• TABLE OF CONTENTS
HIDE
 Front Cover
 Half Title
 Title Page
 Dedication
 Uma explicacao
 I parte
 II parte: Os amigos do negro
 IV parte: Dominacao ultramarina...
 Back Cover
 Spine














Group Title: A grande noite africana : Afric, 1963.
Title: A grande noite africana
CITATION THUMBNAILS PAGE IMAGE ZOOMABLE
Full Citation
STANDARD VIEW MARC VIEW
Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/UF00073320/00001
 Material Information
Title: A grande noite africana Africa, 1963
Physical Description: xiii, 286 p. : ; 19 cm.
Language: Portuguese
Creator: Passos, Inacio de
Publisher: s.n.
Place of Publication: Lisboa
Publication Date: 1964
 Subjects
Subject: Blacks -- Africa   ( lcsh )
Africa, Portuguese-speaking   ( lcsh )
Genre: non-fiction   ( marcgt )
 Record Information
Bibliographic ID: UF00073320
Volume ID: VID00001
Source Institution: University of Florida
Rights Management: All rights reserved by the source institution and holding location.
Resource Identifier: oclc - 04698413
lccn - 66089101

Table of Contents
    Front Cover
        Page ii
    Half Title
        Page iii
        Page iv
    Title Page
        Page v
        Page vi
    Dedication
        Page vii
        Page viii
    Uma explicacao
        Page ix
        Page x
        Page xi
        Page xii
        Page xiii
        Page xiv
    I parte
        Page xv
        Page xvi
        O negro e a liberdade
            Page 17
            Page 18
            Page 19
            Page 20
            Page 21
            Page 22
            Page 23
            Page 24
            Page 25
            Page 26
            Page 27
            Page 28
            Page 29
            Page 30
            Page 31
            Page 32
        Atitudes acusadoras E A O. N. U.
            Page 33
            Page 34
            Page 35
            Page 36
            Page 37
            Page 38
            Page 39
            Page 40
            Page 41
            Page 42
            Page 43
            Page 44
            Page 45
            Page 46
            Page 47
            Page 48
            Page 49
            Page 50
            Page 51
            Page 52
        Um exercito de libertacao
            Page 53
            Page 54
            Page 55
            Page 56
            Page 57
            Page 58
            Page 59
            Page 60
            Page 61
            Page 62
            Page 63
            Page 64
            Page 65
            Page 66
        Fanfarronadas ocidente-oriente
            Page 67
            Page 68
            Page 69
            Page 70
            Page 71
            Page 72
            Page 73
            Page 74
            Page 75
            Page 76
            Page 77
            Page 78
        Outros interessados
            Page 79
            Page 80
            Page 81
            Page 82
            Page 83
            Page 84
            Page 85
            Page 86
    II parte: Os amigos do negro
        Page 87
        Page 88
        Estados Unidos da America
            Page 89
            Page 90
            Page 91
            Page 92
            Page 93
            Page 94
            Page 95
            Page 96
            Page 97
            Page 98
            Page 99
            Page 100
            Page 101
            Page 102
            Page 103
            Page 104
            Page 105
            Page 106
            Page 107
            Page 108
            Page 109
            Page 110
        U.R.S.S.
            Page 111
            Page 112
            Page 113
            Page 114
            Page 115
            Page 116
            Page 117
            Page 118
            Page 119
            Page 120
            Page 121
            Page 122
            Page 123
            Page 124
        A Alemanha vermelha
            Page 125
            Page 126
            Page 127
            Page 128
            Page 129-144
            Page 145
            Page 146
        O adulterio e o amor
            Page 147
            Page 148
            Page 149
            Page 150
            Page 151
            Page 152
            Page 153
            Page 154
            Page 155
            Page 156
            Page 157
            Page 158
            Page 159
            Page 160
            Page 161
            Page 162
            Page 163
            Page 164
        A saude e a educacao
            Page 165
            Page 166
            Page 167
            Page 168
            Page 169
            Page 170
            Page 171
            Page 172
            Page 173
            Page 174
            Page 175
            Page 176
            Page 177
            Page 178
            Page 179
            Page 180
            Page 181
            Page 182
            Page 183
            Page 184
            Page 185
            Page 186
            Page 187
            Page 188
            Page 189
            Page 190
            Page 191
            Page 192
        A feiticaria
            Page 193
            Page 194
            Page 195
            Page 196
            Page 197
            Page 198
            Page 199
            Page 200
            Page 201
            Page 202
            Page 203
            Page 204
            Page 205
            Page 206
            Page 207
            Page 208
            Page 209
            Page 210
            Page 211
            Page 212
            Page 213
            Page 214
            Page 215
            Page 216
        O alcoolismo, o vicio a sub-alimentacao e a doenca
            Page 217
            Page 218
            Page 219
            Page 220
            Page 221
            Page 222
        De quem e o negro amigo?
            Page 223
            Page 224
            Page 225
            Page 226
            Page 227
            Page 228
            Page 229
            Page 230
            Page 231
            Page 232
            Page 233
            Page 234
    IV parte: Dominacao ultramarina Portuguesa?
        Page 235
        Page 236
        Portugal no mundo
            Page 237
            Page 238
            Page 239
            Page 240
            Page 241
            Page 242
            Page 243
            Page 244
            Page 245
            Page 246
            Page 247
            Page 248
        Opinioes insuspeitas
            Page 249
            Page 250
            Page 251
            Page 252
            Page 253
            Page 254
            Page 255
            Page 256
            Page 257
            Page 258
            Page 259
            Page 260
            Page 261
            Page 262
            Page 263
            Page 264
            Page 265
            Page 266
            Page 267
            Page 268
            Page 269
            Page 270
            Page 271
            Page 272
            Page 273
            Page 274
            Page 275
            Page 276
            Page 277
            Page 278
            Page 279
            Page 280
            Page 281
            Page 282
        Conclusao
            Page 283
            Page 284
        Nota
            Page 285
            Page 286
            Unnumbered ( 271 )
    Back Cover
        Back Cover
    Spine
        Spine
Full Text














A GRANDE NOITE AFRICANA







DO AUTOR:
OS cROBERTOSn DO AMOR-ROMANCE
(A SAIR)




INACIO DE PASSOS


A GRANDE NOITE

AFRICANA


AFRICA/1963







LISBOA
1964


















UMA EXPLICACAO

Ao escrevermos este ivro nao foi nossa intengio fazer
political, nem colocar em nxeque, alguns poises semi-amigos
de Portugal-jd por nada percebermos de political, jd por
nio terms raz5es pessoais que nos coloquem como inimigo
dresses poises. A nossa maneira de ver i a maneira de ver
do home de Portugal, rude e simples, que fala cor o
corafio na boca, e que ao calar-se nada deixou por dizer;
Sa interrogaqgo do home da rua ao olhar, abismado, as
raz6es que levam o mundo a atacar a political portuguesa
em Africa; i a opiniao do home africano-residente hd
muito em Africa para adquirir o direito de o ser--contac-
tando no a-vontade do dia a dia, sem preocupao5es political
ou psico-socais, aim daquelas ditadas pelo seu coragao, cor
o negro seu irmao de Pdtria, reconhecendo que a Politica
racial estd no sangue, estd nos instintos fraternis que forga
alguma pode semear na mentalidade do home.
0 mais superficial estudo da Africa dos nossos dias o o
bastante para nos convencer que un fendmeno de Altaa qui-
mica estd a modificar a esirutura do continenme, enfraque-
cendo-o e reduzindo-o ao seu fragmento imidal: a selva.
Fdcil se tornard associar os drgios e os tecidos da estranha





demagogia que o vai arruinando, pois ela rodeou-se da mais
bela e poitica ideologia-a liberdade-, simplificando os
meios para atingir o seu alvo, empregando todos os seus
recursos garridos e perfumados com o mais pecador intent.
Em volta da flor acumulam-se as mais poiticos esplen-
dores da cor e da beleza e as mais afrodisiacos recursos do
perfume; porim, quantas vezes, toda a poesia duma floor
nio d mais do que a mortal armadilha oculta nos venenos
subtilissimas dos seus pdlens?... Pela mesma razio quem se
indcla a crer que a liberdade do povo africano estd escon-
dida nas pregas das bandeiras de :independnciaD>, erguidas
como gigantescas flores sobre os quatro cantos do continent,
e vitima imbecil da mais hipdcrita ideologia.
Mas bastando um superficial estudo para notar o erro,
o somatrio dos conhecimentos especificos e da experiencia,
necessdrio para o discutir, sd um estudo de presenfa, dura-
doiro e active, pode dar ao home.
As rotativas dos grades periddicos do mundo atiram ti
pacata burguesia as mais estapafirdias sentences, as vozes
dos locutores cruzam o iter nos mais variados e escaganifo-
beticos idiomas, e, de tamanho alarido, apenas uma verdade
se levanta: o mundo d um manicdmio.
A informaaio vive do povo e para haver tiragem sao ne-
cessdrios leitores; mas para que estes existam d essential
ofertar ao grande piblico a que ele deseja e o que ele digere
com mais facilidade: estd na moda o grito cliberdade para os
africanos e Portugal, corn a sua political africana, parece estar
nas medidas necessdrias para envergar a farda de dor> e de pals de cesclavinistas>. 2 precise aproveitar o
furo: se noticia fldta, inventa-se.
Os acusadores multiplicam-se. Nascem da selva e esten-
dem-se, ati, a todo o Ocidente. 0 Brasil, os Estados Unidos
da Amirica, a Inglaterra, e tantos outros, criam di vidas. Estd
aberto o caminho para a propaganda criminosa.
6 interessante notar como fddcil levar a population inteira
de um pals a assimilar ou a combater uma ideologia. Seria






dificil elaborar uma lista das causes que motivam esse fend-
meno mas sabemos ser a propaganda a sua maior. Quem nao
quiser viver isolado ten de ler um journal ou perder tempo
junto a um receptor, e, levado por constantes afirmaO5es,
batidas e repetidas corn inteligbncia, inclina a sua opiniio e
as suas ideas para as expendidas pelos 6rgZios informativos,
nao sendo mais senior da independencia necessdria para um
raciocinio claro e individual.
A insigne jornalista Rachel de Queiroz escreveu na cilebre
do Cruzeiro> debaixo do tulo Noticias>:
demo 6 o problema da informal~ o ou antes da desinformaao.
Nesta era de opinion piblica formada pela Imprensa e pela
Ridio, acontece que se concentra em muito poucas maios,
e todas, ou quase todas, tendenciosas, o monop6lio do noti-
ciario mundial. Os factos slo assim manipulados a bem deste
ou daquele grupo, e as consequlncias dessa interferencia de
interessados pode ser das mais terriveis. Talvez nIo seja injus-
riga dizer que a maior parte dos conflitos em que anda metida
a humanidade sio, senio criados, pelo menos alimentados
pelo noticitrio tendencioso, desfigurador, e francamente de-
sonesto>.
Todo o mundo tern conhecimento das campanhas de bertagio africana> nadas e criadas dentro da fronteira dos
Estados Unidos da America, mas o que nem todos conhecem
So que o cidadao americano William, 7. Lederer, antigo
official assistente e de informagio piblica do Comandante-
-em-Chefe do Pacifico, e author do livro
diz a respeito do seu pais: 0 grande defeito national 6 a
ignorancia. Os nossos dirigentes- incluindo o Presidente -
o Departamento de Estado, o Departamento de Defesa, e o
Congress, t&n muitas vezes tornado decis6es baseadas em
deficient conhecimento dos factos. E o piblico tern sido
muitas vezes iludido por boatos e propaganda duplamente
forjados pelos dirigentes e pela imprensa>.





Nao hd divida de que a imprensa, ou antes a informac9o,
Sa fabricante ntimero um da opiniio popular; nao sd nos
Estados Unidos,-a sua accio nociva espalha-se a todo o
mundo. Sabemos, e ninguim nos pode desmentir, que a
Africa actual, vivendo na mais amarga mishria, i um recep-
tdculo dificil de encher, e que os auxilios estrangeiros, embora
ultrapassem tudo o que possamos imaginary, sao esbanjados
em propaganda, ficando restante para material bilico, escolas
de terrorism e luxo dos governantes-fantoches.
Vejamos o auxilio aprovado pelo trangeiras, dos Estados Unidos para o ano fiscal de 1963:
Nada menos de 4 202 365 000 ddlares. Se bem que esta cifra
esteja um bocado abaixo do pedido original da Administra-
Fo- proposta que foi apresentada ao Senado em 28 de
Outubro--, se traduzirmos em escudos tao fabulosa maquia
dar-nos-d a bonita soma de 117666220000$00. Mas se
notarmos ainda, que o gigantesco corte deste ano nao tern
precedent no Senado, imaginaremos boqueabertos, a quanto
orea o auxilio dispensado pelos Estados Unidos da Amkrica
aos povos subdesenvolvidos ati hoje.
6 bem daro que nio i s6 a Amrnica que esbanja o seu
dinheiro, outros poises, e bastantes sao, praticam a oca2tando-a como um dos mais bem defendidos segredos de
Estado.
Chegamos pois a conclusao de que a noticia suspeita debi-
lita a estrutura de um pals, mas nao nos devemos esquecer
tambim, que a ausincia total de quaisquer meios de infor-
mafno, cor fontes de origem esclarecidas e honestas, nZo e
menos nefarta. Ela e a madrinha do boato e o boato i uma
variant usada corn sucesso pelos inimigos da verdade. Entre
uma information suspeita e a ausencia total de informanao
nao sabemos por qual optariamos; as consequincias sao as
mesmas: cancros indolores so pressentiveis quando a cura se
apresenta problemdtica. Confiar em qualquer delas como re-
curso salvador i bobagem infantil.







Sonha o author, corn este livro, mostrar ao home que
da Africa apenas conhece a posikfo no mapa, a razao de ser
do alarido ensurdecedor feito a volta da posifao portuguesa.
Para tanto a sua vontade e os conhecimentos adquridos numa
long permanbncia no contiente negro, mostraram-se insu-
ficientes, razao porque recorreu s opini5es insuspeitas de
individualidades sobejamente conhecidas no mundo das artes,
das cincias e da political, das cinco partidas do mundo.
Sem elas a sua voz nTo seria atendida par ser suspeita
para midtos-os cranicamente duwideiros-, e mentirosa
para outros--os mal informados e os velhinkos do Restelo
que se topam diariamente ao dobrar da esquina, e que sao,
sem divida, a escumalha corruptora de todas as sociedades
humans. Em Portugal, como em quase todos os poises do
mundo, la prolifera...


XIII










I PARTE





















O NEGRO E A LIBERDADE

Sabemos que muito civilizado v8 no home negro um
sin6nimo de morte mas semelhante opiniio e contraria &
verdade. 0 negro 6 como o branco home, e o home ter
em si o instinto da bondade.
Sendo certo que o home traz consigo a bondade, apesar
de tudo quanto se diz em contririo, o que motiva as cenas
de horror que enlutam o continent africano?... Aquele que
reflectir serenamente teri de acreditar na exist&ncia de uma
cega ideologia portadora de more, posta ao servigo dos ins-
tintos primitivos de homes por evoluir.
A civiizaio nio 6 apenas, como o supbe de boa vontade
muita gentinha de bolsos recheados e sorriso aberto, saber falar
bem, vestir corn gosto, corer de faca e garfo, frequentar os
cafes e os cinemas, e viajar repousado nos mais modernos
autom6veis. A muito ser civilizado faltam estes adorns que
sobram, em contrapartida, a muitos incivilizados.
Adivinha-se a civilizago de um povo nos gestos e attitudes
dos seus representantes e nao no peso do oiro aferrolhado nas
suas casas fortes; e para se chegar a um grau de civilizago
ha que percorrer um long caminho, recheado de esbogos e






INACIO DE PASSOS


de projects que se sucedem, e se engendram, uns aos outros.
Leva s&culos o fabric de uma civizaao para ser considerada
matria-prima e nio vulgar imitaqo de refugo.
Um povo deve possuir um conjunto de herangas morais
que o classifique corn capacidade de ocupar o seu lugar ao
sol na organizago das nacges, mas esse quesito tern sido idti-
mamente esquecido pela maior parte das nacges ocidentais,
por dificultar a realizagio de sonhos interesseiros. Os aplau-
didos representantes da her6is do mundo de
hoje pouco de bom podem mostrar ao mundo por nada
haverem herdado dos seus avoengos, mas os exemplos de tor-
peza acumulam-se nas suas n6veis pitrias, e t&n feito correr
rios de tinta na imprensa international, por vezes mesmo em
6rgaos, que, tendo inconfessado interesse em os afastar do
conhecimento das moles, se veem incapazes de o conseguir.
Seria cansativo descrever as cenas revoltantes de pilha-
gem e de morte que enlutam o continent africano, e nem
um tratado de milhares de piginas, eivado das maiores cruel-
dades e dos mais diabblicamente engendrados meios de tor-
tura abrangeria todas. As cenas de horror, incises rasgadas
traigoeiramente no corpo de um continent moribundo amon-
toam-se, cortando o silEncio da more os gritos sem apelo
dos povos abandonados que esperam uma manha calma e
silene que nunca mais volta. Mas se ela voltar, se o sol da
intelig&ncia iluminar os cerebros dos donos do mundo, se a
claridade matutina mostrar, sem disfarces, o rescaldo san-
grento da grande noite africana -os campos desvastados,
as vilas e as cidades cobertas de homes corruptos e doentes,
as bocas esfaimadas implorando o pio As maos impotentes
de o cultivar corn honra entgo o mundo compreenderi os
seus erros e a criminosa cliberdades seri entendida.
Quando lanarmos um olhar melanc6lico ao passado que
hoje 6 present, e sentirmos na nossa came as does dos que
foram desmembrados, a vergonha das virgens violadas, e o
repfidio a todos os crimes cometidos; quando olharmos corn
raiva as angelicais criangas degoladas nos ,bergos; quando






A GRANDE NOITE AFRICANA 19

quadros se representarem em todos os ecrans> do mundo a
apontarem os erros que jamais se esquecerio; quando todas
as consciencias se curvarem nauseadas; quando o pai olhando
o filho no bergo se recorder que outras criangas meigas como
a sua, ing6nuas como a sua, adorivelmente inocentes como
a sua, foram criminosamente assassinadas por uma falsa ideo-
logia; quando as maes vigiando as filhas na puberdade, nessa
idade maravilhosa em que a moga nIo 6 mais crianga e ainda
nio 6 mulher, e as idealizarem despidas saciando instintos
de bestas; quando tudo isso suceder... a manh! raiou e uma
nova esperanga encheri o mundo.
Tu, leitor nio africano, que subjugado pelas propaganda
criminosas que percorrem a tua Europa e a tua America,
te revoltas contra a presenga branca em Africa cantando o
estdpido e supinamente cretino slogan> A AFRICA 1
DOS NEGROS>, e agora, levado pelo que atris escrevemos,
olhas at6nito em busca de uma razio, nao condenes o negro
mas quern o abandonou no seu primitivismo, retirando-The
as leis da civilizago, e entregando-o, crianga com corpo de
home, as negritudes das primitivas leis da selva. Entende
que os goveros-fantoches se sentem incapazes de suster o
caminhar acelerado para a ruina, pois onde o progress mar-
cava a sua presenga hoje reina a fome, e onde a calmaria
erigia monumentos urn manto de terror, sem a claridade es-
gueirada de urn furo de esperanga, sombreou a terra As boas
recordacoes sno pAginas arrancadas cor raiva i curta mas
triste hist6ria da Africa negra, como se uma maldigo pesasse
sobre os homes. E a provi-lo estio as cidades do Congo
ex-Belga a mostrarem o que lucraram corn a libertagio os
habitantes que recordam, corn amargurada saudade, a segu-
ranca de outrora.
Ningum& como o Governo Belga conhecia a imaturidade
do povo congoles e concedeu-lhe a independ&ncia, exacta-
mente porque nunca considerou esse povo parte do seu povo
nem o Congo parte integrate da Bl6gica. Passaremos por
alto a sua infeliz political que se nio a honrou tambim nio






