• TABLE OF CONTENTS
HIDE
 Front Cover
 Title Page
 Productos da colónia e estado da...
 Indústrias locais e capitais nelas...
 Vias de comunicação para o interior...
 Conclusões






Group Title: A agricultura e a industria na Provâincia de Angola : informacoes sobre o seu estado actual e possibilidade do seu futuro desenvolvimento
Title: A agricultura e a indâustria na Provâincia de Angola
CITATION PAGE IMAGE ZOOMABLE PAGE TEXT
Full Citation
STANDARD VIEW MARC VIEW
Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/UF00072654/00001
 Material Information
Title: A agricultura e a indâustria na Provâincia de Angola informaðcäoes sãobre o seu estado actual e possibilidade do seu futuro desenvolvimento
Physical Description: 48 p. : ; 24 cm.
Language: Portuguese
Creator: Costa Serräao, M. F. da
Publisher: Imprensa Nacional de Angola
Place of Publication: Loanda
Publication Date: 1912
 Subjects
Subject: Economic conditions -- Angola   ( lcsh )
Genre: non-fiction   ( marcgt )
 Notes
Statement of Responsibility: por Costa Serräao.
General Note: "Separata dos nos. 3, 4 e 5 do Boletim d'Agricultura da Provincia d'Angola. Anno de 1912."
 Record Information
Bibliographic ID: UF00072654
Volume ID: VID00001
Source Institution: University of Florida
Holding Location: African Studies Collections in the Department of Special Collections and Area Studies, George A. Smathers Libraries, University of Florida
Rights Management: All rights reserved by the source institution and holding location.
Resource Identifier: oclc - 33295353

Table of Contents
    Front Cover
        Front Cover
    Title Page
        Page 1
        Page 2
        Page 3
        Page 4
    Productos da colónia e estado da sua agricultura
        Page 5
        Page 6
        Page 7
        Page 8
        Page 9
        Page 10
        Page 11
        Page 12
        Page 13
        Page 14
        Page 15
        Page 16
        Page 17
        Page 18
        Page 19
        Page 20
        Page 21
        Page 22
        Page 23
        Page 24
    Indústrias locais e capitais nelas empregados
        Page 25
        Page 26
        Page 27
        Page 28
        Page 29
        Page 30
        Page 31
        Page 32
        Page 33
        Page 34
        Page 35
        Page 36
        Page 37
        Page 38
        Page 39
        Page 40
        Page 41
        Page 42
        Page 43
        Page 44
    Vias de comunicação para o interior - Sistemas de construções
        Page 45
        Page 46
    Conclusões
        Page 47
        Page 48
Full Text
:;.: ii.;;.i;;;i;;;i-.;;;;;;;;;;;;;;;;:;:-.;:z;.,. --- .......... ... ---.- vvw;;-::::;;m;q- 7:;n; !!ii;-:z-.-.
.:ii.itiii.. iH.,H.!;-; mzw-;;m ....... i;;z;,;.iiiiiii;;;;iiiii;iii;-.i; :::!-.-- -::--;;i.-
-.- =- 1:, :.l::;::::l.:;:;;;;l.;.;---l ....... ........ a i .:::::;. ......... ;;;;. It!!!, 13 --.. I...
:t:.t:!:. -!;:a. .-!. .;::;;;'l;:;;;;;; ..... ...... ::. ..;;!. ......I.I., ............. i ......... I .... ,.-;:..
.!-.:::;;:.:!!!!!:::;.;;;;,...l .!::::i::.l;-;l
;;;mp .i:ci ........... ,." ...... ..::!!:.:.-I::::::::..t:::!:.::::::.:,.;:,.;;; ....
!T:::-:, ::;"!:V!!:: tz .:,-::.-:::::!.::!.:!::!::!::::!..;.;:..::::...::::..:..:::::::::.:::.:....- :1 ,!:::, ,3 "::::!!-!.".l:.;;; ............... I ... I ....... 11 ... --.-Il.
.. i ............ .-'!!i:;. W .-I'MIM .N!Ml:=*l .... ........ ;;;;;l.:%l::::3 .................
.::::!!!!M;;;;;;::;: ...... I.- ..... ...I..",
-:i- :Z:.:;;.z:"::.l::.:.:::; .................. I .......... :;;.;:.::::i ................... .......................... .::::::"!!!!!!::::;,.:;;*:!:. -::.,:=:- -:;;;..-::::::::-.-,---..!:!!!!!:!!I:.:,..!:..!:!!:::!:.:g:.,-
!i:l:,:::!,:::!!!!!!!!!!!!!!!!.,::".;:::!!!!!!!!!!!:t:::..,!!!...-:,-:;;;;,!t!::!..!t::..;:.:..!!!!!!::.:.:;;;;;";.;".;:.:.:;;;;;;:I.i::,..:.;..:::!:!":!!!;Iiliiiii!,!".::..' ........................
I ....... ** ... ...............
,:::." l;::::::::::::.l!M!:!:.l! !!: it .,!:."!:!:!!!:."!.:::.X"..:.::..::.:.;:. :.l.;:::.:;.;;.;; .;:.-!!!:!F,::;-.;;;::-,-:.::::!!-!-.-!!!!!!!!:.-:-.:-,.
..,.!.-,.--.i!..ii.-.;i.-ii..-'Eii.,;- ;;;;..::. it .. ; ........................ it. .M. -:11111 ::,.:.:::::::!!,!:.;;,.;,."..:..!.::..;;;;;;;i
:::::::::.,.::;z:;;:.::!!!!!:.:;; .1 ............ it ; ; : -. ::: .. I vvl: !!! .1 U.I. it I : V: .. it !.- NN; :5 ::: H : .- H ;; ; m ;; H! M : .............. .I...."I'l..... ......... ....... .
.1 ........ :!!. .=.. .,.. .... ;;;.:::!.".,::::.:,:Ii::,.::;.:;;.iI
; i Z ; .-! M: N; ; ; ;;; ;;; ;; ;. ; ;:; '. ;; ; ;;; ;M .;; m ; i-:!- !! .. .-:;t q .... i: :-: : ; -. ..; .. :1 .. ..; .. t t : i ... 1;
: ": : t :: : ;;;; ; ; ;; ; ; 1: it it Mi :; ;; ; it it M. "It! It .": ::: !!! !!! .. !i t : .. .: :1 :: 1. :;; :: .1 -...:: : :: ; .; I ... ... ... I ........... I...... .::.-::::::--::::.:.!!..!!!!!..!!....!! .......... : ............
... ... ii. "HE, 'Mil .. .. ..... ..".;;;;;;-.;:l
... ....... ... RM.; HH... M. IF .:: .:; : : Mall; .-.;; ;;; M IN;;;; ; ^.;: : 11; N ; N ;: V ...... I ... I..".
1; I I I :: .: ; ;: : : "I ": .1! it I : it N! !! ........... I .................................... I .......... MM!"L...M. ..... ,:.::::!!.-!::..;;;;;:::...:.... .
. .:-:i..;i,..ff!.!.''i;ii.!;.,;.*!!!!!!!::. ..
:1 :;;;;-.;;;;i.:;;.!.::..-!!..!;: ,::::::!!-!::.-::-;:::-.::::::!!::::: :::,-!!i.-ii....!!:::--;,::.:..::.:::--:-,.,I ............ ...... I ...... ::::..M!.-!--.-::.-.-i:ll .... iiii.:::;;:-- -
..................... ............ I ... I-- ... I ... I : ... :::.:!:i.i..ii
:: !%z- i :l: M:.;H : ::.l::l:;:;l. ;1; ;;;;;;;;;;mi!-i;; .... ::",:-.;;;i;;!;;.::::::.:;........,.-...-..........--,.-,--,-.-,--..--.-.-.-,-.;;;..:.:;::;;;;;;;;.;;:.;;;;iii;;;;.I i;iail..-!!ii.:;!.!*;ii:.;!!".'.;ii;;;-.;.:::,:;:::.::.:,,.:::..!..!:,:!::!!!!: : :
......... ... ................... I.......- ..... !..: ... n ,-l!".M...
-.1 .... I -- ......... ;::;:;. .................. -......:. .. ... ... M.
,ii!. .::;. .:
;. -::- .. l:::-::-:;.-:-, un ;;;- -::--.;;;;;:.;:- -:;;n;,.;;;;; ............. in: ... !..!!
.v.-::M--,-":::": ..................... --:!.:. .:::.:::: !..::-..;?. --:;:;;;:;.- .............. mm;;; ... :::::::.:::. .:.:::. .. -:::. ...
!: .:: : !.-:!!::.;. :1. ;;;; ;;.;.;;. ;;;N;".;;;; ;;;,..;;.;;;"..:;:!!!!."::*:"",I "" *-I ....... ;;....N..:..;; -.;;;;;i;i;.;;;;.;;;;;;..:!!..::::::::;..;;;;;:-..::: .............
:.:!!!!!!,.::;;::;,:,.,::::!,.,!!!....I ......... I .............. n...::::.;:v::. ..................... ..... :.:;;;;l.,.:;- Z;..:
.. .:!:..::..!!!!!!:::..:::!!!!!!!.....-,.;::.... ;;;^.:"
1:1 !1=1 I...; ..... .. -:::;;;;:.:--!!-.:;;;;;;::;, ";.::::!!!,.,.,:.::;::.:.;.::.:::.- ,il!!!,:;;-"!,;:!,.!,.;-,!!-', r;l-!.:-:m.::-..:::.-:: .........
.! .:::A.ll::-l.- :.1 I. 11:2.1 111-1:11111 Vii..... -", ........................ .....:::!!!!::"::.*:..:t::.:.::::i::!!!!!::;.
11 ;;;;;;;;;:.,!.-!."!::.::,.;;,.:,.:::::.. .M., .:::,. 1: .... ..l. U; %7 ... I !;;.; ... .................. ... I ... ::. .:::::::.
.. M .:-::!,:. !t5.-::::.:-!::::-.i-:-.-.-..-.I.;
.. "i.:: .:.
;..;;;;;;;.;;;;.;;;;;..l::lHl -::-- .. .... I ... I.I.- .......... H ... N, ..U;;.:::::-M;.:;M;.; ............... .. 11.1-H!
............ ........... ...:::::.-t:..!!..::::;z-.:::!::.:-; M ..:!=?! "
.!.i:ii!::!!-.,.'::i.*.,E".!::i,.;.z
M:;..;;:::.l!!:::::::l!!.l .......................... I ...... !
.::, N ..::;M;.:!V,.- :%!:::;: :Nltl --::: I::-.::...
::::l.;.. ;:.;;;;.;t; ; ;;.Nlullu :: :*.;;;;:::: : -.!M.l:::::-::: nn .. .
-!!!.::...;;::.!!!!:..:;::;;;;.;;;;;;;;;;;;"";;;;.;..:;;;;,.;.....E!......;; .N.
Mm ': .. ::::.VI.:"!!,!- :::;:::::! ...................... ........
... -1-111, ................ !!!:!:: ......... I ........... ...::!!!.t....;;.::,:.!!!:.".;; ...... Hm ... ....... -N -I,-:!:!!!:N,.*.V;; :l!!!!!"!!:1
:.::l:.::::::::;;;::-.!.--!M ........ i;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;.;;::.:!.::::.:::.:. .;,.::* ... --..::---.:! .... !::-.:w!!;-..-:-,!i-. 1MR.E.w- ,;;;.;:.::,..,.,!.,:.,::::::::...I ...... ..... ......
: ::N;;;;;;;:::V!M 1:1.::;;;;: !Win ml.-! .-!!::.l!!!!l:!:: :t ::.,!.,!:.,::":.,::::::;.::::::.::i-: :3;1-11 ............. I ........ :.';;;;;.;.;;-.;;:::!!,.!,.*:"."I ........................ !..!.. ....... .. I .......
van. .. ;. .;;;.;.;.;;.;;:;;::. -..;.;-. 1:
:;Zil.;::::.!!:..::::::.,!!!!!.::;;;i;;;:::.,::::;;.;;:-.-,::.-..-,;;;:::::::!:::::.!:":;:::..:..!!!!:::!.!!!!!!:.;;!!!!!:::.,:,.;;;:,.;;::::::.,.i.::::;.,.;;;:.I:,...".;;.;.;:.;..;;!I mm ; .
...: ......... .
.:.. .. -.-
.....-I ....... :H.H.H.m.H.H.-HUM: ....., ........ I.....!!!.,::.,.,!!!.!:.::::.":!.,:!!I ....... :::.::. I .! : .. .. i: ::
;.:;:;::;;ii;.:::::::.:::t::::;;:;..;;:;:;::.,::.:;:::!:;. ,:::: ;;:-.;: .::..::..;::.::::;;;;;;;;;;.;;;;;;! !..:::: -3
.::;. ................. I.- ...... :. : ".!. :::;;;;. 11,
..... ... I...... .... ll.....:M::. .:.: .;;;;;; ;;. ... .:. 1. .:;: I.:: ;: "::::!!.-v ,.,! v : !:.,:: t: v: I ... 11 I .. --H. M i-,.M. MM i H i ...... :!.:.-::;;;;..::--
., .. .::;.:.::: ............... .; ..:,---.:: ; :-:: v
:.:;: !::.-:::::-m:! ..;; ............. ........... mmmv ....... ...................... HMMUN-H ....... i; ............... ............. ::.,N,::;.;;.;:":l!M M .*:.::::
in :!.*::;:, ...... ;;.- ................ !!!. .:.:i ............ .mn. ..
ll::: : .:::::.: .:t. =mn -:..!..!:.-:.;;:;.;-.;::::--...:;; !."::":,!.,!!.,!:!!!!:!,!!:..:::!!:!1!11.-::-.:.-.:.:.::-..: ............................. ;::-.--!:.----:,-;;:;:!
!:..:.:..* ..;.;..;;.".,."*.;:;.;;::::....!,:::,::*::::;t..;;:::: ......... I M, ,:::.:,
:!!!:.-::;.:Mt::..::. .!!.. ............ N; .. :: ................. W3..;MN. .:!::,. .... I ...... I --.....
::MW -:::::::::..!!::.:-.:.2.'.'!-'."ii-.i'. -::n::.-:::;;.;;;;-.;- .. ......................
;:;;:;;l:.l.lNl:; ;;;. .:. .:::;;;;.::i:::.-: ...- .................. ........... ..... : : .::. ::!!!:::::;....::..::,.::.::!,..!I "' -1 I-
I... .......... i . ;I.N.I.H.I.M.- ....... I ............ ...
m .i!m!.- H; ................................. N .l.. I .:::: .... : V..1. m 11 .;:;:,
M= .!!!:=!. i!, .3 ... I .......
,:::, 2=1 =1 l::;;:Nll MM Migmnl 11 ;m"
... A.....-MU .MN. .ii. .;.
M ....., ......... : --%.;;n.::M M.:;.;;;. .... ........... I., -..
,!.,:::::::.::.:;:.,:!ti..:.,.;;;.,.;;;;;;;;;;;;;;;;;,.;;;,.;;;;,.;;l.;;;:,.:.!!"'I .... ....... !::::.;;;l.;.:::::".::::.l!!M ............ I !:.!!
I =n-MUMMIM. 1; ;N;.l.*.;l.l ... I ... ;.;;..:!!!!!!!.,!.,!:.,::;,.,.;:::.,!!!.'!!!..:.: !t:. .
....... ..... :. vm. .MUMMMMM.N. .:!m!!!.-.:;..Hc.-:... ;! .
N.M.Mit. ........... ::.:.:;.; ... :-- ............ I ... ; ....... ;--%!,n;::;;
i-:.-,-:::;-.,-:.:!!:..:::..-!....!.- -i::!:--:!l:.::.:: ...... ::::::..:::;,.:;:.:::-::::;";,..;;;;;; I r M"HiNI
.... ............ .... I .......... .... M. n M.M.I. ...... ;. .; 1-
:;:,;::::::.!!!-!!:i::,.*.::l...:: ... ::= .;;;m;M.l!::N M:3:1.11 I INIM.I.M.11 ............ !!!!..:!:.",.,.,.!:...:-.-:::...!i M.. .M.'UNUM ... .... ............
... ................. ::::.-:-.;; ........ ----. -t-Hinump .... I ....... it. ..... ::.;:::i=!!!::
..n .. ..:it!::. .lVW:. ..,:% ,::...,..!.n..-
;;;;;:::::,::i::::::!!!!!!,!,:. it ...................... a .... L Ml -=:::il I..:::-.!..! !-..;;.;;;-..I-:..!!!....,.;:-.,;;;;;;; ,"N ....... ............. 1---::-..;-..-: ....... ;;;;.; ...... ...............
.. mmmm .:::::. -.:::.---::.:- -..:::;; tifl ... i"......
:::!.:!::,:":.::.::!!!.!::..4.:.:- i.-!.*.'.-..i!.,.!".;;...ii'--'--"'I ..... ... it .
.... I ...... : ............. N ... :. "" f .... ....... -*' ::: ............ I .......... ..... :! "
M a .! ...... ........................ .. .::..;;. 4N. IN ... ....... -- .:!'
:- :1.1 ... --, ... ,::-.=:=:l ... I-V!V!,::;:. --
... ; ,:::;::I.i:...:.,.,!:*::,:;;:;;:.*,::..,.I :-!*,;I-,. EMM"N.-MUNEM" -- -.- -.;;; ...... mit -:.-.,.-.-.-.-:.-..:,:]!!::.!..!..:::;-.; HN MIMMIM ........ M....HHHMI ......... ..........
:!:::..:= .. M. ..::nm. .; ... !. mm
11 ,;;..:"!!::t..;:;.:.!!!:::;:;-.;.;.;;;;;;;;.; ................... .. ... .............. .;;i: :: !:
W -- -!..:.-::.::.::-::!!!!.:-.:;::.:!!!!.:i..: NNIMNUUNNUN w". NN .;;.t,:t.Wm .- : .!:!.- ': Itm ...... -
:;. I 11 ":l:::..:MM ... ...
... it =M-M. "m N ;;;;; ; ;;; .Mli 21: a:..;;NtN.-:.::; un ';-!-!!!!!!!....::.,:I!!!!,!!!.,!!::: ............ ......... -... .
!.....l;;;;;..::l!.l!:::.:.m .;;.:::::N" .::."2!!!!!,.":.,::,::";::,."!.:,-,:..." IMUM N ... :.;::::,: .... I ................. : I.M.: MU-* I ....... 11*111;";;.;;;;;;.;.,.;;*.al; I
I ...... I-i ..... I ..... I. -mn ... ;;;;;;.;::.::.-.:;:.: ........ MMN : .... ............ ...., ........
::-i:::.::M::,-::.::.-:.; .... : ...... :i. I ...... M. N .:W:M!!.,!,::W' .M. ,
.....".... ...... .......... v. 7-M.-M .......... .: ..................................... .
.. ..... I ... I ....... n .. -MI-M NM!"... '! M "N' -M. M. = -;.
M.. .- ........... ; -.!!..;;;;. .M.. INI.M.M.N.H. mv!! ... M. IIIH .. .. ................... I ...... ,
- ...... ... ... I ...... 11.1 ,*:::;;;:::!!!:!!!!!.:,.::..!..!::!!. : .. Imn, ,Mitl I" IM Im .. ml V = -iM... N"M NM
.;;;.; ...... ;w.v:!:%
,i:;;.;M:i:!.--: ...... .................................. ...... ....... :.:..-.-.;::.-.-.i;:;;;;;.;..::-:-:.-::.-:;.-;;.;:::
I:=;:N;;;:'l:;;.;;;,.;; ,;.;;;;;;;;;:*.;.;;,.,.:,.::::!!:::,.,:.-.-::.;::.:: nm--mv :..-- :.:-.:.-:-.:,%!!!!!!!..::;.;:;;-.-.-...:.;;-.;;,.;,.,.;:.;:: ............. : ...". ll-l-.l:.M:N-::". ..
.;:;;;V:V!!M:_. IW A! ...... :"j;. W ;-t i-. :. ;::r !:.:: ......... .. .:: ............ 5.1 ..... :11 ...... v. .:. -M. .:::!.:..
..!. --:::;;.;;;;-.;;;-.;.!!-.-.-:::-.
...... :.1 : .. -:-i;::;'!,:. .:::-
.;; ....... ... .. ... I-., 1.11 -L;. ,;:; AM. At.; iz- :.: m; .. ...... =.-:-.-!.-.:.l.:.mMl;..;.; ........... :;;.;.;;;;;,..:;,...::.::":..!!i.!.,.:::.::::...!.,:!:
---!:-.-:V::!:!!!!e' ... I.- ..., .... .. :.;, -.. I ... ....=mmum. .
;:: ...... .... -.1%, .. -.- .... .. .... maur ........ ::-.--:::::.-.-.::--.:::.::!-!..:.-::.:::.,.. .-
....... .... A ..
.1 ... :.. ... A ;;;;; I.V ;;;.* M;ll .1.3, w : ... ..... I ... I ....- ... .! m "" '! 'iFA- AM, ii'...' l:-!-!!:i-;,-;;
; -.!-. !- N .:! ,!!!!' .-N, ."!,!!!E.::*..,.;;,.;:,:::i:.;.:-...-..-.;;ill!!:: .... M.- ... I.- ....... I ......... ... .1 ... !!!!
- ... ... .7 .... ... .... ...... ....... I .... I.- I -:m-:m!m-.-n.
...! V, ... ,: .:!:it,:;, n".=1 l:-!!::::::;: ....
-;;;;ll z :::. .. -, "" ,,,,,, ": : 1" :. 1. -,-MIU I !;:. I.Ml "M.:3.1 ......... :::. I .!ll:::. .N.
::;- 1",:;- j.;;..,.!!!!-::l: ..... 1.11 I., ........... I. i*-.:. -,;;:--:;; .. IN, :.: !, 1:3 Put .N.M. .......... ...... ...... ................. .... I--.. --
:!::..:..::::..:::.;.::.,:!.:...:::..:::.::.:.-.-.-;:;.;;::. .. ..... 'E. '. : ........... I ........... I ... I ....... I ....... I ...... I-
"Im.; .: .-i:lN;.:: I.:M;;;;".;;;-.:R.HH. -UHHH."! ...........
IM! ... :.;::!I!.,!.,!!:!,.,:::::.,.!!!::!:!!-.-::.:..-.:.- : ::::,.,.:::::*::.:::...!!!!!::.: ... ;;;;v;;;;;.:;;.;;;;
,:::!::i::;:::::::.I.;:;:,::.:; 11 *1 .. -::::;.:::, -.2i'll I ... I .............. ; ;.:..:.,:::;;,.:. .!..-:---I--:::.-:-
:;;:::. ;;;:..:.-"..:::::::::,.:..:::: Mi. .!. .. .. ..... nnnnn. ... ... E. M.H. i
:t:i:,..!::!.:..!.!t::.;.;.-!l.-!!.::;;;.;;;.i;-.-.;.;;;.;.;;;-.;.;;.,.;" .;;;;:,.,.!:!!!!!,.":,..,..:!!!!!::,:." .;:;,.: ........ .. 1.i;..:;;;;.:::!!!*.,::::;::;;:.:"!,:::,:.,:!!!!!!!!!-
-.;;;.- ..... ;.- ...................................... !,::..::-, -- ......... .M.- ....... .::;:. l;;.l.M..;..l;;;;l.;l." .;w.: ................. ................ ....... ;
....:::::M:::::::. MM =Nn"........... ........ I ... 1.
.. ..%.;.;:::.. :.;. .1 ... I ...... MM:-:-;;;--:-l ..... .. .. .. ...... .. i .......................... I-- !!.-!.,:"!:::::.:;;:;.,:::::!:!::,.:.
.:,.;;;::::::.M ,.It::;;." .::::!...::_--::::;:.!!!!!!!.:; I.:::; .......... MMMM..... .......... I .,.,,l..q,;:.i .... :.l.g.. -.;;.;!;:;;l.;;;m .1.t:;:.;;.;::M ..
.......... : ... N.M...-Mm.n. :...!.f:::..:.:2 .Mml !! .. ..............
-......., .................... ........ I ... I ........... ... ":.Nm ':i,: ........ ... .......................................... -
;:. .N. ............. Nnm ...................... I ...... m
;;;;;;;;;;;".:.;;;;;:,.,:!:..!!!,.":.,::::.;;;:i::,::::,.,..,!.,.:.,:!..!::::.::::!t::::::.:!!!!:..; ............ .... I ....... ;. '! MR,
N. ...N.s. ..'V -IMEM-Hi. ...................
:::! Inn, !::::n"; "..,:::Z::.:.:,.::.::;::"...... .................... --l- ........ ,, ,! ..--;-!i:,-, ,...: *::;;;;t;..:: ...... M.N.N.1
...H.-H.H.- ........... ..a::7 .... ..y.q;.- ....
1-:-a-1.1 ... I .... -.1 ... I ...... .... ....... :!::::.--l.-::: ;;.".M-i-,;, :;;-.-.:- .-!: .;; :.;, ... .11 1.11 ... ..., ... ............... -... -::=.l.l:!:!"::.:::::--;"
-!!!!!? .;;; ,;-.: ...... .. .... : .1 ... l-!!!!!:::;:;..l ............. ii, ;;!;. N,
:::,: .12.1: lit: I!, I .... :."::::!!!::!..:..:!:::,:;.:;:::,!.:!: i_::..:!!!. :"a ,v!r .- .. ::ttl.; ...........................
.. 4 ", I,= "'W V, ... m!!!!!-
A.. .'!! ::t ."... ".. .. I I I I *1--M-!:::::::::l
-....::-.l-- ......... :::::::.I..::.....:..!...,.:...!. .: ...... NV .,.N'H.NV *.;; ,.:::.::::r 3:1 ..-V ... ..., .. ... ..... -.- ...." ,:' ;. ";.. ..


