• TABLE OF CONTENTS
HIDE
 Half Title
 Title Page
 Preface
 Expedicoes militares
 Precedentes e confrontos
 Mocambique
 Os vatuas
 A rebelliao dos cafres
 A defeza de Lourenco Marques
 Para a Africa
 As primeiras operacoes
 O quadrado de Marracuene
 O plano de campanha
 Pequenas operacoes
 O quadrado de Magul
 Em Chinavane e no Limpopo
 De Inhambane para Chicomo
 O quadrado de Coolella
 Destruicao de Manjacaze
 A facanha de Chaimite
 Glorificacoes
 Notas supplementares
 Index
 List of Illustrations
 Mapa














Title: Victorias d'Africa
CITATION THUMBNAILS PAGE IMAGE ZOOMABLE
Full Citation
STANDARD VIEW MARC VIEW
Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/UF00072089/00001
 Material Information
Title: Victorias d'Africa a defeza de Lourenðco Marques e as campanhas do Valle do Incomati e do paiz de Gaza, 1894-1895
Physical Description: 330 p. : illus., fold. maps. ; 21 cm.
Language: Portuguese
Creator: Campos Jâunior, Antâonio de, 1850-1917
Publisher: Typ. Rua do Norte,
Typ. Rua do Norte
Place of Publication: Lisboa
Publication Date: 1896
Copyright Date: 1896
 Subjects
Subject: Portuguese -- History, Military -- Africa   ( lcsh )
History -- Mozambique   ( lcsh )
Genre: non-fiction   ( marcgt )
 Record Information
Bibliographic ID: UF00072089
Volume ID: VID00001
Source Institution: University of Florida
Holding Location: University of Florida
Rights Management: All rights reserved by the source institution and holding location.
Resource Identifier: oclc - 01738526

Table of Contents
    Half Title
        Page iv
    Title Page
        Page v
        Page vi
    Preface
        Page vii
        Page viii
        Page ix
        Page x
        Page xi
        Page xii
        Page xiii
        Page xiv
        Page xv
        Page xvi
    Expedicoes militares
        Page 17
        Page 18
        Page 19
        Page 20
        Page 21
        Page 22
        Page 23
        Page 24
        Page 25
        Page 26
        Page 27
        Page 28
        Page 29
        Page 30
        Page 31
        Page 32
        Page 33
        Page 34
        Page 35
        Page 36
        Page 37
        Page 38
        Page 39
        Page 40
        Page 41
        Page 42
        Page 43
        Page 44
        Page 45
        Page 46
        Page 47
        Page 48
        Page 49
        Page 50
        Page 51
        Page 52
        Page 53
        Page 54
    Precedentes e confrontos
        Page 55
        Page 56
        Page 57
        Page 58
        Page 59
        Page 60
        Page 61
        Page 62
        Page 63
        Page 64
        Page 65
        Page 66
        Page 67
        Page 68
        Page 69
        Page 70
        Page 71
        Page 72
        Page 73
        Page 74
        Page 75
        Page 76
    Mocambique
        Page 77
        Page 78
        Page 79
        Page 80
        Page 81
        Page 82
        Page 83
        Page 84
        Page 85
        Page 86
        Page 87
        Page 88
        Page 89
        Page 90
        Page 91
        Page 92
        Page 93
        Page 94
        Page 95
        Page 96
        Page 97
        Page 98
        Page 99
        Page 100
        Page 101
        Page 102
        Page 103
        Page 104
    Os vatuas
        Page 105
        Page 106
        Page 107
        Page 108
        Page 109
        Page 110
        Page 111
        Page 112
        Page 113
        Page 114
        Page 115
        Page 116
        Page 117
        Page 118
        Page 119
        Page 120
        Page 121
        Page 122
    A rebelliao dos cafres
        Page 123
        Page 124
        Page 125
        Page 126
        Page 127
        Page 128
        Page 129
        Page 130
        Page 131
        Page 132
    A defeza de Lourenco Marques
        Page 133
        Page 134
        Page 135
        Page 136
        Page 137
        Page 138
        Page 139
        Page 140
        Page 141
        Page 142
        Page 143
        Page 144
        Page 145
        Page 146
        Page 146a
        Page 147
        Page 148
        Page 148a
    Para a Africa
        Page 149
        Page 150
        Page 151
        Page 152
        Page 153
        Page 154
        Page 155
        Page 156
        Page 157
        Page 158
        Page 159
        Page 160
    As primeiras operacoes
        Page 161
        Page 162
        Page 163
        Page 164
        Page 165
        Page 166
        Page 167
        Page 168
        Page 168a
        Page 169
        Page 170
        Page 171
        Page 172
    O quadrado de Marracuene
        Page 173
        Page 174
        Page 175
        Page 176
        Page 177
        Page 178
        Page 179
        Page 180
        Page 181
        Page 182
        Page 183
        Page 184
        Page 185
        Page 186
        Page 187
        Page 188
        Page 188a
        Page 189
        Page 190
        Page 191
        Page 192
        Page 193
        Page 194
        Page 195
    O plano de campanha
        Page 197
        Page 198
        Page 199
        Page 200
        Page 201
        Page 202
        Page 203
        Page 204
        Page 205
        Page 206
        Page 207
        Page 208
        Page 209
        Page 210
        Page 211
        Page 212
        Page 213
    Pequenas operacoes
        Page 215
        Page 216
        Page 216a
        Page 217
        Page 218
        Page 219
        Page 220
        Page 221
        Page 222
        Page 223
        Page 224
        Page 225
        Page 226
        Page 227
        Page 228
    O quadrado de Magul
        Page 229
        Page 230
        Page 230a
        Page 231
        Page 232
        Page 233
        Page 234
        Page 235
        Page 236
        Page 237
        Page 238
        Page 239
        Page 240
        Page 240a
        Page 241
        Page 242
        Page 243
        Page 244
        Page 245
        Page 246
    Em Chinavane e no Limpopo
        Page 247
        Page 248
        Page 249
        Page 250
        Page 251
        Page 252
        Page 252a
        Page 252b
        Page 253
    De Inhambane para Chicomo
        Page 255
        Page 256
        Page 257
        Page 258
        Page 258a
        Page 259
        Page 260
        Page 261
        Page 262
        Page 263
        Page 264
    O quadrado de Coolella
        Page 265
        Page 266
        Page 267
        Page 268
        Page 269
        Page 270
        Page 271
        Page 272
        Page 272a
        Page 273
        Page 274
        Page 275
        Page 276
        Page 276a
        Page 277
        Page 278
        Page 279
        Page 280
        Page 281
        Page 282
        Page 283
        Page 284
    Destruicao de Manjacaze
        Page 285
        Page 286
        Page 287
        Page 288
        Page 289
        Page 290
        Page 291
        Page 292
    A facanha de Chaimite
        Page 293
        Page 294
        Page 295
        Page 296
        Page 296a
        Page 297
        Page 298
        Page 299
        Page 300
        Page 300a
        Page 301
        Page 302
        Page 302a
        Page 303
        Page 304
        Page 305
        Page 306
        Page 307
        Page 308
        Page 309
        Page 310
        Page 311
        Page 312
        Page 313
        Page 314
        Page 315
        Page 316
        Page 317
        Page 318
        Page 319
        Page 320
    Glorificacoes
        Page 321
        Page 322
        Page 323
        Page 324
        Page 325
        Page 326
        Page 326a
        Page 327
        Page 328
    Notas supplementares
        Page 329
        Page 330
    Index
        Page 331
    List of Illustrations
        Page 332
    Mapa
        Page 333
Full Text












VICTORIAS D'AFRICA




ANTONIO DE CAMPOS JUNIOR


VICTORIAS


D'AFRICA


A DEFEZA DE LOURENCO MARQUES
E AS CAMPANHAS
DO VALLE DO INCOMATI E DO PAIZ DE GAZA




1894-1895




LISBOA
TYP. RUA DO NORTE, |(, 1. ESQ.
1896












HONOR VICTORIBUS!








Vereis amor da patria, no movido
I)e premio vil, mas alto, e quasi eterno...
(C.AM6ES Lusiadas)


1894-1895

















PREFACIO










Est na memorial e no coraco de ns todos,
homes de Portugal, esta singelissima synthese da
nossa maior gloria contemporanea:
Para salvar a cidade de Loureno Marques, as-
sediada pelos cafres, e para assegurar a soberania
portugueza nos sertes de Gaza e do Incomati, par-
tiram de Portugal cerca de tres mil homes do exer-
cito. Desanfrontando a cidade em perigo, reoccu-
pando Aingoane, dispersando os cafres, perseguin-
do-os em marchas penosissimas, batendo-os em
Marracuene, vencendo-os em Malgiul, a elles e aos
vtuas, pondo-os em fuga em Chilnaalie, destro-
cardo os vtuas e buingelas em Coolella, tomando
o kraal de SAliacae, assaltando nas florestas o ul-
timo asvio do regulo Gungunhana e aprisionando-o,
em presena de tres mil vtuas estupefactos; esses
expedicionarios, que a marina auxiliou destemida-
mente nas suas operaces dos rios Incomati e Lim-
popo, trouxeram a Portugal, subitamente, com o
nosso prestigio redivivo, o maior triumph que,







VIII


n'este moment historic, podia acariciar a alma di
nacao.
Voltou patria a maior parte d'esses bravos. E'
consolador saber como elles venceram; enternc-
cedor lembrar como elles foram victoriados.
E aqui est o them inteiro d'este livro, esboc
apenas de uma grande historic, que a alma do at -
ctor comprehend commovidamente, mas que a su
penna obscura no sabe escrever complete.
Estamos ainda sob a impresso deslumbrador.
dos jubilos nacionaes e temos ainda no espirito i
viso soberba dos ultimos combates; nos olhos e n
corao a image dos expedicionarios que volta-
ram, abraados pela alma portugueza, n'um extasQ
de inexcedivel ternura e de abenoado orgulho!
Parece que ainda sentimos a bemdita surprez
das nossas almas por cada lampejo de victoria qu;
nos chegava do serto negro, e diante dos olhos,
turvos de lagrimas, d'essas lagrimas santas e corn-
soladoras que as naes choram nos arroubamer-
tos de uma subita gloria, como que vemos passac
ainda, na sua march triumphal, por entire a reper-
cusso dos hymnos e os esplendores de uma apo-
those, os lividos heroes da ultima guerra d'Africa!
Pde bem dizer-se que, de um ao outro extreme )
do paiz, vibram ainda pelos ares os gritos enthu-
siasticos da alma national e que sob a arcaria do
templos antigos, como em Santa Maria de Belen-,
se no dissiparam de todo as nuvens brancas do in-
censo, erguidas para Deus no radios jubileu da pa-
tria portugueza.
Na comprehenso e na confraternidade do mes-
mo ideal, a alma da nao despertou enternecida-
mente nas vibraces de todas as nossas almas .
sobre os valentes, coroados de filres, descem fer-
vorosamente as bencos da Patria, como benc,
carinhosa1 de me amM atissiflm, 0o ll10 quC ro0lii,
glorioso e ovante.
Dir-se-ha que cedo ainda para escrever a his-
toria d'esses homes, cuja destemida abnegaco,






IX

rasgando no relampago das descargas, a nossa
amarga lenda pessimista, accendeu a aurora de uma
nova era, de confiana e de fora, no vivo fulgor
das espadas.
Para uma historic que fosse a apreciao poli-
tica dos factos, na sua intima relao com as ope-
races militares, ou para a historic exclusivamente
technical e doutrinaria, sem nenhum objective de
vulgarisacao patriotic; para um livro de analyse
political ou para um livro de critical da guerra, seria
effectivamente cedo, porque no teria o tempo che-
gado ainda para a calma e inflexivel avaliaco dos
acontecimentos, nem para a reflectida lico a dedu-
zir dos factos, na sua mais ampla e proveitosa signi-
ficao.
Mas em nenhum dos dois casos est precisa-
mente comprehcndido este livro.
No essencialmente uma historic political, nem
exclusivamente uma historic military. Recordando
precedentes de outras expedices, relacionando os
factos militares com os facts politicos que os mo-
tivaram; descrevendo a campanha, esboando o
grande quadro dos combates, comparando com ex-
trarhos commettimentos os feitos das tropas portu-
guezas, pondo em largos traos caracteristicos as
virtudes e as qualidades dos nossos soldados; vi-
brando a nota impressionist ou a nota anecdotica,
sem a adulterao do fact na sua plena realidade,
e procurando a lio e o corollario dos aconteci-
mentos, perante a sciencia da guerra ou perante os
altos interesses da nao; o nosso livro, quaesquer
que sejam os seus erros, no tem outro objective
que no seja fixar bem na alma portugueza a bem-
dita pagina de gloria e de sacrificios que se additou
ao livro de oiro do esforo portuguez, collabo-
rada por todos os que voltaram triumphantes e por
todos os que morreram vencedores, na ultima epo-
pa d'Africa.
No cedo para um livro assim. Nem tem pre-
tenes a ser a critical definitive de um period his-






x

torico, nem pde ser a analyse techi'ica de uma cam
panha colonial.
Para que se no apague a impresso consola-
dora d essas facanhas, para que no esmorea ai
impresso suggestive do commiettimento e se no
perca esta lico, que, pode ser bem o primeiro mo-
vimento de uma grande renascena, e agora at ;i
occasion opportuna de registrar n'un livro quanto
ha de grande e until, de altivo e reanimador n'ess
envaidecedora experiencia contemporanca da nossa
alma, da nossa fora, da nossa fortune.
Appareceu ha annos em uma cidade de Franca,
na exposio de certo bazar, um quadro que repre-
sentava um porta-bandeira france: salvando a ban-
deira do seu regimento, no dia lugubre de Sedan.
O pintor era um ignorado, a obra de arte era um i
mediocridade, mas nenhum francez passava qul
nao parasse, que se nao commovesse, que se na,)
apartasse do quadro com os olhos rasos de lagri-
1m-as.
Era o assumpto, era o facto que, pela sua entei-
necedora eloquencia, fallava ali, na tela absoluta-
mente mediocre.
Ser assim este livro.
A historic pode se" tambem uma obra de ser-
timento, sem deixar de ser uma obra de verdad<.
Para que se torne um livro de vulgarisaco, para
que a entenda e sinta a grande alma das collective -
dades, para que seja uma lio etticaz, no basta
que relacione os factos e os nomes, na pallida e.-
hibico da sua precedencia chronological, nem basta
mesmo que seja raciocinada; preciso que d a
physionomia e o aspect dos homes e das cousas na
sua cr, no seu movimento, na sua paizagem redi-
viva.
Suppe muita gente que o historiador deve ser
um analyst impassivel, especie de juiz que expe
fria e severamente as peas do process e por el-
las redige seccamente a sentena. Puro engano. Di-
zer a verdade de modo que nos accenda a alma em






xI

chammas de vivido enthusiasm ou nos levante a
consciencia em ondas de sincere indignacoi con-
forme o facto uma virtude ou uma torpeza; di-
zel-a de tal artc, nos limits da razo c da equi-
dade, uma forma suggestiva da arte, cue nem
deturpa a justia nem abastarda a historic. Quer
parecer-nos que pode seir usta e sincere, sem dei-
xar de ter as qualidades emotivas, que devem con-
stituir a esseicia de today a obra litteraria, conform
o criteria de Taine.
N'esta nossa, que no a historic deinitiva das
recentes campanhas d'Africa, que no podia ser e
no e seno um iro sincero e imipressionista;
n'csta, em quasi todas s s as paginas e na sombra
dos seus defitos, por erorm1es que sejam, ha de o
leitor sentir pulsar o coraclo da patria. como sob
as suas mios., tacetan(do o passado, Pelletan sentia
palpitar o coraco da Franca.
Mas se outras razies de justificaco no tives-
semos par a explic;r esta obra, jque sobretudo a
homenagem de a:m obscuro aos mais gloriosos sol-
dados que nns ultimos oitenta annos teem reavivado
a tradico epica do exercito portuguez; procuraria-
mos o precedent de estrangeiros e encontral-o-
hi.mos bem recent e de bem assignalada auctori-
dade.
Tem j a sua historic a campanha de Madagas-
car, ha poucos mezes ainda concluida, e j produziu
mais de um livro a historic da guerra de Iahom,
que s em janeiro de I894 se considerava comple-
tamente terminada com a priso de Behanzin, o
autocrata derrotado e foragido.





No prefacio de um livro de Jules Poirier- Cam-
pagne du D)ahlloer-- IS)-2--IS()4-escreveu o de-
putado francez Henri Lavertujon: L'Ai-imQU! EsTr-i.








.UN NOM QUI EVOQUIL 1) ES PI.US GL.ORIEUX SOUV'N1RS, DIS
PLUS !IILLANTES 1' PRANCES
Com que razo immensamente maior, pela his-
toria, pelo present, pelo dia de amanh, no po-
deremos fazer nossa esta evocaco enthusiastic
do escriptor francez!
Sim, por que a Africa final na historic da
Frana apenas uma pagina de setenta annos, desde
a fundao das suas primeiras feitorias do Senegal
c desde a conquista da Algeria at sua modern
expanso no Sudan, em Tunis, no Congo e em Ma-
dagascar. Pagina brilhantissima, decerto, mas a
pagina d'um seculo incomplete.
Em quanto que, para ns, a Africa um capitulo
epico da civilisao humana, escripto pelos nossos
marinheiros e pelos nossos soldados em quatro
centos e oitenta annos, desde a.conquista de Ceuta,
com vinte mil guerreiros, at ao quadrado de Coo-
lella, com quinhentos soldados.
A Africa! Se fomos ns que a arrancmos da
lenda tenebrosa dos arabes e dos phenicios, se a
completamos nos planispherios da Terra, se a cru-
zmos primeiro que nenhum povo modern, se foi
ao long do seu inhospito littoral que as caravelas
portuguezas abriram o caminho da America e o ca-
minho da India! Se foi ali, no campo military da
velha civilisaco mussulmana-em Marrocos-se
foi ali que os antigos portuguezes crearam a escola
de gentilezas de valor com que haviam de assom-
brar o Oriente. Um punhado d'homens esparsos
por metade do mundo '!
Que ossuario immenso que clla , de soldados
e marinheiros, de viajantes e missionaries portu-


1 Entio os portuguezes, que niio chegavam a ter 40:oo0
homes em armas, faziam tremer o imperio de Marrocos, os
barberescos d'Africa, os Mamelukos, os Arabes, e todo o
Oriented, desde Ormuz at China.
(C(ESAR CANTU- Historia universal).






XIII

guezes! Nem talvez o Oriente nos custou tanto
sangue.
Foi nos mares africanos que fizemos a aprendi-
zagem de marinheiros e foi na Africa (Ceuta, Tan-
ger, Arzilla, Alcacer-Ceguer, Mazago) que fizemos
a aprendizagem de conquistadores. Na Africa esbo-
cmos o primeiro imperio que a nossa ambio
planera e foi l que elle se enterrou, afogado em
sangue, com a coroa de ouro, a cora fechada do
mallogrado imperador D. Sebastio de Portugal,
feita em pedaos nas mos rapaces dos berberes!
(Alcacer-Kibir- 1578).
E ainda na Africa, por um capricho do destino,
que est a mais legitima esperanca, a maior fora,
o rutilo future da patria portugueza.
Perdido o imperio do Oriente, que tinha as suas
colossaes fronteiras entire o Indico e o Mar Verme-
lho c entire o Pacifico e o mar da China; perdido o
imperio do Brazil, uma immensidade entire os Andes
e o Mar, os rios como oceanos, imperio quasi to
grande como a Europa inteira; est na Africa o
nosso terceiro imperio colonial-o ultimo.
E este, ainda assim, na sua vastido de mais
de dois milhes de kilometros quadrados ', suffi-
cientemente grande para center duas vezes a Hes-
pa::nhal com todos os seus dominios ultramarinos 2.


1 O sr. Raposo Botelho, na sun Goeograpia Geral, cal-
cula a superficie da provincial de Angola, com os districts
da Lunda e Congo, em cerca de 2.000.000 de kilometros qua-
drados e a provincial de Mocambique em proximamente
i.ooo.ooo de k. q.
Um dos nossos mais distinctos cartographos e esclarecido
africanista avalia, porm, a superficie d'Angola em 1.372.500
k. q. e a de Moambique em 785.o00 k. q., o qi.u, com a Guin
e ilhas da Africa, di para todo o nosso imperio atricano uma
superficie total de 2.172.000 k. q., approximadamente.
Superticie da Hespanha ........... 507.045 k. q.
Superficie de todas as colonies hespa-
nhoias .......................... 429.120
Superficie total....... 936.165






XIV



f-i~

Referindo-sec a expanso colonial da Frana e
ao enthusiasmU da opinio public pelas victorias
de Dahomd, escreveu o sr. Henri Lavertujon:

obsti-nment dans nos 52():ooo kilomtres carrs de
terre franchise, avec ses 38 millions d'habitants, nous
serious fatalerrentrt, dans un dlai prochain, empor-
ts, submerges, engioutis dans le tourbillon des
grands peuples, qui tous les ours s'accroissent,
come 1 Angleterre, les Etats-L'nis, la Russie.

O que den-eremos ns dizer ento com os nos-
sos 89.!25 Ikilometrs quadrados de terra portugue-
za do continente europeu e com os seus escassos
4.50o.000 habitantes, ou, ainda assim, quasi o tri-
plo da populaco com que fizemo ; as conquistas?
Podemos e devemos dizer que a Africa o
grande future da nacionalidade portugueza, que
a maior razo historic da nossa existencia political,
por que nos equilibra ao lado da Hespanha c pe-
rante a Europa, como ha quatro seculos nos equi-
librava perante Ca:tella e Leo, quando era a nossa
base de operaes para a viagem da India e nos
salvava da acco absorvente da unidade hespanhola
por que era a affrmacao da nossa iniciativa civili-
sadora e a immortalidade da nossa preponderancia
historic.
Por isso a alma portugueza comprchendeu enter-
necidamente o enorme efleito moral das abencoadas
victorias dos nossos soldados, immensnmente maior
que o seu elfeito material, n'este cyclo de profun-
dos esmorecimentos.
Por isso, n'uma effusao de enthusiasmos, como
nunca nenhum homnem d'hoje ainda vira n'este paiz,
n'um carinho que chegava aos arrebatamentos









do amor, a alma da naco, na sua dupla sentimen-
talidade pelo heroism e pelo aflecto, que resume
a psychologia do character antigo, eternamente mo-
delado no oiAo cdlas 1 -.s.ia'ds, por isso essa alma,
erguida como a -guMia symbo'ica dos antigos trium-
pi adores, aperrou contra si, como as mes apertam
os filhos. a Lba, :ir que foi agora glorificada nos
sertes.
E ainda, n este moment, das mais modestas
poloaces do paiz, das infimas aldeolas, nos esta
chegando a nuta commoved&r das glorificces par-
ci aes.
Cada expedici;nario que volta a sua terra, um
soldado raso. um tambor. rue vae para a sua casa
pcbris m:n, p;ra ;i no do paes, uns velhitos tal-
\/ a:ndri~'Is, qIe :porta isso? recebido pela
populaco inieira. por todos, os mais illustres e os
mais humildes, com as honras de um uriumphador
e as caricias enternecidas de um irmio. As vezes a
casa um pardieiro, um desvo, uma choca, e faz-
se de subito o recinto de uma apotheose! E quantas
nmes, coitadas, no seu doce espanto, nao tero per-
guntido :lo craon, se effec twamente sera o seu
pobre flho esse que tanta gente applaude e abraa,
camo se todos, at is gra:ndes, os ricus, os podero-
sos, tivessem i, .i-,. de chamar-ll-e irmo, a elle,
o pobre soidado li ido, a quem ainda ha um anno,
s l.!guns raros humildes, seus iguaes, conheciam e
apertavam a mao!
E se ih'o perguntarem a elles, os victoriados,
se as mies lhes perguntarem por que os levantam
nos braos, como se levantam os andores dos san-
tos, a elles, uns soldados rasos, respondero singe-
lamente- e quantos nlo terio respondido assim ?-:
-E por eu me ter batido em Malrracuene. E
porque eu estive em Magul. E por que eu fui ferido
em Coolella. Esta aqui a prova. E a medalha da
Rainha. Pozeram-m'a no peito as suas mos, bran-
cas de never.
Hora santa de gloria! Hora santa de justia!






