• TABLE OF CONTENTS
HIDE
 Front Cover
 Half Title
 Front Matter
 Obras do autor
 O homem das sete caras
 Title Page
 Um negocio bem montado
 Gente do suborbio
 A estalagem do leao
 O cadillac
 O velho bernardo
 Tschimolonga
 Olhos assustados
 Table of Contents
 Back Cover














Group Title: Coleccao Metropole e ultramar, 53
Title: Cidade e muceque
CITATION THUMBNAILS PAGE IMAGE ZOOMABLE
Full Citation
STANDARD VIEW MARC VIEW
Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/UF00072131/00001
 Material Information
Title: Cidade e muceque contos
Series Title: Colecðcäao Metrâopole e ultramar
Physical Description: 181 p. : ; 21 cm.
Language: Portuguese
Creator: Ventura, Reis
Publisher: Editãora Pax
Place of Publication: Braga
Publication Date: 1970
 Subjects
Genre: fiction   ( marcgt )
 Notes
Statement of Responsibility: por Reis Ventura.
 Record Information
Bibliographic ID: UF00072131
Volume ID: VID00001
Source Institution: University of Florida
Rights Management: All rights reserved by the source institution and holding location.
Resource Identifier: oclc - 03340172
lccn - 73204871

Table of Contents
    Front Cover
        Page 185
    Half Title
        Page 3
    Front Matter
        Page 186
        Page 1
        Page 2
    Obras do autor
        Page 4
    O homem das sete caras
        Page 7
        Page 8
        Page 9
        Page 10
        Page 11
        Page 12
        Page 13
        Page 14
        Page 15
        Page 16
        Page 17
        Page 18
        Page 19
        Page 20
        Page 21
        Page 22
        Page 23
        Page 24
        Page 25
        Page 26
        Page 27
        Page 28
        Page 29
        Page 30
        Page 31
        Page 32
        Page 33
        Page 34
        Page 35
        Page 36
        Page 37
        Page 38
        Page 39
        Page 40
        Page 41
        Page 42
        Page 43
        Page 44
    Title Page
        Page 5
        Page 6
    Um negocio bem montado
        Page 45
        Page 46
        Page 47
        Page 48
        Page 49
        Page 50
        Page 51
        Page 52
        Page 53
        Page 54
        Page 55
        Page 56
        Page 57
        Page 58
        Page 59
        Page 60
        Page 61
        Page 62
        Page 63
        Page 64
        Page 65
        Page 66
    Gente do suborbio
        Page 67
        Page 68
        Page 69
        Page 70
        Page 71
        Page 72
        Page 73
        Page 74
        Page 75
        Page 76
        Page 77
        Page 78
        Page 79
        Page 80
        Page 81
        Page 82
        Page 83
        Page 84
        Page 85
        Page 86
        Page 87
        Page 88
    A estalagem do leao
        Page 89
        Page 90
        Page 91
        Page 92
        Page 93
        Page 94
        Page 95
        Page 96
        Page 97
        Page 98
        Page 99
        Page 100
        Page 101
        Page 102
        Page 103
        Page 104
        Page 105
        Page 106
        Page 107
        Page 108
    O cadillac
        Page 109
        Page 110
        Page 111
        Page 112
        Page 113
        Page 114
        Page 115
        Page 116
        Page 117
        Page 118
        Page 119
        Page 120
        Page 121
        Page 122
        Page 123
        Page 124
        Page 125
        Page 126
        Page 127
        Page 128
    O velho bernardo
        Page 129
        Page 130
        Page 131
        Page 132
        Page 133
        Page 134
        Page 135
        Page 136
        Page 137
        Page 138
        Page 139
        Page 140
        Page 141
        Page 142
        Page 143
        Page 144
        Page 145
        Page 146
    Tschimolonga
        Page 147
        Page 148
        Page 149
        Page 150
        Page 151
        Page 152
        Page 153
        Page 154
        Page 155
        Page 156
        Page 157
        Page 158
    Olhos assustados
        Page 159
        Page 160
        Page 161
        Page 162
        Page 163
        Page 164
        Page 165
        Page 166
        Page 167
        Page 168
        Page 169
        Page 170
        Page 171
        Page 172
        Page 173
        Page 174
        Page 175
        Page 176
        Page 177
        Page 178
        Page 179
        Page 180
        Page 181
        Page 182
    Table of Contents
        Page 183
        Page 184
    Back Cover
        Back Cover 1
        Page 188
Full Text

































--4














CIDADE E MUCEQUE































A. Luanda destes contos 6 a da
d6cada de sessenta, que ja vai no
meio milhdo de habitantes, e j.
ergue predios con mais de vinte
andares, e ja nos mostra um trA-
fego autom6vel semelhante ao de
Lisboa ou Porto, e ja por vezes
reune, na placa de estacionamento
do seu aeroporto, quatro ou cinco
grandes jactos transcontinentais.
Esta 6 a Luanda de hoje, toda
ela uma orgulhosa resposta ao
desafio do terrorism.
Por isso mesmo, insensivel-
mente, sem um piano preconce-
bido nem uma previa selece~o de
assuntos, todos os contos deste
livro, menos um, s&o direct ou
indirectamente relacionados com
os acontecimentos e consequencias
da agressao cometida contra An-
gola. Exceptuado sete caras>, que tanto e daqui
como de Lisboa ou de Paris, as
personagens destes contos andam
por ai, na vida quotidiana da
cidade. As boas e as mAs. As de
aborigenes, as de antigos resi-
dentes e as dos abutres que sem-
pre acodem ao cheiro da morte.
0 videirinho que junta uma
pequena fortune na traficancia
de escudos metropolitanos; o
fura-vidas que empenha tudo o
que tern num restaurant de
estrada; a gente do subfrbio,
que 6 uma muralha viva A roda
da cidade; os construtores dos






QdewA4o


Ha~i~kde,


c Lltk4*j,%m










OBRAS DO AUTOR:


POESIA
A Romaria Premio Antero de Quental 2. edico esgotada
Soldado que vais d guerra -Nova edigao modificada de
ENSAIO
O desenvolvimento das exportag6es angolanas esgotado
O Apds-Guerra em Angola esgotado
Os problems de Angola no 1. Congresso dos Economistas Portu-
gueses
0 Caso de Angola
A Nova Angola--2., edigio- esgotado
Em Defesa de Angola--Pr6mio Urbano de Castro, atribuido ao
seu capitulo iAlega5ges do Inlmigo>

ROMANCE
Quatro Contos por Mds Cenas da vida em Luanda esgotado
Cidade Alta Cenas da vida em Luanda
Filha de Branco Cenas da vida em Luanda esgotado
Cafuso--Mem6rlas dum colono de Angola--2.* ediao
Caminhos- Vida e palx&o dum motorist de Angola -Pr6mio de
Literature do Instituto de Angola--2.* edigio
Fazenda Abandonada
Engrenagens Malditas-Pr6mio Fernfo Mendes Pinto
Queimados do Sol
Um Home de Outro Mundo

CONTO
COdade e Muceque

DIVERSOB
Sangue no Capim Cenas da guerra em Angola (dols volumes)
5.' edigo
Uma Campanha Politica--Artigos e discursos
Palavras ao Vento--Critica e comentArio
A Prlmeira Fora Conferencia

PRONTO A ENTRAR NO PRELO
Alma dispersa- Versos

EM PREPARAQAO
C. C. 97--Romance
Voto de vencido--Romance














O HOME DAS SETE CARS















NOTA PRVIA E MUITO SPRIA:.


Qualquer semelhanfa cor pessoas, factors ou acontecimentos da vida
real e pura coincidincia.

DESCRICAO DO HOME

Idade: 40 anos.
Estado: casado.
Olhos: a imaginapf o dos leitores.
Cor: qualquer serve.
Nariz: regular.
Cabelo: pouco.
Estatura: midia.
Inteligcncia: media.
Posifao: midia.
Situafao financeira: assim, assim ...
Ar sete vezes varidvel: important, modesto, autoritdrio, submisso,
delicado, grosseiro e <>.


.a CARA-

CENARIO:

Urn gabinete luxuoso. Do luxo faz parte uma secretdria curvilinea,
que sabe frances, ingles, contabilidade e o rest ...







Ao abrir desta veridica histria, a secretSria esta de perna cruzadas,
a pintar as unhas. 0 home das sete cars atende o telefone, corn a sua
primeira cara.

0 HOME

-Estou. Donde fala? Esta?


-6 menina, eu nao pedi ligaao para parte nenhuma.
O meu telefone 6 que tocou ...


-Nao deu por ela? Eu 6 que nao dou nada por si, como telefonista.
Precisa de prestar mais atenso ao servifo. O meu telefone com
certeza nio tocou sbzinho...


-Ber sei que o telefone 6 automitico! Com quem julga que esta
a falar?! O que eu disse foi que o telefone nio toca sbzinho.
E nao toca mesmo, percebeu? Um telefone, mesmo automitico, nio
comeCa a tocar por sua alta recreaio. Ou coma? ...


-Nio sabe? Pois devia saber! A menina 6 que me parece automiti-
camente malcriada, percebeu?


--Lamber sabao vai a menina, sua estipida! Ou, pelo menos vai
lamber um rico sabonete do seu chefe que, por acaso, e meu amigo!

(Desliga, furioso. Mas, passados moments, a campai-
nha do telefone retine outra vez. 0 Homem volta a
levantar o auscultador, cor muito mau modo).
-Estou, estou! Ja disse que estou! Donde fala? (irritadissimo)
Esti?!...








(Amaina repentinamente, arma um sorriso de circuns-
tancia e prossegue em voz delicada).

-Ah! 6 V. Ex.a? Como passou V. Ex.a? Sua esposa e filhinhos, bem?
Eu, bern, muito obrigado!


-Minha mulher, infelizmente, nestes filtimos dias ner por isso ter
passado-muito bem ... verdade ... Aquele velho problema do
figado ...


- No! Nlo sera necessArio faltar a canasta. No sibado IA estaremos
para a desforra ... E, entio, a que devo o prazer de o ouvir?


-Ja sei! JA sei. 12 uma coisa muito facil. Vai-se ja passar ...


-Mas evidentemente! Nem eu consentia que V. Ex.m se deslocasse
ate aqui, por t~o pouco. Para mais cor as ras como estio
a precisar doutra grande chuvada... As ruas ou a CAmara... diz
V. Ex.a muito bern ...
Aonde deseja que the made o papelucho?


- Nao 6 manada nenhuma. Tenho ate muito gosto nisso. S6 lamento
que V. Ex.a, me d& tio poucas oportunidades de Ihe ser agradivel.
V. Ex.a escreve uma carta. O meu < vai busca-la...
Apenas uma formalidade, como sabe; mas ter de constar do nosso
arquivo ...


-Nao hA qualquer norma especial. Basta uma simples carta a
solicitar autorizag~o para os devidos efeitos e fins convenientes,
etc. e tal ... A sua SecretAria sabe fazer isso, cor certeza ...








-Ai a sua Secretiria teve um menino... Nio sabia... Entgo eu
mando-lhe daqui o pedido ji dactilografado e V. Ex.- assina-o e
faz o favor de mo devolver.


-Nio inc6modo nenhum, ora essa! Os meus respeitos i Senhora
sua Esposa. Mande sempre!

(Coloca o auscultador do telefone no descanso, desarma
o sorriso de circunstancia e profere:)

-Sempre um home atura cada um ...

(A Secretdria, descruzando a perna, corn Ima familia-
ridade reveladora:)

-Quem era?


0 HOME

-A besta do Dr. Cantarinho.
Ela: 0 milionirio?
Ele: 0 milion&rio ...








2.a CARA


NO ESCRIT6RIO, EM DIA DE CORREIO

0 nosso home anda mal humorado, irritadifo, implicativo. Todo
o pessoal estd nervoso e os disparates slo aos montes. A Secretiria faltou.

o HOMEM (para a dactildgrafa que chamou ao gabinete):
-Ent;o, essa carta, quando fica pronta?

A DACTIL6GRAFA:

Estou a acabl-la, Sr. Doutor.

EIE:

--EstA mas 6 a acabar com a minha paciencia! Nao Ihe disse que era
urgente?

ELA:

--Disse, sim, sr. Doutor. E eu ainda nio parei de trabalhar, desde
que cheguei ...!

ELE:

-Nio 6 isso que eu tenho visto... Ainda ha pouco a surpreendi
a preencher um papel do Totobola...

ELA:

Quem 6 pobre ter de tentar tudo ... at6 a sorte!

ELE:

Mau! Nao se ponha agora a brincar comigo!







ELA:

Deus me livre! Falei muito a s6rio. De resto, o Sr. Doutor tamb6m
joga nas apostas...

ELE:

-E que tern a menina cor isso? Ji alguma vez me viu a preencher
os impresses no service?

ELA:

-Nio, senior Doutor.. Quem preenche o Totobola do Sr. Doutor
6 a sua secretria...

ELE: (irritadhssimo)

-Silncio! Ou ponho-a ji na ra, ouviu? Desaparega!

ELA (saindo e rosnando por entire dentes)

Quando Ihe falta a secretria, ningu6m o pode aturar, ao raio
do velho!...

UM EMPREGADO (entrando, corn um telegrama na mao)

-Que se responded a este telegram?

0 HOME

-Nada!

O EMPREGADO

Mas, de manhi, disse-me que era precise responder...








O HOME

-Deixe-se de objecqges! Eu 6 que sei o que disse!

o EMPREGADO (resignadamente)

Esta bem, sr. Doutor. Cor licenga...

(Vai a retirar-se)
0 HOME

-Espere af, criatura! Eu ji o mandei embora?

O EMPREGADO

-Pensei que ...

O HOME

-A pensar morreu um burro ... Deixe ca ver o telegrama!

(Recebe o papel, 1M, pensa um bocado e decide:)

-Responda que segue carta pelo pr6ximo aviio. E vi preparando
essa carta ...

O EMPREGADO

-Em que sentido?

0 HOMEM (brusco)

-Eu sei 1i, criatura! NIo faca tantas perguntas! Puxe pela cabega!
Pode ir...

(Sai o empregado e entra novamente a dactildgrafa.
Entra de trombas e em silincio. Coloca-lhe a carta sobre
a secretdria e fica 1 espera...)








O HOMEM (depois de ler rapidamente)

Isto esta tudo mal, menina!
Letras batidas, uma quantidade de erros de sintaxe ... uma porcaria!

A DACTIL6GRAFA (venenosa)

Foi o Sr. Doutor quem redigiu ...

O HOMEM (num berro)

-E depois?!

O EMPREGADO (assomando a porta)

DA-me licenga?

O HOMEM (furioso)

-Que mais hi?!

O EMPREGADO

Est! um cobrador cor uma conta ...

O HOME

-Com uma conta de quem? Ja disse que nao quero cobranga
de contas dos empregados neste escrit6rio!

O EMPREGADO

-Mas a conta 6 mesmo do Sr. Doutor ... Diz que foi sua Esposa
que o mandou ci ...








0 HOME

--Responda-lhe que nio estou.

O EMPREGADO

-Eu ji disse que o sr. Doutor estava...

O HOME

Pois 6 ... Quantas vezes tenho de Ihe dizer que, em dias do
correio, nio estou para ninguim?

(Noutro tom)

Eu ji vou despachar esse magador...

(Sai)

0 telefone chama.

A DACTILGRAFA (atendendo)


-0 Sr. Doutor nao estA.


-Nao; esta tarde nao veio trabalhar.


-Nio veio nem vem, minha senhora. Disse-nos, de manhi, que nao
vinha de tarde.


-Nio ter de que, minha senhora...

17








3.a CARA


Uma hora mais tarde, em casa do nosso Homem, que acaba de chegar.

A MULHER:

-Donde vens?

O HOME:

-Donde hei-de vir? Venho do escrit6rio.

A MULHER:

-Tiveste muito trabalho?

0 HOME:

Trabalho e arrelias ... O pessoal de agora nio presta para nada...

A MULHER:

-Estiveste no escrit6rio toda a tarde?

O HOME:

-Pois daro!

A MULHER (arremetendo, corn a raiva today)

Nio mintas!!!
Sei que nao foste esta tarde ao escrit6rio!

o HOMEM (depois de sp recompor da surpresa initial).

--Pois enganas-te, minha filha. Passei toda a tarde no escrit6rio,
e cor imenso trabalho!









ELA:

f mentira!

ELE:

f verdade!

ELA:


-E verdade o que? verdade que 6 mentira?...

ELE:

Nio fagas trocadilhos odiosos. A verdade 6 que passei a tarde
inteira no escrit6rio.

ELA:

-Repito que 6 mentira! Telefonei para 1i e disseram-me que nem I
apareceste ...

ELE:

-Ouve, filha, eu te explico...

ELA:

-Nio me interessam as tuas explicages. es um mentiroso. Sempre
o foste ... Um mentiroso repugnante!

ELE (mito paciente).

Ouve ...

ELA:

-Nio ouqo nada! Comigo nio brincas!







