• TABLE OF CONTENTS
HIDE
 Front Cover
 Half Title
 Title Page
 Dedication
 Preface
 Table of Contents
 A cana-de-acucar no mundo
 A cana-de-acucar no Brasil
 Botanica, melhoramento e varie...
 Solos para cana-de-acucar
 Clima das zonas canavieiras do...
 Tecnica cultural
 Pragas e molestias
 Fisiologia
 Nutricao e adubacao
 Resultados de ensaios de aduba...
 A cana-de-acucar como forragei...
 A cana-de-acucar como materia-...














Group Title: Cultura e adubacao da cana-de-acucar
Title: Cultura e adubação da cana-de-açúcar
CITATION THUMBNAILS PAGE IMAGE ZOOMABLE
Full Citation
STANDARD VIEW MARC VIEW
Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/UF00074989/00001
 Material Information
Title: Cultura e adubação da cana-de-açúcar
Physical Description: 368 p. : ill., maps. ;
Language: Portuguese
Creator: Malavolta, E ( Eurípides )
Instituto Brasileiro de Potassa
Publisher: Instituto Brasileiro de Potassa
Place of Publication: São Paulo
Publication Date: 1964
 Subjects
Subject: Sugarcane   ( lcsh )
Sugarcane -- Fertilizers   ( lcsh )
Genre: bibliography   ( marcgt )
non-fiction   ( marcgt )
 Notes
Bibliography: Includes bibliographies.
Statement of Responsibility: E. Malavolta ... et al.
 Record Information
Bibliographic ID: UF00074989
Volume ID: VID00001
Source Institution: University of Florida
Rights Management: All rights reserved by the source institution and holding location.
Resource Identifier: aleph - 000954294
oclc - 21351638
notis - AER6810

Table of Contents
    Front Cover
        Page 1
        Page 2
    Half Title
        Page 3
        Page 4
    Title Page
        Page 5
    Dedication
        Page 6
    Preface
        Page 7
        Page 8
    Table of Contents
        Page 9
        Page 10
    A cana-de-acucar no mundo
        Page 11
        Page 12
        Page 13
        Page 14
        Page 15
        Page 16
        Page 17
        Page 18
        Page 19
        Page 20
        Page 21
        Page 22
        Page 23
        Page 24
        Page 25
        Page 26
    A cana-de-acucar no Brasil
        Page 27
        Page 28
        Page 29
        Page 30
        Page 31
        Page 32
        Page 33
        Page 34
        Page 35
        Page 36
        Page 37
        Page 38
        Page 39
        Page 40
        Page 40a
        Page 41
        Page 42
        Page 43
        Page 44
        Page 45
        Page 46
        Page 47
        Page 48
        Page 49
        Page 50
        Page 51
        Page 52
        Page 53
        Page 54
        Page 55
        Page 56
        Page 57
        Page 58
        Page 59
        Page 60
    Botanica, melhoramento e variedades
        Page 61
        Page 62
        Page 63
        Page 64
        Page 65
        Page 66
        Page 67
        Page 68
        Page 69
        Page 70
        Page 71
        Page 72
        Page 73
        Page 74
        Page 75
        Page 76
        Page 77
        Page 78
        Page 79
        Page 80
        Page 81
        Page 82
        Page 83
        Page 84
        Page 85
        Page 86
        Page 87
        Page 88
        Page 89
        Page 90
        Page 91
        Page 92
        Page 93
        Page 94
        Page 95
        Page 96
        Page 97
        Page 98
    Solos para cana-de-acucar
        Page 99
        Page 100
        Page 101
        Page 102
        Page 103
        Page 104
        Page 105
        Page 106
        Page 107
        Page 108
        Page 109
        Page 110
        Page 111
        Page 112
        Page 113
        Page 114
        Page 115
        Page 116
        Page 117
        Page 118
        Page 119
        Page 120
    Clima das zonas canavieiras do Brasil
        Page 121
        Page 122
        Page 123
        Page 124
        Page 125
        Page 126
        Page 127
        Page 128
        Page 129
        Page 130
        Page 131
        Page 132
        Page 133
        Page 134
        Page 134a
        Page 135
        Page 136
        Page 137
        Page 138
    Tecnica cultural
        Page 139
        Page 140
        Page 141
        Page 142
        Page 143
        Page 144
        Page 145
        Page 146
        Page 147
        Page 148
        Page 149
        Page 150
        Page 151
        Page 152
        Page 153
        Page 154
        Page 155
        Page 156
        Page 157
        Page 158
        Page 159
        Page 160
        Page 161
        Page 162
        Page 163
        Page 164
        Page 165
        Page 166
        Page 167
        Page 168
        Page 169
        Page 170
        Page 171
        Page 172
        Page 173
        Page 174
        Page 175
        Page 176
        Page 177
        Page 178
        Page 179
        Page 180
        Page 181
        Page 182
        Page 183
        Page 184
        Page 185
        Page 186
        Page 187
        Page 188
        Page 189
        Page 190
    Pragas e molestias
        Page 191
        Page 192
        Page 193
        Page 194
        Page 195
        Page 196
        Page 197
        Page 198
        Page 199
        Page 200
        Page 201
        Page 202
        Page 203
        Page 204
        Page 205
        Page 206
        Page 207
        Page 208
        Page 209
        Page 210
        Page 211
        Page 212
        Page 213
        Page 214
        Page 215
        Page 216
        Page 217
        Page 218
        Page 219
        Page 220
    Fisiologia
        Page 221
        Page 222
        Page 223
        Page 224
        Page 225
        Page 226
        Page 227
        Page 228
        Page 229
        Page 230
        Page 231
        Page 232
        Page 233
        Page 234
        Page 235
        Page 236
    Nutricao e adubacao
        Page 237
        Page 238
        Page 239
        Page 240
        Page 241
        Page 242
        Page 243
        Page 244
        Page 245
        Page 246
        Page 247
        Page 248
        Page 249
        Page 250
        Page 251
        Page 252
        Page 253
        Page 254
        Page 255
        Page 256
        Page 256a
        Page 257
        Page 258
        Page 259
        Page 260
        Page 261
        Page 262
        Page 263
        Page 264
        Page 265
        Page 266
        Page 267
        Page 268
        Page 269
        Page 270
        Page 271
        Page 272
        Page 273
        Page 274
        Page 275
        Page 276
        Page 277
        Page 278
    Resultados de ensaios de adubacao
        Page 279
        Page 280
        Page 281
        Page 282
        Page 283
        Page 284
        Page 285
        Page 286
        Page 287
        Page 288
        Page 289
        Page 290
        Page 291
        Page 292
        Page 293
        Page 294
        Page 295
        Page 296
        Page 297
        Page 298
        Page 299
        Page 300
        Page 301
        Page 302
        Page 303
        Page 304
        Page 305
        Page 306
    A cana-de-acucar como forrageira
        Page 307
        Page 308
        Page 309
        Page 310
        Page 311
        Page 312
        Page 313
        Page 314
        Page 315
        Page 316
        Page 317
        Page 318
    A cana-de-acucar como materia-prima
        Page 319
        Page 320
        Page 321
        Page 322
        Page 323
        Page 324
        Page 325
        Page 326
        Page 327
        Page 328
        Page 329
        Page 330
        Page 331
        Page 332
        Page 333
        Page 334
        Page 335
        Page 336
        Page 337
        Page 338
        Page 339
        Page 340
        Page 341
        Page 342
        Page 343
        Page 344
        Page 345
        Page 346
        Page 347
        Page 348
        Page 349
        Page 350
        Page 351
        Page 352
        Page 353
        Page 354
        Page 355
        Page 356
        Page 357
        Page 358
        Page 359
        Page 360
        Page 361
        Page 362
        Page 363
        Page 364
        Page 365
        Page 366
        Page 367
        Page 368
        Page 369
Full Text

t*


L IM

















GULTURA E ADUBAC IO Di CNifl-DE-ACUCAR












CULTURAL E ADUBACAO


DA CANA-DE-ACUCAR






E. Malavolta, A. L. Segalla, F. Pimentel Gomes, F. O. Brieger,
S. B. Paranhos, G. Ranzani, O. Valsechi, A. A. B. Junqueira
A. P. Camargo, J. Bergamin, W. B. Toffano, A. M. Peixoto,
Urgel A. Lima, Bento Dantas, A. A. Ortolani, H. Paulo Hoog,
Clovis C. A. Lima, Enio R. Oliveira.










Editor: INSTITUTE BRASILEIRO DE POTASSA
Experimentnc6es e Pesquisas
Caixa Postal 446
SAO PAULO BRASIL
1 964





























In memorial
Prof. Jacob Bergamin
1909- 1964









Prefdcio


Uma das conseqil6ncias do crescimento dindmico da
populagdo mundial, nas 7ltimas decadas, e que hoje
dois tergos da humanidade e subnutrida.
Um home mal nutrido ndo pode produzir satisfa-
tbriamente, ndo pode ser util & comunidade onde vive e
conseqilentemente ndo pode ser feliz.
Em muitos paises o aumento da produgdo agricola
ndo corresponde ao crescimento da populagdo. Portan-
to, uim dos problems bdsicos de nossa geragdo e pro-
duzir alimentos suficientes para a humanidede.
Neste livro, os interessados poderdo encontrar os
principals aspects de uma cultural que fornece um dos
produtos mais importantes para a alimentagdo humana,
ou seja, o a~icar.
0 Brasil, atualmente, e um dos maiores produtores
de agicar de cana, no mundo. Para tender o seu con-
sumo interno, sempre crescente, como tambdm devido
hs possibilidades de exportagdo, deverd duplicar a sua
produgdo nos prdximos dez anos. Para que isso aconte-
ga e necessdrio e indispensdvel que os conhecimentos
cientificos e os resultados das experimentagQes sejam
adotados na agriculture prdtica.
? com grande prazer que langamos o nosso segun-
do livro s6bre uma cultural de tdo grande importdncia
economic para o Brasil.
Gracas a uma excelente colaboragdo de todos os
autores, nos foi possivel a realizagdo desta obra, a qual
certamente serd uma valiOsa ajuda aos produtores de
cana, para racionalizar a sua produgdo.
A todos os colegas que colaboraram conosco, os
nossos mais profundos agradecimentos, na esperanga
de que no future esta obra venha contribuir para que
se extinga a fome no mundo.


DR. JOSEF MORGENTHALER
Director do Instituto Brasileiro de Potassa


SAO PAULO Dezembro 1964.










INDICE

Pdgs.
I A cana-de-acdcar no mundo
1 Origem da cana-de-aficar ...................... 11
2 A cana-de-aficar no mundo atual ................ 11
3 Regi6es produtoras de cana no mundo ............ 12
4 0 rendimento da lavoura de cana ................ 23
Bibliografia .................................... 26
II A cana-de-agucar no Brasil
1 Hist6rico ....................................... 27
2 Distribuigio geogrAfica ........................... 36
3 ImportAncia economic .......................... 40
4 Situacqo econ6mica atual e perspectives futuras ... 46
Bibliografia ..................................... 59
III Botinica, melhoramento e variedades
1 Botanica ....................................... 61
2 Melhoramento .................................. 72
3 Variedades ..................................... 79
Bibliografia ..................................... 96
IV Solos para cana-de-aqicar
1 Introducgo ..................................... 99
2 Natureza e fungdo de um solo .................... 99
3 Propriedades e caracteristicas do solo ............. 101
4 Propriedades quimicas do solo .................... 108
5 Classificacdo de solos ............................ 111
V Clima das zonas canavieiras do Brasil
1 Introdu o .o .................................... 121
2 Areas canavieiras do pais e caracteristicas climati-
cas gerais ....................................... 122
3 Fatores climaticos e limitac6es para a lavoura
acucareira ................... ................... 123
4 Carta das limitag6es e possibilidades climaticas da
cultural acucareira no Brasil ..................... 135
5 Conclusio ........................... ........... 137
Bibliografia ..................................... 137
VI Tecnica cultural
1 Introduc o ........................ ........... 139
2 -- fpocas de plantio ............................. 139
3 Escolha de variedades ........................... 141
4 Preparo do solo ................................ 142
5 Culturas subsidiarias ............................. 145
6 Sulcamento ...................................... 146
7 Modos e uso de corretivos e fertilizantes ........... 150
8 ConsideraCges gerais s6bre o uso e sistemas de apli-
caqc o de vinhaqa ............................... 155
9 Aplicaco de inseticidas no sulco .................. 156
10 Sistemas de plantio .............................. .158
11 Tratos culturais ..................... ............. 162
12 Maturagio ...................................... 168
13 Colheita e transport ........................... 170
14 Tratos culturais da soqueira ...................... 174
15 Formacio de viveiros ............................ 180
Bibliografia ..................................... 188







VII Pragas e mol6stias
PRAGAS DA CANA-DE ACfTCAR .................. 191
1 Broca do c mo ................... ............. 192
2 "Elasmo" ou broca menor do c61mo ................ 198
3 Cigarrinha da raiz .................. ............ 200
4 Pulgdo da cana .................................. 2C2
5 Percevejo castanho .............................. 203
6 Cupins subterrAneos ................. ........... 205
7 Besouros "pdo de galinha" ....................... 2J5
8 Cochonilha .............. .................. 206
9 Considerac6es gerais ............................. 266
Bibliografia ..................................... 207
MOLiSTIAS DA CANA-DE-AQCCAR
1 Molestias causadas por virus ..................... 209
2 Molestias causadas por bacterias ................. 213
3 Mol6stias causadas por fungos .................... 214
4 Contr6le das mol6stias .......................... 220
Bibliografia ..................................... 220
VIII -- Fisiologia
1 Germinacgo ................................... 221
2 Crescimento e perfilhamento ..................... 223
3 Agua ......................................... 226
4 ComposiCgo ..................................... 228
5 Metabolismo dos carbohidratos ................... 229
6 Florescimento ................................... 234
Bibliografia ................................... 235
IX Nutrigo e adubacao
1 Introducgo .................................... 237
2 Exigencias minerals ............................ 238
3 Efeito dos macronutrientes ....................... 240
4 Efeitos dos micronutrientes ....................... 249
5 Chave para identificapQo dos sintomas de deficiencia 256
6 Adubacao ....................................... 258
Bibliografia .................................... 275
X Resultados de ensaios de adubafio
1 Ensaios conduzidos no Estado de S. Paulo ........ 279
2 Ensaios conduzidos no Nordeste .................. 290
3 Ensaios conduzidos no Estado de Minas Gerais .... 299
4 -- Ensaios conduzidos no Estado do Rio de Janeiro .... 302
Bibliografia ................................... 306
XI A -cana-de-a"ucar como forrageira
1 Introdugdo .................................... 307
2 Canas forrageiras ............................... 308
3 Modalidades de utilizacao ....................... 310
4 Valor nutritive da cana-de-acucar ............... 312
Bibliografia ................................... 317
XII A'cana-de-;lciicar como mat6ria prima
1 Introduao ............ ....................... 319
2 Constituigo morfol6gica e anat6mica ............ 319
3 Composico quimica ............................. 325
4 A cana-de-agficar sob o ponto de vista tecnol6gico 333
5 A cana-de-agficar como fonte de materia para a
indfstria ................... .. ............... 333
6 Sub-produtos da cana-de-acucar ................. 350
Bibliografia ..................................... 367
















I A CANA-DE-ACUCAR NO MUNDO


FREDERICO PIMENTEL GOMES
E. S. A. "Luiz de Queiroz" Cad. de
Matemitica e Estatistica Piracicaba.
URGEL DE ALMEIDA LIMA
E. S. A. "Luiz de Queiroz" Cad. de
Tecnologia do AFicar e Alcool Piracicaba.


1 ORIGEM DA CANA-DE-AQCCAR

A cana-de-aciucar e uma graminea perene, pertencente ao
g6nero Saccharum, pr6pria de climas tropicais e subtropicais,
possivelmente origindria do sudeste da Asia, talvez das regi6es
de Assam e Bengala. Ha varias especies do genero Saccharum
(S. officinarum, S. spontaneum, S. robustum, etc.), mas as
variedades hoje em uso sao quase tOdas hibridas. Nelas se
procura aliar a rusticidade de umas especies, como a S. sponta-
neum, as boas qualidades das variedades nobres de S. offici-
narum.
A S. spontaneum parece ser a uinica esp6cie existente ainda
em estado silvestre, no Sudeste da Asia.
A hip6tese de origem da cana-de-acicar das regimes de
Assam e Bengala tem, entire outras justificativas, a do ap6io
lingiiistico e etnografico (6). Bengala em 6pocas remotas era
conhecida por Gaura (Gauda, Goor, Gur) tendo como capital
Gur, palavra que significa "cidade do agicar". I provdvel que
ai se tenha originado a produgdo de agicar.
LIPPMAN esclarece (6) que a cana era muito difundida
na India e atribui a falta de informaq6es mais detalhadas ao
fato de os indianos nao primarem pela abundancia e precisio
de documents hist6ricos.

2 A CANA-DE-AQGCAR NO MUNDO ATUAL

Na atualidade a cana-de-acicar 6 cultivada em todas as
regi6es tropicais e subtropicais. A cultural se estende, de
ambos os lados do Equador, ate, aproximadamente, 350 de






12 Cultura e Adubacao da Cana-de-Acicar


latitude Norte e Sul. A produgco de cana, em rdpida expan-
sao, passou de um total mundial de 266,3 milh6es de tone-
ladas, no period de 1948-49 a 1952-53, para 415,8 milh6es de
toneladas no ano agricola de 1961-62, segundo estatistica da
FAO. No entanto, a produco real 6 bem maior, pois nessas
estatisticas se inclui, para muitos paises, apenas a cana cor-
tada para a fabricaco de acdcar.
Quanto a producao de agiucar de cana, ha que distinguir
os tipos de usina, centrifugados, e os agicares de baixa qua-
lidade, conhecidos por agicar batido, mascavo e rapadura, no
Brasil, panel, na ColOmbia, gur, na india, etc. A producgo
destes tipos de aglcar 6 nula ou estd decrescendo nos paises
mais adiantados, mas continue a crescer na Asia, em regi6es
de nivel de vida mais baixo, especialmente na india e no
Paquistdo.
O agdcar de beterraba, principal concorrente do acdcar
de cana, tern sua producgo concentrada na Europa e na
Amdrica do Norte, sendo os principals produtores a Rissia,
os Estados Unidos da America, a Franca e a Alemanha Oci-
dental.
Quanto ao agdcar de cana, a posigco dominant, ha muito
mantida por Cuba, estd hoje ameagada por dois paises: a
india e o Brasil. A india, cor 2,939 milh6es de toneladas de
acgcar centrifugado em 1961/62 e cor 4,537 milhies de tone-
ladas de agicar de baixa qualidade (gur e khandsari) 6 na
verdade o maior produtor mundial de agdcar de cana, pois
Cuba apenas atingiu 6,767 milh6es de toneladas em 1960/61 e
4,815 em 1961/62. E o Brasil, cor uma produgao total de
c6rca de 3,9 milh6es de toneladas em 1961/62 (3,615 de ag~car
centrifugado e 0,270 de tipos baixos) caminha rapidamente
para uma safra de 6 milh6es de toneladas.


3 REGIOES PRODUTORAS DE CANA NO MUNDO

3.1 AMERICAS

Dentre as zonas para as quais a cana-de-ag~car se expan-
diu no Ocidente, foi nas Americas onde mais se desenvolveu,
ocupando extensas areas e constituindo, desde os tempos co-
loniais, a principal atividade de diversas regi6es.
Brasil: A cana desenvolve-se em todos os estados do
Brasil. Entretanto, a zona de grande producao compreende,
principalmente, os estados pr6ximos a costa, do Nordeste at6
o Parand, entire 80 e 230 de latitude Sul.







A Cana-de-Ag6car no Mundo 13


A m6dia annual de temperature 6 de 200 C para Piraci-
caba, na zona canavieira de S. Paulo e de 270 C para Recife,
regiao canavieira de Pernambuco.
A pluviosidade varia de 1.300 a 2.000 mm, destacando-se
1.300 para o planalto paulista, 1.300 a 2.200 para Pernam-
buco e c6rca de 2.000 mm para Minas Gerais.
A cultural canavieira, nos estados centrais, 6 incipiente ou
necessita modernizago.
As 6pocas de plantio variam de uma regiao para outra.
No Nordeste, planta-se de julho a novembro, iniciando-se a
safra em dezembro e prolongando-se atd maio. No Sul, plan-
ta-se a cana em dois periods: o primeiro, de setembro a
dezembro, para produzir "canas de ano e meio" e o segundo,
de fevereiro a marco, para as canas de "ano", que se cortam
com 12 a 14 meses.
As variedades hoje em uso sao quase tOdas hibridas, cor
predominancia das nacionais e das indianas.
Cuba: E uma ilha de 117.000 km", localizada entire os
paralelos de 19048' e 23014' Norte. A temperature m6dia na
capital (Havana), situada em plena zona aqucareira, 6 de
25 C, com a mddia de 21,70 C no mes mais frio (janeiro) e
de 27,8' C no mais quente (ag6sto). A pluviosidade 6 de, apro-
ximadamente, 1.300 mm na zona costeira e de 1.500 mm no
interior (5).
HA 6 provincias (Pinar del Rio, Havana, Matanzas, Las
Villas, Camaguey e Oriente), todas com lavouras de cana, que
se acumulam, especialmente, em Oriente, Camaguey e Las
Villas, as provincias mais orientals.
Embora as condig6es mesoldgicas de Cuba sejam exce-
lentes, a ilha 6 zona de furac6es violentos, que, freqiiente-
mente, causam grandes prejuizos aos canaviais, deitando-os
ou arrancando-os parcialmente.
Ha duas 6pocas de plantio: a primeira, de abril a junho,
para realizar a colheita em maio-abril, e a segunda, em de-
zembro, para cortar um ano e meio depois (4).
Ilha de Haiti: Na ilha de Haiti, implantada entire P6rto
Rico e Cuba, entire 170 30' e 200 de latitude Norte, chamada
Hispaniola por Colombo, situam-se a Repdblica Dominicana e
o Haiti. Este ocupa apenas um tergo da ilha (5). Em ambos
os paises existem condig6es excelentes para a cultural da
cana-de-agicar. O solo 6 de formagdo calcdria. As lavouras
sao irrigadas e de alto rendimento. Ha casos de 200 tonela-
das por hectare, em terrenos virgens, com colheitas econ6mi-
cas por 10 a 20 anos (4).






14 Cultural e Adubacao da Cana-de-Ackcar


No Haiti a principal regido canavieira situa-se ao redor
da capital enquanto que na Repiblica Dominicana a maior
parte dos canaviais se situa na costa sul.
A precipitagao aquosa gira ao redor de 1.200 mm.
As variedades, importadas ou nacionais, sao plantadas
em regime de "grande cultural" ou de "cana de primavera",
como se faz em POrto Rico.

P6rto Rico: Esta ilha 6 a mais oriental das Grandes
Antilhas, situada entire 17o55' e 1833' de latitude Norte. Sua
area 6 de 8.900 km2.
A precipitacgo pluviom6trica na regiao norte atinge
1.500 mm. Na zona montanhosa ascende a 2.500 mm, en-
quanto que na costa sul nao ultrapassa, normalmente, 750 mm.
Nesta regiao, a irrigagQo 6 intensamente praticada.
Em POrto Rico, distinguem-se dois grandes grupos de
solos: os imidos e os secos. Os primeiros sio os de pluvio-
sidade variavel de 1.500 a 2.500 mm e os outros, entire os
limits de 600 a 1.500 mm, demandando irrigacgo (5).
O plantio da cana-de-acilcar se faz na faixa perimetral
litoranea, em terrenos de aluvi7o.
A temperature m6dia em janeiro 6 de 230 C e em julho
de 26 C, com variag6es medias didrias de 3,50 C.
Planta-se em sulcos, com estacas de 3 a 4 gemas.
Ha tres 6pocas de plantio. A primeira, que se faz de se-
tembro a dezembro, produz as "canas de frio" ou de "grande
cultural A segunda 6poca de plantio inicia-se em janeiro,
prolongando-se atd margo; produz as "canas de meio tempo".
A 111tima 6poca vai de maio a junho; dela se obtdm as "canas
de primavera" (3).
Sao freqiientes os ataques de moldstias e de pragas.
Antilhas Britdnicas: Sao ilhas onde predominou a in-
fluincia political da Inglaterra. As mais importantes sao Bar-
bados, Trinidad, Jamaica e os grupos de Barlavento e Sota-
vento. No primeiro grupo pontificam S. Luicia e S. Vicente
e, no segundo, Antigua e Ilhas Virgens.
Jamaica: Localizada entire os paralelos de 17042' e
18o32' Norte, 6 a maior das Antilhas Britinicas, com uma
area total de 11.420 km", dos quais, 6.500 sao pr6prios para a
cana-de-agficar. A temperature m6dia, na regiao costeira, 6
da ordem de 26 C. As chuvas atingem 2.000 mm. FuracOes
peri6dicos causam danos as lavouras.
As variedades de cana prov6m de diversas regiOes, porem
as mais difundidas sio as de Barbados.








Zonas de cultivo da cano de-acoar





oa










-- h "

a-
} 35 0
eo
00

___






16 Cultural e Adubacao da Cana-de-Ac6car


Trinidad: A cana-de-agdcar 6 a mais important cultural
da regido, ocupando o segundo lugar na balanga commercial da
ilha. Sua importancia 6 apenas superada pela do petr6leo.
Trinidad situa-se entire os paralelos 100 e 10030' Norte.
Sua area 6 de 4.800 km2. Os principals canaviais situam-se
na parte ocidental, corn precipitagdo pluviom6trica annual de
1.600 mm e m6dia annual de temperature de 260 C.
As variedades mais cultivadas atualmente sao provenien-
tes de Barbados. De uma maneira geral, a estagdo experi-
mental aconselha o plantio de uma unica variedade e nio dis-
tingue variedades precoces, m6dias e tardias.
Usualmente, as canas produzem 3 a 4 socas, pordm ha
canaviais cultivados 8 anos seguidos, econ6micamente (4).

