• TABLE OF CONTENTS
HIDE
 Cover
 Half Title
 Title Page
 Dedication
 Algunas palavras
 Servicio do Districto
 Commercio e Industria do Distr...
 Regimen do alcool
 Emigração para o Transwaal
 Concessão de terras
 Adminstração do Districto
 Documentos
 Table of Contents
 Errata














Group Title: Um governo em Africa : Imhambane 1905-1906.
Title: Um governo em Africa
CITATION THUMBNAILS PAGE IMAGE ZOOMABLE
Full Citation
STANDARD VIEW MARC VIEW
Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/UF00072651/00001
 Material Information
Title: Um governo em Africa Imhambane 1905-1906
Physical Description: 264 p., 2 l. : ; 18 cm.
Language: Portuguese
Creator: Almeida Garrett, Thomaz d'Aquino de Almeida Garrett de, 1883-1929
Publisher: Typ. da Empreza da historia de Portugal
Place of Publication: Lisboa
Publication Date: 1907
 Subjects
Subject: Politics and government -- Inhambane Province (Mozambique)   ( lcsh )
Genre: bibliography   ( marcgt )
non-fiction   ( marcgt )
 Notes
Bibliography: "Documentos": p. 231-264.
General Note: At head of title: Th. de Almeida Garrett.
 Record Information
Bibliographic ID: UF00072651
Volume ID: VID00001
Source Institution: University of Florida
Rights Management: All rights reserved by the source institution and holding location.
Resource Identifier: oclc - 09677976
lccn - 42034965

Table of Contents
    Cover
        Page i
    Half Title
        Page 1
        Page 2
    Title Page
        Page 3
        Page 4
    Dedication
        Page 5
        Page 6
        Page 7
        Page 8
        Page 9
        Page 10
    Algunas palavras
        Page 11
        Page 12
        Page 13
        Page 14
        Page 15
        Page 16
        Page 17
        Page 18
        Page 19
        Page 20
    Servicio do Districto
        Page 21
        Page 22
        Secretaria Civil
            Page 23
            Page 24
            Page 25
        Serviço de Telegraphos
            Page 26
            Page 27
            Page 28
            Page 29
            Page 30
            Page 31
            Page 32
            Page 33
            Page 34
            Page 35
        Serviço do Correio
            Page 36
            Page 37
            Page 38
        Obras Publicas
            Page 39
            Page 40
            Page 41
            Page 42
            Page 43
            Page 44
            Page 45
            Page 46
            Page 47
            Page 48
            Page 49
        Serviço de Fazenda
            Page 50
            Page 51
            Page 52
            Page 53
            Page 54
            Page 55
            Page 56
            Page 57
            Page 58
        Serviço de Alfandega
            Page 59
            Page 60
            Page 61
        Delegação maritima
            Page 62
            Page 63
            Page 64
            Page 65
            Page 66
            Page 67
            Page 68
            Page 69
            Page 70
            Page 71
            Page 72
            Page 73
        Serviço de agrimensura
            Page 74
            Page 75
            Page 76
        Regencia agricola
            Page 77
            Page 78
    Commercio e Industria do Districto
        Page 79
        Page 80
        Page 81
        Page 82
        Page 83
        Page 84
        Page 85
        Page 86
        Page 87
        Page 88
        Page 89
        Page 90
        Page 91
        Page 92
        Page 93
        Page 94
        Page 95
        Page 96
        Page 97
        Page 98
        Page 99
        Page 100
        Page 101
        Page 102
        Page 103
        Page 104
        Page 105
        Page 106
        Page 107
        Page 108
        Page 109
        Page 110
        Page 111
        Page 112
        Page 113
        Page 114
        Page 115
        Page 116
        Page 117
        Page 118
        Page 119
        Page 120
        Page 121
        Page 122
        Page 123
        Page 124
        Industria mineira
            Page 125
            Page 126
            Page 127
            Page 128
            Page 129
            Page 130
            Page 131
            Page 132
            Page 133
            Page 134
            Page 135
    Regimen do alcool
        Page 136
        Page 137
        Page 138
        Page 139
        Page 140
        Page 141
        Page 142
        Page 143
        Page 144
        Page 145
        Page 146
        Page 147
        Page 148
    Emigração para o Transwaal
        Page 149
        Page 150
        Page 151
        Page 152
        Page 153
        Page 154
        Page 155
        Page 156
        Page 157
        Page 158
    Concessão de terras
        Page 159
        Page 160
        Page 161
        Page 162
        Page 163
        Page 164
    Adminstração do Districto
        Page 165
        Page 166
        Page 167
        Page 168
        Page 169
        Page 170
        Page 171
        Page 172
        Page 173
        Page 174
        Page 175
        Page 176
        Page 177
        Page 178
        Page 179
        Page 180
        Page 181
        Page 182
        Page 183
        Page 184
        Page 185
        Page 186
        Page 187
        Page 188
        Page 189
        Page 190
        Page 191
        Page 192
        Page 193
        Page 194
        Page 195
        Page 196
        Page 197
        Page 198
        Page 199
        Page 200
        Page 201
        Page 202
        Page 203
        Page 204
        Page 205
        Page 206
        Page 207
        Page 208
        Page 209
        Page 210
        Page 211
        Page 212
        Page 213
        Page 214
        Page 215
        Page 216
        Page 217
        Page 218
        Page 219
        Page 220
        Page 221
        Page 222
        Page 223
        Page 224
        Page 225
        Page 226
        Page 227
        Page 228
        Page 229
        Page 230
    Documentos
        Page 231
        Page 232
        Page 233
        Page 234
        Page 235
        Page 236
        Page 237
        Page 238
        Page 239
        Page 240
        Page 241
        Page 242
        Page 243
        Page 244
        Page 245
        Page 246
        Page 247
        Page 248
        Page 249
        Page 250
        Page 251
        Page 252
        Page 253
        Page 254
        Page 255
        Page 256
        Page 257
        Page 258
        Page 259
        Page 260
        Page 261
        Page 262
        Page 263
        Page 264
    Table of Contents
        Page 265
    Errata
        Page 266
Full Text


Aki~n


~4rtgoweSud r-d 4baur


.2 .


', b


t;. t ,-.


I
r t




-L~ 1
* t. r


4.2'I
4I

maa:: & -d,


'190$


VI


rr -r,.


4- t j4&



-Os IN~
.4 ~~.

43 UortNt

'~ ~?~W A

"'4,' cur~l -'


'-
\i
1l
'*-


lb^A.~












Um gouerno em ffrica






Th. de flmeida Garrett
Ex-gouernador de Inhambane




Um 6ouerno

em FRfrica



InhambanP 1905-1906









LISBOA
TYP. DA RMPREZA DA HISTORIC DE PORTUGAL
45 RUA IVENS 47
1907












0 $enWot Cucvue &hesasavpqa








SENIOR!


Foi vossa Alteza visitar as nossas colonies, e aos
conhecimentos que d'ellas j4 tinha, pelo muito que dos
livros a Sua lucidissima intelligencia soube tirar, jun-
tou os que s6 de visu se podem adquirir, a nogo exacta,
sem enganos possiveis, da situagVo de tioograndes e ricos
territories, garantia do Juturo d'este Portugal para
Vossa Alteza tao querido, e firme base, quando conscien-
ciosamente e corn sao criteria explorados, da sua riqueza
e prosperidade.
Teve Vossa Alteza occasido de ver o quepor Id se
ter feito, o quanto em seu beneficio se ter moirejado,
quanto sangue, quantas vidas, quanta heroica energia
cada palmo d'aquella terra represent, sangue e vidas
de Portuguezes, varonis esfor~os d'aquelles que, corn
acrisolado patriotism, deixaram affects, carinhos de


















familiar, o seu bem-estar, a tranquillidade das suas casas,
para irem long, a inhospitas terras, regal-as corn o sew
sangue, d ponta de espada ou a poder da sua intelli-
gencia e forga de vontade escrevendo em lettras rubras
de gloria o nome de Portugal. Viu Vossa Alteza tudo
isso, o muito que ate agora sefez, o muitissimo que ha
parafazer.
E tudo vendo, de tudo inquirindo,por tudo toman-
do verdadeiro interesse, deu Vossa Alteza uma grande
prova d'amor, sagrado e puro, pela Sua Patria, que nas
colonies ter a mais segura garantia d'um feli~ future.
E porque quero mostrar toda a minha admiragdo,
todo o meu profundo respeito por Quem tdo bem sabe
cumprir os Seus deveres de Portuguez,
Por isso, e nao porque de todo este trabalho possa





















Vossa Alteza tirar outro conhecimento que nao seja o de
que sempre com lealdade, de alma, vida e cora,:do, tra-
balhou quem ao servigo da Patria e d'El-Bei p6z deste
os 15 annos a vida, que pede a Deus the alongue para
que em alguma coisa d Patria e a El-Rei possa ser
util, ousa depor nas Suas maos este livro


o Seu servidor



TH. DE ALMEIDA GARRETT













FILGUmnf5 PFILUFIRS



II1 est vrai que, selon I'heureuse expression de Beau-
marchais, ii rest toujours quelque chose de la calom-
nie; c'est un mal que ton peut repousser, mais don't on
ne saurait effacer entierement l'empreinte. Cependant,
entire deux opinions, un lecteur impartial pent aisement
s'assurer de la verit6 des qu'il en est averti, et c'est par
cette raison qu'un auteur principalment interesse dans
une histoire doit la publier de son vivant. II semble qu'on
consent implicitement aux doutes et aux objections
lorsqu'on se met bors d'etat d'yrepondre, on de repon-
dre de ce qu'on avance.-
(L; BONAPARTE).


Embarcado em 1 de outubro de 1905 com des-
tino A Divisio Naval do Indico, grande surpreza foi
a minha quando, ao chegar a Lourengo Marques,
soube que, por decreto de 17 do mesmo mez, tinha
sido nomeado para governor o Districto de Inham-
bane. Se por um lado me alegrou e em extreme pe-
nhorou tal nomeacao, por outro lado foi ella causa
para o men espirito de nao pequena preoccupagio.
Alegrou-me porque julguei que, administrando o
District de Inhambane, alguma coisa a bem d'elle
poderia fazer, beneficio de que participaria a Pro-
vincia de Mogambique, onde tinha jA passado dois
bons annos da minha vida, e que sempre profundo
interesse me despertara. Penh6rou-me ter sido esco-
Ihido para tal cargo porque essa escolha represen-
tava um voto de confianqa, tanto mais para agradecer
quanto era certo que, sahido dos bancos da Escola
ha pouco mais de 3 annos, nRo tinha tido ainda occa-
siio de prestar services que tal merecessem.





12


Preoccupou-me, e muito, porque, dado tal voto
de confianga, era necessario que d'elle eu nao desme-
recesse, da ardua tarefa que me era incumbida bem
me sahindo.
Eu nao possuia, 6 certo, sobre administraqco de
colonies, outros conhecimentos aldm de alguma coisa
que em tempos 6era; mas tinha tao grande vontade
de ser util, uma ancia de bem servir que poderi ser
muitas vezes egualada mas que julgo difficil de ex-
ceder, que, corn o so conselho d'aquelles que, mais
habilitados que eu, nos differences assumptos admi-
nistrativos contava me fossem guiando, alguma coisa
de proveito julgava poder fazer, o que para mim
seria motive do major prazer.
E se a principio tremi ante as responsabilidades
que sobre mim iam pesar, bem depressa tal receio
desappareceu, para s6 ao enthusiasm sincere, A ina-
balavel resolucao de ao bem do Districto que ia go-
vernar sacrificar quanto em minhas forgas coubes-
se, ceder o logar.
Mas, se grande fora a minha surpreza ao saber ter
sido nomeado governador de Inhambane, bem maior
foi a de, logo em seguida ao meu desembarque em
Lourengo Marques, ver a manifesta hostilidade cor
que era recebido.
No Jornal de Noticias, orgio da opinigo de uma
part da populagao d'aquella cidade, em grosses ca-
racteres, vinham publicados annuncios em que, entire
varias considera95es sobre administra se pedia uma bonita ama para mim, na falta de ama
-ur biberon, n'uma ancia de me obsequiar cor
takes presents, alguns dos quaes bem uteis, em ver-
dade, mormente em Africa...
Infelizmente tal ama nao appareceu, o biberon
nao foi comprado, e 1a tive, cor grande pezar meu,
de s6sinho e sem presents embarcar para Inham-
bane, onde dois dias depois cheguei, cor pessima
viagem n'um detestavel vapor.
Pouco depois de chegar, tendo side esperado por
todos os funccionarios publicos, recebido os cum-






13

primentos de representantes do commeroio e indus-
tria, tomei o governor das maos do Ex."m Sr. Julio
de Vilhena, que, n'um breve discurso, a todos agra-
deceu os services prestados, desejando-me as maio-
res prosperidades--ao que respond exprimindo a
minha gratidio por takes palavras, e dizendo que de
todos esperava o auxilio e bom conselho, que corn
todos contava em tudo quanto para bom desempe-
nho da mission que me fora imcumbida fosse neces-
sario, como para tudo quanto necessario Ihes fosse
commigo podiam contar.
Estas palavras, traducqco field do meu modo de
pensar, foram depois asperamente criticadas! Antes
que tivesse tido tempo para mostrar se podia ou nio
governor o district, tres dias depois de d'aquelle
cargo ter tomado posse (!), ja os experiences da vida
diziam nlo poder ser eu, nunca, um regular admsinis-
trador, porque, sendo novo, por tal tarefa me ni2o po-
deria interessar, nem, para um proveitoso governor,
poderia possuir a necessaria largueza de vistas!
Anahsemos por parties tao tremendo libello ac-
cusatorio.
Embora nao possa nem deva ser juiz em causa
propria, porque a suspeita d'uma curteza de vistas
sobre mais alguem recae que nao seja eu, d'ella me
defenderei, para o que nao muito trabalho me 6 pre-
ciso; o citar a opiniao de tres medicos distinctos
que, quando entrei para a Escola Naval, os orgios
visuaes me acharam em perfeito estado de conserva-
rio, basta para que essa accusagao caia pela base.
Sim, porque eu creio firmemente ter razto quan-
do julgo ser esta a questao; porque tal largueza ou
curteza de vistas nunca ao proveito grande, pe-
queno ou nullo da minha administrabqo se poderia
referir.
Se assim fosse, seriam bem pouco fundamentadas
as razoes apresentadas pelos meus inimigos, e o di-
zerem que alguem nao sabe governor, antes de ser
governador, que pelo seu cargo nao toma interesse,
antes de o exercer, equivaleria, em boa razao, a da-






14

rem de si um man document de atonia cerebral, do
que, sinceramente, os nao julgo capazes.
Entre todas aquellas razOes, tinha o primeiro lo-
gar a de en ser novo.
Vejamos o sen peso.
Em primeiro logar, cor 22 annos feitos, en nao
era, positivamente, uma creanga de peitos; em se-
gundo logar, nao me parece que a barba seja con-
diqgo sine qua non de um sao criterio, de uma ra-
zoavel maneira de pensar.
Sim, porque, se. assim fosse, se o ter a cara ador-
nada cor meia duzia de pellos, restos da nossa si-
miana origem, fosse condiqao necessaria e sufficien-
te para uma boa administrayAo, um bode satisfaria
a todas as condigoes exigidas a um governador de
district.
Ora, no meu insignificant criterio, e no de mais
alguem, um bode s6 pode satisfazer As condic5es
exigidas a urn... bode, cujas attribuiq6es, a Verdade
e a Justiqa mandam se diga, sio bem mais estreitas
que as de um governador subalterno, embora estas
o sejam e muito.
E sendo assim, hfo era de peso tambem tal accu-
saqgo.
E porque do mesmo valor eram quantas me lan-
garam, no Jornal de Noticias e Progresso de Louren-
o9 Marques, em artigos que nao primavam, jA nao
digo pelo valor dos arguments apresentados, mas
nem mesmo pelo portuguez em que eram escriptos,
por.esse motive d elles nio mais falarei, limitando-
me a transcrever quatro linhas, como prova do que
atraz affirmei.
Rezam assim:
bre o novo governador, todavia, sentimos que a falta
de edade e de experiencia lhe faltem para bem des-
empenhar o seu cargo.>

A quern saiba qualquer coisa de grammatica por-






15


tugueza deixo eu a analyse d'estas linhas, em que os
Sverbos nao concordam cor os sujeitos, e em que no
fim, visto dizer-se me faltava a falta de experiencia>,
se dizia tel-a eu em demasia, isto 6, precisamente o
contrario do que se queria dizer!!
SA frequencia cor que a accusaqco de uma pouca
idade minha foi repetida, fructo, talvez, da profunda
convicQPo corn que era feita, fez-me lembrar o caso
de um antigo funccionario de Mogambique, a quem
um governador geral apresentava um filho seu de 6
on 7 annos, exclamar, cor toda a sinceridade: Pa-
rece impossivel! TAo pequenino e jA filho de um Ex-
cellentissimo Conselheiro Governador Geral!!
Como a este, a muitos parecia impossivel tambem
que eu fosse governador, como se nao fosse bem sa-
bido que, so ha velhos corn juizo, tambem os ha sem
elle!
Em summa, aos abragos ou aos trambulhoes, 1l
estive no district de Inhambane que governei at6
que, em janeiro de 1907, d'esse cargo fui exonerado
a men pedido.
Do que por lM vi, do que quiz fazer e do que fiz,
reza este livro.
Na opiniao de alguns governei bem, mal na de ou-
tros. Isto succedeu sempre, e sempre ha de succeder,
que difficil 4 marchar no meio de egoismos ferozes
que a nada cedem o pass, sem que por vezes contra
elles se esbarre. Queira-se veneer tal obstaculo, e logo
a vaidade de uns, e a nullidade de outros mais e mais
levantarao, tantos entraves, tamanha resistencia, que
difficil 6, sem maguar alguem, superal-os. E, ao lado
de quem tal faga, s6 ficam, como appoio, media duzia,
a part sa, aquella que pSe os interesses do Estado e
a Justiga acima de mesquinhas ambi96es, dos mais
mesquinhos interesses.
Na opiniao de uns, a maioria eu fui um governa-

I 0 que eu tive occasiao de ver quando me retire do Die.
tricto.






16

dor que nunca desperdigou um real dos dinheiros
da Fazenda Nacional, que sempre procurou attender
aos interesses de quem trabalhava no district, que
exigiu assiduidade no servigo e interesse por elle; que
quiz ser just sempre, recompensando quem bem
cumpria os seus deveres e castigando quem o nao fa-
zia; que, pondo de part estultos preconceitos, buro-
craticas teimosias, sempre envidou os possiveis es-
forcos para que todos concorressem para o bem do
districto-para estes soube eu ser governador.
Para outros, por6m, fui um impertinente e uma
crean9a.
Um impertinente-porque quiz evitar desperdi-
cios e desleixos, em prejuizo do cofre do district,
parecendo, como alguem dizia, que o dinheiro me sa-
hia do bolso. de tanto amor que Ihe tinha; um im-
pertinente-porque sempre normei pela Justiga os
meus actos, ainda que tal pratica me acarretasse des-
gostos e intrigas!; um importinente-porque censu-
rei quem julgava estarem as conveniencias acima da
legalidade, o seu bem-estar acima das necessidades
do Servigo Publico!; Um impertinente!!
E tinham, talvez, razao no seu juizo. De facto, um
governador querer ser just, dando a Cezar o que 4
de Cezar, ter a opiniao de que os dinheiros do Esta-
do se nao fizeram para atirar A rua, em gratifica95es
e nichos para o primeiro inepto que na algibeira
traga duas cartas de empenho, embora nada trabalhe
por p nao querer nem poder, um governador querer
governar-6 ser impertinente e deveras!
Para esses fui eu tambem uma Effectivamente, nio 6 sel-o o acordar de pesado
somno aquelles que a elle se entregavam em horas
ao servigo destinadas? O por cobro a abuses, a des-
leixos, a um complete desinteresse por tudo quanto
so Estado se referisse ? O tentar acabar cor perni-
ciosas praticas, o querer remodelar servings absolu-
tamente descurados, mal executados, sem a menor
proficiencia dirigidos? O querer que aos caprichos
venatorios de certos empregados se antepozessem






17

os interesses do Estado? 0 querer acabar corn inde-
pendencias ficticias, occas vaidades de mando ? 0
querer que todos se respeitassem, como meio unico
de evitar conflicts, em prejuizo do Servigo Publico ?
O querer que A inspiragio musical de alguns func-
cionarios se antepozesse o serving de que eram en-
carregados? 0 querer que, para insignificantes cons-
trucQces, simples reparagies, se nio adquirissem
materials em quantidade fora de toda a proporgio,
pelo enorme prejuizo que tal representava, porque
esses materials house perdiam, on eram deteriorados
pelo tempo?; 0 querer evitar que no mais insigni-
ficante trabalho se empregasse um numero de tra-
balhadores absolutamente desproporcionado a obra
a executar ? 0 mandar que sobre elles fosse exercida
fiscalisagio, ao contrario do que ate ali se fazia ? O
exigir que em todos os servigos houvesse honesti-
dade professional ? O exigir de todos o maior res-
peito pela lei e a maior lealdade para commigo, que
a tinha para comtodos? Nao eram estas razies mais
que sufficientes para que me chamassem creanga ?
Talvez. Mas, entio, se o zelo no cumprimento dos
deveres 4 uma qualidade exclusive de creangas;
se, para se ser home, 6 necessario passar por cima
da Justiqa para attender As convemencias, ser des-
leixado no que toca a Fazenda Publica, ser incorre-
cto e joguete na mio de todos, entao, que Deus me
conserve creanga a vida inteira.
Que Deus assim me conserve, ainda que tal me
acarrete muita inimizade, ainda que cor basta in-
triga me veja muita vez a bragos.
Que importa o crear inimigos, perder populari-
dade, se a consciencia fica tranquilla, sem o temor
d'um remorso ? Mal faz quem s6 A popularidade at-
tende, quem s6 a fama respite e tema, porque, em-
bora a vaidade Ihe fique satisfeita pelo incenso que
meia duzia de energumenos Ihe queimou aos p6s,


I Vide o servigo telegraphico do Districto.





