• TABLE OF CONTENTS
HIDE
 Front Cover
 Dedication
 Table of Contents
 Preface
 Saccao primeira: A terra e a gente...
 Seccao segunda: O governo...
 Seccao terceira: Da revisao...
 Appendice














Group Title: Bibliotheca pedagogica brasileira. Ser. 5.a : Brasiliana ;, v. 17
Title: A organizaðcäao nacional
CITATION THUMBNAILS PAGE IMAGE ZOOMABLE
Full Citation
STANDARD VIEW MARC VIEW
Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/UF00075656/00001
 Material Information
Title: A organizaðcäao nacional
Series Title: Bibliotheca pedagogica brasileira. Ser. 5.a Brasiliana
Physical Description: 480 p. : ; 19 cm.
Language: Portuguese
Creator: Torres, Alberto, 1865-1917
Brazil
Publisher: Companhia Editora Nacional
Place of Publication: Säao Paulo
Publication Date: 1938
Edition: Nova ed. -- Primeira parte, A Constituicäao.
 Subjects
Subject: Politica (Brasil)   ( larpcal )
Sociologia   ( larpcal )
Constitutional history -- Brazil   ( lcsh )
Constitutional law -- Brazil   ( lcsh )
Politics and government -- Brazil   ( lcsh )
Genre: non-fiction   ( marcgt )
 Notes
Statement of Responsibility: Alberto Torres.
 Record Information
Bibliographic ID: UF00075656
Volume ID: VID00001
Source Institution: University of Florida
Rights Management: All rights reserved by the source institution and holding location.
Resource Identifier: oclc - 06774081

Table of Contents
    Front Cover
        Page 6
        Page 7
    Dedication
        Page 8
    Table of Contents
        Page 9
        Page 10
    Preface
        Page 11
        Page 12
        Page 13
        Page 14
        Page 15
        Page 16
        Page 17
        Page 18
        Page 19
        Page 20
        Page 21
        Page 22
        Page 23
        Page 24
        Page 25
        Page 26
        Page 27
        Page 28
        Page 29
        Page 30
        Page 31
        Page 32
        Page 33
        Page 34
        Page 35
        Page 36
        Page 37
        Page 38
        Page 39
        Page 40
        Page 41
        Page 42
        Page 43
        Page 44
        Page 45
        Page 46
        Page 47
        Page 48
        Page 49
        Page 50
        Page 51
        Page 52
    Saccao primeira: A terra e a gente do Brasil
        Page 53
        Page 54
        O espirituo e as tendencias da politica
            Page 55
            Page 56
            Page 57
            Page 58
            Page 59
            Page 60
            Page 61
        O territorio e a nacao
            Page 62
            Page 63
            Page 64
            Page 65
            Page 66
            Page 67
            Page 68
            Page 69
            Page 70
        As instituicoes e sua interpretacao
            Page 71
            Page 72
            Page 73
            Page 74
            Page 75
            Page 76
            Page 77
            Page 78
            Page 79
            Page 80
            Page 81
            Page 82
            Page 83
        As instituicoes e sua interpretacao (continuacao)
            Page 84
            Page 85
            Page 86
            Page 87
            Page 88
            Page 89
            Page 90
            Page 91
            Page 92
            Page 93
            Page 94
            Page 95
        A unidade nacional
            Page 96
            Page 97
            Page 98
            Page 99
            Page 100
            Page 101
            Page 102
            Page 103
            Page 104
            Page 105
        A unidade nacional (continuacao)
            Page 106
            Page 107
            Page 108
            Page 109
            Page 110
            Page 111
            Page 112
        A unidade nacional (continuacao)
            Page 113
            Page 114
            Page 115
            Page 116
            Page 117
            Page 118
            Page 119
            Page 120
            Page 121
            Page 122
            Page 123
        A unidade nacional: O patriotismo
            Page 124
            Page 125
            Page 126
            Page 127
            Page 128
            Page 129
            Page 130
            Page 131
            Page 132
            Page 133
            Page 134
            Page 135
            Page 136
            Page 137
        A unidade nacional: O patriotismo, o homem e a terra
            Page 138
            Page 139
            Page 140
            Page 141
            Page 142
            Page 143
            Page 144
            Page 145
            Page 146
            Page 147
            Page 148
            Page 149
            Page 150
            Page 151
            Page 152
            Page 153
            Page 154
            Page 155
            Page 156
            Page 157
            Page 158
            Page 159
            Page 160
            Page 161a
            Page 161b
            Page 162a
            Page 162b
            Page 163
            Page 164
            Page 165
            Page 166
            Page 167
            Page 168
            Page 169
            Page 170
            Page 171
            Page 172
            Page 173
        A unidade nacional: O patriotismo, o homem e a terra (continuacao)
            Page 174
            Page 175
            Page 176
            Page 177
            Page 178
            Page 179
            Page 180
            Page 181
            Page 182
            Page 183
            Page 184
            Page 185
            Page 186
            Page 187
            Page 188
            Page 189
            Page 190
            Page 191
            Page 192
            Page 193
            Page 194
    Seccao segunda: O governo e a politica
        Page 195
        Page 196
        Politica empirica, politica de forca e politica racional
            Page 197
            Page 198
            Page 199
            Page 200
            Page 201
            Page 202
            Page 203
            Page 204
            Page 205
            Page 206
            Page 207
            Page 208
            Page 209
            Page 210
        Politica organica
            Page 211
            Page 212
            Page 213
            Page 214
            Page 215
            Page 216
            Page 217
            Page 218
            Page 219
            Page 220
            Page 221
            Page 222
            Page 223
            Page 224
        Alcance e extensao dos poderes de governo
            Page 225
            Page 226
            Page 227
            Page 228
            Page 229
            Page 230
            Page 231
            Page 232
        Civilizacao, progresso e politica
            Page 233
            Page 234
            Page 235
            Page 236
            Page 237
            Page 238
            Page 239
            Page 240
            Page 241
            Page 242
            Page 243
            Page 244
            Page 245
            Page 246
            Page 247
            Page 248
            Page 249
        Populacao, produccao e viacao
            Page 250
            Page 251
            Page 252
            Page 253
            Page 254
            Page 255
            Page 256
            Page 257
            Page 258
            Page 259
            Page 260
            Page 261
            Page 262
            Page 263
            Page 264
            Page 265
            Page 266
            Page 267
            Page 268
            Page 269
            Page 270
            Page 271
            Page 272
            Page 273
            Page 274
            Page 275
        Politica internacional e politica social e economica
            Page 276
            Page 277
            Page 278
            Page 279
            Page 280
            Page 281
            Page 282
            Page 283
            Page 284
            Page 285
            Page 286
            Page 287
            Page 288
            Page 289
            Page 290
            Page 291
            Page 292
    Seccao terceira: Da revisao constitucional
        Page 293
        Page 294
        A uniao e as provincias: Principios fundamentaes
            Page 295
            Page 296
            Page 297
            Page 298
            Page 299
            Page 300
            Page 301
            Page 302
            Page 303
            Page 304
            Page 305
            Page 306
            Page 307
            Page 308
            Page 309
            Page 310
            Page 311
            Page 312
            Page 313
            Page 314
            Page 315
            Page 316
            Page 317
            Page 318
            Page 319
            Page 320
            Page 321
            Page 322
            Page 323
            Page 324
            Page 325
            Page 326
            Page 327
            Page 328
            Page 329
            Page 330
            Page 331
            Page 332
            Page 333
            Page 334
            Page 335
            Page 336
            Page 337
            Page 338
            Page 339
        Dos orgaos da soberania nacional
            Page 340
            Page 341
            Page 342
            Page 343
            Page 344
            Page 345
            Page 346
            Page 347
            Page 348
            Page 349
            Page 350
            Page 351
            Page 352
            Page 353
            Page 354
            Page 355
            Page 356
            Page 357
            Page 358
            Page 359
        Dos poderes politicos
            Page 360
            Page 361
            Page 362
            Page 363
            Page 364
            Page 365
            Page 366
            Page 367
            Page 368
            Page 369
            Page 370
            Page 371
            Page 372
            Page 373
            Page 374
            Page 375
            Page 376
            Page 377
            Page 378
            Page 379
            Page 380
            Page 381
        Das provincias e municipios e dispoiscoes geraes
            Page 382
            Page 383
            Page 384
            Page 385
            Page 386
            Page 387
            Page 388
            Page 389
            Page 390
            Page 391
            Page 392
            Page 393
            Page 394
            Page 395
            Page 396
            Page 397
            Page 398
    Appendice
        Page 399
        Page 400
        A constituicao de 1891
            Page 401
            Page 402
            Page 403
            Page 404
            Page 405
            Page 406
            Page 407
            Page 408
            Page 409
            Page 410
            Page 411
            Page 412
            Page 413
            Page 414
            Page 415
            Page 416
            Page 417
            Page 418
            Page 419
            Page 420
            Page 421
            Page 422
            Page 423
            Page 424
            Page 425
            Page 426
            Page 427
            Page 428
            Page 429
            Page 430
            Page 431
            Page 432
        Projecto de revisao constitucional
            Page 433
            Page 434
            Page 435
            Page 436
            Page 437
            Page 438
            Page 439
            Page 440
            Page 441
            Page 442
            Page 443
            Page 444
            Page 445
            Page 446
            Page 447
            Page 448
            Page 449
            Page 450
            Page 451
            Page 452
            Page 453
            Page 454
            Page 455
            Page 456
            Page 457
            Page 458
            Page 459
            Page 460
            Page 461
            Page 462
            Page 463
            Page 464
            Page 465
            Page 466
            Page 467
            Page 468
            Page 469
            Page 470
            Page 471
            Page 472
            Page 473
            Page 474
            Page 475
            Page 476
            Page 477
            Page 478
            Page 479
            Page 480
        Brasiliana
            Page 481
            Page 482
            Page 483
            Page 484
Full Text
SERIE 5.* BRASILIANA
BIBLIOTHEOA PEDAGOGICA


VOL. 17
BRASILEIRA


ALBERTO TORRES




A

ORGANIZACAO

N A C I 0 N A L
NATIONAL

PRUIMIRA PART
A CONSTITUI^AO
NOVA EDICAO


COMPANHIA EDIT
sAO PAULO RIO DE JANEIRO -


EIC NlA I.0 'N A'I- !
AC E i "T"L R
i ,+ //












K!/7


6"- I~


NESTA SERIES:


Vol.
do autor:
O PROBLEMA NATIONAL BRASILEIRO 16
de Alcides Gentil:
AS IDEAS DE ALBERTO TORRES. 3
de A. Saboya de Lima:
ALBERTO TORRES E SUA OBRA 43





s!i, ^ '^ '' l &**?"'. n. .' rS: .' --



EDIgSES DA

COMPANHIA EDITOR NATIONAL
SXO PAULO













A' MEMORIAL DE MINHA BISAV6 MATERNAL,


D. MARIA JOAQUINA DA COSTA CORDEIRO,

typo da energia, da virtude e da coragem da
matrona brasileira, fallecida, aos noventa e cinco
annos, ap6s uma existencia de continues traba-
Ihos, s6 abandonados nos ultimos dias da vida.


E A' MEMORIAL DOS ESCRAVOS MORTOS,
BEM COMO AOS AINDA VIVOS DE SUA FAZENDA,

que me deram, no convivio intimo da infancia,
lies de bondade e de pureza de costumes c
exemplos de amor ao trabalho e de veneragao,

dedico este appello aos meus patricios,
em prol da reorgantzagdo da nossa vida political
e social, sob inspiragdo das nossas tradicoes de honra e
de bom senso, e cor os progresses solidos e
o humanos proprios da nossa indole.











INDICE


Prefacio 11


SECOAO PRIMEIRA
A TERRA E A GENTE DO BRASIL

I 0 espirito e as tendencies do politico 55
II O territorio e a nagio . 62
III As instituig6es e sua interpretagio 71
IV As instituig6es e sua interpretagio (conti-
nuagAo) ... ...... 84
V A unidade national . .. 96
VI A unidade national (continuagio) 106
VII A unidade national (continuagio) 113
VIII A unidade national (continuaaio) 124
IX A unidade national: o patriotism, o ho-
mem e a terra . .. 138
X A unidade national: o patriotism, o ho-
mem e a terra (continuag9o) 174





A








WSIQ10 BSGUNDA


0 GOVERNOR E A POLITICAL

I Politica empirica, political de forca e poli-
tica rational . . .. 197
II Politica organic . .. 211
III Alcance e extensAo dos poderes de governor 223
IV Civilizafio, progress e political 233
V Populaglo, producqco e viaco .. 250
VI Politica international e political social e
economic . . .. 276


SECOAO TERCEIRA

DA REVISAO CONSTITUTIONAL

I A Unilo e as provincias: principios fun-
damentaes .. . 297
II Dos orgdos da soberania national 342
III Dos poderes politicos ... .. 362
IV Das provincias e municipios e disposigCes
geraes . 384




I















PREFACIO '"


Na Mensagem que dirigi, como Presidente do
Estado do Rio de Janeiro, A Assembl6a Legislativa,
em 15 de setembro de 1899, escrevi estas palavras,
que v6m a pelo, na introdugdo deste trabalho:
"No Brasil ha actualmente duas correntes de
opinido que legitimamente deveriam arregimentar-
se: a dos adeptos da Constituigio e a dos revisio-
nistas".
Estava eu, entao, no segundo anno do meu
triennio presidential, iniciado, em 1.0 de janeiro
de 1898, cor um programma, que p6de ser resu-
mido corn as seguintes palavras do final da mesma
Mensagem:
"Quando, em 15 de setembro de 1898, vos di-
rigi a minha primeira Mensagem, dominava-me
completamente o pensamento fazer a political das
soluoges administrativas e economics ds necessi-
dades do nosso Estado.

(1) Das tres secc5es deste livro, a primeira L compost de
trabalhos publicados na Gazeta de Notlclas, desta Capital, em
novembro e dezembro de 1910 e Janeiro e fevereiro de 1911; as
duas ultimas, escriptas por volta de metade de 1913, nao foram
publicadas, sendo apenas communicadas, para estudo, a dous
amigos.
Todos estes trabalhos, e particularmente os dous ultimos,
xedigidos em epocha em que me seria de todo Impossivel culdar
da linguagem e do estylo, soffreram correce6es de f6rma.
Encontram-se, no primetro, ao lado de correcgSes desta na-
tureza, modlficagSes mals importantes, quo precisam ser assi-









ALBERTO TORRES


Absorvera meu espirito, nos primeiros mezes
do Governo, a ambigco de promover a transfor-
magdo de sua vida economic, solver sua crise fi-
nanceira e impulsionar seu progress intellectual.
As paginas daquelle trabalho dio testemunho
do desprendimento com que me dispuz a deixar
em segundo piano preoccupaces de ordem politi-
ca, e a affrontar, em beneficio da future prosperi-
dade da terra natal, a impopularidade de reforms
antipathicas aos preconceitos e aos interesses de
muitos".
Minha confianga na ConstituicSo de 24 de Fe-
vereiro era, entdo, complete; e as ideas do meu
programma de political social e economic for-
muladas em um conjuncto de projects de lei,
elaborados por mim, e votados pela Assembl6a
Legislative, na sessio de 1897, para serem regula-

gnaladas, para esclarecimento de dous pontos de interesse na
historia do desenvolvimento do meu pensamento.
0 intuito desse trabalho era inilludivelmente claro: escripto
em f6rma generic e ampla, e tratando mais do object geral e
dos tins capitaes da political e do governor que de seus moldes e
instituig)es; vasado em f6rma preparatoria, para desenvolvi-
mentos e applicacoes ulteriores, nao me tinha parecido oppor-
tuno, at6 o moment em que Ihes interrompi a serie, manifestar
a convicclo, jA de antes firmada em meu espirito, da necessi-
dade da revisao constitutional. Cingia-se toda a minha aspi-
ragdo, no moment, a ver deslocada a political e a acgio do
governor, do emmaranhamento das luctas,.intrigas e crises, a
que nos condemnara, de ha muito, a falta de uma political,
assentada e consciente, de organizagao national, para o terre-
no do exame dos nossos problems organicos.
Eis porque nao se encontra ainda express, nesse trabalho,
a id6a da revisao constitutional.
Em outro onto, tambem de grande vulto, os terms do
trabalho discrepavam, em trechos incidents, do pensamento do-
minante em meu espirito em todas as manifestaC~es solemnes
da minha vida political, e, assignaladamente, em meus actos, na
political. federal e nia do Estado. Nunca fui adepto da coloniza-
CIo official; e, quanto A immigracAo, considerando-a um facto
normal, no curso da vida social humana; sem perigo e legitimo,
em principle, nao a tive j&mals por meio sensato de povoa-








A ORGANIZAgLO NATIONAL 13

mentados e executados durante o triennio de 1898
a 1900 foram object de various decretos e actos
da administragco, durante esse period, alguns
executados, outros levados a inicio de execucao,
sendo outros preteridos por effeito de perturbaces
political, de que nao fui causa.
Ao passar, em 31 de diezembro de 1900, o go-
verno da terra fluminense a meu successor, o Ge-
neral Quintino Bocayuva, jA nio podia ser tio
firme desilludida, como fOra, pelos factos a
minha confianca no regimen politico que haviamos
adoptado; e quando no decurso de alguns annos
de magistratura vim a fazer trato mais intimo com
a ConstituigQo da Republica, fixou-se em meu es-
pirito a convicgo da sua absolute impraticabili-
dade. Fructo de uma revolta sem cultivo previo na
opiniao, e sem prepare organizador surgida,
inesperadamente, das trevas da conspiragco poli-

mento, encarando-a sempre, entretanto, como um dos graves
problems da nossa formagAo national, nunca iniciada, e cada
vez mais difficil, sob acco das successivas correntes immi-
gratorlas
M-iFtensamento, sobre este, como sobre os demals proble-
mas sociaes e politicos do paiz, era um juizo proprio, formado
em consciencia, no estudo concrete dos factos; e, nao tendo ins-
,piracQo nativista, nem send deduzido de prejuizos systematicos,
soffreu, naturalmente, em algumas phases da minha vida -
nunca, por6m, em actos e affirmacges que pudessem ser tidos
por compromissos politicos as oscillaaSes inevitaveis em
todo espirito novo, balougado no torvelinho das agitagaes de um
meio politico, onde, no decurso de uma j& longa historic, n5o
se encontra um s6 document de percepcAo synthetica do pro-
blema naclorial, politico-social ou economic; e onde os gover-
nos se succedem, os ministros substituem-se, e os politicos se
degladiam, sem que, no mesmo period presidencial republi-
cano, ou, no mesmo gabinete, durante o Imperio, seja possivel
vislumbrar o foco de um designio geral e o fio de uma dire-
etriz pratica, conduzindo a political.
Os systems, que arrimam, com o rigor de suas deducC~es
coherentes e inflexivels, espiritos orthodoxos, sAo amparos sa-
lutares, para consciencias isoladas entire regras e muros monas-
ticos, ou sob a suggestAo mystica, propria do inicio de aposto-








14 ALBERTO TORRES

tica, para a realidade, por forca de um trabalho
subterraneo, favorecido por alguns accidents da
political imperial: a abolicgo dos escravos e a mo-
lestia do monarcha, principalmente prenunciando,
este ultimo, a approximaiAo do terceiro reinado,
antipathico, em geral, ao sentiment popular a
lei maxima da Republica ndo 6 sendo uma roupa-
gem de emprestimo, vestindo instituicoes prema-
turas.
Despertando a lembranca dos factos da nossa
historic political, e os da minha experiencia pes-
soal, foi-me a analyse da Constituicqo servindo de
instrument no duplo trabalho, lentamente pro-
cessado em meu espirito, da demonstracio da in-
sufficiencia daquella lei e da suggestAo de emen-
das e correcg5es, progressivamente desenvolvidas,
de simple hypotheses em artigos de revisio par-


lados: nao sAo, porem, rotelros de accgo political; e traduzem-se
por sentengas de esterilidade, na vida active.
F6ra das theories, tudo quanto, em nosso paiz, se ter por
vida do pensamento e da opinilo, 6 um estado de area divaga-
CSo, erudita e brilhante, em que as ideas se diluem, dilatam-se
e evolam-se, como para fugir, cada vez mais longe, a vida real,
numa gazeificacXo de tropos e palavras sonoras pulveriza-
das em phrases as generalldades mats vagas de todas as esco-
las sem que as intelligenclas tomem p6 no trabalho de abstra-
hir, de analysar, de synthetizar e de applicar. Entre o conser-
vantismo a Thiers, adheso a ordem e aos mais altos fins
objectives da political, e prompt a sacrificar o amor proprio
das posigSes coherentes, ate A acceitagro de todas as formal,
para manter a continuidade do que tern por bases capitaes da
sociedade, e as concepg6es e vOos phllosophicos, dos que plane-
Jam e concebem systems n6s iniciamos o conservantismo
das f6rmas e das apparenclas: combinando esta superst iao -
submissa, como nas religlies orientaes, A exegese e ao com-
mentario doo textos com esteril Ipolemica, que renova, a
meudo, a proposito dos factor da vida concrete do palz, eternos
debates byzantinos.
Nesta balburdia mental, se meu espirito conseguiu appre-
hender e consolidar sobre as cousas e os destinos do Brasil,
conclusOes que tomaram corpo, cor relative homogeneidade,







A ORGANIZA(,,O NACTONTAL


cial, e num piano harmonico, por fim, de political
e de organizacio national.
Se a Republica e a abolicio da escravatura
foram ideaes gravados em meu espirito cor as
primeiras pulsaq5es da consciencia, o senso de um
problema national e a ambicio de dedicar a vida A
obra da constituigio national, encontram marcos
nas recordacges mais remotas do meu coracao
e do meu cerebro. Cooperar pcla forca e pelo pres-
tigio da patria brasileira, por sua organizaqco sob
regimen republican, e pela liberdade dos negros,
foram aspirac5es de toda a minha vida. No espi-
rito da creanca, como no espirito do moco, e, de-
pois, no do home public, a Republica, a aboli-
glo e a nacionalidade, nada tinham de commum,
entretanto, corn aspirag6es romanticas e demago-
gicas. Meu olhar viu sempre muito nitidas as
fronteiras entire o spiritual e o secular, e entire o

como interpretag5es de seus problems, nAo era de surprehen-
der que, nao tendo jAmais conseguldo realizar a cultural en-cy-
clopedica que fira o ideal de minha existencia, nem podido
sequer completar, classlificar e unificar em programma, as di-
versas linhas de orientacAo que estudos e observages me lam
supprindo, eu cedesse, mais de uma vez, A pressAo da massa
das opinl5es, acceitando postulados em voga.
Foi assim que, em dous ou tres escriptos de journal, no
S"Vers la paix", e na prilmeira publicaCgo dos trabalhos aqui
reunidos, flz affirmag6es contrarian As minhas conclusies de
politico A de hoimem de governo, e hoje definitivamente con-
demnadas em meu espirdto, ap6s estudos mais series, sobre os
problems da formag&o e do desenvolvimento das populagSes,
nao s6 em nosso paiz, como em todo o planet.
A lei de Malthus, do desenvolvimento em progressao geo-
metrica das species, ao pass que os meios de nutriAo so
desenvolveni em progressio arithmetica, contem, escoimada de
seu exagero, as duas ideas capitaes da formagqo e do desen-
volvimento das populag5es, que devem crescer parallelamente
to progress dos melos de obter a nutriCgo do seio da terra,
nservando-se-lhe a fertilidade, e a salvo dos abalos pertur-
dores das ondas migratorias.
As ideas de meus trabalhos actuaes exprimem opInlmes de-
Itiva s.