Barbados: Situa-se esta ilha na parte mais oriental das
Antilhas, a 1310' de latitude Norte, cor 430 km2 de area. A
temperature m6dia annual 6 de 260 C. A pluviosidade 6 de
1.800 mm no Sul e de 1.250 mm no Norte. Possui uma esta-
gdo experimental important, cujas variedades se dissemina-
ram por varios paises, sobretudo nas Antilhas.
Os principals fatores que afetam o rendimento agricola,
sao: agua, nitrog6nio e potassio; entire l6es, a agua 6 fator
limitante, donde as prdticas intensivas de irrigacgo (5).
Ilhas de Sotavento (Leeward): Formam um arquipd-
lago situado entire 16 e 19 de latitude Norte.
Antigua 6 a maior das ilhas, cor uma area de 28.000 ha
tendo 5.000 ha de canaviais. Em 1952 o rendimento agricola
era de 50 t/ha, corn variedades provindas principalmente de
Barbados.
Antilhas Franc6sas: Sao ilhas de coral ou de terra calca-
ria, cor zonas de aluvido, de 6timas condig6es mesoldgicas
para a cultural canavieira.
Nas Antilhas de colonizagdo francesa, destacam-se Gua-
dalupe, Martinica e S. Cruz.
Estados Unidos: Os. principals estados canavieiros dos
Estados Unidos sao a Louisiana e a Fl6rida. Na Louisiana, a
cana-de-agdcar, introduzida em 1751, hoje ocupa uma area na
planicie do delta do Mississipi, entire 29' e 31 de latitude
Norte, com 1.400 a 2.000 mm de chuva por ano. A tempera-
tura media 6 de cerca de 290 C no verio, mas ha fortes geadas
no inverno.
Na Fl6rida, localiza-se a cultural canavieira em terras
baixas, plans, turfosas, cerca de 270 de latitude Norte, cor
1.300 a 1.400 mm de chuva por ano. A temperature m6dia do







A Cana-de-Ac6car no Mundo 17


m6s mais quente (julho) 6 de c6rca de 270 C, e a do m6s mais
frio (janeiro), de 180 C.
As variedades hoje usadas nos Estados Unidos sao de
origem local, especialmente da estacgo experimental de Canal
Point, na Fl6rida.
Na Louisiana o plantio se faz de setembro a novembro,
e a colheita vai de outubro a dezembro, do ano seguinte.
Dadas as mds condig6es de drenagem, o plantio 6 feito em
camalh6es. Colhe-se, em geral, apenas uma soca.
Na Fl1rida normalmente se colhem 4 socas.
Tanto na Louisiana como na Fl6rida 6 usual a queima
dos canaviais, para facilitar a colheita.
Mdxico: A cana desenvolve-se bem na zona do Golfo e
nas costas do Pacifico, entire as latitudes de 16 a 250 Norte.
A m6dia annual de temperature varia de acOrdo com a regiao,
verificando-se niveis de 230 C, 180 C e menores (5).
Os canaviais se encontram principalmente nas provincias
de Vera Cruz, Tamaulipas, Sinaloa, Jalisco, Puebla e Morelos.
Tr6s quartas parties dos canaviais sao irrigados. A prebipi-
tagCo mddia varia de 750 a 1.500 mm (5).
As variedades mais comuns prov6m de Java, Havai e
India.
Amdrica Central: A cana-de-acdcar 6 cultivada em todos
os paises.
Paraguai: Os canaviais paraguaios crescem bem em
qualquer zona do pais, sendo comum encontrd-los com 5 a 15
anos de vegetacgo consecutive (4).
Bolivia: A principal regiao canavieira 6 a de Santa Cruz,
onde se verifica, atualmente, um grande surto progressista na
inddstria aQucareira.
Equador: A cana-de-agdcar se desenvolve bem; o cultivo
se faz em terrenos baixos. A colheita realiza-se de julho a
novembro (4).
Peru: A cana 6 cultivada na area compreendida entire os
Andes e o Oceano Pacifico, entire 5 e 150 de latitude Sul em
terrenos irrigados. A pluviosidade annual 6 virtualmente nula.
A temperature m6dia vai de 16 a 220 C (5).
Normalmente a plantacio se faz durante todo o ano. A
6poca de corte se estende at6 por 10 meses, send o period
mais favoravel, o compreendido de outubro a fevereiro. Sao
colhidas canas de 15 a 18 meses.
Comumente, os canaviais cultivam-se 4 a 5 anos consecuti-
vos. Nao ha grandes ataques de moldstias e pragas.







18 Cultural e Adubac6o da Cana-de-Ac6car


Venezuela: A plantacgo e a colheita fazem-se, pratica-
mente, todo o ano (4), em virtude das condic6es ecol6gicas
especiais do pais. Os principals canaviais sdo pouco distan-
tes de Caracas.
Guiana Britdnica: A zona canavieira, situada na costa,
fica entire 6 e 70 de latitude Norte.
A temperature mddia annual 6 da ordem de 27 C e a pre-
cipitagdo de 2.050 a 2.350 mm, conforme o local, corn va-
riagSes importantes de um ano para o outro.
A zona de plantio 6 muito imida, havendo constant
necessidade de drenagem. Esta se faz por canais, que tamb6m
serve para o transport da cana.
Embora haja variedades nacionais, produzidas na estaco
experimental de Demerara, atualmente predominam canas
oriundas de Barbados.
Normalmente, faz-se a colheita corn canas de 13 a 14
meses.
Guiana Holand&sa: A situacdo da lavoura 6 aproxima-
damente a mesma da Guiana Britanica, havendo necessidade
de drenagem constant.
Nos terrenos virgens, obt6m-se um rendimento agricola
de 100 toneladas por hectare (4).

3.2 EUROPA

Dos paises europeus, onde a cana foi introduzida cor a
invasio dos mouros, apenas mantdm a importAncia, a culti-
vacgo feita em terras da Espanha.
Espanha: Pela infludncia do Mediterrdneo, as costas
meridionais espanholas apresentam condig~es de temperature
favordveis ao desenvolvimento da cana-de-agiicar.
A cana amadurece em marco e a colheita prolonga-se
at6 maio.

3.3 AFRICA

O continent africano apresenta algumas regi6es onde a
cana-de-agdcar foi outrora de grande importancia e zonas
onde, hoje, essa cultural represent base econ6mica fun-
damental.
Ilha da. Madeira: Segundo registros da 6poca (4) a
cana-de-agicar foi levada para a ilha por conquistadores por-
tugu6ses, que a trouxeram da Sicilia.







A Cana-de-Acuccr no Mundo 19

O solo e o clima sao excelentes para o seu desenvolvi-
mento, tanto que a Madeira foi o celeiro de ag car da Europa
medieval. Serviu de ponto de partida para a implantacio da
cana-de-acdicar no Brasil e perdeu para 6le seu mercado
europeu na 6poca colonial.
Egito: 0 plantio da cana neste pais foi o primeiro pass
na expansao da cana para o Ocidente, por meio dos drabes.
Na antiguidade o Egito ocupou lugar de destaque como pais
agucareiro.
Hoje, o cultivo de cana, ainda important, se faz em uma
faixa de terrenos fdrteis, ao long do Nilo, entire o Cairo e
Assud (5) entire os paralelos 240 e 27o30' Norte.
A zona 6 desdrtica. Enquanto na costa a precipitagdo
mddia annual atinge 200 mm, mal chega aos 30 mm no Cairo,
de forma que a lavoura depend exclusivamente da irrigagdo
cor ngua do Nilo. A temperature m6dia 6 de 150 C em ja-
neiro e de 330 C em julho.
A cana-de-aglicar geralmente 6 cultivada em rotacgo cor
outras lavouras.
Repziblica Sul-Africana: O plantio se localiza na regido
de Natal, de 28015' a 30045' de latitude Sul (5).
A m6dia de temperature 6 de 210 C e a precipitacio
aquosa 6 de 1.020 mm, aproximadamente.
Dadas as condic6es do meio, o amadurecimento da cana
leva mais tempo do que em outras regi6es. Por via de regra,
a cana-planta 6 colhida com 2 anos, e as socas com 18
meses (4).
A area total de canaviais era de 259.000 ha em 1960/61,
cor canas provenientes de Java, Cuba e fndia, em sua maior
parte.
Angola e Mogambique: Estas col6nias portugu6sas da
Africa sao ambas produtoras de cana-de-acdcar e suas safras
estdo em rdpida expansao.
Em Mogambique, que se destaca mais, a produco atin-
giu 1,6 milhio de toneladas em 1959/60. A safra de agicar,
no mesmo pais, se elevou a 165.000 toneladas em 1961/62.
Como o solo e o clima, tanto em Mogambique como em An-
gola, sSo bastante favordveis, 6 provdvel que a lavoura se
expand muito mais no future.
Ilha Mauricio: Estd implantada no Oceano indico entire
19o50' e 2013' de latitude Sul (5). 3 uma zona, onde, devido
as condig~es topogrdficas, ha grande variagio no period de
amadurecimento da cana-de-adicar (4).







20 Culture e Adubacao da Cana-de-Acicar


A pluviosidade varia muito, pois temos: 10% da area
corn precipitacgo de mais 3.150 mm, 40% corn chuvas entire
1.900 a 3.150 mm, 40% entire 1.250 a 1.900 mm, e 10% com
menos de 1.500 mm. Nesta iltima zona praticamente todos
os canaviais sao irrigados.
A plantacgo em lugares altos e frios faz-se de setembro a
junho. Nas regimes baixas, mais quentes, o plantio continue
at6 agosto.
De maneira geral, colhem-se uma ou duas socas.
A safra inicia-se em ag6sto, cor canas de 2 anos, prove-
nientes das zonas frias, corn canas de 18 a 20 meses, oriundas
de clima temperado, e corn canas de 12 a 14 meses, provenien-
tes de lugares quentes (4).
As variedades sao pr6prias ou importadas. Das impor-
tadas, atualmente, predominam as de Barbados (5).
Ilha de Reunido: A cana planta-se de julho a marco, corn
toletes de 3 a 4 gemas. A cana-planta e as socas estdo aptas
para o corte com 14 a 20 meses.
Reuniao estd sujeita a violentissimos ciclones, que cau-
sam prejuizos a cultural canavieira (4).


3.4 ASIA

india: Cultiva-se em diversas zonas da India, sendo as
principals regi6es: Uttar Pradesh, Bihar, Bombaim e Madras.
O plantio se faz de fevereiro a abril e a colheita no ano se-
guinte, de janeiro at6 o inicio de abril (5). As sementes
constam de toletes de 3 gemas, retirados do meio do co1mo
ou da ponta.
As condic6es mesol6gicas indianas favorecem a incid6n-
cia de pragas e moldstias (5).
O rendimento agricola 6 da ordem de 33 a 35 t/ha. Me-
Ihores rendimentos poderiam ser obtidos corn irrigagdo, boa
fertilizagdo, e prdticas culturais mais adequadas (5).
Variedades de canas obtidas na estagdo experimental in-
diana de Coimbatore t6m sido cultivadas no Brasil cor
grande sucesso.
A area ocupada pela cana-de-agdcar na India pode ser
dividida em zonas distintas. Na primeira, situada na region
aluvial do indo e do Ganges, medram as canas finas do grupo
S. barber. A segunda, pr6priamente peninsular, tern sufi-
ciente agua para irrigacgo e 6 favoravel ao desenvolvimento
das canas grossas da espdcie S. officinarum. A primeira zona,
ao Norte, possui terrenos mais fdrteis. A segunda, cor clima






A Cana-de-Acucar no Mundo 21


mais quente no period de inverno, permit plantar, prati-
camente, durante o ano todo (5).
Paquistdo: No Punjab Ocidental, no prolongamento da
primeira zona descrita para a india, a cana se desenvolve em
boas condig~es agricolas (5).
Em 1961/62, para uma producgo de 208.000 toneladas de
agccar centrifugado, houve nada menos de 914.000 t de Gur,
acrcar bruto predominante na region.
China: A cana-de-agilcar desenvolve-se principalmente
na provincia de Chao-Chou Fu (4). No comego do s6culo foi
exportadora de agccar para o Japao, para Hong-Kong e,
excepcionalmente, para a Europa, o que atesta a importancia
da lavoura na region.
Japdo: A cultural da cana se faz em ilhas pertencentes
ao arquip6lago japones. JA existia lavoura canavieira no prin-
cipio do s6culo, de forma incipiente, para alimentar uma in-
distria rudimentar. As melhores lavouras se situam no
grupo das ilhas Riu-Kiu.

Formosa: A ilha de Formosa situa-se entire os paralelos
21 45' e 250 38' de latitude Norte, cor uma area de 36.000
km2 (5).
A indfistria do agficar se instalou na ilha, no s6culo
XVII (2). Desde os albores do s6culo XX teve maior desen-
volvimentr, destinando-se o agicar principalmente ao Japao.
Atualmente, as lavouras sio modernas, feitas corn equi-
pamentos adequados, usando-se meios atualizados de corn-
bate as pragas e molestias. A irrigaCgo e a rotagao de cul-
tura sao prdticas correntes.
Planta-se geralmente na dpoca chuvosa, de agosto a outu-
bro, em sulcos. Predominam as variedades javanesas.
Corta-se a cana corn 18 meses, de dezembro a margo. A
seguir, faz-se uma rotagdo com leguminosa, no minimo por
6 meses.
A maioria dos canaviais (95%) estd implantada a oeste
da ilha, onde a media annual de tem'neratura 6 da ordem de
22 C e a precipitagio aquosa de 1 .7J0 a 1.900 mm (5).
Filipinas: Sao um arquip6lago entire 50 e 210 de latitude
Norte. A cultural canavieira se faz principalmente nas ilhas
de Luzon, Panay e Negros.
A precipitacio annual varia de local para local, entire os
limits de 1.300 e 3.800 mm, cor media de 2.300 mm. A
temperature media annual 6 de 270 C.






22 Cultura e Adubacao da Cana-de-Acaccr


As principals variedades cultivadas sdo de proced6ncia
javanesa (5).
O sistema inicial de plantio consiste em queimar a pa-
lha (4) e comecar a arago imediatamente. A plantacdo se
faz em sulcos espacados de 1,25 m e em profundidade de 12 a
15 cm, cor pontas prbviamente imersas em agua, para faci-
litar o brotamento.
E freqiUente encontrar-se cultures corn atd 8 socas.
A colheita da cana-planta se faz aos 14 meses, e a das
socas, depois de 1 ano.
Java: A ilha de Java, pertencente a Indon6sia, situa-se
entire 50 52' e 80 46' de latitude Sul. Sua area 6 de 130.000 km2
aproximadamente. Na capital a umidade relative mddia atinge
81% e a m6dia de temperature 6 de 26 C.
Na costa a precipitacdo aquosa 6 de 1.500 a 2.000 mm,
ascendendo a 3.000 e a 4.000 mm nas montanhas interio-
res (5).
Dadas as excelentes condig6es mesoldgicas, a lavoura se
expandiu desde tempos imemoriais. Ja em 424 D.C., Fahian (6)
informava que a cana-de-ag~icar era explorada na ilha.
Java foi sempre um grande centro agucareiro, de notavel
importancia international. Ganhou enorme desenvolvimento
em meados do s6culo XVII quando diminuiram as produg6es
nas colonies da Am6rica, sobretudo no Brasil, sacudido por
constantes invasoes e guerras. Nas estag6es experimentais
javanesas originaram-se intimeras variedades de cana (as
famosas POJ), que foram introduzidas corn grande sucesso
em outras regi6es do globo.
Em Java, a cultural 6 geralmente annual, sendo feita de
tres em tr6s anos. Planta-se a cana de abril a setembro, em
terrenos irrigados e corta-se corn 12 a 16 meses entire junho
e novembro. Planta-se a seguir arroz por duas safras conse-
cutivas, e em seguida uma cultural seca (milho). Na terceira
safra, volta-se a plantar a cana-de-agicar. Raras v6zes, deixa-
se uma soca (5).

3.5 OCEANIA

O plantio da cana no Novissimo Continente 6 relativa-
mente recent, pois data de meados do s6culo XIX.
Austrdlia: Cultiva-se a cana em uma estreita faixa de
terra que se estende de Mossman, em Queensland, at6 o rio
Clarence, nas costas de Nova Gales do Sul (5). A precipitagio
varia de 1.100 a 1.900 mm, mas ultrapassa 2.500 mm em al-
gumas zonas.






A Cana-de-Ac6car no Mundo 23


A epoca de plantio vai de setembro a abril, e o corte, de
julho a dezembro do ano seguinte. Na Nova Gales do Sul,
corta-se cor a idade de 20 a 24 meses, e em Queensland, corn
12 a 14 meses.
O rendimento agricola em 1954 (5) era de 69 t/ha, corn
variedades importadas e naturais da ilha.
Havai: O arquip6lago de Havai se localiza entire 18 54'
e 220 15' de latitude Norte. Os canaviais se estendem princi-
palmente nas ilhas de Havai, Maui, Oahu e Kauai, que se nota-
bilizam pela existencia de montanhas vulcAnicas. Embora si-
tuado no Pacifico, o Havai estd fora da regiao de furac6es.
Quanto ao clima, 6 muito estavel durante todo o ano; as
variaCges de temperature sao minimas. No verdo nota-se a
media de 23 a 26 C; no inverno a queda 6 de 3 a 4 C. A
precipitaego annual 6 muito instavel, cor variag6es irregulares,
mesmo entire regi6es prdximas. Ha zonas em que a pluvio-
sidade atinge 5.000 mm ao pass que em outras varia de 250
a 900 mm, exigindo irrigacgo abundante (5).
O plantio 6 annual, em sulcos, preferentemente de maio a
ag6sto. A safra comeca normalmente em novembro ou dezem-
bro. Nao ha, por6m, periods perfeitamente limitados, po-
dendo a cana ser plantada e colhida praticamente todo o ano.
A cultural canavieira no Havai foi, desde o inicio, bem
orientada e as t6cnicas de adubacao, plantio e defesa fitossa-
nitaria obedeceram as melhores normas de cada 6poca. Atual-
mente, a diagnose foliar 6 largamente empregada para estimar
as necessidades de irrigacgo e fertilizagdo. A irrigacgo e a
mecanizacgo sao realizadas em elevados niveis.
Ilhas Fiji: Constituem um arquipelago de 300 ilhas entire
as latitudes de 15' 40' e 21 10' Sul. Os principals canaviais
est~o nas ilhas de Viti Levu e Vanua Levu. As duas sao vul-
canicas, corn altos picos, que as dividem (5) em zonas secas
e imidas, bem delimitadas. Na zona seca a precipitagio annual
gira ao redor de 2.000 mm, e na zona limida atinge 3.000 mm.
A temperature media raramente desce abaixo de 150 C, exceto
nas montanhas.
As variedades mais difundidas sao javanesas; apresen-
tam um rendimento m6dio de 50 a 53 t/ha.


4 0 RENDIMENTO DA LAVOURA DE CANA

As lavouras de cana em todos os paises ddo rendimentos
bem elevados, quando comparados aos de outras cultures.
Mas variam muito de uma regiao para outra, tendo em vista
a fertilidade do solo, a abundancia de agua, as variedades em






24 Cultural e Adubac6o da Cana-de-AcGcar


QUADRO I Grandes produtores mundiais de cana-de-agdcar

Area Cultivada Produvio de cana

1948/49 1961/62 1948/49 1961/62
a a
1952/53 1952/53



America (1000 ha) (1000 toneladas)

Brasil .................. 848 1.367 32.837 59.377
Cuba .................. 1.346 45.920 40.000
M6xico ................. 10.419 17.860
Argentina .............. 216 253 7.596 8.805
Peru ................... 53 4.257 7.530
Col6mbia .............. 153 9.923 9.000
P6rto Rico ............ 161 9.947 8.800
Estados Unidos ........ 5.759 8.304
G. Inglasa .............. 30 2.800 -



Asia


India .................. 1.672 2.405 53.865 97.562
Paquistio .............. 297 562 10.063 18.846
China .................. 10.800
Filipinas ............... 170 7.700 -
Formosa ................ 107 5.776 -
Indonesia ............... 4.067 -


Africa

Rep. Sul-Africana ...... 153 4.789 8.513
Ilha Mauricio .......... 69 85 3.737 4.943
Rep. Arabe Unida ...... 37 40 2.185 -
Mogambique ............ 25 847 -
Angola ............... 10 444 -


Oceania


Australia .............. 163 202 6.686 9.731
Havai .................. 89 7.692 9.183
Ilhas Fiji .............. 40 51 908 -






A Cana-de-Aqccar no Mundo 25


QUADRO II Produq~o de agdcar de cana centrifugado, em 1000 toneladas.


Paises 1948/49 1961/62

Brasil ............ .................... 1.649 3.615
Cuba ................................. 5.786 4.815
India ................................ 1.303 2.939
M 6xico ............................... 733 1.548
Filipinas .............................. 830 1.465
Austrailia ............................. 913 1.413
Havai ........................... .... 913 1.016
Rep. Sul Africana .................... 555 997
P6rto Rico ........................... 1.157 915
China ................................ 327 900
Peru ................... ....... ....... 487 810
Estados Unidos ....................... 470 778
Formosa .............................. 601 732
Argentina ............................. 638 694
Indon6sia ............................. 286 642



QUADRO III Producgo de aficar nio centrifugado, em 1000 toneladas.


Paises 1948/49 a 1952/53 1961/62

India .................................. 3.122 4.547
Paquisto .............................. 662 914
Col6mbia ............................. 635 550
China ................................ 545
Brasil ................................ 330 270
Indon6sia ............................. 63 129




uso, o ataque de pragas e mol6stias, as adubac6es feitas e o
tempo de crescimento dos colmos. Ha regi6es do Havai em
que se corta cana at6 com 30 meses: dai prov6m, em grande
parte, o exagero das safras, que 1l atingem a m6dia de 200 to-
neladas por hectare colhido. No entanto a producgo por
hectare cultivado 6 apenas de c6rca de 95 toneladas, o que ji
nao destoa tanto do que se consegue em outros paises. Alias,
a maior safra por hectare cultivado 6 obtida no Peru, e equi-
vale a 106 t/ha, aproximadamente.
No Brasil, a produgco de cana 6 de umas 43 toneladas por
hectare cultivado, de ac6rdo com os dados de 1961/62. Quando
se consider a area colhida apenas, o rendimento 6 um pouco
maior. Nao ha dados precisos a respeito, mas se pode estimar
que atinja c8rca de 51 t/ha, o que supera bastante o rendi-
mento obtido em Cuba (41 t por hectare colhido), na Argen-







26 Cultura e Adubacao da Cana-de-Acicar


tina (40 t/ha) e em numerosos outros paises de importancia
na produgdo acucareira mundial. No entanto, nossas condi-
Q6es de solo e clima, excepcionalmente favordveis, nos per-
mitem aspirar a safras m6dias pelo menos 50% maiores.
Indicar os meios para isto, tal 6 o fim principal desta obra.




BIBLIOGRAFIA


1. CANABRAVA A Inddstria do Acdcar nas Ilhas Ingl8sas e Fran-
c6sas do Mar das Antilhas (1697-1715). Tese a Cadeira de Hist6ria da
Civilizagio Americana da Faculdade de Filosofia Ciencias e Letras da
Universidade de Sao Paulo (mimeografado) 134 p. S. Paulo, 1946.
2. DEERR, N. The History of Sugar (2 vols.) Chapman and Harl Ltd,
636 p. Londres. 1950.
3. FAO Production Yearbook, 508 p. Roma. 1962.
4. GEERLIGS, H. C. P. The World's Cane Sugar Industry Past
and Present, Ed. Norman Rodger, 399 p. Manchester. 1912.
5. HALLIDAY, D. J. The Manuring of Sugar Cane. Centre d'Etude
de l'Azote, 221 p. Genebra, 1956.
6. LIPPMAN, E. O. -- Hist6ria do Agdcar, trad. R. Coutinho, (2 vols.),
910 p. Institute do Agicar e do Alcool, Rio de Janeiro. 1942.
















II A CANA-DE-AQlCAR NO BRASIL
ANTONIO AUGUSTO B. JUNQUEIRA
Secretaria da Agricultura Divislo de Eco-
nomia Rural Sdo Paulo
BENTO DANTAS
Estagdo Experimental dos Produtores de Agicar
de Pernambuco Recife


1 HISTORIC

A hist6ria da cana-de-agicar no Brasil e corn ela, a do
ag icar e da aguardente comeca quase que corn a histdria
co pals, constuindo mesmo um dos cicios da sua economic.


1.1 Primeiros tempos

Embora ndo se conhega precisamente o local da costa
brasileira onde teria sido cultivada pela primeira vez a cana-
de-agicar, nem a data da sua primeira importagdo, 4 fora de
duivida que o inicio da sua cultural coincide corn os prim6r-
dios da colonizacgo do Pais.
Pigafetta, que participou da expedicgo de Ferndo de Ma-
galhies, em dezembro de 1519, assinalou a presenga de
"canas doces" no Rio de Janeiro, certamente ai introduzida
por alguma expedigco anterior, como sugere CASSO COSTA
(15). E PIO CORREA (14) menciona a sua possivel introdu-
cgo desde o ano de 1502, sem adiantar, todavia, o local nem
a fonte de informag~o.
Para PEDRO CALMON (12), jd havia plantag6es de cana
na regiao do atual Estado de Pernambuco, bem como fabri-
cago de acicar, desde a segunda decada ap6s o descobri-
mento, entire 1510 e 1520; e a primeira exportacgo do pro-
duto, para a metr6pole portuguesa, ter-se-ia realizado em
1521, por Pero Capico.
Corn efeito, segundo GILENO DE CARLI (19), "Portugal
tinha, quando da descoberta do Brasil, ja uma industria acu-






28 Cultural e Adubagao da Cana-de-Ac6car

careira organizada, na ilha da Madeira, de onde vieram para
a nova colonia as primeiras sementes de cana, por ordem de
D. Manuel, que baixou um alvard em 1516 para que dessem,
segundo Varnhagen (?), machados e enxadas e t6das as fer-
ramentas as pessoas que fossem a povoar o Brasil e que pro-
curassem e elegessem um home prAtico e capaz de ir ao
Brasil dar comego a um engenho de agcicar; que se Ihe desse
uma ajuda e tamb6m todo o cobre e ferro necessario e mais
cousas, para o fabric do dito engenho".

Conquanto geralmente se admita que as primeiras
mudas tenham sido oriundas da ilha da Madeira, estudos re-
centes de BASiLIO DE MAGALHAES (26) concluem que
seria incerta a sua proced6ncia e que elas poderiam ter vindo
tamb6m da ilha de Sao Tom6, "se 6 que ndo nos veio dos
arquip6lagos de Cabo Verde ou dos Ag6res".