18

embora para um balofo engrandecimento suba mais
um degrau, esse incenso ha de suffocar-lhe um resto
de innata consciencia, esse degrau ha de conduzil-o
A ruina em cajos escombros a Justiqa o sepultarA
Sum dia.
E que importam intrigas que trabalham na som-
bra, sem um vislumbre de coragem, se a Verdade
ha de sempre ser pura e ser santa, lusindo como um
sol de que nuvens caliginosas podem esconder a luz,
mas que brilha sempre cor a mesma intensidade?
Caminhemos sem um desanimo, sem um desa-
lento, n'um caminho recto, tendo a honestidade por
norma em todos os nossos actos, e nada, nem inimiza-
des, nem intrigas, conseguird embargar-nos o pass.
Foi assim que sempre procedi, e de tal nunca
me arrependerei.
Muitas malquerengas e intrigas vis me trouxe o
meu governor, e, quem sabe? mais talvez me traga
este livro, em que se dizem verdades que a muitos 6
custoso ouvir.
Paciencia. Acima de vaidades offendidas estA a
farda que visto, e o juramento de procurar sempre
em qualquer coisa ser util ao men paiz, que ao ves-
til-a fiz.
Aquella, hei de conserval-a sem macula. Este,
hei de cumpril-o sem uma hesitacAo.
N'esta ordem de ideas, porque basto ensinamento
do que se pass pelas nossas colonies 'este trabalho
pode fornecer; porque de quanto urge remodelar
services a bem do desenvolvimento dos nossos do-
minios ultramarinos, de cujos rendimentos nao pe-
quena part ter sido malbaratada pelo desleixo de
uns e ignorancia de muitos, n'este livro se apresen-
tam provas, por isso o public.
Comegarei por expor o estado dos differences
ramos do Servico Publico em Inhambane e quaes as
alterac6es que entendo deverem ser-lhe introduzi-
das, direi depois alguma coisa acerca da situario
economic do Districto, terminando por algumas pa-
lavras sobre a sua administraqRo.







19

De como de tal tarefa me sahirei, nao sei.
Ninguem deve esperar de mim um bom livro
torque eu nao posso, pormuitos motives, escrevel-o.
6 mostrar quanto interesse me mereceu o Distri-
cto cujo governor me foi confiado eu desejo, em ver-
dade. E, se o conseguir, por bem empregadas darei
as muitas horas gastas em escrever estas paginas.












5ERUlO05 DO DISTRICTO



cSoyez l'effroi des mechants et le pire des bons:
c'est le caractere des grands1r.
(NAPOLEAO i)


Obedecendo ao piano que nos tragcmos ao comegar
este trabalho, vamos occupar-nos dos differences ramos
do Servigo Publico no Districto de Inhambane, do
modo como eram desempenhados, das medidas que
julgamos necessarias para a sua boa execug o, em-
fim de tudo quanto entendemos dever concorrer para
a simplificag8o de serviQos queaportuguezaburocrato-
mania de tal modo complicou, na sua maioria, que dif-
ficil 4, ainda mesmo para aquelles que em tal servigo
teem occupado toda a sua vida, que no seu desempenho
teem posto toda a sua boa vontade, sem grande custo
marchar em tio complicado labirinto.
E' certo que o servigo se faz, e que pode, por con-
seguinte, ser tomada como exagero tal affirmaa9o.
Mas se tivermos em conta que para o mais insi-
gnificante pass, simples media de administraqao,
sAo necessarias notas e mais notas, papers em dupli-
cado, triplicado e quadruplicado ate; se attendermos
a que os diversosramos do Publico Servico.regulados
em principio por qualquer lei ou portaria, o sio hoje
por officios, notas, telegrammas, etc, alterando os pri-
mitivos regulamentos, notas qlae por vezes se contra-
dizem, telegrammas que revogam as notas, deixando
tudo em um cahos onde s6 6 lei um criterio, fallivel






22

bastas vezes; se attendermos a tudo' isto, veremos
quanto 6 verdadeiro o que acima dissemos.
E se acrescentarmos a todos estes defeitos de le-
gislago os nao menores do pessoal em takes servings,
por vezes, empregado; sabendo come, em regra, se
nomeiam os nossos funccionarios, em concursos onde
os empenhos supreme as habilitaq8es, a maior part
das vezes em perfeita razao inversa d'aquelles, vere-
mos a somma de energia que 6 necessario dispender,
a forga de vontade que 6 precise ter, para conseguir
que, com takes auxiliares, alguma.coisa se fa9a do util.
Difficil tarefa esta, em verdade, e assim tive occa-
siao de o verificar quando governei o Districto de
Inhambane.
Porque nao tinham auxiliares no desempenho dos
sous deveros, ou, quando os tinham, eram tRo maus,
tao ignorantes, sem possivel estimulo nem energia
on vontade de bem servir, en vi alguns funccionarios
publicos n'um esforgo constant, fatigante, para con-
seguirem, fosse cumprido, sabe Deus como..., o mais
insignificante servigo.
Porque a sua actividade punham constantes peias
mil complica95es burocraticas, balofas vaidades, es-
tupidos preconceitos, eu vi vegetar, bem contra sua
vontade, no marasmo d'um , homes que, cor campo livre onde expandir a sua ini-
ciativa, facilitando o desenvolvimento das suas facul-
dades de trabalho e intelligencia, seriam uteis, con-
correndo efficazmente para o desenvolvimento do
District, fructo de todos aquelles factors.
quando a cada instant se esbarra contra a imcapaci-
dade de uns, a ignorancia d'outros, nada vale o querer,
porque nada ha mais entravador do que a resistencia
passiva d'aquelles que, devendo ser os primeiros a
auxiliar tudo quanto para o bom andamento dos ser-
vigos do Estado possa concorrer, porque a esse mesmo
Estado devem tudo quanto sao, s6 Ihe criam embara-
9os, s6 para uma anarchia, estado propicio a defor-
mag9es moraes, tendem a encaminhal-o.







23


E quando, a par dos mais pequenos funccionarios,
outros ha de mais elevada cathegoria sem habilitacges
para os cargos que deseippenham, sem vontade para
nada fazerem deproveito, sem qualidadesintellectuaes
ou moraes para dirigirem qualquer servigo, pela au-
sencia de consciencia dos seus deveres, que nao cum-
prem nem a forga de pedidos nem a powder de estimu-
los ou ameagas de castigo, quando assim succede,
nada ha mais difficil que o papel de um governador,
a quem as leis nao dao attribuicses para nada quasi,
a quem os governor nao dio gente para o pouco que
as leis deixam 6 sua actividade.
De tudo isto fornece exemplos o que vamos dizer,
cor toda a verdade, sem receio de um desmentido,
que o nao permittem as irrefutaveis provas apresen-
tadas, sem receio tambem de uma accusaqco de eivar
critics de assumptos officials de inimizades, amiza-
des ou deferencias pessoaes, que tal accusaceo a faz
cahir pela base'a forma como governei, bem contra
vontade de muitos, mas com o aplauso de outros, a
part sA, aquella que punha os interesses do Estado
acima de mesquinhas intrigas, a noQAo da justice
acima de vaidades occas on proteccionismos injustos.
Nunca tal me pezarA na consciencia.
Comegarei pela secretaria civil do governor do
District, tratando em seguida dos services dos tele-
graphos, correio, obras publicas, fazenda, alfandega,
delegacQo maritima, repartigio de agrimensura, ter-
minando pela repartig9o da regencia agricola.


Secretaria Civil

Sendo esta uma das mais importantbs repartig6es
do District, porque em si reune o expediente de to-
das as outras, deve a sua organisaqao merecer s6ria
attengao, mormente na escolha do pessoal n'ella em
serviwo, pelo enorme auxilio que ao governador po-






24

de elle prestar, quando cumpridor dos seus deveres,
habilitado cor os conhecimentos technicos necessa-
ries ao desempenho da sua missao, e dotado das qua-
lidades moraes que a sua situaQco junto do governor
do District exige.
0 quadro da Secretaria Civil de [Inhambane com-
punha-se de:
1 secretario cor a gradua0Ro de 1.0 official da se-
cretaria geral, e o vencimento de 450$000 r6is de
cathegoria e 450$000 r6is de exercicio.
2 amanuenses corn vencimento de 240$000 r6is
de exercicio e egual quantia de cathegoria, e 1 in-
terprete corn o vencimento total de 345$000 r6is
annuaes.
Estes vencimeritos slo, a meu ver, muito peque-
nos, nao podendo, em face da carestia da vida em
Inhambane, takes funccionarios a ella fazer face, con-
servando o logar que A sua posi9go compete, mor-
mente na part que se referee aos secretaries do go-
verno, que devendo, para efficaz auxilio A acvo do
governador, Lmanter uma absolute independencia,
s6 a muito custo, A forga de muita parcimonia, o
podem actualmente fazer.
Quando fiz um project para o orgamento do an-
no economic 1907-1908, foram por mim propos-
tos augmentos nos vencimentos de exercicio; com-
quanto nao fossem ainda em accord cor a minha
opiniao, ja em alguma coisa melhoravam a situalio
de taes funccionarios. Retirei antes de enviar tal
project, e em project ficaram takes medidas.
Julgava eu tambem, segundo as informag6es que
tinha, ever ser augmentado o quadro da secretaria
eom um amanuense, porque, dada a complicaqio bu-
rocratica de todos os nossos serviQos, difficil me di-


t Doe. n.~ 1.






p 25

ziam ser o poderem s6 dois de tao pesado encargo
satisfactoriamente desempenhar-se. Mas, quando vi
o modo come o serving era feito, convenci-me de
que o pessoal era sufficient, e por isso nao propuz
tal augment.
Effectivamente, se, em vez de serem nomeados
amanuenses d'uma secretaria individuos analphabe-
tos, sem a menor nocAo do que seja a grammatica
portugueza, tendo a convicAo de que pontos e vir-
gulas se podem a esmo lanqar sobre o papel, sem
que venha alterar o sentido de qualquer phrase tal
exuberancia de pontuacio; tendo da orthographia
uma noao entire sonica e sem tom nem som, inca-
pazes de redigirem o mais insignificant officio, sem
faculdades nem mesmo para a mais rudimentar co-
pia, ficando mudos de pavor ante a idea da escripta
doe duas linhas a communicar o mais insignificant
facto--se assim nao fosse, os dois amanuenses bas-
tariam, sem que o secretario do governor tivesse de
redigir as mais simples notas,"absorvendo-lhe tempo
que em assumpto de maior monta poderia occupar.
Por tudo isto, eu entendo deverem os amanuen-
ses ser individuos, ao menos, com o primeiro anno
dos lyceus, habilitac.o que, comquanto rudimentar,
4 ainda assim muito superior A de uma carta de um
politico qualquer em evidencia, a pedir a sua no-
meagAo. Emquanto aos secretaries do governor, jul-
go da maxima conveniencia, attento o dever tal
cargo recahir sobre um individuo de absolute con-
fianga do governador, que n'elle deve ter o mais
constant auxiliar, ser esse individuo da sua livre
escolha, dentro do quadro dos primeiros officials da
secretaria geral, visto que tal quadro existed, ou fora
d'elle, se assim o julgar convenient.
Deve essa escolha recahir sobre quem para tal
tenha habilitaQoes, de qualquer especie que ellas se-
jam, para que nem o governador possa nunca ter a
mais leve suspeita de uma falta de lealdade do seu
secretario, nem se veja obrigado, como en me vi por
vezes, a redigir minutes de insignificantes notas,






26 *


para nao passar pela vergonha de por o nome por
baixo de qualquer coisa que seria tudo menos por-
tuguez. Isto em relagio a escolha dos funccionarios.
No que respeita ao service da secretaria, alguma
coisa ha a mudar tambem. De entire tudo, o que
mais urge 6 o determinar que, durante a ausencia
do governador da capital do Districto, seja o secre-
tario do governor encarregado unicamente do expe-
diente civil, sendo eservado ao chefe da secretaria
military o expediente military, evitando-se assim in-
terferencias que s6 inconvenientes podem ter.
E' esta media bem necessaria. D'isto tive eu a
prova, porque foi exactamente o facto de. eu assim
o determinar que deu origem a um dos maiores con-
flictos que tive emquanto governei o Districto.
Sio estas as principles alteracOes que entendo
deverem ser feitas na organisaqRo da secretaria do
governor.
Poucas sao, em verdade, e bem resumidas quasi
todas ficam no que diremos, algures,'quando da nossa
administragao fallarmos:
,E' necessario que as nossas colonies nao sejam,
de forma alguma, consideradas niches para ineptos,
mas sim campo de actividade para os que sabem e
querem trabalhar.



Servigo de Telegraphos


Tudo quanto de mau se possa dizer d'este serving,
alias dirigido, durante o tempo que governei o Dis-
tricto, per um home habil, trabalhador e corn today
a vontade de bem servir-tudo quanto se disser 6 ape-
nas uma palida image da realidade.
Dirigindo-se ao Governo Geral da Provincia, di-
zia um governador de Inhambane:






27

municaqies telegraphicas com essa cidade (Louren9o
Marques), que qualquer de n6s corre o risco de noti-
ciar o seu proprio nascimento, e s6 ser recebida tal
noticia quando ja tenha netos !
Ha aqui um certo exagero, mas nao 6 muito grande.
0 telegrapho de Inhambane a Lourengo Marques,
comquanto tenha no Districto apenas a extensio do al-
gumas dezenas de kilometros, e nao tenha o movi-
,mento de qualquer linha international europea, 6,
sem duvida alguma, a mais celebre de quantas vias
telegraphicas teem sido montadas at6 hoje.
Modesta, sem pretensbes, veio provar que o que
homes tidos per distinctos electricistas, sabios il-
lustres, affirmavam como factos, nRo passavam de
theories, que a sua erradamente reconhecida aucto-
ridade fazia supper verdadeiras.
Provou, em primeiro'logar, que a velocidade de
transmissAo telegraphica, lon ge de ser 24.000 kilome-
tros por hora, 6 apenas de 0,972 kilometros por hora.
S Em segundo logar, que nao 6 necessario isolamen-
to algum ao fio conductor que atravesse a terra ou a
agua.
1.0-A' distancia de 400 kilometros, maior que a
que separa Inhambane de Lourenco Marques, rezam
os livros ser de 60 o numero m6dio de telegrammas
(de 20 palavras cada um) que em uma hora se podem
expedir, usando um telegrapho de system simples.

Sendo assim, leva um telegramma, cor aquelle
numero de palavras, 1 minute a ser transmittido, a
distancia de 400 kilometros, isto 4, cor uma veloci-
dade de 24.000 kilometros por hora.
Ora, suppondo mesmo ser de 400 kilometros o
comprimento da linha ate Lourenco Marques, e le-
vando os telegrammas 14 dias a chegarem all, repre-
senta isto uma velocidade que, long do ser a que
atraz diss6mos, 6 apenas de 0,km972 a hora.






28

Os electricistas slo umas bestas.
2. Sendo grande parte do fio conductor assente
sobre a terra, muitas vezes coberta de agua, o ser-
vigo telegraphico faz-se cor a mesma regularidade
que quando esti suspense, nos seus isoladores de
porcelana! Quanta vantage tal facto represent
para a political mundial, 6 incalculavel.- Niao sendo
necessario mais que um simples fio de arame zincado,
bem mais barato que os conductores de complicados
isolamentos hoje em uso, vae esse mundo inteiro co-
brir-se cor uma apertada rede telegraphica, vao es-
treitar-se as rela95es centre os povos que, em constan-
tes communicac6es, chegarAo A fraternal amizade, tao
desejada hoje; vae, finalmente, depois de tanta lucta
que As na96es custou tanto sangue, As maes e esposas
tantas lagrimas, aos filhos tantos carinhos paternaes,
depois de tanta guerra, odios que se esphacelam, mi-
lhoes que se enterram em ago, em chumbo assassino,
vae finalmente reinar a paz, a segura felicidade. E
quando n6s, d'este vemos que tudo isso, o supremo ideal a felicidade
universal- partiu d'um pedago quasi ignorado d'es-
ses dominios de al4m-mar, que A custa de tanto sacri-
ficio, movidos por tamanho patriotism, ha quatro-
centos annos nos legaram nossos av6s, quando vemos
a nossa obra, sentimos bater no peito mais rapid o
coraeao, sentimo-nos grandes, arreiga-se-nos mais
forte no espirito a convicoao de que nunca o nome
da nossa patria, apezar da inveja, da cubi9a dos mais
fortes, podera ser riscado do mappa das na95es...
selvagens.
Tlas nRo param aqui as extraordinarias virtudes
d'esta immortal obra.
Uma outra qualidade exclusive sua consist em
alterar absolutamente a orthographia de qualquer
communicaQao.
Este facto que eu attribuo A influencia do meio
atravessado, ainda nRo completamente sujeit6 A in-






29

fluencia portugueza, conservando pruridos de re-
acqto, foi-me demonstrado por variadissimos exem-
plos.
Limitar-me-hei a apresentar dois:
1.0- Em novembro de 1905, foi de Lourenqo
Marques expedido um telegramma pouco mai ou
menos n'estes terms:

cessaria para pagamento compra a que se refere seu
telegramma 18 corrente,.
Ao contrario do que succederia em qnalquer ou-
tra linha, sem as propriedades que distinguiam a de
Inhambane, aquelle telegramma chegou ao seu des-
tino assim:

.Rogo a V. Ex." dizer esta bia cual cuanti neceQa-
ria para pagamento compra a que se refere sen telo-
gramma 18 currente>

S6 A reacglo do meio acima apontada, posso attri-
buir esta alteraQao. Valha a verdade, tal reacaRo ia di-
minuindo a olhos vistos: em Julho do anno seguin-
te, tendo sido expedido de Lourengo Marques um te-
legramma assim redigido:
,Crumpre-me communicar ter sido concedida li-
cen= a pedida V. Ex.a telegramma urgente 20 passado
mez. Rogo communicar interessado.,, foi elle rece-
bido em Inhambane com a segninte orthographia:

cenga pedida V. Ex." Telegramma orgente 20 pacado
mez. Rogo cumunicar attersa.>
Da comparaco d'estes dois exemplos se tira a con-
soladora convicQRo de que, n'um period relativamen-
te curto, a nossa influencia se tornarA em tal campo





80

effective, e as ondas electrical inhanbanenses, acom-
panhando a evoluQgo de civilisaiao cada vez mais
accentuada, de que o seculo actual tem sido teste-
munha, em breve obedecerao as regras das outras
suas irmas.
Foi este progress um dos factos que, cor o maior
prayer, tive occasigo de verificar por meus proprios
olhos, quando governei o Districto.
Esta alteracio nas communicay9es, se 6 verdade
que, a maior part das vezes, quando cor palavras
seja redigido o telegramma, nRo tem grandes incon-
venientes, attenta a illustracio do pessoal dos tele-
graphos, jA habituado a tRo sonica orthographia, e
sempre prompto a traduzir para bom portuguez qual-
quer phrase ou palavra sobre a qual um consignata-
rio menos intelligence tenha duvida, se 4 certo isso,
6-o tambem que, quando em cifra numerica escripto,
pode a menor alteracao mudar-lhe completamente o
sentido, cor grave prejuizo para o seu expedidor ou
consignatario.
Um caso d'estes me succedeu, e aqui o conto,
ainda cheio do assombro que me causou.
SAndava eu no interior do Districto, em visit a
alguns commandos militares, quando recebi um te-
legramma official, expedido pelo Secretario Ueral do
Governo da Provincia. Era esse telegramma escripto
em cifra, e, como tivesse o cifrante fechado n'uma
gaveta na Residencia, na Villa, e nao quizesse que
da minha mao sahisse tal chave, resolvi apressar a
minha volta, em marcha'forcada, julgando ser grave
o assumpto que, cor tamanha confidencia, me era
commumcado de Lourenco Marques.
Cheguei, abri a gaveta, decifrei o telegramma, e,
oh assombro!, os numerous, por mais voltas que Lhes
desse, por mais vezes que os decifrasse, queriam sem-
pre dizer: Que comprasse vinte ou trinta gallinhas!!!
Sendo o telegramma official, nao sendo tal assum-
pto das attribuicOes d'um governador de Districto,
eom honras de governador civil, de general, 13 tiros,
hymno da- carta e bandeirinha azul, etc. etc., nio ha-





