Page 8
    Eu e o Ceara
        Page 9
        Page 10
        Page 11
        Page 12
        Page 13
        Page 14
        Page 15
        Page 16
        Page 17
        Page 18
        Page 19
        Page 20
        Page 21
        Page 22
        Page 23
        Page 24
        Page 25
        Page 26
        Page 27
        Page 28
        Page 29
    A terra e a gente do Ceara
        Page 30
        Page 31
        Page 32
        Page 33
        Page 34
        Page 35
        Page 36
        Page 37
        Page 38
        Page 39
        Page 40
        Page 41
    Os mais graves problemas do Ceara
        Page 42
        Page 43
        Page 44
        Page 45
        Page 46
        Page 47
        Page 48
        Page 49
        Page 50
        Page 51
        Page 52
        Page 53
        Page 54
        Page 55
    O livro dos livros cearenses
        Page 56
        Page 57
        Page 58
        Page 59
        Page 60
        Page 61
        Page 62
        Page 63
        Page 64
        Page 65
        Page 66
        Page 67
        Page 68
        Page 69
        Page 70
        Page 71
        Page 72
        Page 73
        Page 74
        Page 75
        Page 76
        Page 77
        Page 78
        Page 79
    Projeto de historia sintetica da literatura Cearense
        Page 80
        Page 81
        Page 82
        Page 83
        Page 84
        Page 85
        Page 86
        Page 87
        Page 88
        Page 89
        Page 90
        Page 91
        Page 92
        Page 93
        Page 94
        Page 95
        Page 96
        Page 97
        Page 98
        Page 99
        Page 100
        Page 101
        Page 102
        Page 103
        Page 104
        Page 105
        Page 106
        Page 107
        Page 108
    Literatura poetica do Ceara
        Page 109
        Page 110
        Page 111
        Page 112
        Page 113
        Page 114
        Page 115
        Page 116
        Page 117
        Page 118
        Page 119
        Page 120
        Page 121
        Page 122
        Page 123
        Page 124
        Page 125
        Page 126
        Page 127
        Page 128
        Page 129
        Page 130
        Page 131
        Page 132
        Page 133
        Page 134
    A musa anonima do Ceara
        Page 135
        Page 136
        Page 137
        Page 138
        Page 139
        Page 140
        Page 141
        Page 142
        Page 143
        Page 144
        Page 145
        Page 146
        Page 147
        Page 148
        Page 149
        Page 150
        Page 151
        Page 152
        Page 153
        Page 154
        Page 155
        Page 156
        Page 157
        Page 158
        Page 159
        Page 160
        Page 161
        Page 162
    Marcas do gado usadas no Ceara
        Page 163
        Page 164
        Page 165
        Page 166
        Page 167
        Page 168
        Page 169
        Page 170
        Page 171
        Page 172
        Page 173
        Page 174
        Page 175
        Page 176
        Page 177
        Page 178
        Page 179
        Page 180
        Page 181
        Page 182
        Page 183
        Page 184
        Page 185
        Page 186
        Page 187
        Page 188
        Page 189
        Page 190
        Page 191
        Page 192
        Page 193
        Page 194
    Table of Contents
        Page 195
Full Text
-Si ivio


Juwo


T I' IR IR A

ID pOu V C

C 1 A 1 A






LIVRARIA CARVALlO EDITOR
Rio de Janeiro




























TERRA E POVO DO CEARA















r'' ,-',- .- -


U' AMI;. A. COVLL



'' *F7


p":





Silvio Julio


T IE IR I A


iD I VC


CtEAIRA
L1 TiN, AMERICAN COLLECTION
UI ERSITY OFJ FLO !
S*. L -'J
I ,- ,h Dell. Cava

1936
Editores R. CARVALHO & CIA. LTDA.
AV. RIO BRANCO. 1tj
















A meus pais,


general Melquisedeque de Albuquerque Lima
C
dona Julia Jardim de Albuquerque Lima,









esle prova de invariavel afefo e elerna
graliddo por fudo que Ihes devo.



















A meu amigo



ADEMAR LEITE RIBEIRO,










Jhomenagem a seu carafer e a
.seu cora~go.
















EU E 0 CEARA


Eu festive em Fortaleza, como professor de por-
tugues do ColBgio Militar do Ceara, durante os anos
de 1919 e 1920. A catedra desse estabelecimento de
ensino f6ra disputadissima por velhos candidates,
que dispunham do apoio de alguma forga political.
Isto quer dizer que nem todos os habitantes da Terra
do Sol me esperavam com simpatia. Entretanto,
sabedor desta circunstancia, tratei de realizar confe-
rencias, escrever nos jornais e imprimir livros, que
me dessem o prestigio moral de que necessitava.
Realmente, agitei o meio intellectual, e com-
preendi entIo que os legitimos literatos cearenses
estavam comigo. Foi um triunfo notavel. Ainda
hoje, sinto-o orgulhosamente, a populagdo boa
da capital do estado e seus homes de cultural me
sho cars, e nio os record sen sincera saudade.
Arrastado pelos vendavais da vida, que me tor-
naram eterno escravo do inesperado, nunca me foi
possivel rever o nordeste do Brasil, onde nasci, e
para o qual me volto sempre com filial ternura.







SiIvio Juli0


Pernambucano, pertencente a uma das mais antigas
families ib6ricas das que vieram habitar o territo-
rio national, estou ligado ao Ceara pelo sangue e
pelo afeto. La viu a luz do dia meu avO paterno, o
doutor Marcos Tiilio dos Reis Lima. LA residi, dei-
xando, ao deixa-lo, entire 6timos amigos inimeros
conhecidos, cujo carAter e cuja atividade jamais
olvidarei.
Quando tomo da pena e cinzelo, cuidadoso, pa-
ginas de reminiscencias, o Ceara logo se me apre-
senta. Por que? E' que, objetiva e imparcialmente,
ap6s duas decadas de estudo, sinto que ndo existed,
no Brasil, p6vo tio decidido, tao modesto, tAo sofre-
dor, tao s6brio, lto original quanto aqulle que exa-
minei durante os anos de 1919 e 1920. Nenhum se
acha analizado com tamanhos esforgos por seus his-
toriadores e soci6logos, nenhum conta corn uma
literature regionalista de tamanhas proporg5es.
Procurei ler obras de hist6ria e sociologia de
todas as provincias brasileiras. Encontrei-as, ma-
gnificas poucas, regulars raras, e tolas, al6m do
bairristas, centenas. Em regra, do Rio Grande do
Sul ao Amazonas, s6 se fala de cada fragmento da
pAtria comum para diminuir o alh8io e exaltar
mentirosamente o dom6stico. Apezar de-que tambem
no Ceara haja esta ridicule bobagem, exclusiva-
mente seus soci6logos e historiadores mostram cri-
tdrio seguro no critical erros pr6prios, crimes r6-
prios, disparates pr6prios, do passado e do present.







Terra e Povo do Ceard


E' verdade. Os finicos historiadores e soci6lo-
gos brasileiros que, manejando os fatos de sua tri-
bu, f6gem das generalizag5es e dos hinos 6 perfeigci
do vov6 e da vov6, sio os cearenses. Convencidos de
que nao moram em Atenas, encaram, cor louvavel
humildade cristan, os acontecimentos pret6ritos da
parentela. Nao 6 costume de um Barao de Studart,
de um Joho Brigido, de um Joakim Katunda o pa-
ralelo impossivel ou o louvor descontrolado de fi-
guras secundarias. Duvido que o tom da lingua-
gem desses beneditinos escavadores, e de vinte ou-
tros, iguale ao desmedido dos paulistas, que defen-
.dem seus sangrentos bandeirantes, e dos gadchos,
que engrandecem desmedidamente seus guerri-
Iheiros.
Entretanto, que 6 mais, brigar a ferro e f6go
contra selvagens mal armados, lutar com cavalarias
meio indisciplinadas, ou praticar a guerra military
e ir, simultaneamente, vencendo a natureza ingrata
e hostile ? 0 inc6ndio permanent cresta, enrija a
alma do p6vo do Ceard, que a formagao de uma so-
ciedade nesse s6lo paup6rrimo foi e 6 um combat
ininterrupto. As families nele estabeleceram-se co-
mo ndicleos independents, uns a aniquilarem ou-
tros, em terrivel peleja de conquista e de vinganga.
Ali a bala escreve seus cantos de morte, porem as
sombras sinistras da side e da fome exigem do ou-
sado sertanejo um genero de heroicidade totalmente
seu, que brasileiro algum, f6ra, ao menos imagine.







,zi 1 v i 0 J U 1 i 0


0 que me forgou a aplaudir esse p6vo do Ceara
e aponta-lo como exemplo de tenacidade foi, sobre
tudo, uma coisa tragicamente 6pica, de que dou meu
assombrado testemunho: na dOr mais acerba, o fla-
gelado ni, sedento e faminto nao desespera nem des-
anima, e suas palavras espantam, pois se retorcem
em conformaatcs dignas de um santo. Assisti A sOca
de 1919, apavorei-me com seus asp6tos desoladores,
rebelei-me moralmente contra um destino perverse
que mata criangas no martirio, e nao escutei de tan-
tas vitimas sindo conceitos de resignaglo que s6 mes-
mo Cristo, diante da morte inevitavel, teria. Este 6
o fulcro de todo o meu entusiasmo pelos cearenses,
que, pobres e feridos, nao blasfemam, e acham
que cumprem um alto e enigmAtico designio de
Deus.
Ate os escritores cearenses diferem, comumente,
de certos, que, jA envelhecidos, nio prestam aten-
9&o aos que se estao formando. Noutros lugares,
dificil empresa era a de conseguir uma palestra
com qualquer paredro afortunado, que ocupasse
um cargo de relevo. Antes, quando eu andava pelos
meus vinte e um anos, para. travar relag5es con os
mestres, fazia ginastica. Em Porto Alegre e no Rio
de Janeiro passou-se assim, quasi sempre. Ao che-
gar a Fortaleza, Juvenal Galeno, Ant6nio Sales, To-
mds Pompeu de Sousa Brasil, todos me abriram os
bragos e nio tomaram attitudes budistas para comigo
conversarem.







Terra e Povo do Ceard


Ndo 6 s6 isto. A maneira de trocar idWas, dos es-
critores cearenses, mesmo viva, guard curiosa
parcim6nia de inutilidades, quer vocabulares, quer
eruditas. Pretendo sugerir que, ao contrdrio do que
acontece no centro e no sul do pais, o intellectual nor-
deslino ouve mais do que fala, e quando fala nunca
se dilie, nunca se derrama, nunca se espalha des-
ageitadamento. Seu temperamento desconfiado
apoia-se na long pratica de se defender de tudo.
A mania de discutir, debater, disputar despropo-
sitadamente e sem alicerce cultural, vicio do centro
e do sul, nio se me deparou no Ceara. 0 que, em
terras do Brasil, singulariza a gente daquile rincio
6 a cautela, a precaugao, o tem6r de um erro irremo-
vivel, que a constant refrega da natureza e do ho-
mem gerou o habito da economic dos esforgos.
Passaram-se os anos, e vejo, vejo nitidamente
a Livraria Ribeiro, A rua Major Facundo, frequen-
tada por mim e por muitos intelecuais, sem exce-
cao ilustradissimos e talentosos. E o que se me gra-
vou melhor na mem6ria, ahi estA: a comedida, a
discreta, a oportuna distribuiglo de arguments que
Holes encadeiavam, envolvendo-os em frases nada
ampulosas e as vezes irOnicas.
Guardo, no melhor de minha alma, o quadro
das atividades daquele SalAo Juvenal Galeno, col-
meia de sonhadores, com sua abelha-mestra, a vivi-
ficar tudo: uma Atenas que a doutora Henriqueta
Galeno reedifica todos os dias.







S i lvio J ul i o


Evoco tambem a roda do Caf6 Riche, dominada
pelo espirito bo6mio de Quintino Cunha. Estudan-
tes, jornalistas c homes de neg6cio ali se reuniara
quotidianamente. Eu, que ja lecionara noutros lu-
gares, ficava espantado de apreciar o gosto dos cea-
renses pelo estudo. Os rapazes discutiam sobre fi-
lologia e hist6ria, literature e political. Conheci jo-
vens de dezassein anos que liam Virgilio em latim,
e cor facilidade. De certo modo, o Caf6 Riche, com
a inquieta pilh6ria de Quintino Cunha A vanguard,
era uma academia livre.
0 anedotdrio constituia o meio de vulgarizagdo
das ideas, de sorte que, naquela escola, o poeta do
Pelo Solimoes parecia o pedagOgo ideal. Quintino
Cunha nao parava. Saltava de mesa para mesa e fa-
zia do Caf6 Riche seu escrit6rio do advocacia. Ora-
dor fluente e singelo, Mle tinha clientele, embora
nao a procurasse. Suas orapges no juri tornaram-
se famosas pela originalidade, porem seus apartes
circularam como inimitaveis.
Um dia, ap6s prolongado discurso, um mogo
assim se dirigiu aos jurados:
"Nao precise dizer-vos, senhores do conselho
de sentenga, que minha acusagco basta para que
condeneis o reu, pois ela foi just, e eu a fiz mon-
tado no c6digo penal."
Quintino Cunha representava a defesa. Ime-
diatamente, sem artificialismo, Id de seu posto, ful-
minou o adversario:






Terra e )ovo do Geard


"V. S. anda mal. Nfo devia montar num ani-
mal que nao conhece."
De outra feita, Quintino Cunha, que sempre se
vestiu dieselegantissimamente, enfrentou um de
seus mais bem vestidos colegas. Travou-se o deba-
te, e o alinhado procurava amesquinhar o desalinho
do desalinhado.
"V. S. (invetivou o contender de Quintino
Cunha) vem para o Tribunal de alpercatas. Isto,
permita-me que o sustente, ate desmoraliza a pro-
fissAo."
A perversidade nao passou desta grossaria,
porque a resposta do ofendido liquidou a drivida.
"Eu a desmoralizo cor os pes (retrucou Quinti-
no Cunha) mas V. S. a desmoraliza cor a cabega".
Punhaladas tWo agudas vibrava-as. Quintino
Gunha a todos os moments.
Como Mle nlo se sentisse financeiramente far-
to, o senhor Jodo Tome, que era president do Cea-
ra, lavrou o ato de sua nomeagdo, para a longin-
qua promotoria do Ic6. Recebida a ajuda de custo,
o humorist permaneceu em Fortaleza. 0 secretario
da justioa, encontrando-o, perguntou-lhe:
"Como 6 isto, nao parties "
Serena e energicamente Quintino Cunha cornu-
nicou-lhe que nao iria tomar conta do cargo. Sua
declaraglo foi considerada absurd e inmoral. Ao
que contestou:









"V. S. vae prestar-me o servigo de dizer ao
senhor Jodo Tome que gastei o dinheiro e nao em-
barcarei, porque aquilo nao era ajuda de custom, mas
uma pequena indenizago que Ihe cobrei pelo in-
sulto de me querer deportar para o Ic6."
Ai de quem caisse na antipatia de Quintino
Cunha! Ou voltava a agrada-lo ou vivia cheio da
sarna do ridicule. Narrarei o que, segundo o peri-
goso satirico, comprovava o carter baixo de um
advogado adulador.
Este, de ac6rdo com o que contava Quintino
Cunha, arranjare important questio no Joazeiro.
"Tenha cuidado (avisaram-no os conhecedores
da regido) corn o padre Cicero, que 6 dono daquela
terra e de sua gene. Mostre humildade, muita hu-
mildade, e conquiste a confianga do milagroso sa-
cerdote."
Chegando a cidade, logo cedo o rec6m-vindo
buscou o temple, onde havia mulheres do povo e
pequeninos que engatinhavam. Esperou, at6 que
surgiu o padre Cicero. O sujeito tudo fez para ser
niotado, mas o decantado profeta nao o viu. Entre a
inultidao de fanaticos, o advogado adulador mal
aparecia. Assim, determinou chegar-se ao altar.
Perto do padre Cicero, olhava-o fixamente,
sem Ihe perder um movimentd.
Siibito, um ruido, e no chio da igreja cdi, do
um menino que ainda nao andava, o que seu orga-
nismo regeitAra como inuitil. 0 padre Cicero mirou,


SilviIu io Julio i







Terra e Povo do Ceard


carrancudo e silencioso, o guri e sua arte. Entio,
pretendendo aproveitar a oportunidade e exteriori-
zar abnegag~o piedosa, o advogado adulador, com a
aba do fraque, limpou o piso sujo.
0 padre Cicero fitou-o, de olhos arregalados,
com repugnancia, e, virando-se para o sacristZo,
ordenou:
"Ponha esse pOrco 14 f6ra".
Outro caso, que vi desenrolar-se, obriga-me a
podir perdHo ao doutor Manuel Leiria de Andrade
por ter de publicar abertamente seu nome. E' in-
evitavel, porque se trata de poesia, e a rima exige sa-
crificios.
Quintino Cunha, na luta political do senhor Joio
Tome e do general Benjamin Barroso, ficara ao la-
do deste, em oposigao ao governor estadual. Aconte-
ceu que diversos dos partiddrios do general Benja-
min Barroso o trairam, passando-se para o grupo
do senhor Joao Tom6. E cada defecgao era, para
Quintino Cunha, um choque desagradavel.
Eu me achava no Caf6 Riche, cor vdrios ami-
gos, quando rebentou a noticia:
"O doutor Manuel Leiria de Andrade saudou o
senhor Jo&o Tome, num discurso entusiastico, aban-
donando seu protetor e chefe, o general Benjamin
Barroso."
Quintino Cunha, ao inteirar-se da uiltima sor-
preza, pediu emprestado um lapis e, no marmore
de uma mesa, escreveu:







S i o Iv10jaI i o


Quem fez um pdrco papel?
0 Manuel.
Quem se muda todo dia?
0 Leiria.
Quem nunca falou verdade?
0 Andrade.