.. .
.. .L.,I.
..i-
..;;.,;i.. .
:;;;;;;;;i;;;f.l:!!M:::.;;;;; ': ....., I.- Al .. ". I ...... Nmn.m.- ............ -
V, :, m, ::,- .::.:- I. ., -1 ... ....... !.:.::l::,.,.:;.":l:!.:.::;;::..::*.;";;;;i;



.; ..... .... .....
i;::,::,!:,..!..::,:I:i!.----!:: ...... M. -=1 l.--M..-..--:;iNM,-;; .; it ..... .. ... ... ". ... .' .......
...... ..%:= .;;;.::!!. ..... lu .. .. ........... "... ... I .. ..... ... .... ..". ............... f!!...
1W, I 11 !! v !:. g.....



...... 0
:n :!:: .;.;;;.::il:: :::I-,!!!M M-M.-!! ::: V., : !M1.111 ........ ..... I'll. !:::::::::
...... m, ,", :;;;;.;;;:l.;::l:-!:.*..;;.. .;-. A, !!...:::::::!!!!'!!!'.!:....!::.;.
:;:.::::-.;;;::-.::::!!!::,..;;;.;:!. I ...;;:;;ig.;;.:.,;"..;;;;;;.;:;.Z. ....................... a... .. E.
-, -*;.;;:::, I 1.M:l::;:N:l I., MMI., -.I!.,-,.- I t"' ::::-- l;::::M!!;! ..... ii;;H:
:.- ....... ........ ........ !!!,..:..::.:::-:;- .i:::.:.::M.. -MM.N...., :;:* INMIN:l -1.1. mi. .N. M. .: I. ..... ..=:::::N .....,nn,
.:::!!:. .N. .:,::!!!!. .. ....... M. 2:11:111111 ....................... ..
::,- ..... I .................................. ........ ....... Mill.a.; M. I. -:;;i;;.:;i!::!..:;:;;;
.;,.,!::;.!i*.*..;!,-..,.!:.,:;'.!!!;!...::::..:......: .................. ; ;,.;:^.:.,: ..... I ............. I .. MMUM"ll
::!..:".:.,:!..!:::-::::::C;;..::!i!!: ;. --::- -:::., -::- 'tu"..'mIll" ---- ................... u...... .......................... I ............ i 1 'lil .... I .... ::::::.!!!V:.
:-.;.;:.:,..,.;;:;;;;;..,.,.:.!:!:.::.::;; vin .................. !.-lN%:::":,-" ............ ........... :-=N ;::,:::!:V!::,..:l.3;l.ll..-l --;;.:.-.-.,:.--,.-::::::::.;::::-::.:.!!!:!.,
EMMMUMN!". U. I.M. ... M-1 .-..;; ;; N I
"'" I I H.MM M. ; NNUM
11 11 "....., I.::,i.::-!-::...:-i.--:.:..;;:z:: .--.-:.: : ;;; ........... a.H.H., ....... t7`2KKMlr -iii`-MiM -":
:-- -;N;- .. -- ---.::.-!:!-- -:::: -::-: -g:.:;; ........... .... i ...... v., ., v M. H .... F. ... I .........
.n.i.iim I 1:2. I -,., -
i. ..::. .:,::.:::::.::..::::! ... ..:!. ;. :-w!:::;;N1.1::!!!!!.. ..
;; ,!. ...g. .:. ..: ::` K !I! I., 11 11 .:;.
-1 .. ..:.:;:;::...!,!..:;..;;;.;;;;;;;;,;::.;;*.;.;.;;;:".;.;;.".:.,:,!!!!!!.:::Ii.I.;; -:;.;;;;;-.:- .. ..... 1 .. -
.... ..... ; ::::.:::: ... I ............................... .. :I- -r- .:; ....... *.ii:1N:.:;!-l!!-
.::.:._:.. 7 ... 11U..4;ull*,
.::::;.-:.:-n!m-t.:-. ;-;----::.-:l,:-l.-J ,--, =tl;:!!!!*::;;;;;;".:::
I= M..... .................. I ................. I ......... .. ---!.---.-!:m::::-:.:
::::;.i.;:.....::::::....!...!!!!!!!!!!.-:,::. %
.;- ...... it ...... Mvmvip! ........ t... ... MON: .... ; ..... i ....... .. ai;..;;.::;;;;.:.*.;";;;.,.;;I;;;;;..;;;;;,..:.:.:i::::.::;;:.;; ...... I ............ I. ,l!!'.!,.,!!,:.::.:::,;:;..::::!:
;*l;:;:l.::..-:.!:M:l.:3 .*.:-.-:l.-v:;;;;;;;:;;..;. :
I ........ I ..................................f :!..::....:::.:::::::::::.!!..::::.;:;:;;!'.i;iiiii" ;!i!-.i.'..ii;i:.41.;;;.;;::::-:.: ..................... ; .......... .....................
::..I!te!:-:-:..!!!:!!:::;*.;:;;;.,.;.; .. .............
:::;i;;*.*.;.;;;,.;:::::!:..Ii".::;:.:,.:;".,.:;.,;.;.,.Z.:!!11::::.,.::::-:-::....;.;;*.:".!!:.;:;. .M l ........ .... I .N:::Wi.m
!!! .................... --i ... ;;:;.-.;-.;;-.;;;;.-.::z:-:..!,::;;;.;;;;::,:,:.:.%,!!.,!,.,.,.,:...!":::.,!:!!."."",!!!!!!!!*!-.-,--!!!:,.;;..::.,..!!!!!!.:::C. ... ............. M.
1; ..... ...... :::::::.-M-M;;;tN;M .:;,.;:.,.;;; Mm" M 1:1 "NMN ;;;; ;l.. ,:;:: ::...: W!!!m!!-.-!.:::l.: .............
:l.::::;;;;..;;;;;;;l." -1113 .l.;. I.:.;,. n N .m. MR. M. M.! .... M..
;" .::i:::::::::! m :!!:!!"::::,..;l-.!!!.-:::::;;;;::5.!.!.. :.--.:.::..:.;!;;.::!!:::*.;;;ii;;.:.,.,::*.::;:::::
-- --._r 11 NUMIUM In!" 11 I ..M. N. .:!!!!!!!!!!!!!,!!![.:::..!.!!!!.-!!.- :: ...................... -0
.... !::!:!:::-;::. I ;Mli ::.;;;i-l::l l:N:N!i:::.l: I -.;- amilim: .... ......................... :
-- ....... I.-M ......... Mi:;:; ... ... IMN.I.l .. Mm. V ... :W ,:;::.,!.,!!!!...,::::.Z.:.,:!!!.,!::.;:;;;:::::::;:;;;:,.:::.,F..:,... l:.".::::* l!!!!!!!!!-:::::.:.l.
.............. I ........ .=....n= ................. ;l.;;::i!:l=
:.;;;;;;.;;;:::,!!!!.,!:.,::,.;..".::!.,!:,:!!:..;l:.:.!!!!!,.:!!:.-.-::.:.-.-!!!: .............. :1. .;. .1.
I-t:::!!t!!!!:!:::::::::!!!!!!::!::.:::! - ... ;..". ..... .. 1- II.I.:,;;,:...;;;;;;;;7.:!.,.,:Iz!;;;;*.:."!!""*,!:"!,;;,."",..!",,::::,:i!.,:;.: ...M.Hii-E! .... 1. .. .. -.R ........................... g
;::,%,:T^V:,! Ull -11111 ... .......... ..... .... .......... .. .... ;:: -; I- 11 "'" N.M."i, ..............
;;;i;;;,.:::.;;;;;;;;::;;:;:;,.,.,.:!!!!!,!I .tl 6-.t;;:::;,:l.A-.,::.,;. -- ..:;..;-- y;;,l,.;m:-- -- ---.:...T; N j ... *....M.M.- M ....... ,:::::.*..!!!!!,:!!,..,!!.!::.::!I ...............
!:::;:,.:"!.,!:..:.-::::..::::;:::.:::::::.,::.:;; ...:-,: :Fn!.:..:.:!!,. .. pm;.! !!. ,-.11-..;-.:=.--! ,!!,:.:-..::::..!.!..-::;;;;;..;:::::..-;;;.-.:...:;;;;;..i....-:.-::.I...:!
I ........ ;; ....... ............... ....... li .::::..,.;: ... ;:,.:: .... ....... .... :1-!l:.:-l!!:q.!!,--!:_.. .. -, .1.1- 1. : '!!!:N:HW:l:;::;;:"::l.i: ..... ............... ...............
.. ....!,::::.,:.".:,.;::::::.,:..!!!..::: ... ... .... :... --. I ".;.,.;;:::.:::::.;;:::::::-:-!!!!!!;,....:. -:!n=;.;-::.-! !-.::.;;;;;;;;;:;:
:.. .. .:!,::..::. :
- -.1.11.1.1 ....... : .... ...... ........ ..." ..... I-- --;--;;;;;.;;::!.!....:::::;;:..:..: .:H-M:::l":::!:l.:;:..::.
.:..;;; ........... ..............
...... ... I ..... I ... ..... 1. .. .:!!!.,::-. -.-::!!!!,:i
l:;:!l::N ::::.::V:: MM:::::;;;:_-: -!!.::.:;;,.;;;;;;;;;;;;;;;..;;;;,.;;;:"..;;:;;;*.::1 ...:!!!!!..:.::::.!.!!!!:i:.i-.; ...... M .!'ii';Iiii';i;i'-.ii-',i..i-..-I. .....:.::::::. ..m. ...
- *;;;;;;;;;;;::l "M .;;;.l:::,::!!:!.:::.:::!,!,!:!:..:::,.:,:.::::::::!.:.::::. .. 11 l!:n:-.i--::::..:
:; ::::::. ..!::. ; ",.;.::.!!!!!!:::*Iii::;;.;::.:,.:::.,:::.:,!.,:,:""..--..-!--C..;,.I.I..:::.:.."!!!!. .*..".*.;;.;;;;;;;;;;;..:,...!::*::.,::::;:
,!.,:,:;..;.:::::!.,.".,!::::.:.:::!!."::;:;;;,.,.: ... ::.::::,.;.:: ............................... M.- ..::::. ;N.Mma;.: ............. ..... Z..:.:i;;;;.,..:.,.!,.,:.,.!!!'I ....
;;;;;i i ;;;;;;;:;;;;;;:::*:!!.,::,.;:*:,:,:.::.I ........ 11 ....... !!t!!.!:;::!I!!.!.:!!..:I.::::.. .:.. .::::;":,.:..: ;
... ........... I .... .......;;Nn" .:::.::3l.. ::.,::"."!,:,.":".*!:!!!!!!!!!!!!!!!!!.,!.:;.::.:!!!!!!!:,!;.-.;..-..; ... i.!.:...-.:.-.-:,-.::.-:!!:::.:::;;::.!!!.::.,!:,:.,:.::".,..'..,.;.I;.:::.*:::::".;;:;;;
,u m;;;i;61.1.NM.-l-;.;: ........ I ... I ............ ............
I ...... ;; ..., ... I .... I ...... I ... I. .... :. ...;::::;:.::
F .... I ........... I ........ .... .: ...
I --------------- isiiimm;;;,.; ... ;;::.;;.::,::M-- .... :!!P,:::;:-.r.;.::-::.:.-::!!!,,:,::. .:;:;.
:..: :!.INMNMMINI MINN ............... .::.,.,:.,l:::::,..:::!:.I."!:::::,*MlI -I'll,", .::-::: .......... ........... 1-1-
::l:!!.!::t::-::!::-:::..:!!!!!!..::.:.; ........ ; .... MMU.I.E.I.. ;;;;:::l.!M!:N::A::: "IIIIIIIIIi-R....2 MUHME HM: ............ ............ :..:: ............ m ................ ;.;;;;;;:;:--.-:;;iDm;;;:;z, ,. wvvm-l :.-.-:%.I:::::!:!!!!!.::;;-..:.:: ............. ;;:;:;-.::.::-.-.-::-:......:.::!:!!:
.. ; .:Z.:. ... MI'M M. .............. ;::;::.!!!..!:::t::-.:-.;-.;;:m:-
;:: 1:1 ,:!::: t;;:;;::!::::::.l ............................. :!..:..,::::::::.::::.!!! mmnn. - -::..!. -:!::;;;;;;;:::.::;;;;;;:
!."."!!::::.::.::::,--:::::-.;!::::.. :.-.:.::.::--!--. .:! ........ ..... I ......... I .... n mm :.:.:,--. .!!m ............................ mnw.
.;;;::f:m!!!!::;;::: .............. m N.-MIMIMMIMM .3l.::,..".,!,.,:;.;;;!;;;-.:-!!....;-.;-. ..,.;;;..;.;;;".*.-.;,.;;;;;;;;;,..;;;,;" .;:.,:!!.,!.::!:,::::;,;;*.:.::::.::.,-:;,.;
................." m mm: -::.., .... .. ... .
.;::Nll.l.ll:::::!: ..................... N."ll!"". : -.-.:;:::*:.O!!!m. .. .1. ....
.";:;;;;;;.,.;.;;;::,:;-;:..:.!!..I .................. :. mn- ...::- :..:.::::;..:.;:;:.;.;;-.;;;;-.-. mm itt-mnuiniin! p m;
.... 11, ........... !. 1. ... 1. I:"! im! !,! it M:: tvan! !!! 1: :!:I.;;;t;,.;:.,::."..:;" ..:;:.:..;:: .. it :I ...................... S. .... I ....... .. .. I m mm. ,mmmim -
... ---..;;;.l:v::!!! !!!! ....... !!!!::.::;;I;.;;...,.:..:::,;:::* ...................... ..... Mi!
.:-...... '"; i ... ,T7. M!,im ..,;.;:,- -:-:.. .; 11- -;-!,.-.;.,:!!:.-:;::..i.:::;-.-!!!!!....;..
.:;:::;;;;i;;;;;;;;;;;;;".:.;,;:; ;;;;i;-!:!::::l!V:ll- 1111-11. --- ......... -, !!! ., M.;P10:l,!i. E.Mm m
-;i6-!;!- i--'N;';.!MMH-;F ... .... ....
=:.::M- I'm ........................... :.:--..-.-. --.- M-,.;; 1. -1-1. All ..................... .... I ..... I ........... .
.. -..-:. .;;;;. IM .M. 11 .!4'!.A. i.;;.*.;.t-..,..,;;.'.-,i:.,it ;-!!%;..;: ... ;. M ...;.I;;.i.;i;;;.;.::".;.::"::,:"[:,.:::.,:::::;:.:.,.:::.*:..!.::,.; :;;:,--.:
.. .:l-!::--:.":::. 2M.-M. MI .;;;:,.. .N.M. .I.N., .. .m. .: ............ ;:EM-HE ...... ..... M. .M. .
.... -.1 ..................... M ml I.-*,.,:: "Im ........ ................... ....." ........... vn= ': ,Ml= .. -,-i;-!:. --:;;
.... :M:-::n=-: ..It!,! -t;: ....... -.1.11 I ... m .................... .........
:;; ..MM ... 1:3 ::.::::!!-...l :. M.:. ....;".,.."...ii,'i;;;i,;;;;-_; ;'.,.',;;i'.;!1!- ..... ... SN:::..;.::-!!!-.: ... M-EM.".H.N.H. mamum .. ng ....
c ................ -- ... ----........-ii ,-... .1-1 .. .!l!!!!l!7-V: :!l:l!:!!!!.-.:; IMM.Ml I:::,.!:. nm...
1. .;;. .M. ;; N Z;: m,!W,:,:,: umn:: t -M,.,,;.::::: i t V:.:;:::..:::;:;:: 2. RUN.N.:nm ;:;; *.;.;;.;. IM; I." .:;.;.;;;*..*.::,!:,.::,::.,:::;;.i!!. .. .:"::::I.:. Mm ma
:..:::.::..::. ----!!,-`.--N:::i::::::t: ... !!! ....... .... m-;-.;mm;-;-H:-;-;-;l; ... ;, -:;-i
::-:.--:!:-;.-::-:i.-q-H .'.-MEME .. .: ...... ::::..::::-.;..;;;.-.;; .. .. ..................................................... ....M---:;::;.; .............. 11
-, .... ... ....... 11.1 ....... n ... .:::. ..........N.-m .H.M.-mm.-HiM.N." ..;t:::.l!!! ....... ...... ..
... it ... im. ...............
.::n:::m!!:::--.-l::::::. .!!!!!.:::::I..:::.::!!:.-:::;.;-.::!! 'Vii-,
:;;;..... ....... I.:. .!:::. ..: ... ..... !,!!!!..::.,.:*:!!.!!!!..:,.,.,.,".- :igmm:
..... ... ; ,il ........ M ....... .: ....... I ............ .... .......... ;..
......................... :l-:,::::::::;::;;: ... M...M.N.
...... I...;.;.:.;.I;;;;;;t::.*.:;;.;.:.,!...!:.I ... ItUmn ........ ::::.::::t...!..!...!.!..!.:::-.;::..!!!.-!.-..--::::: .. .........
.. .: ......... ...."NI -n!.!::::;;.::: In- ::.:;; ;;;;;;.l.M::NS;.ll:M:: NIN MI: t VNIN : MMM. m.n. .. M...... .. ........ IM --,
i.;;;:.:::.;.;.;;;;".:-I-!!::.::;.;;;;.::::::.:: ............................... :::::::Rl.:H:.:: ::-.:.-;:
::- "I"!nn I.::, *::, 1: .-!!!::: ::.,:::::;;::,;::-:M M-::,..!:,:.-:m::; ".;;;.;-..-!!!::.;:;;.:;; ;;:.;; ................. .......
... .......... :.... .1.1 ....... I..... ......... :::::. .::;;;:.:= .:::;;;
11.11 .... I ....................................................... ..;..;; ....... ::.:;;;;;-::::. .:. .-M;;;,.;::.
!::t::_.:V .................... ;.;;;;;;;- ;!.::;;;.;i;:.--.--.::::.-:....!.!!!!!!!!!.-!::::.-!.!:..!.-.-:.-t:::::.-..:::!.!: ................... ----------!!..!!...:;-.:;;-.;.::-:::.:I::::,-
.;;;-..:;l." .;.,;;;" ...:*..;;;;.;.;:,!!.,!.,::,.",::.;;"; I ....... nnm ...... M" .;I;,.;;" ..:::!V!. .1.1 ......................... ---.
..---::;-.i'.-i'.i!;ii.;;.-i i:.-.-!!!..!!!!;:.::!.-..!!!-.:.-:.-:.-::.:.::-.:;:-:::::--::.;..:;:-.;.:;.;;-. .:;;:;;;.,:,.::::,.:.::I.:;;;;..:::,.::::::"::.,:,,!!!."'I
l-:i:::.--l: !!!! I :,:::;;; ; : =l::::.:: IMM, :::!::::::I Mi::::N.,::::: ....... M,.,i::;::;;;:::::,!,W:::: z:-::.--:::i::::.;-:-...;.--..:::::::..;.::;.;;::.;;,.;;;[;;;;.m.:.--::-:-;.;
;;;;;;;;:,. 1 : ... !i:::N::::--- ,nn .:.. -::;::;..ii".!!.!"-.!!!.-,.-,;,.,..i";.i:i;!!.R ......... ............... --- N.I...- ....... I ...... I-- ... ;
...; ............ .... ......... !::::. ..,nnnn ..;;:;::!:M-:l .4tiM.......... .... I ........ Mm !..:!::n.... .-
.q:-.:::::.-!!.-:;;;;; ............. :!:. WIRIMM::: ............ ::,.::, ..!:::.:::::::l.-.: .
.!i!::::M M .::::..-!= ;:;;;;:-:M..: MNIMI VMM.
.N".;;;;;;; ........... .- ...... .............. ."!!i!.!i!..ij!. .
.i;Nl- .131 .it. !!!!!!!!!
!::t-::.::.l:";-:::!- .. I I I 7-7i.;-.: ...... ;....!;t..-..-!!:!!!:,:::,..;;;;::,:::.::::.,:!,.I ............ 13- ......... --
:: .... w .............. .,:.!..;.::..!!!::::ii.i:::-.;.;.:-.:::::..:!.:.;--.:.,:..-.!i;.::-;;.; -111! !!t .Zl 11 I 11 'i..'..:i.ij.,:.,i.L....;;;...',il-...- .l.l!:l.l!l:::N::!.l.M: -.!- ................. -l::::::.::;
..
;;:l:l::l::: ............. ................. : .................................. "M l:.:;;;.;;!V:l ... =;;.;;;;;;;;..::::!l:i::;l.* ....... ::::
-!..!!::-..5i:!!!!!!::;;:;;;;:...- -;- -:::;;;;;..: MIMMMV:. N. =:1.1.1 ................... T--;j!,!---_.'r-;%.;" M .;;.;;;.;.l.::;.;;;..:Ii ................. I ... o .... .. ::.
:;;;,..:!!!!.-:. .. mm mmm:. .- .... ...... I., ::- .. 1 ; ;..; it, .m: .......... ";::.I.
=; ..
..;I-l ... ... ; ............. I .... .... I ... :. .. mn ." .;::. I.
:.. .::..::tzm,..i;.i:;,!;'-*.- ,.. 11 I
*1111"'. MUNN!MMINMV ,a:, ...*!n:::il:llM:::::!!:-ll '"I'lli" ;i-Ei" I .... !- .
..: .-M ,:;mmv
F"... .. .;::%.::: ... ::.!,::::,...::.:..::::.:-.:..:: ...... ;,.::;::.:.!."I.,:.:::!....:::iiI -!.Im
-- ;::" ..M N: m. '-w:
F...!...::..::.;..,::.:l.:i;:;::.:.::.,;;;:;:;;;;,:,:!.,!.".":::'. ....... :::: ......... I ......... I.- I-, i.l::::::::l 141 .::::: ,::; ... !!!!!!!!!!!!!!!..::::!!!!."!.!:!::t::::::.
....!,!!!!!!.,.!..:..::.,:::!!!- :!::-:::..-..-.-:::::-:.--::.-::::::.:,::.,..:.:.;;;;;;.:!!!....: ... M -.-.-.!::: ............
.I.I.I... ... 11-1.11 ... ...... .::::. ................. .n. .. ::-.:.::.-:-
it. .;;. rif .......!!..:.-::;:;;;:::=:...!.!:,..::.;.::!I ........... ;.H.::::;;;;;;:::; .........................
!l! .......... I ................ .:. .!!!!!!!.I.I.I..::.":!:..:::;;.;;;;:::.:::;;.;.;;:,.;;;;.;;.; .......... it ....... In. .. .: .......................