31

vendo tal especie de aves em nenhuma das reparti-
9ces publicas debaixo da minha jurisdico, e, mais
ainda, nao vindo exarada (eu procurei bem) no orca-
mento verba para essa acquisiaRo, comprehend ter
sido aquillo um engano, um erro de numerous, um dos
muitos eitifos do telegrapho. Effectivamente, pare-
ce-me que assim foi. Nunca cheguei a averigual-o
bem, porque parti pouco depois de Inhambane, nao
sem, 6 claro, ter mandado... as galinhas, tal official-
mente pedidas.
Este facto mostra ben quanto necessario se torna
olhar a serio para o serving dos telegraphos.
Se, em vez de ser cifrado o telegramma, o nao
fosse, on, sendo-o, fosse na integra tornado public,
cobriria de ridicule um dos mais importantes ramos
do service public em Mogambique, e poderia, nos
mal intencionados, e que j ulgassem nao ter side, come
eu creio,um engano,levantar a suspeita de que assum-
ptos particulars eram tratados em telegrammas offi-
ciaes, abuse em manifesto prejuizo da auctoridade
de um cargo e da Fazenda Nacional.
-Alinhade Inhambane aLourengo Marques,inau-
gurada em 1895, era, at6 marco de 1906, montada
em postes de madeira. Mas o muchen que tudo em
Africa ataca, as constantes chuvas, ventos furibun-
dos, nao Ihes permittindo quasi nunca o socego, obri-
gavam-n'os amiudades vezes a baixar a cerviz para
a terra, onde em paz descanQavam depois, na mais
perfeita horisontalidade, talvez per, devido a um sa-
lutar'espirito de discipline, quererem imitar os func-
cionarios da sua conservaglo encarregados.
Trazia tal pratica constantes prejuizos, quer ao
servio public quer ao commercio, pelas continues
interrup95es da linha, e o governor, querendo acabar
com tAo desgracado estado de coisas, encommendou
& casa Krupp um grande numero de postes de ferro
para substituirem os de madeira, mandando ao mes-
mo tempo construir uma linha direct para Louren-
co Marques.
SUm engano no mode come foi feita a encommen-






32


da, tendo dado em resultado que os postes fossem de
grossura tal que de forma alguma poderiam aguen-
tar cor dois conductores, fez corn qne se fizesse nova
encommenda para a linha para Lourenqo Marques,
reservando-se os mais delgados para a rede internal,
para o que, ainda que mal, porque muitos d'elles
vergavam, nas curvas principalmente, poderiam ser-
vir.
Esta montagem, ainda nao terminada quando dei-
xei o Districto, bem depressa mostrou os beneficos
resultados.
JA em Julho de 1906 estando eu no commando
da Maxixe, fronteiro A Villa e d'ella distant, por
terra, cerca de 59 kilometros, e tendo enviado para
lA um telegramma, foi elle recebido apenas 50 horas
depois. Representando tal espago de tempo entire a
expedi~ao e a recep.1o uma velocidade de 1,km204 A
hora, sendo a anterior velocidade (emquanto os pos-
tes eram de madeira) de 0,k972 a hora, e send de 8
mezes o intervallo entire a recepcgo d'este telegram-
ma e a de um dos que levaram 14 dias de Lourenco
Marques a Inhambane, deduz-se que a montagem de
ferro da linha augmentou a velocidade em 0,km232
hora, e, n'esta proporcao, dentro em, apenas, 68:962
annos, terA esta linha a mesma velocidade de outras
que, comquanto menos celebres, nem por isso deixam
de ser bastante mais commodas para os interesses do
Estado e particulares.
-Descripto o material do servigo telegraphico,
vejamos agora o pessoal d'elle encarregado.
Devendo todos os assumptos, quer officials, quer
particulares, ser de absolute confidencia, porque as-
sim deve ser e assim o determinam as leis vigentes,
entendo que deve haver o maior escrupulo na esco-
lha dos funccionarios telegraphistas, para que se nao
de o facto, que muitas vezes me foi apontado, de ser
do dominion public o contheudo de um telegramma,
antes mesmo de ser recebido pelo consignatario.
Devendo os telegrammas ser entregues logo de-
pois de recebidos na estacao do destiny, parece que






33

tal n2o poderia succeder; mas jA o pode se attender-
mos a que, muitas vezes, em vez de ser entregue logo
ao consignatario, fica o despacho telegraphico dias
sem conto na estasao, nao se sabe bem a espera de
que, ou de quem, porque n'uma Villa como Inham-
bane, com meia duzia de dezenas de habitantes, nao
pode de forma alguma ser allegado desconhecimento
do individuo a quem 6 dirigido.
Tendo um telegramma, enviado de Lourengo Mar-
ques, chegado a Inhambane no dia 3 de Julho de 1906
so foi entregue ao consignatario em 3 de Agosto se-
guinte, isto 4 31 dias depois!
E mais curioso 6 o facto de, tendo sido enviado
a um commandant military um telegramma, Ihe nao
ter sido entregue, por allegar o telegraphista nao co-
nhecer o destinatario, alias morando a dois passes
da estaq~o telegraphica, apezar de ser o commandant
military e, por acaso, o unico branco ali resident!
Estes factos, e muitos outros mais, justificam ab-
solutamente a escrupulosa escolha de que acima
falo.
A maior part dos empregados dos telegraphos,
pretos ou mestigos, nao tendo o desenvolvimento in-
tellectual sufficient para comprehenderem os incon-
venientes que d'uma inconfidencia, de um erro na
transmissAo de um telegramma, d'uma demora na sua
entrega, podem resultar, nfo tendo, principalmente,
a educagao moral necessaria para cumprirem, so por-
que 6 lei, aquillo que como tal estabelecido, nlo pos-
suem tambem a educacao sufficient para que n'elles
tenham a menor influencia castigos ou reprehens6es.
Os castigos de suspensao de exercicios ou de ven-
cimentos por lei permittidos sao-lhes absolutamente
indifferentes, porque tnm os pretos tlo pequenas ne-
cessidades, sustentam-se com tao pouco, que o cer-
cear-lhes em meia duzia de tost6es os rendimentos
lhes nao acarreta de f6rma alguma privagies.
E emquanto as reprehens6es, d'essas series elles,
que nunca tal castigo teve influencia senlo em quem
tenha qualidades moraes que a maioria, em verdade,
3






84

nao possue. De modo que, querendo um funccionario
zeloso 1 no cumprimento dos seus deveres, fazel-os
cumprir aos seus subordinados, um s6 meio tern de
a isso os obrigar. Mas, esse, veda-o a Carta Constitu-
cional que lhes deu foros de cidadaos cor voto para
term representante seu em C6rtes, veda-o tambem
a portaria que os nomeou Empregados Publicos.
Sendo assim, o que rest fazer? Substituil-os por
brancos? NAo o permitted os parcos vencimentos or-
camentados, muito sufficientes para os primeiros, mas
insignificantes para os segundos.
Um so caminho entendo dever ser seguido-a es-
colha rigorosa d'entre os individuals para tal service
habilitados, e a demissao immediate, sem castigos
medios, para os que aos quesitos necessaries nao sa-
tisfacam. Difficil sera esta escolha, mas nao impossi-
vel.-Impossivel serA continuar como at6 aaui, tudo
admittindo, tudo consentindo, n'uma quebra certa da
nossa auctoridade, do respeito que nos 6 devido.
Presenceei um facto, pouco depois de chegar a
Inhambane, que me deu a noyao exacta da educagao
de tal pessoal.
Estava n'um dos commandos militares, e, tendo-
se-me queixado o commandant de que o encarrega-
do da estagao telegraphica a nao abria a hora regu-
lamentar, e, quando a abria, d'ella se ausentava horas
seguidas, fui 1 eu mesmo e, nao o encontrando, man-
dei-o chamar e reprehendi-o. Pouce depois mandei
por um creado meu saber se elle 16 estava ainda, e o
creado... ja o ndo encontrou! Estava em casa a to-
car harmonium, e a tocal-o ficou duas horas, e mais
ficaria ainda se eu o n~o tornasse a mandar chamar.
Perguntei-lhe a causa da sua ausencia e, nio m'a sa-
bendo dizer, entreguei-lhe eu proprio, para que o
mandasse ao seu' destino, um telegramma em que
communicava ao chefe do service telegraphico do

1 E o entgo chefe do servigo telegraphico do Districto, o I.,
official David Moreira Pinto, era-o como poucos.






35


District ter suspendido o empregado por 10 dias.
Participada esta suspensao ao governador geral,
este a julgou tao just que nao s6 asancionou, como
a elevou a 45 dias. Pois este mesmo empregado,
dias depois, quando eu lhe perguntava a razao por
que outra vez nao tinha aberto a estaAo A hora re-
gulamentar, dava-me como desculpa: que julgava
que eu... jA tinba partido para outro commando!!!
E, no fim de tudo isto, este telegraphista que assim
mostrava, jA nRo digo nao ter a consciencia dos seus
deveres, mas, ao menos, o mais pequeno vislumbre
de vergonha, era, acabada a suspensao, reintegrado e
mandado fazer servigo para uma outra estacao de
maiores vencimentos! Este facto, questies continua-
mente levantadas entire os commandantes militares
e os telegraphistas, por veleidades de independencia
d'estes, e, sobretudo, pela sua pouca educagro, o facto
que uma vez se deu de ter um telegraphista dito nao
poder, de forma alguma, receber ordens, nem do mes-
mo governador do Districto, que, diga-se de passa-
gem, lhe mostrou, suspendendo-o 45 dias, que ti-
nha jurisdicao sobre um funccionario de tao elevada
cathegoria, desobediencias continues a ordens rece-
bidas, absolute desprezo pelos deveres dos seus car-
gos, inconfidencias, abuses sem conta, tudo isto me
levou A concluslo de que, para que indigenas possam
sem inconvenient ser aproveitados em qualquer
outro servigo que nao seja carregar media duzia de
kilos ou uma maxila, 6 necessario escolhel-os bem,
d'entre os melhores escolher novamente, e, no fim,
talvez se consigam funccionarios que, debaixo de
uma continue e several fiscalisaqao, cumpram as suas
obriga9ies.
No district de Inhambane muito poucos havia
que o fizessem. A esses louvei eu sempre, porque era
de justi"a, a justiga que me levou a castigar outros
cujo procedimento com o d'aquelles estava em abso-
luta opposiqao.






36



Servi;o do correio

Comprehende este servigo no Districto de Inham-
bane 13 esta95es postaes: a repartirao central da
Villa, estagAo de 2.a classes na Maxixe, Inharrime e
Coguno e de 3.* em Cumbana, Mutamba, Homoine,
Massinga, Macoduene, Jacobecua, S. Jos4 do Mongue,
Quissico e Cobane.
Encarregados do service postal os chefes das es-
taQses telegraphicas, e sabida ja a maneira como dos
seus deveres se desempenhavam, em regra, takes func-
cionarios, facil 4 chegar a conclusio do esforco ne-
cessario ao director dos correios do Districto para
conseguir fosse feito cor soffrivel regularidade tal
servigo.
N'um relatorio por aquelle funccionario feito, re-
ferente ao anno de 1905, 1-se:
,E' necessario luctar nio s6 com a ignorancia dos
chefes, em geral indigenas, mas por vezes cor a sua
Smi vontade. Esta attribuo-a en, em parte, a falta de
remuneraQao->.
Esta opiniAo, cuja verdade muita vez tive occa-
siao de verificar, 4 mais um argument a favor da
rigorosa seleccao proposta ao tratarmos do servigo
telegraphico. Effectivamente, se A inercia absolute e
complete em tudo quanto ao Servigo Publico se re-
ferisse, juntarmos o nenhum lucro d'esse servico au-
ferido, estas duas causes sao mais que suffioientes
para justificar a ausenoia de interesse que eu vi quasi
sempre nos telegraphistas indigenas pelo servigo
postal. Mas quando aquella inercia desappare9a,
quando, em vez de pretos no deploravel estado mo-
ral que jA notAmos, forem todos os funccionarios
homes cor a nitida comprehensio dos seus deveres,
entAo serA o servigo em questio rigorososamente




37

cumprido, e uma pequena gratifica e, de 3000 r6is
mensaes, por exemplo, sera just premio pelo trabalho
prestado.
Emquanto tal se nio fizer, tudo continuarA como
at4 aqui, em constantes e justas reclamaQ6es, n'uma
anarchia a que nada, nem o esforco dos chefes de ser-
vico, nem o seu bom exemplo ,conseguirao p6r co-
bro, um augmento de vencimentos s6 servindo para
sustentar mais vicios e nunca estimular virtudes.
Luctava ainda a direcq i dos correios com um
outro embargo, qual era o de, sendo constantes as
transferencias, por conveniencia de servigo on casti-
gos, dos telegraphistas, e sendo estes os encarrega-
dos das esta98es postaes, se tornar difficil exercer so-
bro elles rigorosa fiscalisaco.
Mas essa difficuldade desappareceria tambem corn
uma rigorosa escolha do pessoal, nAoise podendo, de
modo algum, por tal nio merecer o movimente de
correspondencia no Districto, alvitrar a separagco
dos dois servigos.
E, sendo assim, deviam takes funccionarios ser
pelas suas faltas responsaveis nos seus vencimentos,
quer elles adviessem do servigo telegraphico, quer
do postal, para se nao dar o case, que eu varias vezes
vi, do, tendo qualquer empregado, das estaqaes de 3.a
classes prevaricado no servigo do correio, Ihe nao po-
der ser applicado castigo algum affectando os venci-
mentos, por estes, por tal tarefa, serem nullos, isto
n'um matifesto prejuizo do bom andamento de tAo
important service.
Para o servigo de estafetas, com o fim de o tornar
mais regular, julgo de vantage a acquisiiao de
gado muar para sua montada, nao representando tal
media um excess de despeza para sua manutengio,
por haver em todos os commandos abundancia de
quanto para tal fosse necessario.

1 0 entAo director do correio, o 1.0 official Jos~ Sarmento,
era um dos bonds funccionarios em servigo no Districto.





38

E vantajoso 6 tambem o estabelecer a subordiua-
Qco exclusive a direccao dos correios de takes estafe-
tas, limitando-se as attribuiq6es dos Commandantes
militares A participacao das irregularidades no ser-
vigo, mas sem interferencias, sempre inconvenientes
por todos os motives.
Como urgent se impunha, quando governed o
District, a eonstrucc.ao de un edificio para a direc-
cao do correio. Maita vez o quiz mandar fazer, mas
em Inhambane a mais insignificant obra ficava por
tRo elevadissimo preco, que hunca nos limits do
oriamento coube tal despeza, que, alias, nunca pode-
ria exceder meia duzia do contos de reis. Mas as
Obras Publicas... Adeante trataremos detalhada-
mente do tal assumpto.
N'um project meu do orcamento para o anno
economic de 1907-1908, propunha, nRo s6mente a
creacAo de mais um logar de distribuidor, o au-
gmento dos vencimentos do distribuidor e serventes,
o augmento dos vencimentos do exercicio do dire-
ctor e aspirantes dos correios, como augmentava a
dotacao para expediente e material em 200$000 reis,
por entender ser a actual, 100$000 reis, absoluta-
mente insignificant.
SNo cheguei a -enviar esse project que, no en-
tanto, so me afigurava razoavel, por ser a situacno do
pessoal do Correio deploravel ea comparacao com a
do em service nas Obras Publicas, Alfandega, etc.
Isto emquanto ao pessoal.
E, emquanto ao material, para se vyr quanto era
just tal augmento de verba, basta ler os seguintes
periodos d'um relatorioa a direcqo do correio de
Inhambane:
, egualmente 100$000 reis de verba, e o service fez-se!
E' facto, .mas por que f6rma ? Muitas vezes, saccos
de correspondencia nao lacrados por falta de lacre,
notas officials abertas por falta de enveloppes, etc.-






39

pra, n'nm district que nos ultimos annog ter
rendido quantia superior a 500 contos de r8is, sio
pouco razoaveis takes economies.
Mas esse project nao foi enviado, e em project
ficou tambem mais esta media.


Obras Publicas

Se tudo quanto ha de man e de peor se podia di-
zer do servigo telegraphico no Districto de Inham-
bane, tudo quianto de mais picaresco possa o genio
humane inventar, seria d'uma mesquinha pequenez
ao p6 da verdadeira realidade, do mode como o
servigo das Obras Publicas se fazia n'aquella bella
terra d beira mar plantada.
Se 6 certo que o pessoal superior de Obras Pu-
blicas, composto de dois conductores, um aponta-
dor e um amanuense, todos de 1.a classes, A exce-
ppco de um dos conductores que era de 2.a, nada
deixava a desejar pelo zelo e proficiencia corn que
desempenhava os seus cargos, zelo que os tornava
incancaveis, capazes de titanicos esforcos para o
bemr do Estado, proficiencia que nuitas e muitas
obras feitas durante o meu governor nunca des-
mentiram, se 4 certo isto, o mesmo so nao pode di-
zer do pessoal indigena que, sem as menores habi-
litacQes, sem os mais rudimentares conhecimentos
do officio, sem vontade de os adquirir, constituia
um enorme entrave A boa, rapid e barata execu-
cao de qualquer obra, motive mais que sufficient
para que, durante cerca de um anno, tudo quanto
d'aquella repartiqAo public sahiu fosse, come foi,
man, care, e levasse tempo sem fim a mais insi-
gnificante reparaeRo.
E' verdade, que nem os indigenas eram fiscali-
sados, nem se Ihes dava qualquer indicacqo do tra-
balho a executar -mas isso que, A primeira vista,






40

powder' parecer um desleixo, um menosprezo do
pessoal superior d'aquella reparticao pelos interes-
ses da Fazenda Nacional, nao era mais, como va-
mos proval-o, do que a manifestaQAo, nobre e levan-
tada, do um altruismo sem par, n'uma ancia de ci-
vilisar uma raga, escrevendo em letras de oiro im-
morredoira pagina do historic. Effectivamente, so,
marcando a um indigena, bocal e rude, uma deter-
minada tarefa, se Ihe indicasse a maneira de a le-
var a cabo, tendo todos os elements para bem se
desempenhar de tal encargo, deixaria a sua mente
de trabalhar, ser-lhe-hia poupado muito raciocinio,
a busca no seu tacanho cerebro das vantagens e
inconvenientes d'um determinado systhema de cons-
truc9qo, a maior ou menor quantidade de area a dei-
tar n'um cimento. E como, analogamente 6memoria,
cujo desenvolvimento, em grande part, s6 do exer-
cicio provem, s6 com exeroicio se desenvolve o ra-
ciocinio, de tal pratica advinham sem duvida subli-
mes resultados.
N'uma menor largueza de vistas que a do pessoal
superior em questao, quiz eu, a principio, modificar
essa maneira de proceder.
Por minhas proprias maos o fiz-assim, quando,
sendo necessario pintar meia duzia de salas da Resi-
dencia, so usou de solidine, at6 ent5o desconhecida, e
tendo dois pintores indigenas, por Ihes nao ter sido
ensinado o modo de fabrical-a, estragada grande por-
9ao, fui ou mesmo, depois de l1r o rotulo da lata,
ajudar a fazel-a, o que, valha a verdade, me mereceu
censuras de alguem que entendia nao ser tal tarefa
das attribui9Aes de um governador. Effectivamente
nao o era, e, apezar de o ter feito levado pela vont ade
de poupar ao Estado meia duzia de mil idis, d'isso
me arrependi, por ter depois pensado que, assim co-
mo o fazia a sub-seccao de Obras Publicas no Districto,
melhor serial deixar os pintores em questao fazerem
todas as possiveis experiencias de prepare da tinta,
nada Ihes dizendo obrigal-os a aprender A sua pro-
pria custa (e da Fazenda Nacional...), emfim, n'uma






41

livre expansio das suas intelligencias, n'uma sem
peias manifestacio do seu talent em mexer solidine,
laisser les enfants ganher les esperons.
Seria isso bem mais altruista do que a maneira
come entao procedi, sujando as mios e estragando o
meu fato, para defender os interesses do Estado que
para tal me nio pagava.
E se, emquanto a instrucgio aos indigenas em
serving do governor, tal se fazia, corn to. benemerito
fim, nRo.menos levantado era o motive que levava o
pessoal superior de Obras Publicas a nio fiscalisar
nunca takes indigenas.' Com effeito, se era certo ser
tanto menor o trabalho produzido quanto menor era
a vigilancia sobre o pessoal d'elle encarregado exer-
cida, era certo tambem que maior se tornava o seu
desenvolvimento cerebral, sabido come 4 estar a per-
centagem de faculdades intellectuaes em cada indi-
viduo na razio inversa da fadiga phisica por elle ex-
perimentada.
Constituindo isto um facto de ha muito observa-
do entire os brancos, e que mais se accentua entire os
pretos, commeteria eu um crime de lesa-raqa, se,
acabando tal pratica (alias de tao beneficos resul-
tados para o cofre da Fazenda que pagava qualquer
obra pelo triple ou quadruple do razoavel), puzesse
per qualquer forma entraves ao desenvolvimento
cerebral dos indigenas inhambanenses. Por este mo-
tive o nao fiz, pelo que s6 me louvo ainda hoje, por
ter a certeza de que, assim, attingira a raga negra do
District de Inhambane um desenvolvimento cere-
bral, so nao superior, pelo menos egual ao de muitos
specimens da raga branca.
Mas, emquanto nio chega tal desenvolvimento e
come 6 necessario fazerem-se obras ho Districto, e
essas nao podem, de forma alguma, absorver verbas
que nao caibam, ainda que apertadas, nos limits do
racional, emquanto tal nao succede, julgo de toda a
vantagem olhar-se a serio para este assumpto, aca-
bando-se com uma pratica que nao poucos contos de
r4is tem absorvido, malbaratados, cor grave prejuizo






