• TABLE OF CONTENTS
HIDE
 Front Cover
 Half Title
 Title Page
 Prelude
 Capítulo I
 Capítulo II
 Capítulo III
 Capítulo IV
 Capítulo V
 Capítulo VI
 Capítulo VII
 Capítulo VIII
 Capítulo IX
 Capítulo X
 Capítulo XI
 Capítulo XII
 Capítulo XIII
 (Continuação)
 Capítulo XIV
 Capítulo XV
 Capítulo XVI
 Capítulo XVII
 Capítulo XVIII
 Capítulo XIX
 Capítulo XX
 Capítulo XXI
 Capítulo XXII
 Table of Contents
 Back Cover






Group Title: Zambeziana : scenas da vida colonial
Title: Zambeziana
CITATION THUMBNAILS PAGE IMAGE ZOOMABLE PAGE TEXT
Full Citation
STANDARD VIEW MARC VIEW
Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/UF00072639/00001
 Material Information
Title: Zambeziana scenas da vida colonial
Physical Description: 386 p. : ; 19 cm.
Language: Portuguese
Creator: San Bruno, Emílio de
Publisher: Tipografia do Comércio
Place of Publication: Lisboa
Publication Date: 1927
 Subjects
Genre: non-fiction   ( marcgt )
 Notes
Statement of Responsibility: Emílio de San Bruno.
 Record Information
Bibliographic ID: UF00072639
Volume ID: VID00001
Source Institution: University of Florida
Holding Location: African Studies Collections in the Department of Special Collections and Area Studies, George A. Smathers Libraries, University of Florida
Rights Management: All rights reserved by the source institution and holding location.
Resource Identifier: aleph - 002952525
oclc - 02367086
notis - APJ4207

Table of Contents
    Front Cover
        Front Cover
    Half Title
        Page 1
        Page 2
    Title Page
        Page 3
        Page 4
    Prelude
        Page 5
        Page 6
        Page 7
        Page 8
        Page 9
        Page 10
    Capítulo I
        Page 11
        Page 12
        Page 13
        Page 14
        Page 15
        Page 16
        Page 17
        Page 18
        Page 19
        Page 20
        Page 21
        Page 22
        Page 23
        Page 24
        Page 25
        Page 26
        Page 27
        Page 28
        Page 29
        Page 30
    Capítulo II
        Page 31
        Page 32
        Page 33
        Page 34
        Page 35
        Page 36
        Page 37
        Page 38
        Page 39
        Page 40
        Page 41
        Page 42
        Page 43
        Page 44
        Page 45
        Page 46
    Capítulo III
        Page 47
        Page 48
        Page 49
        Page 50
        Page 51
        Page 52
        Page 53
    Capítulo IV
        Page 54
        Page 55
        Page 56
        Page 57
        Page 58
        Page 59
        Page 60
        Page 61
        Page 62
        Page 63
    Capítulo V
        Page 64
        Page 65
        Page 66
        Page 67
        Page 68
        Page 69
        Page 70
        Page 71
        Page 72
        Page 73
        Page 74
        Page 75
        Page 76
        Page 77
    Capítulo VI
        Page 78
        Page 79
        Page 80
        Page 81
        Page 82
        Page 83
        Page 84
        Page 85
        Page 86
        Page 87
        Page 88
        Page 89
        Page 90
        Page 91
    Capítulo VII
        Page 92
        Page 93
        Page 94
        Page 95
        Page 96
        Page 97
        Page 98
        Page 99
        Page 100
    Capítulo VIII
        Page 101
        Page 102
        Page 103
        Page 104
        Page 105
        Page 106
        Page 107
        Page 108
        Page 109
        Page 110
        Page 111
        Page 112
        Page 113
        Page 114
        Page 115
        Page 116
        Page 117
        Page 118
        Page 119
        Page 120
        Page 121
        Page 122
        Page 123
        Page 124
        Page 125
    Capítulo IX
        Page 126
        Page 127
        Page 128
        Page 129
        Page 130
        Page 131
        Page 132
        Page 133
        Page 134
        Page 135
        Page 136
        Page 137
        Page 138
        Page 139
        Page 140
        Page 141
    Capítulo X
        Page 142
        Page 143
        Page 144
        Page 145
        Page 146
        Page 147
        Page 148
        Page 149
        Page 150
        Page 151
        Page 152
        Page 153
        Page 154
        Page 155
        Page 156
        Page 157
        Page 158
        Page 159
        Page 160
    Capítulo XI
        Page 161
        Page 162
        Page 163
        Page 164
        Page 165
        Page 166
        Page 167
        Page 168
        Page 169
        Page 170
        Page 171
        Page 172
        Page 173
    Capítulo XII
        Page 174
        Page 175
        Page 176
        Page 177
        Page 178
        Page 179
        Page 180
        Page 181
        Page 182
        Page 183
        Page 184
        Page 185
        Page 186
        Page 187
        Page 188
    Capítulo XIII
        Page 189
        Page 190
        Page 191
        Page 192
        Page 193
        Page 194
        Page 195
        Page 196
        Page 197
        Page 198
        Page 199
        Page 200
        Page 201
        Page 202
        Page 203
        Page 204
        Page 205
        Page 206
        Page 207
    (Continuação)
        Page 208
        Page 209
        Page 210
        Page 211
        Page 212
        Page 213
        Page 214
        Page 215
        Page 216
        Page 217
        Page 218
        Page 219
        Page 220
        Page 221
        Page 222
        Page 223
        Page 224
        Page 225
        Page 226
        Page 227
        Page 228
        Page 229
        Page 230
        Page 231
    Capítulo XIV
        Page 232
        Page 233
        Page 234
        Page 235
        Page 236
        Page 237
        Page 238
        Page 239
        Page 240
        Page 241
        Page 242
        Page 243
        Page 244
        Page 245
        Page 246
        Page 247
        Page 248
        Page 249
    Capítulo XV
        Page 250
        Page 251
        Page 252
        Page 253
        Page 254
        Page 255
        Page 256
        Page 257
        Page 258
        Page 259
        Page 260
        Page 261
        Page 262
        Page 263
    Capítulo XVI
        Page 264
        Page 265
        Page 266
        Page 267
        Page 268
        Page 269
        Page 270
        Page 271
        Page 272
        Page 273
        Page 274
        Page 275
        Page 276
        Page 277
        Page 278
        Page 279
        Page 280
    Capítulo XVII
        Page 281
        Page 282
        Page 283
        Page 284
        Page 285
        Page 286
        Page 287
        Page 288
        Page 289
        Page 290
        Page 291
        Page 292
        Page 293
    Capítulo XVIII
        Page 294
        Page 295
        Page 296
        Page 297
        Page 298
        Page 299
        Page 300
        Page 301
        Page 302
        Page 303
        Page 304
        Page 305
        Page 306
        Page 307
    Capítulo XIX
        Page 308
        Page 309
        Page 310
        Page 311
        Page 312
        Page 313
        Page 314
        Page 315
        Page 316
        Page 317
        Page 318
        Page 319
        Page 320
        Page 321
        Page 322
        Page 323
        Page 324
        Page 325
        Page 326
        Page 327
        Page 328
    Capítulo XX
        Page 329
        Page 330
        Page 331
        Page 332
        Page 333
        Page 334
        Page 335
        Page 336
        Page 337
        Page 338
        Page 339
        Page 340
        Page 341
        Page 342
        Page 343
        Page 344
        Page 345
        Page 346
        Page 347
    Capítulo XXI
        Page 348
        Page 349
        Page 350
        Page 351
        Page 352
        Page 353
        Page 354
        Page 355
        Page 356
        Page 357
        Page 358
        Page 359
        Page 360
        Page 361
        Page 362
        Page 363
        Page 364
        Page 365
        Page 366
        Page 367
    Capítulo XXII
        Page 368
        Page 369
        Page 370
        Page 371
        Page 372
        Page 373
        Page 374
        Page 375
        Page 376
        Page 377
        Page 378
        Page 379
        Page 380
        Page 381
        Page 382
        Page 383
        Page 384
        Page 385
        Page 386
    Table of Contents
        Page 387
    Back Cover
        Back Cover
Full Text
Emilio de San Bruno


Ziambeziana

SCENA DF VIDA ,COLONIAL





0 I00 0





LISBOA
1927









Zanbeziai~a





EMILIO DE SAN BRUNO


Zambeziana



SCENAS DA VIDA COLONIAL


LISBOA
TIPOGRAFIA DO COMiRCIO
Rua da Oliveira, ao Carmo, 8
19B7











PRoLOGO


Em um domingo, no principio do ano de 1925, dia
que eu tinha escolhido para fazer uma visit de pura ce-
rim6nia a um conhecimento de modern data, que mo-
rava num predio da Rua Damasceno Monteiro, depois
daquele dever de cortesia acabado, subi ao Largo da
Graga, cor a intencao de ali esperar o electric para a
Baixa.
Emquanto esperava o carro, um aguaceiro despontou,
mal a prop6sito, e mal encarado no horisonte limitado
pelos telhados do casario do bairro, cresceu cl6ere, e co-
mecou caindo; e eu, tendo visto no principio da Rua da
Ver6nica, a uma janela, a clissica bandeirinha vermelha
anunciadora de leilio, logo um ass6mo de curiosidade, e
tamb6m o desejo de me recolher da chuva, fez cor que
subisse com cautela e sem press a um terceiro andar de
dois inquilinos, onde, em quatro pequenos compartimen
tos do lado direito do patamar, se leiloava o recheio mo
destissimo de um lar desabitado.
Havia pouca concorrincia e, na ocasiao em que en-
trei, o pregoeiro anunciava A licitacio uma pequena caixa
de madeira de canfora, contend diversas bugigangas ex6-
ticas, africanas e orientais, sem valor.
Foi revolvendo com indiferenga, e cor a ponteira da





-6-


bengala, aquele lixo colonial, que entrevi no fundo da
velha caixa uns cartoes bafientos a capear umas folhas
manuscritas.
j,Que seria?...
Peguei no empceirado mayo de pap6is, mirei-o com
atengco e curiosidade, e, ndo temendo sujar os dedos,
desatei corn esforgo os cord6is apodrecidos, e o volume
subdividiu-se em quatro fasciculos. Cada um d6les tinha
o seu titulo. 0 primeiro exibia em letra grossa num bo-
cado de papel colado A face externa:

Gadir e Mauritdnia, por Emilio de San Bruno

O segundo:

Zambeziana

O terceiro:

A velha iin,.'r da Ila de Loanda

O quarto:

0 caso da Rua Vo-long, n.0 7, em Macau

Havia ainda folhas dispersas corn apontamentos, cro-
quis, datas, etc., sem titulo especial.
Gulosamente decidi logo ficar cor a caixa de canfora
e seu conteido bizarre, o que consegui ser esfOrco, por-
que o agent da venda estava corn press de acabar o in-
significante leilio, e largou o lote sein demoras nos lan-
Sos, que alias nenhum dos (Oir,. ,b de pau no cambdo





-7--


presents teve inter6sse em picar... E eu, chamando
um moco postado na esquina da Estagilo de Bombeiros
que ali demora em frente do pequeno largo, enviei o
lote apetecido para minha casa.
Li cor vagar e desfastio os apontamentos dos folhe-
tos, evidentemente escritos sob o pseud6nimo de Emilio
de San Bruno, e depois atirados com desap6go para o
fundo de uma velha caixa de cAnfora...; e, tendo satis-
feito o capricho curioso, pus tudo de parte, e bem de-
pressa caia o achado literArio no olvido das coisas pas-
sadas.
Ao percorrer cor a vista uma destas manihAs um
((Diario de Noticias), eis que se me depara em maiuiscu-
Jas o seguinte titulo Pr6 Coldnias Duas interessan-
tes iniciativas.- Vi, que o ((Diario) entrevistando o activo
e en6rgico Agente Geral das Col6nias sAo as palavras
do journal explicava aos seus quinhentos mil leitores: -
(Que tendo aquele senior verificado quo o maior mal das
nossas Col6nias 6 nao serem suficientemente conhecidas
de nacionais e estrangeiros, o ilustre funcionArio, quo 6
um colonial distinto, iniciou desde que tomou conta do
sen lugar uma obra do propaganda quo vai dar decerto
os mais proveitosos resultados.,
4Como se sabe, hA ainda entire n6s ;illili. milhares de
pessoas para queen a Africa continue sendo, em pleno
s6culo xx, a costa negra, povoada de po i'... do tempo
das descobertas. E se os estranhos nao pensam assim,
a ignorAncia s6bre o esfOrgo colonizador dos portugueses
e as fanlji:~,. que os reunern A posse desses riquissimos
dominios, levam-os a criar Ac&rca d6les uma atmosfera
de desconfianpa e de mentiras, verdadeiramente deplo-
raveis.v




-8-


Mais adiante, o ilustre entrevistado pugnava pela pro-
paganda dos nossos territ6rios de Al6m-mar, nao desde-
nhando a obra puramente literAria, nem a utilizagcio do
cinema, com as seguintes frases:
aAcha estranho o distinto funcionArio que, tendo Por-
tugal um tlo rico e extenso Dominio Ultramarino, a
nossa literature colonial seja de tal modo reduzida, que
mal se da por ela. A Inglaterra e a Franca t6m hoje uma
literature admirAvel ligada As suas Col6nias, estando a
seguir-lhes o exemplo a B61gica, a Holanda e a ItAlia.D
ganda de resultados mais seguros e mais rApidos, interest
sando a maior parte pelos assuntos colonials devido A ma-
neira romanesca como sao apresentados.,
Ler aquelas linhas, aqueles periods donde se evo-
lava um perfume de patriotism altamente simpitico, e
lembrar-me dos papiros esquecidos na poeira das prate-
teleiras infiteis, foi acto continue. E a mim perguntei se
nao seria azado e oportuno o moment de fazer conheci-
do do grande piblico, qualquer dos fasciculos encon-
trado, que As nossas Col6nias se referiam, agora que tanto
nelas se falava...
Daria assim ocasiao, aos amantes de novelas, policiais,
sentimentais, hist6ricas, amorosas, de capa-e-espada e de
abracadabrantes psicologias de tarados, de desviarem um
pouco a sua atengio delas, e participando do meu achado
de acaso, conhecerem os diferentes aspects pitorescos
da vida ultramarina, por meio da novela colonial...
Era mais um especimen de novelas... i Se Mle hA tantosI
Ora se o publico aceitasse a bem intencionada edicao,
eu, Carlos Crispim da Cunha Carvalho o nome nao im-
porta, mas sempre 4 bom aponta-lo a :~,i.l-lha dos p6s-




-9-


teros seguiria com a publicidade dos outros folhetos
que constituem, como os titulos indicam, aspects roma-
nescos e in6ditos do que observou o tal aut6ntico desco-
nhecido Emilio de San Bruno nessas terras longinquas e
ignoradas naqueles tempos, e pelo visto, e pelo falar do
,,Noticias,. ainda hoje no mesmo estado de ignorAncia,
para o portugu6s erudito em novelas e contos brincados
de estilos extravagantes.
Se nio... se o seu destine 6 tornar para a prateleira
das coisas infiteis... ao lixo tornard o despojo do leilao
pobrissimo, e sera a l6gica solulAo de tudo o que nasceu...

I Lembra-te que 6s p6!
SE que ao p6 tornarAs!

E eu, Carlos Crispim da Cunha Carvalho, ex-chefe
duma secoo colonial num Banco, que neste malfadado
ano de 4925 fechou as suas portas, nao terei mais que
dizer (como o Rei David depois de confundido pelas pari-
bolas do profeta Nathan)- peccavi!
E ndo pensarei mais em col6nias, ou empr6gos co-
loniais...
Em todo o caso, nao se diria que a semente langada
ao turbilhAo da publicidade do .Noticias, tivesse ido cair
t6da em rocha escalvada e agreste onde nao podesse fru-
tificar.
E quem dera que os escritores profissionais queridos
do p6blico que gosta de 16r, aplicando a sua divina arte,
o sortil6gio do livro, aos aspects curiosissimos do terri-
vel drama que ha s6culos acompanha a nossa vida colo-
nial, despertassem a emocao no p6blico portugues indi-
ferente a tanta riqueza de que 6 possuidor ignaro.






-- 10 -

Talvez 61e lendo, a perfeigio das descrig6es, o poder
da figuragio, a psicologia das personagens que habitam
as nossas Col6nias, o inter6sse forte do enr6do e da in-
triga, meditando as lindas frases que s6 6les Ihe sabe-
riam dizer, quer f6sse ao ouvido de Madame em subtilezas
de bom casuista, quer fosse gritando alto em periods
rubros de c6r, explodindo sonoros e retumbantes como
estridencias de clarins, sentisse vibrar assim o apAtico e
apagado sentiment dos indiferentes...
Ah I se esses escritores benem6ritos soubessem, en
tretendo, deleitando, insinuar no espirito pdblico um pa-
tri6tico e alegre despertar da sua consciencia nacional...
i Ja era bonito I...

Lisboa, 1925.

Carlos Crispim da Cunha Carvalho














Crlou- me Portugal .. ........ .
Corri terras e mares alastados
Mias aquilo que, eninm, nio dA ventura
NAo o dAo os trabalhos arriscados
CAMOES, soneto C


Numa manhL t6rrida, de sol deslumbrante, asfixiadora
de calor tropical, Paulo desembarcou no cais antigo e
meio arruinado da antiquissima vila de Quelimane, ca-
pital do Distrito da Zamb6zia.
Atras dele seguia o Rato-cego, um grumete que lhe
tinha pedido para o acompanhar, e Ole e um negro so-
bragavam sem esf6rgo a sua exigua bagagem: um fardo
de roupa embrulhado numa manta-de-ledo, um daqueles
bem conhecidos couvre-pieds de industria barata alemi,
que era moda todos os marujos comprarem nas lojas dos
monhis I em Lourengo Marques, uma caixa de folha,
estreita e comprida como um esquife, cor os uniforms,
a espada metida na sua classica capa de baeta verde, as
caixas de folha das dragonas e do chap6u armado, e a
caixa de madeira polida do sextante ingles (Gaupp & Son,.
Ainda vinha depois uma velha maleta de coiro, can-

SNaturais da india que imigram para a Costa Oriental a fazerem
neg6cio coin os negros





-12-


eada de todos os tombos e balangos dos oceanos infindd-
veis e melanc61icos, cheia de livros e roupas, e por fim,
levado cor cuidado e prazer pelo Rato-cego, o moringue
de barro, comprado na Praca da Figueira, alceado I a
bordo do Africa, o velho transport da Marnnha de Guerra
Portuguesa.
0 meringue, na bagagem de um marinheiro prAtico na
navegagio daquele tempo, era uma prevenpio acertada,
quando a viagem era feita cor planties 2 A jarra 3.
Todos sabiam que depois de Cabo Verde a ragAo diH-
ria de Agua seria de um litro para lavar e um litro para
beber e que os quartos da maruja de primeira viagem
comegariam a lavar-se com agua de estibordo, e a beber
da jarra, e mesmo para mais tarde seria da chupeta *
quando o imediato assim o entendesse...
O meringue representava entao o papel providencial
de reserve de agua, sempre cheio a custa dos aguaceiros
das trovoadas equatoriais, e Agua fresquinha na evapora-
(iao do barro poroso, na sombra do camarote ou da co.
berta, ou do castelo de proa, naqueles tempos em que o
gelo era um mito.


1 Fazer alpa, termo nAutico que design: passar um cabo em
redor de um object, e unir os chicotes (extremidades) de modo que
fique um anel para suspender ou encapelar (enfiar).
2 Sentinela armada s6 de sabre para policiamento interior do
navio ou estabelecimento military.
3 Pequeno dep6sito de ferro corn as dimensies calculadas para
center a Agua doce necessAria para bebida a guarnicmo durante o prazo
de tempo marcado previamente
4 Quando a Agua se esgota da jarra antes do prazo calculado,
solda-se um tubo por onde todos aspiram os goles de Agua, discipli-
nando assim o gasto.