;i:..!.i:::.:::.",..::;;;;;J;;,.,.;.;;,; ... ;:.::,..:;..:i"!:!!,:.,."::::::;:.;:.:: ............ -..::::.::M.-.- -. .11 ...... I ............... .
I ---- ,::;g;.;;;;.:;;i;;;;;;;;.".;;;;;;;.:.:..!!".::Ii.l.I .................... !:::;..::.:;::- ::::-:::!!::
.::N;:;;l.;;..l ...............
;.;;;:;:::--l::z:.:;.l.::! .......... ::::::..,.,!!:!:..!.-::::--:::-:::Z.-!!!!!:::::.,!!!!-.-."- ............ : it g-
iA!:r::;:;l;; .............. !:..;;.:: ...... M;; ............................. N I.;,.:. : I .......... I ............... .; ... i;t ....... -ir...Ii:....-:-:.:;-.-.;i:.:..-.-:::..::;::::: ........ ;;.;;;.:::.-:-!:-::-.;;
... ....... ;::.::!!....,.:::;:::.:!!!!!!.:.;"'I ............. .....;:j. ................ !!!!!!!It!!!!!:.".;:::::.:!!!!::" .::;:::V!!!:-:m
;:: ... ... :.;.,.;:;;;:::.!!*.,::::;,.;,..;::!!!.-".-,! ....... .................. 11.1MM 1:11I.;.!::!!!!.::!.:!!..:..!.:::::!!!.,!'-'2,-.,,;;;;;.-.;;-.;;;;;;;..;;-.:.;;:;.:.!!!!.!:::.-::;t-::
.!!,!:::::;:.::,.:!!!!!!!,::::::.:!..!..::::;;;.:; M .:::;;;;;;;;;M .;;;,..;:,.;;;;;;;;;*.;;;;;;.":.*:..!.::'I .. ...... !- .I.M"..
lM--!!v!!!:-:::::.-m!!!:-: ... ;-.;-.:.-.::.::...;q::::;;;;.::;i-.:!::..!!: ::.l:::.! ..... !:.. ,;;:..::.::!.-::::;:::::-.
:;:;;;;;;;;;:.:;.ii.m::-mn ........ ...,..!...:;;;;;;;::t...-!!!!!::::::;:!:":!:..-.:::::-:::-., .. M.....= .. ..::.
::-,!::,....:;;;:;.-::.-..!!!..:C:.-:.:.-.::--i-. .. .. --.M .. ..... g -..::--:-:. -..:;:;;i:,::-.,.:;,:[::,:!!.,.,!.,.!I..!.,!!!!:
-:!n::::-=.., .::!!m :.-N3.:l.l!!M:":.;; ............... ... ..................... .. .:;:;::::::; .. ..!!!.!. ;. ,q
.- ... .:::::::-:: ... .. 'E. "'i.,!.,!".Ii.,.,.-Iii:li!.''".Iiiiiii..ii.'-.i" EM""m Nii-mimumn mm ... :l-:::::l .......... ...
I,:.;:,:.., it I MMNI lp m -.-.-w Ml .-I.M.NN: ME. i ii. H.H. .. ..... 1- ................... it ............... ..I... .:::.:.:.::,.::::!!.!:::;:::..Z;..".:.;;;;;.;U;;
-1 ... ..............
MM!, .!l!:::::::::-::. I ............ .M.
,:::::zt...::-::..!.-::.;.;::!- ;-;;.,;..,- ... ....... nn.-mam.: %:::. ... ... .-::.-.-...:N ............................. :!M.::..;;;;;l--
...................... !!....:::-..;:::..;i;:;;.;-..-.--:.-.:::--.;-.-.;;.::.::"". ..
.............. I ............. .i,.,.;;*.;,.;;;;;.:.*.'!!!!,.:.,:".!:, ......... I ...... :lN::-:-::::::--:.-:-.:::
I'. :11.11.1 :l.:".;;.t.;..ol =IV.1.1 it I.i.!"!...:...i..:.!,-!!:::--:-..:!:.--:--:-:::: ...................... ... ... M... .: ........................ .
I ........ I::::- V;;;.;;ffim-:-l *::.;..;;:::!l
;. 7 '17MI, O ,!::, 211: .". 1. N -:..n. T.
:,!;!;;,::::.:::.:!!:!!!.::,.:,.:.... -.,-; .......... -.- .,.,.-.,.-l ....... ....... ,,:.;;;. ... -- ...... ::".:.,::. .M:= ::l.:::: ..M. .
....'TT-51-Ini! ............................... :::.
............. ............I.... ........ -1--- ........ ..." .;m .. .....!m::::::::::::::.-!!:
.i...-!!c- -. --.,. .. ..............1 ....... :. .,!:::,*, "' ... -;;;;.;-..;;:
:;;;;;;;;.;;;;;;;;;;;:;:i.-!!!:::.:-...:.:;;::::::.I::....!..::::.!;i. .. M.MMM.- ,
.: .. !;!;.!;..;;-.;-.;;;.;;;;;;.;.;;;;-.;;-.:-.:-.;;;;;: ....... .. ........ ;;;;;;;. ..;;;;;.
..i!..l_ .. '11V :::!.l:M, M! "' 'H ... -, .;;;;:;. .:..::::.:,
:I l!:!.l:::.:::z::.l.;;i: ::::-::M.; ,.;.::;;;.:.";,.*.;;;;;;:::,!!..":..:.".".. I ... -.1 .......... tmrr ................. MMMEM": ... : .M.N.-M ."..:i*;HH,-!.--.E5 M. *1 M .:.. ..::: .:
............................. !!!. --- .-:." ..:::.;;:;-.;
:".::!:.::;::::!.,!,::::::!,.:::::.. .. ......... ;;;;;;.:;".:;;".;;N.: ......... ...................... ME. _HM!M.M. -M. .:.:.. :.
.. .:.::::. ....... ;:;.::--!v-- 1.-. I 11.11"N=121fl.
::!!!!...:::::::::::!!!!:.::...:.!. .::::::::::M::.l.:.. E A;;iJ-l::::::i:--!! mvmw .. ....... ....... I m...-gm -:.-..:;;.i..:::-.;:.;;.;;;;;;:::!!.!.!...;..; ................
... ; ...... i ... .............. '" ,:::.;;;;t:.::'; .!!.
.::;;l:..:::!l::".::. .1. ,.,m!: .. ... ..... .. .. I ... -11 ....................... ::::::::.
... !-!!m:..:::,-"-!.--.::;;;;;;; ..... l... .: -::::::::::
.-.-!...:::::;.r.::::::.::::::,; H .;l.N3:!l:..:":ll ................... : :.=!..:-:..-..:..:=;;-.;:; .........
:-.;;;;z;;;;.:;:..!.-!!!:::..;;.-.::::::::;:....!!!.:-.!!!!!!-.: ... j.!!-!.-.-.-: m. .nmn
..... ;..; .......... ...:.
";:::::..:.,!,..:,::;::!::-t:::;.;;;;;;... .= ;;.;::;;.: ... ......... ....... imlim F ..... .::.;;;.:: .... .
... :. ............. ::::%l.l::.l::l:.:lll
.... :: M -:!!!!!!:::-.;:-.:!..!t::!...;;;;-.;;.-::!51'!il'..
:M;;;:::.;;;;::,..:!!!..::..!;.-..:!;-.;.;;.:-.:::..:!!.::;:i.-:-:::::::.::..:.- -:-:.--!:-.::::E;-': .... .: .. H.H!Mmmnin: ............... ........ ..... :::; ....
: ;.:::":!M:::::... !:::::..:.!:!;i..!:::::.-::::::.... ........
:1 .... l..:!.!:N.l ..................................................... .. ......... ;l:.-m!:::-.:-:-:.t ............ NN .::.,! *:..::":!:.;;;:;:..",.:!,.....:,.;::: Im.-Mumn-.1
I ......... l.-::-:::--l;.:N.:X:!:::l: I ..............
.. .. Mi; --trIn .. -!- -;:iv- -:::.-:--:::..-::::=::-::::!:.:- ............... -
.: ... I .............. .: ... mmn. .:. .m :-,: .. ........... .... .... ;:::::::::.m.-.
.:l-!-.-:.N:;-:. .;;;;;;;;;;;;.;.;.:;;;;;;;;;;;-.;-.;;;*..;:::*!.-!. ; ............... I .... -:.. :;;;;;:NN,!::-
.;:: ..................... ......... :::::,:,. U..... ........... !:.
;;;:I.I.::::,::...!I..!;;:..!..!...!:::-..i:.-::.!:n!!!tz::::::.:.::::.-:-:::::; .. .............. M.::;;:;.:!,.;. .::.:::!!!:."::;::::!!;!!!::;;;;;:::::-.::.::;;I
.m. .:. ..:::::;.- .:;::: ....................
.. .-::M. ....... .... ;.::MI:,M: i.l:N:::m vtu N: t I:M: :;;
:!:!:.:::;;;:::::::::::-.;;;;:;-.;;:.-;.::;:;; ................... ... -- .. N. --!!.ll:.::Iil;; ... ::: ........ :.:::-::l.:-- ................
.;;.::;:::!!!:;;:::: ............. I. .. ...... it M!-!.!-l:ll- .................................... :!!!:-::;:m..nm M. ........... I ................... MUNMUNNIMM., ...... !=.. .:::;;:;l-"::!:::p,::;-:l:;
I .... I.I....... ...... :::..:::.::::::::::::!!..:..:!:..::::;:.. ; ............... 1. mm -M:!!- --lll-::.-!!P... :!H.i;: I.:;.;;;::: ;.!...:;-.;;..!,.::::....-.:::.W::!!...I:.-::::-.::-.-.::.:-..:.-.--::-.:.I.:.--.-:::::::::.;.;:-.;.:.-!!!!:.:;;;; ....................................
.*Z.:::::.::.:;::::!.:::,.:.:,.;;:-.;;.;;;;;;..;;;,.;;;;;;.;;;;;;;.::....g!:!:.":",::;;;;,.,.::. MM I ....... I-- .... -11 .... ... ..:m..::: ...c.in ............................................................................ ::::-:!!!:
....... I NIM. vn: ...... .................... M ......... ;'-l.::.l.l!!!!!.-.l:::;: .
I.::;;;;;;.:!"::;: .:i!.l:!lV!! !Mmx M.: I I ......................... ::::::::::;... I
... .;.:.-..;;;;;;-..:;!!.-!..:::::;.;;..::...4..:::::.!! !".!!!!!!I!!.:,.!...:.!.---!!!--!..:.,.-::.,.::: ;;.;;;;l.:.!!!!tVl::
"I I -';;;- -::.:..!.! ......................
.. ;L
M. ..:. .::...!!..t!-:;:;;;:-'::-!!.-!.-;;;;;;,;...!::::.:".;*,......i ..... i 1. wa
:.;:;*.,.:.!!:.-!:--..:;;::-.:::,:,".;;;;;;;2- it ..n.-H .-MM ......... I.M. ..!:..:::: ......" .... I ................... :::::::. -
17,1";..;::;,..;'.;;;;I".:!!!":::::::.*.:;;;:.:::::,!..... ii :.. i. I ..M.....1-1- .................. .::.::::::;:.!:
m .. .m!:::;;;; ..............
7:-::::::-:-.:..-:!,!!.-:!.-::::.::.M: ... .m. .ii,.:i.ti-,..;.,!--.:::..!:"".;;";; ............... ;;;;;;;;;.;;;.;;;;";::,!!.!:;!:,::";::.::.::I ... ........... : -.1 .... -...,.
.;;;;;. .!.im!!,Eiiii,;-";i.-',',!::!.,..!!..::!..:::::-_:;.:-.:::..:....::I :;;:::::.;;.:;.. =MMM.N. .;;::::: ........................ ... ...
.::: ; ....................
I .... .............. ............. .................. .. Emanin. ....N. .................. -.......N.M, ........ ; ...... -";;:,
F: ..'.*:: :::::: : :-i!!:-"!l-- -:::::I.::!!!,:,.:!!.,:.:: .::: :,.::::. .: ... .: ...... .:..,::::!,!!*:.;::::...::2!!!!..::;;.:..:!!!!!!.::,..::,.:;:;.;:
.... !:.,.::::.:.;;:::;;;;;;;;;;;.;....!!!!.-:::.;;-.;;.:::::::::-:..!.!:!!:!! ...... m-.;:.:.-!! ....... :: ... :::;:-;::-:::-.::::::;:;: ........................................
: :: : : ::!!:! :;;; ;;;; ; ::".*:-;,.;,."::,:,.:::":..:!i::::!,!:.,.'I ",:..:.::,!!!:.,::.:.:!!!!.,:.l.;::,.,::.,.,!!!!!!::,.;;:;;:: ::!!:.;.;;;;;;::::*.,::.;;",..,"",* ................................... n-M-M 2l: IN.; :-. :t :m ::!LIE!::v
!-!:*:3,N.-:v:l:;l W, ::;::-':! :,::.,:..,;."ii,-.,:,.,.!!!,!!!!!.!.;!;;-.-.;;.;;-.-.;;;;;;;..;;.:::;;:;::.-!!:!:::-:--:::: ... mmuim .... :.,.: ::.!!-I!!-!!!!!!.!...::::",!!!::!..:::..::::.::::::....!!: .... "I-,-,-,. .....
............ 1. .. .. ........ R .- ; .. ....ii .............................. ; ..... ,.;;:;::*=l-
.:..!....:::;::.:-.:-l::;" U.... .. ... ... ":;.::::l.!:!W. .....;
N.N.I., ......... !.,!-.,!,.,!!!...!:::,.::,::::i:,!:::..::::::::..Z. .. .. .. N; ... !..i.i.ii-i .... .... .........................
;;;.;;;;.:;..;;;l ,. 1. : l-!:::l::l::;;;;;;:::::. .... ... M ........................................ ;.Z::z;-;_;-_:--=:;----==!m2 -- 1. ;;;;H,;
..--,.. I.- 1. .. ; .................... ;;;;:: ... ................. ........... ......... ;.;.::::::.:.;;;;i;;
Ill!::M0- ... mmmma...-nnit.... :: .;i;;;!;;;;"-i,;.;;;;;;.::.,:"!,:::.;;,.,.;', ,:;.:::,
... I::..,- _MN -Vl!ll;!`7Mm...!:..:.: :-.::.-;;:--:--..-.. .. .t:!-l::!!M=l:i:.:
.im, ,' ;".;;;;;;;. WN'M ......... .....M .11"IM R ..'r ... ....!V ....... .......N mnv. -:- ";;;;.;;;l
... :111=1:1 --!-.- "R.11 M`,.. ...
... .: : ;;;; ... :Ml._I:M .!!!!::;;;:::::. .:.:;.
' .,;;;;;;.::ll:.-l .,L:. :...:.:".":!,::,:...::....,.,;:::: ,:M'...- !,..';i,!%,.l -.- ; .;: :;:I .I;.,.;:-,:M! UM I.Ni.,M,::.;::,:: I -
!" '. -; ........... ; ............ ....... ....... .----m=zwz-- ------------- ------ ..:,*...".i;!,.":.,;..:..--." .:;:..;:
---!-:::l.:::V ....... `;;;.-;l;;.;M--.;.;:`.,-;. .. .2.
--- -- -0-trr..: :: ...
..... .............. :m ... mim .:: ................................................. m .......... ;;i.;*.-i".;,..,-*,.,ir;i."-I .. .! ................................. I ............
i;;;::.l::M!!- :% .;:::::::;:::.:.-:!!=;;.; ....... ;;;;.;:"",.,.;".;;;:.:;;,.:.;.;;:I IM"71: "i'll;Ir ........ ;-mm ; WRM
::.;:.:::!l::.l:;:; it .. .. R; U .N.; ;:;;..;;.l..M!!::::::::::;
: .......................... I ........ .......... ::7: V, ...".1 ........ ...,.,.",.Z";E'iiii.;;,.i;!!!.;.- ,::::::, ".:Z:::...:t::.:-:::::::,.:::;;z
;;,;;::!*:"":::".;.;..:Z^:.!.!:!.. -::;;;;;;;;;;:;;;,.;;;,..;;;:tl",.,...!:.!!!.F.,!p ... G....-!2!!m:!!!! ..;::::
:, :.:..l;....-! ------ z -- ---- --!ff-l!-.M!!".!!tn-m.. ..::i:. ."
:.l:V!.-!l!!!m:!! I :.-.!-::l::-!!!!!!:::;;:; .......................... I ............ Z;,.-..,.--..;-.----.---.. :...:.;::::; .;;;; ............. :..,.;;,.;::.::.:::":::::,.,.,!:!,'I ..............
...--....
.. ..
................. 11 .. ... -. ..: .:. .!Z::. im; V:;;::*::l.!: .. ,;;.;.;.;*
:.:,.:::::,::,:::::t::,;.;;C:,.:i:::!.,::;.;;:.,:;:.:..:.::.;;::.--.- --mi-,W .;;;iii;ll;i;;;;;;, p., ...... I ... !... :::::::.::-
i:;; : :: :::,!i :: :::::::: :! M-N., ..!:: .. .1.1 ... I .... I-. .. ...... 1. -::m .... M. .
1.1:t":!:,:.t::::!.::::;:.:..!!.:::::. .::....::.::.;.:::.:!..:::.::,;,..-I ................... 11=1 It:: !!!!::::;..- ... ;;: it. ...I= ;;;;:t::::::i.:.: ...........
imn: I -::::!.. -,., !m!!!sx!vr ............. ..!! I .n. =,:
-------- -- --------------- .... .
........; .... I .. ..:E.-!:i-:-iiiii;iiiEi.; -------- 2' !:Tt!!!!!:!:f:=, : ... :.;: ....... I ..... I'
.!!!!!:,:::;;.;;-.-.:--::.:.::;;;;;.:;::::,.,-,-.-.-:::.-.--::;.....!:.--!.-!:;;:,- :!M!:-:!:::,;;;"": .;;;;:..!. M!"33mam- :::.
,;:,:, -n-m:,iinn 331 1*1.;:.!.,:
..:!!. .. .::g:M-.M-:.-:::. ;;;;. .;..;;;;:::.,.,!!!:",:::::::.;;
.:;;:,;:..n .... ,..:.:.:::..:::;;.:;"..:,.*..;:;,.:.:;;;:.;- .3im: ... Iiiiiii-M-maiii: ;;;;;:. M-M"'.
-:::!l=.::::::: .... ::!.::; ....... ......... ;i;;;: ...... .. :. .:=:mm-!!-r!!-:! .... ::;.;;;:., ........................... :!-!.-!!::.N;l.::!!!m .........
;;::;:.; ;i;;i..;:;:;;,.;;..:!!!!.,!:::i:,:;;".,. .;:::::l:i:*.l ....................... .....!!.:::;;;;;;i;;.;;;;:;;;;;;" .;;;;;;..;.*.;".;;;.::::,!!!.,:::i:::,. :,!!.,!..!.,:;;;,.:;::::!!!!!:..!...:::::::!!.,::..::"!::::;:::::;: .......... --
I .......................... I .......... ............ ..... 1.
:::I-- I-= : ..:: .1 :::::: :::I.. ::!!l;::l.llll- .......... .......... !...;-.;.;; ............................................................ !:::.-.:::-.:..:;;::-..-.p;;;;;;;:.::.t!!!:.:::;;;;: ........ ........... ll.!.l!M!!!!!!!!!
............ !!n!::::;; I ..-.!::::;;;;!:..!!!!...:;;;;;;:;,.;;;;;;;;;;;;
I....;;... ... --.- .. .......... ;;;;;;::::!!,:::::"!!,M..".,."I ......... I ............. ;. .. .::!lm:::.;;;;;;;;; .............
IM V .1 1:1 .1 .IMI! it :MMMN 22. :..!-ll::::::!M!!!!!! ......... -- -l"...... ..
........, .... I ............... !!!:!:!:,::.::::::;::::!:..:: .... ....... I ........... ..::::;;;;.i;l:::i::".i:.l!:l ......... ::. ,:::::;:;.;;, ... i..;;;;;::::.::;;::::!.-!!!!..!::::.!::;::::::::::I ...... ::.;;;;;-..:
-:;:l::-l!AV.: .......................... ii ;;..;;;,.:::.,!!..,:!:::.::::::.; .!:::::.
: :::::::. i ...... m ...;:2-:!m-m:;:.;=:-:: .......
:;'li:- -1-11 ...... ...... ...... I ........
.. :. .. ... :: :!mmm ......N...
7;; -:!;!:l I ... :-.:::;::::-::!: .............. :::01:!:;.-::::::::.:..;;;.: .............. it ............. ;mmm .!!-!!!..:!:..:::!!!!!!.!!!!!!:::.::::::::..!!:!:..-;:.-.-
::. .. .:::;:::r::.l:l: ....... ............ m ........ 3 ::::::::::, ...... .... :Mmmv. .!!!!!.n-:;;.-.::!
... .................... ::!!!!!..::..;;.::.-::.-:-..::.;;;;;. .,::..:!:. V ................. ........... !!!!!:::::.::!::.!!,:;;.;;;;",**I ............. .................. ................... it








COST SERRO







agricullura


e a lhdislrkia

NA

PROVINCIA DE ANGOLA


InformaQoes s6bre o seu estado actual e possibilidade
do seu future desenvolvimento


(CARTA dirigida A AdmlnlstraiAo do Banco Nacional.
Ultramarino, a pedido da mesma AdministraqAo)



Separate dos n..* 3, 4 e 5 do ,Boletim d'Agricultura da Provincia d'Angola,
Anno de 1912


LOANDA W
, IMPRENSA NATIONAL DE ANGOLA 3
_a 1912 J 3


7-%'-.




