42-

para o Districto, com'tamanhas necessidades e cor
tio pouco, no orcamento, para Ihes fazer face.
Pode talvez tudo quanto deixo dito parecer a al-
guem um exagero.
NRo o 6, e breve o vamos provar, como vamos
provar tambem o muito que deixava a desejar o mo-
do como era executado tudo quanto a Obras Publi-
cas se referia.
Em novembro de 1905, foi mandado elaborar' na
sub-sec9qo de Obras Publicas o project de uma casa
para residencia do adiinistrador de Guilala.
Muito trabalhosa devia ser tal tarefa, porque s6
quatro mezes depois tal project veiu 4 minha mao,
e, ao contrario do que eu julgava, long de ser qual-
quer sumptuoso palacio cheio de arabescos, em es-
tylo manuelino ou gothico, de custoso desenho, ngo
passava de um rudimentar esboqo, 3 quartos peque-
nos e uma varanda de madeira, cujo estylo se appro-
ximava, quando muito, do cafreal.
Tendo, quando em 1902 estive no Natal, obtido
um catalog de pregos de materials de construcAo,
examinando takes verbas e accrescendo-as do pre;o
do frete e outras pequenas despezas, calculava eu
que tal construcao nunca ficaria por mais de 100 a
120 libras esterlinas, cor o que deveras me alegrava,
porque, estando tal verba dentro dos limits do or-
camento do anno economic, podia ser levada a cabo
essa obra. que ha tanto como urgente se impunha,
por estar o administrator alojado n'uma mA palhota,
velha, e nem sequer pertencente ao Estado.
Masboemephemerocontentamento foi o meu. por-
que, quando me foi present o orcamento elaborado
pela sub-sec9go de Obras Publicas, era elle de quan-
tia superior a 3:500$000 r4is!
Nao podia ser. Mas assim o asseveravam os te-
chnicos, e eu, vendo que nada conseguia, limitei-me
a mandar mudar para Guilala um barracAo que exis-
tia no commando da Maxixe, e que, cor ligeiras mo-
dificaqSes, que importaram cm pouco mais de
200$000 r6is, ficou desempenhando o papel do resi-







43

dencia do administrator, melhor do que a faria a
casaplaneada durante 4 mezes de assiduo estudo, cu-
jos quartos eram de tVo pequenas dimensoes que
nem sei mesmo como n'elles se poderia viver.
Mais ainda.
Em maio de 1905, tendo-se deteriorado a roldana
onde corria a adriga da bandeira do quartel da 7.a
companhia de infanteria, dei ordem as Obras Publi-
cas para que se procedesse aquella reparacao.
Insignificante era ella, em verdade, e na sua ra-
pida execu9to confiava eu, nao demorando em tal
a attencAo, quando, julgando-a ja prompta, me veio
participar o chefe da sub-secgao que sem o orgamento
por lei determinado a nao poderia fazer, por ser o custo
d'essa obra de cerca de 300$000 rdis!
Era extraordinario! E' que, para subir ao topo
do mastro, era necessario um andaime, para esse an-
daime muita madeira, para a ligar muitos pregos,
para os pregar muitos carpinteiros e bastos ajudan-
tes que, diga-se de passage, muito estorvavam, em
regra, e como era precise comprar tudo isto porque,
de passadas construcc6es, nem o mais insignificant
sarrafo, nem uim prego ficra na arrecadacAo das
Obras Publicas, 4 claro que a verba orgamentada s6
seria sufficient usando-se da mais stricta economic.
Nao podendo de f6rma alguma, porque contra tal
so revoltava, ji nao digo 6 meu zelo pelos interesses
do Estado, mas ate o senso commum, permittir tal
compra, tirei is Obras Publicas esse encargo, pe-,
dindo ao Delegado Maritimo mandasse um preto
ao topo do mastro para compor a roldana, o que se
fez, sem que a Fazenda dispendesse n'isto a mais in-
significante verba:
E' este facto bem em abono da affirmacao, atraz
feita, de muito deixar a desejar o service de Obras
Publicas no Districto de Inhambane.

i Um dose funccionarios que tenho visto cumprirem melhor
o seu dever, o sr. Germano de Mattes.






44

Mas nio ficam aqui as provas em questAo.
Uma outra que, comquanto se nao passasse durante
o tempo que governei o Districto, vou apresentar,
mostra bem quanto se tem malbaratado dinheiros
que, bem administrados, com sensatez e parcimonia
aplicados, muito teriam contribuido para os melhora-
mentos de que Inhambane ha tanto carece.
Quando em 1900 (segundo creio), attendendo 6
absolute necessidade de uma ponte de desembarque,
foi dada ordem para a construccao dos pilares em
que devia assentar o taboleiro da ponte, foi esta obra
de tal mode dirigida que, quando chegou o taboleiro,
foi necessario derruir os pilares porque estavam a
distancias deseguaes entire si, e o taboleiro era cons-
truido em secybes de egual comprimento!
E assim se gastaram bons contos de r4is, a som-
mar aos muitos que a falta de zelo e de conhecimen-
tos technicos de quem o encargo de dirigir tal re-
partiqao tern tide sobre si, assim tern feito desper-
digar. I
Deixando este facto por se nao ter passado du-
rante o meu governor, vejamos outros occorridos
n'esta epocha, e egualmente edificantes.
Quando, para a construcyqo de uma escada nas
trazeiras do predio que serve de residencia ao go-
vernador do Districto, foi necessaria cal, foi o calculo
de saibro para Ihe ser misturado de tal mode feito
que, acabadas as obras, ficou ainda uma grande por-
cao, em muito pouco inferior d quantidade acarre-
tada para o logar onde era preparada a tal cal.
Sendo o saibro gratuito, parece que tal nao devia
lesar a Fazenda Nacional. Mas se tivermos em conta
que, para 6 acarretar, andaram dias e dias 20 ho-
mens, ganhando 100 r4is per dia cada um, facil e cal-
cular o prejuizo ao Estado causado por tal desleixo.
E o que so deu corn este saibro, deu-se com a cal
que uma vez foi necessaria para tapar um insignifi-
canto buraco n'uma parede da Residencia.
Quando uma pequena porcao bastaria para tal
fim, foram comprados no mercado 4 saccos grande






45

que, final, ficariam a estragar-se a chuva e ao tempo
se eti os nao mandasse recolher.
Estes exemplos, muitos outros; que nao aponto
por tal ser desnecessario, o facto tantas vezes por mim
verificado, e contra o qual me insurgi, de se nao exer-
cer a menor fiscalisacao sobre os indigenas trabalha-
dores, porque ou sc nomeavam para tal serving olhei-
ros indigenas que nas horas de acabar o trabalho s6
pensavam, ou d'essa vigilancia se encarregavam bran-
cos que, nao tendo mesmo a unica qualidade dos olhei-
ros pretos a permanencia no local da obra -, nem
mesmo ali appareciam, como eu tive occasilo de ve-
rificar por occasilo de umas reparacges na Residen-
cia, de cuja direcqEo foi pelas Obras Publicas encarre-
hado um branco pouco solicito em cumprir o seu de-
ver, mas, valha a verdade, muito prompto em receber
os 2$500 r4is diaries como paga dos seus servigos
estabelecidos- tudo isto a ninguem poderi deixar a
mais leve duvida acerca do servigo de Obras Publicas
em Inhambane.
Sem materialpara os mais rudimentares trabalhos
de gabinete, sem uma picareta, uma pA, a mais simples
bandeirola para um trabalho de campo, sem verba,
porque o nao permettia,em grandeparte,o modo como
eram administrados os dinheiros nos orcamentos con-
signados para as obras necessarias ao Distrioto, era
este, sem duvida, o que mais deixava a desejar d'entre
todos os ramos do Servi9o Publico.
Todo o material se resumia no seguinte:
1 theodolito jA um pouco velho e um todo-nada
enferrujado
4 reguas de 0,"20, duas das quaes tinham um
pedago cortado do lado da graduacao
1 estojo para desenho com um compasso de re-
ducqo inutilisado e um compass ordinario com uma
das pontas quebradas.
1 pan de nankim barato
Varios lapis do mesmo preQo
1 alidade eclimetro jA muito usada






46

1 pau que f6ra bandeirola in-illo-tempore
1 mira de estadia
2 enxadas com o cabo partido
2 picaretas idem
1 plancheta de desenho ji empenada
1 prancheta
Mais algumas miudezas, tudo isto sommado a
various cabos de pinceis, s6 para combustivel aprovei-
taveis.

Porque nao foi ainda substituida tao preciosa col-
lecQRo de antiguidades, nao sei, nem, por mais que
procurasse, outra razao achei a nao ser a de, havendo
museus em muitas'das cidades das colonies inglezas
nossas visinhas, nao ser de forma algumajustificavel
a sua falta entire n6s.
Alias, manda a verdade se diga, este material sa-
tisfazia perfeitamente as necessidades do servigo, tal
como era feito, porque eu nunca vi trabalhos para
que fosse precise mais do que papel e lapis e, quando
muito; uma regua e borracha.
Emquanto amateriaes de constracgao, o systemade
acquisieao por arrematacro em hasta public, por lei
ordenado, se 4 verdade que 4, n'um mercado de recur-
sos, o unico admissivel como media de boa moral e
economic, deixa de o ser quando nao exista a concor-
rencia que tal arremataeo supple, ou quando, o que
vale o mesmo, n'ella'nRo haja verdade, garantia de
peia a abusos, em desvantagem dos interesses da
Fazenda, jA insignificant para as mais urgentes ne-
cessidades, um zero em resultado de takes desperdi-
cios.
Effectivamente, p6r em hasta public a compra
de materials para qualquer construcqao, ou essa mes-
ma construcqAo, e admittir a esse concurso propostas
de dois individuos que sAo... socios, se 6 certo que
4 cumprir o que como lei esti determinado, 4 certo
tambem ser, em regra, lesar o Estado, e tal, em boa
razao nio pode ser legal.
N'este case, entendo deverem elles set adquiridos






47

em outro mercado onde exista uma verdadeira con-
correncia, porque, com transportes e tudo, ficario
ainda, cor certeza, quando com criterio feita a sua
arremataqco, por um prego menor do que o actual,
tao elevado que em duas on tres obras se esgotam
as verbas orqamentadas, em manifesto prejuizo de
mil outras de inadiavel necessidade e reconhecida
vantagem pa a o Districto.
0 adquirir por um elevado preco aquillo que,
d'um outro modo, o seria por um prego 6 ou 7 vezes
menor, s6 como media de protecylo a industries lo-
caes pode ser, at6 certo ponto, justificavel. Mas quan-
.do takes industries nao existam, 6 tal pratica em des-
favor dos interesses de um territorio que, concorren-
do corn enorme verba para as despezas da Provincia,
uma s6ria attengdo merece.
Nunca tal modo de acquisigo poderia dar logar
a abuses, porque, sendo as encommendasfeitas em
face de um orgamento cor proficiencia elaborado,
tendo-se estudado minuciosamente as necessidades
do District e a maneira de as prover, tudo se'resu-
miria a uma cuidadosa arrecadagao de materials, por
cuja conservaQoe seria responsavel um dos funccio-
narios em servigo nas Obras Publicas, evitando tal
media o facto que hoje, muitas e muitas vezes se
da, de ter uma obra de ser interrompida por falta de
materials no mercado ou pela sua carestia n'essa oc-
casiao, nao compativel cor o oraamento feito.
Com isto ganharia a Fazenda, que nao seria assim
lesada, e ganharia tambem a lei que as arrematacoes
em hasta public estabelece, porque se tornaria real
o seu cumprimento, em vez de s6 n'um papel existir.
E emquanto aos indigenas em servigo de Obras
Publicas, entendo deverem ser elles cuidadosamente
vigiados-o que se conseguiria por uma rigorosa es-
colha do pessoal de tal encarregado-,e cor proficien-
cia ensinados a do qualquer tarefa so desempenha-
rem, para o que deveria haver nas Obras Publicas
empregados corn habilitacges para esse ensino.
Ha, entire os individuos por various crimes senten-






48

ciados a degredo, gentle de todos os misteres, que em
ensinar os indigenas poderia ser occupada, n'uma
indubitavel vantage para a socidade e para elles
proprios, pela regeneracao que o trabalho comsigo
quasi sempre traz. Seria esta uma boa maneira de
proceder, emquanto se nao criassem em todos os dis-
trictos escolas de artes e officios, o que se impbe co-
mo urgente.
Em Inhambane ha um principio d'uma, mas cor
tao pequena dotagqo que s6 A custa de muitos e
muitos sacrificios dos missionaries d'ella encarrega-
dos consegue viver, sem poder satisfazer Aquelle de-
sideratum.
A ella me referirei em outro logat, limitando-
me a dizer aqui que julgo tao benefica a media que
acima expuz Acerca do aproveitamento dos senten-
ciados, que na missno do Mongue, onde se comeqou
a montar uma escola de artes e officios, mandei tazer
servigo alguns que para Inhambane me foram en-
viados, dando tal pratica os melhores resultados.
D'um outro assumpto devo aqui falar (a elle mais
extensamente me referirei quando tratar da admi-
nistracao do Districto), e 6 a nenhum interferencia
por lei hoje dada ao governador no servigo de Obras
Publicas.
Como estA organisado, nao tem em tal assum-
pto o governador do Districto a menor ingerencia,
nem mesmo dentro do orgamento.
Para a execu -o da mais insignificant obra, de-
pois de aprovado o orgamento em que a respcctiva
verba venha exarada, sao necessarios mil e um con-
sentimentos e opiniies, de todo o mundo official, ex-
ceptuando aquelle a quem foi entregue a administra-
.co do Districto, e a quem, o que 6 mais curioso, sao
pedidas contas d'essa administracao.
0 governador nao p6de mandar p6r um vidro,
nao p6de displr de um real, nem mesmo dentro do
orgamento, sem o consentimento das Obras Publicas,
e isto para uma obra proposta pela sub-secqto no
District, que, as mais das vezes, nRo quer saber para






49

nada do governador, por estar convencida, e inuito
bem, de que, em assumptos de rebocos de paredes ou
construcS8es de muros A cafreal, 6 necessario, para se
poder ter opiniao, ser-so habilitado cor um curse de
Conductor de Obras Publicas, on, se o nao 6, cor uma
larga vel quando so trata de cimentos ou de cal e area.
0 governador s6 tem a nuctorisar a sahida do
Cofre da Fazenda da quantia necessaria ao paga-
mento de uma verba cor a design ago, vaga para
elle, de Nao quer isto dizer que o governador deva ter
interferencia direct no modo de executar qualquer
obra. .E' perfeitamente razoavel que d'essa execugco
sejam os technicos os unicos encarregados e por ella
responsaveis. E 6 razoavel isto porque s6 prejuizos
traria essa interferencia, nao s6 porque, sendo mais
que um a dirigir uma obra, nunca ella poderia sahir
perfeita (como agora succede), mas tambem porque,
para a boa execugo de takes servigos, 6 necessario
ter profundos conhecimentos de escripturagio. resis-
tencia de materials, prepares de tintas, confecqao de
cimentos, construcqio de paredes, tudo isto som-
mado a muita cal, muito lapis, reguas, compasses,
etc., vastidro de conhecimentos que um governador,
em regra, nao possue, nem os experientes da vida>
podem admittir que possua.'
Mas o que me parece razoavel 4 que sejam todas
as obras feitas de accord corn o administrator do
District, na orientacdo por este tomada para desen-
volvimento do territorio que Ihe foi confiado.
Todas as verbas orqamentadas deveriam por elle
poder ser empregadas sem necessidade de mais con-
sentimentos, regimen este que nunca poderia trazer
abuses, nao s6 porque 4 precisamente para evitar
despezas inuteis que se faz um orgamento, como tam-
bem porque de tudo quanto mandasse executar daria
o governador minuciosas contas, com o premio ou
castigo que um juizo imparcial dos actos praticados
aconselhasse.






50

Nunca a independencia do Servigo de Obras Publi-
cas tal media iria ferir, e melhor seria o trabalho
feito, sem tantas notas, tanto < certo, mas com maiores vantagens para o Districto
e para os interesses da Fazenda, bem lesados bastas
vezes pelas obras de character provisorio nas nossas
colonies abundantes.


Servigo de Fazenda

Se pequena era a acqIo ao governador permittida
em assumptos de Obras Publicas, era ella nulla em
tudo quanto ao service de Fazenda dissesse respeito.
Ao contrario do que seria natural e logico, it-
tenta a confianca que se deve depositar em quem
para administrar um district foi escolhido; long
de, deixando-lhe, dentro do orgamento, disp6r das
verbas para qualquer fim destinadas, dando, 6 claro,
minuciosa conta aos poieros superiores do seu em-
prego, Ihe manifestar essa coniianga, permittindo-
Ihe attender as necessidades, que julgue urgentes, do
district que governa pelo contrario 6-lhe vedada
toda e qualquer interferencia em takes assumptos, a
cargo exclusive de uma repartiqao subalterna, ver-
dadeira tutoria aos actos do governador imposta.
Sem entrarmos na discussAo do Regulamento de
Fazenda em vigor, das notas, officios, etc., que pouco
a pouco teem alterado esse Regulamento, porque
seria tao long tal tarefa que em todas as paginas
d'este trabalho ella nao caberia, limitar-nos-hemos a
apresentar alguns factos passados durante um anno
de governor, que tanto basta para fundamental a ur-
gencia de remodela9go que tal service exige.
Comecando pelos orgamentos de despezas d'um
District, vejamos como slo, em regra, confecciona-
dos tRo importantes documents.
Tendo em vista a execucao de obras de inadiavel







necessidade, attendendo A exiguidade de verbas cor
fins diversos, dotag9es de reparti9qes, vencimentos
de funccionarios, etc., emfim a tudo quanto pard
o bom andamento do Servico Publico necessario
seja, gasta o governador subalterno longas horas,
queimando as pestanas A pessima luz dos candiei-
ros governamentaes, mordido por mosquitos, distil-
lando toneladas como qualquer cebaceo pachider-
me, a confeccionar um piano de orgamento em que
tudo 4 minuciosamente descripto, cor toda a cla-
reza explicadas em long relatorio as razies que o
augmento de determinadas verbas e diminui9go de
outras determinam, de modo tal que nenhuma du-
vida possa ficar no espirito d'aquelles a quem o ap-
provar tal orgamento compete, Acerca da necessidade
das medidas propostas.
Este project, elaborado pelo governador subal-
terno de accordo cor os chefes dos differences ser-
vioes, resumindo tantas opinioes e attendendo a todas
as necessidades (pelo menos as compativeis cor as
receitas do Estado), 6 depois enviado ao governor da
Provincia que, resumindo os de todos os Districtos,
elabora o orcamento provincial que envia A Direcqao
Geral do Ultramar.
D'aqui, e depois de todos os chefes das differences
reparticoes d'aquella DirecQAo Geral term dado o
seu parecor sobre cada uma das parties do project
que corn a repartigo tern relacao, 4 elle enviado a
Inspecao de Fazenda do Ultramar que definitiva-
mente organisa o project que as Cortes deve ser
apresentado para lhe ser dada approvaqao.
E' esta a longa via sacra que pelos decretos de
1900 e 1901 tal project de orqamento tern de per-
correr, o queja traz comsigo o inconvenient de, sendo
tantos.os individuos sobre tal assumpto ouvidos, po-
dendo ser, como 4 natural, diversas as suas opinioes,
poder o orgamento em questgo ir soffrendo tantas
e ito variadas altera8qes que, quando A lnspecqoo de
Fazenda chegado, ja quasi se nao pareca corn o ori,
ginal.