Pois bem; cor sinceridade
satdo, neste moment,
a el-rei do avacalhamento:
Manuel Leiria de Andradel

Repito que nada tenho contra o doutor Manuel
Leiria de Andrade, que sempre me tratou muito bem.
Si Ihe estampei o nome por extenso, isto se deve a
circunstincia de ter Quintino Cunha usado o verso
na satira cor que o alfinetou, pois a rima nio me
permitiria outra coisa.
Adiante. Nao citarei nem a cent6sima parte das
piadas de Quintino Cunha. Estou apenas recordan-
do, salteiadas, algumas, e nio das melhores. Houve
quem as reunisso em opisculo, que li, mas nao me
serial impossivel acrescenta-las de outras, talvez
in6ditas.
Al6m dos limits do Ceara, nao sabem os criti-
cos brasileiros da vida privada dos escritores nordes-
linos por excelencia. Pudesse eu informra-los e de-
dicar-me-ia a tamanha tarefa.







Terra e Povo do 0eard


Os literatos do centro e do sul do pais nio
perdem tempo com essa gente...
Ora, para mim, quo viajei do pampa ao ser-
tao, os intelectuais cearenses nao sio menores do
que os do resto do Brasil. Na Capital Federal, certas
f61has costumam promover concursos estapafdr-
dios como o segtinte:
"Quem 6 o maior jornalista national?"
As respostas dos cariocas s6 se referem aos quo
colaboram na imprensa do Rio de Janeiro. Entre-
tanto, nio creio que Eduardo Prado, Quintino Bo-
caiuva, Alcindo Guanabara e quaisquer outros ven-
gam Joao Brigido, que deixou enorme porgio de po-
lmicas hist6ricas, sociais e polfticas de alto m6rito.
Ignoro si haverA, na lingua portuguesa, autores
Ja mais fortes e sint6ticas expresses agressivwi.
Iguais, sim, enumeraria Camilo, Silvio Rom6ro, etc.
Joio Brigido, redigindo uma noticia, empresta-
va-lhe inconfundivel colorido.
Um inimigo seu fora eleito deputado. Tratava-
se de pess6a a quem ele chamara, aludindo, corn in-
justa paixio, a multiplas adatabilidades partidarias,
coisa feia. Parents e correligionArios do prestigio-
so politico ofereceram-lhe um almogo, pela vit6ria.
Joao Brigido assim noticiou o acontecimento, mais
ou menos:
"Hontem, As 13 horas, os admiradores do se-
nhor depuitado Fulano pTbstaram-lhe uma ho-
menagem, numa refeigdo feita no Cafe Riche.







p i I V ito J0jU i1


A' sobremesa, em nome dos presents, saudou-o
o senhor Beltrano.
Em seguido, Fulano ergueu-se nas patas tra-
zeiras e pronunciou um discurso, curto, mas rulm."
Ha cidades importantes do Brasii onde se con-
sidera o jornalismo derradeiro reduto da improvisa-
gbo, da afoiteza e da incultura. Todos os desampa-
rados da sorte o transformam em arma do assalto .a
posig6es bem remuneradas. E' uma esp6cie de ban-
deirismo aparentemente literdrio. Qualquer tipo de
camisa suja e sapato furado, que ndo tenha habili-
tag5es para trabalhos que as pegam, uma vez enca-
rapitado nos didrios e revistas, 6 dono do mundo e
mete-se a critic, soci6logo, historiador, juriscon-
sulto, tudo. Carlos de Laet, que foi autintico e mo-
delar periodista, mencionou epis6dios catastr6ficos
da quarta potincia, quando entregue a loucos ou
idiotas sem escrdpulos e sem letras. Sua conferin-
cia a respeito de parvoices dos pontifices da impren-
sa merece reedig5es e acrescentamentos inexgotaveis,
que na realidade pululam em cidades importantes do
Brasil.
A origem do mal 6 o pedantismo da pobreza os-
tentosa. As organizagSes jornalisticas do Rio de
Janeiro, de S. Paulo, do Rio Grande do Sul, da Baia
e de Pernambuco pagam miseravelmente a seus ser-
vidores. E o usual 6 o regime do vale minguado,
choradinho, esporddico.
Resultado: quem p6de, emprega a imprensa co-







Terra e Povo do Ceard


mo recurso passageiro, mas a abandon na primei-
ra oportunidade, e os que nela ficam, quasi sempre,
6 que nunca a conseguirdo deixar.
No Ceara, os intelectuais sabem que nao devem
viver do jornalismo, de sorte que, antes de o explora-
rem, jd so dedicam ao magist6rio, A magistratura,
a uma profissdo firme. A imprensa, para Mles, re-
presenta simples meio de transport de opinibes.
Nada de sensacionalismo criminal. Nada de escAn-
dalos. Nada de extorgSes. Eis o motivo por que os
literatos de estirpe, os verdadeiros literatos, ali, as-
sinam comumente seus artigos nas f6lhas. Nao exis-
te um s6 que nao haja dirigido campanhas perio-
disticas. E o capitdo, o imperador dos gladiadores,
nessa arena, ninguem nega que foi Jodo Brigido, in-
corruptivel e invencivel, cuja impavidez se somava
a s6ria preparalao mental.
Os defeitos imperdoaveis da imprensa cearense
s~o outros. Os jornais, em geral, tnm feigho politi-
ca, pelo que se sentem algemados ao dinheiro dos
chefites comicos e rudes dos partidos. Salvo, natu-
ralmente, a colaboragio dos intelectuais, que est6
acima do bate-boca dos cabos eleitorais do estado,
seja sertdo, seja litoral, seja cidade, o resto 6 anincio
e intriga. F6lhas se distribuem la que trazem tres pa-
ginas de mat6ria paga e uma de discussed rasteira.
onde ao canto c redator ordenou a incrustagdo de
um bom artigo literArio. Si nao fosse chavao, eu







Silvio Julio


compararia aquilo tudo a um monte de lixo com
um diamante...
Bern pensado, o jornalismo carioca 6 diferente,
mas ndo melhor. Para prova-lo, bastaria uma in-
quisig~osinha aos gerentes, que trocam por niqueis
a independencia moral da pena. Cada campanha a
fav6r do pOvo da Capital Federal acaba sempre num
acordo corn as comnpanhias e os bancos. S6 os in-
euraveis de imbecilidade teimam em acreditar na
liberdade e na sinceridade de uma imprenso aluga-
da, direta ou indiretamente, ao capitalism voraz e
aos poderes pfiblicos.
A literature nSo escapa aos cabotinos, que pre-
ferem iludir-ss, trocando o lento, o trabalhoso tri-
unfo pelas fantasmagorias da propaganda meio
commercial. Penetrarei num caso tipico.
Neste agonizar de 1934 os jornais da Capital
Federal indagam:
"Qual o maior prosador brasileiro?"
Ingenuos rapazolas andam a pedir, de porta em
porta, votos para determinados candidates. Outros,
cavadores eximios, resolve o problema de modo
'singular: pouco se Ihes di que ainda respirem Afra-
nio Peixoto, Alcides Maia, Oliveira Viana, Agripino
Grieco, Celso Vieira, e esmolam sufrAgios a fav6r de
quem Ihes pague a dedicagao com um emprego pu-
blico.
Sera crivel que o preferido desses malandros se
julgue mesmo o maior prosador brasileiro? 0' pos-







Terra e Povo do Ceard


teridade! 0' justigal A v6s, e exclusivamente a v6s
cabe a sentenga inapelavel!
Repugna-me participar da farga, porque, em ca-
sa de meus pais, aprendi, desde pequeno, que as apa-
i-ncias nSo triunfam definitivamente das verdades.
Titulos roubados nao prevalecem. E' por isto que
acho anti-higiinica a adulagdo e a maneira de con-
decorar previlegiados. 0 principado da prosa brasi-
leira n&o cabe individualmente a ninguem, pois as
qualidades e os defeltos de estilo em Afranio Peixoto,
Alcides Maia, Oliveira Viana, Agripino Grieco, Celso
Vieira, Ribeiro Couto, Virgilio VArzea, Paulo Se-
tubal, Gustavo Barroso, Ronald de Carvalho e diver-
sos nao sdo melhores nem peores do que em Ant6-
nio Sales, cronista fidalgo e romancista magistral.
Por causa desses golpes de aud&cia 6 que a li-
teratura national continue a parecer mediocre. No
Rio de Janeiro pensa-se que o resto do Brasil estd
desert. Os jornais cariocas, que se preocupam com
a mais linda rapariga ou com o mais querido poeta,
devem elucidar, no afan de meter em fila os litera-
tos, nao apenas o que pretendem traduzir na expres-
s~o maior prosador brasileiro, mas tambem o que
convem fazer para que a eleigio abranja todo o ter-
rit6rio patrio. Acato e admiro Afranio Peixoto, Al-
cides Maia, Oliveira Viana, Agripino Grieco, Celso
Vieira, Ribeiro Couto, Virgilio Varzea, Paulo Setii-
bal, Gustavo Barroso, Ronald de Carvalho e diver-
sos prosadores brasileiros, porem o cronista e ro-







iSilvio Julio


mancista Ant6nio Sales nao lhes fica abaixo em ta-
lento, em graga, em leveza, em elegAncia e em cultu-
ra. Que so compreenda bem esta minha opinilo so-
bre a puerilidade dos tais concursos... Intelecto nao
6 batata...
Si o governor federal iniciasse um movimento re-
parador dos distfirbios e sandices da barbaria brasi-
leira, como outras autoridades, de nagSes extrangei-
ras, fazem em suas terras, a primeira media acon-
selhavel seria a da criagio de uma Academia, onde
se sentassem poetas, prosadores, mfisicos, pintores,
escultores e cientistas de mais de quarenta anos, corn
inocultavel e provado merecimento, e que represen-
tassem todas as zonas do pais. Uma comissao hones-
ta de dez ou quinze notabilidades apresentaria ao go-
verno federal vinte nomes de poetas, vinte de prosa-
dores, doze de mfisicos, doze de pintores, doze de es-
cultores e trinta de cientistas, para constituirem a
sintese do pensamento e da arte do Brasil inteiro.
Ninguem, depois de formado o cenaculo, ingressa-
rfa nile sem possuir atributos rigorosos de cultural
e de talent, e de ter quatro quintos dos votos dos
membros das diversas secges da Academia. Parece
que este sistema proibirfa a entrada de. politicos
asnAticos, que se valem das posig5es vantajosas
para arrombar portas, al6m de permitir a seleglo
secret e livre dos maiores homes do Brasil.
Tome o governor federal providencias, que nao
ficarao nas cadeiras de um grimio intellectual minis-







Terra e- Povo do Ceard


troides apagadinhos, senadores broncos, deputados
ineptos e a fauna inumeravel dos d6beis mentais,
por6m um Ant6nio Sales, cearense, ou um Zeferino
Brasil, gaficho.
A finica Academia realmente national desta
terra saird da iniciativa de um estadista capaz, que
saiba compreender o que significa esse 6lo spiritual
dentro de uma cultural incipiente e desagregada.
E' centrico e bAsico o problema da escolha de
participants. Para que um afortunado trampolinei-
ro nao imprima, a press, qualquer samba, desenho,
folh6to, e se insinie candidate As vagas, o regula-
mento, entire diversas exigencias, colocaria a de ha-
ver mais de uma obra vultosa e 6tima nos titulos de
cada autor avaliado, obras que nao poderiam ter me-
nos de dois anos de antecedincia A data da morte do
s6cio a substituir-se. Eis o process, que nao julgo
impraticavel, para que um Ant6nio Sales, cearense,
ou um Zeferino Brasil, gaucho, recebesse a honra
que Ihe cabe, mas que at6 hoje Ihe foi negada pela
vesguice pretenciosa e pela inconsci8ncia de muita
nulidade feliz.
Em minha evolugao intellectual, o hignio que
passei no Ceard desempenhou papl6 notavel. Meu
idealismo ativo deu-se maravilhosamente em For-
taleza, que lhe serviu de campo de batalha. A leal-
dade dos escritores nordestinos agradou-me, tanto
quanto a ausencia de esnobismo que os particulariza
no Brasil. Quatorze anos ap6s, ainda reconhego que







Silvio Julio


existe, entire os cearenses, uma energia equilibrada
que nao se encontra entire os demais brasileiros.
Quem apagard da hist6ria, por exemplo, a per-
sonalidade de Rodolfo Te6filo? Devem-se-lhe roman-
ces mal escritos, mas estupendamente concebidos,
como 0 parodra, Os Brilhantes, A fome, Maria Rita;
devem-se-lhe contos, artigos, pol6micas; devem-se-
Ihe oomp6ndios escolares, monografias cientificas,
esludos hist6ricos. O que, acima de tudo, futura-
mente, o imortalizarA, 6 aquela incrivel agdo de hi-
gienista, que, perseguido pelo governor, s6sinho,
acabou cor a praga da variola no estado. E' inso-
fismavel. Caluniado pela mesquinha political, diaria-
mente ia o ap6stolo, de rancho em rancho, a vacinar
os pobres. A imprensa official gritava que a linfa por
tle empregada nao prestava. Nada o demoain. Su-
jeitou-se a manda-la examiner no Instituto Osvaldo
Cruz, que a achou perfeita. Assim, depois de Inma
existencia de sacrificios, extingufu de sua terra o
mortifero mal.
Que outro estado conta cor um campeho desta
tempera, que, sem auxilios e at oombatido pela
brutalidade de um tiran6te, defended a safide de uma
populaco de tao desinteressada maneira? Rodolfo
Te6filo 6, no Brasil, o Ainico salvador pessoal da vida
de uma populagco inteira.
Fui amigo intimo do velho e puro batalhador.
No Benfica, em Fortaleza, visitava-o quasi que todos
os dias. PerdOe-se-me que, ao recordar-lhe os atos







Terra e Povo do Ceard


do bondade e as obras de talent, nio esquega tam-
bem o quimico-industrial que fabricava a melhor
cajuina do mundo...
Por que um novo escritor do Ceard nao traga
minuciosa biografia de Rodolfo Te6filo? Nao 6 s6-
mente quem reside no Rio de Janeiro que merece
um livro dessa natureza. Poucos homes do Brasil
terdo uma vida de tal variedade e limpidez.
O bergo do senador Tomas Pompeu, de Liberato
Barroso, de Jos6 de Alencar, de Franklin TAvora, de
Araripe Junior, de Juvenal Galeno, de Capistrano de
Abreu, de Joakim Katunda, de Farias Brito, de Rocha
Lima, de Domingos Olimpio, de Rodolfo Te6filo, de
TomBs Pompeu de Souza Brasil, de Jos6 Albano e de
tantos grandes mestres, jd disp6e de elements para
organizer sua hist6ria literdria. Urge que um eru-
dito honrado a burile corn crit6rio universalista e
equitativo. 0 Ceard orgulhar-se-a, cor razao, de
sua pr6pria vitalidade intellectual, que deu a cultural
brasileira s6lidas e definitivas gl6rias.
Ha muito tempo que o digo. Demordra-me qua-
tro anos no Rio Grande do Sul, antes de ir para For-
taleza. Educado na Capital Federal, e tendo viajado
por S. Paulo, Minas Gerais, Estado do Rio de Janei-
ro, Sergipe, etc., compare a um por um o Ceara. Es-
crevi opuisculos combativos sobre assuntos locais e
alguns estudos menos trepidantes, que em 1933 in-
clui no livro Penhascos. E' a melhor homenagem
que pude prestar ao carAter cearense.







Silvio Julio


0 Ceard e sua gente, Intelectualidade cea-
rense de hoje, Rodolfo Tedfilo e as sdcas do Ceard,
eis a mat6ria que se estira da pagina 39 A pAgina 67
do Penhascos, tocando nos temas fundamentals da
atividade do p6vo nordestino.
No primeiro desses escritos, corn pausada obser-
vag~o afirmei:
"0 Nordeste 6 um meio incompreendido e con-
tradit6rio. Tudo Ihe 6 irregular, imprevisto, ines-
perado. Sicas assassinas o aniquilam. Vitalizam-no
chuvaradas diluviais. E'pocas de fartura o atapetam
de alegrias, de esperangas, de riquezas. Minguam-no,
arrazam-no, entisicam-no dias de luto, anos de fome,
moments de angistia. Depois das colheitas abun-
dantes, o sol queima o chdo, some-se a vegetag~o, os
gados arruinam-se. Oito ou oitenta.


"Atravessando desertos aridos, tostado pelo sol,
comendo raizes venenosas, larga os seus rinc5es o
home do Nordeste e alcanga o litoral, quando, sem
montaria, sem roupa, sem nada, se vi forgado a
abandonar a casinha em que reside. Dir-se-ia, entao,
que se habituou a sofrer tudo e que nao ha dores que
o exgotem. Febres nao o matam. Doengas, nro o
abatem. E, depois, extravasa a sua filosofia de cren-
te em ditados como este: Desgraca pouca e tiquim."
Nao precise insistir. Enquanto more no Ceard,
ao mesmo tempo que Ihe aprendia a hist6ria de mar-







Terra e Povo do Ceard 29

tirios e heroicidades, combati-lhe o que, a meu jui-
zo, me parecia erro. Agora, mais experience e atW
mais cordato, descubro as origens fatais dos defeitos
cearenses, que, final, sho menores do que outros. De
long, fotografo a alma daquele p8vo parcimonioso e
granitico, paralelizando-a cor a de v6rias gentes
orgulhosas, e, francamente, nao tenho sinao que
exalta-la. A perpectiva favorece-me a visdo de con-
junto. Estou certo de que, de mat6ria-prima tio fos-
ca e rija, ningcuem fabricard espetaculosas joias e
vestidos de seda, mas de seu ago temperadissimo o
Brasil forjou monumentos iteis, que perduram,
como, porvindouramente, tirarA dai obras indestru-
tiveis.
0 Ceard nao 6 salio de baile. E' escola.
















