<%BANNER%>
HIDE
 Front Cover
 Half Title
 Dedication
 Title Page
 Nota da direcao do museu
 Introducao
 Parte I: O desenvolvimento historico...
 Parte II: Dois irritantes equivocos...
 Parte III: Algumas diferencas lexicologicas...
 Bibliografia critica
 Indices
 Table of Contents
 Back Cover














Tupâis e Guaranâis
CITATION SEARCH THUMBNAILS PAGE IMAGE ZOOMABLE
Full Citation
STANDARD VIEW MARC VIEW
Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/UF00075953/00001
 Material Information
Title: Tupâis e Guaranâis estudo de etnonâimia e linguâistica
Series Title: Publicaðcäoes do Museu da Bahia
Physical Description: v, 220 p. : ; 24 cm.
Language: Portuguese
Creator: Edelweiss, Frederico G
Publisher: Secretaria de Educaðcäao e Saâude
Place of Publication: Bahia Brasil
Publication Date: 1947
 Subjects
Subjects / Keywords: Tupi Indians   ( lcsh )
Guarani Indians   ( lcsh )
Tupi language   ( lcsh )
Guarani language   ( lcsh )
Genre: bibliography   ( marcgt )
non-fiction   ( marcgt )
 Notes
Bibliography: "Bibliografâia crâitica": p. 173-199.
Bibliography: IBest copy available; digitized from microfilm.
 Record Information
Source Institution: University of Florida
Holding Location: University of Florida
Rights Management: All rights reserved by the source institution and holding location.
Resource Identifier: oclc - 02790011
lccn - 49020497
Classification:
System ID: UF00075953:00001

Table of Contents
    Front Cover
        Front Cover 1
        Front Cover 2
    Half Title
        Half Title
    Dedication
        Dedication
    Title Page
        Title Page
    Nota da direcao do museu
        Nota 1
        Nota 2
    Introducao
        Page i
        Page ii
        Page iii
        Page iv
        Page v
        Page vi
    Parte I: O desenvolvimento historico dos termos "tupi" e "guarani"
        Page 1
        Page 2
        Tupi e guarani em luta pela hegemonia
            Page 3
            Page 4
            Page 5
            Page 6
            Page 7
            Page 8
            Page 9
            Page 10
        A transformacao dos gentilicos em adjetivos
            Page 11
            Page 12
            Page 13
            Page 14
            Page 15
            Page 16
            Page 17
            Page 18
        O nome "guarani" e a sua generalizacao
            Page 19
            Page 20
            Page 21
            Page 22
            Page 23
            Page 24
            Page 25
            Page 26
        Lingua Brasilica e lingua geral
            Page 27
            Page 28
            Page 29
            Page 30
            Page 31
            Page 32
        Os tupis e a lingua tupi
            Page 33
            Page 34
            Page 35
            Page 36
            Page 37
            Page 38
            Page 39
            Page 40
            Page 41
            Page 42
            Page 43
            Page 44
            Page 45
            Page 46
            Page 47
            Page 48
            Page 49
            Page 50
            Page 51
            Page 52
            Page 53
            Page 54
            Page 55
            Page 56
        O conceito politico-geografico dos termos "tupi" e "guarani"
            Page 57
            Page 58
            Page 59
            Page 60
        A critica das fontes historicas
            Page 61
            Page 62
            Page 63
            Page 64
            Page 65
            Page 66
    Parte II: Dois irritantes equivocos na fonetica tupi
        Page 67
        Page 68
        Consideracoes preliminares
            Page 69
            Page 70
            Page 71
            Page 72
            Page 73
            Page 74
        O "h" guarani e o "c" tupi
            Page 75
            Page 76
            Page 77
            Page 78
            Page 79
            Page 80
            Page 81
            Page 82
            Page 83
            Page 84
        O valor do "s" e do "c" no Portugues antigo
            Page 85
            Page 86
        No guarani "h" > "s" (52)
            Page 87
            Page 88
            Page 89
            Page 90
        "H" guarani corresponde a "s" tupi
            Page 91
            Page 92
            Page 93
            Page 94
        "H" e "s" nos dialetos tupi-guaranis
            Page 95
            Page 96
        Os dialetos de "h"
            Page 97
            Page 98
            Page 99
            Page 100
        Os dialetos de "s"
            Page 101
            Page 102
            Page 103
            Page 104
        As letras "i," "j" e "y" nas gramaticas de anchieta e figueira
            Page 105
            Page 106
            Page 107
            Page 108
            Page 109
            Page 110
        Os valores poneticos de "y" e "i" no castelhano
            Page 111
            Page 112
            Page 113
            Page 114
            Page 115
            Page 116
        O "i" semivogal e consoante no Portugues
            Page 117
            Page 118
        "I", "j" e "y" na grafia tupi
            Page 119
            Page 120
        O "i" em outros dialetos
            Page 121
        Ao "i" tupi corresponde "y" = "dj" no guarani
            Page 122
            Page 123
        O "i" tupi corresponde a "di" em alguns dialetos
            Page 124
        O "i" tupi corresponde a "z" em alguns dialetos
            Page 125
            Page 126
        No aueto, o "i" tupi corresponde a "t"
            Page 127
        Finalmente, a fricativa sonora "j" no tupi
            Page 128
            Page 129
            Page 130
            Page 131
            Page 132
            Page 133-134
            Page 135
            Page 136
            Page 137
            Page 138
            Page 139
            Page 140
    Parte III: Algumas diferencas lexicologicas entre o tupi e o guarani
        Page 141
        Page 142
        Aviso necessario
            Page 143
            Divergencias morfologicas
                Page 150
                Page 151
                Page 152
                Page 153
                Page 154
                Page 155
                Page 156
                Page 157
            Divergencias semanticas
                Page 158
                Page 159
                Page 160
                Page 161
                Page 162
                Page 163
                Page 164
            Conclusao
                Page 165
                Page 166
                Page 167
                Page 168
                Page 169
                Page 170
                Page 171
                Page 172
    Bibliografia critica
        Page 173
        Page 174
        Page 175
        Page 176
        Page 177
        Page 178
        Page 179
        Page 180
        Page 181
        Page 182
        Page 183
        Page 184
        Page 185
        Page 186
        Page 187
        Page 188
        Page 189
        Page 190
        Page 191
        Page 192
        Page 193
        Page 194
        Page 195
        Page 196
        Page 197
        Page 198
        Page 199
        Page 200
    Indices
        Page 201
        Page 202
        Indice etnonimico indigena
            Page 203
            Page 204
            Page 205
            Page 206
        Indice onomastico
            Page 207
            Page 208
            Page 209
            Page 210
            Page 211
            Page 212
        Indice dos vocabulos tupis citados
            Page 213
            Page 214
            Page 215
            Page 216
            Page 217
            Page 218
    Table of Contents
        Page 219
        Page 220
    Back Cover
        Back Cover 1
        Back Cover 2
Full Text

FREDERICO C.EDELVEISS


TUPISE UARAHIS
ESTUDOS DE ETHONiMIA E LiMGUISTICA





PUBLICACOES DO MUSEU DA BAHIA-Nt-T
SECRETARIAT DE EDUCACAO E SAUDE-1947


BRASIL


~a -I ILII


BAHIA






















j,_i









Tupis e Guaranis






















A Marg6 .

e a nossos filhos
do Sul e do Norte.







PUBLICAQCES DO MUSEUM DA BAHIA

N.0 7



FREDERICO G. EDEL-WEISS
Faculdade de Filosofia (
da
Universidade da Bahia



TUP15 E QURIRANIS


E5TUD05 PE ETNONIMIF E LINQUJSTICA
















SECRETARIAT DE EDUCAQAO E SAtDE
BAHIA BRASIL
1947
























Nota da Diregao do Museu


Poderi causar cstranheza que o Museu do Estado da
Bahia tenha incluido na s6rie de suas publicas5es um trabalho
cujo assunto nao esti pr6priamente dentro de sua esfera -
museu regional, corn nfase na arte colonial de proccdencia
bahiana.
Seria facil desenvolver um pequeno argument, e provar
que, ao contrario das aparencias, o present livro se encontra
no Imbito de suas cogitacSes. Nao 6 a Linguistica, juntamente
cor a Arqueologia, a Antropologia Fisica e a Etnologia uma
das quatro parties em que se divide modernamente a Antropo-
logia? Nao tem o Museu, cor sua pequena colecio etnogrifica,
ligac5es cor esta ciencia?... E o argument estaria quase
complete.
Mas, para ser exato, a razio principal da inclusao esti em
que, antes de mais nada, 6 o Museu do Estado da Bahia uma
instituicao cultural, com a obrigacio de estimular, patrocinar
e divulgar qualquer trabalho de valor cientifico com o qual
possa ter ligag5es justificiveis.
A respeito do autor 6 bem conhecida entire n6s sua dcdi.
cagIo de longa data As quest6es da lingua tupi e da guarani.
A erudiqao e espirito objetivo revelados neste livro dirto o
resto. 9 necess6rio esclarecer, entretanto, que o Museu, em-
bora a consider de grande merecimento, nao assume a respon-










sabilidade dos pontos de vista da monografia. Nos problems
aqui abordados, e As vezes tratados com animo combative, sua
posig0o 6 necessAriamente neutral.
Coube ao autor o penoso trabalho de revisio, e ao seu
g6sto pelas coisas bem acabadas se devem os indices finals. Se
algu6m observer que, nas citagoes e na bibliografia, os titulos
de livros e revistas estgo em tipo redondo em vez de, ortodo-
xamente, em italico, a explicagqo 6 simples: quando os tip6-
grafos nao compreendem a razgo de ser dos pormenores da
ortodoxia, afigura-se mais prudent nao insistir; insistindo-se,
os artigos de f6 no caso o texto cor suas palavras indige-
nas iriam pagar pela intransigencia.
Feitos estes esclarecimentos, o Museu deseja expressar
sua satisfaiio pela oportunidade de enriquecer suas publicaqSes
cor o trabalho de um dos mais pacientes pesquisadores lla
Bahia.















1ntroburdo


Os estudos deste livrinho aproveitam as notas acumuladas
durante muitos anos em t6rno a dois capftulos conexos:

I. 0 desenvolvimento hist6rico dos gentilicos "tupi"
e "guarani".
II. As principals diferengas lexicol6gicas entire os idi-
omas "tupi" e guaranii".

Tao s6mente isto.
E nao pretendemos ser desbravadores.- Do terreno que
acabamos de esquadrinhar ja foram revolvidos alguns trechos
por outros, ainda que atabalhoadamente. Comparnmos os
seus achados cor os nossos. Entretanto, se as nossas pes-
quisas atingiram com frequencia camadas mais profundas, tal-
vez o devamos, sobretudo, aos instruments que o tempo atual
p6s a nossa disposig.o.
Outra vantage reside no piano do nosso trabalho. Pro-
curamos set minuciosos em todas as direg5es, tanto quanto a
sintese o permitiu; minuciosos nas afirmativas e na documen-
tago. Nas citag5es e na indicaggo bibliogrdfica fomos nao
raro at6 a repetigio, quando a comodidade do estudioso o
exigia.
E obra de conjunto, sincera e consciente, que pretend
acabar cor uma s6rie de ideas csdru'xulas a correrem mundo
cor espantosa sem-cerinm6nia e muitas vezes por conta das
chamadas autoridades no assunto.









Na primeira part, a hist6rica, foi mais facil a nossa ta-
refa. Consideramo-la definitive em seu arcabouco.
Nao acontece o mesmo nas duas parties linguisticas. Se
pouco haverd a modificar numa delays, circunscrita a duas
quest6es foneticas, o assunto da terceira, ainda que resumido,
e em si dispersivo, adverse a exposicio em poucos pardgrafos.
Obrigados, assim, A eseolha dos testemunhos, opt.mos pelo
criterio quantitative em. cada qual das divergencias enumera-
das, muito embora reconhecarnos maior expressividade nesta
ou naauela forma discordant isolada.
Nao foi por6m, a nossa intenqco elaborar um tratado com-
parativo; procurAmos apenas refutar com urna serie variada
de diferengas-tipos o erro daqueles que, levianamente, apre-
goam a identidade do "tupf" e do guaranii". Estamos certos
de o ter conseguido com os exemplos aduzidos, que vem reforgar
os arguments hist6ricos jR dccisivos de per si. No ha, pois,
motives para maior insistencia, ainda quando, ao lado desta
ou daquela forma tupi diverse, exist outra identica A guarani.
Quanto ao tom, aqui e all, a nossa exposigo podera pa-
recer a alguns um tanto agressiva. Mas, sera nossa a culpa,
se a retificafio se deve aferir, na eficacia e mordacidade, pelo
tamanho dos dislates, pela maneira com que foram enuncia-
dos e, principalmente, pelos titulos daqueles que os puseram
em circulagio?
Mesmo assim, a nossa critical, onde a houve, dirige-se
antes contra as afirmativas do que a seus autores. Nao Ihes
invejamos a projeqdo e muito menos as espinhosas responsa-
bilidades. -- Por6m, quando urma denominagAo absurd como
"lingua tupi-guarani", ao inves .de "lingua tupi" e "lingua
guarani", ou linguistica tupi-guarani", ameaca contaminar as
esferas oficiais, toda a candencia 6 pouca.
Algumas das notas que se seguem datam de vinte anos.
Foram crescendo no curso do tempo sob a pena diletante e
despreocupada de quem se pode permitir o luxo de um passa-
tempo tio desusado quco trabalhoso. Felizmente nao devia-
mos ao puiblico nenhuma demonstraqco apressada dos nossos








conhecimentos etnol6gicos ou tupis. Poupamo-nos, assim, a
situaco daqueles, autodidatas como n6s, que, por afoitos, se
veem a cada moment na desagraddvel contingencia de reco-
Iher hoje o que ontem apregoaram.
Apesar disto, ainda havert, no que se vai ler, muita im-
precisio a ser ajustada, muita falha a ser prepnchida. Alguns
exemplos serao mal escolhidos e a importAncia de outros ca-
receri posta em devido rel8vo. Contudo, as demonstrates e
a documentacAo que acompanham as nossas afirmativas dqo-
nos a certeza de nio termos incorrido em erros maiores.- A
critical sincera dira o resto.


A NOSSA GRAFIA DAS PALAVRAS INDIGENAS

Enquanto nos livros dedicados a fatos linguisticos pouco
sabidos se representarem fonemas diversos cor a mesma le-
tra, os mal-entendidos serao inevitaveis.
Procurrmos, pois, fugir a esse perigoso escolho, adotando
para a transcricao dos vocabulos indigenas tuna grafia que
distingue devidamente os principals valores foneticos, inclu-
sive as semivogais, os sons africados e o "y" surdo. Para o
conseguir usamos apenas de 'dois sinais diacriticos: o trema e
o acento circunflexo. 0 emprego deste filtimo constitui o re-
sultado de algumas trocas de ideas com o Pe. Ant6nio Lemos
Barbosa, um dos estudiosos mais perspicazes do tupf. Agrade-
cemos-lhe neste lugar a valiosa sugestdo.
SConservamos, tanto quanto possivel, os valores que as
letras tenm no portugues. Para algumas uma simples explica-
gio fixart o pormenor; os sinais diacriticos bastardo as neces-
sidades outras.
Nao existem no tupi os fonemas correspondents a:
f, 1, v, z.
Nao usaimos as letras: c, q, substituidos respectivamente
por s e k.
Ao w corresponde o nosso Z.





IV

Mantem o seu valor portugues:
as vogais: a, i, u;
e as consoantes: b, d, j, k, m, n, p, t, x(=ch).
Os fonemas e, o (6, 6) pronunciam-se fechados no tupf.
g --representa sempre o valor oclusivo dorsovelar,
como na palavra portuguesa gato.
h e claramente aspirado como, no ingles, em horse.
r 6 sempre brando com o r portugues intervo-
calico.
s equivale a ss ou C (c).
y corresponde ao i gutural peculiar e
ao som atono do y, transcrito nos antigos textos
tupfs por: e, i, u, y.
Representdmos por i, ', e y as semivogais, isto 6,
o valor liquid das yogas tupis i, u e y, quando
seguidas de outra vogal. Nos ditongos decrescentes
usamos a mesma grafia, sem que pretendamos corn
isto nivelar inteiramente os dois fonemas. As
semivogais i, existed no portuguea; por exemplo
em: vaiar, quase; o ditongo decrescente em: vai,
grau. 0 acento circunflexo jq foi usado para este
fim pelo Pe. Montoya; nPo 6, pois, inovagao nossa.
Exemplos em tupi:
o kaf arde;
tara senhor;
khara buraco;
sot o ir (dele);
abfabo errando o alvo.--
Os sons nasais levam o til: a, 9 i, .
Nas silabas nasaladas: am, em, ir, ym, an, en, in, yn,
o m e o n sqo sempre nitidamente pronunciados,
nunca formando, cor a vogal precedent, sons na-
sais correspondents a: 5, U, T.







Sao oxitonos os vocabulos terminados em vogal nasa-
lada, consoante ou y.
Todas as palavras oxitonas acabadas em: a, e, i, o,
u, levam acento agudo.
As demais formas vocabulares sgo graves, corn exce-
9go das em reme, ramo e suas variag5es, que sao
proparoxftonas.
O acento grave indica a siaba subt6nica.
Na citagco dos verbos tupis empregamos sempre a forma
do infinitivo e nao a do indicative present (ou pret6rito),
como faziam, segundo a praxe latina, os mestres jesufticos.
0 infinitivo 6 a forma verbal por excel6ncia; 6 ele que, sub-
stantivado, tem aplicagro muito frequent no tupf. O mesmo,
mutatis mutandis, vale para os adjetivos.
Ainda uma palavra s6bre o plural dos gentflicos e adje-
tivos correlates. Estamos certos de que poucos nos levarao
a mal o nao fazermos coro cor a leviandade daqueles isola-
dos imitadores de estrangeirices, que hoje escrevem por, af: os
Tupi, os Botocudo (!?), os costumes tupinambd. Semelhante es-
tropiamento do idioma national e tio inadmissivel quanto ind-
til, corro alhures o deixamos evidenciado (+).

Cidade do Salvador, Setembro de 1946.

Frederico G. Edelweiss.










(+) Arquivos da Universidade da Bahia; Faculdade de Filosofia, vol. I.

















PIRTE I




0 DESENVOLVIMENTO HIST6RICO

DOS TERMOS

"TUP" .E GUARANII"


















TUPI E GUARANI

EM LUTA PELA HEGEMONIA



Foram, sem dfivida alguma, as obras publicadas pelo Je-
sufta peruano Ant6nio Ruiz de Montoya (1), que mais contri-
buiram para tornar conhecido o nome "Guaranf", aplicado,
desde a primeira metade do seculo dezassete, ao conjunto das
tribes e dos dialetos indigenas da entio Provincia Paraguaia e
pertencentes a grande familiar etnica hoje apelidada "Tupf-
guarani".
S6 muito depois, ha pouco mais de s6culo e meio, comegou
a generalizar-se tamb6m a sua parelha brasileira, a denomi-
nagCo "Tupi", enfeixando as antigas tribes e os dialetos da
mesma familiar em territ6rio national.
Devemos a difusAo desse conceito generico a um livro es-
tranho: "A idea do Universo", publicado na Italia por outro

1 Sdo as seguintes:
a) Conquista Espiritual Hecha por los religiosos da la Compafia de Jesus en
las Provincias del Paraguay, Parana, Uruguay y Tape. Escrita por el Pe. Antonio Ruiz
de la misma Compafiia. Madrid, afio 1639. Reimpressa em Bilbau, 1892.
b) Tesoro de la Lengua Guarani Compuesto por el padre Antonio Ruiz, de la
Compafiia de Jesus. Madrid, afio 1639.
c) Arte y Bocabuldrio de la Lengua Guarani Compuesto por el padre Antonio
Ruiz, de la Compaiia de Jesus. Madrid, ailo 1640.
d) Catecismo de la Lengua Guarani Compuesto por el padre Antonio Ruiz de
la Compania de Jesus. En Madrid, afio 1640.
Dos tres dltimos foi feita nova edigdo, fac-similar, por Julio Platzmann, Lipsia, 1876.
Do Tesoro, Vocabuldrio e da Arte saiu, no mesmo ano de 1876, a nova edigio mas
aorrecta y esmerada feita por Varnhagen; Viena-Paris.






- 4 -


Jesuita, D. Lorenzo Hervas (2). 0 tomo dezassete, dado a
lume-em 1784, intitula-se: "Catalogo das Linguas conhecidas
e Noticia do seu Parentesco e da sua Diversidade (3). Deste
volume o autor fez uma edicio espanhola muito aumentada
(4) e algo mais conhecida entire n6s. A primeira parte (5) ocu-
pa-se das naqSes e linguas indigenas americanas. Eritre elas
acham-se os "Tupis" e a "lingua tupi", correspondents a
lingua geral do Brasil colonial e aos indios que a falavam.


2 D. Lorenzo IHervAs Idea del Universo, 21 vol. Cesena 1778-1781. O 22.0
vol. foi publicado em Fuligno, 1792.
3 Vol. 17. Catalogo delle Lingue conosciute e notizia della loro afinith e diver-
sith Cesena 1784.
4 D. Hervas y Panduro -- Catilogo de las Lenguas de las Naciones conocidas,
numeraci6n, division v classes de estas segun la diversidad de sus idiomas y dialectos.
- 6 vols. Madrid, 1800-1805.
5 Volumen I. Lenguas y Naciones Americanas.-Madrid, aflo 1800; pg. 147 etc:
"La lengua general del Brasil liamada tupi, nombre de los primeros indios que
se convirti6ron a la santa fE, es dialecto excelente de la guarani, de la que no
se diferencia tanto, quanto el espafiol del portugues .......................
El idioma tupi, ha sido no m6nos feliz 6 glorioso que el guarani, por los auto-
res que sobre 61 han escrito; pues el V. P. Joseph Ancheta fu6 el primero que
public gramatica y vocabularios de la lengua tupi, y tambien la doctrine chris-
tiana para los indios de la capitania de San Vicente, Ilamados tupis en la que
el V. Ancheta y sus compafieros estableci6ron sus primerasmisiones. Los indios
tupis, llamados tambien tapi por algunos autores, ocupaban la costa maritime
del Brasil desde el rio San Francisco del sur hasta la Barra de Santos, y el pais
mediterr6neo de la provincia de San Vicente, que hoy se llama de San Pablo
de Piratininga. En dicha extension habia muchas naciones 6 tribus grande,
que hablaban y hablan el tupi con dialectos poco diferentes. Los cariyos, que
son la mejor nacion del Brasil, confinan con los tupis por el sur, y se extienden
hasta el nacimiento del rio llamado Grande del sur, 6 puerto de San Pedro,
Acia el grado 32 de latitud: los tamoyos, llamados tambien tamoios, que estan
al norte de los tupis, habitan ]a costa que se alarga entire la dicha Barra, y el
cabo de Santo Tomas a 22 grades de latitud: los tupinacos se extendian desde
el rio Guiricar6 hasta el rio Camamu: los timiminos, los tabayares, y los tupi-
nambos, ocupaban la costa que hay entire dicho rio, y el de San Francisco del
norte: los tupinaenses, los amoipiras, llamados tambien amoigpiras, y amoipigras
que deben su nombre & la voz guarani amboipiri, que significa gente del otro
lado; porque quiza habitaban los paizes septentrionales del rio de San Francisco
del norte: los ibirayares y otras naciones vivian en lo interior de los paises que
bafia el rio Grande del sur: los caet6os (cuya lengua algunos suponen ser nota-
blemente divers de la tupi) se extienden desde el origem del dicho rio, hasta
el sitio llamado.Cabo de San Agustin: los potiguares (llamados tambien tigua-
ras y paraibas, porque estaban cerca del rio Paraiba) se extendian desde el di-
cho cabo, hasta el rio Grande del Norte: o tupinambos ocupaban la costa que
se extiende hasta el Para, y algunos paises del rio Amazonas, Ilamado comun-
mente Maraion: en las rivers de este estan los apantos, los tupigoais, los aro-
boyares, los rarigoarais, y otras naciones, 6 por mejor decir tribus de la nacion
tup!i......"