Mas o primeiro grande empreendimento para o estabele-
cimento da cultural da cana, cor ap8io official do Rei D. Joio
III, foi efetuado pouco depois de 1530, quando Martim Affonso
de Souza trouxe, em sua grande expedicgo, mudas origindrias
da Ilha da Madeira e as plantou nos arredores do nascente
povoado de Sao Vicente. Ai a inddstria aqucareira teve, de
inicio, alguma prosperidade mas, depois regrediu, devido as
dificuldades que a Capitania de Sao Vicente de que era
donatario o mesmo Martim Affonso de Souza, enfrentou
corn os antigos habitantes do local, os indios, e os castelhanos,
e tamb6m devido a falta de capitals.

Dois ou quatro anos depois de plantadas as primeiras
mudas em Sao Vicente, quando Duarte Coelho recebeu, como
donatario, a Capitania de Pernambuco, pretendendo colonizar
suas terras, desenvolveu enormemente a plantagdo da cana
em sua Capitania e, paralelamente, a produgdo do agicar.
Duarte Coelho foi o maior plantador de cana, no Brasil, em
seu tempo (12).

Outro ndcleo que recebeu nos primeiros tempos da colo-
nizagao do nOvo territdrio uma nitida orientagco para o
cultivo da cana, foi o da Capitania de Sao Tom6 ou da Paraiba
do Sul. Pero de G6es, seu donatArio e companheiro de Martim
Affonso de Souza na expedigdo para Sao Vicente, aprovei-
tando experiencia naquela povoagao e arredores, desenvolveu
esta cultural corn mudas trazidas da Capitania de Sao Vicente,
de seu engenho. Conseguiu em Portugal refOrgo de capital e
reergueu engenhos na regido da atual cidade de Campos. Estes
engenhos e as plantac6es da cana sofreram um retrocesso,
depois, corn as desavengas havidas corn os Goitacases, ocupan-







A Cana-de-Acicar no Brasil 29


tes destas paragens, e com os pirates e corsarios franchises.
D6stes tres ndcleos, principalmente do criado e desenvol-
vido por Duarte Coelho, prosperou intensamente a cultural da
cana e a producdo do acdcar de tal maneira que em 1576,
haviam 18 engenhos na Bahia, aumentados para 36 em 1583
e para centenas em 1627 PEDRO CALMON, (12).
O estabelecimento do primeiro gov6mo geral do Brasil,
por volta de 1549, corn a fundagio da cidade da Bahia, assi-
nalou o inicio de larga producao agucareira no Brasil. O rei
de Portugal concorreu para tal fato de tres maneiras: isen-
tando por dez anos de t6das as taxas o acgcar exportado;
criando e distribuindo titulo nobilidrquico de "senhor de
engenho" aos que se estabelecessem com sucesso nesse em-
preendimento, e organizando na cidade da Bahia um lagar
para uso dos cultivadores de cana que nao tivessem. capital
para montar engenho.


1.2 Os capitals para as emprisas

A inddstria do agdcar exigia acentuada necessidade de ca-
pital, tanto em dinheiro como em bragos. O dinheiro era
obtido, em grande parte, por adiantamento feito pelos comer-
ciantes de Portugal e mesmo pelos intermedidrios holand6ses,
mais interessados ainda no neg6cio que aqul6es. O autor dos
"Didlogos das grandezas do Brasil", BRANDONIO, avaliava
em dez mil cruzados a despesa de instalagdo de um engenho
em 1618 PEDRO CALMON, (12).

Os trabalhadores especializados eram assalariados e
vindos da Europa. Os bragos necessarios para a cultural da
cana e, tamb6m, para a inddstria do agdcar, foram aliciados
principalmente por escravizaco dos nativos da terra. Como
6stes nativos nZo se sujeitaram ao regime de escraviddo, os
bragos foram buscados na Africa; o negro chegou ao Brasil.
entao, para ajudar a estabelecer a indistria que contribuiu b
consolidagdo do dominio portugues nestas paragens. A quan-
tidade de trabalhadores bragais nos engenhos d6sse primeiro
s6culo do descobrimento, isto 6, de escravos negros, variava
de sessenta a duzentos. Portanto, s6 poderia ser "senhor de
engenho" o home abastado.
O negociante portugues se valeu, entao, de homes ousa-
dos e inteligentes para empreenderem a fundacgo dos enge-
nhos pois faltavam capitalistas para financiarem os inte-
ressados menos aventureiros ganhando de duas maneiras:
na parceria do engenho e na distribuigdo do agicar.







30 Cultura e Adubacao da Cana-de-Ac6car


1.3 0 holand&s no Brasil e a descoberta do ouro nas
minas gerais

Nos primeiros tempos o progress da cultural da cana e
da inddstria do acicar foi tio espantoso que despertou co-
biga a negociantes estabelecidos na Holanda. Organizaram
l1es a Companhia das indias Ocidentais, que detiveram sob
seu contr6le, de 1624 a 1654, grande parte do nordeste brasi-
leiro. Quando da expulsio dos mesmos, grande parte dos en-
genhos foi destruida, mas cinco anos depois da terra livre do
invasor ji a producgo estava recuperada. Foram anos relati-
vamente bons para a inddstria do agicar aqueles compreen-
didos entire 1660 e 1690.
Em 1690, com o aumento das produg6es nas colonias de
outros paises e a queda dos pregos do agficar, o produto do
Brasil estava praticamente deslocado do comdrcio exterior.
Esta situagdo entrou em sua fase mais critical cor a desco-
berta do ouro pelos bandeirantes, em terras do atual Estado
de Minas Gerais, que atrairam, para ai, os bravos sem traba-
Iho ou mal colocados de Pernambuco, da Bahia e da provin-
cia do Rio de Janeiro.
O baixo nivel do trabalho agricola em Pernambuco e na
Bahia, prolongou-se atd 1775.

1.4 A guerra de independencia dos Estados Unidos e
a remodelacdo das fdbricas de agzicar

A Inglaterra atravessava a fase da industrializagdo, subs-
tituindo o trabalho nitidamente manual pelo mecanico nas
suas fiag6es e tecelagens de algodio e 15 e em outras indds-
trias. Corn isso a capacidade de consume do trabalhador
ingl6s subia rapidamente, nela compreendido o ag car; a
induistria ingl6sa tambem aumentava o consume do algodao.
Corn a guerra empreendida pelas treze col6nias ingl6sas
da Am6rica, para obter sua independ6ncia, a Inglaterra ficou
privada do algodao para seus fusos e teares e do agicar para
a alimentag~o. A India ficava muito long para vir a ser
sua supridora. S6 o Brasil era capaz de suprir a falta das
treze colonias insurgidas contra a metr6pole.
Este panorama permitiu o soerguimento dos engenhos
e o reflorescimento da cultural da cana. A importacgo de
escravos, da Africa, assumiu proporg~es ainda ndo alcanCa-
das, anteriormente. E quando a Inglaterra f6z as pazes cor
o nOvo pais do norte, a intima alianca anglo-portugu6sa nao
permitiu a queda das exportacges do Brasil. Em 1810, cor







A Cana-de-Accar no Brasil 31


a abertura dos portos para a navegagio de outros paises
quebraram-se as barreiras do monop6lio colonial. O agicar
continuou em alta.
Em 1870, mais ou menos, cor a grande industrializaao
de Cuba e de paises asidticos no ramo do acicar os "senho-
res de engenho" foram obrigados a acelerar o reequipamento
das fibricas, importando maquindrio modern e aperfeigoado.
Mas, corn a expansdo prodigiosa do cafe nas provincias do Rio
de Janeiro desde 1820, e de Sao Paulo desde 1850, cor o fMcil
e prodigioso rendimento advindo desta nova lavoura, houve a
evas~o de trabalhadores, corn os "senhores de engenho" ven-
dendo o excess de seus escravos para as lavouras do sul.
Ainda sob o impact da remodelagdo das fabricas, a indds-
tria acucareira sofreu outro golpe tremendo. Aqui nao se estd
discutindo ou duvidando do valor moral e humanitdrio do ato,
mas simplesmente analisando o fato econ6mico em um em-
preendimento. Foi a aboligao da escravatura, descapitalizan-
do, de maneira acentuada, a inddstria do agdcar principal-
mente o industrial do aQiucar.


1.5 Introducdo de variedades de cana

1.5.1. 0 ciclo da Crioula

Nao sendo a cana-de-aglcar espdcie botanica native do
nosso Pais, nem do nosso continent, embora raras contro-
versias ainda surjam sobre o assunto, os primeiros canaviais
teriam de ser plantados, necesshriamente, cor mudas im-
portadas, DANTAS e MELO (17).
Das canas cultivadas no Brasil, nos tres primeiros sd-
culos da colonizaCgo, s6 sabemos de uma variedade, que
deveria ter sido a Crioula ou Mirim e que se admite ter sido
a inica variedade introduzida em diversos pontos do conti-
nente americano pelos primeiros colonizadores. DEERR (20)
acredita ser id6ntica a Puri, ainda hoje cultivada na india
para chupar, e BRANDES e SANTORIS (11) consideram-na
semelhante a que ainda 6 encontrada nas zonas canavieiras
da Espanha meridional corn o nome de Algarobena.
Cultivada, provavelmente, em carter exclusive, durante
tres s6culos, nio devia ter recebido, no Brasil, nomes espe-
ciais, sendo chamada simplesmente a Cana. Parece ter sido
a partir do inicio do s6culo XIX, quando se operou a intro-
dugdo de outras variedades, que a cana tradicionalmente cul-
tivada passou a chamar-se Crioula, seja, Cana da Terra, para







32 Cultural e Adubaoo da Cana-de-Ag6car


distingui-la das variedades estrangeiras importadas, que tra-
ziam nomes pr6prios.
"Usualmente admitida como variedades de Saccharum
officinarum L., sugeriu-se, recentemente, que ela pode ter
sido um hibrido natural em que foi envolvida alguma cana
indiana", escreveu EDGERTON (23).
Variedade de pequeno porte, de meritalos curtos e entu-
mecidos, e de colorago amarela, de f6lhas caracteristica-
mente eretas, a Crioula teria servido a Linneu para a sua
diagnose da esp6cie officinarum, cujos representantes t6m
geralmente 80 cromosomas, diferindo assim da espdcie bar-
beri, cujos cromosomas se contam de 82 a 124. Tendo Bre-
mer determinado 2n = 81 a sua formula cromos6mica di-
ploide, foi robustecida a crenga de que poderia ter ela sur-
gido de algum cruzamento natural entire as duas esp6cies
aludidas, ARTSCHWAGER e BRANDES (9).
A histdria da lavoura canavieira dos paises do Mediter-
raneo e das Amdricas acompanhou, desde a sua origem ate
o sdculo XVIII, o curso da propagacgo desta variedade.
Sendo ela, todavia, muito pouco ristica e de alta suscetibili-
dade a vdrias doengas, e provdvel que a sua cultural exclu-
siva tivesse limitado a produtividade das areas plantadas e
corn isso tivesse restringido a sua exploraCgo a solos virgens,
de alto nivel de fertilidade. Assim, a grande expansio da
inddstria agucareira teria de esperar necessbriamente a in-
trodugdo de outras variedades menos exigentes e mais pro-
dutivas.

1.5.2 Ciclo da Caiana

Ainda que PIO CORREA (14) sugira a possibilidade de
terem os holand6ses promovido introdug6es de cana em
Pernambuco, nos meados do s6culo XVII, o que e precise
confirmar, s6 ha evid6ncia de novas importag~es no Brasil
a partir do inicio do sdculo XIX.
Entre 1790 e 1803, quando governava o Pard, D. Francisco
de Souza Coutinho, variedades de cana-de-agicar, presents
na colegdo do Jardim Botanico de Caiena (La Gabrielle?),
foram transferidas para aquela provincia. Uma variedade
destacou-se logo e, corn o nome de Cana de Caiena, e mais
tarde Cana Chiana, foi transferida em 1810 para o Engenho
Praia, na Bahia, em 1811 para o Rio de Janeiro e logo a
seguir para Pernambuco e as demais provincias.
Pelo menos durante quase 70 anos, de 1810 a 1880, teria
sido a Caiana a principal variedade introduzida e reconhe-







A Cana-de-Agcar no Brasil 33


cida em substituic~o Crioula. Variedade de colmos extre-
mamente grossos, de baixo teor de fibra, muito rica em sa-
carose e precoce, ela teria possibilitado a imediata elevacio
dos rendimentos culturais e fabris e, sem dilvida, contribuiu
naquela 6poca para a expansdo da nossa inddstria agucareira,
mediante a cultural proveitosa em maiores areas.
Considerada cana nobre, do grupo officinarum puro,
nao deve ser confundida corn a Caiana cultivada em alguns
Estados norte-americanos para a produgo de xarope ou mel.
Esta, segundo BRANDES E OUTROS (11), 6 prbpriamente a
Caiana 10, variedade de S. sinnensis Roxb., muito semelhante
a Uba. EARLE (22) admite que ela se originou na extinta
Estagdo Experimental da Guiana Franc6sa, tendo sido intro-
duzida nos Estados-Unidos em 1914, oriunda da Bahia.


1.5.3 Variedades que sucederam r Caiana

Mas a Caiana nao sobreviveria indefinidamente. Em
1869, irrompeu na Bahia e epifitotia da Gomose, que logo foi
identificada em Pernambuco, em Campos e demais areas ca-
navieiras do Brasil. Os estudiosos da 6poca aconselharam o
plantio de outras variedades, corn o fim de restaurar os ca-
naviais doentes e impedir a ampliaco da area infestada,
DANTAS (16).
A situagco das variedades, aquela 6poca, foi bem descrita
por PAULO SALGADO (30) : em 1858 foram da ilha Bourbon
importadas no Rio de Janeiro as tr&s variedades: Roxa, Sa-
langor ou Pinang e Diard ou Rosa. Pouco depois vieram do
Rio para esta provincia, bernm como a Cana Mole, a Listada
de amarelo e roxo e a cana Uba, que jd existiam no Rio.
Em 1879, foram plantadas na Fazenda Normal (COrte) vin-
das da Mauricia as variedades roxas: Bois Rouge, Lousier
e Kavangire (Scavangirie, seg. Deltei) e em fins disse ano
foram distribuidas nesta provincia algumas canas dessas tr6s
qualidades. Nessa mesma ocasiao, foram igualmente reme-
tidas pelo Governo as seguintes variedades: Tiririca, Caiena,
Enxerto, Imperial, Rosa, Amor das Antilhas, dr. Caetano,
F6rrea, Salangor, Amarela, Listada, Verde, Roxa, Mole e
Quissami.
Dentre as numerosas variedades presents em nosso
Pais, por ocasiao do surto da Gomose, sbmente as seguintes
notabilizaram-se e foram intensamente cultivadas, em substi-
tuigdo b Caiana, a maior preferencia por uma ou outra va-
riando corn o Estado considerado: Roxa, Rosa, Salangor,
Louisier, Bois Rouge Cavangirie, Uba e Cristalina. Durante







34 Cultural e Adubag6o da Cana-de-Acucar


c6rca de 30 anos, at6 o advento dos hibridos javaneses e in-
dianos, foram elas a base dos nossos canaviais.


1.5.4 Ciclo dos hibridos javaneses e indianos

A introdugdo das primeiras canas de origem javanesa -
POJ 36, 105, 161, 213 e 234 verificou-se na d6cada de 1920-
1930. Algumas eram portadoras de uma mol6stia, anterior-
mente nao assinalada em nosso Pais o Mosaico, a qual
foram muito suscetiveis as variedades nobres em cultural at6
entao e que a contrairam.


O impact que o Mosaico ocasionou
produtividade dos canaviais pode bemr
quadro I, CORREA MEYER (13).


na produgo e na
ser aferido pelo


QUADRO I EvolugIo da cultural da cana resistente ao mosaico na pro-
dug5o e produtividade das lavouras paulistas.

Rendimento medio
Percentage das
Rendim. de aicar
Area dos midio de
Varieda- canaviais cana for- port de por
des sus- Varieda- cortados necida s cana (kg tare (kg
mana (kg tare (kg
ceptiveis des resis- (1) (ha) usinas (1) de afx- de aV6-
ao mo- tentes (t/ha) car) car)
saico

1925 99% 1% 11.000 14,2 55 796
1926 88% 12% 14.600 23,5 64 i 1.524
1927 75% 25% 14.700 32,0 78 2.653
1928 25% 75% 18.400 37,7 80 3.045
1929 15% 85% 21.000 38,6 83 3.189
1930 7% 93% 22.150 34,6 84 2.929
1931 5% 95% 24.800 40,9 91 3.762
1932 1% 99% 25.400 42,5 94 4.027
1933 24.900 38,0 92 4.347
1934 27.251 40,0 90 4.066

(1)S6mente as grandes usinas do Estado de Sdo Paulo.


Na ddcada seguinte, foram feitas importag6es de hibri-
dos javaneses POJ 2714, 2725, 2727 e 2878 e a primeira
dos indianos Co 281, 290, 413, 419 e 421 e dos norte-
americanos CP 27-139, 28-19, 29-320 e 34-120 muitos dos
quais se mostraram resistentes ou imunes a doenga, contri-
buindo assim para o seu contrl6e e oe soerguimento da indius-
tria.






A Cana-de-AcCcar no Brasil 35


1.5.5 Ciclo dos hibridos brasileiros

A criagdo de variedades de cana-de-agdcar, em nosso
Pais, data de 1892, segundo DANTAS E MELO (17), cor a
obtengdo, em Pernambuco, de diversos "seedlings", dentre os
quais Manteiga ou Sem Pl1o e Manuel Cavalcanti alcangaram
ampla aceitagqo no Estado de origem e, em menor grau,
nos outros Estados. Eles contribuiram tamb6m para a subs-
tituigCo da Caiana e control da Gomose, e se mantiveram em
cultural at6 a terceira decada do seculo atual.
Mas o ciclo das canas brasileiras s6 se configurou prb-
priamente a partir do fim da primeira metade d6ste s6culo,
cor a propagagao dos clones CB, criados na Estacgo Experi-
mental de Campos, pelo agr.o Frederico M. Veiga. Especial-
mente CB 36-14, 36-24, 40-69, 40-77, 41-76, 45-3 e 47-15, hoje se
encontram nos canaviais de todos os estados brasileiros,
sendo alguns reputados ate no estrangeiro.

1.6 0 Instituto do Ag2icar e do Alcool

A indistria do agiicar vinha crescendo constantemente,
tanto no Brasil como em outros paises do mundo. Sendo o
agdcar um produto agricola, cor inelasticidade de consume
bastante nitida, tal crescimento s6 poderia vir a criar dificul-
dades aos produtores.
Em 1930 a situa(co desta induistria, no Brasil, era insus-
tentavel. No nordeste e no Estado do Rio de Janeiro, princi-
palmente, a ameaga de desempr6go, cor o fechamento das
usinas, era iminente. Criada uma Comissdo de Defesa do
Ag icar, foi esta depois transformada no Instituto do Agdcar
e do Alcool, responsAvel, de ent5o em diante, pela political
econ6mica da produgio do agucar e do alcool no pais.
Como media defensive, para evitar o aumento desorde-
nado da produgao deste artigo, forain estabelecidas quotas
para as usinas em funcionamento. Estas quotas foram man-
tidas, cor pequenas modificag6es, atd poucos anos atrds.

A influ6ncia do Instituto do Aglicar e do Alcool no apri-
moramento da inddstria do agicar, pode ser constatada pela
andlise do quadro n.0 II. De fato, sendo a contribuigdo das
usinas, apenas, 55,1% na safra anterior a organizagdo deste
6rgdo estatal, ji em 1935/36 foi de 66,3%, na safra 1944/45 de
73,6% e na de 1947/48 uiltima safra de que se disp6e de da-
dos publicados de 80,2%. Hoje a produgao de agdcar no Bra-
sil deve ser quase toda ela de usina. Os pequenos engenhos e
engenhocas, ainda existentes, ja nao produzem rsse artigo em







36 Cultura e Adubacao da Cana-de-AcGcar


volume econ6micamente important; alguns ainda funcio-
nam produzindo rapadura e outros, provbvelmente, se trans-
formaram em destilarias de aguardente, quando ndo foram
desmontados.


QUADRO-II Produgio de Agicar no Brasil por categoria de fAbrica.

Produ~io (scs. de 60 kg) % s6bre o total
Safras
Usinas Engenhos Total Usinas Engenhos


1925/26 .... 5282071 7207291 12489362 42,3 57,7
1926/27 .... 6378360 9 214120 15592480 40,9 59,1
1927/28 .... 6992551 6876882 13 869433 50,4 49,6
1928/29 .... 8000407 7 699582 15699989 51,0 49,0
1929/30 ... 10804034 8797238 19601272 -55,1 44,0
1930/31 ... 8256 153 8739992 16996145 48,6 51,4
1931/32 .... 9 156948 7968331 17 125279 53,5 46,5
1932/33 .... 8745 779 7524218 16269997 53,8 46,2
1933/34 .... 9049590 7552510 16602100 54,5 45,5
1934/35 .... 11 136010 5418693 16554703 67,3 32,7
1935/36 11 841 087 6059 112 17900199 66,2 33,8
1936/37 .... 9 550 214 5446440 14996654 63,7 36,3
1937/38 .... 10907204 5835508 16742712 65,1 .34,9
1938/39 .. 12702719 5 637009 18339728 69,3 30,7
1939/40 .... 14406239 5225713 19631952 73,4 26,6
1940/41 .... 13511832 7054869 20566701 65,7 34,3
1941/42 .... 13839083 7042836 20881919 66,3 33,7
1942/43 .... 14759017 6788800 21 547817 68,5 31,5
1943/44 .. 15314442 6344300 21658742 70,7 29,3
1944/45 .... 14896924 5342000 20238924 73,6 26,4
1945/46 .... 15417553 5741 915 21 159468 72,9 27,1
1946/47 .... 18352339 6 335318 24687657 74,3 ,25,7
1947/48 .... 22622512 5554927 28177439 80,2 19,7
1948/49 (1) 23578876 -
1949/50 (1) 21 139508 -

(1) Na depend8ncia das informagqes s6bre a produgio de engenhos, cuja
apuragdo 6 da responsabilidade do Minist6rio da Agricultura.
FONTE: Instituto do A6car e do Alcool.


2 DISTRIBUIQAO GEOGRAFICA

A cana-de-aglcar 6 plantada em todas as unidades da Fe-
derago. As regi6es norte e centro-oeste, contudo, apresen-
tam uma produgao reduzida. A regiao fisiogrnfica que res-
ponde pela maior area plantada e pela maior produ~go de
cana-de-ag car 6 a do sul, com cerca de 35% da produgao do
pais (quadros IV e V).







A Cana-de-AcOcar no Brasil 37


O Estado que responded com o maior volume de produrco
e a maior area 6 o de Sao Paulo. A iiltima safra de cana cor
dados completes, a de 1962, teve 6ste Estado representado
corn 27,0% da area e corn 34,8% da produgco total do Brasil.
Segue-se a l6e o Estado de Pernambuco, corn 17,3% da area e
16,3% da produgdo, tambem em relacgo a safra de 1962. Em
terceiro lugar, o Estado de Minas Gerais, em quarto o Estado
do Rio de Janeiro e em quinto o de Alagoas. Estes cinco
estados, em conjunto, detiveram 70,9% da area cultivada cor
cana-de-aCdcar e 75% da sua produgco, na safra em referen
cia. Seguem-se em importAncia, por drea plantada: Bahia,
Rio Grande do Sul, Paraiba, Goids e Ceard. Segundo a pro-
duqco, a ordem 6 a seguinte: Bahia, Paraiba, Parand, Goids e
Ceara.
A seguir, estdo condensados, de modo a informar a area,
produgdo e participacgo na economic canavieira, os dados
referentes aos cinco Estados maiores produtores de cana na
safra de 1962, segundo dados do Servigo de Estatistica da Pro-
ducdo, do Ministerio da Agricultura:






QUADRO III Estados mais produtores de aglicar no Brasil, em 1962


Area de % de ire Produg o de Cana
Estado Cana de cana do
ha pais % da cana
t do pais


SIo Paulo 295.649 27,0 21.741.961 34,8
Pernambuco 254.133 17,3 10.198.469 16,3
Minas Gerais 173.580 11,8 5.638.484 9,0
Rio de Janeiro 119.863 8,2 5.063.638 8,1
Alagoas 97.220 6,6 4.237.159 6,8







QUADRO IV Areas plantadas com cana-de-agicar no Brasil em hectare 1955-1962.

Unidade da Federaio 1955 1956 1957 1958 1959 1960 1961 1962

Norte 8.407 8.888 8.957 9.518 9.240 9.643 11.493 10.984
Rond6nia 26 27 37 46 49 74 84 86
Acre 958 992 831 953 916 828 880 896
Amazonas 486 534 594 716 723 653 830 974
Roraima 3 10 50 55 55 10 9
Para 7.004 7.194 7.293 7.642 7.361 7.935 9.505 8.863
Amapa 131 152 106 136 143 164 156
Nordeste 357.771 374.735 390.719 383.074 401.961 412.868 430.039 474.162
Maranhlo 11.896 12.583 13.318 15.153 17.792 18.045 19.505 21.751
Piaui 12.059 11.888 12.311 12.607 12.901 12.687 13.318 15.599
CearA 26.042 26.523 28.840 26.516 23.401 30.460 30.830 34.540
Rio Grande do Norte 6.578 6.683 7.155 7.137 7.100 7.554 7.558 8.259
Paraiba 40.519 42.413 34.867 32.674 36.534 36.860 38.963 42.660
Pernambuco 193.270 199.770 212.075 206.495 216.739 214.150 214.869 254.133
Alagoas 67.407 74.875 82.133 82.492 87.498 93.112 104.996 97.220
Fernando de Noronha -
Leste 335.968 344.033 355.688 366.533 380.018 391.904 397.879 424.637
Sergipe 17.133 17.259 17.650 20.174 19.518 20.636 20.985 21.077
Bahia 54.145 54.554 57.580 53.248 57.984 56.857 64.623 86.497
Minas Gerais 154.035 159.526 160.643 169.433 173.356 182.524 173.706 173.580
Espirito Santo 16.999 18.348 18.809 19.937 19.738 20.406 21.233 23.420
Rio de Janeiro 93.656 94.236 100.916 103.636 109.316 111.381 117.244 119.863
Guanabara 100 90 105 106 100 88 200
Sul 338.437 361.998 378.581 408.803 455.683 479.961 479.748 508.047
Sdo Paulo 248.497 270.520 284.301 315.522 350.582 371.593 372.129 395.649
Parana 14.134 16.026 18.411 19.484 22.505 24.692 26.732 29.135
Santa Catarina 30.937 29.022 29.867 28.316 32.703 32.326 28.647 31.693
Rio Grande do Sul 44.869 46.430 46.002 45.481 49.893 51.350 52.240 51.570
Centro-Oeste 32.249 34.429 38.488 39.996 44.167 45.557 47.511 48.789
Mato Grosso 8.345 8.486 9.011 10.299 10.926 11.253 11.333 11.223
GoiAs 23.904 25.943 29.477 29.697 33.241 34.304 36.178 37.566
BRASIL 1.072.902 1.124.083 1.172.413 1.207.924 1.291.673 1.339.933 1.366.640 1.466.619
FONTE Servigo de Estatistica da Produg o, Minist6rio da Agricultura.