52

Mas, ao mesmo tempo que pelos goverilos subal-.
ternos 6, de accord cor as differences repartig6es
-districtaos, elaborado o project de orgamento, 6 um
outro pela repartiQao subalterna' de Fazenda, sem
consult de ninguem, confeccionado, baseado, ja nao
nas medidas pelos encarregados dos diversos servigos
julgadas necessarias, mas unicamente no criterio do
escrivao de Fazenda do Districto, que, se 6 certo
poder ser um individuo de sno criteria e largas vis-
tas, 1 pode tambem nno o ser; elaborado este project,
6 enviado, sem que o governador d'elle tenha conhe-
cimento, para a InspecqRo da Fazenda da Provincia,
d'onde part a percorrer o mesmo caminho do outro
seu irmao. Ora, sendo, como 6 natural, differences os
dois projects, deve ser tamanha a confusao de takes
diversidades advinda, que, valha a verdade, nada
admiraque, no fim, quando approvado definitivamente
o orcamento do Districto, a nenhuma das suas neces-
sidades faga face,- de todas as medidas propostas s6
aproveitadas sendo, em regra, as de diminuiq5es de
verbas.
E, de tudo quanto pelo governador fora proposto,
de todo o trabalho feito, s6 restart meia duzia de ca-
dernos de papel no fundo de um cesto de papelada
velha, sinthese bem verdadeira da bondade de tal
pratica.
Como urgent se impr e dal-a por finda, ser o or-
g amento dos Districtos subalternos elaborado pelos
governadores, ouvidos os differences chefes de servi-
9o e, quicA, quem, alem d'estes, bons services em tal
assumptopossa prestar, serem os orgamentos provin-
ciaes elaborados de accord cor os dos districts,
d'accordo tambem cor os chefes superiores de ser-
vico na Provincia, ouvidos egualmente aquelles que,
embora nao funccionarios publicos, das necessidades
da Provincia possam fornecer boa informag5o, e, uma

I E o escrivio de Fazenda em Inhambane, o snr. Motta e
Costa, era-o, sem duvida.







vez enviado este document para a metropole e viri-
ficado estarem as verbas n'ellas consignadas dentro
dos limits das receitas, e do sense commum, ser-lhe
dada approvacao. S6 assim podera sahir perfeita
tal obra, quo, feita por diversos a um mesmo tempo,
product de criterios varies que, comquanto razoa-
veis de per si, nem por isso doixam de ser muitas ve-
zes oppostos, As differences necessidades nao poderd
satisfazer, nunca para o progress das colonies efficaz-
mente concorrendo.
Posto isto, vejamos agora a series de ridicules fa-
ctos de mas disposi98es legaes provenientes, passa-
dos durante um anno apenas, isto apezar de estar o
servigo de Fazenda de Inhambane entregue, duran-
te o tempo que governei o Districto, a um funccio-
nario que, por uma correct maneira de proceder,
sempre procurou evitar os attrictos a que disposi-
9ces por leis, por officios, telegrammas, notas de ser-
vi-o etc., estabelecidas, a meudo dariam logar:
Era, para pagamento de uma despeza, necessaria
uma certa quantia. Como nao estivesse tal verba no
orcamento exarada, pedi eu corn urgencia ao governor
geral da Provincia auctorisaqio para a mandar pagar,
o que, portelegramma, mefoi concedido.Depoisd'isto,
e desejando liquidar a conta em questao, dei ordem A
repartiqio de Fazenda para que o fizesse. Pois, quando
julgava ter sido cumprida a minha ordem, apresentou-
se o credor d'essa quantia a dizer-me nHo lh'a quere-
rem entregar. Chamado o Escrivao de Fazenda, tendo-
lhe enviado, para que nenhuma responsabilidade sobre
elle recahisse, a copia do telegramma do governor
geral, foi-me respondido que o pagamento se nho
podia fazer emquanto a repartigio de Fazenda do Dis-
tricto nho chegasse ordem < E ha, a par d'isto, leis, e entire ellas o proprio Re-
gulamento de Fazenda, que estabelecem ser o gover-
nador do Districto a primeira auctoridade ali, sendo-
lhe todos os outros funcoionarios subordinados, e de-
terminam ser o governador da Provincia o seu pri-
meiro magistrado, de quem, alias, uma simples repar-






54

tiCqo de Fazenda subalterna nao acata as resoluqSes !
Em outra occasiRo, queria um individuo obter uma
determinada concessio, e para tal fim entrou no cofre
da Fazenda corn a quantia por lei estabelecida. Ora
tendo sido, no mesmo dia em que isto se deu, recebido
um telegramma do governor geral, corn data de 8 dias
atraz, prohibindo takes concessSes, devia a quantia
depositada ser entregue ao depositante, visto lhe nao
ser deferida a pretensAo. Pois, quando paratal se apre-
sentou na reparticao de Fazenda, foi-lhe negado o
reembolso, sendo necessario utna ordem terminante,
sob minha particular responsabilidade, para que tal
se fizesse, como era just, visto que o contrario seria,
sem duvida, embora legal, nada menos que um roubo
pelo Estado feito a um particular!
Uma outra vez, nao existindo no mercado de
Inhambane um determinado artigo necessario ao ser-
vigo, foi este encommendado fora. Recebida a nota
da encommenda, foi esta promptamente satisfeita,
sendo logo, ao mesmo tempo que o reciboji assigna-
do e sellado, enviada A reparticio a que o artigo em'
questao se destinava. Pois, em vez de ser prompta-
mente satisfeita a sua importancia, como era natural
e just: natural porque corn rapidez tinha sido envia-
do o artigo encommendado, just pela confianQa pelo
fornecedor patenteada ao enviar ao mesmo tempo o
recibo com sello e assignatura, em vez de assim ser,
porque tal recibo deveria ser passado n'um determina-
do impresso da repartiqao de Fazenda, impresso que,
4 claro, a casa fornecedora, extrangeira, nho possuia,
s6 muito depois foi esta reembolsada do dinheiro quo
lhe era devido!'
Pratica esta que, alem de um mau credit nos
acarretar, tern ainda o grave inconvenient de, nlo
sendo com promptidEo satisfeitas as quantias em de-
bito pelo fornecimento de qualquer artigo comprado,
ser por elle exigida uma maior quantia, em manifesto
prejuizo dos interesses do Estado, pelo que cor ella
urge acabar.
Tel-o-hia feito se para isso tivesse attribuiqbes.






55

Mas eu nem para a mais insignificant media a
bem do Districto as tinha, e quando,levado polo muito
amor que lhe dedicava, alguma coisa em seu proveito
quiz fazer, mA paga recebi, como se pode ver de um
outro caso que you aqui narrar.
Quando, para melhoria do service telegraphico do
District, se resolve substituir por postes do ferro
os de madeira at6 entro em service, foram estes en-
commendados A casa Krupp, que os enviou para Lou-
renco Marques, de onde foram depois embarcados
para Inhambane. Tendo side reservada no orcamento
de 1905-1906 uma verba de 20:000$000 r6is para essa
reconstruceao, e sendo a verba destinada a transpor-
tes no interior do Districto (2:000$000 r4is) apenas o
sufficient para fazer face a takes encargos, mormente
querendo eu que d'essa verba' fosse ainda transferida
uma certa quantia para acquisicao de alguns artigos
de que os Commandos militares cor urgencia neces-
sitavam, e para os quaes nao bastava a verba orca-
mentada, send a verba de transportes tao exigua,
parecia natural fosse o frete dos postes de Lourenco
Marques a Inhambane (1:060$000 reis) pago pela
verba de 20:000$000 rdis acima referida, o que era
tanto mais razoavel quanto 6 certo ser aquelle trans-
porte part integrante da reconstrucgAo da linha, que
sem elle se nao poderia fazer.
Mas assim o nao entenderam aquelles a quem eu
me dirigi sobre tal assumpto, em bem sincere sup-
plica.
De nada valeu, quo pouco depois recebia eu uma
nota em que rudemente se me dizia que o que tinha
sido feito, o tinha side muito bem, e que nada tinha
eu com isso! Extraordinaria resposta, em verdade,
esta que se deu a quem s6 nos interesses do Districto
que governava pensava, que ao seu servigo tinha posto
toda a sua boa vontade, todas as suas faculdades, que
poucas ou muitas, 4 indifferent, nem por isso deixa-
vam de ser todas, n'uma ancia de o ver progredir,
n'um enorme desejo de qualquer coisa em seu pro-
veito fazer, qualquer media mais util que as notas,






56

em luminosas ideas pouco fartas, que de grande nu-
mero de funccionarios absorviam a mentalidade.
-Mas ha mais ainda, se os exemplos at6 agora
apontados nao bastam para uma bem firme conclu-
sao.
Tendo sido exarada no orgamento uma verba para
determinada construccao, nao poude esta ser ter-
minada antes de findar o anno economic a ae o
orgamento respeitava. Pois, em vez de ser, como era
natural, post de part a quantia necessaria para a
sua conclusao, recolhe ella ao cofre da Fazenda,
d'onde jd nao torna a sahir, ficando em meio por
falta de verba a construcqao em questio! Entao,
quando se queira evitar isto, recorre-se a recibos fei-
tos ad hoc, de quantias ainda nao pagas, unico meio
de obstar a que fique incomplete a obra como urgen-
te reconhecida! Bem melhor seria, em verdade, mo-
dificar a lei que tal preceito estate, do que, ainda
que para bem do service, commetter uma illegali-
dade.
E, por ultimo e para terminar, apresentarei um
exemplo'dos grandes prejuizos que para a auctoridade
d'um governador podem advir de tAo complete inde-
pendencia do servigo de Fazenda.
Um governador entende serem de vantagem de-
terminadas medidas, e poe-n'as em pratica. Nao con-
corda cor ellas o escrivao de Fazenda que, confiden-
cialmente e sem q ue d'isso tenha o governador o me-
nor conhecimento, communica a sua opiniao A Ins-
pecyao de Fazenda da Provincia, com os commenta-
ries que. Acerca do procedimento d'aquelle, entende
ever fazer Resultado: 6 o governador censurado
pelo governor geral, a quem aquella Inspecqao parti-
cipou a opiniao do escrivao de Fazenda, que assim se
tornou, ipso facto, um tutor do governador do Dis-
tricto, a quem, alem d'isso, se nao da o direito de de-
feza, porque tal equivaleria a dizer-se-lhe ter side um
subordinado seu quem tal censura Ihe acarretou, o
que estabeleceria incompatibilidade centre os dois!
Esta pratica, tio perniciosA, bem facil remedio to-






57

ria. Bastaria que a InspecqBo de Fazenda Provincial,
quando da verificagRo de contas tratasse, communi-
casse qualquer irregularidade n'ellas achada ao go-
verno geral, e esto procedesse contra o governador
subalterno que assim tinha prevaricado, sem quo a
reparticAo de Fazenda districtal em nada interviesse,
para que logo em principio a qualquer abuso f6sse
promptamente posto c6bro, sem o odioso da tutoria
de um empregado subalterno sobre a primeira aucto-
ridade de um Districto.
A' conclusao da urgent necessidade de ,uma re-
modelagao do serving do Fazenda, estes exemplos le-
vam facilmente. Mais alguma coisa sobre este assum-
pto veremos quando da administrag~o de um Distri-
cto tratarmos, bastando, por agora, que mostremos a
necessidade de dar ao governador uma maior latitu-
de de attribuig6es, permittindo-lhe disp6r dasverbas
orcamentadas como convenient julgar.
E' tio restrict, em tudo quanto a dinheiros do
Estado se refira, o campo de accAo de um gover-
nador, que da mais insignificant quantia, ainda mes-
mo quando seja a sua applicacAo de urgente necessi-
dade, nao pode dispor, nem dentro do orcamento nem
fora d'elle, que a sua ordem nio tem a mais pequena
verba para attender a qualquer encargo n'aquelle or-
camento nao previsto.
SCom os mil consentimentos, corn as trez vezes
numerosas notas que o mais insignificant assum-
pto, no nosso ultra-burocratisado meio, requer, leva
a decision da mais ligeira questio monetaria tanto
tempo que, muitas vezes, conseguida tal decisao, ji
nao 6 precisa ou, o que e poor, ja nao 6 sufficient,
porque, nro tendo sido remediada de prompto a ne-
cessidade que a ella deu causa, ji a quantia primeiro
orgamentada nao chega para Ihe fazer face, d'onde
s6 prejuizos resultam para o cofre da Fazenda.
Outras vezes, a proposito de insignificantes di-
nheiros, so troca tal quantidade de notas, que, em
papel, pennas, tinta e tempo perdido, so vae maior
verba que a da quantia em questao!





58

Prova isto o facto, que uma vez se deu, de, por
causa de um abono de 60 reis a um empregado pu-
blico, abono cor que a Reparticao de Fazenda nao
concordou, ser necessario que se trocassem 14 notas
entire os governor geral e do Districto, isto alem das
trocadas entire areparticio de Fazenda e a respective
Inspec9oo!
Ora44 notas levam a escrever, attenta a illustra-
0ao vulgar na maioria dos nossos amanuenses, pelo
menos 28 horas ou sejam perto de 5 dias, a razao de
6 horas de trabalho por dia (o que 4 raro); e, tendo
em conta que cada dia de trabalho custa pelo menos
1$500, segue-se que, em tal service, dispendeu o Es-
tado quasi 7$500 r4is; notando ainda que essas 14
notas requereram, em media, 3 folhas de papel cada
uma, e que, para escrever essas 3]folhas, estragaram os
escriptores de takes monumentos litterarios, pelo me-
nos, duas vezes aquella quantidade de papel, temos
entao uma despeza total de 126 folhas de papol, ou
sejam 25 cadernos!
Sommando:

Trabalho. ........ 7$500 rdis
Papel . . 1$500 >,
Pennas, tinta etc. . .. 300
As 14 notas nao contando o esforgo in-
tellectual dos amanuenses que vale
bom dinheiro . . 9$300 r6is
Ora so, ainda ao menos, d'essas 14 notas sahissem 2
obras de proveito, custaria cada uma ao Estado 48650
reis, o que, valha a verdade, nos tempos que corren-
do vao, nio era caro-mas nem sequer so dando isso,
6 caro, muito caro mesmo, principalmente se virmos
que, em vez do tanta nota, se poderiam ter feito ape-
nas duas: uma a perguntar a razao do abono, a outra
a responder a esta. Depois seria juiz o governor da
Provincia qne aprovaria ou castigaria o procedimen-






59

)m tal abono tinha auctorisado, sem para ello
E' necessario que o governador tenha A sua
o uma verba cor que attend a neces-
Ro previstas no orgamento, tao urgentes que
i pedir para tal o consentimento do governor
prestando depois justas contas dos seus actos,
3 Ihe seria exigida uma effective responsabi-
.N'esta exigencia de responsabilidades dove
a reform dos servigos de Fazenda. Dar as
ittribui9oes, compativeis cor os cargos que
iham, a todos os funccionarios, permittir
)s mostrem as suas faculdades de trabalhb e
icia, deixal-os concorrer cor todas as suas
ra o bem do Estado, sem Ihes p6r peias, mas
3 sobre elles rigorosa fiscalisagao que impe-
;, a que, alias, a rigorosa escolha dos func-
Sporia enorme dique, tal dove ser a maneira
proceder de quem mais alguma coisa queirafazer
leis que se nao cumprem porque se nao po-
Se, por vezes, so nao dove, a bem do Servigo Pu-
Scumpril-as, do que notas e officios em que, so
os < as vezes, as ideas praticas, as concepgies de



Servipo de Alfandega

Sio tantas as altera9ees nas pautas alfandegarias
abique introduzidas desde dezembro de 1892
Shoe, que difficil se torna, mesmo a quem ein tal
sempre occupado, saber exacta e rapidamen-
-.. os impostos que a uma determinada merca-
npetem.
.E, so d'isto advem grandes inconvenientes para"o
Public, pela troca constant de notas entire
3es subalternas e a do circulo aduaneiro para





60

esclarecimento ca duvidas por uma redaccao obscura
on contraposigAo de dois documents em vigor, sus-
citadas, bem maior 6 o prejuizo que ao commercio
causa tal estado de coisas, porque, tendo os commer-
ciantes de satisfazer o encargo dos direitos alfande-
garios a par de muitos outros sempre existentes, e
necessitando para acquisicao dos necessaries funds
saber corn antecedencia, em face das facturas das
mercadorias e das pautas aduaneiras, quanto pelos ar-
tigos a despachar deverA ser page, nao, o cc
muitas vezes, com grave prejuizo seu, por se
obrigados a angariar d'um moment para
nHeiros que, n'um maior prazo, a dquiririam em
melhores condi "Ses.
Bem para attender 6 tal assumpto, em beneficio
dos interesses dos commerciantes, a quem
cessiva pauta alfandegaria jA difficil torna a vida.
Effectivamente, se tomarmos as tabellas de direi-
tos aduaneiros em vigor no district de Inhambane,
veremos serem elles muito mais elevados, nos arti-
gos de mais facil collocacao, que os que vigoram em
outros districts da Provincia.
Assim, ao pass que os vinhos nacionaes de pro-
ducq8o at4 15 pagam por litro, em Inhambane, 8
r6is, os de graduacao entire 15 e 170 10 r6is, os vinhos
generosos e licorosos 10 r6is pagam nos ot
trictos da Provincia, a excepcao de Lourenco
ques, respectivamente 1, 4 e 4 reis, isto apezar de em
Inhambane tern sido prohibido o fabric de bebidas
cafreaes, e parecer haveria today a conveniencia em,
aliviando-lhes os direitos, facilitar a importaco dos
nossos vinhos.
E o que se dA cor os vinhos, dA-se cor os vidros,
cor os materials de construccio e com varies outros
artigos que, nro especificados nas tabellas aduanei-
ras, pagam no Districto de Lourenco Mar
ad valorem e no de Inhambane 10 /o.
Se a esta difference tao consideravel, juntarmos o
augmento em quasi 50% do preco dos fret --
lacgo a Lourenqo Marques, vindo em tamanha pro-





.61

porQlo augmentar o custo de todas mercadorias, fa-
icilmente se vB quanto necessaria se torna, para o des-
Ienvolvimento do commercio no Districto, a remode-
lavAo d'aquellas tabellas.
Emquanto ao pessoal, era-lhe urgente uma mu-
danca de situac.o.
Nao falando do pessoal superior, que a esse de-
viam, a meu ver, ser estabelecidos ordenados fixos,
em vez de percentagens e emolumentos que, se umas
vezes sao grandes, em verdade, sao outras vezes in-
significantes, nao falando n'esses, era de inadiavelne-
cessidade o augmento de vencimentos aos guards e
pessoal das embarcaqbes da Alfandega.
Effectivamente, como poderia um guard branco,
visto que para cargos detalresponsabilidadede f6rma
alguma podem ser escolhidos pretos, viver cor os
500$000 ou 400$000 r6is que o orcamento consignava
para os de 1.a e 2.' classes, ainda sujeitos a descontos
de toda a especie? Era impossivel. Assim o viram os
Idois directors da Alfandega de Inhambane que co-
nheci I durante o meu governor, que nao podendo, por-
que Ihe nao era permittido, augmentar os venci-
mentos de takes funccionarios, procuraram melho-
rar-lhes a situac.o, consentindo vivessem no edifi-
cio da Alfandega, porque os ordenados nem mesmo
para o aluguer de uma mi palhota de f6rma alguma
Ihes chegavam!
No project do orgamento por mim feito, era isto
remediado, corn um pequeno augmento de despeza.
Mas s6 em project ficaram mais estas medidas.
-Se isto se dava emquanto ao pessoal europeu,
nao menos urgia augmentar os vencimentos do pes-
soal indigena nas embarcacoes da Alfandega empre-
gado. Effectivamente, so a quantia orgamentada, 200
r6is diaries, 6 mais do que sufficient para lhes satis-

I Os Srs. Marino da Fonseca e Proenga Fortes-Dois func-
ionarios que muito bem se desempenhvam dos deveres do aeu
areo.






fazer as necessidade de vida nao o 4 para as ambiqcesi
quetootrabalho nas minas do Transvaal a todos teni
habituado a maior ganho. Eram por isto frequent"
as deserqbes, muita vez nao tinham tripulantes os
barcos, e, sem que ninguem d'elles cuidasse, rapida}
mente se deterioravam, apezar dos esforcos para 6
evitar, empregados.
Por isto se impunha tal augmento de despeza.


DelegaQLo maritima

Entregue a delegago maritima em Inhambane,
emquanto governei o Districto, a um funccionario
zeloso, active e com perfeito conhecimento de tud~
quanto ao seu officio se referia, se de muitas e muitai
modificaQSes carecia este servico, 6 certo tamben
ter sido elle desempenhado sempre com uma profi-
ciencia e cuidado difficeis de exceder, e, sobre tudo,
corn uma vontade de bem servir quejulgo difficil de
egualar. So a alguns outros services me referi em
terms bem verdadeiros, pouco em abono de quem
d'elles era encarregado, essa mesma Verdade que
norma todo este trabalho, manda alguma coisa so di-
ga do servico da delegapAo da Capitania dos Portos
em Inhambane, mostrando quanto esforco persisten-
te, quanto firm desejo de, bemn cumprindo os seus
deveres, a3uxiliar o governor do Districto, eram ne-
cessarios para, luctando corn tantas difficuldades, a
bragos cor innumeras necessidades, a ellas conseguir
fazor face d'uma maneira satisfatoria.
Era o seguinte o quadro do pessoal da Delegacio
maritima em Inhambane:
DELEGAQXO
1 Delegado da Capitania
Vencimento de categoria 600$000 r6is
Vencimento de exericioio 400$000 >i





63

1 Escrevente da Capitania
Vencimento de categoria .
Vencimento de exericio .

1 PatrAo-m6r . ..
1 Praticante de pilotagem-gratifi-
ca ao .. .
1 Carpinteiro . .
1 Cabo de mar (europeu) .
1 Serralheiro machinista .
-Lancha Caldas Xavier:


1 Patrgo (europeu) ..
1 Fogueiro (europeu). .
2 Chegadores indigenas.
2 marinheiros indigenas.


240S000 r6is
240$000

96$000 rHis

1080o00 -
365$000
547S000
1:080$000


547S000 rHis
620S000
146$000
146$000


Lancha Coimbra 0 mesmo pessoal da lancha
Caldas Xavier.
Lancha Lisboa:


1 Patrao. . . .
1 Fogueiro . . .
1 Chegador indigena . .
1 Marinheiro . . .

-Lanchas de vela e escaleres:

2 Patr6es de lancha . .
3 Patries de escaleres . .
20 remadores indigenas. .


120$000 r~is
365$000
738000
73$O000


240$000 r~is
3608000
1:460S000


Ora alguns d'estes vencimentos, os que ao pessoal
indigena respeitam, que, alguns annos atras, seriam
perfeitamente sufficientes, eram entao, devido a cau-
sas que em outro logar jd apontamos, tro pequenos
que impossivel se tornava obter pessoal quo a tao








pesado servigo, corn tao pequeno lucro, se sugeitasse.
endo assim, e nao querendo os indigenas do Ba-
zaruto ou das margens do porto, unicos que do ma-
nejo de embarcagqes teem quaesquer noQges, ao servi-
um muito mais arduo trabalho, se Ihes afigurava
mais rendoso, tornava-se necessario angariar gente
do mato, sem os mais leaves conhecimentos do assum-
pto, a maior part vendo pela primeira vez o mar
quando a Inhambane chegavam.
Por aqui so podera ver a somma de trabalho que
era precise dispender para conseguir que no servigo
das embarcacAes, no do balisagem, nos muitos traba-
Ihos A delegafao maritima encarregados, podessom
elles prestar qualquer auxilio. E so a isto accrescen-
tarmos que, uma vez ensinados e sabendo que, com
takes conhecimentos, podiam, em Lourengo Marques
ou em outro ponto do sul d'Africa, auferir maiores
ganhos, logo para ali emigravam, sem que o governor,
pela forma como a emigraQao estA regulamentada, a
isso podesse obstar-mais ardua se tornavatal tarefa,
pela continue substituipao do pessoal que a um Ion-
go serving, em manifesta vantagem do Estado, deve-
ria ser obrigado. No intuito de evitar tMo prejudicial
facto, mandou o meu antecessor no governor, o Ex.mo
Sr. Julio de Vilhena, contractor remadores na Zam-
bezia, media que, por so me afigurar de toda a con-
veniencia, eu continue a p6r em pratica. Mas, nlo se
querendo tal gentle de forma alguma sujeitar ao ven-
cimento de 200 r4is diaries, sem que Ihe fosse abo-
nada em dinheiro ou generous a racao, necessario foi
satisfazer-lhe essa pretencRo, do que nio pequena
complicacAo adveio, por nao estar tal verba, 60 r4is,
dentro dos limits do orcamento. Nao querendo eu
excedel-o, mandei que d'esses 200 reis fossem com-
prados os generous necessaries ao sustento dos indi-
genas, que, adquiridos por junto, sahiam por menor
preco, sendo-lhes depois entregue o excedente, ao
mesmo tempo que, em 7 notas seguidas, acompanha-
das de, pelo menos, o dobro de copias de outras quo




65


me foram dirigidas pelo delegado maritime, expu-
nha ao governor geral a necessidade de ser augmen-
tado em 100 r6is o vencimento diario dos remadores
indigenas.
Muito tempo decorreu, long period durante o
qual eram constantes as reclamaqIes dos indigenas
que eu, conform podia, ia entretendo corn promes-
sas, bem pouco em favor da auctoridade do cargo que
desempenhava, porque, sendo tro insignificant o.
augmento de despeza, na mente dos pretos nao cabia
que a primeira auctoridade do Districto para tal nao
tivesse attribuicoes; muitos mezes assim se passaram
ate que tal auctorisaQo chegasse, tarde talvez, por
que, convencidos os indigenas de quenunca nas suas
reclamacqes seriam attendidos, bem depressa dos
seus servios comeQaram a desinteressar-se, n'uma
resistencia passive a que nada, nem ameacas, nem
castigos, podia p6r cobro.
Cobro seria posto e bem facilmente, se, em vez
de serem, como'hoje o sao, contractados os indigenas,
fossem elles recru'ados analogamente aos que na
guarnico da Provincia vio servir, d'onde s6 econo-
mia adviria para o Estado pelos menores vencimen-
tos que auferem e pela maior regularidade no servi-
co, que uma organisaQao A similhanga da military,
das Capitanias e DelegacQes maritimas, comsigo fa-
talmente traria.
Deveria ser de 3 a 4 annos o tempo de service, e
a elle seriam obrigados todos os indigenas que no ser-
vigo military nao tivessem ainda estado, tendo as mes-
mas vantagens d'estes; e sabido, como 6, o enorme
apreqo tido A dispense, por um numero de annos
egual aos que serviram, do imposto de palhota, e
acrescentando ainda que nao necessitariam de sahir
do District d'onde eram naturaes, facil 6 prever a
nenhum a difficuldade em os recrutar, desapparecida
a reluctancia a um expatriamento.