--5-


Entretanto, teremos ocasido de provar no curso da nossa
exposigdo, que nao foi Hervys quem primeiro deu A palavra
"tupi" o seu significado gen6rico e muito menos o tomou ele
de Simao de Vasconcelos, ou de uma sua fonte, como se ter
afirmado (6). Deixou-se guiar simplesmente pelos velhos do-
cumentos espanh6is do Rio da Prata.

Nas "Notas sobre o Rio de Janeiro" de John Luccock
(7), a influencia de Hervys ja esta bem visivel. Um apendice
de vocabulos da lingua geral traz o titulo de "Glossario de
palavras tupis" (8) e duas publicacies, que o autor promote
aos leitores na iltima pagina do seu livro, sao uma gramr -
tica e um dicionario igualmente da "Lingua Tupi" (9).

Ao inv6s de manter o sentido lato de "Guarani" e "Tupi"
dentro desse prudent criterio geogr~fico, houve quem se nio
sofresse e procurasse ampliar-lhes o velho significado.


6 Batista Caetano diz: "Na mesa fonte em que bebeu Simao de Vasconcelos
beberam outros, dando Tupf como nome de tribo, e assim aparece tamb6m em Hervas
onde at6 se dio como sin6nimos "tape" e "tupi"......." Notas a: Fernao Cardim -
Do Principio e Origem dos Indios do Brasil ed. Rio, 1925; pg. 272.
Note-se a falha nesta critical de Batista Caetano. Enquanto Vasconcelos atribui
o nome "Tupi" a uma tribo, HervAs ji o generalize, fazendo dele tamb6m uma designa-
9Ao gen6rica!
7 John Luccock Notes on Rio de Janeiro and the Southern Ports of Brazil,
taken during a residence of ten years in that Country, from 1808-1818; Londres, 1820.
8 Idem, ibid. A Glossary of those Tupi Words, which occur in the preceding
pages. Pg. 629.
9 Idem, ibid., pg. 610. "Speedily may be put to press (if a small edition should
appear to be acceptable) A Grammar and Dictionary of The. Tupi Language".
E' essa a nota que encabega algumas outras consideragces na dltima pagina do
livro de Luccock.
A despeito da proverbial pontualidade inglesa, a'promessa de 1818 s6 se cumpriu
em 1881, quando o Instituto Hist. Geogr. Brasileiro tomou a si a publicaq5o da gramd-
tica de John Luccock. A parte gramatical pr6priamente dita vem no tomo 43 da Revista
e ocupa as pAginas 263-344.
A Batista Caetano e Barbosa Rodrigues foram confiados os comentArios; ao pri-
meiro o lingufstico e ao segundo o botanico e o zool6gico. Batista Caetano, ao que parece,
nao se pode desincumbir da tarefa. As notas de Barbosa Rodrigues vem no vol. 44 da
mesma Revista, pgs. 33-130, em seguimento a uma list de animals, aves, 6rvores,
plants, rafzes, peixes, r6pteis e insetos em tupi, colecionada por Luccock e transcrita
nas paginas 1-31.
Da gramatica de Luccock existed uma separate, Rio, 1881; 114 pags. numeradas, com
o titulo de: A Grammar and Vocabulary of the Tupi Language.






-6-


Para "Tupi" constituiram-se propugnadores principals da
nova corrente: Martius, Goncalves Dias e Varnhagen.
Martius da o inicio comn a sua "Sinopse das Tribos In-
digenas do Brasil" (10), na qual divide a familiar tupi-guarani
em: Tupis Orientais ou propriamente ditos, Tupis Meridio-
nais ou Guaranis, Tupis Setentrionais, Tupis Centrals e Tupis
Ocidentais.
Como vemos, em todas as denominaqces da classificaqco
de Martius entra o nome "Tupi", mesmo para alguns ramos
platino-chaquenhos, onde razoes de varia ordem parecem desa-
conselhi-lo em favor de "Guarani".
Em 1858, Goncalves Dias public o seu Dicionario Tupi
(11) e, dezoito anos depois, Varnhagen remata as suas afir-
mativas anteriores na reediqgo de tres das obras de Montoya
(12), alterando, no titulo original, a expressed "lingua guarani"
para "lingua guarani, ou melhor tupi". Ainda vai mais long.
Faz preceder uma delas, o Vocabulario, de uma introducao
sua em que combat a pr6pria palavra guaranii", quando eni-
pregada como adjetivo.
Os arguments de Porto Seguro sao por demais sofisticos
e dificilmente convencerdo um espirito prevenido ou desapai-
xonado. Alem disso, o historiador, talvez por exalta go patri6-
tica que a proximidade da guerra paraguaia explica, nio tomou
em deyida conta, nem a tradiCgo, nem os justificados melin-
dres dos nossos Vizinhos.
Nao nos esquegamos que a area guarani, inclusive a parte
incorporada ao nosso territ6rio, foi, sob o nome de Paraguai,

10 Dr. C. F. Ph. von Martius Von dem Rechtszustande unter den Urein-
wohnern Brasiliens. Anhang: Uebersicht der verschiedenen indianischen VoelkErschaf-
ten, Staemme und Horden in Brasilien; Munique, 1832.
Ainda no fim do seculo, outro americanista de projeqao, Lucien Adam, manteve-
Ihe o crit6rio com a sua Gramrtica Comparada da Familia Tupi; Paris, 1896. Veja
a nota 125 da Parte II.
11 Ant6nio Gongalves Dias Dicionario da lingua tupi, chamada lingua
geral dos indigenas do Brasil. Lipsia, 1858.
12 SIo elas: Vocabulrio y Tesoro de la Lengua Guarani, 6 mas bien Tupi, por
el padre Antonio Ruiz de Montoya. Nueva Edici6n. Viena Paris, 1876. Arte de la
Lengua Guarani, 6 mas bien Tupi, por el padre Antonio Ruiz de Montoya. Nueva edi-
ci6n. Viena Paris, 1876.






-7-


durante os longos anos de influencia espanhola, o campo de ',
luta contra o invasor tupi. Depois da destruigco das Redu65es
Jesuiticas, a grande maioria dos descendentes dos Guaranis que
vive nas regimes argentinas e paraguaias limitrofes do Brasil,
conserve bem vivas lingua e tradig6es dos seus antepassados.
O ataque de estranhos ao nome que Ihes e caro n~o podia,
pois, deixar de suscitar indignacao e repulsa nos arraiais dos
espoliados.
E o bairrismo acaba por exaltar os Animos: aqui muitos a
favor, all todos contra a inovagao.
A controversial atinge o auge com as publicacges de
Mois6s Bertoni. Este suico imigrado no Paraguai, tdo pro-
gressista e respeitivel em suas mfiltiplas atividades ojtras,
possivelmente a cata de popularidade, tenta por sua vez ani-
quilar o termo "tupi". Corn muita veem6ncia, mas raramente
corn felicidade, e sempre mostrando singular desconhecimento
das cr6nicas antigas, deprecia-lhe o sentido, nega-lhe os foros
de legitimidade e at6 a sua ekistencia nas eras coloniais (13),
em favor da hegemonia absolute da denominagdo guaranii".
Enfronhando-se melhor no assunto, procura, fracilante,
emendar a mdo (14), mas nao consegue apagar com fantasias
e hip6teses novas os seus desacertos anteriores.
A despeito desse recuo ainda surgiu um seu 6mulo retardado,
porfiando em retomar o fio das abandonadas ideas do mestre
corn tres teses, onde, numa algaravia guerreira, mostra tal
ignorancia e acumula tamanha soma de inconguAncias, que ja
nao surpreende a sua petulancia de apresenta-las num con-
gresso international. Por6m, o que 6 mais dificil compreender
6 como ainda logra a publicago delas na revista de um dos
nossos melhores museus.
Nenhuma attitude ostensiva se tomou no -Brasil contra es-
ses excesses. Nao interessava mais o assunto, ou desagradara o

13 Dr. Mois6s S. Bertoni Influencia de- la Lengua Guarani en Sud-America
y Antillas.
1., Parte Los nombres: Guarani, Tupf, Karaive y Tapuya Asunci6n, 1919.
14 Dr. AMois6s Bertoni Apergu Ethnographique. Chapitre II. Dans la partic
br6silienne.
'Anales Cientificos Paraguayos; N.o 6, pgs. 477/8-Puerto Bertoni, 1920.






-8-


tom. E, o tempo foi acalmando a exaltagdo; se nao resolve
a pendencia asserenou as vozes.
Publicaram-se depois alguns estudos mais ponderados,
met6dicos. Dentre os chegados aonosso conhecimento, a pri-
meira tentative sincera de aproximacgo, delimitando serena-
mente o significado dos terms tupi e guarani e, al6m do mais,
baseada em documents criteriosamente escolhidos, foi feita
pelo provecto historiador argentino Enrique Gandia, no seu
artigo: "Determinaci6n del nombre generico de la lengua gua-
rani" (15), cujas conclusSes coincidem na maior parte cor
o resultado a que nos conduziram velhas notas e comparag5es
mais recentes.
Nao quer isto dizer que todas as ddvidas tenham sido
dissipadas, pelo menos entire os que se dedicam a tais estudos.
Ainda estamos long disto. Muitos fazem a devida distincio
entire guaranii" e "tupi"; todos aceitam o term guaranii",
mas, quanto a "tupi" continuamos notando certa hesitagAo em
nosso meio e nao pequena resistencia no dos Vizinhos. O que
falta 6 levar aos recalcitrantes a conviccgo de que "tupi" nio
pode ser e nunca foi sin6nimo de guaranii" e que vA seria a ten-
tativa de negarmos uma diferenciag~o que jd faz parte do
acervo cientifico do seculo dezesseis.
Em vez de defender corajosamente este ponto de vista,
o inico baseado na verdade dos fatos, eis que se concebe entiree
n6s a idea infeliz de substituir as palavras simples "tupi" e
guaranii", pela composta "tupi-guarani", cunhada ha various
deceriios pelo etn6logo Karl von den Steinen (16), para, como
substantive, designer a grande famflia linguistic e,como adje-
tivo, ser aplicada a todos os elements culturais comuns As tri-
bos da mesma familiar.
"Tupi-guarani", portanto, e generalizante, gen6ricp, e
como tal, ja agora consagrado nos dominios da Americanis-
tica, embora visto com maus olhos pelos tupifobos. Estes pre-

15 Enrique de Gandia Determinaci6n del nombre gen&rico de la lengua
guarani. Buenos Aires, 1932.
16 Karl von den Steinen Durch Central-Brasilien, Lipsia, 1886; pg. 323.






-9-


ferem-no invertido: "guarani-tupi", ciosos da suposta priori-
dade, do guaranii".
Etnologicamente temos assim, as tribes tupi-guaranis,
constituindo a familiar tupi-guarani; a civilizag~o e mesmo a
linguistic tupf-guarani, mas nAo se poderd nunca falar em
lingua tupi-guarani, reunindo, num s6 conceito, as duas lin-
guas gerais brasileira e paraguaia, por serem numerosas e le-
xicol6gicamente bem fixadas as suas divergencias coloniais;
isto sem mencionar os dialetos modernos, alguns dos quais tio
diferentes dos seus afins seis e setecentistas.
Deixemos, porem, este aspect linguistico para um estudo
separado e limitemo-ncs, por enquanto, a parte evolutiva do
"problema nfimero um" dos estudos tupi-guaranfs, acompa-
nhando, nos documents antigos, a denominagdo dos principals
dialetos e fixando-lhes, hist6ricamente, a propriedade e o
alcance.
Nesse percurso teremos ocasiao de examiner sucessi-
vamente:
1.0 A transformaCAo dos gentilicos em adjetivos e
as suas consequencias;
2.0 O nome "Guarani" e a sua generalizagCo;
3. Os terms "lingua geral" e "lingua brasilica";
4.0 Os Tupis e a lingua tupf;
5.o E, finalmente, o conceito politico-geogrdfico
dos terms "tupf" e guaranii".
S.o os resultados liquidos e certos dessas analises, e sb-
mente eles, que deverdo nortear o emprego das referidas de-
nominaages, se quisermos fazer trabalho sincere e duradouro.


















































































h















A TRANSFORMAQAO DOS GENTILICOS
EM ADJETIVOS




O Europeu, ao tomar conhecimento direto ou indireto de
alguma tribo, registrava-lhe, em geral, o nome.

Este tanto podia ser o que os Indios se davam a si mes-
mos, como tamb6m algum dos apelidos com que eram desig-
nados pelos indigenas vizinhos, ou pelos pr6prios I uropeus.

Devido A desconfianca inata em nossos aborigenes, o con-
tato dos invasores cor a maioria deles foi estabelecido atra-
v6s de uma ou outra tribo ou simples aldeia, cuja confianga
iam captando, ou A qual conseguiam impor-se a viva forqa.
Os "reduzidos" serviam-lhes de informants, de guias e at6
de aliados contra as povoacges alem. E, como as rixas entire
os Indios constituissem a praxe e os apelidos depreciativos
fossem o corolario inseparavel delas, e facil compreender que
Portugueses e Castelhanos tenham, amiude, registrado alcunhas
em lugar de nomes.

Tupi, Tupina, Tupinamba, Tupinaquim, Cari6 ou
Carij6, Guaranf, Guaraid, Paiagui, Charrua etc.
sAo nomes efetivos, colhidos entire os seus portadores, en-
quanto designag6es como:









- 12 -


Potiguaras (17), Tobajaras (18), Caetes 6 Tamoios




17 Quer aceitemos a forma "Potiguara", dando-lhe o sentido de "comedor de
camar~es", quer "Pitiguara" (petinguara) significando "mascador ou fumador de ta-
baco", serf sempre dificil admitir que uma tribo se tenha dado semelhante epfteto.

18 Tobajaras (Tobayaras), os fron'teiros, (os contrdrios, os inimigos) s6 podiam
ser tachados como tais pelos Guaranis ou Tupis vizinhos. E a Indole guerreira destes
fazia surgir tobajaras onde houvesse luta e resistencia: No Maranhao, em Pernambuco,
em Sao Vicente e no Paraguai.

"Des peuples (du Miary au Maragnon) etoient appellez par les Tapinambos
Tabaiares, auparavant qu'ils ne fussen reunis. Ce nom est commun et apelatif
pour signifier toute sorte d'ennemis; car mesme cette Nation des Tabaiares
appelloient les Tapinambos de 1'Isle, Tabaiares; (et) Tapinambos, maintenant
qu'ils son en 1'Isle ,et pacifiez et d'accord".

"Voyage dans le Nord du Bresil, fait durant les ann6es 1613 et 1614, par le Pere
Yves d'Evreux, Paris, 1864; pg. 39. -

"....... Os Portugueses que at moram vivem em boa harmonia cor uma
nago brasileira que se chama Tupiniquim, cujas terras se estendem 80 l6guas
ao interior e 40 ao long do mar. Esta nagco ter inimigos em volta; ao sul
sio os Cari6s e ao norte os TupinimbAs. Sao chamados Tawaijar (Tobajaras)
por seus contrarios, o que significa inimigo".

Hans Staden Descrigo verdadeira de um pafs etc. capitulo 14, pgs. 37 e 38.
Edicgo comemorativa do 4. Centendrio; Sao Paulo, 1900.

Vejamos agora que "tobajara" estA empregado exatamente no mesmo sentido nas
linhas a seguir.

"lleg6 & los fronterizos que estaban cercados cor fuertes palizadas a precau
ci6n de sus enemigos los Tupies y Tobayardes del Brasil......."

"Argentina" por Ruidiaz de Guzmin el afio 1612 ed. Buenos Aires, 1882, pg.
156. Veja tamb6m a nota 59.

Ser necessirio acrescentar aos trechos que acabamos de transcrever o testemunho
de Montoya e do Vocabulrio Brasiliano para convencer o Sr. Morfnigo que os Tupl-
Guaranis traduziam "inimigo" por "Tobaiara" e nfo por "Tupi"? -

"Tobaiara" tambem forneceu ensejo A fantasia etimol6gica do Pe. Simro de Vas-
concelos, que Ihe dfi o sentido de "senhores do rosto (da terra"). "Noticias Antece-
Pentes,Curiosas eto." Livro Primeiro, 156.

Singularmente, tobaiara tamb6m significa cunhado. Por6m, nesta acepcAo nio pa-
rece ter dado gentilico.









- 13 -


(19), Tapuias (20), Nheengaibas (21), Guaianas (22),
Arachas (23), etc.,
de origem americana e alguns outros de cunho iberico como:


19 Os Tamoios do Rio de Janeiro eram assim chamados pelos Portugueses,
talvez & imitadgo dos Tupis de Sao Vicente.
Os indios fluminenses chamavam-se a si mesmos "Tupinambas". Thevet e Ldry
dizem "Tupinamb6s", Staden "TupinimbBs".
Note-se que os P.P. Anchieta e Goncalo de Oliveira escrevem "Tamuio, Tamujo
Tamfiio etc".
20 Tapuia vem de tapuyia, que quer dizer escravo em tupi, segundo o Vocabu-
lArio na Lingua Brasilica.
Anchieta Cartas etc. Rio, 1933; nas pgs. 48 e 302 confirm este significado. Assim
eram chamados os indfgenas de todas as families linguisticas que ndo faziam parte da
tupt-guarani.
Compare ainda as notas 27 e 71; a opiniio do Pe. Constantino Tastevin, na intro-
dugro da sua gramatica tupi, no capitulo: "0 povo que falava essa lfngua", na Revista do
Museu Paulista, tomo 13, pg. 546 e seguintes; e, finalmente, a replica de Teodoro Sam-
paio, As pAginas VIII e IX, no prefdcio do seu livro "0 Tupi na Geografia Nacional";
3.* ed., Bahia, 1928.
21 Nheengafbas sio os que falam mal, os incompreensiveis. Apelido dado a
vArias tribes tapuias da foz do Amazonas.
22 Guaiands eram indios tapuias, classificaco que corresponde aos elements
culturais que Ihes conhecemos.
Ruydiaz de Guzmin confirm essa opinion nas palavras seguintes: "..... que
(los guaranies) llaman Guayanaes, aunque este nombre dan a todos los que no son gua-
ranies, puesto que tienen otros pr6pios". "Argentina" 1612; ed. B.-Aires, 1882; pgs.22/23.
Eis porque fazemos reserves A apreciagdo de Teodoro Sampaio, que traduz guaiand
por "individuo parente, "gente aparentada" e cor isto parece querer provar, que os
Guaiands de Piratininga eram Tupis.
23 Arechas ou Arachas Indios guaranis que habitavam as margens da Lagoa,
dos Patos. Deles diz Ruydiaz de Guzman em sua "Argentina" B.-Aires, 1882; pg. 12.
".... y (el Rio Grande) se estiende ccimo lago a cuyas riberas de ura y otra
parte estdn poblados mas de 20.000 indios guaranies, que os de aquella tierra
llaman Arechdnes, no por que en los costumbres y lenguajes se diferencien de
los demas de esta naci6n, sino porque traen el cabello revuelto y encrespado
para arriba. Es gente muy dispuesta y corpulenta, y ordinariamente tienen
guerra con los indios Charruas del Rio de la Plata, y con los de tierra adentro,
que Ilaman Guayanaes".
Nas "Novas Cartas Jesuiticas" de Serafim Leite, pg. 196, vem uma Relacdo do
Pe. Jer6nimo Rodrigues sobre a Missdo dos Carij6s, 1605-1607. Eis, o que nela, entire
outras cousas, se diz dos "Arachas":
"....... e dalf (Tramandaf, R. G. do Sul) em diante comegam os Arachis;
parents destes (Carij6s dos Patos), mas temo-los por melhor gente......"pg. 229.

"Os Arachis trazem o cabelo comprido como mulheres, e as mulheres trazem coroas
como cl6rigos de missa, e alguinas maiores. E, deixando crescer o cabelo, como o demais
e comprido para o chao, o circulo da coroa vai para o c6u. Vejam agora o que
parecerao". (Pg. 241).







- 14 -


Coroados (24), Botocudos (25), Cabeludos (26), Chi-
quitos (27), etc.,
sao visivelmente apodos.
Com o tempo, alguns desses gentflicos sofreram genera-
lizag6es, sendo aplicados, por motives varios, a outras tribes.
Tupi e Tapuia, Guarani, Guaiana e Cariba (28)
sao desses gen6ricos.

Segundo a indole das linguas neo-latinas, nomes e alcu-
nhas, sem distingdo alguma, passaram a ser usados como adje-
tivos. "Lingua guarani, escravo guaiana, gentio tapuia e in-
dio pitiguara" sao expresses que encontramos nos documen-

24 Os Coroados devem o seu apelido ao corte especial do cabelo, consistindo
na raspagem das parties laterals e traseiras da cabeca. Pertencem aos GoitacAs dos nossos
historiadores os dos Estados do Rio de Janeiro e do Espirito Santo.
25 Botocudo vem do disco de madeira comparavel ao botoque, que esses indios
trazem embutido no lAbio inferior e no lobo das orelhas. Sao os descendentes dos Aimo-
res coloniais.
26 Os Cabeludos, fndios dos campos a sueste do Guaira, de classificago duvi
dosa, *eram "campeiros", designago que se contrap6e a "caigua" ou sejam "mateiros".

Diz o Pe. Nicolas Mastrilo Duran em sua carta anua de 1628:
"Desde,Encarnaci6n (en el GuayrA) comienza a extender muy dilatados cam-
pos que dan nombre a muchos indios que los habitan, a distinci6n de las de-
mis naciones que todas viven en los montes y rios. Se Ilamam tambien "Ca
belludos". -
Documentos para la Historia Argentina, tomo 20, pg. 336.
27 Chiquitos, os pequenos, 6 a traduqgo espanhola de tapui-miri dos Guaranis:
"Hay uma poblaci6n mui grande de los indios que se llaman "Tapuymirf
....... Estos 'son los indios que !agora llaman Chiquitos....."
Relaciones Geogrificas de Indias, tomo II, pgs. 77, 90 e LXXXVII.
0 antecedente leva-nos a ver pigmeus nos Chiquitos. Nao no eram, entretanto
pelo que, se 18 numa petiqdo que fizeram a Ndfrio de Chaves os seus soldados:
"..... donde todos entendimos se haria la poblacion en los t6rminos de
los indios "Travasicosis", que por otro nombre llamamos Chiquitos; no por-
que ellos lo sean sin6 porque viven en casas pequefas y redondas,......."
Ruidiaz de Guzmrn "Argentina", edici6n Buenos Aires, 1882; pg. 164.
Ai tamb6m temos o nome verdadeiro dos Chiquitos: Travasicosis. -
28 Caribes eram para os Espanh6is, desde que, nas Antilhas, haviam tido con-
tato cor os verdadeiros Caribas, todos os indios antrop6fagos.
"..... esta tierra de los indios Carios que en otras tierras llaman Caribes"'






- 15 -


tos mais antigos (29). Por motive 6bvio, o uso de tais adje-
tivos 6 mais frequent, regra mesmo, como determination da
lingua, principalmente nos documents espanh6is, que vem
refertos de noticias sobre indigenas.
OsGuaranis falam a lingua guarani, os Carij6s a lingua
carij6, os Guaicurfs a lingua guaicuru, como o baure, o chi-
quito, o chand, o charrua, o quichua e o aimard sAo as linguas
das tribos de igual nome.
Pelo que acabamos de expor, os nossos Tupinambas de-
viam falar "tupinamba" e os Aimor6s a lingua aimor6.
Ndo pode haver a minima ddvida a esse respeito. -E' a
tendencia que ainda modernamente se faz valer, quando escri-
tores mencionam a lingua "ubirajara", a "munduruci", e at6
a "botocuda". Se disso nio encontramos exemplos em profusdo
nas antigas relag8es, a lacuna e devida a dois fatores prin-
cipals: a criago das expresses gen6ricas lingua brasilica, lin-
gua geral etc., para o tupi da costa, e o diminutissimo inter-
cAmbio dos Portugueses com as tribes de outras families.
Ainda assim, "brasil", que, de ac6rdo corn a tese exposta,
devia designer a lingua dos Brasis ("brasil" no singular) ocorre
pelo menos duas vezes em nossa literature seiscentista. O
povo falava mesmo "brasil" (30).