INACIO. DE PASSOS


beneficiou as gentes que acabaram por ser abandonadas nas
maos de lideres politicos criminosos, como 6 o caso dessa
figure sinistra da tribo dos bateteles> que de amanuense
dos Correios passou a ocupar o lugar de Primeiro Ministro
do Congo, depois de ter sido condenado e preso por dois
importantes desfalques (urm nos Correios e outro numa im-
portante fibrica de cervejas), o uiltimo superior a novecentos
mil escudos, tendo ainda que responder por incendiario e
criminoso. Esse sanguinArio Lumumba 6 bem exemplo do
desleixo, ou da excessive press, do Governo Belga por se
livrar das responsabilidades que Ihe pesavam nas costas cor
a presenga da sua civilizagao em terras africanas.
Do lento process de colonizaoo ate aos nossos dias pouco
o povo congoles herdou e da obra conseguida depara-se-nos
a qualidade do autor. Bastou A B6lgica o sinistro aspect do
future e a terrivel expectativa das does para fazer sucumbir
a sua combalida presenga civilizadora; os tormentos vieram
depois do seu abandon.
Alguns dirigentes do batuque reconheceram a enormidade
da mentira que levou a Africa para a mis6ria. Num vislumbre
de inteligencia publicam nos jornais, ou confessam em discur-
sos, chocantes profecias de nis6ria para o continent ator-
mentado, esquecidos de que foram eles os causadores da sua
ruina. As bas6fias saidas das bocas de alguns dirigentes tri-
bais Prefiro ver a minha terra morta de fome do que senti-la
no seu estado de dependbncia colonials sao vozes acusa-
doras por muita gente ji esquecidas, mas reconhecidas por
todos como profticas: A Africa esti como esses politicos
desejaram. Outros, de olhos a sairem das 6rbitas, interrogam
o future com pessimismo: Qual sera o resultado de tudo
isto?... Valeri a pena lutar pelo funeral dos restos de civi-
lizagao no Continente>?... Na sinceridade receosa destes diri-
gentes podemos n6s acreditar e por isso anotAmos as pala-
vras de Adama Tamboux, Presidente do Parlamento Cen-
trafricano: Os golpes de Estado, os complots em Africa
que cada dia desde hd meses, enchem os jornais e tambim






A GRANDE NOITE AFRICANA


as pris6es, impedem de prosseguir o bomr resultado dos pro-
jectos de envergadura que nos podem tirar do atraso. Tempos
novos e mais dificeis se abrem para a Africa atormen-
tada>>!
0 que se esperaria de povos que arrumaram as ferra-
mentas porque at os criados de servir querem ser minis-
tros?... 0 que poderia partir de iti chocado pelos acalo-
rados c6rebros de homes que de soldados passaram a gene-
rais, cuidando que a diferenga entire uma coisa e outra existia
apenas na colocago de estrelas na mesma farda?...
0 trabalho foi sempre considerado como um dos factors
essenciais na vida humana. Ele dignifica o home e 6 o
seu segredo de riqueza. Sem o trabalho individual nio pode
haver uma comunidade rica; sem os meios necessArios de
subsistencia urn povo no pode ser feliz nem viver em paz.
Quanta alegria nio existe na certeza de que A mesma
hora, em todas as cidades, aldeias e vilas do mundo, a hu-
manidade inteira obreira e ordenada, constr6i, idealiza e
cria. Milh5es de bragos revolvem a terra retirando dela os
produtos para a subsistencia colectiva; cortam madeira, pre-
param-na e fazem dela as mais dispares obras; perfuram
as minas como incansaveis toupeiras retirando da terra ri-
quezas subterraneas postas pela natureza ao dispor do home;
batem o ferro, fabricam mercadorias; pilotam avises, barcos,
comb6ios e toda a esp6cie de transportes, no interesse de
servirem o semelhante...
Milh5es de c6rebros preparam-se nas escolas; escrevem
livros levando ao mundo as luzes dos seus conhecimentos;
investigam, constroem leis ou praticam a justiga -todos
unidos no mesmo esforgo, que 6 a contribuigio individual
para o bem-estar colectivo. Ao labor mundial, como filho
de famiia abastada, apenas o povo negro fugiu. Nao constroe.
Nao inventa. Nada faz!...
Fugindo a Africa a harmonica actividade mundial, dificil
se tornari manter a calma nas suas fronteiras. A indolin&cia
do seu povo 6 a causa principal do marasmo do seu viver.






INACIO DE PASSOS


Nada o interessa. Cor nada se preocupa. Mesmo quando uma
calamidade o avassala, a sua filosofia leva-o a crer que foi
feitigo que se voltou contra ele. Se uma lei dura nao exigir
que A vida do negro se acrescente urn principio de respon-
sabilidade por algo, ele dormiri numa indolEncia destruidora
de todos os principios humans.
Naigumas regi6es africanas e tao not6ria a alergia ao
trabalho que um negro estradas nacionais decidido a ser 6tii a sociedade e a aban-
donar os principios de cnada fazer- do seu povo, ganhou
fotografia no principal jomal do Quinia.
Muitos sociblogos culpam o clima desta situaao; pormn,
essa nolao nada mais 6 do que um excess de indulgAncia
para con o negro, pois, aguentando o mesmo dima, o branch
trabalha tanto em Africa como na Europa.
*


Hi meia dizia de anos apenas existiam dois estados inde-
pendentes: a Libria e a Eti6pia, e no finar de 1963 somam
exactamente trinta e cinco. Em todos eles o mesmo espec-
ticulo se nos depara. Caminhemos por entire a morte, afas-
temos o sangue do nosso caminho, visitemos esses paises
pseudo-livres, e colhamos algumas n6tulas interessantes, que,
A falta de melhor titulo chamaremos de latitudes acusadoras>
de civlizagao negative. 0 terreno de onde as podemos colher
6 imenso como vasta 6 a Africa, e, sem sairmos do ano em
que nos dispusemos a escrever este livro, vejamos o espec-
taculo da verdadeira Africa dos nossos dias, daquela que
muita gente deseja desconhecer, ou que, pelo menos, nao ve
quando para ela ola... atraves do mapa.
Olhemos para Africa cor os olhos da argdcia e da inte-
gencia, e mesmo naqueles bocaditos infimos e isolados em
que a paz ainda reina, compreendamos que ela nio sera
eterna nem sequer duradoira. Sao montanhas e montanhas






A GRANDE NOITE AFRICANA


de dinamite prontas a explodir ao capricho de urn f6sforo que
se aproxima e se afasta, deixando, miraculosamente, por ora,
a terra numa aparente acalmia. Nio nos iludamos. A guerra
vira. Igual. Em toda a Africa igual. Desalentadoramente
igual...
Na Africa Oriental nio ter corrido o sangue que forma
oceanos no resto do continent. As calamidades do Ruanda corn
cinco a seis mil membros da tribo ctutsis mortos apenas
numa semana; os milhares de brancos, pretos e mistos mas-
sacrados em Angola e no Congo (Leo); as cenas de cani-
balismo realizadas no mesmo territ6rio a que nio estavam
atheios ministros e gente grande> do Govero; todos esses
massacres slo casos isolados e quase raros na parte oriental
do continent, mas, mesmo assim, nio nos iludamos.
Esta 6 a parte de Africa que melhor conhecemos. Corn
diversas pessoas conversamos e pouco optimistas encontramos.
Fossem de que raga fossem. Pertencessem a que nacionalidade
pertencessem. A idea geral e a mesma: a Africa Oriental nio
desmentirA o resto da sanguiniria Africa.
A escritora Elspeth Huxley, nortoeamericana, autora de
diversas novelas e obras de ficio sobre Africa, declarou numa
entrevista concedida ao
que os povos dos territrios da Africa Oriental, recentemente
independents, estavam a ser deliberadamente conduzidos pelo
caminho das ilusoes, pelos politicos africanos, afirmando que
a situagao naquela zona era como uma mecha pronta a incen-
diar-se>>. A escritora acrescentou, mais adiante:
dos europeus, as suas casas, os seus automcveis, dinheiro a
rodos e nenhuns impostos. E como nada disso se verificou,
as desilus5es t~m side grandes.
A situagfo na Africa Oriental poderd n~o explodir durante
algum tempo mas e bastante perigosa e pode, facilmente, ser
explorada pelo povo corn os seus pr6prios objectives>.
Olhando para a Africa Oriental e pondo em exemplo
o Quinia, o diirio radical





INACIO DE PASSOS


que os africanos do Quenia consideram o pequeno comer-
ciante indiano como o inico obsticulo A prosperidade depois
de tUhuru *, e que o indiano 6 o alvo mais comum do 6dio
africano naquele novo pais, que recentemente adquiriu a inde-
pendencia.
O corresponente do journal, em noticia directamente en-
viada de Nairobi, afirmava que o primeiro resultado do es-
tribilho poderia ficilmente ser
uma sangrenta luta corn os indianos. O facto de o Quenia
nio poder dispensar o capital indiano, ultrapassa a compreen-
slo da maior part dos africanos, a quem, a propaganda fez
acreditar que a prometida carnuc6pia poderia ser alcangada
ap6s o Uhuru-, corn o simples escorragar dos indianos do
Qudnia>.
Seja este ou outro o motive que leve ao iniicio do bar-
barismo, e n6s inclinamo-nos i idea de que sejam as lutas
tribais, e as guerras populares para a destituiio de Govemos
que nio agradam a um dos dois grandes blocos que gover-
nam ou querem governor o mundo, o inicio da batucada
sangrenta. De qualquer modo os cenArios e as personagens
estao prontas e as altimas ji se sentem impacientes por
entrarem no diab61ico especticulo, aguardando, apenas, as
pancadas de Molliere.
Espectadores tamb6m nio faltam. Capitalistas para sub-
sidiarem a batalha sao mais do que as mies. Basta apenas
um pouco de pacidncia e o especticulo unificars toda a Africa
tomando os rios de sangue apenas num s6 oceano.
Julgamos nio pecar por pessimismo... pois as fortunes gas-
tas pelos Governos em armamento sio de um exorbitincia
inacreditivel, o que demonstra, claramente, como estes n6veis
paises encaram o future. Um inqudrito efectuado recente-
mente mostrava que as nagces africanas gastaram ocm as
suas forras armadas nada menos de 24 500000 000$00 e
que tencionam gastar muito mais no ano de 1964.

Liberdade.






A GRANDE NOITE AFRICANA


Os seus valores orgamentais militares oscilam entire os
miximos 219 800 000 d6lares, na Africa do Sul, e os 500 000
d6lares e 600000 d6lares do Togo e do Quinia, respectiva-
mente em 1962 e 1963.
Este inquerito apenas veio mostrar que a maioria das na-
q5es africanas aumentou, em muito, as despesas militares,
nomedadamente o Gabio que passou de 1 500 000 d6lares
para 2 500 00 d6lares no ano passado; Marrocos que au-
mentou de 82 000 000 de d6lares para 93 000 000 de d6lares,
e a Nng6ria de 20000000 para 28 000000 de d6lares.
Os nimeros do inquerito a que nos reportamos, foram
conseguidos, na sua maioria, a partir das estatisticas oficiais
dos orgamentos militares e nao incluem as rubricas respei-
tantes ao auxilio do estrangeiro, que, entendemos, deve ser
considerivel.
Indicam-se a seguir os orgamentos de defesa de virios
paises e a sua percentage em relaaio ao orgamento geral
de 1963, referindo-se expressamente a anos, quando nao se
trate exclusivamente do ano passado:
Argelia 66 milh6es de d6lares e 11 % representt,
aproximadamente, o mesmo que o previsto para o orgamento
da Educaggo Piblica);
Burundi-1,2 milhies e 7,7%;
Camarses 15,6 milhoes e 16,3 % (aproximadamente
o mesmo que o previsto para o orgamento de 1962 mas o
dobro de 1961;
Repiblica Central Africana 2,1 milh6es e 7,1 %. (Neste
orgamento estio incluidas as forgas de policia que, usual-
mente, nos outros paises, sAo incluidas no Minist6rio do In-
terior);
Repiiblica de Tchad 1,5 milh5es e 6 % em 1962;
Congo (Braz.)-3,7 milh6es e 10% em 1962;
Congo (Leo) 10 milh5es e 25 %. (As forgas miita-
res das Naq6es Unidas estacionadas no Congo custaram





INACIO DE PASSOS


240000 000 de d61ares desde Julho de 1960 a Junho de 1962,
mas nao estao incluidas no inqubrito);
Daom6 1,1 milh5es e 4 %;
'Eti6pia-17,9 milh5es e 15.7%. (Seria de 34% se
incluisse as forSas da policia);
Gabbo--2,5 milhoes e 8 %;
Gana 35,3 milh6es e cerca de 8 % e 15 % em 1962
(incluindo os projects militares, fomento rodoviario e outros
de interesse civil);
Costa do Marfim 8,7 milhoes e 8 % em 1962;
Quinia -600000 e 0,4 % (antes da independ8ncia em
1963);
Libria 2,4 milh6es e 6 %;
Libia 14 milhses e 12 %;
Reptiblica Melgache--9 milh6es e 10 %. (O auxilio
military atingiu 40 % e a assistencia financeira da Franga tota-
lizou 90 000 000 de d6lares em 1963);
Mali 8,7 milh6es e 7 % (em 1962);
Mauritania-4 milhoes e 215 % (inclui a Guarda Na-
cional e outras forgas de seguranga, compreendidas no Orga-
mento do Minist&rio do Interior, ati 1962);
Marrocos 93 milh&es e 20,2 % (82 milh6es de d61ares
em 1962 e 65 milhoes em 1961);
Niger- 3,4 milh6es e 12 %;
Nigria -22 milh6es e 5,8 % (20 milhoes de dolares
em 1962);
Federago das Rodesias e Niassalandia 23,7 milh6es e
11 % (a Federagio ji foi dissolvida);
Ruanda -1,3 milhles e 9% em 1962;






A GRANDE NOITE AFRICANA


Senegal -9 milh6es e 4,5 %;
Somilia 3,9 milh6es e 13,8 %;
Africa do Sul 219 milh5es e 9,5 %;
Tanganica -1,4 milh6es e 2%;
Togo 500 mil e 2 % em 1962;
Tunisia- 11,4 milhoes e 4,7% em 1962-63;
R. A. U. 212 milhoes e 15 %;
Alto Volta 2,8 milh5es e 8,8 %.




Todas estas monstruosas importancias parecem-nos mais
descabidas se olharmos que a totalidade das forqas dos ex6r-
citos de todos os paises africanos nao excede 496000
homes, pertencendo a um pais R. A. U. -120 000, prh-
ticamente um quarto de toda a forga military africana.
Os dados que damos a seguir, coligidos pelo joralista
norte-americano George Week, alim de nos mostrarem os
efectivos militares das nag5es africanas, provam tamb6m que
a maioria das pitrias negras nio tem nas suas fileiras mais
de uma dezena de milhar de soldados, o que, sendo muito
pouco, se ter mostrado dificil de controlar pelos respectivos
Governos, sendo necessario, jA por diversas vezes, se recorrer
a forMas europeias para manter a ordem dentro das suas
fronteiras, nomeadamente no Tanganica, Uganda, Quenia,
Zanzibar tropas inglesas e em Libreville tropas fran-
cesas -. Nao 6 incoerente notarmos quanto e simb6lico que
na Argelia em 1948 apenas existiam 40000 soldados fran-
ceses, e que em 1963, com a Argelia francesas ali estacionadas compunham-se de 80 000 homes.
Exactamente o dobro!...






INACIO DE PASSOS


Sio os seguintes os efectivos militares africanos:
ArgElia-48000 homes no exrcito regular. (Estio
incluidos todos os guerrilheiros que fizeram a sua preparagao
durante a luta contra a Franca).
Basutolindia -Nio tern ex&rcito, possuindo apenas 550
policies.
Bechuanalindia -Tambm nao ten ex&rcito, sendo a
sua forca de policia composta de 500 homes.
Barundi Possui cerca de 800 soldados e 850 policies.
Camar5es-0O exercito comp5e-se de 2700 homes, a
Guarda Nacional tern um efectivo de 2000, possuindo ainda
3000 gendarmes e 800 policies municipals.
Repiblica da Africa Central-0 exircito e composto de
500 soldados, 450 gendarmes, 670 Guardas Municipais e
330 policies.
Chaad Possui urn mindsculo exrcito de 400 soldados
e uma forga regular de 1950 agents de seguranga.
Congo (Braz.) seu ex&rcito 6 pouco maior: 700
soldados, e mais 500 gendarmes comp6em a sua forca de
seguranga.
Congo (Leo) Em contrapartida este seu vizinho 6
muito mais forte: o ex6rcito 6 composto por 30000 homes.
Daom Apenas possui 1000 soldados, 350 policies e
1000 gendarmes.
Eti6pia Os efectivos do seu exercito variam constan-
temente dependendo do nuimero de soldados das forgas irre-
gulares tribais ao servigo; por&m a forga oscila vulgarmente
entire os 25 O00 e os 35 000 soldados e de 30 000 policies.
Gabio--Mais um minisculo ex&rcito: 600 soldados e
900 homes nas forgas de seguranga.






A GRANDE NOITE AFRICANA


Gambia--Nao tern exercito mas possui uma forca de
policia composta de 650 homes. Sup6e-se que deste nfumero
se retirara ur nfcleo de 150 para formagao do ex6rcito.
Gana 0 pais da forga te6rica ter um exercito
de 8000 homes. Possui tamb6m um corpo de policia corn
9000 unidades sendo 100 do sexo feminino.
Repiblica da Guind Tern uma forca de 4800 soldados
e 3300 policies.
Costa do Marfim 0 seu ex&rcito compoe-se de 4000
soldados, possuindo ainda 1500 gendarmes e 780 policies.
Qudnia-Possui no seu active military 2500 soldados e
11 500 policies.
Libria--Outro minisculo ex&rcito: 3580 soldados. Pro-
curam, mas atW agora nio conseguiram, elevar esse numero
para 5000.
Libia Possui um exircito de 5000 homes e uma forga
area por ora em formacgo.
Republica Malgaxe--O seu exircito conta corn 2500
homes, possuindo ainda 5900 agents de seguranga.
Mali-Possui nas suas fileiras militares 3100 soldados,
600 policies e 650 gendarmes.
Mauritania--Possui apenas 1000 homes nas suas for-
Mas armadas. Conta ainda corn 400 agents de seguranga.
Marrocos Este pais ji tern uma forga digna de respeito
em comparagio cor os restantes: No ex6rcito prestam servigo
32 500 homes, na Marinha 400, na Forga A&rea 1930, 1800
gendarmes, na Policia Nacional 14 000 e na Policia Auxi-
liar 8500.
Niger-O seu ex6rcito 6 tamb6m pequeno: compoe-se
de 1200 soldados. Possui ainda 350 policies, e cerca de 1000
homes dividem-se pela Gendarmeria e pela Guarda Repu-
blicana.






INACIO DE PASSOS


Nigria--O seu ex&rdto compoe-se de 8000 homes
terra, mar e ar -, possuindo 15 000 agents na Policia
Federal e 8000 na Policia de seguranga.
Rod&sia do Norte-Tern uma forga de 2900 soldados
: 7000 policies.
Niassalindia -A sua forga compoe-se de 1500 soldados
e de 3000 policies.
Ruanda- Mais ur minfisculo exercito composto apenas
de 900 homes e de 650 policies.
Senegal O ex&cito possui uma forga de 2500 soldados,
tendo ainda 100 gendarmes, '1500 policies municipals, 1500
policies rurais.
Serra Leoa Tambnm nao e das maiores forcas pois o seu
exercito apenas conta corn 1850 soldados e 2000 agents de
seguranga.
Somalia seu exercito tem o mesmo nunmero de ho-
mens que a sua policia, pois ambas as forgas se comprem
de 4600 homes.
Africa do Sul-No efectivo do exercito sul-africano
prestam service 12 000 homes, mas alem deste nimero
mais 10 000 ji possuem instrucAo military, fazendo parte de
uma projectada reserve de 50000 homes, unidades de co-
mando de voluntArios 2.325 policies.
Rodesia do Sul O seu exerciro conta com 3400 homens.
A Policia cor 5000. A maioria dos efectivos da Forga Area
da antiga Federagqo das Rodesias e Niassalindia tambam
ali estA estacionada.
Sud o No exircito serve 11000 soldados e na Po-
licia 10000.
Tanganica Possui uma forga de 20CO soldados e 50CO
policies. Dois batalhies amotinaram-se sendo necessario a
intervencao britinica para acamnar os soldados.