Ex.mO Sr. Gerente d Banco Nacional Ultramarino-Loanda.


Pediu-me V. Ex." as informac6es, que cu Ihe pudesse dar, acerca
de vdrios assuntos que se prendem cor a vida econ6mica desta pro-
vincia, a fim de, com as de outros informadores, e cor as suas pr6prias,
sem duvida as mais valiosas, habilitar a Direccao do Banco Ultrama-
rino, de que V. Ex." 6 empregado superior, distinto e zeloso, a orien-
tar a sua administracio num sentido mais amplo, mais modern e
mais proficuo.
Confessando a minha quasi absolute incompetencia em materia
de economic c de finances, as quais, s6 eni ambito muito restrito, estdo
dentro do que ter sido object de algumas observac6es e estudos,
que tenho executado nesta provincia, acedo contudo gostosamente
ao seu pedido, para me referir s6mente aquilo que tenho observado
e estudado, principalmente na part da provincia onde actualmente
estou, mas sem preterir observac6es e impress6es, colhidas hi anos,
mais ao sul, nos planaltos de Benguela c de Mossamedes e suas res-
pectivas zonas litorais.
Neste mesmo campo, assim restrito, como me faltem dados esta-
tisticos, e como nem scrnpre as minhas observac6es recaiam s6bre
assuntos da minha competencia professional, a qual 6 aliis bem aca-
nha'Ua, porventura sucederi exprimir eu modos de ver, que talvez
merecam corn boa razio o qualilicativo de heresias da part de quem
f6r --ou um economist ou um financeiro.
,Eu, bem o reconheco, nrio sou nem uma nem outra coisa; e sirva
a desculpar-me, de me abalancar a falar de coisa que nao conheco
bem, a intencio que me determine ao aceder ao pedido de V. Ex.", e
esta 6 a de procurar ser util, e a do desejo sincere de que tudo me-
Ihore nesta nossa bela col6nia portuguesa, tio apta para grandes pro
gressos, quanto tern sido vitima arquisecular de lamentdveis abando-
nos.









4


Abrange o program de informac6es, que V. Ex.3 me pede, v-i-
rios capitulos, a saber:
I-Produtos da col6nia e estado da sua agriculture.
lI-Indistrias locais c capitals nelas empregados.
III-Vias de comunicacio para o interior.
IV-Sistemas de construc6es.
V-Servicos p6blicos.
VI--Condic6es climatericas.
VII-Outras quaisquer informac6es que apresentem interesse.

A este program que. para ser complete, s6 careceria de ser
acrescentado-um capitulo que se referisse ao comercio capitulo,
sem duvida, o mais important de todos, visto como Angola, apesar
de descoberta por n6s hi s6culos, mais 6 ainda uma feitoria, ou agre-
gado de feitorias, do que uma col6nia,-niio posso eu ter a pretensqo
de satisfazer corn as minhas informac6es:-niio, eu nao me julgo habi-
litado a satisfazer, ou a cumprir, o program que V. Ex.- me distri-
buiu.
Limitado, como estou, pela falta de estatisticas e de outros conhe-
cimentos, a informer apenas s6bre o que tcnho encontrado no meu
caminho de engenheiro, c s6bre aquilo a que tenho prestado alguma
atencajo, nao cor o fim de transmitir conhecimcntos aos outros. mas
para former o meu juizo e a minha apreciaciio, o que poderei di-
zer sera, cor certeza, muito pouco, e seri, sem duvida, eivado do
defeito de um ponto de vista muito pessoal e pouco iluminado pela
luz que s6 pode provir do estudo aprofundado dos assuntos.--SerTo
simples impresses, muito desconexas, mais se referindo a algumas
coisas que julgo possiveis e de grande alcance para a economic desta
provincia, do que critical ao pouco que nela se tem feito.
S6bre alguns dos capitulos do program de V. Ex.a, como seja
aquele que se refere as condic6es climatericas, eu quasi nada mais sa-
beria dizer do que qualquer sertanejo, pouco instruido, dos que teem
percorrido e estacionado na provincia; e, s6bre o que se refere a ser-
vicos publicos, fora daquele que me esti confiado, tambr m muito
pouco poderia dizer em terms de oferecer algum interesse.
E, por isso, devolverei para outros dos seus informadores ocuparem-
se dos assuntos de tais capitulos, sem deixar de reconhecer que sio de
impreterivel interesse, mas em que a minha incompetencia e absolute.
Pelo exposto, o program de V. Ex.a vird apenas a servir-me para
disp6r cor algum metodo o pouco que me proponho dizer s6bre al-
gumas das mat6rias por ele abrangidas.




















Produtos da col6nia e estado da sua agricultura




Os principals produtos de Angola, que saio object de exportac~o,
ou do seu comercio externo, silo, como toda a gente sabe, a borracha,
em primeiro lugar, e, em segundo, o cafd. E sio importantes estes
dois artigos, pois se contam nas estatisticas por 3:246 contos o primeiro,
e por 486 contos o segundo, havendo a acresccntar a miles, como pro-
duto rico, mas de somenos importancia pela quantidade, o marfim,
contado nas estatisticas por io,3 contos.
Seguem-se os produtos chamados pobres:-a cera, contada por
369 contos de reis;-o peixe sdco, por 175;-o acticar, por 122,3; -o
coconote, por io2,5;--o azeite de palma, por 3o,6;-os bois, por 45,1;
-os couros secos, por 5I;-o algodaio, por 21,4;--a almeidina, por
io,3; a goma, por 6;-e a urzela, por 3. O total da exportacio vem
a ser de 4.678,5 contos de reis, em que os produtos ricos figuram
por 80 O/o, e s6 a borracha figure por 69 O/o, entrando todos os produ-
tos pobres apenas por 200/ (1).
Como principals produtos da col6nia, por ela consumidos, ou que
sao object do seu comercio interno, figurava ate hd pouco tempo a
aguardente de cana com o mais important de todos. Deve figurar em
seguida, mas em piano muito inferior, o gado e os cereais, estes, sem
duvida, mais importantes em valor absolute, mas figurando menos no va-
lor commercial, peia razio de o indigena, que os cultiva, raras vezes os
produzir em quantidade superior A do seu consume pr6prio.
Era, corn muita incerteza, atribuido a aguardente de cana o valor
commercial de uns 1:1oo contos de reis ; ao gado c aos cereais, por

(1) Os niimeros relatives a borracha e ao cafi sio a media da exportacIo nos
seis anos de 1904 a 0o09, e devem ser muito aumentados quando se incluam as
exportac6es do ano de 191o, que foi de muito grande producio.
Os irnmeros relatives ao marfim c a urzela sao os do ano de ()08, e os restan-
tes sao os da estatistica de 0oc9.









6


falta de qualquer estatistica, nem mesmo cor igual incerteza se pode
atribuir qualquer valor que nao seja absolutamente arbitrario.
Somando os valores de todo o comercio de exportacdo com os que
eram conhecidos, embora grosseiramente, relatives ao comercio in-
terno, chega-se A cifra de 5:778,5 contos de r6is, como representative
do rendimento do que estava aproveitado na provincia, menos o gado
e os cereals.
Mesmo quando se adicione a esta cifra aquelas que represented
o rendimento do solo em produtos consumidos na provincia, cor que
se n~o pode entrar em conta por falta de estatisticas, ter de se che-
gar a conclusio de que 6 pouco, muitissimo pouco, o que se utiliza
d6ste vastissimo territ6rio que se clama Angola.
A agriculture da cana quasi exclusive em Angola
De entire todos os produtos daprovincia, a que acabo de referir-me,
pode dizer-se que s6mente a cana sacarina, como materia prima do
fabric de aguardente, era object de uma cultural regular. A todos
os outros produtos, inclusive o caf6, talvez cor mais propriedade se
Ihes possa chamar produtos de uma indistria extractiva, do que de
uma qualquer cultural, visto como alguns, por exemplo a goma. s5o
extraidos directamente do solo, outros proveem de animals. ou de
plants sem cultural, que se encontram pela provincial.
Constam de varios relat6rios, e de publicac6es diversas, os pro-
cessos empregados pelos indigenas para colherem estes produtos que
trazem ao com6rcio;-e tio absolutamente rudimentares e defeituosos
sao estes processes, que bem pode dizer-se deles que niio correspon-
dem a uma cultural da terra, o que 6 equivalent a dizer que, se ex-
ceptuarmos a da cana sacarina, no hi agriculture em Angola.
Para confirmar este modo de ver, bastard notar-se que o arado, a
charrua, ou qualquer mdquina de preparar a terra, ou os produtos
dela, movida por animal ou outro motor, que alivie o braco do ho-
mem, sao aqui coisa sem cmprggo, a nio ser no caso muito raro de
alguma das poucas grandes fazcndas, ou de algum pequeno agricul-
tor branco dos planaltos.
A pr6pria cultural da cana sacarina, que e ji aqui uma agricul-
tura, era e 6 feita de um modo muito rudimentar, sem estudo pr6vio
das qualidades do solo, sem corrective das deficiencias deste por meio
da aplicaco do adubo convenient, sem escolha da variedade da plant
mais apropriada, cm geral, sem o emprego dos meios mecanicos aper-
feicoados para a preparacio do terreno, sem atencao, emfim, a obter-
se da plant e do solo, que a produz, o maior rendimento:-- era e e









7


uma cultural de rotina, em que o grande/valor do produto cobria to-
das as deficiencias, e que, quanto a simplicidade e a facilidades, nao
admite confrontos corn outra qualquer.
Compreende-se bem a razao por que s6 esta cultural se desenvol-
veu na provincia cor pretericio de todas as outras.
Ao portuguds, que abandonou o seu lar para vir para as col6nias,
moveu-o sempre o pensamento de fazer fortune depressa, para de-
pressa voltar rico A sua terra (para 1i tratar de political, que 6 o seu
forte, por mais ignorante que seja), e logo percebeu ao chegar, ou tal-
vez mesmo antes de se resolver a partir, que o unico meio de conse-
guir este fim era pelo comrrcio, c pelo com6rcio mais simples, unico
que ele, em geral, compreende, ou para que esta habilitado. Comecou,
pois, em remota 6poca, pelo com6rcio mais simples de todos, que foi
o que teve por object o pr6prio indigena: comecou por comprar e
vender pretos, que eram mercadoria valiosa, com larga margem para
grandes lucros, e, no principio, ficil de adquirir e de transportar, pois
vinha do interior pelo scu pr6prio pd.
Depois passou a negociar com o prcto, dando-lhe em troca dos
produtos mais ricos, colhidos c trazidos por dste, como fossem o mar-
fim, a borracha, etc., etc., e at6 outros pretos-mercadoria, os objects
por ele mais procurados, os panos, a p6lvora, as armas, etc.;--e, como
o branco notasse no preto a tenddncia nata para o vicio da embriaguez,
e visse ser obra de pouco trabalho o fornecer-lhe com que alimentasse
este vicio, escolheu,- de preferdncia, para p6r o seu estabelecimento
de comercio sertanejo, um lugar tendo perto um terreno onde fosse
facil e segura a cultural da cana.
Para uma varzea nivelada c sem airvores ou outros obstaculos a
desbravar, como, a cada pass, se encontravam na provincia, ao lado
de um rio, ou de uma ribeira, derivou dle a agua ddste rio, ou desta
ribeira, c, quisi s6mente-com o trabalho (feito pelos pretos) de cavar
a terra e de the abrir uns regos, obteve a mat6ria prima, da qual um
trapiche rudimentar e um alambique, mdquinas simples para branco,
mas ja complicadas para preto, cxtraiam a aguardente a jorros, sem
que o branco, para se ocupar delas, tivesse que abandonar o remanso,
ou a preguica, do seu estabelecimento commercial; a este afluiam,
vindos de grandes distancias, a trazer-lhe -- a borracha, o marfim, o
cafd e outras mercadorias,-os pretos ividos do embriagante produto.
A fazenda de cana veio assim a, ser como que uma mina facil de
explorer, e ficil de ser transformado o seu produto em object de per-
muta, que o mesmo 6 que dizer em moeda corrente.
Nenhuma outra agriculture oferecia estas facilidades, nem esta quasi









8


ausencia de contingencias.-Para qualquer outra tornava-se necessa-
rio desbravar a terra selvagem, fazer as despesas, avultadas e alea-
t6rias, dos ensaios da especie vegetal a cultivar (ensaios que, devendo
ser encargo do Estado, este nunca se incomodou em os fazer);-mais
os riscos das estiagens imprevistas e das chcias para que nio hd diques:
-mais as dificuldades do transport incerto, da cscassez de compra-
dores ou de mercados; das mil e uma contingencias, emfim. a que
esti sujcita a agriculture, qualquer que seja a parte da terra onde se
exerca.
A agriculture da cana preteriu as outras, porque foi sempre em
Angola uma cultural subsididria do comircio, c porque p6de ser pra-
ticada pelo pr6prio comerciante sem elc ter que deixar de o ser:-se
exceptuarmos as poucas companhias agricolas, todas de fundacio
muito modern, creio poder afirmar que nunca houve em Angola agri-
cultor de cana que nio fosse, ao mesmo tempo e antes de tudo, um
comerciante, c at6 creio que aquelas companhias nunca puzeram in-
teiramente de part o fazerem comercio com o indigena.
O que acabo de expor, muito em resume, explica como nas-
ceu aqui a agriculture da cana sacarina, quc melhor se chamaria al-
codlica, e como s6 esta agriculture tomou raizes na provincial.
Mas, viciosa na sua origem, e viciosa no seu fim, tinha que morrer
umn dia, porque naio e licito, em face dos principios de humanidade e
de civilizacaio, que o branco se desempenhe dos deveres, que derivam
da sua-superioridade s6bre os pretos nio-civilizados, exercendo a sua
actividade junto ddles qudsi exclusivamente em Ihes fornecer o alcool
que os envenene ou os deprima, ate ao ponto de lhe nao poderem
servir de auxiliaries, no trabalho da conquista da terra para z" agricul-
tura, que 6 a mais nobre mission que a civilizacio imp6e ao home.
Como nao fomos capazes de, por nossa iniciativa, acabarmos cor a
viciosa agriculture da cana alcoolica em terras de Africa, vieram nac6es
mais civilizadas impir-no-la;-- a lei ultimamente publicada, proibindo
o fabric da aguardente, veio acabar corn ela, e a situaciio actual nesta
provincia, no que respeita a agriculture, ao fim de alguns seculos de
dominacio nossa, vem a ser a seguinte: havia aqui, cor muito
pequeno desenvolvimento em relacao a enormidade do territorio.apenas
a agriculture regular da cana sacarina;-no actual moment nio ha
agriculture nenhuma.
Porque, cm meu entender, nio pode chamar-se agriculture: nem
ao. que (e ainda assim somente em alguns pontos) se pratica para se
obter o cafe, e que consiste em se cortarem algumas das irvores das
florestas onde 6le se encontra criado espontaneamente, e em se capi









9


nar um pouco o terreno para ddste mode se ter os cafezeiros um pouco
desafrontados ; nem ao que o preto pratica, relativamente as pal-
meiras, e que se limita a colhdr o fruto das que encontra nas florestas,
ou junto dos rios, sem ter o menor cuidado para com as Arvores ;-
nem ao que 6le faz para obter o milho, o feijao c outros cereais, e
que consist, apenas,em capinarum pouco o terreno e em abrir neste,
com um sacho;,umas pequenas covas em que lanca as sementes;-nem,
emfim, ao modo como procede na criacao do gado, na qual nio bh o
menor cuidado, nem na escolha das racas ou dos reprodutores, nem
na idade dos animals mais pr6pria para a reproduciao, nem no em-
prdgo dos meios de evitar as epizootias, ou o seu alastramento, nada,
numa palavra, do que hoje se sabe que e indispensavel fazer-se para
se ter, nestes climas, gado aproveitavel.
Improficuidade da lei que proibiu o fabric da aguardente
Mas, dir-se hd, a lei que proibiu o fabric da aguardente concede
aos agricultores uma important indenizac.o, parte da qual s6 poderd
ser por eles recebida, quando tenham substituido a cultural da cana,
que nio scja para o fabric do acucar, por outra cultural em area
igual a anteriormente cultivada, e, assim, se terd substituido uma ri-
queza da provincia por outra equiivalente.
Muito e para desejar que este objectivo da nova lei seja alcancado;
mas seja-me permitido exprimir a conviccdo em que estou de que tal
nmo sucederd.
Ncnhuma outra cultural qfercce a simplicidade que oferece a da
cana quando seja para fabricar aguardente, nem outra se descobre
que possa tao fdcilmente scr praticada pelo pr6prio comerciante, e
que possa dar um produto tio imediatamente utilizdvel por dle como
se fosse moeda.
'Isto, e a circunstancia que se da de nio haver estudos completes,
ou que merecam confianca, s6bre quais as cultural que possam substi-
tuir a da cana nos terrenos em que esta se cultivava, levam me a ter
como inevitavel o seguinte resultado:--o agricultor-comerciante quan-
do, para ter dircito a receber o que Ihe falte receber da indeniza-
cso, se resolve a cultivar, indiferente, como serd, pela nova cultural,
que o nao satisfard como comerciante, que nto quer deixar de o ser
para se tornar exclusivamente agricultor, culrivard o terreno cor a
plant que menos dispendio lhe exija e que mais depressa atinja o seu
normal desenvolvimento, como serd, por exemplo, o algodiio, ou a
manihol; e como poderd suceder, e na maioria dos casos necessdria-
mente sucederd, o nio screm estas as plants mais pr6prias para os









IO


terrenos baixos e himidos onde se cultivava a cana, chegar-se ha so
resultado de pagar o Estado a indenizacao complete, sem lograr o
seu intent de ficar substituida uma cultural por outra cultural. pois que
o comerciante, pouco apto e educado para agricultor, uma vez alcan-
cada a indenizacio, depressa abandonara a cultural que Ihe nio dari.
nem Ihe podera dar, o que baste para o compensar de abandonar ou
prejudicar o seu comercio para sc tornar exclusivamente agricultor.

Agriculture da cana para o fabric do aqucar
Tenho-me referido ate aqui a cultural da cana para o fabric da
aguardente; -- mas, aldm desta. hd a cultural da cana para o fabric
do acucar em fabricas de regulars proporc6es nos seguintes pontos
da provincia:--no Dombe Grande, junto ao Caporolo:--na Fazenda
aBom Jesus), junto ao Cuanza, pouco acima de Calumbo; e na fa-
zenda (Tentativa), no Alto Dande. Isto, sem falar na cana aproveitada
para laboracao de pequenas fibricas, em Novo Redondo e no Quissol.
Nao tanto pelo falta de capacidade de produc~o das trds fabricas
que acabo de mencionar, como pela falta de cana cultivada, e outras
deficiencias a que adiante me referirei, a afirmativa acima formulada
de que, no moment actual, naio ha nenhuma agriculture regular em
Angola, nio tern que sofrcr grande correccao pelo motivo de alguma
cana ser cultivada para dela se extrair acucar naquclas fabricas.
Nio sei eu ao certo a quanto monta a totalidade do terreno ads
trito a esta cultural; mas, sendo de 1:352,2 toneladas a quantidade
do acucar produzido e exportado pelas fibricas. e insignificant a do
acucar por elas produzido que se consome na provincia, pode infe-
rir-se que a area total cultivada de cana para acucar nio excedera
5o0 hectares, mesmo compreendidos os em pousio. o que e nada'em
comparacio da Area enorme de terrenos que ha na provincia franca-
mente utilizaveis para tal fim.



Podendo, pois, "manter-nos na afirmativa gendrica de que nio ha
agriculture pr6priamente dita em Angola, import reconhecer:
-Se pode have;
-Quais as regides ou -onas onde a pode have';
-Quais dos seus diversos ramos, ou cultural, as mars fdceis e
mais acomodadas ao estado actual da provincial :
Qual a forma, ou modo, por que deveredo ser praticadas Fara
que oferecanm mais segurancas de born dxito.