Vejamos agora a economic para o Thesouro d'ahi
resultante.




66

Vencendo os 29 marinheiros em service na dele-
gaq~o maritima o mesmo pret que as pracas indige-
nas da 7.* C.a de infantaria, teriamos, a 60 r4is, uma
despeza de 635$100 r4is.
Tendo em conta que, das despezas feitas cor as
pracas da companhia de infantaria, s6, para o caso
dos remadores, seriam necessarias as que se referem
a fardamento, rancho (sem o pqo e massa, absoluta-
mente dispensaveis) e custeamento de camas, teriamos
entAo, para os 29 em questao, uma despeza de:
Fardamento (20 rdis diaries) 211$700 r6is
Rancho (80 r6is diaries) . 8468800 >
Camas (650 r6is cada) .. 18$850 >
ou seja um total de 1:077$350 r4is que, sommado a
verba de prets, daria uma despeza total de r6is
1:712$450.
Tendo em conta que seria de 3 annos o servigo,
durante os quaes nAo seria pago pelos indigenasrema-
dores o imposto de palhota, como o nao seria durante
outros 3 annos, no caso de um exemplar comporta-
mento no service active, importaria tal dispensan'uma
perdapara o Estado de 435$000 r6is, ou seja, sommado
d despeza anteriormente calculada, um total de r4is
2:147$450.
Ora, sendo de 300 r6iso vencimento diario, talcomo
hoje se acha estabelecido, de cada remador, e impor-
tando takes vencimentos para os 29 ao serving da De-
legaZao em Inhambane na quantia de r6is 3:175$500,
auferiria o Estado damedida aqui proposta um lucro
de 1:028$050 r6is, o que, sommado aos muitos bene-
ficios, entire elles aeconomiaproveniente d'umamelhor
conservacao do material, que uma long permanencia
e, por consequencia, uma maior somma de habilitacoes
para o servigo, comsigo traria, 6 muito e muito para
attender.
N'estes 29 indigenas ao service na Delegaca o in-





67


cluimos os chegadores das lanchas <, <,Cal-
das Xavier> e , em constant substituico,
pelo que era de vantage ser-lhes o system de re-
crutamento proposto applicado.
Mas se urgente era, em virtude da situacAo pelo
trabalho nas minas do Transwaal creado em relacao
aos vencimentos dos indigenas, augmental-os, nao
menos urgent era analoga media em relacao a alguns
dos funccionarios europeus da Delegacao maritima,
que, com rendimentos que de f6rma alguma corres-
pondiam as condicies da vida em Inhambane, s6 a
muito custo conseguiam tazer-lhes face.
Tendo o regulamento das Capitanias dos Portos, em
vigor, cerceado consideravelmente os vencimentos,
ficaram estes reduzidos para o delegado em Inham-
bane A quantia de 1:000$000 r4is, sujeito a descontos,
absolutamente insufficient e, mais ainda, em complete
desproporao com os servigos por aquelle funcciona-
rio prestados.
E o que se dA com o delegado maritime, da-se
egualmente com o 'cabo de mar, com o vencimento de
547$500 r6is, sujeito tambem a descontos, com o pa-
trao m6r com o de 96$000 r4is annuaes, e com os pa-
.tr6es e fogueiros das lanchas que, segundo o orcamento, devem ser
europeus, com os vencimentos de 547$500 e 620$000
r4is.
Esta exiguidade de verbas, bem patente para quem
conhega a carestia de vida nas nossas colonies, dando
em resultado serem os cargos de patr6es e de fogueiros
das lanchas desempenhados por indigenas, sem a
menor nocao do seu officio, sem nenhuma vontade de
a adquirir, com uma ausencia absolute de consciencia
dos seus deveres que s6 uma educacAo moral, muito
different da sua, comsigo traz esta exiguidade de
verbas dava em resultado serem constantes os enca-'
Ihes, serem continues as avarias nas machines, com,
o que nao pouco dispendia a azendaPublica, quantia
com certeza superior A de um augmento do vencimen-





68

tos permittindo pessoal devidamente habilitado
technical e moralmente.
E emquanto aos vencimentos consignados ao pa-
trao m6r e cabo de mar, eram elles tRo pequenos que
se nao conseguia gente que do primeiro cargo se des-
empenhasse, e s6 permittiam ao segundo uma difficil
vida, de forma alguma compativel com o arduo ser-
vigo incumbido.
Ora se, posto em pratica o recrutamento dos ma-
rinheiros e chegadores tal como acima o indicamos,
se applicasse a verba de 1:028S050 r6is, lucro pelo
Estado d'elle auferido, em melhorar a situaqio do
pessoal europeu da DelegaqRo, seria satisfeita uma
necessidade bem urgente, sem encargo algum, alem
dos actuaes, para a Fazenda, antes com manifesto
beneficio seu.
Necessario 4 tambem o augmento da verba bonsi-
gnada as despezas da farolagem e balisagem, em ver-
dade insignificant.
No project de oroamento a que em outro logar
me referi, era tal necessidade prevista, mas, pelas j
apontadas razies, tudo ficou em project.
Em project ficou tambem a aquisicao de um pha-
rol para a ponta Zavora, de um outro para o Bazaruto,
melhoramentos de ha tanto reclamados, e de que so
quem ter navegado no canal de Mocambique e por
seus proprios olhos verificado a difficuldade de tal
navegagio, pode bem conhecer a urgencia.
Por varias vezes tem sido object de estudo a
montagem do pharol da Ponta Zavora, mas s6 em
estudos ficou, infelizmente.
Naio falando n'um project elaborado pela sub-
secqio de Obras Publicas de Inhambane, project que
em nada ficou, em nada se resumindo, segundo me
confessou o individuo d'elle encarregado, foi, durante
o tempo que governei o Districto, feito um rigoroso
trabalho para tal fim, trabalho que, entregue a tres
distinctos officials da Armada: os srs. Capitio-tenento
hydrographo Newpart, e 2.0' tenentes Cordeiro e Cys-





i 69

neiros de Faria, nao s6 determinou todos os elemen-
tos para tal montagem, como serviu para uma rigo-
rosa determinaqio das coordenadas d'aquella Ponta,
em manifesta vantagem para a navega9o que n'ella
encontra um bem temivel escolho.
D'uma memorial que acompanhava este traba-
Iho, feito cor toda a proficiencia e cor absolute ho-
nestidade scientific, transcreverei uma pequena
parte, em si resumindo os resultados de tal estudo.
Reza assim:

,E' de uma necessidade absolute para a navega-
qio o estabelecimento de um pharol na ponta Zavora,
tornando-se elle principalmente indispensavel para
os navios que veem do sul. A configuracio da costa
assim o estd a indicar.
'A violencia das correntes tambem 4 uma causa
determinant para a realisacAo do t'o util melhora-
mento, e nAo 6 s6 a sua violencia mas a sua extrema
variabilidade ao long da costa que vae de Lourenco
Marques A ponta da Burra. 0 navegante nunca p6de
contar cor o sou ponto estimado, achando-se algu-
mas vezes muito chegado A terra, outras muito ama-
rado.
,Accresce mais a falta de confianga que 4a na carta
desde o sul da ponta Zavora at6 As proximidades da
bahia de Lourengo Margues, onde creio que as cor-
rentes slo mais variavoels, parecendo que em conse-
quencia da configuraQoo da costa, a corrente que se-
gue para sul forma revessa dando logar a contra cor-
rentes muito variaveis e mal definidas.
0< estudo d'esta parte da costa 4 tambem de uma
necessidade quasi imprescindivel para obviar a de-
sastres como o do ,Carnarvon- perdido n'aquellas
paragens, e a encalhes como o do Cruzador S. Raphael
commandado por um dos nossos mais habeis officials
da armada o CapitAo de Mar e Guerra Manoel d'Aze-
vedo Gomes. Parece estar averiguado que o encalhe
d'este navio se deu bastante ao sul da ponta Zavora,
e foi devido a correntes violentas que levaram o na-




70


vio mnito para a costa quando o seu rumo tinha sido
dirigido A ponta Zavora.
(Agora que esta feito o levantamento da bahia de
Lourenqo Marques assim como o actual trabalho da
ponta Zavora embora de muito menor importancia,
pareceria convenient fazer a sua ligacao completan-
do-se assim uma boa part da costa da Provincia de
Mocambique.
,A part a levantar nao excede 140 milhas, o que
talvez podesse ser feito em menos de 2 annos inclu-
indo as sondagens e o levantamento dos bancos.
duas triangulaySes jA effectuadas, trabalho que nao
excederia 6 mezes cor uma brigada de officials.
(Ficaria assim definida a posiao rigorosa do bai-
xo , mais perigoso da costa, e estudado
o logar para a collocaQio de pharolins destinados e
darem-lhe resguardo.
nilo segura do allumiamento d'este ponto da costa.
carta ingleza, mas esta bem declara a falta de confi-
anga que n'ella se deve depositar pois n'uma nota
diz.
,The coast between Zavora Point and the Wes-
tward of Limpopo River is entirely unsurveyed and
ahculd be given a wide berth.,
vermelhos cruzando-se sobre o baixo.
< vierem do sul evitarao entrar nos dois sectors ver-
melhos dos pharolins, podendo estar seguros da sua
navegagpo emquanto estiverem nos sectors brancos
ou n'um branco e outrp vermelho.
-A disposico que se vA no Esbogo que vaejunto,
da um resguardo de 4 ou 5 milhas ao baixo para na-
vios que vierem do sul os quaes mal virem averme-
lhar a luz do pharolim do norte guinarao para o mar
a procurar o sector branco.





71

ji vem cor o seu rumo bem definido pelo pharol da
ponta Zavora e melhor confirm a sua posicao pela
marcoaQo do pharolim norte do baixo miamento d'este baixo, parece nio restar duvida que
o pharol da costa a construir deverA ser na ponta Za-
vora.
vantajoso construil-o na ponta que fica mais ao sul
da ponta Zavora, e eu preferia essa escolha se nao
houvesse o baixo e a costa fosse limpa.
Esta ponta sul estA disposta por forma que o sector
do pharol alcancaria mais para o sudoeste podendo
assim os navios encostarem-se mais A terra afim de
nao perderem caminho.
<, que
obriga o navegante a afastar-se da costa cerca de 10
milhas, o pharol na ponta sul perde toda a vantage
porque naturalmente os navios que vierem da bahia
com o rumo que levam a passar pelo menos a 5 mi-
Ihas do "Carnarvon, vao entrar no sector do pharol
da Zavora quasi no mesmo logar em que veriam a
luz da ponta sul.
tagem a ponta Zavora cujo pharol illumina uma cos-
ta limpa desde o cabo Correntes, perdendo-se assim
menos caminho do que se fosse procurar a liz da
ponta sul, cujo sector s6 alcancaria a cerca de 5 mi-
Ihas para f6ra do cabo Correntes, interceptada, como
fatalmente seria, pela ponta Zavora mais alta do que
ella.
9io do pharol, resta ainda alguma cousa a dizer sobre
o system de construcco.
ta se encontra terreno firm que garanta uma cons-
trucqcao de alvenaria a nao ser junto A linha de bai-
xamar.
todos os outros inconvenientes que sao obvious, a con-






72

strucgao de uma torre de pelo menos 60 metros de
altura para dar ao pharol um alcance geographic
apenas de 20 milhas. Ficar-se-ia nas condiqges do
pharol de Aveiro cor a circumstancia agravante de
que a construcqo ainda seria mais cara.
,Resta pois escolher o alto de uma duna, e procu-
rar a forma de ali o construir com solidez
,Na ponta Zavora ha 4 dunas, 8 das quaes teem
pouco mais de 40 metros de altitude e uma de 55
metros a oeste de uma d'estas; como se ve no piano
detalhado que acompanha a carta.
nao apresentam vantagem alguma sobre a quarta
debaixo do ponto de vista da seguranQa da construc-
9ao. Como ja ficou dito, estas dunas sao formadas por
areas meio fixadas pela vegetagao mas ainda bastan-
to soltas.
cio de ferro assente em estacas Mitchell, convenien-
temente cravadas. Esta construcqAo nao precisa ser
muita alta attendendo jA A altitude da duna. Basta-
ria que attingisse 10 a 15 metros ao plano local da
luz para se poder garantir um alcance de cerca de 30
milhas para os navios que tenham a ponte alta.
ctivo travamento, de uma casa de ferro para arreca-
dacgo dos sobresalentes do pharol e do combustivel,
encimada pela lantern.
struida de alvenaria no sop6 da duna para o lado da
terra onde se p6de encontrar terreno nas condiQbes.
,, cravamento das estacas, operaqRo bastante dif-
ficil em area solta, poderia obter-se cor seguranga
arrazando-se em part o cume da duna, cravando as
estacas ate a nega cor o auxilio de injectores do
agua a pressio e puchando novamente as areas ate
atingir a actual altura. Calculo que por esta forma
se podia conseguir que as estacas ficassem enterradas
8 a 10 metros, garantindo assim a seguranga da cons-
trucqgo.





73

facil a sua reparagao e at6 a sua remogro do que
qualquer outro system de construcqAo. Pareco-me
tambem ser a mais economic.
sao de grande pezo, e com uma facilidade relative
seriam transportadas por terra pelas actuaes estra-
das.
( Ihido um hyperradiante ou pelo menos um mesora-
diante que garante 28 milhas de alcance n'um esta-
do medio da atmosphere.
proximos e para aproveitar o maior l4cance lumino-
so, deve ser scintilante ou pelo menos de grupos de
clarOes cor pequeno intervallo de tempo para faci
litar as marcaq6es.
titude, garantindo cerca de 30 milhas de alcance geo-
graphico para navios de ponte alta e de mais de 30
milhas de alcance luminoso em boas condig9es atmos-
phericas.>
As razies n'este relatorio apontadas, a pequena
despeza em que tal construccRo importaria, e, sobre
tudo, os perigos da ausencia de tal pharol resultan-
tes, sao razoes mais que sufficientes para que seja de
prompto remediada tHo urgent necessidade.
Urgente 4 tambem; come jA dissemos, a construc-
cao de um pharol no Bazaruto.
Ja em tempos idos assim se pensou, tendo-se ad-
quirido todos os materials para este fim; mas, ou
porque nio houvesse verba para terminal tal obra,
on porque por qualquer espirito de extranha lucidez
nao fosse ella julgada necessaria, o caso d que os ma-
teriaes para 1A ficaram estragando-se ao tempo, reco-
Ihidos n'uma pessima palhota, em estado de nio so-
rem aproveitados quando novamente em tal so pen-
se. E' certo que no orgamento vem consignada uma





74

verba para a conservagao, illuminacao e reparagao
d'esse pharol, como vem consignada outra aos ven-
6imentos dos respectivos pharoleiros. Mas s6 no or-
camento elle existe, com grave prejuizo para a na-
vegaqao e para o nosso nome em Africa, tao pouco
attendendo n6s a este assumpto, que, por varias ve-
zes e por isso, temos sido alvo de censuras de extra-
nhos.


Servi;o de agrimensura

Sem elementos de especie alguma para o seu bom
desempenho, era este um dos services que de urgente
remodelagio carecia.
Sendo, pela lei em vigor de concess6es de ter-
renos, A reparticao de agrimensura entregue o
encargo da delimitago d'estes, nAo.havendo, para
tal fim, nem os mais insignificantes meios, baga-
gem bem reduzida sob todos os pontos de vista,
facil 4 imaginar-se como seria cumprido este service,
que pela sua capital importancia, pelos prejuizos que,
ao Estado pode causar quando nao a rigor desem-
penhado, s4ria attenc.o devia merecer.
Com effeito, juntar a um process de concessao
um pedago de papel cor 4 riscos, nem mesmo 6 re-
gua feitos, sem confronta95es, sem orientacgo, sem,
ao menos, referencia a um onto conhecido e de
posigao determinada, como kilometros de estradas,
situacqes de commandos militares ou de povoaqces
indigenas importantes, etc., tanto equivale a conce-
der um terreno nao se sabe onde, cor dimens5es que
nio se conhece quaes sao.
Dizer que um terreno confronta cor baldios, sem,
ao menos, uma referencia de um dos seus pontos a
um outro conhecido, serA talvez cumprir um pre-
ceito legal, mas 4, sem duvida, dar um man exemplo
de menosprezo pelos interesses do. Estado.





