• TABLE OF CONTENTS
HIDE
 Front Cover
 Half Title
 Title Page
 Prefacio
 Em cape-town
 No mar das Indias
 Lourenço Marques
 A beira
 No buzi
 No chinde
 No mundo do açucar
 Na morumbala
 A regiao de sena
 A raça cafre
 Na zona dos ciclones
 Mahindo e inhassunge
 O praso carungo
 A vila de quelimane
 A societe du Madal
 Anguaze e andone
 Os prasos da boror
 Os prasos lugela e lomué
 A zona do chá
 A colonisaçao portuguesa
 O regimen dos prasos
 Nyassaland
 As cheias no zambeze
 Sua ex. o alto comissario
 Zona de algodão e milho
 A região de Manica
 A incomati estates
 A convenção
 A rhodezia
 Johannesburg
 O rand
 Ouro que assassina
 Pretoria
 Como o indigena e' burlado
 A camara de minas
 A tuberculose nos mineiros
 A curadoria Portuguesa
 A representacão Portuguesa
 O regresso a patria
 Table of Contents
 Indice das gravuras














Group Title: Terras de Africa : Mocambique e Rand.
Title: Terras de Africa
CITATION THUMBNAILS PAGE IMAGE ZOOMABLE
Full Citation
STANDARD VIEW MARC VIEW
Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/UF00073385/00001
 Material Information
Title: Terras de Africa Moðcambique e Rand
Physical Description: 412, viii p. : illus. ; 23 cm.
Language: Portuguese
Creator: Muralha, Pedro
Publisher: Publicitas
Place of Publication: Lisboa
Publication Date: 1925?
 Subjects
Subject: Description and travel -- South Africa   ( lcsh )
Description and travel -- Mozambique   ( lcsh )
Genre: non-fiction   ( marcgt )
 Record Information
Bibliographic ID: UF00073385
Volume ID: VID00001
Source Institution: University of Florida
Rights Management: All rights reserved by the source institution and holding location.
Resource Identifier: oclc - 27845024

Table of Contents
    Front Cover
        Front Cover
    Half Title
        Half Title
    Title Page
        Title Page
    Prefacio
        Page i
        Page ii
        Page iii
        Page iv
    Em cape-town
        Page 9
        Page 10
        Page 11
        Page 12
        Page 13
        Page 14
        Page 15
        Page 16
    No mar das Indias
        Page 17
        Page 18
        Page 19
        Page 20
        Page 21
        Page 22
    Lourenço Marques
        Page 23
        Page 24
        Page 25
        Page 26
        Page 27
        Page 28
        Page 29
        Page 30
        Page 31
        Page 32
    A beira
        Page 33
        Page 34
        Page 35
        Page 36
        Page 37
        Page 38
        Page 39
        Page 40
    No buzi
        Page 41
        Page 42
        Page 43
        Page 44
        Page 45
        Page 46
        Page 47
        Page 48
        Page 49
        Page 50
        Page 51
        Page 52
        Page 53
        Page 54
        Page 55
        Page 56
        Page 57
        Page 58
    No chinde
        Page 59
        Page 60
        Page 61
        Page 62
        Page 63
        Page 64
    No mundo do açucar
        Page 65
        Page 66
        Page 67
        Page 68
        Page 69
        Page 70
        Page 71
        Page 72
        Page 73
        Page 74
        Page 75
        Page 76
        Page 77
        Page 78
        Page 79
        Page 80
        Page 81
        Page 82
        Page 83
        Page 84
        Page 85
        Page 86
        Page 87
        Page 88
        Page 89
        Page 90
    Na morumbala
        Page 91
        Page 92
        Page 93
        Page 94
        Page 95
        Page 96
        Page 97
        Page 98
        Page 99
        Page 100
    A regiao de sena
        Page 101
        Page 102
        Page 103
        Page 104
    A raça cafre
        Page 105
        Page 106
        Page 107
        Page 108
        Page 109
        Page 110
        Page 111
        Page 112
        Page 113
        Page 114
        Page 115
        Page 116
        Page 117
        Page 118
        Page 119
        Page 120
        Page 121
        Page 122
        Page 123
        Page 124
        Page 125
        Page 126
        Page 127
        Page 128
        Page 129
        Page 130
        Page 131
        Page 132
        Page 133
        Page 134
        Page 135
        Page 136
        Page 137
        Page 138
    Na zona dos ciclones
        Page 139
        Page 140
        Page 141
        Page 142
    Mahindo e inhassunge
        Page 143
        Page 144
        Page 145
        Page 146
        Page 147
        Page 148
        Page 149
        Page 150
        Page 151
        Page 152
    O praso carungo
        Page 153
        Page 154
    A vila de quelimane
        Page 155
        Page 156
        Page 157
        Page 158
        Page 159
        Page 160
    A societe du Madal
        Page 161
        Page 162
        Page 163
        Page 164
        Page 165
        Page 166
        Page 167
        Page 168
        Page 169
        Page 170
        Page 171
        Page 172
        Page 173
        Page 174
        Page 175
        Page 176
    Anguaze e andone
        Page 177
        Page 178
        Page 179
        Page 180
        Page 181
        Page 182
    Os prasos da boror
        Page 183
        Page 184
        Page 185
        Page 186
        Page 187
        Page 188
        Page 189
        Page 190
        Page 191
        Page 192
        Page 193
        Page 194
        Page 195
        Page 196
        Page 197
        Page 198
        Page 199
        Page 200
        Page 201
        Page 202
    Os prasos lugela e lomué
        Page 203
        Page 204
        Page 205
        Page 206
        Page 207
        Page 208
        Page 209
        Page 210
        Page 211
        Page 212
    A zona do chá
        Page 213
        Page 214
        Page 215
        Page 216
        Page 217
        Page 218
        Page 219
        Page 220
        Page 221
        Page 222
        Page 223
        Page 224
        Page 225
        Page 226
        Page 227
        Page 228
    A colonisaçao portuguesa
        Page 229
        Page 230
        Page 231
        Page 232
        Page 233
        Page 234
        Page 235
        Page 236
        Page 237
        Page 238
    O regimen dos prasos
        Page 239
        Page 240
        Page 241
        Page 242
        Page 243
        Page 244
        Page 245
        Page 246
    Nyassaland
        Page 247
        Page 248
        Page 249
        Page 250
    As cheias no zambeze
        Page 251
        Page 252
        Page 253
        Page 254
        Page 255
        Page 256
        Page 257
        Page 258
        Page 259
        Page 260
        Page 261
        Page 262
        Page 263
        Page 264
        Page 265
        Page 266
    Sua ex. o alto comissario
        Page 267
        Page 268
        Page 269
        Page 270
        Page 271
        Page 272
        Page 273
        Page 274
        Page 275
        Page 276
    Zona de algodão e milho
        Page 277
        Page 278
        Page 279
        Page 280
        Page 281
        Page 282
        Page 283
        Page 284
        Page 285
        Page 286
        Page 287
        Page 288
        Page 289
        Page 290
        Page 291
        Page 292
        Page 293
        Page 294
        Page 295
        Page 296
        Page 297
        Page 298
        Page 299
        Page 300
        Page 301
        Page 302
        Page 303
        Page 304
    A região de Manica
        Page 305
        Page 306
        Page 307
        Page 308
        Page 309
        Page 310
        Page 311
        Page 312
    A incomati estates
        Page 313
        Page 314
        Page 315
        Page 316
        Page 317
        Page 318
        Page 319
        Page 320
        Page 321
        Page 322
        Page 323
        Page 324
        Page 325
        Page 326
        Page 327
        Page 328
    A convenção
        Page 329
        Page 330
        Page 331
        Page 332
        Page 333
        Page 334
        Page 335
        Page 336
    A rhodezia
        Page 337
        Page 338
        Page 339
        Page 340
        Page 341
        Page 342
    Johannesburg
        Page 343
        Page 344
        Page 345
        Page 346
        Page 347
        Page 348
    O rand
        Page 349
        Page 350
        Page 351
        Page 352
        Page 353
        Page 354
        Page 355
        Page 356
        Page 357
        Page 358
        Page 359
        Page 360
    Ouro que assassina
        Page 361
        Page 362
        Page 363
        Page 364
        Page 365
        Page 366
        Page 367
        Page 368
        Page 369
        Page 370
        Page 371
        Page 372
        Page 373
        Page 374
    Pretoria
        Page 375
        Page 376
        Page 377
        Page 378
        Page 379
        Page 380
    Como o indigena e' burlado
        Page 381
        Page 382
        Page 383
        Page 384
    A camara de minas
        Page 385
        Page 386
        Page 387
        Page 388
    A tuberculose nos mineiros
        Page 389
        Page 390
        Page 391
        Page 392
        Page 393
        Page 394
    A curadoria Portuguesa
        Page 395
        Page 396
        Page 397
        Page 398
        Page 399
        Page 400
    A representacão Portuguesa
        Page 401
        Page 402
        Page 403
        Page 404
    O regresso a patria
        Page 405
        Page 406
        Page 407
        Page 408
        Page 409
        Page 410
        Page 411
        Page 412
    Table of Contents
        Page 413
    Indice das gravuras
        Page 414
        Page 415
        Page 416
        Page 417
        Page 418
        Page 419
        Page 420
Full Text

Pedro JMuralha
TERRAS DE AFRICA


MOQAMBIQUE
E RAND












TERRAS DE AFRICA





PEDRO MURALHA


TERRAS DE AFRICA


MO9AMBIQUE ERAND


COMPOSTO E IMPRESS NA


IIJ

PUBLI .CI TAX
RLUIZ DE CAM&ES,22-1:0.
'LISBOA


gm,'000000.
po."'000'.3 Q..



















PREFACIO



No moment em que se pretend p6r em duvida a nossa ca-
yacidade colonial; sdo bemvindos todos os trabalhos dcerca do
.nosso ultramar, sobretudo quando provenham da observacdo di-
recta.
Nem se pode descrever o que sejam as nossas colonas, sem
as ter visitado, corn o objective de as estudar no seu modo de
ser, nos seus recurs os, e no que ha a esperar delas, em face dos
Yesforcos que ali estamos empregando para as valorisarmos.
Foi o que feT o sr. Pedro Muralha, um novo, que se dispoT
.ao arduo trabalho de ir ds nossas Terras de Africa, coino cha-
ma ao seu estudo, pora nos diTer, cor verdadeiro conihecimento
de causaa, o que elas sdo, o que ali estamos fa{endo e o que 'elas
deevem vir a ser, em resultado do nosso empreendimento.
Ndo quit falar delas, unicamente pelo que aprendeu nas
cobras da especialidade. Fe{ mais, como dissimos: foi visita-las
cor olhos de quem sabe ver, para nos transmitir as suas impres-
.s6esfocadas na direct observacao. Conseguiu o seuintento, cono
os seus leitores hdo de reconhecer.
Pela complexidade dos problems que na provincial de Mo-
.cambique se nos antep6em d nossa consideracdo, ndo d trabalho
de pouca mo*ta o do autor.
Jd vimbs o que.nos relata cor tanta singelesa, como convic-
cao, dcerca das duas mais importantes coloinias da Africa Oci-
dental: S. Tomd e Angola. Agora cabe a veq a Mocambique, ver-
dadeira joia da Africa Oriental, que encerra em si alguns dos
-nais belos portos do mundo, pelas suas naturals condic6es.



















A Provincia de Mocambique, a nossa segunda colonial em
extensdo territorial (763.00 quilometros quadrados), encontra.se
numa situacao muito especial, em conseqnencia de ser uma colo-
nia de acesso aos territories britanmcos, que hoje a envolvem por
complete pelo note, oeste e sul. Aos seus portos, exige-se-lhes
uma preparacdo de apetrechamento superior, muitas vexes, aos
fins que visam, isto e, dar uma passage rapida ds importac-es
e exportac6es, nem sempre correspondents ao pretendido mon-
taniede trafego. Ainda se este nos fdsse garantido em quantidade,
poderia entdo haver direito a reclamar-se o apetrechamento ade-
quado ao transit das mercadorias em larga escala.
Efectivamente, na faixa costeira que, uim pouco ao sul do
Zambeqe, forma uma parte da nossa colonial, acham-se interca-
lados dois portos de transit, sujeitos a exigencias de utensilha-
gem: Lourenco Marques e Beira.
Sdo eles a melhor entrada para server ndo s6 a Provincia
do Transvaal, como a Rhodesia. Em ambos, por nosso lado, se
fiyeram e fatem preparativos para correspondermos ds necessi-
dades dos nossos viginhos, que ndo deixam de ser bostante exi-
gentes, como aludimos.
Viu tudo isso o autor das Terras de Africa 'e mais notou a
influencia portuguesa em today a nossa Zamberia. Influencia pro-
veniente da findacdo dos Prazos que, como era de esperar, se
teem aperjeicoado na sua organqacdo e administracdo. Foram
de sua origem urn sistema de coloniTacdo, para assegurarmos
uma Iona de penetracdo portuguea vela colonia de planta-
cdo, unica em toda a costa oriental de Africa; de sorte que,
a Zambeqia d uma colonial de accao genuinamente portu-
gueqa.
Nado se diga, sem erro, que os portugueses ndopossuem apti-



















d6es colonisadoras, m6rmente atentar-se ao que no passado e no
present hdo feito.
Andlogamente operdmos em Angola, corn respeito d pene-.
tracdopelo Cuanga, onde, apoiados nos celebres Prezidios, estabe-
lecemos as grandes fazendas que produrem o melhor cafd e outros
generous coloniais. Isto para ndo nos alongarmos em demonstrar
que tivemos e iemos um sistema colonial, que nos den S. Tomed e
Principe, unicamente devido ao esfdrco portuguds; Mossamedes,
cow o seu planalto e CPorto Alexandre, que slo centros tambent
genuinamente portugueses, bem como Cabo- Verde que povodmos,
pora s6 falarmos de Africa.
Em paises intertropicais nenhuma outra nacdo colonial itada
nos excedeu, sobretzudo se compararmos as nossos recitrsos cor
os de algumas dessas nacoes.
0 livro Terras de Africa tern naocasido oportuna, porque
precisamos desfayer a lenda, que se quere unpingir, da nossa in-
capacidade colonisadora, tendo em mira desacreditar-nos corn
intuztos que a 'ninguem iludem.
Necessitamos trabalhar em prol das nossas colonies, faTendo
convergir sdbre elas a alencdo public, pela conferencia, pelo
journal e pelo livro.
Muito poir elas jdi temos feito, mas muito ainda ha a faTer,
e ndo nos faltam para isso estudos e projects; o que resta e le-
vdl.os d prdtica. Ndo possuindo largos capitals para as grades
explorac6es mineiras, para construfdo de caminhos de ferro,
para obras hidraulicas, d para a agriculture que nos devemos
dedicar, deixando ao capital estrangeiro aqueles empreendimen-
tos, cor as devidas segurancas e garantias.
A construcao pelo Estado dessas obras e tardia e morosa, e
send, como e, precise andar corn rapider, recorramos aos espe-



















cialistas estrangeiros para a sua execuf~o, o que ndo quere diver
que se exceptuem os nacionais, qua'ndo os haja devidamente habi- .
titados.
Responderemos assim ds repetidas investidas que e estao
dando ds nossas colonzas, a Jim de Ihe opdrmos uma varretra onde
se inscreva o que temos empreendido em abono da civilisafgo e
colonisacpo das nossas provincias ultramnarinas. Urma dessas bar-
reiras mais eficazes e a do iivro, que largamenite se difunda por
toda a parte, mostrando o nosso trabalho colonial.
As Terras de Africa, estando nesse caso, sao uma exposicdo
clara da nossa accdo colonisadora e teem uma flagrante oportu-
nidade.


Ernesto de Vasconcelos.


.-. Julho, 1925.



















EM CAPE-TOWN



A CIDADE DO CABO E JA HOJE U.MA LINDA CI-
DADE EUROPEIA

Eram 3 ihoras a bordo e f4!em terra, quando o vapor An-
gola chegou em frente do porto de Cape-Town. O barco nao
poude entrar no porto, porque todos os cais estavam torados.
S6 as 16 horas, um vapor ingles, cor destino India, deixou o
espago que, moments depois, toi ocupado pelo paquete portu-
.gues, que aqui havia de meter 5oo toneladas de carvao.
Desde o dia 18 que navegdvamos sempre para o sul. A nos.
sa entrada a bordo causou certa alegria. E n6s tambem nos ale-
-gramos imenso. Eram caras nossas conhecidas. 0 sr. comandante
Alberto Harberts, que teve a gentileza de nos mandar reservar
uum lugar d sua mesa; o sr. imediato, Eugenio Ribeiro, os pilo-
tos Manuel Rodrigues, Balanqa Branco, Antonio Esteves, e o
praticante Souza Tudela; o medico de bordo, Peso Lopes; o Co-
missario Silva Cardoso, que nos dispensou um amplo camarote
para piodermos trabalhar; o seu ajudante Macedo .e Menezes; os
telegrafistas Pontes e Pinto da Silva, emfim, eram pessoas ja nos-
sas conhecidas, incluindo todo b pessoal de meza e dos cama-
:rotes.
E entrAmos no Angola, com a mesma liberdade com que
-entramos na nossa casa. Apenas extranhamos os passageiros.
.Eram cars completamente diferentes, a nio ser o sr. dr. Anto-
nio de Miranda e sua esposa, que o acaso nos fez encontrar na




(i~s*l~'`xs
i
I1

I'
b'
k; '

;

r
::
r
a
r.


SVila Arriaga. Todos os demais passageiros eram pessoas muito.
ilustres, completamente nossas ~ descothecidas, mas que re-
ceberam este novo companheiro com um sorriso benevolente- nos
labios.
E E.ds ro' l o vapor levantou ferro., Dal a poucas horas pas-
savamos per Porto Alexandre, e, mais adiante, a Bafa dos Tigres.
A' noite o nosso aroavel creado deitou-nos na cama mais urm
belo cobertor. Pois nvo ianios ,6s em frente de Cabo Frio?