II

E' vasto e complex o assunto que assim se formula em tantas
quest6es, para as quais nio h~, nem estudos, nem observances quie
habilitem a responder de um modo, ji nio direi complete, mas ao
menos medianamente seguro e desenvolvido.
E vir eu, que n~o sou agr6nomo, e que s6 conheco da provincia a
part que tenho percorrido, e pouco do resto s6 pela leitura de relat6-
rios e por informac6cs, ocupar-me delas seria ousadia imperdodvel se
fosse meu intent falar com pretens6es a dizer tudo, ou a dizer muito.
Nao! Eu insist na minha declaraco pr6via de que nao viso se-
nio a exp6r o muito pouco que sei, e o meu modo de ver, pessoal,
sugerido pelo que vi feito, e pelo que sei se esta fazendo, em col6nias
e paises novos mais progressives do que este, onde, pela aplicacao,
com bom crit6rio e rara tenacidade, dos processes e conhecimentos
praticos da modern sciencia, se ter conseguido tirar riquezas de
terrenos, muitas vczes mais pobres e quisi nunca tio ricos, como
asses que ahi vemos a desenrolarem-se diante de n6s absolutamente
desaproveitados e estdreis.
Meios de trabalho da modern agriculture
Interessa reconhecer pr6viamente que, no actual moment, e tanto
nos praises velhos, como nos paises novos, mas mais largamente nes-
tes ultimos, csta a agriculture passando por uma grande transforma-
cqio nos seus meios de trabalho, por estar sendo cada vez maior a
aplicacao dc possantes maquinas para a laboracao da terra e para a
colheita e preparacio dos seus produtos.
Ja nao 6 s6mente a mdquina de vapor que se emprega para mover
charruas, ou para fazer trabalhar as debulhadoras e as multiplas ma-
quinas-ferramentas que se empregam na frm;---aparecem tambem
as maquinas de combustio interior, constituindo tractores potentis
simos, que executam, em largas faixas de cada vez, a lavoura e res-
tante preparacio do terreno, a sementeira, e que dentro da farm
transportam quer as ferramentas corn que trabalham, quer os pro-
dutos da colheita, vencendo assim, gracas i pequena quantidade de
Agua e de liquido combustivel que consomem, a grande dificuldade
que, em certos casos, oferecem as miquinas de vapor;-- aparecem,
emfim, as maquinas electrical, ora trabalhando cor a energia produ
zida numa estacdo central movida a vapor, ora utilizando a energia de
uma estacio hidro-electrica, a adaptarem-se aos mais variados tra-
balhos da farm, ji na oficina, jA nos campos capazes de cultural in-
tensa, pr6viamente preparados para um tal sistema de laboracao.
E' o que pode dizer-se a industrializac~o da agriculture, a qual e
imposta pela escassez cada vez maior do trabalhador rural, e pela









12


carestia e empacho que caracterizam o emprego do motor animal. ao
mesmo tempo que 6 imposta pela necessidade, cada vez mais impe-
riosa, de se obterem baratds e em grandes quantidades os artigos in-
dispensaveis a vida do home, os quais a terra c capaz de produzir
e que a popuiacio sempre crescente mais e mais reclama.
Como d facil de compreender, e nos paises novos. onde se en-
contram a cada pass os grandes tratos de terreno fertil, pouco aciden-
tado e ainda por utilizar, que estes processes e meios de trabalho estao
sendo mais empregados; sendo sempre precedidos por acurados
estudos da constituicio do solo e das condic6es climatericas do local.
como meio de determinar a cultural que Ihe e mais apropriada, o
modo de a executar, e o adubo de que porventura o terreno careca:
-e send, em certos pontos, assegurada a cultural intensive por meio
de irrigac6es, conseguidas a custa de obras, grandes e dispendiosas
em absolute, mas economicas quando se comparam corn os resultados
obtidos.
E', em outros terms, o que pode chamar-se a agriculture scien-
tifica e em muito grande escala, a qual se pode desde ja prefer.
que hd de necessariamente suplantar a pequena c a mtdia agriculture.
e ha de trazer, para os problems da colonizacSo, novas so!uc6es e
abrir, para os homes e para os capitals imigrantes, novos e mais
largos horizontes.
Parecendo-me que s6 pelo emprego de meios e de processes. como
estes a que acabo de referir-me, se poderi conseguir nesta provincial
recuperar o tempo perdido, e chegar-se, em tempo Wtlil, a uma pros-
peridade digna dela, importa reconhecer se, em alguma parte. aqui se
encontram todas, ou algumas *ias condic6es naturais. que recomendem
o emprego de tais meios c processes corn segurancas de borm xito.

Possibilidade de desenvolvimento da agriculture
em Angola
Passando a ocupar-me da questio da possibilidade da agricul
tura nesta provincia, afirmarei, comr todos os agr6nomos e homes
instruidos que a teem percorrido c melhor a conhecem. que ela d
possivel.
Para justificar scientificamente esta afirmativa naio hi, c certo.
dados, suficientemente numerosos e bem colhidos, de andlises de ter-
renos, de observac6es meteorol6gicas, de ensaios de cultural, etc., nem
as observac6es de visit dos terrenos terio chegado a toda a parte.
nem, nos pontos ate onde tenham chegado, terao sido os mesmos olhos
a verem, c identico o critdrio dos observadores -- mas. se abstrairmos









13


da possibilidade de se trazerem para aqui certas cultures exoticas,
como a do trigo, a de certas irvores da Europa e outras, que noo'me
parece verificado que sejam aqui francamente praticaveis, poderemos
supor-nos limitados h agriculture regular e civilizada das plants que
o solo ja produz.
E, a respeito destas, ocorre notar o seguintc.
SSe o solo produz o milho, o feijiio, a batata, a jinguba, e outros
cereais, tto somente cor o trabalho do preto, de abrir umas covas
e Ihes deitar dentro a semente c depois colher o fruto, porque os
n5o hi de produzir tratada e auxiiada a terra pelos processes do
home civilizado?-- Se a arvore ou o arbusto da borracha, a palmeira
e o algodoeiro produzem espontnceamente, porque nio hio de produ-
zir, e produzir muito mais, quando, no mesmo chio onde se encon-
tram, o home lhes aplique processes racionais d( cultural, dos que
por toda a parte teem sido coroados de bom exito, aplicados a essas
e a outras plants ?
SSendo hoje conhecidos os mcios de evitar e de debelar as epi-
zootias, e os processes da criacio do gado, em terrenos, como os de
Angola, para essa exploracio aproveitados no Sul da Africa, na Ar-
gentina, e na Australia, donde se export correntemente gado para
ser consumido na Europa, porque se nio hio de aplicar asses mes-
mos meios c processes para se aumentar a criacao, e corrigir a de-
generescencia, do gado bovino, por exemplo, que abunda nos pla-
naltos do Sul de Angola, no Bie, em Pungo Andongo, no Duque de
Braganca ?
E, estando ji verificado que a cana sacarina, nos terrenos pr6prios
para ela (que tanto abundam na provincia), produz, corn boa dosagem
de sacarose, e corn bons rendimentos de cana por unidade de superfi-
cie, em terrenos sem nenhum corrective por meio dos adubos, porque
nao hA de ser praticada a sua cultural intensive cor o emprego dos
modernos processes que, em outras parties, teem dado resultados su-
periores a toda a espectativa ?
Regi6es ou zonas onde sera mais facil a agrioultura
Para, dum modo geral, se indicar em que regioes, ou zonas, po-
dera aqui ser praticada a agriculture, 6 convenient tracar as linhas
principals orograficas do territ6rio de Angola.
Definem estas linhas tres zonas bem distintas: uma de litoral,
corn pouca altitude, e que corre paralelamente a costa cor largura
aproximada de uns 2.:;o quil6metros, s6bre a qual s6 de onde en onde
se estendem contrafortes da segunda zona; esta, bastante monta-









14


nhosa, ou de encosta, em certos pontos muito abrupta, e corn largura,
em geral pequena, constitui como que o suporte da regiao planaltica.
ou terceira zona;-esta, enormemente larga, pois se estende ate a fron-
teira leste da provincia, contem uma linha divis6ria de aguas muito
notavel, que e a que, partindo das cumiadas da segunda zona, nas al-
turas do Huambo, segue, na direcc~o de leste, para a regi-io dos la-
gos.
Os primeiros rios, nascendo nesta divis6ria de aguas e tendo na
zona planaltica a sua.bacia hidrografica o Cunene e o Cuanza -
dirigem-se, o primeiro para o sul e o segundo para o norte, em grande
extens6es, para, em seguida, inflectirem para oeste e irem atravessar.
em descida precipitada, a segunda zona, e, em descida suave, a pri-
meira zona, ate chegarem ao mar. Os que, mais a leste, nascem na
mesma divis6ria, como o Cubango, o Cuango, e outros, correm, igual-
mente em grandes extens6es, na regiao planAltica, uns para sul. outros
para norte, em vales separados por contrafortes, em geral de pouco
relevo, que se ramificam da divisdria principal (esta mesma de pouco
relevo s6bre o planalto) e sao afluentes-dos dois grandes rios da Africa
Central- o Zambeze e o Zaire.
Pela vertente, voltada a oeste, da segunda zona, e atravis da pri-
meira, correm muitos rios, mais secundarios e de curto percurso, pois
todos nascem na divis6ria, relativamente pouco afastada da costa e
paralela a esta, que limita a leste a segunda zona. Destes. os que veem
ao mar a sul da foz do Cuanza, poucos teem curso permanence;- os
queficam ao norte desta, teem, em geral, curso permanent e volumes
de agua importantes, sendo alguns navegaveis; o Cuanza e nave-
gavel em mais de 200 quil6metros e tem, na estiagem, um caudal
cerca de dez vezes igual ao do Tejo.

Na parte da primeira zona que tica ao sul do Cuanza, os terrenos
sao, umas vezes, arenosos (de musseque), outras, rochosos, muito des-
nudados, e por toda a parte muito secos;--mesmo em muitos dos va-
les, em vez de terrenos de aluviiio ricos, encontra-se a argila branca,
ou a area, apenas cobertas por delgada camada de humus, ou de
cinzas de capim queimado, acumuladas desde tempo muito remote.
Nos terrenos altos a vegetac.o comp6e-se quasi s6mente de arbus-
tos e e escassa, e nos vales a floresta contem, em geral, arvores de
pequeno porte, o que tudo indica a pobreza do solo.
As chuvas sao, nesta parte, poucas e irregulares, e tanto mais
quanto mais para o sul, e os rios, como acima foi dito, raro teem agua
permanent, e, nos poucos que a teem, como o Caporolo, o Catum-









15


bela e o Cuvo, ela e tio pouca que mal chegaria para irrigar alguns
milhares de hectares dos que se encontram, de onde em onde, nas
suas varzeas marginais.
Nao pode pois haver agriculture de alguma importancia nesta parte
da primeira zona.
Na parte da segunda zona, que Ihe fica contigua, tambam a nao
pode haver, pelas mesmas raz6es, e, mais, por os terrenos niio te-
rem (em contrario do que sucede cm outros pontos) as suas florestas
povoadas de cafezeiros ou de palmeiras.
Poderio fugir a esta regra algumas limitadas areas de florestas,
como dizem ser a da Quibula, a do Seles e a do Amboim, na pri-
meira zona, e a do Libolo, na segunda;-mas serlo pequenas dreas
que nio permitem prever que- para cada uma fique justificada a cor-
respondente via de comunicacdo e sua testa maritima, e sem estas nao
poderd pensar-se, nem em explorac6es, nem em agriculture de regular
desenvolvimento.
A parte da primeira zona atravessada pelo Cuanza, pelo Bengo,
pelo Dande, pelo Lifune, e, porventura, a parte atravessada pelo Loje,
todos estes rios de curso permanent, e, se exceptuarmos o Lifune,
todos cor grande volume de agua, constitui, em meu parecer, uma
das parties desta provincia de solo mais rico, e onde, mediante limi-
tadas obras de irrigacio, ou de drainagem, quando se trate de certas
cultures, e mediante grandes "obras de irrigacao quando se trate de
outras, serd possivel, com seguros resultados, praticar-se a agriculture,
em grande, pelos processes modernos (i).
Abundam, nesta parte da primeira zona, os terrenos ricos de alu-
viio, ora em grandes varzeas nas margens dos rios, ora em encostas
de pequenissima pendente e de ligeira ondulac~o quAsi varzeas -
onde os mesmos terrenos comecam a elevar-se, ora nos planaltos se-


(1) Devo aqui declarar que, se me nio refiro a parte da primeira zona, a norte
do Loje, porque nada conheco e poucasinformacses tenho a respeito dela;-sendo
esta tamb6m a rasio por que tenho d6vida em tornar extensive a minha atirmativa
a terrenos compreendidos na bacia hidrogrifica do Loje. Se exceptuarmos a re-
giio de Encoje, slo pouco conhecidos estes terrenos, como o nio sio muito os da
regiao de Quilengues, contigua ao Alto Dande, e os da regiio dos Dembos, que ocu-
pam a parte media e alta das bacias hidrogrificas do Lifune, do Dande e do Bengo
ou Zenza. A riqueza destas regi6es, ainda bastante insubmissas, reconhece-se pelo
que os pretos de 16 trazem ao comercio.
Rigorosamente, a minha afirmativa refere-se a parte da primeira zona, atra-
vessada pelo Cuanza, pelo Bengo e pelos trocos inferiores do Dande e do Lifune.
(O chamado Alto Dande esta compreendido no tr6co inferior deste rio).









16


cunddrios, onde se encontram as divis6rias das suas aguas, na parte
inferior das suas bacias hidrograficas.
Existem, e certo, nesta parte da primeira zona, algumas virzeas
que sao ainda inundadas;--mas corn diques de pequena altura, como
os que, cm alguns pontos, jd se acham empregados, podem elas ser
postas a coberto das inundac6es (4).
Existem, tambem, terrenos de encosta, que sio de menor valor,
por terem sido em parte desnudados da camada rica de aluviiio que
os cobria;-existem, nos de planalto secundirio, sobretudo perto da
costa, alguns que sao arenosos ou rochosos, e por isso de menor va-
lor agricola. Mas o que rest de bom perfaz uma superficie enorme.
mais que bastante para nela se procurar, por meio da agriculture
scientific, aplicada em grande, uma grandissima riqueza.
Prejudicam, tambem, os terrenos das regioes a que me estou re-
ferindo as irregularidades, e, por vezes, a escassez das chuvas, pois
que ha anos em que nelas chove muito, mas num curto period. nao
tornando mais a cover, outros em que chove pouco ou nada:-e, se
este inconvenient 6 facil de remover, tratando-se das vatrzeas margi-
nais dos rios, ondc, cor pequena despesa, se pode obter a irrigacao.
o mesmo se nao pode dizer, tratando se dos terrenos mais altos. con-
tiguos as virzeas, ou dos planaltos, onde a irrigacao s6mente serd pos-
sivel, mediante o emprego de grandes obras, on de possantes miqui
nas.

Afirmo aqui, apenas de passage, porque sera em outra ocasiao
e em outro document que me proponho demonstra-lo, que, corn
uma unica grande obra, e corn as obras secundirias que com ela for-
mam sistema, ou project complete, se pode aqui obter a irrigac5o de
cerca de 200:000 hectares de optimos terrenos nos vales do Cuanza
e do Bengo, e que estas obras poderilo ser levadas a cabo, em exe-
cdo met6dica de alguns anos, e claro, cobrindo as receitas, que dario,
logo desde o principio, o juro do capital nelas empregado, e podendo
produzir, mais tarde, quando toda a irrigacio esteja realizada, um
grandissimo rendimento, e uma valorizaciio enorme desta parte da
provincia, sem d6vida, entiio, a mais rica de todas.

(1) A Fazenda Homr Jesus era um terrono nestas condiiccs (em grande parte
inundado pelo Cuanza e onde, at6d havia umna lag6a coin agua permanentel,quc. por
meio de um dique marginal, apoiado em dois contrafortes que chegam atd ao rio,
foi p6sto a coberto das inundac6es Hi muitos pontos no Cuanza e no Bengo onde,
cor diques talvez menos altos, embora mais compridoq, se podem subtrair as inun-
dacoes dreas muito majores.









17


Mas nao 6 isto object para esta carta, pois se trata de obras que
compete h iniciativa do Estado.

Lancando agora a vista para a parte da segunda zona, contigua a
da primeira a que acabo de referir-me, a qual vai desde o Cuanza a
montante do Dondo at6 a parte superior da bacia hidrogrdfica do Loje,
e compreende os antigos concelhos de Cazengo, do Golungo Alto,
parte do de Ambaca, a regiaio dos Dembos (ainda pouco submetida)
e o concelho de Encoje, reconhece-se ser toda esta parte da segunda
zona a fonte de uma das mais importantes riquezas da provincia-o
caff.
Encontram se nela as fazendas de Cazengo, pertencentes a Com-
panhia Agricola do mesmo nome, que sao importantes, e dela vem a
quisi totalidade do caf6 exportado pelos portos de Loanda e do Ambris.
E ainda nela que, mais por iniciativas particulares, do que do
Governo, se teem feito os mais importantes ensaios de plantac6es de
Arvores de borracha, seguidas ja de plantac6es definitivas de alguma
importancia, junto do rio Zenza, na circunscricio do Golungo Alto, e
em Calunga, no concelho de Zenza do Golungo.
E uma region montanhosa, regada por chuvas abundantes, onde
se encontram grandes floresias nos vales e nas encostas, indo, em cer-
tos pontos, at6 ao cimo dos cerros.
Fora do que ha feito (pela Companhia de Ca-engo principalmente)
para melhorar o aproveitamento do caf6, e do que se esta fazendo em
plantac6es de borracha, 6 esta vasta regiao explorada, a bem dizer,
exclusivamente pelos indigenas:- da quantidade de cafi que estes
trazem ao comercio -pr6ximamente tries quartas parties da exportacao
total, que 6 de umas 4:000 toneladas, apr6ximadamente se podem
inferior as grandes capacidades desta regiio para a agriculture do caf6,
embora nLo seja ela em meu parecer das mais recomendaveis;-e, nas
plantac6es de borracha iniciadas, e que podem ser seguidas de outras
em grandes areas, sobretudo quando a regiao dos Dembos se encon-
tre toda submetida, podem ser fundadas boas esperancas de desen-
volvimento de uma grande riqueza.

Resta referir-me a terceira grande zona-a zona planaltica.
Nao tem sido esta zona tao percorrida, nem esta tao conhecida
como as outras, excepcLo feita da parte dela, contigua a segunda zona,
e que abrange: mais ao sul, o chamado planalto de Mossamedes -
Chibia, Huila, Humpata e Lubango-; no centro, o de Benguela-
Quilengues, Caconda, Huambo, Bailundo e BiM; -e, mais ao norte,












nos distritos de Loanda e Lunda--Pungo Andongo; Ambaca, Ma-
lanje e Duque de Braganca.
As informac6es dio os vastissimos territ6rios, mais a leste d&stes,
como sendo pouco acidentados, em geral, arenosos, regados por chu-
vas regulars, atravessados por numerosos cursos de agua, de bom
clima quando mais altos/ e secos e insalubres quando mais baixos e
retendo em panta-os a agua trasbordada das ribeiras.
* Slo os terrenos donde o indigena tira a quasi totalidade da borra-
cha que traz ao com6rcio-a chamada borracha das ervas-que e o
primeiro artigo de exportacio de Angola.
Pondo de parte estes vastissimos terrenos, por pauco estudados,
e limitando-nos aos da primeira parte do planalto, acima citados, e sa-
bido que estes produzem bem os cereais africanos-o milho. o feijio,
a batata, a jinguba, etc.;-- parece que sao aptos para produzir tambam
o trigo, e, sobretudo, produzem em grande quantidade o gado bovino,
criado ao modo do gentio.
Saio terrenos regularmente salubres, e pode assegurar-se que o se-
r~o muito mais desde que, pelo pr6prio aproveitamento para a agri-
cultura, desaparecam as causes meramente acidentais, ou locais, de
insalubridade que, por emquanto, se encontram por muita parte.
Se, nestes terrenos, a agriculture do'trigo 6 possivel em condic6es
normais, nio ha duvida que podera ela ser praticada a modern, com
as grandes mdquinas de laborar a terra, que os vastos tratos de ter-
reno sem acidentes permitirio empregar. Tambem me parece nao po-
der haver duvida de que, para os broncos que se ocupem na criacdo do
gado, ou em inddstrias, nesta parte da provincia, a terra, nela franca-
mente aproveitavel para a cultural dos cereais, lh'os fornecera em abun-
dancia, e por baixo preco, ou cor pouco trabalho.

Cultures mais faceis e mais acomodadas
ao estado actual da Provincia
Criaqao de gado
Em meu parecer, uma utilizacio do solo, bastante remuneradora,
pouco exigente de bracos e de capitals, e, por isso, uma das que pri-
meiro se deve procurar desenvolver aqui, 6 a da criac5o do gado. nas
regi6es planditicas apropriadas, mediante o emprego de metodos e
processes andlogos aos que sio hoje bem conhecidos e se estao em-
pregando na Argentina, na Australia, nos Estados Unidos e na Africa
do Sul.
Nio serio, talvez, estes m6todos e processes aplicaveis aqui sem
algum corrective, ou ampliacgo, pois pode suceder que algumas das









19 I


epizootias, que grassam nesta Provincia, sejam diferentes das que se
conseguiu debelar, on combater corn sucesso, naqueles paises. Mas
para quem se faca acompanhar dos meios que a sci.ncia hoje p6e nas
mios de quem a nio despreze, nio deve isto scr motivo para nao co-
mecar; -- e, se em outras parties corn estes meios se triunfou, porque
se nao ha de triunfar aqui
Demais, de entire as despesas necessArias para uma tal exploracgo
em grande, s6mente sao importantes as das instalac6es frigorificas
para armazenar a care emquanto espera o transport, e as dos meios
especiais para este transport, por terra ou por mar, ate chegar aos
mercados;-mas estas despesas s6mente terio que ser feitas quando
se disponha de gado em quantidade, isto 6, quando se tenha conse-
guido vencer tudo o que possa haver de incerto numa tal exploracao.

