• TABLE OF CONTENTS
HIDE
 Front Cover
 Title Page
 Front Matter
 Dedication
 Preface
 Introduction
 Primeira parte
 Segunda parte
 Index
 Errata






Group Title: Companhias de colonizaðcäao
Title: Companhias de colonizacao
CITATION THUMBNAILS PAGE IMAGE ZOOMABLE
Full Citation
STANDARD VIEW MARC VIEW
Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/UF00075413/00001
 Material Information
Title: Companhias de colonizacao
Physical Description: 207 p. : ; 24 cm.
Language: Portuguese
Creator: Moraes Carvalho, Arthur de
Publisher: Imprensa da Universidade
Place of Publication: Coimbra
Publication Date: 1903
Copyright Date: 1903
 Subjects
Subject: Colonial companies   ( lcsh )
Genre: non-fiction   ( marcgt )
 Record Information
Bibliographic ID: UF00075413
Volume ID: VID00001
Source Institution: University of Florida
Holding Location: University of Florida
Rights Management: All rights reserved by the source institution and holding location.
Resource Identifier: ltuf - AAT6549
oclc - 02917958
alephbibnum - 000170135
lccn - 38019709

Table of Contents
    Front Cover
        Front Cover 1
        Front Cover 2
    Title Page
        Title Page 1
        Title Page 2
    Front Matter
        Front Matter 1
        Front Matter 2
    Dedication
        Dedication 1
        Dedication 2
        Dedication 3
        Dedication 4
    Preface
        Preface 1
        Preface 2
    Introduction
        Page 1
        Page 2
        Page 3
        Page 4
        Page 5
        Page 6
        Page 7
        Page 8
        Page 9
        Page 10
        Page 11
        Page 12
        Page 13
        Page 14
        Page 15
        Page 16
        Page 17
        Page 18
        Page 19
        Page 20
        Page 21
        Page 22
        Page 23
        Page 24
        Page 25
        Page 26
    Primeira parte
        Page 27
        Page 28
        Page 29
        Page 30
        Page 31
        Page 32
        Page 33
        Page 34
        Page 35
        Page 36
        Page 37
        Page 38
        Page 39
        Page 40
        Page 41
        Page 42
        Page 43
        Page 44
        Page 45
        Page 46
        Page 47
        Page 48
        Page 49
        Page 50
        Page 51
        Page 52
        Page 53
        Page 54
        Page 55
        Page 56
        Page 57
        Page 58
        Page 59
        Page 60
        Page 61
        Page 62
        Page 63
        Page 64
        Page 65
        Page 66
        Page 67
        Page 68
        Page 69
        Page 70
        Page 71
        Page 72
        Page 73
        Page 74
        Page 75
        Page 76
        Page 77
        Page 78
        Page 79
        Page 80
        Page 81
        Page 82
        Page 83
        Page 84
        Page 85
        Page 86
        Page 87
        Page 88
        Page 89
        Page 90
        Page 91
        Page 92
        Page 93
        Page 94
        Page 95
        Page 96
        Page 97
        Page 98
        Page 99
        Page 100
        Page 101
        Page 102
        Page 103
        Page 104
        Page 105
        Page 106
        Page 107
        Page 108
    Segunda parte
        Page 109
        Page 110
        Page 111
        Page 112
        Page 113
        Page 114
        Page 115
        Page 116
        Page 117
        Page 118
        Page 119
        Page 120
        Page 121
        Page 122
        Page 123
        Page 124
        Page 125
        Page 126
        Page 127
        Page 128
        Page 129
        Page 130
        Page 131
        Page 132
        Page 133
        Page 134
        Page 135
        Page 136
        Page 137
        Page 138
        Page 139
        Page 140
        Page 141
        Page 142
        Page 143
        Page 144
        Page 145
        Page 146
        Page 147
        Page 148
        Page 149
        Page 150
        Page 151
        Page 152
        Page 153
        Page 154
        Page 155
        Page 156
        Page 157
        Page 158
        Page 159
        Page 160
        Page 161
        Page 162
        Page 163
        Page 164
        Page 165
        Page 166
        Page 167
        Page 168
        Page 169
        Page 170
        Page 171
        Page 172
        Page 173
        Page 174
        Page 175
        Page 176
        Page 177
        Page 178
        Page 179
        Page 180
        Page 181
        Page 182
        Page 183
        Page 184
        Page 185
        Page 186
        Page 187
        Page 188
        Page 189
        Page 190
        Page 191
        Page 192
        Page 193
        Page 194
        Page 195
        Page 196
        Page 197
        Page 198
        Page 199
        Page 200
        Page 201
        Page 202
    Index
        Page 203
        Page 204
        Page 205
        Page 206
        Page 207
        Page 208
    Errata
        Page 209
        Page 210
Full Text



ARTHUR DE MORAES CARVALHO
Alamno da Fauldade do Direito




COMPANHIAS


DE



COLONIZACO
J,


COIMBRA
IMPRENSA DA UNIVERSIDADE
1903







ARTHUR DE MORAlES C-I-4ARVALHO
A mnilo da Fa.ihl;lade iD lirrito




COMPANHIAS


DE



COLONIZACO


COIMBRA
IMPRENSA DA UNIVERSIDADE
1903




















x ~i








395 ,r








M?7
Ad


















Dissertao para a cadeira de Economia
Political da Faculdade de Direito da
Universidade de Coimbra, publicada
por benevola indicao do Ex.." Lente
Cathedratico.


















A meus Paes
















Illustrissimo e Excellentissimo Senhor



Dr. Jos Ferreira Marnoco e Sousa
,nte Catlheratico da Faculdade id Direito


O actor.



















PREFACIO



facto indiscutivel que o problema colonial attingiu
actualmente, em todos os paizes, uma excepcional impor-
tancia. Raro se abre o numero de um journal ou uma revista
de Economia Politica, sem que se depare com um artigo,
que encarea a importancia da colonizao.
Portugal tambem no ficou extranho a essa corrente
imperiosa, que impelle as grandes naes da Europa para
as terras de alm-mar. E, se foi aos emprehendimentos
maritimos, que devemos o nosso papel preponderante na
historic do mundo, hoje, decorridos seculos, depois de
tantas vicissitudes, ainda no ultramar que devemos
firmar a esperana do nosso resurgimento.
No podia, pois, o illustre professor, que rege a cadeira
de Economia Politica, ter escolhido assumpto de maior
opportunidade, do que o que serve de object ao present
trabalho Companhias de colonizao.

Dividimos o nosso exercicio em duas parties: fazemos,
na primeira, a historic resumida das companhias antigas
e modernas, que occuparam ou occupam um logar impor-

























tante na historic da administrao colonial; na segunda,
a apreciao da utilidade d'essas companhias como process
de colonizao. Julgmos convenient preceder esse estudo
de algumas consideraes sobre colonizao em geral, con-
sideraes que formam o object da Introducao.

Eseripta, como foi, no cumprimento de obrigaes aca-
demicas, a present dissertao ha de naturalmente resen-
tir-se da exiguidade do tempo e da falta de elements com
que luctmos. Que as condies em que foi elaborada nos
proporcionem, ao menos, a benevolencia d'aquelles que a
lerem.

















INTRODUCO




















INTRODUCO


IDEIAS GERAES SOBRE COLONIZAO



SUMMARIo:-I. O que a colonizao.-Il. Historia da colo-
nizao.-III. Causas da colonizao. IV. Utilidade
das colonies e importancia da colonizao.-V. Legi-
timidade da colonizao.-VI. Systems de colonizao.
As grades companhias colonials.



I

O que a colonizao

Outr'ora o explorador ousado adquiria para o seu paiz,
s pelo facto de as ter descoberto, as novas terras que ia
enc6ntrando. Bastava, por exemplo, que, numa viagem em
busca de novos mundos, um navegador portuguez desco-
brisse regimes d'antes no conheidas, para que Portugal
podesse reclamar a soberania d'essas regimes.
O navegador era considerado como um achador que tem
direito cousa que achou. Diziam os romanos: non est enim
corpore et tactu necesse apprehendere possessionem, sed etiam











oculis et afectu (1). A theoria da adquisiGo da soberania
resultante da prioridade do descobrimento era a conee-
quencia da applicao d'este principio ao direito interna-
cional.
Nio tardou, porm, que mais alguma cousa se exigisse:
theoria da prioridade do descobrimento succedeu a theoria
da prioridade da occupao. Torna-se ento necessario que
o navegador ponha o p em terra, que ahi levante uma
cruz ou deixe qualquer padro testemunhando a sua pas-
sagem. E necessario que haja um contact material entire
o sujeito e o object da occupao, para que se realize a
inteno do navegador de adquirir para o seu paiz a sobe-
rania das terras, que fora o primeiro a descobrir.
Hoje os conhecimentos geographicos esto muito avan-
ados; o globo terrestre, salvo nas regimes polares, j foi
percorrido em todos os sentidos por um grande numero de
exploradores, de modo que rarissimo ser poderem fazer-se
descobrimentos, na accepo propria da palavra.
Mas, se a theoria da prioridade do descobrimento se
p6de considerar como pertencendo ao passado, o mesmo
j no se pde dizer da theoria da prioridade da occupago.
Ainda hoje, quando o representante official de um estado
desembarca num territorio nullius e ahi desfralda a bandeira
da sua nao, ainda hoje, como nos seculos precedents,
este acto symbolic de occupao traz como consequencia
a adquisio da soberania.
A occupao no pde deixar de ser ficticia aprincipio;
sempre assim foi e provavel que assim continue a ser.



(1) Paulo, 1. I, p. 21, de possession, cit. por Ch. Salomon, L'occu-
pation des terrtoires sans maitre, p. 281.










Ha, no emtanto, uma differena entire o passado e o pre-
sente. Se outr'ora nenhum inconvenient nem perigo havia
em que a occupago permanecesse nominal e ficticia, hoje
j no succede o mesmo: a occupao ficticia confere apenas
um direito condicional e momentaneo.
Para que o territorio no volte sua primitive natureza
de nullius indispensavel que a occupao se torne effe-
ctiva. Exige-se a presena do estado no territorio anterior-
mente nullius, preciso que se lancem as primeiras bases
de uma organizago political e administrative. O unico
direito agora reconhecido o direito de occupao com
explorao effective, pois principio assente que quem no
pbde ou no sabe colonizar tem que abdicar. S a coloni-
za&o confere direitos de soberania.
No quer isto dizer que a colonizao seja apenas um
facto de hoje; pelo contrario, quasi todos os povos civili-
zados tem colonizado, mas s nos nossos dias que a
colonizao se tornou indispensavel para firmar a soberania.

Mas o que se deve entender por colonizao?
commum esta phrase colonizar as colonies com ele-
mentos europeus. No neste sentido, comtudo, que ns
empregaremos a palavra colonizao no decorrer do
nosso exercicio. Tal conceito envolve evidentemente a con-
fuso de dois terms: colonizao e emigrao.
A emigrao um instinct: as aves, os peixes, todos
os animaes, emfim, emigram. A emigrao um facto de
todos os tempos; comeou com os primeiros habitantes do
globo; todos os povos emigram.
A colonizao, pelo contrario, propria apenas de series
intelligentes e livres: s os povos civilizados colonizam.
Neste sentido, podemos definir a colonizao, com Leroy-


i. *.








6


Beaulieu (1): a aco methodica de um povo civilizado sobre
outro de civilizao inferior. Coloniza todo o povo que
impe a outro, barbaro ou de civilizao inferior, as suas
ideias, as suas leis, a sua lingua, a sua religio, os -seus
costumes e os seus processes.
No basta, portanto, dizer que various individuos aban-
donaram a sua patria por outro paiz para que estejamos
em presena de um caso de colonizao (2). Assim, uma
tribu barbara que, impellida pela fome, abandon um ter-
ritorio, onde os products da caa se tornaram escassos,
para se transportar para mais long; as populaes civili-
zadas que vo fixar o seu domicilio para alm das fron-
teiras da sua patria, mas num territorio pertencente a outro
estado egualmente civilizado, no colonizam. Falando-se,
quer de uma, quer de outras, no se pde pensar na funda-
o de colonies; trata-se apenas de um caso de emigrao.
Para que haja colonizao necessario suppr emigrantes
saidos de um paiz civilizado, indo estabelecer-se num ter-
ritorio inhabitado ou, pelo menos, occupado por uma popu-
lao selvagem ou de civilizao inferior.
A aco benefica e civilizadora que os emigrantes exer-
cero sobre as cousas, utilizando todas as riquezas naturaes
de que os primeiros habitantes no souberam tirar partido,
e sobre os homes, fazendo esquecer aos indigenas os seus
habits selvagens e elevando-os at nossa civilizao: essa
aco benetica e civilizadora que constitute a essencia da
colonizao.


(1) Leroy-Beauicu, La colonisation au xix XIX sicle, no Nouveau
dictionnaire d'conomiepolitique, de Lon Say, t. I, p. 448.
(2) Arthur Girault, Prncipes de colonization et de lgilation colo-
niale, pp. 22 e segg.








7




II

Historia da colonizao


Quasi todos os povos civilizados tem colonizado.
J, na antiguidade, os phenicios tiveram um grande
numero de colonies (1) semeadas em various pontos da costa
do Mediterraneo. Uma d'essas colonies Carthago tornou-se,
por sua vez, a metropole de novas colonies, fundadas sob
o mesmo typo, no Mediterraneo occidental.
A colonizao grega desempenhou tambem um papel
muito important na historic antiga. As colonies que os
gregos fundaram, completamente independents da me-
patria, gozavam de uma autonomia absolute; eram, no
emtanto, as fieis alliadas da metropole e uniam-nas a ella
os mesmos sentiments religiosos.
A colonizao romana foi o typo da colonizao military.



(1) Os phenicios percorreram todo o Mediterraneo oriental e che-
garam at Chypre, que ajudaram a submetter ao dominio egypcio.
Colonizaram, alm d'isso, pelas necessidades do seu commercio, a
ilha de Creta e a Celicia; chegaram at ao Mar Negro e talvez
Colchida, junto ao Caucaso; para o interior da Asia extenderam as
suas relaes at ao Tigre e ainda at Arabia; lanaram-se depois
na direeo do occidente e foram semeando de colonies e estabele-
cimentos commercials a Sicilia, a Sardenha, a Corsega, a ilha de
Malta, as ilhas Baleares, a costa da Gallia e da Hespanha e todo o
littoral norte da Africa; atravessaram, por fim, o estreito de Gibraltar,
aventurando-se para o norte at perto, talvez, das costas da Gr-
Bretanha, e para o sul e occidente at s Canarias e s ilhas de
abo Verde,










A fim de assegurar a obediencia e a submisso dos povos
que ia encorporando no seu imperio, Roma estabelecia nesses
territories como que uma guarnio fixa e permanent.
colonizao dos povos antigos segue-se o long eclipse
da edade-mdia (1). s depois, no seculo xv, com os
descobrimentos dos portuguezes e dos hespanhoes, que a
atteno se volta novamente para as colonies. O papa Ale-
xandre VI divide o mundo ento conhecido entire Portugal
e a Hespanha. No tardou, porm, que outras naes recla-
massem a sua parte. Assim, os hollandezes disputam-nos
o commercio do extremo Oriente e fazem de Batavia o
centro de estabelecimentos importantes. Os francezes e os
inglezes chegam, por seu turno, e dirigem uns e outros as
suas vistas sobre a India e a America do Norte. At a
Suecia, a Dinamarca e a Prussia se deixam seduzir pela
miragem do commercio da India.
A revoluo franceza e as guerras de Napoleo desviam
a atteno para a Europa. Mas pouco mais de um moment
durou esta pausa na historic da colonizao. Com o des-
abrochar da segunda metade do seculo xxx a lucta pelas
colonies redobra de intensidade. Pde-se at dizer que,
entire os factos que assignalam na historic os ultimos annos
do seculo passado, se destaca a febre da expanso colonial
que se apoderou de todas as naes da Europa.
Foi esse movimento de expanso que tornou a Inglaterra
a primeira nao colonial de todo o mundo; que levou a
Frana a reconstituir o seu imperio ultramarino; que con-
duziu os russos, atravez das vastas steppes asiaticas, at s
portas da China; que fez com que a Allemanha, ainda no


(1) Girault, ob. cit., pp. 17 e segg.








9

ha muito considerada apAnas como um povo de soldados,
se tornasse uma potencia colonial de primeira ordem; que
incitou a Italia a procurar no mappa os pedaos pelos outros
esquecidos e a apoderar-se d'elles com avidez; que adquiriu
para a Belgica o florescente Estado do Congo; foi elle
tambem que impulsionou Portugal, depois de um long
period de inaco, a empregar todos os esforos no des-
envolvimento dos seus vastos e ricos dominios ultrama-
rinos.

