• TABLE OF CONTENTS
HIDE
 Front Cover
 Half Title
 Do autor
 Title Page
 Dedication
 Table of Contents
 Introduction
 Um homem do seu tempo : Guilherme...
 Os estabelecimentos austríacos...
 Recuperação da baía Lourenço...
 A sociedade dos negociantes da...
 A Fundação da Cidade
 Bibliografia
 Errata
 Back Cover






Group Title: Estudos mocambicanos
Title: Histâoria da fundaðcäao de Lourenðco Marques
CITATION PAGE IMAGE ZOOMABLE PAGE TEXT
Full Citation
STANDARD VIEW MARC VIEW
Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/UF00072659/00001
 Material Information
Title: Histâoria da fundaðcäao de Lourenðco Marques
Series Title: Estudos moðcambicanos
Physical Description: 127 p. : ; 22 cm.
Language: Portuguese
Creator: Lobato, Alexandre
Publisher: Ediðcäoes da Revista "Lusitãania"
Place of Publication: Lisboa
Publication Date: 1948
 Subjects
Subject: History -- Maputo (Mozambique)   ( lcsh )
Genre: non-fiction   ( marcgt )
 Record Information
Bibliographic ID: UF00072659
Volume ID: VID00001
Source Institution: University of Florida
Holding Location: African Studies Collections in the Department of Special Collections and Area Studies, George A. Smathers Libraries, University of Florida
Rights Management: All rights reserved by the source institution and holding location.
Resource Identifier: oclc - 03264420
lccn - 54037235

Table of Contents
    Front Cover
        Page i
    Half Title
        Page ii
    Do autor
        Page iii
    Title Page
        Page iv
        Page v
    Dedication
        Page vi
        Page vii
        Page viii
    Table of Contents
        Page ix
        Page x
    Introduction
        Page xi
        Page xii
        Page xiii
        Page xiv
        Page xv
        Page xvi
    Um homem do seu tempo : Guilherme Bolts
        Page 1
        Page 2
        A época
            Page 3
            Page 4
            Page 5
            Page 6
            Page 7
        O homem
            Page 8
            Page 9
            Page 10
            Page 11
            Page 12
            Page 13
            Page 14
    Os estabelecimentos austríacos de Lourenço Marques (1777-1781)
        Page 15
        Page 16
        A chegada dos austríacos à baía e consequências das suas relações com os indígenas
            Page 17
            Page 18
            Page 19
            Page 20
            Page 21
            Page 22
        A feitoria austríaca de S. José
            Page 23
            Page 24
            Page 25
            Page 26
            Page 27
            Page 28
            Page 29
            Page 30
            Page 31
            Page 32
            Page 33
            Page 34
            Page 35
            Page 36
    Recuperação da baía Lourenço Marques
        Page 37
        Page 38
        As instruções do Ministro e do Governador da Índia
            Page 39
            Page 40
            Page 41
        A expedição em Moçambique
            Page 42
            Page 43
            Page 44
            Page 45
            Page 46
        A expedição em Lourenço Marques
            Page 47
            Page 48
            Page 49
            Page 50
            Page 51
        Os régulos
            Page 52
            Page 53
            Page 54
            Page 55
            Page 56
            Page 57
            Page 58
            Page 59
            Page 60
            Page 61
            Page 62
        O regresso da expedição
            Page 63
            Page 64
            Page 65
            Page 66
            Page 67
            Page 68
            Page 69
            Page 70
    A sociedade dos negociantes da Baía de Lourenço Marques
        Page 71
        Page 72
        A estranha proposta do Provedor da Fazenda Real e o projecto do Procurador da Coroa
            Page 73
            Page 74
            Page 75
            Page 76
            Page 77
            Page 78
        Projecto de fundação de um presídio militar para protecção do monopólio do comércio da baía
            Page 79
            Page 80
            Page 81
            Page 82
        Os Estatutos da sociedade dos negociantes
            Page 83
            Page 84
            Page 85
            Page 86
            Page 87
            Page 88
            Page 89
            Page 90
            Page 91
            Page 92
            Page 93
            Page 94
    A Fundação da Cidade
        Page 95
        Page 96
        O regimento do Governador
            Page 97
            Page 98
            Page 99
            Page 100
            Page 101
            Page 102
        A expedição de Joaquim de Araújo
            Page 103
            Page 104
            Page 105
            Page 106
            Page 107
            Page 108
            Page 109
            Page 110
            Page 111
        A fundação do presídio
            Page 112
            Page 113
            Page 114
            Page 115
            Page 116
            Page 117
            Page 118
    Bibliografia
        Page 119
        Page 120
        Page 121
        Page 122
        Page 123
        Page 124
        Page 125
        Page 126
        Page 127
        Page 128
    Errata
        Page 129
    Back Cover
        Page 130
Full Text



ESTUDOS MOCAMBICANOS


HISTORIC DA FUNDACAO

DE LOURENCO MARQUES

Por ALEXANDBRE 1 O(IATI











EDI(OEES
DA REVISTA ~LUSITANIA>


LISBOA-1948


I

















HISTO RIA DA FUNDACAO
DE LOURENCO MARQUES


















DO AUTOR:

- Ensaio duma hist6ria demografica da cidade de Lourengo Marques
Imprensa Nacional Lourenco Marques 1938.
- RelagAo dos Estabelecimentos portugueses na Costa Oriental de Africa
em 1809, por Henrique Salt Transcrioao anotada Lourenco
Marques Imprensa Nacional 1944.
- A Ilha de Mogambique Lourengo Marques Imprensa Nacional
1945.
- As Inscrig6es Romanticas da Igreja da Miseric6rdia na Ilha de
Mogambique Lourenco Marques-Imprensa Nacional-1946.
- As Inscrig6es Portuguesas da Ilha de Mogambique Lourenqo Mar-
ques -- Imprensa Nacional 1946.
















Este livro acabou de imprimir-se nas oficinas
da GRAFICA BOA NOVA, LDA.,
Rua Morals Soares, 5-A, em Lisboa, em 5
de Agosto de 1948 para as Ediges
da Revista






ESTUDOS MOq AMBICANOS


HISTORIC DA FUNDACAO

DE LOUREN(O MARQUES

Por ALEXANDRE LOBATO





*





E D I ( E S
SLISBOA9ta 4slttaa"
LISBOA--1948











,g Y'Utnka i ulI 4er












om a < Marques, de Alexandre Lobato, principia a
coleccgo de Estudos Mogambicanos, em que
desejamos incluir numerosas monografias sobre a
hist6ria, a arte, a economic, a geografia, o folclore,
a arqueologia, a antropologia, a linguistica, a vida
social, o direito, etc., que interessem ao estudo de
todos os problems e aspects da vida de Mogam-
bique.
A iniciativa parece-nos util, porque existe j6
naquela Col6nia um grupo numeroso de pessoas
que gosta de estudar e saber, e luta cor falta de
elements de trabalho, porque a bibliografia mo-
cambicana, alem de escassa, nao 6 de f[cil procura.
Cremos que e sensivel a falta de estudos mono-
graficos elaborados por especialistas que tenham a
viv6ncia do meio, para que se nao reeditem os
lugares comuns, os erros e as imprecisoes que
os amadores. garatujam a press e. provocam a
indignagdo das populaoges cultas do Ultramar.
Teremos por isso o cuidado de encomendar e acei-
tar trabalhos' cujo merecimento esteja fora de
divida, elaborados cor idoneidade cientifica pot
autores versados nas mat6rias.
Isto a nossa promessa. Agora o nosso pedido.
Sabemos que a especializagao que vamos dar
as nossas edigoes as tornam aceit6veis na Metr6-


VII












pole, ou nas outras Col6nias, por um reduzido
numero de pessoas, apenas. 0 nosso empreendi-
mento visa directamente Mogambiquee a sua valo-
rizago cultural. Contamos, por isso, para esta
iniciativa ousada poder vingar, corn o mercado
mogambicano.
Nao conhecemos numero suficiente de pessoas
capazes de colaborar neste empreendimento, corn o
sentido que lhe queremos dar. Mas h& decerto
muitos estudiosos cor merecimento, capazes de
nos ajudarem, e cremos que a pr6pria Col6nia hos
poder fornecer um escol de investigadores de
m6rito, especialmente nos dominios do folclore, da
etnografia, da lingua, dos costumes gentilicos, etc.,
tanto mais que ja possui ha muito um quadro de
funcionarios administrativos de elite.
Toda a colaboragao que os estudiosos quiserem
dar-nos, com os seus trabalhos, as suas sugest6es e
as suas critics, sera recebida cor apreco.
Quanto ao present livro, s6lidamente do-
cumentado, escrito cor leveza e ao mesmo tempo
cor rigor hist6rico por quem se dedicou durante
anos a vasculhar arquivos, nada queremos dizer:
preferimos que o leitor julgue por si.

OS EDITORS


VIII























INDICE



Introduoao .... .... XI


I Um home do seu tempo: Guilherme Bolts

1 -A poca ............. 3
2-Ohomem. .............. 8


II Os estabelecimentos austriacos de Lourento Mar-
ques (1777-1781)

1 A chegada dos austrfacos A bafa e consequencias
/ das suas relac6es cor os indigenas .. 17
2 A feitoria austrfaca de S. Jose . 23


III- Recupera(f-o da bala de Lourenco Marques

1 As instruc6es do Ministro e do Governador da
fndia ...... ..... .. .39
2 A expedicao em Mocambique ... 42
3 A expedicao em Lourenco Marques . 47
4 Os regulos ............ 52
5 0 regresso da expedicao . . 63





















IV- A Sociedade dos Negociantes da Baia de Lourenmo
Marques

1 A estranha proposta do Provedor da Fazenda Real
e o project do Procurador da Coroa ... .73
2 Projecto de fundaiao de um presidio military para
proteccao do monop61io do comercio da bafa .79
3 Os Estatutos da Sociedade dos Negociantes 83


V A Fundaado da Cidade

1 O regiment do Governador .... 97
2 A expediaio de Joaquim de Aradijo 103
3 A fundaiAo do presidio . .. 112


Bibliografia ................. 119

RelaCao de Documentos . .. .120
















INTRODUCAO



/ hist6ria do que tern sido a vida dos portugue-
ses em Mogambique e um aspect apenas
do grande drama secular da raga, que nao
quis viver encurralada nas quatro paredes da
Metr6pole e se espalhou por todo o mundo em
grande aventura. A hist6ria do que tern sido a
acqao political da Metr6pole sobre os colonos,
no sentido -de refrear todos os seus exageros, con-
ter todas suas injustificadas ambig6es, disciplinary,
humanizar e polir suas ideias e acdoes, .o grande
drama da continue discordincia, tambem secular,
entire os principios universais e valores morais que
tem norteado a ac~go governativa da Metr6pole e
os particularismos estreitos dos nfcleos portugue-
ses do Ultramar.
Esta luta permanent e constant, sempre viva
e aguda, 6 das paginas mais emocionantes e mal
conhecidas da hist6ria portuguesa.
Quantos navios sairam do Tejo levando a seu








bordo cartas cheias de boas ideias e homes porta-
dores de inteng6es generosas, para final as ideas
se deturparem na aplicagao e os homes se corrom-
perem criminosamente, os Capitaes Generals, Ouvi-
dores, oficiais e prelados mais ainda que os pobres
colonos degredados com praga nos presidios, para
toda a vida homes mandados para morrer -
ou as desgragadas incorrigiueis da vadiagem, que
se remetiam para casar e povoar.
Nas Col6nias, sempre os piores foram os gran-
des, as autoridades remetidas da Metr6pole, e que
ao dobrar do Cabo da Boa Esperanga logo se trans-
formavam em tiranos desp6ticos. A sua resistincia
as instruf6es, alvitres e ordens da Metr6pole excede
tudo quanto imaginar se possa. A teimosia cons-
tante dos Ministros e do Conselho Ultramarino na
exacta observancia das leis, defesa dos bons prin-
cipios de administration political e econ6mica do
Ultramar, cautela contra a intriga, o 6dio pessoal
e a mentira das informag6es remetidas,-d a melhor
demonstragao que temos de haver de facto na his-
t6ria da. colonizagao portuguesa a preocupagao
permanent de bem fazer, e de bem servir o inte-
resse geral da Nagao,
A tudo isto sobrepunham-se os problems de
ordem geral e international porque, louvavelmente,
sempre o Governo encarou em conjunto, como inter-
dependentes, os problems relatives a Metr6pole
e as Col6nias, considerando a Nafgo um bloco
social, politico e econ6mico. Nenhum outro povo
deu t&o cedo a sua political esta caracteristica uni-


XII







versal que faz de Portugal a Nagao colonizadora
por exceltncia.
Pot isso os problems do povoamento, do
com6rcio e da defesa do Ultramar nunca foram
considerados privativos de cada Col6nia, e sempre
se resolveram no piano dos interesses gerais da
Nag.o.
A unificag5o moral dos diferentes agregados
politicos de Portugal tem sido a preocupagao cons-
tante da Metr6pole, que procurou nao sobrepor os
interesses de uns aos dos outros. Por isso a pro-
tecgao aos povos nativos, sua elevaf~o spiritual,
igualdade de privil6gios no comercio para todos os
povos portugueses, a political de assimilagao social
pela evolugdo lenta dos usos e costumes tradicio-
nais dao a Metr6pole o just direito de ser consi-
derada a grande defensora dos verdadeiros inte-
resses do Ultramar.
Na political externa a actuagfo da Metr6pole
e tamb6m not6vel. Um povo pequeno em quanti-
dade dispoe forgosamente de recursos limitados em
relagao a paises de grande populacao. Esta falta
sensivel de gente para uma empresa de projeca5o
vasta, por tod o Mundo, torna por vezes cruciante
a nossa political externa. As Coldnias deve a Me-
tr6pole a sua valorizagco political e o afastamento
dos conflitos europeus que n5o tiveram projecpao
direct no problema colonial. Portugal e uma
Naego atldntica no limited da Europa, quase fora
da Europa, virada ao mar e aos continents fron-
teiros. Mas este fatalismo geografico que e uma


XIII








determinante da sua vida political tem custado ao
povo portugu6s rios de sangue, em sacrificios sem
conta pela manutenfao das possesses ultrama-
rinas.
A defesa contra a cobiga estrangeira, em toda
a part, tem sido a preocupagio mais dolorosa da
Metr6pole, e 6 por isso mesmo que Portugal ndo
pode deixar de considerar as Col6nias como seus
prolongamentos naturals, em si integrados. Na
orientagao political de Portugal nao se consideram
- e nunca se consideraram separadamente as
Col6nias; a Nagao 6 um bloco politico.
Para demonstraqgo disto escolheu-se proposita-
damente o caso de Lourengo Marques, bastante
expressive para se verificar que no seculo XVIII,
em que havia o Brasil opulent, ha um Ministro -
grande ministry que se preocupa cor alguns
estrangeiros que abusivamente se instalaram na pior
terra que tem Mogambique a baia de Lourengo
Marques.
A formosa baia tern nessa 6poca valor restrito
ou nulo. Da marfim e export escravos, mas nao
serve para mais nada. Nem os portugueses a podem
habitat por muito tempo, que, por ser pantanosa,
6 cemit6rio de brancos.
No entanto, o Governo da Metr6pole nao tran-
sige, nao abdica e nao esquece. Em repetidas ins-
tincias sio dadas ordens necessarias e Lourengo
Marques volta ao dominio de Portugal, porque a
Nagio portuguesa e uma unidade political que ndo
pode ser amputada sem protest nem combat.