Agricultural da cana para o fabric do afucar
Outra cultural que, me parece, podera ser aqui praticada, cor
segurancas de bons resultados, quando em grande escala, e a da cana
para o fabric do acicar, nos'terrenos da primeira zona que para ela
reunam as melhores condic6es.
Estai ste ramo de agriculture ja iniciado nos tras pontos que acima
citei; -- e, do que ha feito, uma conclusio important se pode desde
ji tirar, e d a de que os terrenos, mesmo sem os- cuidados dispensa-
dos a cultural, como nas plantac6es das Ilhas Hawaii, em Java, em
Cuba, na Luiaiania, e em outros pontos, onde ter sido levada aos
iltimos graus de aperfeicoamento, produzem regularmente, tanto em
quantidade de cana por hectare, como em quantidade e qualidade da
garapa dela extraida.
HaverA, sem divida, muito que aperfeicoar, para se conseguir a
barateia da cultural, sendo, para esta, um dos meios impreteriveis o
da cultural em grande, e, conseqientemente, o do fabric tambem em
grande. 0 emprego dcste meio e o de todos os aperfeicoamentos,
tendo por object a cultural e o fabric, deverio aqui, como naqueles
paises, melhorar os rendimentos e eleva-los, senio at6 ao ponto atin-
gido em certas regi6es excepcionalmente favorecidas. como as Ilhas
Hawaii, pelo menos ate ao atingido em outras, onde a cultural da cana
e a inddstria do fabric do seu acuicar sIo largamente remuneradoras.
A este assunto me referirei mais adiante.

Agriculture das Arvores da borracha
A terceira das cultures que, pelos auspicios do seu comeco, me
parece que pode ser generalizada nos terrenos principalmente da se-









20


gunda zona, aptos para ela, e a das drvores da borracha a das
heveas, ou da caslilda, nos terrenos mais humidos, sem o serem
muito, e a das manihots, nos terrenos menos humidos.
Estd tomando enorme desenvolvimento a cultural regular das Arvo-
res produtoras de borracha, sobretudo na Australasia e Indias Neer-
landesas, sendo muitas as empresas (mais de duzentas) e importantes
os capitals (mais de cem mil contos de r6is) por elas ji empregados em
tal cultural. Isto 6, como para a criacao do gado, como para a cultural
da cana e fabric do acucar, sempre o process da grande cultural a
preterir o da pequena cultura;--e, no caso particular da borracha. pode
desde.ji prever-se que, a pesar de o consume estar muito long de ser
atingido pela producio, n~o tardari que a aproximacao destes dois
terms conduza a pretericio da borracha imperfeita colhida pelo gen-
tio, corn que ainda se satisfaz, em grande part, aquele consume.
Quando tal suceda teri vindo para Angola a morte da sua primeira
riqueza se a tempo a nao substituirmos por outra.
Um dos maiores plantadores de arvores de borracha, do Golungo
(maior sem ser grande, porque grandes nao os hi ainda), mostrando-me
as deApesas feitas e a fazer na sua plantacio, e o pr6ximo future
rendimento desta, calculado pela producio seguramente verificada em
arvores cultivadas para ensaio, chega a concluir (entendo que com se-
guranca, salvo a eventualidade de qualquer doenca nas arvores) que,
em cinco anos de colheita normal, o rendimento liquid amortiza as
despesas da aquisicSo e preparacio dos terrenos e as da cultural, adi-
cionadas estas despesas dos respectivos juros, ficando, portanto, dos
quinze anos, que as arvores (manihols) podem produzir regularmente.
dez anos, em que o rendimento, liquid das despesas de amanho e de
colheita, 6 todo lucro, o que 6 important.

Agriculture do caf6
Relativamente a -agricultura do caf6, produto que, presentemente.
depois do Decreto que proibiu a cultural da cana para o fabric da
aguardente, 6, mesmo sem cultural regular, o segundo produto de ex-
portacqo da Provincia, parece-me poder afirmar-se que ni-o ha que
fundar nela grandes esperancas: nao porque nio seja possivel en
contrary terrenos onde ela se possa praticar em larga escala, mas pela
razio de qu. e6 tal produto actualmente superabundante. pela de que
nao pode o caf6 de Angola bater em qualidade o do Brasil e o de
S. Tom6, e porque nio 6.a sua cultural daquelas em que o braco do ho
mem possa ser largamente auxiliado pela maquina, ficando por isso sem-
pre na dependencia da mdo-d'obra que muito escasseia na Provincia.









21


Fora de.algum maior desenvolvimento e aperfeicoamento a obter-se
no sistema actual de aproveitamento da Arvore criada espontanea-
mente, e da colheita do seu produto, parece-me que nao 6 a agricul-
tura regular e complete do caf6 daquelas que devam ser mais reco-
mendadas para Angola.
Agriculture do algodSo
Por utltimo, a uma cultural me referirei, como podendo vir a ser
aqui praticavel em muito larga escala-a do algcddo.
Na.ordem das que teem sido recomendadas pelos competentes
para os terrenos da primeira zona, parece ter figurado esta cultural
como ocupando o primeiro lugar;- e eu coloco-a no ultimo lugar !
N~o me atreveria eu a tanto se naio tivesse ouvido, da b6ca de um
agr6nomo estrangeiro, ex-plantador de algodio experimentado e com-
petente, e a vista de um terreno que tinha sido cultivado corn tal
plant, mas onde dos algodoeiros apenas existiam uns restos pouco vi-
siveis, pois os tinha morto a seca, uma licio s6bre o que deve ser a
cultural do algod5o, em terrenos como os que tinhamos a vista:-nao
era, segundo ele, o que se tinha feito, e se pratica correntemente por
aqui, nada daquilo que deveria fazer-se ;-e eu convenci-me de que,
efectivamente, as coisas deverio ser como le me afirmou, em pre-
senca da desolacao que os meus olhos viam.
Em terrenos, onde a irregularidade.e escassez das chuvas vai at6
ao que foi aqui no ultimo e no corrente ano-umn period de dejoito
mess sem ter caido gota de dgua e onde o solo nao retem humi-
dade que supra a das chuvas, nao hi plant arvense, nem arbusto
que possa ser cultivado sem irrigacFo, e nio 6 a cultural do algodao
tio folgadamente remuneradora que possa, de vez em quando, supor-
tar a perda de uma plantacio, ou o encargo de uma irrigacao por
meio de mAquinas. O tnico modo de irrigacao, que Ihe e pr6prio, 6
por derivacdo de aguas que possam ir fertilizer grandes zonas, para
assim a despesa por unidade de superficie ser pequena, --e as obras
para irrigac6es, nestas condic6es, estio por fazer, pertencendo a or-
dem daquelas a que me quis referir como devendo ser encargo que
ao Estado compete para valorizar os- territ6rios e os preparar para a
exploracio ou para a colonizacio.
Existirao, todavia, na Provincia alguns terrenos de virzea, nio tio
htmidos que excluam a cultural do algodio, ou nao tio secos que nio
dispensem a irrigac~o, ou, ainda permitindo esta em condic6es de ba-
rateza tal que a dita cultural seja neles para recomendar; mas serao
estes casos a excepcao.











Por isto, e porque a cultural do algodio 6 daquelas que carecem
muito do braco do home, 6 que a relego para o ultimo lugar.
sem deixar de reconhecer que poderd vir a ser muito important.
quando importantes obras para irrigacao estejam realizadas.
0 que acabo de dizer, acerca da cultural do algodio, 6. no que res-
peita a primeira zona, em grande part aplicavel a cultural em jran'le
dos cereais para exportac~o.

Conclusio
A conclusio a que chego vem, pois, a ser a de que os ramos de
agriculture que tenho como mais fficeis e mais acomodados ao estado
actual da Provincia, slo o da criacio do gado, o da cultural da cana
para o fabric do acucar e o da plantaclo das irvores da borracha.
seguindo se, quando se executem as obras de irrigacio. a do algodo
e a dos cereais.

Modo eficaz de ser praticada a agriculture em Angola
Quanto a forma, ou modo, de scr praticada a agriculture em An
gola, que ofereca mais segurancas de bom exito, as referencias que
acima fiz: -- acerca da criacio do gado, na Argentina, na Australia.
na Africa do Sul, e, poderia acrescentar, nos Estados Unidos, onde
a criacao 6 importantissima, embora com pequena exportacaio hoje.
por a quasi totalidade do gado criado ser consumido no pais acerca
da cultural da cana, no Hawaii, em Java, em Cuba, etc., da qual po-
deria citar noticia circunstanciada, relative ao primeiro destes paises.
onde tal cultural c correlativo fabric do acucar se praticam do modo
mais aperfeicoado;- acerca da cultural das arvores da borracha.
na Australdsia e Indias Necrlandesas, de que poderia ainda citar mui-
tos mais n6meros, alem dos poucos que citei;- acerca da cultural dos
cereals nos Estados Unidos, onde os resultados obtidos corn o em-
prego das grande miquinas sio verdadeiramente maravilhosos: to-
das estas referencias versando sobre a agriculture em -rande, em bonds
terrenos, irrigados quando necessario, exercida por empress ou pro-
prietirios dispondo de grande capital, adoptando os processes scien-
tificos, utilizando em larga escala as maquinas, empregando dirigen-
tes perfeitamente sabedores e competentes e pessoal bem adestrado,
levam a conclusio de que so pelos mesmos processes se poderi ob
ter, em tempo lttil, a valorizacio ddste rico pais. A identidade das
circunstancias e do fim a que se visa. imp6em a identidade dos pro-
cessos.
A valorizaco de Angola por meio do colon, que a metr6pole nio











pode fornecer sengo em muito limitado ntmero, e sem recursos, e,
em geral pouco apto para o trabalho (sendo por isso que da metr6-
pole emigra por incapaz de li ganhar a vida), afigura se-me uma uto-
pia, fora do caso muito restrito, mas que se poderi aqui dar, de ser
convenient abrir para asses fracos um campo, ou um meio onde pos-
sam viver a vida acanhada, proporcionada as suas diminutas aptid6es.
A agriculture em grande nos terrenos f6rteis, mas que carecem
de grande esf6rco para serem desbravados, e se tcrnarem de terra
in6spita em terra culta e habit-vel, s6 con os grandes meios de traba-
lho, ou cor as maquinas, 6 priticamente possivel:- s6 cor o emprego
ddstes meios se conseguirio realizar economies que sem sacrificio do
fim a conseguir o da barateza dos produtos permitam pagar os
elevados salirios que tentem a vir para aqui os capages de trabalhar,
vindos done iie-rem, e sero estes os que mais fticilmente tomem
amor a terra onde trabalhcm, aqui vindo a empregar as suas eco-
nomias, que scrao mais um meio de valorizacao, mais uma fonte de
riquezas.



















Induistrias locais e capitals nelas empPegados


Nao sei fazer a resenha de todas as industries locais existentes na
Provincia, e muito menos a dos capitals que empregam;-assim como
nao sei informar se vivem em condic6es de prosperidades, se de difi-
culdades. Sei apenas .que ha algumas industries locais, muito peque-
nas, que empregam maquinismos e processos que'estargo long de
ser do ultimo modulo, tais como padarias. fabricas de produtos cera-
micos, de cal, uma fabrica de tabacos, etc., etc ;-e sei que ha uma in-
dustria, que e important pelo valor do que export, que 6 a da pesca,
a qual emprega tambem processes e material, que estio long de ser
os mais aperfeicoados e de que ignoro a sua importancia em capital.
Havia mais, at6 ha poucos meses, uma industria verdadeiramente
important, tanto pelo valor do seu produto, como dos maquinismos,
em geral aperfeicoados, que empregava, que era a da distilacio de
aguardente;- mas esta foi extinta por um Decreto ha tempos publi-
cado, nio havendo mais que falar nela.
E hi, por fim, em estado que pode chamar-se em comnco, apesar
de nela se empregarem ja tres fibricas regulars, com algum maqui-
nismo aperfeicoado, e mais duas fabrics muito pequenas, a industria.
do fabric de acucar de cana.
Nem das pequenas industries locais existentes, nem das que de
novo possam criar-se, me parece que, pelo menos por emquanto, me-
reca muito a pena falar, ao tratar-se de descobrir campo, onde .um
Banco de fomenio tenha de exercer a sua accao:-- o outro campo-
o da grande agriculture, o da grande indtstri:i complementar desta,
e, porventura mesmo, o da grande industria que nao seja complemen-
tar da agricultura,-onde 6le tern de exercer a sua accao, que deve ser
ben6fica para assim corresponder aos privilkgios de que goze, 6 t5o
vasto que o das pequenas industrias locais fica a perd&r de vista.
Da important industria da pesca, seria sem duvida muito interes-











sante dizer-se alguma coisa, visto como, por se darem as circunstan-
cias de ser o mar das costas de Angola muito abundante em peixe. e
de haver, dentro da pr6pria Provincia, e fora dela em col6nias vizi-
nhas, mercado capaz e que se deve ir tornado cada vez mais va-to.
tal industria oferece grandes probabilidades de maior desenvolvimento
e de future pr6spero. Nlo tenho eu, por6m, dados nenhuns, nem co-
nhecimentos pr6prios bastantes para -falar dela.
A industrial do fabric do acicar, complementary como 6. e a bem
dizer inseparavel da agriculture da cana sacarina, pois que ate tern de
ser exercida junto dos campos onde esta se cultiva, terei que referir-
me, visto que afirmei e preconizei aquela agriculture como sendo uma
das que, cm grande escala, deve aqui ser praticada.

Recursos que se encontram na Provincia para o
estabelecimento das industries

Mas, antes de entrar nesta material interessa fazer-se algum inque-
rito s6bre os recursos que a Provincia ofereca para a implantacao
aqui das industries, e, sobretudo, de alguma grande industria que
muito a possa valorizar.

Mio-d'obra
O da maio-d'obra 6 evidentemente muito precirio, nao so porque
do indigena nio 6 fAcil fazer-se um bom operario. embora para cer-
tos mesteres _le nao seja completamente desajeitado, como porque
ele 6 escasso em nimero.
E' muito pequena a densidade da populacio indigena da Provin-
cia, e, pode afirmar se, que nada ainda .e f&z tendente a promoter
que ela aumentasse : -- nenhuma media de assistencia public p6de
ainda ser levada at6 ao ponto de constituir para o indigena meio de
defesa de algum valor contra as doencas; nenhum esf6rco foi ate
agora empregado para levar os indigcnas a congregarem-se em povoa-
c6es em sitios salubres; nenhuma accio policial p6 le ser exercida
para .-ubtrair a mullier e a crianca indigenas as praticas selvagens,
que saio causa de grande mortalidade infantil; nada, emfim, se tem
feito do que 6 nccessirio fazer-se para que a populaciio indigena au-
mente, como, alids, 6 indispensavel que se faca, pois que, na primeira
fase da formacio de uma col6nia, o braco do indigena tem de ser au-
xiliar imprescindivel do braco do colono mais civilizado.
O contrario disto 6 o que se ter feito:-em remote 6poca, expor-
tando-se o indigena de Angola, escravizado, para o Brasil; em tem-









27


pos menos remotos, para S. Tom6, nao direi escravizado, mas em
condicio muito parecida.
Tao diminuta e a populacio indigena em Angola que, quando a
agriculture venha a ter algum desenvolvimento, a custo poderio che-
gar para ela as disponibilidades em trabalhadores indigenas; e nos
campos, mais do que nas oficinas, que conviri empregi-los, para au-
xiliar o branco naqueles trabalhos em que, mesmo armado cor a ma-
quina, Ihe sera impossivel ocupar-se permanentemente sob a ardencia
do sol africano.
Em conclusdo, falta aqui, para a implantacio das industries, um
dos mais importantcs dos scus factores-o da mao-d'obra.

Forga motrlz das mdqulnas;'hulha branca

SMas, sem falar nos maquinismos,.que teriam de ser importados
aqui, como o sio em muitos paises industrials, sem que isso repre-
sente encargo de maior importincia, existem em Angola os outros re-
cursos, ou factors, necessarios para a criacio de alguma ou algumas
industries importantes, que possam scr recomendadas como devendo
encontrar aqui condic6cs de vida pr6spera?
Tanto quanto m'o permitem os dados que tenho, ainda muito in-
completos, 6 certo, ie respond afirmativamente.
Aparte a miio-d'obra, que nio representara dificuldade que nao
possa ser vencida, quando se trate das industries a que me quero re-
ferir, e gparte os maquinismos, que podem ser importados como o
sao em muita outra parte, os outros dados a considerar saio: a f6rca
motriz das mdquinas, as mat6ris primas c o transport destas ate a
fibrica e o dos produtos fabricados at6 aos pontos do scu consume.
Um estudo complete desta question teria de abranger, e claro, a de-
terminacao do custo de todas estas coisas, e o confront da sua soma
corn o preco corrente dos produtos.fabricados nos mercados, c a ca
pacidade destes; mas nao 6 d&ste estudo complete que posso agora
ocupar-me, mas sim de fazer uma primeira apreciacio dos dados que
se apresentam.

Referindo me a f6rca motriz das maquinas, dirci que ela existe
aqui:-- nio a acumulada na hulha preta, que e ainda a mais geralmente
empregada nos meios industrials ; nio a acumulada na hulha liquid,
ou combustivel liquid, ffcilmente vaporizLvel petr6leo e seus deri-
vados-que tanta aplicacio estio tendo nas maquinas de combustdo
interior, cada vez mais generalizadas; mas a hulha branca, que nesta









28


parte da Provincia se encontra em quantidades muito grandes. e em
condic6es de facil aproveitamento.
De excluir eu a energia da hulha preta e a da hullha liquid nio
vi concluir-se que eu pretend afirmar que estas hulhas nio existam
em Angola;--pois 6 certo que algumas pesquisas feitas as dio como
existindo em alguns pontos da Provincia, mas em condic6es que se nao
sabe ainda se permitem a sua exploracio econ6mica.
Refiro-me s6mente a hulha branch, porque, s6bre a existencia desta
e s6bre a possibilidade e a facilidade do seu aproveitamento, e que nao
pode haver duvidas;-- e, se ainda nio posso fixar a quantidade de ener-
gia que, em alguns pontos dos mais importantes, dela se pode extrair.
alguns numcros, que pass a citar, demonstram que tal quantidade 6
muito grande.
Suponho que alguma novidade poderd ser encontrada nestes nu-
meros, pois me nio consta que, antes dos meus estudos, alias muitis-
simo incompletos ainda, alguem tivesse prestado qualquer atencao a
mais esta riqueza da Provincia, que tenho como muitissimo impor-
tante,
Por curiosidade, mais do que cor o fim de procurar riquezas de
que intent tirar proveito, tenho feito os reconhecimentos -- direi te-
cnicos-de algimas das qucdas de agua desta regidio, empregando, e
claro, os processes mais expeditos, por isso mesmo menos rigorosos.
mas, em todo o caso, dando uma aproximacio bastante para um pri-
meiro estudo.
Abrangem estes reconhecimentos, por emquanto, somente o rio
Dande quedas das Mabubas--, o rio Lucala --queda a montante de
Oeiras--, e o rio Cuanza --que.as le Camnbambe.
De todos estes rios tenho medido, nos pontos citados, o caudal de
estiagcm e o desnivel das.quedas, e tenho apreciado a vista qual o me-
Ihor local para a implantacio dos acudes, complementares das quedas
de Agua, e a altura mais convenient a dar-lhes em presence das condi
c6es locais.
De outras quedas (sobretudo das do Cuanza, qua sno muitas.
desde as de Cambambc at6e catarata (Condo), pouco a montante
da confluencia do Cuije) com o fim de as ir reconhecer, quandlo as
minhas ocupac6es obrigat6rias me ddem f.lga para isso. tenho coli-
gido informac6es, e alguns dados de nivelamentos e fotografias, que
me esclarecem -6bre quais as que interessa ir reconhecer por serem
as mais importantes.

Dos poucos estudos, que tenho feito, o resume 6 o seguinte:









29


0 rio Dainde, cor um aqude, que convem seja de 3o'" de altura
(acude complementary 22m,5) nas ,Mabubas,, produziri, neste ponto,
cor instalac6es para 37:500 C. V. :

Quantidade aproximada de energia (media) ( i..... 3o:ioo C. V.
S ,) (minima)....... 7:500 C. V.

0 rio Lucala, cor um acude, qucconvem seja de, pelo menos,
21m de altura (acude complementary de, pelo menos, io'") na primeira
queda que se encontra a montante de Oeiras, produziri, neste ponto,
com instalac6es para 42:000 C. V.:

Quantidade aproximada de energia (media)........ 33:700 C." V.
a a (minima)....... 8:470 C. V.

0 rio Cian{a, com dois acudes de 20m de altura, um muito perto
de Cambambe, outro uns o1 quil6metros mais a montante, ou corn
um s6 acude de 40" de altura perto de Cambambe, (acude ou acu-
des complementares nao devendo perfazer mais de unj 15m) poderd
produzir, com instalac6es para 320:ooo C. V.: (2)

Quantidade aproximada de energia (media)....... 256:900 C. V.
a (minima)... .. 64:000 C. V.

Se, nesta altura, se notar que, no Cuanza, desde Cambambe ate a
catarata ,.Condo), hA muitas quedas mais importantes do que esta, e

(') Calculada,supondo ser igual a 5 a relacTo entire o caudal caracteristico m6-
dio e o caudal caracteristico de estiagem, relacao que, por considerac6es que nao 6
para aqui referir, tenho como devendo ser aproximada da verdade.
Esta mesma relacio e suposta nos n6meros relatives ao Lucala e ao Cuanza.
E' para ser aqui observado que, dos nrmeros apresentados, os que devem ser
tidos cnmo regularmente aproximados sio os que se referem e s quantidades de
energia (minimal; os que se referem as quantidades de energia (media), pela in-
certeza da relacao em que se fundam, representam apenas uma primeira aproxima-
cao grosseira, a qual s6 por meio de observac6es repetidas muitas vezes durante um
period de, pelo menos, um ano no mesmo local, pode ser corrigida por outra
,aproximacrio mais regular.
Para qualquer estudo definitive haveri que corrigir todos os n6meros apresen-
tados por outros de maior aproximacaio.
(2) Todos os numeros relatives a este rio, menos o que se refere ao caudal de
estiagem, que p6de ser regularmente determinado, carecem de rectificacao para po-
derem ser considerados cor o mesmo grau de aproximacio que os relatives ao
Dande e ao Lucala.









