• TABLE OF CONTENTS
HIDE
 Front Cover
 Title Page
 Frontispiece
 Prelude
 Na partida
 A chegada
 Primeiros contactos com a...
 Politica indigena
 Brancos em Angola
 Liberdades publicas
 Reorganizacao dos servicos...
 Fornecimento de milho a rodesi...
 O problema do milho
 Table of Contents
 Back Cover














Group Title: Angola, um ano no governo geral (1942-1943).
Title: Angola, um ano no govãerno geral (1942-1943)
CITATION THUMBNAILS PAGE IMAGE ZOOMABLE
Full Citation
STANDARD VIEW MARC VIEW
Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/UF00072125/00001
 Material Information
Title: Angola, um ano no govãerno geral (1942-1943)
Physical Description: v. : plates, ports., fold. plan. ; 19cm.
Language: Portuguese
Creator: Morna, Alvaro de Freitas
Publisher: Livraria popular de F. Franco
Place of Publication: Lisboa
Publication Date: 1944-
 Subjects
Subject: Indigenous peoples -- Angola   ( lcsh )
Politics and government -- Angola -- 1855-1961   ( lcsh )
Economic conditions -- Angola   ( lcsh )
Genre: non-fiction   ( marcgt )
 Record Information
Bibliographic ID: UF00072125
Volume ID: VID00001
Source Institution: University of Florida
Rights Management: All rights reserved by the source institution and holding location.
Resource Identifier: oclc - 05457409
lccn - 45009848

Table of Contents
    Front Cover
        Page i
        Page ii
    Title Page
        Page iii
        Page iv
    Frontispiece
        Page v
        Page vi
    Prelude
        Page vii
        Page viii
        Page ix
        Page x
        Page xi
        Page xii
        Page xiii
        Page xiv
        Page xv
        Page xvi
        Page xvii
        Page xviii
        Page xix
        Page xx
        Page xxi
        Page xxii
    Na partida
        Page 1
        Page 2
        Afirmacoes em Lisboa
            Page 3
            Page 4
            Page 5
            Page 6
            Page 7
            Page 8
            Page 9
            Page 10
            Page 10a
            Page 10b
            Page 11
            Page 12
    A chegada
        Page 13
        Page 14
        Promessas a colonia
            Page 15
            Page 16
            Page 17
            Page 18
            Page 19
            Page 20
            Page 21
            Page 22
            Page 23
            Page 24
            Page 25
            Page 26
            Page 26a
            Page 26b
            Page 27
            Page 28
    Primeiros contactos com a administracao
        Page 29
        Page 30
        Realizacoes
            Page 31
            Page 32
            Page 33
            Page 34
            Page 35
            Page 36
            Page 37
            Page 38
            Page 39
            Page 40
            Page 41
            Page 42
            Page 42a
            Page 42b
            Page 43
            Page 44
            Page 45
            Page 46
            Page 47
            Page 48
        Falando a colonia - Pelo jornal "A provincia de Angola"
            Page 49
            Page 50
            Page 51
            Page 52
            Page 53
            Page 54
            Page 55
            Page 56
            Page 57
            Page 58
            Page 58a
            Page 58b
            Page 59
            Page 60
        Falando a colonia - Pelo jornal "Diario de Luanda"
            Page 61
            Page 62
            Page 63
            Page 64
            Page 65
            Page 66
            Page 67
            Page 68
            Page 69
            Page 70
            Page 71
            Page 72
        Falando a colonia - Na camara municipal de Luanda
            Page 73
            Page 74
            Page 74a
            Page 74b
            Page 75
            Page 76
            Page 77
            Page 78
            Page 79
            Page 80
    Politica indigena
        Page 81
        Page 82
        A populacao indigena
            Page 83
            Page 84
            Page 85
            Page 86
            Page 87
            Page 88
            Page 89
            Page 90
            Page 90a
            Page 90b
            Page 91
            Page 92
            Page 93
            Page 94
            Page 95
            Page 96
            Page 97
            Page 98
            Page 99
            Page 100
            Page 101
            Page 102
            Page 103
            Page 104
        Os funcionarios do quadro administrativo
            Page 105
            Page 106
            Page 107
            Page 108
        Primeira alocucao - Pela radio, em 18 de Junho de 1942
            Page 109
            Page 110
            Page 111
            Page 112
            Page 113
            Page 114
            Page 115
            Page 116
        Segunda alocucao - Pela radio, em 12 de Agosto de 1942
            Page 117
            Page 118
            Page 119
            Page 120
            Page 121
            Page 122
            Page 122a
            Page 122b
            Page 123
            Page 124
        Terceira alocucao - Pela radio, em 3 de Marco de 1943
            Page 125
            Page 126
            Page 127
            Page 128
            Page 129
            Page 130
            Page 131
            Page 132
            Page 133
            Page 134
            Page 135
            Page 136
            Page 137
            Page 138
            Page 139
            Page 140
            Page 141
            Page 142
        Missoes religiosas
            Page 143
            Page 144
            Page 145
            Page 146
        Assistencia medica
            Page 147
            Page 148
            Page 149
            Page 150
            Page 151
            Page 152
            Page 153
            Page 154
            Page 155
            Page 156
            Page 157
            Page 158
            Page 159
            Page 160
            Page 161
            Page 162
            Page 163
            Page 164
            Page 165
            Page 166
            Page 167
            Page 168
            Page 169
            Page 170
            Page 170a
        Mortalidade infantil
            Page 171
            Page 172
            Page 173
            Page 174
            Page 175
            Page 176
            Page 177
            Page 178
            Page 179
            Page 180
            Page 181
            Page 182
        Bairros indigenas
            Page 183
            Page 184
            Page 185
            Page 186
            Page 186a
            Page 186b
            Page 187
            Page 188
            Page 189
            Page 190
        Opiniao publica - Bairro indigena de Luanda
            Page 191
            Page 192
            Page 193
            Page 194
        Mao de obra
            Page 195
            Page 196
            Page 197
            Page 198
            Page 199
            Page 200
            Page 201
            Page 202
            Page 203
            Page 204
            Page 205
            Page 206
            Page 207
            Page 208
            Page 209
            Page 210
            Page 211
            Page 212
            Page 213
            Page 214
            Page 215
            Page 216
            Page 217
            Page 218
            Page 219
            Page 220
        Falando a colonia - Pelo jornal "A provincia de Angola"
            Page 221
            Page 222
            Page 223
            Page 224
            Page 225
            Page 226
            Page 227
            Page 228
            Page 229
            Page 230
            Page 231
            Page 232
        Opiniao publica - "Colonizacao Europeia e colonato indigena"
            Page 233
            Page 234
            Page 235
            Page 236
            Page 237
            Page 238
        Emigracao de Angola para S. Tome e Principe
            Page 239
            Page 240
            Page 241
            Page 242
            Page 243
            Page 244
            Page 245
            Page 246
            Page 247
            Page 248
    Brancos em Angola
        Page 249
        Page 250
        Page 250a
        Page 250b
        Colonizacao
            Page 251
            Page 252
            Page 253
            Page 254
            Page 255
            Page 256
            Page 257
            Page 258
            Page 259
            Page 260
            Page 261
            Page 262
            Page 263
            Page 264
            Page 265
            Page 266
            Page 267
            Page 268
            Page 269
            Page 270
            Page 271
            Page 272
            Page 273
            Page 274
            Page 275
            Page 276
            Page 277
            Page 278
        Colonos
            Page 279
            Page 280
            Page 281
            Page 282
        Os colonos de Huila
            Page 283
            Page 284
            Page 285
            Page 286
            Page 287
            Page 288
        Falando a colonia - Pelo jornal "A provincia de Angola"
            Page 289
            Page 290
            Page 291
            Page 292
            Page 293
            Page 294
            Page 295
            Page 296
            Page 297
            Page 298
            Page 299
            Page 300
        Opiniao publica - "Fomento hidro-agricola"
            Page 301
            Page 302
            Page 303
            Page 304
            Page 305
            Page 306
        Feitos da ocupacao
            Page 307
            Page 308
            Page 309
            Page 310
            Page 311
            Page 312
            Page 313
            Page 314
            Page 314a
            Page 314b
            Page 315
            Page 316
        Monumentos nacionais
            Page 317
            Page 318
            Page 319
            Page 320
    Liberdades publicas
        Page 321
        Page 322
        Imprensa
            Page 323
            Page 324
        Eleicoes municipais
            Page 325
            Page 326
            Page 327
            Page 328
        Falando a colonia - Pelo jornal "Diario de Luanda"
            Page 329
            Page 330
            Page 331
            Page 332
            Page 333
            Page 334
            Page 335
            Page 336
        Opiniao publica - "Justica"
            Page 337
            Page 338
            Page 339
            Page 340
        Opiniao publica - "Eleicoes dos corpos administrativos"
            Page 341
            Page 342
    Reorganizacao dos servicos economicos
        Page 343
        Page 344
        A antiga direccao do fomento economico e a centralizacao dos servicos tecnicos
            Page 345
            Page 346
            Page 347
            Page 348
        A nova direccao de economia e a descentralizacao dos servicos tecnicos
            Page 349
            Page 350
            Page 351
            Page 352
        Diplomas da nova organizacao: Direccao dos servicos de economia
            Page 353
            Page 354
            Page 355
            Page 356
        Diplomas da nova organizacao: Servicos de agricultura
            Page 357
            Page 358
            Page 359
        Diplomas da nova organizacao: Servicos de veterinaria e pecuaria
            Page 360
            Page 361
        Diplomas da nova organizacao: Servicos florestais
            Page 362
            Page 363
            Page 364
        Diplomas da nova organizacao: Servicos de geologia e minas
            Page 365
            Page 366
            Page 367
            Page 368
    Fornecimento de milho a rodesia
        Page 369
        Page 370
        A operacao
            Page 371
            Page 372
            Page 373
            Page 374
            Page 375
            Page 376
            Page 377
            Page 378
            Page 379
            Page 380
    O problema do milho
        Page 381
        Page 382
        O velho sistema de movimentacao
            Page 383
            Page 384
            Page 385
            Page 386
            Page 387
            Page 388
            Page 389
            Page 390
            Page 391
            Page 392
            Page 393
            Page 394
            Page 395
            Page 396
            Page 397
            Page 398
            Page 399
            Page 400
        Falando a colonia - Pelo jornal "A provincia de Angola"
            Page 401
            Page 402
            Page 403
            Page 404
            Page 405
            Page 406
            Page 407
            Page 408
            Page 409
            Page 410
            Page 411
            Page 412
            Page 413
            Page 414
            Page 415
            Page 416
            Page 417
            Page 418
            Page 419
            Page 420
            Page 421
            Page 422
            Page 423
            Page 424
            Page 425
            Page 426
            Page 427
            Page 428
            Page 429
            Page 430
            Page 431
            Page 432
            Page 433
            Page 434
            Page 435
            Page 436
            Page 437
            Page 438
            Page 439
            Page 440
            Page 441
            Page 442
            Page 443
            Page 444
            Page 445
            Page 446
            Page 447
            Page 448
        A nova mecanica da movimentacao
            Page 449
            Page 450
            Page 451
            Page 452
            Page 453
            Page 454
            Page 455
            Page 456
            Page 457
            Page 458
            Page 458a
            Page 458b
        Ocorrencias que antecederam a publicacao do novo sistema
            Page 459
            Page 460
            Page 461
            Page 462
            Page 463
            Page 464
        Portaria n. 4.373
            Page 465
            Page 466
            Page 467
            Page 468
            Page 469
            Page 470
            Page 471
            Page 472
            Page 473
            Page 474
            Page 475
            Page 476
            Page 477
            Page 478
            Page 479
            Page 480
        Opiniao publica - Pelo jornal "A provincia de Angola"
            Page 481
            Page 482
            Page 483
            Page 484
            Page 485
            Page 486
        Opiniao publica - Pelo jornal "A voz do planalto" de 15 de Maio de 1943
            Page 487
            Page 488
        Opiniao publica - Pelo jornal "A voz do planalto" de 22 de Maio de 1943
            Page 489
            Page 490
            Page 491
            Page 492
            Page 493
            Page 494
        A efemera duracao do novo sistema da movimentacao do milho
            Page 495
            Page 496
            Page 497
            Page 498
            Page 499
            Page 500
            Page 501
            Page 502
            Page 503
            Page 504
            Page 505
            Page 506
            Page 507
            Page 508
            Page 509
            Page 510
    Table of Contents
        Page 511
        Page 512
        Page 513
        Page 514
        Page 515
        Page 516
    Back Cover
        Page 517
Full Text



---3.-C-.--9-.P----S -C~-------





F U







ALVARO DE FREITAS MORNA


ANGOLA


UM ANO NO GOVERNOR GERAL

(1942-1943)


1. VOLUME






LIVRARIA POPULAR
DE
FRANCISCO FRANCO
14, Rue Barros Queiroz, 18
LISBOA 1944 -

































HI





*I /



rr










In










.r4














PROLOGO


j costume dizer nos pr6logos a razdo de
ser dos livros.
Ngles se condensa tambdm, por vezes, cor
seu cunho de sabor literdrio, a iddia que o
inspira ou outras que ddle irradiam.
Por isso, e o prdlogo, qudsi sempre, a parte
mais delicada do livro a que, em geral, se
escreve depois de concluida a obra, para,
final, ser lido em primeiro lugar.