75

Continuar, como ate agora se ter feito, a nao
marcar limits rigorosos a um terreno concedido,
marcas indeleveis come marcos de alvenaria, de fer-
ro, ou, pelo menos, signaes em arvores que pela sua
coniiguraco ou especie se nao confundissem facil-
mente, marcas cuja permanencia no local seria facil"
de, a meudo, verificar, continuar a nada d'isto fa-
zer, limitando-se a demarcacio ao cravar no chao
meia duzia de estacas que uma creanca arranca e
muda cor a maior facilidade, 4 dar azo a que essa
concessio augmente em grandeza dia a dia.
E se tivermos em conta que, long de se augmen-
tar o foro por essa concessao devido, continue elle
sendo o mesmo, ou vae, segundo disposiqBes legaes,
sendo cada vez menor, facil 4 ver o prejuizo ao cofre
da Fazenda cauzado, a que se vem juntar ainda o
de, querendo o Estado aproveitar para qualquer fim
um determinado terreno, o nao poder fazer, por estar
elle jd na posse de quem, tendo pedido o aforamento
de uma part, a outra j~, por seu livre arbitrio, gra-
tuitamente a estendeu, send entAo obrigado a ad-
quiril-o a troco de uma quantia que sera mais um
tanto a juntar ao prejuizo soffrido pelo motive aci-
ma apontado, derivado d'uma mi demarcacao.
Sendo por lei determinado que, logo em seguida
ao pedido de concessao, seja este informado, e sendo,
em regra, d'este service incumbida a reparticio de
agrimensura, deveria essa informacQo ser o mais mi-
nuciosa possivel, contend nDo unicamente, como 6
de use, o numero de palmeiras pertencentes a indi-
genas, assim resumido: varias palmeiras, o numero
de cajuerios e algumas machambas, mas sim elemen-
tos para a determinacao da posiqio do terreno, ainda
/ que s6 cor approximacao, indicapao da natuieza do
terreno, sua configuracao, emfim tudo quanto, ten-
do-se uma carta da regiAo, podesse concorrer para a
corrigir.
Com uma bussola e um pedometro, um pequeno
barometro de altitudes e um pouco de geito, se faria
tal trabalho, que, comquanto rudimentar, seria com-




76

tudo muito superior a dizer-se: star tal terreno con-
cedido em terras de fulano ou cicrano, e confrontar
pelo norte, sul e oeste cor baldios, e pelo leste cor
o preto Cala, cidadao que, ao que rezam centenas
de pedidos de concessies, possue o Districto quasi
inteiro!
Assim informado o requerimento em questAo e
depois de seguir tramites que, diga-se jA, deveriam
ser bem mais simples do que sao, proceder-se-hia a
demarcagvo do terreno, cuja posicAo jA cor suffici-
ente eeactidio era conhecida, e cujos limits seriam
fixados por marcos de pedra que o requerente seria
obrigado a de antemdo preparar, ou, o que era me-
Ihor e mais facil, por lettreiros de folha ou de ma-
deira pregados em arvores, se as houvesse, e, no case
contrario, em estacas, lettreiros que, sendo numera-
dos, e sendo n'elles marcadas as distancias centre uns
e outros, nAo seria facil mudar, porque, no caso de
de tal haver qualquer suspeita, facil seria verificar as
suas posicies, em face da plant, contend todas
aquellas indicacoes, que nas reparti9bes de agrimen-
sura e na de fazenda, ou na secretaria do governor,
para esse fim ou outro qualquer, ficaria archivada.
Este process, bem simples, mais facil ainda de
fazer que de descrever, acabaria com o que hoje se
da, .eque tio graves inconvenientes p6de ter, pelo
prejuizo que ao Estado cauza por vezes e pelas re-
clamaqaes a que muitas vezes di logar, questoes d'on-
de s6 mal vem para o Servigo Publico e para quem
d'elle 6 encarregado, por absorverem takes conflicts
tempo que em assumpto de mais utilidade podoria
ser empregado, e crearem, a quem just queira ser nas
suas decisbes, bastas inimizades que desgostam, que
can9am, intrigas sem fim, a que nem o mais forte es-
pirito consegue resistir, pela repugnancia que sem-
pre inspira um tal.adversario.
Embora nao fossem muitos os instruments ne-
cessarios, deveria a repartiQio de agrimensura ter no
orgamento consignada uma verba para tal acquisicqo,
de modo a tornar-se absolutamente independent




77

das Obras Publicas, a quem hoje requisita o que
julga necessario para o desempenho da sna mission.
Sabido o estado do material d'esta ultima repar-
ti9go, facil 4 calcular-se os meios de que para demar-
cag8es, levantamentos de plants, etc., dispunha o pes-
soal agrimensor, e quaes os trabalhos executados,
que, ja nro digo levantamentos rapidos, mas nem
mesmo esbocos se podiam, em verdade, chamar.
Estabelecida esta dotaiAo, com a escolha de pes-
soal que em trabalhos cor alidade eclimetro de es-
tadia, prancheta, theodolito, sextante, etc., se saiba
occupar, serA o serviQo de agrimensura considera-
velmente melhorado.
Pondo ao service do agrimensor um ou dois indi-
viduos a quem fossem ministrados ligeiros conheci-
mentos sobre levantamentos topographicos, como
de construcAo de signaes, porta-miras, etc., poderA
aquelle desempenhar-se facilmente de qualquer tra-
balho, ao contrario do que hoie succederia, tendo-se
por ajudantes pretos que nunca viram uma mira,
que fariam da alidade eclimetro ou do theodolito a
idea de serem peas de artilheria promptas a sobre
elles fazerem fogo!
SNa modificacao do modo como hoje sat informa-
dos os pedidos de concessoes de terrenos, como sao
demarcados, na dotacio no orcamento para compra
de material apropriado, e na escolha de pessoal
que d'este material saiba proficientemente usar, so
resume as alteraq6es a fazer ao service de agrimen-
sura em Inhambane.



Regencia agricola


D'este servico, a cargo de um regente agricola,
nada direi, nao porque Ihe nao sejam necessarias
modificaqces, mas unicamente porque, durante um








78

anno de governo do Districto de Inhambane, as nlo
consegui ver.
De todo o trabalho execntado, nada de man so
p6de, em verdade, dizer. Nada de man, mas, em ver-
dade tambem, attenta a ausencia complete de fructo
de tal trabalho, nada de bom.
Por isso do tRo important servio, nao rezard,
bem contra minha vontade, esta historic.












commERCIO E InDUSTRII
DO DISTRICT


"L'industrie et le commerce sont les deux elements
essentiels de laprosp6rit_'nationale.n
(ED. DEMOULINS)


Agora algumas palavras sobre este assumpto,
mostrando qual a situaqlo em que se encontravam
quando governei o Districto, apontando ao mesmo
tempo as medidas que julgo necessario sejam postas
em pratica para o seu desenvolvimento.
A situaQco em que se encontrava o commercio do
District, luctando por um lado contra uma excessive
pauta alfandegaria, por outro lado embaraqado pelo
augmento de cerca de 50 %/ do prego dos fretes em
relaqio a Lourenco Marques, cor despendiosos meios
de transport para as mercadorias a negociar no.in-
terior do Districto, sem vias fluviaes importantes em
todo o seu norte e oeste, apenas banhado pelo Inhar-
rime no sul, essa situacio angustiosa merecia sdria
attenqio.
'Como remedio mais prompto e mais ao meu al-
cance, e querendo attender aos constantes pedidos que
o commercio fazia para que remodelasse a tabella de
pregos de transportes dentro do Districto, que me
diziam serem de tal modo pesados que nao s6 nao
permittiam a exportacqo de muitos dos products





80

agricolas, que ficariam no ponto de embarque por um
prego superior Aquelle por que podiam ser vendidos
nos mercados europeus, mas tambem sobrecarrega-
vam a mercadoria a um ponto que as transacg6es se
tornavam difficeis- em face d'isto, propuz ao governor
geral da Provincia a aprovacro de uma nova tabella,
cujo cumprimento,regulado porumcurto document,
ordenei aos differences commandantes militares do
District, recommendando-lhes que envidassem es-
forgos para, sempre que fosse possivel, satisfazerem
todos os pedidos dos commerciantes de carregadores
para as suas mercadorias.
Attenta a facilidade com que aquelles eram obti-
dos, por mim verificada quando visitei o Districto,
facilidade de forma alguma motivada pela minha
presenga, mas sim pela dos commandantes militares,
e estando estes funccionarios sempre promptos a au-
xiliar os commerciantes, fornecendo-lhes gente para
aquelle fim, julguei eu que tal media seria do con-
tento de todo o commercio, como o fora de grande
part d'elle, que pessoalmente m'a veiu agradecer.
Enganei-me.
Alguns individuos houve que contra ella repre-
sentaram, allegando uns uma maior difficuldade em
obter carregadores, facto que s6mente dois dos com-
mandantes militares confirmaram, outros asseveran-
do serem desproporcionados os pregos ds respectivas
distancias a percorrer, outros, emfim, alongando-se
em considera96es de differences ordens, todas ellas
tendentes a favorecer os proprios interesses, quick,
em rejuizo dos alheios.
E, entretanto, continuavam os mais importantes
commerciantes do Districto dizendo estarem satisfei-
tos corn a nova tabella de precos, que Ihes permittia
uma maior acquisigio de products agricolas, um me-
nor prego de venda de products europeus, em sum-
ma, uma maior facilidade de transacc8es. Querendo,
comtudo, ver quanto seriam ou nao razoaveis os argu-
mentos em contrario apresentados, percorri o Dis-
tricto, corri as estradas todas, mandei kilometrar





81

algumas que ainda o nRo tinham sido, e, em face do que
vi, tendo v erificado serem exactas as informacges que
ao representarem-me sobre tal assumpto me tinham
dado, mantive, apezar de tudo, a tabella except
para os commandos de Zavalla e Inharrime, para os
qunes entendi dever ser ella modificada.
Era esta a soluiao mais rapid e dentro dos limi-
tes estreitos por lei marcados A acgio do governador
do District.
Mas so ella favorecia consideravelmente o com-
mercio, so como media provisoria podia ser adopta-
da, emquanto outra de maior alcance o nio fosse, o
que urgia, pois que a crescent falta de bragos nas
colonies inglezas nossas visinhas, e, consequente-
mente, o augmento de salaries dos indigenas ali
empregados, traria comsigo, a par da diminuigao dos
salaries no Districto, uma maior corrente de emigra-
cao, o que seria a perda irremediavel de Inhambane.
SNo intuito de conciliar todos os interesses, facili-
tando o desenvolvimento commercial e prendendoA
terra, para que a agriculte, o indigena, media be-
nefica moral e phisica, pondo um dique A sua sahida
constant para outras colonies, e, por consequencia,
A perda lenta, mas certa, dos elements de vitalidade
e da maior s6de de riqueza do Districto, creio que o
molhor seria construir um caminho de ferro que li-
gasse Inhambane cor o commando de Inharrime.
Duas soluc.es se apresentam para a resolucao
d'este problema: a primeira seria o aproveitamento
do rio Mutamba e das lagoas que junto A costa cor-
rem at6 A foz do Nhatumbo, limited dos districts do
Inhambane e Gaza.
SA segunda, a montagem dum caminho de ferro
de via redusida de Inhambane a Inharrime, aprovei-
tando em seguida as lagoas para servirem Zavalla.
Examinemos em separado cada uma d'estas solu-
9~es.

1 Doe. n." 2.




82

A primeira, se a simples vista parece aquella que
maiores vantagens offerece por evitar a despeza, re-
lativamente grande, d'uma muito maior extensro de
via ferrea, apresenta, quando examinada minuciosa-
mente e com conhecimento exacto do terreno, gran-
des difficuldades. E' facto que se poderia aproveitar
o rio at6 Mutamba, visto at4 este ponto ser navega-
vel, e ter-se-hia depois at6 A lagoa Dongane uma ex-
tensao nao superior a 14 kilometros, que poderia ser
servida por via ferrea. Em seguida, teria de se esta-
belecer uma nova via at6 A lagoa Poellela, na exten-
sno de 24 kilometros, visto as tres lagoas ao sul da
Dongane nro serem navegaveis, nem entire si terem
ligapao, e acarretar muito maior despeza a dragagem
d'ellas e a abertura de canaes que as ligassem, ainda
mesmo quando fossem obras muito rudimentares,
mas que exigiriam constantes cuidados de conserva-
cao.
Teriamos assim dois tracos de via ferrea, na ex-
tensio total de 38 kilometros.
Examinemos agora o process de traccao: ou se
adaptava a tracgio animal usando de pequenos wa-
gonetes de system Decauville para o transport das
mercadorias, ou se montava a tracqco a vapor.
0 primeiro system, se 6 verdade que offerece a
vantagem de menor carestia queo segundo, tern com-
tudo o inconveniunte da morosidade de march, muito
para attender quando se trata do desenvolvimento
d'uma regiao vastissima, e toda ella fertil em pro-
ductos agricolas, como milho, mapira, meixoeira,
canna sacdharina, etc., alem de products para a fabri-
cacao de oleos, como a mafurreira e o amendoim,
abundantissimos em todo o district, e de facil ved-
da nos mercados da Europa.
O segundo system, o de tracoio a vapor, seria
muito mais vantajoso, mas teria o inconvenience de
exigir nio s6 maior quantidade de material circu-
lante no caso d'uma linha direct, como tambem
pequenos cases de desembarque, para facil transbordo
das mercadorias para as lanchas que fizessem o ser-




83

vico das lagoas. Estes caes, comquanto nao necessi-
tassem ser obra perfeita, seriam, no entanto, de pre-
co elevado, attenta a carestia sempre enorme da mao
d'obra no Districto.
Alem deste inconvenient, um outro haveria, e
bem maior, qual 6 o de, havendo quatro estac6es de
despacho, ser necessario um pessoal numeroso, que
por si s6 absorveria uma important part das re-
ceitas que o caminho de ferro podesse dar.
A linha direct a Inharrime offerece maiores van-
tagens, porque, comquanto necessitasse de estacQes
intermedias de despacho, poderia este ser regulado de
forma a evitar grande numero de empregados, sendo,
por consequencia, maior o lucro auferido pelo Es-
tado. Adeante veremos este assumpto, provando a
verdade do que affirmamos.
--Estudemos agora a segunda soluao a d'uma
linha direct de Inhambane a Inharrime -tratando
s6mente o caso da tracc~o a vapor, visto a traccao
animal ter os inconvenientes atraz citados, agravados
agora ainda com a maior extensio da linha (exigindo
pelo menos trez mudas de gado tractor), o que, se
attendermos a que este system s6 poderia ser ad-
quado a pequenos wagonetes com potencia de carga
muito diminuta, demandaria grande quantidade de
gado a adquirir e a sustentar.
SNo haveria em todo o percurso obras d'arte se-
nao muito insignificantes, por ser plan toda a regiao
a atravessar. Nem mesmo seria necessario adquirir
uma ponte sobre o rio Mutamba, porque a que actu-
almente alli existed 6 solida, e poderia, ligelramente
reforcada, ser usada para sobre ella passar a linha
ferrea. De resto, haveria a construir uma pequena
ponte sobre um riacho proximo de Guilala, uma ou-
tra de seis metros sobre o veio d'agua ao kilometro
oito da estrada Mutamba-Cumbana, e uma terceira do
mesmo comprimento sobre o veio d'agua que corre
no pantano de Chicongongo. Aqui unicamente ha-
veria a augmentar o aterro jA existence, obra esta
que poderia ser feita sem dispendio para a.Fazenda;





84

logo que fosse construida a ponte, as aguas das chu-
vas escoar-se-hiam sem custo. Senam estas as unicas
obras, insignificantes em verdade. A' facilidade que
a disposiqgo do terreno offerece, somma-se ainda a
de ser, da Mutamba em diante, bastante duro o solo,
de saibro, tornando, por consequencia, facil a fixa-
9lo das travessas sobre que assentam os rails.
Toria este caminho de ferro uma extensio de
cerca de 70 kilometros, e serviria directamente as
regiSes de Cumbana e Inharrime, podeido depois o
commercio de Zavalla fazer-se pelas lagoas, por con-
ta mesmo dos interessados. A Inharrime afluiria tam-
bem o commercio todo de Chicomo e part do de
Panda, ficando assim servido todo o sul do district.
Examinemos sobre o ponto de vista economic esta
solucpo.
Segundo apontamentos que recebi da casa Arthur
Koppel, Limtd., importaria o fornecimento do ma-
terial circulante, rails e seus pertences (incluindo as
travessas metallicas), e ainda a construcgao de esta-
cies, cor hangars para arrecadagao de mercadorias,
em 560 libras esterlinas por kilometro de linha, as-
sim distribuidas:
Cada kilometro de via e seus pertences (pa-
rafusos de fixag o de travessas, etc.) .... 450,libras
6 wagons descobertos a
150 ............ 900 E
2 wagons cobertos a
275 .............. 550
Material 2 carruagens para pas-
irculante sageiros a 410 cada 820
irculante 3 locomotives a 600 .. 1800
\ Para 70 kilometros.. 4070
Por cada kilometro........... 60
Prego total por kilometro .... 510
ConstrucVo de estacoes, por kilometro.... 50
Somma, por kilometro ..... 560

Teriamos entio, para os 70 kilometros, uma des-





85

peza total de 39:200 libras, supponhamos mesmo
39:500 libras, ou sejam, ao par, 177:750$00 r4is.
E' este calculo feito bastante por largo, porqyanto
s6 para estaq6es, caes de mercadorias, etc., se calcu-
laram 3:500 libras, quantia demasiada se attender-
mos a que para nada sao precisas construccbes com-
plexas, e que simples hangars muito ligeiros satis-
fariam, no principle pelo menos, ao fim que so tinha
em vista.
Cor o trabalho indigena nada se gastaria por po-
der ser elle imposto como tribute, attentas as vanta-
gens que os indigenas tirariam d'este caminho de
ferro, por terem venda os products que cultivam,
o que agora nAo succede, visto os transportes serem
tAo cars que os generous ficariam no ponto de em-
barque, em Inhambane, por quantia superior Aquella"
por que podem ser exportados para os mnercados
europeus. Al4m d'esta, uma outra vantagem tirariam
os indigenas, qual 4 a de ficarem isemptos do servioo
que mais penoso Ihes 4, o de carregadores.
Em pequena quantia importariam os vencimentos
dos engenheiros encarregados de dirigirem esta mon-
tagem; mesmo que fossem dois os emprogados, e
vencessem 500$000 r4is mensaes cada um, importaria
isso em 12 contos n'um anno, que tanto bastaria,
attentas as facilidades que o problema offerece, para
effectuar toda a construc9o.
Se calcularmos em 10:000$000 r4is a quantia
gasta cor pessoal menor europeu, teriamos uma
despeza total de 200:000$000 r4is. Poderia haver
ainda outras pequenas despezas, mas essas seriam
incluidas nas 300 libras cor que, a mais que o orga-
mentado, acima contamos.
Sao estas as despezas da construcao. Vejamos
agora as da manutenqoo.
Estabelecendo dois comboios, que entire as esta-
96es terminus de Inhambane e Inharrime cruzassem
uma vez cada semana, importariam os vencimentos
do pessoal n'elles empregados na quantia annual de
5:856$000 rHis, assim distribuidos:





86

1 locomotive:
1 machinista, vencimento ........... 604000 r6is
2 fogueiros indigenas com o vencimen-
to de 20%000 reis............... 404000 v
3 wagons:
3 guards a 365000 r6is........... 108i000 m
1 carruagem para passageiros:
1 guarda......................... 364000 .
Cada comboio, por mez total.. 2445000 ,
2 comboios custo mensal........... 4884000 r6is
V D annual ........ 5:8565000 r
Sendo cada um d'elles formado por:
1 locomotive
2 wagons descobertos para mercadorias
1 wagon coberto para mercadorias
1 carruagem para passageiros 1.

Vejamos agora o pessoal empregado nas esta-
c es.
Deveria haver tres estacies intermedias entire
Inhambane e Inharrime, cada uma corn o pessoal se-
guinte:

1 chefe (que tomaria nota das mer-
cadorias).................... 504000 rs. mensaes
10 carregadores indigenas a 4A500
rs. mensaes ................. 454000
As tres importariam em 285$000 r4is mensaes,
ou sejam 3:420$000 reis annuaes.
As duas estaqces terminus precisariam um pes-
soal um pouco mais numeroso, que seria:

1 chefe corn vencimento mensal de 604000 reis 604000
2 guards de 366000 729000
20 carregadores indigenas a 4A500 r6is....... 905000
-2224000
I Esta carruagem seria dividida em dois compartimentos





87


Importariam entao as duas estates em 444$000
r6is mensaes, ou sejam 5:328$000 r6is annuaes 1.
Accrescentando a este pessoal um engenheiro
encarregado de fiscalisar a linha, tendo um venci-
mento annual de 1:440$000 r6is, importariam entRo
os vencimentos do pessoal empregado no caminho
de ferro em:

Pessoal circulante .............. 5:8564000 r6is 2
S das estagses intermedias .. 3:4204000
S das estag5es terminus..... 5:3284000 D
Engenheiro ..................... 1:440A000
Total.......... 16:0445000

Suppondo que se gastasse 1:800$000 r6is em des-
pezas de conservacao, 1:000$000 r4is comn a contabi-
lidade de caminh'o de ferro, e 3:000$000 reis cor
outras pequenas despezas, como pagamentos a guar-
das da linha, etc., teriamos que seria de 22:000$000
r4is o custo total da manutengAo da linha ferrea.
0 combustivel (lenha) seria adquirido gratis, visto
poder ser considerado como tribute dos indigenas o
transport d'elle para as estaQbes do caminho de
ferro. EstA claro que isto so poderia s6mente fazer
nos primeiros annos, emquanto houvesse, a pequenas
distancias da via ferrea, mattas d'onde fosse extra-
hido. Mas, poucos annos depois, quando o commer-
cio do district estivesse mais desenvolvido, daria
para o pagamento do carvio necessario, que talvez

dos quaes um, podendo comportar seis pessoas, seria destinado
a brancos. e o outro a pretos.
i No caso do aproveitamento das Iagoas, seriam necessa-
rias quatro estates cor este pessoal, o que importaria num
augmento de despeza de 3:0484000 r6is annuaes, alWm do custo
d'uma estagAo intermedia, cor pessoal mais reduzido.
2 Este pessoal teria de ser augmentado corn mais 10 em-
pregados para guard dlas mercadorias e governor das embarca-
Ofes que as transportassem, no caso de serem aproveitadas as
lagoas.





8s

nem fosse precise mandar vir de f6ra, por o haver
dentro do district '.
0 modo de regular o despacho 2, de f6rma a
evitar grande numero de empregados nas estac6es
intermedias entire as de Inhambane e Inharrime,
consistiria em n'aquellas se tomar apenas nota do
peso e quantidade das mercadorias, e n'estas serem
feitos os despachos, pagamento de fretes, etc. Ter-se-
hia um service economic e em extreme simples.

Vistas as despezas de construcqo e manutenqAo
da linha, vejamos agora quaes as suas receitas.
0 numero de carregadores fornecidos a particu-
lares pelos commandos militares servidos pela via
ferrea, on quo cor ella ganhavam em extremo (Cum-
bana, Inharrime, Zavalla, Panda e Chicomo), regular
por 1750 por mez.
Suppondo que cada um d'elles tem s6mente dois
dias de trabalho a 200 reis por dia, temos men-
salmente 692$000 r6is, on sejam 8:304$000 r4is an-
nuaes.
Segundo apontamentos que me foram fornecidos
pelos maiores negociantes do district, regular pelo
dobro do d'aquelles o numero de carregadores, ho-
mens e mulheres, contractados directamente, isto 4,
sem ser por intermedio dos commandos militares;
e, sendo assim, suppondo de 150 r6is o salario de
cada indigena, e dois os dias de service, importarro
estes transported na quantia de 12:456$000 r4is an-
nuaes, a juntar a antecedente.

1 Trataremos d'este ponto quando nos referirmos As rique-
zas mineraes do district.
2 No caso da primeira solu lo, nAo se poderia fazer isto
porque, sendo divereos os meios de transport, teriam de ser
diversos os fretes, tornando-se necessario o sen pagamento em
cada uma das estasges de despacho consecutivas. A nio ser que
foesem feitas tabellas de fretes independents da kilometragem,
mas isso daria grande confusao, nao s6 nos despachos, como no
servico de contabilidade e fiscalisasgo.