XIV








Nao ficaram por ai as ambig6es estrangeiras.
Lourengo Marques voltou a ser fonte dos maiores
cuidados para a sua conservagao, e a partir de cerca
de 1870 a baia de Lourengo Marques entra no rol
dos grandes problems nacionais, cuja discussion
provoca distfirbios na rua; tumultos no Parlamento,
polmica de livros e jornais, falincia de Ministd-
rios. 0 azedume politico apossa-se lentamente de
todos os problems de Mogambique. A grande
Col6nia 6 uma questao national gravissima, que se
resolve cor muito sacrificio e imensas dificuldades
de toda a ordem.
Nenhum mogambicano pode esquecer isto.
Foi pordm o desejo de engrandecer Mogam-
bique que criou para a Metr6pole a situag5o peri-
gosa de que soube defender-se com o bom senso
que tern sempre presidido as soluo6es decisivas da
vida national.
Quanto mais me enfronho nos pap6is velhos
em que estas coisas se guardam esquecidas nos
arquivos, maior 6 a minha admirafao por este canto
europeu tao pequeno e que tern uma alma tao
grande e tao nobre.
Este trabalho nasceu de ter encontrado em 1939
num C6dice da Biblioteca Geral da Uriiversidade
de Coimbra o < renfo Marques>>, que frei Francisco de Santa Te-
resa escreveu.
Em 1940 procedi As primeiras pesquisas no
Arquivo Hist6rico Colonial sobre a fundagao de
Lourengo Marques, guiado pela Mem6ria que Paiva
Manso publicou em 1870 e o

XV








Ultramarina da Biblioteca Nacional>. Voltando a
Mogambique, tive o prazer de apresentar em Lou-
rengo Marques, em 19 de Abril de 1945, em con-
ferencia pziblica na Camara Municipal, promovida
pela Sociedade de Estudos da Col6nia de Mogam-
bique, o referido Piano e outros valiosos documen-
tos indditos narrando a fundagao da cidade. Encon-
trados agora alguns novos documents durante
uma pesquisa laboriosa para os < pio de Mo9ambique>, foi possivel ampliar e com-
pletar o trabalho primitive, que se apresenta ainda
cor algumas lacunas para as quais nao parece
haver rem6dio por enquanto.
Todos os documents citados se encontram no
Arquivo Historico Colonial, em Lisboa. Posterior-
mente apareceram mais alguns, de mero pormenor,
que nada acrescentam de important. A fim de
poupar tempo foram utilizados bastantes documen-
tos na versao ortograficamente modernizada e
limada por Paiva Manso. Mas note-se: letra a le-
tra confrontaram-se cor as c6pias existentes,
embora a sua import&ncia n5o merecesse o traba-
Iho. A documentagao que Paiva Manso nao
conheceu ou nao aproveitou (creio que nao quis
aproveita-la) esta em Pap6is Avulsos, ou em c6pias
registadas nos C6dices da antiga Secretaria do
Governo da Capitania Geral de Mogambique. De
todos se indicam as cotas e cumpre p6r em relevo
que a sua autenticidade nao oferece quaisquer
duvidas.

ALEXANDRE LOBATO


XVI
















I

UM HOME DO SEU TEMPO:
GUILHERME BOLTS














1 A EPOCA


A baia de Lourengo Marques era terra pacata,
incluida no giro mercantil dos navios portugueses
que anualmente a frequentavam para o resgate do
marfim. Mas era mais conhecida pelos muitos sofri-
mentos que naquelas terras passaram os naufragos
dos navios sossobrados na costa brava do Natal.
A Hist6ria Tragico-Maritima esta cheia de refe-
rencias a baia da Lagoa, a Terra dos Fumos e aos
sert6es da Manhiga.
No estado em que se encontram actualmente
os conhecimentos da hist6ria de Mogambique, pode
afirmar-se, com seguranga, que nunca ali houve
qualquer estabelecimento portugues, de character
fixo e permanent, ate a fundagao da feitoria que
deu lugar a cidade de Lourengo Marques, em 1782.
Os navios portugueses iam ali mercadejar,
demoravam-se algum tempo, por vezes alguns
meses, no trato dos rios, A espera que o marfim
afluisse a baia, e ha noticia de a marinhagem dos
navios ter construido aldeias de palhotas, cor pali-
gadas defensivas, para melhor estadia em terra
durante o neg6cio. Acabado o trato, os navios








regressavam a Mogambique e voltavam na mongio
seguinte.
Pelos tempos fora, cor a abertura da Africa
Oriental ao comercio de escravos no seculo XVII,
depois que os holandeses se apossaram da costa de
Angola, a baia comeqou a ser mais frequentada
de navegagio estrangeira que'portuguesa, porque,
nao estando guarnecida, era mais facil a concor-
rencia.
O com&rcio portugues de Lourenco Marques
consistiu quase sempre na troca de fazendas da
India por marfim, pontas de abada e dentes de
cavalo marinho, os tres grandes produtos da regiao.
Nunca ao comercio de Mogambique interessou
muito a escravatura dos sert6es da baia, porque a
Zambezia, corn seu porto de Quelimane, ficava
muito mais perto da Ilha de Mogambique, e por-
que a Zambezia era a regiao rica por excelEncia,
a dos campos de ouro e minas de prata.
Foi o grande comercio da Zambezia que rele-
gou Lourenco Marques a um plano secundario no
quadro econ6mico de Mogambique. Em face de
lucros menores o desinteresse era manifesto.
No entanto, a prioridade do descobrimento e
a viagem annual de resgate de marfim faziam que
Lourenco Marques se incluisse nos Dominios da
Coroa de Portugal. Dentro das ideias do monop6-
lio mercantil colonial da 6poca, a baia da Lagoa
era dominio exclusive do com&rcio portugues.
O facto de os portugueses nao tirarem dela todo
o rendimento possivel em nada modificava a dou-







trina. Ainda nessa altura nao era precise ocupar
para possuir.
Duas outras ideias dominavam o sistema colo-
nial anterior ao dos nossos dias: fazer cristandade,
convertendo o gentio; tirar da terra todo o bene-
ficio possivel para a Metr6pole. As Col6nias eram
apenas de exploracao e a sua grande "actividade
o comercio. A colonizaqao que se fazia nio tinha
como hoje o objective de fazer paises e defender
o patrim6nio spiritual da naco colonizadora; tinha
por fim desenvolver o comercio e a agriculture em
beneficio da Metr6pole.
Nao havia, portanto, uma preocupagao predo-
minantemente political, no sentido de soberania.
Nem se punha o problema. Todas as quest6es
indigenas eram deixadas aos chefes nativos, cujo
poder se respeitava.
Havia uma especie de feudalismo colonial.
Os regulos e chefes reconheciam a supremacia do
Rei de Portugal, prestavam-lhe vassalagem, faci-
litavam o comercio, permitiam a evangelizag~o,
guiavam-se nas quest6es mais importantes pelo
conselho das nossas autoridades, permitiam a colo-
nizacAo e o livre trdnsito aos mercadores, e, em
troca, eram senhores livres das suas terras e dos
seus sibditos, que governavam segundo seus usos
e costumes.
A explicaao sumaria destas ideias e absoluta-
mente necessAria para a boa compreensao da nossa
hist6ria colonial, onde muitos factos podem surgir
deturpados na sua essencia por menosprezo destes








principios que enformam toda a nossa actividade
colonizadora ate A segunda metade do seculo XIX.
Nunca, por isso mesmo, deram as autoridades
portuguesas, e o Governo da Metr6pole, importAn-
cia de maior As vicissitudes com os indigenas, As
guerras com eles, seus caprichos e suas exorbitan-
cias. Eram quest6es que se resolviam com mais ou
menos saguates, tempo, ponderaqAo e justiga.
Mas nunca houve qualquer transigencia cor
estrangeiros. Sempre a Metr6pole revelou o maior
cuidado na reivindicaAgo dos direitos da Coroa a
posse das terras descobertas ou conquistadas e ao
exclusive comercio nos seus dominios.
Ainda havemos de ver como a questao da baia
de Lourengo Marques foi object de numerosa
correspondencia do Reino no sentido de o Capitao
General de Mogambique evitar a todo o custo o
comercio estrangeiro, cor fundamento de as terras
pertencerem A Coroa e o seu comercio ser reser-
vado apenas a bandeira portuguesa.
Nunca foi possivel evitar tal comercio antes da
fundaqAg do presidio, que foi reconhecido indis-
pensavel para isso.
A segunda metade do seculo XVIII viu os
mares mais varridos de pirates e corsArios, mais
abertos ao comercio pacifico, e isso deu lugar a
uma invasao de aventureiros de toda a ordem, que
se langaram gananciosamente ao comercio ultra-
marino, em especial A escravatura. NAo houve aven-
tureiro de toda e qualquer nagao que nao armasse
navios para o transport de escravos, destinados
especialmente A America e Antilhas. Mogambique







tambem os forneceu para as pequenas ilhas do
Indico.
Era neg6cio deveras vantajoso, o melhor de
todos, mas Lourenco Marques nao foi -grande
vitima de tal comercio. Os navios estrangeiros que
vinham a Loureno. Marques preferiam deixar fa-
zendas e alcool em troca de marfim.
Os aventureiros do comercio colonial nao reco-
nheciam fronteiras, e neste aspect e que a sobe-
rania portuguesa foi bem castigada.
A grande dificuldade das comunicag6es faci-
litava e deixava impunes as suas ousadias, e quando
podiam punham pe em toda a parte. Outro aspect
da questao 6 o caracter particular das suas empre-
sas. Eram os individuos por si, ou companhias de
com&rcio, que procuravam abrir feitorias onde
pudessem. Tais empreendimentos nao tinham carac-
ter official. No seculo XIX 6 que surgiram os con-
flitos diplomAticos baseados naquelas acg6es a
principio insignificantes. E perdemos algumas
possesses por causa disso.
Nao sucedeu felizmente o mesmo com Lourengo
Marques, talvez porque ai foi maior a insistencia
dos estrangeiros, e mais robusta portanto a nossa
defesa. Os'ingleses, principalmente, fizeram nume-
rosas tentativas para se apoderarem da baia, como
toda a gente sabe. Mas o estabelecimento austriaco
nao foi coisa menos seria. Muito justamente assim
o entenderam o Secretario de Estado, Martinho de
Melo e Castro, e o CapitAo General da India,
D. Frederico Gilherme de Sousa.







2-0 HOME


Guilherme Bolts, que aparece de repente guin-
dado as culminancias de figure central da hist6ria
de Lourenqo Marques, 6 home do seu tempo, pro-
duto da sua epoca.
Pessoa conhecida nos meios ultramarinos de
Lisboa, onde fez as primeiras tentativas de carreira
colonial, comecou por ser caixeiro de uma casa
inglesa estabelecida na capital, mas passando a
Londres entrou ao service da Companhia Inglesa
das Indias. Enriqueceu, nao se sabe como, mas de
certo por meios pouco honestos, porque a Compa-
nhia Inglesa sequestrou-lhe os bens. Envolvido em
questio com a Companhia, acabou por perder a
causa, ficar pobre e ausentar-se de Londres.
Em 1774 ou 1775 apareceu de novo em Lisboa
com a pretensdo de ser nomeado consul de Portu-
gal no Oriente. Apresentou tambem uns plans
para a reorganizagio do comercio da Asia. Nio
logrou vingar nos seus prop6sitos porque foi < nhecido por um home perigoso, ainda que habil,
que procurava recuperar o que tinha perdido em
Londres a custa daqueles que se deixassem iludir
nas suas sugest6es>, dizia Martinho de Melo e
Castro (Documento n.' 10).
De Lisboa passou a Viena, e daqui a Trieste,
onde conseguiu que alguns mercadores armassem
um navio e Iho dessem, para iniciar viagens de
comercio. Apareceu com o barco em Lisboa, a ver
se o conseguia carregar, mas embaraqaram-lhe







indirectamente todo o neg6cio. Foi para a Ilha da
Madeira, mas tambem nio obteve os vinhos que
desejava.
Passou ao Rio de Janeiro e daqui seguiu para
Lourenco Marques, onde n5o encontrou qualquer
autoridade portuguesa que pudesse opor-se aos
seus projects. E fundou ali uma feitoria.
De Lourenco Marques navegou para Surrate,
mas o director da Companhia das Indias, que all
estava, nio Ihe consentiu fazer qualquer venda.
O general da India, comunicando o facto ao minis-
tro (Documento n.9 4) diz que o ingles nao infor-
mou Bolts da razio por que nio podia negociar,
mas presume que fosse pelo ressentimento em que
estava a Companhia, por Guilherme Bolts, na pen-
dencia que tivera corn ela, ter publicado dois livros
em que desvendou percebem os membros da Companhia pois que cor
esta declaracio tiveram bastante trabalho para
subsistir na sua conservago.
De Surrate foi para Damao, onde tambem lhe
nfo deram facilidades que desejava ter. Teve que
partir para Goga, a tentar fazer feitoria, mas os
ingleses perseguiam-no sempre, apesar de ter por
vezes bom acolhimento.
Voltou a Surrate e a Damao, onde parece que
um ingles de Surrate Ihe comprou .fazendas sem
lhas pagar, seguiu para Bombaim onde o governa-
dor ingles o cumulou de atenq6es e por fim apare-
ceu em Goa, e conseguiu negociar um tratado de
comercio Em 1778 tinha Guilherme Bolts conseguido







fundar oito feitorias para os austriacos, das quais
duas na Baia de Lourengo Marques (Catembe e
Inhaca) (Documento n.' 9).
O Secretario de Estado' que nao considerou
a utilidade apregoada pelo Governador da India e
mandou o novo Governador, D. Frederico Gui-
Iherme de Sousa, censurar a <>
dos ministros e deputados da Junta da Fazenda da
India, porque a Junta s6 comprometia o gabinete
de Sua Majestade cor as outras potencias, visto
o pavilhdo austriaco nao ser ainda reconhecido Cabo da Boa Esperanga para dentro por alguma
nagao europeia>.
Mandando censurar cor igual aspereza o
Governador de Damao, e reprovando as manifes-
taq6es de veneraqo e respeito que em Damao e
Goa haviam rodeado o grande aventureiro, dizia
o ministry, do reprovado na
Corte, que a praga de Damao em agradecimento do atentado
cometido na costa oriental de Africa.>
Para Martinho de Melo e Castro o tenente-
-coronel ingles desejava mostrar servings quando
regressasse a Viena. Obtivera poderes que apre-
sentou por escrito As nossas autoridades da India
e queria corn eles < legios e concess6es para former estabelecimentos>.
Segundo o nosso Ministro, nao Ihe interessava a
seguranga do que fizera. Isso viria depois. Queria
persuadir os armadores a empenharem-se na
consolidagqo do que ja obtivera e lhes dava imensas








vantagens no comercio da Costa Oriental de
Africa, Cambaia e Malabar.
Por isso dizia o ministry: arte, destreza, e astficia, acompanhada de um
grande conhecimento do comercio da Asia, para
poder persuadir, e talvez determinar a Corte de
Viena corn estas ideias a former uma Companhia
em Trieste, ainda que Ihe corra o risco de acontecer
o mesmo que a de Ostende>>.
E esse era o perigo que o ministry queria
evitar, A nascenga, porque, para ele, Bolts era
tor Geral de uma Companhia que se nao conhece
nem existe>> mas jA tinha o nome de Companhia
Asiatica Austriaca de Trieste.
Existem documents extraordinAriamente valio-
sos para a hist6ria das feitorias austriacas de
Lourenco Marques, constituindo precioso cesso> (1). A sua leitura confirm e alarga muito
as justificadas suposig6es de Melo e Castro. A


(') Encontrimo-los nos oPapeis Avulsos da India de 1781 e
1782>> do Arquivo Hist6rico Colonial, em duas c6pias. Formam
um process judicial de arrolamento da documenttaco apreendida na
feitoria austriaca por Godinho de Mira. ContEm a traducgo de
cartas, di'rios, contas correntes, tratados,r mem6rias e informaqses
de toda a esp6cie, referentes ao neg6cio da feitoria e projects a
realizar. Na sequencia do nosso estudo da hist6ria de Lourenqo
Marques hao-de servir-nos para um trabalho dedicado especialmente
as feitorias austriacas, porque sao tdo ricos de informaq6es que
vale a pena divulga-los. iParece que ,Paiva Manso os nao conheceu,
ou pelo menos os nao quis aproveitar. Teixeira Botelho tamb6m os
nao refere na sua .







questdo de Lourenco Marques nao era um caso
isolado nos projects de Guilherme Bolts. Era
apenas a base inicial de projects muito vastos
que abrangiam em Mogambique a ocupagqo pro-
gressiva de todo o sul da Col6nia (Lourengo
Marques, Inhaca, Matola, Maputo, Elefantes,
Manhiqa, Inhambane, Bazaruto) e o acesso as
zonas do interior que estgo hoje extra fronteiras.
Podia de facto aquele home vir a causar-nos
tremendo mal, mas nos seus projects quase nio
fala em n6s. A seu ver, os grandes concorrentes
do seu piano eram os ingleses.
Guilherme Bolts era home instruido, versado
na geografia da Africa, cheio de curiosidade,
active, trabalhador, dinamico, arguto e diplomat.
As instrug6es que deu a Pollet sao interessantis-
simas. Interessava-se profundamente pela lingua,
usos, costumes e political dos povos indigenas.
Era um espirito ordenado, empreendedor, e sabia
organizer e dirigir. Exceptuando Pollet, nao tinha
por6m grandes auxiliares. Mas dispunha de pode-
rosas amizades, mesmo em Portugal, e em Mogam-
bique e na India. Andavam ao seu serving alguns
portugueses, entire eles um europeu, interprete de
landim.
Alguns anos depois e provavel que a expedicio
de Godinho de Mira nao pudesse ir a Lourengo
Marques em passeio military. Bolts ja dera ordens
para se proceder a defesa das duas margens do
Espirito Santo. Pode afirmar-se que nao Ihe
escapou nenhum pormenor important para que
as feitorias vingassem. Tudo fora previsto e







estavam em andamento os preparativos de con-
solidag.o, quando todo o gigantesco trabalho do
grande e inteligente aventureiro se desfez como
um castelo de cartas, pela accio decisive de
Martinho de Melo e Castro, o seu grande inimigo.
