A GRANDE NOITE AFRICANA


Togo Este exrcito tarmb6m 6 dos microsc6picos: possui
250 soldados e 300 policies.
Tunisia -0 seu ex&rcito comp&e-se de 20 000 soldados
e a sua policia de 4600 homes entire agents e gendarmes.
Uganda Possui 2000 soldados e 5000 policies. (Duas
companhias revoltaram-se na mesma altura dos batalhles do
Tanganica, sendo tambm& necessaria a intervenglo britanica.
Em qualquer dos casos bastaram poucas horas para serem
dominadas).
Repfiblica Arabe Unida -0 seu exrcito, de todos o
mais monstruoso, comp6e-se de 120000 homes, a sua Po-
licia Civil tern 1001000 agents, e a Guarda Nacional cerca
de 50 000.
Alto Volta Possui apenas 1000 soldados, mais 880 ho-
mens na Guarda Republicana, 170 na Guarda Municipal e 25
na Policia.
Zanzibar- Ngo tern ex&rcito nem policia. 600 rebeldes
armados e 25 a 30 revolucionarios treinados em Cuba derru-
baram o primeiro Governo apenas 5 semanas depois da inde-
pend&ncia, procamando a Republica.

*


Muitos leitores devem ter o!hado corn surpresa os nume-
ros que atras escrevemos. Nio estranhamos essa surpresa
pois seria ficil de supor que, olhando a serie continue de
desacatos que envolvem no present quase toda a Africa livre,
cada pais tivesse urn exercito capaz, pelo menos, de nio
tornar ridiculas as tiradas carnavalescas demonstrativas da
forga.
Nao hi muito tempo, Cabinda (Angola) foi bombardeada
por morteiros e canh6es anti-carro, colocados da parte de fora






32 INACIO DE PASSOS

do territ6rio portugu8s. Essa agressao, sem dfivida nenhuma,
foi ura provocagio que podia trazer as mais amargas con-
sequancias ao provocador. As dividas foram tiradas: a pedido
do Governo de Portugal foi feito um inquirito e provada a
agressao. Alias, os edifiicios destruidos erguiam-se do solo a
testemunhar a certeza aos duvidosos, porem esse pobre pais
n~o tem armamento que sirva sequer para mostrar em rada>.
Sendo tao frigil a carcaga b6lica dos povos africanos
sente-se apoiada por forgas ocultas e interesses inconfessiveis.
E sio essas forgas fabricantes de guerra e provocaq5es que
fizeram do cahno e dorminhoco solo africano o continent
das attitudes acusadoras que vamos estudar, dando para tal
uma pequena voltinha que nos sera proveitosa e nos mostrari,
finalmente, a razio de ser do borburinho que tern consumido,
como nenhum outro, toneladas de tinta de imprensa nos
jornais...





















ATTITUDES ACUSADORAS E A O. N. U.
a) GANA

Comecemos pelo Gana, andga Costa do Oiro britanica,
e propriedade desde 6 de Margo de 1957 do famigerado
negro dr. Kwame N'Krumah, o (REDENTOR),
o <
(INVENCfVEL), o kukhudurie (INDOMAVEL), o < tamanoko> (INFALIVEL), o < DOR). o (HOMEM DIE ACQAO), tudo titulos
ridiculos de que ele se rodeou. 0 seu Primeiro Ministro, Ako
Adjei, deposto sob a acusago de ter desempenhado papel
important no atentado bombista que visava provocar a queda
do Governor, 6 acusado, tamb6m, pelo Procurador Geral Gangs
Kaw Swanzi, de ter desfalcado o Banco Comercial do Gana
=m vinte e cinco mil novecentas e setenta e quatro libras ester-
linas mais de dois mil contos na moeda portuguesa.
Segundo o mesmo Procurador Geral, o senhor Ako Adjei
exigiu que o Banco Ihe pagasse essa importancia quando
ainda ocupava o cargo, alegando que necessitava do dinheiro
para < Entretanto os diplomats negros nio s6 os do Gana-
sem qualquer respeito pelos paises que representam, vao







INACIO DE PASSOS


enchendo de dividas as suas n6veis pAtrias, nao pagando
o que compram, deixando A sua volta um rasto de descredito
que apavora. Assim o afirma a revista nao 6 tao ram que ji foi inscrito na Agenda de Outono do
Parlamento Alemao.
O resultado 6 que os comerciantes e os industrials nao
sabem o que fazer a estes diplomats caloteiros que com-
pram... para nao pagar. Inutilmente bateim s portas das
Embaixadas, sendo por vezes recebidos corn improp&ios de
fazer corar um sacristao.
As dividas continuam, pois os meios de que disp5em as
suas paupirrimas patrias, nio chegam para alimentar os vicios
que os seus adquiriram. Como o tempo nao lhes
falta, visto que as viagens s6 sao diplomiticas na apar&ncia,
nao se cansam de passear as suas mentalidades primitivas pela
Europa, fazendo alarde dos seus defeitos, exteriorizando, cor
as suas atitudes depravadas, a anarquia que reina nos seus
paises.

b)


O antigo ministry da Informagio. Tawiah Adamafio,
home responsivel pela propaganda pessoal do senhor N'Kru-
mah, e acusado do mesmo crime de traigio do seu colega Ako
Adjei. Este ministry criou a volta do seu chefe uma tal
aurola de santidade como nenhum home no mundo jamais
possuiu. Chegou mesmo a compor um nunca morre que era ensinado nas Escolas e oraiAo cons-
tante nas bocas dos amedrontados membros do da Juventude Pioneira do Gana.
Segundo declarou o pr6prio ex-ministro, este
destinava-se a e nos cora 5es dos povos do pais, para que enquanto a nagCo
existisse N'Krumah continuasse a chefiar e a guiar o pais...
mesmo do seu tumulo.







A GRANDE NOITE AFRICANA


Um Deus eterno, vivo na lenda e na imaginafgo do seu
povo, com poder de vida e de morte... Um Deus que passeia
a sua por entire as multidoes famintas que o
aclamam em delirio... Um Deus cujo nome enche as colu-
nas dos jornais do seu pais, nas mais laudat6rias parangonas!...
Um Deus com direito a e a adoraao!... Sem dfivida
nenhuma a political de palhota opera milagres: ate de mise-
riveis vemnes se fazem <...

c)

Criou as leis de Deportago e Detenito, destinadas a
paralisar a oposiiao political. A lei de Deportago deu a
N'Krumah plenos poderes para expulsar do pais, por mera
suspeita e sem possibilidade de revisao ou apelago em quail-
quer tribunal, todo o individuo cuja presenga no Gana o seu
partido consider inconvenient.
Um correspondent no Gana da revista < noti-
ciou que uma mae de nove filhos foi arrastada para fora de
casa durante a noite, entire choros e gritos das criansas, e
deportada sem mais explica~6es e sem ser submetida a qualquer
julgamento.
0 correspondent do de Londres,
Jau Colvin, notioiou pormenorizadamente uma deportaio
extremamente chocante e, como represalia, foi processado por
desacato ao Poder Judiciirio e deportado.
Quando foram deportados quatro parlamentares oposio-
nistas os seus colegas entraram corn um pedido de chabea-
-corpus> para demorar a execugao. Apesar disso o Ministro
do Interior p6s os quatro num avigo e expulsou-os sem qual-
quer formalidade ou julgamento.
Pela lei de prisao preventive, criada em 1958, todo o
cidadio cujo proceder o Partido consider ou
irreverentt> p'ode ser colocado na cadeia, sem qualquer
julgamento, por um praso que vai ate cinco anos.







INACIO DE PASSOS


A prop6sito escrevia John Wallace Tsiboe, corajoso re-
dactor do : cSe temos o direito de prender e deter
nossos irmlos sem o process judicial, nio passamos de um
Estado Policial,.
d)

N'Krumah ja foi aivo de quatro atentados, e a todos tem
escapado com vida. De cinco individuos acusados do illtimo
tres foram absolvidos pelo ~Chief Justice (Presidente do
Supremo Tribunal) Sir Akku Korsak. ao que parece um
homepn bastante just. N'Krumah decidiu imediatamente
demiti-lo porque nao sabia fazer justiga... A sua maneira.
Para breve pensa fazer um plebiscite para Ihe dar poderes
para mudar o Presidente do Supremo Tribunal sempre que
Ihe convenha. A justiga ficard pois, inteiramente nas suas
maos...
Conta o conhecido articulista Pedro 'Correia Marques,
jornalista metropolitan mas ser dfivida o home mais lido
na Africa Portuguesa, que em 1948, um marabuto quineu,
Fanta Nhadi, predisse que N'Krumah casaria corn uma jovem
egipcia de quem teria um filho que seria o rei de Africa.
Apressou-se N'Krumah a procurar a esposa egipcia para
que a sina se cumprisse. Casou e dela nasceu um filho, Borka
Kuame, que agora tem cinco anos. Sobre esta crianca se pro-
jectou o e... a seu tempo sera o rei da Africa.
Nao content em ter nas suas mios o Governo e a justipa
do Gana, deseja para seu filho, se para ele nao conseguir,
o dominio de todo o continente!...

e) ARGtLIA

Encontra N'Kruman um grande obstaculo a realiza-
gao (!!!) dos seus sonhos, num outro tolo que, al6. de explo-
rar a situaco melhor remunerada do seu pais, ergue a sua






A GRANDE NOITE AFRICANA


voz como um Napole~o de Africa, impondo As gentes embas-
bacadas, as mais ridiculas e rocambolescas situaces.
Muita gente toma a serio as suas tiradas teatrais, e
mesmo as pessoas conhecedoras da natureza artistic de tao
conhecido bobo, por vezes tremem de receio. O homenzinho
julga-se fadado para as mais dispares proezas.
Vivendo o pais do Senhor Ben Bella de criditos conce-
didos pela Franca, nio se import que o sangue frances seja
derramado no tribo dos mais condenAveis assassinios.
Nacionalizou ji algumas propriedades francesas, e, ba-
seando a sua represilia nas experiincias nucleares do Saari,
ameaga nacionalizd-las todas se a Franqa levar por diante
essas experiencias. E 6 tAo atrevido que continue recebendo
o auxilio monetirio frances, s6fregamente, como um faminto.
Esta falta de caricter, este claro exemplo de primiti-
vismo, desmente as opiniies de muito boa gente que o con-
sidera uma personalidade vigorosa que nio conhece obstAculos
e ignore as dificuldades. Julgam-no que, habituado a domi-
nar as situac5es adversas, nada receia, aproveitando-as, ate,
e utilizando-as a seu favor. Naio admiral, pois, que o alcunhem
de libertador, e de outros titulos, t~o ridiculous como os
escolhidos por N'Krumah.



Afirmou ao mundo que enviaria milhares de voluntarios
para combater os pressureses broncos> de Angola, e falou
em fortunes fabulosas postas A disposicio do terrorism ango-
lano, ao mesmo tempo que prime ditatorialmente o povo
argelino e nada na mais miserivel bancarrota.

g)
JA teve a est6pida idea de afirmar que os acordos de
Envian> nio s5o o Corio, querendo dizer na sua que esses






INACIO DE PASSOS


acordos nada valem para si; quando lhe convier ... desres-
peita-os.
A afirmagao de Ben Bella tira today a esperanga de
seriedade a qualquer acordo que haja que ser assinado corn
qualquer estado africano. Os seus caprichos substituem as
obrigag6es. porque os principios, assentes na honra, na leal-
dade e no deer, nio as confere a 0. N. U. ao passar, e
entregar ao domicilio, cartas de alforria ...

h)

Nacionalizou, at6 a altura em que escrevemos, os jornais
francesees que, singrando aos tombos por entire os 6dios
benbellescos, se publicavam em Argel: < <> e a informagio international dos seus melhores informadores,
expulsando do solo argelino Andre Poutard correspondent
especial em Argel do journal independent parisiense Monde>, Andr&w Borowieg--da Associated Press, Alain
Raymond -da United Preess International, Jacques Mana-
chem antigo editor politico do journal ,
e Cristian Guy-enviado especial do >.
Prejudicava Ben Bella que o mundo conhecesse a
verdade! ...

i)

No campo das represilias contra os seus patricios 6 not6-
ria a aversao que tem a todos aqueles que serviram a Franga.
Os guards de policia e os gendarmes do exrcito frances
na Arg6lia, por terem enfileirado ao lado dos brancos bai-
xaram a vala comum, varados por fuzilamentos em serie, num
derramamento de sangue que s6 encontrou similar em Cuba.
A acusagio e trailo, como se fora possivel trair um pais
que na altura nao existia!... B interessante notar que alguns
paises, baseados na mesma zarolha razao, consideram o povo






A GRANDE NOITE AFRICANA


angolano traidor, por defender a sua terra da cobiga estran-
geira. nio a passando a patacos, como se Portugal fora uma
botica falida ou uma casa de past, para satisfazer essa
cobiga.
Baseando-se na pr6pria expressio de Ben-Bella, usada
nos recitais de palhota ito acreditados no nosso tempo, encon-
tramos um interessante paraxodo: Sdo suas as seguintes
palavras: sua . Colonizador e todo aquele que prime os
povos
Considerar-se-' ele pr6prio traidor e colonizador?...
Das suas attitudes 6 possivel concluir-se que nao tern noio
correota de e de colonialismo> e se urn dia
aparecesse no mercado um dicionariozinho da sua autoria,
teriamos por certo, como sin6nimo de liberdade ditadura,
de colonialismo paz, e de traidor patriota.
Toda a sua arrogancia, todas as suas attitudes bobescas
nao passam de uma mistificago de que hi insimeros exem-
plos na Hist6ria. O seu future estaria assegurado num circo,
como ventriluquo, saindo a sua voz bem timbrada... do vern-
tre moscovita.

i)

Nao content corn a espoliaco dos bens franceses anunciou
que os grades proprietarios argelinos ficario tambem sem
as suas propriedades. E como ha sempre uma capa a encobrir
os maiores crimes da humanidade, vejamos em que se baseia
o nosso home: Criminoso seria eu se deixasse milhoes de
mutulmanos morrer de fome>>!... O que e certo, no fim de
tudo, 6 que a fame do povo argelino continue, mesmo corn
tao caritativa alma no powder. Os descontentamentos, as fugas
e as revoluges sao prova concludente de que o povo nao
sabe compreender> a santidade do seu socialismo.
Mas a Rfissia compreende. O conflito marroco-argelino
provou-o bem: ocupando Marrocos um lugar de privil6gio no






INACIO DE PASSOS


Atflntico e no Mediterrineo, e nio sendo o soberano de Mar-
rocos facil de dominar pelas teorias vermelhas, era necessArio
A Russia consolidar a posi4io comunista na Area a exemplo
do que fez na America corn Cuba e, nessa inteng~o,, pariu
imediatamente ao encontro de Ben Bella o ministry russo
Patolitchev, para Ihe garantir o necessArio apoio russo. Cargo
esta que esta visit se disfargou, inteligentemente, de crela-
q6es e acordos comerciais,.

k) MARROCOS

Apenas numa coisa a Arg6ia concorda con Marrocos e
e... quando a batucada entra na political. Um decreto real
do Governor Marroqino anunciou a nacionalizaoo dos terrenos
franceses. No cumprimento de tao angelica lei, ji o Governo
se apoderou de cerca de quarenta e dnco mil hectares de
terra cultivada, e mais duzentos e vinte mil hectares vio
sofrer igual destino.
Claro esta que nio existem quaisquer compensacges a
fazer aos colonos franceses. Entretanto a Franga protest,
energicamente, pedindo que as terras sejam pagas aos seus
nacionais; lucrara a Franga con o seu protesto?...

1) CONGO (LEO)

S6 agora lemos o Roteiro Africano> de Fernando Laid-,
ley e gostimos. Chamou-nos especialmente a atengo uma
passage que se referia a Leopoldville ei uma bela e mo-
dernissima cidade, cor edificios de doze e catorze andares,
avenidas arborizadas de muitos quil6metros de extensaio...
Mostremos agora como ela se encontra ap6s a said dos bel-
gas, recorrendo, para tanto, a <. Dizia um tele-
grama publicado em quase todos os jornais do mundo no dia
trinta de Maio de 1963:
0 crime cortou a vida dos clubes nocturnos desta cidade.
Os ritmos do e do cha-cha-cha> saem .pelas portas






A GRANDE NOITE AFRICANA


dos clubes desertos para as ruas que se encontram igualmente
desertas. Armas de fogo, facas, arcos e flechas, usados pelos
bandidos, convenceram os oitocentos mil habitantes de Leo-
poldville a irem para a cama cedo e a trancarem as portas.
Os gendarmes que patrulham o coragf o da cidade d~o a im-
pressao de estarem s6s...
Bandidos armados, operando principalmente cor carros
roubados, t&m cometido bastantes crimes nas iltimas semanas.
No utimo domingo houve um crime duplo numa estagAo
de service; entio as autoridades decidiram que era altura de
intensificar as medidas de seguranga. No outro dia declararam
que todos os veiculos, incluindo os das Naqses Unidas (!!!)
--o espanto e nosso e este parentesis tamblm e trans-
portes diplomiticos, motorizadas e bicicletas, estavam proi-
bidos de circular desde as vinte e tres horas at6 As cinco.
Esta proibicAo nio afectou ningu6m pois bastante antes dela
existir ja os veiculos tinham deixado de circular antes da hora
estipulada>.
Cremos que sao dispensiveis quaisquer comentarios.

m) CONGO (BRAZZ)

Em frente de Leopoldeville, na margem oposta do Zaire,
fica Brazzaville, antiga capital da Africa Equatorial Fran-
cesa. Ali o mesmo espectAculo se nos depara, dando, ate,
a impressio de que a comedia que enluta toda a Africa foi
argumentada a distancia e distribuida em circulares para ser
seguida pelos Governos das pitrias l, como qualquer
program de especticulo feito ao duplicador.
Recorremos mais uma vez A imprensa international para
apreciarmos mais um acto do sanguinario carnival africano,
tendo, desta vez, como cenArio, a bela cidade de Brazzaville.
A noticia a que jogamos mIo foi lanqada no ar no dia treze
de Agosto, e todas as agAncias noticiosas lhe deram realce:
em Brazzaville, a populaio africana observou uma ordem






INACIO DE PASSOS


de greve geral, langada pelos sindicatos. Esta greve teria
character politico e destinar-se-ia a protestar contra a political
do president Yulu, que visa criar um partido inico.
Segundo as mesmas informag5es estio fechadas todas as
lojas, e as ruas da capital sIo patrulhadas por soldados e
policies armados. Os servings pilblicos nao funcionam e o
telefone foi cortado.
As autoridades tomaram importantes medidas para manter
a ordem e foram proibidas as comunicag5es de imprensa a
partir de Brazzaville. Ao fim da manhi a situago parecia
mais calma mas a cidade assemelhava-se a um desert.
Os manifestantes conseguiram libertar alguns dirigentes
sindicalistas recentemente press. Os incidents comegaram
depois de pequenos grupos se terem reunido em vArios pontos
da cidade onde a policia carregou sobre os manifestantes.
Em dada altura eles conseguiram abrir caminho atraves da
policia, avangaram sobre a prison e libertaram alguns reclusos
poliiticos e nio politicos, entire ees alguns perigosos crimi-
nosos. 0 edificio ficou em chamas, semi-destruido, e a rua
juncada de destrogos.
Elementos militares abriram trincheiras nas ruas, pare-
cendo a cidade um campo de batalha. A popula Ao receia
que a liberdade concedida pelos revoltosos aos assassinos que
se encontravam encarcerados agigante a onda de crimes que
roubou o sossego A cidade...
Mais uma vez nIo sTo necessArios os nossos comentarios.

n) UGANDA

Andemos mais um pouco e vejamos o que se passa na
Uganda:
<... uma onda de viol&ncia 6 assinalada na vasta region,
outrora pr6spera, situada junto aos montes Ruwenzori, ao
long da fronteira cor o Congo, onde as tribes e
cbakonjo lutam pela sua secessao do reino Toro.