BLE:


--JA sei, ji sei ... Mas, neste caso, hi um <> ...

ELA:

Guard o teu latim para deslumbrar as tuas dactil6grafas. Comigo
nao pega. Ja te conheo ...

ELE (contemporizador, quase terno).

Mal! Conheces-me muito mal, minha filha ... Nem sequer aprecias
o esforgo que fago para te proporconar uma vida confortivel...

ELA

Confortivel?! Que entendes tu por vida confortAvel? Um home
que ganha uma miseria de doze contos por mes ... Mais do que isso
ter a T&-TV s6 para despesas de modista ...

ELE (corn velada tristeza).

-Talvez ... Mas eu ngo sou dono de nenhuma padaria...

ELA (escarninha).

-Pois seria melhor que fosses ... Embora o pio resultasse ainda pior.

ELE:

Es muito gentil...

ELA:

JA sei que nao sou gentil como a tua secretiria. Que, final, ela
tamb6m nio foi de tarde a6 escrit6rio.








ELE:

NSo foi ela, mas fui eu.

ELA (de cabefa perdida).

Ai ela tamb6m nao foi?! Ja compreendi. Andava desconfiada ha
muito tempo. Agora falei na seresma por falar. A ver se pegava.
E apanhei-te. A tamb6m faltou ao servipo ... Faltaram os
dois. Se calhar, foram ambos rezar o terjo ...

ELE:

6 filha, tu deliras ...

ELA (num grito cheio de 6dio).

Cale-se!

ELE:

-Acalma-te! Eu jA te explico tudo...

ELA:

Nao precise de explicaq5es. JA percebi tudo. O senhor 6 ur home
sem caricter!

ELE (tentando passar-lhe a mao pelos cabelos).

Estas a fazer uma cena disparatada ... Ouve l ...

ELA (recuando com nojo).

Nao me toque! Sei la se ela Ihe pegou a sifilis ...








ELE:


Nao digas asneiras!

ELA:

-Asno 6 o senhor, ouviu? Um asno sem ponta de vergonha!

ELE (desanimado de se fazer escutar).

-TA bemr...

ELA:


Um cretino!


ELE:

--TA benm...

ELA:

-UUm bandalho!

ELE:

-TA bem ....

ELA:


-Mas comigo nao brinca ... Eu 6 que posso brincar cor o senhor...

ELE:

-Ta bem...









ELA:

-Que eu nio acredito nos seus apregoados dotes de inteligncia,
ouviu?

ELE:

-T bemr...

ELA:

-Sei perfeitamente que 6 um parvo...

ELE:
-Ti bern ...

Ela fulmina-o cor um olhar carregado de desprezo 0 sai, batendo
cor a porta.

Ele deixa-se cair num maple, de cabera entalada entire as maos, cor
o ar mais sucumbido deste mundo.



No dia seguinte, no gabinete do nosso Homem:

O HOMEM (para o empregado que chegou cinco minutes atrasado).

-O senhor nio sabe que a entrada no escrit6rio 6 as oito?

O EMPREGADO:

-0 Sr. Doutor desculpe...
Perdi o machimbombo...

O HOMEM (importantfssimo, recostando-se para trds na poltrona).

-Ngo tenho nada corn isso. A entrada 6 as oito. Veja se com-
preende ... Olhe que comigo ninguem brinca...








4.* CARA


0 Home tern uma visit agradivel. Convidou-a a sentar-se no
amplo diva de couro. Carregou no interrupter que acende por cima
da porta stma luz vermelha indicative. de que o chefe nao quer ser
incomodado. E ouve agora, sentado na borda da sua poltrona, um
pouco incinado para a frente, as maos cruzadas sobre os joelhos,
um vago sorriso a alegrar-lhe a cara bem barbeada- uma perfeita
image da atenfao gentil e interessada.
A visia & uma senhora nova, bonita e bem vestida.

A VISrTA (depois dum toque na oria da saia, que subira demais).

Nao me demoro mais que um minute. Nao quero roubar-lhe o seu
precioso tempo...

-Por amor de Deus minha senhora! S6 desejo que me nao roube
o prazer da sua presenpa ... de que ter sido tdo avara ...

ELA:
muito amAvel...

ELE:
Sou apenas egofsta. Bem sabe quanto gosto de a ver neste gabi-
nete ...

ELA (com uar lindo rubor na face morena)

Venho sempre pedir...

ELE:
Pede tao pouco...









ELA:


0 que me di coragem e que nio pego para mim ...

ELE:

-E bem o lament, minha senhora! Nunca me proporcionou a alegria
de Ihe ser iitil a si, directamente a si...

ELA:

-Gragas a Deus, tenho tudo quanto precise.

ELE (cor intenf;o).

Tudo?!...

ELA:

Tudo modo de dizer. Neste mundo ningu6m pode ter tudo,
quando hi tanta gente que nao ter nada...

(Um silincio. Depois, noutro tom).

-Por exemplo o caso que me traz hoje aqui 6 bem confrangedor.
Conto cor o seu bom coraio para me ajudar a resolv6-lo ...

ELE:

-Pode contar sempre cor o meu corao, minha senhora!

ELA:


Precisava de um emprego para um desgragado ...

ELE:

Que esp6cie de emprego?








ELA:

-Qualquer coisa de escrit6rio. Ele 6 guarda-livros mas aceita seja
o que for. Esta desempregado hi seis meses...

ELE:

-Idade?

ELA:

Quarenta e dois anos.

ELE (corn uma ruga de preocuparao).

Ja nio 6 novo ...

ELA:

Quantos anos ter o senhor?

ELE:

JA fiz quarenta e cinco, minha senhora.

ELA (coquette).

E esti bem long de ser velho...

ELE (lisongeado).

-Muito obrigado, minha senhora. t uma gentil mentira ...

ELA:

uma verdade. Ber sabe que 6 verdade. O senhor nao se senate
velho ...









ELE (condescendente)

Sim: realmente ainda me nao sinto velho ... Por dentro nao se
envelhece ... Essa 6 a grande trag6dia...

ELA:

Maior 6 a trag6dia dos pais que viem os filhos a chorar de fome ...
Que diz ao meu pedido de emprego?

ELE:

-Que Ihe hei-de dizer? Que sim. Nao sei ainda como hei-de resol-
ver o caso, porque temos os quadros cheios. Mas alguma coisa se
hi-de arranjar. Traga-me o home.

ELA:

-Mando-lho amanha.
Muito obrigada pela sua boa accgo!

(Levanta-se para sair).

ELE (retendo-a corn un gesto).

-Porque se vai ja embora?
J4 pediu para os outros: fale-me agora de si...

ELA:

Seria estragar o seu tempo...

EIE:

Seria praticar tamb6m uma boa acgo. A agora a sua vez de se com-
padecer de um infeliz...

ELA (sorrindo).

Nao ter cara disso...







ELE:


-A cara de um home 6 sempre uma mascara. Sou ur home
profundamente infeliz. Uma alma que errou o caminho ...

ELA:

Ainda est! a tempo de mudar de rumo...

ELE:

Se me ajudar. Quer?
ELA:

--Quero que trate bem o meu protegido ... Ate amanha!

ELE:

--Quer dizer que volta amanhi?

ELA (crn um sorriso ambiguo).

--Na minha terra, < tamb6m quer dizer .

(Estende-lhe a mao, que ele aperta longamente, e sai).

A SECRETAIA (entrando).

--Continua i espera aquele mogo que pretend um emprego.

0 HOMEM:

--Diga-lhe que estou muito ocupado, que o nao posso receber. Mas
que, se ,t para emprego, nio vale a pena falar comigo: nao temos
vaga nenhuma ...








5.9 CARA


Num jantar de homenagem.

0 nosso home e o homenageado e preside cor ar paternal e
condescendente, por dois motives: porque a assistincia e de subor-
dinados em transe de homenagem ao Chefe e porque jd come,
e bem.

A SECRETARIA (muito corada e trimula, sai do sea lugar e vai entregar
ao Chefe uma pequena caixa embruthada em papel vistoso, com um
lafarote muito decorative).

--O pessoal toma a liberdade de oferecer a V. Ex.a esta pequena lem-
brana ...

o HOWMM (desfaz o embrulho, abre a caixa e exclama:)

Muito bonito!

O EMPREGADO MAIS ANTIGO (levanta-se, tira do bolso am papel,
desdobra-o mnuit nervoso, e comefa a ler:)

-- improviso... Mas pretend apenas, e em nome de todos os meus
colegas, exprimir a V. Ex.a os nossos sentiments de reconheci-
mento e admiraSo. Tenho dito>.

Senta-se atabalhoadamente, arrazado corn esforao despendido,
enquanto os colegas batem palms.

o IOMEM (levanta-se crm muita solenidade, tosse a clarear a voz, per-
corre com um olhar arguto e lento a mesa silenciosa. Abre-se-








-lhe no rosto bem barbeado um sorriso de bondade superior e com-
placente. E, na voz pausada de quem serenamente extra jdias raras
da profunda mina do seu pensamento, entra no uso da palavra:)

-< pausa cor um dedo espetado em direcqIo ao tecto), neste moment
de agradavel confraternizago cor uma valiosa equipa de trabalho ...
(mudando de tom) ... sim porque na verdade se trata duma valiosa
equipa de trabalho, a que muito me horo de pertencer...

VOZES

Muito bem!

o ORADOR (continuando)

-... a que me honro de pertencer--repito! -porque o trabalho
e ... o trabalho represent ...- como direi? -enfim, o trabalho e
a alavanca do progress.

VOZES

Muito bem! Muito bem!

O ORADOR (corn uma vdnia para os que o aplaudiram).

-Muito obrigado! ... Mas, voltando ao tema desta minha singela
alocugo, dizia eu que me orgulho de pertencer a esta equipa de
trabalho que 6 ... enfim que executa ... ou, por outra, que realize
uma tarefa important na obra comum do engrandecimento desta
terra.

VOZES

-- Apoiado!








0 ORADOR (muito content da sua grande frase e jA cor a palavra mais
expedita):

...E o engrandecimento desta terra 6, como todos sabem, a minha
grande paixio ...

A SECRETARIA (em a parte para a dactildgrafa):

Eu nio sabia ...

o ORADOR

... Como nao ignoram quantos me conhecem, sou um home cabal.
Mas tamb6m sou um home modesto, sem vaidade nem ambicges,
inteiramente avesso a todas as manifestages de ostenta5o ou de
exibidonismo. Na posigo altaneira, a que imerecidamente me guin-
daram ...

VOZES
-Nao apoiado!

0 ORADOR
<... nesta posi~io de chefia, uma coisa me interessa: o bem da
colectividade. Procuro servir, dentro das minhas limitag6es, mas
sempre cor lealdade plena e devogio total. Se da minha actuago
algo ter resultado de fitil para a colectividade, devo-o, em grande
parte, A alta qualidade dos meus colaboradores, a todos v6s aqui
presents que representais, como ao princpio disse, uma valiosa
equipa de trabalho, que muito me orgulho de chefiar.
A vossa attitude, ao assinalar o segundo aniversario da posse do
meu cargo cor este jantar de confraternizaCio e corn a valiosa oferta
duma cigarreira de ouro, constitui para mim a demonstrago recon-
fortante de que eu soube conquistar a estima daqueles que devo
conduzir pelos honrosos caminhos do cumprimento do ever.








VOZES


Muito bem! Muito bem!

o ORADOR

<
palavras: a todos v6s que sois estimados colaboradores eu asseguro,
cor toda a sinceridade da minha alma e do fundo do meu coraqgo,
que podeis contar comigo! Tenho dito>.

Vozes de , por entire urna
estrepitosa e prolongada salva de palmas.


No dia seguinte.

O HOMEM (no seu gabinete, olhando corn severidade o empregado que
estJ de pe na sua frente).

Ja Ihe disse que ter de manter o seu servigo em dia. O resto nio
me interessa ...

O EMPREGADO (humildemente).

-0 Otrabalho aumenta cada vez mais ... o tempo ji nio me chega
para tudo ...

o HOMEM (ainda mais rispido).

-Isso 6 um problema seu, meu caro amigo. E a mim 6 que ji
me nao chega a pacidncia para aturar as suas lamentag5es.
O senhor conta demais cor a minha benevolencia. 2 melhor nbo
contar tanto comigo, percebeu? ...









6." CARA


P ao fim do almofo, em casa do nosso Homem. Casa de meio luxo,
com mdveis de estilo e pratas decorativas.

0 Chefe da familiar toma o seu cafi, silencioso e taciturno. A dona
da casa acaba de increpar duramente o menino Carlos, que apa-
nhou um 4 em Matemdlica.

E, a terminar, invoca a autoridade do marido.

A DONA DA CASA

-Tens de dizer umas coisas serias a teu filho!

0 HOME

-Tu j! Ihe disseste o bastante.

A DONA DA CASA

-Mas a ti tamb6m te compete educar o teu filho. 0 Carlos precise
duma advertencia several.

O HOME

-0 que ele precisava era das orelhas puxadas ate ao tecto .

A DONA DA CASA

U comegas com as tuas brutalidades ... Nio sabes falar doutra
maneira?

33








O HOME

-A mandrioes, nio!

A DONA DA CASA

N- o exageres! O Carlos nio 6 pr6priamente um mandrio ...

O HOME

-Entio que 6? Um estudante aplicado?!...

A DONA DA CASA

-... Um mogo que precisa de mais aten~io por parte de seu pai...

O HOMEM (resignadamente).

--EstA bem, minha filha. E melhor mudarmos de assunto...

A DONA DA CASA

-Nao te agrada falar de teus filhos?

o HOME

-Nio me agrada ouvir injustigas diante de meus filhos. Falemos de
outra coisa. A Bela ainda nao veio da Universidade?

A DONA DA CASA

--Foi almogar em casa duma amiga.

o HOME.

-Nao gosto disso...








A DONA DA CASA

-Nao sei porque...

o HOME

facil de saber. Quero os meus filhos comigo a mesa...

A DONA DA CASA

-Para Ihes mostrares essa carranca de Holofernes? ...

o HOME

Muito obrigado pela compara&go. Mas 6 a carranca que tenho...
Carlos, que risinhos sio esses para tua irma?

O MENINO CARLOS

-Eu nio me estava a rir, pai.

o HOME

Estavas, que eu vi. E a serigaita da tua irmi contracenava...

A DONA DA CASA

-Andas muito implicativo, home! Agora ji nem as criangas
podem rir... ;

o HOME

-Podem, desde que saibam de que ... E parece que eles nio sabem ...
De que te rias, Carlos?








A DONA DA CASA (intervindo).

Deixa os pequenos em paz e noo te ponhas a fazer cenas de besugo ...
Ja recebeste? Estou sem um centavo...

o HOME

Recebo amanha.

A DONA DA CASA

--Este mes tens de me dar mais dinheiro. A vida esti pela hora
da morte...

A MENINA FI6

--Eu precise dum fato de banho novo, papi.

o MENINO CARLOS

-E eu precise duna daquelas camisas TV...

O HOME

-0 que voc8s precisam 6 de juizo!

A MENINA FI6 (armando beicinho).

At6 os rapazes fazem pouco de mim. O meu fato de banho 6 mesmo
de besuga...

O MENINO CARLOS (corn u riso trocista).

Ela quer um monokini...







0 HOME


Caladinhos! Que modos sio esses diante de vosso pai ?

A DONA DA CASA
-Pronto! Ai temos outra cena. Este home nio sabe falar senro aos
berros. Os teus filhos nao sio surdos, criatura!

(noutro tom).

-Como te disse, este mes precise de mais dinheiro...

o HOME
--Nao me aumentaram o ordenado ...

A DONA DA CASA

-Nio posso governor a casa cor doze contos por mes.

o HOME

Hi muito boa gente que vive cor menos de metade disso...


A DONA DA CASA
Mas nao 6 na nossa posi~go.

o HOME
A nossa posigo 6 de doze contos por mes ...


A DONA DA CASA (enraivecida).
-Sabes que mais? ... Tu... (domina-se, reparando nos filhos e con-
tinua em tom mais calmo) Nao te sabes mexer. Nemi seipara que
estudaste em Coimbra. Es um triste. Nao sabes lutar pela vida...








o HOMEM (resignado, num tom amargo).

-Esta bem. Hei-de ver se arranjo um lugar de fiscal da Cimara...

A DONA DA CASA

Nao o digas por escrneo. Um fiscal da Camara ganha mais do que
quatro Directores de Servigo ... A uma vergonha ...

O HOME

-0 dinheiro nao 6 tudo ...

A DONA DA CASA

Mas sem ele nao somos nada.

O HOME

-Nao 6 bem assim ...

A DONA DA CASA

-Entgo, como ? ...

Ele cala-se, vencido e desanimado. E ela humaniza-se, cor um olhar
de carinho triste para o seu home.

0 Carlos e a Fi6 estao outra uez a permutar sorrisos que s6 eles
compreendem ...








.7. CARA


Na praia, ao domingo.