~C, .APE TOWN- A' linha ferrea atrav6s'asmontanhas


S'Logo aees. ndite-notldiios urn grande melhoramento a bor-
d' ."A -saltdtffa~iio f4ra beneticiada. corn un aparelho de telefo-
Snia seu .'.fibb. E. -apezar dos atmosfericos,. foi-nos dado ouivir a
Sin/opia Pa Dfica, tocada magistralmente em Joannesburgo.
--E agora ja nio.estamos isolados do mundo,- nos disse-
":'ortel ggrafista Joaquin Pates. .
E,, eravvetdade. Agora jd..vaibs .bem em comunicaio com o
grande mundo. Ou o progress nao fosse um factaobem positive.
Mas o que a bordo ainda nos causou alegria mais intensa foi


o1 MO(CAMBIQUF E RAND








fi ll"IIIIIIIIIIII
'' L e-. ,., ~.:
: -~
~C~q('- i


CAPVTONWN Um panorgrm


I




*1I
I
-~I-


: k :-* Z m. -








12 NIMOAMRIQUE f RAND.

quando vimos na nossa frente uma garrafa cheia de agua de Lis-
bja. Quantos copos bebemos, nao o sabemos. Durante meses
,consecutivos tomdmos agua da c8r do chd.,Bebemos aguas de to-
dos os rios de Africa, do Bengo, do Cuanza, do Lucala, do
Cunene e, emfim, de muitos riachos e lag8as existentes na
grande Angola.
Um copo de agua do Alviela ou das aAgutas Livres, caso
para nos fazer entusiasmar. E n6s nao ocultAmos o nosso grande
entusiasmo. Pobres coloniais! Eles sao uns autenticos herois.






A's '7 horas, o gAngola atracava. A primeira .pessoa a. en-
trar a bordo foi o sr. Wirt. Ia d nossa procura e foi o sr. coman-
dante quem nos apresentou.
Metidos num below automovel, seguimos para o centro da ci-
dade. Logo ao navio ter atracado n6s notdmos a grande impor-
tancia da cidade pelo seu porto. Navios enormes como os da
4Castle3, all estavam atracados. Divisavamos um oceano de cha-
mines das varias embarca96es encostadas aos numerous cais ou
metidas nas docas. Fez-nos lembrar o porto do Havre.,
Do porto a cidade 6 mais de um quilometro, todo preen-
chido por grandes armazens. Depois entra-se na cidade, com uma
vida tio inensa como qualquer das grandes cidades europeias.
Grandes carros electricos, assim como enormes comboios, cor-
tam constantemenie a cidade em todas as direcq6es. Rapazes
-correm ligeiros apregoando o Cape Argus*, um diarto do for-
mato do nosso *Diario de Noticiass, mas cor 16 paginas, muitas
Sdas quais ilustradas. A r-oa principal parece-nos um dos mais
movimentados boulevards, de Paris. Enormes estabelecimentos
corn grande montras, dentro das quais toda a diversidade de
objects e alguns duma beleza encantadora. I
0 sr. Wirt mostrou-nos um Banco. E'o aStandard Bank of
South Africa,. Nao existe em Lisboa nada que se Ihe compare
em grandiosidade." Depois, fomos ao correio. E' um edificio co-






TF"R"As lE AFRICA 13

lossal, cor urn movimento proprio duma grande cidade. Segui-
damente, entramos nura casa de chd. -S6 nos record 'ter
visto outra igual em Berlim. A ~puito costo-conseguimos logar,
Aquelas vastas sakts estavamn apinhadas de genre', na sua maiohia
senhoras, vestdas segundo os turimos figurinos.
Mas aqui vive-se, pensavaimos.
Quem vem da cossa Africa Ocidental, onde esteve alguns
meses, e caiaqui,..chega a julgar-se duma raa inferior.
-.Mas isto e Africa?- perguttavamos cohstantemente para o-
dr. Miranda, 'que ambem nos actinpanhiava. '.















CAPE-TOWN- Um-s rua

S--E p ao pbder dalhbra, meu amigo.
A's i& horas -em pdoto, todo o cnomercio fecthou corn edorme-
magua da esposa do sr. dr. Miranda, que havia visco em deter-
minada montra urn vestido que era umn encanto.
SMas... vainos para bordo. Sio horas de jantar. Ji levalmos
dois cabazinhos de grandes morangos que cusiaram i shillings
ao sr. Wirt. O sr. dr. Miranda comr3. libras vai &ceio de em-
brulhos, cor pena de ij star tudq encerrado, e nos tanbemn p&;
sarosos pbr nao terms adquirido uma boa gabardire pbr 4 libras,
e uns sapatos.de lona brauca por 8 shillings 'e 6 pences.
A' s 2zhoras, porem, jd estavamos de volta. Dirigimo-nos ao



































a1:
4
U














-1. ~ ~C'APe-ToWN Vista geral





'- / 7.
I- -; -' -







STERRAS DE AFRICA 5


Alhambras e pedimos bilheteq de entrada. Era um animatografo
que, a avaiar pelo exterior, devia ser dum grande luxo. E a.
missi veidedora de bilhetes de- entrada, com um sorriso nos
labios, advertiu-nos:.
-Senhores. Este animnatografo ji principiou ha bocado.
Alm existed outro que comeqou a trabelhar mesmo agora.
E para 14 nos dirigimos.
-Films- americanos, duma nilids prodigiosa. O salto e de
um luxo como em Lisboa nio existed em capss congeneres. Mai


-... ., I .


CAPE-TOWN -Um aspect


o public talve. seja em parie tao estupido como o public dos
nossos animatografos dos bairros excentricos. Pois nao dava este
public palmas em certos episodios do Cfiliht ?
Mas este findou por f6rma que' a todos deixou, saligfeito.
cA vingao a a o prazer dos deuses., e o public do6Cabofficou
satisfeiro por ver que a vinganga havia triupfado.
E agora, tal qual como uns bo&s boemios, vaoaos para a
feira. Trisiezas nio pagam dividas. E abal4mos para umn recinto
muito iluminado, um Luna Parquep de Berlim ou umilrMa-
gestic* de Paris, em ponto reduzido.


~pi~"~l*a~YF~I~HBB4~$~PIC*aBBRZIB~C~g~' --


.. ,.


1 I:"sr ri
i~ -
'
,.c~.-~jr, ~.


"'


c
r


1~
i

'

'i


1
~'' L

Y


L I.


.i~: i..




I









r
E





I',









r







S *
t' 1. :

'


b~i~u~-n*E"~sm~-~l~~:~~r-~~

L


1()(CAMFIQUF F RANW,




- :J.. ; -4 .~ 4bie
.Y i rl~


CAPE-ITOWN-. Avrstruzee


E uma diversickdet ent de divertimedios atraia as vis-
tas dos forasteirps. ;
A' media noihe regressavamos a bordo. A meio eaminho, po-
rdm, ouvimos uia voz avinhada, canrando o fado:

SNio ulguem :os gloeses
Que cprmtnm oa parnguesecs.

Era.um mogo de bordo do -Angola*. Divertia-se a seu modo.




CAPE-TOWN, 22 DE DEZEMBRO de 1924


-tji' '~T .. ~~ -. .* ;~

















NO MAR DAS INDIAS":


COMO PASSAMOS O NATAL A BORDO DO (ANIGOLA,
- E' LONG DA FAMILIAR QUE NOS NOS LEMBRAMOS
: DELAY COM MAIOR SAUDADE! ,

Mas e este o Cabo das Tormentas? Foi por aqui que Vasco
da Gama, ha precisamente 414 anos, com os maiores.sacrificios,
cor inumeras perdas de vida, tomou o caminho para a India?
Jat dobrdmos o Cabo da Boa Esperanqa e o Cabo das Agu-
lhas; jA tomdmos o rumo do oriented. Lt estd Port'Elizabeth,
mais adiante Durban e, todavia, parece que navegamos num mar
de rosas. Nem a mais leve ondulagoo,'apesar de ha.quasi dois
dias singrarmos no mar das Indias, a uma distancia da cidade
do Cabo de mais de 700 milhas. Consequentemente, daqui a
too milhas 6 Lourenqo Marques e estaremos novamente em ter-
ritorios que nos pertencem, onde a gente se compreende e onde'
as leis portuguesas vigoram.
Mas nao vamos n6s em terra portuguesa? Toda a gente que
nos rodeia nao fala o mesmo idioma, nao pertence a mesma ra-
ga, a essa dos bar6es que ha 414 anos, em frageis naus cuja ener-
gia era o vento, sulcaram estes mares, em procura de grandes
conquistas, fazendo tremular por todas estas costas de Africa o
pendao das quinas?
Deixaram outros portugueses, que sucederam aos grades
navegadores, que se perdesse grande parte das suas descobertas?
Mas sera o tempo element corn forqa de fazer apagar das pagi-
nas da historic universal os nomes dresses grande herois que de-







18 'MOZAMBIQUE E RAND

ram l sua Patria toda a sua energia, toda a sua vida? HaverA
alguem que, corn razio, possa p6r em duvida as qualidades co-
lonizadoras daraga portuguesa? Quem fez 6 Brasil? Quem estd
fazendo Angola, grande pais em formacqo? Quem fez expandir
Mocambique ?
Dizem certos portugueses estupidos ou desnacionalizados aue
os progresses da provincia de Mogambique se devem aos ingle-
ses, e isto porque na nossa Africa Oriental ha muito dinheiro
ingles espalhado na agriculture, no comercio e na industrial. Mas
isso que importancia ter para se hesitar sobre as qualidades co-
lonizadoras da raca portuguesa? Por acasD ter o capital patria?
Capitais portugueses nao se encortram tambem espalhados em
industries varias e em today a parte do mundo?
O que Portugal tem sido 6 um pais sempre com falta de
recursos, e para as suas grandes iniciativas ter que recorrer a
capitals estrangeiros. De resto, nao somos s6 n6s que assim pro-
cedemos, O proprio Brasil, pais alids tao rico, IA tern no seu
comercio e na sua industrial grandes capitals portugueses. O
mesmo se da na Europa, onde portugueses capitalistas sao se-
nhores de grandes empresas estrangeiras.
Mas vamos vogando para a nossa:costa oriental. LA entLo
faremos um trabalho de analise com o fizemos em Angola. En-
tretanto, descrevamos as nossas impress6es sobre factos passa-
dos a bordo, vida quasi sempre monotona, pois as impresses
que se .sentem num dia repetem se em muitos dias consecutivos.




*' ,



No aAngolaD seguem umas 400 pessoas, entire passageiros e
tripulantes. E' uma povoaqdo flutuante que vai sulcando a i3 mi-
lhas a hora estes mares de Africa.
E toda a gene se preocupava cor o Natal. Como poderia-
tnos passar esse dia long de nossas families? Natal! Como ha.
viaiaos de passar essa festa universal,-. festa da familiar, aquela







,TERRAS OE AFRICA t9g

que mais nos fala d alma, e que nos faz lembrar tantas e tao gra-
tas recordaq6es? Se fosse possivel fazer desaparecer do c4lenda-
rio essa data, .t-lo-iamos feito. 0 nosso feroz:egoismo levava-'nos
ao desejo de nio querermos que este ano houvesse Natal.
Pois como se compreendia que milh6es e milh6es de pes-
soas es ivessem ji to de suas families, emquanto n6s estavamos
separados dos entes queridos pela imensidade do Oceano?Mas,,
estas 4o0. pessoas que navegam no mesmo barco encontram-se em
igtaldade de circunstancias. Todas estio long das familias,.to-


-,. .. ,. .- -*,.












Vapor .Angola


-das sentem despertar neste dia a nostalgia da sua Patria e as
-saudades dos seus entes queridos.
Que remedio senao resignar-nos uns cor os outros e sup6r
que presentemente toda a nossa familiar, todo.o nosso mundQo
constituido.por' esta gente que segue a bordo, muita da qual nunca
haviamos visto, mas que consideramos ji pessoas de familiar, visto
,sofrerem do :;riemo sotrimento'que nos atingiu a p6s.
E a direcg~o do.vapor, compreendeutio bem esta situaio
que tanto o sr. comandapte, com o sr. imediato do navio, e es.-
aforgaram comrinumeras gentilezas para nos fazer atenuar as sat
.dades que a todos contaminou.








2o MOqAMBIQUE E RAND

Assim, na noite do dia 24, ja o vapor trava ehm festa. O deck da i." classes estava vistosamente orna-
mentado comr bandeiras; a sala de jantar da 2.* classes tambem
estava muito ornamentada, vendo-se ao centro uma arvore do
Natal.
Quizemos ver como o pessoal trabalhador do paquete feste-
java o Natal. E fomos ao conv6s. E' ali, no meio daquele povo,
que existe talvez o maior sentiment pela festa que se come-
mora.
Todos os aposentos desses rudes trabalhadores estavam en-
feitados cor bandeiras, duns para os outros,beliches ornamenta-
96es vistosas. LA estava hum cubiculo uma guitarra, cujo dono
mataria as saudades fazendo gemer essas dolentes cordas, que
tanto falam i alma do pov6 portugues.
Meia noite. Os passageiros de I.a classes abalam todos para
a 2.*, a fim de confraternisarem cor estes. Um home alto, de
grades barbas brancas, que passageiro algum ainda havia, visto
a bordo, chega ao meio da sala e. pondo no chgo um enorme ca-
baz, que conduzia as costas, comega a distribuir brinquedos pelas
criangas. HE hilaridade, ha lagrimas vertidas por aqueles cujas
criancinhas qtieridas se encontram para alum de 6mil milhas.
Alegria e choro. O que mais seria necessario para fazer vibrar a
sensibilidade daqueles que ha longos dias sofrem a mesma mo-
notonia de sempre ? Alegria para ub's, principalmente para a pe-
tizada, delirantemente entusiasmada perante os seus brinque-
dos.
Choros, ou pelo menos opress6es de coracgo, para aqueles
que tambem teem filhos e que na festa do Natal nSo os podem
v8r, porque o Oceano os separa.
E finda a entrega dos brinquedos as criancas, por aquele que
surgiu das ondas do mar, aquela simbolica figure de Santo Claus
enviado do Menino Jesus, procedeu-se ao terceiro numero do pro-
grama das festas.
O sr. comissario de borao mandou que A meia noite fosse
: fornecida ceia aos passageiros das tres classes, assim como a toda
a tripulaioAo. 0 amenua da i.' classes consistiu em'canja, baca--
Iliau cosido corn hortaliqa, pelrd com arroz, frutas, doces, etc.
E em cada mesa os passageiros se saudavam, desejado no,







TERRAS DE AFRICA 21

maxirpo que se podia desejar : felicidades e boas festas para as
families ausentes. Emquanto a genre nova, A forga de danqa, ma-.
tava a noite, os velhos ou os mais recatados recolhiam aos seus
camarotes.


*


0 dia de Natal, por6m, amanhecera chuvoso. Era bem este
o Natal da nossa terra. Dia interminavel. Dia sem fim. 0 jantar
decorreu animado. Fom um jantar de gala, corn o competent
Champagne e o traditional perd.


CAPE-TOWN Cultivando o milho


Mas a festa que a bordo mais nos sensibilisou foi aquele jan-
tar do pessoal da primeira cama.a. Vieram-nos convidar para as-
sistir a essa festa intima, muito modest, mas bastante entu-
siastica. A essa festa assistiram, alim dos despenseiros Manuel
J. Cabral e Manuel Gomes, o enfermeiro Jogo Coelho, o tipo-
grafo Januario da Cruz e o barbeiro Adelino Gomes, os seguin-
tes creados da I.a camera: Leopoldo Iglezias, Eugenio de Oli-
veira, Alfredo Sim6es, Antonio Rodrigues, Joaquim Barroso, Joa-
quim Sobral, Mario Taboas, Alberto Lopes, Julio Lopes da Fon-







|-o aMO'AMBIQUE 9 RAND

seca, Jos6 Ricon, Afonso Costa, Antonio Monteiro, Josi Gil, Abel
S Calado, Jol~ da Mota, Francisco Sim6es, Jos6 Morgado, Hum-
1berto'deBarros, Manuel Simas, Bento'Truyteiro e Jose Amoral.
Brindaram por todas as families ausentes, pelos oficiais do
paquete, pela patria distant, pela imprensa poriugresa.
Repetimos: foi a festa mais modest, mas mais entusiasticaf
que se fez a bordo do tAngola*, no dia de Natal.


BORDO DO ANOOLA, 26 DE DEZEMBRO DE 1924.


L. ., O .M.A Um".. s t.., do








LOURNCO MARQUES Uaspecto do prto
I.












LOURiNCO MARQUES Urn aspect do poriy



















LOURENCO MARQUES



JULGAMO-NOS TRANSPORTADOS A UMA DAS
MAIS BELAS CIDADES DA EUROPA- UM PORTO
QUE RIVALISA COM OS MELHORES

Mal os primeiros alvores da madrugada haviam penetrado
pelas vigias do ncsso camarote, ja nao conseguiamos dormir.
Porqu8? 0 navio tinha deixado de trepidar. N.o havia duvida!
0 "Angolai estava parade. Trattmos de aclarar as ideiss. De
fact, o palacio flutuante que nos conduz devia chegar de madru-
gada ao nosso primeiro porto da Africa Oriental.
Saltdmos da cama, para nos certificarmos da verdade. E pela
vigia vimos muito proximo terra.
Vestimo-nos A press; subimos ao "deku e quedamo-nos ex-
tasiados perante um scenario encantador..La estd Lourenco Mar-
ques. Mas.. faz precisamente dois anos que n6s vimos scenario
identico. Foi quando pelo rio Elba passamos em frente de Blan-
ckinrse. Aqui, como Ia, venm-se os vchalers,, semeados entire mas-
sigos de verdura. Nao tem Lourenqo Marques o mesmo upasse-
partout) de um verde muito brilhante, que torna a cidade alemar
uma das mais encantadoras estancias ?
Mas isto 6 nosso? E 6 Portugal um paiz pequeno, quando,
desde ha 4 mezes, nao encontramos senao dominios nossos, e
depois de percorrermos 8 mil quilometros por terra e 6qI5 mi-
lhas por mar vimos encontrar uma cidade, que, a avaliar por este
panorama, 6 uma das mais lindas do mundo ?!