A GRANDE NOITE AFRICANA


No decurso destes fltimos meses a guerrilla das tribos
dissidents abrandara de fragor em consequencia de um acordo
entire lideres mais moderados da dissidncia e o Governo
Central. Todavia o acordo fracassou, nio sendo os dois mi-
nistros designados mais do que fantoches a soldo do reino
do Toro.
Homens armados de facas e machados atacam quintas
isoladas na regilo habitada pelos <> fazendo vitimas
e ateando inctndios. Estes 8xitos prematuros nao fazem ainda
adivinhar o future vencedor, e 6 de recear que a policia
para-militar do Governo Central, que partiu cor intenaio
de separar os adversaries, nao consiga levar a bom termo os
seus intentos.
O 6dio, disfargado por muitos anos, veio A superficie
como gota de 6leo em copo de agua e teme-se que nao apa-
rega uma soluqio nos pr6ximos anos. Agora que o sangue
comegou a ser derramado, as leis, as represilias, e tudo
o que a inteligencia p6s A disposi*o do home para center
os instintos, parece ter desaparecido do territ6rio da Uganda.
Caravanas de famintos afastam-se do pais, mas o povo,
desesperado, acaba por reconhecer que 6 dificil, no moment
actual, descobrir, no solo africano, um pais onde se possa
simplesmente viver... sem a mio no gatilho de uma arma
de fogo>>.

o)

Entretanto o Primeiro Ministro, dr. Milton Obote, casa-se
em Kampala, cor Mira Kalule. O acontecimento nada teria
de estranho se um amontoado de disparates nao fizesse corar
o mundo.
O casamento custou a bagatela de 15 000 libras esterlinas
-mil e duzentos contos na moeda de Portugal- das quais
14 000 foram suportadas pelo Govemo.
A Uganda sofre a fame em grande escala. Inmneras asso-
ciages europeias e americanas trn contribuido na luta contra






INACIO DE PASSOS


a car&ncia ailimentar do povo uganes, e o Governo pie a
disposiio do seu Primeiro Ministro uma fortuna para que...
se case!...
Ridiculo. Cretinamente primitive. Absolutamente absur-
do!...
Uma institui~io caritativa britinica que bastante ter au-
xiliado a Uganda comentou: 14 0)0 libras, pode tambim ocupar-se, sbzinha, das pessoas
subalimentadas. O nosso auxilio torna-se, pois, desnecessirio>>.
Esperemos, ao menos, que o simpitico e festejado noivo
corte cor as tradigSes da sua tribo e nao case uma ddzia de
vezes. t que 1'5 000 libras...
Olhando a isto ji nao estranhamos aquela dama negra,
esposa do Ministro da Educago. Krabo Edusei, da Repfiblica
do Gana, que mandou construir na Europa uma cama em
oiro no valor de milhares de contos mas que foi foorada,
pela opinigo mundial, a devolver ao fornecedor. Passar de
uma esteira a uma cama de oiro e de uma cerim6nia de
cabrito no espeto a uma loucura de 15 000 libras corn fogo
de artificio, marchas, passadeiras de p&talas de flores euro-
peias, 6 ficil em Africa. Os paises slo to ricos!...

*


Esta n6tula 6 diferente de todas as anteriores mas tem
lugar assegurado neste capitulo. Predisp5e bem depois de tanta
asneira, um pouco de humorismo.
Todos recordamos a nossa infbncia, os primeiros passes
da vida, o bibe sujo, o nariz ranhoso e muita esperanga
no mundo. A 'Escola, nossa primeira responsabilidade, tem
as suas caracteristicas que, send especiais, slo comuns a
todas as 6pocas. Uma delas e o eterno menino das queixinhas,
quadro human reproduzido em todas as gerag5es:
Senhor Professor, este menino deu um traque>!...
Senhor Professor, este menino assoou-se>!...







A GRANDE NOITE AFRICANA


'Senhor Professor, este menino quer-me bater!...
Os Governos Africanos, talvez por terem algo em comum
cor essa fase da vida de todo o bipede que se preza, usam
a mesma tictica infantil, trocando o vulgar banco da escola
que pouco frequentaram. por uma cadeira polida das NaqSes
Unidas.
Por tudo e por nada uma queixinha. Ridicula, Estlpida.
Sem razIo de ser. Fatainente infantil...
,0 menino do traque 6 Portugal!...
O menino que se assoou 6 Portugal!...
O menino que quer bater 6 Portugal!...
Exemplifiquemos:
Unm aviio portugu6s bombardeou uma aldeia do Senegal
no diaX. Portugal prova que no dia X nio levantou voo das
suas bases nenhum aviio mas a queixa continue de p6 cor
novo teor no foi nesse dia... foi noutro.
As tropas portuguesas ultrapassaram a fronteira no dia Y.
Provam os observadores que as tropas portuguesas nao efec-
tuaram movimentos na fronteira, e, apanhados em mentira,
os infants aldrab6es... ner coram.
Ja estivamos acostumados a esse ginero de hitorietas e,
mesmo assim, fomos apanhados de surpresa porque esta,
francamente, 6 de cabo de esquadra. Enviou a Nova Iorque, no dia 13 de Novembro, o seguinte telegrama:
de misses num dos seus territ6rios africanos. Theodore Idzum-
bir, principal delegado congoles, perguntou na Comissao de
Curadorias: Estio esses misses apontados contra outros pai-
ses que tem equipamento identico?... N6s nao temos missess.
0 delegado congoles afirmou ainda que os cmecanismos de
langamento> estavam a ser preparados em Mogambique.
Final o que se passou?:
Quatro filiados da Mocidade Portuguesa Centro n.0 3 -
alunos do Liceu Salazar, de Lourengo Marques Mogam'bi-
que de nomes Mario Jorge dos Santos Carvalho, Joio






INACIO DE PASSOS


Carlos Forte, Ant6nio Gongalves Moreira e Adolfo Sa Mar-
ques, resolveram langar para o ar no dia 12 de Novembro,
nos terrenos da Costa do Sol, um foguetao de um andar,
preparado no dia anterior.
O langamento realizou-se corm sucesso, e. sem trairmos
os dos simp~ticos adolescents, a! vao os
dados que caracterizam a terrive>l arma, assustadora dos
senhores do Congo:
0 foguetio ten o comprimento de no-
venta e quatro centimetros, diimetro de tres centimetros vir-
gula oito, e o peso de quatro quilogramas. 0 combustivel
utilizado, do tipo s61ido, 6 uma mistura de p6s de zinco corn
enxofre. Atingiu uma altura de mil trezentos e cinquenta
metros e a velocidade marxima de mil e cem quil6metros
horarios.
Corn os dados publicados acima, o senior Theodore
Idzumbir, se quiser, pode construir os seus para
deixar de... nao ter misseis.
Estas experiencias juvenis nada mais sao, final, do que
a prova do interesse cientifico que a juventude estudantil
portuguesa esti a dedicar aos problems do s6culo. 0 recear-
-se uma agressio, ou levarmos a experi8ncia da juventude
laurentina para um ensaio belico, apenas faz rir. E ao que
sabemos, at &i hora que escrevemos, os jovens construtores
ji riram bastante com os receios congaleses, identicos aos
sofridos pelos simios da Polana ao se encafuarem nos ramos
mais altos dos pinheiros marginais, o que transform o invent
num reflexo motivo de desopilaio, e mostrou ao mundo que
as reacoqes do home primitive se assemelham as do macaco.
Sem dfivida um important contribute A ci&ncia...




E permit a O. N. U. tamanha fantochada nas suas reu-
niWes!... Ela i. quanto a n6s, o principal instrument colo-






A GRANDE NOITE AFRICANA


cado ao dispor dos paises africanos, servindo-lhes de capa A
pritica das mais caprichosas attitudes.
0 grande nimero de votantes aliado ao namoro descarado
dos paises banqueiros pelos governor africanos, sao forgas
a lutarem contra a nogo hicida da revoluao mundial que
mancha o s6culo.
Apesar dos massacres do Congo e de Angola, dos crimes
dos Mau-Mau, e de todos os erros cometidos no continent
da balbirdia, estao na forja novos crimes prontos a ensan-
guentar a d6cada vindoura. E os protests dos povos civili-
zados nao passario de protests.
Para ji, sem alardes de profecia, o journal <
afirmava a 12 de Outubro:
tornar-se numa regiao de despotismos destemperados. A
Africa dispoe de um voto tho desproporcionado nas Nac5es
Unidas que estA a fazer leis pr6prias e a estipular os seus
pr6prios precedents. Eles talvez sejam necessArios consoante
vai passando o tempo, pois que se esta a tornar cada vez
mais evidence que demasiadamente muito de Africa se esta
a tornar numa regiao de despotismos destemperados, apenas
pela ignorincia e ineficacia. Desde a Arg6lia, onde um Go-
verno de partido finico esti a empregar o seu exrcito contra
a Oposigao e a sua political contra a liberdade de imprensa;
desde o Governo de partido finico do Gana, ato ao Governo
de partido uinico do Tanganica, as minorias africanas estao
a ser cada vez mais reprimidas peas maiorias africanas.
Vira o tempo em que, para se manterem no poder, se
transformed em flagrantes viola~5es A pratica da democracia.
O apelo de neg6cios interns serA feito pelos ditadores, mas
os seus oponentes estarao em condig5es de citar precedentes
internacionais para obterem votos de condenalao. Alguma
coisa de novo esta sempre a emanar de Africa e talvez urn
novo genero de Nages Unidas seja uma das novas 9ges. As existentes, com uma sede funcionando em enormes
edificios construidos especialmente para o efeito na cidade
de Nova torque, esta falida. AliAs outra coisa nao era. de






INACIO DE PASSOS


esperar de uma organizaoi que gasta dez mil contos por
dia; acertando as contas e pondo em nfimeros, dar-nos-A
a monstruosa cifra de 3 000 000000$005 por ano. Umv exor-
bitancia!...
Nao fora os altos servi0os> prestados A humanidade (!!!)
e nao encontrariamos palavra que melhor a defenisse do que
ridiculela). Caricaturemo-la, baseando-nos no que as suas
monstruosas paredes deixam transpirar por intermidio da
imprensa:
a) Ten, no final do ano de 1963 uma divida de
5000 000 00l$O0 corn tend&ncia a subir nao con-
tando as despesas extraordinirias, como as da Pales-
tina e do Congo. nem o que cada nago gasta e
nao 6 pouco-com os seus representantes perma-
nentes;
b) Por outro lado poucos sao os paises que tmr as suas
contas em dia, sendo por sua vez tambem credora
de pagadores duvidosos;
c) Sendo um organism corn a fungo principal de
preservar a paz no mundo, muitos conflitos nao teriam
existido ou pelo menos ji haviam terminado nao
fora a sua infeliz intervengo. Deste modo a sua fina-
lidade ter sido traida;
d) As suas resoluo6es contra o esmagamento da revo-
gio hingara pelo ex&rcito vermelho nio foram cum-
pridas*;
e) Nada mais tern sido do que uma agencia reclamista
ao servigo dos africanos, (Dutra Faria ji a deno-
minou de cchocalho>, e n6s acrescentaremos a esse
inteligente substantive a qualificac~o de ridiculamente
barulhento) parecendo, por vezes, iuma sucursal da

*Exactamente como as resolug6es da falecida Liga das Na6es
contra a Italia, no caso da Abissinia.






A GRANDE NOITE AFRICANA


cafreal 0. U. A. (Organizaaio de iUnidade Afri-
cana).
f) 0 seu Conselho de 'Segurana reuniu-se mais de meia
centena de vezes durante o ano de 1963 a discutir
assuntos alheios A razio de ser que o faz existir; para-
doxalmente, fecha os otlhs aos problems que deve-
riam ser debatidos cor energia por fazerem perigar
a paz mundial. A discussion dresses problems nunca
interessa, particularmente, a um, ou a ambos, dos
dos dois blocos;
g) Nlo ten, e esti provado que nao ter mesmo, a
independEncia necessiria para arbitrar, ser favorf-
tismos, os litigios ideol6gicos actuais e futures.

Qual seri o destino da 0. N. U., assentando, como
assenta, os seus alicerces em monticulos de cretinice?... Podera
ela, lutando contra a 16gica e contra a razio, prosseguir, por
muito tempo. na sua senda de pecados?...
Os nossos genitores, refiro-me a juventude actual, t&n
present na mem6ria as flus5es que cercaram ha 44 anos
o nascimento da Liga das Na~ges>, falecida e enterrada
menos de 20 anos depois, em plena e ridente juventude.
A falecida, em plena pmnjana fisica por volta de 1924,
altura em que nos parece que a entrada da Alemanha a
reforgou com mfisculos novos e sadios, comegou a desin-
tegrar-se quan8o nao soube ou nio pbde para o caso e o
mesmo -impedir, em meados de 1931 que o Japao agre-
disse a China, acabando por o pais vitima se retirar defini-
tivamente da Liga ji quase < em 1933.
Seguidamente, e como um azar nunca vem s6, nIo soube
ou nAo p8de evitar tamb&n para o caso 6 o mesmo-
que a Italia fascista tomasse a Abissinia.
Em 1939 a sua impotencia ou falta de saber ainda desta
vez 6 o mesmo- permitiu a political agressiva do baixo e
rubincudo Hiler, send este falhango, sem dfivida, a sua






INACIO DE PASSOS


march ffinebre, nio restando, no inicio da guerra, da tio
esperangosa cLiga das Nag5es mais do que o seu sumptuoso
e famoso palcio de Genebra, junto ao lago de Leman, a
mostrar como sio pereciveis os sonhos dos homes.
Tern feito a 0. N. U. melhor figure no campo politico
international que a defunta?... Se bem que o mundo tenha
uma natural tendn&cia para tapar as falhas cometidas por ela,
receando que ao p8-las a descoberto perega a i6tima opor-
tunidade de paz entire os homes, n6s estamos convencidos
de que as suas asneiras nio sZo inferiores. sendo, pelo con-
tririo, nalguns casos muito mais avantajadas.
Coreia, Suez, Congo, Palestina, Goa, Angola, e a imposi-
io6 das duas grandes potEncias comunismo russo e capita-
lismo americano, de mios dadas ditando ordens perante um
cabecear est6pido e animal dos restantes comparsas da comedia
que cada reunigo apresenta no seu teatro, mais alarmantes
agora que at, a Africa cor o seu primitivismo, a sua estu-
pidez, os seus representantes tGo analfabetos quanto poliganos,
de trajes ridiculous e coloridos, pedem e exigem que deixem mandar tamb6m un pouco. E come s~o muitos
podem ate mandar bastante!...
A do tempo da 0. N. U. a cobarde e imperdoavel agres-
sao de um Estado bem armado contra uma infima e pacifica
parcela do territ6rio portugues Goa, Damio e Diu -. t do
tempo da 0. N. U. a sangrenta resist&ncia do povo hingaro,
esmagado com nao menos cobardia pelos canhoes e carros
de assalto do povo vermelho. Foi no tempo da O. N. U. que
uma terra portuguesa Cabinda foi bombardeada do es-
trangeiro, por canh5es e morteiros criminosos. Ela fez mn
inquirito a pedido do Governo de Portugal, provou a agres-
sao e nio reagiu. Pelo oontririo, nas suas salas, figures gro-
tescas e simiescas nao se cansam, em alardes de cretina ora-
t6ria, de acusar Portugal de fazer perigar a paz no globo (!!!).
A do tempo da O. N. U. tudo isso!...
Enquanto houver um Goes sem Patria. um H6ngaro sem
bandeira e um Angolano corn uma fita negra num brago, os







A GRANDE NOITE AFRICANA 51

homes da O. N. U., mesmo desculpando as suas infants
actua56es nas mesmas invertebradas e irracionais desculpas
comn que tapam as manchas de sangue que enlutaram nao s6
millhares de families mas uma PAtria inteira problems de
dentigio fario sobreviver tio fantocha Organizaglo. Ela
sogobrari como a velha cLiga. Ela morrerA vitima dos seus
crimes. Ela nio sera mais do que uma amarga recordaio e
a lembranaga das muitas ligrimas que fez correr.
Nao restarA no olhar dos homes a mais pequena r6stea
de saudade. Ninguem acharA a sua falta. E enquanto as leis
de tribo, implacAveis e primitivas se infiltrarem no jogo
desonesto de capitalistas-politicos, outras organizan6es con-
generes aparecerio. Malditas como esta. Assassinas como
esta. Felizmente pereciveis como esta... a apoiarem ex6r-
citos de uma libertagao dialcotica, criminosa e irracional, que
manchario a Humanidade e a tornarAo indigna do seu lugar
ao sol. Ex&citos malditos como o que, cor as ligrimas nos
olhos e a revolta no peito, vamos estudar no pr6ximo capitulo


















III

UM EXERCITO DE LIBERTACAO

Antes de analisarmos o c6lebre mex&rcito de libertaaio>
da U. P. A. vejamos os diversos movimentos pelo menos
os mais importantes da libertaco angolana e quais os pai-
ses que os subsidiam.
A das Col6nias Portuguesas> financiada pela Alemanha Orien-
tal e pelos Partidos Commnistas Frances e Belga.
0 >
tamb6n um disfarce de umn movimento puramente comunista.
0 seu president foi Mario Pinto de Andrade, seguindo-se-lhe
Agostinho Neto, e 6 seu secretirio-geral Viriato da Cruz.
A Portuguesa> foi fundada em 1960 na Alemanha Oriental,
corn sede em Leipzig. 0 seu president 6 Jos6 Lauchong.
A sanguinaria foi fundada
em 1954 corn o seu seu quarter general no Congo, em Leo-
poldeville. 0 president 6 M. Gilmore mas o verdadeiro
chefe e Roberto Holden, home que estA directamente sob
as ordenos do embaixador sovi6tico em rConakry. A UPA
6 ainda financiada pelo >,
mas todos os seus chefes foram treinados em Pequim, Mos-






INACIO DE PASSOS


covo e em diversas bases da Checosloviquia. Deste filtimo
pais vieram a maior parte das armas usadas no terrorism
angolano.
Parece impossivel que os dois maiores adversirios politicos
URSS e 'EUA- colaborem irmimente, unidos no mesmo
fito sanguindrio de usurpar Angola aos seus habitantes; no-
temos, por6m, que a acao terrorist foi estudada e pre-
parada cansativamente durante bastante tempo, send preo-
cupa~ao principal provocar no nnm do, mesmo na part
ocidental. um sentiment anti-portugues. Por esse motive
foi realizada em Paris uma manifestacgo preparada por di-
versas organizagSes comunistas, explorando os lemas ta-io dos press politicos espanh6is e portugueses> e liber-
taao das Col6nias portuguesas>. Se ainda restassem dividas
de que os organizadores dessa manifestaqao eram agents do
ai vio os seus nomes que as apagariam comple-
tamente:
Agostinho Novella,
Benoit Frachon,
Alphonse Drouad e
Michel Chouvert,
todos registados em partidos comunistas *. Alis a influtncia
e a directriz estrangeiras nos ataques terrorists hi muito que
estavam provadas. 0 tenente-coronel Ronaldo Waring, official
do ex6rcito britinico afirmou quando do maior aceso da luta:
neada hi muitos meses fora de Angola, e que quer os seus
chefes, as suas ordens e as suas directrizes, sao provenientes
do exterior, principalmente dos Congos ex-Belga e ex-Fran-
ces. Foi localizado um emissor de comunicag6es em lingua
francesa. Eu pr6prio vi uma srie de armas, muniqges e outro
equipamento de origem belga, que foram trazidos para Angola
pelos chefes terrorists estrangeiros e por mercenirios.

B interessante verificarmos que nenhum destes individuos e
portugues, e muito menos da Provincia Portuguesa de Angola.






A GRANDE NOITE AFRICANA


0 entio Ministro do Ultramar, Professor Doutor Adriana
Moreira. declarou, tamb&n, ao jornalista John Dickie, enviado
especial do Daily Maib: Nos bastidores do movimento ter-
rorista de Angola estA urn alto comando estabelecido pela
Gonferencia de Casa Branca de que o Gana e o principal
memibro. Verificimos que estro a ser usadas contra n6s balas
da OTAN no fornecidas pela OTAN, mas tendo said
da mesma fabrica e ostentando as mesmas marcas de origem>.
E mai adiante: rior. Recentemente um contingent de para-quedistas apri-
sionou duzentos bandoleiros, verificando-se que noventa tinham
vindo de fora de Angola>.
Mais provas?... Roberto Holden, o chefe supremo dos cri-
minosos nao fala. sequer, a lingua portuguesa, fazendo-se
compreender apenas em frances, lingua que nenhum dos na-
tivos angolanos entende.
Nfo ha tambem dividas de que muitos missionirios ame-
ricanos se uniram aos comunistas. 0 mesmo coronel britanico,
Ronald Waring, o afirmou numa conferencia proferida a
quando do encerramento da Centro da Europa de Documentaaio e InformaAo>: -
facto indubitivel que muitos missionaries encorajaram a idea
.aeral da <. HA provas consideraveis de que
algumas seitas baptistas americanas estabeleceram comunica-
q~es corn o comunismo, e que a infiltragao desses missioni-
rios foi, em muitos casos, deploravel.
A reigiao subversive de Simdo Kibanga e a de Simlo
T co, corn raizes mistas no protestantismo e nas crengas e
superstig6es tribais, afirma aos africanos que os Deus>, devem, por vontade divina, expulsar da Africa os
emissarios do dem6nio os homes brancos>.
Afirma ainda: < nha de uma arma native (ue itenho em meu poder>.

