• TABLE OF CONTENTS
HIDE
 Front Cover
 Title Page
 Obras de mesmo autor
 Devassamento do districto...
 O pioneiro destemeroso
 Reconhecimentos complementares
 Ameacas de conflictos
 A expedicao de Goncalves da...
 A nova capitania
 O tratado de 1750
 Fundacao expressiva
 Execucao do tratado de 1750
 O systema das demarcacoes
 O esforco de A. Rollim de...
 Medidas preventivas
 Investida mallograda
 Proseguimento das ameacas
 A victoria de pompal
 Rollim e Albuquerque
 Actos possessorios
 O tratado de 1777
 A critica de Luis de Albuquerq...
 Substituicao protellada
 Trabalhos preliminares
 A commisao demarcadora
 A colmeia laboriosa
 A diplomacia de Luis de Albuqu...
 O licenceamento da divisao...
 O remate da correspondencia
 Interregno barulhento
 A incorporacao de chiquitos
 A vigilancia na fronteira
 O uti possidetis
 Negociacoes aborticias
 A missao lopes netto
 A demarcacao
 A questao do acre
 O tratado de petropolis
 Rectificacao da fronteira
 Lesao a matto grosso
 Table of Contents
 Annexo A-D














Title: As raias de Matto Grosso ..
CITATION THUMBNAILS PAGE IMAGE ZOOMABLE
Full Citation
STANDARD VIEW MARC VIEW
Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/UF00075658/00001
 Material Information
Title: As raias de Matto Grosso ..
Physical Description: 4 v. in 1. : plates, port., maps (1 fold.) facsim., fold. tables, diagr. ; 25 cm.
Language: Portuguese
Creator: Corrãea Filho, V ( Virgâilio ), 1887-
Publisher: Sec÷cäao de obras d'"O Estado de S. Paulo,"
Place of Publication: Säao Paulo
Publication Date: 1924-26
 Subjects
Subject: Boundaries -- Mato Grosso (Brazil : State)   ( lcsh )
History -- Mato Grosso (Brazil : State)   ( lcsh )
Genre: non-fiction   ( marcgt )
 Notes
General Note: At head of title: V. Corrãea Filho.
 Record Information
Bibliographic ID: UF00075658
Volume ID: VID00001
Source Institution: University of Florida
Rights Management: All rights reserved by the source institution and holding location.
Resource Identifier: oclc - 24938248

Table of Contents
    Front Cover
        Page 1
        Page 2
    Title Page
        Page 3
    Obras de mesmo autor
        Page 4
        Page 5
        Page 6
    Devassamento do districto Guaporeano
        Page 7
        Page 8
        Page 9
    O pioneiro destemeroso
        Page 10
        Page 11
        Page 12
        Page 13
        Page 14
    Reconhecimentos complementares
        Page 15
        Page 16
    Ameacas de conflictos
        Page 17
        Page 18
    A expedicao de Goncalves da fonseca
        Page 19
        Page 20
        Page 21
        Page 22
        Page 23
        Page 24
        Page 25
        Page 26
        Page 27
        Page 28
        Page 29
        Page 30
        Page 31
    A nova capitania
        Page 32
        Page 33
    O tratado de 1750
        Page 34
        Page 35
        Page 36
    Fundacao expressiva
        Page 37
        Page 38
        Page 39
    Execucao do tratado de 1750
        Page 40
        Page 40a
        Page 41
    O systema das demarcacoes
        Page 42
        Page 43
    O esforco de A. Rollim de Moura
        Page 44
        Page 45
    Medidas preventivas
        Page 46
        Page 47
        Page 48
    Investida mallograda
        Page 49
        Page 50
        Page 51
        Page 52
    Proseguimento das ameacas
        Page 53
        Page 54
        Page 55
        Page 56
        Page 57
        Page 58
        Page 59
    A victoria de pompal
        Page 60
        Page 61
        Page 62
    Rollim e Albuquerque
        Page 63
        Page 64
        Page 65
        Page 66
        Page 67
    Actos possessorios
        Page 68
        Page 69
        Page 70
        Page 71
        Page 72
        Page 73
        Page 74
        Page 75
        Page 76
        Page 77
    O tratado de 1777
        Page 78
        Page 79
        Page 80
    A critica de Luis de Albuquerque
        Page 81
        Page 82
        Page 83
        Page 84
    Substituicao protellada
        Page 85
        Page 86
    Trabalhos preliminares
        Page 87
        Page 88
        Page 89
    A commisao demarcadora
        Page 90
        Page 91
        Page 92
        Page 93
        Page 94
        Page 94a
        Page 95
        Page 96
    A colmeia laboriosa
        Page 97
        Page 98
        Page 99
        Page 100
        Page 101
    A diplomacia de Luis de Albuquerque
        Page 102
        Page 103
        Page 104
        Page 105
        Page 106
        Page 107
        Page 108
        Page 109
        Page 110
    O licenceamento da divisao Protuguesa
        Page 111
        Page 112
        Page 113
        Page 114
        Page 115
    O remate da correspondencia
        Page 116
        Page 117
        Page 118
        Page 119
    Interregno barulhento
        Page 120
    A incorporacao de chiquitos
        Page 121
    A vigilancia na fronteira
        Page 122
        Page 123
        Page 124
    O uti possidetis
        Page 125
        Page 126
        Page 127
    Negociacoes aborticias
        Page 128
        Page 129
    A missao lopes netto
        Page 130
        Page 131
        Page 132
        Page 132a
    A demarcacao
        Page 133
        Page 134
        Page 134a
        Page 134b
        Page 135
        Page 136
        Page 136a
        Page 137
        Page 138
    A questao do acre
        Page 139
        Page 140
        Page 141
        Page 142
    O tratado de petropolis
        Page 143
        Page 144
        Page 145
        Page 146
        Page 147
        Page 148
        Page 149
        Page 150
        Page 151
    Rectificacao da fronteira
        Page 152
        Page 153
        Page 154
        Page 155
        Page 156
        Page 157
        Page 158
        Page 159
        Page 160
        Page 161
    Lesao a matto grosso
        Page 162
        Page 163
        Page 164
        Page 165
        Page 166
    Table of Contents
        Page 167
    Annexo A-D
        Page 168
        Page 169
        Page 170
        Page 171
Full Text
"4'' 1I'- .. At"sc\.h .'

"a* ::"' "'- ..', ..... : .. ". ". '. ...
M. 3!NORR'A *** LH' -r


., ,. Ii

- --.. .. ,. -
i.:' ;.,.. ..-:..: '.. .. .'.."_ OI' : ::i .' I "',.. ..H i ." 1 ,,"-! .,... .;


IL


VOLUME IV


FRONTEIRA OCCIDENTAL


--- SAO PAULO
SECCAO DE OBRAS D' "0 ESTADO DE S. PAUL'.O"


1 9 2 6 ....
.. . . . . . .


" r'





-- ~


'is


I


As aias de


Matto Grosso





*o------*oo* eee*e** -*:ee*o-------------- e ee*o*e o





El


















UNIVERSITY
OF FLORIDA
LIBRARIES


I I





V. CORRRA FILHO


RAI


AS


MATTO


GROSSO


VOLUME IV
FRONTEIRA OCCIDENTAL


SBC9AO DB OBRAS D'-O ESTADO DB S. PAULO"
S. PAULO 1926


AS


DE










OBRAS DO MESMO AUTOR



MATTO GROSSO

(Contribuigao para o Diccionario do Centenario
da Independencia 1922)



QUESTOES DE TERRAS 1923


NOTAS A MARGEM (ensaios historicos) -1924



AS RAIAS DE MATTO GROSSO

Volume I Fronteira septentrional 1925
,, .II Fronteira oriental
,, III Fronteira meridional
,, IV Fronteira occidental



MONOGRAPHIAS CUIABANAS:

Volume I Questoes de ensino 1925
,, II EvoluCao do erario
,, III no prelo
,, IV no prelo



















VOLUME IV

FRONTEIRA OCCIDENTAL





















Tcrnina, corn este, a scrie de ensaios consa-
grados ao estudo da fixaqao das raias de Matto
Grosso, que, ao Sul e Poente, foram magistralmente
delineadas pela clarividencia de Alexandre de Gus-
mno, e alteradas, a primeira, pelos que seguiram na
esteira de Azara, ao pass que, na outra, as modifi-
cagoes decorreram dos pareceres de Luis de Al-
buquerque.
Gracas aos esforpos dos negociadores, que Ihes
interpretaramn as ideas, desappareceram as duvidas
frontciriCas, e o contorno de Matto Grosso tornou-se
perfeitamente definido, de linhas precisas, com raros
hiatos, e demarcadas em quasi toda a sua extensao,
como evidenciaram os quatro volumes de que se
compie esta serie.

Cuiabd, Janeiro de 1925.




















DEVASSAMENTO DO DISTRICT
GUAPOREANO


Nao obstante as expediqCes de Nuflo Chaves, Raposo Ta-
vares, Luiz Pedroso, que Ihe teriam cruzado os tributaries
meridionaes, consoante resa a tradiao, o valle do Guapor6
permanecia ainda virgem de contact corn os civilizados,
quando se povoou Cuiaba.
Mas era viva a lenibranCa das marchas atrevidas, pelos
campos dos Parecis, A caqa destes indios, de Manoel Bicudo
e seus imitadores, cujas pegadas foram seguidas, assim que,
pelo depauperamento das lavras cuiabanas, ao dispersaren-se-
The os mineradores, em fecunda irradiagqo para todos os qua-
Entre outros, Fernando Paes de Barros e seu irmdo Ar-
thur internaram-se aventureiramente por esse rumo, na ter-
ceira decade do seculo XVIII.
Alcanqaram o planalto dos Parecis, ji devastado pelos
seus predecessors; metteram peito, al6m, a floresta cor que
toparam, na fralda sudo-este, que se along entire os manadei-
ros do Jaur6 e do Guapore; vararam-na, em picada de "7 le-
guas de espessura" (1), que Ihes inspirou o nome de Matto


(1) Jos6 Gonaalves da Fonseca. Noticia da situaEao de M.
Grosso-CuiabA.









-8-


Grosso, dado a regido, e foram ter, entire as aguas acachoan-
tes do Sarar6 e Galera, a chapada, onde os mimon a fortune,
ao .revelar-lhes maravilhosas pepitas de ouro.
Era novo descoberto, que se deparava a ambigco dos ex-
ploradores destemerosos.
Tomadas as medidas administrativas, que se faziam ne-
cessarias em casos takes, para logo se constituiu o arraial de
Sant'Anna, e em seguida, o de S. Francisco Xavier (2), e de
N. S. do Pilar, todos na mesma chapada, que o Sarar6 con-
torna em apertado semi-circulo, pelo Oriente e Sul. Ao sop6,
abriram-se-lhe clareiras na matta, onde os escravos africanos
roteassem o solo, em garantia i manutenqdo dos mineradores.
AlIm, at6 entestar corn a serra, primitivamente denomi-
nada das "Torres", e depois, de "Ricardo Franco", dilatava-se
a planura paludosa onde, pouco afastado da meridiana, ser-
peia o Guapor6, ao qual foram dar, por volta de 1737, alguns
pescadores, que se deixavam levar ao som das aguas do Sa-
rar6, seu tributario. (3)



(2) A respeito deste nome, refere J. Gonvalves da Fonseca a
tradiqdo cue o explica. Luis Rodrigues Villares, organizador de uma
expedicgo A provincia de minas de ouro, lia, em Cuiaba, a "Vida do
grande Apostolo da India, S. Francisco Xavier", quando recebeu noticia
da sua gente, corn bons prenuncios. Interrompeu a leitura, indagou
pormenores do mensageirb, e "depois de bem instruido da situacio, em
que se achavam, e das serranias que se seguiam, animou por carta sua
aos exploradores, que subissem a Chapada invocando o patrocinio de
S. Francisco Xavier, debaixo de cujo- auspicio esperava grandes pro-
gressos no descobrimento que Ihes annunciavam. Corn este aviso se
deliberaram todos a subir a fragosidade daquella serrania, e penetrando-a
de nascente para poente, nesta parte foi a maior forca do descobrimento
na ultima lombada, em que se fundou arraial. e edificou a matriz, que
dedicaram a S. Francisco Xavier em gratificacdo dos beneficios que
experimentaram deste seu sagrado tutelar".
(3) Estevao e Simho Correa, diz J. Severiano da Fonseca, em
sua "Viagem ao redor do Brasil".








-9-


Assim, attingiram o grande rio, que desempenharia ta-
manho papel nos destinos dos paizes vizinhos; e completou-se
a missdo historic dos bandeirantes, predestinados a distender
para Occidente a linha tordesilhana.
E a media que ali se descobriam outras faisqueiras, mais
avultava o exodo dos mineradores cuiabanos, attraidos para a
regido dos novos arraiaes, (4) que se povoaram accelerada-
mente. '































(4) De uma feita, quando o Ouvidor, J. Gonaalves Pereira, se-
duzido pla fama estonteante dessas paragens, resolve conhecel-as de
perto, em Setembro de 1737, acompanharam-no 1.500 pessoas, que dei-
xaram CuiabA transformada em tapera.



















O PIONEIRO DESTEMEROSO



Dominados os indios guarapores, senhores outr'ora de
parte do valle magestoso que Ihes herdou o nome, nao se
contiveram os sertanistas em contemplar-lhe as margens fron-
dejantes.
O desconhecido empolgava-os sobremaneira, e a caudall
misteriosa nao havia lembranga de gente civilizada que a ti-
vesse navegado. (5)


(5) Southey registou a tradicao inacceitavel, segundo a qual Nuflo
Chaves teria descido pelo Guapor6 e Madeira at6 o Amazonas, accres-
centando que a missao de Exaltacao, no Mamor6, f6ra igualmente vi-
sitada por um bando de fugitives da Bahia, que pretenderam refugiar-
se no Peri. Quanto A referencia que tambem faz a Palheta, explorador
do baixo Madeira, 16-se na memorial acerca da NavegafCo desde o Pard
alt o Rio da Madeira, escripta por J. Goncalves da Fonseca, em 1749,
" no anno de 1723, governando o Esrado do Para. Joho da Gama da
Maia, teve este noticia por alguns homes, que iam a contractor gentio
ao rio da Madeira, que acima das suas cabeceiras havia habitacSes de
gente europea, sem constar ao certo se de portugu-zes on espanh6es;
mandou explorer o dito rio por uma tropa, de que foi cabo Francisco
gando, encontrou perto da bocaa do rio Mamor6 can6a de indios caste-
lhanos governada por um mestigo, que guiou o reierido Palleta at6 a
ald2ia da Exaltaqco de Santa Cruz dos Cajubabas, e tendo nella pratica
corn os Missionarios que a regiam, voltou ao Park, corn as noticias de
que achou, sem fazer mais memories d- rios, nao s6 do Beni, que desa-
gua entire as cachoeiras de que ji se fez mencio, mas nem ainda do
Apor6 que tdo manif-stamente se Ihe mostrou, e era precise attender
na entrada ou sahida do referido Mamore'".








- 11 -


Por esse tempo, os cabedaes accumulavam-se rapidamente
nas mdos dos afortunados, e dispersavam-se de maneira ana-
loga, levando prisdo os mineiros desditosos.
Manoel Felix de Lima, "que meneava muitos negocios",
participou de uma e outra condiio. Por ndo Ihe surtirem bem
as transacq6es commerciaes, que fizera em S. Francisco Xa-
vier, para acudir aos grandes compromissos assumidos em
Cuiabi, deliberou tentar a sorte em outras paragens.
Acompanhaljo-iam various aventureiros -de igual fibra-
tura. (c)
Apercebidos de embarcag6es apropriadas e viveres neces-
sarios, largaram-se. impAvidos, ao som da, correnteza.
A jusante, transcorridos dez dias depois da partida, depa-
rou-se-lhes signal de acampamento, feito pela comitiva de An-
tonio de Almeida Moraes, que sahira do arraial, havia seis
mezes.
Encontraram-se logo no dia seguinte e delle ouviram que
alli estacAra para mandar a sua gente explorer umr affluent,
em cujo valle moravam tribus menos ferozes que as guerreiras,
do baixo Guapor6, consoante Ihe informara, em lingua geral,
um indio velho feito prisioneiro.
A encruzilhada, aberta pelo informant, nascido e cria-
do naquellas brenhas, titubeou-lhes o animo, cor o dilemma
a resolver. Proseguiriam a derrota, affrontando mil difficul-
dades de que ji se viam ameagados, ou adoptariam o conse-
Iho da prudencia, de mais prompto rendimento pecuniario?
Os licenciados opiniaram pelo segundo alvitre, opposta-




(6) Southey, na Historia do Brasil, enumera-lhes os nomes: Tris-
tao da Cunha Gago, licenciado que gozava foros de bom escolar e seu
cunhado Jo.o Barbosa Borba Gato; Matheus Corr&a Leme, o licenciado
Francisco Leme do Prado, Dionisio Bicudo, paulistas, Joao dos Santos,
fluminense e Joaquim F-rreira Chaves, Vicente Pereira de Assumpcgo,
Manoel de Freitas Machado, rein6es como Lima.








- 12 -


mente a Felix, que deliberou arrostar os possiveis perigos da
arriscada empresa, em que se empenhAra. (7)
Em march vagarosa, foi explorando a regiio marginal,
ate quq entrou em falas cor espantadiqo grupo de indios de
S. Migual, tm dos quaes se offereceu para Ihe servir de guia.
Destarte, embocou no Baures, pelo qual foi ter A missed
jesuitica, de que era director o P. Gaspar do Prado, a quem
se apresentou, em traje de grande gala, "camisa de folhos,
meias de seda escarlates, calg6es de panno verde fino, jaqueta
mineira de damasco carmezim, debruada de seda e ornada de
lagos de fita, sapatos de marroquim, cabelleira, chapeu de cas-
tor agaloado de ouro, que servira nos esponsaes de D. Jose,
entao principle do Brasil. (s)
Relembre-se o pasmo do jesuita ao saber de onde vinha
Felix, e a ingenua exclamacao corn que o sublinhou: "Este
tenente-governador tern descoberto o mundo inteiro".
Mutuaram-se mimos e cortezias, que os fizeram amigos
um de outro.
Esperando o mesmo gentil acolhimento nas misses vi-
zinhas, das quaes P. Gaspar lhe dera noticia, Manoel Felix
resolve conhecel-as de perto.



(7) Tal 6 a versao, registada por Southey, que disse ter-s2 guiado
pelo manuscript em que Manoel Felix, 16 annos depois, recordou a
sua viagem e pela copia dos depoimentos mandados tomar dos licencia-
dos pelo Ouvidor de Cuiaba, Joao Gongalves Pereira.
Entretanto, Barbosa de SA, 'chronista contemporaneo, refere que a
discordia enfracuecedora da comitiva, occorrau quando regressaram os
expedicionarios ao Guapore, depois de Ihes explorer various tributaries,
onde se achavam estabelecidas as misses castelhanas. Como quer que
seja, nao resta duvida que a Manoel Felix coube a gloria de assumir
tamanha responsabilidade, qual fosse a de varar o Guapor6, a despeito
dos riscos e perigos que outros temeram.
(8) E' Southey que assim o descreve, apoiado no manuscript do
proprio Manoel Felix, que, talvez, se tivesse excedido nas gabolices,
por se desquitar dos maus tratos soffridos em premio da sua expedic~o.









- 13 -


Tocou-se aguas abaixo at6 o Guapor6, e sulcou em se-
guida o Itonamas, pelo qual attingiu S. Maria Magdalena, a
cujo director se apresentou como viajeiro transviado do seu
rumo. (9)
Observou-lhe o progress, patente nas officinas de car-
pintaria, esculptura, tecelagem, no engenho de assucar, e as
construcq6es do povoado, contido pela muralha que o cercava.
O gado, que M. Felix viu, lembrou-lhe a vantage que pode-
ria grangear, em leval-o a S. Fancisco Xavier, onde A escas-
sez de came verde para o consume attribuiam muitas moles-
tias.
Prop6z compra de uma boiada a 750 reis cada cabeca; o
jesuita, por6m, desculpou-se de nada poder resolver, sem li-
cenqa do provincial, com quem Manoel Felix determinou en-
tender-se.
Dividiu-se a comitiva, parte da qual seguiu por via flu-
vial, cor destino A Missao de Exaltaqao no rio Mamor6, para
onde M. Felix iria por terra, (10) assim rque Ihe permitisse a





(9) Manoel Felix apurou mais o traje nessa entrevista: "meias
de seda c6r de perola college e calg6es de velludo bordado c6r de pomba
e um gib~o de barbarisco vermelho, debruado de seda branch e canh6es
de velludo c6r de rosa; a cabelleira, o chapeu agaloado de ouro e a
canna da India completavam este trajo, e como armas levava uma pistola
d'algibeiras, espada de copos de prata, e a formidavel faca de ponta
embutida de ouro e prata'.
(10) Pela narrative de Southey, deduzida do manuscript de Ma-
noel Felix, a comitiva soffreu o primeiro desfalque, a montante da barra
do Baures, onde Tristao da Cunha Gago e seu cunhado Joao Barbosa
ficaram, acompanhados de 14 servicaes, para se aggregarem ao grupo
de Antonio de Almeida Moraes ahi acampado. Em Maria Magdalena,
separaram-se os outros paulistas, Matheus Correa Leme, Francisco Leme
do Prado e Dionysio Bicudo e Joao dos Santos, que deveriam ir a
Exaltavco por agia, do mesmo pass que os rein6es Ferreira
Chaves, Vicente Pereira de Assumpg5o e Manoel de Freitas Machado









- 14 -


queimada, que o jesuita mandou atear, para Ihe facilitar a
travessia dos campos interjacentes.
Antes de cerrar um mez de b6a hospedagem, que o via-
jante gozava, o P. Gaspar recebe inesperada carta, na qual o
superior o censurava de ter acolhido o forasteiro e Ihe orde-
nava o expulsasse incontinente das misses. Perdida a espe-
ranga de entabolar negocia~ges cor o provincial, Manoel Fe-
lix foi forqado a alterar o itinerario projectado.
Rodou pelo rio, na esteira dos companheiros, que o haviam
precedido, e dos quaes apenas notou, ji no Guapord, alguns
vestigios, e nenhuma noticia.
Continuou, entrando no Madeira; varou-lhe o trecho en-
cachoeirado, a pique de naufragar por varias vezes.
Afinal, transp6z a ultima corredeira. Estava salvo dos
obstaculos, que o rio opp6e a navegacao: superara os elemen-
tos adversos, iniciando a viagem, por via fluvial, do Guapor6
ao Amazonas.
NMo lograria, por6m, desvencilhar-se das malhas corn que
a entrosagem burocratica o peiou, quando, ao chegar a Be-
16m do Pari, deixou levar-se pela mirage de pingues recom-
pensas, promettidas aos descobridores.
A pleitear alvigaras e merces, velejou para Lisb6a (11),
onde, por suspeita de espionage, ou qualquer outro motivo
inexplicavel, foi recolhido A cadeia, encetando assim a longa
via crucis, a que o encaminharam os ministros D'El-Rei, atW o
reduzirem a extreme grau de penuria.


acompanhariam a Manoel Felix, pon terra. O encontro aprazado nio
se realisou, porque o provincial prohibiu terminantemente a viagem de
M. Felix pelo interior das Miss6es, obrigando-o, desta maneira, a re-
gressar por agua.
(11) Conforme outra versio Manoel Felix teria sido preso ao
chegar a Belem e, dessa maneira, remettido a Lisb6a.
A este ponto faz o que escreveu Goncalves Fonseca, no seu
relatorio acerca da Navegagao desde o Pard ate o rio da Madeira:



















RECONHECIMENTOS COMPLEMENTARES



Emquanto Manoel Felix, entregue A vigilancia da poll-
cia) de Lisb6a, cumpria o seu triste fadario, os companheiros
de aventuras, que delle se haviam apartado em Maria Magda-
lena, e attingido Exaltaqao, volviam a S. Francisco Xavier,
esperangados de consideraveis lucros, que Ihes proporciona-
ria o intercambio commercial cor os vizinhos.
Scientes do facto, as autoridades cuiabanas empenharam-
se em renovar a incumbencia que, pouco antes, levara Antonio
Pinheiro de Faria a verificar a existencia de misses castelha-
nas no district chiquitano, denuciada pelos indios bororos.
Corn esse objective, partiu o emissario, em 1740, acom-



"Correndo os tempos e povoado o Matto Grosso pelos moradores
do Cuiaba nos annos de 1736 e 1737, succedeu sahirem dacuelles novos
arraiaes no anno de 1742... homes na diligencia de commerciarem cor
os Padres Castelhanos vizinhos, em ordem a refazer a dita povoaqao
de algum gado e cavallos, para cujo effeito navegando o Apor6 abaixo
chegaram a entrar pelo Mamor6, e com... de viagem portaram na
mesma aldeia de Santa Cruz de los Cajubabas, onde foram bem rece-
bidos, por6m sem result do project intentado. Destes companheiros
se apartaram tres, que rodando rio abaixo, e salvando as cachoeiras
chegaram ;ao PiarA, onde sendo apprehendidos foram dous remettidos press
a S. Magestade por transgressores da lei de... e se assentou prava
de soldado ao terceiro companheiro chamado Joaquim Ferreira Chaves,
o qual podendo se escapar do servico desertou pelo Maranhgo a buscar
Goiazes, e destas Minas passou ao Cuiabi".