Sem a pretensdo de fazer literature e
muito menos de me abalangar a largas di-
gress5es s6bre o objective que c domina, ndo
quero furtar-me ao dever de dar, de comeko,
satisfagdo a just curiosidade do leitor, dei-
xando-lhe saber desde jd o que e o livro, a
que vem, a que titulo 6 escrevo.
Political ndo quero eu por ele fazer, nem

















explanar-me em formulas ou principios de
tal natureza.
Quando outra razdo ndo houvesse, bas-
taria a de nunca me ter seduzido a political,
embora Ihe reconhepa virtudes e altura.
Se algumas vezes vim atd ela, ou melhor,
se instado a deixei vir ate mim, fui sempre
em political mais amador do que professional.
Ndo sou, por isso, um politico, na acepfdo
consentida ao termo.
Tao-pouco tive em mira fazer do livro
dissertagdo de preceitos s6bre a missdo tdo
drdua, como dificil, de governor.
Nao sou Governo, nunca fiz por isso, ndo
pretend se-lo.
E governei todavia...
Mas, se assim aconteceu, long do emara-
nhado de paix5es da hora que passa deci-

















siva para o mundo e inquietante para as
almas-nesse pedapo da Pdtria que d An-
gola, catorze vezes maior que Portugal, foi
ainda no fica mal aos homes confessar
as suas ilusoes-por aquilo que de mo-
mento julguei ser o meu dever de portugues.
Uma vez ali, o politico amador cumpriu.
Quero afirmd-lo em consciencia e sem
moddstia--que esta, quando ultrapassa a
verdade e a realidade dos factos, entra no
dominio das coisas falsas e perde seus foros
convencionais de virtude para redundar em
pretensdo de vaidade.
Demonstrar que cumpri eis a razdo ci-
meira do livro.
eEstd satisfeita a curiosidade do leitor?
Mas nem por isso damos o prdlogo por ter-
minado.



















*

Nem politico, nem Governo, dizia eu, d o
autor.
Contudo, o livro e um livro de political e
de Governo.
Eu sou dos que creem firmemente que
political e Governo, no bom sentido dos tar-
mos, sdo iddias que de nenhum modo se
excluem.
Pelo contrdrio, conjugam-se em unido
indissoltvel em inseparabilidade absolute.
1 assim desde todos os tempos.
1A pela political que se sobe ao Governo,
e a ningudm foi permitido ainda governor
sem political.
Esta comepa no ambiente criador da fo6ra

















spiritual que gera o prestigio indispensdvel
ao exercicio do mando e continua-se na
actuagdo que, dignificando o Poder, alimenta
9sse mesmo ambiente e corn le a autoridade
moral de quem governa.
Uma vez quebrados ou enfraquecidos os
elos que formam os multiplos factors, tan-
tas vezes imponderdveis, constituitivos da
atmosfera political, ndo hd Governo nem
acgqo que perdure.
Ciencia ou arte, mas, no consenso geral,
mais arte do que ciencia, torque transcende
as definieoes e postulados em que se funda
a razdo no seu incessante anseio pela con-
quista da verdade, a political e, em essencia,
de natureza spiritual.
Outrossim o Governo, corn ela intima-
mente irmanado.


















Mal do home que pretend cimentar o
prestigio da governaFao em realizao5es ma-
terials apenas.
Por maiores que elas sejam, a obra ruird,
como castelo de cartas, ao primeiro s6pro,
para se transformar em vendaval de desgra-
fas, se lhe falta aquele substractum espiri-
tual--f6rga coesora que reina a sua volta
as consciencias.

*

Quando em political se estudam e anali-
sam os acontecimentos, estes surgem, qudsi
sempre, como a resultante de causes para que
mais nos inclinamos, ou de que mais nos fala
o sentimento-e amiude se cai no erro
quando se julga estar na posse da verdade.
















Quod volumus facile credimus...
Se pela andlise se pretendem concluir
principios ou verdades political, raciocina-se
ainda s6bre iddias preconcebidas ou parti-
cularizadas, desprezando como supirfluo
tudo que possa contrarid-las.
E se acaso se chega a fixagao de uma ver-
dade political tem-se perdido jd o sentido
real das coisas e desprezado ate as regras do
senso comum.
Em political, ndo hd que deduzir corn o
espirito de seguranga ou de certeza que ca-
racteriza as conclusoes na ciencia.
Esta tendencia modern para introduzir
nos conhecimentos humans a rigidez dos
conceitos que levam a exactiddo, se, por um
lado, tern dado origem e impulsionado gran-
de numero de ciencias novas e, nos seus do-
















minios, suscitado as mais maravilhosas con-
quistas, tambem d certo que, por outro lado,
o exagero tern sido origem de grades e irre-
pardveis males.
A ciencia tern seus limits. E esses males
derivam, exactamente, das proporgoes em
que aqueles limits se ultrapassam.
T6da a political assenta indiscutivelmente
numa doutrina mas ndo pretendamos
transformd-la em ciencia.
A political e uma arte.
Como arte, regida por regras -ndo re-
gras rigidas, como as que ditam o raciocnio
nas dedug6es da ciencia, mas simples nor-
mas que' alids lhe sdo indispensdveis.
Normas de ordem spiritual, regras mo-
rais, formando em conjunto uma doutrina
-regras e doutrina que variam corn o
















tempo e no espago, consoante as dpocas e a
geografia, o clima fisico e moral, os povos,
a sua mentalidade, as iddias, as aspiragtes,
a incessante evoluado dos espiritos, as pro-
fundas transformagoes da humanidade.
Nao hd uma verdade political.
A verdade e atributo da cidncia, a sua
finalidade supreme, limited dessa jornada
inquietante do espirito, feita de hesitagoes e
de incertezas, entire triunfos de teorias que
nascem e decepgoes de teorias que morrem,
entire as gl6rias de principios e sistemas que
se levantam e as desilustes de principios e
sistemas que tombam limited para que
tende o saber do home na sua dnsia inces-
.sante de perfeigao.
Nao hd uma verdade political. Ndo.
Mas existe uma political de verdade.
















E a que p5e inteira solicitude, dignidade e
honestidade no estudo e soludo dos pro-
blemas, nos actos da administracdo, na apli-
cagdo da justiga, no respeito pela opinido
public, nos cuidados a dispensar as suas
legitimas aspirag~es.
Sa political que nao permit governor em
compartimentos fechados e que, pelo con-
trdrio, traz os problems a luz do dia, para
perfeito conhecimento, por parte dos admi-
nistrados, dos assuntos de ordem material e
spiritual que lhes interessam e que teem o
direito de conhecer que os p5e, enfim, ao
corrente dos principios informadores da
actuagao do Governo e da sua orientafdo.
Political de verdade!
Sim!
Sd ela prestigia a fungdo dirigente.
















So por ela se traduz o respeito devido aos
dirigidos.



Foi essa a political que abracei-pois
outra ndo conheci em todo o meu Governo.
Esta particularidade, hd que anuncid-la,
por igual, ao leitor que o livro, sendo de.
political, d livro de political de verdade.
Vg-la-eis ressaltar dos processes e acgdo
do Govdrno, de que o livro procura ser tes-
temunho fiel.
Ve-la-eis mais viva ainda, nos ecos da opi-
nido piblica, definindo o pensamento colec-
tivo da Col6nia, em todo o significado de
confianga de que, no curto period de um
ano, foi possivel revestir o Poder.
XVIl
















Para o mostrar atraves do livro, hd, natu-
ralmente, que ilustrd-lo cor documentafdo
que, por muito nos falar a alma, sobrema-
neira nos honra.
Ao fazd-lo, ndo nos move nenhum senti-
mento de vaidade se bem que, como legi-
tima, a abrapdssemos quando algudm como
tal pretendesse considerd-la.
A verdade e que, menos pelas qualidades,
bem modestas elas sao, de quem no Governo
sentiu e viveu as aspiraF6es de Angola -
foi pela dignidade do trabalho, pela solici-
tude na coisa pTblica, pelo estudo honest
dos problems, pelo culto da justiga e o mais
alto respeito pela inteligencia e pelos interes-
ses dos administrados, que essa political se fez
e que o prestigio e confianca se firmaram.
Political de verdade, sim!


XVIII


















Foi por ela que se criou e fortaleceu na
consciencia da Col6nia, como aspiragao su-
prema do mando e base de todo o exercicio
do Poder, uma unidade spiritual a que que-
remos como o maior e mais precioso galar-
ddo que poderiamos ambicionar no exerci-
cio do cargo.



*


Mas o livro, dissemos tambdm, d um livro
de Governo.
Foi assim anunciado d 6sse, ate, o titulo
que lhe damos.
eE serd legitimo conceder-lhe, corn pro-
priedade, essa designaFao?

















Ndo esquegamos que foi de um ano, ape-
nas, a duragdo do meu Governo.
certo que, em tdo curto period, merci
do esf6rgo da Col6nia, da vibragdo e da aura
de dinamismo que nela se geraram, se tor-
nou possivel um conjunto de realizagoes
atinentes ao seu progress, em ritmo e gran-
deza que ela hd muito ndo conhecia e de
tal forma que, praticamente, se absorveu a
capacidade de trabalho em Angola.
Tambem d certo que, em tdo breve qua-
dra, se estudaram alguns dos seus mais ins-
tantes e prementes problems e se operou
profunda transformagao na organizag~o eco-
n6mica corn indiscutida projecgao no seu
future desenvolvimento.
Certo e ainda que, acima de todas as rea-
lizagoes de ordem material, pairou o sentido

















politico, e dele se recolheram preciosos fru-
tos nos reflexos da acgdo spiritual do Go-
verno, traduzidos pela perfeita unidade mo-
ral criada i sua volta fundamento s6lido e
seguro da obra social e economic que e for-
Voso realizar na Col6nia.
Mas, para tanto -para a imensidade e
complexidade dos problems que ali deman-
dam estudo e solupdo, doze meses nao po-
dem, evidentemente, constituir Governo na
just acepdao do termo.
Se, pela restrigVo do tempo, houver de
ser chamada uma tentative tentative terd
sido, sim mas... tentative sdria.
Di-lo a nossa consciencia a Coldnia in-
teira o sentiu.
Para n6s, e quanto basta.
0 resto, tudo que se passou e tenha


XXI

















obstado a que a tentative pudesse vir a ser
realidade, no livro ndo cabe.
Mas, ndo ter mal pois, em verdade vos
digo, leitor, que ndo foi political de verdade.
E o livro, pelo contrdrio ve-lo-eis -
livro de political de verdade.


XXIl

















I


NA PARTIDA
















AFIRMAgOES EM LISBOA


Ao tomar posse do Governo Geral de Angola, sent
pesar sobre mim, pelas responsabilidades que contrafa
cor a Naio e comigo pr6prio, o mais delicado encargo
da minha carreira military e de todos os meus contacts
cor a vida poliftica.
Foi grande o sacriffcio corn que aceitei a chefia de
tao important parcel dos dominios de Alem-mar-
mas, animado dos melhores desejos, ofereci quanto em
minhas f6rpas coubesse para que a acgao governativa
que ia exercer se tornasse tao uitil e proveitosa quanto
os interesses da Col6nia e do Pais o exigiam.



O esf6rpo de Portugal em todo o seu Ultramar apre-
senta-se indiscutivelmente ao mundo como padrao glo-
rioso da nossa capacidade colonizadora.
Pela obra spiritual e material realizada, podemos
proclamar bem alto que a independencia e soberania do








A N G O L A


Imperio nao se fundamental apenas em direitos hist6-
ricos da acao desenvolvida no period aureo dos desco-
brimentos e conquistas, que levaram aos pontos mais
afastados do globo as luzes da civilizaoo, mas ainda,
e sobretudo, na obra de colonizaqao por n6s efectuada
S titulo legftimo de orgulho da raqa e do genio da
gente portuguesa.
Multiplas e brilhantes medidas dos tempos passa-
dos definem a unidade moral e polftica que os territ6-
rios do Ultramar com a Mie-Patria constituem e dio
conta, cor just relevo, do grau de adiantamento que
as col6nias alcanparam.



