• TABLE OF CONTENTS
HIDE
 Front Cover
 Half Title
 Do mesmo autor
 Frontispiece
 Title Page
 Preface
 Provincia de S. Tomé
 Angola
 Table of Contents
 Indice das Gravuras














Group Title: Terras de Africa : S. Tome e Angola
Title: Terras de Africa
CITATION THUMBNAILS PAGE IMAGE ZOOMABLE
Full Citation
STANDARD VIEW MARC VIEW
Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/UF00073386/00001
 Material Information
Title: Terras de Africa S. Tomâe e Angola
Physical Description: 455 p. : ill. ; 25 cm.
Language: Portuguese
Creator: Muralha, Pedro
Publisher: Publicitas
Place of Publication: Lisboa
Publication Date: 1924?
 Subjects
Subject: Description and travel -- Angola   ( lcsh )
Description and travel -- Sao Tome and Principe   ( lcsh )
Genre: non-fiction   ( marcgt )
 Notes
Statement of Responsibility: Pedro Muralha.
 Record Information
Bibliographic ID: UF00073386
Volume ID: VID00001
Source Institution: University of Florida
Rights Management: All rights reserved by the source institution and holding location.
Resource Identifier: oclc - 04385404

Table of Contents
    Front Cover
        Front Cover
    Half Title
        Half Title
    Do mesmo autor
        Unnumbered ( 3 )
    Frontispiece
        Frontispiece
    Title Page
        Title Page 1
        Title Page 2
    Preface
        Page i
        Page ii
        Page iii
        Page iv
        Page v
        Page vi
    Provincia de S. Tomé
        Page 13
        Porque fomos a Africa
            Page 13
            Page 14
            Page 15
            Page 16
        De Lisboa a S. Tomé
            Page 17
            Page 18
            Page 19
            Page 20
        S. Tomé, a linda e rica possessão
            Page 21
            Page 22
            Page 23
            Page 24
            Page 25
            Page 26
            Page 27
            Page 28
        A roça agau-izé
            Page 29
            Page 30
            Page 31
            Page 32
        As estufas da roça
            Page 33
            Page 34
        As roças de S. Tomé
            Page 35
            Page 36
            Page 37
            Page 38
        Em pleno mato
            Page 39
            Page 40
            Page 41
            Page 42
            Page 43
            Page 44
        A perola do mar
            Page 45
        Uma saudação
            Page 46
        Os pequenos agricultores
            Page 47
            Page 48
            Page 49
            Page 50
        Na roça do rio do ouro
            Page 51
            Page 52
            Page 53
            Page 54
            Page 55
            Page 56
        A caminho de diogo vaz
            Page 57
            Page 58
            Page 59
            Page 60
            Page 61
            Page 62
        A roça, "ponta figo"
            Page 63
            Page 64
            Page 65
            Page 66
            Page 67
            Page 68
        A roça, "A boa Entrada"
            Page 69
            Page 70
            Page 71
            Page 72
            Page 73
            Page 74
        "Os feiticeiros"
            Page 75
            Page 76
            Page 77
            Page 78
            Page 79
            Page 80
            Page 81
            Page 82
        A roça traz-os-montes
            Page 83
            Page 84
            Page 85
            Page 86
            Page 87
            Page 88
        A mão de obra em S. Tomé
            Page 89
            Page 90
            Page 91
            Page 92
        A colonia de S. Tomé
            Page 93
            Page 94
            Page 95
            Page 96
            Page 97
            Page 98
    Angola
        Page 99
        Page 100
        De S. Tomé a Cabinda
            Page 101
            Page 102
            Page 103
            Page 104
        A região de Cacongo
            Page 105
            Page 106
            Page 107
            Page 108
        A região de Mayombe, um segundo Brazil
            Page 109
            Page 110
            Page 111
            Page 112
            Page 113
            Page 114
            Page 115
            Page 116
            Page 117
        Provincia de Angola
            Page 118
        A questão do Zaire
            Page 119
            Page 120
            Page 121
            Page 122
        A cidade de Loanda
            Page 123
            Page 124
            Page 125
            Page 126
            Page 127
            Page 128
        "Ritas" contra "Chamiços"
            Page 129
            Page 130
            Page 131
            Page 132
        O Porto de Loanda
            Page 133
            Page 134
            Page 135
            Page 136
        De Loanda a' Barra do Dande
            Page 137
            Page 138
            Page 139
            Page 140
        No alto dande
            Page 141
            Page 142
            Page 143
            Page 144
        A fazenda <>
            Page 145
            Page 146
            Page 147
            Page 148
        Na margem do cuanza
            Page 149
            Page 150
            Page 151
            Page 152
        As industrias em Loanda
            Page 153
            Page 154
            Page 155
            Page 156
            Page 157
            Page 158
        A caminho de Malange
            Page 159
            Page 160
            Page 161
            Page 162
            Page 163
            Page 164
        Caminho de ferro
            Page 165
            Page 166
            Page 167
            Page 168
            Page 169
            Page 170
        O que Malange pode ser
            Page 171
            Page 172
            Page 173
            Page 174
            Page 175
            Page 176
        Em gola-luije
            Page 177
            Page 178
            Page 179
            Page 180
            Page 181
            Page 182
        De cassoalala ao dondo
            Page 183
            Page 184
            Page 185
            Page 186
        De dondo a caxombo
            Page 187
            Page 188
            Page 189
            Page 190
        Quissama agricola
            Page 191
            Page 192
            Page 193
            Page 194
            Page 195
            Page 196
            Page 197
            Page 198
            Page 199
            Page 200
        De caxombo a calulo
            Page 201
            Page 202
            Page 203
            Page 204
            Page 205
            Page 206
        No libolo
            Page 207
            Page 208
            Page 209
            Page 210
        A quibala
            Page 211
            Page 212
            Page 213
            Page 214
            Page 215
            Page 216
            Page 217
            Page 218
        A Caminho de N'Golo
            Page 219
            Page 220
            Page 221
            Page 222
            Page 223
            Page 224
        O Amboim
            Page 225
            Page 226
            Page 227
            Page 228
            Page 229
            Page 230
            Page 231
            Page 232
            Page 233
            Page 234
            Page 235
            Page 236
            Page 237
            Page 238
        Uma pagina epica
            Page 239
            Page 240
            Page 241
            Page 242
            Page 243
            Page 244
        A Cuanza Sul
            Page 245
            Page 246
            Page 247
            Page 248
        De N'Golo ao bailundo
            Page 249
            Page 250
            Page 251
            Page 252
            Page 253
            Page 254
        O que é Huambo
            Page 255
            Page 256
            Page 257
            Page 258
            Page 259
            Page 260
        A região de quipeio
            Page 261
            Page 262
            Page 263
            Page 264
        "A cápa"
            Page 265
            Page 266
            Page 267
            Page 268
            Page 269
            Page 270
            Page 271
            Page 272
            Page 273
            Page 274
            Page 275
            Page 276
        A região do bié
            Page 277
            Page 278
            Page 279
            Page 280
        Tragedia numa caixa de ponto
            Page 281
            Page 282
        Do Bié ao Lobito
            Page 283
            Page 284
            Page 285
            Page 286
        O que é o Lobito
            Page 287
            Page 288
            Page 289
            Page 290
            Page 291
            Page 292
        Catumbela a abandonada
            Page 293
            Page 294
            Page 295
            Page 296
            Page 297
            Page 298
        Em benguela
            Page 299
            Page 300
        O dombe grande
            Page 301
            Page 302
            Page 303
            Page 304
            Page 305
            Page 306
            Page 307
            Page 308
        Do dombe a caimbombo
            Page 309
            Page 310
        Caminho de ferro de Benguela
            Page 311
            Page 312
            Page 313
            Page 314
            Page 315
            Page 316
            Page 317
            Page 318
        A região do luimbale
            Page 319
            Page 320
            Page 321
            Page 322
        Minas de diamantes de Angola
            Page 323
            Page 324
            Page 325
            Page 326
            Page 327
            Page 328
            Page 329
            Page 330
            Page 331
            Page 332
        A região de Caconda
            Page 333
            Page 334
            Page 335
            Page 336
            Page 337
            Page 338
        A vinganca do Óhóle
            Page 339
            Page 340
            Page 341
            Page 342
        O distrito de Huila
            Page 343
            Page 344
            Page 345
            Page 346
            Page 347
            Page 348
            Page 349
            Page 350
            Page 351
            Page 352
            Page 353
            Page 354
            Page 355
            Page 356
            Page 357
            Page 358
            Page 359
            Page 360
        A região de humpata
            Page 361
            Page 362
            Page 363
            Page 364
            Page 365
            Page 366
            Page 367
            Page 368
        Gambos e Tçhiapepe
            Page 369
            Page 370
            Page 371
            Page 372
        No humbe
            Page 373
            Page 374
            Page 375
            Page 376
        a raça vacumbi
            Page 377
            Page 378
            Page 379
            Page 380
            Page 381
            Page 382
        Uma segunda Argentina?
            Page 383
            Page 384
            Page 385
            Page 386
            Page 387
            Page 388
        As cataratas do Ruacaná
            Page 389
            Page 390
            Page 391
            Page 392
            Page 393
            Page 394
            Page 395
            Page 396
            Page 397
            Page 398
            Page 399
            Page 400
            Page 401
            Page 402
        No posto de Donguena
            Page 403
            Page 404
            Page 405
            Page 406
        Kiita e Chibia
            Page 407
            Page 408
            Page 409
            Page 410
            Page 411
            Page 412
            Page 413
            Page 414
        A Serra de Chela
            Page 415
            Page 416
            Page 417
            Page 418
        A região de Bibala
            Page 419
            Page 420
            Page 421
            Page 422
        Caminho de ferro
            Page 423
            Page 424
            Page 425
            Page 426
        O esforço da <>
            Page 427
            Page 428
            Page 429
            Page 430
        Em Mossamedes
            Page 431
            Page 432
            Page 433
            Page 434
            Page 435
            Page 436
            Page 437
            Page 438
            Page 439
            Page 440
        Os problemas de Angola
            Page 441
            Page 442
            Page 443
            Page 444
            Page 445
            Page 446
            Page 447
            Page 448
            Page 449
            Page 450
            Page 451
            Page 452
            Page 453
            Page 454
            Page 455
    Table of Contents
        Page 456
        Page 457
    Indice das Gravuras
        Page 458
        Page 459
        Page 460
        Page 461
        Page 462
        Page 463
Full Text

Pedro Muralha
TERRAS DE AFRICA
/''\ .i ..^
n/"-^^ -


.-4.












eI


ERRAS DE AFRICA


9i


R






















DO MESMO AUTOR:

A Alemanha perante a Europa, i volume.
A Belgica Heroica (esgotado), 1 volume.









































PEDRO MURALHA






PEDRO MURALHA


TERRAS DE AFRICA




S. TOME E ANGOLA


















COMPOSTO E IMPRESSO NA


P.LUIZ DE C(fANOE 5.22-:1D.
LI-S BOA*

















PREFACIO



Se todos os portugueses conhecessem as nossas coldnias, os seus
vastos recursos, as suas numerosas possibilidades, o muito que Id
se labuta e os sacrificios daqueles que daqui vdo para, sem descango
ou desanimo, concorrerem para o progress e riqueqa dessas ricas
terras de Portugal, decerto o nosso problema colonial seria em
breve resolvido. Por isso, largos serviFos prestam aqueles que,
como Pedro Muralha, nos veem descrever, em linguagem fluente
e que sem esforco nos prende a atencao, tudo o que viram por
essas terras de o4frica, que portuguesas sao e portuguesas conti-
nuardo a ser, se quirermos por elas trabalhar como pot elas tra-
balharam aqueles que as descobriram, conquistaram e no-las con-
servaram atd hoje.
A transformacao por que estd passando Angola d considera-
vel e digna de que a Metropole a acompanhe e auxilie, ainda que
corn sacrificio que ndo haverd de ser de longa duracdo. Ao pen-
sarmos que ainda ha bem poucos anos a colonial apenas vivia e
qudsi exclusivamente dependia da borracha ou das oleaginosas,
que da colheita do indigena provinham exclusivamente, ndo pode-
mos deixar de considerar como um magnifico resultado das nos-
sas nunca desmentidas qualidades de colonisadores o largo
desenvolvimento das planta96es do caft e do acucar, as tentativas
para a producdo do trigo, a crescente producao das oleaginosas
e tantas outras manifestap6es da' nossa actividade nessas terras
de Angola, ds quais, como nenhium, o nosso colono se adapta cor
tao singular facilidade.
Um pais quator e vezes maior que Portugal, aonde ainda

















ha pouco sd se viajava corn a lentiddo que os indispensaveis car-
regadores impunham, estd hoje cortado de estradas que nos levam
de automovel ds mais afastadas regi6es da colonia. E pena d que
o desenvolvimento das vias ferreas nao acompanhe, como tanto
conviria, o dos outros meios de comunicacao.
As industries, por sua parte, procuram implantar-se e alar-
gar-se num meio que tao favoravel Ihes pode ser, mas carecendo
sempre do indispensavel capital, que os ricos da Metropole tdo
avaros sao em Ihe enviar, apesar dos exemplos que bem podiam
colher do que na visinha colonia de S. Tomd se passou.
Se de Angola passamos a fMocambique, encontramo-nos em
meio bem diferente. Colonia cor menores recursos naturais
do que c4ngola, a sua situacdo geografica, que a dotou com os
melhores portos de entrada para o interior e a proximidade de
visinhos a quem ndo falta o ouro na profundidade das suas ter
ras, le; cor que a nossa Africa Oriental se desenvolvesse larga
mente, criando-lhe largas receitas, em part provenientes do tra.
balho alheio.
Emquanto que em Angola tudo e portugues, com&rcio, indus-
tria e capitals, em WMofambique deu-se uma grande infiltracdo
estrangeira. E ainda ai podemos tambem admirar a admiravel
adaptacdo da nossa gente portuguesa, pela maneira como lu-:
tamos cor essa infiltracao que nao podemos, nem devemos evi-
tar, lutando corn ela corn admiravel pertinacia, tirando dela o
que de bom nos pode dar, e concorrendo pelo seu trabalho, pelo
seu born senso e pelo seu nunca desmentido patriotism para con.
servar bem porfuguesa, uma terra que tantos dlementos diversos
procuram desnacionali'ar.
LourenFo Marques d hoje uma terra portuguesa que bem
podia servir de model d Metropole, que nada mais Ihe dd hoje do

















que o contagio de virus da md political que tantoitende a destruir
as fundamentals qualidades do nossopovo. E, apesar disso, SMogam-
bique progride e medra, para bem da nossa terra e para gloria
das nossas tradic6es de colonizadores.
Largamente se refere Pedro Muralha a dois assuntos de
primordial importancia, aos nossos indigenas e d agriculture
colonial, e razdo ter em considerar largamente estas duas bases
primaciais da nossa vida colonial.
S. Tomd e Principe d uma colonia modelar de plantacdo,
onde ludo se deve ao esforco dos nossos colonos, que para ali leva-
ram o trabalho teimoso e metodico e uma entergia que, nunca
desmentida, resultou num empreendimento que d eMetropole dd
milhares de libras e na colonia nao deixou uma polegada de ter-
reno improductivo. Tudo all se deve d iniciativa particular, que
soube lutar cor as dificuldades locais e atd poude vencer as que
tantas vexes Ihe levantou a orientacao por veges mal encaminhada
do poder central.
Em Angola, nesses sert6es, onde tantas vidas foram sacrifica-
das aos interesses da nacdo, vdem se hoje plantac6es perenes de ri-
quega, onde homes cheios de fe profunda nos destinos da coldnia
estdo prodigalisando todos os recursos que puderam amealhar, gas-
tando ao mesmo tempo ali a sua saude e vida. E, caso muito para
ponderar, quasi todas essas plantacoes foram iniciadas pelo es-
forco individual e cor capitals de tantos que melhor emprego
ndo julgaram poder-lhes dar do que entregando-os d terra de
Angola, cijas promessas ndo lhes seriam enganadoras.
Em Mocambique a producdo agricola deve-se sobretudo ds
grades companhias, quasi todas estrangeiras, comquanto a ini-
ciativa individual quando ajudada por um trabalho inteligente e
teimoso possa dar esplendidos resuttados, com o o emonstram os

















que foram conseguidos pelo Dr. E. Saldanha. 0 regimen dos
prasos que tantos' teem atacado, sem entretanto saber como trans-
formd-lo, fe; da Baixa Zambepia a nossa melhor coldnia de plan-
tacdo depois de S. Thomd.
Mas, quer em Angola quer em S. Thome, o indigena ainda
hoje e o principal agricultor, usando sempre os seus rudimentares
processes que uma administracdo ponderada e cuidadosa deveria
farer o possivel para melhorar. Infeligmente, pode pordm diver-se
que nao hd nas nossas coldnias services agricolas, pois os que exis-
tem sdo tdo pobres, tdo desprovidos de meios de accao que a sua
influencia e nula. Atd em Slocambique, onde os services agrico-
las foram instalados cor largue;a e boa vontade, se ndo cuidou
de manter o que tanto custara d provincia, e em todas as nossas
colonies a. direccdo da agriculture e a mais pobremente dotada,
como se inutil fosse a sua accao.
~2um mal pensado, se bem que generoso espirito de igualda-
de, deram as nossas leis aos indigenas os mesmos direitos e deve-
res que aos restantes cidaddos portugueqes., sem cuidar se dos
primeiros eles se poderiam utilisar ou se lhes seria possivel cum-
prir os segundos. E porque se esqueceu que sd a educacdo pode
igualar aqueles que a naturela feq diversos, foi creada uma si-
tuacao que aos indigenas tem sido tantas vexes prejudicial e a
que se ter procurado obviar cor expedientes e por veges sem res-
peito pelos direitos que aos indigenas deveriam ser mantidos e res-
peitados. E sobretudo na grande questdo de trabalho indigena
que mais dificuldades se ter levantado.
Sem o trabalho indigena, o progress e o desenvolvimento
das terras africanas e impossivel' e, cor eles, a civilisacdo dos
mesmos indigenas E, porque assim e, a liberdade que a lei lhes
Sgarante sofre tantas vezes de abusos que sobretudo resultam do

















