• TABLE OF CONTENTS
HIDE
 Front Cover
 Title Page
 Introduction
 O'Processo que se instrue
 Tropa d'Africa
 Table of Contents
 Nossa Senhora dos Novegantes
 A Nau Catrineta
 "Miss" Flora
 "Bayéte! Bayéte!"
 Palma - Tungue (Niassa)
 "Port-Tarascon"
 Hadji-Ben-Hadji Simba
 "Grande Hotel Cruzeiro do Sul"
 Fátima M'namuka
 Passo de Parada
 O Sol de Austerlitz... e do...
 Razões de Estado
 Rovuma-Water
 A Marcha da Ósga
 Newala ou o Palácio da Ventura
 Vae Victis!
 A Derrocada
 "Talassa! Talassa!..."
 Quartel General em Ambrantes
 Delicias da Cápua
 "Simba, Quizumba, Limitada"
 Novos Horizontes
 As Madrinhas de Guerra ou os felizes...
 Ultimo recurso
 As armas de S. Francisco
 Cabo da Bôa Esperança
 Diálogo com o rochedo profétic...
 Epitafio














Group Title: Tropa d'Africa : jornal de campanha dum voluntario do Niassa
Title: Tropa d'Africa
CITATION THUMBNAILS PAGE IMAGE ZOOMABLE
Full Citation
STANDARD VIEW MARC VIEW
Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/UF00073391/00001
 Material Information
Title: Tropa d'Africa jornal de campanha dum voluntário do Niassa
Physical Description: 332 p. : ; 19 cm.
Language: Portuguese
Creator: Selvagem, Carlos, b. 1890
Publisher: Livrarias Aillaud e Bertrand
Place of Publication: Paris
Publication Date: [1925]
Edition: 4. ed.
 Subjects
Subject: Description and travel -- Africa   ( lcsh )
Genre: non-fiction   ( marcgt )
 Notes
Statement of Responsibility: por Carlos Selvagem.
 Record Information
Bibliographic ID: UF00073391
Volume ID: VID00001
Source Institution: University of Florida
Rights Management: All rights reserved by the source institution and holding location.
Resource Identifier: aleph - 003040998
notis - APT3035
oclc - 04691350
lccn - 62057112

Table of Contents
    Front Cover
        Page 1
        Page 2
    Title Page
        Page 3
        Page 4
        Page 5
        Page 6
    Introduction
        Page 7
        Page 8
        Page 9
        Page 10
    O'Processo que se instrue
        Page 11
        Page 12
    Tropa d'Africa
        Page 13
        Page 14
        Page 15
        Page 16
    Table of Contents
        Page 17
        Page 18
    Nossa Senhora dos Novegantes
        Page 19
        Page 20
        Page 21
        Page 22
        Page 23
        Page 24
        Page 25
        Page 26
        Page 27
        Page 28
    A Nau Catrineta
        Page 29
        Page 30
        Page 31
        Page 32
        Page 33
        Page 34
        Page 35
        Page 36
        Page 37
        Page 38
    "Miss" Flora
        Page 39
        Page 40
        Page 41
        Page 42
        Page 43
        Page 44
    "Bayéte! Bayéte!"
        Page 45
        Page 46
        Page 47
        Page 48
        Page 49
        Page 50
        Page 51
        Page 52
        Page 53
        Page 54
        Page 55
    Palma - Tungue (Niassa)
        Page 56
        Page 57
        Page 58
        Page 59
        Page 60
        Page 61
        Page 62
        Page 63
        Page 64
        Page 65
        Page 66
        Page 67
        Page 68
        Page 69
        Page 70
        Page 71
        Page 72
        Page 73
        Page 74
        Page 75
        Page 76
    "Port-Tarascon"
        Page 77
        Page 78
        Page 79
        Page 80
        Page 81
        Page 82
        Page 83
        Page 84
        Page 85
        Page 86
        Page 87
    Hadji-Ben-Hadji Simba
        Page 88
        Page 89
        Page 90
        Page 91
        Page 92
        Page 93
        Page 94
    "Grande Hotel Cruzeiro do Sul"
        Page 95
        Page 96
        Page 97
        Page 98
        Page 99
        Page 100
    Fátima M'namuka
        Page 101
        Page 102
        Page 103
        Page 104
        Page 105
        Page 106
        Page 107
    Passo de Parada
        Page 108
        Page 109
        Page 110
        Page 111
        Page 112
        Page 113
        Page 114
        Page 115
        Page 116
        Page 117
        Page 118
    O Sol de Austerlitz... e do Rovuma
        Page 119
        Page 120
        Page 121
        Page 122
        Page 123
        Page 124
        Page 125
        Page 126
        Page 127
        Page 128
        Page 129
        Page 130
        Page 131
        Page 132
        Page 133
        Page 134
        Page 135
        Page 136
        Page 137
        Page 138
        Page 139
        Page 140
        Page 141
        Page 142
        Page 143
        Page 144
        Page 145
        Page 146
        Page 147
    Razões de Estado
        Page 148
        Page 149
        Page 150
        Page 151
        Page 152
        Page 153
        Page 154
        Page 155
        Page 156
        Page 157
        Page 158
        Page 159
        Page 160
        Page 161
        Page 162
    Rovuma-Water
        Page 163
        Page 164
        Page 165
        Page 166
        Page 167
        Page 168
        Page 169
        Page 170
        Page 171
        Page 172
        Page 173
        Page 174
        Page 175
        Page 176
        Page 177
        Page 178
        Page 179
        Page 180
        Page 181
    A Marcha da Ósga
        Page 182
        Page 183
        Page 184
        Page 185
        Page 186
        Page 187
        Page 188
        Page 189
        Page 190
        Page 191
        Page 192
        Page 193
        Page 194
        Page 195
        Page 196
        Page 197
        Page 198
        Page 199
    Newala ou o Palácio da Ventura
        Page 200
        Page 201
        Page 202
        Page 203
        Page 204
        Page 205
        Page 206
        Page 207
        Page 208
        Page 209
        Page 210
    Vae Victis!
        Page 211
        Page 212
        Page 213
        Page 214
        Page 215
        Page 216
        Page 217
        Page 218
        Page 219
        Page 220
        Page 221
        Page 222
        Page 223
        Page 224
        Page 225
        Page 226
    A Derrocada
        Page 227
        Page 228
        Page 229
        Page 230
        Page 231
        Page 232
        Page 233
        Page 234
        Page 235
        Page 236
        Page 237
        Page 238
        Page 239
        Page 240
        Page 241
    "Talassa! Talassa!..."
        Page 242
        Page 243
        Page 244
        Page 245
        Page 246
        Page 247
        Page 248
        Page 249
        Page 250
        Page 251
        Page 252
        Page 253
    Quartel General em Ambrantes
        Page 254
        Page 255
        Page 256
        Page 257
        Page 258
        Page 259
    Delicias da Cápua
        Page 260
        Page 261
        Page 262
        Page 263
        Page 264
        Page 265
        Page 266
        Page 267
        Page 268
        Page 269
        Page 270
        Page 271
    "Simba, Quizumba, Limitada"
        Page 272
        Page 273
        Page 274
        Page 275
        Page 276
        Page 277
        Page 278
        Page 279
        Page 280
        Page 281
        Page 282
    Novos Horizontes
        Page 283
        Page 284
        Page 285
        Page 286
    As Madrinhas de Guerra ou os felizes do C.E.P.
        Page 287
        Page 288
        Page 289
        Page 290
        Page 291
        Page 292
    Ultimo recurso
        Page 293
        Page 294
        Page 295
        Page 296
        Page 297
        Page 298
        Page 299
        Page 300
        Page 301
    As armas de S. Francisco
        Page 302
        Page 303
        Page 304
        Page 305
        Page 306
    Cabo da Bôa Esperança
        Page 307
        Page 308
        Page 309
        Page 310
        Page 311
        Page 312
        Page 313
        Page 314
    Diálogo com o rochedo profético
        Page 315
        Page 316
        Page 317
        Page 318
        Page 319
        Page 320
        Page 321
        Page 322
        Page 323
        Page 324
        Page 325
        Page 326
        Page 327
        Page 328
        Page 329
    Epitafio
        Page 330
        Page 331
        Page 332
Full Text




03.03ELVAGE









ij=at -Ae
-CParla

Vdu-nNrio . .
o Massa




LIVRARIAS
Aillaud e BeKrand




CARLOS SELVAGEM
r.. A A A


TROPA

D'AFRICA


JOURNALL DE CAMPANHA
DUM VOLUNTARIO DO NIASSA)

4.* EDIqAO


LIVRARIAS AILLAun E 13ERTRMtb
PARIS LISBOA

















DUAS REFERENCIAS
CRITICS
A PRIMEIRA EDICAO














TROPA D'AFRICA Por Carlos Selva.
gem. EdiSio da Renascenea Portuguesa,
Porto, 1919. 1 vol. de 424 pag,


Anuncidmos em tempos, o aparecimento dum livro de
Carlos Selvagem, sob 6ste titulo Tropa d'Africa.
Recebemos. agora o elegant volume, editado pela Re-
nascenga Portugueza, um livro de 424 p6ginas, magnifl.
camente impresso.
Apenas o recebemos, comegAmos a.sua leitura, que.s6
d6mos, por terminada... quando chegamos A ultima pa-
gina.
Carlos Selvagem, quo jA se afirmAra triunfantemento
como escritor de teatro, revela agora, na sua Tropa
d'Africa, uma outra faceta do seu belo talent, nao send
arriscado inscrever desde ja o seu nome, isto 6, o seu
pseudonimo, na falange dos prosadores da nova geragao
que ai afl6ra, trazendo as maos cheias das melhores pro-
messas.
A Tropa d'Africa, como o leitor fAcilmente sup6e, nao
6 um romance no genero da Via sinuosa, de Aquiline
Ribeiro, o maior d'entre os novos, mas apenas o diario de
um soldado em Africa, comegado a escrever em Lisboa, e
acabado de escrever, no regresso, a bordo, sugestionado
o actor pela vista daquele famoso Adamastor que o nosso
Epico celebrisou em versos duma beleza eterna.
Vale 6ste livro de Carlos Selvagem come o depoimento
de uma testemunha ocular dos nossos sucessos em Africa
na guerra recent cor os alemies, testemunho de um
soldado que andou em todas as peripecias, sempre tragi-
cas, mesmo quando revestiram aspect burlesco duma
lucta terrivel, em que o inimigo mais para temer n5o era
o boche, mas o clima. agravadas todas as mas condig5es
do clima pela mais criminosa das insuficibncias por banda
dos altos dirigentes das tropas em operagbes, chamando
assim aos que tiveram aciao dirigente, comodamente ins-
talados no Terreiro do Paco,





TROPA D'AFRICA


Considerado sob este ponto de vista, o livro do Carlos
Selvagem tern um inapreciavel valor, e servird grande-
mente para uma just liquida&ao de responsabilidades
quando tiverem de ser julgados os homons que tiveram
encargo de conduzir o Pals atravez da guerra, tanto em
Africa come na Europa.
Mas 6 come obra hteraria que n6s'hoje queremos con-
siderar a Tropa d'Africa, ainda fruindo o prazer que nos
causou a sua leitura, quasi feita dum f6lego, sempre com
interesse crescent, except nas ultimas paginas... por
v6rmos que chegavamos ao fim.
Carlos Selvagem ter um grande poder de observagio,
e a sua retina ter a impressionabilidade da mais sensi-
vel chapa fotografica, fixando tudo na pureza das suas
linhas, na gama das suas c6res, no desenho dos sous con-
tbrnos.
A paizagem oceanica ele dA-a como um extraordinario
pintor de marinhas, e a paisagem terrestre, nas plagas
africanas, ainda nao teve quem a fotografasse corn mais
verdade, impregnando-a de vida.
De certas paginas irradia um calor de inferno, que a
gente parece sentir come se pairasse por cima de n6s,
muito baixo, um grande sol em braza.
Pelas dez horas, id cor quatro horas e media de trote,
o sol era como um caustic sbbre os ombros, s6bre a nuca.
0 infindavel caminho, ladeado por uma paisagem de in-
variavel mate bravio, ralo, esfolado, da lande africana,
nada mais prometia. Todas as gqandulas, todas as visce-
ras do organismo devastadas de s6de, protestaoam dolo-
rosamente, numa agonia surda. Sentia jd as primeiras
alucinag~es vermelhas da insolagdo relampagos igneos
no cerebro, fadlhas queimando-me o globe dos olhos. ton-
turas, visoes sangrentas, oftalmias...
Carlos Selvagem da-nos a paisagem d'Africa em peque-
nas manchas, os seus palmares, os seus juncaes, os seus
pantanos homicides, as suas fiadas de coqueiros, os seus
matagaes infinitos, os seus montes escarpados, as suas
clareiras. onde as vezes o leao pousa a sua imbofia de rei
dos bosques, renques de bambds marginando ribeiras mor-
tas e aleas de borracha oferecendo a consolagio duma
sombra desejada.
Para athm da lagba, esfumaca-se no lusco-fusco vio-
leta dessa hora matinal, a mancha grisalha dos primei-
ros palmares. em volta, de entree os juncae8 alto8 da





TROPA D'AFRICA


margem, toda a vegetacdo dssee fresco logar era de um
verde aquoso e tdo rico e estridente que fazia pensar, corn
calafrios, nas doentias e hdmidas profuridesas de onde
brotava, tdo luxuriante e tdo forte.
Corre no livro, da primeira & iltima pagina, uma-fresca
aragem de bom humor, a graca forte e sadia que 6 apa-
nagio dos espiritos superiors e superiormente delicados.
E assim que, acompanhando o auctor na sua jornada per
Africa, em avancos e retiradas militares, mesmo nas ho-
ras tragicas sentimos o alento que da sempre o aflorar
dum sorriso iluminando uma face amiga, a resignagao
que sempre traz uma palavra doce tomperando uma rea-
hdade amarga.
Atravessando uma floresta, de caminho para Newala,
Carlos Selvagem deixa cair os olhos, inopinadamente, s6bre
o cadaver dum boche, um sargento alemdo, abando-
nado, insepulto, no mato, meio'podre, negro de gangrena,
a desfazer-se em pds e humores que escorriam, jd scos,
pelos huracos das balas que o feriram.
Medita ent&o:
E aqui ficou este misero, torcido corn does, abandonado
na soliddo pavorosa, agonisando horas e horas, emquanto
a floresta pela voz profunda e longinqua das suas mil
ramarias the rezava o aRequiem, ou o (Dies Iraea, e, ao
long, a hiena trotava, utoando, corn a sordida fuga fran-
zida a fare/ar aromas de came morta.
SQue dilacerante, indizivel tragedia a desta aqonial...
E talvez a sorte que me e.pera, que espera cada um de
n6s que aqui tombar duma bala, n'estes acampos de hon-
ras.
Ai daquele que ndo liver a dita de cair fulminado, re-
dondamente, por uma bala certeiral
E era isso o que eu pediria fervorosamente nas minhas
ora~des, a Nossa Senhora, minha madrinha, se ainda
soubesse rezarl...
A tomada de Newala, sem um tire, exactamente come
Kionga, Carlos Selvagem desenha-a corn a leveza e a
graca dum pintor holandez, um daqueles maganoes que
ironisavam na tela aspects consagrados da vida bur-
gueza ou aristocratic; mas a descrpcao que ele faz do
cerco dessa fortaleza boche, tornada cAlebre pelo maior
dos nossos desastres, essa descrigao 6 um formidavel qua-
dro de mestre, uma pagina de epopea escrita no silencio





10 TROPA D'AFRICA

torvo duma noite de agoniasem uma restea de luz bem-
dita que risque a treva compact.
NAo se diga que a guerra, a de Africa como a da Eu-
ropa, s6 nos trouxe desastres.
A de Africa deu-nos o livro de Carlos Selvagem; e se
ele nao.valesse imenso como document, o muito que
vale, como peia literaria jA compensaria, Deus louvado,
uma parte dos nossos desastres.
BRITO CAMACHO,
(Da Lucia, de 3-XII.19).










0 PROCESS QUE SE INSTRUE


Abundante foi por toda a parte a produg~o literaria sus-
citada pela grande guerra. Sem falar na ef6mera e frag-
mentaria prosa jornalistica a que so pretendeu assegurar
relative perenidade pela benevola compilagao em volume,
quantas e quao variadas formas: doutrinal, historic, nar-
rativa, nao revestiram os livros pela guerra suscitados
Embora long do teatro da lucta, a participagbo, nela,
das nossas tropas, deu logar a publicagoes de val6r des-
egual, fadadas umas para o esquecimento ap6s superficial
leitura, valiosas outras como documents elucidativos e
peas do grande process que a opini5o imparcial e es-
clarecida e chamada a julgar.
Pertencem a esse numero. entire outros, os dois volumes
das notaveis cr6nicas militares e diplomaticas do sr. Con-
selheiro Ayres d'Ornelas. A mesma selecgao merece o vo-
lume Tropa d'Africa, do sr. Carlos Selvagem, vantajo-
samente conhecido ja no nosso meio literario e jornalistico.
Livro vivido, ainda mais do que escrito, narra-nos a triste
odisseia de uma expedigio criminosamente atirada sem pre-
paragao nem organisaao para terras inhospitas de Africa.
A descrigao realist, animada, colorida, sem declama-
gSes enfaticas nem vaidosa exibigko, dd-nos a impressao
nitida, inconfundivel dos factos e faz-nos corar de vergo-
nha e chorar de raiva.
Vemos, com efeito, como os emprezarios da guerra,
subordinando os mais sagrados interesses nacionaes, a
honra do pais, o prestigio do exercito, as suas convenien-
cias pessoais e political, enviaram milhares de bravos
soldados para Tungue nas mais deploraveis condigCes, e
inutilisaram pelo malogro da sua acgfao consideraveis sa-
crificios de dinheiro e de vidas.
Ao invez de outros fantasiosos cronistas da campanha
da Flandres, o sr. Carlos Selvagem nao declama, ndo toma
attitudes de heroe, nao procura exaltar a sua acp0o.
Polo contrario: os episodios dramaticos em que lie
coube honroso papel refere-os com singeleza que nao ex-
clue o calor e a vida.
Ap6s as vergonhas de Naulila, cujas lig6es nao foram
apresentadas, desenrola-se, como em fita de cinemato-
grafo, essa deploravel campanha do Rovuma corn os de-
sastres de Newala e Nangadi, com as fomes, as doengas,





12 TROPA D'AFRICA

a carencia das mais elementares precaug6es, a falta de
medicamentos, a deshumana permanencia de homes es-
gotados pela febre e pelas privag6es sem serem rendidos,
todo 6sse acervo de vergonhas quo deveriam levar perante
um pelotAo de execugao os responsaveis.
Tropa d'Africa 6 uma cr6nica viva, que nos empolga
pelo valor literario; mas 6 tamb6m um pelourinho a que
ficam amarrados os emprezarios da guerra.
Logo a pagina 20, quando se nos descreve a travessia
maritima da expediqio, surge a licida previsao do desas-
tre para que 6 atirada.
E um pouco mais long, no capitulo intitulado a Nau
Catrineta novo esquisso vigoroso nos aparece d6sse pro-
digio de desorganizati;o, constituido pela expedigao e pa-
tenteado nas conferencias feitas a bordo.
Tropa de Africa 6 um primor literario, cuja viveza de
colorido e fidelidade na evocagio do drama norrado nos
empolga e emociona, fazendo-nos perdoar algum plebeismo
que surge de long em long a acentuar a nota realista.
A f dos nossos maiores, que vive no fundo da alma por-
tugueza, entremostra-se no livro nos moments mais cri-
ticos de perigo ou de sofrimento, embora o auctor como
que se envergonhe de a confessar e a encubra sob a trans-
parente ironia.

Esse livro empolgante 6 por6m, e acima de tudo, um
libelo asmagador, cheio de autoridade, do qual dimana a
condemnagao indignada que merecem os criminosos c -u-
sadores do desastre, no qual a bravura e o espirito de sa-
crificio dos nossos pobres soldados, pacientes, resignados,
sofredores, salvaram a honra national.
Brevemente reproduziremos a critical da nossa interven-
gho na guerra, feita no final do livro pelo velho Adamastor
em dialogo corn o autor do livro, que regressa 6 Europa.
E irrespondivel e merece os mais altos encomios pelo
born senso, pelo vigor 16gicoq da sua an6lise, pelo patrio-
tismo de clara visao que nela palpita.
A Carlos Selvagem as nossas vivas felicitagbes pelo seu
livro.
Mostrou nele o seu talent; prestou, publicando-o, um
serving ao pais.
Corn ele aparece-nos a verdade na sua march vinga-
dora.
NEMO.
a Eoa de 18XII1919) (Fernando de Souza)
Da Epoea, de 18.XII.1919),

















TROPA D'AFRICA
JOURNALL DE CAMPANHA D'UM VOLUNTARIO DO NIASSA)





















Aos sargentos e soldados do
med pelotdo a cavalo;
Aos meus camarddaz da Expe-
dipdo ao Niassa;
Aos soldados portagueses da
Grande Guerra;
A memdrla de todos aqueles
que, pela gloria das QuInas Por-
tuguesas, teem mordido o pd em
terras d'Aldm-mar.