3o


do que as de Cambambe; -e que, no Lucala. desde Oeiras ate a po-
voaaio de Lucala, e ainda mais para cima at6 perto do Duque de
Braganca, e 'tambem no Zenza, perto do ponto onde .ste rio desem-
boca em planicie, e, porventura, em outros pontos, hli cataratas muito
importantes, reconhece se, visto ser important o caudal destes rios.
que toda a parte, no distrito de Loanda, da segunda zona, a que acima
fiz referencia, e excepcionalmente favorecida em hulha branca
Tomando os numeros acima apresentados como indicando as quan-
tidades aproximadas de energia, em media aproveitaveis, e acrescen-
tando mais uns 8o:ooo cavalos-vapor que devem obter-se cor a
grande obra para irrigacio, a que acima me referi, chega-se a impor-
tante cifra de cerca de 400:700 cavalos-vapor de energia disponivel,
s6 nos quatro pontos, contiguous e contido, na part da primeira zona,
onde, cor irrigac6es, se poderi criar o mais rico centro de produc.o
agricola de Angola. (').
Se, transformada esta grande quantidade de energia em energia
electrica, em cstac5es hidro-electricas apropriadas, Ihe aplicarmos, para
avaliar-lhes o valor minimo, a mesma tarifa de rendimento, por ca-
v.lo-vapor annual, que, para identica avaliacio, por estimativa, se Ihe
atribui na Europa tarifa que regular por roooo rdis chega-se a
importantissima cifra de 4:000 contos, como representative do rendi-
mento bruto annual de tais estac6es.
Mas, quanto custam ? se perguntard; e, para responder. bem
se comprecndera que nio sao bastantes os dados que possuo. Sem
duvida que custar~o quantia elevada, porque niio hi de ser corn ba-
gatela que se poderd, nem aqui, nem em nenhuma parte. constituir


(1) Se da queda total do Cuanza a montante das cataratas de Cambambe ate a
catarata "Condo--queda que 6 de cerca de 800 metros-a quarta part puder ser
aproveitada, obter se hi, a mais, a quantidade enorme de energia de circa de
i.3oo:ooo cavalos-vapor.
Nio ldeverA parecer inadmissivel Este n6mero atendendo a que em muitos pon-
tos o rio pass por gargantas muito apertadis onde serai ticil estabelecer barra-
jens, e a que s.io muitas e muito importantes as quedas neste tr6co do Cuanza -
tais como as de Nhangue-ia-Pepe, Caboco, Palanca, Impopo, lutula, Cabalo, Qui-
taxe e Condo, citadas por Capelo e Ivens na sua viagem de Benguela as terras de
Iaca.
-Estd actualmente em via de ser executado, em Franca, um grande project de
aproveitamento da forca hidriulica do Alto R6dano, por meio de um acude de
70 metros de altura, em Genissiat, e correspondent instalacio hidro-electrica
para uma producio de energia de 36o:ooo cavalos vapor -Tem-se em vista, por meio
de duas canalizac6es electricas, de cerca de 4-5 quil6netros de extensio. e afasta-
das muitos quil6metros uma da outra, levar esta energia a Paris, para, nested grande












propriedade de tiio grande valor; em todo o caso, se se tender a
que nio sao grandes as despesas de funcionamento das oficinas hidro-
electricas, exclusivamente produtoras da energia, e a que as despesas
de primeiro estabelecimento dos acudes, que sao, por via de regra,
das mais elevadas e que mais influem, o nio serto aqui, visto se tra-
tar de acudes em gargantas apertadas dos rios, e por isso de pequena
extensao, e sempre em pontos otide hi fundac6es excelcntes em ro-
chas durissimas, reconhece-se que, sob o ponto de vista do custo, se
estara aqui em condic6es de excepcqo:-o custo da energia electric,
nas estac6es a que me estou referindo, devera ser comparivel aquele
a que se ter chegado nos paises onde ela se obtem por mais baixo
preco, como sejam a Noruega, os Estados Unidos e a Suica, onde,
tao baixo e que tem.sido possivel dar-lhe a menos remuneradora das
suas aplicac6es-a do forno el~ctrico--empregado nas indtstrias, pri-
vativamente el6ctricas, do fabric do aluminio, do carbureto de cal-
cio, do nitrito de cal e da cinamide ou cal-azotada.

Melhor aplicacqo. da energia electric obtida por meio da hulha branca

Como melhor, e mais justificada aplicacao final, a dar a grande
quantidade de e'nergia electrica cujo primeiro reconhecimento acabo
de fazer, entendo que e para a criacio do grande centro de agricul-
tura, a que fiz referencia, e para nele ficar constituindo o mais im-
portante meio de trabalho que cla deverd ser utilizada --Uma
canalizaco para essa energia, alimentada pelas estac6es de Oeiras e
de Cambambe, seguiria pelo caminho de ferro e forneceria a 6ste a
f6rca necessaria para a sua exploracao, e outras canalizac6es, partindo


centro e nas zonas por onde sigam as canalizac6es, ser aproveitada nas ind6strias
e na agriculture
Aquele ponto de Genissiat fica a uns 23 quil6metros da fronteira suica, e neste
troco o R6dano corre entire montanha- e tem.uma pendente m6dia de 3",o por qui-
16metro, que 6 considerada extraordiniria para um rio de tiio grande volume de
agua;-em Genissiat o seu caudal caracteristico de estiagem e de 120 metros cibi-
cos e o caudal caracteristico m6dio 6 de 5oo metros cdhicos por segundo.
-0 Cuanza, no tr6co de 200 quil6metros entire a catarata ,Condo, e Cambambe,
ter caudais propa"mente duplos dos do R6dano e apresenta uma pendente m6dia
de mais de 3",5 por quil6metro, que deve, at6, ser superior a -6M no tr6co de mais
de 13o quil6metros entire Pungo Andongo e Cambambc.
Nao parece, pois, que deva ter se como exagerado o poder fAcilmente ser apro-
veitada uma quarta parte da sua queda total, e at6 parece provdve! que ofereca fa-
cilidades de, por meio de alguns grandes acudes nas gargantas por onde passa, mais
apertadas e que melhor se prestem, se poder aproveitar metade, ou mais, da sua
queda total.









32 *


das mesmas fontes e colocadas s6bre os mesmos posters, entire Oeiras
e Loanda, poderiam, por canalizac6es derivadas, distribui la, ate consi-
derivel distancia para um e outro lado do caminho de ferro, pelos
terrenos contiguos, tornados, pela irrigac o, capazes de cultural intense,
e trariam a Loanda um dos meios mais eficazes para a sua transfor-
macio e melhoramento.
No Dande, a estacao hidro-el6ctrica das -MabubasD, que devera ser
privativa da rica e formosissima veiga deste rio, forneceria a energia
para a electrificacdo de todos os terrenos da mesma veiga, utilizados
que sejam, como podem ser e devem ser, para a cultural da cana sa-
carina para- o fabric do acicar, vindo, assim, a tornar-se em outro
grande centro de agriculture e de industria, o primeiro a dever ser
criado na Provincia, em vista das facilidades que para isso oferece.
O que acabo de expor saio apenas uns ligeiros tracos, indicando o
que, por meio da energia electrica-essa migica fada das modernasma-
ravilhas-pode ser feito, neste canto da terra portuguesa, onde ela
ainda nio fez a sua aparicao, apesar de poder surgir, ahi a cada pass.
de tras dos alcantis de qualquer garganta de rio, e onde, aos que fa-
lem dela e das suas maravilhas, talvez vi ser dado o epiteto de so-
nhadores de miragens que seja impossivel alcancar.
Assim seri. Mas para, pelo que me toca, me defender de tal
epiteto, recordarci que o meu sonho jd 6 uma realidade em muita
parte.
Os cabrestantes electricos, s6bre viaturas automNveis, para puxar
charruas, destorroadores, sulcadores, ou outras maquinas ferramentas.
empregadas; na agriculture, sio, pelo menos, t5o prdticos como os que
desde hi muito se empregam, movidos a vapor; o escavador elictrico.
autom6vel, capaz para abrir grande valas para irrigacdo, ou para
executar trabalhos de terraplenagens, em diques, ou em estradas
dentro dafay-enda, ji esta inventado e e de uso corrente, em trabalhos
que exijam movimentos de terras de alguma importancia em lugares
onde se disponha da energia electric; tudo depend, para estas
maquinas s6bre viaturas autom6veis, de que se tenha perto umia toma
de corrente, de onde por meio de um pequeno cabo-condutor portatil.
a corrente seja levada ate A mdquina. O caminho de ferro elctrico,
grande ou pequeno, como deva ser o da faLen.la. esta long de ser
uma novidade;--as grandes bombs elevadoras de agua para irriga-
c6es, movidas por electricidade, jA cm muita parte slo empregadas:
-o trapiche, mesmo o modern, corn os seus nove cilindros e mais
os dois do desfibrador, movido el6ctricamente, que nio sei se al-
gures jd se empregou, nio constitui, evidentemente, mais especialidade









33


do que qualquer mAquina possante das muitas que se empregam hoje
nas grandes fibricas movidas pela clectricidade;--emfim, a farm eld-
ctrica nio 6 uma utopia, nio e um sonho;-6 ji uma relidade s6bre
que se escrevem livros, ensinando a melhor forma de a organizer e
de a explorer.

Indistrlas privativamente electricas
Mas, quando mesmo me nio alcunhem de sonhador, porque eu de
isso me defend, podcrio dizer-me: A eslacao hidro-el6ctrica custa
muito dinheiro, e tern de scr feita, a bem dizer, toda de uma vez, em-
quanto que a utilizacio da energia que produz, para ter a sua aplica-
cio final de auxiliar da agriculture intense, s6 poderd ser efectuada
por parties, gradualmente, o que o mesmo que dizer que o grande
capital empregado naquela estacSo tern de estar, por largo tempo,
limitado ao parco rcndimento que Ihe d& a porcdo da energia que f6r
sendo utilizada, e de ahi um 6bice important a opor-se a realizacio
pritica da energia barata.
Respodcrei que, para destruir, ou atenuar, o valor desta objeccio,
serve as tais indlstrias privativamente electricas, a que jd fiz refe-
rnncia, as quais nao teem patria, porque sio de toda a parte onde se
possa obter a energia electrica barata --- as do fabric do aluminio,
do carbureto de calcio, do nitrato de cal, da cinamide, e, porven-
tura, de outros produtos.
A estacdo hidro-electrica seria utilizada, numa primeira fase, para
algum destes fabrics, dos quais os dois 6ltimos so para recomendar,
visto o carbureto de calcio ter aqui ji um consume de alguma impor-
tancia, e dever t6-lo muito maior aqui e na Africa do Sul,-e visto a
cinamide, como produto succedaneo que 6 do guano do Peru, ter ja
tambmm, na Europa, important consume, que o esgotamento, para
muito breve, dos jazigos do dito produto, vai tornar importantis-
simo. (1)
Slo estas duas indistrias, que muito pouco pessoal operario exi-
gem, aquelas a que acima me referi como possiveis aqui em grande
escala, e como recomendiveis numa primeira fase de valorizacio desta
parte da Provincia de Angola.


(1) I na Noruega que se esta fabricando, em grande, a cinamide por meio de
um process eldctrico ainda de patent, explorado pela aSociedade do Azote,.
A patente deste process vai caducar dentro de dois anos (salvo erro), e jai uma
sociedade alemr se prepare para utilizav para o fabric da cinamide uma enorme
queda de Agua de que obteve a concessao no Brasil, ," 'i I 1'-









34


A esta primeira fase.seguir-se-ia a outra, de muito maior valori-
zacao, sendo utilizada a energia electrica barata para desbravar e agri-
cultar o solo muito rico desta part da Provincia, tornado capaz da
agriculture intense por meio da irrigacio em larga escala.
O fabric do carbureto de calcio c o da cinamide ficariam subsis-
tindo, on scriam relegados para aqucles pontos onde a energia c!e-
ctrica n~o pudesse ser dada a aplicacio mais remuneradora de auxi-
liar da agriculture, ou outra acomodada as condic6es cconomicas da
Provincia.
Tiao grande 6 a quantidade de energia, que se pode obter, que para
tudo cla deve chegar, restando apenas verificar se, como 6 minha con-
viccio, ela podcra efcctivamente ser aqui obtida por preco compara-
vel cor o mais baixo o de uma libra por cavalo-rapor annual -a que
se ter chegado em outros paises, por exemplo, na Noruega Para
esta vcrificacio nao chegam, infelizmente, os meus recursos, embora
me sobeje o desejo de ver complctamente esclarecida esta importan-
tissima questao.

Mat6rias primas
Nos dois fabrics, a que acabo de me referir, tio pouca intluncia
tem a mat6ria prima principal que empregam a cal -- que me ia
esquecendo de dizer que ela se pode obter mesmo junto das esIacO's
hidro-elCctricas, que mencionci, a titulo de primciras a deverem ser
estabelecidas.
E, tratando das materias primas que possam aqui ser produzidas,
e cujo fabric seja para recomendar na Provincia, alem da cana
sacarina, que s6 pode ser fabricada no lugar onde se produz fabrico
a que adiante me referirei), creio poder afirmar que ha cm Angola,
mesmo antes de se poderem cmpregar as grades irrigac6es, um pro-
duto da sua agriculture que poderia c deveria ser aqui fabricado -
o algodio.
Em terrenos sem humidades cm excess, dos que hi nos vales do
Cuanza, do Bengo, do Caporolo e de muitos outros rios, onde a rega
do algodoeiro, por s6mcnte ser necessaria excepcionalmente em oca-
si6es de seca, poderia ser cfectuada por meio de bombs, creio bem
ser possivel colher-se o algodLio que baste para um fabric propor-
cionado ao consume da Provincia.
Em sitios muito salubres, atd onde pudesse ficilmcnte ser levada
a energia eldctrica de alguma das quedas do Cuanza, como poderia
ser, por exemplo, Malanje ou Pungo Andongo, uma ou mais fabri-
cas de fiar e de tecer o algoduo, sem ter que empregar de importa-









35


clo (al8m dos maquinismos, que, jd vimos, pouco deve preocupar qiue
sejam importados) nada mais do que a mao-d'obra, poderiam ser
estabelecidas e trariam para a Provincia vantagens muito importantes.
Operarios portugueses, dos que se empregam na metr6pole nesta
indtstria-l h estabelecida ao arrepio das condic6es ccon6micas do
pais e que s6 podefi ter la uma vida de mis6ria, e, ainda assim, a
custa de uma proteccio pautal, que c mais um imposto lancado s6-
bre o consumidor, poderiam encontrar, naqueles pontos, nao s6 o
maior salario, que a economic realizada nos capitulos da forca mo-
triz e dos transportes das materias primas e dos produtos fabricados
poderia permitir, como o maior bem-estar resultante das subsistencias
mais baratas:-em qualquer daquelles pontos, os cereais-milho, ba-
tata, feijio, etc.-poderiam obter-se por preco infimo, e a care seria
mais barata, pois que deve poder de 1i ser exportada para consume
na metr6pole, ou em outros pontos da Europa.
Mas, dir-se hi, isso 6 contra o principio de que as col6nias devem
ser para a metr6pole o mercado do que as indistrias desta produzam
a mais do necessirio para o seu consume pr6prio;-ao que responde-
rei que nao descubro onde possa haver, nem justice, nem bom-senso,
no facto de serem criadas e mantidas, a sombra de protecc6es pau-
tais, industrias que, para exportarem para as col6nias o que produ-
zam a mais do que o necessArio para o consume do pais, tenham de
exigir o sacrificio de todbs, quando poderia nio haver sacrificio para
ninguem, a nao ser o do opertirio ter que deixar a metr6pole, onde s6
tem miseria, para vir para a col6nia, onde pode ter abundincia, e
onde pode concorrer cor alguma coisa para o engrandecimento dela,
que tambem 6 engrandecimento da miie-pitria: quando mais nao
seja, corn os filhos, que, em vez de herdeiros de mis6ria, poderiam
aqui encontrar, num mundo novo, melhor future, mais largos hori-
zontes de fortune.
Mas, emfim, entra isto pelas transcend6ncias das sci6ncias econ6-
micas, em que me nao sinto forte, e 6 possivcl que eu esteja a dizer
heresia:-se nao 6 pois possivel que, para o consume de Angola, aqui
se fabrique o algodo--onde ele se cria, onde ha a f6rca para o trans-
formar, onde esti o consumidor, s6 faltando a mao-d'obra e mais
aceitivel 6 que le se fabrique na metr6pole onde s6 a mto-d'obra
existe faltando tudo o mais--apague-se do meu esb6co este traco, que
ainda restario os bastantes para definir um vasto campo para o tra-
balho guiado pela sci6ncia e desembaracado da rotina, para o capital
inteligentemente aplicado com largas vistas, e para todas as iniciati-
vas patri6ticas.









36


Industria do fabric do agucar

Resta que me refira, como tenho vindo anunciando, a industrial do
fabric do acicar.
Taio intimamente ligada ficou esta inddstri a agriculture da cana
sacarina nesta Provincia, que para se falar duma indispensavel se
torna falar da outra; e, se nesta altura me refiro a industrial do fa-
brico do acocar de cana, da qual niio conheco os pormenores. nem
6 para aqui referi-los ou aprecid-los, mais 6 para reconhecer, cm globo,
que tanto este fabric como a agriculture da cana, tais como aqui se
praticam, estio, por emquanto, falhando ao seu fim fltimo-o da pro-
ducao do acucar por preco taio baixo que possa concorrer nos mer-
cados com o de qualqucr outra proccdencia, independentemente de
qualquer protcccio pautal, ou de quaisquer pr6mios de exportacio.
; Melhorando-se os processes da cultural da cana, corrigindo-se os
maquinismos c os processes do fabric do ac6car no que tenham de
defeituoso, ampliando-se uns e outros por forma a ter-se a cultural e
a indtstria em grande, e, entrando se, para urna c outra, corn o va-
liosissimo recurso da energia electric barata, poderi aqui aquele fim
iltimo ser atingido ? Eis a questio que, nos seus tracos gerais (como
nas outras a que me tenho referido), me proponho agora tratar.
Duma interessante publicac~o s6bre a cultural e a industrial da cana
sacarina, nas Ilhas Hawaii e na Rehnitio (Culture et Indus!ri e la
cane a sucre, aux Iles Haway et d la Reunion, par Leon Colson. i9o5i,
extrai, referida ao custo da tonelada de ac0car, pronto a ser expor-
tado, nas fabricas de plantac6es, consideradas boas, das Ilhas Hawaii,
a seguinte nota, que nem apresento tio minuciosa como vem na ci-
tada publicacao por nio ser necessario para o meu fim:

Nota extralda do Ilvro de Leon Colson
Francos
Preparacgo do terreno e plantacio ..................... 15,5
Irrigacio .............. .. .......... 32,22
Fertilizacao............................. 24,01
Cultura.. ..... Pocos artesianos, bombs clevat6rias...... 21,41
Sacha e cava................. .... ..,33
Desfolhagem da cinan... ................ 2,16
Soma... 8673
Transported p Corte da cana .................... ..... 12,85
Transporte para
a fibrica..... Carga ......... ................. .... 16.4
Transporte pr6priamente dito............. 6,22
Soma... 35,,1









37


Fafbrica ............. .................. 13,99
Despesas de reparacio ........... .. ... 2,39
Soma... 16,38

Embalagem: Sacos de embalagem................... 8,62
Despesas diversas, juros de capital, depreciac6es, etc....... 45,51
Total por tonelada... 209o,1

O custo medio da tonelada de acucar, em todas as plantac6es das
Ilhas Hawaii, seria de 245,60 fr.
Ou se)a, na nossa moeda, suposto o franco a 200 r6is, o custo, por
tonelada, na fibrica, 49120o reis.
Nio sei se, nas duas fabricas que conheco, a da Fa7cnda ,Bom
Jesus),, e a da Facnda ,Tentativao, ter, sido organizada a estatistica
do custo do acucar, com tanta minuciosidade como a que. acabo de
citar, como muito importaria para se apurar, pelo confront, donde
veem as diferencas que se observam nos numeros finais, as quais sao
muito grandes.
Segundo indicac6es que encontro no livro Angola, de Paiva Cou-
ceiro, o custo da tonelada de acicar na fabrica do eDombe Grande
(que nao deve ser muito diferente do daquelas duas), aproveitando para
alcohol os melacos (que, nas Ilhas Hawaii, se empregam como adubo),
nao serd inferior a 70oooo r6is
Ou seja uma diferenca de 20o88o r6is.
Tomando esta indicacdo como exacta, tenho como evidence que,
nao podendo uma tio grande diferenca ser atribuida a menor percen-
tagem em sacarose da cana de Angola, pois que a andlise, acusando, 6
certo, diferencas para menos nesta, as nio acusa muito fortes, 6 em
coisas remediaveis, como sejam na carestia da cultural, no menor ren-
dimento em cana das plantac6es, na imperfeicgo dos maquinismos e
do fabric, que ela tem de ser encontrada.
Uma grande parte da dilerenca pode logo ser encontrada na me-
nor producao em cana por hectare mais de 0oo toneladas, enl md-
dia, por hectare, nos terrenos irrigados das Ilhas Hawaii, contra,
quando muilo, 75 toneladas em Angola.
Mas 1I adubam-se fartamente os terrenos, depois de anilises nu-
merosas para se reconhecer do que carecem, e leva-se a cultural at6
aos uiltimos esmeros;--aqui nada disto se faz. -Nada impede, po-
rem, que se faca, sendo por isso, um mal remediavel.
Outra grande parte da diferenca encontra-se na quantidade de ga-
rapa extraida da cana mais de 8o quilogramas de garapa normal




rf"X :.` ...




38


por 1oo quilogramas de canas, nas Ilhas Hawaii, contra 70 quilogra-
mas em Angola.
Mas 1I empregam-se os trapiches, ou moinhos, de nove cilindros,
e os desfibradores e os filtros-prensas, desde 6poca anterior aquelas
em que foram montadas as fabricas do aBom Jesuso e da aTentativaq,
cor os seus trapiches de tres cilindros, s6 illtimamente adicipnaedos
Sdo aperfeicoamento do desfibrador, e corn o filtro-prensa.-Isto 6, as
Sfbricas de Angola, pelo menos as do ,Bom Jesusp e ,TentativaD,
nasceram velhas.-Mas nada impede que, como velhas, sejam postas
de parte naquilo que nao tenham aproveitAvel, e sejam substituidas
por outras que estejam a par dos Pltimos progressos:-o mal 6, ainda
aqui, remediavel.
Outra parte, ainda, que deve ser muito important, da diferenca,
notada no custo do aqicar, em Angola, e nas Ilhas .Hawaii, provem,
sem diuvida, das menores despesas gerais de plantacgo, de cultivo,
e de fabric -nas Ilhas Hawaii em comparaqgo cor Angola, por se-
rem Id as Faqendas, como em geral em quasi toda a parte, de propor-
,6es muito maiores : -- so freqientes, nas Ilhas Hawaii, as grades
Splantac6es, alimentando fdbricas que, em trabalho de 18o dias por
ano, produwem para cima de 3o:ooo toneladas de actcar-o que cor-
responde a uma capacidade de producgo didria de 166 toneladas e de
extracqo do doacicar de, pr6ximamente, 1:400 toneladas de canas.
Tio pequenas sao, por eniquanto, a extensao das nossas, planta-
c6es e a capacidade de producio das nossas fabricas que nem vale a
pena p6-las em confront cor esta enormidade.--Mas, ainda neste
caso, o mal 6 remediavel, porque terrenos facilmente irrigaveis, coin
faceis comunicac6es e cor grandes areas, pr6prios para a cultural da
cana, h-os, a cada pass, nos vales do Cuanza, do Bengo e do Dande,
para citar s6mente estes tres rios.
Os do iltimo estgo em condic6es verdadeiramente excepcionais,
como adiante-veremos.