facto de que a necessidade fa; lei, e de que o europeu, mais edu-
cado, mais civilisado, e que ndo quer ver os seus trabalhos e as
suas plantac6es perdidas, emprega todos os meios que ao seu dis-
por encontra para procurar a mdo de obra que Ihe falta.
Mais seguro e mais util seria que os direitos que ao indigena
devem pertencer fossem progressivamente crescentes d medzda que
a sua educacdo progredisse, empregando o pai; colonisador todos
os meios para conseguir essa educacdo. E sempre melhor conside-
rar os factos como eles sdo, sem idealisar impossibilidades e sem
praticas que se podem transformar em abusos.
Para que as nossas colonies prosperem e vivam do trabalho
prdprio sd uma coisa Ihes falta por veqes: luma boa administraado.
Se isto ndo fosse uma verdade incontestdvel bastaria ver o que em
eMocambique se passou quando, nos ultimos. tempos, dirigiram os
seus destinos homes como Antdnio Enes e Mousinho, cuja influen-
cia hoje ainda se faq sentir. Ddem-se a homes competentes liberda-
de e autoridade e as coldnias progredirdo sem custo, sem neces-
sidade das es'molas da SIetropole, que elas nao deveriam pedir,
nem receber.
O ,s que nas coldnias. vivem e trabalham, os que as teem
feito o que elas sdo, os que Id teem gasto a saude, a sua activi-
dade, a sua energia, ndo podem estar d mercd dequalquer incompe-
tente que os alares da political podem levar a uma situacdo para que
ndo tem qualidades, nem feitio. Devemos considerar que passou
o aperiodo em que as col6nias eram apanagio dos protegidos que
careciani de fager ou refayer as suas fortunes.
'Precisamos trabalhar nas col6nias, mas e zndispensdvel que
aqueles que ahi trabalham se sintam amparados e dirigidos por
mao segura e firme, que os ajude e uxilze em veT de lhes levantar
embarapos e dificuldades. Devemf contar com o trabalho pr6-

















prio e ndo viver do alheio, alugando a mdo de obra ou abrindo
bars ou casas de jogo.
Ter o nosso povo s6lidas qualidades de colonisador. 0 que,
quasi desajudado, ter feito, d segura prova do que lhe d possivel
faster Que correm risco as nossas col6nias d a opinido que hoje
tantas vexes ourimnos expressar. Para que ela ndo se tome uma
realidade d indispensdvel que vara as nossas col6nzas dirijamos
aqueles, e infeli[mente tantos sdo, que de Portugal se dxpatriam,
preparando-lhes os meios necessdrios. e .indispensdveis de ahi se
fixaret e viverem. Ndo d semipesar que podemos ver uma col6nia
dispender 1.200 contos por ano para ter urn luxuoso hotel onde
possam ir estrangeiros divertir-se, aancar e jogar, e ndo pensar
que bem melhor empregado seria esse dinheiro em receber al-
gumas centenas de families portuguegas que ajudariam a nacio-
nalisar uma terra onde hd jd tanto de estrangeiro.
Mostra-nos Pedro Muralha, no belo trabalho que agora pu-
blica, as possibilidades das nossas col6nias e o muito que Id temos
feito. E bem haja, porque'quanto mais as col6niasforem conhecidas
mais elas merecerdo a atencdo e carinho de todos n6s. 0 seu li-
vro d um livro de divulgacdo e um element mais de estudo e d
por isso' que, sem concordar corn todos os seus pontos de vista,
eu o felicito porque talveq ele, e oxald que assim seja, leve para
o nosso ultramar tantos que vdo, pelo seu trabalho e esforco crear
riqueIa emterra que, mesmo amiga, sempre e' alheia.


A. FREIRE D'ANDRADE

















PORQUE FOMOS A AFRICA



Teem os jornaes publicado inumeros artigos sobre a Africa.
Existe ja uma avultada biblioteca sobre as nossas possesses
ulhramarinas, mas esses artigos, geralmente, teem sido escriptos
por pessoas que nunca passaram do litoral ou que se fixaram
em determinado ponto d'Africa.
Sim, toda essa vasta biblioteca que ja existe sobre as nos-
sas colonies tem sido escripta por homes, especialisados em
various problems, ou interessados em determinados negocios.
Era precise aue alguem que nao tivesse interesses em Africa
fosse percorrer todos esses nossos dominios, para, cor a mais
desassombrada imparcialidade, vir dizer a Metropole o que eles
sao, fazendo crear assim uma consciencia colonial, que ate aqui
nao existia e que tao necessaria se torna.
Partimos. pois, levando no coracao a image da Patria e
convencidos de que a Patria iamos prestar um relevant ser-
vico.
Tivemos para isso que suspender o nosso diario A Van-
guarda, e, para comunicarmos cor o paiz, teriamos necessidade
de contractor cor um outro diario a publicacao das nos-
sas cronicas, escriptas na procedencia. E tudo indicava que
esse diario fosse A Capital, ja pelas rela6es de amisade que ha
cerca de 20 anos nos ligam ao seu director' sr. Manuel Guima-
raes j pelas tradiq6es desse diario em material colonial.
Por duas vezes, de Lisboa partiu um enviado especial a fir
de percorrer a Africa num inquerito jornalistico. Esse enviado
foi escolhido corn o maior criterio. Hermano Neves, se nao fos-
se a doenca que na sua primeira viagem o colheu em S. Tom6,
e na segunda viagem na provincia de Mocambique, teria feito
um trabalho colossal e prestado ao seu paiz um relevant ser-
vico.
Estava, pois, por fazer o trabalho, que n6s acabdmos, ainda

















PORQUE FOMOS A AFRICA



Teem os jornaes publicado inumeros artigos sobre a Africa.
Existe ja uma avultada biblioteca sobre as nossas possesses
ulhramarinas, mas esses artigos, geralmente, teem sido escriptos
por pessoas que nunca passaram do litoral ou que se fixaram
em determinado ponto d'Africa.
Sim, toda essa vasta biblioteca que ja existe sobre as nos-
sas colonies tem sido escripta por homes, especialisados em
various problems, ou interessados em determinados negocios.
Era precise aue alguem que nao tivesse interesses em Africa
fosse percorrer todos esses nossos dominios, para, cor a mais
desassombrada imparcialidade, vir dizer a Metropole o que eles
sao, fazendo crear assim uma consciencia colonial, que ate aqui
nao existia e que tao necessaria se torna.
Partimos. pois, levando no coracao a image da Patria e
convencidos de que a Patria iamos prestar um relevant ser-
vico.
Tivemos para isso que suspender o nosso diario A Van-
guarda, e, para comunicarmos cor o paiz, teriamos necessidade
de contractor cor um outro diario a publicacao das nos-
sas cronicas, escriptas na procedencia. E tudo indicava que
esse diario fosse A Capital, ja pelas rela6es de amisade que ha
cerca de 20 anos nos ligam ao seu director' sr. Manuel Guima-
raes j pelas tradiq6es desse diario em material colonial.
Por duas vezes, de Lisboa partiu um enviado especial a fir
de percorrer a Africa num inquerito jornalistico. Esse enviado
foi escolhido corn o maior criterio. Hermano Neves, se nao fos-
se a doenca que na sua primeira viagem o colheu em S. Tom6,
e na segunda viagem na provincia de Mocambique, teria feito
um trabalho colossal e prestado ao seu paiz um relevant ser-
vico.
Estava, pois, por fazer o trabalho, que n6s acabdmos, ainda






14 S. TOMt E ANGOLA

que cor tanta pobresa de estilo. O leitor, no decorrer das pa
ginas que vae ler, podera avaliar a importancia d esse traba-
Iho, e que outros, corn mais competencia do que n6s, concluam
a obra tao altamente patriotic que comecdmos a construir.
E' necessario que cada portuguez sinta no peito a sorte das
suas colonies. e para o sentir 6 precise conhece las. E' essa
obra de vulgarisacao que cumpre aos jornalistas que nao exer-
cem a sua profissao simplesmente para ganhar os meios de
subsistencia e que se orgulhem de sermos poderosos, porque o
somos.
Se o military cumpriu o seu dever durante tantos anos em
terras de Africa, a fim de manter ali a soberania portugueza, que
os jornalistas cumpram tambem o seu fazendo campanhas de
vulgarisacao por forma a que as nossas colonies estejam estrei-
tamente ligadas a Metropole, conhecendo a nacionalidade por-
tugueza todos os problems que se debate alum Atlantico,
problems aliaz tao variados e complexes.





Diz-se que Portugal 6 um paiz pequeno ? Suprema ignoran-
cia!
Como classificar-se de pequeno um paiz, a quem, por as-
sim dizer os oceanos Atlantico e Indico pertencem ? Quem em
barcar em Lisboa ati Mocambique, que sao cerca de 40 dias
de viagem, s6 ouve falar portuguez em todos os portos, a nao
ser no Cabo da Boa Esperanva, que negligentemente deizamos
-perder.
Portugal possue todo o necessario para continuar.sendo um
dos primeiros paises colonisadores.
No Continente temos populacao desejosa e apta para emi-
grar. E essa populacao vae, corn o seu esforoo, enriquecer ter-
ras do Brazil, da America do NoFte e de Marrocos; do archi-
pelago da Madeira partem constantemente levas de emigrantes
para a America e para o Transvaal; Aqores e Cabp Verde po-
voam cidades americanas; da Guine emigram para o Senegal.
A populacao de Angola, principalmente de Cabinda, tambem 6
bastante apta para emigracoes; de Mocambique para o Rand;
da India para Bombaim; de Macau:para todo o Oriente. S6 S.
Tome e Timor nao teem populacao apta para emigrar.
Temos, como nenhum outro povo, extensao de terrenos apro-
priados para receberem essas emigraCes. Que mais nos 6 ne-





TERRAS DE.AFRICA


cessario para o nosso-futuro ser risonho? Que a political colo-
nial se sobreponha a todas as outras political, que se trabalhe,
que em cada portuguez exista um patriota, e s6 as colonies, s6
a ambicao de demonstrarmos ao mundo as nossas qualidades
colonisadoras, poderao levar o paiz a esse desideratum, mas
para isso s6 com um aturado trabalho de propaganda. E' esse
trabalho-que comeCamos a fazer, coma o leitor vae ver. Foi bas-
tante espinhosa a nossa viagem,. mas sentimo-nos satisfeitos
pelo dever cumprido. Oxald a semente frutifique!





A campanha contra as nossas colonies e contra o nosso
predominio ultramarino, que em 1911 ecoou por todoo mundo,
campanha, iniciada pelos grandes orgaos da imprensa alema e
aplaudida pelos jornaes inglezes, comega novamente a esbocar-
se. E todavia essa campanha nao 6 just. S6 quem verificou o
grande esforgo portuguez em todos os cantos da nossa Africa
poderd avaliar da injustica de taes campanhas. Em parte algu-
ma das nossas colonies se estd mais atrasado do que nas Rode-
zias. E todavia esses vastos dominios sao inglezes. Tao pouco
o Congo Belga estd muito mais desenvolvido do que as colo-
nias portuguezas. O mesmo sucede cor a Damaralandia. Teem
essas colonies redes de caminhos de ferro como os da Euiop'a ?
Tambem n6s em Angola estamos trabalhando afincadamente nos
caminhos de ferro. A linha Loanda-Malange est6 sendo toda
modificada, com material, tanto fixo como circulante do mais
aperfeicoado. Os caminhos de ferro de Benguela nao nos en-
vergonham. J6 estao construidos mais de 800 hilometros e em
i927 deve chegar A Katanga. De Novo Redondo parte um
troco de capinho de ferro que dentro de pouco tempo ira ate
ao Bailundo. E' o caminho de ferro do Amboim, cuja inaugura-
qao se fez recentemente, numa extensao de. 80 kilometros. Os
caminhos de ferro de Mossamedes tambem nao estao paralisa-
dos. JA chegam at6 ao Lubango, mais de 200 kilometros, e den-
tro em pouco chegarao at6e Chibia. O Congo vae tambem
ser beneficiado corn os caminhos-de ferro do Bembe.
E A media que as locomotives vao avangando pelos ser-
tres, todas essas regimes se vao transformando, erguendo-se
cidades, agricultando as terras, e desenvolvendo as industries,
como o provamos nas cronicas que a seguir publicamos.
Abenqoados sejam esses portuguezes que, com o seu esforco0





16 S. TOME E ANGOLA

em terras d'Africa. tao eloquentemente sabem desmentir tudo o
que contra n6s de desabono se propala 16 f6ra.




A concluir:
Quando nos dispuzemos a partir para a Africa dirigimo-
nos a varias individualidades coloniaes, que souberam ver a
grande vantage do nosso empreendimento e que nos anima-
ram cor os seus conselhos. Especialisaremos os Ex.mos Srs. Ge-
neral Freire de Andrade, Ernesto de Vilhena e Henrique Mon-
teiro de Mendonga
Tambem em Angola tivemos grandes auxiliares. como os
Ex.-0s Srs. Dr. Alves da Cunha, Dr. Pinto Teixeira, director da
Pecuaria de Angola e loao Gomes Percheiro.
Em Mogambique, tivemos como poderosos elements para
o cumprimento da nossa espinhosa missao, alem d'outros, os
Ex."ms Srs. Engenheiro Carlos Duque, Tombs de Paiva Raposo
e Oliveira da Silva.
No Rand derarp-nos a sua cooperacqo os Ex.B" Srs. Dr.
Pires de Carvalho, digno Curador dos indigenas, e Jose Ferreira,
nosso vice consul em Johanesburgo.
A todos, os nossos mais sinceros agradecimentos. pedindo-
Ihes desculpa se ferimos a sua modestia dando publicidade a
este testemunho de gratidao.
E agora, leitor amigo: acompanha-nos nesses 8 mil hilome-
tros que percorremos em Angola, e nos cerca de 4 mil hilonie-
tros, 300 dos quaes as costas de indigenas, que tambem hemos
percorrido na Costa Oriental, Niassaland, Rodezia e Transvaal.

















DE LISBOA A S. TOME


A BOA DISPOSICAiO DO SENATOR SR. MENDES
DOS REIS E 0 ESTOMAGO AVARIADO DO DEPU-
TADO SR. FRANCISCO CRUZ UMA TRAGEDIA
A BORDO

Alto mar. Ha seis longos dias que nao divisamos terra. 0
cional de Navegacao,' impAvidamente tern sulcado o vasto oceano,
sem que coisa alguma detenha a sua derrota. Nao se p6de dizer
que a viagem tenha sido aborrecida, nao Ate 4 Madeira, a nao
ser algumas senhoras que recolheram aos seus camarotes logo
que saimos a barra de Lisboa, a viagem foi optima, como optima
continuou sendo at6 as alturas de Dakar. Aqui, uma vaga de ca-
lor atingiu, com os seus maleficos efeitos, quasi todos os passa-
geiros. Nunca sentimos depressao nervosa tao desagradavel. Era
uma atmosfera de fogo, que nos prostrava e que nos deprimia.
Dizia-me um companheiro de viagem, home ilustrado e
habituado a estas travessias:
-Nunca me senti como hoje. Se tivesse que fazer alguma
coisa, ainda que fosse ftcil, declarava-me impossibilitado de o
fazer.
E para que o aborrecimento se avolumasse mais, para que
a viagem se tornasse mais enfadonha neste mar senegal8s, 6 dia
de luto a bordo. A orquestra emudeceu e os passageiros s6 fa-
lam na tragedia ocorrida na vespera.
Era um velho chegador. Velho na idade, pois que era esta a






18 S. TOMI E.ANGOLA

primeira viagem que fazia. Sup6e-se que em terra nlo arranjasse
trabalho para sustentar a familiar. 'Apareceu-lhe um logar no
pessoal de fogo do aAngolav. Era pesadissimo para a sua idade,
mas era um logar onde auferia o suficiente para que a sua pobre
familiar nao morresse de fome. E veiu. Mas o servigo era superior
as suas forqas e, alIm da tortiira do trabalho, um autentico traba-
lho de forqado, tinha o escarneo, as constantes censuras, os re-
petidos insultos de alguns dos seus companheiros. Se pno podia,
para que viera?
Foi esta a versao que chegou at6 n6s e que nos foi comuni-
cada por gente de bordo.
Mas uma noite, a hora em que no deck da primeira classes
se dancava ou se cantavam canq6es saudosas duma patria nao
menos saudosa, o desgragado fogueiro, quando andava na faina
torturante de langar carvao nas fornalhas incandescentes, sentiu-se
desfalecer. Mandaram-no subir para o convez, a fim de poder re-
frescar o sangue cor o ar salitroso do Atlantico.
E as. ondas pavorosas, que brutalmente se arremessam
contra o costado do navio, atrairam-no. Viu nelas a sua salvaqgo,
a unica f6rma de alijar o fardo pesadissimo da vida. E depois?...
E depois o pobre chegador desapareceu, engulido sinistramente
por este mar pavoroso.

*


Passada a borrasca que sempre nos detem em frente da
Serra Le8a, o tempo melhorou e a atmosfera desanuviou-se um
pouco tornando-se mais leve e, consequentemente, mais suporla-
vel. Muito calor, mas menos sufocante. JA nao sentimos aquele
calor humido, que nos fazia transpirar a tod o moment e nos
dava a desagradavel impressgo de terms as maos pegajosas,
como se estivessem untadas de oleo.
No moment em que escrevo, passamos em frente da repu-
blica da Liberia. Talvez fosse por este facto que o sr. Cunha
Leal e todos os seus amigos fizeram ,toiletter para o jantar
quando havia ficado combinado, d said da Madeira, nio se fazer
toiletteD, visto o incomodo do calor.






TERRAS DE AFRICA g9

Mas, adeante. Entre os passageiros, os factos que se teem
tornado mais notaveis a bordo sao a discipline metodica do sena-
dor Mendes dos Reis e o estomago avariado do deputado Fran-
cisco Cruz. O sr. coronet Mendes dos Reis.vai ao Nyassa fazer
um inquerito aos serviqos da Companhia soberana, a qual, se-
gundo corre, apenas se tem limitado a cobrar o imposto de
palhota. La chegaremos. O sindicante a Companhia levanta-se
as 7 horas e meia, sendo sempre o primeiro passageiro que se
senta a mesa para o primeiro almoqo.
Findo este,, passa 4 horas a estudar, e de tarde' diverte-se
como p6de.
O deputado Francisco Cruz, que vai caqar ds plagas afri-
canas, tern sido bem infeliz. O enj6o, sempre que a vaga e
mais cava, nao o desampara. Mas nao Ihe digam que ele vai
enjoddo. Isso, iunca. Mal disposto do estomago, devido a um
pato que comeu ha 8 dias, carnede porco que ha 3 dias ingeriu,
ou corn aquele atum corn cebola que Ihe deram ontem ao
almogo! Se nao f6sse o seu desarranjo intestinal, o dr. Francisco
Cruz faria uma viagem repleta de encantos.