Aquela garota cor de bom pao, acabado de sair do forno, passeia
pela praia dois caes felpudos com focinho de Beatles miliondrios.
Caes cor muito melhor sorte do que muitas criancas, pequenas e
grande ...
Na rebentafao da vaga, um senior gordo e calvo de bru;rs jobre
uma cdmara de ar, agita brafos e pernas, muito convencido de que
nada. Uma ilusao sobre as andas...

Espapafado na atvia, um tufo hirsuto de pelos crescendo entire os
mamilos gordurosos, um chapeu de pano bronco a tapar o focinho
de coelho bravo, aquele funciondrio pdblico ressona majestosamente.
Dorme, a bem da Nafao ...

Deitada de costas sobre4 o cochao flutuante, uma das pernas
flectida em gracioso desleixo, as maos finas a servir de apoio a nuca
morena, os dois seios firms a desafiar o sol aquela mulber, imp4-
dica como um nu de Rubens, convidativa e apetitosa como um cacho
de uvas numa grande sede, boia silenciosamente na orla das espumas.
A tentafao do mar ...

A sombra escassa duma umbela policroma, uma dama de carnes
abundantes a transbordar dum maillot reduzido, vigia a filha que
namora um rapagao feio como um gorilla e o filho que dispute dan-
Pas moalernas com duas raparigas escandalosamente despidas num
bikini insignificant ...

Junto da matrona, corn o ar resignado de um buldogue preso a sua
casota, corn a barriga respeitivel sobressaindo do calfao de banho,
um senhor, sentado num inc6modo banco de madeira, 10 o journal.
a o nosso home.








SHOMEM (levantando os olhos do periddico).

Quem 6 o cretino que estA a falar cor a Fi6?

A MULHER

i um amigo dela.

O HOME

Nio Ihe gabo o gosto ... Ao menos o Carlos sabe escolher melhor...

A MULHER (ir6nica).

Parece-te ?!

o HOME

--Tenho a certeza!

A MULHER

Pois a mim nio me agrada que o nosso filho ande corn essas des-
caradonas ...

0 HOME

-Nao vejo onde esta o descaramento...

A MULHER

--Se nao ves nio 6 por nio olhares ... Hi mais de meia hora que te
estou a observer o jogo...








O HOME

-Mau! Ja sabes que nao gosto de cenas na praia. Ou jA nem sou
senhor de ler o journal em paz?!...

A MULHER

Essa de usar o journal como cortina jai muito velha ... Porco!...

o HOME

-Porco?! Ngo me diris onde esti a porcaria?

A MULHER

--Na maneira como olhas para essas raparigas quase nuas ... Tu,
um velho nojento!

o HOMEM (em voz baixa, olhando para o casual que se aproxima)

-Repara onde estis e como falas, criatura! VWm ai os Lapas...

MADAME LAPA (chegando)

Ainda bem que os encontrimos. Tencionivamos ir a vossa casa com-
binar o assalto de sibado. Claro que estio convidados!

O SENHOR LAPA

-0 assalto 6 em casa dos Freitas. O Doutor nio pode faltar.

O HOME

-Sa calhar, falto mesmo. Nao me sinto nada ber do meu figado...

41







A MULIER


-Pois pot isso mesmo 6 que deves ir! Um pouco de distracqgo s6 te
faz bem ...

(Segreda qualquer coisa ao marido pousando-lhe a mro no ombro,
e continue para os recem-chegados:)

Que o meu marido anda esfalfado. Trabalha demais. Nao hI quem
o arranque a maldita papelada do escrit6rio. E ninguem Ihe agra-
dece o sacrificio...

MADAME LAPA

-Ai isso nio! E quando o chefe da familiar adoece, somos n6s que
sofremos, nao 6 verdade?

(Noutro tom)

-Ent~o, podemos contar convosco?

O HOME

--Deixem-me pensar no assunto ... Amanhi telefono a dar uma
resposta ...

A MULHER (com voz meliflua).

-Nao ha nada que pensar. Eu respond ja que vamos e acabou-se!

MADAME LAPA

-Ora assim 6 que 6! A multa, para os homes, 6 uma garrafa de
uisque ou uma grade de cerveja. As senhoras podem levar bolos e
refrescos. Esti bem?








A MULHE


-0. K.! IA estaremos. E havemos de nos divertir a bruta!

0 HOMEM (corn infinita resignaao).

-Pois! ...
Levanta-se para se despedir dos Lapas que se preparam para ir
pregar a outra freguesia. Esbofa para eles o seu sorriso de sociedade.
E fica a v-los afastar-se pela praia cheia de came tostada.

Peludo, escanzelado, a barriga proeminente por cima do calfao curto,
atabalhoado e malfeitao, a nosso home tern u ar infeliz e desi-
ludido.

Uma bonita mestifa, que pass ao lado duma loura espampanante,
repara nele baixa-lhe a cabefa em cumprimento cerimonioso ...

A LOURA ESPAMPANANTE

--Quem 6 o mostrengo?

A MESTIQA

-- o meu chefe.

A LOURA

--Nio ter cara de chefe.

A MESTIQA

--Em fato de banho, nenhum home tern cara de chefe...

Riem ambas.







REIS VENTURA


CIDADE E MUCEQUE



Contos













EDITOR PAX
BRAGA 1970














UM NEGOCIO BEM MONTADO

















Uma vez que me apanharam e devo contar corn alguns meses de
ferias neste sossego da cadeia civil de Luanda, posso aproveitar para
contar umas coisas ...
E acreditem que nada me custa esta especie de confissio. Sinto
mesmo uma certa vaidade em mostrar como se pode viver muito bem
quando se tern miolos. Porque eu tenho vivido muito bem. E o meu
neg6cio era, sem favor, um neg6cio bem montado.
Se me desculpam a franqueza, acrescentarei que me nio julgo esti-
pido. Um tipo bronco nio seria capaz de metade do que eu level a bom
termo. E olhem que me ocupei de alguns assuntos bem complicados...
O meu compare PerdigIo disse-me um dia que eu nunca fui inte-
ligente-que sou apenas esperto... Nao gostei muito deste purismo
de linguagem, na boca do meu compare que 6 um brutinho incapaz
de dar algumas comodidades A sua numerosa familiar. Parece que s6 sabe
fazer filhos. E em cadeia: j! vai no oitavo ... Era na festa do casamento
dos Penalvas e o meu compare Perdigio falava corn a coragem dos oito
uisques ja bebidos. S6 por isso 6 que Ihe nio parti a cara...
De resto, qual 6 a diferenga entire os inteligentes e os espertos?
Querem saber qual 6? Os inteligentes inventam as coisas boas e os
espertos aproveitam-nas. Ha muita inteligencia a trabalhar em casa da
astfcia. Como criada de servir, evidentemente! Os grandes talents
vivem para aprazimento das pessoas hibeis. Quasi todos os grandes
artists da Renascenga tinham o seu Mecenas, que pagava corn as sobras
da sua mesa todo o g6nio dos seus protegidos. Ngo 6 verdade? ...
Como veem nio sou assim tgo ignorante. Sei coisas. Leio bastante,
embora raras vezes leia um livro ate ao fim. Mas sou capaz de falar








dum livro s6 cor a leitura do indice. Os livros corn indice bem explicado
e lombada vistosa sgo os que prefiro. Fazem muita figure numa estate
e sao faceis de citar numa converse fina.
Eu adoro as conversas finas, sobretudo cor meninas bem. E, mod6s-
tia a parte, elas ngo desgostam de palrar comigo. Palrar e o resto ...
Fiz os meus estragos em boas families ... Adiante!
Voltando A piadinha do asno do meu compare Perdiggo, you resumir
tudo numa frase: a inteligencia sem a esperteza 6 como um cheque sem
cobertura. P ou nio e?...
Bern ... mas o meu compare nao tinha nada que se meter a advo-
gado do diabo no que me diz respeito. Estava babado e foi o que Ihe
valeu. Veio-lhe ao de cima, assoprada pelos vapores do Alcool, a raiva
de viver sempre aflito de dinheiro--ele, que 6 doutor em Econ6micas
e Financeiras-enquanto eu, gracas a Deus, e sem precisio de titulos
academicos, sempre me soube governor muito satisfatbriamente. Ele, o
papinhas-doces do Dr. Perdiggo, sempre me invejou o meu autom6vel,
a minha casa bem guarnecida, os meus gastos nas buates e as 'minhas
frequentes viagens a Europa. Mas porque nao faz ele o mesmo, cor a
ajuda do seu pomposo diploma, que guard num canudo de lata para
que o salal6 Iho nao roa ate a filtima linha? Porque 6 mais inteligente
do que eu?! Bolas!...
P certo que nunca tive grande indinago para o trabalho. Meu pai,
que Deus haja, deu-me algumas boas vergastadas por me nao levantar a
tempo de ir at escola. Mais tarde, quando fiquei mais independent, na
Universidade de Lisboa, entendi que havia coisas muito mais interes-
santes do que ouvir a cega-rega dos assistentes da faculdade, coitados,
que tamb6m ali estavam a fazer o frete por 3.500O00 por mes. Como
podiam eles viver com 3.500$00 por mes, cor mulher e filhos? Eu
sbzinho gastava os tres contos da mesada de meu pai e outros dois que,
em m6dia, conseguia ajuntar em cada mes. Como? da um dos meus
segredos. A estudar, garanto-lhes que nao era...
Fui uma dizia de vezes is aulas e fizeram-me muita pena aqueles
senhores doutores (alguns dos quais at eram simpiticos ...), esfalfando-








-se a barregar para a malta, por tres contos e quinhentos ... Fizeram-me
tanta pena que nio voltei li ...
E nao me formei em Direito, como tanto desejavam meus pais.
Meus pais eram do genero bota-de-elAstico. Bons tipos mas incompreen-
sivos. E, salvo o devido respeito, chatos como jumentos do antigamente!
Entio, minha mke pensava que ter um filho advogado era como ter a
justica dentro de casa. Adoeceu quando eu Ihe disse que nao me sentia
corn figados para defender malandros. Slo temperamentos ... Eu sempre
gostava de saber porque hi criaturas que passam a vida a ralar-se por
causa dos outros! Minha mae ralou-se, ralou-se, at6 que, uma noite, o
corago nio aguentou e 1A se foi ... t o que se lucra corn a mania das
preocupag6es excessivas ... Depois chamam-lhe inteligencia...
Seja como for, eu nao me dei mal corn o que o meu compare Per-
diggo (raios o partam!) entendeu por bern dassificar de esperteza.
Corn o stimo ano dos liceus (nIo cheguei a estrear-me nos exames de
Direito) consegui um nivel de vida a que poucos doutores logram
chegar. E sem calejar as mios nem cansar os miolos... Se a isto se
nao chama intelig&ncia, nio devia eu ter passado nos exames de portugues,
como felizmente passei, e com boas notas. verdade que utilize algumas
cabulas muito eficazmente. No s&timo ano, consegui mesmo apanhar
os pontos. Coisas que s6 conseguem aqueles que o meu compare Per-
digio (Doutor em Ciencias Econ6micas e Financeiras) nio consider
inteligentes. Neste mundo, encontra-se cada um! ...
Tudo me correu bem ate que um coca-bichinhos da Policia Judi-
cidria foi cheirar os papeis do meu escrit6rio privado. Olhem que foi
mesmo a minha residencia, que 6 uma vivenda fina, situada num bairro
que eu nao digo, porque estou a escrever estas mem6rias corn nome
suposto e nio quero adiantar nada que sirva para me identificar. Nio
por mim que, segundo me parece que ji disse, att tenho gosto em contar
as minhas habilidades. Mas a minha mulher, que tern um trizav6 vis-
conde, aflige-se muito com estas coisas. Embarcou para a metr6pole logo
que eu fui chamado i Judicidria! E porque hei-de eu afligir a ing6nua
criatura?!
Como verificam, tambem tenho sentiments.

49








Pois o intrometido da JudiciAria foi uma tarde a minha casa, pregou
um grande susto a minha mulher e vasculhou a papelada today. Imagi-
nem! JA n~o hi vergonha em Portugal!
Antes de continuar, tenho de dar um nome. O meu, nio, pelos
motives que j! disse. Mas podem chamar-me Felizirio. Felizirio da
Silva Benviado, is ordens de Vosselencias !...



Volto a dizer que o meu neg6cio estava muito bern montado.
Havia nele uma duzia de pessoas, induindo minha mulher, que
depois fugiu para Lisboa, corn vergonha de que o seu trizav6 visconde
a visse a visitar-me na cadeia. Mulheres!
Mas, enfim, tamb6m 6 just dizer que a Zulai (era com esta voz de
relampago que ela encobria o prosaico nome de Adelaide ...) me ajudou
a valer, enquanto nao surgiu o nariz farejador do home da Judicifria.
Corn efeito, o nosso escrit6rio secret ficava por cima da sala de provas
da modista dela. E ali se combinavam os neg6dos e se trocavam as
massas ...
Mas talvez seja melhor contar desde o princpio ...

Eu vim para Angola quando os outros fugiam. i uma vaidade que
tenho. Logo que a Lisboa .chegaram as primeiras noticias do terrorism
e as primeiras mulheres e criangas idas de Luanda, eu disse para a Zulai:
Aqui estt uma boa ocasiEo de nos livrarmos dos credores da
Avenida de Roma!
-Como?
S-Largando para Angola.
-Para cair no meio dos terroristss!
N6s nio vamos para onde haja terrorists.
--Parece que Os hi por toda a parte. Nao viste aqueles horrors
na Televisio?..
Isso foi no mato. E n6s vamos para Luanda. Em Luanda ainda
se deve viver muito bern...

50








Corn as milicias a circular pelas ruas?...
Ngo conto alistar-me nas milicias.
De qualquer forma, iriamos meter-nos na confusio.
A na confusgo que eu me sinto bern ... Ja pensaste no 'dinhei-
rinho que 1h se pode ganhar agora, corn um pouquito de jeito?...
Estio a vender tudo ao desbarato, sobretudo se a gente paga em escudos
da Metr6pole ... Percebes agora?...
Ela pareceu sensivel a este iltimo argument, teve um dos seus
belos sorrisos de compreenslo e nio disse mais nada.
Mas nao consegui passagens nos TAP senio dai a quase dois meses,
porque, nessa altura (estivamos em Abril de 1961) os avi6es seguiam
para Luanda, carregados de tropa.
Por isso aproveitei o tempo para me entender cor o meu primo
Jolo, que nasceu estupidamente rico. Tao rico que, por mais que gaste
corn a sua variada colecqio de meninas do Estoril, nao consegue estafar
a heranca da baronesa de S. Filipe, sua digna mae, casada em segundas
nfpcias corn um velho milionArio do Rio de Janeiro, de quem herdou
a fortune que veio a legar, aumentada corn juros de usura, ao seu finico
filho, dela e de seu primeiro marido, morto prematuramente pela bala
certeira dum capanga, numa estrada da Guanabara.
Ele o meu primo Joao gasta a bruta e tern cada vez mais
dinheiro. Nem conta os trocos e nunca o enganaram num tostio. Hi
criaturas assim, que nasceram num fole, enquanto que outras (e eu sou
uma delas) nio podem ganhar uns pataquitos sem que meio mundo queira
saber como foi e como nao foi. Paciencia!
Como ia dizendo, fui ter corn o meu primo Joio, aceitei o uisque
que ele me ofereceu e, logo depois da primeira golada, ataquei:
Ainda gostas de ganhar dinheiro?
-E tu nio gostas?!-contra-atacou ele, servindo-me nova dose da
bebida, para disfarcar a desconfianga.
-Se gosto!
-E tens uma oportunidade?
Uma oportunidade estupenda!
Pois aproveita-a! Essas coisas nio se oferecem a ninguim.








Pois nao. Mas a minha oportunidade nao vale nada sem o teu
dinheiro ...
-Entgo desiste!- exdamou ele, levantando-se de mau modo Ou
julgarls que eu ainda vou no conto do vigirio?!...
-Calma, JoLo! pedi eu corn a voz mais sincera que pude arran-
car das entranhas -Se isto fosse uma aldrabice, nio viria ter contigo,
que is muito mais esperto do que eu. E a prova 6 que tens dinheiro e
eu nao. Se fosses dos que se deixam levar, jA nio tinhas um vintfm ...
Queres ouvir o meu piano?
Ele fez ainda alguns passes nervosos sobre a alcatifa da saleta
em que me recebia, acabou por se sentar de novo, atirou is goelas corn o
resto do uisque e condescendeu:
Conta la .;.
E eu contei o men piano. Primeiro a um home silencioso, casmurro
e indiferente, que ia bebendo um novo uisque a golinhos regularmente
espagados, como se precisasse da coragem do Alcool para aturar a
lamfiria dum pedinte. Depois notei que ele ouvia corn mais atenqo.
Comegou a p6r objecq6es que eu esciareci, a lembrar dificuldades que
habilmente rodeei, a pedir esdarecimentos que dei ser demora, a lem-
brar pequenos pormenores de que tomei atenta nota, a apresentar suges-
t5es ique aplaudi cor as mlos ambas.
No fim, parecia mais entusiasmado do que eu pr6prio e perguntou-me
quando partia para Luanda.
Quando me adiantares os primeiros cem .rquilos ... respond.
-Passa-me uma hipoteca do teu apartamento da Avenida de Roma.
-Precisas disso, para um parente?!...
-Para um parent, nunca o faria sem isso... -respondeu ele, com
o sorriso agradivel dum menino de Primeira Comunhgo.