III

Causas da colonizao

Mas que sentiments, que consideraes guiaram os povos
na obediencia a essa corrente imperiosa da colonizao?
Foram muitos e complexos os incentives e diversos con-
forme os tempos.
Assim, na antiguidade, uma causa que muito contribuiu
para a fundao de colonies foi a occupao de terras mais
favoraveis ao desenvolvimento do genero human, isto ,
terras mais ricas em vegetaes e em animaes, onde o home
julgava poder satisfazer mais facilmente as suas necessi-
dades (1). Outras causes havia, no emtanto: as intempe-
ries que reduziam as subsistencias, as dissenoes political
e as luctas religiosas, s vezes a cubia de um porto de
mar ou de um clima mais suave e at a mera obediencia ao
oraculo de Delphos.
Mais tarde, um product desconhecido do solo ou da


(1) J.-L. de Lanessan, Principes de colonisation, p. 1.








10 *

industrial humana, um animal util, generous raros, que o
colonizador vae procurar long da sua patria e que tro-
car pelos products d'esta. ainda a curiosidade que leva
o home a abandonar a terra que o viu nascer para ex-
plorar o resto do mundo; o desejo que cada povo tem
de ver alargada a esphera da sua influencia; a sde de
gloria; , finalmente, a necessidade de imperar.
So tambem muitas e varias as causes que actualmente
arrastam as naes lucta pelas colonies.
Em primeiro logar, o desenvolvimento rapido, que nestes
ultimos annos se deu na populao das varias naes euro-
pas, fez-lhes sentir a necessidade de sairem para f6ra
dos estreitos recintos em que at ahi tinham estado encer-
radas.
Em segundo logar, a applicao do vapor e da electri-
cidade industrial trouxe como resultado o augmento extra.
ordinario das faculdades productivas das varias naes da
Europa. Que fazer d'esse excess de produco, como
lan-lo em territorio alheio, numa epoca em que o sys-
tema proteccionista encontra da parte de todos oa governor
a mais decidida protecio?
O remedio para este mal no podia ser seno a fundao
de colonies, abrindo assim mercados aos products super-
abundantes da metropole e fornecendo as materials primas
indispensaveis existencia das industries.
Estas so as causes economics que determinaram o
grande movimento de expanso dos nossos dias; no so,
porm, as unicas.
Effectivamente, se todas as naes da Europa caminham
hoje no mesmo sentido a annexao de novos territories
que todas ellas obedecem a um impulso irresistivel, a
uma necessidade universal superior a todas as paixes;








11


que todas ellas comprehendem que o mundo pertencer
a um pequeno numero de povos, que tiver sabido impr
melhor o seu genio, a sua lingua, os seus costumes e as
suas instituies; que todas ellas bem sabem que a ex-
pansio de uma raa para fra das suas fronteiras a pri-
meira condio da sua durao.
As antigas tradies da humanidade esto sempre vivas,
escreve Haulleville (1). Por mais long que se remote
na edade do mundo, ns vemos sempre as naes em lucta
p,ela soberania supreme. uma lei historic e toda a his-
toria do mundo cabe nos annaes d'essa lucta incessante.
Mostrando-se to ardentes na obra colonial, as naes
obedecem a essa lei; procuram, com effeito, alcanar a
superioridade sobre as suas rivaes.
A lucta pelas colonies presentemente a lucta pela vida.
Nestes tempos que vo correndo, tempos de concorrencia
universal, quem no avana, recua, e quem reca, more.
A nao que se desinteressar da batalha corre para o abysmo,
e, dentro em pouco, do que foi, do papel glorioso que por-
ventura tenha desempenhado no passado, restar apenas
ama recordao!

IV

Utilidade das colonies e importancia da colonizao

A utilidade das colonies foi contestada durante muito
tempo e ainda hoje alguns ha que a pem em duvida. Os



(1) Alphonse de Haulleville, Les aptitudes colonisatrices des belges
et la question colonial en Belgique, p. 370.











economists mais notaveis pronunciaram-se contra as em-
prezas coloniaes. Benjamin Franklin, Joo-Baptista Say,
Molinari, Laveleye, Frederico Passy, Yves Guyot nega-
ram a utilidade das colonies.
Mas hoje so muito poucos os adeptos d'essa opinio,
que cada vez vae perdendo mais terreno. Adam Smith,
Stuart Mill, Roscher, Leroy-Beaulieu, Bordier, Gide, Cau-
ws, Chailley-Bert e outros defendem com vantagem a
causa da expanso colonial.
Vejamos em que consiste a utilidade das colonies.
O primeiro effeito da colonizao uma dupla emigrao
de homes e de capitals (1). Mas essa emigrao um
mal, como pensava Joo-Baptista Say, ou antes um bem,
conforme a opinio hoje dominant?
Pelo que diz respeito emigrao humana, para provar
que os seus effeitos so perniciosos,. tem-se dito que ella
rouba a um paiz braos que poderiam fecund-lo. Para
demonstrar que os seus resultados so beneficos tem-se
respondido que ella obsta ao abaixamento dos salaries e '
que pe termo ao pauperismo, desembaraando o mercado
do superfluo de braos sem emprego.
A emigrao no tem a importancia que se lhe attribue (2).
Ha at quem tenha comparado a sua influencia sobre o
organismo social influencia exercida sobre o organismo
de um individuo por um fluxo de sangue. Assim como este
no consegue enfraquecer um corpo vigoroso nem impedir
uma apoplexia, assim tambem a emigrao incapaz quer



(1) A. Girault, ob. cit., pp. 36 e segg.
(2) Paul Leroy-Beaulieu, De la colonisation chez les peoples mo-
dernes, p. 610.








13

de roubar a uma nao o seu vigor e a sua vitalidade, quer
de livr-la de um excess de populao.
A verdade que a emigrao influe no movimento da
populao de um modo passageiro e muito superficial; no
pde regular nem retardar ou accelerar esse movimento
permanentemente, a no ser que seja acompanhada ou
seguida de modificaes consideraveis no regimen econo-
mico e no estado moral das sociedades em que tem logar.
Por conseguinte, a questo tem que ser posta em outros
terms. O que se torna necessario saber se ou no pre-
ferivel que os emigrantes vo para o extrangeiro em vez
de se dirigirem para as colonies. Parece-nos incontestavel
a vantage de que a corrente da emigrao se dirija antes
para as colonies: para a nao, porque conserve os seus
filhos, ao passo que no extrangeiro a pouco e pouco perdem
o character national; para os emigrantes, porque encontram
nas colonies um acolhimento favoravel, que lhes muitas
vezes recusado na terra extranha.
E a emigrao dos capitaes para as colonies ser tambem
proveitosa? Ha quem sustente que ella empobrece o paiz
que os export, impedindo a baixa dos juros e a alta dos
salaries. Pensamos, pelo contrario, com Leroy-Beaulieu (1)
e Girault (2), que a emigrao dos capitaes um bem:
augmenta os rendimentos e, por consequencia, os meios
de consumo dos capitalistas nacionaes, abre indirectamente
novos mercados industrial e ajuda a saldar o excedente
das importaes sobre as exportaes. Assim, por exemplo,
os capitals que a Inglaterra tem accumulado nas suas
colonies offerecem aos seus proprietarios juros mais ele-

(1) Leroy-Beaulieu, De la colonization, pp. 528 e segg.
(2) A. Girault, ob. cit., p. 38.








14

vados, criam no ultramar novos artigos de troca que se
permutam com os artigos da me-patria, original materials
primas que alimentam por um preo mais baixo as officinas
da metropole, e constituem ao mesmo tempo um pedido
sempre crescrente de products manufacturados.
E no so s estas as vantagens das colonies. As rela-
es commerciaes so mais seguras com uma colonia do
que com uma nao extrangeira. Os habitantes de uma
colonia dirigem-se de preferencia ao seu paiz de origem,
onde encontram os mesmos gostos, os mesmos habitos, a
mesma lingua. E ainda quando se separam, as colonies con-
tinuam a ser os melhores clients da metropole. Foi esta
verdade que levou Alexandre Herculano a dizer que o
Brazil se tornou a nossa melhor colonia depois que deixou
de ser colonia nossa.
verdade que um estado que coloniza tem que entrar
em grandes despezas, mas, com o tempo, o desenvolvi-
mento da industrial, do commercio e da navegao, o
augmento geral da riqueza public compensam largamente
os sacrificios feitos. Por isso, ns, portuguezes, devemos
dar como bem empregadas todas as despezas que fizermos
com as nossas colonies, na certeza de que a convenient
explorao e aproveitamento do nosso dominio colonial ho
de trazer como consequencia necessaria o accrescimo das
receitas pioprias das provincias ultramarinas, permittindo
assim que ellas possam auxiliar a metropole na satisfao
dos encargos, que em parte contraiu por sua causa.
As colonies so tambem um instrument valiosissimo
para equilibrar a balana economic de um paiz (1).


(1) Para mostrar qual a utilidade das colonies sob este ponto de
vista, basta dizer que ns importamos annualmente do extrangeiro









15


Mas uma das maiores utilidades das colonies, sob o
ponto de vista economic, fornecer materials primas que
no existem na metropole e abrir mercados seguros aos
products da me-patria (1). E actualmente esta vantagem
tende a tornar-se cada vez maior, em virtude das tenden-
cias proteccionistas e exclusivistas do nosso tempo.
A America foi durante muitos annos o mercado onde
a Europa vendia os seus products e d'onde tirava as
suas materials primas. Veio, porm, o moment em que os
Estados Unidos quasi se fecharam industrial europa e
chegam mesmo a extender a sua influencia, collocando os
products da sua industrial na America central e meridional
e at6 na propria Europa.


assucar, caf, trigo em gro e substancias oleoginosas num valor
superior a 11.000:000b000 ris, numerous redondos. E vamos buscar
esses products a paizes situados na mesma latitude e em condies
climatericas identical s de algumas das nossas possesses! Basta,
portanto, que imprimamos s nossas colonies a actividade de que
tanto carecem, para que poupemos essa somma enorme que todos
os annos pagamos ao extrangeiro.- Antonio Eduardo Villaa, Rela-
torio, propostas de lei e documents, relatives s provincial ultrama-
rinas, apresentados Camara dos Senhores Deputados da nao por*
tugueza, na sessao de 20 de maro de 1899, t. I, p. 9.
(1) Se Portugal, por exemplo, no tivesse um imperio ultramarino,
teria que importar do extrangeiro materias primas e products que
agora recebe das suas colonies e, por outro lado, deixaria de exportar
muitas mercadorias que provem das provincias do ultramar; e estes
dois factos nio so sem importancia, no s porque, ainda quando
se fechassem os mercados extrangciros, a nossa industrial nio ficaria
sem materials primas, nem os seus products sem collocao, mas
ainda porque as materials primas e os products, provenientes das
colonies, vem attenuar a necessidade da exportao do ouro, que
j nio demasiado para saldar os encargos dos emprestimos con-
trados no extrangeiro.








16


Ao passo que a industrial americana se ergue assim
ameaadora para as naes do velho continent, o mercado
das materials primas dos Estados Unidos torna-se cada vez
menos accessivel.
Foi por isso que a Europa se voltou para a Africa, a
fim de assegurar novos mercados para compensar aquelles
que a America fechou.
Talvez no venham fra de proposito as seguintes per-
guntas: Quando a Africa comear tambem a produzir o
sufficient para as suas necessidades, quando os mercados
africanos se fecharem aos products europeus, o que acon-
tecer? O que resultar do grande movimento de expanso
actual? Que conflicts provocar esse movimento? Quem
sero os vencedores e quem sero os vencidos? Eis o segredo
do future, de um future que felizmente ainda se mostra lon-
ginquo. O preto, para ns, na phrase de Jean Darcy (1),
ainda no um concorrente, contina a ser um client.
Sendo as colonies uma fonte inexhaurivel de materials
primas, so, consequentemente, um campo de produco
mais fecundo, onde o trabalho e o capital encontram facil-
mente uma remunerao superior da metropole. A indus-
tria, tendo na sua frente mercados mais vastos, pde e
deve produzir mais, e esta produco, em maior escala,
chama novos aperfeioamentos e novos progressos. As co-
lonias concorrem, portanto, para o desenvolvimento das
industries (2).


(1) Jean Darcy, La conqule de l'Afrique, p. 14.
(2) A nossa exportao national e nacionalizada foi, em 1887, de
621:000000 ris, e, em 1897, de 3.507:500000 ris. Dos numerous
antecedentes, escreve o sr. Conselheiro Eduardo Villaa, poder j
inferir-se com bastante probabilidade de acerto que a nossa industrial









17


SMas as vantagens das colonies no so apenas de ordem
economic. Talvez ainda mais importantes do que estas,
sejam as vantagens de ordem moral e political.
As colonies offerecem s classes liberaes e parte supe-
rior da classes operaria da metropole collocaoes cuja im-
portancia no deve deixar de ser tomada em considerao,
tanto mais que, nas velhas naes europas, engenheiros,
architects, advogados, medicos, etc., encontram grandes
dificuldades para conseguir emprego remunerador dos seus
meritos e conhecimentos.
As colonies fazem a fora e a grandeza de uma nao.
Se a Frana no tivesse reconstituido o seu imperio colo-
nial poderia, num fututo no muito longinquo, vir a occupar
no mundo um logar semelhante ao que hoje occupam a
Grecia e a Romania.
tambem a ellas que a orgulhosa Albion deve as suas
admiraveis qualidades de vigor moral. Obrigada a velar
pelo seu dominio colonial, a sua atteno e a sua actividade
esto constantemente fixas sobre o seu imperio e sobre as
causes de desaggregao que poderiam amea-lo. D'aqui
result que a raa conserve a sua virilidade e o seu poder
moral e que se retempera incessantemente (1).


tem alargado a collocao dos seus products nos mercados coloniaes;
mas a analyse das estatisticas de exportao por differences classes
de mercadorias e de importao nas alfandegas ultramarinas, com-
parada com o estudo dos facts que so indicadores do desenvolvi-
mento industrial, confirmam-nos inteiramente na certeza de que, com
o successive aproveitamento e conquista de alguns d'aquellcs prin-
cipacs mercados, a industrial da metropole tem adquirido nestes
ultimos annos um notavel e assignalado progresso. Antonio
Eduardo Villaa, Relatorio cit., t. I, p. 6.
(1) Haulleville, ob. cit., p. 382.
2


*l _^__








18

Todo o poder da Inglaterra devido s suas colonies.
Se as perdesse, o seu commercio soffreria um rude golpe.
Quando a Frana se viu forada a ceder o Canad
Inglaterra, em Paris ninguem ligou importancia a este
facto. Que poderia importar A Frana a perda de meia
duzia de geiras de gelo arpents de neige como dizia
Voltaire? A Inglaterra deixou rir Voltaire vontade e
metteu hombros colonizao do Canad. As geiras de
gelo constituem hoje um dos elements principles da sua
grandeza e da sua prosperidade!
Portugal sem colonies seria um pequeno estado sem
prestigio, como a Grecia. As colonies so para ns quasi
uma questo de vida ou de morte. Portugal, quando con-
siderado smente no territorio continental e das ilhas adja-
centes, occupa posio inferior da escala no confront com
os demais paizes da Europa: o 13.0 logar em relao
rea territorial e o 11.0 relativamente A populao. Mas,
se na comparao entrarem em linha de conta os extensos
tratos de terreno que possuimos na Asia, na Africa e na
Oceania, muito different o logar que passamos a occupar
na lista das naes, ficando nossa direita apenas cinco
dos principles estados europeus.
Os riscos de um emprehendimento colonial, o movimento
e a actividade que desperta, os numerosos interesses que
se agrupam em torno de uma colonia, as emprezas creadas
para a desenvolver e tirar lucros dos seus recursos, o
enthusiasm que provoca a descripo dos feitos praticados
em remotas paragens, tudo isto d vigor e energia a uma
nao, como que lhe renova o sangue que lhe corria nas
veias.
Da utilidade das colonies infere-se a importancia da colo-
nizao. A colonizao a fora expansive de um povo,









19


, por assim dizer, o seu poder de reproduco e multi-
plicao. Uma nao que coloniza lana as raizes do seu
esplendor no future, pois submette uma parte do mundo
aos seus costumes, s suas ideias, s suas leis e sua
lingua.
Terminando o seu notavel trabalho -De la colonisation
chez les peuples modernes -escreve Leroy-Beaulieu (1):
Qualquer que seja o ponto de vista que se encare, quer
nos limitemos considerao da prosperidade e do poder
material, da auctoridade e da influencia political, quer
nos elevemos contemplao da grandeza intellectual,
eis uma phrase de uma verdade incontestavel: o povo
que coloniza mais o primeiro; se no o hoje, s-lo-ha
manh.
E seria superfluo accrescentar mais, sobre as vantagens
das colonies e a importancia da colonizao, no moment
actual em que todas as naes da Europa tem a sua
atteno voltada para as terras de alm-mar.