-13-


Paulo viera parar ali, naquela manhi escaldante de
calor hdmido. Viajara a bordo do Adjutant, um ordind-
rio cargo de umas tresentas toneladas, se tanto. Vinha
substituir o jovem tenente Nascimento, comandante de
um vago vaporzinho, o Chirua, em que na Divisao nin-
gu6m falava e talvez andasse pelo rio dos Bons-Sinais
i Talvez !...
O jovem Nascimento, inteligente, estudioso, e bem
orientado por competencias talentosas no saber expe-
riente da vida, tinha naturalmente ordem de regresso A
metr6pole, em um dos bons paquetes da carreira da
africa Oriental.
Provocaria mais uma vez o murmurar irritado dos
camaradinhas da Estag o, amarrados anos inteiros aos
navios meio-podres da Divisao Naval, e que seguiam para
Lisboa, ou em fracos e desconjuntados chavgcos, cor
guarnigoes anemicas e febris, ou ent~o esperando pela
volta do transport Africa, mal alojados, mal comidos,
aliviando do serving os oficiais da lotagao deste navio pois
que entravam na escala geral dos quartos e na de todas
as fainas de bordo.
Pois deste mesmo modo 6 que Paulo embarcara em
Lisboa no Africa, naquele Africa que tantos anos tinha
sido pertenga do Sant'Ana da Pera, official de marinha
da velha guard, orgulhoso acima de tudo de uma pera
de compridos cabelos que constantemente afagava, pas-
sando-lhe a mao em concha a todo comprimento.
Por uma questao de pouca importAncia com um mi-
nistro impaciente e atribiliario uma carga de retorno
das Col6nias cor a marca V. J. 6le arredara-o do co-
mando e agora o velho transport estava entregue A res-
ponsabilidade do Gato-Bravo, um bor comandante e um





-14-


perfeito cavalheiro, mas soturno, reservado de maneiras,
sempre a soprar irritado, pelas cAmaras e pelo tombadi-
Iho, em fortes e prolongados sopros de protests e contra-
riedades da profissio.
Paulo fizera o service a quartos I ate Lourengo Mar-
ques, pagara logo no dia da chegada cincoenta e cinco
escudos de rancho, importAncia exagerada, em relagdo
ao que depois os oficiais privativos da guarnigio rece
biam de inteiragoes, quando chegassem a Lisboa, e isto
eram contos largos, mas cldssicos, naquelas viajatas do
Africa. Seguira imediatamente no vapor alemAo Kaiser
para a Beira onde ao tempo estacionava a corveta Afonso
de Albuquerque. LA fossara, trombara, seis meses de ime-
diatice ingl6ria e trabalhosa, enervante e ingrata; e um
dia, recebera uma guia de march para a Es luadrilha do
Zambeze, a fim de, a toda a press, ir render o inteligente
e sagaz Nascimento que retirava para a metr6pole na porfia,
gloriosa e remuneradora, dos destinos altos que a enver-
gadura do seu talent, do seu estudo, do seu esforgo e do
seu interesse pelos assuntos coloniais, especialmente da
rica provincia da Zamb6zia, Ihe dariam, num future pr6-
ximo, o merecido e just premio.

Recebida de sobressalto a guia de march, Paulo em-
barcara A press no Adjutant, muito admirado de que
se tivessem lembrado dele naquela colmeia de abelhas
zumbidoras que era a Divisao; dele I que nio trouxera de
Lisboa a mais ligeira benignidade de favor! E, intrigado,


1 Pessoal que flca responsavel durante quatro horas pela navega-
gao, manobra e policia do navio.




-- 5-


surpreso ao fazer as malas, content subira a escada do
portal6 do insignificant cargo. Ia de Animo leve e pra-
senteiro por ter ocasido de variar de horisontes, jA que
a Afonso de Albuquerque nio navegava cor aquele actual
comandante, agarrado A boia como um mexilhAo, A es-
pera de acabar o tempo de tirocinio de comando, para ir
depois para o P6rto percorrer os mercados a tirar kodaks
as carrejeiras desenvoltas de linguagem, e de taman-
quinha airosa e ressoante, pronta a saltar do pe para a
mao...
ila entAo ver essa Zamb6zia ignorada, e t6rva de palu-
dismos mortais I Terra de maravilha e de mist6rio, al-
fobre de her6is e de ladravazes, pretexto de intrigas in-
ternacionais, essa Zambezia tio falada nas cAmaras dos
navios em Lourengo Marques.
Ai, era discutida corn cubica e interesse essa Zamb6-
zia dispensadora de economics pobretonas, as chamadas
economies de estavdo que, para os oficiais subalternos,
apenas chegavam para pagar as dividas a alfaiates e ca-
miseiros, divertir um pouco, tomar Aguas medicinais e...
seguir outra vez para EstagAo, mais endividados que da
primeira vez...
Andavam na boca de todos, os nomes dos cubigados
comandos das lanchas de guerra que navegavam por aque-
les rios da nossa Africa Oriental, a Cherim, a Obus, a
Granada e ate a Maravi que se sabia desmantelada e
servindo de batelio de carga...
Tanto se alimentava o desejo de conseguir a Diogo
Cao, que navegava no Rio Tijungo, como logo se traba-
Ihava para se conseguir a Pero Anaia que navegava no
Rio dos Bons-Sinais, como logo se mudava para a
Cuama que navegava no Limpopo.





- 16-


O caso era apanhar alguma...
Em Lisboa, as intrigas entire camaradas e os empenhos
nas secretaries ferviam em tOrno dos ministros e almi-
rantes para apanhar as vagas, e por fim, o comandante da
Divisao em Lourengo Marques, cercado, businado, serin-
gado, assaltado por tantas e tlo desencontrados pedidos,
insinuagoes, empenhos, recomendacges, e atW cartas tim-
bradas do Pago, que comegavam: (Seria muito agradavel
a El-Bei...), despachava um simples, e assim ficava li-
vre, se nao era pessoa political categorizada, de todos os
pretendentes grandes e massudos.
Sucediam as vezes destas coisas, por6m era raro.
,l Seria um d6sses acasos, o que se dera corn le I?
Nao podia ser.
0 comandante da Divisao da Africa Oriental e Mar
das Indias era um politico categorizado, marechal de um
forte partido de tradig9es firmes, a quem os jornais do
partido adverse tratavam injustamente por almirante
suisso.
Injustamente sim, porque 6sse comandante pelo seu
tempo de embarque e viagens perigosas nfo merecia a
designagco que o Mariano de Carvalho Ihe tinha dado no
Diario Popularo, e porque 6ste senhor nao sabia que houve
realmente um almirante na Suissa, comandante das forgas
no Lago Leman..
Tinha sido ministry preatigioso e ilustre, pertencia a
casa military de El-Rei, e era assiduo freqdientador do
club dos Macavencos, na sala baixa do Teatro da Rua dos
Condes.
Paulo cogitava nisto a bordo do Adjutant, e lembrou-se
que tinha um amigo certo, junto do Almirante, a bordo
do Adamastor, e que ele o conhecera a bordo ,do Vasco





-17-


numa viagem a Marrocos, viagem pitoresca e cheia de
perip6cias imprevistas, ocasionada pela luta travada entire
dois filhos do Sultdo para obterem o sultanato, e que as
Potnncias europeias aproveitaram para demonstrates de
forpas navais e influ6ncias diplomAticas. Mas continuava
ignorante dos motives ocasionais da sua nomeagio.
jEstava por6m bem satisfeito! Imaginava que ia viver
em vastos sert6es, observer estranhos e misteriosos costu-
mes regionais, e isto agucava-lhe a curiosidade excitada
e o espirito de avenlura existente em todo o jovem de
vinte anos que escolheu a profissdo de marina.
O pequeno Adjutant da Deutsch-Ost-Africa-Linie fazia
a grande cabotagem entire os porlos de Lourengo Marques,
Beira, Inhambane, Chinde, Quelimane, Angoche e Mo-
gambique, carreteando c.-i i e passageiros, fazendo atroz
concorrencia, cor os seus fretes baratinhos, aos pequenos
vapores ingleses: o Peters, o Matabele e o Induna que
se empregavam na mesma cabotagem.

Eram duas horas da tarde e o Adjutant ia larger da
amarrago. A chamine soltava grossos rolos de fumara-
da negra e espessa. A bordo havia a costumada confusAo
da partida, gente que saia apressada, carga ainda mal
arrumada e que impedia a circulag~o. Ouvia-se o roncar
do vapor, e a sereia comegou a apitar cor tal estridencia
que p6s zunidos irritantes nos ouvidos. Os pretos de
bordo, cobertos de suor, cangados e molengos, igaram as
6ltimas cargas dos bateloes atracados.
Enfim, o navio largou lentamente do fundeadouro, abar-
rotado de volumes, e Paulo notou que uns gigantescos
caixotes, grades e embalagens, levavam pintados, nas for-
tes tabuas, as letras B.C. Para se distrair preguntou a




--18-


um preto que ia passando, o que seriam aqueles grossos
caracteres B. C., mas o negro atarefado e bronco nao
responded, nem mesmo talvez o percebesse...
Encolheu os ombros, desanimado. 0 navio afastava-se
agora com velocidade, e Paulo contemplava o Victoria
Hotel, pobre barracao de improvisadas tAbuas pintadas a
almagre e coberturas de zinco ondulado, caiado a branch;
via as casas abarracadas da Beira, alinhadas em diferentes
direcges s6bre o areal escaldante, corn tabuado a servir
de passadigo a uma populacgo heterogknia, esquisita, com-
posta de aventureiros estrangeiros em march para o in-
terior; o ceu (enfuii.iI.n"1,, as pontes cais desertas, ainda em
construgao, e jA corn Bar-maids e taboletas em ingl6s,
Old gin -- E,,,'ii Library e Marines Rest ; observava
os armazens das diferentes Companhias e casas de neg6cio,
onde bandeiras estrangeiras, na calmice da atmosfera,
caiam inertes ao Ihi.,. dos mastros muito altos, desnacio-
nalizando o aspect da terra 1i"i liiir.-:i e os costumes por-
tugueses, de que os .iiiI-... tanto impregnavam a nossa
colonizagao.
Agora, que o vapor ja ia fora da barra e que a terra
habitada desaparecera, Paulo desviou a vista da longa fita
negra e amarelada, fita interminAvel da nossa costa afri-
cana e pousou-a no enorme carregamento do navio que,
mal arrumado e todo a uma banda, o fazia adornar a es-
tibordo.
Evidentemente, ao comandante pouco o devia preocupar
aquilo; estava-se em Marco, e nestas regi6es do Canal de
Mogambique, o vento da mongao nordeste sopra modera-
mente; mas depois, de Maio a Setembro prevalece a mon-
gao do sudoeste, que sopra corn ffiria, e hA anos em que por
vezes desencadeia tempestades terriveis de Junho a Julho.





49-


Nao devia ser portanto o comandante do Adjutant dos
que se ralavam corn a carga mal arrumada, no mes de
A;Ii.-,, era o que Paulo ja via.
Conhecia por certo muito bem as c.,,ili I;.- nauticas,
de estabilidade, e outras do seu navio e, para maior ex-
pediente e cumprimento de horArios de partidas e chega-
das, fecharia os olhos sabedores, desprezando o perigo de
unia qualquer borrasca repentina naquele mar traigooiro,
em que muitas vezes, nada fazendo pressagiar mudanga de
tempo, term6metro e bar6metro fixos, c6u limpo e claro,
mar estanhado, etc. etc., elas so armam do p6 para a
mao. .
Paulo olhou para o comandante, de p6, junto ao varan-
dim da ponte.
Viu um alemao alto, um mocetao espadauido, frisado e
louro como uma irautlein que usasse uma barba anelada,
a barba anelada das estatuas dos her6is gregos no jardim
de S. Pedro de Alcantara...
Sorriu-se.. lto l,.ii. estava :;.' r., do jardinzinho
burgues corn a sua cascatazinha arrancada dos jardins do
Palacio da Bemposta, os seus banquinhos de ferro, e a
sua desafogada vista sobre a cidade...
0 comandante, vendo-o a olhar para Ole, dirigiu-se-lhe
em in ir-i'.- num inglis de que Paulo nao percebeupatavina...
Mas, pela sua mimica forte e insinuante, percebeu que
ele Ihe oferecia a sua camarinha to rest and to sleep e os
seus olhos azuis pareciam irradiar a bondade ing6nua de
uma Gretchen campesina..., os olhos azuis dos alemrnes,
que, juntamente cor o seu sorriso commercial, vdo espan-
cando os olhos firmes e a imperturbavel sisudez inglesa,
por esses mercados do mundo ..
Paulo aceitara, e o Rato-cego, que andava por ali, foi





-20-


mandado pOr lh a bagagem, ainda a granel no conv6s,
entire dois sacos de correspond6ncia do correio para Que-
limane, inica carga que Ole descortinara para aquele
pbrto, e entao nao p6de deixar de estranhar ir tanta carga
corn a marca B. C. e nenhuma se destinar a Queli-
mane!...
i,NMo podia ser I iS6 aqueles solitarios sacos, e a sua
exigua bagagem ? ... cor certeza nos poroes iria mais
carga. Era de prever...
E sempre no horizonte, aquela fita negra continue,
marcando a terra portuguesa, continuava a correr separando
a Agua do c6u azul, e Paulo, hA tanto tempo de p6, entrou
na camarinha do comandante para descansar.
Era situada sob a ponte do comando como 6 de uso
na maior part dos navios mercantes.
Sentou-se num pequeno sofA que havia junto do be-
liche, puxou de um cigarro, acendeu-o com vagares pre-
guigosos, enquanto cA fora um surdo coro de pretos numa
toada dolente e discreta de gente cansada, vinha atW 6le
atrav6s duas janelas que na antepara de vante se abriam
para a proa.
Paulo relanceou os olhos em volta. A camarinha era
alegre, toda pintada de branco, bem ventilada. Logo se
interessou por uma fotografia de uma jovem senhora que
apresentava, orgulhosa e s6ria, um rechonchudo b6b6
vestido a maruja. A fotografia emmoldurava-se numa boia
de salvacAo onde se destacava, em letras douradas, a pala-
vra Kaiser.
O espadafido mocetio de barba olimpica, louro e rosa-
do como uma fraulein encaixilhara coin certeza a ima-
gem da mulher e do filho numa boia de salvagao onde a
palavra Kaiser brilhava em caracteres de ouro. Senti-





-21-


mentalismo simb6lico cabeceira do seu exiguo beliche
de marinheiro!
Paulo puxou do cigarro hiUmido o fumo aspero de ta-
baco mafarrio. Achava bonita a idea da boia de salva-
95o! Era marinheiral .. estava certo na cAmara de um
marinheiro e a palavra Kaiser 6 que... talvez f6sse a idea
da patria, da obsecacio do Deutsch fiber alles simbolizado
naqueles caracteres, e o alemao tinha ali as imagens da
familiar emmolduradas dentro da idea da patria, o Kaiser do-
minador, o Kaiser omnipotente. jTalvez... fosse um sim-
bolo!...
Passou adiante, e viu entAo que havia mais simbolos na
camarinha do alemao das barbas louras e aneladas, de
sorriso bondoso e olhos azuis, muito azuis e muito claros...
Em frente, s6bre a mesa que servia de secretAria, ha-
via um tinteiro de balango, uma pasta para pap6is, e uma
caixa de charutos vazia. Estava pregada na antepara uma
pequena misula de madeira dourada e em cima exibia-se
uma velha estatueta de factura pobre de linhas artisticas,
mn barro barato de bazar que representava um home
idoso, calvo, uma grande calva mesmo, de 6culos de grosso
aro cavalgando-lhe o nariz forte. Em mangas de camisa,
de brapos arregagados, um avental de couro passado na
frente do busto atarrracado, fazia mencgo de bater corn
um pesado martelo, um martelo enorme, um malho des-
comunal, a ponta de um ferro em forma de langa, posto
em brasa, s6bre a face lisa da bigorna.
A estatueta era cor certeza muita velha via-se pelo
desbotado das tintas, em certos sitios rachada a superficie
do verniz, um dedo de uma das mAos, partido... !,Uma
estatueta de um ferreiro a bordo de uni navio?l iIsto
tamb6m sera simbolo? pensou Paulo, ,sera um bibelot fa-





- 22 -


miliar, herdado de geraCIo em geracgo, e conservado
corn carinho e respeito?
Sorriu-se da sua fantasia devaneadora... podia ser...
visto que o espadalido n6rdico gostava de simbolos; tal-
vez representasse o esf6rco, o trabalho violent e aspero,
figurado num home de fisionomia avelhantada e olhos
cansados, mas robusto e corajoso na luta pela vida. E
Paulo, olhando cor atencao a estatueta, comprada em
alguma kermesse aldea, posta bem a vista s6bre a pequena
misula doirada como um icone sagrado, achou que signi-
ficava talvez a religiao do trabalho. Parecia-lhe ver por-
-detras da insignificant escultura derrubar-se o tabique
frAgil da antepara s6bre o qual ela estava pregada, e apa-
recer numa claridade ofuscante de apoteose, toda a legiAo
disciplinada dos obreiros da grande Alemanha, tenazes,
trabalhadores, ..i ,ai/.ii1.- poderosamente, argutos e uti-
litArios, avangando a conquista do mundo latino, incauto
e despreocupado, irreverente e fitil...
E esses obreiros, vinham enquadrados nas legi6es ind-
meras de guerreiros cruBis e sanguinArios, que cobriam
todos os espapos at6 aos horisontes longinquos da terra
portuguesa, e cor m6todo e sciencia iam estendendo no
horisonte nublado, impenetrAvel de mist6rio, um clarao
vermelho, sangue e labaredas, que ia aumentando, e ja
manchava todo o c6u europeu...
Era a grande guerra que se aproximava lentamente,
mas lentamente preparada para uma solugao matematica
de Deutsch ld,, r alles !
Dois balangos desencontrados, interromperam-lhe bru-
talmente o devaneio fazendo cor que Paulo se :I;ii .,--,-
ao pequeno sofa corn toda a forga, a-fim-de nao ser bal-
deado ao chao. Mas ele via sempre na sua frente o velho





-23-


ferreiro batendo cor tenacidade e forea o ferro da lanca
guerreira, a lanpa alem~ que havia de ferir de morte o
flanco desprevenido da raca latina...
0 A. lil'il continuava I;I.\ 'aIIII fantasticamente
adornado a estibordo, e ao long, no horisonte, ia sempre
correndo a ininterrupta linha do dominio colonial portu-
gu6s I Podia navegar-se dias e dias assim, sempre a-vista
da terra portuguesa !
iComo era iaIi.1. ainda all, a conquista dos portu-
gueses!...

Ia j! baixando o sol e do continent comecava agora
a suprar o terral forte, e Paulo, muito isolado na camari-
nha do alemao sentimental e simbolista, deixou se descair
numa vaga sensaqgo de abandon que invade, por vezes,
aqueles que desde muito novos se costumaram a poucos
convivios e avaras trocas de expanses intimas.
Continuava fumando, e i_..-I. olhava, sem ver, outras
fotografias que se penduravam pelas anteparas. Um pe-
quenino bordado em linha branca, destas rendas subtis
que as senhoras costumam fazer na doce quietacgo das
longas noites de inverno, ou numa amorivel sesta de ve-
rAo, estava emoldurada num caixilho dourado, tamb6m
coberto de renda, e de cada lado, dois golfinhos de louga
donde se erguiam umas verduras finas, refrescavam corn
elas a austera e modest camarinha.
Comegava agora o crepssculo rdpido das tardes tropi-
cais, e o stewart bateu corn os n6s dos dedos no tabique
avisando que o jantar ia servir-se.
Paulo ergueu-se do pequeno sofa, onde estivera repou-
sado e sonhador, fez uma ligeirissima toilette e desceu a
cimara de jantar.