- 16 -


panhado de tres homes brancos e doze parecis (12); varou
o Paraguay e o Jaurti, e trilhando caminho de indios, foi ter
a S. Raphael, onde os receberam festivamente os missionaries,
a quem presenteou cor mimpsos e ricos paramentos de altar,
retribuidos pelos jesuitas, que "fizeram de tudo muito estima-
Co", cor offertas de products de sua criaSco de gado.
De modo analogo, a noticia, dada pelos expedicionarios
de Guapor6, acerca da regido percorrida, o ouvidor de Guiab-
determinou que fosse examinal-a pess6a capaz, em commis-
sdo especial, de verdadeira espionage. (13)
Escolhido para tal fim, o licenciado J. Barbosa de SA
visitou as misses de S. Miguel, Maria Magdalena, S. Marti-
nho, S. Luiz, Conceihqo de Baures, Exaltacao de S. Cruz, S.
Pedro de Caniquinans, S. Romeo, chegando atW S. Cruz de
la Sierra; escreveu, do que viu e observou fiel relac~o que
foi encaminhada a S. M. "cor a qual informag;o veiu no se-
guinte anno decreto do dito Senhor em como fazia o Matto
Grosso cabega de, Capitania cor Governo e Juizo de F6ra e
privilegios a todos seus moradores e pessoas que nelle se fos-
sem estabelecer. (4)



(12 J. Biarbo5ade SA Relavao dos iPovoados.
(13) .Southey affirma que, em virtue dos lucros previstos pelos
paulistas, si estabelecessem relaSes commerciaes cor as misses Que
visitaram, nosi affluentes occidentaes do Guapor6, os moradores de S.
Francisco Xavier organizaram dous bandos, sob a chefia de Francisco
Leme e Joaquim Barbosa de Sa, destinados a encetar commercio com
os indios civilizados. Entretanto em sua "Relario dos Povoados de
Cuiabd e Matto Grosso", impressa nos Annaes da Bibliotheca Nacional,
vol. XXIII), o proprio Barbosa de Sa diz que foi officialmente en-
carregado de examiner as povoac6es castelhanas, em 1743, acompanhado
de Manoel' do Castro, Alexandre Rodrigues, e Jo.se dos Santos Wer-
neck que ji conhecia o caminho.
(14) J. Barbosa de Sa Relagco dos Povoados Nao conhece-
mos o relatorio de sua viagem a que se refere Barbosa, nesta passage.


















AMEAQAS DE CONFLICTS


Destarte, se defrontaram, no recesso dos sert6es, as duas
racas, que ji vinham medindo forqas em outras raias; na do
agitado Sul, em torno da Colonia do Sacramento, prolongada
ate as Miss6es; no planalto de Maracaji; e, por fim, nas ex-
tremas guaporeanas.
Em pertinaz expansao para o occidente, a que forca incoen-
,civel os arremessava, os bandeirantes alcanqaram o lendario
valle em que morrem as ultimas ramificacqes do planalto bra-
sileiro. Fronteiro, ergue-se o andino, de cujas eminencias bs
castelhanos se espraiavan para o levante, em march inva-
sora.
As duas ondas colonizadoras, impellidas por analog de-
terminismo historic, chocaram-se nas paragens sombrias, onde
assumia feiq6es de heroismo, no superar os elements mali-
gnos, o simples facto de viver.
A' portuguesa, como a primeira descobridora, competia o
dominio do Guapor6; a outra, comtudo, ndo Ihe convinha ter,
.as'portas das suas misses jesuitas, vizinhos tdo perigooss.
Apressaram-se os castelhanos em tirall partido das infor-
mac6es, que Ihes prestaram os expedicionarios de Manoel Fe-
lix.
Do mesmo pass que terminantemente prohibiram qual-
quer commercio corn os confrontantes, resolveram cercear-lhes
a expansao, fundando a missao de S. Rosa, A jusante da barra
do Itonomas; adiante, S. Miguel; S. Simao e Mequens, mais
para o interior, nos affluentes homonymos.








18 -

Nao contavam que ninguem os adversasse; entretanto, os
egressos de S. Francisco Xavier, estabelecidos, por essa ipo-
ca, na Ilha Grande, onde acamparam para assolar as aldeias
da vizinhanca, entire as quaes se estabeleceram os tendenciosos
missionaries, cedo comegaram a contrariar-lhes os projects
politicos, e impugnar-lhes a posse.
Andavam as testilhas, os bandeirante e os jesuitas, quando
o governor portugues houve por bem organizer expediqco mi-
litar, que explorasse convenientemente a regiao dos encontros
ignorados.




















A EXPEDIXAO DE GON;ALVES DA FONSECA



A commissao exploradora, (16) partiu do ParA em 1749,
aos 14 de Julho, corn piloto que determinasse as posig6es dos
pontos importantes, e ap6s breve demora na fortaleza da bar-
ra do Tapajoz, (10) penetrou, a 26 de Setembro, no Madeira,
cuja descripqio Gonalves da Fonseca minudencia prolixa-
mente.




(15) Da "Real Escolta" commandada pelo sargento-m6r Luiz Fa-
gundes Machado, fazia part, como piloto, Antonio Nunes de Souza,
cujos relatorios vieram a lume no tomo LXVII da Revista do Instituto
Historico Geographico Brasileiro, e o mestre de campo Jos6 Goncalves
da Fonseca, que nosi legou a Noticia da situacdo de Matto Grosso e
Cuiabd, impressa no tomo XXI da mesma Revista, e a Navegafdo feita
da cidade do Gram Pard ata d bacia do Rio da Madeira, que a Academia
Real das Sciencias publicou, em 1826, na colleccao de Noticias para
a Historia e Geographia das Nac5es Ultramarinas, tomo IV, numero I.
(16) "E' o rio chamado dos Tapaj6s bastantemente caudaloso, e terA
de emboccadura uma legua de largo: a direciao desde a sua origem 6
do Sul parta o Norte, e assentam ser parallel cor o Xingi. Tern a
cinco dias de viagem da sua foz cachoeira em grande numero, e diffi-
ceis de vadear para cima. Nas suas cabeceiras se sabe haver uns dila-
tados campos, a que chamam de Parecizes, nome que Ihes deu uma nacao
de gentio assim chamada, que hoje se acha extincta, pela haver debel-
lado e destruido cor estranha inhumanidade a gente do Cuiabu, que
con repetidas tropas faziam entradas por aquellas dilatadas planicies
a explorer ouro". "Esti a emboccadura do Tapaj6z em altura de 3
gr. e 4 m. ao sul da equinocial". J. Goncalves da Fonseca, Navegadio.










-20-


Observa-lhe os accidents topographicos caracteristicos, a
vegetaglo, a caga, o gentio, e as aldeias catechisadas, como a
dos Abacaxis ou Tupinambas, (17) a de Trocano, (xs) e ou-
tras, cuja vida pormenoriza.
Aqui, 6 o Aripuanan, (1") que "se achou teria de largura
oitenta bragas", adiante, o Giparanr, (20) denominagdo indi-
gena, "que em portuguez quer dizer machado do mar", al6m,




(17) "... pelas mortandades que tern experimentado nao s6 pela
malignidade do clima mas pelos dous contagios de bexigas e sarampo,
que affligiram o Estado desde o anno de 1743 atW o present de 49, se
acha cor menos da terca parte dos habitadores, os quaes s6 de indios
de guerra e servigo, passariam de mil, ao tempo em que las administrava
o Padre Joao de S. Paio da Companhia, antes das epidemias men-
cionadas ".
(18) "Esta aldeia chamada do Trocano 6 a que com a invenio
de Santo Antonio se fundou entire o rio Jamary e a primeira cachoeira
do Madeira, e se compunha da gente que se praticou na occasion que
no anno de 1722 andou corn uma tropa de exploraao por todo o Ma-
deira Francisco de Mello Palheta".
(19) "a agua deste rio era clara e de melhor gosto que a do
Madeira, no qual desagua defronte de uma ilhota de figure quasi ovada,
que corre de Norte a Sul no mesmo Madeira em uma pequena distancia
da margem em que faz barra o referido AripoanA,. no qual habitam
algumas nac6es do gentio, razao por que se nao tem navegado para
saber ao certo a sua origem ".
As dimensoes dadas por Gonaalves da Fonseca, obtidas por esti-
mativa, nenhum rigor apresentam, mas valem como primeira informacao
a respeito dos rios de Matto Grosso.
(20) "Este nome the puzeram os indios por acharem neste rio uns
mariscos semelhantes As ostras, cujas conchas lhes serviram para cortar
paus miudos.
Por ser este rio o maior que ate este lugar se havia encontrado
desaguar no Madeira, foi precise fazer nelle algum exame para se
advinhar quanto fosse possivel, a sua direcc0o, grandeza, e altura do
polo em que desagua.
Entreg; este rio as sutas aguas ao Madeira por entire uma riban-
ceira alta: divide-se em dous bragos por Ihe dar esta figure uma ilha








- 21 -


o Jamary, (21) cujas "aguas sdo cirstallinas e gratas ao pala-
dar, especialmente dos que andavam habituados a agua turva
do Madeira, que nas do Gyparana e agora nestas do Jamary
acharam uma transitoria recreaqco".
Em viagem propicia, ajudados varias vezes pelo vento,
que lhes tocava as embarcacdes, de velas enfunadas, nenhum
obstaculo impedira atW entao a march dos expedicionarios,
salvo a mallograda investida dos Muras contra o acampa-
mento, onde construiram embarcag5es, em estaleiros improvi-
sados no meio da floresta. (22)
Mas, a 17 de Dezembro, chegaram A "vizinhanga da ca-
choeira chamada pelos indios Aroaya, (23) e pelos portugue-
ses de S. Jolo", e iniciaram a exhaustive travessia, na qual



de pouca largura por6m de dilatado comprimento, que correndo corn o
rumo do mesmo Giparani, dizem ser necessario dous dias de viagem
para a vencer.
O canal da parte de leste ter de largura na bocca entire a terra
e a ponta da ilha 257 varas portuguezas, e o da parte de oeste do mesmo
rio ter 177, que todas fazem 434, bacia total do mesmo rio, o qual
navegando-se por espaco de duas horas mostrou ser o seu rumo sueste,
e a leste A sua entrada.
Observou-se a altura, e se achou estar a sua desemboccadura em
9 graus de latitude austral". (/. Gongalves da Fonseca NavegaCdo
dcsde o Pard ate o rio da Madeira, pag. 41).
(21) "Este rio 6 de maior nome no ParA, do que outro qualquer
do,s que desaguam no Madeira, e a razEo 6 por que este rio tem grande
abundancia de cacau silvestre, que os moradores do Para vam colher
no tempo de estar sazonado, juntando-se para este effeito quatro a cinco
canvas para encorporadas resistirem is invas5es dos Muras.
Desagua o Jamary no Madeira com 240 varas portuguezas de lar-
gura na sua barra, que se acha em 9 gr. e 20 minutes de elevag-o aus-
tral, segundo constou pela observacgo do quadrante feita nesse dia em
horizonte bem proporcionado". Idem, idem.
(22) "embarcaq6es ligeiras para nellas se proseguir viagem, tanto
para se vencerem os obstaculos referidos, como para o transit das
cachoeiras, para cujo trabalhoso passe se ia avizinhando a derrota".
(23) Cachoeira de Santo Antonio, actualmente.








- 22 -


se repetiam a cada pass os perigos superados pela conjuga-
cao da pericia corn a energia sobrehumana.
A) montante da oitava cachoeira, passaram pelo rio Abu-
nan, "que desagua na margem occidental do Madeira corn pouca
violencia em desemboccadura de 300 bracas", e da decima se-
gunda, o Beni. (24)
Transpostas as 19 cachoeiras( (25) do Madeira, deparou-
se-lhes, a 9 de Fevereiro, o quasi golfo, constituido pelos seus





(24) "Feit naquelle lugar a observacQo da altura se achou desem-
boccar o rio Beni no Madeira em 12 gr. de elevago austral.
E' bastante caudaloso, e quasi de igual correnteza do Madeira, em
que faz a sua entrada pela margem occidental cor 800 bracas de em-
boccadura (ao parecer).
As suas aguas sao barrentas por causa da muita terra que nas en-
chentes cae das suas ribanceiras, que sao mui semelhantes em altura
e arvoredo is do Madeira".
Por este rio Beni nio ha document ou tradicio por onde conste
que fosse navegado por portugueses nem castelhanos, por que estes em
cujas terras nasce o Beni ignoravam ate o anno de 1713 o verdadeiro
destiny deste rio, pois suppunham que ia desemboccar no Amazonas
sem concurso de outras aguas; e os portugueses que subiram no anno
de 1723 ate Santa Cruz de las Cajubabas, e outros que antecedentemente
haviam ido a negociar gentio, n.o entraram por este rio a diligencia
alguma". Idem, idem.
(25) O piloto Antonio Nunes japenas contou 18, a cue se refere
J. Severiano: Guajari-mirim,, Guajar.-assfi, Bananeira, Pau Grande e
Lage, no Mamor6; Madeira, Misericordia, Ribeirio, Araras, Pedernei-
ras, Paredao, Tres Irmaos, Salto do Girau, Caldeir.o do Inferno, Mor-
rinhos, Salto do Theotonio, Macacos e Santo Antonio.
Ha ainda duas perigosas sirgas entire as cachoeiras do Ribeirio
e Araras, denominadas da Pedra Grande e dos Periquitos, bem assusta-
doras no tempo das cheias.
Essas denominavSes foram-lhe impostas, segundo Baena, pela Com-
missao de Limites de 1782, que assim as consignou nos seus mappas;
send que anteriormente eram conhecidas pelos nomes de Panellas, Cor-
das, Papagaios, Javalis, Tijuco, Tapioca, Mainumei Mamorin6, Taman-








- 23 -


principles formadores, na "uniao que fazem, (20). unas e ou-
tras aguas, sendo clarissimas ais do Apor6, e as do Mamore
com a mesma turva Examinaram a confluencia do Guapore "na altura de 12
gr. e 40 nminutos -de latitute austral", que, pelo relate do cro-






dui ou Arey, Mayari, ParicA, Arapacoa, Coati, Guara-ass6i, Natal Ga-
',non e Aroaia, tambem chamada S. Jodo". J. Severiano Viagem ao
redor do Brasil.

(26) Simultaneamente, Gusm.o, no seu gabinete de estudo, ao re-
digir as bases do Tratado de 1750, e Goncalves da Fonseca, no ter-
reno, consideraram o rio Madeira como formado pela junco das aguas
do Guapor6 e Mamore, as quaes o Beni, A jusante, misturava as suas,
apenas como affluent.
A mesma idea se repetiu no Tratado de 1777, ao rotear a fronteira
pelo "rio Guapor6 at6 mais abaixo da sua unilo cor o rio Mamor6,
formando juntos o rio, que chama do Madeira".
A commission demarcadora de limits nelle estipulados, por6m, ado-
ptou o criterio do astronomo Lacerda e Almeida, em cujo "Diario"
se Ie:

"1781 Dezembro, 12. Navegada meia legua cor grande custo,
chegamos A foz do Rio Madeira ou Beni.
13 Neste dia entrou o Dr. Pontes pelo Beni acima 3 leguas ".

Prevaleceu esta opinion, officialmente abragada pelo Tratado de
1867 que declarou: "baixarA por este rio ate a sua confluencia com o
Guapor6 e pelo meio deste e do Mamor6 ate o Beni, onde principia o
rio Madeira".
De igual modo pensam os geographos, dos quaes, A. Leverger, assim
o definiu: Madeira, rio formado pelas aguas reunidas do Mamor6 e
Beni que confluem na latitude de 10 20' e longitude de 22 12' 20"
O. Rio. Tern o Beni 1.088 metros de largura e o Mamore 966, e ambos
reunidos, 1.980, cor 22 metrois de profundidade. A. Leverger Apon-
tamentos para o Diccionario Chorographico de Matto Grosso.








- 24 -


nista, se avantaja ao outro, (27) e remontaram-lhe a corrente,
a 14 de Fevereiro.
Cor tres dias de viagem, frontearam Santa Rosa, pelo
qual passaram a noite, "por evitar algum encontro de pergun-
tas e respostas" (28) sem elidir, todavia, episodio pertuba-
dor da march, provocado pelo capellao, (29) que, destarte





(27) "Antes de proseguir a narriaggo deste Diario desde que se
principiou a navegar o rio a que os moradores de Matto Grosso cha-
mam Apor6, e os Epanhoes Ithenes, se fazia precizo dar neste lugar uma
verdadeira noticia do concurso das aguas deste rio cor as do Mamor6,
em terms que se pudesses former conceito a qual deste dous pertence
a maternidade das aguas que formam o rio Madeira, porem como por
falta de instrument se nao fez das larguras deste rio un exame re-
gular, nao se pode affirmar com infalibilidade por qual dellas esti.
este fundamento.
Segundo todas estas circumstancias succintamente aqui referidas se
nao bastarem para se considerar o Apore tronco principal do Madeira,
ter este a seu favor o consenso geral dos Espanh6es, que o navegaram
atW a Ilha Compridia (desta em seu lugar se dari noticia) que o jul-
garam ser mnadre, depois de navegarem todo S. Manoel que sem du-
vida acharam ser menos caudaloso". Idem, idem.
(28) Ao capellao, que Ihe solicitira conducego part ir confessar-
se corn o missionario da Santa Rosa, responded o commandant da es-
colta: "que bem presenciava S. P. as cautelas e subterfugios de que
actualmente estava usando para occultar ao Padre castelhano a nossa
navegacio e nio era razao que tudo isto ficasse desbaratado, e em des-
prezo is ordens de Sua Magestade, outorgando-lhe a licenca que S. P.
pedia". Diante desta negative, o capellao ausentou-se A noite, illudin-
do a vigilancia dos expedicionarios.
(29) Notada, pela nmanh, a sua ausencia, foram-lhe mnandados ao
encalo os padres Lemes, Jos6 e Paulo, acompanhados de Jose Goncalves,
escolhido como "pessoa de confianca em trajo disfarcado para se nao
afastar delles emquanto estivessem fallando corn o padre castelhano, em
ordem a que nao tivessem lugar de tratar material que nao era conve-
niente communicar".








- 25 -


proporcionou ensejo ao chronista de estudar detidamente a al-
deia castelhana. (30)
Sobranceiras As enchentes, erguiam-se ao long da riban-
ceira as construcq6es provisorias, da Igreja, "sem proporgqo
de altura corn largura", a casa do missionario, officinas de
carpintaria, corn "madeiras muito bem lavradas, e ja feitas al-
gumas folhas para portas e janellas", prolongado pelo galpio
da tecelagem, "em que se estava tecendo fio de algodao, cujo
panno nio era inferior no fino e tapado ao melhor linho de
Guimaraes", a rancharia dos indios, (31) cujo cacique, inter-


(30) "Depois que no anno de 1742, relata G. da Fonseca, fizeram
aquelles moradores de Matto Grosso ji mencionados a primeira viagem
pelo rio Apor6 abaixo, e foram is aldeias de S. Maria Magdalena de
Itonomas, e da Exaltagdo do Mamor6, fundou o Padre Athanazio Theo-
dosio de nagco italiana, a aldeia de Santa Rosa na margem oriental
do Apord em nao muita distancia donde a margem occidental desagua
o sangradouro chamado S. Miguel; por6m, nao agradando aquelle sitio
em raz o das muitas formigas, que devoraram as plants recemnascidas,
a mudou o mesmo Padre rio abaixo para o lugar em que hoje existe,
que 6 sobre q barranco do rio na mesma margem oriental, quasi na
falda da cordilheira geral, que naquella parte se avizinhe ao rio".
"A planicie, em que esta fundada esta aldeia que se acha a 13 gr.
e ... min. de elevatlo austral, foi desassombrada de arvoredo A forqa
de braco, e levaram o rocado desde o barranco do rio por espaqo de
um quarto de legua ao centro at6 aN raiz das montanhas, que correm
pela espalda: seguindo o rumo do rio, a frente em que estao edificadas
a Igrejla, casa do Missionario, e as dos indios, tert 600 braqas. Das
extremidades em que a aldeia principia e acaba, ao comprimento corre
arvoredo espesso desde a margem do rio ate as serras formando quasi
um meio circulo, que faz urn Oriente muito agradavel, quando de cima do
barranco se regista corn os olhos aquella campina, arvoredos e montes".
(31) "Sao estes indios nmuto bem apessoados, ao parecer valentes:
as armas sao as communs, arco e flecha, e se notou nao terem nas casas
outro genero algum de instrument offensive ou defensive. A primeira
naaio que se catequisou para esta aldeia, chama-se Aricoroni, depois
se Ihe aggregou outra, ambas habitadoras daquella vizinhanca, e agora
unidas na aldeia fargo o numero de 500 pessoas de um e outro sexo e
idade. e entire esses 150 capazes de usar armas".








-26 -


rogado por Gonialves, se mostrou pouco "satisfeito da admi-
nistraqo dos espanh6es", pela "nimia miseria corn que eram
soccorridos de instruments para suas lavouras, e de anzoes
para as pescarias, de sorte que al r de ndo terem nenhuma
faca para o uso commum, eram precisadas muitas vezes a usar
de seus machados de pedra para rogar matto da mesma sorte
que o faziam antes de se acharen civilizados".
A' mesma cuidadosa indagagqo procedeu Gonaalves, quan-
do incumbido de fiscalizar, feito servigal, os irmdos Lemos,
a quem o commandant mandou A aldeia de S. Miguel, (32)
a "negociar mantimentos para todos".
JA se achavam os expedicionarios A meia raao, escassos
os armazens de viveres, de que se aprovisionaram novamente,



(32) "Na margem occidental do rio Apor6 ha um sangradouro,
de que acima se fez mencio, onde estava fundada a aldeia de S. Miguel
com os indios da nacio chamada More, e ainda existia no mesmo lugar
naquelle tempo em que os moradores de Matto Grosso fizeram a pri-
meira viagem pelo Apor6, porrm no anno de 1744 (dizem) que por se
haver experimentado algumas doencas mais que as ordinarias, se de-
terminou o Padre Gaspar a fazer a mudanca daquelle lugar para a nova
fundaco na margem oriental fronteira A mesma ilha not bravo prin-
cipal do rio, em que de present esta aldeada a mesma nacio e outras
mais que daquellas vizinhancas da mesma parte oriental se tern cate-
quizado, e vivem naquella aldeia, que ao todo farao 'o numero de quatro
mil habitantes de um e outro sexo e idade".
Communica-se esta aldeia corn a de S. SimAo (tambem fundacio
nova, de que em seu lugar se farA memorial) em tres horas de jornada
por terra A primeira fazenda de gado, e dia e meio A povoacao, medeiam
entire uma e outra dilatadas campinas, em que se apascenta bastante
gado vaccum e cavallar, e altm desta fertilidade tern a culture das rocas,
que lhe produz milho e arroz cor abundancia.
A gente desta aldeia 6 pela maior parte bern disposta de estatura:
ter naq;Ss que al6m de bom talhe corn que os fabricod a natureza, os
distinguem tambem na c6r dos mais tapuias; porque a ter de sorte,
que mais propende para branca do que para baca, declinando a preta.
que e a ordinaria em todos os sertes ".