V

Legitimidade da colonizao

Muitos escriptores, sendo os primeiros a reconhecer as
vantagens da colonizao, negam todavia a sua legitimi-
dade; para elles uma nao no tem o direito de colonizar.
Os que assim pensam partem da ideia que todos os
homes so eguaes entire si, e chegam concluso de que



(1) Leroy-Beaulieu, De la colonisation, p. 642.
*









20

todas as raas so eguaes entire si (1). Por consequencia,
os selvagens tem o direito de exigir que os povos civili-
zados os deixem viver socegados nos territories que occu-
pam de gerao em gerao. Para que civiliz-los desde
que elles se sentem felizes taes como so? Para que trans-
tornar os seus habitos e a sua occupao da vida? Afinal
a civilizao o que faz crear-lhes necessidades que elles
d'antes desconheciam, tornando-os assim muito mais infe-
lizes. A colonizao no mais do que o triumph brutal
e feroz da fora sobre o direito. De resto, a palavra civi-
lizao a mascara com que as naes civilizadas pro-
curam occultar as suas ambioes e as suas cubias! O-que
ellas pretendem, de facto, substituirem-se aos indigenas,
a fim de se apoderarem das riquezas contidas nos territo-
rios que occupam.
Mas estes arguments no procedem. Longe de ns o
querermos provar que as naes europas se abalanam
aos emprehendimentos coloniaes, s pelo gozo de satisfaes
platonicas, s para conseguir uma gloria ephemera, s para
levar aos indigenas a civilizao de que ellas gozam na
Europa. Nessa march impetuosa do velho mundo para os
novos continents, bem sabemos que o principal incentive
no a esperana que cada nao tem de tornar em rea-
lidade os sonhos brilhantes da sua imaginao, mas a con-
vico de que ao period da conquista succeder o period
da explorao do solo, da utilizao economic do terri-
torio, a convico de que vae assegurar campos inexgota-
veis actividade dos seus agricultores, dos seus industries
e dos seus commerciantes.



(1) A. Girault. ob. cit., pp. 29 e segg.








21

mesmo possivel que os selvagens, ao contact dos
povos occidentaes, se tornem mais infelizes do que d'antes,
em virtude das novas necessidades que crearam, mas nem
por isso deixaro de ser mais civilizados. Pois no uma
verdade economic que o grau de civilizao de um povo
se mede pela multiplicao das suas necessidades?
Negar aos povos civilizados o direito de colonizar negar
toda a possibilidade de progress human! Uma raa de
homes no pde ter o direito de recusar qualquer com-
municao com os seus semelhantes, nem de inutilizar ter-
ritorios immensos de que no sabe tirar partido.
Um povo, j dizia Yhering (1), no vive s para si,
vive tambem para os'outros, e todos os outros povos tem
o direito de manter relaes com elle. A lei da diviso do
trabalho regular tambem a vida das naes. Nenhum solo
produz tudo, nenhum povo pde tudo. por um auxilio
e por uma expanso reciprocos que se equilibra entire os
povos a imperfeio de cada um d'elles em particular.
Quando um povo se mostra incapaz de utilizar o solo que
a natureza poz sua disposio, deve ceder o logar a outro.
A terra pertence ao brao que a sabe cultivar. Os povos
europeus esto no seu direito quando abrem fora os rios
e os portos do Celeste Imperio e do Japo, e quando obri-
gam estes povos a fazer o commercio. O commercio no
apenas uma questo de interesse dependent da livre
vontade dos povos, um direito e um dever. Recusar cum-
prir esse dever insurgir-se contra as ordens da natureza,
contra os ensinamentos da historic. Uma nao que se isola



(1) Yhering, Esprit du droit remain, t. I, pp. 6 e segg. (traduco),
cit. em Haulleville, ob. cit., p. 368.








22

no s commette um crime contra si propria, pois priva-se
dos meios de aperfeioar a sua educao, mas torna-se
culpada de uma injustia para com os outros povos. O isola-
mento o crime capital dos povos, porque a lei supreme
a communidade. Uma raa que repelle a ideia do con-
tacto com a civilizao, isto , da educao pela historic,
perde, ipso facto, o direito existencia. O mundo pde
exigir a sua eliminao.
Ainda hoje se pde dizer que uma grande parte da terra
pertence a tribus barbaras ou selvagens, cuja unica pre-
occupao a guerra e a pilhagem, a tribus que desconhe-
cem por complete as artes e as sciencias e que, tal o
horror que sentem pelo trabalho, arrastam uma vida mise-
ravel em territories enormes e feracissimos. Perante tal
situao do globo e dos seus habitantes que attitude devem
tomar as naes civilizadas? Cruzar os braos e encolher
os hombros, ou intervir no desenvolvimento d'essas popu-
laes? No decerto natural, nem just, escreve Leroy-
Beaulieu (1), que os povos civilizados do Occidente se com-
primam nos espaos restrictos que foram a sua primitive
habitao, que guardem s para si as maravilhas das
sciencias, das artes e da civilizao e que abandonem me-
tade do mundo a homes ignorantes, dispersos em regimes
extensissimas, ou a populaes decrepitas, sem energia,
sem direco, verdadeiros ancios, incapazes de qualquer
esforo, de qualquer aco combinada ou previdente.
Effectivamente, quando se pensa nos espaos immensos
em poder d'essas populaes ignorantes e decrepitas, e
quando se compare a sua situao com a das naes civi-



(1) Cit. em Lon Say, ob. cit., p. 448.








23

lizadas, mal vontade em territories demasiado estreitos,
onde disputam o solo e onde no encontram emprego ren-
doso para os seus capitals e para a sua actividade, for-
oso concluir que as naes civilizadas tem o direito
de occupar esses mundos africanos e asiaticos, cujas ri-
quezas naturaes os seus habitantes calcam aos ps sem
as conhecer.
A esse impulso, que arrasta no mesmo movimento geral
todas as naes da Europa, seria inutil oppr a fora da
resistencia ou da inercia.



VI

Systems de colonizao.
As grandes companhias coloniaes

De todo o exposto se conclude que a colonizao, no
actual moment historic, uma necessidade impreterivel,
entrando como tal na misso dos estados europeus.
Mas quaes os meios de levar a cabo esta grande misso?
Podem reduzir-se a tres os systems propostos: o sys-
tema de colonizao pelo estado, o system de colonizao
pelos particulares e o system de colonizao pelas com-
panhias coloniaes. E a apreciao d'este ultimo system
que constitute o object da nossa dissertao.
O que so as companhias coloniaes ? Para alguns a cara-
cteristica das companhias coloniaes o logar onde se exerce
a sua aco. E assim denominam companhias coloniaes
todas as associaes, tendo em vista o desenvolvimento do
commercio de alm-mar. Para os que acceitam esta defi-
nio, existiu sempre e existe ainda um numero quasi infi-








24

nito de companhias d'aquella natureza, que apenas differem
das sociedades anonymas da metropole pelo logar das suas
operaes.
Esta expresso pde ser tomada, porm, num sentido
mais restrict e que aquelle que ns adoptmos. Assim
entendidas, as grades companhias coloniaes so (1) corpo-
raes que, com umt character commercial mais ou menos accen-
tuado, gozam de certos direitos politicos e tem por object
nao s o estabelecimento de relaes commerciaes, mas tam-
bem a organizao e valorizado de novos territories (2).
Estas companhias devem estabelecer entire esses novos
territories e a metropole uma troca constant de influen-
cias, uma continuidade de relaes, uma reciprocidade de
servios, numa palavra, essa dependencia mutua que coh-
stitue o que se chama a colonizao.
As companhias coloniaes, como ns as entendemos, em
logar de se submetterem, como as sociedades anonymas da
metropole, s prescripes geraes da legislao que rege
as sociedades commerciaes, so, em geral, creadas por
meio de uma carta, que no s d companhia que a
recebe uma existencia to regular como se tivesse sido
constituida pelos meios ordinarios, mas ainda lhe introduz
certas modalidades, que a tornam uma associao de cara-



(1) Ed. Carton de Wiart, Les grades cormpagnies coloniales an-
glaises du sXI siccle, p. xm.
(2) Devemos, contudo, notar que esta definio se refere mais
propriamente apenas s modernas companhias de colonizao, pois
as antigas, por um lado, no tinham por object a organizao e valo-
rizao de novos territories, e por outro lado, constituiam-se s vezes
quasi exclusivamente para a fundao de colonial de povoamento,
fim este que as modernas companhias s accidentalmente preenchem.








25

cter especial; taes so: os direitos politicos que mais ou
menos extensamente lhe so concedidos.
Estes direitos abrangem s vezes todos os que consti-
tuem a soberania, ficando o estado apenas com uma sobe-
rania nominal; outras vezes comprehendem smente parte
dos direitos soberanos; ainda outras vezes, sem que haja
delegao de soberania, as companhias encarregam-se da
execuo de certos trabalhos que, nas naes civilizadas,
costumam ser da alada do poder central, taes so: a
abertura de estradas, o lanamento de pontes e a constru-
co de vias ferreas.



















PRIMEIRA PART















PRIMEIRA PART

HISTORIC DAS COMPANHIAS DE COLONIZAIO


CAPITULO I

As antigas companhias (1)

SuMrmao:- 1.0 Hollanda.-I. Companhia hollandeza
das Indias orientaes.-II. Companhia hollandeza das
Indias occidentaes. 2. Inglaterra. -III. Compa-
nhia ingleza das Indias orientaes.- 3. Frana.-
IV. Companhia franceza das Indias occidentaes. Com-
panhia franceza das Indias orientaes.-V. Companhia
do Occidente. Primeira Companhia das Indias. Segunda
Companhia das Indias.- 4. Hespanha, Russia, Sue-
cia e Dinamarca.-VI. As companhias que crearam.


S1.o

Hollanda

I
Companhia hollandeza das Indias orientaes

As grandes companhias de colonizao, creadas nos seculos
xvi, xvii e xviiI sob o imperio de motivos diversos, por um

(1) Leroy-Bcaulieu, De la colonisation, passim. Lon Say,
Dictionnaire d'conomie politique, t. II, pp. 581 e segg.-Lon Say,
Dictionnaire desfinances, t. 1, pp. 1125 e segg. e t. II, pp. 1296 e segg.











lado, pela indifferena da aco governmental, e por outro,
pela insuficiencia da aco dos particulares, tiveram um
success extraordinario. Pde dizer-se que no houve nao
alguma colonizadora, que no empregasse este process.
No fim, porm, do seculo xvim veio a reaco e os es-
criptores mais notaveis da escola individualista vibraram
contra as companhias privilegiadas os mais tremendous ana-
themas. Das tres grades companhias, que tanto ruido
haviam feito, a hollandeza, a franceza e a ingleza, s esta
ultima no havia sido dissolvida ao raiar o seculo xix.

A Companhia hollandeza das Indias orientaes pde con-
siderar-se como a origem e o molde de todas as companhias
privilegiadas, que as diversas naes da Europa constituiram
mais tarde.
Depois de varias tentativas sem resultado, para desco-
brir uma passage ao norte, que os levasse ao Japo e
China, os hollandezes decidiram-se a ir India pelo Cabo.
Foram felizes nas duas primeiras viagens de reconheci-
mento que emprehenderam. Seguiu-se immediatamente um
grande numero de expedies particulares. Assim, durante
alguns annos, estabeleceu-se entire a Hollanda e a India
um commercio bastante prosper. Mas no tardou que se
reconhecesse, que muito mais lucratico seria o commercio, se
essas expedies particulares, emprehendidas sem conheci-
mento do paiz, fossem effectuadas por uma grande compa-
nhia, que concentrasse todas as foras e todos os esforos
individuals; e assim creou-se, em 1602, a celebre Com-
panhia hollandeza das Indias.
Havia, a principio, no seu seio uma grande liberdade
de aco e uma certa independencia para os membros, que
a compunham. No offerecia ainda esse character de cohesoo,








31

que distinguiu mais tarde as grandes companhias. Era como
que a reunio de varias sociedades similares, que, sob o
nome de cameras, conservavam uma certa autonomia, com
directors proprios, e procedendo, por conta propria, ao
equipamento de navios e compra de mercadorias. Dezasete
directors estavam testa do que era commum a todas
ellas, como a administrao propriamente dita das colonies
nas relaes political com os indigenas, no que dizia res-
peito aos tratados de commercio ou de alliana, conser-
vao do exercito e das fortalezas e tambem direco geral
do commercio.
Os privilegios da Companhia abrangiam, alm do mono-
polio do commercio, direitos de soberania sobre os terri-
torios que adquirisse, o direito de paz e de guerra com os
principles indigenas, etc., direitos que todos deviam ser
exercidos em nome dos Estados-Geraes. Os privilegios,
primitivamente concedidos pelo prazo de 21 annos, foram
successivamente prorogados na expirao de cada period
da sua renovaao. A cada nova prorogao, a Companhia
concedia ao estado novas vantagens.
A aco da Companhia comeou por ser a mais mode-
rada possivel. Conseguiu cair nas boas graas das popu-
laes orientaes, procedendo sempre com equidade nas
suas relaes commerciaes, e afastando qualquer ideia de
conquista. Procurava ento evitar a construco de fortes.
no continent e chegou a destruir os que j existiam e que
haviam sido levantados pelos portuguezes; unicamente nos
pontos de interseco das grandes vias commerciaes fun-
dava s vezes .uma feitoria fortificada. Procedendo d'esta
frma, conseguiu a Companhia o respeito de todos.
Mais tarde, porm, sobretudo nas ilhas, os costumes
administrativos comearam a corromper-se. Ligando a








32


Companhia uma importancia exaggerada ao commercio das
especiarias, pde-se dizer que esta falsa concepo foi a
causa de todos os erros futuros; quiz concentrar nas suas
mos todo este ramo do commercio e, para o conseguir,
inaugurou uma political de violencias e de oppresses, que
acabou por arruin-la; expulsou todos os europeus das
Molluscas e reduziu a populao indigena quasi escra-
vido.
Senhora absolute do commercio das especiarias, tornou
este monopolio o object principal da sua administrao;
todos os outros ramos de commercio eram apenas accesso-
rios. A fim de elevar o preo d'aquelles products, chamados
as minas de ouro da Companhia, prohibit a cultural em
muitas das ilhas que lhe pertenciam.
Mas no era s por esta razo que a Companhia assim
procedia; era tambem para impedir o contrabando e a
concorrencia extrangeira. Restringindo a produco d'aquel-
las mercadorias preciosas apenas a algumas ilhas, a sua
vigilancia podia exercer-se com maior facilidade.
Este monopolio, comtudo, acarretava enormes despezas;
a Companhia tinha que sustentar muitos postos, cujo pro-
ducto era nullo e cuja unica utilidade era afastar os con-
trabandistas e as naes rivaes. O mesmo espirito de
monopolio obrigava a crueldades inacreditaveis, que davam
em resultado revoltas, guerras mesmo, o que tudo eram
despezas.
Os factos, porm, vieram mostrar que no se contraria
facilmente a natureza das cousas. Em 1771, os inglezes e
os francezes comearam a cultivar especiarias nas suas
colonies e a situao da Companhia tornou-se angustiosa.
A corrupo penetrava ao mesmo tempo em todos os
ramos da administrao. O regulamento de 1648, que pro-











hibia aos.empregados da Companhia que negociassem por
conta propria, era infringido quotidianamente. Enviam-se
inspectors de finanas e do commercio, tendo a misso
especial de impedir o trafico prohibido. O que succede? A
partilha dresses lucros illicitos entire os empregados e o
funccionario encarregado de os vigiar. E o que se dava na
India era apenas a repercusso do que ia pela metropole.
Aqui os altos cargos tornam-se hereditarios; os logares de
directors, confiados a principio a negociantes habeis, passam
para as mos de pessoas inexperientes. Os administradores
reuniam-se apenas duas vezes por anno. E em tudo a mesma
desordem.
A lucta, que a Companhia sustentou com a Inglaterra
durante a guerra da independencia da America, valeu-lhe
a perda das suas possesses no Industo e em Ceylo.
Esta Companhia, que clegra a distribuir aos seus accio-
nistas um dividend de 22 /o e at excepcionalmente 60 /o,
tinha em 1795, um passivo oito vezes superior ao activo.
O estado ficou ento de posse dos seus dominios, tomando
sobre si a liquidao das dividas.