-24-


Um cubiculo acanhado, uma mesa a meio, bancos em
redor, um candieiro de suspensao oscilando ao sabor do
balance, pendendo do teto acacapado s6bre as cabecas, e,
sentados nos bancos, cinco homes que Paulo ainda nio
tinha visto.
Um acenar de cabega de Paulo correspondido cor
uma leve mesura dos comensais, traduziu indiferenga e re-
serva. Apareceu o alemio de barba anelada e o stewart
entrou corn uma travessa de arroz cosido com peras-pas-
sas, que depois era adubado no prato cor um mOlho
amarelento de agafrio, acre e apimentado.
Emquanto comia, calado e desconfiado cor o menu,
diligenciando tragar o arroz tRo distant do paladar dos
cozinhados portugueses, foi reparando nos comensais.
Dois, eram modestas pessoas de feig6es cangadas, an6
micas, a julgar pelo decalque que o clima e as febres 1d
tinham deixado. As vezes trocavam entire si, em v6z baixa,
rdpidas palavras e pareciam nao apreciar tamb6m o arroz
de peras-passas. Havia mais tres comensais gordos e si-
sudos que comiam cem grande appetite, e outro ainda,
rapaz de olhar vivo, de barbas negras de azeviche, uma
longa cabeleira ben tratada, uma boca risonha, que mos-
trava ura bela fiada de dentes de jovem lobo, e que, a
prop6sito de qualquer pretexto, meteu conversa cor
Paulo.
Disse que era marselhis, engenheiro de miquinas.
Estivera muito tempo em Madagascar, e agora ia corn
aqueles companheiros, e designou o resto dos comensais,
para a Companhia de Borozinga. Dois eram portugueses,
e os outros suissos. Ele ia montar umas maquinas, para
uma oficina de distilagao, e os portugueses eram empre-
gados de escrit6rio. E o marselh6s, dando estalinhos cor





-- 25 -


os dedos, ria-se... Alcool! muito alcohol para preto l...
era ainda o que rendia mais nas Africas...
E Paulo julgou entio perceber que Bles acompanha
vam toda aquela carga que fazia adornar o navio, marcada
cor o tal B. C. Borozinga Company -. Os maquinis-
mos seriam ingleses ou carregados na Europa, nalgum
porto ingles... ora ai est !
0 stewart servia agora ervilhas verdes guizadas com
rodas de cenoura e de nabo, tudo de latas, e polvilhado
de assucar cristalizado.
Mas o marselh6s rira-se muito daquela interpretac io
a respeito das marcas B. C. Nao! nao era nada disso;
I nio era lorozinga Company, mas sim British Chinde !
E corn um largo riso ir6nico, que Ihe mostravF qgOai os
trinta e doib j. ntes alvos e unidos corn, os de um jovem
lobo, cofiando a sua Lbii o:rb? de ac~rihe, o olhar
risonho e malicioso, explicou: jue sabia alguma coisa de
Africa, e, que aquela q(-. do B. C. era apenas uma
qu .. .. .' i. havendo um
posto de a,..,.J: .:. no Chinde portuguds, ia toda a carga
dirigida para o Chinde ingles .. ivoild!... E ria-se o
prazenteiro rapaz olhando para Paulo, que o fixava inter-
rogativo.
Por4m, Oste, um pouco encavacado, perguntou:
Mas, entao .. tudo isto que aqui vai, march para
a terra inglesa, antes de entrar na portuguesa? nao per-
cebo!
--Sim, retorquia o marselhes, 6 mais facil, 6 s6 por
causa da facilidade do despacho, isto 6, para a British
Central Africa, s6 paga dez por cento ad valorem...
depois l1 em cima, 1 para o Chire, vira tudo para as ter-
ras de Portugal





--26--


Aquele vira tudo 6 que Paulo nao percebia...
cheirava-lhe a contrabando 1 emfim I era assim mesmo...
Mas o marselhes ria... ria... e fazendo corn os de-
dos umas bolinhas de pio, a que aplicava piparotes sob o
olhar surpr6so do alemdo robusto, continuava:
Mas 6 que no Chinde portugu6s, em Quelimane,
em Tele, etc., enfim nos portos portugueses...
-,O que era, o que acontecia?
Ora I... e que os portugueses para protegerem as
suas indlstrias nacionais, arranjavam umas tabelas de
impostos tao fantasticamente proibitivas, que final s6
serviam os inter6sses das alfandegas estrangeiras... e o
marselh6s ria... ria... sempre bon enfant, mas concor-
dou depois que tamb6m favorecia a Companhia de Mo-
gambique, e a ela tamb6m porque... E o marselh6s ca-
lara-se...
Paulo, entrando de repente neste ambiente commercial
e colonial, fora do meio onde at6 A data sempre tinha vi-
vido, nio percebia o que queriam dizer aquelas palavras,
aquelas retic6ncias, mas nio queria dar a conhecer a sua
complete ignorAncia. Os portugueses escutavam a con-
versa, estavam a tomar atenfAo A verbosidade alegre do
marselh6s, e o stewart servia agora carneiro assado e com-
pota de alperche e ginja.
Paulo estava sobre brasas corn aquela conversa do
marselh6s, e, para disfarcar, sentindo uma rajada de vento
fazer assobiar I~ em cima o cordame do barco dirigiu-se
ao comandante num mau ingles :
L EstA a levantar-se vento forte para de noite? per-
guntou-lhe.
Oh 1... isto nao 6 nada! murmurou l6e corn um bo
cado de carneiro entalado entire os dentes nio 6 mesmo





- 27 -


nadaeh! ..eh!... vento!?... isto?--e calou-se, mandi-
bulando rijo.
Mas o verboso e alegre marselh6s continuou, virado
para Paulo resignado e compungido...
Mi,, i ,, le sous-lieutenant, sabe que a principal re-
ceita alfandegAria do distrito 6 a taxa aduaneira sObre os
algodoes estrangeiros, por isso que os algod6es nacionais
a-pesar-da protecgio que Ihes concedia a pauta em vigor
pagavam em geral tr6s por cento ad valorem e nfo po-
dem concoirer com os de Manchester e Bombaim. Paulo
aquiescia coin um movimento afirmativo da cabega...
Ora os direitos sobre o algodao branco estrangeiro
sRo de duzentos reis por quilo e o do algodao tinto 6 de
tresentos e cinqiienta r6is. Ora veja entdo dizia o mar-
selh6s lambendo os bocados de pao de aveia molhados na
gordura do assado veja I31...~. ,,' le sous-lieulenant !
Basta o despachante fazer na aifAndega do Chinde
um despacho de reexportagao para qualquer alfandega da
Companhia de Mozambique, e chegado o material 1l, fin-
gir que descarrega, para obter urn abatimento de vinte
por cento s6bre os direitos a pagar. E' por isso que os
algod6es veem acompanhados do despacho de reexporta-
cio e portanto sugeitos ao abatimento de vinte por cento.
E o que se diz corn os algod6es diz-se coin divers
material-concluiu o marselhes a rir-se, dando um pipa-
rote noutra bolinha de pao que acabara de enrolar entire
os dedos.
Ah I... e nao falo aqui na facilidade de descarga
em qualquer ponto das margens dos rios portugueses,
como contrabando sistemitico dos months ladinos... Bern
ve que 6 relativamente fAcil, com a falta de fiscalizacao
proveniente das lanchas estarem as vezes em demoradas





-28-


reparagoes nas oficinas da Catembe, ou do Sombo, ou de
Quelimane, etc...
De modo que tOda esta carga marcada cor o B.
C. pass por terra ii,,le-:i antes de ir para a Companhia
de Borozinga?
I Pois esta claro I -- disse o marselhes assinando corn
o lapis, mais um ticket de cerveja, que o stewart Ihe apre-
sentava.
Paulo tambem pediu mais um ticket. 5 lam entio to-
dos para a Companhia do Borozinga fazer alcohol de preto,
em grande '?
Pois era mais uma fabric de distilacao, quasi to-
dos os prazos tinham aquela indfistria, era mais uma a
juntar As outras, visto que era a indfistria mais rendosa
no moment actual em todas as Africas.
Conhece MI,;i' ir, le sous-lieutenant por acaso a
Companhia do Borozinga ?
Paulo responded que conhecia.. de nome...
Ah 6 uma Companhia que deve dar num future pr6-
ximo muito dividend aos senhores accionistas... ah ah
Por ora nao, a terra absorvia tudo, estava-se em comego...
Fundada no ano anterior, corn urn capital de quinhen-
tos e quarenta contos tendo a dirigi-la tecnicamente um
estrangeiro, de iniciativa, de energia e de saber, a Com-
panhia obtivera os prazos de Nameduro, Licungo e Ma-
cuse. .. e ia para a frente corn toda a coragem a desen-
volver plantag~es, a criar ind(istrias...
Como a do alcohol para preto ?-perguntou Paulo
corn inoc6ncia fingida.
Nao mas as que possam ser aplicAveis a diversi
dade de aptidoes culturais dos terrenos que se estendem
por l6guas desaproveitadas ate a data.





-29-


Agora o stewart servia farinha de aveia cosida em leite
cor assucar, e Paulo, que ja tinha comido doce cor a
came assada, farto de pratos assucarados, rejeitou a cre-
mosa dogura, morto por ver o marselhes pelas costas. 0
balanco aumentara e a atmosfera estava ja densa e irres-
pirAvel dentro do acanhado cubiculo, onde sete pessoas se
empilhavam havia uma hora, em que o marselhis nunca
deixara de falar.
IA em cima a ventania aumentara fazendo vibrar a
cordoaria em zuada e assobios que se elevavam a cada ra-
jada mais forte, poiras batiam descompassadas, o Paulo
ndo se sentia muito bern..
Deliberou sair do recinto, logo que o comandante so
levantasse, largando por mio as explicag6es do marselhes
risonho e falador.

Anoitecera por complete. No conv6s, Paulo estava
.i-.,:a rodeado de treva, o vento flf i.-'l.,.i-ll o busto, c
alguns salpicos salgados vinham mollar-lhe a cara; o na-
vio seguia adornado, sem perder nada do seu andamento
certo, e a vaga do vento carregado de humidade crescia a
agoutar o casco do navio, desfazendo-se em catadupas de
Agua, que enxovalhava a proa e saia pelos embornais, o
Paulo que naquele dia se tinha erguido de madrugada na
Beira, no seu exiguo camarote da Afonso, para por em
ordem pap6is, fazer a bagagem e entregar o seu encargo
de official imediato, estava cheio de sono e cansaco.
Dai a pouco, estendido no pequenino sofA da camari-
nha do alemao da barba anelada, como a dos her6is da
Odisseia, olhando jA numa inconsciOncia a delicada renda
branca, na sua moldura doirada, o velho ferreiro batendo
o malho, e a fotografia da senhora orgulhosa e s6ria que




- 30 -


Ihe mostrava de dentro da boia de salvaCgo, o rechon-
chudo b6eb vestido A maruja, Paulo, cerrou as pAlpebras,
rendido A fadiga que produz um dia inteiro bem movi-
mentado, e bem sacudido dos balangos dum pequeno na-
vio a navegar no mar de Mozambique.











MA










Paulo s6 acordou na madrugada seguinte, ja corn o
navio fundeado em frente do Chinde. esse territ6rio por-
tugu6s de s6culos, pura costa de Africa portuguesa onde
o ingles tinha imposto a Portugal um protectorado, e
portanto um consul, um nii,'tr alfandegArio, um director
de correios, e uma lancha de -4e-r:ta.
Paulo, observando pelo bin6culo a mancha esbranqui-
cada de umna ponta de area onde alguns coqueiros se
destacavam no fundo vago do horisonto, continuava igno
rantissimo da razao porque 6 que o inglhs tinha ali uma
porgao de terreno a que chamava protectorado. ,Entao a
Zamb6zia nAo era ja nossa? G, Como 6 que na costa por-
tuguesissima, de posse, de tradigio, e de lei, aparecia ali
um protectorado inglOs? ,Afinal, que infitil alianga esta,
que desde s6culos s6 servia os seus intcrdsses? ,Que de-
sastrosa political colonial teria dado pretexto a este ve-
xame ? E Paulo prometia-se na primeira ocasido tirar-se
das trevas onde jazia. i Pois se nunca tinha na sua vida
pensado no Chinde! Tinha sido precise ver as letras B.C.
nos fardos para a Companhia do Borozinga e ouvir a fa-
lacia do marselhes para o interessar.
Saiu da camarinha para a ponte a-fin-de ver melhor o
aspect da terra longinqua, mas ainda era muito cedo, ha-
via pouca claridade e s6 se distinguia a fita negra da terra
prolongando-se infinddvel para o norte e para o sul. Avis-





-32-


tou vagamente o vulto de uma boia branca pela proa do
barco, e depois, mais long, uma faixa horisontal branca
que aumentava e diminuia corn intervalos regulars, que
conjecturou ser a rebenta5o dos bancos da barra.
Meteu-se outra vez para dentro da camarinha, a-fim-de
fazer uma toilette mais cuidada, apesar do forte balanco que
por vezes o fazia bater com a cabeca nas tAbuas duras
do beliche.
I Ja estava aborrecido, e ainda nao tinha chegado
Enfastiava-o a sua ignorAncia da geringonca colonial. A
necessAria prAtica para suprir instruces, que Ihe faltava,
e a preparag5o que devia possuir para lidar cor coloniais
batidos naqueles assuntos, falhavam por complete.
i Ah se Ole estivesse nas condicSes do Nascimento, a
quem ia render no servico!... Preparadinho de antemAo
para a carreira de Governador, cor rumo certo para os
altos destinos de colonial distinto I outro galo Ihe canta-
ria!... Mas assiml Porque seria esta nomeaaio de
acaso? No entanto, ia ganhando mais uns cobres... Sen-
tia-se com safide, nunca f6ra dado a achaques nem a impa-
ludismos... Talvez fizesse agora a estreia no cemit6rio
dos brancos, como 8le ouvia chamar A Zamb6zia... Talvezl

Corriam no horisonte as primeiras macias claridades
de uma serena aurora, sumindo-se os filtimos raios das
estrelas, e comepavam a aparecer iluminadas de amarelo
claro as manchas distantes da longa, interminivel linha
da costa de Mopambique. Uma humidade morna saia das
aguas movedigas, e a luz ia aumentando rApidamente ar-
rancando reflexos scintilantes as aguas esverdeadas, bati-
das pelo vento quente da noite, que agora, cor a cal-
mice pr6pria da madrugada, se iam tornando mais tran-





-33--


qiiilas A media que a mare subia, aumentando os
funds.
Quasi de repente, o grande globo esbraseado do sol
surgiu num ponto do horisonte, dentre a vaga longinqua,
Se entio foi um encanto I O astro comegou subindo rApi-
damente, diminuindo de diAmetro, aumentando em calor
irradiado, colorindo as nuvens, as aguas, e a longa fita da
terra distant, de c6res vivas ofuscantes de luz.
A proa, um galicho infeliz, prisioneiro em capoeira
que nAo se descortinava, saudou o sol que nascia, com o
seu cantar estridente, e os pretos da tripulagAo comeCa-
ram, um a um, a surdir A boca de uma estreita escotilha
resignados e bocejantes, copando as carapinhas sujas corn
lentiddo e preguiga.
Paulo encostou-se ao varandim que deitava s6bre a
tolda e, sflbito, sentiu atras de si o silvo agudissimo de
um apito, trinando um chamamento.
Voltou-se rApido para tras e deparou-se-lhe o alemao
olimpico que o cumprimentava, risonho, vermelhaoo,
sorrindo de dentro da barba anelada e loura de her6i de
Homero... 0-ww"-
Apareceu um preto e l6e gritou-lhe numa voz forte e
Aspera Geben mir Kaffee !- e desapareceu depois para
a camara. _. .
Comerou entao a limpeza do barco que continuava
adornado a estibordo. Ia aumentando o calor. iQue seria
logo pela volta do meio dia I Nem pensar em tall Nem
dentro de um forno de call
Ouviu-se outro trinado do apito, e dali a pouco o ca-
brestante de proa comecava metendo dentro a amarra.
Ia-se avangar para a boca do Chinde, a atacar as ondas
de rebentagio s6bre os bancos, e Paulo, do varandim sO-





-34-


bre a tolda, procurou descortinar os enfiamentos que o
barco demandava. IPara al6m da reberdlac;i, uma boia
marcava-lhe a directriz, enfiada corn duas marcas cons-
truidas em terra, e o Adjutant atacou decidido os pri-
meiros turbilhoes de ondas alterosas e espumantes que en-
volveram o casco, Jvltniid ilo-o como se f6sse uma ligeira
pena, deixando-o cair de chofre no cavado da vaga. Isto
produziu nos intestines de Paulo uma sensagdo especial,
como se um vdcuo enorme Ihe sugasse as entranhas...
0 mar estrugia atroador, tudo em roda era espuma, e o
home do leme corn uma atengio imperturbAvel, de
olhos fitos nas marcas, agiientava o navio na direcgio de-
vida. Qualquer desvio podia ser fatal. Uma iltima vaga
veio ripida, levantou-o de p6pa no meio de um esfarelar
impetuoso de espumas revoluteantes, doidas, e correu
cor 81e, depondo-o cor duas sacudidelas fortes na sere-
nidade das Aguas do rio; e Paulo olhando para trAs, viu
junto a um dos bancos os destropos de uma barca in-
glesa ali naufragada havia tempos.
Agora, uma boia preta indicava o facil caminho a se-
guir, marcando o limited da Ponta Liberal, onde um
espesso palmar se elevava corn a sua vegetagio escura.
Em frente, a Ponta Mitahune aparecia coberta de man-
gal cerrado que entrava pela Agua. Depois, o Adjutant,
virando para bombordo seguindo a curva do rio, veio
fundear em frente da margem, perto de um barracao
onde, num mastro, estava icada a bandeira da Deutsch-Ost-
-Africa-Linie.
Por detris de um banco de area que luzia ao sol a
c6r fulva do sea espinhago a descoberto, viu Paulo a
Chaimite hasteando altiva A p6pa a bandeira national, e
imediatamente comegou o servigo de descarga em bate-





-35-


loes que pretos rebocavam com grande grita. Os guin-
chos comecaram a ranger, e os B. C. a descarregar.
Um official atracou num escaler embandeirado h p6pa.
Era o medico que vinha A visit de sadde. Encontrando-
-se cor o Paulo, explicou-lhe que o comandante nio
estava a bordo porque tinha ido para a Intendencia onde
havia nessa tarde um jantar oferecido pelo Intendente is
autoridades dos dois Chindes, por motivo de ser o dia do
aniversArio do principle D. Luis Filipe, e convidou-o para
jantar na Chaimite, seguindo entao ambos no escaler.
Logo o jovem doutor indicou, gracejando, as curiosidades
da terra, os monumentos principals, representados nos
palazzos da casa da Esquadrilha, o da Intendencia e as
barracas da Companhia da Zambezia, e depois mostrou
ao Paulo desapontado e desgostoso, a forte palissada da
demarcagdo do British Chinde...
Seguindo ao long dos barracoes da alffndega, foram
ter a um Bar, e entao ai se demoraram os dois jovens a
beber um aperitivo, fumando cigarros em cordial convivio
e conversando s6bre casos da metr6pole, ouvidos sempre
cor o mAximo interesse, da boca de quem acaba de chegar.

Os dois jovens oficiais tinham voltado para a porta do
Bar, depois de terem jantado na camarinha da Chaimite,
e agora conversavam placidamente sentados em cadeiras
de jardim, amesendados em frente de duas cervejas; e
Paulo, todo atento, ouvia o doutor contar casos locais.
Foi entao que preguntou cor fingida indiferenca, por
que 6 que ali havia um Chinde britanico.
O jovem doutor olhou surpreso... e, emquanto acabava
de fumar o cigarro de tabaco do oriented, comentou corn
bonomia um pouco ir6nica:





-36-


-Olhe que talvez seja magada... leu explicar-lhe his-
t6ria colonial!
Ail nao 6 macada, i pois se eu 6 que peco por
obs6quio!
Ber! ja que quere, entAo ouga...
Bebeu mais um trago de cerveja, cruzou a perna, e
condescendente, cor simplicidade e clareza, fazendo com
a mao um gesto vago para a banda dos terrenos ingleses
comecou:
Isto represent uma concessio feita pelo Governo
portugu6s A Inglaterra pelo tratado de 1892...
-Ah!-cortou Paulo-deve ter sido uma concessio
feita com a faca aos peitos, e uma mao nas guelas a
apertar... apertar... gentil aliadal...
INdo tenha dfividal A expansdo inglesa, quer na
bacia do Zambeze, quer nas regioes do Niassa, tinha-se
tornado terrivelmente assustadora para Portugal. Fora
mesmo Este susto que dera causa As expedig6es sucessi-
vas para a regido do Niassa, sob o comando do Cardoso-
-das-pilh6rias, um ilustre official de marinha, e a do Muofuli,
dirigida pelo coronel Paiva de Andrade, e ainda outra
dirigida atrav6s os territ6rios entire os rios Panheme e
Sanhete, comandada pelo tenente Victor Cordon.
Paulo escutava interessado, e o medico, sacudindo a
cinza do cigarro de tabaco ingl6s, continuou:
Naquelas horas tristes, Portugal tratou de organizer
apressadamente e um pouco tarde o distrito do Zumbo,
cor territ6rios jA desmembrados do antigo distrito de Tete,
e alcancou em Franga padres missionArios para Maponda,
o que conseguiu depois de muito trabalho diplomrtico.
O cardial Lavigerie cedeu cinco padres, os celebres padres
brancos das misses Lavigerie.