Passei a hipoteca a favor daquele bandido e tomei o avigo para
Luanda.
A Zulai ficou com passage marcada para uma semana mais tarde,
e sujeita a uma iltima corifirmagr o que eu Ihe enviaria de Luanda,
depois de sondar os ares.








Nio demorei muito essa ordem, pois ate achei piada A tenslo
existente na capital de Angola e as suas centenas de vivendas cor escri-
tos. Quarenta e oito horas depois de descer no Aeroporto Craveiro Lopes,
telegrafei a minha mulher que podia vir.
E, honra Ihe seja feita, ela foi pontual.



Vim encontrar Luanda corn o Aeroporto cheio de gente a olhar
para os avi5es e corn os bairros perifericos todos pintalgados de escri-
tos. Os senhores lembram-se ... No Bairro da CAOP, na Vila Alice,
no Prenda, no Alvalade, para os lados da Cuca ou do Cemiterio Novo,
na maior parte das zonas mais distantes da Baixa, em cada janela havia
um papelinho quadrado, como um cartio de convite para novos inquilinos.
Mas ninguem estava interessado. Muitos dos residents tinham man-
dado as families para a Metr6pole e eles foram viver para os grandes
predios de apartamentos da Marginal ou das Grandes Avenidas da Alta.
De entire esses, havia alguns que s6 cA se demoravam mais algum tempo
para vender o que tinham. E vendiam ao desbarato. Outros tencionavam
it juntar-se As families, ate ver se as coisas se compunham. E tentavam,
a todo o custo, cambiar os escudos angolanos pot dinheiro da Metr6pole.
Foi entire estes iltimos que eu comecei a manobrar...
Claro que, por exemplo, em fazendas agricolas e predios urbanos,
apareciam tentag~es de meter no inferno a alma de um santo. Ali, na
rua paralela a estrada de Catete, ofereceram-me pot cento e cincoenta
contos uma vivenda que hoje vale mais de mil! E muitas quintarolas da
estrada da Cuca estiveram A venda por um quihto do que valiam ...
Nio dormia de noite, a pensar nestas pechinchas. Caramba! se um
home pudesse adivinhar o futuro...
Mas eu nio podia adivinhar o future ... Nem podia arriscar, nesse
jogo forte, os cem contitos que o meu primo Jogo me adeantara, contra
a hipoteca do meu apartamento da Avenida de Roma. Nao que me impor-
tasse de pregar o calote Aquele odre de notas. Ate parecia uma boa acco
sangrar um felizardo, que nascera corn uma sorte indecente e andava


53








a estragar a raga as meninas bonitas do Estoril ... Mas perder o meu
apartamento, que era a inica coisa que eu tinha em Lisboa para nao
ficar a chuva, isso nio senhor! E assim aquela maldita hipoteca me trazia
A arreata (salvo seja!) pelos caminhos prudentes dos neg6cios seguros.
Ora neg6cio seguro, seguro, sem perigos nem canseiras, vi eu logo
qual era. E, como ji disse, comecei a manobrar cor essa gente que
andava A cata dos bonitos cromos do Banco de Portugal, como quem
procurava a salvagao.
Eu tinha cem quilitos dessas lindas e boas notas, que nao perdiam o
valor cor a travessia do mar. Era pouco; mas dava para comegar...

Renderam-me cento e vinte e cinco contos, em notas do Banco de
Angola. Nada mau!
Mas, na mesma tarde em que tencionava escrever ao meu primo Joio,
a dar-lhe conta desse primeiro exito (embora com a idea de Ihe deda-
rar apenas 115 contos, que eu nao sou parvo ...) ouvi no Cafe Biker
uma conversa que me fez arrebitar as orelhas.
-Interessam-lhe cincoenta toneladas de cafe Ambriz?-perguntava
um tipo de meia idade, baixo e gordo, corn jeitos de ser algarvio e uma
cara mais tisnada que a dum mouro de Ceuta.
O vento nWo corre de feiqgo para compras disse o outro, antes
de levar A boca a sua caneca de cerveja- Tambem estou vendedor...
-A como ?
-A doze, o quilo ... Que Ihe hei-de eu fazer? ...
-Pois eu vendia a dez, cA por via duma aflicio. Pega-lhe?
--Obrigado! Quem sabe se tambem terei de vender a dez...
A dez escudos o quilo! pensei eu, que tinha visto, ainda nessa
manhi, o Policarpo da Mutamba compri-lo a doze e quinhentos.
Lembrei-me dos cem contos que trazia na carteira, enchi-me de cora-
gem, tossiquei para chamar a atengio dos meus vizinhos e quando o
vendedor olhou, disse-lhe com toda a cara dum anjinho recem-chegado
das bercas natais.
-O senhor di-me licenga?
Faga favor! convidou o outro rasgadamente.








Pareceu-me ouvir que esta vendedor de caf6 a dez escudos pot
quilo ...
P verdade--confirmou o outro--Tenho cincoenta toneladas dis-
poniveis. ,E estou disposto a cede-las a esse preqo, para acudir a uma
pressa... Sio de grga ... Sente-se aqui ao p6 de n6s, se nio se importa.
Eu chamo-me Freitas. O Freitas do Quibaxe, nio sei se conhece ...
Ja ouvi falar menti eu.
E este 6 o Sr. Filomeno Pastinha continuou ele Um dos mais
ricos comerciantes de Luanda...
V8-se ... fiz eu, notando o grosso brilhante no anular da mio
que o tipo me estendia.
-Que bebe? -convidou o vendedor.
-Alinho na cerveja, para nio destoar.

Veio um <(canhangulo> bem tirado, limpei-lhe um terco duma golada
e s6 depois, muito descansadamente, insinuei:
-A nove, talvez eu estivesse interessado...
-E de graga, nio?... -explodiu o Freitas abespinhado -Ja Ihe
disse que dez 6 um preqo de afligLo. Uma pechincha para quem compra
e uma desgraga para quem vende. Nove s6 na corda de enforcado e eu
ainda nio cheguei a esse ponto...
Nove e meio ciganei ainda.
Dez! repetiu ele cor forga Dez e a pronto!
-Pois 6!-fiz eu, fingindo pena-Quinhentos contos, a pronto,
jA 6 de respeito!
-Quem nio ter dinheiro, nao se mete nestas avarias-rosnou o
Filomeno do seu lado.
-Eu ainda nio disse que nio tinha os quinhentos contos! -atalhei
eu, na defensiva-E, num rompante, atirei para a mesa corn as cem
notas que trazia na carteira. Depois, recolhi-as outra vez e perguntei ao
Freitas se podia esperar ali uma hora.
-Posso, sim senhor!-respondeu ele ji cor mais respeito.
-Tern ai a amostra do caf6?








Ele deu-me um saquinho que trazia na pasta e eu levantei-me, garan-
tindo que, dentro de uma hora, estaria de volta.
Corri ao Policarpo da Mutamba, que me roubou, o safardana, porque,
depois de examiner os bagos da amostra, um a um, como se lfossem
diamantes, s6 me deu, a pronto, onze e quinhentos por quilo...
Recebi um sinal de vinte e cinco contos e, quando voltei a sentar-me
A mesa do Freitas, ainda faltavam tres minutes para a hora do prazo.
Onde ter o cafe? perguntei ao vendedor.
EstA perto Quer ir ve-lo?
Fui ver o produto, sempre a fingir-me um iguia em cafes deste
mundo e do outro (quando nio percebia nem patavina da mercadoria ...)
e fechei o neg6cio, dando os meus cento e vinte e cinco contos de sinal
e prometendo o resto no dia seguinte.
E assim ganhei 75 contos, eu, que segundo o meu compare Per-
diglo, nem sequer sou inteligente ...



Em face daquele inesperado lucro, nio resisti a tentacgo de voltar
a tentar a sorte e consegui ganhar mais cincoenta contos cor um golpe
semelhante.
Mas, entio, resolvi parar.
Na verdade, a coisa parecia facil. Mas, para mim, nio era. Fiquei
ate corn a impressio de que s6 aqueles dois negociozitos de caf6 me
tinham roubado anos de vida. A bem dizer, foi s6 o segundo. O primeiro
surgiu de surpreza e resolveu-se depressa. O dinheirito veio-me parar
de repente as mios como se fosse uma negaga de Satanaz. Mas para o
segundo neg6cio jA fui de tengLo feita. Passei cinco tardes no Cafe Biker,
a bebericar cervejas a lentos golinhos, na mira de ouvir conversa que
traisse o vendedor em transe de aflicgo. E nio queiram saber quanto
isso me custou...
De dia, embora estacionasse mesmo por baixo duma ventoinha,
suava de tensiao. De noite, nio dormia, a cogitar numa nova oportuni-
dade, que parecia esquiva como donzela educada num col6gio de freiras.








Notem que, entio, eu ji ia para o Biker preparado corn uma oferta
de comprador. < tinha-me dito o Poli-
carpo da Mutamba, por cima da sua grande panga de bebedor de cerveja.
E, para o segurar, eu metera-lhe nas maos um sinal de vinte contos,
pedindo um prazo de tres dias para apresentar os baguinhos. E essa 6
que foi a grande asneira!
Ao cair da noite do segundo dia, a calma continuava a reinar nas
mesas do Biker, onde se jogavam bebidas aos dados e a confianca pare-
cia renascer corn o iltimo discurso de Salazar, pronunciado a treze de
Abril. Vejam l1 como as palavras bem intencionadas dum home de
bem (que eu ate admiro bastante ...) podem atrapalhar a vida duma
pessoa!...
Ao terceiro dia, eu tinha a alma mais encardida que um trapo da
limpeza e ja nio podia mais. A ideia de perder os meus ricos vinte
contos badalava-me na cabeca como um sino a tocar a finados. Desani-
mado do Biker, transferi-me para a Portugilia. E foi IA, a tourear um
bife dito de vitela, custoso de roer como o cachago duma vaca velha, que
ouvi uma oferta de 11$50. Peguei-lhe corn as maos s6fregas dum naufrago
e corri ao Policarpo da Mutamba, a fechar o neg6cio daquelas cem
toneladas.
Corn cinco tost5es de lucro em cada quilo, s6 ganhei cincoenta
contos corn aquela afligo de tr&s dias. E jurei que nunca mais! Primeiro
porque nio entendo nada de cafes. Segundo porque estas coisas sempre
dro trabalho e eu nao nasci para grandes canseiras. E, terceiro, porque
nao gosto de preocupag5es.
Fagam o favor de me dizer de que serve a uma criatura de Deus ganhar
muito dinheiro, se corn isso fabric uma 6Icera no est6mago ou arranja
uma doenca de corago? Sim: de que serve o dinheiro a quem o nio
pode gosar?!
Bern sei que o meu compare Perdigao conseguiu a ilcera mesmo
sem ganhar o dinheiro. Mas isso 6 que eu chamo estupidez-super.
Embora ele pense que o estfpido sou eu...
De forma que, em resume, decidi parar a tempo corn as aventuras








dum neg6cio em que eu andava de olhos fechados, a arriscar os pataquitos
j! ganhos por um balbirrio da sorte e a comprometer a minha safide.
Vem a prop6sito lembrar que o inico medico que ainda consulted
na minha vida avisou-me logo de que tinha a tensio arterial bastante
alta. Nada de canseiras ou preocupacges! aconselhou ele. E s6 naque-
les tres dias do segundo e iltimo neg6cio de cafe 6 que eu the nao
segui o conselho ... Ora entio, ji veem: um home ter de cuidar da
sua safde ...
Foi isso que eu disse A Zulai, que andava muito animada corn aqueles
125 contos ganhos assim de p6 para a mao.
-Entio tu vais abandonar uma mina destas?!-excamou ela,
quando Ihe dei contas da minha resolucio.
-Aquilo nio 6 uma mina-e um algapio!
-Nio sejas medricas, homem!-fez ela cor algum desprezo.
-0 que eu nio sou 6 tolo! -protestei Tu sabes que estive agora
quase a perder os vinte contos que tinha dado de sinal ao Policarpo.
-Mas nio perdeste ...
Nio perdi mas podia perder ... E ha formas mais c6modas de
ganhar dinheiro.
-A conta-gotas ...
-Devagar se vai ao long. E, alum disso, nao 6 assim tio a conta-
-gotas como te parece. Olha aqueles primeiros vinte e cinco contos que
eu ganhei ... Foi s6 mostrar as notinhas do Banco de Portugal! Foi ou
nao foi?...
Pois foi; mas metade do lucro 6 para o primo Jolo ...
Metade, uma ova! Aqui para n6s, s6 Ihe vou declarar um lucro de
15 contos ...
Hum!... fez a Zulai, desconfiada- Se julgas que vais encobrir
a verdade ao primo Jolo, 6 que ji o sol tropical te comerou a secar os
miolos. Aquele nao 6 dos que vio na fita...
Ver-se-A ... rosnei eu, na defensive E, de qualquer forma,
eu vou desfazer a sociedade. Pago-lhe a parte que Ihe compete (ainda
que tenha de Ihe dar os 112.500$00) e pronto!
Pronto, se ele concordar ... espicagou a Zulai.


58








Que remrdio ter!- confirmed, muito seguro--Nio hi escritura
nenhuma e eu jA nio precise dos cem contos dele, porque tenho 125
contos meus.
Ganhos cor o suor do teu rosto ... completou ela corn um
sorriso brejeiro.
Ganhos cor o suor do meu rosto repisei, no mesmo tom.
Agarrimo-nos um ao outro, a rir como perdidos. A Zulai e um
mimo de corpo e eu via-lhe os seios tremerem ao ritmo daquele riso
consolado.
Comecei a aquecer corn o especticulo, ousei umas caricias de bom efeito
e tudo acabou duma forma bern agradAvel...



Contra os maus agouros da Zulai, o meu primo Joao, quando eu the
disse que o neg6cio, bem esticado, s6 tinha dado quinze por cento e Ihe
mandei, pelo Z&zinho do Algueirao, os 107.500$00 que Ihe competiam
dadarando que mais valia nao tentar a Deus, aceitou sem espernear.
Tamb6m 6 verdade que eu soube usar a isca mais adequada is sim-
patias estomacais daquele peixe graddo... < escrevi eu no meu cursivo mais apurado--que uma pessoa de bem pode
embarcar em muita vigarice. E bem gostaria que uma bruxa me transpor-
tasse agora at6 ao Arco do Cego, para dizer umas coisas ao safado do
Pedro Candelinhas, que me levou como um home ... Que esta gente
andava cheia de medo e at6 agradeca a quem the ficasse cor a
riqueza ... Raios o partam! Esta gente mandou a familiar embora para ficar
mais a vontade e parece decidida a nao arredar p6 daqui. E eu 6 que tive
um trabalhio dos diabos para encontrar quem me desse uns tost5es de
lucro pelos cem quilos que me adeantaste. Valeu-me deparar corn um
tipo que tinha mesmo de embarcar para se despedir da mulher, que
esta a morrer af, no Instituto do Cancro.
mios fieis do nosso comum amigo Z6zinho, a tua parte. Vamos li, que
tu nao tens muito de que te queixar, pois ganhas estes sete. e meio sem








mexer uma palha. Mas eu fartei-me de suar e, francamente, nio quero
mais.
pois estou a ver que tenho de empenhar aqui o meu apartamento para
obter os niqueis necessirios A viagem de regresso. A nio ser que to
queiras valer-me nesta nova afli~o ... A Zulai, que se recomenda, esti
pelos cabelos.
< ginar.
Claro que a resposta nio se fez esperar mesmo nada. Na volta do
correio, recebi o document da hipoteca e um bilhete em que o esper-
talhao do meu primo escrevia:
--Deste ja n6s nos livramos! -comentei eu para a Zulai, a esfre-
gar as mios de content.
-Foi corn o pedido de ajuda que o despediste!- explicou ela con
aquele risinho maroto que di tanta graca A sua carinha de boneca.
--Eu conhego a m6sica daquele melro!--fiz eu, piscando-lhe o
olho. E rimo-nos mais uma vez a valer. Mas ai nio houve mais condi-
mentos, porque era depois do almogo e eu estava mesmo na hora da
partida ao encontro do Zeferino.
O Zeferino era um conhecimento recent, mas que se me afigurava
muito itil. Claro que ten mais nomes, que eu nao digo, porque nao gosto
de comprometer ningu6m e, muito menos, um parceiro que sempre se
mostrou para mim um tipo fixe nas palavras e nas obras.
Assistiu, por acaso, A minha primeira venda de notas do Banco de
Portugal e, discretamente, depois do comprador se retirar, chegou-se a
mim e disse:
-0 senhor ainda ten mais desses escuditos?
-Nem a amostra!- respond, na defensive.
Pois eu posso arranjar ... murmurou docemente.
Considerei-o, durante bem um minuto, cor olhos suspicazes. Ele
aguentou, sorriu mesmo, compreensivo, oferecendo a minha desconfianga
um rosto apiedivel de quem precisa de ganhar o pao de cada dia...