II

Companhia hollandeza das Indias occidentaes

A prosperidade que teve a principio a companhia de
que acabamos de falar, levou os hollandezes a formarem
uma Companhia das Indias occidentaes, que obteve, em
1621, o privilegio do commercio com a America e com a
costa occidental da Africa, desde o tropico de Cancer at
ao Cabo de Ba-Esperana, assim como o direito de fundar
estabelecimentos e fortes nos paizes inhabitados.
3









34

Esta Companhia tinha de facto dois fins; fazer o con-
trabando com as possesses hespanholas e fundar colonies
quer agricolas, quer de plantao. O primeiro, que a prin-
cipio quasi absorveu toda a aco da Companhia, foi o
mais important, realizando ella lucros consideraveis graas
s pequenas ilhas de Curaao e de Santo Eustachio, que
faziam com o continent americano um commercio de con-
trabando muito consideravel.
O segundo fim que a Companhia se propunha realizar
que comprometteu a sua situao. De fact, a Companhia
conquistou, entire 1630 e 1640, algumas provincias impor-
tantes no Brazil; mas o commercio que fazia no era suffi-
ciente para cobrir as despezas da guerra e da occupao;
a Companhia foi mesmo obrigada pelos portuguezes, j
ento livres do jugo da Hespanha, a abandonar o Brazil.
Depois da perda d'esta bella possesso nunca mais pde
dar dividend, e, j em 1667, queria vender tudo o que
lhe pertencia para pagar as suas dividas. Foi dissolvida
em 1674.

2.o

Inglaterra

III

Companhia ingleza das Indias orientaes

Vamos agora occupar-nos de uma companhia, cuja du-
rao foi alm de dois seculos e meio, e qual a Inglaterra
deve a posse de um dos maiores imperios do mundo.
Era no seculo xvi. Todas as naes maritimas procuravam








35

entabolar directamente relaes commerciaes com a India,
d'onde vinham a pimenta,. a canella e a mostarda,
que ento a Europa pagava a peso de ouro. O poder dos
portuguezes, os primeiros a utilizarem-se de taes merca-
dorias, comeava a declinar no Oriente. Eramos supplan-
tados pelos hollandezes. Por sua vez, os inglezes queriam,
a todo o custo, chegar India. Em 1582 e 1596, fizeram
duas tentativas para dobrar o Cabo de Ba-Esperana,
mas ambas falharam.
Em 1600, porm, 101 negociantes de Londres (aventu-
reiros lhes chamaram ento) reuniram-se sob a proteco
do conde de Cumberband e soilicitaram da rainha Izabel
uma carta de privilegi'o. Foi-lhes concedido por 15 annos
o direito exclusive de negociar com a India oriental, quer
pelo Cabo de Ba-Esperana, quer pelo estreito de Maga-
lhes, assim como o direito de manter foras de terra e
mar, de promulgar leis, etc.
Em 1602 chegou a Sumatra a primeira expedio. Os
lucros d'esta viagem, e das outras sete que se seguiram,
foram consideraveis. Mas no tardou muito que rebentasse
a inveja dos armadores e commerciantes, descontentes
porque o privilegio da Companhia impedia-os de auferirem
lucros d'aquella rica regio; desde ento travou-se lucta
accesa entire os beneficiados pelo regimen restrictive e os
partidarios da liberdade commercial. Por outro lado, os
portuguezes e os hollandezes tentavam expulsar os novos
concorrentes.
Apezar de tudo, a Companhia prosperava, estabelecia
as suas primeiras feitorias na India, punha no mar 36 na-
vios e, finalmente, augmentava o seu capital de 418:691
annoo de 1613) a 1.600:000.
Mas a rivalidade implacavel dos hollandezes continuava.
*








36

Ao mesmo tempo o governor, em Londres, via-se cercado
de innumeros pedidos, sollicitando a revogao do privilegio.
E assim foi que, apezar d'este ter sido renovado, conce-
dida a uma alta personagem a permisso de negociar no
Oriente, nos logares onde a Companhia ainda no tivesse
estabelecido feitorias.
Um golpe mais fund -lhe vibrado com a subida de
Cromwell, que no respeita o monopolio. E, se no fosse
a restaurao dos Stuarts, quem sabe se a Companhia se po-
deria manter, pois o seu capital j tinha baixado a menos
de metade. Carlos II e Jacques restabeleceram o privi-
legio exclusive e fortaleceram-na por meio de medidas re-
pressivas. Foi-lhe permittido ento armar navios de guerra,
recrutar tropas, levantar fortes e declarar a guerra, ou
assignar a paz com todos os povos no christos. Emfim,
-lhe concedido o direito de jurisdico civil e criminal nas
suas possesses coloniaes.
Mas em breve novas contrariedades sobrevieram Compa-
nhia. Em primeiro logar, os corsarios de Luiz XIV cau-
saram-lhe grandes damnos, e as suas aces, object de
vivas especulaes, baixaram tanto quanto haviam subido
com as novas concesses; em segundo logar, obstaculos
d'outra natureza levantam-se na propria Inglaterra. Os
commerciantes declaravam que todos os inglezes tem o
direito de negociar na India; a camera dos communs pro-
clama a liberdade do commercio, e o governor, a braos
com embaraos financeiros, aproveita esta disposio dos
animos para exigir da Companhia, a troco da renovao
do seu privilegio, uma pezada indemnizao. A Companhia
offerece 700:000; mas um grupo de commerciantes com-
promette-se a emprestar uma somma maior, com a unica
condio de poder negociar fra das feitorias da Companhia.








37


Frma-se ento uma outra companhia para a explorao
da mesma regio, mas, a fim de evitar uma runa reciproca,
pouco tempo depois as duas sociedades fundiram-se numa
s, sob o nome de United East India Company, que ficou
celebre na historic (1702). Foi, sob esta frma, que a nova
Companhia das Indias obteve at 1834 varias renovaes
do seu privilegio, conseguidas sempre custa de sacrificios
pecuniarios em beneficio do estado.
Chegou-se assim epoca em que as revoluies da India
iam transformar esta associao de negociantes em conquis-
tadores e soberanos de um imperio de cem milhes d'almas,
extender o seu poder a toda a India e fazer sobresar o
seu papel politico de imodo a quasi obliterar a sua feio
commercial.
Apezar de j ter feito a adquisio de alguns territories,
a Companhia no emprehendera at ento annexaes ex-
tensas, que lhe pareciam incompativeis com o character da
sua empreza. Nutria mesmo um grande respeito pela aucto-
ridade do Grande Mogol. O governador francez de Pondi-
chery, Dupleix, que advinhra a decadencia d'este poder
suzerano e, intromettendo-se habilmente nas rivalidades dos
principles vassallos, dentro em pouco tempo adquiriu vastas
provincias e uma influencia extraordinaria na peninsula.
O exito de Dupleix excitou a inveja secular dos inglezes,
que logo se oppozeram aos seus plans. Em plena paz,
viram-se os representantes de duas sociedades mercantis
transformarem-se em soldados e baterem-se com furor.
Justamente no moment decisive, o gabinete de Versailles,
convidado pelo governor de Londres a fazer cessar as hos-
tilidades, demittiu Dupleix e concluiu um tratado de tal
modo funesto, que a Companhia ingleza ficou Iherdeira da
magnifica situao creada pelo governador francez. Desde








38

essa epoca, apezar das prohibies da Companhia, os agents
inglezes comearam as annexaes successivas das ricas
provincias da India.
A avaliao dos lucros immensos, que se contava fazer
entrar nos cofres da Companhia, excitou de tal modo os
animos em Inglaterra, que o governor compelliu aquella
ao pagamento de uma somma annual de 400:000. Mas
as decep9es cedo vieram: por um lado, as guerras que
acarretavam enormes dispendios, e por outro, as preva-
ricaes dos agents inglezes, s comparaveis em rapa-
cidade aos pro-consules romanos, fizeram com que, em
1772, o oramento da Companhia accusasse um deficit
de 1.293:000. Foi esta a origem da famosa divida da
India.
A extenso extraordinaria do poder politico da Compa-
nhia levou o governor inglez a intervir nos seus negocios;
comquanto conservasse a sua independencia sob o ponto de
vista commercial, teve que supporter cada vez mais a inge-
rencia do estado na administrao dos seus immensos domi-
nios. Quando, em 1773, a Companhia, para fazer face aos seus
encargos e equilibrar o oramento, contraiu com o estado
um emprestimo de 1.000:000, o governor aproveitou a
occasio para remodelar a sua carta e exercer uma certa
fiscalizao sobre a nomeao dos agents superiores e
sobre a march dos negocios politicos. Em 1784, o bill da
India, apresentado por Pitt ao parlamento, criou um con-
selho permanent nomeado pela cora. Sempre que se tra-
tava de effectuar qualquer operao political ou military, os
directures da Companhia tinham que ouvir a opinio d'este
conselho.
O poder politico que restava Companhia no lhe as-
segurava a prosperidade; os impostos que oneravam os







39

seus subditos no bastavam para compensar as despezas
da guerra e de administrao ; dos privilegios commercials
no vinham grandes lucros; e, no emtanto, a Companhia
pagava aos accionistas dividends elevados, o que s con-
seguia recorrendo ao emprestimo, tomando a sua divida pro-
pores assustadoras. Cada vez que renovava a carta, o
governor restringia os privilegios commerciaes e adquire
uma ingerencia maior nos negocios politicos. Ainda assim,
em 1809, a Companhia possuia uma esquadra de 115 navios
e contava ao seu servio mais de 200:000 pessoas!
O monopolio commercial, que at esta data fora mais ou
menos mantido, foi abolido em 1813, pela declarao do
parlamento de que qualquer subdito britannico pde nego-
ciar livremente na India. Companhia foi apenas reser-
vado o commercio da China.
Chegadas as cousas a este ponto, restava fazer passar
o imperio anglo-indiano das mas da Companhia para as
mos do estado; esta media supreme era reclamada havia
j muito no s na India, mas tambem na Inglaterra. Em
1834, a Companhia perdeu todos os privilegios e passou
para a coroa todas as suas propriedades moveis e immoveis
e o seu activo, obrigando-se esta a pagar todas as dividas
e a distribuir aos accionistas, durante 40 annos, uma somma
equivalent aos ultimos dividends.
Por uma disposio deveras singular, a Companhia liqui-
dada ficou, em virtude do mesmo bill (1834), encarregada
da administrao da India, sob a vigilancia do Board of
Countral. Em 1854, o governor da Companhia foi ainda
prolongado por um tempo indeterminado; e, se no fosse
a revolta dos cipayos, em 1857, quem sabe quando o par-
lamento se decidiria a supprimir essa fico administrative,
esse machinismo inutil e dispendioso.








40

D'entre as antigas companhias inglezas, podem citar-se
ainda a Companhia d'Africa (1663) a Companhia do Mar
do Sul (1670) e a Companhia da bahia de Hudson (1711).


3.o

Franr,


IV

Companhia franceza das Indias occidentaes.
Companhia franceza das Indias orientaes

Nenhuma nao teve tantas companhias coloniaes como
a Frana. Seno veja-se: em 1599, a Companhia do Canad
e da Acadia; em 1600, a Companhia de Sumatra, Java
e Molluscas; em 1626, a Companhia das ilhas da America;
em 1627, a Companhia dos Cem Associados ou do Canad;
em 1628, a Companhia das Indias orientaes; em 1633, a
Companhia de Cabo-Verde; em 1634, a Companhia da
Guin; em 1635, a Companhia do Cabo-Branco; em 1638,
a Companhia do Cabo Norte; em 1642, a Companhia da
ilha de S. Christovo; em 1642, a Companhia de Mada-
gascar ou das Indias orientaes; em 1660, a Companhia
parisiense do Cabo-Norte; em 1664, a Companhia das
Indias occidentaes; ainda no mesmo anno, uma nova Com-
panhia das Indias orientaes; em 1669, a Companhia do
Norte; em 1670, a Companhia do Levante; em 1673, a
Companhia do Senegal; em 1683, a Companhia da Acadia;
em 1685, a Companhia da Guin; em 1697, a Companhia
da China; em 1698, a Companhia de S. Domingos; em








41


1706, a Companhia do Canad; em 1710, a Companhia
da bahia de Hudson; em 1712, uma nova Companhia da
China; em 1715, a terceira Companhia da China; em 1717,
a Companhia do Occidente; em 1719, a Companhia das
Indias; em 1741, a Real Companhia d'Africa; em 1785,
outra Companhia das Indias.
De todas estas companhias, limitar-nos-hemos a fazer a
historic das duas companhias criadas em 1664, no reinado
de Luiz XIV, a Companhia das Indias occidentaes e
a Companhia das Indias orientaes; diremos tambem al-
gumas palavras cerca da Companhia do Occidente, criada
em 1717, sob a influencia de Law e das duas outras com-
panhias das Indias que se lhe seguiram (1719 e 1785).
Das companhias francezas so estas as mais importantes.

As companhias criadas por Richelieu no tinham dado
muito bons resultados. No emtanto Luiz XIV e Colbert
no abandonaram este method de colonizao. Sem duvida
impressionados pelo exito extraordinario, comquanto ephe-
mero, da Companhia hollandeza das Indias orientaes, jul-
garam que dariam um grande impulso ao commercio lon-
ginquo, se o centralizassem nas mos de duas companhias,
que substituissem todas as anteriores.

1. A Companhia das Indias occidentaes, constituida
em 1664, obteve o dominio do Canad, da Acadia, das
Antilhas, da Terra-Nova e de Cayenna, assim como o mo-
nopolio do commercio nestas regimes e na costa occidental
da Africa. O rei concedia isenes de direitos e premios
tanto para a importaio como para a exportao; alm
d'isso, fazia adiantamentos consideraveis, sem juros e com
dispensa de reembolso em caso de perdas.


fc".- " :'-.j -- "








42

O exito da Companhia no correspondeu s esperanas
que nella se haviam depositado; tendo soffrido perdas im-
portantissimas durante a guerra da Hollanda, foi suppri-
mida em 1674. O rei reembolsou os accionistas e reuniu
cora os territories concedidos.

2. -Fora em maio que se crira a Companhia das Indias
occidentaes; logo em agosto do mesmo anno (1664), for-
mou-se a Companhia das Indias orientaes.
Esta Companhia obteve, alm do dominio de Madagascar
e de quaesquer outros territorios que viesse a conquistar,
o privilegio exclusive, durante 50 annos, do commercio
nos mares das Indias, do Oriente e do Sul.
Todas as facilidades, todo o apoio de que Luiz XIV
era capaz de cercar uma empreza favorite foram prodiga-
lizados na fundao d'esta Companhia. Publicaram-se ma-
nifestos em que se celebravam, com todas as flares da rhe-
torica, as riquezas do Oriente; o rei expediu cartas para
todos os lados da Frana, a fim de que se organizassem
listas com os nomes de todos os que quizessem aces da
nova sociedade. As pessoas de alta categoria receberam
convites especiaes, que equivaliam a ordens. Quem quizesse
cair nas boas graas da crte devia ter o cuidado de figurar
entire os accionistas. A Companhia dispunha tambem de
um certo numero de cartas de nobreza para distribuir
pelos accionistas pertencentes burguezia.
O rei prometteu mandar escoltar pela sua marinha os
navios da Companhia at India. Emquanto durasse o
privilegio, os materials necessarios para a construco e
abastecimento dos navios da Companhia, ficariam isentos
de direitos. O rei faria um adiantamento de um quinto do
valor dos tres primeiros equipamentos no s sem exigir








43

juros, mas ainda compromettendo-se a indemnisar a Com-
panhia das perdas que soffresse nos seis primeiros annos.
Assim se constituiu a famosa Companhia das Indias orien-
taes, que tantas esperanas despertou.
A Companhia comeou por um revez em Madagascar.
Encontrou na sua frente grandes obstaculos: em primeiro
logar, a resistencia de uma populao numerosa e aguer-
rida, a insalubridade das costas, a difficuldade da nave-
gao em correntes de agua cortadas por innumeros bancos
de areia; eram ainda florestas immensas difficilmente pe-
netraveis. Seria necessario conquistar lenta e habilmente
a ilha, vencer primeiro os indigenas e depois a natureza.
No para admiral- que, dadas estas circumstancias, a
Companhia no conseguisse fundar um unico estabeleci-
mento duradouro nessa ilha que havia sido escolhida para
sde da colonizao franceza no Oriente, tendo que entre-
g-la cora.
Em 1684, tinha j dispendido tres quartas parties do
capital primitive; teve que recorrer a expedientes para
alcanar novos recursos, mas tudo foi debalde: a Companhia
nunca mais poude levantar-se.
As guerras da liga de Augsbourg e da Successo em
Hespanha vieram tornar ainda mais precaria a sua situao;
em 1698, cedeu a duas novas companhias os seus privi-
legios para o commercio da China e do Mar do Sul.
Em 1714, obteve a renovao da sua carta por mais dez
annos, mas, em 1719, foi supprimida por ter abandonado
completamente a navegao e por ter cedido os seus privi-
legios a particulares.