Entre elas, Angola ocupa, sem duvida, lugar de des-
taque pela sua area e situag5o geografica, pelas rique-
zas naturals de que disp6e, pelas possibilidades de pro-
du~io que apresenta, pelo espirito de sacriffcio de valo-
rosas geraq6es de colonos que atraves dos seculos, por
sentiments de patriotism, Ihe tEem dado o melhor da
sua actividade e energies.
Mas, se sao indubitavelmente apreciaveis os pro-
gressos e a obra realizados em Angola pela acqao dos
portugueses que, com honrado concerto do dever e da
Patria, ali tiem labutado, a verdade 6 que, perante as
suas instances necessidades e os interesses comuns da
Metr6pole e da Col6nia, esta se encontra ainda long








A N G O L A


do grau de desenvolvimento a que tem jus e sobre cla
pesam delicados problems a resolver. Muitos sao pro-
blemas que de long v&em, de que depend o pr6prio
future de Angola e que envolvem realiza6es de vasto
alcance; outros, quest6es de moment, conseqiiencia da
anormalidade em que o mundo vive e das situap6es
que ela cria problems de- emergencia, por vezes
graves, a imporem decidida e rapida resolucao.
Uns e outros obrigam a cuidados, previs6es e pon-
derag o, tornando bem arduo o mandate que me f8ra
conferido.
Tudo procuraria fazer no sentido de bem cumprir,
sem me poupar a trabalhos confiante em minha f6
e na patri6tica colaboragao dos colonos que, por quali-
dades inatas de persi.stencia, tanto teem contribufdo para
a obra ate hoje realizada.




No campo espiritual,.exprimi o desejo de assegurar,
pelo respeito e pratica da justiga e pelo exercicio firme
da autoridade, a unidade moral da Col6nia.
Dessa polftica, do seu elevado significado, perdu-
rava ainda, como prova eloqiiente, a manifestagao co-
Ihida pelo Chefe do Estado na sua vista a Angola, que
em destacado relevo havia posto a comunhao espiritual
das Col6nias com Portugal.








A N G O L A


Mais do que atencao e cuidados, exigia-me verda-
deiro carinho a preparacao da mocidade, como base in-
dispensavel da formacao do caracter e substractum mo-
ral das gerac6es de amanhM mantendo no seio da
juventude aquela chama de patriotism e culto de vir-
tudes que a tornem legitima continuadora da obra dos
nossos maiores e do esfo6ro cor que eles nos engrande-
ceram.
I necessario apetrecha-la e prepara-la para a vida,
canalizando-lhe a actividade no sentido de se tornar
cada vez melhor e mais eficiente factor de progress.




Obrigava-me a particular desvelo o bem-estar da
populaco indfgena, pelos beneficios de ordem material
e moral a proporcionar-lhe.
Por maior que seja o desenvolvimento operado num
povo, nos miltiplos aspects econ6mico, social e espiri-
tual, por long que seja o trajecto alcangado na senda
da civilizacao, por mais que a maquina se substitua ao
bravo nos variados ramos da actividade humana, ainda
hoje c axioma e sera sempre verdade incontroversa que
o mais valioso produto de um pals C o home.








A N G O L A


No dia em que as tres milh6es de indigenas que
povoam a Col6nia atingirem seis milh6es, Angola nao
valera apenas o dobro, mas muitas vezes mais.
A defesa da populaiao native, pela accqo dos Ser-
viqos que teem a seu cargo to important ramo da
administracao, exigia-me aquela vigilante atengo que
a solidariedade social aconselha e a que os deveres de
humanidade obrigam.

*

O caminho percorrido na obra de abnegacao a que
se entregam as Miss6es Cat6licas imp5e-se a admiraqao
de todos os portugueses. A sua acqo traduz verdadeira
cruzada de estoicismo, herbicamente levada as mais
rec8nditas paragens do continent africano, a iluminar
as almas de milhares de series na f6 de Deus e nos sen-
timentos da Naiao.
Bem merecem do auxflio que Ihes prometi e efec-
tivei durante o exercicio do meu Governo.




A political de boa vizinhanga, em especial com esse
grande pals que e a Uniio Sul-Africana, seria mantida e
alargada dentro das rela6ses existentes para que, com








A N G O L A


reciproco interbsse, se tornassem cada vez mais intimas
e cordiais.
Nas possibilidades de produ!ao e de abastecimento
da Colonia, procuraria intensificar tambem as relap6es
comerciais corn o Congo Belga, baseando-as especial-
mente na troca de produtos, como convem a situacao
de Angola.




As caracteristicas de ordem geral dos problems eco-
n6micos, designadamente as dificuldades que de mo-
mento surgem. em face da anormalidade mundial, en-
trariam no primeiro piano das minhas atenq6es.
A exporta5o, e cor ela as comunicaFqes maritimas,
apareciam indubitavelmente em situaao de primasia.
A exportagio e problema vital.
Por outro lado, Angola nao viveu nunca, nao podera
jamais viver em regime de autarquia. Tem de impor-
tar os artigos indispensaveis a vida da populagao -
aqueles que o seu solo e capacidade industrial nao po-
dem fornecer-lhe.
A sua vida obedeceu sempre e obedece hoje-
ao regime de intercambio commercial, regulado pela
produao 'e possibilidade de colocaqo do exce-
dente dos seus produtos na Metr6pole e nos mercados
externos.








A N GO LA


E se mesmo em circunstancias normais se torna im-
perativo disciplinary esse intercambio em conformidade
cor os seus interesses, que sao tambem os da Metr6-
pole, compreende-se, no grave moment que se atra-
vessa, a rigidez que essa discipline ter de assumir.
As necessidades da guerra levam os pauses belige-
rantes a reduzir as importacoes ao minimo e a nao
exportar senao o que rigorosamente podem dispensar
- e esta parte, por via de regra, em troca dos produ-
tos que imperativamente sao obrigados a adquirir.
Havia que conjugar, portanto, os interesses da Col6-
nia cor o ambiente caracterizadamente instavel que o
panorama cada dia apresentava em procura, preqos, pos-
sibilidades de troca,. etc., -exportando para aqueles
pauses onde, ou por motives de ordem political, ou por
exigencias de aquisiqao, ou por disponibilidades de pro-
dutos de que a Col6nia e a Metr6pole careciam, ou por
alta remuneracqo, mais vantajoso se tornasse canalizar
a produqio angolana.
Isto obrigava a political de economic dirigida
por que estavam send orientadas a importaqao e
exportaqao.
Neste dominion, havia muito que fazer, coman-
dando, disciplinando as actividades, *sem prejufzo
das iniciativas individuals, alem daquilo que o in-
teresse colectivo pudesse impor, e sempre de modo a
assegurar a mais ampla produgo compativel corn a
capacidade de consume da Metr6pole e dos mercados








A N G O L A


externos, em especial dos artigos de maior procura e de
melhor prepo.
Havia que limar atritos que porventura se tivessem
suscitado ou pudessem suscitar-se entire os Organismos
Ecori6micos e os Servicos Tecnicos, promovendo a sua
cooperacao e bom entendimento, no interesse geral, e
bem assim a sua intima colaboraqo cor as f&ras vivas
de Angola.
*


NMo ambicionei o exercfcio do lugar para que f6ra
instado sabia-o toda a gente.
Como se sabe que eu nunca poderia orientar a mi-
nha attitude, perante o convite que me f6ra feito, por
quaisquer comodismos ou repuidio das responsabilidades
que me f6ssem impostas no interesse national.
Tendo sido entendido que o meu posto, naquele
moment, era o do Governo Geral de Angola, acei-
tei por sentiment' patri6tico almejando, natu-
ralmente, ver coroado de exito o esf6rco que ia des-
pender.
Sacrificios, horas de ansiedade, perigos e ate mal-
querengas e ingratid6es nao me faltariam.
Ber o sabia eu.
Mas, jque era isso senio lutar no ambiente de pai-
xoes que e a vida e que o exercfcio da funiao faria avo-
lumar e crescer?
















-- -- .7V~ ,~4~arw~w~t-rI; ~
*v .'- -


O. Governador Geral 4 chegada a Luanda, em 9 de Maio de r942


























/















0 Governador Geral, passando revista L guard de honra, a chegada a Luanda,
em 9 de Maio de 1942








A N G O-L A


Que eu vencesse, e dar-me-ia por satisfeito.
Para tanto, ia cheio de animo e das melhores espe-
ranqas.
E se, all, ao Destino aprouvesse deixar-me sentir,
pela realizafio de obra util, alguns moments de
contentamento o que *s6 poderia acontecer cor o
apoio de Lisboa, tendo por certa a leal cooperaqao da
Col6nia dar-me-ia por feliz e por generosamente
recompensado de todas as agruras e canseiras que viesse
a conhecer.





















It
















II


A CHEGADA















PROMESSAS A COLONIA


Ao entrar no territ6rio do meu Governo, nessa An-
gola tao genuinamente portuguesa pela devogao patri6-
tica de todos os seus filhos as minhas primeiras pala-
vras foram de agradecimento e de saiida~io: agradeci-
mento pelo carinho posto na recepao que me f6ra dis-
pensada e de que sempre guardarei mem6ria; agra-
decimento pela confianpa que por ela se traduziu na
honestidade dos prop6sitos que me animavam; sai-
daqao a todos que, em pessoa ou em espirito, naquele
moment me acompanhavam, a toda a populaao de
Angola Comercio, Induistia e Colonos, pleiade he-
r6ica de portugueses que, por fervor e patriotism, Ihe
veem dando o melhor das suas energies sem esque-
cer a prestimosa populaqao native, tao profundamente
integrada na alma national.
Foi, efectivamente, com emogjo que sent em todo
o seu significado o cunho de patriotism impresso no
esplendor da manifestapao que me tinha sido tribu-
tada, ao pisar de novo, tantos anos ji volvidos, aquele
torrao sagrado da Patria, onde pulsa e vive, transcen-









A N G O L A


dendo pela distancia, em beleza e sensibilidade, a alma
de Portugal.
Por muito que aquela manifestaqao me tivesse des-
vanecido, ha, em consciencia, que abstrair do alvo, que
e pequeno, para considerar tao s6 a grandeza da ideia
que traduzia.
Mais do que os homes valem os princfpios que
eles pela funoo encarnam e os sentiments que
d&sses principios resultam. E eu nao traduziria cor
verdade a grandeza dos sentiments que inspiraram tao
eloqiiente prova de entusiasmo e simpatia, nem a razao
da comunhao spiritual que ali nos reiinia, se nao Ihes
atribuisse ou nao sentisse ou nao -soubesse ver corn jus-
teza a determinante real que os dominara o fervor
patri6tico que anima a populagao de Angola.
Foi nesse fervor, nos indefectiveis sentiments de
civismo da Col6nia que alicercei, como esteios fortes e
seguros do Poder, todo o desejo de exito que pretendia
no exercicio do Governo.
Nio o disse por mim, quero afirma-lo, que outra
ambiqao nao tinha que nao f6sse a do cumprimento do
dever, mas por Angola, pelo seu present pela solu-
0ao dos problems que sobre ela impendem e tamb6m
pelo seu future, pelo seu progress e engrandecimento,
pelo delineamento e alicerces de uma obra que todos
almejamos corn projecqo correspondent ao integral
aproveitamento das suas riquezas e imensas possibili-
dades.








A N G OLA

Nao o disse por mim, a quem s6 o sentido patri6tico
fizera aceitar as responsabilidades do p8sto de honra que
me era entregue mas por Angola a que, se eu muito
queria, como portugues, muito mais fiquei a querer no
memento em que me eram confiados os seus destinos.



I grave, cheio de apreensoes, o moment que o
mundo atravessa a ninguem sendo Ifcito desinteres-
sar-se dos acontecimentos que hora a hora tragica-
mente se precipitam.
Os factos, as suas dolorosas conseqiiencias, as per-
turba~5es a que conduzem, nao afectam apenas os des-
tinos das Potrncias em luta, mas ate a pr6pria sorte dos
povos que Ihes sao estranhos.
Nestes, recaem, sob multiplas modalidades deriva-
das da natureza que a guerra assumiu, os mais rudes
golpes e abalos que Ihes atingem toda a organizagao
internal, a situafao externa e a propria estrutura eco-
n6mica produuio, indistria, comercio, abastecimen-
tos, transportes, o exercicio das actividades reguladoras
do seu equilibrio, por vezes os pr6prios direitos de sobe-
rania, a cada pass retalhados pela violencia da forka
contra a lei moral e as regras do Direito.
Assim, nao podiam as conseqiiencias da guerra dei-
xar de ter reflexo na vida portuguesa. Algumas havia-
mos sofrido ja. Outras, porventura, tinhamos ainda que









ANGOLA


suportar, a ninguem sendo dado prever a evoluqao
incontrolada dos factos que transcendem quisi sempre
a vontade dos homes.
Em face dos acontecimentos externos a que o Go-
v&no, ressalvados os deveres da Alianpa cor a Grande
Nacao Britanica, impusera a neutralidade assumida, a
ninguem era licita, disse eu aos portugueses de Angola,
outra political que nao f6sse rigorosamente political por-
tuguesa.