II .

OS ESTABELECIMENTOS AUSTRIACOS
DE LOURENCO MARQUES
(1777-1781)














1 A CHEGADA DOS AUSTRIACOS
A BAIA E CONSEQUENCIAS DAS
SUAS RELA;OES COM OS INDI-
GENAS

Foi pela carta de 28 de Abril de 1778, do
Governador da India, (Doc. n.9 4) e carta de 16
de Agosto de 1778 do Governador de Mogam-
bique (Doc. n.9 6), que o Secretario de Estado
teve conhecimento do que fizera o aventureiro
Guilherme Bolts na baia de Lourengo Marques
em 1777.
Segundo o Governador, Bolts foi proposita-
damente ao Cabo das Correntes a referida Baia
-fundar um estabelecimento que Ihe assegurasse
aguada e lenha aos navios, para fugir a depen-
dencia dos portos de Tafel Bay. e Mogambique,
e tamb6m certamente para se dedicar ao comercio.
De facto, nao deviam convir muito a Bolts um
e outro daqueles portos, onde nio podia realizar
seus intentos, e Lourenco Marques ficava no
caminho da India. Bolts, que estivera em Lisboa,
e ao servigo da Companhia Inglesa das Indias,
sabia de certo que a baia era excelente, e de bom
neg6cio.







A chegada nao foi muito auspiciosa, mas tudo
Ihe correu bem. E que-o Jose e Teresa, como se
chamava o navio, encalhou a chegada, mas cor
tanta sorte que deu em areia fina. Foi por isso
necessario alivia-lo, transferindo-se a carga para
jangadas, cor imenso trabalho.
Demorou-se o ingles na baia por quatro meses,
enquanto fazia o neg6cio e construia a feitoria,
mas os seus companheiros sofreram bastante,
porque foram atacados de doengas, falecendo vinte
e nove pessoas, entire as quais algumas senhoras
que acompanhavam a mulher de Bolts.
Construida e fortificada a feitoria, Guilherme
Bolts seguiu para Surrate, deixando-a guarnecida
de pessoal, artilharia, munig6es e provimentos.
O terreno para a feitoria foi comprado ao
regulo em troca de uns panos e algum saguate,
como era costume (Doc. n.9 3).
Em carta de 30 de Abril do mesmo ano o
Governador da India informou tamb6m que o novo
colonizador encontrara concorrentes (Doc. n.9 5).
Guilherme Bolts teve que escorracar um navio
ingles que andava ao neg6cio e arvorara bandeira
perto da feitoria austriaca.
Conhecedor de todos estes factos, o General
da India protestou formalmente, porque, perten-
cendo a Baia de Lourengo Marques aos Dominios
da Coroa de Sua Majestade, nao era permitido
tomar posse das terras e fortifica-las sem a sua
express permissao (Doc. n." 8).
O que 6 certo e que a data deste protest
campeavam em Lourengo Marques os negociantes








de Bolts, internados pelo sertao em jornadas de
neg6cio com o indigena.
Estava na verdade em risco de perder-se a
soberania commercial portuguesa na baia de Lou-
renco Marques, nao s6 devido a escassez de
navios nacionais e intromissao de mercadores
estrangeiros, mas tambem A consequencia disso -
a hostilidade dos indigenas.
O estrangeiro comecou logo a pagar mais
panos pela arroba de marfim, para conquistar o
mercado, e a influir no animo indigena para nio
aceitar comerciar connosco.
E o que se deduz do Ditrio do Tenente-
-Coronel Godinho de Mira, onde refere que tendo
o negociante e niedico Vitorino Jose Garcia, da
Ilha de Mogambique, enviado em 1780 uma pala
a comerciar a baia, as cartas do seu capitio
davam noticia de haver dificuldade em negociar,
por tropelias dos cafres que ele supunha instigados
pelo feitor dos austriacos. Pretendia ate cobrar
direitos pelas mercadorias portuguesas, mas que
nao foram pagos, tendo o navio abandonado o
comercio, sofrido a morte de alguns tripulantes
assassinados pelos cafres, e pago o resgate de
outros, feitos prisioneiros (Doc. n.9 15).
Quando Goncalo Coelho Pinto ali chegou,
em 21 de Dezembro de 1779, encontrou duas
embarcag6es, uma corn bandeira portuguesa, e a
outra corn bandeira austriaca. Note-se que as
embarcaq6es corn a nossa bandeira eram geralmente
navios ingleses com passaportes dados pelas auto-
ridades da India Portuguesa, pertencentes a bania-








nes, que se valiam de todas as asticias por o
comercio na costa de Mogambique ser apenas
permitido a portugueses e estar vedado a estran-
geiros, nos terms da disposicgo pombalina, que
reorganizou o comercio de Mogambique-a Carta
REgia de 28 de Maio de 1761.
O feitor austriaco, que nos papeis de Godinho
de Mira se chama Minuareng (Docs. n.9" 11 e 27)
- e substituia Andre Daniel Pollet, ali deixado
por Bolts, mas entao ausente na India pediu
logo o pagamento de direitos. O capitio portugues
recusou-se a pagar, cor fundamento de o territ6rio
ser national, replicando o feitor austriaco nao Ihe
constar ser portugues aquele porto.
Os 'pr6prios indigenas retonheciam ser a
situaqo do comercio e da autoridade portuguesa
francamente ma. A verdade era ser nossa a culpa.
Quando o regulo da Matola responded ao tenente-
-coronel Godinho de Mira, dizendo que desejava
tratar cor os portugueses, porque tinhamos sido
os primeiros a conquistar as terras, mas as tinhamos
tambem abandonado, nao indo ali ha anos a
levar-lhes os generos que precisavam, e isso os
tinha forqado a tratar cor os imperiais, afirmava
uma verdade indiscutivel (Doc. n.9 24).
Os artigos de neg6cio utilizados por ingleses
e austriacos nas permutas cor os indigenas eram
o zuarte de seis a oito bragas de comprido (capu-
lanas), muxoxo de Belegate, de boa escolha,
manilhas grandes e grossas e vel6rio de bom
agrado (Doc. n.' 15).
Vale a pena relatar o que disse Goncalo







Coelho Pinto quanto ao procedimento dos indi-
genas e A arte de cor eles negociar.
Quando o regulo Capela visitou o navio
daquele negociante, foi bem recebido, cor uma
salva de cinco tiros; levado a camara do coman-
dante corn mais tres negros que dizia seus irmaos,
beberam tanto, que logo esvaziaram a frasqueira.
O regulo pediu imediatamente o saguate, e deram-
-lhe bebidas, panos, cabaias agaloadas e vel6rio;
nada disso o contentou e pediu < dades de fato, um vestido custoso, cabalas, aguar-
dente, varias cobertas, lengois, faqueiros e um
nfimero de armas que me deixou abismado>>.
Depois de todos transtornados pelas bebidas foi
dificil despedi-los; roubaram talheres, toalhas,
tudo quanto apanharam, e dirigiram-se a outro
barco onde provocaram tal motim que foi neces-
sario acudir corn gente armada. Mesmo assim, foi
precise presentea-los. de novo, para se irem embora.
Cor a estadia dos austriacos nao era possivel
os nossos barcos negociarem. O mercado estava
inundado. Foi o que disse o Matola ao agent
do dr. Vitorino Jose Garcia, quando foi a bordo
receber o saguate habitual.
AlEm disso os pregos tinham subido ao dobro.
Os indigenas ja s6 trocavam a arroba de marfim
por 80 panos, que valiam 40 mil reis, enquanto
aquele produto se cotava em Mocambique a
22$400 reis a arroba (Doc. n.' 44). Por outro lado,
juntava-se a isto o saque as barquinhas que se
internavam nos rios a negociar. Eram roubadas
as fazendas e aprisionadas as tripulaq6es para







serem resgatadas, quando nio ficavam mortas em
escaramuqas.
Isto nio 4 mais que o reflexo da concorrencia
das nacoes europeias em neg6cio no mesmo local.
Como o comercio austriaco estava protegido pela
sua feitoria, os mercadores portugueses, desam-
parados, inferiorizados aos olhos dos natives,
eram alvo de extors6es e vexames a que nao
deviam ser estranhas a presence e o incitamento
de estrangeiros, que lutavam pelo seu monop6lio.
A esta campanha contra a concorrencia jun-
tavam os ,austriacos as primeiras prerrogativas de
soberania, arrogando-se o direito de cobrar impos-
tos aos outros navios. Stephen Pitt foi notificado
por Minuareng para se abster de exercer qualquer
actividade mercantil sem sua autorizaqAo, e ele e
Gongalo Coelho Pinto foram convidados a pagar
direitos aduaneiros. Sob a ameaca dos canhbes
austriacos os indigenas deixaram de levar generos
frescos ao navio de Stephen Pitt.
Parece nao haver lugar para dtividas: o estabe-
lecimento austriaco era uma tentative muito seria
de usurpaaio de toda a baia de Lourenco Marques.
Nao julguemos, porem, que os pr6prios austriacos
nio tiveram enormes dificuldades nas suas relac;es
cor os indigenas, apesar de tratados de alianca
que assinaram cor os regulos.
Logo depois da said de Guilherme Bolts
para a India, ap6s quatro meses de estadia em
Lourengo Marques, comecou a baia a ser muito
frequentada de ingleses, e ate holandeses, que
perturbaram bastante o com&rcio pacifico.







A isso juntaram-se conflitos politicos entire os
chefes indigenas, cor suas guerras, assaltos e
latrocinios, e parece que os austriacos, demasiado
neutrais, n~o tiraram disso todo o partido. Neste
capitulo da colonizagco do ultramar, os portugueses
revelaram-se sempre mais habeis, intervindo por
vezes no moment oportuno para ganhar decisivas
vantagens junto do vencedor.
Muito embora os portugueses deixassem sempre
as quest6es indigenas evoluir por si, procurando
nao se intrometer nelas, foi tambem de regra
intervir A mAo armada quando os factos corriam
de tal modo que os nossos interesses comegavam
a perigar.
Mas para isto faltava experiencia aos homes
de Guilherme Bolts, entire os quais n5o havia
tambem homogeneidade de ideias, por o seu grupo
ser de alemaes, ingleses, portugueses, franceses,
italianos e arabes, que se nao entendiam.


2 A FEITORIA AUSTRIACA DE S. JOSE

Guilherme Bolts chegou a Lourengo Marques
nos iltimos dias do mes de Margo de 1777 a
bordo do navio Giuseppe e Thereza (Doc. n.9 3).
Levava 155 homes, e iam tamb6m algumas mulhe-
res, entire elas a de Bolts. Em pouco tempo mor-
reram 26 homes e 3 mulheres.
Os novos colonizadores encontraram ancorados
tres navios de Bombaim, comandados pelos capities







Burton, Mc Kenney e Cahill, largamente citados
nos diarios e mais papeis de Andre Daniel Pollet,
que, por intermedio deles, comunicou com Gui-
Iherme Bolts quando este se ausentou para a
India. O navio de Burton, que largou dias depois,
estivera quase treze meses na baia e perdeu por
doenca quase a terra parte da tripulacgo.
Depois de ter naturalmente percorrido a baia.
com enorme dificuldade, visto ser necessario
navega-la a sonda, Guilherme Bolts estabeleceu-se
na ponta da Catenibe, defronte da actual cidade,
numa lingua de areia formada pela junco do rio
Tembe ao Estuario do Espirito Santo, a que ele
chamava rio Mafumo.
Em 3 de Maio Guilherme Bolts assinou o
primeiro tratado cor o regulo Capela, que design
por Raja Mohaar Capelle ou Capell (Doc. n.9 1),
intervindo como negociador em nome de Sua
Majestade Imperial Real e Apost6lica Maria
Teresa, Imperatriz da Alemanha e Rainha da
Hungria.
Nesse tratado, assinado solenemente com tes-
temunhas, e em pergaminho, na aldeia Mor6a
(Morowa) estipula-se a cedencia da inteira e
perfeita soberania das terras da margem ocidental
da ribeira Tembe, alias Mafumo, desde a ponta
Maone (Mahabone), que forma a entrada da
ribeira (Rio do Espirito Santo) ate a ponta Dun-
grim ou Sezalim ('a ponta da Catembe) campo Imperial estA agora levantado>>, estenden-
do-se o terreno para o interior ate uma linha de
povoac6es nele mencionadas. A cedencia era per-







p&tua, para as terras serem fortificadas, e Guilherme
Bolts deu por elas um pequeno lote de fazendas,
bebidas, missangas e manilhas.
O tratado cor o Capela localiza perfeitamente
o sitio que os austriacos elegeram para o estabe-
lecimento, local facilmente defensAvel contra os
indigenas por ter dois lados a coberto da Agua.
Mas devemos concordar que para a saude da sua
gente, Bolts escolheu o pior sitio, muito baixo,
rodeado de pantanos, e insalubre. Tinha a van-
tagem de all peito se fazer a aguada dos navios
e ficar pr6ximo dos rios Umbeluzi e Matola, e A
boca do Tembe.
Quatro dias depois, em 7 de Maio, assinou
Guilherme Bolts o segundo tratado, cor o regulo
Matola, que design por Chibanzaan Matola
(Doc. n.? 2).
Foi tamb6m outorgante um regulo vassalo do
Matola, chamado Bilene Mafumo, que nos autos
de Godinho de Mira figure corn o nome de
Rei Mafumo, e era sobrinho do Matola (Doc.
n.9 78). Andre Daniel Pollet explica que o
Chibanzaan tomou por forga as terras ao Bilene
por morte do pai deste, e ficou a receber um
tribute annual de bois e cabritos, tendo o Bilene
por seu vassalo a -governar o pequeno reino de
Mafumo. (Doc. n.' 3).
Foi o pequeno reino Mafumo, compreendendo
toda a actual cidade, que Chibanzaan vendeu,
cedendo pelo artigo 2.9 do tratado a soberania
sobre a parte oriental do rio Mafumo (Estuario
do Espirito Santo), desde a Ponta Azul (sic)