44




V

Companhia do Occidente. Primeira Companhia das Indias.
Segunda Companhia das Indias

A criao da Companhia das Indias francezas liga-se
intimamente com o system de Law. Por system de Law
entende-se geralmente o conjuncto de combinaes de cre-
dito e de finanas, imaginadas e postas em prtica pelo ce-
lebre financeiro escossez John Law, com o fim duplo de
adquirir recursos para o estado e de conseguir a reduco
da divida public.
Expulso do seu paiz, Law foi para a Hollanda, d'onde
passou Frana, no moment em que o thesouro real se
achava em bancarrota. Luiz Filippe acabava de ser ele-
vado ao throno como regente. Para sair da situao emba-
raosa em que se encontrava, no via outro meio seno
recorrer s combinaes financeiras que Law lhe propunha,
e, apezar da opposio do conselho das finanas e do par-
lamento, auctorizou o banqueiro escossez, entire outras
medidas, a criar uma companhia de commercio.

O edicto de 17 de agosto de 1717 transferia para uma
nova companhia, chamada Companhia do Occidente, o mo-
nopolio da criao dos castores no Canad e o privilegio
exclusive do commercio na Luisiania e no valle do Mis-
sissipi, precedentemente (1712) concedido ao financeiro
Crozat. Nesse edicto no se fixava expressamente o capital
da Companhia; mas dizia-se num dos artigos que, sendo
inteno do rei fazer com que os seus subditos participas-








45

sem das vantagens concedidas Companhia do Occidente,
o fundo seria dividido em aces de 500 cada uma.
Ora emittiram-se ao par 200:000 aces, o que prefaz um
capital de 100.000:000.
A Companhia do Occidente, que j juntra s suas con-
cesses os privilegios das Companhias do Senegal e de
S. Domingos, tomou o nome de Companhia das Indias,
quando se reuniu Companhia da China e Companhia
das Indias orientaes.
Para liquidar as dividas das companhias que absorvia, e
obter os capitaes necessarios para a explorao do seu
vasto monopolio, emittiu a nova Companhia mais uma series
de aces. Pouco depis alcanava por nove annos o pri-
vilegio da cunhagem e administrao das moedas, mediante
o pagamento de uma somma bastante avultada, obtida pela
emisso de novas aces. Como nos casos precedentes, a
collocao d'estes titulos operou-se com uma facilidade ma-
ravilhosa. No tardou muito que as aces attingissem um
preo superior a 4:000. Apezar do seu preo elevado,
no faltava quem as comprasse, no s porque o reembolso
dos credits do estado, devido a varias circumstancias, a
tornar disponiveis sommas consideraveis de capitaes, mas
tambem porque a Companhia das Indias era o unico meio
de collocao.
As aces subiam cada vez mais: passaram primeiro a
5:000, depois a 15:000 e chegaram a 20:000!
Mas breve se reconheceu que aquelle preo era fictcio e
que os rendimentos da Companhia das Indias nunca bas-
tariam para dar juros remuneradores. D'entre os accio-
nistas, os mais sensatos comearam pouco a pouco a vender
as suas aces e a comprar por um preo pouco elevado
terras e pedras preciosas, cujo valor diminuira media








46

que se dera a alta das aces. Em 1720, estas valiam
apenas 6:000. O decreto de 5 de janeiro de 1721, reti-
rando Companhia a concesso da cunhagem e da admi-
nistrao das moedas e ainda outras concesses que lhe
haviam sido feitas, acabou por desacredit-la.
E, se foroso reconhecer que a sua ruina lhe proveio
em grande parte da agiotagem, tambem certo que os
erros de administrao no tiveram conta. Assim, os divi-
dendos no eram distribuidos segundo os resultados das
operaes commerciaes, mas conforme se julgava neces-
sario para sustentar o seu credit e collocar os emprestimos.
Immobilizou em estabelecimentos dispendiosos uma parte
consideravel dos seus capitals, faltando-lhe depois os funds
necessarios para extender as suas operaes commerciaes.
Os empregados mal remunerados tinham, a titulo de re-
compensa, a faculdade de negociar por conta propria,
d'onde resultava descurarem os interesses da Companhia
para tratarem dos seus. Emfim, as despezas das guerras
prolongadas, que a Companhia sustentou na India, absor-
viam e excediam os beneficios que poderiam advir do com-
mercio d'aquella rica regio.
Assim tambem, depois do tratado de Paris (1763), que
reconhecia os direitos da Inglaterra, o conselho do rei pro-
nunciou-se pela abolio do privilegio da Companhia. Me-
diante uma somma de 30.000:000 paga pelo rei, ella cedeu
cora tudo o que constituia o seu activo.

Um edicto de 14 de abril de 1765 estabelece, sob a pro-
posta de Calonne, uma nova Companhia das Indias por
um period de sete annos de paz com o privilegio exclu-
sivo do commercio e do trafico nas costas orientaes da
Africa, de Madagascar, do Mar Vermelho, do Mogul, do








47

Sigo, da Cochinchina, da China e do Japo. Esta Compa-
nhia no usou do seu privilegio at epoca em que elle
lhe fora concedido; no dia 3 de abril de 1790, a Assem-
bleia Nacional, depois de um discurso de Mirabeau, ata-
cando o monopolio da Companhia das Indias, declarou livre
para todos os francezes o commercio da India para alm
do Cabo de Boa-Esperana.


4.0

Hespanha, Russia, Suecia e Dinamarca


VI

As companhias que criaram

Pde dizer-se que todas as naes coloniaes recorreram
ao system das companhias de colonizao.
Das companhias coloniaes portuguezas trataremos ns
no terceiro capitulo d'esta primeira parte.

A Hespanha teve tres companhias. A Companhia das
Antilhas, criada em 1725, obteve o monopolio do com-
mercio de Cuba. Em 1756, formou-se uma outra companhia
para o commercio exclusive de Porto-Rico, S. Domingos
e Honduras.
Mas a principal foi a Companhia de Caracas, criada em
1728, para o commercio d'esta provincia. Pelo tratado do
Asiento, celebrado em 1713 entire a Hespanha e a Ingla-
terra, esta ultima nao ficou com o privilegio de exportar
pretos para as colonies hespanholas e com a faculdade de








48


enviar um navio de quinhentas toneladas a Porto-Bello.
Os inglezes tiraram um partido enorme d'esta concesso
minima; no s o numero de toneladas era ultrapassado,
mas ainda o navio chegava acompanhado de muitos outros,
que renovavam a carga do primeiro, mal este tinha descar-
regado.
Os hollandezes, por outro lado, haviam-se apoderado de
todo o commercio de Caracas; de 1712 a 1728 apenas um
navio partira de Caracas para Hespanha e cinco de Hes-
panha para Caracas. Foram estas razes que levaram a
Hespanha a abandonar a uma companhia particular, o com-
mercio d'aquella regio. Grandes foram as vantagens que
advieram da formao da Companhia de Caracas, tambem
chamada de Guiposca: em pouco tempo a cultural do cacau
duplicou e o preo desceu a menos de metade na metro-
pole.

Em 1799, no reinado de Paulo I, organizou se na Russia,
uma Companhia Russo-Americana, com privilegios bastante
vastos, principalmente o monopolio do commercio das pelles
na America at ao 550 de latitude norte. Esta Companhia
foi dissolvida, quando a Russia cedeu aos Estados-Unidos
todas as suas possesses da America.

A Suecia criou tambem uma Companhia das Indias
orientaes (1731), que, limitando o seu papel s operaes
commerciaes, teve uma vida muito prospera, auferindo
lucros bastante consideraveis do commercio com a China.

At a propria Dinamarca recorreu ao system das grande
companhias de colonizao. Foram quatro as companhias
s quaes esta nao concede privilegios e todas ellas ti-









49

veram o seu campo de aco nas Indias orientaes: a pri-
meira, fundada em 1616, pouco ou nada fez e, em 1634,
epoca em que foi dissolvida, o seu passivo absorvia o activo;
em 1634, frma-se a segunda e, em 1686, a terceira, tendo
tido ambas a mesma sorte que a primeira.
Os dinamarquezes no desistem, porm, d'este system
de colonizao; em 1732, criam a quarta Companhia das
Indias orientaes, com privilegios verdadeiramente excepcio-
naes: tinha o monopolio da introduco das mercadorias
da India na Dinamarca, mas no se limitava a este mer-
cado, podendo vender livre de direitos a todas as naes
da Europa. Restringindo a sua aco s operaes com-
merciaes, obteve lucros importantissimos, emquanto du-
raram as guerras maritimas em que aquelle paiz se con-
servou neutral; as aces subiram ento immenso, para
descerem logo que se fez a paz entire a Inglaterra e a
Frana. Em 1772, a Companhia perdeu o seu monopolio.
















CAPITULO II


Is modernas companhias

SuMMARIO :- l1.0 Inglaterra.- I. Companhia de Borneo.
II. Real Companhia do Niger. -III. Companhia
imperial ingleza do Este africano.- 1V. Companhia
da Africa do Sul'(South Africa ou Chartered).-2.0 Al-
lemanha.-V. Comp4uhia da Africa oriental.-VI. Com-
panhia da Nova Guin. 3. Belgica. VII. O Es-
tado Independente do Congo.


1.

Inglaterra (1)


I

Companhia de Borneo

Parecia que depois da dissoluo da Companhia ingleza
das Indias no mais as naes europas recorreriam ao
system das companhias coloniaes, to combatidas em fins
do seculo xviim em nome dos principios liberaes; parecia
que com essa Companhia havia desapparecido o ultimo spe-


(1) Ed. Carton de Wiart, Les grades companies coloniales an-
glaises du XIX sib~e, pp. 1, 49, 94, 140 e segg.
*








52

cimen d'esses grandes corpos politicos quasi to poderosos
como um estado. No emtanto, mal ainda eram passados trinta
annos depois do desapparecimento das grandes companhias,
e j a Inglaterra appellava novamente para este system
de colonizao. Os bons resultados, que obteve, seduziram
a Allemanha e Portugal, que, por seu turno, concederam
cartas a varias companhias, exercendo todas mais ou menos
direitos de soberania. O Estado Independente do Congo
tambem, propriamente falando, uma grande companhia
colonial; pde mesmo dizer-se que , em parte, a elle que
se deve a benevolencia com que foi novamente acolhida
uma instituio que se considerava perdida na noite dos
tempos.
Deixando o estudo da historic das companhias portu-
guezas para um capitulo especial consagrado a Portugal,
referir-nos-hemos aqui successivamente s companhias in-
glezas, s companhias allems e ao Estado Independente
do Congo.

A fundao da Companhia de Borneo marca verdadei-
ramente o renascimento das grandes companhias no se-
culo XIX.
Em 1866, uma sociedade de capitalistas americanos
obteve do sulto de Brunei uma vasta concesso de terri-
torios na parte septentrional da ilha de Borneo; mas esta
sociedade dispunha de pequenos capitaes, e, em 1875, teve
que abandonar os seus primitivos ensaios de colonizao.
Foi ento que se formou uma companhia ingleza, que
comprou os direitos da antiga companhia americana, e que
obteve do sulto, mediante indemnizao em dinheiro, a
administrao de novos territories. At 1878, a companhia
ingleza conservou a feio de sociedade privada, empre-








53

gando a sua actividade em operaes agricolas e commer-
ciaes, sem que o governor inglez exercesse a minima juris-
dico sobre a parte da ilha que lhe pertencia.
Em meiado d'esse anno, porm, os directors da com-
panhia communicaram ao governor inglez, a criao da so-
ciedade, pedindo para ella o apoio e approvao official
da Inglaterra. Este pedido consagrava o character inglez
da empreza e provocava ao mesmo tempo uma interveno
da Inglaterra na ilha, interveno que facilmente mais tarde
aquella nao poderia transformar num protectorado.
Entretanto os ministerios succedem-se em Inglaterra,
sem que nada se resolve de definitive. que o governor
inglez receiava resuscitar as antigas companhias soberanas,
violentamente atacadas pelos escriptores da escola indivi-
dualista; por outro lado, via a situao equivoca que, sob
o ponto de vista international, resultaria do apoio dado
pela Inglaterra a uma associao particular, senhora de
importantes direitos politicos. Accrescia que a Hespanha
e a Hollanda, conhecedoras do que se passava e com pre-
tenses a certos direitos sobre a parte septentrional da
ilha, apresentavam reclamaes. Todas estas razes influi-
ram para que a carta, pedida em 16 de maio de 1878, s
fosse concedida em fins de 1881.
A carta da Companhia de Borneo o primeiro docu-
mento d'este genero publicado no seculo xix; outras as-
sociaes tinham, certo, sido reconhecidas por meio de
cartas reaes, mas no possuiam esse character soberano e
politico proprio das grandes companhias de colonizao
criadas nestes ultimos annos.
A carta no fez mais do que confirmar as concesses
dos sultes Brunei e Sulu. Esta confirmao das concesses
anteriores, dando a estas um valor e uma importancia que








54

estavam long de ter, foi no emtanto submettida a varias
condies, com o duplo fim de deixar uma porta aberta
interveno da Inglaterra na administrao da Companhia
e de assegurar a perpetuidade do character inglez d'esta.
Assim a sde social da Companhia deve ser em Londres,
sendo tambem inglezes os seus directors ( iii); a Com-
panhia poder arvorar um pavilho proprio, mas indicando
o seu character inglez ( xiv), etc.; no poder transferir
as concesses obtidas sem o consentimento do governor
inglez ( iv); dever submetter-se s observaes do
mesmo governor quanto political a seguir com as naes
extrangeiras ou mesmo com os indigenas (% vi, x, xvl).
A carta comprehend ainda alguns artigos, em que se in-
troduzem, no modo de administrao da Companhia, prin-
cipios liberaes e obrigaes humanitarias. E assim se esti-
pula que o commercio deve ser livremente aberto a todos,
salvos certos direitos de alfandega destinados a cobrir as
despezas de ordem publica ( viii). Contm ainda al-
gumas dispcsies a favor dos indigenas, taes como o
respeito dos seus costumes e a abolio da escravatura
(gg vii, viI e Ix).
Como se v, a situao da Companhia de Borneo de
uma natureza muito particular, pois que, ao passo que
todas as outras cartas inglezas se referem, em geral, a
territories submettidos j soberania da Inglaterra, a
Companhia de Borneo exerce a sua aco sobre um ter-
ritorio, a cuja posse esta nao de modo algum podia pre-
tender.
Em 1888, a Companhia collocou-se sob o protectorado
da Inglaterra. Na conveno de 12 de maio d'esse anno, de-
clara-se que o estado de North-Borneo ficar sob o pro-
tectorado britannico, o que dava Inglaterra o direito de







55

intervir cada vez mais e de um modo mais director na
administrao da Companhia.
A Companhia de Borneo dispunha de um capital muito
limitado, o que no lhe permittia emprehender, por conta
propria, vastas operaes commerciaes; e assim resolve
no fazer concorrencia aos particulares, mas, pelo contrario,
abrir o paiz iniciativa individual, attrar capitaes e tra-
balhadores, conservando sobretudo o character de orgo
administrative, dirigindo e animando os esforos privados,
numa palavra, assumir a misso de um verdadeiro go-
verno. Uma das principles fontes de receita da Com-
panhia foi e ainda a venda das terras, venda que a
Companhia faz por pros moderados. A cultural do tabaco
por sociedades particulares assumiu nestes ultimos annos
uma importancia extraordinaria. Carton de Wiart (1), con-
frontando o commercio de Borneo por occasio da fundao
da Companhia com a sua situao actual, chega seguinte
concluso: nestes quinze annos, a importancia das expor-
taes augmentou mais de vinte vezes, a das importaes
mais de quatro vezes, as receitas, por seu lado, quadru-
plicaram e as despezas ficaram reduzidas a metade,.
Grandes foram os beneficios provenientes da criao da
British North Borneo Company. Basta dizer que as costas
da ilha eram devastadas e saqueadas pelos pirates, que as
cultures eram insignificantes, as vias de communicao
nullas; hoje, existe um governor regular, o estado geral
da populao melhor, graas sobretudo aos missionariog
catholicos e protestantes; a cultural do solo occupa uma
extenso extraordinaria; construiram-se estradas, caminhos
de ferro, telegraphos, etc.

(1) Ed. Carton de Wiart, ob. cit., p. 42.