A sierra e a genie do


Ceara,


Todo o Brasil 6 interessantissimo, ou por suas
regimes barbaras, mas curiosamente prometedoras
de abundante, mfiltipla e profunda civilizagoa, ou
pelos seus centros de progress, onde a lei da ada-
tagao se cumpre de maneira especial. Pelo menos
cinco tipos conhecemos, de cartter social-economico,
em nosso pais: 1) o amaz6nico, que abrange os vas-
tos matagais quentes, humidos e baixos do Amazo-
nas, do Para, do Acre e do norte de Mato-Grosso; 2)
o dos arax6s e descampados do Maranhdo, do Piaui,
de Goiaz, de Minas Gerais e do sul de Mato-Grosso;
3) o centro-litoraneo, que abarca os enrugados terre-
nos da Baia, do Espirito-Santo, do Rio de Janeiro,
e at6 de S. Paulo, Parand e Santa Catharina; 4*) o dos
pampas do Rio Grande do Sul; 5) o nordestino, que
se alarga do Ceara a Sergipe, indo mesmo aos sectoes
balanos. Recordemos que Silvio Rom6ro louvava
esta proteiforme repartigho, que g6ra a concorr6ncia
e, portanto, a vitalidade do p6vo. Recordemos a teo-
ria do mestre e aplaudAmo-la.







Terra e Povo do Ceard


Efetivamente, tamanha riqueza de asp6tos cria
notavel diversidade social-economica, que produz,
por sua vez, litil ciume e uma certa oposigdo de inte-
resses. Sem a luta pacifica do trabalho, sem a dispute
incruenta do comercio, sem o nervosismo dos con-
frontos localistas, que press haveria de avangarmos
na estrada dos melhoramentos? Cremos que o instin-
to e o sentimentalismo, desde que obedientes a cion-
cia, poderao dar a cada part do Brasil fisionomia
propria, que seja fundada em rigorosa produgio e
em educag8o s6ria. Sobre a t6sca e primitive estru-
tura social-econSmica que o ambiente inspira e exi-
ge, coloquemos a r8de de acordos internacionais que
a distribuigio das riquezas ndo dispense.
Ora, o Ceard (expoente do que denominamos
molde fisico-cultural do temperament, da indole, do
geito dos habitantes do Nordeste) bem nos mostra
que s6mente all, gragas a uniformidade dos fatores
de formagao social-econ6mica, existe qualquer coisa
de national. E' que, por falta de abalos externos, in-
vasoes, relaQ5es 6tnico-intelectuais com outros ni-
cleos que nao o ib6ro-indigena, naquele tracto da
patria se divisa algum desenho de vida normal, co-
mo significativa de anseios e realizag5es de uma co-
letividade, nio diremos superior, porem firmada em
qualidades e defeitos.
O Ceard, por isto, nao vence provincias mais do
que 6le pr6speras. Acontece que, para a andlise ob-
jetiva da gene que o popular, a circunstancia traz in-









significantes vantagens. Si nao possuimos ainda
nenhum cancioneiro, nenhum romanceiro, nenhum
lendario rico de origialidades, ao menos o do torrdo
de Jos6 de Alencar, al6m de opulento, 6 talvez o ini-
co do Brasil que adquiriu duas ou tres entonag5es
basicamente limitadas. Nao tratamos 6 natural -
de Ihe atribuirmos capacidade inventive igual a dos
egipicios e dos gregos, o que importaria em absurdo;
o que pretendemos grifar 6 o fato de haver, no popu-
l8rio das plagas 16s-nortistas de nosso pais, acentua-
da, vultosa, tipica inclinago pela poesia sertaneja
do cangaceirismo e das vaquejadas. Gustavo Barro
so o percebeu, conoebendo ciclos temdticos para o
folk-lore national. E n6s o apoiamos, quando, no
livro Fundamentos da poesia brasileira, pormenori-
zamos a respeito do mais representative da nossa
musa an6nima.
O Cear' herdou dos portugueses o que tambem
dos portugeses herdou o Rio Grande do Norte, a
Bafa, Goiaz ou Minas Gerais, mas, de todos os Esta-
dos, aquile que mais transforniou, na adaptaglo a
seu meio de tradigSes e costumes peregrinos, a ve-
lha alma europ6a, foi, inquestionavelmente, o Ceard.
E' que a natureza, alf, se nos depara tao divers da
que envolve os descendentes de Nun-Alvares e Ca-
moes, que Wstes invenciveis conquistadores tiveram
de se modificar, como que regredindo ao rude pri-
mitivismo das tribus pastors, para nao se deixarem
expelir da agreste regido. M6todos particulares exer-


9 T, 1 i 0 J U I i 0







Terra e Povo do Ceard


citaram, entao, na peleja contra o desert, que, por
todos os lados, os comprimia carrancudo e brutal.
Noutros pontos, a cabana transmudou-se, logo-logo,
em casa, e, ao redor do solar, senzalas e bolichos
constituiram aldoias e vilas; nas asperas e pobres ca-
tingas, entretanto, as tentativas de fixago do ho-
mem lembram um pouco o erradismo dos hebreus
anteriores a Josu6. Diverge inteiramente o fenOme-
no do povoamento desse adusto recanto e o das fes-
tivas e verdes, graciosas e variadas colinas cariocas.
Ao Ceara faltou-lhe agua permanent, que de-
terminasse o caminho dos portugueses e seu pouso
definitive. Ao Ceara faltou-lhe uma dessas tentado-
ras riquezas -o diamante, o ouro, a prata, a esme-
ralda que atrdem massas e improvizam imperios.
Ao Ceara faltou-lhe a posicgo, que o tornasse, como
outr'6ra a Caldea, hotel de caravanas e dep6sito de
mercadorias em transito. 0 insulamento e a pobre-
za eis os dois esteios capitals daquilo a que cha-
maremos, na ausencia de melhor expressao, civili-
zagao do Ceard.
A pobreza nio arrastou para 14 multid6es de
aventureiros, e no contrArio aniquilou no martirio
os oorajosos que ousaram penetrar-lhe o interior. 0
insulamento, oriundo da miseria e da ma colocagdo,
consentiu que nao variasse muito a sociedade que
nile assisted. Acreditamos que o prejuizo econ6mico
que isto represent esta compensado pela aquisigio de
forgas morais, que fazem do cearense, no Brasil, o







i 0io j ULio


exemplar mais determinado e mais granitico per-
mita-se-nos o term de masculinidade. O cearen-
se, em relag~o aos homes das zonas exuberantes, 6 o
persa, que soma e sujeita o m6do, para depois esten-
der-se pelo mundo como habil triunfador.
'Nao existed vilarejo ou cidadesinha do Brasil
sem um filho do Geara, e comumente progressista, in-
ventivo, esperto. Ciega paup6rrimo e s6, porem me-
Ihora sempre e gs vezes domina de vArias formas.
Sofre penfiria resignado, confiante na vit6ria future,
at6 implantar-se num ramo de atividade e ai salien-
tar-se. E' que misturou a sagacidade fenicia a im-
placabilidade assiria e aos dotes intelectuais dos
gregos. Sim, o cearense nunca se mostra precipitado
e inhabil, nao perd6a o inimigo no combate-cagada
de que 6 teatro a catinga apavorante e na intelig6n-
cia corn que usa a s6bria agilidade das ragas que vi-
vem a defender-se. Nas indfistrias, nas ciencias, nas
artes, onde, entire n6s, nao citamos casos de tenaci-
dade, que provam ser o Ceara escola e fonte de estoi-
cismo? Na Capital Federal, capitalistas, banqueiros,
t6cnicos, literatos, provindos do flagelado bergo de
Juvenal Galeno e que hoje se mencionam por seu
m6rito, ao iniciarem, long do lar, a carreira, jd pa-
deceram, anos e anos, corn resignagdo edificante.
E' coisa sabidissima e honrosa.
Para o cearense, qualquer Estado do Brasil 6
mais futuroso do que o seu. A menos favorecida
marca do Rio Grande do Sul ou do Parana parece







Terra e Povo do Ceard


opulenta e fecunda, si Ale a compare cor o sertio
calcinado e agressivo. Aqui reside a potencia do
carter que revela em sua trajet6ria, quando for-
gado, no Ceard ou f6ra do Ceard, a ganhar o pio
sem ajuda de ninguem.
Promana desse paralelo um sentiment como-
vente. O paulista orgulha-se de S. Paulo. 0 pernam-
bucano orgulha-se de Pernambuco. O cearense dedi-
ca ao Ceard algo mais intimo: ternura e piedade.
O cearense nao fala cor arrogincia do Ceard, mas
a verdade 6 que o quer de modo familiar, cheio de
embevecimento e pena, numa calada e mansa, numi
embaladora e doce meiguice de filho para mae. E'
que 6le nao ignore que sua terra s6mente possuird
tesouros quando o sangue de muitas gerag5es encha
os i udes e Ihe fertilize o s61o ressequido, visto que,
pela fatalidade, aquela mae precise, como outra al-
guma, da vida do filho.
Na palavra de um cearense sobre o Ceard free,
enigmdtica e travosa, uma eterna interrogagao: -
"Por que t6o castigada a terra em que nasci, enquan-
to as outras nadam na fartura?"
Quem nao conhece bastante o Ceard e escuta
falar das secas, pensa que aquilo nada vale e que
melhor 6 abandona-lo. Houve um financista do sul,
nos tempos do governor Epit6cio Pess6a, quo aconse-
lhou a emigragAo dos nordestinos (emigragdo total
e oficializada) para os caf6sais paulistas. E' n~o en-
tender do problema e assombra pela audicia. O que







Silvio J itl io


urge fazer nio 6 despovoar a regiao, mas localizar-
Ihe as populag6es perto dos aqudes, que devem li-
gar-se por uma teia de caminhos de rodagem e de
ferro.
Apezar das calamidades, o Ceard se conserve
entire os Estados de terceira categoria no Brasil :
1) S. Paulo; 2) Rio Grande do Sul, Pernambuco,
Minas Gerais, Baia e Rio de Janeiro; 3a) Ceard, Pa-
rand, Par&, etc. Qual o motive? Ou quais os mo-
tivos? A teimosia e a firmeza do cearense, que re-
siste a tudo, eis um factor. A opul6ncia dos dias fe-
lizes e hfimidos, eis uma outra causa.
Povo tenaz e at6 pirr6nico, o do Ceard aprendeu
a suportar os males que o atacam. Nao se rebel a
gritos, porque reage vingativa e paulatinamente. Es-
pera corn paciencia a oportunidade e toma a desfor-
ra. Toda a hist6ria internal do Estado 6 uma s6rie
de brigas de families e de partidos, onde as cruel-
dades e as manhas andam confundidas. 0 esbanja-
mento nas estag6es fartas 6 uma esp6cie de protest
contra as de extrema parcimbnia e de peniria, pois
o cearense, quando ter, gasta desabaladamente, e
quando n&o ter, sorri a quaisquer ameagas de mise-
ria. Seu ditado predileto 6 o seguinte: Desgrafa pou-
ca 6 tiquim. Assim, agrada-lhe a vida plena, ja
no fastigio da opul6ncia, j6 no angustioso da po-
breza. O essential estA em nao se deixar dominar
nunca pelo desinimo.
Si ha, no CearA, um povo assim, como proper






Terra e Povo do Ceard


o despovoamento da regi&o? E ndo 6 a terra, ali, o
mal, porem o c6u. O chho 6 o bem, porquanto exube-
rante, f6rtil, opulento, desde que as nuvens o hume-
degam. E' sabidissimo que, ap6s secas e miserias, as-
diluviaes enxurradas derrubam paredes de agudes,
transbordam rios, alagam cidades, e, entao, aquele
desert transforma-se, suibito, numa horta verde-
jante. Os pregos caem logo, a produgio cresce, a
provincia inteira volta a ocupar sua posigio entire
as outras do pais.
Depois de ur period de tristeza, de fome e de
sede, o Ceard renasce em poucos meses, e a agua
rola, tudo ameagando. 0 comentgrio da populaqAo,
habituada a tamanhos contrasts, 6 sereno: Oito ou
oitenta. E a verdade estd nesta lficida compreensdo
do fen6meno, visto que a vida do cearense 6 con-
centrada nesses pequeninos pedagos de felicidade e
de calamidade, como que oscilante da crida e perverse
visao do realismo da indig6ncia & esperanga, e g
fM, e A alegria.
O Ceard, aldm de ter constituido uma populago
homogenea em seu asp6to exterior, nivelou, no sofri-
mento, todos os seus filhos. Quando a seca o devasta,
padecem os vaqueiros, os comerciantes, os intelec-
tuais. Ninguem escape ao chicote cortante da po-
breza, do perigo, do tem6r. Nos lares desprevenidos,
imediata e violent, penetra a morte. 0 fazendeiro,
hontem abastado. perde suas rezes e plantag6es. 0
negociante cede, gratuitamente, aos flagelados, os







Silvio Julio


g&neros de seu estabelecimento. Cessa a existencia
normal, no meio daquele desastre da natureza. E' a
vitoria de Agra-Maynous sobre Ahura-Maz'da,
como pensariam os iranianos dos tempos de Ciro.
Ou melhor, 6 o triunfo momentaneo de Siva, o des-
truidor, sobre Vichnou, o construtor, conform en-
tenderiam os setarios de Brahma.
Durante as sOcas prolongadas, desfilam, pelos
caminhos requeimados e t6tricos, nao s6 families de
infelizes pobret6es, mas tambem as dos chefes, as
dos proprietarios, as dos ricos da vespera. Aquilo
parece uma fatalidade democratizante, criadora do
misticismo naturalist, mugulmanico, concretizador
do povo cearense. Acampam, no mesmo s61o (cru61,
padecem id4nticas faltas, os que tudo possuiam e os
que nunca possuiram nada. Como nas barracas dos
ex6rcitos em campanha, quando oficiais e soldados
fraternizam obrigados pelas necessidades comuns
ali se acaba o orgulho, ali terminal a vaidade, ali se
extingue o preconceito de casta. Na hora de receber,
o potentado faminto, da mio do pAria, o chique-
chique salvador, brilhou a luz da igualdade diante
do nada de tudo.
Atribuimos a essas lutas continues o espirito
ir6nico da linguagem e a frieza impassively da agho
dos cearenses. Eles nao param nunca, Ales enfrentam
tudo, e riem da desgraga, cag6ando de si mesmos.
A hist6ria da civilizagSo do Cear6 risca-se a 6sso
numa pagina de sangue: os serties, em seus mais







Terra e Povo do Geard'


afastados recantos, guardam manchas rubras de tra-
g6dias e esquelcios eloquentissimos...
E' certo. Tres seculos de conquista e coloniza-
g~o, no Ceara, traduzem-se por ininterruptos con-
bates, 6ra contra os homes, 6ra contra a natureza.
Ndo ha outro p6vo do Brasil que tenha pelejado :
sofrido tanto.
Alguem, ainda, escrevera o que 6 o dcsbrava-
mento das catingas pelo cearense. Pagina de d6r.
PAgina de morte. Pagina 6pica, eletrizante, formi-
davel. E o complement da epop6a silenciosa con-
firmara a coragem ind6mita desse p6vo de herdis: a
coroa do poema serA o dominio da selva amazonica.
que s6 e s6 Ale viola e decifra. O mineiro vive em
Minas Gerais, o piauiense vive no Piaui, o catarinen-
se vive em Santa Catarina, o matogrossense vive
em Mato-Grosso. Apenas o Ceara prepare sua gene,
em seu seio, para que ela se espalhe e tralalhe no
Brasil inteiro.
Ha mais. Em S. Paulo, o matuto 6 lo mato, e
o litoraneo dale difere. No Rio Grande do Sul, o
gadicho e do pampa, e o habitante das costas nao se
parece muito cor nle. Existe, entire o home do in-
terior e o dos portos, no Brasil, a distancia verifi-
cada entro d6rios e jonios. Uns, restritos, outros
universais. Aquiles, localistas, Ostes despreocupados
do exclusivismo jingoista. Faz excecao o Ceurd, que
prolong o sertdo at6 o mar, unindo, idealirente, o
vaqueiro e o jangadeiro. Tire-se o cavalo ao vaque3







Silvio Julio


ro, d6-se-lhe a jangada, e sua alma arrojada nao mu-
dr6. Tire-se a jangada ao jangadeiro, de-se-lhe o
cavalo, e seu carter sera o mesmo. 0 jangadeiro 6 o
sertanejo do mar. 0 sertanejo 6 o jangadeiro do ser-
tao. Ambos calados e teimosos, ambos despreza-
dores dos perigos, ambos sujeitos a um destiny den-
so c escuro, que os torna fortes para o martirio e
resignados como santos.
Conta-se que um cearense passou cincoenta
anos a sonhar cor o oceano, 16 no interior. A todos
que vinham de Fortaleza, Ale perguntava:
EntIo, voc8 viu o mar? E' bonito?
Um dia, j6 envelhecido, o vaqueiro intr6pido
atravessou o sertdo e desembarcou na capital. Cinco
ou seis amigos, que o acompanhavam, queriam tes-
temunhar a comogdo que Ihe ia dar, quando avistasse
as imensas ondas da praia. Levaram-no, por isto,
distraido, at6 a costa, e, de repente, Ihe apresenta-
ram o espet6culo daquela massa liquid a rugir.
Que tal? Nao 6 estupendo?
0 intr6pido vaqueiro contemplou, mudo e qu6-
do, o oceano, e, depreciativo, desiludido, como si tudo
aquilo Ihe f6sse muito familiar, responded:
-Marzao besta!...
Talvez que s6mente um sertanejo do Ceard pos-
sa nao se espantar diante de coisa nenhuma. Des-
confiado e arguto, a vida tanto o castigou, que a
pr6pria morte, cor seu negro mist6rio indecifravel,
rao o assomubra, nern o atr6i. Para quem, v4rias ve-






Terra e Povo do Ceard 41

zes, numa existincia de tropegos e desgragas, viu
e escutou o soturno, o cavernoso, o surdo ronco das
Aguas da e!ernidade, e ndo fugiu, que sho as vagas
encapeladas do AtlAntico?