XVI

No e talvez assim que se deve escrever a his-
toria; mas c assim que todos ns a sentimos agora.
Para esses valentes, os mais brilhantes e os mais
humildes, os que vieram, os que ho de voltar ainda,
os que nio voltarIo nunca ; para todos elles, as po-
bres paginas d'este livro






















EXPEDIOES MILITAPES




Foram os portuguezes, entire as primeiras alvo
radas percursoras da Renascenca, os primeiros da
Europa que emprehenderam conquistas no conti-
nente africano.
Pela grandeza das esquadras e pelos effectivos
de desembarque, as expedies portuguezas a Mar-
rocos (antigo Maghreb) egualaram e algumas vezes
excederam as grandes expedices de Veneza a mar-
gem oriental do Mediterraneo, e as dos aragonezes
e catalkes contra a Sicilia, Napoles e Sardenha.
De Marrocos, que ftra o vasto campo entrin-
cheirado do imperio arabe e a sua base de opera-
ces contra a Peninsula Hispanica e a Frana, fize-
mo s ns a nossa base de operaces para a conquista
da Africa mysteriosa e do Oriente e a escola de
guerra dos nossos soldados, dura e sanguinolenta
escola que durou trezentos annos de quasi ininter-
rompidos combates, de cercos, de crudelissimas
raias. Comecou em Ceuta, a Sep!iun roman, e aca-
bou em MazagJo, abandonada como ultima epopa









inutil do imperio, que D. Joo I planeara c que D.
Sebastio intcntoL coimpletar e sepultou lugubre-
mentc em Alcacer-Kibir.
Nenhuma na o modern tem feito, como a nossa,
maiores sacrifcios pela Africa, nenhuma ali derra-
mou ainda mais sangue. Basta Alarrocos para nos
dar essa tragic prioridade.
Custou-nos tambem muito sangue o )riente,
que foi nsso, desde Soco)tora a Malaca, dscde o
Mar Vermelh o o Mar da Ch-ina; levou-nos cente-
nas de vidas o ,Brazil, na encarnicada guerra de de-
zeseis annios, que aii sustentamos contra os hollan-
dezes invasores. A Afirica, porem, custou-nos muIo
mais, sem tomarmos em conta os que Imorrerami
em volta do seu littoral immenso, sepultados pelas
ondas do Atlantico e do Indico .
Tambem para nenh Im outro continent manda-
mos expedies mainues. Comprehende-se. Raca
aguerrida e indomavel, constitLuindo rapidamente excr-
citos numerosos, era a gente de Marrocos mais dif-
ficil de vencer do que a maior parte das r as da
Asia. Rivalisando com ella, s os malaios e os ara-
bes .
Tao temiveis como o; mnarroquinos, s os turcos;
mais perigosos, pela retdectid:, c plinada bravuiira, pelo s ios progressos na sciencia
da gueria, s os hoilandezes e os inglezes, que os
nossos marinheirs r s:oldados tiveram de combater


1 Perdeu-se nos mares da Africa uma parte das naus
que anda\am na carreira di India. Em pouco mais de umn se-
culo naufragaram i 6 nausi ; o maior numero nas aguas afri-
canas!
2 To guerreira e detemida ra rai quella de Marrocos, que
na guerra com a HIespanha (i S)-i8(o0), dispondo de pouco
mais de 5o.ooo homes de tropas regulars e de outra tanta
fora de gene indisciplinida e com grosseiras arms de fogo,
oppoz uma resistencia formidaeli ao brilhante exercito de
O'Donnell e Prim, composto de 45.o000 homes de tropas aguer-
ridas, apoiadas por uma poderosa esquadra.
E' espantosa a tenacidade comi que os marroquinos, de









em Moambique e na Asia, e os francezes e hol-
landezes, que tiveram de repellir na America, pre-
-cisamente quando Portugal estava j extenuado por
uma lucta colossal, desproporcionada, de duzentos
annos, em todos os continents e em todos os gran-
des mares do commercio colonial. Enfraquecido at
pelas riquezas corruptoras do Oriente e do Brazil,
que eram final o incentive, a forca impulsora d'es-
tes gloriosos adversaries.
N'este esboo retrospective das expedies mili-
lares ao ultramar, cabe a expedico de Ceuta (1415)
o primeiro logar, nio smente pela precedencia
chronological, como pela grandeza das forces e pela
inmportancia estrategica e political do obIectivo.
Foi preciso levantar um exercito de vinte mil
homes, arrancado ao rudimentar e imperfeito or-
ganismo military d'aquella epocha; exercito, em que
entravam muitos voluntarios, mas que na maior
parte se compunha de gente obrigada pelos com-
promissos da sua condico social-homens d'armas
avassallados aos nobres e cavalleiros, como estes
o estavam ao rei; bsteiros e cavalleiros dos muni-
cipios, que se no podium escusar a uma guerra
contra o moiro, como os seus antepassados se no
tinham recusado a ir a Navas de Tolosa e ao Sala-
do, em soccorro da Hespanha (1212-1340).
E com a mobilisacio d'este exercito foi indispen-
savel a organisaco de uma frota, como nenhuma
outra se havia ainda reunido no occidente da Europa.
A viagem era de poucos dias, o transport das for-


combate em combat, desde Sierra Bullones, ao p de Ceuta,
at Tetulo e Wad-Ras, ultimas batalhas, obrigaram os hes-
panhes a gastar quatro mezes para avanarem cerca de ii
ou 12 leguas, na maior parte ao long do littoral!
Venceram os hespanhoes, enramaram de novos louros a
sua altiva bandeira, mas pelo duro preco de 6.146 mortos e
feridos, alm de 2.888 mortos por effeito de doenas em cam-
panha.
(Extrahida do Atlas historic da campanha, formulado
pele estado maior hespanhol).






20

cas podia, portanto, tolerar-se nas peores condies
de installaco, mas, ainda assim, um exercito de tal
etfectivo e com 5.5oo cavallos exigia grandissimo
numero de embarcaes, attenta a pequena tonela
gem dos navios d'aquelle tempo, em que eram ex
cepces as gals grandes de Veneza, empregadas
no trafico commercial do Mediterraneo.
A esquadra compunha-se de 33 galees de linha,
27 de tres orders de remos, 32 galeras e 120 na-
vios de menor lotaco.
Para completar tio grande frota foi preciso afre-
tar navios de transport em various portos da Eu-
ropa.
Comprehende-se bem que estes importantes ar-
mamentos fossem difficeis e morosos n'um paiz pe-
queno, de escassos recursos, com uma populaco
que pouco excedia um milio d'almas e tendo por
base organic uma marinha military ainda nascente.
E todas as demoras dos preparativos foram ainda
aggravadas pelos embaraos resultantes do segredo
c das precaues diplomaticas com que a expedico
era organisada, para que ninguem lhe soubesse o
verdadeiro objective. Entretanto, a noticia d'estes
armamentos espalhou-se na Europa, como era de
prever, e encheu de receio a corte de Castella e o
rei mouro de Granada, que empregou desespera-
dos esforos e fez tentadoras promessas para saber
o fim d'aquelles extraordinarios aprestos.
O segredo, porm, foi firmemente guardado c
s raros sabiam que se ia conquistar a grande ci-
dade marroquina, que era ento a chave do Estreito
e um dos mais opulentos emporios commercials
d'aquella poca.
Entre o vulgo corria que era intent de el-rei ir
conquistar a Sicilia e entire a gente de crte espa-
lhara-se propositadamente que a expedio era des-
tinada a invaso da Hollanda.
Os escriptores portuguezes no esto concordes
quanto ao tempo que duraram os preparativos. Uns
dizem que comecaram em (412, outros affirmam






21

que s se iniciaramn no anno immediate. Dois ou
tres annos
Em 25 de julho de 1413 recebia Joio Vaz d'Al-
mada uma carta credencial de el-rei D. Joio i para
ir tratar em Inglaterra de certos negocios relatives
a Portugal. Em 2( de setembro de i414 Henrique v
de Inglaterra concedia licenca a Jo1o I'Tasqc:s d'Al-
miada (provaveimente o mesmo Joo Va'. d'Almada
que recebera a credencial de D. Joo i) para levar
de Inglaterra 4o0 lanas, destinadas ao rei de Por-
tugal. Em 26 de janeiro de 1415 Henrique v dizia
em carta as auctoridades de Londres que havia
permittido a lvaaro Vaz que equipasse various ho-
mens d'armas e comprasse 35o lanas em Ingla-
terra, para o service do rei de Portugal, e ordena-
va-lhes que deixassem sair estes armaments livre-
mente e sem pagamento de quaesquer direitos.
D'aqui se deprehende que j em J413 se tratava
da compra de armamentos em Inglaterra e que em
janeiro de 1415 se effectuava uma nova compra
d'armas.
A expedico partiu do Tejo em 25 de julho. No
dia 21 d'agosto (e so entio porque a esquadra ti-
vera de arribar a Faro, batida por um temporal)
as tropas portuguezas tomavam aos marroquinos


1 Com immensos rec.ursos militares, com uma poderosa
esquadra e uma populacio trinta e tantas vezes superior a;do
Portugal de D. Joao i, a Franca de Carlos x levou largo
lempo a organisar a expedic o do marechal Bourmont contra
Alger. A honra do pavilhio francez exigia um desforo im-
preterivel. Em 1827 o dey argelino Hussein-Pachi havia
affrontado gravemente o consul francez, a ponto de ameaar
esbofeteal-o. Passado tempo um navio parlamentario francez
foi crivado de balas pela artilheria argelina.
A expedico saiu de Toulon em 5 de maio de is3o. Com-
punha-se de 38.ooo homes, a'antl p eine trois mil chevau.rx
como refere um historiador francez.
Para vingar o desire de Puebla (Mexico), a Franca'de
Napoleio um organisou uma expedico de 35:ooo homes.
Um historiador francez escreveu a respeito d'esta expedico:
Les prep s pr' furent lonpgs et remIlihrent I'annee Sltit.








de Salat-Ben-Salat a mais onpulenta cidade da Mau-
ritania. Quando o so! morria no horisonte j a ban-
deira de Lisboa tremulava a!taneira sobre a velha
kassba de Ceuta.
O primeiro e mais arrojado luctador d'aquellc
dia fra esse mesmo infante D. Henrique, que an-
nos deuois havia de ser o iniciado: das modern-is
descobertas da Tei-a.
No intent nosso descrever remotos comba-
tes, nem indicar expedi:es exclusivamentes navaes
n'este capitulo preambular da historia de uma guerra
africana dos nossos dias.
Indicamos a nossa primeira expedico e a nossa
primeira campanha u!tramnarina; vamos agora apon-
tar algumas das mais importantes expedices que
de Portugal foram enviadas ao ultramar. Temos o
direito de ligar bem o passado a essa pagina bri-
lhantissima que o esforo dos nossos soldados es-
creveu no serto negro. Lembrar os antigos e tam-
bem prest'r homenagem aos modernos que os
egualaram.

*

Depois da conquista de Ceuta, a mais notavel
das nossas expedies, lugubremente notavel, foi a
de Tanger, commandada peio Infante D. Henrique.
Resolvera-se que fosse composta de 14:000 ho-
mens, n-as tao antipathica se tornara ao paiz e to
mal agourada foi, que saiu do Tejo aos 22 d'agosto
de 1437, levando menos de metade do effective
-planeado!
Quando desembarcou em Ceuta, base das ope-
raes sobre Tanger, contava smente 2:000 caval-
leiros, mil bsteiros e tres mil homes de peona-
gem. Seis mil homes apenas!
Tanger tinha uma guarnico de 7:00o soldados.
Era seu govornador aquelle mesmo Salat-Ben-Sa-
lat, que fra vencido em Ceuta.








A cidade resistiu. Em breve os portuguezes pas
saram de sitiadores a sitiados. Eram poucos para
aquelle commettimento e faltava-lhes o cominando
lucido e experience. De todas as tribes do interior
.afluiram lucta multides enormes de guerreiros;
a onda impetuosa dos berberes chegou tambem.
Apertados entire as muralhas da praca e a multido
formidavel que se reunira pa-a soccorrel-a, os por-
tuguezes tinham de combater na razo de i para
5o. O desastre era inevitavel. No faltou a cora-
gem: faltou o numero, faltou o commando. A sede
e a fome completaram o tragic success. Os sol-
dados chegaram a escavar a terra com as lancas
para lhe sugarem, soffregamente, a humidade que
lhes mitigasse a seccura atormentadora!
A retirada, que era. a unica salvaco possivel,
impz aos nos ss um pacto doloroso; a entrega de
refens para a restituico de Ceuta aos marroquinos.
Como principal penhor ficou o Infante D. Fernando,
o Infante Santo, como o povo lhe chamou. Mas
Ceuta no se entregou nunca e o Infante morreu
entire grilhes, como escravo, n'uma enxovia de
Fez.
A primeira campanha d'Africa, facial campanha
de um dia, custara-nos apenas algumas vidas e fra
um triumph espantoso. A segunda, com (;:ooo ho-
mens, durara 43 dias, desde a mar-cha de Ceuta at
ao reembarque da expedico, mas custava-nos quasi
ioo mortos (incluindo os feridos que morreram de-
pois dos combates) e era um doloroso desastre.
Raras campanhas modernas na Africa tero dado
esta horrivel percentage de mortalidade. Lem-
bram-nos somente a dos hespanhoes em Marrocos,
a dos inglezes na Zululandia. por causa do desastre
de Isandhluana, onde today a infanteria foi morta e
de i:3oo homes s lograram escapar-se 4o; a dos
italianos na Abvssinia, em consequencia das derro-
tas de Saati, D)ogali e Amba-Alaghi e, por efleito
das febres, a dos francezes em Madagascar.
Affonso v, o africano, deu largo impulso 4 con-








quista marroquina. No seu tempo, e sob o seu com-
mando, foi a Ceuta uma expedio de 3.ooo lanas;
fez-se a conquista de Alcacer-Ceguer (1458) com
280 navios e 22.000 homes e a de Arzilla e Tan-
ger (1471) com 338 navios 'e 23.ooo combatentes.
Estas expedies custaram rios de dinheiro, cerca
de 400:000 dobras, quantia important em uma
poca em que a receita total do estado era simples-
mente de 43:o74cooo ris .
Para alm de Marrocos, a primeira expedio
de tropas portuguezas, foi a de Diogo d'Azambuja,
que partiu de Lisboa em dezembro de 1481, para.
construir e guarnecer o castello, que se denominou
de S. Jorge da Mina. Compunha-se de Soo homes
d'armas e ioo operarios. Foi transportada em io
caravelas e 2 urcas.
Seria long e inutil registrar aqui as pequenas
expedies de reforo, enviadas para Marrocos e
para various pontos da Africa Occidental.
No reinado de D. Manuel, e a despeito das pri-
meiras expedies ao Oriente, a conquista marro-
quina foi engrandecida com o domnio de Azamor,
Tite e Almedina.
Para a tomada de Azamor (1513) partiram de
Portugal i8.ooo homes, com 2.5oo cavallos, n'uma
esquadra de 400 navios. As foras eram comman-
dados pelo Duque de Bragana D. Jayme e por D.
Joo de Menezes, um dos heroes de Arzilla, que
era, como diriamos hoje, o chefe do estado maior
da expedio.
Mas o period das conquistas de Marrocos es-
tava concluido. Tinha comeado o das tentadoras
conquistas do Oriente.
A lucta no velho Maghreb continue ainda por
mais de duzentos annos, porfiada, terrivel, heroica.


1 Vem designada em um document do reinado de D
Affonso v, que foi encontrado no archivo da Torre dc
Tombo pelo brilhante historiador Reheilo da Silvza.








mas quasi reduzida a uma gloriosa defensive. Ses-
senta e cinco annos depois da expugnaco de Aza-
mor viria a catastrophe enorme de Alcacer-Kibir,
que foi a ultima e desvairada tentative de conquista
no territorio marroquino.
As expedies militares ao Oriente foram sem-
pre muito inferiores em numero as que deixamos
indicadas, e que realmente maravilham como esforco
de uma naao pequena e n'uma epoca em que na
Europa se consideravam grades os exercitos de
trinta a quarenta mil homes.
Mluito tempo depois, e com instituices militares
mais perfeitas, Carlos vii de Franca invadia a
Italia a frente de trinta mil homes (1444). Carlos v
levou i expedico de Tunis trinta mil homes de
desembarque, recrutados na Italia, na Allemanha e
na Hespanha, em todos os dominios do seu immenso
imperio. Portugal tambem concorreu a esta em-
presa com o auxilio de 2.500 expedicionarios e uma
esquadra de 23 navios, entire os quaes ia o maior
d'aquelles tempos, o galeo S. Joo, denominado
depois o Bota-fogo (I535).
Na expedico de Filippe i contra a Inglaterra
(1588) iam a bordo da Invencivel Armada 40.000
homes, que representavam as foras disponiveis
da Hespanha, de Portugal, da Italia, de uma parte
da Allemanha e da Flandres.


*

As expedies portuguezas para a Asia no ex-
cediam dois a tres mil homes e calcula-se que se-
ria de 3.ooo a mdia dos portuguezes embarcados
annualmente para a India, durante o period de
maior actividade das conquistas.
Explica-se. Para Marrocos a viagem e o trans-
porte das tropas eram relativamente faceis. Para o
Oriente, a quatro ou a cinco mil leguas da foz do









Tejo, em viagens tormentosas de longos mezes,
nem os soldados poderiam ir nas condies deplo-
raveis em que eram transportados ao Estreito, nem
os recursos do paiz chegariam para a despeza
enorme a fazer com as grandes expedies.
Iam todos os annos em pequenos trocos, de
aventureiros, de homes de soldos ou de contract,
como os bombardeiros, que em grande numero vi-
nham da Allemanha e da Italia.
Na armada do vice-rei D. Garcia de Noronha
partiram de Lisboa 2.000 homes, entire os quakes
muitos ainda imberbes. A armada de D. Constan-
tino de Bragana tambem levou de Portugal ape-
nas 2.000 homes, gente collecticia, contractada por
baixo preo.
No Oriente tivemos sempre uma fora naval
muito superior s forces terrestres. A nossa mari-
nha military e mercante, e por largo tempo foi pro-
miscuamente uma e outra cousa, chegou a ter mais
de 400 navios de alto bordo e cerca de 2:000 navios
pequenos!
Desde a primeira expedico do Gama (1497) at
1612 partiram de Lisboa para a India 8o( naus; as
primeiras de 20o a 0oo toneladas, com 40 a 5o ma-
rinheiros e soldados, as do primeiro quartel do se-
cuio xvi, de 5oo a doo toneladas, com oo00 a 120
marinheiros e 200 a 25o soldados e desde os mea
dos d'aquelle seculo, algumas de 800 e mais de
i.ooo toneladas com numerosa guarnico.
Quando Duarte Pacheco emprehendeu a sua
prodigiosa campanha defensive em Cochim, contra o
exercito de 50.ooo homes do rajah de Calicut.
tinha apenas i5o portuguezes e alguns auxiliaries.
que de pouco serviam, porque aos primeiros rebates
da lucta fugiam como creancas. E ento (1504) er,
Cochim a unica praa da India onde os portuguezes
tinham fundado fortaleza.
Albuquerque nunca teve sob o seu commando
director mais de 2.000 portuguezes e umas pequenas
forces de auxiliaries. Foi como tio diminuto effective






27

de tropas que eile conquistou (;a, defendida por
9.000 turcos. Malaca, cidade florescente e pcderosa,
guarnecida por mais de 12.000 homes com nume-
rosa artilheria, foi tomada pelo espantoso conquis-
tador a frente de 8oo portuguezes e 400 malaba-
rcs!
Diu, uma das nossas mais importantes praas
da India, o objective constant dos turcos e da gente
de Cambaya, tinha uma guarnico de pouco mais
de seiscentos homes, por occasio do segundo
cerco. O excrcito sitiante, que a principio constava
de 8.ooo homes, entire os quaes mil janizaros, foi
successive mente reforado atr chegar a um iefectivo,
que se calcula entire trinta e quarenta mil guerrei-
ros!
Pois para acudir a uma praca onde j no havia
epicas loucuras que valessem para a salvar, porque
a guarnico estava reduzidissima e as muralhas eram
quasi um montio de rinas; para lhe acudir, D.
Joo de Castro, o ,ris j- da India, noi poLde reu-
nir mais de tres mil homes que, juntos a guarni-
o sitiada, davam o mesquinho effective de 3.400
guerreiros, e d'esses apenas 2.300 eram portugue-
zes! E foi com este punhado d'homens que o vice-
rei deu batalha campal ao ex-ercito de Rume-Khan.
Um contra dez, e venceu!
J no primeiro ccrco d'esta praa (i538) a guar-
nico portugueza, phalange de heroes que escreveu
uma das maiores epopas do nosso esforo, no
excedia 700 soldados Pois as forces sitiantes, sob
o commando de Khodja-Safar e Soleyman-Pach,
compunha-se de i().ooo janizaros e guzarates, pro-
vidos de poderosa artilheria, que viera a bordo da
esquadra turca de bloqueio, compost de 76 na-
vios.
E, todavia, esta lucta desegualissima, que prin-
cipiara em 2() de junho, s terminou, depois de fe-
rocissimos combates, no I.o de novembro, dia em
que as tropas sitiantes reembarcaram, receiosas dos
reforos que deviam chegar de Ga e convencidas






28

de que seria impossivel tomlar a fortaleza i viva
forca! Mal sabiam elles que, por detraz das mura-
lhas despedacadas, estavam apenas 40 homes v-
lidos! Eram os que tinham ficado illesos do ultimo
assalto!
O soccorro veiu, mas, muito retardado pelos
temporaes, s chegou em janeiro de i53,9, quando
j no havia inimigos a combater.
E era, por signal, a mais numerosa das expedi-
ces sahidas de Ga. Constava de 15o navios de
diversas lotaes, com i.5oo marinheiros e 5.000
homes de desembarque, portuguezes e auxiliares.
Ormuz, por exemplo, cidade riquissima, a chave
e o emporio do Golfo Persico, cubicada pelo Pach
do Egypto e pelo Sulto de Constantinopla, chegou
a ter uma das maiores guarnies do nosso impe-
rio oriental, quando as conquistas dos turcos se
alongaram at Aden e Bassor e chegava ao seu
maximo esplendor a gloria de Solimo, o grande,
o magnifico, o vencedor dos hungaros em Mohacz,
o conquistador de Belgrado e de Rhodes, o invasor
da Persia, o sitiador de Vienna d'Austria, o terror
da Europa.
Pois essa forte guarnico, em posto de tal pe-
rigo e importancia, era apenas de goo homes!
E foram sufficientes para repellir a esquadra de
25 gals grades, commandada por Epir-bey, que,
pelo insuccesso do commettimento, foi mandado
degollar em Constantinopla.
Em 1554 a guarnio foi reforada com 500 sol-
dados e a esquadra do Mar Vermelho era com-
posta de 42 navios, que traziam a bordo 1.200 sol-
dados.
Mas esta concentraco de forcas ao occidente
da Asia tornra impossivel o reforco das guarnies
do Extremo-Oriente. Malaca, a magnificent, tinha
na sua cidadclla apenas 400 soldados portuguezes,
e com elles teve de se defender dos exercitos c das
esquadras colligadas dos sultes de Java, de Su-
matra e do nosso irreconciliavel inimigo de Bintam.