*

Mais do que nunca o moment em que vivemos
impoe, no campo spiritual, a unidade dos povos.
No culto desta virtude, reside o mais forte apoio da
integridade national.
Em todo o exercicio do Govrno, afirmei, nao me
pouparia a esforgos, por firmeza da autoridade, pelo
respeito das pessoas, das consciencias e das liberdades
individuals, sempre que estas nao colidissem corn a
ordem social e o bem comum, para que f6sse assegu-
rada a unidade moral da Colonia.
*


Grande e a funcgo da Imprensa neste important
sector da vida political e spiritual, como alias em tantos
outros dominios da sua nobre missao missao educa-








A' N GO L A


tiva, de ordem e discipline nas consci^ncias, missao
orientadora, por excelencia, da opiniao p6blica fSrga
criadora, capaz de estimular e congregar as actividades
e energies necessarias ao progress e desenvolvimento da
Col6nia.
Da Imprensa, do seu devotado espirito patri6tico,
esperava leal e esclarecida cooperacao.


*

Numerosos sao os problems que pesam sobre
Angola.
Uns, ligados a sua administragao e vida eco-
n6onica sao problems de emergehcia,' derivado;,
muitos deles, da situagao normal criada pela guerra,
problems sempre prementes, impondo resolufjo ime-
diata, de harmonia cor as circunstancias, em especial
as da political de bloqueio.
Sao, de modo geral, problems comerciais, como
sejam os da procura intenma de&muitos dos seus produ-
tos, particularmente o sizal, a borracha e as oleagino-
sas que se torna assim possivel canalizar para o estran-
geiro em troca dos artigos mais instantemente precisos
ao seu abastecimento e ao da Metropole, e ainda os
cereais milho, feijao, trigo, arroz e o algodao, o
a~ucar, o cafe e outros produtos indispensaveis ao con-
sumo do Continente e dos dominios de Alem-mar.








A N G O L A


Dificuldades nao faltariam nejte sector de t6o largo
alcance para o florescimento economic de Angola. As
restri6es impostas pelos contingentes e a falta de trans-
portes criavam, naturalmente, condicoes de instabili-
dade que faziam a cada pass variar o panorama dos
problems e as soluS6es a adoptar.
Era necessario conjugar, como tinha tido ocasiao de
dizer em Lisboa, por ocasiao da minha posse, os inte-
resses de Angola, no seu intercambio commercial, com o
ambiente flutuante que as condif6es da guerra cada dia
fazem surgir em procura, precos, etc. exportando
para aquele3 passes que, por motives de ordem polftica
ou convenient remuneraao, mais vantagens ofere-
cessem.
Um princfpio, porem, ressaltava como imperative
necessidade de moment, que perdurara posslvelmente
corn a guerra e para alem dela o de produzir cada
vez mais e em melhores condic6es.




Amiude surgiam na opiniao puiblica, pelas f6rcas
vivas produtoras, pelo comercio, pelo public consumi-
dor, clamores contra os Organismos de Coordenasao
Econ6mica, por motivo de sobretaxas, imposiqoes,
teias e malhas burocriticas, dificuldades e obstaculos
que perturbam e custam tempo e dinheiro.








A N G OLA


Em certos casos, alguns clamores teriam funds de
razao, porque a maquina, la como ca, funciona por
vezes mal e mais caro do que seria para desejar.
P tambem imperativamente necessario, disse eu,
que, no exercicio das delicadas fun96es que incumbem
aos 6rgaos corporativos, pela repercusao que teem no
interesse colectivo, haja indiscutida competencia e ido-
neidade.
Em tudo quanto no exercicio da funio do Governo
coubesse, eu me esforcaria para que os Organismos Eco-
n6micos satisfizessem o interesse geral.





A-par de tio importantes quest6es em que se
consubstancia, a bem dizer, no presence, a vida eco-
n6mica de Angola ha que ver as suas possibilidades
futuras, o desenvolvimento e aproveitamento integral
das suas riquezas nos dominios da agriculture, da
pecuaria, das florestas e das minas e na industrializaco
de produtos. Sao os problems de fomento, de solupio
distance, muitos deles, mas a enquadrar desde ja em
piano harm6nico de conjunto, como pedras do grande
edificio que deve traduzir o aproveitamento de todas as
fontes de riqueza e de progress da Col6nia: obras de
hidraulica agricola e de irrigafio de terras, capazes de








A N G O L A

trazer aos ramos pecuario e agricola imensas areas
di.tantes dos cursos dos rios; o problema da colo-
nizaSao europeia nas regimes apropriadas; o dos trans-
portes- estradas, caminhos de ferro e comunicag6es
areas; os aproveitamentos hidro-electricos; as pesquisas
mineiras; o problema cientffico, infelizmente t6o des-
curado que, pode dizer-se, quasi totalmente por resolver
ainda, nos dominios zool6gico, botanico, geologico e
geografico.
Nio faltam capitals no mundo que se oferecam a
juro m6dico, ansiando por colocaao segura. Entre eles,
devemos contar o pr6prio capital portugues.
A fase de instabilidade que o mundo atravessa,
se, por um lado, levanta dificuldades a certas moda-
lidades das grandes realizacges, apresenta, sob cutros
aspects, vantagens que a tornam moment unico a
aproveitar.
Ha que contar, por largo period apos a guerra, ate
que o equilibrio mundial de novo se estabeleca, corn
profunda revoluao economic, febril actividade na con-
quista de mercados, no volume e capacidade da produ-
0o tendentes a suprir o deficit de tudo que essencial
a vida e que a guerra na sua voragem imensa absorve
e consome.
Largo future tern Angola se a tempo souber fomen-
tar e desenvolver as suas riquezas. Para isso, disse eu,
deviamos preparar-nos corn o estudo tecnico e econo-
mico dos grandes problems de fomento a enfrentar.








A N G O L A


Tanto ou mais do que os melhoramentos materials
e o impulso a dar a todas as fontes de desenvolvimento
da riqueza, e o bem star social problema de pri-
meira grandeza, o primeiro dos deveres de quem
comanda e dirige.
Nao esquepamos nunca que, sem o bem spiritual
e o minimo de bem-estar material exigidos pela digni-
dade humana, sem o contentamento que dale deriva
e a confianra que por e1e se traduz no Poder e nos che-
fes a quem incumbe velar pelo agregado social, nio ha
discipline nem paz que dure.
N5o me ofendia os ditames da consciencia ou 03
principios reguladores da justipa no exercicio do Go-
verno e da administraqao que os colonos, individual-
mente ou por empresas, atingissem graus de riqueza,
por maior que esta se tornasse, desde que os seus neg6-
cios fossem licitos, respeitadas as leis morals e as justas
regalias dos seus servidores, indigenas ou europeus.
Se a fortune de uns, por vezes, faz sombra ou sus-
ceptibiliza sentiments menos nobres de outros, nunca
ela podera impressionar os poderes do Estado, sempre
em piano superior a sentiments individuals, mormente
quando estes nio sao dotados de equilibrada grandeza.
Nao e cor empresas falhadas, falidas ou arrastando exis-
tancia precaria que o agregado social prospera. Nio e








A N G O L A


cor elas que o Estado pode fomentar os grandes em-
preendimentos em beneficio do interesse geral.
Eu desejava as f6rqas vivas da Col6nia pr6speras,
fortes, viris, corn o dinamismo de acyao que leva is
grandes iniciativas.
Para tanto, nao Ihes faltaria nunca, cor justica e
equilibrio, a proteccao e o apoio do meu Governo.





Ainda neste capftulo, a formaqao mental e moral
da mocidade de Angola seriam object dos meus maio-
res desvelos e preocupac6es.
Sao os colonos do future, o penhor de todo o
nosso esforgo civilizador, os continuadores da obra de
tantas geracoes de portugueses que a cste pedaco da
Patria consagraram todas as suas energies, por vezes a
propria vida.
E necessario manter na alma da juventude as ideas
nobres do caracter e da formarao moral, os sentiments
da honra e do dever, a chama de patriotism e de idea-
lismo que sao o timbre da populacao de Angola.
Por outro lado, na sua educaqao e preparaqao, ha
que orienta-los para a vida como elements constru-
tivos de accao e de trabalho, despertar-lhes as acti-
vidades no sentido realista c pratico dos misters mais








A N GO LA


adequados ao progress da Col6nia, desvia-los, quanto
possfvel, da pretensao ao emprego public, da ocupa-
Oo burocratica, para os lanqar em labor mais fe-
cundo.



A populaqao indigena, os beneficios a proporcio-
nar-lhe, o seu gradual ingresso nas vantagens da civi-
lizagjo seriam object dos meus maiores cuidados.
Grande massa populacional, obreiros humildes da
prosperidade da Col6nia, agents pacfficos e director do
trabalho e da produiao, Mles podem considerar-se forte-
mente integrados no espfrito da nossa obra de coloni-
zaqio. Angola valera em grande parte o que valer em
numero e qualidade a sua populaaio native.
Hi que tender desveladamente a tudo que respeite
a assistencia a prestar-lhe, a higiene e salubridade dos
centros populacionais, a defesa contra o depauperamento
fisico e contra a mortalidade, a protecqao que o seu
grau atrasado de civilizacao impoe.



Para csse fim, para 6 florescimento da grande obra
humanitaria ja realizada e para o long caminho ainda
a percorrer, confiava nos Servicos que tEem a seu cargo
to importance ramo da administracao da Col6nia-








A N G O L A


especificadamente os de Administracao Polftica e Civil
e os de Saude, e na obra, por todos os titulos notavel,
das Missoes Cat6licas nacionais.
Heroes a quem a fe ilumina e a devoao patriotic
inspira, trocando o conf6rto e prazeres da vida pela
evangelizacao, para espalharem a crenca e abrirem a luz
da verdade os insondaveis misterios da alma simple e
primitiva do indigena, nao ha palavias que suficiente-
mente traduzam as homenagens devidas ao seu espirito
de sacrificio.


*.

Ainda neste important sector da populaao indf-
gena, na protecao e assistencia a dispensar-lhe, ha que
focar a larga projecqo que ter a acco dos funcionarios
do quadro administrative, em 'especial os Chefes de
P8sto e Chefes de Circunscrioo.
SSo os Postos a celula primtria da organizacao admi-
nistrativa e, pode dizer-se, de toda a political indigena.
Se a chefia e o comando sao sempre questoes deli-
cadas, pelas responsabilidades que envolvem, mais deli-
cada se torna, neste caso, a fungo, pelos predicados
especiais que exige de ponderaao, bondade e- firmeza,
dado o meio em que se actua, o isolamento em que ela
se.exerce, a latitude dos poderes de que se 6 investido
c o grau de civiliza!io dos dirigidos.











































A chegada a Luanda do Governador Geral, em 9 de Maio de ig94


~ : :: i
ii. .
$'-;
b;








































Desfile do Batalhdo Expediciondrio de Infantaria, c chegada a Luanda
do Governador Geral en 9 de Maio de i94-


-r -,k %








A N G O L A


Procurei neste ramo da administra~qo focar a im-
portancia que punha no exercfcio da chefia dos Postos
e Circunscri6es e nos demais funcionarios dos primei-
ros graus hierarquicos da Administraqgo Politica e Civil,
em contact corn a populaaio indfgena, e traduzir o
apreo pela fungao de homes que, embrenhados no
mato, lanqados para o interior e isolados do mundo,
fazem do seu mister verdadeiro sacerd6cio e cimentam
os alicerces em que se edifica grande parte da nossa
invejavel coloniza~ao.
A todos dirigi palavras de incitamento, de estimulo,
e de conforto. Mais tarde, nas visits que teria de
efectuar aos Postos, aju'izaria da obra por cada um rea-
lizada e ratificaria a confianga que esperava que todos
viessem a merecer-me.




Alonguei-me mais do que desejava nestas primeiras
palavras que dirigi a Angola.
Nao tive a pretensao de, por elas, apresentar um
piano formal de Governo. Julgo mesmo que noo seria
honest da minha parte te-lo feito.
Na hora do mundo que vivemos, penso que a ne-
nhum home puiblico, cor seriedade e compreensao
das responsabilidades, sera licito apresentar programs.
Acresce que, por fndole e por formarao, tenho por

27








A N G 0 L A


certo que, mais do que as palavras, valem os actos e que
e cor actos e n5o cor palavras e pelo equilfbrio e pela
pondera5o que o uso do Poder exige, e pela inteli-
gencia e pela acoao guiadas por principios morals, que
os povos devem ser governados.
Pretendi, apenas, pr perante a Colonia as directri-
zes de ordem spiritual por que me propunha orientar
- e, mais ainda, corn objectividade, focar alguns dos
principals problems que impendem s6bre o presence
e o future de Angola, cujo estudo e solucoes consti-
tuiriam o object do meu Governo.
Ha muito que fazer na Col6nia. E nao ignorava eu
as dificuldades que se me apresentariam.
Para as enfrentar e resolver, a nada me pouparia.
Nao me faltavam f6 e energia, vontade e decisao.
Contava cor a patriotism e colaboraqio de todos
- forgas vivas, colonos, populasio.
A Col6nia teria por certo da minha part:
Culto da Justipa, do Bem e da Verdade.
Sentimentos de rectidio e honestidade.
Exercfcio firme da autoridade.
