24 MO(AMBIQUE E RAND

E, em face do pam rana que se estende perante a nossa
vista, perpassam-nos pelo pensamento various episodios da histo-
ria patria, relativamente a cidade que estamos admirando.
Tantos e rantos portuguezes aqui, ao serving da Patria, tru-
cidados pelos nativos! Jolo Queiroz'em i5o5, e desde entio ate
quasi aos nossos digs que vidas de portugueses aqui sacrificadas
para o predominio de Portugal nestas paragens!
Antes de se, chamar Lourenco Marques, denominava.se esta
regiao Baia da iLag6a, motivo porque os ingleses Ihe chamam



". -














LOURENCO MARQUES-- O port de embarque

EDelagoa: Bay). Quem deu o poimeiro impulso a Lourengo.Mar-
ques foio D. Joad ,I r que' mandou ali coastruir umna fortaleza e
umaf~itioia-, em 554.
E durante muiros anos n~o entroa nesta baia um unico barco
portugues, razlo porque os ingleses para' aqui vieram fazer co-
mercio, assim como os hollandeses que, em 172t, se apoderaram
de Catembe, obrigando o Governo portugues a expulsal-os d'ali
pela forga das armas.
Enm 1777 os ingleses tomaram a regiao que hoje 6 o distrito





A-, Ir -*r~w ,~'t ":1 flt~I


TERRAS DE AFRICA 25







| f '. .. .:.. .. :- .. .......- .. -


;b~J~ ,ra~a~r~r~::~r~~ruu wan;
$;i


"j~~* -? 1 ;-

-;. s -- ~lr-nn ~ ... t
f '"'"'"; 4


LOURENQO MARQUES-- 1. Capitania do Porto. 2.0 Alfandega
3. Reparti go de Finanmas








26 MO(AMRIQUE E RAND

de Loureno .Marques, estabelecendo aqui forqas militares, arti-
lharia, comandada pelo tenente-coronel William Bolts. Mas, nesse
tempo, Portugal tinha forqa para se bater com a maior potencia
do.mundo. Nio foram as forgas inglesas expulsas daqui quatro
anos derois pela expediqio que veio de G6a, comandada pelo te-
nente-coronel Godinho de Mira?
NLo foram arrazadas as fortalezas e as feitorias que os in-
gleses haviam mandado construir?
Os invasores expulsos trataram, porem, de fomentar revoltas
indigenas, guerras que se estenderam ate ao fim do seculo pas-
sado/A guerra corn os vatuas, em i833, foi formidavel. O gentio
saqueava e incendiava tudo. O presidio foi destruido e o gover-
nador Dionisio Ribeiro, trucidado. Depois veio a guerra do regulo
Amule, em 1868, que o heroico portugu8s Sa e Simas .jugulou
corn uma pequena forca, e, por ultimo, jd nos nossos dias, 1894-
1895, assistimos a tremenda guerra com o Gungunhana, que o
heroic Mousinho de Albuquerque fez terminar em Chaimite,
aprisionando o perigoso regulo, que remeteu para o forte de
Monsanto, em Lisboa.
Mas os ingleses, emquanto metiam os naturais a bulha, nao
descuravam o usurpar os nossos territories.
O capital britanico W. Owen, cor o pretext de levantar
uma carta para a navegagao, entrava aqui em 1822 e em nome
de Jorge IV fez tratados cor o regulo de Maputo e ouiros.
Trinta e nove anos depois chegou & baia de Lourenco Mar-
ques um navio de guerra britanico, do qual um official se apresen-
tou ao governador portuguez cor um papel qualquer em que de-
clarava que o comandante desse navio ia para tomar posse da
aIlha da InhacaD, afim de ficar fazendo parte do Natal.
Como, por6m, nao f6ssem atendidos, 8 anos depois foi avi-
sado o governor portugues de que a corveta instruq6es para arvorar a bandeira inglesa nesta ilha, em que nao
chegou a fluctuar um ano, visto SA e Simas ir a Inhaca, d frente
duma forqa de artilharia, e reconquistar a Ilha, direitos que
nos foram reconhecidos em 1875 pelo president da Republica
Francesa, Mac Mahon, arbitro nesta contenda.
E' sempre bom rememorar a historic, para que ella nos sirva
de licao para o future.








TERRAS DE AFRICA


27,'


27,


Eram 7 horas quando o aAngola atracou. A nossa admira-
qoo aumentava de moment para moment. Temos visto muitos-
portos, mas a nio ser o de Hamburgo e o do Havre, ndo conhe-
cemos ;penhum superior ao de Lourenqo Marques. Sto ceroa de
i,5 quilometros de porto, e o seu caes acostavel pode receber os
navios de maior tonelagem. Os comboios atravessam todo o porto,.
o qual tem, paralelamente, uma larga e bern iluminada avenida,.
Uns 24,guindastes,: eleltricos, A.degrande, potenaia, giramnconstan--


LOUREN(O MARQUES Outro aspecio do porto


temente ao long do caes. LA adiante, passaia a porta 5, tern
duas carvoeiras, formidaveis, uma das quais pega no vagon cor
o competent trogo de linha, eleva-o e faz despejlo. no fund
dos por6es,.,podendo carregar 6o00 oneladas por hora. Onze gran-
des arniazens para depositos esto junto ao caes, alini de um
grande armazem destined) As'mercadorias em transit e outro
para o Estado. Estes armazens abrangem urma superficie de 18oo
metros quadrador. Tem ainda um outro armazem destinado sim
plesmente a receber bagagens. Existem no porto edificios corn
estaQao telegrafo-postal e telefone. Logo que um vapor atraca &:
colocado um aparelho telefonico para ficar ligado com a cidade.


'= ~1
lr
:e




.rf,







28 MO(AMBIQUE E RAND

Tern o porto uma geradora electric, servida por duas ma-
.quinas, marca cBelliss H. P.), assim como duas caldeiras:,tipp
(Baboak,. Ter um relogio com a hora official, assim como urn
iampeao, que acende de tres em trs .horas para que todqsos na-
vios acertem os seus relogios.
Disp6e de tres rebocadores, send um de.alto mar, reboca-
dores que possuem bombas para a extinqdo de incendios.
Tem tambem varias docas, uma das quais com capacidade
,para navies de 1200 toneladas. Estas docas possuem bombas cen-
trifugas para esvasiamento rapido .
0 que mais dizer do porto de LourenCo Marques ? Que,
.apesar do seu grande movimento, especialmente. carvao, ele se
encontra permanentemente limpo,' parecendo que nao existe mo-
vimento algum?
E um grande porto, em qualquer parte do mundo, este de
.Lourengo Marques.
Quern nos dera que Lisboa possuisse um porto assim.






As 6 horas fomos para terra e, em menos de i5 inutos,
-encontramo-nos no centro da cidade commercial.
A rua Consiglieri Pedroso ea Praqca 7de Marqo sao as ar-
terias mais concorridas da cidade, poseuindo estabelecimentos co-
lossais.
A cidade ainda conservava as ornamentaq6es dos festejos co-
memorativos do centenario-de Vasco da Gama.:Na praqa 7 de
Marqo Id estava a cdpia da nau ((S. GabrielD, a.servir de coieto.
Ao lado ergue-se a Torre de Belem, trabalhada em... pape'lo.
E todas as montras se encontravam ornamentadas a capricho,
algumas corn bastante arte.
A populacIo de Lourenqo Marques 6 cosmopolitan. Mas a
maioria, a nao ser os naturals, e portuguesa, a seguir a in-
Sglesa, e depois os m6nhis. Existem tambem muitos chineses, gre-
.,gos, turcos e franceses.







TERRAS DE AFRICA .. -


LOURENCO MARQUES -.1.0 Praia da Polana. 2.0 Hora do batoho
na praia da Polana. 3. Polana Hotel






3o MNO(,AMBIQUF E, AND

A Lnao-ser o comercio portugues, a maioria 6 comerciode
Sm6nh&. Esta invasio 4 terrivel.
Pela parole baix.: da cidade. o usual meio de i~orduiOo,,a nIo
ser nos carros electricos que andam sempre apinhados, e 6 Ro-
ckshaw. Este 6 umn carro egipcio, com umas rodas muiro gran-
-des mas' muito leve, g qual 6 puchado por um..preto! Parece im-















LOURENCO. MARQUES As carvoeiras

'possivel que uma cidade imoderna, tomo 6 Lourenqo, Marques,
:ainda tenha esie meio de condugo.
Mas, tomando urn elictrico, tirdmos bilhete para a Polana.
SE' aqui que se -valia a importancia de Loureno Marques.
Largas e compridas avenidas se cruzam emi todas as direcc6es.
E' uma rede enorme de avenidas, cuj.s predios sLo todos eni tipo
chalet com o seu jardim A frente. E todas essas avenidas, profu-
-samente iluminadas, s .o mais extensas do que a nossa avenida
da Liberdade.
S-Passamos ao Polana Hotel. Nao ba nenhum. eo Portugal
comrn raanha grandesa. Bastante caro fica ao Estado.
SLa em baixo, estende-se a encantadora praia da Polana. :tma
Sestrada de asfalto serp.eteia a momnanha coberta de floresta vir-
gem. E' esta estrada, uma das mais encantadoras que temos per-
-corrido, que hos leva A praia. Uma vez ali, aumentou a nossa du-
S- v ida, se estariamos em Africa ou nalguma das mais lindas praias







TFRRAS DF AFRICA 31


da Europa. Um aBar), opde toca umahanda regimental e onde
mais de 50 pares dancam. Muitas dezenas de mesas estao ocupa-
das, numa animagCo extraordinaria. Em frente, centenas de ba-
nhistas regalam o corpo, torturado por uma temperature que es-
calda.
De um grande estrado, colocado no meio da baia, cor mais
de 5i'metros, os banhistas atiram-se como peixes, dando alguns
saltos mortais no espaqo, e desaparecendo durante alguns segun-
,dos na profundesa destas aguas limpidas.


,
S.* *



SMas quenm vem de Angola e pisa as terras da nossa Africa
Oriental, m6rmente Lourengo Marques, nao deixa, como nos, de
se entOsiasmar e de pensar que a Provincia de Mozambique e
bastante rica, atendendo a grandeza da sua capital.
Por certo aqui. se trabalha e se produz muito para este tio
grande desenvolvimento, pensavamos. Mas que triste desilusao a
Snossa quando compulsdmos o boletim das alfanderas e conclui-
mos por extrair dali os numerous cor que orgadizamos o quadro
seguinte:

MOVIMENTO COMMERCIAL DA PROVINCIA DE MOCAM-
BIQUE NOS ULTIMOS TRES ANOS

1921 1922 1925

Comercio geral................. b20.922.005 Ib. 15.600.868 lb. 18.059.705
ImportacAo para consumo..... Ib. 2.616.194 lb. 2.187.580 lb. 2.529.509
Exportacao national e Nzda.. lb. 1.984.277 lb. 1.494.722 lb. 1.576.612
(Deficit,.... ................ lb. 651.917 lb. 692.658 lb. 752.697

Quer dizer, o deficit ter aumentado de ano para ano, e
nos ultimos 3 anos o deficit foi de lb. 2.077.272.
E' brutal este deficitt,. Mas, como se ve aqui, uma cidade







32 MOCAMBIQUE E RAND,


a nascer cor tamanha opulencia? Teem as
tado?
Vejamos os numerous:

1916........................... ...... ..
1917.............. ......................
1918.....................................
1919......................................
1920 ..... ...... .................. ........
1921 ........................... .........
1922 ...................................
1923... ........ ....................


exporta;6es aumen-




52. 100 toneladas
60.608
36 5S6
59.513
64.456
71.878
65.163
62.748


Nestes ultimos tr8s anos, a exportaqgo ter aumentado pouco..
Como se compreende, pois, tdo grande progress nesta cidade?
Um amigo nosso falou-nos ao ouvido.
Ah, sim,-respondemos.- O Rand, temos compreendido,.
mas a verdade 6 q'ue toda essa gene faz falta na Provincia. E eu nao.
sei o que pretenderia: se todos os braqos ao serviqo da agricul--
tura, aqui, na Provincia, se o ouro que g Provincia chega todos
os anos do Rand.
Que, de resto, se se fizer a irrigagLo do vale do Limpopo
como poderemos n6s mandar gene para o Rand?
S5o 40.000 hectares de terra para cultivar. Se a m6dia por
um hectare 6 de 2 homes, sergo necessarios 80.000. Onde os ir-
buscar, se a agriculture na Zambezia jd luta tanto com a falta de
braqos?
O future o dird!


LOURENQO MARQUES, 27 DE DEZEMBRO DE 1924


















A BEIRA



O SEU PORTO, OS MEIOS DE TRANSPORT
E A COMPANHIA DE MOCAMBIQUE

-Mas por que razao esti o paquete parado?-perguntamos
ao criado que nos foi levar o caf6 ao beliche.
-Porque espera que haja mar6!
Efectivamente, s6 duas horas depois, isto e, as 8 horas, o
Angola conseguiu entrar na baia da Beira, onde f8mos encon-
trar grande numero de barcos ingleses carregando o minerio da
Rhodesia e da Katanga.
Disseram-nos que este ano vao comeear as obras do porto
da Beira. Ngo, e s6 uma grande necessidade. Um porto como o
da Beira, cujo movinento de entradas e de c8rca de 5oo navios
por ano, tern urn cais acostavel apenas para batel6es, e aos na-
vios superiores a 28 pe' s6 6 permitido entrar quando a mare
deixa. E isto por falta de desacorianiento, pois que, apesar desta
regigo ser uma como que nascente de area, a baia da Beira so
uma draga possue, faltas que parece vio ser remediadas porque
as necessidades do porto a isso obrigam. Todavia, a entrada da
barra esta muito bem balizada, cor boias luminosas.
As mercadorias sao descarregadas dos navios para os bate-
16es od vice-versa. Estes teem dois cais acostaveis e sao reboca-
dos por barcos pequenos a vapor.
Tern tambem o porto um excelente serving permanent de
barcos automoveis para serviqo de passageiros e bagagens, indo






34,


M1OQAMBjQUE E PAND


BEIRA-Rua da Vista


estes atracar a utna bela ponte em-cimento armado junto da Al-
fandega.
Para se pcder avaliar ber a importancia deste porto basta
publicar o movimento do ano find:
Navios eritradosi 472; carga descarregsada, r8.216,25 tonri
ladas; carga baldeaqo, 48.747,50; passageiros entrados, 5.7!7.
Npvios saidos, 466; carga carregad~,'64i.625 tonetadas; pas-
sageiros saidos, 4.532; baldeaflo, 47.892,5.


*




Na Africa temos muita familiar. J' mencionamos os tios que
encontramos na Costa Ocidental. Tambem na Costa Oriental te-
mos um tio. E' precisamente da nossa idade. Com ele f6mos
criados, mas o destino empurrou-o para aqui, para a Beira, onde
se encontra ha 25 anos, dando today a sua energia d Companhia
de Mo;amnbique, da qtal 6 empregado ha 23 anos.


I U'" FDVNM liIW WI-iS 917TYCf^ 'l''^~'I l'V^


"P~''""~E~`'";''~"Lc~~qp~~-~q;
~ : .~ ,







TERRAS DE AFRICA 35

E' Joaquim Pedro Muralha,-muito considerAdo aqui, na Beira,
pela nobreza do seu character e pela extrema gentileza corn que
trata toda a gente. Amealhando todas as suas economies de tra-
balhos forqados nestes tropicos abrazadores, conseguiu ver reali-
zada a maior aspiraggo de um home probo: possuir uma casa,
um palmo de terra onde possa viver. E' relativamente feliz? Nao
nos parece. Alm de que a vida aqui em Africa 6 estupenda-
mente cara, que felicidade pode ter um home que durante a
quarta parte dum seculd vive nestas paragens, a cerca de 12 mil
quilometros dis'ante da familiar? Este nosso parent e um hd-
mem extraordinario e digno de estudo. E' o prototipo do sa-
crificio.
Nasceu para o trabalho nas regi6es arrazadoras, e vive na
consoladora esperanqa de alcangar um dia a sua independencia.
Pois foi este nosso tio que nos foi buscar a bordo do cAn-
gola. Uma vez em terra, meteu nos no seu carrinho conduzido
por dois possantes pretos e fomos visitar a cidade. Estes carri-
,nhos sao muito originals e exclusivos da Beira. Como a cidade
assenta sobre uma lingua de areia, nao existem outros meios de
transport.
Linhas -decauvillest formam uma rede em toda a cidade,
a qual 6 compost pela rua Valsassina, avenida da Republica,
que tern 2 quilometros, avenida Roma Machado, e uma outrr ar-
teria onde residem os indigenes e os asiaticos e mais umas ou-
tras. Em toda a cidade existem mais de 5oo carrinhos, muiito co-
modos e muito ligeiros.
A cidade em si ter poucas edificaq6es dignas de menqco.
Dos edificios publicos s6 o tribunal e a cadeia se destacam. Esta,
.econstruida em cimento armado e mais parece um teatro do que
uma prisao. Naquele enorme edificio encontra-se, actualmente,
apenas um preso.
Todavia, os ingleses teem aqui habitaq6es muito regulars.
Temos a impressao de que a Beira e uma colonia inglesa. Os
c'aminhos de ferro sio ingleses, a maioria dos hotels ingleses, os
maiores estabelecimentos comerciais sao ingleses, o telegrafo 6
ingles.
Mas, apesar de aqui haver muita libra, apesar do porto da
Beira ser tao import.. a cidade tem pouco interesse e muita




- -


36 MO(AMBIOUE E RAND

falta de [comodidades. E, todavia, tern condiq6es para ser uma
das mais lindas e das mais progressivas cidades de Africa.


*



E' a Companhia de MoCambique uma das duas Companhias
magestaticas da nossa Africa Orieptal. A sua administragao, como.
tal, 6 autonomy, explorando todos os serviqos publicos e cobrando.