ALBERTO TORRES


ideal e a fic~o; e se, ainda nos tempos em que
mais obedeceu a influencia religiosa, nao poude
confundir as cousas da terra no cirro luminoso da
crenca, e envolver osi problems da vida no mys-
terio do sobrenatural, e os do future, na treva do
incognoscivel nao se permittiu, tambem; transi-
gir, quando de todo livre para o estudo dos factos
correntes da realidade pratica, com o dever de
investigaCio e a responsabilidade de procurar so!-
ver, substituindo ao imperio temporal de Deus o
imperio dos attributes de Deus, transformados em
divindades verbaes, e dominando, com os dois gla-
dios do dogma e da lei, o mundo das consciencias
e o mundo do seculo.
O interesse pelo semelhante, em sua realidade
objective, como base dos methods de estudo e de
acedo submettidos os conceitos, accumulados, du-
rante toda a historic do espirito human, ao con-
traste deste criterio positive e a unica bussola A
empresa de solucio As crises sociaes e political da
nossa especie. Manter taes conceitos, como nor-
mas dirigentes da vida importa.submetter a huma-
nidade A perpetraiao de valores arbitrarios, mui-
tos condemnados, na copella da experiencia, A
simples inspecqao de olhos ainda inexpertos. Des-
prezal-os em globo,, prejudicialmente, seria obra
desassizada de destruigco.
A solugao result do proprio erro dos dous al-
vitres extremes: organizer o curso das grades
correntes sociaes sob moldes amplos e livres, onde
a vida individual se realize, tendo por s6 limited
expansao dos outros individuos e o desenvol
mento temporal da sociedade.







A ORGANIZAQAO NATIONAL


Ha uma verdade que precisa implantar-se, inaba-
lavel, no espirito de quantos estudam problems
sociaes e politicos: emquanto a sociedade humana
foi agitada por abalos de migragio e surpresas de
descobrimentos, nao era unicamente a Humanida-
de, que nao existia, como realidade objective, mas
as proprias nagces em que se dividem os povos,
que nio formavam sociedades political, tendo,
como tinham, os destinos, sem o governor de deter-
minantes espontaneos, e, ainda menos, de seus pro-
prios determinantes, sob os impulses anormaes,
violentos e incontrastaveis, de incurs5es, invasoes
e conquistas. A sociedade national era formada,
nos proprios paizes de mais longa existencia, por
forga de sua posicgo em face.de outras sociedades,
e nao por forca de seus caracteres'; e, a menos de
tentar fugir a luz de uma realidade quasi intuitive,
a nenhum espirito sereno e just deixarA de imp6r-
se o reconhecimento desta outra verdade: socieda-
des onde o Estado, corporificacio da vida collecti-
va dos povos, nao foi, ate ha pouco mais de seculo,
senio orgao do arbitrio e da violencia, nao eram, e
nao sao, ainda hoje, sociedades organizadas nio
passando os principios que servem de base A mo-
delacgo do governor, nas mais livres de todas, mais
que de resquicios daquella tradicgo, sob calor de
indecisas tentativas de organizagio do Estado, como
orgao do regimen juridico e social dos povos. As
democracias modernas slo negagces da auctori-
dade dynastica: nao sao organizagces da sociedade
livre.
Se, em toda parte, as sociedades nao recebe-
ram organizaqSes proprias, senao simples cons-
| trucq5es provisorias, com materials em ruina; se







ALBERTO TORRES


o Estado nio 6, ainda, mais que mera corporaoio
policial, e orgao de commando, por violericia ou
por suggested; no Brasil, onde a sociedade nao
chegou a reunir sequer os elements aggregantes
da tradiiCo nem a sociedade existe, nem o Es-
tado; e Estado e sociedade hdo de organizar-se,
reciprocamente, por.um process mutuo de forma-
cio e de educagco. Educacao pela consciencia e
pelo exercicio, o que vale dizer por um program-
ma, isto 6, por uma political: eis o meio de tran-
substanciar este gigante desaggregado em uma na-
cionalidade.
E' facto, jA definitivamente consagrado pela
observaago, que as democracies contemporaneas
se estdo consolidando em oligarchias. A explica-
~lo estA nas reflexes que precedem: nao havendo
apprehendido o character da evolucio political do
nosso tempo, que apresenta o problema da forma-
gco do Estado, como orgao da associacgo political,
as democracies, restringindo os poderes nominees
da auctoridade, conservaram o espirito e a natu-
reza do seu antigo papel social; e, como a este re-
gimen, a um tempo enfraquecido e defraudado,
ficou faltando a inspiracio dos verdadeiros moveis
do governor, continuaram a p6r em pratica, na vida
sub-legal da political, o imperio da vontade domi-
nante, avolumada com a multiplicagao por uma
grande massa de pessoas, e aggravada pela irres-
ponsabilidade e temporariedade das funcc5es, sem
org~o de unidade e de continuidade political.
O grande beneficio, prestado ao progress hu-
mano pelas aspira56es liberals e pelas doutrinas
democraticas, nao consistiu em haver traduzido
em principios as ideas em que se converteram seus






A ORGANIZACAO NATIONAL


reclamos contra o arbitrio das monarchias, nem
em haver effectuado, nas suas construc?5es theo-
ricas, o consorcio das tendencias liberaes com o
principio classic da auctoridade, mas em ter re-
velado este facto capital: que a "sociedade politi-
ca" e o "Estado" eram entidades confundidas no
passado cor outros orgdos e aspects da vida dos
povos, que o present ainda nao pudera destacar
e differenciar.
A evolugao da nossa especie produziu e desen-
volveu, ath hoje, duas grandes instituic6es: a reli-
giao e o militarismo. Sob estasi duas, outras, me-
nos sensiveis A pressao das volumosas correntes da
Historia, conseguiram assentar raizes relativamen-
te firmnes: a familiar e o commercio, por exemplo;
outras mais como tolas as diversas f6rmas de
organizagio e de relagco, creadas pelo espirito hu-
mano, ou brotadas do atropello das causes evolui-
das desses tumultuosos successes nasceram e
cresceram, para persistir ou para declinar e pere-
cer; mas a sociedade national, assim como a Poli-
tica, seu instrument de direccao, e o Estado, seu
orgao de accao, nao chegaram nem mesmo a ser
abstrahidos da mescla das grosseiras combinacges
cor que o poder de guerreiros e a sagacidade sa-
cerdotal haviam regulado as cousas, para estabe-
lecer e manter a ordem, passageira e brutal, das
veihas instituig5es.
Foi esta falta de desabrochamento da Politica
e do Estado que trouxe o progress do espirito hu-
mano A situagAo de fallencia a que chegou, inspi-
rando a sentenga de incapacidade do pensamento
e da razao do home para solver os problems in-
dividuaes e sociaes, nas theories da "imprevisibili-






ALBERTO TORRES


dade do future (1) e da inexistencia do mundo ex-
terior (2), que supprimindo, da vida individual
e social, o eixo da accio consciente, inspirada,
desde os mais simples movimentos automaticos,
no sentido de uma utilidade a realizar-se, e, por-
tanto, previsivel deveria conduzir A crenca de
que os problems da conduct devem ser confiados
a uma philosophia de sceptica indifferenga, ou a
condemnacio da sociedade e do estado, do gover-
no e da political: sentenga de anarchismo, ou ordem
de retrocesso ao governor spiritual da Providencia
- pelo orgio, bem entendido, de seus mandata-
rios na Terra.
Se a "sociedade political" nao chegou a defi-
nir-se, como corporaqao, que 6, formada entire as
fronteiras das naq6es, dos' individuos, families e
associag6es, no evoluir temporal de seus fins com-
muns; se o espirito human nao realizou ainda a
operagdo intellectual de differenciar analytica-
mente a "associacio political de f6rma a desta-
cal-a e separal-a, do mesmo modo como distingue
associacges de fins industriess, onde ha catholicos
e protestantes, nacionaes e estrangeiros, professo-
res e commerciantes, sem que a qualidade religio-
sa, professional ou national influa, de qualquer
modo, no character e organizacio do negocio a que
a associagio se applica; se a "sociedade political"
6, ainda, de facto, assim, um composto de oligar-
chias, de grupos, de partidos e de aggremiac6es,
permanentes ou passageiras, que exploram certa
ordem de posic6es, e usam de various ramos da

(1) H. BERGSON L'4volution cr6atrice.
(2) H. POINCARt La valeur de la silence.






A ORGANIZAXAO NATIONAL


auctoridade, em troco de materialissimo serviio
de policia, prestado contra suas desordens appa-
rentes symptoms de molestias mais profundas
- pondo em acgco processes oppressivos da liber-
dade do individuo e de associag6es de outras natu-
rezas, e usando discricionariamente das forces e
faculdades do Estado, emquanto que outras neces-
sidades carecem dos orgios que as effectuem; --
6 outro phenomenon capital da nossa 6pocha, e evi-
dente a simples inspeccio da vida contemporanea,
que, surprehendida pelo imprevisto, e pela com-
plexidade de seus problems, surgidos, ex-abrupto;
corn suas novas modalidades, dos descombros das
velhas instituig6es, o home estd, por toda a par-
te, improvisando artificialmente os orgios de que
seus interesses e necessidades mostram a falta,
cor um vasto desenvolvimento de agrupamentos,
associaqesv, gremios, conciliabulos e cabalas, os-
tensivos ou tacitos, de interesses, de influencia, de
negocios, de accio pratica e de acgio spiritual,
caminhando assim os destinos da especie, por en-
tre estas formarces parciaes, para uma segunda
"edade das trevas", onde, A falta de organizagio
da sociedade public commum, os problems indi-
viduaes e sociaes irio rompendo solucges espurias
- condemnadas a extenso period de nefasta, ca-
talepsia as duas entidades que deveram estar sen-
do object dos cuidados do espirito contempora-
neo: o individuo e a sociedade. Nenhuma insti-
tuigio humana p6de, hoje, legitimar-se, se nAo
tiver por object final estas duas realidades ex-
tremas da vida.
0 poder destes differences agrupamentos so-
ciaes desde os "trusts", no terreno economic,






ALBERTO TORRES


ate os partidos, na political, e outras associacges,
de diversas naturezas, em various ramos da aoti-
vidade, e as Egrejas, no terreno spiritual, como
no pratico esta absorvendo a accio, que a in-
terpretacao dada pelo liberalism aos misteres do
Estado elimina de sua incumbencia. O espirito
liberal revolucionario e simplista, no encarar
as relacoes do Estado cor o individuo e com a
sociedade 4 injusto, no attribuir Aquelle a res-
ponsabilidade das obras da tyrannia quando,
muito possivelmente, o Estado foi, em nao peque-
na parte, em outros tempos, instrument de op-
pressio, mais como patrono de outras instituig6es
formadas A sua sombra que por acqao direct. Re-
duzido, pela democracia, em seu poder, e desmo-
ralizado, aos olhos do public, em sua auctoridade,
pelas vicissitudes das proprias luctas, viu o Estado
outras instituig6es, fortalecidas por mais solido
prestigio e organizagio mais antiga, dilatarem o
alcance de sua acQo social, e outras se irem for-
mando, para supprir a individuos e grupos sociaes
o apoio de que carecem, nas novas f6rmas da vida.
Se a totalidade dos habitantes de um paiz se
pudesse incorporar, nestes various agrupamentos, a
sociedade naciohal ficaria dilacerada, entire os em-
bates de seus muitos eixos; e a somma dos esfor-
qos das differences aggremiacqes ndo produziria
uma somma de resultados equivalentes A da
acqdo propria ao Estado, nem, ainda menos, A syn-
these, em que esta se deve converter. 0 numero
dos individuos que chegam a incorporar-se, em
taes associaqces, 6, entretanto, minoria insignifi-
cante, na populagdo de todos os paizes. 0 indi-
viduo, o povo e a sociedade serio, incvitavcl~en-






A ORGANIZAgXO NATIONAL


te, victims desta dispersio das forcas da aucto-
ridade desta multiplicacao de "estados no es-
tado".
As forcas indirectas destes agrupamerltos, le-
gaes ou niao, ostensivos ou secrets, organizados,
tacitos, on subentendidos, alcangam os effeitos
mais remotos: a justiqa e o prestigio social, o valor
dos homes publicos, de seus services e de suas
ideas, a efficiencia de programmas e de pianos
politicos, dependem, quasi inteiramente, do apoio,
da repulsa, ou da indifferenca destas arregimen-
tacSes.
Sem contar as psychoses collectivas, perma-
nentes ou subitas vegetac6es parasitas do espe-
cialismo, da estreiteza de horizonte e da curteza
de vistas, nesses agrupamentos parciaes as ex-
citaqSes e agitag~es da emotividade e da paixio
gregaria, inevitaveis na commissio dos espiritos
em pequenos grupos (as fermentac6es de sacris-
tias e clubs revolucionarios, de academias e clas-
ses: fontes, frequentemente, de gravissimas mo-
lestias sociaes), nio 6 possivel negar a influencia
decisive exercida sobre os destinos humans, por
estes casos accidentaes de exito ou de insuccesso,
sobre uma forca ,social constituida, de uma id6a,
de uma theoria, de uma political.
A influencia das obras de Aristoteles sobre os
destinos humans teria ficado perdida nio tan-
to por seu colossal valor philosophico, senio como
base da doutrinaaio pratica da Egreja Catholica
- se um acaso feliz nfo as permittisse salvar da
destruico, a que estava condemnada, na ad6ga de
N616a. O n6o-platonismo e o consorcio do mysti-
cismo oriental com a philosophia grega liga fun-






ALBERTO TORRES


damental do Christianismo tem sua principal
nascente num capricho de Alexandre, na direccgo
de seu piano de conquistas, de que resultou a fun-
dagdo de Alexandria berqo dessas) philosophies
compositas... Protagoras era ainda ha pouco, ao
v6r de quasi todos os philosophos, uma figure me-
nos que mediocre, de sophista, envolvida na p6cha
de pedantismo, que acompanha, em geral, rheto-
ricos gregos. 0 auctor da formula do homo-men-
sura 6, hoje, entretanto, para a escola de pensa-
mento mais prestigiada, talvez, no mundo culto,
um dos grandes precursores do idealismo. Um
inquerito sobre ideas semelhantes, sepultadas no
p6 de bibliothecas; sobre verdades, asphyxiadas
por influencias occasionaes, e sobre correntes de
opiniao, esmagadas A forea bruta de maiorias ou
pela dictadura de organizac5es disciplinares, reve-
laria, provavelmente, grandes surpresas, na his-
toria da origem e dos effeitos do pensamento e
das opini6es.
Para taes males, s6 um remedio: o da mais
ampla liberdade spiritual, em sociedades onde
intense actividade mental, de opiniao e de eco-
nomia, opponha A constituicgo destes n6o-plasmas
o calor circulatorio da consciencia e da energia
civica, condicionados e orientados os interesses
parciaes num forte vinculo national.
Nao fosse o impulso cor que os progresses
da Mecanica excitaram a exploraoio da terra, e o
phenomenon da miseria estaria mostrando, em nos-
sos dias, em todas as sociedades, scenes mais an-
gustiosas que as das pestes e fomes do Oriente e
da edade media; mas, se tal espectaculo e estranho
nos olhos da gente que vive nas grandes cidades,






A ORGANIZAiAO NATIONAL


nio sabendo da vida commum sendo o que regis-
tam literaturas e sciencias mundanas; e se a mi-
seria das populaq6es que se extinguem, em pro-
gressivo depauperamento, na ociosidade e na bar-
baria, nao chega, em supplicas e solugos, aos ou-
vidos dos que dominam a sociedade nio 6 mis-
ter mais que contemplar as popula6es mais
vizinhas das nossas cidades e ouvir o testemunho
de viajantes, para ter id6a do que 6 a vida do nos-
so interior, onde se estao extinguindo populacges
- calculaveis, sem temor de exaggero, em mais
de metade do numero de nossos habitantes. O
caso recent da peste paludica, propagada pela
Light, no executar as installaq6es da viacgo e da
illuminagAo desta cidade melhores, sem duvida,
que as de Paris e de Londres que exterminou,
no testemunho de habitantes da regido, de espi-
rito ponderado e insuspeito, milhares de vidas,
sem providencias s6rias da parte dos governor, e
sem reacgio social, austera e efficaz agravada
a notoria penuria daquellas zonas com esse novo
flagello, e expulsas da regido muI c iias ahi
estabelecidas, da testemunho -s5fprci das
populaa5es, perante as len 'ias particu as
da nossa civilizaga / '
Apesar dessa s er-e x o na extracieb ia1n,
riquezas da terra e'no p sso asl.'tIiras n, "
dustriaes, a subordinagao 4 oi6ove' do indi\.du
as novas f6rmas sociaes, rletivas dos podere
dos recursos e das possibili ges da vida, da:-tco
e do exito, 6 flagrant, por ga da-Lfilti a-
iao do numero dos capazes e ccun o de
forgas em mios de poucos. As associaeoes de
apoio reciproco; o 'amparo, director e indirecto, de






ALBERTO TORRES


costumes e instituig5es de outros generous; a sym-
pathia, a preferencia, o espirito de classes e o col-
leguismo; confraternidades de toda a especie -
para nao falar do nepotismo e de mais baixas f6r-
mas de solidariedade cream hierarchias, vanta-
gens, superioridades e subalternidades, que des-
locam, se nao neutralizam, completamente, cri-
terios e estal6es da concurrencia e do exito. A
justiga social 6 subordinada A justice do agrupa-
mento; e, assim como catholicos ndo sentem que
infringem a liberdade constitutional da conscien-
cia e atacam a natureza temporal da sociedade
political quando professam nao votar em cidaddo
impio para o cargo de Presidente da Republica, as
outras associag5es fazem suas selecqces, a juizo
de tendencies, ideas e suggest5es semelhantes.
Toda forea social tende a constituir seu jus
imperii; e, inspirando-se egualmente em altos sen-
timentos e nobres intencqes, applica cada uma,
aos fins que se prop5e e processes que adopta, o
lemma imperialista dos salus populi supreme lex
esto. E' um trago essencial a reter, no estudo, dos
phenomenon da vida social. Uma das f6rmas ha-
bituaes da critical e da judicatura moral, nas so-
ciedades democraticas, 6 o costume de attribuir
As inteng5es pessoaes, forga preponderante na vida
public: a attitude classic de masons, em face de
jesuitas, e vice-versa, por exemplo. Para cada um
dos membros destas corporaqes,, a associagio ad-
versa e seus membros sio instituig5es hediondas
e series abjectos, capazes dos actos mais vergo-
nhosos, e nao professam sendo intuitos condemna-
veis, quando a verdade que se apuraria, mais
que provavelmente, do confront dos fins e pro-