Portugal 6 um dos membros da NATO, sendo portanto atacado
cor alzumas das suas pr6prias armas.






INACIO DE PASSOS


eBala de branco 6 como a agua: Nio mata pretom Para
isso os terrorists, antes de entrarem em combat, recebiam
uma espv ie de baptismo, corn cruzes na testa e no peito,
para se tomarem invisiveis.
Disse tambem o conferencista que um dos guias da
opinigo pfiblica contra os portugueses 6 urn missionario pro-
testante. Nao Ihe diz o nome mas nio duvidamos que se
trate do bispo metodista Ralph E. Dodge, expulso pelas au-
toridades portuguesas de Angola e considerado tao terrorist
como os assassinos vindos do Congo.
Agostinho Neto, actual dirigente do MPLA, afirma nun
comunicado distribuido i imprensa, a respeito de outro mis-
sionirio, desta vez cidadio britanico:
oO missionirio ingles Davies Greenfeld voa em socorro
de uma UPA afogada no charco das suas pr6prias mentiras
sobre o seu hipotitico control administrative e military de
uma parte de Angola>.
(E continue o comunicado: kAs viol&icias e as exigencias
dos agents da UPA sobre os angolanos refugiados no Congo
(Leopoldeville) sao, cada vez. muito mais not6rias desde
as infelizes recomendag5es do Comiti de Coordena~io da
Unidade Africana, considerando a F. N. L. A. (iltimo pseu-
d6nimo da UPA) como a inica organizaggo vilida do nacio-
nalismo angolano. Em consequencia destas recomendac5es,
a FNLA (UPA) necessita de fazer crer que o seu G. R. A. E.
Goveno da Repiblica de Angola no exilio governa, pos-
sui autoridade, e 6 reconhecido pelos angolanos, tanto no inte-
rior como no exterior do pais.
Por esse motivo a FNLA (UPA) apela para os estran-
geiros no sentido de cozinharem, a seu bel-prazer, as decla-
ra5ses mais fantasistas. P assim que se devem interpreter
as declaraqoes feitas, recentemente, em Londres, pelo missio-
nirio ingl8s Greenfeld, que pertenceu a um grupo de missioni-
rios norte-americanos e ingleses que trabalham em Angola,
aos quais os militants do MPLA, de religiao protestante,
dirigiram, este ano, uma carta denunciando a sua ingerencia






A GRANDE NOITE AFRICANA


e attitude de parcialidade, cuanto ao movimento nacionalista,
attitude que poderia p6r em causa a actividade dos missio-
nirios estrangeiros.
Por outro lado, ao recusar fazer uma anilise criteriosa
das raz5es que levam a hesitar certos paises irmios da Africa
a reconhecer um Governo sem a menor representagio e
sem qualquer eficicia, a FNLA (UPA) perde-se em amea-
Mas e na busca em Moscovo ou Pequim do apoio que ihe
falta na Africa.
Holden Roberto afirma depois o comunicado nio
quer, final, senio instituir em Angola um neo-colonialismo.
Ao mesmo tempo, na sequencia de uma political demag6-
gica, o chamado Governo da Reptblica de Angola no exilio,
pretend impor bilhetes de identidade, passaportes, e outros
certificados, no finico prop6sito de manejar estatisticas nas
conferncias internacionais. Entretanto, os angolanos, sao man-
dados a torto e a direito para combater as forqas armadas
portuguesas que nao encontram dificuldades em Ihes causar
perdas inumeriveis.
Esta falta de organizafio military que a concessko da base
de Kinkusu pelo Govemo do senhor Adula nao poude reme-
diar, di frequentemente lugar a insurreig6es na dita base,
provocando mortos e feridos. Ainda recentemente as autori-
dades congolesas tiveram de intervir num motim ocorrido
nessa base, onde o soldado do F. N. L. A. (UPA), Miguel
da Silva, nascido em Noqui, foi assassinado por outro soldado.
S6 a intervengo enfrgica das autoridades congolesas impediu
uma chassina. Mais informag9es de origem official congolesa,
asseguram que a situaqto continue tensa e se receiam novos
motins, cujas consequencias poderao ser mais deploriveis.
Na sua maioria os membros do chamado Governo da
Repdblica de Angola no exilio jamais estiveram em Angola,
e ignoram, por competo, os seus aspects fundamentals>.
Este foi o comunicado do M. P. L. A. dirigido por Agos-
tinho Neto. Quando se zangam as comadres!...






INACIO DE PASSOS


O ex&rcito de hlbertaaio do senior Holden Roberto .
composto, quase inteiramente, por criangas. JA por diversas
vezes a Imprensa international focou este aspect da question
mas n6s 6ramos dos que duvidavam. Nada nos comove
tanto como o inginuo olhar infantil, e sempre acreditAmos
que o mundo seria um paraiso se s6 fora habitado por crian-
gas. Como poderiamos supor, olhando a barbirie usada nos
massacres do Congo angolano, que eram series no principio
da vida, com os olhos mal abertos para o mundo, os seus
autores?...
Retirando as iltimas dfividas do nosso espirito, Jours du Monde> acaba de apresentar na sua revista tele-
visionada, uma reportagem sobre Angola, em que mostra parte
do ex&rcito de libertago. N6s descrevemos a reportagem:
Um notavel congolKs o seu frances atraigoou-o gordo,
de fato escuro e camisa branca, apresentou os recrutas> que
ele preparara para o . Pergunta-lhe o
reporter:
Quantos soldados hi no vosso exrcito?
Presentemente, trinta mil foi a resposta do con-
goles.
Que idade tnm eles? voltou o reporter a perguntar.
--Na maioria sao jovens entire os catorze e os dezoito anos.
HA quanto tempo estao eles nas vossas fileiras?
-Desde o principio da < de 1961.
-Entao alguns tinham nessa altura onze anos e meio?
- perguntou o reporter, admirado.
-Sim! -foi a curta resposta do congolAs.
A seguir a reportagem mostra um tergo do efectivo e o
reporter volta a interrogar:
--Ha entire eles alguns que tenham matado portugueses?






A GRANDE NOITE AFRICANA


O instructor repete a pergunta e muitos responded afir-
mativamente. De entire os seus camaradas avanqa um, cujos
olhos brilham, e que esclarece corn mais precis~o:
-Matei-os a golpes de machado!
Os seus camaradas contemplam-no corn a mais viva admi-
ram o estampada nos rostos. Ele e um her6i!... P um ve-
terano!...



Conheceste a Rosa Maria, a angelical filha do adminis-
trador daquele escondido lugarejo do Norte de Angola quase
junto A fronteira do Congo?... Nio conheceste?...
Dezasseis anos brejeiros num rostozinho moreno de ci-
gana... Os seus olhos, amendoados, eram t~o luzidios que
dir-se-ia ate que as estrelas no Verdo Ihe imitavam a cor.
Quando andava, os seus pezinhos graciosos pareciam pisar
flores, e a sua elegancia, comovente de simplicidade, fazia
dela uma restea de c6u enchendo de poesia os olhos dos
homes.
Todos gostavam dela, os brancos e os pretos. Todos Ihe
sorriam e a cumprimentavam: -< dia menina!>... E ela de todos gostava e tamb6m para todos
sorria cor os seus libios de romA a emoldurarem uma fiada
de dentes de neve...
As muiheres paravam para a ver e os homes sonhavam
corn ela... As suas gargalhadas sadias enchiam de encanto
a rua toda e de ilus6es as cabegas dos moaos namoradeiros...
Brincara cor a molecada e nela fizera amigos. Na escola
distribuira merendas pelos mais necessitados e muitas meninas
negras passeavam, ao domingo, corn os seus vestidos ainda
novos. Nascera para cor as suas mros de fada espalhar poe-
sia pelo mundo...
VWs aquela campa, all, assinalada por aquele tosco montAo
de pedras?... Ela encobre o seu corpo que a sanha maldita
roubou A vida.






INACIO DE PASSOS


Eles vieram do Congo. Nio traziam armas na m~o que
fizessem supor os seus intentos assassinos. Vieram como sem-
pre vinham, em pequenos grupos...
Sorriram para ela e ela retribuiu-lhes o sorriso:
Bom dia, menina!...
Depois veio a morte. Violaram-na. Rasgaram-lhe o venture
corn raiva. Cortaram-the os braos e as pernas, transforman-
do-a num disforme montgo de came morta. E tudo isto sob
o olhar do moribundo administrador!...
A sua voz vagueia nos campos porque a poesia nio morre...
A sua beleza ficou vivendo nos olhos de quem a conheceu...
Mas dela... apenas resta aquele montao de pedras que ali
vas, e aquela lousa branca manchada por letras que o tempo
deturpou a sequencia:


*


Algum de voces matou portugueses?...
-Eu... Matei-os a golpes de machado!...
Os seus camaradas contemplam-no cor a mais viva admi-
ragio estampada nos rostos. Ele 6 um her6i... t um veterano!...

*


Obrigado, camaradas do < por
mostrardes ao mundo os rostos abominiveis desses assassinos,
e a verdadeira face do <. 0 mundo
hi-de compreender um dia, todo o horror dos seus crimes...







A GRANDE, NOITE AFRICANA


*
*

Paulo Mantegazza escreveu na : Creio
nao incorrer em erro, atrevendo-me a afirmar que nas grandes
ragas em que se divide a familiar humana, muitas tribes negras
podem aspirar, sem contradigio, primazia na crueldade.
Afirmam-no eloquentemente as suas continues carnificinas,
as infinitas torturas a que submetem os prisioneiros e os
escravos; patenteia-o a imaginaoao cruel das suas flechas e
de certas lanqas, que parecem feitas nio para matar mas para
fazer sofrer. 0 exame das armas de um povo fornece-nos um
meio seguro para avaliarmos do grau da sua crueldade>.
As palavaras do mestre mostram a razao do interesse
do jovem sdldado da morte, ao indicar a maneira como
matara as suas vitimas indefesas: a golpes de machado!
Um tiro mata mas na generalidade nao faz sofrer, e,
alnm da arma de fogo, hA milhares de processes de retirar
a vida ao semelhante sem 1he causar sofrimento. Esses pro-
cessos foram postos de parte por nio cumprirem, inteiramente,
as finalidades engendradas pelo cerebro do sanginario Holden
Roberto.
Ao serem acusados por Mantegazza algumas tribos negras
de ocuparem a primazia na crueldade, algum leitor teria
entendido que essas tribos eranm cru6is por serem negras,
isto 4, por instintos racicos, e nao por primitivismo. Na altura
em que o tMestre> as escreveu o negro nIo fora ainda despido
do manto lendArio que mostrava a sua alma mais negra do
que a sua pr6pria pele. Nada tern, por6m, que ver a raga
corn o procedimento do home, porque a sua maneira de
ser e dirigida pelo grau de civilizaqro que assimilou. Se num
ponto imaginario do globo, um amontoado de homes bran-
cos tivesse ficado isolado, por seculos, da luz bendita da
civilizago; se esse grupo vegetasse no primitivismo em que
vegetam alguns povos negros, as reac55es, as attitudes e a






INACIO DE PASSES


crueldade, seriam absolutamente as mesmas que caracterizam
as tribes pelo cMestret-acusadas.
Quanto mais primitive e o home maior e a sua cruel-
dade; dai ao povo de todas as nag5es do mundo arranjar uma
palavra que significa, como nenhuma outra, a ausencia total
de principios, a crueldade, e a maneira mais desumana de
cumprir as ordens emanadas por um crebro oco post ao
serviqo do 6dio: SELVAJARIA>.
O 6dio a o etemo companheiro do home e nasce sem
se fazer anunciar. Mais de metade da hist6ria humana nIo
teria sido escrita se ele nao existisse. Nio haveria fibricas
de material de guerra, nem soldados, ner fronteiras vigiadas,
porque 6 o 6dio que fomenta a guerra. O home civilizado
conhece virias esp&ies de 6dio, send a maior a que ele
intitulou de <6dio de moree.
Nas guerras entire civilizados o 6dio 6 alimentado no es-
pirito dos soldados pelos governor cor interesses em dispute,
arranjando, para o conseguir, as mais excntricas mentiras,
e fabricando os mais horriveis relatos de desumanidade co-
metida pelo exrcito contririo, transformando, por vezes,
um military disciplinado e conhecedor dos crimes de guerra
--que sempre fugiu de praticar- no mais desumano e
nojento soldado assassino. Apenas por isso a maior parte das
verbas comidas pela guerra saciam a gula da propaganda.
Entendemos assim que oa guerra entire civilizados, nascida
da luta de interesses que nem sempre slo os dos povos que
se degladiam, a crueldade tem urn limited, e, na maior part
das vezes, esse limited 6 respeitado.
Na guerra em que ambas ou apenas uma das parties 6
composta por homes primitivos, o 6dio apresenta-se com
uma crueldade em que os limits estdo tio ocultos na dis-
tncia que ningu-m pode supor onde se encontram. Dai o
mundo olhar com espanto as guerras tribais africanas onde
nio basta matar para satisfazer o 6dio, chegando alguns ho-
mens a comerem os corpos dos inimigos, ou a faz8-los sofrer,
gozando alegrias estranhas e diab6ticas com as suas does.






A GRANDE NOITE AFRICANA


Angola, os Congos, o Quinia, e quase todas as possesses
africanas, foram palco de atrocidades que s6 um 6dio inau-
dito pode justificar. A t6cnica de causar dor nunca foi melhor
estudada. Os coleccionadorei de barbaridades podem enri-
quecer as suas colecqbes com os relates que arquivamos de
testemunhas oculares:
Cabegas decepadas de brancos e negros leais a Portugal
foram pontapeadas pelos soldados da morte vindos do Congo
ex-Belga no mais macabro entretenimento. Numa serragao
mechnica, junto A fronteira congolesa (LEO) cerca de duas
dezenas de portugueses, brancos, foram amarrados a tibuas,
de bragos e pernas abertos, e serrados vivos. Homens foram
obrigados a assistir a violaqao da mulher e filhas, e, enlou-
quecidos de dor e revolta, viram cortar-lhes o venture e os
seios, cor lentidao, demorando o sofrimento das vitimas.
Sobre os cadaveres horrivelmente mutilados espargiam gaso-
lina on petr6leo, deitavam-lhes fogo e transformavam-os em
nauseabundas tochas. Criangas foram queimadas nos berqos
perante o olhar apavorado de jovens maes que nao se can-
savam de implorar miseric6rdia. No Congo, duas dezenas
de pilots italianos foram espancados ate A morte e os seus
corpos distribuidos como -raaio, pelos soldados famintos,
na mais harrivel sessao canibalesca. Os seus ossos descarnados
apontaram aos incr&dulos a prova de tamanho crime. Padres,
agarrados a cruz da sua fM, morreram a mercer de verdascas
empunhadas pelos homes a que muitas vezes mataram a
fome corn o pio do corpo e do espirito, que protegeram e
amaram. Um capuchinho foi amarrado a uma Arvore e quei-
mado vivo...
Poderi inventar-se, por ventura, actos mais abominiveis?...
N6s acreditamos ser possivel, mas raro, guerrear sem 6dio;
o que ngo podemos acreditar d que sem 6dio se fagam correr
os oceanos de torturas que atras descrevemos. No terrorist
africano 6 desconhecida a possibilidade de se fazerem pri-
sioneiros. Apenas ha o instinto a pedir sangue e a encontrar
nele um fibrica de gozos animals.






INACIO DE PASSOS


E tudo isto em pleno s6culo XX, na era das luzes, dos
soutniks, e dos misseis!... Da pena olhar a humanidade!...

*


Culpando o 6dio, como ate aqui temos feito, de todos
estes horrorosos actos, urna pergunta nos aparece no espirito:
*O que motiva o aparecimento repentino do 6dio num povo
que tolerava o branco, o estimava, e nunca por ele fora tra-
tado vilmente?>....
Sendo o 6dio ctoda a energia que, por sensag5es acumu-
ladas no nosso c&rebro, tende a afastar-nos de uma coisa ou
de uma pessoa e nos leva a causar-Ihe danow, como o definiu
Mantegazza, acabamos por cortar profundamente a casca 6dio
aos crimes africanos e buscar outra verdade, per detris
dela, mesmo que essa verdade nao agrade ao nosso appetite
de solugo. Assim, nos violentos assassinios cometidos, en-
contramos reunidas provas de que, apenas o 6dio nao ousaria
tanto. Estudando a crueldade entramos num campo em que
o que nos parecia vago se vai a pouco e pouco definindo.
Na generalidade palavras nio define actos, mas poucas,
como esta, sko sin6nimos de atrocidade e de crime.
Political = morte.
Em pleno findar do s6culo XX, dois blocos gigantes,
erguem-se dos extremes do globo, apregoando forgas que
nem sempre possuem e coragens que raramente tem. Apenas
o receio do material belico contrjrio--receio comum- nio
faz desencadear a maior guerra da hist6ria. E esses receios
fizeram com que ambos os blocos pusessem em prAtica pro-
cesses de conquista sem o recurso director is armas. Colocando
pequenos povos em demand na zona invejada, e afastando
das regi5es assinaladas pela cobiga-os obreiros da paz, lbgi-
camente considerados obstAculos i realizaio dos seus sonhos
politico-comerciais, estava a soluqao. Que melhor meio podiam
usar que o terrorismo?...






A GRANDE NOITE AFRICANA


SQuern diria i matrona moscovita que os descendentes de
Gama e Camoes nao fugiriam, a sete p6s, de rabinho entire
as pernas, ante o especticulo horroroso do Norte ango!ano
nos primeiros meses de 1961?... Nao fora essa a attitude
optada pela maioria dos paises ocidentais com interesses em
Africa?...
Zanzibar, Tanganica, Ruanda, Barundi, Som!lia, Congo
(Leopoldeville), Congo (Brazzaville), Arg~lia, Quenia, Re-
pfiblica Arabe Unida, Somilia, Eti6pia, Marrocos formam ur
imenso oceano de sangue, As independencias prematuras, a
disparidade.de riqueza entire os paises dos dois grandes blocos
e as naq5es que se iludiram com as dindependencias>
apregoadas a quatro ventos, sao, como disse Pompidou to
grande drama do nosso tempo> e a fabrica do 6dio que
buscAmos desde o inicio deste capitulo.
Alem dos paises indicados e que formam dois tergos do
continent negro encontramos feridas abertas pelo terrorism
em Angola, Rod6sias, Africa do Sul, o que vem a complete
a obra das intengSes de conquista dos dois grandes blocos.
Ngo devemos esquecer, tamb6m, grandes problems que se
apresentam sem soluggo poucos a desejam e que colocam
diversos paises africanos em campos ideol6gicos de luta:

R. A. U. Israel,
Somalia Eti6pia.
SomAlia Quenia,
Arg6lia Marrocos,
Ruanda Burundi.

Depois de tudo isto podemos estranhar a aceitago que
alguns paises, e especialmente os so assassino Roberto Holden e ao seu exercito de criminosos
ridiculamente intitulado de esperar que o mundo se comova corn a hist6ria da infeliz
Rosa Maria, igual a tantas outras mogas portuguesas bia-
baramente assassinadas apenas por serem brancas?... Podemos






66 INACIO DE PASSOS

esperar da humanidade um olhar de horror pelos corps
serrados em vida por serem portugueses?...
Naool... E nio porque essa estranheza, essa comogo, esse
olhar de horror seriam ofensa direota aos famigerados blooos,
por irem contra os seus interesses. Apenas por isso o povo
vitima do preenslo do mundo; e quando senate uma Ifigrima fugidia
no olhar endurecido dos capitalistas da morte, quer sejam
eles os E. U. A. ou a U. R. S. S., encolhe os ombros, e, con
um esgar de nojo, arremete come escarro: xAs ligrimas de
crocodile ofendem mais que a incompreensio; os nossos mortos
apenas clamam justiga!...





















FANFARRONADAS

OCIDENTE-ORIENTE

Dizem os ocidentais que estao em condig6es de destruir,
em questao de horas, a R6ssia e os seus dominios; vejamos
a sua forga em 1961, dltimos dados que nos foi possivel
compilar:
A Inglaterra possuia sessenta bombs de hidrog6nio, em
misseis balisricos mxdios THOR, que poderiam atingir Mos-
covo. Numa propor~ o de setenta e cinco por cento, segundo
Bob Considine Pr6mio do Overseas Press Club de Nova
iorque- todas as cidades russas corn uma populago de
cem mil habitantes ou mais, estio ao alcance de THOR.
A Italia tinha prontas a serem langadas trinta bombas
megat6nicas, com misseis balfsticos JUPITER e homes aptos
para as guarnecer.
Seis submarines POLARIS, cada um corn cerca de trinta
megatons de destrui~io, patrulhavam as profundidades do
mar, e podiam atingir os pontos cerebrais da U. R. R. S., de
posic&es submersas, desde o Polo Norte ao Golfo Prsico.
Trinta avi6es da N. A. T. 0. formavam um enorme
escudo explosivo, estendendo-se da Noruega a Turquia.