Carta de Francisco Villalta Viaje al Rio de la Plata de Ulrich Shmidel;
B. Aires, 1903; pg. 312.
"..... descubrio (Amirico Vespficio) muchos puertos y rios caudalosos, toda
muy poblada de gente caribe y carnicera.....
Ruydiaz de Guzmin "Argentina", ed. Buenos Aires, 1882; pg. 18.
"El de la Cananea estA poblado de indios caribes del Brasil" (Tupis).
Idem, ibid. pg. 24.
"El pr6pio nombre de esta generaci6n es Cario de donde se deriva (?) el nombre
que tienen, Caribas, que quiere decir "comedores de came humana". Llaman-se
tambien Guaranis y Guarayus que quiere decir "gente de guerra". Tambien
se l1aman Chiriguandes......."
Relaci6n de la Ciudad de Santa Cruz de la Sierra, por D. Lorenzo SuArez de Figueroa
Relaciones Geogrtficas de Indias, vol. II; pg. 166.
Temos ai toda uma nomenclatura para a tribo dos Chiriguanos. -
29 Anchieta Cartas etc.; pgs. 306, 351, 411, 448.
Gabriel Soares de Sousa Tratado Descritivo Brasiliana, vol. 177; Cap. 63, 185.
30 Pe. Leonardo do Vale Carta de 26 de Junho de 1562, pg. 356. Em "Car-
as Avulsas"; Rio, 1931:






- 16 -


Confirma-o, ainda em 1622, o copista do "Vocabulario na
Lingua Brasilica" nesta quadra final:
"Este livro intitulado:
Vocabulario Brasil
Foi comegado em Abril,
Por6m em Agosto acabado".
Andr6 Thevet fornece-nos outro exemplo interessante na
sua Cosmographie Universelle. Thevet emprega repetidas ve-
zes a palavra "selvagens", (sauvages) dando-lhe o sentido res-
trito de Tupinambas. E, fiel a tendencia apontada, o voca-
bulo passa a funcionar automaticamente como determination
da lingua, no titulo do Padre-nosso: "Oraison Dominicale en
sauvage"!
"Botocudo" e "selvagem" sdo talvez os casos mais pito-
rescos da adjetivagdo dos gentilicos e mostram claramente a
intransigencia da regra.
Uma (inica lingua indigena nossa obteve, ao lado da tupf, as
honras do prelo, na era colonial: o kiriri. Pois bem, as publi-
cagses em kiriri (ou kariri), embora se trate, no caso, nio
do nome verdadeiro, mas de alcunha, registram e repetem ex-
pressies como: nagdo kiriri, lingua kiriri, confirmando nova-
mente a regra geral (31).
A vista do resultado a que nos levou a documentagao
examinada, nao poderiamos fechar o capitulo sem tomar po-
sigdo contra os adjetivos: guaranitico e tipico, formaqces re-
centes, A margem dos velhos preceitos. Dos ensinamentos das

"..... As vezes Ihe falava home portuguis e ele respondia brasil".
"..... e diz que se Ihe da tdo bem, (o estudo) que espera em pouco tempo
falar tao bem brasil....."
31 Luis Vicencio Mamiani, S. J. Catecismo da Doutrina Crista na lingua
Brasilica da Nacao Kirirf. Lisboa; Ano de 1698. Edipgo fac-similiar; Imprensa Na-
cional. Rio, 1942.
O mesmo Arte de Gramftica da Lfngua Brasileira da Naqdo Kiriri. Lisboa 1699.
2.* ed.; Imprensa Nacional. Rio, 1877. Introdugao de Batista Caetano de Almeida No-
gueira.
Bernardo de Nantes,-Katecismo Indico da Lingua Karirfs etc. Lisboa, 1709. Edi-
Cgo fac-similiar Platzmann; Lipsia, 1896.






- 17 -


linhas acima ressalta que os adjetivos guaranitico e tipico
sao neologismos initeis e infelizes. Guaranitico 6 tao esquisito
par6nimo de granitico quanto o 6 de tipico o impagavel ti-
pico (32). CA e la ignorAncia, quando nao desprbzo pelas leis que
regem a formagso dos adjetivos 6tnicos nas linguas romanicas.
































32 Como se nao bastasse de cac6fatos, Ermelino A. de Leio, no seu estudo dos
"Kaingangues do Parana", pg. 21, apresenta o seu novo derivado de "tupi", o adjetivo
"tupinico", que Mansur Guerios perfilha nos "Novos Rumos da Tupinologia."

















O NOME GUARANII" E A SUA GENERALIZAQAO



O nome "Guarani", ao que nos consta, surge na Hist6ria
cor uma carta de Diego Garcia (33).
Nela o referido navegador, a servigo da Espanha, rela-
tando a sua viagem ao Prata, durante os anos de 1526 e 1527,
conta que, em algumas ilhas daquele rio, defronte do forte
"Sancti Spiritus", construido por Sebastido Caboto, habita-
vam indios guaranis (34).
Eram os grupos avarinados da grande familiar tupi-guarani,
cujo nome, pelo contato corn os primeiros conquistadores, ser-
viria em breve para designer todos os povos afins da bacia
do Prata.
Os indiosque se chamavam "Guaranis" nio parece te-
rem sido muito numerosos. O seu dominio foi o delta do Para-
na. Nas suas ilhas o intercAmbio com os navegadores era, por
assim dizer, forqado. Luis Ramirez fez amizade cor eles, em
1528 (35). A Martim Afonso de Souza, tendo sido dirigidas,

33 Diego Garcia Memoria de la navegacion que hice etc. en cl afio de 1526.
Rev. do Instituto Hist6rico e Geogr. do Brasil, tomo 15. Rio, 1852; pg. 6-14:
"Otra generaci6n que se llama los Guaranies, estos comen came umana......."
34 idem, ibidem; pg. 12:
"..... 6 alli en aquella casa avitavam Yndios quetenian cabe (?)lafortaleza
sus casas 4 al derredor en algunas Yslas que se lamava esta generaci6n Gua-
ranis 4 estos mantenian a los cristianos de la fortaleza......."
35 Carta de Luis Ramirez do Rio da Prata, a 10 de Julho de 1528. Rev. do Inst.
Hist. e Geogr. do Brasil, tomo 15, pg. 14-41:








- 20 -


da margem do mesmo rio, "duas ou tres palavras guaranis"
os seus int6rpretes responderam "na mesma lingua" (36).
E' esta a primeira'ocorrencia do vocabulo guaranii" em-
pregado como adjetivo (palavras guaranis e lingua guarani)
(37) e ela nos mostra cor que rapidez se espalhavam certas
expresses.
Muito mais importantes do que os Guaranis eram os seus
parents pr6ximos, os Carij6s (Cari6s), que os Espanh6is encon-
traram nas margens do rio Paraguai, quando Juan de Ayolas por
ele subiu, em 1536.
Francisco de Villalta, descrevendo esta expedi.do diz:

".... e assim foram caminhando cor fartos traba-
Ihos at6 que chegaram a esta terra dos indios ca-
rij6s. ." (38).
"..... 6 piblico e not6rio", escreve Alonso Cabrera,
"que os indios carij6s, corn quem no Paraguai vive-
mos, sao muitos...... (39).
E Schmidel afirma:

"aqui con nos otros estA otra generaci6n que son nuestros amigos, los quales
se Ilaman Guaranis.....", pg. 27.
36 Diario de NavegaCdo de PWro Lopes de Sousa, 1530-1532 Serie Eduardo
Prado, comentado por Eug4nio de Castro, Rio 1927; vol. I, pg. 299:
"Sendo a par das ilhas dos corvos, d'antre hum arboredo ouvimos grande
brados, e fomos demandar onde bradavam: e safo a nos hum home, & borda
do rio, coberto com pelles, corn arco e frechas na mao; e fallou-nos 2 ou 3 pa-
lavras guaranis, e entenderam-as os linguas, que levava; tornaram-lhe a falar
na mesma lingua, nam entendeu;....."
37 A expressio "lingua guarani" que Enrique de Gandia conseguiu recuar at6
o ano de 1543, ficou desta forma documentada desde 1531. Compare: Enrique de
Gandia, El nombre Guarani, Buenos Aires, 1932; pg. 161.
38 Carta de Franscisco Villalta, in: Ulrich Schmidel, ed. Lafone Quevedo,
Buenos Aires, 1903; Ap6ndice A, pg. 311. -
"i asi fueron caminando con hartos trabajos hasta que Ilegaron A esta Tierra
do al present estamos ques tierra de los Indios Carios que en otras Indias se
llaman Caribes".
Em lugar de Cario empregaremos sempre Carij6, que tem foros de cidadania
em portugues.
39 Requerimyento del veedor Alonso Cabrera a Yrala etc. em: Relaci6n de los





- 21 -


"A terra destes Carij6s e muito extensa, tendo cerca
de 300 l6guas de largura e comprimento......." (40).
Corn efeito, os Carij6s estendiam-se dali ate o AtlIntico.
Ocupavam, no litoral de Santa Catarina, o Porto ou Rio dos
Patos, hoje identificado com o de "Massiambiu," onde Diego
Garcia e outros descobridores os localizaram (41). E a lingua
que falavam, embora fosse, por assim dizer, guarani, era chama-
da inicialniente "carij6" como se depreende dos trechos que
abaixo citamos (42).
Os Guaranis estavam, pois, long de ter a projegao dos
Carij6s. Entretanto, a primazia da sua convivencia cor os
Europeus no Baixo-Parana, fez corn que estes se familiarizassem

Naufragios y Comentarios de Alvar Nfifiez Cabeza de Vaca, ed. M. Serrano y Sanz;
Madrid, 1906:
"....... e digo qu'6s public y not6rio que los yndios caryos, con quien en
el Paraguay vivimos, son muchos en gran numero............. pg. 370.
40 Ulrich Schmidel Viaje al Rio de la Plata ed. Lafone Quevedo. Buenos
Aires, 1903; cap. XX, pg. 171, ligeiramente modificado pelos dizeres da edicdo alemE
de Tubinga, 1889; pg. 43.
41 Diego Garcia Mem6ria citada, pg. 10:
"..... e andando en el camino allegamos a un rio que se llama el rio de los
Patos quest a 27 grades, que ay una buena generaci6n que hacen mui buena
obra 6 los cristianos e lamanse los carioces....."
Cario ter al pluralizacgo dupla, aliAs muito frequent na transcriVao dos genti-
licos em nossos autores coloniais.
42 Relaci6n de Domingo Martinez de Irala acerca de los descubrimientos Pa-
raguay arriba por orden del Gobernador Cabeza de Vaca, desde el 18 diciembre 1542;
em: Colecci6n de Documentos de D. Blas Garay, pg. 339 e seguintes de los Anales
de la Biblioteca de B. Aires. tomo 8:
"..... a diez e ocho dias del mes de diziembre de mill e quinientos e quaren-
ta y dos afios, lleg6 a los dichos navios una canoa en que venian tres yndios
y entrellos segund parege por la lengoa en que hablavan, heran carios,......."

perguntado a uno de los dichos indios que parecia entender la lengoa cari6....
y que hablavan caryo................ .... .................."
Informaci6n de los meritos y servicios del CapitAn Gonzalo de Mendoza -
Ulrich Schmidel Viaje al Rio de la Plata Ap6ndice C, pg. 376:
"....... Juan P&rez (Pedro?) la lengua quel dicho capitAn Gonzalo de Men-
doza aviatraydo de la costa de Brasil..................... ...............
como hombre esperimentado en la lengoa de los indios cario3......."







- 22--


com o nome e aos poucos o impusessem, por habito, aos indios
carij6s, que falavam a mesma lingua e cor quem viviam em
Assuncgo (43).
Na relacgo deixada em Buenos Aires por Domingo Mar-
tinez de Irala, ao transferir para Assungco os habitantes da-
quele p6rto, em 1541, ele nos da a prova de que se comegava
entao a empregar indistintamente as duas denominacqes,
quando afirma:
.... estamos em paz,.... cor os indios guaranis,
ou, se quiserem, carij6s, que vivem trinta leguas ao redor
daquele p6rto (de Assuncgo) (44).
Quatro anos mais tarde, o mesmo Irala nao acha mais
nenhum inconveniente em adjudicar aos Guaranis as terras
que vao do estuario do Prata aos alagadicos xaraies (45).


43 A maneira por qud se iniciou a substituicgo de "carij6" por guaranii" v&se
muito bem na:
Informaci6n de los Meritos y Servicios del Capitan Gonzalo de Mendoza (Fe-
brero 15 de 1545); em Ulrich Schmidel Viaje al Rio de la Plata, ed. Lafone Quevedo;
Buenos Aires, 1903 Apendice C, pg. 367 e seguintes:
No quesito quinze 16-se:
"15. Yten sy saben etc., que ....................................................
la lengua quel dicho capitan Gonzalo de Mendoza avia traydo de la costa del-
Brasil.......................... como hombre esperimentado en la lengua
de los yndios carios......."
Duas respostas a esta pergunta e a d4cima-segunda mostram que o int6rprete cari-
j6" de Mendoza ji 6 lingua guaranii" dos respondents.
Juan de Rtite...'..... contest como sigue:
"....... dixo que dexaron....... e a un maestre Pedro que especialmente
se acuerda que era lengua, guarani......." (pg. 382/3.).
Nicolds Colina:....... dixo queste testigo................................" quequed6
alli un maestre Pedro que era lengua de los guaranies y ..........................
aunque los yndios que alli trataban eran tenbues y carcaraes y difieren en la
lengua de los guaranies, todavia diz que avia entire ellos ynt6rpretes guaranies
quel dicho maestre Pedro podia entender" (pg. 383).

44 La Relaci6n que dex6 en Buenos Ayres etc. 1541; in: Cabeza de Vaca -
Relacion de los Naufragios y ComentArios Madrid, 1906; tomo II, pg. 362:
"....... thenemos de paz como vasallos de Su Magestad los yndios Guaranys,
siquyer caryos, que biven treinta leguas alderredor de aquel puerto, los quales
sirven a los christianos......."


45 Carta de Domingo de Yrala a S. M. 1545; ibidem pg. 382:







- 23 -


Cabeza de Vaca, chegado a cidade de Assungao, em MarCo
de 1542, na sua Relaqdo Geral, redigida algum tempo depois,
jd nao emprega o nome "Carij6", mostra evidence da sua gra-
dual substituiqio por "Guarani" entire os fundadores daquela
capital. De outra forma nao se compreenderia tamb6m a sua
referencia a populacao indigena, que "se comunica e se entende
por uma s6 linguagem e toda e uma geracgo que se chama
guarani" (46), pois, como ficou evidenciado acima, o nome que
os referidos indios se davam de fato era "Carij6". E Carij6s
ficaram sendo para os Portugueses. Os conhecimentos diretos
que eles tinham desses indios tornaram-nos compreensivel-
mente refratarios As generalizagces castelhanas, cujo desenvol-
vimento ignoravam.
Com a substituiqao, pelos conquistadores, do verdadeiro
nome "Carij6" por "Guarani", tambem se deixou de dizer
"lingua carij6", por efeito da referida identidade do adjetivo
com o seu gentilico (47). E assim passaramn a ser oficialmente


"....... hiz imos una casa en este puerto, donde al present residimos, que
es en tre ynta y cinco grades y medio, en tierra de los guaranis, para que fuese
refugio nuestro....."
Nesta latitude, no delta do Prata, habitavam os Guaranis pr6priamente ditos.
Idem, ibid., pg. 391/92:
"la qual yo hall en diez y seis grades y medio, tal y tan buena y abastada
quanto antes no habiamos visto, y gente de mas policia, porque cada uno
bivia p or sy en su.casa, y all6 entire ellos muchos yndios que avyan sido
esclavo s de Garcia, que avian aportado despues que esta gente guareny
le mat aron, con los quales entr6 la tierra adentro tres dias a hablar a unos
yndios guarenys que estavan en unos montes haziendo la guerra a todas las
otras generaciones....... "
Trata-se dos Guaraios que ocupavam a regiAo ocidental dos alagadiqos dos Xaraies.
46 Cabeza de Vaca Relaci6n de los Naufragios y Comentarios; ed. M. Serrano
y Sanz Madrid, 1906; tomo II, pg. 14/15:
"..... y toda la tierra y poblaci6n que paso se comunica y entiende por un solo
lenguaje y toda es una generazi6n que se Ilaman Guaranies;............."
S.. ................. ........................ .......I....... ........
"y today la gente, como tengo dicho, que bibe en esta tierra, es de generaci6n
de los Guaranies..........."
47 Relaci6n de Domingo Martinez de Irala acerca de los descubrimientos que
iba haciendo quando fue navegando Paraguay arriba por ordem del-gobernador Cabeza







- 24 -


Guaranis e a falar guarani indios que nunca souberam da
existAncia dos verdadeiros Guaranis e tampouco do batismo
a que iam sendo submetidos.
Como sao modestos os antecedentes da lenda etimologico-
guerreira com que se tern procurado aureolar o nome "Gua-
rani"! Humilde nome de tribo de segunda ordem, bafejado,
generalizado por circunstAncias fortuitas, sem a minima inter-
ferencia dos seus portadores! Nao! 0 melhor titulo dos
Carij6s, que final constituiam o nficleo de resistencia dos
Espanh6is e a grande maioria dos futures Guaranis, nao es-
tava na sua fereza, no seu espirito combative, que a compara-
gho corn outras tribes e a tomada de Lambard (48) dificilmente
corroboram, e sim no desenvolvimento da sua agriculture, da
sua criagdo dom6stica, postas em devido relevo por Schmidel
(49) e Cabeza de Vaca (50), e, na decorrente indole mais pa-
cffica, que o Pe. N6brega conheceu de oitiva, mal chegado a


de Vaca desde el 18 de diciembre de 1542. Colecci6n de Documentos de D. Bias
Garay; Anales de la Biblioteca de Buenos Aires, tomo 8; pg. 339 e seguintes:
"En el aflo 1543...... el capitan Domingo Martfnez de Irala..........
hallabase navegando por el alto Paraguay .............................
entr6 en el vargantyn donde el estaba un principal con otros tres yndios que
hablavam la lengoa guarani ni mas ni menos que los mismos guaranis........"
"Perguntado que como hablava guaraniZ.......... dixo que la causa por
que hablava goarany.........."
48 Lambare era uma grande taba carij6 sobre o Paraguai. Depois da sua tomada
por Juan de Salazar em 15 de Agosto de 1537, foi all perto fundada a cidade de Assung0o.
Compare Ulrich Schmidel, Viaje al Rio de la Plata, ed. Lafone Quevedo, Cap. XXI,
pg. 173, que traz pitoresca descrig~o de Lambar6, dos combates e da rendicgo dos seus
40.000 (?) Carij6s aos 57 (!) expedicionarios de Juan de Salazar. Veja tamb6m: Enrique
de Gandia-Hist6ria del Gran Chaco; Hist6ria de la Conquista del Rio de La Plata y
del Paraguay; e, Manoel Dominguez El Alma de la Raza; Asunci6n, 1918; pg. 169-200.
49 Ulrich Schmidel Viaje al Rio de la Plata, ed. Lafone Quevedo, Buenos
Aires, 1903. Cap. XX pg. 171:
"....... y Ilegamos a una otra naci6n, Ilamada Carios......., ali Dios, que
todo lo puede, nos dio su santa benedicci6n, porque estos Carios tenian trigo
turco 6 maiz, mandioca, patatas,....... manduvis (amendoim)...........
avestruces, ovejas de la tierra, guanacoss), .......... gallinas y gansos; tam-
bien tienen miel, de la que hacen vino, en much abundancia, iten hay mu-
chisimo algod6n en la tierra".
50 Relaci6n General de Alvar Nifiez Cabeza de Vaca- Madrid, 1906; Colec-
ci6n de Libros y Documentos references a la.Hist6ria de America:





- 25 -


Bahia (51). De outra forma um punhado de aventureiros fa-
mintos ndo teria logrado plantar e sustentar a sua ousada ca-
pital em pleno corago da selva americana.
Entretanto, s6 a catequese viria dar ao idioma guaranf
a projegio e unidade que o vemos assumir no decorrer de um
seculo.
Em 1585 chegam ao Paraguai os primeiros frades de Sio
Francisco e, dois anos depois, os Jesuftas (52).
A um Franciscano, frei Luis Bolafios, devemos o primeiro
catecismo guarani, que foi impresso, com outros em linguas
sul-americanas, no ano de 1607, na Italia (53).
Em 29 de Dezembro de 1609, fundou-se a primeira re-
dugdo jesuitica, Santo Inacio a Maior (54), e trinta anos
mais tarde, Ant6nio Ruiz de Montoya, um dos seus missio-
narios, daria inicio a publicagdo da grande obra classic da
lingua guarani, constando de: Vocabulario, Tesouro, Arte e
Catecismo (55). Corn eles Montoya garantiu ao guarani, para
sempre, um lugar honroso na literature indigena da Am6rica.

"Por esta tierra fui caminando por muchos pueblos de yndios, donde me sa-
caron muchos mantenimientos en tanta quantidad que la gente los dexava
sobrados por los caminos.............. ( 18). "Toda esta tierra....... es
la mejor tierra...... y toda la gente como tengo dicho que bibe en esta tierra
es de generaci6n de los Guaranies, labradores y criadores de patos y gallinas,
como los de nuestra Espafa; gente domestic, amigos de cristianos, apareja-
dos para con poco trabajo atraerlos al conocimiento de nuestra santa fee ca-
tholica" ( 25).
51 "....... um gentio, que chamam os Carij6s, que estio al6m de S. Vicente,
o qual todos dizem que i o melhor gentio desta costa......." (Bahia, 9 de Agosto de
1549; pgs. 81/82)".
,,....... Este (os Carij6s) 6 um gentio melhor que nenhum desta costa".
Em: Pe. Manoel da N6brega Cartas do Brasil. PublicaC6es da Academia Bra-
sileira, Rio de Janeiro, 1931; pg. 98.
52 Eram tres padres dos cincos idos do Brasil: TomAs Fields, irlandes; Jolo
Saloni, cataldo, e Manuel Ortega, portugues, que foram festivamente recebidos em
Assunc5o, no dia 11 de Agosto de 1588, segundo Serafim Ieite Hist6ria da Compa-
nhia de Jesus no Brasil; tomo I, pgs. 346/358.
53 Segundo Jos6 Toribio de Medina, "Biblioteca Hispano-Chilena", tomo I,
pg. 101, apud Gandia; a publicaggo foi feita pelo frei Luis Ore, em Ndpoles, 1607, no seu
"Rituale, seu Manuale Peruanum, et forma brevis administrandis apud Indos sacrosan-
cta Baptismi.....".
54 Pe. Pablo Hernandez Organizaci6n Social de las Doctrinas Guaranies
de la Compafiia de Jesus tomo I, pg 8.
55 Para minudencias consulate a nota n. 1.





