Os mais graves problems
do Ceara


Quem Iiio conhece, a fundo, a formac~o do p6-
vo cearense, today a sua hist6ria de martirios e custo-
sissimas vit6rias, nao p6de fazer idea dos problems
vitais que ali ainda se estdo resolvendo.
Desde ilue, em 1603, Pero Coelho penetrou no
territorio di flagelado bergo de Jose de Alencar, a
localizagao das famflias constitfie questao basica:
porque tudo lhes falta para uma existincia serena e
definitive. Noutros pontos do pais, chegam os colo-
nos, plant! i seus ranchos, estendem suas rogas, e
o resto, pou:o a pouco, cresce. La, nao. Os rios nio
favorecem a march para o interior, nao ha agua
certa, e os indios eram bravos de verdade, crueis e
ferozes. Nadla menos facil do que a posse da gleba
pelo seu habitanle. De fato, nunca se verificou ali,
um triunfo complete do home sobre ela, que at6
hoje reage c se nega a obedecer aos ditames do
trabalho,







Terra e Povo do Ceard


O Cear6 tern personalidade geogrdfica. E' a zo-
na doida do Brasil. Quando chove, as enchentes des-
tr6em os esforgos do brago. Si a seca vem, o lavra-
dor 6 forgado a retirar-se da casinha que comeghra a
construir. '1rata-se de uma civilizagao em eterno
movimento de avango e de destabocado regresso. O
que se ergucu em cinco, cai em dois anos. Um po-
queno aqude, levantado corn incrivel pertintcia du-
rante um deoinio, de repente se vo arrombado pela
excessive massa pluvial que o c6u derrama. Nin-
guem sabe o que se Ihe reserve para o dia seguinte.
Das cargas descomunais do suplicado liquid se vai
a sua absoluta ausincia. Houve, por isto, um es-
critor que apliccu aquela region de contras;tes um
ditado antig,: Ferreiro da maldigdo, quando ter
ferro ndo tern carvdo.
O Ceard criou um povo de obstinados silencio-
sos e calmos. Essa gente acostumou-se a refazer o
desfeito, cor mais tenacidade vingativa do que sim-
p!es paciencia. Ela nio se curva ao destino, mas o
aceita resign.damente como fatal inimigo, e o com-
bate cor proifunda, energica decisdo. A natureza
Ile esfarelou o lar? A natureza serd obrigada a ve-
la iniciar outro lar.
Eis o carter, a um s6 tempo ir6nico e pirr6-
nico, do revoltado consciente, que nho ignore o va-
1Mr do adversdrio, nem pretend ocult.-lo.
Urge comparar a evoluAo gaticha ou paulista
cor a cearense. Enquanto o pampeano ascendeu







Silvio Julio


normalmente, num meio favoravel, enquanto o ban-
deirante encontrou os elements a sua disposigdo e
deles se serviu em seu progress continue, o serta-
nejo do nordeste foi ao arrepio das coisas, numa
intercadente faina de ataque e defesa, de agressies e
recdios hdbeis, porem dolorosos sempre. A linha
da vida daquele p6vo sacrificado quebra-se em an-
gulos agudos, para traz e para a frente. E' uma
s6rie de arrancos brutais e impossiveis de regulari-
zagdo.
O hAbito tornou o cearense indiferente A dor,
ao sofrimento, A pendiria. Tornou-o tambem s6-
brio, modesto, teimoso, incurvavel. De tanto supor-
tar a mis6ria, nao extranha a pobreza. De tanto en-
frentar espinhos, sua pele ja nao acha mas as as-
perozas menos cariciosas.
Cicero, em Somnium Scipionis, sustentava que
o povo que habitat nas proximidades das chamadas
Catadupas, onde o Nilo se arremessa de montes altis-
simos, perdeu a audigao por causal 'da grandeza do
ruido das aguas:
"... sicut ubi Nilus ad illa, quoe Catadupa no-
minantur, precipit ex altissimis montibus, ea gens,
quee ilium locum accolit, proper magnitudinem
sonitus, sensu audiendi caret."
A um mbstre de estilo, que revele qualidades
de romancista, caberA a tarefa de draniatizar os
fropegos da expedigio de Pero Coelho e do epis6dio
do sua Nova Lisb6a, efem'era c6lula de uma colo-







Terra e Povo do Oeard


nizagdo nunca retamente prosseguida, apezar de
tentada ;aos pulos. E' assim. Fundada a cidadesi-
nha, centro da provincia que circundarfa a foz do
Jaguaribe, todo o sonho do conquistador desmoro-
na. Outras tentativas suceder-se-ao, em viirios pon-
tos, e nenhuma alcansard vida ininterrupta.
As aventuras de Martim Soares Moreno ligam-
se as de Pero CoOlho, de sorte que os prelddios da
colonizagio do Ceard avultam sobre os do centro e
do sul do Brasil como acontecimentos fdnebres e
amargos. No centro e no sul os postos de alivio
dos caminhantes multiplicavam-se, e cada qual me-
Ihor. Aos cagadores de selvicolas sobravam pousos
gasalhosos. O Tiet6, corn seus afluentes, parecia
a estrada natural do sertio, e sua participagao na
bacia previlegiada do Prata Ihe emprestava prestigio
legenddrio. Tudo era fartura em torno do despo-
voador das florestas. Era-lhe tudo convite hospita-
leiro a sua furiosa gula de riquezas. De 1580 a
1640 nem mesmo a espada espanhola Ihe cortava
os passes, que, entio, lusos e castelhanos obede-
ciam a uma finica coroa.
O Ceara, a inversa, ainda quando ajudado dos
Felipes da Espanha, foi tumulo de muitos corajosos
que, por mar ou por terra, quizeram nele estabele-
cer-se. P6ssimas costas, agitadas e uniforms, rios
esporddicos, catingas hostis e indios impiedosos
combinaram-se para negar aos brancos agua e
comida. 0 litoral inabordavel, o interior impenetra-










vel, exclusivamente a obstinagdo dos mais afoitos
continuaria a promover a posse de territ6rio tho
bdrbaro.
As noticias do ouro do Maranhdo, divulgadas
na Paraiba e em Pernambuco, 6 que impeliram Pe-
ro Coilho, Martim Soares Moreno e outros a atra-
vessar o CearA, e n6le abrir caminhos corn suas es-
taVges dp repouso e reabastecimento. Entretanto,
o castigo dos materialistas ndo demorou. Nas
arias quentes do infortunado torrao nordestino,
eles encontraram a side, a fome e a morte. Deus re-
servou aqu6le pedago do Brasil para escola de for-
tes e inferno de cdpidos.
Si um dos tremendous caudilhos tivesse visdo
political, o future ,do Ceard se Ihe revelaria, em suas
linhas mestras, e desde o s6culo XVII que a agua
seria o problema dos problems da regiao.
A sica nao nasceu depois de 1603. JA lhe so-
friam as consequencias as tribus indigenas, muito
antes dessa data. Ha claros indicios das inquietas
e impressionanates migragSes dos selvagens por
causa do complex fen6meno. Brutos, errantes,
desorganisados, nao sabiam sindo fugir do mal no
moment do perigo. Ndo dispunham de nenhum re-
curso constant e inteligente contra a natureza im-
placavel.
Por desgra'a os novos povoadores perderam
anos e anos em identica inercia, sem um sistema de
resistincia eficiente.


9 1 1v i 0 j U IE i 0







Terra e Povo do Ceara


A seca 6 o fantasma, o dem6nio do cearense.
Ha, em quaisquer circunstancias, sua presenga, ou
efetiva, ou moral. Ela declara-se e o trabalho do ho-
mem anula-se pela destruigio. Ela, quando a 6poca
6 b6a, esvoapa nas sombras do future, como glIdio
de fogo.
Depois de tanta calamidade, nio existe quem
Ihe ignore o rem6dio: a aqudagem. Captadas as
chuvas em reservat6rios de todos os tamanhos, o
Geard n&o padecerA mais o que ter padecido. A
condiQgo essencial do progress do estado 6 a agua.
Isto constitute axioma.
Ora, o territ6rio cearense necessita de prender,
nos aqudes, as chuvas, porque nao disp6e de lagos
e rios permanentes. Arenoso e violentamente incli-
nado para o mar, l8e sorve a agua, ap6s duas ou tres
semanas de cessarem os dilivios do inverno. Nos
dias de abundincia, o s61o recebe a frescura que
desce das nuvens, mas nao demora em v6-la evapo-
rar-se e infiltrar-se, correndo para o oceano. Uma
part da humidade s6be aos c6us, e a maior regres-
sa ao mar, atrav6z da exorbitante porosidade das
camadas declivadissimas do chdo.
Os lagos duram enquanto duram as chuvas. Os
rios transhordam com elas, porem as despejam
vertiginosamente no Atlantico. Os eminentes ge6-
grafos e historiadores do Ceara (Jos6 Pompeu,
Joakim Katunda, Guilherme Studart, Jodo Brigi-
do, Ant6nio Bezerra, Tomas Pompeu de Souza Bra-







S i I v i o J U Ii 0


sil, etc.) concordam com esta verdade, e mostram
que a natureza arenosa do terreno e sua sensivel in-
clinag&o para o oceano nao Ihe consentem a manu-
tengdo de um regimen de aguas. Si este fosse pos-
sivel, as reserves hidrdulicas talvez resistissem A
falta de chuvas por dois e mais anos.
Um agude, conforme a capacidade, aguentou
perlodos inteiros de seca. E' natural que rios e la-
gos opulentos prestassem as populagBes sertanejas
servigos inestimaveis. Desgragadamente nio ha
lagos e rios opulentos no Ceard.
Como substitui-los? Pela grande e pela pequena
aqudagem simultaneamente.
Uma rede de pequenos e grandes aqudes serA
a redengao dos cearenses.
A viveza do plantador nordestino extrema-se
na busca de processes de captaglo da humidade. O
menos t6cnico consiste em cavar uma fund vala ao
sop6 das colinas e ench8-la de barro, pap61, roupa
velha, de mat6rias que estanquem as aguas subterra-
neas. Estas, empatadas pela muralha compact que
o s6lo esconde em seu seio, vio molhando a encosta
dos morros. Na mancha f6rtil 6 que o trabalhador
langa as sementes do milho, feijao, ab6bora, etc.
Ahi est6.o embriao primitive da acudagem.
Nada mais prdtico e singelo.
Nao 6, todavia, suficiente. Uma familiar susten-
ta-se, por mezes, cor os produtos dessa grosseira,
dessa elementary irrigagao. Anos, nao. E todo um






Terra e Povo do Ceard


p6vo, atingido pela side e pela fome, nao p6de va-
ler-se de tMo imperfeito meio agricola.
Para quinze, vinte pessOas, a tira cultivada e um
p6go que contenha alguma agua bastam, caso as
chuvas nao demorem mais de um verio. Entretan-
to, as sicas, as vezes, prolongam-se e agravam-se, de
sorte que os parcos recursos que isso ministry se ex-
gotam. Imagine-se o que se pass na realidade,
quando as vitimas da sede e da fome sho todos os
moradores do sert&o cearense.
Constr6em-se, nesta ocasido, os pequenos aqu-
des. Qualquer racha vultosa do terreno se presta, e
o fazendeiro manda aumenta-la e tapar-lhe a b6ca.
As aguas convergem para o buraco aberto e nao fo-
gem, porque a parade s6lida que as ret6m estA cra-
vada no s6lo a vArios metros de profundidade.
Utilizatm-se os pequenos agudes por centenas
de individuos, que Ihes bebem o liquid quando in-
dispensavel e o empregam nuna irrigagdo relati-
vamente apreciavel.
A pobreza dos criadores e agricultores do Cea-
ri, infelizmente, nao Ihes consent a construgco de
barragens de cimento e pedra, cor regras, sob a di-
regio de engenheiros. As que Nles erguem, quasi
sempre, caem cor as enxurradas invernais.
Que os governor Ihes facilitem cr6ditos bastan-
tes, que Ihes tornem os pequenos agudes legitimos
baluartes da fortune particular e fontes de vida do
p6vo do interior. Trata-se de uma transagao ban-






Silvio Julio


cAria que, garantida pelos resultados concretos da
iniciativa, dara lucros desejaveis.
Em razio da limitada influencia dos pequenos
agudes, as autoridades se incumbem dos grandes.
Ninguem ousa ocultar as vantagens desses mares de
agua doce, que se bebe e que fertiliza 16guas de ter-
ra cultivavel.
Eles nao se deixam rebentar pela pressAo do
liquid, por isso que sdo obras-primas da ciencia
especializada. Al6m de tudo, a seu red6r concen-
tram-se milhares e milhares de retirantes, pelo tem-
po das peores sicas,'e os flagelados nIo morrem de
side e de fome. A populagco local nio emigra, nem
senate abalos monstruosos em sua atividade.
Ligar as paragens fertilizadas pelos agudes gi-
gantescos, por meio de estradas de ferro e caminhos
de rodagem, 6 a segunda parte do program de
qualquer administrator que conhega o Ceara. As
comunica.ges interiores, que unam as zonas servi-
das por esses reservatorios, promoverao a circula-
9o, nio s6 das riquezas agro-pecuArias, como das
populag5es que fiquem arruinadas pela sica.
Os cearenses nio se extenfiam, insulados e em-
pobrecidos, apenas por causa da falta de agua. A
de transportes, nas horas felizes, produz o excess
de oferta dentro do estado e a insuficiencia da pro-
cura. Aumenta, quando chove tres, quatro anos se-
guidos, a colheita; o gado engorda e prolif6ra; os
neg6cios comerciais se 'centuplicam. Entretanto,







Terra e Povo do Cear6


parte consideravel de tudo perde-se ou -desvaloriza-
se sem' sair da provincia, porque ela nao tern portos
nem vias de trinsito rapidas para Pernabuco, Baia
e Rio de Janeiro.
Os verdes mares bravios, em vez de serem m&os
que apertem os lagos de amizade dos cearenses corn
outros povos, rugem ameagadores, como f6ras in-
domaveis, contra os influxos externos. Um desem-
barque naquelas costas 6 mixto de temeridade e
acrobacia.
Quanto aos ar6iais do sertao, inh6spitos e res-
sequidos, a press das mdquinas modernas os sal-
vard da nulidade, rompendo-os em busca de me-
Ihores climas. Nao se pense que, atrav6z deles, o
CearA nada possa remeter aos mercados de Pernam-
buco, Baia e Rio de Janeiro. 0 algod&o, principal-
mente, cobrira as despezas da condugco e ainda dei-
xarA margem a lucros. Os cereais, a carnauiba, as
frutas, serdo, algum dia, outras tantas riquezas da
terra cearense que justifiquem a construggo de vias
de transito civilizadissimas.
Com agudes e estradas, a economic do Ceart
transformar-se-A radicalmente, adquirindo regula-
ridade em suas fases de produglo, distribuigio, va-
lorizagio e consume, quer dos frutos da natureza,
quer dos manufaturados. Os est6magos, desde que
fartos, escorar&o organismos sadfos, onde habitarAo
espiritos otimistas.







Silvio Julio


Organizada a eoonomia do Cear&, seu pOvo nio
deverd viver sem educago tMcnica e moral. Nio se
indicar4 outro, no Brasil, mais esperto e inteligente,
que aprenda cor tanta perspickcia e t3o maleavel-
mente se adate a novas condig5es. Portanto, a vul-
garizagdo das letras, ali, seguir-se-A do apropriado
aperfeigoamento nos processes de trabalho e de ele-
vagdo do conceito de solidariedade. Nao basta a
cartilha, que a maquina e o lar ajudarAo A escola.
A ciencia 6 o prologo, mas o aproveitamento de to-
dos os esforgos pela melhoria dos m6todos de pro-
dugdo e o refinamento dos costumes cor6arao de
Axito seguro o que os bancos colegiais derem aos
cearenses.
Quando as casas de ensino forem suficientes
para a populacgo do Ceara, quando os cursos ele-
mentares se completarem cor os profissionais,
quando'as capacidades tiverem garantido seu apro-
veitamento em fazendas e fabricas, quando a socie-
dade do CearA fortalecer sua educagao no convivio
elegant dos tipos cultos e viajados, entho o canga-
ceirismo perdera a truculencia e havera paz e pro-
gresso ate nos mais remotos serties. Apezar de tudo,
as guerras de families, que Jodo Brigido descreveu
corn pena de mestre, da proclamagdo da repdiblica
em 1889 aos dias de hoje diminuiram sensivelmente.
Resta o bandoleirismo. Todos os males ainda per-
duram, embora minguados, porque faltam agudes,
vias de trinsito e escolas As catingas do nordeste.