QUADRO V Produego de cana-de-agicar no Brasil em toneladas 1955-1962.

Unidade da Federagio 1955 1956 1957 1958 1959 1960 1961 1962

Norte 209.305 232.030 227.276 241.383 237.974 237.949 252.939 263.384
Rond6nia 410 446 480 661 683 1.112 1.386 1.430
Acre 39.005 43.507 37.785 43.660 41.210 38.920 39.090 42.370
Amazonas 15.960 18.064 18.800 22.419 23.133 19.217 25.713 32.872
Roraima 60 160 2.503 2.750 2.750 475 260
Para 153.870 165.983 163.446 169.372 166.736 174.753 182.576 182.312
Amapi 3.870 4.262 2.521 3.462 3.472 4.174 4.146
Nordeste 13.787.709 15.070.101 15.361.548 14.783.204 15.980.875 16.839.834 17.642.470 19.436.099
Maranhio 360.781 369.112 406.701 440.509 456.180 501.514 541.674 610.489
Piaui 330.154 341.406 368.430 346.064 378.944 384.369 461.951 544.154
CearA 1.054.554 1.112.697 1.206.859 770.443 948.156 1.223.587 1.265.614 1.417.175
Rio Grande do Norte 336.805 354.012 340.955 347.501 361.717 401.454 377.814 414.685
Paraiba 2.044.045 2.173.565 1.579.520 1.387.649 1.663.465 1.673.730 1.826.050 2.013.968
Pernambuco 6.809.740 7.482.941 7.909.443 7.712.147 8.266.162 8.536.855 8.839.700 10.198.469
Alagoas 2.851.630 3.236.368 3.549.640 3.778.891 3.906.251 4.118.325 4.329.667 4.237.159
Fernando de Noronha -
Leste 12.496.467 12.255.265 13.084.267 13.873.971 13.981.381 14.533.541 15.120.517 15.008.223
Sergipe 693.922 683.603 746.273 764.799 738.091 785.175 873.535 868.412
Bahia 2.327.487 2.070.822 2.182.833 2.380.552 2.482.425 2.609.864 2.786.560 2.819.739
Minas Gerais 5.051.512 5.105.395 5.306.338 5.727.844 5.677.256 5.888.838 5.940.452 5.638.484
Espirito Santo 477.460 532.250 565.890 579.300 598.150 572.908 601.840 611.550
Rio de Janeiro 3.946.086 3.859.750 4.280.083 4.417.976 4.482.109 4.673.556 4.915.320 5.063.638
Guanabara 3.445 2.850 3.500 3.350 3.200 2.810 6.400
Sul 13.210.071 15.068.726 17.418.340 19.436.862 21.452.466 23.351.341 24.244.896 25.570.571
Sio Paulo 10.936.484 12.488.926 14.532.716 16.521.105 18.120.235 19.896.447 20.631.938 21.741.961
Parana 787.035 940.016 1.124.436 1.207.412 1.364.619 1.456.379 1.737.081 1.912.298
Santa Catarina 760.548 813.334 942.431 870.867 1.086.556 1.087.822 890.103 877.944
Rio Grande do Sul 726.004 826.450 818.757 837.478 881.056 910.693 985.774 1.038.368
Centro-Oeste 1.242.753 1.349.621 1.611.928 1.683.119 1.859.634 1.964.217 2.116.575 2.256.233
Mato Grosso 361.523 391.360 441.182 473.984 487.049 490.884 521.662 507.138
Goids 881.230 958.261 1.170.746 1.209.135 1.372.585 1.473.333 1.594.913 1.749.095
BRASIL 40.946.305 43.975.743 47.703.359 50.018.539 53.512.330 56.926.882 59.377.397 62.534.516
FONTE Servigo de Estatistica da Produfgo, Minist6rio da Agricultura.






40 Cultura e Aduba

QUADRO VI Porcentagem de distribuigio da area e da produgio de cana-
-de-a icar, entire as principals unidades da Federagio.


% de area % de produgfio
Unidade da
Federaiio
1960 1961 1962 1960 1961 1962

Norte 0,7 0,8 0,7 0,4 0,4 0,4
I JF I I ______
Nordeste 30,9 31,5 32,3 29,6 29,7 31,1
Ceari 2,3 2,2 2,4 2,1 2,1 2,3
Paraiba 2,8 2,8 2,9 2,9 3,1 3,2
Pernambuco 16,6 15,7 17,3 15,5 14,9 16,3
Alagoas 6,9 7,7 6,6 7,2 7,3 6,8

Leste 29,2 29,1 29,0 25,5 25,5 24,0
Bahia 4,2 4,7 5,9 4,6 4,7 4,5
Minas Gerais 13,6 12,7 11,8 10,3 10,0 9,0
Rio de Janeiro 8,3 8,6 8,2 8,2 8,3 8,1

Sul 35,8 35,1 34,7 41,0 40,8 40,9
Sio Paulo 27,7 27,2 27,0 35,0 34,7 34,8
Paranai 2,5 2,9 3,0
Rio Grande do Sul 3,8 3,8 1 3,5 | -

Centro-Oeste 3,4 3,5 3,3 3,5 3,6 3,6
GoiAs 2,6 2,7 2,6 2,6 2,7 2,8


Brasil 100 100 100 100 100 100
F _I


3 IMPORTANCIA ECONOMIC


Entre as principals cultures do Brasil, a da cana-de-agicar
esti colocada em 7.o lugar pela Area plantada, sendo superada
pelo milho, caf6, algoddo, arroz, feijio e mandioca, esta cor
area pouquissimo superior a da cana-de-agicar, como se pode
ver no quadro VII.












Area plantada corn Cana-de-Aficar

Regioes do Brasil ano 1962


Ltb I L
424.637 ha


AREA TOTAL
NO BRASIL:
1.466.619 ha


S'AO PAULO
395.649 ha


D,stribuigao da produqao
de Cana de Aqucar,
em porcentagem







A Cana-de-Ac6car no Brasil 41


QUADRO VII Principais cultures do Brasil, segundo a Area ocupada.

I I I
Culturas | 1960 [ 1961 1962


Milho 6.681.165 6.885.740 7.342.795
Caf6 4.419.537 4.383.820 4.462.657
Algodao 2.930.361 3.233.779 3.457.857
Arroz 2.965.684 3.174.037 3.349.810
Feijao 2.560.281 2.580.567 2.716.257
Mandioca 1.342.403 1.381.331 1.476.774
Cana-de-agdcar 1.339.933 1.366.640 1.466.619
Trigo 1.141.015 1.022.234 743.458
Amendoim 291.025 436.381 476.461
Cacau 470.806 474.270 464.762
Soja 171.440 240.919 313.640
Fumo 254.595 283.405 284.180
Mamona 213.203 227.656 232.297
Banana 184.530 193.815 208.574
Batata inglesa 198.772 191.255 196.198

FONTE: Servigo de Estatistica da Produgqo, Minist6rio da Agricultura.



Considerando-se o valor da produgco, a sua colocagio 6 tam-
b6m a s6tima em importAncia, como demonstra o quadro VIII.


QUADRO VIII Principals
dugio (Cr$ 1.000,00).


cultures do Brasil, segundo o valor de sua pro-


Culturas 1960 1 1961 1962


Arroz (em casca) 51.965.924 67.393.092 164.327.003
Caf6 (em c6co) 77.462.446 103.395.897 158.203.169
Milho 49.074.757 68.778.111 141.345.266
Algodlo (em carogo) 42.775.472 65.574.315 106.304.894
Feijao 39.948.444 37.417.987 94.171.068
Mandioca 23.699.681 37.677.233 82.857.609
Cana-de-acgcar 29.584.005 43.481.129 73.713.099
Banana 10.914.118 16.701.341 29.898.499
Trigo 11.721.474 12.044.076 27.797.042
Batata-inglesa 9.740.247 11.339.621 23.565.685
Amendoim (em casca) 6.463.145 10.911.546 15.737.006
Fumo em f6lha 6.849.868 9.127.147 15.626.159
Cacau 8.001.292 9.990.374 12.782.627
Laranja 6.013.319 8.108.970 11.691.300
Tomate 3.590.196 5.992.056 11.121.854

FONTE: Servigo de Estatistica da Producgo, Minist6rio da Agricultura.







42 Cultural e Adubagao da Cana-de-Ag6car


E ela superada pelo arroz em casca, caf6 em coco, milho,
algoddo em carogo, feijbo e mandioca.
Portanto, sdo mais importantes que a cana-de-agiicar
sempre os mesmos seis produtos, por6m em ordem diverse
segundo o critdrio de avaliagCo: se em area plantada ou se
em valor da produgdo.


3.1 Participagdo da cana-de-azicar na renda bruta
internal.


Em relagio ao Brasil, a importancia da cana-de-agcicar
pode ser demonstrada verificando-se de algum modo a sua
participago na renda internal do pais. Confrontando-se o
valor da produgco da cana-de-agiucar em diversos anos segui-
dos e a renda bruta internal do pais (dados obtidos do Servigo
de Estatistica da Producgo, Ministdrio da Agricultura e da
FundagCo Gettilio Vargas, respectivamente), verifica-se que
aquela represent c6rca de 1,5% desta. Portanto, a participa-
gdo da cana-de-agicar na renda bruta internal do pais estd em
tOrno de 1,5% 6 uma participagdo bastante significativa,
sabendo-se que 6 grande o nimero de fatores que participam
da formacgo dessa renda bruta internal (quadro n.o IX).



QUADRO IX Relag~o existente entire o Valor da Produgio da Cana-de-
-Agfcar e a Renda Bruta Interna Total Anos: 1950 1956/1960.


Renda Bruta Interna Valor da Produgio Participagio da Ca-
nda Brua ada Cana-de-Agfcar na-de-Ag6car na
do Brasil (1) no Brasil (2) Renda Bruta
Anos (milhoes de Cr$) (milh5es de Cr$) Interna %

1950 220.276,5 3.353,5 1,52
1956 744.543,9 11.745,6 1,58
1957 885.031,7 14.408,1 1,63
1958 1.065.008,5 16.690,9 1,57
1959 1.431.476,1 20.781,8 1,45
1960 1.916.497,7 29.584.0 1,54

(1) Dados da FundaSAo Getdlio Vargas.
(2) Dados do Servigo da Estatistica da Produ~go, Minist6rio da Agricultura.







A Cana-de-Acgcar no Brasil 43


Analisando-se sbmente em relaCgo ao setor Agro-pastoril
percebe-se sua importancia, ainda, em vista de ela participar
em cerca de 4,5 a 5,0% da Renda Bruta Interna da Agricultura
- utilizando-se de dados da Fundagio Getilio Vargas e do
Servigo de Estatistica da Produgbo, como se f6z anterior-
mente. E important esta participacgo sabendo-se que figu-
ram 47 produtos na construcao desse valor e que a cana-de-
agticar 6 tanto em valor como em area plantada, o s6timo pro-
duto em importancia entire os de origem vegetal (quadro X).


QUADRO X Relagao existente entire o Valor da Produgdo da Cana-de-Agd-
car e a Renda Bruta Interna Agricola do Brasil Anos 1948/1960.


Relag5o entire o Va-
Renda Bruta Interna Valor da Produgio lor de Produfio de
Agricola do Brasil da Cana-de-Aficar Cana-de-Afgcar e a
Anos (estimada) (1) (estimada) (2) Renda Bruta Interna
milhies de Cr$ milhoes de Cr$ Agricola


1948 53.464,7 2.425,5 4,54
1949 60.393,5 2.752,1 4,56
1950 72.673,5 3.253,5 4,48
1951 82.204,4 3.653,9 4,44
1952 100.625,5 4.391,6 4,36
1953 124.537,9 5.092,0 4,09
1954 159.536,8 6.347,2 3,98
1955 202,367,1 7.794,5 3,85
1956 234.998,3 11.745,6 5,00
1957 286.412,0 14.408,1 5,03
1958 319.838,5 16.690,9 5,22
1959 451.976,3 20.781,8 4,60
1960 631.167,4 29.584,0 4,69


FONTES: (1) Fundaglo Getdlio Vargas.
(2) Servigo de Estatistica de Produgao,


Minist6rio da Agricultura.


3.2 Participagdo da cana-de-agCcar na renda bruta
internal de alguns Estados da Federagqo.


A importfncia econ6mica da cana-de-agilcar se acentua
mais quando se procura avaliar sua participaro na econo-
mia de certos estados da Federacgo.






44 Cultural e Adubaoao da Cana-de-Ag6car


Calculando-se a participagCo da cana-de-acgcar na Renda
Bruta Interna e na Renda Bruta do setor agricola e pastoril
(Quadro XI), verifica-se que o Nordeste brasileiro 6 a regido
em que ela mais pesa na economic, participando em 4,38% na
formaqco da Renda Bruta Interna Total e em 9,27% na for-
macdo da Renda Bruta do setor especifico da agriculture e
produtos de origem animal. E pesard mais ainda se se con-
siderar que a cana-de-acgcar, principalmente no nordeste,
Rio de Janeiro e Sao Paulo, 6 em grande parte utilizada como
mat6ria prima para a indistria do agdcar principal indds-
tria daquela region.

Os estados que mais dependem da economic da cana-de-
ag icar, sao: Alagoas corn 11,98% na formagdo de sua renda
bruta e 22,52% na formacgo de sua renda internal, no setor
agricola Pernambuco e Estado do Rio de Janeiro. Estes
tres estados estdo cor sua economic fortemente relacionada
t cana-de-acdcar e A inddstria acucareira.

Ja o estado de Sao Paulo, apesar de ter a cana-de-adicar
pesando, significativamente, na sua Renda Bruta Agricola
com 8,05%, nio a tem bem representada na Renda Bruta
Interna Total, em vista de ser um estado altamente indus-
trializado.

Se houvessem dados em mios que possibilitassem deter-
minar a participacgo da cana-de-agicar industrializada, isto 6,
transformada em acicar, em alcool e em aguardente tanto
por parte das usinas, como por parte dos engenhos e das pe-
quenas distilarias de aguardente possivelmente constatar-
se-ia sua maior importAncia na economic national e nas eco-
nomias regionais.



3.3 0 aqgicar de cana no comdrcio exterior


O principal produto da industrializacio da cana-de-agdcar,
tanto que Ihe da o nome, foi durante long period o principal
produto de origem vegetal exportado pelo Brasil isto, prati-
camente, do s6culo de sua descoberta atd meados do regime
imperial do Brasil independent.




QUADRO XI Rela~io existente entire o Valor da Produgao de Cana-de-Agicar e a Renda Bruta Interna, segundo os esta-
dos e as regi6es fisiogrAficas Ano: 1960.
1 Renda Bruta In- I Valor da Produ- ParticipaZio da Participaco da Ca-
| Renda Bruta In- terna Agricola eI &Fio da Cana-de- Cana na Renda na na Renda Bruta
terna Total (1) de Producfio I -Agicar (2) Bruta Interna Interna Agricola e
animal Total de Produaio
(1.000.000) (1(1.000.00 (.000.000) Animal
_Cr$ Cr$ Cr$ % %_
Norte 42.312,0 12.790,2 73,1 0,17 0,57
Rond6nia ... 0,6
Acre 12,4
Amazonas 17.956,8 6.460,6 11,8 0,6 0,18
Roraima .. .. 2,3
ParA 24.355,2 6.329,6 42,5 0,17 0,67
Amapi .3,5
Nordeste 203.755,0 96.454,5 8.914,9 4,38 9,24
Maranhao 22.961,5 12.609,8 223,2 0.97 1,77
Piaiui 9.740,8 4.406,3 176,4 1,81 4,00
CearA 40.182,2 18.350,9 598,6 1,49 3,26
Rio Grande do Norte 17.564,1 9.534,6 203,1 1,16 2,13
Paraiba 29.120,4 18.414,3 1.138,4 3,91 6,18
Pernambuco 66.993,4 23.990,7 4.515,2 6,74 18,82
Alagoas 17.192,6 9.147,9 2.060,0 11,98 22,52
Leste 651.554,6 169.651,3 6.727,6 1,03 3,96
Sergipe 11.140,1 4.777,8 366,5 3,29 7,67
Bahia 89.339,9 38.527,8 1.146,8 1,28 2,98
Minas Gerais 186.092,6 87.509,5 2.210,5 1,19 2,53
Espirito Santo 20.546,2 9.987,0 255,7 1,24 2,56
Rio de Janeiro 86.599,1 25.674,7 2.745,5 3,17 10,69
Guanabara 257.836,7 3.174,5 2,6 -
Sul 971.072,7 322.756,0 12.989,3 1,34 4,02
S~o Paulo 617.604,9 144.866,4 11.662,6 1,89 8,05
Parana 126.840,9 80.541,3 549,4 0,43 0,68
Santa Catarina 51.518,8 I 25.979,1 381,2 0,73 1,47
Rio Grande do Sul 175.108,1 71.396,2 396,1 0,23 0,55
Centro-Oeste 47.798,4 29.515,4 879,1 1,84 2,98
Mato Grosso 19.033,0 11.077,4 245,8 1,29 2,22
Goids 28.765,4 18.438,0 633,3 2,20 3,43
BRASIL 1.916.497,7 631.167,4 29.584,0 1,54 4,69


FONTES: (1) FundagAo Getdlio Vargas. (2) Servigo de


Estatistica da ProduqAo, Minist6rio da Agricultura.






46 Cultural e Adubacao da Cana-de-Ac6car


Atualmente 6 o agicar exportado com bastante oscilacgo
em sua quantidade, o que define uma political de exportacgo
defeituosa. Do ano de 1957 ao ano de 1962 a quantidade expor-
tada various de um minimo de 423.906 toneladas a um miximo
de 783.292 toneladas, segundo se constata no quadro n.0 XII.



QUADRO XII Exportagfo total e exportagdo do Agicar, Brasil, 1957/1962.


Exportagio de Agicar Exportagfo Relafio valor
total de Exportagio
I- de agicar/va-
ANOS Quantidade Valor Valor lor de Exporta-
t I US$ 1.000.000 I US$ 1.000.000 gio total %


1957 ..... 423.906 45,9 1.392 3,30
1958 ...... 758.182 57,3 1.243 4,61
1959 ...... 616.081 42,7 1.282 3,33
1960 ...... i 769.041 57,7 1.269 4,55
1961 ...... 783.292 65,6 1.403 4,64
1962 ..... 445.225 39,5 1.214 3,25


FONTE: Servigo de Estatistica Econ6mica e Financeira, Ministerio da Fazenda.




Em valor, a sua participagdo no comrrcio exterior tem
sido da ordem de 4% da exportagCo total do Brasil. Entre os
produtos da pauta g6neros alimenticios e bebidas, principals
do com6rcio exterior do Brasil, 6 61e superado sbmente pelo
caf6 e cacau.



4 SITUAQAO ECONOMIC ATUAL
E PERSPECTIVES FUTURAS


A cana-de-agicar esti cor sua cultural em franca expan-
sio no Brasil. Em area, sua cultural mais do que dobrou em
vinte anos (quadro n.o XIII), sendo que em todos os estados
e territ6rios tern havido aumento.






A Cana-de-Acgcar no Brasil 47


QUADRO XIII Area das Lavouras de cana-de-agicar no Brasil Anos
de 1941-1960.


ANOS Area (ha) ANOS Area (ha) ANOS I Area (ha)

1941...... 560.226 1948...... 818.608 1955...... 1.072.902
1942...... 559.004 1949...... 796.687 1956...... 1.124.083
1943...... 577.235 1950 ...... 828.182 1957 ...... 1.172.413
1944 ...... 675.606 1951 ...... 874.341 1958 ...... 1.207.924
1945...... 656.921 1952 ...... 919.780 1959 ...... 1.291.073
1946...... 758.134 1953 ...... 990.872 1960......| 1.361.300
1947 ...... 772.853 1954...... 1.027.409


FONTE: Servigo de Estatistica da Produgao do Ministerio da Agricultura.


O aumento desta cultural no Estado de Sao Paulo, por
exemplo, 6 bastante significativo. Segundo dados da Divisao
de Economia Rural, da Secretaria da Agricultura deste Estado,
a area media ocupada pela cana no quinqu6nio de 1948/52, era
de 165.000 hectares, aumentou para 311.000 hectares no quin-
qu6nio de 1953/57, atingindo 488.800 hectares em 1962,
(quadro n.o XIV). E de se notar que 6stes dados estdo sem-
pre um pouco mais elevados que os fornecidos pelo Servigo
de Estatistica da Produgco do Minist6rio da Agricultura, e
sao levantados por um sistema de amostragem bastante pre-
cisa. Mas, as duas fontes define uma ampla expansdo da
area de cana no Estado de So Paulo.

A produgdo total tambem vem aumentando de ano para
ano. Em 1941, a produg5o de cana no Brasil, foi de 21.460.000
toneladas, aumentando, em 1951, para 33.650.000 toneladas e
atingindo em 1962 a 62.534.516 toneladas.

A melhoria de produtividade da cultural tambBm se tern
feito sentir. Se em 1941 e 1951 ela estava em t6rno de 38 tone-
ladas por hectare, como media para o Brasil, em 1962 atingiu
44 toneladas por hectare. A produtividade media do Estado
de Sao Paulo, em particular, evoluiu significativamente de
1948 corn 43,7 toneladas por hectare, para 1962 corn 54,4 tone-
ladas por hectare, segundo dados da Divisio de Economia
Rural d6ste Estado.






48 Cultural e Adubacao da Cana-de-Aq6car


QUADRO XIV Produg~o de Cana no Estado de Sao Paulo 1948 a 1962.
INDICE: 1948/52 = 100.


ANOS Cana ANOS Cana
Kg/ha Indice Kg/ha Indice

1948.. ....... 43.667 96 1956........ 44.165 97
1949. ... 50.729 111 1957........ 44.079 96
1950......... 43.981 96 1958........ 47.251 103
1951......... 45.600 100 1959........ 51.688 113
1952......... 44.516 97 1960........ 52.937 116
1953......... 42.776 94 1961 ........ 49.155 108
1954 ......... 42.146 92 1962........ 54.419 119
1955......... 42.762 94


FONTE: DivisAo de Economia Rural Secretaria da Agricultura.


4.1 A industrializaQdo da cana no Brasil

A cana-de-ag~car 6 uma cultural que se destina a fornecer
matdria prima para algumas inddstrias de produtos alimen-
ticios agicar, rapadura, aguardente para uma de produ-
to farmac6utico e industrial alcool e a ser consumida
in-natura, como ragdo para animals.

Este iltimo objetivo de sua cultural, se bem que de
grande importancia, nao ter vulto econOmico no pais, a nao
ser em algumas regi6es bem especificas do territ6rio national,
em que a criacio de gado leiteiro esteja bem adiantada e
evoluida. Sendo assim sua grande importancia 6 como ma-
teria prima para a inddstria.

O nlmero de estabelecimentos que transformam a cana-
de-acilcar em agscar, rapadura, alcool e aguardente, no Brasil,
registrados no Instituto do Aciucar e do Alcool aumentou
sempre at6 1957, quando passou a reduzir (quadro XV).

Especificamente, o ndmero de usinas tern permanecido
mais ou menos em tOrno de 600, no correr dos anos, sendo
que as que possuem turbina e vicuo, andam em t6rno das 350
e as que possuem s6 turbina v6m diminuindo de ano para ano.

Quanto ao nuimero de engenhos, que chegaram a 67.000
nos anos de 1952, 1953 e 1954, vem decrescendo de ano para




QUADRO XV Totais do Brasil Anos Civis de 1941-1960.

FABRICS REGISTRADAS NO I.A.A.


Numero de Fabricas

Usinas Engenhos Destilarias

ANOS Total Geral oC/Tur- S6 c/ Alcl Refi-
Total bina e Tur- Total Aqfcar Rapadura Total Ani- Hidra- Aguardente nirias
SVcuo bina dro tado


1941 64.675 581 327 254 55.225 18.009 37.216 8.839 42 186 8.611 30
1942 66.303 601 325 276 56.397 18.137 38.260 9.175 44 187 8.944 130
1943 67.333 555 325 230 57.361 18.004 39.357 9.281 46 192 9.043 136
1944 68.951 560 326 234 58.671 18.419 40.252 9.584 53 198 9.333 136
1945 71.185 578 331 247 60.598 18.531 42.067 9.763 54 226 9.483 246
1946 72.766 597 337 260 61.970 18.549 43.421 9.952 60 213 9.679 247
1947 74.995 612 336 276 63.950 18.689 45.261 10.180 60 234 9.886 253
1948 77.256 618 373 245 65.874 18.616 47.258 10.505 60 238 10.207 259
1949 78.146 691 379 312 66.461 18.575 47.886 10.735 59 242 10.434 259
1950 78.341 680 376 304 66.587 18.530 48.057 10.811 62 241 10.508 263
1951 78.813 674 385 289 66.837 18.635 48.202 11.039 62 242 10.735 263
1952 79.225 683 394 289 67.057 18.658 48.399 11.218 62 244 10.912 267
1953 79.621 681 393 288 67.184 18.654 48.530 11.486 63 244 11.179 270
1954 79.771 679 392 287 67.273 18.670 48.603 11.549 64 244 11.241 270
1955 80.332 657 378 279 65.440 17.826 47.614 13.953 64 244 13.645 282
1956 80.556 633 376 277 65.493 17.809 47.684 14.127 64 244 13.819 283
1957 80.818 653 375 278 65.422 17.680 47.742 14.459 64 244 14.151 284
1958 79.655 638 373 265 64.097 16.258 47.839 14.636 64 244 14.328 284
1959 76.734 562 357 205 61.183 13.212 47.971 14.701 35 431 14.235 288
1960 75.781 548 355 193 60.367 12.353 48.014 14.575 35 427 14.113


FONTE: Instituto do Ag car e do Alcool.