Tributo de lialdade

de

CARLOS SELVAOEMd
















TABOA DOS CAPITULOS




I Nossa Senhora dos Naveg antes.
II- A Nau Catrineta.
Ill oMiss* Flora
IV Bay6te I Baydte ...
V Palma-Tungue (Niassa).
VI cPort-Tarasconr.
VII Hadji-Ben-Hadji Simba.
VIII cGrande Hotel Cruzeiro do Sub.
IX Fatima M'namuka.
X Passo de parada.
XI 0 sol de Austerlitz... e do RoVuma.
XII RazBes de Estado.
XIII Rovuma-Water.
XIV A cMarcha da Osgaa..
XV Newala on o Palacio da Ventura.
XVI WVe Vicctisb
XVII A derroceda.
XVIII Talassa I Talassal
XIX Quartel General em Abrantes...
XX Delicias de CApua.
XXI ,Simba, Quizumba, Limitada*.
XXII Novos horizontes.
XXIII As Madrinhas de Guerra ou os felizes do C. E. P.
XXIV Ultimo recurso.
XXV cAs armas de S. Franciscos.
XXVI Cabo da B6a Esperanca.
XXVII DiAlogo corn o rochedo prof6tico.














NOSSA SENHORA DOS NAVEGANTES


DIA de embarquel...
Dia de 16grimas, dia de balbuirdia, de mil im-
pressbes tumultuosas e contrArias, cor pragas fu-
riosas s6bre os galegos, mil contas que surdem A
iltima hora, uma compra que ia esquecendo, um
abraqo que esqueceu, e, por fim, um autom6vel
que nos despeja no cais. cor o resto da bagagem,
a cabeQa esvafda, o bon6 para a nuca, arrazado de
emoobes.
Nao hA entao lugar para as saidades que, es-
pavoridas no seu pudor de sensitivas, refluiram
t6das, aos encontrbes boqais do dia, para o mais
recondito do coraqao. E hA, sim, um respirar de
puro alfvio, s6 no beliche, ao constatarmos que a
bagagem jA Il esta t6da, no montao informed de volu-
mes, e se p6de, emim, subir ao spardeck a embor-
car um bock, descer ao cais a abraqar os amigos.
No cais, o mar de cabeqas fervilha, redemoinha
incessantemente.
Nao ha lagrimas ha berros estupendos da sol-
dadesca, apinhada em cacho s6bre as amuradas,
pela cordoalha das enxarcias; hA guinchos, risadas,
promessas canibais A conta do boche, a certeza de
voltar cor uma orelha de sargento alemao, tres
dentes de capitao prussiano. E como 6 a primeira
tropa que parte ap6s a declaragao de guerra, a pa-





TROPA D'AFRICA


lavra boche, s6a a novo, um pouco postiqa, como
tomada de empr6stimo.
Tamb6m nao hA mulheres; e uma ou outra que
se esbate na multidao, sorri corn olhos curiosos,
divertidos por tanta mocidade, tanta exuberancia.
Sao soldados que partem vinte anos, vinte e cinco,
mocidade, inconscincia...
A um canto aparte, um military reformado, ve-
Ihote grave de falas mansas, faz os seus iiltimos
conselhos a um sargento moqo que o escuta, muito
serio, de olhos no chao.
A cada moment um autom6vel ronca, rasga
alas na multidao, despeja um retardatArio ajoujado
de embrulhos.
Chegam ainda mais curiosos, mais oficiais: aju-
dantes de campo encordoados de ouro, coroneis
agaloados, corn cumprimentos oficiais de despe-
dida.
0 sol, impassfvel, na tarde loura e calm de ju-
nho, dA uma estridencia maior aos gritos, ao gru-
lhar das despedidas, aos votos barr6cos dos que
ficam, as risadas nervosas dos que partem.
E em red6r o espectAculo atinge tul colorido me-
ridional, tamanha estridencia de gfela, que tanto
p6de lembrar uma feira de provfncia cor palhacos
e cavalinhos, como uma praca de touros em dia de
sol e mosquedo.
Mas uma sineta de bordo repenica finamente,
longamente, sabre o vozear da turba.
Precipitam-se no cais os abracos, as despedidas.
HA um redemoinho mais vivo, como crispado numa
tensao maxima de nervosismo. Grossas larachas
plebeias esgrimem-se corn mais ardor, entire as
amuradas e o cais:
D6 16 um ch6cho por mim a Zefa Borrega e
a tWdas as maganas IA da terra!...
Eu direi aos maridos, guloso!...
E toda esta algazarra vibra duma alegria aspera





NOSSA SENHOtIA DOS NAVEGANTES


que s6a a falso, traindo uma violent angdstia fn-
tima.
Ja por6m o portal6 se recolheu. JA todo o navio,
sob a pressao das caldeiras, arfa corn as suas seis
mil toneladas tumidas de impaciencia, Avidas de mar
largo. A sereia por fim, escarrando um jacto de
vapor, ronca poderosamente, plangentemente, de
cortar o coraqio, num long mugido de angflstia
arrancado a um peito de monstro. Por instantes guin-
cham correntes, estrepitam grosses ferros, um as-
sobio silva no ar, prolongado. E pouco a pouco
sente-se o cais que se desloca aos nossos olhos...
E entAo que um grande n6 dolorosamente nos
estrangula na garganta os bltimos berros alegres do
bota-f6ra. Uma grita mais aguda atord6a os areas,
vibrantes do long mugir da sereia e do espadanar
das Aguas e espumas.
Como se uma fibra viva do nosso coraqco nos
prendesse ainda A term firme, sente-se, material-
mente se senate a lenta separaGqo do navio a esti-
car-nos, retezar-nos a fibra dolorosa.
Mas quando o cais, os amigos, os rostos familia-
res se fundem jA indistintos na multidao indistinta,
a fibra, no seu limited ultimo de tensdo, estala-nos
secamente cd dentro e 6 de repente um vAcuo,
como se tudo nos fosse ja estranho, remote, alheio
ao nosso destino.
Um esvoaqar de lenqos broncos, se agita por
muito tempo ainda aos nossos olhos -Boa via-
geml... Boa viagem!... Depois a massa an6nima
do cais debanda mblemente; e por detrAs das mas-
treatqes de outros paquetes atracados, im6veis, o
cais desaparece tamb6m.

0 navio apr6a entao A barra corn magestade.
A grita ensurdecedora sucede, sibito, um silencio
grave por todo o navio. Das amuradas, apinhadas





TROPA D'AFRICA


da pr6a A r6, os, milhares de olhos abismam-se
agora, em silencio, um pouco enevoados, no pano-
rama claro, magnffico, da cidade fafscante de sol,
que impassfvel, desdobra o seu casario, de colina
em colina, como as f6fas pr6gas dum rico est6fo
de tapeqaria.
Prende-se um derradeiro olhar de safdade aos
pontos conhecidos o Terreiro do Paqo, Cais do
Sodr6, elevador de Santa Justa, Santa Catarina, todo
o Aterro, zimb6rio da Estrala, o formigueiro fusco
de Alcantara. E assim surpreendida na sua faina
habitual, formigando corn os seus el6ctricos, os
seus carroqces de carga, o movimento das suas
docas, a cidade, insensfvel ao nosso destino e a
nossa saddade, fere-nos vivamente cor a sua in-
gratidio, recorda-nos o verso latino:

Ingrata pdtria ossa mea nom possidebis!

HA quem encolha os ombros, Ihe volte a face
amarga, d6 o seu primeiro pass familiar no conv6s.
E entretanto, um claro toque de clarim retine A
pr6a. Outros toques se repetem. Nas cobertas, as
guarniqbes entram em formatura, jA descalqas. Es-
calam-se os serviqos, le-se a ordem-a nossa vida
de quartel flutuante comeca.
Depois, 6 o jantar, a primeira refeiqAo a bordo,
um tempo infinite que se escOa na fresca sala de
jantar branca-e-ouro, onde os linhos lavados, os
cristais, o claro asseio das pequenas mesas nos
repousam um pouco o espfrito atordoado. Mal en-
gulido, por6m, o iltimo sorvo de caf6, trepa-se in-
quieto ao conv6s.
E jA a cidade nos fica para trAs. indiferente, vaga,
na diltima dobra do seu casario, para la da Torre
de Belem...


22





NOSSA SENHORA DOS NAVEGANTES


O navio agora singra magestosamente empena-
chado de fumo, num bater sincrono de todas as
suas art6rias, de ambas as suas helices. A um e ou-
tro bordo, as fitas de terra alongam-se interminAvel-
mente, ao r6s da Agua muito azul. Um pouco avante,
um contra-torpedeiro enfarruseado de negro, corre A
nossa ilharga, parecendo rastejar no seu sulco de
espuma cor arquejante esf6rqo. o navio de
guerra que nos comboiarA at6 A altura das Can6-
rias. Concedemos lhe um olhar de gratidao.
E corn a primeira ondulacao larga da barra, o
navio comeqa tomando, emfim, um solene e lento
balanqo que estonteia, faz morrer t6da a c6rna face,
aos primeiros...
Em frente de Oeiras, parAgem subita das m6qui-
nas. Fala-se logo misteriosamente em radiogramas
secrets, avisos, perigos de submarinos...
Mas socegamosl E o piloto que desce, outra
gradda personagem da Empreza que acena do fund
do portal, antes de saltar no seu escal6r, um adeus
risonho ao comandante:
Bon voyage
E as mAquinas retomain logo o seu f6lego pode-
roso; um moment, a agua espadana a r6; o navio
toma afoitamente o mar largo...
Bon voyage!




Do castelo de prba, onde subi em serviqo, olho
em volta cor emocao profunda.
E o ar salgado, os horizontes claros, remotos, de
c6u azul e mar azul, a danaqao implacavel do mar
que em falanges cerradas se quebra agora, ru-
gindo em perp6tuo combat contra a pr6a aguda
que o fende, acordam em mim uma ansiedade igno-





TROPA D'AFRICA


rada, como uma voz remote que vibra no meu san-
gue.
Qu6do, mudo, num turbilhao de pensamentos in-
completos.
E' aquela claridade mais viva IA no limited dos ho-
rizontes, que parece chamar-me, atrair-me, como o
reflexo dum El-Dorado de festa perene, de ignotas
venturas?... E' o Cruzeiro do Sul?... Sio os
tr6picos, e a sua vida ex6tica, bMbeda de sol?...
Reminiscencias dos Lusiadas?... Fumos literA-
rios?...
Nio sei. Abandono-me A emocio estranha, em-
briagante.
Mas contra o mar que o assalta, o navio arre-
messa-se jB num balanqo bravo de combat; e
quando desco A coberta para voltar ao spardeck de
(primeira, toda a grossa algazarra da soldadesca
rapando as suas latas de rancho, se esvaira como
por encanto.
Enjoada, todo o jantar vomitado, a matula correra
em massa, agoniadamente, As suas enxergas dos
pores.
No silencio triste do crepisculo, cruzo-me na co-
berta cor dois ou trAs vultos apenas, safdosa-
mente abismados, A amurada, na finibria parda de
terra que se perde 1a long, muito long, no vago
novelo das serranias de Sintra.
Ia jurar que teem os olhos marejados de 6gua.
Eu pr6prio, a-pesar dos meus prodfgios de equilf-
brio s6bre o imenso v6mito do chio, into sfibito
um frio agudo de abandano, um baque de mau pre-
sAgio. E no spardeck dos oficiais vou encontrar
tambem meia ddzia de vultos apenas, que passeiam
fumando em silAncio.
Todos os outros, enjoados como lagostas, vio ja
de hbrco, em baixo, nos beliches, a face raivosa-
mente mergulhada nas almofadas.
Uma desolaqao reina s6bre todo o conv6s aban-





NOSSA SE14HORA DOS I4AVEGANTES


donado e escuro. Sinto emfim descer tambem s6-
bre mim a primeira cinza de tristeza.

...E a noite cai.
Como de regra, na zona perigosa, nem uma luz
se acende entao a b6rdo. Os pr6prios far6is de na-
vegacao, luzernas tao mortiqas, vermelha e verde
a bombordo e estibordo vao recuados quasi a
ponta da r6, num prop6sito de 16gro. Por todo o
navio silencioso e negro, que se esgueira senr ru-
mor, na noite silenciosa e negra, cai agora um pe-
sadelo sinistro de (Navio-Fantasmau)...
Um calafrio novo da extranha, trAgica beleza, cor-
re-me a flOr da pele. Deixo os raros vultos da tolda,
passeando no seu silencio. E afundo-me num dos
vastos, f6fos ((mapples) do salao de mfisica.
Logo um torpor me invade muito lento, muito
doce. E ao bater sincrono das mbquinas e h61ices,
ao bramido ritmico da onda espadanando no cos-
tado, ao assobiar do vento pelas frestas, balancado
como num berco pelas firias do mar, pesado de
emoqbes e de ar salgado, tonto das fadigas do dia,
- r61o sem conscincia no vAcuo dum sono, onde
me deixo esvair voluptuosamente...

Acordo tarde, envolto em treva. Na ponte aca-
bam de soar duas badaladas.
Dez horas, duas horas ? I...
Raspo um f6sforo s6bre o meu reldgio, dez
horas I
Entao, bem desperto, 6 que a revoada de safda-
des se abate s6bre n6s impiedosamente, ambrosa-
mente, como um bando louco de andorinhas. Sati-
dades de terra, da nossa casa, da nossa mae, de
certos olhos castanhos, da vida, de tudo 1... Um
grOsso soluco atravanca-nos a garganta, retem as
lAgrimas que humedecem jA os olhos.
Na escuridAo, por pudOr, pode livremente cho-





TROPA D'AFRICA


rar-se, em sil~ncio, cor uma volupia amarga. E
chora-se, chora-se, mansamente, por muito tempo.
0 que sera de n6s, em alguns moses ?! ...
O espfrito corre de pensamento em pensamento,
e pass em revista todos os males de que enferma
a nossa Expediqto.
Inquietante enigma I...
Cinco mil homes, sem instrucao, sem brio mili-
tar, sem graduados, mal conhecendo os oficiais, a
titica de combat I...
VAo artilheiros que nunca viram a sua peqa, o
gado da sua bacteria.
Na Ancia de se equipar cor todo o necessrrio ma-
terial modern um Corpo ExpedicionArio a Franqa,
recusou-se a esta pobre tropa d'Africa o indispen-
sAvel umas dezenas de camions requisitados para
as comunicaqbes militares no interior.
Os m6dicos queixam-se da falta de vArios medi-
camentos, de carros-ambulancias.
Nada se organizou corn m6todo, com acerto, como
se pensa em fazer para as tropas de Franqa.
No Arsenal do Ex6rcito, onde me arrastei dias e
dias, corn as requisiqbes de material empatadas, a
resposta, a frose invariAvel, era sempre:
OE para a Divisao de Instruqao! E para a Divi-
sao de Tancos!...n
Por iltimo, o Comando e Estado-maior de ori-
gem, nomeados por esc6lha, foram destitufdos, pu-
nidos, substituidos, A ultima hora, por outro Co-
mando e Estado-maior, nomeados por escala. Tudo
foi embarcado atabalhoadamente, numa balburdia
apres'sada. Entretanto, promete-se tudo, para mais
tarde, quando la estivermos ja.
Se, porem, o pouco. que levamos foi tao difi'il-
mente arrancado aos Altos-Poderes por tantas pres-
sbes insistentes e pessoais, o que conseguiremos
n6s arrancar-lhes l1 de tao long, por textos vagos
de vagos telegramas ? ...





NOSSA SENORA DOS NAVEGANTES


E o que parece 6 que o inico desejo dos Altos-
Poderes seja ver-nos pelo mar f6ra, de qualquer
forma, para poder. correr aos seus jornais, trepar
As suas mais altas colunas, bradar ao Pafs com
emb6fia convict:
<((L vao mais cinco mil homes para a Africa,
honrar o nome portuguas, vingar a n6doa de Nau-
lila 1 .. -
Pobres cinco mil homes I Pobre Pais ...

Levanto-me, entorpecido, da minha f6fa poltrona,
queimando um cigarro.
Ca f6ra, o mar implac~vel nao canca na sua
sanha va contra o costado que o rasga. E a noite
envia-me da sua larga treva mugidora e sinistra,
um bafo acre, regelado, que me arrepia todo.
Da sombra do spardeck logo, portm, um vulto
de branco se me avizinha, a avisar-me cor suavi-
dade que ((por ordem do comandante Harberts nao
se pode fumar no conves...)
Separo-me, cor mAgua, do meu cigarro, e pre-
gunto por desfastio onde vai o contra-torpedeiro
que nos comboia.
0 contra-torpedeiro ? ... 6 a resposta.
Ainda n6s nao tinhamos saido a barra jA d1e tinha
voltado para Lisboa, mandando dizer que havia
muito mar, e que nao podia agientar-se cor tal
velocidade !...
Vamos s6zinhos. entao ?!...- pregunto ainda.
Vamos cor Nossa Senhora, snr. alferes I
Calo-me uns instantes, e despeco-me.
E 6 As apalpadelas que desqo ao meu camarote,
recordando mais esta bela promessa de aventura:
um possivel submarine surgindo-nos do tenebroso
venture das aguas, preguntando-nos onde 6 o pas-
seio, enviando-nos o seu rico cartao da parte do
Sua Magestade Imperial I...





28 TAOPA D'AFRICA

Nao vai sequer, A pr6a, um canhao-rev61ver. As
baleeiras salva-vidas escassamente bastam para os
oitenta homes da tripulaq5o. E a bordo vao, amon-
toados, mais de 1:500 soldados.
Consoladora id6a para primeira noite de viagem I
Patusco ...
(Vamos cor Nossa Senhora, snr. alferes!...D
Nao hA negA-lo I...
E adormeqo.

Nossa Senhora dos Navegantes, velai por n6s !...













A NAU CATRINETA


((Por6m, jA cinco S6is eram passados
Que dali nos partiramos, cortando
Os mares nunca.doutrem navegados
Pr6speramente os ventos assoprando
...........,......................e


...E quem pud6ra respirar o s6pro imortal de
herofsmo e de epopea que atravessa 6stes ver-
sos de bronze! Quem pudera aqui dentro desta
poderosa nave de seis mil toneladas, cor leme ele-
ctrico, todas as bissolas, sorvetes de morango, ven-
toinhas, um piano ((Gaveaua, pulsar cor coraqdo
igual ao dos ing6nuos expediciondrios de antanho,
que, sem espingardas automAticas, sem canhaes de
tiro r6pido, sem camiies-autom6veis, sem cartas
nem laboriosos parts de Estado-Maior, avassala-
ram toda a face da Terra numa das maiores epo-
peas dos SBculos I...
Vamos navegando, sob a Lhnqao do C6u cristgo
ou dos Deuses do Olimpo, com mar calmo, vento
fresco de noroeste, varios bridges pacatos em red6r
das mesas do bar.
PassAmos a zona perigosa, sem ameaca de maus
encontros.
Nossa Senhora dos Navegantes parece ter aten-
dido a nossa pr6ce. Todas as graqas Ihe sejam ren-
didas,





TROPA D'AFRICA


E, agora & noite, cor os concertos da fanfarra
As quintas e domingos, cor os festejos pfcaros
da apassagem da Linha,, cor os f6cos el6ctricos
que inundam de luz todo o navio, 16 se foi aquele
estranho encanto da sombra e do silencio que fa-
ziam da nave escura, ao tombar do crepisculo, uma
visao de pezadelo, grande e trAgica, de ((Navio-
Fantasman ...
Ndo mais lugar para as saddades, nem para os
longos olhares,de nostalgia sObre a esteira de es-
pumas que vamos deixando atrAs!...
Agora, todo o navio 6 urn rumoroso e turbulento
quartel flutuante, acoalhado de faces tisnadas e
imberbes, serapilheiras cinzentas de uniforms, to-
ques de clarins, restos de rancho coalhado, em-
porcalhando todos os recantos de pores e cober-
tas.
O nosso lapuz das Beiras e Alemtejo a grande
massa destas tropas 6, por natureza, por h6bitos
ancestrais, por desamor de si pr6prio, desleixado e
porcalhao.
Todo o navio fede a um fartum gordurento e
s6rdido, mixto de rancho coagulado e p6 descalQo.
E, corn a falta de Agua d6ce para as lavagens fre-
qftentes, os miseraveis uniforms de cotim ganham
uma cor parda, terrosa, de causar engulhos aos
menos susceptiveis.
O pessoal de bordo, sempre tao irrepreensfvel-
mente engomado e esticado nos seus casacos bran-
cos, concede-nos a n6s todos um olhar ir6nico,
orgulhoso, de t6dio e despreso.
Terdo eles razo ?
Talvez !
Como fazer acreditar, pela pobreza d6stes uni-
formes e pela bocalidade d&stes habitos, que vai
aqui uma tropa aguerrida, briosa, confiante, caps
de todas as galhardias e todas as audacias ? I...
Pessimo simptoma Pessfmos comrnos !...