Real Companhia do Niger


Comquanto j muito antes se tivessem fundado feitorias
na costa occidental da Africa, o estabelecimento de um
commercio regular data apenas da segunda metade do se-
culo xix.
Em 1865, a Western African Company comeou as suas
operaes no rio Niger, tendo sido o seu exemplo seguido
por muitas outras companhias, todas inglezas. Em 1879,
todas estas companhias fundiram-se numa s a United
African Company, com o capital de 250:000, que pouco
depois subiu a 1.000:000. Em 1880, a Companhia trocou
o seu nome pelo de National African Company e pediu
uma carta de incorporao. Nlo foi attendida no seu pedido,
no s porque o seu capital foi considerado insufficient,
mas ainda porque o governor inglez receava as reclamaes
dos governor cujos subditos possuiam algumas feitorias no
Niger.
Em 1886, a Companhia renova o seu pedido, observando
que j tinha adquirido dos chefes indigenas numerosas con-
cesses, e que havia comprado todos os direitos d'aquelles
que traficavam na bahia do Niger, de modo que as suas
feitorias eram as unicas estabelecidas naquella regio. Em
10 de julho de 1886, -lhe concedida a carta de incorpo-
rao pedida, que lhe dava a consagrao official e que,
pelos direitos politicos que lhe reconhecia, tornava-a uma
verdadeira companhia soberana. Assim o governor britan-
nico, ao passo que declarava o seu protectorado sobre a








57


regio do Niger, sobrepunha organizao commercial
preexistente da companhia uma organizao political. A
Companhia tomou ento o nome de Royal Niger Company.
A carta comea por dizer que a Companhia recebe
todos os direitos, poderes e privilegios para governor e
explorer no s os territories, paizes e propriedades com-
prehendidas na rea das concesses obtidas dos chefes in-
oigenas, mas ainda os territories, paizes e propriedades
situados nas proximidades (art. I). Quer isto dizer, por
outras palavras: a carta confirm a propriedade das con-
cesses pertencentes antecedentemente National African
Company e prev, por outro lado, o caso de novas acqui-
sies de territories, que so egualmente auctorizadas, quando
effectuadas por meios legaes.
Pelo artigo xvi a Companhia obriga-se a fazer por
sua conta as despezas de uma organizao judiciaria.
A carta da Royal Niger Company, em various artigos,
occupa-se da garantia dos direitos e liberdade dos indi-
genas; manda respeitar as suas crenas religiosas e abolir
gradualmente toda a especie de servido domestic exis-
tente entire os naturaes (artt. vil, viu e Ix).
Prohibe tambem qualquer monopolio commercial; assim
o art. xiv estipula que nada auctoriza a Companhia a
conceder ou impr qualquer monopolio de commercio; o
commercio ser livre e submettido unicamente a impostos,
direitos de alfandega e restrices sobre as importaes,
indispensaveis para occorrer s despezas necessarias do
governor, isto 6, manutenio da ordem, administrao
da justia, etc..
Como acima ficou dito, a carta concedida pelo governor
inglez Companhia trouxe a esta um encargo de uma
misso political consideravel, cuja primeira obrigao era








58

occupar para a Inglaterra a maior parte possivel da bacia
do Niger. Havia, pois, uma vasta esphera de influencia
sobre que a Companhia esperava mais ou menos tarde
exercer a sua aco, mas que de moment era object de
competencias e luctas internacionaes.
Foram muitas as difficuldades suscitadas por esta situa-
o equivoca entire a Companhia e a Frana e a Allema-
nha. As convenes de 12 de outubro de 1890 e de 15 de
novembro de 1893 vieram pr termo respectivamente s
reclamaes d'aquellas duas naes.
A extenso da Nigeria, isto , dos territories sobre os
quaes se estende hoje a aco da Companhia, occupa mais
de 900:000 kilometros quadrados; a sua populao 6, se-
gundo uns, de 10.000:000 habitantes; mas ha quem a
calcule em 40.000:000.
preciso no esquecer o duplo character que abrangem
as operaes da Companhia: sob certos aspects um
corpo politico, sob outros uma associao commercial. Ao
passo que as outras companhias inglezas no exercem
o commercio de um modo director e tiram os seus rendi-
mentos das receitas ordinarias de um governor, a Royal
Niger Company procede nos seus territories como um sim-
ples commerciante particular.
A situao commercial da Companhia prospera; desde
1882, tem distribuido sempre um dividend que varia entire
6 /o e 6 '2 o/o.
Em virtude da clausula da carta, que a auctoriza a esta-
belecer certos direitos para occorrer aos encargos de admi-
nistrao, a Companhia sobrecarregou com direitos de en-
trada a polvora, o sal, o tabaco e os alcooes e lanou in-
numeros impostos de exportao sobre os products indi-
genas, takes como o azeite de palma e o marfim. A legiti-








59

midade d'este procedimento tem sido muito contestada pelos
commerciantes inglezes e extrangeiros que no vem nelle
mais do que um monopolio disfarado.
O certo que em doze annos a Companhia levou a cabo
uma obra political de grande importancia, tanto em relao
s naes coloniaes europas, como em relao s popu-
laes indigenas, que foram submettidas em toda a ex-
tenso do seu territorio. Se a Inglaterra no tivesse lan-
ado mo da Royal Niger Company, teria tido que supporter
encargos onerosissimos, que d'este modo recaram sobre a
iniciativa particular.

III

Companhia imperial ingleza do Este africano

Pela conveno de 1 de novembro de 1886, a Inglaterra
e a Allemanha chegaram a um accord para a delimitao
das suas respectivas espheras de influencia na Africa orien-
tal. A fim de valorizar e occupar effectivamente a nova
regio, cujo dominio lhe era assim officialmente reconhe-
cido, a Inglaterra recorreu de novo ao system das grandes
companhias de colonizao.
Um grupo de capitalistas inglezes, tendo frente sir
William Mackinnon, vivia em excellentes relaes com o
sulto de Zanzibar. J em 1877, este offerecera a sir
William uma concesso important, que elle no acceitou
por a Inglaterra se ter recusado a prestar o seu apoio,
pois no queria intervir directamente na administrao dos
territories do sulto. Como, porm, os allemes com menos
escrupulos tivessem fundado uma companhia, o governor
inglez j no recusou o seu apoio a sir William Mackinnon,








60

quando novamente este entabolou negociaes com o sulto
para a concesso de territories a uma companhia ingleza,
que andava formando.
Esta concesso, feita pelo sulto em 24 de maio de 1887,
abrangia direitos extraordinariamente extensos, reservando
o sulto para si unicamente direitos de fiscalizao, princi-
palmente a approvao das nomeaes de juizes feitas pela
Companhia. Em todo o caso, os poderes concedidos Com-
panhia s podiam ser exercidos em nome do sulto de
Zanzibar.
A Companhia organiza-se com o nome de British East
African Association, e durante os ultimos mezes de 1887
concluiram-se vinte e um tratados com tribus indigenas do
serto, cujo resultado foi a extenso dos poderes da Com-
panhia a mais de 250 kilometros para o interior.
Em setembro de 1888, foi concedida uma carta de incor-
porao Companhia, que se ficou chamando Imperial
British East Africa Company.
A carta fazia pouco mais ou menos as mesmas conces-
ses e impunha as mesmas obrigaes que as cartas das
duas companhias que estudmos precedentemente. Assim,
era prohibido qualquer monopolio de commercio (artt. xvI,
xvII e xviii); a Companhia deveria seguir as indicates
do secretario de estado en tudo o que respeitasse s
potencias extrangeiras ou a divergencias com o sulto de
Zanzibar (artt. vil, vim, ix e xini); deveria conservar o
seu character inglez (artt. v e xv); no caso em que no
cumprisse as obrigaes a que se obrigra, o governor
reservava se o direito de revogar a carta; a Companhia
compromettia se ainda a empregar todos os seus esforos
na abolio da escravatura e a respeitar os costumes dos
habitantes do paiz (artt. x, xi e xii), etc.








61

O capital da Companhia ( 500:000) era insignificant
para a obra verdadeiramente colossal, que pretendia levar
a cabo. No emtanto ella, apezar dos embaraos levan-
tados pela Allemanha, que tambem tinha pretenes a
alguns dos territories, que a Companhia queria para si,
procurou sem dumoras emprehender a sua misso political.
Logo, em 1888, se organizaram expedies, das quaes a
mais important tinha por fim a occupao da Uganda,
situada na regio dos Lagos.
Em poucos mezes a Companhia, desempenhando admira-
velmente a sua misso de penetrao, garantia Inglaterra
no s o dominio de territories ao long da costa, mas
tambem de alguns outros no interior. As despezas que
estas expedies occasionaram foram enormes, e a Com-
panhia j tinha gasto uma grande parte do seu capital: o
governor e a opinio public instavam, porm, pela occu-
pao da Uganda o mais depressa possivel, com receio de
que os allemes se estabelecessem primeiro nessa riquis-
sima regio. A Companhia no teve remedio seno obedecer
e, em fins de 1890, a Uganda foi occupada.
Em meiado de 1891, apezar de ter sido votado um sub-
sidio de 20:000, as finanas da Companhia encontra-
vam-se numa situao muito precaria e os directors pen-
savam no abandon da Uganda, quando se votam novos
subsidies; e esta situao mantem-se at 1894, epoca em
que essa regio pass para o dominio director da Ingla-
terra, sob a frma de um protectorado. Depois da entrega
da Uganda, a Companhia viu-se ainda obrigada a desem-
baraar-se de alguns territories que occupra e nem assim
poude fazer face s difficuldades que a assoberbavam.
Entabolou ento negociaes com o governor para que este
lhe comprasse os seus direitos. Foram longas e laboriosas




- -i


62

as negociaes; por fim, a Companhia recebeu a quantia
de 250:000, em troca de todos os seus direitos e pro-
priedades na Africa oriental.
Criada, como foi, para a penetrao do paiz e para a
sua valorizao, isto , tendo um duplo fim politico e eco-
nomico, a East Africa Company, dissolvida seis annos
depois de formada, preencheu o primeiro dos seus fins.
Quanto ao segundo, pouco fez. Ainda assim explorou a
regio entire a costa e o Estado Independente do Congo,
reconheceu os rios Tassa e Juba, e empregou os seus
esforos na suppresso da escravatura.
Pde-se, pois, affirmar que a Companhia no deixou de
cumprir a sua misso, e, se melhor no fez, foi porque
teve que luctar com circumstancias difficilimas.
Esta Companhia foi muito conhecida pelo nome de lbea,
palavra formada com as iniciaes de--Imperial British East
Africa.

IV

Companhia da Africa do Sul (South Africa ou Chartered)

A ultima companhia que os inglezes formaram tambem
a mais important. Quem que nunca ouviu falar da South
Africa Company, esse poderoso estado sul-africano?
Quando se accentuou com todo o ardor a lucta para a
conquista do continent negro, o littoral da Africa do Sul
estava nas mos de tres naes europas: Portugal, a
Inglaterra e a Allemanha. O interior, porm, estava livre,
pelo menos isento de occupao effective; apenas existiam
as pequenas republican independents dos boers. O resto
do immenso territorio comprehendido entire as possesses








63

d'aquellas naes era habitado por duas grande tribus,
cujo chefe era Lobengula.
Para se apoderarem d'esse hinterland de perto de
1.000:000 kilometros quadrados que os inglezes lanaram
mo da Chartered Company. Vejamos como conseguiram o
seu fim.
J antes de 1888, Lobengula mantivera relaes com
os europeus, que percorriam o seu reino procura de
minas de ouro. A 11 de fevereiro d'esse mesmo anno, a
Inglaterra conseguiu que o poderoso regulo assignasse
uma conveno, em que se compromettia a no concluir
tratado algum com os governor extrangeiros nem a ceder-
lhes territories sem o consentimento do governor britannico.
Pouco tempo depois, a 30 de outubro ainda do mesmo
anno, Lobengula concede, mediante uma certa indemni-
zao, a tres inglezes, representantes de um poderoso syn-
dicato dirigido por Cecil Rhodes, o direito de explorer as
riquezas mineraes do seu reino.
Cecil Rhodes, o Napoleo do Cabo, como lhe chamavam
os seus admiradores, ligou os interesses dos concessionarios
anteriores aos do seu syndicate, que toma ento o nome
de Central Search Association. Era propriamente uma
sociedade de estudos que, depois de reconhecer o valor
do seu activo, devia transferir o capital a uma sociedade
de explorao.
Com effeito, depois de ter acabado os estudos prepara-
torios, a Central Search Assocition transformou-se na
United Concession Company, que se fundiu pouco depois
com a Chartered, a primeira trazendo como activo as con-
cesses cujos titulos possuia, a segunda encarregando-se
de occupar e valorizar os territories, mediante uma partilha
egual dos lucros. Senhor das concesses de Lobengula e








64

dispondo de capitaes sufficientes, preparado j o terreno,
Cecil Rhodes tratou de obter o apoio official do governor
britannico. Em 29 de outubro de 1889, a rainha assignava
a carta de incorporao.
A carta regia no se limita a confirmar a concesso de
Lobengula; d-lhe uma maior extenso, pois em alguns
artigos enumera certos direitos soberanos, que aquella con-
cesso de modo algum comportava.
De resto, os terms da carta so muito analogos aos das
precedentes, snente os artigos so mais precisos, mais
rigorosos, permittindo uma fiscalizao mais direct por
parte do governor inglez. Assim, a Companhia auctorizada
a organizer uma fora de policia (art. x); os directors
devem apresentar todos os annos o oramento das receitas
e despezas ao secretario de estado (art. xvii); a Companhia
fica submettida ao Alto Commissario inglez, resident no
Cabo (art. xviii); emfim, a carta foi apenas concedida por
25 annos, passados os quaes e tambem na expirao de
cada period de 10 annos, o governor poder modific-la ou
mesmo annull-la (art. xxiii).
Quando, em fins de 1889, a Chartered comeou as suas
operaes, achava-se em presena de um territorio im-
menso, habitado por povos verdadeiramente barbaros,
vivendo do roubo e da pilhagem. Vias de communicago
no havia. A Companhia devia, al6m d'isso, contar com a
hostilidade dos Matabeles.
Para emprehender esta obra colossal de colonizao
dispunha de um capital de 1.000:000. No comeo do
anno de 1898, o capital era j de 5.000:000.
A Chartered comeou por prolongar a linha ferrea, que
parava em Kimberley, at Mafeking. Simultaneamente
construiu uma linha telegraphica. Tornava-se entretanto








65

urgente proceder occupao do territorio. A Companhia
fez um contract com dois individuos que se compromet-
teram a organizer uma expedio que, media que fosse
avanando, iria abrindo um caminho transitavel e semeando-o
de fortes aqui e alli. Em tres mezes a expedio abrira
uma estrada de 650 kilometros.
A Companhia continuou a sua obra de penetrao do
territorio durante dois annos e extended os seus postos at
para alm do Lago Nyassa, tendo tratado com various re-
gulos, entire elles o Gungunhana.
Os colonos, a principio, dispersos por today a regio,
agrupam-se nas cidades; abrem-se novas estradas e esta-
belecem se novas vias telegraphicas; a Companhia organize
o servio dos correios, cria estampilhas; procuram-se por
todo o paiz minas de ouro, no comeo de 1896, havia j
mais de duzentas sociedades para a sua explorao.
Dois factos, porm, vieram interromper a continuao
d'este desenvolvimento to rapido da Rhodesia: a guerra
dos Matabeles, e a derrota do Dr. Jameson na sua tenta-
tiva contra o Transwaal em 1896.
O resultado da guerra contra os Matabeles foi a acqui-
sio para a Companhia de novos e vastos territories.
Todos sabem o que foi a invaso do Transwaal. As
minas de ouro chamaram muita gente a esta nao. Os
emigrantes de raa branca eram j em maior numero do
que os proprios boers; estes recusavam-se, porm, a con-
ceder-lhes direitos politicos. Os uitlanders resolve recorrer
fora; a South Africa manda um contingent de soldados
para os auxiliar. O Dr. Jameson, por ordem de Cecil
Rhodes, com todas as foras de que poude dispor, invade
o Transwaal, mas foi vencido e aprisionado pelos boers.
A Chartered perdeu muito do seu prestigio com esta








66

derrota e pouco depois os Matabeles sublevam-se de novo.
S o batidos, mas a guerra rebenta d'outro lado: agora so
os Mashonas. A Companhia appella para o governor e ao fim
de um anno estava terminada a guerra. O resultado de todas
estas aventuras foi a despeza de mais de 2.250:000;
custa a acreditar como a Companhia poude resistir a today
esta avalanche de calamidades. A ultima guerra do Trans-
waal causou-lhe tambem prejuizos importantissimos.
Em 1898, foram introduzidas algumas modificaes na
carta da South Africa, tendentes todas a restringir, cada
vez mais, a autonomia relative deixada at ento Com-
panhia, tornando mais efficaz a fiscalizao do governor
pela nomeao de um Resident Commissioner.
Pde affirmar-se de um modo geral que a aco da Com-
panhia da Africa do Sul tem sido benefica. Para isso basta
comparar a situao da Rhodesia de ha uns dez annos,
com a de hoje. A metamorphose complete: esse terri-
torio immenso permanecia ento sob o regimen do terror,
hoje a vida e a propriedade esto garantidas; existem
dezenas de cidades espalhadas em toda a extenso da Rho-
desia, a religio christ foi implantada, o desenvolvimento
material do paiz extraordinario.
Os recursos financeiros tira-os a Companhia das subscri-
poes dos seus accionistas, dos impostos, das receitas prove-
nientes dos correios e telegraphos, da concesso de licenas,
de vendas de terrenos, etc.
Qualquer que seja a sorte que espere a British South
Africa Chartered Company, a Rhodesia ficar sempre como
um testemunho indelevel de uma energia, de uma perse-
verana e de uma actividade que devem assegurar-lhe a
admirao de todos os observadores imparciaes.