- 27 -


recorrendo ao celleiro indigena, (33) que Ihes permittiu a con-
tinuaqao da march.
Comeqaram a apparecer as doengas "a que se acudiu cor
os remedios segundo a providencia dos mantimentos da bo-
tica e os que ministraram os mattos, que eram, os de melhor
effeito".
Transposto o sitio chamado das Pedras, por vir finalizar
naquelle lugar uma ponta da serra, "que do centro oriental
busca o rio", attingiram, adiante, a Ilha Grande ou Comprida
(34), a maior das que encontraram no caminho. (15)
Viram-na submersa, a enchente a cobril-a de ponta a pon-
ta, destruindo-lhe as plantaqBes e arranchamentos, onde em
vfo procuraram com que refazer a proviso de viveres de que
j. haviam mister.
Emquanto aguardavam o diminuto supprimento que os mo-
radores cor difficuldade Ihes arranjaram, molestou-os a ad-



Como este povo 6 composto da rcferida naco Mor6 que habitava
nas terras que se dilat2o da margem occidental para oeste", e depois
da nova fundacio se haviam aggregado outras nacies das que vivem
na margem oriental ate a chapada da cordilheira geral, continual muitas
families lembrar-se da liberdade das suas mattas, para as quaes se
voltam abandonando a vida civil ".
(33) Obtida a necessaria licenca do missionario, Padre Gaspar
do Prado, "em breve tempo concorreram os alde6es corn grande nu-
mero a fazer venda de aves, farinhas de milho, e fructas; e como entire
aquelles povos nao circula moeda, se usa de commutacAo; consistia esta
em trocar duas agulhas por gallinha, e da mesma sort dous fios de
velorio branco, e a proporgco desta inaudita commodidade tudo o mais ".
(33) Pela medic~o de Goncalves, a Ilha teria 10 leguas de com-
prido, seguindo as voltas do rio. Leverger, nos seus Apontamentos para
o Diccionario Chorographico, da-lhe a extenslo de 20 kilometros.
(35) Ahi vivia uma duzia de moradores, em que entram "tres de
Portugal e seis mrstieos". Estes habitantes sao desertores do Matto
Grosso, que opprimidos de dividas uns e outros por cumplices em alguns
delictos buscaram aquelle ermo para nelle praticarem vida estragada,
como de gente aborrecida da sociedade humana.







- 28 -


versidade, cor accidents aborrecidos, ("6) que mais penosa Ihes
tornaram a permanencia naquelle sitio excommungado.
Afastaram-se, final, do porto, em que Ihes foi a sorte
adversa, e alcancaram o "sitio chamado da Casa Redonda"
(37), e, ap6s, a barra do Corumbiira, (38) explorado por An-
tonio de Almeida e Tristdo da Cunha Gago, que descobriram
"poagens de ouro" em suas cabeceiras, e, a 19, o Para-
gahu. (39)'
Ja entdo se achava today a escolta maltratada de "sez6es
simples, dobres e quartans", engravescida pela inundagco,
(40) que submergira as terras marginaes, "penuria dos vive-
res" de que se causou o regimen de meia ra<;o, atW que tor-



(36) Na primeira note, "quasi arrebatadamente morreu um sar-
gento da escolta; no segundo dia, pereceu um mestico de Goncalves
da Fonseca nas "garras de uma onca, que devorou o miseravel escravo";
no quarto dia, "se associaram 15 indios ja convalescidos da passada
tormenta, e fugiram de noite em uma uba dos moradores langando-se
pela correnteza do rio e lograram o bom success de chegarem As suas
aldeias do rio Xingi ".
(37) "E' este lugar na ribanceira occidental, terra alta livre de
inunda6es communs e extraordinarias. Doze aldeias de gentio se acha-
ram estabelecidas neste district no anno de 1743, quando os moradores
de Matto Grosso exploraram a primeira vez o Apor6. A principal des-
tas habitaSges era uma, fundada em figure rotunda, e no meio edifi-
cada uma casa ao modo de amphitheatro, e por ella appellidardo aquelle
sitio o da Casa Redonda. E sem embargo que os taes gentios nao fa-
ziam damno, nem o receberam daquelles primeiros viajantes, comtudo
receiosos de alguma hostilidade, se embrenharam para o centro bus-
cando o refugio de umas serras visinhas, onde novamente se situaram
com tanta diligencia e brevidade, que ji na 2.1 viagem que fizeram os
ditos moradores, nio acharam mais que umas confusas ruinas'".
(as) Goncalves da Fonseca historic a entrada destes aventureiros,
sem resultado algum vantajoso.
(39) "Mostrava-se o rio Panagahu em uma barra ao parecer de
trezentas bracas de largura".
(40) A alagavao era tamanha, que "no dia 25 se caminhou sem
novidade de rumo; continuando o rio dos giros costumados, nao houve










- 29 -


nasse a can6a de soccorros, mandada, aguas acima, adquirir
generous onde houvesse. Deixaram, a 30, as Serras (41) das
"Torres", das quaes nasce o "rio Verde, (42) cuja direcCio 6
do poente para o nascente.
Guiado pelo pratico da regiao, trazido da Ilha Comprida
(43), a escolta evitou guinadas atravez de tantas bahias e


que notar mais do que uma continuaaq de margem de uma e outra
parte alagada de agua, sem haver o mais minimo reducto de terra des-
coberta para nella tomar porto, sendo forcoso a equipagem accommodar-se
no abreviadoo district das canoas, amontoados os saos corn os doen-
tes, que sobre todas as calamidades que o supportaram esta nao era a
de menor turbacIo para os animos combatidos de tanta oppressao junta,
como era a navegacao de unm rio, a que a estaqco havia constituido
mar sem peixes, que se dilatava (comn pasmo da mesma natureza) por
entire immense arvoredo sem fructo de sorte que conjurados os tres
elements procreativos para a esterilidade daquella Regiao, nem pelo
ar voava senio muito por acaso alguma cousa".
(41) Entre as serras, "se notou uma entire as mais de menor al-
tura, que tem em cima como remate dos seus penedos uma pedra le-
vantada corn uma tal unigo e bem disposta symetria, que fazem perspe-
ctiva como torres pequenas, A imitacqo das que os artifices obram para
campanarios; e deste milagre da natureza resultou appellidarem os pri-
meiros viajantes deste rio a toda a serraria As Serras das Torres"
(42) O rio Verde s6 foi explorado em 1909, conforme se verA no
penultimo capitulo.
(43) Goncalves da Fonseca refere que o "Sargento-m6r tomou
o expediente de contractor Jos6 Martins natural da villa de Obidos
para guia de viagem ao porto do Sarar6 pelo estipendio de 23 oitavas
de ouro, sustentando-se elle A sua custa, em cuja negociaqao conveiu
corn a clausula de se Ihe dar palavra de nao ser obrigado a passar
do porto de Sarar6 aos arraiaes".
Do seu prestante auxilio ao born exito da escolta, refere o chro-
nista:... "Em 4 do mez (Abril) se proseguiu viagem... e logo se-
guir os rumos ordinarios, sem a inundacgo permittir por uma e outra
margem que nao fosse agua, nao se descuidando esta em buscar o rio
por bocainas enormes e tdo continues, que punham na contingencia o
principal caminho; e por este e outros lugares semelhantes que ficam
apontados, se acabou de desenganar a escolta que devia rao beneficio do
experience guia o nao acabar dispersa por aquelle labyrintho de aguas"'










- 30 -


bocainas, "que cor grande difficuldade se atinava com a mai
do rio, accrescendo mais haver neste mui continuados campi-
naes de arroz (44) e outras hervas, que tecidas umas corn ou-
tras na superficie da agua deixam mui estreito pass A nave-
ga Reabastecidos pela roga de Ferreira Chaves, (45) que Ihe
atestAra de generous a can6a de soccorros, aportaram-lhe no
sitio, onde, ap6s breve parada, tomaram pelo Sarar6, no qual
"se navegou nos dias 12 e 13, ate que no 'dia 14 as 3 horas
da tarde descanqou a escolta no Porto de Pescaria, ao com-
pletar nove mezes 'de viagem do Para, donde se havia princi-
piado derrota a 14 de Julho do anno antecedente".



(44) "O arroz de gue aqui se faz mencqo, explica Fonseca, e de
que ha immensidade nao s6 na miti do rio, mas pelos seus lagos e pan-
tanaes, 6 produccqo espontanea da natureza, que depois de sazonado
costuma ser alimento e juntamente desperdicio de various animaes vo-
lateis, por nao haver morador que aproveite a sua colheita, para a qual
nao ha necessidade de mais trabalho, do que andar em caminhos por
entire os campinaes, que corn qualquer movimento largam as espigas os
seus casulos, de sort que em breve tempo se desfructa este genero de
setra continuada cor tal frequencia, que raro era o espaco de caminho.
em que nao houvesse esta providencia totalmente inutil 6 necessidade
da escolta em razao de passar em estacao impropria de se aproveitar".
(45) "Entre as "fazendas chamadas Pantanaes", Fonseca men-
ciona a primeira em que habitat um home pardo, e na seguinte em
um quarto de legua de distancia esta o casal de Joaquint Ferreira Cha-
ves ", companheiro de M. Felix, cor c.uem chegou ao Para, onde Ihe
assentaram praca de soldado. Conseguindo escapar do servigo, "de-
sertou pelo Maranhao a buscar Goyaz, e destas Minas para o Cuiaba,
e ultimamente ao Matto Grosso, onde por este seu morador se teve a
primeira noticia de que podia pelo Madeira haver commercio cor o
Para ".
O sitio de J. F. Chaves "era cultivado por escravos de Guin6 ", ao
pass que no de Tristao da Cunha Gago, montante, para dentro, em
um bravo do pantanal, "trabalhavam alguns Tapuias ", como tambem
em duas outras vizinhas.









- 31 -


Avizadas as autoridades de Matto Grosso, no dia seguinte
recebiam os expedicionarios os cavallos necessarios, que os
levaram, atravez de "urn dilatado pantanal de campina ala-
gada cor alguns tojocaes", no fim dos quaes os recebeu lu-
zida comitiva de "pessoas de distincqio"; em cuja companhia
venceram as duas leguas restantes na planura, e galgaram em
rampa, de meia legua, a Chapada, onde se Ihes deparou, a 16
de Abril de 1850, o arraial de S. Francisco Xavier, fervilhante
de mineradores. (4")





















"Todas estas habitac5es que ha pelos pantanaes, observa Goncalves,
sao favorecidas de clima mais temperado do que a Chapada em que as
irregularidades, de que em seu lugar se fara mengao; e os moradones de
taes fazendas sao menos perseguidos de doengas e passam a vida corn
mais fertilidade do que os da Chapada, que destes Pantanaes 6 muitas
vezes soccorridas".
(46) O relatorio de Gongalves da Fonseca, embora nao tenha sido
aproveitado pelos negociadores do Tratado de 1750, que o antecedeu, 6
referido por Pombal nas suas "InstrucqSes" a F. X. Furtado de Men-
donca:
"Observando-se berna Carta Grande que veiu depois de feitos
os trabalhos, isto 6, a que se formou na viagem de Jos6 Goanalves".





















A NOVA CAPITANIA





Por esse tempo, marchava de S. Paulo a inaugurar, como
seu capitdo-general, (47) o governor independent da Capita-
nia, criada pelo AlvarA de 8 de Maio de 1748, o fidalgo D.
Antonio Rollim de Moura, que a 17 de Janeiro de 1751 assu-
miu o exercicio, em CuiabA.
Aqui se demorou, em arranjos de administraqao, at6 No-
vembro, continuando, nesse mez, a sua peregrinagao, imposta
pelas "Instrucq6es regias", (48) que Ihe especificaram a ma-
neira pela qual nortearia a sua diligente acCgo governmental.




(47) A nomea5o de Rollim foi feita no mesmo anno da creacqo
da capitania, por patent dada em Lisb6a, a 25 de .Setembro de 1748.
R. I. H. Tomo LV pag. 395.
(48) As InstrucSoes, assignadas pela Rainha em Lisboa, aos 17 de
Janeiro de 1749, acham-se impressas no tomo LV da R. I. H. G. Brasilei-
ro. Assim resa o 1.': "Supposto entire os districts de que se comp5e
aquella capitania geral seja o de Cuiaba o que presentemente se acha
mais povoado, comtudo attendendo a que no Matto Grosso se rescuer
a maior vigilancia por causa da visinhanga que ter, houve por bem
-determninar que a cabeca do governor se pozesse no mesmo district de
Matto Grosso, no qual fareis a vossa mais costumada residencia"; e o
2.*: "Por se ter entendido que Matto Grosso 6 a chave e o propu-
gnaculo do sertdo do Brasil pela parte do Peri, ordenei...








- 33 -


Quem as lr verificari a importancia que a Metropole
attribuia a "chave do sertao do Brasil", onde factors de or-
dem political, mais ponderosos de que os economics, apressa-
ram a organiza De feito, no coordenar as energies ethnicas dos seus sub-
ditos, que se dispersavam pelos sert6es em f6ra, e oppol-as,
regularmente enfeixadas e dirigidas, feito dique intransponi-
vel, A onda castelhana, que experimentava espraiar-se pelo val-
le guaporeano, a Cor6a portuguesa apenas obedeoia A premen-
cia incoercivel dos agents locaes: nio havia como contra-
rial-os sem incorrer em grave cinca.
Predestinada a lucta, (49) a Capitania remote nasceu da
necessidade de efficient escudo, ante o qual se chofrassem
os golpes dos missionaries, que os Vice-Reis do Peril incita-
vam A arremettida.


















(49) Sao expressivas, neste particular, alguma ,passagens das
"Instruce5es" a D. Rollim de Moura, afinadas todas por este pensa-
mento: "deveis nao s6 defender as terras que os meus vassalos tiverem
descoberto e occupado e impedir que os espanh6es se nio adiantem para
a nossa parte; mas promover os descobrimentos e apossar do que
poderdes se nao estiver jA occupado pelos espanh6es".


















0 TRATADO DE 1750




A' primeira hora, comtudo, pareceu que ji ndo havia ra-
z6es para taes cautelas, depois da assignatura do Tratado de
Limites de Madrid, que facilitara o inicio da gestio de D. Rot-
lim de Moura.
O convenio de 13 de Janeiro de 1750, em verdade, apa-
gava, por desnecessaribs, various jparagrajlhos das i"Instruc-
g6es", concernentes As duvidas fronteiriqas.
Gerou outras, por6m, derivadas da imprecisgo da lingua-
gem, que se harmonizava is maravilhas corn a ignorancia da
topographia real daquellas paragens.
Relembre-se a confissio da Alexandre de Gusmao, que
Ihe redigira as clausulas, (50) no delatar a fallencia de infor-
mes, que orientassem os negociadores.





(5o) Alexandre ,de GusmAo... "confessou que todo o material
existent la elucidal-o consistia numa pequena carta das misses de Mojos,
que "traz o tomo duodecimo das "lettres edifiantes", e em dois rotei-
ros de sertanistas nosso, que at& 14 se tinham avantajado; concluindo
que era forgoso se contentassem corn taes escassos elements, porque se
houvessem de aguardar "os que se mandassem former no mesmo paiz,
ficaria a conclusio do tratado para as calendas gregas". Euclydes da
Cunha. Perl versus Bolivia, pag. 15.








- 35 -


Assim resavam as que diziam cor o assumpto:
"Art. VII. Desde a bocca do Jauri pela
parte occidental ate a margem austral do Rio Gua-
pore, defronte da bocca do rio Sarark, que entra
no dito Guapork, pela sua margem septentrional,
cor declaragto que se os commissaries que se hdo
de despachar para os Regulamentos dos Confins,
nesta parte, na face do 'Paiz, acharem entire os rios
Jaurui e Guapore, outros rios e balizas naturaes,
por onde mais commodamente e cor maior certeza
se possa assignalar a Raia naquella paragem sal-
vando sempre a navegaqgo do Jauri, que deve ser
privativa dos Portuguezes, e..o caminho que elles
costumam fazer do CuiabA para o Matto Grosso,
os dois contraentes consented e approval que as-
sim se estabeleqa, sem attender a alguma porgqo
mais ott menos de terreno que possa ficar a uma
ou a outra parte.
Desde o lugar que na margem austral do Gua-
pore f6r assignalado para termo de raia, como fica
explicado, baixar~ a Fronteira por todo o curso
do rio Guapore, ate o ,mais baixo da sua unimo corn
o rio Mamor6, que nasce na Provincia de Santa
Cruz de la Sierra, e atravessa a Missao de Moxos,
e formam juntos o Rio chamado da Madeira, que
entra no das Amazonas, ou Maranhdo, pela sua
margem austral.

Antes que outrem The criticasse a redacco falha, a pro-
pria Cor6a, pela bocca do seu grande ministry, Sebastiao Jos6
de Carvalho e Mello, o future Marquez de Pombal, (61)
successor de Gusmdo, colhidos mais alguns dados, ji com-
pletava, o seu pensamento, a 30 de Abril de 1753, nas "Ins-
trucq.es", pelas quaes se deveria nortear Mendonga Furtado,









- 36 -


"primeiro e principal commissario para as conferencias que
se devem ter sobre a execucao do Tratado de Limites".















(l1) Lise nas Instrucc es:
15. Em razio de que na conformidade da carta concordada, o
rio ,Guapore 6 o mesmo rio da Madeira, ou aquelle donde o rio da
Madeira traz primeira origem, tendo as suas cabeceiras perto do nas-
cimento do rio Jaurf. O mesmo se manifesta muito mais claramente
pela outra carta grande que se fez na viagem de Joseph Goncalves dp
Fonseca.
16. Em cuja certeza se depoisi de se subir o rio Madeira se
subisse tambem o rio Guapor6, como diz o artigo 70, sem mais consi-
derac6es e sem mais reflexes depois se podia seguir, segundo o que
indicam as sobreditas cartas.
Primo, que do rio Madeira se n.o podia passar A bocca do Jaurd
como o mesmo artigo estabelece e demonstra a pequena linha de leste
oeste que se acha descripta por aquella parte na carta concordada.
Secundo, que para ir subir pelo Guapor6 ou Apor6 nao poderiamos
depois encontrar o Jaurfi senio perto das sua cabeceiras.
Tertio, .ue iassim perderiamos o triangulo do Paiz que a dita carta
concordada mostra que faz desde a f6z do rio Sarar6 at6 a do sobredito
rio Jaurd e que a outra carta descreve melhor desde a bocca do rio
Verde at6 a do sobredito Jauri.
Quarto, que cor a perda daquelle Paiz nos ficaria inteiramente
cortada pelos castelhanos o caminho que vai do CuiabA para o Matto
Grosso.
Quinto, que assim no Matto Grosso como no Cuiaba ficariam vi-
vendo os vassalbs deste Reino, quasi em commum corn os referidos
Castelhanos ".



















FUNDA~XO EXPRESSIVA


Era D. Rollim o segundo Capitdo General que se embre-
nhara pelos sert6es d'aquem Parana. O primeiro, D. Rodrigo
Cesar, de S. Paulo, chegira a Cuiabi, para. attender a ganan-
cio do Real Erario.
Deu-lhe os f6ros de Villa, a 1.0 de Janeiro de 1727, e
apertou os approxes aos contribuintes, a ponto de fazel-os
a'bandonar as minas, cujos rendimentos nIo bastavam para
satisfazer o Fisco insaciavel.
Obrou como agent centrifugo, no afastar para as bre-
nhas os mineiros cuiabanos, que, dispersos, buscavam re-
gi6es nao alcangadas ainda pelo brago do truculento governa-
dor.
Rollimi, ao contrario, serviria de condensador da gente
desseminada pelos sert6es.
Para isso, facultavam-lhe as "Instrucq6es" que estabele-
cesse a nova s6de do governor em S. Francisco Xavier, ou em
sitio mais propicio, ("2) e concedesse aos respectivos morado-


(52) "ordenei se fundasse naquella paragem uma villa, e concedi
diversos privilegios e iseng6es para convidar a gente que alli quizesse
ir estabelecer-se... "
"ainda que a villa se ache ja fundada no dito arraial (S. Francisco
Xavier) deixo A vossa eleicao mudal-a para o sitio que f6r mais a
proposito" Instruc5es a D. A. Rollim de Moura.








- 38 -


res isenc5es de impostos por dez annos, privilegios que os li-
vrassem de pris6es por dividas e outros favors.
Levando em mira tal objective, explorou em Dezembro
de 1751, a circumvizinhanqa e, por fim, fixou-se no Pouso
Alegre (a 16.0 51' 45" 0. Rio e 15.0 de lat.)' A margem di-
reita do Guapor6, onde erigiu a "Villa Bella da Santissima
Trindade", (I,) a 1 9de Marco de 1752.
Ao fidalgo europeu sorria a idea de erguer, desde os fun-
damentos, o arcabouqo da capital extremenha, no sitio solita-
rio, onde apenas costumavam pousar os moradores de S.
Francisco Xavier, quando em pescarias pelo rio.
A pouco e pouco foi crescendo a villa, de ruas abertas
em xadrez, logo' debruadas dos edificios necessarios aos esta-
helcimentos reaes. ("4)
E A media que se avantajava a construccio, cuidava Rol-
lim de completar a sua missao political, por actos de dominion,
rio abaixo.
Facilitou-lhe a tarefa a carta rigia de 14 de Novembro
de 1752, que permitiu a navegaiao, at6 entao vedada, para
Belem, via Madeira.
Destarte, teve officialmente desimpedida a estrada fluvial
para o litoral; restava frequental-a, e, do mesmo pass, livral-a
da fiscalizacao dos missionaries vizinhos que, nio obstante



(53) Tio ermo,estava o lugar, diz A. !Leverger, que o governa-
dor teve de conceder licenga aos vere'adores da: Camara para funcciona-
rem no arraial da Chapada de S. Francisco Xavier, ficando elle morando
em uma palhoga, na recem creada villa ". (A. Leverger Apontamentos
para o Diccionario Chorographico da Provincia de Matto Grosso).
(54) "Entretanto foi ella povoando-se e tomando incremento,
attrahidos os novos moradores pelos apontados privilegios, pela pre-
senca do governador, pela riqueza mineral e pela fertilidade da terra.
Em 1754, mudou-se a freguezia da Chapada para a Capella de S. An-
tonio, da villa, sita no local onde, no anno seguinte, se fundou a matriz
da S. S. Trindade". A. Leverger.










- 39 -


obrigados a procedimento divers, (65) ainda abriram roas,
depois de 1753, emi Santa Rosa Velha, a margem direita do
rio.




