INACIO DE .PASSOS


Os Estados Unidos, sem divida nenhuma a maior forga
ocidental, dispunham de uma centena de misses intercon-
tinentais, em posicges estrat6gicas, prAticamente imunes ao
inimigo. Todos tinham ogivas termonucleares arrasadoras.
A sua sexta esquadra, que esquadrinhava todo o Medi-
terrineo, montava bombas at6micas, minas e foguet6es, nos
seus avi5es supers6nicos.
A forca de bombardeiros, tripulada por homes experi-
mentados e comandada pelo Comando Estrat6gico dos Es-
tados Unidos, era um dos maiores trunfos> americanos
-ainda segundo Bob Considine -: de langar quatro bombas de hidrog6nio de sua carga enquanto
ainda estivesse a mil e quinhentos quil6metros dos alvos fixa-
dos pela morte>.
A forga area compunha-se, entao de seiseentos e trinta
B-52, cinquenta e cinco B-58 supers6nicos, e mil B-47, todos
prontos a entrar em aciao em quinze minutes.
- Almn da forqa americana contava ainda o Ocidente cor
os bombardeiros da R. A. F. e corn as nuvens de caqas e de
cagas-bombardeiros da N. A. T. O.
Se fizermos comparaggo cor a ma!or forga area conhe-
cida no mundo em tempo de guerra, a do gordo e medalhudo
alemIo Goering, aproximadamente dois mil e trezentos avioes,
e a sua imediatamente inferior R. A. F. (1940) composta
de oitocentos aparelhos de combat, veremos que vivemos
num mundo assente sobre fundagbes de p6lvora, e que o mais
pequeno descuido motivari a sua destruiqco. Dai aos receios
de ambas as potencias e As demonstrates de forqa ngo passarem
de gargarejos, ou melhor, de fanfarronadas, ji que foi este
o titulo que escolhemos para este capitulo.
Continuemos, pordm, catalogando como inteligente mer-
ceeiro em fins de ano, a forqa ocidental em 1961:
0 escudo da N. A. T. 0. estava ancorado no norte,
em Oslo; no centro, em Fontainebleau; no sul, em NApoles;
a leste, na Malta e na Turquia. O > tinha uma rede
de oito mil e quatrocentos quil6metros de oleodutos que se:





A GRANDE NOITE AFRICANA


estendiam da Noruega A Turquia, vinte e cinco portos onde
os navios-tanques podiam ser ligados aos oleodutos, e duzentas
e cinquenta estacges de bombardeamento.
As suas comunicag6es empregavam mil e seiscentos cir-
cuitos telef6nicos e mil cento e cinquenta circuitos de teletipos.
Neles cintilavam quinze c6rebros electr6nicos de muitos mi-
IhWes de d6lares cada.
Na S. H. A. P. E. trabalhavam alemies, americanos,
belgas, canadenses, dinamarqueses, franceses, gregos, holan-
deses, ingleses, islandeses, italianos, luxemburgueses, portu-
gueses e turcos, sabendo falar dez linguas inas usando apenas
duas as ofidais frances e ingles.
*


A lutar contra a unidade occidental, arranjou tambm a
U. R. S. S. o pacto de Vars6via. Nio temos dados que possam
fazer supor a sua forga, mas o receio dos Estados Unidos,
manifesto na discussio acalorada a volta da constru*go, ur-
gente, no seu territ6rio, de abrigos antiat6micos, portanto
a distincia de milhares de quil6metros do grande e cabeludo
URSO, mostram que nao deve ser, na melhor das hip6teses,
inferior.
0 lavrador Khrushew ji por diversas vezes o afinnou,
em fanfarronadas que cruzaram o &ter de todos os paises,
a sua falta de receio pelo poderio military ocidental. Nlo
acreditamos nos seus gargarejos, e cuidamos ter a certeza
de que os receos slo os mesmos que levaram os ocidentais
a descobrir meios seguros de defender as cidades mais popu-
lacionais de um possivel ataque russo.
Chegamos assim, mesmo corn falha de elements, A con-
clusao de que uma guerra, no nosso tempo, duraria horas, e
que tanto o agressor como o agredido Ihe sofreria as con-
sequ8ncias, razao porque 6 de interesse para ambas as po-
t&ncias nio recorrerem ao seu potential at6mico.





INACIO DE PASSOS


O President Kennedy, dos Estados Unidos da America,
declarou um dia a Stewart Alsop: atd 1954 era-nos intei-
ramente favoravel o balango do poderio aereo e das armas
nucleares. A situagio comegou a mudar por volta de 1958
ou 1959 cor os misseis balisticos. t precise compreender,
agora, que ambos os lados possuem essas armas desvastadoras.
ft c!aro que, em determinadas circunstancias, devemos estar
prontos a empregar de said as armas nucleares; por exemplo
no caso de um ataque inequivoco A Europa Ocidental. Mas
o important, o necessArio, 6 control, flexibilidade, poder de
escolha> *.
No dia 6 de Janeiro de 1961, Nikita Khrushew, falou
demoradamente em Moscovo, diante dos chefes do comunismo
mundial. Cor o seu discurso esbogou os meios de atingir
a vit6ria mundial do comunismo, deixando bem claro que a
maneira de a alcangar nao seria nunca a guerra nuclear.
SAo suas as seguintes palavras: O problema de impedir uma
guerra termonuclear mundial e da maior importancia e ur-
gencia para todos os comunistas.>. Mostrou, porem, que outras
espcies de cguerras> deveriam ser feitas, citando a campanha
de guerrillas do Vietname e a revoluuio cubana.
Fica pois ben claro que, A frente dos pianos da U. R. S. S.
estio a fabricagio de guerras e guerrillas, as lutas de Kliber-
ta~no nacionalb e de dominio econ6mico. Disse ainda o
senhor da R6ssia: aN~o estA long o tempo em que,
na distribuigio da produqio mundial, o primeiro lugar cabera
ao socialismo. A vit6ria da U. R. S. S. na competig5o eco-
n6mica corn os Estados Unidos, a vit6ria de todo o regime
socialista, serA o moment mais decisive da Hist6ria. Nesse
tempo at6 os maiores c6pticos decidirlo em favor do socia-
lismo.
As palavras do lider russo siio comentadas per Stewart
Alsop no seu artigo cA Grande Estratigia de Kennedy,

SelecfSes, de Outubro de 1962 tA grande estratigia de Ken-
nedy por Stewart Alsop.






A GRANDE. NOITE AFRICANA


publicado nas SelecSes do Reader's Digest, de Outubro de
1962: CR isso que Khrushew entende por ccoexistancia pad-
fica. Por meio de guerras de libertagio, as regi5es subde-
senvolvidas produtoras de mat6rias-primas do mundo cairgo
sob o dominion comunista, e, assim, sera possivel rasgar o
ponto vulneravel do mundo ocidental. Isso determinara uma
brusca transformar o no balango mundial de forgas, e o
.isolamento e a liquidagio final de agrupamentos politico-
-militares como a N. A. T. O. A vit6ria econ6mica de ctodo
o regime socialist> produziri, entao, sem guerra termo-
nuclear mundiabl o grande objective do comunismo na terra.,
Em nenhum continent como no africano se encontram
regi5es subdesenvolvidas qtie possam vir a ser produtoras
valiosissimas das mais ricas mat6ria-primas, e isso mostra,
claramente, que o interesse da Rfissia em auxi!iar os povos
qsubdesenvolvidos> africanos, preparar-lhes independ&ncias>,
criar-lhes, nos seus dominios, escolas de terrorismo, orga-
nizar-lhes eex&citos de libertaqaos, nao 6 mais, final, do
que a continuaqo da political iniciada no Vietname, em
Cuba, no Laos, e que falhou nas Filipinas, na MalAsia, na
Birminia e na Gr6cia. Mostra tamb6m o receio dos Governos
Ocidentais em ofender os paises africanos recentemente tin-
dependentes, e o namoro descarado e cinico usado corn
pedaoos de terra que tolas profecias mostram num future
pr6ximo libertadass.
Assim, chegamos a triste conclus5 o que de todo o sangue
derramado em Africa nao se pode pedir culpa aos africanos,
que os ex&citos de libertaioo, sao russos, que os 4comit6s
de libertagiio s5o americanos, e que as independencias nao
existem, sendo apenas bragos da tal coisa suja political -
empunhando facas, catanas e machados, cor receio de uma
hita cde carass que arrasaria o mundo, e de que os cobardes
causadores viriam a sofrer consequ&ncias.
Sem arriscarem urn palo do corpo buscam os mesmos
fins. A mais pratico. A mais sabujo. A mais cinico... Mas, no
final de tudo, 6 muito menos arriscado... para eles.






INACIO DE PASSOS


Mas, por desgraga, sio bem poucos os paises que assim o
compreendem. Um dos piores resultados das paix5es desen-
freadas dos dois grande blocos 6 que arremessaram um
continent rico para a mis&ia e para a ruina.
f deplorivel a sua obra!...
Envergonha a civilizagio!...
Faz-nos recear o future; e, at6 o ano de 1964 que vai
despontar, se apresenta escondido na mais terrivel e assus-
tadora inc6gnita.
Diz O. S. Marden no seu livro 4A obra-prima da
vida, que cum pequeno buraco aberto num dique por uma
ratazana pode ocasionar a inundag~o de uma cidade. A cabega
de um f6sforo mal apagado pode dar lugar a um incEndio que
devaste uma par6quiaw. No continent africano os buracos
abertos pelas ratazanas sao aos milhares e nio hi quem se
canse de atirar f6sforos mal apagados, no desejo sidico de
ver a Africa em chamas.
O Daily Expressm, conhecido journal britanico indepen-
dente das direitas, interrogava na sua edigio de 2( de Agosto
de 1963: nome da Riberdade povos primitives e confiantes tnm sido
entregues nas mios de maldosos demagogos: o ditador Nkru-
mah prime os povos no seu dominion do Gana; a ensaguen-
tada cMau-Maum espera pela sua oportunidade quando o
Qu6nia Ihe for entregue em Dezembro; no antigo imp&rio
frances, a Arglia e um miriade de pequenos estados estio
na bancarrota; a Federa~io Rodesiana, uma experinncia nobre
ninma sociedade multiracial, encontra-se em ruinas. A selva
reclama a terra,...
Que grande abismo separa o ideal ,liberdade, da carni-
ficina africana!...
Camificina foi o termo que empregimos e nio nos pesa
a consci8ncia de terms pintado cor tintas negras um pro-
blema que nao precise bin6culos para ser enxergado a dis-
tancia. Todo o mundo o conhece. Todo o mundo olha para
ele horrorizado. Todo o mundo se comove e se lament mas






A GRANDE NOITE AFRICANA


nada faz para o resolver. Pelo contrArio, nao. se cansa de
langar petr6!eo, quando a chama, por falta de vento favorivel,
parece extinguir-se.
A humanidade ten uma tend&ncia especial para lastimar
catistrofes, mas peca pela ausincia de vontade para as evitar
quando ainda estA a tempo. Os tribunais do mundo inteiro
continuam a condenar carrascos do povo judeu e toneladas
de tinta sao consumidas pelas rotativas da informaAio mundial
corn o assunto do dia -o genocidio do povo hebraico; po-
r&m, ao mesmo tempo, crimes id8nticos continuam a ser pra-
ticados, e parece que ningu6m para eles olha.
f comodismo acusar depois do mal feito. t facilimo
encontrar criminosos responsiveis quando toda a humanidade,
por nao ter lutado contra a consumagio desses crimes 6 tao
criminosa como os que se sentam no bosco*...
Se cada home, ao pegar no journal, visse em cada acusado
de genocidio um seu representante; se cada ser sentisse pesar
sobre os seus ombros as culpas que apenas sao atiradas para
cima de meia dizia de individuos, bem iria o mundo.
A possivel que daqui por meia dfizia de anos se criem
tribunais para matar os autores do genocidio que se pratica
agora, no moment precise em que escrevemos este livro,
no Ruanda.
Pensa um pouco, leitor, que enquanto tu respiras safide
e esperas a hora de saires da repartico para encontrares a
tua esposa e os teus filhos e con e!es gozares a dogura incom-
parivel dumas horas de lar, criangas indefesas slo assassi-
nadas apenas por serem r tutsis>, exactamente como os outros
foram mortos por serem Comoves-te corn as descricqes de crimes que sujaram o
s;culo e parece que te esqueces que eles continuam a ser
praticados e que nada fizeste, nem fazes, para os evitar.
Choraste com o rios* horrorosamente iguais, assustadoramente comoventes, se-
riam escritos pelas criangas ttutsis" se elas, coitadas, sou-
bessem escrever...






INACIO DE PASSOS


Entende-nos, por favor; n6s tamb6m nos comovemos corn
as privagces passadas pelo povo judeu, n6s tamb6m nos revol-
tamos contra os crimes praticados pelo nazismo, n6s tambsn
apoiamos os tribunais que levam a morte os carrascos sem
entranhas que os praticaram; apenas n5o compreendemos
que esses crimes continue a ser praticados perante a indi-
ferenga co!ectiva dos homes que comp6em as sociedades
humans. N6s, tu, nada fizemos, e continuamos a nada fazer
para os evitar. No entanto somos mol&culas do oceano hu-
mano; temos as nossas responsabilidades; fazemos parte da
humanidade e 6 a humanidade a criminosa. Ao discutirmos
quest5es africanas sem as conhecermos, ao acusarmos posigSes
definidas e humans alicergadas no amor, como a portuguesa,
estamos a contribuir para que genocidios iguais aos que en-
sanguentaram o povo judeu, ensanguentam no present a
populagco tutsi> no Ruanda, e ensanguentario, sabe-se iA
que povo a seguir, continue a ser praticados no mundo.
O conhecido journal cLe Monde> publicou recentemente
uma carta do sr. Vuillemin, destacado pela U. N. E. S. C. O.
como professor em Butare, no Ruanda. Este professor, teste-
munha horrorizada de inimeras cenas de violencia que en-
sanguentam o antigo protectorado belga, viu-se na necessidade
de pedir a sua demissio, porque segundo ele pr6prio escreveu:
tngo 6 mais possivel permanecer ao servigo de um Governo
responsivel ou c6mplice de um genocidio. Nio posso par-
tilhar da indiferenca e da passividade da grande maioria
dos europeus daqui, agents da assittncia tcnica bilateral
ou multilateral. Como poderei eu ensinar no quadro de uma
ajuda da U. N. E. S. C. 0., numa esco!a cujos alunos foram
assassinados pela uinica razao de serem Ktutsis)?... Como
poderei ensinar alunos que serao assassinados talvez dentro de
poucos meses ou de poucos anos?>...
O Sr. Vuillemin observa, noutras passagens da sua carta,
que os KTutsis>, em ntumero de cento e cinquenta mil ap6s
a proclamaoio da independencia em 1962 um de Julho -
cansados do regime de feudalismo que tudo indicava persis-






A GRANDE NOITE AFRICANA


tisse, e receosos pelo facto de as redeas do poder terem sido
entregues As mios dos cHutus>, comegaram a debandar para
os territ6rios vizinhos. O Governo do Ruanda promoveu uma
feroz discriminagao e perseguigio Aq:ele subgrupo 6tnico,
inclusivamente impondo-lhes bilhetes de identidade nos quais
e mencionada a 6tnia a que pertencem, reservando aos <
as bolsas de estudo na Europa, e o acesso ao ensino secun-
dArio rege-se por contingentes, segundo criterios raciais. A par
disso, em seguida aos incidents de dez iltimo, em todas as
localidades do Ruanda se iniciou uma vaga de prisSes de
cTutsis3 que foram torturados e sujeitos A fome e a diversas
privag5es.
Em Chiangugu oitenta ctutsis> foram obrigados a entrar
em cami5es que os transportaram para a floresta do Congo-
-Wil onde foram fusilados.
sSe este factos continue a carta representassem ape-
nas uma eliminaqo de suspeitos (todo o tutsi evoluido
suspeito) corn desprezo pelas garantias judiciarias -mesmo
as mais elementares- a repressao exercida na Prefeitura de
Giankoro constitui um verdadeiro genocidio. Excitados pelo
Prefeito e pelos Burgomestres e Comissarios do Parmehutu,
bandos de assassinos exterminaram, sistemiticamente, de 24
a 28 de Dezemnbro de 1963, a raga Tutsi.
Dessa carnificina, a que nao foram poupadas as mulheres
e as criangas, resultam os seguintes dados estatisticos: oito
mil mortos e mais provAvelmente catorze mil, s6 na Prefeitura
de Giankoro.
O facto de um exterminio sistematico nao ter sido aplicado
apenas nesta prefeitura, prova a existencia de um deliberado
piano de climpezas, e, portanto, de uma organizagio pr6via
orientada nestes sentidos. Sem isso ngo se compreenderia a
posicio assumida pelo Governo do Ruanda, recusando o envio
pelas Nagoes Unidas de uma comissao de observadores As
fronteiras, para evitar novas ,incursoes> de tutsis provenien-
tes de territ6rios vizinhos e em n6mero muito reduzido.





INACIO DE PASSOS


0 silencio official evidencia uma intentional polftica de
genocidio que o Governo do Ruanda ter estado a realizar,
e de que o Sr. Vuillemin, funcionArio da U. N. E. S. C. O.
deu, no cLe Monde., na sua carta, uma imagem sobejamente
realista *.
Os JTutsis formam quase 80 % da popula~go do Ruanda,
e a respeito, o Episcopado do Ruanda, em Carta Pastoral
motivada pela chacina das populag5es e pela missionarios, depois de condenar co morticinio de inocentes,
os incendios, as vinganqas pessoais e outros desacatos atira
uma verdade, infelizmente pouco compreendida no nosso
s&culo: :Quando um pais se pronuncia, na proporgio de mais
de 80%, por um regime, nao serio os ataques terrorists
de uma minoria que modificam a situa~go,. Assim 6 de facto
ou pelo menos deveria ser, mas em Africa esti-se a dar abso-
lutamente o contrario: minorias apoiadas por influencias es-
tranhas, tentam desarmar maiorias gigantes, lutando contra
a vontade unanimemente express do povo, baseando a estu-
pidez da sua attitude em duas palavras bombAsticas lonizaqio e cliberdade.; Esperemos que o povo Tutsi nio
sucumba totalmente no genocidio de que esti a ser vitima
e que se levante a acusar ao mundo os crimes dos seus car-
rascos.
O exterminio total das ragas nio 6 crime apenas do
s6culo das luzes, se bem que revolt hoje mais do que ontem,
olhando ao adiantado da civiliza~ o. Vem do principio do
mtmdo a certeza de que o maior carrasco do home 6 o
pr6prio home tHomo hominis lupus e Paulo Man-
tegazza afirmou na humana ngo passa de um agremiado de feras que se devoram
umas As outras>. Se olharmos o desaparecimerito total,- ou
parcial, de algumas ragas, encontramos a mais cruel prova
de tao amarga verdade. .

*A carta foi publicada na integra no journal eLe Monde* e
reproduzida em quase todos os jorais da imprmna mundial.