Terra e Povo do Ceara


A meu ver, o adiantamento do Ceara submete-
se a estas tres premissas: agua, para que haja vida;
liga95es, para que se renove a vida; ensino, para que
melhore o padrdo de vida. Entendo que o resto vi-
rA depois, e espontaneamente.
De que vale fundar bancos, jornais, tipografias,
si uma seca reduz a p6 mais da metade da ativida-
de cearense? De que vale langar no encalgo dos can-
gaceiros tropas da policia, si o banditismo nordesti-
no prov6m de circunstincias muito antigas e de ca-
riter econ6mico-social?
A hist6ria do CearA molha-se de sangue, enche-
se de mortandades, enluta-se de crimes, a ponto de
haver sua plena razio este desafio de Jodo Brigido:
"Quem ndo liver av6s, que matassem ou f6ssem
mortos, levante o dedo!"
Paralelamente, a hist6ria do CearA escancara
aos olhos do estudioso um panorama dantisco
de sacrificios, que Joakim Katunda compendiou nos
seguintes terms:
"Em periods quasi regulars, determinada por
causas k6smicas, vem uma grande seca devorar as
pequenas fortunes acumuladas pelo trabalho e
economic. Essa temerosa calamidade condena o
Ceara ao ingrato martirio de Sisifo; eleva corn do-
lorosas privag6es o rochedo de sua prosperidade, e
de sdbito o vA rolar e sumir-se em um oceano de
poeira."







S i v 1 0i 0 JI u 1 i 0


Por consequencia, 6 inutil fantasiar corn pueril
otimismo sobre tAo espinhosa realidade, ou cruzar
os bragos corn pecaminoso pessimismo. Todos os
problems do Geara sio menores, diante dos uqais
graves: agua, comunicagSes e ensino. Eis a minha
t6se predileta.
Ah! Ia encerrar estes apontamentos, e esque-
cia uma chave inolvidavel. Forja-la-ei a press, e
a oficina ben p6de ser a cabega de Quintino Cunha,
o boemio dos bo6mios de Fortaleza.
Referindo-se a um president do estado, que
passAra em branca nuvem, dizia-me o poeta do Pelo
Solimoes:
"Esse home convenceu-me de que o ideal
anarquista nao 6 tao absurd quanto eu pensava.
Ignoro si outros povos viverao perfeitamente sem
governor. O Ceara, sim, que nao sentiu falta nem
necessidade de nenhum, enquanto Ale esteve pensan-
do que administrava."
Por infelicidade dos cearenses, quasi todos os
presidents se metem a governor. A' s6ca, a falta de
transportes e a ignorancia do p6vo, peor do que
qualquer calamidade, junta-se a agao dos politicos,
que causam males maiores, destr6em os germens de
idealismo e tudo degradam.
Minha t6se predileta acredito que tambem li-
berlara o Ceard desses pirates. Que sejam afogados
nos aqudes, triturados pelas rodas das locomotives








Terra e Povo do Ceard 55

e, depois de feitos gel6a, conservados em alcohol nas
escolas como exemplos de uma esp6cie de monstros
desaparecidos.
Ndo 6 vinganga, mas profilaxia.
















0 Jivro dos livros cearenses


Si dissermos a um esquim6, que se nao ache
ainda contaminado das ddividas civilizadas e dos
martirios mentais, quanto admiramos o livro dos
diAlogos de PlatAo, Ole nada entenderd, e preferiri,
de certo, a obra-prima do fil6sofo, um bom naco de
gordura de f6ca. Para o ing6nuo selvagem, qualquer
espiritualidade 6 inferior a seu peixe ou ao lombo
de sua f6ca.
O home dos grandes centros, por tudo isto.
julga-se melhor e mais fino do que o barbaro. Qual-
quer dono de botequim, por bogal que seja, pensa
que supera o indio bronco em inteligencia, porque
disp5e do ridio, do a6roplano, do cinemat6grafo,
enfim, de inumeraveis recursos para cuja descober-
ta sua mediocridade nao concorreu e que sen du-
rissimo c6rebro jamais compreenderia. A verdade
6 que, nas cidades modernas, ao lado da minoria se-
lecionada, culta, insigne, borbulha a fauna dos mi-
croc6falos materializados pela defici6ncia das fun-
9Ses intelectuais. Estes sOres nivelados, que Jos6







Terra e Povo do Geard


Ingenieros pintou com indignagio apost6lica, repre-
sentam, no universe, papel quasi nulo, pois, entre-
gues os destinos da especie a similhante caterva,
nunca se elevariam acima da panga, e regrediriam,
fatalmente, a grossaria trogloditica.
A Ales nao import o que, fundamentalmente,
vale tudo, na evolugio da humanidade. O apataca-
do vendedor de alhos acha ridiculo que o mundo se
proocupe com Castro Alves ou com Olavo Bilac, e
pergunta mesmo quanto, em dinheiro, deixou Ca-
moes...
E' pateritissimo que, sob as estrelas, nao respi-
rou, nunca, nenhum ser irritant, bruto, graxento
como o burgues, que agrilhoa a colorida, inquieta,
sorpreendente complexidade da vida no circulo de
uma mo6da.
Ora, o tipo s6rdido, mesquinho, atamanca-
do do individuo que s6 pensa em lucros financei-
ros e despreza ciencia, arte, educagao, heroism, nao
serviu, a centenas de literatos, de motive para mil
obras de f6lego? Genios universais, dispostos a in-
vestigagio da lama, que 6 a alma espessa desse
modulo de insignificncia, desceram a retrata-lo
cor vig6r em piginas inesqueciveis. Principalmen-
te a escola realista o tomou a seu cuidado. No se-
culo XIX, entAo, os discipulos de Balzac e Zola che-
garam a torna-lo alvo de seus mais teimosos, mais
decididos estudos.








S i IV i o J ul i o


A' primeira vista, o enr&do de um romance sim-
b6lico ou de um poema ciclico deveria comp6r-se
de epis6dios extraordindrios, que her6is super-hu-
manos cometessem. Esta concepVgo durou s6culos
e predominou em quasi todas as literaturas antigas:
a hindfi, a grega, a escandinava, etc.
E' parcial. O ampuloso e empolado aproveita-se,
mas sem prejuizo do quotidiano e vulgar, que tam-
bem encerra suas curiosidades. Foi este raciocinio
que guiou a velha novelistica picar6sca da Espanha,
de cujo intimo saiu, atrav6z de adatagaes sucessi-
vas, na Franga, um Le Sage.
Sempre que, numa fase do pensamento, os in-
dividuos excepcionais, corn seus feitos gigantescos,
avultam, temos o romantismo spiritual ,as filoso-
fias de Carlyle, Emerson e Nietzsche. O realismo
de idea, n5o o exterior, promana da exaltapgo do
coletivo, do nivelamento das massas, da generaliza-
cao dos fatos. Naqulle caso, o altruismo, o marti-
rio, a bravura, a generosidade, a f6, tudo pertence
a um cavaleiro quasi mitol6gico, que a fantasia
dos povos lentamente diviniza. Nesta circunstincia,
a pr6pria gente sem nome, humilde e resignada, 6
o undo escuro de um quadro que, em seu asp6to
total, arrebata, comove, domina. 0 romantismo
concede ao her6i o dom de- governor o mundo. 0
realismo, ao contrArio, sujeita-o aos motives do tem-
po e do espaco. E' a distanoia que separa o Cid Cam-
peador do primo Basilio...







Terra e Povo do Geard


NAo se confunda romantismo conm palavreado
oco, ridicule, ab6balhado, nem realismo cor lin-
guagem indecente. Ambos existiram antes de sur-
girem seitas que os exagerassem.
Romantismo e realismo s&o posi~5es mentais
para a contemplaaio da vida. Ninguem os julgue
s6mente pela form-a. Ninguem os avalie s6mente
pela natureza das metAforas. Ninguem os qualifi-
que s6mente pela escolha de mat6ria, de assunto, de
tema. Elles combinam-se, dando a totalidade de re-
ag5es que constituem as tend6ncias da alma. Cer-
vantes, acima de quaisquer ginios, sintetizou, in-
comparavelmente, o romantismo e o realismo, quan-
do os distribuiu em Dom Quixote e Sancho Panga.
Isto, por6m, 6 raro. Cada ciclo literArio se des-
envolve cor predominincia de um desses caracte-
res. Ha tempos romanticos e ha tempos realistas.
Morrer absolutamente, nenhum more. Tao roman-
tico 6 Esquilo quanto Byron. Tao realist 6 Juan
Ruiz quanto Maupassant.
A vocagLo romAntica ou realist depend de fa-
tores interns e externos, e o home, corn sua edu-
cagdo particular, num mesmo impulse, age sobre o
meio e Ihe recebe os influxos. Temperamentos me-
nos adorosos e sonhadores ou mais secos e analiti-
cos abundam, por6m todos sofrem os efeitos do am-
biente que os envolve. Sem uma 6ra de aventuras
e atrevimentos, nio haver4 saliencia do romantismo
sobre o realismo. O que qualquer pess6a p6de fazer









e, por isto, 6 repetido diariamente, nao se presta pa-
ra os vSos condoreiros, e fica no terra-a-terra da
psicologia, da sociologia, da ciencia.
No romantismo ha mais transcendentalizagio
das coisas do que no realismo. 0 historiador ro-
mAntico, por exemplo, empresta a imprecisas ma-
nifestagbes infants significagco que o realist nao
descobre. 0 literate romAntico, de id6ntica maneira,
suplanta o realist em ficg6es e em ampliag~es, po-
r6m 6 por Ale vencido em compreensio. Seria ins-
trulivo um paralelo dos livros romAnticos e realis-
tas que tratassemn de um s6 assunto: Penas arriba
de Pereda e A Morgadinha dos Canaviais de Julio
Diniz, entire outros.
O ideal, consequentemente, esta na conjugagao
das duas correntes t6cnicas. Em se partindo da ver-
dade de que o mundo guard seu equilibrio gragas
aos contrastes que Ihe despertam inextinguiveis
energies, e ainda que o quotidiano perdura cor o
excepcional, acreditamos que o romance dos roman-
ces cearenses harmonizard, num rasgo goethiano,
barbaridades de cangaceiros, cenas horriveis da s&-
ca, covardias de politicos, ao lado da probidade dos
vaqueiros ativos, da coragem incessante dos janga-
deiros trabalhadores e da abnegagdo dos que, 1a nos
sert6es, educam o povo.
0 Ceara pode produzir essa obra fundamental,
porque seus habitantes sabem o que 6 sofrimento,
porque ji existem tradigoes populares entire Ales,


S i I v i o J a I i o






Terra e Povo do Ceard


porque varias tentativas foram preparando o adven-
to de uma literature tipica, porque, dentro do Bra-
sil, ali parece que esta tragado, naturalmente, o es-
bogo de uma epop6a capaz de comover a humani-
dade.
Qual a materia-prima dessa obra fundamental?
Para que ela contenha o usual, o comum, o diArio,
ao mesmo tempo que o vultosamente espantoso, o
tragico, o rarissimo, cumpre que tudo se passe cor
um bandido-simbolo, cujas correrias unam os de-
mais fatos, mas sem artificialismos, pois a vida ser-
laneja 6 uma cadiia de pequeninos dramas e com6-
dias secundarias, que, as vezes, o aparecimento do
cangaceiro rebenta.
Suponha-se um bandido-simbolo, que exer-
cite sua masculinidade e seu mal norteiado herois.
mo desde o Ceard at6 a Baia, cavalgando, incansa-
vel, de fazenda A fazenda, de vila a vila, de cidade
i cidade, sempre de arma em punho. Terd uma bio-
grafia que seja a de todos os cangaceiros famosos,
como a hist6ria narra e como a imaginagZo do po-
vo canta. InfAncia mediocre, ao 16o, vasia de en
cantos, desert de estudos, num meio orde a pas-
maceira dos habitantes sofre os insultos dos chefA-
tes politicos e, de quando em quando, o pavOr das
arrancadas dos bandos criminosos. Primeira mo-
cidade, estdpida e humilhada, com pobreza e revol-
ta surda contra as injustigas locals. MisBria, anal-
fabetismo, viagabundagem, Alcool, e tudo, final,






Silvio Julio


envenenado por uma violencia das autoridades. Os
soldados matam-lhe o pai, sem motive, e sua mai
cAi na perdigdo. Explosao de vinganga. Pronto. Nao
se mencionard um especialista que negue a pos-
sibilidade deste pr6logo. O cangaceiro, em regra, 6
produto da incomunicagdo, do atrazo, do vicio, da
ignorancia, que a falta de garantia e de justiga
modela. O delegado nio vale mais nem menos que
o bandido. Sem aquele, este nao seria tao esponti-
neo. Eis a realidade sertaneja.
Si se multiplicassem as estradas, si o nimero
de escolas crescesse si os recursos econ6micos f6s-
sem distribuidos com relative equidade, si os car-
gos pfiblicos se exeroessem por individuos respon-
saveis, o cangaceirismo tomaria asp6tos novos e per-
deria, de certo, sua trucul6ncia. A policia nao ma-
nejaria a carabina, porem cagaria, como em Londres
e New York, refinados patifes de casaca. JA 6 um
progresso...
O que interessa ao escritor, todavia, Nle o en-
contrara na atmosfera social do sertao: esse ar som-
brio, pesado, silencioso, que involve a catinga e
as aldeias do interior nordestino, ar que e menos da
natureza do que da p6ssima situagQo moral e men-
tal da infeliz e olvidada gente que a ocupa.
Paira, nessa regiao asp6rrima e muda, um
mistico, um ffinebre presagio, que acorrenta suas
populagoes a certo fatalismo mugulmanico. Esta






Terra e Povo do Ceard


conformidade plimbea com um destino densamen-
te, tristemente desalentador, 6 que enche e cobre os
corag6es cearenses. Quando se rompe um l6o dos
grilh5es, entlo surge o rebelde, o descontrolado, o
cangaceiro.
NAo se descobre, na revolt do animal antes
quieto, um lampejo de heroicidade? O perigo da
t6se reside no excess de romantismo de cada autor.
Ha, realmente, uma justiga inconsciente e primrria
em tudo isso, mas seria imperdoavel que alguem
pintasse o bandido como santo, como reformador,
como cavaleiro andante.
AliAs, o folk-lore antecipou, neste sentido, o
romance provavel do cangaceirismo. Os cantadores
nao escondem as perversidades dos bandidos, po-
r6m, de algum modo, as explicam, quando tambem
narram as dos policiais. Consta, mesmo, no popu-
lario cearense, que muitos crimes que se atribuiram
a Ant6nio Silvino, a Lampeao, etc., deveriam ter
figurado entire os de delegados, prefeitos, soldados.
A literature s6ria e artistic nio escorregar6
nos destemperos do regionalismo que vive das fic-
c~es absurdas e do vocabulario estreitinho de um
municfpio semi-deserto. E' indispensavel humani-
zar os bonecos da tragi-com6dia local. Saber extrair
dos tipos rudes de uma ribeira o espfrito universal,
eis tudo. Do contrArio, uma corografia e um dicio-
ndrio bastarfam, ou melhor, todo o ideal est6tico
caberfa num album fotogrAfico.









Erro de muitos romancistas nacionais que fo-
calizam costumes nossos 6 o de gastarem piginas e
pdginas de descri85es da natureza. Flores, frutos,
f6lhas, pedras, bichos, nada escapa A ffiria dos cata-
logadores. Ora, corn um unico e curto trago evoca
um autor de verdade toda uma paisagem. Noo 6
necessdrio desenhar a forma e avaliar o peso de co-
lina por colina, por6m mete-la numa metAfora ada-
tavel e insubstitaivel, para que o leitor compreenda
o meio em que os fatos se dao. Em se consideran-
do, especialmente, o caso cearense, convem que se
apreenda, com acerto, a fisionomia carrancuda, me-
lanc6lica, enigmatica, nao s6 da catinga, como das
cidadesinhas sertanijas. E' o suficiente.
Termos apenas usados numa provincial, descri-
V&es pormenorizadas de objetos, animais,.pess6as e
outras caracteristicas epid6rmicas, nada disso deve
constituir o ideal de uma literature. A realidade
exige que o author saiba penetrar no intimo de cada
fen6meno, para compreendA-lo e individualiza-lo.
E a arte dos rormancistas cearenses, quando chegar
a superar-se e atingir o grau de perfeigao da que
executaram G6gol, Chekov, Andreiew, Dostoiewski,
Bunin, Korolenko, TolstoY, Gorki, Potapenko e tantos
ainda, seguira o rumor da observagdo local e presen-
te da vida humana, A luz de um crit6rio objetivista,
que venga come interpretaVao filos6fica as contin-
gncias quasi materials do tempo e do espago.


Silvio Julio







Perra c Povo do Ceard


Nenhum escritor, que o seja de fato, invent ti-
pos abstratos, sem relagco corn um meio e cor uma
6poca. Em toda criacgo est6tica ha duas coisas in-
dispensaveis: a realidade, que 6 o modo efetivo de
praticar a literature, e o ideal, que traduz o desejo
de explicar o acontecimento cor verdade e justiga.
Assim, a realidade cearense limita-se a vida costu-
meira do povo, em suas manifestagSes gerais, e o
ideal do romancista, depois de fotografa-la habil-
mente, consist na andlise psiquica, sociol6gica e
filos6fica de suas razies, para que nada, ahi, apa-
rega como fantasmag6rico.
Determine-se 61o por 61o da corrente que rela-
ciona a realidade cor o ideal, a tecnica cor o pen-
samento, e, ap6s uma combinagdo de escolas litr-
rdrias, o romance cearense do cangaceirismo ter& a
exatiddo dos picarescos da Espaha, dos naturalists
da Franga e dos costumistas da Inglaterra, sem des-
prezar o entusiasmo construtor dos enredos romAn-
ticos.
0 bandido, nessa obra, nio merecera a beatifi-
caga;, mas nao serd tratado corn 6dio, nem inspi -
rara satiras ppalhagadas. Riso, revolt, pranto, tu-
do concorrerd para o axito do livro, desde que nao
se dilate em demasia. 0 anedotario referente aos
cangaceiros 6 enorme, e cumpre aproveita-lo. Isto,
entretanto, nio significa que o lado doloroso e trA-
gico das aventuras de um bando se ponha a margem.