Nota O nimero de ffbricas constant desta tabela represent,
de Produtores do I.A.A. Situacgo em 31 de dezemb


exclusivamente o das que se encontram registradas no Cadastro









QUADRO XVI Totais por unidade da Federacgo e por Regilo Ano Civil de 1960.

Fibricas Registradas no I.A.A.


N6mero de FAbricas

Usinas Engenhos Destilarias


Alcool
Unidades da Total C/ Tur- S6 Refina-
Federaio Geral Total bina e corn Total Avficar Rapadura Total rias
VAcuo Turbina Anidro Hidra- Aguar-
StadoI dente
______ ____ ___ ______ ____________ I ____I I _______L____


Norte
Rond6nia
Acre
Amazonas
Rio Branco
ParA
AmapA

Nordeste
Maranhio
Piaui
CearA
Rio G. do Norte
Paraiba
Pernambuco
Alagoas
Fer. de Noronha


442
12
100
116

208
6

14.009
1.291
2.070
5.286
559
1.729
2.106
968


6 14
18
1
-- 8

6 4


105 20
3 12
1 4
1 2
4 -
9
54 1
33 1
y--


225 126
6 6
88 59
51 18

74 37
6 6

10.792 926
525 212
1.867 1
4.585 15
489 50
1.266 47
1.520 331
600 270
I


99

29
33

37


9.926
313
1.866
4.570
439
1.219
1.189
330


189
5
11
56

117


2.934
747
198
696
62
434
492
305


2




1
1


17
1
1







1
3

6
49
11


172
41
10
56
I
1021
--I

2.8591
744
197
693
62
427
442
294


8


1

7


98
4

2
4
20
39
29




Continuagio do Quadro XVI


Nimero de' Fibricas

Usinas Engenhos Destilarias

SAlcool
Unidades da Total C/ Tur- S6 -- Refina-
Federag o Geral Total bina e cor Total Ag.car Rapadura Total rias
Vicuo Turbina Anidro Hidra- Aguar-
| tado dente


Leste 43.327 222 129 93 37.621 2.902 34.718 5.378 10 174 5.194 106
Sergipe 208 47 47 62 62 71 8 63 28
Bahia 4.750 16 16 3.736 525 3.211 982 1 9 972 16
Minas Gerais 32.299 111 33 78 28.878 1.214 27.664 3.292 4 131 3.157 18
Espirito Santo 1.981 7 4 3 1.737 238 1.499 221 5 216 16
Rio de Janeiro 4.079 41 29 12 3.208 864 2.344 808 5 21 782 22
Guanabara 10 4 4 6
Sul 13.427 157 105 52 7.942 5.854 2.088 5.250 23 154 5.073 78
So Paulo 5.337 143 97 46 2.078 347 1.731 3.055 23 100 2.932 61
ParanA 575 5 2 3 273 21 252 291 7 284 6
Santa Catarina 5.756 9 6 3 5.255 5.209 46 481 13 468 11
Rio G. do Sul 1.759 336 277 59 1.423 34 1.389 -
Centro-Oeste 4.576 24 10 14 3.727 2.544 1.183 824 9 815 1
Mato Grosso 311 11 9 2 107 32 75 193 6 187 -
Goids 4.265 13 1 12 3.620 2.512 1.108 631 3 628 1
Distrito Federal -
Brasil 75.781 548 355 193 60.367 12.353 48.014 14.575 35 427 14.113 291


FONTE: Instituto do Ag6car e do Alcool.
Nota O nimero de fAbricas constant desta tabela represent, exclusivamente, o das que se encontram no Cadastro do I.A.A. situagao
em 31 de dezembro.







52 Cultura e Adubagao da Cana-de-Ac6cat

ano, havendo atualmente c6rca de 60.000. Aqu61es dedicados
a fabricago do agdcar t6m diminuido, acentuadamente, no
correr dos anos, aumentando o ndmero dos que se dedicam a
produego de rapadura.
As destilarias t6m aumentado de niimero no correr dos
anos, sendo que aquelas especializadas na produgao de Alcool
anidro t6m diminuido, aumentando significativamente as que
produzem alcool hidratado e as dedicadas a fabricago de
aguardente.
O nfimero de refinarias de acficar vem crescendo sempre,
de 1941 a 1962, passou de 30 a 291.
Segundo as regi6es fisiogrdficas e os estados ou territd-
rios, a situagio em 1960, era a que apresenta o quadro n.0 XVI.
Alguns estados ainda tem a produgo do ag~car toda ela de-
pendente dos engenhos, cuja produgco nio 6 registrada pelo
I.A.A. e nio se obt6m informag~o. Este quadro ainda fornece
informagCo s6bre as usinas que funcionaram nessa safra de
1959/60 iltima de que se obteve informacges; percebe-se
que um grande nimero de usinas registradas nao tern funcio-
nado. Das 548 registradas no Brasil, somente funcionaram 307
na safra referida.

4.2 Produgdo das usinas que funcionaram

Os registros do Instituto do Agdcar e do Alcool s6 forne-
cem a produgao das usinas. A dos engenhos e destilarias de
aguardente fica sem registro e nao 6 estimada.
Pelo quadro n.0 XVII, verifica-se que o nuimero de usinas
em funcionamento nao ter variado sensivelmente nos vinte
anos arrolados, mas que a produgao de agiucar do tipo de
usina aumentou grandemente, de 13.512.000 sacas em 1940/41
para 50.864.000 em 1959/60.
A cana moida nas usinas que em 1940/41 foi de c6rca de:
9.400.000 toneladas, elevou-se para 34.400.000 toneladas na
safra 1959/60. Por 6stes dados verifica-se que ainda sobram
c6rca de 20.000.000 de toneladas de cana, em 1959/60, que de-
vem ter sido destinadas a um d6stes tr6s fins: produgco de
agdcar e rapadura pelos engenhos, de aguardente pelas desti-
larias e pequena quantidade para arracoamento dos animals.
A produgio de aguardente pelas usinas tern sido bastante
instgvel. Nas safras 1956/57 e 1957/58 atingiu cerca de
12.500.000 litros em cada uma delas, reduzindo-se na safra
1959/60 para 2.500.000 litros.
Ja a produgao de alcool vem aumentando, constantemen-
te: tendo atingido 472.000.000 de litros na safra 1959/60.





QUADRO XVII Totais do Brasil Safras 1941/1942-1959/1960.


USINAS

Usinas


Safras Nimero das
que funcio-
naram


1940/41
1941/42
1942/43
1943/44
1944/45
1945/46
1946/47
1947/48
1948/49
1949/50
1950/51
1951/52
1952/53
1953/54
1954/55
1955/56
1956/57
1957/58
1958/59
1959/60


Produiio de
agicar
(Scs. 60 kg)


13.511.832
13.839.083
14.759.017
15.314.442
14.896.924
15.417.553
18.352.339
22.622.512
23.578.876
21.139.508
24.817.491
26.595.636
30.802.209
33.375.565
35.567.988
35.463.770
37.580.069
44.377.638
53.858.650
50.864.051


Cana moida (1)
Total (t)


9.433.371
9.487.073
10.445.797
10.128.410
9.655.688
10.123.558
11.834.854
14.863.687
15.667.545
13.440.463
15.482.576
16.956.840
20.119.604
22.059.885
23.668.104
23.579.113
24.378.322
29.893.819
36.221.183
34.389.637


FONTE: Instituto do Ag6car e do Alcool.


(1) Inclusive pequenas parcelas destinadas a


fabricagi5o de Alcool.


(2) Inclusive a produg~o das Destilarias Aut6nomas.


Media do
rendimento
industrial
(%)


Produgfo de
aguardente
(litros)


8.604.627
6.969.879
8.890.273
7.285.406
7.920.227
7.912.664
8.118.781
9.191.540
10.309.712
10.441.069
10.964.717
11.606.169
9.101.889
11.055.141
9.482.305
9.887.998
12.524.216
12.482.212
5.520.854
2.521.321


Produaio de
alcool (2)
(litros)


126.620.988
128.593.054
151.738.288
124.999.375
119.770.201
106.510.767
117.037.410
143.843.398
167.332.585
135.649.331
140.094.857
170.362.503
229.542.853
274.039.309
306.246.596
283.189.061
252.385.460
398.814.929
444.248.959
472.044.656






54 Cultura e Adubac6o da Cana-de-Acgcar


Fazendo-se uma rdpida andlise de unidade por unidade
da federagdo, verifica-se que: Rond6nia, Acre, Amazonas, Ro-
raima, Amapd, Guanabara e Rio Grande do Sul, nio produ-
ziram nem acicar, nem alcool e nem aguardente, em usinas.
Para, Maranhio, Piaui, Ceard, Mato Grosso e Goias produzi-
ram agilcar quase que s6 para amostra, apresentando em ge--
ral uma certa inconstancia na quantidade produzida, exceto
Goids que vem aumentando de ano para ano. Os demais esta-
dos, cor excegdo de Alagoas, Minas Gerais, Rio de Janeiro,
Espirito Santo, que t6m apresentado um pequeno incremen-
to, e de Sao Paulo, Parand, e Santa Catarina, que apresenta-
ram incremento bastante significativo, t6m tido sua produ-
gdo constant, com pequenas varia6ges.
Sao Paulo, que teve o aumento mais significativo em sua
produgdo, elevou-a de 11.750.000 sacas na safra de 1955/56
para 20.800.000 na safra 1959/60, tendo contribuido, de fato,
para o aumento de producgo do afiicar no Brasil.

4.3 0 aqicar e suas perspectives no comdrcio
interno:

Segundo estudo citado por AZZI (10) a estimativa da de-
manda do aglcar nos prdximos dez anos mostra uma perspec-
tiva de aumento bastante acentuado, conforme se constata no
quadro abaixo:

Demand internal de agicar
Ano (em mil sacas)

1963 51.410
1964 54.850
1965 58.498
1966 62.354
1967 66.418
1968 70.690
1969 75.170
1970 79.858
1971 84.754
1972 89.858
1973 95.170
1974 100.690







A Cana-de-Ac6car no Brasil 55


A capacidade de producao atual do Brasil 6 da ordem dos
60 milh6es de sacas, podendo ir a 65 milh6es, corn as melho-
rias industrials indispensaveis. Portanto, 6 necessario
pensar-se em ampliar a produgo de aglicar aumentando o
parque produtor para, no minimo, 100 milh6es de sacas, ou
seja de 35 milh6es de sacas sem se pensar no mercado
externo.

WILHEU S DE SACAS DE 60 QUILOS

ESTIMATIVA 00 CONSUMO APARENTE DO ACUCAR NO BRASIL
100- E CAPACIDADE DA SUA INDUSTRIAL ACUCAREIRA

CONSUMO APARENTt
90o- .l. CAPACIDADE COM PEQUENAS MODIFICACUES
... CAPACIDADDEoD 1963
0-


70-




50 ---------- ------------
s16s 1964 190s lose 1967 1s. Ites$ 1970 1971 1972 .973 1974

Do que se infere da situagio atual na lavoura de cana-de-
agicar e nas usinas existentes e do que aconteceu quando da
liberago de quotas pelo Instituto do Ag car e do Alcool, 6
de se esperar que o aumento dessa producgo sera obtido nos
estados do sul do pais, onde as terras sao mais fdrteis e des-
cansadas apesar de que o aumento dessa producgo precisa
ser tentado, tambdm, no nordeste, onde a cana e a indistria
do ag car sao de grande importancia econ6mica, sao bAsicas.


4.4 aqicar e suas perspectives no comdrcio
externo

O principal pais produtor de agdcar, do mundo, foi Cuba
at6 que o regime politico de li mudou. Depois, devido a raz6es
que ndo vem ao caso neste estudo, a producgo da cana e a
fabricagdo de agicar, ja desorganizados no desenrolar da re-
volugdo cubana, desceram a niveis bem baixos.






56 Cultural e Adubagao da Cana-de-Acucar


A producgo cubana, quase toda ela destinada ao com6rcio
exterior, deixou uma lacuna, que precisa ser preenchida, da
ordem de 4 milh6es de sacas.

O Brasil, paralelamente, tern agido no sentido de erradi
car seus cafezais de produtividade baixa e de custo de pro-
dugdo muito elevado, cor isso desocupando vastas areas
agricultdveis. Uma political tendente a estabelecer, em certa
porcentagem dessas terras, cultural de cana e usinas moder-
nas, poderd propiciar a ampliacio da producgo de agicar de
forma a ampliar a exportacio do mesmo, tornando-o mais
representative no comdrcio de exportagco do pais.


4.5 A aguardente de cana e o comdrcio exterior


A producgo de aguardente de cana pelas destilarias espa-
lhadas pelo pais e nao integradas nas usinas aqucareiras, nio
tern sido estimada pelo Servigo de Estatistica da Producgo. A
aguardente que figure nos anuarios estatisticos tanto do
I.B.G.E. como do I.A.A. 6 s6mente a produzida por estas usi-
nas, segundo foi apurado. Jd esta constitui um volume bas-
tante apreciavel.

Acredita-se que conseguindo-se estabelecer um padrio
bem definido e uniform em caracteristicas organoldticas, a
aguardente de cana poderd vir a ser uma fornecedora de di-
visas, no comdrcio de exportaCgo. O que 6 necessdrio ser feito
6 a introducao de boa t6cnica de moagem da cana, de fermen-
tagao, de cura, etc., de modo que uma partida seja perfeita-
mente id6ntica a outra, para que o paladar do importador se
costume e sinta falta do seu consume.


4.6 A evolugdo do prego na cana-de-azicar


A seguir, 6 dado um quadro que apresenta os pregos
m6dios recebidos pelo's agricultores de Sdo Paulo, no correr
de alguns anos:






A Cana-de-Agucar no Brasil 57


QUADRO XVIII Cana de A96car: evoluqSo dos pregos m6dios recebidos
pelos agricultores em Sao Paulo.


Ano e Cruzeiro por Tonelada
quinquenio
(Prego corrente) (Prego real)



1948/52 121 121
1953/57 257 116
1958/62 742 107
1958 332 101
1959 454 98
1960 655 112
1961 860 107
1962 (1) 1.410 117


FONTE: Divisio de Economia Rural. Secretaria da Agricultura.
(1) Dados preliminares.

Nota: Os pregos reais sao expresses em t&rmos de valor m6dio do cruzeiro
no quinqu&nio 1948/52, tendo-se utilizado como deflator o "indice 2"
da Conjuntura Econ6mica (Fundagio Getilio Vargas).


Os pregos correntes, em virtude do regime inflaciondrio
que atravessa o Brasil, pouco significam para uma interpre-
tagdo parece que a situarco da cana melhorou muito de
1958 a 1962, por exemplo.

Mas, usando-se um deflator para corrigir os pregos cor-
rentes, obtdm-se os precos reais que mostram estar a cana
gozando uma melhoria de precos, dentro do quinqu6nio
1958/62, mas que sofreu uma perda de valor do quinquenio
1948/52, para o de 1953/57, persistindo no de 1958/62.

Contudo, em virtude da aco do Instituto do AgQcar e do
Alcool, atravds de seus plans de defesa da safra, 6 a cultural
da cana-de-agicar uma das que oferecem reais garantias de
preCo e de venda, entire os produtos da agriculture brasileira.










) cn $ POR TONELADA CR1 POR TONELADA


ItI I I- I I I I I 1
4000 -EVOLUGAO DOS PRECOS DA CANA DE ACUCAR 4

-000 NO ESTADO DE SAO PAULO 3


2 000 I2
--- PRECOS MEDIOS RECEBIDOS PELOS FORNECEDORES

........ INDICE GERAL DE PRECOS 948/52= 100



1.000 -- --

800 --
700 ----_


500-




300 -____/









as|
200 --___


DIVISAO DE ECONOMIC RURAL
SECRITARIA DA AJCICULTURA


000

.000



.000





.000
900
800
700
600

500

400

300



200





100
90
80
0


1949 1950 1951 1952 | 1953 1954 11955 1956 1957 1958 1959 1960 1961 1962 1963 1964 1965 1966


E4CGALA SEMI- LOI-RTMICA


* v- *~ II I I


1948 |


i CR S POR TONELADA


CR$ POR TONELADA







A Cana-de-Acgcar no Brasil 59

BIBLIOGRAFIA

1. Anuario Acucareiro 1935 Rio de Janeiro I.A.A.
2. Anuirio Agucareiro 1951/52 Rio de Janeiro I.A.A.
3. Anuario Agucareiro 1953/54/55/56 Rio de Janeiro I.A.A.
4. Anuirio Acucareiro 1961 Rio de Janeiro I.A.A.
5. Anuario Estatistico do Brasil 1960 Rio de Janeiro I.B.G.E. -
1961.
6. AnuBrio Estatistico do Brasil 1961 Rio de Janeiro I.B.G.E. -
1962.
7. Anuario Estatistico do Brasil 1962 Rio de Janeiro I.B.G.E. -
1963.
8. Anuirio Estatistico do Brasil 1963 Rio de Janeiro I.B.G.E. -
1964.
9. ARTSCHWAGER, E. e E. W. BRANDES Sugarcane (Saccharum offici-
narum L.) U. S. Depto. Agr. Handb. 122: 1-307. 1958.
10. AZZI, GILBERTO MILLER Instalag~o de novas usinas e produgao de
Ag6car no Brasil. O Estado Sao Paulo, 16-10-63, p. 15.
11. BRANDES, E. W. e OUTROS Sugarcane for syrup production. U.S.
Dept. Agr. Circ. 284: 1-48. 1940.
12. CALMON, PEDRO O ag~car, sua hist6ria e influ&ncia na Civilizargo
Brasileira. In Anuario Agucareiro 1935. Rio de Janeiro I.A.A. p. 7-12
13. CORRPA MEYER, A. Sin6pse hist6rica do agicar em Sao Paulo. In
Anuario Agucareiro 1935. Rio de Janeiro, I.A.A. 1936, p. 153-163.
14. CORREA, M. PIO Dicionario das plants tteis do Brasil. 1.0 vol.,
XIII, 747 pigs., Imprensa Nacional, Rio, 1926.
15. COSTA, CASSO Primeiras canas e primeiros agicares no Brasil. Brasil
Aguc. 52:160-168. 1958.
16. DANTAS, BENTO Contribuigao para a hist6ria da Gomose da cana
de ag car em Pernambuco e no Brasil. Bol. Tec. Inst. Agron. Nord.
(Recife) 11:3-17. 1960.
17. DANTAS, BENTO e I. L. de MELO A situasao das variedades na zona
canavieira de Pernambuco (1945-55 a 1957-58) e uma nota hist6rica s6-
bre as variedades antigas. Bol. Tec. Inst. Agron. Nord. (Recife) 11:29
-82, 1960.
18. DE CARLI, GILENO Sin6pse hist6rica do Agicar em Alagoas. In
AnuSrio Acucareiro 1935 Rio de Janeiro I.A.A. 1936, p. 37-43.
19. DE CARLI, GILENO O ai6car na formagao econ6mica do Brasil. An.
Aguc. I.A.A. 2: 7-72 1936.
20. DEERR, N. The history of sugar, 1.0 vol., XIV + 258 pags. Chapman
& Hall, London, 1949.
21. Divisdo de Economia Rural Estado e Tendencias da Agricultura Pau-
lista. Agricultura em Sao Paulo. 10: (5-6), 1-61, 1963.
22. EARLE, F. S. Sugarcane and its culture. 355 pags., John Wiley, New
York, 1929. L L L L
23. EDGERTON, C. N. Sugarcane and its diseases. 290 pags., Louis. State
Univ. Press, Baton-Rouge, 1955.







60 Cultural e Adubacao da Cana-de-Acucar

24. FURTADO, CELSO FormagAo Econ6mica do Brasil. Rio de Janeiro.
Edit6ra Fundo de Cultura, 1959, 291 p.
25. LAMEGO, ALBERTO Sin6pse hist6rica do Ag6car no Rio de Janeiro.
In AnuArio Agucareiro 1935. Rio de Janeiro I.A.A., p. 137-143.
26. MAGALHAES, BASILIO O aglicar nos prim6rdios do Brasil colonial.
204 pigs., I.A.A., Rio, 1953.
27. Revista Brasileira de Economia. Fundagco Gettlio Vargas. 16: (1).
113 p.
28. RICHER, JACQUES. Sin6pse hist6rica do Agicar na Bahia. In Anui-
rio Agucareiro 1935. Rio de Janeiro I.A.A., p. 51-61.
29. ROCHA, POMBO. Hist6ria do Brasil. Sao Paulo, W. N. Jackson Inc.
1935. (1.0 vol.).
30. SALGADO, P. A. Variedades da cana de agtcar em Pernambuco.
Jorn. Agricultor (Rio) 8:201 206. 1887.
31. SIMONSEN, ROBERTO C. Hist6ria Econ6mica do Brasil (1500-1820).
Sao Paulo, Cia. Edit6ra Nacional 1957, 475 p.
32. VELLOSO, LYCURGO. LegislaiAo agucareira e alcooleira. Rio de
Janeiro Duarte Neves & Cia., 1943, 59 p.
















III BOTANICA, MELHORAMENTO
E VARIEDADES

A. L. SEGALLA
Institute Agron6mico Segao de Cana-de-aqicar
Campinas


1. BOTANICA

A cana-de-acicar foi descrita primeiramente por Linneu,
em 1753. Mais recentemente, foi estudada corn detalhes por
vArios autores, entire 6les, BARBER (15), em 1916, e ARTS-
CHWAGER (13), em 1925. O trabalho mais complete exis-
tente atualmente 6 o de Van Dillewijn, publicado em 1953 (22).

1.1 Descrigdo

Como a grande maioria das gramineas, a cana-de-agicar
se desenvolve formando touceira. Esta 6 constituida por uma
parte aerea e outra subterranea, que 6 formada pelas raizes
e rizomas.
Raizes: sdo do tipo fasciculado e podem atingir atW 4
metros ou mais de profundidade. Segundo trabalho de
INFORZATO e ALVAREZ (24), realizado em 1954 em terra-
roxa, cerca de 60% das raizes se encontram nos primeiros
30 cm de solo, sendo que nos primeiros 50 cm se acham 75%
delas. LEE (27), em estudos realizados no Havai, encontrou
85% nos primeiros 50 cm de solo.
Rizomas: assemelham-se a colmos subterraneos, cor
entren6s, n6s e gemas, sendo, por6m, os entren6s bastante re-
duzidos. A brotagCo das gemas do rizoma vai constituir novos
colmos, dando formaco & touceira. O rizoma 6 tamb6m res-
ponsdvel pela formagio de uma nova touceira, ap6s o corte
dos colmos.
A parte area 6 formada pelos colmos, fl6has e inflores-
cencia.