A NAU CATRINETA


Todas as manhas, entretanto, no vasto spardeck
dos oficiais, as guarniqoes teem formatura de ins-
truqao. Os homes apresentam-se, como sempre,
descalqos, e desperdiqam duas ou tres intermina-
veis horas nuns vagos exercfcios de ginastica, que
um ou dois alferes vigiam, bocejando inconsolA-
velmente. Depois destroqam. Uma algazarra incon-
cebivel enche por instantas os tombadilhos; e
nenhuma outra manifestaqao de vida military volta
a revelar-se em toda a roda do dia.
Por dnica variante, houve ha dois dias uma
ameaqa de insubordinacao de rancho. A en6rgica
presenga dos oficiais de serviqo evitou, porem,
que se esboqasse, sequer, a menor attitude de re-
volta.
E, coitados, os homes tinham razao I
Como vamos a quinze dias jA de Lisboa, sem
sinal de terra, o rancho comeqa a tornar-se uma
s6rdida burundanga onde a care, os macarrbes,
as pr6prias hortaliQas dos frigorfficos derramam
um f6tido intragAvel. N6s pr6prios, oficiais, ja nao
podemos tragar o eterno peixe au gratin do jan-
tar, a infatigAvel omelete do almOqo.
A culpa?!...
A demora de carregamento do navio em Lisboa,
e os sucessivos adiamentos da partida, por ordem
do Ministerio das Col6nias, sem que refrescos e
mantimentos fossem renovados. E assim, ainda,
at6 ao Cabo !...

Tento prescrutar tambem o moral destes moqos
imberbes excelentes rapazes, no fundo sofre-
dores, submissos, generosos, que correm assim,
fatalistamente, a tAo longinqua aventura.
Ouqo-os atrav6s da vigia do meu camarote, em-
quanto ensab6o a face e a escanh6o a navalha. Sao
sempre saddades da terra, dos parents, das suas
Marias e das pandegas que por Id faziam, e dos





TROPA D'AFRICA


alqueires de milho ou almudes de vinho que tira-
vam co'as colheitas.
A esta hora -diz um ia eu A venda de ZA
Nabo comprar dez reis de abrejeiros), e por i\ me
demorava de pAndega. antes de ir para o trabalho,
a fazer as minhas franquezas A rapaziada !...
Ora 0 que IA vai, IA vai I atalha outro, -
Eu, emquanto me derem n'o rancho e me pagarem
o pr6, deixo-me andar sem ((soidades). Rapazes,
As vezes, IA na peluda jantava um quarto de b'roa
e uma cebOla I...
Pois sim! (coment6rio de um terceiro). Tenha
eu l1 sempre na vida a minha b'r6a e a minha ce-
b61a, que vos deixarei a v6s todos, at6 corn rancho
de sargento, melhorado!
Noutro grupo estalam sijas obscenidades, insul-
tos risonhos, amigAveis, de um tal destemprro de
linguagem e falta de senso moral que apenas me
causam mAgua.
Calam-se. Na manha gloriosa, o navio, reverbe-
rando sol por todas as scintilaqaes da Agua, singra
impassivel na sua rota azul, de mar e ceus muito
azdis.
Depois, falam das suas impresses de bordo,
dos oficiais, dos sargentos, dos camaradas.
E numa viva sAtira, todo o Livro-Negro desta
aventura ali passa entao, gostosamente folheado,
saboreado, flagrantemente ilustrado, pelas suas fa-
las cortantes e rudes, como caricaturas a traCos
de carvao.
Mal conhecem os oficiais; designam-nos por
alcunhas ou pelos defeitos fisicos que os distin-
guem-a(aquele alferes de 61ho torto,, ou 0(o nosso
tenente muito baixinho, corn cara de macaco...
S6bre os sargentos uma carga cerrada, As vezes
,truculenta...
Antigos agrAvos de amapa-diArio, contas atra-
zadas da (escala de serviqo, ali se ajustam, ali se




A NAU CATRINETA


rebate, obliquamente, cor sanha, cor usura,
num soalheiro feroz de caserna.
Recrutas de tres mezes na sua maior parte, esta-
deiam cor bas6fia uma ignorancia das coisas mi-
litares que os. deve orgulhar como.o melhor dos
tftulos de gloria.
-- Eu ca opina um cor sonoro despreso-
ainda nao sei armar tendas, e nao tenho press de
aprender.
Dos alemfes falam tamb6m is vezes. Falam po-
rem cor a curiosidade do misterio; e quando a
Miles aludem com rancor, 6 mais pela responsabili-
dade que Ihes atribuem no inc6modo desta aven-
tura, do que pela sagrada fdria de patri6tas ultra-
jados na honra da sua Patria.
Tamb6m nao conhecem, nao sabem, n5o s6ntem
o que seja PAtria. A palavra Portugal ainda decerto
os emociona e enternece. A id6a Patria, porem nao
Ihes perturba as digestoes nem o funcionamento
regular do sistema circulat6rio.
Mas de quando em quando, uma voz mais moqa,
mais lfmpida, mais ing6nua, lanqa 16 do seu canto,
um grito de orgulho national, vibrant e claro como
um trinado de clarim. E lariQa-o sem enfase, sem
embofia, mal suspeitando talvez que, atrav6s da vi-
gia aberta, um alferes estremunhado se barbea,
ouvindo-o enternecido. Sao duas ou tres frases cur-
tas, em calao, na pitoresca e colorida linguagem da
caserna, que desvendam por detr6s dela um peito
e dentro d6sse peito um coraCao de her6i.
Quem sabe?!... Esse pobre moqo pode la ficar,
minado de febres, estoirado de um vl6vo, ingl6ria-
mente sepulto na areia, ou regressar A Metr6pole
corn a mem6ria de certo dia de combat, em que
aproveitando uma aberta, se esgueirou a vigilancia
do seu alferes e apareceu a rectaguarda a balbu-
ciar umas frageis desculpas...
Falta e culpa de quem?!... Culpa de toda esta




TROPA D'AFRICA


sagrada filosofia de venture e ripanso corn que a
Mae-PAtria encara estas frioleiras e manipula os
seus deveres de abelha-mestra; falta de instruqio
primAria e de mestres carinhosos, que nas suas
imaginagbes virgens e adolescents, Ihes risquem
a traqos de diamante dois ou trAs preconceitos lu-
minosos de PAtria, Honra e Dever; falta de uma
s6bia organizacao structural que automAticamente
estimule os audazes, premiando os que triunfam;
falta, de uma atmosfera ardente de abnega-ao e de
herofsmo, que, por imagens de sonho e de beleza,
como as estrofes dos Lusiadas ou da Marselhesa,
fale a imaginaqAo, fale A consciencia vibratil dos
vinte anos,

a0 peito acenda e a c6r ao gesto mude.,
Mas um toque de corneta anuncia-me a proxi-
midade do alm6qo.
Acabo as minhas lavagens, escovo-me, remiro-
me ao espelho, confirm num olhar todas estas mi-
niicias, e abandon, cor mAgua, o diAlogo dos meus
obscuros companheiros de armas, onde hA sempre
tanto que aprender ...

.

E 6 justamente agora, depois de alm6qo,'que a
nota mais aguda da nossa craveira moral 6 sono-
ramente ferida cor sabias maos.
Por ordem do Quartel General, todos os dias 6
nomeado um official expedicionArio para fazer uma
conterencia A sua escolha, s6bre assuntos exclusi-
vamente militares, e, tanto quanto possivel, cingi-
dos a campanhas coloniais.
Por aquele estrado do piano, ao fundo do c(salao
de mdsicae, onde as conferenqias se debitam, teem





A NAU CATRINETA


desfilado corn os seus arguments e os seus en-
sinamentos, a fina-fl6r dos nossos camaradas de
viagem, a maior parte dos quais veterans do UI-
tramar, condecorados, calejados jA doutras cam-
panhas de Africa.
Artilheiros, engenheiros, oficiais de cavalaria, do
infantaria, metralhadoras, administraqao military, os
pr6prios medicos, todos ali teem acorrido a deixar
o seu depoimento, fazer a v6nia, abandonar o es-
trado.
E, valha-nos ainda a Santfssima Virgem! i um
pavoroso mostruario de 6rros cometidos na orga-
nizacao da Expedicao, de faltas desleixadamente
acumuladas, de deficiencias, de perigos que nos
esperam, de problems sem solucao, de obstAculos
de toda a sorte.
Em cada manhR, a pesada digestao de cada al-
m6qo nos reserve uma surpresa e um engulho
maior.
Sabe-se que a artilharia vai eseassamente muni-
ciada; sabe-se que o gado das tropas montadas
sera remontado no Transvaal sem qualquer en-
sino, quiqa para entrar logo em operaqoes activas;
sabe-se que as requisiqoes de material sanitario
nao foram t6das satisfeitas; sabe-se, finalmente,
que em expedites anteriores (as do Sul de An-
gola, por exemplo), apareceram toneladas deg6-
neros avariados, latas de conserve falsificadas, ou-
tras fraudes ainda mais torpes.
Tamb6m nftidamente se desenham, nas entreli-
nhas destas palestras, as incompatibilidades inter-
nas do Estado-Maior, a falta de confianga no mo-
ral e na instruqgo das tropas. Os medicos dizem-
nos que veem soldados de artilharia, que ainda al-
guns meses antes tinham regressado do Ultramar,
doutras campanhas, arrazados de impaludismo. Se-
veros ukases do Minist6rio da Guerra obrigaram,
porem, a dar esses homes como capazes de ser-





TROPA D'AFRICA


vico active nas col6nias, em segundas inspecqbes
m6dicas. E nao houve senao obedecer.
Parece ainda que na maior parte dos corpos mo-
bilizados nso houve juntas m6dicas, nao se apu-
raram os capazes e licencearam os incapazes...
Medonhol E, pior do que tudo, a falta de confianea
no zMlo dos Altos-Poderes, o desalento comum, a
previsao dum estrondoso fracasso, o azedume pelo
sacrificio inglorio a que todos parecem votados,
trasbordam claramente de todos os pontos finals
de cada period.
Diz-se, por6m, que o Comando, irritado com a
atmosfera de pessimismo que estes comicios teem
creado, vai intervir, encerrando as conferencias.
Eu, por mim, desinteresso-me.
Como nada tenho aprendido e nada aprenderei
decerto cor nstes facundos debates, resolvi salo-
m6nicamente o caso passando a esmoer o meu
alm6qo em longos passeios no spardeck, ou esti-
raqado na lona da minha cadeira a encharcar-me
de legend e de herofsmo corn as estancias dos Lu-
siadas, cuidadosamente entalados, nas minhas ma-
las, em Lisboa, entire os meus Regulamentos de
campanha, e duas ou tres novelas de Pierre Loti.
Mas, s6bre a amurada, o espfrito logo se perde,
vagueando nos limits remotos d6ste mar cinzento
dos tr6picos.
E sinto que, a-pesar das soleinnia verba dos
conferences de cada dia, a minha sensaoo domi-
nante 6 ainda a curiosidade, e que teimo ainda em
crer estas tropas, no moment oportuno, com sol-
dados e chefes, por milagre, por brio traditional
capazes dum acto de herofsmo.
Vamos a quinze dias de Lisboa. Antes de cinco
dias entraremos nas docas do Cabo para meter
carvio e refrescos.
.Cinco dias aindal
Nao hd estimago de Aquiles que invista com as ca-





A NAU CATRINETA 37

garoladas do frigorifico, nem humor de Sancho-Pansa
que navegue sem fastio nesta mar6-cheia de t6dio.
Pela infinit6ssima vez, lumuria ao piano uma das
muitas (Av6-Marias) de Gounod. A fila dos en-
joados que tomaram assinatura, estendidos em ca-
deiras de lona, ao long do spardeck, fazem a bom-
bordo uma pitoresca visto de sanat6rio. Nao 6, em
rigor, um espectaculo desopilante.
E, decididamente, 6 de arrazar, uma viagem as-
sim, de vinte dias, com mar e c6u por paisagem
inica, sob as delfcias do aroma integral da caserna,
e onde os inicos perfis de mulher que de long
perpassam, sao os de duas criadas de bordo, exce-
lentes pessoas que em Verdun teriam suprido cer-
tas faltas da artilharia pesada francesa.
Dir-se-A que nao teem sexo estas dues criaturas
neutras que, numa sombra neutra de indiferenqa e
desinteresse, passam, perpassam, se esbatem, desa-
parecem... aos olhos de oitenta portuguesinhos
valentes!...

Emfim, recordando a nossa saida de Lisboa, o
aspect bisonho das tropas, o nfvel desanimador
dos factors imponderaveis, as faltas que se assi-
nalaram, a mansa desorganizag8o em que tudo r61a,
o aband6no dos Poderes Pdblicos, e at6 o pr6prio
inc6ndio que, parece, lavrou durante tres dias nos
pai6is de carvao recordando t6das estas admirA-
veis certezas, emquanto e navio singra impassfvel,
como impelido num grande vento de fatalidade, es-
queqo os meus Lusiadas s6bre os joelhos, e canta-
r61o o triste rimance quinhentista que diz os males,
e os prantos, e todo o rude fadArio da nau maldita,
a Nau Catrineta:


"LA vem a Nau Catrineta
Que tem muito que contar.v





38 TROPA D'AFRICA

NAo me calrd o queixo, de espanto, se desta vez
o rochedo hirsuto do Adamastor (agora decerto
menos prof6tico e menos trAgico em tdo sc6ptico e
burlesco s6culo). em lugar de nos fazer estalar s6-
bre as pobres cabeqas t6das as retumbantes jere-
miadas que arrojou A face at6nita de Cambes, nos
esperar patuscamente de chap6u A banda e olho
pisco, n'um zangarreio de banza de cego, parodiando
uma entrudada:

aLA vem a Nau Catrineta,
aQue tem muito que contar,
Ouvide agora, senhores,
cULma hist6ria de pasmar ID















(MISS) FLORA


Vinte e quatro horas na Cidade do Cabo.
0 odsis no deserto!...
Depois destes infindAveis vinte dias de mar e c6u,
sob todos os s6is e todos os climas do orbe, satu-
turados ja de hordo, nostAlgicos do eterno-feminino,
derrancados de t6dio, pela primeira vez entreve-
mos atrav6s da vigia, so fusco-fusco da madrugada,
um tom violeta e esfumado de montanhas longin-
quas.
Depois da toilette e do banho, subimos alvoroqa-
damente A tolda que regorgita jA de espectadores
friorentos, estremunhados, no ar fino da manha; e
safdamos das profundezas do nosso coraqao agra-
decido, essa maravilhosa apariqao de terra firmel
Um bindculo emprestado pass de mao em mao,
a desvendar-nos aos olhos s6fregos o discreto pa-
norama da cidade que, la long, se alastra em an-
fiteatro, ao r6s da Agua, t6da sumida na sombra
hdmida das negras massas da Table's Mountain
- colosso de montanha rochosa, escarpada, de pi-
nhal e mato bravo, que as neblinas da manha va-
porisam docemente.
As Aguas da bafa, profundas, dum azul tao lus-
troso, sao como as Aguas mortas dum lago, onde
tudo se espelha. E eu assist em silencio, religio-
samente, a esse complicado ceremonial da entrada





TROPA D'AFRICA


dum navio em porto estrangeiro a visit de
sadde, os sinais de terra, as manobras lentas do
commando.
Um rebocador de alto-mar reb6ca-nos depois,
corn lenta solicitude, atrav6s da vasta baia. Lem-
bro-me de me ver ja passando, vagarosamente, ao
long dum paredao de m6lhe, atulhado de compri-
dos armazens, de pilhas de carvao de pedra, e
onde, de espaco a espaqo, sentinelas de caki, dum
aprumo eminentemente paizano. nos votam um
6lho de gorAs, indiferente e estfpido.
Por fim, devorado o alm6qo, ao debruqar-me da
amurada, verifico, num jdbilo imoderado, que tinha-
mos.j6 s6lidamente amarrado a uma das inumeras
docas desta curiosa Cidade do Cabo.
E logo, os seus enormes guindastes, os seus
comb6ios de carvao, os seus enfarruscados car-
regadores mulatos, os seus funcionarios de bon6
agaloado e ornamental cachimbo, todo esse rude e
incessant estridor de cais e doca, canta na minha
alma agradecida um hino de tanto enl6vo e ma-
gia, que 6 como se todo esse carvao de pedra,
esses negros carregadores, essas banais faces sa-
x6nias de bon6 agaloado, f6ssem as mesmas fan-
tAsticas flOres e as mesmas maravilhosas huris do
Paraiso de Mahomet.
Em resumo, pelas duas da tarde, s6b um sol
doente de inverno austral, a bolsa reconfortada por
uma s61ida banck-note de cinco libras, pisei cor .
p6 incerto, por vez primeira em vida, terra africana
e terra inglesa.
Nessa manha memorAvel as minficias na enca-
dernaqgo e no frontispicio, haviam sido incalculA-
veis, quasi feminis. E, valha a verdade, por todo o
navio, desde o alvorecer, passara aquele mesmo
frenesi de escovadela e asticagem que ja noutra
manha c6lebre, durante o circo de Arraz, atactra
os cadetes gascoes de Carbon du Castel-Jaloux





((MISS)) FLORA


quando alguem anuncia a presenqa duma linda mu-
Iher no acampamento.
Os nossos bravos cadetes da Gasconha, revi-
vendo os tempos afastados e safidosos de cadetes
da Bemposta, tinham-se preparado, minuciosamente
e repuxadamente para a... conquista.
E Aparte o ar.escorrido e pobre dos uniforms
nio havia, em verdade, que dizer. 0 confront cor
a improvisada milfcia caki destas ruas do Cabo
nto era, por minha f6, desastrado.

...E eis-nos, emfim, perdidos pelas ruas do Cabo,
um pouco estonteados corn o seu movimento, corn
o seu rumor, corn as suas gentes, corn os seus
sombrios edificios de tijolo e ferro, cor tudo o
que, em suma, a torna tao diverse e antfpoda da
nossa branca, pomposa e vetusta Lisboa.
Por t6da a parte drapeja o jack da Unigo, bar-
rado a azul e vermelho. Por t6da a part se fura
aguqadamente a multidao, na febre ancestral do
times is money.
Um nevoeiro fino, decerto importado de Londres
e do Tamisa, esbate um pouco, por t6da a part,
as longas perspectives, as fachadas sombrias dos
edificios.
Que fazermos n6s, porm??!...
Uma vadiagem observadora por Adderley Street,
a arteria chic da cidade e seu escoadouro elegant?
Uma visit ao Museu Municipal no Town-Hall,
onde nos dizem existir o padrao de Bartolomeu
Dias, antigas lApides do tempo das Descobertas,
outras curiosidades remotas?!... Uma viagem de
tramway a Camps Bay a discreta e asseada praia-
zinha dos arrabaldes, que tanto faz lembrar, vista
do alto, a nossa Praia dasMaqas?!...
Depois um detestavel jantar, enjoadamente engu-
lido, em bOa companhia, numa sala correctamente





TROPA D'AFRICA


inest6tica do cGrand Hotel de Cape-Town))!. De-
pois, uma sessao de cinema em qualquer Tivoli ou
Bioscope Gaumont da Adderley St., cujo interior
tanto faz lembrar uma nave de igreja anglicana e
cujos films sao duma tAo anglicana sensaboria!...
Depois, emfim, a conquista, o trote bo6mio no as-
falto do vicio, a caca da aventura, das dez da noite
em diante!...
Em resume, o program todo! E 6, corn efeito,
Asse estatado calv6rio que n6s trilhamos panirgi-
camente, a ilharga uns dos outros, um pouco bizo-
nhos, apagados no estrepitoso movimento das
ruas!...
Para. ser franco, eu fiquei vagamente safidoso
das minhas vinte e quatro horas no Cabo.
Vida intense, movimento, riqueza, desaf6go!...
As ruas sao largas, os homes sio fortes, as
crianqas sao loiras, o dinheiro 6 em oiro.
E as vivendas dos arrabaldes ao long de t6da
essa Church-Road que leva a Camps Bay?
Oh! as adorAveis vivendas quo respiram um ar
tao tranqlilo de sossego e bem-estar!...
Cor os seus jardinsitos que as separam do mo-
vimento boqal das ruas, corn as suas cortininhas
de cassa branca corridas nas janelas, com seu pa-
tim alpendrado, seus telhados vermelhos, seus vasos
de geranios nos peitoris, todo o seu ar envernizado
e recolhido, dao-nos logo de ch6fre uma tal sensa-
cao de frescura, socego, conf6rto, felicidade egoista,
que insensfvelmente se deixa a gente embalar no
sonho suave de ficar tamb6m, muito tempo, t6da
a vida, ali numa daquelas encantadoras bocetas,
estiracado numa poltrona, uma manta s6bre os
joelhos, um cachimbo nos dentes, folheando e lendo
a filtima novel de Rudyar Kipling ou um lido e
relido volume de Eca ou de Anatole!
Depois, o sexo frAgil! Oh, o sexo fragil, a sua
liberdade de costumes, a sua moral de semi-vir-





((MISS) FLORA


gens, acerbamente excitada agora pelo estado es-
pecial de espirito que a guerra suscitoul...
A nossa mobilidade de latinos, A nossa sdde de
rufdo e de sol, toda esta vida inglesa, insfpida e
c6r de tijolo, requma um t6dio de bocejo imenso,
uma sensaboria narc6tica. Mas a v6zita cristalina
que, na livraria de St. James St. onde entrei a com-
pras corn o Ataide, me preguntou esta manha, no
seu barbaro idioma ingles, se queria ou nao os
meus post-cards embrulhados, era de tal modo pe-
netrante, cariciosa, fragil e risonha, que eu me senti
logo, todo derretido, naquele vago enlevo que faz
de n6s-outros, portuguesinhos valentes, os mais
impenitentes lamechas do globo.
Preguntei-lhe o nome.
Miss Flora!
A minha confidrncia de que seguia cor Portu-
guese Expeditionary Forces para o German East
- palavra m6gica nestas paragens mereceu-nos
logo, a mim e ao meu companheiro de aventura,
num recanto mais escuro da loja, por despedida,
por carinhosa e romanesca lembran'ga, por pr6mio
de her6is, um long beijo na boca-um war-kiss,
um beijo de guerra.
E, todavia, este epis6dio 6 quasi cfndido.
Quando aqui passam os grades transports de
guerra australianos, atulhados de Anzac (1),-carne
de canhdo para a Europa-a libertinagem atinge o
delirio. Na sombra da noite, os relvedos largos dos
jardins, povoam-se de quentes murmdrios, incen-
diarios dialogos, frouxos de riso, pizicatos intermi-
nAveis de beijos. Por t6da a parte os bars estrugem
de vozeiraes gritando, cor o gin, o (Typperary)


(1) Abreviatura de Australian Neo-Zelander Army
Corps-A. N. Z. A. C.-que essas tropas coloniais inglesas
trazem nas fitas dos chapeus,





TROPA D'AFRICA


ou o ((Britannia Rule,. Bandos de raparigas chal-
ram pelas ruas, de braco dado com os turbulentos
e joviais Anzac, temfveis latagoes australianos em
uniform caki.
ImperturbAvel, a policia garante constitucional-
mente estas d6ces liberdades cfvicas. E, meses de-
pois, os registos do Imp6rio alegremente se acres-
centam de mais algumas centenas ou milhares de
loiros babies, war-babies!