(55) No art. 2.0 se declarou o que pareccu necessario para se se-
gurar a entrega aos meus commissaries da Aldeia de Santa Rosa e das
outras Aldeias que os vassalos d'El Rei Catholico houverem fundado
na margem oriental dos rios da Madeira e Guapore. "InstruccAo assi-
gnada pela Real mao de Sua Magestade a respeito das demarca6es da
part de Norte", a 30 de Abril de 1753. R. H. G. Brasileiro -
Tomo LXVII, Parte I.
Em virtude dos terms insophismaveis do tratado, os jesuitas trans-
plantaram as suas misses para a margem occidental do.Guapore, mas
continuaram a angariar neophitos entire as tribus da margem oriental,
provocando protests de Rollim de Moura.
"Pelo tratado de limited se dava a estes Indios a liberdade de ficar
no paiz, ou passar A outra banda do Guapor6,, o que escolheram por
persuas6es dos curas. A de S. Rosa, que constava de 400 indios, e se
mudou em 1754, esteve junto a uma cachoeira, onde D. Antonio Rollim
mandou construir um forte; a de S. Miguel, que estava em campo pouco
afastado do rio, e tinha 600 indios, mudou-se em 1753; e a de S. Simio,
que constava de mais de 2.000 habitantes, essa mudou em 1752, existia
por um rio dentro pouco abaixo do sitio das Pedras". Hist. das jor-
nadas do Illmo. e Exmo. I General de M. Grosso". Ap. Ayres Casal -
Corographia Brasilia.



















EXECUQAO DO TRATADO DE 1750





Nessa part, como em outras, ageitaram os jesuitas meios
de contrariar a political de Pombal, que lhes nio concedia quar-
tel.
Emquanto Gomes Freire applica a sua prudent energia
em superar-lhes a opposiqao no extreme Sul, onde a lucta
se travou sem rebuqos, encarrega a "3.a Partida" de remontar
o rio at6 a barra do Jaur6i. (sl)
Ahi se cravou imponente marco de marmore, unico tra-
balho concernente ao art. 7.0, realizado pelos demarcadores,
que o deixaram, insulado, a balizar, no ermo, a linha extre-
menha.




(66) Carta de Gomes Freire, datada da Ilha de Martim Gprcia,
em Maio de 1753, ao pedir a Rollim que fornega viveres aos expedi-
cionarios: "Hoje sae desta Ilha a Terceira Partida que vae fazer a
Divisao das duas Monarquias levando urn Marco para se collocar na
barra do Jaurfi".
Do mesmo assumpto volta a tratar, da Colonia, a 14 de Julho:
"Emquanto os embaracos por esta parte ter recrescido tratamos de
expedir (como saiu no fim de Maio) a Partida Portugueza e Caste-
lhana que vae demarcando pelo rio Paraguay".
Em outra carta do mesmo dia, informa a Rollim que a "3." Partida
se comp5e de 14 embarcac5es portuguezas e castelhanas, corn 300 pes-
soas de ambas as Nac6es".















A1 *1 4aII
.r 44 I
~u 41r' i

.. V., 4r

* ~- .-.~
u j1/J




s- 4

i r '

'Y'


r B *1*1

kj i I I

B d
4e
~CW U
I .. II~
-I.__~t Li
s Q. ZE'
"' f 4


__I__


i









- 41 -


De Jaurfi para o Norte, a demarcaqdo da lindeira fica-
ria a cargo de F. X. Furtado Mendon Abril de 1753, "Primeiro e Principal Commissario para os
referidos effeitos".
Graves obstaculos Ihe embara dade se evidenciava pela propria march oscillatoria das Co-
rbas peninsulares, que al6m do Tratado de 1750, assignaram
mais quatro, (57) destinados a facilitar-lhes a interpretacio,
mas que, ao revez, a toldariam.
Ndo era somenos a incumbencia que Ihe tocara: levou
tres annos a estudar o assumpto, (68) escoadps os quaes apre-
sentou a sua abalizada opinido.














(57) O Tratado de Limites traz a data de 13 de Janeiro de 1750,
e foi seguido de outro de 17 de Janeiro de 1751, que esclarece a respeito
da "intelligencia das Cartas Geographicas", ao qual se accrescentou
novo supplement a 17 de Abril; e do que cont6m as "InstrucgSes dos
Commissarios que devem dirigir e executar as demarcag5es", datado
de 24 de Junho de 1752, e completado pelo seguinte, de 31 de Julho
que o interpretou.
(58) Remetto a V. Ex., o system que tenho formado para 'as
Demarcag5es por estas parties, o qual me custou nao menos que 3 annos
de fadigas concorrendo V. Ex. na maior parte para socegar o meu
cuidado corn as clarissimas luzes que me participou pelo que respeitava
a essa parte cor as quaes se tranquillizou inteiramente o meu animo.
Carta de F. X. Mendonga Furtado a D. A. Rollim de Moura, de
23 de nov. de 1758.



















0 SYSTEM DAS DEMARCACOES


Ao dar conta do que Ihe competia, Mendonca Furtado
logrou a necessaria approvacgo regia ao seu "Systema de De-
marcag6es", no qual abriu subtitulos as considerac6es acerca
da divisoria "quando ao JaporA", "ao Javary", e, finalmente,
"quanto ao Jaurii ate o Guapore".
Aqui se alongou por onze artigos, em que examinou a lin-
deira, estabelecida no Tratado, da bocca do Jaurfi 6 do Sarar6,
inteiramente impraticavel, ao seu parecer.
Para garantir "toda a navegaqdo do rio Jaurfi que nos e
privativa", pleiteou a demarcarco a comegar do
"marco que se acha abaixo da bocca do Jauri, e
a potca distancia delle principiam umas serras a que
se d6 o nome de Serras do Paraguay, e pelo cume
dellas correndo contra o Norte se devem ir buscar
outras que pegam nestas, e vem parar defronte de
Villa Bella da S. Trindade, aonde sao conhecidas
pelas Serras do Para e correndo pelo cume dellas
se deve vir buscar o. rio Capivary, que esti dia e
meio de distancia da sobredita villa, porque desta
forma ficam divididos os dous dominios por uma
balisa tal como a sobredita no que os Castelhanos
nao perdem muito e n6s avangamos o ficarmos co-
brindo assim as fazendas e parte do Jaurt e as
mais importantes quaes sio as do Matto Grosso,








- 43-


cuja subsistencia depend das fazendas que se
acham estabelecidas defronte da Villa entire a Serra
do Grdo Para e o rio Guapor6. Esta demarcagio
assim feita 6 pura execugho do art. 3.". (69)

E justificava a sua id6a, corn a opiniao de Rollim:

"Na f6rma sobredita ficamos avancando os
dous importantes rios, que sao o Aguapehy e Ale-
gre, para por elles cor mais facilidade fazermos o
caminho do Matto Grosso para o Cuiabi na forma
da informaqao que me mandou o Governador e Ca-
pitdo General daquellas Minas".

"Seri utilissimo se podermos, accrescentava,
estender a demarcaao ate a Casa Redonda ou ao
menos ate o Rio Verde".


(59) R. I. H. Tomo LXVII, pag. 13.


















O ESFOR9O DE A. ROLLIM DE MOURA



Posto elaborado com o maximo empenho de acertar, bal-
dou o tal systema das demarcac6es", cujo autor, (6o) Pom-
bal, seu irmao, requisitou para auxilial-o, feito Secretario de
Estado, na lucta contra os jesuitas e os fidalgos adversos.
O duelo formidavel do mentor de D. Jos6, encarnicado
contra a congregargo dos ignacianos, engravescia de hora em
hora.
Amiudavam-se os golpes de parte a part, cor vantagem
para Sebastido de Carvalho, que a 10 de Julhot de 1757, ob-
teve expressive carta regia, (61) nuncia da que expulsou os
jesuitas do Brasil. (62)
Substituto de M. Furtado, no "Commissariado", Rollim
de Moura, (63) nao se afasta, comtudo, in continent, de


(60) F. X. Mendonca Furtado deixou Bel6m, e navegou para Lis-
b6a, a 7 de Marco de 1759.
(61) Essa carta regia, de 10 de Julho de 1757, recommendava a
F. X. Mendonca Furtado que A vista da opposivgo dos jesuitas i de-
marqavao dos limits "facaes prompta e effectivamente sair dos
sert5es visinhos dos rios Tapaj6z, Tocantins e Amazonas todos quantos
Religiosos da Companhia de Jesus se acharem estabelecidos nas aldeias
daquelles territories ".
(62) A Z1 de Julho de 1759.
(63) A nomeacqo de D. Antonio Rollim de Moura para substi-
tuir a M. Furtado na "diligencia das demarcav5es dos Limites", foi-
Ihe communicada por carta de D. Luiz dja Cunha, de 31 de Agosto
de 1758.









- 45 -


Matto Grosso, como Ihe determinaram ordens superiores: aqui
o retinham circumstancias de alta monta.
Do mesmo pass que impulsionava o progress de Villa
Bella, nao descurava do objective principal do seu governor.
Andando as testilhas (com os missionaries, eixcagitou
meios de sobrepujal-os.
Para isso a Metropole recommendara-lhe que revidasse
no mesmo torm A manha usada por elles, e aqulasse, As occul-
tas, guerrillas contra as aldeias castelhanas. (64)
E' possivel que Rollim tivesse tambem usado semelhante
astucia; preferiu, todavia, assumir posicio franca.
Sen'tia-se amparado pela Corte, que, alem de elogiar-lhe
o zelo corn que se houve na criacio de Villa Bella, (65) ainda
lhe proporciona funds (66) corn que attendesse as despezas
extraordinarias, derivadas do augmento da forca defensi-
va. (07)



(64) A carta de Thomaz J. Corte Real de 26 de Agosto de 1758
resume a orientaVgo astuciosamente bellicosa da Metropole e diz-lhe
que os sertanistas devem ir "queimando casas, destruindo fazendas,
aprisionando homes e mulheres, saqueando tudo que acharem de' mo-
veis e de gados, arruinando e abrasando armazens e selleiros". Tudo,
por6m, deveria ser levado a effeito, de maneira que, si elles se quei-
xassem, responder-se-lhes-ia da mesma forma que usam comnosco, que
"sdo factos de barbaridade dos indios, que V. S. nao ordenou, nem
poude reprimir ".
(65) A carta regia de 121 de Agosto de 1760 a Rollim, "louva
.o zelo e acerto corn que tendes procedido neste particular".
(66) Em carta de 22 de Agosto de 1758, Corte Real avisa-lhe que
recommendou aos governadores do Par6 e de Goyaz Ihe prestem
os soccorros reclamados.
A' vista desta ord-m, Rollim poude escrever a 18 de Dezembro de
1761: "Nos annos de 59 e 60 me vieram tres arrobas de ouro em
cada um delles".
(67) Corte Real permitte-lhe, a 22 de Agosto de 1758, a formacao
do "Terco de Sertanistas e Indios Bororos ", corn o nome de "Regi-
mento do General", para afagar a vaidade dos soldados.



















MEDIDAS PREVENTIVAS




Certo da conveniencia de possuir segura base de opera-
<6es, em que se apoiasse, no caso de qualquer eventualidade,
Rollim desceu ate "S. Rosa Velha, (68) aldeia abandonada
pelos castelhanos, 15 atW 20 dias de viagem".i jusante de Villa
Bella, e tres a montante da barra do Mamore.
Justamente A ilharga da cachoeira que, nessa paragem, en-
crespa as aguas do Guapor6, apenas deixando esfreito canal
"encostado a nossa margem", estabeleceu a "Guarda de S.
Rosa Velha". (6a)
Os castelhanos assustaram-se.
Emissario enviado a demover, corn as suas fanfarronices,
o Capitdo General de permanecer nesse posto, o P. Sarmento
regressa desilludido. (70)




(68) Carta de Rollim, de 18 de Dezembro de 1761.
(69) A essa "Guarda", restabelecida em 1760, Rollim conservou
tal nome, "por usar de alguma dissimulaao ", antes que fosse annul-
lado o Tratado de 1750. Depois disso, porem, baptizou-a de N. S. da
Conceivgo (Carta de Rollim, de 30 de Setembro de 1762).
(70) Ao P. Sarmento, diz Rollim em carta de 18 de Dezembro
de 1761, que, farto de ouvil-o engrandecer o poder military dos caste-
Ihanos, retrucara-lhe que S. Rev. havia de ter conhecimento pela his-
toria que nunca os grande officials espanh6es haviam causado! temor
aos portuguezes ".









-47 -


Mal era transcorrido um anno e ja outra commission (71)
procurava Rollim, para Ihe annunciar, da parte do Governiador
de S. Cruz de la Sierra, a annullaqao do "Tratado de Limi-
tes", e pedir, por conseguinte, a evacuaqCo de. S. Rosa Velha.
Rollim de Moura, (72) ao revez, delibera fortalecer-se
cor desdobrada energia.
Transforma a Guarda de S. Rosa em forte de N. S. da
Conceigio, cor estacada; improvisa agil flotilha no, rio Gua-
pore cor "pecinhas de artilharia"; requisita as armas existen-
tes em Cuiaba, e em rasgo de originalidade, afei6a ao novo
meio os conhecimentos militares que trouxera da Europa.
Previ sobrarem bra;os dos Negros que nao sabem atirar,
e manda "encaibrar em hastes compridas foices roqadeiras e
varias choupas de ferro, que eu havia mandado fazer para
armar as canvas de guerra, que escoltava as mong6es de
Cuiaba. (73)
E em honra forte raga, que se calldeira ao sol dos tro-
picos, cria o corpo de "Aventureiros". (74)


(71) Essa commissao, constituida de um sargento m6r .e .u ca-
pitdo de milicianos, chegou em Villa Bella a 21 de Outubro de 1761.
(72) Rollim, para entregar S. Rosa, exige ordem especial da C6rte
Entgo os emissaries apresentam-lhe protest, que ji traziam, em nome
do Governador de S. Cruz. Depois de ter-se dado por sciente, Rollim
prestou attendao ao que Ihe notara o seu secretario, Diogo Jose Pereira,
a respeito da falta de assignatura do referido governador. Nao quiz,
porem, tornar atraz e "fazendo da necessidade virtude", deu logo a
entender que estava disposto a lutar, se tanto fosse precise, para se
conservar no posto de S. Rosa.
(73) Carta de Rollim, de 18,de Dezembro de 1761.
(74) Os sotlados que eu chamo .Aventureiros sio various sertanis-
tas que haviam por este rio, e, que antes da minha chegada b Matto Gros-
so viviam de fazer entradas ao sertqo e buscar gentio; e outros serviam
aos padres castelhianos na mesma diligencia, ou de outros misteres nas
aldeias. A estes mandei assentar praCa corn o titulo de Aventureiros,
dando-lhes o soldo de DragSes sem farda" (Carta de Rollim, de 30
de Setembro de 1762).








-48-


Bem que nao acredite na iniciativa dos missionaries de
provocar o rompimento, "conhecendo que isso ha de trazer a
ruina das suas aldeias", prepara-se para qualquer eventuali-
dade, porquanto nio ignora que "o odio e paixio dos Padres
da Companhia contra Portugal tem chegado aos excesses que
estamos vendo". (75)


(7S) Carta de Rollim, de 18 de Dezembro de 1761.



















INVESTIDA MALLOGRADA


Por atalhar manobras adversas, Rollim desce ainda uma
vez, em pess6a, ao forte de N. S. da Conceicao, cujas obras
active. (76)
Pela sua maneira fidalga e dadivosa, attrAe os indios de
S. Rosa Nova, que deixam a aldela da margem esquerda do
Guapor6 e aggregam-se ao baluarte em formargo, regressando
assim ao lugar em que anteriormente residiram.
Bern informado dos preparativos do inimigo, solicita re-
forgo de Par6, de Villa Bella, de CuiabA, e p6e-se em guard
para qualquer emergencia.
Destarte, ndo lhe causa a minima sorpresa o apparecimento
de forqas suspeitas na barra do Itonomas, a montante do forte
(77), obra de tres horas de viagem.
Extranhou-lhes a apparencia aggressive da march, e
soube, entdo, que se declarara guerra entire Portugal e Es'
panha.



(76) Rollim saiu de Villa Bella a 25 de Agosto e chegou ao
porto de N. S. da Conceido a 13 de Setembro de 1762.
(77) O inimigo surgiu a 14 de Abril de 1763, e de daminho sur-
preendeu uma escolta que andava caga de gado. bravio do outro lado
do rio. Aprisionados, foram remettidos A missed de Magdalena, tendo
conseguido na viagem subjugar o's gnardas e voltar ao forte, atraves-
sando o pantanial.








- 50-


Comparou os effectivos, primeiro que se deliberasse a
qualquer acqio: dispunha de 260 homes para opp6r aos cal-
culados 800 castelhanos. (78)
Pombeiros insignes, os seus "aventureiros" communica-
vam-lhe, de continue, os menores movimentos dos inimigos,
que a 17 de Abril sulcaram o Guapor6 nas suas 40 canvas.
Rollim esperou o ataque baldadamente, e no outro dia
saiu, em 7 can6as de guerra, a offerecer-lhes batalha, que evi-
taram.
Compreendeu que pretendiam fazel-o render-se pela fome,
cortando-lhe a communicacgo cor Villa Bella.
Resolve evidenciar-lhes, de modo energico, a inanidade
complete do piano.
A 5 de Maio, despacha escolhido (79) pelotao, que, 6
noite, rompe habilmente o cerco e sobe o Baures atW a mis-
sdo de S. Miguel, onde chega na madrugada de 8, "tanto
a tempo que aprisionou os Padres Jodo Roiz e Francisco
Espino, que a governavam, e rende os indios todos sem re-
sistencia, que s'o 600 para 700 almas". (s0)
Para tal gente, o bloqueio planejado nAo passava de brin-
cadeira. Si poude levar a sua offensive at6 o interior do ter-
ritorio inimigo, onde arrazou a aldeia de S. Miguel, mais fa-
cilmente Rollim conseguiria corresponder-se cor os seus ju-




(78) Depois de firmada a paz, soube dos proprios castelhanos que
o seu exercito se compunha de 1.200 homes, constituido de tres corpos:
um de S. Cruz; outro do Periu; outro de Buenos Ayres, commandados
por officials de reputacgo, muitos dos quaes pereceram de molestias
locaes.
(79) Sob o commando do Tenente de Drag5es Francisco Xavier
D. Tejo, esse pelotao compunha-se de dez soldados, pedestres e negros,
no total de "vinte e tantas pess6as ".
(80) Carta de Rollim, de 31 de Maio de 1763, que descreve por-
menorizadamente o comeco da luta.










- 51 -


risdiccionados de Villa Bella, que Ihe mandaram reforgo (1s)
de gente e viveres.
Contando ji cerca de 500 homes, resolve a 22 de Ju-
nho acommetter o inimigo, na propria paliqada em que se em-
biocira, em tres columns, a primeira fluvial, sob o seu dire.
cto commando, a jusante; outra, confiada ao tenente' Tego,
com maior numero de canvas, A montante; emquanto a ultima,
de cem homes escolhidos, commandados pelo ajudante de
ordens (82) realizaria o assalto.
Afoitos em demasia, os assaltantes transgrediram as pru-
dentes recommendag8es do military, que tambem o era o gover-
nador e foram, de peito aberto, exp6r-se desvantajosamente a
arma contraria.
Ainda assim escalaram a primeira paliSada, mas foram vi
gorosamente contidos no arremesso a outra, internal.
Depois de hora e meia de fogo, quando o inimigo ji se
dispunha A rendi~io, (q3) retiraram-se corn perda de 21 mor-
tos e alguns feridos, (84) sem presentir qque ja Ihes entresor-
ria a fortune, promettendo-lhes victoria.
Para contrabalanqar semelhante damno, Rollim enumerou
vantagens, n~o pequenas.
0 arrazamento da aldeia de S. Miguel e o assalto 6 trin-


(81) O reforgo de Villa Bella de cerca de 230 homes chegou a
22 de Junho de 1763, e foi organizado, em grande parte, pelos mo-
radores de Cuiabi. De Villa Bella seguiram Bento Dias Botelho, Jogo
Raposo da Fonseca, Sebastido Pinheiro Raposo filho do brigadeiro
Antonio de Almeida Lara e o Padre Jose Manoel Leite; e de Cuiabi,
Antonio de Pinho Azevedo, Vicente Rebello Leite, Ignacio Maciel Tou-
rinho, Joaquim Lopes Poupino, Migue Jos6 Rodrigues e Antonio, Pe-
reira, corn uma companhia de indios mansos e outra de aggregados de
Jos6 Paes Falcao. (Doc. int. vol. XXXIV).
(82) Manoel da Ponte Pedreira.
(ss) Oarta de Rollim, de 21 de Julho de 1763.
(84) A baixa dos castelhanos orcou por 160 homes, segundo asse-
vera R. de Moura em sua carta de 6 de Maio de 1764.










- 52 -


cheira de Itonamas, onde pereceu o P. Francisco Xavier Ir-
raes o instigador dos seus commandados A luta -, infundiram
ao inimigo tamanho pavor, que, ap6s a refrega, chistosamente
refere o Capitao General "na missao de S. Pedro se nao atre-
via qo Superior a ir se lavar no rio, sem levar comsigo uma
grande quantidade de indios armados". (85)
Alias, a malquerenqa de Rollim aos missionaries poe-se
de manifesto a cada pass da sua correspondencia.
Nessa mesma carta, depois de frizar que foram elles os
generaes da campanha, compare as duas situaq6es, para su-
blinhar quanto os reputava molestados. (s6)
Attribuiu-lhes intuitos bellicosos que nem a terminaqdo das
hostilidades na Europa consegue refrear: nio querem paz al-
guma, remata. (87)
Por isso, confia desconfiando.
Que assim obrando, guiava-se pela prudencia, os factos ul-
teriores vieram comprovar.
Nomeado para o governor da Bahia, nao deixa o posto an-
tes da chegada do seu substitute e sobrinho, Jofo Pedro da Ca-
mara, que somente pelo Natal de 65 aporta em Villa Bella.


(85) Carta de 6 de Maio de 1764.
(86) L~-se na mesma carta de 6 de Maio de 1764, enderecada ao
Secretario de Estado: "quando eu cheguei a estas Minas tinham os
Padres da Companhia.da nossa banda as Miss5es de S. Rosa, S. Miguel
e S. Sim~o. Cor a noticia das DemarcacSes, as mudaram para outra
parte: a de S. Simdo bastante para dentro nas cabeceiras do Baures;
a de S. Miguel no mesmo rio mas um s6 dia de viagem afastado da
sua barra, que faz neste rio um pequeno dia de viagem acirna deste
destacamento (N S. da ConceiCdo), e a de S. Rosa uma hora abaixo
desta destacamento, na margem occidental deste rio".
"Esta ultima a desamparam os Padres e se passaram para ca
muita parte dos indios, no anno de 1760, em que vim estabelecer esta
guarda ". "A de S. Miguel mandei destruir pelo fogo durante a guerra".
(87) 10 Tratado de Paz, entire Portugal e Espanha, de 10 de Fe-
vereiro, referido por D. Antonio Rollim a 31 de Dezembro de 176.1
s6 foi conhecido a 10 de Agosto.


















PROSEGUIMENTO DAS AMEAQAS




Ainda se achava Rolim no governor, (s8) quando chega a
Santa Rosa (89) o governador de Santa Cruz, cor prisioneiros
a entregar, em troca de outros e da evacuagqo de S. Miguel, oc-
cupada pelos portuguezes.
Constou entdo que cinco mezes antes, de Chiquisaca vieram
500 homes, (90) cor um engenheiro que planejou habilmente
a offensive.
Ao seu parecer, o posto de N. S. da Conceigio nSo resis-
tiria a serio ataque por tropas regulars, ao mesmo tempo que
outras fizessem incurs6es pelos districts de Villa Bella e
Cuiabi.
0 piano era, em verdade, intelligence, e, executado, teria
compromettido a seguranca da Capitania.
Bemi o percebeu Camara, que acha exaggerado o menos-
preso corn que Rollim considerava a capacidade military do ini-
migo.