S8 A, Banco da'Beira


as respectivas receitas: Estas Companhias soberanas, se teem de-
feitos, teem tambem grandes qualidades.'
E' que todas as nossas colonias dao urn deficit enorme ao-
Estado.
Ao menos a administraj;o duma grande paete.da provincial
por, particulareA est4 livre desse ddeficiti, nid indo oneraro te-
souro public.
SA' Companhia Ae Mobambique poqsue a quarta parte dos ter-








TERRAS DE AFRICA 37

ritorios.da' rovincia. Sio 25..o72 quilomnetros quadrados os seus
dominibs. Tem uma 'faixa litoral de 434 quilometros. Ao norte,
6. limitado pela Zambezia, e ao sul pelo paralelo 22. Ao oci-
dente.delimita-a'a Rhodesia c o Oceano Indico a leste.
As riquissimas regi6es de Manica e Sofala fazem parte
destes territories. Quasi todo esie pais cultivavel para milho,
acucar, algodio, cafe, tabaco, sisal e toda a qualidade de ce-
reals. A Companhia de Mocambique adquiriu os seus privilegios
por carta regia, pelo period de 55 anos, em 1891, e o seu capi-
tal eleva-se a 1.5oo.ooo libras. Ter a sua sede em Lisboa, onde
e habilmente administrada.pelo sr. dr. Augusto Soares.
A populaaio nos territories da Companhia 6 a seguinte:
Raa branica, 2.556; asiatica, 1.348; mesticg, i.68o; pre-
,ta, 273.371 ; total, 278.955.
SOsisitema morietario 6 privativ6 da Companhia, ou seja um
desdobramento desta no Banco da Beira. Mas a prata da'Metro-
pole, a nossa saudosa prata, corre aqui de mro e.m maro.
E' cidade muito arborisada e ajardinada, tendo a margiial-a
a baia, defendid por um bem construido paredao de cimento ar-
nado. .





iTern a Companhia de Mocambique uma entidade official co-
checida pela i. T. I. E' a Reparticao de Trabalho Indigena. E'
essa entidade que recebe dos respectivos chefes de circunscricao
dos; territories da Companhia"o seu arrolamento corn todo o pes-
-soat de que pode dispor. E' ainda a esta reparti9ao que slo di-
irigidos todos os pedidos de mao de obra.
SMas os territories nao teem gente suficiente para fornecer a
n _a : de obra n.ecessaria. E isto porque grande parie destes vas-
tissjmos territories, que estgo cultivados, precisam do trabalho
indigena e de dia para dia essas necessidades se acentuam mais,
,atendendo a que todos os sub-concessionarios pretendem desen-
volver a sua agriculture, alargar a sua esfera de acqgo, e, para o
,onseguir, s6 o podergo fazer tendo mais mao de obra.







38 NMO(;AMViQQUE 8 RAND
,, r

Em tais circunstancias, a agriculture pede a R. T. I. os in-
digenas de que necessita a esta entidaqe, depois de receber os
pedidos e de ver quantos homes ten, distribue estes proporcio-
nalmente. O contract de trabalho aqui, 6 por um ano, adferindo
cada indigena de salario a media de 2 libras por tiez.


-



Quem pereorre a outra costa, como n6s o fizemos, e s6 all
encontra portugieses, estranha muito, ao chegar a Lourenaqo
Marques ou aqui 4 Beira, ouvir constantemente falar ingles e ver
que as mellores edifica6es, os melhores empreendimentos co-
merciais e industrials slo ingleses.
E quem ter a culpa?
Necessariamente que soo os portugueses. Se a terqa part
do Capital portugues que se encontra mobilisado nos bancos es-
trangeiros estivesse aqui empregado, o caso mudava de aspect.
Ha aqui muito onde se ganhe imenso,dinheiro. Mas... e neces-


BIRAt- 06 iV&assitia








TERRAS DR AFRICA 39

sario empatar capital. E o portuguesinho, geralmente, vem para
Mocambique apenas com a sua energia. O ingles, por6m, tern
uma orientaqo diferente. Vem- para a Africa, mas traz libras
para empregar. E s6o essas libras aliadas a sua energia que o
fazem prosperar eo fazem aqui fixar.
Nao ha duvida que a provincia deve servigos a Companhia
de Mocambique. Ela tem, mercer da boa orientaqgo de alguns go-
vernadores que aqui teem estado, como o sr. Pery de Linde,
'desenvolvido poderosamente a agriculture nos seus territories,
dando as maiores facilidades a quem para aqui vem sem dinheiro,
mas que tenha vontade de trabalhar, e conseguiu, por esse pro-
cesso, que s6 nas regi6es de Manica, Chimoio e Vila Machado a
sua exportaqao de cereals se elevasse a 5oo mil sacos.
Nessas regi6es, as areas de terrenos cultivados ja sobem a
70 mit hectares e na sua maioria esses agricultores sau portu-
gueses que para aqui vieram apenas contando corn a sua vontade
di trlbalhar, aos quais a Companhia forneceu terras e a quem
p r i:itermedio do Banco da Beira forneceu capitals que eles pa-
garam prietarios, tendo-se fixado nessas terras, que lhes proporcionam
uma vida desafogada.
A obra de colonizaggo feita pela Companhia de Mogambique
e alguma coisa de valioso.
Mas se o algodao ja chegou a atingir s6 nos terrenos da
Ccripanhia da Zambezia cerca de 800 toneladas da mais fina
qualidade, se'o sizal produz para mais de 5oo toneladas de fibra,
a cultural que mais se desenvolve aqui 6 o.milho. Sao terrenos
privilegiados para este genero de cultural.
E.por isso nas regi6es de Manica, Chimoio e Vila Machado
encontram-se milharais corn muitas leguas de extensgo. Sao au-
tenticos oceanos de milho. E' vulgar encontrarem-se aqui planta-
O6es de milho abrangendo 350 hectares.
E na regi.o de Chimoio existem faixas, que se seguem umas
as outras, corn milhares de hectares cada uma.
A produlio media nesta region 6 de 35 sacos por hectare ou
seja 14 sacos por acre, contra 6 na Rodezia e 4 no Trans-
vaal.
Tambem us territories da Companhia sao riquissimos em







40 MO(AMBIQUE E RAND

oleaginosas, tendo ja produzido cerca de too toneladas no valor
de mil libras.
Arroz, feijao, trigo, cevada e outros cereais dio-se aqui
muito bem, segundo experiencias que teem sido feitas,
Mediante uma renda insignificant, sgo as concess6es dos
terrenos feitas pela Companhia, pelo espaqo de dois anos. E du

















.. B IRA- O porto ,


rante esse tempo o concessionario tenm que fazer alguma cultural
para obter o aforamento dessa terra.
Actualmente, estlo arrendados cerca de 606 mil hectares e
aforados cerca de 5o mril, perfazendo o total de i.ioo con-
cess6es..
E' urn esforqo colossal que se tem feito aqui nestes terri-
torios.,


IBEjRA, 2 DiE JANEIRO DE: 1925.


~";~'?~:: ?"5;~!



















NO BUZI



LUTA ENTIRE A LIBRA E O'ESCUDO, VENCENDO
ESTE- UM ESFORgO PORTUGUES QUE TRA-
DUZ UM GRANDE EXEMPLO

Eram sete e meia da manhn, quando o gazolina cKelvinx
Ipartiu em direccao ao rio Buzi. Acomparhava-nos'o ilustre di-
rector da Companhia Colonial do Buzi, sr. Augusto Goulartrde
Medeiros.
As aguas da baia, por vezes revoltosas, estavam, nesta ma-
nhi fresca, calmas, como se toda esta vasta bacia fosse um lago.
A's 8 e meia-chegAvamos A f6z do rio. E' a Ponta de Maci-
que, que ter uma enorme lingua de area, a qual no seu extreme
ter uma boia para indicar a passage paia o rio, signal que so
serve para de dia, visto a baia nao ser iluminada, e, conse-
quentemente, nao se poder fazer a travessia de noite.
Houve ur ano, cremos que 1921, em que uma cheia abriu
um canal que encurtou uma hora-de caminho. Mas se a Natureza
construiu esse grande melhoramento, ela se encarregou de o des-
truir, visto que outra cheia fez encerrar essa porta para o rio
Buzi, e a navegagCo, para entrar na foz, ter que ir dar uma grande
volta.
Mas, minutes depois de cortarmos a Ponta Macique, entra-
mos no rio, que nos parece sucessivos lagos marginados de
mangal.
Deixamos um lago para entrarmos noutro e todos nos djo a







42 MCCAMBIQUE E RAND

Simpressgo de 'que nifo teem saida, rnas o,Kelvin, lI consegue-
descobrir a porta por onde se entra para outro lago ainda maior
Se mais encantador. E' fMrtil este rio em jacares,e cavalos mari-
S nhos.,Sobre oaiangal, bands de garqasbhrancas de jaspe,.donde
slo arrancadas finissimas aigrettess.
A's 9 e um quarto, o cIelvinv entrou num lago que tinhana.
margemn direita varies embarcaqSes,, carregando lenha. E' aqui
Chirora,
Deaois de conquistarmos mais dois lagos, passamos & Chi-


S BUZ .i u-mr, u pecto da A ucaelfra ..Nova Lusitanau


'cumba. E' aquique coieqam a: campos de cana sacarina, per--
tencentes Companhia Colonial do Buzi.
A' beira do rio encontramos umra bomba de 2 polegadas,
que irriga 200 hectaes.
J se. avista o yastorcentro industrial. Duas enormes torres.
metalicas sustentari utn'cabo areo6. .
Do lado direito e Inhanguvo, a,' nitga fabric aqucareira, per-


. :


T.:


VIF '
.0w 4 ~r I;




~Smnn~"?'~~yr~luarwlDI~X~'rirrplri~p, i~o;~r7~Q~ZF rLWrrs~irrJlrnl+i~n*1~;~~


TFRRAS DE AFRIC


tencente a firnia inglesa' lIhanguvo Estates,. Do lado oposto fica
a Nova Luzitana, pectencente d Companhia Colonial do Buzi,
mas que primitivamente pertenceu a Empreza, Aucareira do Buzi
e depois 4 Companhia do-Govuro.
E desde 1920 todos estes vastos terrenos, today esta actividade
industrial pertencem exclusivamente d Companhia Portuguesa, cuja
historic e'bem um exemplo frizante de quanto os portugueses siao
os mais-.belos'colonizadores .do mundo, visto que os portugueses
conseguiram abs6rver uma enorme forqa industrial inglesa. E'


iBUZit abrica Inhanguvo


umrn exeinplo que nos orgulha e. que o Estado portugues tern que
tomar em consideraaio. E' que na nossa costa oriental,sente-se
bem o esmagador peso do stqrlino, e parece-nos uma pura fan-
tasia o escudo portugues, o misero'escudo lusitano, ter conse-
guido esmagar aqui a poderosissima libra.'
Mas rio acima, desde a Chicumba a Guara-Guara, veem-se
enormes bombas a. vapor que extraem a agua neoessaria para ak


I r -I


IIII I


SII
4 A3
^_____^-







44, NlOnCAMRTQIJF F RAN).


I
" "

.,..:I ,% ..


2


BUZ -- A- 2 torrda-de Iihanguvo

irrigaaio dos vasgQ epmpos cultivpdos de.cana. Slo autenticos
-oceanos de pm verde Claro e que esperam a proxima campanha
que comeqa semprea n-junho, para ser: arraicada e transportada
para os moinhos.
Antes,.porzm, de chegarmosi ponte da NovaLusitana avis-
tamos a Feira.
E' uma povopC5o muito interessante. Ruas largas, com bons
*estabelecimentos de rppqi9s. i
Passando esfp pqgP#vuio, eitrase na Nova Luzitania. La es-
tao as suas fabripas, a sta escola, o sfu hospital. A' entrada er-
gue-se um prediQ de aelvearia. '.o ,'edicio destinado I telegra-
ifia sem fios'.
LA mais adiagte, um pouco encoberLa com eucaliptos, esta a
residencia de dirgcqio, maniid`ida'c6ibdrji-r pelo -sr. Antonio de
Mlascarenhas Judlce, e. m: q9,- quaido- director da Companhia
do Buzi.
S6 is i~. horas aonseguimos.sair do-rio. Estava ja um .oalor
-abr "- .. '




Na margeii direita do rio Buzi existia uma agucareira-per-
tencente a firma ingilqag *Inhangivo Estates*, emquanto do lado'






1P~RA~1~


eSquerdo existia a aqucareira -Nova Lusitanas pertencente A
CGmpanhia Colonial do Buzi.
*Mas uma destas fabrics tinha que absorver a outra. NIo
podiain viver as duas rivais frente a frente, tep o a'separ4-las
apea~t ;ixn rio .estreito. E esso rivalidade nao existiria.serhou-
vesse mao de.obra emabundancia.
,.*.Mas comb esia era semlpre esca Ssa,: as, direcq6es.dessas squ-
careiras andavaii sempre cdm ,mrilondos, ou seja con coifflitos-
e recfaninaes.
Os. ingleses. nao- se limitavam. simplesmente.a pretender a
mIo'deobra indigena que existia na aqucareira portuguesa. Pre-
tendianm nais. Encarregaram um seu empregado de naciouali-
dade portuguesa de oferecer melhores ordenados aos empregados
de campo da companhia portuguesa. Mas estes nao aceitaiam o
oferecimento e a Companhia Agricola do Buzi, como podia:, 1d
ia vivendo, por yezes cor inumeras dificuldades.
E durante longos anos esta rivalidade durou. Mas porque-
ngo conseguirarn os ingjeses, corn o peso das suas libras e do
seu poderio, absorver a aqucareira portuguesa, para'ficarem
s6s. em campo? .Nao tinham eles probabilidades para o fazer?
Certamente que tinham. A natureza dos seus terreios era 'supe,
rior para plantaq6es. Nao podia produzir a sua fabric aqucareira
.o toneladas de aqucar diarias, emquanto a fabric portuguesai
nio tinha capacidade para produzir nais-de 4?


BUZI-- Bombas de Chiamba




r-T




'*'
i,

j


S6, pois, ump question de rigorosa administragoo poderia le-
var a companhia portuguesa a sair vitoriosa desta Ioia tio titanic
como desigual.Eni Lisboa tern a Companhia, ua cabega privi-
legiada. E' o sr. dr. Guilberme de Arriaga. No territorio do Buzi
teem estado a dirigir-os servings da Companhia grades elemen-
tos. Esteve, o sr. Josd de Figueiredo Mascarenhas. Depois o sr.
-Antonio de Mascarephas Judice e ha c'rca de 5 anos o sr. Au-


BWZI-rL.uvranvd hca te


:gusto Goulart de Medeitps. ;5o eleimeatos de reconhecida com-
,petencia e probidade.-A auxiliilos, ur pessoal meticulosamente
escolhido..
-, E administra; io foi feiia com tawto criteria e competencia
que em 1920o, apesar da companhia pprtuguesa ter'sofrido os re.
vezes das ultimas cheijas, a compabnhi iiglesa vendia d sua rival
+'or 33o miil libras .odos os seus hvbres, passando po portugue-
ses a administrar o que ath ali, era perienoa dos ingleses.
Itiro: bonito. Traduz um exemilo bem digno de registo. E
por'tal fbrma a Companhia Colonial do Buzi se tem sabido con-
duzir, que ela hoje jd constitue uma das nossas mais poderosas
-companhias coloniais de A frica.
E,nunca a aqucareira do Iohanguvo conseguira produzir mais
-de 4 mil toneladas, apesar depossuir i8 turbines.


.46


-- mW~SIR~G~RPBB~s~W~S~~


v~ -


MOC.'AMB~i-U ERAN


46MOCAMBIQUE E RAND








TERRAS DE AFRICA 47


Mas a .administraqo .porrtuguesa, ;apesar da seca de 1922,
apesar da enorme falta de mio de obra, consegaiu intensificar a
produggo por uma f6rma extraordinaria.
Vejamos os numerous, visto estes falarem com maior elo-
quencia:
NOVA LUZITANA


PRODUCE(
ANOS MEUIA
AcQcar Cana

Kilots Kills
1916................ ......... 3.089 025 34.258.891 9
1917... ............. .. 407.325 37.438.870 9,1
1918...... ... .. .............. 1 184 875 12.630.836 9,58
1919........ ............... 2.547.435 q5 575 513 9,96
1920.. .............. ....... 3 129 530 20.957.577 '10,44
1921...; ... .......... .... .... 3 159.505 55 726 715 8,84
1922..... ................... 2 781.562 34.299 438 8,10
1923.. ....... ................ 3.234 135 35.337.599 9,15
1924.......................... 3.200.000 33 734 922 9,48



INHANGUVO


PRODUCAO
ANOS MEDIA
SCana Aficar

Kilos Kilos
1920............ ............. 52 761.153 5.082.965 9,41 0[0
1921.......................... 58.169.477 5.045 280 8,66 010
1922...... .................. .. 4.165 706 2.930.021 8,58 Q10
1923.......................... 67 596.866 8.697 570 9,28 10O
1924........:............... 90 657.688 11.043 090. 9,89 010


Conseguiu, pois, a Companhia. Agricola do Buzi produzir,
em 1924, a bonita soma de 14.243.090 quilogramas de aqucar
contra 6.212.495 produzidos em 920.o Isto 6: teve um aumrento






48 MO ,AM\BIQUE F IRAND)'

de produiao de 8.03o.595 quilogramas, mais do que a produ9Co
total das duas aeucareiras em 9z. .
Mas se houvesse mno de obra pecessaria, ;se houvPsse boa,
vontade da parte dos poderes coontituidos, o que:poderia ser este
reduto portugues?

*


A habitaqio onde reside o director da Companhia Colonial
do.Buzi, edificada quando director da mesma companhia o sr.
Antonio de Mascarenhas Judice, 6 um dos mais belos chalets,
que temos eccontrado em Africa.
Provida de uma marquisee, a habitaaio e extremmennte
fresca. A casa da entrada 6 ampla e serve de sala de esieitorio,
A' direita, esti a sala de visits e a seguir a casa de jantar e a
copa.
No orimeiro andar slo os quartos. Todas as portas,.as e-
nelas e os cterrassess sai proidos:de redes.,de arame.
E uma vez aqui ,lembrirpo-pos cor saudades desse dojS
nossos grandes amigos srs. Antonio Judice e seu filho Jolo Mas.
carenhas Judice, boje visconde de Lag6a.
Depois de almogarmos, met-mo-nos 4num carro decauville-
6o. Estava um desies calories pesados, _arrazadores.