LINGUA BRASILICA E LINGUA GERAL


"Lingua Brasilica ou lingua do Brasil, lingua mais usada
na costa do Brasil e lingua da Terra", assim chamavam os
primeiros Jesuitas ao nosso tupi (56).
Ndo 6 dificil adivinhar o motivo. Os indios de toda a costa,
cor rarissimas intermitencias, falavam a mesma lingua. Insig-
nificantes particularidades dialetais distinguiam o falar das di-
versas tribes. Tudo isto era do conhecimento dos navegantes
e dos seus int6rpretes antes da vinda dos Jesuitas. Se toda a
familiar tupi do nosso litoral tivesse um nome inico, o pro-
blema da denominacao do seu idioma estaria solucionado; a
lingua tomaria simplesmente o nome do povo.
Mias, cada grupo se'distinguia por um apelido especial e
atribuir qualquer deles A lingua comum seria falsear um pouco
a exatido -e melindrar os demais. Eis, porque os Jesuitas
transferiram, com muita propriedade, o nome da terra a lin-
gua que nela se falava, de uma extremidade A outra.


56 "Deixo ao Pe. Ambr6sio Pires e ao irmao Blasques todas as oragBes em
lingua do Brasil................" em: Novas Cartas Jesuitic as Serafim Leite, "Bra-
siliana" vol. 194, pg. 159 ; Carta do Pe. Joao Azpilcueta Navarro de Porto Seguro,
19 de Setembro de 1553.
Anchieta Cartas, pg. 316:
"..... e os de Portugal aprendiam "a lingua da Terra".
Idem ibid., pg. 490:
"E cor isto estudava..................... a lingua do Brasil............






- 28 -


Desta forma, o conhecimento das nossas condicges 6tni-
cas costeiras evitou, temporAriamente, a generalizagio de um
gentilico de segunda plan, como se verificou no Paraguai.



"Lingua Geral" deve ser formagao coetanea do nave-
gante, do funcionario, e corresponde perfeitamente ao resulta-
do das observagces de gente mais ou menos rude. Havia indios
de linguas diversas, travadas, porem, corn a geralmente falada
pelos Brasis do litoral, o intercambio era possivel em toda
parte.
S6 aos poucos, a media que os Tapuias iam sendo re-
calcados para o sertdo, dos raros pontos onde ainda afloravam
na praia, e o uso do tupi se generalizava por entire a popula-
cao mestica e os colonos, foi o termo "lingua geral" perfilhado
pelos homes de letras.
"Ainda que os Tupinambas se dividiram em bandos
e se inimizaram uns cor outros, todos falam uma
lingua, que e quase geral pela costa do Brasil",
diz o prudent Gabriel Soares (57).
A gramatica de Anchieta, impressa em 1595 ainda codifi-
ca a "Lingua mais usada" na costa doBrasil, que, dez anos mais
tarde, o padre Pero Rodrigues ja nao duvida chamar lingua
geral (58).


Idem Arte de Gramdtica da lingua mais usada na Costa do Brasil.
N6brega Cartas; pg. 105:
"Na lingua deste pals alguns somos muito rudes........".
Pe. Ruy Pereira Cartas Avulsas; pg., 270:
"Aldm disto ordenou em casa que houvesse cada dia uma hora de li go da lin-
gua brasilica, que ci chamamos grego ............. ."
57 Gabriel Soares de Souza Tratado Descritivo do Brasil em 1587; edigdo
Brasiliana", vol. 117; So Paulo, 1938; cap. 150 pg. 364.
58 Pe. Joseph de Anchieta Arte de Gramitica da lingua mais usada na Costa
do Brasil; Coimbra, 1595.






- 29 -


Em fins do s6culo dezessete o Jesuita Felipe Bettendorff,
cronista do Maranhao, distingue os indios de "lingua geral" dos
de "lingua travada" com uma naturalidade que nos autoriza a
considerar corriqueira essa distincio, em meados daquela cen-
turia (59). Efetivamente, Ant6nio Vieira repete corn frequen-
cia tanto o termo lingua geral como outros equivalentes (60).
Ja naquele tempo, e com toda a justeza, caberia o registro
de Jaboatao, que o "gentio potiguara falava a lingua geral
da costa" e "da mesma lingua geral" eram os Caet6s (61).
A expressao "lingua geral" tern sido combatida repetidas
vezes, inclusive por alguns alienigenas isolados. No caso do
tupi os ataques nao encontram justificativa, pois, como de-
monstramos, s6 foi chamado "lingua geral" quando chegou a
se-lo,. alias por pouco tempo. A demais disto, "lingua geral"
nao 6 formacgo exclusivamente nossa. Tambem na America
Espanhola havia, no tempo colonial, ao lado de outrasmenos



Ela foi reproduzida pela Biblioteca Nacional, Rio de Janeiro, 1933. Os cliches
desta edigao pertenceram a Jdlio Platzmann e sdo portanto os mesmos cor que aquele
benemerito americanista fez a ediilo fac-similiar de 1876.
Padre Pero Rodrigues Vida do Padre Jos6 de Anchieta, 1605. Anais da Biblio-
teca Nacional, vol. XXIX, pg. 199, cap. 5.:
"Esta lingoa he a jeral comesando ariba do Rio Maranhao "e correndo por to-
do o destrito da Coroa de Portugal, "atee o Paraguay, e outras Provincias
sojeitas a Coroa "de Castella.......".
59 Pe. Felipe Bettendorff Cr6nica da Missdo dos Padres da Companhia d e
Jesus no Estado do Maranhao. Em: tomo 72, parte 1., da Revista do Inst. Hist. e Geogr.
Brasileiro:
"Eram esses indios de lingua geral......." pg. 43.
"....... em as quais estdo muitas nagqes de lingua travada e entire elas uma
de lingua geral por nome os Tobajaras....." pg. 95.
60 Cartas do Padr e Ant6nio Vieira coordenadas e anotadas por J. Licio
d' Azevedo; Coimbra, 1925; vol. I, pgs. 360, 394, 416, 451, 454, 475. etc.
61 Frei Ant6nio de Santa Maria Jaboatao-Novo Orbe Serifico Brasilico; Lis-
boa, 1761. Ed. Inst. Hist. e Geogr. Brasileiro; Rio, 1858.
"..... falava a lingua geralda Costa, que era a mesma, que jA dissemos dos
"Tobajaras, TupinambAs e outros......." (vol. I, pg. 15).
"Eram estes Cayet6s grandes mdsicos e bailadores cor as outras gentilidades
comuas aos mais, e da mesma lingua geral" (vol. I, pg. 19).






- 30 -


importantes (62), nao apenas uma, mas duas grandes "linguas
gerais" (63).
O pr6prio guarani foi uma delas. Em 1611, frei Ant6nio
Daza dizia do Fransciscano Luis de Bolafios, grande missio-
nario paraguaio, "que sabia muitas linguas de indios e numa
delas, a lingua geral daquela terra, que 6 o guarani, vertera
doutrina e catecismo" (64).
No ano anterior, outro religioso ja dissera, que "Luis de
Bolafios havia sido mestre de todos na lingua geral guarani (65).
Mas, muito antes se falava na lingua geral do Peru, da
qual, em 1560, frei Domingo de Santo Tomas publicou a
"Gramatica ou Arte da lingua geral dos indios do Reino do
Peru". E' a lingua quichua, tdo bem estudada posteriormente
(66).
Nenhuma destas "linguas gerais" era falada por todos os
fndios da mesma regiio. Elas eram apenas as mais faladas,
as que serviam de veiculo facil no trato entire vizinhos. Pou-


62 Citemos alguns passos em que vem mencionadas varias delas:
"Los indios desta provincia (de Tucuman) ...............hablan una lengua
que llaman "diaguita", general entire ellos, aunque hay otras cuatro lenguas
que llaman tonozote, indama, zanavirona y lule".
Relaci6n de las Provincias de Tucuman que di6 Pedro Sotelo de Narvaez etc., 1583.
Em: Relaciones Geogrnficas de Indias, tomo II, pg. 144. -
"Debe oferecerse, como m6dio mas natural, y porporcionado, para la conver-
sion mas facil de estos Gentiles, el Arte de la Lengua de los Moxos, que es la
mas general en aquellas Provincias;.....". Em: Pe. Pedro Marban Arte de
la Lengua Moxa, 1701. -
Pe. Andres Febres Arte de la lengua general del regno de Chile, Lima, 1764.
63 Sao elas: o guarani no Paraguai e o quichua no Perd.
64 R6mulo D. Carbia "Fray Luis de Bolafios ";Buenos Aires, 1929:
"........ supo muchas lenguas de indios, y en general de aquella tierra (que
es la guarani) tradujo la doctrine y catecismo..........." notaa 19).
65 Idem, ibid:
"....... Fray Luis de Bolafios a sido el maestro de todos en la lengua general
guarani" notaa 7).
66 Fray Domingo de S. Thomas Grammatica 6 Arte de la Lengua General
de los indios de los Reynos de Perd; Valladolid, 1560.







- 31 -


cas serial as tribes de linguas isoladas que, pela diversidade
e frequencia das relaaes corn a populagao muito mais nume-
rosa das chamadas linguas gerais, ndo contassem no seu nti-
mero um ou outro conhecedor das frases indispensaveis para en-
tendimento reciproco. Ha indicag6es expresses da existencia
de interpretes indigenas (67), e at6 exemplos de adogdo de
outra lingua por tribes inteiras (68). Foi provavelmente o
caso dos Guaianis dos campos de Piratininga.
























67 Gonzalo de Mendoza, Informaci6n de los Meritos y Servicios etc. em:
Ulrich Schmidel, Viaje al Rio de la Plata, ed. Lafone Quevedo; B. Aires, 1903 Apen-
dice C, pg. 383, declaraci6n de NicolAs Colina:
"......porque aunque los yndios que alli trataban eran tenbues y carcaraes
y difieren en la lengua de los guaranies todavia diz que avia entire ellos ynter-
pretes guaranies quel dicho maestro pedro podia entender......."
68 Carta de P. Alonso de BArzana, fecha en la Asuncl6u del Paraguy a 8 de
Septiembre de 1594; Relaciones Gcogrificas de Indias, tomo II, pg. LII:
"La tercera lengua, que es la 'sanavirona" ninguno de nosotros la entiende
ni es menester, porque los "sanavirones" y indomas son poca gente y tan hibil
que todos han aprendido la lengua del Cuzco, como todos los Indios que sir-
ven A Santiago y a San Miguel C6rdoba y Salta y la maior parte de los indios
del Esteco .......".


















OS TUPIS E A LINGUA TUPI


Os indios tupis e a sua lingua constituem materia que
mais de perto nos interessa no present estudo. Urge fixar
e coordenar o que deles nos dizem os velhos autores tantas
vezes mal transcritos e,'at6 hoje, ainda nao confrontados em
devida ordem cronol6gica.
Por falta de estudos acurados houve, at6 em nosso meio,
quem negasse a existencia de tribo que a si mesma se chamasse
"Tupi", ou assim fosse apelidada por outros, o que vem a ser
identico nos efeitos aqui estudados. Isso ndo obstante, a maio-
ria aceita a designacAo como gen6rico de criago recent,
conforme o acima referido.
Varnhagen e Batista Caetano justificam o nome "Tupf"
pela.etimologia. Aquele da-lhe o sentido de "os da primeira
geracao" (69), o segundo o de "chefe dos pais" ou "os pais
principals" (70).
Os gentilicos compostos: Tupinamba, Tupinaquim, Tupi-
nae etc. dao efetivamente certo realce ao 6timo "tupi" e,


69 "Gracas aos mais profundos estudos sobre esta lingua, cremos haver hoje
atinado con a verdadeila significaqgo desta palavra. "Ypi" quer dizer "principio de
geraq~o"; e como a letra "t" anteposta a um substantive, segundo a frase do Pe. Figueira,
o faz reflexivo de si pr6prio, "Tupi" venm ignificar "os da primitive gerado". Assim;
pois, os que se denominavam Typis ou Tupis blasonavam de ser puritanos procedentes
da raca invasora". Visconde do Porto Seguro, Hist6ria Geral do Brasil, 3.o ed. Sao
Paulo, I vol. pg. 18.
70 -- Nos nomes de tribes tendo por tema a dicgo "tupf" veremos que nao deixa
de proceder a explicago de "tubyb" "chefe dos pais", ou tomando-se "yo" como ad-
jetivo, "os pals principals". Fernaio Cardim Tratado da Terra e Gente do Brasil;
Rio, 1925, pg. 271.







- 34 -


seja qual for a sua interpretagho, sera sempre dificil negar a
existencia do radical quando os derivados af estdo.
Hartt, influenciado pelo costume amaz6nico de chama-
rem "tapuia" indistintamente a todos os indigenas, parece ver
conexao etimol6gica entire "Tupi" e "Tapuia" (71).
A mesma opiniao foi mais longamente defendida pelo padre
Tastevin, na sua excelente gramatica do tupi modern (72).
So conjeturas de algum modo interessantes, que procuiam
apoiar. o sentido amaz6nico atual de "tapuia" em hip6teses
fincadas no passado remote.
Teodoro Sampaio, na iltima edigdo d'O Tupi na Geogra-
fia Nacional, insurge-se contra semelhante confused de dois
conceitos, antag6nicos, na opiniao dele (73).
Finalmente, alguns mestres platinos (74) e paraguaios des-


No "Vocabulhrio da Conquista Espiritual" diz o mesmo Batista Caetano: "Deri-
vados e compostos de "tupi" ha sobretudo na fala dos Brasis, a que denominam "Tupis',
os autores" (!!).
71 Carlos Frederico Hartt Mitologia dos Indios do Brasil Revista da Ex-
posigio Antropol6gica, pg. 75:

"Antes que possamos considerar determinada a identidade de Tapuia e Tupi,
falta-nos mostrar em primeiro lugar, qual era a forma original da palavra tapuia
na antiga lingua geral) e, em segundo lugar, que os Tupis das diferentes tribes
aplicaram este nome, ndo s6mente aos outros bArbaros de raga diferente, mas,
tamb6m a si mesmos.
E' certo que nao se chamavam Tupfs".
72 Pe. C. Tastevin La Langue Tapihia, dite Tupi ou fleengatd; Viena, 1910
pg. 11 etc.
Esta gramatica foi traduzida e publicada no volume 13 da Revista do Museu Pau
list com o titulo de :"Gramitica da Lingua Tupi". Sio Paulo, 1922. Compare dela
os paragrafos de 12 a 21.
73 Teodoro Sampaio O Tupi na Geografia Nacional, 3.a ed. Bahia, 1928
PrefAcio pg. 8 e 9.
74 Temos em mente dois autores modernos de certa influancia:
a) Antonio Serrano-"Etnografia de la antigua Provincia de UruZ ay". Pa-ra-i ,
1936; pg. 58 e 141.
Sobre os Tupis, Serrano perfilha simplesmente as opiniSes de M. A. Morinigo, bom
conhecedor do Guarani, mas muito falho em suas aprecia7aes sabre os Tapis.
b) M. A. Morinigo Las Voces guaranies del Dicciondrio Acad6mico; Boletin-
de la Academia Argentina de Letras, tomo, 3, pg. 64. B. Aires, 1935:






- 35 -


cobriram em "tupf" um adjetivo, que os Guaranis (Tupi-gua-
ranis) teriam aplicado, depreciativamente, a indios mais atra-
sados e que ndo falavam a sua lingua (75).
Sao estas as ideas que, confusamente, ainda predomi-
nam; mais a custa de repetic5es do que pela f6rga da justifi-
cagAo apresentada.
Batista Caetano, o profundo conhecedor do guarani e,
talvez por isto mesmo, sincere adepto do adjetivo "tupi", 6
entire n6s, por mais estranho que parega, um dos responsaveis
por essa atmosfera de diividas, pelas suas notas etnogrdficas
e etimol6gicas, a edigao de 1881 de "Principio e Origem dos
Indios do Brasil", de Fernao Cardim. Nesse estudo, refutando
Varnhagen, o que sem prova concrete 6 sempre arriscado,
nega terminantemente hajam existido indios chamados
'Tupis" (76).


"Para los guaranies del Brasil (?) eram tupics, no una naci6n ni una raqa, sino
todas las naciones n6 guaranies con quienes mantenian rivalidades" (?).
Se ao menos o Sr. Morinigo lesse o verso da primeira folha da gramdtica de Anchi-
eta, ele certamente arripiaria caminho t5o perigoso!
"Os Tupis de Sao Vicente, que s5o alhm dos Tamoios do Rio de Janeiro, nunca pro-
nunciam a dltima consoante no verbo afirmativo".
Ai temos, Sr. Morinigo, pela hoca de Anchicta (!) ndo s6 os Tupis, mas os Tupis
pertencentes A familiar tupi-guarani, e citados por uma peculiaridade dialetal, que os
aproxima dos Guaranis!
75 Citaremos apenas a figure principal do movimento: Moists Bertoni atra-
v6s da sua obra "Influ6ncia de la Lengua Guarani"; Asunci6n, 1916.
"Todos los pueblos y tribus guaranies que yo conozco rechazan absolutamente
a esse nombre; y con sobrada raz6n. Pues en lengua guarani la palavra "Tupi"
significa rudo, basto, inculto y se aplica a series inferiores en el sentido de la
evoluci6n cultural. (pg. 6).
Notemos agora o que escreve em 1920 no seu "Aperqu Ethnographique:
"Tupf" n'est pas un qualificatif pdjoratif ou m6prisant (!) ...............
Co mot signifie "rude" et son radical "upi" exprime le concept d'adversaire,
d'inimiti6 et de persecution" (pg. 478),
76 "Como j6 dissemos em outra parte, o nome "Tupi" pura e simplesmente,
sem adig.o de outras vozes nunca designou tribo alguma especialmente, nao obstante
figurar esse nome entire os 12 de tribes especificados por-Simio de Vasconcelos, no
151 do Livro I, das Noticias Antecedentes. Curiosas e NecessArias das Cousas do Brasil".
Compare-se cor esta afirmativa o seguinte trecho de Anchieta, transcrita da "In-
forma5ao do Brasil e de suas Capitanias" Cartas etc. pg. 306-307:







- 36 -


Infelizmente, a opiniao do ilustre guaranflogo peca pela
inconsistencia dos seus arguments. Estes culminam na con-
denaaio sumaria das fontes utilizadas por Simao de Vascon-
celos, embora ignore quais sejam, pelo simples fato de Ga-
briel Soares nao as confirmar. Ora, Simao de Vasconcelos teve
a sua disposigio grande parte do acervo epistolar dos primeiros
Jesuftas, que nio nos parecem menos fidedignos, principal-
mente em epis6dios por eles presenciados. Ha mais ainda. A
controversial em torno dos Tupis sendo antes de tudo uma
questao meridional, vicentina, como veremos adiante, a primeira
palavra pertence aos Jesuftas. Eles palmilharam aquela regiao
em todas as direcqes e tiveram intimo contato cor todos os
indigenas. Que prova constitui contra desbravadores como
N6brega e Anchieta, ja n~o a voz discordante, mas o simples
silencio de um autor que all nunca esteve, por mais escrupu-
loso tenha sido em outros capitulos?
Os escritos do Pe. Ferndo Cardim foram reimpressos, em
1925, com anotag6es etimol6gicas e hist6ricas novas da erudita
pena de Rodolfo Garcia. Ninguem mais competent para
tambem comentar a parte etnografica. Mas o fato de o ter
deixado de fazer no capitulo "Do Princfpio e Origem dos
Indios do Brasil" nao pode ser tomado como tdcita conformi-
dade sua com a opiniio de Batista Caetano; ela certamente
nao existe.


"Na de Slo Vicente............ nunca............. houve guerra cor os
indios naturais que chamam "Tupis", que sempre foram amigos dos Portu-
gueses, salvo no ano de 1562............"
A contradigdo 6 flagrante, pois os "Tupis" desta informagao de Anchieta forma-
vam evidentemente uma grande tribo.
Carlos Frederico Hartt, outro benemrrito da etnografia brasileira, bate na mesma
tecla, sensivelmente influenciado pela corrente encabeqada por Batista Caetano. No-
temos, por6m, que, mais cauteloso, ao afirmar que os primeiros cronistas nao usaram
a palavra "tupi", fala em "raca" (no que estamos de ac6rdo) e nao em "tribo",
como Batista Caetano:
"Os primeiros cronistas do Brasil nao usaram a palavra "tupi" (?). Deram
nomes As diferentes tribes, mas nao A raga, que hoje conhecemos pelo nome
Tupf.
"Um dos primeiros autores que emprega a palavra "tupf" 6 Simso de Vascon-
celos......." (?).





- 37 -


Portanto, a questio continue abarta. Porem, o que foi
facultativo ao cornentarista nio o e num curso especializado
como o nosso. (77). E como encetariamos melhor os nossos
estudos de tupi, sendo justificando primeiro a combatida de-
signa~o ?
E' o que nos propomos tentar, em rapidos tragos.




For curiosa coincid6ncia, o mesmo document que regis-
trou inicialmente o nome "Guarani" tambem leva a primazia
na referencia aos indios tupis. E' a relacto da viagem ao Rio
da Prata de Diego Garcia (78).
Chegado ao porto de Cananeia, em 1527, Garcia all en-
contra o celebre Bacharel degredado, vivendo entire os Tupis,
muito amigos dele, e, ja entio, tambem de alguns cristdos
naufragos, que se tinham refugiado em torno do misterioso per-
sonagem.
Temos aqu i, antes de tudo, um caso de long trato direto,
de convivencia de um europeu culto com indigenas, cujo nome,
de ac6rdo cor o registro expresso, era "Tupi". Ninguem pre-
tenderd, por certo, haver o Bacharel, a s6s em meio de extensa
popuiag~o aborigene, procurado ou conseguido substituir-lhes
o nome efetivo. Tdo pouco se poderd admitir haja ele comuni-
cado ao navegante, em lugar do nome dos seus amigos, a
pretensa alcunha que Ihes teriam dado os seus inimigos ca-
rij6s. Para tornar verossimil tal suposi~go seria precise admitir
intense contato amistoso do Bacharel cor os Carij6s, o que
6 um absurdo.