-37-


Mas... perdio!-interrompeu Paulo--,Entao n6s
nao tinhamos padres nos nossos colgios de missionArios,
o Col6gio do Espirito Santo, por exemplo, que 6 o encar-
regado do servico das misses?
Havia; por6m, quando o Gov6rno portugues deitou
bando, e mandou fazer o toque de formar... por causes
que ignore, ninguem apareceu nas fileiras... ningu6m se
ofereceu para ir.
Ah!... e ent6o os franceses 6 que foram?
Os franceses foram em ar de mArtires, e at6 houve
uma cerim6nia solene nas v6speras da partida, em que o
cardial Lavigerie Ihes beijou os p6s a um por um icomo
se ja estivessem em apoteose de santidadel...
Tamb6m se arranjou uma miss!o de estudos entire
Chibisa e Matope, ordenou-se uma vigilAncia maior s6bre
o Gungunhana, o famoso r6gulo de Gaza, que ainda ha
poucos anos estava mais poderoso do que nunca, todos
tremendo diante do seu poder... e sabe? isto deu em
resultado os iijIle.,-. intensificarem a political da intriga
cor os pretos das margens do rio Chire, e auularem os
r6gulos, cor o Milaure A frente, contra os portugueses.
E sabe porqu'?... Porque o Gov6rno Portugues o que
desejava era armar A boa paz.
-A final, toda a gente inclusive os pr6prios pretos
io que queriam era guerra I
Pois o tal r6gulo Melaure, nao teve a ousadia e a
arrogAncia de dizer aos enviados do major Serpa Pinto
que nao queria presents dos portugueses I mas sim guer-
ra!... E Serpa Pinto fe7-lhe a vontade, e quando em
1889, hasteando a bandeira inglesa, o lal Melaure atacou
a expedicgo de estudos comandada pelo engenheiro
Alvaro Pereira Forjaz, o alaque foi repelido, a bandeira





-38-


inglesa foi-lhe arrancada e Serpa Pinto mandou, logo que
isto soube, reunir loda a gente de guerra e encaminhou-
-se decidido para o Chire. Foi ai entro que se cobriu de
gl6ria e que o Joao Coutinho tomou Chilomo com os seus
marujos, onde hastcou a bandeira portuguesa, em Nebiza,
Maceia e Catega, o que importou a derrota complete dos
pretos makololos, que eram uma prenda que nos tinha dei-
xado Livingstone depois da sua ultima campanha de explo-
racgo. Esses pretos tinham em breve sugeitado ao seu
poder os fracos habitantes daquela regido pouco guerreira
ate Aquela 6poca. Seguiu-se a pacificagao das terras do
Massingire do Chire, o que veio depois a influir poderosa-
mente no tal tratado cor a Inglaterra.
--Traz mais cervejal-interrompeu o doutor, dirigindo-
-se a um moleque aceado e ladino que tinha said detras
do balcAo.
-- Isto aqui,-explicou Ble -- falar e fumar i faz uma sdde
diabolical Depois, como o senhor tenente sabe, a evapora-
racio do sangue pelos poros da pele leva-nos o liquid
todo... temos que o substituir rapidamente, e, se Ihe
quizesse agora impingir sciencia, dir-lhe-ia que o sol pro-
vocando uma sudagao exagerada, mas insuficiente, faz
penetrar no nosso organismo um excess de calor que
actua s6bre o sistema nervoso periferico, dando secura da
pele pela abolicgo dos reflexos secret6rios, palidez dos
tegumentos, flux6es viscerais (teoria de HestrBs)... Ina-
turalmente nao conhece!
Paulo sorriu-se .. e o doutor continuous:
--- Veio depois a Conferencia de Berlim e ai Portugal
nada lucrou... Era Nagao pequena e fraca, a Alema-
nha impunha-se, a Inglaterra impunha-se, a FranCa im-
punha-se, e, segundo a teoria em moda, langada por Sa-





39-


lisbury, as Nagces pequenas e fracas, n~o havia que con-
siderd-las... e por isso as negociagoes assumiam o character
de intimagdo a que Portugal deveria obedecer; os nossos
representantes torciam-se, gritavam, argumentavam, ex-
punham belos documents de posse, de tradicao, de legi-
tima defesa dos seus direitos, mas nessas ocasides, a ilustre
Assemblea desinteressava-se. A iniciativa da Conferdncia
tinha sido da Alemanha, que estava com um enorme
appetite de alargar o seu exiguo territ6rio colonial, e entio
apareceu a discussed sibre o direito de posse -se a posse
nao fosse efectiva e as dificuldades, dflvidas, emendas,
ponderacges, ergueram-se de todos os lados como rochas
brutas e rijas.
0 jovem doutor, tendo emborcado o copo de cerveja,
pausadamente exgotou o liquid, e virando-se para o
Paulo que escutava, escutava sempre, disse-lhe:
IMas eu estou a macg-lo, senhor tenentel Quando
se comega a falar nestas coisas, elas vem vindo umas
atrAs das outras...
Por6m Paulo estava interessado, inao sabia nada!...
jandava por ali pela Africa Oriental, sem conhecer aqueles
factos que tinham dado brado! Retorquiu:
Ah! naol iniiiiii., lI, como isso me interessa! Venho
viver um pouco da minha vida nestas terras tao disputa-
das, tio cheias de heroismos, de lutas, e de intrigas, que
bem v6 doutor, nio podiam deixar de me interessar to-
dos esses factos que jA pertencem a hist6ria.
Bom! entoo, ouga Id mais-e o doutor, tendo descan-
cado o copo na mesa, continuou sem se enfadar:
-Os incidents ocorridos corn o pessoal dos estudos
nas :nI,iieii(, do Chire, deram origem a reclamacoes por
parte da Inglaterra representada por Lord Salisbury. Este





-40-


estava coacto pelos dirigentes da Col6nia do Cabo que
ameagavam a Inglaterra cor um movimento separatist,
se nao desse apoio As suas cubicas a posse dos vastissimos
territ6rios para alem da confluencia do Ruo e do Chire.
Paulo cortou:
,Mas o que tinha a Inglaterra a reclamar? iTalvez
Serpa Pinto fizesse mal! Havia de apanhar dos pretos e
ficar a consultar Lisboa... jie esperar o Vapor corn a
resposta, se havia ou nao de Ihes dar castigo?!
iEsta claro que nfo! Da parte da Inglaterra nao
havia razAo alguma, visto que os makololos tinham ataca-
do os portugueses, hasteando a bandeira inglesa, 6 verda-
dei mas tinham atacado ao sul do Ruo, isto 6, em territ6-
rio indiscutivelmente nosso, le que nio nos era disputado!
-- i um cumulo! -disse Paulo, pasmado...
A agress~o, Serpa Pinto respondera cor um castigo
exemplar, o que era just, ie mais que justol-um dever
indeclinavel, jum acto de puro patriotismol
,Pois sabe o que fez Salisbury? Apresentou uma
queixa, em que queria que Serpa Pinto fOsse castigado
pelo Governo, por ter atacado um povo que estava sob a
protecg5o da Inglaterra..
-Quando o Governo recebeu a queixa em Lisboa,
Barros Gomes enviesou mais os olhos e pos as mfos na
cabega; coitadol E respondia nota a nota, e a nada o
President ingles se movia... Por fim, cansado de lutar,
props uma arbitragem feita pelas Potencias signatirias da
Conferencia de Berlim.
-E entAo?
Entao, o Gov6rno ingles nao concordou, nfo quis
concordar, e, antes que houvesse tempo para os nossos
ministros e embaixadores tratarem do assunto nas respec-





-4-


tivas C6rtes... apareceu o ultimatum! essa grande bofetada
atirada as nossas ventas pacificas. E o ministry ingles
abandonou Lisboa, apareceram logo esquadras em Cabo
Verde, em Zanzibar e um grande couragado em Vigo.
N6s chamavamos pirates aos ingleses, e berravamos, mas
nio tinhamos f6rga I nem para pegar num gato pelo rabol
...quanto mais num couracado como o Enchantress.
Bonito nome.
0 pobre Barros Gomes agora arrancava os cabelos
e.. cedia. ,iQue havia 6le de fazer!? A imprensa do
Cabo, assanhada contra n6s, aconselhava A Inglaterra que,
aos portugueses, nem o litoral se Ihes devia conceder, e
Salisbury dizia num discurso que ficou c6lebre, ser sua
opiniio que as pequenas Na0ges nao tinham razao de exis-
tir e deviam ser absorvidas pelas grandes...
Esse 6 que era diplomata-disse Paulo puxando uma
fumaga.
O Minist6rio em Lisboa caia no meio de uma tem-
pestade de gritos e insultos, as janelas do pr6dio onde
o Barros Gomes habitava eram apedrejadas pela multidao
ignara, a estAtua de Camoes apareceu uma manhd coberta
de cr6pes, e os pirates, como entao se Ihe chamava, nio
andavam seguros pelas ruas de apanharem qualquer
vexame do povol6u irritado. Entao o Barjona foi man-
dado a Londres, depois do novo Ministerio pedir a todas
as Potencias que levassem a Inglaterra amiga a aceitar a
arbitragem. Pedia-se at6 ao Papa... Ah! que horas tao
tristes! que vergonhasl...
-Entrou-se efectivamente em novas negociacges, mas
as exigencias eram inimeras, e vexat6rias para o brio na-
cional. Ora uma dessas exig6ncias era o arrendamento
ad perpetuum corn o exclusive da navegagao do Zambeze,





-42 -


desta ponta de areia chamada Chinde, onde estamos agora
a cervejar pacificos e encalmados.
i Paulo sabia, emfim, a origem do protectorado
-O Barjona conseguiu fazer um tratado, corn uns li-
mites muito bem definidos havendo uma faixa comum que
ligava as duas col6nias portuguesas de Angola e Mozam-
bique, velho e revelho ideal de todos os Governos portu-
gueses desde o tempo das conquistas, ficando assim equi-
librado entire as duas nacoes o mapa c6r de rosa alemRo,
s6bre o qual a Inglaterra se tinha encolerizado atW ao ru-
bro, e ficavam livres para a navegagio international o
Chire e o Zambeze; e Portugal obrigava-se, a pedido, -
e que pedido!- do Governo ingles, a conceder-lhe de
arrendamento por cem anos, dez acres de terreno na
embocadura do Chinde para efeitos comerciais. Ainda ha-
via mais uma questao de um caminho-de ferro ingles que
atravessava terrenos nossos, o diabo ...
,E entio ficou isso assente?
--Isso, sim! Ninguem queria! Nem o nosso Parla-
mento, onde houve sessoes tumultuosas, cor .;iaii.1l. ala-
rido e carteiras quebradas, muito insulto e muita orat6ria,
e a Inglaterra, tamb6m nio queria, e a Col6nia do Cabo,
tamb6m n~o, e o Barjona, em Londres, andava enrasca-
dissimo. Entao na Col6nia do Cabo, berravam todos -
I que a Inglaterra nio nos devia fazer concessio alguma !
--Barjona, cor a sua l6gica, o seu talent, as suas
manhas diplomAticas, conseguiu entao um modus vivendi,
para se fazer outro tratado. A Inglaterra nao se impor-
tava, mas o modus vivendi s6 era aceite se ficassem de
p6 as mais importantes modificaces do outro: transito
livre nos rios Zambeze, Chire e Pungue, manutencao do
status quo dos limits do tratado. Nesta tempestade, neste







torvelinho de 6dios politicos, de vexames, de perturba-
6oes de espirito, o Minist6rio caiu e Cecil Rhodes pre-
parava-se para atirar-se em som de guerra para cima dos
nossos territ6rios, segundo a modernissima teoria posta
por 6le em prAtica, i que Portugal nem A costa tinha di-
reito!... E comecaram os desacatos quasi diArios a nossa
soberania, de tencao feita e rixa velha, e graves como o
que deu origem ao combat de Massakesse, sabe ?
Paulo fechou os olhos, calado e comovido... jNio sa-
bia !
-E o embarque para Lourengo Marques de uma ex-
pedigio military, mal armada, mal conduzida, mal vestida,
e mal treinada, foi resolvido A press. No fim de tudo,
nfo houve rem6dio senio ceder, e os ingleses estabelece-
ram-se aqui na nossa casa, a porta da nossa casa, para
fins comerciais, dizem eles, mas o senhor tenente sabe
bem, que onde eles assentam a racket, o whisk and
soda, e o God save the King...
E o jovem doutor ficou-se calado e pensativo um
grande intervalo, aspirando a brasa do cigarro ingles, e
olhando para o fundo vazio do copo i cor melancolia, e
cor mais s(de I
Estava uma noite muito clara e uma leve brisa vinha
do mar tdo quente e hfimida. que nao conseguia refrescar
o ambiente, ainda que fizesse ondular ligeiramente os
leques da folhagem das palmeiras metidas em barricas,
servindo de fresca ornamentagio A entrada do Bar. Em-
quanto o doutor estava calado, Paulo via bem quanta de-
dicacao, quanto valor seria necessArio para p6r ao abrigo
das cubicas das Nacges estrangeiras os grandiosos restos
da nossa Africa.
S6 esta col6nia abrangia uma superficie de 180 000


- 4S -





-44-


quil6metros quadrados aproximadamente, cor uma costa
maritima de c6rca de 2 000 quil6metros uma superficie
nove vezes maior que a de Portugal, e uma extensio
de costa quasi tripla da do nosso Pais I
I E a metr6pole nao pensava nos perigos para o nosso
dominio, e nos vexames vergonhosos para o nosso brio
de Nagdo colonial que essa falta de atenaio Ihe poderia
acarretarl... Cor certeza nio pensava, porque a maior
parte dos portugueses, ignoravam... e, quem nio sabe
6 como quem nao ve... diz o povo.
Por6m, ouviram-se passes, rangendo na areia himida,
que se dirigiam para o Bar, e entio um rapaz loiro de
apar6ncia distinta entrou no estabelecimento. Cumpri-
mentou afivel corn um gesto, de mio levada ao bond,
cortezmente apertou a mao ao doutor, e Paulo reparou
que trazia vestida jaqueta branca de bom corte, colete
branco debruado a galio de ouro e calca azul. Empu-
nhava um chicotinho de cavalo marinho corn castdo
dourado, e na cabeca, trazia um bone largamente aga-
loado no bordo da pala de polimento preto. No pulso
esquerdo, os reflexos brilhantes de duas pulseiras de
marfim polido e branco, atrairam mais a atengio de
Paulo.
-, Quem 6 6ste rapaz de pulseiras de marfim e tantos
doirados no bon6?-interrogou curioso.
E' o consul inglds... E' filho do Ministro de Ingla-
terra em Lisboa, e naturalmente vem do jantar do Inten-
dente.
--i Entao o pai arrumou para aqui o filho I... Ipara um
areal desertol
-Nao sei. iNdo tem muito trabalho, e ganha muito
bem! Anda sempre em cacadas corn amigos de Lou-





-45-


rengo Marques. Nao o chore--e o doutor puxou pelo
rel6gio:
Meia noite-disse-e vem ai um cacimbo grosso a
toda a fOrga. Vou-me embora.
Efectivamente, uma baforada morna e hfimida que
vinha caminhando por cima da superficie do rio, obri-
gava a condensar-se uma ligeira neblina esfumando assim
as sombras espessas entire as margens onde o mangal
crescia emmaranhado imergindo da agua.
A barraca ia fechar, e o doutor, pedindo desculpa
das tiradas magadoras s6bre a concessio do Chinde, ti-
radas alias provocadas por Paulo, despediu-se, dizendo
que ia pernoitar A casa da Esquadrilha onde tinha um
quarto.
-L E' mais fresco do que a bordo?-perguntou Paulo
admirado.
-Nao, mais fresco nio 6; isto 6 sempre a mesma
coisa... No Chinde as variagoes nyctemerais sdo de
uns oito graus e d6cimos, quere dizer que nio ha diferen-
cas muito sensiveis de dia e de noite.
Paulo ficou s6, ergueu-se, pagou as cervejas e fumando
um iltimo cigarro, indireitou lentamente para o local
onde tinha visto de manha umas embarcacSes, acordou
um preto que dentro de uma delas dormia enrolado nos
panos e em uma esteira de saco, e, tendo sabido que per-
tencia a esquadrilha, deu-lhe ordem para o p6r a bordo
do Vapor. Chegado 1a, depois de dar a gorgeta ao preto
submisso, topou no conv6s com uma grande cadeira in-
diana, e cheio de calor que o nevoeiro mais condensava,
deixou-se cair s6bre ela, num vago de sonho, que o
nevoeiro alimentava fazendo diluir o alto mangal das mar-
gens, as Aguas do rio e o c6u, numa c6r neutra, acinzen-





-46-


tada, negra nos funds distantes, onde nenhum ponto
luminoso marcava a vida humana, e ali ficou aquela noite
sob o t61do abarracado do Adjutant, sentindo o fato pega-
joso da humidade, e a escorrincia de gotas de suor pelo
peito abaixo.








o~

111











0 stewart do Adjutant veio de manhd entregar a
Paulo um bilhete enviado da part do comandante da
Chaimite.
Leu. Era um convite para ir almogar corn l6e.
-Explendidol-monologou-6ste amavel camarada li-
vra-me da faldcia do amigo marselh6s, e do arroz cozido
corn peras-passas do menu alemho. -- De boa vontade 1a
irei a hora marcada.

Antes de se dirigir para bordo da Chaimite, encami-
nhou-se por sObre a area ardente da praia para a casa
Intendencia, um dospaldcios que o jovem doutor Ihe tinha
indicado na tarde antecedente.
Era um vasto barracao construido s6bre o area, e
Paulo, ao aproximar-se, avistou, com surpresa, nos quatro
angulos do telhado, alvejantes de brancura, quatro gigan-
tescas caveiras.
Ora ndo hI! iIsto jd me parece, a cubata de honra
na aringa de um chefe indigenal murmurou.- E' a c6r
local, o camarada tem gosto I Isto fica bem numa pai-
sagem africana, esta moda de arvorar ao alto das palhotas
os trofeus dos animals abatidos nas grandes cagadas, estes
motives ornamentais do estilo arquitect6nico regional de-
vem ser aproveitados. Na simples, elegant e harmoniosa
arquitectura grega, lembra-me que nos frizos dos entabla-





-48-


mentos aqueles artists divinos aproveitavam como motivo
ornamental caveiras de carneiros estilizadas e ligadas en-
tre si por fest6es e grinaldas de frutos e fl6res-e Paulo
caminhava pela area escaldante sob a mordedura incisiva
da soalheira atr6z, olhando cor curiosidade o caveirame
extravagant que brilhava sob a luz intense do sol.
Chegou h pequena escada por onde se subia A varan-
da que circundava toda a barraca, e logo viu mais caveiras
em exibicgo de cada lado do degrau, e, a porta da Repar-
tic~o da Intendencia mais outras duas, que poderiam ser-
vir de tamborete para assento.
i Paulo nio conjecturava para que era que o camarada
Intendente fazia gosto em se ver rodeado de tantas caveiras
de cavalo marinhol... Usos!
E por entire os gigantescos despojos dos hipos, Paulo
penetrou no escrit6rio onde o seu camarada pontificava
de Intendente do Chinde.
Viu uma sala vasta, o chao coberto de esteiras indi-
genas, uma secretAria de mogno, antiga; junto da janela
ampla, uma carta de Mocambique de 1894 da ComissAo
de Cartografia, pendurada em um dos tabiques; e uma
figure, alta, magra, toda de branco vestida desde os pes
ao pescogo, a qual corn um sorriso largo e acolhedor, ex-
clamou cordial, assim que o avistou:
-- Ora viva o senior Paulo! entlo como estA? entao
por aqui, hein!?
-E' verdade ci estou; desta vez vim parar A Africa
Oriental; faz por ca algum calor.
-Ohi muito calor. Isto 6 muito quente, nao imagina...
-Imagino... imagino... ou por outra, sinto na reali-
dade.
-- Entio vein para que lancha?





-419-


Se o senhor nio sabe... eu tambem nao sei. Venho
render o Nascimento.
-Ah!... lo Nascimento vai-se embora! nao sabia...
--, Como, nio sabia?
O Intendente, fez um trejeito leve cor a boca:
-Ahl 6 o Nascimento que se vai embora, mas isso
nao 6 lancha, 6 um Vaporzinho de recreio, o Chirua.
--, Um Vaporzinho de recreio? Mas isso 6 de primei-
rissima ordem!
-Tern uma metralhadora a proa, mas creio que agora
cst~ todo desarmado, nao pode andar
-Ah!.. nfo pode andar!... fez Paulo desapontado.
--Olhe, senhor Paulo, eu nao sei porquO, nunca o vi,
mas o tal vapor creio que estA desarmado hi muito tempo.
.No sei mesmo se alguma vez andou. 1 Se andou nao dei
por isso! Isso sao coisas 1i do Governador, do Garcia
Pombeiro. Ele 6 que 6 o Governador da Zamb6zia
agora...--e o Intendente dizia isto cor um rictus um
pouco desdenhoso na face barbeada.
Ail... o Garcia Pombeiro 6 que 6 o Governador?
--E', infelizmente, 6-disse o Intendente encolhendo
os hombros subitamente mal humorado-6 um cavalheiro
major pintado, tern honras de general de brigada, ou con-
tra-almirante e comanda uma esquadrilha! e o Inten-
dente sorriu-se corn ironia.
Paulo comecou a perceber que aquela cousa do Vapor
Chirua e do Governador, nao era assunto da predilecgao
do Intendente, nio quis profundar mais.
-Pois eu vinha apresentar os meus cumprimentos,
como era meu ever, e perguntar-lhe se desejava alguma
cousa para Quelimane, para onde parto logo as quatro
horas.