BUZI -Re'sidsenca .do sr. ldifctor da "Nova Lusitana




:FI / -


TENRA1.-D.RLC


* 2 r,


I,
-


0 carrot corou a, tirii Iega aeni' coou a m poses de iFmirpia-
.aio electric so center e margjiada de frondoso arvoredo, Aqui
e all, constru6es de alvenaria, todas defendidas das surpresas
das cheias do rio Buzi.
SlB as- habita6es&. des emipegados faipeaus.-E' oedificio
destinedo so radiotelegrafo, e a escola, 6 o hospital,, sio os es-
critorios.
Comeqnmos por visitar a fabric veiha. Pagsdmos depois .-
fabrica nova. E' um'vasto campo de produqao.
Nlum. enornie ba'rracio de alvenaria, de contruaoo recent,


.' :, : BUZ ---Base .do ca oaereo


estiao ihstaladas as oficias- serra)haria mecanica, ferfhria, caf-
pintaria el serrria. Ao lado, a ceramieac, m6agem :a'tobife fad-
, loE' uia. cida'de industrial; em rmmniatura, send todaya a energia
ele'ctvifai'a. ::' i
LA aol~dfife,' avista.se curial. -Eutiia' coisa hontira, que
alberga 620 cabe4as.de gado'suino.' Grandes tanques' de cinento
armado," do modelo mais aperfeicoado, recebtre todos os-dias o


4






a'



I





11,1







5o MO(CAMIQ


'2:.


JQIJ E RAN4D


* --, I-...


BUZJ Campos de cans sacarina


gadod desinfectando.o potr peio dnmn.Islutp dissolvido em agua.
Seguimos viagem,
Dois pretos posspotes faziam -irar- velozmente o carro que
nos conduzia. Dqpois de visiarmos rtdas as dependencies da Nova
Luzitana, dirigilpo-nos pap. .q c-mpo. Lembram-aos os campos de
Beja coberros dq trig.. Alpi' sgo occapos de cana. Quasi today foi
cortada na campanha pa#g4 (de jplbp a novembro). Cobre, po-
rem, ji um hoapemx. Sio iprras privilegiadas para este genero
de' cultural. A sua pridllo. 6 abundantissima e a sua qualidade
i excelente, chegando a'eTtrair.se io 'I de aqucar. Cada plantaL.o
chega a .dar 5 cortes, E' ouro o q.ue estes vastos terrenos pro-
duzen m.
E o carro camninha.seLpr vertiginosamente sobre os rails,
nada. mais .se divisapdQ gy10 0_po sejam planXaq6es de cape. Sio
planicies imensas qg4 se,se u ln4m; e.um oqe'anop de, aguc r- ainda
.verde, mas que daqui a.me.is a moenda transfornmard, em..cris-
tais, para se apreSentar tanto na meza do rico como na'd pobre.
A 6 quilometros dasdp .fica Zengoda. Paramqs, -".
Umr grupo de indigenas, respeitosamente, faz a continencia.
Baete !!.- exclama urn.







TRRAS' RICA .5

E, ur, brado calorosoe, como se f08se um eco profundo e
prolopgadol, spltado do peito desse punhado de possantes rapa-
zes, glosou a satdagio do seu chefe.
-r,OQ que quer isto, dizer ? perguntamos. ,
; -_ IE aau.daqp que esta gene faz -s pessoas de categoria.
Danres so o Gangm ana tinha as honras desta saudagio.
Ma oq qoue significa o cbarte? .
--Parece ,.que quer dizer: cSenhor :da terra,,. enhpr dos
ares,.., -
As dependepcias de. Zengoda, sio, todas construidas em
alvenaria.. Fomos i margem do rio. Numa casa, uma locqpmoyel
absorvia, pormeio, dum tubo corn 5 polegadas de diametro, 3oo
litros ,de agua por segundo, ou sejam io80 metros cubicos por
hora.mServe para irrigar as planta;6es desta zona.
Percorridos mais 4 quilometros, chega-se fazenda denomi-
nada Guare-Guare.
Esta farmD pertencia d Inhanguvo Estates. Era dos ingleses
e fazia parte do grupo de propriedades pertencentes A mesma
companhia que ate 9199 explorou a aqucareira que fica na outra


BUZI Hospital do Consetheiro Almeida ,
-,;


i. er'-io CI1- Ai-~







.52 1MOZAMBIQUE E RAND

margem do rio. Esta important tfarmn temn 1 mil hectares. Es-
tava inculta quando a Companhia Colonial do Buzi adquiriurtodos
os haveres da companhia inglesa. Hoje,5oo hectares de terre-
nos ij estao cobertos de cana, que recebem agua do rio tirada
por duas boinbas movidas por um motor a gaz pbbre, as quais
extraem I.8oo metros cubicos por hora.
Ao fundo, uma vastissima floresta de riquissimas madeiras.
-Vamos para' casa dissimos nao podemos suportar por
mais tempo este calor abrazador.
-Temr razio. Agora, sao tudo campos de cana sacarina.
Tinhamos nesta margem .3oo' hectares cultivados. Agora temos
i.8oo. Ver umn talhao 6 ver todos, visto nao diferirem urs dos
outros.
E regressamos a side, onde uma cerveja gelada nos-refri-
gerou e um banho frio nos fez regular durante alguns minutes.
E pensimos:
0 maior prazer que se senate nestas paragens e estarmos
dentro duma banheira cheia de agua fria.
E alongamos'o nosso pensamento ated: saudosa patria, onde
a estas horas, toda a gene anda a tiritar de frio, desse frio que
nos desperta tantas saudades.
A Africa! Se nao fossem estes calories e a aluviao constant
de mosquitos, era um pais encantador!





Depois do rio. Um escaler esperava-nos all e, em dez minutes, alcanqava-
mos, a outra margem e pisavamos terra de Inhanguvo, Ai espe-
rava-nos um carro que nos conduziu, sob urn sol ardentissinio,
d fabric aqucareira, que 6 formidavel.
STrabalha comr 4 moinhos'e tem i8 turbihas. A sua prpduc-
ao e alguma coisa digna de respeito. Numa campanha pode'ex-
trair da cana 12 mil toneladas de cristais. Cada dia moe mil to-
netadas, ou sejam cerca de ioo toneladas de aqucar que produz.
Nao tem o;seu director poupado::o dispetidioide energia, nem







R TERRASDE AFGRIA 5.3

a administraqio er Lisboa evitad, despesis pitra conseguir ssa
tao elevadaa.producio. Foi construido um cabo aereo, que urn
below trabalho de eagenharia. Ess& cabo, corn uma extension de
8oo metros, es.t assente em, duas enormes torres metalicas e
part da outra margem do rio, conduzindo a cana.qce a aquca-
reira da Nova Lusitana nio pode transformar em cristais por
falta de capacidade.
Q acucar, depois de produzido, i ensacado nesta fabric e













I'UZI Locomotivas da Companhia







igleses i., o hectares. Hoje, sio de 2.3oo
Ten a Companhia ao seu serviqo,, alIm de 60 empregados
europeus e 80 equiparados (indios, mauricianos, chineses, etc.),
actualmiente um pessoal indigena muito reduzido, que nao chega
nem p'ara acudir aos traba,!hos mais.urgentes,. Este assunto tra-
ta-lo-emos.numa cronica especial. As despesas feitas com. o pes.
soal so ,c&rca de dez mil libras mensais.
S"Para sseus servios de transparts, tern a Comrpapnhi nas
suas fazendas 86. quilometros de Decauville, 6 looomotivas a va-








54 MOQAMB'IQULE' ER'AND

por e uma a alcohol; para transport de cana possue 572 vagorie-
tas, 6 no seu serviqo maritime tern 5 hiates, 3 gazolinas:e i8
embarcac6es diversas, como escaleres, chatas; etc.
SDa Beira existem, para este mundo industrial, tres carreiras
por semana, em gazolinas, serviqo que 6 subsidiado pela Coni-
panhia do Buzi e que transport as malas do correio.
O rio tao caudaloso, que divide os terrenos aforados pela
Co'mpanhia Colonial do Buzi d Companhia de Mocambique, re-
cebe no seu leito, todos os anos, uma enorme riquesa, desperdi-
cio que s6 o Estado podia e devia evitar. So os melaqos. E nao
faz sentido. Porque razao Portugal importa de Angola os melacos
resultantes do fabric do aqucar e nao consent que Mo'ambique
gose da mesma regalia?
Segundo a base 6." do decreto de 27 de maio de 1911, pu-
blicado no cDiario do Governo-n.* 124, os melaqos entram em
Portugal livres de direitos, sendo de proveniencia da costa oci-
dental. Foi esta uma media acertada.
Mas por que motive se excluiu a Provincia de Mocambique
dessa garantia?
Nao represent ela um caso de justiga?
Quanto mais que o exemplo dado pela Companhia Colonial
do Buzi 6 bem eloquente. Ela soube absorver uma grande indus-
tria explorada por ingleses, numa provincia em que a maioria djs
capitals empregados nas industries ingleses sao.
Que'protecqao da o Estado a esta grande iniciativa ?
E, final, a protecqdo do Estado resumir-se-ia a um caso de
justiga. Equiparacao cor Angola dos melacos de Mocambique.
Nao s6 6s melagos constituem uma grande riquesa. O alcool
para usos industrials 6 tambem um dbs problems de que o Es-
tado se nao devia desinteressar, estabelecerido um diferencial de
50 por cento no alcohol puro, e um direito estatistico para 'o al-
cool desnaturado.
Devemos considerar qud a Alemanha po-sue, no porto franco
de Hamburgo, nada menos de 76 fabrics de alcohol pata expor-
tag o. N6o poderiamos n6s conquistar os mercados fornecidos pelos
alemaes, fornecendo alcohol e eter em melhores condiq6es ?
Mas que fazem os poderes constittidos em tal sentido, para
a Provincia aproveitar mais esta grande fonte de receita?








TFRRAS DE AFRICA .55

Nada, ou antes, ate aqui s6:teerri entravado estas grandes
iniciativas.





Apezar da Companhia Colonial do Buzi ter produzido na ul-
tima ,campahha,. 14.243.090 quilos de cristais de aqucar, contra
6.212.495 que produziu na campanha) de 1920 e 11.856.875 que
jd havia alcanpado em 1923, que producgo nao seria feita se hou-
vesse os bragos necessarios para,o amanho das terras e para os
services industrials!
Necessita esta Companhia, retintamente portuguesa, pelo me-
nos de 5.ooo homes: trss mil para o acucar, mil para o milho e
dutros mil para os services de industries subsidiaries, palma-
res, etc.
Actualmente tern: fornecidos pela Companhia de Mogambi-
que, 204; indigenas do territorio, 536; e voluntarios, i5o.
Como acudir aos servigos mais urgentes corn um total de
880 homes, devendD em fevereiro retirar mais 139, ficando, con-
sequentemente, apenas 741 ?
E' ou nao um autentico crime nto 'se fornecer a este grande
empreendimento portugues os bragos de que necessity ?.
Necessariamente que a Companhia de Mogambique nao pode
por si s6 satisfazer as necessidades da Companhia do Buzi, yisto
ter muita agriculture no seu territorio e toda essa agriculture ne.
cessitar de bra:os. Mas nao deve o Governo fornecer a Compa-
nhia portuguesa a mlo de obra de que necessita?
Devido ao esforco do ilustre director da Companhia do Buzi
e a boa vontade da Ccmpanhia de Mocambique, na ultima acam-
panha, conseguiu a Companhia portuguesa os bracos necessarios
para o corte da cana e para o fabric do aqucar, Mas, para o mi-
lho, apenas.poude dispor de 50 homes. -
0 que sgo 50 homes para 400 hectares, quando a tecnica e
a pratica indic.m que, para cada hectare, sao necessarios 2 hc-
mens ?
-E para os trabalhos dos palmares?






5;: MOAMIIQUE E fANp:

SSe acessario, fomenter .ariquesa, se a Provincia se diseja
ver livre do viver depi.mente e vexatorio do.ourp.das min as do
Rand, porque rasio, se nio. auxiliam todas as iniciativasportu-
guesas, fornecendo bragos para que a terra produza o maximo
que pode produzir?
Estd o sr. Azevedo: Courinho -na disposiqio de fazer progre"
dir a Provincia de Mogambi-
que. Estamos convencidos des-
se fact, desde que aom sus
excelencia faldmos. Por certo,a
question: de que vimos tratan-
....,. do., referepte i, mo de -obra,
serd por sua excelencia triatada
e resolvida, e entlo a COmpa-
nhia do .Buzi continuard nos
seus progresses,, que servirQo
de incitamento a outros em-
:preendimentps .portugueses.
SComo resolver a question?
A forma mais pratica' se-
ria esta: A Companhia de Mo-
pambique concederia todos os
bragos de que a Companhia do
"Buzi carece, das circunscrij6es
.BUZI Uma avenida da Nova limirrofes e do sul do territo-
Luzitana rio, como Mossurice e Sofala,
Chiloane, Save -e Gouvro, e A
outra agricultura,.indigenas do noare do Pungue, Mas para que a
agriculture dos territories da. Companhia de Moqambique, ao nor-
te, nio fosse prejudicada em beneficio do Buzi, visto ao sul do
Pangue apenas existir o Buzi, teria o governor que entregar A
Cqmpanhia de Mogambique o Barua, como 6 de toda a justiqa.
Se, por6m, a Compaahia de Mogambique nio quizesse ou
nio Ihe conviesse aceitar, este plano,, fal-o-ia o sr. Alto Comis-,
sario, directamente, 4 Compantia do Buzi, mantendo o. Baru6 na
sua posse e aplicando a fayor da .Companhia do Buzi o mes-
mo regimen que se .adoptou para a a Sena Sugar,' desde que
no .Buzi. seja. montada mais uma fabrica aqucareira para 15 nil








STERRAS DE.AFRICA 57

toneladas e se construisse um caminho de ferro para drenar e
servir este riquissimo territoio' explorando as suas riquezas.
E, assim, corn a garantia de braqos, j~ a Companhia do Buzi
,poderia fazer uma barrage no Alto Buzi, a fim de trazer a su-
perficie das suas margens, e numa area superior a 3o mil hecta-
res, as'aguas do caudaloso rio.
E s6 assim, repetimos, a Companhia portuguesa poderia pro-
mover a cultural intensive desses territories, introduzindo para
esse fim colonos europeus que, postos em boas condig6es de tra-
balho e de higiene, farao, cor salutar proveito para eles, para a
Companhia e para a Provincia, o que teem feito essas dezenas de
milhares de agoreanos que p resentemente trabalham na grande
colonia agucareira do Hawai, cuja linha isotermica 6 igual a do
Buzi.
S6 assim, finalmente, se podera fixar urma colonisagao ge-
nuinamente portuguesa, continuando a intensificar a sua produ-
,co, demonstrando as nossas qualidades colonisadoras e prosse-
guindo na grande obra patriotic ja consumada, arrancando da
mio de estrangeiros uma fabric que custou 33o.ooo libras, ta-
-brica que em quatro anos triplicou a sua produqgo.



BUZI, 6 DE JANEIRO DE 1925


' -




U (


5- MoCANMIQtJe U RAND




I


,.-


1. Indigenas de Sofal--2.0 e 3.0 Batuqfues de guerra em Manica e Sofala


".c_~


:~PBrn~ *BZ. r~
'.uni


YEl-





~ ~,
.


















NO CHINDE




A REGIAO DOS CICLONES-O RIO ZAMBEZE
E A SERRA DE MORRUMBALA

O vapor Chinde,, da Companhia Nacional de. Nayegatao,,
u urn' vapor osteiro, pequeno, mas muito comodo.. Alifomos en-
contrar caras conhecidas, que comnosco vieram no uAngdoai.
A's 14 horas e meia o nChinde) levantou terro e fez-se ao
largo, chegando a1 barra do Chinde is 9 horas de hoje, rmas so6
podendo entrar na baia com mare, ou seja 5 horas depots.
E, As 2 horas da tarde, o aChinde, levantava novamentc
ferro em direcqio a baia.
Um velho marinheiro, amarrado pela cintura, dava conheci--
meiito ao comandante da profundidade da agua.
Lanqando constantemente o prumo, gritava:
Vinte e um p6s! Desenove p6s! Quatro bragas escassas!
Quatro braqas folgadas-!
E, ate o navio parar, o pratico marinheiro nao se c.ncou de
medir a profundidade da bais, para se saber se o navio podialou
no avanqar, E avanqou ate onde poude, alracanido cer'.C das
io horas.
Em frente estende-se a povoagqo do Chinde. V8-se que m um.
porto muito movimentado, atendendo ao numero de emb'arcac6es
espalhadas por toda a baia. Nio admira, visto ser aqui a foz do
rio Zambeze e se fazer por este porto a drenagem de toda a.
vasta produaao das margens deste importance rio.






















CHINDE Uia rua


0 seu inovimento enm 1923 foi de 283 vapores mercantes e
-navios de vela corn 147.868 toneladas de carga, send desta des-
carregadas 5:i65 toneladas.
A susa maijor exportaqgo fai de astucar, sisal e -copra.




S'Y:


:CHINDE- Outra rua










-4 'Ik~ c*


C"INDE--Dois p~noraMas


--


i~.

P








-- ~




wT, i :f "' "f'" ,
r. .


,62 A.jAMBIQUE E RAND

E' este porto o centro de distribuigao de todo o trafego do
S litorAt para o interior, aiti o vaslo 4idsrito de tet6, Chindio,
assim como de Por.-Herald. E' ,rnttbem o Ghinde o centro de
distribuig;ao do trafego t.erro re para Nyossaland eRhodezia do
SNone, que chega a atiRgir ~ma toneligem muito consideravel.,
i Esta a 62 milhas ap uil de Que[imnane e nas aguas vivas tern
.uma profundidade delf is~s na pramamar.
STal e o porto .oqd trgamears ea e Iiatas.