A ORGANIZACAO NATIONAL


cessos de uns e outros crencas religiosas, A part
- 6 que jesuitas e masons, propondo-se a obras
egualmente dignas em regra nio alcangadas,
justamente porque as pretendem realizar por vias
directs e immediatas, suggeridas por seus bons
sentiments s6 ,cedem, nos moments de crise
e de excitacio como todas as forcas deslocadas
de seu objective, ou sem objective praticamente
regulado a extremes de violencia e desvios de
astucia, legitimando ambas, sem discordancia tal-
vez, na cegueira do impulse collective, o emprego
de todos os meios para consecuqao dos bons fins.
Nao 6 mister procurar documents, para demons-
trar a esterilidade dos processes sociaes director,
baseados no sentiment e na penitencia, quando
os temos patentes na rapida annullagio dos esfor-
qos de religiosos, na catechese e educaCgo de sel-
vagens, na emancipadio pratica de grande numero
de crentes, e no quasi immediate apagamento das
crengas em individuos educados em collegios ec-
clesiasticos quando os meios em que passam a vi-
ver nao mantem condig6es proprias A persistencia
da fB. O numero dos descendentes de raga indi-
gena, incorporados A nossa sociedade, estA long
de corresponder a prole natural dos selvagens que
os jesuitas chegaram a civilizar.
Attitude resultante do mesmo espirito que ins-
pirava a confusio primitive do sacerdocio cor a
justiqa e cor a medicine, este criterio habituou as
intelligencias a se postarem, deante dos factos so-
ciaes, como em face do peccado, da molestia e da
infraccio da lei. Esta posigio creou a Moral judi-
cial,, antithese da Moral do amor e da Moral da
liberdade e do trabalho; e os individuos passaram







ALBERTO TORRES


a agir sobre as proprias pessoas e sobre as dos se-
melhantes, trazendo A mao o livro das graqas e
das esmolas e o codigo das penitencias, em lugar
da lei do estimulo, do esforco e da produccio. Na
vida public, esta Moral exterioriza-se em pala-
vras e actos de critical e de accusaiao attitude
invariavelmente assumida por todos os que estao
f6ra do poder, contra os que o exercem. A' Moral
judicial cumpre subsftituir a Moral political, isto e,
a Moral das soluq6es.
Nas sociedades contemporaneas, os factos da
vida public e os actos diaries dos governor, nao
podem ser directamente imputados as pessoas.
Quando resultam do arbitrio pessoal, a propria
elevacao ao governor dos que sao capazes de os
praticar 6 um dos muitos resultados do phenome-
no mais complex, mais profundo e mais geral
- da desorganizacgo; e, em regra, nada ou pouco
dependem dos, governantes, quando estes nao des-
cem aos abuses do despotismo e da prevaricaiao,
desde queencontram meios sympathicos, ou indif-
ferentes, pelo menos, a taes abuses. A political,
nao podendo ser dissociada da Moral, nAo tern,
entretanto, base, origem, ou fonte, na Moral, e,
menos ainda, na concepgao judicial da Moral.
As phases de rebaixamento dos costumes pu-
blicos, e de anarchia administrative, resultam da
desorganizacao social e political: e sao symptoms
tao positives de desorientaCio, como o proprio
hieratismo dos espiritos de indole magistraticia -
inexperientes, em regra, das cousas do governor,
que apreciam, cor rigidez cathedratica, ou impel-
lidos por esteril pendor para a polemica.







A ORGANIZAXO NATIONAL


Percorremos ji vida autonoma bastante lon-
ga, para comprehender que os faits divers da po-
litica; os abusos do governador deste Estado, as
violencias daquelle ministry, os escandalos de tal
ou qual administracaio, nem sao causes, nem se-
quer mesmo factors, da anarchia, nas cousas pu-
blicas mas consequencias do facto, capital e
mais profundo, da desorganizacio. A organizacAo
prevenirA tudo isto, ao pass que as reaches criti-
cas e judiciais, trazendo por programma a regene-
racdo moral da vida public, naio tem outro effeito
senao crear situag5es de terror transformados
os "incorruptiveis" da aurora revolucionaria em
guilhotinadores do seu meio-dia. 0 problema da
moral public nio chega a ser um problema de
aspect organic; e a moralidade, fructo necessa-
rio de toda obra realmente organizadora nio se
realize jAmais ao influxo da "preoccupaqdo mo-
ralista".
A Moral 6 uma inspiracdo e uma aspiravao:
nao 6 o meio, nem o fim, da accao, nem t~o pouco
uma soluido. Como inspiragao ponto de par-
tida da actividade mental ella entra na elabo-
rado das ideas, para transformar-se em actos;
como ideal, oriental o pensamento,. determinando
a direccio da accAo. E' a concepcao resumida por
Augusto Comte, nesta bella sentenga: "Agir par
affection et penser pour agir".
Nos problems humans e sociaes, a que se
reduzem, final, todos os problems da vida, a
Moral e o germen da actividade. Mas a Moral des-
tina-se a ser realizada: nao se destina a ser impos-
ta; a converter-se em solugao:, assimilada no con-
juncto dos fins, dos meios e das condic6es da vida:







ALBERTO TORRES


n6o a traduzir-se, de inspiracgo inicial, ou de as-
piragco final, dos actos, que e, em soluc6o, restric-
gco, instrument, ou process, da acqao humana.
A preoccupacgo da Moral e a acc6o exclusive
da Moral nio fazem Moral, porque a Moral 6 uma
abstracqco; a abstraccao nao se realize sen~o reto-
mando seu lugar na synthese concrete da vida:
do que result que a anarchia moral de uma socie-
dade desorganizada nio 6 signal de amoralidade
ou de immoralidade; e que os estados de anarchic
moral nao se corrigem por forga de sancq6es mo-
raes, ou por accqo puramente moral.
Nenhum povo tem melhores estimulos moraes
e mais alta capacidade moral que o nosso. Entre
poucos, a vida public terA chegado, entretanto,
ao mesmo estado de apparent licenga e desmo-
ralizagio. E' um desequilibrio functional do cri-
terio moral resultado da desaggregaqao social.
Nestes casos, as reacc5es do "moralismo" agem
como irritantes ou como enervantes; provocam si-
tuaq6es de terror, ou situacqes de torpor.
A nossa reacqdo deve basear-se nestes dados:
confianca inteira em nossa indisputavel morali-
dade, e consciencia da causa real da nossa apathia,
que es(t na ignorancia do nosso meio e de n6s
mesmos, produzindo, por consequencia logica, a
extraordinaria 'leviandade do nosso espirito.
A present geracio brasileira assisted A gesta-
dio da nossa nacionalidade.
0 "moralismo" (1) estA tendendo a assumir,

(1) Sob esta denominagAo de "moralismo", adoptada ad
Instar do termo "clericalismo", design a tendencia de espirito
que professa a supremacia das virtudes passivas e negatives
como media e modelo do valor social, desconhecendo as mais
altas virtudes do sentiment e do character que inspiram a de-







A ORGANIZACAO NATIONAL


sobre a tibieza das nossas vacillantes consciencias,
o lugar que as religi5es preenchiam, correspon-
dente A reaccio do espirito contra o terror e o mys-
terio do universe. Tendencias particularistas de va-
rias naturezas exaggeram e hypertrophiam, por
outro lado, o valor e efficacia dos methods e so-
luc6es de cada ramo do conhecimento e da activi-
dade; dahi a supposicqo de problems privativos
de cada especialidade e de cada profissdo que
nao existem sendo no terreno technico e no das
applicac6es immediatas da arte e da industrial.
Ndo ha problems exclusivamente biologicos, psy-
chologicos, juridicos, ou moraes, na vida do ho-
mem; ha problems humans e problems sociaes;
nao ha conflicts entire as sciencias e as artes do
mundo: ha erros, na synthese das ideas especiaes
que se devem conglobar em conceitos genericos
relatives A actividade humana, ou erros de appli-
caceo. Na vida social todos os ramos do espirito
e do character, convergem na pratica, para uma
arte geral: a Politica.
Esta arte, necessariamente, uma arte difficil,
uma das mais profundas, complexes e subtis; e,
se outras artes da vida andam tio sujeitas As au-
dacias da ignorancia e do empirismo expostas,

dicagfo da vida e da actividade a ideaes e causes superiores,
bem como a sua graduacgo, e que faz do criterio daquellas
virtudes arma de combat e instrument de selecego, nas rela-
gSes da vida privada e nas da vida public.
E' uma das feigces communs As 6pochas de declinio e aos
povos em estado do abatimento esse contrast entire a disso-
lugao dos costumes e a attitude de censura e de condemnagao,
da part de um grupo de homes, absorvidos na defesa e no
culto da sua pureza spiritual.
Combater esta tendenola vale por curar uma f6rma de
paralysia social e prevenir o declive para agitacOes anarchicas
e revolucionarias.







ALBERTO TORRES


como a Medicina, A especulagAo de feiticeiros e a
critical de todo o mundo, a Politica 6, ainda mais
que todas as outras, object da jactancia critical e
da inconsciencia pratica; nao ha senhora, estu-
dante ou operario que nao tenha opiniio sobre os
mais graves problems politicos; nao ha cidadAo
que recuse uma fungcio public, por se julgar in-
competente para exercel-a. A opinifo public 6,
em regra, dirigida, sobre seus amplos e graves pro-
blemas, por escriptores que jAmais se detiveram
no trabalho de former ideas geraes sobre seu con-
juncto, nem no de reunir os dados de seus pro-
blemas.
Em uma enquete sobre a influencia da Philo-
sophia do Sr. Henri Bergson, o Sr. Emile Fa-
guet teve a sinceridade de confessar que nao com-
prehende o pensamento do eminente professor
francez e nfo o .poderA realmente comprehender
quem nao tiver trato bastante com as ideas e a
terminologia da Metaphysica, da Psychologia, da
Logica, da Biolpgia, e, em geral, das theories da
evolugao. A political, system de conhecimentos
egualmente vasto e complex, e certamente main
difficil instaveis, como ainda sao, os seus dados
continia a ser, aos olhos de todos, a mesma.
arte dos discursos patheticos do "Agora" athenien-
se, onde a voz dos anciaos arrastava as multid6es
ao calor musical das palavras e ao fulgor dos
tropos.
Esta arte demand um forte e profundo pre-
paro suas solug6es nao se encontrando, sequer
esboqadas, nas folhas dos livros mais sabios. A'
applicag~o direct das liq6es de philosophos e dou-







A ORGANIZAXAO NATIONAL


trinadores devem-se os maiores desastres da po-
litica contemporanea. Os homes de governor ga-
nharam em prepare theorico, mas os factos cresce-
ram em variedade e complexidade; e o conflict
entire factos e theories assumiu proporg6es gigan-
tescas, porque as doutrinas nao t&m relagio cor a
natureza dos factos.
Em nosso paiz este desencontro manifesta-se
em documents flagrantes. Somos de um federa-
lismo nominal intransigente, e o nosso autonomis-
mo partidario nao 6 senio a machine que elabora
a mais anemiante centralizacao social e economi-
ca; o Rio de Janeiro, de centro de circulacdo so-
cial, que devera ser, nio 6 senio uma bomba de
absorpcao de toda a nossa vida economic e men-
tal; assim, tambem, duas ou tres capitaes de Es-
tados. O problema do proletariado foi transla-
dado, para as agitacges da nossa opinido, cor a
mesma f6rma das cousas e posigio das pessoas,
nos centros urbanos e manufactureiros da Europa.
A cessacgo da exploracgo extensive da terra em
algumas regimes, deslocando gente e capitaes para
as industries, assim como o excessive desenvolvi-
mento do pessoal em certos estabelecimentos do
Estado e o proteccionismo crearam, entire n6s, um
proletariado urban muito superior ao que deve-
ramos ter. Seus reclamos seriam, ainda assim, in-
teresses accessories, para serem advogados por im-
pulso de sympathia e de benevolencia, e nao tra-
tados como problems sociaes e politicos. 0 socia-
lismo, propagado entire operarios, tomou a feicgo
dos programmas radicaes europeus, ampliado ate
a aspiracgo do poder; e, de outros lados, a ques-
tao do proletariado apresentou-se, aqui, com o








ALBERTO TORRES


mesmo aspect que lhe empresta, nos centros eu-
ropeus, o conflict do capital com o trabalho.
Assim encarado, cor descabido exaggero, poz-se
A margem o grande e vital problema das popula-
q5es ruraes e urbanas que nao sao hiem capitalis-
tas, nem proletarias e cujos interesses nao se apre-
sentam com o aspect de conflicts entire o capital
e o trabalho.
Na Europa e nos Estados-Unidos o "problema
social" do operariado nio exprime senAo a f6rma
contemporanea do fluxo das mares historical, im-
pondo em cada period as reivindicag6es das clas-
ses inferiores que adquirem a consciencia de una
forga; mas o problema social, profundo e vivo,
permanent e geral, no6 depend destes interesses
director. No Brasil o grande problema 6 o da eco-
nomia total de uma sociedade, cujas bases, insta-
veis e desorganizadas, nao offerecem seguranca
nem ao future, nem A propria existencia de nin-
guem, a nao ser A custa do Thesouro, ou em pe-
queno numero de industries, dependents das mais
violentas e imprevistas crises; 6 o problema do
povo, em geral: o problema dos productores, que
nao sabem ainda cultivar a terra, infiel, com suas
estac5es e seus climas irregulares, ao esforqo do
braco, e nao encontram nos costumes, nas insti-
tuig6es, nas leis e na propria vida social senio
barreiras ou fintas aos fructos de seu labor; o
problema de todo o mundo, vivendo a existencia
apathica de gente para quem o dia seguinte nao
acena cor a minima esperanga As mais modestas
ambiqSes.
Em meio A realidade destas cousas, o augmen-
to do proletariado urban e a preoccupacio da






A ORGANIZAg O NATIONAL


political com suas theories, ao lado dos factors
apontados e do erro, ainda mais grave, do desen-
volvimento das cidades, nao tem servido sendo para
crear uma verdadeira aristocracia dentro do pro-
prio proletariado, escalado em various graus, da
classes superior dos operarios do governor para a
dos estabelecinientos privados, e desta para a dos
trabalhadores do campo, cuja vida e cuja posiaio
social 6, em relac.do Aquelles, ainda quasi servil.
Result desta inversdo da normalidade social,
creada pelos governor, que o campo perde, de dia
para dia, em vida e interesse, e que aggravamos
o exodo das populacaes para as cidades uma
das mais serias crises dos velhos paizes, s6 mani-
festada, entire n6s, com o vezo de se fazer a vida
por absurdo, transformando-se em factos as theo-
riaa que importamos.
Para outro lado do horizonte social, nosso
sentiment nos impelle a correr para o problema
da civilizacgo dos indios. E' um dos problems
eternos da nossa political, desde os tempos colo-
niaes; e, como problema eterno, vem seguindo a
sua trajectoria literaria, sem solucio definitive,
ao pass que as populacies indigenas se vAo ex-
tinguindo,, cor a invasio progressive dos explora-
dores do sertio. Nada conheco dos processes de
educac~o empregados entire n6s. Nio vejo, com-
tudo, como se possa depositar confianqa em syste-
mas educativos que mantim os selvagens isolados
em colonies, em contact exclusive cor ecclesias-
ticos ou corn soldados, sem o convivio de um meio
social ordinario, onde adquiram os habitos- e a
pratica da civilizagco, que se nio aprendem por
tradi io, e sio, entretanto, a base dos costumes e






ALBERTO TORRES


do saber elementary da vida. Os modernos estudos
da Anthropologia estAo revelando algumas das
causes do insuccesso das catecheses: a inadverten-
cia dos catechizadores em magoarem preconceitos
fundamente radicados no animo do selvagem, in-
compatibilizados, hs vezes, assim, com a obra da
catechese, por causes futeis a nossos olhos, como
a violaqdo ou destruiqio de um dos tabs da tribu;
a insistencia por imp6r novas instituiqGes, tal como
a monogamia, entire gente habituada, immemorial-
mente, A vida polygamica. Entre n6s os trabalhos
de educacio nlo mostram ainda resultados apre-
ciaveis.
Os appellos philantropicos da political dirigem-
se, assim, para o proletario e para o selvagem. Em
meio a estes dous extremes, o problema popular
profundo, o da sorte da grande massa da nossa
gente jA incorporada a sociedade, vae desenro-
lando, em permanent cosmorama cinematogra-
phico, o curso de um povo que se dissolve: pro-
gredindo em luxo, em ambigr o facil, em vaidades,
em fatuidade, em despreoccupaaio das cousas s6-
rias, nas classes elevadas, menos cultas e menos
civilizadas, em geral, que as das gerac6es que nos
precederam e ociosa, indolente, dominada pelo
vicio, pelo alcohol, pelo jogo, exposta a toda especie
de infeccGes, nas classes inferiores. O problema
da cultural do individuo e o da construcqio estru-
ctural da sociedade continuam a ser assumptos em
branco em nossos annaes.
Guiados pelas preoccupacSes directs da phi-
lanthropia e do moralismo, caracteristicas dos po-
vos que nao chegaram a former o senso dynamic
da vida os que sdo mantidDs, por exemplo, como





A ORGANIZAXAO NATIONAL


num prolongamento da vida monastica por toda a
extensio do territorio, sob auctoridade clerical -
patenteamos o nosso desconhecimento dos proble-
mas da sociedade e da naaio, quando creditamos
a Jos6 Bonifacio mais um titulo de merito, attri-
buindo-lhe a comprehensao do problema national,
por ter voltado as vistas para a emancipacAo dos
escravos e para a educacao do indio: dous aspe-
ctos moraes da nossa vida social, aqui existentes,
como em outras muitas sociedades.
Pairando na regiio ideological dos grandes
principios para os quaes pensamos caminhar vi-
sando-os em sua vaga generalidade e tentando
transformal-os, de chofre, integral e automatica-
mente, em realidades vivemos numa continue
oscillagao entire creagces e reforms que nao nas-
cem de sua propria cellular germinal, natural e
opportuna, para desenvolverem-se de embryo
em organismo e de organismo em ser adulto, mas
surgem, pelo contrario, como por encanto, do con-
sorcio da ambi io, quasi sempre nobre, dos homes
publicos com as theories do ultimo livro lido ou
da escola em voga, para ruirem por terra den-
tro em pouco, por inadaptaveis e inopportunas.
A Independencia, a aboligdo dos escravos e a
Republica foram fructos desta natureza; todas as
nossas reforms trazem, assim, o cunho de con-
cepq6es doutrinarias, sem o fluido vital de uma
inspiragao pratica, filha do lugar e da occasiio, e
sem desenvolvimento ou trabalho de applicacao.
O tempo corre; as instituig6es nao se realizam; a
sociedade desfaz-se; e vae assim desapparecendo,
A falta de system vascular e de material aggre-
gante que s6 a organizacao social p6de supprir,





ALBERTO TORRES


e nio se gera, em paizes novos, sendo por accao
political um povo dotado de qualidades.ex-
cepcionaes de corag.io e de espirito... Uma, duas,
tres gera56es eliminam a raca, ou a classes, object
dos votos e theories philanthropicas; e os doutri-
nadores assistem a essa perpetua successor de vi-
das e de mortes, que mudam de object sob os
mesmos nomes, sem perceberem que vivem a tra-
balhar eternamente por ficq6es.
A indole organic da political aqui proposta
nio p6de deixar de encontrar adhesio no criterio
de toda a gente que reflect sem ter o cerebro
obstruido pelas massas de preconceitos que cada
philosophia, cada escola e cada system da 6po-
cha exalta A altura de sciencia. A sociedade na-
cional 6 uma sociedade como qualquer outra; e a
difficuldade opposta a empresa de organizal-a, de
fazel-a prosperar, por meios objectives ao alcance
do espirito human, estA em que e uma sociedade
mais complex, nos fins e nas modalidades; eis
porque, nio se tendo cogitado, atW aqui, da funda-
gio de uma political das sociedades anonymas, por
exemplo, os methods da direccSo da sociedade
national assume o character, de uma grande arte.
Nao ha, comtudo, nenhum mysterio inviolavel,
nenhuma intervenglo de element, ou forga mys-
tica, inaccessivel, nos tecidos desta especie de as-
slociaq o, -- que s6 nao chegou a realizar seus
fins, pela razao, muito clara, de se nao haver ainda
desembaraqado dos elements extranhos, com que
esteve, ate agora, confundida.
As medidas de "legislagdo social" alcangam,
hoje, nos paizes cultos, vastissimo dominio, em to-
das as f6rmas da vida; nao ha, talvez, relagio