-50-


-Nada, meu caro senhor; para Quelimane nio quero
nada. Que tenha por l1 muita saide, e seja muito feliz
- disse o Intendente que ao principio se tinha mostrado
tao acolhedor, mas que depois da conversa s6bre o Chirua
e o Garcia Pombeiro, se tornara indiferente, reservado.
Paulo despediu-se cor a cortezia official dos funcionA-
rios, e tornou a passar por entire as caveiras lustrosas.
Levava desta primeira visit official a uma autoridade zam-
beziana uma impressao vagamente penosa... Ainda, por
assim dizer, nio tinha posto o p6 em terra e ja via dese-
nhar-se no horizonte um pretexto de amuos.
Era cor certeza influencia do micr6bio africano, do
clima de Africa que actua no Csistema nervoso do colono,
irritando o... [Paulo ja conhecia este sistema debilitante,
que escangalha a boa arrumarao dos neurones... e, sa-
tisfeito cor esta explicagio, dirigiu-se mal impressionado
para bordo da Chaimite, onde o comandante o esperava
para o almfoo.

Estava agora A mesa na cAmara da Chaimite.
Sentado entire o amigo comandante e o official imediato,
notou que este s6 respondia por monossilabos, quando
calhava Paulo dil i;ir-se-lhe a prop6sito de qualquer as-
sunto.
-Mau!--pensou Paulo tamb6m 6ste esta atacado do
mal da bilis... encerrou-se voluntAriamente numa gra-
vidade teimosa, indicative de um mau humor exibicio-
nista.. .
-6 Como estarei eu tamb6m daqui a alguns meses...
sugeito a esta influ6ncia delet6ria do clima?...
Mas o comandante parecia nio dar por isso, conver-
sando animado, como que encontrando um derivative em





-51 -


ter algu6m cor quem falar durante essa refeig o... e foi
Mle quem exp6s a Paulo cor saber e inter6sse a nova
balizagem que andava fazendo nos bancos da barra,e exi-
biu pianos. e mostrou as dificuldades vencidas.
0 Comandante da Chaimite era provisoriamente o
comandante da Esquadrilha, visto que o actual Governador,
por ser official de marinha, chamava a si esse encargo,
para aumento de gratificaces.
--Ah! o Governador acumulava? .. e se nao f6sse
o Governador quem era?-perguntou.
-Era o official mais antigo... Nao estando eu, seria
o Intendente.
Ah 1.. -e Paulo julgou ver entio, uma das raz6es
do "infelizmente governador" da conversa inda agora na
casa das caveiras.
-Mas o Governador anda IA para cima para Tete, e o
Nascimento anda cor le. Chegam breve. Eu espero
por Ales aqui para os levar a Quelimane, e emquanto es-
pero you (c.'iri-iiloi a balizagem da barra. As boias an-
davam um pouco fora do seu lugar .. Podes entregar-me
a tua guia de march e ficas assim apresentado na Esqua-
drilha, e passes a _.,Iiii.ir mais uns cobres desde hoje.
-Bem precise ...
Mas o official imediato-o dos monossilabos-com um
sorriso ir6nico, recebera a guia, visara-a, e tornara a en-
tregar-lha sempre encerrado num mutismo impertinente.
Paulo sorriu-se: era a accao mal6fica do microbio !...
nio havia divida. Talvez dali a dois meses, Mle estivesse
ji naquela afinagSo...
Observava a camarinha, bem arejada por quatro largas
vigias, alegre no forro das suas madeiras polidas, de cores
claras, cor a sua pequena mesa de trabalho e de jantar,





-52-


post com g6sto, cheia de metais niquelados, e de cristais
de reflexos discretos na luz doce que se coava atrav6s as
pequenas cortinas das vigias; tinha um aspect convidativo
de sossOgo e recolhimento, cor os seus largos sofas, cada
um a seu bordo.
De um ]ado ficava o camarote do comandante, e do
outro, abrindo para um pequeno corredor, o do imediato,
e mais A pbpa, o do official maquinista, e um outro cor
dois beliches, para passageiros. Era um mimo da subs-
crigao Nacional, da Grande Subscricao, a que dera causa
o ultimatum; e ela ai estava nas aguas do Chinde arvo-
rando a bandeira portuguesa em frente da Concessdo in-
glesa.
-VocO sabe?-disse o comandante ,que a Chaimite
foi construida nos estaleiros da firm Parry & Sons no
Ginjal ?
-Sei I Foi a ComissAo Executiva da Grande Subscri-
fio Nacional que a destinou A policia e fiscalizacAo
da costa de Mozambique, e sobretudo a estabelecer comu-
nicag(es entire as esquadrilhas do servigo fluvial e as ca-
pitais dos distritos de Lourengo Marques e Zamb6zia.
Quanto desloca ?
-Trezentas e quarenta toneladas. As mrquinas tmrn
480 cavalos de f6rga, dao 11 milhas, mas aqui nunca podem
dar mais de 10. Dizem que a culpa e dos fogueiros, e
da qualidade do carvdo... Ignoro... E' t6da de ago,
cor o tombadilho e o castelo, como VocO vO, em forma
abaulada, o que os ingleses chamam turtle back. Posso
meter mantimentos para vinte pragas durante sessenta
dias, Agua para quarenta dias e combustivel para doze, e
tenho alem disso dois pai6is independents que podem
levar vinte e cinco toneladas de carga. Ja ndo 6 mau! A






-53-


proa tenho um s6lido gaviete para fundear e icar boias, com
um cabrestante a vapor para os servigos de balizagem dos
portos... E a prop6sito Voc6 daqui a nada ter que se
ir embora, porque eu quero ir ali abaixo, aproveitando a
mar6, ver se fundeio na orla do banco de leste uma
boia. Suponho que ja nao estd no seu lugar, a outra...
Voc6 desculpe, depois em Quelimane a gente encontra-se,
e eu tenho que ir 1l por causa do Garcia Pombeiro. Creio
que deseja que eu transport uns colonos para Lourengo
Marques.
-E artelharia?-perguntou Paulo.
-Tem duas peas de tiro rApido Hotchkiss de 47 mi-
limetros cor escudo de proteccao, montadas em redutos
centrais, que, em caso de combat, sAo fechados por cha-
pas de abrigo, e tem duas metralhadoras Nordenfelt
de 11 milimetros instalades no conv6s, mas que, em caso
de necessidade, podem ser transportadas para os cestos
de gAvea.
-0 navio, a-pesar desse luxo todo de artelharia, parece
pequeno- disse Paulo com intenaio ao comandante.
Mas 6le, picado, redarguiu logo :
-- Oh! meu caro! i Ter quarenta metros de compri-
mento e oito de largura na boca maxima! PIois achas pe-
queno? Para 6ste genero de service .. ja nao 6 poeira
naval... Ouves?...
Paulo por6m, nio responded e ia.ll.c i a amivel
recepcao do bom camarada, e, junto ao portal6, o coman-
dante repetiu a rir:
-E' pequeno?... Tomara-lo tu












As quatro horas em ponto, o Adjutant suspendia at6
p6r a amarra a pique, emquanto o capitio, passeando
cor impaciencia a sua barba anelada de loiro her6i da
Odisseia, ia e vinha de um para outro lado, e s6 por mo-
mentos descangava do passeio para se arrimar aos varies
de ferro da ponte, bamboleando a perna esquerda, de p6
descalgo, porque se tinha acabado de fazer uma ligeira
baldeagio depois da descarga terminada, e apoiava-se al-
ternadamente ora num ora noutro p6.
A sereia apitava chamando os passageiros retardatArios
e entio apareceu lento, e corn aspect cansado e sofredor,
a subir a escada do portal6, um official do ex6rcito, acom-
panhado de uma senhora ainda nova. Uma molequinha
carregava-lhe cor os pertences. Erarn os passageiros por
quem se esperava, para seguir viagem.
As quatro horas e meia largou o navio, e dali a pouco
estava-se a contas cor os baixos da barra. Repetigio de
sacudidelas bruscas, pulos e culapadas 2 s6bre as vagas,
esbravejando em redor do pequeno casco do barco, num
rumor de Aguas revoltas a chocarem-se cor viol6ncia, e


1 Ter a amarra proximamente vertical.
2 Pancadas secas cor a p6pa na vaga que fazem estremecer corn
violencia o casco.




-55 -


a desfazerem-se em espumas sujas, e por fim, o mar vasto,
de dorso arfante, em ondulacao larguissima vinda do ho-
risonte ilimitado....
E o alemAo olimpico veio dizer a Paulo, que, em vista
de ter embarcado uma senhora, se l6e cedia a cama-
rinha para ela se recolher corn mais conforto.
-jMas corn certeza! corn prazer! ficarei ai em qualquer
cadeira que me emprestem. iLA em baixo 6 que me falta
o ar! -respondeu Paulo, e, neste moment, ao virar a
cabega, viu aproximar-se o marselh6s, o da Companhia
do Borozinga. Vinha sorridente, e Paulo resignado, dei-
xou-se cair na cadeira indiana onde tinha passado a noite.
Tinha de ser... efectivamente o marselh6s entrou
logo no seu assunto favorite a Companhia do Borozinga -
e falou entio no grande accionista, o senhor Cuisinier.
Paulo conhecia.
-Conhecia?--perguntou o marselh6s interessado.
Conhecia... Andava em todas as esquinas de Lis-
boa. Eram os dois, o Amer Cuisinier e o Amer Picon,
belos aperitivos, das cinco As sete, tomados ali no Caf6
Suisso no Largo de Camies, o caf6 mais preferido pela
bo6mia lisboeta, ao pass que o do lado, o Martinho, era
o preferido dos politicos e dos literatos, a quem algumas
vezes o eterno criado, o Valentim galego, emprestava
umas coroas ..
Ah I que saudades!
O marselhis riu-se. Era milionArio o monsieur Cuisi-
nier, e havia de, corn certeza, consumer muita aguardente
de cana de assucar. A Companhia do Borozinga ia ser
melhor administrada, corn mais largas vistas que a Com-
panhia da Zamb6zia.
-Porqu ?




-56 -


-Porque a Companhia da Zambizia s6 se limitava a
viver dos rendimentos do mussdco e apenas tinha em es-
tado de valorizagio, pela agriculture, o pequeno prazo de
Colane.
0 marselh6s, sentado junto de Paulo que nao largava
a cadeira, ia falando, e Paulo ouvia, nao se atrevendo a
retorquir. O que era um prazo?
S0 que era a Companhia do Borozinga?...
S0 que era o muss6co?... iSabia li alguma coisa
disso!...
O marselhes continuava:
-A Companhia do Borozinga tinha, quando se cons-
tituiu, achado jA muito trabalho feito e muita cultural nos
antigos prazos que tinham andado arrendados ao simpatico
Monsieur Valdezano.
Paulo concordou. Era simpatico o senhor Valdezano,
e gostaria de se encontrar cor nle...
Mas o marselhes atalhou: pena era que tivesse faleci-
do, coitado! quando estavajuntando uma fortune colossal...

Anoitecia ripidamente, e o stewart veio anunciar o
jantar. Paulo, por6m, que tinha almogado tarde e abun-
dantemente na Chaimite, nio quis descer ao cubiculo
onde se acumulariam ainda mais duas pessoas, o official
do ex6rcito e a senhora, e pediu ao criado Ihe trouxesse
para ali umas sandwiches. O marselhes tinha-se erguido
do banco improvisado onde estivera sentado e desaparecera;
e Paulo continuou de posse da cadeira, resolvido a nao a
abandonar sendo no dia seguinte; passaria ali a noite cor
receio que ela apetecesse a qualquer passageiro .

A' meia noite, o Adjutant fundeou perto de uma boia.





-57 -


Cor a noite sem luar, mas luminosa de estrelas, pouco
se distinguia para long, e apenas se via o piscar indeciso
da luz de um farol, que devia ser o da Ponta Tangalane.
Soprava algum vento, e como se fundeara em pouca fun-
dura e o vapor estava mais leve da carga que tinha alija-
do no Chinde, dava balancos curtos e desencontrados,
rdpidos e estonteantes, que nao deixavam nem dormir,
nem estar em posicao fixa, e quando Paulo jd tinha torado
certas precauySes de seguranga para nao cair e ia a ador-
mecer, veio um balango tho forte, que todas as segurangas
falharam, a cadeira virou-se completamente derrubando-o
s6bre o conv6s, e em seguida o cadeirao, como que torado
por repentina furia maldosa, deu um pulo e caiu-lhe cor
todo o seu peso s6bre as costas, contundindo-o ao mesmo
tempo numa perna, cor uma das grossas reguas de teca
que prolongavam os encostos, o que o obrigou a soltar um
rugido de dor seguido de uma en6rgica exclamacro, es-
p6cie de desabafo que todo o portugues ter em ocasioes
critics, e que efectivamente parece que alivia...
Mas da camarinha um grito Ihe respondeu... e Paulo
sentiu um restolhar e tilintar de vidros partidos e objec-
tos a rolarem, ao mesmo tempo que uma voz angustiada
e muita aguda gritava:
--Ail Augusto! que isto tomba .. o navio tomba!..
Entio uma voz grossa, em baixo cantante, responded
lamentosa e aborrecida:
i Ter paciencia Marucas !-e Paulo, corn a perna do-
rida fazia esforgos desesperados para se levantar de sob
a pesadissima cadeira de boa teca indiana, e segurt-la em
equilibrio s6bre os quatro p6s.
-ILa se foram os simbolos do comandante, o ferreiro
a bater o malho !... e os caixilhos e os golfinhos, foi tudo





-58 -


para o chao, com certeza, feito em cacos I murmurou
Paulo.
Por6m, depois deste balanco o mar socegou mais, e
Paulo, o Augusto e a Marucas l se poderam ageitar
melhor atW de manhi.
Assim que os primeiros alvores da madrugada, os pri-
meiros claries de luz, comegaram a iluminar o horizonte,
o alemio her6i de Homero, apareceu cor os seus trina-
dos de apito, e os seus ach guturais, mandando levantar
ferro. Dali a pouco divisavam-se jh bem nitidas as sinuo-
sidades da costa.
la-se a entrar o rio. As margens de 16dos e terrenos
pantanosos, cobriam se de mangal rasteiro e denso. Um
calor esbraseante amolentava as Aguas amarelas que
faziam lembrar uma calda morna donde saiam eflivios de
plants p6dres.. Para o interior entreviam-se tetos de
palhotas, de cubatas, e alguus palmares escuros, e a mesma
atmosfera de estufa ia aumentando de intensidade A me-
dida que o barco se ia internando.
Por cima das margens apareciam grupos de pretos
olhando curiosos o Vapor, e fumos brancos ou negros su-
biarn direitos na atmosfera resplandecente, ofuscante de
luz.
Paulo amolentado com a alta temperature ia olhando
em redor cor curiosidade e entAo pensou no calorzinho
que fazia Aquela hora 1h em baixo junto as caldeiras do
barco. um horror i Pois se 6le, ali ao ar livre, sob
um toldo de lona, quasi nAo podia respirar I...
Ja para trds ficavam a Ponta de Tangalan e a Ponta
dos Cavalos Marinhos, e os terrenos que apareciam ala-
gadicos, cobriam-se sempre de mangal, como se o navio
caminhasse entire duas muralhas de uma vegetacio som-





-59-


bria. Eram tr6s 16guas a navegar antes de chegar a
Quelimane e apareciam agora mais palmares, palhotas de
cafres, palmeiras e coqueiros esguios e negros.
I Enfim I numa volta do rio, avistou as casas de Queli-
mane, muito brancas, vergastadas de luz, embebidas numa
neblina vibrant de calor himido, em funds de vegetag5es
frondosas.
Na vila, em diferentes residnncias iam sendo visiveis
bandeiras lentamente igadas em altos mastros, e o Adjutant
foi fundear em frente de um edificio de paredes de alve-
naria e telhado de telha mourisca caiado a ocre.
i Chegara 1
No p6rto estavam surtos dois pangaios, I dresses pan-
gaios que desde tempo remotissimo fazem as carreiras da
India e havia alguns batelees, barcos indigenas, escaleres
e almadias, pertencentes as casas de com6rcio e ao servigo
da AlfAndega amarrados em frente do cais, e tudo era
sossegado, sem movimento de labuta, im6vel sob a ard6n-
cia do sol tropical.
SEntio ndo vem ningu6m?-pensava Paulo, sempre
junto a amurada, sob o t6ldo que o calor traspassava.
Os passageiros esperavam tamb6m impacientes que
algubm aparecesse a desimpedir o navio; e o marselhes
risonho e afAvel, veio despedir-se dele.
Os companheiros disse tinham ficado no Chinde
a tomar conta do material desembarcado. Ele ainda tinha
que fazer umas coisas em Quelimane antes de seguir


1 Embarcagies de vela, da India, que fazem carreiras comerciais
aproveitando os ventos das mongoes, para as viagens de ida e volta
a Mocambique.





- 60-


para o interior, e voltaria depois ao Chinde, mas por terra,
em machila. E todos os seus cuidados agora, eram para
um papagaio que trazia empoleirado em uma das maos, e
que Paulo via pela primeira vez, e o marselhes explicou,
rindo-se e mostrando os belos trinta e dois dentes aguga-
dos como os de um jovem lobo,-que aquilo era uma afei-
9go, uma mascote, um feitico Eram companheiros
velhos...
-Au revoir!...
-Au revoir! .
-iEntio n~o vem ningu6m !? murmurava Paulo...
indignado e encalmado, o suor a escorrer-lhe pelas fon-
tes...
Viu um escaler pintado de branco que, junto ao cais,
uns pretos preparavam corn demoras irritantes, que Ihe pa-
receu uma embarcagdo de navio de guerra. No fim de um
certo tempo apreciavel para a impaci6ncia de Paulo, has-
teou A p6pa a bandeira portuguesa; e um marinheiro mi-
litar, de capacete branco na cabeca, saltou para dentro da
embarcacgo, que logo desatracou do cais.
-Deve ser aquilo.. rosnou Paulo.
O escaler dirigiu-se para o Vapor. Efectivamente era
o cabo de mar que vinha trazer o desembarago-explicou
l6e, logo que deu com a vista no official.
iMas entAo ?... preguntou Paulo.
-Vossa Senhoria ter esta canoa para ir para terra.
Vossa Senhoria era esperado cor impaciOncia. 0 senior
tenente Nascimento nao queria perder o Vapor para a
Europa...
-Ah! sim?... Olhe, diga-lhe que ja ca estou, nao
chore; vou mandar p6r a minha bagagem na canoa ..
--Sim, senhor 1...