(88) Rollim retirou-se de Villa Bella a 15 de Fevereiro de 1765,
mas a posse de Camara realizou-se a 1. de Janeiro.
(89), O governador chegou a S. Rosa a 21 de Setembro de 1764,
trazendo alguns dos prisioneiros appreendidos pela forca ao chegar a
Itonomas, e quo nao conseguira livrar-se dos seus guards, como os
outros.
(9o) Em meio do caminho, essa forca contramarchou, disistindo.
do seu objective.







- 54-


Ao contrario, afigurava-se-lhe seriamente ameacada a in-
tegridade do territorio que governava.
Balanceia os recursos de que disp6e. Al1m da artilharia
(91) que trotxe, aprecia a gente que Ihe constitute a "tropa",
compost das Companhias de Drag6es e de Pedestres, (92) para
as quaes solicita officials, observando que "para exercer simi-
lhantes postos sao os filhos da America os mais aptos, e entire
elles os Paulistas, porque todos tem a mesma habilidade dos
soldaos", (93) afeitos como s~o aos multiplos services da vida
sertaneja.
Explora as cercanias de Villa Bella, que verifica estar cir-
culada pelas misses de Chiquitos; acompanha a actividade mi-
litar do vizinho que de S. Pedro, (94) onde o Presidente da
Real Audiencia dirige em pessoa o funccionamento do arsenal,
se irradia para as outras misses ao levante. (o5) Em opposi-
maneira os seus recursos. Al6m do que via, nada mais era ne-
cessario para Ihe esporear o zelo; entretanto,, por essa opoca,
recebe a carta em que Mendonga Furtado (96) Ihe recommend
toda a vigilancia e cautela na fronteira, pois que pela Europa
as coisas ndo marcham a content, e dio que pensar aos go-
vernos...

(91) Em carta, de 13 de Fevereiro de 1765, Camara explica a sua
demora na viagem, desde Bel6m, a 7 de Maio, at& Villa Bella, a 25
de Dezembro, por causa da conduc<5o da artilharia.
(92) "Esta se comp6e de uns soldados que andam descalcos, ar-
mados de espingardas e uma pistola e um facao, todos mulatos os
quaes serve cor utilidade tanto no rio como na terra" (Carta de
Camara, de 10 de Outubro de 1765).
(93) Carta de 10 de Outubro de 1765.
(94) Carfl de 10 de Outubro de 1765.
(95) Em carta de 19 de Junho de 1766, Camara informa que as
quatro misses de Baures estao guarnecidas por cem soldados cada uma;
as duas de Itonomas por 200 e um coronel de engenheiros as de Sao
Pedro e ExaltacAo, muito maior numero.
(w6) Carta de 17 de Dezembro de 1765.








- 55 -


A sua gestio se desenvolvia final no regimen da paz ar-
mada, imposto pelo vizinho arreliento. Destarte, em Fevereiro
de 1766, roda pelo Guapor6, ate o "sitio das Pedras", que guar-
nece corn 40 soldados de ordenanca; de regresso a Villa Bella,
vae examiner o valle de Barbados, prevenindo sorpresas de-
sagradaveis; recommend ao Capitio-m6r de Cuiab. que se
mantenha alerta; e segue em Junho para o Forte de N. S. da
Conceicio, onde chega a 15.
Arrola os elements que possfie para a defesa: "6 canvas
armadas em guerra corn duas pecinhas em cada e quatro ba-
camartes, e um bote corn 30 soldados corn uma peqa de libra
na pr6a e outra de 3/4 na p6pa", para impedir a entrada dos
castelhanos no Guapore.
Chega, mais tarde, a 3 de Novembro, apreciavel reforQo
do Para, de 100 soldados, que Ihe dobram o effective da guar-
ni~io. Activa o augmento das obras da fortificacao, que os
castelhanos cobicavam, quando os ve approximarem-se (97)
em march aggressive.
Cerca de 4.000 homes (98), "fardados de azul corn ca-
nh6es encarnados, e corn muito bom armamento", acampam
em frente a N. S. da Conceiqdo, de onde o General Chefe des-
taca uma companhia de granadeiros e de fuzileiros para oc-
cuparem S. Rosa Nova, duas leguas a jusante da fortaleza,




(97) Os castelhanos chegaram em Setembro de 1767.
(98) Camara enganou-se na estimativa, ou foi enganado pelos in-
formantes. O effeotivo dos castelhanos nio attingia, no comeco da
march, a dous mil, em cujo numero entrava pm batalhdo organizado em
Potosi, 6s ordens de Aymenrich, um de Chuquisaca, sob o commando de
Espinosa, uma companhia de granadeiros dirigidos por Pascoal, que Ce-
ballos Ihe enviara juntamente corn outros officials e marinheiros peritos
no manejo da artilharia (Defesa de Pestana). As molestias e desercSes
e services esparsos dos destacamentos reduziram o grosso da forga ata-
cante a mil homes.








-- 56 -


mantendo junto a si o grosso da forga, em terreno pantanoso,
que entricheirou, ahi acantonando 8 peas de bronze. (99)
Suspeitou Camara que a enscenaqdo do General vizava a
concentracAo no forte, dos destacamentos esparsos, aos quaes,
ao revez, determinou que nao se afastassem dos seus postos,
nem consentissem na travessia dos castelhanos, emquanto hou-
vesse um soldado vivo.
Enfrentaram-se, por various dias, os dous governadores: o
"General Presidente da Real Audiencia da Chiquisaca", cer-
cado de luzido exercito, e o Capitdo General de Matto Grosso,
cor forra dez vezes inferior, mas que se julgava mais perito
na arte military que o outro.
"Eu tinha grande esperanga de ficar senhor da sua ar-
tilharia", lembrou em carta descriptive de taes successes (100),
ao critical a mi escolha do logar em que foi erguida; a trin-
cheira.





(99) Esta informacao de J. Camara comprovou-se pelo depoi-
niento de Pestana, quando justificou em carta ao Vice Rei de Lima,
de 23 de Abril de 1767, o fracasso da sua expediqgo. No archive do
Estado encontra-se uma copia desse depoimento, vertido para o verna-
culo; bern que nao authenticada, cont6m tantos pormenores a respeito
da march military, que nao se p6de p6r em duvida a sua autlienticidade.
Ahi diz Pestana que chegando a S. Pedro, a 21 de Agosto, partiu a 15
de Setembro, e acampou no Curral Alto, distant uma legua da Esta-
cada de S. Rosa, emquanto o Engenheiro D. A. Aymerich occupava
S. Rosa a nova, de onde explorou o terreno do ataque. Gastou o resto
do mez e a primeira quinzena de Outubro em preparativos, que Ihe per-
mittissem assestar a bacteria e disp6r de balsas para a travessia do rio.
(100) Em defesa do seu proceder, Pestana diz que S.. Rosa estava
em muito melhores condic6es militares do que imaginava, podendo re-
sistir a 15 dias de assedio, e por isso, dispondo apenas de 18 artilheiros
e 484 balas, previu "sua derrota e ultimo exterminio corn a perda da
artilharia, que era conseguinte, tudo corn deshonra das invictas Armas
de S. Magestade".







- 57 -


Ademais, sabia que "o clima cor as muitas doenqas que
produz 6 o melhor auxiliar que temos a nosso favor". (lc1)
Ndo se atemorizou, pois, quando, por um desertor, soube
que o assalto estava marcado para o dia 22. (102) Dispoz a
sua gente A defesa e esperou debalde pela acommettida.
Constou-lhe depois que, nesse dia, veiu um "postilhao ao
General", cor ordem de sustar as hostilidades.





(101) Na carta de Pestana, ha passagens expressivas a este pro-
posito... "reconhecendo que cor as penosas marchas desta cidade a
Mojos, e especialmente corn a maligna intemperie daquelle clima, iam
picando espantosomente as enfermidades na tropa"... refere-se elle ao
que succedeu em S. Pedro, em cujo hospital "mal convalescentes ficaram
mais de 250 homes tdo mortalmente prostados, os mais trn fallecido ";
por fim, ao retirar-se, deixou nos hospitals "mais de 650, homes ou
individuos de todas as classes"... e "nos sepulchros mais de 500 cada-
veres, que na nossa tropa ter sido miseraveis victims da sua intemperie
no breve espago de 5 a 6 mezes que durou a nossa jornada".
(102) O bombardeio deveria ter comecado no dia 20, diz Pestana.
Mas o recebimento da carta de D. Pedro Ceballos, de 13 de Julho de
1766, evitou a derrota castelhana. O vice rei do Rio da Prata avisava
que ao Rio de Janeiro tinha chegado o navio mercante "Principe S.
Lourenco", que saira do porto de Buenos Aires, cor "um milhAo de
pesos e carga de couros", qu, correriam grande risco si houvesse em
Mojos rompiimento cor os portuguezes, convinha, pois evitar a luta.
Pestana resolve, antes de iniciar as hostilidades, examiner cor mais
cuidado a sua forca, de que existiam apenas "748 homes accidentados,
on mal convalescidos faltando ao cumprimento de um mil, ou pouco mais
que partiram de S. Pedro, mais de 250 que morrerhm neste entremeio";
Entao reuniu o Conselho de Guerra, "que em 19 de Outubro de 1766
se celebrou corn a minha assistencia, e corn a dos coroneis D. Antonio
Aymenrich, Engenheiro nos Reaes Exercitos, e D. Joio Espinosa De-
valos Inspector e major General, e dos Ttes. coroneis D. Antonio Pas-
coal, e D. Leqo Glz. de Velasco, Commandante da Artilharia e D. Ma-
noel Garcia Sargento mayor destes batalhoes, e se deliberou somente
por commum e unanime consentimento que nao se rompesses o fogo e
se suspendesse o ataque da estacada de S. Rosa Velha".







- 58 -


Mais tarde soube officialmente o que se passara.
D. Juan Victoriano Martines de Tineo, Presidente da
Real Audiencia de la Plata, refere-lhe (103) que o seu ante-
cessor, Pestana (104), deante da obstinada teimosia de Rollim
de Moura em nao desoccupar o forte da Conceiq~o, como Ihe
solicitra seguidamente Verdugo (106), viera forqar pelas
armas o que ndo conseguira pelos meios suasorios. (105)
Por coincidencia, por6m, recebeu, no proprio acampamen-
to, onde ji se aprestava para o assalto, ordem formal, em que
o rei (107) sabedor dos projects bellicosos dos seus subditos,
desapprovou-os terminantemente; as lutas europIas nao deve-
riam estender-se a America.
Camara, espada embainhada, tomou da penna de diplomats
para responder.
Somente agora Ihe era manifesto o designio cor que
viera' A fronteira o "predecessor de V. Excia., D. Juan Pes-
tana", cuja march ate entdo Ihe parecera inexplicavel, por-
quanto nenhum aviso recebera de hostilidades; muito se em-
penhara, em taes condicqes, para evitar nocivo rompimento,
nao consentindo que -os seus soldados fizessem a mais ligeira
provocacao.
Jamais teve ordem do seu governor que fosse contraria is





(103) Carta de 15 de Dezembro de 1767.
(104) D. Juan de Pestana.
(105) D. Alonso Verdugo, Governador de S. Cruz.
(106) A expedicao de Mojos foi organizada em virtude da Real
Ordem de 10 de Setembro de 1761, mandada executar pelo Vice Rei a
11 de Maio de 1765, quando jA nao havia causa de rompimento. Alias,
o governor espanhol, tio logo soube dos preparativos, condemnou o piano,
e mandou sustar qualquer investida, por ordem de 10 de Junho de 1766,
conforme diz Pestana.










disposig6es do ultimo, "Tratado de Paz" (108), por isso ex-
tranhou a approxima~qo do exercito castelhano. Entretanto,
nao p6e duvida em desembaracar a barra do Itonomas, "todas
as vezes que V. S. fizer retirar as suas tropas, e me mandar
remetter os prisioneiros Portuguezes".
Quanto, por6m, a fortaleza, desconhece qualquer acto de
armisticio que obrigue a sua demoligo. Alias, nada mais ter
feito que simples obras de conservaqgo, embora se julgue au-
torizado a augmental-a, si Ihe parecer necessario. (109)
Para Ihe robustecer a conviccqo, viera a proposito a carta
em que Mendonqa Furtado (10) lhe recommendava a ence-
tadura de trato affavel com os visinhos, sem descuidar todavia
das fortificag5es defensivas, pois que 'quanto mais respeita-
vel e temida f6r a Fortaleza, tanto mais firme e segura sera
a Paz e tranquillidade por essas parties .








(107) Martines informa que e de 4 de Julho de 1766 a carta r6gia,
que paralysou a offensive dos castelhanos. Esta version contraria a de
Pestana, que deve ser entretanto a verdadeira. 0 rei condemnou, em
verdade, a expediCgo, mas em ordem que s6 foi recebida muito tempo
depois destes successes. A contramarcha dos expedicionarios teve como
pretexto a carta de Ceballos, e como causa efficient a inferioridade em
que so julgavam star, relativamente A forca portugueza. Poz-se de
manifesto em tal conjuntura o desanimo de Pestana, que, por isso, foi
substituido, no commando, por D. Antonio Aymenrich, e na "Presidencia
de Charcas" por Pineo e ao mesmo tempo intimado a apresentar-se
perante o Vice Rei, para o que deveria "seguir de S. Cruz de la Sierra
pela via de Cochabamba sem tocar em a cidade de Prata nem em Pc-
tosi" (Defesa de Pestana).
(108) Carta de 10 de Abril de 1768.
(109) Carta de 25 de Junho de 1768.
(110) Carta de 2 de Maio de 1767.


- 59 -

















A VICTORIA DE POMPAL




Ndo era Pombal home a quem se pudesse contrariar
impunemente.
A nobreza portuguesa bem o compreendeu, quando os Ta-
voras (111) expiaram de maneira horrivel, nas torturas de
cruel execugio, as velleidades de se opporem A political do Men-
tor de D. Jos6 I.
Corn os jesuitas, j. andava elle em guerra aberta, aqu-
lada pelas constantes denuncias acerca da opposigao que mo-
viam A demarcaqco dos limits.
Ainda mesmo: depois de sustado o respective serviQo,
pelo tratado annullatorio de 12 de Fevereiro de 1761, nao
desapparecem as queixas, repetidas pelos governor fronteiri-
gos.
"Os Jesuitas foram os motors desta alteracgo para o ef-
feito de dilatarem o seu ambicioso Imperio", assegura Ca-
mara (112), ao lembrar os apuros por que passou. 0 entio





(111) Verdadeiro, ou phantasiado, o attentado contra D. Jos6,
noite de 3 de Setembro de 1758, deu aso a Pombal de perseguir os
seus adversaries politicos, cuja condemnaqdo A morte ignominiosa con-
seguiu facilmente.
(112) Carta de 25 de Dezembro de 1767.










- 61 -


Conde de Oeiras p6e em movimento a diplomacia lusitana a
agenciar alliados. E a expulslo dos jesuitas, iniciada em Por-
tugal, 6 decretada ap6s, em Franca na Espanha, e na pro-
pria Roma (113), onde Ganganelli, feito Papa, desferiu o
derradeiro golpe na famosa Companhia.
Para facilitar o cumprimento desse acto, no coracqo da
America do Sul, Pombal permitted o transport dos missiona-
rios castelhanos pelo Guapord-Madeira, em ordem reservada,
que deveria ser mantida em segredo at6 a execucao, para evi-
tar que os jesuitas, scientes de tal media, que lhes facilita-
ria a conducgco por essa via fluvial, procurassem defender-
se de outra maneira. (114)
Camara, por sua vez, alegra-se de poder transmittir-lhe
a b6a nova da expulsao dos jesuitas das Miss6es, "sem a re-
sistencia que promettiam as apparencias", e a substituiaio
por clerigos, "que nos fardio melhor visinhanga". (11")
Mais incisiva seria, no anno seguinte, a communicacao de
Luiz Pinto, successor de Camara, no governor de Matto Grosso.
"Corn a total expulsao dos jesuitas em todas as provin-
cias do Perti (conforme m'o participou o Presidente. da Real
Audiencia de Charcas, na sua carta de 12 de Julho do anno
passado) me parece se pode lisonjear este Estado daqui em
diante, cor uma tranquillidade permanent; porque a ambiqdo



(113) A ordem de expulsao dos jesuitas de Portugal e seus do-
minios foi dada em 1759, a 3 de Setembro, completada corn a de 25 de
Fevereiro de 1761, que Ihes confiscou os bens; de Franca, em 1761; de
Espanha, em 1767, a 27 de Fevereiro; datando de 1773 a aboligo de-
cretada por Clemznte XIV, em Breve Pontificio de 23 de Julho.
(114) Carta de 30 de Setembro de 1767. Em outra carta do mes-
mo dia, pormenoriza a maneira pela qual deveriam as autoridades por-
tuguesas auxiliar as castelhanas e conduzir os missionaries, mediante
recibo em duplicate, pagando as respectivas despezas por conta da Real
Fazenda.
(115) Carta de 29 de Julho de 1768.









- 62 -


daquelles perversos visinhos nio machinara ja agora na C6rte
de Madrid, tantas intrigas, nem suggerira aos governadores
dos novos continents aquellas fogosas deliberag6es que muitas
vezes inspira o interesse, debaixo dos protests mais plausi-
veis". (117)
Estava ganha a partida.
Pombal assenhoreira-se da situaqgo, mas os factos ulte-
riores evidenciariam o erro do raciocinio simplicista, que res-
ponsabilizava exclusivamente os missionaries pelas contends
fronteiricas.
A luta apenas deixaria a feiqdo dramatic, incompativel
con) o meio, dissolvente de enthusiasmos, para se manter si-
lenciosa, bem que prolongada pelas eras af6ra.
Norteados por objectives oppostos, as duas ravas que se
defrontavam no Guapor6, nao renunciaram as suas respectivas
preteng6es; mas, afastado o jesuita, cuja acqCo constant se
desenvolvera accord corn os interesses castelhanos, mudaram
estes de manobra, a tentar diplomaticamente o que ndo haviam
logrado pela forga.
Conteve-os, porem, o zelo dos estadistas coloniaes, cujas
qualidades Luiz de Albuquerque superiormente compendia.








(116) Carta de 4 de Maio de 1769, em que Luiz Pinto informa ao
governador de Goyaz: "eu vim particularmente encarregado de soccorrer
corn um corpo de tropas que me acompanhou do Para, as de S. M. Ca-
tholica nas Provincias de Mochos e Chiquitos, no caso de resistencia
da parte dos referidos jesuitas; porem tendo-se concluido tudo corn a
maior tranquillidade, nao foi necessario prestar-se C6rte de Espanha
aquelle serviho, por se acharem os mesmos jesuitas ao tempo da minha
chegada, ji todos embarcados para a Europa no porto do Colchao, donde
foram conduzidos.


















ROLLIM E ALBUQUERQUE


A heranga de Rollim veiu final As mAos de quem, por
muitos aspects, Ihe era parceiro: Luis de Albuquerque. (117)
De fina estirpe, ambos trocaram os attractivos da vida
lisboeta, onde a fidalguia se dissorava no acompanhar as bre-
jeirices da c6rte de D. Joao V, pela bruteza da acclimaao na
terra guaporeana.
Outros os imitaram, 6 certo; mas, por menor prazo, em-
quanto nao obtinham o ambicionado despacho para menos in-
commodas posig6es.
Rollim, nomeado por um triennio, permaneceu, entretanto,
na direcqao de Matto Grosso quasi tres lustros, no que s6 foi
ultrapassado por Luis de Albuquerque, que nao conseguiu ser
substituido, antes de beirar dos 17 annos de governor.
Em conserval-os por dilatado tempo na gestio da capita-
nia remota, dava a Metropole o melhor attestado do quanto
Ihes apreciava a intelligence dedicagao; todavia, nem sempre
assim f6ra, para nenhum dos dois, que tiveram, de principio,
que superar as hostilidades de validos invejosos.
Rollim de Moura, nos primeiros annos, suspeita que a
sua correspondencia 6, ao menos em parte, desviada criminosa-



(117) Luiz de Albuquerque tomou posse do governor a 13 de De-
zembro de 1772, e s6 foi substituido a 20 de Novembro de 1789.










- 64 -


mente das vistas do Rei, para que nao surta effeito a sua re-
presentacqo contra o ouvidor Morilhas; e admoestado varias
vezes, mas prosegue at6 subrepujar os protectores do magis-
trado culposo.
Albuquerque nao passou, que nos conste, por lance ana-
logo, mas, logo de inicio, 6 arguido por Pombal, que Ihe nota
muito pendor para os problems especulativos, em vez de cui-
dar exclusivamente da administraqAo. (118)
Perseveraram amrbos em suas inclinaa6es, e venceram por
fim.
S Parelhos nas id6as, emularam, qual a qual mais, em pra-
tical-as. O primeiro foi o iniciador que tragou as fronteiras
mais convenientes A Capitania, e defeneeu-as contra o invasor,
o outro, ap6s a luta, consolidou a occupacao, por meio de nu-
cleos coloniaes convenientemente distribuidos.
E' que os fidalgos possuiam certa cultural de que nio que-
riam deslembrar; e procuravam distrair-se, ora manejando o




(118) Pombal assusta-rse cor os grandes pianos politicos de Luis
d- Albuquerque, e em carta de 24 de Dezem'roo de 1774, desapprova-lhe
o project de estabelecimento "Feitorias e Fortalezas", de manutengAo
superior aos recursos pecuniarios da Capitania.
Lembra-lhe o exemplo de Rollim: "a prudente e sabia economic e
valorosa conduct do Conde de Azambuja Dom Antonio Rollim de
Moura, que foi o fundador desse governor, que expulsou delle os jesuitas,
que depois resistiu a invasgo das armas castelhanas, que serviu de modelo
aos seus dois successores, deve servir de regra a V. S. para proporcionar
a suas receitas cor as suas despezas e para pedir ao ParA s6mente os
auxilios que as forcas daquelle governor Ihe podem permittir ". E ajun-
tava, em tom repreensivo: "quer pois S. M. que V. S. se regule pratica
e precisamente fugindo de especulaqSes mathematics e de estudos abstra-
ctos que nao sAo de algum uso na AdministraCqo dos Negocios Physicos
quaes sao todos os que pertencem ao governor Politico, o Militar de um
Estado como ess2 que estA confiado A direceqo de V. S." (O Archivo
Anno I, vol. III).








- 65 -


agulhio, em lembranca dos estudos de astronomia (119), ora
se transformavam em physics, a cuidar dos doentes, na ausen-
cia do especialistas, ora cogitavam de outros assumptos que
provocaram a esdruxula interdicqao pombalina.
Rollim, ja vencedor da camarilha que na C6rte Ihe hosti-
lizava o governor, obteve que do Real Erario Ihe fosse pres-
tado annualmente o auxilio de tres arrobas de ouro, fornecidas
pela Provedoria de Goyaz; Albuquerque, mais tarde, consegue,
pelos seus actos administrativos, desfazer a imputaao, que Ihe
irrogAra Pombal, de andar distraindo a sua attencio cor espe-
culages estranhas ao governor da Capitania, e creditar-se a es-
tima dos ministros corn quem lidou. (120)





(119) Rollim de Moura, na carta que escreveu ao Rei, ao chegar
a CuiabA (R. I. H. tomo VII) revela conhecimentos de astronomia "me
pareceu achar altura de 19 grants e meio ", diz de Camapuan; e Luis de
Albuquerque refere-se a carta geographic "levantada corn toda a maior
exactiddo mathematics que foi possivel debaixo dos meus proprios olhos"
(R. I. H. tomo XVIII, pag. 120). Ue outra feita, regosija-se pela
vinda dos astronomos, que poderdo aperfeicoar "a carta deste Paiz
limitrophe corrigindo-se quanto possivel o muito, que alias tenho nisso
mesmo, trabalhado, por meio das observaes dos astros, ue. s6 pode
fazer-se exactas corn Instrumentos proprios, quaes agora teremos" (Car-
ta a J. P. Caldas, de 25 de Janeiro de 1782).
(120) A este aspect, 6 expressive a carta de 31 de Outubro de
1787, em que Martinho de Mello, substitute de Pombal, desculpa-se de
Snao responder is frequentes, cartas de L. de Albuquerque acerca das
demarcac5es: "o acerto, por&n, actividade e zelo cor que V. S. se ter
comportado no Real Servico e corn que tern governado essa capitania
que S. M. confiou ao seu cuidado me p6em em tal socego que fico na
certeza del que a demora das minhas respostas, a nada prejudice por
agora aos negocios de que V. S. se acha encarregado". Entretanto, es-
tava em f6co a important questgo de fixar as raias estabelecidas pelo
Tratado de 1777, em cuja demarcacao a Metropole empenhava todos os
seus esforos. Os conceitos de Martinho de Mello replicavam, quatorze
annos depois, a censura injustamente irrogada por Pombal.