A ORGANIZAXAO NATIONAL


political, juridica, economic moral, a que o Es-
tado nao leve o apoio de sua forga collective, para
manter a homogeneidade social, ou para animar
e favorecer a iniciativa, o esforgo, a cultural, a ins-
Ituccao, o progress individual. Estas ramifica-
c6es do poder public padecem, comtudo, em quasi
toda a parte, de defeitos capitals: a legislagio
"social" nao 6 uma legislacao organicca; tendendo
a realizar objectives director, ou a satisfazer re-
clamacdqs, falta-lhe synthese e system, send
frequentemente prejudicada pela parcialidade e
insufficiencia dos meios applicados. E' a deplora-
vel consequencia da political de dubiedade e de te-
mor, com que o empirismo vae contentando, com
suas commodas e sympathicas concess6es, as rei-
vindicacges e os reclamos mais energicos dos in-
teresses, sacrificada, com estas transacc5es egois-
tas ou philanthropicas, a solu~go definitive dos
problems.
Como typo de nobre coragem e de sensata
comprehensio da feicao positive dos problems
da sociedade e do Estado, o document que aqui
se segue, extrahido de uma exposiqao feita pelo
Sr. John A. Cockburn a American Academy of Po-
litical and Social Science, de Philadelphia, sobre
a Extensdo da Esphera da Actividade do Estado,
na Australia do Sul, merece a leitura e meditacio
de quantos sio, em nossa terra, capazes de se de-
ter no estudo destes assumptos sem se deixar to-
Iher pelo humor objectante e leviano scepticismo,
que o habito de discursar e de parolar consagrou,
entire n6s, como process de formagio do juizo
sobre assumptos publicos:






ALBERTO TORRES


Estou convencido que a maioria do nosso povo op-
p6e-se, em theoria, A extensio da esphera da actividade do
Estado; mas, quando os homes praticos defrontam, face
a face, comos interesses reaes, em relacao A organizagco
de um paiz novo, deitam- f6ra as theories e vao ao en-
contro das necessidades positives, porque os dogmas for-
temente adhesos sAo inimigos inveterados do progresso...
Houve uma estrada de ferro, em maos particulares, no
Sul da Australia, que foi recentemente adquirida pelo Es-
tado. E' nossa opiniao que as estradas de ferro sao, hoje,
o que eram, no passpdo, as estradas reaes, tendo a socie-
dade interesse em occupar-se com a viacio ferrea; e, em
connexao com este encargo de dirigir a viaigo ferrea, ha,
sem nenhuma duvida, outros canaes da actividade a in-
troduzir. Temos grandes officinas, ligadas As estradas
de ferro, onde construimos as nossas locomotives. Se
continuaremos sempre a fabrical-as, e o que estA ainda
em duvida. Queremos, antes de tudo, empregar methods
que dem resultados mais praticos. Fizemos, por isso, ul-
'imamente, nma grande quantidade de locomotives nas
officinas do Estado, afimr de verificar onde estA a vanta-
gem, em economic e em efficacia do service: se nas mios
do Estado, se nas de particulares. 0 Estado 6, tambem,
entire n6s uma verdadeira empresa de.commissoes e trans-
portes. Nao vivemos na dependencia dos industries,
como se da em outras parties do mundo; e uma das maio-
res responsabilidades, no governor do Estado, 6 que os
cidadaos t&m o direito de conhecer os negocios da admi-
nistracio; e, se nio sao satisfactoriamente attendidos pelo
Estado, podem dirigir ao governor as admocstapoes mais
incoimmodas. As funcc6es do Estado foram reguladas,
entire n6s, cor a maior solicitude possivel, para merece-
rem a approvac5o do povo. Temos estabelecimentos onde
fabricamos todos os encanamentos. Num paiz secco como
a Australia, o abastecimento de agua e a irrigagio sao
problems muito importantes. Ha necessidade de grande
quantidade de canos. N6s os fabricamos para nosso uso.
0 Estado mantem telegraphos e telephones, conjunctamen-
te corn os correios: adoptamos, ha 13 ou 14 annos, um
serviCo de encommendas postaes, que tem prestado ex-
cellentes services. O Estado faz tambem o servigo de
abastecimento d'agua. O governor exerce egualmente func-






A ORGANIZAXAO NATIONAL


S5es de preposto public, incumbindo-se de administra-
coes; e n6s temos em grande conta os nossos servings de
deposit public e de commissoes. Foi um beneficio, em
various sentidos. Quem quer que deseje confiar suas pro-
priedades a maos cuidadosas, nao ter mais que se diri-
gir ao administrator public, para que se encarregue
disso. A maior parte dos nossos hospitals e das nossas
instituigSes de caridade sAo tambem organizagoes do Es-
tado e vivem sob sua fiscalizagdo.
Foi principalmente no interesse da agriculture que a
esphera de actividade do Estado se desenvolveu. O pro-
gresso da sociedade e a prosperidade national dependem
da prosperidade do lavrador; e, por isso, organizamos as
nossas instituicbes de modo a tornar-lhes a profissio o
mais proveitosa possivel. Se o fazendeiro prospera, toda
a populacio prospera tambem: o medico recebe seus
pagamentos, o pastor o seu salario elevado, e todo o
mundo partilha da prosperidade geral. A lavoura 6, as-
sim, a part da populaCao por cujo bem-estar velamos
corn mais interesse. Afim de fazer reverter para o fazen-
deiro a maior parte da retribuicio de seu trabalho, creou-
se o estabelecimento conhecido pelo nome de "Armazem
official de deposit e exportagdo de products agricolas".
Estabelecemos tambem um deposit de importacgo em
Londres. Tomamos a produccdo ao fazendeiro e ao la-
vrador, mandando-a para os mercados do mundo. Antes
de haver o Estado torado esta iniciativa, o pequeno fa-
zendeiro e o lavrador eram impotentes para attingir os
mercados, apesar dos muitos pedidos de suas producVies,
por causa das altas taxas de fretes e de seguros, tio
grandes, para pequenos volumes, que praticamente ,
excluiam do commercio. O Estado adeantou-se entVo; e,
reunindo as pequenas colheitas num grande carregamen-
to, manda-as para f6ra, mediante taxas muito baixas, in-
dispensaveis para as despesas de transit. O Estado p6de
p6r assim os mercados ao alcance do fazendeiro e do
pequeno lavrador.
Emprehendendo esta funcgio, ter o Estado o direito
de exigir um certo grau de superioridade na qualidade
do product. Nada ha mais perigoso nem ruinoso, para
os que mandam products ao mercado, que ter bons
products ao lado de generous de qualidade inferior. A






ALBERTO TORRES


presence de generous de qualidade inferior deprecia o
valor de todo o carregamento. So os generous sao infe-
riores, nao Ihes prestamos o menor servigo. As produc-
c6es nao sao enviadas para os mercados, emquanto nao
recebem 6 signal de approvacgo do governor. Depois que
os generous sao acceitos elexportados pelo Estado, sao re-
cebidos, em Londres, no deposit de importagpo. O go-
verno nio faz directamente a venda, mas escolhe agents
o corretores de habilidade reconhecida, a quem se possa
confiar, certo de obter os melhores precos possiveis para
o consignador. No Sul da Australia o fazendeiro que quer
mandar uma caixa de manteiga, uma porgAo de mel, ou
um carneiro, para f6ra, escreve ao Ministerio da Agricul-
tura; e se o product 6 approvado, o Ministerio expor-
ta-o, e o consignador nao tem nada mais que fazer sendo
esperar, em sua casa, a importancia do preco, que Ihe 6
enviada por um cheque...
0 governor, no Sul da Australia, e proprietario das
terras. As terras pertencem ao Estado. Chegamos, ulti-
mamente, a conclusdo de que 6 muito melhor, para o
Estado, arrendar, do que vender as terras; e estamos
preparando uma f6rma de arrendamento perpetuo. 0 Es-
tado adquire terras para estabelecer lavradores. O De-
partamento de Agricultura public um jornAl, que 6 cha-
mado O Jornal de Agricultura e Industria. Este journal 6
considered um important guia e conselheiro dos fazen-
deiros e ter uma circulacdo consideravel.
NSo comprehendemos' que um governor possa teste-
munhar indifferent ao espectaculo de um grande numero
de homes desempregados, passando o dia nas prapas,
porque ninguem os emprega, corn mulheres e creancas
famintas. Chamando a n6s as pessoas desoccupadas, col-
locamol-as em terras baldias, e as auxiliamos em todos os
sentidos, para quo se estabelegam... Fazemo-lhes adean-
tamentos: 6 uma experiencia bastante interessante, no
ponto de vista de estabelecimentos cooperatives. Elles
tim suas terras em commum. Os estabelecimentos pro-
varam bem. Os individuos deixam de ser ociosos e po-
dem mesmo sustentar as families.
Nao podendo os lavradores pagar juros altos, estabe-
lecemos bancos de Estado, que Ihes emprestam dinheiro








A ORGANIZAqXO NATIONAL


a 4 %, ao pass que outr'ora pagavam 8, 9, 10, 25, As vezes
50 e ate 70 %, de juros. Nio podemos esquecer que o
fazendeiro precisa arranjar dinheiro para melhoramentos
e acquisicgo de mecanismos, de modo a manter as fa-
zendas nas melhores condig6es possiveis; creAmos, entao,
este banco que 6 governado por um conselho de admi-
nistradores independents do governor e que nao podem
ser demittidos senao por meios difficeis, agindo, por con-
seguinte, cor liberdade, e administrando o banco cor
exclusive preoccupagio commercial. Muitos lavradores
prosperam hoje, ,gragas a esta organizaciao. O banco to-
mou a peito a sua missao de reduzir as taxas de juros nas
hypothecas e nos emprestimos particulares.
Assumindo estas funcgSes, o Estado nao tem, de f6r-
ma alguma em vista. combater as iniciativas particula-
res, das quaes depend a prosperidade da populacgo. O
Estado nunca foi accusado de intervir em interesses par-
ticulares. Esforcamo-nos por collocar a nossa gente la-
boriosa em posivco de ter a melhor recompensa possivel
para seus esforcos. Se depositardes as esperancas do paiz
na prosperidade do lavrador, garantindo-lhe a recompen-
sa dos esforcos, cor a seguranga de receber seus lucros,
tornal-o-eis mais efficient. Em vez de embaracar as
empresas particulares, n6s as auxiliamos. Nao cogita-
mos de organizer instituig~es paternaes, mas instituices
fraternaes, nas quaes os homes se unam, para auxilio mu-
tuo e para a cooperagco, numa verdadeira fraternidade,
prestado o auxilio de cada individuo da f6rma que Ihe
f6r mais propria e convenient, segundo seus proprios
conhecimentos, e cor o apoio e o conselho do Estado.

A leitura desta exposigao admiravel, por sua
eloquente singeleza e sobriedade de linguagem, e
forte, pela precisdo de seu senso pratico e clareza
das informaSges 6 de natureza a tolher a repli-
ca pusillanime de scepticismo, que o habito de des- -
cr6r cunhou nos labios dos nossos homes, des-
preoccupados, no delirio das nossas agita6es, dos
problems vitaes do interesse economic.







ALBERTO TORRES


Os lavradores da Australia do Sul sdo feitos da
mesma care e dos mesmos ossos dos nababos de
New-York, que espantam o mundo cor os excesses
de seu luxo e de sua ostentacqo; dos antigos carpet-
baggars dos estados americanos do sul, explorado-
res de uma influencia eleitoral ganha pelos mais
baixos processes de seducq5o, de astucia e de su-
borno; dos unemplayeds, de Londres, vagueando
em enxames e em eternos meetings de reclamaco
de trahalho, ao pass que na propria capital in-
gleza difficilmente se encontra um filho do paiz
occupado no serviqo domestic; da multidio de
gente, emfim, que, na Inglaterra, nos Estados-Uni-
dos, na Allemanha, na Franga, em todos os paizes
civilizados, nio se submette mais, apenas de posse
de um diploma de primeiras letras, aos trabalhos
da lavoura, correndo a procurar, nas cidades, em-
pregos e negocios de vida facil.
O home brasileiro nao 6 mais indolente, que
qualquer outro; 6 mesmo, talvez, mais paciente,
para a tarefa, que o europeu e o americano; mas,
ao pass que o campo, na Europa e nos Estados-
Unidos, 6 uma escola de destreza e de gymnastics
educativa, do corpo e do espirito, para a faina agri-
cola, onde, de tempos immemoriaes, a pratica da
agriculture e os conhecimentos empiricos v6m pas-
sando de geracao para geraco, como as sementes
passam de colheita a colheita e de mao em mio -
a gente da nossa terra ainda esta por former o
acervo, nio de id6as theoricas de agriculture, mas
dessas tradig6es elementares que estio para a apti-
ddo do lavrador como o movimento dos dedos para
a habilidade da costureira, os costumes para a
moral e o folk-lore para a alegria e para o lyrismo







A ORGANIZA:O NATIONAL


intimo da vida. N6s nao sabemos ainda o que a
nossa terra p6de produzir e como deve produzir.
Nao ha, entretanto, em nosso paiz, nenhum
melhoramento material que nao tenha sido ini-
ciado por brasileiros. Quasi todas as nossas gran-
des empresas foram fundadas, mantidas e admi-
nistradas long tempo por patricios nossos. O
Brasil nIo tem, entretanto, hoje, empresas e indus-
trias de vulto em mros de nacionaes. No que res-
peita A iniciativa, A administrago e ao trabalho, o
meio social 6 como um terreno, ou um clima, onde
o individuo haure, para as multiplices operag5es
da producgio, elements, auxilios, fatores, contri-
buig6es, licges, exemplos, estimulos e habitos. A
desorganizagco geral da nossa sociedade responded,
assim, a imputagdo a nossa raca da causa da insuf-
ficiencia de suas obras; e a desorganizacgo political
explica A farta as lacunas do progress social e do
individual. Num paiz que nao sahiu do jugo da
metropole sen~o para ser dirigido por governor
que nao surgiram da came e do sangue do povo
e nao commungam com seu espirito e suas ten-
dencias, fazendo tudo, pelo contrario, para desvir-
tuar-lhe o character, subordinando-o a idWas e cos-
tumes estrangeiros, nao e de surprehender que o
povo se nao tenha formado, faltando-lhe, como
Ihe faltou, a escola do determinismo, pelo exerci-
cio da liberdade e da autonomia: do progress.
physiologico e psychico, em summa, da actividade.
Nossa historic regista, entretanto, innumeros
casos de iniciativa e de esforgo, que se poderiam
dizer heroicos. A propria memorial de cada um
de meus leitores brasileiros Ihe ha de ir apontando
os documents. Os exemplos de capacidade orga-







ALBERTO TORRES


nizadora e administrative multiplicam-se por to-
dos os lados: na industrial privada e no service
public, sempre que o acerto de uima boa escolha
levou o Governo a p6r a mio sobre um home
capaz, favorecendo-o circumstancias propicias A
permanencia na posiaio e boas condic6es de exi-
to, fundaram-se instituiS6es e estabelecimentos
dignos de confront cor os melhores dos mais
cultos paizes, e, is vezes, superiores. Quem quer
que tenha exercido funccio public em nosso paiz,
relembra, cor ufania, o zelo, a intelligencia e a
honestidade do nosso funccionalismo. Todas estas
qualidades sio, comtudo, impotentes para veneer
a forea de inercia da desorganizag~o social; e
nossa crise actual nio result senio da estagnacio
das nossas energies, alagadas porque nio encon-
traram seu leito proprio.
Nas mesmas obras mais valiosas da nossa his-
toria administrative, tdio patente ter sido o nosso
alheamento do senso do nosso proprio ser e do
nosso interesse, que o cunho de uma inspiragAo he-
terotaxica, ligada ao estrangeiro, se revela A pri-
meira vista. Era mister que a febre amarella
mostrasse a sua conhecida preferencia pelo estran-
geiro, para que vissemos no saneamento das cida-
des que ella flagellava um problema nacional,
Attrahir capitaes e trabalhadores 6 uma das nossas
mais vehementes preoccupaq6es. De facto, nio
attrahimos, ati hoje, senao capitalistas cousa
muito different de attrahir capitaes: commercian-
tes, exploradores de negocios, emprezas de feito-
rias, agricolas ou de mineracgo. Saneando as ci-
dades, libertamos, conjunctamente com os estran-
geiros, a populacdo infantil e a do interior do fla-







A ORGANIZAgAO NATIONAL


gello do vomito negro; mas os brasileiros do campo
vieram a ter, nas cidades saneadas, nas industries
que se desenvolveram e nas obras de embelleza-
mento, novas seducq5es ao abandon da vida agri-
cola; e o interior, coberto, aqui, de pantanos insa-
lubres, assolado, acolA, das molestias resultantes
das alterac5es dos climas, nao recebeu a carinhosa
attencio e o solicito zelo do poder public por-
que nio estimulava a iniciativa dos homes politi-
cos a ambigio de fazer obras gratas aos estran-
geiros que nos procuram.
Attrahir capitals e attrahir bragos 6 uma das
formulas em que se traduz a balda de solver, ins-
tantaneamente, por meio de artificios, as proble-
mas da nossa economic, dependents da organiza-
iao do trabalho, da circulacio e do consume. 0
capital que vier, actualmente, para as nossas in-
dustrias, nfo serd senao o preco antecipado da
cessio a estrangeiros das propriedades a que se
applicar: effeito fatal de um credit, forCosamen-
te usurario, prestado a industries em estado pre-
cario. Por avultado que seja, o capital nao acudirA
senao a pequeno numero de proprietarios os
que conservam prestigio e disp5em de apoio, para
se recommendarem aos bancos: e a historic dos
"emprestimos A lavoura" ahi estA, registrada na
escripturagio das nossas casas de credit, para
mostrar os effeitos desses soccorros extremes a pro-
prietarios fallidos.
0 nosso problema economic 6 o problema da
organizaqAo do trabalho, da circulacio e do consu-
mo; o capital nos ha de vir cor a circulacgo e pela
circulacgo; e s6 nos vira, proficuo e benefico, do







ALBERTO TORRES


estrangeiro, quando as condig5es do credit o cha-
marem, no interesse do mutuante.
F6ra disto, o capital nio nos serA senio factor
de aggravacgo da nossa crise organic, circulan-
do, por algum tempo, nas mios dos intermediaries
que exploram o esforco do productor, e alimentan-
do as profiss6es que, vivendo de trabalhos estra-
nhos A produccqo, nio se preoccupam cor o pro-
blema dos juros e das amortizaqSes, nem cor o da
alienacio e do exgotto das riquezas. Sio os que
vivem destes negocios que alimentam, na opiniio
public das capitaes, o louvor a todas as solucges
rapidas e a todas as medidas magicas, favoraveis
As liquidaq5es de suas industries parasites. A
nossa situacio social chegou, entretanto, a um es-
tado que imp5e aos brasileiros o dilemma de um
movimento de energia viril, sio e reflectido, ou da
renuncia da nacionalidade e da seguranca, para si
e para a sua prole. Ha moments, na historic das
naq5es, em que o esforco de cada individuo por
sua propria sorte ter o valor de um bilhete de
loteria. E' precise que o esforco de todos e o de
cada um convirjam para o interesse geral, para
que os interesses pessoaes sejam solvidos.
Em sua ultima expressio, a vida do nosso paiz
estA apresentando, em grande escala e em crise
aguda, o problema mundial da nossa epocha: o
problema do desequilibrio da circulacio. Paris,
Londres, New-York, Berlim e algumas outras gran-
des cidades tendem a former bacias de concentra-
qio da vida mental e da riqueza economic do
mundo. E' a plethora do espirito e da fortune em
meia duzia de grandes centros. O Rio de Janeiro
nio 6 mais que um orgio secundario, por onde a







A ORGANIZACAO NATIONAL


riqueza passa e muito mais rapido que se pre-
sume para accumular-se nos grandes emporios
do mundo. Sua vida mental, centro de um espi-
rito national acabrunhado, 6 a pallida imitaaio
scenic da intelligencia dos povos avancados.
E' mister restabelecer a nutrigio e a circula-
cio no organismo deste paiz; e o meio de o conse-
guir estA na adopaio do regimen aqui proposto,
vasado no estudo de sua terra e de sua gente, de
sua indole e de seus interesses.
Toda a gente, em nosso paiz, diz, repete e pro-
clama que o estado de nossas cousas 6 de extrema,
de angustiosa crise; grande numero de pessoas -
na maior parte das vezes sem nocio consciente do
que seja uma raca explica estes factos, impu-
tando-os A nossa incapacidade ingenita, replica com
que, quando nao se desforram do concurso pela
causa commum, desmoralizam o proprio esforqo
e abatem a propria energia; ninguem prop6e so-
lucqes, nem indica a direcgao a tomar: todos tem
capacidade para a critical, para a destruicao, para
a opposicgo. Este estado de cousas 6 insustentavel.
As obras political serias sio forgosamente dif-
ficeis, e tanto mais difficeis quanto mais praticas.
N6s confundimos, habitualmente, duas cousas, que
sio bem distinctas: a difficuldade dos problems
politicos com a supposta impraticabilidade das so-
lue6es. E' muito facil conceber bellas instituic5es,
mudar de programmas, recebel-os de outros, apren-
der e acceitar theories, fazer revolug6es, sobrep6r,
emfim, A vida de um povo um mecanismo qual-
quer, rotulado cor o nome de uma theoria ideolo-
gica, que passa a ser, para os destinos da socie-
dade, como a vida da scena e dos bastidores de