Se tivermos em conta que o Estado gasta annual-
mente, em conducgao de materials e funccionarios
publicos para aquelles commandos, cerca de r6is
1:700$000', teriamos entgo uma receita annual de
22:460$000 r6is.
Ora vejamos o numero de carregadores a que
esta quantia correspond:

Para o Estado a 100 reis diaries ............ 17.000
Para particulares, por intermedio dos comman-
dos militares = 20.760 com dois dias, ou =
41.520 com um dia.. .................. 41.520
Pars particulares, angariados direetamebte... 83.040
Total. ........ 141.560

Cada um d'estes 141:560 carregadores leva, n'um
dia, uma carga de 30 kilos a distancia de 30 kilome-
tros, por um prego medio de 175 rdis.
Bastaria que o Estado levasse 120 reis p'elo trans-
porte de 30 kilos a distancia de 30 kilometros, para
que se colhesse uma receita annual de 16:987$000
r6is.
Mas sendo, como 6, f6ra de duvida que se nao
erra calculando que triplicavam as relaQies commer-
ciaes cor aquellas regiSes, visto que:
1. Ha em todas ellas extensos machongos pro-
prios para a cultural da canna saccharine, e que hoje
nao sao aproveitados por falta de transportes;
2. Que toda a regiao 6 abundante em borracha,
mafurreira, amendoim e outros products de venda
facil nos mercados da Europa, e sem sahida agora
pelo mesmo motive
3.- Que augmentariam as transaccQes com o
indigena, nao s6 porque este, nao tendo o servigo de
carregador e vendo que Ihe eram comprados os


I Slo estes os commandos que mais dispendem sob este
ponto de vista, sendo uma dns causas o transport do pessoal
dos telegraphos, em reparag5es A linba para Lourengo Marques.








products que cultivasse, se dedicaria mais a essa
cultural, mas tambem porque, exactamente por ter o
indigena mais dinheiro, augmentaria a venda dos ar-
tigos de fabricacio europea que o indigena deseja
sempre possuir; sendo assim, poderemos estimar
para a linha ferrea uma receita annual de tres vezes
a acima calculada, ou sejam 50:9618000 r6is, da qual,
deduzidas as despezas de manutencio, ficaria um
saldo de approximadamente 28:000$000 r6is, suffi-
ciente para, no curto praso de sete annos, pagar to-
das as despezas da construccio.
E calculando, como pela pratica se tern visto,
em 21 annos a duracao da via conservada cor z~lo,
teriamos nos 14 annos restantes uma receita minima
de 460:000$000 r6is, a sommar a jd grande do Dis-
tricto.
Mas n6s fizemos o calculo sem contar com os di-
reitos aduaneiros das mercadorias exportadas e im-
portadas;" vejamos entio quaes os lucros d'ahi pro-
venientes, nAo sendo alteradas aspautas actualmente
em vigor.
As receitas provenientes dos direitos cobrados
sobre os products exportados I foram:

1901-1902......................... 8:1096601 rBia
1902-1903......................... 12:5854544 u
1903-1904........................ 4:415A212 *
19(4-1905......................... 9:441,482 a
1905-1906 2 .... ............... 5:267A798 ,

isto 6, uma media de 7:963$927 r4is annuaes.
Calculando que triplicava esta receita, teriamos
entio um excess de 15:927$854 r6is sobre as hoje
cobradas, podendo amortizar-se em menor prazo a
despeza feita corn o caminho de ferro.


SNa quasi totalidade, dos commandos do sul; os do norte
sto menos ferteis por serem menos abastecidos de agua.
2 Ainda falta o mez de junho.




91

Consideramos agora a exportab9o. Vejamos ago-
ra a importag9o.
Admitindo que s6 augmentavam de 250/o as re-
ceitas provenientes dos direitos cobrados sobre os
artigos importados, e sendo a media d'essas quantias
nos ultimos 3 annos de 81:6198966 reis, distribui-
dos do seguinte modo:

1903-1901 ................ 81:3966127 r6is
1904-1905 ................ 81:781%419
1905.1906 ................ 81:6738353 .

Teriamos entao, a juntar As receitas ji vericadas,
mais a de 20:404$241 r4is, quantia esta muito im-
portante, porque s6 por si paga as despezas feitas
com a manutencao do caminho de ferro.
Alem d'estas receitas, haveria ainda a contar corn
a proveniente da contribuicao industrial variavel,
que mais viria .pezar nas vantagens que para o fu-
ture do Districto tern tal construcoqo. Assim o jul-
gou o fallecido Mousinho d'Albuquerque, durante o
Commissariado Regio do qual foi votado em C6r-
tes um emprestimo de 100:000 libras sterlinas com
tal fim, emprestimo que, infelizmente, nao chegou a
ser feito.
Hoje, nao s6 6 necessario uma menor quantia,
como sRo muito maiores as receitas do Districto : sen-
do o rendimento total em 1900-1901 de 333:918$596
r6is, ascendeu em 1904-1905 a 543:301$463 r4is, e a
maior quantia em 1905-1906.
Perante tal augmento de receita, 6 insignificant
a despeza a fazer com a execucAo de tal obra.
Mas nem s6 esta media se impunha como ur-
gente.
0 regulamento da contribuigo industrial appro-
vado pela Portaria do Com.0 Regio de 12 de De-
zembro de 1896, se 4 certo ser ainda hoje um docu-
mento de valia, digno do punho do home que o




92

assignou, carecia no emtanto de algumas pequenas
modificagAes, como as necessitavam tambem as ta-
bellas que Ihe sao annexas.
SAssim o entendeu o governor geral de Mocambi-
que que, pela portaria n.O 893 de 13 de Dezembro
de 1905, o alterou. Vejamos agora quaes foram es-
sas alteraq6es, e o seu resultado para o, district de
Inhambane, e historiemos, a titulo de curiosidade, a
series de peripecias, entire tragicas e comicas, que por
essa occasiao se deu.
Em principios de Dezembro de 1905, mandou o
governor geral da Provincia ordem, telegraphica aos
governor dos Districtos para que elaborassem pro-
jectos de regulamentos para a cobranca da contri-
buiqro industrial, indicando quaes as povoacges que
entendiam que, para tal fim, deviam ser consideradas
cabegas de commando, e quaes as altera95es que jul-
gavam convenient fossem introduzidas nas tabellas
que acompanhavam o regulamento de 1896; ao mes-
mo tempo publicava uma portaria em que, attenden-
do a varias raz6es absolutamente justas, eram alter-
adas aquellas tabellas.
Em alguns dos Districtos da Provincia levan-
tou esta portaria protests, por entenderem os com-
merciantes serem gravemente lesados por ella os
seus interesses, a tal ponto que, diziam, se Ihes tor-
nava urgente o liquidarem as suas casas commer-
ciaes, por serem os impostos a pagar muito superio-
res aos lucros que dos seus negocios poderiam aufe-
rir.
Em Inhambane o commercio veio protester tam-
bem.
Estava eu entao no commando da Maxixe, fron-
teiro A Villa, quando offegante se me apresentou um
individuo que, em nome de todos os commerciantes
do District, me declarou que as pautas alfandegarias de Inhambane equiparadas
As de Lourenco Marques, se poderiam sujeitar As no-
vas tabellas, e a verba n.0 79 (taberna para venda de
vinho) de forma alguma se poderiam sujeitar, nem





93

mesmo n'aquellas condiiSes>>, dizendo ser de tal modo
precaria a situagro do commercio, ser tRo grande a
crise por elle atravessada, que elevar-lhe os impostos
seria aniquilal-o por complete.
Em face d'isto, e querendo ser util, tanto quanto
em minhas forQas coubesse, ao Districto qt tinha a
honra de governor, usei da faculdade que me era
concedida pelo art. 39 do regulamento de 1896, man-
dando que, at6 que do governor geral tivesse resposta
o pedido dos commerciantes, se n1o fizesse tal co-
branya.
Respondeu aquelle governor dizendo que, caso os
commerciantes entendessem dever protestar contra
qualquer media sua, a elle se dirigissem.
Era urgent essa question e, por isso, logo commu-
niquei a resposta recebida aquelles senhores, dizen-
do-lhes que sem perda de tempo deveriam represen-
tar ao governor da Provincia. Longos dias se passa-
ram, durante os quaes eu recebi dois telegrammas
do governor geral dizendo ainda nAo ter sido recebida
tal reclamagao, perguntando o segundo se j estavam
satisfeitos com as tabellas, visto quo a tao profundo
silencio sobre tal assumpto se tinham reduzido! Ins-
tei (o carro adeante dos bois...) duas vezes para que
m'a apresentassem, caso quizessem, at6 que, final-
mente, n'uma manha sebastianica, 1& veiu a represen-
tacro.
Em terms violentos, a mistura com citaQ6es mi-
thologicas e adagios populares, mil raz6es de ordem
economic e political, e eni uma long these sobre
phisiologia indigena, expunham a impossibilidade
de pagarem as novas verbas de contribuicio, e revol-
tavam-se, com todo o enthusiasm e com graves ac-
cusacoes aos Argus Fiscaes, contra a obscuridade da
verba n.o 21 cambista ou agiota -, dizendo que,
com redacqco tal como a da tabella B daportaria em
questao, qualquer pessoa que trocasse qualquer moe-
da, ate mesmo national, deveria pagar tal contribui-
cao!!!
Sem querer entrar de forma alguma na aprecia-





94

9qo do tal redaguo, que, diga-se do passage, nunca
poderia dar margem aquella interpretapqo, uma coisa
me surprehendeu deveras, e muito agradavelmente,
por ver que tal reclamaQAo representava nao s6 um
progress no estado da educacao civic n'aquelle dis-
tricto, como tambem uma maior culturaintellectual,
factor bem important para o seu desenvolvimento:
sendo a redacyo de 13 de Dozembro de 1906 exacta-
mente a mesma de 12 de Dezembro de 1896, sem um
ponto ou uma virgula a mais, dez annos, apenas, vol-
vidos, quando at6 ali todos a tinham comprehendido
e, sem graves vexames (como dizia a representacqo)
para ninguem, se tinha cumprido, s6 entlo a acha-
vam confusa, e assim o affirmavam n'aquella lingua-
gem correct mas ao mesmo tempo energica, abor-
dando simultaneamente varias quest6es mas bem
clara em qualquer d'ellas, que enchia 8 paginas de
papel sellado!
Emfim, recebida ella, dei-me ao trabalho, um dia
e uma noite seguidas, de escrever um long relato-
rio em que expunha ao governor geral o estado do
District e aminha opiniao sobre a petigao do com-
mercio, a quem eu queria auxiliar tanto quanto pos-
sivel, e cujos interesses me mereciam toda a consi-
deracao),-relatorio que ia enviar ao governor geral
acompanhado da representaio, quando outra vez o
mesmo individuo me veiu fallar, pedindo para que
lh'a entregasse, porque, redigida em terms tMo vio-
lentos, certamente nao seria acceite, e que por isso
a queriam abrandar. Entreguei-lh'a, e, dois dias
passados, m'a deram novamente, corn uns inauditos
mudados em inacreditaveis, uns preceitos em reque-
sifos, uma expoliagao em gravame injustificado, umas
stultas prohibifoes em injustas prohibig6es, e pouco
mais em verdade. E assim 1 subiu ella at6 ao gover-
no geral que, nao achando razoaveis os arguments
apresentados, aindeferiu, estabelecendo comtudo, pe-
la portarian.o 83 de 7 de Fevereiro, que, para as lojas
ao long das entradas e nas povoa9bes comprehendi-
das n'uma determinada facha, fosse simple a taxa ap-




95


plicavel, o quo certamente representava ja uma gran-
de vantagem sobre o estado de coisas anterior.
Nao o entenderam assim os Snrs. commerciantes,
que, quando esta decision Ihes foi communicada, re-
solveram fechar as portas dos seus estabelecimentos,
garantindo-me sobre sua palavra d'honra que nao
os tornariam a abrir antes de ser attendido o seupedi-
do, tenqio que depois modificaram, porque fui 4 ho-
ras mais tarde procurado ainda pelo mesmo senhor
que, em nome de todos, me vinha dizer que s6 abri-
riam os seus estabelecimentos se eu, nos. terms do
art. 275 do Codigo Penal, assim o ordenasse, mas nao
sem primeiro terem protestado. Eu nao os mandei
abrir: em primeiro logar porque nio julgava tal me-
dida necessaria, e, em segundo logar, e principalmente,
porque tal media seria ligar uma nho merecida
importancia Aquelle movimento do commercio, mo-
vimento que telia alta significacio se fosse verda-
deiro, mas que a nao tinha, de modo algum, porque
ao meu conhecimento chegou logo que, se era certo
estarem fechadas as lojas para o governador e alguns
funccionarios mais, era certo estarem abertos para
outros individuos, e que, por consequencia, o protest
tivera unicamente por effeito o mudar a porta dos'
estabelecimentos que, em vez de ser para a rua, pas-
sou a ser para o quintal, transferencia esta que, fran-
camente e pesadas bem todas as suas vantagens e in-
convenientes, nio vinha influir capitalmente na si-
tuagRo economic do Districto, nem produzia grave
abalo no estado da Provincia de Mogambique. No dia
seguinte estavam todas as lojas abertas, tendo eu pro-
mettido aos commerciantes interessar-me pela sua
causa, promessa que cumpri: nao s6 elaborando um
project de contribuicao industrial em que os seus
interesses eram bem zelados, come propondo que 51
povoaAses do Districto fossem consideradas cabecas
de commando e conmo takes pagando a taxa simples,
em vez da taxa decuplicada que o art. 19 da Portaria
de 1896 estatuida para os estabelecimentos em po-
voa6es quo como takes nro fossem classificadas, e,




96

finalmente, prorogando-lhes por mais um mez o prazo
para o pagamento das contribui56es, maximo que,
dentro das minhas attribuiq6es, podia fazer, e que
fazia corn o maior interesse e boa vontade por achar
at6 certo ponto justas as suas reclamaqoes, embora
nao fosse attendendo As raz6es por elles apresentadas.
Effectivamente, quaes eram os pontos, al6m da
confusao da verba cambista, contra os quaes reclama-
vam: contra a importancia d'aquella verba (250$000
r6is) e contra a da verba-taberna (20$000 r6is).
Ora nunca foi considerado cambista ou agiota o
individuo que receba dinheiro estrangeiro em troca
de mercadorias, quando 6quelle dinheiro seja dado o
valor marcado pelo cambio do dia, ou quem nas mes-
mas condiqOes o troque por moeda national.
Isto faz-se em today a part, e nunca por tal motive
ninguem soffreu umn vexame da part dos takes Argus.
Mas, em Inhambane, so assim 6 por vezes, tal facto
nio se dA a maior part d'ellas, sendo a moeda estran-
geira trocada por um valor muito inferior ao que lhe
6 devido, e, assim, nao just que, ganhando os com-
merciantes corn a mercadoria vendida, ganhem tam-
bem na moeda com que ella 6 paga, sem que por tal
sobre elles incida contribuiqco alguma. Mal iria aos
verdadeiros cambistas se assim fosse.
Se 4 certo que 6 impossivel saber-se no matto o
cambio do dia, nai o6 comtudo o medio da quinzena,
e esse basta para tal fim.
Mas tal nao succede.
Como explicar de outro modo que, send sensi-
velmente constant o numero de indigenas Sahidos
para o Transvaal (unicos que trazem moeda est ran-
geira) nos ultimos 5'annos, o imposto de palhota fosse
pago em oiro em tanto menor quantidade quanto
maior;era o valor da libra esterlina, sabido como 6
que o indigena s6 conhece um valor para a moeda?
Os seguintes numerous sio illucidativos:
0 oiro entrado na Fazenda, proveniente d'aquella
receita, foi:





97

Lib. 'e. p;
1902................. .. 493- 0- 0
1903.................... 1709 -10 0
1904.................... 5237- 0- 0
1905. .................. 12.984- 0- 0
send ainda muitissimo superior, mais de duas
vezes, no anno de 1906, em que a libra estava ao par,
e como tal foi recebida na maior parte dos comman-
dos militares.
SUma unica explicacto tem este facto, e bem clara
ella 4. E, por isso, nio 6 razoavel que quem assim
ganhava a respective contribuicao nio pagasse, de-
vendo comtudo ser ella menor .do que 250$000 r6is,
o que era just.
Vejamos, em segundo logar, a verba n.o 79.-
Taberna para venda de vinho a miudo-que altamen-
te interessava o Districto, porque, uma vez prohibi-
do pela Carta de Lei de maio de 1902 o fabric de be-
bidas alcoolicas fermentadas ou destilladas, era o
vinho cafreal um important ramo de negocio que,
em beneficio particular e do Estado, e mesmo para
melhor execucao do estabelecido na referida Carta
de Lei, convinha desenvolver o mais possivel, dando
aos que em tal venda se occupassem a maior facili-
dade de o fazerem. Sendo assim, o elevar a verha de
15000 r6is (tabernas de 3.V classes) para 203000 rHis, e,
por consequencia, de 10$000 reis para 2005000 reis
para as tabernas fora das povoa96es cabegas de com-
mando, correspondia a fechal-as, porque os lucros
nunca poderiam chegar para pagar tMo elevado im-
posto. Por essa razao e nao porque fosse precaria a
situaqgo d'este ramo de commercio ', defend eu a
diminuicgo d'aquella verba.

1 0 vinho cafreal importado nos ultimos tres annos foi no
valor de:
1903.......... ...... 10:6424598 r6is
1904.................. 44:595419
1305 ................ 52:6541i0
e s6 nos mezes de janeiro e fevereiro de 1906-9:3399960 rs.




98

Mas se 6 certo que, antes da publicaQao da por-
taria de 7 de fevereiro (jA citada), era angustiosa
a situagio para os donos de takes tabernas, outro
tanto nio succedia depois que tgo grande area foi
considerada como sefido-lhe applicavel a taxa sim-
ples; e assim o entenderam, final, os proprios inte-
ressados que immediatamente trataram de se estabe-
lecer nas zonas prescriptas por aquella portaria,
sem que apresentassem a menor queixa ou recla-
maq;o pelo prejuizo que a mudanca Ihes acarretava,
que, valha a verdade, nao era grande, porque meia
duzia de folhas de palmeira, 2 esteiras e uma duzia
de estacas, em qualquer part se encontram, o mobi-
liario nunca indo al4m de um porquissimo banco, e
a mercadoria dois ou tres garrafbes de vinho, facil-
mente transportaveis.
Tinham as contribui98es sido jA pagas, estava
longeja da mente de todos a recordagao dos encerra-
mentos das lojas, do protest corn a dramatic pers-
pectiva da fome negra, das revindicacoes crueis,
sem treguas ioem quartel, e cor o burlesco episodio
do service pelo quintal, quando em maio seguinto se
recebe novo telegramma no governor do Districto, di-
zendo ter sido revogada a portaria n.o 83, isto quan-
do os commerciantes jA tinham as suas licengas pa-
gas. Tal media nao podia de forma alguma ter im-
mediata execug o, e, sendo esta a minha opinilo, a
expuz ao governor geral, que a teve por boa e per-
mittiu que continuasse a vigorar a antiga portaria
at6 ao fim do trimestre.
Entretanto, uma commission nomeada pelo go-
verno geral e compost de eminentes vultos de Lou-
renqo Marques, funccionarios de elevada cathegoria
e negociantes importantes, estudava methodicamen-
te a questao, e a essa commissao deveriam, creio eu,
ser apresentados os relatorios dos governadores
subalternos, para d'elles ser tirado o que de bom
houvesse, de modo que todos .os districts podessem
ver os seus interesses satisfeitos.
Em 26 de janeiro de 1906, pouco mais de um mez





99

depois de recebida a ordem para tal fim, enviava en
o project em questao, em que punha em pratica a
minha maneira de ver sobre various pontos do regula-
mento de 1896.
Poucas eram, em verdade, as modificaqoes intro-
duzidas, quo grande ousadia minha seria o dizer
ser mau, que o nro 6 de forma alguma, o que foi feito
por quem bem mais competencia tinha do que eu
nunca terei. Mas as leis devem ser adquadas as cir-
cumstancias do meio em que vao ter execuglo, e,
certamente, o meio de entio era bem different em
condicoes do que f6ra em 1896, e aquelle regula-
mento, que n'esta epocha contribuiu enormemente
para o augmento das receitas da Provincia de Mo-
cambique, era jA, n'alguns pontos, um escolho, bem
facilmente removivel, 4 certo, mas, no emtanto, um
obstaculo ao desenvolvimento do seu commercio e
industrial. Era por isso necessario removel-o.
Estabelecia o regulamento de 1896 que, sempre
que qualquer individuo prevaricasse: ou nao se ins-
crevendo no grupo que ao seu ramo de negocio com-
petia, ou nao pagando a contribuiqao legal, Ihe fosse
applicada uma multa, na qual tinha uma percen-
tagem o empregado fiscal que a langasse.
Embora nao concordasse corn tal percentage, fil-a
subsistir, porque, sendo necessario, casoelladeixasse
de ser admittida, remodelar outros services, levaria
isso um tempo sem fim, nada compativel com a situa-
cao do commercio do Districto, carecendo de urgente
remedio.
N'um relatorio que precedia o project, 1 dizia:
%Toda a lei que faz participants em multas os
individuos que as lanram, supple uma desconfianca
e 4 fonte de immoralidade. *
Supple uma desconfianga porque dA a entender
que o empregado terA tanto mais cuidado na fiscali-


I Doc. n.0 3.




University of Florida Home Page
© 2004 - 2010 University of Florida George A. Smathers Libraries.
All rights reserved.

Acceptable Use, Copyright, and Disclaimer Statement
Last updated October 10, 2010 - - mvs