Miss Flora, miss Flora!... Nao a ter conhecido
ontem, ao desembarcar!...
Hoje, infelizmente, o comandante foi implacAvel.
Sem poder sequer almoqar em terra, todo tremulo
ainda do seu war-kiss, saltei num cab, e balanqado
nas altas rodas de borracha, ao largo trote da horsa,
larguei, inquieto, para bordo.
Ao meio dia e meia hora levantAvamos ferro; e
duas horas depois, a cidade, IA long, perdia-se ja
de vista nas neblinas de Camps Bay...

Good-bye, miss Flora!...















((BAYETE I BAYETE !)


Bay6te Bay6te I... saddaqgo real dos vA-
tuas, a mais nobre e belicosa raga do toda a Africa
Austral I
((Bay6te I Bay6te I... grito sagrado de guer-
ra, explosdo de triunfo, voto de vassalagem dresses
negros incblas do Incomati, Coolela, Lourenqo Mar-
ques, todo o pafs de Gaza I
((Bay6te I Bay6te I,... Eis tamb6m o grito que
nos baila nos lAbios, quando ao Norte, pela pr6a,
aos noss6s olhos desponta, das brumas da madru-
gada, o m6rro acobreado da Ponta Vermelha, as
suas esguias antenas da T. S. F., os primeiros si-
nais de vida terrestre, depois de cinco dias de r6ta
por aguas do Indico.
E Lourenqo Marques, a lendaria Lourenqo Mar-
ques grandiosa metr6pole do nosso sonho ultra-
marino, esperanqa e desengano de tantos, cemit6-
rio de muitos, velha e gloriosa cicatriz de um
punhado quasi esquecido de herbis 1...
E da amurada, por onde along a vista s6bre
as brumas da Ponta Vermelha, sinto quasi um es-
panto, um desapontamento de nao ver a entrada
da grandiosa bala, como a estatua da Liberdade
em New-York, um outro padrao de granite, um
outro colosso de bronze, talhado na figure gigan-





ThOPA D'AFRICA


tesca de um home derradeiro lusfada- que 6
jd uma sombra apenas, e comeca a ser um sim-
bolo.

A Polana surge logo, ao largo, muito modest,
muito pelintra, da tinta verde-negra da sua vege-
tacAo rasteira.
Praiazinha apenas balbuciante, future rival de
Miiizemberg, Durban, Saint-James, Camps Bay, ve-
geta ainda, na infancia da arte, encolhida e triste
como um g6nio ignorado no drama dos vinte
anos.
E o navio avanqa sempre vagarosamente, sad-
dado por centenas de flAmulas e sinais no t6pe de
outros mastros. Por estibordo 6 Norte, terra, a alta
escarpa barrenta da Ponta Vermelha; por bombor-
do, as largas Aguas da enseada, dum brilho de
estanho sujo,.como estagnadas, adormentadas sob
a modorra tropical.
Raros navios fundeados na bafa. Tr6s ou qutaro
apenas, corn os cascos sujfssimos, todos adorna-
dos a um bordo, se perdem, num ar decr6pito de
aband6no, pela vastidao oleosa das Aguas. E 6
ao long do interminavel Cais-Gorjao, que se en-
costam as mastreaqoes, os bojudos ou esguios
costados de veleiros, carvoeiros, navios de carga,
randes paquetes, toda a sorte de tonelagem que
emanda, por carvRo ou refrtscos, estas paragens
hospitaleiras.
No emtanto, para quem vem do Cabo, h& um
desapontamento, um frio de sensaQio faihada.
Fsperava se, nao sei porquO, o panorama impres-
sionante duma grande capital africana, um pouco
ex6tica, sumptuosa e arrogance no luxo tropical
dos seus edificios monumentais. E visto de bor-
do, tudo parece acaqapado, humilde, balbuciante
apenas chamin6s de tijolo emergindo. agudas, de
f6bricas invisfveis; um ou outro armaz6m telhado




UDlAYATE BAYtTE I))


de zinco; aqui, alum, uma fachada triste de vivenda
colonial; e em redor a tinta uniform, verde-negra
de uma vegetaco dura, agressiva, sombria...

Quando o navio, emfim, encosta ao sumptuoso
cais, jA uma multidao madrugadora, borborinha em
baixo, inquieta, curiosa, salpicada de linho branco
e chapeus de palha, acotovelando-se impaciente s6-
bre o local onde sera lancado o pranchao. E os
nossos olhos reconhecem logo, desde a amurada,
desde as vigias, as mesmas faces comuns que dei-
xAmos em Lisboa, as mesmas barbas por fazer, o
mesmo c6rte dos jaquetbes, os mesmos gestos, os
mesmos gritos, a mesma volubilidade ratona e ta-
garela.
Outra sensacao falhada I...
Se nao f6sse o ambiente estranho do cais, das
vastas Aguas c6r de estanho, dos longes ignotos
da bafa, e do outro lado, a Catembe, muito pr6-
xima, cor um chalkzito azul numa ponta de terra,
-julgar-nos-famos em Lisboa.
Lancada a prancha, 6, no spardeck, pelas cober-
tas, por todo o conv6s, a invasso ruidosa da mul-
tidao que esperava no cais, ardendo em ansiedade.
Todo o navio se enche entao de uma agitacio
alegre, feita de curiosidade, simpatia, franqueza,
uma ponta de safidade dos pAtrios ares alfacinhas.
Cor grandes berros, trocam-se grandes abraqos,
inesperadamente. Em red6r, no cais, o mesmo es-
tridor das docas do Cabo, o mesmo ruido, o mesmo
labor, mais imiscufdo, porem, de faces bestiais e
d6rsos negros, menos febril de actividade, mais
embalado nos d6ces vagares tropicais.
A pr6a e nas cobertas, a soldadesca, atordoada
cor esta baforada de pAtrios ares, pensa desfor-
rar-se do encarceramento a que foi submetida, du-
rante as vinte e quatro horas do Cabo, em que, por
ordem do Comando, nao safra do navio,




TROPA D'AFRICA


Fala-se que nos-demoraremos quatro, cinco dias.
A toda a hora se espera a visit dum ajudante de
campo de S. Ex.a o Governador Geral. E, como o
tftulo de Governador Geral aqui 6 precedido sem-
pre da formula honrosa- S. Ex., n6s, acostuma-
dos A niveladora irreverencia da Mae-PAtria, s6mos
colhidos um pouco de surpresa pelo tAcito respeito
e a disciplinada polidez da populacao perante o alto
cargo.
A clara sala de jantar (jA insuportavel hi vinte
e cinco dias cor os mesmos gestos e as mesmas
faces), nesse dia ao almoco parece remorada, como
renovada por uma rajada de ar fresco.
5, olhos virgens de terra africana, eu precipito o
meu alm6qo, possuido de um nervosismo de pisar
terra, colhhr- os primeiros aspects, tirar as pri-
meiras conclusbes.
Mas uma ordem de serviqo nomeia-me officiall
de dia, ao navio, cor ordens several, disposiqces
expresses. Afivelo o cinturao, pass uma revista
minuciosa aos uniforms dos homes autorizados
a saltar em terra. E, pela tardinha, como nao posso
abandonar o meu posto, distraio-me um pouco a
vAdiar pelo cais, pasmar para os gigantescos guin-
dastes, para os longos e uniforms armazens ali-
nhados ao long do cais, para a sua profusao de
focos volt6icos, para a medda rede de via-f6rrea
que cruza em todos os sentidos o asfalto muito
liso, varrido do pavimento, para todo 6sse sum-
ptuoso conjunto, estranhamente modern, do infin-
dAvel Cais-Gorjao- gl6ria da engenharia portu-
guesa, que faz naquelas plagas africanas como um
trio, o vestibulo solene duma metr6pole moca,
congestionada de luxo, de actividade industrial, de
febre de oiro e prazer, de palacios e jardins.
Ao long do imenso cais, numa linha recta infin-
drvel, outras mastreaqoes, outros navios se encos-
tam, carregando carvao, pachorrentamente.




((BAYiTE BAYITE !)


Locomotivas rebocam vagonetes atulhados do
hulha, circulando por toda a part, ligeiramente.
Sinto um vago orgulho lusitano por essa activi-
dade modern, disciplinada. As longas fitas de ne-
gros dorsos que aqui, acola, se esgueiram em fila
indiana corn cestos de carvao aos ombros, mere-
cem-me um olhar compadecido nao tanto pela
passividade das faces tristes ou pela esqualidez das
longas pernas nuas, como pela estranheza dum tao
in6dito aspect aos meus olhos europeus.
E, a-pesar de tudo,. A flr da minha curiosidade,
baila inquieta a Ansia de correr a cidade, surpreen-
der-,he o segrado, colher-lhe a aspiracao da sua
alma ainda nebulosa, prestar o meu preito de por-
tugues as mem6rias do grande soldado e do grande
politico, que deixaram neste charco insalubre de
outr'ora, o traqo dum fulgurante sonho do impe-
rialismo lusitano.
Maldita ordem de serviqo !...
A noite cai, porem, corn a rapidez de uma tampa
negra, sem crepdsculo nem delfquios de luz no
azul estridente da tarde.
Em opulenta profusdo, os reverberos voltaicos
acendem se rApidamente por todo o cais.
Tambem o navio, silencioso e desert, se ilumina
pouco a pouco; ilumina-se, ao long, para 16 dos
gradeamentos, toda a escura cidade. E eu, servido
o jantar na sala desert, feito o toque de recolher,
passada a minha ronda aos pores, adormeco a
custo entire os lenq6is, fatigado, inquieto, no alvo-
r6qo do dia de Amanha para saidar emfim a cidade,
essa lendAria e radiosa Lourenqo Marques, ca-
pital grandiosa do nosso sonho ultramarino, espe-
ranqa e desengano de tantos, cemit6rio de muitos,
velha e gloriosa cicatriz dum punhado quasi esque-
cido de her6is !...




TROPA D'AFRICA


Vanitas vanitatum!
Decerto, nem tudo, como no Ecclesiastes, 6 ilu-
sao em Lourenco Marques. Mas, transposto por
qualquer dos seus monumentais portoes, o com-
prido gradeamento do cais, 6, logo de chofre, a mais
viva decepqco.
Nem perspectivas de palAcios e jardins, nem
funds alamedas, nem grandes ruas congestiona-
das de luxo, nem edificios suntuosos, nem qualquer
dos triviais aspects de uma grande capital mo-
derna !
Tudo se resume a um sistema de ruazinhas pa-
ralIlas, limpinhas decerto, muito municipalmente
cuidadas, mas de uma estreiteza de burgo provin-
ciano, quasi desertas, faiscando sob o sol tropical
Por dinica fantasia, a modest Praca tSete de
Marco), com os seus quiosques de refrescos, o seu
coreto municipal, os seus bancos pintados de ver-
de, todo o seu ar acanhado e bisonho de luxo pro-
vinciano. Logo depois, a Rua Consiglieri Pedroso,
a art6ria chic do grande com6rcio e da grande
intriga art6ria central a que os mocinhos da Me-
tr6pole, no seu ponto-de-honra alfacinha, se julgam
no dever de emprestar um tom catita de Rua do
Ouro, por ali flanando a tardinha, de junco debaixo
do braco e mon6culo no 61ho, a catrapiscar as
raras senhoras que saem a compras ou a outros
arranjos dom6sticos.
E tambem uma rua como qualquer outra, de
edificios lbaixos, incaracterfsticos, enfadonhos, ou,
quando saem do padrao comum, destrambelhando
em mirabolancias de Arte-Nova a desbancar de
incongrUincia e disparate todas as barbearias chics
da minha pAtria.





((BAYETE!1 BAYfTE 1)


H outras ruas clAssicas- a <(rua dos barsD,
cor as suas matronas, de um louro absurdo de
Agua oxigenada, queimando a sua cigarrilha e pon-
tificando do balcao, A inglesa, As tremendas car-
raspanas de wisky c outros drinks que todas as
noites, invariAvelmente ali se consomem aos almu-
des ; a < atulhadas de sordidez, bugigangas, fedor, avareza
e preciosidades orientais; a ( tes, a < tros becos e travessas ingl6rias, cujos vagos letrei-
ros nem o menor olhar de desdem nos merecem.
Num outro largo ajardinado, arrimado as grades
do cais, 6 a Esta-io Central dos Caminhos de Ferro
um grande edificio branco em estuque ou ci-
mento armado, de certo arr6jo arquitect6nico, um
grande rel6gio ao alto, largas portas em arcada.
O edificio 6 vasto, luxuoso; mas cor o seu ar
nefelibata e deselegante, nao chega mesmo a im-
pressionar-nos.
E, corn o pr6prio Mercado, em alvenaria, des-
garrado num vasto e desert rocio, que foi outr'ora
o Pantano, todas as outras opulncias piblicas e
privadas da Baixa da cidade, inteiramente espio-
Ihadas e corridas em meia hora, nos acentuam
mais o amargo traco de decepQao que esta visit
rdpida nos vinea ao canto dos lAbios.
Saltamos num rickshaw --fr6gil carrinho de duas
rodas, tirado por um lataglo negro entre.os varais.
Voltamos A praga <(Sete de Marqgon.
E esta corrida de rickshaw, importada corn os
ingleses, dos coolies e do Extr6mo Oriente, 6, por
assim dizer, o nosso primeiro acto de soberania co-
lonial, munificentemente remunerada cor uma suja
c6dula de tostao.
Na Praqa, emborca-se uma cerveja choca, paga-se
cor outra suja c6dula de cor6a, e desoladamente
se escancara a boca, num homnrico bocejo.




TROPA D'AFRICA


Mas logo algu6m nos desinquieta do lado para
o grande passeio da season a Polana.
Subimos, pois, a um ((el6ctrico) ou chamamos
um autom6vel de praga. E assim penetramos, corn
um vago cansaco de t6dio, na segunda metade de
Lourenqo Marques, que comeqa justamente em la-
deira, cor os primeiros arruamentos ingremes, tra-
qados em avenida, para 16 da Baixa e do Pantano.

E entAo um deslumbramento... de via reduzida.
Enormes, extensas avenidas se alinham, se cru-
ram se desenrolam, se bifurcam para todos os
pontos cardeais. Arborizadas, jA em grande parte
asfaltadas, ladeadas de passeios, servidas de via
el6ctrica, apenas acusam um ligeiro senao a falta
quAsi total de edificios.
Meia dfzia de (cottages)) inglesa, agrupados
aqui, alem; outra meia dozia de vivendas colonials,
em madeira e zinco; mais adiante um chalezito iso-
lado, outra desgraciosa quitanda mais long; e
por toda a parte o lavado azul dos c6us dominando,
livremente, num grande horizonte desert, onde nem
tectos vermelhos, nem arvoredos, nem f6fas mas-
sas de jardim se arredondam amAvelmente.
Novas avenidas- a ((Marracu6ne), a aVinte e
Quatro de Ag6sto)...
E 6 sempre o mesmo aspect desolado, numa ex-
tensio inconcebivel, corn meia diizia de habitaqoes
graciosas, que, por vezes, aqui, alem, nos trazem
reminiscencias suaves das adorAveis vivendas da
((Church Road)), no Cabo.
Para as bandas da Ponta Vermelha, 6 a Resi-
dencia do Governador, sAo os Consulados ingles,
frances e alemao, a Estacio do Cabo Submarino,
o Quartel-General, o aCardoso's Hotel), todo o bair-
ro nobre, protocolar do burgo.
Af, os largos jardins, transbordando dos muros






((BAYATE I BAYtTE I)


baixos de alvenaria, os altos arvoredos que afogam
as habitaqbes numa sombra discreta, o ar tranqfilo,
confortAvel, de opulncia e bom g6sto, que balsA-
micamente se respira cor o hlito tropical dos jar-
dins, reconciliam-nos um pouco cor a cidade e a
sua heteroclita pafsagem. Depois, o automdvel des-
ce-nos a Polana, por uma fita de estrada, em espi-
ral toda cimentada. Em baixo, na area da praia,
passamos um olhar vagaroso, desatento, pela po-
breza franciscana das aspectos-um terraqo ar-
mado em madeira onde se faz, em grande estilo, o
(five o' clbck do tom; uma prancha para os nada-
dores; duas fiadazinhas de barracas de banho; um
quadrado de rede, por temor dos tubaroes; e o
mar azul, tranqfilo, vindo do largo, em finas ondas
murmurantes, da imensidade dos oceanos austrais.
Tomamos tambem o nosso chA, desembolsando
a grossa esportula dum lauto jantar na Metr6pole;
perdemos um pouco o olhar pelas carnaQces rosa-
das das pequeninas e louras misses, que doida-
mente se engalfinham cor a onda no banho; e
voltamos ao nosso autom6vel.
JA a noite cai, no seu rapido crepisculo dos tr6-.
picos. 0 autom6vel arranca logo, varando vertigi-
nosamente, s6bre o asfalto, as longas, desertas, de-
sabitadas avenidas. S6bre n6s desce tambem uma
infinita melancolia, uma surda nostalgia da nossa
longfnqua, familiar Lisboa, a essa hora tao alegre
e tagarela no rumor ligeiro dos seus cafes ilumi-
nados...
Quando entramos de novo na praga (Sete de
Marco) conjura-se a tremenda orgia dum jantar
((chic), com Champagne e charutos, num restau-
rante (chic, -o (Club-Hotel" ou o Cardoso).
Depois o ((Variedades", cor a sua infaifvel ses-
slo de cinema; depois a volta dos bars, cor a sa-
cramental carraspana de wisky; depois, A hora bo-
hemia, a visit ao PAntano cor a sua libertinagem






TROPA D'AFRICA


fAcil de cais e p6rto, que ali oferece cosmopolita-
mente aos navegadores das Sete partidas do mun-
do... a sabia luxdria das suas V6nus europeias.
E, pelas tres da madrugada, recolhemos melanc6-
licamente a bordo, tendo esvasiado at6 as fezes, por
uma fragil nota de vinte mil r6is, o capitoso cAlix
de todas as delicias de Lourenqo-Marques.