O tratamento a bordo nao 6 mau, mas, segundo opini6es
autorisadas, ter ji sido melhor. Todavia, devemos confessar
que, para coisa portuguesa, e muito razoavel. O pessoal e todo
muito amavel.
A bordo vai um serviqo sanitario como muitos paquetes
ingleses e alemaes nao possuem. Leva todo o material necessd-.
rio para os chamados casos urgentes. Fomos visitar o hospital
de bordo e tivemos ocasiao de admirar esse serviqo, tao profi-
cientemente dirigido pelo sr. dr. Leao Lopes.
Outro tanto nao sucede corn a telegrafia. Saimos ha 9
dias de ,Lisboa e temos estado completamente isolados do mundo.
Ainda nem um radio, dando uma simples noticia, chegou ao co-
nhecimento dos passageiros. Por certo que a direcglo da Comr






20 s. TOM9 E ANGOLA

panhia desconhece esta deficiencia. E por certo ela proyidenciard
no sentido de que, de future, us passageiros tenham conheci-
mento dos radios que a telegrafia sem fios vai recolhendo.
Agora mesmo, o ilustre comandante do navio nos declarou
que nesta costa os telegramas nao oferecem interesse, visto s6,
comunicar com Dakar. Seja como f6r. Merece um sacrificio da.
Companhia a montagem complete deste serving a bordo.
Se o tratamento 6 de' maneira a nao nos envergonhar, po-
dendo viajar nos barcos desta Companhia os estrangeiros, porque:
nao fornecer aos passageiros a noticia diaria, que tio neessa-
ria 6 ?
Sao pequenas coisas que, sem duvida, se modificarao para,
comodidade de quem viaja por estas paragens.



BORDO DO ANGOLAA", 9-9-924.

















S. TOME, A LINDA E RICA POSSESSAO

AMEA(ADA NA SUA GRANDE RIQUEZA
-0 CACAU-PELA FALIA DE BRAqOS
E PELO MAL DO CACOEIRO



A ROCA UBA BUDO E OS SEUS INDIGENAS- UM
,BATUQUE INFERNAL

Pouco mais de 1 dias levou o Angola, a percorrer as
3.480 milhas que separam Lisboa de S. Tome, apesar de ter es-
tado parade no porto do Funchal umas Io horas.
Chegamos as 3 horas da tarde do dia 12. S. Tome estava
envolvida em densas nuvens. Logo que puz6mos p6 em terra sen-
timos um calor abafado, como se tivessemos entrado numa estufa.
Na alfandega, umn empregado, negro como um tigqo, encadernado
num fato branch, exige que Ihe mostrem6s a nossa pequena
mala de mao.
-Esta bem, p6de fechar,-diz-nos numa voz aflautada.
Saimos do edificio da alfandega e entramos numa grande
praqa ornada de palmeiras, onde se viam muitos brancos, aguar-
dando noticias da patria distant. Ao fundo, atravessando as es-
treitas ruas de S. Tome, caminham indolentemente vultos de c8r
negra, cobrindo-lhes apenas as pernas grossas serapilheiras.
-Sago homes ou mulheres?-perguntamos a um amigo que
comnosco havia desembarcado.
-E' dificil destrincar, respondeu-nos.

































A CIDADE DE S. TOME








Depois embrenhamo-nos neste dedalo de ruas da cidade que
em 1471 foi descoberta por arrojados navegadores portugueses e
que sob o dominion de Portugal continia. A cidade de S. Tom6
nada deve A beleza.
Habitac6es vulgarissimas, tendo a tornA-la mais antipatica a
sua situaq5o insalubre. Cidade sob o Equador, envolve.-a quasi
permanentemente uma atmosfera quente, humida e pesada, pro-
duzindo nos europeus que nao estio aclimatados aqui um estado
absolutamente enervante.
Depois de tomarmos cerveja, que custou Io escudos, mete-
mo-nos numa tipoia e dirigimo-nos para a Uba Budo, roca per-
tencente A Companhia Agricola Ultramarina, levada a um grande
grau de prosperidade pelo seu antigo proprietario, o falecido co-
lonial Josi Ferreira do Amaral.
Saindo da cidade, tomAmos por uma estreita estrada, margi-
nada dum arvoredo tao compact que julgamos atravessar um
parque. Mas nio, nao era um parque.'Era o campo, era o mato.
E, entio, quedamo-nos extasiados. Nunca imagindmos existirem
florestas de tao grande beleza. Sao milhares de arvores tropicais,
algumas tao gigantescas que parecem desafiar as tempestades.
Sgo as bananeiras com as suas enormes folhas dum verde bri-
Ihante; sao os cacoeiros, cujas capsulas como mel6es se encon-
tram penduradas nos troncos; sao mangueiras, que produzem tio
saborosa fruta; sao AbacAtes, vergadas ao peso de grandes fru-
tas, do feitio de peras; 6 o ePau Capitgo,, a xO'cd a Jaca. Sao,
enfim, Cajfis, Caf6seiros, Cajamanjas, e tantas e tantas diversi-
dades de arvores que se confundem e que apresentam um aspect
impossivel de descrever.
A Ilha de S. Tome traduz-se n'um amontoado de macissos
de verdura. A sua vegetacgo 6 uma coisa simplesmente prodi-
giosa. Os seus m6rros, que chegam a atingir 2.400 metros de
altitude; as suas ravinas cortadas a pique, ao fundo das quais
correm ribeiros que se transformam em cascatas; a sua vegeta-
q0io luxuriante, que nos dd a impressao de estarmos envolvidos
num grande bouquet, de verdura, mas dum verde tao brilhante
que nos chega a ferir a vista, fazem corn que esta ilha seja o
oasis mais belo que a aboboda celeste cobre, e que s6 poderia
ser fantasiada pelo mais hablil scenografo.


23


TERRAS DE AFRICA





S. TOMt E ANGGLA


S. TOME Palacio do Governo


E na tipoia, ao lado do nosso amigo Fontes, experimentado
colonial que a esta provincia ter dado todo o seu esforco de 26
anos, f6mos percorrendo quilometros ap6s quilometros, sempre
envolvidos na mesma abundancia de vegetagau, sempre cami-
nhando como se f6ssemos atravessando a mata compact de
arvoredo, essa mata infinda, essa floresta que abrange toda a ilha.
Ao chegarmos A side da Uba Budo, esperava-nos um opiparo
jantar.
A roca Uba Budo estA situada ao norte da Ilha; comeqa nas
praias Picgo e Almoxarife e estende-se numa extensao de 18 qui-
lometros at6e roga Agua Iz6. Toda a roga constitute um auten-
tico jardim tropical. A sua exploragio agricola consta apenas de
cacau, que ter chegado a produzir 120 mil arrobas anuais, e de
cafe, cuja producqco 6 relativamente diminuta. Tern presente-
mente ao seu servi9p 700 indigenas, carecendo para as suas ne-
cessidades do dobro dos bracos.
A sede da roqa fica situada num local denominado aBuenos
AyresD, numa altitude de 230 metros sobre o nivel do mar.
E' uma pequena cidade. Ao fundo duma vasta praga er-





TERRAS DE AFRICA 25


S. TOME Roga Uba Budo Um comboio transportando
servigais para o trabalho


gue-se um predio onde estgo instalados os escritorios e onde re-
side o Administrador, sr. Jos6 Joaquim Fontes.
Junto a este predio ficam as instalaq6es dos empregados;
do lado direito esta o hospital, que ocupa a area de 90 metros
de fachada por 9 de largo. E' um hospital muito amplo corn
grandes enfermarias cuja cubagem foi feita em harmonia cor as
exigencias modernas. Tem farmacia e um servigo de enferma-
gem permanent. Do lado oposto encontram-se as sanzalas, onde
estio albergados atualmente os 700 indigenas que, como disse-
mos, a roqa ter ao seu servigo.
A sanzala e uma casa apenas dum compartimento com uma
especie de tarimba onde o indigena repqusa. Estas casas estao
alinhadas formando ruas e largos. A cozinha 6 comum. Ha um
enorme alpendre onde os indigenas, que preferem receber as
suas raq6es a seco, cozinham as suas refeig6es, no solo, s6bre
pedras, em forma de trempe.
A vida do indigena nesta roqa, o que alias sucede em todas,
6 a seguinte:





26 S. TOM E ANGOLA

A's 6 horas entram na forma, partindo dai para os traba-
Ihos a que sao destinados, tendo, antes de os comeqarem, meia
hora para o ((mata bicho,.
A's i horas largam o trabalho para almoqarem, recomerando
as i3 at ds 17,1 i2, hora a que sao obrigados a arranjar a cha-
mada asua obrigaqaoD,que consiste na conducqo dum feixe de capim
para o gado, ou um feixe de lenha. A's 18 horas, depois de en-
trarem na forma ficam cor liberdade ate as 9 horas, hora a que
a sineta dd o sinal de silencio.
Quasi todos os indigenas andam nis, apenas cor um bo-
cado de saco velho de serapilheira a cobrir-Ihes as pernas. O
seu aspect fisico e excelente, principalmente os indigenas de
Mogambique, a maioria dos quais sao perfeitos exemplares da
sua raqa. Ha muito poucas mulheres indigenas nesta roqa, e co-
nhecem-se porque quasi todas trazem o seu pretinho escarran-
chado as costas. Causa-nos verdadeira impressao a f6rmatcqmo
as maes conduzem durante o dia os fllhos. A crianga, desde os
primeiros dias, 6 habituada a.ser escarranchada sobre as costas
da mae. Esta passa-lhe um pano velho, deixando apenas a des-
coberto a cabecita negra do filho. Prende comr urn n6 rapido um
pano sobre o venture, e fica cor os braqos livres para todos os
serviqos. E emquanto a preta varre ou esfrega, a crianga, muito
unida ds costas maternas, dorme a sono solto.
A Uba Bado tem 27 quilometros de linha ferrea construida,
por onde uma locomotive arrasta uma fieira de vagonetes que
atravessam toda a fazenda recolhendo o precioso cacau, que re-:
presenta tanto ouro que anualmente e canalizado para o pais, ri-
queza que se vai perdendo porque, alem do crubrocinctus,, que
destruiu cerca de um terqo dos cacoeiros, um outro crubrocin-
ctust nao menos prejudicial, estA. colocando a economic desta
provincia, autentica riqueza national, a beira dum -abismo: 6 a
falta de braqos, 6 o desleixo dos poderes competentes na re-
soluglo do problema da mao de obra para S. Tom6 e Prin-
cipe.
Hoje, domingo, 6 tarde da festa rija no pessoal serviqal
da Uba Budo. A festa e organizada pelo cozinheiro dos serviqais,
comemorando a morte dum dos seus mais queridos amigos.
E por isso se fez o abatuqueD rijo. E' que quando more um





TERRAS DE AFRICA 27

indigena, oa sua alma jamais pdra de chorarD emquanto as pes-
soas queridas lhe nao fizerem o Kbatuque,.
E quanto mais querida 6 a pessoa que more mais rija e a
festa. A' hora a que escrevo, 20, gritos selvagens, coros sinistros
ao som lugubre de tambores regionais e de latas velhas cortam o
silencio das florestas,
Estes tambores sao feitos de troncos de Ocd, aos quais ti-
ram o miolo e cobrem as extremidades de pele de cabra.
Existem muitos ahi na Sociedade de Geografia. No abatuque
que estamos ouvindo, ha 3 longas horas, empregam-se tres destes
tambores, cada um do seu tamanho, para Ihes dar o acompanha-
mento de canq6es selvagens,. gritos, esgares, num ritornelo en-
surdecedor. Uma lata velha que um preto com duas batu'as zurze
corn rapidez torna esta macabra.harmonia horrorosa.
Mas os indigenas nao se limitam, para comemorar a morte
dum ente querido, a gritar uma canqgo selvagem, nem a bater
furiosamente nos seus originals instruments. Danqam, pulam
doidamente, rebolando as ancas e dando pangadinhas uns nos
outros. Queimam fogos de artificio, como foguetes e bombas.de
Santo Antonio; come, bebem, at6 cairem de cansaqo e da be-
bedeira.
Neste moment, o facto que mais me anima e que daqui a
uma hora a sineta da roga dard o sinal de silencio e a floresta
entrard na sua paz tranquila' se 6 que a alma do homenageado
a nao vier perturbar.



S. TOME, 14 DE SETEMBRO.





28 S. TOM9 E ANGOLA






i











S. TOME RoCa Uba Budo Um aspects
de embarque



I .

i
At I J |, t .!


proximo do cais


S. TOME Servigais de Angola


















A ROQA AGUA-IZt

E UMA VERDADEIRA MARAVILHA, MERCE
DO ESFOR(O E DA ENERGIA DO HOME



MAS TUDO SE PERDERA, SE OS PODERES PUBLI-
COS NAO ACUDIREM A S. TOME

A's duas horas da tarde, depois de atravessarmos os (Mon-
tes Herminiosu, entravamos nos dominios de Agua-Izr. 'E a
nossa atenqgo f6ra logo despertada pela forma como os terrenos
estavam trabalhados.
Uma bem cuidada estrada, onde nem um s6 pi de capim se
nota, 6 marginada por frondosas palmeiras, cujas pinhas de andim
aguardam que os servigais as conduzam para os respectivos en-
genhos, a fim de Ihes ser extraido o precioso oleo de palma e a
coconote.
Valas trabalhadas por mao de mestre fazem deslizar silen-
ciosas aguas cristalinas que engrossam de moment a moment
pelas correntes sussurrantes de cascatas em autenticas ravinas
cortadas a pique, que tanto abundam por aqui.
Caminhavamos extasiados por todo esse autentico jardim,
onde tantas arvores e plants equatoriais se abraqam na ameni-
dade de dias serenos, ou se agoitam nos dias tempestuosos. Sao
palmeiras carregadas de andim; coqueiros que produzem a copra,
e o coconote; bananeiras cujos cachos aguardam a colheita; ar-
vores gigantescas que parecem desafiar os astros como a O'cd,






S. TOMI E ANGOLA


S. TOME Jardim da Roga Agua-Ize


o Pau Capitio, o Frutapgo, sdo em quantidades enormes, os
cacoeiros, cujas capsules roxas ou amarelas se encontram pendu-
radas nos troncos como se fossem ali colocadas pela mio do
home; cafeseiros carregados desse tao precioso fruto que,
depois de preparado, taito vai A mesa de ricos como de pobres;
arvores de borracha e de algodao, a kola, a quina, a baunilha,
plants mimosas como avencas, begonias; todo este enorme reino
vegetal medrando por uma forma tao prodigiosa, nesta imensa
estufa cujo tecto 6 a aboboda celeste.
Nao sabemos o que mais admirar aqui: se a vegetaqco luxu-
riante que se nota em todos os palmos de terra desta Ilha, se o
trabalho exaustivo do home, que soube transformar terras pe-
dregosas, florestas selvagens, em campos de produq6es tao ricas,
e que, segundo Chevalier e Cadbury, conseguiu fazer desta pro-
vincia a mais rica colonia do mundo.
Mas a nossa admiraqIo por tanta belesa reunida nao afrou-
xava. Antes pelo contrario. A' media que nos aproximdvamos
da sede da propriedade Agua-Iz6, mais o nosso deslumbramento
crescia.






TERRAS DE AFRICA 3h


Cursos de agua em tao grande quantidade justificam o pro-
verbio popular de que a Ilha tem tantas ribeiras como de dias tern
o ano, e 6 devido, sem duvida, a essa riquissima hulha branca que
a vegetagao 6 tao abundante, toda dum verde brilhante, e se es-
tende, infindamente, sobre as cordilheiras e os m6rros, alguns
dos quais se elevam a uma altitude de 2.142 metros sobre o nivel
do mar.
Mas depois de entrarmos numa larga avenida, marginada de
palmeiras e bananeiras, abrigadas pelas sombras de arvores gi-
gantescas, e de passarmos sobre a ponte do ario Abade,
chegamos, finalmente, s6de da Agua-Iz6, propriedade corn 7
quilometros quadrados e cerca de 60 quilometros de linha ferrea
construida.
E, entao? Entgo tivemos a impressgo de havermos chegado
a uma cidade modern, verdadeiramente industrial, onde todos
os ramos de actividade se conjugam para um fim unico. Do lado
direito, 6 toda esta vasta cidade semeada profusamente de ar-
cos voltaicos, que distribuem a noite abundantissimos jorros
de luz.


S. TOME Armazens da Roga Agua-lze


-2w~e






32 S. TOME E ANGOLA

Do lado esquerdo e esse vastissimo Atlantico, o caminho
para a velha Europa.
Nesta cidade encontram-se vastas oficinas de variados ofi-
cios, monumentais armazens de recolha das sucessivas produ;6es,
a Central electric, secadores mecanicos, armazens de escolha,
de ensacagem, maquinas para limpar cacau, para Ihe extrair a
humidade, todos os engenhos at6 agora inventados para, corn ra-
pidez, prepararem o cacau e o cafe, a fim de os remeterem para
a Europa. Mas a cidade a que me refiro nao possue apenas esta
tao grande expansgo industrial. Tem um hospital modelar a que
me referirei cor o maior desenvolvimento; ter creche, onde as
criancas sao recolhidas nas maiores comodidades; tern o bairro
cBarao d'Agua-Ize, onde grupos de sanzalas, todas muito ali-
nhadas, formal ruas, largas e arejadas, onde habitat dois mil
servigais; tern abegoaria, matadouro, leitaria, estaleiro, ponte de
embarque, tudo emfim que constitute o necessario para uma ci-
dade modern. S6 nio ter parlamento, e talvez por isso o pro-
gresso aqui tomou tamanhas propor96es.
Esperados'gentilmente pelo feitor geral, que esta substituin-
do o administrator e a quem S. Tome deve o esforco de 29
anos de autentico trabalho forqado, o sr. Joao Amaro conduziu-
nos a um luxuosissimo (appartement, que nos deu a impressao
de entrarmos nos melhores aposentos do Avenida-Palace, que os
cuidados de uma portuguesa, autentica dona de casa, nos havia
preparado cor o maior carinho. Alegramo-nos sobremaneira ao
ver a carinhosa esposa do sr. Joao Amaro. Havia quasi 8
dias que nao viamos sendo pretas. Alegramo-nos ainda, quando
vimos 4 louras criancinhas, filhas do nosso conterraneo Nobre de
Carvalho. Ha muito tempo que s6 viamos moleques. Agora,
sim. Isto e a continuaq6o do meu querido Portugal.


AGUA IZE, 16 DE SETEMBRO.


