Indiquei, ao correr da pena, pelo confront cor o que se pratica
nas Ilhas Hawaii, defeitos a corrigir aqui; e citei s6mente aqueles que,
pelo seu maior vulto, sao perceptiveis por mim, que ngo-conheqo as
minuciosidades, nem da cultural da cana, nem do fabric do acicar.
Sem divida, que vista mais perspicaz e mais educada poderia desco-
.brir ainda muitos mais defeitos a corrigir;. -e que devem ser corri-
gidos, porque, tratando-se dum produto superabundante e que encon-







|4 '
Bifi" ir11 ., .. < <'\ *** *. .* ^









39


tra a concorrencia por toda a part, como 6 o acicar, nio hA eco-
nomia, por pequena que seja e esteja onde estiver, que naio deva ser
aprovcitada.
Mas, felizmente, que nem tudo sLio defeitos a corrigir, tcmos tarn
bem vantagens a fazer valer e a aproveitar; -- assim, pelos' niimeros
acima citados, relatives no custo do acucar nas Ilhas Hawaii, sc ve
que a irrigacio 6 Ia dispendiosa, sendo isso dcvido, ora a screm pre-
cisas grades cxtensGes de canais de irrigacio e de canalizac6es fc-
chadas, ora a ser precise o emprego de possantes bombas elevat6rias.
Nos pontos de Angola que acima citei, a irrigacio podera ser obtida
por simples derivac6es dos rios, cor pequenas extens6es de canals,
c, quando estes naio possam scr empregados, a altura de elevaco da
Agua, que haverd que ser vencida pelas bombas, serd muito pequena
e por isso pouco dispendiosa a irrigacdo.
Nas Ilhas Hawaii, a miro-d'obra, na sua maioria prestada por
imigrantes japoneses (e tambdm por b:istantes portugueses) c caris-
sima -cdrca de o d dollars por trabalhador e por inds, e mais habita-
cdo e assistLncia mddica. Aqui, apesar da escassez de que todos os
agricultores se queixam, a carcstia, mesmo com o agravamento que
rcsulta do pouco que o indigcna produz em trabalho, ainda niio che-
gou a aste ponto.
LA, os motors empregados sao a vapor c todos os geradores,
corn exccpqco apenas dos das fabricas, alimentados corn o bagaco da
cana moida, consomem o carvao importado, que e caro. Aqui poderd
dispor-se da energia clectrica por baixo preco, desde que se utilize,
em grande, as quedas de Agua, como acima foi indicado.
E fundando me na entrada para a economic da Provincia com
este importantissimo factor que eu julgo poder afirmar-se que e pos-
sivel obter-se aqui o acdcar por tao baixo preco, ou mais baixo ainda,
do que na maioria dos paises, onde le se produz para abastecer os
mercados mundiais, nio sujeitos ao imposto de importacio proibitivo.
Cor a correccto nos defeitos do fabric deve aqui poder chegar-se
a resultados muito aproximados dos realizados em outros pontos--
o de se extrair da cana 8o 0/o do seu peso em garapa, e o duma
perda no fabric apenas de o,5 ou de I o/o do acuicar nela contido.
Corn a seleccio cuidada das plants e cor o emprdgo do adubo
apropriado deve powder chegar-se a ter a cana, corn a percentage de
sacarose e em quantidade por hectare, muito aproximadas das que
teem em outros paises.
E, com o largo emprego das mdquinas, alimentadas corn a ener-
gia electric muito barata, economisar-se ha muita mio-d'obra, tanto









40


na preparacio do terreno, como na cultural e no fabric, vencendo-se
assim o que porventura falte na qualidade e quantidade da cana, e
indo-se, talvez, mais alCm na economic fnal realizada.
HA, ainda, nesta 7uestilo, um ponto important a considerar, que
e o dos mercados c sua capacidade, pois se sabe que sio estes limi-
tados, por, cm certos paises, como, por exemplo, a Franca e a Ale-
manha, haver o imposto de importacio, a bem dizer proibitivo, pro-
tector do seu acucar national de beterraba.
Por falta de dados e de statistics, nio sei eu apreciar a questao
sob este ponto de vista;-parece, comtudo, que nio podera ele influir
senao no limited a fixar aqui a produccio, limited que, compreendido o
mercado national, mesmo sem o bonus, sera folgado, desde que o
barateamento da produc~o seja realmente muito grande. cemo, pelas
raz6es expostas, me parece que devera ser.

Agriculture da cana e fabric do agficar no Dande
Indiquci, acima, o vale do rio Dande, como send um dos pontos
da Provincia onde excepcionais condic6es se encontram para se pra-
ticar, cm grande, a agriculture da cana e o fabric do acucar e
assim e.--Ao long daquele rio, de curso muito sinuoso, como, em ge-
ral, sucede nos rios de Africa, quando correm em planicie de pequena
pendente, encontram-se, desde a povoacio do Sassa atr a da Barra
do Dande, e mais na sua margem direita do que na esquerda, exten-
sas virzeas irrigaveis que, por apreciacio a vista, calculo dcverio per-
fazer, pelo menos, uns dez a doze mil hectares.- Na maior parte
destas vwrzeas a irrigagio poderd ser obtida (como ji o e na pe-
quena parte que estA agricultada) por meio de pouco extensos canais
derivando a Agua do rio;- e, como cste ter, como vimos, um caudal
important, poderi, em abundancia, fornecer para as regas toda a
Agua neces.i ria, mesmo sem sacrificar em nada a navegacao que ora
permit at6 ao Sassa, ou, melhor, at its (Mabubass, uns quil6metros
mais acima, ja entire montanhas.
Na orla do vale, junto do sopd das encostas que o limitam, encon-
tram-se terrenos mais baixos e algumas lagoas, para onde se podera
fazer correr o excedente das aguas de irrigacao c as aguas de infil-
tracio dos terrenos cultivados, e done, por meio de canal seguindo
os terrenos mais baixos, e ligando as lagoas, se podera fazer descar-
regar aquelas aguas para ponto a jusante c mais baixo do rio.-Isto
e, naio s6 sera facil a irrigacio, como tambem seri facil a draina-
gem.
Os terrenos de todo o vale, mas mais talvez os do Alto Dande, sio









4'


duma grande fertilidade e pr6prios para a cultural da cana, como o
demonstram as plantac6es ji all existentes, e as que foram iltimamente
cortadas na extensio dalgumas centenas de hectares, quando muito: -
em alguns pontos se tem verificado darem muito perto de 1oo tone-
ladas de canas por hectare;--em m6dia deve atribuir-se-lhes, sem adu-
bos, uma producio de 8o a '90 toneladas de cana por hectare, no
primeiro corte.
E, a acrescentar a todas estas vantagens, reunem os terrenos ir-
rigaveis, a que me estou referindo, a vantagem inapreciavel de terem
perto como que 1 posta pela natureza para Ihes realcar o valor -
a queda e garganta do rio Dande, denominada KMabubas>, onde, com
despcsa relativamente pequcna, se pode estabelecer a estacdo hidro-
electrica, a que jd fiz referencia, capaz de produzir, em m6dia, uma
f6rca de 3o:ooo cavalos-vapor, com oscilac6cs centre 7:500, no minimo,
e 37:500, no maximo, que se dara quando possam trabalhar todas as
maquinas.
Quando, postas de parte todas as rotinas, c aproveitadas todas as
vantagens, o vale do Dande seja todo bem cultivado de cana, poderd
esta dar para o trabalho de duas grandes fabricas, produzindo cada
uma, por ano, 3o:ooo toneladas de acutcar, ou seja, suposto um preco
minimo de 5oooo reis por tonelada, na fabrica, um rendimento bruto
de 3:o00 contos de r6is.
;No serd o caso para se prestar a tio important questgo toda a
atencio e estudo?
Parece-me que nio deixara muito a desejar o quadro, que acabo
de tracar, das circunstancias favoriveis que se encontram no vale do
Dande.- Para o tornar mais complete, apenas.convirA acrescentar que
6le se acha situado nao muito long de Loanda (uns 50 quil6metros),
que tem para esta cidade comunicac~o menos ma, por meio de regu-
lar estrada at6 Quifangondo, e por caminho de ferro at6 Loanda, e, o
que vale muito mais, tem para este porto comunicacao fluvial-mari-
tima:-o rio Dande, quando limpo e alguma coisa beneficiado, poderd
facultar navegacLo a barcos de 3o toneladas, que, rebocados, poderao
trazer, muito econ6micamente, da barra do Dande ate ao porto de
Loanda, todos os produtos do seu tao rico quanto formoso vale.

M6todo de valorizaqgo a seguir no vale do Dande,
aplicavel a outros casos
Procurando, para a valorizacio da Provincia, por meio de grande
desenvolvimento dado a cultural da cana e correlativo fabric do acu-
car, um modo de proceder que possa conduzir ao fim, indicarei, como









42


aplicAvel a outros casos, aquele que, segundo o meu parecer. seria o
mais convenient para o case particular dos terrenos do vale do Dande.
Os actuais proprictarios da part dos terrcnos onde existem ou
existiarn ate hla pouco, plantac6cs de cana, agremiar sc-iam, numa
primeira sociedade preliminary, para, corn o auxilio do Governo. on
mesmo scm dle ('), mandarem estudar poir icdnicos absoilltanzeCltel corn-
petentes, cada um na sila cspecialidade, o piano geral do aproveita-
mento dos terrenos de todo o vale do Dandc para a agriculture da
cana sacarina e correlativo fabric do acucar.
Este piano geral deverd compreender :

I-O levantamento da plant cadastral, e cotada. de todos cs ter-
renos, bastante rigorosa e detalhada;

II-Um project complete da irrigaico, da drainage e da divisio
dos terrenos em talh6es de cultural, corn o tracado, detalhes e medi-
clo de todas as valas, diques, ruas de service c de todas as obras e
edificac6es a executar;

III- Um project complete da cslacdo hidro electric das labu-
bas,, c, bem assim, o da distribuicio da energia clectrica por todos
os terrenos, edificios c fibricas, ou seja, o project conmpleto da el'c-
trificacSo de todo o vale do Danidc, visando a que todos os trabalhios.
executlveis por meio de miquinas, o scjam corn empgomp da ener-
gia electric;

IV- Os projects cor.pletos da fdbrica, ou fabricas, de acucar jul-
gadas necessdrias para trabalhar a cana produzida em todo o vale do
Dande.

Todos estes projects corn os seus orcamcntos de previs i tto
aproximados quanto possivel.

(1) Em boa raz5o, o Governo deve concorrcr para a dspesa alcatoria dos e-tu-
dos, nao sd porque ao Estado compete intcressar-se por um cn.pre-ndimento da
tio grande importAncia para a Provincia, mas tamhGm porque dive evitar crro.
que sem a sua intervencio podcriam scr cometidos, como seria, por excmplo, o dc
um propricturio, visando s6mente os scus terrenos, se utiiizar da queda d; ,:t.
apropriando a para produzir s6mente a quantidade dc fo6ra de que para cl-e prc-
cisasse, impedindo, assim, que os outros proprict:iiris sc aproveitassemr d-o bencl-
cio, que deve ser para todos e que para todos chega.
O caso da valorizacio do vale do Dande e, talvez, daqueles em que seia justi-
ficada uma lei especial de expropriacio.









43


Por'oca'sio de' rclm' clbo:rados estes projects deverd ser estu-
da do'o 'eg inteiprblemia \Poy6o,pois' correlativo d'aelecti'ifbacao,
aab ery^se praticvel, se ,incorveniehttes, ser conduzidha a, garapa,
depoi de reutra lizada\efiltrada a frio, por tubagem, a grande".distan*
ct;- ois, no /cso lirm i...: devera otrabalho de moer a cana e
do primeiro tr It in lcntl a garapa sci feitopor mioinhlos de. menores
dio'esoeVcl que ulsuals, sem, deixarerm de tr .os scus oove cilindtos
restanies apcrfeicoaento e poI, defcad :as .l 'r-pn. .(n -e
out'ras i-, .vci emn'viatutras coLn rodas dc ~nlIii .1 queo' -
Irf junt doi h1., onde sc ..'c.CCLIC codte-'da cana, e 'dondci p.or
ineio/de b mb e d\ tubag em permanente formarf'do rec, a. garapa,
nl.;tra \fi lfada, eja conduzida at' a fibrica.
E evidence a economic que resultard dum tal sistema, se le f6r
praticavel, porque 6 muito mais barata urna ride de tubos do que
uma rede de caminhos de ferro dentro da Falenda, e porque 6 tam-
bem muito mais barato transportar a garapa por meio de bombas, e
transporter os inoinhos para os pontos onde tenham de trabalhar junto
dos talh6es, do que transportar em caminhos de ferro a cana at6 a
fabrica.
Conhecida pelos projects a despesa a fazer, o estudo econ6mico
do empreendimento demonstrard se ele 6 realmente vidvel, como todos
os dados actuais indicam que o serd, e, no caso afirnativo, a socie-
dade preliminary, quando nio disponha de recursos proprios bastantes,
recorrerd ao Banco, e ela, com o auxilio ddste, deverio promoter que
se organize uma sociedade definitiva- Companhia--para levar a cabo
o emprcendimento.
A Companhia deverd comecar por adquirir todos os terrenos do
vale do Dandc, e por construir a estacdo hydro-clectrica complete,
menos a instalacio de mdquinas que nio sejam necessdrias numa pri-
mcira fasc, e deverd, em seguida, executar met6dicamente todos os
projects que correspondam a uma part das plantac6es c respective
fibrica;--para continuar, quando esta part esteja complete e a fun-
cionar, com a montagem de mais miquinas na estacao hidro electric
e cor a execucao dos projects que correspondam a outra part; -
e assirn, sucessivamente, se houver que montar mais de duas fdbri-
cas.
Nos detalhes financeiros, pr6priamente ditos, nio sei cu entrar,
nem d para aqui o tratar diles; como naio seria para aqui o tratar
dos pormenores, a que acabo de me referir, se o que exponho houvesse
de ser apreciado exclusivamente por t6cnicos. Indicando os tracos
dum piano geral de estudos e o metodo de execuc~o dos projects,












reconheco bem que tal indicacao deve ser tida como uma banalidade
por quem f6r t6cnico; mas muito propositadamente assim procedo,
para dar algum fundamento a afirmacao de que s6 os estudos do grande
empreendimento a que me estou referindo deveriio custar algumas
dezenas de contos de rdis; e por aqui, sc ajuizara que nio e de pe-
quena coisa que se trata.
Que se nao assustem, porem, por tal motive os homes do dinheiro;
e, para nio se assustarem, que olhem para a grandeza do fim que se
tern em vista: nio se conseguem, em geral, os grandes fins, sem o
emprego dos grandes meios.
E uma declaracio ultima julgo, nesta altura, necessiria:- c a de
que, no que deixo dito, a respeito do aprovcitamento dos terrenos do
vale do Dande, nito hd, da minha part, nem de perto, ncm de long.
a intencio de defender, diantc de quem quer que f6r, a causa dos
actuais proprietarios daqucles terrenos, nem com dles tive s6bre tal
assunto qualquer troca de ideas; 6 ate possivel que sejam eles os
primeiros a achar que as minhas idcias sio impraticiveis por demasiado
grandiosas, e que estou a sonhar.

















Vias de comuniagao para o interior Sistemas
de eonstnuqoes




Suponho term sido incluidos estes dois artigos no program que
me ioi ditribuido, nio com o fim de se obter noticia ou descricdo do
que esta feito s6bre estes dois assuntos, mas com o de se saber se
neles hi aqui campo para emprigo de capital corn probabilidade de
lucros razoaveis e seguros, ou para, dentro dele, se prestarem auxi-
lios que redundem em beneficio para os outros ramos de actividade
na Provincia.
Assim intcrpretando, dirci:
Quanto a vias de comluicacdo, entendo que 6 ao Estado que com-
pete faz6-las, c que, salvo algum caso muito particular, o capital empre-
gado em vias de comunicacio, em paises que cstio por fazer, s6 ao fim
de largos anos poderd encontrar, no rendimento da sua exploracao, re-
muneracao razovcel. E, at6, por esta principal razlio que eu entendo
que clas devem scr encargo-do Estado, in'ca entidale cm condic6es
de podcr suportar tal encargo, por ser ele quem recebe as compen-
sac6es indirectas, provenientes do desenvolvimento que as vias de co-
municacao determinam.
Qlha;to a construcces, ni-o hi, na actual fase da vida da Provin-
cia (se exceptuarmos o Lobito, quando se publique a nova lei s6bre
concess6es de terrenos) nenhuma povoaco, onde se note, ou onde se
possa esperar para breve, qualquer actividade neste sentido.
Em Loanda, quando a cidade seja dotada corn o melhoramento
Sda viacSo electric, ligando o lugar onde ela estd corn aquele onde
devia estar e para onde ela sucessivamente hi de mudar-se, e quando
os hibitos portugueses se civilizem at6 ao ponto de se considerarem
a casa de habitacdo e o estabelecimento commercial (cor as suas de-
pendencias, muitas vezes pouco limpas e pouco bem cheirosas) coisas
separdveis e que o devem ser a bem da higiene, 6 provavel que alguma
vida venha a manifestar-se nas construc6es urbanas, sendo entao che-









46


gado o moment de o Banco poder e dever auxiliary quaisquer empresas
construtoras.-Por emquanto parece-me cedo para isso.
De resto, 6 tio vasto o campo onde le tern dc exercer a sua ac-
cio, no com6rcio, na agriculture e na indtstria, que me nio parece
que precise de procurar mais para onde se expand.





















Conclusoes



As conclus6cs do que deixo exposto podem reumrir-se no seguinte:

i.' Que hi nesta grande Provincia, no campo da agriculture e da
inddstria, muitas riquezas, sendo aquelas que mais sc prestam a ser
exploradas, na present fase do seu dcsenvolvimento, a da criacio do
gado, a da cultural das drvores da borracha e a da cultural da cana sa-
carina para o fabric do acucar; -- sguindo-se, quando se executed
grandes trabalhos de irrigacio, as da cultural do algodto e dos cereais
africanos.
2.' Que hi, na zona contigua a do litoral da Provincia, onde esta
6 atravessada pelos seus maiorcs rios, a possibilidade de se obter, em
grande quantidade c por baixo preco, a energia clectrca ; c que pode
e deve esta constituir um valiosissimo auxiliar da agricultural e da in-
dustria.
3.' Que consider como unicos processes praticos de se conseguir,
em tempo zutil, a valorizacao da Provincia, pela cxploraciio das suas
riquezas agricolas c industrials, aqueles em que se apliquem os mo-
denos instruments de trabalho que cstUo sendo empregados cmlarga
escala nos praises novos, c, dum modo geral, os processes das explo-
rac6es em grande.
4.' Que, sendo condicio impreterivel do emprego destes proces-
sos a nccessidade de avultados capitals (que, raro ou talvez em ne-
nhum caso existam no nosso pais, nem na metr6pole, nem na col6nia,
nas mibos de proprietarios que os queiram aplicar aqui) e por meio do
capital colectivo-pela conpanhia on emnprcsa bem administrada-que
julgo se poderd alcancar aquela valorizacio da Provincia.--E, como
coroldrio destas conclus6cs:
5." Que ao Banco Nacional Ultramarino, quando tenha por obri-
gacao, como Banco de fomento, promover o desenvolvimento da agri-









48


cultural e da inddistria na Provincia, incumbe o deer de promoter a
formaco destas empresas e de as auxiliar cor o necessario ca-
pital.
Mas entendo que nio devera limitar-se a isto a sua accao bencfica:
--iisando a corrigir defeitos que hd no nosso meio agricola e indus-
trial e a evitar que disses defeitos resulted desastres-deve, por meio
de um pessoal t6cnico da sua confianca, absolutainente competente e
experimentado, verificar, antes da formacio das empresas, que os em-
preendimentos a que se destined oferecam todas as probabilidades de
bom exito, que sejam planeadas com o devem ser, e que, quando se
executed, o sejam conforme os pianos, ficando o Banco scmpre na
mno com os meios de, a tempo, evitar que os que dele recebam di-
nheiro o apliquem mal, como, creio, muitas vezes sucedeu cm tempos
passados.
Nao sei se, no que acabo de dizer, haveri tambem heresia cm ma-
t6ria de finance; -- se a ha, que me seja relevada pela intencao que
tenho ao proferi-la, que 6 a de que todos os que neste pais trabalhem,
caminhem sem desvios, na direcclio do tim do seu proprio engrande-
cimento, que serA o engrandecimento desta tio rica e tio bela co-
16nia.

Ai fica o que me ocorreu dizer s6bre o program de informac6es
que V. Ex a me pediu.-Vale muito pouc o que deixo dito, porque
nio haverA uma Onica indicacio que nio careca de ser confirmada por
mais estudos ou por mais complete informaciio. Mas e o que tenho,
e, quem di o que tern, a mais naio 6 obrigado.
Possa, de alguma das minhas indicac6es resultar, no final, alguma
coisa de born, seja para quem for, e isso bastari a deixar-me satis-
feito.
Subscrevo-me, com muita consideracao e estima

Loanda, Novembro de 191I.

De V. Ex."
Am.0 mt.o at.0, ven."oe obrigado

lM. F. da Costa Serrao


Director do C. F. A. A.




University of Florida Home Page
© 2004 - 2010 University of Florida George A. Smathers Libraries.
All rights reserved.

Acceptable Use, Copyright, and Disclaimer Statement
Last updated October 10, 2010 - - mvs