Assim decorrem mansamente, arrastadamente
mais tres dias. E nesses breves, arrastados tres
dias, colhemos inimcros ensinamentos iteis.
Sente-se, por exemplo, que nso hA uma popula-
qio fixa, alem da col6nia inglesa e da col6nia por-
tuguesa jA inglesada.
0 alto funcionalismo europeu, arrecadando em
cada mes a melhor parte dos seus proventos, s6
espera o moment ansioso de findar a :comissao,
afivelar as malas, embarcar para a Metr6pole.
SSente-se tambem, cor o 6dio surdo ao ingles, o
snobismo do ((chic, ingles, vestir A inglesa, pra-
ticar os hAbitos e os vicious ingleses. Por toda a
parte, letreiros, taboletas em ingles. Nestes tempos
de guerra, o que, pelos bars e cinemas se canta 6
o ((Typperary) on o ((Britannia rule), como os ma-
rujos ingleses, a cair de bebedos.
E, oscilando precariamente, entire as inddstrias
falazes do turismo e a forte vida carvoeira do cais,
entire a Estacao do Caminho de Ferro e os guin-
dastes do Cais Gorjao, toda a vida econ6mica da
cidade veg6ta, numa apatia de falsa grandeza, mais
onerada ainda pelas despesas de representacao,
pela imitaoqo dos hAbitos ingleses e pela necessidade
de manter um copioso funcionalismo, respeitAvel e
bem pago.
Nenhumas outras fontes de riqueza, fAbricas, in-
ddstrias locals, se suipreendem, mergulhando s61i-
damente no solo as raizes poderosas. 0 dinheiro 6






(IBAYETE BAYETE !"


carissimo; todos os prazeres sao importados a peso
de oiro, por todos os paquetes, de todas as parties
do mundo...
Da antiga rigidez spartana de Mousinho restam
apenas o escudo e as armas da cidade, cor a sua
legend arrogante: (Descoberta e Soberania por-
tuguesa).
Vanitas vanitatum I

E, a-pesar de tudo, ao desamarrarmos do cais,
tres dias depois, no nosso grande transport de
guerra, nao podemos deixar de enviar a esfingica
cidade um adeus comovido.
Cor ela deixamos todos os fAceis encantos da
vida, da civilizacAo; nela queimAmos, por precau-
eAo, os iltimos r6is do nosso sold ligeiro.
Quem sabe se a nao tornaremos mais a ver !...
SE, de resto, vai no nosso comovido olhar de des-
pedida, um derradeiro preito lusitano ao peito ilus-
tre que a sonhou.
Cor o seu cais magnifico, as suas te6ricas ave-
nidas, a sua nebulosa fisionomia de capital moder-
na, ela serd um dia rainha e p6rola deste vasto
Indico.
E, novo gesto perdido duma raQa generosa, como
o Brasil, como a India, como todas as Descobertas
e Novos Mundos, ela ficari, no melhor dos seus
fundamentos subterrAneos, a gritar pelos s6culos
f6ra o esf6rqo gigantesco dum povo pigmeu, que,
para o mundo, inteiramente se.tem dado, sem que
do mundo mais tenha recolhido que um ef6mero
olhar de desinter8sse e curiosidade risonha.
Gl6ria a Mousinho, o derradeiro lusfada I Gl6ria
A velha raQa !
(Bay6te Bay6te I...,















PALMA- TUNGUE (NIASSA)


cPalma Tungue)... tPalma TungueD !
Quantas vezes, em Lisboa, no Cais da Empreza
National, diante deste invariAvel letreiro afixado em
todos os caixotes da Expediqao, preguntei a mim
mesmo, num desafio, onde diabo seriam este Tun-
gue e esta Palma, de que nunca tinha ouvido falar,
e que pareciam agora expressamente criados pelo
Destino, para campo das minhas aventuras, para
fulcro da minha existncia I...
Que aspect revelariam? Qual a sua hist6ria?
Qual a sua fauna? Que papel teriam representado
no vasto drama milenArio do mundo ?...
E o pr6prio vAcuo destas interrogaqaes sem res-
posta me dava um calafrio de emooo nova, a que
me abandonava com deleite.
Pois s6 agora, dois moses volvidos, a resposta
comeqa a chegar, brutamente, na pr6ximidade in-
coercfvel dos factos.

Vimos navegando ha quatro dias, de Lourenqo
Marques, com rumo norte e terra de Mocambique
sempre a bombordo. E forqoso que esta Provfncia
valha um imp6rio, para que assim sejam necessa-
rios quatro longos dias e quatro longas noites de
velocidade magnffica, a percorrer toda a sua costa I





PALMA-TUNGUE (NIASSA) 57

Ao lusco-fusco da madrugada, sente-se a proxi-
midade da terra.
Farejamo-la na aragem que circula, mais t6pida,
carregada de balsamos e emanaqCes vegetais. E A
media que encurtamos o termo do nosso destiny
6 uma ansiedade louca de mergulharmos olhos e
espirito nessas regiSes ignoradas, colhendo-lhes o
segr6do tenebroso, surpreendendo-lhes a misteriosa
vida...
Sonho um pouco em claras, lisas vertentes de
areas muilo brancas, muito finas, ao r6s da Agua,
em cuja frescura de praia afortunada, as nossas
tendas de lona, dispostas cor military simetria
na sombra dos palmares, facam um digno qua-
dro a romanescos lances de guerra, Aspera vida
de acampamento, paradas, perp6tuos combates,
vida her6ica... E pensa-se um pouco em Robin-
son Crusoe, recordam-se um pouco as cacadas de
Roosevelt ao leao da Zamb6zia...
JA o navio descreve, na placidez das Aguas, uma
curva muito larga, como quem tateia o caminho,
atrav6s dos baixios de areia destes mares tio
pouco navegados. As mAquinas afrouxam; a ma-
rinhagem da tripulaqao atropela-se por todo o con-
ves, numa infatigavel faina, desem6lhando cabos,
abatendo pranchas e paus-de-carga.
E a terra em frente, 16 muito long, na imensa
concha da bala, vai-se, pouco a pouco, revelando,
tomando vulto, precisando os confuses detalhes -
uma cabelugem solta de palmares coroando as
eminencias, alguns pontos mindsculos de habita-
qoes, desenhos vagos de barcaqas varadas na praia.
LA long, aquela humilde aparencia de povoa-
cAo, afogada sombriamente em arredondadas mas-
sas de arvoredo dizem-nos que 6 Palma. Para o
nascent, a lingua de terra, que ao r6s da Agua se
estira, today bordada de palmares, a sumir-se no
limited do horizonte, sao os territ6rios do Cabo Del-





TROPA D'AFRICA


gado. Tungue, a antiga capital indigena antiga
feudatAria do Sultdo de Zanzibar e incorporada ha
umas dezenas de anos, nos nossos dominios -
envelhece ignoradamente junto do Cabo Delgado.
E o nome geogrAfico da bala 6, por extensdo, Tun-
gue tambem.


Chegamos, pois, A bafa do Tungue; e o navio
voga agora, silenciosamente, muito vagarosamente
na placidez leitosa das suas aguas.
Todos n6s, A amurada, no conv6s, mergulhamos
os olhos na terra distant, penetrados dum silen-
cio, como dum pasmo.
Em cima, na ponte, um marinheiro arroja larga-
mente a funda sonda, vai repetindo, fanhoso.e me-
canico :
((Oito braQas folgadas!... Sete braqas emeia!...D
A estibordo, outro home, cor outra sonda, na
mesma voz informa tambrm :
((Sete braqas na marca !... Seis braqas e meia!...'
Por fim, o grito: ((Seis braqas escassas !...,
Do outro bordo, outro grito ((Seis bracas na
marca I,
SUm guincho A pr6a desenrola, corn estr6pito de
ferros, a grossa amarra da ancora ; as m6quinas
param; fica por muito tempo, no marulhar da
agua branca de espuma, como o profundo suspiro
dum cansaco.
E fundermos.
Um escal6r, vindo de terra, encosta logo ao fundo
do portal6,.com tros oficiais de grandes barbas,
largo chapeirao desabado, os uniforms cinzentos,
desbotados, dizendo a vida rude daquelas para-
gens.
Outras embarcaq6es se dirigem para n6s, vindas
de terra. E um rebocador de alto-mar arrastando
um lanchao de ferro. Sao, mais long, mindsculos





PALMA TUNGUE (NIASSA)


escaleres a remos,. bojudas barcaqas de largas vb-
las pandas, que fazem na vastidao da bafa, um lento
formigueiro negro.em marcha.. .
E tudo sao para n6s aspects imprevistos.
Corn a moncio da India que todos os anos so-
pra, durante meses, s6bre esta costa, uma lufada
mais viva do misterioso Oriente parece varrer tam-
b8m estas praias e estas gentes.
Mas 6 dum fundo de saudade mais remote, do
fundo dos tempos do Gama e das Armadas da In-
dia, que parecem agora encantadamente surgir-nos
debaixo dos olhos, atracando ao long paquete, os
bojudos (pangaios, de cavername t6sco, ampla
vela c6r de agafrao e o grave nahoda ao leme, de
g6rro branco e perfil de drabe. A r6, as bojudas
barcas trAzem t6scos letreiros a negro, sugestivos
- Bagdad, Zanzibar; Fernto Veloso...
E os cofflahs vermelhos dos (cipaios,, os dor-
sos nis e os trombudos focinhos dos remadores
negros, os berrantes panos listrados que se enro-
lam nos rins da negra matula, toda a grossa alga-
raviada suahily que enche de gritos, de c6r e bull-
cio a sua rude faina maritima, acordam em nossos
peitos debruqados da amurada, uma indefinida
emoqgo ancestral, um demorado, enternecido olhar
de sauidade antiga s6bre o cinzento'sujo das aguas,
s6bre os longes da bafa esfumados na tinta da ma-
nha...
Por vezes, em baixo, da rude azAfama de cala-
bres e croques, uma dentuqa alvar se escancara
para n6s, para as amuradas, num esgar que pa-
rece um riso de escarneo. E logo reconhecemos,
no trombudo focinho negro, o sorriso que, por se-
melhantes manhss de arribada, devia ter acolhido
muita nAu das Armadas na rota das Indias, talvez
as fustas luctuosas de D. Francisco d'Almeida tor-
nando ao Reino, talvez a ruiva guedelha do poeta
Lufs Vaz na amura da nAu que o levava a G6a...





TROPA D'AFRICA


Ai, a visRo do sonho antigo 1...
((Ai do lusiada, coitadolb


A bordo vai, entretanto, uma azbfama febril pelo
desembarque. Escalam-se os pelotoes que irao, em
secqbes de quart6is, preparar em terra os bivaques.
Ninguem sabe ao certo o que havera IA prepa-
rado para receber estes 1:500 homes e todas as
toneladas de mantimentos e material de guerra que
veem nos poroes. E, um pouco embaracado, espe-
ra-se, que alguem venha de terra, oficialmente, corn
fnformacoes exactas.
E o pr6prio Coronel Comandante da Expedi-
cro anterior, que salta do rebocador, acompa-
nhado de outros oficiais. Veem tambem, vestidos
de branoo, impecAvelmente barbeados, tostados
do vivo ar marinho, dois oficiais da Armada, en-
carregados do desembarque. Logo em cima, no
spardeck grandes abraqos se trocam, e as pregun-
tas, as curiosidades fervem s6bre estes recem-che-
gados.
E, emquanto numa das salas de luxo da camara
de (primeira), os cumprimentos oficiais se trocam
entire os dois Comandantes, todos n6s, rodeando
os outros recem-vindos, ouvimos que nao hA nada
em terra, nada se preparou, nenhuma ordem se
recebeu nesse sentido.
0 sard6nico rictus dum sorriso sublinha nos
lAbios dos nossos informadores, tao consolad6ras
notfcias.
Comeqamos a desanimar.
Mas uma ordem vem do Quartel General, man-
dando-me apresentar em terra, cor trinta soldados,
ao comandante military da Base em Palma, .a-fim
de receber instruqoes cdrca do local de bivaque e
outras dependencias do Quartel Generals.




PALMA TUNGUE (NIASSA)


Particularmente, recomendam-me que o bivaque
deve ficar instalado, o mAximo, em tres dias. Para
isso me informal de que as barracas de campa-
nha seguem jA para terra nos ((pangaios), e que 1
receberei tamb6m os caixotbes com o material de
bivaque mais indispensAvel, como lanternas, cal-
deiros, cantinas, etc.
As outras tropas que devem desembarcar no-
meiam tamb8m as suas secqbes-de-quart6is, des-
pacham-nas para terra. E, todos equipados somo
para uma parada em campo de manobras cntu-
rao, cantil, pistol A cinta, a espada afivelada, as
luvas calqadas descemos o portal6, com os ou-
tros oficiais das (secq6es-de-quarteis).
Os nossos destacamentos, quehaviam jA descido
tambem, vao-se acomodando tumultuosamente nos
(pangaios). N6s, oficiais, por ordem superior, to-
mamos lugar num escal6r a.gazolina, que trepida
ja impacientemente.
E para aproveitar a mare, os apangajos) largam
logo, desdobrando a farta vela 6 frouxa aragem do
meio-dia.
N6s, s6 meia hora depois, enervados de impa-
ciencia, obtemos porfim ordem de larger.


Vamos alcanqar os ((pangaios, a meio caminho
ainda; mas encalhados ja na areia baixa, muito long
ainda de terra, comecam a adornar s6bre um dos
b6rdos, quAsi em seco.
A algazarra da soldadesca, bramindo, chaman-
do-nos, pedindo-nos auxilio, injuriando-nos talvez,
chega ate n6s, por lutadas intermitentes.
((Pois sim, rala-tel... rosna ao leme o nosso
timoneiro, cabo da Armada, a quem aqueles espe-
ctdculos devem ser mais que familiares.
Mas entdo nao os veem buscar ? pregunta




TROPA D'AFRICA


um de n6s, um pouco inquieto, condoIdo cor a sorte
dos nossos soldados,, dada a inclinagao que os
pangaios vao tomando na igua.
Daqui a seis horas a mar6 os porA outra vez
a nado, o eles chegarao a terra, sem novidade!...
Nao se.rale o meu alferes!...
Seis horas naquela situaio !... Deve ser de es-
toirar de firia, Santo Deus!...
Mas, como o nosso escal6r jA por vezes tenha
tambem raspado cor ffiria nos calhaus da baixa,
o timoneiro corta o motor e, no silencio da praia,
lanqa um long brado :
(Nuro-ueh!....)
Outro agudo grito responded de long. E logo se
entabola um diAlogo, a plenos pulnibes, entire umr
dos negros do escal]r e qualquer outro negro da
.praia.
Da escura araviada nada distinguimos nem um
termo, um indicio.
SMas, popco depois, oito latagbes negros de foci-
nhos hediondos e de panos arregaqados, aproxi-
mam-se do barco, em grandes pernadas dificeis,
corn gua pela c6xa.
Saltamos-lhes, um pouco-intrigados, s6bre os ma-
pissos.ombros; passamos-lhes fortemente as pernas
por diante do peito; e 6 de ver a nossa picara ca-
valgada, dentro de agua, encarrapitados s6bre a
suja carapinha, no tremendo pav6r de que todo o
sistema desabe comnosco no 16do, a cada dificil
pernada na babugem da mar6-vasa.
Quando, na praia, agachando-se cor um geito
suave de animals familiares, nos depbem em seco,
respiramos, emfim.
Damos o esdgudte,) a gorgeta e olhamos em
volta, alarmados.
-Mas isto 6 que 6 Palma ?
Nao sei responded um de n6s.- Vamos an-
dando at6 v -r!




PALMA TUNGUE (NIASSA)


E, lentamente, curvando a cabeQa como ao peso
dum destino injusto, 1i nos encaminhamos ao acaso,
para a esquerda, s6bre a vasa da mar6 coalhada
de limos, de latas de conserve vazias, de peixe p6-
dre, de grandes n6doas esverdeadas, de grandes
pastas de dejectos, de toda a sordidez e toda a
imundfcie que o venture e a cloaca duma grande
metr6pole europea podem expelir, arrojar descui-
dosamente bs areas virgens duma praia africa-
na...
A minha primeira sombra de p6ssimismo e de-
salento data precisamente do instant em que avan-
cei o meu primeiro pass nas areas de Palma.
E o primeiro aspect flagrante que tamb6m crua-
mente fixei na retina (e que por si s6 resume todo um
simbolo), 6 o de um pretalhaz agachado de c6coras
A beira da 6gua, salutarmente alijando, filosofando.
Todo o sonho desfeito, toda a curiosidade evapo-
rada!...

Tomados de nausea, caminhAmos ao acaso pela
praia imunda, at6 lobrigarmos, todas sumidas e hu-
mildes na sombra dos altos coqueiros, as primeiras
habitaQ6es de Palma.
S.. Habitacqes de indigenas, decerto, na sua si-
lhueta de palhotas, jA traQadas a esquadria, em
grossas palissadas de mangal, telhadas de esp6sso
colmo, as abas em alpendre, muito baixas, fazendo
um estirado vao de sombra, sob a ardncia branca
do sol.
E vemo-nos de repente numa larga rua de area
--inica rua de Palma--que corre ao long da
praia, toda revolvida por funds sulcos de rodas,
entire as duas filas de moradas humildes, sob os
vagos novelos de sombra dos coqueiros altos e
outras Arvores dos tr6picos.
Por vezes, sob o colmo, ha paredes maticadas
de barro ou torpemente borradas de cal suja. E




TROPA D'AFRICA


desta pitoresca mis6ria de aldeia africana, desta-
ca-se, um pouco adiante, um corpo quadrangular,
macisso, de casa mourisca, toda branca de cal, cor
sua adufa pintada de verde, seu terraco liso A moda
Arabe. Ao lado, um esguio coqueiro, oblfquo s6bre
o terraqo, esguedelha ao alto, no ar im6vel, a rica
plumagem verde.
E bem um trecho de Oriente, abastardado, mes-
tico, mixto de indiano e arabe, na sua escura mis-
ria mussulmana.
E nem viv'almal...

Vertical, este sol do meio-dia, nao faz uma som-
bra na areia. E toda a rua desert, sob o hAlito de
fogo, zumbe inquietadoramente da vibracio de mi-
lhares de invisfveis asas, no rev6rbero calcinante
das areas, que escaldam as solas das botas, fer-
mentam em monturos por toda a parte.
Surdem, entretanto, os primeiros aspects de
vida europea.
Sao, aqui, al6m, t6scas barracas de madeira, co-
bertas de latas velhas, tampas de caixotes, velhos
farrapos de lona.
Dois operArios, tipos de mecanicos, de enormes
melenas, de cachimbo nos dentes, repousam em
camisa sob um toldo de linhagem, entire velhas la-
tas de gazolina, estiraqados em cadeiras de lona.
Mais adiante, alguns soldados europeus, verdes de
febre. miseraveis nos seus andrajos de uniform,
almoqam de vagar.
Depois, hA um passadieo de grossas pranchas,
s6bre um riacho lento, negro, f6tido, que parece
apodrecido na fund vala de area.
Passado o riacho, 6 outra casa de alvenaria a
europea, de uma fresca alvura de cal, telhada de
zinco vermelho, e onde se enrodilha, im6vel, ao alto
de um mastro, um trapo de bandeira national;
quasi em frente, oitra casa europea, cor o mesmo





PALMA- TUNUth (NIASSA)


telhado de zinco, o mesmo alpendre comprido, a
mesma alvura de cal; e por fim, 18 ao fundo, de
uma sombra espessa de grandes Arvores, surde
uma fachada c6r de rosa, onde uma guarita, uma
sentinela negra em caki e tres silhuetas cinzentas de
oficiais que fazem a s6sta no alpendre, manifesta-
mente indicam a s6de do Comando Militar de
Palma.
E eis tudol
Palma terminal aqui, corn a sua rua de area ao
long da sua praia.
Aproximamo-nos, apresentamo-nos militarmente.
Nao conhecemos pessoalmente nenhum dos oficiais
-um capital e dois alferes do 21.
E o olho ir6nico qfie nos acolhe, recebendo-nos
as guias e c6cando as nossas espadas, as nossas
luvas calqadas, todo o nosso ar endomingado e teso
de novatos, irrita-nos surdamente.
O comandante da Base, capitao Guedes Vaz, 6
por6m um home insinuante, de modos polidos,
cavalheiresco. Logo, uma fAcil camaradagem se es-
tabelece cor bonomia. E como ainda nenhum de
n6s tivesse almoqado, convida-nos largamente para
um lauto banquet, improvisado cor atum de con-
serva, uma travessa de bifes, vinho, caf6...
-Batatas 6 que nio had...
-Nao faz mal, Servel... sorrimos.
Ai de n6sI E o espectro do atum que co-
meqa!...

Mortos de fome, no entanto, avanqamos s6bre
o Agape, com gratidao efusiva.
AlmoCamos num cubfculo de paredes caiadas,
corn a porta aberta s6bre um largo pAteo interior,
onde uma s6rdida leva de carregadores negros,
acocorados em cfrculo, aos magotes e impassiveis
debaixo do sol, fazem uma atmosfera espessa e
acre de catinga, 16do seco, todos os suores imundos.