Carlos Fred. Hartt Mitologia dos indios do Brasil Revista da Exposicgo An-
tropol6gica, pg. 74. -
77 O.presente capitulo represent parte de uma lisgo inaugural do Curso de
Tupi, na Faculdade de Filosofia da Bahia.
78 Diego Garcia Mem6ria de una navegaci6n etc. que fue en el afo 1526:
"E de aqui fuemos a tomar refresco en San Vicente questA en 24 grades, e alli
vive un Bachiller e unos Yernos suyos much tiempo ha que ha bien 30 anos;







- 38 -


"Tupi" 6 assim o nome efetivo, de casa, e ndo um apeli-
do pejorative pespegado pelo desprezo e a malicia do adver-
sario. Acompanhemo-lo, pois, atraves da sua primeira fase
hist6rica na zona de.influencia portuguesa.
Dentre os documents daquela epoca, hoje acessiveis,
avultam as cartas e informacSes de Anchieta, o melhor conhe-
cedor letrado da regiao vicentina do seculo dezasseis. Nenhum
Jesuita a percorreu tanto em todas as direcoes e, principal-
mente, nenhum se identificou melhor corn o home da terra
e o seu ambiente.
Entretanto, Anchieta, que testemunha a fundaqgo de SAo
Paulo e ali permanece anos a fio, fecha-se durante dois lus-
tros no mais complete mutismo quanto ao nome da tribo in-
digena mais important. daquelas plagas.
S6 em 1565 menciona pela primeira vez os Tupis, relatan-
do a visit dos Tamoios de Iperi a Piratininga (79),
Da mesma epoca datam diversas outras das dezesseis re-
ferencias que desses indios encontramos em seus impressos (80),
sem que delas se possa tirar qualquer conclusdo sobre a im-
portancia do seu conjunto. S6 em sua "Informagdo do Brazil
e das suas Capitanias", de 1584, (81) e na "Informalgo dos

....... ............. y est: una gente alli con el Bachiller que come
care umana y es mui buena gente, amigos mucho de los cristianos, que se mlla-
man Topics". Revista do Inst. Hist. e Geogr., tomo 15, pg. 9-10.
79 Anchieta Cartas etc. Publicagoes da Academia Brasileira; Rio, 1933;
Carta ao Geral Diogo Lainez, 1565:
"..... mas o desejo grande que tem de guerrear com os seus inimigos Tupis,
que at6 agora foram nossos amigos,........." (pg. 199).
80 Idem, ibidem:
"........ mas que todo o nosso furor se convertesse contra os Tupis...."
(pg. 199).
"........ vieram muitos dos Tupfs que se haviam rebelado ....." (pg. 209.
"..... para fazer liga corn nossos Tupis" (pg. 224).
"Logo no dia seguinte chegou grande multidao dos Tupis inimigos sobre a
vila....... (pg. 224).
81 Anchieta Cartas etc. Informacao do Brasil e de suas Capitanias, .pgs. 306/7:
"....... nunca nela (na Capitania de Sao Vicente) houve guerras corn os






- 39 -


Casamentos" (82),de data incerta, Anchieta deixa bem claro,
que por "Tupis" entende aquela "nacio" de indios de Sao Vi-.
cente sempre combatida pelos Tamoios e sempre dedicada aos
Portugueses.
Anchieta nunca faz mencgo de Tupinaquins em Sao Vi-
cente e, as raras vezes que a eles alude, Eempre os coloca na
capitania do Porto Seguro e adjacencias.
Esta verificaco 6 importantissima. AlNm de ajudar a
identificar algumas "relacges jesulticas an6nimas" ela traga a
linha divis6ria entire duas correntes. Como veremos, ha outra
que aos mesmos indios tupis de Anchieta da o nome de "Tu-
pinaquins", e, dentre eles, alguns Jesuitas.
0 primeiro destes, cronolRgicamente, 6 Ant6nio Rodrigues,
egresso da tropa castelhana do Paraguai, de onde veiu para
So Vicente pouco antes de Schmidel. Embarcou para Por-
tugal; mas, tendo o navio arribado logo ap6s deixar o porto,
solicitou ao Pe. N6brega a sua admissao na Companhia de
Jesus. Satisfeito o seu desejo, Antonio Rodrigues, numa carta
aos irmAos de habito em Coimbra, de 31 de Maio de 1553,
conta a sua vida de aventuras no Paraguai, arrematando a
narracgo corp o seguinte trecho bastante valioso aos nossos
estudos comparativos:
"e assim vim aqui que sAo perto de 360 leguas, por
uns gentios chamados "Tupinaquinos" e embarquei
para Portugal ................" (83).

indios naturais que chamam Tupis, que sempre foram amigos dos Portugue-
ses, ......."
"Dos Tamoios do Rio de Janeiro que sao inimigos mortais dos Tupis, foi sem-
pre combatida a Capitania de Sio Vicente......."
82 Idem, ibid. Informagao dos Casamentos dos Indios (pgs. 450/1):
"Temirecd chamavam As indias mancebas dos Portugueses e corn este titulo
lh'as davam antigamente os pais e irmaos, quando iam a resgatar As suas terras,
como os Tamoios e Temimin6s do Rio de Janeiro e do Espirito Santo, os Tupis
de SSo Vicente, os TupinambAs da Bahia e finalmente todos da costa e sertao
do Brasil........"
83 C6pia de uma (carta) do irmSo de Ant6nio Rodrigues para os irmaos de Coim-
bra De S. Vicente, do dltimo de Maio de 1553: Pe. Scrafim Leite PAginas de His.
t6ria do Brasil, pgs. 117 e 122; Rio, 1937.







- 40 -


Outro, o irmao Pero Correa, que tdo rapidamente se ele-
vou, de feroz preador de indios a Jesuita e mArtir, tamb6m
nos fala em "Tupinaquins", na sua carta de 18 de Julho de
1554 (84), historiando o ataque dos mesmos a uns duzentos
Carij6s, que vinham em busca dos padres (85).
0 pr6prio padre N6brega, outro bom conhecedor das
cousas vicentinas, menciona repetidas vezes os indios paulistas
de lingua geral e apelida-os de "Tupis" (86). De uma uriica
feita,por6m, dd-lhes tamb6m o nome de "Tupinaquins" (87).
O padre Fernao Cardim, no seu ensaio sobre "Principio
e Origem dos indios do Brasil" s6 faz duas alusoes inciden-
tais aos indios de Sio Vicente (88). Para ele os da lingua geral
sao igualmente Tupinaquins.


84 Carta de Pero Correa, de S. Vicente, 18 de Julho de 1554; Serafim Leite;
Novas Cartas Jesufticas; Rio, 1940, pg. 170.
85 "0 ndmero destes (Carij6s) dizem que seriam (sic!) alguns duzentos e, vindo pelo
caminho, entrarani num lugar destes indios Tupinaquins, e all mataram os
mais deles as frechadas e a espada".
Simdo de Vasconcelos conta o mesmo epis6dio nestas palavras:
"E foi, que indo chegando esta gente (os Carij6s) A desejada' aldeia, foi A traigao aco-
metida dos Tupis, seus contrarios: roubados, feridos e mortos muitos deles

Cr6nica da Companhia de Jesus, Livro Primeiro, 131.
86 Manuel da N6brega Cartas do Brasil; Rio, 1931 Carta a Tome de
Souza, 5 de Julho de 1559 pg. 217/218:
"0 ano passado me escreveram que vieram os Castelhanos a vingar a morte
de alguns cristdos e indios Carij6s, que os Tupis de Sio Vicente haviam morto,
havendo o Capitio do Paraguai feito pazes entire os Tupis e Carij6s, que Ihe nao
cumpriram pelo qual vieram Castelhanos e Carij6s, a vingar isto, e foi a mor-
tandade tanta que fizeram nos Tupis, que despovoaram o Rio Grande (Tiete)
e vieram fugindo para o mar de Sao Vicente......."
"0 Capitao do Paraguai se mandou oferecer por vezes que sujeitaria os Tupis
a Sao Vicente, se Ihe dessem licenca............"
A proposta deve referir-se aos Tupis do sertao, porque os do litoral sempre foram
amigos dos Portugueses. (Compare a nota 81).
87 Idem, ibid. pg. 197:
"Em 'So Vicente nao usam isto aqueles gentios Tupinaquins........"
88 Fernao Cardim Tratados da Terra e Gente do Brasil:






- 41 -


Estranha, nao haja, num capitulo todo dedicado aos in-
d igenas, a mais leve referencia aos Guaianas de Piratininga,
principalmente se compararmos Cardim com Gabriel Soares.
E' ura falha que muito abala, no que tange a etnografia de
So Paulo, a autoridade do padre Cardim.
Se selecionarmos o que se sabe dos referidos indios pelo
que deles foi escrito por autores nacionais durante o primeiro
s6culo, nao ha que vacilar na classificagCo. As grandes auto-
ridades sao: Garcia, Anchieta e N6brega.
Como admirar-se, pois, da preferencia de Simio de Vas-
concelos pelo ncme "Tupi", se este gentilico, corn Diego
Garcia, ter a scu favor a prioridade de vinte anos e, com
Anchieta e N6brega, o peso esmagador dos melhores conhe-
cedores diretos ?
E o cronista da Provincia do Brasil nao hesita em eli-
minar as duvidas ocasionadas pela duplicidade de nomes.
Apelida tlpi o que tupi 6, e, onde em seu lugar os documen-
tos originals trazem "tupinaquim" (sao apenas quatro dis-
crepAncias), substitui-o.
Dir-se-a que o Pe. Vasconcelos aceita com indisfarcivel
credulidade tudo que Anchieta diz e tudo que outros dele
afirmam. Por6m, tendo Vasconcelos trabalhado nos arquivos
jesuiticos, e muito provdvel que a sua admiraqco por Anchie-
ta, long de ser espofitanea, tenha as raizes, a f6rca compul-
s6ria, na grande e valiosa c6pia de dados curiosos acumula-
dos pelo Ap6stolo do Brasil e igualados por nenhum dos seus
companheiros de Ordem.
Demos ainda de barato que Simao de Vasconcelos nao
tenha .tido noticia do relat6rio de Diego Garcia. Mas, quantas
informacoes igualmente preciosas nDo estariam ao seu alcance
em tanta correspondencia quinhentista ainda inedita, ou que,
pela destruicgo subsequent, sabemos para sempre fechada as
nossas indagagoes?


"Outra nacao se chama Carij6: habitam alim de So Vicente como oitenta
16guns, contrArios dos Tupinaquins de Sao Vicente" (pgs. 197-198).






- 42 -


Simio de Vasconcelos tem sido tachado de leviano, por
ter dado guarida a tradigoes orais, que depois sofreram con-
tradita formal, como a da execugdo do hereje frances, em.
que Anchieta serve de ajudante ao carrasco. Por6m, qual 6
dos nossos velhos historiadores o que nio foi vitima dos mitos
e da credulidade do seu tempo ?
Quanto A etnografia sulina, os seus informes contrastam
com os de outros pela relative exatidao. Haja vista a sua clas-
sificacgo dos Guaiands entire os Tapuias (89), fato plenamente
confirmado pela etnologia modern, mas do qual nenhum
dado positive existe nos antigos escritos jesuiticos hoje co-
nhecidos.
Resta-nos examinarmos os outros autores, que, nos pri-
meiros tempos, escreveram. sobre Sao Vicente, ainda que per-
functbriamente.

Um deles, Hans Staden, all residiu durante algum tempo,
a servico de Portugal, depois de ter passado dois anos num
ponto do litoral, que fica 18 16guas mais ao sul. Staden afirma,
que, em ambos os lugares, os indios se chamavam "Tupini-
quins", sendo apelidados "Tawaijar" (Tobajar) pelos Tupinam-
bas, seus inimigos do Rio de Janeiro (90).


89 "A outra esp6cie 6 de Goaiands, indios que tamb6m se contam entire os
mansos; mas de diferente lingua......." (!)
Simao de Vasconcelos Noticias Antecedentes, Curiosas e Necess6rias das Cousas
do Brasil; Livro Primeiro, 152.
90 Hans Staden Suas Viagens e seu Cativeiro entire os Sclvagens do Brasil:
"Perguntimos tamb6m (aos Portugueses) a que distancia ficava a ilha de Santa
Catarina, para onde querfamos ir.
Responderam que a umas trinta milhas para o sul e que 1I havia uma tribo de
selvagens chamados Carij6s. dos quais deviamos acautelar-nos. Os selvagens
do p6rto onde estIvamos chamavam-se Tupiniquins e eram seus amigos, de
modo que nao corriamos perigo" (cap. 7).
"Os Portugueses que ai moram (em Sao Vicente) sio amigos de uma nagdo
brasilcira chamada Tupiniquim, cujas terras se estendem pelo sertAo a dentro
cerca de 80 l6guas e, ao long do mar, umas qiarenta. Esta naCio tern inimigos
ao sul e ao norte. Os do sul chamam-se Carij6s e os do norte Tupinimbas. Sao
apelidados Tavajar (Tobajar) por seus contrarios, o que quer dizer "inimigos".
(cap. 14).







- 43 -


Jean de Lery, que soube dos habitantes da Guanabara
o que anota s6bre Sao Vicente, s6 cita dois nomes de indi-
genas para a mesma regido: touaiaire (tobajar) e toupinenquin;
a nao ser que se queira ler "tupi" na forma "tououp" que
se encontra na edigdo francesa de 1880 (91).

Pero de Magalhaes Gandavo prefer nio enumerar tribes,
ainda que de passage assinale, em outras parties, Aimores
e Tapuias.
E Gabriel Soares de Sousa, tro meticuloso em suas ob-
servagaes pessoais, desanda lastimhvelmente, quando se baseia
em terceiros nas suas notas etnograficas paulistas. Apelida
Guaianas os indigenas litorAneos entire os Tamoios e os Carij6s.
(92). E a lingua destes Guaianas, segundo ele, 6 diferente da
dos seus vizinhos e, nao obstante isso, compreendida pelos
Carijos! (93).

Como se ve, para Gabriel Soares nao ha, nem Tupi-
niquins, nem Tupis, nem outros indios da lingua geral nas


91 Jean de Lery Histoire d'un Voyage fait en la Terre du BrIsil, ed. Paul
Gaffarel; Paris, 1880.
"Karios. Ce sont une autre maniere de gens demeurans par dela les Tonaire"
(duplo erro do impressAo; leia-se "touaiaire". Em outros trechos diz" "touaiaire",
que corresponde ao "tobajara" citado por Staden) vers la rivibre de Plate, qui
ont un meme language que les Tououp. Toupinenquin". (vol.II, pg. 130).
O ponto entire "Tououp" e "Toupinenquin" nao ter outra expilcagao.
Conv6m frisado, que, na traducgo latina da viagem, muitas palavras tupfs divergem
na grafia do texto de Gaffarel.- Assim, ao inv6s de "tououp" se l6 ai "tououpinamba-
oults" (tupinambos), que parece de fato ser a forma original.
92 -.Gabriel Soares de Souza Tratado Descritivo do Brasil; edi<;o Brasiliana,
vol. 117, Rio 1938. 1." part:
"Por est' outra parte de So Vicente partem com os Goaianazes, cor quem
tamb6m t6m contfnua guerra, sem se perdoarem" (Cap 58).
"Ja fica dito como os Tamoios sdo fronteiros de outros gentios que se cha-
mam os Goaianazes, os quais t6m sua demarcacgo ao long da costa por Angra
dos Reis, e daf at6 o rio de Cananeia, onde ficam vizinhando cor outra casta
de gentios, que se chama Carij6s. Estes Goaianazes t6m continuamente guerra
cor os Tamoios de uma banda e corn os Carij6s da outra....." (cap. 63).
93 Nao vive este gentio (goaiand) em aldeias com casas arrumadas, como os
Tamoios, seus vizinhos, mas em covas, pelo campo, debaixo do chao, onde t6m fogo de
noite e de dia e fazem suas camas de rama e peles de alimArias que matam (!). A lin-
guagem deste gentio 6 diferente da de seus vizinhos, mas entendem-se cor os Carij6s"
(!!). Idem, ibidem; cap. 63.





- 44 -


terras vicentinas, o que nio impede os Guaianas de compreen-
derem o carij6! (+)
Eis, a que confusio se reduzem, no particular, os pnsina-
mentos da autoridade maxima invocada por Batista Caetano.
Resumindo, agora, a nossa analise dos cronistas portu-
gueses e visitantes alienigenas, chegamos ao seguinte resultado:
a) 0 litoral paulista de hoje era ocupado, em sua
maior parte, por indios de uma tribo da lingua
geral.
b) 0 document mais antigo que a eles se refere, a
carta de Diego Garcia, de 1527, afirma que se
chamavam Tupis. O mesmo nome semprelhes da
o padre Anchieta, o melhor conhecedor da etno-
grafia paulista da 6poca, e, com uma umica exce-
gdo, tambem o padre N6brega.
c) Hans Staden e os Jesuitas Ant6nio Rodrigues,
Pero Correa e Fernio Cardim, que tambem esti-
veram em So Vicente, apelidam os mesmos indios
de Tupinaquins (Tupiniquins, Tupinaquis).
d) A despeito dessa- diverge ncia, o padre Simfo de
Vasconcelos, que segue Anchieta e, talvez, alguma
documentaiio inacessivel para n6s, por inedita ou
extraviada, preferiu "Tupi" a "Tupinaquim".
e) "Tupi" foi, evidentemente, o nome de determinada
tribo e, no estado atual dos nossos conhecimentos
documentais, a designagco mais antiga dos indige-
nas paulistas de lingua brasilica, aos quais, poste-
riormente, alguns chamam de Tupinaquins.

Qual dos dois teria sido o nome primitive?
A resposta 6 das mais dificeis.
Tupi tem a seu favor, alem da mencionada primazia cro-
nol6gica, a discutivel e vaga lenda registrada por Diego de
(+) O que Gabriel Soares quis dizer parece-nos ser isto, em terms atuais: "A lin-
gua guaiand e diferente das de seus vizinhos; mas os Guaiands, por aculturaglo, fala-
vam (tamb6m) o tupi e, assim, se entendiam com os Carij6s."








- 45 -


Avalos em sua Miscelanea Austral (94). Barco Centenera apro-
veitou-a no seu poema hist6rico "La Argentina", de 1601 (95),
e, apesar de posta em duvida por frei Vicente do Salvador
(96) foi reavivada por Varnhagen (97) e outros. Nao 6 que
interessem particularmente os seus escassissimos visos de ver-
dade. Muito mais important se nos afigura a grande proje-
lado do cunho de equival6ncia, senio de superioridade, que
lhes 6 atribuido perante os Guaranis.


94 Diego de Avalos y Figueroa Poeta e autor da obra hist6rica "Miscelinea
Austral"; Lima, 1602-1603.
Nela o autor registra a tradicgo, segundo a qual os antepassados da familia tupi-
guarani, seriam originArios da Peninsula Ib6rica. Desbaratados em luta corn os outros
povoadores embarcaram a boa fortune e deram finalmente a costa do Brasil. Mais tarde,
desavindo-se os dois chefes, os irmaos Tupf e Guarani, este dltimo se teria retirado para
o sul, povoando, cor a sua gente, o Paraguai e as circunvizinhangas. -
Ainda em 1910, os irmaos Selian, membros da expedigio cientifica croata, colheram
no rio Maract pitoresca variante dessa tradiygo, que tanto lembra o epis6dio biblico
de Cairn e Abel. "Globus", vol. 97, pg. 160/61.
As "Relaciones GeogrAficas de Indias" tomo II, Madrid, 1885, por duas vezes, pgs.
197 e CXI, atribuem a "MiscelAnea Austral" ao Pe. Miguel Cabello de Balboa. Parece
haver nisto engano. Balboa 6 de fato autor de uma "Miscelanea" de que s6 a terceira
parte foi publicada por Ternaux-Compans; mas esta se intitula "Miscelanea Antarc-
tica"! Ao que nos consta, as parties restantes continuam in6ditas. apud: Rob. Streit
- Bibliotheca Missionum, vol. II, pg. 370, ndmero 1346.
95 D. Martin del Barco Centenera La Argentina 6 la Conquista del Rio de
la Plata Poema Hist6rico, publicado em 1602, em Lisboa, e reeditado na "Colecci6n
de Obras y Documentos relatives a la Hist6ria antigua y Moderna de las Provincias
del Rio de La Plata" de Pedro de Angelis; Buenos Aires, 1910. Tomo II, pg. 186.
"Muy largos tiempos y afios se gastaron
Y muchos descendientes sucedieron
Desde que los hermanos se apartaron.
De Tupi en el Brasil permanecieron
Tupies, y destotros que pasaron
Guaranies se nombran, y asi fueron
Guerreros siempre aquestos en la tierra,
Que el nombre suena tanto como guerra".
96 Frei Vicente do Salvador Hist6ria do Brasil Sao Paulo, 1918, pg. 51:
"Esta opinigo nao 6 certa e menos o s5o outras que nao refiro, porque nio tem
fundamento".
Veja tambdm Jaboatio, Novo Orbe Serdfico, vol. I, pg. 33.
97 L' Origine touranienne des Am6ricains Tupis-Caribes et des anciens Egyp-
tiens, montr6e principalement para la philologie compare: trace d'une migration en
Am6rique, invasion du Br6sil par les Tupis. Viena d' Austria, 1876.







- 46 -


Tupinaquim, por sua vez, e tribo ja localizada pelos pri-
meiros povoadores, entire os Ilh6us e o Espirito Santo e nada
haveria de extraordindrio na existencia de uma facgqo meri-
dional. A solug~o de continuidade nao 6 caso virgem na his-
t6ria dos nossos indios. Temo-la repetida entire os Tupinambas,
que aparecem isolados no Maranhio, na Bahia e no Rio de
Janeiro (98).

Seria "Tupi" abreviagdo de "Tupinaquim", ou serdo "Tupi"
e "Tupinaquim" nomes tribais distintos, ambos generalizados,
cada qual por sua vez, e registrados de acordo com a preferen-
cia dos diversos autores?
Esta iltima hip6tese e apoiada por um trecho de Vas-
concelos, reportando-se a Pero Correa (99).
De claro e positive, porem, s6 se depreende dos documen-
tos da esfera portuguesa, que os "Tupis" vicentinos de uns sdo,
de fato, os "Tupinaquins" de outros.
E, a que vem a corresponder Tupi e Tupin na Bahia, no
seculo dezessete?-E' outra face do problema que aqui nao
cabe investigar; talvez tenha alguma conexio com o apelido
carij6, que ent2o se dava a certos habitantes de Porto Seguro.
(Doc. Hist6ricos, vol. 10, pag. 90/91).



Entretanto, nao esgotou ai a documentacao s6bre os
Tupis.

98 Os Portugueses encohtraram, na Bahia, indios que se chamavam Tupinam-
bas. O mesmo nomp se davam os indigenas com quem conviveram os Franceses no Ma-
ranhio e na Guanabara, embora estes iltimos fossem apelidados Tamuios (Tamoios)
pelos Portugueses. -
Hans Staden foi prisioneiro destes e tamb6m Ihes chama Tupinambas (Tupin
Imbas).
Os grandes cronistas dos Tupinambas sao: Gabriel Soares para os da Bahia; os padres
Claude d'Abbeville e Yves d'Evreux para os do Maranhio; Jean de L6ry, Andr6 The-
vet e Hans Staden para os da Guanabara.
99 Pe. Simdo de Vasconcelos Cr6nica da Companhia de Jesus, Livro primeiro,
178:
"Passou (o irmqo Pero Corr&a) intr6pido aos arraiais dos Tamoios, as terras
dos Tupis, dos Tupinaquins, dos Carij6s......."







- 47 -


Ha tamb(m as fontes espanholas, necessAriamente impor-
tantes pelas lutas inteiminaveis entire Tupis e Carij6s. Estes
filtimos pertenciam A influencia castelhana e viviam na faixa
que vai da costa catarinense ate alem do rio Paraguai. Grande
parte dela era flanqueada, ao norte, pelos Tupfs.
Segundo Staden, as aldeias dos Tupis, por ele chamados
de Tupiniquins, estendiam-se atW 80 leguas para o interior. E'
uma afirmativa de quem nao safu de beira-mar e, portanto,
discutivel. Mas Ant6nio Rodrigues, vindo de Assungdo, atra-
vessou-lhes as tabas. E' a testemunha presencial que ja nio
6 possivel refutar sem provas concretas.
Ate onde alcanqariam, por6m, os indios denominados
Tupis? Sabemos que grupos isolados de uma tribo tinham
frequentemente um nome especial e os Tupis de Sao Vicente
talvez estivessem neste caso. Felizmente, um dos primeiros
conquistadores, o grande sertanista Domingo Martinez de
Irala, vem de logo dissipar-nos as duividas com a sua "Rela-
cAo de uma viagem ao Alto Paraguai," de 1542 (100).
As suas indagacqes a respeito dos Tupis em paragens tio
afastadas do litoral mostram que ji os conhecia de nome e
fama, e provavelmente os receasse pelas noticias que deles
devia ter dos Carij6s. Ora, nao seriam algumas povoages
praianas de Sao Vicente que, por mais andejos fossemosseus
moradores, inspirariam receio aos habitantes do Paraguai.
Dois epis6dios contados por companheiros de Irala pre-
cisam ainda melhor a extensAo geografica dos Tupis.
Em 1553, Ruy Diaz de Melgarejo retira-se de Assungio
cor um companheiro chamado Flores e, parece, corn alguns
outros descontentes, em demand das povoagSes paulistas.
A viagem corre normalmente atraves da regiao habitada pelos

100 "Relaci6n de Domingo Martfnez de Irala acerca de los descubrimientos
que iba haciendo cuando fu6 navegando Paraguay arriba por orden del gobernador
Cabeza de Vaca, desde el 18 de diciembre de 1542"; Colecci6n de Documentos de
Bias Garay "Anales de la Biblioteca" de Buenos Aires, tomo VIII, pg. 339 etc:
"....... perguntado si sabe o ha oydo dezir que en este rryo ay algunos yndios
carios tupis, dixo que de tupfs que no ha oydo nada pero que caries ay arriba de
la una vanda del rryo y de la otra".