- 66 -


Aquelle, bellicoso e desempenado nos seus actos, revelou,
de chegada, o que seria capaz de empreender, quando preferiu
morar nos primeiros ranchos de Villa Bella, em vez de aguar-
dar, em S. Francisco Xavier, a construccqio de alguns predios
menos desconfortaveis, no sitio escolhido para a s6de da nova
capital.
Posto que fidalgo, parece que nao se tinha antes recommen-
dado por feitos relevantes, como os que operou em Matto Grosso
e Ihe valeram apreciaveis recompensas, a julgar pelas suas
proprias palavras, em carta de 31 de Maio de 1763: "tudo
quanto fizer & pouco a respeito de minha obrigacao a das hon-
ras e merces que S. M. tern feito". (121)
Albuquerque estadeia a sua personalidade, corn ar senho-
ril, de quem j9 possuia lisonjeira nomeada.
E' o governador que dispensa aprendizagem, ou previden-
temente a fez em Portugal. (123)
Estreia na administragFo como veteran, sem as titubea-
coes dos bisonhos, corn idas claras e firmeza no pratical-as.
Nao o diz abertamente, mas os seus actos deixam perce-
ber que se julgava estribado em poderes mais amplos que os
dos seus colleges e vizinhos.
Nomeado chefe do serviqo das demarcaq6es, que se de-
veriam effectuar, em cumprimento do Tratado de 1750, em-



(121) Rollim referia-se porventura ao acto da Cor6a, de 21 de
Novembro de 1758, que o promoveu a "Brigadeiro, vencendo tempo e
sold, e Mestre de Campo General e Conselheiro de Guerra" e ao
de 15 de Junho de 1762, que o nomeou "para o governor da Bahia".
Alias, jA anteriormente havia sido nomeado substitute de M. Furtado,
"na diligencia das demarcaqces dos limitss, de cuja chefia nao che-
gou a tomar posse por causa da annullagAo do Tratado de 1750.
(122) Nas instruccqes que Ihe entregou a 13 de Agosto de 1771,
Martinho de Mello e Castro refere-se de passage a tal iniciagao, ao
dizer: as luzes que V. S. adquiriu na Praca de Almeida, Ihe servirao
de grande soccorro para distinguir os bons dos mios castelhanos".









67 -

bora nao Ihe assumisse a direc;Ao, Rollim collaborou intelli-
gentemente no relatorio do seu antecessor, M. Furtado; a Al-
buquerque, alcangando no governor, pelo Tratado de 1777. con-
fiou a Metropole a execucio das respectivas clausulas concer-
nentes a Matto Grosso, que seriam interpretadas a primor, si
os castelhanos nao Ihe tivessem evitado as conferencias, a que
foram convidados. Todavia, dirigiu superiormente a explora-
gio dos sert6es fronteirigos, aproveitando da melhor maneira
possivel a competencia de Silva Pontes, Lacerda e Almeida,
Ricardo Franco e J. J. Ferreira, como se veri mais ao diante.


















ACTOS POSSESSORIOS




As instrucq6es, pelas quaes se deveria nortear L. de Al-
buquerque, eram as mesmas que receberam os seus antecesso-
res (123), "n~o s6 para conservar na posse em que nos acha-
mos da Aldea e Districto de Santa Rosa, a Velha; mas na oc-
cupacgo de toda a margem oriental do Rio Guapor6 cujas or-
dens manda S. M. ratificar presentemente que V. S. observe
servindo-se se f6r precise das forcas que tiver, e defendendo
a dita margem do Guapor6 ate a ultima extremidade".
Algumas altera<6es introduziram-se, todavia, em conse-
quencia da extincgo da sociedade dos jesuitas, e por no6 se-
rem os "castelhanos, posto que herdeiros das suas maximas,
tdo habeis como ella para o modo de as praticar", por isso
"todo o cuidado de V. S. deve ser o de estabelecer entire os
portugueses e os habitantes das sobreditas aldeas e Missoens
uma amizade de confiania mutua, de sorte que por mais que
trabalhe o Governo de Castella a vedar a communicacao entire
ellas e n6s, acham sempre aquelles Povos mais utilidade e maior
vantagem em nos communicar do que em obedecer as Leys que
prohibem e que vivam na intelligencia de que no caso de se-




(123) Instrucgco cor que S. M. mandou passar A Capitania de
M. Grosso o Illmo.0 Exmo." Sr. Luiz de Albuquerque Mello Pereira
e Gaceres. Archivo. Tomo I, vol. I.









- 69 -


rem opprimidos, achardo sempre nos Dominios de S. M. uma
recepedo certa e um Azylo seguro".
No tocante ao Paraguay, nenhuma recommendawao espe-
cial, lembrou-se o Governo portugues de fazer.
Entretanto, pouco tempo depois -de haver torado a direc-
qAo da Capitania, L. de Albuquerque teve sciencia, por um
aviso do seu college de S. Paulo, de que os "castelhanos fo-
ram former uma Praqa na margem oriental do Paraguay junto
a donde dasagua o rio Aguarey ou Ipane, que guarnecerdo com
cento e tantos homes e 16 peas de artilharia" e "se applicam
muito a cathequizar os Indios e a irem ganhando terreno para
a parte do Norte". (124)
Nada mais era precise para estimular a acgdo do atilado
Capitio General. Certo, estimou que os vizinhos Ihe proporcio-
nassem ensejo de ampliar a colonizaqdo pela faixa fronteirika,
de que Rollim de Moura nao poude cogitar, impedido pelo
Tratado de 1750. (125)
E faz-se o grande mobilizador da escassa populacao da
Capitania (126), assim desenvolvendo o seu piano iniciado com




(124) Carta de D. Luiz Antonio de Souza, Capm. Gen. de S.
Paulo, a L. de Albuquerque, datada de 7 de Marco de 1774.
(125) Quando o Padre Simiio de Toledo Rodovalho prop6z, em
23 de Junho de 1761, a mudanca da freguezia de Sant'Anna da Cha-
pada, para o "Fecho dos Morros ", em uma garganta que o rio Pa-
raguay faz, para que nio continuasse despovoada toda a regiao "des-
de o Itaicy do rio Cuiabi ate o rio Paraguay por onde passa a linha
de Limites", Rollim contraria-lhe o. project, que exigiria a construc-
gAo de uma fortaleza para center os indios, em desaccordo cor o
Tratado de Limites.
(Carta de Rollim de 5 de Julho de 1761).
(126) A populah.o de Matto Grosso "anda jA por 24.020 almas,
18.000 corn pouca differenca na villa de CuiabA e seus adjacentes ar-
raiaes; e 6.000 similhantemente em Villa Bella", calcula R. Franco,
ao findar o seculo. (R. Franco, Memoria R. I. H., tomo II).









- 70 -


a fundaqco de Insfa, no Araguaya. Garante a navegagao do
rio Paraguay e do Guapor6 por meio dos nucleos coloniaes,
com que pontilha, 'a breve intervallo, a fronteira occidental.
Assim e que surge, em 1775, Coimbra (127), que deveria,
no "Fecho dos Morros", balizar o extreme sul da capitania.
Por desidia, ou ignorancia, do seu commandant, Mathias
Ribeiro da Costa, a expedico estacou ao frontear o lugar de-
nominado "Estreito de S. Fernando Xavier", mais ao Norte,
onde foi erradamente montada a primeira colonia da series pro-
jectada. (12s)
No seguinte anno, volvida a attencio para o Guapore, as-
senta-lhe, a margem oriental, aos 20 de Junho, a pedra fun-
damental do forte do Principe da Beira (129), destinado a


(127) Luiz de Albuquerque, ao fundar o "prezidio de Nova Coim-
bra ", teve em mira, cmo dizia em carta de 20 de Agosto de 1780
"prevenir que os espanh6es se nao apoderassem nao s6 do sobredito
Porto, conforme constou naquelle tempo que pretendiam, mas que ao
depois de nelle fortificados ao abrigo dos estabelecimentos que tem no
rio Paraguay se fizessem senhores das pantanosas boccas dos rios Em-
boteteu (hoje Mondego) e Paraguay, pri'vando a dita Capitania de
M. Grosso da indispensavel navegacio e commercio de S. Paulo, e
Rio de Janeiro, pela via dos outros rios Cuiabi e Jaurli que tao util
e precisamente se frequent, o que seria um golpe fatalissimo de con-
sequencias talvez irremediaveis".
(128) Descontente corn o procedimento de Mathias, L. de Al-
buquerque encarregou Marcellino Rodrigues Camponez, commandant
da comitiva de mandar explorer o riot Paraguay, do prezidio abaixo,
como se poderA ler no relatorio apresentado por Miguel Jos4 Rodri-
gues, a 14 de Outubro de 1777.
Camponez, ao commentary o resultado da diligencia, em que esteve
Miguel, de 3 a 13 de Outubro, averbou de impraticavel o estabeleci-
mento do prezidio no "Fecho dos Morros", pelas raz6es que enu-
merou. As Raias de Matto Grosso vol. III pags. 84 a 92.
(129) "Anno do Nascimento de Nosso Senhor Jesus Christo de
mil e setecentos e setenta e seis annos, aos vinte dias do corrente
mez de Junho, vindo o Illmo. e Exmo. Senr. Luiz de Albuquerque de
Mello Pereira e Caceres a este Lugar situado na Margem Oriental ou










- 71 -


substituir, corn maior efficiencia, o de N. S. da Conceidqo;

Direita do Rio Guapor6 desta Capitania em distancia de mil braqas
pouco mais ou menos da antiga Fortaleza da Conceicto; o qual Lugar
tinha sido escolhido e approvado pelo mesmo Snr. depois de circums-
pectamente o reconhecer, ouvindo a various Engenheiros, cor parti-
cularidade ao Ajudante de Infantaria corn o dito exercicio Domingos
Samboceti, a quem, pela sua inteligencia, ter cometido a direccqo prin-
cipal das obras, para nele se fundar a outra nova Fortaleza que Sua
Magestade Ordenou, assim porque esti livre das maiores excrescencias
do dito Rio, como porque o terreno h6 naturalmente o mais solido, e
o mais acomodado em todos os sentidos que podia desejar-se; ahi por
Sua Exa. foi pessoalmefte lancada a primeira Pedra nos Alicerces,
depois d2 se Ihe gravar a Inscripcao Seguinte:

JOSEPHO I
LUZITANIAE ET BRAZILIAE REGE FIDELISSIMO
LUDOVICUS ALBUQUERQUIUS A MELLO PERERIUS ET
CACERES
REGIAE MAJESTATIS A CONCILIIS
AMPLISSIMAE HUJUS MATTO GROSSO PROVINCIAE
GOBERNATOR AC DUX SUPREMUS
IPSIUS FIDELISSIMI REGIS NUTU
SUB AUGUSTISSIMO BEIRENSIS PRINCIPIS NOMINEE
SOLIDUM HUJUS ARCIS FUNDAMENTUM JACIENDUM
CURAVIT
ET PRIMUM LAPIDEM POSUIT
ANNO CHRISTI MDCCLXXVI
DIE XX MENSIS JUNII

Cuja Pedra foi com effeito posta no Alicerce do Angulo flanqueado
no Baluarte, em que de present se trabalha, cujo Angulo, cor pe-
quena differenga, olha para o Poente; e determinou o dito :':ihor, que
a mesma Fortaleza de hoje em diante se denominasse Real Forte do
Principe da Beira consagrando-se os quatro Baluartes em que hade
consistir; a saber: A Nossa Senhora da ConceiCqo, o ref-rido em que
se trabalha com diremo Geral ao Poente; a Santa Barbara, o outro
que vira para o Sul, ambos adjacentes ao Rio; e a Santo Antonio
de Padua e a Santo Andr6 Avelino, os outros dous que d2vem corres-
ponder-lhes; o que tudo se fez sendo presents o Capitdo de DragSes
da Capitania de Goyaz Jos6 de Mello e Castro de Vilhena; p referido










- 72 -


na margem opposta, edificou-se Vizeul (130), quasi em frente
a barra do CorumbiAra, A meia distancia entire o Forte e Villa
Bella.



Engenheiro Domingos Samboceti; o Tenente de Drag6es Joseph Ma-
noel Cardozo da Cunha; o Tenente em segundo de Artilharia Thome
Jos6 de Azevedo; o Alferes de Drag6es Joaquim Pereyra de Albu-
querque; o Capitao Joaquim Lopes Poupino, Intendente das obras, de
que se fez Auto cor mais quatro copias! em que o dito Senhor Go-
vernador e Capitao General assignou, e da mesma f6rma os sobreditos,
cor as Pessoas que abaixo constio; e eu Antonio Ferreira Coelho, Es-
crivdo da Fazenda Real que o escrevy. Luiz de Albuquerque de
Mello Pereira e Caceres. E mais abaixo Jose de Mello e Castro de
-Vilhena e Silva Domingos Samboceti Josi Manoel Cardozo da
Cunha Thome Jose de Azevedo Joaquim Pereira de Albuquerque
- Joaquim Lopes Poupino Ignacio Pedro Jacomg de Souza Maga-
lhies Belchior Alz. Pereira Joao de Magalhlies Coutinho Jose
da Cunha Moraes Joaquim de Mattos".
(Extr. do L. 1. das DemarcaC5es pg. 50, onde foi registado em
terms pouco differences do que se 1 rias "Datas", de E. de Men-
donca).
(130) "Aos quatro dias do mez de Septembro do anno do Nas-
cimento de Nosso Senhor Jesus Christo de mil settecentos settenta e
seis vindo o Illm. e Exm. Sr. Luiz de Albuquerque de Mello Pereira
e Caceres a este mesmo lugar da margem Occidental do Rio Guapor6
desta capitania de Matto Grosso quazi defronte aonde nele desemboca
o Rio Caraimbiara que cor m.0, pouca differenga h6 o meyo da via-
gem do Forte do Principe da Beira para a capital de Villa Bella; ahi
pelo dito Senhor, ao depois de examiner e medir o Terreno, que avi-
zinha ao Rio forio determinados os necessarios alinhamentos para o
fim de que os cazaes de moradores, conduzidos por ordem de Sua Exca.,
de varias parties, que presents estavio, formassem seus Ranchos, e
Cazas, em ordem a fundar-se huma Povoagco regular, e prezistente,
como cor effeito desta arte se fundou e pondo-se-lhe o nome de Vi-
zeu, que o mesmo Senhor ellegeu, e assentou, .assignando este Termo
de fundatco cor mais algumas copias que se fizergo o que tudo posto
por fe que foi executado sendo Testemunhas do referido Acto todas
as Pessoas que abaixo assignarIo, e eu Antonio Ferreyra Coelho Es-
crivao da Fazenda Real que o escrevi. Luis de Albuquerque de









- 73 -


Em seguida, inicia-se Albuquerque (181), em local apro-
priado, que proporciona o florescimento de Corumbi, e mais


Mello Pereira e Caceres. Joaquim Pereira de Albuquerque An-
tonid Francisco de Aguiar Joseph Ignacio dos Santos Joaquim
do Nascimento Victoriano Lopes de Macedo Joseph Roiz da
Costa Joseph de Santiago de Figueiredo".
(Extr. do L. 1.* das Demarcac5es, pag. 49 v. existente no Archive
do Estado).
(131) "Anno do Nascimento de Nosso Senhor Jesus Christo de
mil settecentos settenta e oito aos vinte e hum dias do mez de Septem-
bro do dito anno nesta Povoacao de Albuquerque situada na margem
Occidental do Rio Paraguay em hum assento de Terra que decorre
para o Rio abaixo, e dista .a mesma formalidade huma legua pouco
mais ou menos aonde o Sargento M6r Commandante Marcelino Roiz
Campon8s em observancia das Ordens do Illmo. e Exmo. Sr. Luiz de
Albuquerque de Mello Pereira e Caceres, Governador e Capitio Ge-
neral das Capitanias de Matto Grosso e CuiabA, tendo consigo o Ca-
pitlo M6r das Conquistas Joao Leme do Prado, e as Pessoas abaixo
nomeadas e assignadas, e o dito Sargento M6r Commandante tomou
Posse para a Coroa de Portugal mandando levantar huma grande Cruz
de pau de Ley, limpar Terreiro, fazer Quartel e assender fogo, cas-
sar nos matos vizinhos, pescar no Rio, e pacear de huma e outra parte
no dito Terreiro dizendo em vozes altas, primeira, segunda e terceira
vez: Viva El-Rey de Portugal; cujas palavras em egual voz todos os
circumstances repetimos -outras tantas vezes. E para de tudo constar
aos vindouros mandou elle dito Sargento M6r Commandante fazer este
Auto que assignou adjunto o Capitao M6r das Conquistas corn os as-
sistentes o Alferes de Granadeiros Salvador Roiz de Siqueira, o Sarg.
da Ordenanca Manoel Pereira da Silva, e os Soldados Dragbes Ma-
noel Jos6 Correa, Joseph Joaquim de Almeida, Manoel Barboza e o
Sargento da Companhia de Pedestres Alexandre Ferreira Netto,; e
comigo Jos6 da Fonseca Fontoura e Oliveyra que o escrevi e assigney
nesta Povoacgo de Albuquerque aos vinte e hum dias do mez de Sep-
tembro de 1778. Marcelino Roiz Campones Joao Leme do Prado
- Salvador Roiz de Siqucira Manoel Pereira da Silva Ale-
xandre Ferreyra Netto Manoel Jose Correa Jose Joaquim de
Almeida Manoel Barboza Paes".
(Extr. do L. 1. das DemarcaC5es pg. 49). A copia publicada nah
Datas, de E. de Mendonca, pouco differe deste registo.









- 74 -


a noroeste, na estrada que ligava Cuiaba A Capital, a Villa
Maria (132), hoje S. Luis de Caceres, para onde foram attrai-
dos alguns indios das misses de Chiquitos, e, adiante, o es-


(132) "Anno do Nascimento de Nosso Senhor Jesus Christo de
mil e settecentos e setenta e oito ahnos, aos seis dias do mez de Ou-
tubro do dito anno. neste destricto do rio Paraguay e margem oriental
delle no lugar aonde presentemente se dirige a estrada que segue ao
Cuiabi desde Villa Bella, sendo present o tenente de dragoens An-
tonio Pinto do Rego e Carvalho) por elle foi dito que tinha passado
a este dito lugar por ordem do Illmo. Exmo. Senr. Luiz de Albuquerque
de Mello Pereira e Caceres Gor. e Capm. Gen. desta Capp. de Matto
Grosso para cor effeito fundar erigir e consolidar uma Povoacam Se-
villizada aonde se congregasse todo o maior numero de moradores
possivel comprehendidos todos os cazaes de Indios castilhanos proxi-
mamente dez2rtados para estes Dominios Portuguezes da Provincia de
Xiquitos, que fazem o numero de setenta e oito individuos de ambos
os sexos que ajuntando-se todo outro numero das mais pessoas congre-
gadas para o dito fim faz o total de cento e sessenta e him individuos
de ambos os sexos cuja Povoacam segundo as ordens do dito Snr. se
denominarA de hoje em diante em obzequio do Real nome de de S. Mag.
e Villa Maria do Paraguay esperando-se que de semelhante es-
tahelecimento haja de rezultar grande utilidade ao Real Servico e co-
modidade public e porque supposto o plano do terreno, para a dita villa
se acha cor algua disposicio para continuar-se a fundar-se corn regu-
laridade comtudo como alguns dos alinhamentos nao estio conformes
ao project da boa Policia como deveria ser detriminou elle dito Tenente
a todos os moradores em nome de S. Exa. que deixando de fazer mais
algum inteligente no officio afim de conservar sem discrepancia se-
quanto se fabricavam cazas no novo arruamento que Ihes fica pres-
cripta e balizado por elle dito Tenente cor marcos solidos de pio de
ley sendo obrigados a nao emxederem e nem diminulrem a dita cons-
truccio na altura de quatorze palmos de pP direito na frente de todas
as cazas que se levantarem e vinte e quatro palmos de altura no cume
outrosim detriminou que percizamente chamanido para regular os ditos
pes direitos ao carpinteiro Jo.o Martins Dias e na falta deste outro
alguum inteligente no officio afim de conservar sem discrepancia se-
gundo o risco a largura de sessenta palmos de ruas que estao assignadas
por elle dito Tenente cujas atualmente demarchadas e balizadas terdo
os seguintes nomes a saber a primeira contando do norte rua d'Al-










- 75 -


tabelecimerito do Casalvasco, (133) a poucas leguas de Villa

buquerque a immediate para o sul rua do Mello as quaes am-
bas vdo dezembocar .na praca e cada uma dellas faz fac2 A mesma do
Norte e do Sul assim como tambem as travegas de trinta palmos que
divide os quarteis das ditas ruas e se denominario estas travecas a
primeira contando do Poente para o nacente traveqa do Pinto e
a que se segue contando tambem para o nacente traveca do Rego -
e no alto da Praca da mesma banda do nacente cuja frente fica risca-
da entire as ruas e travecas ditas cor trezentos e sessenta palmos, cujo
numero tem tambem as mais quadras poderio os moradores erigir a
sua Igreja por ficar a porta principal della para o Poente como o
detriminao os rituaes e o mais terreno da dita frent2 da Praca digo e
o mais terreno desta frente da Praca por agora se nao ocuparA em
cazas deixando-o livre para as do conselho e cadea quando sz deverem
fabricar. Cada morada dos ditos Povoadores nao teri mais de cem
palmos de comprimento para quintal que lhes ficao detriminados para
o centro de cada um dos quarteis. O que tudo assim executado pelo
dito Tenente de Drag6ens na presence de todos os moradores mandou
a mini Domingos Ferreira da Costa Fiel deste Registro que servindo
de escrivam fizece este Termo para constar do referido o qual assignou
cor as Testemunhas seguintes: Leonardo Soarez de Souza home
de negocio, Ignacio de Alneida Lara, Joao Marques de Avila, Igna-
cio Jose Pinto soldado dragdo, Manoel Glz. Ferreira soldado dragio,
Antonio Pereira de Mattos, Antonio da Costa Rodrigues Braga, Jos6
Francisco, Agostinho Fernand s, Antonio Javier de Moura, Antonio
Teixeira Coelho. E eu Domingos Ferreira da Costa, Fiel deste Re-
gistro que o escrevi. O Tenente de Drag6ens Commandante Antonio
Pinto do Rego e Carvalho Leonardo Soares de Souza Ignacio de
Alneida Lara Joao Marques de Avila Ignacio Josi Pinto Ma-
noel Glz Ferreira Antonio Pereira de Mattos Josi Francisco -
Antonio da Costa Rodrigues Braga Agostinho Fernandes Antonio
Xavier de Moura Antonio Teixeira Coelho".
(Copiado do original existente no Archivo do Estado). Contem
modificaq6es insignificantes a copia impressa nas "Datas".
(133) "Anno do Nascimento de Nosso Senhor Jesus Christo de
mil setecentos oitenta e tres aos vinte e nove dias do mez de Setem-
bro, nesta margem oriental do Rio dos Barbados, oyto leguas corn pou-
ca differenca ao Sul da Villa Bella capital desta Capitania de Matto
Grosso, aondo cor human Fazenda c Curral de gado vacum, criacqes
de outros animaes domesticos, Terras lavradias de huma e outra Mar-