-61-


Dali a pouco seguia para terra, depois da despedida ao
alemio das barbas de her6i grego, que Ihe faziam sempre
lembrar os bustos do jardim baixo da alameda de S. Pe-
dro de AlcAntara... ail que long estava agora.. Era
mesmo ocasido azada de se lembrar de Lisboa... e Paulo,
corn a sua manta-de-leAo, os seus atados de roupa, a sua
caixa de lata dos uniforms e o meringue alceado A ma-
rujal, seguiu no escaler puxado a quatro vigorosos rema-
dores negros, em direcq9o ao cais da antiquissima vila de
Quelimane, a primeira estagao dos navegadores do tempo
das conquistas, a arcaica Quelimane ..
iChegara I...
O cabo de mar deu a Paulo a indicaAo da casa da
Esquadrilha. Era ali adeante, coisa de uns cincoenta
passes; e, perfilando-se, concluiu:
-E se o senhor tenente ndo determinava mais nada,
l6e deixava-o porque tinha de ir A Capitania levar os pa-
peis de bordo.
-Pois nao !... VA! .. Va!...
E Paulo ficou no cais, sisinho corn o Rato-cego e
mais um preto remador, sob os raios ardentissimos do
sol que Ihe caiam de chapa sobre o bon6 e sobre as costas,
mordendo-o na pele como brasas...
Era o primeiro aspect de Quelimane. Enfiou por
uma larga rua bordada de magnificas Arvores que miti-
gavam com a sua exuberante ramaria e folhagem, a arden-
cia do calor do meio dia tropical. A larga rua margina-
va-se de casas de um s6 andar, tendo todas A frente um
terreiro mais ou menos cuidado, e t6das as janelas cer-
radas A luz e ao calor; luz ofuscante, calor de fornalha;
Paulo nio via ningu6m, nfo se ouvia o rodar de um carro,
uma voz humana, o piar de um passaro; e Quelimane





-62-


Aquela hora parecia, naquele silencio, sob a onda de calor
do meio dia, um burgo abandonado...
Viu a casa, onde num mastro se mostrava a bandeira
portuguesa.
Dirigiu-se imediatamente para IA, atravessou um pe-
queno cercado abandonado de trato, onde as ervas cres-
ciam A vontade, subiu tr6s degrAus, passou sob um largo
alpendre, e, vendo duas portas abertas de par em par,
entrou.
Uma ampla sala de jantar... ninguem... nenhum
som de vida... 0 Rato-cego atras d6le depos no chAo a
bagagem, e o preto desapareceu sem ruido, caminhando
no tejolo do pavimento com os p6s descalgos.
Viu uma vasta cadeira indiana igual a que o tinha
magoado na v6spera, sentou-se nela dizendo ao Rato cego :
-Entra tu por ai dentro, bate as palmas, talvez apa-
rega algu6m-e continuou monologando...
-JA vejo que Quelimane e pouco habitado; olho e nao
vejo ningu6m... chamo, iin-ii'I.ni me responded, e 6 tio
sossegado que nao ougo ruido de vida, tudo quieto... i Isto
parece a casa da Bela Adormecida I...
Olhou pela larga abertura das portas que se escanca-
ravam a luz.
Na rua, em frente, tamb6m ningu6m passava.. i parecia
uma terra de encantamento i, Entdo nem a chegada de
um Vapor, conseguia tirar esta gente de dentro das tocas
onde se aninhavam I? -interrogava-se Paulo, incomodado
pela temperature que continuava a ser de estufa, a-pesar
de estar agora 6 sombra, debaixo de um teto de grande
p6 direito... parecia-lhe que estava sempre A boca de um
forno ... E um torpor o invadia, uma sonol6ncia o to-
mava,






-63-


Para espertar, enrolou um cigarro, acendeu-o e espe-
rou quieto.
Ningu6m aparecia...
-Isto 6 novo! i{, Entio, para onde se sumiria tamb6m o
Rato-cego!?. .
Paulo, esperando, pensava: iisto A vista do movimento
de Lourengo Marques, modernissimo em relagio a Queli-
mane, e da Beira que 6 de ontem, cor aquela estrangei-
rada t6da num vaivem continue pelas ruas na Ansia da
ganhuga Que diferena !...
-Esta Quelimane ao meio dia, tern o aspect de uma
cidade morta, lembra Pompeia e Herculanurn... depois
de desenterradas e cor mais calor... Aqui o movimento
e todo de agriculture, nio admira, ]A para o campo 6 que
deve haver actividade..
Esperou .. esperou, e, cansado, moido da noite mal
dormida a bordo na cadeira indiana que dava pulos, cor
a perna dorida da pancada que apanhara durante os ba-
langos desencontrados, adormeceu profundamente, tendo
em roda de si os volumes da sua exigua bagagem de mo-
desto official erradio e vagabundo :-a manta-de-ledo, as
latas das dragonas e do chap4u armado, a lona, a caixa
do sextante, a espada e as maletas, e o meringue compra-
do na Praga da Figueira, em Lisboa, alceado a bordo do
Africa & moda marujal.













SQuanto tempo dorniu?...
Paulo nro o sabia... meio acordado, num torpor fla-
cido e morno, urn olho aberto e outro ainda meio cerrado
a luz, a respiracgo custosa e as pernas moles sob o do-
minio de um despertar lento, que era uma sensagco de
acordado e ainda a dormir, onde havia coisas confusas a
dangarem-lhe por entire as pAlpebras, uma baga de suor
a escorrer Ihe pela face, nio reparou que os volumes da
bagagem que tinha deixado em redor da cadeira onde se
sentara opresso de calor e cansado de esperar, ja tinham
desaparecido.
Mas atraiu-lhe a atengao um vulto avantajado, todo
vestido de branco, que passeava silencioso de um lado
para o outro, calgado corn umas grandes botas de lonabranca
que deslizavam sobre os tejolos polidos do pavimento da casa
de jantar, interrompendo cada passeio para ir atW uma das
portas a observer o exterior e o ceu; e, caso esquisito I
naquele moment o que the prendia mais a atengao, era
o movimento regular e deslizante daquelas botifarras
brancas, que iam e, vinham a todo o comprimento da
sala.
JA desperto, observou cor curiosidade o avantajado
vulto. Estava agora de costas, de perna aberta, bem fin-
cado no solo A moda dos marinheiros, e cor a grossa
mao segurava um pequeno chicote indigena de cavalo ma-





- 65-


rinho cor que batia distraido, pequenas e brandas pan-
cadas na barriga da perna direita. Alto, espadat~do, gordo
sem ainda ser obeso, via-se-lhe no alto do crAnio uma
larga tonsura, mancha de pele avermelhada do calor,
que se adivinhava incipiente e ja rdpida em avarias na ca-
beleira negra.
Vestia um dolman branco enfeitado na gola e nas
mangas a largo galko entrangado e debruado a soutache
branca; nos ombros largos havia, enfiadas numas presi
lhas estreitas, uras passadeiras onde assentava um galao
de primeiro tenente de dourado ja fOsco do uso. Paulo
murmurou:
jEnfim, aparece algu6m !... um camarada I..
Ergueu-se e, ao ruido leve do arrastar dos pes da ca.
deira de teca onde estivera adormecido, a figure espessa
e branca, virou-se de-repente para trAs...
Paulo reconheceu-o logo. Era o Lucena ... 10 im-
ponente Lucena I um dos antigos do seu tempo na Escola
Naval!
Avangou logo sem larger da mao papuda o chicote
ameagador e, cor ar afAvel, exclarnou:
-Oh!.. ;nfo o quiz interromper! mas em verdade
Ihe digo que era um sono profundo !...
-Muito obrigado... mas cheguei aqui um pouco can-
sado... Foi uma noite mal dormida, aos trambulh6es
sObre o mar, em um conv6s pouco confortAvel... ,.,.
vi ningu6m... adormeci a esperar ..
Ele interrompeu solicito :
-Sabe I Eu nao fui espera-lo ao cais, nem fui tamb6m
a bordo porque sou agora o *nico official de Marinha em
Quelimane... JA vo, sou tamb6m capitdo do porto...
tinha que estar na Capitania... Quando cheguei aqui jA





- 66-


o senhor ca estava, e, segundo me parece, entrou na
Zamb6zia cor muito sonoI -rematou 6le sorrindo...
--Foi do calor... do cansago. Isto aqui esta
quentinho I...
-Sim -respondeu- quentinho a esta hora nesta
6poca do ano... Mas olhe que chega a haver frio...
-Nao acredito.
-Sim senhor, 1d para Junho, Julho e Agosto, quando
o sol esta ao norte do eqaador...
-Ahl... sim, 6 possivel, mas agora estamos em Margo...
--Sim, esta a findar a 6poca quente e das grandes
chuvas, que vai de Outubro a Marco. Este ano ter en
trado por Margo dentro... esta o sol ao sul do equador,
ainda.. .
-Ah I... sim 6 possivel, 6 bem aborrecido...
-0 que?...
-Ora! o equador...
-Agora, calmas quentes e hfimidas; quando hA vento,
6 nordeste quentissimo, de vez em quando a sua trovoada
mas 6 1l long, la para as montanhas do interior. e as
vezes uma viragiozinha do mar, que 6 o que nos vale...
De resto... calor... calor... calor...
E o Lucena de cada vez que dizia a palavra calor, ba-
tia cor o chicote em si mesmo.
Paulo, acompanhando cor a vista as manobras do
chicote, murmurou:
Nao 6 mau I ha pior I...
O Lucena continuou falando:
Ja me tinham dito que o senior tinha chegado bem...
,Quere ir ver o seu quarto, provis6rio por ora, emquanto
o Nascimento ndo se vai embora para Lisboa?...
-Pois nao... vamos lA.





-67 -


JA mandei para la as suas malas...
Entao o Lucena seguiu adiante, acompanhado por
Paulo, que observava a casa.
Era uma construcgo antiga, de grossas paredes de al-
venaria, de pavimento levantado c6rca de um metro
acima do solo. Os compartimentos tinham bom p6 direito,
eram todos ladrilhados a largas places de tejolo. Os te-
lhados eram de boa telha de Alhandra. Do terreiro, en-
trava-se na habitacao por duas altas e largas portas sob
um alpendre de telha, subindo por tr6s largos degrAus de
tejolo para um ampla sala que era a casa de jantar. De
cada lado dessa sala abriam duas portas para dois quartos
de dormir; o da direita, era ocupado pelo jovem Nasci-
mento, e seria de future o quarto de Paulo; o da esquerda,
o do amigo Lucena.
Ao fundo da sala, um corredor ia dar a um espagoso
patio.
Nesse patio ficavam sob alpendres amouriscados, as
fornalhas das cozinhas dos oficiais e do restante pessoal,
e, em redor, as capoeiras desertas, e mais depend6ncias
de service, tais como: a casa de lenha, o dep6sito de ma-
terial naval, etc.; e, do lado direito do patio, uma porta
rasgada no muro dava para um casarao que servia de
caserna As pragas da Armada pertencentes aos diferentes
services da Capitania e da Esquadrilha, alojamento para
as pragas em transito para o Chinde, ou para o Tijungo
etc.; mais dois quartos interiores cor porta para o cor-
redor central, serviam para h6spedes de categoria em
caminho de diferentes comissoes.
Tornaram para a sala de jantar, e entao o Lucena,
sempre de p6, nunca largando da mAo o chicote, explicou:
Que tinha de ir ao Arsenal. --A lancha de que era





- 68-


comandante estava em reparagoes, beneficiacio da cal-
deira, limpeza de fornalhas, muros e grelhas novas, etc.
O Governador nso estava em Quelimane, achando-se 1A
para o Alto Zambeze, esperava-se dali a uns tres ou quatro
dias, e o Nascimento tinha-o acompanhado. Eram tr6s
ou quatro dias que Paulo tinha de esperar para se fazer
a entrega... Eram estas as actuais condigoes em que
estava a Esquadrilha.
De modo que, emquanto nio chegar o Governador
e o Nascimento?... insistiu Paulo.
-- senhor espera... e nio ganha senao como
official em trAnsito... mas vai vendo isto... toma
conta do rancho.. dos pretos... vai at6 As ofici-
nas, etc....
EstW bem... sim senhor...
E ter a sua machila e os seus machileiros, para
girar por ai. Sdo os do Nascimento, naturalmente fica
corn os mesmos.
Fico disse Paulo de animo leve.
--Mas olhe que tem de Ihes pagar do seu bolsinho
particular...
-- Hein !? exclamou Paulo.
Ter que Ihes pagar disse o Lucena sorrindo-se
e batendo negligentemente corn o chicote sobre a palhi-
nha da cadeira.
-Ah!... entao n~o querol... o senhor bem v6, nio
tenho dinheiro para ter trem As ordens...
Mas o Lucena, olhou para Paulo cor um certo modo
enigmAtico, encolheu os ombros... e, ciciando muito os
ss, responded:
Bern... Isso 6 lW entire o senhor e o Nascimento...
Voc6s 6 que t6m de combinar.- Depois, virando-se para





-69-


o corredor, bateu de rijo as palmas metendo o chicote
debaixo do braVo.
Da licenga ? perguntou eu agora you ao Arsenal.
Pois nio...
Vindo do patio, apareceu entio um negrinho ai de uns
catorze anos, cor a crescida carapinha apartada em dois
16bulos espessos a meio da cabega por uma risca impecA-
vel, os bragos ntis, um cordao de contas de vidro azuis,
onde trazia pendurada uma chavinha dancando-lhe em re-
dor do pescopo esguio. Vestia uma camisinha branca
e um pano de algodio azul estampado a circulos brancos,
e apertado a cintura por um cinto de cabedal vermelho.
0 seu olhar era malicioso, sorrateiro, m6vel como o
de um bugio, e todo Mle respirava asseio.
Esperou ordens, empertigado em frente do Lucena,
deitando para Paulo um olhar entire zombeteiro e respei-
toso.
Entao o Lucena disse, seco:
ChamA mixilero I hein I Eu vai no Arsinal! e
meteu-lhe a ponta do chicote por baixo do nariz achatado.
Si... sio .. plonto I responded o moleque, re-
cuando dois passes e fazendo a contin6ncia A military; e
depois deslizou s6bre os tejolos, sem ruido, e saiu menean-
do os quadris estreitos onde o pano se apertava muito.
Emquanto esperava o cumprimento da sua ordem, o
alentado Lucena foi explicando:
Aqui, o regimen de vida 6: levantar muito cedo,
quanto mais cedo melhor, para aproveitar a ligeira 'res-
cura da i .1~i i -.l.1... E' o que faz toda a gene. To-
ma-se uma chivena de caf6 ou ch6i cor pio... o vai-se
para o servico...
0 pio 6 daqui do nosso vizinho, o ZanAglia. Creio




-70-


que 6 um italiano. Depois, ai pelas onze horas, onze e
meia... e tal, alm6go.
Sesta at6 As duas, em que nem pretos nem brancos
trabalham. Depois, mais service at6e s cinco da tarde,
jantar As sete, e cama is dez horas...
Paulo escutava mediocremente interessado, e o Lucena
rematou cor indiferenaa:
E' todos os dias a mesma coisa...
NMo 6 mau! disse Paulo corn voz sumida...
Hein !?
-Digo que... 6 muito born... Podia haver pior...
Nisto, junto do terrago, vieram postar-se quatro pretos,
desempenados, altos, explendidamente musculados. 0
peito, os bragos e as pernas nuas, tinham tatuagens es-
quisitas, traziam umas ligas por baixo dos joelhos donde
caiam, A frente, uns penachos feitos corn p6los de caudas
de animals, e, enrolados em redor dos quadris, panos
vermelhos as riscas brancas e pretas, amarrados corn cor-
reias estreitas A roda dos rins possantes.
Um d6les segurava delicadamente entire a forte den-
tuca branca de esmalte puro... a haste fina de uma fl6r
vermelha. Dois suspendiam com o ombro boleado e luzi
dio como se fOsse de pau santo encerado, um comprido e
grosso bambu, onde se pendurava, por correntes de latro
reluzente de brilhos, uma armaaao de madeira leve, em
forma de cadeira sem p6s, de costas e assento em palhi-
nha, cadeira que assentava numa faixa de lona que se pro-
longava de uma a outra extremidade do bambu.
EntAo o Lucena olhou corn satisfagao o aspect
magnifico da .**'ip.l,.-iii, desceu lentamente os tr6s de-
grAus da entrada da casa c despediu-se de Paulo, coni um
skco -- alt s seis e, logo que Ole fez menDao de embar-





-- 71


car no aparelho, os quatro pretos a um tempo, como se
estivessem num exercicio de manejo de armas, meteram
os ombros em siretria, e em fila, As extremidades do
grosso bambu, e ficaram hirtos, A espera que o alentadis-
simo Lucena acomodasse dentro daquele primitive meio
de transport a sua vasta compleicao fisica...
Depois, a um gesto do chefe batendo fortemente cor
a palma da mio no polido bambu para dar o sinal da par-
tida, abalaram num pass certeiro e rApido, compassado
e ligeiro sem mostrar esforgo no transport de tio cor-
polenta criatura. E Paulo viu do terrago, de entire os
umbrais da casa, a ponta do chicote que saindo fora da
machila oscilava ameacadora a cada passada dos pretos.
Voltou lentamente para dentro da sala de jantar, sen
tou-se outra vez na cadeira de teca, e um sentiment de
melancolia subitamente o invadiu...
i Entio era esta a maravilha zambeziana !?... Es-
tava bem servido ... I todos os dias a mesma coisa l..
levantar cedo depois de uma noite de asfixiante calor,
presa inerme do mosquito de picada dolorosa... ir para
o servico. Que servico?... Voltar para casa as onze,
almogar em frente de um pretoide velhaco, ladrao e
bronco, ficar para ali a remanchar atW as duas horas,
essas hor.:s mais quentes do dia, essas tristes horas em
que atW a natureza parece que sucumbe diante da fornalha
aberta que e a esta~go dos ,iibdle, calories e das jr.ih-.
chuvadas, felizmente quasi a terminar... Ah!... essas
horas tristes ja Ole as conhecia, do Golfo da Guin6, no
tempo da campanha francesa contra o Behazim, o tirano
do Dahomey... e conhecia-as de outras e outras estagoes
na Africa Ocidental... a bordo dos navios fundeados,
modorrentos, cobertos de toldos, refrescados de meia em





-72-


meia hora a jactos de agulheta... em que todas as pintu-
ras estalavam em grossas bolhas logo que a mordedura
ardente do sol se cravava nelas e as pegas de ferro chega-
vam a queimar as mios como se estivessem em brasa...
Depois voltar para o serving. Que servi2o?... Re-
colher As seis para jantar, mangalear por ali a fumar
cigarros de umas cadeiras para as outras e a abrir a boca
de t6dio... e gemeu Paulo i ter diante de si a pers-
pectiva de todos os dias ser a mesma coisa!...
Mas... ,e o tal vaporzinho? i2 onde estava Ole, que
o Lucena nele nao Ihe tinha falado!? era um mito 1?.
Paulo tracou a perna, atirou-se para trfs num espre-
guigamento longo...
Ah!... E para isto tinha Ole querido de boa vontade
arrancar-se ao convivio daquela bela e meiga rapariga que
tinha deixado em Lisboa tio amorosa e tro leal... e que
agora s6 Ihe enviava de long a long umas palavras de
discreta cortezia que encobriam uma indiferenga sempre
crescente.
Arrependido !?... nao nao estava .. era final uma
prisao... eram grilh6es, dourados sim mas cadeia de
prison I... Ele obedecera aos fados... como diziam os
moiros de Marrocos quando ele lf tinha ido numa comissio
de servigo a bordo do Vasco da Gama.
Ergueu-se da cadeira, precisava de ir buscar o tabaco
para fazer um cigarro, para se distrair. Estava enfastia-
do... e seguiu para o quarto interior a-fim-de desafive-
lar as malas. Poria em ordem o seus livros, aqueles de
que gostava de se fazer acompanhar; sentia-se s6, seriam
Miles os seus companheiros...
( seu quarto provis6rio nao tinha janela, deitava por
uma porta, para o corridor central donde recebia a luz.





-73-


Ao centro, havia uma cama de ferro com colchfo de
arame enferrujado e partido, desprovido do respective
colchao de palha. Estava coberto com um mosquiteiro
tro sujo de poeira que parecia negro. A um canto, havia
um lavat6rio de ferro corn seu balde e regador, enferru-
jados e faltos de tinta.
As maletas e bagagem 1 estavam no chio, postas a
granel.
Paulo entregou-se entdo A faina de passar em revista
os volumes da bagagem, a fim de fazer uma instalacao
ripida e provis6ria, e, ao abrir a primeira maleta, logo
entire as roupas os seus dedos que procuravam impacientes
as ongas de tabaco, tactearam o assetinado de um masso
de cartas e tocaram na dureza de um cartfo.
Ah!... era uma fotografia dela!... Eram as suas
uiltimas quatro cartas...
Retirou-as da mala, e ficou-se a contemplar a fotografia.
Ah Icoro ja estava long, tao longe... daquele encan-
tamento I... E via naquele retrato Osse lindo passado, atL
ao moment em que Ihe aparecera a ordem de embarque
no Africa, e assim viera parar a esta terra longinqua,
de p6ssima fama climat6rica.
Viveria mais uns tempos da sua vida entire gente de
outro meio, de outros costumes, talvez hostile, e supor-
taria ai o calor da fornalha ardente em que o sol esbra-
seante convertia todos os dias a terra que Ole pisava corn
indiferenoa e o ar que respirava, e se nao ia d'ora-avante
viver nas solid6es adustas de um sertio cheio de perigos
misteriosos, sentia-se contudo ja imensamente s6 naquele
ambiente novo em que entrara pela primeira vez sem pre-
paragdo especial...
E Paulo, num cansado anseio, atirou para o lado cor





-74-


o cartlo da fotografia e o mago das cartas, como que dis-
solvendo no seu intimo aquelas recorda6es de um passa-
do tro pr6ximo ainda... i
Aquela fotografia acabava de o fazer entrar em recor-
daces que 61e nio desejava...
Para que a trouxera ?
iPois ainda mais uma vez indo era Ole mesmo sem
imposigoes, que tinha feito o requerimento para o envia-
rem para uma estacio, e, quando obtivera pronto deferi-
mento jo contrArio 6 que seria de admiracio! ficara
satisfeito !
,Nio era por sua culpa que agora se tornava um viajante
atormentado?
Entio I ?... tinha o que queria. Tinha desejado ver-se
s6, l6e ai estava s6sinho no desert da gente que o
rodeava.
E era Osse talvez o sentiment que o fizera cair na
quela melancolia shbita que se apoderara do seu espirito
e que o dispunha mal para o enfado da sua ocupagio. E
Paulo murmurou corn ironia as palavras do Lucena: le-
vantar cedo, etc. etc... todos os dias a mesma coisa...
Sentado na barra dura do ferro da cama sem colcho,
Paulo procurava com vagar solicito um qualquer velho
lengol apropriado ao estreito beliche de bordo, para mandar
fazer a cama s6bre o duro iih.!I.II I.1 1 do arane. Nio
havia outro remddio... E fazendo esta busca, maquinal-
mente reparou que o cartdo da fotografia ficara por um
acaso, encostado ao mago das cartas corn a image da
rapariga voltada para Ale, a sorrir-lhe na pose ing6nua


1 Gadir e Mauvridnia, do mesino auto.





-75-


escolhida pelo fot6grafo... EntAo no seu olhar absorto
passou a nuvem duma maguada lAgrima... que o penetrou
de uma amarga saudade...
Sim... era justo... Numa afeicgo entire duas pessoas
hi sempre uma que se afeigoa mais do que a outra, e
essa corrente de simpatia m~itua, transport em si, de um
lado, uma feicgo active, do outro uma feigio passiva .
Era o seu caso.
Recebera mais do que dera: era just, era 16gico que
Ihe acontecesse igora aquele isolamento que Ole pr6prio
tinha preparado.
Continuava rebuscando nas malas a onga de tabaco,
mas pareceu-lhe que uma queda de luz tinha obscurecido
o quarto, ji nao muito claro... Nao via muito bem,
havia sombra a mais, parecia que se tinha corrido uma
cortina na porta... virou a cabeca para o lado do corre-
dor e ficou surpreendido, porque efectivamente uma
sombra espessa invadia rapidamente a brancura da parede
daquela passage e, ao mesmo tempo o calor aumentara.
Despiu o casaco, sentia-se um pouco opresso. Mais
alguns moments se passaram e Paulo, emquanto diligen-
ciava achar o sitio onde estaria o tabaco que teimava em
nio aparecer, a pesar de Ole ir jurar, de olhos fechados,
que o tinha metido com outros pequenos objects na ma-
leta pequena do Grandela outra recordago comegou
a sentir, a ouvir um sussuro mon6tono, continuo... tornou
a voltar a cabega para o lado do corredor... o ruido con-
tinuava um pouco mais forte, e a parede branca de cal do
corredor, tornara-se pl'imbea...
iE' que nIo vejo nadal exclamou s6 acendendo
umna vela. Onde estara o tabaco ?... i s6 se jd mo rou-
baram I... i mas que sussurro I vou ver o que 6 isto...