Quom. percorrC a yila do Chipd'-p la primeira vez no fica
'bern impressioa do Ni6 fern um;a'unicp c onstruio de alvenaria.
:Sa todags'casas de pU e lata. Mao s~so explica-se:
0 Chinde est4 construido nlma lipgua de areia, encravada


LTj



A


CHINDE Um aspect






TERRAS DE AFRIGA 63

enT o Oceano' e po rioe,a pia,-que..t^oaestantementecqrFida-
,pRq6~ rrewn~ts. Alrm, distd, epta regiSp 6r muito bai4a.;pqr vio-
lentissimos ciclones, razao porque n.o se: adoptanaaqui habita-
-.6es, pesadas; que uI i'c!idne destruipia.-
.Todavia o Chinde tem ruas bem tragadas. Todas corn pas-
seios laterais e bem arborisadas. Urma destas ruas term linha





















CHINDE O Branico e.prelo.2.0 Meza farta


"decauville' at6 iuma extensa e jnteressante praia do Oceauo In-
dico Terni -tambem dois jardins modestos, mas interessantes.
A vila teve jA um grande movimento, chegando. a pgssuir
quatrb hoteis". Hoje estA reduzida a unm. 0 novo caminho de
ferro iranB-zaauheziao, 'que'liga a Beira cmn a.Nyia'ssland, vi-
brou uin. profuiadk gol'pe iesta vila, roubaodo-ihe today a sua
grand, vida
decxiste aqui uma concesso aos ingleses, negociada em 1891.
Essa concession abrange 40 hectares e divide-se em internal e ex-
ETssa aoneessao abrange 40 hectares e divide-se em internal e ex-








64 1MOCAMBIQUE E RAND

terna. Uma para casas de habitagao e estabelecimentos comer.
ciais, a outra para o tiafego das mercadorias em transito:com
destino ao territorio inglez.
SSegundo o ultimo censo, a populagao do Chinde 4 a seguinte:

Portugueess............. ....... ...................... '. 216
Ingleses.......................... ................. ....... .... 85
Franceses... ....................... .... ................... 38
Suissos...................... .. ...................... 10
AlemAes... .2
Alemses.. ...... ... ....... ..... ..... .. ........ ... 29
Indianos............. .... ................. ........ 91
Chineses .... .......... .. .. .... .......... .... ....... 276
Holandeses........... ...................... ..... ..... .......... 1
Gregos.... ....... ...... ... ..... .......................... 4
Nativos ........................ ...... .... ........ ....... 62.729
Total.. ...... ...........'............ ................. 63.278

Tem regulados muito importantes como:
Murrorombe, Inhancuanuas, Dembo, Muilhembe, Tongue e
Malingapasse. A raca native i mahindo e o seu idioma 6 o cafe.
Tern a vila, alIm de um estabelecimento de ensino, a! ex-
pensas da Municipalidade, duas fabrics: uma de sabao, outra
de moagem.
Tal a terra onde nos encontramos, visto resolvermos aqui
desembarcar, para subirmos o rio Zambeze at6e serra nMor-
rumbla,,, que ter uma altitude de 1.00o metros e onde e possi-
vel refrescarmos o sangue. Vamos, pois, entrar no grande mundo
d aqucar..


CHINDE, 8 DE JANEIRO DE 1925.


















NO MUNDO DO ACUCAR


0 ESFORCO DA -SENA SUGAR>>-QUATRO CIDADES
INDUSTRIALS SE ERGUEM NAS MARGENS DO ZAM-
BEZE: LUABO, MARROMEU, MOPEA E CAIA-MI-
LHARES E MILHARES DE HECTARES COBERTOS
DE CANA SACARINA

Eram 20 horas do dia 9, quando de bordo do Chindev tras-
bordamos para o xLuiav, entalado entire batel6es carregados de
sal e lenha. O vapor partiria As 23 horas, visto a mare assim o
permitir.
SNgo d6mos,' por6m, pela partida do barco. S6 acorddmos
em Chacuma, estacdo de lenlia, onde foram metidos i5o metros
cubicos. E, ao meio dia, o barco levantou ferro.
Nao navegamos ainda no Zambeze, apesar de irmos sobre
as suas aguas.
Aqui chama-se o rio Chinde e s6 As 14 horas, depois de
atravessarmos muitas ilhas feitas pelos abundantes canais, alcan-
camos o Zambeze propriamente dito.
Este rio, o mais important da nossa costa oriental, nasce
na outra costa, no Lago Diloio, ao nascente do Moxico. Entra na
Rhodesia do noroeste por Ingilu. Atravessa para o sul a Africa
Austral As cataratas de Victoria Falls. Toma depois por Kolomo
a direcqgo norte, entra por Zumbo na provincia de Mocambique,
desce a Tate e daqui vai A foz, separando-se a to milhas, des-
aguando no Oceano Indico pelos rios Chinde, Inhamissengo, Ca-
tarina, Inhamiara, Melembe, etc.







*66 MO(AMBIQUE E RAND

Tal o percurso no caudaloso rio que percorremos e que e
navegavel atd al6m de Tete, em Broma.
Na margem direita slo os territories pertencentes a Compa-
nhia do Luabo, hoje ligada d aSena Sugar Estatesp.
Mas as margens deste rio sio monotonas ate a Morumbala.
Campinas, ap6s outras campinas. Pouca arborizacqo. Apenas na
margemc esquerda plantaq6es de cana sacarina, e no lado oposto















0 vapor aLuia, da C. Z.


ofarmsD de pequenos agricultores, cujas terras foram aforadas
pela Companhia de'MoCambique.
Mas a suavisar esta monotonia tivemos um p6r de sol encan-
tador. Era um scenario que o pintor mais habil nio poderia re-
produzir. Nunca vimos cores mais belas, trechos mais encanta-
dores do que neste p6r de sol.
SEste espectaculo: durou apenas minutes. O sol descia corn
rapidez, e, se o negro manto da noite nos veio cobrir, a lua cheia
veio. tornar as aguas do Zambeze como se fossem de prata pa-
lida, ajudando a iluminar, cor o seu reflexo, as vastas campinas
COr de oplha.
Mas, .esta ioite, uma outra surpresa os astros nos:fizeram.
E' que nuni bocado de ceu, como se f6ra um aicran,, desen-
rolava-se uma violentissima tempestade 1d para as bandas da







TERRAS DE AFRICA 67


MorumbdIa. Parecia que mfo invisivel tragava a fogo varias fi-
guras geometricas.
E todavia o ceu estava semeado de luzentes constela;6es.
A lua continuava a iluminar a terra e o aLuian, numa pa-
chorrencia enervante, continuava navegando, rio acima, em direc-
;go dquele trecho de tempestade.
A's 21,30, porim, a minuscule tempestade desapareceu. O
41,uia, parou e n6s recolhemos ao nosso camarote.







-Entgo, comandante, que tal?-perguntdmos ao sr. F. Au-
gusto Oliveira, As 5 Irp da manhi, hora a que o cLuia, levantou,
-ferro.
-Isto vai mal. Jd gastdmos 1oo metros de lenha, e a que
ievo nao me chega nem para meio caminho. Se em Inhamtqmbe
nao me cedem alguma temos que ficar no meio do rio.
Tal a primeira noticia que recebemos as primeiras horas da
.manhai. Tudo, menos ficar aqui, pensavamos. Ainda que tenha-
mos que ir a nado, apesar dos numerosos orocodilos que por aqui
-abundam. Mas ds ii horas, quando perfazia as 50 horas que


LUABO Vista parcial


7~3 ;


'. I .' :I
i:~nY.t~* '7~Vi''
"1:`


j1




..,, I,,


68. MOGAMBIQUE F RAND

no f-Luia, .nav.egaaramQs, divisimos uma grande cidade industrial,
cujas chaminss pareciarm desafiar as tempe~tades.
-O:que 6 aquio?
-Ali e Inhaqtombe, conhecida agora pelo Luabo. E' a nova
fabric AgucareiPa da *Sena Sugar Estatesp. La estd fundeado















.. ....

S.LUABO- Ur marua

no. porto o vapor 'Charunda-. E' o navio. chefe da flotilha da
important Companhiaj Agucareira.'Se ele o quizer levar chega
a Marromeu ainda hoie. e amanhi de mabha estdi em Mop6a.
Palavras nad eram ditas j iin6s haviamos escrito urn bilhete
ao gerente dessa mnontiruosa fabric, shliciando-lhe protecqCo. O
Luia encostou 4 margem, e um preto rapidamenite salta para
terra,r embreniando-se nos: canaviais sacarinos. Quando chega-
mos ad Luabo, j4 o perente, um ingles muito amavel, nos espe-
rava e nos transmitia que o Charunda. partia as i5 horas.
Desembar'cdmos e. fomos ver a nova cidade.


.* *

Jd numa cronica anterior relatamp_ r6 que foi. o contract
cor o ex-alto comissario sr.-Brito Camacho e a -Sena Sugar Es-







TERRAS8DE AFRICA 69

states. Bern simple esse contfieactidASi-ei'fi'Sr pediumais tres
mil homes para fazer desenvolver a sua agriculture. O sr. Brito
Camacho concedia-lhe esses tres mil indigenas, desde que a Com-
panhia Aqucareira se comprometesse a abrir mais uma fabric
que produzisse quinze mil toneladas.
E o contract foi fechado. Pela parte do ex-alto comissario foi
cumprido o que havia ficado convencionado. Pela parte da aSena
Sugar nao s6 foi cumprido esse contract, como 'ultrapassou o
que se havia comprometido. Naio construiu uma agucareira para..
i5 mil toneladas por ano, mas sim para 40 mil; nio se limitou a
construir uma fabric, esta construindo uma cidade.
E perguntamos a n6s proprios: Mas como e possivel cons-
truir-se toda esta linda cidade, corn largos, avenidas, jardins flo-
.ridos, no curto espago de pouco nmais de dois anos?
Ha 30 meses ainda aqui nao existia nada. Nem uma palhota,
visto esta region ser batida pelos le6es e pelos elefantes. Em
consequencia, tudo e-a mato, tudo era capim, tudo era uma re-
:giao selvagem, inabitavel e amal4iqoada pelos proprios pretos.













LUABO -.Residencia do gerente geral

Como 6 possivel este esforqo, que represent tanto de colossal
como de dispendioso?
E isto e bem uma cidade modern. As suas importantes
avenidas iluminadas a luz electric, a sua linha odecauvillei cor-
'tando todas essas avenidas, semeados entire fresca verdura cha-







70, MO4AMBIQUE E PAND'




















as. regras.de higiene e de conforto. L.,est a padaria, que produz
4 mit pies todos os dias, a fabric degelo, que serve tambem
de frigorifico.
E os 8 vapores da Sena Sugar Estatesp nio descanqam dia




tirar carga qu 6 conduzi: a para vapores que a transportam para
a cidade E' uma actividade que deslumbra. JA chegou a ter 6.oo000
homes a trabalhar. Agora ter 4,000, superiormente dirigidos
opor uma enorme brigada de engenheiros.
Ao centro da cidade que esramnos descrevendo ergue-se im-
ponentemente a chamin6 da fabric. Entrams no edificio e quet
damo-nos deslumbrados. Niuna avib s casa rgaior nem maqui-
nismos mais aperfeisoados.
As suas 6 caldeiras teem 5oo pa s quadrados de superficie de
aquecimento d trabalham A pressao de i5o lobsi por polegada. 0
vaporao sair das caldeiras pass por ur eagenhoso aparelho de
super-aquecimentp, cinda f1,2 p6s, elevandms a temperature a 5oo-
graus yFahrnheits.







TERRAS DE AFRICA 71

O bagaco da cana vai mecanicamente para as caldeiras e
para o aparelho de super-aquecimento, fornecendo-lhe energia.
Ter uma enorme instalaq o geradora, existindo jd aqui 3
transformadores alternates tripsadicos de 200 4kilowattsp. Esta
instala~ao estd preparada para ter 5 transformadores de igual
potencia. Tern ainda a geradora 2 motors aAlternatois de i5o
nkilowatts cada, a tim de- substituir as caldeiras, quando nao
haja bagaqo, e fornecer energia para a maquina de moagem, fri-
gorifico, oficinas, etc., aproveitando como combustgo blocos de
baga;o feitos no period da Ter ainda umi terceiro motor a gaz, que fornece luz para a
iluminacao das ruas e casas, assim como para as ventoinhas.
Ter esta fabric acucareira acumulacgo para dois sistemas
de moinhos de esmagamento de cana. Cada um compreende um
esmagador Krajeweski num nivel mais baixo, seguido de 3 sis-
temas de moinhos, os quais teem cilindros de 34,0 de diametro
por 72,o de comprido. Tern a presslo hidraulica aplicada a estes
cilindros 5oo toneladas.
Estes moinhos esmagam 60 toneladas de cana por hora, ou
sejam 80oo toneladas por semana, c8rca de 80 toneladas de aqu-
car cristalizado.
Ja no ano findo fez as experiencias, produzindo 3.710o one-
ladas, devendo este ano produzir ji 6 mil. Moe esta fabric a
cana plantada no antigo Praso Luabo, corn uma drea de 2.950


RIO ZAMBEZE Vapor aCharunda, da Sena Sugar




~e~:"'i'
g,
i
t : '"'


r;


I iL r~1~v/


MARROMEU- Corte da cana

Para a& evaporagao ca agarapar (suco da cana)' e para a sua
transformaaiu erm xarope, um evaporador de quadrupulo efeito
com 21.500 pds actua por rarefaqio, que vai. de o a 27.


a. .


MARROMEU Comboio carregado de cana -

0 xarope segue depois para 9 cVaccuum Pansy, os quais
teem cada um i pes de diametro por 0,80 quadrados, podendo
ferver 40 toneladas de xarope e agucar ou sejam 27 toneladas de


_ ~-~-----sla~w~~


SbI MOCAMBIQUE E RAND


hectares cultivados. A cana e conduzida, nos seus 41 quilometros
de linha e sobre os seus 395 vagonetes, para a fabric por lo-
domotivas

111




'4' "''i I



TFRRAS DE AFRICA


73


cristais. Os cristalizadore~-sirotem-intri&etod4 26, cor capacidade
para 40 toneladas.
Por ultimo, 32 centrifugadores electricos tambem conhecidos
.por turbines dio o aqucar pronto a ensacar.
Por estas notas rapidas poderd o leitor apreciar do tamanho
desta fabric monstro.
EstA tambem sendo estudado um tragado de linha ferrea que
Iigue Luabo a Mopea, o qual terd de extensgo 73 quilometros.





.. "


MARROMEU A Aqucareira da Sena Sugar


Se Angola tivesse algumas iniciativas como esta, dentro de
poucos anos serial um dos maiores paises do mundo.






A's 3 e media da tarde, o cCharunda, comandado pelo por-
tugues Jolo dos Santos, levantou ferro do porto do Luabo em
3 portugueses, incluindo o comandante.







.74 MO(%AMBIQU E P RAND

O rio estd pejado de crocodilos aqui nesta zona. Ainda on-
tem urn desses monstruosos .anfibios levou uma preta. Ultima-
mente teem desaparecido 8 pessoas. Aqui os indigenas teem a.
superstigqo dos de Angola. A quem nfo ter feitico o jacar6 nao.
faz mal algum. E vgo banhar-se e 1~ ficam.
Duas horas depois, o iCharundaD passava em frente de uma














MARROMEU Casa de habita.go dos empregados


afarm- corn 200 hectareF, pertencente ao romaico Nicola Velasco.
.Este agricultor est aqui ha.3 anos, produzindo na, sua. algoddo, milho, arroz, feijgo, etc.
Este ano. conseguiu colher 60 tonelaias de algodao limpo,.
que Ihe rendeu 9 mil libras.
As aguas do Zambeze tomaram a c6r de fogo. Parece que
toda a agua estava incandescent.
Quanto a paisagem, sempre a mesma montanha das campi-
nas. Oceanos de cana sacarina; ilhas ap6s ilhas no meio do rio,
feitas pelas ultimas cheias. Nada mais. Nas grandes cheias de
191i8 todas estas campinas foram cobertas.
Morreu toda a criag9o, muilos milhares de pretos foram le-
"-~
























vados pela pavorosa cheia at6 ao Oceano; os broncos andavam
dentro de banheiras sobre jangadas. Ano de fortema Ano mValdio.
A lembranga desse ano faz ainda tremer de pavor tamno o rico,
como o pobre. Nunca sobre esta region caira maior desgraca.







TERRAS DE AFRICA 75-

No moment em que estavamos admirados a ver um ingles.
devorar corn um bocadinho de queijo um frasco de conserve in-
glesa, o cCharundaD atracou. Ovac6es cafreais partiram de terra
para o rio.
O que e isto aqui? --inquirimos.
Chegamos a Marromeu, -nos responderam.
E viemos para o dek. La estava a important povoaqgo aqu-
careira, pertencente a aSena Sugar Estates., toda profusamente
iluminada a electricidade. Ao centro ergue-se a monumental cha-
mini, o maior padrao de trabalho aqui em Africa.
A aqucareira de Marromeu ndo 6 como a do Luabo. Toda-
.via no ultimo ano produziu io.i58 toneladas de acucar, devendo-
produzir este ano 12 mil.
As suas plantaq6es, 9.943 hectares, estao dentro do territo--
rio da Companhia de Mocambique.
Ter 2.200 indigenas c 73 europeus e equiparados.




I L











MARROMEU Club


Para transpprte da cana para a fabric tern 357 vagonetes
rebocados por 3. locomotives que deslizam velozmente sobre os
seus 60 quilometros de lioha. Marromeu esti ligada cor Mopea
e Chinde pelo rio Zambeze e cor Vila Fontes pelo caminho de
ferro exclusive da Sena Sugar,.numa extensgo de 92 quilome'




~';''
b '

i. .

;;"



'1.
rl.
r:


L76 N4 N4\MPJOUE E RAND


Y. N'


MARROMEU jardim


tros. PosSue para esse movimento'mais .5 locomotivas e 52 va-
.gons grandes.
'E' uma outra cidadel Marromeu. Quandq desembarcamos,
pass.mos pelo Club, onde 4 pares danqavam e mfaos femininas
-arratcavam das teclas do piano umr valsa. Noutra sala, corn as
janelas aberias de par em' par, folheavam-se revistas ilustradas,
oemquanto outros se refrescavam com copos de cerveja.
As ruas de Marroniel sio marginadas de eucaliptos e com.