2Q

Malaca sotfreu um terrivel assedio, mas os portu-
guezes estavam j acostumados a vencer os turcos
na desegualdade de i para io, em campo aberto,
tinham para a defcza das pracas a sua grande es-
cola de Marrocos, nas heroicidades de I contra 6o
ou 70, e souberam vencer no Extremo-Oriente,
como tinham vencido em Diu e Ormuz.
No tinhamos porque sentir ciume d'aquelles
5.0oo heroes de Rhodes, que em 15'22 haviam de-
fendido a ilha, durante 6 mezes, contra os 2oo:ooo
turcos de Solimno, o Magnitico. Defeza brilhante e
desditosamente improficua!
Mas temos ainda outras provas dos pequenos
effectivos das expedices ao Oriente.
Quando na India se formou a formidavel colli-
gaco contra o nosso imperio (it58), colligao de
Hidal-Khan ii contra Goa, Onor e Bracelor; de
Melek, rajah do Nizam, contra Chaul, Bacaim e Da-
mao e do Samoudri-rajah de Calicut contra Chale,
Cananor, Cochim e Mangalor; o governador da In-
dia, D. Luiz d'Athaide, podia apenas mandar para
Chaul um soccorro de Goo soldados e reunia em
(;a 650 antigos soldados, o5 cavalleiros c i.5oo
milicianos e escravos. To diminuta fora, obri-
gou-o a confiar ao cabido, ao clero e aos frades
dominicos e franciscanos a defeza interior da cidade
de Ga, a capital do imperio!
Pois a colligaco moveu os seguintes formida-
veis exercitos: Contra Chaul o exercito de Nizam,
compost de 20o.ooo homes, sendo 34.00o de ca-
vallaria, 12.000 bombardeiros e frecheiros e 18.ooo
gastadores, com 3tio elephants e 40 canhes, diri-
gidos por alguns officials turcos e venezianos. Con-
tra GOa, o exercito de Hidal-Khan, com um effe-
ctivo de 75.000 homes de infanteria, 35.ooo de
cavallaria, 2.000 elephants e numerosa artilheria.
Contra Chale, o exercito de Samoudri-rajah, com-
posto de 1oo.ooo homes com 40 canhes. Eram
33o.ooo homes de todo o Malabar!
E para oppr a esta alliance de desespero con








tra o dominio portuguez, no havia na guarnico
total das tres pracas investidas mais de 1.400 por-
tuguezes e cerca de 2.000 auxiliares!
Mas final o rajah de Nizam foi repellido e pe-
diu a paz, e o Hidal-Khan levantou o cerco de Ga,
que durara sete mezes, e seguiu o exemplo do seu
alliado. S Chale capitulou. Governava-a ento um
pobre octogenario, dominado pelos sustos de uma
esposa ainda moa, e havia na fortaleza uma guar-
nio, que no principio do cerco era apenas de ses-
senta homes e que s quatro mczes depois rece-
bia um insignificant reforco.
Quando chegou o grande soccorro de Cochim
--1.50 homes -j a fortaleza havia capitulado.
Veio depois a supreme decadencia nas suas tris-
tes e multiplices manifestaces de cubica, de cor-
rupco, de indisciplina, de desalento e at de infor-
tunio. Nio era uma subita enfermidade; vinham de
lounge os seus morbidos symptoms, mas era agora
que chegava ao seu period agudo c fatal. Ainda
se emprehenderam valiosas conquistas, ainda lam-
pejam no Oriente os relampagos assombrosos do
heroismo portuguez; mIas o imperio estava ferido
de morte.
Na As:a, como na Africa e na Europa, raras ve-
zes nos trahiu a victoria, sempre que a desegual-
dade do inmero no excedeu os limits do human
esforo e o commando e a discipline foram os in-
dispensaveis auxiliares da intrepidez do animo. E
a lico de toda a nossa historic military.
Mas no Oriente faltava j quasi tudo. O com-
mando supremo, iucido e energico, a discipline, a
unidade e a abnegaco dos esforos, o numero e a
fortune. Quasi se pode dizer que as vergonhas fi-
cam ainda na sombra das glorificaes; mas os he-
roes tinham de ser os coveiros epicos do impe-
rio.
Os hollandezes e os inglezes appareceram na
Asia; conluiaram-se com os persas, os arabes, os
malabares, os simghalas e os malaios, e Portugal,








mortalmente ferido na Africa, havia ficado sob o
dominio de Fiiippe ii de Hespanha.
As esquadras e as expedices, j muito rarea-
das no reinado do Cardeal D. -Ienrique (;578-158o)
no acudiam opportunamente em soccorro dos lon-
ginquos dominios.
Em i 6 1 Ruv Freire d'Andrade partia de Lis-
boa para o Oriente, com o fragilissimo soccorro de
dois galees, tres urcas c seiscentos e tantos solda-
dos. O commandant cue valia mais que toda a
expedio. Era encargo scu construir e guarnecer
uma fortaleza na ilha de Kischmisch (Queixome),
possessao essential a defeza de Ormuz contra os
persas.
Ruv Freire d'Andrade fundou a fortaleza e to-
lheu a navega o dos inglezes no Mar Vermelho e
no Golfo Persico. Era inevitavel a guerra.
Shah Abbas alliou-se com os inglezes e os ara
bes. A nossa esquadra queimou e metteu a pique
mais de quatrocentos navios inimigos, mas o Knan
de Schiraz cercou a fortaleza de Queixome com
25.oo0 homes. Os nossos so menos ainda do que
eram em Diu. Entre os sitiantes ha excellentes oti-
ciaes e soldados inglezes. Um engenheiro inglez
dirige as operaces do cerco. As muralhas da for-
taleza esto em ruinas. De Goa no chegam soc-
corros! De part nenhuma! Os inglezes propem
a capitulaao com todos as honras da guerra. O
cerco durava ha nove mezes. Ruy Freire d'Andrade
ainda tem a tragica ida de se sepultar nas ruinas
da fortaleza. No lh'o consentem os seus. A guar-
nicao sae da fortaleza, ao som dos tambores, ban-
deira ao vento; era um punhado de spartanos (1 623).
S Ruy Freire d'Andrade ficou prisioneiro. E s
vezes no ceu escuro do inverno que as estrellas
brilham com maior fulgor. A defeza de Queixome,
na derrocada do imperio, valia ainda mais que as
loucuras heroics de Diu e de Chaul.
Malaca outra epopa no abandon dos seus
miseros recursos. Em IO(o o almirante ho!landez








Cornelio Matatlief apparece de subito nas aguas da
cidade com uma esquadra de i i navios e .5oo ho-
mens de desembarque. Na cidadella ha apenas uma
guarnico de 14D portuguezes! Os hollandezes des-
embarcam, assestam a sua poderosa artilheria de
sitio e so reforados pelo exercito dos sultes de
Jahor e de Singapara. Pois a guarnio resistiu tres
mezes e os hollandezes retiraram, quando correu
que a cidade ia ser soccorrida pelo vice-rei da India.
Em 1o40 Malaca novamente atacada pelos
hollandezes, que teem 8 navios, 1.700 homes de
desembarque e so auxiliados por uma esquadra
do sulto de Pahang e por 5.ooo malaios. A guar-
nico da cidadella estava reduzida a (io soldados
ao cabo de seis mezes de bloqueio! No baluarte de
S. Domingos havia apenas 8 soldados famintos'
Ml i , reudeu-se em janeiro de 1(41. A lucta co-
mecara de I contra '2o e acabara de i contra 0oo0
Vejam como a facanha de Rhodes se vac apou-
cando no confront d'estes desesperos ?
Columbo (Cevlo) foi a ultima d'essas espanto-
sas epopas. Sitiaram-na os hollandezes de Gerardo
d'Huld e Joo Wlaas, auxiliados pelo exercito do
rajah de Kandy. O primeiro assalto, em 12 de no-
vembro de 1655, foi bem uma carnificina. Os hol-
landezes foram repellidos com perdas enormes. Ac
fim de cinco mezes de assedio, a guarnico era di
minutissima e tinha fome! J era allivio morrer nu
lucta. E nem um home sequer de soccorro! Po
zeram-se fra as boccas inuteis, mas os bracos v
lidos eram j to poucos para a defeza, que neir
chegavam para abrir a valla dos que morriam de
fome, de peste, ou varados pelas ballas. As mura
lhas estavam em escombros e ninguem pensava err
render-se! O mais intrepido, o mais inabalavel, er,
o governador Antonio de Souza Coutinho, um se
ptuagenario!
Foi uma nevrose de heroicidade. Dez homens
tomaram uma bacteria hollandeza; tres homes guar
neciam o baluarte de S. Joo, e dresses, dois erarn






33

a bem dizer umas creancasi No assalto de 7 de
maio (1(56) combateram os padres, os feridos, as
mulheres, luctou-se nas ruas, nas barricades, foi
um desespero prodigioso! Saragoca tem este al-
tivo precedent.
No chegavam soccorros. Era inevitavel ceder.
A bandeira arreada ali podia cobrir, como santa
mortalha, os mais arrogantes paladinos da historic
portugueza. A rendico foi resolvida cm conselho
de guerra por 21 votos contra 13.
A guarnio sahiu da praa com todass as hon-
ras da guerra, em 12 de maio de 1)56(. Eram 94
oficiaes e soldados e ioo moradores!
Esta foi a ultima convu!so sublime da derro-
cada.
Ainda houve alguns esforcos brilhantes, luctas
honrosas, mas o grande period acabra.



Depois d'aquella epoca sahiram de Lisboa al-
gumas expedies para o Oriente, mas quasi todas
de pequena importancia numerica.
Uma das maiores foi a do marquez de Louri-
al, nomeado vice-rei da India (1732''. Compunha-se
de seis naus de guerra e levava 4 batalhes de in-
fanteria, com o effective total de 2.o00 homes, e 16
canhes, dos que recentemente tinham sido inven-
tados por Jacob de WVeniholtz, que se achava ao
servio de Portugal. No ha seno noticias incom-
pletas cerca d'estas pecs, que talvez fossem de-
pois inutilisadas como reles sucata. Aftirma-se que
podiam dar 20 tiros por minute. Ainda que dessem
s 8 ou io, seriam estas as predecessors de toda
a modern artilheria de tiro rapido.
Esta expedio ia soccorrer Goa, gravemente
ameacada pelo maharadj dos mahrattas, famoso
guerreiro que ousra invadir os estados do Gro-
Mogol e se tornara o terror do Malabar.






34

Ento j havia melhores elements organicos
para uma expedio military. O exercito permanent
fora creado durante a guerra dos 28 anios contra
a Hespanha (1(40o-1(;68). Anteriormente houvera
como ensaio de tropas permanentes apenas uns nu-
cleos no reinado de D. Joo ii e o lerco da ar-
mada, creado no tempo dos Filippes.
O exercito permanent no tempo da expedio
do mariluez de Lourical teria um eftectivo de i3:ooo
homes. Havia mais dois regimentos de tropas de
embarque com .8oo homes e 35.0oo milicianos.
E tempo de deixar essa Asia, por onde durante
Jio annos passaram talvez trezentos mil marinhei-
ros e soldados d'aquelle Portuga,l que no chegava
a ter dois rn,!h d'almas!


r *

O Brazil nunca foi uma possesso de dominio
essencialmente military. Era caracteristicamente uma
colonia de explorao agricola e mineira, arroteada
pelo escravo negro, importado da Africa. Dava as-
sucar, produzia' especiarias como a India e as Mo-
lucas, teria ouro como o Mexico, diamantes como
Narsinga e por isso ia foram os nossos aventurei-
ros, mais ciesos de riquezas que de victorias.
Comeou a ser explorado no reinado de D. Joo ii
por 153o a 153, em que se realisaram as primei-
ras exploraces de Martim Atfonso de Sousa.
Dividido em capitanias de regimen accentuada-
mente feudal, confiado exploraco dos donatarios
d'essas capitanias, que tinham poderes soberanos,
como os modernos concessionarios de algumas ter-
ras africanas; o Brazil foi durante um largo period
uma colonial de fazendeiros e exploradores e a sua
defeza esteve confiada quasi exclusivamente aos
proprios exploradores.
No carecia de grades expedices militares.









Os indigenas desconheciam as armas de fogo e para
os dominar bastavam os proprios aventureiros, na
defenso dos seus interesses.
Mas soube-se na Europa que era um paiz fe-
cundo esse Brazil immense e, comquanto no esti-
vessem ainda descobertas as suas riquezas aurife-
ras e os seus diamantes ent:-e o cascalho dos rios (o
Jaragu e o Jequitinhonha foram os rios do ouro e
dos diamantes no seculo xvni, logo a febre das
riquezas levou quella vastissima possession portu-
gueza os pirates e aventureiros da Franca e da In-
gl4iterra.
Comecava ento a necessidade de organisar a
defeza do littoral, de constituir e concentrar alguns
elements essenciaes para a lucta armada.
Quando, porm, a guerra de pirateria ou de oc-
cupacao tomou um character mais grave e perigoso,
foi quando a Comnpaniia Ldas Ilidias Occidelutaes,
estimulada pelos primeiros lucros e pelo exito es-
pantoso alcancado pelos hollandezes no Oriente, se
decidiu a emprehender uma obstinada guerra de
invaso no territorio brazileiro.
Era em principios do seculo xvi, e pelo que j
sabemos que succedera na India, a respeito dos
soccorros da metropole, dominada ento pela Hes-
panha, facil avaliar qual seria a grandeza e op-
portunidade das expedices militares enviadas ao
Brazil.
Depois de se ter perdido a Bahia, que em breve
se reconquistou, estando Pernambuco a pique de
perder-se, e coincidindo os nossos desastres com
os da esquadra hespanhola de Benevides e com o
saque de Havana, resolveu-se o governor de Madrid
a enviar uma expedico ao Brazil, ameaado por
uma nova esquadra hollandeza com avuiltadas for-
cas de desembarque. Causa lastima a niseria do
soccorro, que s valia pela importancia do novo
governador nomeado para a capitania de Pernam-
buco. Era esse governador Mathias d'Albuquerque,
o future vencedor da batalha do Montijo contra os








hespanhoes. O rcforco enviado cifrava-se apenas
em tires caravelas!
Em fevereiro de iG3o apparecia nas aguas do
Brazil uma esquadra hollandeza de 65 navios, com
3.780 marinheiros e 5.5oo soldados de desembar-
que.
Mathias d'Albuquerque, no seu campo entrin-
cheirado das margens do Rio Doce (Olinda) tinha
650 portuguezes e indios, para oppor aos 2.200
soldados e 700 marinheiros do coronel Waerden-
burch. J no foi pequena faanha combater em
tio deseguaes condices e retroceder em boa ordem.
Ainda tentou a defeza de Olinda, mas foi vencido
e teve de retirar para o Recife com viuI e soldados.'
O forte de S. Joo, guarnecido primeiro por 7
homes, reforado mais tarde por I5, s se rendeu
depois de quinze dias de bombardeamento. Era
commandado por Antonio de Lima.
Parece um trecho das grades facanhas da Africa
e do Oriente!
A maior fora que Mathias d'Albuquerque poude
depois reunir para a campanha defensive de Per-
nambuco foi de .0ooo porituguezes e 3.ooo indios
Depois de porfiadas instancias e queixumes, re-
solveu o ministry hespanhol Conde Duque de Oli-
vares enviar uma expedio a Pernambuco. Era
composta de 1( navios de guerra e de 13 de trans-
porte, e saiu do Tejo sob o commando superior do
almirante D. Antonio de Oquendo.
Foi-lhe, porm, ao encontro nas aguas do Bra-
zil uma esquadra hollandeza de 16 naus, comman-
dada pelo almirante Pater, o heroico marinheiro que
depois se atirava ao mar, envolto no glorioso pavi-
lho do seu paiz. A batalha, que foi terrivel, durou
sete horas e ficou indecisa. Ambas as esquadras es-
tavam incapazes de proseguir as operaes. A de
Oquendo teve de ir abrigar-se nos portos da Ame-
rica hespanhola, depois de haver desembarcado no
Brazil um corpo de mil homes, commandado pelo
italiano Conde de Bagunolo, para ir auxiliary Mathias








de Albuquerque, e um outro corpo de Soo homes
para reforo da guarniio da Bahia. Esta nio era,
porm, uma expedico exclusivamente portugueza.
Mas os hollandezes augmentavam tambem as
suas forces em Pernambuco, a ponto de poderem
dispr ali de 4.136 soldados, auxiliados por uma
esquadra de 42 navios, com i.5oo marinheiros.
A guerra prosegula encarnicadamente e com va-
ria fortune. Os hollandezes recebiam constantes e
valiosos reforos. Batel-os e expuisal-os a elles no
seria empreza que podesse comparar-se a que, com
tao bom exito, haviamos intentado contra os france-
zes do cavaileiro de Villegagnon, no Rio de Janeiro
c de Ravaudidre, no Maranho.
Os portuguezes tinham por si uma parte dos
indios e os seus compatriotas nascidos no Brazil,
auxiliares que eram valiosos, mas que no podiam
equilibrar as forces de Portugal com as da Hol-
landa. Entre os heroes d'aquellas renhidas campa-
nhas avultam as epicas figures do indio Portgua-
rass, do preto Henrique Dias e de Andr Vidal
de Negreiros.
Olivares decidira, emfim, enviar uma grande ex-
pedio a America portugueza e, para mais facil-
mente completar o effectivo das tropas, vendia com-
mendas das ordens militares portuguezas, a quem
lhe apresentava um certo numero de homes arvo-
rados em soldados! Em 1638 estava organisada a
expedico. Compunha-se de 8 galees portuguezes
e ii hespanhoes, e de 6.000 marinheiros e solda--
dos. Era a maior, mas foi tambem a mais inutil.
Depois de reforada na Bahia, a esquadra fez-se
ao mar com 86 navios, 6.ooo marinheiros e 6:000
soldados, portuguezes e hespanhoes.
A esquadra do almirante holiandez Loos, substi-
tuido depois pelo vice-almirante Huygens, destro-
ou todo aquelle poder n'uma terrivel batalha de
seis dias. O temporal e a fome completaram o des-
barato d'aquella miniature da Invencivel Armada.
Entretanto, o governor hespanhol arrancava de








Portugal numerosas tropas para ierem guarnecer a
Catalunha e reforar as guarnies hespanholas na
Italia!
Em 1640 enviada para o Brazi! uma expedi-
co de 8 naus, com 2.5oo homes. Commandava-a
D. Jorge de Mascarenhas, marquez de Montalvo,
que fra nomeado governador do Brazil.
Dois annos depois a guerra principia a tomar
para nos um aspect diverso. A gloria ill:mina de
novo a nossa bandeira e mais dois heroes -Moniz
Barreto e Fernandes Vieira -surgem resplanden-
tes na epopa brazileira.
Comeca a expulso dos hollandezes. Em 1it45
vencem os portuguezes a batalha das Tabocas, em
1i(48 a primeira batalha dos Gararapes e nos prin-
cipios de 1t49 a segunda batalha d'este nome. Apa-
gam-se para a Hollanda os dias gloriosos da invaso
e a tradio altiva de Mauricio de Nassau, o mais
insigne dos chefes hollandezes, esmorece nas vibra-
ces dos grades nomes laureados de Fernandes
Vieira e Moniz Barreto.
Reconquistam-se as capitanias occupadas por
aquelles intrepidos e te-nacissimos adversaries e re-
tomam-se as fortalezas onde tremulava arrogante a
inclita bandeira neerlandeza, que fra nos mares o
assombro e o terror da Hespanha e da Inglaterra.
N'esta enorme guerra de dezeseis annos, em
que a Hollanda empenhou metade das suas esqua-
dras e um exercito sempre superior ao nosso, coube
aos portuguezes do Brazil um alto quinho de glo-
rias, que bem um prologo epico na historia da
sua illustre nacionalidade.
No trataremos dos confictos com a Hespanha
na America no seculo xvim, por causa da colonial do
Sacramento, nem mesmo da invaso da Guranna
franceza nos primeiros annos do nosso seculo. Pouco
importam ao objective d'este capitulo, pois no re-
presentam a sahida de alguma important expedi-
o da metropole.
Deixaremos a America, depois de terms dado






39

noticia da mais numerosa expedio military que,
depois de Alcacer-Kibir e sem o concurso de ou-
tra potencia, temos enviado s terras ultramarinas.
As possesses hespanholas do Rio da Prata ti-
nham seguido tambem o grande movimento de
emancipao das outras colonies, que constituam o
immenso imperio da Hespanha na America. Os
desvarios da revoluo, excitados por ambies fac-
ciosas, abriam campo vastissimo aos triumphos da
anarchia, nas suas tragicas e ignobeis manifestaes
de odio e de rapina, de facciosismo e de destruico.
A onda assoladora alastrra-se pela banda oriental
do Rio da Prata at fronteira do Brazil. As fac-
ces de Montevideu faziam propaganda revolucio-
naria na colonial portugueza e os desalmados explo-
radores da anarchia invadiam o territorio brazileiro,
como em rau'ia de beduinos ou incurso de pirates.
O exercito do Brazil emprehendeu contra os re-
volucionarios uma campanha de desforo e occupou
a cidade de Montevideu, que em breve, porm, teve
de abandonar, em consequencia de complicaes
com a Inglaterra. Fez-se um armisticio, que foi,
final, completamente inutil. As incurses continua-
vam. Um guerrilheiro celebre, o 'gacho Artigas
apossara-se de Montevideu e de toda a banda orien-
tal do Rio da Prata, organisra forcas militares con-
sideraveis e constituira com a famosa raca dos ga-
chos l, arrojados e indomaveis cavalleiros como os
berberes, os antigos mamelukos e os cossacos, uma
horda formidavel de cavallaria para as grades ra-
ias. Artigas fizera-se um potentado.
Para castigar a audacia do guerrilheiro, orde-
nou D. Joo vi que em Portugal se organisasse
uma diviso de voluntarios, que iria reforcar a dimi-


Nas suas memories, Jos Garibaldi, o glorioso caudilho
italiano, consider os gauchos como os mais dcxtros, os mais
arrolados c os mais intrepidos cavalleiros do mundo.
Garibaldi conhecia-os bem pela experiencia das suas cam-
panhas de voluntario em Montevideu.