-76-


Chegou a porta, a transpirar e em camisola, e entio
notou que, para um lado e outro, havia um nevoeiro
denso. Para o lado do patio ja nio se via nada, apenas
uma claridade livida. Correu a porta do terrago atraves-
sando a casa de jaltar, rescaldado pelo calor abafadissimo
e entao viu cor pasmo cataratas de agua a despenha-
rem-se em peso do ceu ique parecia desfazer-se em Agua!...
Corn o choque violent das aguas caiam das arvores, que
mal se enxergavam por entire a diluviana chuva, folhas e
ramos, e todo o terreiro estava ja inundado e tudo vibrava
sob as pancadas continues daquelas enormes massas de
agua a cairem sem interrupcio. Era o dilivio!.. era o
caosI ... era magnifico Dos beirais do alpendre uma
cortina de agua descia ininterrupta, e, caindo nos degraus
ressaltava em milhares de jactos, salpicando para dentro
da casa e depois em cascatas precipitatava-se pelos de-
graus, indo engrossar as outras torrentes que redemoi-
nhavam no terreiro procurando os declives, e toda esta
Agua caia serenamente, sem vento, numa calmice asfixiante,
sem deixar espago para circular o ar. Era a casa blo-
queada por massas compactas de Agua, que continuavam
a cair sem interrupcio e aquela agua t6da rolava estre-
pitosa em torrentes sujas, negras, arrastando consigo
ervas, folhas, tronquinhos e imundicies... E durante
umbom quarto de hora choveu assim...
Paulo, como isto, ainda nao presenciara... ja tinha
apanhado os aguaceiros pesados da Serra Leoa, ao
largo de Freetown, no golfo da Guin6, catadupas de Agua
que caiam s6bre um mar im6vel, cor de estanho derretido;
mas era a bordo, e os aguaceiros coavam-se pelas testas das
gaveas escurecendo o c6u, numa imobilidade impressio-
nante, e contudo nao Ihe fizera tanta surpresa como aqui,





-77 -


nesta Zambezia escaldante, sob o alpendre amouriscado da
casa da Esquadrilha, vendo toda aquela chuva diluindo as
arvores, ocultando as casas e os muros dos quintais, ensom-
brando de tal modo a terra, que parecia o prenn(cio do
aniquilamento final de tudo o que ainda se distinguia
atrav6s do nevoeiro denso que se levantava do solo em-
papado em lama. Sentia-se opresso. O espectaculo era
triste, deprimente pela mon6tona serenidade com que
tanta Agua caia, como se tudo se desfizesse em liquid, e o
finico som, que outro nio se podia ouvir, era o sussuro das
pesadas cordas de Agua a baterem no chio alagado. iE a pe-
sar de tanta chuva, nao se sentia frescura no ambiente !
Paulo ficou um bocado a ver este novo aspect de Queli-
mane, uma Quelimane submersa sob um pesado aguaceiro.
Agora, vapores fortes exalavam-se de toda a vegetagio
castigada por aquele excess de humidade que jA nao
podia absorver, e aquela agua morna, de cOr cinzenta,
caindo brutalmente, era bem um espectaculo depressive.
SDeveriam ser assim as chuvas antediluvianas que os
primeiros homes observaram com pavor na terra ainda
convulsa E havia um quarto de hora que estava cho-
vendo assim; depois, veio outra vez a claridade, a ronda
fdnebre passou, a sombra desvaneceu-se, e o sol apareceu
outra vez ardente e deslumbrante... E logo toda aquela
inundagdo comegou a transformar-se em vapores que
arrastavam para a atmosfera as podridoes dos charcos, as
exalagces mal6ficas das plants, os cheiros desconhecidos
que saiam das terras encharcadas e das ervas molhadas, e
tornavam mais opressivo o calor de estufa, h6mido, con-
centrado sob as arvores, que iam fazer aparecer no ar as
febres, essas febres que derrancam os europeus, que os
anemiam e que tantas vezes os matam.











O Sambo, um negro do Mahindo, a terra dos bons
machileiros, 1 gigante crianca, membrudo e imponente
chefe de machila, dirigiu-se a pass compassado e grave
para o sitio onde estavam os dois companheiros, cor um
certo ar preocupado e enigmatico que costumava adoptar
nas novidades de peso.
Chegou-se junto de Paulo e, muito hirto, dominando-o
de toda a sua altura, corn voz respeitosa e branda, mur-
murou:
Si6 !...
Logo pronto, prevendo caso ins6lito, Paulo interrogou
sereno :
-Que 6?... Samb6... que queres?
Quip6ra quer6 fala a mosungo... 2
Quip6ra l? 0 que deseja 6sse digno Quip6ra ?
Quip6ra diz.... cansoul
Cansou? Quip6ra cansou? ora essa Estd ao meu
servigo apenas hA dias...
Si... cansou. Quip6ra quer6 ile no mato.

1 Homens que carregam com a machila, para transport de
pessoas.
2 Senhor, tratamento de home preto ou mulato baptisado,
que quere ser tratado como branch.





-79-


Quando?
Logo... hoje..
Mas ent~o quem faz amanhA o almoco?
--Si... sim... Sambo ni pole sabe...
Entao quem hide saber?
Si6... sim.
Sim o qu6 ?... Voc6s responded sempre que sim
h gente...
Sim... moleque Afonso... pole sabe...
-E depois?...
Si6... no sabele...
Irra ... Entoo quem 6 que sabe?..
--Si6... sim, machilro Cancun6 cleanco, pole saber.
--Crianca o Cancun6 I?... i seu patife, entio voce,
chama crianga a um rapaz, um home alto como um
pinheiro, forte como um touro !... um latagio I...
O preto teve um largo sorriso, guardou no cinto o pau-
zinho cor que estivera limpando os dentes fortes e al-
vissimos, e cor afirmativa responded:
Si6, Cancune sele cleango, ni t6le...
-NAo ter o qu ? o que 6 que l1e nio tern?...
Rapaliga... mulh6...
Paulo riu... e continuous:
EstA bem I visto que voc6 quere que l6e seja crianga,
seja... mas entio 6sse maroto do Quip6ra, aqui bem
agasalhado, bem alimentado, recebendo boa soldada, fora
o que rouba, 6sse patife quere ir embora ? 5 nao estA con-
tente ?
O Samb6 ficou um bocado calado, e depois afirmou
cor seguranga:
Si I Quip6ra estate molto contente... sim, Quip6ra
cansou...





-80-


Ber, voltamos ao principio !...
-Ora vao lI percebe-los! Como perceber estes cabecas
de alcatrao, como diziam os antigos negreiros e tanga-
nhoes 1 do mato disse Paulo virando-se para o tenente
Lucena, que assistia calado e s6rio ao diAlogo travado cor
o preto machileiro.
Ele encolheu os ombros, fez ouvir um estalinho entire
os dentes e deu cor forca no ar uma forte arrochada
cor o chicote de cavalo marinho que Ihe brincava na mao
descuidada.
Surdamente irritado, Paulo despediu o gigante machi-
leiro cor um seco aceno de mao.
Bem! estd bem l amanha veremos isso, mas diz ao
Quipera que nao pago, nio vA mosuna, masaruco 2 sem
ter outro cozinheiro.
Si6... sim...
Estavamos sentados, ou antes deitados em largas e frescas
cadeiras indianas que todos os viajados por aquelas para-
gens conhecem bem, colocadas no terraco ladrilhado corn
tejolos em frente da casa, sob o largo alpendre de telha
mourisca que traves de teca sustentavam apoiando-se
s6bre quatro pilares de tejolo argamassado, e sentiamo-nos
enlanguescidos pela calida e himida aragem que dificil-
mente corria por entire as frondosas acacias, as c6lebres
acacias da rua principal de Quelimane, maravilhas vege-
tais quando se vestem corn as suas lindas flores.
No entardecer ripido que e pr6prio dos climas tropi-
cais, depois de um dia inteiro de sol ofuscante de clari-


1 Homens que vao ao mato comprar on vender escravos.
2 Dinheiro.





- 81-
1 -


dade e abrasador de calor, fatalmente s~idi.l, de uma
noite h6mida e quente que faz transpirar abundant e
continuamente durante um sono pesado, 6 apreciado eape-
tecido prazer o lenitivo de um repouso nos largos cadei-
roes de palha em terrago sombreado, ladrilhado de frescos
tejolos.
Pois, camarada!-respondeu o companheiro de
Paulo A interpelagico irldi1;r:lo --quando algum d6stes
niii, -,,nos vem dizer que cansou... que quere ir para o
mato, etc., ainda que Voc6 o mandasse acoutar a cavalo
marinho, ainda que o mandasse palmatoar rijo por 6sse
seu SambO, trezentas rijas palmatoadas-e o Lucena
ciciava muito os ss enfim se quizesse mesmo persuadi-lo
a ficar ao servigo por outros meios mais interesseiros,
prometondo-lhe o d6bro do pogo, isto 6 do mantimento, e
o dobro da mosuna, isto 6 do vencimento, esteja Vocd
certo, nAo desistia da idea de Ihe fugir na primeira sota i
que para isso tivesse: cansou... pronto I escusa o cama-
rada de contar mais corn Ole.
-Mas... ,se eu o mandar amarrar na cozi-
nha?...
Foge!... 6 assim mesmo; assim que puder, foge.
O m6do do castigo cruel de uma dona on sinhara qual-
quer a quem pertenga, 6 superior a tudo o que Voce ima-
gina.
Oh! disse Paulo num tom de voz incr6dulo.
-E' assim mesmol-retorquiu o companheiro-
aquilo 6 ordem da dona 2 que estA precisando d6le. Voc6
nao conhece 6stes moleques; sao escravos sempre de

1 Termo nAutico ocasiAo.
2 Descendente de branco, cor fortune e posigAo superior.




-82-


qualquer destas donas que vivem por ai por esses luanes,
por essas quintas espalhadas pela f6rtil e vastissima Zam-
b6zia. Elas mandam-os chamar quando d6les precisam, e
Miles, por muito ber que se achem, t6m que ir... senao...
-, Senao o qu ?
-Senao espera-os sempre um c.'-lii que i eu sei I !
pode ir at6 ao lagarto, que 6 como aqui se chama ao ja-
car6 e ao crocodile; pode ir atW ao veneno extraido de
plants esquisitas, talvez ignorado nos laborat6rios euro-
peus, e que transform o individuo em urna chaga per-
manente, deforma os membros.. lum horror O certo
6. que, quando se fala nisto a brincar. Miles tem um medo
horrivel e atW de pretos se fazem brancos !... Voce no
sabe? A maior parte do que amoedam em soldadas 6
para a mamdne e 6 para isso que a mamane os educa
no -e'tvi.,, de mainatas ou lavadeiros, machileiros, cria-
dos, cozinheiros, etc. iPois que pensa? para os brancos
a escravatura foi abolida ha muitos anos. Foi em 1864,
que o Marqu6s de SA da Bandeira vibrou nesse com6rcio
o golpe mortal, mas entire os pretos ainda ha a tenaz tra-
diaio dos povos birbaros, o ini.*i. ~- e monetArio no es-
cravo comprado e vendido no poder absolute da raga
guerreira e indomAvel s6bre a raga pacifica e fraca subju-
gada na sorte da :--iii ,. ...
I Uma dona zambeziana ou um Inhacuana 3 das re-
gibes pouco avassaladas 14 para o norte, rico em terras e
*.,1._. ainda tern um rn !i'.l,- poder e prestigio por 6sse
sertdo, de fora em fora!

1 Casas de campo.
2 Me.
s Senhor de um prazo, verdadeira nobreza antiga entire os pretos.





-83-


Oh !... mas se isso 6 assim, jA vejo que seria bom
eu tentar aproximar-me de perto de alguma sinhara, quc
f6sse jovem e riquinha... bem apetrechada de luanes, e
cozinheiros prontos para uma rascada como esta em
que me vejo, que nao sei onde hei de ir encontrar um...
Sirn... nao 6 mau... ha atW raparigas muito bem
educadas pelas lrmas--disse o companheiro corn indo-
lIncia... e, depois de um pequeno silencio, continuous em
voz mais baixa:
-- Mas tamb6m tern certas desvantagens... pode
mesmo chegar a ser perigoso .. Um conlacto intirno
corn a vida cafreal 6 o que final t6das fazem.., apesar
da educagdo crista das Irmanzinhas e dos MissionArios.
Sim, 6 a vida cafreal, desprendida de preconceitos, abun-
dante em exotismos pitorescos de costumes o hAbitos,
propicia ao desenvolvimento das paixies violentas, ao
desencadear dos instintos cru6is e reveladora de encantos
desconhecidos, a media que o recenchegado da Europa
vetusta e gasta vai entrando em um viver novo.
Paulo interrompeu zombando:
-- Ora adeus, anii-'.i Encantos? senhor Lucena I on-
cantamentos nisto I ?
E estendendo o braco, indicou o arvoredo verde-ne-
gro, aquela hora afogado, esbatido na penumbra violAcea
da atmosfera que se estendia s6bre a vegetacgo abundant
das acAcias e dos palmares dos quintais visinhos da casa
da Esquadrilha.
--E' como Ihe digol--retorquiu o companheiro,
pausadamente, brincando corn o chicote de cavalo mari-

1 Termo nAutico para designer dificuldade que surge sem remAdio
pronto, derivada das amarras ou dos cabos que se enrodilham.





- 84 -


nho. HA encantamentos s6b Osses palmares trondosos,
discretos, misteriosos... Isto aqui 6, corn pouca dife-
renga, como na India, no inebriamento do lascivo con-
vivio das bailadeiras... E' como em Macau, no convivio
das graciosas pipa-chais, das abonecadas e infants mus-
mds, das alegres e sensuais nhonhas do bairro de S. Jos6,
tao devotas e t5o amorosas, arteiras no agrado, possuindo
segredos de filtros que as feiticeiras chinesas Ihes vendem
e que produzem a ard6ncia insatisfeita do desejo, empol-
gando bestialmente o coragro e a care dos amantes...
Veja, meu caro tenente: O portuguesinho chega
cor o sonbo do ouro .. e acaba por agricultar a terra;
se dali a algum tempo cria inter6sses, arranja logo fdmea
que Ihe agrade aos sentidos ... e experiment necessidade
de confortos talvez ignorados ate entao; e, se logra agei-
tar-se ao clima e n6s somos, apesar de todas as asnei-
ras que fazemos por ca, o povo mais resistente e mais
adaptAvel ao clima intertropical, mais do que o ingles,
mais do que o alemlo-veem depois os filhos, e passa-
dos uns anos fica cor o coragdo preso a isto, corn amor
e cor interesse a vida colonial, chega mesmo a ja nio
sentir saudades da metr6pole, onde l6e nio pcde angariar
os meios de subsistencia, arranja por aqui a sua maneira
pr6pria de s6r, e aborrece entio a Europa except se
conseguir ,.:n ,1li:r uma fortune tal que lhe permit viver
1i cor a abundancia, o luxo e as comodidades, que o
facam esquecer por complete a relative fartura com que
aqui se acostumou a viver.
Paulo ndo responded, ficando-se a olhar a treva que
tudo ia invadindo completamente.

1 0 caso da Rua Vo-long, n.0 7, do autor.





- 85 -


0 tenente Lucena continuou:
Tem havido muitos europeus assim, e at Ithe podia
citar nomes de canaradas nossos, belos rapag6es cheios
de mocidade ardente, e que deram por aqui em mosun-
gos, e estdo contentes... Que pensa Voc6 disto?
Paulo encolheu os hombros e responded:
Eu, por-ora nada penso; felizmente nao estou ainda
em estado de encantamento cafreal, nao possuo dona, nem
ao menos cozinheiro...
Mas o Lucena responded, ciciando muito os ss:
Para amanha nao ha novidade, porque nao sei se
sabe que estamos convidados para ir almogar ao prazo
Madali. Quem convida sdo os administradores, e pode o
amigo crer que o almocinho chega para todo o dia.
E depois?
Depois, nao sei mas pode talvez remediar-se com
um preto que en tenho li na Pero Anaia, que nio 6 mau,
emquanto nao arranja outro. Enfim nao se preocupe
Voce; corn o pdo e a mosuna que costumamos pagar,
breve Ihe aparecerd outro moleque. Se calhar, isto 6 com-
binagao feita entire Mles. Isto 6 uma vasta associacao de
donas e donos de luanes todos patif6rios ; eu jA os conhego
bem e, virando-se para Paulo, empunhando alto o chi-
cote: olhe que eu ja tenho direito a usar pulseira de
marfin I
Ah ja'? -- responded Paulo cort6smente interro-
gativo, mas revelando na expressed do rosto uma igno-
rancia crassa, lenbrando-se agora que tinha notado no
Chinde o rapazote ingles, o consul do Protectorado, com
duas grossas pulseiras de marfim no pulso esquerdo.
Sim, quem tem um ano de permannncia na Zam-
bezia, pode usar no pulso esquerdo uma pulseira de mar-





- 86 -


fim. E' usanga zambeziana, assim como, se for acompa-
nhada cor outra pulseira de pelo de elefante, indica que
jA fez uma cacada ao bicho...
Mas a mim parece-me...
-0 qu6?
Parece-me que nestas comissoes, segundo a lei nTo
podemos estar sendo seis meses... E' pelo menos o que
eu julgava que ultimamente se tinha feito, para isto cor-
rer por todos os camaradas da Divisio, e nao haver uns
protegidos e outros abandonados.
Mas o Lucena, que estava fustigando cor o chicote
os tejolos do terraco, em vez de resposta fez uma pre-
gunta:
--iAposto que Voc6 nao conhece a grossura dos p6los
do elefante?
Eu nio... mas parecia-me...
Por6m o Lucena, imaginando mais comentArios sObre
o direito da pulseira, atalhou de pronto:
--- Aposto que nao sabe ?
Paulo tornou a repetir :
-Eu nao... mas... parecia-me...
Oh I home! o que 6 que Ihe parece ? -- exclamou,
jA desconfiado.
Oral parecia-me que o elefante nio era animal
peludo!
O Lucena entio, aliviado, fez soar uma risada franca
que vibrou sob o telheiro e foi perder-se na larga rua das
acacias, atraindo a atencgo de dois months magros e
torrados, de negras barbichas e olhos scintilantes como os


1 Negociantes indios, na Costa Oriental da Africa.





-87-


dos gatos bravos, que iam passando em frente da casa,
con as pernas nuas, peludas e magras, a sairem por entire
as cambraias do pano preso & cintura, discutindo entire
si numa garabulha arrevezada de palavras.
Mas jA o Lucena se tinha calado e agora, sisudo e
grave, continuou:
E'. 6, mas s6 num sitio.
Paulo interrogou-o num olhar.
Olhe 6 mesmo na extremidade do rabo...; sio ao
todo meia duzia de pelos... I mas que pilos, menino I pa-
recem vimes 1
-Pois nao sabia, e nao me sinto cor desejos de
usar a tal pulseira concluiu Paulo arrastando um pouco
a voz.
Ele retorquiu impassivel:
Ver! I Pois verA que talvez goste mais disto do que
agora pensa.
Paulo responded friamente:
--Pois meu caro senhor Lucena, cor tanto calor, e
o pavor constant de apanhar por astes sitios uma biliosa
ou um perniciosa, sempre a espreita da morte, que pode
chegar traigoeira numa picada de ur simples anofeles, ou
numa ligeira brisa correndo sobre a superficie de um pan-
tano mefitico... nam sard fdcel! corno responded o Balbi-
no cavaleiro, no Caf6 Suisso, uma vez que uns pandegos
apostavam corn 1e, em como nao era capaz de dizer uma
frase com tres asneiras a seguir !...
-Ora! nao se anda sempre a pensar em pavores...
a tudo nos adaptimos com o tempo, e, com uma higiene
rigorosa, e com a tendencia da adaptagco ficil que o0
portugueses tem para estes climas... Em Voce come-
cando a andar por asses rios lindissimos...