chamada Ribguem (Ponta Vermelha), a parte oriental da entrada da dita ribeira> ate
a ressaca chamada Mfola (antiga enseada das
Estancias, hoje aterrada).
E estranhavel encontrar-se referida uma ponta
azul que nao existe em Lourenqo Marques, mas
tambem 6 possivel que o tradutor que em 1781
ou 1782 verteu em Goa os papeis apreendidos
na baia aos austriacos, se tivesse enganado, e
traduzido vermelho por azul.
Mes e meio depois de estar em Lourenqo
Marques, Guilherme Bolts era senhor das duas
margens do estuario do Espirito Santo, com pro-
priedade absolute para fazer povoac6es e levantar
fortalezas, consoante -aprouvesse.
Para o neg6cio o lugar era esplendido e diz
Daniel Pollet no seu Diario: excelente comercio de dentes de Elefantes. Os
Europeus comprao este artigo por um preqo muito
baixo. Eles estimao a libra a meia rupia e Ihe dao
em troco manilhas de latgo que os naturaes poem
ao pescoqo e no braco... Tambem eles importio
contas de todas as c6res: panos azuis de Surrate,
longuins, dongarins, monosso e agoard.te. O iiltimo
he hu grande artigo entire eles: quando achio
huma barrica nio a largo sem- a despejarem ainda
q se nao possao mexer despois p alguns dias ou
meses> (Doc. n.9 3).
As instalaq6es austriacas eram o que havia de
mais rudimentar: palhotas de paus e caniqos,
cobertas a capim. O project de 1778, para uma
nova casa da feitoria, e de que ha desenho, mostra







a plant de uma casa de 40 pes de largo cor
varanda em volta, de 9 pes. Dentro havia uma
sala grande, central, e quatro quartos aos cantos,
de 10 pes em quadro. Os quatro cantos exteriores
das varandas eram fechados para escrit6rios.
Havia os armaz&ns, que eram por vezes roubados
pelos indigenas, e ha noticia de ter ardido um
deles cor muito risco para as restantes instalac6es
que eram de palha. Tudo devia ser protegido por
uma paligada e os indigenas, especialmente os
regulos, nho podiam entrar na fortificacgo, e em
caso algum ali pernoitar.
Parece que os austriacos mantiveram sempre
um navio da Companhia, ou de mercadores seus
agents, de estacqo em Lourenco Marques. Ha
dados referentes a um comercio que se pode
considerar extremamente volumoso e important,
de milhares de peas de fazendas varias e centenas
de barricas de missanga, trocadas por muitos
milhares de dentes de elefante. Movimentavam-se
capitals avultadissimos e o neg6cio fazia-se em
grande escala. Todo o movimento era destinado
a Bombaim, onde existia um indo-portuguis agent
da Companhia.
Em 1 de Julho de 1777, Guilherme Bolts
nomeou feitor o seu lugar tenente Andre Daniel
Pollet, natural de Lisboa e filho de pais alemAes,
delegando-lhe todos os poderes que recebera em
Trieste e Viena (Doc. n.9 35).
Conhece-se muito melhor o trabalho deste que
o do fundador da feitoria. Daniel Pollet deixot.
tudo narrado no seu Diario. Foram bastantes os







sofrimentos, as dificuldades e as doengas, e nem
sempre bem sucedidas as viagens das barquinhas
aos rios. Queixa-se muito da insolencia dos indi-
genas, dos seus roubos, da f& pfinica das suas
promessas, e dos seus colaboradores.
Bolts foi a India regular neg6cios, tratar de
negociar ac6rdos comerciais, e de tudo o que
interessava ao future da feitoria deu instrug6es
minuciosas ao successor em longas cartas cheias
de recomendag6es e projects.
Um deles refere-se A ilha de Inhaca, cujas van-
tagens Bolts desenvolve largamente. Destinava-a
a armaz(m da feitoria, por ser, pouco habitada,
quase isolada, facil de defender e ficar a boca da
baia. Pollet devia por isso negociar cor o velho
regulo a sua compra, ja uma vez proposta por Bolts,
e obter pelo menos a cessAo parcial.
E conseguiu-o, pois escreve no seu Diario:
a Huacacano a Ilha de Xitemole e a Met. da
Iniaca como do Seg.te papel de ajuste e venda
assin." as 5 da tarde sobre a praga onde levantamos
a bandeira Imperial e salvamos com 2 pedr.os a
que Champagnet responded com um mosquete>
(Doc. n." 7).
O regulo foi dificil de convencer, mas acabou
por ceder perante a cobiga das fazendas, das
bebidas e das missangas e mais coisas que lhe deu
o alem~o. Foi intfrprete o portugues Jose Pedro
da Fonseca, que jurou aos Santos Evangelhos ter
traduzido fielmente os terms do acordo em landim.







O portugues era natural do Porto e foi assassinado
no forte de S. Jose, no ano seguinte, por um cafre.
Bolts recomendou tambem a Pollet que tratasse
de artilhar a Inhaca, para vedar a entrada a
estranhos, A media que se fosse fortalecendo a
feitoria de S. Jose.
Pelo tratado de 19 de Novembro de 1778
(Doc: n.9 7) o raja (regulo) Huacacano cedeu
toda a ilha de Xitemole ou Elefantes e metade
da Inhaca, incluindo todas as praias desta no
que Bolts fazia grande empenho estendendo-se
o dominion milha e meia para o interior. Entravam
tambem na compra metade dos pastos e campos
cultivados especialmente os que cercavam a aldeia
Mambo, e todo o rio Maselesele (que nao sei qual
seja). A feitoria da Inhaca destinava-se ao comer-
cio de toda a zona do Maputo e parece que Bolts
Ihe reservava papel important, mas nunca passou
do simples armaz6m de madeiras que o Tenente-
-Coronel Godinho de Mira destruiu em 1781.
Andre Daniel Pollet resolve ir A India em 1779
e por isso substabeleceu em 2 de Abril os poderes
que tinha a favor do ingles William Manuaring,
que & o mesmo Minuareng referido por Stephen
Pitt em carta a Godinho de Mira, como veremos.
Manuaring, natural de Inglaterra, era assistente
de Pollet que tinha a categoria de resident
(Doc. n.9 11), e ficou a chefiar as < riais em Delagoa>>. Daniel Pollet seguiu para a
India a bordo do mesmo Giuseppe e Thereza e
s6 voltou em Abril de 1781, a bordo da pala
Conde de Prolli que foi apresada pela nossa








expedicgo, seguindo tudo e todos para Moaam-
bique.
Dentro das instruc6es dadas a Guilherme Bolts
n2o ha nada que o autorize a ocupar terras, como
muito bem frisou o desembargador LAzaro Ferreira
na carta de arrolamento dos pap(is e livros dos
austriacos (Doc. n. 78). A corte de Viena nao
fazia evidentemente as coisas no ar, nem dficia-
lizava qualquer empreendimento que fosse contra
os interesses de terceiros. Dentro da generalidade,
Guilherme Bolts podia comerciar, fazer tratados
e obter vantagens para o seu neg6cio. Aparen-
temente era um mercador, mas encapotadamente
representava interesses grandes que pareciam ter
sede nio em Viena nem em Trieste, mas em
Antuerpia, donde Ihe escrevia o Conde de Prolli
que parece ser um dos financeiros da Companhia,
e que o anima e se manifesta esperanqoso nos
resultados materials das feitorias.
O Conde de Prolli interessava-se de facto
bastante pelo progress da feitoria de S. Jose de
Lourenco Marques, mas nfo parece entusiasmado
com o marfim. Toda a sua preocupagio vai para
a compra de escravos. O seu desejo e que Lou-
renco Marques forneca escravos para a America,
mas diz ter mis informar6es das qualidades fisicas
dos indigenas de Moaambique, costa que para ele
e de ma fama. Para melhorar o clima preconiza
a agriculture do litoral. Diz saber que os negros
de Lourenco Marques nio querem ser escravos
porque uma vez exportados suicidam-se por asfixia,
virando a lingua para dentro! e diz mais que os







que vao para as ilhas do Indico chegam la como
espectros.
O Conde de Prolli e o home da Europa,
elegant, cristio e banqueiro, a falar de coisas
de Africa cor extrema ignorancia e muita fantasia;
pelo contrario- o Tenente-Coronel Guilherme Bolts
6 o pratico, sabedor e sagaz, cujo interesse predo-
minante nao parece ser o comercio de exportacAo
de escravos. Bolts prefer a permuta de fazendas
por marfim. O marfim C para ele o grande neg6cio.
Mas vai muito mais long. Para ja, Bolts quer
former uma col6nia cor pretos importados de
Inhambane. Manda para isso Pollet construir um
dormit6rio A volta de um pAtio, s6 cor portas
para dentro, todo repartido, para nele instalar 50
casais, cada qual em seu quarto, a fim de se repro-
duzirem. Esses cem pretos do norte, fixados entire
negros estranhos, nio poderao fugir e constituiraio
uma col6nia fiel que se dedicard ao amanho das
terras para cultivo de produtos destiitados' ali-
mentacao da gente da feitoria. Teriam as suas
hortas ou machambas dentro dos territ6rios com-
prados, ao pe do forte, ou em melhor local. Davam-
-se-lhes instruments agricolas e seriam dirigidos
por um europeu dos mais humans para eles.
Mas Bolts n~to era altruista que pensasse fazer
a felicidade dos escravos pela agriculture. N0o Ihe
interessava fundar uma col6nia de pretos em terra
de pretos. E que os escravos-colonos seriam os sol-
dados da feitoria, para o que teriam espadas, que
chegou a remeter da India, e cor eles poderia sem-
pre contar em qualquer investida dos regulos.







Finalmente, criadas possibilidades de vida a
colonos europeus, assegurada a producAo de ali-
mentos, em especial g9neros frescos, Guilherme
Bolts queria fundar uma col6nia de alem2es, que
mandaria vir da Europa. Era este o seu project
final.
Revestem-se, portanto, de valor as pequenas
notas que se encontram nos papeis da Feitoria aus-
triaca, relatives A populaqao, agriculture e comer-
cio. Acham-se temperatures tiradas tres vezes
ao dia, apontamentos sobre a fertilidade do solo,
maneira de plantar o milho, o linho e a cana saca-
rina; sobre o cultivo de frutas europeias, vinha,
hortas e pomares; informaq6es sobre os generos de
neg6cio, maneira de classificar o marfim, notas de
cambios, uma noticia do cobre do interior, notas
sobre o Bazaruto, Inhambane e os caminhos do
ouro, informaq6es sobre o valor commercial da praqa
de Mogambique, etc.
Estio registadas todas as entradas de navios
estranhos, suas carregaq6es e sucessos. Pollet tinha
ordem de Ihes criar todos os embaracos possiveis,
evitar a todo o custo que fizessem neg6cio e salva-
guardar sempre a soberania austriaca. Alguns pa-
gavam o aluguel de pequenos terrenos para bagan-
gais, de que houveram recibos cor express decla-
racio de reconhecerem o senhorio austriaco, e se
obrigarem a mudar a barraca se acaso o terreno
fosse precise para erguer qualquer fortificagio.
O aluguel era de dez rupias por ano. Cor o
andar dos tempos os austriacos passaram a exigir
a cobranqa de direitos.







Procuramos dar uma ideia do perigo que para
n6s representava a empresa de Guilherme Bolts.
N5o era, a nosso ver, uma obra de aventura. Era,
pelo contrArio, obra pensada, conduzida cor
mftodo, realizada com tenacidade. Foi o reconhe-
cimento disso que levou o Governo da Metr6pole
a resolver de vez o problema de Lourenco Marques,
posto entao havia algumas dezenas de anos, e a
resolve-lo com enormes sacrificios e tamb6m cor
imensa tenacidade.
Ali concorreram connosco holandeses, aus-
triacos, franceses, e sempre os ingleses, e por
isso nao foi tarefa das mais faceis a restauraglo
da soberania portuguesa.
Um document important (Doc. n.9 14) prova
o grande interesse em que o Ministro tinha a
expuls2o dos austriacos, pois sem nada ainda
saber do cumprimento das suas ordens, torna a
dar informag6es de Guilherme Bolts.
Constara em Lisboa que depois de correr a
Asia, Bolts voltara a Trieste com boa carga,
tendo mandado antecedentemente outra embarca-
cio tambem com carga para o mesmo porto.
Corria em Lisboa que em Trieste se pensava a
serio na formacgo da Companhia para o comercio
da Asia, e por isso o Ministro dizia ao Governador
da India que se ainda existissem os estabeleci-
mentos austriacos de Lourengo Marques, seria
mais dificil expulsA-los.
Martinho de Melo e Castro tinha imensa
razao ao recear a consolidaqgo do estabelecimento
austriaco. Nunca & demais dizer que devemos a







recuperagio de Lourengo Marques a persistencia,
A tenacidade e A clarividencia do grande Secre-
tario de Estado. Martinho de Melo e Castro -
hA-de fazer-se-lhe um dia a justiga que merece
- foi um dos mais operosos e sabedores ministros
que teve o ultramar portugues. 'A Col6nia de
Mogambique deve-lhe a mais larga e a mais
profunda obra de ressurgimento que houve na
Africa Oriental anteriormente a SA da Bandeira.
No entanto diga-se a verdade ningu6m o
conhece, ninguem lhe menciona o nome, a nao ser
a prop6sito da accgo na queda political de Pombal.
Fosse qual fosse a sua attitude, teve ela quanto ao
Ultramar a grande virtude de assegurar a unidade
de direcgqo political, econ6mica e administrative
das Col6nias, onde se nio verificou a perturbagio
que na Metr6pole se deu corn a queda de Pombal.
Melo e Castro transitou dum reinado para outro
na gerencia dos neg6cios da Marinha e Dominios.
Na sua familiar contaram-se Governadores da
India, Brasil, Angola, Mogambique e Timor.
Foi de long, durante anos, o orientador
meticuloso da reocupacgo da baia. Melo e Castro
tinha a visao clara da political mercantil da epoca,
a just nocZo do valor do comercio ultramarino.
Por outro lado a continuidade no governor por
longos anos permitiu-lhe ver o desabrochar do
imperialismo colonial ingles e avaliar a solidez
econ6mica da nascente riqueza britanica.
A India Portuguesa assediada por guerras,
vencida no comercio e despojada de algumas
parcelas importantes, atravessava uma das crises

34







mais graves da sua hist6ria. Melo e Castro 6
talvez o primeiro ministry pbrtugues que se volta
decididamente para as col6nias de Africa, indis-
pensaveis ao Brasil, a col6nia fabulosamente rica,
que nao ha bracos de escravos que Ihe cheguem.
0 Ministro devia considerar que perder Lou-
renco Marques era grave, nao s6 pelo seu valor
quanto a navegaaio do Oriente, mas tambem pelo
considerdvel nimero de escravos que podia forne-
cer, alem de outro valioso comercio a que dava
lugar.
