- 76 -


Bella, a margem do rio Barbados.

gem, em que cultivam e colham todos os generous de lavouras junto do
lugar em que se acham estabelecidos cor casas de vivenda Costodio
Jos6 da Silva e Bartholomeu Paes da Cruz, e em que pessoalmente se
acha tambem present o Illmo. e Exmo. Sr. Governador e Capitao Ge-
neral desta mesma Capitania Luiz de Albuquerque de Mello Pereira
e Caceres acompanhado do Tenente Coronel de infantaria corn exer-
cicio de seu Ajudante de ordens Antonio Felipe da Cunha Ponte, e dos
Capitaens Engenheiros Ricardo Franco- de Almeida Serra e Joaquim
Jos6 Ferreyra, e do Dr. Astronomo Antonio Pires da Silva Pontes,
do Capitio de Cavalaria Auxiliar Manoel Veloso Rebello de Vascon-
cellos, do Tenente de Infantaria Auxiliar Alexandre Barbosa Faleyro,
do Padre Alvaro Loureyro da Fonseca Zuzarte, de toda a sua Guarda
Military de Dragoens, e de outras muitas mais Pessoas; sendo neste e
ji em outros muitos mais annos precedentes em que tambem pessoal-
mente reconheceu, e muito miudamente examinou todos os Estabele-
cimentos, Agriculturas, Pastos e Situacoens deste dito Rio, inteyrando-
se de que todos elles erdo de mayor vantage e necessidade a precise
conservacio, andamento, e ainda administrac~o de Governo da mesma
referida Capital, e consequentemente de grande utilidade ao, Real Ser-
viCo e al6m destas ath6 por outras muitas razoens Politicas de igual
ou mayor consideracgo pelo que se deviam promover, e consolidar corn
zelo mais efficaz, e que para esse fim convinha muito que se unissem
e congregassem os seus antigos, e numerosos moradores que dispersa-
mente o Povoam, cultivam desde mais de vinte annog antes por ambas
as sobreditas Margens em grande extengo athe as suas principals
Fontes cor Fazenda de Gado Vacum e criag5es de outros animals do-
mesticos, Engenhos de Acucar e Aguardente, e todas as outras quali-
dades de Lavoura para que cor todos os mais que de novo viessem,
correndo para o que se dariam providencias, se encorporassem em Po-
voag5es regular, e paragem, que al6m de reunir as outras vantagens, e
circumstancias atendiveis fosse a todos comoda; e observando que a
mayor parte destas se verificassem melhor do que em outro algum
neste intermedio que referido fica da Marg-a Oriental ou Direita des-
te dito Rio. Ainda pelos sobreditos Capitaens Engenheiros na forma
do Project que lhes determinou mandando levantar o piano da refe-
rida PovoaCio; e aplainar e dispor todo o espasso que deve ser occu-
pado; ordenou o fizessem alinhar e demarcar, para o que se achavam
promptos Marcos de Pau de Lei e tudo o mais necessario; determi-
nando outrosim que a dita Povoagio se denominasse Cazalvasco e










- 77 -


Dest'arte, o previdente CapitAo General distendeu a cadeia
de pontos estrategicos, na qual deveria apoiar-se a lindeira
da sua predilecqo. (14)

que desde logo consistisse al6m de hum competent numero de casas
em cuja construccio os referidos Moradores 'logo hir cuydando espe-
cialmente na sua frente parallelamente ao rio e a Rumo de Poente,
fizesse os mesmos Officiaes juntamente demarcar e alinhar huma
Igreja, ou Capella decent e proporcionada para a celebracgo dos Of-
ficios Divinos e administrator do Pasto Espiritual dos mesmos Mo-
radores; como tambem huma Casa, e alguns quarteis que logo mandaria
construir por conta da Real Fazenda, para que S. Exa. e os mais
Senhores Generaes que Ihe sucedessem cor os Officiaes e Guarda que
deveriam acompanhallos tivessem aonde se recolher e aquartellar, nlo
somente quando passasem a visitar estes ditos logares, mas que no Real
Servigo da importantissima deligencia das Demarcaqoens sobre os ter-
renos adjacentes das Fronteyras desta dita Capitania que Ihe estava
encarregado pelas Soberanas ordens de Sua Mag. e em execucqo do
Tratado Preliminar de Limites do primeiro de Outubro de mil sete-
centos setenta e sete tivessem por convenient vir residir nesta dita Po-
voacao; e tendo-se logo executado todas as referidas medissoens, e
alinhamentos na sua mesma Presenca e todos os sobreditos Officiaes, e
mais Pessoas; mandou o mesmo Senhor lavrar este Termo para que
sendo por elle asinado, e por todos os referidos Officiaes e mais Pes-
soas, por elle conste a todo o tempo da important Fundacqo deste
novo Estabelecimento, e Lugar de Cazalvasco, sendo dele primeyros Mo-
radores os que ji de tempo mais antigo corn effeito (povoaram?) este
Rio dos Barbados corn o que teve seu principio: O Tenente Coronel
Antonio Felipe da Cunha Ponte que tambem serve de Secretario do Go-
verno por impedimento do actual o fez escrever: Luiz d'Albuquer-
que de Mello Pereira e Caceres Antonio Felipe da Cunha Ponte -
Ricardo Franco de Almeida Serra Joaquim Jose Ferreyra An-
tonio Pires da Silva Pontes Manoel Veloso Rebello e Vasconcel-
los Alvaro de Lourcyro da Fonseca Zuzarte Victorino Lopes -
Manoel Rebelo Leite Alexandre Barbosa Faleyro".
(Extr. do L." 2. das Demarcag6es pg. 124) As "Datas" tra-
zem tambem este auto, cor algumas altera6es.
(134) "Em carta de 4 de Janeiro de 1785, descreve as novas co-
lonias, que fundou "desde 1775, em ordem a firmar antecipadamente
a Posse e Real Dominio da mesma Senhora naquellas importantes,
ainda que remotas paragens".



















0 TRATADO DE 1777




No decorrer desses trabalhos, verifica-se em Lisb6a oc-
currencia de sensagqo, que iria influir grandemente no governor
do povo portugues.
Pereceu D. Jos6, e, cor elle, o prestigio de Pombal e a
condemnafio de sua political.
Approximou-se a rainha do seu irmao, Carlos III, rei da
Espanha, cor quem accordou nova combinacao a respeito das
raias communs.
Dahi resultou o Tratado de 1. de Outubro de 1777, cujos
principles artigos referentes a fronteira occidental, rezavam:

IX "...BaixarA a raia pelas aguas deste rio
(contravertente do Ygurey), atW a sua entrada no
Paraguay, desde cuja bocca subiri pelo canal prin-
cipal, que deixa este rio em tempo secco e seguira
pelas suas aguas atW encontrar os pantanos que
forma o rio, chamados a Lag6a dos Xaray6s e
atravessarA esta Lag6a at6 a bocca do Jaurfi".

E proseguia no artigo X:

"Desde a bocca do Jaurfi pela part occidental
seguira a fronteira em linha recta at6 a margem
oriental do rio Guapor6 ou Itenez, de front da









- 79 -


bocoa do rio Sarar6, que entra no dito Guapor6.
pela sua margem septentrional, mas se os commis-
sarios encarregados de regular os confins e exe-
cug6es destes Artigos acharem ao tempo de reco-
nhecer o Paiz, entire os rios Jauri e Guapor6, ou
outros rios ou balizas naturaes, por onde mais com-
modamente, e cor maior certeza, se possa assi-
gnalar a raia, naquella paragem, salvando sempre
a navegacgo do Jaurui, que deve ser privativa dos
Portugueses, e o caminho que costumam fazer do
Cuiaba ate o "Matto Grosso: os dous altos contra-
vertentes consentem e approval que assim se
estabelega, sem attender a alguma porcqo mais ou
menos de terreno, que possa ficar a uma ou outra
parte. Desde o logar que na margem oriental do
Guapor6 f6r assim assignalado para termo da raia,
como fica explicado, baixara a Fronteira por toda
a corrente do rio Guapor6 ate mais abaixo da sua
unido corn o rio Mamor6, que nasce na provincial
de S. Cruz de qa Sierra, atravessa a Missio de Mo-
xos, formando juntos o rio, que chama do Madeira,
o qual entra no Maranhio ou Amazonas, pela sua
margem austral.
XI. Baixara a Linha pelas aguas destes
dous rios, Guapor6 e Mamore, jA unidos corn o
nome de Madeira atW a paragem situada em igual
distancia do rio Maranhao ou Amazonas, e da
bocca do dito Mamore".

O retrocesso nas ideas, ap6s o arranco da era pombalina,
retratou-se na diplomacia.
10 Tratado de S. Ildefonso, em cuja redacrio parece es-
cassa a interferencia dos sabedores dos fastos americanos, re-
produziu, por decalque, o de Madrid, assignado cinco lustros
atraz.









- 80 -


O principal collaborador na feitura deste, Alexandre de
Gusmdo, justificou-se, porem, de nao precisar o tracado da
fronteira occidental, pela carencia de informes a respeito do
terreno litigioso; aos copiadores da sua obra, entretanto, fal-
lecia a mesma attenuante, depois das abundan'tes referencias
officials ao assumpto, no govero de Rdllim de Moura, que
se carteou cumpridamente cor M. Furtado, para explicar-lhe e
a Pombal, a impraticabilidade da lindeira estabelecida, em ter-
mos vagos, no artigo VII do Tratado de 1750.
Despresou-se a argumentacio do capitdo general, que re-
digia os seus informes na propria zona questionada; do pri-
meiro commissario, organizador do systema das demarcac6es",
que seria posto em pratica, si nao sobreviesse o convenio an-
nullatorio de 10 de Fevereiro de 1763; e do proprio governor
portugues que, pela mao de Pombal, tracou as instruc;6es de
30 de Abril de 1753.
No estipular as clausulas do tratado, em cuja negociacio
foi principal figure, nao quiz Florida Branca utilizar-se dos
conhecimentos da faixa fronteiriqa, obtidos pelos sertanistas de
Matto Grosso, ou, porventura, ainda continuava, a respeito
dessa regiao, nas mesmas condi6es de ignorancia, confessada
pelbs negociadores de 1750, que, ao lhe tracarem a divisoria,
andaram de todo "as cegas".


















A CRITICAL DE LUIS DE ALBUQUERQUE


Quando Ihe chegou a vez de falar, Luis de Albuquerque,
ao averbar de falho o Tratado, estadeou a sua feigao impe-
rialista, que respondia A orientacao castelhana, personificada
em Azara.
Eram bem dignos de se defrontarem, o clarividente capi-
tio general de Matto Grosso e o douto commissario da 2.a.
Partida das Demarcaq6es, que, entretanto, ndo tiveram ensejo
.Este limitou-se a procurar soluqao ao problema para-
guayo, cuja lindeira seria demarcada de acc6rdo cor o go-
verno de S. Paulo; aquelle cuidou cor mais desvelo da fron-
teira occidental, que escapava a alada do outro.
Mal se pode avaliar qual seria o choque entire as doutri-
nas oppostas, que sustentavam, pelas consideraq6es, feitas por
ambos, a respeito do trecho da divisoria, da bocca do Jauri
para jusante.
JA se viu que, adstricto As conveniencias economics e po-
liticas do Paraguay, Azara conseguira trazer-lhe as raias do
Ipand Guassi ao Apa, cor approvaqlo da cor6a espanhola,
perante a qual pleiteou instantemente a annexacao de Coim-
bra e Albuquerque, que os portugueses haviam estabelecido
a direita do rio extremenho.
Nestas e em outras fundaq6es, baseava Luis de Albuquer-
que todos os seus arguments em defesa do project de fron-









- 82 -


teiras, que ideira, para attender is necessidades da Capitania,
cujas principles vias de communicagao corriam pela peri-
phecia.
Em verdade, os navegantes que vinham de S. Paulo, atra-
vez de Camapuan, penetravam no Paraguay, pelo Taquary, e
dahi para cima, ou rumavam para Cuiaba, ou, inflectindo para
o occidente, iam ter ao Registo do Jaurf, de onde continuavam
ate Villa Bella.
Desta capital, partiam, pelo Guapor6 abaixo us que deman-
davam o porto de Belem, pelo qual vinham mais expedita-
mente os carregamentos de Lisb6a.
Para garantir a navegacgo, indispensavel A vida de Matto
Grosso, os lindes, em seu parecer, deveriam abranger certa faixa
de terras, ainda que estreita, a margem occidental do Paraguay
a partir de um ponto a jusante de Coimbra (135), e do Gua-
por6, ao menos at6 S. Simao (136), para que fosse prfvativa





(135) A conservagAo de Coimbra e Albuquerque sob o dominion
portugues e o afastamento da fronteira para o poente eram condiqges
que Luis de Albuquerque reputava essenciaes a iseguranCa da capita-
nia, pois que "somente desta maneira ficaria inteiramente salva e pri-
vativa aos Portugueses a navegacao preciosissima do Matto Grosso para
o Cuiabi" (Carta de 10 de Agosto de 1780).
De modo analogo pensava Azara, tendo em mira applicaqao op-
posta, da ruina e conquista de Matto Grosso, facilmente accessivel aos
castelhanos, quando Ihes pertencessem aquellas duas posices lusitanas
e toda a margem occidental do Paraguay ate Jaur6.
(136) Ao pretender evitar que os castelhanos se tornassem ri-
beirinhos no Guapor6, a montante do S. Simao, Luis de Albuquerque
visava, por um lado prevenir qualquer surpresa na capital, a que nio
poderiam facilmente chegar de improvise os invasores e difficultar a
fuga de escravo, ao mesmo tempo que ambicionava conservar as mi-
nas de S. Antonio dos Guarajfs, lat. 13.*-29'40", long. 315.-44'-4",
nas visinhancas de Vizeu, onde entio jf trabalhavam 300 escravos, cor
resultados compensadores.









- 83 -


dos portugueses a navegaqdo destes dous rios, que tanto Ihes
faziam as conveniencias.
Demais a mais, afigurava-se-lhe impraticavel a divisoria
em linha recta, do marco do Jauril, para o norte, e ate "in-
compativeis e um pouco indeterminadas as expresses ao Ar-
tigo X e tambem do Artigo XX" (137) do Tratado.
Havia mister de curvar-se a linha por f6ra do caminho
de Cuiaba a Villa Bella, do contrario nao seriam respeitadas
as posses e occupac6es que o margeavam, e que ficariam em
parte do lado castelhano. (138)
Tinha esperanca, por6m, de accordar cor os demarca-
dores soluqao conciliatoria, porquanto "si os commissaries es-
panhoes que houverem de vir a esta Fronteira forem sujeitos
de b6a razdo e docilidade, parece natural que nao deixardo de
persuadir-se das boas raz6es e fundamentos que na verdade se
podem allegar de nossa parte, a favor da sobredita divisdo,
satisfazendo-se cor os qimites que exponho"; em caso con-
trario, protestaria, para defender os interesses da cor6a por-
tuguesa, a que servia.
No decurso dos preparativos para as demarcaqces, mai-
ter a mesma linguagem condemnatoria do Tratado, "tdo es-
sencialmente desfavoravel A Cor6a Portuguesa", que Marti-
nho de Mello procurou interpreter lealmente.
Acceita as ponderag6es a respeito da inipraticabilidade dos
limits convencionados no trecho do Jaurt ao Guapor6, para
evitar graves prejuizos a Matto Grosso, que perderia grande
numero das posses ao long da estrada de Cuiabi a Villa Bel-
la, cruzada pela recta do Art. X; lembrava que o Tratado era
apenas preliminar, devendo o definitive ser assignado depois


(137) Carta de Luis de Albuquerque, de 20 de Agosto de 1780
Livro das Demarcaq6:s.
(138) Em contrario ao Tratado, que estipulava "salvando sem-
pre a navegavdo do Jaur6, que deve ser privativa dos Portugueses e
o caminho que costumam fazer do Cuiaba ate Matto Grosso".









- 84 -


das exploraq6es topographicas da regiao fronteiriQa, podendo,
portanto, ser modificado pelos commissarios, de commum ac-
cordo. (139)
Quanto as minas de Guarajuis, porem, o Secretario de
Estado dissuadiu-o de pleitear abrangel-as nos dominios lusi-
tanos.
Pertenciam a Espanha; comtudo, mantinha-lhe a espe-
ranga de negocial-as mais tarde, desde que fossem quanto an-
tes abandonadas por imprestaveis. (140)





















(139) Carta de Martinho de Mello de 2 de Maio de 1871 (1. Li-
vro das DemarcaSes).
(140) Para isso, Martinho de Mello recommendou a Luis de Al-
buquerque que fazendo correr por meios indirectos, e corn todo o
disfarc- e disteridade, que das referidas Minas se nio tira ouro cor-
respondente ao trabalho, nem pode fazer conta alguma a continuaqdo del-
le, insensivelmente e sem estrondo, faca retirar os mineiros que ali se
foram r stabelecer e a escravatura que levaram". (Carta de 2 de Maio
de 1781, L." de Demarcaq~es).
Em consequencia destas recommendaCBes, as minas dos Guarajuis
foram abandonadas pelos mineradores, que se transferiram para La-
vrinhas.


















SUBSTITUIqXO PROTELLADA


Anciando pela sua proxima substituigqo no governor da
Capitania, L. de Albuquerque activava intensamente as me-
didas assecuratorias dos interesses lusitanos na fronteira, cujo
project mais convenient formulou repetidas vezes (141), do
mesmd pass que a balisava por meio de actos possessorios.
A Coimbra, Forte do Principe, (142) Vizeu, iniciados an-
tes do Tratado de S. Ildefonso, seguiram, em breve, Adbuquer-
que e Villa Maria, como corroboradores do dominio na mar-
gem direita do Paraguay, no trecho percorrido pelas monq6es,
que transitavam para S. Paulo.
Valendo-se da melhor maneira dos escassos recursos de



(141) As suas cartas anteriores foram resumidas na de 20 de
Agosto de 1780, em que expoz tudo o que sabia a respeito (1.* Livro
das Demarcacqes).
(142) O Forte do Principe destinou-se, desde o inicio, a substi-
tuir a velha Fortaleza de N. S. da Conceiago, cujas condig6es militares
eram bastante precarias.
O project parece devido ao engenheiro Domingos Sambucetti, que
a 6 de Novembro de 1775 j6 escrevia a Luis de Albuquerque "Esta .
a occasiao em que eu suppunha poder enviar o risco que ha tempo V.
Exc. me tinha ordenado". Foi Sambucetti o melhor auxiliar de L. de
Albuquerque na construccao do Forte do Principe da Beira, em cujas
obras lutou cor difficuldades de toda a laia, desde as doencas ate a
falta de operarios, que aos poucos foi adestrando no servigo. Posto.








- 86 -


que dispunha, occupava-se em desenvolver o mesmo program-
ma, quando Ihe consta a nomeaqo do seu substitute (143),
JoAo Pereira Caldas, de quem recebe aviso protelatorio; so-
mente viria succeder-lhe no governor, depois de adiantar as de-
marcac6es no Rio Negro. (144)























occupado nos trabalhos preparatorios do grande monument, que desa-
fiou a accao corrosiva das intemperies, ainda achava tempo de cogitar
de outros affazeres, como patenteia a sua carta de 31 de Agosto de
1775: "envio a V. Exc. dez cartas geographicas das quaes ji tive no-
ticias que me foram uteis para a factura de novo mappa; e s6 deixei
ficar em meu poder aquelle mappa grande que compreende a derrota de
V. Exc. por dever ainda extrair delle algumas clarezas da Capitania
de Minas Geraes; e e o unico document geographic que me fica dos
que V. Exc. foi servido confiar-me".
Por ter fallecido antes de 1780, Sambucetti nAo poude ser apro-
veitado na organizacao das coinmiss5es demarcadoras de limits.
(143) A noticia da nomeacgo de J. P. Caldas chegou a Villa
Bella em Junho de 1780, segundo refere Nogueira Coelho, nas suas
Memories Chronologicas.
(145) Carta de 8 de Marco de 1780.



















TRABALHOS PRELIMINARIES



Incumbido inesperadamente, bem que a titulo provisorio,
da direc~qo das demarcaq6es em Matto Grosso, Luis de Al-
burquerque apressou-se em iniciar os services preliminares.
Assim 6 que nomeia os commissaries da 3.*. Partida que
deveriam entender-se cor os seus colleges espanh6es (14) ;
confia a Vellozo Rabello e JoLo de Almeida a explorargo das
zonas do Aguapehy, Barbados e de S. Simio (146); commu-
nica a D. Thomaz Pacheco, Governador de S. Cruz, que ji
esta habilitado a iniciar as conferencias relatives is demarca-
q6es (147); elabora os orgamentos das, despezas extraordina-

(145) 1.* Commissario O Tenente coronel Antonio Felippe da
Cunha Pontes; 2. Commissario o sargento m6r Jos6 Manoel Cardoso
da Cunha.
Estas nomeacges, feitas em Agosto de 1780, foram confirmadas
pela rainha no anno seguinte.
(146) Manoel Velloso Rabello de Vasconcellos, tenente e seu
substitute, o alferes Francisco Garcia Velho, apresentaram os "Dia-
rios", que se acham registrados no 1. Livro das Demarca~5-s, a pag.
29 a 88 e 88 a 96. O Diario de reconhecimento feito pelo cabo de es-
quadra Joao de Almeida Pereira no rio S. Simao, l-se a pag. 98 do
mesmo Livro das Demarcacoes. Sao trabalhos de sertanistas que mais
denotavam b6a vontade em. cumprir as ordens do Capitdo General, do
que competencia dos exploradores.
(147) D. Thomaz responded a 20 de Dezembro de 1780, que nao
tern ordens da C6rte a este respeito; mas encaminha a carta ao Vice
Rei de Buenos Ayres; mais tarde, em Fevereiro de 1782, D. Thomaz
nega-se a tratar do assumpto, de que esta encarregado o Governador
de Moxos, D. Ignacio Flores.