62 Cultural e Adubacao da Cana-de-Acucar


Clmo: 6 geralmente cilindrico, colorido e formado por
duas parties, n6 e entren6, tamb6m chamado intern6dio ou
gomo. Seu diametro varia de acordo corn a variedade e cor
a fertilidade do solo. No nd, encontramos a cicatriz foliar, a
gema e a zona radicular. A cicatriz foliar, que 6 o resto da in-
sergio da bainha da f6lha no c6lmo, pode ser saliente, reen-
trante ou estar situada no piano do n6, pode ainda ser hori-
zontal ou inclinada, possuir p6los ou apresentar-se glabra. As
gemas, localizadas na zona radicular, sao dispostas alternada-
mente no c61mo, uma em cada n6. Possuem as mais variadas
formas e tamanhos, podendo apresentar ou nio asas e p6los.
Sao pequenas, quando nao atingem o anel de crescimento,
m6dias, quando chegam atd l1e, e grandes, quando o ultra-
passam. As caracteristicas das gemas, juntamente corn a c6r
e diametro do c61mo, bem como o format e a disposigio dos
entren6s, constituem elements importantes para diferencia-
Cao das variedades. Na gema estd situado o poro germinativo,
ou ponto germinal, por onde emerge o br6to. O poro germi-
nativo pode estar em diferentes posicSes conforme a varie-
dade, podendo ser apical, subapical ou dorsal. A zona ra-
dicular se encontra entire o anel de crescimento e a cicatriz
foliar. O ndmero de pontos (proto-raizes) 6 bastante variavel,
podendo l6es estar dispostos em linhas ou irregularmente.
No entren6 estao situados o anel de crescimento, a zona cerosa
e o sulco ou depressed da gema, que pode ser quase imper-
ceptivel ou bastante pronunciado, constituindo tamb6m uma
caracteristica de diferenciagio das variedades. 0 anel de
crescimento apresenta espessura variavel, o mesmo aconte-
cendo com a zona cerosa. Os entrends podem estar dispostos
em linha reta ou em ziguezagues mais ou menos pronunciados,
e apresentar comprimento e diametro variaveis, de acordo
corn as esp6cies ou variedades, embora 6sses caracteres este-
jam sujeitos as condig~es do meio ambiente; podem ser
cilindricos, em forma de barril ou tumescentes, corn depres-
s6es no meio, encurvados, mais largos na base que no apice
ou inversamente etc.. A c6r dos colmos, embora caracteris-
tica para as variedades, varia corn a idade da cana e, princi-
palmente, corn a exposicto ao sol. Os entren6s podem apre-
sentar listas verticais de cores diferentes, e estar revestidos
ou n~o por uma camada de cera.
F6lhas: sao os orgaos da plant que realizam as fung6es
de respiracEo, transpiragpo e elaboragco dos amino~cidos e
ag cares. Sao de c6r verde, devido a clorofila, estao localiza-
das no c6lmo, alternadamente, uma para cada entrend, e se
divide em duas parties: bainha e folha propriamente dita.
A bainha 6 que sustenta e fixa a f6lha no c61mo, envolvendo-o;
seus bordos se sobrep6em na parte inferior, permanecendo







Bot6nica, Melhoramento e Variedades 63


um pouco abertos na superior. Nela se distinguem duas
parties: a bainha pr6priamente dita e a zona de uniao cor
a folha. A bainha pr6priamente dita 6 geralmente de cOr
verde, mais clara que a f6lha; na face externa, em algumas
variedades, apresenta cor arroxeada ou avermelhada ou,
ainda, manchas de cor escura. A face internal 6 branco-ama-
relada, cor estrias longitudinais. A parte superior da face
externa pode estar coberta de uma camada de c6ra branca
que da uma cor verde-azulada a bainha; esta se denomina,
ent~o, glauca, e nio glauca quando nao possui a camada de
cera. Em muitas variedades, a bainha da f6lha esta coberta
por pelos curtos e rigidos, vulgarmente denominados "joc".
A zona de uniao cor a f6lha encontra-se na parte superior da
bainha e compreende a garganta, o colo, a ligula e as auriculas.
A garganta ou colar 6 uma zona descolorida na face internal
da axila da folha, onde esta se liga com a bainha; pode ser
coberta por pelos ou nao, sendo entao pubescente ou glabra. O
colo ou regido auricular acha-se na face externa da zona de
uniao e se comp6e de duas regi6es triangulares; mais ou
menos bem determinadas, de cor normalmente diferente da
bainha, podendo tais regi6es alcangar ou nao a nervura
central da f6lha. Como a garganta, pode ser pubescente ou
glabra, e coberta ou nao por uma camada de c6ra. A ligula
6 uma membrana circular curta que envolve o colmo na base
da folha. Varia em tamanho e forma, de ac6rdo corn as va-
riedades. 2i uma caracteristica constant em todos os generos
da familiar das gramineas. As auriculas sao 16bulos mais ou
menos triangulares nas extremidades superiores da bainha;
podem ser encontradas nos dois lados dela, em um s6, ou nao
existir. Possuem formas variadas, estando cobertas ou nao
por pelos. Segundo alguns autores, sao prolongamentos da
ligula. A forma tamanho, distribuicgo de p6los. etc., da ligula
e das auriculas tamb6m constituem caracteristicos para a
classificago. A fIlha prbpriamente dita apresenta compri-
mento e largura variaveis, de ac6rdo cor os generos, o desen-
volvimento da plant e sua localizardo no c6lmo. As fl6has
da parte inferior sao mais compridas. Seu afastamento do
c6mo forma o que 6 denominado Angulo de nobreza. Sua dis-
posicao 6 variavel, podendo ser eretas, eretas cor as pontas
dobradas, abertas, dobradas, aderentes etc.. Normalmente,
sao largas nas especies grossas, como S. officinarum e seus
descendentes, e estreitas nas esp6cies finas, como S. sinnensis,
S. barberi etc.. Nas variedades cultivadas, produtos de suces-
sivos cruzamentos, apresentam largura bastante variavel. A
f6lha compreende duas parties: a lmina e a nervura central,
que a divide longitudinalmente em duas porg~es. As margens
ou bordos, normalmente, sio serrilhados e sua uniio cons-







64 Cultura e Adubacao da Cana-de-Aclcar


titui o apice da folha. A c6r verde das f6lhas varia em inten-
sidade, podendo ser mais clara, mais escura ou brilhante.
Inflorescdncia: a infloresc6ncia da cana-de-acdcar 6 ums
panicula aberta, de tamanho e format diversos em cada es-
p6cie ou variedade; pode ser curta, comprida, larga, estreita,
em forma de piramide ou cilindrica. O eixo principal da in-
floresc6ncia, denominado raquis 6 cilindrico, diminuindo gra-
dualmente seu difmetro da base para o apice. 15 um prolon-
gamento do iltimo entrend do colmo. Dele saem, em dispo-
sigdo verticilada, os eixos secundarios, que, por sua vez, ddo
origem aos eixos terciarios, diminuindo a ramificago de baixo
para cima, de modo que na parte superior a infloresc6ncia
ter apenas ramificago simples. Nas ramificae6es terciarias,
na base, e secundarias, no apice, localizam-se as "espiguetas",
dispostas aos pares, sendo uma s6ssil e outra pedicelada.
Cada espigueta cont6m uma flor. As flOres estao, portanto,
colocadas alternadamente ao long dos eixos secundarios e
terciarios da infloresc6ncia.
Flor: a flor da cana-de-a-ticar 6 hermafrodita. O ovario
ter forma ovalada, apresentando em sua extremidade dois
pistilos terminados por estigmas plumosos de cor roxa ou
avermelhada. Dentro do ovario ha um s6 6vulo, ligado a pa-
rede do ovario por uma placenta larga. O 6rgio masculine 6
constituido por tres estames formados por filamentos brancos
e finos. Cada estate sustenta uma antera linear fixa pelo
dorso. As anteras, que sdo amarelo-claras no inicio e escuras
ou arroxeadas quando maduras, estao divididas em dois 16-
bulos por uma depressio longitudinal que constitui a linha
de abertura por ocasiao de sua maturago. As flores estio
protegidas por duas bracteas, constituindo uma a gluma exter-
na e outra a internal; no interior da primeira se localiza uma
terceira gluma, ou lenticula, que envolve a glumela fdrtil.
Dentro da gluma internal, na base da flor, existem duas lo-
diculas ou glumrlulas que constituem os vestigios do perianto
e que, ao se intumescerem, provocam a abertura da flor. As
bracteas estio rodeadas na base por numerosos pilos longos
e sedosos. As variedades de S. spontaneum e seus hibridos
apresentam sempre uma quarta gluma, o mesmo acontecendo,
segundo JESWIET (18), corn algumas variedades gigantescas
de S. officinarum origindrias da Oceania.







CANA-DE-A(UCAR I. ORGAOS DE REPRODUgAO


Corde aon eirdn.a
r/l um esptfucla


Dtaframnta d parle da tnf/orescbctc maros.atn,
a d~tposafo dts espd fute sessI c pedecelad.


FRUTO


Pad~ da a/do Np9
da tn/(OeStoascnca


0
0


0





3









0-
O
CD
3




o

(D


OI
(I











CANA-DE- AUCAR I. ORGAOS VEGETATIVOS
cd CtiWco tumescerde form d cretrrel













TIPOS DE ENTRE-NOS













cdnico cwo minvertdo encurvado


4u;


rcadw Y, f /Pa legpressao fm' l cros \ angTular horizodal
do co/mo recos in/tg doras,"
r ,efooort4 anci


GEMA- TIPOS

nel decrc5lctmeo _,poro ermiatlio

profo. r..oes 4 / 1 f\ *

l-I --- -"------^







traogular oval ov.ads,






pentwgost romboide redona4
\




oval aisoad. retsguWr eRbricadA
TIPOS DE LIGULAS



forma de/ta deoe forma d e for form,
crescente de arco






Bot6nica, Melhoramento e Variedades 67


P6len: os grdos de p6len sao esfdricos, quando f6rteis,
e prismdticos, quando infdrteis. Sao constituidos por uma
membrana externa, onde existe uma abertura denominada
poro germinativo, contend em seu interior a massa proto-
pldsmica, no meio da qual se encontram o nlcleo vegetative,
de forma esfdrica, e o ndcleo germinativo, alongado.
Fruto: o fruto da cana-de-agilcar 6 uma cariopse, como
na maioria das gramineas, de forma eliptica alongada, cor
1,5 mm de comprimento por 0,5 mm de largura. Na region
do embrido, apresenta uma pequena depressed, na extremi-
dade pr6xima a 61e, a cicatriz da semente, e do outro lado, os
residues do estilo.


1.2 Classificagqo

A cana-de-acdcar, segundo a classificacgo de Engler,
atualmente adotada, pertence a divisio Embryophyta sipho-
nogama, subdivis5o Angiospermae, classes Monocotyledoneae,
ordem Glumiflorae, familiar Graminea, tribo Andropogoneae,
g6nero Saccharum.
Originalmente, a cana-de-aguicar foi classificada por
Linneu, em "Species Plantarum", publicado em 1753, em duas
esp6cies, Saccharum officinarum e S. spicatum, que, mais
tarde, foi excluida do g6nero. Saccharum officinarum incluia
tOdas as canas tropicais cultivadas. A seguir, muitas modifi-
cag6es foram feitas, conforme assinalou EARLE (23), at6 que
JESWIET, segundo AGUIRRE Jr. (1), revendo a classificacgo
feita por Hackel em 1889, verificou que, devido ao grande
nimero de caracteres inversos que ela apresentava, tornava
dificil a separagdo dos g6neros Saccharum e Erianthus. Al6m
disso, achou que era muito grande o nimero de esp6cie in-
cluidas no genero Saccharum. Jeswiet excluiu, entdo, deste
g6nero, os subgeneros Sclerostachya, Eriochrysis e Lepto-
saccharum, livrando-o dos caracteres inversos. Excluiu,
ainda, do subg6nero Eusaccharum, as especies S. arundina-
ceum e S. ciliare, que, juntamente com uma especie S. Munja,
foram por e1e colocadas no gen. Erianthus. A esp6cie S. naren-
ga, por sua vez, foi colocada em uma posigio intermedidria
entire Saccharum e Erianthus. Assim, a subtribo Sacchareae
passou a ter a seguinte constituig o:
Grupo A: generos Imperata, Miscanthus, Sclerotachya e
Leptosaccharum.
Grupo B: Parte 1. a) gen. Saccharum e b) Erianthus e
como intermedidrio S. Marenga.
Parte 2. Eriochrysis.






68 Cultural e Adubacao da Cana-de-Ac car


O gen. Saccharum foi, por sua vez, dividido em duas
parties, e o gen. Erianthus passou a ser composto por tres
especies: Er. arundinaceum, Er. ciliares e Er. Munja.
A nova classificago do gen. Saccharum, organizada por
Jeswiet, foi publicada em 1927 e baseava-se nos caracteres
da infloresc6ncia, tendo como caracteres auxiliares a c6r do
c86mo, a forma dos entren6s, a largura das f6lhas etc.. E ainda
adotada atualmente send citada por todos os autores que
tratam do assunto, inclusive por ARTSCHWAGER e BRAN-
DES (14), em 1958. Ei-la:

Chave das espdcies de saccharum

A) Eixo principal e ramificago da infloresc6ncia cor longos
p6los. Sempre 4 glumas. Lodiculas ciliadas ou nao, se
as espiguetas do mesmo par nao florescem simultanea-
mente, a pedicelada floresce primeiro. Colmos verdes,
verde-acinzentados, amarelados, marfim ou brancos.
1. Lodiculas nao ciliadas, rebent6es subterrAneos lon-
gos, variedades selvagens ........ S. spontaneum L.
2. Lodiculas nio ciliadas, rebent6es subterraneos cur-
tos; ricas em acicar, plants cultivadas.

a) Fl6has largas, atd 5 cm. Espdcies de canas altas,
entrends intumescidos, verde-bronzeado entiree
outros, cana Uba), ... S. sinnensis (Roxb),
Jeswiet.
b) F61has estreitas, canas curtas, entren6s cober-
tos pela bainha, normalmente cilindricos, verde-
acinzentados, brancos ou marfim. Ocorrencia
limitada particularmente & India e ao Paquistio
entiree outras, Chuunee) ... S. barberi, Jeswiet.

B) Eixo principal da infloresc6ncia nunca apresentando
p6los longos, muitas vezes glabro, entrends da ramifi-
cago glabros ou cor muito poucos p6los. Geralmente
3 glumas, as vezes 4. Lodiculas nao ciliadas. Se as espi-
guetas do mesmo par nao florescem simultaneamente, a
sessil sempre floresce primeiro. Colmos variando de
c6r, desde verde-claro a escuro at6 amarelo-escuro, ver-
melho-escuro, violeta e, muitas vezes, listrados. Plantas
cultivadas .......................... S. officinarum L.
1. Quarta gluma present. Plantas vigorosas corn baixa
porcentagem de agdcar. Tipos: entire outros, Fidji,
Ardjoeno, Groen Dnitsch e Nieuw Guinea.







Bot6nica, Melhoramento e Variedades 69


2. Quarta gluma ausente. Plantas geralmente corn alta
porcentagem de ag car. Tipos: entire outros, Che-
ribon, Batjan, Borneo, Bandjermasin e Preanger.
Em 1928, JESWIET (25), descobriu na Nova Guind va-
riedades que foram classificadas como pertencentes a uma
nova esp6cie, diferente das quatro descritas anteriormente, e
por 6le denominada Saccharum robustum. Entretanto,
Brandes considerou que esta nova esp6cie nao se diferenciava
de S. officinarum pelos caracteres da panicula. Foi descrita
como possuidora de colmos muito compridos e grossos e
como sendo suscetivel a quase todas as mol6stias.
Essa classificagdo permaneceu inalterada por cerca de
trinta anos. Em 1958, ARSTSCHWAGER e BRANDES (14)
concluiram que a separaco do gen. Saccharum em esp6cies
definidas ainda apresentava dificuldades, sendo de opinion
que deveriam ser excluidas disse genero todas as esp6cies, a
excegdo de S. spontaneum e S. robustum. Por6m, at6 que se
tenha em maos os elerentos essenciais, morfol6gicos e cito-
gen6ticos, para se fazer uma revisio formal, acreditam 6les
que a classificacgo de Jeswiet 6 racional, devendo, contudo,
ser modificada para corrigir a omissio de S. robustum, L. e
S. edule, Hask. A parte B da chave de especie do gen.
Saccharum, passaria a ser a seguinte:
B) Eixo principal da infloresc6ncia nunca apresentando
pelos longos, muitas vezes glabras; entren6s das ramifi-
cac6es glabras ou muito pouco p61os. Geralmente 3 glu-
mas, as v6zes 4. Lodiculas nao ciliadas. Se as espiguetas
do mesmo par nao florescem simultaneamente, a s6ssil
sempre floresce primeiro. Colmos variando de cor, desde
verde-claro a escuro atd amarelo-escuro, vermelho-escuro
e violeta.

1. Plantas selvagens cor atd 10 m de altura, colmos
cor porcentagem relativamente alta de fibras e
baixo teor de sacarose, geralmente perenes em mar-
gens de rios .............. S. robustum, Jeswiet.
2. Plantas cultivadas:

2. Plantas cultivadas:
a) Infloresc6ncias incompletas, folhas mais ou
menos pubescentes ........... S. edule, Hask.
b) Infloresc6ncias normais, colmos corn porcenta-
gem de fibras relativamente baixa e alto teor de
sacarose .................. S. officinarum, L.







70 Cultura e Adubagao da Cana-de-Acicar


Al6m das diferengas botAnicas, as esp6cies de cana dis-
tinguem-se umas das.outras, por caracteristicas gerais, mor-
fol6gicas e culturais, apresentando ainda suscetibilidades
diferentes As mol6stias. Essas caracteristicas sao as seguintes:

Saccharum officinarum, L.

Geralmente conhecidas como "canas nobres" devido ao
seu alto teor de agdcar; sao as canas tropicais, isto 6, vege-
tam nos climas quentes e imidos compreendidos entire os
tr6picos. Possuem colmos grossos, geralmente cor mais de
3,5 cm, altura m6dia, macios, devido ao baixo teor de fibras,
apresentando cores vivas, verde, roxo, avermelhado; f6lhas
largas cor mais de 7,5 cm, comprimento medio, e abertas,
isto 6, corn grande angulo de nobreza. Sao muito suscetiveis
is moldstias, principalmente mosaico e sereh, sendo resisten-
tes ao carvio da cana e, algumas variedades, b gomose, a po-
driddo das raizes e a moldstia de Fidji. Sao exigentes em
solos e de maturaCgo tardia ou m6dia para tardia. Pertencem
a esta esp6cie as variedades antigas cultivadas em quase todo
o mundo at6 o aparecimento das variedades hibridas.

Saccharum sinnensis, Roxb.

Conhecidas como canas chinesas ou japon6sas. Possuem
colmos compridos (at6 5 m), finos (1,8 a 2,2 cm) e muito fi-
brosos, corn entrends fusiformes e longos e nos freqiiente-
mente avantajados e alongados. Colmos de cOr verde-bron-
zeado; folhas compridas e envolventes, de largura m6dia.
Sistema radicular vigoroso e bem desenvolvido, boa perfi-
lhaqco, o que as torna adaptadas a solos pobres e s6cos, pro-
duzindo alta tonelagem de cana. Podem atingir bom teor de
ag icar quando completamente maduras, em geral apresentam
regular riqueza em aciucar, sendo de maturagio precoce.
Produzem caldo de dificil clarificaego. Os colmos apresen-
tam alta porcentagem de fibra, o que as torna resistentes a
broca (Diatraea saccharalis, Fab), e grande resist6ncia as
doencas da raiz, sendo que algumas variedades sao resisten-
tes ao mosaico; sao imunes ao sereh e suscetiveis ao carvao
da cana. Pertence a esta esp6cie a cana-ubA, que foi larga-
mente cultivada especialmente na China e em Formosa.

Saccharum barberi, Jeswiet.

Conhecidas como canas indianas, por serem origindrias
da India. Distinguem-se fkcilmente das variedades nobres






Bot6nica, Melhoramento e Variedades 71


pela aparencia. Possuem colmos m6dios ou curtos, finos (2 a
3 cm) e fibrosos, cor entren6s cilindricos e longos, de c6r
verde-clara ou amarelo-clara; f6lhas estreitas, com menos de
5 cm, curtas e eretas. Apresentam regular riqueza em aciucar
e maturaco precoce. Sio mais risticas que as variedades
nobres (Saccharum officinarum) no que concern a solo,
clima e moldstias. A grande maioria 6 resistente ao sereh,
pordm suscetivel ao mosaico e ao carvio. Sao resistentes ao
frio, adaptando-se, portanto, aos climas temperados. A va-
riedade Chunnee, muito usada nos trabalhos de melhoramento
em Java, 6 uma representante tipica dessa esp6cie.



Saccharum spontaneum, L.

Pertencem a esta esp6cie as chamadas canas selvagens.
Possuem colmos curtos e muito finos cor 1,5 cm de diametro,
no maximo, e fibrosos; folhas estreitas, curtas, mais ou menos
rigidas e freqientemente com textura coriacea; sistema ra-
dicular muito desenvolvido e forte; produzem rebent6es
subterraneos fortes e compridos, perfilhando ainda abundan-
temente. Sao muito pobres em aciucar, ndo apresentando,
portanto, valor industrial. A principal caracteristica 6 a
grande rusticidade, vegetando bem nas mais adversas condi-
cges. Sao imunes a grande maioria das doengas infecciosas,
principalmente ao sereh e ao mosaico, por6m suscetiveis ao
carvao. Pertence a essa esp6cie a "Glagah", de Java, existin-
do ainda outra variedade, a Kassoer, por muito tempo consi-
derada como S. spontaneum, hoje admitida como hibrido de
Glagah (S. spontaneum) com Black Cheribon (S. officinarum).


Saccharum robustum, Jeswiet.

As variedades desta esp6cie se assemelham notavelmente
As canas nobres (S. officinarum). Pela altura dos colmos, pelo
comprimento, largura e conformaco das folhas, pelos caracte-
risticos botanicos da infloresc6ncia e pelo aspect geral, pa-
recem muito mais corn as variedades nobres que qualquer
outra esp6cie. Algumas variedades possuem colmos bem
grossos, cor at6 10 m de altura, bastante fibrosos, o que as
diferencia das variedades de S. officinarum; outras, entre-
tanto, apresentam colmos cor altura e diametro m6dios.
Possuem pouco caldo e sio muito pobres em agqcar. As va-
riedades gigantes, encontradas na Nova Guin6, sao de colmos
muito duros, corn casca bastante resistente. Sao suscetiveis






72 Cultura e Adubacgo da Cana-de-Ag6car


ao mosaico, nao se conhecendo seu comportamento em rela-
9go ao sereh e ao carvio. Sdo canas selvagens, em sua grande
maioria, vegetam normalmente nos tr6picos, mas se adaptam
a muitas condig6es ambientes.


2. MELHORAMENTO

Melhoramento da cana-de-agicar 6 a obtengdo de novas
variedades por via sexuada, isto 6, por meio de cruzamentos
entire espdcies do g6neros Saccharum ou entire variedades ji
melhoradas, que 6 o caso mais comum. A gendtica aplicada
ao melhoramento da cana-de-agiucar tem demonstrado que se
pode obter individuos corn a maior soma possivel de atribu-
tos desejaveis.

Acreditava-se, at6 meados do s6culo passado, que a cana
nao possuia sementes fdrteis.
A noticia comprovada mais antiga que se tem s6bre a fer-
tilidade das sementes de cana data de maio de 1858, ocasido
em que um administrator da "Higlands Plantation", em Bar-
bados, encontrou "seedlings" de cana em desenvolvimento no
campo; 6ste fato, posteriormente, foi divulgado por Parris,
que era o proprietario (17, 21).
Pouco tempo depois, em 1862, foram observados "see-
dlings" em Java, e tanto NOEL DEERR (21) como de
SORNAY (45) se referem ao fato de Lemerle haver consta-
tado a exist6ncia de "seedlings" em Reunido, em 1871.

Tais fatos, relacionados corn a fertilidade da semente da
cana, nao tiveram maior conseqii6ncia e acabaram esqueci-
dos. Em 1885, segundo BREMER (17), Soltweld, em Java,
comegou a trabalhar corn a semeadura da cana. Foi bem
sucedido em seus esforgos, conseguindo fazer cor que germi-
nassem sementes de "Glagah". No ano seguinte, estudando o
florescimento da cana e as condieges do p6len, verificou que
as infloresc6ncias de muitas variedades produzem flores
normais, concluindo pela possibilidade de cruzamentos. Em
1887, cruzou Glagh (S. spontaneum), com Loethers (S. offi-
cinarum). Foi, portanto, Soltweld o primeiro a demonstrar
que a cana poderia produzir sementes viaveis.

Independentemente de Soltweld, Harrison e Bovell (21)
obtiveram, em 1889, sementes de cana em Barbados. No
Brasil, de acordo com AGUIRRE Jr. (1), ap6s os trabalhos
de Amorim Salgado e Cavalcanti de Albuquerque, em Per-






Bot6nica, Melhoramento e Variedades 73


nambuco, T6rres Filho conseguia obter canas de sementes,
em Campos. Os trabalhos continuaram cor Pestana, que
procurou obter linhagens puras para utilizd-las em novos
cruzamentos. Em Pernambuco, Campos Goes, em Barreiros,
e Apolonio Salles, na Escola Superior de Agricultura Sao
Bento, tambdm criaram variedades.

Em Sao Paulo, os trabalhos de obtencgo de novas varie-
dades foram iniciados por Aguirre Jr., na antiga Estagdo
Experimental de Cana-de-agicar e Plantas Oleaginosas de
Piracicaba, em 1934. A Estacgo Experimental de Piracicaba,
logo ap6s, foi transferida para o Instituto Agron6mico e, com
a criagdo da Segto de Cana-de-agicar, em 1935, foram os tra-
balhos transferidos para o nOvo 6rgdo, ainda sob a orientaCgo
de Aguirre Jr.

A descoberta da possibilidade de efetuar cruzamentos
cor a cana-de-acdcar e os primeiros trabalhos de Soltweld,
foram de grande importancia, pois, ja naquela ocasido, o
sereh dizimava as plantag6es de Java, que eram constituidas
pela Black-Cheribon. Compreendeu-se, entio, que se poderia
cruzar esta variedade com canas resistentes. Os objetivos dos
trabalhos foram sintetizados por Wakker, em dois itens:
a) mais alta porcentagem de agdcar e b) maior resist6ncia
as moldstias (17).

Aldm dos cruzamentos interespecificos, ou seja, entire
esp6cies do g6nero Saccharum, tem sido tentados cruzamentos
intergendricos, isto 6, do genero Saccharum com outros g6ne-
ros. Assim 6 que Venkatraman cruzou a POJ 2 725 cor Sor-
ghum Durra, Stapf e, na F16rida, ja se tentou tamb6m o cru-
zamento da POJ 2 725 cor a variedade de sorgo (Texas Seeded
Ribbon e Early Orange), corn alguns resultados promisso-
res (17). No Brasil, tentanto o cruzamento intergen6rico,
MENEZES VEIGA (47) em Campos, no Estado do Rio, rea-
lizou, em 1946, cruzamento de variedade Co. 421 corn sorgo
mel e, ainda recentemente, procurou cruzar a mesma Co. 421
cor uma graminea denominada cana-ubA ou cana-flecha
(Gymerium sp.).
Os trabalhos atuais de melhoramento, em t6das as regi6es
do mundo, ainda seguem fundamentalmente os objetivos sin-
tetizados por Wakker em fins do sdculo passado, ou seja, mais
alta porcentagem de agdcar e maior resist6ncia as mol6stias.
Entretanto, cada regido ter seus problems particulares,
al6m d6sses, nos Estados Unidos, por exemplo, devido ao rigor
do inverno, ha necessidade de obter variedades de alta pre-
cocidade de maturagLo.






74 Cultura e Adubagao da Cana-de-Ac.car


A Segao de Cana-de-acgcar do Instituto Agronomico de
Campinas objetiva, com seu piano de trabalho de melhora-
mento, a criaQgo de variedades que, ao lado das caracteristicas
pr6prias para as condig6es subtropicais do Estado de Sao
Paulo, sejam resistentes ao mosaico e ao carvio da cana.
Cor essa finalidade, realize cruzamentos triplos entire S.
officinarum x S. spontaneum x S. barberi, procurando reunir
a riqueza e a resist6ncia ao carvao de S. officinarum, o vigor
e a resist6ncia ao mosaico de S. spontaneum e a capacidade
de perfilhagdo e a resistencia ao frio de S. barber (5). Uti-
liza, para isso, variedades que cont6m "sangue" das tr6s
esp6cies (3, 4, 6, 7, 19).

As vantagens de cada pais produzir suas variedades sao
indiscutiveis, citando-se, entire elas, duas de grande impor-
tancia: obter variedades ji adaptadas as condig6es do pais
ou regiao, e evitar a introducao de novas moldstias, que,
eventualmente, podem ser importadas juntamente cor as
variedades, apesar de t6das as precaug6es tomadas.