III

RECUPERACAO DA BAIA
DE LOURENCO MARQUES














1 AS INSTRUQOES DO MINISTRY
E DO GOVERNADOR DA INDIA

Resolvido a restaurar a soberania portuguesa
na baia de Lourengo Marques, o Ministro deu
ordens em carta de 15 de Margo de 1779 (Doc.
n.9 10), mandando o Governador da India infor-
mar-se do local exacto da fortificacgo austriaca,
e preparar um destacamento de artilharia e infan-
taria que ali fosse numa 'fragata. Indicou para o
comandar o Tenente-Coronel Godinho de Mira,
da Legiao dos Voluntarios Reais.
Logo que a fragata chegasse a Lourengo
Marques devia proceder-se ao desembarque ime-
diato e ataque de surpresa, tudo seria arrasado
e os regulos notificados de incorrerem no desagrado
de Sua Majestade se consentissem outra qualquer
nacio naqueles dominios da Coroa de Portugal.
A guarniclo inimiga iria para Goa, onde cada um
tomaria destiny livre, podendo ate entrar ao
servigo do Estado da India.
Nao 6 de estranhar que tal ordem se desse
ao Governador da India e nao ao de Moqam-
bique. E que na Africa Oriental, o Regimento da
Praga de Mogambique, que destacava todas as







guarni6oes da Col6nia, nao tinha sequel 250
homes na sede, e estava em reorganizaq~o lenta,
porque eram modestas as remessas de soldados
degredados para o Ultramar. Pelo contrario, o
Estado da India tinha marinha pr6pria e um
exercito privativo de 6 mil homes. Os dois
governor eram ja independents, mas Mogambique
nao dispunha de recursos.
Um ano depois precisamente em 15 de
Margo de 1780 tornou o Ministro a escrever
ao Governador da India, dizendo-lhe que havia
perigo de a consolidaco. da feitoria austriaca
tornar mais dificil a sua destruigqo, e por isso
nao havia que perder tempo na execucgo das
ordens dadas, que esperava tivessem ja sido
cumpridas (Doc. n.9 14).
Prevendo qualquer dificuldade, sugeria o Mi-
nistro o emprego de forcas da Africa Oriental,
cujo auxilio podia ser requerido ao Governador de
Mogambique.
O Governador da India, acerca de quem se
encontra uma nota no Diario de Andre Daniel
Pollet, dizendo que recebera dele uma carta de
Moqambique com noticias da familiar e o ofereci-
mento de serviqos coisa bem estranha, mas que
pode tambem nio ter qualquer significado especial
- revelou-se home zeloso dentro da morosidade
cor que na &poca se faziam os preparativos de uma
expediggo longinqua. Mas nao correu tudo de-
pressa porque resolve esperar, a ver se a feitoria
fechava como se dizia, ou se vingava, para entao
a mandar arrasar, como escreveu a Melo e







Castro em carta de 28 de Janeiro de 1780
(Doc. n.0 13).
Em 19 de Janeiro de 1781 embarcou a expedi-
q5o na fragata de guerra Sant'Anna e S. Joaquim,
do comando do capitao de mar e guerra Nicolau
Delgado Figueira da Cunha de Epa. A fragata
saiu de'Goa no dia 20, levando os capities-tenentes
Diogo Carlos Henriques e Francisco Xavier Lobo
da Gama, os tenentes de mar Candido Jose Mourao
Garcez Palha e Crist6vio da Costa de Ataide e os
guarda-marinhas Francisco Salema de Saldanha e
Mauricio Jose da Costa Campos (Doc. n. 40).
Do exercito iam mais de 300 pragas: uma
companhia de Infantaria do 2., Regimento sob o
comando do capitio Luis Lopes Quaresma, cor
os tenentes Eusebio Xavier Tovar e Fernando
Zuzarte; um destacamento de artilharia comandado
pelo capitio Cust6dio Cesar, corn os tenentes Joio
Baptista Dias e Jose Coelho; uma companhia da
LegiA6 dos Voluntarios Reais sob o comando do
capitao Joao Martins, corn os .tenentes Francisco
de Mesquita e Luis de Aratijo. Comandava a expe-
di~io o tenente-coronel Joaquim Vicente Godinho
de Mira, e ia designado para Ihe suceder, em caso
de necessidade, o capitao Quaresma.
Corn as tropas ia o respective material: bom
trem de artilharia de varios calibres, morteiros, gra-
nadas e peas de amiudar .
Ao comandante da expediq~o, a quem de certo
modo ia subordinado o comandante da fragata -
talvez por o Governador da India o nao considerar
sabedor e perito como se l1 numa nota de infor-








maq6es de oficiais foram entregues Instcug6es
detalhadas sobre a navegagao a fazer, desem-
barque, ataque, procedimento com os austriacos
e ,indigenas e tratamento a dar aos ingleses,
instru6es que o tenente-coronel cumpriu fielmente
e decalca no seu Relat6rio (').


2 A EXPEDICAO EM MOZAMBIQUE

A fragata chegou a Moqambique em 20 de
Fevereiro e depois das visits da praxe o tenente-
-coronel fez entrega ao capitgo general D. Frei
Jose de Vasconcelos de Almeida, Cavaleiro de
Malta, da correspondencia que Ihe levava, relative
A expedigao ha muito esperada em Moqambique.
Eram c6pias das cartas de 15 de Marqo de 1779
e 1780 do Ministro ao Governador da India, de
20 de Dezembro de 1780 do Governador da India
ao Castelio de Diu, e a carta de 9 de Janeiro
de 1781 do Governador da India para o de
Mocambique (Docs. n.9( 10, 14, 16 e 17).
Nesta filtima, usando de autorizaggo minis-
terial, pedia D. Frederico Guilherme de Sousa
que a expedicgo fosse reforgada com uma compa-
nhia de infantaria de 100 homes cor seus oficiais,
e se fornecessem tamb6m guias da regiao onde

(') Guardam-se as Instrusges no A. H. C. Papiis Avulsos
da India Ano de 1781 e estao assinadas por D. Frederico Gui-
lherme de Sousa. Nelas se diz ir por 2.' Comandante o capitao
Quaresma.







ela ia actuar, e mantimentos. Informava mais que,
a fir de evitar que os estrangeiros voltassem a
Lourenco Marques, cor prejuizo do nosso comer-
cio,i ordenara ao Governador de Diu que per-
suadisse os mercadores desta praca a mandarem
anualmente um ou dois navios ao Cabo das Cor-
rentes.
Sugeria tambem que o capitAo general de
Mozambique persuadisse os mercadores da sua
capital a empreenderem o mesmo com&rcio, que
fosse construida uma feitoria e casa forte em
Lourenco Marques, guarnecida cor artilharia, e
sempre ali estivesse um navio de guerra, a fim
de impedir o comercio estrangeiro. Considerava
initeis todos os sacrificios que se faziam cor a
expediqco, se nao se tomassem tais providencias.
Numa coisa se enganava: e que os mercadores
de Damao e Diu nao gozavam de isenaio de
direitos em Lourengo Marques, e era obrigat6rio
que todos os navios em neg6cio nos portos da
conquista demandassem Mogambique para o paga-
mento de direitos na alfandega.
Na mesma carta pedia ainda o fornecimento
de uma ou duas embarcag6es de pequeno calado
para a conduqao do reforco de Mocambique, e
servico na baia, visto a fragata nio poder apro-
ximar-se da fortificaqo austriaca.
D. Frederico Guilherme de Sousa, que de
tudo deu conta ao Secretario de Estado em carta
de 20 de Janeiro de 1781 (Doc. n.9 18), revela
na carta ao Castelio de Diu e nas sugest6es ao
Governador de Mocambique, ser, depois do Minis-







tro, o melhor animador do comErcio portugues em
Lourenco Marques. N~o sabemos como tais
projects foram recebidos na Vila Capital, mas
tudo era premature antes de saber-se o resultado
da expediclo.
Por muito boa vontade que tivesse, nio podia
o Governador de Mogambique dar a expedigio
o que Ihe pediam, e nesse sentido escreveu em 22
ao capitao de fragata Cunha de Ega (Doc. n.9 20).
Dizia que a baia de Lourengo Marques estava de
facto abandonada por circunstancias varias e
ocupada por estrangeiros, mas sabia que a feitoria
austriaca nao tinha qualquer valor military e era
mais que suficiente a expedigao da India.
Tinha o seu project quanto a Lourengo Mar-
ques, e para isso esperava 6 regresso de uma
fragata que estava em Quelimane. Logo que
estivesse provide podia a expedigio larger, direct
a Inhaca, onde dizia estarem refugiados alguns
europeus ao servigo de Bolts, perseguidos pelos
cafres. Nisto enganava-se: os europeus que esta-
vam na Inhaca eram os da segunda feitoria,
fundada posteriormente.
O Governador s6 podia dar um pratico da
costa e aconselhava o roteiro de Depre que fala
muito neste ponto cor a maior exacqao e certeza>>.
O Ministro informara Mogambique da vinda
da expedicio e sabia-se pelos patamares de Inham-
bane a feitoria que tinhamos entgo mais ao
sul como iam as coisas no .estabelecimento
austriaco. O successor de Frei Jos6 de Vasconcelos
podia portanto informar o Ministro em carta de







18 de Agosto de 1781 que tinha noticia certa
de que la nao havia object de tanta fora>>
(Doc. n.9 38).
A carta do Governador responded no mesmo
dia o capitao de fragata, que doente a bordo nio
p6de :ir pessoalmente tratar do assunto, mas o
escreveu, para relembrar as instruc6es que tinha,
quanto a receber em Mogambique mais navios e
mais tropa, e insistir no prejuizo da sua demora
por causa da monqco. Queixava-se tambem de
nao servirem, por nao poderem carregar as pipas,
as embarcaq6es que Ihe foram destinadas para
fazer aguada. Para os doentes que viesse a haver
pediu galinhas mantimento que se pode comer sem ir ao fogo
(Doc. n.9 21).
No Relat6rio que apresentou ao Governador
da India escreveu o tenente-coronel Godinho de
Mira, sobre a estadia em Mogambique, que
Vasconcelos de Almeida Ihe responded corn frouxidao, representando-me dfvidas e alegan-
do-me faltas, devendo-me dar provid&ncias>. Que
lhe ofereceu por fim apenas 40 soldados, visto
haver muita falta de tropa pelos muitos falecidos
e outros doentes, e mesmo para aqueles quarenta
era precise que a expedicgo Ihes completasse o
armamento. Mas embarcago & que de todo era
impossivel arranjar (Doc. n.9 41).
Visto as condig6es em que Ihe davam a tropa,
n2o haver embarcaSio, a fragata estar repleta e
a mongio a correr, o tenente-coronel resolve
partir imediatamente levando urni inico pratico, o







que havia, ur mouro de safde que aos treze dias de viagem faleceu.
Partiu em 3 de Marco de Mozambique, para
o Bazaruto, onde constava estar o navio do
Dr. Vitorino Garcia. Chegou ali a 15 (a qco An6nima> diz 12) mas ja 1I o nio encontrou;
foi-lhe no encalbo para Inhambane onde chegou
a 18. Gongalo Coelho Pinto ja tinha levado o
navio do medico para as Mauricias. Obteve do
Governador de Inhambane dois praticos. A c5o An6nima> (Doc. n.9 40) diz que recolhido
o escaler cor os praticos sobreveio vento forte
que durou tres dias e acrescenta que o capitAo
de mar e guerra reuniu os oficiais de bordo em
conselho e resolveram regressar a Mogambique.
credit, como ao gasto, qe a Fazenda Real faria,
se se demorasse a acqao p". o anno futuro foi
o que responded o piloto (?) a consult do tenente-
-coronel.
Godinho de Mira escreve que a 19 partiu de
Inhambane e em 30 de Marco chegou ao Espirito
Santo. O piloto afirmar que deram fundo na
Inhaca em 27 desde cujo dia ate 31 gastamos
em sundar, e ir pouco e pouco seguindo as embar-
cag6es. Segundo este s6 entraram no Espirito
Santo no 1. de Abril, mas o tenente-coronel afirma
que a fragata deu fundo no Espirito Santo -em
31 de Marco pelas quatro horas da tarde.







3 A EXPEDI(AO EM LOURENCO
MARQUES

Naquela tarde de 31 de Margo de 1781 em
que a fragata ancorou no estuario do Espirito
anto, defronte do fortim de S. Jose, estavam
ali outros tres navios. Um, com bandeira portu-
guesa e passaporte passado pelo Governador de
Damao, era de armadores de Surrate; outro, cor
bandeira inglesa, pertencia A praca de Bombaim
e o terceiro, pala de mastro e meio, era o Principe
Fernandi, da feitoria; estava all de estagAo por
ordem da Companhia de Trieste. A fragata portu-
guesa ancorou precisamente entire a pala austriaca
e a bacteria de artilharia de Santa Maria na Ponta
Dungrim ou Kungria junto ao Forte de S. Jose.
Logo que deu fund a fragata portuguesa, o
tenente-coronel mandou apresar e guarnecer de
presa a pala imperial e cor alguma tropa desceu
em terra e entrou a bacteria de artilharia que se
rendeu sem esboqar qualquer resistincia. Encon-
traram-se 13 peCas de calibre 4, das quais estavam
dez montadas. Foi arreada a bandeira imperial, e
o tenente-coronel pernoitou na feitoria aquela
noite cor a tropa (Doc. n.9 22).
No dia 1 de Abril foi arvorada com solenidade
a bandeira national ao nascer do sol, salvando a
bacteria tomada e respondendo a fragata cor os
21 tiros da ordenanga. A novidade espalhou-se
logo. pelo sertao vizinho donde vieram saber a
causa do estrondo.


'47







Seguiram para bordo as peas austriacas, tocou
a faxinas, e enquanto alguns oficiais passavam
revista a carga e documents. dos outros navios
para arrolar o que houvesse de pertencente a
feitoria, os soldados arrasaram num, instant o
fortim de S. Jos6 e seus armazens, que nada ficou
de pe.
A corveta corn bandeira portuguesa era do
tipo normal dos navios de comercio da epoca.
Andava por isso artilhada cor 4 peas, e tinha
algumas armas. Ja carregara dez candins de
marfim, dez maos de dentes de cavalo marinho,
trinta pontas de abada, e trazia ainda duas bar-
quinhas em neg6cio nos rios Mamalungo e Maputo.
A corveta de Bombaim estava em desamparo
porque pouco antes Ihe haviam os cafres morto o
comandante. Trouxera missangas e muxoxo e ji
carregara dez candins de marfim, vinte pontas de
abada e vinte dentes de cavalo marinho. Estava
armada cor 6 peCas.
Estes carregamentos nada representam ao
lado dos nfimeros que nos deixou Daniel Pollet
das suas remessas para Bombaim. Tudo confirm
a dificuldade criada pelos austriacos a quem mais
ali fosse a resgate. Em compensaiAo, a An6nima> afirma que < mt. important cor mt.9 marfim e genero para
negocio>. O que acbntecera ao navio do Dr. Garcia
sucedia tambem aos outros. As viagens pelos rios
eram longas, morosas e acidentadas.
Os indigenas estavam turbulentos, e Godinho
de Mira averiguou que os pretos andavam pra-


48







ticando roubos nos baganqais dos capitges de
navios, tendo havido por isso uma queixa infundada
.contra os expedicionarios.
A corveta de Bombaim recebeu ordem de
levantar ferro. Godinho de Mira tinha instyuq6es
especiais quanto a maneira de tratar os ingleses
(Doc. n.9 19). Devia ser moderado, e sobretudo
prudent. Era um period em que os ingleses
andavam irrequietos nas nossas possesses da
India. O tenente-coronel arbitrou-lhe tres dias para
larger, visto nao ser permitido a estrangeiros
negociar nos dominios portugueses. O ingles res-
pondeu que nao podia partir. Faltava-lhe gente,
nao estava preparado.
Em 4 de Abril ainda a corveta n5o tinha
partido, prometendo faze-lo com brevidade logo
que obtivesse mantimentos. Mas ao mesmo tempo
o-seu novo comandante manifestava a esperanca
de se Ihe deixar fazer o neg6cio. O an6nimo da
Relagao afirma que ele chegou a oferecer dez mil
cruzados para obter tal licenqa.
Godinho de Mira respondeu-lhe bem: object da ordem que vossa mercer tem recebido
de sair deste porto 6 evitar fazer a negociaqio
que pretend fazer, como Ihe posso conceder a
faculdade para o mesmo neg6cio?>. E continuava:
persuada-se agora que Ihe nao posso dispensar a
mais leve cousa, e que muito precise que vossa
mercer se disponha a partir cor toda a brevidade>>.
Concluia: < que precisa para sua gente, aparelhe a sua embar-







cagao com: toda a press, e no tempo de oito dias
saia vossa mercer daqui, na certeza de que nem
mais um dia Ihe posso arbitrar>. O tenente-coronel
foi ainda ao ponto de Ihe oferecer para isso os
seus prestimos (1).
Nao se deu por vencido o home de Bombaim,
porque Ihe falecia a vontade para se partir e Ihe
faltavam recursos. Voltou cor novo lamento,
desconsolado de o tenente-coronel lhe n5o dar a
licenqa pedida, nem por dez mil cruzados. Mas
Godinho de Mira nao se comoveu. N5o podia
remediar a desconsolaqio do mercador, assim des-
pejado por ordem perempt6ria do General da India.
Levou a paciencia a dar-lhe mais sete dias de
prazo. Ja nao atendera um pedido do Capela para
a corveta inglesa ficar, sinal de nisso haver o
rEgulo o seu interesse, ter a corveta perspective de
largo neg6cio naquele reino, ou uma e outra coisa
juntamente (Doc. n.9 26).
Tornou-se urgente p6r fora da barra a teimosa
embarcaqgo que nao podia ser escorraqada a tiro,
e o tenente-coronel resolve p6r termo a tantas
dilag6es que tinham por fundamento a falta de
gente para marear e a espera de barquinhas que
andavam de neg6cio pelos rios. Escreveu ao capi-
t2o dela para arrumar a questao: que saisse < e logo>. Nao Ihe arbitrava dias. Que aparelhasse,
suspendesse a construcao de um escaler que tinha


(1) Documentos publicados por Paiva 'Manso (ob. cit., pag. 102
e segs.).







em estaleiro e fosse de vela com brevidade. Nio
queria controversias; o ingles manejava palia-
g6es (sic) e parecia alheio de o perceber. O portu-
gues respondia que o porto era de Sua Majestade
Fidelissima, e o ingles mandava um bilhete a per-
guntar de quem era o porto. O tenente-coronel ja
se propunha demonstra-lo por forga de armas.
TomBs Jorge acabou por pedir tudo para poder
partir no dia em que se fosse a expediqcio. Socor-
rido de gente para aparelhar, ainda o tenente-coro-
nel o teve que ajudar de novo, porque, por Ihe
terem fugido cor uma lancha alguns marinheiros
nas vesperas de larger, necessitou de lascares das
palas austriacas apresadas, e ainda recebeu doze
cipais da fragata, e um piloto, por nio ter official.
A fazenda que tinha pelos rios tambem nio
ficou abandonada. Godinho de Mira tratou as coi-
sas de modo a Stephen Pitt, da corveta de Damiao,
que ali continuou, a receber em fiel dep6sito, e dela
dar contas depois. E o que consta dos terms la-
vrados (1).
Ja Paiva Manso, pela natureza especial do seu
trabalho, deu relevo a este epis6dio da corveta
inglesa. Agora interessa-nos mais provar por seu
intermndio o valor do neg6cio que os estrangeiros
faziam em Lourenco Marques, e seus entendimen-
tos cor os indigenas.