MARROMEU Escritorio


7v7l




p 7*


TERRAS DE AFRICA


77.


cq' '.. .
'-.


MOPEA Escritorios -Cheia de 1923


postas por 'lirdos chalets, isolados uns dos outros. Esses chalets
estio assentes sobre pilares de cimento corn i,m5o, por causa da
surpreza das cheias, e cobertos de zinco, devido aos ciclones.
Esta cidade, 'exclusivamente ao serviqo da sua equcareira, esti
dividida em bairros. Do lado esquerdo e o bairro indiano, chinez'


MOPEA Cheia de 1923







,78 MOCAMBIQUE E RAND

e mauriciano. Do lado oposto estio os damararas. O bairro indi-
gena flea a uns 200 metros, no-caminho da ,Feira-, onde estio
os estabelecimentos de monhis.
Foi esta' a segunda aqucaretra pertencente d *Sena Sugar
Estates) que visitimos. Estas duas fabrics jd de per si teem ca-
pacidade para 55 mil toneladas de aqucar. At6 aqui atravessdmos
-7.901 hectares de plantaaq6s de cana e ainda nos faltava per-
.correr io.o56 hectares.
E' 'benm o murdo do aqucar a vasta regiao-onde nos encon-















MOPEA Cais do Vicente


-tramos.' A nIo ser umas pequenas farmss, tudo o que se vista
rias duas margens do Zambeze sao plantag6es de cana sacarina.
Existem no mundo maiores plantaq6es, assim como exis-
tem companhias aqucareiras com maquinismos para maior pro-
ducafo.
Mas tio complete corpo a aSena Sugar Estates" nao existed
em parte alguma. As suas acucereiras apenas moem a cana que
os terrenos da Ccmpanhia produzem. Toda a cana. e esmagada
Aias aqucareiras da Companhia.
Sao esforcos que se conjugam. E' a actividade agricola a
cooperar cor a actividade industrial e commercial.
E toda esta grande obra se fez devido ao regimen dos Pra-
-sos, sem o qual impossivel seria faze-la.







TERRAS DE AFRICA 79

O dia seguinte amanliecera fresco. As madrugadas, apesar
da cacimba, ainda sao os melhores moments do dia.
Eram 4 horas quando o aCharunda levantou ferro. Tinha-
mos deante de n6s 7 horas de navegaqao para chegarmos a Mo-
pea. A's 8 horas passAmos pela Quinta de S. Tiago, Chaima e
outras Ali nio se produz cana; produL-se algodlo, milho, feijio, arroz,
etc. Uma hora depois, divisAmos 1W ao long, quasi a perder-se
na imeosidade do horisonte, a serra de Morumbila, que os nos-

















VILA FONTES Sede da circunscrigao


sos leitores certamente nao. desconhecem, deiido aos sucessos de
1917.
A's 9 114 comeqdmos a ver as bombas de irrigaqio das plan-
taq6es de Mop8a. E' aqui Morulo, uma feira de monb6s. Tres
horas depois o ,Charunda, atracava na Morrina, porto. de des-
embarque de Mopea. Fazia um calor abrazador. Tremiamos s6
de pensar que teriamos de percorrer 7 quilometros por entire ca-
naviais, sobre arailsp de decauvilleD.
Mas era necessario partir. O sr. Tombs de Paiva Fragoso,
tendo conhecimento da nossa chegada, mandou-nos uma carreta







So MC(~AMBIQUE E RAND_


















VILA FONTES Residencil'do administrator

muito comoda para nos conduzir. Depois de darmos umr abraqo.
ao'marinheiro portogu6s que comanda o aCharunda, tomamos o
transporte que, impelido pelos vigorosos musculos de dois pos-
santes cafres, deslisou cor rapidez pelos rails bem assentes.
A meio caminho, portm, urea outra carreta veio ao nosso.
encontro, conduzindo o sr. Lopes, chefe de escritorio da Sugar.
Vinha apresentar os cumprimentos do sr. Raposo e as des-
culpas de nafo nos poder vir esperar, mas a doenqa retinha-o em
casa.
Meia hora depois davamos entrada em Mopea, debaixo de
uma violentissima, rovoada, que se havia desencadeadode re-
pente. ..i
Mop&a. e urm encanto. Nao e apenas uma 'grande eida le in-
dustrial;!e'um lindo jardim. Todos os schalets'v, assim comic to-
das as,.demais idependencias, estto oobertos de verdura. .
Teiinbocados de Manchester e.trechos do Bussaco. '
Nao sabemos -o que mais admirar aqui: se a produpio, co-
lossal dumia agucareira que ha inais de 3o anios produz, se tode
este entanto. de arvore 'e de flores, entire as quais vivem os eu-
ropeus e se encontram os escritorios, hospitals, clubs, etc.







T'ERRAS DE AFRICA


VILA FONTES Residencia do chefe da circunscrigib


A residercia do sr. Tomaz de Paiva Raposo 6 uma das mo-
.radias mais lindas e mais comodas que temos visto em Africa.
Foi construida propositadamente para receber e alojar o casual
Hornung, quando da sua visita aqui.
A aqucareira de Mopea. foi primirivamente uma fabric de
opio. E ccmo uma conven~ao international :acabasse com esse
fabric, montou-se entao a fabric que ainda hoje existe e que
tanto aqucar-tem produzido durante estes ultimos 3o anos. A sua
produ;:o no ano passado foi de 13.3i4 toneladas,.devendo che-
gar este ano a 14 mil, visto ter.sido intensificada" a parte agrico-
la, que conta j -5.314 hectares cultivados.


VILA FONTES Habitagao do secretario da circunscriglo


7F 11 V, r. v


-. ~ pt~f4V~9j










S Tern nos seus
e equiparados.. Par
io3 quilometros de
Trinta e urma
a agua necessaria ra


















industrials. Junto.
(ormece, agua para a
Esta aqucareira
b' '"












de exportaqio, i.590
An a-se actual
Sindigenas. Aos serv
remos.


serviios 2.7oo homes preios e 84 europeus
a iransporres dentro das suas plantagoes term
ferr-carril, 420 vagonetes'e 5 locomotives.
bombas de irrigacfo vio ao Zambeze' buscar
nro'para a agriculture como para os services


iLA..fONTES -Rua da Feira


fabriea passa o -io Qud-Qua, q0e rtambem
fabrica '.,
deixou iprovihcia, em: 924, so deldireitos
J.3o6 oo.
ente a construir um hospital model para os
iqos sanitarios da. iSena Sugars, nos referi-


A*


"Ao meio dia mn.eia horp de ontem, o "Mezingb, navid da
flotilta' .Sena -Suggr, esperava-tbos num local cobhecido pelo
aVicediie. A essp'hora, acompanhados pelo sr. Tomaz de Paiva
Rapos.o, eramos conduzidos sobre o edecauville, em direcq o is
marge'ssdo Zarnbezi.-
Fomos 'a bordo recibidos pelo. Sr. Antonio de Ardrade Ruas.


X .- .


ras~rs~s~r~


---- -


MOCANINIQUF E WAND







TERRAS DE& ARICA 83

E"'um, portuguez..de gem:a, lendo se-lhe no rosto umaae:aldade:
que faz com que todas as pessoas simpatisem corn ele" ao priindero
encontro. Recebeunds como umngrande'amigo, apesar de nunca
nos ter visto, Eramos para ele pessoa de familiar, visto sermos
poituguez como ele o i. Vive sempre rio abaixo, rio acima, e ter
apenas uma aspiraqo:: e que Ihe chegue o tempo de- gosar a sua
licenqa em Pedrouqos. Talvez seja feliz o sr. Ruas. Nunda se'e
completamente infeliz quando se vive cor constantes esperanras.
Duas horas depois do uMezingou ter levantado ferro passa-
vamos a Chupanga corn a sua fabric e a sua missao religiosa.
A seguir Lacerdonia. E' aqui o chefe de post. E o zingo)y deslizava sempre, parecendo pretender fugir a uma vio-
lenta tempestade que velozmente nos alcanqou. ,
Tudo 6 brutal aqui em Africa. Uwa trovoada como .esta que
nos' colbu erm pleno rio faz mais febres do que o mosquito.
















VILA FONTES- Grupo de europeus


*Mas a trovoada passou, a chuva parou e o Mezingo0 As 20
borasfoi obrigado tambem a anrcorir.
Fazia -uahianoite escura como breu.
De Marra, ilcal onde fundedmos, af6 Vila Fontes,'sio ape-
*inas .-horas"e meia de navegaqoo num barco 'cmno o'aMezingo.







S84 MOQAMBIQUoE E RAND

SConsequentemene, As 6 e meia da manhi chegavamos ao cais
de embarque de Caia.
Estavamos novarnente no territorio da Companhia de Mo-
qambique,
Um carro adecauville, em menos de uma hora galgou esses
6 quilometros que separam Caia de Vila Fontes. A paisagem?
Mas se ha 8 dias nio avistamos senao campos imensos de cana
sacarina!
A Caia e uma outra.cidade industrial. Serviu-nos ali de ci-
ceronew urn velho amigo muito conhecido em Lisboa. E' o dr.














VILA PONTES Recenseamento .4 inddigenas


Schultz. Quem nio conhoce o dr. Schultz, que se acostumou a
esta vida de Africa e- que nao sai de cd nem que o matem?
E um dos seus primeiros conselbos foi o seguinte:
-Nio deixe de tomar quiaiao emquanto aadar na Zambe-
zia. Olhe que pode ser apanhado por qualquer surpreza.
Depois fomos ver o hospital. Ainda ontem o distinto cirur-
giao aqui fez uma operaqao de trepano.
Seguidamente tomdmos .cafi feito pelo proprio dr. Schultz.
E' uma mistura de cafe indigena com o de S. Tome, mistura que
Ihe di um paladar muito especial, r1ias muito sabbroso.
Depois abaldmos para a- fabric. Produziu esta aqucareira na
ultima 'canpanha, 1.438 toneladas de aqucar dos seus 5,64zhe.-







TERRAS DP AFRICA 85

ctares de cana. Mil seiscentos e:oitehtar indigenas estio ao ser-
vigo desta acucareira. Ter 63 quilometros de. linha e 274 va.
gonetas corn 4 locomotives para conduaio da cana para a moen-
da. As suas bombas de irrigagio sio em numero de 14 e na area
da fabric possue todas as oficinas subsidiarias.
A's ri horas e meia o ,Mezingow levantava ferro. O seu co-
anandante preterdia ir dormir a Vila Bocage, na falda da Serra
AMorumbalae.
Vimos o *Chamo onde passdmcs as 14 horas. Toda a po.


"'TA FONTES Jardim


-pulagio cafreal estA sob
conhecido na historia da cafraria acabava de suceder. Vamps sa-
ber o que se passou.,
Ha tempo, um preto deste lugar andava como tripulante a
'bordo do .C.barundar. Adoeceu como qualquer vivente e morreu
como qualquer mortal.
Mas aqui, na.regiao dos cares, nlo se acredita que um ho-
mein morra sem ser pord feitigos. E sib sempre as mulheres que
fazemn esse ifeitigoa, que atira para os torr6es coin hma creatu-
ra. Desta vez foram duas mulheres acusadas de fazer afeitigon ao






86 -
,I ,
lr.


I: ....
,!/: i : "`~)'~C`'', i I "
'( .. ., -, :,- .

:. '.;" :.- ?. "
r '" "' g :" i '" B :i .2 "
,.


i


CA i'- -A Auceareira da Sena Sugar


tripulanie do .,Charunda,. Quem as acusou? O pai e os irmaos.
do imorro.,
Quem era} ais vitiwas apontacas? A mai e as irmis do fi-
nad;b. E foram press e pfreguesa 4 jjstiga cafreal, depois- de: ha-
viereti consultadb urnm mrnacumbaa,, especie de juiz para resol-
ver, aenilandt)s, entire os pretos.
Presas, pois,, as,vitiias;, o caso foi entregue 4 alta soberania
do dii~hecusus> que em outras regioes se chama regulo.
.A's incriminadas, por4mc, conseguiram fugir sem que se saiba
da seu paradeiro, mas tut'do l va a irer que fugissem para a Rho-
desia.
Uma hora depoaii de' attivte'ssarinos o .Champ, entravamos.
no rio Chire e, aiS I horas, deixavamos finalmente os caripos
de sacarina pertencentes a4 -Sena Sugar Estates,.
Daqui 'para disnte slo os territoriods dos Prasos da Compa-
'nhida Zambtiezia. .


L ;.


tod0.as.$ a entid des produtoras que. temos visitado,eza
Afica, so ha duyi(a que a, Sena Sugar. e um,.dos naliores, se
nao o maior, campo de acsao produtiva.


I~ ------~-~Rn~i~erl~w?~,~l~ari~lfe~~rP ~r~7"~!~~"v :7~''~F"


MO AMBIQUE E RAND


: !- -- '"


. '.

-: i ,'*1
I I
-





TFPRA nE'AFRICA 87

Mas... apontam esta ompshvai 'doro. sendo de capitals in-
gleses. E', mA, f ou uma estapidez crassa. Por acaso tern o ca-
plital patria? ?.
S.e o capital ter patria, porque motivo esses 8oo mil condos
que estgo depositados .em bancos estrangeiros, capitalportuguez,
a um juro infimo, porque razio, repetimos, esse capital nio se
emprega aqui em Africa, onde tantas riquezas ha para explorer
com urnum lucro comp ensador ?
Poder' o. capital, na sua maioria, da.. Sena,Sugars ser in-
gles, _Ias o que e facto 6 que a direcgo 6. genuinaiente portu-
guesa. Conto seu maior acciohista e orientador, term de facto.umr
ingles de nascenca, mas um grande amigo de Portugal. E' 6
sr. Hornung, casado corn ma senhora portuguesa.
E A frente de todos os negocios da Companhis It estao.por"
lugueses. Ninguem poderd ser mais patriota do que o sr. Ignacio
de Paiva Raposo. Nem mais patriota, nem mais diplomat. Foi o
unico home acusado por Cecil Rhodes de o haver enganado so-
bre uma delimitapco de fronteiras.
Ternos o sr. Artur de Paiva Raposo, hotnem corn faculdades
de trabalho extrjordinarias. Temos em Lisboa, A frente dos ne-
gocios da Companhia, nlo s6 o sr. Tomaz de Paiva Raposo, ermo


1.:.AIA --0 casual .Ho nng








88, \1O(,AMBIQUE E RAND


o sr. conselheiro Soares Branco. E ninguem poderd acusar esses
dois portugueses de menos dedicados A sua patria.
E enche-nos de orgulho ver como esses portugueses, auxi-
liados por um ingles, mas que conta Portugal como sua segunda
patria, dd orgulho vermos, repetimos, como se ergueu aqui, em
pleno mato, um dos mais colossais padres tanto ao trabalho
como d civilisacio.
E', no mundo, a maior companhia acucareira que produz a
cana eque a transform em aqucar.
Isto diz tudo, para que se possa avaliar da grandiosidade
desta companhia.
SQual a producio total de aqucar? Qual a verba que esta
Companhia pagou i Provincia, s6 de direitos de exportagaIo? Qual
o pessoal tmpregado e qual o numero de quilometros que tern
nas suas propriedade de linha ferrea? E' o que o leitor vai saber:.


31opa Luabo Caia


Area cultivada.. 5.314 lect. 2.958 hect. 5.642 hI
Pessoal, europeu
e equiparados 84 90
Indigenas ...... 2.700 1.950 1.(
Produ io de a4u-
car 1')24.... 13.394 ts. 3.710 ts. 11.438
Produao prova-
vel em 1925... 14 00 ts. 6.(;00 ts. 13.0 0
Direitos de ex-
portagdo sobre
a colheita de
1924..... ... 1.590.303$ 439.714$ (a)
Linha ferrea.... 103 ks. 41 ks. .63
Wagons para
:cana.. 420 395
Locomotivas... 5 7
Bombas de irri-
gaio ....... 51 -


cct.
U9
j80
ts.

ts.



ks.

!74
4

14/


\_-ldNolcTLL ltal gci'al


4 943 hect.

73
2.200
10.158 ts.
12.t00 ts.


(a)
60 ks.

357
9


18.857 hect.

316
8.530
38.700
45.000


2030 020$
267 ks.

1.446
25
45


(a) E' receita da Companhia de MoCambique.
Nola As fabrics Mopea e Luabo sao na margem esquerda do rio Zam-
beze, Territorio do Governo, e as Fabricas de Caia e Marromeu sao'na mar-
gem direita, territorio da Companhia de Moqambique

Mas pensa a "Sena.Sugar, apenas em produziro que espera
conseguir este ano, isto e, apenas 45 mil toneladas ?







K _TRlAO1' AI.iA 89






















A fabric Luabo jd-ten. capacidade-para produzir 20 mil to-
neladas e estA montada para que a sua produgao seja de 40 mil; E'
oficialmente inaugurada este ano, visto que em 1924 apenas tra-
balhou para experiencia.
Alem do caminho de ferro jA mencionado,.tem ainda o ca-
*minho de ferro, via 0,90, centre Caia e Marromeu, com 92 quilo-
metros, e ests estudando um tragado de linha que ligue Mopea






*


Todas as a bucareiras teermo seu servid o sanitario mnontado,
bem digno de registo. Ja nos referimos ao hospital model que
se anda contruindo no Luabo. Em Mopea esri-se tambem cons-
truindo um hospital digno de menao.