Ill


PRIMEIROS CONTACTS
COM A ADMINISTRACAO


















REALIZE OES


Nos primeiros tempos, depois que cheguei a An-
gola, empenhei-me no intimo contact com os Servisos,
de que devidamente me inteirei, e no enquadramento e
seriaao dos mais importantes problems que teriam de
constituir object de estudo e de acSqo.
Esses problems, a forma como foram tratados, as
solu6es que tiveram uns, as que a outros esperava dar,
surgirao no decorrer do livro, em que procurarei, tanto
quanto possivel, apresentar por ordem cronol6gica os
actos do Governo sem prejufzo da sua convenient
ordenaqao.


*

Aparte um ou outro obstaculo que nao poderia sur-
preender-me, sabido que a ruindade medra em todos os
meios nao encontrei em todo o funcionalismo e








A N G O L A


populacao senao decidido espirito de colaboraqco,
impressionante sentiment de patriotism, confianqa
na rectidao, honestidade e justica do Governo e, posso
afirma-lo, um grande entusiasmo que, tendo-me esti-
mulado, me sensibilizou profundamente.
Assim se tornou possivel uma unidade spiritual e
political que a Col6nia ha muito desconhecia.
Senti i minha volta os maiores valores mentais e
morals de todos os sectors de Angola, ate dos mais exi-
gentes, com sentido sincero de cooperaqao que ha muito
nao davam porque descriam.






Ali se me depararam problems de espfrito e de
ordem political, problems econ6micos e de fomento,
realizaq6es materials urgentes a efectivar.
Um dos meus primeiros cuidados foi alicercar em
bases s6lidas o sentiment politico em volta do meu
Governo political de verdade, fundamento indispen-
savel do exercfcio serio do Poder.
As elei56es municipais, que hM ma;s de uma dezena
de anos a Col6nia nio conhecia, constitufram testemu-
nho de alto civismo e ao mesmo tempo representaram
acto politico de transcendent alcance.








A N G O L A


Dediquei particular atengo ao estudo dos proble-
mas econ6micos, esforqando-me por os p6r a claro e ao
alcance de todos, desfazendo a acjao perturbadora que
porventura o desconhecimento a sua volta pudesse
levantar.
Tratou-se do algodlo, do cafe, do milho e do trigo,
e tinha entire maos a data da minha exoneraao o das
oleaginosas, arroz, cera e borracha.
Dos quatro primeiros, foram publicados, em volume,
as entrevistas em que, pelos jornais locals, a Colonia foi
posta ao corrente do meu pensamento. Assim se valori-
zaram, dentro da verdade e da justipa, os Organismos
de Coordenagio Econ6mica, que ali t&em prestado bons
serviaos. Exceptuo 'a Junta de Exportaiao dos Cereals,
porque essa trabalha mal.
Deu-se independencia geradora de estimulo a
alguns dos mais importantes Servicos Tecnicos, ante-
riormente subordinados a Direcco de Fomento, tra-
zendo-os ao meu contact director corn grande beneficio
para o seu rendimento.
Por necessidade de um sadio equilibrio de esfor-
pos e de interesses, criou-se o Conselho de Coor-
denacao Econ6mica, que ficou a produzir brilhan-
temente e corn o aplauso geral o que se podera ava-
liar pelo Piano de Trabalhos dos Servigos e Organismos








A N G O L A


de Coordenacao Econ6mica para o ano de 1943, que
fiz publicar em volume especial.
Deu-se, de igual modo, publicidade is actas das reii-
nioes levadas a efeito no meu Governo, em dois valio-
sos volumes, versando todos os problems econ6micos
da Colonia e que bem traduzem a profundeza cor
que cada um deles foi discutido e estudado.




F&z-se a campanha do trigo, em bases t6o s6lidas
quanto possfvel, corn uma sementeira de 3.000 tone-
ladas para a colheita de 1943. Os resultados foram
precarious por o ano ter sido mau.
Ordenou-se tambem a do arroz, em que se devem
ter atingido g9.000 toneladas no mesmo ano.
Plantaram-se seis milh6es de arvores e abalanpar-
-me-ia a dez milh6es no ano de 1944-
Sinto que, apos esta guerra, a borracha de Angola
voltara a ter largo future, pois o que os holandeses nao
conseguirem destruir, antes da queda das Indias Neer-
landesas, ha-de, por certo, faze-lo o Japao quando for-
ado a retirar de la.
Nao ficara em campo no mundo, al6m da borracha
sintetica de que tanto se fala, senao a do Brasil, sob a
influencia da America, e a da Africa Ocidental que virr
a destinar-se a Europa.








A N. G O L A


Assim me dispunha, em 1943, a plantar 200.000
arvores de haevian e, em 1944, um milhao, quali-
dade que fez a prosperidade do Oriente e que no Congo
Belga tecnicos altamente especializados indicaram ao
seu Governo como media de larga projeccqo.
Ali se esta procedendo a enormes plantac6es desta
especie.



O problema das estradas e vital para Angola. Ex-
cluindo as dos planaltos, algumas boas, outras regula-
res, pode dizer-se que as vias de comunicacao do litoral
e as sub-planilticas sao francamente mas.
A rede de estradas atinge cerca de 40.000 quil6-
metros.
Desbaratavam-se milhares de contos, atamancando
aqui e alem depois das chuvas, para as chuvas seguintes
de novo as porem no mesmo estado, sem nunca se con-
seguir arremedo sequer de solu io para t6o important
problema.
Criou-se, sob proposta que fiz, a Brigada de Estra-
das que esta trabalhando em Angola, apetrechada corn
material modern e maquinismos cor que substituir o
bravo do indigena e dar ao problema a'necessaria solu-
cao em celeridade e economic que de outro modo nunca
poderia ter.
A Brigada chegou a Col6nia poucos dias depois de








A N G O LA


eu ter partido e iniciou os trabalhos cor a grande repa-
raco da estrada de Luanda ao Dondo, Quibala e Nova
Lisboa, por troops sucessivos de o quilometros.

*


Cumulativamente e porque sao assuntos interdepen-
dentes, encarou-se o problema dos transportes, por
forma racional e disciplinada, cor que por trrmo a con-
correncia caotica e anti-economica em que nesta mate-
ria se tern vivido em Angola.
Assim se faria o alargamento das zonas de produ-
0ao economic, a sua melhor distribuY4io e o aprovei-
tamento de riquezas inteiramente perdidas por nao ha-
ver quem as transportasse. Como exemplo, direi que
nas cidades do litoral se come por prepos exorbitantes
fruta do Cabo e do Continente, quando ela apodrece
nos planaltos e as vezes 6 tanta que os indigenas a
nao conseguem esgotar.
Poderia, ainda, ir buscar a algumas regi6es frontei-
riqas products ricos que hoje se escoam atraves dos vizi-
nhos por nao haver possibilidade de os aproveitarmos.
Como conseqiiancia, estabelecem-se correntes de
emigra~io entire os indigenas problema que nao foi
ainda encarado de frente e que exige solucao imediata.
Por fim, poderia levar a colonizacao branca a locals
apropriados, mas nao aproveitados, exactamente por se

36








A N GO LA


Ihes nao ter nunca garantido os meios de liga05o que
uma exploracao dos transports em conjunto podera
permitir pela compensago dos rendimentos e despesas.
Fez-se esse estudo e preparava-me para o por em
execuSao quando deixei a Col6nia.




Em conexao cor as comunica6es, atacou-se o
problema da ocupaoao administrative das frontei-
ras, em program compativel corn as nossas possibi-
lidades e de acordo cor o que de hr muito as neces-
sidades, nalguns casos ate de soberania, vinham recla-
mando. Deixei resolvido o problema entire a foz do
Cunene e o Cubango, imensa faixa de transcendent
importancia, mas mal ocupada em largos troqos e ao
complete abandon noutros.
Ji podemos, assim, levar aos indfgenas, nessa vasta
zona do sul de Angola, seguranpa e assistencia que neu-
tralize as de alem-fronteiras e que nao devemos descurar,
como factor politico de atracqo, procurando, nuns
casos, criar-hes condic5es de vida que nio s6 os fixem
do nosso lado como os transformein em verdadeiros
valores, e, noutros casos, com o de al6m-Mulunga, no
Cuanhama, efectivar a posse da regilo s6 ha pouco
reconhecida, tendo sido ate agora logradouro livre de
nativos e de gados do Ovampo.








A N G O L A

Ainda em materia de ocupaoo, ficou resolvido em
grande parte o velho problema Mucubal, que amea-
pava eternizar-se, e tern custado ao Estado milhares de
contos e a Col6nia muito sangue.




Ha na Hufla um problema social que result
de se ter abandonado durante 50 anos o interes-
sante nucleo de populacao branca do Planalto, gente
em grande parte do Algarve e da Madeira, sem o me-
nor vislumbre de preceitos cor que orientar uma obra
de colonizaao e que s6 por herofsmo e virtudes da rapa
se ter conseguido manter ali.
Sao cerca de 10.000 brancos, na quisi totalidade
cheios de dificuldades e ate na miseria, acrescendo a
este mal o grave problema da prepara5o da juventude,
que C necessario amparar e conduzir no sentido de a
transformar em factor de riqueza future.
Mandou-se fazer o primeiro reconhecimento de
obras de hidraulica agricola, de pequeno vulto, que po-
dem imediatamente trazer a cultural cerca de 5.000
hectares de terreno para trigo e pastagens, e entrega-
-los-ia aos colonos brancos dali, transformando total-
mente o seu nfvel de vida.
Para os correspondents estudos e obras a executar,
foi mandada para a Hufla uma Brigada TUcnica.








A N G OLA


A mortalidade infantil nos indfgenas e o maior fla-
gelo da Col6nia. Morrem 50 a 60 % das crianras que
nascem e nalguns pontos a percentage e maior ainda.
Apavorante!
Por esse motivo, e em conseqiiencia da doenra do
sono e da hipoalimentaco dos indigenas caso que
nao foi ainda encarado com a coragem e energia neces-
sirias a populaao tem decrescido nalgumas regi6es,
mantendo-se estacionaria noutras, quando vemos a dos
vizinhos crescer por forma firme e segura.
Neste capftulo da mortalidade infantil, tracei pro-
grama de trabalho que daria soluoo ao maior dos pro-
blemas de Angola. Refiro-me a construgao de Materni-
dades junto das Delegac6es de Saude. Estas sao em nu-
mero de 66 e o piano levaria seis anos a executar,
a razao de 1 i Maternidades a levantar por ano.
Em cada Maternidade, funcionaria um curso ele-
mentar de parteiras nativas, por periods de seis meses,
com o minimo de 0o alunas, ou seja a preparaao, em
cada Maternidade, de 20 parteiras por ano.
Estas mulheres iriam para as sanzalas ou aldeias e
ali acompanhariam as gravidas, as quais dispensariam
a necessaria assistencia, incutindo-lhes no espirito a ideia
de virem a ser assistidas na Maternidade, ou pelo menos
traze-las ali nos parts dificeis que obrigassem a inter-








ANGOLA


venqao cirurgica e mais ainda, acompanhando o de-
senvolvimento das criancas ate os 2 ou 3 anos, corn os
elements de puericultura que Ihes tivessem sido minis-
trados no respective curso.
Deixei iniciada a construao de quatro Maternida-
des, em modelo uniform para toda a Col6nia, orcada
cada uma em 370 contos.


*

Ao mesmo tempo, procurou-se, por varias formas,
fixar a atengao das autoridades e ate dos particulars
sabre a alimentacao dos nativos.
Determinou-se o maior aceio e higiene nos aldea-
mentos e habita6es e tambem a arborizaio dresses
aldeamentos com arvores de fruto e oleaginosas sus-
ceptiveis de corrigir os vicios de alimentacao indigena.

*
*

Como conseqiiencia do fraco indice populacional e
de exigencias sempre crescentes das actividades, a mao
de obra nao abunda e pode mesmo dizer-se que e insu-
ficiente para as necessidades actuais e mais do que insu-
ficiente para as possibilidades de produg5o de Angola.