() Documents publicados por Paiva Manso(ob. cit., pag. 102
e segs.).








4 OS REGULOS


A cafraria veio logo apresentar os seus respei-
tos ao comandante da expedigio, para indagar o
que se passava. Quem apareceu primeiro foi o rei
Mafumo, vassalo do Matola, e senhor da zona por
onde agora se estende a encantadora cidade de
Lourenco Marques.
O escrivAo da fragata lavrou disso o respective
auto (Doc. n.9 23). As 4 horas da tarde do dia 1
de Abril compareceram na fragata o Mafumo, seu
pai e mais pessoas da comitiva < sem serem chamados>>. A cena habitual de cumpri-
mentos, e depois o discurso do tenente-coronel.
Deviam respeitar a bandeira de Sua Majestade,
que s6 essa podiam aceitar e arvorar em seus terri-
t6rios que pertenciam a Portugal. Ndo deviam con-
sentir que outros europeus ali fizessem estabele-
cimentos, nem neg6cio, por ser priviligio dos por-
tugueses.
Os negros a tudo disseram que sim. Eramos
amigos e irmaos do Matola e podiamos saltar em
suas terras.
Despedidos os visitantes, recebidos na camara
do comandante da fragata perante mais oficiais,
foram despachados em sua companhia os enviados
aos regulos, indo um praticante de bordo prevenir
o Matola e um terceiro informar o Capela.
E claro que as noticias da chegada dos portu-
gueses, destruigao da feitoria austriaca e proibiglo
de comercio aos estrangeiros, ressoam logo pelas







redondezas, e o Matola sabe-as primeiro que nin-
guem. Os enviados de Godinho de Mira n5o vao
em attitude humilde, suplicar. Seguem a dizer aos
regulos que o comandante os espera para Ihes falar
em nome da Rainha de Portugal, e levam-lhes, em
cumprimento de velhissima praxe oriental, os sagua-
tes do costume. panos e bebidas. E requinte de
cortesia, que bem o sabe o indiano Godinho de
Mira.
A visit do regulo Matola A fragata portuguesa
das narrativas mais pitorescas que temos do trato
com chefes indigenas (Doc. n.9 24).
Para o relator an6nimo o Matola era homem
de estatura gigantada, q.e mostrava ter ate 40 annos
de idade e bem furnido>. Nio quis subir A fragata
sem Ihe deitarem cabos encarnados e por estar mal
vestido deu-lhe o capitAo de mar e guerra uma farda
azul. O indigena admirou-se das peas e levou a sua
bizarria de regulo preto a pedir salvas de quarto
em quarto de hora; e deram-lhas durante as quatro
horas que esteve na fragata, com artilharia e mos-
quetes (Doc. n.9 40).
Vinha de comitiva. Trazia tres mulheres e al-
guns pretos mais, que falavam bem o portugues.
Recebid6 com honras, tratado cor gentileza e defe-
rencia, presenteado, foi advertido corn firmeza de
que nas suas terras nio devia consentir sendo os
portugueses. Teve ainda o regulo algumas exigen-
cias que o tenente-coronel logo reduziu. que nao
valia a pena exigir. Nao estava a tratar cor mer-
cadores, nao podia esperar melhor saguate. O que
se Ihe ofereceu foi generosidade, merc6 de superior








para inferior. O auto lavrado pelo escrivgo Pinto
Colares 6 de facto uma peca colorida, real, e do
maior valor para a hist6ria das nossas relag6es cor
os chefes indigenas.
Ja dissemos da necessidade que ha de nos en-
quadrarmos constantemente no espirito da 4poca,
cor a mentalidade e as ideias dos homes daquele
tempo. S6 assim 6 possivel compreender a hist6ria,
julgar os actos praticados, medir a evolugio desde
ai ate hoje.
Era actualmente absurdo um capitao de fragata
e um tenente-coronel receberem ao portal6, cor
honras de salvas, um pretalhaz mal vestido trepando
o costado por cordas encarnadas. Mas em 1781
era acto politico de merecimento, jogo diplomatico
de alcance.
Tambem nao era essencialmente um bruto o
regulo da Matola. Primitivo, -vivendo a vida e os
despotismos selvagens, tinha ja long trato cor
europeus. Podemos ate afirmar que o Chibanzane
soube responder cor muita 16gica aos arguments
do tenente-coronel. Tamb6m foi diplomat. Tam-
bem soube tomar posi(co ao virar da mare dos
acontecimentos de Lourengo Marques. Na camara
do comandante da fragata respondia comn pleno
esquecimento do tratado de cessao perp6tua que
fizera a Guilherme Bolts quatro anos antes. Para
ele o tratado era apenas questao de lhe darem fa-
zendas, manilhas, missanga e cachaca por uns pal-
mos de mato que Ihe nao serviam de nada e onde
os brancos vendiam sempre aqueles artigos em troca
de marfim. Era ate vantajoso ter ali os brancos.







De vez em quando arranjava-se um <> com.
eles por causa dum cabrito, duma mulher roubada
ou dum neg6cio, e para fazer justiga aos brancos,
os brancos davam-lhe saguates.
Por isso, agora que os autriacos estavam na m6
de baixo, sem palhotas e press, o Chibanzane s6
queria tratar cor os portugueses que bem sabia
terem sido os primeiros que descobriram aquelas
terras. Mas tinham-nas abandonado. Ele bem sabia
que o Senhor Rei de Portugal era seu Pai, mas ha
muitos anos ja que nao se lembrava dos filhos.
E isto era verdade, a seu modo.
Ha muitos anos que nao iamos ali comerciar,
levando os generos que ele e sua gente precisavam
e por isso se viram obrigados a tratar corn os impe-
riais. Nem se lembrava das tropelias feitas a Gon-
calo Coelho Pinto.
O que ele queria dizer e que as nossas viagens
eram raras, e os austriacos tinham loja aberta. Tor-
nando com trato antigo e amizade, s6 queria tratar
corn os portugueses, por ser irmao de Sua Majes-
tade, A safide de quem bebeu cor veneraiao e res-
peito..
Nesta altura a fragata salvou cor 21 tiros.
O Matola achou imensa graga e a comitiva gostou
muito. O tenente-coronel aproveitou a oportunidade
para resvalar a conversa para o campo das reali-
dades. Prometeu a remessa de navios carregados.
Nao havia de faltar neg6cio, mas era precise res-
peitar a bandeira portuguesa. Aquelas terras eram
do seu irmao o rei de Portugal e a ninguem mais
deveria consentir comercio. Definida a entrevista,







os visitantes entraram de comer lautamente e beber
melhor. E sabe-se como os pretos come e bebem.
No fim recebeu o saguate a que fez ma cara. Mas
o tenente-coronel foi fire. Nada de abuses. Ia ja
muito bem regalado. O regulo convidou o coman-
dante a ir A Matola; este escusou-se, claro. Repar-
tido o saguate pela comitiva, principiou o Matola a
cobicar tudo; copos, facas, garfos, e quanto mais
via e se Ihe deu.
E 1a se foi corn cinco tiros de salva, dando
ordem a sua gente para vir A fragata vender tudo
o que quisesse.
Temos por habil o tenente-coronel. Foi auspi-
ciosa a entrevista cor o primeiro regulo, que
reafirmou vassalagem, e tudo correu bem. Pre-
sentear os rEgulos era costume velho, porque ter
a boa graga dos chefes era ter a certeza de o
mato se abrir a todo o comrrcio e haver seguranga
e asilo para as vidas europeias. As guarnic6es,
pequenissimas, estavam muito isoladas por grandes
distancias. A political de amizade e boa vizinhanga
que o tenente-coronel iniciou logo, era a melhor,
comprovada pela tradicgo.
Em 5 de Abril, chegou o Capela. Nao correram
as coisas cor a cordealidade da visit anterior e
foi necessario tomar precaug6es (Doc. n." 25).
Pelas nove horas da manha veio A fragata um
mensageiro do regulo a comunicar que o Capela
estava em march e esperava que o tenente-coronel
o aguardasse no lugar onde se fazia a Agua, porque
a bordo nao podia vir.
O Capela, regulo da banda do sul, que vendera







a Bolts o terreno em que estivera o fortim de
S. Jose, mostrou logo nao ter a habilidade do
Matola. A sua arrogancia era mau sinal e o
tenente-coronel foi obrigado a responder que
viesse se entendesse, contanto que os indigenas
vendessem A fragata o que fosse precise, e ele
desse ordem para se fazer aguada.
O pacifismo da resposta ou mudanca de ideas
fizeram-no esquecer mais o agravo feito aos
austriacos que foi naturalmente esta a razao do
seu melindre e determinou-se a vir ao acampa-
mento, ja que nao ia A fragata. Era costume os
regulos visitarem sempre os navios chegados, para
receberem os saguates dos capitaes.
Estava o tenente-coronel em terra quando Ihe
foram dizer que o Capela se aproximava a visi-
ta-lo, para Ihe falar, e vinha acompanhado de tres
mil cafres, para mais; a diz
seis mil (Doc. n.9 40). Embora o lugar nio fosse
pr6prio, o tenente-coronel disp6s-se a recebe-lo,
mas teve o cuidado de desembarcar mais tropa,
e as indispensiveis <. Formou
a forca e esperou.
Chegado o Capela, foi recebido pelos oficiais,
que se adiantaram, e introduzido numa barraca,
onde teve lugar a entrevista. Depois dos cumpri-
mentos, disse o tenente-coronel de sua justiCa,
mostrando a pouca razao que o rei tinha para
deixar outros fazerem ali estabelecimentos, quando
tal s6 podia ser consentido aos portugueses. Por
isso Sua Majestade a Rainha mandava-lhe saber
expressamente






aqueles estabelecimentos, que Ihe levaria muito a
mal todas as vezes que ele consentisse naquelas
terras alguma outra bandeira que n0o fosse a de
Portugal.
O Capela fez suas as palavras do Matola:
tambem nao queria outros amigos, e se tivessemos
continuado a levar saguates grandes, para ele, e
roupas para a sua gente, n2o teriam recebido
outros, nem deixariam levar o seu marfim senio
aos portugueses, seus irmAos. 0 tenente-coronel
responded da mesma forma, assegurando que de
future nao faltariam navios de fazendas. Mas
exigia respeito absolute a bandeira de Portugal,
que nao podia ser agravada, sob pena de voltar
na fragata para os castigar.
Notemos que o tenente-coronel foi mais brando
nas advertEncias ao Matola, porque viera mais
ligeiro e cor outro Animo, ou porque os austriacos
estiveram instalados nas terras do Capela que se
mostrara agastado em vir A fragata e se fez
acompanhar do exercito. Quiz Godinho de Mira
por certo frisar bem ao Capela que nao devia
reincidir sob pena de Ihe suceder o mesmo que
ao forte de S. Jose.
Protestou o regulo amizade e respeito a ban-
deira de Portugal, deu-se-lhe muito de comer e
mais de beber, o costumado saguate, nove tiros
de salva ao sair da barraca, e a cerim6nia findou
corn desfile da forga portuguesa.
Deve ter sido imponente a primeira parada
military portuguesa nas praias da Catembe, em
1781, com tropas de uniforms garridos ao som








dos tambores, perante o regulo advertido, a comi-
tiva, o corpo de oficiais da expediqco, o espanto,
o alarido e o gaudio de tres mil negros armados,
em gritaria divertida, apreciando a seu modo, com
seus. gestos, suas expresses e seu pasmo o
espectaculo inedito, e esplendido para gente
guerreira, que aprecia a forqa, adora as armas
e vive para a guerra. Demonstracao de forca bem
expressive e de bom significado; bela jornada,
melhor que se o regulo fora a fragata. E inegavel
que o tenente-coronel soube cumprir a missao,
rematando os discursos e as ofertas cor o poder
persuasive que tem sempre a forca armada num
desfile. Mostrou ao Capela o perigo de consentir
nas suas terras outros europeus que ndo apenas
os portugueses, cujo poder tinha ocasigo de ver
a primeira vez. Excelente improvise politico por
ter sido nas terras do Capela que a fortificaco
austriaca se ergueu durante quatro anos, ate ser
arrasada, numa tarde apenas, num abrir de olhos
por aquela mesma tropa que viera de long na
fragata ao largo. E a fragata podia voltar nova-
mente.
Tinham os austriacos na Inhaca uma feitoria
em comeco. Daniel Pollet comprara para isso
metade da ilha, e toda a dos Elefantes, para de
future ir por diante um grandiose project de
Guilherme Bolts. Por enquanto havia apenas .uma
barraca, que era armazem de madeiras para cons-
trug6es futuras ou para fabric de barquinhas.
Logo em 6 de Abril Godinho de Mira mandou
ali, para a destruir, a pequena forqa de um cabo







e doze soldados com o tenente Joao Baptista
Dias, encarregado de dizer ao regulo da Inhaca
que nao eram permitidos tais estabelecimentos
estrangeiros. Chegado a Inhaca, apareceram logo
numerosos negros, e um filho do regulo a quem
o tenente contou ao que ia. Disse o filho que era
precise esperar pelo pai, e apareceu o regulo cor
mais seiscentos pretos, todos cor ar arrogante,
de certo sabedores do que se havia ja passado,
e determinados a nao consentir tal destruig~o. Nao
-tendo forca bastante para impor o cumprimento
da ordem recebida, o tenente Joao Baptista Dias
houve por bem n2o sujeitar o exito da expediiao
a um desire e recolheu i fragata (Doc. n.9 26).
Ficou a questao da Inhaca para. moment
oportuno, que tardou uns dias. Teve ainda o
tenente-coronel que resolver outros casos, mormente
o problema da corveta inglesa, e mandar destruir
em 13 de Abril as pequenas embarca6es que os
austriacos tinham em estaleiro junta a bacteria, e
que fez em lenha para a fragata, uma por nao se
poder acabar e outra por estar velha.
Em 21 de Abril recolheu a tropa toda a bordo.
A 23 o ingles Tomas Angra, da corveta de Bom-
baim, assinou a declaracgo em que se comprometeu
a nao voltar a Lourengo Marques sem passaporte
das nossas autoridades de Goa e Mocambique,
reconhecendo tenho ouvido dizer)> de toda a costa desde o
Cabo Delgado ate a baia pertencer a Portugal.
Ter a data de 24 de Abril o auto em que
Stephen Pitt se obriga a guardar o cambio das








fazendas austriacas que andavam nos rios e s6
em 25 seguiu a expediSco para a Inhaca (1).
.Destruida a feitoria de S. Jose principal fim
da expedicoo seria funesto qualquer desastre
que teria logo repercuss6es vastas pelo sertio.
Godinho de Mira foi por isso cauteloso e pelas
duas horas da manha do dia 27 de Abril de 1781
comegou a desembarcar tropas na Inhaca, sem ser
a principio pressentido. Mas por ficar long a
fragata, visto haver pouco fundo, e faltarem
barquinhas para o transp6rte, a operagco foi
demorada e sairam em terra apenas a Companhia
da Legido dos Voluntarios Reais, o tenente Tovar
cor doze soldados da Companhia de Infantaria
e o tenente Jogo Baptista Dias cor 24 artilheiros
e duas pecinhas. O rest nao chegou a desem-
barcar por se ter avistado um navio a demandar
a barra.
Entretanto encheu-se a praia de pretos, e
alguns, que sabiam bem o portugues, perguntaram
se queriam falar cor o rei, que era precise man-
da-lo chamar; < cada instant se via crescer o niumero de negros
e quase todos bem equipados das suas armas>>.
Outros traziam galinhas e mais generos. Ate que
chegou o rei, bem acompanhado, cor ar de mal
satisfeito.


