• TABLE OF CONTENTS
HIDE
 Front Cover
 Half Title
 Table of Contents
 Title Page
 Errata
 Ns. 1-50
 Ns. 51-100
 Ns. 101-150
 Ns. 151-200
 Ns. 201-250
 Ns. 251-300
 Ns. 301-351






Group Title: Negocios externos : Documentos apresentados as Cortes na sessao legislativa de 1891 ... Negocios Africa. Negociaces do tratado com a Inglaterra. no. 4.
Title: Negocios externos
CITATION PAGE IMAGE ZOOMABLE PAGE TEXT
Full Citation
STANDARD VIEW MARC VIEW
Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/UF00072655/00001
 Material Information
Title: Negocios externos Documentos apresentados âas Cortes na sessäao legislativa de 1891 ... Negocios d§Africa. Negociaðcäoes do tratado com a Inglaterra. no. 4
Physical Description: 2 p. 1., xxiii p., 1 1., 5-262 p. : ; fol.
Language: Portuguese
Creator: Portugal -- Ministâerio dos Negâocios Estrangeiros
Publisher: Imprensa nacional
Place of Publication: Lisboa
Publication Date: 1891
 Subjects
Subject: Colonies (British), Africa
Colonies (Portugues), Africa
Boundaries -- Rhodesia -- Mozambique   ( lcsh )
Boundaries -- Mozambique -- Rhodesia   ( lcsh )
Foreign relations -- Portugal -- Great Britain   ( lcsh )
Foreign relations -- Great Britain -- Portugal   ( lcsh )
Genre: non-fiction   ( marcgt )
 Record Information
Bibliographic ID: UF00072655
Volume ID: VID00001
Source Institution: University of Florida
Holding Location: African Studies Collections in the Department of Special Collections and Area Studies, George A. Smathers Libraries, University of Florida
Rights Management: All rights reserved by the source institution and holding location.
Resource Identifier: oclc - 44793246

Table of Contents
    Front Cover
        Front Cover
    Half Title
        Half Title
    Table of Contents
        Page i
        Page ii
        Page iii
        Page iv
        Page v
        Page vi
        Page vii
        Page viii
        Page ix
        Page x
        Page xi
        Page xii
        Page xiii
        Page xiv
        Page xv
        Page xvi
        Page xvii
        Page xviii
        Page xix
        Page xx
        Page xxi
        Page xxii
        Page xxiii
        Page 1
    Title Page
        Page 2
    Errata
        Page 3
        Page 4
    Ns. 1-50
        Page 5
        Page 6
        Page 7
        Page 8
        Page 9
        Page 10
        Page 11
        Page 12
        Page 13
        Page 14
        Page 15
        Page 16
        Page 17
        Page 18
        Page 19
        Page 20
        Page 21
        Page 22
        Page 23
        Page 24
        Page 25
    Ns. 51-100
        Page 26
        Page 27
        Page 28
        Page 29
        Page 30
        Page 31
        Page 32
        Page 33
        Page 34
        Page 35
        Page 36
        Page 37
        Page 38
        Page 39
        Page 40
        Page 41
        Page 42
        Page 43
        Page 44
        Page 45
        Page 46
        Page 47
        Page 48
        Page 49
        Page 50
        Page 51
        Page 52
        Page 53
        Page 54
        Page 55
        Page 56
        Page 57
        Page 58
        Page 59
        Page 60
        Page 61
        Page 62
        Page 63
    Ns. 101-150
        Page 64
        Page 65
        Page 66
        Page 67
        Page 68
        Page 69
        Page 70
        Page 71
        Page 72
        Page 73
        Page 74
        Page 75
        Page 76
        Page 77
        Page 78
        Page 79
        Page 80
        Page 81
        Page 82
        Page 83
        Page 84
        Page 85
        Page 86
        Page 87
        Page 88
        Page 89
        Page 90
        Page 91
        Page 92
        Page 93
        Page 94
        Page 95
        Page 96
        Page 97
        Page 98
        Page 99
        Page 100
        Page 101
        Page 102
        Page 103
        Page 104
        Page 105
        Page 106
        Page 107
        Page 108
        Page 109
    Ns. 151-200
        Page 110
        Page 111
        Page 112
        Page 113
        Page 114
        Page 115
        Page 116
        Page 117
        Page 118
        Page 119
        Page 120
        Page 121
        Page 122
        Page 123
        Page 124
        Page 125
        Page 126
        Page 127
        Page 128
        Page 129
        Page 130
        Page 131
        Page 132
        Page 133
        Page 134
        Page 135
        Page 136
        Page 137
        Page 138
        Page 139
        Page 140
        Page 141
        Page 142
        Page 143
        Page 144
        Page 145
        Page 146
        Page 147
        Page 148
        Page 149
        Page 150
    Ns. 201-250
        Page 151
        Page 152
        Page 153
        Page 154
        Page 155
        Page 156
        Page 157
        Page 158
        Page 159
        Page 160
        Page 161
        Page 162
        Page 163
        Page 164
        Page 165
        Page 166
        Page 167
        Page 168
        Page 169
        Page 170
        Page 171
        Page 172
        Page 173
        Page 174
        Page 175
        Page 176
        Page 177
        Page 178
        Page 179
        Page 180
        Page 181
        Page 182
        Page 183
        Page 184
        Page 185
        Page 186
        Page 187
        Page 188
        Page 189
        Page 190
    Ns. 251-300
        Page 191
        Page 192
        Page 193
        Page 194
        Page 195
        Page 196
        Page 197
        Page 198
        Page 199
        Page 200
        Page 201
        Page 202
        Page 203
        Page 204
        Page 205
        Page 206
        Page 207
        Page 208
        Page 209
        Page 210
        Page 211
        Page 212
        Page 213
        Page 214
        Page 215
        Page 216
    Ns. 301-351
        Page 217
        Page 218
        Page 219
        Page 220
        Page 221
        Page 222
        Page 223
        Page 224
        Page 225
        Page 226
        Page 227
        Page 228
        Page 229
        Page 230
        Page 231
        Page 232
        Page 233
        Page 234
        Page 235
        Page 236
        Page 237
        Page 238
        Page 239
        Page 240
        Page 241
        Page 242
        Page 243
        Page 244
        Page 245
        Page 246
        Page 247
        Page 248
        Page 249
        Page 250
        Page 251
        Page 252
        Page 253
        Page 254
        Page 255
        Page 256
        Page 257
        Page 258
        Page 259
        Page 260
        Page 261
        Page 262
Full Text



NEGOCIOS EXTERNOS,


DOCUMENTS APRESENTADOS As CORTEi

NA

SESSAO LEGISLATIVE DE 1891
PELO


MINISTRY E SECRETARIO D'ESTADO DOS NEGOCIOS ESTRANGEIROS

NEGOCIOS 1)'AFIICA

NEGCIAES TRATADO COM A INGLATERR
NEGOCIACOES DO TRATADO COM A INGLATERRA


; .


*. )


y'V \I'
d* 'S


~rtr8


'>
~";3:
..




l?


NEGOCIOS EXTERNOS


DOCUMENTS APRESENTADOS AS CORTES


,L~~~"


















INDICE


Nomes


Sir George Glynn Petre ao ministry
dos negocios estrangeiros.

O sr. Joaquim Jos6 Machado ao mi-
nistro da marinha e ultramar.

O sr. Antonio Ennes ao sr. Joaquim
Jos9 Machado.


0 sr. Joaquim Jos6 Machado no sr.
Antonio Ennes.

O sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage is legaq5es de Portugal em
Berlim, Bruxellas, Haya, Madrid,
Roma, Santa S6, S. Petersburgo,
Stockholmo e Washington.

O sr. Jose Vicente Barbosa du Bo-
cage ao sr. Luiz de Soveral.

O sr. Jos6 Vicente Barbosa da Bo-
cage ao sr. Luiz de Soveral.

O sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage ao sr. Luiz de Soveral.


Datas

1890


Assumptos


Si I


7 de outubro


AclaragBes a alguns artigos da conven-
ao de 20 de agosto ................


13 de outubro Navios inglezes no Zambeze e no Chire


14 de outubro


Pedido de informagies relatives A en-
trada dos navios inglezes no Chire e
de forgas em Manica ...............


15 de outubro Resposta ao n. 3 ..................


16 de outubro


Extracto da declara io feita pelo governor
no parlamento, em sessio de 15 de ou-
tubro Instrueq es ..................


17 de outubro Instruceqes ........................


19 de outubro Pergunta Acerca de Colquhonn .......


19 de outubro


0 sr. Luiz de Soveral ao sr. Jose 20 e 21 de ou-
Vicente Barbosa du Bocage. tubro


O sr. Eduardo Augusto de Carvalho
ao sr. Josb Vicente Barbosa du
Bocage.

O sr. Luiz de Soveral ao sr. Jos6
Vicente Barbosa du Bocage.

O sr. Luiz de Soveral ao sr. Jos6
Vicente Barbosa du Bocage.

O sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage ao sr. Luiz de Soveral.

O sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage As legacics do Portugal em
Berlim, Bruxellas, Ilaya, Madrid,
Paris, Roma, S. Petersburgo e-
Vienna.


22 do outubro


22 de outubro


23 de outubro


23 de outubro


23 do outubro


Invasso de Mutassa pelasforas da South
Africa. Ordem para reclamar.......

Declaraqso do marquez de Salisbury
quanto As modifica~ies propostas pelo
governor portuguez ao tratado de 20 de
agosto ............................

Projects de Rhodes e High Commissio-
ner. ..............................


Attitude de Rhodes com respeito so tra-
tado.........................

Pedido de audiencia ao marquez de Sa-
lisbury ..........................

Proposta de um modus vivendi atW A ra-
tificaggo do future tratado..........

Pedido As potencias para apoiarem, junto
do governor inglez, a proposta do mo-
dus vivendi. ........................











Names Asaumptos


O sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage ao sr. Luiz de Soveral.


24 de outubro


17 0 sr. Luiz de Soveral ao sr. Jose 27 e 28 de ou-
18 Vicente Barbosa du Bocage. tubro


S0 sr. Luiz de Soveral ao sr. Jos6
Vicente Barbosa du Bocage.



) sr. Jos6 Vieente Barbos:L du Bo-
cage is legagces de Portugal em
Berlim, Bruxellas, Madrid, Paris,
Roma, S. Petersburgo e Vienna.

O sr. Luiz de Soveral ao sr. Jos6
Vicente Barbosa du Bocage.


O sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage ao ar. Luiz de Soveral.


O sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage As legacges de Portugal em
Berlim, Bruxellas, Madrid, Paris,
S. Petersburgo, Roma e Vienna.

O sr. Luiz de Soveral ao sr. Jose
Vicente Barbosa du Bocage.

0 sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage ao sr. Luiz de Several.



O sr. Luiz de Soveral ao sr. Jos6
Vicente Barbosa du Bocage.


0 sr. Luiz de Soveral ao sr. Jose
Vicente Barbosa du Bocage.

0 sr. Luiz de Soveral ao sr. marquez
de Salisbury.

0 sr. Luiz de Soveral no sr. Jos6
Vicente Barbosa du Bocage.

0 sr. marquez de Salisbury ao sr.
Luiz de Soveral.


0 sr. Jose Vicente Barbosa du Bo-
cage ao sr. Luiz de Soveral.

O sr. Luiz de Soveral ao sr. Jos6
Vicente Barbosa du Bocage.


O sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage ao sr. Luiz de Soveral.


5 de novembro




6 de novembro




6 de novembro



7 de novembro



7 de novembro




8 de novembro


9 de novembro




10 de novembro


Resenha dos acontecimentos em Africa.
Instruceoes do governor .............

Entrevista com o marquez de Salisbury
sobre a abertura de novas negocianoes
em Lisboa, e sobre a conveniencia de
um modus vivendi ..................

Situayao do marquez de Salisbury. As-
piraaio da companhia South Africa.
Causa da demora na resposta a pro-
posta do modus vivendi..............

Agradecimento As potencias pelo modo
como se houveram junto do governor
inglez ............................


Resposta do governor inglez A proposta
estabelecendo as bases para um modus
vicendi .............. ............

Opiniao do governor sobre a modificacio
proposta pela Inglaterra A base 4.. do
modus vivendi .................

Communicaqlo da acceitagHo do modus
vivendi pela Inglaterra .............



Opiniao dos jornaes inglezes Acerca do
modus vicendi ......................

Ordem para declarar ao marquez de Sa-
lisbury a aceitaciio da emenda A base
4.a do modus ricendi, e da duraga* do
referido accord ...................

Cumprimento da ordem recebida. Dia da
assignatura do modus ricendi. Pedido
de instrucq es ...................


7 de novembro IRemessa de um document ............ 17


28 de outubro


Annexo A Proposta contend as bases
de um modus vivendi em Africa ....


6 de novembro Remessa de documents .............. 18


4 de novembro



10 de novembro


10 de novembro



11 de novembro


Annexo A Resposta do governor inglez
A proposta do modus vivendi ......... 18
Annexo B Alternatif fourth article... 19

Accusado de recep'Co. Ordem para assi-
gnar o modus vivendi............... 19

Conversagao com o marquez de Salisbury
Acerca das negociagoes que terto logar
cm Lisboa ........................ 19

Ordem para declarar ao marquez de Sa-
lisbury que o governor concorda em
que na emenda A base 4.*, as palavras
from this date se referem A data do mo-
dus vivendi........................ 20


I I


I-


Nomes


Assumptos










. Datas
Nomes Assumptos
1890


0 sr. Josh Vicente Barbosa du Bo-
cage ao sr. Luiz de Soveral.

O sr. Luiz de Soveral ao sr. Jose
Vicente Barbosa du Bocage.

0 sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage ao sr. Luiz de Soveral.

O sr. Luiz de Soveral ao sr. Jos6
Vicente Barbosa du Bocage.

0 sr. Jose Vicente Barbosa du Bo-
cage As legacoes de Portugal em
Berlim, Madrid, Paris, Roma S.
Petersburgo e Vienna.

0 sr. Luiz de Soveral ao sr. Jos6
Vicente Barbosa du Bocage.


0 sr. Josh Vicente Barbosa du Bo-
cage ao sr. Luiz de Soveral.

0 sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage ao sr. Luiz de Soveral.

0 sr. Luiz de Soveral ao sr. Josh
Vicente Barbosa du Bocage.

0 sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage ao sr. Luiz de Soveral.



0 sr. Eduardo Augusto de Carvalho
ao sr. Jos6 Vicente Barbosa du
Bocage.



0 sr. Jose Vicente Barbosa du Bo-
cage ao sr. Luiz de Soveral.




0 sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage ao sr. Eduardo Augusto de
Carvalho.

O sr. Luiz de Soveral ao sr. Jos6
Vicente Barbosa du Bocage.

O sr. Eduardo Augusto de Carvalho
ao sr. Jos6 Vicente Barbosa du
Bocage.


0 sr. Josh Vicente Barbosa du Bo-
cage ao sr. Eduardo Augusto de
Carvalho.

0 sr. Eduardo Augusto de Carvalho
ao sr. Jos6 Vicente Barbosa du
Bocage.


11 de novembro


11 de novembro


Desejos do governor de ultimar cor bre-
vidade as negociagies ............

Submette A approvag8o do governor a re-
dacgio da base 4.a ................


12 de novembro Approvaco da redacqao da base 4....., 20


12 de novembro


14 de iovembro



15 de novembro


Causa por que ainda nao foi assignado o
convenio .........................

Participagao da assignatura do modus
vivendi ..........................



Conferencia com o marquez de Salisbury
Acerca da negociacao do novo tratado
e da said dos mineiros de Manica ...


15 de novembro Accusado de recepgao ................ 21


16 de novembro


15 de novembro


26 de novembro



29 de novembro




30 de novembro





30 de novembro



2 de dezembro


4 de dezembro



5 de dezembro



5 de dezembro


Recepopo do convenio. Dia em que serA
publicado no Diario do governo......

Remessa do convenio .................
Annexo A Convenio ..............

Ordem para declarar ao marquez de Sa-
lisbury que o governor portuguez estA
prompto a comecar a negociacao do
novo tratado .. .......... ..........

Communicagao de urn telegramma de Ma-
chona a respeito da attitude da South
Africa Company. Protesto do consul
de Portugal no Cabo da Boa Espe-
rana. ...........................

Noticias de Mogambique e do Cabo da
Boa Esperanca icerca do procedimento
da South Africa. Ordem para prevenir
o marquez de Salisbury de que o go-
verno nAo toma a responsabilidade do
que occorrer ......................

Ordem para continuar a transmittir no-
ticias de Manica ...................


Cumprimento das ordens transmittidas no
n. 43 ............... ............

Resposta do High Commissioner ao pro-
testo do consul. Aprisionamento de
portuguezes. Procedimento de Gungu-
nhana ............................

Participaslo de ir o governor portuguez
reclamar a entrega dos prisioneiros ..


Promenores relatives aos acontecimentos
de Manica. Pedido de instrucq6es. ...











. Nomes


0 sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
Scage as sr. Luiz de Several.



0 sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage As legagces de Portugal em
Berlim, Bruxellas, Haya, Madrid,
Paris, Roma, S. Petersburgo e
Vienna.

O sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage ao sr. Luiz de Soveral.









0 sr. Jose Vicente Barbosa du Bo-
cage As legac5es de Portugal em
Berlim, Bruxellas, Haya, Madrid,
Paris e Roma.

0 sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage ao sr. Eduardo Augusto de
Carvalho.

O sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage As legagaes de Portugal em
Berlim, Bruxellas, Haya, Madrid,
Paris, Roma, S. Petersbugo e
Vienna.

0 sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage ao sr. Eduardo Augusto de
Carvalho.

O sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage ao sr. Luiz de Soveral.


0 sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage ao sr. Eduardo Augusto de
Carvalho.

0 sr. Luiz de Soveral ao sr. Jose
Vicente Barbosa du Bocage.

0 sr. Jos6 Vicente BarboEa du Bo-
cagc ao sr. Luiz de Soveral.




0 sr. Luiz de Soveral ao sr. Jos6
Vicente Barbosa du Bocage.

O sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage ao sr. Luiz de Soveral.

O sr. Luiz de Soveral ao sr. Jos6
Vicente Barbosa du Bocage.


Datas

1890


5 de dezembro




5 de dezembro





6 de dezembro










6 de dezembro




6 de dezembro



7 de dezembro




7 de dozembro



7 de dezembro


Assumptos


Communicagao dos acontecimentos de
Manica; Ordem para reclamar do go-
verno inglez a soltura dos prisionei-
ros...............................

Participagao do incident de Manica, e
de instruc6ees transmittidas ao repre-
sentante de Portugal em Londres ...



Exposicgo succinta dos acontecimentos
de Manica. Reclamaiao de providen-
cias contra os actos da South Africa.
Remessa de doeumentos .............
Annexo A Protesto do intendente dos
negocios indigenas, em Manica, Joio
de Rezende, contra o tratado feito
pelo sr. Colquhoun corn o regulo Mu-
tassa,,em 14 de setembro de 1890 ..
Annexo B Resposta do sr. Colquhoun
ao protest do sr. Joao de Rezende...

Remessa da copia do despacho de 6 ao
ao sr. Luiz de Soveral ............



Participa ter reclamado a soltura dos
prisioneiros e pede continuaqio de in-
formag6es. ............... .........

Invasao do territorio portuguez pelas
forgas da South Africa. Attitude do,
governador geral de Mogambique. Re-
clamasgo ao governor inglez. Instruc-
0es. ..............................

CommunicaAo dos actos da companhia
South Africa em Macequece ........


Ordem para reclamar do governor britan-
nico a soltura dos prisioneiros, c a eva-,
cuacao do Macequece. .............


7 de dezembro Instrucq~es.......................... 3



8 de dezembro Resposta ao n.O 49.... ............... 35


9 do dezembro


Ordem para instar pela soltura do capi-
tao m6r de Manica. Accusagio do Ti
mes. 0 governor portuguez reclama a
prompta evacuacio do territorio inva-
dido. Estado da opiniao publica......


9 de dezembro Resposta ao n. 59 ................... 35


9 de dezembro


10 de dozembro


Informanes Aceerca de Paiva de Andrada
c companheiros ...................

Ordem da South Africa para a soltura de
Gouveia..........................











Nomes


0 sr. Luiz de Several ao sr. Jos6
Vicente Barbosa du Bocage.

O sr. Eduardo Augusto de Carvalho
ao sr. Antonio Ennes.

0 sr. Eduardo Augusto de Carvalho
ao Sr. Jos6 Vicente Barbosa du
Bocage.

O sr. Eduardo Augusto de Carvalho
ao sr. Antonio Enncs.



O sr. Jose Vicente Barbosa du Bo-
cage ao sr. Luiz de Several.




O sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage As legagoes de Portugal em
Berlim, Mhidrid, Paris, Roma, S.
Pctcrsbugo e Vienna.



0 sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage ao sr. Luiz de Soveral.




O sr. Eduardo Augusto de Carvalho
ao sr. Josd Vicente Barbosa du
Bocage.

0 sr. JosE Vicen'e Barbosa du Bo-
cage no Luiz de Soveral.

O sr. Josh Vicente Barbosa du Bo-
cage ao sr. Jos6 Godiuho de Cam-
pos.

O sr. Luiz de Soveral ao sr. Jos6
Vicente Barbosa du Bocage.

O sr. Jose Vicente Barbosa du Bo-
cage ao sr. Luiz de Several.



0 sr. Luiz de Soveral ao sr. Jose
Vicente Barbosa du Bocage.


O sr. Luiz de Several ao sr. Jose
Vicente Barbosa du Bocage.



0 sr. Luiz de Soveral ao sr. Jose
Vicente Barbosa du Bocage.


Datas

1890


10 de dezembro


17 de novembro


Assumptos


Entrevista cor o marquez de Salisbury
Acerca dos acontecinentos de Manice

Projects da South Africa sobre o rio
Pungue. ........................


15 de novembro Remessa de um documento............


12 de novembro



11 de dezembro





12 de dezembro





12 de dezembro





12 de dezembro



13 de dezembro


15 de dezembro



16 de dezembro


16 de dezembro


17 de dczembro



17 de dezembro




18 de dezembro


Annexo A ImpressHo causada no Cabo
da Boa Esperanca pela noticia do ha-
ver sido celebrado um modus vivendi
entire Portugal e a Inglaterra .......

Approvago da maneira cono foram cum-
pridas as instrucc5es transmittidas no
telegramma de 9 (n.o 60). Instrucqbes
para instar corn o governor inglez na
evacuanPo immediate do territorio in-
vadido pela South Africa............

TransmissBo das informa5csa recebidas
da lega~ao em Londrcs, relativamente
aos prisioneiros portuguezes. Attitude
do governor portuguez. Instruccqes en-
viadas so govcrnador geral de Mo-
Vambique..........................

Pedido de explicaq5es feito pelo ministry
de Inglaterra cor respeito a uma re-
uniao havida em Lourenco Marques e
da affixaqo de pasquins n'aquella lo-
calidade contra a Inglaterra. Resposta
do ministry dos negocios estrangtiros

Negacio dos acontccimentos de Manica
pela South Africa ............... ..


Instruc 5es do ministry da m;irinha ao
governador gcral de Mocambique ....

Participa9ao da soltura de Paiva e de
Gouveia. Ordem para hlps facilitar a
viagem..........................

Conferencia cor o marquez de Salisbury
sobre o Mutassa .................

Approvaqilo de procedimcnto. Instruc-
c5es. CommunicaFAo de o governor en-
viar uma forga regular para MA,,am.
bique. ConfirmaBao doattentado de Ma-
cequece..................... .....

Convite de Sua Magestade a Rainba Vi-
ctoria ao ministro portuguez, parajan-
tar em W indsor ...................

Declaracgo do mirquez do Salisbury
Acerca do attentado de Macequece.
Promessa de mandar retirar a forqa
armada do territorio cvadido. Partida
para o Windsor ... .............

Receprpo em Windsor. EvacuaCao abso-
luta de Macequece .................


_I 1~1












Nomes


0 sr. Luiz de Soveral so sr. Jos9 1
Vicente Barbosa du Bocagc.



O sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo- 1
cage ao sr. Luiz de Soveral.



O sr. Jose Vicente Barbosa du Bo- 1
cage ao sr. Luiz de Several.





O sr. Jose Vicente Barbosa du Bo- 1
cage As legacges de Portugal em
Berlim, Paris, Roma, S. Petersbur-
go e Vienna.


O sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo- 1
cage ao sr. Luiz de Soveral.
1


O sr. Jose Vicente Barbosa du Bo- 2
cage nos consules de Portugal no
Cabo da Boa Esperan"a e Preto-
ria.

0 sr. Eduardo Augusto de Carvalho 2
no sr. Jos6 Vicente Barbosa du
Bocage.

0 sr. Luiz de Soveral no or. Jos6 2
Vicente Barbosa du Bocage.




0 sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo- 2
cage so sr. Luiz de Seoeral.

0 sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo- 2
cage ao sr. Luiz de Soveral.
2



O sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo- 2
cage ao sr. Luiz de Several.



O or. Jos6 Vicente Barbosa du Bo- e
cage ao sr. Eduardo Augusto de
Carvalho.


O sr. Eduardo Augusto de Carvalho
ao sr. Jos6 Vicente Barbosa du
Bocage.


Datae

1890


8 de dezembro




8 de dezembro




9 de dezembro






9 do dezembro


9 de dezembro

7 de dezembro


0 de dezembro




2 de dezembro



2 de dezembro


!2 de dezembro


3 de dezembro

i2 de dezembro


'3 de dezembro




36 de dezembro



3 de dezembro
3 de dezembro


Auumptoa


OpiniAo de Rhodes a6erca da situaoaol
geographic do Mutassa. DeclaragAo
do marquez de Salisbury sobre este
ponto............................. 42

Accusado de recepCAo. Proxima chegada
de Paiva e Gouveia no Cabo. Chegada
de documents officials relatives aoo
M acequec ........................ 42

Satisfacio do governor portuguez pelo
procedimento do marquez de Salisbu-I
ly. Felicitacoes. Questao que volta a
discutir. Remessa pelo correio dos do- I
cumentos Acerca da prisAo de Paiva e
Gouveia ................. ......... 42

Participacao da retirada do pessoal da
South Africa do Macequece. da de-
claraaco do marquez de Salisbury
Acerca do Mutassa e da soltura dos
prisioneiros ....................... 43

Remessa de um documento........... 4.3

Annexo A Noticia circumstanciada dos
acontecimentos de Manica .......... 43

CommunicaAio da evacunvgo do Mace-
quece ............................ 44


Participacgo das intencqes da companbia
South Africa relatives a evacuaq~o do
Macequece .................... 44

Declaracao feita por sir Philip Currie em
nome do marquez de Salisbury. rela-
tiva aos desmentidos nos jornaes. e
confirmacao das declarae6es feitas na
entrevista de 17 .................. 44

Provas de star o Mutassa dentro do ter-
ritorio portuguez................. 45

Remessa de um document. ........... 46

Annexo A Telegramma do resident
geral de Portugal em Gaza, Acerca de
M anica ........................... 46

TranscripcAo de um telegramma do consul
no Cabo, relative A evacnac~o de Ma-
cequece pela South Africa videe n.o 83).
Ordem para informar o governor inglez 47

Ordem para que Paiva e Gouveia pro-
testem, perante o consulado de Portu-
gal contra os acontecimentos de Mu-
tassa e de Manica. Instrucq es ...... 47

Confirmas~o do telegramma de 29 de no-
vembro e accusado de recepqao. Cum-
primento de instruccoes. Noticia acerca
da expediclo da South Africa so dis-
tricto de Manica. Remessa de um do-
cumento .......................... 47


I











Datas
Nomes Assumptos
S1890-1891


0 sr. Eduardo Augusto de Carvalho
a sir H. Loch.


0 sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo.
cage ao sr. Luiz de Soveral.




O sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage ao sr. Eduardo Augusto de
Carvalho.

O sr. Eduardo Augusto de Carvalho
no sr. Jos6 Vicente Barbosa du
Bocage.






0 sr. Eduardo Augusto de Carvalho
ao sr. Jose Vicente Barbosa du
Bocage.

Sir. H. Loch ao sr. Eduardo Augusto
de Carvalho.


O sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage ao sr. Eduardo Augusto de
Carvalho.




O sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage a todas as legagSes de Por-
tugal.

O sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo.
cage a sir George Glynn Petre.






O sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage as legacies de Portugal em
Berlim, Bruxellas, Haya, Madrid,
Paris, Roma, Santa SE, S. Peter-
sburgo, Washington e Vienna.


Sir George Glynn Petre ao sr. Jos6
Vicente Barbosa du Bocage.



O sr. Luiz de Soveral ao sr. Jos6
Vicente Barbosa du Bocage.


1 de dezembro



29 de dezembro



1891
4 de janeiro


1890
13 de dezembro


Annexo A Protesto contra a expediQio
da South Africa ao district de Ma-
nica. .............................

Nota dos documents geographicos que
provam achar-se o territorio do Mu-
tassa sujeito A soberania de Portu-
gal...............................


Accusado de recepcio e confirmaqio de
telegramma........................


Proxima partida de mr. Cecil Rhodes
para Inglaterra, a firn de tratar corn o
marquez de Salisbury da questao an-
glo-lusa na Africa. Opinito de mr. Rho-
des sobre os terrenos que devem ficar
pertencendo a Portugal. Declaragto de
sir J. Fergusson na camera dos com-
muns. Opiniao da South Africa Acerca
do modus vivendi ..................


13 de dozembro Remessa de um document. ..........


12 de dezembro


1891
11 de janeiro





16 de janeiro



17 de janeiro







21 de janeiro





27 de janeiro




28 de janeiro


Annexo A Resposta A renovagao do
protest relative aos acontecimentos
de M anica ........................

Accusado de recepgo. Ordem para ter-
minar qualquer discussao corn o alto
commissario sobre os acontecimentos
de Manica. Participagao de que a South
Africa procura demover o Gungunba-
na da sua vassalagem a Portugal.....

Partida do corpo expedicionario para a
Africa oriental. Fim da expedicgo ...


Causas por que o governor portuguez nio
tern ha mais tempo apresentado um
project do novo tratado. Remessa de
um document .................
Annexo A Memorandum relative A de-
limitagAo da provincia de Mogambi-
que ..... ....................
Annexo B Projecto do tratado.......

Remessa de jornaes em que vem publi-
cada a narragao exacta dos aconteci-
mentos de.Manica. Ordem para dar co-
nhecimento aos respectivos governor
d'esses factos, e tornal-os conhecidos
do public ........................

CommunicagBo de uma carta da British
South.Africa Company dando informa-
95es Acerca dos acontecimentos de Ma-
nica. ............................

Declara9lo do sub-secretario d'estado
das colonies sobre o tratado cor o Mu-
tassa .............................







vm


S Datas 5
Nomes Asmptos
S1891


00(






01 4


) sr. Luiz de Several ao sr. Jos6
Vicente Barbosa du Bocage.


3 sr. Luiz de Soveral ao sr. JosB
Vicente Barbosa du Bocage.


1






1




I



I


28 de janeiro Entrega da copia da carta eredencial.
Descjos de lord Salisbury. O governor
inglez espera a chegada de Rhodes e
de Loch para tomar uma resoluoo de-
finitiva. Opiniao do marquez de Salis-
bury sobre as propostas do novo tra-
tado............................. 63

2 de fevereiro Accusado de recepa.o. FelicitaVZes. Con-
sideracoes sobre a demora das nego-
ciacoes. Artigo do Times............ 64

3 de fevereiro Chegada de Rhodes. Noticia do Times
Acerca do Gungunhana ............ 64

3 de fevereiro Causa da demora da partida de Rhodes
do Cabo. Pereuaslo de que elle nio
discutira a questao do direito, mas sim
a necessidade de dar satisfaqzo aos
interesses do Cabo ................ 64

4 de fevereiro Entrevista cor lord Salisbury. Entrega
de duas notas .................... 65

29 de janeiro Referencia As declaracoes feitas pelo
marquez de Salisbury na entrevista de
17 de dezembro. Remessa de um docn-
mento ............ ............... 66
Annexo A Memorandum enumerando
os documents que provam que o Mu-
tassa se encontra em territorio portu-
guez ........................... 66

31 de janeiro Documentos que tratam da occupagio 67
violent do district de Manica ..... 68

6 de fevereiro Accusado de recepCao do telegramma de
4. Approvacao do procedimento. Pro-
posta do ministry de Inglaterra Acerea
do territorio do Mutassa. Resposta do
ministry dos negocios estrangeiros ... 68

7 de fevereiro Accusado de recepcgo da copia de notes
e memorandum dirigidos ao marquez
de Salisbury. Approvago dos terms
em que estes documents estio redi-
gidos ............................ 69

4 do fevereiro Remessa de um document. ......... 69
Annexo A -Prova de que o Mutassa
nao s6 6 vassallo da coria portugueza,
mas como tambem 6 um funccionario
politico e administrative portuguez... 69

4 de fevereiro Remessa de doeumentos .............. 70
Annexo A Opiniao de mr. O'Neill acer-
ca do tratado feito cor Muzilla em
1865 ............................. 70

5 de fevereiro Resposta no n.0 105 .................. 71


9 de fevereiro Resposta ao n. 98 .................. 72

10 de fevereiro Alvitre a proper so ministry de Ingla-
terra .......................... 76


02 0 sr. Luiz de Soveral ao sr. Jos6
Vicente Barbosa du Bocage.

03 0 sr. Luiz de Soveral no sr. Jos6
Vicente Barbosa du Bocage.




04 0 sr. Luiz de Soveral ao sr. Jos6
Vicente Barbosa du Bocage.

105 0 sr. Luiz de Soveral ao sr. marquez
de Salisbury.






106 0 sr. Luiz de Soveral ao sr. marquez
de Salisbury.

107 0 sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage ao sr. Luiz de Soveral.



108 0 sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bc-
cage no sr. Luiz de Soveral.




109 0 sr. Luiz de Soveral ao sr. marqunez
de Salisbury.



110 0 sr. Luiz de Soveral no sr. marquez
de Salisbury.



111 0 sr marquez de Salisbury no sr.
Luiz de Soveral.

112 O sr. Joe6 Vicente Barbosa du Bo-
cage a sir George Glynn Petre.

113 0 sr. Luiz de Soveral no sr. Jos6
SVicente du Bocage.















114






115


116





117




118


119





120




121




122







123


124


125




121


Nomes


0 sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage ao Sr. Luiz dc Soveral.





0 sr. Luiz de Suvcral ao sr. marquez
de Salisbury.

0 sr. Jos6 Viccnte Barbosa du Bo-
cage ao sr. Luiz de Soveral.




0 sr. Luiz de Soveral no sr. Jos6
Vicente Barbosa du Bocage.



0 sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage so sr. Luiz de Soveral.

0 sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage ao sr. Luiz de Soveral.




O sr. Luiz de Soveral ao sr. Jos6
Vicente Barbosa du Bocage.



0 sr. Luiz de Soveral ao sr. Jos6
Viccnte-Barbosa du Bocage.



O sr. Eduardo Augusto de Carvalho
ao sr. Jos6 Vicente Barbosa du
Bocage.





0 Br. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage ao sr. Luiz de Soveral.

0 or. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage ao sr. Luiz de Soveral.

5 0 sr. Luiz de Soveral ao sr. Jos6
Viccnte Barbosa du Bocage.




6 0 sr. Luiz de Soveral ao sr. Jos6
Vicente Barbosa du Bocage.

0 sr. Luiz de Soveral ao sr. marquez
de Salisbury.


Datas

1891


11 de feverciro


Assumptos


7 de fevereiro Replica ao 2.. e 3. paragraphos do n.o 111. 77


13 de fexereiro





13 de fevereiro


Transcripgio de um telegramma do go-
vernador de Mocambique dando conta
da priso do alferes Freire. Ordem
para reclamar do marquez de Salisbury
prompts c energicas providencias ...

Cumprimento das instrucCes contidas no
numero anterior. Promessa do marquez
de Salisbury. Conversacio sobre a ne-
cessidade da conclusao do tratado...


14 de fevereiro Resposta ao n. 117 ................. 78


14 de fevereiro


14 de fevereiro


14 de fevereiro


19 de janeiro

10 de janeiro


14 de janeiro


16 de fevereiro


17 de fevereiro


18 de fevereiro


Actos praticados no district de Manica
pela companhia South Africa. Insisten-
cia para que o marquez de Salisbury
cumpra as promessas feitas em 17 de
dezembro............... ........

Accusado de receppgo. Participacao de
procurar o marquez de Salisbury a fim
de reclamar contra os actos da South
Africa. ............... ...... ..*

Participa nao ter visto o marquez de Sa-
lisbury, e ter-lhe enviado uma nota re-
clamando contra a viola.io dos terri-
torios de Manica ..................

Cumprimento da ordem contida no n.0 88.
Remessa de documents ............
Annexo A -Protesto dirigido ao alto
commissario britannico no Cabo, con-
tra os acontecimentos de Manica.....
Annexo B Accusado de recepgoo do
protest .......... ......... ........

Accusado de recepqIo. Approvago de
procedimento. ................ ....

Communicacao do ministry de Inglaterra
a respeito da prisao do alferes Freire

Conversacao corn o marquez de Salisbury
Acerca da prisao do alferes Freire e da
evacuagio de Macequece. Participa go
4e ter sido enviado a sir G. G. Petre
um esbogo das contra-propostas .....


14 de fevereiro Remessa de um documento...........


14 de fevereiro


Annexo A Reclamagao contra a prisao
do alferes Freire..................


a


a
i


i
:
1
;.
;
i


AcceitasAo do alvitre indicado no n. 113.
Participaqeo da prison do alferes Frei-
re pela South Africa. Ordem para re-
clarrar e declarar que o governor por-
tuguez farA cccupar os territories de
Manica........... ....... .... .











Names Assumptos


Sir George Glynn Petre ao sr. Jose
Vicente Barbosa du Bocage.




0 sr. Luiz de Soveral ao sr. Jos6
Vicente Barbosa du Bocage.

0 sr. marquez de Salisbury ao Sr.
Luiz de Soveral.

Sir George Glynn Petre ao sr. Jos6
Vicente Barbosa du Bocage.



0 sr. Luiz de Soveral ao sr. Jose
Barbosa du Bocage.


0 sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage ao sr. Luiz de Soveral.


0 sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage ao sr. Luiz de Soveral.

0 sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage ao sr. Luiz de Soveral.

0 sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage a sir George Glynn Petre.

0 sr. Luiz de Soveral ao sr. Job6
Vicente Barbosa du Bocage.

0 sr. Jose Vicente Barbosa du Bo-
cage ao sr. Luiz de Soveral.


0 sr. Luiz de Soveral ao sr. Jose
Vicente Barbosa du Bocage.




0 sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage ao sr. Luiz de Soveral.


0 sr. Eduardo Teixeira Rebello ao
sr. Josb Vicente Barbosa du Bo-
cage.


0 sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo
cage ao sr. Luiz de Soveral.


O sr. Luiz de Soveral ao sr. Jose
Vicente Barbosa du Bocage.


S18 de fevereiro


Refutna;io do memorandum enviado a 4
de fevereiro ao marquez de Salisbury.
provando que tanto o Mutassa como o
Gungunhana sao feudatarios da coroa
de Portugal........................


121 de fevereiro Remessa de um document ........... 90


19 de fevereiro


21 de fevereiro




24 de fevereiro



25 de fevereiro



27 de fevereiro


27 de fevereiro


Annexo A Resposta A~ reclamacao con-
tra a prisao do alferes Freire........

Communicaqao de um telegramma con-
tradizendo o que foi recebido pelo go-
verno portugucz Acerca da prisao do
alferes Freire .....................