Como? adiantei, jogando naquela cara de bom-seris.
Tenho umas liga~6es jeitosas ...-dedarou, reticente.
-A como vende?
-A como paga?
-Nunca a mais de quinze por cento.
e como eu compro...
-Arranje mais barato!
-Nao posso.
EntIo, nio interessa.
Ele ficou a pensar, cor o ar tristonho dum rafeiro que v6 falhar o
seu osso. Depois perguntou onde e a que hora me podia encontrar dal
a tres dias.
Era a esse encontro que eu agora comparecia, ja liberto do com-
promisso corn o meu primo Joio, e corn cento e vinte e cinco contos
a minha ordem num dos bancos da cidade.



O home foi pontual e declarou que o iltimo preo mas verda-
deiramente o iltimo preco, e se fosse para continuar-era doze por
cento.
-Mas, para continuar de que maneira?-investiguei, fazendo-me
dificil, embora mortinho por aceitar.
-Quanto pode comprar por semana?
Talvez uns cem contos...
-Entio comegamos nessa base... Pode trazer hoje os primeiros?
-Logo, as cinco da tarde.
-Nesse caso, ate logo!



Esse foi, para mim, o tempo das vacas gordas.
Tinha escudos metropolitanos a 12 por cento. E nao faltava quem mos
comprasse a vinte e a vinte e cinco. S6 era precise estabelecer algumas
ligag6es.








Cor umas ajudas bem aproveitadas, consegui arranjar sociedade para
a Zulai num atelier de modista dos mais finos da cidade. Era um bom
posto de distribuicio, porque as donas de casa sao prudentes e todas
elas, sobretudo nesses dias incertos, queriam colocar um dinheirinho na
Metr6pole, para uma afli&io. Serviam tambem de excelentes interme-
diArias cor outra gente de ambiSes mais altas ... E a verdade 6 que,
ao long de todos estes anos, nunca faltou comprador para as cem notas
do Banco de Portugal, que semanalmente me trazia o Zeferino.
1 onde ele as ia arranjar, nunca logrei averiguar ao certo. E bem
o tentei. Mas ele, muito mais mula do que aparentava, sempre conseguiu
trocar-me as voltas.
Trabalho ... limitava-se a responder Trabalho como um ga-
lego! Ando, por dia, muitos quil6metros a p6.
Dentro da cidade ... sondava eu, a atrai-lo ao pormenor.
Dentro da cidade e fora da cidade despistava o malandro,
fugindo ao resvaladouro- Vou apanhar os escudos aonde eles apare-
gam ...
Ao porto, ao aeroporto, aos turistas, aos soldados que chegam ...
nio 6?
-Nio 6, nao senhor! -decarava o Zeferino, recolhendo & sua
concha- Sobretudo, nao 6 da sua conta. Nao tenho eu cumprido o
combinado?
LA isso 6 verdade!
E era. Cor a pontualidade dum cobrador de impostos, o Zeferino
aparecia todas as segundas feiras corn os cem contos em notas do Banco
de Portugal. Recebia, em troca, os 112 contos em dinheiro de Angola e
ia & sua vida.
A Zulai passava palavra no atelier e, normalmente, dois ou tres dias
mais tarde, tinha eu, no discrete escrit6rio do nosso apartamento, o
sujeito que vinha fechar o neg6cio, afirmando sempre (daro!) que os
escudos nio eram para ele.
E isso que me importava a mim?! Que fossem para ele ou para a
av6 da prima, o certo 6 que rendiam sempre 120, 122, 125 e at6 mais.
Houve casos (infelizmente poucos!) em que recebi 130 boas notas de








mil pelos cem contos, em dinheiros diversos, vindos da Metr6pole.
Pelas minhas contas (que, por azar, foram parar, inteirinhas, 1 Judi-
ciAria ...) a media do meu lucro andou pelos doze contos e quinhentos
em cada cem. Isto, todas as semanas. Contando com os meses de cinco
domingos, a coisa ia para os cincoenta contos mensais, na roda do ano.
Tudo regular, sossegadinho, seguro e correct!
Que era um crime! afirmou o Senhor Doutor Juiz, no sermro
cor que me mandou para esta casa de repouso. E eu nerm he soube
responder, porque perdi a fala de puro espanto.
Um crime?! Quando 6 que foi crime um home acudir a uma
afligio, na media das suas posses!? Eu nio force ninguem, nao passei
notas falsas, nio vigarizei ninguem.
Corn o Zeferino nao sei o que se passava. Mas comigo, assim Deus
me salve como eram as pessoas que mo vinham pedir, de olhos ansiosos,
discutindo bastante o cAmbio, 6 verdade, mas acabando por sair agrade-
cidos, logo que sentiam nas mlos aquelas ricas notas, aceites em todo
o mundo, e que eu Ihes facultava corn tanta limpeza e facilidade.
--Que era um juro de usura escandalosa, um juro de mais de
seiscentos por cento ao ano--explicou o Senhor Doutor Juiz, apontando
para mim o arripiado dedo da justica.
Pois era. Mas, salvo o devido respeito (<, como ouvi
dizer no tribunal, ao senhor Delegado do Ministrio Pfblico, na sua
fungo de acusa-Cristos) salvo o devido respeito, quem tern unhas 6 que
toca guitarra. E eu ji disse -e estou a provi-lo -que o meu neg6cio
era um neg6cio bem montado.
Ali nao havia mas ner talvez. Tudo estava planeado sem riscos nem
fugas. Cheguei a pontos de ter as duas pontas do fio igualmente seguras.
O Zeferino continuava mais certo que a hora certa, recebida directamente
do Observat6rio Joio Capelo. E os compradores eram sempre demais
para as disponibilidades.
Porque estas coisas sempre tentam, mesmo a um home tio prm-
dente e precavido como eu, cheguei a aventurar um ou outro golpe fors
do sistema, indo direito is fontes onde pensava que se abastecia o Zefe-
rino. Entre osdesembarcados dos navios e avi6es, sobretudo os militates








recem-chegados da Metr6pole e os turistas da estranja, fiz algumas boas
colheitas de dinheiro, quase ao par, ou pouco mais.
Isto por6m 6 ao que eu chamo as minhas extravagincias, corn as
quais ainda ganhei o bastante para um bom autom6vel e umas prendas
bonitas, dadas a Zulai.
O certo, certo eram os cincoenta contos por mes. Faziamos a
nossa vida com dez e os outros quarenta iam para o Banco. Quase
quinhentos contos por ano! Querem emprego melhor?

Mas o diabo estava i espreita...
O diabo estava a espreita e, num dos seus dias, entrou-me em
casa, na pessoa bern vestida e bem falante dum pretendente aos meus
belos escudos metropolitanos.
Reparei que nao era dos meus habituais compradores. Mas, como
a clientele tinha as suas variag5es e, nos filtimos tempos, depois daquela
famosa question dos cheques visados (lembram-se?), mostrava uma des-
gragada tendcncia para diminuir, eu disse a minha desconfianga que se
fosse embora e recebi o adventicio com o meu melhor sorriso commercial.
Informaram-me que dispbe de algumas notas do Banco de Por-
tugal ... comegou ele, no tom mais cordial deste mundo.
Sim: vendi umas courelas na terrinha- admiti com as cautelas
do costume--E trouxeram-me, em mio, uma part do produto da venda.
Quanto?
-De quanto precise?
-Ai uma centena ...
-Uma centena de qua?
De contos. Se fossem baratos, claro...
-Ji me ofereceram a vinte e cinco por cento.
i carissimo! arripiou-se o visitante.
-Nao acho contracenei eu Tanto assim que nao vendi.
-Pois venda, que vende bem!... Onde estio as notas?
-Estio comigo.
-E ten a certeza de que nio sio falsas? Como sabe, houve hi dias
umrn roubo num Banco da Figueira da Foz ...








Ouvi falar ... Mas as minhas nao sao dessas.
Posso ver uma?
Abri o cofre incrustado na parede e exibi um dos bonitos cromos
que serve de chave para as comodidades deste mundo.
-As de mil sao destas- expliquei- Mas tamb6m tenho de Qui-
nhentos, de Cem e de Cincoenta. Todas genuinas!
Pelo menos esta 6 concordou o sujeito, depois de a considerar
cor os cuidados dum analista encartado--Mas a vinte e into por
cento nao me interessa.
--Nio faz mal, meu caro senhor- disfarcei eu- Tambnm nao
estou muito interessado em vender.
Entio, para que as mandou vir? fez ele cor um risinho de
Iscariotes. E despediu-se.

Despediu-se mas voltou, duas horas mais tarde, acompanhado dum
parceiro cor cara de mau e munido duma ordem de busca ao domidlio.
Eram ambos da JudicAria!
Os meus amigos estio dai a ver a cara de estuipido corn que fiquei.
Mandaram-me abrir o cofre, o que nio era muito perigoso, pois s6
l1 havia os cem contos da iltima entrada, realizada na manh! desse
mesmo dia, que era uma maldita segunda-feira. Mas tambem li estava o
meu livrinho de apontamentos, em que se mostraram logo muito inte-
ressados.
Levaram tudo, passando o competent recibo. E eu assist mudo e
quedo, que nunca fui home corn arreganho para refilar is autoridades.
O livrinho nio referia nomes--apenas citava as operag6es. E reve-
lava um ganho muito respeitivel, ao long dos cinco anos e alguns meses,
que tinha durado aquele neg6cio discreto, certinho e regular. Era um
ganho tio respeitivel que os dois homes da Judiciiria arregalaram
os olhos, contemplando-me cor uma admiracgo que, de algum modo,
me atenuou a amargura daqueles momentos...
Fui pronunciado e julgado.
Escarrei a verdade toda, menos os nomes dos meus compradores, que
poderiam negar, se eu os citasse, porque nao havia documents.

65








Fritaram-me o juizo nos interrogat6rios. E, no fim, antes da sentenga,
o Sr. Delegado do Ministerio Pfiblico virou-me do avesso e embrulhou-me,
muito bem embrulhado, numa quantidade de artigos, parigrafos e alineas
de vArias leis aplicdveis.
Aqui muito a puridade, confesso que a sua acusago, logo seguida
duma long fala do Sr. Doutor Juiz, arrefeceu-me um bom bocado cd
por dentro.
Claro que esbracejei, como um niufrago, contra os feios epitetos cor
que me brindavam, por entire citages legais que picavam como urtigas.
Mas, no meu intimo, comecei a envergonhar-me de ter ganho tanto
dinheiro por um process to facil. Olhem que foram mais de dois mil
contos em pouco mais de cinco anos e descontando os gastos correntes
da minha casa!
Ngo me lembro se ja disse que, nos filtimos tempos, fiz uma vida muito
agradavel, corn todas as manhas de rico, induindo a frequencia de
buates e certas aventuras cor mulheres de boa estampa, que nio slo
para pelintras. Tenho atW fundadas suspeitas de que certa espanhola,
corn quem tive de me zangar, nio andou alheia aquela inoportuna visit
da JudiciAria a minha casa ... Mas, enfim, ji slo outros contos, que nem
vale a pena contar.
E aqui estou eu, ja la vio cinco meses, num lugar de muito descanso
mas em companhia que me nao agrada, porque nao 6 para os meus
bons princpios. Imagine que atW cA est! um tipo de maus figados
e sem ponta de caricter, que andou a vender sal aos terrorists.
Teima em procurar a minha companhia, do que eu nio gosto nem
um bocadinho E hi dias, quando eu Ihe disse que nao me agradava
a sua converse, fitou-me de esguelha, corn aquele seu ar de corvo esper-
talhio, brindou-me cor nuna gargalhada de partir vidragas e saiu-se
corn esta:
-Ora viva a pombinha enjoada! Onde esti a diferenga entire o
teu caso e o meu? Nio andaste tambm& a ganhar dinheiro corn a des-
graqa alheia?
Para ser franco, fiquei incomodado corn esta falago do malandrote
O raio do homem!...














GENTE DO SUBIjRBIO
















Na Samba Grande, pouco al6m da bifurcago cor a estrada que
contorna o Morro de Santa Barbara em direcco ao Bairro da Praia do
Bispo, houve nessa manha uma cena medonha.
Nesse ano (se a mem6ria nIo me falha, foi em 1965) verificava-se
para aquelas bandas o milagre da multiplicaqgo das casas. Da noite para
o dia, surgiam mais umas quantas. Grandes e pequenas. Modestas ou
pretenciosas. De r6s-do-chlo ou de primeiro andar. Todas em transgressbo.
Nas sessSes da Cimara, o problema comegara a azedar. Os ilustres
pais da Cidade, bastante parecidos corn certas mies desejosas de que os
filhos fiquem sempre meninos, zangaram-se porque Luanda crescia sem
licenga deles. E passavam da Postura A descompostura e da obrigagio
de promoter o progress urban a birra de imp6r a sua autoridade,
parando tudo. Se eles ngo tinham dinheiro para abrir arruamentos, os
pobres que dormissem ao relento! Desrespeitar as posturas, 6 que nio!
Cheios deste santo respeito pelas prerrogativas da autarquia, tinham
deliberado tomar conhecimento de que a cidade nao queria parar. Era uma
pouca vergonha! E decidiram agir corn uma energia digna da Casa dos
Vinte e Quatro.
Foi assim que, nessa manhi, os buldozzers da CAmara, que nao tinham
tempo para enxugar as lagoas dos muceques, meteram a Via Horatia
(assim ficou para sempre baptizada a estrada de Belas, mandada cons-
truir pelo Governador HorAcio de S! Viana Rebelo), levando no encalpo,
como soldados atras dum tanque de guerra, uma luzida hoste de zela-
dores municipais.
Chegado o cortejo ffnebre ao local da execuglo, um dos funcionfrios
adiantou-se corn um papel timbrado e leu a sentenga dos edis. Iam ali








para demolir as casas edificadas sem licenga camariria. era aquela>> acrescentou, espetando um dedo implacavel na direccio
duma casita em vias de acabamento, dentro dum quintalejo debrugado
sobre a estrada.
Mas quando ele acabou de falar, A sombra da maquina demolidora,
jA estava cercado pelos moradores daquele bairro sem lei. E uma robusta
mulher, j& idosa, corn urn pirralho de alguns cinco anos agarrado is saias,
rompeu por entire os homes, tocou corn a mio calejada na ilharga
do zelador e inquiriu:
-Ele, o senhor, o que disse?
-Vamos demolir esta casa.
--Era o que faltava!
-Sio as ordens que temos--explicou o funcionario- De quem
e o pr6dio?
meu dedarou a mulher Mas para predio ainda Ihe falta
muito. P apenas uma cubatita para a gente morar...
-Tern uma hora para tirar as suas coisas--avisou o home, a
fingir de forte.
Nio era precise tanto tempo, que os tarecos sio poucos. Mas nao
tiro nada.
-Nio recebeu ura intimacgo da Camara?-perguntou outro zela-
dor, certamente desgostoso daquela feia tarefa.
Recebi, sim senhor, mas nio a li. Ngo sei ler.
Estalaram risos na assistencia e o perguntador p6s-se a acender um
cigarro, para disfarqar a atrapalhagio ...
N6s temos muita pena, minha senhora, disse o primeiro zelador,
em tom conciliat6rio--Mas nio somos quem manda. Recebemos ordens
e a nossa obrigagio e obedecer. Alem do mais, os senhores construiram
em terreno que nao era vosso... ;
-Pois claro que nao era nosso!- concordou um sujeito enorme,
cujos pelos do peito, rijos como cerdas, Ihe subiam at6 A maga de Adao.
-Ngo era nosso nem era de ninguim. Conquistimo-lo ao mar.
Assim mesmo! apoiaram vArias vozes.








-Seja como for, n6s temos de cumprir as ordens -teimou o fun-
cionrio--Fagam o favor de se afastar!
Eu nio saio daqui! berrou a mulher, plantando-se bem & frente
do buldozzer E dentro de casa tambmr esti gente. Fiquem sabendo
que esti 1a meu filho, de 25 anos, que terminou hi dois meses o service
military. Quando deu por esta cena, pediu-me que o fechasse na retrete.
deles e desgraco-meb> E eu fechei-o, sim senhores, porque entendo bem
a raiva do rapaz. A have esta aqui: olhem!
Tirou a chave do bolso do avental e ergueu-a na mao, bem alta,
como um testemunho da sua verdade. Depois teve um riso escarninho,
todo feito de desespero, e continuou:
Entgo, encham-se de coragem, que ele esta seguro, nao Ihes
pode bater. Atirem-lhe com as pedras para cima. Ele merece-o bem,
porque andou la pelo Norte, durante tres anos, a combater os terrorists,
que nio o conseguiram matar. Mas, para isso, estgo ci Voces! 6 home
da miquina, p5e essa merda a andar! Sepulta o meu filho debaixo da
casa que ele me construiu! Ajuda um pouco os terrorists, malvado! Vi!
E passa tamb6m por cima de mim e deste inocente! Anda! ... Deus
tenha compaixio de querm pobre!...
E rompeu num choro convulso e lancinante.