67




2.0

Allemanha (1)


V

Companhia da Africa oriental

Dissemos ao comear este capitulo, que uma das naes,
que imitara a Inglaterra na formao de companhias colo-
niaes, no seculo xix, fora a Allemanha.
Os allemles no foram to felizes como os inglezes, ado-
ptando este process de colonizao. As cartas de concesso
sio semelhantes s cartas inglezas: concedem tambem s
companhias direitos quasi soberanos e reconhecem-lhe a
faculdade de extenderem os seus dominios por meio de
tratados ou pela occupao de territories deshabitados. O
estado reserve para si um direito de ingerencia mais ou
menos extenso. Assim, a carta da Companhia da Nova-
Guin attribue ao governor a organizao da administrao
judiciaria e a direco das relaes da Companhia com as
potencias extrangeiras. Muitas outras disposies, em tudo
semelhantes s das cartas inglezas, contem as cartas
allems.

A mais conhecida das grandes companhias coloniaes


(1) Ch. Salomon, ob. cit., pp. 153 e segg.-Leroy-Beaulieu, De la
colonisation, pp. 310 e 812 e segg. (4.a edio).-Lon Say, Dition-
aire d'conomie politique, t. II, pp. 588 e segg.








68

allems a Companhia da Africa oriental fundada, em
1884, pela Sociedade allem de colonizao para explorer
os territories adquiridos pelo Dr. Peters, o Dr. Juhlke
e o Conde Pfeil. Em 27 de fevereiro de 1885, o governor
imperial concede Sociedade uma carta de incorpo-
rao.
A Companhia da Africa oriental obteve dos chefes indi-
genas vastissimos territories em Zanzibar. Este facto ngo
deixou de inquietar o sulto: allegava que os seus direitos
de soberania haviam sido violados e que os tratados feitos
com os chefes indigenas, seus vassallos, no tinham valor.
No emtanto, teve que reconhecer o facto consummado
e submetter-se s decises de uma commisso encarregada
de fixar a extenso real dos seus territories. A Inglaterra
e a Allemanha concordaram em que se devia reconhecer
a independencia do sulto e a sua soberania sobre certas
regimes e, entire outras, sobre uma facha de terreno junto
costa, desde o rio Miningani at Kapini. Esta facha era
precisamente a que separava do mar o territorio da Com-
panhia da Africa oriental.
Uma situao to desfavoravel no podia durar muito.
Ameaado pelo gabinete de Berlim, o sulto Chalifa deci-
diu-se a assignar a conveno de 28 de abril de 1888,
pela qual cedia Companhia vastos territories ao sul do
rio Umba.
Nos terms da conveno a Companhia podia tratar com
os chefes indigenas, mas s em nome e com a ratificao
do sulto; ficava com o direito de occupar todas as terras,
fortes e construces pertencentes ao sulto e de adquirir
dos seus possuidores propriedades particulares; podia abrir
estradas e vias-ferreas, construir telegraphos, explorer
minas (dando ao sulto 5 O/o dos seus lucros) criar bancos,








69


emittir notas, cobrar a dizima e os direitos de alfandega,
etc.
Por outro lado, o sulto ficava com direito a uma parte
dos lucros geraes da Companhia e podia, quando expirasse
o privilegio, adquirir todas as suas propriedades, constru-
ces e estabelecimentos, mediante uma indemnizao ava-
liada por arbitros nomeados por ambas as parties.
Em virtude de incurses repetidas na regio dos Lagos,
a Companhia teve que fazer despezas militares demasiado
pesadas para as suas finanas, vendo-se forada a pedir o
auxilio do governor allemo.
Em 1890, restabelecida j a paz no seu territorio, a
Companhia obteve novas concesses do sulto; depois, em
20 de novembro do mesmo anno, abrem-se negociaes
entire ella e o governor allemo, negociaes que deram em
resultado a cedencia a este de todos os seus direitos de
soberania. E o mais curioso que os territories, que o
sulto arrendra Companhia por 50 annos, passaram
para a propriedade e soberania da Allemanha.
Assim, dos dois fins que a Companhia se propunha,
economic e politico, o primeiro falhou; o segundo attin-
giu-o, porque, fora confess-lo, mediante a interveno
d'ella, a Allemanha conseguiu juntar mais uma nova pro-
vincia ao seu imperio colonial, o que de outro modo no
teria alcanado, sem grande resistencia das potencias euro-
pas, do sulto de Zanzibar e talvez do seu proprio parla-
mento.









70




VI

Companhia da Nova-Guin

A Companhia da Nova-Guin fundada em 1884, tinha
j feito algumas acquisies de terreno e iniciado a explo-
rao d'esta ilha, a titulo particular, e sem pretender assu-
mir direitos de soberania, quando o governor allemo, em
vista do movimento de opinio que se manifestava na Aus-
tralia e que tinha por fim a annexago complete em pro-
veito da Inglaterra dos territories situados naquellas para-
gens, se decidiu a tomar a deanteira. Nos ultimos mezes
de 1884, o pavilho imperial era hasteado em differences
pontos da costa por officials da marinha de guerra, e,
em 17 de maio de 1885, a Companhia recebia uma carta
de incorporao (1).



(1) Transcrevemos aqui, a titulo de curiosidade, alguns trechos
da carta imperial (Kaiserlicher Schutzbrief):
Ns, Guilherme, por graa de Deus, Imperador da Allemanha,
Rei da Prussia, etc.
Fazemos saber e ordenamos pela present:
Tendo promettido a nossa proteco, no mez de agosto de 1884,
a uma associao de subditos do imperio, a qual tomou o nome de
Companhia da Nova-Guin, para uma empreza colonial por ella ten-
tada em archipelagos situados na parte oeste do Pacifico e que no
esto submcttidos soberania (Oberheit) d'outra potencia; tendo esta
Companhia, num intuito civilizador e com o fim de fundar estabele-
cimentos de commercio, conquistado e tomado posse de portos e de
costas, organizado nessas paragens uma expediio sob a fiscalizaio
do nosso commissario alli resident; tendo sido esses.territorios








71


Por esta carta, a Companhia ficou exercendo direitos de
soberania sobre a parte da costa, chamada Terra do Impe-
rador Guilherme, sobre o archipelago Salomo e sobre o
archipelago Bismark, outr'ora conhecido pelo nome de ilhas
da Nova-Bretanha.
A Companhia administra e governa esta colonia, rece-
bendo em troca todos os direitos realengos, sob a fiscali-
zao das auctoridades allems. Investida, em 1888, do
direito de jurisdicao, criou dois tribunaes e redigiu uma
especie de codigo para uso dos indigenas. Abriu uma linha
de vapores entire Finschafen e a Australia. Tem feito bas-
tantes plantaes e o seu commercio assaz important.
De todas as companhias, que criou, d'esta que a Alle-
manha tem tirado melhores resultados.


pouco depois collocados sob a nossa proteco pelos nossos navios
de guerra, em harmonica com as nossas ordens; tendo-se reunido
Companhia as duas casas de commercio allemis, que j antes haviam
estabelecido feitorias e conquistado propriedades rusticas em alguns
d'esses territories; tendo a Companhia, devidamente representada
pelo nosso Conselheiro particular do commercio, participado que
acceitava estabelecer e sustentar & sua custa, no territorio prote-
gido, as instituies publicas uteis ao desenvolvimento do commercio
e explorao do solo, ao estabelecimento e manuteno de relaes
pacificas com os indigenas e sua civilizao; mas tendo junto a
proposta de que, para conseguir este fim, lhe deveria ser concedida
uma carta imperial de proteco, auctorizando-a a occupar as terras
sem dono, dispr d'ellas e a fazer com os indigenas tratados: em
consequencia do que fica dito concedemos Companhia da Nova-
Guin esta carta de proteco e affirmmos pela present que assu-
mimos a soberania (die Oberheit abernommen haben) sobre os terri-
torios em questo, etc, etc..


/ F .* .








72




3.0

Belgica


VII

Estado Independente do Congo (1)

O Estado Independente do Congo pde ser tomado como
o modelo mais perfeito de uma grande companhia colonial;
sem duvida a elle que se deve, em grande parte, esse
movimento de sympathia e de benevolencia com que as
actuaes companhias foram acolhidas.
Na segunda metade do seculo xix, nessa epoca de explo-
raes scientificas e de problems geographicos, a Africa
central foi o campo de aco favorite dos exploradores.
Leopoldo II, rei dos belgas, aproveitando esse movi-
mento geral de curiosidade de terras desconhecidas, reuniu
em Bruxellas, em setembro de 1876, uma conferencia geo-
graphica, em que figuravam viajantes, geographos e homes
politicos. O rei, president da associao, disse que a honra
da Europa exigia que se abrissem civilizao essas regimes
ainda por explorer e que contava com a conferencia para
se levar a cabo essa cruzada de sciencia, de humanidade
e de progresso.
Fixou-se, como base inicial das operaes da conferencia,
o caminho de Zanzibar ao lago Tanganica.


(1) Jean Darey, ob. cit., pp. 26 e segg. Boletim Commercial,
vol. IIl, n.* 9 (1900), pp. 791 e segg.








73

Por essa epoca, Stanley, jornalista americano, realizava
a sua memoravel expedio atravez da Africa: partindo de
Zanzibar, seguiu em direco ao Congo, descendo-o em
todo o seu curso. Tres annos depois, isto , em 1877,
chegava a Boma, na costa occidental.
Em Bruxellas immediatamente se resolve que Zanzibar
fosse posto de lado, como ponto de partida, e substituido por
Boma. Stanley acceitou o convite, que lhe fizeram, para
fazer parte da expedio. A fim de organizer esta, for-
mou-se uma sociedade, a Commisso de estudos do Alto
Congo, com o capital de 1.000:000 francos, sob a presi-
dencia honoraria do rei.
Em setembro de 1879, comeou a heroica travessia da
regio das cataratas. Em fins de 1881, chegou a expedio
a Stanley-Pool. Depois de ter fundado uma nova cidade,
Leopoldoville, lanou a sua esquadrilha ao rio.
Em 1884, tinham-se concluido quinhentos tratados de
suzerania com os chefes indigenas, e haviam-se fundado
quarenta feitorias; e assim se foi fazendo gradualmente a
conquista do Congo.
Mas tornava-se necessario que a Europa reconhecesse o
nascente organismo, que consagrasse a obra do rei Leo-
poldo. Entabolaram-se desde logo negociaes diplomaticas,
e, em 15 de novembro de 1884, celebra-se a conferencia
de Berlim, em que as naes da Europa reconhecem a
associao como estado soberano.
O rei Leopoldo foi elevado a soberano do Estado Inde-
pendente do Congo, tendo tido, comtudo, o cuidado de
declarar que entire a Belgica e o novo estado existia apenas
uma unio pessoal, o que no o impediu de pedir ao parla-
mento belga 10.000:000 francos para a companhia do
caminho de ferro de Matadi a Pool. O credit foi votado.








74

Em 1890, surge um novo incident. O Estado do Congo
estava novamente sem recursos. Custasse o que custasse
era necessario arranjar dinheiro. O rei, para no indispar
os espiritos, ao mesmo tempo que pede ao parlamento um
novo credit, apresenta um project de conveno, segundo
o qual a Belgica tinha a faculdade, a partir de 1900, de
annexar o Estado Independente do Congo, com todos os
bens, direitos e vantagens ligados soberania d'esse estado.
Apresentou tambem um testamento, datado de 2 de agosto
de 1889, em que declarava legar, pela sua morte, Belgica
todos os seus direitos soberanos sobre o Congo, e bem assim
todos os bens, direitos e regalias ligados mesma sobe-
rania. Por mais extranho que parea este procedimento,
sem precedentes na historic do direito public, certo que
elle no levantou series hostilidades.
A interveno financeira da Belgica, o subsidio annual
de 1.000:000 francos do rei soberano e as receitas locaes
pareciam dever assegurar ao Estado do Congo, para o
period de dez annos de 1890 a 1900, o equilibrio de um
oramento regular.
Cedo, porm, se viram illudidas essas esperanas; em
1892 produziu-se nova crise. Pensou-se primeiro nos direitos
de alfandega, mas o acto geral de Berlim vedara a impo-
sio de direitos de entrada. Por fim sempre se consegue
a faculdade de estabelecer esses direitos que, de resto,
ainda no foram sufficientes.
E entao recorre-se a um expediente extraordinario, mas
efficaz: o proprio estado fez-se commerciante. Este system
teve principio de execuo em 1885, decretando-se que
todas as terras vacantes se considerassem como perten-
centes ao estado.
Por outro decreto prohibida a apanha do marfim e da


... -f-.'








75

borracha em certas terras. O resultado foi que 3/4 do marfim
e 1/1 da borracha apanhados, vendeu-os o estado.
O estado completou a sua obra augmentando os direitos
de saida e apoderando-se de todos os meios de transport.
s reclamaes, que se levantaram, o estado respondia que
elle tambem era commerciante e que pagava sem se queixar
os mesmos direitos que os seus concorrentes. Como se o
estado no recebesse numa mo o que pagava com a outra!
O lucro era, pois, immenso, porque o estado recebia, sob
a frma de impostos e taxas, muito mais do que podia
perder em lucro industrial.
Assim, iniciativa arrojada e pertinaz de uma companhia
colonial e intelligencia lucida do rei Leopoldo deve a
Belgica a posse de um estado, militarmente o mais pode-
roso, e financeiramente o mais prospero de toda a Africa
central.
verdadeiramente prodigioso o que, no espao de vinte
annos, se tem feito no Congo! Em 1880 o movimento
commercial do Congo no chegava a 700:000 francos; em
1898 passa de 50.000:000. Em 1899, 42 companhias
belgas ou extrangeiras, representando um capital de
91.000:000 francos, funccionavam no Congo e dirigiam
emprezas financeiras, industries, agricolas ou commer-
ciaes. Em 1880, Stanley lanou ao rio os 3 primeiros
vapores, em 1898 navegam j mais de 45. Em 1880, o
movimento maritime era quasi nullo; em 1899, apparecem
nos portos de Boma e Banana perto de 200 navios.
Como explicar este desenvolvimento excepcional? Em
primeiro logar, preciso levar em conta a excellencia do
solo; os products exoticos, taes como o cautchouc, nem
careciam de ser cultivados; o marfim era tambem abun-
dantissimo. Em seguida, e sobretudo, o Estado Indepen.








76

dente do Congo era uma empreza exclusivamente privada.
Teve alm d'isso a supreme felicidade de ter sua testa
um home como Leopoldo II.
O desenvolvimento rapido do Estado Independente do
Congo veio destruir um principio, que se considerava assente
em material de colonizao-os fundadores de uma colonia
trabalham para os seus descendentes.















CAPITULO III


As companhias portuguezas

Suw~Ano: 2.0 As antigas companhias.-I. Companhia
portugueza das Indias. II. Companhia do commercio
da India.-III. Companhia geral do commercio do Bra-
zil.- IV. Companhia de Cacheu e Rios de Guin. -
V. Companhia de Cacheu e das ilhas de Cabo-Verde.-
VI. Companhia da India.- VII. Companhia do Gro-
Par e Maranho. VIII. Companhia de Pernambuco
e Parahiba.- 2. As actuaes companhias.-IX. Com-
panhia da Zambezia. X. Companhia de Moambique.
-XI. Companhia do Nyassa.-XII. Companhia de
Mossamedes.

1.0

As antigas companhias (1)

I

Companhia portugueza das Indias

Tambem em Portugal, como no extrangeiro, se reco-
nheceu que as grandes companhias de colonizao eram


(1) Vide: Tito Augusto de Carvalho, As companhias portuguesas
de colonizao desde o seculo XV at meiado do seculo xIX (Memoria
apresentada, em 1901, ao Congresso colonial national) passim.-
Antonio Jos de Araujo, Colonies portugaises d'Afrique, pp. 15 e
segg. Joo de Andrade Crvo, Estudo sobre as provincial ultra-
marinas, t. I, p. 91.