Declaragco da companhia South Africa
a respeito da evacuaiio de Maceque-
ce....................... .......

Tracos geraes das contra-propostas in-
glezas. Instruccoes sobre a evacuacAo
de Macequece ........... .........

Entrada de vapor mercante inglez no
Limpopo. Ordem para reelamar ......

Resposta aos travos geraes das contra-
propostas..........................


27 de fevereiro Resposta ao n.O 129 ..................


28 de fevereiro


1 de marco



2 de marco





3 de marco



3 de margo




4 de marco



4 de margo


Resposta do marquez de Salisbury sobre
o acontecimento no Limpopo .......

Impaciencia em receber resposta de lord
Salisbury Acerca da evacuacio do Ma-
cequece. ................... .......

Declaracgo do marquez de Salisbury so-
bre o rio Limpopo. Extracto de ur
relatorio publieado no journal South
Africa. Communicaco de ir dirigir
nota reclamando a evacuaAo do pla-
n'alto de Manica ... ...............

Remessa de documents. Necessidade de
exigir declaracao de ter sido evacuada
Manica. Instrucq6es ...............

Boato de ter o Gungunhana recebido
armatnentos c de novidade no Lim-
popo .............................


Communicacao de um telegramma da
agencia Reuter a respeito de Ma-
lica................... ... .......

Artigos publicados nosjornaes pela ,S'uth
Africa annunciando a conclusao de
uma convencgo corn o meridiano 33.
Resposta do representante portuguez
As perguntas que lhe teem sido feitas
a esse respeito ....................


-I


Nomes


Assumptos











Nomes


0 sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage no sr. Luiz de Soveral.



O sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage ao sr. Luiz de Soveral.

Sir George Glynn Petre ao sr. Jose
Vicente Barbosa du Bocage.


O sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage a sir George Glynn Petre.

0 sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage a sir George Glynn Petre.

O sr. Joaquim Jos6 Machado no sr.
Antonio Ennes.


0 sr. Joaquim Jos6 Machado ao sr.
Antonio Ennes.

Ssar. Jos6 Vicente Barbosa du Bo
cage ao sr. Luiz de Soveral.


O sr. Luiz de Soveral ao sr. Jos6
Vicente Barbosa du Bocage.



0 sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage no sr. Luiz de Soveral.

O sr. Luiz de Soveral ao sr. Jos6
Vicente Barbosa du Bocage.

O sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage a sir George Glynn Petre.



0 sr. Luiz de Soveral ao sr. Jos6
Vicente Barbosa du Bocage.


O sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage ao sr. Luiz de Soveral.

O sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage a todas as legages de Por.
tugal na Europa.


O governador do distrieto do Zumbo
ao sr. Antonio Ennes.




O sr. Luiz de Soveral ao sr. Jos6
Vicente Barbosa du Bocage.


Datas

1890 e 1891


28 de fevereiro




1 de marco


24 de fevereiro



28 de fevereiro


7 de margo


7 de margo



7 de marco


7 de marco



7 de marco



8 de marco


Assumptos


Remessa de um document ............ 97
Annexo A--Acta da rcuniao celebrada
em Violante (Zefunho), em 29 de dezem-
bro de 1890, a convite do regulo Gun-
gunhana. ....................... 97

Remessa de documents. Considera~5es
sobre o conteudo d'elles ............ 100

Annexo A Memorandum Acerca de al-
gumas clausulas do future convenio,
relative A Africa oriental ............ 100

Annexo B Memorandum em resposta
ao do ministry de Inglaterra ........ 102

Resposta ao n.0 127 .................. 103


Proxima chegada A Reira de 400 inglezes
cor destino ao interior. Consideracoes
sobre o assumpto ................. 109

Aprisionamento de um barco na Beira.. 100


Communicaqao da chegada de 400 ingle-
zes A Beira c do aprisionamento de um
barco inglez. Instrueg5es ........... 109

Conversacfo corn Rhodes. Conveniencia
cm apressar a negociaqo. Pergunta
Acerca do minimo das compensates
ao norte do Zambeze................ 109

Resposta ao n.o 148 ................. 110


10 de marco Resposta ao n.o 147 .................. 110


10 de margo

10 do margo



11 de margo



12 de marco


14 de marco


1890

5 de novembro




1891

10 de margo


Remessa de um document. ........... 11

Annexo A Opiniao do governor portu-
guez Acerca da independencia do Gun-
gunhana ....... ................... 111

Entrevista corn o marquez de Salisbury
sobre a occupagao do Mutassa e outras
infraciges do modus vinendi......... 113

Accusado de recepqao. Approvagao do
procedimento. Instrucc es........... 113

Remessa de documents .............. 114



Annexo A Remessa de um document 114
Annexo a Nota dos prasos do district
do Zumbo, arrendados a various indi-
viduos, designando o nome dos arren-
datarios.. ................ ..... .. 115


Remessa de um document ........... 115












Nomes


0 sr. Luiz de Soveral so sr. marquez
de Salisbury.


0 sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage As lega6es de Portugal em
Berlim, Londres e Vienna.

0 sr. Luiz de Soveral no sr. Jos6
Vicente Barbosa du Bocage.






Sir George Glynn Petre ao sr. Jos6
Vicente Barbosa du Bocage.


O sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage ao sr. Luiz de Soveral.




O sr. Luiz de Soveral ao sr. Jos6
Vicente Barbosa du Bocage.


O sr. Luiz de Soverai ao sr. Jos6
Vicente Barbosa du Bocage.

O sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage ao sr. Luiz de Soveral.



Sir George Glynn Petre no sr. Jos6
Vicente Barbosa du Bocage.

Sir George Glynn Petre ao sr. Jose
Vicente Barbosa du Bocage.

O sr. Luiz de Soveral ao sr. Jos6
Vicente Barbosa du Bocage.

O sr. marquez de Salisbury no sr.
Luiz de Soveral.


Sir George Glynn Petre ao sr. Jose
Vicente Bqrbosa du Bocage.





80 sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo
cage ao sr. Luiz de Soveral.

0 sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage a sir George Glynn Petre.

)0 sr. Jose Vicente Barbosa du Bo-
cage a sir George Glynn Petre.


Datas

1891


7 de margo



15 de margo



16 de marco







16 de margo



17 de margo





17 de marco



19 de margo


20 de marco




21 de marco


22 de marco


18 de margo


14 de marco



23 de margo





24 de marqo


24 de margo


25 de margo


Asumptos


-i


_ __


Annexo A Reclamaoo accrea da oc-
cupaqio do Mutassa e de outras infrac-
c9es do modus -irendi.............. 116

Aprisionamento de navios inglezes. con-
duzindo contrabando de guerra ...... 116


Artigos violentos contra Portugal publi-
cados no Times e no Glbe. Resposta
dada na camera dos communs por sir
James Fcrgussou e na dos lords pelo
marqucz de Salisbury, a umas pergun-
tas quc lhes fizeram Accrca do aprisio-
namento do Countess of Carnarcon ... 117

Proposta sobre a delimiitaio das esphe-
ras de influencia britannica e portn-
gueza so sul do Zambeze............ 117

Communicavgo da proposta sobre delimi-
tacio das fspheras de influcncia portu-
gueza e ingleza. Resposta ao ministry
de Inglaterra. Ordcm para insistir pela
apresentac~o das contra-propostas.... 119

Discussao na camarados ccmmuns Acer-
ca dos negocios da Africa. Allusio do
jMorning Post...................... 119

Entrevista corn o marquez de Salisbury.
Dcelara95es ...................... 120

Pergunta Accrca do incident do Limpo.
po. Vantagem de uma arbitragem pars
a questao do Mutassa. Impossibilidade
de discutir os limits territoriaes..... 121

Resposta ao n.0 134 .................. 121


Pedido de esclarccimentos sobre a captu-
ra de um navio inglez no Limpopo... 121

Remessa de um documeLto ............ 122


Annexo A-Resposta A reelamacvio icerea
da occupaqao do Mutassa e de outras
infracqses do modus vriendi.......... 122

Remessa de um document ............ 124
Annexo A- Memorandum contend a res-
posta dos directors da companhia
South Africa as accusacues adduzidas
contra elles na nota de 9 de fevereiro
(n.o 112) .......................... 124

Instrucqes.......................... 130


Resposta ao n.o 165 ................. 132


Resposta so n. 159.................. 133







XIII


Komea


O sr. Jos9 Vicente Barbosa du Bo-
cage ao sr. Luiz de Soveral.


O sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage ao sr. Luiz de Soveral.

0 sr. Luiz de Soveral ao sr. Jos6
Vicente Barbosa du Bocage.


O ar. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage ao sr. Luiz de Several.


175 0 sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage so sr. Eduardo Augusto de
Carvalho.

176 0 sr. Luiz de Soveral no sr. Jo6s
Vicente Barbosa du Bocage.

177 0 sr. Jose Vicente Barbosa du Bo-
cage as legac5es de Portugal em
Berlim, Italia, Paris e Vienna.

178 0 sr. Eduardo Augusto de Carvalho
ao sr. Jos6 Vicente Barbosa du
Bocage.

179 0 sr. Eduardo Augusto de Carvalho
so sr. Jos6 Vicente Barbosa du
Bocage.


180 0 sr. Luiz de Soveral ao sr. Jose
Vicente Barbosa du Bocage.

0 sr. Luiz de Soveral ao sr. marquez
de Salisbury.

181 0 sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage ao sr. Luiz de Soveral.


182 0 sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage no sr. Luiz de Soveral.

183 0 sr. Eduardo Augusto de Carvalho
ao sr. Jos6 Vicente Barbosa du
Bocage.

184 Sir George Glynn Petre ao sr. Jos6
Vicente Barbosa du Bocage.


185 0 sr. Jos6 Vicente Barbnsa du Bo-
cage ao sr. Eduardo Augusto de
Carvalho.

186 0 sr. Luiz de Soveral so ar. Josh
Vicente Barbosa du Bocage.


Datas

1891


27 de marco


27 de margo


28 de marco



28 de marco





28 de marco



30 de marco


30 de margo



30 de margo



4 de marco




28 do margo


28 de margo


2 do abril


2 de abril



7 de margo


3 de abril



3 de abril



4 de abril


Assumptos


Intencgo do governador geral de Moqam-
bique de decretar o estado de sitio em
Sofala e Manica ................... 136

Communicagco de noticias de Manica.
Instrucques ........................ 136

Accusado de recepcio. Impossibilidade de
dar cumprimento immediate As instruc-
9oes do n.0 172 ..................... 137

Possibilidade de conflict entro as forgas
portuguezas e as da companhia South
Africa. Necessidade que as ordens do
marquez de Salisbury sejam cumpri-
das pela companhia da Africa do sul.
Instruc 3es........................ 137

Pergunta Acerca das muniqoes de guer-
ra embarcadas na Countess of Carnar-
von............................... 137

Cumprimento de instruc5ges........... 137


Causas da proclamaio do estado do si-
.-tio em Sofala e em Manica .......... 138


Resposta ao n. 175. ............... 138


Noticias transmittidas pela agencia Reu-
ter a respeito das negocia68es entire
Portugal e a Inglaterra. EmigraqAo
ingleza para Machona e Manica. Boato
,cerea do Gungunhana ............. 138

Remessa de um document ............ 139


Annexo A- Reclama.ao contra os actos
da South Africa em Macequece ...... 139

Partida de nnvio inglez para a Beira. In-
strureges enviadas ao governador geral
de Mozambique. Ordem para reclamar 140

Communicacgo de um telegramma do con-
sul no Cabo, Acerca da partida de uma
fragata ingleza para a Beira ........ 140

Organisaqao de expedig5es cor destiny
a Mashonaland ................... 140


Informaqgo official do governor inglez
ceerca da capture da Countess of Car-
narvon ........................... 141

Partida para a Beira do 240 inglezes. Or-
dem ao governadorde MoCambique para
permittir desembarque. Instrucses... 141

Project do tratado enviado a sir Geor-
ge Glynn Petre. Cinfercncia corn sir
Philip Currie ...................... 141


I ;


I -I-







XIV


Nomes


O sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage ao sr. Luiz de Soveral.

O sr. Luiz de Soveral so sr. Jos6
Vicente Barbosa du Bocage.






O sr. Luiz de Soveral ao sr. Jos6
Vicente Barbosa du Bocage.


O sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage ao sr. Luiz de Soveral.

0 sr. Luiz de Soveral ao sr. Jose
Vicente Barbosa du Bocage.

O sr. Luiz de Soveral ao sr. Jos6
Vicente Barbosa du Bocage.


0 sr. Luiz de Soveral ao sr. Jos6
Vicente Barbosa du Bocage.


O sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage ao sr. Luiz de Soveral.


0 sr. Luiz de Soveral ao sr. Jos6
Vicente Barbosa du Boeage.

O sr. Luiz de Soveral ao sr. Jose
Vicente Barbosa du Bocage.

O sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage a sir George Glynn Petre.

O sr. Jose Vicente Barbosa du Bo-
cage a sir George Glynn Petre.

O sr. Luiz de Soveral ao sr. Jose
Vicente Barbosa du Bocage.

0 sr. Luiz de Soveral ao sr. Jos6
Vicente Barbosa du Bocage.


0 sr. Jos4 Vicente Barbosa du Bo-
cage ao sr. Luiz de Soveral.

0 sr. Luiz de Soveral ao sr. Jose
Vicente Barbosa du Bocage.

O sr. Luiz de Soveral ao sr. Joe6
Vicente Barbosa du Bocage.
O sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage a sir George Glynn Petre.


Datas

1891


6 de abril


6 de abril







6 de abril


7 de abril


7 de abril


7 de abril


7 de abril



8 de abril



8 de abril


9 de abril


9 de abril


9 de abril


10 de abril


10 de abril



11 de abril


11 de abril


11 de abril

11 de abril


Assumptos


lnformanies sobre os acontecimentos que
se teem dado em Africa. Instrucoes 142

Ordem terminante para que nenhum na-
vio de guerra inglez toque nas embo-
caduras dos rios portuguezes. Infonna-
;5es particulares Acerca de um pedido
de navio de guerra feito pelo vice-
consul inglez em Lourenco Marques.
Proposta do novo convenio submettido
A approvasio do gabinete .......... 144

Participagio de estarem uns inglezes em
perigo de vida em Chaichai. Pergunta
Acerca do meio de os transportar..... 144

Expedigto de ordens ao governador de
Lourenco Marques .................. 145

Movimento de navios de guerra inglezes 145


Conversaago cor sir Philip Currie Acerca
da partida de 250 inglezes para a Beira.
e do movimcnto dos navios de guerra 145

Communicagao de um telegramma de Pa-
ris, publicado nos jornaes sobre a eom-
panhia de lMoambique.............. 146

Accusado de recepqgo. Nao recebimento
das contra-propostas. Confirmaao da
prisAo do alferes Freire............. 146

Communica ter enviado uma nota sobre
a partida dos 250 inglezes parsa Beira 146

Explicacao dada pelo Times sobre a ex-
pedicao dos 250 inglezes............ 146

Resposta ao n.o 167 ................. 147


Resposta ao n.o 184 ................. 150


Conferencia com sir Philip Currie. Ex-
travio das contra-propostas ......... 15)

Submette a approvacao o resume de uma
nova nota ao marquez de Salisbury
sobre a nao execuqgo pela South Africa
das ordens dadas .................. 151
Nao recebimento das contra-propcstas.
Informacqo relative a inglezes em
Chaichai. ......................... 151
SuspensIo da partida dos 250 inglezes.
Telegramma do Cabo publicado nos
jornaes inglezes.................... 151
ConversaRao corn sir Philip Currie sobre
a expedigco A Beira ................ 152
Refutazao das informaees ministradas
pela South Africa so governor inglez.
relatives A ida do capitao Bettencourt
a Manica e A prisio do alferes Freire 152











Nomes


205 Sir George Glynn Petre ao sr. Jose
Vicente Barbosa du Bocage.


206 0 sr. Jos" Vicente Barbosa du Bo-
cage ao sr. Luiz de Soveral.


207 0 sr. Luiz de Several ao sr. Jos6
Vicente Barbosa du Bocage.



208 0 sr. Luiz de Several ao sr. Jos6
Vicente Barbosa du Bocage.



209 0 sr. Luiz de Soveral ao sr. Jose
Vicente Barbosa du Bocage.


210 Sir George Glynn Petre ao sr. Jos6
Vicente Barbosa du Bocage.

211 Sir George Glynn Petre ao sr. Jos6
Vicente Barbosa du Bocage.


212 0 sr. Josd Vicente Barbosa du Bo-
cage a sir George Glynn Petre.

213 0 sr. Luiz de Soveral ao sr. Jos6
Vicente Barbosa du Bocage.


214 0 sr. Jose Vicente Barbosa du Bo-
cage ao sr. Luiz de Soveral.

215 0 sr. Luiz de Several ao sr. Jos6
Vicente Barbosa du Bocage.



216 0 sr. Luiz de Several ao sr. JosE
Vicente Barbosa du Bocage.


217 0 sr. Jose Vicente Barbosa du Bo-
cage ao sr. Luiz de Soveral.

218 0 sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage ao sr. Luiz de Soveral.
219 0 sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage.a sir George Glynn Petre.
221 0 sr. Josh Vicente Barbosa du Bo-
cage ao sr. Luiz de Soveral.
221 0 sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage is legaqGes de Portugal em
Berlim e Vienna.
222 0 sr. Luis de Soveral ao sr. Jos6
Vicente Barbosa du Bocage.


Datas

1891


12 de abril



13 de abril



9 de abril

8 de abril


de abril

de abril


14 de abril



14 de abril


14 de abril



14 de abril


14 de abril



15 de abril


11 de abril

10 de abril



16 de abril


17 de abril


17 de abril

17 de abril

17 de abril

17 de abril


18 de abril


. Assumptos


Protesto contra a prohibigio do trans-
porte de passageiros e mercadorias
pelo Pungue ..................... 153

Ministro de Inglaterra nao tern aucto-
risagao para apresentar contra-pro-
posta. Resumo do document prece-
dente. Resposta do governor portuguez 154

Remessa de um document ........... 155

Annexo A-ReclamacRo contra a partida
dos 250 inglezes armados para a Beira 155

Remessa de um document ............ 155

Annexo A-Desejos do governor portuguez
tornar effectivas as disposiq5es conti-
das no artigo 3. do modus vivendi.... 156

Pergunta Acerca da veracidade de um
boato sobre a partida de boers arma-
dos pelo governor portuguez.......... 156

Remessa do um documento............ 1 6
Annexo A-Contra-proposta ingleza... 157

Omissao no project de convenglo da
clausula relative a um arrendamento
no Chinde ....................... 166

Resposta ao n. 205................... 167


Communicacgo de um telegramma de sir
George Petre relative As contra-pro-
postas ......................... 170

Resposta ao n.0 209.................. 171


Remessa de um document ............ 171

Annexo A-Resposta A reclamaqao contra
a partida de inglezes armados para a
Beira ........ : .................. 171

Pergunta sobre as ordens dadas ao go-
vernador de Mogambique para soccor-
rer os inglezes no Limpopo......... 172

Resposta ao n.o 216 ... .............. 172


Partida do vapor do Mac Mahon ...... 172

Accusado de recepcao da contra-propos-
ta. Convite para uma conferencia .... 172
Necessidade da prorogacao do modus vi-
vendi por um mez. lnstruce es..... 173
Communicacao de remessa de documents
pelo correio. Instruc9es ............ 173

Resposta ao n.0 220 .................. 173







XVI


Nomes


0 sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage ao sr. Luiz de Soveral.



0 sr. Luiz do Soveral ao sr. Jos6
Vicente Barbosa du Bocage.


0 sr. Jos6 Viceite Barbosa du Bo-
cage ao sr. Luiz de Soveral.


0 sr. Jose Vicente Barbosa du Bo-
cage as legagSes de Portugal em
Madrid, Paris, Berlim, Haya,Vien-
na, S. Petersburgo, Roma, Berne,
Washington, Stockolmo, embaixa-
da em Roma, consulado no Cabo e
em Pretoria.

0 sr. Jose Vicente Barbosa du Bo-
cage so sr. Luiz de Soveral.

Osr. Jos5 Vicente Barbosa du Bo-
cage As legagSes de Portugal em
Berlim, Madrid, Paris, Roma, S.
Petersburgo e Vienna.

O sr. Luiz de Soveral ao sr. Jos
Vicente Barbosa du Bocage.


0 sr. Jos6 Vicento Barbosa du Bo-
c 'ig ao sr. Luiz de Soveral.


Sir George Glynn Petre ao sr. Jos6
Vicento Barbosa du Bocage.

Sir George Glynn Petre so sr. Jos6
Vicente Barbosa du Bocagc.


Sir George Glynn Petre ao sr. Jos6
Vicente Barbosa du Bocage.

0 sr. Jos6 Vicente Baibosa du Bo-
cage ao sr. Luiz de Soveral.

0 sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo.
cage As legaSOes de Portugal em
Berlim, Madrid, Paris, Roma, S.
Petersburgo e Vienna.

0 sr. Luiz de Soveral so sr. Jose
Vicente Barbosa du Bocage.


0 sr. Luiz de Soveral ao sr. Josd
Vicente Barbosa du Bocage.


Datas

1891


18 de abril




19 de abril



19 de abril



19 do abril






20 de abril


20 de abril



20 de abril



21 de abril


21 de abril


21 de abril


21 de abril


21 de abril


21 de abril



21 de abril


17 de abril

14 de abril


Asramptos


Ordem para exigir do governor inglez a
manutenco do status quo do modus ri-
vendi, ou a prorogag o per um mezm
Primeira conferencia corn o ministro de
Inglaterra...................... 173

Observavces sobre o modo de pedir a pro-
roga ao do modus virendi. Considera-!
cues sobre a delimitacao so sul do Zim-
beze ............................. 174

Apprehensio de embarcaySes da Southl
Africa no Pungue. Pedido do gover-
nador de Mozambique Resposta do go-
verno. Proposta feita so governor inglez. 174

Remessa de unm document ............ 175
Annexo A Segundo project portuguez.. !175





Ordem para annunciar verbalmente o pe-
dido de prorogaio ................. 179

CommunicacAo identical A do telegramma
de 19 ao ministry em Londres (225) .. 180


Noticias publicadas nos jornaes inglezes
sobre os acontecimentos da Beira. e a
umna allianya de Portugal cor o Trans-
vaal ............................ 180

Falsidade das noticias publicadas nos
jornaes inglezes a respeito de Portu-
gal ............................... 180

Pedido de concessso de uma licrna para
que uns missionaries corn destiny a
Quelimane possam levar armas ...... 181

Reclamaiio contra a detcng~o da expe-
di o sob o commando de John Wil-
longlby ......................... 181

Reclamaio contra a capture de dois na-
vios c dois lanchics inglezes na Beira 183

ParticipacAo do incidents Willonghby na
Beira. Instruc95es ................ 183

Ordem para informal os respectivos go-
vernos sobre o incident Willonghby 184


Artigos violentos publicados nos jornaes
inglezes sobre os acontecimentos do
Pungue ......................... 184

Remessa de um documcnto ........... 184

Annexo A Accusado de reccpcao daj
nota de 11 de abril ................ 185


1







XVII


S Datas
SNomes Assumptos
S1891 S


239


240


241



242


III .


O sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage a sir George Glynn Petre.

0 sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage a sir George Glynn Petre.

O sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage a sir George Glynn Petre.


Sir George Glynn Petre no sr. Jos6
Vicente Barbosa du Bocage.



0 sr. Luiz de Several a') sr. Jos6
Vicente Barbosa du Bocage.



O sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage ao sr. Luiz de Several.

O sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage ao sr. Luiz de Several.


0 sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage a sir George Glynn Petre.

0 sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage ao sr. Luiz do Several.


0 sr. Jose Vicente Barbosa du Bo-
cage a sir George Glynn Petre.

O sr. Eduardo Augusto de Carvalho
so sr. Jos6 Vicente Barbosa du
Bocage.


0 sr. Jose Vicente Barbosa du Bo-
cage ao sr. Eduardo Augusto de
Carvalho.

Sir George Glynn Petre ao sr. Jose
Vicente Barbosa du Bocage.

0 sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage ao sr. Luiz de Soveral.


0 sr. Jose Vicente Barbosa du Bo-
cage ao sr. Luiz de Several.

0 sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage ao sr. Eduardo Augusto de
Carvalho.

O sr. Luiz de Several ao sr. Jose
Vicente Barbosa du Bocage.


22 de abril


22 de abril


22 de abril



22 de abril




22 de abril




22 de abril


22 de abril



23 de abril


23 de abril



24 de abril


24 de abril



24 de abril


24 de abril


24 de abril


25 de abril


25 de abril


25 de abril


Resposta ao n. 232 .................. 185


Resposta ao n. 233 ................. 186


Communicaao de que as auctoridades
portuguezas na Beira teem ordens para
protegerem os subditos britannicos... 187

Annuencia ao offerecimento do governor
portuguez de enviar, per intermedio
das auctoridades portuguezas, as or-
dens para a evacuacao do Macequece 187

Confereneia corn o marquez de Salisbu-
ry, relative ao incident do Pungue, A
applicacio da clausula 3.8 do modus
vivendi, A Countess of Carnarvon, e ao
tratado, etc....................... 188

Ordem de soltura de embarcac es e tri-
pulantes detidos no Pungue. ....... 189

Remessa da correspondencia trocada en-
tre o governor portuguez e a legagvo de
Inglaterra, sobre a expedicgo Willon.
ghby ............................. 189

Resposta ao n. 242 .................. 189


Resumo das instrucqces transmittidas
ao governador geral de Mozambique.
Principaes condicoes a cxigir no tra-
tado .............................. 190

Resposta ao n.o 231 ................. 190


Acalmagao da excitag8o por causa do in-
cidente do Pungue. Manejos da com-
panhia ingleza para impedir a expedi-
9o beer a Machona................ 190

Concessio de navegagAo no Pungue. No-
meagao de agent consular. ......... 191


Communicagio de um telegramma do
marquez de Salisbury Acerca de Ma-
ciquece ........................... 191

Observaces a fazer ao marquez de Sa-
lisbury a respeito das auctoridades da
Beira, e do modus vivendi.. ......... 191

Accusado de recepao ............... 192


Accusado de recepcqo ................ 192


Telegramma publicado uosjornaes Acerca
de um ultimatum dirigido a Portugal.
Desmentido do Standard............ 193







XVIII


I Dataa 3
Nomes Asimmptos
0 1891


Sir George Glynn Petre ao sr. Josh
Vicente Barbosa du Bocage.

Sir George Glynn Petre ao sr. Jos6
Vicente Barbosa du Bocage.


Sir George Glynn Petre ao sr. Jos6
Vicente Barbosa du Bocage.

O sr. Luiz de Soveral ao sr. Jos6
Vicente Barbosa du Bocage.


0 sr. Josh Vicente Barbosa du Bo-
cage ao sr. Luiz de Several.

0 sr. Luiz de Soveral ao sr. Josh
Vicente Barbosa du Bocage.



Sir George Glynn Petre ao sr. Jos6
Vicente Barbosa du Boeage.



Sir George Glynn Petre ao sr. Josh
Vicente Barbosa du Bocage.


Sir George Glynn Petre ao ar. Jos6
Vicente Barbosa du Bocage.


0 sr. Josh Vicente Barbosa du Bo-
cage ao sr. Luis de Soveral.

O sr. Eduardo Augusto de Carvalho
ao sr. Josh Vicente Barbosa du
Bocage.

O sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage ao sr. Luiz de Soveral.

Sir George Glynn Petre ao sr. Jos6
Vicente Barbosa du Bocage.


0 sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage As legaqses de Portugal em
Berlim, Madrid, Londres, Paris,
Roma, S. Petersburgo e Vienna.

0 sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage a sir George Glynn Petre.

O sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage a sir George Glynn Petre.

O sr. Luiz de Soveral ao sr. Josh
Vicente Barbosa du Bocage.

0 sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage ao sr. Luiz de Soveral.


25 de abril


27 de abril



27 de abril


27 de abril


28 de abril


28 de abril




28 de abril

9 de margo


28 de abril



28 de abril



28 de abril


28 de abril



29 de abril


29 de abril


30 de abril



30 de abril


30 de abril

1 de maio


2 de maio


Accusado de recepeiio do n.0 248....... 193


Pedido de concesslo para a passage de
armas a munices que acompanham o
sr. Johnston ..................... 193

Resposta ao n.0 198 ................. 195


Troca do plan'alto por concessues terri-
toriaes ao norte do Zambeze, e altera-
cies nas clausulas commerciaes ...... 195

Resposta ao numero precedente........ 196


Telegramma do Cabo, publicado nos jor-
naes, dando noticia de term sido ag-
gredidos dois officials da South Africa
em Lourenco Marques. Resumo de nm
artigo do Times ................... 196

Remessa de um document. .......... 196

Annexo A Narraio de mr. Copeland,
relative A maneira por que foi tratado
pelas auctoridades da Beira......... 197

Participacao da nomeagao do capitao Pi-
pon para consul nos territories portu-
guezes ao sul do Zambeze........... 198

Observatqes sobre o reenlamento da na-
vegavgo dos rios Zambeze e Chire. Pe-
dido de revogacso do referido regula-
mento...................... ..... 199

Resposta ao n.* 261 ................. 200


Movimento de navios de guerra inglezes 201


Noticia da aggressao de dois officials de
South Africa serp fundamento ....... 201

Reelamasito contra a attitude hostile do
governador de Quilimane para corn os
massingires....................... 201

Adiamento do parlamento ............. 202



Resposta ao n.0 268 .................. 202

Resposta ao n. 263 ................. 202

Entrevista corn o marqnez de Salisbury.
Discussao sobrevariospontosdo tratado 203

Resposta ao numero antecedente....... 203






XIX


I Datas w
S Nomes Asumptos
.A 1891


0 sr. Luiz de Soveral ao sr. Jos6
Vicente Barbosa du Bocage.

Sir George Glynn Petre ao sr. Jos6
Vicente Barbosa du Bocage.

Sir George Glynn Petre so sr. Jos6
Vicente Barbosa du Bocage.

O sr. Eduardo Augusto de Carvalho
ao sr. Jos6 Vicente Barbosa du
Bocage.

O sr. Jos6 Vinente Barbosa du Bo-
cage ao sr. Luiz de Soveral.

O sr. Luiz do Soveral ao sr. Jos6
Vicente Barbosa du Bocage.

0 sr. Jose Vicente Barbosa du Bo-
cage so sr. Luiz de Several.

0 sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage As legaq5es de Portugal em
Berlim, Madrid, Paris, Roma, S.
Petersburgo e Vienna.



0 sr. Jose Vicente Barbosa du Bo-
cage ao sr. Luiz de Soveral.

0 sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage a sir George Glynn Petre.

0 sr. Josa Vicente harbosa du Bo-
cage a sir George Glynn Petre.

0 sr. Jos6 Vieente Barbosa du Bo-
cage a sir George Glynn Petre.

0 sr. Luiz de Several ao sr. Jos6
Vicente Barbosa du Bocage.

0 sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage ao sr. Luiz do Several.

0 sr. Jose Vicente Barbosa du Bo-
cage a sir George Glynn Petre.

0 sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage a sir George Glynn Petre.

O sr. Luiz de Several ao sr. Jos6 Vi-
cente Barbosa du Bocage.

0 sr. Luiz de Several so sr. Jos6 Vi-
cente Barbosa du Bocage.

0 sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage ao sr. Luiz de Several.

0 sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage aos consules de Portugal no
Cabo e em Pretoria.


2 de maio


2 de maio


2 de maio


2 de maio



3 de maio


3 de maio


3 de maio


3 de maio





3 de maio


4 de maio


4 de maio


4 de maio


4 de maio

5 de maio


6 de maio


6 de maio


6 de maio


6 de maio


7 de maio


7 de maio


Conferencia cor o marquez de Salisbury.
Pedido de instruc9es ............. 204

Resposta so n.0 271 ................. 204


ReclamacAo contia a reunilo em Quili-
mane de 1:000 indigenas armados.... 205

Movimento de tropas para oppor-se A oc-
cupago de Banynaland pelos boers... 206


Resposta so n.O 275 .................. 206


Pergunta Acerca da questao Chinde e cases
em Sarmento ..................... 207

Resposta ao numero antecedente ....... 207


Communicagio da reclamaggo do ministry
de Inglaterra contra a reunion de 10:000
indigenas em Quilimane. Participagio
Sda resposta que o governor vae dar e de
outras noticias da Africa. Ordem para
informar os respectivos governor .... 207

Communicaggo do conteudo do numero
antecedente....................... 208

Resposta ao n. 277 .................. 208


Resposta ao n. 276................... 210


Resposta ao n. 257 ................ 211


Conferencia corn o marquez de Salisbury
sobre as contra-propostas .......... 211

Resposta ao numero antecedente....... 212


Resposta ao n.0 262 ................. 213


Resposta ao n.o 264 .................. 213


Conferencia cor o marquez de Salisbury.
Alteraq5es a alguns artigos do contra-
projecto........................ 214

Manuteniio do statu quo em Africa..... 214


Approvaqgo de algumas clausulas do con-
venio............................ 214

Communicalio da prorogaago do statu
quo ............................ 215


; "










Nomes


O sr. Eduardo Augusto de Carvalho
ao sr. Jos6 Vicente Barbosa du
Bocage.

O sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage ao sr. Luiz de Soveral.


O sr. Luiz de Soveral ao sr. Jose
Barbosa du Bocage.

O sr. Jose Vicente Barbosa du Bo-
cage ao ar. Luiz de Soveral.

O sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage so sr. Luiz de Soveral.

O sr. Luiz de Soveral ao sr. Jos6
Vicente Barbosa du Bocage.


Sir George Glynn Petro ao sr. Jose
Vicente Barbosa du Bocage.

O sr. Jose Vicente Barbosa du Bo-
cage a sir George Glynn Petre.

Sir George Glynn Petre ao sr. Jose
Vicente Barbosa du Bocage.


O sr. Jose Vicente Barbosa du Bo-
cage a sir George Glynn Petre.

O sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage ao sr. Luiz de Soveral.

0 sr. Luiz de Soveral ao sr. Jost6
Vicente Barbosa du Bocage.


Sir George Glynn Petre ao sr. Jos6
Vicente Barbosa du Docage.

0 sr. Luiz de Soveral ao sr. Jose
Vicente Barbosa du Bocage.



O sr. Luiz de Soveral ao sr. Jos6
Vicente B irbosa du Bocage.


O sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage ao sr. Luiz de Soveral.
0 sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage ao sr. Luiz de Soveral.
O sr. Luiz de Soveral no Er. Josi
Vicente Barbosa du Bocage.
0 sa. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage a sir George Glynn Petre.
Sir George Glynn Petre no sr. Jos6
Vicente Barbosa da Bocage.


Datas

1891


8 de maio



8 de maio


8 de maio


9 de maio


9 de maio


9 de maio


9 de maio


9 de maio


9 de maio



9 de maio


10 de maio


11 de maio



11 de maio


11 do maio




11 de maio



12 de maio

12 de maio

12 de maio

12 de maio

12 de maio


Assumptos


Partida do emissario de Gungunhana
para Inglaterra ................... 215


Ordem para declarar acceites as clausu-
las approvadas nos telegrammas ante-
riores. Instrucc6es.................. 215

Discussao dos artigos das contra-propos-
tas .............................. 216

Accusado de recepgo ................ 216


Resposta ao n.o 297. Pedido de explica-
c5es sobre compensaoges ............ 217

Entrevista corn o marquez de Sulisburv
sobre demarca;Ao territorial. Pcdido de
instruceqes......... ............. 217

Resposta ao n.0 281 ................. 217


ExplicaCGes sobre a reuniao de 10:000
indigenas em Sena ................. 218

Reclamacgo contra a inteng.o do gover-
nador de Quilimane de prohibir a na-
vega.ao estrangeira no Zambeze, quan-
do expirasse o modus rhicendi........ 218

Resposta ao n. 303 ................. 219


Resposta ao n." 300 ................. 220


RedacCRo ingleza de alguns artigos em
que ha duvidas. Pedido da tradueaio
portugueza que o governor approval .. 220

Pedido de explicacao sobre a detensio do
mr. Shutler na Beira ............... 221

Proposito do marquez de Salysbury em
nio querer alargar esphera ao norte do
Zambeze sem compensacoes. Proposta
do mesmo marquez. Pedido de resposta 222

Necessidade de conelusio, ad referendum.
no dia 12. Pergunta Acerca da convoca
;ao do parlamento .................. 222

Resposta ao n.o 309 .................. 1223

Ordem para por rubrica nas bases jai ac-
cordadas ........................... 223
Alterac o no artigo 1.* Reconhecimento
do tratado feito corn Gungunbama... 223
Resposta ao n.0 307 .................. 223

Pedido de explicaVGes sobre a detenaio
do vapor inglez Countess of Carnar-
0on ........................- ... 224


---- I






XXI


Nomoa


0 sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage a sir George Glynn Petre.

O sr. Luiz de Soveral so sr. Jos6
Vicente Barbosa du Bocage.

0 sr. Luiz de Saveral ao sr. Jos9
Vicente Barbosa du Bocage.



0 sr. Luiz de Soveral ao sr. Jose
Vicente Barbosa du Bocage.

0 sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bu-
cage ao sr. Luiz de Soveral.

0 sr. Jos6 Vicente B rbosa du Bo-
cage so sr. Luiz de Soveral.

O sr. Luiz de Soveral ao sr. Jos6
Vicente B.irbosa du Bocag,,.

Sir George Glynn Petre so sr. Jose
Vicente Barbosa du Bocage.

Sir George Glynn Petre no sr. Jos6
Vicente Barbosa du Boeage.


0 sr. Luiz de Soveral ao sr. Jose
Vicente Barbosa du Bocage.










0 sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage ao sr. Luiz de Soveral.

Sir George Glynn Petre no sr. Jose
Vicente Barbosa du Bocage.


Sir George Glynn Petre so sr. Jos6
Vicente Barbosa du Bocage.

Sir George Glynn Petro no sr. Jos6
Vicente Barbosa du Bocage.



O sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage a, sr. Luiz de Soveral.


O sr. Luiz de Soveral ao sr. Josa
Vicente Barbosa du Bocage.


Datas

1891


12 de maio


13 de maio


13 de maio




13 de maio


14 de maio


14 de maio


14 de maio


15 de maio


18 de maio



14 de maio

14 de maio



14 de maio


13 de maio


19 de maio


19 de maio



20 de maio


20 de maio




20 de maio



20 de maio


Assumptos


Resposta ao n.0 314 .................. 224


Pcdido de texto completo.............. 224


Artigos dos jornaes inglezes sobre a crise
financeira em Portugal. Resposta do
bario de Worms sobre a vinda a In-
glaterra de enviados do Gungunha-
na .............................. 225

Dia da assignatura das bases e da proro-
gagao do modus vivendi............. 225

Auctorisagio para assignatura das bases.
Instrucqc es........................ 225

Pedido de remessa pelo correio das ba-
ses. Instrucc es. ................... 225

Assignatura do modus vicendi. Remessa
pelo correio das babies .............. 226

Resposta ao n. 30-1 ................. 226


Pedido para que seja levantada a deten-
iAo de barcos perteneentes A expedigAo
embareada no Norseman............ 227

Remessa de documents .............. 228

Annexo A Bases do convenio relative
a Africa oriental, ajustadas em Lon-
dres. ............................ 228
Annexo B Variante ao artigo 1.0 das
bases do convenio ................ 237
Annexo C Accordo relative A troca de
notas por occasiao da assignatura do
convenio ....................... 239
Annexo D.- Accordo relativ'o proro-
gapao do modus vivendi ............. 239

Alteracres e aclnarases a algumas das
bases do tratado ............. ..... 240

Pedido para que sejam enviadas As au-
ctoridades portuguezas ordens para im-
mediata libertagao de Countess of Car-
narvon. .......................... 242

Reclamacqo contra a venda em hasta pu-
blica do Countess of Carnarvon ...... 243

Reclamaqao contra os direitos que as au-
ctoridades aduaneiras portuguezas ado-
ptaram para as mercadorias em transit
da costa oriental para a esphera de in-
fluencia britannica ................. 244

Altera5qes na redacgio de algumas bases.
Insistencia para obter o estabeleci-
mento da arbitragem .............. 245

Impressio Acerca das bases. Influencia
de Rhodes. Desejos do marquez de Sa-
lisbury ........................... 245









XXII


o DataB
Nomes -AmptosT
z 1891


331


332


333


334

335


336


337


338


339



340


341



342


343


344


345



346


347





348


349


O sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage ao sr. Luiz de Soveral.