Entao, no silncio emocionado, tries homes que tinham ido a casa
engravatar-se adiantaram-se para os zeladores e um deles props:
-Se os senhores prometem nio demolir por enquanto, n6s vamos
falar ao senhor Governador Geral.
Os funcionrios, mais perplexos do que desejavam aparentar, concor-
daram logo. Os tres emissirios partiram, numa carrinha. E ainda nio
tinha decorrido uma hora quando chegou a ordem de nao demolir.
O Chefe da Provinica queria ser esdarecido sobre o caso.







* *


O soldado desmobilizado, que a rage fechou a chave para que se
nto atirasse aos que Ihe queriam demolir a casa, chamava-se Patanisca:
Jogo Figueira Patanisca.
E no dia seguinte ao do bizarre acontecimento, ja com o Bairro da
Samba liberto dos buldozzers da Camara, um dos seus camaradas de
trabalho, s6 para meter conversa, aludiu a sua attitude naquela emergncia:
-Entio o menino, ontem, parece que esteve de castigo-disse-lhe
o Malinhas pedreiro, logo a chegar a Obra em que ambos trabalhavam,
na Avenida dos Combatentes.
-De castigo ficas tu, mas cor os focinhos partidos, se comegas a
armar em engragado-refilou-lhe ele, de mau humor.
-Amaina home, que ninguem te esti a ofender! acudiu o outro,
que lhe conhecia o ginio. Eu acho que fizeram bem em te fechar i
chave. Corn o feitio que tens, devias andar corn agaimo...
-Salvo seja!-ressalvou o Patanisca, ainda amuado-O feitio
que tenho e o que Deus me deu; e nao difere muito do de meu pai,
que os terrorists s6 conseguiram matar quando se Ihe acabaram os car-
tuchos da caqadeira...
i verdade ...- fz o Malinhas Foi s6 hi quatro anos e a gente
ji nem se lembra dessas coisas ...
Eu lembro-me ... murmurou o Patanisca, com uma luz estranha
nos olhos pensativos.
-Mas, final, como se passou esse caso de ontem? -perguntou-lhe
o parceiro, para o desviar daquela cisma J o ouvi contar de cinco
maneiras diferentes...
O Patanisca, que era de poucas palavras, nio levou mais dum minute
a narrar-lhe a verdade dos factos. Depois, lembrou ao amigo que o patrio
nao gostava muito de conversas. E meteu-se no seu trabalho.
Mas, enquanto martelava as cofragens que andava a montar para
a cimentacgo duma lage, no seu pensamento comeqou a borbulhar aquela
idea das virias verses que ji corriam sobre a cena da vispera. Que as
palavras do Malinhas sobre aquilo de ele ter ficado de castigo eram








pura brincadeira, sem veneno nenhu acreditava. O Malinhas conhe-
cia-o bem. Tinham feito a tropa juntos e ambos sabiam como se enfren-
tava o perigo. Mas os outros?
Luanda era ja uma grande cidade. E numa cidade grande hi sempre
lagar para toda a casta de gente. Lembrava-se, de repente, que, nos
seus tempos de escola, o Ant6nio Jos6, que media entio um metro e
dezanove, sempre que algu6m se metia cor ele, armava uns ares de
garnish irritado e desatava a berrar:
Este diabo desta frase, que fora motive de galhofa para toda a
rapaziada da Escola Primiria n.0 15, badalava-lhe no cerebro corn tanta
forba, que nem ouvia o barulho do martelo a bater nos pregos caibrais.
Maldito sino!
Na verdade, para quem o nao conhecesse, o raio daquelas palavras
pareciam inventadas para o seu procedimento da v6spera. O Ant6nio Jose
gritava que o agarrassem, para se nao desgrarar. Ele tinha pedido que o
fechassem a chave, para nio bulhar cor os demolidores da sua -casa.
Era igual ou.nio era? ...
Claro que nio era igual, embora parecesse. Ele sabia bem porque
tinha pedido aquilo. Na Samba ja conheciam a deliberago municipal.
Quando tinha visto chegar os buldozzers cor aquele acompanhamento
todo, ele ficara convencido de que iam mesmo comegar as demoligBes.
E, corn a tamanha raiva que crescia dentro dele, sabia tambnm que se
nao poderia center nos justos limits. De certeza, ia atirar-se & bruta
contra aquela malta. E, depois de comegar, ja nao parava senio morto.
Ele era assim mesmo ...
Por isso s6 por isso 6 que tinha pedido a mie que o fechasse a
chave na retrete, que s6 tinha um postigo estreito, por onde ele no
cabia para saltar para a rua.
Mas agora sentia-se vagamente arrependido. Afinal, os homes da
CAmara tinham sido bastante compreensivos. 0 senhor Governador acudira
no moment oportuno. E toda a cena, que ele visionara em luz de
tragedia, chegando a imaginar-se sepultado nos escombros da casa inaca-
bada, tinha acabado sem barulho de maior.







Simplesmente, como dizia o Malinhas e era natural, as coisas conta-
vam-se na cidade de varias maneiras. E talvez alguem se risse dele.
Esta suposicio andou a verrumar-lhe a alma durante o dia inteiro.
E, ao eptardecer, quando largou o trabalho, decidiu ir ter corn
a Marina, para matar saudades e, tambem, para sondar o que se dizia
para aquelas bandas...



A Marina era a namorada do Patanisca e vivia corn seus pais numa
quintarola da Estrada da Conduta Velha.
Depois da edos5o do terrorism, a tropa lancou A volta da ddade
uma cintura de arame farpado, que ia de costa a costa, desde a Samba
at iA Cadeia Civil da Comarca, passando pela Fibrica de cervejas
Cuca. Os soldados vigiavam essa linha, de dia e de noite, para que
os terrorists nao entrassem.
E os terrorists nao entraram-foi a cidade que saiu. A barreira
military aguentou lindamente a presslo de fora. A cidade 6 que reben-
tou o arame farpado, de dentro para fora, cor a forca admirivel
dum crescimento spectacular.
Cedendo a essa energia estupenda, os militares levaram a sua linha
defensive para uns quil6metros mais long, para alm& do Morro Bento,
do Campo Militar do Grafanil e da fibrica de cimentos Secil. Mas a
cidade continuou a alastrar. Ja vai a caminho de Belas, Viana e Cacuaco.
Sem urbanizaggo, sem arruamentos, muita vez sem agua nem luz, s6
corn a graga de Deus e pela teimosia dos seus habitantes, Luanda
cresce. E crescer 6 a mais bela forma de viver.
Dentro e fora do arame farpado, onde as sentinelas da guarnigio
military marcam a presenga da juventude em armas, os subirbios da
capital de Angola, habitados por gente capaz de segurar o diabo pelos
cornos, constituem uma muralha viva, que desencoraja os mais atrevi-
dos agents da subversio. Ou, antes, virias muralhas, porque sdo de
varias espdies.
Na zona da Estrada da Conduta Velha fica a muralha das couves.








Dum lado e do outro da pista de asfalto, que esteve para ser feita por
subscriio piblica, as hortas sucedem-se quase continuamente. Hortas
grandes e pequenas, corn vivendas airosas ou pobres casinhotas de
gente mais que pobre. Dentro de umas e outras, h! portugueses reso-
lutos, que realizam plenamente a palavra de Salazar, porque guardam
a espingarda ao p6 da enxada.
Numa dessas hortas vivia o senhor Joaquim das Antas, cor a
mulher e tres filhos: dois rapazes e uma rapariga j! casadoura. A rapa-
riga chamava-se Marina.
A horta era pequena, mas ainda havia quem tivesse menos. Por
exemplo o vizinho da direita-o Santos Galego (chamavam-lhe assim
porque nascera em Soutelinho, mesmo a-cavalo da raia da Galiza), o
Santos Galego cultivava um cibo de terra que nio chegava a mil metros
quadrados. E na cubatita coberta a zinco, era s6 ele e urm co ,
ainda mais magro que o dono ... Comparada cor isto, a horta do
Antas, corn os seus dois hectares de boa terra, parecia a quinta dum
brasileiro em Tras-os-Montes.
A Marina era uma linda moga, que estava prometida ao Patanisca,
desde que ele acabara o servico military, ia agora fazer dois meses.
O rapaz tinha-a conhecido, ji no fim da tropa, quando regressou do
Norte e conduiu o seu tempo em patrulhas pelos arredores de Luanda.
Gostava muito dela. E, nessa tarde, sorriu-lhe corn o enlevo de
sempre, quando ela apareceu a cancela do jardinzito fronteiro a vivenda.
Nao contava contigo hoje ... disse-lhe, ji de mios entre-
lacadas.
Nao resisti a tentacio de te vir ver ... -explicou ele.
JA acabaste a casa?
Ainda falta um bom bocado. E a Camara comecou a implicar
cor a gente.
J me disseram ...
-Ja te disseram, o que?-perguntou o Patanisca, receoso dos
boatos sobre o incident da vespera.
-Que a Camara anda a rabujar por causa das licencas...
S6 isso?








-HA mais alguma coisa?!
-Ha que ontem apareceram 1a os fiscais cor buldozzers, para
deitar aquilo tudo abaixo.
-E deitaram?
o deitas!... Mas tu ainda nio sabias?
Nadinha! Vivemos para aqui tio longe...
Pois foi uma cena das Aribias. Os homes apareceram, todos
muito serios e pimpoes, cor a sua miquina infernal. Mas o povo do
bairro cercou-os, assim como quem nao quere a coisa, e a minha mae
adiantou-se e disse-lhe das boas. Quando as coisas comegaram a aque-
cer, o Chico Varais mais dois tipos prontificaram-se a ir falar ao
Governador. E a coisa ficou em nada.
Tu nio estavas la?
Eu estava confessou o Patanisca, pondo-se vermeiho como o
gindungo maduro-Franqueza franquezinha, 6 at6 por isso que hoje
quis falar contigo, para te contar como as coisas se passaram, pois
parece que ja para ai as contam de muitas maneiras... Eu quando vi
chegar o buldozzer, fiquei de cabega perdida,...
--Atiraste-te aos homes da Camara?! -fez a Marina, ja aflita.
NIo. Pedi a minha mae que me fechasse a chave. Porque eu
matava o primeiro que avancasse contra a minha casa! Matava-o mesmo,
Marina! Se visse aqueles tipos a minha frente, a falar em arrazar
aquilo que me custou tanto a erguer, eu atirava-me a eles Marina.
Por isso pedi que me fechassem a have ... para me nao desgragar ...
E agora sinto-me um pouco arrependido...
-Arrependido de qua?-fez ela, muito convendda-De proce-
der com juizo?! Se 11 estivesse, era eu quem te fechava & chave. Sei
como 6s...
Mas nio sabem os outros...
-Se nao sabem, que aprendam! Que se metam contigo- e apren-
dem logo...
Ele sorriu, curado daquele receio de que a moca o pudesse consi-
derar um medricas. E passaram a falar de coisas mais agradAveis...








* *


Ainda os mocos conversavam, naquelas tagates sem nexo que sao
a conversa dos namorados, chegou o senhor Antas da cidade.
Vinha no triciclo motorizado em que, todas- as manhas, transpor-
tava os seus produtos ate a casa dos seus fregueses.
Porque o senhor Antas nao tinha (dugar> no Mercado dos Lusia-
das. Preferia ir direito aos compradores. S6 na Vila Alice e no Bairro
de Alvalade, tinha mais duma centena deles. E, uns hoje, outros amanhi,
cinquenta eram certos na m6dia dilria.
Na Vila Alice, se contava cor aquela gente da rua paralela a Estrada
de Catete, que podia gastar A larga, tamb6m abundavam, lI para dentro,
nos arruamentos interiores, os pobres que pensavam tras vezes antes de
comprar cinco tost5es de salsa. Mas no Bairro de Alvalade, poucas
eram as casas onde nio vendia mais de vinte escudos diArios das suas
frutas e hortalicas. E na volta complete, a receita m6dia do dia-a-dia
andava pelos quinhentos escudos.
Trabalhava como um bruto, mas o lucro liquid ia dando para o
pgo da familiar e para os estudos dos filhos. Por isso, o senior Antas
vivia content de si e da vida, respeitado e respeitador, sem barulhos
em casa e sem ventas de Holofernes para quem Ihe dirigia a palavra.
Nesse dia, porem, pareceu ao Patanisca que nio vinha de corago
ameno. Pelo menos nao responded aos cumprimentos do rapaz cor a
sua lhanesa habitual.
-Muito boa tarde, senhor Antas--tinha ele saudado com a cor-
tesia devida ao future sogro.
-Boa noite! grunhira o pai de Marina, cor a secura de quem o
apanhasse a beijar-lhe a filha. E caminhara logo para dentro de casa,
a grandes passadas, no jeito de quem nao quer dar conversa...
-Teu pal vem de mau humor--disse o Patanisca para a Marina.
--Qualquer calote que Ihe pregaram-explicou ela--Custa-lhe
muito a ganhar ...
Mas eu nao Ihe devo nada. E quase nem olhou para mim.
Nao reparaste?








-Nao fagas caso. Ele 6 assim mesmo. Ter dias...
Caramba, mas tamb6m hi-de ter alguma razio para as trombas
cor que me responded ... Sabes que mais, Mina (era assim que a tra-
tava), hi uma coisa que me nao sai da cabega. Sgo capazes de andar
por ai a dizer que foi por medo que eu me fechei em casa, naquela
hist6ria de ontem ...
-E tu a dar-lhe ...
Pelo sim pelo nao, fala no caso a teu pai, a ver o que ele diz.
-Esti bem.
-E se perceberes que ele foi enganado, tu p6e as coisas no direito.
Eu amanh! venho outra vez. Combinado?
Combinado.
Despediram-se.
E nao foi precise que a moaa falasse no assunto. Foi o senhor
Antas quem falou.
--EntEo, o teu noivo, quando as coisas ficam feias, fecha-se na
retrete?!...-disparou ele, logo que a filha, propositadamente, passou
pelo cubfculo onde o hortelgo fazia as suas contas.
-Agora percebo porque Ihe falou tio de rompante-disse a moca,
pronta para a defesa-0O pai ainda nao conhece bem o Jolo...
-Nao conhecia, nio ... Nunca pensei que um soldado (que parece
que foi valente contra os terrorists) se fechasse na retrete cor medo
dos fiscais da Camara.
-6 pai!-exclamou a Marina, escandalizada-Como pode pensar
uma coisa dessas?!
Eu nao penso nada: slo os factos!
Mas os factos sao diferentes, meu pai. 0 Jobo falou-me nisso e
eu posso contar-lhe o que se passou. Quer ouvir-me?
Estou sempre disposto a ouvir-te. 0 que me nao agradou nada
foi ouvir as gargalhadas do Janinho Feitosa, a respeito desse rapaz que
quer casar contigo...
Ai, foi o Janinho que Ihe contou?!
Nao mo contou a mim mas contou de forma que eu ouvisse.
E eu percebi-lhe daramente o intent. uma vergonha!








uma patifaria, 6 o que 6!- corrigiu a moca, corn uma raiva
que a tornava ainda mais bonita Ningu6m que conhega o Joao acre-
dita que ele seja um cobarde. Hei-de pedir-lhe que me empreste o louvor
que teve na tropa. S6 para o pai ver de quem se ri esse palerma do
Janinho. E eu bem sei porque 6 que ele fala ...
-Se sabes, diz...
Pois digo, sim senhor! responded a Marina, muito decidida -
Esse ventas de lombriga andou a fazer-me rapa-p6s. Nunca Ihe dei
troco, que at6 ficava agoniada s6 de Ihe olhar para o focinho ... E ele
agora vinga-se no Jolo.
Hum!...--fez o senhor Antas, comegando a compreender--
Conta entio tu como foi a cena...
Ela contour, em pura sinceridade, como se falasse em confissio.
E tio convictamente defended a attitude do noivo, tio bem demonstrou
a real intencio daquele gesto de pedir que o fechassem r chave, para
nao cometer um excess, que o pai acabou por se deixar impressionar.
-Se assim 6, era bem feito que a teu noivo partisse a cara do
malandreco--sentenciou quando a moca acabou a sua hist6ria.
-E parte-lha mesmo, se vem a saber das gargalhadas. Por amor
de Deus, o pai nao The diga nada! Promete-me que Ihe nio diz nada?
-Estl bem, esti bern ... condescendeu o hortelio-E, ji agora,
sempre gostava de ler o tal louvor que deram ao rapaz...