AS-ESTUFAS DA ROCA



UMA TEMPERATURE DE 159 GRAUS E UMA FOR-
TUNA NATIONAL QUE SE PERDERA, SE NAO LHE
ACUDIREM A TEMPO

Uma chuva miudinha e impertinente fez-nos abrigar numa
vasta dependencia, construida de ferro e alvenaria e coberta de
telha de Marselha.
Era ali uma fabric de secagem. Grandes maquinis mos fa-
ziam mover colossais ventoinhas, que absorviam a humidade do
cacau. Transmissores subterraneos conduziam o calor para a se-
cagem. Um deposit concentrava cerca de 3o mil quilos de ca-
cau, que durante 3o horas estariam sujeitos'a uma elevada tem-
peratura.
-Abram essa porta ordenou o sr, Amaro a dois ser-
vigais.
Obedecendo aos musculos de ferro de'dois indigenas, a pe-
sada porta subiu e n6s sentimo-nos quasi asfixiados. Ur a vaga
de calor, que saiu I~ de dentro, ia-nos quasi derrubando.
-Fuja! gritaram.
E n6s fugimos, mas nao era nada. Apenas 159 graus de tem-
peratural
E pensAmos:
Toda esta maravilha, todo este colossal esforqo dispen-
dido, que transformou terras pedregosas, florestas selvagens, no
mais lindo jardim tropical e nos mais belos campos de produqao,







34 S. TOMA E ANGOLA

todo este arsenal de beleza e de riqueza, que constitute um orgu-
lho justificado para Portugal, tudo isto se perderd, tudo isto se
derrubard como um castelo de cartas, se nao f8r salvo com ur-
gencia. A rubrocinctus, exterminou um tergo desta riqueza, a
falta de braqos se encarregara de exterminar o resto. SIo i5 mil
homes, de que a ilha necessita, homes que existed a dois dias
de distancia daqui. Estargo os poderes competentes dispostos a
salvar uma das maiores riquezas nacionais?


O autor deste livro entregando ao oportadorn as primeiras
cronicas para os jornais de Lisboa
A exportaqgo de cacau chegou a atingir 2 milh6es de es-
terlinos. Presentemente, esti reduzida a 600.000.
Nio serd isto a ruina ?
Mas o tempo urge e os poderes competentes vao, sem du-
vida, resolver corn a maior urgencia este magno problema.
O convite que o sr. ministry das Colonias acaba de fazer ao
sr. dr. Sousa Varela, digno Curador nesta ilha, para ir a Lisboa
informd-lo dcerca da mao de obra e das condiq6es de trabalho
indigena, 6 uma indicaqgo de que o ilustre titular daquela pasta
pretend salvar S. Tome, salvando assim uma das mais belas e
das mais pr6speras fontes de riqueza national.

















AS ROCAS DE S. TOME

SAO UMA MAGNIFICA ESCOLA
DE DISCIPLINE E DE EDUCACAO


A NOCAO DE JUSTICE. QUE O INDIGENA TEM

Nao ha duas opini6es a tal respeito. Quem conhece S. Tome
e tern observado o que 6 o trabalho indigena, conclue que esta
Ilha 6 uma perfeita escola nao s6 agricola, mas de variadissimas
artes e oficios.
0- indigena e trazido para aqui em estado semi-selvagem.
Arrancado, na maioria das vezes inconscientemente, aos sert6es
de Angola 6u Mozambique, e conduzido para um regimen de tra-
balho que o discipline e o torna um home util a colectividade.
Quando se repatriam, voltam as suas terras, cor o seu pe-
culio e cor uma educaqao professional muito rottvel. Nao s6 se
fazem bons agricultores. Fazem-se carpinteiros, ferreiros, ferra-
dores, cozinheiros, maquinistas, correeiros, emfim uma diversi-
dade de artifices tgo necessarios a vida social. A cidade de S.
Tome tern muitos artifices cuja educaqao professional foi feita
.aqui, nas rogas.
Em Angola da-se o mesmo facto. A maioria dos operarios
da raqa negra foram daqui, de S. Tome! Muitos deles dirigiam-se
do serviro das roqas para as suas terras, em nome da tal tao
apregoada chumanidade, mas foram retidos em Loanda pelo sr.
Norton de Matos, que os aproveitou no servico de obras pu-
blicas.






36 S. TOMi E ANGOLA

Mas as roqas de S. Tome nio teem apenas constituida uma
vasta escola na industrial rudimentar.
Na agriculture teem sido- perfeitas colonies de ensino, nao
s6 para Moqambicanos, Angolenses ou Caboverdeanos, mas para
os indigenas estrangeiros.
Foi aqui, nas rocas de S. Tome, que vieram beber lic6es
de discipline e educaaqo industrial agricola os indigenas de
Fernando P6, do AcrA, da Liberia, dos Camar6es e do Da-
hom&.
O indigena que aqui chega 6 semi-selvagem. Desconhece a
mais rudimentar discipline. O seu intelecto apenas chegou ao
sentiment imoral de ganhar algum dinheiro para comprar duas
ou tries pretas que passem a trabalhar para ele gosar uma vida
de mandriice. E todavia a raga indigena tem qualidades muito
apreciaveis.
Quando se disciplinam e criam amor ao trabalho dio traba-
lhadores muito bons, dedicando-se A sua ocupaqco cor uma pa-
ciencia que os europeus nao possuem.
Escolas como estas de S. Tom6 deviam estar desenvolvidas
em todas as nossas col6nias.
Qual o regimen de discipline a que estlo sujeitos os servi-
gais em S. Tome?
A's cinco horas da manha, ouve-se o sinal para today a gente
se levantar. Ate n6s, que nos habituAmos em Lisboa a deixar a
cama as nove e dez horas, nos levantamos, como que impelidos
pela grande forqa disciplinadora. As indigenas preparam o ma-
ta-bichox e is cinco e meia todos os servigais entram na f6rma,
destinando os feitores os serviqos desse dia.
A's seis horas, todas as turmas comegam o trabalho. E' o
agricultor no amanho da terra ou na apanha do fruto; 6 o opera-
rio nas suas oficinas; e o dentro para nos preparar o banho.
A's sete e meia, todos os serviqais teem meia hora para in-
gerirem o amata-bichou, que consiste numa simples refeicgo, a
que n6s chamamos o pequeno almoco.
A's onze e meia largam novamente o trabalho, ao soar o
respective sinal. Teem meia hora para almoqar. Os servigais
que veem a casa devem trazer as suas obrigaq6es, forragens,







TERRAS DE AFRICA 37

capim ou past para alimentaqio dos gados, ou lenha para as
fornalhas dos secadores.
Recomega o trabalho As treze horas, prolongando-se ate As
dezesete e meia, hora a que recolhem todos os serviqais, trazendo
todos a asua obrigaq'io. Alinhados, os administradores ou feito-
res repreendem aqueles que o mereqam, ou tomam conhecimento
das reclamaq6es contra os capatazes, que sao sempre indigenas.


S. TOME Roga GuE-Guk


Finda a formatura, os serviqais sio livres, nao Ihes sendo
porem permitido sair das propriedades onde estlo contra-
tados.
Se obteem licenga superior, depois de jantar fazem batuque.
A's nove horas, porem, o sinal, que consiste no toque da sineta
ou num silvo, indica a hora de repouso. E em todas as rogas,
onde se encontram enormes populaq6es, faz-se um silencio pro-
fundo
N6s, a essa hora, vamo-nos tambem deitar para... entreter.
E i assim que se vive onde se trabalha.


*- a_







38 S. TOMI E ANGOLA

Para demonistrar a nogio da justiga do indigena basta ver o
seguinte episodio:
0 curador ordenou ao servigal:
Tu vais imediatamente para a roqa, ouviste!
0 patrio castiga-me, responded o indigena, cor uma
convic9go inabalavel.
Nao te castiga, ndo! Eu escrevo-lhe uma carta recomen-
dando que te nao castigue.
Ele nao se importa com a carta. Ele castiga-me,
-Mas porque sabes isso?
Porque eu merego ser castigado.
Este serviqal havia um dia subtraido a um seu companheiro
coisa sem importancia. Tendo a nogio do delito, fugiu da pro-
priedade, sendo dias depois preso d ordem da Curadoria. Foi
entio que se estabeleceu o dialogo a que acima me refiro.
E todos os serviqais teem essa grande qualidade. Depois de
prevaricarem, acham merecido o castigo.
Se um servical pratica qualquer delito, .6 trazido A presenga
do administrator ou feitor, a quem eles chamam patrao.
E este ter que fazer justi;a, castigando o serviCal.
Se transige, nio 6 bom patrio, e muitas vezes recusam-se a
recontratar-se Ina mesma propriedade, precisamente porque jus-
tiCa nao foi feita a quem delinquiu.
0 proprio prevaricador 6 o primeiro a censurar as transigen-
cias dos patr6es.
Quando praticam imr delicto, querem ser castigados. Se o
nao forem quem sofre 6 a discipline; se o sao, muito sobrancei"
ramente pedem desculpa do delito que cometeram.
Nio serd esta uma grande qualidade ?


AGUA.IZE, 17 DE SETEMBRO.

















EM PLENO MATO



UMA DIGRESSiO AS DEPENDENCIAS DE AGUA-IZE
0 HOME POE E'.. A NATUREZA DISPO E

O dia' de hoje amanhecera fresco. Ceu completamente co-
berto de nuvens. Os pincarosdos mirros embrenhados em cer-
rada neblina, como se f6ssem grandes pastas de algodio em rama.
Vamos fazer uma digressLo atravez as i5 dependencias de
Agua-IzN, como se f8ssem i5 distritos, cada um cor o seu go-
vernador, a que se di aqui o nome de feitor.
Ja dissemos num outro artigo que os dominios de Agua-Iz6
se estendem a 76 quilometros quadrados, tendo 60 quilometros
de caminho de via ferrea construida. Para serviqo do pessoal
superior, usam-se aqui, nas rocas, uns carros baixos, corn dois
bancos em uvis-a-visD, e que sao conduzidos nos ((rails>), puxad6s
pela locomotive ou por uma parelha de muares, cuja energia s6
nas,subidas e empregada, pois nas descidas, e ha leguas conse-
-cutivas assim, a unica energia que o carro consome e a dispen-
dida pelo travio.
Foi num destes pequenos veiculos que, acompanhados pelo
feitor geral de Agua-Iz6, agora substituindo o administrator, fo-
mos fazer uma excursio i dependencia dista da side mais de 4 leguas.
Por mais que olhemos para o mato nio nos cangamos de
admirar vegetaqlo tao luxuriante em terrenos, a maioria dos
quais tLo pedregosos e cheios de colossais raizep dos gigantescos
#Pau Capitaio e tO'cas,. E toJavia, em quilometros intermina-






S. TOME E ANGOLA


veis, fessas terras pouco vegetais, as planta;6es de cacau, de
cafe, de bananeiras e de palmeiras sucedem-se, parecendo-nos
ver, quando olhamos para o cimo de uma montanha, que toda
a cordilheira estd plantada de vegetaqgo sobre vegetacqo, ate
esse verde tao brilhante se perder de vista, confundindo-se cor
a imensidade dos astros.
E que diversidade imensa de plants equatoriaisl Alem


S. TOMI Caminho de ferro atraves a Roga Agua-lz6


das arvores jA mencionadas veem-se enormes fetos, begonias de
um tamanho grandiose, avencas do tamanho de arvores.
E o veiculo, que nos conduz cor rapidez, avanga sempre
por entire a floresta de arvores de tao rica produ ao, vendo-se
tambem a kola, o ricino, a quina e a baunilha abraqada aos
troncos das mais variadas arvores.
Estes distritos sao enormes. Sao ,Francisco Manteron,
aMato Canas), aAnselmo de Andraden, (Bernardo de FaroD. E'
a aPonta das Palmeirasi, 6 (Olivares MarinD.






TERRAS DE AFRICA 41

E todos os feitores destes distritos que, como dissemos,
teem o nome de (dependenciasD, levantam-se antes das 5 horas
da manhd; levam todo o dia a dirigir os trabalhos, fazendo con-
duzir para a sede todas as produq6es dos terrenos que Ihes f8-
ram confiados, lastimando-se todos da enorme falta de bragos, o
que estd fazendo decair uma propriedade, que tantos anos levou
a construir, onde perderam a energia da sua mocidade e onde
tantos europeus, seus compatriotas, deixaram a vida.
Eram 9 horas quando chegamos d sede da dependencia
"Bernardo Faro>.
E' uma larga rua'de sanzalas muito alinhadas, onde habitam
os servicais. Ao fund, sobe-se por uma'larga e comprida esca-
daria para a residencia do feitor da dependencia.
Assim, um jardim simples mas bem cuidado, ladeia o acha-
let. Ao tundopgrandes ramadas, cujos frutos, o cmaracujid, pen-
dem em grande quantidade.
E Jodo Amaro pergunta a uma preta:
Tens cd ,maracuj;d9?
(Nan sior. Nan, ta madurov.
E fomo-nos embora sem poJermos alisaborear a apetitosa
fruta.






Mais alguns quilometros andados e o ;nosso veiculo veloz
'tein que parar. Impossivel avanqar. Porque? Qual o obstaculo
que se antepunha d nossa digressio tio encantadora? Nao ia no
carro o home que mandava nestes 76 quilometros quadrados
de terra?
E' porque uma razao mais forte nos inhibia de chegarmos
a cClaudino Faro.
Ld de cima, da imensidade das alturas, um enorme bloco de
basalto se havia despenhado, dando a um bocado de linha recta
a configuragao de meia lua. Os Trailsp estavam torcidos.
Olhdmos para as alturas. Montanhas sobre montanhas de
uma luxuriante vegetaqao. Quizemos ver o bloco colossal que







42 S. TOME E ANGOLA

impoz a nossa paragem. Nao o vimos. Havia desaparecido na
profundidade do abismo. E que abismo! Era insondavel. Talvez
seja por ali o caminho para as regi6es desconhecidas.
Avanqamos, ape, alguns metros. E entao, sobre uma tosca
ponte de madeira queddmo-nos embevecidos perante duas casca-
tas monstruosas. Aguas espumanies, nascidas Id no alto, em
brutal que a obra da Natureza, mas rada mais sublime, nada de
tanta grandiosidade como essas brutalidadesl
Vamo-nos embora, disse-nos o nosso 'amavel cicerone.
Voltemos pelo mesmo caminho. E' pena nao chegarmos ao fim
da nossa viagem, mas e dificilimo irmos a pC.
E voltdmos.



*'



Da side, devido aos cuidados da gentil esposa do sr. Joao
Antunes Amaro, haviam levado mantimentos para o amata-bicho.
E abancamos a esse frugal almoqo. Consistia ele num pudim em
f6rma de queijo, feito de carnes picadas corn macarrao e ovos,
bananas, cervejas e plo. Foi uma refeicqo excelente.
Desatreladas as muares do carro, este comegou a ser movido
pela energia fornecida pelo travao.E, corn a velocidade de um
relampago, galgdmos quil6metros a fio. Enormes bandos de
rSlas, aves que dizem ter sido introduzidas na ilha pelo sr. Mar-
quez de Val Fl6r, levantavam-se assustadas pelo ruido do ver-
tiginoso veiculo. Aqui, na terra de pretos, nao ha cacadores, e
por isso as r6las qudsi que nos poisam nos hombros.
Ao passarmos junto dum servical este avisou-nos de que
vinha comboio na linha. Mas nao nos detivemos. Parecia que fu-
giamos, apavorados, cor a impressio de que aquele monstro de
pedraque obstruiu:o nosso caminho nos pretendia alcancar para
nos esmagar. E seguiamos sempre de encontro ao comboio. Um
preto soprava ruriosamente numa cornea, ate que atravessimos
um local, onde, num desvio, dando-nos passage livre, se en







TERRAS DE AFRICA 43


S. TOME Bairro indigena de Agua-Iz6


contrava a arquejante locomotive com a sua fieira de vagonetas.
E passada meia hora chegAmos a side de Agua-Iz6.
Eram onze horas e um quarto. O sol ainda nio havia apa-
recido. Olhamos para o local onde chegaramos. Estava jA todo
envolto em densas nuvens. Sentimos a impressio de que, em
poucos minutes, teriamos a Ilha toda envolta em pastas de algo-
dao em rama.
Sucede quasi sempre assim nesra part do universe que se
encontra sob a linha do Equador.


ROCA AGUA-IZE, 19 DE SETEMBRO DE 1924.







44 S. TOME E ANGOLA


S. TOMI Mulheres indigenas do (interland" de Angola























S. TOME A partida do autor deste livro da Roga Agua-
Iz6, e urn comboio carregado de indigenas




















A PEROLA DO MAR



(A JOAO ANTUNES AMARO)

S. Tom6, ilha d'encantos,
E fina perola do mar;
Os seus encantos sdo tantos
Que nem os sei destringar.

Toda a ilha 6 um bouquet
de lindas flores tropicais.
Mas a fazenda Agua-Iz6,
Ter mil encantos a mais.

Os seus ribeiros conduzem
Aguas tao cristalinas;
Lindas cascatas produzem
Ao cairem em ravinas.

Os seus bosques e florestas
Traduzem beleza tal,
Que se ha roga como esta,
E' um jardim tropical.

Ber hajam os portuguezes,
Que puderam transformar
Os terrenos montanhezes
Na linda perola do mar.


AOUA-IZPl, 18-9-924.




















UMA SAUDAQAO



(AO ILUSTRE JORNALISTA SR. PEDRO MURALHA)

E' sempre grata surpreza,
Nesta-terra de beleza,
Urn conterraneo saudar,
Pois nos toca o coraqdo,
Viver nesta soliddo,
Afastados pelo mar...

Passam as horas ligeiras,
Em recordaqbes tagueiras,
De tempos idos ha tanto...
O belo tempo das eiras,
Os petiscos e as feiras,
Das lindas moras e canto..

Extensas terras de olivais,
Magestosos sobreirais,
SA fartura 6 o seu lema;
Campos de trigo anascer...
Quem nao se orgulha de ser
Alemtejano da gema?

Uma fugaz convivencia,
Ber vulgar na aparencia,
Cor tao gentil conterraneo,
Deixou gravar (quem diria!)
Toda a nossa simpatia,
Como se f6sse.... um instantaneo.