40

nuta guarnico da colonial brazileira. Devia ser consti-
tuida por voluntarios do exercito de i.a linha, ex-
cellente exercito que tinha ainda os quadros enor-
mes que haviam contido effectivos entire 42 e 56.ooo
homes, desde 18o8 a 1814.
Rarissimas expedies portuguezas teriam tido
elements organicos to excepcionalmente superio-
res Os officials e os sargentos e o grande nucleo
dos soldados haviam de sair d'esse exercito, que,
durante sete annos, em i5 batalhas campaes, em
211 combates, em 14 sitios, em 24 assaltos e blo-
queios, do Bussaco a Toulouse e do Tejo ao Ga-
ronne, contra os brilhantes soldados de Bonaparte.
haviam realado as tradies famosas dos seus he-
roicos antepassados do Montijo e das Linhas d'El-
vas, do Ameixial e de Montes Claros, contra a mais
arrogant e prestigiosa infanteria do seculo xvn-a
infanteria hespanhola.
E talvez que entire os officials da diviso expe-
dicionaria fosse alguem das heroicas reliquias d'essa
intrepida Legio Portugueza, cuja bravura arranciare
louvores d'assombro a Oudinot em Baumersdorif.
tomada por dois batalhes portuguezes, sob a me-
tralha que fizera recuar uma diviso franceza, e me-
recra a classificaco de inexcedivel a Bonaparte, n(
VWagram, e flra apontada como exemplo por Mi
chcl Nev, na lugubre campanha da Russia.
O decreto de organisao das tropas expedicio
narias foi publicado em 15 de maio de i815.
A pequena diviso formava-se de duas brigadas
com 4 batalhes de caadores, de 6 esquadres de
cavallaria e dois parques de artilheria, sobo command(
superior do tenente-general Carlos Frederico Lecor.
que mais tarde foi agraciado com o titulo de Baro.
de Laguna. Era de 4.831 praas o effective d'est
expedio.
Entre os seus ofliciaes mais illustres ia o coro
nel Joo Carlos de Saldanha, que havia de ser, de
zesete annos depois, o vencedor de Bourmont e (
brilhante Marechal d'Almoster.







41

A cavallaria e a artilheria embarcaram em sc-
tembro de i815; a infanteria em 20 de janeiro de

A frota de transport da infanteria, que s poude
sahir do Tejo em i5 de feverciro, era composta de
uma charrua de guerra e de dez navios mercantes
de pequena tonelagem, dos quaes um era sueco,
outro francez e outro inglez. Comboiava-os a nau
" asco da Gama.

Poucas expedices militares se organisaram em
Portugal to promptamente como esta-escrevia
em 1884 o sr. visconde de Villa Maior no Menmorial
blog'raphicoo o general Claudino PimCentel. Eram
apenas decorridos cinco mezes desde que se de-
cretraa sua organisacao, comea logo o embarque
de part das forcas.

A seu tempo veremos com que superior rapidez,
e dispondo apenas de um pequeno exercito desha-
bituado das aventuras da guerra, se organisou a ul-
tima expedico d'Africa.
Agora uma nota impressionist, extrahida das
memories do general Claudino Pimentel, que, send
major do regiment de infanteria n. 5, fra promo-
vido a tenente-coronel para o 3.o batalho de caca-
dores da diviso expedicionaria :

Pelas S horas da manhl d'aquelle dia (20 de
janeiro de iSi81) pozeram-se em march as duas
brigadas de cacadores para embarcarem no arsenal
de marinha. Durante a march, desde Belem a
Lisboa, no(tava-se extraordinaria concorrencia de
ge'nt e todas as classes, em cujos rostos se ma-
nifes:ava profunda magoa, por verem partir de
Portugal uma to brilhante porco de tropa, que se
lhe afigurava no regressaria a patria. Tal o des-
costume em que estao os portuguezes de ver partir
dos nossos portos expedies maritimas de maior
VLlto ,.






42

Nas suas memories, Claudino Pimentel diz que
as brigadas embarcaram na melhor ordem, e nada
mais!
Pois, volvidos 78 annos, havia tambem grande
concorrencia de povo nas ruas de Lisboa e passa-
vam para o arsenal de marinha uns soldados, qua-
si todos muito mocos, ainda galuchos, que nunca ti-
nham visto um campo de batalha e que iam para a
guerra nos sertes d'Africa. No eram officialmente
voluntarios, como os aguerridos roluntarios reaes
do principe, que partiram para Montevideu: par-
tiam por escala das unidades a que pertenciam,
pelo terem solicitado alguns d'elles, mas eram todos
voluntarios pelo corao.
Havia tambem profunda mgoa na alma de
quem os via, esvoacavam em torno d'elles os mais
funebres vaticinios, mas o povo acclamava-os. Em-
barcaram tambem na melhor ordem, mas quando os
olhos dos que no partiam se afogaram nas lagri-
mas d'aquella despedida, talvez para sempre, os
pobres galuchos, que nunca tinham visto um com-
bate e que iam para as rudes campanhas do serto,
subiam as enxarcias do navio que os levava e des-
afogavam a alma em gritos vibrantes de saudaco
patria.
Valentes rapazes! E com tanto maior ternura
patriotic a saudavam elles, quanto mais o coracao
lhes dizia que precisava do seu esforo esta naco
atormentada por tantos infortunios, ha setenta an-
nos na melancholica nostalgia das grande victo-
rias.
A gloria coroou os que em 1816 partiram para
a America. Vencedores do mais famoso caudilho
do Rio da Prata, entraram triumphalmente em Mon-
tevideu.
Tambem a gloria coroou carinhosamente os que
partiram em 1894 e i 8o5 para os sertes de Lou-
reno Marques e de Gaza. Vencedores do mais po-
deroso regulo da Africa do sul, entraram trium-
phalmente em Manjacaze.






43

Ha, todavia, uma difference enorme. Alguns
louros mais pouco valeriam para a nao que tinha
virentes ainda os que enlara sobre os tropheus
da epopa napoleonica. Mas para o Portugal do
nosso tempo, esmorecido e calumniado, com o seu
prestigio de quatrocentos annos a sumir-se nos ser-
toes, a victoria era o desforo, a rehabilitao, a re-
viviscencia da alma national.



Voltemos Africa. E antes de falarmos nova-
mente de Marrocos e do nosso ultimo exercito ex-
pedicionario mandado quelle imperio, daremos no-
ticia de duas notaveis expedies enviadas Africa
Oriental, onde em outros tempos, no tivemos nunca
a fortune de alcanar grandes victorias, especial-
mente em Moambique.
Por no serem importantes ou por no entrarem
no objective d'este capitulo, no temos indicado al-
gumas expedies organisadas nas colonies. A que
vamos registrar no foi organisada na metropole,
mas merece bem que d'ella se faa uma excepo,
seno pela importancia do seu eflectivo, realmente
diminuto, decerto por ser a primeira expedio eu-
ropa a Abyssinia.
Em 1541, D. Estevo da Gama, governador da
India, foi com uma esquadra ao mar Vermelho,
para destruir os navios que o Pach do Egypto es-
tava armando em Suez. Os navios egypcios estavam,
porm, bem defendidos e D. Estevo no poude
realisar o seu objective. Percorreu com a esquadra
alguns portos da Abyssinia e em Massauah recebeu
embaixadores do Negus, com quem os portuguezes
j tinham relaes antigas, solicitando-lhe auxilio
contra o scheik de Zeilah, que lhe movera guerra.
D. Estevo da Gama accedeu ao pedido e man-
dou desembarcar em Massauah um corpo de 400
soldados, com 8 peas de artilheria e oito pequenas








boccas de fogo, muito portateis, que ns emprega-
vamos frequentemente nas guerras do ultramar e
que denominavamos beros e meios beros. Podiam
os soldados ou os bombardeiros leval-as nos braos,
como tinha succedido na tomada de Mombaa. Eram
estas peas as remotas precursoras da modern arti-
lheria de montanha.
O governador confiou o commando d'este pu-
nhado de audaciosos a seu irmo D. Christovo da
Gama. Um Dj'eda7, grande do Negus, encarregou-
se do servio de transportes e forneceu o numero
necessario de camellos, bois e muares.
A expedio penetrou nas asperrimas serranias
da Abyssinia em 1541, pelo caminho que 327 an-
nos depois havia de seguir a expedico ingleza de
Roberto Napier, com os seus 40.000 officials, sol-
dados, creados e serventes, com os seus engenhei-
ros, as suas ambulancias, os seus comboios de vi-
veres, com 40.000 bois, camellos, muares e burros
do Egypto, com tudo, emfim, o que a sciencia, a
arte e a riqueza podem conseguir no nosso seculo.
Avanando com os seus pesados armamentos e
sem as precaues que hoje se podem tomar nos
paizes insalubres, sem os recursos da engenheria e
da medicine modern, ora requeimados pelo sol e
torturados pela sede, ora alagados por enormes
chuvas e arrancando a bracos dos barrancos a ar-
tilheria e o gado, j extenuado, ora combatendo en-
tre penhascos abruptos e na garganta de profun-
dos desfiladeiros, aquelle punhado de soldados por-
tuguezes realisava uma odyssa de tormentos e de
trabalhos extenuadores!
Concentrado para a defensive, o exercito do Ne-
gus no os poude auxiliar efficazmente e tiveram de
combater ssinhos contra as tropas do scheik de
Zeilah. Repelliram-nas intrepidamente aquelles bra-
vos, mas o scheik obteve o auxilio de 1.ooo solda-
dos turcos do pach de Zebid, e a desigualdade
tornou-se ento esmagadora.
Travou-se uma lucta sangrenta e d'aquella pe-








quena phalange perdida, que j no tinha 400 ho-
mens, escaparam apenas 130! Mas estes bastaram,
unidos depois ao exercito do Negus, para lhe sal-
varem a patria e o throno! Dil-o a tradio abyssi-
nia, revelada tres seculos depois por Guilherme Le-
jean, consul da Franca n'aquelle paiz.
Os que escaparam d'aquella extraordinaria ex-
pedio, estabeleceram-se na Abvssinia e deixaram
ali uma tradio to resistente como as suas pro-
prias edificaes, que desafiavam os seculos, simi-
lhantes s edificaes romanas, conforme a propria
expresso de Lejean.
Os italianos sabem j, pela sua dolorosa expe-
riencia, quanto custa uma campanha n'aquelle paiz,
e os soldados de Roberto Napier levaram dois m-
zes e meio para chegar a Magdala, porque a me-
dia das suas tapes no ia alm de 8 kilometros
por dia!


Com o intuito de exigir do imperador do Mono-
motapa, grande potentado, visinho dos sertes de
Moambique, uma satisfao pela morte do missio-
nario Gonalo da Silveira, barbaramente mortifica-
do no serto, e ainda para descobrir as valiosas
minas que se dizia haver na alta Zambezia, man-
dou el-rei D. Sebastio organisar em Lisboa um
corpo expedicionario de i.ooo homes, que devia
ser levado Africa em tres navios de guerra. Era
commandant da expedio Francisco Barreto, que
havia sido j governador da India.
A esquadra partiu do Tejo em 16 de abril de
156(9.
Nunca para Mocambique se mandra da metro-
pole expedio com tal numero de soldados de
desembarque. Foi a maior e tinha de ser a mais
desastrosa. Depois de haver subjugado na ilha de
Moambique uns mouros revoltados, Barreto pene-
trou no Zambeze a bordo de pequenas lanchas.
Em dezembro de 1571 chegava villa de Sena






46

com um corpo de 700 arcabuzeiros. Foi de pavor a
primeira impresso dos cafres, mas a expedio
soube attrahil-os, para que lhe revelassem as mi-
nas, e durante algum tempo viveram uns e outros
em apparent amizade. Barreto mandou embaixa-
dores ao Monomotapa, mas no alcanava seguras
noticias dos almejados jazigos de prata e de ouro.
Afinal romperam-se as hostilidades. Os negros
eram accusados de envenenar as aguas e as subsis-
tencias de que os portuguezes se abasteciam.
Apparecem (6.ooo cafres; os arcabuzeiros facil-
mente os dispersam. Barreto avanca e estabelece
acampamento em Chicova. Deixa ali 200 soldados
e vae a Tete buscar soccorros. Os cafres assaltam
ento o acampamento de Chicova. Os 200 soldados
resistem durante dias, mas comecam a cair fulmi-
nados pelas febres e extenuados pela sede e pela
fome. Antes a azagaia dos inimigos. Fazem uma
sortida desesperada, penetram como doidos atravez
da multido dos cafres, matam, matam, mas ape-
nas alguns conseguem chegar a Tete. A noticia
d'este desastre amargura por tal forma Francisco
Barreto, que lhe faz perder a vida, provavelmente
j ferida de morte pela aco fatal das febres.
A expedio estava completamente perdida.
Esta foi bem a primeira campanha de europeus
nos sertes da Africa do Sul. Apesar das febres,
a lucta ainda foi possivel e ainda foi victoriosa para
os nossos, na desegualdade de i para io, mas quando
chegou desproporo brutal de i para 3o, a ca-
tastrophe era inevitavel, porque, embora os cafres
no usassem ento armas de fogo, o arcabuz, pe-
sado, de tiro moroso e incerto e de pequeno al-
cance, no bastava para afastar os negros, evitando
a lucta corpo a corpo, necessariamente funesta para
os nossos, sobrepujados pelo numero e enfraque-
cidos pelas febres.


A expedio d'Alcacer tivera dezeseis annos an-






47

tes um prologo brilhante na defeza de Mazago
(1562), a praa de mais gloriosa tradio que ns
tivemos na Africa.
Quando a Lisboa chegou a noticia de que Maza-
gao estava cercada por um enorme exercito (80.000
homes) do sulto Muley Abdallah, a alma por-
tugueza despertou nas coleras epicas dos seus gran-
des dias e todos a porfia quizeram partir em defeza
d'aquelle padro do nosso esforo. Fizeram-se do-
nativos valiosissimos e a affluencia de voluntarios
foi tal que o governor da rainha D. Catharina, re-
gente na menoridade de D. Sebastio, teve de pro-
hibir energicamente o embarque de mais gente para
Mazagao.
Os marroquinos, depois de um cerco de quasi
dois mezes, assaltaram a praa furiosamente. Com-
bateu-se encarniadamente um dia inteiro, mas os
defensores de Mazago, em requintes de heroici-
dade, que pareciam um reflexo das faanhas de
Diu, repelliram os assaltantes e *uma victoria mais
aureolou a inclita bandeira de Portugal.
Os marroquinos levantaram o cerco e a victoria
vibrou ruidosamente na Europa. No concilio de
Trento celebrava-se uma solemne missa em aco
de graas por este triumph contra os inimigos
da f.
Era o prologo enganador da lugubre tragedia
d'Alcacer!
Dezeseis annos depois dir-se-hia que tudo havia
mudado! Na febre do seu desvairado sonho de con-
quistador, D. Sebastio empenhava esforos inex-
cediveis para reunir soldados e recursos com que
passasse a Marrocos, e o seu appello no encon-
trava um ecco de enthusiasm e de f na grande
alma da naco! S tinha em volta de si o applause
dos lisongeiros e da mocidade doidamente aventu-
reira.
O recrutamento da expedio foi uma lastima e
uma vergonha. Vexaram-se os povos e deu-se mar-
gem especulao torpissima dos agents de alis-






48

tamentos. Compravam-se as isences e apurava-se
final a ral! Resolvera-se, conform o plano de
organisao,.que a infanteria portugueza constituisse
4 teros 1 ou regimentos de 3.00o homes cada
um e tivesse, portanto, o effective total de 12.000
homes, mas no foi possivel apurar mais de 9.000,
quasi todos improprios para os trabalhos da guerra!
O que havia de melhor entire as tropas portu-
guezas era o corpo de 2.000 homes de cavallaria,
constituido pela nobreza, e um outro corpo de vo-
luntarios, formado por mais de 400 fidalgos, que
commandavam soldados mantidos sua custa e
cujo effective seria augmentado com alguns contin-
gentes das guarnies de Tanger e Arzilla.
No estrangeiro contratou-se um terco de 3.000
allemes, experimentados na guerra, e um outro
de 3.ooo soldados de Hespanha. Depois foi tam-
bem contratado um corpo de aventureiros italianos,
que ia de viagem para a Irlanda, sob o comrnando
do marquez de Linster.
E tudo isto no dava mais de 18.ooo homes
de tropas collecticias, em grande parte bisonhas,
sem instrucao, sem discipline e, para cumulo de
infelicidade, sem um commando lucido e expe-
riente, que pudesse dar-lhes unidade e corrigir-lhes
os defeitos de origem!
Que differena enorme entire esta insania e as
brilhantes expedies de Ceuta e d'Arzilla!
Depois de ter lanado mo de todos os expe-
dientes financeiros, D. Sebastio apurava 700:000
cruzados, mas as despezas da expedio estavam


L Designaco da principal unidade tactica da infanteria
hespanhola no seculo xvi. Tercio a denominavam os hespa-
nhoes, porque o seu effective normal representava a terca
parte da forca de um regimento allemo de 3.ooo homes.
Mas o effective dos teros algumas vezes chegou a ser igual
ao d'estes regimentos. Os portuguezes adoptaram aquella de-
nominao, que se conservou at ao fim da guerra dos 28
annos.






49

orcadas em 800:000 e s os mercenarios italianos e
allemes custavam 3oo.ooo!
E singular que to desastradamente se organi-
sasse uma expedio de guerra, precisamente no rei-
nado em que se estatuira um system military, que,
a ter-se executado, a no haver ficado lettra morta,
daria a mobilisaco das forcas do paiz, tal como
podia realisar-se iha tries seculos, dentro dos linea-
mentos de uma organisaco, que bem poderia con-
siderar-se a base rudimentar das modernas institui-
ces militares.
Se na idade mdia os ricos-homens e cavalleiros
acontiados, com a sua gente d'armas, os freires das
ordens de cavallaria, nucleos de milicia permanent,
e os cavalleiros e bsteiros de conto dos municipios
representavam a naio vlida, a nao armada,
com que fra possivel fazer a cruzada contra o
mouro e as guerras contra Castella; no reinado de
D. Sebastio a lei de 12 de dezembro de 1569 e o
alvar de o1 de dezembro de 1570, que era como
que o seu regulamento, deveriam ter produzido
uma vigorosa organisaco military, se na decadencia
e na corrupo pudessem fructificar instituies, que
eram a supreme expresso de um dever d'honra e
de um sacrificio de patriotism.
Estabelecia-se o service military pessoal e obriga-
torio para todos os homes vlidos dos dezoito aos
sessenta annos e organisavam-se as forces por com-
panhias de grades effectivos, variaveis conforme a
populao de cada cidade, villa ou concelho, sdes
das companhias e centros do alistamento regional.
Regulamentava-se a instrucco normal das tropas
de cada companhia e fixavam-se para os grandes
exercicios (alardos) as pocas da Paschoa e do S.
Miguel. Preceituava-se a instrucco de tiro ao alvo
para os arcabuzeiros e espingardeiros-fa-er bar-
reira era a designao d'estes exercicios-e estipu-
lavam-se premios pecuniarios-preos-para os ati-
radores mais habeis.
Cada soldado era obrigado a ter armamento, o






50

armamento da ordenana, e os de cavallaria tinham
obrigao de manter cavallo seu.
No havia estipendio em tempo de paz.
Em Lisboa, onde a organisao das foras era
especial, deveria haver 4 teros de infanteria a 3.0oo
homes cada um e o tero dos privilegiados da
corte.
Excellentes preceitos a contrastarem com a de-
ploravel decadencia military a que se tinha chegado'
Sete annos depois do alvar de io de dezembro,
cuja execuo representaria a nao armada, no
era possivel organisar com foras portuguezas um.
expedio de 18.ooo homes! Pois a avaliar por
Lisboa, cuja populao era calculada em ioo.ooo al
mas e que pelo alvar de 1570 deveria ter 12.000
homes de ordenana, o paiz, cuja populao era
computada em 1.8oo.ooo almas, poderia ter oo.oo0,
alistados, depois de feito um desconto de 50 1/o de
isentos, incapazes e em servio no ultramar.
D. Sebastio desenvolveu prodigiosa actividade
nos ultimos trabalhos organicos da expedio. Ik
examiner constantemente os preparativos da esqua-
dra e assistia aos exerccios das tropas no Campo
Pequeno. Actividade inutil. Os fidalgos andavam
preoccupados com os seus vestuarios de brocados
e telas de oiro, com os seus chapeus de presilhas
de diamantes e com as suas espadas de punhos ri-
quissimos, e a soldadesca, estrangeira e national.
profundamente indisciplinada, batia-se nas tabernas
e nas ruas da cidade, em mortiferos combates. Os
allemes com os nossos e os italianos e uma com-
panhia da gente do Duque de Bragana com uma
companhia do tero hespanhol!
Emtim, depois de quasi dois annos de prepara-
tivos, a expedico partiu do Tejo no dia 25 de ju-
nho de 1578, a bordo de 8oo navios, de velas em-
pavezadas e bandeiras soltas ao vento. Era Portu-
gal que ia para o seu funeral de conquistador.
A descripo da batalha faz chorar de deses-
pero a nossa alma de portuguezes. O primeiro impeto






5i1

ainda foi dos nossos, na lucta desigual de um con-
tra seis, mas faltou a previso e a unidade do com-
mando-D. Sebastio combatia como um soldado
-e nem se aproveitou a artilheria, que fora sem-
pre, na cidadella, no navio ou no campo de bata-
lha, a grande forca cooperadora do nosso arrojo
nas conquistas do Oriente! '
Em meia hora estava tudo perdido! A batalha
fizera-se carnificina. Nunca Portugal sotifrra, nunca
mais soffreu, um desastre military de to lugubre e
tamanha magnitude!


Angola fra occupadada pelos hollandezes em
1641, como o fOra tambem S. ThomS. O almirante
Jol, alcunhado o Perna de pau, realisra a occupa-
ao com uma esquadra de 20 navios e 2.200 solda-
dos de desembarque. Sem foras para resistir, o
governador d'Angola retirou para o presidio de
Massangano.
Sete annos depois, Salvador Correia de S ba-
tia e expulsava os hollandezes de toda a provincia,
com uma expedico que organisra no Rio de Ja-
neiro e se compunha de 15 navios e 9oo homes
de desembarque.
Depois d'esta campanha, breve c felicissima,
temos tido numerosas guerras em Africa, mas quasi
todas ellas sustentadas pelas proprias guarnies
colonies, uma ou outra vez auxiliadas por destaca-
mentos ou pequenas expedices de voluntarios do
exercito da metropole.

1 E quando nos lembramos de que os soldados c ma-
rinheiros d'este grande povo de descobfidores e conquista-
dores eram os habitantes da naco mais pequena da Europa,
o seu exito parece-nos ainda mais extraordinario e mais ab-
sorvente o interesse pela historic da nacio que educou os
heroes portuguezes.,
(Historia de Portugal, pelo inglez Morse Stephens, publi-
cada em 1891.)