O Patanisca tinha poucos amigos, mas bons. Um deles era o Tiago
Malangana, cuja pele escura encobria um grande e generoso coragHo.
Tinha sido 1.0 cabo na mesma Companhia em que o Patanisca servira
como soldado raso. E estimavam-se como irmaos.
O Tiago Malangana era agora aspirante de Fazenda e vivia numa
casita modest, perto da Nocal.
Encontraram-se, ambos de motorizada, junto A passage de nivel,
cujas cancelas estavam fechadas porque ia passar o comboio operArio.








Ainda bem que te encortro! disse o Malangana--Como foi
essa hist6ria dos buldozzres da CAmara na Samba?
Pacientemente, o Patanisca voltou a contar a ocorrencia. E, como,
entretanto, o comboio passou e as cancelas reabriram, seguiram ambos,
cor as motorizadas a par, bern encostados A sua mio.
-Pois olha que ji me apeteceu partir a cara dum engragado por
causa dessa brincadeira-informou o Malangana, ap6s um curto silenio.
Nio 6 nada contigo ... insinuou o Patanisca.
Mas 6 como se fosse ... O sujeito fez-te umas referencias idiotas.
-Pode saber-se quais?
Umas referencias de que eu noo gostei. Estava a contar as
coisas a seu modo ...
Disse que eu me fechei em casa cor medo?
-Mais ou menos. Enfrentei o bicho e perguntei-lhe se queria vir
comigo ver a tua cara de medroso. O tipo encolheu-se logo, balbuciando
que apenas repetia o que ouvira dizer. E eu virei-lhe as costas para
nao armar zaragata. Mas ficaram-me as mros a formigar ...
Quem era o animal?
Ouvi chamar-lhe Janinho.
Ai, o malandro! exdamou o Patanisca E como o amigo
tinha de virar a esquerda, despediu-se:
Obrigado, rapaz!
No vis agora meter-te em barulhos! Nao vale a pena...
Pois nao ...- responded ambiguamente o Patanisca. E deu mais
velocidade A motorizada.
Ia tgo furioso que resolve retardar o encontro corn a namorada.
E, contra os seus habitos, entrou na taberna do Taveira, para afogar a
raiva num copo de palhete.
Na tabema do Taveira, que o dono batizara de Bar Minhoto, havia
um vinhinho de Barcelos que era o melhor reclame da casa.
Sentou-se e pediu um copo daquele nectar.
Beberincando-o aos golinhos, ficou a olhar a freguesia que era
variada. Gente corn todas as cores da pele mas corn algo de igual no
modo de ser, na luz dos olhos e na alma que Ihe animava os rostos







diferentes. Estivadores pretos do cais, empregados do Caminho de Ferro
de Luanda, vindos da Metr6pole ou nascidos nas povoag5es de a-beira-
-linha, operirios da construgio civil naturais de Catete ou de Viana do
Castelo, funcionlrios nascidos em Goa, chauffeurs da CUCA ou guards
dos campos petroliferos da Petrangol, todos ali se juntavam pela alegre
influencia do born vinho portugues, que esta para a Coca-cola americana
como o sol esta para uma candeia de petr6leo.
Nao ser& tamb6m do jucundo vinho de entire Minho e Douro que
nasce esta curiosa semelhanga, tio evidence em rostos de ragas tao
diversas?
O certo 6 que boas amizades se geram e fortificam a volta duma
garrafa de palhete. E se, fisicamente, o home r aquilo que come e
bebe, talvez se possa afirmar que 6 do alegre e tonificante vinho por-
tugues que nasce esse algo de indefinidamente comum, na fisionomia
dos portugueses de Angola, da Guini, de Macau, de Cabo Verde, do
Porto ou de Timor.
De positive, o vinho ter um lugar no process da colonizagio
portuguesa e na saudivel realidade da nossa convivencia racial.
No calor deste sol engarrafado em Barcelos, o Patanisca foi diluindo
a sua irritagro contra o Janinho Feitosa. E ji estava resolvido a esquecer
a baba do dumento, quando reparou na conversa da mesa ao lado.
Eram quatro homes de idades variadas entire os 25 e os 30 anos,
todos cor o jeito de serem da ferrugem, talvez serralheiros ou solda-
dores das Oficinas Gerais do Caminho de Ferro. E falavam das casas
em transgressio.
-Onde 6 que um pobre pode construir segundo as regras, fagam
favor de me dizer?-perguntava um-A gente vai a CAmara e s6 Ihe
sabem dizer que nao. Aqui ainda nio esti urbanizado, ali nio ha cota
de nivel, mais alm nao podem dar o alinhamento. S6 onde os terrenos
ji custam mais de um conto de reis por metro quadrado 6 que Camara
diz amen. Pagando n6s um ror de coisas, daro! Fora disso, nio hi
pio fiado! Entio, que querem eles? Que um home durma com a
familiar ao relento?
-Contaram-me que, s6 em Luanda, hi mais de cinquenta mil pes-

81








soas a viver em casas construidas em transgressio-informou outro-
Onde poderiam viver, se nao houvesse essas casas?
-E j! repararam como essas casas se erguem depressa?-per-
guntou o terceiro.
o trabalho sem burocracia -sentenciou gravemente o primeiro.
-0 diabo 6 quando a Camara manda os buldozzers lemlrou
aquele que ainda nio falara -J J sabem daquela cena de anteontem na
Samba?
-Ja responded um dos outros Mas tudo acabou sem novidade.
S6 foi pena aquela vergonha do medricas que se fechou em casa...
-Medricas, porqu?--saltou o Patanisca, de punhos cerrados.
--Porque sim!-respondeu o interpelado.-Tem alguma coisa cor
isso?
Tenho, porque fui eu que nio sal de casa.
-Ai, foi Voce?!
E os quatro desataram a rir como perdidos.
0 Patanisca atirou-se a eles cor tanta ffria que, na surpreza do
ataque, todos foram de roldao.
Mas dois policies entraram e prenderam o agressor.


O Patanisca foi levado para a 1.& Esquadra mas nio ficou la muito
tempo.
A noticia correu pot toda a orla da cidade e de todos os bairros
suburbanos acudiram testemunhas a abonar os bons espiritos do moco.
O Finezas, criado de mesa do Vilela dos bacalhaus; o Miguel Peixoto,
distribuidor da Cuca; uma boa dfizia de moradores da Samba com a mae
do rapaz por capitio; dois pedreiros pretos do Rangel que trabalhavam
na mesma obra da Avenida dos Combatentes; um comerciante do Bairro
Sarmento Rodrigues; o Tiago Malangana, daro; o Joao Taleigas, do
Prenda; o Paulitano da Casenga; o Jolozinho da Praia da Bispo; uma
chusma de gente alvoragada corn a idea daquele bravo mogo do Bairro
da Samba, levado entire dois policies, porque reagira como um home
contra o feio epiteto de medricas.








Foram primeiro a casa do senhor Antas averiguar do- sucedido.
Eram tantos que nio cabiam dentro de casa e tiveram de conferenciar
ca foraa, a sombra das mangueiras.
Entio como foi isso da prisdo de seu future genro?- indagou
o Serapigo, do Bairro Popular n.0 1.
--Eu nio assisti--ressalvou o hortello- Mas, ao que me conta-
ram, o Patanisca nio feriu ningubm. Apenas distribuiu uns socos a
eito, nos quatro que Ihe chamaram medricas. A policia andava por ali
e acudiu logo ...
0 culpado de tudo fui eu interveio o Tiago Malangana -
Encontrei o Patanisca no caminho para casa e contei-lhe que um safar-
dana qualquer.andava por ai a barregar que aquilo de se fechar em casa
fora por medo. Ora o rapaz ter aquele maldito g6nio ...
Quem sao os que levaram os sopapos? quis saber o Finezas
da Cuca.
Boa gente!- informou o senhor Antas Eu ate me dou cor
dois deles.
-E apresentaram queixa?-perguntou o Peixoto.
-Nio apresentaram queixa nenhuma-esclareceu o dono do Bar
Minhoto, que tamb6m estava presente-Os homes falaram naquilo
apenas para entreter o vinho. Nem sabiam de quem falavam, porque nio
conheciam o Patanisca. E os murros, levaram-nos porque foram colhi-
dos de surpreza. Que eu conhego-os e sei muito bem que nio sao dos
que apanham sem dar resposta... Mas a policia andava perto demais.
Foi um mal porque prenderam o rapaz com a boca na botija. Mas
tamb6m foi um bem, sengo talvez nio ficasse uma garrafa inteira
no Bar ...
-Vamos ao que interessa!-disse um dos da Samba-Temos
de safar o rapaz!
-Pelo que ouvi, nao me parece muito dificil-opinou outro-
Basta ir falar com os agredidos. Eles acompanham-nos a Policia, decla-
ram que foi tudo uma brincadeira e pronto!
O alvitre foi aprovado por unanimidade e nomearam uma comissio








para o efeito. Iriam quatro homens--o Malangana, o senior Antas,
o dono do Bar e o Paulitano da Casenga cor a mae e a noiva do
Patanisca.
Quando se falou na Marina, o pai p6s objecqSes. Que nao Ihe
metessem a moga no assunto. Ela ainda nio era nada ao rapaz ...
-Ainda nio sou nada ao rapaz?!-disse ela, adiantando-se-
Entio eu nio sou nada para o home cor quem vou casar?! -E desa-
tou a chorar.
Desatou a chorar e acabou por ir no grupo dos emissirios, porque
o pai nao era capaz de resistir is ligrimas daquela filha.
Nao depararam com dificuldades de maior. Nenhum dos agredi-
dos ficara corn raiva ao agressor. E, no seu intimo, compreendiam uma
attitude que tambem eles tomariam, em igualdade de circunstincias.
S6 o Joaquim Maleitas, que era o mais resinglo de todos e tinha
um olho negro, 6 que ainda p6s algumas reticencias, talvez s6 por graga.
--O que me custa 6 ter apanhado sem dar o troco disse ele-
A contra o meu feitio. E o seu noivo tern a mao pesada acrescentou
para a Marina--Mas a culpa foi da Policia, que apareceu cedo demais.
Vamos li buscar esse espirra-canivetes!
Na Policia foi mais complicado. O Chefe da Esquadra disse que
sim senhores, que comprendia muito bem, mas a lei era a lei. E comecou
a citar uma quantidade de artigos e paragrafos. Quando se Ihe acabou
a guita da mem6ria, que nio era curta, rapou do C6digo e abriu-o numa
folha ji muito ensebada.
Mas, nessa, altura, o do olho negro tomou a palavra e disse:
-0 senhor Chefe di-me licenga de fazer uma pergunta ?
Pergunte Ia!
-0 senhor Chefe nunca andou a bulha?
JA nio tenho idade para isso responded a autoridade corn um
riso contrafeito.
-Ningu6m diz se foi agora ou se foi hi trinta anos ... Desde os
seus tempos de rapaz (que ainda nao vio long, que diabo!) nunca
entrou numa brigazinha, dessas que se armam sem ninguem saber porque,
nunca entrou mesmo, han?...








Bern ...- balbuciou o Chefe nos meus tempos de rapa ...
ja 6 outra coisa ...
Pois 6 exactamente a mesma coisa de que agora se trata. O Pata.
nisca 6 um rapaz cor o sangue na guelra. Os terrorists parece que o
ficaram a saber ... A um tipo valente. Acha o senhor Chefe que estamos
na boa altura para prender os valentes?...
Apoiado! gritaram os companheiros.
-Aldm disso, onde esta a participac5o contra o moco? Ningu6m
se queixou, nio 6 verdade? Eu sou dos que apanharam e estou aqui
para abrapar esse rapaz. E esti tambem a mae, que vive do que ele
ganha. E esta esta guapa moga, cujos olhos slo capazes de ressuscitar
um morto. Solte o rapaz e acabou-se!
O Chefe ficou a pensar um bocadinho e sentenciou:
Solto o rapaz, mas cor uma condigio ...
-Venha de l1 a condigio! -pediu o senhor Antas.
-Eu j& conhego a hist6ria toda-dedarou a autoridade-E sei
quem andou a espalhar que este moco se fechou em casa cor medo...
-Um tal Janinho -insinuou o Malangana.
-Esse mesmo-confirmou o Chefe-Solto o Patanisca, se ele
jurar, aqui diante de todos, que nio vai armar outra zaragata.
just -concordou o senhor Antas.
O, Patanisca foi chamado. Mandaram-no jurar pela safide da mie.
Ele resistiu bastante, mas acabou por jurar.
E foi assim que o Janinho Feitosa se livrou de ficar cor alguns
ossos partidos ...



Os emissarios regressaram cor o Patanisca em liberdade.
Todos os que tinham vindo a casa do senhor Antas esperavam a p6
firme, bebericando umas cervejas que a senhora Aninhas (era a mulher
do Antas) mandara servir.
Encheram o rapaz de abragos congratulat6rios, o Freitas da Samba
ainda tentou fazer um discurso (mas nao Iho consentiram: <







para o diabo cor a sua mania dos discursosb>), veio mais cerveja e
pot ali se demoraram, em alegre cavaqueira, ate a hora do jantar.
-E essa coisa das casas em transgressio sempre se arruna?-
perguntou a um dos da Samba o distribuidor da Cuca.
Ter mesmo de se arrumar! -declarou o perguntado -Claro que
n6s estamos prontos a pagar os terrenos Camara, embora fossemos
n6s quem os conquistou ao mar.
E tambem j Ilhe pagamos as multas acrescentou outro do
mesmo bairro.
-A gente paga tudo quanto pode-continuou o primeiro-As
boas, somos faceis de levar. Mas deixar demolir as nossas casas, 6 outra
quest-o. Tirarem-nos dali & forga, nio! Quando outros fugiram, em
1961, n6s ficamos lA, de atalaia aos bairros mais finos da cidade.
-Exacto!-confirmou o Jogo Taleigas, do Prenda -Em 1961
eu era das milicias e sei como as coisas se passaram...
Ests bem! concordou o senhor Antas Mas hi a lei. A Cmara
tern razdo em querer que a cidade cresca direita...
Tambem n6s queremos que a cidade cresga direita! reforgou
o Paulitano da Casenga, corn fama de bem falante Mas se cresce
torta, de quern 6 a culpa? Se um home vai pedir a licenCa, depara
corn uma barreira que nem para cavalo de corridas. Aos pobres, sem
posses para comprar terrenos no centro da cidade, a Camara s6 sabe
dizer que nao. Ora os pobres tambem tem o direito de viver. Ou nio
tem?... HA a lei, diz ali o senhor Antas, e esta certo: hi a lei, que se
nao fez para os cdes. Mas tambm& ha por ai, em plena cidade, milhares
de families a viver em garagens. ou nao 6 verdade? E a Camara
sabe-o ou nao sabe? E onde esti a postura municipal que autoriza o
procedimento?...
--Tern Voc muita razao apoiou o Finezas -Nao se pode
impedir a cidade de crescer. A Camara quer que a cidade cresga direita
mas nao tern feito nada para isso. Limita-se a dizer: aqui nao pode
construir, acola nao pode construir, mais alem tambem nao pode cons-
truir ... P como se dissesse a uma crianca de dez anos: o menino nao
pode crescer...








A conversa continuou neste teor e derivou depois para os casos e
epis6dios de cada um.
Naqueles duas duzias de moradres dos subirbios luandenses, havia
gente que ji. tinha visto muito mundo. O Paulitano, que era de Valenca
do Minho, tinha combatido os terrorists em Mogambique, junto a
fronteira corn a Tanzania. Os dois pedreiros do Rangel eram naturals
de Maquela do Zombo. O Tiago Malangana tinha vindo do Cunene.
O comerciante do Bairro Sarmento Rodrigues ji tinha feito com&rcio
em Goa. O Finezas era lisboeta. O senhor Antas nascera nas faldas do
Mario. Etc., etc ...
1 assim experimentada e divers a gente dos subdrdios de Luanda.
Formigas laboriosas, as vezes de exterior insignificant, mas sempre
corn a lealdade e o impeto dos leSes. Gente teimosa, empreendedora,
portuguesissima nas virtudes e nos defeitos. Corn o murro pronto e o
coracao aberto.
Gente dos mil horizontes, corn o character esculpido pela dureza da
vida, corn a alma ampliada pela vastidao dos grandes espacos do Ultra-
mar Portugues. Gente corn ideas simples e verdadeiras, iguais ao do
Primeiro Homem, quando se viu fora do Paraiso, diante da terra vir-
gem, obrigado a ganhar o plo corn o suor do seu rosto. Portugueses
bem decididos a guardar o que 6 seu e a defender a sua casa. Gente
metida em casas surgidas durante o milagre da noite, cor uma rapidez
impressionante, e as vezes em traga graciosa embora sem a bengio da Lei.
Gente que nesta terra adquire uma fisionomia peculiar, no risco
desta viragem da hist6ria, na tensgo da vida ameacada e na conviccio
de que ter o direito de viver. Gente que 6 uma milicia sem farda nem
bracadeiras, mas cor mil olhos atentos As manobras dos terrorists das
varias esp6cies.
Gente do churrasco e do bacalhau, da Africa e da Europa. Portugal
aquecido ao sol de Angola. Angola tonificada pelo jucundo vinho
portugues.
Uma gente danada, senhores!...