A GRANDE NOITE AFRICANA


Segundo Bollaert, no tempo de Crist6vio Colombo, a
Amnrica tinha mais de cemr milh6es de indigenas. Quantos
tera hoje?... Qual a causa do seu exterminio?...
Consultando o livro The extinction of races de Richard
Lee, ficamos cor a certeza de que hi pouco mais de um
secu!, os Hawaianos perderam oitenta por cento da sua
populagRo, e que os moiros perderam, em catorze anos, apro-
ximadamente vinte e cinco por cento.
Indo mais long, ao Diario del viaje al rio-Bermejo in
De Angelis>, de Fray Francisco Morilo, ficamos sabendo
que o autor, um dos homes mais viajados do seu tempo,
encontrou, em 1870, nas margens do Rio Vermelho, do Oci-
dente para Oriente, diversas ragas completamente desapa-
recidas: , <, < ,Corroas>, , , <, ,
, , , , taleias>, , <, , ,
tTocoteys>, e <.
Depois de tamanhos crimes que afastaram, para sempre,
do hemisfdrio, tantas racas, especies distintas, ou tribos>> o
caso present dos tTutsis>, olhado corn bcnomia pelas duas
grandes potEncias e pe!a 0. N. U., 6 apenas mais uma pigina
de sangue na vermelha e fedorenta cadeia que forma a his-
t6ria da Humanidade. E hf t~o pouco respeito ati pelo nome
de Deus que alguns criminosos o empregam nas suas oranges
como se a guerra sem piedade que fomentam fosse uma
guerra santa.
A imprensa noticiou os crimes cometidos recentemente pelos
terrorists do senhor (!!) Mulele, no Congo. O povo derreou
a cabega ensanguentada a chorar os seus mortos, porrm mal
afastado esse perigo pelos soldados do Exercito Nacional
congols, um novo perigo caiu sobre o mesmo povo: os seus
defensores eram tambmn... assassinos, Leiamos a noticia,
inteirinha, e tu, leitor, faz para ti os teus comentArios:
na provincia de Kwilu, os soldados do Exercito Nacional






INACIO DE PASSOS


Congo!Ss, submeteram a incriveis tormentos toda a populace
suspeita de haver cooperado corn os terrorists de Mulele.
Alguns homes foram vergastados na plant dos pds, arras-,
tados por cima de um chgo pedregoso, outros agredidos a
pontap6 na cabega, outros espancados at aW morte.
No intervalo, entire duas sess5es de tortura, os sobreviventes
eram obrigados a cantar: E O EXARCITO>, Mulheres e crianqas foram tamb6m es-
pancadas barbaramente. O mesmo sucedeu noutras aldeias.
Por onde passaram essas tropas treinadas por instru-
tores da O. N. U. ficou um rasto de sangue, de terror e
de cadaveres, exactamente como sucedera dias antes com a
passage dos terrorists, adversArios de Cirilo Adoula.
Entrimos assign numa esp6cie de genocidio: os adeptos
de Mulele matam os individuos que nao slo favoraveis A sua
causa; seguidamente os seus adversArios entranm carga e
transformam em cadiveres os favoraveis a Mule!e; atras
virgo outros contrfrios a Adoula acabar corn o resto... Tudo
isto s6 pode ter um nome: dndepend8ncia>.
Mais uma vez, e sAo jA tantas, o nome da O. N. U. se tne
a um crime; desta vez os assassinos de Adoula foram apren-
dizes da cihncia onusina. Parece que aprenderam tao bem a
licto que jA sabem mais que os mestres. Por certo passaram
todos com mais de vinte valores na cadeira de ttorturas,.
Mas nio vale desesperar: estas tropas tencionam, dentro de
pouco tempo substituir. totalmente as tropas da O. N. U.
aquelas onde, apesar de tudo, ainda rest um pouco de civi-
liza*io. 2 que, corn tantas e tio completes provas, ficaram
aprovadas no exame...





















'OUTROS INTERESSADOS

Nao sio s6 os dois blocos que usam todos os meios para
dominar a Africa e podemos apontar a Uniao Indiana e a
China como dois. Sobre a Uniao Indiana, se nao nos falha a mem6ria, foi
a 18 de Margo de 1957, que o Eng. Ant6nio Passos se
referiu, numa palestra proferida no Centro Nacional de Cul-
tura --palestra reproduzida no Faculdade de Letras de Coimbra, pelo saudoso Professor
Amorim Girio- cor as seguintes palavras:
i... de modo que o jaindismo --doutrina da indepen-
d&ncia da India-- implicava, sobretudo, uma mentalidade
europeia, objectivada neste postulado: a fndia vai ser uma
nagAo, sucessora dos ingleses no fndico, senhora da Africa,
etc.*...
No ano de mil novecentos e vinte, o Conse!ho Nacional
Indiano em Africa do Qudnia, reclamava a transferencia
desta col6nia britrnica para a administrago direct da India,
atW se consolidar uma possivel autonomia. Os habitantes bran-
cos imploraram A rainha e pediram a intervengio da Uniio






INACIO DE PASSOS


Sul-Africana para dissuadir Londres de cometer tamanho
disparate *.
Um dos primeiros discursos proferidos no Parlamento In-
diano imediatamente ap6s a independencia da Uniao Indiana,
pelo deputado Khare, mostrou as intencqes interesseiras do
n6vel pais corn as seguintes pa'avras: < a Uniao Indiana estivesse em condig6es de deolarar, imedia-
tamente, guerra A Africa do Sub> *
Gandi dirigiu pessoalmente campanhas contra os poderes
sul-africanos fazendo-se sentir os efeitos dessas campanhas
no melo milhio de sibditos indianos residents no territ6rio
hospita!eiro da Africa do Sul, efeitos que provocaram tumultos
entire negros e <, especificadamente em Durbam, em
1949, onde morreram mais de cento e cinquenta pessoas e
ficaram feridas mais de um milhar.
Recentemente, em 1961, um grupo de dirigentes congo-
ieses contrArios a Lumumba, fez publicar um comunicado
persuadindo o Governo Congoles a expulsar as tropas indianas
estacionadas no Congo ao servigo da 0. N. U., afirmando
nesse comunicado que elas, a toberto da 0. N. U., realizavam
a political national do seu pais em pleno cora*io de Africa.
Nehru, chegou a afirmar ser sua intengo, ap6s essas tro-
pas serem dispensadas da O. N. U. por desnecessarias, per-
mitir que ali ficassem, desmobilizadas, entregues ao mister
do comrcio, p'or 6 seu pals estar superlotado e ser media
salvadora a emigraqio em massa. Claro esta que a sua inica
intengio era a expansgo da Uniao Indiana pelo territ6rio
africano tIo ambicionado.
Lidamos de perto corn inimeros siibditos da Uniao In-
diana, em Mogambique, e notamos quanto eles sao odiados
pelo negro. VerificAmos a mesmissima coisa em todas as
regi6es que visitamos na Africa nIo portuguesa, o que nos
mostrou, sem sombra de dfvidas, que a alergia que o negro

Dados colhidos do joinal <





A GRANDE NOITE AFRICANA


mogambicano senate por tio mesueira raga se estende aos
africanos de todo o continent.
0 indiano, vulgo cmonh>, s6 se prende A terra para
emplorar os aborigenes e consegue, mercer de uma arte especial
e de uma falta de escripulos flagrante, inpingir cgato por
iebre.-, vendendo ate o que ningumn, nem o mais tolo, com-
praria.
A sua vida curte-se num ambiente mal-cheiroso e o pr6-
prio negro senate nduseas no contact corn tal gente. Apenas a
ambigho, apenas a ganincia, apenas a maldade, espreitam
nos olhos luzidios de tao estranhas e nauseabundas persona-
gens. Como estranhar que un povo, para quem rapinar ngo
e pecado, olhe como ladrIo em noite propicia, para as terras
africanas?... Zanzibar... Qu6nia... Tanganica... Niassalan-
dia... e toda a Africa Oriental estio infestadas desta espcie
de bipedes sugadores, chegando a parecer, pela sua quanti-
dade, que algumas cidades africanas sio compostas imica-
mente por eles.
Sob a aparente superficie tranquila das suas vidas sem
imprevistos nem crimes que enchain as manchetes dos jornais,
oculta nas mesuras velhacas e traigoeiras, disfargada na inge-
nuidade ficticia corn que negoceiam, eles pr6prios como ho-
mens que pouco tnm atraido a atenoo dos estudiosos dos'
problems africanos, escondem o maior perigo para a Africa,
pois, ao contario dos outros males que a espreitam, este
opera pela calada da noite, silenciosamente, rastejando como
a mais pegonhenta vibora, disposto a desferir o golpe mortal
apenas quando souber que a vitima, jA em coma pelas inves-
tidas dos outros inimigos, nio pode ousar um gesto de
defesa.
Existe em Africa um quadro que se repete todas as noites,
desde que o mundo e mundo, e que 6 bern conhecido dos
habitantes do sertio. A hiena, animal imundo e mal-cheiroso
de quem os restantes animals da selva fogem ,nio de receio
mas de nojo, aproveita as sobras do ieio, fazendo delas o
ixico alimento..






INACIO DE PASSOS


Falta4lhe a coragem para a caga; falta-Mhe a arg6cia para
uma simples espreita; mas nio The falta a inteligencia que
the indica o meio mais facil de encontrar alimento, deixando-a
queda nas nervuras gigante dos capinzais, espreitando os
banquetes dos monarcas da selva, disposta a aproveitar os
restos, que sio, na maior parte das ve.es, o melhor do
banquet.
A esse ente repelente e selvagem nenhum outro ser, bipede
ou quadr6pede, tanto se aproxima como o indiano. Cobarde,
porco, desprezivel e oportunista. No logo africano, em que
os dois gigantescos lees se banqueteiam ou pensam banque-
tear-se -a U. R. S. S. e os E. U. A. --ea espreita, envolta
nos seus fedores, para roer os restos da carcaga.
Seres a quem falta um resto de pudor, onde nio britha
um lampejo de respeito pelos direitos humans -os seus
intociveis, essa raga tratada corn menos respeito que os cies
pelas restantes castas acostumados a violar todas as espe-
des de conveno5es internacionais, sem pudor de virarem
canh6es contra populag5es desarmadas -o caso do ataque a
Goa o prova ainda por vezes se intitulam pacifistas e de
medianeiros de itigios que eles pr6prios provocam, como se
o mau cheiro dos seus crimes politicos pudesse passar mais
despercebido que o da sua correligionaria hiena.
Nio somos o primeiro civilizado que mostra phblicamente
o seu desprezo pelos s6bditos da Uniio Indiana, nem nos
julgamos o inico que preve na sua presenga suspeita em
Africa um perigo eminente. Muitas vozes ja se levantaram
no mesmo clamor, num contracanto gritante que se mostrou
impotente para acordar os dorminhocos donos do mundo.
Mais vozes se levantario. Os goeses de todo o mundo clamam
pela liberdade que Ihes foi roubada em nome de outra dliber-
dades. Os seus apelos lancinantes, as suas sdplicas comove-
doras hio-de vencer o maior escolho da humanidade do
sculo das luzes: a estupidez.
A liberdade apregoada para Goa 6 a mesa que ecoa no
continent negro e a esse grito nio esti albeia a Uniaio Indiana.







A GRANDE NOITE AFRICANA


Os seus programs para Africa mostram claramente a posigio
assumida pelo Govemo do senhor Nehru e tolo serf aquele
que possa supor que um povo que nio sabe o que 6 a liber-
dade dentro das suas fronteiras possa desejar para povos
estranhos o que nao deseja para si. A patria mais dividida
por castas nao pode lutar pela igualdade entire os homes
sem que o mundo veja que a sua luta e a demonstra~o mais
est6pida de um cinismo crasso, ou nm disfarce que encobre
inten6es crininosas.
*
*

0 povo chines, candidate sem rival so titulo do povo
.mais paciente do globo, demonstra o seu interesse em Africa
de maneira bem diferente da India e dos dois cgrandes
blocoss.
Por certo o leitor ji teve a desdita de captar no seu re-
ceptor uma emissio qualquer chinesa e apreciar o process
desonesto corn que a sua propaganda de .rliberdade& 6 la~nada
no mundo.
SOs ses emissores, de uma potbncia exagerada, ouvem-se
a qualquer hora do dia e em todas as ondas, preparados
para tsilenciarem qualquer voz que, heroicamente, Ihe apa-
reca no caminho. A sua posioo geogrifica permit, protegida
ainda per diversos factors de ordem climitica, que os seus
dientes touvedoresm sejam forgados de facto a ouvi-los. N6s
ja fomos, por diversas vezes, dos seus touvintes forqados e
sentimo-nos nauseados. it que repugna. Revota. Embrutece.
Fabrica raivas impotentes, tanta mentira atirada para o ter
pelas vozes persuasivas e melodiosas das locutoras pArias,
vendidas a Pequim pela ganincia e pela vaidade de serem
ouvidas pelo mundo, mesmo que essa honra se chame trai*io
e seja condenada per todos os homes livres de conscincia.
Nao basta, pornm, a propaganda radiof6nica para satis-
fazer os intentos do povo amarelo e, todos os dias, milhares







INACIO DE PASSOS


e milhares de fo"hetos, peri6dicos, etc., sgo enviados pelo mar
e pelo ar ao encontro de distribuidores que ficilmente os
levam aos olhos dos confiantes homes da Africa por evoluir.
HA poucos dias um saco de correio que .rebentou num
hangar do aeroporto de Londres, destinado & Africa Oriental
e oriinfirio da China, p6s a descoberto imensos volumes de pro-
paganda do comunismo aamarelo-. Torna-se cmnico saber
que toda essa propaganda, sem. d6vida anti-ocidental, era
transportada a bordo de um avigo inglIs, segundo informago
official da agencia D. P. A.
0 Governo Britanico, conhecedor da gravidade da situa-
c~o, nio possui, todavia, meios legais para impedir que aviaes
britinicos sejam utilizados para transporter propaganda sub-
Versiva. O vaiv&m coitinua e vio nascendo acasualmente,
as revoluges nesta parte do continent. Quenia, Tanganica,
Zanzibar, responded A chamada. Entrementes Eduardo Mon-
lane joga as mios A cabega, arranca pelos A carapinha, e
grita para o mundo: Niao sinto apoio em Mogambique|,...
Os dirigentes chineses lastimam-no e d5o-4he palmadinhas
nas costas incutindo-lhe coragem...
Logo que correu no mundo a noticia de que a Franga
ia reconhecer a China Popular, a palavra cAfrica> apareceu
nos placardes internacionais. O ministry dos neg6cios estran-
geiros japones, Masayoshi Ohira, comentando a conferencia
de cento e cinco minutes que efectuou corn o secretArio de
Estado norte-americano Dean Rusk, dec!arou que ambos con-
cordaram no que se referee A necessidade de limitar ao minimo
os efeitos de tal reconhecimento*, tendo Rusk dado a enten-
der que esperava que a maior part da Africa de lingua
francesa, compartilhasse o ponto de vista dos Estados Unidos
sobre o assunto. O ponto de vista americano condenava a
attitude da Franga. Quase na mesma altura, ipor coincid8ncias
jovens chineses manifestavam-se ruidosamente nas ruas de
Pequim, contra os Estados Unidos, desculpando-se na revolt
da juventude chinesa comunista contra os incidents do
Panama.





A GRANDE NOITE AFRICANA,


Como vemos apareceram, simultaneamente, trs coinci-
dOncias: Fica provado, acidentalmente, que o principal alvo
da propaganda do comunismo amarelo 6 a Africa; os Estados
Unidos mostram-se receosamente esperangados que a Africa
de lingua francesa nio siga as pisadas da Franca e reconheqa
o Governo de Pequim; jovens chineses manifestam-se contra
os Estados Unidos empregando os nomes mais feios da rica
lingua chinesa.
Quase arranjivamos uma quarta coincidncia se as trbs
nio chegassem para esclarecer corn provas a nossa idea:
Zanzibar, Tanganica, Qu&nia e Uganda aderem ao cbatuque
africano e as tropas inglesas slo obrigadas a intervir para
garantirem a tranquilidade dos scus governor. Quanto ao
primeiro Zanzibar cremos que n5o restam dividas em
ningu6m, que a batucada foi dirigida de Moscovo.
Mas bem vai o mundo porque, apesar de tudo, ainda hA
quem a!cunhe as revoltas, os derramamentos de sangue trans-
formados nalguns pontos em autenticos genocidios, e todos
os dramas africanos em riamos de concordar corn U Thant se os dentes em Africa,
segundo nossa opiniio, nao tivessem nascido antes do tempo.
Achamos que ela i crianqa de mais para que as suas birras
e chores se perdoem em t5o comodista desculpa...
0 primeiro ministry Mois6s Tchomb6 considerando que
o derramamento de sangue no solo congoles se deve i tpo-
siio estrategica e econ6mica que o Congo ocupa na Africa*
relembra uma opiniio de Pequim: Kuma vez que tenhamos
o Congo, temos toda a Africa. Isto explica muitas coisas
acrescentou o primeiro ministry congoles e, sem d6vida,
a sua explicaoo 6 bastante mais 16gica do que a dada pelo
ilustrissimo senior U Thant.












PATE


OS AMIGOS


DO NEGRO
/




















ESTADOS UNIDOS DA AMERICA

Os passes que mais tim lutado para o afastamento do
branco ocidental da.Africa slo, sem drvida, os Estados Uni-
dos da America do Norte corn os seus Comit6s de Libertago,
os Arabes, a Russia e os seus apaniguados.
.Nos Estados Unidos da .America o, racism opera da
maneira mais infame, recheado de crimes que desmentem o
avango civizador do seu povo; os Arabes, com a escravidao
e outras forms de oprimir o negro, tambem mostram o seu
racism incontestavel; .na India, celebrrimna pelas suas castas,
corn o exemplo degradante dos intocdveis, nem se fala;
na Rfisia branca e nos seus satlites, os estudantes negros
que fogem is perseguig5es dos brancos, sio prova concludente
do principios segregacionistas do povo vermelho.
Em suna, todds estes povos nao toleram o negro a nio
ser para o explorar, mas se dentro das suas fronteiras o
ptrinem e o castigam pelo ccrime= horrivel de ser negro,
fora delays advogam a sua defesa, o que indica claramente a
torpeza das suas intencqes: querem os seus votos na O. N. U.;
querem .os seus minaris...
*Claro esta que se o negro relacionasse o que se pass
dentro e fora das froateiras desses passes nfo se entregaria,





INACIO DE PASSOS


com a confianga de noiva ao esposo amado, nos bragos dos
seus principals inimigos que os exploram ate ao tutano. E a
provar que a sua amizade 6 suspeita relataremos os crimes
praticados dentro das suas fronteiras no decorrer do desgra-
*ado ano de mil novecentos e sessenta e tres, o ano da des-
graga e do sangue para a Africa atormentada.