Na Africa ou em Timor algumas d'essas guer-
ras teem sido sangrentas, porfiadas, de incontesta-
vel importancia, e seria monstruosa injustica no
registrar que na Guin e em Angola, em Mocam-
bique e em Timor, officials portuguezes, com sol-
dados indigenas, teem dado testemunho de singular
intrepidez e de extremada abnegao patriotic,
reavivando as mais altivas tradies do esforo na-
cional.
No comportam as dimenses d'este capitulo.
j immensamente long, que apontmos todas as.
pequenas expedices, e por isso nos limitaremos a
rememorar duas das mais importantes que temos
enviado Africa no present seculo e anteriormente
a 1894.
A que fez a campanha do Bembe e Congo (i859-
i8Go) e a que fez a terceira campanha de Massan-
gano ('i869)-1870).
A primeira, que fra precedida no Bembe pela
pequena expedico do tenente coronel Salles Fer-
reira (1856), era constituida por um corpo de tro-
pas, formado de voluntarios da metropole e de
forces da guarnico de Angola, coadjuvadas pela
marinha, sempre no ultramar a cooperadora bri-
lhante do exercito, quando as circumstancias lhe no
conferem a iniciativa e o primeiro post, como na
ultima campanha de Bissau, que seria um titulo de
legitima ufania, se d'elles precisasse quem tem a
sua epopea engastada nos brazes da civilisaco
humana.
Foi gloriosa a c:nmpanha do Congo; de rudes
sollrimentos c de env1idecedoras victorias. A figure
mais brilhante d'essa guerra, figure que parece ta-
lhada pelos moldes da antiga heroicidade portugueza,
e hoje o venerando almirante da nossa marinha-
honra e orgulho d'ella-o sr. conselheiro Jos Ba-
ptista d'Andrade, o valente dos valentes, como
Ney era o brao dos braros.
A segunda expedio- a da Zambezia-, essa,
por eileito da sua deploravel organisaco, no por






53

falta de valor individual, represent um dos maiores
desastres das nossas campanhas coloniaes. Consti-
tuida por voluntarios dos corpos do exercito da me-
tropole, sem nenhuma seleco, alguns d'elles a es-
coria das casernas; minada pela indisciplina que
chegava at ao desvario da revolta, privada dos
necessarios recursos de abastecimento, sem reser-
vas de munies, sem um servio regular de ambu-
lancias e sem uma direco superior, previdente e
solicita, era quasi fatal o seu desastre. Teve fome
antes de entrar em fogo; faltaram-lhe as munices
de artilheria ao terceiro dia de combat, e a sua
retirada de Massangano foi uma angustiosa odyssa
de sacriticios e de privaces. No faltou as tradi-
ces da sua bandeira, ofticiaes e soldados bateram-
se como valentes, mas para vencer, mesmo na
Africa, preciso mais alguma coisa de que a cora-
gem individual.
Ate aos raros que voltaram, e tanto haviam sof-
frido, faltou o amparo e a solicitude da patria!
O desenlace d'esta desventurada expedio, mais
adensou ainda a tradico lugubre de Moambique,
nuvem de sangue, nuvem tragic em que se refle-
ctia a recent chacina da column do tenente coro-
nel Portugal, na mesmai guerra fatidica de Massan-
gano.
Em 1871 partiu para a India o batalho de ca-
cadores n." i e em i<8S) embarcou para a Beira
(Moambique' o i." batalhao de inflnteria n.O i
com algum oras forms de engenheria e artilheria.
Nenhuma d'estas expedies entrou em campanha,
mas ambas prestaram ao paiz services relevantes,
especialmente a segunda, e tecm o grande mereci-
mento de representar o precedent das expedies
ao ultramar com unidades do exercito da metro-
Fole, nomeadas por escala, segundo as armas c a
respective ordem numerica.
A terceira d'cstas expedies destacadas do exer-
cito foi a que partiu para Lourenco MlarquesI e fez
as campanhas do Incomati e das terras de Gaza






54

contra os cafres e contra os buingelas e vatuas do
Gungunhana.
Tendo sido a expedio ao Congo de pouco
mais de 700oo europeus de desembarque e a da Zam-
bezia de menos de Goo, e conhecidos j os effecti-
vos dos principals expedies enviadas ao ultramar,
comprehender bem o leitor que a expedio de
Loureno Marques, que teve um effective total de
2.910 homes, foi decerto uma das mais numero-
sas que em todos os tempos sairam de Lisboa para
o ultramar, excepcionando os exercitos expedicio-
narios a Marrocos e as expedies de hespanhoes
e portuguezes reunidos (Tunis, Argel e Brazil).
A mais important, deslocada directamente do
exercito da metropole em unidades constituidas, e
a maior enviada para a Africa depois de Alcacer-
Kibir.
A maior n'este seculo, depois da guerra de Mon-
tevideu.
Pelo objective e pelo exito das campanhas que
havemos de narrar, comprehender-se-ha tambem
que nos deram as mais brilhantes glorias militares
dos ultimos 8o annos (exceptuamos as guerras civis,
que no pdem representar a legitima gloria mili-
tar de uma nacionalidade), as maiores que ainda
obtivemos no serto negro, attento o valor guer-
reiro da raca a combater e a desigualdade enorme
de numero entire os vencedores e os vencidos.
















II





PPECEEDENTES E CONFPONTOS




Quando um paiz pequeno e pobre, como o nos-
so, senate em si o pessimismo da sua propria fra-
queza material e pode chegar a suspcita de que
todas as estranhas glorias so immensamente supe-
riores s suas, como tantas vezes tem succedido
aqui, a melhor, a mais insuspeita, a mais consola-
dora lico dever procurar-se no precedent das na-
ces illustres e firmar-se no confront entire as suas
e as alheias faanhas.
Tental-o-hemos aqui resumidamante. Dir-se-ha
que poderia citar-se o precedent e formular-se o
confront no proprio texto descriptive d'este livro.
Podia. Mas para que a citaco ficasse bem ex-
plicita e ao alcance dos menos lidos na historic mi-
litar do estrangeiro e para que o confront nao
ficasse obscuro no resumo do facto, seria necessa-
rio truncar frequentes vezes e por largo espaco a
natural successo dos acontecimentos, que consti-
tuem a essencia d'este livro.
Assim, referindo aqui, desafogadamente, os exem-






56

plos de fora, bastar-nos-ha depois apontar em tres.
ou quatro palavras a lico j conhecida.


As nossas recentes campanhas d'Africa podem
bem comparar-se a outras campanhas coloniaes do
estrangeiro, que foram mais ruidosas, que ho de
talvez ficar mais celebres, mas que no represen-
tam maior somma de energia, nem mais alto esforo
de valor individual. E que no effeito moral da vi-
ctoria retlecte-se quasi sempre a valia dos effecti-
vos em combat, a grandeza e a preponderancia
political dos vencedores, o renome dos vencidos, a
importancia political e estrategica do paiz onde se
travou a campanha.
E tanto assim c que, admittida a mesma ener-
gia de aco, as mesmas gentilezas de valor, a
mesma revelao de altas qualidades militares e o
mesmo exito triumphal da parte dos portuguezes e
do lado dos vatuas a mesma lenda de terrivel
omnipotencia, a mesma altiva intrepidez, a mesma
tradio guerreira e a mesma supremacia political,
n um serto maior do que o territorio portuguez; as
nossas recentes campanhas seriam menos conheci-
das na Europa, produziriam menos ruido, ficariam
mais obscuras, se o chefe dos vatuas no houvesse
sido enredado nos tramas de alguns aventureiros
poderosos da Africa do sul e de alguns missiona-
rios, mais dados a intriga political do que propa-
ganda evangelica, e se o amplissimo estuario de
Lourenco Marques, caes e emporio do paiz riquis-
simo dos boers, no estivesse ha trinta annos blo-
queado por cobicas poderosissimas e no fosse
destinado a transformer a cidade n'uma Bombaim
do continent negro.
No se dessem todas essas circumstancias, no
fosse uma surpreza para o estrangeiro a energia
subitamente affirmada pelo paiz, com tamanho sa-
crificio e em to apertadas circumstancias financei-









ras, e talvez a Europa no soubesse o nome do
Gungunhana, nem levantasse os olhos, sequer, de
cima das suas atormentadas complicaces political
e das suas formidaveis crises sociaes, para attentar
um moment nos nossos triumphs.
N'este moment historic, realmente exceptional,
press a situao political da Europa, no seu pesa-
delo de ambies e de receios, caserna e arsenal
onde o grito de alerta das sentinellas se cruza com
o ruido ameacador das rer 1'es e o uivar das ma-
chinas que fazem canhes quasi domina o bulicio
das officinas que fazem locomotives; n'este moment
de angustiosa expectativa pelo dia de amanh, que
pode ser de subito a enorme catastrophe de uma
lucta de duzentos couraados e quatorze milhes de
s Idados; n este moment, as nossas campanhas
d Africa, d'essa Africa assediada por insoffridas
ambies, foi bem uma dupla fortune, feita de todo
o fulgor longinquo da nossa estrella e de toda a vi-
brao pica da alma dos nossos soldados.
Reavivou-se a tradico, quasi esquecida, do velho
arrojo portuguez, quebrou-se a lenda de desdem.
que iniquamente se formara em volta da nossa pe-
quenez e da nossa pobreza, e foram solemnemente
ratificados os direitos historicos do nosso dominio
africano. Talvez nas chancellarias europas repa-
rassem agora que Portugal no no mundo, nem
pela sua situaco estrategica, nem pela sua categoria
colonial na Africa, um factor completamente inutil.
No nos deslumbra o sentiment patriotic. Pro-
vou-se que eramos capazes de um esforco, reflecti-
damente planeado; que sabiamos luctar e vencer
como as grandes naes, guardada a proporo fa-
tal dos nossos recursos; que tinhamos officials com
o brio e a intrepidez antiga a realar-se nas lucidas
nocees da modern sciencia da guerra, e que os
soldados, pela serena conformidade nas provaes,
pela inabalavel constancia na hora do perigo e pela
audacia d'animo no moment decisive dos comba-
tes, no valiam menos que os seus altivos antepas-






58

sados, antes a alguns d'elles se avantajavam pela
forca moral da discipline, que tantas vezes, nas
guerras do Oriente, deploravelmente se quebrou,
annullando os mais altos plans de Albuquerque e
pondo uma sombra enorme sobre as faanhas, em
que parecia reflectir-se uma doida heroicidade de
spartanos!
E claro que seria ridiculo e pueril suppr que a
Europa ficara maravilhada por que Portugal mobi-
lisava cerca de tres mil soldados para o serto afri-
cano, a tres mil leguas da metropole. Mas no
ridicule nemn pueril suppr-se que, no exaggero a
que chegaira o computo da nossa fraqueza material
e a tradico da nossa indolencia de meridionaes, se
admirasse de um esforo to rapido, de tanto sacri-
ficio e de to brilhante desenlace.
A IEuripa bem sabe o tempo que levaram a
organisar e as difticuldades que tiveram de vencer
as expedies mais recentes no continent africano;
a dos inglezes contra os Achantis em 1873, e as
dos francezes contra o Dahomd cm <1q2 e contra
Madagascar em 8i 5, sem recorder as infortunadas
expedies da Italia Abvssinia, onde a bravura
dos fundadores da colonia Erythra no tem podido
apagar a sombra luctuosa de Saati e. Dogali, de Am-
ba-Alaghi e Aduah.
A Inglaterra, concentrando na Costa do Ouro
pouco mais de dois mil homes do exercito e da
marinha, e a Franca reunindo no Dahom cerca de
tries mil homes do exercito, da marinha e das tro-
pas do Senegal e ultimamente em Madagascar de-
zesete mil e quinhentos homes, organisados com
voluntarios de doze corpos de exercito e contin-
gentes da Argelia, do Senegal, da Reunio, e da tribu
dos Sakalaves, da propria ilha de Madagascar, no
fizeram sacrificio proporcionalmente igual ao nosso,
madndando a Moambique cerca de tries mil homes
de unidades constituidas do exercito da metropole,
ou quasi 14 "/o do seu effective do tempo de paz.
E tanto este facto produziu impresso, que um






30

dos mais importantes jornaes militares da.Frana
La Rere Militaire de !'Et raungr--commentava
d este modo as ultimas expedies militares portu-
guezas:

e:'st l in effor/ considdrable, tant doinIe l'e!
fcltif des forces entretenies par ce ,par's en EIurope,
sr! le pied de pa'x, el qui fJait grand honneiur al
Fairioltism e de la znaliou.

Pela rapidez da organisaio das foras portu-
guezas tambem o confront nos no desanima, ainda
mesmo que se no dedusa do tempo decorrido en-
tre a ordem de nomeaco das unidades expedicio-
n.rias do segundo troco e o seu embarque, aquelle
em que estiveram aguardando a estao propria
para uma campanha na Africa, visto nao haver ur-
gencia de proceder com a segunda column de tro-
pas, como se procedera com a primeira, destinada a
acudir a Lourenco Marques, que os cafres assedia-
vam na soflreguido da rapina e da carnage.
A Frana s emprehendeu a segunda campanha
do Dahom depois de muitas hesitaes, de reite-
radas tentativas para manter a paz e at de transi-
gencias, que foram duramente verberadas no pro-
p'io parlamento.
O governor francez empenhou os maximos esfor-
os para evitar a guerra.
J em 1iS8( os bandos de (Gl-gi, antecessor do
rei Behanzin, haviam reduzido os francezes a uma
situaco afflictiva. Atacaram Porto Novo, cujo rei
(Toffa) alliado da Frana, no poude ser soccorrido
pelas tropas francezas. Os commerciantes tiveram
de fugir para a colonia ingleza de Lagos e Mr.
Baeckmann communicava ao commandant da esta-
co naval no Atlantico: La colonies est ruine, per-
,ine, le parilloli comIproinus.
Pois ainda n'estas condices a Franca tentou
manter a paz! O dr. Bayol foi encarregado de pe-
dir explicaes ao rei de Dahom pelo seu proce-








dimento desleal, e, segundo as instrucces que re-
recebera do Quai d'Orsar, devia ser conciliador.

Malgr la gravity des attentats commis par ce
dcrnier (o rei de Dahom)-dizia M. de Lanesson
no parlamento francez, em i89i -les instructions
donns a Mr. Bayo!, par le sous-secrtaire d'Ktat
aux colonies, taient extrmement pacitiques et m-
me accompagnes de cadeaux.

Entre os presents levados por Bayol ao rei de
Dahom avultava um brilhante capacete de coura-
ceiro cujo pennacho foi tingido de verde, por ser
esta a cor dos distinctivos reaes n'aquelle paiz. Diz
um historiador da campanha: on alvait pouss la de-
licatesse jusqiu' fire teindre eu veri la crinire
de ce courlre-chef roral.
Pois apesar d'isto, a arrogancia dos dahomeanos
era indomavel, e o principle Kon-D chegava a in-
solencia de censurar a forma do governor da Frana,
perante o proprio enviado francez !

Le prince dclara .finalenment que la France etait
gov,ernie pour des. eunes gens et qu'elle derail abolir
la Rpublique.

A guerra era inevitavel, mas de Paris recom-
menda-se a simples defensive. Hesita-se em empre-
hender uma campanha no interior.
Behanzin avana e espalha entire os seus que a
Frana lhe pedira perdo!
Mr. Fournier telegraph ao governor: Renfi ots
demanads ncessaires, non pour aller en avant, mais
pour repousser a--resseur.
Depois de various recontros, Fournier encarre-
gado de negociar a paz com as seguintes modestas
exigencias: Entrega dos prisioneiros europeus e re-
conhecimento do protectorado francez em Coto-
num.
Inuteis tentativas. O contra-almirante Couverville








recebe esta indicao telegraphica do ministry da
marina: .Auciun succs saurait iros fire plus d'hon-
neur que la cloture por Ioie transactionnelle de
l'inlcident du Dahonzer.
Fez-se em tim a paz. Behanzin recebeu 20:000
francos de indemnisaco pelo reconhecimento do
protectorado francez em Cotonum.
Mas os dahomeanos em breve rompem nova-
mente as hostilidades. L'Ehardis par note silence
--diz Jules Poirier-et par note retraite, nos en-
nemis porsuirirent letur rute.
O gabinete Ribot hesita em ordenar a offensive.
Como os dahomeanos tinham mais de 12.ooo guer-
reiros e talvez 4.000 armados com espingardas mo-
dernas, suppunha-se em Frana que seriam precisos
6.000 expedicionarios para uma guerra offensive.
Havia mesmo quem falasse em '2 ou 27.000 homes !
Mr. Hervieu chegou a lembrar no parlamento o al-
vitre de trocar as possesses francezas da costa de
Benim por outra colonia de Portugal, da Ingiaterra
ou da Allemanha !
E que a Franca sabia j quanto custavam as
campanhas na Africa e sentia a verdade d estas pa-
lavras de WVissmann, o famoso organisador das
forces militares da Allemanha nas suas colonies do
continent negro:

A P erra contra os af'icanos ino dere empe-
nhar-se como se fosse uma campanha na Europa.

A Franca procurou ganhar tempo que lhe dsse
para organisar a sua segunda expedico e para es-
perar a estaao apropriada as operaes.
O coronel Dodds, um tilho do Senegal, um bra-
vo de Sedan e do Tonkim, foi nomeado comman-
dante da expedico a organisar e partiu para Da-
homi, levando apenas um reforco de 15o homes.
Em 20 de maio de 1802 desembarcava em Porto
Novo e s em i(6 de julho o governor francez se re-
solvia a organisar uma expedio, que devia partir








em 2 -d'agosto c que seria constituida por um bata-
lho da Ieie-io Estraneira, um destacamento de
engenheria, uma secco dos servios dc administraco
e de saude e pelos quadros para um esquadro de
spahis, que se organisava em Dakar (Senegal). No
Dahom estavam j sob o commando de Dodds um
batalho de atiradores haoussas, duas companhias
de artilhcria do Senegal e um destacamento de ar-
tilheiros europeus.
A estaco das grandes chuvas no Dahom vae
de i de maro a i5 de julho; as pequenas chuvas
comecam em i5 de setembro.
S d'cste modo se pde explicar que, na situa-
o difficil e humilhadora em que os francezes se
encontravam n'aquelle paiz, uma nao de to gran-
des recursos militares como a Franca demorasse
tanto a organisaco e a partida das tropas com que
o coronel Dodds havia de emprehender a segunda
campanha.
A expedio de Madagascar levou tambem largo
tempo a organisar e revelou tamanhos defeitos
de constituico .c takes deficiencies de aprovisiona-
mento, que cm toda a imprensa franceza vibraram
protests indignados, talvez nem sempre justos e
razoaveis.
No nos desfavorece o confront na propria mo-
destia da nossa pequenez e da nossa pobreza, e,
se devemos este resultado consolador a collabo-
raco devotada de quantos, na esphera das suas at-
tribuices, inter ieram na organisaao c nas opera-
ces militares do Incomati c de Gaza, seria injus-
tica near a cooperao da boa fortune, que de ha
tanto parecia hostile ao nome portuguez.

*
*

As campanhas do Incomati e de Gaza,-repeti-
mol-o -tiveram como prefacio a defeza de Loureno
Marques e a reoccupaco do pequeno campo entrin-






(;3

cheirado de An)goazeL e synthetisam-sc na march
asperrima da Magaia, nos combates de Marra-
cuc'ne e de M agul, no recontro de Chinaane, no
combat decision de (oolella, na occupao e des-
truico de MlanjacaC e e na espantosa surpreza de
(haimite, em que foi aprisionado o chefe dos v-
tuas. Estes nomes, j agora inapagaveis na alma
portugueza, como legends de uma constellaco ru-
tilissima, no traduzem smente uma grande ener-
gia de direco, uma notavel forca moral de com-
mando c uma admiravei intrepidez de aco. En-
cerram tambem uma proveitosa lio, exclusiva-
mente patriotic.
No se confirmou simplesmente que o esforo
d'animo dos nossos soldados, a sua soifredora cons-
tancia nos perigos e nos trabalhos, a sua singela
bravura nos grades lances, era hoje perfeitamente,
como era ha setecentos annos na cruzada contra o
mouro e na lucta contra o castelhano, como era ha
quatrocentos annos na conquista contra o marro-
quino, como era ha tres seculos na conquista con-
tra o indio e o turco ou contra o persa e o malaio.
Suppunham os pessimists de c e do estrangeiro
que j no haveria aqui quem soubesse combater
na desproporo de um contra cinco, como em Al-
jubarrota; de um contra vinte, como em Malaca e
Ormuz. Julgavam que o sangue se havia empobre-
cido como a antiga metropole gloriosa, que a alma
ficra sepultada nas ruinas do imperio derruido, e
que j no teriamos soldados para as marchas au-
.aciosas, como a do fossado de Orik e da remota
campanha da Abvssinia; para as penosas tapes,
omio na retirada de Burgos ou na retirada da Rus-
ia, e para hombrear em requintes de bravura com
es defensores de Chaul e de Mazago, de Arzilla
c de Columbo, com os teros do Montijo e das Li-
mas d'Elvas, do Ameixial e de Montes-Claros, das
Iabocas e dos Gararapes ou com os regimentos do
li3ssaco e de Albuera, dos Arapilles e de Victoria,
d>s Pyrineus c de Nivelle.








E tinhamos, por gloria nossa, que no ha de a
m fortune atormentar-nos em tudo. De menc s
grandeza a sua estatura historic, de menos ruidosa
celebridade as suas victorias brilhantes? Decert o,
mas por que no tiveram deante de si os mussu -
manos de Abdu-l-mumen. nem os mamelukos de Si -
leyman-pach, nem os persas de Shah Abbas. nei i
os hollandezes de Mauricio de Nassau e Corneli
Reijertz, nem os hespanhoes de D. Joo d'Austria a
do Marquez de Caracena, nem os francezes de
Massena e Souit, de Nev e Marmont.
Mas se no conquistaram imperios, se no rt-
pulsaram a ambico de naes brilhantes, se na,
avassalaram emporios e cidades magnificentes d-
estranhas civilisaces-e tantas vezes no fulgor di
victoria irradia tambem a celebridade e o esplendo-
dos vencidos-se nada d'isto o seu destino permil-
tiu que fizessem, nem por isso a sua obra no serto
negro-theatro de uma guerra sem treguas--foi
menos heroica, menos devotada do que a dos seu>
antepassados, que andaram quatro mil leguas a ta-
lhar a patria no mundo!
De mais provaes, de maiores sacrificios tal-
vez: torturados pela sde, atormentados pela febre,
o corpo a dobrar-se pela anemia, a alma a agitar-
lhes o sangue, que as laguna envenenavam, e en
vez da perspective reanimadora das cidades magni
ticentes, em vez do estimulo de opulentos despojos
as florestas, os pantanos, as palhotas e em cadi
combat, em cada quadrado, o dilemma fatal de
vencer ou morrer. No serto negro, quando se corr-
bate na razo de um para dez, de um para vinte,
nao se retira e no se capitula, seno para moree.
No; estimulos havia dois e esses traziam-nos
comsigo os valentes.
Era a honra da sua farda, pica mortalha le
alguns d'elles, e era o nome da patria, que tinham
saudado aqui alegremente, na partida, e que ta-
ziam guardado no coraco, como no encerro de
um sacrario.