0 sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage e sir George Glynn Petre.

0 sr. Luiz de Soveral ao sr. Jos6
Vicente Barbosa du Bocage.

O sr. Jos6 Vicente Barbosa du Bo-
cage ao sr. Luiz de boveral.

O sr. Luiz de Soveral ao sr. Jos6
Vicente Barbosa du Bocage.

O sr. Luiz de Soveral ao sr. Jose
Vicente Barbosa du Bocage.

0 sr. Luiz de Soveral ao sr. Jose
Vicente Barbosa du Bocage.

O sr. conde Valbom ao sr. Luiz de
'Soveral.

0 sr. conde de Valbom ao sr. Luiz
de Several.

0 sr. conde de Valbom ao sr. Eduar-
do Augusto de Carvalho.


O sr. conde de Valbom ao sr. Miguel
Martins d'Antas.


O sr. Luiz de Soveral ao sr. conde
de Valbom.

O sr. Eduardo Augusto de Carvalho
ao sr. conde de Valbom.


O sr. conde de Valbom ao sr. Luia
de Several.

O sr. Luiz de Soveral ao sr. conde
de Valbom.


0 sr. conde Valbom -ao sr. Luiz de
Several.

O sr. Luiz de Soveral ao sr. conde
de Valbom.




0 sr. conde de Valbom ao sr. Luiz
de Several.

O sr. Luiz de Soveral ao sr. eonde
de Valbom.


21 de maio


21 de maio


21 de maio


21 de maio


21 de maio


22 de maio


22 de maio


23 de maio


24 de maio


24 de maio


24 de maio



24 de maio


25 de maio


25 de maio

25 de maio



26 de maio


26 de maio





27 de maio


28 de maio


Resposta ao n. 320 ..................


Resposta ao n.O 326 e 327 ............


Submmette a approvals a redac~o de
uma alteragio a uma part do arti-
go 14.0 ........................

Resposta ao n.0 333 ..................

Alvitre Acerca do artigo 14.* .........


Opiniao Acerca das alteracSes a introdu-
zir nos artigos 1.c e 14..............

Dia de assignatura das bases. Alterac-es
nos artigos 1.o e 14. Difficuldades a
veneer....................... .

Resposta ao n.* 327. Urgencia de se che-
gar a um accord .............. -.

Ataque da expediio portugueza em Ma-
cequece por forgas da South Africa.
Ordem para reclamar providencias...

Ordem para telegraphar as noticias rece-
bidas no Cabo, Acerca do ataque de
Macequece.......................

ParticipaVAo do ataque da expeditio por-
tugueza em Macequece. Ordem para
rectificar as noticias inexactas que a
imprensa franceza publique .........

Noticias publicadas nos jornaes inglezes
Acerca do ataque de Macequece......

Telegramma publicado pela South Africa
Acerca do ataque de Macequece. Con-
selhos do Cape Argus. .............

RecommendaVAo para assignar as bases
defiuitivas.................. ......

Communicacao no Foreing Office do con-
flicto de forgas em Manica. Attitude da
imprensa.........................

Auctorisacgo para assignar as bases....


Discussio com o marquez de Salisbury
sobre a assignatura das bases. Reci-
procidade e concessies obtidas. Pedido
de resposta quanto A alteraqao no
artigo 11. ..........................

Resposta ao n.* 347.................


Assignatura das bases. Redacqio da al-
teraVao no 5. do artigo 11. .......








xxmI


Nomes


0 sr. conde de Valbom ao sr. Luiz
de Several.

0 sr. Luiz de Soveral ao sr. conde
de Valbom,


Datas

1891


29 de maio


28 de maio

28 de maio


28 de maio


Assumptos.


Apresentagio das bases ao parlamento
logo que cheguem. Louvores.........

Remessa de documents ..............

Annexo A-Bases do convenio relatives
A Africa oriental ajustadas em Londres

Annexo B Accordo relative a troca de
notas por occasiao da assignatura do
convenio .........................






NEGOCIOS EXTERNOS




DOCUMENTOS APRESENTADOS AS COR TE
NA
SESSAO LEGISLATIVE DE 1891
PELO


MINISTRO E SECRETARIO D'ESTADO DOS NEGOCIOS ESTRANGEIROS

NEGOCIOS D'AFRICA
NEGOCIAgOES DO TRATADO COM A INGLATERRA
IV-


LISBOA
IMPRENSA NATIONAL
1891




BYJATA

Pag. 229, linha 84, onde se Wi Rof parallel 130, 8301, leinca so of parallel 11", 30'.,



















N.o 1

SIR GEORGE GLYNN PETRE, MINISTRY DE INGLATERRA EM LISBOA,
AO MINISTRY DOS NEGOCIOS ESTRANGEIROS


British Legation. Lisbon, October 7th 1890. -Monsieur le Ministre. -With re-
ference to the note which I had the honour to address to His Excellency Senhor Hintze
Ribeiro on the 13th ultimo informing the Portuguese Government by direction of the
Marquis of Salisbury that Her Majesty's Government agreed generally to certain modi-
fications of the convention of the 20th August therein specified, I received subsequently
from His Lordship a dispatch in which the nature and extent of the modifications are
more fully stated.
1. In the view therefore of lHer Majesty's Government, with the exception of article x
2 and 3 of article xI and 2 and 3 of article xlv, the provisions of the convention
as regards the western side of Africa, do not apply to the province of Angola, but only
to the territories recognized by Great Britain in that agreement as being within the Por-
tuguese sphere of influence. The limits of the province of Angola should be taken to be
those laid down in Stieler's Atlas (Berlin, 1889).
2. Her Majesty's Government are willing that in place of the stipulations in the
convention to the effect that certain territories shall not be ceded to Portugal without
the consent of Great Britain, it should be provided that Great Britain shall have a
preferential right of acquiring those territories on the same terms as those on which it
may be proposed at any time to transfer them to any other Power.
3. The object of Her Majesty's Government in stipulating that one of the engineers
employed to make the surveys for the railway to Pungue Bay should be nominated by
them was to satisfy public opinion in England that the survey would be prompt and sa-
tisfactory. This condition however might be believed on the understanding that one of the
engineers would be of neutral nationality if the Portuguese Government should desire it,
and that his selection should be made by mutual agreement between the two Governments;
the arbitration clause being applied in the event of disagreement.
I avail, etc.

TRAD U CQAO

Lisboa, 7 de outubro de 1890.-Sr. ministry. -Com relag~o A nota que eu tive a
honra de dirigir a s. ex.a o sr. Hiutze Ribeiro em 13 do passado, informando o governor
portuguez, por ordem do marquez de Salisbury, de que o governor de Sua Magestade
concordava em geral em certas modificactes da conven9Ao de 20 de agosto, all especifi-
cadas, recebi subsequentemente de s. ex.a um despacho em que a natureza e extenslo
das modificag6es se especifica mais completamente.









1.0 Segundo a opiniao do governor de Sua Magestade, com excepqAo do artigo 10.0,
2.0 e 3.0 do artigo 11.0 e 2.0 e 3.0 do artigo 14.0, as determinages da conven9Ao
no que respeita a Africa occidental nao so applicam A provincial de Angola, por6m, s6-
mente aos territories reconhecidos pela Gran-Bretanha n'este accord como ficando den-
tro da esphera da influencia de Portugal. Os limits da provincial de Angola seriam tmrna-
dos como existem no atlas de Sticler (Berlim, 1889).
2.0 O governor de Sua Magestade accede a que no logar das estipulacoes da conven-
Fio, para o effeito de que certos territories nAo serAo cedidos a (deve ser por) Portugal
sem o consentimento da Gran-Brctanha, fique estabelecido que a Gran-Bretanha terA un
direito de preferencia para adquirir aquelles territories nos mesmos terms em que possa
vir a ser proposta cm qualquer occasiAo a sua transferencia para qualquer outra potencia.
3.0 O intent do governo de Sua Magestade, ao estipular quo um dos engenheiros
empregado nos estudos do caminho de ferro para a bahia do Pungue scria por elle governoro
britannico) nomeado, era satisfazer a opiniao public em Inglaterra de modo que os es-
tudos fossem rapids e satisfactorios. Esta condicio poderia ser attenuada pela intelli-
gencia de que um dos engenheiros scria de nacionalidade neutral, so o governor portuguez
o desejasse, e que a sua escolha scria fcita por mutuo accord pelos dois govcrnos, appli-
cando-se a clausula da arbitragem em caso de divergencia.
Aproveito, etc.

N. 2

0 SR. JOAQUIM JOSE MACHADO, GOVERNADOR GERAL DE MOCAMBIQUE,
AO MINISTRY DA MARINA E ULTRAMAR
Telegramma.
Mogambique, 13 de outubro de 1890.-Flotilha ingleza subiu Zambeze, Chire, n6s
protestAmos.

N.0 3

0 SR. ANTONIO ENNES, MINISTRY DA MARINA E ULTRAMAR
AO SR. JOAQUIM JOSE MACHADO
Telegramma.
Lisboa, 14 de outubro de 1890.-Mande todas informacaes Acerca entrada canho-
neiras inglezas no Zambeze, bem como Acerca da entrada de quaesquer forgas no territorio
de Manica.


N. 4

0 SR. JOAQUIM JOSE MACHADO AO SR. ANTONIO ENNES
Telegramma.
Moqambique, 15 de outubro de 1890.- Commandante Chinde recusou aos inglezes
terreno para deposit de materials, as canhoneiras foram armadas na agua; concluidas,
subiram rio corn bandeira ingleza. Governador do Quelimane estava no Chinde, preve-
niu inglezes nao navegarem nas aguas interiors antes da ratificaao do tratado, comtudo
esquadrilha seguiu, recebendo commandant o nosso protest; receio encontrem resistencia.
Colquhoun, representante da companhia britannica fez em 14 setembro tratado corn Mu-
tassa, cessAo parte terrenos de Manica. Em 16, Rezende mais quatro portuguezes e dois








indigenas fizeram protest escripto. Responded Colquhoun tinha cumprido instrucqGes su-
periores, havia mais occupado logar junto origem Save comn consentimento do alto commis-
sario do Cabo, qualquer alteragAo facto consummado s6 podia ser decidida entire governor
portuguez e britannico.


No 5

0 SR. JOSE VICENTE BARBOZA DU BOCAGE, MINISTRY DOS NEGOCIOS ESTRANGEIROS,
AS LEGACOES DE PORTUGAL EM BERLIN, BRUXELLAS, HAYA,
MADRID, ROMA, SANTA SE, S. PETERSBURGO, STOCKHOLMO E WASHINGTON
Telegramma.
Lisboa, 16 de outubro de 1890.-Declaracao ministerial feita hontem no parlamento
e acolhida corn approvacao por todos os partidos monarchicos 6 a seguinte na parte rela-
tiva a political externa: (O governor, identificado com o sentiment national, nao p6de re-
commendar a sanccAo do parlamento o tratado de 20 de agosto, embora nao pretend
estorvar a execugAo da sua clausula quo ja o sujeitou a essa sancgAo. Acceitaria de born
grado modificagies no mencionado tratado que, resalvando a dignidade e os interesses da
nagao, facilitassem o restabelecimento da mais complete harmonia entire Portugal e a sua
antiga alliadas. Queira informer d'ella esse governor, e accentuar que governor portuguez
viu absolute impossibilidade do obter approvacao do tratado 20 de agosto, em conscquen-
cia de Ihe ser manifestamente adversa opiniio public e parlamento, por isso nao prorogou
as cameras para sua immediate discussao; mas vae sem demora proper ao governor britan-
nico justas e necessarias modifica95es, que possam satisfazer sentiment national e asse-
gurar approvagAo do tratado; obtidas ellas, convocara parlamento e promoveri immediate
discussao do tratado modificado. Governo portuguez espera que governor britannico se nao
recuse a essas modificagnes, e solicit d'esse governor todo o auxilio para assim conseguir,
e sobretudo para conseguir do governor britannico quo n~o d6 pass algum definitive sem
receber a proposta do modifica96es que lhe vae apresentar governor portuguez. Logo que
esteja redigido project contend as modificapies serA communicado a essa legag~o. Fun-
dado n'estas informagaes procurarA v. ex.a officiosamente esclarecer a opiniao e destruir
pelos meios ao seu alcance quaesquer boatos que possam prejudicar ulteriores negociagpes
ou comprometter interesses do paiz.

N. 6

0 SR. JOSE VICENTE BARBOZA DU BOCAGE AO SR. LUIZ DE SEVERAL
ENCARREGADO DE NEGOCIOS DE PORTUGAL EM LONDRES

Telegramma.--Extracto.
Lisboa, 17 de outubro de 1890.-Em telegramma nao entendido disse a v. s.a que
enviara as legagoes de Portugal e embaixada do Portugal circular contend extract da
declaraIAo ministerial. Foi-lhes na circular determinado: 1.0, informal corn urgencia go-
vernos que governor portuguez vira impossibilidade fazer approval tratado sem modifica-
9oes, por isso nao prorogadas cameras e in proper essas modificagics; 2.0, solicitar d'esses
governor todo o auxilio junto do governor britannico para receber proposta de modifica-
9oes e nDo dar passo definitive antes de recebcr proposta do governor; 3.0, esclarecer opi-
nilo public sobre inteno5es governor portuguez. Sirva-se pela sua part empregar corn a
maior diligencia todos os meios no sea alcance para que governor britannico nlo d6 pass
algum definitive antes de receber proposta do governor, que serA apresentada sem demora,







8

e informal govcrno britannico verbalmente de que o governor portuguez nAo quiz cameras
prorogadas para immediate discussAo tratado, por considerar rejeicio inevitavel se nao fosse
modificado; convocard novamente parlamento logo que obtiver modificacao que vae pro-
por, principalmente quanto A parte commercial, por center algumas clausulas obscuras e
perigosas para o commercio portuguez; modificadas ou aclaradas essas clausulas mais irri-
tantes para o sentiment national, cre facil em questao territorial conciliar immediatamente
interesses reciprocos.

N.o 7

0 SR. JOSE VICENTE BARBOZA DU BOCAGE AO SR. LUIZ DE SOVERAL
Telegvnmma.
Lisboa, 19 de outubro do 1890.-Queira indagar e dizcr pelo telegrapho o que ahi
constar Acerca do logar onde se acha actualmento Colquhoun, agcntc da South Af-ric, por
constar aqui tor invadido Manica. Ministro inglez nio fez declara.ao alguma hoje no audicn-
cia do ministry dos negocios estrangeiros.

N. 8

0 SR. JOSE VICENTE BARBOZA DU BOCAGE AO SRI. LUIZ DE SOIERAL
Telegramma.
Londres, 19 de outubro do 1890.-Telegrammas officials do hoje MoInambique e
Loureno9 Marques annunciam que destacamentos de expedicao armada da companhia
South Africa invadiram Mutassa a 14 do sctembro, passaram a Zfunhla. tudo dentro de-
marcagpo portugueza segundo tratado, e chcgaram ultimamcnte ;i Beira, na foz d, Pun-
gue. Queira informar com urgencia governor inglez e reclamar prompts providencias para
evitar conflicts gravissimos.

N.0 9

0 SR. LUIZ DE SEVERAL AO SR. JOSE VICENTE BARBOZA D BOCAGE
Telegramma.
Londres, 20 de outubro de 1890.- Tive longa entrevista com marquez de Salisbury,
a quem expuz minuciosamente todas as consideracges que poderiam leval-o a acceitar as
modificag9es que v. ex.a julga necessarias, ao tratado de 20 de agosto. S. ex.a fi sempre
muito cortez, mas mostrou-se muito rescntido corn o procedimento de Portugal. Eis em
resume sua declaracto: tratado deve ser ratificado on abandonado, tal cimo foi snbmet-
tido ao parlamento. S. ex.a esti, pormm, prompto a encetar desde j;i negoeia.-es para um
novo tratado. As novas negociacoes poderiam ter logar aqui ou cm Lisboa, segundo mais
convier ao governor portuguez.

N.0 10

0 SR. LUIZ DE SEVERAL AO SR. JOSE VICENTE BARBOZA DU BOCAGE
Telegramma.- EVxtracto.
Londres, 21 de outubro de 1890.-Ampliando men telegramma de hontem, tenho a
acrescentar: Marquez de Salisbury disse-me que o actual estado dos negocios era insus-






9

tentavel; que os poderes ratificantes em Portugal nio admittiam o tratado, mas que ao
mesmo tempo o governor portuguez queria que o governor inglez respeitasse as prescri-
p95es d'esse instrument, quo os acontecimentos caminhavan muito depressa e que n'este
moment jA at6 lhe parecia quasi impossivol fazer acceitar pela opiniAo os compromissos
contrahidos pelo tratado relative ao sul do Zambeze. Procurci fazer ver ao marquez de Sa-
lisbury que a exaltago dos animos em Portugal torna actualmente impossivcl a approvagAo
do tratado, que por isso era indispensavel modificar. Marquez de Salisbury respondeu-me
que isso nao podia ter logar; que o ministorio transacto tinha dcixado o poder, scm cum-
prir a promessa de submetter o tratado A votaAo do parlamento; que n'cstas condiSies
elle se via obrigado a considerar o tratado como abandonado, achando-se, porim, prom-
pto a entabolar novas negociac8es para conclusAo do novo tratado aqui ou cm Lisboa. Fiz
valer todas as considcracoes que v. ex.a bem p6de support; mas s. ex." manteve a sua pri-
meira declaragAo, do que nao podia acceitar ncnhunma propoatas de modificag~es ao tratado
de 20 de agosto.


N.o 11

0 SR. EDUARDO AUGUSTO DE CARVALIIO, CONSUL DE PORTUGAL NO CABO DE BOA ESPERANCA
AO SR. JOSE VICENTE BARBOZA DU BOCAGE
Telegramma.
Cabo, 22 de outubro do 1890.-Informagces de boa origem fazem crer que Rhodes
e High commissioner projectam occupagAo immediate da margem esquerda do Zambeze.



N.o 12

0 SR. LUIZ DE SEVERAL AO SR. JOSE VICENTE BARBOZA DU BOCAGE

Tclegramma. Ixt racto.
Londres, 22 do outubro de 1890.- Quando foi conhecido no Cabo da Boa Espe-
ranga o tratado, Rhodes comecou a fazer-lhe opposicAo. Essa opposicao ia tomar uma
f6rma mais accentuada quando os acontecimentos cm Portugal Ihe fizeram esperar que o
tratado niio seria ratificado. Agora Rhodes estA cnmpregando todas as influencias para que
tratado seja abandonado. NAo receia senio uma cousa: a immediate ratificag;o do tra-
tado; estas informagies sio absolutamente authenticas. E tamnbem certo haver Colquhoun
invadido district de Manica.


N.o 13

0 SR. LUIZ DE SEVERAL AO SR. JOSE VICENTE BARBOZA DU BOCAGE

Telegramma.
Londres, 23 do outubro de 1890.- Recebi o telegramma de v. ex.a Marquez de
Salisbury s6 volta a Londres segunda ou terca feira. Pedi audiencia.






10


N.0 14

0 SR. JOSE VICENTE BARBOZA DU BOCAGE AO SR. LUIZ DE SEVERAL
Telegramma. i xtracto.
Lisboa, 23 de outubro de 1890.- Queira v. s.a dar parte cor a maior brevidade ao
marquez de Salisbury, da seguinte proposta do governor que brevemente confirmarei por
despacho.
Governo portuguez, sem examiner os fundamentos que allega governor britannico para
considerar abandonado tratado, acceita desde jA declaracAo feita a v. s.a pelo marquez de
Salisbury, de que estA disposto a entrar em novas negociaoes, manifestando pela sna
part igual disposigo e propondo que negociacfes tenham logar em Lisboa. Podendo,
por6m, succeder, que essas negociaeoes sejam morosas e tendo de ficar sen resultado de-
pcndente de sancgRo legislative, talvez impossivel de obter immediatamentc o governor
portuguez suggere a conveniencia de estabelecer desde jA um moldus vivzndi, a fim de
satisfazer interesses mais instantes, e propio n'essa conformidade as bases seguintes, para
cuja immediate execugAo tern governor portuguez as faculdades legaes necessarias:
1.a Decretar immediatamnnte a livre navogagao do Zambeze e do Chire.
2.a Permittir e facilitar o transit pelas vias fluviaes do Zambeze, Chire e Pungue,
bem como pelas vias de communicagAo terrestre que suppram a sua innavegabilidade.
3.a Facilitar as communicaeges entire os portos portuguezes do litoral e os territo-
rios comprehendidos na esphera de ac!o da Gran-Bretanha, muito particularmente pelo
que respeita ao estabolccimento de communicapges postaes e telegraphicas e ao servipo
de recovagens.
4.a Manter-se reciprocamente, por cada uma das altae parties contratantes, o statu quo
territorial sobre a base da delimitac o estabelecida pelo tratado de 20 de agosto, durante
as novas negociapges o at di ratificagiio do futuro tratado. Na conformidade d'este tele.
gramma poderA v. s.a redigir umra nota verbal para entregar ao marquez de Salisbury, se
assim Ihe for pedido.

N.0 15

0 SR. JOSE VICENTE BARBOZ DU BOCAGE AS LEGA{CES DE PORTUGAL EM BERLII,
BRUXELLAS, HAYA, MADRID, PARIS, ROMA, S. PETERSBURGO E VIENNA
Telegramma.-Extracto.
Lisboa, 23 de outubro de 1890.-Encarregado de negocios de Portugal em Lon-
dres foi encarregado de pedir ao marquez de Salisbury inanutenclo do status quo, se-
gundo ultimo tratado atW governor proper modificages, principalmente na parte com-
mercial, visto governor portuguez nao julgar possivel sua approvacAo e ratificagAo imme-
diata, por counter clausulas que a opiniAo public e parlamento nao acceitariam. Marquez
de Salisbury disse considerar governor britannico abandonado tratado, nao sendo ja
ratificado, mas estar disposto a entrar em novas negociagoes. Dirigi ao encarregado de
negocios telegramma com ordem para proper ao governor britannico estabelecer durante
essas negociagoes um modus vivendi, para cuja execucuo ter governor faculdades legaes,
sem necessidade do parlamento, e quo dA satisfatao aos interesses instances legitimos da
Gran-Bretanha. Suas bases seriam: decretar a livre navegacAo do Zambeze e Chire: faci-
litar transit mesmos rios e Pungue; facilitar communicagies centre litoral e esphera de ac-
gao da Gran-Bretanha; manter statu quo territorial, segurido ultimo tratado. Governo portu-






11

guez ter informag5es de que governor do Cabo de Boa Esperanga e companhia South
Africa usam de todas as influencias para impedir acceitagao de qualquer accord cor
governor portuguez pelo governor britannico.
Governo portuguez pede a esse governor que use, cor a maior brevidade, toda a in-
fluencia junto do governor britannico para acceitar accord. Caso urgente; seria util que
diligencias fossem feitas por representantes em Londres e por meio do representante in-
glez ahi, para maior brevidade.
Urge fazer comprehender a esse governor, que este accord e unico meio de cortar
conflicts perigosissimos para a paz e seguranga de Portugal, invocar interesses valiosos
de toda a especie, ligados na Europa a essa paz e seguranga, pondo-a em opposigao aos
interesses puramente commerciaes de uma companhia que quer evitar esse accord para
se apossar de territories cuja posse legitima sabe nio poder adquirir, e cuja invasio in-
formagres officials asseguram ter comegado antes da apresentagAo ao parlamento do tra-
tado.
Queira corn a maior brevidade dar conhecimento d'este telegramma e fazer nota
verbal na sua conformidade, deixando copia se Ihe for pedida.



N.0 16

0 SR. JOSE VICENTE BARBOZA DU BOCAGE AO SR. LUIZ DE SOVERAL

Lisboa, 24 de outubro de 1890.-Desde o dia 14 do corrente, em que tomei conta
da pasta dos negocios estrangeiros, atW hoje, succederam-se cor tal frequencia as com-
munica9pes telegraphicas entire este ministerio e essa legag-o, que a estreiteza do tempo
nao permittiu acompanhal-as de despachos escriptos. Agora, por6m, julgo indispensavel
historiar os ultimos factos e orientar exactamente v. s.' acerca das intencSes do governor
de Sua Magestade, e da situa9ao em que elle se encontrou, perante o parlamento e a von-
tade do paiz, querendo dar uma solugAo convenient As negocia9ges corn o governor de
Sua Magestade Britannica relatives a Africa oriental; negociag9es estas que ja haviam
dado origem ao ultimatum de 11 de janeiro, e a que o gabinete transacto procurou por
termo corn o tratado de 20 de agosto.
Ao ser apresentado este document a camera dos senhores deputados encontrou,
tanto por occasiao da sua leitura como nas commissoes que deviam sobre elle dar parecer,
um tal acolhimento, que o ministerio presidido pelo sr. Antonio de Serpa Pimentel apre-
sentou a El-Rei a sua demissAo collective, que Sua Magestade se dignou acceitar.
Entretanto era geral a excita9Ao dos animos, multiplicavam-se rapidamente no paiz
todo as representaqges contra o tratado, receiava-se ate pela conservagao da ordem pu-
blica. As manifestagaes da opiniio, com diverse f6rma, por6m cor extraordinaria unani-
midade no sentiment, repelliam energicamente o convenio que o ministry de Sna Mages-
tade em Londres havia assignado cor o primeiro ministry de Sua Magestade Britannica,
Foi long e laboriosa a crise ministerial, durou perto de um mez, e, comtudo, se essas
manifestagoes da opiniao decairam de intensidade, pela crenca geral de que o tratado nao
seria ratificado sem modificag9es, nem por isso chegou a estabelecer-se uma corrente con-
traria que d6sse ao novo gabinete a convicqAo de que o parlamento, prorogado que fosse
para o discutir, Ihe daria a sua approvag9o. Fazel-o discutir em taes condiq9es seria ag-
gravar uma situag9o difficil que a discussAo parlamentar tornaria, de certo, peior, sobre-
tudo se terminasse por uma rejeig9o.
N'este meio tempo occorriam na Africa factos que demonstravam quanto era precise






12

chegar rapidamente a um accord cor o governor britannico, e quanto era perigoso um
regimen que deixava os bracos livres A companhia South Africa, cuja ambiCao desmedida
nem conhecia fronteiras, nemn respeitava o convenio de 20 de agosto. Em Lisboa corriam
boatos (que informagn~s officials depois confirmaram), de que uma expedicAo armada in-
vadira Manica, tendo A sua frunte Colquhoun, agent da companhia.
Durante a interinidade, scm mesmo haver ainda novo governor constituido, o repre-
sentante de Sua Magestade Britannica communicira vcrbalmente no director politico d'este
ministerio quo : (Se as cortes fossem adiadas scm ser approvado o tratado, o governo in-
glez julgar-se-ia desligado d'elle.
Eis a situagAo em que so encontrava o governor em 15 de outubro, no dia da sun
apresentagco ao parlamento, ultimo da scsslo legislative.
Muito agradavel seria para o governor de Sua Magestade que o tratado de 20 de
agosto podesse merecor a approvagAo do parlamento, que nao fosse precise modificar al-
gumas clausulas offcnsivas do sentimento national, que nio fosse indispensavel aclarar
outras perigosas para os interesses portuguezes na Africa; mas, por maior que fosse o
empenho do governor em p6r termo a situacio creada pelo ultimatum de janeiro, nunca
poderia ser bastante para lhe fazer acreditar na possibilidade, quer de alcanear essas mo-
dificapies e aclaragGes durante a discussAo, quer de ver dar, sem ellas, immediate appro-
vagAo Aquelle instrument diplomatic; por isso, nao foram prorogadas as camaras de
f6rma a poderem proseguir no seu exame e discussao.
Este facto negative, o facto da nao prorogaiAo do parlamento, s6mcnte significava,
da part do governor de Sun Magestade, a intcncito deliberada de proper ao governor de
Sua Magestade Britannica modificagoes ao tratado, na esperanga de que ellas fissem al-
caneadas em breve praso; e na resolu9tio de convocar extraordinariamente as cameras.
se antes de janeiro ellas podesscm deliberar sobre as clausulas do novo accord a que st
tivesse chegado corn o gabinete presidido por Lord Salisbury.
O mais urgent agora era obter do nobre Lord, que e!le expedisse para o Cabo de
Boa Esperanca as ordens necessarias para evitar novos emprehendimeutos da South Afri-
ca Company, e nos informasse da parte que tivcra o governor britannico nos factors oc-
corridos em Manica, factors cujo alcance e significaglo seriam muito diversos conform o
primeiro ministry da Rainha reconhecesse a sua existencia e os perfilhasse, on decla-
rasse nao ter intervindo n'elles. A oste respeito foi-me communicado officiosamente por
sir George Petre que ((o governor britannico nao recebeu confirmaico das nticias de
Mogambique recebidas em Lisbona. Em presence de similhante declaratgio cumpria ao
governor de Sua Magestade aguardar informaenes mais amplas e melhor documentadas,
abstendo-se de fazer obra por communicaeies telegraphicas, embora essas fossem officials
e se referissem a pontos determinados takes como Mutassa e Zefunha, que estao) eviden-
temente na regiao quo o tratado de 20 do agosto nos attribute, e a Beira, foz do Ptmgue,
logar que nunca por ninguem nos foi contestado.
Quando chogarem documents escriptos, cuja authenticidade nao possa contestar-se,
entAo sorA occasito de tratar definitivamente este assumpto com o governor de Sua Ma-
gestade Britannica.
Foi v. s.a informado por telegrammas, de 16 e 17 do corrente, do que o governor
de Sua Magestade pretendia alcangar, e do modo por que encarava a situac~o ; e os seus
telegrammas de 20 e 21 mostram que v. s.a executou rigorosamente as minhas instruc-
95es.
Dizem-me esses tolegrammas de v. s.', que o primeiro ministry de Sua Magestade
Britannica lhe declarou: sque nas condicibes actuaes se via obrigado a considerar o tra-
tado como abandonado, aehando-se, por6m, disposto a entabolar novas negociagies para
concluslo de um novo tratado em Londres ou em Lisboan.






13

O abandon do tratado 6 facto consummado para o governor britannico, facto prove-
niente de: water o gabinete transacto deixado o poder sem ter cumprido a promessa de o
submetter A votagAo do parlamenton; e anterior A forma9Ao e A responsabilidade do actual
gabinete, como prova a declarag9o verbal do ministry do Inglaterra ao sr. Agostinho do
Ornellas.
Como facto consummado acceito o abandon do tratado, e n'essa conformidade abste-
nho-me, por agora, de Ihe discutir os fundamentos; mas esse mesmo abandon cria uma
situacao difficil e perigosa, que nio p6de subsistir tanto tempo quanto podem durar as
negociagoes do novo tratado em que o marquez de Salisbury concorda.
D'ahi proveiu a resolugao tomada no dia 22 em conselho de ministros, de proper A
Gran-Bretanha um modus vivendi, cujas bases enuncici no meu telcgramma, que v. s.a
recebeu hontem. Limito-me a confirmal-as n'este despacho, por isso que os terms preci-
sos em que estao redigidas dispensam mais largas explica9ies.
SIo as seguintes:
I. Decretar immediatamente a livre navegagao do Zambcze e do Chire;
II. Permittir e facilitar o transit pelas vias fluviacs do Zambeze, Chire e Pungue,
bem como pelas vias de communicaago terrestre que suppram a sua innavigabilidade;
III. Facilitar as communicagaes entire os portos portuguezes do litoral e os territo-
rios comprehendidos na esphera de acq o da Gran-Brethnha, muito particularmente pelo
que respeita ao estabelecimento de communica9oes postaes e telegraphicas e no servigo
de recovagens;
IV. Manter-se reciprocamente, por cada uma das altas parties contratantes, o statu
quo territorial, sobre a base da delimitagAo cstabelecida pelo tratado de 20 de agosto, du-
rante as novas negocia6es e at6 A ratificago do future tratado.
Como 6 facil ver, pelo simple enunciado d'estas bases, o governor de Sua Magestade
ter as faculdades necessarias para as decretar logo que o governor de Sua Magestade
Britannica declarar formalmente que acceita o modus vicendi, por ellas estabelecido, e se
obrigar positivamente ao estricto cumprimento de todas e principalmente da quarta.
Parece ao governor de Sua Magestade que estas bases garantem sufficientemente,
sem grave prejuizo para Portugal, os legitimos interesses dos subditos de Sua Magesta-
de Britannica, que poderio assim ter a sufficient liberdade para exercer o seu commer-
cio e a sua iudustria, dilatar a sua influencia e dominio, nos territories reservados para
a esphera de acqao da Gran-Bretanha; poderao tambom transitar facil e livremente pe-
los nossos para esses territories, sujeitando-se apenas Aquelles direitos e encargos que sao
a natural retribui9io dos servigos prestados pela administra9Ao dos estados cultos.
Fica v. s.a auctorisado a assegurar que o governor portuguez tenciona dar ao com-
mercio e As industries licitas toda a protecg9o que estiver ao seu alcance, cobrando ape-
nas os impostos de quo se nao p6de prescindir, e que seria contraprudecente supprimir,
como agora mesmo se esta provando pelo facto de se ever reunir brevemente cm Bru-
xellas uma conferencia, a fim de proporcionar ao Estado Independente do Congo recur-
sos, sem os quaes nao podia subsistir, e quo lhe eram negados pela legislacao tributaria,
cujas bases estabeleceu a conferencia de Berlim.
Emquanto a regulamentacAo da livre navegagao do Zambeze e do Chire procurarA
o governor de Sua Magestade que ella seja feita, tanto quanto possivel, pela f6rma por
que foi estabelecida para outros rios africanos na mesma conferencia de Berlim; e o go-
verno nao tern duvida em decretal-a desde que part das margens d'estes rios estIo in-
cluidas na esphera de ac9ao de outras nag~ies civilisadas, e portanto jA nao pdde negar-se
agora a estas duas vias fluviaes o character de internacionalidade que ner uma ncm ou-
tra possuiam em 1884.
Parece ao governor portuguez que sobre estas bases serA facil assentar um vantajoso






14

accord cor o governor de Sua Magestade Britannica. Para acceital-as, e adherir ao mo-
dus vivendi que ellas estabelecem, s6 poderA esse governor encontrar opposigao na ambi-
9o insoffrida da South Africa Company, pois para essa empreza 6 claro que muito mais
conviria a complete ausencia do qualquer accord, mediante o qual os seus emissaries
poderiam percorrer todos os territories cujas riquezas naturaes os attrahissem, e multi-
plicar, sem impedimento, os tratados de vassallagem obtidos pelo suborno ou pela ameaca,
mcios estes de que o governor portuguez nem mesmo poderia lanear mao, para lhes con-
trariar as audaciosas tentativas, porque os nAo p6de usar o governor de uma naA'o civi-
lisada.
Entendi, por6m, que seria convenient fazer conhecer a algumas nacoes amigas, mais
ou menos interessadas nos assumptos africanos, a verdadeira situa9qo e os legitimos de-
sojos do governor portuguez, por me parecr util que os governos d'essas nac.es apoias-
sem officiosamente as propostas que v. s.a esta encarregado de apresentar; por isso di-
rigi As legagpes de Portugal em Berlim, Bruxellas, Haya, Madrid, Paris, Roma, S. Pe-
tersburgo e Vienna um telegramma circular, e d'este mesno despacho vou enviar-lhes copia.
Creio ter explicado sufficientomente a v. s.5 os factos que se teem dado ultimamente
e as inteng9es e desejos do governor de Sua Magestade.
Deus guard, etc.

N.o 17

0 SR. LUIZ DE SEVERAL AO SR, JOSE VICENTE BARBOZA DU BOCAGE

Telegramma Extracto.
Londres, 27 de outubro de 1890.-Venho da entrevista cor marquez de Salisbury,
a quem expuz assumpto telegramma de v. ex.a" Concordon abertura novas negociagoes
em Lisboa. Pelo que se refore ao modus vivendi disse que lhe parecia ever limitar-se As
regimes do Ruo, aonde tinha comegado o conflict e onde actualmente Coutinho estava
creando grades difficuldades. Pediu-me lhe dirigisse nota contend proposta amodus vi-
vendi, A qual responderia corn contra-proposta. Vou redigir nota.


N.0 18

0 SR. LUIZ DE SEVERAL AO SR. JOSE VICENTE BARBOZA DU BOCAGE

Telegramma.-Extracto.
Londres, 28 de outubro de 1890. Mandei hoje nota. Cor referencia A entrevista
de hontem vou ampliar meu telegramma: principiei por lhe fazer ver conveniencia de
um modus vivendi e propuz-lhe suas bases. Marquez de Salisbury respondeu-me o que
telegraphei a v. ex.a Observei-lhe que isso estava comprehendido n'uma das bases que
mantinha o statuo quo territorial sobre a base da delimitagao estabelecida pelo tratado de
20 de agosto durante a nova negociagao e at6 A ratificagAo do future tratado. S. ex.a
disse entao que o tratado de 20 de agosto estava abandonado e que por consequencia nao
podia referir-se a esse instrument. Insisti na necessidade do status quo. Lembrei-lhe que
os agents da companhia South Africa nem tinham esperado pela reuniao das cameras
portuguezas para invadirem territories que nos eram reconhecidos pelo tratado, de que
nao seriam elles capazes agora que nao tinham tratado a respeitar? Que s. ex.' sabia
que a companhia nao queria a continuagqo das negociagqes para ficar cor as maos livres
e que lhe nao faltariam meios para tornar impossiveis todos os esforgos conciliadores,





-4
15

creando incidents irritantes a cada moment. S. ex.a disse-me que comprehendia a gra-
vidade da situagao, mas que tambem se achava n'uma posigAo extremamente difficil.


N.o 19

0 SR. LUIZ DE SEVERAL AO SR. JOSE VICENTE BARBOZA DU BOCAGE
Telegramma.
Londres, 5 de novembro de 1890.-Ainda nao recebi resposta A nota de 28 de ou-
tubro. Nao me surprehende esta demora, sendo a situaggo do marquez Salisbury muito
difficil em presenga das exigencias da companhia South Africa e da hostilidade quasi
unanime da imprensa.
Tive hoje informagao authentic sobre as aspiragqes da companhia. O seu objective
6 o'mar e transigiram sobre muitos pontos se podessem obter Sofala. Pcssoas auctorisa-
das pretendem que marquez de Salisbury nao poderA obter evacuacio dos districts jA
occupados.]Receio abertura parlamento, que terA logar no dia 25 do corrente. E ne-
cessario chegar a uma solugAo antes d'essa data.


N.o 20

0 SR. JOSE VICENTE BARBOZA DU BOCAGE AS LEGAOES DE PORTUGAL EM BERLIN,
BRUXELLAS, MADRID, PARIS, ROMA, S. PETERSBURGO E VIENNA
Telegramma.
Lisboa, 6 de novembro de 1890.- Queira ir agradecer em nome do governor a acgao
amigavel d'esse governor junto do governor britannico e aproveitar a occasiAo para informal
o ministry dos negocios estrangeiros do seguinte: Nota verbal com bases modus vivendi
foi entregue em data 28 de outubro a marquez de Salisbury; ainda nRo ha resposta, e
consta por informagao fidedigna ser demora devida aos esforgos da companhia South
Africa. Seria da maior conveniencia contrapor-lhes influencia d'esse governor para obter
resposta favoravel antes que abra parlamento britannico.