Como ja dissemos, todos os paises produtores de agicar,
produzem variedades. As mais conhecidas, entire n6s, sao as
POJ (Proefstation Oost Java), as CP (Canal Point E.U.A.),
as Co (Coimbatore, india), B (Barbados), N:Co (Natal, Sul
da Africa, cor sementes de Coimbatore), PR (Porto Rico)
etc; no Brasil, temos as CB (Campos, Estado do Rio), as
IANE (Instituto AgronOmico do Nordeste), antigamente
PB (Pernambuco) e as IAC (Instituto Agron6mico de Cam-
pinas). Como se verifica, as variedades de cana levam o nome
da estagdo experimental, instituigdo ou localidade onde foram
obtidas, seguido por um ndmero, que 6 o de ordem, por
exemplo Co. 419, ou dois numeros separados por uma barra,
CB 41/76, que indicam o ano em que foi feito o cruzamento,
ou seja 1941, e o ndmero de ordem.

Para a execugdo dos cruzamentos, sao indispensdveis o
estudo do florescimento e da sua 6poca, e a verificago da
fertilidade do p6len e da sua receptibilidade pelos 6rgaos
femininos.

Os cruzamentos podem ser, quanto ao modo de execucao,
livres e protegidos; os livres, como o nome indica, nao t6m
qualquer protegCo, juntando-se as infloresc6ncias masculinas
e femininas, enquanto que os protegidos sao efetuados prote-
gendo-se as infloresc6ncias com um dispositivo qualquer. No
Institute Agronomico de Campinas, a semelhanQa do que se
faz na Australia, as inflorescencias sao protegidas por "ca-







Botanica, Melhoramento e Variedades 75


sinhas", isto 6, uma armaCgo de madeira, corn aproximada-
mente 1 m x 1 m, revestida por tela de algodio. A finalidade
da protegbo 6 impedir a fecundacgo da plant feminine por
p6len de outra variedade que nao seja a que se deseja
cruzar (3, 6, 7).
Os trabalhos de melhoramento podem ser feitos por
autofecundaco (AF), polinizagco livre (PL) ou cruzamento
controlado (Var. A x Var. B). Na autofecundago, as flOres
femininas sao fecundadas pelas masculinas da mesma inflo-
rescencia; na polinizacao livre, 6 conhecida apenas a varie-
dade mae e, nos cruzamentos controlados, sao escolhidas,
previamente, as variedades que se deseja cruzar.
Os cruzamentos podem ainda ser efetuados isoladamente
ou em bacteria. O primeiro se faz em casinhas, isolando-se
um cruzamento do outro ou quando a variedade feminine
permanece na touceira, juntando-se-lhe a variedade masculi-
na. Em bacteria, quando se realize uma s6rie de cruzamentos
com as mesmas variedades seria um cruzamento contro-
lado sem protegco e 6 feito sempre em local isolado.
















Cruzamentos protegidos, a variedade feminine na touceira e a masculina
em solugAo. "Fazenda Velha", em Ubatuba.


Na execucio dos cruzamentos, as variedades sao geral-
mente mantidas em solucgo nutritiva, ou, ainda, s6 a masculi-
na, permanecendo a feminine na touceira. A solugao nutritiva
6 uma mistura de 0,02% de uma soluQho de gas sulfuroso cor
0,02% de acido fosf6rico.






76 Cultura e Adubacgo da Cana-de-Acgcar


Serie de cruzamentos protegidos, com as canas em soluqgo nutritiva.
Estag o Experimental de Ubatuba.


'4


Detalhe de um cruzamento protegido, mostrando a disposigao das
inflorescdncias em seu interior. EstagHo Experimental de Ubatuba.






Bot6nica, Melhoramento e Variedades 77


Para efetuar os cruzamentos, faz-se determinago de fer-
tilidade do p6len, segundo AGUIRRE Jr. (1), pelo mrtodo de
Java, ou seja, examina-se, ao microsc6pio, pequena quanti-
dade de anteras, cuidadosamente esmagadas com um basto-
nete de vidro em meio a uma solugdo de i6do, cuja composigdo
e a seguinte:

I6do ........................ 1 gram a
lodeto de potdssio ........... 1 grama
Agua distilada ............... 100 cm,


Esmagam-se as anteras para que libertem os grdos de
p6len; 6stes, quando ferteis, possuem em seu protoplasma,
amido, que, em contact cor a solugdo de iodo, adquire uma
c6r marrom-escura ou azul-violeta intense, segundo alguns
autores. Nos trabalhos do Instituto Agronomico as varieda-
des que possuem acima de 6% de p6len fdrtil podem, even-
tualmente, ser consideradas masculinas e cruzadas corn outras
que nao apresentam p6len f6rtil e que sao femininas. Em
nosso meio, raramente as variedades masculinas apresentam
mais de 30 a 40%/ de p6len f6rtil. Conforme o interdsse, varie-
dades cor pequena quantidade de p6len fertil (3 a 5 %) podem
ser utilizadas como femininas, em cruzamentos cor varie-
dades corn alta porcentagem de p6len fdrtil (acima de 20%).
No Estado de Sao Paulo, os cruzamentos, via de regra,
sao realizados no litoral, onde a elevada umidade atmosf6-
rica favorece a conservaCgo das infloresc6ncias em solucgo
nutritiva. No planalto, devido h baixa umidade atmosf6rica,
as infloresc6ncias secam muito depressa, havendo pouco tem-
po para o p6len efetuar a fecundacgo. A quantidade de se-
mentes viaveis obtidas 6, em conseqii6ncia, muito pequena (4).
Uma vez obtidas as sementes, sao elas semeadas em
caixas, como as que se utilizam para semeadura de eucalipto,
cheias cor uma mistura de terra corn est6rco de curral, pre-
viamente esterilizada, e cobertas cor uma fina camada de
areia. Para facilitar a germinagco das sementes, as caixas
sao colocadas em estufas, pois temperatures relativamente
baixas dificultam a germinagCo, atrasando-a.






78 Cultural e Adubacao da Cana-de-AgQcar


Caixa de semeadura mostrando um cruzamento com elevado
n6mero de "seedlings".


Quando as plantinhas obtidas, ou "seedlings", atingem
20-30 cm de altura, sEo transplantadas para laminados ou
canteiros, a pequenas distancias, 30 x 30 cm, dependendo do
nimero de "seedlings" obtidos. Dos laminados, ap6s curto
period de adaptagco, sHo levadas para o campo. Quando
transplantadas para canteiros, ai permanecem cerca de um
ano, sendo entio selecionadas pelo aspect. As melhores sao
multiplicadas ja em toletes para o campo. Outras selecges
sao feitas, considerando-se, al6m dos caracteres vegetativos,
tais como desenvolvimento, perfilhagdo, sanidade, vigor etc.,
tambdm a riqueza em agdcar, que 6 determinada pela andlise
do caldo, em laborat6rio (19).
Ap6s as seleg6es, os "seedlings" considerados promisso-
res sao colocados em experiencias, juntamente cor as va-
riedades predominantes na cultural, em duas regi6es dife-
rentes, Piracicaba e Ribeirdo Pr6to (32, 33, 34, 35, 36, 37, 38).
Os aprovados sao considerados como novas variedades e co-
locados entao em experiencia regionais, nas diferentes zonas
canavieiras do Estado (43). Ap6s essas experi6ncias 6 que
sao recomendados e distribuidos aos lavradores. Uma vez
considerados como variedades, sao entregues ao Instituto
Biol6gico para os testes de resist6ncia as moldstias mais
comuns existentes no Estado.
Os trabalhos sao demorados e de resultados incertos,
pois, embora seja fAcil a obtengdo de uma nova variedade, 6






Botanica, Melhoramento e Variedades 79


dificil conseguir uma que reina as condig~es necessarias para
substituir, cor vantagens, as que se encontram em cultivo.
Para se obter uma nova variedade e colocd-la a disposipco
dos lavradores, sao necessarios de oito a dez anos de trabalho.



3. VARIEDADES

1E indiscutivel a importancia da variedade na cultural da
cana-de-ag car. As variedades tem sido, em todo o mundo,
periddicamente substituidas. A principio, o motivo determi-
nante dessa substituicio foi a ocorr6ncia de molestias. Assim
aconteceu, em 1873, na Australia, quando, devido ao apareci-
mento de uma moldstia denominada "rust" (ferrugem), foi
necessirio substituir a "Bourbon", cultivada na ocasiio, pela
"Rose Banboo" (20). A necessidade de substituir a "Black
Cheribon", que vinha sendo dizimada pelo sereh em Java,
em fins do sdculo passado, foi o maior estimulo para a inten-
sificago dos trabalhos de obtengdo de novas variedades por
cruzamentos, logo ap6s a descoberta da viabilidade da semen-
te de cana (21). Em P6rto Rico, o mosaico foi, em 1913, a
causa da substituigSo das variedades entao cultivadas. Tam-
b6m no Estado de Sao Paulo, por volta de 1923, a indtistria
aqucareira entrou em colapso, com o aparecimento do mo-
saico que dizimou as variedades nobres entao cultivadas (50).
Foram elas substituidas pelas POJ: 36, 213, 226 etc. (10).
Atualmente, as variedades em cultivo nos diversos paises
tem sido substituidas cor maior freqiiencia, e, embora o apa-
recimento de uma moldstia na forma epid6mica ainda possa
ser a causa determinante, o principal motivo tern sido a queda
de producio ou "degeneresc6ncia" das variedades. Muito se
tern escrito sobre essa degeneresc6ncia, chegando mesmo a
ser admitida, ha alguns anos, como causa, a perda natural
do vigor hibrido. Entretanto, a teoria mais aceita, atualmente.
6 que sao outras as causes. Segundo KING, MUNGOMERY
e HUGHES (26), quatro seriam as principals: a) queda de
fertilidade do solo; b) criagdo de condig6es fisicas desfavo-
rdveis no solo; c) efeito cumulative de moldstias e pragas;
d) existencia de moldstias sem sintomas ou nao identificadas.
Mencionam ainda que, cor a multiplicapgo continuada por
toletes, as variedades sao incapazes de conservar a produCgo
original; nio conseguem manter-se em 6timas condic6es de
desenvolvimento, completamente livres de moldstias, e qual-
quer modificagao nas condig6es de cultural, seja por adubag6es
inadequadas, seja por alterag6es na estrutura do solo ou
infestagio de doencas, pode causar uma redugdo na producgo.






80 Cultural e Adubacao do Cana-de-Acucar


Acreditamos que, das causes mencionadas por King e
seus colaboradores, as duas lftimas t6m grande influencia na
queda de produQgo de uma variedade; quanto as duas pri-
meiras, nas condig6es do Estado de Sao Paulo, tem-se veri-
ficado que a cultural da cana mantdm ou melhora a fertilidade
do solo, enquanto que, ao invds de criagdo de condiCges fisicas
desfavoraveis, acreditamos mais em condic6es bioldgicas des-
favoraveis. It fato conhecido que o cultivo continuado da
mesma variedade no mesmo local provoca quebra de produ-
co, que pode ser sanada pela simples substituigco da varie-
dade; parece haver segregacgo de toxinas ou o aparecimento
de microrganismos prejudiciais a variedade antiga e que
nao t6m influ6ncia s6bre a nova variedade. Para S. C.
ARRUDA (9) o fator mais important da degeneresc6ncia das
variedades e representado pelas moldstias. Segundo 6ste
autor a media que a porcentagem de infecgco por uma mo-
l6stia transmissivel pelas mudas aumenta numa variedade,
ela tende a perder o vigor. Qualquer que seja a causa, 6
indiscutivel que a maioria das variedades perde o vigor ap6s
alguns anos de cultivo, podendo-se prever modificac6es peri6-
dicas no quadro das que se acham em cultivo.
Entre n6s, houve varias substituig~es de variedades pro-
vocadas por incid6ncia de moldstias, como o caso do aban-
dono das variedades "nobres" devido ao mosaico, no fim da
decada de 20. Mais tarde, por volta de 1946, a CP 29/320, que
nao chegou a atingir maior importancia, foi abandonada de-
vido a escaldadura das f6lhas (8). Pouco depois, em 1948-50,
a incid6ncia do carvao da cana ocasionou a erradicago da
POJ 36, ainda bastante cultivada na regido de Assis, no Estado
de Sao Paulo. A mesma mol6stia determinou a proibiQgo do
plantio das variedades Co. 331 e CP 34/120, que ocupavam re-
gular porcentagens da area cultivada no Estado (12). Por
outras causes se verificou a substituicio das POJ, no fim da
d6cada de 1930, pela Co. 290 (2). Esta variedade, que chegou
a ocupar 70-80% da area do Estado, apesar de sua suscetibili-
dade ao mosaico (11), tamb6m foi substituida em 1954-55,
por outras variedades, principalmente Co. 419 e CB 41/76.
Tamb6m estas ja v6m decaindo de producgo, o que. dentro
em pouco devera ocasionar sua substituicao.
Atualmente, muitas sao as variedades encontradas nas
lavouras do Estado de Sao Paulo, podendo-se citar Co 413,
Co. 421, CB 36/14, CB 36/24, CB 38/22, CB 40/19, CB 40/69,
CB 40/77 e CB 46/47, al6m da Co. 419, que ocupa c6rca de 40%
da area, CB 41/76, corn 25 a 30%, e CB 47/15, CB 41/14 e
CB 49/260, cor porcentagens bem menores.
Em Pernambuco, segundo BENTO DANTAS e colabora-
dores (20), nos iltimos vinte anos, tr6s foram as variedades






Botanica, Melhoramento e Variedades 81


de cana cultivadas: POJ 2878, Co. 290 e CP 27/139. Verificou-
se depois a degeneresc6ncia da POJ 2878 e a alta suscetibili-
dade da Co. 290 h podriddo vermelha do colmo, a partir de
1955. Foram elas substituidas pela Co. 331, conhecida como
Co 3 X, que vinha apresentando elevadas produg6es e passou
a ocupar, a partir da safra de 1958/59, a quase totalidade da
area plantada. Recentemente, ter aumentado, apreciavel-
mente, a porcentagem da CB 45/3, em detrimento da Co. 331.
Na Bahia, Fragoso de Almeida (*) cita como mais culti-
vadas, de 1950 a 60, as variedades Co. 290 e Co. 331. A partir
de 1960, a primeira foi abandonada e restringido o plantio da
Co. 331, passando a ser cultivadas: Co. 419, CB 40/13, CB
41/76, CB 36/24, CB 40/69, CB 45/3, CB 47/15 e algumas de
Barbados, sendo que as mais plantadas sao Co. 419, CB 40/13
e CB 45/3.
No Estado do Rio, as variedades mais cultivadas por
volta de 1955 eram Co. 421, Co. 419 e CB 38/22. Achavam-se
em expansdo CB 41/76, CB 45/3 e CB 45/6. Mais tarde, em
1959, por relat6rio de MENEZES VEIGA (46), depreendia-se
que tambdm eram bastante cultivadas Co. 331 e CB 45/3,
principalmente esta uiltima, al6m de CB 41/76, Co. 421 e Co.
419. Verificava-se, ainda, que a CB 47/15 vinha tomando vulto,
principalmente nos terrenos argilosos.
Como se observa, diversas sao as variedades cultivadas
nas diferentes regi6es. Apenas em Pernambuco se notava a
existencia de praticamenit uma unica variedade, a Co. 331.
Entretanto, isso causou, recentemente, grandes prejuizos a
induistria agucareira daquele Estado, cor acentuada queda
no rendimento das usinas, a qual atingiu, em alguns casos,
mais de 20 kg de agticar por tonelada de cana, segundo
Dantas e colaboradores. Estes autores recomendam, atual-
mente, al6m da Co. 331, as variedades CP 51/22, CB 45/3 e
CB 47/15 para moagem nos primeiros meses de safra.
Na cultural da cana-de-agcicar, faz-se necessario o plantio
de diversas variedades, e isto 6 ficilmente explicivel. A safra
acucareira no Brasil tern a duraco official de sete meses,
inicia-se em junho e terminal em dezembro, no sul e, no norte,
vai de setembro a margo, sendo que, nho raro, em Sao Paulo,
6ste period 6 ultrapassado. Uma safra assim longa implica
no cultivo de variedades que atingem o maior teor de ag~car
em 6pocas diferentes. Alias, 6 sabido que, em id6nticas con-
dig6es de solo, calor e umidade, as variedades se desenvolvem
e amadurecem em 6pocas diferentes, umas mais cedo e outras
mais tarde. Por outro lado, algumas variedades, uma vez
atingida a completa'maturagdo, comegam a se deteriorar,

(*) Jos6 Pontes Fragoso de Almeida, em informaqgo escrita. 1964.







82 Cultural e Adubac8o da Cana-de-Acucar


isto 6, tornam-se "passadas", enquanto outras permanecem
inalterAveis por um tempo mais ou menos long. Ha, portan-
to, necessidade de plantar variedades para serem cortadas
no principio, no meio e no fim da safra, ou, como se diz co-
mumente, variedades precoces, m6dias e tardias. Nas con-
diQ6es do Estado de Sio Paulo, pode-se considerar como
inicio de safra os meses de junho e julho, como meio, de
ag6sto a outubro, e, como fim, novembro e dezembro. O corte
das variedades nas dpocas apropriadas permit melhor aoro-
veitamento de suas caracteristicas quanto a riqueza em acfcar,
proporcionando melhor rendimento industrial. Entretanto,
para as condig6es do Estado de Sao Paulo, nao existem, atual-
mente, variedades realmente precoces (41). As que sao reco-
mendadas para corte no inicio da safra, apesar de, nessa
ocasido, possuirem maior riqueza em agicar que as outras,
se forem cortadas mais tarde apresentardo rendimento in-
dustrial bem melhor. Al6m da 6poca do corte, deve-se con-
siderar o aspect sanitdrio e o cultural propriamente dito.
As variedades apresentam diferentes resistencias as mol6stias,
e o plantio de apenas uma ou duas, comporta o risco de se
ter quase toda a lavoura destruida, na eventualidade do apa-
recimento de uma moldstia para a qual a variedade nao apre-
senta resistincia. Corn o cultivo de diversas variedades, as
conseqiiUncias de uma ocorr6ncia dessa natureza serdo bas-
tante atenuadas. Aldm disso, as variedades reagem de modo
diferente as condic6es de clima e solo, algumas sao exigentes
em solo, enquanto outras se desenvolvem bem em qualquer
tipo de solo. Como a cultural da cana ocupa areas bastante
extensas, sao utilizadas terras corn diferentes graus de ferti-
lidade, o que torna evidence que o plantio de apenas uma ou
duas variedades nio satisfaz a todas as condig6es existentes.
Portanto, na escolha das variedades a serem plantadas. deve
ser considerada, al6m das caracteristicas de riqueza e 6poca
de maturago, tamb6m a exigencia quanto ao solo. Para
determinar o nfimero de variedades a serem plantadas, deve
ser considerada a area da lavoura. Em areas extensas como
as das usinas, devem ser plantadas de seis a oito variedades,
enquanto que fornecedores que cultivam Areas bem menores
nao necessitam plantar mais do que tres ou quatro variedades.

3.1 Variedades recomendadas
Ja se mencionou que, no Estado de Sao Paulo, grande 6
o numero de variedades em cultivo; muitas delas, pordm.
nao apresentam caracteristicas realmente satisfat6rias e
tendem a desaparecer, algumas pela baixa riqueza em aoicar
enquanto outras nao produzem satisfatoriamente, como-de-
monstram trabalhos do Instituto Agron6mico de Campinas







Bot6nica Melhoramento e Variedades 83


(28, 29, 30, 31, 32). Entretanto, gracas aos estudos realizados
pelos 6rgaos de pesquisas, existe ainda um nimero relati-
vamente elevado de variedades corn diferentes caracteristicas
quanto a 6poca de maturagdo, riqueza em acicar, exig6ncia
em solos e resist6ncia as moldstias, que podem ser cultiva-
das (40, 41, 42, 43, 44). Baseados nesses estudos, recomen-
dam-se, atualmente, as seguintes:
Para serem cortadas no inicio da safra: CB 47/15 e
IAC 48/65;
Para o-meio da safra: Co. 419, CB 41/76, IAC 50/134,
CB 41/14, IAC 55/29 e IAC 49/131;
Para o fim da safra: CB 41/76, IAC 49/131, IAC 55/26
e CB 49/260.
As variedades CB 41/76 e IAC 49/131 sao incluidas em
dois grupos por serem de maturacgo mddia para tardia.
Das variedades recomendadas, sao exigentes em solos a
CB 47/15 e IAC 55/29, enquanto que as variedades IAC 49/131,
IAC 50/134 e IAC 55/26 adaptam-se bem aos solos mais
fracos (Quadros 1, 2 e 3). Por outro lado, as variedades Co.
419 e CB 41/76, suscetiveis ao raquitismo das soqueiras, pro-
duzem mais quando tratadas corn gua quente, para o corn-
bate a essa moldstia (*).
3.2 Descrigdo botdnica
Para a descriggo botanica das principals variedades
cultivadas no Estado de So Paulo, baseou-se no trabalho de
MENEZES VEIGA e SILVA PINTO (48), que, por sua vez, se
basearam em outros autores, principalmente Dutt e Rao.
Al6m da descricgo, acrescentaram-se a cada variedade suas
caracteristicas agricolas. A descrigdo da CB 41/76 6 a mesma
dada por aqu6les autores (49). A ficha de descricgo adotada
e a seguinte:
A) Variedade (Progenitores)
B) Aspecto geral:
1. COr do c6lmo (do roxo ao amarelo-claro)
2. Porte (ereto, decumbente ou median)
3. Grossura (grossa, mddia ou fina)
4. Largura das f6lhas (largas, m6dias ou finas)
5. Posigo e forma das f6lhas (abundante ou ndo,
eretas ou arqueadas, de pontas dobradas ou
retas)

(*) Arruda, S. C. Experi&ncias efetuadas pela Seaio de Fitopatologia
Aplicada do Instituto Biol6gico, para determinar o efeito do raquitismo das
soqueiras s6bre variedades de cana. 1961 (Informagco verbal).






84 Cultura e Adubacao da Cana-de-Ac

C) F61ha (a excec.o dos caracteres ja descritos no
aspecto geral").
Bainha:
1. COr
2. P6los (permanentes, caducos ou glabra)
3. Cerosidade (glauca ou nao cerosa)
4. Bordo (largo, mddio ou estreito; c6r)
5. Regiao auricular (tamanho, c6r e cerosidade)
6. Ligula formaa de fita, delt6ide, em forma cres-
cente, em forma de arco, angular ou horizontal)
7. Auriculas presentss ou ausentes; em um s6
lado ou em ambos os lados; dentdide, lanceo-
lada ou triangular).
D) C61mo (a excecio dos caracteres ja descritos no
aspect geral)
1. Forma (cilindrico, tumescente, carretel, c6nico,
conico invertido ou curvo)
2. Rachaduras (longas ou curtas, profundas ou
rasas)
3. Riscos longitudinais (curtos ou longos)
4. Marcas do tempo
5. Depressdo da gema longaa ou curta, profunda
ou rasa)
6. Anel de crescimento (estreito, mddio ou largo;
piano, reentrante ou saliente)
7. Regiao radicular (larga, media ou estreita;
plana, reentrante ou saliente; c6r, se igual ou
diferente do entrend)
8. Regiao cerosa (saliente, deprimida ou plana)
9. N6 (saliente, reentrante ou piano)
10. Cicatriz foliar (proeminente ou nio, horizontal
ou inclinada, corn ou sem libio)
E) Gema:
1. Tamanho e aspect (grande, pequena ou m6dia;
saliente, achatada ou median)
2. Forma (triangular, oval, circular, pentagonal,
rombdide, redonda, oval-alongada, retangular
ou imbricada)
3. Almofada presente ou ausente)
4. Asas
5. Ponto germinal (apical, subapical ou dorsal)
CB 41/76 (POJ 2878 PL)
Aspecto geral: c6lmo roxo-esverdeado, porte median,
grossura media, largura das f61has media, folhas abundantes
e arqueadas.








QUADRO 1 ProdugBes m6dias de cana em t/ha, obtidas em terras de boa produtividade (m6dia de tres cortes), em expe-
riencias realizadas pela Segao de Cana-de-ardcar do Instituto Agron6mico de Campinas (1960-1963)



Usina Usinas Fazenda Usina % em relago a:
VARIEDADES Santa Lydia Junqueiras Esoaistica asa M6diaa
Terra roxa Terra roxaMd
Terra roxa mourfo CB 41/76 Co. 419


t/ha t/ha t/ha t/ha t/ha
+ 6,9
CB 49/260 ............ 109,9 113,7 139,5 121,0 +22,1
+ 13,1
JAC 55/26 ............ 109,2 101,0 127,5 164,9 125,6 + 15,0
+ 4,2
IAC 55/29 ............ -- 102,6 123,6 140,8 122,3 + 10,3
+ 4,4
IAC 50/134 ........... 118,7 109,5 122,6 129,0 119,9 + 9,8
2,0
IAC 49/131 ........... 120,8 128,2 109,7 117,6 119,1 + 9,1

Co. 419 .............. 101,3 121,9 132,0 118,4

CB 41/76 ............. 104,2 85,0 139,5 108,1 109,2
3,0
IAC 48/65 ............ 111,1 83,9 119,1 114,1 107,0 2,0
12,1
CB 47/15 ............. 96,4 102,9 113,9 102,0 103,8 4,9


idas das variedades Co. 419 e CB 41/76, utilizadas na experi&ncia da Fazenda Sant
provenientes de canas "tratadas", o que elevou a m6dia destas variedades no conjunto.