65

E d'elles, sempre vencedores, quantos no vol-
taram feridos de morte! O miasma ainda mais
cruel do que a zagaia vibrada pelo care ou a Mar-
tini disparada pelo vtua.
No; os antigos trouxeram a Portugal os tro-
pheus de Marrocos e do Oriente: cimitarras de pu-
nho de ouro e diademas de perolas raras entire os
despojos; eram da mais audaz e opulent nao do
occidente, as suas figures historical avultavam aos
olhos do mundo n'uma perspective theatral e bri-
lhante, mas nunca talvez trouxessem na vibraro dos
seus triumphos uma to consoladora nota como estes
d'agora, com os seus uniforms desbotados, com
os rostos esmaecidos e a singela modestia de quem
suppunha haver cumprido apenas um ever.
Ha tres seculos que importava uma victoria
mais, se tantas havia que enchiam o mundo, mas
agora, n'um period de tantos desalentos, de tantas
desesperanas, de to iniquo pessimismo, de to
immerecido descredito, aqui e em Africa, agora que
abencoadas victorias as d'elles!
Os outros, os antigos, crearam o prestigio do
nome portuguez, mas estes tiveram de o resurgir e
se para o mundo a sua obra inmmensamente me-
nos ruidosa e grande, para o corao da patria
uma bemdita obra de reviviscencia, de santo orgu-
lho. de confianca no future!
E se hombrearam com os que os preceded na
historic do seu paiz, tambem se no amesquinham
no confront com os que teem no rmuiindo mais
nome e mais poder.
Quando, entire as ultimas sombras de uma n )ite
tempestuosa, o quadrado de Marracuene foi roto de
surpresa pelos cafres, era plausivel supper que se
n3o pudesse refazer sob a acco dos atacantes, cinco
vezes superiores em numero, e que as tropas da
mesma column umas s outras se fuzilassem pre-
ciLitadamente, como na column de 1William Hichs
Pach, no Kordofan, ficando esmagado, como todos








os quadrados rotos, sob a acco offensive de um
inimigo numeroso.
E no foi. Refez-se e venceu!
Quando o quadrado de Magul, composto de
-267 portuguezes, porque os auxiliaries espavorid(s
lizeram como tinham feito os auxiliaries dos france-
zes no combat de Atchoupa, em Dahom; quando
aquelle quadrado provocou a lucta contra mais de
seis mil cafres e alguns vtuas, era razoavel cor -
tar com um desastre iimmenso, tragico, tal com.,
fra o do quadrado de Isandhluana.
E foi uma victoria! No quadrado inglez, morto
em peso, com a pequena excepo dos quarenta
fugitives, que atravessaram o Blood-Rirer (Rio do
Sangue), havia I contra iS '. No quadrado portu-
guez, que pz em fuga o inimigo, havia i contra 24.
Quando no combat de Coolella, oito impis de
vtuas e cafres, com mais de dez mil homes, in-
vestiram o quadrado de 570 portuguezes, seria licito
suippr quasi impossivel a victoria para as nossas
armas.
Uma part dos vtuas tinha armas de fogo aper-
feioadas, como no Dahomd uma parte dos guerrei-
ros de Behanzin. No combat de Poguessa, talvez
um dos mais sangrentos d'aquella guerra, a co-
lumna do commando do coronel Dodds, com cerc;a
de dois mil homes, empenhdra todo o esforco de
que capaz o soldado francez para repellir tries in
vestidas de dez mil dahomeanos, commandados pel(
proprio rei. Um contra cinco. Os dahomeanos forair
vencidos, deixando mais de duzentos mortos.
Mas cm Coolella, um contra vinte, os vtuas
foram derrotados, levando comsigo numero avul-
tadissimo de feridos e deixando no campo cerca de
trezentos mortos.


1 Os inglezes eram 1.320 homes contra cerca de 24.000
zulus, segundo o calculo de alguns escriptores.






(7

Irmos dos zulus, valentes como elles, os vtuas
atacaram destemidamente. Dil-o tragicamente a mor-
tandade enorme dos seus.
Mas sero os dahomeanos uma raa superior
dos vtuas pelo valor guerreiro e pela altivez do
character Jules Poirier responded por esta frma na
sua historic da campanha de Dahom: Le daho-
menL est d'mi; sermilisme ab/ect... La ,aleur mili-
taire des daihonmens est disculable.
O testemunho perfeitamente insuspeito, mas
no quer dizer que os dahomeanos se no bates-
sem encarnicadamente, que bateram, durante uma
long campanha contra os brilhantes soldados da
Franca. S depois de numerosos combates a co-
lumna do coronel Dodds poude entrar triumphal-
mente em Abomd, a capital que Behanzin abando-
nara, mandando elle proprio incendiar a sua resi-
dencia e as casas que a circumdavam (17 de no-
vembro de 1802).
Outro tanto no poude fazer o chefe dos vtuas,
como teremos occasiao de vr, to precipitada foi
a sua fuga. O kraal de Manjacaze, ninho do abu-
tre negro, ninho prodigioso e inexpugnavel nas
rudes superstices do serto>, esse desfez-se em
chammas, mas foi incendiado pelos vencedores de
Coolella.
Em outro facto ainda no quiz a boa fortune
abandonar o arrojo das nossas tropas. Behanzin, o
rei desthronado c vencido como Catchuavo, andou
mais de um anno foragido e, por fim, cancado da
sua amargurada odyssa, elle proprio se fez apri-
sionar, mandando dizer por um parlamentario seu
ao general Dodds, que estava em Oumbigaue e
que podiam ir buscal-o. E foi preso em Ajigos a
23 de janeiro de 1894.
Antes de volvidos dois mezes aps a tomada de
Maniacaze, o regulo dos vatuas era atacado de sur-
preza no seu novo kraal, entre-tforestas, junto do
tumulo do terrivel Manicusse, e caia prisioneiro de
cincoenta portug'ueies, ante o pavido assombro de









tres mil v-tuas e buingellas, a quem o desalento pela,
anteriores derrotas e o deslumbramento por aquelli
espantosa audacia, deixara absolutamente irresolu-
tos!
Pertencem historic das heroicidades portuguc-
zas de todos os tempos, at ao mais obscuro, a >
mais humilde, ao ultimo, esses cincoenta homenm,
paladinos de uma aventura que parece antiga, jogo
terrvel da morte em que todos estavam conscier-
tes do perigo e voluntariamente o buscavam! E so-
branceiro a clles, a figure extraordinaria de Mous -
nho. como sobranceiro aos setenta do pass de
Cambalam, a figure pica de Duarte Pacheco!
No sabemos se aquella aventura tem precc-
dentes nas modernas campanhas d'Africa. Com t(-
das as suas circumstancias caracteristicas, se alguns
tem, devem ser raros.
Na historic military portugueza conhecemos u r~
facto que se assimilha pelo arrojo, mas que lhe fica
inferior pelas condices especiaes que o character -
sam.
E a tomada do forte chinez do Passaleao, pro-
ximo de Macau, na tarde do dia 25 d'agosto de
1849. Projectando os chinezes atacar Macau, com
o auxilio da enorme populacio chineza da cidade,
reuniram 2.000 homes nas alturas visinhas da
Porta do Cerco e guarneceram com 400 soldadc s
o forte do Passaleo, que tinha o2 canhes de c,-
libre 18 e ficava fronteiro aquella Porta. As bate-
rias chinczas comecaram a fazer fogo contra a cidade,
reduzida a um punhado de soldados. Exasperado
pela inercia a que se via forcada a pequena guar-
niio portugueza da Porta do Cerco, o segundo t:-
nente de artilheria, Vicente Nicolau de Mesquita, de-
cide-se a tomar a offensiva e, appellando para os bra-
vos que tem sob o seu commando, encontra 3(>
soldados, que voluntariamente se resolve a so-
guil-o n'aquella aventura de morte. O tenente Mes-
quita arroja-se contra o forte a frente dos seus
trinta e seis bravos. O velho obuz que levava inu-







09

tilisou-se ao segundo tiro. Deixal-o. Abandonaram
o obuz e avanam a um de fundo, por entire cam-
pos de arroz, sob o fogo do forte. Naturalmente
pusillanimes e talvez subitamente recordados da
nossa velha tradio de lees do mar, os chinezes,
sentem-se amedrontados ante o arrojo d'aquelle pu-
nhado d'homens, julgam talvez que outros os se-
guiro, igualmente resolutos, e, n'um movimento ir-
resistivel de terror, abandonam os canhes, largam
as armas e fogem do forte, como creanas doidas
de medo! Os dois mil das alturas visinhas fogem
tambem, e 37 portuguezes tomaram um forte de
vinte canhes e pem em fuga 2.400 soldados!
Esta facanha, que os incredulous da Europa sup-
punrham inventada, teve uma testemunha ocular es-
trangeira, de alto renome, a dar-lhe publicidade. Foi
o hespanhol D. Sinibaldo de Mas, que a relatou na
sua obra La Chine et les puissanfces chrtiennes, pu-
blicada em Paris em i8i6, um anno depois que
tries mil francezes, sob o commando de Montauban,
ha iam derrotado trinta mil chinezes na batalha de
Palikao, com grande assombro da Europa, que,
prc vavelmente, no conhecia ou no acreditava no
precedent do Passaleo.
Mas na Africa o arrojo foi ainda maior. Os que
atacaram o Passaleo tinham atraz de si Mlacau,
a dois passos, e os que foram surprehender o Gun-
gunhana tinham atraz de si o serto immenso das
lagunas e das febres, inhospito, onde se more de
fome e de sde. Mas os vatuas no so como os
chinezes. So da raca d'esses zulus contra os quaes
algumas vezes se quebrou, pela desproporco do
numero, a firmeza intrepid dos soldados inglezes,
inabalaveis como rochedos nos quadrados de Wa-
terloo e, ainda bem recentemente, admiraveis de
constancia na defeza de um forte, na campanha do
Chitral, contra Umra-Khan (i895).
Em relao s difficuldadas de meios de trans
porte e morosidade das marchas nada encontra-
remos que deva admirar-nos.







70

J vimos no capitulo antecedente que os ingle-
zes de Robert Napier levaram Abvssinia um nu-
mero de animaes de carga approximadamente eguai
ao dos creados e serventes, que era maior ainda que
o dos soldados. Na march para Magdala, que du-
rou dois mezes e meio, a mdia foi de kilometros
por dia. No caminho morreram 1i .ooo animals de
carga e de combat. A maior mortalidade deu-se
entire as mulas adquiridas em Hespanha. As que
foram compradas na Syria e no norte da India e
os burros trazidos do Igypto deram boas provas
de resistencia.
Quando em Inglaterra se organisava a expedicc
contra os Achantis, o estado maior inglez calculava
que a march de Akra para Coumassie ('280 kilo-
metros) devia levar seis semanas, ou seja a mdia
de (k,( por dia.
No desafogo da sua immensa riqueza, sem pre-
ciso de restringir despezas, a Inglaterra fez acqui-
sicao de 25.oo0 bois, 3.ooo mulas e 400 cavallos,
para o service do seu corpo de operaces (i) a 1o.ooo
homes) na guerra contra os zulus, cujas foras em
campanha no excediam 24 a 25.ooo homes.
Em quanto desigualdade das forces bellige-
rantes, nao encontramos exemplos de outras supe-
riores as dos nossos contra os cafres e vtuas, nas
modernas campanhas coloniaes, e quando em combat
as dilferencas de forca teem sido quasi eguaes ou
mesmo eguaes as de Magul e Coolella, a derrota
tem chegado a propores tragicas, como no anno
passado a de Amba-Alaghi, em que os i.25o
soldados da column italiana do major Toselli fo-
ram esmagados por 25.ooo homes do exercito
choano. Era I para 2o.
Nas campanhas de Dahom a maior despropor-
cao em combat foi de i para io, approximada-
mente, na acco de Atchoupa e na retirada para
Adjoana. Os francezes eram 750 com 3 canhes.
Os dahormeanos 7.000. Os francezes formaram qua-
drado; os dahomeanos por tres vezes tentaram









romper-lh'o; no o conseguiram, mas o quadrado
teve de retirar, perseguido sempre pelo inimigo,
ate Adjoana, onde a artilheria de marinha conse-
guiu pr em fuga a gente de Behanzin e salvar a
pequena column em perigo.
Na ultima campanha de Madagascar no ha
despropores notareis a register. Os lioras conta-
vam muito mais com o auxilio do clima do que
com a sua bravura e com as as ss excellentes ar-
mas de fogo rapid. Foi uma campanha de enormes
e lugubres sacriicios, que fazem honra coragem
soliredora do soldado franccz, mas no foi uma
campanha de combates brilhantes. Quasi se pde
dizer que foi a campanha das Jrbres e que se dis-
pendeu mais em quinino que em polvora.
Quando o general Duchesne avancou para Ta-
nanarive, a cidade semi-curopa, de 100.000 habi-
tantes, erguida no seu ninho de rochas e argillas
vermelhas, a 1.554 metros de altitude, e quando
sobre o grande quadrilatero do palacio de Manja-
kaimadana, com os seus terracos pejados de ca-
nhes, fluctuava ainda a bandeira branch e verme-
lha da rainha Ranavalo, j da brilhante diviso
franceza de 17.500 homes, no havia vlidos se-
no, a bem dizer, os batalhes do Senegal, da Reu-
nio e da tribu sakalave.
Estava, porm, conquistada essa grande ilha,
maior do que a Frana, e qual os antigos navegado-
res portuguezes tinham dado o nome de ilha de S.
Lourenco, trezentos e oitenta e nove annos antes.
Mas ha nas guerras d'Africa um precedent de
maior desproporco de foras. E' um combat entire
400 boers e i5.ooo zulus. Foi em 18 o. Mas os zulus
mal conheciam ento as armas de fogo e os boers,
no seu meio proprio, inaccessiveis aco depau-
peradora do clima, na posse plena das suas foras,
limitaram-se a uma samples defensive e o seu qua-
drado tinha por parapeitos, no os coraces dos
soldados, como os nossos quadrados, mas os enor-
mes carrots dos seus comboios sertanejos. Forma-
5







72

ram o que elles denominam laa1Cer. As zagaias dos
zulus iam cravar-se na rija madeira dos vehiculos e
os tiros certeiros das armas de silex dos boers tor-
navam quasi impossivel o assalto d'aquella impro-
visada fortaleza. E tanto que os boers no perde-
ram um home sequer.
Nas guerras entire os boers e os zulus houve
combates muito mais mortiferos do aqe os das nos-
sas ultimas campanhas. Assim, no combat de Blood
Rier os zulus tiveram 3.ooo mortos, mas os boers
apenas 3 feridos (i838).
Nao fazemos confronts no intent pueril de
apoucar estranhas glorificaces ou de fazer suppr
que so inimitaveis as facanhas dos nossos solda-
dos.
Seria ridicule e seria inutil. Pelo contrario. J o
dissemos. Para aquilatar bem os feitos das nossas
ultimas campanhas que ns buscamos a lio, o
precedent, o exemplo das naces militares de mais
altivo esforo e de mais remontada gloria.


*
*


Sabemos quakes foram sempre as altas qualida-
des militares, as grades qualidades antigas do sol-
dado portuguez. Estavam provadas.
As ultimas campanhas d'Africa, em que nunca
as nossas tropas retiraram batidas e sempre fica-
ram vencedoras, mesmo em condies excepcionaes,
como em Marracuene, mesmo devorados pela sdde,
como em Magul, mesmo a tremer de febre, como
em Coolella, vieram provar a um tempo a solida-
riedade com o passado, pelas qualidades indivi-
duaes, e a solidariedade com o present pelos pro-
gressos revelados.
No foram apenas valentes e soffredores em ex-
traordinarias condies de perigo e de provaes; fo-







73

rarn um alto exemplo de discipline nos combates e
de confraternidade nos sacrificios.
Houve o trao heroico, antigo, e o grande traco
modern dos excrcitos cultos, na aco moral de
quem commandava e na devotada cooperao de
quem obedecia.
No fosse o commando das grandes e pequenas
unidades culto e prestigioso, de modo a impor
qiielles excellentes soldados a sua superioridade
moral, realce e complemento da superioridade hie-
raichica; no tivessem os .i;[li .. a noo theorica
das modernas guerras d'Africa, j que, na sua quasi
totalidade, nro tinham o tirocinio das campanhas
sertanejas, no mantivessem as unidades sob a sua
aco direct, mesmo nos lances mais crticos da
lucta e no tivessem os soldados a pratica do tiro
nas carreiras de instrucco; e, para vencer emn to
diificil conjunctura, no bastaria decerto todo o
esjimulo do patriotism e todo o esforco do anim~lo.
Realisou-se ate, como havemos de vxr na d scri-
pco dos combates, um fact de discipline do !ogo,
coml que muita gente nao contava e que mesmo nos
exercitos de mais aprimorada instruccao nem sem-
pre ser provavel que se d.
No quadrado de Magul o fogo foi interrompido
serenamente, a toque e corneta, para esperar que
se dissipasse a fumaceira e se podesse visar bem o
inimigo, que investia o quadrado, como um oceano
enorme contra um rochedo isolado.
No quadrado de Coolella conseguem os olficiaes
que os fogos sejam feitos voz de commando,
tranquilla e correctamente, como em um campo de
exercicio, e tinham deante de si um inimigo feroz,
arrojado, vinte vezes superior!
Quando nos exercitos da Europa se pensou na
adopo das espingardas de repetio, um argu-
mento se formulou immediatamente, em toda a part,
contra as novas armas-a precipitao dos fogos,
tendo como consequencia inevitavel o desperdi-
cio das balas e um grande e perigoso consummo






74

de munices. As tropas de mais acurada instrucc
e de mais inabalavel discipline nto resistiriam-
dizia-se-em certos lances da lucta, tentaco dc
disparar muitos tiros, embora ineflicazes e sem ne-
nhum effeito moral e material nos adversaries. Nade
mais diflicil de conseguir, principalmente com tro-
pas novas e inexperientes, do que a discipline do
fogo-atfirmavam s o ollciaes mais largamente ex-
perimentados nas campanhas da Europa. Deante de
um inimigo mais numeroso, em face de um perigc
evidence, toda a aco restrictive do commando
seria inutil e todo o servio de abastecimento de
munices se tornaria insufticiente.
A arma de repetico aggravaria consideravel-
mente o perigo, que ja se havia revelado com a
Chassepot nas mos dos francezes, na guerra de
1870, e com a Peabodv, nas mos dos turcos,
na guerra de 1875. IFaia-se a lorrente de balas a
grades distancias, desbaratavam-se as munices a
ponto de faltarem para o lance difficil e habituara-se
o inimigo ao effeito moral dos fogos intensos, exa-
ctamente quando elles no podiam abalal-o, porque
as balas se perdiam doidamente.
Na Africa ento, ainda o perigo seria maior. Ali
o transport das munies de guerra represent
quasi sempre importantes sacrificios e dificuldades
enormes; ali o europeu no pode supporter o peso
de um grande municiamento, ali a victoria do branch
depend em grande parte, no das balas perdidas,
que serve apenas para estimular a coragem do
negro, dando-lhe uma falsa noco da efficacia dos
armamentos europeus; mas dos etfeitos dos fogos,
na sua dupla aco pelo anniquilamento e pelo ter-
ror.
No combat de Atchoupa (Dahom) os france-
zes foram por tal modo immoderados nos fogos,
que as munies escassearam por forma a recear-se
um desastre.
Nas suas lucidissimas opinies cerca das guer-
ras d'Africa, o major Wissmann aconselha os fogos






75

de commando, especialmente nas tropas auxiliaries,
por serem geralmente as menos instruidas e de
menos segura discipline.
Pois os nossos soldados, armados com uma ar-
ma de repetio-a Kropatschek-soldados novicos
de um ou dois annos de servio na quasi totalidade,
sem nenhuma experiencia da guerra e tendo, clara-
mente, deante de si o perigo de uma chacina selva-
gem, se cada um nio valesse por vinte, executam
os fogos com a regularidade admiravel de uma ma-
china, que a aco do cominando move precisa-
mente, como se dos campos de exercicio da Alle-
manha ou da Franca houvessem partido para os
sertes!
Como por esta admiravel serenidade e intre-
pida obediencia esses gloriosos quadrados recordam
aquella altiva brigada portugueza que, na batalha de
Albuera, (iSi i avancava em linha, com um pe-
queno quadrado em cada flanco, parando apenas de
espaco a espao para receber e repellir as cargas
impetuosas dos lanceiros polacos do exercito de
Soult! Talvez nmo tivesse precedents! Com armas
de silex nio se avancava em linha sob a acco olten-
six a de uma cavallaria numerosa e arrojada!
E aqui est como na median a da nossa pobreza
e na modestia da nossa categoria political, a histo-
ria military portugueza, que tinha j as grades pa-
g~inas da cruzada contra o mouro e da lucta contra
Castella e a espantosa aventura da conquista de um
imperio, que s tinha pela grandeza o precedent
do imperio romano '; aqui est como essa historic
tem no present seculo estes feitos, talvez sem pre-
cedentes:


1 Tel est le dbut hdroique de ce petit rovaume: un com-
pagnon du Cid commence ses glorieuses destincds, elles no
s'acheveront que lorsque, de victoire en victoire, l'empire des
Portugais aura presque egal en tendu celui des Romains.
(Histoire du Portugal, par Mr. Ferdinand Denis).






76

c4l march de Albuera.
O quadrado de Alarracuene, refeilo sob a acc,
ofqfelsi'a de um 2i inimigo quatro ouo o1 cino reCes supe-
rior.
Os quadrados de Alagul e Coolella, ven7ceind,
pela intrepide, do conmnando e pela serenidade do;
fogos, um inimigo mais de ,rilie r'ccs superior.
O assalto de Chaimite, So homes em frentt
de tres mil, encerrando a canipanhla n'um12 prodigy *
de audacia, que parece recortado de alguma helhi,
lenda medieval.





