N.o 21

O SR. LUIZ DE SEVERAL AO SR. JOSE VICENTE BARBOZA DU BOCAGE
Telegrammna.
Londres, 6 de novembro de 1890.-Reeebi hoje a resposta A minha nota de 28 de
outubro ultimo. E a seguinte: Recebi a sua nota de 28 ultimo, formulando as bases so-
bre as quaes o governor portuguez proper que se estabelega um modus vivendi entire os
dois governor, em Africa, durante as negociag9es para um novo tratado. Tenho a honra
de informal-o, em resposta, de que o governor de Sua Magestade acceita de boa vontade
as tres primeiras bases nos terms da sua nota, mas que, no seu entender, a quarta de-
veria especificar mais particularmente os effeitos que a assignatura d'este accord provi-
sorio poderA ter sobre a future posig~o e compromissos das potencias signatarias. N'esse
sentido prepare uma emenda A quarta base que pego submetta A consideragRo do seu go-
verno. Proponho que o modus vivendi seja concluido por um term de seis mezes. A emendA L








a que se refere a nota 6 a seguinte: Os limits territories indicados na convenglo de 20
de agosto serao reconhecidos, quer dizer, que desde a data atW ao termo do present ac-
cordo nenhuma das duas potencias farA tratados, acceitara protectorados, ou exercerA acto
qualquer de soberania dentro da esphera de influencia da outra. Nenhuma das duas po-
tencias sera obrigada pelo dito accord a julgar de antemao, como decidida, qualquer
questAo relative aos citados limits territories, durante as negocia9ges ulteriores.
Depois de receber a nota fui ao Foreign Ofice; marquez de Salisbury nao veiu hoje
a Londres, mas vi Currie.
0 statu quo territorial sobre a base da delimitag9o territorial do tratado 6-nos conce-
dido. Marquez de Salisbury declarou A companhia que nao reconhecia nenhum novo tra-
tado feito cor os chefes indigenas que implicasse direitos de soberania; apenas poderao
obter concessies mineiras.
InvasAo de Manica no foi auctorisada por governor britannico e serA tratada no
mesmo espirito. Ficam assim satisfeitos os desejos de v. ex.a Felicito a v. ex.a e ao go-
verno por esta solugAo. Urge caminhar depressa.


N.o 22

0 SR. JOSE VICENTE BARBOZA DU BOCAGE AO SR. LUIZ DE SEVERAL
Telegramma.
Lisboa, 7 de novembro de 1890.-Recobi telegramma de hontem. Congratulo-me
com v. s.a Governo consider desde ja acceitavcis as modificag6es A base quarta; mas
aguarda para responder officialmente recepglo de copies da sua nota de 28 e da nota do
marquez de Salisbury hontem recebida por v. s.a


N.o 23

0 SR. JOSE VICENTE BARBOZA DU BOCAGE AS LEGACOES DE PORTUGAL EM BERLIN,
BRUXELLAS, MADRID, PARIS, S. PETERSBURGO, ROOMA E VIENNA
Telegramma. -Extracto.
Lisboa, 7 de novembro de 1890.--Governo britannico declaron hontem acceitar
modus vivendi corn ligeiras modificacpes na base quarta que governor portuguez julga ac-
ceitaveis.

N.o 24

0 SI. LUIZ DE SEVERAL AO SR. JOSE VICENTE BARBOZA DU BOCAGE
Telegramma.
Londres, 8 de novembro de 1890.-Alguns jornaes de hoje mencionam as noticias
de Lisboa relatives ao modus vivendi. Dizemn que nao podem acreditar que sejam verda-
deiras, porquanto seria monstruoso conceder-nos delimitagAo territorial do tratado de 20
de agosto. O descontentamento e opposigio serao grandes quando se conhecer aqui a ver-
dade. Marquez de Salisbury serA muito atacado. Empregar-se-hAo todas as influencias.
Por isso telegraphei a v. ex.a que urge caminhar depressa para nio comprometter resul-
tado inesperado. Mandei as copies das notas pelo.correio de antes de hontem. A do mar-






17

quez de Salisbury telegraphei-lh'a litteralmento o por extonso; a minha 6 a copia textual
do telegramma de v. ex.a

N.0 25

0 SR. JOSE VICENTE BARBOZA DU BOCAGE AO SR. LUIZ DE SEVERAL
Telegramma.
Lisboa, 9 de novembro de 1890.-Recebi o telegrainma de hontem. Governo aucto-
risa desde ja v. s.a a declarar quanto antes a marquez de Salisbury que acceita emenda
proposta por s. ex.a A base quarta do modus vivendi, nos terms da sua nota, e concorda
na duragio de seis mezes para o modus vivendi; convem fixar comego d'este period para
evitar duvidas. Julgo bastante, para ficar definitivamente accordado o mods vicendi, esta
resposta que v. s.- dard officialmonte ao marquez do Salisbury.


N,o 26

0 SR. LUIZ DE SEVERAL AO SR. JOSE VICENTE BARBOZA DU BOCAGE
Telegramma.
Londres, 10 de novembro de 1890.-Vi hojo marquez de Salisbury, a quem com-
muniquei o conteuido do telegramma do v. ex.a Marquez de Salisbury propio assignatura
do modus vivendi aqui na quarta feira. Aguardo instrucgies.



N.o 27

0 SR. LUIZ DE SEVERAL AO Si1. JOSE VICENTE BARBOZA DU BOCAGE

Londres, 7 de novembro de 1890 (recebido a 11).--Ill.'I o ex.n" sr.-Tenho a
honra de remetter inclusa a v. ex.a copia da nota documento A) que, em data de 28
do passado mez de outubro, dirigi ao marquez de Salisbury, propondo-lhe as bases de um
modus vivendi em Africa, durantc as negociac.es para a conclusao do novo tratado.
Deus guard, etc.

A

0 sr. Luiz de Soveral ao sr. marquez de Salisbury

Londres, 28 de outubro de 1890.- Mylord.- Referindo-me A conferencia que tive
a honra de ter cor v. ex.a no Foreign Office, cumpre-me levar no seu conhecimento que
o governor de Sua Magestade Fidelissima, sem examiner os fundamentos que allega o go-
verno britannico para considerar abandonado o tratado de 20 de agosto ultimo, acceita
desde jA a declaragAo feita por v. ex.a de que estA disposto a entrar em negociagoes para
a conclusio de um novo tratado.
Podendo, por6m, succeder que essas negociag5es sejam demoradas, e tendo de ficar
o seu resultado dependent da sanc9Ao legislative, o governor portuguez suggere a conve-
niencia de estabelecer desde ja um modus vivendi para attender aos interesses mais instan-






18

tes, e prop5e n'essa conformidade as bases seguintes, para cuja immediate execugio ter
as faculdades legaes necessarias:
1.a Decretar immediatamente a livre navegacgo do Zainbeze e do Chire;
2.a Permittir e facilitar o transit pelas vias flnviaes do Zambeze, Chire e Punguc,
bem como pelas communicaq9es terrestres que suppram a sua innavigabilidade;
3.a Facilitar as communieanges entire os portos portuguezes do litoral e os territo-
rios comprehendidos na esphcra de accao da Gran-Bretanha, inuito especialmente pelo
que respeita ao estabelecimento de comnmunicaeces postaes e telegraphicas e no servico
de recovagens;
4." Manter-se por eada nma das altas parties contratantes o status quo territorial sobre a
base da delimitagito estabelecida pelo tratado de 20 do agosto ultimo, durante a negocia-
9ao e at A ratificago do futuro tratado.
Aproveito esta occasion para reiterar a v. ex.', etc.



N.o 28

0 SRl. LUIZ 1DE SEVERAL AO SRl. JOSE VICENTE BARBOZA DU BOCIGE

Londres, em 6 de novembro do 1890 (recebido a 10).--111." e ex.,"0 sr.-Tenho a
honra de remetter a v. ex.' a.inclusa nota documento A) do marquez de Salisbury, acom-
panhada d a e n cmenda A base 4.a do projccto do um modus vicendi, em Africa, durante
as negociages para a conclusio de iun tratado, emenda que, a seu pedido, en submetto
A consideraago do v. ex.'
Dens guard, etc.
A

0 sr. marquez de Salisbury ao sr. Luiz de Soveral

Monsieur de Soveral.-Foreign Office, November 4th 1890.-Monsieur le Charg6
d'Affaires.-I have received your note of the 28th ultimo, stating the bases on which the
Portuguese Government proposes that a modus vivendi should be established between the
two governments in Africa pending negotiations for a new Treaty.
I have the honour to inform you in reply that Her Majesty's Government are
willing to accept the three first bases in the terms of your note but that the 4th should
in their judgment contain a more particular recital of the effect which the signature of this
provisional agreement will have upon the future position and engagements of the signa-
tory Powers.
I have accordingly prepared an alternative draft of the 4th basis, which I have to
request you to suggest for the consideration of your Government.
I propose that the modus vivendi should be concluded for a term of six months.
I have the honour to be, etc.
TJRADUCQAJO

Sr. Soveral.-Ministerio dos negocios estrangeiros, em 4 de novembro de 1890.-
Senhor encarregado de negocios.- Recebi a sua nota de 28 ultimo, declarando as bases
sobre as quaes o governor portugnez prop6e que se estabeleqa un modus rivendi entire os
dois governor, em Africa, emquanto estiverem pendentes as negociagoes para um novo
tratado.








Tenho a honra do informal-o, cm resposta, de que o governor de Sua Magestade, de
boa vontade acceita as tres primeiras bases, nos tcrmos da sua nota, por6m, que a quarta
deve, na sua apreciagAo, center uma mais detalhada exposi9ao do effcito que a assigna-
tura d'este accord provisorio ha do ter sobre a future situnaoo e compromissos das po-
tencias signatarias.
N'essa conformidade prepare umna emenda da 4.a base, que en Ih peqo qucira sub-
metter a considcraAio do seu governor.
Proponho que o modus vivendi seja feito para vigorar durante o period de seis
nmzes.
Tenho a honra de ser, etc.
B

Alternatif fourth article

The territorial limits indicated in the convention of the 20th of August will be
recognized so far, that from this date to the termination of the present agreement, nei-
ther Power will make treaties, accept protectorates or exercise any act of sovereignty,
within the spheres of influence so assigned to the other. But neither Power will thereby
be to prejudge any question whatever which may arise as to the said territorial limits in
the course of the ulterior negotiations.


TRADUCQAO

Emenda A base 4.2

Os limits territories indicados na conven9?io de 20 do agosto secrio reconhecidos,
comtanto que, d'esta data atW terminal o presented accord, ncnhluna das potencias fard
tratados, acceitard protectorados on exereerA acto algum dc sobcrania, dentro das csphc-
ras de influencia assim assignadas A outra. Por6im iinhuinma as duas potencias darA por
julgada qualquer questAo que possa originar-se a respeito dos ditos limits territories no
decurso das negocia5es ulteriores.

N.o 29

0 SR. JOSE VICENTE BARBOZA DU BOCAGE AO SR. LUIZ DE SEVERAL
Telegrammn.
Lisboa, 10 de novembro de 1890.-Recebi o telegramma de hoje. Pdde assignar
modus vivendi nos terms jA indicados. Recebi o oflicio corn a copia de notas e cmenda.



N.o 30

0 SR. LUIZ DE SEVERAL AO SR. JOSE VICENTE BARBOZA DU BOCAGE
Telegranima. Extracto.
Londres, 10 de novembro do 1890.-Recebi hojo a carta do v. ex.a Felizmente a
primeira batalha estA ganha e cumpre no descansar atW se chegar ao resultado definiti
vo. Como acabo de telegraphar a v. ex.a vi hoje o marquez de Salisbury. Fallei-lhe nas
negociag6es que ulteriormente terlo logar em Lisboa, observou-me: aoui, je crois qu'oln






20

a a Lisbonne I'intention de les fire trainer; il faudrait s'assurcr d'avance du consentement
des chambres, car la r6p6tition do ce qui cst arrive le 15 septembre serait trbs d6sagrea-
ble pour nouso. Marquez de Salisbury desejaria que as negociaoes continuassem rapida-
mente. Creio quo ter rasgo.

N.O 31

0 SR. JOSE VICENTE BARBOZA DU BOCAGE AO SR. LFIZ DE SEVERAL
Telegramma.
Lisboa, 11 de novembro de 1890.--P6de dizer a marquez de Salisbury que gover-
no portuguez concorda em que, na emenda A base 4 do modus vivendi, onde 6 estabele-
cido o reconhecimento dos limits conforme tratado de 20 de agosto, as palavras from
this dateB se referem A data do modus vivendi c nao A d'aquelle tratado de 20 de agosto.


N. 32

0 SR. JOSE VICENTE BARBOZA DU BOCAfiE AO SR. LUIZ DE SEVERAL
Telegrammn. -IExtracto.
Lisboa, 11 de novembro de 1890.-P6de assegurar que governor portuguez nao ter
desejo algum de protrahir negociacoes; pelo contrario tcm descjo e interesse em as ultimar
corn a maior brevidade.

N,. 33

0 SR. LUIZ DE SEVERAL AO SR. JOSE VICENTE BARBOZA DU BOCAGE
''elegrammna.
Londres, 11 de novembro de 1890.-Acabo de receber minute do convenio que ha
de ser assignado Amanhh. Muito estimaria que v. ex.a podesse mandar-me por telegrapho
o texto d'este instrument; mas como so communicou ha pouco tempo, rogo a v. ex.a me diga
se approval a seguinte rcdac ?o da base quart: (O governor de Sua Magestade El-Rei
de Portugal e o governor de Sua Magestade a Rainha de Inglaterra compromettem-se a
reconhecer os limits territories indicados na convenaio de 20 de agosto de 1890; isto
6, desde a data do present convenio at6 A sua expiraAo nenhuma das duas potencias
fara tratados, acceitarA protectorados ou exercera acto algum de soberania dentro da es-
phcra de influencia assim assiguada A outra; mas nenhuma das duas potencias serA obri-
gada por este convenio a julgar de antemAo, como decidida, qualquer questao relative aos
citados territories, durante as negociagies ulterioress.


N.0 34

0 Si. JOSE VICENTE BARBOZA DU BOCAGE AO SR. LUIZ DE SEVERAL
telegranSmm a.
Lisboa, 12 de novembro de 1890.-Recebi os dois telegrammas. Approve sua redac-
9a0 da base quarta do modus vivendi, por isso nao mando outra.






21


N.0 35

0 SR. LUIZ DE SEVERAL AO SR. JOSI VICENTE BARBOZA DU BOCAGE
Telegramma.
Londres, 12 de novembro de 1890.-Unicamente por difficuldades materials no
Foreign Office, copia traducg9o etc., nao assignei hoje convenio. Recebi nota de marquez
de Salisbury convidando-me a assignal-o sexta feira As quatro horas da tarde absoluta-
mente nos terms que v. ex.a conhece e approvou.



N,o 36

0 SR. JOSE VICENTE BARBOZA DU BOCAGE AS LEGA(CES DE PORTUGAL EM BERLIN,
MADRID, PARIS, ROMA, S. PETERSBURGO E VIENNA
Telegrammla.
Lisboa, 14 de novembro de 1890.--Assignado hoje modus vivendi.


N.o 37

0 SR. LUIZ DE SEVERAL AO SR. JOSE VICENTE BAHROZA DU BOCAGE
Telegrammn. Extracto.
Londres, 15 de novembro de 1890--Tive long conferencia con marquez de Salis-
bury. Disse-lhe que v. ex.a tinha o maior desejo de comegar e concluir as negocia95es
do tratado o mais depressa possivel. S. ex.. pediu-me para communicar a v. ex.a o se-
guinte: iGoverno inglez deseja que o novo tratado, que se vae negociar, seja apresentado
As cameras e que s6 seja assignado depois d'estas haverem approvado as suas prcscri-
p.ies. S. ex.a acrescentou que nao podia sujeitar-se a segunda recusa depois da assigna-
tura d'esse instrument. Fallamos tambem em Manica. Disse-me s. ex.' que nao podia
mandar sair os mineiros; que Rhodes talvez desejasse direito de soberania, mas que os
mineiros s6 queriam o oiro; que se houvesse conflicts entire esses mineiros e outra com-
panhia elles se podiam resolver pelos tribunaes competentes estabelecidos pelo direito in-
ternacional privado; que era precise evitar conflicts de forgas que viessem do novo agi-
tar a opiniAo, e que elle suggeria como meio de conjurar essas difficuldades um accord
amigavel entire essas compaulias. Marquez de Salisbury expressou-se sempre nos terms
mais conciliadores. Disseram-me no Foreign Ofice que iam mandar logo o accord para os
jornaes e que seria publicado Amanhl; por isso o telegraphei immediatamente para que
podesse ahi apparecer tambem.

N.o 38

0 SR. JOSE VICENTE BARBOZA DU BOCAGE AO SR. LUIZ DE SEVERAL
Telegramma. Extracto
Lisboa, 15 do novembro de 1890. Recebi seus dois telegrammas. Texto da
conven.ao sera publicado brevemente no Diario do governor. Decretos correlativos tam-
bem.






22



N.0 39

0 Si. JOSE VICENTE BARBOZA DU BOCAGE AO SR. LUIZ DE SEVERAL
Telegramma.
Lisboa, 16 do novombro de 1890.--S6 recobi hojo o texto do convenio; serd publi-
cado Amanha, no Diario do governor cor os decretos correspondents.



N.o 40

0 SR. LUIZ DE SEVERAL AO SR. JOSE VICENTE BARBOZA 1U BOCAGE


Londres, 15 de novembro de 1890 (recebido a 19).--Ill.mo e ex.mo sr.-Tenho a
honra do remctter a v. cx.a o accord documento A) assignado hontem por Lord Salis-
bury e por mim, na qualidade do representante do governor de Sua Magestade.
Deus guard, etc.

A

Texto portuguez

Os abaixo assignados, devidamente auctorisados polos sous respectivos governor, con-
vieram nos artigos seguintes:
I. O governor de Sua Magestade Fidelissima o Rei de Portugal c dos Algarves com-
promette-se a decretar immediatamente a livrc navegaAo do Zambeze e do Chire.
II. O governor de Sua Magestade Fidelissima o Rei de Portugal e dos Algarves com-
promette-se a permittir c facilitar o transit polas vias fluviaes do Zambeze, Chire e Pun-
gue, bemr como pelas communicagnes terrestres que suppram a sua innavigabilidade.
III. O governor de Sua Magestade Fidelissima o Rei de Portugal e dos Algarves com-
promette-se a facilitar as commnunicages entire os portos portuguezes do literal e os ter-
ritorios comprehendidos na esphera de acqAo da Gran-Bretanha, especialmente pelo que
respeita no estabelecimento de communicacoes postacs e telegraphicas, e ao servi'o de
recovagens.
IV. O governor de Sua Magestade Fidelissima o Rei do Portugal e dos Algarves e o
governor de Sua Magestado a Rainha do Reino Unido da Gran-Bretanha e Irlanda com-
promottem-se a reconhecer os limits territories indicados na convenIco de 20 de agosto
de 1890; isto 6, desde a data do present convenio at6 A sua expiracAo nenhuna das duas
potencias farA tratados, acceitard protectorados ou exerccrA acto algum de soberania den-
tro das espheras do influencia assignadas A outra pela dita convencgo.
Mas nenhuma das duas potencias serA obrigada por esto convenio a julgar de ante-
mro como decidida qualquer questAo relative aos citados territories durante as negocia-
9cos ulteriores.
V. O present accord entrarA em vigor na data da sua assignatura e sera valido
por um period de seis mczes.
Feito em Londres, em 14 de novembro de 1890. = (L S.) Luiz de Soveral= (L, S.)
Salisbury.










Texto inglez

The undersigned, duly authorized to that effect by their respective Governments, have
agreed as follows:
I. The Government of His Most Faithful Majesty The King of Portugal and the Al-
garves engages to decree at once the freedom of navigation of the Zambesi and of the
Shir6.
II. The Government of His Most Faithful Majesty The King of Portugal and the Al-
garves engages also to permit and to facilitate transit over the water ways of the Zam-
besi, the Shir6, and the Pungu6, and also over the land ways which supply means of com-
munication where those rivers are not navigable.
III. The Government of His Most Faithful Majesty The King of Portugal and the
Algarves further engages to facilitate communications between the portuguese ports on
the coast and the territories included in the sphere of action of Great Britain, especially
as regards the establishment of postal and telegraphic communications, and as regards the
transport service.
IV. The Government of His Most Faithful Majesty The King of Portugal and the
Government of Her Majesty The Queen of the United Kingdom of Great Britain and Ire-
land engage to recognize the territorial limits indicated in the Convention of the 20th of
August 1890, in so far that from the date of the present agreement to the termination
thereof, neither Power will make treaties, accept protectorates, or exercise any act of
sovereignty within the spheres of influence assigned to the other party by the said Con-
vention.
But neither Power will thereby be held to prejudge any question whatever which
may arise as to the said territorial limits in the course of the ulterior negotiations.
V. The present agreement shall come into operation from the date of its signature,
and shall remain in force for a period of six months.
Done at London, the 14th day of November, 1890.=== (L. S.) Luiz de Soveral= (L. S.)
Salisbury.


N.o 41

0 SR. JOSi VICENTE BARBOZA DU BOCAGE AO SR. LUIZ DE SEVERAL

Telegramma.
Lisboa, 26 de novembro de 1890.-Hoje, na audiencia do corpo diplomatic, minis-
tro da Inglaterra disse n-o ter ainda instrucgies para novas negoeiag9es. Convem que
v. s.a procure avistar-se cor marquez de Salisbury, e Ihe diga que governor portuguez
estd prompto para comegar aqui a negocia9go do novo tratado; s6 espera que ministry de
Inglaterra tenha instruceoes.


N.0 42

0 SR, EDUARDO AUGUSTO DE CARVALHO AO SR. JOSE VICENTE BARBOZA DU BOCAGE

Telegrammn.
Cabo, 29 de novembro de 1890.--Telegramma recebido hoje de Machona, diz fins
outubro ultimo forgas South Africa Company marcharam de forte Salisbury para Manica,






24

a fim occuparem este district cedido pelo chefe Mutassa A companhia. Protesto. Outro
telegramma diz capitAo m6r Gorongoza e Paiva de Andrada marcharem contra Mutassa.


N.0 43

0 SR. JOSE VICENTE IIARBOZA DU BOCAGE AO SR. LI'IZ DE SEVERAL
Telegramma.
Lisboa, 30 do novembro de 1890.--Por noticias de Moqambique c Cabo da Boa
Esperanga consta que: Companhia Sul Africa nao cessa do invadir territories de Mutassa,
em Manica, invocando supposta concessao feita a Colquhoun em 14 de setembro; e que
ainda em fim de outubro mandon para ali forga armada. (onvem prevenir marquez de
Salisbury, que o governor portuguez nho p6de tomar a responsabilidade do que occorrer,
se auctoridades locaes portuguezas tiverem de repellir pela forca invasao armada feita em
territorio attribuido a Portugal pelo tratado de 20 de agosto e accord de 14 de novem-
bro. Essa responsabilidade cabe toda A companhia South Africa, cujo procedimento
aggressive serA causa unica de tacs conflicts.


N.0 44

0 SR. JOSE VICENTE BAlRBOZA DU BOCAGE AO SR. EDUARDO AUGISTO DE CARVALHO
Telegranma
Lisboa, 30 de novembro de 1890.-Pe9o continua~io noticias de Manica.


N.o 45

0 SR. LUIZ DE SEVERAL AO SR. JOSE VICENTE BARBOZA D[ BOCAGE
Telegramma.
Londres, 2 de dezembro de 1890.-Recebi o telegrannma de v. ex.' hontem. Fui im-
mediatamente ao Foreign Office. Na ausencia do marquez de Salisbury vi o sr. Currie.
Pedi-lle para levar ao conhecimento do marquez de Salisbury a declarac.o de v. ex.
Sr. Currie disse-me que era f6ra de duvida que na hypothese apontada por v. ex." today
a responsabilidade caberia A companhia South Africa.


N,o 46

0 SR. EDUARDO AUGUSTO DE CARVALHO AO SR. JOSE VICENTE BARBOZA D1 BOCAGE
Telegramma.
Cabo, em 4 de dezembro de 1890.--High commissioner data hontem resposta pro-
testo diz nao ter confirmacao official march sobre Manica. N'este momcnto recebido aqui
noticias Rezende, Paiva, Gouveia e forgas portuguezas aprisionadas por forcas companhia
ingleza que so acham posse territories Mutassa, mesmas noticias dizem Gungunhana
acceita protecqo ingleza. Amanha telegrapharei detalhes.






25


N. 47

0 SR. JOSi VICENTE BARBOZA DU BOCAGE AO SR. EDUARDO AUGUSTO DE CARVALHO
Telegramma.
Lisboa, 5 de dozembro de 1890.-Recobi o telegramma de hontem. Aguardo por-
menores. Governo portuguez vae reclamar entrega prisionciros.



N.o 48

0 SR. EDUARDO AUGUSTO DE CARVALIHO AO SR. JOSE VICENTE BARBOZA DU BOCAGE
Telegramma.
Cabo, em 5 do dezcmbro de 1890.-Informnap es publicadas aqui confusas, mas re-
sumo 6 seguinte: Paiva, Gouveia e Rozende com trezentos homes fizeram 5 de novem-
bro demonstraaio contra aringa Mutassa onde fluctuava bandeira ingleza defendida por
dez homes da companhia ingleza sob commando do capitAo Forbes, que intimou Paiva a
retirar; em 8, Gouvoia tomou Mutassa arriando bandeira ingleza e arvorando portugueza;
dia 15, Forbes, reforeado por cincoenta homes do forte Charter, tomou offensive, derro-
tou e aprisionou todos, iando novamente bandeira ingleza. Paiva c Gonveia levados pri-
sionciros para forte Salisbury por insulto A bandeira ingleza, Rezende solto sob palavra;
meslna communica5Ao diz todos pesquizadores em Manica offercccram sons scrvigos para
defenderem companhia ingleza contra Portugal. Estas noticias foram mandadas publicar
por companhia ingleza c nao ha duvida reprosentarem os factors, scndo certo estarem posse
Manica c que se governor nao tomar medidas onergicas todo district estA perdido. Lou-
reneo Marques d'onde responderam nada saborcm all. Pcqo instrucceos.



N.o 49

0 SR. JOSli VICENTE BARBOZA DU BOCAGE AO SR. LUIZ DE SEVERAL
Telegramxlna.
Lisboa, 5 de dezembro de 1890.-Telegramma do consul do Portugal no Cabo da
Boa Esperanga, de hontem, diz constar ali terem sido aprisionados em data de 15 de no-
vembro, em territorio portuguez, auctoridadcs portuguezas e emprogados da companhia
portugueza de Mogambique, Paiva do Andrada, Rezende c Gouveia, por forca armada da
companhia South Africa. Tambom do mesmo telcgramma consta que companhia South
Africa emproga todos os esforcos possiveis para promover a rebellito do Gungunhana.
Queira v. s.a reclamar do marquez de Salisbury ordens terminantes e urgentes para a
soltura immediate dos prisioneiros, e a adopcAo do providencias energicas que ponhaln
termo As injustificaveis invasoes e abuses do forga da compauhia South Africa em terri-
torio reservado para Portugal pela delimitagAo territorial do tratado de 20 de agosto. Um
telegramma Reuter do Cabo da Boa Esperanga, diz que foram os empregados da compa-
nhia portugueza de Mocambique que atacaram Mutassa; mas essa noticia parece ao go-
verno portuguez inacreditavel, tanto mais que se sabe por telegrammas do Cabo da Boa
Esperanca, terem partido em fins do mez de outubro forcas armadas da companhia South
Africa, para occuparem Manica.






26


N.o 50

0 SR. JOSI VICENTE BARBOZA DU BOCAGE AS LEGACIES DE PORTUGAL El BERLIN,
BRUXELLAS, HAYA, MADRID, PARIS, ROMA, S. PETERSBURGO E VIENNA
Telegramma. Extracto.
Lisboa, 5 de dezembro de 1890.-Noticias do Cabo da Boa Esperanca dizem ter
havido, em 15 do novembro, cm Manica, dentro do tcrritorio portuguez, conflict entire
portuguezes, agents da companhia portuguoza de Moeambique e inglezes, agents da
companhia South Africa; noticia que 6 de origcm suspeita, procura fazer acreditar quo
os portuguezes foram os aggressores; mas isto 6 inacreditavel, por saber-se que jA em fins
de outubro partira para Manica cxpedigAo armada da companhia ingleza. Governo portu-
guez vae reclamar soltura dos portuguezes prisioneiros e ordens A South Africa para
cessar suas invasoes. Convem desmentir quaesquer boats de aggressao d&s portuguezes.



N.o 51.

0 SR. JOSE VICENTE BARBOZA DU BOCAGE AO SR. LUIZ DE SEVERAL

Lisboa, 6 de dezembro de 1890.--Tencionava enviar av. s.a um memorandum con-
venientemente documentado, relatando, com tanta individuacio quanto permittem as in-
formagaes recebidas, todos os factos occorridos no district de Manica c no paiz de Gaza,
bem como as declaraoies feitas no Cabo da Boa Esporanca, por agents on administra-
dores da companhia ingleza South Africa; de todas essas informaces e documents re-
sulta a plena confirmacAo das fundadas suspeitas qne on jA tinha, de que a poderosa com-
panhia se langava cada vez mais abertamente no caminho das violcncias e das illegalida-
des, e procurava arrastar o governor britannico a sanccionar os seus actos e a cobrir as
suas responsabilidades.
Os ultimos acontecimentos, por6m, de que s6 tive conhechimnto ante-hontem a hora
adiantada da noite, e que hontcm de manh, communique em telegramma a v. s.a, obri-
gam-me a nao demorar a expedicAo d'este despacho, e a resumir desde jA a situaAo, ha-
bilitando assim v. s.a a melhor fundamcntar as suas rcrlamacaes, que nao podem deixar
de ser energicas e immediatas.
Comegarei por narrar os factos mais importantes occorridos desde meiado de setem-
bro d'este anno.
Foi entAo que mr. Colquhoun, acompanhado pelo conhecido viajante Selous e pelos
srs. Campbell e Nesbih, se apresentou na aringa do regulo Mutassa, e conseguiu, corn
presents ou ameagas, que elle firmasse cm 14 d'aquelle mez um tratado, cedendo os scus
torrenos A companhia de Africa, e reconhecondo, ao que parece, a soberania ingleza, pois
so compromettia a hastear a bandeira britannica.
Notarei desde jA que o sr. Colquhoun dcvia conhecer em 14 de setembro o tratado
de 20 de agosto entire Portugal e a Gran-Bretanha, e devia saber muito bemn que a aringa
do regulo e os seus dominios estavam a oeste do rio Save, e portanto em territorio que
um convenio international excluia do dominio britannico, attribuindo-o ao portuguez.
Logo no dia iunediato, em 15 de setembro, o sr. JoAo de Rezende, intendente dos
negocios indigenas polo governor de Sua Magestade n'aquella regiio, foi avisado da pre-
senga de inglezes cm Mutassa, send o aviso trazido directamente A sua residencia pelo








proprio irmno do regulo, um dos seus grades, ou principles guerreiros. Quasi ao mesmo
tempo se recebia tambem noticia de que various inglezes tinham vindo pedir mantimentos
a um dos arrendatarios da companhia de Mogambique, estabelecido no valle de Mutare,
o sr. Kergariou.
Sem perda de tempo partiram ao encontro do sr. Colquhoun o engenheiro de minas,
ao servigo da companhia portugueza, G. de Albuquerque'de Orey, c o capitio A. de Bet-
tencourt, corn um interprete, o irmao do Mutassa c various indigenas, levando um protest
contra o convenio feito polo sr. Colquhoun, assignado pelo sr. Joao de Rezende e por
todos os portuguezes acima mencionados.
Pouco depois d'elles sairem entrava o sr. Selous na residencia do sr. Rezende, com-
municando-lhe este que tinha cnviado o seu protest ao sr. Colquhoun e que ia informal
o governor de Sua Magestade do occorrido; ao quo o sr. Selous responded apenas: que
nao vira em Mutassa signaes de occupag~o, e que o regulo Ihes assegurara que nAo era
vassallo do Rei de Portugal, mas quo reconhecia agora que Manica estava perfeitamente
occupada; referindo-so, sem duvida, aos fortes, casas c caminhos feitos pela companhia
de Mogambique, bem como ao seu pessoal.
Em 18 de setembro foi o protest entregue pelos srs. capitao Bettencourt e os seus
companheiros no sr. Colquhoun, que encontraram acampado com o sr. Selous e outros in-
glezes junto ao rio Nhagambo, affluent do Mutare, a uns 25 ou 30 kilometros do Ma-
cequece (Andrada), nio tendo comtudo bandeira alguma no seu acampamento.
Na resposta do sr. Colquhoun ao protest das auctoridades portuguezas, o represen-
tente da British South Africa:
1.0 Allegava proceder conforme instruc9ges escriptas do director gerente da compa-
nhia, e serem estas instruc9ies, segundo as quaes procede A occupagto do reino das
Mashonas, sanecionadas pelo alto commissario sir H. Loch;
2.0 Adduz que deixou a forca armada que o acompanhava alem do rio Save (que
v. s.a de certo notard ser n'aquella reginio o limit, segundo o tratado de 20 de agosto),
tendo entrado em Manica s6 corn a pcquena escolta do sete homes;
3.0 Emquanto ao convenio que fez coin o Mutassa, apenas diz que o regulo por ve-
zes allegou nao ter compromisso algum de sujeicao no governor de Sna Magestade, e por
isso o consider valido, usujeito, por6m, a qualquer resoluaho que possam tomar sobre o
assumpto o governor britannico e o portuguez ;
4.0 Acrescenta que, at6 Aquella resolnu9o, quaesquer passes que paregam tendentes
a destruir os effeitos do convenio de 14 de setembro poderiam original series e graves
complicagpes;
5.0 Conclue, dizendo que enviarA ao director gerente da companhia, que o submettera
ao alto commissario, tanto o protest como a copia d'esta sua resposta.
Esta carta do sr. Colquhoun ao sr. Joao de Rezende, 6, como v. s.5 ve, um docu-
mento important, pois invoca desde logo a auctoridade do alto commissario britannico
e o accord entire os dois governor, para final resolug9o do assumpto.
Tanto a copia do protest como o original da resposta do sr. Colquhoun foram envia-
dos pelo sr. Joao de Rozende em 20 de setembro ao governador geral da provincial; no
mesmo officio em que os envia, ji o intendente dos negocios indigenas em Manica diz
Aquelle alto funccionario, constar-lhe que quatro inglezes haviam voltado ao Save para
buscar reforo9, e tomar posse effective das terras.
Tambem da correspondencia recebida aqui pela companhia portugueza de Mogambique
result que as tentativas da sublevag9o do Mutassa duravam ha mais de um anno, pois
em setembro de 1889 ji o tinham visitado os subditos britannicos Wise e Madden, e
affirmavam ter feito cor elle tratados quo pouco depois pretendiam annullar.
D'isto mesmo tiveram os agents da companhia portugueza confirnacao pelo sr. vis-






28

conde de Breteuil (que estava na Beira, foz do Pungue, em principio de outubro), a quem
disseram alguns mineiros que a expedigio f6ra planeada havia mais de um anno. e que o
project era ir at6 ao Zambeze.
Como foi feito o tratado corn Mutassa, confessaram-no o sr. Colquhoun e os seus com-
panheiros ao sr. de Kergariou, que encontraram em Mutare, onde ter uma concessao da
companhia portugueza, dizendo: que o regulo estava embriagado quando assignou um
papel que Ihe entregaram; e tambem declararam aque ali onde estavam pesquizadores
trabalhando por conta de unma companhia concessionaria do governor de Sua Magestade,
era evidentemente territorio portuguez, e que d'ali atM A costa nao tinham sentio a pro-
mover que lhes facilitassemos as communica~ioesD.
Os nomes do visconde de Breteuil e do sr. de Kergariu dao particular importan-
cia aos seus depoimentos, por isso eu nio quiz deixar de mencional-os.
Todos estes facts, que minuciosainente referi, davam-se em meinuad de setembro,
justamente no moment em que o tratado de 20 de agosto devia ser, e fii, present no
parlamcnto. Procurava-se a toda a pressa crear factors cuensumnados, u esperava-se que a
propria approvagio do tratado nao tivesse forca para ,s destruir.
Que d'elles nao teve immediate conhecimento o governor britannico, que adrede lih's
occultaram, devia eu concluir do quo me communicou officiosamente sir G. (G. Petre,
quando eu o informed das noticias telegraphicas officials recebidas aqui em 17 de outubro,
visto dizer-mo s. cx.a em 19, (que o governor britannico namo recebera communicacio das
noticias de Mogambique recebidas em Lisboan, e que Lord Salisbury acrescentAra mesmo
que aas considerava inverosimeis,.
Alguns dias antes, em 14 de outubro, jt a agencia Renter, dcvotada aos interesses
da South Africa Company, punha em circulacao o seguinte telegramma, destinado eviden-
temente a annullar o man efteito d'aquellas noticias: (O boato espalhado em Lisboa de
que a expedigao ingleza entrou no district de Manica t destitnido de fundamento. A
unica expedigAo ingleza que anda por aquellas regiMes 6 da South Africa Company, a
qual esta actualmente no monte Hampden (conforme o despacho telegraphico d'esta agen-
cia de 23 de setembro), a muitas centenas de milhas de Manica).
E no emtanto o attentado, de que este telegramma 6 a mais eloquente condemna-
90o, havia-se ja realisado antes de 23 de setembro, a 14 d'esse mez !
D'esse pretendido convenio celebrado em Mutassa em 14 de setembro nilo teve
conhecimento o govcrno de Sua Magestade, neom Ihe consta que fosse submettido A reso-
lugrio do governor britannico, em cumprimento das declarac;3es que ao sr. Joao de Rezende
fizera o sr. Colquhoun em 15 de setembro.
Dovo crer quo proccdeu de mA f6 o administrator da companhia South Africa, ou
o director gerente da mesma comlpanhia, pois nio posso admittir que sir Henry Loch
tomasse a responsabilidade de o occultar no governor da metropole, que represent no
Cabo da Boa Esperan9a, e menos ainda posso presumir a falta de sinceridade no primeiro
ministry de Sua Magestade Britannica.
Deviamos, portanto, confiar plenamente que o governor britannico nio approvaria,
quando Ihe fosse present, um tratado feito em 14 de setembro por umn simples agent de
uma companhia, que estava em plena contradic9go com o tratado firmado em Londres a
20 de agosto pelo proprio marquez de Salisbury, tratado que estava por conseguinte em
pleno vigor em 14 de setembro.
Tambem nao posso admittir que o marquez de Salisbury pense sequer em recorrer a uma
falsa interpretagao do artigo 4.0 do modus vivendi para consentir na validacio do contrato
de Colquhoun corn Mutassa. 0 que en ereio 6 quo mr. Cecil Rhodes, receiando que Ihe
escapassem alguns dos territories auriferos que ambicionava, continuasse a proceder depois
como proced6ra em setembro, invadindo Manica sem se preoccupar cor as consequencias






29

dos seus actos, nem com as responsabilidades que elles acarretariam para o governor
britannico.
Estas inteng5es deslealissimas do primeiro ministry do Cabo, mesmo para cor o go-
verno britannico, revelam-se bem nos jornaes d'aquella colonia, e mesmo n'um periodic
que se public n'essa capital, o South Africa, cuja leitura v. s.a de certo nIo ter descu-
rado.
Corn effeito, em 29 do passado, telegrammas do consul de Portugal no Cabo da Boa
Esperanga annunciavam que forgas da companhia South Africa haviam marehado do forte
Salisbury para Manica, a tim de occuparem o district cedido por Mutassa aquella com-
panhia; ao mesmo tempo que a agencia Reuter annunciava ter Mutassa pedido A compa-
nhia South Africa que Ihe occupasse o territorio conform o tratado feito em 14 de se-
tembro por Colquhoun, e que este Ihe envidra Selous e o capitao Forbes, coin uma escolta,
a fim de manter a ordem em Ml1anica.
Foram estas noticias que deram origem ao meu telegranlma do 30, ao qual v. s.a
respondia em 2 do corrente, que, na opiniho do sr. Currie, ,toda a responsabilidade de
qualquer conflict caberia A companhia South Africa) se, como eu previa que podesse
acontecer, (as auctoridades portuguezas tivessem de repellir pela forga qualquer invasao
armada feita em territorio attribuido a Portugal pelo tratado de 20 de agosto, e accord
de 14 de novembro,.
t para notar que no telegramma do nosso consul no Cabo da Boa Esperanca, ja elle
me dizia que ooutro telegramma diz: capitao minr Gorongoza e Paiva Andrada marcharem
contra Mutassa). Comegavam pois os agents da companhia britannica a dispor as cousas
para que o conflict fosse apparentemente devido a term os portuguezes (ido atacar o
MutassaD. Manifestava-se evidentemente aqui a inten9Ao de nos attribuir um conflict,
como se o capitAo-m6r de Manica nao podesse visitar pacificamente um regulo cujo ter-
ritorio se acha comprehendido dentro da delimitaggo estabelecida pelo tratado de 20 de
agosto e mantida no modus vivendi de 14 de novembro, isto 6, n'um territorio sujeito A
sua auctoridade.
No numero do journal South Africa de 22 de novembro, encontra-se uma correspon-
dencia de Kimberley, 27 de outubro, dirigida pelo seu secretario local A companhia
(Gold Fields of South AfricaD, associada da companhia privilegiada aBritish South
Africa Co. onde se l6 que o administrator d'esta ultima no paiz dos Mashonas, Colqu-
houn, has succeeded in obtaining from Mutassa the sole rights to the minerals in the
area under is sway,, e tambem esses direitos exclusivos podem ser conservados ainda
mesmo que o territorio fique debaixo da soberania portugueza.
Viam, por6m, os especuladores interessados na companhia privilogiada que, ainda as-
sim, lhes escapava uma part dos suppostos direitos adquiridos do Mutassa, e sobretudo
que ficavam f6ra da sua aleada outros terrenos auriferos ja pesquizados e explorados pela
companhia portugueza de Mogambique, e facil lhes foi preparar o plano da espoliago,
que se revela no South Africa de 29 de novembro, pag. 352, muito claramente: suble-
var os indigcnas contra o dominio portuguez, allegando que o estado de hostilidade con-
tra n6s 6 o seu estado natural, e expulsar violentamente os nossos compatriotas e o pes-
soal da companhia de Mocambique.
Contam com a impunidade os agents da (Chartered company,, e procedem n'essa
conformidade !
Os ultimos acontecimentos demonstram-n'o at6 A evidencia, como v. s.a p6de ver do
telegramma do governador geral de Mozambique no sr. ministry da marinha e ultramar,
de que dei conhecimento a v. s.a por telegramma de hontem, principalmente se o com-
pararmos coin as noticias transmittidas do Cabo da Boa Esperanga, a que se referia o
meu telegramma de 5 do corrente.