O sr. dr. Jogo Saboia Ramos, medico mais antigo e chefe
dos servings de saude, teve a gentilesa de nos acompanhar na
visit a esse hospital, em construqao. Da fabric part uma ave-
nida que liga corn esse hospital, o qual estd todo cercado por
arame farpado.
Os primeiros edificios, um em frente do outro, sao duas en-
fermarias cor capacidade pata 75 doentes cada uma, mas que so
teem 25 camas; nos edificios a seguir,,sao as casas de banho de
chuveiro e imerlso e as VW. C.
Seguidamente v8-se o edificio destinado ao laboratorio, sala
de operaq6es e arrecadag5o; no edificio fronteiro a este ficam a
enfermaria para mulheres, casa para curativos e quarto para ope-
rados.
Ao topo da avenida a que acima nos referimos e que pass
pelo centro de todos os edificios mencionados, fica umn edificio
cor uma ampla casa de jantar para 100 doentej e cozinhas. Ao
lado esta a lavandaria.
Ao fundo, completamente iolados, ficam 4 grandes pavi-
lh6es para doencas coniagiosas, cor pavimento em ciriento, ar-
magao em ferro, cobertus de capim, para a sua facildestriuig9o
pelo fogo. Ha tambem ali a casa mortuaria e fornos para inci-
neracao.de lixos, pensos, etc.
Fica este hospital sendo um dos primeiros de Africa.
Ter a brigada de saude 4 medicos distintos. Sao eles: dr.
Saboia Ramos, em Mopea; dr. Schultz, em Caia; dr. Malheiros,
em Marromeu, e dr. Oliva, no Luabo.
SA percentage da mortalidade foi o ano passado I1,0 por
I.ooo, quando Lisboa tem 20 por I.ooo e o Rio de Janeiro, que
passa actualniente por .ser a cidade corn merores percentagens
de mortes, tem io por I.ooo.
Tal o esforco da (Sena Sugar*, que se estende desde a foz
do Zambeze ate ao rio Chire.


VILA FONTES, 13 DE JAN-IRO DE 1925.


INICCAMBIQUE E RAND


9o


















NA MORUMBALA



VASTOS CAMPOS DE SIZAL E... DE. LEOES-
AGUA COM 65 GRAUS-O ESFORCO DA COM--
PANHIA DA ZAMBEZIA

As janelas do:nosso quarto dao para um parque e delas se,
desfruta um panorama surpreendente. Sio horisontes infindaveis,
na sua maioria plantados de sizal. Cremos que d, no mundo, uma
das mais importantes plantaq6es deste genero de cultural.
-Mas como nos encontramos n6s em #Aguas Quentesi?-
perguntart o leitor.
SDepois de transpormos os limits dos Prasos da aSena,
Sugar, no rio Chire, entramos nos'Prasos da Companhia da
Zambezia.
Passamos a Bompona, com as suas edificaq6es de alvenaria.
A esta region nos referirem.os no nosso regresso por aqui. A's'8-
horas da noite, depois de jantar e quando o ,aMezingo, atracava,:
quizemos ver a Vila Bocage e, g primeira impressao, julgdim-:
pos em frente de uma grande cidade, profusamente iluminada..
Mas depressa nos certificdmos do nosso, engano.' E' que mi-
Ih6es de pirilampos, cortando o espaqo nesta noite to escura,
pretendiam iluminar a terra, para que a nVila Bocage,, que afi-
nal tern apenas o edificio dos correios e algumas construcg6es
da C. Z., se parecesse mais corn uma grande cidade do que corn
o autentico cemiterio dos europeus, como 6 aqui conhecida.
A eVila Bocage, esat situada na falda da serra da Mop







92 &IO(AMB1QUE E RAND

ruinbAla e 6 urn dos locaes- mats insalubres da Zambezia. Nin.
guem ali tern saude. A serra expele constantemente humidade e
calor e nada peor para a saude dos europeus do que o .calor a
:seguir d humidade. Sdo constantes e bruscas as temperatures.
,Corn diferenqa de 2 horas o barometro tem dado pulos de o2
graus centigrados. Ninguem resisted e e por isso que a Vila Bo-
,cage e conhecida pelo cemiterio dos europeus.
Outro tanto se nio. da. em aAguas Quentesa, local onde se
Sncontra uma grande actividade
,* productive. E' a cidade agricola
e industrial da Companhia da
S Zambezia.Tem um clima beni-
.gnq para a Zambezia, e tern urma
niascente d'aoua sulturosa com
.uma tep~peratura de 65 graus,
S. aguas to preeiosass para a cura
de reumatico eedo eczema.




A's 6 horas da m'anha saia-
mos de bordo do c~Mezingo, e
metiamo-nos num carrot .decau-
ville, em directqlo a -Aguas
S Quentess.
'CAIA--Avenida dlos Carvathos Pra- E assim como os campos da
SSena Sugar,. sio vastas regi6es
de cana sacarina, assim os campos da C.oZ. s Co outras tantas
-vastas regi6es de sizal.
Dois'quilometros percorridos at~ Vila Bocage entra-se numa
Hnda: avenida.de gigantescas kapoks. Moleques, comno se fossenm
-macacos sobre. troncos dAsas arvortes,.faziam.ccair, sobre a.terra
alagada capsulas'cujormiolo 4 de:finissima sumauma.
Sobre-os rails enorme vagons recebiam -os molhos de fo-
lhas -de #izal, que algumrns centenas de indigenas, armados de
grades facas, cortavam e atavamn. Locomotivas rebocam cons-
aantemente esses vagons coiduzindo os para a fabric.






TEPPAS DF. AFRICA 93

E logo que encontramos o sr..Jose de Magalhtes, :adainis-.
trador destas fazendas, encaminhamo-nos para um grande edi-
ficio.de construcqio recent, x914. E' aqui a fabrica detfibradora
de sizal. Os vagons param em frente de dois grandes elevadores
metalicos, sistema de alcatruz.


F .. : ....

,. ,'












CAIA Hospital -


E vio colozando nesses elevalores os molhos de folha de-
sizal, que sao trapsportados por calhas de correntes continues
e onde sao, devidamente, as folhas espalhadas. Chamam a estas.
calhas transportadores.
As folhas entram uma por uma, nos desfibradores, saindo,
depoiS de haverem passado pelos tambores, completamente des-
fibradas.
Conduzidas as fibras a grande tanques, ai. slo muito hemri a-
vadas,. passando dos tanques para os secadores, feitos'de aramne
e que abrangem.nma extersgo de 5 hectars. Aqui recebem o sol,.
cujos ras ioetasvioet transfortainm- essas fibras esverdeadas nos
mais alvos fios de sedai depois de passarem pelas cardadeiras.
Estas slo umas maquinas mnuito engenhosas, em forma de tam-






7

R.94 MOCAMBI
---


IQIIE E RAND


r.













(. ,
/




k1




I.
';j
'I *
/i .
? .


A.$.r 4'::
!azr


'iAtkA^-gi aide do-medico


bores, 4derfro db s quais cada uma'tem 12 escovas para carda-
gem da fib6 a.
Depois de escolhida a fibra em trez qua4ti4-!esa e.separada
.a estopa, proceJe-se ai enfardlmento, ultima operag9o desra ihn
dustria,
Estas fabrics desfilbrari 250 toneladas de folhas, para ex-
.trairem destas 7 toneladas de fibra diaria.
Tera aind a a C. Za, alm das industries correlativas, entire
.as quais fabripagip d escqvas, que ati ha pouco eram importadas
da Alemanha, fabricagio de cordas para todas as grossuras, ser-
ralbaria -mecanica com torods monstros, carpintaria, estaleiros
,para a fabrica~eo de galeras, tipografia, etc.
SE' um cegero de 'produgp ri ito active, este a que nos es-
tartiosreferrindo. -tiI numerous d-eMonstiaretnos "a importancia
.desia grade 'actividdcJ agricola: fabri'.
SNo se descura'iambem a C. Z. de ministrar ao preto,:alem
-durma esmerada edueajaiu professional, uma instruqio literaria,
ainda que rudimeprar,
E .tgo boa pollti:a indigena tern feito o sr. Jos6 de Ma-
,gallifes que no ujiimo ano vierama gstabelecer-se nos territories


- -r- --p-ar~-ro~nrra~a~Ra~arm~nyrJnuy~p~*~a~


T.- i








TROA 6'tDeAFRZIdA a5


j c
- ,.~ 7


I I


AQUAS QUENTES A fabric desfibradora pR~tencente C, Z.



dos Prasos da Comipanhia da Zamnbezia mais de 4 mil pretos,
enriquoeendo corn esta fixaqlo estes, prasos, alguns dos quais
corn tanta falta de mgo de obra lutam, ,como ainda estd lutando
-a Companhia a que nos estamos referindo.



'. ,*,



E o sr.Jose de Magelhbaes convidou-nos a meter na hbaiquinba
*do aside-car,, partindo este &aioda a velocidade a visitar os vas-
tos campos de sizal. E durante algumas hbras na moro; ora
pelas estradas por onde passa a linha, ,deckuvillev, Ora por
camirihos indignas, agora trd : cobafd'i de.c ma
allura-.dees'ofiqrtoeggerBaro f-tddisza
clasi'fiado.-unia- 41s thehres'v ". o
.hectares de agavia e vai planter; prav o que ter ja os terrenos
!preparados,.mais 3oo heciates.


anrrcn-~i- Irl-T ---r ~iilm;i. ~vml


"~"m"R"~`m*c~~~Z~~~",ar*~mamr~nnrrr --~----III


m* ~l-1U ~IIU~PMOFI ~)ml~\I11*T~~_~~~CYi*rs~lli~


'I


I


~"~
,





d
i*
'r:
:1


q5






;: MO(,AMRIQUE E RAND

As plantaq6es estio todas:preparadas por talh6es devida-
mente numerados, desde os hi'" I 260. E cada talhio tern
21.750 plants.
--Mas que quantidaded de fibra produzem estas piteiras ?
inquirimos.
Vamos ver as estatisticas, pois ePas falam bem mai alto
de que todas as descrij6es que ppssamos fazer, para dar'uma
impressio desta-grapd riqueza.
Eis as produq6es totais de fibra nos ultimos tres anos:.,

1922..-...................... Quilos 1.125.750
1925......... .................. 1.1 08.i00
1924 .............................. 1.055.850

A produqio, porem, de 1925 promete atingir muito major
numero de quilos.
O num.ro total de concess6es 4 C. Z., nes'a zona, i de 3,
corn 6.9Jo hectares: tMaganja d'Alem' Chire,, cMassingire Sub),
e aMassingire Norten.
Em Maganja tern a C. Z. uina important creaqgo de gados
a que adiante nos referiremos.
Mas, como todas as grades iniciativas, esta Companhia luta
tambem com a falta de mao de obra, e se nao fosse star ao
abrigo.do regimen dos Prazos, essa falta ainda seria muito supe-







'P.
liftfl'


AOUAS QUE6 TES Campos.de sisal da C. Z.







TERRAS DE AFRICA 97













AQUAS QUENTES -Campos de sizal e Serra de Morumbala


rior. Vejamos os indigenas que estes Prasos teem nos seus ter-
ritorios:

Maganja d'Alem-Chire... .................. 4.785
Massingire Sul.......... .. ................. 4.970
Massingire Norte................... ........... 1.699

Destes numerous, porem, 1.699 trabalham nas planta;6es de
algodlo que a Companhia possue em Chilomo, e dos 9.755 in-
digenias dos Prasos dos Massingire Norte e bul 2.5io estao ao
serviqo dos agricultores da regiao, e por eles contratados. Con-
sequentemente, dos-restantes, a C. Z. apenas teri i.36o homes
validos, quando necessita para o sizal 3.ooo homes e para as
industries 3oo.
Para tranospprtes tanto do sizal para a fabric e de pessoas,
como da fibr para o Cbinde, a fim de tomar aqui os vapors
para a Europa, ter a C. Z. 24 quilometros de liala decauville,
3 locomotives, 5q9 vagons e- vagonetes, 2 fourgoes, 2 carruagens
20 chariots, etc.
Eiia Comrpanhia sustenta uma frota de 3 vapores, n!a's6
par a-tCrpaspte.de-fibra.parna .Chindt,.conm de mantimentos e
outras mercadorias que dizem respeito a esia exploraqio.
Ter tambem so seu serviqo 2 gazolinas e grande quantidade
de batel6es para carga.









"* g

E' imtportantissi
Scia, devido~io esfor~
E se nao vejam

Retida dos Prasos Mass
LicenMas industries e
gados........ ..
Rendas dos Prasos Mag
SDireitos de exportaq0es
Direltosesematerial e '
Adloionaes 1923-24.....


IOCAMBIQUE ,FRAND


ma a .verba qie entra nos cofres da Provin-
;o da C. Z.
os:


ingire ....... ........ ......... Esc.
comeiciaes, incluindo as dos empre-
.................. .. ........... Lb .
:anjd........ ................. Esc.
de sil (1054 top.) ...... ...... Lb.
eneros'importados ................ Lb
.... ....................:.. ....... Esc


9.'457$55

146-9-4
11.197$59
5.000
500
215 048$00


E'-de cercade 8op contos a importancia dispendida corn as
,suas exportac6es e imp6rtag6es.
E quere a Provincia maicr .lucro dos Prasos Maganja de
.AI~mChire, Mas ioglre Sul, Maspingire Norte? Facilite.a.ruao de
o-dbra necessaria.0 PA a 4s.tes Prases os 1.700 homes que he fat-
.,:tamn, e ntlo a sua produqio intensificar-se-ha para o d6brod conse-
;quentemente a C. Z. ino pagari apenas 5 mil libras, mas io mil,
,o u sjO *nmais 50o cbnites,'que enrrarlo'nos coftes da Provincia,
,-apenag, provementies ~taiintensifidca L da cultural do sizal.
Tim a C.' Z. nos Prasos a que nps estamios referindo e ao
Sseu se'rviqo .8 en pregados europeus e 22 asiaticos e assimilados.
.; .Nasuas' escolas bt tambem uma populacao indigeqa,.n uito
impodrante. Na ccola profissional.25o rap.azes qprendem various


AOUAS QUENTES Conducao da fibra para os secadotes


_ c~masnn~l~~.'~8A~slrrrrrur~uRar~~wr


L _..







TERRAS DE APlRJCA g.9

.oficios saindo dali excelentes operarios;, na, scola literaria 56
-.aItnos aprendem a ler, 'escrever e, contar. E' poia.C,Z. um
,podecoso auxiliary paraRa c -ivizaso dos. habitante. desta vasta
regiio. Tern. tambem a C. Z. ccoperado poderosamente para ian-
ter .aqxi a soberaiia national. Nas ultimas operaq6es de guerra,





















AGUAS QUENTES Planta6Ses de tabaco'da C. Z.- Repreza da agua
que abastece a fabric desfibradora

. lodos-os. seUs eempregados ,conm um patriodisno raro, ajudaram a
Defender ste orrgo que n9- pertepce, tend por, isso sido louva-
,*dos nos: ooleinfs Oficiaisi da Provincia.


* 4#


Umra das industries a que'a C. Z. se tern dedicado cor
smaior carinho term sido a da criag9o de-gado.











:Na margem direiia do rio Chire, fica o Praso Maganja.
Chegou esta Companhia a possuir neste Praso grandes planta-
6qes de algodao e de tabaco, tendo ainda aqui uma important.
fabric descaroqoadeira de algodao, assim como estufa para se-
cagem de tabaco e fabric de fazer cigarros. Tambem teve cul-
turas de cana de aqucar, ricino, arroz, etc., cultivos que as cheias
do Zambeze inutilisaram.
Presentemente a C. Z. tem destinado este Praso para a
industrial da criaqio de gados. E quizemos v8r esse gado de tanta
fama.
Ja na Costa Ocidental pessoas nos tinham feito as melhores
referencias ao gado bovino da Companhia da Zambezia. E essas
referencias nao foram exageradas. Esta Companhia esta selecio-
nando o seu gado, criando o melhor tipo para talho.
Viros varias manadas, cada uma das quais corn o seu tipo.
Eram 2.874.cabeqas, apresentando todo este gado uma boa apa-
rencia.
Este resultado 6 proveniente dos cruzatnentos de raqas indi-
genas corn Heruford, Shortorn, Friesland e Afrikander, para os
quais tem excelentes reprodutores.
E cada manada tern o seu sangue. L6 vimos exemplares de
meio sangue e trez quartos de sangue; de rapa Angus, raqa.
muito bem langada, mas de ma aparencia, visto nao ter armagao.
Na Bompona, antiga ilha de Inhangoma, pertencente hoje ao
distrito de Tite, exerce-se tambem a industrial de lacticinios, fa-
bricando-se excelente manteiga.


BOMPONA, 16 DE JANEIRO DE 1925


MOCAMBIQUEE RAND


100

















A REGIAO DE SENA



A SUA AGRICULTURE E A SUA POPULACAO
A PRETA ESCRAVA DO PRETO

0 da Companhia de Moqambique, deixando-nos em Vila Fontes,
'sede da circunscricao do Sena. Esta circunscriqao abrange toda
a margem do Zambeze e e dividida em 7 sub-circunscriq6es.
A organizagCo administrative de 1916, por6m, dividiu esta
circunscricao em 3: Vila Fontes, Chupanga e Chamba.
Tanto em Vila Fontes, como na Chamba e Chupanga, exis-
tem muita criaqco de gado e terrenos firteis para plantaq6es de
alg6dao, cana sacarina, etc., tendo esta ultima circunscrijgo gran-
des plantac6es de sizal, cuja fabric 6 em Chupanga, onde existe
tambem uma missdo religiosa.
A Mozambique Industrial ter nesta circunscricgo, onde nos
encontramos, uma concessIo de 5.0oo hectares, devendo comeqar
este ano cor a exploraqgo da cultural de algodio.
Tern tambem 3.645 cabeqas de gado bovino, unica industrial
que, ate aqui, nesta concessao ter explorado, digna de mengCo.
Existe tambem nesta zona uma -farme conhecida pela Her-
dade Portugalp. AlIm de possuir 176 cabeqas de gado bovino,
term to hectares cultivados de algodao, para o que adquiriu
boas charruas de 3 discos e varias alfaias agricolas. A sede.desta
importante afarmr 6 numa bela casa de alvenaria de construgao
recent.
A



University of Florida Home Page
© 2004 - 2010 University of Florida George A. Smathers Libraries.
All rights reserved.

Acceptable Use, Copyright, and Disclaimer Statement
Last updated October 10, 2010 - - mvs