J. NOBRE DE CARVALHO.

















OS PEQUENOS AGRICULTORES



DE VISIT A UMA PEQUENA ROCA OS FORRICOSD
E AS POVOACOES INDIGENAS

Eram to horas quando partimos -da s6de de Agua-Iz6. No
Rio do Ouro esperavam por n6s desde a vespera de manha.
Impossivel seguir viagem. Chuvas torrenciais detiveram-nos
mais um dia. Este ano, nesta Ilha, nem gravAna houve. Ario sem-
pre chuvoso. Mas a manhi aparecera limpida e, aproveitando
esse bom tempo, partimos para a cidade, a fim de nos conduzi-
rem ao Rio do Ouro, onde o sr. Guilherme Pereira impaciente-
mente nos aguardava.
Ao sairmos de Agua-IzW, entrAmos na roca Nova Olinda.
Havia dois dias que. ali tinhamos estado de visit. 0 sr. Alberto
Portugal, acompanhado do sr. dr. Sousa Varela, ilustre Curador
em S. Tom6, ao dar-nos a honra de almogar coriosco, diz-nos,
corn carradas de razgo:
-0 senhor vno se deve limitar a visitar apenas as rogas
grandes, onde o capital nao falta.
,Deve ver algumas rogas pequenas, porque e nestas que
mais se pode avaliar o esforgo dispendido por portugueses,.
E 14 fomos. A roca Nova Olinda tern 3 quilometros quadra-
dos, com uma populagao de 2oo trabalhadores. Ficdmos muito
bem impressionados pela f6rma como o sr. Alberto Portugal tern
a fazenda qu'e administra. Levou-nos em sua unica
dependencia, Santa Joana, que fica num elevado morro, done
se domina o Atlantico e parte da ilha. Tem esta rosa as suas







48 S. TOME E ANGGLA

oficinas, todas as dependencias necessarias para a vida agricola.
Faltam-lhe, por6m, braios para a sua expansio, o que de resto
sucede em toda a ilha.
Mas, adeante.
Depois de atravessarmos a roqa Nova Olinda, entrdmos em
glebas dos forros, gene da terra. As plantaq6es mal cuidadas,
fazendo um triste contrast cor as plantaq6es das grandes ro-
gas. No meio do mato, profusamente espalhadas, toscas casas de
madeira assentes sobre grossas estacas e cobertas de zinco ou de
capim seco. E' ali que residem os forros.
Ranchos de r.apazes e raparigas, com os seus trajes domin-
gueiros, ou seja cor a sua tanga lavada a cobrir-lhes apenas as
pernas, cruzam-se na estrada. Um leva apenas a cobrir-lhe o ne-
grume do corpo uma camisa de mulher. Leva o guarda-solaberto,
nao sabemos se para o sol nao o tostar, se para resguardar a
ctoiletteD dos energicos raios solares. E' domingo e, consequente-
mente, dia de descanqo, razao porque o movimento pelas estrada
6 grande.
A' beira do caminho, uma barraca de madeira, cor uma
tosca cruz de pau, indica que 6 ali uma egreja indigena,
Atravessamos os terrenos, meticulosamente cultivavados da
Uba IBudo, findos os quais, depois de percorrermos mais alguns
dfirrigos, chegamos a vila de Sant'Ana.
Esta vila 6 um amontoado de casas de madeira, como aque-
las a que acima nos referimos. Tem uma escola, uma egreja e uma
estaqao telefonica. Algumas mulheres, negras como o azeviche,
sentadas no chLo:num pequeno largo, vendem bananas e mam6es.
Grupos de crianqas, pequenos amolequesi completamente nus, fa-
ziam enorme algazarra A passage da nossa tipoia.
Corta para o caminho da praia,- ordenou o 'sr. 'Jogo
Amaro.
E trez fogosas mulas, fustigadas pelo chicote do cocheiro,
voltaram para a direita, conduzindo-nos em direcago A praia.







TERRAS DE AFRICA 49




*


O problema da mao d'obra...
Quem percorre estes 850 quilometros de terreno da ilha de
S. Tome 6 que pode avaliar os prejuizos incalculaveis motivados
pela falta de bragos. Noutros artigos demonstraremos cor nu-
merus como se estA perdendo uma important fonte de riqueza
national.















S. TOMI Indigenas da Guin6 portugueza


Por hoje, basta que apresentemos este quadro desolador:
Em 1916, a produggo total foi de quilos 31.543.530. Em 1918,
ano terrivel do crubrocinctus,, molestia que arrasou 2 tergos dos
cacoeiros, a exportaqao desceu para 12.074.651 quilos. Em i 921
subiu para 26.288.192 quilos, devido As providencias que os agri,
cultures tomaram para debelar o mal. E presentemente? Qual o
numero de quilo, produzidos ? 11.909.388.
Seguimos a viagem corn rapidez, visto que o sr. Victor Por-
tugal nos espera na cidade corn uma ubacalhausadaD corn todos-
os matadores.
A tipoia que nos conduz alcangou a praia depois de atraves-







50 S. TOMI E ANGOLA

sar pontes, subir a m6rros, e descer cordilheiras. A natureza dos
terrenos 6 ali outra.
Poucd cacau, pouco cafe. Campos de cana sacarina.
Mais adiante terrenos cultivados de milho, mandioca e batata
d8oe. Mais alguns minutes de corrida e eis-nos chegados A praia
da Pantufa. Can8as de todos os tamanhos, feitas de troncos de
O'cas, aguardam d beira-mar a noite para sairem a pesca, a can-
deio, de peixes voadores. Um grupo de palhotas dispersas, corn
mulheres e criancas as portas, sao as habita96es daqueles traba-
lhadores do mar. Era ali uma aldeia perfeitamente'indigena. Num
ribeiro, um grupo de mulheres, quasi nmias, lava roupa, entoando
uma cangEo que mais faz lembrar gritos de agonia soltados de
peitos que sofreram durante seculos o peso da escravidao maldita.
-LA estd o 0CongoD, nos diz o sr. Jo0o Amaro.
E' verdade. 0 vapor CongoD devia ter partido para Portu--
gal ha trez dias e ainda se encontra alim fundeado, cor as pri-
meiras noticias que de Africa envidmos para nossa familiar e cor
s primeiras cronicas para os jornais de Lisboa. Mas porque ta
'demora? Ha falta de circulaqao fiduciaria. As transacq6es sao
feitas corn cheques sobre o Banco.
E o Governo exigiu que o comercio pagasse os direitos de
ortaqEo em 50 o[i de notas e o restante em cheques. O co-
mercio responded que nao tinha notas, e o Governo.retorquiul
que necessitava pagar aos funcionarios e que o nEo podia tazer
corn cheques.
E, daqui, a demora em o GCongo) sair, a fim de levar as
noticias que nossa familiar e amigos esperam cor anciedade,
Maldito incident I
Depois de atravessarmos a aldeia de pescadores indigenas,
entrdmos para uma larga avenida de coqueiros, marginada por
um brilhante tapete de agavias.
Eram 12 horas quando chegdmcs a cidade, que se apresen-
tava triste como as canc6es regionais daqui.'
E' porque era domingo, e aos domingos o dia completa-
mente morto.


i RIO DE OURO, 25 DE SETEMBRO DE 1924.


















NA ROQA DO RIO DO OURO



UMA OBRA QUE HONRA OS PORTUGUEZES-AU-
LAS DE APLICACAO, OFICINAS E JARDIMP EXPERI-
MENTAL MODELARES

So. s 2 horas da tarde pudemos sair da cidade em direc9 o
As propriedades do sr. Marquez de Val-Fl6r. Uma chuva miudi-
nha, bastante impertinente, fustigava-nos o rosto, apesar do nosso
carro ter uma bela capota.
Tomamos pela beira mar, em direcgio ao norte da ilha..
Terrenos escarpados. Bocados de 6p6, vendo-se apenas ao long
terras cultivadas. Percorridos alguns quilometros, entramos na
roca Bela Vista. Un grupo de serviqais, apenas de tanga, diri-
giu-se em direccgo ao trem que nos conduzia, e, a trez metros
.de distancia, puzeram a mao no peito e curvaram-se reverentes.
S- o muito bem educados estes indigenas --pensamos.
A roqa Bela Vista, que atravessamos, alem de ter uma si-
luaiao excelente, estd muito bem trabalhada. Com os poucos ser-
viqais que a sua administragao consegue ter, esta roqa lS se vai
aguentando, e, se nao progride, como seria para desejar, conse-
gue todavia manter os progresses a que o seu ilustre proprieta-
rio a elevou. E' cortada por um adecauville, por onde constan-
temente deslizam vagonetes em direcqio as plantaq6es, a fim de
recolherem o cacau, o cafe ou o andin. Dali, sao esses produtos
transportados para os respectivos engenhos, que se encontram.
nas imediaq6es da sede, onde reside o respective administrator e







S. TOME E ANGOLA


onde estao os escritorios, armazens, oficinas, casas de habitag o
para os europeus, sanzalas para os serviqais, cor a sua cozinha.
comum, hospital, farmacia, etc.
Eram 16 huras quando entrdmos nurra larga e bem tratada'
avenida, ladeada de palmeiras. No alto dessa avenida esperava-
nos o sr. Guilherme Pereira, inteligente administrator geral das
vastas propriedades da firma Sociedade Val-Fl6r, Limitada.
Haviamos chegado ao Rio do Ouro, ap6s a passage do rio-
que ter esse mesmo nome.
E imediatamente nos dispuzemos a visitar as instalaq6es.
desta roqa, visto que o tempo 6 escasso, pois que o vapor que
nos ha de conduzir a Angola.saiu ha 6 dias de Lisboa e terms.
nainda varias rocas a ver, como Diogb Vaz, Ponta Figo, Boa En-
trada, Monte Caf6, Traz-os-Montes, etc.



*


A s6de onde reside o administrator geral destas proprieda-
des 6 luxuosissirna, quasi toda mobilada ricamente, com ioveis
feitos aqui na roqa. Tanto as mobilias, algumas de um finissimo
gosto, como os soalhos, sao feitos de madeiras Marapiaon e
mestres europeus. Oficinas ha, como a serralharia, que teem 90o
metros de. comprido. E' uma oficina monstro, cor um sem nu-
mero de engenhos dos mais modernos, como tornos, serras e
plainas mecanicas; fundicqo, oficina de repara96es de motorss.
tudo emfim quanto uma cidade modern exige a dentro do ramo-
industrial.
Teem sido manufacturados nests oficinas os seus carros de
luxo, cor os seus metais muito bem trabalhados, o seu trabalho
excelentemente acabado de estofos, as suas madeiras artistica-
niente torneadas. Visitamos, de reliance, todo esse vasto'arsenal,
e um variadissimo numero de industries. E' bem uma grande
cidade, a roca Rio do Ouro.
Depois, oh, surpreza! entrdmos numa escola que mais.






TERPAS DE AFRICA 53


S. TOM Roga do Rio do Ouro



nos parecia uma farmacia. Em frente, sobre a catedra do profes-
sor, um trofeu de ferramentas agricolas. Ao lado, num enorme
vaso com alcohol, uma batata doce, cor o peso de 6 quilogramas
e meio.







54 S. TOME E ANGOLA

As paredes desta escola estao forradas de prateleiras, cheias
de frascos. E o sr. Guilherme Pereira explica-nos:
Aqui, nestes frascos, estd a historic do cultivo do cacau,
desde que este comega a germinar ate que fica pronto a ensacar.
Nos frascos a seguir pode v8r as varias doenqas que teem conta-
minado o cacau.
E nesses frascos, capsulas atrofiadas pelos diferentes males.
pareciam gemer, devido 4 tortura das suas chagas.


S. TOME Rosa do Rio do Ouro


Noutras prateleiras viam-se frascos cor a historia'do cate,
do milho, da banana, do c6co, e, finalmente, de todas as plants
produzidas na Ilha.
Passamos a uma outra sala. Maquinas de costura e pequenos
teares. Pendurados, ao fundo, enorme quantidade de cintos de cores
variegadas.
E' aqui a escola aplicada para raparigas, e aqueles cintos,
alguns cor aforismos interessantes, sio tecidos pelas alunas fi-
lhas de servigais.






TERRAS DE AFRICA 55

Entramos nas habitaq6es dos empregados europeus. Todos
teem o seu quarto arejadissimo, cor a sua cama com mosqui-
teiros, apesar de todas as janelas terem rede de arame.para evi-
tar a entrada dresses incomodos insects.
Visitdmos os vastos secadores de cacau, de onde diaria-
mente saem toneladas desse riquissimo grgo. E depois de visi-
tarmos as cocheiras, onde 23 serviqais se empregam a tratar de
gados, passdmos ao Jardim Experimental, que tanto ter sido
adm~irado pelos estrangeiros que esta roga teem visitado.
Esse jardim ocupa uma grande area, estando dividido em
talh6es, separados por umas redes de arame. Todos os talh6es
teem as respectivas legends. As diferentes qualidades de cacau
que acabam de brotar da terra estaro num talhao; noutro, o cafe,
noutro as bananas, coqueiros, palmeiras, milho e todas as plan-
tas que se criam na Ilha e todas as arvores que sombreiam estes
85o quilometros de terreno tao vulcanico, mas tao produtiyo.



t '



SA roga Rio do Ouro tem uma populacgo de 76,empregados
europeus, j950 serviqais e cerca de 5oo creangas, numa area de
50 quilometros quadrados. Ten i5 dependencias e o adecauville)
construido nas trez.propriedades, Rio do Ouro, Diogo Vaz e Bela
Vista tem 204 quilometros de extensgo.
O Rio do Ouro, como outras rogas que temos visitado, cons-
titue um motivo de justificado orgulho para todos os portu-
guezes.
Os estrangeiros que visitam estas rocas vao daqui maravi-
lhados e nao raros teem declarado que a provincia de S. Tom6e
a colonia melhor cultivada do mundo.
O proprio Cadbury, o maior inimigo dos agricultores de S.
Tome, o propagandista maldito ao cacau escravo, e dissemos
maldito porque nao 6 verdadeiro, ele proprio nio duvida em
declarar no seu trabalho, (Labour in Portuguese West Africa",
que a provincia de S. Tome e a mais rica colonia do mundo!







56 S. TOME E ANGOLA


m -s ,,' ;* :. *. -i-- -

............. ... .i


S. TOME Roga Rio do Ouro


Isto honra-nos sobremaneira, e como portuguezes rendemos
aqui a nossa mais calorosa homenagem a todos os homes, en-
tre eles, o proprietario do Rio do Ouro, sr. Marquez de Val-
Fl8r, pela obra que souberam construir e que hoje pode ser
admirada por toda a gente e tida como a mais complete no uni-
verso.
A historic um dia se encarregara de fazer justiqa a tao arro-
jados portuguezes !


ROCA RIO DO OURO, 22 DE SETEMBRO DE 1924.


















A. CAMINHO DE DIOGO VAZ



AS AVFNTURAS DE UM DIA PLENO DE PERIGOS
APRONTANDO O MAR E LADEANDO VERDADEI-
ROS PRECIPICIOS

Este dia deve ficar para mim memoravel. Foi um dia cheio
de aventuras, mas de aventuras A Julio Verne.
Eram 5 horas e meia da manhi e ji o sr. Guilherme Pe-
reira, administrator geral das propriedades Marques de Vale
Fl6r,,Limitada, nos dizia que eram horas de partir.
Depois do competent banho, dispuzemo-nos para a viagem.
Havia sido organizado um comboio corn o seu vagao de luxo,
onde tomaram lugar, al6m do sr. Guilherme Pereira, o sr. Capi-
tlo Rafael de Oliveira, novo administrator da Roca Rio do Ouro,
e quem estas linhas escreve. Seguia uma outra carruagem, cor
um mecanico europeu e mais pessoal indigena.
Ainda outra carruagem cheia de criangas, umas 3o, que
o sr. Guilherme Pereira quiz levar para tomarem banho na
praia.
E visto que me refiro a crianqas, filhos dos indigenas, nao
deixarei de, no entanto, daqui frizar a f6rma como o administra-
dor destas roqas e querido por esta negra petizada. Ele trata-os
a todos como se f6ssem seus filhos.
Nao admira.: viu aqui nascer os pais e muitas daquelas crian-
cas jd sao netos de servicais que nasceram na roga. E, por isso,
quando o sr. Guilherme Pereira vai A praia e uma alegria doida







58 S. TOME E ANGOLA


S. TOMI Ponte de embarque da roga Diogo Vaz


para a petizada, pois ji sabem que Ihes 6 post urna carruagem
para os conduzir.
E partimos, percorrendo esses 5 quilometros cor uma, rapi-
dez quasi vertiginosa.
Eram pouco mais de 7 horas quando chegimos A praia Fer-
nio Dias.
JA ali nos esperava um opiparo amata-bicho. Belo melo,
apetitoso arroz corn galinha, omelete, d6ce, frutas tropicaes e cafe
corn leite de cabra.
E agora vamos, mas vista este impermeavel, porque deve-
mos ser apanhados pela agua do mar, nos disse o sr. Guilherme
Pereira.
E entramos para um gazolina, que nos deveria transportar
ao outro lado da Ilha, a Esgrainha, ponte de embarque para a
roca Diogo Vaz.
O motor do gazolina, porem, quiz contrariar-nos. Havia sido
limpo, e, consequentemente, recusava-se a trabalhar. Maldita con-
trariedade O mar estava um tanto agitado e devido 4 grande
ondulagio das vagas, passada media hora, n6s ja sentiamos dentro






TERRAS DE AFRICA 59

do estomago o metlo d bulha corn o arroz de galinha. Nunca no
mar nos sentimos tao incomodados.
Nao seria melhor saltarmos para terra ? -perguntAmos ao
sr. Guilherme Pereira.
-E' melhor terms um bocadinho de paciencia. O mecanico
6 muito nervoso e se Ihe digo alguma coisa ele fica tfo atrapa-
Ihado que entao 6 que nao consegue nada,-nos responded.
Mas, passados mais io minutes, viamos o nariz do sr. Gui-
lherme Pereira comeqar a:afiar-se.
Vamos para terra, mestre.
S6 daqui a um quarto de hora isto estarA pronto.
E saltamos para a ponte, enquanto a petizada, batendo cons-
tantemente e compassadamente as palmas, cantava uma cancao
arrastada em lingua xbunda,...
(O0 patio voltou. -.