30

Comprehende perfeitamente v. s.a quanto 6 difficil acertar com a verdade no meio
de todas estas incompletas, obscuras e contradictorias noticias dos ultimos acontecimen-
tos de Manica. As que nos vein pelo Cabo da Boa Esperania, mesmo quando as trans-
mitte o nosso consul, sao de origem inteiramente suspeita, pois sao dadas por quem ter
o maior interesse em occultar a verdade, em tudo quanto possa prejudicar os pianos da
companhia vernador geral de Mogambique nito parccem infelizmente apoiar-se em communicagies
escriptas, mas simplesmente nas informagoes trazidas pelas primeiras pessoas que chega-
ram A Beira do sertao de Manica.
Qualquer que seja, por6m, o modo por que as differences verses se confrontem e acla-
rem umas pelas outras, nunca se p6de deduzir do seu exame senio a convic o de que
as auctoridades portuguezas e os emprcgados da companhia de Mogambique procederam
correctamente, e os agents da companhia aBritish South African praticaram toda a casta
de violencias e abuses.
Quando o capitao-m6r de Manica e Quiteve, Manuel Antonio de Sousa (que os in-
glezes chamam Gouveia, do nome da s6de do sen governor acompanhado de uma escolta
de sipaes do sen commando, tenha intimadoo regulo Mutassa a arriar na sua aringa, ou
kraal, uma bandeira estrangeira, procederia correctamente, porque essa bandeira nunca
podia estar arvorada em territorio portuguez; e 6 inquestionavelmente portuguez o ter-
ritorio de Mutassa, que demora a leste do Save, e esta comprehendido, bem clara e mani-
festamente, na demarcacao estabelecida pelo tratado de 20 de agosto e confirmada pelo
modus vivendi de 14 de novembro.
Se o mesmo capitao-m6r de Manica, no uso da auctoridade local de que estA inves-
tido, exigin que retirasse da aringa do Mutassa, em territorio portuguez, uma forya ar-
mada estrangeira, tambem nao exorbitou do desempenho dos seus deveres, porque uma
forga armada de qualquer na'ao nao p6de permanecer em territorio estranho sem o ne-
cessario consentimento de quenl exerce n'esse territorio dominion e soberania. A forga era
commandada por um subdito britannico, o capitio Forbes, e o territorio fora reconhe-
cido como portuguez n'um document firmado pelo primeiro ministry de Sua Magestade
Britannica, em 20 de agosto, e que nao podia ser desconhecido aos agents da compa-
nhia South Africa em fins de outubro e principios de novembro.
A este procedimento natural e corrccto da auctoridade portugueza, seguiu-se o pri-
meiro dos injustificaveis attentados do capital Forbes, a ser verdade que elle chamou
apressadamente forgas do territorio alem do Save, surprehendendo com ellas, em Manica,
territorio portuguez, o coronel do exercito de Portugal, Paiva de Andrada, o capitao-
mdr de Manica, Manuel Antonio de Sousa, Joao de Rezende, intendente dos negocios
indigenas, e at6 um cidadio francez, o engenheiro Llamby, que andava pacificamente nos
estudos do caminho de ferro do Pungue, por conta da companhia portugueza de 3Moambique.
Ainda mesmo que s6 isto acontecesse; ainda que nao fosse verdade ter sido arriada
a bandeira portugueza em Macequece, principal s6de dos estabelecimentos da companhia
portugueza, onde os signaes da posse e dominion nao podem passar despercebidos de
ninguem; ainda que nao fosse verdade torem sido repellidos para a costa os mineiros e
empregados d'aquella companhia; ainda que o capitio Forbes nao tivesse alliciado e
chamado A revolt um regulo, cujos dominios ficam em territorio portuguez, em vista
de convenios assignados pelo proprio marquez de Salisbury; ainda que s6 se tivessem dado
os factors apregoados pela companhia South Africa, bastariam esses para constituir uma
flagrante violacio do diroito international.
E impossivel que o governor de Sua Magestade Britannica nao condemn essa vio-
lag1o do direito, e se nao presto a dar A justiga de Portugal a plena e cabal satisfacio
que nenhuma nagAo europia lle recusaria em circumstancias analogas.






31

Todos estes factos sao por tal f6rma attentatorios do direito estabelecido pelo conve-
nio firmado pelo nobre marquez de Salisbury em 14 de novembro, que o governor de Sua
Magestade nao p6de abrigar a menor duvida de que elles sejam desapprovados e annul-
lados pelo governor de Sua Magcstade Britannica, por serein manifestamente contrarios As
conciliadoras intenqoes que o governor da Rainha tem manifestado, e aos descjos de che-
gar a un honroso accord corn Portugal, como tem sido frequentes vezes affirmado por
Lord Salisbury, e de que sir George Petre tem sido interprete para commigo.
Por isso o governor de Sua Magestade confia, sem a menor hesitagao, que serqo ex-
pedidas instrucgqes terminantes ao governor do Cabo, que este far ceumprir pela compa-
nhia South Africa, ordenando:
1.0 A immediate libertagao dos prisioneiros, sem excepqAo alguma;
2.0 A complete evacuaq!o de todos os territories reservados para Portugal pela de-
limitagAo consignada no tratado de 20 de agosto de 1890, e mantida pela convengao de
14 de novembro ultimo;
3.0 A indemnisagqco dos prejuizos que possam tcr sido causados pelas incnrsies dos
agents da companhia South Africa em territorio portuguez.
Sao estas as providencias de que o governor de Sua Magestade nao p6de deixar de
reclamar a immediate exccu.Ao; 0, caso seja necessario fundamental mais desenvolvida-
mcnte a sua reclamagRo, do que era possivel fazel-o em prescnca de simples communica-
o9es telegraphicas, encontrarA v. s.a n'este despacho todos os elementos do informagao
que o governor de Sua Magestade tem at6 hoje recebido, c do ccrto usarA d'elles cor o
seu habitual zdlo e intelligencia.
Deus guard, etc.

A

Protesto do intendente dos negocios indigenas em Manica,
Joio de Rezende,
contra o tratado feito pelo sr. Colquhoun cor o regulo. Mutassa
em 14 de setembro de 1890


Aux 16 septembre 1890, dans la residence do l'intendant des affairs indignes h
Massikesse, 6tant r6unis lc dit intendant Joso de Rezende, l'ingenicur de mines Guilhcrme
de Albuquerque d'Orey et le capitaine de l'armic Augusto de Bettencourt, sujets de Sa
Majesty le Roi de Portugal et en presence des indigbnes Mugudo, pare du roitolet Mu-
tassa et de Muvurambiesi, grand du dit roitelet, par lui envoys avec les nouvelles que
6taient arrivAs chez lui douze sujets anglais, plus tard reconnus come appartenant la
British South Africa Company, entire eux, l'administratcur Solous et mrs. los employs
de la compagnie Campbell ct Nosbih, qui voulaient forcer le roitelet Mutassa A leur cdder
ses torres, et que pres du fleuve Sabi 6tait canmpee une norme force de cavallerie mc-
nagant ainsi le roitelet Mutassa s'il n'accedait pas A lours demands, les soussign6s ont
rcsolu unanimement de protester conform suit, sauvegardant toute decision diplomati-
que qui puisse 6tre prise centre les gouvernements de Portugal et de I'Angleterre jusqu'A
la date present relativement du status quo cxistant lors des dcrnibrcs nouvelles. Cette
protestation a 6tB lue par l'interprcto de langues indigenes Paulino Goncalves, aux deux
envoys du roitelet Mutassa qui signent par croix. Egalemnent signed par les timoins on
a fait un duplicat et triplicat de cette protestation don't un a Wt6 envoy A son excellence
le gouverneur du district de Manica et un A 1'administratcur de la British South Afri-
ca Company.






32


Protestation

An nom de Sa Majeste Ie Roi de Portugal D. Carlos I, les soussignus protestent:
1 Contre l'entrce de force armie dans le territoire reconnu portugais il v a long-
temps pendant le status quo existent entire le Portugal et l'Angleterre.
20 Contre les menaces faites an roitelet Mutassa, reconnu coinme sujt de la cou-
ronne portugaise, tendantes a l'occupation de son territoire qui est parfaitement occupy
par le gouvernement portugais, slcon les exigences du droit international pour les occu-
pations en Afrique.=Joio de Rezende, intendente dos negocios indigenas.= Guilherme de
Albuquerque d'Orey, engenheiro de minas. Augusto de Bettcncourt, capitAo do exercito
de Portugal = Mugudo AMurvurambiesi > == T6moins, Josi, Joaquim de Carralho. Josd
Ribeiro de Sousa.

B

Resposta do sr. Colquhoun ao protest do sr. Joao de Rezende,
contra o tratado
feito por aquelle senhor cor o regulo Mutassa
em 14 de setembro de 1890

The British South Africa Company.-Manica, 18th September 1890.- To Baron Joho
de Rezende.- Sir.-I have the honour to inform you that I have. this day. received by
the hands of Captain Augusto de Bettencourt, and mr. G. de Albuquerque d'Orey a
despatch containing a formal protest against certain steps taken by the British South
Africa Company (presumably in Mashonaland) and by myself, as its representative in
the Manica country.
In reply, I have to inform you that all steps taken have been under written instru-
ctions from the managing director of the Company.
I must take exception to the information laid before you by the two natives i Mugudo
and Muvurambiesi) alleged to have been sent to you by Mutassa, that force, or menace
of any sort or kind, have been employed towards him.
The small police force, established at the source of the Sabi river on the Mashona-
land plateau, is there in accordance with instructions for the occupation of that territory
sanctioned by the High Commissioner, Sir Henry Loch.
Far from any force being employed in Manica, I, myself have, since leaving the
police post on the Sabi river, been attended by a select escort of 7 men only.
A Treaty was executed by Mutassa on the 14th instant, in full indaba, and in the
presence of Mr. Selous, and other witnesses, after he had been rpteatedli que-tioned as
to whether he had ever, at any time, executed a Treaty, granted a concession, or come
to any arrangement of any kind whatever with the Portuguese Government. to which
Mutassa gave me his repeated assurance that such had never been the case.
I contend that the Treaty executed with Mutassa on the 14th instant, must be re-
garded as a valid and binding one, subject to any decision that may be arrived at. in the
matter, between the British and Portuguese Governments.
I think it my duty to point out that, pending such decision, any steps taken which
might bear the appearance of an attempt to upset the Treaty concluded on the 14th
instant, might lead to serious and grave complications.
A copy of your protest, with despatch covering the same, together with a copy of






33

this letter, will be submitted by me to the managing director of the British South Africa
Company, who will submit the same to the High Commissioner.
I have the honour to be, Sir, your obedient servant. -=R. Colquhoun, British South
Africa Company.


N.o 52

0 SR. JOSE VICENTE BARBOZA DU BOCAGE AS LEGACIES DE PORTUGAL EM BERLIM,
BRUXELLAS, HAYA, MADRID, PARIS E ROMA (ITALIA)

Lisboa, 6 de dezembro de 1890.-Remetto a v. copia impressa de um despa-
cho dirigido A legacio de Sua Magestade em Londres 1, contend algumas informacoes
Acerca dos ultimos conflicts de Manica. A media que f6r colhendo novos esclarecimen-
tos officials apressar-me-hei a communical-os a v., para seu conhecimento e conve-
nicnte informacgo d'esse governor, bem como para tornar possivel a rectificagao de qual-
quer noticia errada que possa propalar-se icerca d'estas occorrencias.
Deus guard, etc.

N.o 53

0 SR. JOSE VICENTE ItARBOZA DU BOCAGE AO SR. EDUARDO AUGUSTO DE CARVALHO
Telegramma.
Lisboa, 6 d ddezembro do 1890.-Reclamei do governor britaunico soltura imme-
diata dos prisionciros. Pego continuacAio informa6oes e occorrencias.


No 54

0 SR. JOSE VICENTE BARBOZA DU BOCAGE AS LEGAVOES DE PORTUGAL EM BERLIN,
BRUXELLAS, HAYA, MADRID, PARIS, ROMA, S. PETERSIIURGO E VIENNA
Telegramman.
Lisboa, 7 de dezembro de 1890.- Noticias officines de Mocambique dizem tcrem
os agents da companhia ingleza South Africa sublevado o regulo Mutassa, invadido Mace-
quece, principal estabelecimento da companhia portugueza de Mogambique e arriado ali a
bandeira portugueza, prendido cm Manica, Paiva, Rezende, Gouveia c engenheiro francez
Llamby, empregados do governor portuguez e companhia portugueza, perseguido os res-
tantes empregados e mineiros portuguezes e estrangeiros em direc~io A costa.
Governador geral ia defender porto da Beira e repollir forga pela forga, depois de
ter avisado consoles inglezes. Vou reclamnur do marquez de Salisbury providencias urgen-
tes para evitar continuagAo dos attentados da companhia South Africa. Se o governor bri-
tannico nAo satisfizer as justas rcclamagcs do governor de Sua Magestade, nada so p6de
esperar das novas negocia96es, visto que Cecil Rhodes nao respeita os compromissos to-
mados pelo marquez de Salisbury. Cumpre informal com urgencia d'estes factos esse go-
verno e fazer notar que todas as aggressics se deram dentro do territorio reservado para
Portugal pela demarcacAo do tratado de 20 do agosto e modus vivendi, e depois da assi-

I Document 11. 51 a pag. 26.








gnatura d'esta ultima convengio. Noticias inglezas refcrem invasion feita por portuguezes
em territorio attribuido A Inglaterra segundo a mesma demarcagao; mas creio serem in-
fundadas e destinadas a desviar responsabilidades. Convem divulgar a versao portugueza.


N.o 55

0 SR. JOSE VICENTE BARBOZA DU BOCAGE AO SI. EDUARDO AUGUSTO DE CARVALHO
Telegramma. Extracto.
Lisboa, 7 de dezembro do 1890. Noticias officials de Mocambique dizem ter gente
companhia ingleza sublevado Mutassa c arriado all bandeira portugueza, prendido Paiva,
Rezende, Gouveia, engenheiro francez Llamby, perseguido empregados da companhia por-
tugueza e mineiros cm direcgio A costa. Governador geral ia empregar forga depois de
ter avisado consules inglezes. Vou reclamar do marquez de Salisbury providencias ener-
gicas urgentes. Informe immediatamente v. s.a quaesquer noticias chegadas ahi.


N.o 56

0 SR. JOSE VICENTE RARBOZA IU BOCAGE AO SR. LUIZ DE SEVERAL
Telegramma.
Lisboa, 7 de dezembro de 1890.--As noticias officials, que alcancam Beira em 2,
Quelimane em 4, contradizem em grande part as do C'abo da Boa Esperanga fornecidas
pela companhia Sul Africa. As primeiras do governador gcral dizem que, agents da com-
panhia ingleza sublevaram contra n6s os pretos do Mutassa; invadiram Manica, arriaram
bandeira portugueza em Maccquece; prendcram Paiva, Rezende, Manuel Antonio e en-
genheiro francez Llamby; persoguiram em direcgAo A costa o restante do pessoal da com-
panhia portugueza e mineiros. Informe com urgencia v. s.a de tudo isto o marquez de
Salisbury e insist para que sejam postos em liberdadc os prisioneiros, e a companhia
Sul Africa obrigada a evacuar jA todo o territorio quc nos c rcconhecido pelo: modus ri-
vendi. Informed v. s.a mais marquez de Salisbury, do quc o governador geral de IMoam-
bique ia jA organisar uma expedico para rcpcllir a invasaio de Manica, c que slo urgen-
tissimas as providencias do governor britannico para cvitar naiores conflicts. As noticias
officials portuguczas nio dizem que nenhluma expedicao portugueza saisse f6ra dos limi-
tcs estabelecidos pelo convenio de 20 de agosto c nodus vicendi; ha pois motivo para
duvidar das noticias em contrario espalhadas pela companhia Sul Africa. -


N.o 57

0 SR. JOSE VICENTE BARBOZAIDU BOCAGE AO SR. EDUARDO AUGtSTO DE CARVALHO
kextracto.
Lisboa, 7 do dezembro de 1890.-Naio deve v. s." deixar nunca de me transmitter
immediatamente quaesquer noticias relatives is constants invasies e aggrcs.ses da com-
panhia South Africa, e bcm assim informal d'cllas, quer o governador geral de Mogam-
bique, quer o governador do district de Louren.o Marques, conforme um ou o outro for
hiais interessado.






35

Essas noticias, embora sejam sempre suspeitas pela sua origem, import muito co-
nhecel-as cor urgencia, a fim de que o governor possa reclamar perante o governor de
Sua Magestade Britannica Acerca das violag9es constantes que a companhia South Africa
pratica contra o modus vivendi estabelecido em 14 de novembro ultimo.
Relativamente a algumas inteng5es que se manifestem de realisar aggresses ou vio-
lencias, deveri v. s.a protester desde logo ahi perante o alto commissario do governor bri-
tannico; contra factos consummados, por6m, melhor o p6de fazer directamente o governor
de Sua Magestade perante o governor de Sua Magestade Britannica, pois este ultimo
acha-se de certo menos sujeito de que o seu representante no Cabo A poderosa influencia
do sr. Cecil Rhodes, gerente da companhia privilegiada. Sobre os ultimos acontecimentos
de Manica enviei hoje a v. s.a um telegramma, contend as ultimas noticias officials re-
cebidas pelo governor; sei que ellas nAo sAo inteiramente conformes as que d'ahi transmit-
tiu ao seu governor sir Henry Loch, mas nem por isso devo crer que sejam inexactas as
primeiras e fiar-me das ultimas, nas quaes se procuram langar as aggresses A conta
dos portuguezes, corn a manifesta inten9go de evitar pesadas responsabilidades.
Ao encarregado de negocios de Portugal em Londres expedi ordens para que recla-
masse do governor britannico energicas providencias; e da resposta que houver de lord Sa-
lisbury terA v. s.a de certo conhecimento muito antes de rcceber este despacho.
Deus guard, etc.

N,o 58

0 SR. LUIZ DE SEVERAL AO SR. JOSe VICENTE BARBOZA DU BOCAGE
Telegramma.
Londres, 8 de dezembro de 1890.--Nao pude ver marquez de Salisbury. Vi sr.
Currie. Companhia South Africa informou governor inglez que Paiva e Rezende haviam
sido immediatamente soltos. Ignora o sr. Currie a sorte de Gouveia. Vou procui'ar conhe-
cel-a. Governo inglez nao tem por ora elements para apreciar a questao. Aguarda infor-
ima9es officials e detalhadas e procederA de accord com ellas. Modus vivendi serA es-
crupulosamente respeitado.

YN. 59

0 SR. JOSE VICENTE BARBOZA DU BOCAGE AO SR. LUIZ DE SEVERAL
Telegarmtna.
Lisboa, 9 de dezembro de 1890. Queira instar pela soltura do capitto-mndr de Ma-
nica; a accusaglo que lhe faz o Times, de negreiro, 6 uma calumnia. A prompt evacua-
g~o de todo o territorio portuguez sera a unica prova cabal de respeito pelo modus vivendi.
OpiniAo public impaciente.

N.o 60

0 SR. LUIZ DE SEVERAL AO SR. JOSE VICENTE BARBOZA DU BOCAGE
Telegimamma.
Londres, 9 de dezembro de 1890.-Vou insistir corn a maior energia na soltura
immediate de Gouveia como condigio indispensavel para todas as negociagoes ulte-
riores.









N. 61

0 SR. JOSE VICENTE BARBOZA DU BOCAGE AO SR. LUIZ DE SEVERAL

Telegramma. Extracto.
Lisboa, 9 de dezembro de 1890.- Ultimas informagoes do governador de Mogam-
bique fazem crer que Paiva e companheiros foram press, tendo ido pacificamente visitar
Mutassa.


N.o 62

0 SR. LUIZ DE SEVERAL AO SR. JOSE~ VICENTE BARBOZA DU BOCAGE

Telegramma.
Londres, 10 de dezembro de 1890.-Direcqto da companhia South Africa acaba
de ordenar por telegramma a soltura de Gouveia.



N.o 63

0 SR. LUIZ DE SEVERAL AO SR. JOSE VICENTE BARBOZA DU BOCAGE

Telegramma.
Londres, 10 de dezembro de 1890.-Tive longa entrevista corn marquez de Salis-
bury. Communiquci-lhe as instrucges contidas no telegramma de v. ex.a cor relagto aos
acontecimentos de Manica. Expuz-lhe detidamente os perigos da situagao e a impossibi-
lidade de continuar as negocianies em presenga d'este verdadeiro obstruccionismo da
companhia South Africa. Fiz-lhe notar a posigao ridicule em que nos queriam collocar;
quando n'estes conflicts de forga levavamos a melhor, o governor inglez apressava-se em
tornar o governor portuguez responsavel pelas consequencias, e exigia immediate repara-
9co; quando a sorte nos era adverse, o governor inglez lavava as suas mAos; a responsa-
bilidade era da companhia, sobre a qual nao podia exercer influencia immediate; conces-
sues de minas nAo implicavam direitos de soberania, e se esses pertenciam a Portugal, o
que fazia ali a bandeira ingleza?
Sobre este ponto disse-me s. ex.a que as bandeiras arvoradas nao eram as inglezas,
mas sim as da companhia South Africa. Respond que esse facto, long de diminuir, ag-
gravava a responsabilidade, jA grande, da companhia South Africa; que emquanto que
os agents da companhia portugueza nao podiam ser accusados sento de haver arriado
a bandeira de uma companhia, os agents da South Africa se tinham atrevido a arriar a
bandeira de um estado soberano. Julgo dcsnecessario enumerar os outros argumentos que
julguei dever submetter A consideragao do primeiro ministry. S. ex.a auctorisou-me a
transmittir a v. ex.a a seguinte declarag9o: governor inglez nuo recebeu ainda informagpes
officials que o habilitem a apreciar cor justiga a natureza do conflict. No caso em que
essas informagres prove que a companhia South Africa transgrediu as prescrip9oes do
modus vivendi, governor inglez obrigard a companhia a abandonar as posigces indevida-
mente occupadas.






37


N.o 64

0 SR. EDUARDO AUGUSTO DE CARVALIO AO SR. ANTONIO ENNES

Cabo da Boa Esperanga, em 17 de novembro de 1890 (recebido em 10 de dezembro).-
Ill.mo e ex.m" sr.-0O rio Pungue estA agora attrahindo todas as attengeies e a British
South Africa Company langa as suas vistas ambiciosas para essa via fluvial, isto gracas
A rapida viagem que o major Johnson (o mesmo quo havia entrado n'um accord com a
companhia de Mogambique para a exploranLo do rio Mazoe, accord que foi posterior-
mente rescindido pelo governor de Sua Magestade) e o dr. Jameson, vem de fazer de
Mount Hampden A Beira. O Cape Argus public a narragio de uma entrevista que tivera
corn o dito major Johnson, fazendo a descripgAo d'esse rio, da qual se conclude que elle
6 o porto future de Mashonaland, pois, segundo um telegramma recebido hontem do Na-
tal, a viagem da Beira a Mount Hampden 6 de dezoito dias, cmquanto que por via do
Cabo sao precisos tres mezes. O mesmo telegramma acrescenta que mantimentos sao diffi-
ceis de obter na Beira, devido A hostilidade da companhia de Mogambique, que por todos
os meios procura embaracar a British South Africa Company, < inglezes corn os objects quc elles precisamm. Para obviar a este inconvenient i narios pois o major Johnson publicamente declara que foi o mais cortezmnente possivel tra-
tado pelos portuguezes, uma casa commercial de Natal, diz o dito telegramma, acaba de
tomar a resolugAo de estabelecer unma succursal na Beira, e diz-se que a British South
Africa Company tern a id6a de contratar cor os pequenos vapores que de Natal vAo a
Inhambane, a ida ao Pungue cor mantimentos para as suas forgas em Mashonaland.
Deus guard, etc.

N.o 65

0 SR. EDUARDO AUGUSTO DE CARVALHO AO SR. JOSI VICENTE BARBOZA DU IOCAGE

Cabo da Boa Esperanga, em 15 de novembro de 1890. (Recebido a 10 de dezem-
bro)- Para os devidos effeitos tenho a honra de transmittir a v. ex.a copia do officio (do-
cumento A), que em data de 12 de novembro ultimo dirigi a s. ex.a o ministry da mari-
nha e ultramar corn referencia aos negocios da Africa do Sul.
Deus guard, etc.

A
Extracto.
Consulado de Portugal no Cabo da Boa Esperana.--12 de novembro de 1890.-
Ill."1 e ex.m" sr.-N'estes ultimos dias tem-se aqui recebido telegrammas de Londres,
annunciando que vinha de ser celebrado um modus vivendi entire os governor de Portugal
e a Inglaterra, em virtude do qual seria mantido o status quo anterior a 20 de agosto, obri-
gando-se a Inglaterra a nSo permittir a invas~o pelas forqas da British South Africa Com-
pany de qualquer territorio para alem dos limits estabelecidos pelo tratado de 20 de agosto,
bern como de tornar sem valor os tratados feitos pelos agents corn os chefes indigenas em data
posterior a 20 de agosto ultimo. Estas noticias t6em causado aqui a maior indignaco, sendo
a opiniao public de parecer que a companhia British South Africa nenhuma attengAo
deve prestar a esta conven9go, continuando a occupar os territories que Ihe appetecer.








Esta opiniAo nao 6 s6 mantida pelos inglezes, mas tambem pelos africanos, que
hoje prestam todo o seu apoio aos ambiciosos projects de mr. Rhodes, isto na espe-
ranga que esses territories adquiridos pela companhia ingleza venham a ser encorporados
no dominio das colonies inglezas da Africa do Sul.
Deus guard, etc.

N., 66

0 SR. JOSI VICENTE BARBOZA DU BOCAGE AO SR. LUIZ DE SEVERAL
Telegramma.
Lisboa, 11 de dezembro de 1890. -Approvo e louvo a maneira por que v. s.' se
houve na sua conferencia corn marquez de Salisbury; mas a resposta de s. ex.a nao me
satisfaz. 0 governor inglez nAo p6de precisar informanoes para ordenar a companhia South
Africa a evacua9ao immediate do territorio reservado a Portugal pelo tratado de 20 de
agosto e modus vivendi; pois sabe muito bem que o tratado de 14 de setembro corn Mutassa
nao podia ter por effeito adquirir soberania para a companhia nos territories d'aquelle
regulo, send feito na vespera da apresentagAo ao parlamento portuguez do tratado de 20
de agosto. 0 que o governor portuguez precise 6 que o governor inglez made retirar a
for9a armada do territorio portugucz; sem isso 6 impossivel reatar negociac-ies e tran-
quillisar o espirito public. Procure v. s.a fazer comprehender ao marquez de Salisbury
a urgencia de declarar ter ordenado a companhia South Africa o abandon do nosso ter-
ritorio; esse 6 o ponto essencial, ncnhum outro.



N.o 67

0 SR. JOSE VICENTE BARBOZA DU BOCAGE AS LEGACIES DE PORTUGAL El BERLIN,
MADRID, PARIS, ROMA, S. PETERSBURGO E VIENNA
Telegramma.
Lisboa, 12 de dezembro de 1890.-Informacges da legacAo de Portugal em Londres
dizem ter sido mandada ordem para a soltura dos prisioneiros portuguezes em Manica.
Governo portuguez nao tern ainda informagZes precisas sobre as occorrencias; mas con-
tinua a instar cor governor britannico para ordenar a evacua9io do territorio portuguez
de Manica, indispensavel para evitar conflicts. Governo portuguez ordenou ao governa-
dor geral de Mogambique occupagio military da Beira e defeza do territorio portuguez
sem tomar a offensive.

N.0 68

0 SR. JOSE VICENTE BARBOZA DU BOCAGE AO SR. LUIZ DE SEVERAL
Telegramma.
Lisboa, 12 de dezembro de 1890. Fui procurado hoje por ministry de Inglaterra,
que me disse ter governor britannico recebido noticia, por telegramma do consul inglez em
Louren9o Marques, de haver governador do district reunido assemblea public para pe-
dir voluntarios contra Inglaterra, e se terem affixado pasquins em Lourengo Marques,
accusando Inglaterra de roubar nossas colonies. Governo britannico pedia explicaaes a
este respeito. Minha resposta foi: Nio serem conhecidos do governor portuguez os factors






39

allegados, mas sim constar-lhe que fora o president da camera municipal quem convo-
cAra uma reuniio para alistamento do voluntarios destinados a occupar e defender o ter-
ritorio portuguez de Manica. E que governor portuguez nao poderia approval qualquer
procedimento do governador offensive para o governor britannico. Acrescentei que governor
portuguez tratava de fazer occupar regularmente Beira e o territorio portuguez de Ma-
nica, cor o fim de defender esse territorio de qualquer aggressAo, e assegurar vidas e pro-
priedade de nacionaes e estrangeiros ali estabelecidos. Fiz sentir que todas estas medidas
eram determinadas pelas ultimas occorrencias, e indispensaveis em vista do governor bri-
tannico nao ter ainda ordenado a evacuacio do territorio portuguez comprehendido na
demarcagao do tratado e modus vivendi.

N., 69

0 SR. EDUARDO AUGUSTO DE CARVALHO AO SR. JOSi VICENTE BARBOZA DU BOCAGE
Telegramma.
Cabo, 12 de dezembro de 1890.- Consta companhia South Africa nega a exactidlo
da versAo official dos acontecimentos de Manica, allegando terem occorrido em Matumba
Bosoko e nao em Macequece, sendo bandeira ingleza que foi arriada. Allega mais que an-
terior a estes acontecimentos forga portugueza invadira o territorio do chefe Lomogunda
proximo Hartley-Hill, obrigando este arvorar bandeira portugueza; conta companhia cor
apoio do governador, c a opiniio public cstA usando pressao junto governor britannico para
este manter a occupagAo do tcrritorio de Mutassa, visto ccssAo ser anterior ao modus vi-
vendi.

N.0 70

0 SR. JOSE VICENTE BARBOZA DU BOCAGE AO SR. LUIZ DE SEVERAL
Telegrainmn.
Lisboa, 13 de dezembro do 1890.- Ministro da marina dirigin telegramma ao go-
vernador geral de Mogambique, dando noticia de se queixar governor britannico de insul-
tos e armamentos contra a Inglaterra, insistindo sobre a necessidadc do distinguir sempre
o governor britannico dos agents da companhia; o governador geral responded o seguinte:
aEm Lourenco Marques harmonia entire portuguezes e inglezes, o unico caso um bebado
atirou uma pedrada A casa do consul, foi capturado, sempre distingui companhia, do
governor britannico. Dei conhecimento d'este telegramma ao ministry de Inglaterra.



N.0 71

0 SR. JOSl VICENTE IBARBOZA DU BOCAGE AO SR. JOSE GODINHO DE CAMPOS,
CONSUL DE PORTUGAL EM PRETORIA
Telegramma.
Lisboa, 15 de dezembro de 1890. Ministro do Inglaterra acaba de communicar-me
que, segundo telegramma do Cabo da Boa Esperanca, em data de 11, Paiva c Gouveia
estavam soltos e eram esperados em rio Tuli, no paiz Makalaka, no fim da semana pas-
sada. Informe pelo telegraph o que constar, e d6 todas providencias necessarias para
facilitar sua viagem.










N. 72

0 SR. LUIZ DE SEVERAL AO SR. JOSE VICENTE BARBOZA DU BOCAGE
Telcgramma.
Londres, 16 de dezembro de 1890.--Tive hoje demorada conferencia com o mar-
quez de Salisbury. Fiz notar a s. ex.' em primeiro logar a attitude digna do governor
portugue. e dos scus funccionarios em Africa, recusando-se a confundir o governo inglez
con a companhia South Africa. Depois procurci demonstrar-llie que o sr. Rhodes o cstava
illudindo. Historiei a questAo de Mutassa desde o sen principio, quer dizer. desde a con-
clusAo do tratado feito cor essc regulo em 14 de setembro. Aqui interromipen-me marquez
de Salisbury, dizendo qne nio tinha sido um tratado, inas sim uima concessao mineira.
Vou provar a v. ex.a que surprehenderam a sua boa fe, retorqui-lhe eu. Mostrei-lhe
cntAo a declaraglo de Colquloun.'S. ex.a, depois de a ter lido, disse-me: cVejo que foi
cor effeito um tratadox. Continue entAo a historiar a questao. Disse que eu bem sabia
que o tratado de 20 de agosto nao podia juridicamente entrar em vigor senAo depois de
ratificado, mas que por alguma cousa devia contar o valor moral da assignatura do go-
verno britannico, sobretudo antes d'esse instrument ter podido ser submettido ao parla-
mento. Esse valor moral era tao grande que a mesma companlia South Africa o reco-
nhecia, tratando de fazer crer que o tratado com Mutassa, de 14 de setembro. tinha sido
apenas uma concessAo mineira, e que s6 mais tarde, quando o convenio de 20 de agosto
foi abandonado, 6 que se transformou em tratado implicando direitos de soberania.
Nao quero insistir, disse cu, tao evidentemente contraria A verdade 6 essa asser'Ao.
Depois acrescntei: aSNo foi isso o que me trouxe aqui; tendo tido a honra de negociar e
assignar o modus vivedi corn v. ex.', devo conhecer-lhe o espirito e a letra. No artigo 4.0
preceitua-se o seguinte: (A partir do dia 14 de novembro ate seis mezes depois ne-
anhuma das duas potencias farA tratados, accitarA protectorados ou exercera acto algum
ade soberania dentro da esphera do influencia assignada a outra pela convenqiao de 20 de
agostox. No dia 15, quer dizer, no dia seguinte ao da assignatura do i,(odus rivvcndi, o
capitAo Forbes, a frente de forca armada, surprelendia Mutassa, prendia officials da
companhia de Moyamnbique e arriava a bandeira portugueza, substituindo-a pela bandeira
ingleza, isto 6, exercia um acto de soberania, contra as disposigies claras do mrodus ri-
vendi. Diz-me v. ex.a quo a companhia South Africa allega que a acAto do capitho For-
bes foi consequencia do uma aggressao anterior; o apuramento das responsabilidades 6
para depois, 6 para quando so negociar o novo tratado. A unica questaio hoje i a viola-
&9o ovidente do modus vivendi. Que os agents da companhia South Africa o nao conhe-
ciam no dia 15 6 provavel, mas isso nao quer dizer nada; agora que o conhecem, a obri-
gagqo da companhia 6 restabelecer o status quoo d dia 14 de novembrolr. Marquez de Sa-
lisbury fez a seguinte declaragiAo: Mlarquez de Salisbury tambem nao ten informacges
exactas Acerca das datas dos conflictss. Assogurou-me star resolvido a executor escru-
pulosamente as prescripg es do modus vivendi, mantendo o statu quo de 14 de novembro.
Disso-me mais que estaria no ;Fo reign Office na quarta feira, c que o podcria prcurar a
qualquer hora. Peoo ao governor de Sua Magestade que previna qualquer conflict de
for0a que vonha embaragar negociaies. A companhia South Africa vendo-se n'um ter-
eno falso ha de querer provocal-o. Seria esta a sua unica salvanao.









N. 73

0 SR. JOSE VICENTE BARBOZA DU BOCAGE AO SR. LUIZ DE SEVERAL
Telegramma.
Lisboa, 16 de dezembro de 1890. -Recebi o tholgramma de hoje. Approvo o seu
procedimento na conferencia corn lord Salisbury. Reconhecido como estd quo cm 14 de
setembro a South Africa Com"pany nuo podia fazor tratado cor Mutassa, a consequencia
nao e s6mente manter o status quo em 14 dc novembro, inas reconhecer a illegalidade da
invasao e fazel-a cessar. O n. 4 da carta real da South Africa faz defender a validade
de qualquer tratado ou convengsio da approvagio do governor britannico, e d'aqui result
que a companhia nao podia occupar o territorio do Mutassa e hastear n'ello a bandeira
britannica antes d'essa approvag.io. Nao deve esquccer tambom que a fronteira dos terri-
torios da South Africa a oesto das possesses portuguozas era marcada em 14 de setem-
bro pelo tratado de 20 de agosto. Julgo convenient reforgar corn estes os outros argumen-
tos muito bcm cmpregados por v. s.a 0 governor portuguez vae enviar unma forca regular
para Mogambique, exactamente para matter a ordem e obstar a conflicts, corn quo s6 tem
a lucrar a South Africa. Telegramma do governador de Mocambique em data de 16 diz o
seguinte: aOfficios do engenheiro francez Llamby em 15 do novembro, Rezende 22, go-
vernador Manica 28, confirmam prisio de Paiva, Gouveia, Rezcnde, feita corn violencia
em nome da Gran-Bretanha. Inglezes arriaram bandoira portugueza em Macequece, e
apropriaram-sc das casas e direitos da companhia de Mozambique)). Pediram-se porme-
nores.