ALBERTO TORRES


theatres, para os espectadores e para a vida real
dos actors, ou como o tumulto de enfermarias de
molestias mentaes, para a realidade ordinaria da
existencia.
As cousas que occorrem nos theatres e nos hos-
picios de alienados sio facts, porem nao sao rea-
lidades. A nossa vida political 6 um scenario de
factos alheios A realidade social.
Habituados a nao ver senio a face immediate
das ideas, temos, mais que o commum dos povos,
nestes period de escravizacfo dos espiritos ao po-
der, ou A inercia, das maiorias, a vida national su-
bordinada as impresses populares e ao julgamen-
to summario do gosto e do agrado vulgar sobre as
cousas da political: somos um paiz em eterna espe-
ctativa de uma direccgo quo Ihe traga pensamento
e vontade. Nossos juizos sobre os assumptos pu-
blicos sao ainda os mais superficiaes: a alta ou a
baixa do cambio, durante uma semana, ou duran-
te um semestre, decide da conveniencia e da oppor-
tunidade de um programma de governor; a opinido
da praca pesa mais, nas finangas e no regimen eco-
nomico, do que os mais series e maduros estudos;
os pareceres de banqueiros do que o document,
vivo e flagrante, da nossa economic.
A nossa historic mostra que somos capazes de
esforcos para reformar. Temos luctado brava-
mente por ideaes e por doutrinas. A independen-
cia political, a abolicgo da escravatura e a repu-
blica foram obras incruentas, 6 certo, no primeiro
moment; todas estas reforms, custando, por6m,
muito sangue inutil, profundos abalos e series pre-
juizos e damnos a interesses consideraveis, nao ope-
raram nenhuma transformacgo radical, nao funda-






A ORGANIZAgXO NACIONAL


ram uma acqgo, nao deram liberdade A raca ne-
gra, nao constituiram uma democracia.
Erros politicos e surpresas internacionaes A
parte, o nosso paiz goza da fortune privilegiada de
ter problems, sem ter difficuldades, possuindo o
povo de coragao mais brando e de mais sensato
espirito, talvez, no mundo inteiro; s6 o nao go-
verna quem o nao sabe, ou nao o quer, governor;
e todos os seus problems se resume neste obje-
ctivo: former, construir e desenvolver a Nacio,
cue 6 a nossa gente de hoje e a sua prole, a gente
das nossas racas e a dos que vierem, cordial e
fraternalmente, conviver comnosco: a verdadeira,
a unica Patria, para corac5es sinceros e para es-
piritos cerenos. A desorganizaqio political destr6e
uma Naio mais do que as guerras.
Nao e illusorio esperar assim aue, para trans-
formar em' realidndes aquellas reforms superfi-
ciaes, o povo brasileiro seja caDaz de um movi-
mento grave, energico, s~o e viril. Antes de 13
de maio houve um grande journal, nesta capital,
que s6 consentiu em alludir A abolicgo dos esora-
vos nas vesperas do decreto emancipador. Era o
seu modo de servir aos interesses conservadores
do paiz. A abolicgo fez-se, e a lavoura ficou des-
organizada.
Essa attitude, generalizada, nao teria qualifi-
caicao neste moment. A energia de que demos
provas, para substituir nos deve valer, de novo,
para organizer. Sera precise, depois, sermos cora-
josos, conscientes e perseverantes, para assentar,
consolidar e desenvolver a organizagao. "Os bra-
sileiros escrevi eu ha longos annos provaram






52 ALBERTO TORRES

jA que sabem ser soldados da Republica; precisam
agora provar que sabem tambem ser cidadios".
"O Brasil, escrevi-o, tambem, mais ou menos
pelo mesmo tempo, ter estado, ate hoje, ao servi-
qo das f6rmas de governor e das doutrinas que
ter adoptado: cumpre que a Republica passe,
por sua vez, a servil-o".
Rio de Janeiro, Agosto de 1914.
A. T.















SECc AO PRIMEIRA


A TERRA E A GENTE DO BRASIL














0 ESPIRITO E AS TENDENCIES DA POLITICAL


Em outros tempos, no period de romantismo
politico que succedeu a revoluqco franceza, quan-
do a questlo das f6rmas de governor era a these
predilecta dos publicistas, a unidade e a continui-
dade da political pareciam aos olhos dos partida-
rios do regimen monarchico a grande causa de sua
superioridade.
A pretensdo era fallaz, como todas as ideas a
priori da political. A unidade e a continuidade da
political resultam da existencia de um character na-
cional. Onde ha uma nacgo, homogenea em seus
elements, ou fortemente subordinada a um espi-
rito, um movel, uma aspiraqCo, ou uma classes
preponderante, define-se uma political: os orgdos
desta political surgem da reacqCo dos acontecimen-
tos, e, seja dynastica ou republican a f6rma do
governor, o poder vem a cahir nas mdos dos com-
batentes mais fortes, dos representatives.
Em Washington, como em Bismarck, encontra-
se o mesmo traco das personalidades dominantes,
os eleitos desse suffragio tacito, que faz brotar os
pro-homens do tempo, em sua terra como a flor
brota da plant, na estaqgo propria, sobre a
haste do valor pessoal. Homens dessa tempera





ALBERTO TORRES


commandam as geracges a que pertencemn, nas
grande 6pochas de rise national, e impulsionam
o movimento que se perpetlia pelas geracges
adiante.
Ha casos notabilissimos de proeminencia de
um hornem, ou de uma aristocracia mental, sobre
os destinos de um povo; nenhum, por6m, mais ex-
pressivo que o dos Estados Unidos, onde um grupo
de precursores eminentes assentou, nos primeiros
dias da constituicao do paiz, os principios que o
haviam de dirigir atf hoje. Quem 16 o Federalista,
as cartas e os manifestos de Washington, os tra-
balhos de Jefferson, de Hamilton, de Madison e
de Franklin, encontra estudados, nessas soberbas
profissoes de fd, os caracteres praticos e moraes da
nacionalidade, expostos os seus problems, indica-
das as sitas solug5es, previstos os seus destinos,
com precisro e clareza tio fortes que projectam
luz sobre o future da grande patria, ate nossos
dias.
Esses homes deram aos olhos de sua patria
a consciencia do nosce te ipsum; mostram-lhe as
suas necessidades, os seus problems, as suas solu-
c6es, os seus destinos. A nacgo despertou forma-
da, conscia de sua posicgo e de seu papel no mun-
do, prompta para caminhar com os olhos fitos num
object conhecido. Sua historic foi o desenvolvi-
mento natural de um athleta.
Esta preparagdo initial era mais difficil, entire
n6s, por causes geographicas e por causes histori-
cas. Territorio heterogeneo, de conformaaio longi-
tudinal, corn rios e vias de communicag~o menos
favoraveis, ericado de cadeias de montanhas que
o divide e separam, era mais penoso ligar e abran-






A ORGANIZAgAO NATIONAL


ger, num todo, as diversas zonas, para Ihes estudar
o character commum e prefixar as condi5ces de
unidade e de solidariedade. Nao era facil assi-
milal-o, corn seus products exoticos, As condiCges
normaes do commercio international, entremeando
os seus interesses nas correntes ordinarias dos ne-
gocios. O commercio brasileiro ficou, como todos
os que versam sobre especiarias, sujeito As oscilla-
95es, aos entraves, As espoliacqes, que acompa-
nham, em toda parte, os negocios sobre generous
que nao sao de uso necessario.
Os homes publicos estavam, por outro lado,
long de possuir o prepare dos fundadores da re-
publica americana. Scientists, literatos e juris-
tas da escola de Coimbra trouxeram, para o nosso
meio, brilhantes ideas, conceitos theoricos, formu-
las juridicas, instituices administrativas, estuda-
dos nos centros europeus. Cor tal espolio de dou-
trinas e de imitag6es, architectou-se um edificio
governmental, feito de materials alheios, artifi-
cial, burocratico. Os problems da terra; da so-
ciedade, da produccio, da povoacio, da viagao e
da unidade economic e social, ficaram entregues
ao acaso; o Estado s6 os olhava com os olhos do
fisco; e os homes publicos doutos parlamenta-
res e criteriosos administradores nao eram poli-
ticos, nem estadistas; bordavam, sobre a realidade
da nossa vida, uma teia de discusses abstractas,
ou rhetoricas; degladiavam-se em torno de f6r-
mulas constitucionaes, francezas ou inglezas; tra-
tavam das eleicges, discutiam theses juridicas,
cuidavam do exercito, da armada, da instruccdo,
das repartiq6es, das secretaries, das financas, das
relacies exteriores, imitando ou transplantkndo





ALBERTO TORRES


instituic5es e principios europeus. Sob a impe-
tuosidade do primeiro monarcha e o academicis-
mo do segundo, o mecanismo governmental tra-
balhou sempre, desorientado e sem guia, extranho
as necesidades intimas, essenciaes, do nosso meio
physico e social.
A Republica desenvolveu consideravelmente a
curiosidade intellectual, nas letras, nas sciencias,
na political. Conservando a maioria na represen-
taCqo national, viram-se os juristas cercados de
outras aptid6es e capacidades. Moqos, ardentes,
ambiciosos, os politicos do novo regimen lanCaram-
se A pesquisa de novos assumptos, novos proble-
mas, novas conquistas a explorer; nos annaes do
Congress, na imprensa, em periodicos e livros,
multiplicaram-se estudos e investigaq6es, de incon-
testavel merito e marcada originalidade muitos, --
mas estes trabalhos mostravam, em regra, a tara
da nossa tendencia e a lacuna do nosso prepare:
eram theoricos, analyticos, limitados a uma espe-
cialidade, a um ramo de conhecimentos, alheios
aos problems concretos e opportunos. 0 regimen
n~o trouxe comsigo os estadistas que o haviam de
construir. Os estudos ganharam em variedade,
mas perderam, em dispersio e indefinido, alguma
precisAo que os antigos tinham.
E' certo que os manifestos e mensagens presi-
denciaes summariam, com mais ou menos amplitu-
de, notas sobre os departamentos dos services pu-
blicos, faces diversas dos problems nacionaes. e
que suggerem alvitres e soluqces sobre variados
assumptos; por amplos que sejam, tem, comtudo,
todos elles, um character, minucioso e pormenori-
zado, de catalogs de suggest6es e propostas, para
applicaqoes parciaes, sem espirito de conjuncto,







A ORGANIZACAO NATIONAL


sem vista geral e coordenada de nossa physiono-
mia social, political e economic, de seus problems,
de suas soluces. Sdo programmas de -gestio
transiloria, para os quatro annos do period; fal-
tam-lhes a envergadura e a luz, com que costumam
verdadeiros estadistas concentrar, em tracos for-
tes e nitidos, o system da political pratica, o estu-
do positive da physiologia de um paiz, para Ihes
indicar o movimento e a direcqio.
Estes programmas quadriennaes, esboqados no
curto period de cada governor, sao esquecidos,
para se dar comego a novos ensaios e tentativas,
na seguinte presidencia. A historic da political re-
publicana, em seu conjuncto e em seus various in-
teresses. 6 uma jornada de marchas e contra-mar-
chas, de experiencias e retrocessos...
Somos um paiz sem direciao political e sem
orientacao social e economic. Este 6 o espirito
que cumpre crear. O patriotism sem bussola, a
sciencia sem synthese, as letras sem ideal, a eco-
nomia sem solidariedade, as finanqas sem continui-
dade, a educago-sem system, o trabalho e a pro-
ducqio sem harmonia e sem apoio, actuam como
elements contrarios e desconnexos, destroem-se
reciprocampnte, e os egoismos e interesses illegiti-
mos florescem, sobre a ruina da vida commum.
O Brasil 6, entretanto, um dos paizes que apre-
sentam mais solidos elements de prosperidade e
mostram condic6es para um mais nobre e brilhan-
te destino.
A zona intertropical 6 o berco do animal hu-
mano; foi em climas medios, ou calidos, que se
fixou o typo mais perfeito do reino animal; ahi
floresceram as primeiras e mais luxuriantes civi-
lizag6es; para ahi convergem, naturalmente, as as-







ALBERTO TORRES


piraSes e o:s desejos dos homes de todas as re-
gi6es! S6 o exgottamento do s6lo, a prolifera.Aio
das populaq6es, as incurs6es barbaras e as guerras,
conseguiram arremessar grandes massas de popu-
lacao para zonas frias. E' natural que o home
tente voltar para seu berqo, sempre que ahi encon-
tre terras ferteis e climas propicios a vida.
Estudar o Brasil, eis o que devera ser o lemma
do patriotism e do zelo pela sorte de nossa terra.
O destiny de um paiz 6 funcgo de sua histo-
ria e de sua geographia. 0 Brasil nao tem histo-
ria, que tal nome nao merece a sdrie chronologica
dos fastos das colonies dispersas, e a successor,
meramente political, de episodios militares e go-
vernamentaes: sua historic ethnic, economic e
social, s6 comecarA a formar-se quando mais es-
treita solidariedade entire os habitantes das varias
zonas Ihe der a consciencia de uma unidade moral,
vinculo intimo e profundo, que a unidade political
estA long de realizar.
E' em sua geographia e no quadro da sociedade
contemporanea que estA a base do conhecimento
de sua sorte.
Estudar a geographia de um paiz nio em seu
aspect descriptive, mas em sua natureza dynami-
ca e funccional, procurando apprehender o carac-
ter das diversas zonas geologicas e mineralogicas,
a sua fauna, a sua flora, a sua estructura orogra-
phica, os seus vasos hydrographicos, para conhe-
cer os elements e aptid6es de sua exploracio e
cultural, e ao mesmo tempo as condic6es necessa-
rias ao espirito de unidade social e economic e A
solidariedade entire os interesses e tendencies di-
vergentes, eis o ponto de partida de toda politi-
ca sensata e pratica. Tal foi a obra dos estadistas







A ORGANIZAqXO NATIONAL 61

americanos da phase constitutional, que tiveram
de veneer, alias, uma gravissima difficuldade: a
tendencia separatist das antigas colonies.
Sem este estudo, a march de um paiz fica, co-
mo a vida dos homes sem objective e sem metho-
do, sujeita As oscillag6es, aos desvios, aos azares,
que accidents, erros de apreciacao, interesses oc-
casionaes ou parciaes, vio produzindo.
















0 TERRITORIO E A NACAO


Um olhar sobre a carta do Brasil, de um ex-
tremo ao outro da linha longitudinal do territorio,
mostra que a immensa faixa da nossa terra, attin-
gindo, entire esses pontos, uma extensio de quasi
quarenta graus, apresenta variedade em sua cons-
tituigao physical.
No mesmo sentido dos parallelos, s6 a Russia
o excede em comprimento, approxima-se-lhe a
China, e todos os outros paizes do mundo se en-
contram em posicSo inferior. Desta extensio lon-
gitudinal result uma grande diversidade, entire
as differences zonas do paiz; e esta diversidade,
apparenta-se mais forte quando occorre a noqao
vulgar de que a differenca entire os extremes das
regi6es temperadas e os das regi6es torridas, em
tudo auanto interessa A vida e A prosperidade do
home, e mais notavel do que a differenga entire
os extremes das regi5es temperadas e os das re-
giSes frigidas. No que diz respeito ao typo dos ha-
bitantes e A cultural do sdlo, esta impressoo 6
apoiada pela maior semelhanqa entire os typos
das zonas frias e das temperadas do que os entire
typos das regi5es temperadas e das quentes, e o







A OR1GANTZACzio NACIONAL


mesmo se observa com relacgo As species vege-
taes, nativas ou de cultural. Tal 6 a f6rma actual
da reparticao dos homes sobre a face da terra, se
bem que, no ponto de vista ethnographico, se pos-
sam notar consideraveis variantes: basta ver que
algumas das racas bronzeadas e amarellas da Asia
tem por origem, ou habitaram por longos seculos,
e habitam ainda, a mesma latitude povoada pelos
individuos mais claros da Europa.
Nesta successive gradaqCo de climas, torrido,
tropical e temperado, possuimos um territorio, di-
vidido, no ponto de vista physico, e, portanto, no
economic, em regi6es assignaladamente distinctas.
Estd, felizmente, verificado que a linha do
"equador thermico", isto 6, a linha de maior ca-
lor, na circumferencia da terra, fica muito acima
da fronteira norte do Brasil, ao pass que o equa-
dor astronomico atravessa quasi ao meio da parte
septentrional da bacia do Amazonas (*).
Fosse o Brasil um paiz de esteppes, e sua ex-
tensio longitudinal bastaria, nio obstante esta at-
tenuaq5o, para assignalar um serio element de
diversidade; mas a este juntam-se ainda outros
factors de nao menor importancia.
Por effeito de sua curiosa estructura orogra-
phica, cor seus vastos planaltos, que se ericam,
em todos os sentidos, em escarpadas cadeias de
montanhas, a quasi totalidade do territorio eleva-
se em taboleiros de trezentos a mil metros, na mr-
dia, e, em certas regiSes, de mil a dois mil metros,
acima do nivel do mar. Assim, desde as regi6es
baixas, valles de depressao mais forte, que for-
mam propriamente as bacias dos rios, atW As cumiei-

(*) TTOMEM DE MELLO Atlas do Brasil.


7







ALBERTO TORRES


ras das montanhas mais elevadas, as altitudes,
cor suas variantes de temperature e de exposi-
gio, contribuem para multiplicar, em nosso s6lo,
caracteres diversos de clima e de natureza (*).
A este element, a direcco dos ventos reinan-
tes e das correntes oceanicas, a proximidade ou
afastamento das grandes massas d'agua, o maior
ou menor grau de seccura ou de humidade do s6-
lo, a natureza dos terrenos, juntam outras causes
de differenciaqco, quanto A habitabiJ~dade e k
fertilidade das regi5es (*).
Deante do mappa de um paiz assim formado,
a primeira questio que se apresenta a quem quer
que o estude, 6 a de saber se tdo extenso e variado
territorio possue as condic6es physical necessa-
rias ao habitat de um povo, unido pelo lago poli-
tico da nacionalidade.
A resposta 6, a primeira vista, negative. Se as
ideas de patria e de naqgo obedecessem ao concei-
to abstract de certas philosophies, que prefixam,
para essas entidades, o estalAo de um territorio e
o de uma populacao, cor caracteres definidos e
precisos, o Brasil jamais poderia ser tido por uma
patria ou por uma nacionalidade.
Mas estas theories, que s6 encontraram speci-
mens em eras remotas da civilizacAo, entire nu-
cleos de vida tribal ou patriarchal, parecem, feliz-
mente, oppostas as tendencies espontaneas da evo-
lucqo humana, que vai, dia a dia, firmando senti-
mento de solidariedade national sobre a base de
relacqcs political, sociaes, economics ou moraes,
entire families de origens e ragas distinctas, e so-
bre territories de differences aspects; e o Brasil

(*) HOMEM DE MELIO Atlas do Brasil.