*


S6 cerca dis io horas conseguimos larger da ponte de Fer-
nao Dias. 0 gazolina largou a toda a velocidade num avanqo doi-
do contra as ondas encapeladas do Atlantico. Nunca anddmos no
mar corn tanta rapidez. Tivemos .a impressio de que galgava-
mc s enormes montanhas de agua espumantes, para nos ;precipi-
tarmos num.abismo. E pensavamos que todo aquele mar estava
povoado de tubar6es que nos seguiam, na esperanqa de arranja-
rem o seu emata-bicho,. Quando subiamos essas montanhas,
sentiamos um formigueiro exquisito no couro cabeludo.
-E o fim da nossa vida-pensavamos.
E o gazolina continuava a avanqar, tornejando a ilha, como
a pretender dominar todo aquele vastissimo mar. Passamos em
frente da praia Guegue das Conchas; dobramos o morro Carre-
gado, onde as ondas travaram luta gigantesca corn a embarcag9o
fragil que nos conduzia tao rapidamente. Depois deslishmos para
Mutamba Planca 2.a, Planca i.. Barro B6b6, Ribeira Funda,
Ponta Figo, ccm a sua vila de pescadores indigenas denominada






6o S. TOME E ANGOLA

Vila das Neves; Monteforte e, finalnente, a tao desejada Es-
grainha, ponte de embarque da roSa Diogo Vaz.
Foi um pouco mais adiante que os primeiros portuguezes
pisaram terra nesta ilha e a conquistaram.






Onze horas e meia. Quando puzemos pe em terra, respira-
m-s fund. Estavamos salvos.
Depois de visitarmos todas as dependencias, metemo-nos
num carro ((Jecauville), puxado por uma fogosa muar, e come-
4amos a subir. JA entlo levavamos mais dois cbmpanheiros. O
sr. Carlos Pereira, digno guard livros da roca Ponta Figo, que
veiu ao nosso encontro, em nome do administrator da referida
roqa, sr. Pedro de Abreu, para nos conduzir a esta propriedade
pertencente 6 Companhia Agricola das Neves, e o sr. Antonio
Fonseca, administrator da Diogo Vaz.
A rosa Diogo Vaz e tambem uma das maiores fazendas de
S. Tome. Ter 50 quilometros, com uma populaqgo de 1400 ser-
viIais.
Ser-lhe-iam necessarios mais 600, para poder manter o pro-
gress que conseguiu alcanqar, mercer do esfodro do sr. Marquez
de Val-Flor.
,Mas, ainda assim, estd muito bem cuidada. Subimos por uma
larga avenida, ladeada de ananazes. Tanto do lado direito como
do esquerdo, plantaq6es de cacoeiros, bananeiras, cafezeiros em
fl6r e coqueiros. Veem-se tambem algumas arvores de pdu de
campeche.
A side daroqa Diogo Vaz tern a disposi 56 o seu hospital Ihe 6 superior. Cremos mesmo que e o.melhor
hospital de toda a ilha. As suas largas e compridas enfermarias
corn 50 camas bem espacejadas, os seus pavilh6es para trata-
mento, a sua enorme e bem sortida farmacia, onde os facultati-
Vos no dispensam os medicamentos mais caros, a sua sala de
operag6es coan toos os instruments de cirurgia modern. Em-






TEHRAS DE AFRICA 61

fim, 6 um primor este hospital, que nao 6 inferior aos mais mo-
dernos daEuropa.
E depois de percorrermos todas as dependencias desta roga,
dirigimo-nos para uma ampla sala de jantar, onde um almogo
principesco nos esperava.





-Vamo-nos embora.
E tomamos logar nurm decauvilleo, para nos conduzir para a
praia, a flm de dali tomarmos o caminho de Ponta Figo. Era
tudo a descer e consequentemente nao necessitavamos de mua-
res. O travio era a unica energia que o carro dispendia.
Foi o sr. Antonio Fonseca que quiz conduzir o carro, e a
toda a velocidade e a beira de ribanceiras insondaveis, o carro
desceu vertiginosamente, sem que qualquer passageiro pronun-
ciasse sequer uma palavra. E chegamos incolumes A Esgrainha,
onde dois enormes machos, devidamente aparelhados, nos espera-
vam.
Quer ir no preto ou no castanho ?- nos perguntou o sr.
Carlos Pereira,




IiIE54
in .. ii, ,. "l~~~ sgm~%~~

.~n~h


S. TOME Crianqas indigenas i hora do descanqo









-No castanho, que.6 um poico mais baixo e consequente-
mente, a queda nao sera tgo grande.
Mas olhe que esse 6 mais velho.
Tanto melhor, anda menos.
E de um salto, escarranchamo-nos.no selim do macho, em-
quanto o nosso companheiro, rapaz de 28 anos, subia corn o au-
xilio de um banco. E partimos a galope.
Aquilo nao sgo .caminhos, sio precipicios. Primeiro, vamos
4 beira de agua, sobre enormes seixos, que o marhavia expelido.
Depois, atravessamos uma ribeira, onde a agua se arrasta com
furia. Mais alem, os animals avanqam por uma enorme lag6a
dentro.
-Ainda ha pouco aqui morreu um enropeu,-nos aivertiu
o sr. Pereira.
Depois subimos uma grande encosta. Subimos sempre, ate
chegarmos a uma' estreita galeria. E o cora0ao oprimiu-se ros.
O caminho teria apena; um metro de largura. Do nosso lado d:-
reito erguia-se imponentemente uma montanha, a esquerda uma
rocha cortada a pique, vendo-se 1d em baixo, a mais de 200 m'-
tros, o mar.
E precisamente, no local ma's perigoso, uma pedra quasi
que nos atingiu.
O animal estacou, e n6s olhamos para cima e vimos algu
mas cabras a pastar na gar6ta da montanha.
No espaqo, dois grandes milhafres seguiam nos, talvez espe-
rangados num lauto banquet! Mas, emfim, entramos pelo interior,
atravessando um vasto campo de cana sacarina pertencente d
roga Monteforte.
E chegamos sem novidade a roga uiPonta Figo), onde c sr.
Pedro de Abreu, bastante doente,,nos esperava.



PONTA DE FIGO, S. TOME 23 DE SETEMBRO DE 1924.


62 '


S. TOME E ANGOLA


















A ROQA "PONTA FIGO,,



UMA IMPORTANT PROPRIEDADE, PERTENCA
DA COMPANHIA AGRICOLA DAS NEVES


Tern a roqa o Ponta Fgo a area de 50 quilometros.quadrados,
corn to dependencias e uma populacao de pouco mais de 8oo
serviais. E' uma calamidade a fala de bragos. O seu aiminis-
trador, sr. Pedro d'Abreu, que a doenqa agora ret6er em casa,
sofre uma tortura constant para noo deixar perder esta enorme
riqueza, que a passes agigantados caminha para a ruina, se pro-
videncias urgentes nao form adoptadas pelos poderes consti-
tuidos.
Quando acabarmos de descrever as roqas por onde vamos
passando, entraremos na analise do que observamos e ver-se-ha,
que o resultado nao p6de ser outro. alim do da aproximacao dum
perigo gravissimo, que .levar' a Ilha de S. Tome Fo estado de
decadencia, perdendo-se uma das maiores riquezas nacionais.
Mas vamos referir-nos, por hoje, d roqa uPonta Figo,. Como
todas as outras rocas que temos visitado, 6 esta uma cidade,
edificada entire uma cerrada floresta de cacoeiros, cafeseiros, ba-
naneiras e coqueiros. Ter as suas oficinas, muito bern moniadas,
principalmente a de serralheiro, onde artifices indigenas, num
trabalho permanent, exedutam os mais dificeis trabalhos da sua
arte. Serras, tornos e plainas mecanicas, forjas cujo combustivel
4 a casca do coconote. Ter o seu hospital, modelar, e a sua far-
macia. Tern uma cooperative, de onde os empregados se forne-







64 S. TOME E ANGCLA


S. TOME Roga do Rio do Ouro


cem de artigos vindos da metropele e pelo preqo das facturas.
E I em baixo, ao fundo dos lerreirop, grandes armazens, onde
mulheres limpam, escolhem e ensacam o cacau e o caf6, que se-
rao transportados em mazens existem e onde esperam vapor que os conduza para a






TERRAS DE AFRICA 65


S. TOME-Linha ferrea na roqa ,Ponta Figo,


Eurcpa. Todas as dependencias, assim como todo o local, onde
se encontra esta cidade industrial, sao ilumicadas a luz electric
produzida aqui, na roga.
Em adecauvilley, levaram-nos a casa da-distilagqo.
E' interessante ver como se produzem diariamente pipas de
aguardente de cana. Primeiro, a cana 6 esmagada por um engt-
nho que Ihe suga todo o liquid, o qual vai para uns deposits,
dos quais, depois de fermentado, s6be para o alambique. Depois
6 distilado, vindo esse liquid, que parte da humanidade tanto
apreciP, correr por um estreito tubo p.ara vasilhas que sao trans-
Fortadas para toneis, que comportam mais de dez mil litros,
Esta fabric constituiria a alegria de muitcs apreciadores, se
se dessem ao trabalho de vir aqui.
S6 o liquid que contim uma vasilha daquelas daria para
embriagar toda a populagao da Ilha de S. Tome, pois deve ser
superior a cincoenta mil litros, pelo menos, [a sua produgqo
diaria.

*


-Vamos ver o caminho de ferro aereo, disse-nos o sr.
Carlos Pereira, nosso cicerone, visto o administrator, sr. Pedro
de Abreu, nao nos poder acompanhar, por motive de doenqa,
como ja disse6ros.






S. TOME E ANGOLA


S. TOME Cais de embarque na roga ((Ponta Figou


E metemo-nos num carro decauville puxado por uma fu-
gosa muar, e comeqimos subindo. E' na verdade muito interes-
sante este caminho, mas todo che o de peripecias.
A linha esti construida sobre uma galeria, que acompanha


S. TOMtE -Hospital da roca ,Ponta Figo,


sempre, nos seus zigue-zagues, o rio Contador. E quanto mais se
s6be, mais profundas ficam as aguas ddsse rio. Do butro lado,
uma altissima rocha, coberta de arvores selvagens. E' um bocado
de 6b6 (floresta virgem), enorme viveiro de macacos. Mais de





FERRAS DE AFRICA 67

5o0 animals destes o sr. Pedro d'Abreu ter conseguido extermi-
nar. E' uma praga que durante o ano rouba muitas centenas de
arrobas de cacau.
Mas o carro s6be sempre d margem daqueles insondaveis
abismos, ate que, a uma altitude de mais de 400 metros e sobre
um m6rro, estd construida a estacio do caminho de ferro aereo
E' de facto um trabalho notavel de engenharia, e que liga a mar-
gem sul cor as dependencias da margem norte. Este caminho de
ferro liga cor a dependencia Caldeirao. Toda a producqo das
dependencias que ficam so norte da propriedade 6 transportada
aereamente para a pane de cd, e daqui levada para a sede em
vagonetes.


r




,.A "


j -4 *.

,K .-., + w -.

SS. TOM--Servigais caboverdeanos


Quatro enormes volantes trabalham horizontalmente, traba-
lhando dois perpendicularmente e fazendo mover todo aquele
complicadissimo engenho. Os carros, cada um dos quais conduz
80 quilos de cacau, saem d8sse maquinismo corn uma grande ve-
locidade, alcancando-o cabo, por onde deslisam, movidos por dois
rodisios. Cada carro leva 15 minutes no trajecto, e andam cons-
tantemente na linha 16 destes carros.
Todo este engenho e movido pela forca duma locomovel,
cujo combustivel 6 a casca do cocon6te!
Quando ficou concluido este important trabalho, o entio






S68 S. TOMt E ANGOLA

administrator da roqa, sr. Pedro Antunes, convidou o respective
engenheiro, um alermao, a fazer-se conduzir para a parte oposta.
-Nao vou,- diz o alemgo.-Isto nao 6 feito para conduzir
gene, mas sim mercadorias.
Mas o sr. Antunes, ja falecido, nao teve medo. Apesar dos
seus 120 quilos, meteu-se num carro e partiu sem novidade.
Mais larde um padre europeu foi visitar o aereo. Achou in-
teressante todo aquele engenho. E como a maquina estivesse pa-
rada meteu-se num carro..
Mas o sr. Pedro Antunes nIo era home para brincadeiras.
Fez traballar a maquina e o carro, conduzindo o padre em afli-
tiva grita, partiu a toda a velocidade.
Nao parou aqui o tremendo susto do antigo prior da Vila
das Neves. Precisamente no sitio mais pecigoso, isto 6, a uns 5oo
metros de altitude sobre o rio, o sr. Antunes fez parar a maquina
e o carro estacou. O bom sacerdote ia endoidecendo. Nunca mais
falou ao seu velho amigo Pedro Antunes.
Em engenharia 6 o melhor trabalho que temos visto em
S. Tome.


ROQA PONTA FIGO, S. TOME, 24 DE SETEMBRO DE 1924.

















A ROQA "A BOA ENTRADA"

E' UMA DAS MAIS LINDAS QUE TEMOS VISITADO



O ESFORCO DOS NOSSOS COLONIAIS.SFNTE-SE
NO CARINHO DISPENSADO AOS FILHOS DOS
INDIGENAS

A roga cA Boa Entrada e6 uma das mais belas que temos
visitado em S.T.ome.
Eram 9 horas e media quando o gazolina atracava A ponte
da praia Boa Entrada. Ja ali rios [esperava o administrator, o
ilustre regente agricola sr. Antonio Rocha, corn um carro ade-
cauville*, e um belo impermeavel, visto a chuva toda a manhi cair
em abundancia neste lado da Ilha.
O caminho da praia d side da Boa Entrada 6 um autentico0
encanto. Rompemos por um caminho vasto em plantago de co-
queiros. Servi:aes sentados no solo partem a capsula do coco e
extraem do mesmo a copra. Transpondo essa mata compact de
coqueiros, entramos :numa extensissima avenida de bambus. O
home que pass pela primeira vez por esta avenida fica exta.
siado e convencido de que n6o ha, de que ndo pode haver scenario
mais belo do que este densissimo tunnel de bambis, onde nem
sequer uma nesga minuscule de sol pode penetrar.
Saindo desse oasis que tanto fere a sensibilidade de um ar
tista, entra-se num vasto campo de plantag~o de sisal. E toda a
riquissima flora desta Ilha se desenvolve perante a nossa vista.






70 S. TOME E ANGOLA

AlIm das arvores dos frutos equatoriais, erguem-se imponeate-
mente arvores gingantescas a desafiarem as tempestades. E' o
Pau Capitao, 6 a O'ci, so emfim todas essas arvores tropicais
que se abraqam em florestas a que aqui chamam mato, mas que
n6s classificamos do mais luxuriante jardim botanico.
E a nossa admiraqCo cresce sempre, por v8r o grande mila-
gre dos nossos colonisadores, transformando terrenos de natureza
tao vulcanica, cheios de basalto, na mais bela, na mais progres-
siva, na mais linda colonial agricola do mundo.
Quem quizer fazer uma idea, do que 6, do que vale e do que
represent, na economic do paiz, a Ilha de S. Tome, basta atra-
vessar estes 9 quilomnetros de caminho. Nao ha um palmo de
terra que nao esteja scientificamente trabalhado, e se toda esta
roga, como todos os 850 quilometros quadrados que esta Ilha ter
nao estao trabalhados como os terrenos que estamos descrevendo,
e porque a enorme falta de bracos a isso se op6e, visto que os
poucos servigais antigos, que vao reformando os seus contraclos
para manterem as comodidades que aqui encontram, sao menos
que o suficiente para ir tenteando o trabalho, de maneira a que a
derrocada da provincia nao seja tio rapid.
Mas que enorme esforco hunano que tudo isto represent!
No caminho que vamos percorrendo o trails esta assente sobre
trincheiras corn uns to metros de profundidade. E todo o este tra-
balho colossal, todas aquelas milhares de toneladas de terra e de
basalto foram tiradas pelo braq6 Lumano, num trabalho exte-
nuantissimo, em que tantos europeus deixaram a sua energia,
ora sob chuvas torrenciaes, ora expostos ao sol ardentissmo do
Equador.
Se S. Tome esta hoje uma provincia digna de ser visitada
pelos estrangeiros, ainda os mais exigentes, deve-se a esse enor-
me esforco dispendido simplesmente pela energia duns e pelo
capital doutros, sem'que o estado'tivesse contribuido sequer corn
a mais samples parcela. Antes pelo contrario: a acgafo do Estado
tem sido simplesmente cobrar impostos sobre impostos, e des-
curar por complete os mais altos interesses desta provincia.
Mas adeante.
Tern a roCa .Boa Entrada 20 quilometros de superficie
corn uma popul.aggo de umas 50b pesso'as, incluindo mulheres e






FERRAS DE AFRICA 71


S. TOME O st. Henrique Monteiro de Mendonga, na sua
roqa ,A Boa Entrada'



criancas. O seu caminho de ferro deve ter uns 3o quilometros,
atravessando o Ao chegarmos A s6de, fica-nos d direita o hospital, ccm a
sua bem sortida farmacia, e as suas tgo arejadas enfermarias, e


U~~cr
Jy~a~ah~u






72 S. TOME E ANGOLA.

a esquerda o bairro indigena. Este e composto por 8 largas ruas
cada qual cor various quarteir6es de 8 sanzalas, tendo cada grupo
uma cozinha comum. As casas sao construidas de tijolo e cober-
tas de telha de Marselha. O bairro ocupa uma grande extensao
de terreno quadrado, tendo em cada uma das suas extremidades
um torreao que serve de residencia aos capatazes. Cada sanzala
mede 4 metros de comprido por 3.de largo.
Em frente fica o edificio principal, residencia do administra-
dor e escritorios. E' um chalet de arquitectura modern. Entra se
num vasto ahallD ornamentado com belas fotografias da roqa.
Begonias das mais variadas qualidades; lindas avencas dum verde
doirado, fetos variadissimos e mimosos, sobre colunas artisticas.
Mobilia de verga convida os forasteiros a descansar, e, subindo-se
por uma larga escada atapetada, entra-se numa enorme sala de
visits comlinumeras ilustrac6es portuguesas e estrangeiras, uma
grande.colecggo de quadros, e ao fundo, a presidir, o retrato do
sr. Henrique Monteiro de Mendonca, quando tinha 34 anos. To-
dos os demais aposentos sao dum finissimo gosto artistic, prin-
cipalmente a casa de jantar, onde o ilustre proprietario d8stes
dominios nao quer que se poupem despesas quando algum foras-
teiro vem,aqui de visit.
Espalhadas encontram-se muitas outras.instala:6es.
Um lindo chalett, queserve de residencia aos empregados
europeus; d direita, os terreiros e vastos armazens para o pre-
paro do cacau..Toda a sua mecanica e das mais aperfeigoadas. Ali
vimos as maquinas para preparagao do cafe, tipo Squier de
Bufalos; sao de Massau de New-York os descascadores de
cacau.
Nas vastas oficinas encontram-se tambem os engenhos mais
modernos. A maquina desfibradora, que constantemente trabalha
desfibrando o sisal, cujas fibras sao exportadas em grande quan-
tidade para Inglaterra; as maquinas de serraqao; de moagem de
fuba, emfim todos os engenhos possiveis e imaginaveis, subsidia-
rios de todos os trabalhos agricolas de produtos tropicais aqui se
encontram.
Todas as dependencias sao iluminadas a luz electric, ener-
gia que move todos os maquinismos.
E' emfim uma outra cidade a roga nBoa Entrada. Pela noite,






TERRAS DE AFRICA 73

e numa vasta escola, os filhos dos servigais aprendem a lIr e a
escrever, emquanto outros aprendem music, pois o ilustre admi-
nistrador, sr. Antonio Rocha, esta organisando uma filarmonica
corn elements apenas residences na roga.