- 48 -


Carij6s at6 as terras dos Tupis, jd entdo inimigos declarados
tamb6m dos Espanh6is, como o eram dos seus aliados, os
Carij6s.
All, Melgarejo e seus companheiros sao feitos prisionei-
ros. Flores padece a conhecida morte ritual, enquanto Mel-
garejo escape pela dedicagao da india tupi que Ihe haviam dado
por mulher, e chega finalmente a destiny. O relate de Mel-
garejo mostra que uma faixa de terras habitada por Carij6s
separava Assuncgo das plagas tupis (101).
A narragdo do aventureiro alemdo Ulrich Schmidel, cuja
viagem 6 de meses anterior a de Melgarejo, vem fornecer
alguns dados complementares.
Schmidel seguira para o Rio da Prata em companhia de
Pedro de Mendoza, no ano de 1535. Ap6s dezessete anos de
perman6ncia no Paraguai resolve dar baixa das fileiras, em
1552, e voltar a patria.
Para ganhar tempo e alcancar um navio que, por uns
emissarios de Sao Vicente soube haver chegado Aquele porto,
utiliza-se da rota dos seus informants. Ela o conduz a uma
localidade sobre o Parana A qual Schmidel da o nome de
"Gienge". Que esta se situe na foz do Iguagd, nas quedas do
Guairs, ou na conflu6ncia do Tietr, pouco interessa por ora As
nossas indagages. Muito mais important e a sua posigio
sbbre a linha divis6ria entire Tupis e Guaranis (102).

101 Ruidiaz de Guzmgn "Argentina"; 1612; ed. Buenos Aires, 1882,
(pgs. 134/135):
"..... conolo un soldado llamado Flores con quien empezo su viage, atrave-
sando por lo pueblos de los Guaranies, y entr6 6 la provincial de los Tupies,
enemigos antiguos de ellos y de los espafoles y amigos de los portugueses.
Luego los priendieron A ambos, y atAndolos con fuertes cordeles, los tuvieron
3 6 4 dias, y al cabo de ellos mataron a Flores, y se lo comeron con grandes
fiestas, diciendo a Melgarejo, que al dia siguiente harian con el otro .tanto.
De este peligro fu6 Dios servido librarle por haberle soltado de la prisi6n una
india, que le guardaba".
102 Ulrich Schmidel Viaje al Rio de la Plata ed. Lafone Quevedo; Buenos
Aires, 1903, pg. 280
"....... teniamos nosotros que navegar 100 leguas aguas arriba del Parand;
y l1egamos a un pueblo llamado "Gienge"..... Hasta aqui en este pueblo todo
obedece a la Cesirea Majestad, y es tierra de Carios. -







- 49 -


De "Gienge" embrenha-se no sertao, 'demandando a al-
deia do famigerado Jodo Ramalho. Esse percurso e por
Schmidel avaliado em cerca de 250 leguas. Encontra os
primeiros Tupis a 126 leguas do Parana, portanto a uns 500 kms.
de caminho em diredio oeste ou sudoeste de Sao Paulo.
Por motives hist6ricos e etnogeograficos seria um trecho do
sertao entire o Tiete medio e o Tibagi medio ou superior. Nesta
filtima regiao vemos surgir, alguns anos mais tarde, Nufrio de
Chaves, lugar-tenente de Irala, para vingar as incurs6es dos
mesmos Tupis contra os indios aliados aos Castelhanos
(103). E, para p6r um dique A sua repeticgo, promove-se ao
mesmo tempo a colonizadio do Guaira (104).
Estes epis6dios, que fAcilmente poderiamos multiplicar,
fixam tamb6m a penetragEo dos Tupis.
Entretanto, a grande projegdo do seu nome sera simples

Ahora empieza la tierra del Rey de Portugal, A saber la de los Tupis; ahi tuvi-
mos que dejar el Parana y las canoas y marchar por tierra A los Tupfs........
.................................. ; y ay entire el susodicho pueblo
Gienge y los Tupfs 126 leguas de camino".
Idem, ibidem; pg. 287:
"Iten echamos 6 meses largos, de la ciudad Nostra Signora de Sanssi6n hasta
la ciudad S. Vincenndo en Presiell y hay 476 leguas de camino".
Schmidel avalia o percurso de Assungco at6 o ponto em que chega ao rio ParanA
em 111 16guas; a subida pelo Parand em outras cem, e a distAncia total percorrida at6
Sio Vicente em 476, o que dA 265 16guas de march entire Gienge e Sio Vicente.
103 "..... Despues determine el Gobernador (Domingo de Irala) despachar &
Nuflo de Chaves A la Provincia del Guaird.................. Nuflo de
Chaves lleg6 al Parana........Pas6 adelante, y entr6 por otro rio que viene
de la costa del Brasil, llamado Paranapan ...........................
....................dejando este rio, naveg6 por otro que entra A mano
derecha llamado Latibajiba ...........................................
y passando por los pueblos que estan & sus margenes lleg6 a los fronterizos
que estaban cercados con fuertes palizadas a precauci6n de sus inimigos los
Tupies y Tobayardes del Brasil ............ "; -
Ruidiaz de Guzman "Argentina"; Buenos Aires, 1882, pg. 156. -
O mesmo epis6dio se 16 em Pedro Lozano, Hist6ria de la Conquista del Paraguay,
vol: III, pg. 33 e na "Informaci6n de meritos y servicios" do pr6prio Nilfrio de Chaves.
104 Juan de Salazar, em uma carta datada de 20 de Margo de 1556, diz que:
"el Gobernador va al Parana a acabar de poblar a Guayra, porque conviene
much para el bien destes indios que los Tupis rio los acaben de destruir......."
apud: Enrique de Gandia, Historia de la Conquista del Rio de la Plata y del
Paraguay, 1535-1556 Buenos Aires, 1932; pg. 284, nota 157.







- 50 -


corolario das Bandeiras austrais setecentistas. Nos documen-
tos paraguaios e nos relatos jesuiticos da 6poca estridulam os
seus gritos de assalto e a mosquetaria dos seus condutores
portugueses e mamelucos neles reboa. Das suas pdginas es-
corre o sangue dos trucidados e nas suas linhas gemem os
pungentes ais das fileiras dos preados e soluga o ch6ro convulsive
dos filhos arrancados do peito das mies. As Bandeiras se-
riam desses imperatives hist6ricos, fruto dos tempos, da co-
loniza~io e do meio. Nao nos cabe aqui fazer a sua critical.
Assoalhamos a evidencia. E o fato e que o nome Tupi all estd,
ereto e pujante na sua selvatica fereza, dominador como sem-
pre o deveram ter sido os grandes galhos do imenso tronco
tupi-guarani regado pelo Amazonas e pelo Prata e ao qual
s6 os Andes e o AtlAntico puseram limits.
Foi terrivel, epica, a luta secular entire os Tupis e os
seus irmdos, os Carij6s, que passaram a ser os Guaranis do
Paraguai.
A inimizade tornara-se traditional; mas, nem por isto,
"Tupf" significa "inimigo" em guarani e muito menos em
tupi, como insinua uma das incriveis fantasias engrendadas
pelo Sr. M. A. Morinigo (105) e que o Sr. Ant6nio Serrano


105 Marcos A. Morinigo Las Voces Guaranies del Dicciondrio Acad6mico
- Boletin de la Academia Argentina de Letras; Buenos Aires, 1935.
"Tupi" etim. guarani "enemigo".
"Para los guaranies (?) del Brasil eram "tupies", no una naci6n ni una raza,
sino todas las naciones no guaranies con quienes mantenian rivalidades (!?)".
"Para los guaranies del Paraguay y de las misiones jesuiticas eran tupies prin-
cipalmente los indios caingangues (?) sus tradicionales enemigos, que aliados
de los portugueses de San Paulo les hacian la guerra con el objeto de reduzirlos
a la esclavitud. Al empezar el siglo 17, estas malocas, 6 expediciones para cazar
indios, constituian un negocio arriesgado, pero muy lucrative y ya tomaban
parte en ellas no solamente portugueses y caingangues, sino tambidn mam e-
lucos (mestigos de indio y blanco) y gran nAmero de guaranies de la costa atla n-
tica del Brasil, atraidos por el lucro (?).
La denominaci6n "tupi" que aplicaban los indios de las misiones a sus ene mi-
gos se estendi6 de esta manera hasta a sus hermanos de raza, aliados de sus
enemigos (?).
Como todos estes invasores hablavan la lengua general del Brasil, es decir el
guarani de la costa atlAntica (?) que tenia apreciables difer6ncias dialectales
del guarani de las Misiones y del Paraguay, la palabra "tupi" involucr6 tam-
bi6n la lingua de los maloqueros (!?) De ahi la contradicci6n de Ilamarse







- 51 -


perfilha encomiasticamente sem o menor exame (106). Alias,
de nenhum dos trechos apontados decorre semelhante conclu-
soo e um deles a pie certamente em divida (107).
Em compensagao, o que espanta nas citag6es e a falta
de sinceridade do Sr. Morinigo consigo mesmo, quando, por
exemplo, aduz Diego Garcia em apoio de "Carij6" e "Guaranf"
e dele se esquece no verbete "Tupi", onde o seu testemunho
seria inc6modo, desastroso!

Pensara alguem que a verdade deixa de existir por mis-
tificag~es deste jaez?

As nossas verificap5es precedentes demonstram sobretudo
que, nos mais antigos documents paraguaios, os Tupis de
Sio Vicente sio invariavelmente chamados "Tupis", nome que,
segundo Diego Garcia, eles tambem se davam a si mesmos,
em 1527.
Ha, portanto, uma reciprocidade constant nas denomi-
nag5es dos dois adversarios. Os Tupis, e corn eles os Portu-
gueses, sempre ddo aos Carij6s o seu nome pr6prio; os Cari-
j6s e os Castelhanos retribuem aos Tupis na mesma moeda.
E' o que importal fixarmos em primeiro lugar. A significagco
etimol6gica 6 de valia secundaria em nosso estudo e, provA-


generalmente "tupi" a la lengua y a los Indios guaranies del Brasil, palabra que
en su propia lengua significa enemigo (?). "Debe tenerse present que los gua-
ranies (?) de la costa del Brasil con quienes trabaron relaci6n los portugueses
y franceses se llamaban a si mismos carios (??) y tupinambas y nunca
tupies".
E dizer que esta tirada de erros. inver dades e mistificaeqes foi escrita depois de estar
acessfvel toda a documentag o de que n6s nos utilizAmos! -
Compare o expendido na nota 10, cor a respective documentaq.o.
106 Antonio Serrano-Etnografia de la antigua Provincia del Uruguay. Parand,
1936; pg. 57 e 58.
107 Ruy Diaz de Guzm6n "Argentina" pg. 170:
"..... y pasando por ellos lleg6 (Ndfrio de Chaves) a los fronterisos que esta-
ban en fuertes palisades por sus enemigos ttupis y ttovayaras del Brasil y
amigos de los Portugueses de aquella costa".
Tobajara ter aqui o sentido de inimigo, embora Guzmdn parece ignora-lo, pois Ihe
antepbe o sin6nimo castelhano. Releia-se a este respeito a nota 18.






--52 -


velmente, nunca passarq do campo das especulag6es mais ou
menos engenhosas e sempre discutiveis.
Dissipadas, desta forma, quaisquer duvidas 'em torno da
existencia do gentilico Tupi, esta ao mesmo tempo provada
a legitimidade da expressed lingua tupi, jq que os gentilicos
funcionam regularmente como adjetivos. E foram certamente
corriqueiras as referencias a."lingua tupi" no ul do Pais e
ainda mais na Provincia do Prata. E' mesmo natural que,
cerceada a generalizagio do adjetivo "tupi" no Brasil pela
adogdo inicial de "brasilico", se deva o sentido generico atual
de "tupi" a zonade influencia castelhana. Eram os Paraguaios
que viviam em contato constant, embora involuntario, com
os Tupis. Eles, que falavam o guarani, se davam conta das
diferengas do dialeto dos seus vizinhos, os verdadeiros Tupis.
Mais tarde, quando os primeiros Jesuitas levaram para o Pa-
raguai o que em "lingua brasilica" os padres tinham escrito,
as divergencias entire esta e o guarani ainda deviam ficar
mais patentes, visto como as formas fon6ticas empregadas
correspondiam mais aos dialetos falados entire o Rio de Ja-
neiro e o Maranhgo do que ao'dos Tupis propriamente ditos,
cujo linguajar se aproximava algo mais do guarani.
Se 6 certo que os Tupis do Brasil compreendiam os Gua-
ranis do Paraguai, com alguma prdtica, n2o 6 menos not6-
rio que a colonizaCio e a catequese foram acentuando algum
tanto a primitive dissemelhanqa, tanto na forma como no lexico;
principalmente neste dltimo. As mesmas ideas eram frequen-
temente expresses de um modo no Brasil e de outro no Para-
guai. Basta o confront dos catecismos para nos convencermos.
Em breve, a aco civilizadora dos dois nticleos: um portugues
e maritime, castelhano e mediterraneo o segundo, haveria de
acabar forcosamente por exigir a distincio das respectivas
linguas gerais, se antes nao existisse. A do Paraguai ja se
chamava guaranii"; a do Brasil seria a "tupi", falada pela
tribo cujas aldeias representavam o fim da influencia espanho-
la, o comeqo do Brasil.
Alias, e insistimos neste ponto, nao era precise tanto
para uma lingua receber varias denomina; es; bastava diver-





-- 53 -


gissem os apelidos das facqoes que a falavam. Os termos:
"lingua carij6", "lingua guarani" e "lingua chiriguana", que
todos designavam a mesma lingua, sao disto exemplos frisantes
(108). E, field a essa tend6ncia, a "lingua tupi" certamente
existiu tambem antes da catequese.
Estas considera5ges sobre a lingua tupi sao convincentes,
ou pelo menos, muito verossimeis. Onde, por6m, a prova
concrete de que se usava a expressio "lingua tupi"?
E' evidence que, no Brasil, o seu emprego devia ser mais
oral e limitar-se ao territ6rio 'habitado e frequentado pelos
pr6prios Tupis, ja que alhures qualificativos mais adequados
se haviam fixado. Por isto mesmo dele nio encontramos, atW
agora, vestigio algum em nossos escritos coloniais.
Por outro lado, como a lingua tupi interessasse pou-
quissimo ao Paraguai, as pesquisas antolhavam-se-nos, tamb6m
af, de limitada probabilidade de exito. Mas, apesar de tudo,
conseguimos finalmente deitar a mSo num document apto
para dissipar quaisquer dividas que ainda pudessem pairar
s6bre os pontos de vista por 'n6s expostos. E' posterior
a ida ao Paraguai dos Jesuitas do Brasil, por6m anterior a
fundagao das Redu-6es e saiu da pena de um dos missiona-
rios mais esclarecidos entire os que palmilharam as regimes
do Perd e do Paraguai o Jesuita Alonso Barzana (109).
Falava onze linguas, na maioria indigenas, e foi dos que, em
quichua, assistiram ao inca Tupac Amaru; preso pelos Espa-
nh6is. E', pois, um velho mestre na mat6ria, o que, em
1594, escreveu os trechos que se seguem:

108 "..... la naci6n que en las fronteras del Pird.......... lHaman Chiri-
guanas y ac6 llamamos Guaranies,........"
Carta de P. Alonso Barzana, 1594. Relaciones Geogrdficas de Indias, tomo II,
pg. LII-
"El P. Angelo Monitola, con el hermano Juan Sanches,,que entrambos 6 dos
sabian la lengua Chiriguana que es la Guarani......."
Anua de la Companiia de Jesus, 1596; Relaciones Geogrdficas de Indias, tomo
II, pg. 68. Compare ainda as notas 43, 44 e 45.
109 As "Relaciones Geogrnficas de Indias", vol. II, pg. 65, dao alguns dados
hiogrAficos deste Jesuita, que morreu em Cuzco, a primeiro de Janeiro de 1598.







- 54 -


".... porem, a populadio mais numerosa, da qual
grande part jd conquistada e maior ainda por con-
quistar, pertence A nagao, que, nas fronteiras do Perd,
onde tanto sangue espanhol tern derramado, chamam
Chiriguanas, e que por aqui chamamos Guaranfs.. "
"A lingua que fala today esta nagCo tio espalhada
6 uma s6 e, embora a que falam no Brasil, que
chamam tupi, seja algo distinta, e tao diminuta a di-
ferenga que nao serve de impecilho ......." (110).
Eis, af temos: no Paraguai, ja no s6culo dezesseis chama-
va-se "tupf" a "lingua mais usada na costa do Brasil"; e nao
e apenas uma pessoa, um relator, que assim a design. Cha-
mamn tupi! Ja era entio difundida, generalizada, a designagao
de "lingua tupi", em contraposigo ao guarani.
Duzentos anos antes de Hervas usava-se corrente e mui
acertadamente uma expressao, que a este foi imputada como
inovagao descabida! (111). Ha tres seculos e meio os termos

110 Carta de P. Alonso B4rzana, de la Compaiiia de Jesus, al p. Juan Sebas-
tian, su Provincial. Fecha en la Asunci6n del Paraguay, a 8 de Septiembre de 1594. -
Relaciones Geogrificas de Indias, tomo II, pgs. LII-LXV:
"..... pero la mayor suma de gente, much ya conquistada y muy much
mas por conquistar es la nacion que en la fronteras del Pird, donde han derra-
mado tanta sangre de espafioles, laman Chiriguanas yac Ilamamos Guaranies
los quales, cono los espafioles, tambien tienen brio de conquistar las outras
naciones a las cuales todas llaman esclavos.........."
"Pero vayamos A la nacion Guarani y digamos, conform el orden de V. R. de
su religion, gobierno, costumbres, vestidos, comidas, cantos y lo que por medio
de la Compafia No. Sr. ha hecho hasta agora y esperamos hard en adelante.
La lengua que habla toda esta naci6n estendida tan a la larga, es una sola,
que aunque la que hablan en el Brasil, qve Ilaman Tupli es algo distinta, es muy
poca la distinci6n y que no impide nada: lo qual ha sido de much efecto para
la conversion desta naci6n.--Sabenla muy hien los tres padres que vinieron del
Brasil y de los que vinieron del Pird el P. Marcial de Lorenzana, que la habla
con much propiedad y pronunciaci6n, y este viejo todo de V. R. que aunque
ningun diente me ha quedado para pronunciarla, predico y confieso en ella y
me ha costado mas trabajo que otra ninguna, que ya mi memorial ni lengua
no me ayuda".
111 Batista Caetano, em suas notas a Fernbo Cardim, "Do Principio e Origem
dosIndios do Brasil", Tratados da Terra e Gente do Brasil Rio, 1925, pg. 272:
"Na mesma fonte em que bebeu Simlo de Vasconncelo, Leberam outros, dando
Tupf como nome de tribo, e assim aparece tu b~mn em Hervas (pg. 148 do Ca-
tdlogo de las Lenguas, tomo I) onde ate se tda- rcmo sin6nimos "tape" e "tupf".
Compare a nota 5, onde transcrevimos o referido trecho de Hervis. -






-55 -

"Tupi" e "lingua tupi" eram considerados indispensdveis no
Paraguai (!) para boa determina go das condiCqes etnograficas.-
Hoje ha brasileiros que, por ignorancia ou vergonhosa con-
descendencia, procuram renega-los, fazendo coro cor elemen-
tos de fora. Longe de n6s o mais leve ressaibo de xenofobia;
mas, respeitemos os fatos por amor A hist6ria e amparemos a
verdade para servir A Ciencia!















O CONCEITO POLITICO-GEOGRAFICO
DOS TERMOS "TUPI" E GUARANII"



Nao poderiamos terminar o present estudo sem chamar
a atengco para outro fator, que veiu alargar poderosamente,
e desde os prim6rdios, o hiato existente entire ostermos "Tupi"
e "Guarani", dando-lhes o verdadeiro sentido hist6rico. E' o
conceito politico-geografico em que se foram envolvendocom
o uso pelos povoadores europeus.
Nos primeiros tempos, os limits entire as possesses es-
panhola e portuguesa do Sul e Sudoeste eram uma linha
muito vaga, viva, flutuante, representada pelos extremes con-
finantes entire Tupis e Guaranis. Estes se haviam submetido
aos conquistadores espanh6is; aqueles, amigos dos Portugueses
desde a sua chegada, representavam o poder luso. Os Castelha-
nos tomavam o partido de uns e os "Brasileiros" apoiavam
os outros. Os respectivos avangos e recuos transferiam tamb6m
a linha divis6ria. Ja era o choque entire os dois colonizadores.
Viria mais tarde a luta franca, o isolamento, a despeito da
uniao temporaria das duas mdes-patrias.
N6brega, forcejando por ignorar a incipiente fronteira, na
sua qualidade de missionario, e pretendendo catequizar os Ca-
rij6s, teve os seus entusiasmos refreados por Tome de Souza,
que pretextou os perigos das penetrac6es longinquas (112).
112 Pe. Serafim Leite Hist6ria da Companhia de Jesus no Brasil -
vol. I, pg. 336:
"Tom6 de Sousa, Governador Geral do Brasil, consultado, tinha prometido
o apoio indispensAvel para a missao. Contudo apesar de ser amigo de N6brega,
quando viu as suas disposi necessgrio para fundar a ccm lrguas da costa uma cidade, arripiou caminho
e op6s-se a viagem".'






- 58 -


Bem nitidas aparecem as razies political na oposigdo que
os pr6prios Jesuitas fizeram a idea fixa de N6brega. A diver-
g6ncia vem registrada da forma seguinte na "Informan io do
Brasil e das suas Capitanias":

"Ao tempo que chegou o Padre Luis da Gra a Sao
Vicente, no ano de 1555, estava o Pe. Manuel da
N6brega determinado de ir ao Rio da Prata, em
companhia de uns castelhanos que entravam pelo
sertio, porque naquela terra havia grandfssimas es-
perangas de grande conversio dos indios carij6s, que
sao da coroa da Castela. Mas, cor ajuda do Padre
Luis da Gra, que era seu colateral, se mudou o
conselho por ser aquele reino estranho" (113).

Ainda desta vez o politico venceu o catequista e, mor-
ressem embora milhares de criangas e velhos sem batismo, s6
em se nivelando te6ricamente os obstdculos divis6rios, pela
uniAo de Portugal a Espanha, seguiriam daqui os primeiros
Jesuitas. Isto quanto ao pensamento portugues.

A concepgao paraguaia nio 6 menos clara e dois passes
de Schmidel v6m a calhar para o deixar provado.