MOAMBIQUE




Pouco explorada e pouco propicia as nossas ar-
mas, a Africa Oriental, com excepo da ilha de
Moambique, c das praas moiras de Zanzibar,
Mascate, Quiloa, Melinde e Mombaca, foi a regio do
nosso dominio colonial que mais ficou envolta em
sombras, durante o largo period das conquistas.
Ainda ignorados os jazigos aurificos que o Bra-
zil recatava no leito dos seus rios c nas entranhas
das suas serranias, um momento houve em que os
portuguezes procurraram avidamente em Sofala a
tradico remota do Ophir, e buscaram pelo valle do
Zambeze as minas famosas do Monomotapa, com
a mesma avidez com que os hespanhoes tinham
procurado na America a viso estonteadra do el-
dorado.
Mas em Sofala, avassallada por Pedro de Anhaya,
em 3o06, encontraram principalmente uma tragica
decepo na azagaia do cafre e na febre do pan-
tano. E das minas do Monomotapa quasi toda a
primeira illuso se desfez na desastrosa expedio








de Francisco Barreto, (ja indicada no primeiro ca-
pitulo d'este livro), embora Vasco Homem Fernan-
des lhe succedesse no commando e houvesse pene-
trado na regio mineira de Manica.
Ainda assim, os aventureiros no desampara-
ram o serto de Moambique. Foram subindo te-
nazmente o Cuama, o Rio dos Boons Sig.naes da ex-
pedio do Gama, o Zambeze, como hoje se deno-
minam indilferentemente todos os ramos em que o
grande rio se divide e braceja para o mar. Avan-
avam lentamente, mas iam fundado povoaces pe-
las suas margens e, estabelecendo as feiras do ser-
to, alargavam consideravelmnente a sua preponde-
rancia commercial.
Mas era tudo isto uima tarefa que ficava obscure
entire os ruidosos commettimentos na Asia. No
dava ainda epopcas o sangue derramado na lucta
contra o negro selvagem do sertio de Mocambi-
que.
Sofala tem a prioridade na obra de occupaco
da costa. A fortaleza da ilha de Moambique, a sua
primeira egreja e o seu primeiro hospital so funda-
es posteriores (1507).
Todavia Sofala, se no era o sonhado Ophir, foi
por algum tempo uma estaco para o resgate do
ouro. Esboando um quadro do immenso commer-
cio de Lisboa, nos fins do seculo xvr, os embaixa-
dores venezianos Tron e Lippomani dizem no rela-
torio da sua misso diplomatic que de Sofala vi-
nham todos os annos paria Lisboa cento e setenta
barras de ouro, que ,aliam rai7o de lre7entos
crunados por barra. E com o ouro vinha tambem
marfim. Aqui est por que essa povoaco, hoje se-
mi-morta, foi por muito tempo o mais important,
ou antes, o unico centro important do nosso com-
mercio na costa de Moambique.
A pequena ilha onde se fundou a cidade de S.
Sebastio, essa, excellent porto de escala e de
abrigo, sentinella do grande canal por aonde passa-
vam as frotas da India, era uma posio estrategica








valiosissima. Dir-se-hia uma grande nau de rocha e
coral que se immobilisra ali.
Loureno Marques, a famosa bahia dos nossos
dias, a promettedora cidade do future, era ento
apenas a inaproveitada descoberta que D. Joo de
Castro annuncia a a D. Joo iii em carta de 1545 e
cujo complete descobrimento el-rei recommendava
no anno immediate.
Mas to pouca importancia se ligou depois
grande bahia, que 1). Sebastio a deixou fra dos
limits do nosso imperio oriental, dividido por elle
em ires grades governor, um dos quaes, o da costa
africana, comecava no Cabo das Correntes, um
pouco ao sul de Inhambane, e ia at ao Cabo Guar-
dafui, defronte de Socotor, a sentinella do estreito
de Bab-el-Mandeb.
Inhambane, apenas uma pequena fortaleza e
unia feitoria obscure, comecra em 1579.
1 assim, o territhrio de Mocambique existiu por
largo tempo mais conhecido pela triste notoriedade
que lhe davam os naufragios das naus da India e
as sangrentas escaramucas com os negros do ser-
to, do que pela sua valia nos dominios do imperio,
apesar das barras de ouro de Sofala e da impor-
tancia estrategica de S. Sebastio.
Angola 1 cormecou mais tarde, (1i57), mas pro-
grediu ciom muito maior rapidez. O seu primeiro
presidio, o de Mass'angano, foi fundado quatro an-
nos depois de Inhambane.
O seculo xvi foi bem o primeiro period no-
tavel da historic de Mocambique.
Persistentes, a despeito de todos os desastres,



SPaulo Dias de Novaes, o iniciador da occupaco de An-
gola. foi nomeado ca-pitpo e ,gov'ernador do novo reino de Se-
baste, na conquista da Esta dcsig;naio, long e cortezi, ridicule homenagem a D.
Sebastio, foi sensatamente substituida pela denominaco in-
digena de Angola.








os portuguezes continuram a penetrar no sert).
Auxiliaram o imperador do Monomotapa, em gueri a
contra outro potentado, e obtiveram d'elle a doacio
das almejadas minas que tinha nos seus estados
(1607). Um anno depois D. Estevao d'Athaide to-
mava posse das celebres minis de Chicova.
Mas se este facto chamou as attcnces da metro-
pole para aquella possessIo, um outro devia lenm-
bral-a ainda mais vivamente. Para assegurarem o
caminho d'essa India que nos iam arrancando ac s
pedaos, os hollandezes, que j estavam senhores
do Cabo da Boa Esperana, decidiram conquistar
Moambique. Ia-lhes sendo facil a empreza por que
a praa de S. Sebastio estava desabastecida e qua.i
sem guarnico! A tempo lhe acudiu, porm, o g -
vernador interino da India, mandando-lhe mant -
mentos e munices e um soccorro de i5o soldados.
Era a salvao da praa. Em 1607 uma diviso na-
val hollandeza atacava S. Sebastio e era repellide.
No desistiram, pordm, os hollandezes e no anno im-
mediato appareceu nas aguas de Moambique um1
poderosa esquadra de I3 naus, com 3(67 canhes,
1.9oo soldados de desembarque e abastecimento
para tres annos. Commandava esta expedio o al-
mirante Pedro WVillemsz Verhoeven e com tao po-
deroso armamento gastra a C(nopanhlia das Lidia;
Orientaes a importantissima sormma de dois milhes
setecentas e noventa e seis mil libras!
A cidadella, governada por Estevo de Athaide,
resistiu com heroicidade a um cerco de vinte e cinco
dias. A sua diminuta guarnio no se limitou a um;.
simples defensive; atacou tambem os sitiadores en.
arrojadas sortidas.
Verhoeven, convencido de que lhe seria diffici
tomar a praa viva fora e, provavelmente, coir
as tropas j dizimadas pelas febres, reembarcou
fez-se de vela.
Deixava em terra 3o mortos e levava comsigc
80 feridos. Quiz, porm, disfarar o desastre n'uma
ruidosa selvageria. Mandou assassinar defronte da






8i

fo-taleza os prisioneiros que fizera e allumiou a
said da sua esquadra com as labaredas da cidade
incendiada!
Moambique foi, todavia, mais feliz do que a
India c o Brazil, e tinha final a sua primeira pa-
gina brilhante na historic military de Portugal.
O seculo xvii foi o cyclo das grades misses
na Asia e na Africa.
Portugal teve ento catechistas e peonciros da
civilisao, como tivera navegadores e soldados no
seculo anterior. Moambique teve tambem em Je-
rconvmo da Silva um catechista e viajante, que era da
phalange illustre dos que penetraram na Abvssinia,
no Thibet, no Cabul, na Tartaria e na China.
Outro padre, Luiz Marianno, descobria e assi-
gnalava n'aquelle mesmo seculo esse famoso lago
Nyassa (antigo Maravi), que Livingstone fingiu ter
descoberto.
Dois factos de alta importancia enchem a histo-
ria da provncia, no seculo immediate. As tentativas
da occupaco de Loureno Marques pelos hollan-
dezes e depois pelos austriacos, e a primeira via-
gem scientific, em busca de caminho entire as duas
costas oriental e occidental, pelo dr. Francisco Jos
de Lacerda e Almeida, que a morte surprehendeu
no Cazembe (1708).
Os hollandezes foram expulsos, em 1732, pelos
austriacos, que lograram estabelecer-se mais firme-
mente em Loureno Marques e na Matolla. S em
1781 foi possivel retomar-!hes a possessao.
Reduzida a umas palhotas e ao simulacro de
uma fortaleza, Loureno Marques no valia n'aquelle
tempo seno pela grandeza da sua excellent bahia.
Ainda assim, os francezes saquearam em i79() o
pouquissimo que l havia e se nio ficaram como
dominadores, foi porque desde logo se viram feroz-
mente hostilisados pelo clima e pelos cafres.
No vale a pena nem nos chega o espao para
register algumas guerras obscuras com os pretos
em toda a provincia, nem esses acontecimentos de








menor valia importam ao plano d'esta noticia histo
rica.
O seculo actual foi assignalado em Moambique
por estes acontecimentos de mais alta importancil
e renome:
Invases dos negros em Rios de Sena e Cabo
Delgado, seguidas de horrorosos morticinios (180i).
Estas incurses foram vingadas pelas nossas foras
em 1810 e 1815.
Annos depois a guerra reaccendia-se com lugu-
bre vigor e os habitantes de Sena tinham de fugir
da povoaco, desvairados pelo terror e pela fome.
A decadencia e o abandon da provincia eram
cousas incontestaveis. Um governador energico e
zeloso era bem a aris rara n'aquella malfadada
provincial!
Em ? 1825 o apresamento de um navio inglez,
que fazia contraband, provocou um conflicto entire
as auctoridades portuguezas e o capito Owen, com-
mandante da fragata Lceln.
O conilicto era bem um pretexto para qualquer
aventura, que as circumstancias no deixaram rea-
lisar. Owen j tinha celebrado tratados com os re-
gulos de Temba e de IMaputo (Loureno Marques),
fingindo supper que estes chefes nio estavam sob
o dominion de Portugal.
Em 18-28 fundava-se nossa custa o sultanato
de Zanzibar. O Iman de Mascate apoderra-se fa-
cilment e de Mobaca e da ilha de Zanzibar.
( anno de 831 foi honrosamente assignalado
pela notavel viagem do major Corra Monteiro e do
capito Pedroso Gamitto, s terras do Cazembe,
ainda no empenho antigo de procurar o caminho
para a outra costa; assim como o anno de 1833 foi
tragicamente assignalado pela tomada e destruico
de Loureno Marques pelos rdtuas, e o de 1834
pelo ataque e morticinios de Inhambane pelos ca-
fres.
Em 1835 os rituas surgem de novo nas suas
formidaveis hostilidades e arrazam Sofala, a velha






83

capitania do resgate do ouro, a miniature do so-
nhado Ophir!
No d treguas a Loureno Marques essa raca
irrequieta e feroz, que se tornava o terror do ser-
to. Em 1848 o seu chefe, Manicusse, tentava im-
pr tribute ao governador do presidio e s em i857
se poude celebrar um tratado de paz entire o Attila
negro e a auctoridade portugueza.
A anarchia campeava infrene em today a provin-
cia. Em 1848 o sulto de Zanzibar apodera-se de
Tungue, os cafres atacam Inhambane c assassinam
o governador. No anno immediate rebentam suble-
vaices em Sofala, em Loureno Marques e em
Inhambane, que outra vez assaltada pelos negros,
e rebenta uma nova guerra na Zambezia.
Em 1857 o apresamento da barca franceza Cliar-
les et GeorIe, suspeita de tra!icar em escravos, pro-
voca um conflicto com a Franca e sujeita a nossa pe-
quenez a uma iniquidade brutal de Napoleao in.
Em 18(1 occupou-se Angoche e reoccupou-se o
Zumbo. A morte do Manicusse levantara a questo
da herana do poder e promovera uma guerra fe-
rocissima entire os dois irmos lMahueva e Muzilla.
Esta; guerras pelo supremo powder so frequentes
nos sertes, como foram frequentes e barbaras na
Europa medieval e, principalmente, na Hespanha,
ou nas monarchias christs ou nos aiirados mus-
sulmanos. Mahueva dispunha de um poderoso exer-
c to, como teremos occasiao de ver no capitulo em
que nos occuparmosos s rtu1as, e Muzilla, compre-
hendendo que no podia resistir-lhe desajudado, foi
pedir auxilio ao governador de Loureno Marques,
que lh'o concede, pondo disposio do preten-
dente uma important forca de cipaes.
O reforco era valioso e o Muzilla venceu, de-
pois de sangrentas batalhas. Pde affirmar-se que
nos devia o poder. Pagou-nos bem. Estabeleceu-se
no paiz ao norte do Save, proximo das nascentes
do Buzi e nas ramificaes da serra Citalonga, em






84

Mussurize. Fez-se um potentado formidavel e cm
breve as razzias da sua gente annullavam Sofala e
levavam o pavor e a devastaco aos sertes da
Zambezia e ao serto de Inhambane.
Na sua gratidio hypocrita, retorcida em restric-
ces machiavelicas, o despota negro simulava no
comprehender a unidade da soberania portugueza
em Moambique e s poupava Loureno Marques,
onde directamente recebera o auxilio que implorara
c lhe dCra o poder.
Enm i;;, um novo infortunio military veiu ente-
nebrecer ainda mais a sombria tradico de Moam-
bique. A jguerra de Massaganao, a guerra contra o
rebelde iBon!i (o indio Antonio Vicente da Cruz),
foi uma das mais desastrosas que temos tido na
Africa. Tambem diiicilmente os defeitos de organi-
saao e os erros e imprevidencias do commando
podium exceder os d'aqucllas desgracadas campa-
nhas. Tres expedices pequenas e deploravelmente
constituidas se organisaram contra o rebelde. Duas
na propria prov\ncia e uma na metropole. A pri-
meira foi absolutamente inutil por falta de disci-
plina dos elements indigenas que a compunham.
A segunda, tambem de tropas indigenas, deu uma
carniicina sem combat. O rebelde pedira treguas,
que lhe foram concedidas, e a expedico em des-
cano, sem nenhumas precaues, era surprehen-
dida coml as armas ensairilhadas, a comer o rancho,
tranquiliamente! Foi morta machadada pelos ne-
gros que saiam da aring. (povoao e campo lorti-
ficado) do Bonga e que simulavam conduzir os ga-
dos as pastagens. Eram cerca de quinhentos ho-
mens e escaparam 48! E' verdade que pouco tem-
po depois (170), na Europa e em uma das mais
illustres potencias militares do mundo, dava-se uma
imprevidencia parecida com uma diviso em cam-
panha, c sem a attcnuante da tregua!
Da terceira expedio j demos noticia no se-
gundo capitulo d'cste livro.






85

Estas guerras produziram na provincia e na
metropole uma profunda impression de desprestigio
e de desalento.
O Bonga morreu impune, e os seus descenden-
tes, tambem em rebeldia, ameacavam gravemente
a paz e a prosperidade da Zambezia, quando, du-
rarte o governor do sr. conselheiro Augursto de Cas-
tilho, se emprehendeu contra elces uma campanha,
em que foramr completamente destrocados, depois
de renhidos combates. E' uma campanha que faz
honra ao exercito ultramarino, ao glorioso explora-
do Paiva d'Andrada, e a um dos mais valentes c
illtstres oficiaes da gua'rnicio de Mocambique, o
capito Jayme Jos Ferreira.
l8-75 uma das mais bellas datas da historic de
Mocambique, assim como i 95- 8o(9 hoje a mais
brdlhante de today a sua historic de 398 annos, de-
pois que os marinheiros do Gama cravaram na ilha
de Moambique aquelle pedao de pedra que tinha
a legend da descoberta, grosseiramente esculpida
por baixo do brazo de Portugal, e que se denomi-
nava o padrco S. Jorg'e.
Em 1875 foi decidida a nosso favor, por sen-
tenca arbitral do marechal Mac-Mahon, president
d, reepublica franceza, o litigio com a Inglaterra por
causa dos direitos de posse a uma parte do distri-
cto de Lourenco Marques. Na sua sentena, datada
de Versailles, Mac-Mahon concluia assim:

Nous armos ju'c et decided que les prtention Gouiernenemnt de S, A l7,:'s/!e Trs-Fidle sur les
lerritoires de 7Tiebe e ,te i'pl1uto, suI la presq,'ile
d In-ack, sir les iles d'I,-rac:k et des E1'lphIanls,
soInt dniienIt prolIc es e dtablies.

Nove annos depois accentuava-se a crise gravis-
sima de Moambique. Os aventureiros ingiezes ap-
pareciam na Machona e no paiz dos Matabelles e
approximavam-se das fronteiras de Manica e de
Gaza. A morte do Muzilla e a ascenco ao poder






86

de Mundagaz, o primogenito do regulo morto, (
Gungunhana emlim, produzindo natural abalo entree
os vtuas e os povos subjugados, suscitaram na pro
vincia os legitimos receios de uma guerra, que, poi
no ser directamente contra ns, nem por isso dei-
xaria de nos ser funesta. A revolt do Massingire.
contra a companhia do opio, era tambem outro pe-
rigo, que se antolhava formidavel.
Por nossa fortune s dos tries perigos apontados
um subsistiu e se aggravou. Os outros dois conju-
raram-se com relative fortune. A success o do Mu-
zilla no produziu as guerras, que eram do est\io nos
usos africanos. O Gungunhana mandou assassinar os
irmcos, que podiam pleitear-lhe o powder, e os vtuas
reconheceram-no como seu legitimo chefe. Na sua
astuta previdencia, que no lra Machiavel, mas
que insitinctivamente o seguia pens o o Gungunhana
que lhe seria until fingir-se vassallo da coroa portu-
gueza, pelo menos, emquanto se no firmava no
powder e no cingia bem na sua garra de tigre os
povos que seu pae lhe legra. Podia mesmo levan-
tar-se algum conflict com os regulos seus vassa-
llos e a interveno dos portuguezes no seria para
desdenhar. O Mundagaz sabia bem a historic de
seu tio Mahueva, derrotado pelo Muzilla, graas ao
auxilio do governador de Lourenco Marques.
Refere Pinheiro Chagas no seu livro: As colo-
iuas porI gi/c'as lno Seculo xix: Ao mesmo tempo,
o que era de uma importance extrema, aproveita-
va-se a morte de Muzilla, para se travarem relaces
com o Gungunhana, seu successor. Podera realisar
este acto importantissimo um empregado da pro-
vincia de Mocambique, o sr. Jos Casaleiro de Ale-
gria Rodrigues, que j tinha relaces pessoaes com
o novo regulo e que habilmente as aproveitou. O
Gungunhana enviou embaixadores a Lisboa, que
assignaram no dia 12 d'outubro de i895 um termo
de vassallagem, pelo qual o governor portuguez po-
dia estabelecer residents nas terras de Gaza, go-
vernadas pelo Gungunhana, e onde ficavamos exer-






87

cendo assim o nosso protectorado. O decreto de 19
de novembro creou o logar de resident chefe e de
residents, sendo nomeado residente-chefe o pro-
prio sr. Jos Casaleiro de Alegria Rodrigues.
No vale a pena dirimir este ponto. Proposta
pelo proprio regulo ao sr. Alegria Rodrigues ou por
este ao regulo, o facto capital a vassallagem e
essa, em boa paz, dependia exclusivamente da von-
tade do Gungunhana.
A mesma ida de velhaca diplomacia negra e o
mesmo interesse proprio o moveram decerto como
proponents ou como simples acceitante.
Em qualquer dos casos, procurava captar as
sympathies dos portuguezes, emquantoono firmava
nos sertes o sanguinario prestigio da sua omnipo-
tencia. Iria consolidando o seu poder, consagrando
a successor nas supersties sertanejas, explorando-
nos descuidosos, e um dia, elle bem sabia o que
havia de fazer d'aquella theorica vassallagem, que
indirectamente o protegia, sem a cousa nenhuma o
obrigar. O pae fizera o mesmo, impunemente. Tam-
bem era vassallo nosso desde i8;)i, e, desde o
Zambeze ao Incomati, foi o dominador implacavel
dos sertes, assolados pelos seus v,tas, e tornou
necessaria a transferencia do governor do district
de Sofala para a ilha de Chiluane.
Como os territories em que o (Gungunhana exer-
cia dominio chegavam a Machona, allega Pinheiro
Chagas no seu livro que foi, gracas ao tratado de
vassallagem com o chefe vtua, que a Inglaterra li-
mitou as suas pretenes na fronteira da Machona-
land. E tanto em iSno (data da publicao do livro
a que nos estamos referindo) o successor de Mu-
zilla era o pesadelo dos que se interessavam pela
situao de Mocambique, que Pinheiro Chagas af-
firmava que o romnpimento d'esse tratado por part
do (;uGngiunhana seria a perda complete do nosso
territorio at Sofala. Quer dizer, a perda d essa
vasta regio importaria fatalnente a perda de Lou-
renco Marques, de que nos haviam de esbulhar em






88

nome da civilisao, desde que os jcluas lograsseir
expulsar-nos do territerio de Inhambane. A impor
tancia de Moambique ficaria ento completamentc
annullada.
Felizmente, o future desmentiu o lugubre vati
cinio, que no era s de Pinheiro Chagas, um pouco
suspeito de enthusiasm pelo tratado que fora cele
brado, quando o brilhantssimo escriptor era minis
tro da marina e do ultramar.
O outro perigo que indicmos era a revolta de
Massingire, e essa foi rapidamente debellada (1884).
Mas com os primeiros rebates da tempestadc
imminent coincidiu um period de extraordinarily
actividade e de gloriosas expedies geographicas c
political, que direct ou indirectamente interessa-
vam provincia.
A travessia de Scrpa Pinto, de Benguella a Dur-
ban, uma espantosa odyssa de audacias, seguiu-sc
a notabilissima travessia de Hermenegildo Capello e
Roberto Ivens do serto de Angola a Tete. Era
uma resurreico do nosso passado de peoneiros da
civilisaco. J tinhamos nomes brilhantes a oppoi
aos nomes famosos de Cameron e Stanley, nos fas-
tos da geographic africana.
Serpa Pinto e Augusto Cardoso emprehendem
a viagem de exploracao ao Nyassa, que s o se
gundo concluiu, porque Serpa Pinto adoecera gra-
vemente.
A marina e o exercito davam alguns dos seus
mais illustre ofliciaes para estas asperrimas e in-
cruentes campanhas da civilisaco.
Retoma-se Tungue, que nos fra usurpado pelo
sulto de Zanzibar; Antonio Maria Cardoso vae ao
Nyassa completar a tarefa da expedio de Augusto
Cardoso; Serpa Pinto parte para o Chire em pro-
cura d'aquelle intrepid explorador em perigo; Paiva
d'Andrada e Victor Cordon avanam pela alta Zam-
cezia, recebendo os testemunhos de vassallagem
dos regulos soberania portugueza.
Um dia, pordm, os Makololos, que pretendiam






89

oppr-se a passage de Serpa Pinto, so batidos
no combat de Mupassa e Joo d'Azevedo Couti-
nho, a bordo de uma lancha canhoncira, no Chire,
sustenta, com a sua caracteristica bravura, a honra
e as tradices da bandeira do seu paiz.
De subito, como as tempestades nas regimes tro-
picacs, todos esses clares deslumbradores se apa-
gam sob nuvens, negras como crepes. Surge o des-
gracado conflict com a Inglaterra (iSqo) e o ultimo
argument, a ultima raLio foi do mais forte, immen-
samente mais forte.
Em evidencia, n'uma evidencia que nunca ti-
vera, mais cubicada ainda do que o fra a India,
duzentos annos antes, Mocambique fazia-se a nossa
angustiosa preoccupaco, o nosso immense pesa-
delo.
A situacao excepcional da provincia e os receios
de um novo conflict com a gente armada da South
Africa, a poderosa companhia que dominava na
Machona e no paiz dos Matabelles, impunham a ne-
cessidade e um pouco o desafogio palriotico de uma
expedio europia s regimes da Beira e Manica,
regies mineiras opulentas, entregues exploracto
da Companhia de Moambique. O rio Pungue era
a linha de penetrao para os famosos paizes de
Quiteve, Manica e Barue e para a Machona, anti-
gos dominios do remoto imperio do Monomotapa,
c o Pungue era um rio portuguez, que convinha
guardar n'aquelle moment historic de amargas e
S l.. I ii,-, exaltac es.
J um anno antes houvera um grave conflict
entire a gente da opulenta companhia ingleza, que
fora fundada em 1889 com direitos magestaticos, e
os representantes da Companhia de Mooambique.
O incident produziu enorme sensaao na provin-
cia e na metropole, e em Loureno Marques foi or-
ganisado um batalho de voluntarios, destinado a
Manica. Era ento governador d'aquelle district o
capito de cavallaria Joaquim Mousinho de Albu-
querquee o commandant do batalho era o major






9O

Alfredo Augusto Caldas Xavier, dois bravos cujos
nomes inolvidaveis esto j vinculados a uma das
mais brilhantes paginas da historic portugueza.
Depois de uma march penosissima, o batalho
fez um reconhecimento offensivo posio em que
a gente armada da South A!friica se havia fortifi-
cado e que ficava a tres kilometros de Massequesse.
Houve perdas de parte a parte e dos nossos foi
ferido o capito Augusto de Bettencourt, que, em
quanto poude, fez fogo e se bateu intrepidamente
como um simples soldado. Nada mais houve e to-
das as conveniencias political indicavam que nada
mais devia haver.
Um dos mais valentes e illustres oficiacs da guar-
nio de Moambique dizia-nos um anno depois em
Lisboa: Foi uma providencia no se ter levado a
artilheria; se houvesse ido, teria sido possivel ven-
cer, mas a victoria no valeria na provincial os pe-
rigos e as catastrophes que havia de custar na me-
tropole.
Da expedico do exercito, cujos services foram
valiosissimos para o progress e para a civilisacao
da provincia, por que foi de paz toda a sua tarefa;
d'essa j demos brevissima noticia no primeiro ca-
pitulo.
Depois celebrou-se com a Inglaterra, em 4 de
junho de 18)i, um tratado de limits da provincial
de Moambique. Era a modificaco de um outro
tratado, que fra firmado em 20 d'agosto de iS)o.
Recentemente tivemos um conilicto com a Alle-
manha por causa da posse de Kionga. Era a desil-
luso e o epilogo do tratado platonico de 188(1, que
nos foi completamente inutil.
E aqui est como essa provincia de to obscu-
ros principios, de to mal auspiciada occupaco, se
tornou n'este fim de seculo o dominio mais notavel
c mais inquietador do nosso imperio colonial, talvez
o mais opulent e indubitavelmente o mais peri-
goso.
Nas suas crises successivas, grandes, temiveis,






oI

assoberbadoras, a maior foi a da rebellio dos ca-
fres, que teve Loureno Marques a dois passes da
ruina e da intervenco estrangeira, e a da guerra
contra o Gungunhana, que muita gente considerava
uma temeridade e que, long de ser um desastre
funesto, como certas cobias suppunham e espera-
vamn, se tornou a maior e a mais rutila gloria military
que as tropas portuguezas teem alcanado na Africa,
depois da conquista marroquina.
Por este pequeno esboo historic ter compre-
hendido o leitor que divida enorme de desforco, di-
vida de sessenta e dois annos, tinhamos a saldar com
os vtuas e que necessidade supreme tinhamos ali
de levantar o decahido prestigio do nosso nome.