A janela do meu quarto dd para um terrasse que se debruqa
sobre um vasto terreiro, que serve park a secagem do cacau. A's
6 horas, hora a que nos dispunhamos a tomar o nosso banho, ou-
vimos uma harmonia de vozes infants que nos encantou. Corre-
mos ao terrasse. Um rancho de petizes, de ambos os sexos,
varriam o terreiro, entoando as suas cang6es populares. Cada
executante regia a can~qo cor a sua batuta. E a batuta era a
vassoura de palma.


S. TOM9 A roga aA Boa Entradav






74 S. TOMI E ANGOLA

E assim, por uma forma.cadenciada, como se cada vassou-
rada fosse uma nota musical, aquele rancho de minusculas cria-
turas li andava alegre e feliz. Mas fomos vistos e, num pass
marcial, dirigiram-se todos para a frente do terrasse, onde nos
encontravamos, para nos saudhr. Quasi que nos sentimos impe.
radores.
O sr. Rocha preparou-nos depois uma grande supreza. Uma
surpreza agradavel que nos ficard eternamente gravada na me-
moria. Depois do almoo mandou organizer um comboio cor 3
carruagens, e no meio da petizada, uns 5o, de 6 a io anos, par-
timos para a praia. E durante todo o trajecto as crianqas, como
se estivessem ensaiadas, quebravam o silencio do mato com as
suas canc6es regionais, umas alegres, como a alegria daquele
conjunto de rapazes e raparigas, outras tristes como gemidos de
agonia.
Na praia, ap6s tomarem banho, dangaram o abatuque e a
achavetaD, danca caboverdeans, muito interessante.


BOA ENTRADA, S. TOME, 27 DE SETEMBRO DE 1924.

















"OS FEITICEIROS"

E 0 PODER DE QUE DISPOEM



O ASSALTO AO ANTRO DE UM DESSES BANDIDOS
E A SUA PRISAO

Os f6rros sao os indigenas nativos, isto e, os deicendentes
de S. Tom6. Em toda a Ilha deve haver uns 40 mil, muitos dos
quals residem em casas de madeira assentes sobte estacas e nas
proximidades das grandes rogas, empregando-se em vender aguar-
dente aos servigais, bebida mortifera, feita de malaguetas pisadas
e outros ingredients, como tintura de arhica, de quina, e atl
mesmo um soluto de thymol.
E' com estes venenos que apanham o dinheiro aos serviqais
e Ihes arruinam a saude.
Se muitos dos nativos de S. Tom6, como deixamos dito,
nao trabalham, podiam todavia ser elements valiosissimos para
a agriculture, se tivessem uma preparaFgo adequada.
Muitos, muitissimos dos naturais de S. Tom6 estao hoje
integrados no funcionalismo public e em empregos particulares,
trabalhando, produzindo, estudando, mas alguns constituem uma
verdadeira escoria.
As roqas -Rio do Ouro), cstgo rodeadas de tribus desses elements oci-s:s, que s6 vivem
da pilhagem, da venda do alcohol, tdo nozivo, ou de outros crimes
ainda mais condenavels.






76 S. TOME E ANOnI.A

Uma das industries mais desenvolvidas em .. Tome e a
industrial do afeitio)>, onde os serviqais sao atraidos, onde dei-
xam todo o seu dinheiro e onde os preparam para roubarem
mercadorias nas rocas onde trabalham.
Todo o mato estA cheio de pequenas barracas de madeira
com uma cruz tosca a encimar a fachada. Chamam-se, igreias,
para atrair os incautos, quando sao final autenticos antros de
perdicio e de imoralidade.
0 indigena tern tanto de religioso como de supersticioso. A
sua maior tortura moral 6 ser (enfeiticadoD, e para se livrar
desse suplicio pratica toda a casta de crimes que o afeiticeiro,
lhe incute no espirito.
Eles levam os serviqais a pratica do roubo; induzem os in-
cautos a levarem Aqueles antros as suas filhas, algumas no desa-
brochar da vida, onde sao submetidas aos crimes mais repu-
gnantes, que a moral nos inhibe de'relatar;,provocam abortos,
corn rezas, dizem curar todas as doengas.
Acabar cor estas chamadas igrejas que tanto desacreditam
a religido, e tantos prejuizos causam A agriculture, seria uma me-
dida benefica.
E se o sr. Governador de S. Tome se quizesse preocupar
cor os interesses da provincia, que Ihe foram confiados, aconse-
lha-lo-iamos a que, sem delongas, mandasse arrasar esses antros,
na certeza de que nao s6 A agriculture, mas d provincial, A moral
e a humanidade prestaria um dos mais relevantes servigos.




+



Santo Amaro 6 uma vila,. comr escpla, onde 164 rapazes,
numa tosca barraca de madeira, numa promiscuidade degradante,
apreadem a soletrar as primeiras letras.
Pela rua f6ra estendem-se mercadorias que os f6rros circun-
visinhos veem adquirir. E' a fuba de banana ou de mandioca..em
gamelas; sao bananas, a seis por um tostio; 6 o peixe voador,






"I ERRAS DE AFRICA 77


S. TOME Igreja de Santo Andre, onde sio baptisados os filhos
dos indigenas


seco e coberto de moscas; 6 o vinho de palma a tres rost6es a
vasilha.
Existem alguns estabe!ecimentos mixtrs espalhados pela vila
e que pertencem a brancos, que vendem mercadorias importadas
da metropole e compram aos f6rros cacau e caf6, sem inquirir
da sua proveniencia.
A luta entire esses estabelecimentos 6 enorme. Este, uma
noire, abriu na parede um nicho e nele colocou um Santo Anto.
nio, dizendo aos indigenas que o milagroso santo havia a!i apa-
recido durante a noite. Aquele, vendo a freguesia a fugir-lhe para
casa do seu competitor, que os indigenas comeraram a julgar
casa afortunada, trata de usar dos mesmos processes de r6clarre,
fazendo tambem aparecer num nicho da sua casa uma Senhora
dos Navegantes. E, uma noite, Santo Antonio desapareceu do
seu nicho, indo aparecer no nicho visinho, pelo que a creduli-
dade indigena fez julgar que o milagroso santo havia ido para
junto de sua mulher.


h
:~i;?~~.~C':2'


IT- JAIV






78 S. TOME E ANGOLA

Pois foi na Vila de Santo Amaro que, corn o sr. Antonio
Rocha, adminisirador da (Boa Entradaa, esperdmos o sr. ajmi-
nistrador do concelho e o secretario da administraCgo, respecti-
vamente os srs. Vasco de Azevedo Carmo e Alvaro Ferreira de
Mesquita.
Eles vinham a Boa EntradaD, devido a uma queixa que o
administrator desta propriedade havia feito contra abuses come-
tidos pelos f6rros.


S. TOME-Residencia Agua Telha da Roqa ,A Boa Entrada,


Assim, havia uma informacgo dada pelos servigais, que en-
volvia cousas tao extraordinarias, que era necessario que as au-
toridades competentes investigassem sobre o caso.
Numa dessas muitas chamadas igrejas indigenas, que se
encontram protusamente espalhadas por toda a Ilha, o feiticeiro
ritos fracos dos serviqais que o ouviam um tal poder de suges-
tgo que. seriam capazes de esquartejar as proprias filhas se o
feiticeiro Ihes indicasse essa barbaridade.






I ERRAS DE AFRICA 79

Numa penumbra de arripiar, simplesmente a uma luz debil
de azeite de palma, o aD Adi, meio enterrado, tendo a cobrir-lhe
as carnes negras um roupgo branco e com uma caveira sobre a
cabeca, entregava-se a rezas hediondas, fornecendo aos seus
ouvintes oraq6es escritas em bocadinhos de pano, a troco de
cestos de cacau que os serviqais roubavam nas roqas, depois do
feiticeiro Ihes garantir que tinha um poder sobrenatural e que os
patr6es jAmais descobririam esses roubos.
Se algum servical mais honest ou mais timorato nao rou-
bava o exigido pelo feiticeiro, apoderava-se dele um tal poder
de sugestao, que nunca mais comia, indo em pouco tempo aca-
bar os seus dias num catre do hospital.
Foram estes factos que levaram o sr. administrator, cor o
seu secretario, a vir ao local do crime, para investigar e proce-
der como de justiya.




*



Sob uma chuva torrencial saimos da sede da ,Boa Entrada),
resguardados per impermiaveis, de polainas at6 aos joelhos e de
guarda-chuvas. Alem dos dois membros da autoridade, iam o sr.
Antonio Rocha, um feitor [da roca, n6s e quatro possantes ser-
vicais.
O cdecauville conduziu-nos a um local onde nos apedmos.
Subimos por uma encosta com o auxilio de grandes varapaus,
visto estes terrenos alagadigos mais parecerem terras ensebadas
que ao menor descuido nos fazem cair.
Depois de ,dez minutes da forgada caminhada, metemo-nos
por um atalho. em pleno mato, ao fim do qual se encontrava
uma d'essas xcapelinhas) a que jd nos referimos, tendo pela parte
de traz uma mansarda, residencia do Dddai,, e, mais alem, outras
mansardas dessiminadas.'e cobertas pelas folhas das bananeiras.
Era all o P6t6.
Este





80 S. TOMt E ANGOLA

com duas guias compridas aos cantos da boca a servir-lhe de
bigode.
E' o autentico prototipo do bandido.
Qae me querem? perguntou.
Que nos mostres a tua casa para Ihe passarmos uma bus-
ca,-retorquiu o sr. Vasco de Azevedo.
O Ddd~di mostrou-se surpreendido, mas, sem retorquir, en-
caminhou-se para o seu covil.






















S. TOME-Desfibrando sisal na roca "A Boa Entrada


Entramos todos nessa horrenda mansarda, ninho de podri-
dao e de miseria. Por6m, nada existia ali que ccmprometesse o
afeiticeiro,.
Farrapos nauseabundos, latas velhas, todo o arsenal de po--
drid6es.
Agora vai abrir a capela.
Senhor, nao tenho a have.
Arromba-se a porta.






TERRAS DE AFRICA 81

E, palavras nao eram ditas, jA o sr. Rocha fazia ceder a porta
corn um encontrao.
Precipitdmo-nos todos para esse antro. Horror! Ao meio da
casa IB estava o:altar. do ,feition". Uma lampada sobre o ene-
grecido caixote, em frente um minuscule Crucificado pregado
numa enorme cruz. Mais uns santos sem bravos e roidos pelo
bicho e dentro de um caixote, que o < estava o craneo' human, a ferramenta principal com que o
Dadda exercia a sua macabra industrial.




**



Uma onda de revolta invadiu todos os presents. Era ali
que, sob um terror mais tetrico do que o inferno descrito por
Dante, se incitavam os serviqais ao roubo.
Era ali que os servigais, perarte a tortura da sugestao, le-
vavam as shas filhas, algumas ainda bem crianqas, para as vio.
larem ao poder do feitigo, era ali finalmente, onde, sob a mascara
da religiao, se preparavam para a tuberculose rapazes robustos,
ou para a loucura espiritos fracos; era ali que se praticavam
abortos e se exercia toda a casta de crimes.
O aDddA quando se viu descoberto, pretendeu fugir, mas
quatro maos de ago, os musculos dos serviqais que nos acompa-
nhavam, subjugaram-no.
Entio, grnos. sinistros ecoaram atrav6s a mata compact
daquele arvoredo, que agora nos parecia dum aspect tao
teirico.
Nunca ma s nos esquecera. Vimos, saindo dum buraco, o
rosto afogueado duma preta, gritando como uma hiena. Soltava
uivos de nos fazer arrepiar. Era, talvez, o sinal para que toda
aquela populaggo de bandidos se munisse de azagaias e viesse
sobre n6s para nos arrancar a presa.
Aperrei a minha pistola e apontei-a para aquele rosto he-
di, ndo.





82 S. TOME E ANGOLA

A floresta voltou ao seuwnormal silencio sepulcral.
E dai a alguns minutos o cortejo, vindo gfrente Q feiticeiro
agarrado, como se f6ssem tenazes, pelas mgos dos.dois serv'igais,.
e um outro conduzindo a caveira sinistra e todos os utensilios
apreendidos, atravessava-.uma.ribeira e entrava no carro decau-"
ville).
A chuva continuava a cair abundantemente, emquanto para
alm, no local onde se acabavam de desenrolar os episodios.a
que nos vimos de referir, o silencio continuava a .ser pro-
fundo, visto que os habitantes daquelas paragens, em face da
nossa energica attitude, haviam fugido.



S. TOME~, 28 DE SETEMBRO DE 1924.

















A ROQA TRAZ-OS-MONTES



A UMA ALTITUDE DE S5o METROS CREACAO
DE GADO BOVINO E CAVALAR

0 sr. Victor Portugal, gerente da important casa de S. To-
me Lima & Gama, 6 un home muito gordo, muito active,
muito born amigo e muito gentil. O sr. Portugal quiz que n6s
vissemos um trecho de S. Tom mniuito diferente do que temos
visto nesta ilha, e consequentemente preparou uma digressao A
roqa Trds-os-Montes.
Aproveitamos tambem o ensejo para aceltarmos uma genti-
leza do sr. engenheiro Pogas Leitgo, director das Obras Publicas
da provincia de S. Tome e Principe. Sua ex.a, num requinte de
delicadesa que jamais olvidaremos, mandou atrelar uma carrua-
gem de luxo a uma locomotive e fez-nos percorrer os 18 quilo-
metros de linha ferrea construida pelo Estado. Tivemos a im-
pressio de viajarmos dentro dum jardim.
JA em varias cronicas daqui enviadas temos feito, corn po-
bresa de estilo, mas com o entusiasmo duma almaf de artist pe-
rante o belo, a descrigao do que sao as terras de S. Tome.
Cada roga 6 um jardim grande onde a vegetacgo luxuriante
nos deslumbra a todo o moment. Pois, quem viaja por caminho
de ferro at6 a Milagrosa, tern a impressdo de que todo este con-
junto de jardins constitute um enorme parque.
At6 as trincheiras cortadas a pique, algumas com umra pro-
fundidade duns 25 metros e que noutra qualquer terra estariam






84 S. TOME E ANGOLA

despidas de vegetacqo, a:t ai a natureza quiz embelezar cor fetos
de varies qualidades, begonias de diferentes c6res, para que o
passageiro nfo deixasse de ver um palmo de terra que nao des-
pertasse interesse.
A plant do caminho de ferro de S. Tom6 ter a configura-
5io dum chicote. Uns 8 quilometros sio em linha recta. O res-
tante percurso e cheio de zig-zags, fazendo-nos lembrar a linha





















S. TOME Depois de uma ferra de gadc, em Bombaim,
rova de Traz-os-Montes


de Vale do V6uga. Esse trajecto 6 encantador ate A Vila da Trin.
dade, a vila mais importance da Ilha. Dali e atd 4 Milagrosa nlo
6 menos interessante, passando-se pelas roqas Bemfica e Santa
F6, e tornejando pela ribeira Manuel Jorge, ate ao terminus da
linha, que fica a uma altitude de 452 metros.
A estrada public que liga a cidade cor Tras-os-Montes 6
uma estrada de macadam, como as methores que existem na me-
tropole. Porem, uns 50 metros, desde a estaqfo da Milagrosa,






TENRAS DE AFRICA 85

ainda em construqao, at gt referida estrada, sao um caminho in-
transitavel devido d grande quantidade de lama. 0 automovel que
nos esperava nao poude avanqar e n6s tivemos que romper por
entire aquele lamacal pegajoso.
-Nao podemos passar,.-observa o engenheiro sr. Pocas
Leitio.
Eu ca vou andando,-- responded o sr. Victor Portugal.
E avanqdmos, como pudemos, uns metros, ate se nos depa-
rar um pantano -impossivel de transp6r, pela profundidade da lama.
Em Africa ter que se contar sempre cor inumeras dificul-
dades. Elas surgem a todos os moments, assim como a f6rma
de as resolver.
Dois possantes servicais, que ali apareceram, foram us en-
viados pela Providencia para nos desembaraqarem desta difi-
culdade.
Apesar de nos acompanhar um dos mais distintos engenhei-
ros, o sr. Poqas Leitao, foi o sr. Victor Portugal que se dispoz
a dirigir um trabalho de engenharia. Mandou que os servicais
carregassem pedras para o pantano.
--Agora-- dizia-- p6e aquela maior ali. Isso. P6e aquela
corn o bico para baixo a seguir. Coloca aquela junto da outra.
P6e aquela mais, desviada. Pronto. Agora, serve de corrimao.
Optimo. Eu ji passed.
O segundo a avaniar foi quem estas linhas escreve. Sobre
a improvisada ponte, tendo como corrimio o preto, coberto de
suor e cor um cheiro a catinga que causava nauseas, la conse-
guimos atravessar, seguindo-se o sr. Poqas Leitao, que, apesar de
ser de edade avanqada, nio 6 home que retroceda perante
qualquer perigo.
Da Milagrosa, onde o automovel nos esperava, a Tras-os-Mon-
tes, sao s6 quilometros por um macadam sem covas, apesar das
constantes chuvas torrenciais.
Galgamos por entire enormes montanhas. JAmais vimos pa-
noramas tao encantadores como estes. Vamos andando sempre
sobre os m6rros que marginam o vale Manuel Jorge. Vemos m6r-
ros envoltos em densas nuvens, emquanto outros sao dourados',
pelo sol. E' um oceano de montanhas, confundindo-se, 1d muito
ao long, o ceu cor o Atlantico.






S. fOME E ANGOLA


Depois, o automovel, com a rapidez de um relampago, dei-
xou o vale Manuel Jorge e alcanqou a cordilheira do Vale do
Abade. Vimos ao long locais jd nossos conhecidos. E' a-depen-
dencia aClaudino FaroD, 6 o dCanta Galoo, dependencia da roqa
Agua-Iz6. Mas o automovel subia sempre, parecendo pretender
conquistar as montanhas que se erguiam umas sobre as outras.
Repare, para a nossa esquerda, nos disseram os nossos
companheiros.