N.o 74

0 SR. LUIZ DE SEVERAL AO SR. JOSE VICENTE BARBOZA DU BOCAGE
Telegramma. ]Extracto.
Londres, 17 de novembro de 1890. Estou no Foreign Office. Acabo de receber um
tologramma de Windsor, convidando-me a ir hoje jantar cor Sua Magestade a Rainha e
demorar-me atW imanhq.

N.o 75

0 SR. LUIZ DE SEVERAL AO SR. JOSE VICENTE BARBOZA DU BOCAGE
Telegramma.
Londres, em 17 de dezembro de 1890. -Tive muita demora cor marquez de Sa-
lisbury. Eis aqui sua declaracao. Governor inglez vae obrigar a companhia South Africa
a reparar todas as infracgoes consummadas A carta regia que a constituiu. Reprova o at-
tentado de Macoquece. Declara quo bandeira ingleza nao podia ali sor arvorada, e obri-
gard companhia a removel-a. Forga armada serA retirada. Na opiniAo de marquez de Sa-
lisbury clausula 4.a nio se refere ao principal campo de operag~cs da British South Africa
mencionado na clausula 1.~ 0 que lhe fez impression foram as clausulas da carta regia
n.05 8, 19 e 22. Nao tenho tempo para desenvolver este telegramma, o que farei amanht.
Parto n'este moment para Windsor.






42


N. 76

0 SR. LUIZ DE SEVERAL AO SRl. JOSE VICENTE BARBOZA DU BOCAGE
Telegramma. Extracto.
Londres, 18 de dezombro de 1890.--Acabo do chegar de Windsor. 0 representante
do governor de Sna Magestade foi recobido com as maiores consideracoes. Referindo-me
ao men telegramma de hontem, tenho a acrescontar que a evacua(Ao de Macequece orde-
nada A companhia South Africa nao so refere s6 A forla armada, mas 6 absolute.


N.0 77

0 SR. LUIZ DE SEVERAL AO SR. JOSlE VICENTE BARBOZA DU BOCAGE
T'elegramma. -Extracto.
Londres, 18 do dezembro de 1890.-Ha dias disse-moe mn dos directors da com-
panhia South Africa que Rhodes tinha telcgraphado dizendo nao havia duvida de que
Mutassa cstava f6ra da linha de domareacao territorial do 20 do agosto. Sobre este ponto
marquez de Salisbury disse-mI hontem o seguinto: o sr. Rhodes tclegraphou-me dizendo
que tinha a certeza de que Mutassa estava f6ra da linha do tratado de 20 de agosto, isto 6,
que estava situado ci territorio attribuido A Inglaterra por esse tratado. O sr. Rhodes,
acrescentou s. ex.a, 2 o primeiro ministry do (Jabo da Boa Esperan('a, c eu nao posso con-
tradizor seom proves a sua tio categorica asseriAo. So o governor portuguez temu documen-
tos que possam clucidar esta questAo, peco-lhe que m'os communique. Auctoriso-o a trans-
mittir ao seu governor a seguintc formal declaragao: Se se provar que Mutassa estA em
territorio portuguez, segundo a demarcagiao do tratado de 20 de agosto, farei immediata-
monte o mesmo que vou fazer com Macequcce. Obrigarei a companhia a evacuar esse
territorio)). Isto parecc-mc perfeitamentc rasoavel. Chamo a attengAo de v. ex.a para esta
linguagem.

N.o 78

0 SR. JOSE VICENTE BARBOZA DU BOCAGE AO SR. LUIZ DE SEVERAL
Telegranmma.
Lisboa, 18 dc dezembro do 1890.-Recobi corn muito prazer os telegrammas de
v. s.a de hontem e hoje. Tclegramnma do Cabo diz: Paiva, Gouveia em caminho d'ali. Por-
menores sobre acontecimentos do novembro clhgados hoje irAo AmanhiA.


N.0 79

0 SR. JOSE VICENTE BARBOZA DU BOCAGE AO SR. LUIZ DE SEVERAL
Telegrammlf. Exiltacto.
Lisboa, 19 de dezembro de 1890.-Reccbi o telegramma relative ao Mutassa. Fi-
quei muito satisfeito corn o procodilmnto correct do marquez de Salisbury, e felicito-me
com v. s.a pelo resultado dos seus csforcos. Agora rcsta s6 discutir uma questao de fact,






43

relativamente A qual o governor de Sun Magestadc espcra podcr aprcsontar todas as provas
necessarias.
Pormenores relatives i prisao de Paiva u Gouveia scrao remettidos pelo correio.



N.o 80

0 SR. JOSE VICENTE BARBOZA I)U BOCAGE AS LEGAG(OES DE PORTUGAL EM BERLIM,
MADRID, PARIS, ROMA, S. PETERSBURGO E VIENNA
Telegramma.
Lisboa, 19 de dezcmbro de 1890.-Tive a satisfag.o de infornar a v. que o go-
vcrno britannico jA don ordem para a forca armada o todo o pcssoal da companhia South
Africa retirar do Macequeco e ser d'ali rcmovida a bandeira; com relacAo no territorio
do Mutassa, diz o marquez de Salisbury affirmar o primciro ministro do Cabo da Boa Es-
peranga que aquelle territorio fiea f6ra do territorio portuguez, na conformidade da de-
inarcai'o do tratado de 20 do agosto; o marquez de Salisbury uio pdce sem prova em
contrario contradizer a asser'Ao do primeiro ministry do Cabo da Boa Espera:aa; mas,
dadas essas provas, fara para o territorio do Mutassa o mesmo quc jA fez para Macequcce.
Paiva e Gouveia estho a caminho do Cabo da Boa Esperanga, soltos.



N.0 81

0 SR. JOSE VICENTE BARBOZA I)U BOCAGE AO SR. LUIZ DE SEVERAL

Lisboa, 19 de dozembro de 1890.-Junto envio a v. s." por copia o telegramma do
governador geral de Mogambique (documnnto A), dirigido a s. ex.a o sr. ministry da ma-
rinha e ultramar em data de 17, c que dA noticia circumstanciada da prisAo e soltura de
Paiva do Andrada, Rczendo e Manuel Antonio, c mais esclarecimentos relatives no ultimo
conflict havido em Manica e que serA de element important para v. s. a questao que
o governor de Sua Magestade tern cor o governor de Sua Magestade Britannica.
Deus guard, etc.

A

Mocambique, 17.- Llamby diz que estando muitos mineiros nossos reunidos juntos
do Mutassa, cste so lhes confessou ser portugucz; irromperam os inglezes quo arranca-
ram a bandeira portugueza, prendoram Paiva, Manuel Antonio c Rczende e nio quize-
ram rcceber o protest do Llamby; disseram quo os portuguezes cram prisioneiros da
Inglaterra, e que todo o territorio de Manica e a companhia de Mocambique estavam sob
o protectorado ingloz.
Rezende diz que a 13 de outubro tinhanm stado em Manica Jameson c Johnsonj
vindos de Machona, e que pedirami auxilio a Rezende para seguirem para a Beira; em
converse reprovaram o procedimento de Colquhoun.
Em Sarmento, por um descuido, houve incendio em tres casas da companhlia de Mo-
gambique.
A 6 de novembro, estando Paiva em Manica, rccebeu pelo teiento Graham um offi-
cio do resident inglez junto do Mutassa, em que era intimado para sair de Manica; no






44

dia 8 Mutassa inandou chanmar Manuel Antonio o para hi partiu levando comsigo alguns
minoiros, apesar de uma carta ameacadora dos inglezes; a 15 us empregados da compa-
nhia e os mineiros estiverani rcunidos corn o Mutassa, c este dis-e quc devia a Manuel
Antonio o star no poder; que era portuguez, o para prova d'isto tinha a bandeira arro-
rada; apparoceram entio os inglezes armados, prenderan-n'os, arrancaram a bandeira e
levaram os pros para o acampamento.
Manuel Antonio foi agarrado brutalmente.
Os press ficaram incommunicaveis.
Os inglezes apoderraram-e das armas e dos carregadores; entraram nas casas dos
nossos, de onde tiraram as arms de Paiva de Andrada, chamaram-lhes bandidos, e leva-
ram debaixo de cluva Paiva de Andrada e Manuel Antonio, escoltados, para o forte Sa-
lisbury.


N., 82

0 SR. JOSE VICENTE B011BOZ1 DU BOCAGE AOS CONSOLES DE PORTUGAL
NO CABO DA BOA ESPERANCA E EM PRETORIA
Telegramma.
Lisboa, 20 de dezembro do 1890.-MAacequcce mandado cvacuar por ordem do go-
verno britannico A companhia; bandeira ingleza mandada retirar d'ali.


N.o 83

0 SR. EDUARDO AUGUSTO DE CARVALHO AO SR. JOSE VICENTE BllBOZA DU BOCAGE
Telegramnin a.
Cabo da Boa Esperanga, 22 do dezembro de 1890.-Companhia pretend nilo ter
reccbido ordcm do governor inglez para evacuar Macequece, e diz caso essa evacuae'ao te-
nha logar manter-se-ha em Mutassa, contando corn que os pcequizadores que affluem
Aquellas paragons crcarho difliculdades que tornem justificada sua intervenucao. Paiva c
Gouveia clegam aqui fim da scmana, seguindo Lisboa dia 3.


N.o 84

0 SR. LUIZ DE SOVERAL AO SR. JOSE VICENTE BARBOZA DE BOCAGE
Telegramma. Extracto.
Londres, 22 de dezembro do 1890.-Vi o sr. Curric que acabava de chegar de Hat-
field, residencia do marquez de Salisbury. Disse-me quo em nome de s. ex.' me aucto-
risava a declarar a v. ex.a da maneira mais categorica o seguinte: 1.0. que o. desmen-
tidos que aqui foram publicados nos jornacs du sabbado e de domingo, nao dimanavam
do Foreign Office, mas sim da companhia Sul Africana; 2.0. que depois da entrevifta
que tivera commigo no dia 17 do corrente, dirigira uma earta A companhia. trnando effe-
ctivas as doclarac6es que entao me fizcra, que constam do men telegramma a v. ex.a da
mesma data. O sr. Currie disse-me mais, que a companhia recebCra essa earta no
sabbado.










N. 85

0 SR. JOSI VICENTE BABBOZA DU BOCAGE AO SR. LUIZ DE SEVERAL

Lisboa, 22 de dozcmbro de 1890.--Li com surpreza no tolegramma de v. s.a de
18 do corrcnto, que o marquez de Salisbury, em presenga da affirmative do sr. Cecil
Rhodes,' de que o territorio de Mutassa nio cstava comprehendido na dclimitaio dos ter-
ritorios attribuidos a Portugal pelo tratado do 20 do agosto, hesitava em ordenar a imme-
diata cvacuacgio d'aquelle tcrritorio pela companhia South Africa, como fizera com re-
lacio a Macequcce. E digo que o li coin surpreza, porque me parece que o marquez de
Salisbury, que iegociou e discutiu largamente com o nosso plenipotenciario as clausulas
d'aquelle tratado, bem poderia julgar-se habilitado a repellir aquella artificiosa suggcstao
do primciro ministry do Cabo e director da companhia South Africa, em vcz de nos pc-
dir as provas dc que o Mutassa esti cffectivamente em territorio portuguez.
Corn cffeito o artigo 2.0 do tratado do 20 do agosto diz:
((Ao sul do Zambeze, os territories comprehendidos na esphera de influencia portu-
gueza sAo delimitados por una linha quc, partindo de un ponto em frente da extremi-
dade occidental do raio de 10 milhas inglezas a oeste do Zumbo, segue para o sul at6 ao
parallel 160 e por este at6 encontrar o meridiano 310 leste de Greenwich, e d'ali di-
rige-se directamente para leste at ia intersecio do rio Mazoc con o 330 do latitude. A
fronteira, seguindo este meridiano para o sul ate alcangar o parallel 180,30', corre n'este
parallel para oeste at6 ao affluent Masheke do rio Save on Sabi, e desce pelo thalweg
d'cste affluent o pelo do Save at t sua confluencia corn rio Lunda ou Lunte, d'onde al-
can9a directamnente o ponto nordeste da fronteira da Republica da Africa do Sul. D'ahi
confunde-se cor a fronteira oriental d'esta Republica e corn a do paiz dos Swazis at6 ao
rio Maputo.))
Ficou, portanto, pertencendo a Portugal por este artigo o territorio situado ao sul
do parallel 18,30' e a leste do affluent do rio Save, conhecido pelo nome de Macheque
ou Masheke.
Differe a rcdaciAo do referido artigo 2.0 da que primoiro fora proposta por lord Sa-
lisbury. N'esta a linha frontcirica seguia o parallel 180,30' para oeste at6 ao afflucnte
mais oriental do rio Save ou Sabi e dirigia-se depois para o sul polo thalceg d'aquelle
affluente e do Save at6 a confluencia d'este corn o Lunte. (Vide Livro branco, 1890,
pag. 168.) A modificato inserida no tratado foi proposta pelo plenipotenciario portuguez
e acceita por lord Salisbury; substituiu-se A indicacAo vaga do affluent mais oriental do
Save o nome do rio em que se concordira que servisse de limited n'aquella part da fron-
toira, ovitando-se assim futuras duvidas e possiveis contestagocs. Assim o declara o pleni-
potenciario portuguez no son telegramma de 12 de agosto ultimo. (Vide Licro branco,
1890, pag. 182.)
E, pois, o rio Macheque a nossa fronteira occidental n'aquella porgio de territorio
delimitado, que tern por fronteira norte o parallel 189,30'.
Perguntarei agora: p6de porventura duvidar-se da exacta posiogo do rio Macheque
ou da aringa do Mutassa corn relagAo a este rio ou ao parallel 180,30'?
Por certo que nAo. Os nielhores mappas geographicos e itinerarios de viajantes na
Africa austral, que se queira consultar, dao o Mutassa ao sul do parallel 18,30' e a leste
do rio Macheque, na bacia do Odzi. Bastar-me-ha citar, entire outros, o mappa inglcz pu-
blicado por Stanford, sob o titulo: The Mlatabili, Mashona and Bamangwato countries within
British sphere and influence, compiled for Geo-Cawston, Esquire, 1890, cuja auctoridade






46

a companhia South Africa nao podera de certo contestar, visto que fora compilado para
uso de um dos seus directors. N'esse c em todos os mappas publicados em escala suffi-
cientemento ampla para n'ellcs so poderem encontrar claramente designados Mutassa e o
rio Macheque, ve-se este representado como correndo n'uma direcefo proximameute norte-
sul a partir de um ponto do parallel 180,30' proximo da interseccio d'este parallel
cor o meridiano 320 (Greenwich) ate se juntar ao Save, e a posicAo do Mutassa en-
contra-se claramente indicada algumas milhas ao sul d'aquelle parallel e a leste do Ma-
cheque.
As provas que o marquez de Salisbury deseja de que Mutassa esta cffectivamente
comprehendido no territorio portuguez, as provas geographicas, unicas de que se ha mis-
ter para este caso, encontram-se cabaes e incontestaveis em documents da maior aucto-
ridade. Nao sei que de outras provas possa career o marquez de Salisbury para deter-
minarem a sua consciencia a proceder corn justiga.
Queira v. s.a chlamar a attencho do marqucz de Salisbury para as cion-sideracoes
que ficam expostas, e significar a s. ex.k quanto seria agradavel ao governor de Sua Ma-
gestade, visto ter apresentado provas irrecusaveis de so achar comprehendido o Mutassa
no territorio delimitado para Portugal pelo tratado de 20 de agosto, que o governor de
Sua Magestade Britannica nao demorasse o cumprimento da declaracAo.feita a v. s.a na
entrevista de 17 do corrente.
A injustificavel attitude que a companhia South Africa assumiu para corn o governor
britannico, ousando desmentir as declaragoes categorical de lord Salisbury Acerca da
evacuagho de Macoquece, e lancando a todos os ventos da publicidade, pela imprensa e
polo telegrapho, um perfido e falso desmentido, devenm ter convencido o nobre ministry
do nenhum valor que podem ter as asseroies de uma companhia que, para dilatar os sens
vastos dominios e assegurar o exito das suas especulacaes, invade A falsa f6 os nossos
territories, aprisiona violentamente e i traicAo as nossas auctoridades e os empregados de
utua companhia rival, pce em circulaero noticias falsas, e ate se nao peja de infringir cla-
ras disposicecs da carta real que a constituin, comproluettendo dest'arte o decoro e a res-
peitabilidade do governor que a amparava e protegia.
Deus guard, etc.


N.o 86

0 SR. JOSE VICENTE BARBOZA DU BOCAGE AO SR. LUIZ DE SEVERAL

Lisboa, 23 de dezembro do 1890. -Inclusa remetto a v. s.a, para seu conheeimento
e devidos effeitos, copia do telegramma documento A) dirigido a s. ex.a sr. ministry
da marina pelo resident geral de Portugal em Gaza, junto do regulo Gungmnhana.
Deus guard, etc.

A

Louren9o Marques, 22 de dezembro do 1890.-Gaza, 16.-Informo Manica pertence
Vatuas desde Manecuse, pae Muzilla, que conquistou Mutaxa, jl fallecido, pae actual re-
gulo Chifambossico. Tom tido sempro Manica um governador vatua, send Maginguana
tempo Mutaxa, hoje Luchanga, como prova submissao forces Chifambssica comparece-
rem annualmente povoagao Gungunhana, grandes manobras, paradas, dancas chama-
das M'guaia. Vatuas reccbem tambem de 1l tribute annual gados, pelles. fazendas,
marfim.










N.o 87

0 SR. JOSE VICENTE BARBOZA DU BOCAGE AO SB. LUIZ DE SEVERAL
Telegramma. Extracto.
Lisboa, 23 de dezembro de 1890.-- Telegramma de hontem do consul de Portugal
Cape Town, diz: aCompanhia pretend nio ter recebido orders do governor britannico
para evacuar Macequece, e diz-se que, caso essa evacua9io tenha logar, manterd occu-
pagio em Mutassa, contando que os pesquizadores quo affluem Aquellas paragons crearao
difficuldades que tornem justificada a sua intervencgo). Informe confidencialmente
v, s.a governor britannico d'estas inteniecs da companhia.



N. 88

0 SR. JOSE VICENTE BARBOZA DU IIOCAGE AO SR. EDUARDO AUGUSTO DE CARVALHO

Telegramma.
Lisboa, 26 de dezembro de 1890.-Diga a Paiva e Gouveia dcvem protester perante
v. s.a contra actos de violencia quo soffreram, narrando-os circumstanciadamente, assim
como os attentados que presenciaram, praticados em Mutassa e Manica. Fundado no pro-
testo d'elles farA v. s.a sen protest, que entregarA ao alto commissario. Mande com ur-
gencia copia d'esses protests, e informed pelo telegrapho factos de maxima importancia.



N.o 89

O SR. EDUARDO AUGUSTO DE CARVALHO AO SR. JOSE VICENTE BARBOZA DU BOCAGE

Cabo da Boa Esperanga, 3 de dezembro de 1890 (recobido em 27).--Ill.mo e ex.mo
sr.-Tenho a honra de confirmar o telegramma que em data de 29 de novembro trans-
mitti a v. ex.a, do teor seguinte:
,Telegramma recebido hoje de Machona diz, forcas Chartered Company marcharam
do forte Salisbury para Manica, a fim occuparem este district cedido pelo chefe Mutassa
A companhia. Protest. Outro telegramma diz, capitAo m6r Gorongoza e Paiva Andrada
marcharam contra Mutassa.)
Accusando o telegramma de v. ex." de 30 de novembro, cumpre-me passar As suas
maos o protest documento A), que n'esta difficil occasiao entendi dever dirigir a s. ex."
o High Commissioner, o qual espero receberA a approvagao de v. ex.
Em additamento ao meu telegramma de 29 de novembro, tenho a informar que, se-
gundo um outro telegramma, a expedigao da British South Africa Company foi seguida
ou precedida de uns setenta pesquizadores, que devem immediatamente proceder A busca
de jazigos auriferos.
Todos estes factors tenho participado telegraphicamente a s. ex.a o governador geral
de Mogambique; reservando-me tratar d'cste assumpto mais detidamente, pdde v. ex.a
ficar certo que, o que for constando, immediatamente lhe serA communicado.
Deus guard, etc.




*. ^ ,- ^ .'-






48


A

Portuguese Consulate, Cape Town, 1st December, s191.- Excellency.-A tele-
gram from Fort Salisbury (Mashonaland) just published in the Cape papers, dated the
28th November, said to be received via Palapye, states that the British South Africa
Company's Police had proceeded to Manica to occupy that territory under an alleged
treaty said to have been entered into between mr. Colquhoun, the Administrator of the
British South Africa Company, on the 14th September last, and a petty Chief of the name
of Mutassi or Umtassi, who styles himself King of Manica.
This information perhaps requires confirmation, but regard being had to the fact that
Mr. Cecil Rhodes, the premier ministry of this Colony and the general mn:nager of the
British South Africa Company having recently, whilst travelling in the Britidh Prote-
ctorate, stated to the representative of the Cape Aryas newspaper that ,the non ratifi-
cation by the Portuguese Parliament of the treaty of the 20 August 189I1, had left his
Company free to deal with Portuguese claims), a statement which this publicly made has
neither been contradicted or explained leaves to conclude that the telegram in qu-s-
tion is substantially correct.
The Chartered British South Africa Company being subject according to article 22nd
of its Charter to the observance and performance of all obligations undertaken by the
British Government under any existing treaty, agreement or arrangement with any other
State or Power, whether already made or hereby to be made, and it being provi'.led by
article 18, of their Charter ((that the said British South Africa Co'mpany -hall pay due
regard to any suggestions or requests that Her Majesty's High Commissioner in South
Africa shall make I, as the representative of Portugal, beg leave to request that Your
Excellency will take notice that I do hereby, in the name of that Power, protest against
the assumptions and acts of the British South Africa Company, in despatching a force to
occupy the territory of Manica, as such act constitutes an infraction of the rights which
Portugal possesses over the territory in question, which has not been hitherto disputed,
and are moreover a violation of the modus virendi, which has been agreed between Great
Britain and Portugal. The responsibility of any conflict which may- ari-e out of the acts
of the British South Africa Company will rest on the aggressor.
I have the honour to remain Your Excellency's most obedient servant. =Eduardo
A. de Carvalho, consul for Portugal.--His Excellency Sir Henry B. Lock G. C. M. G.:
K. C. B.-Her Britannic Majesty's High Commissioner, Cape Town.



N., 90

0 SR. JOSE VICENTE BARBOZA DU BOCAGE .10 SR. LlIZ DE SEVERAL

Lisboa, 29 de dezembro de 1890. Em additamento ao meu despacho de 22 do
corrente e para sua confirmagio, parecc-me convenient citar mais desenvolvidamente al-
guns dos principals documents geographicos, que provaln de uma maneira irrecusavel
achar-se o territorio de Mutassa comprehendido na demareacao do territorio que pelo
tratado de 20 de agosto ficava sujeito ai soberania de Portugal. Limitar-me-hei a enunciar
os de maior auctoridade, em todos os quaes se encontra a aringa do Mutassa marcada ao
sul do parallel 180,30' e a leste do rio Mashekc ou Macheque.
1.0 Mappa ilatibili, Mushona and Bamanguato Countries by G. Cau-ston, 1890. Nilo









pddo haver document de malor auctoridadc para lord Salisbury e para a companhia
South Africa;
2.0 Mappa das viagens de Selous no paiz dos Matebeles c Machona, publicado nos
Proceedings da Royal geographical society, de Londres, 1888, pag. 324. N'este mappa a
posi9io do Mutassa fica no valle do Odzi, latitude 180,46',12" sul c a 25 milhas para lcste
do rio Macheque. Deve notar-so que o actor, Selous, 6 um dos inglezcs (qu acompanha-
ram o administrator da South Africa, Colquhoun, na invasto de Manica em 14 de se-
tembro; nao pddo haver testcmunho mais insuspeito;
3.0 Mappa Sild-Africa mit Madagascar, publicado pelo institute geographic de Wei-
mar. N'elle estA Mutassa na latitude 180'42/ sul e a leste do rio Macheque;
4.0 Karte von central Afrika, por L. Friedcschun, Hamburgo, 1885. Mutassa lati-
tude 180,461 sul, no vallo de Odzi a leste do Machequc;
5.0 Karte von Afrika, por Kettler und Miiller. Latitude Mutassa 180,47' sul, a leste
do Macheque;
6.0 Karte von Afrika, por W. Liebenard, cartographo official do reino da Prussia,
1886. Mutassa latitude 180,4'1 sul;
7.0 Finalmeute, New map of central Africa, by James Wild, geographer to the Queen,
1890. Latitude Mutassa ao sul do 18,30', a lesto do rio Macheque (Masheke). Nio deve,
pornm, passar scm reparo que o actor chama Mushcke a un rio que corre a leste do
Mutassa, e quo cm todos os outros vein designado com o nome de Odzi on Ozi. IHaverA
aqui uma tentativa de confusao encommendada pela companbhia South Africa? E certo,
por6m, que o rio Macheque (Mashkec) coin a posicio e nome comn que vein indicado nos
outros mappas se ve tambem n'este a oestc do Mutassa, cujo territorio cstA dentro da de-
marcagio portugueza.
Em presence d'estas provas, que v. s.' submotterA A aprecia ito de lord Salisbury,
naio devo support um moment sequer que o ministry dos negocios estrangeiros de Sua
Magestade Britannica liesite em rcconhecer o nenhum valor da assergco de ('ecil Rhodes,
e cm cumprir a sua promessa de fazer evacuar immediatamente pela South Africa Com-
pany o territorio do Mutassa, pois s. ex." nio p6de necessitar de mais provas.
Deus guard, etc.

N., 91

0 SR. JOSI VICENTE BAIIBOZA DU BOCAGE AO SR. EDUARDO AUGUSTO DE CARVALHO
JIxtracto.
Lisboa, 4 de janciro do 1891. -- Comn prazer accuso a recepgio o officio de v. s.a
de 3 do passado, acompanhado das copies da sua correspondencia coin o alto commissario
do governo britannico n'essa colonial, e approve o scu procdimnento por occasiAo dos
graves incidents de Manica.
Tambem li comn intcresse os importantes artigos publicados nos jornaes d'cssa cidade,
Acerca d'este assumpto, que langain bastante luz sobre o divers modo por que a questao
tem sido encarada mesmo no Cabo da Boa Esperanea.
Os jornaes de Londres d'elle so occupam igualmente com divers criterio, sobre-
saindo aos domais artigos um publicado na Saturday Review de 20 do dezembro, e outro
no Times de 27; de certo v. s.a alli poderni obtor esses periodicos 0 os ler com pro-
veito.
Pela minha parte confirm o telegramma do 20 do passado, em que dizia a v. s.a que
Macequece fora mandado evacuar pelo governor britannico e mandada remover d'ali a
bandeira britannica. Lord Salisbury reconheceu que esta nunca deveria ter sido arvorada






50

n'aquelle logar, e dcu terninantes instruccoes A Chartered Conmpany para respeitar o mo-
dus vivendi de 15 do novembro.
Tentaram os agents da companhia desmentir a noticia publicada nos jornaes de Lis-
boa Acerca das declaracos feitas pelo primeiro ministry de Suna Magestade Britannica ao
encarregado de negocios de Portugal em Londres; mas foram obrigados a desmentir o
proprio desmentido. Estimarei saber que no Cabo tambem o tenhamn feito.
Do que occorrer do mais important irci informando a v. s.a, contando que pela sua
part nao deixara de me dar conhocimento de quanto possa ter interesse sobre estes im-
portantes assumptos.
Does guard, etc.

N.o 92

0 SR. EDUARDO AUGUSTO DE CARVALHO AO SR. JOSE VICENTE BARBOZA Dl BOCAGE

Cabo da Boa Esperanga, 13 do dezembro do 1890 (recebid, a 9 de janeiro de lsl').-
Ill."m o ex."m sr. Confirmandoo men telegramma em data de 12 de dezembr,, cum-
pre-me comnmnicar a v. ex.a que me consta que mr. Cecil Rhodes deve brevemente par-
tir para Inglatorra, a fim de so contender cor lord Salisbury a respeito das quest,3ies ter-
ritoriaes entire a Inglaterra e Portugal. Tern bavido diversas conferencias entire mr. Rhodes
e outros intimamente ligados corn a British South Africa Compa-y, em que se tem dis-
cutido a conveniencia do fazer altcracies aos limits fixados pelo tratado de 20 de agosto,.
Mr. Rhodes parece ser do opiniao que se deve deixar a Portugal todos os terreno, bai-
xos, mas n.o ceder uma pollegada dos 2plateaux de Maishonaland, bem como a part de
Manica em que se dou o nltimo conflict, e que parece star ainda occupada pelas forcas
da British South Africa Company. Um tclegranima de Londres em data de 10 do, corrente
dizia que sir James Fergusson havia declarado na camera dos commune que a British 'South
Africa havia sido intimada a respeitar o modus vicendi.
Nao obstante que o modus vivendi, do qual ainda nao tenho cnmmunicaeac). parece
cstabelecer que todos os tratados feitos posteriorimente a 20 de agosto nao serial rec,-
nhccidos pela Inglaterra, parece que a companhia ingleza prctende o contrzrio, e est;i
nsando de today a press'io para que o go'verno inglez iantenlia o tratado conm Mutassa,
que ella entendc qu hee I dA a posse de 1Manica.
Does guard, etc.

N., 93

0 SR. EDUARDO AUGUSTO DE CARVALIIO AO SR. JOSE VICENTE BARBOZA Dl BOCAGE

Cabo da Boa Esperanca, em 13 do dezembro de 1890 (recebido a 9 de janeiro de
1891).-Ill."' e ex."o sr.-Para os devidos etfeitos tenho a honra de transmitter a v. ex.3
copia do officio de s. ex.a o High (Coummissioner documento A), em resposta A renovacio
do protest que em 8 do corrente Ile dirigi com relaclo aos negocios de Manica.
Deus guard, etc.
A

Government House, Cape Town, 12th December 1890.- Sir.-I am directed by
His Excellency the High Comnnissioner to acknowledge the receipt of your letter of the
8th instant relating to the recent events in Mashonaland.








In reply I have to acquaint you that a copy of your letter under acknowledgment
will be forwarded for the information of the secretary of state for the colonies.
I have the honour, etc.

N.o 94

0 SR. JOSE VICENTE BARBOZA DU BOCAGE AO SR. EDUARDO AUGUSTO DE CAIItALHO
Extracto.
Lisboa, 11 de janeiro de 1891.-Accuso recebidos os officios que v. s.a se serviu
dirigir-me em 13 do passado.
No primeiro remette v. s." copia da resposta que reccb6ra do alto commissario do
governor britannico n'essa colonial ao scu segundo protest, relative aos aconteecimentos de
Manica. Em vista dos terms d'essa resposta, deve v. s." considerar terminada qualquer
discussao sobre o mesmo asstunpto, limitando-,c a remetter qluesquer documents, ulte-
riormentc recebidos, que possam eselarccer o governor britannico Acerca do procedimento
dos agents da Chartered Co many.
Do resident portugucz junto do regulo Gungunhana recebeu-se aqui liontcm um te-
Icgramma, annunciando que seis agents da Ch'artered (Compan? procuravam demover
aquello potentado da sua vassallagecm A coroa portugueza; o noso resident, por6im, con-
tava combatcr-lhes as intrigas sem recorror A violencia.
Dcus guard, etc.


No 95

0 SR. JOSE ViCENTE BAIlBOZA DU BOCAGE A TODAS AS LEGAClOES DE PollT'IAL

Lisbon, 16 de janeiro do 18!)1.--Hontem cmnbarcou no paquete Alalau/ye dan mala
real o corpo expedicionario destinado A Africa oriental, commandado pelo coroncl Aze-
vedo Coutinho. O embarque das tropas foi acompanlado pclas mais vivas c espontaneas
manifestacces de enthusiasm por part da populacio, send para notar a satisfagao com
que todos os expedicionarios partiam no cumprimento do seu ever.
Esta expedieao, communico-o a v. para que cm qualqucr occasiiio opportmna o possa
assegurar ao ministry dos negocios estrangeiros, nio tcm ncnhuma significaeao hostile A
Gran-Bretanha, com a qual o governor de Sna Magestade estA negociando em excellentes
terms um tratado que ponha fnm ao conflict africano, e s6mente 6 destinada a evitar
que so ropitam os casos do invas:io nos territories sujoitos A soberania portugueza, quer de-
finitivamcnte, quer pclas clausulas temporarias do modus vivendi, de modo a impedir inei-
dentes desagradaveis que viriam complicar a qucstrio, difficultando o accord que o go-
verno de Sua Magestade estA empenhado em eclebrar com o governor britannico.
Deus guard, etc.


N., 96

0 SR. JOSI VICENT'E BII.BlOSA DU BOCAGE A Sil GEORGE GLINN PETIE

Lisboa, 17 do janciro do 1891.-Ill.'"0 c eox."O sr.-Em 20 do outubro proximo pas-
sado o prinmiro ministry de Sua Mlagcstade Britannica, no receber do cncarregado de






52


negocios de Portugal a cominmiluicao do quc o govcrno de Sua M3agetad,' n podia fh-
zcr ratificar scam imodificafocs u tratado d de 2 ae gosto ultiimo. declarmn ano sr. Luz ide
Several considcrar aqulelo tratado como abandonado, acliandoi-si, prniu disp-Ist, a cnta-
bolar novas 11n i..,i 2. para mn novo tratado.
Lalcentavois incidents, quite c' niio precise agora reccrdar por dcmasiadami-nte co-
nhecidos, me impedirain de aprescntar mlais cedo u project d'esse novi: tratad,,. que vou
agora cntrcgar a v. ex. para quo ssa azr egar aops fazer chear o conhecimento do( g,,rn, bri-
tannico.
Nno roprescuta o projccto de tratad,,, (quci v. cx.a rctelclni corn eta inota. a explrs-
sao d a intrrpidas alul intrrol' id, sp lirai~6s da na, plortugiutiza, neir in' sC cacontra
consignado n'csso doucumnto aquillo que o governor de Sua Magestade Fidclissiiii replta
ser a exprcssio sincera da justipa c do direito. Y'lle devenr ver unicamU nte ., g,,vcrin
de Sua Magcstade Britannica unia transacca', dccorosa para as duas lnanges, citre- '.s in-
tcrcsscs britannicos c os fundados direitos de Portugal.
O posado sacrificio, que similhante transaceao rcprcsenta, .->6 podc sar ju-tifican pcla
nccessidadc, que o governor portugucz rcconhece de p6r tcrmo definlitiv,., a unm lkng' e
doloroso conflict; e s6 tern por compensacilo a scguranca dc niul so toruart.m a rcplro-
duzir em terras africanas as disscnsrcs e rivalidades, quc tanto perturbaram ros ultima's
annos a traditional amisade entire Portugal e a Gran-Bretanin.
Uma vez firmadas cin solcoine documnnto as frontciras que terminal cs ldominios
portuguczcs na Africa oriental c central, teremios penhlor s-gu'n de que' o g'v,-rno bri-
tannico respeitarn c fara respcitar os nosss direitos nas terras uie nos rcstarcnm : e. n e'sa
part ao monos do nosso antigo patrimonio colonial, 7podlrcmot i de ora avaut, diftliunlir
tranquillamento a civilisacAo e o progress. Vastissimos territorios que cram i. s.'io n1s-
sos, vao passar para o dominion da Gran-Bretanha; nle lile deterci agora a justifcar a
sua posse, visto que o govcrno de Sua Magestade Britaniica mais de una vez si tvin
negado a attender aos argumlntos, fundads cm direito, conm que os defenderam 's' moius
anteccssorcs.
INao aprcscntarei aqui os titulos que pussuimos a muito mais do que actuahn'-nt-
reclamamos, embora sejam variados c numierosos.
Alguns fnidami-se em factors rcmiatos, quer dimrneim de primitivas conqutli:;. s. quer
cstabelecam a continuidade de posse no sec.ulo passado e na primeira part do actual:
outros sho reccntcs; muitos continuam-se ainda lloje e traduzem-se em visiveis demon'n-
straoes: takes sao as bandeiras portuguezas que tremulam nas aringan de numner-'o,' chl'-
fcs avassallados, tacs os tributes dc suzerania regunlarmente pagos, takes os impi-"tos an-
nualmcnto cobrados nos prazos da corSa. Uns sha argumentos a fav,,r da sobert.nia
portugueza, outros sao provas dc effective c real dominini.
Inutil 6 ja allegar direitos, pois o governor do Sua M;igestade Fidelis'ima apenas
procura hoje conciliar o cxtrelmu linmitc dos scus proprios sacrificios com ,o- interes-es
que o govcrno de Sna Magestade Britannica sustenta e protege.
Eis o vordadciro ponto do vista sob o qual o prinieiro ministry de Sua Magestade
Britannica deve aprcciar o memorandum documento Aj c o project de tratado docu-
mcnto B) quo acompanham esta nota.
Aproveito, etc.
A

Memorandum

A delimitahio territorial da provincial do Mocambique propolsta 1plo governo de Sua
Magostade Fidelissiima acrosconta apcnas A que f6ra convencionada no tratado de 20 de






53

agosto alguns territories quo nio poderiam sem injustice subtrahir-se a soberania e posse
do Portugal; ficam ainda f6ra da demarcaiAo portugucza extensos territories comprehen-
didos no dominion de Portugal, nio simplesmnente por mcras allegagioes fundadas em direi-
tos historicos, cujo valor so pretend nmesquinhar, mas tambem por titulos authenticos
e facts indiscutiveis do recent data, titulos e factos do nao mcnor valor e auctoridade
do quo aquelles a que a (iran-Bretanha so soccorre para justiticar o son protectorado
n'uma part apenas dos vastos territories quec reserve para si.
A delimitacao do tratado do 20 de agosto naio obcldce a iuma norma segura aconsc-
lhada pela justice, e que attend por igual nos interesses legitimos s ds duas nacces. A
Portugal contesta-seo valor dos arguments historicos, que se apodami de archeologicos;
recusa-se a auctoridade do muitos tratados recentes de vassallagem dos chefes africanos,
o at6 so quer near a significagAo que os regulos attribucm ao facto do arvorarcm a ban-
doira portugueza nas suas aringas, como se n'elle se nAo traduzisso mais claramente
ainda do que n'um tratado, cujas clansulas podom ser mal comprehendidas, a acceitaaio
do protectorado e a intengAo da v;ssallagem. Pelo contrario, quando se trata d definir a
area da Gran-Bretanha, invocam-se como titulos sufficientes de dominion os factos da re-
sidencia de missionaries inglezes ou de commerciantes d'esta naguo em localidades unde
t6em podido pernmanecer A sombra da protcc9ao, inuitas vezes solicitada e simpre con-
cedida pelas auctoridades portuguezas; d(lo-se por bons c authcnticos contratos perfeita-
mento iguacs Aquclles de que nos querem contestar o valor; allega-se para alargar os
limits do seu protectorado a palavra desacompanhada do provas de um potcntado sel-
vagem e as suas corrorias c deprcdaeocs pelos territories do tribus pacificas; emfim, quando
nai, ha interesses britannicos nemo tratados de qualquer ordem a invocar, incluem-se na
area britannica, por um simples trago sobre a earta, todos os territories que possam consti-
tuir um vasto dominio, embora n'clle se comprehendain muitos jA avassallados a uma
potencia amiga.
Nao procura o governor de Sua Magestade Fidelissima corrigir todos os defeitos da
delimitacao consignada no tratado de 20 de agosto de 1890, que o accord de 14 de no-
vembro mantem em vigor por scis mezes; porque nao abriga a esperanca de que o go-
verno de Sua Magestade Britannica consinta em tAo radicaes modificaacs como seriam
necessarias para esse fim; apenas rcputa este governor indispensavel que se facam algu-
mas modificaSies, as que se tornam imprescindiveis para a conservacio do prcstigio por-
tuguez nas terras africanas.
Saio essas modificagoes imprescindiveis que eu you expor a v. ex.a, fundamentan-
do-as o mais summariamente que me seoja possivel.