Contendo enormes riquezas naturaes, a foz de um
d.s maiores rios do continent negro e um dos mais
vastos ancoradouros do mundo; confinando ao norte
com dominios da Allemanha, ao oeste com territo-
rios inglezes e com o Transvaal; sendo sua a linha
facil de penetrao para o Nyassa, a linha unica de
pcnetraao para as regies do ouro na Machonia e
a linha primacial de penetrao para o Transvaal,
o paiz do ouro c dos diamantes; Moambique, alon-
gada pelo seu immenso littoral de 2.000 kilometros,
fronteiro possesso franceza de Madagascar,
bem uma colonial que deve ser de immensa impor-
tancia commercial e que j de altissima importan-
cia political.
A sua superficie, incluindo os dominios exclusi-
vamente historicos ou nominees, era calculada ha
quinze annos por Oliveira Martins, no seu livro-
O Bragil e as colOnas portughue~as -em 1.284.000
kilometros quadrados, cm quanto a rea de Angola
era avaliada no mesmo livro em 9o8.000oo kilometros
quadrados.
Na sua Geographia Geral o sr. Raposo Botelho






)2

avalia-lhe a superficie em cerca de um milho de
kilometros quadados, depois do tratado de I891.
e calcula a rea de Angola cm cerca de dois milhes
de kilometros quadrados.
Em I8~5 a superlicie de Mocambique era ava-
liada na Riru'e Militaire de l'Etranger em 0)o.ooo
kilometros quadrados.
Segundo o calculo de um illustrado africanista,
auctoridade n'este assumpto, a superficie de Mo-
cambique de 785.000 kilometros quadrados, como
a de Angola quasi o dobro, com a addico da
Lunda, ou seja uma rea de 1.372.500 kilometros
quadrados.
Mesmo por esta avaliao, Moambique muito
maior do que a Franca (528.600 k. q.), quasi o
dobro de todas as colonies da Hespanha (420.200
k. q.), tem uma superficie dupla da do territorio in-
glez na Europa (314.628 k. q.).
A falta de seguras estatisticas no permitted que
se possa fixar a populao de Moambique. Oliveira
Martins calculava-a em 368.411 almas no seu livro
de 1881, certamente, porque avaliava apenas a po-
pulao dos paizes directamente sujeitos auctori-
dade portugueza; e o articulista da Ruie Militaire
de l'Elranger, a que j nos referimos, avaliou-a em
1.5oo.ooo almas, tomando em conta, provavelmente,
todas as populaes comprehendidas nos amplos li-
mites da provincial.
Actualmente as suas regimes mais importantes,
sob o ponto de vista do commercio e da political
colonial, so, por sua ordem, as de Loureno Mar-
ques, de Manica e de Inhambane.
De duas unicamente intentamos occupar-nos em
brevissima noticia, por terem sido o theatre das
operaes da nossa ultima guerra d'Africa-a de
Loureno Marques e a de Inhambane.


*






93

Com o seu mesquinho forte de Nossa Senhora
da Conceio, uma casa de madeira e algumas de-
zenas de palhotas, que habitavam cafres e indios,
Lourenco Marques era ha setenta annos uma po-
voaio miseranda, em volta de um pantano e uma
feitoria onde, quasi exclusivamente se traficava em
martim, n'uma curva da sua immensa bahia, sem
rim al na Africa.
Hoje, com os seus edificios de pedra, de ma-
deira ou de ferro, com a sua egreja de estvlo go-
thico e as suas praas regulars e as suas pequenas
avenidas illuminadas, com o seu hospital modern,
com os seus estabelecimentos de nacionalidades di-
versissimas, com as suas fabrics, com os enormes
hangars, os seus hoteis, a sua estaco do caminho
de ferro, que a liga ao Transvaal, a Pretoria, a ca-
pital do glorioso povo boer, e a Johannesburg, a
cidade prodigiosa do ouro; hoje Loureno Marques,
emporio nosso e ces dos boers, ainda uma cidade
infantil, um esboo do progress europeu, mas j
uma cidade, saudada triumphalmente pelos uivos da
locomotovia, como ha setenta annos era apavorada,
no seu esmorecido isolamento, pelo rugido das fe-
ras, impacientes de fome.
A palhota infecta cedeu o passo g'are ruidosa
e o bulicio da civilisaco afastou o care semi-nu,
como um jacto de luz afasta estonteada a ave no-
ctivaga.
Est dado apenas o primeiro passo, cercado de
perigos, mas j promettedor, mas j brilhante.
Em i de julho de 1857 o presidio e a povoaao
tinham 83 europeus de ambos os sexos, 44 asiati-
cos, 2 americanos e 785 negros libertos e escravos,
ou 914 pessoas.
Ha dois annos havia na cidade e arredores 512
portuguezes, 100 inglezcs, 28 hollandezes, 2h alle-
maes, 20 francezes, I3 suissos, 16 gregos, 6 hespa-
nhoes, 7 italianos, 2 austriacos, i dinamarquez, I
sueco, 12 japonezes, 2 americanos, 2 brazileiros,
99 indios portuguezes, i i6 indios inglezes e 52 chi-






94

nezes, ou seja um total de 1.017 habitantes, dos.
quakes 611 portuguezes da Europa e da India.
Ultimamente a populao da cidade tem tido um
augmento consideravel, em que mais avulta a colo
nia italiana.
Ha 40 annos a alfandega de Loureno Marques
rendia apenas 2:6757'26( ris e ha um anno j
esse rendimento excedia 340 contos! O movimento
de importao, que ha trinta annos era insignificant,
era ha um anno de 3.303:874660 ris!
E hade augmentar espantosamente, visto como
aquelle o porto facil de importaco e exportao
do Transvaal, paiz riquissimo com uma populao
de 649:56o habitantes, dos quaes mais de 120.000
brancos e approximadamente 6o.ooo boers, e com
um movimento commercial de mais de seis milhes
de libras sterlinas.
Mas a populao e o movimento commercial d'a-
quelle paiz ho de ter em breves annos um alto
desenvolvimento, porque escacissimo aquelle nu-
mero de habitantes para uma rea de 292.000 kilo-
metros quadrados, ou quasi a superficie da Italia
(296.328 k. q.).
Actualmente no chegam j para o trafego com-
mercial de Lourenco Marques nem a ponte de de-
sembarque, nem o material circulante do caminho
de ferro, nem os hang'lares da alfandega, que ha
poucos annos se consideravam desnecessariamente
grades.
No proposito nosso traar aqui um quadro
dos progressos da colonia, mas dar apenas uma ida
rapida da sua situao, visto que foi a cidade o cen-
tro de concentrao de tropas e a base de opera-
es da campana contra os cafres e que nos seus
sertes se travaram os primeiros combates da ul-
tima guerra. N'este ponto seguimos o exemplo dos
escriptores estrangeiros na historic das modernas
campanhas coloniaes.


* *








O clima de Lourenco Marques tem uma terri-
vel fama de insalubridade, embora no seja peor
que o de algumas cidades do Brazil, periodicamente
assoladas pela febre amarella, nem to eliminador
como o de Cuba, nem to mortifero como o de
Quelimane e Sena.
No seu excellent livro cerca de Lourenco Mar-
ques, repositorio de preciosas indicaes, diz a este
respeito um distinct africanista, o sr. Eduardo de
Noronha:

Soffre-se em Lourenco Marques de differences
manifestaes de impaludismo, como se soffre no
sul da Hespanha e da Franca, como se senate em
muitos pontos das margens do Ianubio, Crimia e
na Turquia e em mil outros logares, que seria long
enumerar aqui. No emtanto, raros, os casos das
febres tvphoides em Loureno Marques, so, por
assim dizer, endemicos na cidade do Cabo da Boa
Esperana, c frequentissimos em Natal; as pneu-
monias dizimam uma boa part da populaco em
Johannesburg; a variola nos brancos e pretos
constant em toda a Africa do sul.

Segundo uma curiosa memorial do missionario
suisso Henri Junod, fundador da estao de Rikatla,
a 22 kilometros ao norte de Lourenco Marques, a
mais alta temperature indicada foi de 45, ao sol,
em um dia de janeiro de 18(o e a mais baixa tinha
sido de 7, em um dia de maio de 1888.
Conforme as observaes meteorologicas do sr.
Augusto de Castilho, quando governador de Lou-
reno Marques, e n'um period comprehendido entire
dezembro de 1876 e maro de 1878, o dia de mais
chuva foi o i.o de fevereiro d'aquelle ultimo anno,
em que o pluviometro marcou 79 millimetros.
Nos mezes de maior calor a temperature raras
vezes sobe alm de 27.0 a 32. sombra.
No Dahom, segundo Poirier, a temperature
mdia de 26. sombra. As brisas do mar, nas






96

proximidades do littoral, correm desde as 9 ho-
res da manha at ao comeco da tarde e voltam de-
pois durante a noite.
Na opinio do missionario de Rikatla, o vento
norte, secco, ardente, verdadeiro vento do desert,
em Loureno Marques o jenio da febre. Exerce
sobre o system nervoso uma aco deprimente e
no raras vezes mortifera. As grades chuvas du-
ram de outubro a marco e as trovoadas sobre os
montes Libombos e sobre as montanhas da Swazi-
landia, so quasi sempre formidaveis e chegam a
durar 35 a 40 minutes, sem interrupco!
Os terrenos em 'volta da cidade c no serto so
em geral argillo-arenosos; uma pequena parte de
grs silicioso com oxidos de ferro. Em quasi todo
o valle do alto Incomati, extraordinariamente fer-
til, prepondera o lhimus e a argilla.

*


O district de Loureno Marques, o mais pe-
queno de Moambique, uma estreita faxa entire as
cumiadas dos Libombos e o Indico, com a super-
ficie de i6.ooo kilometros quadrados, approximada-
mente, tem o seu serto (as denominadas Terras
da Cora) dividido em 4 grades circumscripes, que
em 1894 comprehendiam as terras de 26 regulos
avassallados, com mais de 22.000 palhotas, 8.357
combatentes e uma populao total de 40.176 pes-
soas.
Mas todos estes numerous esto abaixo da rea-
lidade. S a Zixaxa e a Magaia podiam pr em
campo mais de dez ou doze mil combatentes.
Como estes numerous resultam do arrolamento
para a cobrana do imposto de palhota, plausivel
suppr que ficam long da verdade, visto o natu-
ral interesse dos regulos em subtrahirem incidencia
d'aquelle imposto uma parte das suas palhotas e a
difficuldade de verificar efficazmente a exactido do









numero apurado. Alm d'isto, o arrolamento no
abrange todas as terras do serto. Diz o sr. Eduardo
de Noronha que o arrolamento no comprehend
mais de um quinto d'aquellas terras, e calcula, por
isso, que ser de 200.880 almas a populao de
todo o district. D'esta forma, o numero total dos
combatentes ir alm de 40.000, approximadamente,
em todo o serto.
Na I." circumscripco o regulo mais poderoso
era o da Zixaxa, que, segundo o arrolamento, tinha
nas suas terras 028 combatentes. O da Magaia, na
2. circumscripao, tinha 2.3(9) combatentes. Basta-
vam, portanto, os dois para reunirem uma forca de
3.297 combatentes, suppondo que o arrolamento
a expresso da verdade. Mas se contarmos tambem
os que estavam mais ligados quelles dois por in-
teresses communs ou mais sujeitos sua prepon-
derancia, o numero de combatentes ir alm de
5.000, que em algumas horas poderiam concentrar-
se em volta de Loureno Marques. Dado, porm,
que estas foras subissem para o alto Incomati a
juntar-se s dos regulos do norte (3. e 4.: circums-
cripco), cujos combatentes arrolados eram 3.o8o,
teriamos um total de mais de 8.ooo00 guerreiros, sup-
pondo que se lhes no juntavam os das terras no
incluidas no arrolamento.
As foras militares de Loureno Marques com-
punham-se: De I batalho indigena de cacadores
(o n.o 4 da guarnio da provincial que nunca teve
effective superior a 36o praas e que, desfalcado
pelos destacamentos, chegava a estar reduzido a
algumas dezenas de soldados; de um pequeno corpo
de policia, composto de uma seco de cavallaria e
de uma companhia de infanteria. Era esta a fora
military de mais confiana por que se compunha
de gente da metropole. O seu effective organic
(decretado em 1887), era de i63 homes e 37 ca-
vallos.
Acerca das fortificaces e do material de arti-






o8

lheria existent em Loureno Marques, diz o sr.
Eduardo de Noronha no seu livro j citado:

Em Loureno Marques ha a fortaleza de Nossa
Senhora da Conceio, que tem uma bacteria a bar-
bette deitando sobre o rio e dois baluartes do lado
da cidade, hoje completamente inuteis pelas moder-
nas construcces; a villa era cercada por um muro
com cinco baluartes que foram demolidos quando
se ampliou a cidade.
O novo project da cidade indica quatro lune-
tas que se deveriam construir na parte mais elevada
da cidade, a defendel-a do lado da Munhuana, mas
nunca se chegaram a construir. Em i89i, o capi-
to de engenharia Soeiro, estudou e comecou a cons-
truco de uma bacteria maritima na Ponta Verme-
lha e outra no alto do Maxaquene, infelizmente nunca
se passou da remoco de terras.
Actualmente ha uma series de blockhaus pro-
visorios, circumdando a cidade, e que foram levan-
tados press para pr os habitantes ao abrigo de
um golpe de mo que os pretos sublevados tentas-
sem.

"Em Loureno Marques todo o corpo policial
obrigado a conhecer o manejo de artilheria, havendo
ali metralhadoras Montigny, Nordenfelt, Gatling,
Hotchkiss, peas de carregar pela bcca de 8 e 12
centimetros, algumas Krupp de montanha, Crouzon
e canhes rewolvers que vieram da Zambezia.

Estas peas revolvers, a que se refere o sr. No-
ronha, eram as Hotchkiss, que annos antes se ha-
viam comprado para o district de Manica.


Qualquer que seja o future das suas minas re-






99

gistadas e o aproveitamento dos fertilissimos terre-
nos do valle do Incomati, Loureno Marques hade
ser principalmente uma colonia commercial, como
Inhambane, qualquer que seja o seu desenvolvi-
mento commercial, ser principalmente uma colo-
nia agrcola.
Pela sua situao exceptional, political, estrate-
gica e mercantil; emporio e estaco naval sobre o
antigo caminho da India; com a sua prosperidade e
a sua existencia estreitamente ligadas a prosperi-
dade e existencia dos boers, que s por ali e sob
a proteco desambiciosa da nossa bandeira podem
chegar ao mar, sem correrem o perigo de iior'rer:
Lourenco Marques tem uma importancia com a
qual Inhambane no poder hombrear nunca.
Mas se esta no pde ter preponderancia political
international que nio seja um reflexo da outra colo-
nia, que, por assim, dizer complete e amplia; pela
grandeza e pela fertilidade do seu serto, pde bem
ser a regio agricola de abastccimedto do paiz mi-
neiro do Transvaal e da cidade de Lourenco Mar-
ques, quando esta attingir o grau de prosperidade,
que j se esboa em animadoras promessas.
O serto de que Inhambane o nucleo de civi-
lisaco e de supremacia pode considerar-se limitado
ao norte pelo curso do" Save, ao sul pelo curso do
Limpopo e ao oeste pela fronteira linear e mal de-
finida ainda do tratado de 189I(. E uma superficie
de 170 a 175.000 kilometros, approximadamente.
Quasi duas vezes a rea de Portugal e muito supe-
rior de Dahom, avaliada cm 120.000 kilometros
quadrados.
Era na quasi totalidade do immense serto de
Inhambane e excedendo-o ainda ao norte do Save,
at ao Mlussurize, e ao sul do Limpopo, at ao
alto Incomati; era n'aquelle paiz vastissimo que o
chefe dos vtuas tinha os dominios dos seus ind'inas
gradess do estado) e dos regulos seus dependents
pela tradio ou pelo terror.
Em todo o serto estaniiam as racas aborige-






I00

nes dos bilongas, burIrongueiros, mendoizngues ou
chopes e landims. Os vtuas eram a raa usurpa-
dora, a raa superior que se impozera pela con-
quista.
A populaco de todo o district tem sido ava-
liada, muito arbitrariamente, em i3o.ooo almas por
alguns escriptores e em 150 e mesmo em 200.ooo
almas por outros. Caldas Xavier, perfeito conhece-
dor dos sertes do district, avaliava-lhe a popula-
o em 400.0oo almas, conform se v na sua me-
moria acerca de Inhambane, (Inharrime e as guer-
ras Zavallas), publicada nos Boletins da Sociedade
de Geographia. D'este modo, a populaco do dis-
tricto no muito inferior de Dahom.
A raa inmedong'iie a mais laboriosa e a mais
dada cultura da terra. Ao contrario, a raa lan-
dizm a menos inclinada agriculture e a mais des-
temida e guerreira, sem contar agora a dos ,ituas.
So notaveis as grande aldeias mecndoniiges de
extensas ruas e palhotas altas, circulares e de co-
bertura conica.
Caldas Xavier achava excellent a indole dos
negros do serto de Inhambane e considerava-os
menos altivos e menos guerreiros que os do serto
de Lourenco Marques.
No so raras as florestas de grandes e precio-
sas arvores e em todo o district se encontram ex-
cellentes madeiras.
Os mejcdoug'ues e bilonIgas aproveitam a terra
solicitamente por meio dos seus processes rudimen-
tares c so muito dados industrial e aos trabalhos
manuaes. Refere Caldas Xavier que viu entire os
hopes alguns capacetes guarnecidos de escamas
feitas de moedas de vintem, batidas e ligadas umas
s outras. E usavam-nos debaixo de um sol abra-
zador! Para moerem a canna do assucar inventa-
ram umas machines de madeira, que so grosseiras,
mas revelam as suas aptides artisticas.
As armas predilectas dos chopes-informa ainda
o illustre africanista-so o arco, a frecha e as za-






IOI


gaias de mo c de arremesso. E' raro encontrai-os
sem estas armas, que sabem manejar perfeitamente.
Os landins e outros povos do district preferem as
zagaias de mo e o escudo de pelles. As armas de
fogo so em geral apreciadas.
E actualmente muito em uso, accrescentaremos
ns, porque Caldas Xavier escrevia estas informa-
ces em 188i.
J apparecem a Snlicer e a llarltini-Heiny en-
tra as velhas arms de silex e de percusso, em
uso nos sertes, como no Dahomd appareceram nas
mos dos negros a Drevse, a Mauser, a Winches-
ter e a Peabodv. Raras ainda nas mos dos cho-
pes, mas numerosas nas mos dos vtuas e dos ne-
gros da Magaia e da Zixaxa.
Calculou-se em tempo que os regulos avassalla-
dos do serto de Inhambane poderiam fornecer
20.000 cipaes e cacadores das terras, como se de-
signam os cipaes armados com espingardas do go-
verno. Isto era um pouco theorico, principalmente
depois que o Gungunhana se transferiu de Mussurize
para Manjacaze c sujeitou ao seu despotico domi-
nio grande numero de regulos, que eram vassallos
da cora portugueza. Mas com este auxilio proble-
matico se contava ingenuamente e no faltou quem
lembrasse aquellcs caadores para baterem o Gun-
gunhana!
Pensou-se n'isso, e, ainda no tempo do Muzilla,
alguem alvitrou que a expedio de cipaes, victo-
riosa na guerra de Zavalla, poderia abrir hostilida-
des contra os vtuas. Caldas Xavier, que era um
bravo, respondia assim a quem indicra o commet-
timento:

O effective das forcas reunidas era realmente
consideravel, mas eu sei bem o valor que se pde
attribuir aos cypaes e gente de guerra dos regulos,
e declaro aos desejosos de novas e gloriosas con-
quistas, que aquella famosa expedio debandaria






102

ao primeiro combat que tivesse com as forcas
aguerridas dos vtuas.


O clima do serto de Inhambane dos melho-
res da Africa Oriental, nas regimes arborisadas e
menos proximas das numerosas lagunas do Inhar-
rime, do alto Chicomo, de Manjacaze e do valle do
Save, que o distinct explorador Antonio Maria
Cardoso denominou a regfio das la goas, no relato-
rio da sua viagem as terras do Muzilla, em i883.
De aguas baixas e lodosas, deposits de nume-
rosos organismos em decomposio, algumas das
languas do serto de Inhambane so mortiferos fo-
cos de infeco, proximo dos quakes quasi impos-
sivel a permanencia dos europeus. Outras, porm,
de mais fund, verdadeiras lagas, como a de Niam-
butz, onde apparecem cavallos marinhos, no pre-
judicam sensivelmente as condices climatericas das
regies adjacentes. Entre as lagas mais conhecidas,
citaremos a Poelella, a pequena distancia de Inham-
bane, no caminho para o Limpopo, e a Coolella,
hoje celebre, a pequena distancia de Manjacaze.
No serto o thermometro tem marcado em dias
de fevereiro e maro 220 e 330,5 sombra e em
outubro chegou j a marcar 620 ao sol!


A capital do district, villa creada por el-rei D.
Jos, uma das povoaes mais pittorescas, mais
risonhas, mais bucolicamente formosas do littoral
fricano. O sr. Cawthra Woodhead, redactor do
Natal iMercuri', chama-lhe uma povoao dentro
d'um piltoresco bouquet de coqueiros e o mais bonito
dos portos da costa oriental 1.


1 As impresses da viagem d'este escriptor inglez, do
Natal a Mocambique, foram traduzidas em portuguez pelo sr.






io3

No seu ninho semi-selvagem, entire palmeiras e
tamarindeiros, encostada ao seu pequeno porto,
beira do rio tranquillo, com as suas ruas de arvo-
res, como alamedas de um bosque remanoso, com
a torre quadrada da sua egreja, que se vista do
mar e a sua modest mesquite entire arvoredos;
com as suas singelas casas europeas e as suas pa-
lhotas sertanejas; Inhambane um trao apagado
da Europa e da Asia, n'uma ridente e soberba pai-
zagem africana.
Calcula-se-lhe a populaco em 7.000 habitantes
-moiros indios, que mercadejam e vivem no seu
bairro especial de Bialane, negros indigenas e al-
guns raros broncos. Chi'aunc o bairro commer-
cial.
O seu commercio c por ora modesto e limita-se
permutaco de borracha, c, cera, amendoim e milho,
por fazendas c generous alimenticios, importados de
Malrselha, Lonidres, Rotterdam e Porto Natal.
Em 1894 a guarnico military da villa constava
apenas do batalho de cacadores n." 3, compost
de alguns olficiaes brancos o pouquissimos soldados
pretos.
A respeito de obras de defeza, informa o sr.
Eduardo de Noronha:

Em Inhambane apenas se via a cortina de uma
demolida fortificaco."









Eduardo Borges de Castro e publicadas no seu livro intercs-
santissimo : AIRICA ORIENTAL- Porlu.gal eam Lourenco Mlr-
ques.




University of Florida Home Page
© 2004 - 2010 University of Florida George A. Smathers Libraries.
All rights reserved.

Acceptable Use, Copyright, and Disclaimer Statement
Last updated October 10, 2010 - - mvs