(1) 0 Relat6rio de Godinho de Mira e a
indicam o dia 25. 0 auto publicado por Paiva Manso a prg. 112
da sua Mem6ria de 1870 diz 23. f. evidentemente o dia 25.







Houve cumprimentos e logo o rei indagou se
Ihe iam fazer mal, como Ihe parecia, por ser tanta
gente. 0 tenente-coronel assegurou que nao ia a
fazer-lhe mal por serem amigos; deu-se-lhe de
beber e algum comer, e depois de muitas perguntas
e respostas pediu o r&gulo que ficassem apenas
dez ou doze soldados e o. resto se fosse embora.
Replicou o tenente-coronel que toda aquela
gente ainda era pouca para a que habitualmente
o acompanhava; e o. rei ficou content, mas nao
deixava de aparentar querer opor-se ao caminho
para o armaz6m, oferecendo-se para mandar
construir imediatamente uma palhota grande na
aldeia mais pr6xima. NZo quis o tenente-coronel
que ele tivesse tanto trabalho, que se iria acomodar
no lugar mais pr6prio, que era o armaz6m.
Olharam-se os pretos e falaram entire si, mas viram
a tropa bem prevenida.
Logo que os soldados comeram o rancho mar-
chou a forqa em coluna cerrada para o armazem,
cor grande contrariedade do rei e todos que
quererem embaracar, mas nao se resolveram.>>
Marchou a tropa em armas sempre rodeada de
cafres, entrou no armazem onde se manteve de
prevenqio, e veio o rei falar ao tenente-coronel
cor mais dila6es enfadonhas, e beber, ate que se
retirou prometendo vir no dia seguinte.
Mal o rei saiu foi queimado o barracAo na
presenqa de muitos cafres, e na madrugada
seguinte se acabou de arrasar tudo, recolhendo







depois a forca sossegadamente a fragata onde os
pretos prometeram ir de visit, nao aparecendo.
O regulo da Inhaca foi o finico cor quem o
tenente-coronel nio teve entrevista amigAvel, muito
embora seja crivel que o tivesse posto ao corrente
dos objectives da expedigio e dos motives para
destruir o armazem, durante as conversas que
houve.


5 O REGRESSO DA EXPEDICAO

A expedicio de Godinho de Mira, que foi A
baia em 1781, abre uma era nova na hist6ria de
Lourenco Marques porque p6e fim ao seu passado
obscure e incerto. A formosa baia vai deixar de ser
portion aberto a toda a gente.
Para terminar nio podia ter melhor sucesso
que o aprisionamento de Andre Daniel Pollet e
outro que o vinha substituir no moment em que
aquele regressava de Bombaim para fazer entrega
da administragio da feitoria de Guilherme Bolts.
O navio que vinha entrando na baia quando
a expedigio portuguesa operava na Inhaca era
a pala Conde de Prolli, da companhia austriaca,
comandada pelo ingles Tomas Burton, que varias
vezes viera a Lourenco Marques.
Mal a viram os nossos, ordenou o tenente-
-coronel a sua deteniAo para ser identificada, e
no caso de ser imperial fazer-se presa dela. Da
nossa fragata fizeram tiros de aviso, e a pala veio







fundear ao p6 do navio portugues. Em caso algum
deveria internar-se na baia, por ser perigoso
consenti-lo. Quando os nossos acabaram a missao
da Inhaca encontraram ja a bordo da fragata
Sant'Ana Daniel Pollet, o seu successor, e o capitio
e pilots da pala. Apenas regressaram os pilots.
Os mais ficaram detidos e a Conde de Prolli
recebeu guarniaio de presa comandada pelo
tenente de mar Garcez Palha que foi encarregado
de arrecadar tudo e mandar pregar as escotilhas.
Foi necessario refazer a aguada na pr6pria
Inhaca, onde os soldados abriram os pocos de
que se abasteceram a fragata e as duas palas, .tao
rapidamente que em 3 de Maio a expediiAo com
as press e a corveta inglesa deixou Lourenqo
Marques a caminho de Mogambique, ficando
apenas na baia a corveta de Damdo.
Godinho de Mira chegou a Moqambiquse em
15 de Maio. Esperou pela moncAo, partiu a 19
de Agosto e entrou em Goa a 20 de Setembro,
dia em que entregou o Relat6rio, Diario e mais
documents, e as palas apresadas e papeis da
feitoria que o Governador remeteu ao Desembar-
gador Juiz dos Feitos da Coroa e Fazenda para
inventario judicial. A corveta inglesa, necessitada
de recursos, ficou em Mozambique ao cuidado do
Governador.
Alkm de uma referencia vaga no <
de Godinho de Mira nada mais se sabe do que
sofreu a expedigio, mas e licito concluir que as
tropas foram bastante afligidas por doenqas,
porque no dia da chegada a Moqambique expediu







o governador interino uma portaria mandando o
Almoxarife das Munic6es de Boca e Guerra
aprontar no Real Hospital de S. Joao de Deus,
sem perda de tempo, as camas e tudo o mais
necessArio e cemr quitandas para doentes (Doc.
n.9 28).
A intervencao da Justica no rescaldo da expe-
dicao a Lourenqo Marques principiou logo em
Mozambique e prosseguiu depois em Goa. Tomas
Burton, comandante da pala Conde de Prolli, e
Andre Daniel Pollet, fizeram vArios requerimentos
a bem do seu direito. Burton em autos de 19, 26,
28 e 30 de Junho obteve sentence de justificaqgo,
extraordinAriamente longa, com provas testemu-
nhais de permeio, para justificar ter lanqado ao
mar uma carta da firma Fell Iveson, de Bombaim,
armadora da corveta inglesa levada para Mocam-
biquz, em que Ihe era ordenado que fizesse tudo
a bem da armaqao da dita corveta, ordem que
inutilizou ao avistar a fragata Sant'Ana julgando
que era francesa (1). De posse da sentenga,
requereu Burton ao governador licenca para
tomar conta da corveta e carga, e repard-la, e
obteve despacho mediante informaqgo favoravel
do tenente-coronel Mira (Docs. n.9" 33 e 34).
Daniel Pollet fez por seu turno um requeri-
mento-protesto em que apresenta uma curiosa
verso da maneira como foi preso em Lourenco
Marques. Diz que ao entrar na baia, a fragata
portuguesa Ihe pareceu navio frances
(1) A. H. C. C6d. 1345, pag. 42R.







represado os ingleses no rio chamado Mafumo.
Obedeceu ao aviso de tres tiros para dar fundo,
e mandando saber que nau era, foi entretanto A
pala um escaler com tres oficiais a dizer-lhes que
a nau era portuguesa e vinha de Goa a baia de
Santo Agostinho a socorrer gente de um navio
naufragado na ilha de S. Lourengo, e que um
temporal a obrigara a arribar a Lourenco Marques,
onde encontraram uma pala imperial desamparada
de capitao, oficiais e parte da lotaqgo. Consertada,
dispunham-se a leva-la a Goa para a entregar ao
agent de Guilherme Bolts, mas como ele tinha
chegado a baia, queria o comandante da fragata
portuguesa restituir-lha, e pedia que fosse a bordo
receber os papeis. Foi assim que foi preso, pelo
que protestava em direitos por perdas e danos
(Doc. n.9 35).
Se Andre Daniel Pollet foi preso nas condig6es
que diz nao deixa de ser astucioso o process
empregado pelos oficiais da fragata portuguesa.
Em 17 de Agosto deu-se em Mogambique um
incident desagraddvel entire o governador e o
capitao da fragata. Na v6spera tinham desertado
da fortaleza 23 soldados, 3 tambores, 2 oficiais
inferiores e um tenente, e o governador, escrevendo
para bordo, afirmava: < na fragata que V. Ex. comanda se acham various
soldados do meu regimento, havendo ate que
viram dois no cesto da gavea (Doc. n.' 36).
Pedia previdencias por causa da debilidade das
forgas da Praga e prometia queixar-se ao gover-
nador de Goa e ao Ministro de Estado. Estava








de facto um desertor metido na enfermaria da
fragata com os doentes, mas vistas as despensas
e as escotilhas, nao foi achado mais algum. Se
ainda houvesse tempo, o capitio da fragata man-
daria vasculhar a lenha e a agua, disse no protest
(Doc. n.9 37). Estavam no porto nove embarcaq6es
a partir, uma para a Europa e as outras para a
India. Mais alguns desertores foram final encon-
trados noutros navios (1).
Em 18 de Agosto o novo Governador de
Mogambique, tenente-coronel Maia e Vasconcelos,
deu conta ao Ministro do bom exito da expedicgo,
explicando os motives por que esta nio foi socor-
rida cor homes e navios, como se mandara.
Em Goa foram mais tarde feitas devassas
porque se apuraram faltas nas cargas das palas
apresadas. Refere-se ao caso a nima>> que diz: < press o Mestre e o Contramestre proferidos na
devassa e muitos com cartas de seguro>. Foram
processados vArios oficiais e provou-se que os
furtos tiveram lugar em Mocambique, onde as.
cargas vinham de noite para terra em barquinhas.
Feito o inventario, ficou parte da carga apresada
entregue em dep6sito judicial e alguma foi vendida
para se nao perder, revertendo o produto para
o mesmo dep6sito, atW o Ministro resolver, como
exp6s o Governador da India.

(1) Esta registado no C6d. 1345, pag. 87R um bando do Gover-
nador cominando a dbnfncia de desertores sob pena de degredo
para Sofala, etc., para os nobres, e agoites no pelourinho para os
negros, mulatos ou mouros.







Remetido para Goa, Andre Daniel Pollet
apresentou ali novo requerimento de protest que
o capit5o-general indeferiu em 24 de Outubro de
1781, em despacho onde afirma que de sua pr6pria
autoridade, em raz5o do lugar que ocupava,
mandou expulsar os austriacos (Doc. n.9 42).
Vimos que Melo e Castro ordenara ao general
da India que sempre actuasse como se de facto
nao tivesse quaisquer instrub6es da Corte para
assim nao comprometer o Governo da Metr6pole
no caso da questao se agravar na ordem inter-
nacional.
Finalmente o General da India relatou ao
Ministro em 14 de Marco de 1782 todas as
ocorrencias da expedigoo (Docs. n.9" 76 e 77),
que fez acompanhar do Processo de inventArio e
sequestro dos Papeis da Feitoria Austriaca de
Lourenco Marques remetidos por duas vias com
uma carta do Desembargador de Goa (Doc. n.' 78),
que 6 um sumdrio interessante de todo o conteido
dos numerosos pap6is traduzidos.
Paiva Manso, por motives 6bvios truncou a
carta de 14 de Marco de 1782, na parte em que
D. Frederico de Sousa trata largamente a questao
dos ingleses. Este excerpto 6 notAvel por nos
mostrar a oportunidade political com que a Metr6-
pole ordenou a reocupagio da Baia. A intervenqao
do Governo de Bombaim e indicio important
para se concluir que alguns anos mais tarde seria
muito mais dificil ou ate impossivel fazer voltar
a posse do seu descobridor as cobiqadas terras
da Baia Formosa e rica.








Para terminar este capitulo resta mencionar
que o Tenente-Coronel Godinho de Mira elogiou
calorosamente no Relat6rio os seus oficiais pelos
services que prestaram na expedic5o: os capitaes-
-tenentes Francisco Xavier Lobo da Gama e
Candido Jose Mourao Garcez Palha se empenharam em destruir as objecc6es que em
Mogambique se punham a continuaq5o da viagem
para a Baia de Lourenco Marques, oferecen-
do-se-me por vezes a levarem a fragata Aquele
porto cor as sondas na mio pela falta que havia
de prAtico, e de carta correct da mesma baia,
e que comandaram as palas aprisionadas; o capitao
de infantaria Luis Lopes Quaresma que foi tamb6m
grande entusiasta no meio de todas as dificuldades;
o tenente de infantaria Eusebio Xavier, o alferes
Fernando Zuzarte, que embarcou doente, o capitao
Joao Martins, tenente Francisco de Mesquita
Mascarenhas e alferes Luis de Araaijo; o capitao
de artilharia Cust6dio Cesar de Faria e os tenentes
da mesma arma Joao Baptista Dias e Jose Coelho
do Amaral.
muito e tamb6m os soldados de infantaria e
artilharia, que nem o muito trabalho, nem as
continues molkstias que padeceram os afrouxaram,
antes sempre se acharam prontos para o trabalho,
e para o servigo de Sua Majestade, e em parti-
cular os da legigo, apesar dos frios e dos inc6modos
a que nao eram acostumados, e sofreram em tio
longa viagem>.
