1

Na regiAo do lago Nyassa e a leste do rio Chire, propunha-se como fronteira uma
linha que partial da margem oriental do mesmo lago, por 13,30' de latitude S., e se di-
rigia ao extreme septentrional da lagoa Chiuta; em sua substituicao propoe-se agora unma
recta que part da origem do rio Chire, extremo meridional do Nyassa, e corre para o
extrmeo norte do lago Chirua.
Entrb o limited de 20 de agosto e o proposto ficam various regulos avassallados a Por-
tugal, send os principles:
I. Macangira, cujo auto do vassallagem tem a data de 8 de outubro de 1889 e foi
publicado no Boletim official da provincia de 1Moambiqute, n.O 47 do mesmo anno (Ter-
mos de vassallagem, pag. 78). Os dominios de Macangira seriam cortados pela linha de
fronteira estabelecida em 20 de agosto.
II. Cuirassia, cujo auto de vassallagcm tem a data de 20 de janeiro de 1886, foi




]
-1i








ratificado em 13 de maio de 1888, c publicado no Boletim official da prorincia de Mo-
gambique, n.0 21 do 1888 (Tcrmos de vassallagcm, pag. 39). Os terrenos sujeit(s an re-
gulo Cuirassia confinam ao norte cein os de Macangira, n'elles se cncontra umra missao
portugueza estabelecida na serra Liviguile.
III. Cabuto Messaca (ou M'cata), cujo auto de vassallagem tern a data de 25 de fe-
vereiro de 1889, foi publicado no Bolcdim official dt.provincia de Mo,,mbip'e, n." 13 de
1889 (Termos de vassallagem, pag. 49); confina ao norte coin u (Cuirassia.
IV. Cauvinga, a noroeste do lago Chirna como diz o proprio auto, cujo term de
vassallagem tern a data de 27 de maio de 1889 e foi publicado no Boletim official da
provincial de Mozambique, n. 27 do mesmo anno (Termos de vassallagem, pag. 62).
Deve notar-se que pela linha proposta ji se cortain e quasi se excluem do dominion
portuguez as terras d'este ultimo regulo, e mesmo nao ficam inteiramente para Portu-
gal as da rainha Cabuto Moessaca; e que mais jiuto seria deixitr estes regulos sujeltos ;i
soberania que reconheceram do que dividir-lhes as terras. (, ) motive por que assim se n"-o
propoe 6 o desejo de attender i definiio o do territorio dos Makololos. ti:1 coIm1o ti feita
pelo sr. Buchanan.
E osso mesmo fundamento ainda nos lovaa abandonar, entire outros. as seeuintes
regulos:
I. Meponda Mucuata, que domina todo o sudoeste do lago Nyassa, e elm cujo tTrri-
torio se estabeleccu, por um accordo e sb a proteccao do governor portuguez, umra mi.-
sio catholica de padres broncos. Fez cste soba acto de vassallagem em 11 d,. ftevereiro
de 1889, que vem publicado o Boletim official da prorincia de lo'aiibiquc, n.' 1' 9 do
mesmo anno (Termos de vassallagem, pag. 48). N'csse lmesmo territorio existiu e f.i aban-
donada a missAo britannica de Livingstonia.
II. Malimia, cujos dominios estio situados entire o rio Chiree o laIo (C'hirua. e com-
prehendem as terras do Zomba, Camongo e 0Mogeza, tambem reennheceu a -oberania
portugueza em auto datado de 11 de abril de 1889, insert,. no Biletim oqfical d- prorin.
cia de AMogambique, n." 1S do mesmo anno (Ti7rm os dre rssalblt m, 1 ag. 1i.
Espera o governor portuguez que o de Sua Magl-stade Britannica nao- d'oixe do at-
tender As reclaim:taes que deixo consigna'as, e acceite a pequena correccao na fronteira,
que proponho, junto lo lgo Xyassa e ao sueste d'elle; corroegAo que. enmo deixfo de-
monstrado, ainda niio respeita inteiramente (is direitos estabelecidos por long, e nio
disputado exericiio de influence, recentcmntte confirmnad, por autos de vansallag-m,
publicados no journal official da provicia de ambiqu e d oae qe ue :as aTnctridadles con-
sulares britannica.n n'aquellla; provincial nio podomi deixar de ter tido conhbeciment,. poi,
que ate n'alguns d'elles so encontra a :-signaturn do rl. C'(larnerie Ros-. vIc-col(ll: inlgez
0m Quilimanc, con0o testemunha.
Ao norte do Z:nubeze e a leste do Chire a fin-teira lun -briti n:ca fo iinrc.da c,:m
una linha dirigida da foz do Ru1o a um ponto sitnado na margem esquerda do Zamb--ze,
a igual distancia da villa de Tete e dos rapids de Cabora-bassa.
Esta linha puramente arbitraria, e que ha do ser dificilimo tracar no terreno. deira
completamente de f6ra, nio s6 terras avassalladas a Portugal, mas muitos prazos da co-
r6a e territories onde auctoridades portuguezas exercem funccoes regulars e perma-
nentes.
Ao long da margem esquerda do Zambeze encontrain-se quasi ininterruptamente
prazos da coroa, regularmente administrados, do cujos povos o governor portuguez cobra
annualmente um imposto director de cipitagco. Nao pode haver titulo menos contertavel
de soborania e do posse. Pelo contrario, nao consta que nenhuns interesses britannics de
qualquer ordem estejaul vincilados a essas terras genuinament- portuguezas.
A leste do Luia, e ate A linha quc separa as aguas do Revugo da baci:- d. ('hire.







55

existed um vasto territorio, que se estcnde largamente para o norte, conhecido pelo nome
de Macanga.
Foi esse territorio conquistado ha mais de um seculo aos muzimbos, seus povoadores,
pelo subdito portuguez Pedro Caetano Pereira, que o conservou em seu poder e sujeito
A soberania portugueza, mas gosando de una tal on qual indepcndencia, e o transmittiu
aos seus descendentes.
Um d'elles, Cypriano Caetano Pereira, ainda em 13 de novembro de 1875 veiu a
Tete renovar a submissao que os seus antepassados haviam feito ao governor portuguez.
O respective document foi publicado no Boletim. official da provincia de Mocambique,
n.0 30, de 1887 (Termos de vassallagem, pag. 19).
Manteve-se a Macanga no estado que o referido termo determine at6 19 de abril de
1887, data em que foi inaugurado o commando military da Macanga. Revoltaram-se e ver-
dade cm 1888 os habitantes d'aquelle territorio, mas voltaram A antiga submissao, como
p6de ver-se de documents insertos no Boletim official daprovincia de Mocambique, n.0 41,
de 1889.
Sobre os limits da Macanga p6de vcr-se com proveito o relatorio de um viajante
francez, o padre Jose Victor Courtois, que em 1885 acompanhou iquellas terras o gover-
nador de Tete, e cujo relatorio se encontra nos IBoletins da sociedade de ieographia de
Lisboa, 1885, pag. 502 c scguintes.
N'essa auctoridade e n'outros documents officials (Bloltim oqicial da provincia de
Mocambique, n.OS 3 e 12, de 1888), nos fundamos para dar is terras da Macanga os li-
mites oriental e occidental que acima indicimos.
Pelo norte confina a Macanga cor outras terras da antiga Maravia, hoje dominion do
regulo M'Pesene. Uma expcdicio, organisada polo governador geral de IMogambique em
fins do 1888, permanecia ainda nas terras de M'Pesene em fevereiro do 1890. Alguns
documents relatives a esta expedi,o foram publicados no Boletim official da p)rovincia
de Mozambique n.0 21 de 1890 e d'olles so conclude quanto foi bem recobida a missiio
portugueza e, quAo grand 6 o numero de subditos portuguezes que reside n'cstas terras,
o que mesmo dos proprios autos so deduz. Foi tcstemunha presencial da subordinacio
d'aquellas terras a Portugal, o viajanto inglez Alfredo Sharpe, que assistiu A entrega da
bandeira portugueza a M'Pesene, achando-se hospedado na residencia da cxpedic~o portu-
gueza, compost do tenente do cxcrcito Mesquita e Solla e do subdito hollandez Carl
Wiese. O sr. Sharpe deveu A nossa intervencio o scr ali bem-rocebido, o foi acompanhado
pelo tenente Solla at6 As ultimas povoagoes das terras de M'Pesene.
NAo quer, por6m, o governor de Sua Magestade reclamar para si todo o territorio de
M'Pesene, nem mesmo integralmente o da Macanga, por tomer que nAo sejam attendidos
os seus incontestaveis dircitos em presenga de algum interesso britannico, cuja existencia
no emtanto desconhece; doclara apcnas que, no menos uma part da Macanga, limitada
polo parallel 150, pelos limits de sul e de oeste d'aquelle territorio e indispensavel para
a regular e segura administrator dos prazos marginaes do Zambeze.
Valiosos titulos de posse tern o governor do Sua Magestade a muitos territories ao
long da sua margem esquerda, e bom scria que o nobre marquez de Salisbury quizesse
ao menos examiner alguns d'elles, e os comparasse nos proprios titulos, neo jA de direi-
tos, mas de intoresses britannicos ligados Aquellas terras.
I. A Maravia de oeste, territorio que so estende do rio Luia at6 alem do Loangoa,
junto ao rio Bodze (affluentes do Zambeze) referem-se os terms de vassallagem insertos
no Boletim official da provincia de Mozambique n.0 47 de 1886 e n.0 42 de 1889 (Ter-
mos de vassallagem, pag. 43 e 62.)
II. As terras de Huivisa, quo fazem part da Senga, e se cstendem ao norte
e a oeste at6 ao curso do Aroangon, refere-se o acto de vassallagem insorto no Bo-






-. I. t







56

letim official da provincial de Mocambique n.0 30 de 1,884 (Termos, de ra.xsallagi'em,
pag. 27).
III. Da Cafanga, que tambem portence A Senga, e que confina comn territorio de
Huivisa, servindo de limits a serra de Matucuta, encontra-se o acto de vassilagem no
Boletim official da provincia de IMoambitqe n. 30 de lss4 (Termros de rassallagem,
pag. 27).
IV. Chonambo 6 o nome do um pcqueno district, comprehendid, entire a Cafanga e
os prazos marginacs do Zambeze, que tambem foi avassallado em 18s84 comno consta do
Boletim official da provincial de Mocambiqtue n.0 35 d'esse anno (Termos de vassallagem,
pag. 26).
Para alcm do Aroangoa, s6 plara memorial moncionarci as tcrras de Buruma. ava.sa'-
ladas em junho do 1885, c o prazo Luanga, m;s nito me cannarci de recorder qu.- -, pra-
zos da corOa so estendem por todo o Zambeze, e que meslm para alem do (Cafut exi-tc-m
estabelecimentos portuguezes coneecidos e mencionados por todos os viajante-s que tem
percorrido estas regiies. Sempre n'esses estabelecimentos encolitraram r,- viajantes
apoio e proteecAo e em cada residencia iuma casa onde so recubidos cmfi familiar.
Na margem esquerda do Zambeze, c ainda a montante do Cafilu, f ram avassall;dos
em 1889 os regulos Muiafuiza, Monga, Sicanenlia, Sechizomba e Mare-na-Tenta, cujos
autos de vassallagem so acham nos Boletins da provincial de Mocamnbique n."' 5). 51 e 52
de 1889 (Termos de vassallagem, pag. 71 a 74).
Do quanto so estendc para o norte a nossa influencia dai prova a sujeieao-, do r-gulo
Camcombe, senior das terras de Ullala on Hilara, que lavrou term de vass;l!a.'',iml na
villa do Zumbo em 25 do outubro do 1885. (Bulctim oficial, n. 21, 18is. T rmos de res-
sallagem, pag. 34).
II

Ao sul do Zambeze e ao norte dos dominios de Lobengula. takes coimo Vt-m indicail',s
na carta do Ravenstein (Est. 23 e 24 da Eastern Equatorial Airica, by E. G. Ravunstcin,
publicada pela R. G. S. de Londres em 1882), nito ha terras que nAio fosscm ava.ssalla-
das pelas auctoridades portugieza'a desdc o Sanhati ate Tete.
Citaremos os scus terms de vassallagem: Nlhnaea on Inhacoa. C o n1,ine das turras
de que 6 capitio mor Jos6 do Rosario Andrade, qu as sadministra e d'ellas fiz entrega
solemne ao commandaute military do Zumbo cm 18 de aguto de 18s6. lavrando-se auto
que foi publicado no Boletim official daiaproini de Moaibilue, n.o 47 do mesmo ann:
(Termos de vassallagem, pag. 44). Limita-se no norto e oeste este territrio p-lo Zambeze,
no S. pelo Sauhati c a leste polo Panhlamte.
Entre o prazo Nhacoa c -as proximidades de Tote ficalm o, territi.orios da Chidima
e Chicoa. Sobro o nosso dominio n'estas terras pode ver-se o term insert, no Boletii
official da provincia de Mocamlbice, n.o 13 de 1880 (Termos de eas.allagem, pag. 35,. Tam-
bem se encontram provas da nossa real e effective su berania na communicacpto feita pel"
major Paiva de Andrada A Sociedado de (geographia de Lisbon (Bo timn da Sociedade
de geographic de Lisboa, n." 11 de 1887). E actual capitio m,'r de ('hidima e Ch'ic-a o
subdito portuguez Ignacio de Jesus Xavier, que tern ,ccupados corn numerosos sipac:
todos estes vastos territories.
Os documents em quo esta exposi.ito so fund mostrain bem quanto serial just que
o limited entire os territories britannicos e os portuguezes se approximasse. pelo menos.
do parallel 170 centre o Sanhati e o Mazoe, seguindo perto d, limited assignado pir Ra-
venstein As terras do Lobengula; pois ninguem podera negar con fundamento que n'elles
se contom provas de soberania de maior valor do que uma simple affirmaeao do rei dos
Matabelles, cujos conhocimentos geographicos nio podem inspirar grande confianna.






57

Comtudo, apesar da injustiga que soffrc, o governor de Sua Magestade acceita o li-
mite marcado pelo tratado de 20 do agosto at6e A linlih obliqua que pass polo eneontro
do meridian de 330 de longitude ocste do Greenwich corn o rio Mazoc. Ao que nao p6de
por f6rma alguma acceder 6 que a fronteira siga o meridiano de 330 at6 no seo encontro
cor o parallel de 180,30'. Uma tal delimitagAo doixa f6ra do dominio portuguez terras
de que nao 6 possivel prescindir; ao meridiano de 330 longitude este de Greenwich 6,
pois, forgoso que se substitua o curso do Mazoc at6 A sun origem proximo das ruinas de
Bocuto, seguindo depois o limited o curso do rio Macheque ea fronteira para o sul ate ao
limited do Transvaal, tal como estava ja determinada.
Entre o limited acccite em 20 de agosto c o que agora se reclama ficam as tcrras de
Changamira. Foram ellas sempre consideradas como depcndencia das terras de Barue,
quo Ihes ficam a oeste, e cujo capitio mdr, Manuel Antonio de Sousa, foi ha pouco apri-
sionado pelos agents da South Africa Company.
Explorou-as em 1885 o major, hoje coronel, Paiva do Andrada, tendo publicado o re-
latorio d'essa sua viagem, quo cxiste impresso. Duranto esta viagem de exploraqAo
scientific foi atacado polos indigenas o major portuguez c assassinado um operario sueco
que o acompanhava.
Logo em seguida (novembro de 1885) organison-se em Manica unia cxpedigio para
castigar este attentado, compost do cerea do dois mil e trezentos homes ; o castigo foi
complete; d'esta expedicio armada encontra-se noticia no Boletim da sociedade de geogra-
phia de Lisboa, 1888-1889, n. 7, c n'esse mesno boletim se 1eem os terms de posse de
Rupire e Massaua, e de vassallagcm do alguns regulos, documents quo tambem foram
publicados no Boletim official da provincial de Mloambique, n. 30 de 1886 (Termos de
vassallagem, pag. 41 e 42).
Em 1887 um d'esses regulos tentou chamar outros A revolt, mas foi logo batido,
empregando-se para esse fim forms em grande part fornocidas por aquelles mcsmos que
clle tent;ra sublevar; hoje todo o territorio de Changamira at6 ao Mazoc est. complete
c effectivamente submottido ao dominion portuguez; construiram-so mesmo aringas, que se
acham guarnecidas corn sipaes da Gorongoza e do Barue, sob as immediatas ordens do
capitRo m6r Manuel Antonio de Sousa.
O limited do Mazoe p6de ainda admittir-se como limited natural, e f6ra jA estabelecido
para o district de Manica, mas 6 inquestionavel que nio pertence, por f6rma alguma, o
territorio de Changamira ao paiz dos Machonas, nunca all fez nem mesmo incursoes ou
correrias ncm Lobengula, nerm Muzilicatze, sen pae.
Nao ha titulo, rasAo, pretexto sequer, que possa invocar-se para que seja abando-
nado um territorio, onde ainda ha poucos annos se fez uma campanha, para castigar re-
gulos que haviam olvidado os seus deveres; similhante abandon importaria n'uma que-
bra de auctoridade sobre os indigenas, n'uma perda de prostigio em que o governor por-
tuguez niio p6de consentir.
Emquanto ao territorio do Manica, a leste do Macheque e do Save, 6 inutil dizer
quo o governor portuguez nIo podcra deixar d o conservar complete, sern excep9io algu-
ma; o mnenos que p6de acceitar 6 o limited de 20 de agosto, desde o curso do Macheque
at6 A fronteira do Transvaal.
III

No extreme sul da provincial de Mogambique tambem se torna necessaria uma recti-
ficagAo de fronteira para que os dominios da rainha do Maputo fiquem integralmente su.
jeitos A soberania portugueza, pois de nao se attender a essa exigencia resultaria que o
mesmo territorio, dos Amatongas, teria de reconhccer dois protectorados distinctos.
Apcnas se torna para isso necessario que so acresccnte para o sul ao dominio portu-
8



4


TH -- ,,-:..









guez a pequena extension do territorio comprehendida entire o parallel da confluencia do
rio Pongolo cont o Maputo, o curso do rio Pongolo, o parallel de Sardwana Point, e a
costa. Em tal caso Portugal conservaria a Republica da Africa do Sul a concessao rela-
tiva ao access da bahia do Kosi, tal como foi feita pelo artigo 2.0 da convencao anglo-
transvaaliana de agosto ultimo.
O unico intuito corn quo o governor portuguez propie esta modificacao e attender is
constantes rcclamagcs da rainha do Maputo, que sempre tem manifested, o desejo de
que os seus torritorios fiquem submettidos ao exclusive protectrado de Sua Magestade
Fidelissima.
IV

Os artigos do project de tratado quo dizem respeito is relacoes economics e com-
merciacs dos dois paizes conteem valiosas concessoes A Gran-Bretanha serm reciprocidade
real nem cormpensacoes effectivas para Portugal; taes sAio: a igualdade de tratamento de
que ficam gosando os subditos britannicos com rclaeilo aos nacionaes nos territories com-
prehendidos nas espheras de influencia e soberania dc P'rtugal; a liberdade de navega-
c oo e transit no Zambeze, rio justamente considerado ate aqui como exclusivamente
portuguez; a liberdade de transit, sujeito aponas a urn medico direito de 3 per cento
ad valorem, atrav6s dos territories da provincial portugueza de Moeambique: emfim o
onoroso encargo, a que o govetno portuguez se sujeita, de garantir a construccgo, dentro
do praso de quatro annos, de um caminho de ferro e de uma linha tclegraphica entire a
bahia de Pungue e a esphera de influencia britannica no paiz dos Machonas. concessao
esta de que depend cxclusivamente a valorisaeilo pela (ran-Bretanha dus vast,:s terri-
torios de quo se assenhorcou e a existencia da coinpanhia do sul da Africa.
Nio so recusa o governor de Sua Magestade Fidelissim a fazer tAo amplas conces-
sies e tao indisponsaveis ao aproveitamento pela Gran-Bretanha dos territories compre-
hendidos na osphera da sua influiencia; mas limit a duragAo de algumas d'essas clausulas.
fixando o praso dentro do qual devem vigorar, cm obediencia A praxe geralmente seguida
cm convengoes d'csta naturcza, praxo cuja utilidade, nunca desmentida pela experiencia.
foi ainda recentomente confirma(d pela conferencia de Bruxellas. que teve de modificar
os principios estabelecidos no acto geral da conferencia de Berlim cor referencia ao re-
gimen economic da bacia do Congo.
Espera o governor de Sua Magestade que o governor de Sua Magestade Britannica
examinard comn imparcialidade o project do tratado a que so referee este memorandum, e
quererA contribuir pela sua part para que so ponha termo por meio de uma convencao
equitativa no conflict que tern porturbado ultimamente as amigaveis e intimas relag;i p
ha tantos annos existentes entire Portugal o a Oran-Bretanha.
Lisboa, 17 do janeiro de 1891.

B

Project de tratado

ARTIGO 1.
Sua Magestade a Rainha da Gran-Bretanha, etc., obriga-se a rcconhccor conm sujei-
tos ao dominion de Sna Magestade El-Rei de Portugal, na Africa oriental e meridional. os
territories abaixo delimitados :
1.0 Por uma linha que subird o curso do rio Rovuma, desde a sua ftz ate Ad con-
fluencia do rio Mossingo, e de aii seguir. para oeste ao long do parallel que passa por
esta confluencia at6 encontrar a margemn oriental do Iago Nyassa.






59

2.0 Pela margem oriental do lago Nyassa, desde o ponto onde cortada pelo parallel
da confluencia do rio Messinge corn o rio Rovuma, at ia origem do rio Chire no mesmo
lago Nyassa.
3.0 Por uma linha recta, partindo da origem do rio Chire, no lago Nyassa, e diri-
gida ao ponto mais septentrional da margem do lago Chirua.
4.0 Por uma linha recta que una o ponto mais septentrional ao ponto mais meridio-
nal das margens do lago Chirua.
5.0 Por uma linha que partira do ponto mais meridional da margem do lago Chirua
e seguirA pela crista dos montes Milange ate encontrar a origem do affluent mais orien-
tal do rio Ruo.
6.0 Pelo curso do affluent mais oriental do rio Ruo, desde a sua origem, nos mon-
tes Milange, atW a sua foz, e depois pelo curso do rio Ruo at6 A sua confluencia cor o rio
Chire.
7.0 Por uma linha recta que, partindo da margem direita do rio Chire, no ponto fron-
teiro A confluencia do rio Ruo, se dirigira para o ponto onde o parallel de 160 de latitude
sul corta a linha divisoria das aguas dos rios Chire c Revugo.
8.0 Pela linha divisoria das aguas dos rios Chire e Revugo entire o parallel de 160
latitude sul e o parallel de 150 de latitude sul.
9.0 Pelo parallel do 150 do latitude sul, entire a linlia divisoria das aguas dos rios
Chire e Revugo e o curso do rio Luia.
10.0 Pelo curso do rio Luia, dosde o ponto onde 6 cortado pelo parallel de 150 de
latitude sul atW A sua confluencia cor o rio Zambeze.
11.0 Pelo curso do rio Zambeze, desde a confluencia do rio Luia, para montante, at6
um ponto situado na margem esquerda do mesmo rio Zambeze e distant 10 milhas in-
glezas para jusante da villa de Zumbo.
12.0 Por um arco de circulo tracado, ao norte do rio Zambeze, corn um raio de 10
milhas inglezas e o centro na villa de Zumbo, que terA os seus extremes a jusant e a
montante d'esta villa, na margem esquerda do mesmo rio.
13.0 Por um arco do meridiano que pass 10 milhas inglezas a oeste da villa de Zum-
bo, comprehendido entire a margem direita do rio Zambeze e o parallel de 160 do lati-
tude sul.
14.0 Pelo parallel de 160 de latitude sul, entire o meridian que pass 10 milhas in-
glezas a oeste da villa de Zumbo e o meridiano de 31" de longitude leste de Greenwich.
15.0 Por uma linha recta que, partindo do ponto de intersecc9o do meridiano de 310
de longitude leste de Greenwich com o parallel de 160 de latitude sul, se dirigird para
o ponto mais septentrional em que o curso do rio Mazoe corte o meridiano de 330 de lon-
gitude leste de Greenwich.
16.0 Pelo curso do rio Mazoe, para montante, at6 a sua origem proximo das ruinas
de Bocuto.
17.0 Por uma linha que, partindo da origem do rio Mazoe, proximo das ruinas de
Bocuto, se dirija para a origem do rio Macheque.
18.0 Pelo curso do rio Macheque, desde a sua origem, proximo das ruinas de Bo-
cuto, ate A sua confluencia cor o rio Save.
19.0 Pelo curso do rio Save, desde a affluencia do rio Macheque ate A affluencia do
rio Lunde.
20.0 Por uma linha recta que, partindo da confluenciado rio Lunde corn o rio Save,
so dirigira para o ponto nordeste da fronteira da republican da Africa do Sul.
21." Pela linha divisoria da fronteira entire as possesses portuguezas e a republican
da Africa Meridional, desde o seu ponto nordeste acima indicado, at6 A fronteira do paiz
dos Suazis.






.:j*






60

22.0 Pela linha divisoria de fronteira entire as possesses portuguezas e o paiz dos
Suazis, desde a fronteira da republican da Africa do Sul at6 ao cursor do rio Maputo.
23.0 Pelo curso do rio Maputo, para jusante, ate A sua confluencia corn o rio Pougolo.
24.0 Pelo curso do rio Pongolo, desde a confluencia do rio Maputo, para mntante,
atW encontrar o parallel da ponta de Sorduana.
Fica expressamente consignado quc todas as vezes que no present artigo se men-
cionar como limited o curso de un rio, a linha divisoria corresponde ao thahreg do mesmo
rio.
ARTIGO 2.
Concordam as duns altas parties contratantes em delimitar as respcctivas espheras de
influencia na Africa central por uma nova linha que scguiri o thahrcey do rio (Cabompo
at6 A sna confluencia corn o rio Zambeze c que continuard polo thaliceg d'este ultim, rio
at6 aos rapidos de Catima.
Fica entendido pelas duas altas parties contratantes quc este artigo, naio affectara us
direitos anteriormente existentes de qualquer outro estado soberano, por ellas comeo tal
reconhecido, e sob esta unica reserve, a Gran-Bretanha nao seo ppori, direct ou indi-
rectamente, A livre expansion da esphera do influcncia portugu'eza na Africa occidental c
central ate aos limits consignados no present artigo.

ARTIGO 3.
Cada umna das altas parts contratantes obriga-se formalmente a nao intervir, nao
fazer acquisici)s, nao concluir tratados, nein acccitar quaesquer direitos de soberania ,u
quaesquer reconhecimcntos de protectorado, nos tcrritorios que, pelo presente tratado, fi-
cam pertencendo aos dominios, on A esphera de influencia, da outra alta parte contratante.
Fica expressamente entendido que nenlhum dircito de soberania poderi ser exercido
dentro dos dominios, ou na esphera do influencia, de tuna das altas parties contratantes.
taes como sao definidos no present tratado, por nenhum individuo subdito da outra alta
parte contratantc, nem por quacsquer companhias, sociedades ou entidades collectivas que
derive a sua nacionalidade d'essa outra alta part contratante.

ARTIGO 4.
As duas altas parties contratantes obrigam-se reciprocamente a respeitar e a fazer
respeitar as concessies fuitas por uma d'ellas, cm f6rma legal, nos territories que pelo
presented tratado'passarem a ser incluidos nas espheras de influencia on de sberania da
outra, bem como a respeitar e fazer respeitar today e qualquer propriedade particular le-
galmente constituida n'csses mesmos territories.

ARTIGO 5.,
Os subditos britannicos nos territories comprehendidos nas espheras de influencia e
de soberania de Portugal na Africa oriental e meridional, acima delimitados, e bem assim
os subditos portuguezes nos territories que por este mesmo tratado sao attribuidos a Gran-
Bretanlia, gosarao no que respeita A protec9go das suns pessoas e bens, A acquisicao e
transmission de propriedades immobiliarias e ao exercicio das suns industries, do mesmo
tratamento sem difference alguma, e dos mesmos direitos, que os subditos da nacao que
exercer a soberania ou o protectorado nos territories a qu e e refere o present artigo.

ARTIGO 6.0
Sua Magestade Fidelissima manterA e e execug o o decreto de 18 de novembro de
1890, que manda applicar aos rios Zambeze e Chire, na parte em que estAo sujeitos a
soberania on incluidos na esphera de influencia de Portugal, iguaes principius nos ensi-







61

gnados no acto da navegacio do rio Niger, durante todo o tempo em que este acto de
navega9Ao e o do Congo forem mantidos pelas potencias signatarias do acto geral da con-
fcrencia de Berlim de 26 de fevereiro de 1885.
Pela sua parte Sua Magestade Britannica obriga-se a applicar igual regimen aos mes-
mos rios, durante o mesmo period, na part d'esses rios que ficar sujeita A soberania ou
incluida na esphera de influencia da Gran-Bretanha.

ARTIGO 7.
As mercadorias que se destinarem aos territories sujeitos A soberania ou compre-
hendidos na esphera de influencia da Gran-Bretanha, limitrophes da provincia portugueza
de Mocambique, e os que d'ali procederem, poderao transitar livremente atrav6s dos ter.
ritorios d'esta mesma provincia portugueza, pelos rios, canaes, caminhos de ferro, estradas
ordinarias e pontes, pagando unicamente o mesmo direito de transit a que form sujei-
tas em identidade de circumstancias, as mercadorias portuguezas que tenham igual des-
tino, nao podendo o referido direito do transit exceder 3 por cento ad valorem.
Reciprocamente as mercadorias destinadas a territorio portuguez na Africa oriental
e meridional, ou d'elle procedentes, que houverem de transitar atrav6s das possesses
attribuidas A Gran-Bretanha pelo present tratado, gosarao das mesmas liberdades e do
mesmo tratamento que as mercadorias britannicas, e ficarao sujeitas ao mesmo direito de
transit, que nao excederA 3 por cento ad valorem.
Alem do acima mencionado direito, as mercadorias em transit, nos territories a
que se refore o present artigo, nao serAo, durante o transit, nem por causa d'elle,
sujeitas ao pagamento de nenhuma outra taxa fiscal, nem de qualquer portagem, que
nao tonha o character de retribuigAo de servings.

ARTIGO 8.*
As estipulagies do artigo precedents, relatives aos diroitos de transit, comegarao a
vigorar tres mezes depois da data da ratificavAo do presented tratado, e serao mantidas
durante quinze annos a partir d'essa mesma data, sendo comtudo prorogaveis por mais
dez annos.
ARTIGO 9.
O governor portuguez garante a construcqao, dentro de um period de quatro annos,
a contar da data da ratificapgo do present tratado, de um caminho de ferro e de uma
linha telegraphica, centre o porto de Beira e a fronteira portugueza, a fim de ligar a bahia
de Pungue corn a esphera de influencia da Gran-Bretanha no paiz dos Machonas. Os sub-
ditos britannicos serao admittidos a utilisar-se do servigo d'este caminho de ferro e d'esta
linha telegraphica, bem como dos meios de communicagAo fluviaes no rio Pungue, nas
mesmas condigies em que, de quaesquer d'esses meios de communicaaio, pod6rem utili-
sar-se os subditos portuguezes.
unico. Emquanto nao estiver construida e aberta A exploragAo a via ferrea de que
trata o present artigo, concederd o governor de Sua Magestade Fidelissima aos subditos
britannicos, estabelecidos ou que vierem a estabelecer-se no territorio dos Machonas, todas
as possiveis facilidades, em harmonica com as estipulagqes do present tratado, para as
communicapges e o transport das suas pessoas c mercadorias entire os mencionados ter-
ritorios e a costa.
ARTIGO 10.o
As duas altas parties contratantes obrigam-se formalmente a submetter A arbitragem
de uma potencia amiga todas as duvidas, divergencias on contestag8es que possam surgir,
relatives A interpretagAo das clausulas do present tratado, ou provenientes da sua exe-
cugao.


* -- *, *--*/








ARTIGO 11.0
O present tratado sera ratificado e as ratificac~es serao trocadas em Lisboa no
mais curto praso de tempo que possivel for.



N,. 97

0 SR. JOSE VICENTE BARIOZA DU BOCAGE AS LEGACIES DE PORTUGAL EM BERLIN,
BRUXELLAS, IIAYA, MADRID, PARIS,
ROMA, SANTA Si, S. PETERSBURGO, WASHINGTON E VIENNA

Lisboa, 21 de janeiro de 1891.-Logo que eu receba do sr. coronel Paiva de An-
drada, ha poucos dias chegado da Africa oriental, depoimento escripto Acerca dos acon-
tecimentos de Manica, apressar-me-hei a communical-o a essa legagao; mas para ganhar
tempo julgo convenient enviar desde jA a v. alguns periodicos d'esta capital onde
se encontra uma narraci o exacta dos factos.
D'estas noticias devera v. servir-se para informar esse governor, quando para
isso tiver ensejo, e tambem para as levar ao conhecimento do public pelos meios extra-
officiaes que tiver ao sen alcance, pois 6 da maxima conveniencia contrapor a verdade
as falsidades e calumnias, que os agents da South Africa Company teem procurado fazer
acreditar.
Dens guard, etc.
N., 98

SIR GEORGE GLYNN PETRE, AO SR. JOSE VICENTE BARBOZA DU BOCAGE

British Legation. -Lisbon, January 27th 1891. Monsieur le ministre.-- Her
Majesty's Government have received a letter from the British South Africa Company
giving further information, the substance of which I am instructed to communicate to Your
Excellency, on the subject of recent events in Manica.
According to the reports received by the Company under dates of the 10th and 22nd
December of last year, Colonel Paiva de Andrada, sr. Gouveia, and Baron de Rezende,
at the head of 300 natives armed with Martini-Ienry rifles, and a train of reserves,
menaced Mutassa at his Kraal on the 5th of November and hoisted the Portuguese flag
in the place of the British flag in spite of protests.
On the 15th of November last Captain Forbes re-occupied Mutassa and re-hoisted
the British flag. Colonel d'Andrada, who had together with Baron Rezende joined Gou-
vein on the 14th, protested that he was merely present as a director of the Mozambique
Company, but in point of fact he and Gouveia had between them 300 armed natives, whom
Colonel d'Andrada called bearers.
Mutassa was asked by the Colonel and Gouveia to sign a paper to the effect that
he had given up his country twenty years ago to Gouveia, and that Manica was the
property of the Mozambique Company, but Mutassa refused to comply with their wish.
Attention is called by the Company to the discrepancy between this action and the
previous statement that Portugal derived her title from Gungunhana.
I am further instructed to state that evidence is given showing that the forces under
Portuguese leadership not only forcibly entered Mutassa's Kraal, but also penetrated
into Mashonaland and hoisted the Portuguese flag at Lo logunda's 80) miles west of Fort








Salisbury. This chief pays a tribute to Lo Bengula, and has been tributary to the Mata-
bele Kings for about the last seventy years.
I avail myself, etc.

TRADUCAO

LegagAo Britannica. -Lisboa, 27 de janeiro de 1891.-Sr. ministro.-O governor
de Sua Magestade recebeu uma carta da British South Africa Company, dando ulteriores
informagtes cuja substancia tenho ordem de communicar a v. ex.a na parte que diz res-
peito aos recentes acontecimentos em Manica.
Segundo relatorios recebidos pela companhia, em data de 10 e 22 de dezembro do
anno passado, o coronel Paiva de Andrada, o sr. Gouveia e o barao de Rezende, i testa
de 300 indigenas, armados de carabinas Martini-Henry e com um trem de reserves,
ameaCaram o Mutassa na sua aringa no dia 5 de novembro, e icaram a bandeira portu-
gueza em substituicio da ingleza, apesar dos protests.
No dia 15 de novembro passado, o capitAo Forbes tornou a occupar Mutassa e a
icar a bandeira ingleza. O coronel Andrada que juntamente corn o barao de Rezende se
reuniram a Gouveia no dia 14, protestou que estava present como simples director da
companhia de Mogambique, mas o que 6 facto 6 que lle e Gouveia tinham comsigo 300
indigenas armados, a quem o coronel Andrada chamava carregadores.
O coronel e Gouveia pediram a Mutassa para assignar um papel, declarando ter ce-
dido a Gouveia as suas terras ha vinte annos, e que Manica era propriedade da com-
panhia de Mogambique; mas o Mutassa recusou-se a condescender corn esse desejo.
A companhia chama a atten9Ao para a discrepancia que existed entire estes factos e
as anteriores affirmaaces de Portugal, no sentido de fazer derivar do Gungunhana os seus
titulos de posse.
Tambem tenho instrucces para expor que se prova com evidencia que forcas por-
tuguezas nio s6 entraranm a forca na aringa do Mutassa, mas tambem penetraram na
Machona, e i9aram a bandeira portugueza em terras de Lo Mogunda, 80 milhas a oeste
do forte Salisbury. Este chefe paga tribute a Lo Bengula, e 6 tributario do rei dos Ma-
tabelles ha cerca de setenta annos.
Aproveito, etc.
N.o 99

0 SR. LUIZ DE SEVERAL AO SR. JOSE VICENTE BARBOZA DU BOCAGE
Telegramma. Extracto.
Londres, 28 de janeiro de 1891.-Sub-secretario d'estado das colonies, interpellado
sobre tratado corn Mutassa, responded que governor inglez nao se aclava ainda em posi-
iao de considerar, se, c ate que ponto, esse tratado deveria ser approvado. Serei hoje re-
cebido por marquez de Salisbury.

N.0 100

0 SR. LUIZ DE SEVERAL AO SR. JOSE VICENTE BARBOZA DIU BOCAGE
Telogrammn. Extracto.
Londres, 28 de janeiro de 1891.-Fui hoje recebido pelo marquez de Salisbury, a
quem entreguei copia da carta credencial. S. ex.a disse-me que en seria recebido pela
Rainha, assim que Sua Magestade regressasse de Osborne.






64

Marquez de Salisbury disse-me que o que elle desejava era paz e conciliac o. Que
nenhuma resolugaio definitive se poderia tomar antes da chegada de Rhodes e de Loch.
Que o primeiro pretendia que n6s nein direito tinhamos A costa, o que era absurd. La-
menton e censurou a occupagao de Macequece. Dizendo-lhe eu que na minha opinilo nao
havia duvida de que Mutassa estava dentro da linha portugueza, respondeu-me: talvez
assim seja.
Tambenm lhe perguntei sua opiniao sobre as nossas propostas do novo tratado. Dis-
se-me que algumas lhe pareciam inacccitaveis. Evitei tocar na qucstAo territorial, mas
disse-lhe que as clausulas relatives ao regimen commercial me pareciam de natureza a
satisfazer as maiores exigencias. S. ex.a declaron-me que, mesmo contra essas, havia
objec9Cics a fazer. A entrevista durou inais de uma hora e a moderaclo de lingiuagem
do marquez de Salisbury nunca se desmentiu.