"At6 este povoado pertence A Sua Imperial Majes-
tade e 6 terra dos Carij6s. Agora comeca a terra
do Rei de Portugal, ou seja a dos Tupis" (114).
Nao 6 possivel ser mais conciso. Mas, nio 6 so. -
Ja em meados do s6culo dezesseis os Paraguaios tinham come-

113 Anchieta Cartas etc. "Informagdo do Brasil e de suas Capitanias" -
1584 pg. 325.
114 Ulrich Schmidel Viaje al Rio de la Plata 1534-1554 ed. Lafone
Quevedo, Buenos Aires, 1903; pg. 280:
"..... buscAbamos viveres y canoas; visto que teniamos nosotros que navegar
100 leguas arriba del Parand; y llegamos 6 un pueblo llamado Gienge; ali que-
damos 4 dias. Hasta aqui en este pueblo todo obedece d la Cesdrea Majestad y es
tierra de Carios. Ahora empieza la tierra del Rey de Portugal, a saber, la de los
Tupis: ahi tuvimos que dejar el Parand y las canoas, y marchar por tierra
a los Tupfs,........................






- 59 -


gado a generalizar o sentido de "tupi", ao exemplo do que
tinham feito com guaranii".
E, como os Tupis representassem o dominio portugues,
nada mais natural do que serem "Tupis", para os Paraguaios,
todos os indios brasileiros da lingua geral, conforme ainda se
depreende da seguinte afirmativa de Schmidel:

"Depois navegAmos desta ilha a outra. Chama-se
Rio Genna (Rio de Janeiro) ..... e pertence ao rei
de Portugal. E' a ilha Rio Genna na India e os
indios chamam-se Topiss" (Tupis) (115).

Os indios do Rio de Janeiro s6 podiam entio ser Tupis
na boca dos Paraguaios ou de alguem por eles influenciado;
mas, ja temos ai o inicio da referida generalizagao em que o
sentido atual das expresses "lupi" e "lingua tupi" ter as
suas raizes.
Facil seria multiplicar exemplos em apoio do que chama-
mos o concerto politico-geogrdfico dos dois gentilicos. A lite-
ratura paraguaia do tempo da conquista esta repleta deles.
Mas, para que comprovar o que esta evidence A saciedade?










115 Idem, ibidem; pg. 144:
"Despu6s navegamos de esta isla A otra que se llama Rio de Janeiro ..... de-
pendencia del Rey de Portugal. Esta es la isla de Rio de Janeiro en Indias y
los Indios se llaman Tupfs".
E' na vinda que Schmidel faz estas observag6es e, assim, nao cremos que alf colhesse
o nome que dd aos TupinambAs. Ao chamar-lhes Tupis, quando redige as suas aven-
turas ap6s a volta, segue o costume paraguaio, que ji entao tinham generalizado o nome
"tupi" da tribo limitrofe, aplicando-o a todos os indios do Brasil que falavam a mesma
lnguia.

















A CRITICA DAS FONTES IIISTORICAS


0 present estudo mostra mais uma vez a displicente su-
perficialidade com que, no campo da nossa etnografia e lin-
guistica indigenas, se tem procrastinado quest6es fundamen-
tais e consagrado definicges em nada correspondents a ver-
dade dos fatos. E' velho costume afirmar sem aduzir provas
e, o que e pior, sem ao menos compulsar os principals docu-
mentos existentes. E, quanta vez presidem aos cotejos as
conveniencias de ideias preconcebidas, no afR de provar o que
se quer, em detrimento daquilo que realmente 6.
0 crit6rio cronol6gico, a base das quest6es de evolucgo
hist6rica, 6 posto a margem, a favor dos capitulos artificiosos
das sinteses escritas long do teatro dos acontecimentos e dos
massudos compendios deles divorciados no tempo, no espago
e na mentalidade.
Noticias de segunda e terceira mao e produtos de segunda
e terceira fantasia sao chamados a fazerem f6 onde o credito
pertence, antes de tudo, ao singelo relate das testemunhas
oculares.
Por outro lado, as fontes antigas da nossa etnografia
sul-americana de per si jq sao das mais confusas. Rara vez
houve o interesse de tracar um quadro nitido e complete das
populacqes. Minudencias culturais sao escassas ou contradit6-
rias. Cada qual menciona apenas o que Ihe serve os prop6-
sitos do moment e muitos s6 por ouvirem dizer.
Ai estdo as causes de tantos conceitos esdrixulos, que, in-






- 62 -


c6lumes, atentam por decenios e at6 s6culos, contra os prin-
cipios mais rudimentares do bom senso.
Urge sistematizarmos as nossas pesquisas, comegando
corn as mais antigas contribuirces originals. So depois de es-
gotadas estas, poderemos recorrer, para devido confront, aos
cronistas compiladores, principalmente para epis6dios de que
se perderam os relatos primitives. A devida cautela e certo
desconto devem, entretanto, preceder a sua utilizafio em
pontos controversos.
Exemplifiquemos o nosso pensamento corn as ocorrencias
relatives ao present estudo por ocasifo da conquista do
Prata e Paraguai.
Ao lado dos historiadores maiores: Ant6nio de Herrera e
HernAndez de Oviedo y Valdes, ha os cronistas locais: Ruy
Diaz de Guzman e Reginaldo LizArraga, que todos ainda
foram contemporaneos de- varios elements de atuaCio desta-
cada nos acoritecimentos. Seria por6m temeridade tentar es-
clarecer um ponto etnogrdfico corn os vagos resumes por eles
fornecidos.
Quem, depois de concluida uma investigagqo hist6rica
como a nossa, quiser sentir a intima conviccdo de haver sido
meticuloso e honest, deve ter penetrado mais fundo, para
buscar, nas fontes por eles utilizadas, a narracqo e o pensamen-
to primitives, completes em suas observances, ou pelo menos
livres dos enfeites retoricos e comentirios interpretativos.

Diego Garcia de Moguer, Luis Ramirez, Pero Lopes
de Sousa, Domingo Martinez de Irala, Alonso Ca-
brera, Francisco Villalta, Cabeza de Vaca, Pedro
Hernandez, Gonzalo de Mendoza, Hernando de
Ribera, Ulrico Schmidel, Ant6nio Rodrigues
e outros foram todos figures ativas e observadoras no primeiro
ato da penetraqio.
As suas declaracoes retificam-se e completam-se a des-
peito da sua divergencia qualitativa e quantitativa.
As relacaes de Schmidel e Villalta, a de Irala, de 1542,






- 63 -


e o requerimento de Cabrera, todos afirmando, que, no Para-
guai, os expedicionarios viviam em meio dos Carij6s, remo-
vem quaisquer d6vidas por ventura ocasionadas pelas pala-
vras do mesmo Irala, na sua Relagao deixada em Buenos
Aires, quando fala em
"indios guaranis, ou, se quiserem, carij6s, que vivem
trinta l1guas em t6rno daquele p6rto (de Assungio)".

Neste trecho temos um sinal da incipiente generalizaago.
Ela se inicia nas esferas dirigentes. 56 muito mais tarde, e
vagarosamente, o seu uso se espalha entire a soldadesca e o
povo em geral. O confront de Schmidel e Villalta cor Irala
e Cabeza de Vaca nao deixa disto a menor duvida.
Quando Alvar Ndfiiez Cabeza de Vaca escreve a sua
"Relagdo Geral", em 1545, jA e adepto integral da generali-
zaqio de guaranii", a que se acostumou entire os Espanh6is
de Assungao, embora tenha atravessado numerosas aldeias ca-
rij6s na sua ida por terra, das costas catarinenses ao Para-
guai. 0 seu secretario, Pedro Herndndez, mais em contato
com o povo, nassuas Mem6rias, do mesmo ano, nao fala sendo
em Carij6s.
Villalta, em 1555, ainda se nao refere a Guaranis no
Paraguai e o mesmo se verifica em Schmidel.
0 pr6prio Irala, que primeiro registra a tendencia apontada
e com ela ja faz cbro, em 1542 (116), sofre ocasionais refluxos,
devidos As reminiscencias pessoais ou A influencia dos seus
soldados, em cuja lembranca continuam predominando as
condigces encontradas A sua primeira chegada. O nome "Ca-
ri6s de la Sierra", que, em 1555, Irala da aos Chiriguanos

116 Relaci6n de Domingo Martinez de Irala acerca de los descubrimientos
que iba haciendo cuando fue navegando Paraguay arriba por orden del gobernador Ca-
beza de Vaca, desde el 18 de diciembre de 1542; Blas Garay "Colecci6n de Documentos",
Anales de la Biblioteca de Buenos Aires, tomo 8; pg. 339 etc.
........ Domingo Martinez de Irala............. hallibase navegando por
el alto Paraguay............... .... ..... ...entr6 en el vergantyn
donde el estaba un principal con otros tres yndios que hablavan la lengoa guar-
rani, .........ni mas ni menos que los mismos guaranis........ "







- 64 -


k117), e um deles e, ao mesmo tempo, um exemplo de nova
generalizaqgo a ensaiar-se, a de "carij6", que nio vingou.

O caso inverso ocorre em Frei Reginaldo de Lizarraga
(118). Mais familiarizado cor os povos indigenas das encostas
e dos vales orientais dos Andes e guiado pela identidade da
lingua, Lizarraga nio trepida em afirmar, que os indios do
Paraguai sao todos Chiriguanos (119).




Do. lado brasileiro, a questdo "tupi" 6 muito menos trans-
parente. A sua analise correta requer apreciaqAo pr6via dos
personagens que nos servem de testemunhas iniciais e do meio
em que se moveram.

O "Bacharel" e Diego Garcia sao elements insofismaveis.
Nao existindo referencias contemporaneas outras que Ihes pu-
dessemos opor, somos forgados a tomar as suas afirmativas
tais quais. Staden, P6ro Correa e Ant6nio Rodrigues sao vozes
dentre a col6nia portuguesa, por pouco tenha o iltimo per-
manecido em Sao Vicente. N6brega, missionario e Superior,
estudou de perto o problema da catequese dos Indios, sem con-


117 Carta de Domingo Martinez de Irala al Consejo de Indias refiriendo sus
entradas y descubrimientos por el Rio Paraguay hasta el Perd etc. La Asumpci6n,
1555 in: Ulrich Schmidel, Viaje al Rio de la Plata (1534-1554); ed. Lafone Quevedo
Buenos Aires, 1903; pg. 409.
....... hera muy grande, y muy pdblica entire los naturales de la tierra y
yndios Carios de la sierra.........."
118 -- Fray Reginaldo de Lizirraga, Descripci6n Breve de today la tierra del
Perd, Tucumtn, Rio de la Plata y Chile (1605). In: M. Serrano y Sanz; "Historiadores
de Indias'", tomo II, Madrid, 1909. -
119 Idem, ibidem:
"El capitAn Juan de Garay, viviendo en la Asumption ................ pidi6
............. que l6 queria aventurarse 6 irse el rio abajo...... Ileno de Chi-
riguanas caribes......." (pg. 641).
"Es la provincia del Rio de la Plata abundantissima de todo g6ncro de man-
tenimientos,............................................................
Los indios son todos Chiriguanas, mas tratables que los de la Provincia de los
Charcas;....... hablan la misma lengua....." (pg.642).






- 65 -


tudo perder o contato dos colonizadores. Anchieta dedicou-s
quase exclusivamente aos Indios.
Isto posto, verifica-se, entire Diego Garcia e Anchieta, as
duas expresses mais fidedignas do mundo indigena e adeptos
exclusivos de t&rmo "tupf", a intromissao de uma corrente a
favor de "tupinaquim", emanada do seio da col6nia portu-
guesa. A ela filiam-se: Staden, Pero Correa e Ant6nio Rodri-
gues. At6 N6brega se deixa influenciar de uma feita, o que
se explica pelas suas atividades entire os Portugueses.
Mais tarde, a deno minacAo "tupinaquim" parece triunfar
completamente sobre a de "tupi," pelo que se deduz de Car-
dim, e de Jer6nimo Rodrigues (120) na sua "Missio aos Carij6s".
Isto nio deve estranhar. Com o progress do nuicleo vicentino
s6 poderia generalizar-se o seu modo de dizer.
Nao fossem Garcia, Anchieta e N6brega, cujo testemu-
nho e decisive, inapelavel, e quase estariamos inclinados a
ver em "tupi" um apelido de origem carij6, pela constAncia
do seu empr6go entire estes.
Vemos dal, que, nem sempre, a analise quantitativa decide
uma dfivida; e, em casos tais, somos forgados a fazer a dis-
tingco qualitativa das diversas fontes. E', entretanto, um
terreno escorregadio e toda a prudencia e pouca no avaliar-
mos uma opiniao.
Mas, se o nome "Tupi" volta a conquistar vi-
toriosamente um lugar na ciencia etnol6gica, deve-o as refe-
r6ncias e ampliacao do seu significado primitive feitas pelos
Paraguaios. A sua acepcao gen6rica ja corria mundo, quando
a nossa maior autoridade em assuntos hist6ricos vicentinos,
frei Gaspar da Madre de Deus, voltou a circunscrever entire
n6s o seu alcance primitive, inteiramente dentro do depoi-
mento anchietano (121).

120 --- Na noa 88 ji mostrAmos que Fernao Cardim nio conheceu indios tupfs
em Sdo Vicente e o Pe. Jer6nimo Rodrigues. na sua relato "A Missfo aos Carij6s"
1605-1607. tamb6m a eles se nao refere mais. Serafim Leite, Novas Cartas Jesui-
ticas, pg. 196 etc. "Brasiliana", vol. 194.
121 Frei Gaspar da Madre de Deus,-Mem6rias para a Hist6ria da Capitania
de Sao Vicente etc. Lisbon, 1797; pgs. 90, 94 e 95. -


















PIRTTE 11



DOIS IRRITANTES EQUIVOCOS

NA FONMTICA TUPI


















CONSIDERACOES PRELIMINARIES


Muito se tern discutido sobre tOrmos primitives, formas
castigas, grafia legitima e quejandos assuntos da linguistica
tupi-guarani, como se af houvesse muita materia liquid e
certa. Entretanto, os que se derem a trabalhos de confront
nio tardarAo de verificar, que a superficialidade, aliada a ideas
preconcebidas dos mestres modernos, puseram em circulagdo
um aglomerado confuso e heterog6neo de ensinamentos, uns
bons, outros duvidosos ou claramente falsos.
Na fon6tica do tupf e do guarani as incertezas e incorre-
oes tiveram a sua origem nao apenas na falta de clareza dos
gramaticos coloniais. Por parte deles s6 houve mingua, omis-
sAo. Converter as d-ividas em errors foi trabalho dos moder-
nos, principalmente de Batista Caetano, de Barbosa Rodrigues
e sequazes outros. A sua grande falha foi a incompreensdo das
muta,3s foneticas, cujas leis, todo peculiares para cada fami-
lia linguistic, tamb6m se fazem valer no grupo tupi-guarani.
Nada disto os parece ter preocupado de inicio. Comega-
ram por onde convinha terminar: tirando deduc6es e lavrando
sentences, quando nao possuiam ainda material suficiente e,
sobretudo, estudos preparat6rios, que Ihes pudessem fazer en-
trever ao menos algumas feiqces gerais das tendencias foneti-
cas tupf-guaranfs. 0 resultado foi dos mais desastrados. Fal-
tando-lhes a visdo panoramica indispensdvel, nada ou muito








70 -

pouco Ihes foi dado compreender e as conclusies, que, ainda as-
sim, teimaram em aventar, s6 podiam, aqui e ali, saber a inge-
nuidade ou raiar pelo absurd. Cada qual procurou conferir
a primazia, senio o cunho arcaico Aquele dialeto, aquela lin-
gua, que tivera oportunidade de estudar melhor; e tudo o
mais se tornava, as suas vistas, secundario, derivado, detur-
pado. Folheemos Martius, Couto de MagalhAes, Batista Cae-
tano, ou Barbosa Rodrigues, principalmente os dois iltimos.
Batista Caetano, reconhecendo embora certas mutacges
foniticas constantes entire o guarani e o tupf, atribuiI outras
a grafia impr6pria dos Jesuitas portugueses. Para Barbosa
Rodrigues, arrebatado pela estranha Amazonia, onde durante
as longas viagens tentou penetrar alguns dos seus mist6rios,
a fonetica-mae do tupf 6 a dos Tembes (1). Segundo ele, todos
os imigrados, espanh6is e portugueses, estudiosos e iletrados,
haviam trabalhado a porfia na adulteragdo do abanheenga (2).
Ndo viram ambos, que, j5 entire os antigos mestres do
guarani, existiam divergencias locals, como as havia entire
Anchieta e Figueira. Alias, as humerosas variantes por eles
apontadas explicam-se fAcilmente pelas distancias no espaco e
no tempo. Mais de oitenta anos, intensas migraa5es e ndo
pequena mistura intertribal separam as datas das obras de
Montoya e Restivo. Quanto ao padre Anchieta, a sua grami-
tic,a devia estar pronta, nos seus capitulos essenciais, em 1570
(3). A de Figueira obteve o imprimatur em fins de 1620 (4).
Influencias meridionais sao inegAveis em Anchieta, enquanto

1 Barbosa Rodrigues Vocabulrio Indigena Comparado para mostrar a adul-
teragao da lingua; Anais da Biblioteca Nacional, vol. 15, fasc. II, pg. 1 e seguintes.
E trabalho todo carente de base cientifica.
R Abanheinga 6 a forma tupf da palavra guarani abd-nheW = lingua de gene (de
indio). Ela foi posta em circulap5o por Batista Caetano numa tcntativa de substituir
os tnnros: lingua guarani e lingua tupi. Ao abanheenga de Batista Caetano corresponde
a nao menos infeliz denonmina~ao lingua tupi-guarani de Plfnio Ayrosa.
3 A primeira edigdo da Arte de GramAtica de Anchicta data de 1595. Jdlio Platz-
mann fez dela uma reimpressdo fac-similar; Lipsia 1876. Corn as mesmas chapas es-
tereotfpicas a Biblioteca Nacional fez nova tiragem em 1933.
4 NAo traz o ano da impressao; por6m, A vista da licenya, de 9 de Dezembro de
1620, pode-se admitir o de 1621,






-71 -


Figueira as deve ter sofrido antes do Norte e, inicialmerite,
talvez mais dos mestigos e convertidos do que dos Indios em
plena liberdade. Ousamos fazer tal afirmativa a vista dos ca-
tecismos de Bettendorff (5) e Araujo (6), foneticamente mais
fi6is a pronincia indigena, mais cuidados e mais uniforms do
que a gramatica do padre Figueira, ainda mesmo na sua se-
gunda edigao de 1687 (7). Ao contrario do que geralmente se
pensa, estes dois catecismos, especialmente o do padre Araujo,
sao mais valiosos para o estudo da ortoepia tupi do que as
gramaticas. Anchieta 6 muito prolixo no particular, mas, por
falta de textos, nao consegue remover todas as incertezas,
pois a pratica aconselhada (8) de ha muito nao est o ao nosso
alcance. Figueira promote vir em nosso auxilio e nao cum-
pre a sua promessa. Resta-nos a Advert&nzia no catecismo do
padre Araujo e companheiros, e a grafia muito cuidadosa ado-
tada na obra. Consideramo-las 6timas para o tempo. Infeliz-
mente, Batista Caetano delas s6 tomou conhecimento para,
ao que parece, p6r em dfvida a sua exatidio. Dos outros
autores mcdernos nenhum prcstou atenqio preciosa Adver-
ttncia, e pagaram-no bem caro. As espantosas afirmativas
s6bre a pronincia de algumas letras em tupi af estio para
assoalhar a posteridade at6nita o inconcebivel despreparo de
certos entendidos improvisados da noite para o dia.
Algumas leviandades proferidas pelo grande mestre Batis-
ta Caetano continuam, pois, seduzindo e vitimando incautos,
-Porque?

5 Dada A luz em Lisboa no ano de 1687. A segunda edigio 6 do 1800, igualmen-
te impressa em Lisboa.
6 Publicado pola primeira vez em 1618, conforme se depreende de uma referen-
cia da 2a. ed. de 1686. Da la. edicgo, ignorada durante muito tempo dos nossos bi-
bli6filos, Serafim Leite publicou, em sua Hist. da Comp. de Jesus, tomo iI, pg. 560, a
reprodugio do frontispfcio de um exemplar da Bibl. Nac. de Lishoa. -- Da 2a. ediggo
existe uma reimpressdo fac-similar (?) de Jdlio Platzmann; Lfpsia 1898.
7 E nao "terceira" como Plinio Ayrosa copia de Medina, embora corn reserves.
A ddvida prov6m de Hermann E. Ludewig The Literature of American Aboriginal
Languages; London, 1858; pg. 24, que, ao referir-se a la. ed. da gramatica de Figueira,
a coloca em 1681, ao inv6s de 1621. Daf o registrarem Vifiaza, Medina e Ayrosa uma
edicao de 1681, que nunca existiu.
S Usus docebit, a prtdica ensirard. sao arremates frequentes nas regras grama-
ticais de Anchieta.






- 72 -


Batista Caetano de Almeida Nogueira foi, sem favor, um
dos maiores conhecedores modernos do guarani antigo, em
cujo estudo gastou longos anos da sua vida. Os seus Apon-
tamentos s6bre o Abanheenga (9), o seu Esb6go Gramatical, a
traduqgo portuguesa da Conquista Espiritual, de Montoya, e,
acima de tudo, o seu Vocabuldrio al estio para o atestar (10).
Era um apaixonado do guarani, uma das linguas da ex-
tensa familiar tupi-guarani, que, plossuindo grande ndmero de
publicagpes antigas e recentes, oferece maiores facilidades
para estudos de f6lego. Porem, Batista Caetano era tamb6m
um antiquado em linguistic. O fossilismo da sua grafia por-
tuguesa nao deixa a menor duvida. Grafava: "aghora, hynver-
no, aptar atarar), ropto (=roto)," etc. etc.
Faltando-lhe material para estudos comparativos dos di-
versos dialetos tupi-guaranis, ou interessando-se pouco pelo
assunto, preferiu correr, como tantos contemporAneos, atras
de hom6nimos andinos. Por outro lado, deixando-se iludir
pela frequencia dos sons nasais e guturais, tidos por mais pri-
mitivos, ndo s6 viu no guarani o tronco arcaico que devia
ditar regras aos outros dialetos, mas demonstrou ainda sur-
preendente incompreensio das divergencias fon6ticas do tupf.
Por sua vez, nao possuindo o tupi, at6 1938, nenhum vo-
cabulario impresso que correspondesse a lingua falada nos se-
culos 16 e 17 (11) alem do desprezado fragmento da Crestomatia
de Ferreira Franga, nio existia outro recurso para os amantes
do tupi senio o de recorrerem aos existentes em guarani, aos

9 Tres estudos publicados na revista Ensaios de Ci&ncia, por diversos Amadores.
Dela sairam apenas tres fasciculos: o I. em Margo de 1876; o II. em Julho do mesmo
ano e o III. em Agosto de 1880.
10 0 Esb6go Gramatical precede o Manuscrito Guaranf; Anais da Bibl. .Nacio-
nal; vol. VI, Rio, 1879; pg. 1-90.
Conquista Espiritual e o titulo espanhol do Manuscrito Guarani. Veja tamb6m a
nota 96 desta II. parte.
0 Vocabuldrio ocupa todo o vol. VII dos Anais da Bibl. Nacional, Rio, 1879, de
mais de 600 pAginas.
11 -- Em 1938, Plfnio Ayrosa publicou, em Sao Paulo, na ColeCgo do Departa-
mento de Cultura, o Vocabuldrio na Lingua Brasilica, segundo um manuscrito da bi-
blioteca de Felix Pacheco. Trata-se de uma c6pia muito descuidada de antigo vocabu-
16rio jesuftico, feita ,em 1621. Esta primeira impressed inalterada de tao falado traba-
Iho 6 um dos grandes services prestados aos estudos tupfs por Plinio Ayrosa e pelo De-
partamento de Cultura de Sao Paulo.