Pilvio Julio


Onde o espilho? Onde o mod6lo do romance dos
romances cearenses? Eis a questao cellular, quanto
ao modo de escrever a preconisada epop6a sertane-
ja do cangaceirismo.
Acreditamos que a novelistica de El Lazarillo
de Tormes, de Guzmcn de Alfarache, de El Busc6n,
de Marcos de Obreg6n e de mil vagabundos cons-
titda 6timo element. Em vez de uma unica histb-
ria, corn suas minucias, a proliferag o de muitas
ocorrencias. Quando o autor conta um fato de uma
vida, de certa maneira desrespeita a verdade, porque
dd a impressed que aquilo foi tudo e que tudo acon-
teceu cor ordem. Ora, a existincia ndo apresenta
essa uniformidade. Um period dela, em determi-
nadas circunstAncias, talvez possa desenvolver-se
assim normalmente. O total, nunca, pois o home,
ao mesmo tempo, pensa numa porgqo de coisas e
faz outras tantas.
Quem est4 aqui no mundo ter, simultaneamen-
te, diversos problems. Dividas, dores de est6mago,
brigas familiares, aborrecimentos inesperados na
rua, quaisquer acidentes de aparencia secundaria
consomem as horas, a safide e a calma do indivi-
duo. O que esclarece alguns decaimentos ou algu-
mas excentricidades de grandes genios 6, quasi
sempre, seu estado de animo, sua vida intima. Um
notavel politico e tribune, si sofreu um golpe no lar,
deixa, involuntariamente, em seus pensamentos de







Ferra e Povo do Oeard


um dia, tragos de pessimismo, que suas vit6rias pi-
blicas nio justificam. Ha, para todos, moments de
jubilo e de n6jo, e num coragdo se verificam con-
flitos entire o despeito e a generosidade, entire a vin-
ganga e a benevolencia, entire a piedade e a repu-
gnAncia. Os que pretendem quadricular os motives
de um acontecimento pessoal e os catam nas exte-
rioridades que enchem a praga, erram. Um desaforo
do criado, um almooo mal feito, uma discussed corn
o cobrador do bonde e outras baboseiras dirigem,
por minutes, por semanas, por mezes, os nervous de
um infeliz, seja mediocre, seja superior.
Nao 6 incongruencia, portanto, entremGiar nas
correrias de um cangaceiro impulses de perversi-
dade e crises de embevecimento, ternuras e nalda-
des, covardias e bravuras. Um bandido implaca-
vel, que j6 tenha sua f6lha de crimes completamen-
te rubra, si se apaixonar por uma cab6cla e dela hou-
ver um filho, caird em infantilidades incriveis. Sa-
bemos de um caso similhante, em que certo arrua-
ceiro destabocado, analfabeto, que tratava s6mente
de provocag5es e bebedeiras, quando se sentiu pre-
so aos encantos de uma mulatinha e corn eia arran-
jou um pirralho, atW poesias quiz fazer!
0 pampa possfi um poema exemplar, unico, ex-
ponencial: Martin Fierro de Jos6 Herndndez. Os
argentinos adivinham o que l8e simboliza. Versos
fluentes, metdforas vitalissimas, linguagem incor-







' ilvso Julio


reta e popular, filosofia empirica e concrete, realis-
mo absolute e despretencioso, tudo, tudo eterniza o
livro do bardo gauchisco. E o que Ihe transfunde
esse sangue sadio 6, principalmente, a naturalidade
e multiplicidade da existencia da personagem
central, que danga, chora, canta, luta, come, dorme,
ama, odeia, nada deixa de praticar.
Jos6 Hernandez sintetizou, no Martin Fierro, de-
feitos e qualidades do gaficho, e corn tamanha se-
guranga o alcangou, que, referindo-se ao her6i, Jo-
s6 Maria Salaverria afirmou que "puede haber hi-
jos de la ficci6n que posean una realidad much
mis aut6ntica que los series mds corporales."
Nasceu Jos6 Hernandez em 1834 e morreu em
1886. O Martin Fierro publicou-se, pela primeira
vez, em 1872. Obra escrita por quem foi jornalista,
politicou um pouco e foi comerciante, 6 evident que
se nao originou de gesto irrefletido e sim de inten-
Qdo orientada, de um raciocinio tendente a um fim.
Popularizou-se, i;pr isso que advogava a causa dos
desprotegidos, a dos gauchos que iam sendo venci-
dos pelos colonos. Sua base era a simpatia pelo
velho e errante cavaleiro pampeano, que desapare-
cia diante do agricultor europeu. Farrista, jovial,
cantador, amante do j go e da mulher, escravo do
culto da valentia, insubmisso as leis do governor, o
antigo monarca das cochilhas cedeu seu lugar ao
disciplinado, humilde e espertissimo imigrante.







Terra e Povo do Ceard


Dai promanou um sentimentalismo esquesito, que
criou, na literature platina, uma corrente grossa e
avassaladora de bem entendido regionalismo, onde
a alma humana encontrou magnificos analistas.
Dir-se-ia que a gratiddo do argentino modern
relutava em aceitar a derrota do esfarrapado e auda-
cioso gauicho, que se estabeleceu no pampa, combateu
o indio e defended a liberdade durante as guerras
civis. Meio s6culo de trabalho pacifico transformou
a mentalidade do povo, e agora, apezar de se reco-
nhecer o valor do irriquieto cavaleiro, prefere-se o
plantador obediente e produtivo. O Martin Fierro
de Jos6 Hernandez, em 1872, soava como um canti-
co de Pfndaro: era um protest. Em 1934, por6m,
s6a como uma queixa de Lamartine: 6 uma elegia.
Leram-no, com raiva contra os gringos, os ar-
gentinos de 1872. Os de 1934 16m-no cor saudosa e
admirativa compreens.o.
Por que nio nos valemos, para escrevermos o
romance dos romances cearenses, da ambiencia es-
t6tico-cultural, da tonalidade artistica-filos6fica
que ha no Martin Fierro de Jos6 Hernandez? O poe-
ma gauch6sco, transplantado ao nordeste do Bra-
sil, modificado em sua estrutura, p6sto em prosa,
daria um bom exemplo de forma ao romance dos
romances cearenses.
Demais, o Martin Fierro de Jos6 Hernindez nao
se divorcia da novelistica picar6sca da Espanha.







Silvio Julio


Sempre que uma nagdo pass cem, duzentos anos
a guerrear, sua gente fica esquecida das indistrias,
do comrrcio, dos labores uteis, e as aventuras dos
combates, da sorte, do acaso a acostumam a tudo
esperar de um instant propicio. Feita a paz, ahi
temos um povo inferiorizado, cujos individuos,
inaptos para o trabalho honest, degeneram em la-
dries, assassinos, vadios. Isto se verificou entire os
helicosos soldados que nao conseguiam emprego, na
Peninsula Ib6rica, depois das pelejas ininterruptas
e brutalissimas que se deram atd o seculo XVII. 0
mesmo aconteceu na Argentina da XIX centfiria,
enquanto o surgimento de interesses novos aniqui-
lava o m6todo mav6rcio da conquista do pio e im-
plantava a astficia, a habilidade. El Lazarillo de Tor-
mes, Guzmdn de Alfarache, El Buscdn, Marcos de
Obreg6n, Pedro de Urdemalas, Gregdrio Guadafia,
etc., preceded, em algumas caracteristicas, o Mar-
tin Fierro de Jos6 Hernandez.
Mudanga de sistema de viver; pulo de uma exis-
tincia acidentada a outra, que exige paciencia, mo-
deragdo, tenacidade; transmutag6o de val6res mo-
rais, eis o que produz o desequilibrio das classes que
formam uma arcaica sociedade jA mecanizada
numa discipline; e os descolocados, dentro da or-
dem recemnascida, sio, ou criminosos, ou rebela-
dos, ou cinicos. 0 Martin Fierro de Jos6 Hernandez
marca o minuto hist6rico do choque de gauichos e







Terra e Povo do Ceard


colonos, de uma realidade necessAria contra uma rea-
lidade desnecessaria. O principio 6 universal, de sor-
te que o cangaceiro cearense, si vivesse no s6culo
XVII, quando o Brasil estava a estender-se geogra-
ficamente, teria o titulo de bandeirante, e as auto-
ridades nio o perseguiriam pelas mortes e pelos
roubos cometidos em pleno sertdo.
Nao discutamos at6 onde o gaficho inadatado
As circuntAncias novas 6 picaro. O que ninguem ne-
gara 6 que o bandido nordestino tem muito do es-
pertalhio, do matreiro, do velhaco clAssico. Portan-
to, conv6m que o m6todo de Vl6ez de Guevara, Julio
Verne, Wallace e diversos se combine cor o dos
da novelistica picar6sca da Espanha, e desta sort
o romance dos romances cearenses incluir-se-d,
igualmente, na s6rie dos livros chamados de aven-
turas. Que nao haja divagagSes, nem dependencia
excessive de um capitulo a outro, porque o movi-
mento, a ag&o, a mutabilidade 6 imprescindivel nas
obras dessa natureza. O melhor 6 tornar cada epis6-
dio seco, curto, cinematografico, quasi que um con-
to separavel, quasi que uma hist6ria compendiada
e livre. A vida te-m destes caprichos, de maneira que
dois dias nao se parecem e muitos acontecimentos
nao geram consequ6ncias. A maior parte da exis-
tOncia humana se comp6e de fragments de casos
que nao terminal, ou que nio mudam o rumo que se
vinha seguindo. Quantas mulheres povoam os anos









de luta que um individuo pass na Terra? Cincoen-
ta, oitenta, duzentas... Quantas deixam, em sua
mem6ria, riscos inapagaveis? Duas, cinco, sete...
O escritor, que queira cinzelar o romance dos
romances cearenses, nao prescindir6 dos pe-
queninos e mou6tonos, al6m de truncados e di-
luidos fatos da vida do cangaceiro-sfmbolo e da
sociedade que o cerca. Parece que sao elements des-
prezfveis, mas a verdade 6 que deles promana o ca-
rater da obra, porque o excepcional encerra indivi-
dualismo, particularismo, personalismo em exagrro.
Nao ha de ser corn um fenomeno patol6gico que se
pinte o comum, o geral, o quotidiano.
Esses acontecimentos sem fim, soltos, indepen-
dentes, que tomam a maior part da existencia hu-
mana, desde que narrados corn talent, agitam e
multicolorizam o entricho nivelado e fixo de qual-
quer obra de ficglo. Cervantes, desenhando Dom
'Quixote e Sancho Panga, entendeu de Ihes introdu-
zir no romance algumas novelas em que nem San-
cho Panga nem Dom Quixote entraram. Errou, co-
mo literate. A mesma falta cometeu Mateo Aleman.
VA-se que ambos procuravam quebrar a monotonia
da narrative de um assunto, embora tenham langa-
do mao de um process que desgosta, que des-
agrada.
Abramos El Diablo Cojuelo, de V61ez de Gueva-
ra. Este, pretendendo variar e sacolejar a mat6ria,


8 S I i J U I i 0







Terra e Povo do Ceard


burilou capitulos esvoagantes, aique chamou tran-
cos, correspondents aos saltos que dava o seu ar-
teiro dem6nio. Nada de desvios. O estudante ma-
landro (Dom Cleofas) e o duende ligam os reta-
Ihos da novela, o em torno dos dois roda e roda
toda a cidade de Madrid.
"Es (assevera Manuel de Montoliu) una series
de cuados del mads recocijante realismo, en que se
agitan los tipos mas peregrinos de todas las classes
sociales, iluminados por el fulgor de un incesan-
te relampagueo satirico. La obra es, pues, de un fon-
do realist, pero encuadrada en un plan o compo-
sici6n idealista."
Tecnicamente, El Diablo Cojuelo de Vl6ez de
Guevara nos oferece esplendidas sugest6es. E' livro
que se 16, ainda hoje, de uma assentada e com prazer.
Outra obra, de onde extrafmos ensinamentos
aproveitaveis, 6 ia que Julio Verne denominou Cin-
co semanas em baldo, porque, subitamente, no ro-
sario de complicag6es da viagem do doutor Fer-
gusson sobre o territ6rio africano, 8le soube encai-
xar uma, que comove pela grandeza moral: a sal-
vagdo do missionario cat6lico das unhas dos negros
que o torturavam, a morte do martir na c6sta do a6-
rostato e o enterramento do cadaver do santo no pr6-
prio continent cujas populag6es sua nobre abne-
gaglo quiz arranoar da selvajaria. Ha relative pa-
ridade ou similhanga entire os demais fatos da tra-






S4 1 uv i o J U iSo


jet6ria da nave do espago, menos o do sacerdote
frances que se sacrificou pela propagacgo da fM.
Bastarfa o tomo das Cinco semanas em baldo para
revelar a intelig6ncia de Julio Verne na concatena-
cgo dos capitulos de um romance e na incrustagVo
de hist6rias interpssantes, embora livres do fio ge-
ral, que se estira, t6so, da primeira ,& iltima pdgina.
A pausa do a6rostato num terreno desert da
Africa, para o sepultamento dos restos mortals do
santo, 6 o que o chav6o diria maravilhoso achado.
Ninguem conta corn aquile desfecho. O home que
tudo abandonara pela redengdo de uma raga incul-
ta e que suportara s6de, fome, frio, calor, ofensa,
pancada, sem, uma queixa, repousarfa no seio de
uma opulenta mina de ouro, que, por acaso, a seus
salvadores ali ss depardra! E' o melhor pedago das
Cinco semanas em baldo de Julio Verne.
Embora pobre de originalidade e alheio As re-
gras do equilibrio artistic, pela confusgo da fanta-
sia cor o fantastico, O intrigante de Wallace est&
redigido de modo similhante ao dos romances pi-
carescos da Espanha. Essa obra, por isso s6mente,
p6de servir a nossos intuitos. Cada parte das que a
integram tem seu ambient. DestacA-la do livro ndo
6 impossivel, e ela continuarA cor certa vida.
E' logico que uma sintese estara obrigada & se-
legFo dos materials, nao perdendo, entretanto, os
tragos particulars de cada tipo. No sertao, a tra-
g6dia 6 facil, abunda, repete-se. Acontece que a







Terra e Povo do Ceard


comidia ainda a suplanta quantitativamente: O ro-
mancista cearense nao podera dispenser a figuri-
lha tremula e indecisa do poltrio que adula, sitnul-
taneamente, o governor e o cangaceiro. E' o covarde-
simbolo. Lucra dos dois lados. Um dia, por6m, o
bandido descobre a verdade, e o cOmico vira tragi-
co. Em regra, o castigo torna-se crudelissimo. Ao
hip6crita, que protege o bando de perversos e, cala-
dinho, Ihe pSe a policia nas pegtdas, costumam os
chefes criminosos arrancar-lhe a lingua a torquez.
Depois de tudo, havera um element primordial,
que tenha no livro dos livros cearenses, de decidir
do enr6do? E' claro que a mulher, em suas cem po-
sipies, completara o quadro. A senhora semi-anal-
fabeta das pequenas cidades do interior, essencial,
visceralmente burguesa, nao concede atenuantes ao
cangaceiro. E' sua implacavel inimiga e instiga o
marido contra o banditismo. Si soubesse mais e ti-
vesse id6as, ela talvez merecesse veneragdo por sua
attitude. Procede instintivamente, premida pelo meio
econrmico, pela mentalidade financeira que a for-
mou e a sufoca. A pleb6a, paup6rrima e mal alimen-
tada, nada poetisa como imaginam os escritores ci-
tadinos, pois seu home, quasi sempre, 6 sua vida,
no sentido pritico: l1e lhe arranja o sustento, e, as-
sirm, vale tudo, e tudo ela Ihe dd por gratidho. A
infeliz nao exercita nem reclama direitos, que Ihe
basta a comida. E' neutra e vitima.