Obs--rvaggo: As m~


a Escoldstica, eram












QUADRO 2 Produg6es m6dias de cana em t/ha, obtidas em terras de m6dia produtividade (media de tr&s cortes), em expe-
ri&ncias realiazdas pela Segao de Cana-de-aidcar do Instituto Agron6mico de Campinas (1960-1963)


S Usina Usina Ester Usina % em relacio a:
sina SAo Mar- Usina Monte Alegre
VARIEDADES Santa Elisa to Tamoio M _dia
tinho Tal Media
Glacial Glacial Roxa CB 41/76 Co. 419
Roxa Roxa Roxa (rox.-mst.) (si.-arg.) misturada
misturada migturada

t/ha t/ha t/ha t/ha t/ha t/ha t/ha t/ha


IAC 50/134 .. 112,5 90,9 106,8 87,4 98,3 87,9 102,1 98,0 + 19,4 + 15,3

IAC 49/131 129,0 97,7 86,8 88,9 86,2 74,6 87,8 93,0 + 13,3 + 9,4

IAC 55/26 ... 89,5 95,4 93,4 102,1 88,4 85,1 93,3 92,5 + 12,7 8,8

TAC 55/29 ... 92,6 84,9 89,2 92,3 83,8 83,8 87,8 + 9,6 + 8,0

IAC 48/65 ... 95,1 73,3 89,8 87,7 91,6 84.3 90,4 87,5 + 6,6 + 2,9

CB 49/260 ... 88,9 83,2 65,5 90,8 101,5 86,1 92,6 86,9 + 5,8 + 2,2

Co. 419 ...... 106,9 102,2 51,0 91,8 90,9 63,4 88,8 85,0 -

CB 41/76 .... 94,1 91,6 77,1 84,7 93,1 64,8 69,1 82,1 -

CB 47/15 .... 93,1 76,2 63,2 70,7 83,7 65,5 72,0 74,9 8,7 11,9

Observacao: A baixa produg5o da Co. 419 na Usina Tam6io 6 conseqiiencia de seu mau estado sanitdrio.









QUADRO 3 Produg6es m6dias de cana em t/ha, obtidas em terras de baixa produtividade (m6dia de tres cortes), em expe-
ri8ncias realizadas pela Seaio de Cana-de-ag car do Instituto Agron6mico de Campinas (1960-1963).


Usina Usina Usina Usina % em relagio a:
Santa Elisa Usina Tamoio Pbrto Feliz Itaiquara
Variedades Slo Martinho Mdia
Roxa Cerrado Roxa Glacial Massap&-
misturada misturada (roxa mist.) salmourdo CB 41/76 Co. 419


t/ha t/ha t/ha t/ha t/ha t/ha I.
~I 0
IAC 49/131 ...... 104,0 88,6 72,8 75,8 67,5 81,7 +28,7 -- 21,6 n

IAC 50/134 ...... 92,1 85,0 87,8 91,2 52,3 81,7 +28,7 + 15,9

IAC 55/26 ....... 72,3 68,6 84,2 75,5 96,4 79,4 + 25,0 + 17,5 -
0
CB 49/260 ...... 71,5 73,1 59,1 76,8 60,5 68,2 + 7,4 3,5

Co. 419 ......... 84,5 79,0 44,1 66,2 68,4 -

CB 41/76 ........ 72,5 83,4 67,6 53,5 40,6 63,5 o
ro
CB 48/65 ........ 70,7 60,8 62,1 65,1 65,7 64,9 + 2,2 5,3

IAC 55/29 ....... -68,5 65,6 64,8 42,7 60,4 1,4 11,9

CB 47/15 ....... 61,3 65,9 61,3 67,7 48,0 60,8 4,3 13,6 o
C(
Obseva~io:A baxa rod~o d Co 41 na sin Taolo~ coseq~nca deseumat estdo anhrio


Observagio: A baixa producio da


Co. 419 na Usina Tamoio 6 conseqUincia de seu mau estado sanitfrio.






88 Cultura e Adubagdo da Cana-de-Ac6car


F6lha-bainha: c6r arroxeada; poucos pilos, caducos;
pouco cerosa; bordo largo, cor palha; regido auricular
pequena, cerosa, cor castanha; ligula horizontal; auriculas
presents em ambos os lados, lanceolada de um lado e den-
t6ide de outro.
C6lmo: cilindrico, ligeiramente tumescente; rachadu-
ras ausentes; riscos longitudinais ausentes; marcas do tempo
ausentes; depressed da gema ausente; anel de crescimento
estreito e piano; regiao radicular estreita, plana, mais clara
que o entren6; regido cerosa ligeiramente reentrante; n6
ligeiramente reentrante; cicatriz foliar plana, ligeiramente
inclinada, sem lbio.
Gema: media, achatada, oval-alongada; almofada pre-
sente, asas largas; ponto germinal apical.
Caracteristicas agricolas: ndo 6 exigente em solos; ri-
queza em aQicar regular; maturagdo m6dia para tardia; boa
despalha. Suscetivel ao raquitismo, resistente ao mosaico, a
escaldadura e ao carvao.


Confronto da Co. 419 (28 canas) A esquerda, com IAC 48/65 (31 canas).
Usina Itaquer&.






Bot6nica, Melhoramento e Variedades 89


Co. 419 (POJ 2878 x Co. 290)

Aspecto geral: colmo roxo-esverdeado, porte median,
grosso; largura das f6lhas media, folhas abundantes e
arqueadas.

F6lha-bainha: c6r arroxeada; p6los permanentes; pou-
co cerosa; bordo largo, cOr de palha; regido auricular
pequena, cerosa, cOr castanha; ligula horizontal; auricula
present em um s6 lado, lanceolada.

COlmo: forma tumescente; rachaduras ausentes; riscos
longitudinais ausentes; marcas do tempo ausentes; depressio
da gema ausente; anel de crescimento estreito e piano; regiio
radicular larga, plana, mais clara que o entren6; regiao cero-
sa ligeiramente reentrante; n6 reentrante; cicatriz foliar
proeminente, horizontal, sem lbio.

Gema: m6dia, saliente; oval, almofada present, asas
estreitas; ponto germinal apical.

Caracteristicas agricolas: 6 algo exigente em solos; alta
riqueza em agicar, maturago media, boa despalha. Susce-
tivel ao raquitismo e ao mosaico; resistente a escaldadura e
ao carvao.


IAC 48/65 (CP 27/108 PL)

Aspecto geral: c61mo verde, levemente arroxeado, porte
median, grosura media, largura das f6lhas media, f6lhas
abundantes e eretas.
Folha-bainha: cor verde levemente arroxeada, p6los au-
sentes, glauca; bordo estreito, c6r de palha, regiao auricular
pequena, c6r castanha, cerosa; ligula em forma de fita;
auriculas ausentes.
C6lmo: cilindrico, rachaduras ausentes, riscos longitu-
dinais ausentes, marcas do tempo ausentes; depressao da
gema ausente; anel de crescimento estreito e saliente; region
radicular estreita e plana, da mesma c6r que o entren6;
regiao cerosa plana; n6 piano; cicatriz foliar plana, ligeira-
mente inclinada, sem lIbio.






90 Cultural e Adubacao da Cana-de-Ac6car


Touceira de IAC 48/65 com boa perfilhagLo (21 canas). Usina
ItaquerE.


Gema: grande e saliente; cval; almofada ausente; asas
estreitas; ponto germinal subapical.
Caracteristicas agricolas: nio 6 exigente em solo, alta
riqueza em acicar, maturaco precoce; despalha dificil. Re-
sistente ao raquitismo, ao mosaico, a escaldadura e ao carvio.

IAC 49/131 (CP 27/108 PL)

Aspecto geral: colmo verde-claro, porte ereto, grossura
mddia; largura das folhas, mddia; f6lhas abundantes, eretas,
com as pontas dobradas.
F6lha-bainha: cOr verde-clara; pdlos abundantes e per-
manentes; glauca; bordo largo de cor castanha, regido au-
ricular larga, de c6r castanho-clara, cerosa; ligula em forma
de fita; auricula present em um s6 lado, lanceolada.






Bot6nica, Melhoramento e Variedades 91


A IAC 49/131 6 bastante ereta prestando-se, perfeitamente, ao
corte mecAnico. Usina Itaquer6.

C61mo: forma cilindrica, rachaduras ausentes, riscos
longitudinais ausentes, marcas do tempo ausentes; depressao
da gema ausente; anel de crescimento estreito e saliente;
regiao radicular larga e plana; regido cerosa ligeiramente sa-
liente; n6 saliente; cicatriz foliar proeminente, sem lbio.
Gema: m6dia e median; oval; almofada ausente; asas
largas, ponto germinal dorsal.
Caracteristicas agricolas: ndo 6 exigente, adapta-se bem
a solos fracos, riqueza em agdcar regular; maturagdo media






92 Cultural e Adubagdo da Cana-de-Ag6car


para tardia; palha agarrada; resistente ao raquitismo, ao
mosaico, a escaldadura e ao carvao.

IAC 50/134 (Co 419 x Co 285)

Aspecto geral: c6lmo de c6r verde levemente arroxea-
da, porte ereto, grossura mddia; largura das f6lhas, mddia;
f6lhas abundantes, eretas, cor pontas arqueadas.
F6lha-bainha: c6r verde-clara corn laivos avermelhados,
glabra, pouco cerosa; bordo largo, c6r de palha; regido au-
ricular larga, c8r castanho-clara, cerosa; ligula horizontal;
auricula present em um s6 lado, dent6ide.


i

6tk


:;'

A IAC 50/134 possui 6tima perfilhagfo e porte ereto. Esta
touceira apresenta 29 canas. Usina Itaquere.






Bot6nica Melhoramento e Variedades 93


C6omo: forma cilindrica, rachaduras ausentes, riscos
longitudinais ausentes, marcas do tempo ausentes; anel de
crescimento estreito e piano; regiao radicular larga, plana,
da mesma c6r que o entren6; regiio cerosa plana; n6 piano;
cicatriz foliar plana, horizontal, sem libio.
Gema: pequena, achatada, oval; almofada ausente; asas
ausentes; ponto germinal subapical.
Caracteristicas agricolas: nio 6 exigente, produz bem
mesmo em solos fracos, boa riqueza em adicar, maturago
media, despalha regular. Resistente ao raquitismo, ao mosai-
co, a escaldadura e ao carvao.


IAC 55/26 (Co. 290 x POJ 2878)

Aspecto geral: c6lmo de cor verde-amarelada, porte
semidecumbente, grossura media; largura das f6lhas medias;
f6lhas abundantes e eretas, corn pontas dobradas.
F6lha-bainha: c6r verde-clara; poucos pelos, caducos,
pouco cerosa; bordo largo, cor de palha; regiao auricular
larga, clara, cerosa; ligula delt6ide; auriculas ausentes.
COlmo: forma cilindrica, rachaduras ausentes, riscos
longitudinais ausentes, marcas do tempo ausentes; depres-
sao da gema ausente; anel de crescimento estreito, plano;
regiao radicular larga, plana, pouco mais clara que o entren6;
regiao cerosa plana, n6 piano; cicatriz. foliar plana, ligeira-
mente inclinada, sem labio.
Gema: pequena, achatada, retangular; almofada ausen-
te; asas estreitas; ponto germinal apical.
Caracteristicas agricolas: nio 6 exigente em solos, pro-
duz bem mesmo nos mais fracos; riqueza em agicar regular;
maturago tardia; despalha regular. Suscetivel ao raquitis-
mo, resistente ao mosaico, a escaldadura e ao carvao.

IAC 55/29 (Co. 290 x POJ 2878)

Aspecto geral: c61mo verde-claro, recoberto por uma
camada espessa de c6ra, porte median, grossura media; lar-
gura das f6lhas medias, folhas abundantes, ereta, com as
pontas arqueadas.
F6lha-bainha: cor verde-clara, pelos caducos, nao ce-
rosa; bordo estreito, c6r de palha, corn uma faixa estreita






94 Cultura e Adubacao da Cana-de-Ac6car


avermelhada; regiao auricular larga, cOr de palha, cerosa;
ligula horizontal; auricula present em um s6 lado, lanceolada.
C61mo: forma cilindrica, rachaduras ausentes, riscos
longitudinais ausentes, marcas do tempo ausentes; depressao
da gema curta e rasa; anel de crescimento estreito e piano;
regiao radicular estreita e plana da mesma cor do entren6;
regiao cerosa deprimida; n6 piano; cicatriz foliar plana, hori-
zontal, sem lIbio.
Gema: grande, achatada, triangular; almofada ausente,
asas estreitas; ponto germinal apical.
Caracteristicas agricolas: exigente em solos, alta rique-
za em agicar, maturagdo media, boa despalha. Resistente ao
raquitismo e ao mosaico; pouco suscetivel a escaldadura e
ao carvao.


CB 41/14 (POJ 2878 PL)

Aspecto qeral: c6lmo verde-arroxeado, porte median,
grossura media, largura das f6lhas media, f6lhas abundantes
e arqueadas.
F6lha-bainha: c6r arroxeada, poucos p6los, caducos,
pouco cerosa; bordo largo, cor de palha; regido auricular pe-
quena, cerosa, c6r de castanha; ligula horizontal; auriculas
presents em ambos os lados, lanceolada de um lado e den-
t6ide de outro.
C6lmo: cilindrico, ligeiramente tumescente; rachadu-
ras ausentes; riscos longitudinais ausentes; marcas do tempo
ausentes; depressao da gema ausente; anel de crescimento
estreito e plano; regiao radicular estreita, plana, mais clara
que o entren6; regiao cerosa ligeiramente reentrante; n6
ligeiramente reentrante; cicatriz foliar plana, ligeiramente
inclinada, sem lIbio.
Gema: m6dia, achatada, oval-alongada; almofada pre-
sente, asas largas; ponto germinal apical.
Caracteristicas agricolas: ndo e exigente em solos, produz
bem em solos fracos; riqueza em aglicar regular; maturagdo
media; boa despalha. Resistente ao raquitismo, ao mosaico,
a escaldadura e ao carvao.
Como se verifica pela descrigCo, a CB 41/14 6 bastante
semelhante G CB 41/76, diferenciando-se, ao que parece, ape-
has em algumas caracteristicas agricolas.







Bot6nica, Melhoramento e Variedades 95


CB 47/15 (POJ 2947 x Co. 331)

Aspecto geral: c61mo verde-acinzentado, ceroso, norte
median. grossura media; largura das f6lhas media. fl6has
abundantes, eretas, de pontas dobradas, de c6r verde mais
clara que o comum.

F6lha-bainha: cOr verde-clara, pelos caducos, ndo cero-
sa; bordo m6dio, c6r de palha; regiao auricular larga, cor de
castanha, cerosa; ligula horizontal; auriculas presents em
ambos os lados, pequena e dent6ide de um lado e lanceolada
de outro.

C6lmo: forma cilindrica, rachaduras ausentes, riscos
longitudinais ausentes, marcas do tempo ausentes; depressao
da gema rasa, longa e larga; anel de crescimento estreito e
plano; regiao radicular larga, plana, pouco mais clara que o
entren6; regiao cerosa levemente deprimida; n6 plano; cica-
triz foliar plana, horizontal, sem libio.

Gema: tamanho medio e achatada; pentagonal; almo-
fada present; asas m6dias; ponto germinal subapical.

Caracteristicas agricolas: exigente em solos; boa rique-
za; maturagdo precoce; boa despalha; resistente ao raqui-
tismo, ao mosaico, a escaldadura e ao carvio.

CB 49/260 (CB 44/260 PL)

Aspecto geral: cl6mo verde-claro, ceroso, porte media-
no, grossura media; largura das fl6has media, fl6has abun-
dantes, eretas, com pontas recurvadas.

F6lha-bainha: cor verde-arroxeada, poucos pelos cadu-
cos, glauca; bordo estreito, c6r de palha; regiao auricular
larga, cor castanho-clara, pouco cerosa; ligula horizontal;
auriculas presents de ambos os lados, bem desenvolvidas,
dent6ide de um lado, lanceolada de outro.

C6lmo: forma c8nica; rachaduras ausentes; riscos
longitudinais ausentes; marcas do tempo ausentes; depressio
da gema ausente; anel de crescimento estreito e saliente;
regiao radicular media, ligeiramente reentrante, pouco mais
clara que o entren6; regiao cerosa plana; n6 plano; cicatriz
foliar plana horizontal, sem labio.







96 Cultura e Adubacao da Cana-de-Ag(car


Gema: tamanho m6dio, median, romb6ide; almofada
pequena; asas estreitas; ponto germinal subapical.
Caracteristicas agricolas: nao 6 exigente em solos; ri-
queza em agilcar regular pouco inferior a da CB 41/76; ma-
turago tardia; boa despalha; resistente ao raquitismo, ao
mosaico, a escaldadura e ao carvio.





BIBLIOGRAFIA


1. AGUIRRE, J. M. (Jinior). Criacgo de novas variedades de cana no
Estado de Sao Paulo. Campinas, Instituto Agron6mico, 1936. 64 p.
(Boletim T6cnico 34).
2. Variedades. In Relat6rio da Seq~o de Cana-de-aiGcar do
Institute Agronomico, Campinas, ano de 1940. (Nao publicado).
3. ALVAREZ, R. & SEGALLA, A. L. Cruzamentos rea-
lizados em 1950-1951-1952 e 1953, pela Segao de Cana-de-agcar do
Institute Agron8mico, Campinas. (Nio publicado).
4. &- CORTE-BRILHO, CYRO. Melhoramento. In Relat6-
rios da Secgo de Cana-de-ag car do Instituto Agronomico. Campinas,
anos de 1947 e 1948. (Nao publicado).
5. SEGALLA, A. L. & ALVAREZ, R. Melhoramento da
cana. Trabalho apresentado h II Reunigo Latino-Americana de Fitoge-
neticistas e Fitoparasitologistas. Sao Paulo-Piracicaba-Campinas, 1952.
6. ALVAREZ, R. & SEGALLA, A. L. Cruzamentos realizados em 1954 e
1955 pela Segao de Cana-de-acicar do Instituto Agron6mico, Campinas.
(Nao publicado).
7. & Melhoramento. In Relat6rio da Segao
de Cana-de-agdcar do Instituto Agron6mico, Campinas, ano de 1958.
(N5o publicado).
8. ARRUDA, S. C. A "escaldadura das f6lhas", doenga da cana-de-agfcar
nova no Brasil. Arq. Inst. Biol., Sao Paulo, 15:141-196. 1944.
9. As doengas da cana-de-agdcar no Estado de Sao Paulo,
I. Biol6gico, 11:309-315. 1945.
10. As doengas da cana-de-agfcar no Estado de Sao Paulo.
II. Mosaico. Biol6gico, 12:21-27. 1946.
11. & ARRUDA, H. C. Comportamento e produg~o da muda
sa da variedade Co 290, no Estado de Sao Paulo. Arq. Inst. Biol., Sio
Paulo, 19:175-201. 1949.
12. & TOFFANO, W. B. O carvao da cana no Estado de
Sao Paulo. Biol6gico, 17:155-165. 1951.
13. ARTSCHWAGER, E. Anatomy of the vegetative organs of sugarcane.
J. Agric. Res., 30:197-221. 1925.
14. &- BRANDES, E W. Sugarcane (Saccharum officinarum
L.). Washington, Department of Agriculture, 1958. Agriculture Handbook
122. 307 p.







Bot6nica. Melhoramento e Variedades 97


15. BARBER, C. A. Studies in Indian sugar-cane: 2, Sugar-cane seedlings,
including some correlations between morphological characters and sucrose
in the juice. Mem. Dept. Agric., India, Bot. Serv., 8: 103-199. 1916.
16. BRANDES, E. W. & SARTORIS, G. B. Sugarcane; its origin and im-
provement. United States Department of Agriculture, Yearbook, 1937.
p. 561-623.
17. BREMER, G. A cytological investigation of some species and species
hybrids within the genns Saccharum. Genetica, 5:97-148. 1923.
18. CARRERAS, JOSL. Notas sobre la botanica de la cafia de azicar. Peru,
Estacio Experimental Agricola de la Molina, 1937. Boletim 10.
19. CORTE-BRILHO, CYRO. Criacgo de variedades. In Relat6rio da Seqao
de Cana-de-a6icar, Instituto Agron6mico, Campinas, ano de 1949. (Nio
publicado).
20. DANTAS, BENTO, MELO, MARIO MARREIRA DE, BRAGA, EVE-
RALDO R. et al. Novas variedades de cana para plantio na virzea
e inicio de moage. Estagio Experimental dos produtores de acicar de
Pernambuco, 1964. lip. (Circular 2).
21. DEERR, NOEL. Cane-sugar. Second Edition. London, Norman Rodger,
1921. 644p.
22. DILLEWIJN, C. VAN. Botany of Sugarcane. Walthan, Mass., Chronica
Botanica, 1952. 371p.
23. EARLE, F. S. Sugar-cane and its culture. New York, John Wiley &
Sons, 1928. 355p.
24. INFORZATO, R. & ALVAREZ, R. Distribuig5o do sistema radicular
da cana-de-ag car, var. Co 290, em solo tipo terra-roxa-legitima. Bra-
gantia, 16:111-13. 1957.
25. JESWIET, J. Proceedings of the third Congress of the International
Society of Sugar Cane Technologists, Soerabaia, 1929. p.44-57.
26. KING, NORMAN J., MUNGOMERY, R. W. & HUGHES, C. G. Ma-
nual of cane-growing. Sydney, Angus and Robertson, 1953. 349p.
27. LEE, H. A. The distribution of the roots of the sugar-cane in the soil
in the Hawaiian Islands. Plant Physiol., 1:363-378. 1926.
28. SEGALLA, A. L. Variedades de cana-de-ag~car: III. S6rie de ensaios
realizados no period de 1955 a 1958. Bragantia, 20:13231-356. 1961
29. Variedades de cana-de-auicar: IV: Ensaios realizados
no period de 1957 a 1959. Bragantia, 22:191[-115. 1963.
30. & ALVAREZ, R. Ensaios de variedades de cana-de-ag6car:
I. S6rie de ensaios realizados no period de 1951 a 1954. Bragantia,
15:13731-392. 1956.
31. -& Comportamento de variedades de cana-
-de-asgcar no arenito de Baurd. Bragantia, 16:1351-43. 1957.
32. & Variedades de cana-de-a~6car: II. S6rie
de ensaios realizados no period de 1953 a 1956. Bragantia, 17:1451-79.
1958.
33. & Melhoramento da cana-de-agicar: I. Ex-
periencias com "seedlings" obtidos em 1947, 1948 e 1949. Bragantia,
23:11881-223. 1964.
34. & Melhoramento da cana-de-agdcar: Ex-
periEncias cor os "seedlings" obtidos em 1950. (Em prepare para
publicagco).








98 Cultural e Adubacao da Cana-de-Acucar

35. & Melhoramento da
peri&ncias com os "seedlings" obtidos em 1951.
publicag5o).
36. & .Melhoramento da
periencias com os "seedlings" obtidos em 1952.
publicaIo).
37. & .Melhoramento da
periencias com os "seedlings" obtidos em 1953.
publica~o).
38. & Melhoramento da
periencias cor os "seedlings" obtidos em 1954.
publicaggo).
39. & .Melhoramento da
peri&ncias com os "seedlings" obtidos em 1955.
publicago).


cana-de-agicar: Ex-
(Em prepare para

cana-de-ag car: Ex-
(Em prepare para

cana-de-a6fcar: Ex-
(Em preparo para

cana-de-agicar: Ex-
(Em prepare para

cana-de-agicar: Ex-
(Em prepare para


40. & OLIVEIRA, H. Variedades de cana-de-agicar: V. S6rie
de ensaios realizados no period de 1957 a 1960. Bragantia, 22:15831-612.
1963.
41. & OMETTO, J. C. Variedades de cana-
-de-ag~car: VI. Epoca de corte para as principals variedades cultivadas
no Estado de Sao Paulo, 1959 a 1961. (Em prepare para publicagIo).
42. & Variedades de cana-de-
-agicar: VII. Estudo da maturacgo das principals variedades cultivadas
no Estado de Sao Paulo, 1959 a 1961. (Em prepare para publicagio).
43. & Variedades de cana-de-
-agicar: VIII. S6rie de ensaios realizados no period de 1959 a 1962.
(Em prepare para publicagdo).
44. & Variedades de cana-de-
-aricar: IX. S6rie de ensaios realizados no period de 1960 a 1963.
(Em estudo para publicag5o).
45. SORNAY, P. DE. La cane a sucre a L'Ile Maurice. Paris, Augustin
Challamel, 1920. 675p.
46. VEIGA, F. M. Relat6rio da Estag~o Experimental de Campos do ano
de 1958. Rio de Janeiro, 1959.
47. Intergeneric cross with sugar-cane. In Proceedings of
the tenth Congress of the International Society of Sugar Cane Techno-
logists, Hawaii, 1959.
48. & PINTO, RUI DA SILVA. Chave de identificaaio das
variedades CB. Brasil Agucareiro, 55:15-21. 1960.
49. & Principals variedades CB. Brasil Acu-
careiro, 60:223-229. 1962.
50. VIZIOLI, JOSi. A indistria agucareira no Estado de Sao Paulo e stia
situagdo atual. Sao Paulo, Secretaria da Agricultura, Com6rcio e Obras
Piblicas do Estado, 1927. 62p.
















IV SOLOS PARA CANA-DE-AQfUCAR


G. RANZANI
E.S.A. "Luiz de Queiroz" Cad. Agriculture
Geral Piracicaba


1 INTRODUCAO

Considerando as caracteristicas do vegetal podemos eleger
as que deveriam ser apresentadas por um solo tebricamente
ideal, para suportar cor garantia, a presenga dos atributos de
eficiente manejo da lavoura. 0 quadro de variAveis a ser com-
pulsadas se resume nas observag6es que dizem respeito ao
acesso, armazenamento e entrega de ar, agua e nutrients e
de condig6es da forma do solo, oferecidas aos tratos de
superficie.
Nestas condicges, podemos perfeitamente former um
modulo mental de solo para cana-de-agicar, antes de entregar
a 6sse sistema bidtico as necessirias acomodag6es, na grande
variedade de condig6es e circunstancias pertinentes ao am-
biente de fixago dcsse vegetal, impostas pela m~o do home.
2 perfeitamente sabido que a cobertura de terras cor a
cana-de-agicar decorre da presenga de circunstancias como
que, alheias, as possibilidades oferecidas pelo solo a essa
cultural. Na presenga de usinas, essa lavoura se extended a va-
riaveis distAncias, normalmente ditadas pela feigdo economic
da exploragio de terras.


2 NATUREZA E FUN(OES DE UM SOLO

Uma definicgo do solo pode ser dada de muitas maneiras,
dependendo da fungdo que o nosso interesse pode a 6le
atribuir.
0 ge6logo o consider a parte superficial do globo ter-
restre, um produto da alterago de rochas. 0 agronomo o dis-
tingue pelas miltiplas fung6es de agazalho as manifestag6es
da vida terrestre e em particular como ambiente natural de
crescimento e desenvolvimento das plants.




University of Florida Home Page
© 2004 - 2010 University of Florida George A. Smathers Libraries.
All rights reserved.

Acceptable Use, Copyright, and Disclaimer Statement
Last updated October 10, 2010 - - mvs