* *


Haveria muito mais que contar, na sequencia desta veridica hist6ria,
cujo enredo encheria um romance de muitas centenas de paginas. Mas
isto 6 apenas um breve apontamento sobre um tema fascinante. E posso
concdu-lo, dizendo que o incident da prisio do Patanisca apressou o
seu casamento corn a Marina. Porque, ngo vale a pena explicar: acon-
teceu! Aquele susto aumentou a ternura da noiva. O amor reciproco
de ambos tornou-se mais exigente e nio houve outro remedio senao levi-
-los a igreja, para a bengao do senior Padre.
Casaram dois meses depois das ocorrancias que tio mal acabo de
contar. E, ao findar deste primeiro semestre de 1968, ji Ihes nasceu o
primeiro filho.
Mas claro que nao vlo ficar por ai...














A ESTALAGEM DO LEAO
















Nos dias inquietos de 1961, quando algum luandense mais atrevido
se aventurava a um passeio pela estrada de Catete, alguns quil6metros
para alIm do Cemitbrio novo, deparava cor um predio em acabamento,
em cujo frontespicio, por cima dum leao ingenuo como um desenho
de crianca, se lia, em letras grandes de singela traga:
ESTALAGEM DO LEAO

O viandante abrandava a march, considerava aquela obra aban-
donada e abanava a cabega, murmurando:--coitado do home!
O coitado do home era das bandas de Viseu e tinha sido empre-
gado dum restaurant, em Lisboa, na decada de cinquenta.
Comegou por ganhar cem escudos por mes. Mas como era um incrf-
vel faz-tudo, capaz de fritar batatas nos chifres de Satanaz, alguns meses
depois foi aumentado para 150$00 e pouco mais tardou que Ihe dobras-
sem o sallrio para os trezentos.
Sempre mais vivo e mexido que um badalo de sino em dia de
romaria, acabou por mudar de pouso e foi parar, ngo vale a pena
contar por que bulas, a um restaurant fora de portas, que tinha um
nome que ele achou engragado: chamava-se <>.
Foi ai que se afeicoou a este sistema de ir apanhar o fregues ao
caminho, oferecendo os bons piteus ao appetite desperto pelos ares lava-
dos do campo. E foi dai que, um belo dia, ap6s urna azeda bulha cor
o patrao, decidiu embarcar para Luanda, que Ihe diziam ser terra vasta
para os seus pulmoes s6fregos de espaco e para a sua danada vontade
de vingar na vida.
Mal desembarcado, entrou na branca ermida da Senhora da Naza-
reth e ajoelhou diante da Virgem, a pedir a sua protecqo.








Depois, jogou na sorte grande e sairam-lhe quarenta contos.
Foi recebe-los num sabado, corn o corago a repicar de alegria; e,
no domingo seguinte, meteu-se num taxi e mandou seguir pela estrada
de Catete, <.
Um pouco alm dos terrenos do antigo Paiol (onde hoje a o Campo
Military do Grafanil), deparou corn uma tabuleta que anunciava a venda
dum terreno.
Mandou parar o taxi, foi medir o terreno cor os seus passes ligei-
ros de andarilho, considerou a paisagem, cheirou o ar e voltou para
tris at~ i morada do vendedor, indicada na tabuleta.
Antes de anoitecer, tinha fechado a compra de cinco mil metros
quadrados de terra angolana. Depois, furou, pedinchou, regateou, meteu
empenhos, percorreu a via-sacra dos guichets e meteu-se nem mais nem
menos que a construc o dum pr6dio, ali naquele descampado, para um
restaurant. E nesta altura entrou a saudade, a lembrar-lhe o nome da
ultima casa em que servira, nos arredores de Lisboa. Decidiu que o seu
restaurant dos arredores de Luanda seria uma coisa a valer e havia
de chamar-se <(Estalagem do Leao>.
Como tinha de pagar algum tribute i asneira, meteu um s6cio.
Um s6cio que Ihe trouxe um prejuizo de 300 contos, mais cem que teve
de Ihe pagar para se ver livre de tio ruim companhia. Mas esta foi
apenas uma das muitas arrelias dessa movimentada e cansativa fase da
sua vida. Ningu6m queira saber as preocupacoes e problems que o
afligiram durante esses anos de 1959 e 1960, enquanto as paredes do
seu belo pr6dio iam subindo lentamente, na planura gretada pela rai-
vosa mordedura do sol, e concitando a curiosidade dos que transitavam
pela estrada de Catete e perguntavam com cepticismo:
<(-Qual sera a idea deste maluco?b>

Mas nada 6 mais resistente do que a vontade dum home teimoso.
E, ao abrir de 1961, a ideia daquele maluco ja falava como gente, por
cima do leao ing6nuo, naquele titulo fascinante:

ESTALAGEM DO LEAO








Comegou a tratar do mobiliario e a pensar nas refeic6es, a lista.
De noite, no seu modesto quarto alugado da Rua da Pedreira, quando
o calor Ihe empastava os cabelos contra a almofada molhada de suor,
passava horas a fio, corn a ronda dos projects a afastar-lhe o sond.
Na sua rica imaginagco de beirio fura-vidas, os pianos de futures
melhoramentos dangavam alegremente corn hip6teses de grandes festas
ao ar livre, nas noites de sibado para domingo, entire luzes e bales,
no calor dos bons petiscos e das bebidas escolhidas, para essa gente
que passa a semana inteira, encurralada nas repartio6es, lojas e escri-
t6rios de Luanda.
Vivia euf6rico, infatigivel, criador, aguentando lindamente o tra-
balho continue, quase sem sentir o peso dos compromissos que ia acu-
mulando, em declaracSes de divida, empr6stimos caucionados e letras
avalizadas.
E foi entio que rebentou o terrorism. -
Desapareceram dos arredores de Luanda os grupos alegres dos pique-
niques. A Estrada de Catete despovoou-se dos seus passeantes de
sibado e domingo. E um ou outro, que ainda se aventurava at6 ao
local daquelas obras abandonadas, olhava o lego ing6nuo, lia o distico
fascinante e comentava corn sincera pena, a pensar no sonhador daquela
iniciativa:
-Coitado! Que pouca sorte!...

Hoje, ao findar deste ano da graga de 1968, aos domingos, tern
de ir muito cedo quem queira encontrar uma mesa livre para o almogo
na Estalagem do Lelo.
Toda a gene, em Luanda, sabe que isto 6 mesmo assim. Mas nio
parece uma alegoria da imprevista evolucgo dos acontecimentos, nesta
hora incrivel de Angola?...



Em meados de 1961, corn os bairros perif6ricos de Luanda pintal-
gados de escritos, na estrada de Catete quase s6 andavam as patrulhas








da tropa e as colunas de cami6es, que seguiam sob escolta para os rumos
do Sul e do Noroeste.
Na estalagem do Leao ficava, de noite, um bravo mo que, antes de se deitar, trancava as portas e nio abria a ninguem
senao de pistola aperrada e corn todos os rmisculos tensos para a luta.
E foi assim que, ao anoitecer dum dos filtimos dias de Abril, no
comeqo duma trovoada medonha, acudiu ao apelo aflito de alguem que
batia corn tal forga e frenesi, que parecia acossado por uma enfurecida
manada de pacagas. Mas abaixou logo a cano da arma, ao deparar
corn um branco de meia idade, acompanhado por uma rapariga dos
seus quinze ou dezasseis anos. Ele segurava na mao direita uma carabYna
de caga. Ela trazia nos olhos bonitos um pavor indivizivel. Rente A entrada
da casa, estacionava uma carrinha bastante descaida para um dos lados.
-Que anda o senhor a fazer por aqui, a estas horas?!--indagou
o mogo corn surpreza.
Vou para Viana decinou o home Mas caiu-me a trovoada
em cima, ao mesmo tempo que me rebentou um pneu.
Tern roda sobresselente?
Tenho, mas preferia deixar passar a chuvada. Nio se importa
que entremos? Minha filha esta cheia de medo ...
Fagam o favor! convidou o mooo, franqueando a porta. E, corn
um olhar compreensivo para a rapariga, perguntou-lhe se tinha medo
dos troves.
-Dos trovSes e dos terroristas-confessou ela,-cor um delicioso
rubor na carita engragada. -O senhor vive aqui s6zinho?
-Estou de guard ao predio--esclareceu o rapaz -0 dono disto
trabalha em Luanda, a ver se consegue pagar as dividas desta malfadada
obra ... Eu fui contratado para o serving deste restaurant, que ji
devia estar aberto ao pfblico.
-Mas faltou o pIblico disse o home cor pena -Jai azar ...
--Nem o senhor calcula-reforgou o moo o-Estio aqui enterra-
dos para cima de trezentos contos. E ainda nao hi senao as paredes...
Olhou tristemente a quadra, sob a luz pobre do candeeiro de petr6-








leo. E indicou A moga a inica cadeira que se via, encostada a uma tosca
mesa quadrada.
A menina pode sentar-se--disse-E nio reparem em todo
este desarranjo! Eu vivo priqui como urn lo ... Santa Barbara!
A exclamacio saiu-lhe irreprimlvelmente, ao impact dum trovio vindo
no clargo medonho dum relAmpago alucinante.
-Desculpem! murmurou envergonhado um jeito que me
ficou de miido, quando fugia para ao p6 de minha mae, durante as
trovoadas do Mario ...
Foi mesmo em cima de n6s!- comentou a moga, a tremer -
O raio deve ter caido muito perto ... E ouqam como chove!
--Esta e das antigas! -fez o home, que tamb6m parecia impres-
sionado Voc e6 trasmontano?
Nasci em Amarante,
-Conte mais um: eu sou de Vila Real. LA tambr m as trovoadas
sio de respeito.
-Mas aqui os troves estalam corn mais raiva-opinou o rapaz-
E hoje 6 a srio ... Como vio as coisas em Viana?
-Vive-se ... responded o home, corn um trejeito de ombros-
Temos algumas armas e os terrorists que se atreverem a atacar-nos
levarao que contar.
-Sua mulher ficou lI?
Minha mulher morreu ha dois anos. Fiquei s6, corn a Anabela-
E apontou para a filha-Voce como se chama?
Manuel responded o mogo Manuel da Cruz Feirante.
Eu sou o Mariano Segadies, corn um estabelecimento misto ali
em Viana, mesmo em frente da Estagao do Caminho de Ferro. Quando
li passar, nio se esqueca de bater ao ferrolho ...
La fora, a chuva redobrava de firia. Mas os troves iam-se afas-
tando, em direcqo ao mar...


Em Maio de 1961, um general que rodara lentamente ao long da
extensa coluna military que partia a reocupar as povoacoes perdidas do








Noroeste Angolano, mandou parar o seu jeep ao pi daquele predio
bizarre de quintarola beiroa e perguntou ao coronel que o acompanhava:
-De quem 6 isto?
Dum fura-vidas imaginoso que teve a idea de montar aqui um
restaurant de estrada responded o oficial- Uma triste idea, coitado!
Isto agora nIo lhe serve de nada...
-Podia. servir para uma unidade avanqada da defesa de Luanda-
sugeriu o general.

Alguns dias depois, a tropa contactou o proprietirio e ofereceu-lhe
dois contos de renda mensal.
-f uma miseria!-lamentou-se o home.
uma sorte! emendou o emissirio do Quartel General. Fica
Voce corn a sua propriedade defendida e ainda recebe dinheiro. Que
mais quer?
-Tamb6m 6 verdade-concordou o beirao. Assinou o contrato e
nio se arrependeu porque, mais tarde, aumentaram-lhe a renda para seis
contos.
Corn umas barracas de campanha plantadas por tris do pr6dio, nos
terrenos de logradouro, aquilo chegou para instalar uma companhia do
COMDEL, que langava as suas patrulhas at6 Catete e passava a pente
fino a planura dos Mulenvos, por onde, de vez em quando, se tentavam
aproximar da cidade os terrorists vindos, a corta-mato, das bandas
do Oicua.

Deslisaram os meses, passaram alguns anos e, um dia, ji no tempo
mais calmo de. 1965, uma carrinha, a caminho de Luanda, travou junto
dum cabo que pedia boleia.
Olha quem ele 6! exdamou o branco do volante, abrindo a
porta do carro. E como o cabo ia a saltar para a part de tras da via-
tura, convidou rasgadamente:
Sente-se aqui, ao lado da minha filha, rapaz! Voce ji se n~o
lembra de n6s?!
O moco obedeceu, encolhendo-se muito contra a porta, para nao








tocar corn a sua bruta farda de camuflado o fino vestido daquela estu-
penda moca, que o fitava cor uns olhos tio belos e sorridentes.
Eu s6 aqui cheguei ante-ontem ... balbuciou, enquanto a car-
rinha retomava a march.
Nao minta, que e feio! replicou o home do volante Foi
aqui mesmo que nos encontrAmos, vai para quatro anos, numa noite de
trovoada. Espevite la a mem6ria!
O cabo considerou melhor o carao tisnado do home, fixou deslum-
brado os olhos castanhos da moca e arriscou, a medo:
Seri o Sr. Segades ?...
Adivinhou! fez o nomeado E esta cachopa 6 a Anabela,
de quem, pelo visto, tamb6m se esqueceu...
-N o me esqueci, nio senhor! protestou o cabo Mas, assim a
primeira vista, confesso que a nio reconheci. Esti to crescida!
Vou fazer vinte anos explicou Anabela cor o seu modo alegre
e comunicativo Quando o conheci, era ainda uma crianca ...
E, final, lembrou o Segadaes Voc6 nunca nos bateu ao
ferrolho, em Viana, como Ihe pedimos ...
Nunca mais calhou disse o mogo Pouco depois daquela noite,
o predio foi arrendado a tropa e eu tive de arranjar outro emprego,
num bar de Luanda. Mais tarde, entrei para o Servigo Militar e fui fazer o
curso de sargentos a Nova Lisboa, donde voltei ante-ontem. E aqui estA ...
-E aqui estamos- completou o Segadies Quem e vivo sempre
se encontra. Espero que se nao esquega agora do meu convite, que con-
tinua de p6. Se gosta duma boa caldeirada de cabrito, apareca na minha
casa de Viana, quando quiser, que tenho ii uma cozinheiro que 6 um
artist no oficio ...
Nao gosto de me tornar aborrecido ...
Entao nao me aborrega cor cerim6nias de menino da vila-
refilou o comerciante Da Estalagem do Lego a Viana slo meia dGzia
de passes, que nao cansam as pernas dum soldado. Mas, se quiser, eu
venho busca-lo.
-Nao 6 precise. Na primeira folga, irei ate lM.
-E quando 6 a sua primeira folga? -quis saber a Anabela.

97







--Na quinta-feira-informou o mowo.
Nesse caso, esperAmo-lo quinta-feira para o almogo. Combinado?
Combinado -fez o cabo, corn uma intima satisfagco, que nem
sabia explicar.
JA tinham entrado em Luanda. O Segadies pediu desculpa de nao
parar num canto qualquer, para a bebida do reencontro, porque estava
na hora do dentist, onde a Anabela tinha consult marcada para as cinco.
E separaram-se.
Na quinta-feira seguinte, o cabo compareceu pontualmente no esta-
belecimento do Segadies, em Viana.
A caldeirada de cabrito estava famosa e, a fazer-lhe as devidas honras,
assistia tambem um sujeito magro e tisnado, que comia como a febre e
falava sempre que nao comia.
-Quando 6 que voces acabam corn a sarna dos terroristas?-dizia
ele para o cabo, depois de emborcar mais um copo de vinho.
Eles nao mostram a cara ... fez vagamente o military.
-Mas ainda deixam pegadas de sangue-replicou o Cantineira
(assim se chamava o home, que trabalhava em Catete para o Lagos
& Irmio) Contaram-me que ainda hi dias assassinaram dois traba-
lhadores duma plantag~o, para as bandas do Lu6ge.
-Sio patifarias que acontecem em qualquer tempo e em qualquer
terra--interveio o Segades--Isto ji esteve bem pior!
-E eu que o diga! -reforcou o cabo Durante meses vivi s6zinho,
de guard ao pr6dio onde agora esti a minha companhia. E, na estrada,
quase s6 passavam os carros da tropa...
Por sinal que me fartei de Ihe bater a porta, antes que a abrisse,
numa noite de trovoada lembrou o Segadies.
Nesse tempo e naqueles ermos, nao era prudent abrir sem pensar ...
- desculpou-se o moco.
Eu morria de medo, se all ficasse s6zinha confessou a Anabela,
corn um olhar admirativo para o cabo Voc6 era mesmo obrigado a
dormir 1B?
-0 meu patrio nao tinha mais ningu4m para Ihe guardar a casa
-explicou o rapaz corn simplicidade.




University of Florida Home Page
© 2004 - 2010 University of Florida George A. Smathers Libraries.
All rights reserved.

Acceptable Use, Copyright, and Disclaimer Statement
Last updated October 10, 2010 - - mvs