A N G O L A


E porque ela escasseia e o assunto ter sido des-
curado, a questao assumia foros de desordem.
Assim, os recrutamentos de pessoal.nas regi6es mais
populosas fazia-se intensamente, sem cuidar das neces-
sidades locais, vindo a faltar nessas mesmas regi6es,
algumas muito ricas, os bravos para a cultural do indi-
gena de conta pr6pria e por vezes para as pr6prias acti-
vidades locais.
A barafunda, sob este aspect e outros a que fare-
mos refercncia em capftulo especial, atingia o caos.
Deixei o problema em via de solucao met6dica e
propunha-me resolve-lo definitivamente.
Comeqou-se por proibir a said dos trabalhadores de
umas provincias para outras, exceptuando, unicamente,
os casos de f6rqa maior e de trabalho especializado, re-
gulados sempre por despacho do Governador Geral.
Assim, em principio, as provincias ficaram a-bastar-
-se a si proprias. Em cada uma delas, aperfeiqoou-se o
recenseamento dos homes validos ou trabalhadores, por
concelhos e por postos. Apurou-se em cada circunscri-
a0o, pelas fazendas ou propriedades dos colonos exis-
tentes, o numero de homes a recrutar para o trabalho
por conta alheia; apurou-se, tambem, pela natureza das
cultures e areas a cultivar, o numero de homes neces-
sarios para o trabalho por conta propria.
Determinou-se, em face do recenseamento total, o
saldo ou deficit de cada concelho ou circunscrigqo e
fixaram-se as circunscricoes onde recrutar os trabalha-








ANGOLA


does necessarios as zonas deficitarias. Ficaram estabele-
cidas a ordem e a discipline neste sector.
Mas isto nao era tudo. Ao abandonar o Gov&rno,
estava trabalhando na fixag~o dos indigenas junto is
fazendas que empregam o pessoal, de forma a evitar os
contratos a grandes distancias das propriedades, as des-
pesas que acarretam, o afastamento das families e a relu-
tancia que daf provem aos contratos da mao de obra.
Dentro de tres ou quatro anos, teria o problema,
senio inteiramente resolvido, pelo menos terminada a
contradanpa do pessoal indfgena, corn todas as pertur-
bac6es e dificuldades' que ali verifiquei, nunca per-
dendo de vista a solucao complete do assunto.





Ainda quanto a mao de obra: aproveitando a estada
em Angola do Governador de S. Tome, elaboramos
um modus vivendi serio, trazendo moralidade ao recru-
tamento de trabalhadores para aquela Col6nia.
E certo que este acordo foi honradamente cum-
prido pelo Governo de S. Tome durante todo o tempo
que permaneci em Angola, fazendo-se regularmente a
repatriaio dos que findavam os seus contratos mas
nro menos verdade que, ao deixar a Col6nia, havia
mais de onze meses que aguardava de Lisboa a ratifi-












































Ponte Comandante Alvaro Morna, s6bre o Rzo Loge, na estrada international de Luanda ao Zaire


i_ .

1













I
I


Ponte Comandante Alvaro Morna, s6bre o Rio Cuando, em Caconda








A N G 0 L A


caco desse modus vivendi, apesar de eu ter demons-
trado a sua necessidade e urgencia.




Em realizaS6es materials, trabalhou-se muito na
Col6nia e posso afirmar ter-se absorvido t8da a capaci-
dade de trabalho que ali encontrei pequena, e certo,
porque nunca os Servigos tinham sido dotados cor
meios orgamentais suficientes para a aquisicao da sua
utensilagem.
Contudo, construfram-se os dois grandes aquartela-
mentos dos Batalh6es Europeus em Luanda e Nova Lis-
boa, comportando cada um 27 edificios e satisfazendo a
t8das as exigencias de ordem military e do clima.
Sao instalao6es modelares que nio encontram par
em nenhum estabelecimento do genero em Portugal.
Deixei-os conclufdos.
Deste modo, libertou-se de tropas o Museu instalado
na Fortaleza de S. Miguel, em Luanda, e o Laborat6rio
de Patologia Veteriniria, em Nova Lisboa, onde elas,
i falta de quarteis, se tinham alojado cor grave pre-
jufzo daqueles edificios e seus Servicos. Importaram os
dois quarteis em 7.000 contos.
Sob igual orientacao, construfu-se o Quartel da Bata-
ria de Artilharia,em Luanda, cor 17 edificios, em que
se despenderam 2.000 contos.

43








A N G 0 L A


Fez-se a Ponte do Sassa, que liga agora a rica
regiao dos Dembos a Luanda, e conscitufa velha aspira-
5o econ6mica. O tramo metalico estava ali hA x o ou
12 anos abandonado e as obras por comegar.
Construiram-se as instalacSes da Mocidade Portu-
guesa, corn ptimo salvo de leitura, sala de reiini6es,
balneario e campo de jogos.
Construiu-se a Ponte do Loge, a maior da Colonia,
corn 170 metros, em tramos metalicos, na estrada inter-
nacional que liga ao Congo Belga.
Fizeram-se as pontes do Lufico, do Luc e do Lu-
cunga, tambem na estrada international para o Zaire.
Construiu-se a ponte do Cuando em Caconda.
Ficou quasi concluida a grande ponte do Binga para
ligaqao do Seles ao Amboim e ao interior.
Iniciou-se a construgo do grande Bairro Indfgena de
Luanda, num dos pontos mais salubres dos arredores e
servido pelo Caminho de Ferro verdadeira cidade na-
tiva, tendo deixado concluidos os dois primeiros quartei-
roes, com 104 moradias, que pode apresentar-se como
modelo e sem receio de confront, com o que de me-
Ihor existe nas co!6nias estrangeiras.
I dotado de balnearios, tanques de lavagem, senti-
nas e canalizaoSes e cdrtado por magnificas arterias e
arruamentos ja arborizados.
Custou cerca de 3.000 contos c tencionava por a
concurso mais dois outros quarteiroes, construindo su-
cessivamente dois por ano. Assim se liminariam gra-








A N G O L A


dualmente da cidade as moradias indigenas- tugui-
rios infects, disseminados pelos bairros novos por onde
ela ter vindo a desenvolver-se.
Restaurou-se o Forte de S. Pedro da Barra, desfa-
zendo-se as barbaridades que durante dezenas de anos
se cometeram e repondo-o na sua forma primitive, cheio
de encanto e de beleza.
Iniciou-se a Avenida de Circunvalacao de Luanda,
de dez quil6metros de extensao, asfaltada, corn 17 me-
tros de largo, deixando sete quil6metros construidos ao
sair da col6nia.
Construfram-se tras escolas primarias em Luanda,
duas de quarto lugares e uma de dois; ao todo dez esco-
las que substitufram os pardieiros em que anteriormente
funcionavam.
O ritmo de trabalho em realiza~5es efectuadas e
noutras em curso, sentia-se por toda a parte, notan-
do-se, nao importava por onde a gente se deslocasse,
actividade, confianqa e entusiasmo, espirito de compe-
tiflo e construtivo.




Corn part do saldo da gerencia de 1941, no valor
de 34.000 contos, de que despendi nas obras realizadas
cerca de I7.000 nos oito meses do meu Governo, em
1942, e corn o aumento sucessivo experimentado nas








A N G O L A


cobrangas das receitas principals, especialmente o im-
posto indigena e rendimentos aduaneiros, foi Fossivel,
no Orcamento de 1943, consignar verbas para cons-
trugoes e melhoramentos e, ainda, para os Servigos
de Economia e Fomento, num montante que a Col6-
nia jamais conhecera.
A situago financeira era boa, e o saldo de gerencia
de 1942, que devia apurar-se em Julho de 1943, tera
atingido cerca de 50.000 contos.
Corn esse saldo me propunha satisfazer inadiiveis
exigencias de construg6es hospitalares, ocupagao sani-
taria e escolas primirias, e enfrentar o problema das
comunica~5es que e vital para o desenvolvimento de
Angola.

*

Procurou-se, ainda, disciplinary a vida administrative
dos Municipios, como fonte de florescimento dos ni'-
cleos populacionais espalhados pela Col6nia.
Criou-se-lhes condic6es de vida desafogada, aumen-
tando-lhes as receitas, dentro da capacidade tributdria,
corn a publicaio de varios diplomas legislativos -
o primeiro fixando em 50 % o adicional s6bre a Con-
tribuigao Industrial, ate al disperse em quantitativos
virios, numa miscelania que ia de 15 % a oo0%,
conforme as regimes, e que deste modo se tornou uni-
forme e equitativo; por outro diploma, fez-se just dis-

46








A N G O L A


tribui'co do adicional aduaneiro dos ports de Angola
pelos diferentes corpos administrativos, de harmonia
com o volume das importaqoes e exportacoes locals e
correcges correspondents ao valor relative dos nucleos
populacionais; por novo diploma, aboliu-se o imposto
de transito nas poucas localidades onde existia, por ana-
cronico e incompativel corn os modernos principios de
direito fiscal.

*

Finalmente, depois do abandon a que teem sido
votados ha dezenas de anos, era meu intento dar sepul-
tura condigna aos despojos de quantos morreram nas
lutas da ocupacao e se encontram ainda espalhados por
essa imensa Angola fora, enterrados, alguns, em locals
de ja dificil referenciacao.
Angola cobrir-se-ia de pequenos mas sugestivos pa-
drSes, assinalando os locais onde portuguesses perderam
a vida por Portugal media de largo alcance espi-
ritual que daria aos velhos Colonos, ao Exercito e a
Armada satisfaqjo de ha muito reclamada.














FALANDO A COLONIA

Pelo jornal (.A Prov;ncia de Angola) (x)

#rO NOVO GOVERNADOR GERAL
E ALGUNS DOS PRINCIPALS
PROBLEMS DE ANGOLA*

Pela terceira vez, no curto espafo de oito dias, subi-
mos de noite as amplas escadas do Patacio do Governo
Geral, depois que, tanto do cargo de Chefe da Colo-
nia, como da nossa simpatia, tomara posse o Sr. Coman-
dante Freitas Morna.
Desvanece-nos sobremaneira a afabilidade e o inte-
resse cor que o novo Governador nos recebe, e quere-
mos atribuir aqueles sentiments, que tio alto frisou
no seu discurso de posse e no-los repetiu depois, ao
culto da justifa e das liberdades individuals verda-
deira biblia pela qual quere pautar seus actos de gover-
nante.
Deste modo, justifica-se o contact corn um orgao


(1) Entrevista de 16 de Junho de 1942.








A N GO L A


da Imprensa angolana, que por sua vez levaria o Gover-
nador ao contact cor os governados a melbor, a
unica forma criteriosa de auscultar a opinion pdblica
ouvir-lhe as sujestoes e, quando justas, atender-lhe a.
reivindicaf6es. 0 povo que.vive em liberdade e ni
senate o alheamento de quem ter por ever conhecel
-lhe as alegrias, partilhando-as, as miserias e as does
tomando parte nelas o povo, sentindo-se, assim
compreendido, tern um quinhLo maior de felicidade.
Os problems, os grandes problems da governac; o
sao, regra geral, desconhecidos da massa popular, por-
que a cada um de nos, por defeito de educacao, por
egocentrismo, so interessa o beneficio director, a lei que
nos favorece, em suma, o caso pessoal. Mas se dia a dia
nos disserem, cor verdade e clareza, os porquis das
medidas que se tomam, explicando-nos a razio de ser
de uma determinafco que briga cor o interesse de min
e favorece um milhar, entao, o que por vezes poderia
parecer inexplicafvel I bem aceite e imp5e-se pelos bene-
ficios de ordem geral.
Por duas vezes ja, tiveramos ocasiao de conversar
corn o Sr. Comandante Morna, casos de moment,
rapida troca de impresses, apenas. Mas de ambas elas
nos ficara um veemente desejo de melhor conhecer o
fundo moral e intellectual do home que tinhamos em
frente e que se nos apresentava como urm simbolo de
character e admiravel e interessado pesquisador das
coisas de Angola, que alids e era grande part Ihe n;o








A N G O L A


sao fr desconhecidas. Grave, traGos vincados dira-
mos duro de expressao, ao primeiro contact -logo
prende e cativa, porque adofa a frase de sinceridade,
indo direito ao fim. E pouco depois nds esquedamos,
sem quebra de respeito, que estavamos sendo entrevis-
tados pelo Governador Geral...
Valeram-nos dezanove anos de Angola e o habito
de entrevistar os outros...
Quando se enfrenta uma personalidade destas, em
que as palavras se pesam, ou o entrevistado ter de ante-
mao escritas as suas notas, e a entrevista esta feita, ou
o jornalista se prepare corn o seu questionario, que vai
seguindo, anotando as respostas obtidas. Nao foi o nosso
caso. A simples ideia de que lamos conversar para o
pdblico corn o Governador Geral sobrep3s-se a todas as
outras ideias. Assim, quando entramos no gabinete de
trabalho do Sr. Comandante Freitas Morna, nove da
noite, 1f dadas, tamos positivamente em branco, sem
preguntas formuladas nem ideias preconcebidas. Seria
o que o Sr. Comandante Morna quisesse.
E foi.
0 intercambio corn as colonias vizinhas; a vida polf-
tica de Angola, onde ha so uma political -a do tra-
balho e culto da Patria; os problems da instrufao e da
assistencia; a questao dos vencimentos; os reflexes di-
rectos e indirectos da Guerra; o fomento agricola, pe-
cuario e industrial da Colonia; a descentralizarfo de
poderes; a propaganda de Angola na Metrdpole e nas