TROPA D'AFRICA


Um moleque serve-nos, Agil e esperto, em tra-
vessas de aluminio, copos rachados, chAvenas de-
sazadas gordurosa e esbeiqada baixela, de fazer
morrer todo o appetite, num engulho.
C'est la guerre... sorri-nos por detrAs dos
seus 6culos, das suas barbas, o nosso generoso
hospedeiro que surpreende o vago gesto de nausea.
E, a-pesar de tudo, afazendo-nos resignadamente
As novas condiqces de vida, acabamos por nos sen-
tirmos bem, saborearmos lentamente os pit6us, pe-
dirmos um palito, declararmos um ((ah!) conso-
lado.

E nao acabavamos quando um official do Estado
Maior, desembarcado nesse instant, nos apressa
para treparmos a um camiao, partirmos para os
locais do bivaque, aproveitarmos o curto dia.
(Um autom6vel!?... Viva o luxol...
No deite foguetes, meu amigol informa
logo, muito s6rio, o comandante da Base. H,
por junto, dois cami6es, um dos quais sempre em
concerto
Emboral Saltamos alegremente no grande car-
rocao ((Fiat) e arrancamos logo atrav6s de uma
lisa planura de area, esverdinhada de musgo, que
se estende nas trazeiras do Comando Militar.
Assim passamos atraves da escura aldeia indf-
gena, miserAvel, primitive, que se espalha ao acaso,
por aqui, por al6m, na sombra das arvores copa-
das, em grupos de oito a dez palhotas, mais ign6beis
que fojos de feras.
Ja o carro trepa uma ladeira barrenta, cortada
dos barrancos das chuvas, e que nos leva As emi-
nencias plans, fronteiras ao mar, que da bafa se
avistavam uniforms, rasas, afogadas num verde
hostile e sAfaro de mrato africano.
Ao alto da ladeira, um bivaque de tropas colo-
niais[,





PALMA TUNGUE (NIASSA)


Barracas de lona a cada pass; uma mess, co-
berta.dum toldo verde, cor uma t6sca mesa de
caixotes, bancos t6scos, uma cadeira de lona: mais
adiante as cavalariqas, armadas em frageis telhei-
ros de capim, atulhadas de estarco e solfpedes.
Os soldados vestem a camisola caki das tropas
inglesas; sente-se a pr6xima imitacqo da milfcia
inglesa. Mas as faces sao tristes, morenas, chupa-
das de febres. E em red6r, o arranjo das coisas
6, evidentemente, portugues.
Passamos este bivaque, e 6 entso o mato vir-
gem,. a cerrada lande africana, atrav6s da qual o
estreito caminho, aberto de fresco, rompe a custo,
A beira sempre da encosta, a bafa sempre A vista.
Por fim, o autom6vel estaca. E dizem-nos: (E
aquirb)
---Aqui, o que l pregunto a mim mesmo.
Olho em volta e vejo apenas uma planura que
se estende para o interior, cerrada de arbustos,
liames, vegetaqbes da adusta flora africana, tao in-
timamente apertadas e enleadas entire si que desvio
o olhar, fatigado, acobardado.
De quando em quando, como mostruosa balisa,
um embondeiro ou bahobah gigantesco, duma cor-
pulncia e dum tom pardacento de mastodonte ve-
getal, along as curtas, calvas ramadas sobre o mato
impenetravel.
Sufoco.
Os bivaques serao instalados aqui, depois do
mato desbravado.
Mas quantos dias nos custarao estes trabalhos
de H6rcules? E quem se atrevera a romper corn
este mato hostil?... Como aplainar, tornar este
chao habitavelfl ...
Dizem nos que isso 6 tarefa simples de carrega-
dores negros e ferramenta indigena.
Pois siml Mas havera ao menos carregadores,
ferramentas?l E nao havia uma nota do Ministerio





TROPA D'AFMCA


das Col6nias ordenando que se tivesse tudo pre-
parado para a rapida construCqo de barracbes, ca-
sernas de capim, dep6sitos em madeira e zinco,
emfim, o indispensAvell?
-Nao ha nota, nao hd nada. HA tudo por fazer
de novol... Ha o mato virgem. Haverb, quando
chegarem, os carregadores. E havera, porventura,
boa vontade de trabalhar!...
Levo as mios a cabeqa, descorqoado.
-Mas, entao, quando podera daqui arrancar,em
som de guerra, a mais modest coluna de opera-
qes?...
E volto ao camion, descemos a Palma, filoso-
fando amargamente.
-0 que vale-diz alguem-6 que os ingleses,
no Cabo, nos asseguraram que esta campanha nao
devia durar mais que oito semanas. Estainos em
Julho. Portanto, Agosto, Setembro... Em princi-
pios de Outubro esta tudo acabado!...
SerA essa a nossa sorte, porque, de contrario,
antes de Outubro, sera materialmente impossivel
qualquer acqao eficaz da nossa parte.
Chegamos a Palma corn sol post. Tentamos
ainda voltar para bordo a desanuviar os Animos, a
refocilarmo-nos na civilizaqao.
Mas na praia nao hA embarcaco que nos trans-
porte. Depois de meia hora de infiteis tentativas,
de baldados berros, siplicas, injiirias para os pan-
gaios varados na area, depois de revolvermos, bal-
dadamente, ceus e terra em cata do mais modesto
bdte, fazemos como o burro da fAbula desisti-
mos.
.S6 entao a necessidade acerba de jantar nos
acomete com fdiria. Mas onde?
.Na mess dos oficiais da Base, jA os moleques ti-
nham rapado os restos das caqarolas. Ninguem
mais conhecemos aqui a quem mendigar a esmola
de um jantar. E lanqando um t6rvo olhar de inveja





PALMA TUNGUE (NIASSA)


s6bre o grande paquete, j todo iluminado, flamante,
16 long no negrume da vasta bafa, acabamos por
aceitar o caridoso convite de dois sargentos, desem-
barcados essa tarde. e que abrem s6b um telheiro
de zinco duas latas de sardinha e uma garrafa de
cerveja comprada a bordo.
Dos meus companheiros de. desembarque, per-
di-me, nesta escuridao lobrega que baixou, rapida
cor o sol posto.
Nao hd que hesitar!
Abanco a beira duma mala, e, servido pelos
amAveis sargentos, engulo melanc61icamente meia
dizia de febras de sardinha, acompanhadas de ou-
tros tantos goles de cerveja. O c8to da vela quo
nos alumia, derrete-se na tampa doutra mala. der-
ramando em redor uma lividez finebre.
Acabo de jantar, pesado de melancolia, o est6-
mago vazio. E aqueles bandidos 16, ao largo, no
contortAvel: paquete, decerto a estas horas se esti-
ragam nas amplas poltronas, espalitam os dentes
do lauto jantar... Infamesl
Sinto me imensamente infeliz, porque agora, surge
outro problema mais grave-o de dormir!
Ninguem, decerto, mandou a minha bagagem
para terra. Estou, pois, sem cama de campanha,
sem escOvas, sem o menor naco de sabonete, e,
em compensaoio cor um cantil, um par de lu-
vas, uma:espada inftil A cintal
Uma espada A cinta que deliciosa, paradoxal
pilheria!...
Tento, ao menos, arranjar guarida, pedir uma
cama, um cantinho onde acomodar os ossos.
Por toda a parte, por6m, a resposta 6 invaria-
vel:
-Diabol Camas nao hAl S6 talvez uma cadeira...
Por uma noite ou .duas!...
E o pior 6 que sou eu pr6prio a verificar esta
verdade medonhal





TROPA D'AFRICA


Consigo, pois, que me emprestem uma cadeira
indiana de palhinha, comprida e vast, odiosa-
mente inc6moda.
Mas, ao relento, na area imunda, nao!
E 6 s6b o alpendre do Comando da Base que
me estendo, emfim, na palhinha da cadeira, com-
pletamente vestido, entalado nas elegfncias alfa-
cinhas da farda, aperreado nas correias novas do
equipamento.

Tranqfila, profunda, a noite amortalha em re-
dor as horas silenciosas. LA ao largo, o paquete,
todo iluminado, escandalosamente scintila de lu-
zes, num reflexo de grande festa, de civilizagco.
E, As voltas, no cadeirao odioso, deixo-me pene-
trar da paz h6stil da noite-e adormeqo, por fim, ao
rftmo da onda que marulha de leve na praia, em-
balado na cantilna dos grilos que, estridulam esque-
cidos pela noite f6ra...
Foi assim prometedora e fAcil a minha primeira
noite em Palma a primeira noite de quasi todos
n6sl



Entrei finalmente em funqbes, as minhas mdlti-
plas e atribuladoras funqaes de comandante do
Quartel-General.
Comeqou, pois, ha tres dias o meu ingl6rio fadArio.
Nestas horas cru6is, o grave problema da mi-
nha existencia ter sido a instalaqao do bivaque do
Quartel-General-catorze barracas de lona para ofi-
ciais, s6des de secretariat e repartiqbes do Estado
Maior, a tenda do Comando-em-chefe, o acampa-
mento de sargentos e praqas da escolta, parques
de gado e viaturas.,.





PALMA TUNGUE (NIASSA)


Oh Deus piedoso! Acaso hA debaixo do sol su-
plicio mais vil?
Ha tres dias que eu me gasto pelas areas de
Palma, sem saber ao certo onde poderei almoqar,
onde me darao de jantar, onde arrumarei a car-
cassa para dormir.
Durante estes tris acidentados dias, jA decerto
algum'a tarefa Altil se teria podido avanqar.
SSucede, todavia, que, em cada manha do Se-
nhor, antes de alm6qo, alguem me vem segredar,
afagando-me o ombro, (que o bivaque do Quar-
tel-General ficarA em Palma, junto do mar, perto
do Comando da Base, talvez na planura pantanosa
das suas trazeiras.
Diligentemente, ardendo em z6lo de novice, faqo
logo arrastar os catorze fardos de lona para o in-
dicado local; e ai passo as horas da cahna a vi-
giar, a apressar o levantamento dos prumos, aju-
dando o esticamento dos toldos, rectificando a
cravaqio das estacas.
JA a primeira fila de tendas se ergue do solo
abrazado, jA mesmo comeqo a rev&r-me enlevado
na minha obra, quando a tardinha, antes de jan-
tar, me despacham um mensageiro corn um ami-
gAvel bilhete, informando-me que, final, (ficdra
definitivamente resolvido instalar-se o Q. G., nao
em Palma, como a principio se aventdra, mas a
oeste de Palma, d1 em cima, no planalto dos bi-
vaques, corn as outras tropas de linha).
Perplexo, desconsolado, dirijo-me pois ao Co-
mando da Base a requisitar um camion, uma leva
de carregadores, qualquer outro meio de transport
que me arraste at6 la cima, atrav6s da barrenta la-
eira, as minhas malfadadas barracas.
Cor dificuldades inconcebiveis, uma paciencia
evang6lica, mentindo, multiplicando-me, fazendo
encravar outros serviqos, consigo desviar em meu
proveito um camion ou um rebanho de d6ceis car-





TROPA D'AFRICA


regadores para desalojar de poiso corn osodiosos
fardos.
0 sol, entretanto, esconde-se j6. Comeca a noite
a baixar.
Chegando ao planalto corn a preciosa carga,
olho em volta, estudo o novo, definitive local.
E ponho-me desoladamente a cocar a cabeca.
Em red6r nao vejo senao mato bravio, impene-
travel, h6stil, afogando a tira estreita de caminho
por onde vieramos.
Como diabo tornar isto habitavell?...
Mas, emfim! Deve ser bem,mais salibre que la
em baixo na imunda Palma. E uma compensaaol
Deixando por terra os meus fardos de lona, os
meus caixotes, toda a tralhoada de material de bi-
vaque, volto a Palma para jantar, quasi feliz corn a
corscincia de haver bem ganho o meu dia.
Nao tenho, porem, levado a boca a primeira gar-
fada quando uma ordenanqa me entrega uma nota
official, emanada do Q. G., e recheada dOstes dize-
res sublimes: '
(.Referdncia Ordem de Servipo n.o... inform
V. Ex.a que relativamente, a instalagao do bivaque
diste Quartel General, deverd V. Ex.a aguardar
as instruo5es relaticas a local, exposiQpo, medidas
higidnicas e outras disposigoes dicersas que dma-
nha serao publicadas em ordem especial).
Lido o papel, como a apoplexia fulminante me
nao estende redondo no solo, 6 porque decidida-
mente Deus me reserve na terra outros mais glo-
riosos destinos.
E assim vem sucedendo, sem a menor discre-
pancia, ha tres auspiciosos dias.

Hoje, por6m, de manha, nova mensagem me in-
forma que o definitive local do nosso bivaque, de-
finitivameqte escolhido, em resolucao definitive, erq





PALMA TUNGUE. (NIASSA)


definitivamente a oeste de Palma, num terreno do
planalto onde um velho pardieiro de monhd, coberto
de.colmo, se fende em ruinas A sombra de tres al-
tos coqueiros.
Tenho um encolher de ombros: -Sera, emfim,
agora ?!...
Forse che si, forse che no...
Sem grande convicqAo, por m6ro descargo de
consciencia, para lA parto pela cent6ssima vez, atras
de mim arrastando em fila indiana, aos ombros de
pretos, as catorze fatidicas barracas.
., Constato, num fundo. desalento, que o terreno 6
Aspero, o mato 6 duro, e os dias curtissimos.
Cada palmo de terreno limpo absorve nos horas
sem fim. O rendimento do trabalho dum preto,
mesmo A custa de muito berro e muita salutar ver-
dascada, 6.uma risivel mis6ria.:
De modo que, na mais optimista das hip6teses,
s6 passados outros tres longos dias poderei digna-
mente,acolher os.meus hospedes ilustres, a entrada
do meu acampamento.
:Acampamento, modesto, sem ddvida apenas o
indispensAvel!
Catorze tendas de lona dispostas em diuas filas, vi-
radas aos lavados ares do mar, as ruazinhas bem var-
rides, as espias bem esticadas. Ha uma larga som-
bra de manguetra, dois renques de papayas, um
caminho estreito entire piteiras de cizal, os tres al-
toscoqueiros ramalhando no alto a inspirada gue-
delha.
Tudo isto faz no ar azul um nitido quadro de
aguarela ex6tica.
E & la guerre comme a la guerre !
.Abandono o campo A tardinha, quando o sol se
recolhe jA por detrAs dos bahobahs; e desqo a
Palma, esfregando as maos, a consciencia tranqiila,
Sesperando que nesses tr6s dias o Q. G., a bordo,





TROPA D'AFRICA


sem novas contra-ordens, me deixe em vagar e so-
cego preparar-lhe os aposentos.
Ao desdobrar, porem, o guardanapo, logo um
discrete envelope colocado s6bre o men talher me
faz arregalar um 61ho, dar um baque o coraoo.
Abro, leio.
SE novos dizeres sublimes me comunicam, na se-
cura da prosa official que:
A'manha, pelas 13 horas, efectuar-se-hd o de-
sembarque do Q. G. da Expealcao, decendo o sr. al-
feres Comandante do Quarlel General tomar todas
as providdncias para que fique, desde logo, assegu-
rada a instalaQao dos srs. oficiais do mesmo Q.
G., e, bem assim, o regular, funcionamento das
suas repartivqes esecretarias.

...Por fim, o Animo tambem se embota, e se co-
bre duma riquissima crosta de calo, como a sensi-
bilidade.
E s6 assim se explica o men appetite essa noite,
durante todo o jantar, e o long cigarro que depois
gostosamente fumei, estiraqado no cadeirdo indiano
dos meus pecados.

Entretanto, as horas da noite sao breves, e lon-
gos os trabalhos do dia.
O temfvel dia do desembarique raiou por fim. E
contra toda a minha secret espectativa, s6 a or-
dem de desembarque do Q. G. nao foi revogada,
como tanto seria de esperar e desejar.
Os desconcertos do mundo !...
Trepidando, pois, no desesperado frenesi de ter,
a tardinha, as catorze barracas armadas, prague-
jando e suando como um genuine negreiro,-chi-
cote em punho, camisa de caki remangada, a aba
do chapeirAo de feltro erguida a um lado,--qussi
nao almocei, inal enguli as magras sopas do jantar,





PALMA TUNGUE (NIASSA)


e todo o santissimo dia... (o sol testemunha !),me
esfalfei atrAs dos carregadores, dos meus soldados
brancos, ora montando a cavalo para descer a
Palma em busca de pr6gos, ora pedindo ferramen-
tas a um bivaque vizinho, tomando a enxada ou a
pA para ajudar algum mais lazaro, eu pr6prio esti-
cando cordas, removendo entulho, suprindo as fal-
tas, sem um instant de repouso, sem a devida
folga do meio-dia.
Emfim !... Nao era positivamente o grande colar
da Torre e Espada ou a Vict6ria Cross que eu es-
perava em pr6mio. Mas ing6nuamente admitia que
os meus ilustres h6spedes testemunhas risonhas
da mexida contradanCa fizessem justiqa ao meu
torturante esf6rqo, e, ao menos, louvassem a Deus
por term logrado em terra, na sua primeira noite
de bivaque, o que eu ha tres dias ainda nao lograra
- uma barraca de lona, um mosquiteiro, uma cama
para dormir.
E, todavia, quando a noite veiu, e, corn ela, ,os
camioes ao bivaque, trazendo de Palma, da praia,
de bordo, os meus h6spedes ilustres, eu sofri a sen-
saqao gelada dos rizinhos amarelos, das mal-dis-
farqadas e az6das ironfas, ou, mais long, num sin-
c6ro desabafo, os desabridos improp6rios contra mo-
leques, contra mosquitos, contra a estreiteza das bar-
racas, contra todo o complicado sistema de incomo-
didades, que, em resume, eu nao soubera nem cui-
dara de remover.
Bern me cansava eu, afogueado, as orelhas zu-
nindo, a indicar a cada qual a sua barraca, a de-
senvolver largamente a long s6rie de motives que
presidira a cada esc61ha pessoal: bem me esfalfava
eu a dizer os tres est6reis dias de ordens e contra-
ordens, a peniria de negros e ferramenta, a dureza
hostile do mato...
Os meus arguments, as minhas desculpas nao
pegavam; porque os rizinhos amarelos, as azedas





TROPA D'AFRICA


ironias, os desabridos improperios contra moleques
e ordenancas, de toda a parte ricocheteavam sobre
mim, me enxotavam com rmal simulado azedume,
dizendo-me amargamente a inutilidade de tanto es-
f6rco ingrato, a fragilidade de todas as terrenas
ambiqbes...

RecOlho, emfim, derrancado, ao meu pobre bu-
raco.
Sinto-me diminuido, envilecido, como um fran-
galho.,E. emquanto o moleque me desdobra o es-
treito catre de campanha e arma em quatro juncos
o mosquiteiro de gaze, eu sento-me A entrada da
tenda e acendo o meu cachimbo.
A noite repousa calada em red6r. LA ao long, 6
o mar, abrindo horizontes infindos A fantasia, A saft-
dade dos bens que se perderam. Na vasta sombra,
em redor, sao as barracas alumiadas a c6tos de
vela, e 6, mais long, o mato. 1brego, alastrando-se
num borrao de treva, esboiando esgares, exalando
pavores espectrais.
Por cima, no alto, o firmamento claro, de novas
constelaqoes, de mundos ignorados, lucila misterio-
samente, como uma turba de olhos trocistas c6can-
do-me num esearneo.
SE 6 s6 dentro do meu desabrigado cubiculo de
lona, A vista do estreito care de campanha, jA todo
claro e fresco debaixo do mosquiteiro, que eu me
reconcilio cor a vida e anteg6so a volhpia forte dum
sono merecido, onde todas as mis6rias se dissol-
vem, onde toda a vida se esquece...

: No C6u esteja, em santa guard, quem inventou
o descanso !...
















(aPORT-TARASCON)


Nao se trata do immortal Tartarin, nem da sua fa-
mosa col6nia tarasconesa, numa ilha perdida da
Polin6sia.
Nao se trata dum patusco de bom gosto, o Sr.
duque de Mons, nem de um cruzador ingles com
ordem de despejo.
Trata-se duma hist6ria verdadeira, numa verda-
deira col6nia africana, cornverdadeiras tropas por-
tuguesas em Palma, no ano da era do Senhor de
mil e novecentos e dezesseis.