IV

A SOCIEDADE DOS NEGOCIANTES
DA BAIA DE LOURENCO MARQUES














1 A ESTRANHA PROPOSTA DO PRO-
VEDOR DA FAZENDA REAL E O
PROJECTO- DO PROCURADOR DA
COROA

Quando a expediglo regressou a Mogambique
era Governador interino do Estado o tenente-
-coronel Vicente Caetano da Maia e Vasconcelos,
comandante do Regimento da Praga. Tinha fale-
cido uma semana antes em 7 de Maio o
capitdo-general D. Frei Jose de Vasconcelos de
Almeida e por deliberacio do Camara e o Povo desta Capitalb foi o tenente-
-coronel Maia e Vasconcelos eleito governador
interino ate chegar qualquer resolucio da Rai-
nha (1).
Maia e Vasconcelos 6 das figures mais curiosas
do sctilo XVIII em Mocambique, e tem a sua
hist6ria ainda por fazer. Foi home que desen-
cadeou paix6es political, acusaram-no de tudo,
mas n5o se Ihe pode negar energia e certo acerto
em algumas medidas que promulgou. Acabou por

(1) Carta ao Capitao Mor e Feitor da Vila de Quelimane,
C6d. 1345, pag. 3R -A. H. C.








cair em desgraga. Embora nos diga que nenhuma
razao de interesse particular o levou a aceitar o
cargo (2), parece que nao pode duvidar-se da
sua desmedida ambigo.
A Ilha de Mocambique era entao fervedoiro
de intrigas e alfobre de poderosos, nao tanto
ainda como o foi pelos meados do seculo XIX;
mas era ja uma capital onde os governadores, com
uma ou outra nobilissima excepcio, nao podiam
furtar-se a coacc;o moral dos grandes da terra,
ao compadrio, ao favor pessoal, relegando por
vezes para segundo piano os verdadeiros interes-
ses do Estado.
Nao 6 por isso dificil crer que o tenente-coronel
Maia e Vasconcelos, elevado ao poder por favor
do Municipio e mais homes bons da governanga
que nele nao tinham entao lugar, se visse obrigado,
por interesse politico, a favorecer os designios dos
seus eleitores. E surgiu a primeira oportunidade
mal tomou conta do Governo.
A chegada da fragata Santana a Mocambique
em 15 de Maio de 1781 suscitou ali a natural
curiosidade de saber-se o que fizera a expediglo,
como tudo correra, como estavam dispostos os
indigenas, vantagens que a terra poderia dar, etc.
Os negociantes que ainda se nao sabe de quem
naquela 6poca nao fosse ali mercador, em nome
pr6prio ou de terceiro viram logo vantajoso
neg6cio no caso. E entire si, nos series, nas con-

(2) Carta ao Governador dos Rios de Sena, C6d. 1345, pig. 6R.
- A. H. C.








versas do Palacio, nas reunites da Camara, ou
como fosse, trataram logo de estudar a maneira
de levar por diante a nova empresa de obter o
favor do comercio de Lourenco Marques, local
agora varrido de qualquer concorrencia depois da
expuls~o dos austriacos.
Todavia nao desejavam eles arriscar muito,
arriscar demais, e dado o interesse que a Metr6-
pole pusera na recuperaqao das terras da Baia
de Lourengo Marques, bem se lembraram de
associar o Estado a empresa, correndo eviden-
temente a Fazenda Real os maiores riscos, e
auferindo eles o melhor proveito. Eis a razao da
estranha proposta do Provedor mor da Fazenda
Real ao Governador interino, proposta illegal que
foi por diante, como em semelhantes casos sempre
aconteceu em Moqambique, visto as condiq6es
especiais da Capitania tornarem geralmente bem
aceite um pretexto bem justificado (Doc. n.9 29).
Foi assim que no pr6prio dia 15 de Maio,
Ant6nio Caetano Pinto, que entao exercia o cargo,
e acumulava tambr m as func6es de Juiz Tesou-
reiro da Alfandega (1) representou ao Governador
interino, expondo, detalhadamente, que tendo
Sua Majestade mandado expulsar, com feliz
sucesso, as naq6es austriaca e outra, que tavam com conhecida desordem o comercio do
Cabo das Correntes>>, onde

(') Requerimento do Provedor Mor da Fazenda Real in C6d. 1345,
pag. 8R-A. H. C.








sempre navegaram as nossas bandeiras em res-
gate>, podiam as mesmas nag6es < bloqueio ao referido comercio> por nao estar a
baia guarnecida, porquanto acerca disso premeditaram projects muito interessantes>. Era
em sua opiniAo forgoso continuar aquele comercio,
que poucos anos antes os mercadores da Capital
mantinham florescente, apesar dos direitos alfanr
degArios serem pesados. Sendo necessario para
/isso uma forga military que animasse o comercio
dos mercadores, mantendo o prestigio do Estado
e das nossas armas, mas nao havendo embarcag6es
reals disponiveis, lembrava estar em leilio uma
corveta que fora do defunto Silvestre Alvares de
Moura, e considerava < para isso.
Atendendo o empenho de Sua Majestade, que
tivera com a expedicao consideravel dispendio,
S Ex." devia conceder que se arrematasse a dita
corveta pela Fazenda Real para t5o titil fim.
Nao existia navegag~o portuguesa disponivel
de moment; mas porque nao haviam os mer-
cadores de arrematar a corveta, em vez de ser
a Fazenda Real a faze-lo? Teria o defunto Moura
deixado tantas dividas que mais conviesse aos
credores a venda ao Estado? O que 6 certo & ter
o Governador interino mandado o Procurador
da Coroa responder comr seu parecer.
Desempenhava o cargo Tomas Pedro Rangel,
irmso de um empresario da future sociedade do
comercio de Lourengo Marques. O parecer 6 mais
um pass dado a favor dos mercadores, porque e
onde se apresentam as linhas gerais do sistema a







que ha-de obedecer a exploragio mercantil em pro-
jecto.
A resposta comeqa por enunciar o principio
estabelecido na celebre Carta a Calixto Rangel,
de 1761, que aboliu e proibiu toda e qualquer
especie de comercio por conta da Fazenda Real,
a fim de acabar corn o monop6lio dos governadores,
revertendo desta forma a actividade mercantil aos
negociantes. Quanto ao prestigio military a manter
em Lourenqo Marques diz que sendo a corveta
um barco mercante nao tem condic6es para navio
de guerra e nao hA marinhagem disciplinada, nem
se pode criar sem ordem regia.
E agora o project: no caso, porem, de os
negociantes nao terem navios suficientes para a
navegacqo dos portos, e caso tambem n2o queiram
comprar a corveta para o neg6cio da baia de Lou-
renqo Marques, deve entio a Fazenda Real com-
pra-la para esse fim e alugd-la aos mercadores sem
prejuizo.
Alvitra a seguir que os carregadores sejam
auxiliados, mandando-se para isso um ,destaca-
mento military bem provide, mas estabelece a con-
diqSo de se querer de facto frequentar aquele
comercio e navegagio coisa a declarar pelos
mercadores na Proposta visto Lourenco Mar-,
ques ser porto ainda pouco < civilizado> (Doc. n.9 30).
Nao me parece que o Procurador sugira clara-
mente o estabelecimento de um presidio de caracter
permanent, como preconizara o Governador da
India, mas apenas que o comercio de Lourenco







Marques se realizasse, a maneira antiga, sob a pro-
teccgo de uma forca armada que regressaria sempre
na torna viagem.
A parte final do parecer refere-se ja a uma
Proposta que final s6 foi apresentada muito de-
pois, mas andava ja no espirito dos negociantes,
e era do conhecimento de todos, tanto que & men-
cionada com ar de coisa definida.
Dias depois, em 22 de Maio, determinou o
Governador que se comprasse o navio por conta
da Fazenda Real, em Portaria que fez expedir ao
Ouvidor Geral, dizendo que andava em preg9o ha
mais tempo que o da lei sem haver cobertura do
lanqo em que estava (Doc. n.9 31). Em 18 de Junho
foram mandados pagar os 16 mil cruzados da
compra, por ordem passada ao Procurador Mor
da Fazenda Real, para os mandar satisfazer ao
Tesoureiro do Cofre dos Defuntos e Ausentes
(Doc. n.9 32). Para pagamento de tal quantia sai-
ram do cofre da Fazenda 50 marcos de ouro (1).
Silvestre Alvares de Moura tinha morrido em
Quelimane em 8 de Fevereiro de 1781, ab intestato,
e o navio foi mandado para Mozambique pelo
Governador de Quelimane, D. Diogo Ant6nio de
Barros Sotto Mayor, a pedido do Juiz Ordinario
como Provedor dos Defuntos.
A corveta, que se chamava dade S. Jodo Climaco e Almas>, chegara arribada
a Quelimane em 9 de Outubro de 1780. Era con-


(') A. H. C. Papis Avulsos de Mogambique Ano de 1780.







siderada um belo barco, o melhor que entdo havia
em Mozambique, e D. Frei Jose de Vasconcelos de
Almeida aconselhou um amigo a compra-lo. Che-
gara a Quelimane com o armador, 5 europeus, 11
naturais de Goa, 6 mouros e 1 piloto e o capelio
Frei Ricardo de S. Jose, da Ordem dos Prega-
dores (2).

2 PROJECT DE FUNDACAO DE UM
PRESIDIO MILITARY PARA PROTEC-
CAO DO MONOPOLIO DO COMER-
CIO DA BAIA

S6 em 18 de Agosto voltamos a ter noticias do
assunto referente a baia de Lourenco Marques em
carta dessa data, remetida pelo Governador Inte-
rino ao Secretario de Estado D. Martinho de Melo
e Castro (Doc. n. 38).
Nessa carta, depois de narrar com brevidade
os sucessos da expedigio, diz o Governador de
Mogambique da India ao seu antecessor, e inteirado do gosto que
Sua Majestade fazia na conservacgo do comercio
do importantissimo porto de Lourenco Marques,
se resolvera a comprar uma fragata nova, de boas
madeiras, carregando 300 toneladas, pelo c6modo
prego de 16 mil cruzados. Gastar-se-iam cor ela
ainda mais de 8.000 cruzados por nao ter massame,
mas era pr6pria para aquele porto>.

(') Idem de 1781-82.







No caso de a compra nio ser aprovada, nao
se importava o Governador de ficar com a corveta
e indemnizar a Fazenda Real, mas o seu project
era aproveitar-se da ocasido e manda-la corn carga
de mercadores, 60 soldados e oficiais, feitbr,
comandante, e tudo o mais necess6rio, a fundar um
presidio cos 1I tinham cor trincheira e casa forte>-, e tres
ou quatro habitantes, e continuar o comercio corn
a viagem semestral de uma embarcacqo da Praga
de Mogambique. Pretendia assim reatar a tradicio
mercantil portuguesa na baia de Lourenco Mar-
ques, perdida havia nove anos, razio.por que ja
all os indigenas nos nio tinham o afecto de outros
tempos. O Governador documentava a assercio
cor o que acontecera em 1780 ao navio do Dr. Vi-
torino Jos6 Garcia, a quem os cafres roubaram e
mataram gente por maquinaoqes de Andr6 Daniel
Pollet, feitor austriaco, e afirmava ao Ministro ser
o neg6cio muito vantajoso para Sua Majestade.
O project do Governador interino 6 nas suas
linhas gerais o aconselhado pelo Governador da
India, que fora o primeiro a afirmar nao valer a
pena restaurar a soberania portuguesa em Lou-
renco Marques sem ali se estabelecer uma sobera-
nia efectiva mantida pela ocupacgo military perma-
nente.
A Carta de 18 de Agosto de 1781 6 portanto
o document que marca a decision do future de
Lourengo Marques, e o facto deve-se, creio, a
um conjunto de circunstancias favorAveis, a que
nio sio nada alheios interesses dos negociantes da







Vila Capital de Mogambique; pelo contrario, sao
ate o motivo determinante da fundacao da cidade.
O Governador interino resolve-se a fundar Lou-
renqo Marques, exclusivamente por causa deles.
Resolvido a dar o monop6lio do comercio da
baia de Lourenco Marques aos principals negocian-
tes da Ilha de Mozambique, Maia e Vasconcelos
escreve em 29 de Agosto ao Governador da India
por causa dos incitamentos e facilidades concedidas
por este aos negociantes de Diu e Damdo (Doc.
n.9 39).
O Governador da India, por ordem passada ao
Governador e Castelao de Diu, convidara os mer-
cadores banianes a negociar em Lourenco Mar-
ques, onde dizia erradamente gozavam de
isenqco de direitos. Vasconcelos diz-lhe que por
espaco de quatro anos nao devem os mercadores
da India frequentar aquele porto para nao prejudi-
carem a Sociedade por ele formada, e dd-lhe a cer-
teza de nunca deixar de haver quem de Moqambi-
que faCa o comercio da baia.
A importancia deste document 6 provar a
organizaaio e oficializacio do monop6lio mercantil
de Lourenco Marques antes de os negociantes
haverem dado um pass decisive nesse sentido.
Ainda nao ha qualquer requerimento sobre o
assunto, ainda os negociantes se nao manifestaram,
mas ja para eles a Fazenda Real comprou uma
corveta e o Governador interino p6s termo a con-
correncia do comercio indiano. Outro pormenor
curioso e saber-se que o monop6lio lhes ia ser dado
por quatro anos. Afinal foi-lhes deferido por seis.







A organizacgo do monop6lio do comercio da
Baia de Lourengo Marques nasceu numa reuniao
do Governador interino com os principals nego-
ciantes da Capital. Ficou assente que o melhor
process de restaurar o trato mercantil abando-
nado era a formagdo de uma Sociedade de homes
de neg6cio que a isso se obrigasse por espaqo de
quatro anos (Doc. n.9 43).
Para que se nao pudesse dizer que o monop6lio
era mais uma prepotencia do Governador, para
favorecer alguns, o tenente-coronel Maia e Vascon-
celos mandou em 8 de Novembro afixar um edital
na porta da Alfandega, e corre-lo a som de caixa
pela cidade, como qualquer bando (1), convidando
os que quisessem entrar na Sociedade a declarar o
nome na Alfandega no prazo de oito dias, para o
Escrivio Maior daquela repartiqgo, que ao tempo
era o grande negociante e proprietario Joao da
Silva Guedes, informar o Dr. Vitorino Jose Gar-
cia, que na referida reuniao foi eleito administrator
da Sociedade.
Parece nio poder duvidar-se de tudo ter sido
previamente estudado antes de se iniciarem as ne-
gocia6es oficiais 'tendentes ao estabelecimento da
Sociedade. Mais ainda, tudo leva a crer que o
Governador garantiu logo o monop6lio, antes de
ouvir os pareceres necessArios a isso.

(') 0 Bando (Edital ou Aviso) era lido ao povo nas ruas e pia-
qas da Ilha de 'Mogambique pelo pregoeiro ou meirinho do Senado da
Camara, acompanhado de um pifano e dois tambores que o Senado
requisitava ao Regimento da Praqa.







Para que as coisas corressem desta forma con-
corria especialmente o interesse do Ministro no
restabelecimento do comercio de Lourenco Mar-
ques; e juntava-se o valor da oportunidade inica,
porque fora varrida a concorrencia e o Estado es-
tava disposto a conceder facilidades extraordina-
rias, nio s6 quan'to aos direitos alfandegarios, mas
principalmente quanto a transportes, por se desti-
nar a tal servigo uma embarcagco adquirida propo-
sitadamente pela Fazenda Real.
Os mercadores souberam aproveitar o moment
propondo condig6es que nio podiam. ser normal-
mente aceites. 0 Estado ia tomar sobre si encargos
pesados apenas para salvaguardar a soberania
national na baia de Lourengo Marques. E facil
avaliar ate que ponto os negociantes souberam
aproveitar-se das circunstancias, e ate onde, por
isso mesmo, levou o Governador as suas concessoes.

3 OS ESTATUTOS DA SOCIEDADE
DOS NEGOCIANTES

Em 14 de Novembro de 1781 foi entregue ao
Governador uma representagio em que doze mer-
cadores, seis europeus e seis banianes, pediam a
concessao do monop6lio do comercio da baia de
Lourengo Marques, por espago de seis anos, para
o que tinham constituido entire si uma Sociedade
de Negociantes cor o capital de 60 mil cruzados.
Da representagco fazem parte os estatutos, de
muito interesse (Doc. n.9 44).







Vejamos a representaqlo:
Diziam os negociantes que a baia de Lourenco
Marques fora anteriormente de muita utilidade a
Capital, porque exportando-se para 1 os generos
corn vantagem, os negociantes armavam os seus
navios, e iam ali comerciar. O neg6cio dava lucro.
Mas em 1765 o capitao-general Baltazar Manuel
Pereira do Logo elevou os direitos alfandegarios
a 41 %, e desde 1765, ano dos novos direitos, ate
1780, o neg6cio s6 deu prejuizo, apesar de logo em
1767 o mesmo capitao-general ter reduzido os di-
reitos a 20 Y %.
Ja sabemos como se fazia o comercio: todos os
direitos alfandegarios eram pagos na Ilha de Mo-
cambique, onde iam todos os navios. A concorrEn-
cia de nac6es estrangeiras prossegue a represen-
tag~o agravou mais a situaqAo dos negociantes,
porque nio pagando os estrangeiros quaisquer
direitos, visto nio irem a Mozambique, introduziam
na baia as fazendas e outros generos a baixo custo,
e chegaram a dar 80 panos por cada arroba de
marfim, de forma que os mercadores nao podiam
competir por na Capital valer o marfim apenas 56
cruzados a arroba.
Depois de nos dizer que os austriacos nego-
ciavam em Lourenco Marques como em terra sua,
e os ingleses andavam por la ha perto de trinta
anos, a representaqho conclui que a expedicgo a
Lourenco Marques teve por fim restituir tal comer-
cio aos negociantes da praca de Mogambique, e
aumentar as rendas reais, factos que se nio verifi-
caram durante os ditos quinze anos de 1765 a 1780.




University of Florida Home Page
© 2004 - 2010 University of Florida George A. Smathers Libraries.
All rights reserved.

Acceptable Use, Copyright, and Disclaimer Statement
Last updated October 10, 2010 - - mvs