A N G O L A


coldnias vizinhas tao descurada e tao precisa; a cria-
fao de novas misses tecnicas e de estudo; a elaborafyo
de um novo piano de fomento, em que se incluissem
estradas e pontes, escolas e hospitals tudo foram
pontos abordados no decorrer da conversa, que o ilustre
entrevistado conduziu corn conhecimento, criteriosa
observafao e saber de experiencia feito.
Nao ha, de facto, problema que, na sua essencia,
seja novo para o novo Governador Geral. Pode, as
vezes, a questao de pormenor ser-lhe desconhecida, mas
logo a apreende e a disseca cor boa I'gica e segura ar-
gumentafao. eE havera alguem, aqui mesmo, corn a
pretensao de tudo conhecer e de tudo saber?
0 jornalista espera continuar pelos tempos fora a
mostrar que nio estamos, felizmente, nas maos de urn
home vulgar; e espera que, servindo os seus leitores,
os frutos de novas entrevistas venham demonstrar nao
ter errado quando Ihe atribulu uma larga visio de quasi
todos, sen~o todos, os capitals problems angolanos.
E, por hoje, entra deliberadamente no assunto do dia:
Luanda.
E indispensavel condifio de eficiencia dos Servifos,
particulars ou p'blicos, possuirem adequadas intala-
foes. Ora, quanto a isso, Luanda esta, de modo geral,
mal servida. HA excepf6es, justificando a regra, mas a
verdade e que os Servifos Pitblicos, alguns bem impor-
tantes, abafam nos predios onde funcionam e abatem
as melhores energies dos funcionarios. Foi uma das pri-








A N GO LA


meiras coisas que o Sr. Comandante Freitas Morna
verificou, pessoalmente, nas visits que fez aos diversos
departamentos do Estado, apos a chegada.



(A Col6nia necessita de ter os seus Servigos con-
venientemente montados, capazes do impulso que pre-
ciso dar-lhes, diz-nos o Sr. Governador Geral.
A centralizaao dos Servipos de Agricultura, Pe-
cuaria, Industria e Minas numa Direcqo u nica nio
pode conduzir aos resultados que porventura cor essa
centralizafqo se tiveram em vista.
A mecanica do Fomento carece de revisio; os Ser-
vinos nela encorporados necessitam de amplitude que
hoje nao tEem. n caso a considerar -- e esta sendo es-
tudado.
De inicio, you procurar instalar os tres Servisos -
Agricultura, Pecuaria e Minas independentemente,
embora ainda subordinados a Direcco do Fomento,
que por sua vez, de future, vira a ter mais largo ambito
e maior cpncepfao de funo6es, cor o mesmo ou com
outro nome, mas corn organica diferente, e aqueles Ser-
vicos serao descentralizados. O mesmo quanto aos
Servicos Florestais.
Neste dominio da Agricultura, Pecuaria e Minas,
em que se alicerga a economic de Angola, muito ha
que fazerx.








ANGOL


A seu tempo abordaremos o assunto, mas podemos
fixar jd que o Sr. Comandante Freitas Morna pensa
visitor as regioes do Cunene e Cuanhama, no intuit
de por em march um grande piano de valorizafdo
pecuaria.
Do Fomento passamos aos Servicos Militares. E o
Sr. Comandante Morna diz-nos:

cNinguem sabe o tempo que durara a guerra.
A necessidade de dotar a Col6nia com unidades mili-
tares metropolitanas, fez criar o problema dos alojamen-
to's. E alojadas estao, as que se encontram em Luanda,
provis6ria e deficientemente, em prejuizo de outros esta-
belecimentos: O Museu de Angola, a Maternidade
e o pr6prio hangar da Aviaqao. Esta a razao porque se
pensou na imediata construcao de aquartelamentos,
em instala6es condignas e definitivas obras para as
quais ja abri concurso e que dentro de poucos meses
estarao conclufdas.
No dia em que deixarem de server o fim a que de
come se destinam, terao a devida aplicaao como
aquartelamentos de f6r&as dos quadros da Col6nia, dado
o principio que tenho em vista de concentrar, sem pre-
juizo das necessidades de destacamentos em diversos
pontos de Angola, as f6rqas indigenas em unidades de'
batalhao.
No campo dos Servipos Militares, ha muito que
fazer em t6da a Col6nia e ate em Luanda, onde o Quar-








A N G O L A

tel General precisa de ser ampliado e o belo grupo de
casas da Mess dos oficiais carece de amplia5o tambem.
Penso em aumentar desde ja a Mess Militar corn
mais tres pavilh6es para o que se estao executando
os necessarios projectss).

dV. Ex.' visitou tambem os Servifos de Cadas-
tro e de Instrufao?

,Sim. Vao ter os indispensaveis melhoramentos.
No Cadastro, e preciso acabar as grandes obras e modi-
ficaq6es iniciadas e que encontrei paradas. Continuarao
dentro de poucos dias para se conclufrem antes do fim
do ano.
Os Servicos de Instruqio, agora instalados no predio
do antigo Liceu, precisam de concentrar todos os depar-
tamentos deles dependents: Inspecio Escolar, Zona
Escolar, etc. Para isso, 6 preciso descongestiona-los,
tirando-lhes a parte que respeita a ((Mocidade Portu-
guesan, que vai ter instala io propria e modelar em pre-
dio a construir na Avenida do Hospital, ji projectado
e cujas obras vao muito em breve iniciar-se.)

1 -A cidade precisa, como o nosso journal tern de-
monstrado, corn ndmeros e raz6es insofismaveis, de um
plano geral de construfses escolares, Sr. Governador.

a problema a estudar. Simplesmente, por agora,








A N G L A


trata-se sobretudo da adaptaao e aproveitamento do
que existe, concluir o que foi comeqado, e tambem dar
inicio a construgces novas que as possibilidades orga-
mentais permitam fazer. De resto, dentro de pouco
tempo, poderei entrar francamente no estudo do pro-
jecto das escolas primarias em Luanda project que
tem de ser grande para o presence e para o future, corn
previa consideracio das tendencias sociais e racicas de
cada bairro, do aumento populacional da cidade e de
outros factors de ordem higienica e pedag6gica).

A referencia as tend^ncias socials e racicas da popu-
lafio fez surgir a questlo do Bairro Indigena em
Luanda, sobre a qual o Governador Geral nos disse:

MNao faz sentido que a capital de uma Colo-
nia, grande e rica como e Angola, ostente ainda tal
variedade de construcBes de gente pobre, verdadeiros
casebres, imundos e sem conf6rto, comprometendo a
estetica e as linhas de uma grande cidade.
Tenciono fazer erguer um bairro pr6prio, decent,
modern autentica cidade indigena, com a sua igreja,
escolas, creches, parque infantil, balnearios e mercado
pr6prios, no genero do que de melhor se faz nas gran-
des cidades tropicais).

eCasas para renda ou para venda por amortiza-
3io mensal?








A N G O L A

( assunto a considerar, mas sem prejuizo da
imediata construcao do Bairro. Depois, a media que o
de Luanda for sendo construido, aplicar-se-a a mesma
ideia aos outros centros de maior importancia da
Col6niax.

Tinamo-lo notado no sec discurso de posse:
V. Ex.' liga suma importancia a valorizafdo social do
indigena.

t(Absolutamente. 0 indigena e object do meu
maior interesse. Tudo quanto seja melhorar-lhe as con-
dicoes de vida e o rendimento do trabalho tera o meu
incondicional apoio. Por isso mesmo, quis frisar de
modo claro, desde o meu primeiro dia em Angola, que
das Missoes e do Quadro Administrativo espero a me-
Ihor colaboraoo nesse sentido, como a espero dos various
Servicos da Col6nia.
'Os da Instrugio, Saude, Agricultura e Pecuaria
teem grande papel a desempenhar junto do indigena.
E no dia em que todos estes Servicos, cada um na sua
esfera de acqao, se empenharem a fundo nessa missao
valorizadora, Portugal tera em Angola inesgotavel fonte
de abastecimento e vastissimo campo de accon.

Sabiamos que no dia imediato o Sr. Governador Ge-
ral iria ao Ambriz, de visit as obras da ponte do Loge,
depois de ter ido a Catete e ao Dande, onde se inteirou








A N G O L A


das obras da ponte do Sassa. Devia, pois, ter ideias
assentes sobre as vias de comunicafao, para to. grande-
mente se interessar por aquelas obras. eHaveria algum
piano geral sobre estradas?

cAs estradas sao o mais important factor de
progress e factor de ordeni econ6mica, comecou o
Sr. Governador Geral por afirmar.
Tudo que em tao valiosa obra se despender e capi-
tal de largo rendimento para o future da Col6nia.
Nao foi sem marcada surpresa que percorri os pri-
meiros quil6metros a volta de Luanda, francamente
maus. Temos de olhar de frente, e de modo definitive,
este problema.
O meu interesse pela rapida conclusko das pontes do
Sassa e do Loge, beneficiando as comunica6ces do
Norte corn Luanda, e igual ao que me merecem t6das
as outras estradas da Col6nia. t necessario por em exe-
cuiao um piano, a largo prazo, embora, que nos de es-
tradas e pontes definitivas, de Norte a Sul, de Leste a
Oeste. Representa muitos milhares de contos, C certo, e
nio k evidentemente piano de realizacao imediata. Mas
o que nao podemos e manter a political de estradas que
ha anos vem sendo adoptada, se political pode chamar-se
aquilo que se tem feito: despender todos os anos alguns
milhares de contos em pura perda, sem nenhum con-
tributo para a soluco do problema. As chuvas p6em,
como e sabido, as estradas em estado deploravel, muitas


































Trecho da grande Avenida de Circunvalapao, mandada construir em Luanda










r1rrrr


Ica 1 FIV
rLua


C(o'lla. s /' ( ollolt iro.s, allll l i l/'l i .'i veni l de '*ir lill' l/ iii d il lllli








AN G O L A


delas ficando intrasitiveis. Meses depois, no comeqo
da 6poca seca, logo se entra em febril actividade de repa-
rag6es, sempre precarias e sem obediencia a piano ou
program ordenado e preconcebido, consumindo-se im-
portante soma de dinheiro e de trabalho, para as estra-
das ficarem mas, as chuvas seguintes as tornarem de
novo intransitaveis, novas reparapes, novo dispendio
de dinheiro sem se sair deste cfrculo vicioso.
0 dinheiro a gastar tern de ser cuidadosamente
aproveitado, assegurando eficiencia aos trabalhos exe-
cutados. Para ja, empenho-me na possibilidade de do-
tar Luanda com duas vias de acesso definitivas: Luanda-
-Zaire, servindo as regi6es intermedias e o Congo Por-
tugues e Belga; e Luanda-Cassoalala, que nos ligara ao
Sul da Col6nia e a Malange, pelo Dondo, ambas asfal-
tadas, garantindo perfeita conservaao e larga duraions.

Ainda sobre estradas, ficamos sabendo que o Go-
verno Geral e a Camara vio imediatamente proceder ao
alargamento, correcfao de trafado e asfaltagem da
estrada de circunvalaifo de Luanda, que sera arbori-
zada, e a reparafdo da que, passando pela fortaleza de
S. Pedro da Barra cuja restaurafao Sua Ex.3 man-
dou estudar leva ao Farol das Lagostas, como pri-
meiro element de atracfdo turistica da capital de An-
gola, tio bastamente fadada de condifces naturais para
ser, mais do que e ja, uma das mais belas, senio a
mais bela cidade da Costa Ocidental de Africa.

59








A N G O L A


Eram perto de onze da noite e mal tinbamos
encetado a entrevista. Na antecamara do gabinete de
despacho, esperava o Sr. Director da Fazenda, cor vo-
lumosa pasta de expediente. Seria, portanto, abusar de
mais, continuarmos ali, esquecidos de que o Sr. Coran-
dante Freitas Morna nao pode dispor de muitas horas,
porque as ter tomadas para bem se inteirar dos assun-
tos e problems de Angola que espera de si uma gover-
nafao inteligente e ponderada e uma epoca feliz de paz
e trabalho, anseio maior de quantos por aqui estiolam
energies, queimando-se na chama do seu amor a Cold-
nia eterno prolongamento de Portugal.
