-88-


Pois sim tUo lindos que ja ouvi algu6m dizer a res-
peito do Zambeze, que 6 o mais afamado:

Ora 16do, ora capim
Bolas I para um rio assim...

0 Lucena riu-se.
Isso dizia o Guilherme de Carvalho quando andou
por ca em missdo geodesica... Ele deve estar a aparecer
por ai qualquer dia para continuar cor os trabalhos de
campo.
E, fustigando mais forte os tejolos do terrago, cor o
chicote de cavalo marinho, continuou teimoso:
Em Voce e ciciava muito os ss andando de um
para outro lado a sua vontade, atravessando pelas mares
cheias asses mucurros e canais...
Esses qu ?
Esses lindos bragos de mar que atravessam a selva
imensa, Voce a ver-se 16 para cima independent, solitArio
representante do vasto dominio portugues nestas longin-
quas paragens, em Voc6 fazendo vida a cafreal, acampando
tarde numa nm.ii- in desert, ou numa ilha, junto a uma
A eringa 1 hospitaleira em qualquer volta do grande rio,
numa vida errante, forte, toda ao seu sabor, A parte as
instrug6es oficiais dos governadores e a observincia dos
regulamentos militares, estr claro, que com os pretos nao
sao muito exigentes, em comegando a entrar nos costu-
mes pitorescos e originals da alta Zamb6zia, cor uma vida
diferente de tudo o que ter vivido atW agora... Voc6
verA I


1 Acampamento de pretos.





-89-


Paulo teimoso, :,-,.ii. I.1,- tenazmente a sua opiniao,
murmurou convictamentc, abanando a cabeca:
i Mas eu 6 que nao tenho queda para Levingstone,
para pioneiro do mato, para sertanejo, para Anchietta,
para Rei da Angonia !... Talvez isso seja bom para milio-
nirios, para os que veem por sport, para a Central Africa
cansados das comodidades de uma vida europeia intensa-
mente vivida, refinadamente civilizada, e que anceiam por
experimentar durante tres ou quatro meses algumas no-
vas sensacges. Veem entlo para Africa Central a pre-
texto das cagadas aos grandes carnivores. .
E' verdade que tamb6m vein para c6 muita gente
plantar coqueiros, desbravando a selva, explorando a
copra e sobretudo o muss6co, a ver se acha uma fortune
e cor ela a independ6ncia ..
Esses, estdo muito bem no seu papel... Mas dai a
achar encanto A vida cafreal... hum!...
Paulo acrescentou depois cor solenidade comica:
Ai! i nio hA nada como a Baixa, a riquinha Baixa
de Lisboa, a noite! cor a ma lii,.,ii, dos caf6s, cor as
Revistecas nos teatros baratos .. e todas as futilidades do
viver urban e pelintra .. Olhe que isto 6 a geral ma-
neira de pensar de quasi toda a rapaziada de Lisboa...
Sque me diz a isto o Lucena?
Por6m o forte moro, fil-H.iii1l.. agora cor forga as
pr6prias botas, alcou depois o chicote de cavalo marinho e
ciciando muito os ss, responded:
Berm nao discuto mais, talvez isso seja muito bom
mas aposto jA o seguinte: quando o mandarem embora
para a Divisdo i sairA daqui cor saudade
Saudade?! Eu I Esse g6sto amargo de infelizes, etc.
Ora! o que se quere 6 arranjar pecfmia para pagar as





-90-


dividas do alfaiate 1A em Lisboa... e o resto gastar
depois em aguas de Vidago para consertar o estomago, o
figado e os rins arrombados ndstes sitios encantadores !...
Ora!...
--Pois ja tenho visto rapazes camaradas chorarem
com pena disto, quando os exoneram dos comandos das
lanchas.
Paulo deu uma gargalhadinha desdenhosa, que acabou
num berro ... Hi!!!...
Que 6 isso? perguntou surpreendido o Lu-
cena.
-- Ui exclamou Paulo, dando uma forte palmada
na perna esquerda e arrancando depois de 1 uma m6sca
enorme ...
Olhe I senhor Lucena isto nao 6 m6sca i 6 um ele-
fante! tern pelo menos desoito milimetros de comprimento.
i E que ferretoada que ela me deu ui ...
0 Lucena inclinou-se a observer.
Ah I sso 6 uma mOsca no genero das de cavalo
marinho... nio ter conseqiencias... a-pesar-de ser uma
m6sca sugadora... 6 um diptero therioplecles-disse.
Therio qud ?!
Sim, uma tabanidea. HA muitas em Quelimane ..
Quem me disse o nome scientific foi o doutor da Esqua-
drilha... Tamb6m ja tenho sido mordido i eu sei o que
6 atravessa a calga e as ceroulas, e faz uma incisao na pele,
mas nao ter importAncia... Se f6sse uma mocumba era
pior; trazia logo febre... a febre de carrapato...
i Nao me diga mais, basta I disse Paulo levantan-
do-se.
Entio o Lucena proseguiu a rir:
--Olhe .. de moscas sugadoras ihA seis families!





-91 -
jcada familiar com seis e sete esp6cies, e tres a quatro
g6neros I..
Que encanto !- murmurou Paulo, e foi desinfectar
a pele dorida e picada.









o~

Ul1








VII


Acabados os respectivos servios o do Lucena no
fiscalizar diArio das reparacies e beneficiacAes urgentes
que as oficinas de Quelimane andavam a fazer na sua
lancha, e o de Paulo na Secretaria particular do jovem
Governador da Zamb6zia, a dar expediente e desembaraco
A inimera papelosa das notas e relat6rios oficiais, porque
para ai o tinham arrumado por causa da falta de verba-
acontecia reunirem-se os dois tenentes quAsi todas as
tardes na casa da Esquadrilha.
Depois, mandando aprontar as machilas, suspensos aos
ombros de quatro possantes negros, iam pelos arredores
da vila, em passeios errantes atW ao escurecer, e Paulo
via sempre com uma certa admiragio, nos horizontes lar-
guissimos das vOrzeas ou por entire os macigos de arvo-
res, dos coqueiros e bananeiras, aqueles deslumbrantes
ocasos do sol s6 pr6prios dos ceus tropicais.
Por6m, se havia ainda muito calor, o asfixiante calor
que denuncia uma atmosfera sbbre-aquecida durante um
dia inteiro de sol escaldante, impregnada de electricidade,
tensa de vaporac5es maldosas, entio os dois deixavam-se
ficar no terrago da casa, molemente estendidos nos cadei-
ries indianos, largos como leitos de ,rillhi.-, na doce es-
peranga de alguma aragem mais fresca, vinda das bandas
de Tangalani, na barra do rio, para fazerem horas mais
propicias a poderem ir jantar.





-93-


Emquanto esperavam pela noite, o macico e corpulento
Lucena ia iniciando Paulo s6bre as terras da ZambBzia que
os seus pes pisavam agora pela primeira vez.
E essa Zamb6zia ainda era um pouco nebulosa 1l para
cima, para o limited dos prazos, no vago dos grandes la-
gos, na vasta Angonia, em todo o Baru6. E Paulo evoca-
va esses arcaicos paises misteriosos, donde saiam os car-
regamentos de marfim, de cera, e de oiro, para as frotas
de Salomro, segundo o Paralipomenon, e que levavam
tres anos de viagern a chegar i opulenta Tiro.
i Como tudo Ihe parecia novo e estranho 1
Havia regi6es ainda completamente ip.1,.i.,l.,s pela
..l.-i;1,1.. e pela topografia. Andava Id havia tempo, o
Guilherme Carvalho a trabalhar, e lI para cima para Sena
e Tete. o chefe da circunscrigco, que era o Vasco Pina,
funcionario muito sabido no c6digo de milandos I da regiao,
dizia que s6 at6 uns quinze dias de viagem para o interior
6 que a autoridade portuguesa era efectiva.
Mas nao admirava isso nada, porque ca em baixo, na
baixa Zamb6zia, no delta feracissimo e cultivado, uma vez
ou outra ainda se era obrigado a desbastar caminho, de
bussola e ped6metro em punho por entire mato de espi-
nheiros e morros de muchem duros como granite.
E Paulo ouvia o seu companheiro cor atengdo e curio-
sidade, emquauto Ole dissertava ciciando muito os ss e
batendo nas botas de lona branca corn o chicote de cavalo
marinho que nunca largava da mao papuda e larga.

Quando anoiteceu completamente, o vulto ridicule do


1 Questies de justiva entire negros.





-94 -


moleque Afonso apareceu a porta, perfilado e de guarda-
napo no brago, dizendo roufenho e grave:
--Si6 .. jantale plonto...
Ergueram-se lentamente das vastas cadeiras e foram
entao abancar A mesa, e, sob a luz triste do pequeno can-
dieiro de petr61eo que os alumiava atraindo miriades de
variadissimos insects e transformando-se em cremat6rio
dos pobres animalculos, encetaram o mon6tono jantar
servido silenciosamente pelo moleque que ia e vinha na
sala deslizando descalgo e sem ruido pelos tejolos do pa-
vimento, ouvindo-se apenas por vezes o chocalhar seco e
discreto das suas pulseiras de junco e de latao que Ihe
enfeitavam os bracos nus atW acima do cotovelo, onde, no
negro luzidio da pele, a fraca luz do candieiro arrancava
brilhos fugazes.
Enrolado em coleantes panos riscados a largas faxas
vermelhas e brancas, o torso vestido de uma blusinha de
algodao branco muito curta, salpicada no peito e nos pu-
nhos de fiadas de pequeninos botoes de massa, de cOr
vermelha, um largo cinto de cabedal preto envernizado,
em t6rno dos rins, a farta carapinha apartada numa risca
impecivel em dois bands simitricos, um cheiro forte a
Agua-de-Col6nia, era bem ex6tico o velhaco do moleque,
de olhar esguio e traicoeiro.
Depois da sopa, o Lucena continuou falando sempre na
sua ZambBzia, e informou Paulo entire duas garfadas de
galinha cozida, que, no dia seguinte, havia uma excursAo
ao prazo Madali e Tangalani. Tinham sido convidados
pelo amigo Bras Lobato. Havia de conhecer, o Bras
Lobato ?
i Entao nao conhego exclamou Paulo pois se
Mle veio comigo de Lisboa no Africa; ora essal...





-95-


naquele inconfortdvel transport da nossa Marinha de
Guerra, Ole foi sempre um alegre companheiro de viagem...
; isso 6 que foil
Pois Mle 6 amigo do jovem governador da Zamb6zia.
Sao amigos de tu, do tauromiquico, ambos janotas de
rosa ao peito, sempre chegados aos fidalgos, assiduos fre-
qfientadores do aristocrAtico club dto pano verde do
dito cujo...
E agora vieram para a Africa trabalhar?
Pois esta claro! disse o Lucena erguendo o
C.; f... Mas diga-me? ,Voc6 faz idea do que V um
almoco num prazo quando hA convidados?...
Eu nao. .. por ora nao sei nada de prazos.
-Entio prepare-se...; vamos cor o Governador que
aproveita o convite para fazer uma visit de estudo.
Sim... uma almogarada estudiosa murmurou
Paulo.
El e o Nascimento t6rn estudado, ; 1A isso 6 verdade !
O Nascimento quando estava aqui, todas as noites escre-
via pAginas e pAginas num canhenho forrado de coiro ne-
gro, a suar em bica... Eram apontamentos para ser um
future colonial sabedor e sagaz nesta 6poca de formagio
de Companhias de exploragco agricola, que sao as (nicas
que podem dar...
EstA claro !... Minas, nem falar nisso, s6 se forem
as de Salomio...
Vai muito gente: vai o doutor juiz de Quelimane,
vai o Sousa, secretArio do Gov6rno -sse 6 que conhece
bem a Zambbzia, pois tern muito tempo disto e tern muita
vida do mato. Em 1892, quando os cafres da Maganja
invadiram o Licungo e o Macuze, tendo arrazado o Na-
meduro e o Inhamacurra, foi necessArio estabelecer um





-96 -


Comando military, e ele para lI foi I coitado! para aquela
regido insubordinada. Imagine como aquilo estaria: pois
M1e lI se conservou numa quasi desguarnecida aringa,
at6 1895 6poca em que ela foi assaltada, tendo 61e de re-
tirar para Quelimane... depois de ter passado dois gran-
des e anciosos dias metido num reduto, cheio de fome e
de s6de... 0 pais estava todo revoltado, foi precise o
Azevedo Coutinho ir 1i corn trs mil sipais... hein! I tr6s
mil sipais para um aringa e p6r fim Aquela vergonha...
Vai o director do prazo do Borozingai enfim vai tudo! o
Vasco Pina, de Tete... Vai tudo!...
--Pois vamos l1 ao prazo--disse Paulo inleressado.
-,Mas Voc6 sabe o que 6 um prazo?- o-i. r l. Ii o
Lucena.
Sei, tenho ouvido falar nos prazos desde que cheguei
aqui... Creio ser um renoto regimen de divisAo de ter-
renos desde a primitive ocupaiAo portuguesa.
,Sabe s6 isso?
Para mim, creio que 6 bastante.
Acredito, mas nao 6 mau tamb6m o amigo saber
que esses terrenos pertencem ao Estado, sao arrendados
a um ou mais individuos constituidos em sociedade, que
os devem cultivar pagando a Fazenda anualmente uma
certa quantidadade de dinheiro, mediante contract de
arrendamento do mussdco.
0 mussdco 6 que eu nao sei...
Oh I home E' o que 6 de mais importAncia...,
6 o tribute em dinheiro, ou metade em dinheiro e me-
tade em g6neros, ou mesmo s6 em trabalho gratuito que
o indigena paga em sinal de submissio ao Rei, ao grande
Induna branco.
Ah! disse Paulo cor um sorriso 6 o Puto grande





-97-


de Angola, o Maneputo dessa outra admirdvel col6nia
portuguesa, ainda tamb6m tao atrasada 1l para o interior...
que ate dizem que tem minas de diamantes inexploradas.
Sim, e o nio pagar mussdco indica implicitamente
que o preto estd rebelde A autoridade portuguesa
-E entio?
Entao mandam-se para Ia os sipais, e um official
ou sargento, cor ordem de prender os fumos ..
-Os fumos ?...
Sim, os chefes das aldeias, os pequenos regulos.
I Voce nfo sabe bater lingua de care I
Eu 1...
Pois nao era mau saber. 0 meu amigo arranja uma
gramatica... os missiondrios ingleses, e os colonos es-
trangeiros quando aparecem aqui, jd veem sabendo algu-
ma cousa... Os goanenses, banianes e monhes, esses en-
tao sabem-no tao bem como os seus dialectos. N6s pre-
cisavamos tambem, quando viessemos para Africa, trazer
umas luzes... de cafre.
-Pois sim, havemos de pensar...
-Voce tem os apontamentos dos missionarios. Ha
uma gramAtica de Macua, explbndido trabalho do Padre
Jos6 Vicente do Sacramento, missiondrio do Real Padroado
da Coroa Portuguesa na Prelazia de Mogambique. Ha
uma gramatica landim, nao me lembro agora de quem,
tamb4m um belo trabalho. Ha a "Grammar of the Zulu
language", de Lewis Grout de 1859; o "Zulu English
Dictionnary", de Colenso de 1861; e o "Zulu Vocabulary
and Phraze book, de 1865.
IhI... Tanto trabalhol ,e Voce, ter estudado isso?!
-Eu naol... Eu, nestas coisas de linguas gosto
mais de um sleeping dictionnary...





-98-


i E' melhor m6todo, faz falar rApido 1
Claro e os dois jovens riram-se, depois do que, o
Lucena continuous:
-- A's vezes sucede, quando o administrator do prazo
manda os sipais para as aldeias insubmissas, nao encon-
trarem ningu6m. Os pretos emigraram todos para o
B. C. A. visto que holes tem liberdade ampla de escolher
o seu senhor.. de mudar de prazo... ou simplesmente
internarem-se no sertdo, levando as mulheres e os gados.
Sabe que o preto muda cor muita facilidade de
local procurando sempre quem menos o incomode, quem
nao o obrigue a trabalhar, porque para arranjar dinheiro
para pagar o muss6co Ole ter de algum modo de traba-
Ilar, e isso 6 que o preto nao quere, principalmente se
f6r de urna raca guerreira em que o trabalho 6 torado
como cousa de desd6m, bom para as mulheres.
Isso ha muita gente branca da mesma opiniio...
0 preto s6 esta feliz quando tern ocasido de, meio
b6bado, ver as mulheres a pilar arroz, a colimar a ma-
chamba, 2 a fazer a comida e a 1.,',i,l,,,.rr,. 3 a v6r o
s6pe, a sura, a lilipita, ou o pombe, segundo a 6poca, a fer-
mentarem nas cubas e cabacas, emquanto nao chega a hora
do batuque por qualquer motive de festanga, ent6rro, ca-
samento, circuncisao de rapazes, iniciacio de raparigas,
nascimentos e outros ritos religiosos ou festivos, ou
entAo quando pega na rodela e zagaia para levar guerra
a qualquer induna visinho, na mira do saque As mulhe-
res, aos gados, aos escravos.

1 Fazer farinha de arroz.
2 Cavar a horta.
3 Farinha de milho branco.





-99 -


Paulo ouvia o Lucena que, lancado no seu assunto fa-
vorito continuava falando e comendo.
Ainda hi poucos anos houve aqui bastantes guerras.
Os Covernadores agora, o que querem 6 pacificagao...
Os grandes comerciantes e esta monh6cada 6 que gostam
das guerras porque vendem tudo.
-, Mas entio, quanto 6 o tribute do tal mussdco ?...
-Oito tostbes por cabega e por ano.
NRo 6 muito.
Pois sim, mas nem Voce imagine o trabalho que da
a apanhar-lhes o dinheiro. Entio 1A para cima nunca
t6m vint6m, pagam cor trabalho, limpeza de valas, abrir
caminhos, carregar pedra, etc. Se algumas vezes arran-
jam quinhentos portugu6s ou shilling ingl6s, vai logo tudo
gasto em vinho, em panos, em mulherio, missangas para
as pretas, alcohol para os batuques.. e fogem depois.
Apenas hi os que recolhem das minas do Transval, que
trazem cada um pouco mais ou menos 20 a 30 libras em
ouro..., mas gastam tudo. Alguns deixam la tudo no
Rand...
E nio acha o meu amigo que fazem muito bem ?-
perguntou Paulo corn um sorriso ir6nico.
O Lucena olhou-o surpr6so e, cor um leve agasta-
mento na voz, replicou:
Ora!. i venha o amigo para cA para a Zamb6zia
com essas filosofias!... Voce vera o que Ihe acontece,
i onde vai parar !
Oh! homeml ique quere Voc6 mais e meihorl O preto
vai ganhar libras ao estrangeiro, volta cor elas, e gasta-as
aqui... E' como dantes corn a emigragdo para o
Brasil.
Pois exactamente foi o que fez mal A nossa Africa:




University of Florida Home Page
© 2004 - 2010 University of Florida George A. Smathers Libraries.
All rights reserved.

Acceptable Use, Copyright, and Disclaimer Statement
Last updated October 10, 2010 - - mvs