N.0 101

0 SR. tLIZ DE SEVERAL AO SR. JOSE VICENTE BARBOZA DU BOCfGE
Telegramnma.-Extracto.
Londres, 2 de fevereiro de 1891.-Rcecbi os telegrammas de v. ex.-' Ftlicito c. go-
verno pela promptidao coin que suffocou a revolt. Procurci hojei marquez de Salisbury.
mas nao pude fallar-lhe porque estava na camera dos lords. Entendo que dcve acabar i
tempo das ambiguidades, e tenciono dizcr-lhe muito claralmnte o que penso corn relacao
aos ultimos actos do govcrno inglez, que parcem indicar um desejo de irritar a ,piniao
ahi, tornando impossivel todo uqualquer accord. Rhodes esperado lioje. Timns public.
em correspondencia de Paris, uma traduccio, em fiancz, da carta da coimpanlia de Mo-
gambique. Nio lhe faz conunentarios.


N.0 102

0 SR. LUIZ DE SEVERAL AO SR. JOSE VICENTE BARBOZA Dl' BOCAGE
Telegramnma.
Londres, 3 de fevereiro de 1891.- Chegou Rhodes. Times diz que nao si,' a compa-
nhia South Africa, mas tambem o governor inghlz recebera uma coiniunicaf.io d, Gungu-
nhana, pedindo protectorado britannico.


N.o 103

0 SR. LUIZ DE SEVERAL AO SR. JOSE VICENTE BARBOZA Dl BOCAGE
Teleeramma.
Londres, 3 de fevereiro de 1891.-Consta-me quc Rhodes diz quei demorou sua par-
tida do Cabo da Boa Espcranea para impcdir a expediAo inmmediata de ciuco mil homeins
que so propunham invadir Manica. Creio que nio discutirdi corn marquez de Salisbury a
questlo d direito, mas unicamente a necessidade inadiavel de dar satisfacao a tod, o
custo aos interesses do Cabo para evitar um grande descontentamento, se nAo a separacao.
Infelizmente para n6s a opiniao public nao reprovaria esse attentado, pois nao ha umi
unico journal que nos defend. Verei marquez de Salisbury amanhi ass cinco da tarde.






65


N.o 104

0 SR. LUIZ DE SEVERAL AO SR. JOSE VICENTE BARBOZA DU BOCAGE
Tel egramma.- Extrac to.
Londres, 4 do fevereiro do 1891.-Venho do Foreign Ofice. Entrevista muito pouco
satisfactoria. Estive uma boa hora corn marquez dc Salisbury. Lcvei-lhe duas notas; uma
corn os tratados Muzilla c Gungunhana c outra cor os documents relatives A submissio
do Mutassa cm 1876. Acompanhei a primeira coin uma copia de um relatorio do consul
inglez O'Neill, dando conta da conclusio do tratado cm 1885. Comecei por dizer ao mar-
quez de Salisbury, que jA em 17 de outubro julgava cu tcr-lhe demonstrado que o tra-
tado feito por Colquhoun em 14 do steombro era nullo, nao s6 porque n'essa data o tra-
tado de 20 do agosto estava em vigor, mas sobrctudo porque nao tinha sido previamente
submottido ao governor, segundo manda expressamente o artigo 4.0 da carta da companhia
South Africa. Que eu tinha auctoridade para fazer essa affirma io, porquanto havia sido
eu quem tinha mostrado a s. ex.a uma carta do Colquhoun em quo so via que elle tinha
assignado um verdadeiro tratado e nao uma simple conccssio de minas, segundo preten-
dia a companhia. Que eu ieh mostrara esse document depois da assignatura do modus
vivendi, naio podendo por isso o governor inglez tor dado a sanclio indispensavel a esse
acto, por ser isso uma violanfio do artigo 4.0, que estipula quo, nenhuma das duas poten-
cias poderA concluir tratados nos territories, unma da outra. Que tanto isto era assim, quo
a companhia, recciando a evacuagn o de Mutassa, se tinha lembrado, como unico meio sal-
vador, do affirmar que essa regiAo so achava em territorio inglez. Que os documents que
n'esta occasiAo lhc trazia, juntos a outro que jA Iho tinha mandado, provavanm eviden-
cia que Mutassa nos portence. Que n6s nibo cramos intransigentes, e que deixariamos os
mineiros na exploragio socogada das suas concessies legitimamento adquiridas, mas guar-
dando para n6s o direito do soberania.
Perguntei-lhe depois, so ja tinha cm scu poder as provas corn que Rhodes pretend
corroborar a sua affirmagAo cor relagio A posigio do Mutassa. Disse-me que sim. Que
Rhodcs affirma que a longitude marcada nos mappas esta errada, e que 6 facil provar
que a distancia do mar no planalto onde estd a aringa do Mutassa 6 muito maior. Que
alem d'isso esse planalto faz part do regimen de Machona. Que n'este momentojA exis-
tia ali una vasta populacio mineira. Que Rhodes dizia que era jA grande erro nego-
ciar e marcar uma linla qualquer, que seria uma barreira mais tardo para a natural ex-
pansAo da raga anglo-saxonia. Quo nao julgava o governor portugucz bastante forte para
manter a ordem centre os elements que jA compunham a populagAo, c que o resultado so-
ria o estabelecimento de uma republican. Quo fora um grande erro nao ratificar a con-
vcncAo de 20 de agosto, e que elle seinpre disse que julgava impossivel, depois do aban-
dono d'esse instrument; fazer as mosmans concessies no sul do Zambeze. Quo sobre Ma-
cequece nao havia duvida. Que as propostas de v. ex.a eram inacceitaveis, pois cram
menos favoraveis A Inglaterra do que as de 20 de agosto. Que in fazer contra-proposta.
Tambem me fallou em compensacies territories ao norte do Zambeze, mas nio entrou
em detalhes.
Devemos esperar a chegada das contra-propostas a Lisboa, pois a entrevista de hoje
foi mais uma convcrsacao do que unma troca do declaraceas officials e definitivas.






66


N.o 105

0 SR. LUIZ DE SOVEIlAL AO SR. MARQUEZ DE SALISBURY
Coping.
Londres, 29 de janeiro de 1891 (recebida em Lisboa em 5 de fevereiro).-Mylord.-
Na entrevista que tive a honra do ter cor v. ex.' no dia 17 de dezembro ultimo, quei-
xando-me eu da occupagao violent de territorio portuguez na provincial de Manica, prati-
cada pela forga armada da companhia British South Africa, no dia 15 de novembro, isto 6,
depois da assignatura do modus vivendi, declarou-me v. ex.a:
1.0 Que essa forca nao tinha direito a occupar Macequece e que seria obrigada a
retirar-se;
2.0 Que, corn relag o a Mutassa, informacges officials do Cabo affirmavam achar-se
essa region em territorio inglez, segundo a linha marcada no artigo 2.0 do tratado de 20
de agosto. V. ex.a acrescentou que se o governor portuguez podesse provar que essa asser-
9to nao era exacta, v. ex.a faria com rclacgo a Mutassa o mesmo que ia fazer com rela-
gao a Macequoce. No memorandum junto documento A), entendi dever enumerar os do-
cumentos que, segundo me parece, bastam para provar que a regiao do Mutassa se encontra
cm territorio portuguez, segundo a linha de demarcao do tratado de 20 de agosto.
Aproveito, etc.

A

O artigo 2.0 do tratado de 20 de agosto diz: Ao sul do Zambeze, os territories com-
prehendidos na esphera de influencia portugueza sao delimitados por uma linha que, par-
tindo de unm ponto em frente da extremidade occidental do raio de 10 milhas inglezas a
oeste do Zumbo, segue para o sul at6 ao parallelo 160 e por este at6 encontrar o meri-
diano 310 leste (de Greenwich) e d'ahi dirige-se directamente para leste at6 A intersec-
0ao do rio Mazoe corn o 330 de latitude. A fronteira seguindo este meridiano para o sul
at6 alcanCar o parallclo 180,30' corre n'este parallel para oeste atW no affluent Masheke
do rio Save ou Sabi e desce polo thalweg d'este affluent e pelo do Save atW a sua con-
fluencia corn o rio Lunde on Lunte, de onde alcanga directamente o ponto nordeste da
fronteira da Republica da Africa do Sul.
Ficou portanto pertencendo a Portugal por este artigo o territorio situado ao sul do
parallel 180,30' e a leste do affluent do rio Save, conhecido pelo nome de Macheque on
Masheke.
Differe a redacqIo do referido artigo 2.0 da que primeiro fora proposta por lord
Salisbury. N'esta a linha fronteira seguia o parallel 180,30' para oeste atW ao affluent mais
oriental do rio Save on Sabi, e dirigia-se depois para o sul pelo thahleg d'aquelle affluent
e do Save at6 A confluencia oeste com o Lunte. (Vide Livro branco, 1890, pag. 168.)
A modificacio inserida no tratado foi proposta pelo plenipotenciario portuguez e
acceita por lord Salisbury; substituiu-se a indicaAo vaga do affluent mais oriental do
Save o nome do rioi em que so concorddra que servisse de limited n'aquella parte da fron-
teira, evitando-se assim futuras duvidas e possiveis contestaeSes.
Assim o declare o plenipotenciario portuguez no sen telegramma de 12 de agosto
ultimo. (Vide Livro branch, 1890, pag. 182.)
I pois o rio Macheque a nova fronteira occidental n'aquella porgAo de territorio de-
limitado que ter por fronteira norte o parallel 180,30'.
Nao p6de portanto duvidar-se da exacta posipao do rio Macheque ou da aringa do






67

Mutassa, corn relaglo a este rio ou ao parallel 180,30'. Os melhores mappas geographi-
cos, e itineraries de viajantes na Africa austral, que se queira consultar, dAo o Mutassa
ao sul do parallel 180,30' e a leste do rio Macheque na bacia do Odzi. BastarA citar entire
outros os seguintes :
1.0 Mappa aMatabili Mashona and Bamangwato Countries)), by G. Cawston, 1890.
2.0 Mappa das viagens de Selous no paiz dos Matabelles e Machonas, publicado nos
((Proceedings of the Royal Geographical Society), de Londres, 1888, pag. 324. N'este
mappa a posigao do Mutassa fica no vajle do Odzi, latitude 18,46',12" S. e a 25 milhas
para leste do rio Macheque. Deve notar-se que o auctor Selous, 6 um dos inglezes que
acompanharam o administrator da (South African Colquhoun, na invasao de Manica em
14 de setembro; nio p6de haver testemunho mais insuspeito.
3.0 Mappa aSiid Afrika mit Madagascar), publicado pelo Instituto Geographico de
Weimar. N'este esta Mutassa'na latitude 180,42' sul e a leste do rio Macheque.
*4.0 Mappa aKarte von Central Afrika), por L. Friderichsen, Hamburgo, 1885. Mu-
tassa: latitude 180,46' S. no valle do Odzi e a leste do Macheque.
5.0 Mappa (Karte von Afrika), por aKettler und Miillero. Latitude de Mutassa
18o,47'S., a leste do Macheque.
6.0 Mappa (Karte von Afrika), por W. Liebcnau, cartographo official do imperio da
Russia, 1886. Mutassa, latitude 18,40' S.
7.0 Mappa (New map of central Africa, by James Wild Geographer to the Queens,
1890. Latitude de Mutassa ao sul 180,30' latitude S. c a leste do rio Macheque (Masheke).
E certo que n'este mappa se chama (Musheke a um rio, que corre a leste de Mutassa,
e que em todas as cartas vein designado corn o nome de (Odzi,) ou a0zi). Mas o rio
Macheque (Masheke), coin a posicAo c nome com que vem indicado nos outros mappas,
tambem se vW n'este a oeste de Mutassa, cujo territorio estA dentro da demarcagAo por-
tugueza.

N.o 106

0 Sit. LUIZ DE SOVEIIAL AO Sil. MAIIQUEZ DE SALISBURY
Copia.
Londres, le 31 janvier 1891 (recobida em Lisboa em 5 de fovereiro). Mylord :
En me r6f6rant a la note que j'ai en l'honneur d'adresscr a V. E. le 29 de cc mois, je
prends la liberty de lui remettre ci-joint quelques documents qui ont trait A I'occupation
violent du territoire portugais du district de Manica par la force armne de la compagnie
British South Africa.
Je saisis, etc.
A

Extrait de la communication faite au gouverneur
de la province de Mogambique
par Joao de Rezende, intendant du gouvernement portugais a Manica
et administrateur de la compagnie de Mogambique

Andrada (Macequece), le 11 octobre 1890.-- J'ai l'honncur de remcttre h V. E. co-
pie de la correspondence qui a eu lieu centre un des prosp ctors residents dans la valley
de Mutare, mr. Moodie, et moi. Come vous voyez, il y a un resident anglais put's de
Mutassa, et il fait croire h ses compatriots que, un trait ayant 6t6 sign entire les deux
gouvernements, l'Angleterre s'est acquisle droit A ces territoires,





68


a
Bartissol Reef- Umtali, Manica Country, October 10 of 1890.- To the representa-
tive Mozambique Company, Massikesse, Baron J. de Rezonde.
Sir.- Herewith I have the honour to forward you a copy of a letter received to-day
from the acting resident of Manica country, at present stationed at Umtassa's kraal.
Kindly advise me whether you have received any information confirming this matter.
I am, Sir, yours = G. B. Dunbe)r Moodie.


b
Umtassa's kraal, October 9, 1890.- Sir.-I have been requested by Mr. Colquhoun,
the administrator of Mashonaland, to inform you and all the other prospectors at the Um-
tali and Revue gold fields that an anglo-portuguese arrangement has been signed which
brings all this portion of South East Africa, including all the Manica country for a con-
siderable distance cast of Massikessc, under British influence.
I shall be much obliged to you if you inform all the other prospectors, in your
neighbourhood of this territory.
I am, Sir, yours obediently == R. Trevor, acting resident Umtassa's kraal.


B
JoAo de Rezende au gouverneur general de Mo9ambique

Extrait de son journal

Andrada, le 18 novembre.-Forbes, Doile et la plus grande parties de l'escadron
sont parties pour Beira, dont ils vculcnt prendre possession. Ils ont cnlev6 come inter-
preto un domestique fidble a Paiva, Matemusse, qui m'a demand un certificate rendant
t6moignage, qu'il accompagne cettc troupe, non volontairement mais force.

C
Le secretarie par interim du gouverneur du district de Manica
au gouverneur du Quilimane

Quilimanc, de Chinuara-Gouveia, le 3 d6cembre.- Chef station Sarmento de la com-
pagnie fait savoir que le 27 novembre une force anglaise de huit chevaux y 6tait arrive
avec l'intention do partir le lendemain pour la station Neves Ferreira et Beira; celle-ci a
6t6 pr6venuc par le susdit chef. A Andrada (Macequcce) le 21, continuaient en prison
deux soldats de cette garnison ct Rezende, employ de la compagnic; le sort de Paiva
de Andrada et de Manuel Antonio 6tait ignore.


N.o 107

0 SR. JOSE VICENTE 1U.1IBOZA DU BOCAGE AO SR. L[IZ DE SEVERAL
telegramima.-- Extracto.
Lisboa, 6 de fevereiro de 1891.-- Rccebi o telegramma rnlativo a entrevista de 4
corn marqucz de Salisbury. Plenamente approve o scu procedimento n'cssa conferencia;






69


tendo visto com grande surpreza o modo por quc o marqucz de Salisbury procurou illudir
os seus arguments.
Aguardarei as contra-propostas.
Fai procurado hoje polo ministry do Inglaterra, que me fallou vagamente em ceden-
cia do territorio do Mutassa e cm compensagAo no norto do Zambeze. Sua conversaiao
parccia referir-se a prolongar at6 no Save o meridiano do 330, e ficar portanto Portugal
sem a regiLo mincira. Minha resposta foi julgar impossivel coder todo esse territorio,
mesmo cor compensa9tio.


N.o 108

0 SR. JOSE VICENTE BARBOZA DU BOCAGE AO SR. LUIZ DE SEVERAL

Lisboa, 7 do fevereiro de 1891.- I1."o0 c ex."'0 sr.- Accuso recepcAo do scu officio
de 31 do janeiro ultimo, acompanhado da nota c memorandum por v. ex.a dirigidos cm 29
do mesmo mez ao marquez de Salisbury Acerca da posilAo dos dominios do Mutassa.
Approvo inteiramento os tcrmos em que estcs dois documents estio redigidos, c o
modo por quo v. ex.a n'clles aproveitou os documents que d'este ministerio Ihe haviam
sido fornocidos.
Deus guarded, etc.

N.0 109

0 SR. LUIZ DE SEVERAL AO SR. MARQUEZ DE SALISBURY
Copia.
Londres, le 4 f6vrior 1891 (recebido em Lisbon a 9).-Mylord:-J'ai l'honneur
de remettre ci-inclus hV. E. une copic d'un document qui m'a 6t6 envoy par le gouver-
nemcnt dn Roi et qui prouve que non seulement Mutassa a fait acte do vassolage a la
couronne de Portugal, mais qu'il est depuis 1876 un fonctionnaire politique et administratif
portugais, subordonn6 au gouverneur g6n6ral de la province de Mocambique.
Jo saisis, etc.

A

En 1876 le roitelet Mutassa de Manica envoya une ambassade au commandant mi-
litaire de Senna pour renouveler sa soumission au gouvernement portugais et offrir ses
forces, 6valu6es on six mille homes, afin de donner appui A cellos du susdit commande-
ment ct du capitAo-mdr Manuel Antonio de Sousa, pour la pacification ct soumission du
Quiteve.
Le commandant militaire qui a recu l'ambassade ot le renouvollement do vasselage
fut le capitaine Luiz Joaquim Vieira Braga, qui est mort 6tant major et gouverneur de
Tete.
Le capitaine Braga a ensuite nomm6 Mutassa, que I'a accept, d6lggu6 official et mi-
litaire portugais a Manica, par le diplOme suivant:
En 6gard h la soumission du roitelet de Manica, Mutassa, et aux bons services que,
pendant mon commandement, il a rendus an gouvernement de Sa Majest6, je nomme le
sus-dit roitelet sargento-m6r de Manicn.
Donn6 au commandment militaire de Senna, lc 29 nofit 1876. =Le commandant mi-
litaire, Luiz Joaquim Vieira Braga.






70


No 110

0 SR. LUIZ DE SEVERAL AO SR. MARQUEZ DE SALISBURY
Copia.
Londros, le 4 f6vrier 1891 (recebida em Lisbon a 10). Mylord: -J'ai l'honneur
de remettre ci-joint & V. E. les copies de deux traits conclus entire le gouvernement
portugais ct les chefs Muzila ct son fils et successeur Gungunhana, en 1861 ct 18651.
V. E. trouvera ci-joint 1'opinion de mr. O'Neill, A cette 6poque consul britannique
a Mogambique.
Je saisis cette occasion, etc.
A

Opinion de mr. O'Neill, consul britannique a Mogambique

An expedition, having important results, has just been completed in the Gaza
country, south of the Zambezi. Its object has been to instal a portuguese resident at the
kraal of Gungunhana, the great chief of the Gaza country and successor to Umzeila. It
was commanded by Senhor Jose Joaquim de Ahncida, the secretary general (colonial
secretary) of the province, who chose Sofala as his starting point. The chief was met at
Missurise, the position of which we are not told, but it is, I believe, not far from his
kraal upon the head waters of the Sabi river. Not only was a resident installed, but
Gungunhana has renewed a treaty made by his predecessor Umzeila, which, if its con-
ditions be reasonably observed, will completely alter the relations of the portuguese to
the natives of the Gaza country, and add to the security of commerce and trade.
A glance at the map will show the importance of the steps now taken. The Gaza
country stretches far into the interior, and marches with the eastern frontier of the
Transvaal and our Bechuanaland protectorate. Southwards it extends beyond the Limpopo
river, and northwards to the portuguese district of Manica, whose centre of government
is at Gorongoza ..........................................................
Too many people, I fear, run away with the notion that the whole country between
the Limpopo and Zambezi rivers is completely in the hands of the chief of the Gaza
country, and that the chief is strongly hostile to the portuguese and all europeans. This
was truly the condition of things in 1859 and 1860, when Livingstone passed up the
Zambezi, and the description he wrote of the unhappy state in which he found the por-
tuguese inhabitants of the town of Senna, and the south bank of the Zambezi still remains
imprinted on the public mind.
I cannot too clearly state that is a condition of affairs which, in great part, has
passed away. Portuguese influence has immensely extended in the country immediately
south of the lower Zambezi, and it is now paramount between that and the Buzi river.
That district has now a governor of its own, who corresponds with and is directly res-
ponsible to the governor general of Mozambique, and whose head-quarters are at Gouveia.
upon the mountain of Gorongoza.
The country south of the Buzi river comes more directly under the influence of the
Gaza chief; but the death of Umzeila and the better relations established with his suc-
cessor, will, it is confidently hoped, pave the way for the development of the mineral
and other resources of this country also.
i Publicados n'um impress intitulado Termos de vassallagem nos territories de Machona, Zambezia
e Nyassa, 1858 a 1889; pag. 12 e 18. Lisboa, Imprensa Nacional, 1890.






71

There are two routes by which the Gorongoza and Manica countries may be entered,
both easily accessible southwards from Senna via Quilimane, at which port the Castle
packets call once a month; and from the harbour of Pungue, a little north of Sofala, at
which, I am told, a small steamer working from Quilimane south to Chilwan, will regu-
larly call.
This harbour is little known, notwithstanding that it is one of the best upon the
coast, and a fair survey of it by lieutenant Fronteira, of the portuguese navy, has been
inserted by our hydrographer upon sheet No. 648, east Africa, of our admiralty charts,



N.0 111

0 SR. MARQUEZ DE SALISBURY AO SR. LUIZ DE SEVERAL
Copia.
Foreign Office.-February, 5th 1891 (recebida em Lisboa a 10).-Monsieur le minis-
tre.-I have the honour to acknowledge the receipt of your letter of the 29th ultimo, and
of the memorandum therein inclosed, citing certain documents which, it is contended are
sufficient to show that the district of Mutassa lies within the territory assigned to Portu-
gal by the convention of August 20th. That memorandum is receiving my careful con-
sideration.
With reference however to the conversation on the subject which passed at our inter-
view of the 17th December last, I would add that I do not remember to have used the
expressions which are attributed to me in the second paragraph of your note under reply.
My language in regard to Mutassa, as recorded in a despatch to sir G. Petre of the 17th
of December, was that until the receipt of fuller information, I was unable to express any
opinion, but I did not give any pledge as to the measures that would be adopted by Her
Majesty's Government in regard to Mutassa.
I have the honour, etc.

TRADuCLAO

Ministerio dos negocios estrangeiros.-5 de fevereiro de 1891.-Sr. ministro.-Tenho
a honra de accusar a recep9lo da sua nota de 29 de janeiro ultimo, bem como do memo-
randum que a acompanhava, citando determinados documents que, segundo se pretend,
sAo sufficientes para mostrar que o district de Mutassa esta situado dentro do territorio
attribuido a Portugal pelo convenio de 20 de agosto. Este memorandum estA sendo object
da minha cuidadosa considerag.o.
Cor referencia, todavia, A conversagio que sobre o assumpto teve logar na nossa
entrevista de 17 de dezembro ultimo, acrescentarei que me nao lembro de ter feito uso
das expresses que se me attribuem no segundo paragrapho da sua nota a que estou res-
pondendo.
A minha linguagem, como esta consignada no men despacho a sir G. Petre, em data
de 17 de dezembro, era que at6 A recepgpo de informag9es completes, eu nao estava ha-
bilitado a expender opiniAo alguma, mas nao dei nenhuma seguranga sobre as medidas
que seriam adoptadas pelo governor de Sua Magestade cor relagIo ao Mutassa.
Tenho a honra, etc.






72


N.0 112

0 SR. JOSE VICENTE BARBOZA DU BOCAGE A SIR GEORGE GLYNN PETRE'


Lisboa, 9 do fevereiro de 1891.--Ill.m e ex.mo sr.-Tenho a honra de accusar a
recep9o o da nota de 27 de janeiro ultimo, na qual v. ex.a me communica um breve resu-
mo da carta em que a British South Africa Company deu ao governor de Sua Magestade
Britannica ulteriores informagies sobre os successes de Manica.
As referidas informacges ja tinham sido, em grande parte pelo menos, communicadas
ao public em telegrammas inexactos insertos em tempo no Cape Argus e outras folhas
do Cabo, e reproduzidos em alguns periodicos de Londres.
Em quatro distinctos paragraphs resume v. ex.a os factos tacs quaes os expoz ao go-
verno de Sun Magestade Britannica a companhia do sul de Africa justamente accusada
de indesculpaveis demasias, As quaes nao faltou, corn satisfaiao o record, clara reprova-
9Ao de uma parte pelo menos da opiniAo na propria Inglaterra.
Referir-me-lei separadamente a cada um d'esses quatro paragraphos.
No primeiro os factos a que erradamcnte se allude sao os seguintes: que o coronel
Paiva de Andrada, o sr. Gouvoia, c barao de Rezende, A frente de trezentos indigenas
armados de espingardas Martini-Henry, e um trem de reserves, ameacaram o Mutassa
na sua aringa cm 5 de novembro e igaram a bandeira portugueza em logar da ingleza,
apesar dos protests.
As informagoes que o governor de Sua Magestade tenu, e cuja authenticidade Ihe pa-
rece difficilmente contestavel, contradizem as commimicadas pela companhia ingleza nos
seguintes pontos:
Os sipaes que acompanhavam o coronel Paiva de Andrada e os outros viajantes a
que se allude cram menos de duzentos, e apenas os necessarios para machilas e cargas.
d do notar que o coronel Paiva de Andrada em 1889, em excursies a que ninguem pa-
receu attribuir character de hostilidade, levava para cima de trezentos sipaes, e em 1880
quando pela primeira vez visitou estas regimes em companhia de Manuel Antonio de Sou-
sa, ja entao capitao-m6r de Manica e Quiteve, o numero de sipaes que o seguiram nao
era inferior a mil. E certo que os homes de que so trata iam armados (assim vao
sempre) de espingardas, mas nao do modelo Martini-Henry, como so affirma. NSo usam
nunca de takes armas. E absolutamente inexacto, como affirma a companhia, que Paiva de
Andrada levava comsigo trem de reserve. E ainda inexacto que se tivesse arriado a ban-
deira ingleza. Paiva de Andrada affirma que nao s6 a nao arriou, mas que nem sequer a
viu em qualquer part hasteada.
A que elle sim viu quando chegou foi a bandeira portugueza, que depois o capitho
Forbes fez tirar violentamente cortando o mastro em que estava icada, e que era a
mesma que n'esse logar e com today a solemnidade elle igAra em fevereiro de 1888. Um si-
gnificativo indicio das inteno5es pacificas da jornada do coronel portuguez e que a polvora
que distribuiu em Chemba aos seus sipaes foi apenas a correspondent a cinco tiros e que
a dadiva corn que o seu companheiro o capitao-mdr de Manica retribuiu o present de
uma ponta de marfim que 1he enviou o Mutassa consistia de poucas fazendas e alguns bar-
rilinhos de polvora de 8 libras, dos que os viajantes transportam para esse fim, e que
cram os ultimos que elles possuiam.
m-me impossivel deixar de advertir a v. ex.a que as intengies hostis, de que o co-


1 Foi enviada copia d'csta nota a todas as legaltes de Portugal.









ronel Paiva de Andrade podesse ir animado, haviam de ter por fim, ou os inglezes da coin-
panhia invasora ou o regulo Mutassa. Ora que este regulo fosse o supposto object d'es-
ses hostis intuitos, nem a propria companhia ousa declaral-o por nimiamente absurdo, e
por outro lado 4 manifesto que, tendo partido o coronel portuguez de Quilimane a 11 de
setembro cm direcgo a Manica, nao podia saber da entrada da companllia em territories
do Mutassa e do son supposto contrato corn este regulo, contrato que ter a data do 14
d'esse mez, e nio podia conseguintemente armar-se do espingardas Martini-Henry e trem
de reserve para combater inimigos do que ainda cntAo nao tinha conhecimento. Nao foi
de certo em Chimoio, onde a 15 de setembro soube por umna carta de um agent da com-
panhia de Mogambique, dos actos abusivos praticados pelos representantes da South Afri-
ca, que elle se armon e os seus de espingardas Martini-Henry e preparou o trem de re-
serva a que infundadamete se allude.
Advertirei ainda que no dia 5 do novembro, data que a South Africa attribue 4 sup-
posta invasao portugueza, 4 que corn a chegada a Macequece de carregadores, que vie-
ram por via de Gorongoza com uma sonhora da familiar de Manuel Antonio de Sousa,
pode Paiva de Andrada alcangar os sipaes necessarios para as machilas e cargas que
precisava transporter a Mutassa.
No segundo paragrapho resume v. ex.a por cste modo outra part das informag5es
transmittidas pola British South Africa:
(No dia 15 de novembro ultimo o capitao Forbes rooccupon Mutassa e tornou a icar
a bandoira ingleza. 0 coronel de Andrada, que juntamente com o barto de Rezende se
tinha encontrado cor Gouveia a 14, protestou quoe stava presented ali simplesmente
como director da companhia de Mogambique, mas de facto ellc c Gouveia tinham entire
ambos trezentos indigenas armados, a que o coronel de Andrada chamava carrega-
dores.
O que a British South Africa chama a reoccupacAo de Mutassa realisou-se pela f6rma
por quo Paiva de Andrada a narra nos seguintcs periods que tenho a honra de offerecer
A consideragAo de v. ex.
N'esse dia 15 de novembro, fomos todos juntos (Paiva de Andrada c os seus com-
panheiros de jornada) do extreme da aringa em que estavamos acampados para aquelle
em que o regulo habitat e reunimo-nos n'uma pequena praga, onde no mez de feverciro
de 1888 eu tinha armado a minha barraca, feito levantar um mastro e cor toda a sole-
mnidade e nas condigres minuciosamente expostas na minha correspondencia official d'csse
tempo, na presenga dos delegados do potentado Gungunhana havia arvorado uma nova
bandeira national, cor vivas a Sua Magestade El-Rei e descargas de armas dos meus si-
paes e da gente do Mutassa.
(No mesmo logar, no mesmo mastro, vimos todos ao approximar-nos, arvorada a
mesma bandeira.
((Era a primeira voz desde que en tinha chegado que via o regulo...s
Depois de narrar a conferencia com o regulo, a que terei de refcrir-me adiante, ao
occupar-me do terceiro paragraph da nota de v. ex.a, prosegue n'cstes terms o coronel
Paiva de Andrada:
aEntrimos na palhota onde estavam todas as mulheres da familiar do regulo e para
ondo elle se tinha retirado.
EEra uma grafide palhota escura, comn duas portas onde s6 so p6de passar quasi do
rojo. Nao havia do certo cinco minutes que ali estavamos, quando ouvimos f6ra da aringa,
onde tinha ficado muita gente, un grande tropel, mas ficamos assentados, dizendo Mu-
tassa que devia ser alguma questTo entire rapazes; moments depois ouvi repetidas vezes
a palavra de inglezes, e saindo f6ra da palhota vi por entire os rochedos uns seis ou oito
brancos armados; dirigi-me aos quo estavam mais proximo, perguntando-lhes o quo que-
10





*it







74

ria dizer aquillo, e declarando o meu nome, ao que me responderam que estava preso.
Eu estava s6 e desarmado.
Joao Rezende, Manuel Antonio e o engenheiro francez de Llamby foram press pela
mesma f6rma.
Antes d'este facto praticado pelo agent da South Africa, o capitao Forbes, facto que
me abstenho de qualificar, as unicas relapges que Paiva de Andrada tivera corn este se-
nhor foram as seguintes:
No dia 6 A noite, ao voltar de uma pequena excursAo, recebera em Macequece, por
mAo do tenente Graham, uma carta, em que o referido capitao o condecorava corn os titulos
de general e commandant das forgas portuguezas na Africa oriental, o censurava por ter
entrado em Manica corn uma foria armada corn que estava ameacando o regulo, o qual fi-
zera jl contratos corn mr. Colquhoun, c o intimava a mandar retirar today a forca que
trazia. Em resposta fez ver Paiva de Andrada ao tenente Graham a estranheza de takes
recados, chamando particularmente a sua attengAo para o facto de que s6 na vespera, isto
6, no dia 5, Ihe tinham chegado alguns carregadores coin que poderia partir para o Mu-
tassa. Parece que o proprio tenente se deixou veneer da rasio corn que o coronel fallava
e confessou que nao conheciamn bem a situagAo de Paiva de Andrada em Manica.
No dia 7, e depois de partido o tenente Graham, vieram dois soldados annunciar-lhe
breve a visit do capitao Forbes. Esta visit, que o capitao se esqueceu de avisar a
Paiva de Andrada, nho chegou a realisar-se.
No dia 11, achando-se Paiva de Andrada no acampamento do engenheiro de Llamby
no Mutare, recebeu uma nova carta do capitio Forbes. N'esta carta jA se lhe nao davam
os pomposos titulos da anterior, mas dizia-se-lhe que o referido capital tinha instruc9oes
para Ihe impedir qualquer communicagrio coin o regulo, c que para esse fim, send pos-
sivel, so empregaria a for.a.
Nem corn estas provocacies se proparou o coronel Paiva de Andrada para a lucta e
todavia poderia, querendo defender-se, proteger-se e proteger os seus na fortificacAo que
em Macequece Joao de Rezende levantou sobre as ruins de um antigo forte portuguez,
e querendo atacar, poderia ter reunido em cinco dias dois mil sipaes do Humbe, c em
quinze ou vinte, de toda a region da part do sul do Barue o Gorongosa dez mil.
Mas foi sempre seu proposito nao dar fundamento a demasias e deixar que as pra-
ticassem por sua conta e risco os agents da companhia invasora.
Coin respeito a este paragrapho notarei ainda apenas que e improprio o dizer-se por
part da South Africa que fora de novo igada a bandeira ingleza, pois anteriormente ella
o nao havia sido; que, se o coronel Paiva de Andrada no acto da sua violent prisAo,
protestou que era apenas ali director da companhia de Mocambique, muito correctamente
o fez, pois como tal emprehendera a suajornada ao Mutassa, e que se deu aos sipaes que
o acompanhavam, ainda assim em numero inferior ao que a South Africa Ihe attribute, o
nome do carregadores, 6 porque esse exclusive emprego exerciam junto d'elle.
O terceiro paragrapho da nota de v. ex." a que vou respondendo 6 concebido n'estes
precisos terms:
,Mutassa foi instado polo coronel e Gouveia para assignar um papel em que declarava
que cedera o seu paiz ha vinte annos a Gouveia, e que Manica era propriedade da com-
panhia de Mogambique; mas Mutassa negou-se a realisar-lhe os desejos. A companhia
chama a attenqgo para o desaccordo entire este acto e a affirmacao previa de que Portu-
gal derivava o sen titulo de Gungunhana.)
Para informar a v. ex.a e ao governor de Sua Mnagstadc Britannica corn mais lar-
gueza e exac9ao do que se passou entire o coronel Paiva de Andrada e o Mutassa, e os in-
tuitos do viajante portuguez na conferencia corn este regulo, bastara citar textualmente
as palavras do proprio viajante no seu relatorio Acerca dos successes de Manica:






75

aNa reuniao pedi ao regulo que contasse os factos que se tinham passado quando elle
solicitou de Manuel Antonio e obteve d'elle o auxilio a que ji me referi, e o regulo ex-
poz todas as circumstancias, except a mais important, a de que a ponta de marfim ia
cheia de terra de Manica como signal de estylo cafreal da entrega da terra; perguntado
sobre este ponto, comecon a nao responder de um modo precise, dizendo que o capitao
Chitengo, enviado por Manuel Antonio, e que Magudo, seu embaixador, estavam ali pre-
sentes, que todos sabiam como as cousas so passaram, e que elle nao precisava declaral-o
diante de tanta gente que nao conhecia. Foi isto o que o regulo disse, e eu, vendo que
elle nao estava resolvido a contar o facto como teve logar, nfo insist, porque se fosse
convenient vir a provar este facto, succedido ha quasi vinte annos, tinha centenares on
milhares de pessoas que o podiam fazer.
aEntio o regulo, por sua iniciativa, e sem que da minha part eu fizesse cousa algu-
ma para que n'esta reuniio houvesse referencia ao procedimento dos agents da British
South Africa Company, diante de todos os estrangeiros a que me tenho referido, declarou
que se alguem provasse que elle tinha assignado um papel qualquer Ihe cortassem a mao,
e levantando a mao diroita cor dois dedos abertos disse que n'aquella terra quem s6
mandava era o Rei e Mutassa, e apontando em seguida para a bandeira disse que bem
viam todos qual era a bandeira que ali estava, que era a do Rei e a mesma e unica que
sempre tern havido em Manica.
Estes periods explicam o que ha de menos claro nas informagSes da British South
Africa exaradas n'este paragrapho. O que Paiva de Andrada procurava obter, nao era uma
concessIo nova, mas a simples affirmagao da concessao antiga.
O desaccordo apontado pela British South Africa nao existed pois. Tratava-se de obter
de Mutassa uma declaraggo da anterior cedencia da propriedade, o que nao implicava
por f6rma alguma a questAo de soberania.
Os factos apresentados no paragrapho quarto e ultimo da nota de v. ex.a reduzem-se
ao seguinte: sque as forgas portuguezas niio s6mente entraram violentamente na aringa do
Mutassa, mas tambem penetraram na Machona e igaram a bandeira portugueza no terri-
torio de Lo Magunda, sito 80 milhas ao occidente do forte Salisburyi.
A renovada affirmag~o da British South Africa, da invasAo da aringa do Mutassa,
realisada por forgas sob o commando do coronel Paiva de Andrada opponho um resume
da narragao feita pelo referido official da sua entrada na aringa corn a indicagao da gente
que o seguia.
No dia 5 de novembro achava-se Paiva de Andrada em Macequece, de onde nao podia
partir por falta de gente que o acompanhasse, transportando-lhe machila e cargas. Cor
a chegada de D. Julia Fernandes n'esse dia, alcancava todavia os carregadores de que
precisava. Resolveram entio partir todos para o Mutassa. No dia 8 de manh! partiram
cor effeito Manuel Antonio e D. Julia directamente, levando apenas da gente que tinham,
os sipaes necessarios para as suas machilas e para as caigas, creados e umas quatro ou
cinco creadas; Paiva de Andrada corn Joao de Rezende, s6 no dia 10 e pelo Mutare, pois
tinha de encontrar-se cor o engenheiro chcfe da companhia de Mogambique, de Llamby,
a fim de observarem juntos, uns veios recentemente descobertos por empregados da com-
panhia, e precisava concluir certas investigagies que encetira em 1888, corn respeito a
mais curtas vias de communicagAo. Chegou no dia 11 ao Mutare, onde se demorou occu-
pado em trabalhos e servigo da companhia dois dias, partindo a 13 para a aringa do Mu-
tassa, na qual a sua pacifica chegada foi benevolamente recebido.
Sendo estas as forgas cor que Paiva de Andrada penetrou na aringa do Mutassa, 6
claro que nao existiam elements coin que o referido official on qualquer dos seus com-
panheiros podesse provocar em Lo Mogunda actos irregulares, que menos reflectidamente
Ihes attribue a British South Africa.




University of Florida Home Page
© 2004 - 2010 University of Florida George A. Smathers Libraries.
All rights reserved.

Acceptable Use, Copyright, and Disclaimer Statement
Last updated October 10, 2010 - - mvs