Studio J U I io


A' margem, indiferente aos fur6res dos canga-
ceiros, quando nao sua aliada, existe a horizontal. A
prostituig6o da mulher, por m6 educagdo ou por
penfiria, toma carter repugnant no sertio, porque,
como o casamento se faz c8do, ela serve para cor-
romper criangas e infecciona-las, ou entio gravita
ao red6r de soldados e delinquentes. Nao ha nada
menos higienico e mais baixo.
A ficgio nunca deve desprezar a possibilidade,
o razoavel, a equitativa e plausivel base realist dos
fatos. 0 romancista cearense conceberd, per exem-
plo, o desvio de um filho da burguesia para o can-
gaceirismo, e, desta forma, a luta intima de seus
pais, que ao mesmo tempo querem a exting6o do
bando e a salvagdo do sir querido. Isto mostrard o
que 6 a incompreensio dos membros desta socieda-
de comercializada e sem idealismo: quando o ban-
dido 6 do p6vo humilde, e nao recebeu educagdo, e
n6o teve recursos, bala nile; quando, por6m, per-
tence is classes previlegiadas, absolvig6o. Nao e
m6ra fantasia. Dentro das fazendas e nos lugare-
jos perdidos, os principelhos gosam de libertina
liberdade. Enquanto a policia caga o cangaceiro,
acoberta as canalhices dos meninos bonitos. Eis a
proposta: que o literate inclia um destes no grupo
de salteiadores, de forma que sua ades6o as violen-
cias e o medo ao chefe o nivelem aos criminosos
plebeus, produzindo o conflito sentimental de seus
parents pr6ximos, que tem interesses opostos aos







Terra e Povo do Ceara


dos aventureiros e, apezar de tudo, desejam ino-
centa-lo.
Nao se confunda autenticidade corn advocacia
barata. Buscar as causes do cangaceirismo, pinta-
las corn viveza, pesa-las imparcialmente, para ima-
ginar um romance geral, mas formado de caracteres
bem fotografados, ndo 6 atacar, nem defender nin-
guem. 0 que se jd realizou at6 hoje, em relagdo ao
tema, nao haverA quem nao o aplauda, si nao se
abandon o terreno da arte. Literariamente, Rodol-
fo Teofilo cor Os Brilhantes, Carlos Dias Fernandes
com Os Cangaceiros, Franklin Tavora cor O Cabe-
leira e outros souberam focalizar asp6tos parciais
do vasto assunto. Mas qual deles criou um tipo
ideal que, dentro dessa mat6ria, equivalha a um
Fausto, a um Dom Quixote, a um Dom Jo&o, a um
Hanleto?
Nao 6 que o tema nao se preste. Presta-se.
Seria oci6so estar a emnpoleirar nomes de genios
que nio o desdenharam na Espanha, na It6lia, na
Franga e na Alemanha. Sobre tudo por se tratar de
sugerir aos romancistas uma forte novel de aven-
turas a respeito, nao de um cangaceiro, por6m do
cangaceiro. E' suficiente a verdade. E' bastante o
fato. 0 nordeste, ainda hoje, conhece o fen6meno
do banditismo. Por que teme-lo? Por que o nio es-
tudar? Por que nao o aproveitar como inspiragao?
Dirdo os civilizados nervosos da Capital Fe-







si vlo U11o


deral que at6 se deve ocultar essa chaga. Oral O
cangaceirismo n6o 6 menos interessante do que
certas extravangancias cariocas. La no sertdo
cearense s6 ha, entire os pobres e os ricos, duas clas-
ses de mulheres: honestas e deshonestas. Nao se
conhece o meio-termo. Elas se casam e morrem ao
lado dos maridos; elas se conservam solteiras do
verdade; elas, quando viuvas ou o que 6 raro -
separadas, nao perdem a linha, e todas sho hones-
tas. As outras, as deshonestas, vivem nos prosli-
bulos. Ao contrario do que sucede, bem se v6, em
parte do agitado Rio de Janeiro, onde as verdadei-
ranente dignas s&o, de modo absurdo, baralhadas
corn as tais do raeio-termo, isto 6, as que fazem
concorrOncia 6s puras no casamento e is perdida,
nas casas suspeitas. Negariam, os mesticos neuras-
tenicos do litoral, que os escritores brasileiros revi-
raram a questdo do adult6rio por todas ias faces?
Machado de Assis, Coelho Neto, Aloisio de Azevedo
e os que perto d6les se acham analisaram o am6r
venal, o amOr apaixonado, o amor vicioso, o amOr
louco, o am6r aventureiro, todos os charcos da
corrupg~o sentimentalmente justificada, e encontra-
ram farta exemplificagdo na Capital Federal dos
Estados-Unidos do Brasil. Repise-se que este mal
nao parece mais nobre que o do banditismo nor-
destino.
A casmurrice menineira e epid6rmica de alguem







Terra e Povo do Ceard 79

opinou, ou;tr6ra, que os arquivos da escravatura
fassem queimados, como si a hist6ria nio conser-
vasse, f6ra das fronteiras, a dolorosa mem6ria
desse crime. Falta que surja um trlo para ordenar
que se negue a existincia dos cangaceiros...















Projelo de hisi6ria sinfl6ica da
liferafura cearense

Esta honestamente escrita a historic political do
Ceara. Tratam-na corn profundeza escritores da en-
vergadura de Alencar Araripe, o senador Pompeu,
o franc6s-nordestino Pedro Theberge, Paulino No-
gueira Borges da Fonseca, Jodo Brigido,, Joakim
Katunda, Tomas Pompeu de Souza Brasil, AntOnio
Bezerra, Guilherme Studart e outros.
Ao contrario da que se refere As sucessivas admi-
nistrag5es plblicas dos tempos coloniais, dos tem-
pos mondrquicos e dos tempos republicans, nio
existed ainda, coordenada convenientemente, a dos
assuntos literarios da provincia.
Salvo referencias ligeiras e 6i vezes indocumen-
tadas, que se nos deparam perdidas nas montanhas
de piginas que aquales mestres acumularam, que
trabalho de arquivamento de prosas e versos ja se
tentou? Nenhum.
Ningu6m, at6 aqui, soube compreender que 6
mais honroso o surgimento de um Jos6 de Alencar








Perra e Povo do Ceard


ou um Capistrano de Abreu do que a sublimagao, a
custa de patifaras eleitorais e violentas interveng9is
ind6bitas, dos chef6tes e ordenangas da marotagem
que avilta os altos cargos do poder.
O Ceara entretanto, possfii elements capazes
de, convenientemente coordenados, iconstituirem
sua hist6ria literaria. E, cumpre grifa-lo um
tomo que a contenha, probidosa, modest e sele-
cionada A luz de imparcial crit6rio, representara
prova de compet6ncia para a gente que a nutre, que
a sustenta, que a vitaliza.
E' inegavel que o Ceard tern dado ao Brasil inte-
lectualidades superiosissimas. VArios dos maiores
nomes da cultural brasileira pertencem d socie-
dade cearense. 0 fato tornou-se proverbial e popu-
larizado.
Acontece que muitas das gl6rias da Terra do
Sol, embora formadas por 16, depois brilham, ven-
cem, agem noutros rinc5es. 0 Ceara 6 pobre, e o
cearense, disciplinado pela mis6ria, torna-se inven-
civel, quando procura a felicidade em abastadas
zonas.
Logo se percebe a vantagem de gizar a fronteira
que, dentro da hist6ria da literature, separa os es-
critores que sempre residiram no torrdo natal, dan-
do-lhe todas as energies, dos que, por motivos di-
versos, honram as tradig5is do estado long dele.
Tolice 6 pretender que estes valham mais do que
aqueles. Nem sempre os que emigram sao os melho-







S i IV 1 o Ju'ot I s


res. Uns largam a casa paterna pela imperiosa ne-
cessidade de escapar a penfiria. Uns a abandonam
por simples fantasia e ambig&o. Uns a desertam por
circunstancias inesperadas, convites para cargos,
desempenhos de mandates legislativos. Rarissimos
os que, cheios de talent e prepare, executam o pla-
no de triunfar pela ciencia, pela arte, pelo estudo.
Entre os que ficam e os que partem abundant
os mediocres. A cerebrago nao se mede por tao
fortuito acontecimento. Conhecemos nitida, esmiu-
gada, microscopicamente as figures do Ceard. Qual
a nossa convicgdo? Ei-la: si Gustavo Barroso mora
no Rio de Janeiro, AntOnio Sales mora em Fortaleza,
e ambos ostentam-se notaveis.
Efetivamente, por que motivo a Capital Federal
1l uma porgdo de mentirosos e superficiais que
atrapalham a hist6ria do Brasil, enquanto ignora o
esforgo de Alencar Araripe, do senador Pompeu, do
frances-nordestino Pedro Theberge, de Paulino No-
gueira Borges da Fonseca, de Joao Brigido, de Joa-
kim Katunda, de Tom6s Pompeu de Souza Brasil,
de AntOnio Bezcrra, de Guilherme Studart e de
outros?
Conv6m banir de nossas cogitag~is critics a
idea absurd de que o Axito que as propaganda ca-
riocas permitem 6, realtmente, exponenciaqgo, sim-
bolo, tradugio da verdadeira justiga. Nao foi. Nao
o. Nao serA.







Terra e Povo do Ceard


Alids, nao existed, em relagdo a parte alguma do
pais, ligagao da verdadeira justiga com o exito que
as propaganda cariocas permitem. 0 Ceard noo 6
exemplo finico.
S6mente o future, ap6s longas andlises e com-
parag5is several, escorragard das alturas os velha-
cos para elevar, entdo, os que, merecedores de home-
nagem, viveram esquecidos.
S6mente o future, implacavel, dird aos elefantes
que azas sdo de aguias e ao jumento que seu focinho
nWo 6 bico de beija-fl6r.
S6mente o future, inspirado na verdadeira jus-
tiga, prohibira que o exito que as propaganda cario-
cas permitem consiga transformer Oco e barulhento
ret6rico da camara de deputados em membro da
Academia Brasileira de Letras ou o pedant6sco e
vasio snr. C16vis Monteiro em escritor.
Residir em Fortaleza nao 6 degradagdo. Residir
no Rio de Janeiro nao 6 titulo de genialidade.
Ao propormos a sutil separagdo de literatos
que nunca exerceram atividades mentais al6m dos
limits do Ceard e literatos do Ceard que, constan-
temente, empregaram seu c6rebro no progress de
regi5is diversas, nao sonhamos com os avaliar por
isso, mas apenas cor a conveni6ncia deos classifi-
car segundo os recursos e influxos do meio em que
se desenvolveram. Sim. Ha nisto alguma coisa ra-
zoavel. 0 individuo que se educou em Fortaleza,







Silvio Julio


apezar das leituras de obras extrangeiras, dispbi de
recursos e recebe influxos que, nao sendo inferiores
aos do Rio de Janeiro, indiscutivelmente diferem
deles e ainda dos de Paris, Berlim, Londres.
O que sugerimos nao import & sentenSa do
critic, por6m interessa ao psic6logo que quer de-
cifrar os mist6rios da alma dos autores.
Ha gineros que na.o padecem diretamente a in-
fluencia do local. A erudig'o o document. O fran-
cOs-nordestino Pedro Theberge entregava-se is
investigagSis do pret6rito do Ceard cor a mesma
decisdo que caracteriza o ambr a esse tema nos livros
de Tomas Pomppu de Souza Brasil. O espirito-san-
tense Jodo Brigido consagrou sua exist6ncia tem-
pestuosa ao passado do Ceard com a mesma since-
ridade que nobilita a paixio que a essa maleria o
incansavel Guilherme Studart dedica.
Assim, numa hist6ria da literature do Geara
n~o nos 6 licito deixar de incluir o francas-nordes-
tino Pedro Theberge e o epirito-santense Joao
Brigido.
Ha g6neros, contudo, que padecem diretamen-
te a influencia oo local. O romance o prova. Quem
passou quarenta, qincoenta anos em Fortaleza, p
vai aplicar suas observagi5s a um enredo que con-
cebeu, nio lucrar4 si tomar o Rio de Janeiro para
c6ndrio dos epis6dios de sua novel. Perderd.
Em regra, o process gen6tico diverge no tra-







Terra e Povo do Oeard


balho de ficgio 3 no de discernimento. Aquele, cor
pouco, fabric muito, pois Ihe basta a impressio quo
produza adequada expressio, para que imaginemos
sons, t6las, sussuros e paisagens, tudo. Este, a in-
versa, reune materials aos centos, paraleliza-os,
confronta-os, sobrepoi-nos e, final, aperta, resu-
me, compendia, extraindo a evidencia rigorosa do
oceano inquieto e confuso das conjeturas, dos
indicios e das opini6is.
Ora, o home de letras que nao se desligou do
Ceard, que no Ceara assisted e labuta, que ao Ceara
entrega a alma e o c6rpo, como o carioca Papi Junior
e o bahiano Rodolfo Te6filo, logo que arquiteta um
conto, 6 claro que ajusta a t6se, a doutrina, o pen-
samento abstrato, as contingencias do ambiente que
se lhe tornou familiar. O 6dio 6 universal e eterno.
E' universal e eterno o am6r. As formas regionais
do 6dio e do am6r, consequentemente, sdo concreti-
zagcis dos fatos da psico-sociologia, sao exemplifi-
cag5is dos fen6menos gerais, sao particularizag6is
geograficas das leis imutaveis atrav6z do tempo e do
espago.
Em compensag9o, o home de letras que, nas-
cido e criado no Ceard, d6le se despede, consigo o
leva, carregando-o, sem sab6-lo, em suas intimas
fibras. Ap6s, vendo novas paragens e povos que nao
conhecia, por mais que vibre diante de quadros e
acontecimentos, insensivelmente, idealmento os me-







Silvio Juztlio


dirA pelos que se Ihe gravaram no espirito, quando
se formava, e continuam vivos na mem6ria, no sub-
consciente, na saudade.
Ant6nio Sales 6 esp6lho daquela situagao.
Gustavo Barroso ocupa, perfeitamente, o parnntese
que abrimos para center os escritores que nao per-
deram o ar cearense, estejam onde estiverem.
A pritica de similhante catalogagho nao se re-
comenda em todos os periods da hist6ria da litera-
tura cearense.
A implantagAo do alfabeto foi tardia e lenta. A
instrugdo popular quasi nao existiu at6 o s6culo
XIX e a secundAria apareceu. em dias avangados da
fase mondrquica. Si Portugal n6o educou direito
os brasileiros de seus territ6rios mais opulentos,
como se havia de preocupar cor os do s6co e agres-
sivo nordeste?
SNo 6 s6. Al6m de nao existirem no Ceard con-
dig5is favoraveis a formagao de mentalidades a
colonia era submetida a outras. 0 Maranhdo pri-
meiro e Pernambuco depois, em virtude do atrazo e
esquecimento da pequena populagdo da flagelada
capitania, dirigi:am-na de suas cidades litoraneas,
dirigiram-na sem fortes cuidados, ou, quando mu
daram de rumo, senipre a trataram como depen-
dencia encOmoda. Dali nao se tirava proveito.
E' de 1603 que data a vida propriamente his-
t6rica do CearA. Uma origem dl:-ssltradla e lutuosa.







Terra e Povo do Oeard


Os titanicos recfios e avangos de Pero Coilho
nao marcam sinfo o sacrificio inicial de uma colo-
nizagdo assombrosamente dificil. Nao tiveram poeta
que os transfigurasse. Os conquistadores lusos, ao
contrdrio dos castelhanos, quasi nao escreviam so-
bre os feitos de seus companheiros. Entretanto, a
epop6a de martirios que 6 a calamidade de 1605,
quando, sedentos e famintos, morrem os soldados
da expedigdo e dois dos cinco filhos que acompa-
nharam o chefe, nao causa menos espanto do que,
por exemplo, o fema do Naufrdgio do Sepz~lveda de
Jer6nimo Corte Real.
Nenhum investigator descobriu germens de in-
telectualismo, de vocaggo literdria no Ceard do
s6ciilo XVII. Vilarejos mal construidos, cor escas-
sos portugueses e raros brasileiros brancos, alguns
indios e maior nfimero de criangas mamelucas,
al6m de pretos e mulatos, mudavam, as vezes, de
s6de, porque o problema da agua e do alimento, des-
de 1603, imperou, absolutista. Os jesuitas, exclusi-
vamente os irmdos de Loyola convertiam os selvi-
colas ao catolicismo, ensinando-os a ler e escrever.
O minimo do Axito.
Brutalidade, ignorancia, retrocesso, eis os ma-
les de que sofriam os pr6prios filhos da metr6pole
no CearA, por todo o s6culo XVII. E muito depois
ainda, a 14 de Novembro de 1715, a cdmara do Aqui-
raz remete ao governador de Pernambuco, a quem






Silvio Julio


obedecia legalmente, uma carta sobre diversos assun-
tos, onde tamb6m pede a enviatura de letrados. O
governador de Pernambuco, Lourenco de Almeida,
responde-lhe a 7 de Fevereiro de 1716 que deixa de
atend--la por nao dispOr de um inico individuo
instruido.
0 seculo XVII 6, para o Ceard, pAgina militar-
etnografica, em que o interessanto reside nos duros,
nos rudes trabalhos da adatagio do descendente de
lusitano e indigena ao meio cruel, como nos combates
nos sustos da defeza do territ6rio contra o francis e
contra o holandes. Requinte, curiosidade cientifica,
amor 6 natureza, respeito ao livro, nada disto cam-
peia, nem por sombra.
0 Ceara nao gosou da luz que tentaram os fran-
ceses acender no Maranhao, a que pertencia quando
Ivo d'Evreux e Claudio d'Abb6ville, auxiliando o ca-
valheiresco e valente La RavardiBre, punham a ser-
vigo da Am6rica o prepare que adquiriram em cen-
tros europeus de famoso prestigio. Serviu, entio,
de quart6l de observag8o e reabastecimento aos pe-
lot6is de Jer6nimo de Albuquerque, mandados de
Pernambuco para expulsarem os soldados e mis-
siondrios franchises. Isto nos prim6rdios do sB-
culo XVII.
Nao era diferente a posigho e qualidade do Cea-
rd na fase do ataque holandes. Enquanto o domi-
nio batAvo prestou a Pernambuco himalaicos servi-
cos, que o insigne Nassau promovia por si, contra-






Terra e Povo do Ceard


riando a gastronomia, a graxenta cupidez dos co-
merciantes da Companhia das Indias Ocidentais,
que naturalistas, que escritores se consagravam
fiquela gleba cor carinho?
A hist6ria da literature cearense nasce no s-.
culo XVIII, e animica.
Nada de significativo foi redigido por um na-
tural. 0 quo se nos depara 6 mesquinho, e assim
mesmo, na maior part, de autores lusos, pernam-
bucanos, etc.
No s6culo XVIII proseguia o torp6r, a insigni-
ficincia da vida do povo cearense. Um ou outro
sujcito sabia ler e escrever. Qualquer veleidade de
aperfeig6amento intellectual morria sob o peso da in-
diferenca. Os lusos e pernambucanos que, superio-
res ao resto da sociedade, gostaram de estudo e ra-
biscaram suas composig5isinhas em prosa e verso,
faziam-no sem repercussdo e sem que aquilo con-
corresse para o desabrochar de algum engenho
native. E tal acontecimento, sobre ser de propor-
S5is microbianas, era espagadissimo.
Tanto se considerava o semi-deserto, quer sob
o jugo maranhense, quer sob o pernambucano, isto
6, antes e depois de 15 de Margo de 1673, de ac6rdo
corn a conjetura de Guilherme Studart no o1 volume
das Datas e fatos para a histdria do Ceard, tanto
se considerava o semi-deserto degredo e p6sto de
trAnsito, que a 15 de Abril de 1718 os ciganos do rei-