Os grandes paquetes que chegam ao Tungue,
abarrotados de tropas, de material de guerra e cai-
xotes de mantimentos, fundeiam na bafaa duas ou
tres compridas milhas da praia.
S0 desembarque das tropas faz-se em pangaios,
em grandes lanchoes de lerro, em jangadas, nos
pr6prios rebocadores, tudo milagrosamente apreen-
dido ao magnanimo teutao.
Se o boche nao tivesse j6 provide estas paragens
dos seus lanchbes, dos seus rebocadores, de tantas
jangadas e pangaios, n6s nio o poderiamos -com-
bater, porque nio poderfamos, sequer, desembar-





TROPA D'AFRICA


car. Louvemos, pois, o boche pelo seu espfrito de
previd6ncia e pelos seus lanchbes magnificos.
Depois, o desembarque 6 um drama inconcebi-
vel num absurdo nimero de actos.
NIo ha uma ponte cais, um passadico.
E necessario esperar as mar6s-vivas para que
S os pr6prios pangaios se aproximem de terra, pelo
menos a umas fartas dezenas de metros.
Para pOr p6 na areia enxuta ha os ombros da
pretalhada, ou a cala .arregaqada pelo joelho, cor
agua imunda at6 a coxa. Ha tamb6m um palan-
quim indiano, levado aos ombros por quatro lata-
goes negros; mas essa evocaao da Aida em
6pera-bufa, serve s6 nas ocasibes solenes, para
personagens de circunstAncia.
E assim 6 facil.de conceber a variedade bizarre
de aspects que oferece, em cada hora, cada de-
sembarque.
: No ha mem6ria ainda de se terem realizado por
f6rma semelhante, dois desembarques sequer.
Umas vezes, 6 o rebocador que chega tarde, e
encalha pangaios e lanchoes na area, a mil me-
tros de terra, at6 que a mar6 cresqa. Outras vezes
6 o rebocador que chega ckdo e comeca logo, A
lufa-lufa, a despejar na area toda a carregacao de
pangaios e jangadas, para safar-se a tempo, apro
veitar a mar6 furtiva.
Por melhores estorcos que empreguem os ofi-
ciais da Armada encarregados dos desembarques,
por mais sabios cAlculos que todos faqam no vai-
-vem torturante de pangaios para bordo e pan-
gaios para terra, nao ha f6rma de estabelecer-se,
corn ritmo, um servigo automAtico.
Consta que todo este desarranjo foi previsto,
que se se pensou em mandar construir, pela En-
genharia expedicionaria, uma qualquer ponte-cais
provis6ria -- modest aponte de cavaletess ou a
classic (ponte-de-barcas)).




cPORT-TARASCON))


Mas as dificuldades surgiram de toda a banda,
menos dos engenheiros que lembraram a constru-
t5o...
-E, depois, nao valia a penal A campanha
nao devia durar mais de nove semanas!...)
E vA de.continuarem os desembarques a trouxe-
-mouxe, as costas dos negros, ou corn gua pelo
joelho, ou, nas ocasibes solenes, para personagens
de circunstancia,. no palanquim indiano cor a vi-
sao da Aida em 6pera-bufa...

E aindo o caso 6 duma transcendent singeleza
quando se trata. meramente do desembarque de
tropas.
Infelizmente, porAm, todos estes paquetes trazem
os porbes atulhados de caixotes, fardos, material
de guerra, toda a atravancante bagagem dum ex6r-
cito em campanha.
Noite e dia, a b6rdo, os guinchos estrepitam na
baia a esvaziar os porbes, carregar os pangatos.
Uma lenta bicha se esc6a depois, atrav6s da
calma enseada, na esteira do rebocador.
E o melodrama comeqa entao cor a chegada
das barcaqas a terra.
........... .... .... .... .. ... .... ........

SE, primeiro, a matula d6cil dos carregadores que,
sob o duro olhar do official da Base, se precipita
em negra chusma, por Agua dentro, ao encpntrp do
primeiro pangaio encalhado.
Os fardos veem at6 a praia, esmagando a esqua-
lidez dos fuscos antrop6ides, em lentas filas de
dorsos que uma toada sonolenta e triste de canti-
lena barbara parece embalar, opiada duma do-
ura nirvanica.
Mas em Palma n5o hA dep6sitos, nao ha barra-
cbes, nao existe o mais mfsero telheiro para res-
guardar tamanha aluviio de caixotes..





TROPA D'AFRICA


*Houve, decerto, ainda em Lisboa, no Terreiro
do Paco, quem interrogasse, apreensivomente, os
Altos-Poderes s6bre 6ste bicudo problema dos
barracoes.
Mas...
De minimis non curat pretor. E os Altos-Pode-
res, sorrindo superiormente a capricho tao infantil,
despediam corn risonhas palmadinhas no ombro,
tranquilizavam o ser assustadigo:
(Va descansado qie os barracoes 16 esta-
rao!... Nao hA de ser A falta de barracoes, ho-
mem de DeusI.. ,
Cor efeito, ca encontrAmos..; o c6o azul por
telheiro, a suja area por solo, todo o espaco infi-
nito p6r materia prima.;
De modo que a tragica, incessante drenagem,
se faz para a praia, ao acaso, por todos os can-
tos.
Empilham-se indistintamente rumas de caixotes
de gazolina debaixo dos coqueiros, pirAmides de
latas de conserve na sombra dos tamarindos. Os
longos rolos de pipos de vinho amontoam-se en-
jeitadamente ao sol, com as pilhas de costais de
bacalhau, os tambores de chouriqo e de banha,
toda a plebeia, envergonhada comparsaria da baixa-
-com6dia do Ventre.
Dum extremo ao outro de Palma, da primitive
e f6tida nudez das suas areas, parece ter brotado,
como por encanto, o estranhd mundo das caves de
Gargantua, A varinha mbgica dum mercieiro aluci-
nado, num delfrio de Mil e uma notes.
Esta irreconhecfvel, Palma-esta descr6pita e cAn-
dida Palma, na sua pitoresca sordidez musulmana.
E, perturbados-no' sea po6tico sonho de derciches,
os altos coqueiros, exilados entire rumas de touci-
nho, pendem melanc6licamente a cabelugem verde,
meditando, decerto, co0m n6jo asc6tico, em mais
esta suja profanacao dos Infidis...




c(PORT-TARASCON"


E pprque nem s6 de pRo vive o home, parti-
cularmente quando veste as armas e calqa os aci-
cates para os rudes lances da guerra, tamb8m
do fundo dos poroes e cobertas arribadas ao Tun-
gue se despejarn incansAvelmente s6bre esta larga
praia de Palma, todo um recheio vdrio de arsenal,
corn espingardas, canhbes, con eAme.
Antigamente, no velho tempo das Epopeias e
das Legendas, estas nobres ferramentas do he-
rofsmo vinham sempre airosamente postas A cinta,
ou arrogantemente de goela ao sol, tauxiadas, trans-
figuradas, quimericas, criando, pela pr6pria irra-
diaqio da sua beleza, o scenario de elegancia e or-
gulho military, que incuba os her6is e veste as azas
do sonho ao misticismo dos paladinos.
Hoje, com as velas de cebo e a banha dos bar-
ris, veem industrialmente empalhadas, encaixota-
das, no fundo vil dos poroes.
...De sorte que a mingua de barracbes e de-
p6sitos, os pesados caixotles de armamento, os
cunhetes de granadas, as viaturas de artilharia, os
armies, toda a complex ferralha da guerra, ape-
nas desembarcada, se amontoa tambem, a Asmo,
a toda a extensao da praia, por estas areas at6-
nitas.
Bern chovem as ordens do Quartel General s6-
bre os Comandos dos Batalhbes para a rec6lha do
armamento disperse.
Mas reculht-lo aonde, como ?
Barracoes, por ora. sao apenas uma metaffsica
utopia de poetas. Cdmides para a rapida naveta
entire a praia e os bivaques, constituem outra mais
grave utopia.
Vieram sem divida, viaturas, carros de esqua-
drao, carros alentejanos, uma multidAo doutras
carrinholas.
Mas as muares que as devem puchar ficaram
ainda em Portugal, pastando ledamente na cam-




TROPA D'AFRICA


pina, ou retoiqam, quicA, pelo Transvaal numa livre
alegria de brutos...

E os caixotes 16 permanecem na praia, ao sol,
A chuva, aos cacimbos da noite, irremovivelmente
jazendo, enferrujando-se, apodrecendo, porventura
lancando rafzes para que, alguns anos mais tarde,
quando estas tropas daqui puderem arrancar, ja
novos rebentos de carabinas e granadas substi-
tuam com vantage as que por ora se sacrificam
a ingl6ria funqao de sementes.
Entretanto, alguns caixotes se vao safando, pouoo
a pouco, a f6rqa de murro e de injdrias s6bre os
negros.
As confuses, todavia, sao lamentaveis, e deso-
pilante o desenrolar dos sucessos.
Caixotes corn elanternas de bivaques que o Ba-
talhao do 23 conseguiu, a muito custo, arrancar
em Lisboa, as m~os avaras do Arsenal do Ex6r-
cito, vao por equivoco, encalhar nos terrenos juris-
dicionais da Companhia-mixta de Engenharia.
Toda a c6pia da correspondencia que estas duas
entidades se trocam para a restituicao das lanter-
nas, seria tarefa igual A de redigir a llada.
Depois, quando tal bacteria de metralhadoras des-
tapa emfim no seu territ6rio, os seus caixotes de
((arreios para muar,) ou de afardamento de reser-
va), corre a aventura ilicita de destruir um lar,
dissipar uma familiar, cometer dezenas de infanti-
cidios na prole duma col6nia de ratazanas que en-
tretanto, se teem, evidentemente, alimentado.

E assim os alegres dias vao decorrendo, descui-
dosamente, nestas ignotas areas dos tr6picos que
nao sao, todavia, as da col6nia tarasconesa do so-
nho immortal do imortal Tartarin...





(PORT-TARASCON


*
Mas numa pAgina Aparte, bem folgada e piedosa,
quero eu aqui deixar, por especial devoQao de ca-
valeiro, a mem6ria do que foi o desembarque de,
cavalos e muares, todos esses desventurados soli-
pedes que viram a luz dos seus dltimos dias nas
areas fatais do Niassa.


Eles chegaram, os mfseros, nao na manha ne-
voenta do Encoberto, mas por uma radiosa tarde
de Julho, a bordo de dois grandes paquetes.
Eram mil e quinhentos solipedes setecentos
europeus, e oitocentos sul-africanos, do Transvaal.
Por fatalidade, chegaram na mesma tarde, fun-
dearam A mesma hora. E por especial carinho do
Quartel General jA uma Comissao de Recepgio f6ra
nomeada, cor president, dois vogais, todo o pro-
tocolo, para dar as boas vindas, conduzir aos seus
aposentos os excelentes convivas.
Vastas jangadas de madeira se haviam entre-
tanto adaptado tambem, para que o rebocador os
arrastasse c6modamente a terra.
Parques de gado, telheiros, mangedouras nao
havia- 6 certo. Mas cor outra generosa ordem
de os construir, o Quartel General sentiu-se ma-
gnfficamente quite, desobrigado de mais delicadas
atenqces nao f6ssem, por demasia, tais excesses
melindrar os naturals sentiments de mod6stia e
pudor de tao humildes servidores.
Tudo indicava pois--quando, volvidos alguns dias,
os parques estivessem instalados-que a cerem6-
nia de desembarque e recepcao decorresse fAcil e
singela, como tanto convinha A boa ordem das coi-
sas.





TROPA D'AFRICA


Infelizmente, e por culpa ainda da negregada
ponte que teimava em nao surdir do c6hos infe-
lizmente, nem tudo correu A media de tAo gene-
rosos desejos.
E se at6 entao os desembarques haviam exce-
dido, em imprevisto, tudo quanto a mais humoris-
tica e delirante fantasia pudesse ter engenhado,
agora cor o despejo destes pobres brutos nas
areas do Tungue, o espectdculo atingiu o aspect
mais vigoroso das suas horas de farqa...

Eram os pobres corc6is desalojados dos pores
para as jangadas, por tr6mulos e apavorados negros
que, virgens de todo o hipismo, os consideravam
entes de f6bula, semi-monstros ou semi-deuses ca-
pazes de fazer cover s6bre a Terra todos os fla-
gelos do C6u.
Depois, a comprida bicha de jangadas, ou por
arrastada na corrente das mares, ou por dificulda-
des imprevistas na manobra do rebocador, ia, por
via de regra, encalhar no ponto mais inesperado e
mais inacessfvel das ribas ba bafa.
Apenas se viam pr6ximas de terra, as impacien-
tes az6molas saltavam logo os resguardos dasjan-
gadas, precipitavam-se na 6gua, internavam-se, de
narinas abertas ao vento, no mais cerrado do mato.
E como, evidentemente, a famosa Comissao as
aguardava em sftio diametralmente 6posto, eram
favas contadas: a manada tomava os areas, relin-
chava de puro g6so e abalava pelo mato dentro,
na posse preciosa da sua liberdade.
Assim sucedeu, para gAudio da pantera e do
leao, a melhor parte das vezes.
Se as jangadas adregavam, porem, de chegar A
pria, no sftio exacto e 6 hora pr6pria, os pelotBes
nomeados para conduzirem A mao os atribulados
seres, em regra tambem nao estavam presents.





((PORT-TARASCON))


6rdens retardadas do Q. G. para as baterias, ou
avisos inoportunos de bordo para o Q. G., tudo
se conjurava para que o lamentAvel desencontro se
d6sse. E sucedia entao ser a malta dos carregado-
res negros compelida, sob a dura intervencqo dos
oficiais da Base ou da Comissao de Recepcao, a
arrebanhar os desvairados quadrdpedes, a deitar a
unha As cabeqadas.
O pior 6 que os pobres buc6falos nem sempre
traziam cabecadas. Nomeadamente os que vinham
da Provfncia, remontados no Transvaal, apresen-
tavam-se em pelo, sem a mais ligeira arreata, sem
uma prisao, sem um cabresto de corda.
Nao seria facil, evidentemente, segurA-los pelos...
curvilhoes.
E assistia-se entao As grandes scenes dos tres-
malhos, na mais hilariante das patuscadas, entire a
simiesca algazarra da pretalhada, corn correrias
loucas, As c6gas, a cada canto esbarradas em ru-
mas de caixotes empilhados.
Por vezes, depois de se ter conseguido a muito
custo encurralar em qualquer canto uma parte do
gado desembarcado, bastava um choice inoportuno
no estbmago do carregador ou do soldado mais pr6-
ximo, para que novo tumulto, novo tresmalho se
produzissem.
InfatigAvel na sua faina maritima, entretanto o
rebocador prosseguia olfmpico, impassivel, inexo-
ravel como o mesmo Destino, rebocando para a
a praia novas jangadas, abatendo-lhes logo os res-
guardos, despejando tudo em terra, corn impaciente,
desdenhosa sobranceria...
Durou quasi duas semanas esta sublime tarefa.
Houve quem entao criasse os seus primeiros cabe-
los broncos. E eu nao quero aqui memorar outros
transes de angdstia, outros agoniados minutes por
que passaram os oficiais nomeados para a Comis-
sao de Desembarque e Recepqco de Solfpedes,.





TROPA D'AFRICA


Em resume, quando os porbes dos paquetes se
esvasiaram por complete, havia-se conseguido arre-
banhar em terra uns escassos mil e tantos soli-
pedes dos mil e quinhentos totais.
NAo existindo ainda um parque, ou o mais rudi-
mentar cercado para os encurralar, improvisou-se,
a t6a, um redil cor arame farpado, para de algum
modo se evitar que desertassem todos.
Os outros, os afortunados, andavam a essa hora
a monte, em manadas, pelo interior, relinchando e
escoicinhando livremente. Nunca aquelas plagas
desoladas haviam admirado a nobre elegancia das
suas linhas. Pode, pois, afirmar-se sem desdouro,
que coube a esta ExpedicAo a honra de iniciar es-
tas paragens no seu povoamento pecudrio. 0 pior
6 que o leao e a mosca tzd-tz se encarregavam,
por seu turno, de as despovoar. Mas disso ndo ter
culpa a Expediqco, e o honroso facto subsiste.

Era ve-los entao, mais tarde, pelas languas e
matagais do interior, em manadas selvagens, galo-
pando, relinchando, esqualidos de fome, quasi es-
quel6ticos, mas livres, altivamente livres como o
cdo da fabula.
Por vezes, um ou outro menos animoso para a
luta pela vida, ou menos cioso da sua liberdade,
apresentava-se cabisbaixo nos acampamentos, jA
por seu livre alvedrio, jA trazido a mao por qual-
quer pretalhaz mais afoito.
Estabeleceram-se pr6mios, entao, como para os
animals ferozes, por cada cabeca de gado apresen-
tada nos acampamentos. Nomearam-se pelotbes a
cavalo para andarem pelas redondezas arreba-
nhando, chamando, atraindo, as manadas s68tas.
Os decantados cow-boys do Far-West tiveram
ali, naquele extreme oriental da Africa, a sua viva
reediqgo. Todavia, por mais d6ces apelos, por mais





((PORT-TARASCON))


amorosos epitetos que n6s, de long, a cavalo, de
vara em punho, por manhas e manhas seguidas,
Ihes dirigimos, nao houve nunca process de con-
vencer a maior part.
E Palma, os bivaques, todo o Niassa assistia,
com delicia, cor gargalhadas, ao hilariante espec-
tAculo que foi, durante semanas, a mais amena das
nossas raras diversbes.
Assim se perderam irremediAvelmente, em tao
risonha aventura, o melhor dumas dezenas de solf-
pedes. Em Portugal nao abundavam jA, decerto,
a Asse tempo, as grandes reserves de gado. No
Transvaal, onde a melhor parte deste gado f6ra
tamb6m remontado, pagAra-se cada cabega a peso
de oiro.
Mas a ordem 6 rica, e os frades sao poucosl...
0 que importa A ordem do mundo e ao movimento
dos astros, umas dezenas de contos, umas dezenas
de mulas extraviadas, inutilizadas, em pura perda,
nestas areas remotas?l...
E, de resto, como tudo liquidou em santa ga-
lhofa lusitana, e nao houve desastres pessoais a la-
mentar-nao ha senao que rejubilarmos todos.
Tout est bien qui finit bien--j o proclamou um
dia o grande trAgico, numa hora de humor fa-
ceto.
E Tartarin, na sua ilha perdida da Polin6sia, se-
ria, de certo, da mesma opiniao.












VII


HADJI-BEN-HADJI SIMBA


Aquele respeitAvel anciao cr de greda, membrudo
e alto como um archeiro, de 61ho fin6rio, venta
larga, barbicha rala e t6da branca, vivamente me
interessou logo, no exotismo dos seus balandraus
indianos, a vez primefra que o vi s6b o alpendre
do Comando Militar da Base.
E o que mais agudamente me fez crescer o in-
teresse foi o seu ar de s6lida imponencia, de tran-
qfila magestade, ao estender a m5o calosa aos ofi-
ciais que entravam e o cumprimentavam familiar-
mente.
-01, Simba! Como passou?!...
A imponente personagem rosnava das concavi-
dades da suja bocarra um monossilabo, agrade-
cendo; o official detinha-se cor nle uns instantes
em amena, risonha cavaqueira; e depois, ao desco-
lar, era sempre outro largo aperto de mio, outro
aberto sorriso de estima.
Optimo, 6ptimo, Simba amigol Boas tardes!
Para quem desde j6 nutria um orgulhoso des-
prezo de rara por esta infecta canalha monhU,-
tao pitoresca, de resto, nos seus balandraus e pan-
talonas de linho branco, nas suas babuchas de ve-
ludo bordado, no seu turbante ou acoffiah verme-
Iho, esta absurda familiaridade europea de ho-
mens brancos, oficiais do ex6rcito, cor esp6cime






HADJI-BEN-11AWI SIMBA


tao evidentemente indigena, fazia 16gicamente ar-
regalar um 61ho de espanto.
Preguntei logo, sequioso:
Quem 6 este ilustre fossil?
-E o Simba, um 6ptimo tipo que nos tern aju-
dado imenso...
Nao me dei por saciado; reclamei logo para ali
o nome todo da criatura, a biografia, os seus habi-
tos e manhas.
Simba em asuahily significa o leio. ] o nome
que a pretalhada do Tungue Ihe da pelo seu corpu-
lento, magestoso aspect, pela sua influncia junto
da soberania portuguesa, pelas suas riquezas que
se dizem fabulosas, pelas suas funqbes religiosas
de iman da mesquita local, por tantas e tao pode-
rosas rafzes de prestfgio aos olhos simples da po-
pulaqa indigena.
E um home hAbil e esperto, prestAvel, sujo de
corpo, intrujao como um cigano, Avaro e cupido
como um judeu-- um monhd.
Ibrahimo por nome pr6prio, 6 tamb6m Hadji
por ter jA ido a Meca ao tumulo do Profeta, e Ben-
Hadji como filho doutro crente igualmente afortu-
nado. estes dois traqos luminosos da sua existen-
cia, contain entire esta pretalhada, como entire a
populaqao das nossas aldeias, a viagem dum feliz
mortal, dum Teodorico Raposo, a Jerusalem, ao
tdmulo do Senhor.
Mas a considerAvel importAncia de que gosa
provem-lhe principalmente de ter acompanhado a
Zanzibar, como int6rprete e curador dos neg6cios
religiosos da Dopulacao, o falecido almirante Casti-
Iho na sua missao diplomAtica junto de Sua Alteza
o Sultao, a quando da anexaco destes sAfaros ter-
rit6rios aos dominios da Cor6a Portuguesa.
E agora, afirmando-nos cor singeleza, nesta dura
contend corn o boche fronteirico, um lialismo de
sdbdito incorruptivel, encarregou-se de t6da a es-





TROPA D'AFRICA


pionagem alem-Rovuma, centralizando nas suas
hAbeis e cautelosas maos todo o serviqo de infor-
macqes e contra-espionagem corn o inimigo.