A ORGANIZAgAO NATIONAL


6, at6 agora, um paiz ao qual se p6de applicar, pri-
ma facie, o nome classic de nagio, pela predomi-
nancia de um element ethnic, pela prompta fu-
sio deste com os elements indigenas e as mino-
rias de outras origens, pela unidade da religiao e
da lingua, pela uniformidade de costumes, pela
tradigio patriotic e pelo laCo politico.
Mas estes elements, comquanto fortes, ten-
dem a se afrouxar: a colonizagco, com seus various
typos, credos e costumes, irA distendendo, senio
desatando, o espirito de unifo e o sentiment de
solidariedade. Se entire alguns dos Estados 6 visi-
e'el um certo cunho nativista; se, em algumas das
colonies estrangeiras, o espirito de nacionalidade
opp6e resistencia A absorpfio, p6de prever-se o ef-
feito destas forgas dispersivas quando maiorcs
massas de colonos se collocarem no territorio, es-
tabelecendo nucleos mais prosperos, isolados em
zonas distinctas.
No ponto de vista da intelligencia, do cara-
cter, da actividade, da iniciativa, a observagio jA
denota tragos distinctos, entire os typos das diver-
sas regi5es do paiz: a imaginacio, o calor, a emo-
tividade, dos homes do norte; a ponderagco, o
espirito mais positive, dos homes do centro; a
tendencia pratica, mas aventurosa, dos paulistas;
o cauto e prevenido conservantismo, de fluminenses
e mineiros; o arrebatamento e espirito combative
dos gauchos; a resistencia e ambigdo tenaz do cea-
rense, o auvergnat brasileiro; tracos de inclinag~o
literaria. na cultural de certas populac5es; de pen-
dor military em outras sdo agents de differen-
ciacac que se irfio accentuando gradualmente.
Se as religi6es, passada a crise aguda de com-
bate, declinam hoje, entire os povos policiados, pa-






ALBERTO TORRES


ra um estado de reciproca tolerancia, sendo fran-
camente transportadas para o terreno da tribune
e da imprensa as lutas do proselytismo, fica sem-
pre um resquicio de rivalidade entire ellas, que,
junto a outros elements, contribute para a separa-
gio; mais poderosos, por6m, sdo outros elements'
de ordem psychological, social e economic.
Nos paizes vastos e despovoados, o homcm
tende para o individualism como, nos de densa
populacio, tende para o socialismo. Mais facil a
subsistencia, mais abundante os recursos de vida e
de enriquecimento, mais afastados os individuos e
families, as necessidades e ambig6es encontran
campo prompto e amplo de satisfacao e de en-
grandecimento; concentram-se todos no goso dos
bens e na avareza da posse. As extensas proprie-
dades distanciam os individuos; a sociedade, mais
difficil, dissipa-se no quasi isolamento; attenuam-
se os lacos de parentesco; as affeic6es, os liames
da amizade, da camaradagem e da cortezia per-
dem a intimidade e frequent cultural: cada in-
dividuo e cada familiar isola-se em sua fazenda,
em sua casa, no recesso de seus affects e de seus
interesses, cioso de sua fortune, prevenido, timi-
do, mal disposto ao convivio. 0 phenomenon 6
comntum nas zonas ruraes; facil de observer nos
grandes centros, sobretudo nos que se compcem dc
families educadas com os habitos do campo. Os
costumes europeus das relag6es moraes, de cor-
tezia, de affabilidade e de cerimonia restringem-
se, entire os povos novos, a pequenos grupos da so-
ciedade, onde se desenvolve o gosto pela aristo-
cracia de maneiras, ou se limitam a actos isolado,
de reciprocidade, ao prazer excepcional das fes-
tas e divers6es, A pratica formal das visits e con-






A ORGANIZAgAO NATIONAL


dolencias. Ainda ahi, se as occasi6es de approxima-
eao e de convivio sao frequentes, nio sio conti-
nuas; e as varias sociedades em que se divide uma
cidade modificam-se, alteram-se, separam-se, e
agrupam-se, rapidamente, A tona da fortune, da
carreira, da ascensio de uns e do declinio de ou-
tros. Os povoados, os districts, os municipios, as
regi6es de cultures differences, e, por fim, os Es-
tados se vio assim descentralizando, social e eco-
nomicamente.
No commercio, na industrial, na agriculture, os
interesses chocam-se, em logar de se harmoniza-
em. No mesmo ramo de trabalho, conforme a na-
tureza da mercancia ou da producQio, abre-se a
luta entire as necessidades e as conveniencias; a
classes torna-se frequentemente uma aggremiacio
de estimulos mais fortes do que a communidade;
as forcas vitaes do paiz, ao em vez de se conglo-
merarem e affluirem em correntes harmonicas,
precipitam-se, desordenadamente, umas contra as
outras. Classes, associacqes, grupos de interesses,
passageiros ou artificiais, predominam sobre o
bem commum.
Para document destes phenomenon de dis-
persio. a political offerece um quadro altamente
expressivo: a base das nossas organizagSes parti-
darias 6 a politiquice local. Sobre a influencia dos
corrilhos eleitoraes das aldeias ergue-se a pyrami-
de das colligacges transitorias de interesses poli-
ticos, mais fracos na representacio dos.Estados,
dependents dos estreitos interesses locaes; tenue,
no governor da Uniio, subordinado ao arbitrio e
capricho dos governadores.
F6ra da sociedade official, onde senadores,
deputados, governadores e os gros bonnets da poli-






ALBERTO TORRES


tica mantem relac6es frequentes sujeitas, aliAs,
As fluctuag6es e As rivalidades e alim das rela-
c9es commerciaes, cada vez mais limitadas com a
emancipagio dos portos e pracas dos Estados que
abrem rela65es directs com o estrangeiro e se
constituem em emporios independents de expor-
taclo e importaciao, as relacSes propriamente so-
ciaes, mantidas, em toda a parte, pelo intercurso
das pessoas entire as provincias e a capital do paiz,
diminuem sensivelmente. De certa linha do paiz
para o norte, os homes de fortune frequentam
mais assiduamente a Europa do que o Rio de Ja-
neiro; os grandes proprietarios de S. Paulo vaio
a Paris de dois em dois annos e mal conhecem a
nossa capital; muitos rio-grandenses e matto-gros-
senses entretem com Buenos Aires e Montevideo
relag6es mais intimas do que corn a nossa cidade.
Deante deste quadro, o problema da unidade
national apresenta-se como a questao culminate
do nosso future. No entanto, 6 curioso notar, este
problema quasi se nao define, mostra-se apenas
aos mais indagadores, na trama da nossa vida: 6
que a illusio da unidade political obumbra-nos a
vista A realidade da desuniao moral, social e eco-
nomica.
Nossa unidade political parece, nao s6, de facto
firmemente consolidada, como livre de qualquer
ameaca. Nio ha laivo de sentiment, de escola, ou
de interesse separatist. O patriotism, sentiment
que dove encerrar todos os fios que fazem a textu-
ra de uma consciencia national, concentrou-se in-
teiramente na image da patria political. Ahi, co-
mo em quasi todas as manifestaq6es de nossa vida,
agimos por impulse de sentiment: e, cumpre di-
ze-lo em nossa honra, este sentiment 6 sincere e






A ORGANIZAgAO NATIONAL


forte. Amamos ardentemente a imagem geogra-
phica c a bandeira da patria; reverenciamos, com
carinho e com fogo, por vezes excessive, o culto
do nosso nome; cantamos, principalmente no es-
trangeiro, com juvenile e romantic enthusiasm, a
fama de nossas riquezas e de nossas glorias.
Virtude que nos honra, attestando o desinte-
resse fundamental das nossas almas, o patriotism
politico padece, entretanto, da tibieza de todos os
sentiments moraes que nao se apoiam sobre so-
lidas condigSes praticas de character; conduz fa-
cilmente aos impulses, aos assomos, aos arrebata-
mentos, ardorosos e irreflectidos; inspira actos de
abnegac~o e de heroismo; mas e incapaz de sugge-
rir e sustentar a acQao tenaz, reflectida, duradou-
ra, de um povo, cujo amor pela terra natal se
apoia na forga muscular da vontade e 6 esclareci-
do pela consciencia de seus interesses.
Vivido e intense, este patriotism exgotta-se
em manifestacges sentimentaes: todo seu horizon-
te limita-se A adoraqio cultural da patria, ao ardor
das lutas political, A declamacao 6pica de suas
grandezas, A promptidio com que offerecemos o
sanguc e a vida, em seu sacrificio; 6 um patriotis-
mo lyrico e infantil, sem a lucidez da razao e a
energia do character.
A razao de um povo s6 se forma com o conhe-
cimento de seus interesses; sua energia s6 se edu-
ca com a pratica firme de um programma de so-
lugces: aquella depend de estudo, como esta de
habito; estdo as duas subordinadas A consciencia
da realidade objective da terra habitada, de suas
faculdades productivas, de seus problems, de
seus destinos. A mais elementary condicio desta
consciencia 6 a existencia, nao de um simples ne-






70 ALBERTO TORRES

xo affectivo ou politico, mas de uma communida-
de de relapses e de interesses moraes, sociacs e
economics. Um paiz s6 possue integridade e unido
quando cobre a sua terra, e envolve os seus habi-
tantes, um forte tecido de relacses e de interesses
praticos; se estes interesses e estas rela5ses nio re-
sultam espontaneamente da natureza da terra e
do character do povo, 6 indispensavel creal-os.
As nacges modernas, feitas sobre terrenos he-
terogeneos, cor racas distinctas, sdo obras d'arte
political, que demandam d6cadas de trabalho con-
sciente e de calma elaboracgo; este trabalho exi-
ge um programma, um piano, uma acqo continue
e perseverante; se ellas possuem capacidade para
conceber, e energia para o realizar, vencem e per-
duram; se nio possuem, dissolvem-se ou desfalle-
cem, numa precoce cachexia.
















AS INSTITUICOES E SUA INTERPRETACAO


Alguns jurisconsultos inglezes tem o habito de
colloc'r, antes da parte expositiva de seus livros,
uma especie de taboa terminologica, onde as pa-
lavras que devem exprimir id6as geraes, institu-
tos e principios basicos, sao definidas cor a maior
clareza!
E-te habito ter suas vantagens para os fins,
didacticos ou judiciais, a que se destinam taes
obras, livros de escola ou de doutrina, que procu-
ram assentar -normas reguladoras da vida prati-
ca. E' precise que a cada conceito correspond uma
noaio definida. E' verdade que estes conceitos,
quando nio sio creag6es pessoaes dos auctores,
ndo contam mais do que formulas, consagradas e
repetidas pela tradigio; mas, como, na arte de re-
gular a vida juridica dos povos, a verdade nio e
outra cousa senio a expressio da vontade collecti-
va, ou da vontade dominant, 6 precise que esta
verdade conventional tome f6ros de lei scientific,
exprimindo-se em terms categoricos.
Na esphera, mais indecisa, dos factos sociaes,
da political, da moral e da economic, as palavras
sao menos exactas, muitas vezes ambiguas.






ALBERTO TORRES


Ainda em period de formagdo historic, es-
tes conceitos repellem, muito justamente, abstrac-
c5es precipitadas, inducg6es incompletas, temeri-
dades de systematizagco e de synthese; fazendo a
colheita dos factos da vida, de documents sobre
as relac6es individuals e collectivas, ndo podem
aventurar sendo observaces, dados para estudo,
que a experimentagdo vae, cautamente, pondo em
prova e em confront. As tentativas de definigdo,
de classificagco, de crystallizagio em maximas e
preceitos, sao prematuras; a terminologia 6, for-
cosamente, imprecisa e vaga. Tudo quanto se p6-
de fazer e dar a representagdo approximada da
id6a, esbocar o pensamento, incutindo-o, mais pe-
la intensidade e pelo vigor da imagem express
em vocabulos, do que pelo rigor de palavras es-
criptas com pretensdo de valores mathematics.
E' por isto que a todo moment se imp6e a
quem estuda estes problems a necessidade de fa-
zer distincg5es, notar gradaq6es, restringir ou am-
pliar as theses.
Temos uma unidade political, ficou affirmado
no capitulo precedent; mas esta affirmagdo, in-
contestavel A primeira vista, exige uma distinccio
complementary. Se se entende por unidade politi-
ca a que result do sentiment patriotic e do con-
senso theorico do povo, no interior e perante o
estrangeiro, a nossa unidade 6 incontestavel e in-
abalavel; logo, por6m, que se desce desta esphera
abstract para o terreno concrecto, a idea de uni-
dade, ainda que limitada ao aspect politico, ja
se nos apresenta com feicio muito menos posi-
tiva.






A ORGANIZAgAO NATIONAL 73

A nossa federagdo democratic deve ser tida,
pelos que pretended subordinar a typos preconce-
bidos os regimens de governor, ao grupo dos esta-
dos de unidade: 6 um estado federal, nao um esta-
do composto, ou uma unifo de estados. O nome de
estados foi dado As antigas provincias, por imita-
cio da technical americana; em these, os nossos es-
tados nAo possuem maior somma de autonomia do
que as provincias argentinas.
Sem discutir, por emquanto, a conveniencia
da f6rma dada A nossa organizaaio federativa -
que ganhara certamente cor definicio mais cla-
ra dos poderes federaes p6de affirmar-se que a
Constituirgo vigente garantiria sufficientemente a
unidade political do paiz.
Esta e a verdade constitutional, mas nao 6 a
realidade political. No terreno dos factos, a prati-
ca do regimen inverteu a hierarchia das institui-
c5es: a hegemonia political pertence aos Estados e
nEo A Uniao.
Na doutrina dos publicistas, o trago distincti-
vo do estado federal, caracterizado pela unidade
political, em contraposicgo A confederagao e As
uni6es, reaes ou pessoaes, de estados, estA em que
a soberania reside toda na entidade da federacao,
ao pass que as unidades federadas s6 possuem
poderes de autarchia provincial, apenas mais am-
plos que os da autonomia municipal. No regimen
federativo s6 ha uma soberania, interior ou exte-
rior; nAo existe sendo um povo; a nacionalidade e
uma s6. A nossa Constituicdo nAo sabe de cidadAos
dos Estados, s6 conhece cidadaos brasileiros; nio
admitted senaio uma nagdo; nao separa o territorio
em territories estaduaes; deposit todas as func-
95es da "soberania national" nos orgios do poder







ALBERTO TORRES


federal. Adoptando a id6a democratic do gover-
no da lei, al6m de sobrep6r-se a todas as outras
leis da Uniao e dos Estados, recusa a estes, na rea-
lidade, o proprio poder legislative, quando exclude
da competencia delles a regulaq~o do direito subs-
tantivo e de outros objects, quando garante, por
auctoridade propria, as liberdades individuals, e
quando assegura recursos, dos actos dos poderes
estaduaes para os da Uniao, nos casos' de violaqio
a liberdade, e nos de infracqdo de seus preceitos.
De facto, o Legislativo estadual 6 m6ra assembl6a
administrative, cor algumas attribuicges econo-
micas e sociaes; e o judiciario estadual, simples
executor de leis federaes.
Os artigos da Constituigco Federal que dho
aos Estados a faculdade de se regerem pela Cons-
tituicgo e leis que adoptarem, respeitados os prin-
cipios fundamentaes da Uniao, assim como todas
as faculdades que Ihes ndo forem negadas por
clausula express, ou implicitamente contida em
suas clausulas expresses interpretados de ac-
c6rdo cor a doutrina e a jurisprudencia america-
na inspiram, entire n6s, a opiniao corrente de
que aos Estados foi conferida uma parcella maior
de poderes governativos.
Ha nisto uma simples illusdo interpretativa.
Os auctores da Constituico Americana adopta-
ram, para formaqgo do poder federal, um crite-
rio de escolha de certas attribui56es governamen-
taes, enumeradas, que conferiram A Uniao; f6ra
destas attribui56es e das que se contem implicita-
mente em suas clausulas, todos os poderes per-
tencem aos Estados. Mas os Estados americanos
eram autonomos antes da independencia dos Esta-
dos-Unidos; possuiam cartas coloniaes, verdadei-






A ORGANIZACAO NATIONAL


ras constituic5es, que continham todas as garan-
tias da liberdade e de direitos, regiam-se pela com-
mon law e por estatutos diversos em todos os ra-
mos da legislagao; possuiam, em summa, corn li-
mitadas restricc6es, quasi todos os attributes da le-
gislaiao soberana.
Adoptando, embora, a these americana de
que os poderes federaes sAo apenas os expressa-
mente enumerados e os que residem implicitamen-
te em suas clausulas, a nossa Constituinte desen-
volveu por tal f6rma a enumeracdo destes pode-
res que a orbita das func6es ordinarias do gover-
no, admissiveis em um paiz de f6rma democrati-
ca, deixada aos Estados, ficou de facto, reduzida
ao minimo. Affirmando, por outro lado, as garan-
tias A liberdade, seguranga individual e proprie-
dade, em minuciosa enumeracao ampliada, afi-
nal, com a clausula de que a especificacdo destes
direitos expresses n~o exclue todos os mais que
decorrem da f6rma de governor que estabelece e
dos principios que consigna a Constituicao
confiou ao Legislativo federal a regulamentacao
destes direitos, e aos outros departamentos da
Uniio sua guard e proteccio. De facto, a defini-
cio e o desenvolvimento das garantias praticas
dos direitos individuals estio totalmente compre-
hendidos nas attribuic5es do Congresso Nacional,
especialmente nas que se referem d legislacao so-
bre o chamado direito substantive.
Um exame detido das attribuic6es do Legisla-
tivo, do Executivo e do Judiciario federaes, em
confront cor a secqo que enumera as garantias
de direitos, nio deixa duvidas sobre a delegaiAo a
Uniao da maior parte das funcc6es do governor.







ALBERTO TORRES


Na pratica, as instituigces tem sido, entretan-
to, desvirtuadas. Os homes politicos da Repuhli-
ca sio estadualistas, por amor local e por forga do
interesse representative; os interpretes da Cons-
tituiiio, fieis ao method de exegese que aprende-
mos no Direito Romano, e habituados a uma de-
ploravel submissio ao argument de auctoridade,
transplantaram para a nossa jurisprudencia cons-
titucional os conceitos e commentaries da doutri-
na e da jurisprudencia americana assim como ha-
viam desenvolvido as regras do Direito Privado
com illustra6es e commentaries da doutrina e da
jurisprudencia portugueza e franceza.
Esta importagco literal das formulas e das
normas americanas, ao lado de uma singular aver-
sio, mesmo da parte de espiritos muito lucidos,
por applicar ao exame dos textos constitucionaes o
method inductivo que revelou no espirito pers-
crutador de John Marshall os grandes axiomas
fundamentals da lei maxima dos Estados-Unidosi
- preceitos substanciaes e profundos, nao exara-
dos em textos, nio deduzidos de uma clausula, ou
do confront de algumas dellas, mas essenciaes A
vida e A realidade da lei, de que sio o principio
active, a forga originaria, a razdo de ser e os ali-
cerces, fizeram com que a applicagco da Consti-
tuigio deixasse de corresponder aos seus intuitos,
truncando-se, corn restricq6es postas A sua parte
pratica e funccional, a efficacia de suas disposi-
q5es capitaes.
Esta insufficiencia, na intelligencia e na appli-
cacgo da Constituicio, denuncia-se particular-
mente em pontos que interessam A unidade politi-
ca da Republica: a intervengdo federal da UniLo
nos Estados, sob f6rma political ou judiciaria, e a







A ORGANIZAXAO NATIONAL


proteceio da liberdade commercial contra os abu-
sos da tributacgo estadual.
Quanto A intervencio federal nos Estados, em
casos de perturbagio political, recentes aconteci-
mentos denotam .melhor orientaiao, no criterio
doutrinario dos poderes publicos. Sem entrar no
exame da legitimidade e da justice da soluaio da-
da aos ultimos successes das nossas lutas politi-
cas, nio e possivel deixar de reconhecer que o
Congress e o Poder Executivo puzeram em prati-
ca principios mais consentaneos com a Constitui-
gio da Republica e com os interesses vitaes do
paiz.
A Constituic~o affirma, com emphase, a sobe-
rania da Uniio sobre todo o territorio do paiz e to-
do o povo brasileiro; sobre um e outro exercitam
os poderes federaes as attribuicqes que lhes sdo
express e implicitamente conferidas. Quando, as-
sim, prescreve a lei fundamental, no art. 6.0, os
casos de intervengco federal nos Estados, nao se
refere nem A acgco ordinaria dos poderes da
Uniao, no exercicio habitual de suas faculdades
legislativas e administrativas, nem aos actos ex-
traordinarios que elles devem praticar, por forga
dessas atribuic6es: o art. 6.0 applica-se aos casos
em que os poderes federaes assume a faculdade
exceptional de intervir nos "negocios peculiares"
aos Estados, isto 6, naio s6mente a de actuar sobre
o povo e dentro do territorio dos Estados, mas em
relacio Aquelles objects, que pela propria Cons-
tituicao, sao confiados A jurisdicgco privativa dos
orgios do poder estadual.
Intervir nos "negocios peculiares aos Estados",
segundo as palavras do texto constitutional, signi-
fica exercer actos da competencia dos poderes es-






ALBERTO TORRES


taduacs, chamar a seu arbitrio attribuic5es que
Ihes sdo conferidas, arrogar-se, parcial ou total-
mente, funccges de governor estadual. Dentro da
faculdade do art. 6.0, a Unilo p6de intervir, excep-
cionalmente, subrogando-se na auctoridade csta-
dual: este 6, propriamente, o poder de intervencqo.
De parte o exercicio normal e habitual das at-
tribui6es ordinarias dos poderes federaes sobre
o territorio e a populaqio de um Estado, sua acc9o,
em casos anormaes, p6de occorrer sob dois aspe-
ctos: o da extensdo, que p6de attingir o exercicio
dos poderes communs do Legislativo e do Executi-
vo federal em casos de crise que demanded maior
energia, medidas de mais vigor, dentro da pro-
pria orhita da competencia federal, e o da accao
excepcional, previstas no art. 6.0, sobre negocios
da alcada dos governor estaduaes.
Comprehende-se, na primeira categoria, por
disposicio express, as func56es reservadas aos
poderes federaes, para regular o commercio inter-
nacional e dos Estados entire si, para decretar o
estado de sitio, em caso de guerra externa on de
commoiAo intestina, para submetter a legislaiio
especial pontos do territorio necessarios para a
fundacao de arsenaes, etc.
Mas, f6ra destcs casos expresses, muitas hy-
potheses podem occorrer que imponham a accao
energica do governor federal, sem que este inter-
venha nos "negocios peculiares aos Estados": as-
sim, nos casos de rebellido popular contra as au-
ctoridades da Uniao, contra a execucio de um ser-
vico on de uma obra federal, contra a livre nave-
gacao nos rios e a livre circulacio nas estradas'
de ferro inter-estaduaes; de perturbaglo da ordem
e ameacas i liberdade, em eleic5es federaes; de fa-