S. TOME Conduqgo de gado bovino em Bombaim. na roga
de Traz-os-Montes


Impossivel descrever o scenario que se deparou perante a
nossa vista. Aguas espumantes despenhavam-se a pique de uma
altura de mais de 50o metros. Era a cascata do Abade que n6s
admiravamos. De uma alta trincheira, perfeitamente a prumo,
coberta de verdura, a agua caia em abundancia, quebrando o si-
lencio daquele oasis. A' nossa direita ficava a roga Java e, mais
alum, erguia-se Bombaim.
E o automovel, na sua vertiginosa march, conlinuava su-






1ERRAS DE AFRICA 87

bindo como se pretendesse alcanqar os astros. Mas agora jA os
cacoeiros, as bananeiras e os coqueiros iam rareando.
Sao arvores que nao vivem numa altitude superior a 700 me-
trbs, e n6s ja tinhamos chegado a altitude superior. Campos de
cana sacarina; a nossa esquerda uma impenetravel floresta selva-
gem, regiLo de macacos.
Depois, pastagens, s6 pastagens, onde 400 cabegas de gado
bovino e cavalar se criam, se desenvolvem. Sao campos apenas
de capim, mas que produzem toda a horticulture europeia e la-
ranjas como se fossem de Setubal.
Estavamos a cerca de 850 metros de altitude. Mas nao ha-
viamos chegado ao pico mais alto da Ilha.
Alemn, encristado como numa enorme pasta de algod5o em
rama, estd o pico do Calvario corn 16oo metros de altitude. Con-
sequentemente, estamos a media altura desse pico. Outros se er-
guem corn maior imponencia, como o apico de S. Tomeb, corn
cerca de 2400 metros.
Mas, a 850 metros sobre o nivel do mar ja se estA muito
bem. Sentimos frio, visto nao se ir impunemente corn fato de kdki
para tdo elevada altitude depois de sairmos dum local na cidade
onde o barometro marcava 32 graus centigrados A sombra.
O sr. Pedro Santa Marta, administrator da roga Trds-os-
Montes, ja nos aguardava corn um opiparo almoqo, findo o qual,
quando nos dispunhamos a regressar a cidade, vimos cor ma-
gua que aquele rolo de algodao, que uma hora antes estava colo-
cado sobre o pico do Calvario, se havia desenvolvido e, descendo
quasi que vertiginosamente, alcanqcra Tras-os-Montes, embru-
lhando-o numa nuvem densissima e produzindo tal quantidade
de chuva que tivemos que esperar largo tempo para nos poder-
mos meter no automovel.
CA em baixo, a cidade estava sob um sol ardentissimo, con-
tinuando o barometro a marcar 32 graus d sombra.


TRAS-OS-MONTES, S. TOME, 30 DE SETEMBRO DE 1924.


















A MAO DE OBRA EM S. TOME

O NUMERO DE INDIGENAS ACTUALMENTE EXIS-
TENTE E INSUFICIENTE PARA A AGRICULTURE



COMO O PROBLEMA SE PODERIA RESOLVER,
NA OPINIAO DO SR. DR. SOUSA VARELA

Depois de percorrermos quasi toda a provincial de S. Tome
e de. verificarmos a falta de braqos que se faz notar, quizemos
ouvir 6 sr. dr. Sousa Varela. sobre o assunto. Ninguem como ele
ter autor.dade rara-falar no caso.
Perguntimos ao ilustre curador de S. Tome e Principe:
-Entende v. ex.a ter soluo o o problemna da mao de obra
em S. Tome?
Qual, a seu ver, essa soluuio?
-No proposito de Ihe ser agradavel,.vou procurar respon-
der-lhe, sem grande numero de palavras, antes cor factos.
Na.o tenho a mania de dar enirevisras, de ser entrevistado.
Nao ,sei responder senao cor franqueza. Que nas'minhas pala-
vras, pois, se nao veja senao a verdade e nunca 6 proposito
de ferir A ou B, ou, ainda menos, ade sacudir a agua do meu
capote,.
aVim para S. Tome em 1923 e desempenho,estas funq6es
de curador geral dos serviqais e colonos desde entgo.
aO problema da mao de obra era entio um problema amo-
mentoson. Ho;e 6 um problerma cagravadon, que ter de ser re-






go S. TOMt E ANGGLA

solvido sem delongas, para que nao caiam sobre S. Tom6 peores
males, que andam no ar, bem proximos desta terra, que nos
honra aoS olhos do mundo pela sua colonisa9ao esplendida.
aO problema da mao de obra em S. Tome--perdoem os
scepticos a afirmacgo-- facilimo de resolver.
Basia para isso que se congreguem esforcos dispersos e desa-
vindos, cm a devida protecqco por parte do Estado.
darias do Ministerio das Colonias, .para pedirem braqos e nao
para apearem ou m ntarem governadores ou curadores gerais.
O Ministerio das Colonias deve preocupar se antes cor a political
colonial de facto, 'em vez'de se preocupar em satisfazer os ca-
prichos de A ou de B.
WPor informac6es que reputo fidedignas, S. Tom6 poderA ir
buscar a Angola os bracos de que precise, senr que ali facam
falra alguma.
'aBastaria um distrito angolense para resolver a questgo da
mao de obra de S. Tome.
,E, encarnado nas minhas funq6es, eu juro que o servical em
S. Tom6e .mais bem tratado do que em nenhuma parte do
mundo.
SResumindo, pois: O problema da mao de obra em S. Tom6
e soluvel. Bastam para isso energia e boa vontadelb



*


Perguntamos ao ilustre funcionario:
-Dizemmie que os services de Curadoria Geral estgo
atrazados. E' verdade? Porqu ? Como remediar esse mat?
Estao de facto atrazados, na seccio de contabilidade, os
servigos da Curadoria Geral, que, a quando do empossamento
das minhas func6es, atrazados encontrei ji.
((Tenho procurado, por todas as formas- ao meu alcance, re-
mediar esse mal, que e grave, tanto mais atendendo a que a pri-
meira repartigao em S. Tom6e a Curadoria Geral.






TERRAS DE AFRICA 91

cLuto com .falta de pessoal. O ministerio, preocupado em
reduzir os quadros, entende nao dever aumentar o seu numero.
t o ministerio permira que o curador geral pague condignamente aos
seus funcionarios e aumente o seu numero.
oCom a autonomia indispensavel para os serviqos da Cura-
doria, tudo se normalisaria-.
,E' tudo, pois, urma questao de deralhe, que, creio bern, o
ministerio resolverd em bem.
E' de fa'cto necessario que se resolve a questao da falta de
funcionarios na Curadoria, corn urgencia. Do contrario, o mal
agrava-se. Pois se eu nao tenho na Curadoia funcionarios bas-
tantes para fazerem o regisro das folha, tudo que se prende
corn cbonusz, tudo que se prende cor estatisticasl
cSou, As vezes, tudo na Curadorial-de Curador Geral a
simples policia! A melhor boa vontade sossobra perante.esta
nova Babylonia, proyeniente da falta de empregados.
,Se ura proposta que tenho neste sentido f6r aprovada, juro
ter, regulars e em.dia, os services da Curadoria Geral, no pra-
zo maximo de seis meses!
,Houve um ,ilusire ,Curador Geral aqui, o dr. Antonio
Aguiar, que lutou com iguais dificuldades.
.Teve mats facilidades do que eu. RazEo porque, : sua
said, os serviqos estavam quasi em dia.
Com boa vontade de todos, repito, nao e solugao impcssi-
vel. Muito antes pelo contrario.
.. Fqi v. ex.a chamado a Lisboa. Sabe para que ? Leva algu-
mas propostas para sujeitar A sangco do ministry?
Fui effectivamente ,charado a Lisboa pelo sr. ministry
das Colonias que, sobre o problema damTino de obra,.deseja'con-,
fer'enciar comigo. Parto no vapor-,,Angpla~ ,le.vando na minha
bagagrm algumas propostas para sujeilar d sancao de s. ex,4,
visto que, na minha bagagem, notas, cheques ou ordens nao
posso levar.
,Vou animado da melhor boa vontade, devendo afirmar-lhe
que me era grato ligar, corn oesforgo do meu trabalho, o meu
nome a S. Tome.
,,No conhego pessoalmente o actual sr. ministry das Colo-






92 S. TOMI E ANGOLA

nias. Espero, porem, bom acolhimento de s. ex.a, que ha de que-
rer solucionar problems instantes, respeitantes a S. Toml. Se
os nao.resolver, nao voltarei. E, sendo assim, eu ficarei em Lis-
boa, com a consciencia do dever cumprido, convict de que tudo
fiz, no meu logar,.para o prestigiar, prestigiando-me a mim e d
Republica.
em absolute de que procurei sempre, no exercicio do meu alto
cargo, conciliar, quanto possivel, os mais antagonicos interesses:
os dos servicais, meus curatelados, que defend sempre, contra
tudo e contra todos, e os alios interesses da agriculture, em que
reside a razao de ser de S. Tome, e que e o nosso.melhor
padrao de paiz colonisador.
--Que numero de servicais ha em S. Tome? Quantos deve-
ria haver? 0 numero que existe 6 suficiente?
-S. Tome tem hoje um numero de servicais de 34.345.
zParn poderem trabalhar-se as rocas convenientemente, seria
necessario haver em S. Tomi, pelo menos, 5o.ooo.
n0 numero, pois, que existe, 6 mais do que deficiente, aten-
dendo ao numero de invalidos velhos existente. Para S. Tom6
poder progredir, como 6 mister, necessario seria que aqui entras-
sem, pelo menos, de moment 20.000 pretos.
aDepois, num ajuste feito cor Angola deixo de part Mo-
cambique, porque, por inumeras. ras6es, n.o conveem .os seus
bracos a agriculture de S. Tome seria repatriado todos os anos
um certo numero e entraria outro numero.
aSe o actualministro das Colonias. sr Bulhao Pato, quizesse
ligar o seu nome a problema tao simpatico, bem mereceria de
todos os portugueses e ate de mim, que, nao tendo outros interesses
em S. Tome que nao sejam os do meu cargo, muito a esta terra
quero, pelo que ela represent do bom nome Portuguez, aos
olhos de todo o mundo!
e facil de resolver: Bastam para isso energia e coragem>.


S. TOME, 30 DE SETEMBRO DE 1924

















A COLONIAL DE S. TOME

A:MAIS BELA DO MUNDO, ESTA EM RISCOS
DE PERDER-SE, SE LHE NAO ACUDIREM



E PERDER-SE-HA UMA DAS MAIORES RIQUEZAS
NACIONAIS

Quando faziamos os nossos preparativos para partirmos para
Angola, a fim de procedermos a um inquerito sobre a situaqao
daquela provincia, alguem nos disse, em Lisboa:
-Porque n5o fica uns dias em S. Tom&? Ha all tambem um
pioblema grave a resolver e a sua visit talvez viesse trazer A
tela da discussao esse problema. Prestaria v. assim um serviqo
nao s6 a agriculture daquela provincia, mas ao pais.
E foram essas palavras que fizeram corn que nao seguisse-
mos directamente para Argola. E nao estamos arrependidos de
em S. Tom6 terms ficado 18 dias.
Tivemos tempo de percorrer quasi toda a provincia e de ver
o perigo que ela atravessa, se providencias urgentes nho forem
adoptadas.
Visitdmos desde -as roqas cor uma area de 80 quilometros,
at6 as que teem apenas 2 quilometros.
As grande fazendas cmo Aeua Ize, Rio do Ouro, Uba
Budo, Diogo Vaz, Ponta Figo, Tras-os-Montes,.assim como as
pequenas rocas como Nova Olinda, Monteforte, Queluz, Santa






S. TOME E ANGOLA


Cruz, etc., foram por n6s vistas e em todas encontramos a mesma
deficiencia de bracos.
O rubrocinctus, se exterminou, numas regi6es, um terqo
de cacoeiros, noutras nem um terqo deixou de pe. Olhae para as
estatisticas, que elas vos falario cor a maior eloquencia. Em 1916,
antes da doenqa invadir a
provincial a exportaqao em
i. S. Tom6 e Prncipe foi de
34.002.713 kilos. No ultimo
Sano, 1923, a exportalgo foi
de 12.909.690, isto e, pouco
Smais de um tergo.
Que admiral, pois, que
a exporta ggo do cacau che-
gasse a atingir 2 m'ilh6es de
esterlinos e que essa quantia
esteja hoje reduzida a seis-
centos mil?
Na opiniio do sr. Cura-
dor sio necessarios pelo me-
nos mais 20 mil homes para
ocorrer is necessidades da
provincial.
E todavia existem indi-
genas em: Angola que que-
rem vir para S. Tom6. Nffo
--- os deixam vir, em consequen-
cia do nefasto e antipatrio-
S. TOM-E -Agricultores indigenas tico decreto n. 40.
com seus filhos E nfo os deixam vir,
preferindo que eles vagueiem
pelo interior de Angola, sem mantimentos oem assistencia me-
dica. E uma provincia como S. Tomd, que constituia uma das
colonies mais belas do mundo, segundo as opini6es de estrangei-
ros autorizados que aqui estiveram, deixa-se caminhar para a
ruina, nio Ihe fornecendo braqos, pois que os poucos que-exis-
tem mal chegam para as necessidades mais urgentes.
E a morte da provincia ndo se dd rapidamente, mas por






TERRAS DE AFRICA 95


S. TOMI Roqa Queluz


aconta-g6taso, para regosijo de quem ter interesse na ruina de
S. Tom6.
Venham, venham ver, esta tremenda desgrapa! Campos que
poderiam ser ferteis, campos de produqio de cacau, de cacau
que represent ouro, estio cobertos de capim.
Nio ha braqos para as plantag6es de cacoeiros ou de cafe-
zeiros. E' a derrocada, se nao Ihe acodem. E, corn essa derro-
cadp, vai-se uma das nossas maiores riquezas nacionais.





*



O, sr. Norton de Matos, dias antes de partir para Angola, a
tomar conta do seu logar, disse a uma comissao que o procurou,
da Sociedade de Emigraqio:






96 S. TOME E ANGOLA

-De facto, i necessario evitar que se perca essa riqueza
national.
Vou mandar-lhes quatro mil homes, mas 6 necessario que
os agricultores se sujeitem as condiq6es que Ihes vou imp6r.
xNecessito de 16o contos para mandar construir uns barra-
c6es para alojar os indigenas que veem do interior, emquanto
aguardem meios de conduqco para S. Tom.'"
Do cofre da Sociedade de Smigraqio sairam de fact os 160
contos. Pois o alto comissario sr. Norton de Matos apenas man-
dou 18 servicais para acudir as necessidades da provincia, em
condiq6es tao onerosas que ninguem os quiz. Foram servigais de
torna-viagem.
E foi este o criterio do ex-alto comissario. Nio sabemos o
que pensa o sr. Rego Chaves deste grave problema. Mas julga-
mos que a questao da emigracao de indigenas de uma colonial
para a outra devia ser feita pelo poder central, visto que s6 ele
sabe das necessidades das varias colonies e que, ate agora, a
prova real do regimen dos Altos Comissarios tern sido apenas
esta: matar a provincia de S. Tome e Principe.



*



O sr. dr. Eduardo Lemos 6 o facultativo que maior clinic
tem e que visit diariamente as. maiores roqas da llha.
Pbis o sr. dr. Eduardo Lemos fez-nos declaraq6es muito im-
portantes sobre os indigenas que vieram da costa oriental.
Apesar da media da mortalidade ser de 1,4 lo quando Lisboa
tem 2 e o Porto tern 3 "lo a tuberculose a doenca que maior
numero de vidas ceifa. Todos os contaminados por esta doenca
sao os que estiveram nas minas do Rand.
Nio 'tenho estatisticas anteriores a ig95, diz-nos o ilus-
tre facultativo,-mas recordo-me de que, quando comecei a fazer
clinic nas roqas, em 1912, era rarissimo encontrar um caso de
tuberculose pulmonar.
((Aimigraqdo dos serviqais de Moqambique, que tinha come-






TERRAS DE AFRICA 97

qado em 1918, intensificou-se mais tarde. Foram eles os grandes
disseminadores da tuberculose pulmonar em S. Tom6.
Al!guns tinham trabalhado nas minas do Transvaal e all
tinham adquirido essa doenqa; outros tinham tido 1l os irmhos,
os parents, e no regresso, vivendo em comum, tinham-se conta-
giado. E, todavia, a troco do
ouro que o preto sempre deixa
no Transvaal, comprando ar-
tigos de inutilidade, saem para
all anualmente muitos milha-
res dos nossos indigenas, em-
Squanto S. Tomd definha por
falla de mio de obra.
S aEsta e que d a grande
verdade dos factosp.
Partimos de S. Tome
entusiasmados por terms visto
tanta beleza reunida, mas des-
animados por vermos o pe-
rigo iminente em que a pro-
vincia se encontra. Os homes
que ainda aqui se encontram
: e que contrbuiram corn o seu
esforqo para tao grande pro-
/ gresso desejam ir-se embora
S para nao assistirem a derro-
cada duma obra que Ihes per-
tence. E teem razao estes obs-
S. TOME Indigena natural curos colonizadores, em cada
de Cabinda um dos quais deixamos um
amigo.
E em toda a gente corn quern falamos-a impressio 6 esta:
aS. Tome esta na decadencia devido A enorme falta de braqosD.
Teem agora a palavra os srs. Altos Comissarios de Angola
e de Moqambique. Tern a palavra o Governo e deve ter a pala-
vra o Parlamento, visto tratar-se duma questlo national.
E todavia o problema 6 bem facil de resolver.
0 sr. Bernardino Correia, grande agricultor no Amboim e






98 S. TOME E ANGOLA


......,.......... .....c


Vapor "Pedro Gomes,


cor quem falamos a bordo, declarcu-nos que a provincia de An
gola nao fazem falta alguma 15 mil homes.
E, com essa gente, mantinham-se os progresses de S. Tom6
e nio se perderia tdo grande riquesa national. Estardo as entida-
des competentes dispostas a ouvir o nosso brado?
O future o dira.


.BORDO DO aPEDRO GOMESn, 1 DE OUTUBRO DE 1924












ANGOLA




University of Florida Home Page
© 2004 - 2010 University of Florida George A. Smathers Libraries.
All rights reserved.

Acceptable Use, Copyright, and Disclaimer Statement
Last updated October 10, 2010 - - mvs