- 88 -


rias (14s), para cujo pagamento consegue a revogagio da or-
dem restrictive dos supprimentos anteriores (149); recom-
menda aos astronomos que, de caminho para Villa Bella, de-
terminem as coordenadas (150) de pontos essenciaes A com-
binaqdo future com os castelhanos, a respeito do ponto mrdio
referido no artigo XI.
Attendendo a que "as disposiq6es que V. S. fizer sobre
os prepares desta expedigao, -devem ser praticados debaixo
da invariavel certeza de que S. M. nao quer que se falte a
cousa alguma, do que f6r necessario, mas que ao mesmo tempo
reprova e defended toda e qualquer superfluidade e ostenta-
qgo" (151), solicita do Governador do Grdo Para (152) a re-

(148) O Marquez de Angeja havia limitado a 300 cruzados o au-
xilio annual que vinha da Real Fazenda de Goyaz a Matto Grosso.
Luis de Albuquerque object contra essa diminuicio, justamente quando
iam crescer extraordinariamente as despezas da Capitania, cor as "De-
marcaq~es", para cujos services julgava indispensaveis em dinheiro, a
quantia annual de 20:000$000 e artigos various, conforme a lista que fez, de
Armamento Bateria de cozinha
Botica Comestiveis
Fardamentos Bebidas do Reino
(149) O proprio Marquez de Angeja, Presidente do Real Erario,
que havia reduzido o auxilio a 300 cruzados, communica-lhe, em carta
de 5 de Marco de 1781, que a Rainha, attendendo fis grandes despezas
exigidas pelos trabalhos das demarcacves, foi servida determinar que
pela junta da Fazenda Real de Goyaz se Ihe assistisse annualmente corn
a quantia de vinte contos de r6is al6m da remessa determinada em
ProvisIo de 8 de Junho de 1779".
(150) Em carta de 26 de Abril de 1781, a J. P. Caldas, citou os
pontos cujas coordenadas deviam ser determinadas: a emboccadura do
Madeira a ilha dos Muras a embocadura do Guapore o Forte
do Principe da Beira.
(151) Instrucc5es de 8 de Janeiro de 1783 de Martinho de Mel-
lo a J. P. Caldas.
(152) Em resposta a Telles de Menezes, que Ihe debitara os ar-
tigos enviados, Luis' de Albuquerque explica ser o soccorro a Matto
Grosso determinado por ordem regia. N5o Ihe pagaria o fornecimento
feito, porque, "a poder, ou a dever assim praticar-se, nunca eu daria









- 89 -


messa de various artigos, emquanto espera maior encommenda
de Lisb6a (153); p6e A mnio todas as cartas geographicas de
que dispunha (154), e aguarda a vinda dos technicos, de cuja
collaboraq.o pretendia utilizar-se, durante a demora dos cas-
telhanos (155), que argfe de tendenciosa. (156)


a V. Excia. a menor molestia por ser em tal caso desnecessaria a sua
intervenvbo; e ate mesmo indecente de Ihe pedir quizesse fazer com-
prar os generous requeridos e remettidos: mas sim eu carregaria a qual-
quer negociante de boa satisfacao e credit dessa cidade que cor o
dinheiro A vista (a ser possivel apromptal-o) sem difficuldade cumpri-
ria com quaesquer encommendas e remessas ". (Carta de 4 de Fevereiro
de 1783).
(153) A Roque Jos6 de Lisb6a, L. de Albuquerque fez encom-
menda na importancia de 10:000$873, remettida em barras de ouro, de
3 arrobas de "kinakina" ou casa Peruviana, fazendas e generous, mui-
tos dos quaes chegaram deteriorados, como chocolatee, queijos grande's
inglezes, ditos flamengos, azeitonas, prezuntos, farinha de trigo, man-
teiga de flandres e louca fina para cha, caf6 e chocolate, que chegou
quebrada em mais de 1/3. (Carta de 20 de Janeiro de 1784).
(154) A Martinho de Mello envia a 24 de Outubro de 1781 a
"Carta topographica cor algumas notas respectivas, por onde se ob-
servam os exames antecipados a que tenho cor effeito procedido nas
mais principles fronteiras desta Capitania".
(155) A 25 de Janeiro de 1782, L. de Albuquerque transmittiu a
J. P. Caldas o seu piano: "emquanto os ditos visinhos permanecem
na inaccio referida, hei por certo aproveitar-me do bom prestimo dos
officials engenheiros e mathematics que vem, assim para que se aper-
feiq5e a important carta deste Paiz limitrophe corrigindo-se quanto
f6r possivel o muito que alias tenho nisso trabalhado, por rieio das
observances dos astros, que s6 p6de fazer-se exactas cor instruments
exactos, quaes agora teremos; como tambem para que de novo se cal-
culem as posig6es de outros lugares de proximo examinados segundo
parecer mais adequado ao fim present das demarcaq6es, e couber no
possivel" (1.0 Livro das DemarcacSes).
(156) .,. "sem que deixe de capacitar-me que os espanh6es ou
nao desejam ou nao podem ainda por alguma razao particular que ver-
dadeiramente nao penetro dar effective principio a esta melindrosa
parte das Ditas DemarcacSes", repete L. de Albuquerque, dias depois.
a 12 de Fevereiro (1.0 Livro das DemarcacSes).



















A COMMISSAO DIEMARCADORA


Assim orientado, Luis de Albuquerque alegrou-se com a
noticia da approximaco dos expedicionarios (167), que antes
de findar o mez de Fevereiro comecam a aportar em Villa
Bella (158), aonde chegam em lastimaveis condig6es.
Ber pouco se poderia, na apparencia, esperar do concurso
daquelles homes, que a viagem transfigurara em espectros
sepulcraes.



(157) A expedicio partiu de Lisb6a a 8 de Janeiro de 1780, na
charrua o Coracqo de Jesus e Aguia Real, chagando a 2 de Fevereiro
A cidade do Gr5o Park, onde se demorou alguns mezes, continuando a
viagem a 2 de Agosto, em companhia de Joio Pereira Caldas "com-
missario geral das demarcac5ss", que retardou a chegada a Barcellos
ate 17 de Outubro. Desta villa, Lacerda e Almeida e J. J. Ferreira par-
tiram a 25 de Dezembro para explorarem o rio at6 o forte S. Jose de
Marabitanas, emquanto Silva Pontes e Ricardo Franco reconheciam o
Rio Branco e seus affluentes, de onde s6 regressaram a 17 de Maio.
A 1. de Setembro de 1781 embarcaram, todos reunidos, para Villa
Bell,a; a 15 de Outubro transpuzeram a cachoeira de S. Antonio; a 27
de Dezembro a de Guaruji mirim; a 3 de Janeiro, entraram no Gua-
porr; a 11, pernoitaram no Forte do Principe da Beira; a 28, no Des-
tacamento das Pedras; a 28 de Fevereiro, aportaram em Villa Bella.
(Diario de Lacerda e Almeida, ed. de 1841).
(158) Ricardo Franco e J. J. Ferreira chegaram a Villa Bella a
28 de Fevereiro de 1782, como se ve no despacho dado pelo Capit-o
General ao requerimento que Ihe apresentaram a 13 de Abril, a prouo-








- 91 -


O clima guaporeano democratizava os advenas, ao cobrar-
Ihes o oneroso tribute de adaptaigo. Nao distinguia summida-
des, nem classes; as anophelinas, fiscaes incorruptiveis, ni-
velavam o mais bogal taverneiro aos capitdes generaes e aos
astronomos, quando os recebiam nas cachoeiras, que de S. An-
tonio se repetem ate Guaraja mirim.
E ao transport o trecho trabalhoso, raro seria o forasteiro
que ainda se encontrasse corn forgas para vencer a Terra inhos-
pita. Derreava-o o primeiro encontro cor as forgas naturaes
do novo habitat.
A expedi~go dos demarcadores, sobre ser acommettida,
como as -outras, de molestias dissorantes, ainda soffreu os ma-
les de naufragios, que Ihe deterioravam os viveres.
Entre as molestias reinantes, Lacerda e Almeida enume-
rou "sez6es e perniciosas, os catarraes, desinterias, ictericias,
hydropesias, obstrucC6es, etc", que os molestavam.
A tal ponto os consumiram as maleitas que, decorridos
quatro mezes, ainda lastimava L. de Albuquerque o nenhum
servigo prestado pelos engenheiros, cuja convalescenca conti-
nuava. (159)
Mal se poderia entdo agourar da operosidade dos expedi-
cionarios, predestinados entretanto a avultar na historic de
Matto Grosso, por feitos assignalados.


sito da equiparacgo de soldo ": hei por bem que hajam de veneer mais
cem oitavas de ouro cada um annualmente desde que chegaram a esta
Capital, que foi em 28 de Fevereiro do corrente anno" (1. Liv. das
Demarcaces, pag. 155). Por engano, J. Severiano reciua a chegada de
R. Franco ao inicio do governor de L. de Albuquerque, em cuja compa-
nhia diz ter vindo o notavel engenheiro. Os retardatarios demoraram-se
alguns dias no Forte do Principe, aguardando melhoras de saide,
por isso ultimaram a viagem no mez seguinte, em Marco.
(159) Carta de 24 de Julho de 1782, em que L. de Albuquercue
diz a respeito de Lacerda e Almeida, que "se conserve quasi no mesmo
miseravel estado de safde que a V. Exc. ji participei"; os outros en-
traram em convalescenca mais rapidamente.









- 92 -


Competencia nao Ihes minguava, nem consciencia do dever,
que Ihes coubesse; traziam as melhores credenciaes, cor que
se recommendassem ao aprego do Capitdo General.
Dos astronomos, dizia Martinho de Mello, "sAo doutores
na Universidade de Coimbra, escolhidos entire os melhores e
nesta C6rte tiveram continue exercicio e pratica da sua pro-
fissao debaixo da inspeciio do Doutor Ciera" (160); quanto
aos engenheiros, gabou-lhes a b6a conta, que haviam dado de
si, nas comm'iss6es em que serviram anteriormente no Reino.
Enfermiqo, debil de compleigdo, Lacerda e Almeida foi
quem mais tardou em restabelecer-se. Ainda assim, ndo seria
pequeno o cabedal cor que enriquecesse os conhecimentos geo-
graphicos das paragens, que ate entao *s6 tinham sido palmi-
ihadas pelos sertanistas.
Nao obstante os continues achaques .de que era persegui-
do, coiservou sempre a mesma affabilidade no trato, em con-
traste cor o seu college, Silva Pontes, mais resistente is doen-
qas e avesso as boas maneiras. (161)


(160) Carta de Martinho de Mello, de 7 de Janeiro de 1780.
(161) E' o que se deprende da apreciacao de L. de Albuquerque,
a respeito de Silva Pontes "cujo genio segundo dizem muito mais vai-
doso e menos docil de que o de todos os outros supponho que o naio
fazem tao sociavel particularmente para corn elles como eu desejaria;
constando-me cue ate corn o Dr. Lacerda seu college que 6 de muito
b6a indole nao entretem as melhores intelligencias. (Carta de 24 de Ju-
Iho de 1782). Talvez de proposito, talvez por simples coincidencia,
Joao de Albuquerque nHo esperou que Silva Pontes chegasse do reco-
nhecimento que andava fazendo pelos sert5es, e fez partir para Belem
no dia 4 de Janeiro de 1790 a canoa que deveria conduzil-o. No dia
immediate, o astronomo alcanca Villa Bella, sabe do occorrido, de es-
tar desfeita a commission demarcadora, devendo o pessoal technico
regressar a Lisb6a, e, zangado, desabafou-se quanto poude no seu dia-
rio: "no dia 5 chego molhado a este Quartel General onde achei a
novidade de ter partido no dia 4 ,a Moncao e se ter cacado toda a des-
peza que se fazia cor os artigos das Demarcaqces, e por consequencia
o meu Individuo largado neste fim de Mundo, em que S. Magestade









- 93 -


Peritos ambos no manejo dos instruments que trouxeram,
carteavam-se i perfeiCgo cor os astros, quando Ihes era pos-
sivel determinar a posiqco dos sitios onde estivessem.
Mais pontual nas observaq6es, Lacerda e Almeida focali-
zava a sua attengao nos trabalhos geodesicos, corn o mesmo
espirito de ordem, que Ihe distinguia a pessoa.
Silva Pontes, ao revez, arrepiado no convivio social, evi-
denciava, de quando em quando, nas suas occupacqes, mal con-
tida tendencia a despear-se do constrangimento, em que se
julgava; (102) preferia, por vezes, substituir a mesmice dos
calculos diaries pelo estudo das sciencias naturaes, em que, to-
davia, ndo se especializira. (163)
,Era-lhes commum a mesma bagagem scientific trazida de
Coimbra, onde ambos acabavam de graduar-se em dou-
tor. (164)


me fez vir para seu service, e nomeado pela Universidade de cuja
sombra fui tirado para passar dez annos pelos sert6es do Para e Bra-
sil". (2. Livro das DemarcacSes).
(162) No diario do reconheoimento do Paraguay, feito em 1786,
Lacerda e Almeida registou, poucos dias depois de entrar neste rio:
"Como meu companheiro e college o Dr. Pontes ia distrahido cor as
suas Philosophias, gastando muita part do dia em copiar macacos,
ratos, etc., deixava por este motive passar em claro muitos rumos, dan-
do ao rio curso different do que na realidade tinha, resolvi-me desde
este dia a configural-o diariamente".
(163) A respeito das elevaq6es que limitam pelo poente a lag&a
Gaiba, disse Lacerda e Almeida: "todos os montes a que chegamos
eram de pederneiras negras, e brancas, e que disse o Dr. Pontes que
eram agatas, e que poucos inontes haveria no mundo tao ricos como
estes "
Silva Pontes, como astronomo, era autoridade, fazendo esquecer
os erros commettidos em outras provincias do saber human.
(164) Lacerda e Almeida, paulista, e Silva Pontes, mineiro, teriam
vinte e poucos annos de idade quando se matricularam, em 1772, no
curso mathematics da Universidade Portuguesa, onde receberam o
grau de doutor pelo natal de 1777, conforme averiguou Porto S guro,









- 94 -


Moqos ambos, ardiam na ancia de p6r em pratica os fir-
mes conhecimentos, que Ihes proporcionou a proficiencia de La
Ciera, astronomo de nomeada.
A taes alturas, acaso nao chegariam os engenheiros que,
entretanto, se recommendaram em suas profiss6es, especial-
mente Ricardo Franco, fadado a gravar o seu nome nos fastos
mattogrossenses por mais de um quartel de seculo agitado.
Assaltado, como os outros, pela maleita, empenha-se, ainda
assim, por adestrar nos serviqos de engenharia os seus futu-
ros auxiliares de campo, (165)
Entre dous accessos de sezao, ora tratava das suas aulas
praticas, ora proseguia na ordenaqo dos mappas, que Ihe fo-
ram apresentados pelo Capitao General. (166)
Assim que se julgou restabelecido, arrosta o sertdo, onde


que adianta ter Lacerda e Almeida perecido na Africa, ao encetar-lhe
a travessia como governador do rio de Sena, na Capitania de MoCam-
bique, para onde o enviara Rodrigo de Souza Coutinho, ao mesmo tem-
po que a Silva Pontes cabia o governor do Espirito Santo, R. I. H..
Tomo XXXVI. Este falleoeu no Rio de Janeiro, a 21 de Abril de
1805 e aquelle em Caasembe sobre o Lago Moero, a 18 de Outubro de
1798. (Rio Branco Ephemeride).
(105) Quando R. Franco e J. J. Ferreira, recem-chegados a
Villa Bella, pedem a equiparaco dos seus soldos aos dos outros mili-
tares da Capitania, L. de Albuquerque, impossibilitado de attender di-
rectamente ao pedido, que iria contrariar ordem express de Martinho
de Mello, em tabella anteriormente fixada, resolve dar-lhes a grati-
ficacgo de 100 oitavas de ouro, a titulo de compensagCo As aulas pra-
ticas, que os engenheiros estavam dando a diversas pessoas.
(166) Luis de Albuquerque nao tarda em reconhecer-lhe a com-
petencia; entiega-lhe todo o'servico de cartographia, em que trabalha
na quadra chuvosa, no interregno das viagens. A este respeito, a 20 de
Dezembro de 1784, noticia a Martinho de Mello o andamento do mappa
de Ricardo Franco, "official habil e bastante intelligence na material .
Este mappa "tarjado corn os bustos da Rainha, por Francisco Xavier
de Oliveira, que mora em CuiabA", foi remettido a Lisb6a, acompa-
nhado da carta de L. de Albuquerque a Martinho de Mello, a 6 de
Marco de 1785.






*f ..


p .r
*~~w' -Z~ -r~ 8.*Y r
0 ,: 1 /
V" r *~
.. i ~2



r I- 4 .


,I -I -s IjI'





Vi_ 7.I~
* I I

--I-~
... 1









- 95 -


esteve a pique de perder a vida. A 2 de Novembro de 1783,
atravessava o ribeirio das Cinzas, quando o arrebata a corren-
teza, engorgitada pelas chuvas recentes, que o tragaria, si brago
amigo nio o salvasse. (167)
Acostuma-se neste lance a ver a Morte ao p6 de si e
despresa-lhe as ameagas. Entrega-se de corpo ao serviqo da
Capitania, cuja benemerencia grangeou.
Engenheiro military, command as expedi5qes exploradoras,
cujo percurso os astronomos precisam cor os seus oitantes e
chronometros; geographo, observa cor intelligencia as regi6es
por onde passa, accumulando informes, que o tornam, mais
tarde, o abalisado consultor de todos os governor; escriptor,
colhe, por toda a parte, noticias seguras de que recheia as suas
memories (168), mais succulentas do que aprimoradas de for-
ma; commandant da Fronteira do Baixo Paraguay, grava os
seus feitos immortaes no Forte de Coimbra, onde, por despi-
car-se da enfadonha monotonia da vida naquelle sitio agreste,
afadigava-se no trabalho de remodela~io das muralhas, du-

(167) R. Franco, que nao sabia nadar, estava montado, quando
tentou atravessar o ribeirao; a meio caminho o animal falseou e elle
foi colhido pela corredeira, onde o viu perigando o porta-cstandarte
Manoel Rabello Leite, que o salvou.
(168) De Ricardo Franco, vieram a lume os trabalhos seguintes:
Diario de reconhecimento do Rio Branco, impresso no Diario
d. Lacerda e Almeida (1841);
Reflexes sobre a Capitania de Matto Grosso, de collaborago
cor J. J. Ferreira (R. I. H., tomo XII);
Extracto da descripcqo da Capitania de Matto Grosso (R. I. H.,
tomo VI);
Memoria sobre a Capitania de Matto Grosso (R. I. H., tomo II);
Memoria sobre os'indios Guaycuriis (R. I. H., tomos VII e XIII;
Do rio Tapaj6z ao Para (R. I. H., tOmo II);
Diligencia ao rio Paraguay (publicavAo official feita em Cuia-
bA, 1908).
Alm& destas memories, encontram-se registrados nos "Livros das
Demarcaces" no Archive do Estado, os diaries dos reconhecimentos
feitos por Almeida Serra.









- 96 -


rante o dia, c na redacqao das suas memories em grande part
das noites (169) interminaveis.
Ahi cont6m a garbosa investida do governador D. Lazaro
Ribera, que Ihe da ensejo de revelar a fibratura espartana de
que era constituido (170); ahi stccumbe, final (172), vencido
pelas molestias contraidas em longas peregrinag6es por bravias
paragens.

(169) Ao remetter, a 30 de Junho de 1799, a Caetano Pinto, um
dos seus trabalhos, Ricardo Franco escreveu:' ..."ordenei as Memo-
rias relatives ao Rio Tapaj6z segundo as combinadas informac6es que
delle tenho adquirido, as qiaes nao deixando de serem raras, sao talvez
uteis e interessantes para a Capitania de Matto Grosso. Addicionando-
as corn algumas reflexes que julguei necessarias, tendentes a utilizagao
public destes distantes povos, que cheios de geral complacencia ao
felicissimo governor de V. Exc. esperam nelle em nao duvidosas pros-
peridades o complement de suas bem fundadas esperancas. Pode ser,
Exmo. Snr., que o amor proprio me allucine e que estas memorias, nao
merecendo algum louvor, sejam s6 dignas de uma judiciosa repro'vacio.
Nesta ultima circumstancia, que receioso temo, eu espero e exoro, da
notoria bondade de V. Exc. as faca entregar is chammas, como uma
heresia geographic. Pois o ardente desejo de servir a V. Exc. ligou
gostosamente a minha vontade a empreender este trabalho, que me ser-
viu de recreio nos solitaries dias, e melancolicas noites que se passam
neste Presidio de Coimlbra".
(170) A resposta de D. Lazaro basta para caracterizar a indivi-
dualidade de Almeida Serra, que ainda depois da victoria, prevendo a
volta do governador castelhano, cor maiores recursos, escrevia a Cae-
tano Pinto: "Eu estou resolute a sepultar-me debaixo das ruinas deste
Forte; bem sei que a sua guarniqgo, ainda que tem muitos cheios de
valor, outros sao timoratos; nunca viram a guerra (referia-se prova-
velmente ao reforco que Ihe mandaram de Cuiabi) e os poucos officials
de coragem que os animem, me fazem a maior falta. Finalmente as
contingencies da guerra s5o duvidosas, desmentem as mais bem concer-
tadas medidas; e s6 o Deus dos exercitos d& a victoria, anima uns e
desfallece outros; fazendo que o home se confunda, e que sejam ou
inefficazes ou cheios de ditoso exito os seus projectss. (Carta de 2
de Outubro de 1801, no Archive do Estado).
(171-) Ricardo Franco falleceu em Coimbra, a 21 de Janeiro de
1809.


















A COLMEIA LABORIOSA


A reunido, em Villa Bella, de personalidades de tamanho
porte, como jamais occorrera, dava a remota capital, plantada
por A. Rollim de Moura A margem do Guapore, aspect de-
susado.
JA se Ihe estendiam as ruas, A procura do porto (173),
onde frequentemente embicavam as embarcac6es, attestadas de
artigos e mercadorias, provenientes de Bel6m.
A insufficiencia das rendas da Capitania, para custear as
despezas extraordinarias das demarca6es, suprira-se,; em par-
te, por meio do auxilio dos cofres reaes, que deveriam mandar
os Capitaes Generaes de Goyaz e do Grd Para.
Todas as actividades convergiam para o mesmo fim da
execugdo do Tratado de 1777, em que empenhava o governor
portugues o maximo esforgo.
Ndo tardou, por6m, que Luis de Albuquerque percebes-
se a intengio protelatoria dos castelhanos, (173), cor quem


(172) As enchentes extraordinarias do rio Guapore, no fim do
anno de 1785, inundaram a parte baixa da capital, de sorte que" uma
terga parte da mesma (villa) ficou totalmente arruinada". (Carta de
Luis de Albuquerque, de 20 de Maio de 1786).
(173) Por varias vezes, Luis de Albuquerque denuncia a intengio
dos vizinhos, que "s6 pretendem ir ganhando tempo, e desviar-se de
dar algum genero de principio As ditas demarcag~es". (Carta de 4 de
Setembro de 1782 a Martinho de Mello).








-98-


deveria entender-se a este respeito, e comecasse entio a uti-
lizar-sq da competencia dos seus auxiliares, no esclarecimento
dbs projects, que trazia em mente.
Parecia-lhe que as raias convencionadas em S. Ildefonso
eram "nesta parte nao s6 prejudicialissimas mas absoluta-
mente impraticaveis as stas disposic6es", e (174)4 para corro-
borar a sua opiniao, havia mister de representar a faixa fron-
teirica em graphics suggestivos.
Tinha a mdo a habilidade cartographica de Ricardo Franco,
a um tempo explorador expedite e desenhista de traco firme,
bem como as aptid6es dos outros companheiros, dispostos a
qualquer missao.
A campanha scientific iniciara-se cor a viagem pelo Ma-
deira e Guapore, em cujo levantamento collaboraram os quatro
expedicionarios: Lacerda, Pontes, R. Franco e J. J. Ferreira.
,Exploram depois as cercanias de Villa Bella, e occupam-se
de trabalhos mais levels, antes de se restabelecerem inteira-
mente das doencas adquiridas'na perigosa (175). viagem. De-
pois, ji em 1783, emquanto Lacerda e Almeida entra pelo Bau-
res, e seus affluentes, o rio Branco, o Marupo e pelo Itona-
mas, em minuciosa exploracgo, na qual se Ihe deparou ensejo de
observer o regimen abusive a que se achavam submettidos
os indios das misses castelhanas (176), L. de' Albuquerque
sobe cor os demais demarcadores A! serra fronteira do Grao





(174) Carta a Martinho de Mello, de 6 de Marco de 1785.
(175) Na viagem do trecho encachoeirado, do Madeira a Villa
Bella, a comitiva perdeu urn soldado e vinte indios, mortos de doenCas.
(Carta de L. de Albuquerque a J. P. Caldas, de 24 de Julho de 1782).
(176) A memoria de Lacerda e Ahneida a respeito dos rios
Baures, Branco, da Conceicgo, de S. Joaquim, Itonomas e Maxupo
acha-se impressa no tomo XII da R. I. H. G. B.




University of Florida Home Page
© 2004 - 2010 University of Florida George A. Smathers Libraries.
All rights reserved.

Acceptable Use, Copyright, and Disclaimer Statement
Last updated October 10, 2010 - - mvs