A ORGANIZAgAO NATIONAL


ctos que ponham em risco o credit national, os
deveres e obrigagces da nagio para com outras
nac5es; de occurrencias que impossibilitem, sem
culpa das auctoridades locaes, ou apesar de seus
esforcos. a accqo das auctoridades federaes, a exe-
cugdo das leis da Uniio, o exercicio dos direitos e
garantias constitucionaes. Nestes casos, quando os
acontecimentos assumirem um character collective,
generalizado, de f6rma a exigir um remedio pre-
ventivo, ou corrective, ter, sem duvida, cabimen-
to o cmprego do poder de policia que entra na
competencia da auctoridade federal.
Supponha-se, por exemplo, o caso de um Es-
tado, onde um governor arbitrario, ou uma parte
da populacao, em pratica de banditismo, prati-
quem actos de depredacio, ponham em risco a li-
berdade, a seguranca e a propriedade, em extensa
escala e duradouramente, de f6rma a subtrahir da
legalidade todo o territorio, ou parte delle, ainda
que sem apparent commongo: seria byzantino re-
cusar ao governor, que tem a guard da Constitui-
gio e das leis, o poder de tornar effective o impe-
rio do Direito sobre a regiAo anarchizada. E, co-
mo esta, muitas hypotheses podem occorrer.-
Em outros casos, a intervengio federal se p6-
de imp6r, sobre os proprios negocios dos Estados
sem que se di qualquer das hypotheses do art. 6.;
assim, por exemplo, no caso de falta de pagamen-
to de dividas estaduaes ou municipaes a credores
estrangeiros. Por mais que se procure restringir
a responsabilidade do governor national, os gover-
nos de todas as nagces, patrocinando e muitas
vezes com incontestavel justice os interesses de
seus subditos, contra os paizes remissos no cnm-
primento de suas obrigagces, nio se disp6em facil-







ALBERTO TORRES


mente a distinguir entire dividas nacionaes e di-
vidas de corpos locaes; a falta de exacqio da par-
te dos Estados e dos municipios, por outro lado,
passa a reflectir-se sobre o credit de todo o paiz:
seria inadmissivel que a Uniao ficasse com a res-
ponsabilidade dessas dividas, ou em risco de des-
credito, sem que Ihe assistisse o direito de impor
ao Estado ou municipio devedor o cumprimento
de suns obrigag6es. Dar-se-ia, na emergencia, a
hypothese da uma faculdade do genero das attri-
buig5es chamadas cumulativas pelos constitucio-
nalistas: o poder federal teria, na defesa de seu
erario e de seu credit, um poder correspondent
ao dever da auctoridade local.
Quanto aos casos de verdadeira intervencfo,
em que o governor federal deve agir sobre os "ne-
gocios peculiares" aos Estados, nio ha duvida que
a interpretagio dada, at6 ha pouco, ao art. 6. era
extremamente restrictive.
Basta attentar em duas das especificag5es des-
te artigo para sentir que o governor federal nao
foi collocado, pela Constituicio, em face dos Esta-
dos, como diante de potencias apenas sujeitas a li-
geiras restricgces da soberania: a que auctoriza a
intervengao, para manter a f6rma republican fe-
derativa, e a que auctoriza, para assegurar a exe-
cucfo das leis federaes. Quanto A primeira, uma
interpretagio literal parece ter querido reduzir a
auctoridade federal ao simples exercicio de uma
certa vigilancia sobre a subordinagco do EstPdo
A f6rma da organizagco political adoptada pela
Uniao, ao seu apparelho de governor. A palavra
"f6rma", descuidosamente adoptada pela Consti-
tuinte, 6 causa desta falsa interpretacio; mas esta
palavra foi sempre empregada pelos constitucio-






A ORGANIZAXO NACIONAL


nalistas como exprimindo, alem do mecanismo go-
vernamental, o fundo da organizaqio e das insti-
tuig6es; a propria Constituigdo elimina qualquer
duvida quando, no art. 78, disp6e que "a especifi-
caco dos direitos e garantias expresses na Consti-
tuiqgo nio exclue outras garantias e direitos nao
enumerados, mas resultantes da f6rma de governor
que ella estabelece e dos principios que consigna".
A "f6rma de governor" implica, por consequencia,
o goso effective dos direitos e garantias constitu-
cionaes.
A Constituicgo, alem disso, nao se limit a
tprescrever obedienciq A "f6rma federativa", mas
A formaa republican federativa", exprimindo,
corn a segunda destas palavras, o system de go-
'verno popular por excellencia, creado pelo genio
human justamente para garantir ao povo o pleno
exercicio de sua soberania, na representagio po-
litica, e aos individuos o goso integral de seus di-
reitos e garantias. Expressdo perfeita do governoro
juridico", a Republica presupp6e a existencia, em
todo o territorio do paiz, de auctoridades' legaes,
agindo dentro da lei um estado de ordem nao
s6 material, mas political e civil: -a seguranga ab-
soluta da vida, da liberdade, da propriedade, de
todos os direitos, em summa. S6 este conjuncto de
elements constitute a "f6rma republican" de go-
verno; cuando esta nao f6r a situaqSo em algum
Estado, haverA despotismo ou anarchia, anomalias
que a Constituig~o nao poderia tolerar, no territo-
rio national.
Confrontando esta clausula do-art. 6.0 cor o
art. 63: "cada Estado reger-se-A pela Constituicdo
e pelas leis que adoptar, respeitados os principios
constitucionaes da Unido", ainda mais se confirm







ALBERTO TORRES


o asserto, de que a intervencio auctorizada para
manter a "f6rma republican federativa" alcanua
muito mais que o simples respeito A estructura go-
vernamental, ao mecanismo politico. Os principios
constitucionaes da Uniio nao sio outra cousa senao
as regras e normas que a Constituipdo prescreve;
todos os preceitos de uma Constituigio escripta, de
um estatuto constitutional "rigido", no dizer dos
constitucionalistas inglezes, slo obrigatorios para
os individuos, como para as auctoridades, para o
povo, como para as administra6oes e os corpos
politicos.
Os "principios constitucionaes da Uniao", cujoi
cumprimento e cuja observancia mais importamr
A realidade e efficiencia do regimen, nao sao os'
que dizem respeito aos poderes politicos e A orga-
nizac~o dos governor, mas os que interessam A
vida do povo e dos individuos; estes sfio os prin-
cipios fundamentaes, os que contam o objective
da instituicqo political; as modalidades e os appare-
Ihos de governor devem ser entendidos como tendo
por fim a realizacao e o desenvolvimento destas
normas vitaes, de que dependem o bem estar e
progress dos individuos e, portanto, a prosp,-ri-
dade da Patria. Onde a f6rma political nio cor-
responder a seu fim, nao haverA regimen repu-
blicano; e, quando a violacio assumir um cara-
cter de vulto, por se generalizar, ou por sua dura-
cao, o estado extra-legal tornar-se-A um caso poli-
tico, impondo-se a intervencao.
Da mesma f6rma, o caso de intervenqao "para
assegurar a execu~io das leis federaes", e. por
consequencia, para garantir a acao .das auctori-
dades e dos funccionarios da Uniao, seus executo-







A ORGANIZAgAO NATIONAL 83

res director, nio p6de ser entendido em "sentido
stricto, como se diz na linguagem dos tribunaes.
A execugAo de leis deve ter lugar, quanto As
de character permanent e geral, continuadamente,
eem toda a parte, sem embaracos, sem resistencias,
sem descuidos, sem negligencias, por todos os or-
gdos do poder public; ella comprehend, para
todas as pessoas, actos de applicaceo, exercicio
constant, cumprimento e obediencia. 0 Estado, o
municipio, o district, onde as leis, ou uma lei da
UniAo, nio tiverem cumprimento, ou execuguo
permanent, fica sendo uma regiio extranha ao
[mappa constitutional da Republica; a Uniio ter
o dever de o restaurar no regimen legal, na vida
de ordem e de liberdade, que constitute a situacio
normal, no paiz, para a sua populagdo e para ca-
da um de seus habitantes.
















AS INSTITUICOES E SUA INTERPRETACAO

(continuaqio)

As regras da Constituicao, relatives A interven-.
cao dos juizes e tribunaes federaes sobre objects
da competencia dos poderes dos Estados leiss,
actos do executive e sentencas) pertencem ao ra-
mo mais imperfeito da nossa lei organic.
E' precise, para circumscrever as orbitas res-
pectivas das attribuic6es dos tribunaes da Unilo e
dos Estados, de modo a chegar a uma comprehen-
sdo clara dos casos em que o Supremo Tribunal
Federal deve exercer um direito de revisao, ou de
recurso, sobre actos dos governor estaduaes, torar
de alto o assumpto, procurando formular a con-
cepcgo do legislator constituinte sobre o system
da organizacqo juridica da nacionalidade brasilei-
ra e sobre as condiS5es praticas de sua efficiencia.
Como a nossa Constituigfo nao 6 uma lei ori-
ginal, mas uma adaptagao de instituiqges estran-
geiras, deve-se partir, neste trabalho de hermeneu-
tica de seu pensamento intimo, das ideas, noc5es e
doutrinas alheias, que dirigiam o espirito do le-
gislador, no mom.nto em que a elaborava.






A ORGANIZAVAO NATIONAL


Ainda aqui, fomos theoricos; a constituigio de
um paiz e sua lei organic, o que significa que deve
ser o conjuncto das normas, resultantes de sua pro-
pria natureza, destinadas a reger seu funcciona-
mento, espontaneamente, como se exteriorizassem
as proprias manifestacSes da maneira de ser e de
viver, do organismo politico.
E' por isto que se chama "constituicio". A
nossa lei fundamental nao 6 uma "constituicgo"; e
um estatuto doutrinario, composto de transplan-
tacges juridicas alheias.
Seu grande modelo foi a Constituicgo dos Es-
tados Unidos. Sobre o arcabougo do typo presiden-
cial e federativo dos americanos juxtapuzeram os
constituintes principios,, colhidos, aqui e acoli, no
Direito Publico de outros paizes, principalmente
nas tleorias dos publicistas francezes; e a este
acervo de doutrinas deram a f6rma systematic,
methodica, regulamentista, do estylo legislative
proplio do nosso espirito.
Como obra de esthetica e de ideal politico, 6
talvez o mais notavel document da cultural juri-
dica contemporanea; nio sei que haja outra on-
de as definig6es e classificagSes, o rigor e cuidado
no distribuir e no desenvolver regras e funcSes,
tenham attingido a tanta perfeigio; nenhuma le-
vou tto long o empenho de proclamar as mais
avancadas conquistas da liberdade humana e da
democracia.
Desde que se sae, entretanto, do terreno pu-
ramente abstract e da contemplaggo da f6rma,
comegam a surgir as lacunas, as imperfeigSes e
incoherencias do system. Nao tendo por fim re-
gular factos da vida public do povo e do paiz,
attender is suas necessidades positives, faltou ao






ALBERTO TORRES


legislator o criterio pratico, proprio de um traba-
Iho legislative assentado sobre o terreno da obser-
vac.o e da experiencia, unico que p6de dar As leis
uma feigco intelligivel, porque reflect as f6rmas
da vida real.
Logo a primeira vista, uma sensagdo de per-
plexidade assalta o espirito de quem a estuda,
quando procura apprehender seu pensamento. na
discriminagio das espheras respectivas dos pode-
res federaes e estaduaes.
Quando os fundadores da Republica Ameri-
cana sc reuniram na Conven;io de Philadelphia,
encontraram as antigas colonies formadas e esta-
belecidas, com longa tradigio de autonomia, urnas
corn cartas coloniaes, verdadeiros titulos de home-
rule, outras ji dotadas de constituiq5es, onde esta-
vam definidos os principios, e assentados os or-
gios, de governor autonomos regulars. Formulou,
entdo, a convencgo uma lei superior, destinada a
estabelecer, na America,, um governor geral, co-
mo o que at6 essa 6pocha as colonies haviam tido
na metropole. O governor federal nho foi, para os
americanos, mais do que o successor do governor
da metropole; era, por assim dizer, um governor de
Direito Publico, interno e externo, em superposi-
glo aos governor, jt existentes e regulados, dos
Estados. Comprehende-se, assim, que a Constitui-
aio Americana nio se occupasse com definir os
poderes e funcqges dos Estados, senao com Ihes
prescrever certas limitac6es geraes, para harmo-
nizar em um todo interesses atW entao desaggre-
gados.
A revolucio de 15 de novembro lanqou por
terra toda a organizagio political e administrative
do paiz. Quando a Constituinte reuniu-se, se en-







A ORGANIZAVAO NATIONAL


control alguns Estados organizados por seus go-
vernadores provisorios, nao teve certamente por
intuito subordinar o regimen da federagco a essas
prematuras, e nao auctorizadas, constituic6esr, de
f6rma que parecia imp6r-se Aquella assembled o
dover de definir, direct e positivamente, as enti-
dades que creava: os Estados, puras formac6es de
sua auctoridade.
Tal ndo se deu: a Constituicao deixou que os
poderes dos orgios estaduaes fossem definidos
por exclusao, como se os Estados preexistissem.
Esta f6rma, alem de mais trabalhosa para os que
tinham de desenvolver o direito national trazial o
perigo de permittir aos Estados uma discricAo
muito vasta, na elaboragdo de suas constitui5ces;
e de abusos, neste sentido, ha mais de um exem-
plo.
Para demarcar, assim, as zonas de competen-
cia, 6 precise fazer sobre a Constituicgo um estu-
do synthetico das linhas geraes do nosso Direito;
fixar, em primeiro lugar, as disposicges que defi-
nem os orgaos dos poderes federaes e Ihes confe-
rem as attribuices, attentar para limitag6es ex-
pressamente impostas A acgao dos poderes locaes,
examinar os direitos assegurados e as garantias
outorgadas aos habitantes do paiz; ter em vista
a autonomia municipal, que a Constituigao manda
observer; deduzir, de tudo quanto estA expresso,
os principios que implicitamente se contam no sys-
tema da organizagco federal, nas limitag6es pos-
tas, nos direitos individuals e na autonomia dos
municipios; e, sobre este trabalho de seleccgo, de
exclus5es e de definices, circumscrever, emfim, o
circulo da auctoridade political dos Estados.






ALBERTO TORRES


Cumpre ter em vista, em primeiro logar, que
tudo quanto estl escripto na Constituicao, e tudo
quanto se deduz do que esta escripto, deve ser
cumprido, executado, posto em pratica, direct ou
indirectamente, pelo poder federal. A Constitui-
cio 6 a lei supreme do paiz, e o instrument desta
lei supreme 6 o governor federal, em seu conjun-
cto; tudo quanto ella encerra 6 constitutional, se-
gundo a noCgo classic dos publicistas; nao exis-
te, em nosso regimen, a absoleta distinccio entire
regras da Constituicio que sao constitucionaes e
regras que o nao sao.
Todos os poderes, todos os principios, todas
as limitar6es e todas as garantias que ella confere,
define, prescreve e assegura, destinam-se a iter
existencia permanent e continue em todo o terri-
rio da Republica: a realidade objective da vida
juridica 6 o caracteristico das instituicfes demo-
craticas do typo anglo-saxonio.
Nada tem de commum com a indole do nosso
direito a concepCgo theorica do constitucionalismo
de certas monarchias, que proclamam direitos e
garantias, nos textos das leis, sem Ihes dar os meios
positives de efficacia e de realizagdo. Quando, as-
sim, a Constituigno diz que garante aos habitan-
tes da Bepublica os direitos de liberdade, de pro-
priedade e de seguranca, quer significar nio s6-
mente que proclamarA e desenvolverA em leis es-
tes direitos, como que os farA observer, respeitar,
reintegrar, ou reparar, quando lesados.
Este compromisso implica a certeza do apoio
indirecto ou extraordinario dos poderes federaes,
quando a lei dos Estados, ou a acqco das autorida-
des estaduaes, for insufficient para dar pleno






A ORGANIZAVAO NATIONAL 89

cumprimento aos principios constitucionaes, ou
quando os contrariarem.
Assim, para que o direito de liberdade indi-
vidual seja uma realidade, a Constituicgo estabe-
lece o remedio do "habeas-corpus"; e, para "asse-
gurar" o respeito A liberdade e a effective appli-
caeAo de sua media protectora pelas auctorida-
des estaduaes, creou o recurso para o Supremo
Tribunal Federal das decis6es dos tribunaes esta-
duaes, relatives ao "habeas-corpus". Mas a Cons-
tituicgo nao distingue entire os direitos individuals
que assegura; nao os classifica em categories dif-
ferentes, de maior ou menor valor, ou apreqo. Se
a liberdade interessa A actividade do individuo, a
seu desenvolvimento, a seu bem-estar, a seguranca
pessoal interessa A vida, A tranquillidade, A pro-
pria acgco physical e civil; A propriedade, A sorte
do home e da familiar.
Os direitos e garantias comprehendidos nes-
tas duas ultimas formulas nao sio menos uteis,
menos necessarios, menos importantes, que os que
se referem A liberdade. E' inadmissivel, portanto,
que a Constituigio, depois de "assegurar" a sua
inviolabilidade, e de reservar, para a Unido, a le-
gislacgo sobre elles, os tivesse abandonado A mer-
c& dos poderes locaes, sem um recurso que garanta
a sua effective observancia.
E' neste ponto, entretanto, que a Constituicio
manifesta algumas de suas incongruencias mais
graves, e que a sua pratica vae produzindo effei-
tos mais desastrosos, para a sorte dos individuos e
para a unidade national, no que interessa aos di-
reltos e garantias pessoaes, A igualdade dos cida-
dEos perante a lei, A uniformidade da legislacgo.






ALBERTO TORRES


Como typo de extravagancia juridica, a se-
paracao de legislagdo sobre o direito substantive,
da legislaCio sobre o direito processual, conferida
a primeira A Unido e a segunda aos Estados, 6
das mais repugnantes; difficilima de precisar dou-
trinariamente em muitos pontos, esta separagao
exp5e o direito as mais s6rias vicissitudes, distin-
guindo a substancia de seu meio de acco, e pon-
do, na pratica, em continue risco o pensamento do
legislator federal.
As disposic6es que prescrevem recursos para
o Supremo Tribunal Federal das decis6es dos tri-
bunaes dos Estados peccam tambem por insuffi-
cientes e obscuras.
Aparte o recurso de revisdo dos processes
criminals, que ndo deixa duvida sobre a latitude
do poder conferido ao legislator e aos juizes fe-
deraes, os outros recursos estabelecidos na Consti-
tuic5o merecem definigio mais clara e logica.
N~o se comprehend, em primeiro lugar, por-
que motivo o legislator, tratando de crear recur-
sos das decis6es dos juizes e tribunaes estaduaes,
em ultima instancia, separou a material em dois
artigos differences: o art. 61 e o art. 59, 1.o.
Nio 6 facil tambem perceber o motivo por
que s6 admitted o recurso, no caso de questbes so-
bre espolio de estrangeiro, "quando a especie n5o
estiver prevista em convencgo ou tratado". Assim
redigida, esta clausula deu lugar A singular inter-
preta~io de que as quest5es sobre espolio de es-
trangeiro, quando a especie 6 prevista em conven-
cao ou tratado, pertencem A competencia dos tri-
bunaes locaes e nao admitted recurso para o Su-
premo Tribunal Federal.







A ORGANIZACAO NATIONAL


O art. 61 estA, neste ponto, em contradiccao
corn o art. 60, letra h, que confere ao judiciario fe-
deral a attribuigio de processar e julgar "as ques-
ties de direito civil e international", e corn o mes-
mo artigo letra f, que Ihe attribue "as quest6es mo-
vidas por estrangeiros e fundadas em convenc~es
ou tratados da Uniao cor outras nac6es". Na pri-
meira destas disposic5es se comprehendem todas
as questoes e implicitamente todos os processes,
contencioso oh nio, relatives A successor de estran-
geiros; na segunda, todas as que proponham es-
trangeiros, sob invocagio de um tratado ou de
runa convencgo. Nio se trata aqui unicamente de
questoes contra a Uniao.
Por forga destas disposicSes, as quest5es de
espolio de estrangeiro pertencem A justica fede-
ral, haja convengao ou tratado, d6-se ou nao se d&
couflicto de leis; e a interpretaqgo mais intelligen-
te que se poderia dar A clausula do art. 61 seria a
de applical-a As quest6es incidents, interessando
a espolios de estrangeiros, que surgissem em liti-
gios da competencia dos tribunaes locaes, ou de a
considerar letra morta criteriosa operacio que
o Supremo Tribunal Federal jA se julgou auctori-
zado a fazer, quanto a celebre clausula: "diversi-
ficando as leis destes", do art. 60 letra d.
No caso de haver tratado ou conveng~o, nio
se comprehend que sua interpretagco fique a
cargo dos tribunaes locaes, sem recursos para o
judiciario federal, dispondo assim irrevogavelmen-
te os juizes estaduaes da auctoridade e responsa-
bilidade international da Uniio: nao havendo
tratado, dA-se um caso de conflict de leis, nao
regulado, e cor igual razAo se impoe a competen-
cia da justiga federal.