78


o unico meio de manter relaes commerciaes com as In-
dias.
Foram muitas as companhias que se criaram entire ns.
Limitar-nos-hemos, porm, a fazer a historic das mais
notaveis d'entre ellas.

Era principalmente o commercio da India, que constituia
a mira das ambies dos que disputavam aos portuguezes
a supremacia no Oriente.
Filippe II quiz oppr uma barreira decadencia, cada
vez mais assustadora, do nosso commercio naquellas re-
gies. As naus, que partiam para a India, eram muitas
vezes press de hollandezes e inglezes. Por isto e tambem
pelas perdas, que um commercio assim feito acarretava
para o estado, Filippe II pensou em criar, em 1587, uma
Companhia portugueza das Indias orientaes, qual passou
o monopolio do commercio, que at ento fora reservado
para a cora.
Esta providencia, como contrariasse os que, sombra
do monopolio do estado, alcanavam lucros illicitos, no foi
bem recebida. No emtanto, no mesmo anno da criao da
Companhia, governadores e particulares obtiveram licena
para enviar nos navios do estado various artigos de com-
mercio.
Isto mais contribuiu para que a durao da Companhia
fsse ephemera, no chegando mesmo a deixar vestigios
de si.









79




II

Companhia do commercio da India

Depois da dissoluo da companhia de que acabamos
de falar, varias tentativas se fizeram para a criao de
outras, mas todas sem resultado.
Em 1624, de novo e com mais empenho se voltou ao
proposito da criao de uma companhia. A situao da
nossa India era cada vez mais precaria. Filippe III entendeu
que o melhor meio, para atalhar as ousadias e violencias
dos extrangeiros, era oppr s poderosas companhias de
que elles dispunham uma instituio do mesmo genero com
valiosos elements de aco.
Neste empenho, encarregou D. Jorge de Mascarenhas
de organizer uma junta que o habilitasse a bem desempe-
nhar-se da misso de que fra encarregado. Nto se limitou,
porm, o rei organizao da junta, pois deu a D. Jorge
cartas para as outras cidades, alm de Lisboa, e para as
villas do reino que tinham voto em crtes, recommendan-
do-lhes que entrassem na Companhia.
Dizia-se nessas cartas que a todos os que quizessem
entrar na Companhia se assegurasse a boa conta e razo
que havia de haver do dinheiro que nelle entrasse, e que
para nenhum caso, nem necessidade, por precisa que fosse,
se havia de tocar nelle, nem tomar-se ou dispender-se em
outros effeitos mais d'aquelles que se ordenara; e que com
os ganhos e interesses que resultassem do que cada um
mettesse na Companhia, se lhes havia de responder pontual-
mente, ou para os cobrarem ou para accrescentarem o








80

mesmo cabedal que trouxessem mettido, como o quizessem
e melhor lhes estivesse.
Em todas as instruces e cartas recommendava-se que
se concorresse com a maior quantia possivel e que tudo
se fizesse com a maior promptido.
Comquanto a ideia da fundao da Companhia fosse
acolhida com favor, parece que houve difficuldade em reunir
os elements necessarios para a sua fundao, pois as con-
dies do paiz eram ms e a maior parte das cameras s
com grande sacrificio consignaram quaesquer quantias para
tal fim.
No obstante todos os obstaculos, a criao da Compa-
nhia era assumpto em que muito se confiava e em que se
trabalhava com empenho. D. Jorge de Mascarenhas con-
tava que com as quantias j obtidas em Castella e Portugal
e com as que se podiam ainda obter, esta Companhia seria
a maior cousa do mundo.
Finalmente, em agosto de 1628, foi approvado o regi-
mento da Companhia. No principio do anno seguinte acha-
va-se ella prompta a funccionar e empregavam-se todos os
meios para haver as quantias que haviam sido subscriptas.
Entretanto as difficuldades com que luctava o governor
de Filippe III eram cada vez maiores; a India e o Brazil
reclamavam immediate soccorro. Tudo isto influiu na admi-
nistrao da Companhia, de modo que, em 1631, a camera
de Lisboa foi quasi obrigada a emprestar-lhe 20:000 ducados
para acabarem de se aviar as naus. Apezar de todos os
auxilios, a Companhia teve uma vida muito ephemera.








81




III

Companhia geral do commercio do Brazil

A predileco pelas companhias coloniaes no acabou
com a expulso dos Filippes.
D. Joo IV, incitado pelo padre Antonio Vieira, entrou
no mesmo caminho. E, se considerarmos que, long de se
terem attenuado, mais poderosas eram as causes, que acon-
selhavam a criao de companhias coloniaes a fim de
restaurar o commercio e a navegao, no para extranhar
a sollicitude com que D. Joo IV adoptou aquelle process
de colonizao.
O padre Antonio Vieira pensava que a criao de uma
companbia podia servir para nos defender dos hollandezes.
O plano do illustre prgador tinha por base, que o dinheiro
dos christos novos empregado na companhia fosse isento
do confisco; era o meio de attrar os capitals. O padre
Antonio Vieira, cujo plano foi tenazmente combatido pela
Inquisio, no se limitou a fazer a proposta a D. Joo IV;
defendeu-a em varias cartas e escriptos e at em sermres.
Apezar de toda a opposio da Inquisio, por alvar
de 6 de fevereiro de 1649, era criada a Companhia geral
do commercio para o Brazil, cuja durao foi fixada em
20 annos.
A Companhia obrigou-se a construir e armar 36 navios
de guerra, 18 em cada anno. Foi-lhe concedido o estanco
ou exclusive de quatro generous de mantimentos para o
commercio com o Brazil: vinho, farinhas, azeite e bacalhau.
Com este fim permittia-se-lhe mandar ao Alemtejo e a
6








82

outras parties do reino comprar os vinhos trigos, azeites
e carnes que necessitasse, podendo-os conduzir como qui-
zesse, tornando obrigatorio que lhe dessem barcos, carretos
e cavalgaduras para a dita conducao, pagando ella os
fretes. Mais tarde foi-lhe dada a administrao do contract
do pau do Brazil.
A Companhia obrigava-se a concorrer para a recupera-
o dos portos em poder do inimigo. E de facto a frota da
Companhia desempenhou um papel importantissimo na cam-
panha contra os hollandezes, que terminou pela capitulao
de Pernambuco (1654).
No obstante os servios prestados, a Inquisio e outros
interessados nunca poderam perdoar o triumph do padre
Antonio Vieira. Quando a rainha D. Luiza, viuva de
D. Joo IV, tomou conta do governor como regente, foi
facil insinuar-lhe no animo a conveniencia de acabar com
os favors com que os christos novos eram tratados pela
Companhia. Foram-lhe cerceados successivamente todos os
privilegios, desde o da iseno do confisco para os capitals
n'ella empregados at o do estanco dos quatro generous, a
que acima nos referimos.
Assim, pouco a pouco modificada e cerceada dos seus
privilegios, a Companhia do Brazil foi arrastando uma vida
pouco prospera, vindo a ser extincta por alvar de 1 de
fevereiro de 1720.

IV

Companhia de Cacheu e Rios da Guin

A ideia da formao de companhias coloniaes no deixou
de ser applicada tambem s possesses africanas, com-








83

quanto taes companhias tivessem principalmente em vista
o trafico da escravatura.
A primeira companhia, que se criou para a Africa occi-
dental, foi a Companhia de Cacheu e Rios da Guin, em
1676.
A Companhia era obrigada a reedificar a praa de Cacheu
e a pagar aos officials e funccionarios administrativos e
ecclesiasticos. Em compensao, gozava de privilegios ex-
clusivos importantes. Todos os navios que nio fossem da
Companhia no podiam levar fazenda do reino e s ella
podia fazer o commercio e trafico nos rios e sertes da
Guin. O capito-mr de Cacheu, embora nomeado pelo
governor, estava subordinado Companhia. Alm das obri-
gaes j mencionadas, cumpria-lhe pagar as despezas dos
servios ecclesiasticos e seculares, dos officials de justia,
fazenda e guerra; obrigava-se ainda a municiar a praa de
Cacheu e a manter os soldados e officials necessarios para
a sua defeza.
Foi muito curta a durao d'esta Companhia.


V

Companhia de Cacheu e das ilhas de Cabo-Verde

Foi em 1690, que se constituiu a Companhia de Cacheu
e das ilhas de Cabo-Verde, que teve, como a que precedeu,
uma ephemera durao.
Tinha principalmente em vista o trafico da escravatura
para as colonies hespanholas. D. Pedro II emprestou da
fazenda real 200:000 patacas Companhia, ficando o
governor interessado em 4/9 parties dos lucros. Foram-lhe
*








84

concedidos privilegios identicos aos da Companhia de Ca-
cheu e Rios da Guin. Entre as clausulas da sua concesso
deve notar-se, comtudo, a de ser isento de direitos o vinho
que mandasse para Cabo-Verde e Cacheu. O principal
deposit da Companhia era na ilha do Principe, onde ella
sustentava uma companhia de infantaria que para alli fora
mandada da metropole, e onde criou uma alfandega e
construiu uma fortaleza.
.: Uma outra concesso, que lhe foi feita, consistia na iseno
de direitos de mercadorias no valor de 40:000 cruzados,
caso expedisse para Cacheu e Cabo-Verde o dobro d'aquella
somma.
A Companhia de Cacheu estabeleceu feitorias na ilhado
Principe e em various pontos da costa da Guin, onde
affluiam navios do Brazil, sobretudo da Bahia.
Por decreto de 25 de agosto de 1706 foi declarada
extincta a Companhia e revogados os seus privil.gios,
prolongando-se ainda por algum tempo a liquidao total,
pois, em 1719, ainda se providenciava sobre o ajustamento
das suas contas. As fortalezas e praas, que havia con-
struido, foram logo, no comeo do seculo xvii, abandonadas
pelos brancos, que transportaram para o Brazil o com-
nercio assaz important que faziam no Principe e na Guin.


VI

Companhia da India

Apezar da Companhia do commercio da India, criada
em 1628, no ter correspondido s esperanas que nella
se haviam depositado, nem por isso se desistiu da criao








85

de uma companhia colonial, que dsse impulso ao nosso
commercio naquella rica regio. que a preponderancia
que iam adquirindo, com grave detrimento nosso, as compa-
nhias formadas pela Hollanda, pela Inglaterra e pela Frana
mostraram aos nossos homes publicos a conveniencia de
se seguir o exemplo d'essas naes coloniaes.
Por carta regia de 24 de maro de 1685, D. Pedro II
recommendava ao vice-rei da India o estabelecimento de
uma companhia, que desenvolvesse o nosso commercio no
Oriente.
A companhia constituir-se-hia com o capital de 1:500
cruzados, sendo o que faltasse posto pela fazenda real. Os
capitaes com que a In'dia subscrevesse deviam ser remet-
tidos para Lisboa.
Era concedido companhia, o commercio exclusive no
reino de pannos grs, cochomilha, coral lavrado e tosco,
esmeraldas, prata, ouro e dinheiro; e na India, de canella,
pimenta, lacre de formiga, anil, cravo, noz, incenso e toda
a sorte de especiarias e de drogas. Pertencer-lhe-hia o
commercio de Moambique com os mesmos privilegios
com que era feito pelo delegado do governor at ento.
Estes privilegios eram concedidos companhia pelo prazo
de 12 annos, que podia ser prorogado; emquanto ella
durasse, no podia ser auctorizada a formao de outra
companhia para o estado da India, Moambique, Rios,
nem para qualquer parte do Cabo de Ba.Esperana para
dentro.
Comquanto no se regateassem companhia favors e
privilegios de toda a sorte, formao d'ella pozeram-se
grandes obstaculos, principalmente por parte da gente da
India, que no queria acceitar a clausula de mandar para o
reino os capitaes com que subscrevesse. Julgava-se l que











no reino no queriam a formao da companhia e por isso
haviam redigido as condies propostas por frma inaccei-
tavel. E assim foi que organizaram a companhia na India,
formulando as condies de modo a former mais na India
uma companhia nova e independent do que a estabelecer
uma succursal da companhia geral.
Em 1694, enviaram-se para o reino as condies que se
julgavam justas e convenientes. Entretanto a Companhia
fundava-se em novembro do mesmo anno.
Os primeiros passos foram coroados de exito e espera-
va-se obter lucros mais avultados, quando, em 1697, che-
garam do reino as resolues quanto s propostas da India;
negaram-se muitos dos privilegios pedidos e o rei declarava
que, se os deputados da Companhia no quizessem acceitar
as modificaes indicadas, devia ser extinct a Companhia
que se havia formado.
A rejeio d'estas condies e as dificuldades de um com-
mercio regular com Mombaa, cercada pelos arabes, vieram
enfraquecer muito a Companhia da India. Resolveu-se, no
emtanto, apresentar de novo o assumpto considerao do
rei. Emquanto se aguardava a resposta, sobreveio a perda
de Mombaa, que foi muito prejudicial Companhia. Foi
tal o choque soffrido que todos os que nella tinham inte-
resses se pronunciaram pela sua dissoluo, na impossi-
bilidade de continuar apenas com o negocio de Moam-
bique.
Por alvar de 2 de outubro de 1699 foi extincta a Com-
panhia.








87




VII

Companhia do Gro-Par e Maranho

SE iniciativa intelligence e ousada do Marquez de
Pombal que se deve a criao da poderosa Companhia do
GrSo-Par e Maranho, destinada explorao e ao com-
mercio de parte dos nossos dominios na America do Sul.
Adam Smith (1) extranha, que Portugal ainda criasse
companhias numa epoca em que todas as naes da Europa
repelliam aquelle process de colonizao. Escreve o emi-
nente economist: Em 1775, quando esta political j havia
sido abandonada por todas as naes em virtude do seu
absurdo, Portugal adoptou-a, pelo menos em duas das
principles provincial do Brazil, a de Pernambuco e a de
Maranho.
Heeren explica a predileco do Marquez de Pombal
pelas companhias, pelo odio que o grande ministry de
D. Jos tinha aos jesuitas, em cujas mos se achava todo
o commercio do Brazil.
Leroy-Beaulieu (2) diz que a political do Marquez de
Pombal j no causa tanta admirao a quem notar que,
20 an-nos antes, a Hespanha criara a Companhia das Ca-
racas, cujos resultados foram excellentes.
De resto, no nos parece que o system das companhias
coloniaes j tivesse sido posto de parte, como affirma


(1) Adam Smith, Recherches sur la nature et les causes de la ri-
chesse des nations, t. I, p. 186.
(2) Leroy-Beaulieu, De la colonisation, p. 56.








88


Smith, pois que algumas companhias, comquanto criadas
alguns annos antes de 1755, ainda no tinham sido dissol-
vidas: assim, a Companhia hollandeza das Indias orientaes
s liquidou em 1795 e a celebre Companhia ingleza das
Indias s em 1857; e sobretudo preciso no esquecer
que a Companhia franceza das Indias, a segunda, foi criada
em 1785, isto , 30 annos depois da Companhia do Gro-
Par e Maranho.
Fechado este pequeno parenthesis, entremos propria.
mente na historic da Companhia do Gro-Par e Maranho.
A criao d'esta Companhia no foi bem recebida por
muitos negociantes, cujos interesses brigavam com os pri-
vilegios extraordinarios, que a ella foram concedidos.
Em virtude de uma representao dirigida ao rei, em
1754, pelos habitantes da capitania do Gro-Par, o
Marquez de Pombal conseguiu que various negociantes da
praa de Lisboa tomassem a resoluo de constituir uma
companhia, que a um tempo desenvolvesse o commercio
e concorresse para melhorar as condies economics do
reino.
Por alvar de 7 de junho de 1755, foram approvadas
as condies de formao da Companhia. Constituia ella
um corpo politico composto de um provedor, oito deputados,
um secretario e seis conselheiros. O provedor e os secre-
tarios deviam ser commerciantes portuguezes, naturaes ou
naturalizados, que tivessem pelo menos 10:000 cruzados
de interesse na Companhia. Os conselheiros deviam tambem
ser commerciantes, mas no era para elles exigida a con-
dio relative ao capital. A Companhia e o governor d'ella
seriam immediatos ao rei e independents de todos os tri-
bunaes maiores e menores, de modo que tudo o que pela
meza ou direco da Companhia se ordenasse teria devida




University of Florida Home Page
© 2004 - 2010 University of Florida George A. Smathers Libraries.
All rights reserved.

Acceptable Use, Copyright, and Disclaimer Statement
Last updated October 10, 2010 - - mvs