S*
*

Mais de mil e seiscentos negros foram press, em Bir-
minghan (Alabama) pot protestarem contra a segrega*go
racial, entire os dias tres e cinco de Abril.
Em Jackson (Mississipi) cerca de quinhentos e setenta
manifestantes, muitos deles criangas negras, foram press por
identico crime, na mesma data.
A dez de Junho o governador George Walace, do Estado
de Alabama, postou-se a entrada de uma tiiversidade part
impedir o acesso de dois estudantes negros Vivian Malune
e James Hood, ambos de vinte anos de idade numa uni-
versidade Estado faziam andis a volta da universidade, e' prto de qul-
nhentos soldados mantinham-se de preven!o. Dois hlic6 .te
ros da Guards Nacional sobrevoavam a zona.
Em Cambridge, na noite de onze de Juniho, quatrocento
brancos e negros envolveram-se em sangrent batalha por
quest6es raciais.
Em Jackson, na mesma semana, o negro Medgar Evers
foi birbaramente assassinado i port de sua casa. No dia
seguinte, enquanto decorriam as cerim6nias fKnebres, marches
de protest e tiroteio marcaram uma das mais vergochos
piginas do racism no mundo.
No mesmo dia a tReuten distribula A Impresae a so-
guinte informagio: 4Policia encontravam-se de prrevnio
hoje, enquanto centcMas de negros se prepwaraa para mardha





A GRANDE NOITE AFRICANA


de luto atraves das ruas de Jackson, para prestarem uma
homenagem final ao chefe de integra*ao Medgar Evers que
foi assassinado. A cidade de Jackson encontrava-se calm
mas tensa enquanto aguardava a march em massa de hoje.
A policia do Estado selou, virtualmente, Cambridge e Mary-
land cor pontos de identificagio, para evitar que curiosos
entrassem na cidade marcada pela violencia. No Alabama
saiam comb6ios do Forte Mac Lellan, retirando as tropas
federal que tinham sido enviadas do Forte Barning -na
Ge6rgia-- quando a crise racial explodiu, em Birmingham,
o mes passado. Em Jackson, um rapaz de dezanove anos de
idade, foi atingido por um tiro nas costas, hole, quando ele
e outros rapazes segiuam de carro dividido corn seccoes para
broncos e para negros. O incident deu-se numa rna onde
cerca de mil brancos e negros assistiam aos servigos finebres
por Evers. Em Mary!and,,durante a noite, guards naconais,
com espingardas e baionetas caladas, patrulhavam as ruas
para forFarem a ser respeitada a lei marcial;.
Na mesma altura, em Oxford (Carolina do Norte) deu-se
Um encontro racial --o quarto sucessivo apesar dos es-
forMos da polida para manter as ragas separadas. Centenas
de pessoas envolveram-se em pancadaria, tend um home
norrido esfaqueado.
Em Fayettille, que se encontra a pouca distinca, vinte
e tr~s negros foram press pelo crime de terem entrado em
cinemas'e cafis de brancos. -
Em Cleveand (Ohio) trezentos broncos, a mesma hora,
apedrejaram carrots de negros. A polcia prendeu quarenta
pessoas.
Posteriormente umn bombs rebentava numa igreja de
negros, matando quatro inocentes raparigas. Tamanho crime
abalou a opinion mundial, merecendo uma onda de protest
e de apelo de protecgIo dos negros de todo o Sul
Este atentado, de todos o que chocou mats a opinilo
mudial, foi o 47.* do ano, 6 em Bitminghan, e interes-





INACIO DE PASSES


sante notar que nio houve uma s6 detenfSo naquela cidade.
Os pretos acusam a polfcia de fechar os olhos, e deixaram
de confiar na sua protecg~o. Umn dos raros jornalistas negrot
de Birminghan afirmou: HiA querm suponha que este foi o
6ltimo atentado, como se esta gente pudesse ficar brusca-
mente impressionada corn o horror do seu pr6prio crime.
Isto 6 atribuir-lhes, demasiadamente depressa, sentiments
humanitirios. Esta gente nao ficara por aqui. Haverio mais
atentados, talvez nio menos horriveis. Birminghan tomar-se-i
uma cidade sangrenta onde ninguem- branco ou preto-
se atrevera a sair de casa sem temer pela pr6pria vida.
Este jornalista exprimia o mal-estar que se notava corn
facilidade nos bairros negros. Os seus habitantes sabem que
as tropas estaduais de Wallace lhes s5o hostis, que a policia
municipal 6 ineficiente e de rest indiferente. Sabem que,
na realidade, nao estio cobertos por qualquer esp6cie de ga-
rantia
Por outro lado os broncos tambmn estio amedrontados,
mas por outras raz5es: sabem que logo que anoitece, grupos
de negros, sequiosos de vinganga, por enquanto apenas ar-
mados de pedras e garrafas, rondam os seus bairros residen-
ciais, bombardeando os autombveis isolados. e, de vez em
quando largando-lhes fogo.
Birminghan transformou-se na cidade do medo. Mais um
ou dois atentados como o. da igreja ortodoxa e -ninguem con-
seguir evitar. um autentico banho de sangue.
Em Anniston (Alabama) tris brancos foram press por
tentarem, matar dois ministros negros-que desejavam integrar
a Biblioteca PNblica da cidade. Os ministros foram espancados
por um bando-de brancos, um dos quais brandia uma cor-
rente. Um dos tries press Mike Fox, de 44 anos foi
multado, em 1956, por estar ligado a um assalto contra o
cangonetista negro de fama international, Nat King Cole -






A GRANDE NOITE AFRICANA


*
*

SE no pals fabricante de independencias e na patria ban-
quelra do Congo que se dio cenas trio trises?...
fi na pitria que permit que Comit6s de Liberta*5o
espalhem d6lares para que o sanguinario Robert Holden-
mate criangas e mulheres em Angola, e que, nao contented
corn o sangue derramada naquela Provincia ultramarina por-
tuguesa, atiram agora restos da sua riqueza para que Mond-
thane faga o mesmo em Mogambique?
A nossa afirmagio nio e suspeita: o pr6prio Mondlhane
o afirmou numa conferencia que pronunciou em meados de
Novembro no Ihe foram entregues 500 000 d61ares 14 000 000$00 em
moeda portuguesa de uma grande fundafio norte-ameri-
cans. Actualmente encontra-se nos Estados Unidos cor o
apoio do tAmerican Comitee on Africa,, de organizag'es
metodistas, e de v~rias instituiqges norte-americanas de ca-
racter nao-oficial a fim de pronunciar uma sirie de con-
ferencias em diversas universidades, sob os auspicios da
cAfrican Studies Associations. Por certo mais dinheiro vira
ter .As suas maos assassinas.
Que pensar de tao garadoxa attitude do povo dos Estados
Unidos?...
So povo que recusou, em Atlanta, lugar num hotel, por
causa da sua cor, a Ralph Blunche, subsecretirio das Naqges
Unidas e Pr6mio Nobel da Paz, que apoia a independencia
dos negros, mesmo reconhecendo a imaturidade dos povos
africanos como o afirmou o senador Ellender, democrat de
Luisiana, na te!evisgo, referindo-se especificadamente A Eti6-
pia, Liberia e Haiti?...
JA Albert Einstein afirmava: cada um o sentiment seguro do seu valor individual. Pessoa
alguma se rebaixa perante outra pessoa ou casse social.
Mesmo as grandes diferencas de riqueza, o poder superior






INACIO DE PASSOS


de uma minoria, nao consegue sapar esta robusta confianga
em si mesmo, e o respeito natural pela dignidade do seu se-
melhante.
Ha, no entanto, um ponto sombrio na vida social dos ame-
ricanos: o seu sentiment da igualdade e da dignidade humana
restringe-se, principalmente, aos individuos de pigmentaaio
branch. Mesmo em relago a estes utimos existem precon-
ceitos de que, como judeu, sou plenamente consciente, mas
eles s~o sem importanda se comparados A altitude dos brancos
para com os seus concidadios de cor, mormente os negros.
Quanto mais americano me sinto, mais tal situagio mt
entristece, e nao posso subtrair-me ao sentiment de cumpli-
cidade, a nio ser exprimindo francamente a minha opinib.
Muita gene sincera me retorquira: cA nossa attitude para
corn os negros 6 resultante de experiendas desfavoraveis que
fizemos coin ees, vivendo lado a lado neste pals. Eles nao
sio nossos iguais, nem em inteligencia nem em sentido de res-
ponsabilidade, nem em confianga".
Estou absolutamente convencido de que quem em tal
acredita 6 vitima de falsa e err6nea conceplo. Os vossos
ancestrais arrancaram pela forga este povo negro das suas
terras de origem; e o home branco, na mira da fortnma
e de uma vida c6moda, oprimiu-os e explorou-os sem piedade,
degradando-os at6 A categoria de escravos. 0 preconceito
modern contra os negros a o reflexo do desejo de manter
essa indigna condigios.
**


Verificando o leitor pelas noticias dos jornais que o ra-
cismo americano, tio comentado nos nossos dias, estA mais
aceso nos estados do Sul do que nos do Norte, seremos
obrigados a encetar uma interessante viagem atrav6s do tempo
em busca de uma razio, recuando a epoca da fundaio da
eeleberrima e sanguinAria Ku Klux Klan,.






A GRANDE NOITE AFRICANA


0 trajecto 6 curto. As paisagens humanas n5o mudam,
passe por elas os maiores cataclismos ou sejam aquecidas
pelas mais inacreditAveis benAos do progress. N6s as olha-
remos fugidias, cbmodamente instaladas no finar do sdculo XX
como em aprazivel recanto durn restaurant de comb6io, ser-
penteando pelas mais variadas e coloridas paisagens.
E o sentiment que correri ao encontro do nosso olhar
apalermado serA o de que todas essas paisagens nos sio co-
nhecidas e intimas, como se nessa 6poca houvessemos vivido.
Dai a se entender que os cem anos que nos separam do
nascimento do cK. K. K> nio modificaram o home, ser-
vindo apenas para nos mostrar que as il6gicas razoes de
antanho continuam, senslvelmente, A mesma distincia da
I6gica.
E se nio temrssemos que a nossa afirnnaiso parecesse
heresia ao leitor sensivel, iriamos ao ponto de nos oonside-
rarmos convencidos de que o mundo desaprende em cada
gerag o o que em anos assimilou, para voltar a aprender
mais tarde, numa cadeia infinite, razio porque cada gerag~o
reincide nos erros praticados pela geraSio anterior.
Vamos, por6m, apreciar a paisagem do passado, esco-
thendo para o efeito um dia qua!quer do ano de 1862:
Na altura andavam no ar un amontuado de palavras
que espelhavam todos os receios e pensamentos dos habitantes
sulistas da Amrica os confederados: algodao*, cdireitos
dos Estados e cescravaturas.
0 algodio era a maior riqueza do Sul, e, exactamente
por isso, transformava-se num ooasis, fresquinho para muitas
bocas ressequidas.
Todos o buscavam, Todos o queriam. Todos estudavam
uma possibilidade de Ihe jogar as mios, rapinando-o aos
confederados. E quando muita gente busca a mesma coisa
for9oso se toma que nasga um conflito.
0 vencedor conquistaria o reino do algodio, e o mundo
inteiro Ihe viria bater A porta implorando mercadoria que
seria vendida, entio, a peso de oiro. Por6m, para fazer uma






INACIO DE PASSOS


guerra, necessario se toma, em primeiro lugar, arranjar urn
disfarce, criando uma ideologia, que, al6m de estimular as
suas pr6prias forgas, disfarce a agressao senio numa guerra
santa, pelo menos inevitivel
Seria ficil aos chefes yankees arranjar essa ideologia gra-
qas A capacidade de dissimulagao que difcilmente terA en-
contrado paralelo noutro povo, e ao esclavismo.descaradamente
permitido pela legislagio dos Estados Sulistas, condenado
e abolido pela maior parte do mundo.
Que melhor ideologia do que a da 'liberdade?>...
Os csulistas* homes resolutos, sentiam-se impotentes
para lutar contra a forga dos yankees: sem os meios neces-
sArios para fazerem uma guerra --oficinas de fundicio, la-
minadores, arsenals, navios e fAbricas de maquinaria -
opondo as suas carabinas do tempo da cRevolugos contra
o modern material bMlico, previam de inicio a derrota. Po-
r6m, amparados pela sua arrogfncia de meridionais, chega-
ram, os mais optimistas, a convenecerem-se de que um che-
garia para uma dfzia de yankees, e que o algodio, a sua inica
riqueza, 'hes bastaria como meio material, para custear a
difiil defesa.
O sul criava homes de Estado e cabos de guerra, advo-
gados, medicos e fazendeiros, lutando com a falta de tcnioos,
profiss~o que o sulista sempre considerou obscura.
A zona de Maryland, essencialmente agricola, nio tinha
pois nem centros metalirgicos nem homes especializados.
E como ela todo o Sul.
Isto demonstra que os yankees corn a sua arg6cia una-
nimemente reconhecida atW aos nossos dias sabiam as pou-
cas dificuldades que encontrariam no caminho da vit6ria.
Para eles a preocupa2io mor era conseguir a simpatia do
mundo e isso foi-lhes facil; o mundo apoiou, sem reserves,
a ideologia crist i.da liberdade e igualdade entire as 6tnias
que inteligentemente haviam adoptado como disfarce para a
guerra desigual que provocaram.






A GRANDE NOITE AFRICANA


Contavam pois corn os recursos e os soldados do mundo
inteiro, e milhares de irlandeses e de alem5 es engrossaram
as fileiras dos exercitos da < tentava, a todo o custo, fabricar o
material de guerra de que necessitava para a sua desesperada
defesa.
As esquadras yankees bloquearam corn facilidade os portos
maritimos da Confederacgo, e as tropas nortistas apertaram-na
num abraqo mortal que nem a inteligencia dos generals su-
listas conseguiu evitar.
As minas de Alabama, abandonadas pela partida da maior
parte dos mineiros para as < a mat&ria-prima necessiria para a laborago das fibricas de
material bl6ico, criadas de emergencia por um grupo de pe-
ritos europeus, que, enfrentando os perigos da perfuraio
dum bloqueio, vieram, a troco de bom dinheiro, construir
miquinas e muniqges para as tropas confederadas que, sem
essa centena de peritos, teriam visto desaparecer, em poucas
horas, a escassa reserve de que dispunham ao comecar a
guerra. E na falta de materia-prima, o her6ico povo meridional
despiu as cidades dos artesanatos metAlicos, chegando a nao
existir em Atlanta gradeamentos de quaisquer espicie, va-
randas de ferro, port5es, estatuetas, e tudo o que pudesse
alimentar a bocarra insaciivel duma guerra desigual.
As fibricas obscureciam a natureza campesina cor ruidos
at6 entao desconhecidos dos ouvidos dos homes do Sul,
mergulhando-a numa tristeza palpivel. Os rostos dos habi-
tantes tamb6m jA nao sorriam; o present s6 lhes permitia
pensar nos inimigos que os espreitavam, e esse pensamento
era tristeza.
Os clar6es das descargas inimigas avistavam-se ja dos
telhados campesinos, enegrecidos por alfombras de musgo, e
as cidades sentiam na alma a sorte das suas aldeias. A Con-
federago sulista estava reduzida a um esqueleto. Cor a
derrocada veio a morte.







INACIO DE PASSOS


Os maquiavilicos exercitos dos generals vencedores pra-
ticaram crimes que regaram de sangue todo o Sul: as milheres
eram violentadas e os lares saqueados e incendiados, chegando
cidades inteiras a arderem num horrivel braseiro.
O 6dio era o padr~ o dos sanguinirios propagandeadores
de liberdade, e a chassina de inocentes ji entio parecia sen-
tir-se suficientemente protegida desde que arvorasse a bandeira
mais pura e mais mal compreendida entire os homes.
Os escravos foram virados contra os seus senhores, e os
yanquees, numa intengio de enraivecida brutalidade, taparam
os olhos aos descalabros que os c6rebros primitivos dos pri-
meiros idealizavam para logo p6rem em pritica.
Mulheres eram perseguidas e violentadas perante a im-
potencia dos sulistas que mascavam o seu 6dio em reunites
political clandestinas. E, o que 6 o mundo, os maiores defen-
sores das pobres vitimas de tamanha selvajaria eram os es-
cravos dom6sticos libertados que se negavam a abandonar
os seus patroes e senhores, preferindo a certeza dum lar As
vantagens que os yankees Ihes ofereciam: o direito a voto
e a violentar mulheres brancas, as ruas para passearem, e...
a fome.
Dos campos convergiam para as cidades moles de negros
atraidos pelas promessas dos novos senhores, e, embriagados
pelos crimes que sabiam ficar impunes, atreviam-se As maio-
res atrocidades. E as caravanas esfarrapadas que enchiam
as ruas, vitimas esfaimadas duma guerra de interesses, ins-
tituiram nas cidades as leis da selva, sofrendo os pr6prios
yankees algumas represilias.
Era impossivel center os seus instintos, e a guerra de
nervous que se seguiu A invasAo, patente nos olhos e no silencio
dos dominados, germinou o 6dio.
Assim nasceu a : uma mulher violada
ou ofendida-um negro morto; um negro morto-um su-
lista preso; um siuista preso--outro negro morto. E numa
vermelha cadeia se arrasta, por quase cem anos, a ,
baseando a sua existEncia na justiga que por mais ninguem







A GRANDE NOITE AFRICANA


pode ser feita senlo pelo pr6prio ofendido ou seus correli-
gionirios.
A ideologia que enlutou a America no s6culo passado e a
mesma que enluta no presence a Africa negra. Os interesses
materials no passado, o algodio, e no present, a riqueza
africana disfargam-se de dliberdade>.
No nosso pequeno e tristonho mundo esta pritica ocupa
um lugar comum como um t6xico para acalmar sentidos
apelos de justiga. Os pensadores, artists e inventories, difl-
cilmente encontrarao uma palavra fabricante de more que
possa substituir, cor vantagem, este singelo amontoado de
letras: liberdade>. Daqui deriva que o conceito de liberdade
tenha as mais dispares e diparatadas interpretar6es. Parece
hiperb61ica a nossa afirmago mas a realidade nos prova que
ela 6 trigicamente verdadeira.
N6s nAo entendemos liberdade sem amor. Quando banhada
de sangue revolta e prime, deixando, por isso mesmo, de ser
liberdade. t antes uma fabricante de 6dio e, paradoxalmente,
a sua reciproca. A liberdade sem amor anda sempre acompa-
nhada do 6dio e da crueldade.
Se o povo sulista sentisse no seu intimo o que senate o
portugues mais rude, olharia o negro como irino, o protegeria
e estimaria. E talvez chegasse a sentir esse amontoado de
sentiments que identifica o lusitano, nio fora a interfer8ncia
sanguinaria dos homes que invadiram as suas terras e per-
mitiram que Ihes violassem as mulheres.
As consequencias o provam: o 6dio que na altura nao
existia no branco contra o negro nasceu, agigantou-se, che-
gando aos nossos dias como o mostra os factos mais hediondos
e monstruosos que a imprensa relata.
0 estigma da violkncia imposto pelos nortistas sobrevive
nos corag6es dos homes do Sul ofuscando a virtue e lutando
contra a sobrevivencia do amor. Nem por um moment uma
lei conseguirA plantar no coraqao do home o amor. Ele
nasce e enraiza como a mais daninha plant na terra, des-






INACIO DE PASSOS


ponta com naturalidade e e o inico sentiment de unigo de
mtnias diferentes.
Portugal escolheu o amor, hi seculos, como varinha de
condo, para unir as suas populag6es; e esse sublime senti-
mento, maior do que as leis, maior do que a forca das armas,
muito maior do que as regras ditatoriais da political, 6 forga
indestrutivel, por ser, ao mesmo tempo, a voz da legitimidade
e da razao, a voz do bom senso e do direito, a voz da civi-
lizagio e do cristianismo. Contra essa forca nao hi acusagao
que possa resistir nem represilias que a possam abater. 0
exemplo do racism americano, em flagrante oposigco A poli-
tica de amor lusitana, mostrari ao mundo para que lado
pende o prato da razao na velhinha balanga da justiga.
0 primeiro ministry canadiano, Pearson, falando durante
um banquet, oferecido em sua honra pela < cional de Cristaos e Judeus>, afirmou que a solugio dos
problems sociais e da discriminacgo racial nao deviam ser
impostos sbmente pela acgio dos Governos, mas tambim
atravis da bondade dos homes. E acrescentou: limitag5es para o que pode ser alcangado pela acqao political
numa area de maldade national. Governos, leis, tribunals,
nao podem impor a irmandade nos coraq5es dos homes, como
as Nag6es Unidas nao podem impor a irmandade no coragio
das nacoes.,
A voz do primeiro ministry Pearson 6 a voz do mundo
civilizado, pois, sem divida, os problems raciais s'o a maior
preocupagio da humanidade do nosso s6culo. Para sua solugo
apresentamos o exemplo do s6culo passado e os despojos
que chegaram atd ao nosso tempo, documentando a nossa
opiniao de que nos contacts etnicos a fratemidade passeia
pelos mesmos problems do amor carnal: Tentar forgi-la
estouvadamente pela guerra ou pela represilia e destruir o
frigil inv6lucro que empareda o 6dio. A imposigio produz
efeitos contrdrios aos que desejariamos encontrar.
Cumpre aos fil6sofos e aos poetas o estudo desse fen6-
meno...






A GRANDE NOITE AFRICANA


Voltando ao assunto com que pretendemos preencher este
capitulo a falsa amizade dispensada pelos Estados Unidos
ao negro e as provas dessa pseudo-amizade n o queremos
encerrar a questlo sem mostrarmos, ao leitor, uma das razies
que levam a pdtria da a proceder cor tanto
cinismo.
A razio que buscamos, doirada pela 16gica, 6 que a
equivoca aritude do maior portentado ocidental, d determi-
nada por interesses econ6micos. A esses interesses estfo liga-
dos, como beneficiirios director ou indirectos -para 0 caso
pouco importa alguns conhecidos politicos de Washington,
responsiveis, portanto, pelo encaminhamento da political norte-
-americana.
Falando mais diaro atiramos para a liga, sem receio de
controversial, os nomes das milionirias families de Nelson
Rockfeller, do falecido president Kennedy e do seu successor
Lyndon Johnson.
Em Agosto de 1961 publicou o Ministerio dos Neg6cios
Estrangeiros dos Estados Unidos da America do Norte, um
document intitulado < Culturais e de outros tipos nos paises africanos ao Sul do Sara>
que calculava a existencia de seiscentas organizaq6es norte-ame-
ricanas naqueles territ6rios, divididas nos seguintes tres grupos
principals:
223 sociedades comerciais,
203 organizag6es missionirias,
173 agrupamentos de caracter cultural, universidades, etc.
Nao necessitariamos de chamar a atenqfo para o paradoxo
do titulo do document, pois o leitor por certo ja notou:
sendo a maior parte dessas < de caricter commercial
-quase metade nao foram incluidas nele, devendo-se,
portanto, entender nas de o que di menos nas




University of Florida Home Page
© 2004 - 2010 University of Florida George A. Smathers Libraries.
All rights reserved.

Acceptable Use, Copyright, and Disclaimer Statement
Last updated October 10, 2010 - - mvs