Eis desvendado o mist6rio!
A minha gratidao de patriot pelo curioso exem-
plar cresce de volume, corn lgrimas quasi nos
olhos. E assim se explicam agora os largos sor-
risos, os ap6rtos de mao, as palmadinhas contents
nos ombros, a facil camaradagem dos oficiais...
Assim se justifica tambem a cega confianca que o
Comando depbe nas suas artes e manhas, a pontos
de Ihe entregar carta branca, dispenser t6da a fis-
calizaco, dormir em paz emquanto Mle manobra.

E 6 realmente de enternecer que Aste potentado
indigena, toa absolute arbitro dos nossos destinos,
em vez de nos servir discretamente, avaro e cupido
como 6, se nao bandeie com o sagaz teutAo, para
nos vender a todos miserAvelmente, a tr6co de al-
guns subtis ((ripiasp imperiais, preparando-nos
uma daquelas ciladas inevitLveis e fatais de que o
fndio rastejante e manhoso tao f6rtil 6 sempre!...
0 caso, de resto, nao seria virgem.
Nao hA talvez uma semana, foi aqui julgado em
conselho de guerra um bondoso conselho de
guerra outro chefe de espionage, o (boer) Tri-
chart, vago caQador de lebes, vago major de arte-
lharia ingles, aventureiro de profissao, e que, bom
(boer) e bom espiso, nos vendia tranquilamente
ao boche, no dizer unanime de todo o mundo.
Mas, (boer), sfibdito de sua Magestade Graciosa,
amigo pessoal do vice-consul ingles Baker, nem
tanto era necessArio.
As acusaqSes nao se provaram, o juiz nada p6de
fazer safu absolvido.





HADJI-BEN-HADJI SIMBA


E, por irrisgo supr6ma, foi ainda, o pr6prio Go-
v8rno Portugues quem Ihe pagou, segundo o con-
Strato, o preqo da passage em primeira classes, no
primeiro paquete que saiu para o Sul, para o Trans-
vaal!...
Transcendentes problems da political Sul-africana
que a mfseros alferes nao 6 dado penetrarl...

Ora o nosso amigo Simba...
Comn a sua barba branca, o seu turbante enro-
lado no toutiqo, os seus sujfssimos p6s nas babu-
chas, a sua peregrinaiao aos Santos Lugares, o
seu passadoo.de diplomat, todo o seu ar pimpante
e bonacheirao de Monqaide contemporaneo, o nosso
amigo Simba bem merece que Ihe estenddmos
tamb6m dois dedos afectuosos e o satidemos corn
jovial humor:
-Bom dia, amigo Simbal E o que ha de boche,
So que faz Asse boche malandro?!...
-Nao sabe, senhor alferes!... Anda muito
longe... Muito longe!...
Considerando atentamente esta face ddbia, mes-
tica, de uma c6r indefinida de mulato e malaio, a
que o venerAvel colar de barba branca esbate um
pouco a acentuada simiez das feicqes grossas, eu,
que a princfpio mal distinguia um negro de uma
negra, e ainda ontem confundia olimpicamente um
landim corn um macia, penetro, corn curiosidade
ligeira, na hierarquia destas racas e destas escalas
sociais, ao alto das quais, corn as suas riquezas,
as suas manhas e o seu prestfgio, se encontrajus-
tamente o meu amigo e leal camarada, Ibrahimo
Hadji-Ben-Hadji Simbal
E 6 logo a escura, rastejante canalha doutros
imundos monhds que por aqui pupulam como tle
avaros e cfipidos, ign6beis de sujidade, negociando
nas suas f6tidas quitandas da idnica rua de Palma,





TROPA D'AFRICA


e onde europeus e negros, moleques e carregado-
res, oficiais e praqas, toda a populaco military
desta. Base de Operag6es 6 untuosamente esfolada
corn unha rapace.
Vivem todos em misteriosa sordidez, corn as suas
vArias mulheres a boa maneira islamita, em pardiei-
ros inviolAveis, cerrados a todo o olhar indiscreto.
Alimentam-se de arroz e peixe stco, doutras nau-
seabundas iguarias indianas, obrigadas a caril, o
medonho caril national da India.
Teem a sua mesquita, junto da praia, A sombra
dos coqueiros, num outro pardieiro de paredes
caiadas, coberto de c6lmo, e que, exteriormente,
nenhum outro sinal distingue dos pardieiros vizi-
nhos. E o olhar obliquo e baixo que nos votam ao
passar, levando cautelosamente a mao ao cofiah de
veludo bordado, 6-nos mais odioso e repulsivo que
toda a baba dos sapos e das tarantulas.
Veem todos da India Inglesa, de Bombaim, de
CalcutA. Poisam sistematicamente ao long da
costa, muitas vezes aventurando-se, mesmo, atB ao
interior, cor a sua quitanda, a sua unha rapace, o
seu fedor national. Insaciavelmente sugam entlo
durante cinco, dez, quinze, vinte anos, o pobre ne-
gro, o pr6prio europeu, cor imperturbavel, igual
desfaQatez. E arredondadas as suas economies, sem
terem beneficiado a economic da Provincia da mi-
seria dum ceitil o pr6prio arroz dos seus 6gapes
6 da india que o mandam vir--desalojam; cedem
poiso e quitanda a outro compatriota; e abalam no
mesmo ((pangaio) das Indias, retirando-se do ne-
g6cio, para o conforto e para a paz da magnifica
vivenda que do outro lado do Indico entretanto fi-
zeram construir.
MagnAnimamente, paternalmente, o jack verme-
lho de S. Magestade Graciosa, cobre cor a sua
sombra imperial, os interesses e as liberdades ci-
vicas d&stes sfibditos nauseabundos.




HADJI-BEN-HADJI SIMBA


Ah! candidos, miseros, bestiais indigenas do
Niassa!
E para v6s, suaves animals, que vai toda a mi-
nha simpatia, toda a minha preferencia, todo o meu
enternecimento!
Nas vossas palhotas primitivas, que trescalam
ao f6tido acre do 61eo de amendoim, cor as vossas
m'namukas, os vossos prazeres simples, as vossas
manhas simples, as vossas almas simples, a vida
decorre, na sombra dos tamarindos, bem mais aco-
Ihedora e lisa que nos baixos, t6rpes, mestiqos co-
racoes monhds dessas mimias ambulantes, chupa-
das de todo o mfisculo, e duma tro indefinida e
baca c6r de barro mal cozido.
0 terror divino do Mohmahdi, a lAnguida m'na-
muka, a palhota, o palmo f6rtil de machamba, uma
escudela de arroz, a febra de peixe seco, um pano
berrante em volta dos rins, e o batuque, o doido
batuque de todas as luas-cheias, berrado e dan-
qado at6 de manha -6-com bens tao simples que
se enche a vossa vida simples, e longa, tao long
que Ihe perdeis a origem, ignorais candidamente o
crepdsculo trAgico do envelhecer!...
Nesses c6rebros broncos e primitivos, a simpli-
cidade da f6 mussulmana faz toda a sua moral,
toda a sua resignaqao fatalista.
Temem os homes* brancos, os m'zungus, pela
tradiqao de quatro s6culos de naus arribadas as
suas areas, pela sua forqa, pela realeza da sua in-
teligencia, pela sua superioridade indiscutfvel.
E no contrato social da sua submiss&o voluntA-
ria, consciente, pacifica, apenas tris graus na es-
cala conhecem por aspiraqres inicas a de mole-
que, esp6cie de ante-camara a mais altos destinos,
e logo depois, a de cipaio ou soldado indigena. E,
conquistado o direito a envergar o caki duma farda
rutilante de botoes amarelos, e a manejar um ana-
cr6nico bacamarte Snider, s6 outro esplendor mais




TROPA D'AFRICA


alto os ofusca, termo e pr6mio de todas as suas
ambiqbes as duas divisas de cabo, a orgulhosa
parcela de soberania europia que s6bre a restante
rale, se arrogam, cor duas tiras de pano vermelho
passadas na platina.

Tudo o mais que nao sejam moleques, cipaios
e cabos, 6 a an6nima, miserAvel massa de carre-
gadores, vindos de todos os confines da Provincia.
Olho-os cor piedade, angulosos, nis, esquAli-
dos, tiritando de frio debaixo dos pobres farrapos
da manta, aglomerados em rebanho nos seus cer-
cados de capim, deslocando-se lentamente, em len-
tas filas de comb6ios, ajoujados sob os fardos que
os esmagam, e passivos, sonambulos, mecanicos, o
olhar ausente, a face vaga, como quem voga no in-
definido dum sonho remote, duma remote visao de
palhotas e aldeias natais...
HA quarenta s6culos os seus av6s teriam arga-
massado os teinplos de Karnak, as Piramides do
Gizeh, dos Rams6s no Vale dos Reis. .. Quarenta
s6culos passados, continuam argamassando as pira-
mides doutras mais t6rpes ambiqbes e cobicas neste
humanitArio, civilisado Seculo do Socialismo e da
((Declaracao dos Direitos do Homem)...
Foi atrav6s do meu amigo Ibrahimo Hadji-Ben-
-Hadji Simba que eu visitei estas barrOcas, inex-
ploradas regioes sociais,
E, se tao pAlido e frouxo 6 Aste esb6Qo ligeiro,
devo-o ao facto lamentavel de nao constar por
estas redondezas a sWde duma Miss5o de Padres
Portugueses, que nacionalizassem, subtraissem um
pouco mais as prestigio do meu indecifravel amigo
Simba, tao d6ceis e prestaveis animals.











VIII


(GRANDE HOTEL CRUZEIRO DO SUL)


Riquissimo nome, feliz inspiraqao para a taboleta
dum sumptuoso Palace de qualquer grande capital
d&ste hemisf6rio!
Evoca a vida capitosa de outros climas -perfu-
mada a heli6tropo e aventura ex6tica, a languidez
tropical e Pommery Grenno, a energies virgens, a
elegancias de rastacudros, ao mist6rio nocturno
doutros firmamentos...
Passa logo na fantasia um perfil apaixonado e
suave de creoula, alguma po6tica xdcara bem ri-
mada na sombra dos palmares, uma hora breve de
amor ardente espreguiqada na rede, entire as ma-
gn61ias...
E, todavia, no meu caso, no nosso triste caso, 6
uma bem absurd, bem arida, bem prosdica aven-
tura military.
t o nosso hotel do Niassa, sao os nossos biva-
ques.
Este nome rebrilhante de grande Ritz ou grande
Palace de capital ex6tica provem-lhe directamente
da imensa cdpula negra, que logo depois do sol-
p8sto nos cobre, toda picada de estrlas, cor a sua
constelaqao mais famosa, o Cruzeiro, 1eantando-se,
invariAvelmente, das bandas do Sul.
t assim ao relento da noite, contemplativamente,
aspergidos de Altura e cacimbos nocturnos, que




TROPA D'AFRICA


nos repousamos um pouco das Arduas fainas do
dia e de todas as suas mis6rias.
Nos primeiros dias eram as tendas de lona, ali-
nhadas e arrumadas como em bivaques de mano-
bras, duma simetria regulamentar, dispostas por
pelotbes, por companhias, por baterias, por bata-
Ihbes as tendas dos capitfes na testa das com-
panhias, as tendas dos majors na testa do seu
batalhao.
Era entao crenca geral que estes bivaques, assim
garridos e ligeiros, demorariam em Palma o tempo
estrictamente necessArio para o complete desem-
barque de material e de gado e que, ap6s esta
necessaria balbfirdia, preliminary da grande ofen-
siva, tendas e barracas se recolheriam alegremente,
os pelotbes armados e equipados entrariam na fi-
leira, os clarins das baterias tocariam a refinir, e
uma bela tarde, em som de guerra, toda esta fa-
lange armada se arremessaria bravamente sbbre as
ribas fronteiras do Rovuma, destrocando, pulveri-
sando as magras guarniqces de.askaris que o bo-
che nos opbe da outra banda do rio.
Mas, corn os dias que passavam, initeis, sem
rumor de novas do Quartel-General, o truculento
sol destas paragens, tornando as tendas inabitAveis
debaixo da sua lona c6r de mel, obrigou-nos to-
dos a s6rias medidas de defeza camadas de fo-
lhagem, telheiros de capim, grandes toldos verdes
cobrindo, por toda a part, barracas e tendas.
Pouco a pouco, depois, sob a pressao cada vez
mais implacavel das.soalheiras, outras mais serias
obras de defeza se foram meditando, laboriosamente
engenhando e erguendo, aproveitadas todas as apti-
dbes de carpinteiro e serralheiro, todas as profis-
soes da paizdna, as habilidades e manhas de cada
qual.
Insensivelmente os bivaques foram-se assim pe-
jando de telheiros de capim para messes de oficilas,





t(GRANDt 1BOT3L CRUZEI1O DO StXL)


barracbes de capim para secretaries, cozinhas, can-
tinas, arrecadacqes de armamento, cavalaricas, ate
guaritas, at6 mirantes nos m6rros agudos de mu-
chdm.
Havia quem s6riamente se insurgisse contra esta
febre de melhoramentos, pelo ar de estabilidade, de
s6lida permanuncia que os bivaques iam tomando
cor semelhantes construqbes.
Era o Quartel General -o Quartel-General que
nfo ignorava, ou nao devia ignorar, o esgotamento
que produzem As tropas em Africaos longos esta-
cionamentos; o Quartel General que no seu sil-n-
cio de esfinge nao andava nem desandava; o Quar-
tel-General que, at6 entio, de itil, apenas tinha
Sexpelido (e em que considerAveis proporqbes!) o
mais imaginoso recheio de ordens e contra-ordens
que A fantasia mais voldvel 6 licito admitir.
NMol Decididamente, 6 vista de semelhantes lu-
xos de messes, cantinas, guaritas, sumptuosamente
construfdas no mais opulento capim das redonde-
zas, o Quartel-General franzia o nariz, nao apro-
vava...


E os dias passando, inlteis, sem hist6ria...
De manha, ao erguer do leito, as ablucbes fa-
zem-se na agua negra, de uma esp6ssa c6r de
caf6 puro, que o moleque pr6digamente nos traz no
fundo dum balde de lona ou de uma velha lata de
gazolina. Quem deseja lavar os dentes serve-se regia-
mente das Aguas minerals da Curia ou Vidago, das
dotaqces semanais. Os outros sargentos e pra-
cas sem Aguas minerals, sem forte necessidade
de dentes lavados, absteem-se, em regra, deste luxo.
E quando os abundantes su6res nos derramam
pela epiderme aquele estado de graQa especial dos
organismos sujos, hA por unica banheira, por finico
sistema balne6rio, o largo mar, a vasta praia;
7




TROPA D'AFRICA


imunda e baixa, aonde o tubarao e a jamanta tam-
b6m mitol6gicamente costumam retoucar como tri-
tSes e ner6idas destes tempos vulgares de Lineu.
Depois, pelas dez horas da manha, a canfcula
aperta cor tal rancor que os clarins, por todos os
bivaques, tocam a descanso.
E a hora do almoco, seguido de longa s6sta; 6
a hora de nos liquifazermos em silencio, esbarron-
dados no fundo das cadeiras de lona, considerando
a vida execravel.
Pelas duas da tarde, voltam os clarins a tocar a
alto ao descanso. As secretarias animam-se; os bi-
vaques retomam o seu movimentado aspect. Corn
o sol que vai tombando, vermelho, s6bre o poente,
a vida parece renascer s6bre estas areas; e antes
de jantar, terminadas as taretas do dia, sao as pas-
seatas higi6nicas, as visits aos bivaques vizinhos,
os convites de jantar nas outras messes, todo um
rico protoclo de vida mundana...
E entao que se mostram os melhoramentos rea-
lizados, os projectados luxos.
-Ali ha de ficar a Secretaria do Batalhao; aqui,
desta banda, hA de fazer-se um mirante para os ofi-
ciaisl...
Pela nossa frente, grupos de soldados passam, a
farda desacolchetada, o capacete de feltro ja todo
amolgado, atirado para a nuca, A zamparina; nou-
tro canto, alguns zangarreiam numa velha banza,
soltando numa voz lamurienta e grossa, rourenhas
toadas de fado; moleques de todos os tamanhos
e feitios circulam em red6r corn latas de rancho,
corn m6lhos de lenha, Ageis e lestos.
Escorracados, sinistros, mais angulosos e mais
tristes nas sues tangas porquissimas, os miseros
carregadores, passum em filas, ou formigam por
today a parte, numa silenciosa faina de forcados.
E como o sol se esconde e a noite desce, as lan-
ternas de bivaque, os fogos de acetileneacendem-se





ccGRANDE HOTEt CRUZMIEO DO SUtlL


logo por todo o campo, por messes e cozinhas, no
interior das barracas, nos barracbes de capim, mis-
turando a esta atmosftra espessa de todos os suo-
res e imundicies, um novo od6r abominavel de
mistela qufmica, de carbureto...


Nfo 6 bem uma evocacio de grande Ritz, ou
grande Palace de capital ex6tica, esta vida di6ria
do nosso acampamento.
Mal se compreende, mesmo, como n6s, num re-
pente de bom humor, tiv6ssemos lancado, como
suprima facecia esta alcunha de (Grande Hotel
Cruzeiro do Sulb.
Mas quando os clarins e ternos de corneteiros,
por todos os bivaques tocam a recolher e se es-
praiam em divagaqbes liricas nas retretas comple-
mentares da ordenanqa; quando esta pobre tropa
recolhe toda as miseras tendas de lona para re-
pousar um pouco, das fainas e miserias de mais
um dia, ao relento, contemplativamente, aspergida
de silincib ede cacimbos nocturnos; quando o largo
silencio do sertao e dos matagais em red6r p6za,
h6stil e traieoeiro, s6bre os bivaques adormecidos,
e, 16 no alto, no firmamento constelado, o ,Cru-
zeiro do Sulb nos surge em todo o seu esplendor,
recordando-nos ir6nicameunte a grandeza da nossa
longfnqua aventura, entao, s6 entao, reconhecemos
propried ,de, justeza, flagrante precisao na bela ta-
boleta que, uma noite. num moment de bom hu-
mor, imaginAmos para os nossos bivaques-a(Grande
Hotel Cruzeiro do Subl.
Por vezes (e esta noite 6 uma delas) das bandas
do mar s6pra furiosamente, em rijasguinadas, uma
ventania brava que ameaqa, nos fundamentos das
suas frAgeis estacas, a seguranca dos nossos apo-
sentos de lona. Apreensivamente, estiracamo-nos
debaixo do mosquiteiro, pensando, cor uma ruga





TROPA D'XFRICA


s6ria na front, como serA desconfortAvel e intem-
pestivo acordarmos alta noite ao 16u, coma barraca
por ares e ventos, levada na violnncia do furacao.
SRo frequentes nestas paragens as m'nomocaias,
sorte de ciclones que vem do mar cor as mon-
coes da India. E tudo 6 suspeitar que mais esta
maravilha da Natureza nos esteja reservada.
Ha um mes que vimos assim gosando as delfcias
deste hotel. Outro comprido mes de semelhantes
lazeres, suspeitamos estar-se estrat6gicamente pre-
parando, nas altas esferas do Quartel-General, para
nossa extrema ventura. E, a avaliar pela rapidez cor
que os homes vao tombando, uns ap6s outros, como
estorninhos, tiritando de febres ou desfeitos em de-
sinteria, 6 de crer que, ao levantarmos os bivaques
para iniciarmos, emfim, a nossa grande ofensiva,
jA nio exist um soldado capaz de afrontar ga-
lhardamente outros mais negros, porventura mais
trAgicos dias!...

A'queles que IA em Portugal, nas colunas mais
largas das suas gazetas e no maisgrosso normando
dos seus caixotins, espalhavam aos quatro cantos
do mundo que era por cobardia ou comodismo que
os oferecimentos de oficiais e soldados se atrope-
lavam febrilmente para as expedigqes a Africa, de-
sejaria eu agora arrastar pelas orelhas a estas
areas ign6beis, a estas desabrigadas barracas, ao
desconf6rto das nossas messes de capim, A montu-
reira das nossas cozinhas de campanha, a estas
orvalhadas mortfferas da noite e a rudimentar mi-
s6ria dos nossos hospitais,-a t6da esta pesada e
sorna tristeza da nossa atmosf6ra material e moral-
para os fazer tambem gostosamente chafurdar por
uma semana, ao menos, na preamar de delicias e
suavidades que 6 o nosso ((Grande Hotel Cruzeiro
do Subl...




University of Florida Home Page
© 2004 - 2010 University of Florida George A. Smathers Libraries.
All rights reserved.

Acceptable Use, Copyright, and Disclaimer Statement
Last updated October 10, 2010 - - mvs