ALBERTO TORRES


Onde, por6m, a incongruencia acarreta conse-
quencias mais graves 6 na disposiclo do art. 59,
1.d, que regular o chamado "recurso extraordina-
rio" das decis6es dos tribunaes locaes, em mate-
iias de direito commum.
Esta disposigio permitted o recurso, nos dois
casos conhecidos:
"quando se questioner sobre a applicacio ou
validade de tratados e leis federaes e a decis~o do
Tribunal do Estado f6r contra ella",
"quando se contestar a validade de leis ou de
actos dos governor dos Estados, em face da Cons-
tituigio ou das leis federaes, e a decision do Tri-
bunal do Estado considerar validos esses actos ou
essas leis impugnadas".
Estas disposicqes foram quasi textualmente.
copiadas do "Judiciary Act", dos Estados-Unidos,
cor exclusto de um terceiro caso que a Consti-
tuinte entendeu desnecessario porque o julgou
comprehendido nos precedentes.
Mas a Constituinte nao attended, no definir
este recurso, a que, nos Estados-Unidos, niio ha
unidade de direito substantive, mas diversidade
complete de legislac6es de direito commum, con-
fiadas aos Estados; que nao se encontra 1a a ano-
malia de ser um certo ramo da legislaqco fede-
ral confiado aos tribunaes locaes, como, entire n6s,
ficou a lei federal de direito commum, que os jui-
zes locaes executam; e, ainda menos, que jAmais
se cogitou, naquelle paiz, de separar o podcr de
legislacio sobre o direito commum do de legisla-
g~o sobre o direito processual. Assim, nos Estados-
Unidos, os tribunaes locaes julgam sempre ques-
tbes regidas por leis estaduaes; e os casos que dio
logar a recurso para o Supremo Tribunal sao







A ORGANIZAAO NATIONAL


aquelles em que as decis6es desses tribunaes sao
presumidas em opposicao A validade ou A applica-
cao de tratados ou leis federaes, ou violadoras da
Constituiqio ou de leis federaes.
Entre n6s, a lei de direito commum e, em ge-
ral, toda a legislaqio destinada a assegurar a ef-
fectividade das garantias dos direitos de liberda-
de, seguranga e propriedade sio leis federaes, cuja
execucio 6 apenas delegada aos tribunaes dos
Estados; de f6rma que, on se as ter de conside-
rar como pertencentes ao numero das leis fede-
raes que, uma vez violadas pelos tribunaes locaes,
permitted o emprego do recurso, ou se tem de
admittir a hypothese da existencia de leis federaes,
destinadas a desenvolver principios capitals da
Constituicao, e justamente aquelles que contmn
seu objective final, entregues ao arbitrio dos jui-
zes locaes, sem que o Supremo Tribunal cxerqa a
minima parcella de fiscalizaqao.
Esta segunda conclusdo, absurda, contraria ao
espirito, A essencia e aos fins da Constituiqio, tem
sido, entretanto, vencedora at6 hoje na jurispru-
dencia federal.
Semelhante doutrina nio p6de permanecer.
Alim do grave erro que encerra, cor o esqueci-
mento da base das nossas institui$6es, ella n~o se
apoia no espirito da disposicio, acima transcri-
pta, da Constituiq~o.
Diz este texto que o recurso tera cabimento
quando se contestar a validade de leis ou de actos
"dos governor dos Estados", em face da Constitui-
cdo ou das leis federaes, e a decision do Tribunal
do Estado considerar validos esses actos, ou essas
leis impugnadas".







ALBERTO TORRES


Assim tem entendido a jurisprudencia -
sempre que uma lei do Congresso estadual, ou um
acto do governor do Estado f6r impugnado. peran-
te a jusftia local, por contrario A Constituicio, on
a mna lei federal, e essa justica julgar valido o acto
ou a lei do Estado, ter cabimento o recurso extra-
ordinario.
Trata-se aqui de acto do Congresso, ou de acto
do Executive estadual, opposto A Constituicio ou
a uma lei federal. Mas as leis de Direito commum,
confiadas aos tribunaes locaes, sao leis federaes;
e os juizes e tribunaes, incumbidos de sua execu-j
gao, fazem parte dos governor dosi Estados; ora,,
ratificacio dada por um tribunal local A violacio
da Constituigco ou de uma lei federal, por acto do
Congress ou do executive estadual, auctoriza a
interpo-sigio do recurso, por que motive nao o
auctorizarA a violacio direct, por acto do pro-
prio judiciario estadual, da lei federal, que foi in-
cumbido de executar?
A somma dos poderes do judiciario local nao 6
superior A somma dos poderes do executive e do
legislative dos Estados. E' principio fundamental
do nosso regimen que os poderes politicos sao
equipollentes, isto 6, que se estendem, cor igual
alcance, sobre todos os assumptos do poder pu-
blico, cm relacao A face sob sua competencia: da-
do um object, cada poder tern sobre elle unia au-
cioridade tao extensa como a dos outros, cada
qual em sua orbita de acqio.
Se as justigas dos Estados possuissem sobre o
direito commum um poder mais extenso do que
o que cabe ao Legislativo, para regular-lhe o pro-
cesso, e ao Executivo, para exercer as funcqces de







A ORGANIZAgAO NATIONAL


policia, dar-se-ia o caso de former o judiciario es-
tadual urna auctoridade desproporcionada, na es-
phera do poder local o que seria inadmissivel
Dentre os "actos dos governor dos Estados",
contrarios A Constituigio e As leis federaes, que
pe, mittem a interposigao do recurso, 6 forga com-
prehender, portanto, em boa e sa hermeneutica,
as decisoes dos tribunaes dos Estados.
Esta intelligencia, harmonizando os institu-
t0) da Constituigio e dando realidade As garantias
de diieitos que ella assegura, seria um solido ele-
Smernto de seguranca para a unidade political do
Brasil.















A UNIDADE NATIONAL


CondicAo das mais importantes da unidade do
paiz e da continuidade de sua political e o funccio-
namento pratico do mecanismo das institui.des.
Sabem os que se applicam a assumptos socio-
logicos a importancia crescente que vae adquirin-
do o estuado dos costumes dos povos em relacao a
vida public: uma literature riquissima, onde se
encontram nomes dos mais eminentes, dedica-se
hoje a investigagco dos factos, processes e combi-
nac5es que formam, em toda a parte, o desenvol-
vimento verdadeiro e positive da vida political.
Na realidade, se alguma cousa ha que mereqa
o nome de "constituigco", nio 6 ao conjuncto das
regras legaes e aos pianos preconcebidos dos sys-
temas politicos que este nome quadra, mas A es-
pontanea e fluente manifestagdo da vida publi-
ca, que se forma e caminha com o surgimento e os
encontros das ideas, dos interesses e das paixSes,
na arena onde se apuram as forgas dos luctadores
politicos.
A political offerece aos olhos um scenario on-
dc as formas convencionaes se ostentam com ap-
parato para produzir no public o effeito sugges-
livo da majestade, que 6 ainda uma das forcas con-







A ORGANIZAXO NATIONAL 97

vencionaes dos governor; mas os phenomenon de
sua vida real, organic e intima, estao nos movi-
mentos, collectivos ou individuals, que se operam,
no terreno pratico, sub-legal, onde as ambic6es se
encontram, a concurrencia p6e em accqo suas armas
de forca e de astucia, os ideaes e resistencia cho-
cam-se, para se equilibrarem, em uma evolugao
progressive ou na dissolucqo.
A historic political da Inglaterra, unico paiz
que realizou de facto uma vida constitutional,
mostra como esses movimentos espontaneos das
piniies e dos interesses foram inicialmente a ba-
se da constituicao. O conjuncto de cartas, compro-
missos. arranjos, combinaq6es, costumes e prece-
dentes, que formam o acervo do Direito Constitu-
cional inglez, nio 6 outra cousa senao a traduceio,
em regras abstractas, dos resultados que se iam
apurando, nos embates dos inteiesses e das opi-
ni6es, nas lutas dos partidos. Depois da revolucgo
liberal, que, em meados do seculo XIX, levou aos
comicios eleitoraes os camponezes e os operarios,
a crystallizaqio desses principios deixou de cor-
responder A realidade da vida political: e hoje o
grande paiz, que deu ao mundo o model da vida
constitutional, reentra em crise para reformer a
Constituicio, sob influxo das ideas que os factors
sociaes trouxeram para o -irculo das velhas f6r-
mas political.
P6de-se assim dizer que, para a Inglaterra,
ate o seculo XVIII, a constituiiao political era a
expressAo pratica das lutas dos partidos.
Em verdade, todos os paizes possuem um re-
gimen constitutional ostensivo e um regimen cons-
titucional verdadeiro, mas subterraneo. EstA ahi o
terrivel problema da arte political: conciliar a rea-








ALBERTO TORRES


lidade cor a abstracio, ou approximar, pelo me-
nos, a verdade das cousas, do nivel ideal da lei.
Um regimen puro seria aquelle em que os dous
pianos se confundissem; assim, o regimen consti-
tucional progride quando o piano inferior se ap-
proxima da concepdio legal.
A regra geral 6 que a march das nag6es se
opera, atravez, ou apesar das instituic5es nomi-
naes de acc6rdo cor as correntes profundas que
as impulsionam e dirigem: basta apontar a histo-
ria political de alguns paizes de constituiq5es iden
ticas, como o Brasil, os Estados-Unidos, a Argen
tina e o Mexico, para ver como povos distinctissi-
mos quanto aos costumes e methods politicos,
podern revestir a mesma forma institutional.
Como este phenomenon 6 universal, havendo
attingido a propria nacionalidade mae das cons-
tituiqces, a conclusdo que se imp6e 6 que, se a ar-
te political manifest nisso o seu atrazo, nao 6 del-
la que resultam, em these, os perigos e males que
assoberbam os povos. A plasticidade das formats
juridicas 6, ao contrario, um element benefico
qual)do o espirito politico 6 plastic e p6de adap-
tar a lei As f6rmas sociaes. O interpreted insufla a
lei o espirito de seu tempo. Assim como os velhos
juizes e parlamentares inglezes tiraram um mun
do de doutrinas da formula: "The king can do n
wrong", John Marshall edificou o monument d
ordem e das liberdades americanas sobre os pre-
ceitos seccos, e apparentemente desconnexos, d
Constituicdo dos Estados Unidos; e os tribune
contemporaneos da Franca deduzem soluqces pa
ra os problems juridicos da questao social da,
regras do Codigo Napoleao.







A ORGANIZAgAO NATIONAL


O interesse se concentra, quanto A organiza-
.co political, no estudo dos movimentos intimos e
espontaneos de seus verdadeiros orgaos physiolo-
gicos.
E' ahi que se realize o grande process de se-
lec~go dos grupos, dos partidos e dos homes de
governor. Um governor p6de chamar-se democra-
tico, porque proclama o principio do suffragio;
p6de julgar-se representative, porque se diz fun-
dado sobre a base do system eleitoral; nao 6, po-
r6m, realmente popular e representative, se seus
orgaos nao resultam espontaneamente da propria
Sida national, se nao ter, cor o estado e a natu-
yeza do paiz, a relacao que se da entire um re-
flexo e o foco de luz, entire uma sombra e o corpo
que a project.
O cunho de "representayco" 6 o verdadeiro
caracteristico da legitimidade dos governor, toma-
da essa palavra em um sentido sociologico; um
governor e bom, quando 6 o governor proprio de
sen paiz e de sua 6pocha mas esta representacgo
nao 6 a representacio conventional da ficco da
soberania, nem a simples expression, falsa e im-
pressionista, dos mandates eleitoraes: 6 a repre-
sentagco que result do acc6rdo intimo e esponta-
neo entire as forgas da opinido e seus orgios, e
que faz surgir os homes dos successes, por influ-
xo dos sentiments e das necessidades dominantes.
Os politicos que ainda I~m pela cartilha do
velho constitucionalismo inglez acreditan que a
realidade do regimen representative depend da
existencia de partidos organizados, cor program-
mas e quadros permanentes; mas a iverdade t6
que as lutas modernas da opiniao jA se nio adap-
tam a correntes uniforms e duradouras: os pro-






ALBERTO TORRES


blemas sio mais vastos, complexes e variaveis;
cor a intensidade da vida das novas sociedades,
apresentam-se, a curtos intervallos, com os mais
distinctos aspects; e o decurso de tempo, como a
posi~lo das quest6es modificam a situacgo dos
agrupamentos e a propria orientacao das pessoas.
Na political contemporanea, a divisdo classic de
conservadores e liberaes perdeu a coloragAo dis-
linctiva, cor a transformacio das idWas; e o rigor
que a analyse political vae applicando em diffe-
renciar os problems e indicar as solug5es se foi
de tal f6rma accentuando que systems apparen-
temente inconciliaveis, como o individualism e q
socialismo, se vio encontrando, no terreno dod
compromissos praticos.
Os partidos perderam, em toda a parte, o ca-
racter de permanencia, de rigidez, de inflexibili-
dade. A id6a de conservaico ambiguamente li-
gada, aliAs, ao conceito tradicionalista e ao propo-
sito de manutenedo dos regimens vigentes con-
fundiu-se corn a do liberalism, nas f6rmas con-
ciliantes do opportunismo e do progressismo.
Assim, os conservadores inglezes repellem a
reform da Camara dos Lords e o home-rule, pa-
ra a Irlanda, mas prop6em o referendum, que os
liberaes recusam...
Nos paizes novos e democraticos, cujas Cons-
tituiqces compendiam principios avangados e ra-
dicaes, os partidos de programmas politicos s6 se
justificam quando existe uma opinido reacciona-
ria. F6ra disto, elles nAo passam de agrupamen-
tos adventicios, que servem menos para congregar
opini6es, do que para estreitar solidariedades pes-
soaes e embaragar iniciativas livres.







A ORGANIZArAO NATIONAL


Outra illusAo dos politicos 6 a efficiencia da
verdade eleitoral, como base da representag~o das
correntes de idWas.
Confunde-se habitualmente, neste assumpto, o
ponto de vista da moralidade political como o da
realidade representative. No ponto de vista mo-
ral, um paiz de constituicao democratic, cujo
process eleitoral e ficticio ou fraudulent, repou-
sa sobre uma mentira flagrante. Tal democracia
nao se distingue, politicamente, de qualquer auto-
cracia ou oligarchia, senao pela irresponsabilida-
de dos' que exercem a dictadura.
Trata-se aqui de uma condicgo elementary da
Svida legal, mas inverte-se a posiq~o dos fa;ctos
quando se pretend attribuir ao defraudamento
das eleic5es a importancia de umra cousa do so-
phisma da verdade representative.
A pureza do regimen eleitoral result da exis-
tencia do regimen de opiniao. Comp express5o da
vontade collective, a eleigio presupp5e uma men-
talidade collective. As eleiq6es mais puras, que
nao exprimam resultados de lutas entire opini5es,
nio tem por effeito senao firmar o poderio dos in-
dividuos que se investem das delegagoes publicas,
por uma das f6rmas mais antipathicas e grosseiras
da forca bruta: a das maiorias inconscientes.
Maiorias que nfo sabem ao que v6m, ao en-
trar no recinto das assemblies, representam, no
regimen das democracies, o mesmo papel de qual-
quer dos generals barbaros do baixo imperio ro-
mano, elevado ao throno dos Cesares pela forca
impulsiva e brutal das legi5es.
O regimen de opiniao depend de um certo
grau de cultural e de um grau maior de civismo.
Possuimos illustrac6o em escala mais elevada do






ALBERTO TORRES


que civilizagAo. Ao pass que o nosso povo conta
uma immensa massa de analphabetos e, sem in-
cluir os indigenas, de individuos ainda em estado,
material e moral, de selvageria, o numero dos in-
tellectuaes 6 avultado e notavel a elevacgo de seu
prepare. Mas, no intellectualismo, a f6rma erudi-
ta e ornamental predomina sobre a f6rma intense
e raciocinante. Saber muito e dizer bem 6 o ideal
cultivado pela maioria dos que estudam: poucos
se preoccupam cor o former uma philosophia
pratica e ter opiniao sobre os problems; quasi to-
dos affectam, sobre as cousas da political e da vida
public, a indifferenca caracteristica das cultures
de decadencia. Os que n~o usam da cultural como
simples arma de combat pessoal, mantem-se no
tcrreno das formulas vagas e das theories abstra-
ctas, oude nao correm risco de perder sympathies
e popularidade. Ha um proposito de abstencho vi-
sivel, no meio intellectual, que deveria exercer a
iniciativa da discussfo e dar impulso As correntes
de iddas. Os intellectuaes brasileiros consideram o
prepare que possuem um meio de exito pessoal,
sem o ligar a nenhum dever, a nenhuma responsa-
bilidade de accAo e direcqCo social.
A opiniao dos povos modernos, onde a pro-
duceio intellectual 6 escassa, 6 feita pelo jornalis-
mo; mas o journal nao 6 orgdo de direccio, senio
instrument de impresses e de conselhos rapids,
variaveis, naturalmente superficiaes e versateis.
Para realidade do regimen representative, no
sentido de expressio da natureza mental do povo,
6 indispensavel que se formem correntes de opi-
niio; para que estas se formem, 6 necessaria a
existencia de um centro, ou de centros intellectuaes






A ORGANIZAgAO NATIONAL


activos, operando com energia e com liberdade.
Os partidos e agrupamentos politicos sio forgas de
repulsio das personalidades definidas e de esma-
gamento da liberdade de pensar.
Um paiz precisa desenvolver suas forcas in-
tellectuacs, cor o mesmo esmero com que deve
desenvolver suas forcas economics; da intensida-
de e influencia das faculdades mentaes de um po-
vo, cultivadas racionalmente, e exercidas corn li-
berdade e civismo, depend a efficiencia de tudo
mais. Vae long o tempo em que teve credit o
preconceito demagogico de que nao ha homes
necessaries.
Nossa raca e inseparavel de um certo grau de
socialismo de Estado. E', aliAs, visivel, em toda a
part, a deslocagco do problema da posigio do
individuo, em face do Estado, do terreno em que
o havia collocado a divergencia irreductivel en-
tre o socialismo e o individualism. Nao s6 os in-
teresses apresentam necessidades mais vastas e
complexes, demandam obras e servigos superiores
As forgas individuals e as das associagaes civis, co-
mo se passou a perceber que ha despotismos, pri-
vilegios e usurpag6es do individualism, tao odio-
sos e nefastos como as tyrannias governamentaes.
Mas a nossa raca recebeu de seus antepassados
uma tao forte estampa da influencia do estado,
sobre todas as faces da actividade, que o phenome-
no geral encontra nella uma predisposiedo natu-
ral para se desenvolver, e se applica mais exten-
samente. Do lavrador, que reclama do governor a
alta do preco de seus products, ao home de le-
tras, que nao adquire a consciencia de seu valor
literario antes de ter assento no cenaculo do Syllo-





ALBERTO TORRES


geu, todo mundo 6 um pouco fetichista da virtue
magic do Estado...
Assim, o mecanismo governmental, em todos
os seus apparelhos, 6 nao s6mente um nucleo de
vida intellectual em certos ramos, como na po-
litica, quasi exclusive senio tambem o centro
de onde saem, em grande parte, os recursos para
actividade cerebral do paiz.
Da seleccro da sociedade dos governantes, co-
mo da maior ou menor intensidade e liberdade de
acciio deste centro, depend, em alta escala, o grau
de aperfeicoamento e de produccAo da intelligen-
cia national.
E' um facto, uma fatalidade, talvez, da nossa
6pocha, e dos paizes novos sobretudo, contra o
qual nio ha que protestar.
Se os governantes abrem as portas de seus
gabinetes e dao access As capacidades, o paiz ga-
nha em riqueza intellectual; se apertam o circulo,
por estreiteza de vistas ou por intolerancia, as for-
gas dispersam-se, anniquilam-se, e ndo s6 o proprio
governor torna-se um instrument de incapazes, co-
mo as boas intelligencias perdem uma forga pra-
tica de arrimo e de animagAo.
E' umn grave problema este, tio important
como os mais importantes da economic material,
que pede a attengaio dos responsaveis pelo nosso
future: um governor que se preoccupar cor a eco-
nomia dos dinheiros publicos, deve preoccupar-se
com a utilizagio dos valores intellectuaes do paiz.
0 process de escolha do pessoal que nos di-
rige 6 o mais vicioso possivel; e chega a surprehen-
der como dessas singulares oligarchias, domina-
das pelo criterio dos mais dispersivos caprichos e






A ORGANIZAVAO NATIONAL 105

preferencias pessoaes, result subirem As posil6es
alguns homes de valor. Mas o numero destes po-
deria ser muito maior, se houvesse mais esforgo
por prest'giar os capazes e mais amor A liberdade
de pensar e A iniciativa intellectual.
Um governor republican, sinceramente dcse-
joso de fundar a nossa democracia sobre a opi-
nidt) esclarecida, deveria comegar por elevar As
pl-sic6es publicas, e animar para o trabaiho, os
homes que pensam, que crem na efficacia das
ideas e tem a coragem serena e firme de suas opi-
nioes.
S6 da acgio de taes individualidades p6de
surgir umra verdadeira democracia representative.




University of Florida Home Page
© 2004 - 2010 University of Florida George A. Smathers Libraries.
All rights reserved.

Acceptable Use, Copyright, and Disclaimer Statement
Last updated October 10, 2010 - - mvs