FALANDO A COL6NIA

Pelo journal c(Diario de Luanda) (1)

aO SR. GOVERNADOR GERAL E ALGUNS
DOS MAIS IMPORTANTES PROBLEMS
DA COL6NIA

Nao e esta a primeira entrevista do (cDiario de
Luanda)) cor o Chefe da Colonia. Deve considerar-se
a seqiiencia daquilo que desde a chegada a Angola do
Sr. Comandante Alvaro de Freitas Morna ter sido exa-
rado por mais de uma vez nestas colunas. E como que
novo capitulo do program de realizafoes que Angola
ter diante de si, -a continuafdo das obras de cons-
trufao de quarters, das pontes do Loge e do Sassa, da
asfaltagem que vai fazer-se da estrada de circunvalafio
e das que nos conduzem ao Ambriz e ao Dondo. a
bem dizer, uma mais larga demonstrafdo do carinhoso


(1) Entrevista de 23 de Junho de.z942.








A N G O L A


interesse corn que S. Ex." o Governador Geral esta' enca-
rando os problems de Angola.
Muitas teem sido, felizmente, as vezes em que
temos trocado impresses cor o Chefe da Coldnia,
s'bre as necessidades e aspiraf6es dos colonos, sabre os
problems, mais ou menos instantes, que ja tiveram ou
de Sua Excelincia aguardam solufao. E ja dez dias vio
passados sobre a data em que a troca de impresses que
hoje reproduzimos teve lugar; sobre essa converse
longa que entrevista nio pode charar-se entire o
mais alto Magistrado de Angola e o jornalista.
E desta e doutras trocas de impresses cor o Chefe
da Coldnia resultou devemos afirma-lo--a nossa
segura convicfpo de que Angola encontrou o Governa-
dor que pode e sabera governa-la, o Governador que
pode e sabera conduzi-la ao progress a que terem jus
todas as suas actividades e possibilidades. r dificil, cer-
tamente, a obra que se oferece ao Governador Geral de
tao grande parcel do Imperio, como conselheiro e guia
dos colonos, como protector de milhbes de indigenas,
orientador de actividades, realizador de pianos, como
guard da unidade e integridade nacionais. Mas todos
estes deveres e encargos encontram a servi-los uma lu'-
cida inteligencia, uma energia indomAvel e espirito de
justifa e de isenfpo que queremos pot em evidencia; e
terao igualmente a servi-los, cor igual fe e confianca,
os funcionarios e os colonos, a quem o desanimo nao
vence e a tenacidade na luta nao falta.








A NG O L A


Se estamos na posse destes valores, se Angola pode
efectivamente contar corn tgo valiosos elements de tra-
balho e progress, eporque nio havemos de confiar?
ePorque nao havemos de ter fe e coragem para lutar
e veneer as dificuldades que nesta hora tragica do
mundo possam surgir?
Mas, deixemos, por hoje, as considerafces que a
personalidade do ilustre entrevistado nos sugere, as jus-
tas referencias que a alta capacidade moral e intellectual
do Sr. Comandante Freitas Morna nao podem deixar
de merecer-nos, e voltemos a entrevista.
No gabinete de trabalho do Chefe da Colonia, pelas
21 horas de um dos primeiros dias da semana passada.
Ainda nio havia terminado a febril actividade do
dia.
Salam, a essa hora, os dltimos Chefes de Servifo,
corn as suas pastas de despacho.
0 Sr. Comandante Alvaro Morna recebe-nos, como
sempre, corn o seu sorriso franco, num avontade que
disp5e bem, cor aquela franqueza que a todos cativa.
Sentamo-nos. em frente de Sua Excelencia, junto da
secretaria onde se acumulam montes de papeis, talvez
alguns projects de novos diplomas, esboo de novos
trabalhos ou pianos de novas realizaf5es. E a troca de
impresses comeeou.
V. Ex.' ter em project, no que respeita a
comunicafoes, outras estradas, alem das do Dondo e
Ambriz, a que ij nos referimos?








A N G O L A


E o Sr. Comandante Morna responded sem hesi-
tafoes:

((Eu nao desejo fazer projects que nao possam
realizar-se. Por agora, pensemos a serio nessas duas
utilissimas estradas tragos de ligaqao cor o Sul e o
Norte da Colnia procurando fazer delas o que as
necessidades de Angola exigem: rectificando-lhes o
trapado, onde se torne precise e procurando dar-lhes um
leito seguro, revestido a asfalto, para que se eliminem
de vez os inconvenientes da interrupgo do trAnsito e
das permanentes e sempre deficientes e dispendiosas re-
paracoes.
As outras constituirio program a mais largo prazo.

Na verdade, Sr. Governador, se conseguissemos
dar a estas duas estradas, de ligafao corn o Dondo
para o Sul, e cor o Zaire para o Norte de Angola, -
t8da a eficiencia que requerem, teriamos conquistado
um beneficio incalculdvel cor larga projeccao no
future de Angola dissemos por nossa part. E acres-
centamos:
Sabemos estar V. Ex." interessado num largo plano
de fomento agrcola...

(Tenho pelo menos assente diz o Sr. Gover-
nador Geral a ideia de que e necessario produzir
mais e produzir melhor. Julgo indispensAvel prestar








A N G O L A


maior atencao ao louvavel esforco dos colonos e acari-
nhar, quanto possivel, a actividade e os proprios anseios
das populac6es indigenas)>.

E prosseguindo:

(Ja chamei a atenao das autondades administra-
tivas para este ponto fundamental da administracao de
Angola e fa-lo-ei sempre que para isso se me ofe-
reqa ocasiao. Desejo que acompanhem corn a maior
atencao e desvelo o esf&rco daqueles que trabalham a
terra, dos colonos ou proprietarios rurais que tao abne-
gadamente aqui teem alicerpado o nome de Portugal.
Nao e de permitir que nenhum runcionario deixe
de prestar-lhes acolhimento e de Ihes dar todas as faci-
lidades que a .lei nao contrarie. E porque em grande
numero de casos depend do criterio das autoridades
administrativas o sucesso ou insucesso do esf6r&o de
producao dresses colonos, faltara ao seu ever o Admi-
nistrador ou Chefe de P6sto que nao de aos agricul-
tores as facilidades de mao de obra e outras dependents
da sua funcao.
Temos de orientar tenicamente a produiao para os
artigos de mais facil colocacao, atendendo primeiro as
necessidades nacionais, depois ias dos mercados externos
que nos fiquem mais pr6ximos e para onde se tome
mais vantajosa a drenagem.
Os Servicos de Fomento vao ser desmembrados, por








A N G O L A

se term tornado demasiado complexes. Dar-se-a inde-
pendencia aos Servicos Pecuarios, de Agricultura, e de
Minas, porque se concluiu que melhor podero assim
cumprir a sua elevada missao.

-Ha um outro problema, que eu nio desejaria
deixar de abordar Sr. Governador, porque o julgo de
interesse para o progress de grande ndmero de activi-
dades de Angola. Trata-se da indistria do frio, insta-
lada nalguns centros produtores e em determinados por-
tos de Angola, para que possamos exporter, em condi-
foes economicas, grande ndmero de produtos: came,
peixe, frutas, fumeiros, lacticinios e tantos outros arti-
gos susceptiveis de explorafio, desde que essa indt'stria
exista e tudo possa preparar-se para tal. ePode V. Ex."
dizer-me, Sr. Governador Geral, o que pensa sobre o
assunto?

cS6 devemos cuidar da instalaao de grandes
camaras frigorfficas para a exportao5o em larga escala
de um certo nimero de produtos, depois de ter con-
clufdo, por meio de estudos tecnicos, que asses artigos
justificam, na verdade, as despesas resultantes da ins-
talacao e manuten[ao correspondents.
Julgo que a exportagao de care que hoje podemos
fazer nao C ainda de molde a por-se o problema dos fri-
gorificos corn o desenvolvimento que uma grande induis-
tria de exportagao de carnes exigiria. Ha, primeiro, que








A N G O L A


procurar, por intermedio dos Servifos TCenicos respec-
tivos, a melhoria dos tipos de gado que hoje possufmos,
por meio de cruzamentos com raqas superiores, para que
possamos apresentar-nos em regime de concorrencia de
precos e qualidade cor outros pauses criadores. Ha
que alargar a acqao das estacaes e postos zootecnicos,
embora seja muito apreciavel, se atendermos aos recur-
sos de que se tem podido dispor, o esf6rqo empreen-
dido pelos Servicos Veterinarios neste sentido, e que
considerar, tambem, num piano mais vasto de aprovei-
tamento da nossa riqueza pecuaria, a questao dos trans-
portes corn instalaqies adequadas, o desenvolvimento
numerico e o aperfeiqoamento das especies em regimes
que ihes sejam pr6prias e sem as contingencias a que
estao sujeitas as manadas do sul de Angola corn as
grades secas, de que result todos os anos a morte de
milhares de animals.
I ainda natural que sejam necessarias, noutras 're-
gi5es onde deva promover-se o fomento da nossa riqueza
pecuaria, obras de hidruulica para a melhoria dos pas-
tos e garantia, em qualquer epoca, do bom estado dos
bovinos).

lamos formula nova pregunta, quando o Sr. Go-
vernador Geral acrescenta:

< remos ter, certamente, tao depressa uma producgo a








A N G 0 L A


que deva atribuir-se elevada importancia economic
para efeitos de exportagao. Pois se nem sequer conse-
guimos, ainda, resolver o problema do abastecimento
normal de Luanda, que jA ter apreciavel con-
sumo...

E Sua Excelencia concludu:

So um cuidadoso estudo tecnico e econmnico pode
dar a media e o valor dessas possibilidades. t isso, por-
tanto, o que hi a fazer, em primeiro lugar, para logo
a seguir se entrar no campo pratico, realizando o que
esse estudo aconselhar.

Esclarecidos, quanto a esse problema, passamos ao
das indtstrias textis, e dissemos entio ao Sr. Gover-
nador:
'-Mas creio que ha outros problems no campo
da industrializafyo de Angola, Sr. Governador, e o
nosso progress economic depend em grande part da
sua solufao, que nunca tera sido encarada cor o devido
interesse, cremos que pelo receio de ir prejttdicar certas
industries metropolitanas. E estas, encostadas a protec-
fao pautal que Ihes garante a colocafco a bom prefo
dos seus produtos, nio procuram sequer melhorar os
processes de fabric, acompanhando c evolutivo pro-
gresso das suas congeneres do estrangeiro. E conclhi-
mos:








A N G O L A


eO que pensa V. Ex.' a proposito da pretendida
instalafgo em Angola de inddstrias textis?

(Mais tarde ou mais cedo, nao deixarao de vir a
instalar-se aqui, pelo menos indistrias de tecidos do
algodao de consume indigena, que ja ha muito deviam
ter sido estabelecidas.

Uma pausa... e o Sr. Comandante Morna esclarece:

(Seria de aconselhar a sua instalajio em An-
gola por iniciativa dos pr6prios industrials da Metr6-
pole, desde que estes se constitussem ali em sociedade
e transferissem para aqui os seus pr6prios operarios
cor as families, que seriam novos elements coloni-
zadores. Nao duvido, mesmo, que isso venha a fazer-se,
desde que tenhamos forqa hidro-electrica em abundan-
cia. Creio ate que outras importantes indistrias surgi-
rao em Angola logo que tenhamos resolvido o pro-
blema da energia electrical.

ePensa, entao, V. Ex." indagamos que o pro-
blema da manufacture de grande parte das materials
primas que produzimos vird a resolver-se logo que
tenhamos criado grandes centrais geradoras de electri-
cidade? eE qual e o program de V. Ex.a nesse sen-
tido?








A N G O L A


(Primeiro, temqs que completar os estudos que
se estao fazendo nos rios Dande, Lucala e Catumbela,
a que outros se seguirao, certamente. Depois, Mh que
encarar resolutamente a sua aplicap'o pratica porque
da solucao deste problema depend, em grande parte, o
desenvolvimento industrial da Col6nia..

E prosseguindo:

(Como sabe, procura-se agora resolver o caso de
Luanda, tendo em vista as actuais necessidades e as do
seu future desenvolvimento, cor o aproveitamento dos
(rapidos) das Mabubas; depois, iremos ao rio Catum-
bela e, se possfvel, ao aproveitamento das grandes pos-
sibilidades que nos oferecem os t(rpidos do Lucala.
Sao obras que me prendem a atencao, pois corres-
pondem a necessidades vitals da Col6nia. Quanto aos
(rapidos das Mabubas, devo dizer-lhe que nao e natu-
ral que o Estado venha a empreender directamente a
sua exploracao, desde que, como e de crer, se apresen-
tem sociedades com a indispensavel capacidade finan-
ceira a pretender fazer o seu aproveitamento, dentro,
evidentemente, das naturals exigencias do interesse
publico).

-Eu nao desejo, Sr. Governador, nem isso seria
possivel, alargar esta troca de impresses a todos os
sectors de actividade de que possa defender o pro-




University of Florida Home Page
© 2004 - 2010 University of Florida George A. Smathers Libraries.
All rights reserved.

Acceptable Use, Copyright, and Disclaimer Statement
Last updated October 10, 2010 - - mvs