- 73 -


de Montoya, Restivo, ou melhor, ao de Batista Caetano, que
traz boa soma de observag5es s6bre formas tupis; 6 mais fa-
cilmente obtivel e 6 redigido em portugues. 0 Vocabuldrio de
Batista Caetano tornou-se assim indispensavel. Todos, con-
fessadamente ou a sorrelfa, all ainda vao abeberar-se-e e por
isso que tantos fazem proceder vocabulos tupis de raizes ou
formas guaranis, ainda quando para tal precisem violentar a
fon6tica. Alias, neste particular nenhuma culpa ter o grande
mestre brasileiro, que, repetidamente, insisted nalgumas dife-
rengas morfol6gicas entire o tupi e o guarani.
Cabe-lhe, entretanto, a responsabilidade exclusive no ter
posto em circulagio a maior peta fonetica da familiar tupi-
Sguarani: a do g tupi pronunciar-se com o oh em guarani! !
- E houve quem engulisse a pilula sem a minima careta !
E esse incompreensivel deslise de Batista Caetano e se-
guidores que passaremos a examiner agora. Veremos, de-
pois, que outros se lhe vem acrescentando ate os nossos dias.















0 "H" GUARANI E 0 "Q" TUPI

Em 1876, Batista Caetano proferiu nos Ensaios de Ci6n-
cia a seguinte sentenga:
"A gutural continue forte foi designada pelos Es-
panhois pelo h e pelos Portugueses muito imprb-
priamente por g. E evidence que devia ser pre-
ferido o h.
Esta gutural passa, nio raras vezes, a sibilante
dental s (!)......." (12).
Mais long acrescenta:
"0 emprego do g a portuguesa trouxe o incon-
veniente de confundir-se o s com o h" (13).
Temos ai, entire a dupla afirmativa de terem os tupi-
nistas jesuitas representado o som laringeo aspirado do h gua-
rani por uma letra que geralmente represent o valor surdo
da fricativa dental s, o reconhecimento claro da mutapgo con-
sonantal: no guarani "h" permuta-se corn "s".
Nunca pudemos compreender porque Batista Caetano,
perspicacissimo em tantos enigmas etimol6gicos, n6o se apegou
a esta verificagio e nao continuou as pesquisas no rumo tdo
claramente indicado. Por mais estranho que parega, Batista
Caetano dd-nos a impressed de ter vivido a margem das gran-
des conquistas da linguistica; ou entio se deixou hipnotizar


12 Apontamentos s6bre o Abanheenga, fasc. I, pg. 55.
13 ibidem, pg. 59.





-76 -


de tal forma pela apregoada identidade do tupf com o guara-
ni, que acabou por convencer-se tamb6m da igualdade dos
dois fonemas representados por h no guarani e por g (c) no
tupi. Efetivamente, mais de vinte pAginas consagrou ele a
cambaleante prova de "tupi e guarani serem uma e a mesma
cousa, tal como o portugues falado no Brasil e em Portugal;
no Rio de Janeiro e no Para; em Minas Gerais e em Sao
Paulo" (14).
Para documentar-se transcreve, corn flagrante infelicida-
de, o seguinte trecho de Hervas:
"As linguas ( !) guaranf do Paraguai e tupf do
Brasil nao s~o menos semelhantes do que a es-
panhola e a portuguesa (!) entire si" (15).
Note-se o exagero de Batista Caetano comparado com o
julgamento ponderado de Hervis, alias mal transcrito.
Vemos af como, ja em 1876, Batista Caetano havia trans-
posto a linha prudent da verdade. Estava fadado a afundar-
se mais e mais na sua idea fixa. O Esb6go Gramatical mos-
tra-o claramente. All, a pagina segunda, encontramos efetiva-
mente a velha concepgao errada em termos mais categ6ricos:
"H (em guarani) e gutural sempre; os Portugue-
ses que o-nao tem e para quem esse carter 6
mudo, transcreveram sempre esse som guarani
por c".
Batista Caetano fez de logo um ardoroso adepto, Bar-
bosa Rodrigues. Ambos eram companheiros na redagdo dos
"Ensaios de Ciencia," onde aquele publicava estudos sobre o
abanheenga (tupi e guarani) e este s6bre arqueologia brasilei-
ra, cujos dados ia coligindo juntamente com elements lin-
guisticos entire os Indios da Amaz6nia.
Os trechos onde transparece claramente a influencia de
Batista Caetano sao os seguintes:
"C. Tendo os Portugueses substituido, nio por
antftese, mas por nao poderem dar a aspiragao
que o Indio e os Castelhanos dao, o h para q,

14 ibidem, pg. 3.
15 ibidem, pg. 11.





- 77 -


(sic) que Ihes pareceu soar melhor e podiam pro-
nunciar, perpetuou-se essa ortografia, substituin-
do at6 o s antes de a, e e o, que, pelo uso con-
sagrado e uniformidade foi adotado tambem an-
tes de todas as vogais para nao ter de dobrar- o
s quando entire vogais. A ado.to do q em vez
de s, a nao ser em casos de aspiragao, ter sua
razao, porque nunca o Indio da o sibilar do s;
mas no que nao tiveram r~ z.'i, e serviu para
corromper a lingua, foi fazerem desaparecer a as-
piragdo, e assim em vez de haku dizem gakli;
garib por harib; cegd por heqd; cee por hee" (16).
Barbosa Rodrigues misturou aqui lig5es de Batista Cae-
tano cor leituras nio compreendidas sobre fonetica portugue-
sa. Penetraremos melhor a confusa exposigao do seu nebu-
loso pensamento depois de ler o"capitulo em que tratamos do
valor de s e no portugues antigo.
Mais long Barbosa Rodrigues acrescenta: (17)
"A letra h indica sempre uma aspiragao; corres-
ponde ao espirito dspero dos Gregos, e as pala-
vras que eram assim aspiradas, os Portugueses
nao podendo pronuncia-las bem passaram para
g portugues (?), e corn razio, porque 6 indispen-
savel para pureza pros6dica e se poder aspirar
as letras quando pela audigao nao for possivel
saber" (!?).
Esperamos que o leitor adivinhe o que o grande botanico
pretendeu dizer. No fundo pouco divergird do que sabemos
atrav6s de Batista Caetano. VJ[as, Barbosa Rodrigues gostava
de generalizar e dogmatizar sem base, colocando-se, como lin-
guista, muito abaixo do seu mentor.
Nao se restringiu, entretanto, a um discipulo unico a es-
cola de Batista Caetano. Ela ainda recentemente se faz sentir

16 Barbosa Rodrigues Vocabulario Indigena Comparado; Anais da Bibl.
Nac. Rio, 1892; vol. 15, fasc. II; pg. 20.
17 idem ibid. pg. 27-28.






- 78 -


em Plinio Ayrosa, que, num dos seus iltimos escritos sobre o
que ele chama de lingua tupi-guarani, parece estar como fas-
cinado pelo h guarani e votar singular desprezo ao "s" tupi
(18). Em outra publicagAc, porem, as suas expresses a res-
peito das letras h e s sao incertas ao ponto de ficar o leitor na
duvida, se ai se trata de equivalencia ou de fonemas distintos.
Essa impressio ainda e reforcada por alusies vagas a sons
inexistentes (19) e a correspondencia de valores sdnicos repre-
sentados por simbolos grdficos diversos (20).
Vejamos alguns exemplos:
a- "Um (dos indices de relagqo) se resume a me-
ro indicador de aspiragpo (21).
Referem-se estas palavras ao h guarani e ao s tupi, nas
formas chamadas relatives de numerosos vocabulos.
b-"Anchieta usa c ou g como indice de relacao,
expresso por h aspirado nos autores de fala
castelhana" (22).
c-"rehe=res6; so=ho; sos6=hos6 (23); supi ou
hupi; jekosi ou jekohzi (24).
d- "Em serojeupi estq evidence a forma relative
he (!) em face da preposic~o ro" (25).
NAo vale a pena multiplicar as citag5es. Que nelas as
letras correspondents: h, s representam na opinido de Ayrosa
um Anico valor fon6tico, o de h aspirado, depreende-e' clara-
mente da seguinte afirmativa:

18 Plinio Ayrosa Dos indices de relagyo determinativa de posse no tupf-gua-
rani, Sio Paulo, 1939. O autor evita sistemAticamente citar a forma tupf, a nao ser que
transcreva Anchieta ou Figueira.
19 Idem, ibid. pg. 14.
20 Idem, ibid. pg. 16.
21 Idem, ibid. pg. 17.
22 Idem, ibid. pg. 20.
2S Ayrosa, Plinio -, Poemas" Brasilicos do Pe. Crist6vgo Valente, S. J., Sao
Paulo, 1941; pg. 17.
24 Idem, ibidem, pg. 28.
25 Idem, ibidem, pg. 26.






- 79 -


"A relagao dele exprime-se pela anteposigpo ao
tema, de h.......... Dizemos h porque e este signal
o mais corrente e o uinic9 que pode indicar cor
justeza a leve aspirasgo con que se deve pronun-
ciar........ Anchitta entretanto, usou sempre do g
e outros autores adotam o s" (26).

E dificil dizer, se para Plinio Ayrosa, talvez impressiona-
do por certo trecho de Batista Caetano (27), a equivalencia
s6nica do h guarani e do s (= c, g) tupf se restringe ai ao indice
de relag~o. Parece que nao, a julgar por alguns exemplos, onde
os ditos fonemas tem outra fungio:

karamosg ou karambohU (28);
setd-guW ou hetd-guer (29);
posang ou pohang (30).

Nesta altura, mau grado nosso, e tao sbmente para ori-
entagao dos estudiosos, somos forgados a referir-nos a estranha
evolug~o que se nota nas ideas professadas por Ayrosa, a
media que foi tomando contato mais intimocorn os autores
do tupi e guarani antigos. Pena 6, que nem sempre tenha evol-
vido para melhor, como teremos ocasiao de ver.
Em 1933, Plinio Ayrosa escreve:
"Ao s nunca se dar6 o valor de z, mesmo que
se apresente entire duas vogais" (31).

Portanto, equivale a g ou ss do portugues atual.
De 1939 sao os conceitos ja transcritos acima:


2 Ayrosa, Plinio -, Dos indices etc. pg. 46.
27 Apontamentos s6bre o Abanheenga pg. 59: "Este h represent por si um
elerento gramatical........; ja nao acontece assini cor o s .... ".
28 -- Lry, Jean de -, Viagem :\ Terra do ,'B:il: SRo Paulo, 1941; pg. 270, nota 29
29 Idem, ibid. pg. 273, nota 64.
30 Idem, ibid. pg. 273, nota 70.
31 Ayrosa. Plinio -, Primeiras Nog5es de Tupi; Sao Paulo, 1933; pg. 43.






- 80 -


"Dizemos h porque 6 este signal o mais corrente
e o aInico que pode indicar cor justeza a leve
aspiragdo corn que se deve pronunciar........... An-
chieta, entretanto, usou sempre do g e outros
autores adotam o s" (32).

Em 1941 recua em diregao a opiniao primitive, abando-
nando a leve aspirageo, sein contudo voltar ao s inicial .
"...... s (c, c de Anchieta) ter o valor aproxima-
do do s, ss, (c, antes de e, i) do portugues" (33).
Renega assim a equacAo fon6tica de h=s, pois, enquanto
s pass a ter um valor semelhante ao atual s portugues, o h
continue a ser simples sinal de aspiracAo" (34).
Entretanto, admitindo agora a diferenga fon6tica entire o
h e o s, porque insisted Ayrosa, no mesmo trabalho, eri subs-
tituir pelo ex6tico h guarani o s (= ) tupi empregado por
L6ry? (35). E que ele passa a ser vitima da pr6pria incon-
sideraQAo no admitir o t6rmo lingua tupf-guarani ao inves de
linguistica tupi-guarani. Reduzindo tupi e guarani a sin6nimos
pela denominagAo generica de tupi-guarani, ve-se obrigado a
equiparar as formas guaranis is tupfs. Posanga deixa de ser
tupi e pohang perde a sua qualidade de t6rmo guarani para
ambos passarem a pertencer ao imponderavel dornni9 da lin-
gua tupi-guarani. Dai a p6r na b6ca dos Tupinambas pala-
vras guaranis, a distancia 6 pequena. Mas isto nio e elucidar,
restaurar; e criar confusao; 6 deturpar os fatos; 6 recuar. -
Fazemos, porem, justiga ao benemerito divulgador dos
in6ditos tupis. Ele so deu conta do beco sem said em que
se meteu e por isto evita ser muito claro nas suas afirmati-
vas; quer safar-se aos poucos, despercebido. Mas, nestes en-


32 Ayrosa, Plinio -, Dos indices de relaiio etc. pg. 46.
83 L6ry, Jean de -, Viagem etc. pg. 248.
34 Idem, ibidem, pg. 248.
35 Compare tambEm: Lemos Barbosa O Didlogo de Lery; Revista Filcl6-
gica vol. IV, ndmero 16, pg. 307.






- 81,-


trementes, ficamos sem saber qual dos 103 fonemas consonan-
tais (36) vem a ser o tal valor aproximado do s.

Depois de examinarmos as ligoes algo desnorteantes dos
autores modernos, vejamos o que a respeito nos dizem os an-
tigos mestres jesuitas.
Anchieta, cujas exemplificaQSes esclarecem amiude mais
do que as regras, nao deixa margem para dAvidas.
"Em lugar do s, in principio ou medio dictionis
serve g com zeura (cedilha) ut: ag6, gata" (37).
Ca, co, pronunciam-se semr zeura como no portu-
gues: came, copo, cura, ut: oca, aico, aicuab. Ali-
ter hio de ter zeura para que soem ut: ga, go,
gu, (como em) agagab, aq6, ayoqab.
Ce, ci, hao de pronunciar-se como que tivessem
zeura, como no portugues: cera, cidra, ut: acem,
acic" (38),
A prondncia do h Anchieta nio se refere.

O padre Figueira, no seu alfabeto tupi, adota simplesmen-
te as letras c, g, sem explica65es especiais, significando assim
dar-lhes o mesmo valor que tem no portugues, pois costume
registrar as divergencias (39).
Finalmente, o padre Ant6nio de Araujo e companheiros
assim se exprim.em:
"C pronuncia-se aspero s6bre: a, o, u e brando
sobre: e, i, y, como neste nome portugues con-
certo. Se ter zeura, se profere brando s6bre: a,
o, u, como no portugues (40).
0 exemplo concerto, esclarecendo o alcance das expresses
brando e dspero, afasta qualquer possibilidade de incerteza.

36 Referimo-nos A tentative de elaboragio de um alfabeto international do Pe.
W. Schmidt; Les Sons du Langage, Salisburgo, 1907; pg. 122-123.
37 Anchieta -- Arte etc. edicgo fac-similar, fl. 1.
S8 Idem, ibid. fl. 4 verso e fl. 5.
39 Figueira Arte etc. 2a. ed. fac-similar, pgs. 1, 2, 3.
40 Araujo Catecismo Brasilico Advertencia.






- 82 -


"H......... nestas palavras: ahe,........ eh,....... e em
algumas mais, se ha, 6 aspiragdo aspera e percep-
tivel, langado o halito com alguma violencia
para fora" (41).

Perguntamos agora aos nossos leitores: as duas ultimas
transcrig6es, que acabamos de fazer, deixaram subsistir, no
seu conjunto, a minima duvida quanto a prondncia das letras:
c, q e h? Certamente nio! 0 pr6prio valor do h tupi, igual
ao h guarani, embora nio exista no portugues, esta carateri-
zado com precisio no Catecismo Brasilico ainda cem anos
depois da morte de Anchieta.
Este catecismo tem o grande merito de nio ser obra indi-
vidual cor todos os defeitos decorrentes das opinioes singula-
res. Foi "composto por padres doutos da Companhia de Jesus,
aperfeiqoado e dado a luz pelo padre Antdnio de Araujo e emen-
dado na segunda impressdo pelo padre Bartolomeu de Ledo",
(42) o que faz dele inqucstionavelmente o melhor orientador
impresso da fonologia tupi.
Uma unica interrogaaio subsiste: Como 6 que se pbde
falsear a verdade durante setenta anos, sem que tenha havido
o mais minimo protest? A bem da reputagio e honesti-
dade cientificas do Brasil, urge acabar cor essa farsa de sons
inexistentes, imponderdveis, ou vagamente aproximados, onde
s6 existem fonemas nitidamente circunscritos.
Em tupi, as letras c, q, s representam o som normal do
s surdo, uma fricativa dental, enquanto o h tupi e guarani
e um fonema gutural aspirado, correspondent ao h initial
alemSo, ou ao ingles em horse, embora chegue, no guarani
modern, a aproximar-se por vezes do j espanhol (43).


41 Idem ibidem,
42 Do frontispicio do mesmo Catecismo.
43 Compare: Restivo Arte de la Lengua Guarani, ed. C. F. Seybold, Estu-
garda, 1892;. pg. 9; e G. T. Bertoni Fonologia, Prosodia y Ortografia de la Lengua
Guarani; Asunci6n, 1926; pgs. 20-21.






- 83 -


Quanto As causes do erro cometido pelos autores moder-
nos na apreciagao dos fonemas h e s, resumimo-las a seguir.
Elas sAo:
1. A mania de exagerar ate a identidade o pa-
rentesco de dialetos ja distanciados, morfol6-
gica e foneticamente.
Este exagero engendrou as expressSes: lingua guarani ou
melhor tupi, de Porto Seguro (44), lingua guarani, chamada
tamb6m no Brasil lingua tupi ou lingua geral, de Batista Cae-
tano (45) e, recentemente, o enganoso anfibio lingua tupi-
guarani.
2. O desconhecimento dos autores antigos, ou a
assimilagao incomplete dos seus ensinamentos.

S. O atraso dos estudos comparativos dos diale-
tos tupi-guaranis e a decorrente ignorAncia
das mutacges foneticas peculiares a esta fa-
milia lingufstica.
4. A falta de conhecimento da fon6tica hist6rica
portuguesa.

Esta 6ltima, a que ainda ndo nos referimos, carece mais
detidamente esclarecida, na parte que ora nos ocupa.












44 Vocabulsrio y Tesoro, frontispicio.
45 Esb6go Gramatical, pg. 1.














III


O VALOR DO "S" E DO "" NO PORTUGUES ANTIGO

Os fonemas s e g (c), hoje nivelados na linguagem culta,
nao se confundiam no portugues antigo, como prudentemente
lembra o grande mestre da fonologia tupi, o padre Araujo:
"Este Catecismo, como produzido pelos Portu-
gueses, e portugues na escrita, que pode admitir
a pena portuguesa. E assim se usa nele de g
(cor zeura) em lugar de s, cujo natural sibilo
nao consent a lingua brasilica (46).
Que diferenqa era essa e que valor correspondia ao sibilo
do s? E o que vamos ver.
Diz Goncalves Viana:
"S, na ortografia comum s, ss, sc, g, x, 6 quase
o s inicial frances, ss alemdo; deve por6m ter-se
em ateng~o que 6 proferido corn a lingua con-
vexa de encontro as gengivas dos incisivos supe-
riores, encostando-se a ponta A parte internal dos
incisivos inferiores" (47).
Este s descrito 6 portanto uma fricativa apicodental e
correspondia no portufguls antigo tdo s6mente ao q, que Madu-
reira Feij6 descrevia da form seguinte em 1734:
"A letra c........ quando soa como c pronuncia-se
cor a extremidade anterior da lingua, tocando

46 Araujo Catecismo AdvertCncia.
47 Exposigdo da Pronfncia Normal Portuguesa; Lisboa, 1892; pg. 47.







- 86 -


nos dentes quase fechados, enquanto sai o sou
Ssom, que 6 brando e suave......." (48).
Esse s insonoro ou surdo portugues 6 o mesmo s tupi,
em que pese alguma possivel divergencia na fon.aco.
Vejamos agora como era diferente o valor do s portugues:
"0 s singelo........ 6 letra mimosa e quando a
pronunciamos alevantamos a ponta da lingua
para o ceu da b6ca e o espirito assovia pelas
ilhargas da lingua. O ss dobrado pronuncia-se
como o outro, pregando mais a lingua ao c6u
da b6ca".
Assim postulava Fernao de Oliveira na primeira metade
do s6culo dezasseis (49).
O antigo s normal portugues e, portanto, uma fricativa
palatal e corresponde aqui ao s lateral de Si Nogueira,. en
quanto a descrigqo de outros autores parece antes apontar
para o s reverso (50).
O s lateral, principal valor algo flutuante do s portugues
antigo e de ha muito substituido pela pronuncia do C, no dia-
leto culto, lembra, pelo efeito acistico, sx reunidos (51). E o
fonema para n6s brasileiros tro carateristico na fala de muitos
portugueses, que mais se aproxima do' sh iii.,l9; do que prb-
priamente do s.
Assim sendo, o empr6go da. letra g (c antes de e, i, l,)
pelos tupinistas portugueses para transcrever o fonema do "s"
tupi, long de trazer conflu-,'i, fixa-lhe o just valor, con-
tanto que seja aquilatado de ac6rdo corn a fonetica hist6rica.
A nfao observancia deste preceito originou os lamentiveis errors
.cometidos na interpretacao de cortos fonomas tupis. Igni ,1-i-ii
cia de autodidatas, portanto, e nao apreensao defeituosa dos
missionarios.

48-- Madureira Feij6 Ortografiai ou Arte de escrover e pronunciar corm acito
a lfngua portuguesa: 76 e 79; apud S( Noguwira -- Elernntos para um Trata~do
de Fon6tica Portuguesa; Lisboa, 1938; pg. 48.
49 Fernio de Oliveira --- 'Gramtica dav Linguagem IPoitugiisa, Lisboa, 1933;
pg. 35. R a terceira ediico, igual A la. de 1536.
50 SA Nogueira Op. cit. pg. 45-48.
51 Goncalves Viana Exposi:iao da Proniuncia Normal Portuguesa; Lisbon,
1892; pg. 47.
















NO GUARANI "H" > "S" (52)

Naio ,zrpn:..: o estudo mais acurado da fontica hist6rica
portugucsa, mas tambem o dos tratados guaranis, nos~teriam
certamento poupado a humilhagAo das retratag5es tardias, a
quc agora ji nao podcmos fugir. O grande mestre Mon-
toya repotidas vezes havia chamado a atengao para a ten-
d6ncia do rcciprocamente so substituirem o h o o s dentro
do pr6prio guaranf:
"La h y la c so suelen usar una por la otra" (53).
Essa l a loi da fonetica guarani, que tentaremos examiner
no prcscnte capitulo.
Batista Cactano abeirou-so miais de uma feita da soluAio
do problema (que ora nos ocupa, semr chegar a resolve-lo.
Numa dcssas ocasi6os escrevou:
"........ g 6 o estado de h quando deixa do ser
prononme e so incorpora ao tema" (54).
Para boa corprcensio do que precede expliquemos que,
cm iltima analise, o h initial guarani, com raras excegoes,
parece reduzir-se a uma esp6cie de prefixo. Quando os radi-
cais comegam por consoantes, o h torna-se he. Em verdade
nio se trata af de prefixo no sentido geral do t'rmo. -H (ou
he) anteposto a adjetivos e verdadeiro pronome subjetiVo das


52 Salvo rcstrigCes expressas; sempre entendemos por s o som normal da frica-
tiva Apicodental surda, representada por g pelos gramAticos do tupf antigo.
53 Montoya, Antonio Ruiz -, Tesoro de la Lengua Guarani, ed. fac-similar de
Jdlio Platzmann; Lipsia, 1876; fl. 246 v.
6i-- Vocabul&rio etc. Anais do Bibl. Nac. Vol. 7, Rio, 1879; pg, 147,