Sillvo Julio


no s~o de 16 extraidos e residenciados em Angola
e CearA.
O governor de Pernambuco consultAra o portu-
gu.s, no sentido de o imitar, concentrando os quo
morassem em sua jurisdigAo dentro do semi-deserto,
e a 23 de Agosto de 1724 obteve a concessdo desejada.
Nessa 6poca os brancos estavam numericamente
reduzidos a ridicule percentage. Tribus aldeiadas
ou diluidas forneciam-lhes mulheres as dezenas, de
sore que a quantidade de mamelucos crescia. A
camara de Aracati comunicava ao rei, em 9 de Outu-
bro de 1749, que n~o havia gente clara para os car-
gos pdblicos.
Conjuguem-se esses dados e completem-se com
as noticias de turbulencias constantes, sangrentos
choques de autoridades, families, classes e ragas,
que logo a verdade se salienta: todos os elements
constituintes da sociedade cearense do seculo XVIII
serviam para a fixagdo, de qualquer geito, do ho-
mem A terra, mas comprometiam a mais leve ten-
tativa de normalidade cultural que surgisse.
Um grupinbo de portugueses e brasileiros sem
mescla de sangue amerindio, nern africano, vultosa
massa de selvicolas aparentemente civilizados, ban-
dos cipidos e irriquietos de ciganos, a maioria de
mamelucos indisciplinados e incultos, mulatos e ne-
gros, eis o cerne, a c61ula de que, ap6s, vai sair o
p6vo do Ceari,







Terra e Povo do Ceard


A 14 de Abril de 1764 o ouvidor Vitorino Soares
Barbosa inaugura a Real Vila de Monte-M6r o Novo
da America, declarando que o seu orago ficava sen-
do a mdi Santissima e SenKora da Palma da sud
propria freguezi. e que o padroeiro da dita fregue-
zia era o Snr. S Jodo Nepomureno. 0 primeiro con-
silho de sua camara formou-se corn o juiz Luis
Francisco Soares Correia, o procurador Jo5o de
Oliveira e os vereadores Teod6sio de Barros, Manuel
Filgueira do Monte e Davi Bezerra, que nao apren-
deram jamais a ler e escrever. Nao 6 tipico?
Abundam os veementes indfcios da barbaria do
p6vo cearense em pleno s6culo XVIII. Brigava-se
diariamente. A lei e o direito nao triunfavam da
violencia.
A 22 de Julho de 1766, inform'ado das agitag5is
que grassavam em toda a regido, o governor portu-
gues expede ao de Pernambuco uma ordem regia
para que os vadios e bandidos se juntassem em p6-
voados com mais de cincoenta fogos, e dessa deter-
minag6o nascem as vilas de Sobral, Quixeramobim,
S. Bernardo das Russas e S. Jos6 do Principe. Nao
faltavam facinoras e vagabundos. Era o sangue
cigano, que se confundira com o luso-amerindio e
com o afro-portuguis, e fervia.
Baste-nos indicar, como testemunho decisive
da anarquia e perversidade que abalava a sociedade
cearense, os morticinios. os roubos, as desobedipn-






Silvio Julio


cias dos aventureiros que enxameiavam ao red6r
das minas de S. Jos6 dos Cariris. Que nos amparem
os estudos insuperaveis de Guilherme Studart nas
Notas para a hist6ria do Ceard, os de Jodo Brigido,
os de Pedro Thoberge e os de outros pioneiros aca-
tadog, cujas buscas revelaram os segredos dos ar-
quivos com os iremendos crimes da sociedade cea-
rense do s6culo XVIII.
Antes, a peleja principal era de portugues e
fndio. Agora, por6m, enfraquecidas as tribus por
suas disc6rdias intestines, por derrotas que os bran-
cos Ihes infligiam, pelo cruzamento em larga esca-
la, os mamelucos e os mulatos, todos os mesticos
da nova sociedade cearense, agrestes e bogais, come-
gavam a liquidar-se entire si, familiar contra familiar,
sobre tudo nas desavengas que a medigdo e posse
das sesmarias acarretavam.
"0 Ceard (ensina Joakim Katunda) se formou
pela adjungao do elements diversos, de divers
proced&ncia; nho atuou no Animo dos exploradores
do centro, que se estabeleceram em diferentes sitios,
o pensamento de formarem nova sociedade, alheia
a de que procediam. Foi tambem o refdgio de
malfeitores, ladrois e vadios das capitanias visinhas,
ondo jd os inquietava a policia. Essa extranha po-
pulagio vivia nos bosques, cagando e furtando ga-
dos, e tao densa se tornou queo capitio-m6r Borges
da Fonssca entendeu de vantage para o Ceard con-







Terra, e Povo do Ceard


veri-la em element colonizador, e distribuiu-a
administrativamente em p6voados de cincoenta
fogos.


Com o s6culo XVIII comegou o governor civil
no Ceard. Simples era o maquinismo governamen-
tal. 0 senado da cimara velava sobre a policia mu-
nicipal; o ouvidor e o juiz ordinario geriam a justi-
Va civil e criminal; o almoxarife arrecadava as ren-
das da fazenda real."
Tudo isso 6 certo, e a demora caracterizou a
conquista de tais regalias. Sucessivamente a admi-
nistradio melhorou. E a educagdo do pOvo? E a
instrugco piblica? E a cultural?
Portugal ndo deu importAncia a esta mat6ria.
0 Brasil, nos dias do coloniato, nio progrediu como
o Peri e o M6xico, quo a Espanha orientou. P6ssi-
mo ensino de primeiras letras nos consentiu a me-
tr6pole. Pe6r e quasi nenhum de humanidades.
Quanto ao universitario, a ausencia absolute nos
aniquilou quaisquer possibilidades de aperfeiC6a-
mento spiritual e de hAbitos transcendentes.
O Ceard, mesmo no s6culo XVIII, mal conta
cor precario ensino de primeiras letras. Insuficien-
to pela quantidade. Abominavel pela qualidade.
E' a 6 de Novembro de 1772 apenas que Portu-
gal se lembra de criar, em seus dominios, sob a in-
spegdo da Real Mesa Cens6ria, as indispensaveis es-







Silvio Julio


colas populares, de instrugco elementary. Para man-
t1-las, estabelece o imposto de dez r6is sobre a ca-
nada de aguardente de fabric asidtico, africano ou
americano; um real sobre o arratel da came vendi-
da na Asia e na Am6rica, como sobre a canada
de vinho; quatro r6is sobre a canada de aguardente
do reino e cento e sessenta r6is sobre a pipa de vi-
nagre. A esse imposto chamou subsidio literario.
A verdade 6 que no Ceara nao se cumpriu ime-
diatamente a carta de lei que promovia a abertura
desses cursos fragilimos. A arrecadagio irregular
do subsidio literdrio provocou a said do Real De-
creto de 10 de Janeiro de 1795, que ordena a cobran-
ca. Tamanho era o desleixo lusitano em relag~o a
sabedoria, que, embora tudo, o subsidio literdrio, 6s
vezes, quando outras fontes so tinham exgotado,
quando outras verbas haviam rebentado, quando os
apertos financeiros avultavam, apresentava saldo!
Ant6nio Jos6 Vitoriano Borges da Fons6ca, re-
cifense, nascido em 1718, foi escolhido governador
interino do Ceard a 26 de Marco de 1765, e prolon-
gou sua estadia no cargo at6 10 de Outubro de 1781.
0 juramento regulamentar prestou-o no dia se-
guinte ao da nomeagdo, achando-se em Pernambu-
co, e a posse tomou-a a 25 de Abril do mesmo ano,
jd entire seus jurisdicionados.
Muito Ihe deve o Ceara. A ilustragdo, o bom-
senso, a atividade, os dons espontAneos do pernam-








Terra e Povo do Ceard


bucano, embora o tolhessem as complicaS6is de um
p8vo agitado e cheio de mius costumes, nunca o
desiavoreceram. A ele agradeceu aquela sociedade
confusa grande part de seu progress e maior ain-
da de sua civiliza go.
Borges da Fonseca, que amava o estudo, des-
pachou a 2 de Junho de 1768 a Pernambuco o ma-
nuscrito da prestante Noticia sobre a capitania do
Ceard. E' trabalho de inocultavel utilidade e mostra
quanto a Terra do Sol recebeu do ilustre author da
Nobiliarquda pernambucana.
De 1673 a 1799 o Ceard estreitou os lagos de seu
com6rcio com Pernambuco, que era, para l1e, a me-
tr6pole imediata e o deputado legal do poder portu-
guis na America. E' 16gico, portanto, que os raios
de luz daqulle f6co que Nassau aviventou Ihe mos-
trassem a send da cultural. E mostraram.
A sfiplica dos cearenses a metr6pole, para ne-
gociarem diretariente com os portos lusos, 6 pos-
terior a administraglo de Borges da Fonsica. Partiu
da cAniara da vila de Fortaleza a 27 de Setembro
de 1783 e assinaram-na Domingos Rodrigues da
Cunha, Antonio de Souza Uchia, Bernardo de Melo
Uch6a, Vicente Ferreira Forte e Luis Barbosa de
Amorim.
Ndo se olvide que o regulametno para as esco-
las de indios executou-se no CearA por Borges da
Fonseca, que o recebeu de Pernambuco, datado de








9 1 1 V 1 0 j U 116


e2 ae Maio de 1773. Num pais de analfabetos e tur-
bulentos, esse pass tern mais m6rito do que outra
qualquer media burocrAtica. Era uma vaga espe-
ranga de polimento, uma tenue tbntativa de dis-
cipina.
No Geara esteve o lisboeta Francisco Bento Ma-
ria Targini, como escrivao da Provedoria da Fa-
zenda, vencendo quatrocentos mil r6is anuais.
Nasceu em Portugal a 16 de Outubro de 1756
e faleceu em Paris corn setenta e um de edade, ha-
vendo desfrutado elevados postos e os titulos de
primeiro bario c primeiro visconde de S. Lourenco.
Permaneceu no Ceara de 16 de Outubro de 1783
a 12 de Junho do 1787, dia em que fugiu para Per-
nambuco por discordincias cor o governador Mon-
tauri, e ap6s regressou, nomeiado escrivao e depu-
tado da Junta de Fazenda a 25 da Janeiro de 1799.
E' evident que, confrontado cor os Arcades
de sua 6poca, Targini nao resisted As -exig8ncias da
critica. Seu 6stro nio s6a suave e alcandorado. O
que, todavia, interessa 6 o exemplo que foi de su-
perior prepare, de competincia na sociedade cea-
rense do fim do s6culo XVIII e inicio do seguinte.
Tradutor de O paraiso perdido de Milton e do
Ensaio sobre o home de Pope, escreveu plimbeas
odes e insulsas satiras, uma impressas, outras
in6ditas. Na sociedade cearense de entao, onde a
ignorAncia dava cartas, sua median inteligencia
subia a cumes hom6ricos.







Terra e Povo do Oeard


Tiargini e Borges da Fonseca nao aplair.aram o
caminho dos futures escritores do CearA, por isso
que n1o abrindo associag5is nem imprimindo nada,
reduziram-se a diletantes de curta projecgo liter6-
ria. Nio suscitaram o florescimento de vocag5is
aletargadas pela pasmaceira circundante.
Nao so estudava, a nao falarmos de rudimen-
tos de aritm6tica, de leitura e escrita, e de latim
Qualquer soldado borracho lecionava. Tipos igno-
miniosos igualmente. E, para nao nos envergonhar-
mos da atualidade, havia os que recebiam o s6ldo
sem dar uma aula.
Em 1798 o Ceard mantinha nove cadeiras, Ala-
g6as seis, Paralniba cinco e Rio Grande do Norte
quatro, dispendendo-se cor os professors do
Ceara 1:800$000J por ano, de Alag'iaas 880$009,
da Parahiba 710$000 e do Rio Grande do Norte
580$000.
Pernambuco sustentava, com 7:600$000, trinta
e seis c6tedras, s.ndo vinte e uma de primeira letras
dez de gramitica latina, duas de ret6rica, uma de
filosofia, uma de geometria e uma de grego.
O Peri, o Mexico, a Venezuela, o Equador, to-
das as colonias americanas da Espanha, nesse fe-
char do s6culo XVIII, possuiam centenas de cole-
gios de humanidades e dezenas de cursos superio-
res, onde a medicine, o direito, a teologia e as belas-
artes eram ensinadas com aproveitamento.
Nao nos acabrunha o confront? Cabe a culpa







Silvio Julio


aos portugueses, quo nos olhavam de cima, pedan-
tes e atrevidos, quando tamb6m Wles, comumente,
mal assinavam o nome.
O cearense que foi primeiro president da pro-
vincia, e o primeiro president que foi cearense na
provincia, chamou-se Pedro Jos6 da Costa Barros.
Viu a luz a 7 de Outubro de 1779 e era aracatiense.
Morreu no Rio de Janeiro a 20 de Outubro de 1839.
Poetastro aiulico, Costa Barros, em pedregoso
estilo e arcadicamente, nao se entusiasmava com as
nossas ansiedades, cor as belezas da natureza
brasileira, com os sentiments do coragdo, mas
compunha odes e ditirambos aos reis e aos princi-
pes. Adulagdo revoltante e destituida de arte plau-
sivel.
Seria excegdo Ainica a Ode Pinddrica aos Herois
Lus'Anglos, caso nao se tratasse de chata e espi-
nhenta versalhada, humida de servilismo As coisas
da metr6pole e oa Europa. Esse ossudo poemnto Mle
o forgicou em 1814.
A Ode Pinddrica ao Principe Regente do Reino
do Brasil, em 1822, a Ode que no dia 2 de Fevereiro
de 1826 fez um dos genios mais amantes do Brasil
para festefar o faustosissimo nascimento do Prin-
cipe Imperial Augusto Filho de nosso adorado Im-
perador, o Tributo de gratiddo, am6r e respeito de-
dicado, oferecido e consagrado ao Imperador e Im-
peratriz do Brasil, que e do ano de 1829, o Ditiram-
bo dos faustosissimos anos de S. M. a Impetratriz,







Terra e Povo do Ceard


babado sabujamente, entire curvaturas da espinha
dorsal, pelo correr de 1830, tudo brada aos c6us que
Costa Barros s6 metrificava aos p6s do trono, de-
gradando o mister sacrossanto do 6stro.
Nem parece contemporaneo dos bravos liberta-
dores e republicans de 1817 e 18241
Diverso, corn uma existincia contradit6ria e
agitada, meio comerciante, meio aventureiro, Ma-
tias Jos6 Pacheco, que de traficante do escravos
passou a agent da rebelido capitaneada por Do-
mingos Jos6 Martins, Jodo Ribeiro, Barros Lima,
Domingos Teot6nio Jorge e tantos valorosos patrio-
tas, que a s'anha assassina dos d6spotas sacrificou,
sentia na cabega o pirilampear da inspiragdo. Sua
musa, todavia, caminhava cor p6s de chumbo. A
prosa, sobretudo a das mem6rias que escreveu em
1865, ndo pesa menos.
Matias Jose Pacheco vi6ra ao mundo a 26 de
Fevereiro de 1790 na silenciosa e romantica Mece-
jana do Ceard.
Um seu irmro, nascido a 19 de Margo de 1800
e morto a 25 de Margo de 1878, embora mais mogo,
herdeu-nos poesijas de maior interesse, Chamava-
se Jos6 Pacheco Lima.
Sonetos, decimas, vArios tipos de composig6is
que deixou referem-se a coisas do Ceara. E'. pena
que estes acontecimentos nao fossem os da socieda-
de, por6m os'do governor. Em vez de cantar as
praias batidas de vagalh5es, o home, gelidamente,







S ilv i o J ul i o


atravancava o Parnaso com d6cimas e sonetos so-
bre um chafariz!
Destas baboseiras nao se apartaram os sopori-
feros marteladores de cacos de garrafa Lino Jose
Gongalves de Oliveira, Manuel Corr6a Leal, Ant6nio
Castro Silva et caterva.
Daqui para a frente, os golpes da political e os
contatos cor Pernambuco amiudam-se e intensifi-
cam-se, de sorte que as ideas reformistas e os
exemplos do Leiio do Norte se encarnam em alguns
cearenses de b6a tempera.
Jos6 Martiniano de Alencar, filho da heroin
Barbara de Alencar e pai do romancista Jos6 de
Alencar, 6 quem descerra o proscenio, onde armas
inauditas coruscam.
Nascido a 16 de Outubro de 1794 e morto a 15
de Margo de 1860, Jos6 Martiniano, na hist6ria li-
terAria, como na political do Ceara, 6 o introdutor
do g8nio democratic e insubmisso do p6vo per-
nambucano. Faltou-lhe cultural e nio Ihe era pro-
picio o dom do estilo. Mas o conteido de suas ora-
95is e escritos ocasionais participava da vibratili-
dade usual que 6le sorveu na atmosf6ra el6trica do
Recife.
Ap6s, a estrutura do espirito cearense adquire
consistincia. Suas linhas-mestras tragam-se cor
viveza. Nada do desorbitamentos imaginosos. Rea-




University of Florida Home Page
© 2004 - 2010 University of Florida George A. Smathers Libraries.
All rights reserved.

Acceptable Use, Copyright, and Disclaimer Statement
Last updated October 10, 2010 - - mvs