• TABLE OF CONTENTS
HIDE
 Front Cover
 Half Title
 Title Page
 Front Matter
 Front Matter
 Approvacao Diocesana
 Preambulo
 Capitulo 1: Fundacao do Semina...
 Capitulo 1, Art. 1: Fundacao do...
 Capitulo 1, Art. 2: Dom Luiz Antonio...
 Capitulo 2, Art. 1: Primeira Phase...
 Capitulo 2, Art. 2: Padre Luiz...
 Capitulo 2, Art. 3: Os Alumnos...
 Capitulo 2, Art. 4: Galeria dos...
 Capitulo 3, Art. 1: Segunda Phase,...
 Capitulo 3, Art. 2: Os Alumnos...
 Capitulo 4, Art. 1: Terceira Phase,...
 Capitulo 4, Art. 2: Os Alumnos...
 Capitulo 5, Art. 1: Quarta Phase,...
 Capitulo 5, Art. 2: Don Quintino...
 Capitulo 5, Art. 3: Alumnos da...
 Capitulo 6, Art. 1: Quinta Phase,...
 Capitulo 6, Art. 2: Alumnos do...
 Capitulo 7, Art. 1: Sexta Phase,...
 Capitulo 7, Art. 2: O Seminario...
 Capitulo 7, Art. 3: Os Professores...
 Capitulo 7, Art. 4: Os Alumnos...
 Materias de ensino no Seminario...
 Appendice: Bispado do Crato
 Regulamento do Seminario Maior...
 Regulamento do Curso de Preparatorios...
 Conclusao






Title: Album historico do Seminario Episcopal do Crato : em commemoracao ao cincoentenario de sua fundacao, 1875-1925
CITATION PAGE IMAGE ZOOMABLE
Full Citation
STANDARD VIEW MARC VIEW
Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/UF00055303/00001
 Material Information
Title: Album historico do Seminario Episcopal do Crato : em commemoracao ao cincoentenario de sua fundacao, 1875-1925
Physical Description: Book
Language: Portuguese
Creator: Seminario Episcopal do Crato
Publisher: Seminario Episcopal do Crato
 Subjects
Subject: South America   ( lcsh )
Spatial Coverage: South America
 Record Information
Bibliographic ID: UF00055303
Volume ID: VID00001
Source Institution: University of Florida
Holding Location: University of Florida
Rights Management: All rights reserved by the source institution and holding location.

Table of Contents
    Front Cover
        Front Cover 1
        Front Cover 2
        Front Cover 3
        Front Cover 4
    Half Title
        Page 1
        Page 2
    Title Page
        Page 3
        Page 4
    Front Matter
        Page 5
        Page 6
    Front Matter
        Page 7
        Page 8
        Page 9
        Page 10
        Page 11
        Page 12
        Page 13
        Page 14
        Page 15
        Page 16
        Page 17
        Page 18
        Page 19
        Page 20
        Page 21
        Page 22
        Page 23
        Page 24
    Approvacao Diocesana
        Page 25
        Page 26
    Preambulo
        Page 27
        Page 28
    Capitulo 1: Fundacao do Seminario
        Page 29
        Page 30
        Page 31
        Page 32
        Page 33
        Page 34
    Capitulo 1, Art. 1: Fundacao do Seminario
        Page 35
        Page 36
        Page 37
        Page 38
        Page 39
        Page 40
        Page 41
        Page 42
        Page 43
        Page 44
    Capitulo 1, Art. 2: Dom Luiz Antonio dos Santos
        Page 45
        Page 46
        Page 47
        Page 48
    Capitulo 2, Art. 1: Primeira Phase do Seminario
        Page 49
        Page 50
        Page 51
        Page 52
    Capitulo 2, Art. 2: Padre Luiz Boa-Vida
        Page 53
        Page 54
    Capitulo 2, Art. 3: Os Alumnos da Primeira Phase
        Page 55
        Page 56
        Page 57
        Page 58
        Page 59
        Page 60
        Page 61
        Page 62
        Page 63
        Page 64
        Page 65
        Page 66
        Page 67
        Page 68
    Capitulo 2, Art. 4: Galeria dos Bemfeitores do Seminario
        Page 69
        Page 70
        Page 71
        Page 72
        Page 73
        Page 74
        Page 75
        Page 76
        Page 77
        Page 78
        Page 79
        Page 80
        Page 81
        Page 82
    Capitulo 3, Art. 1: Segunda Phase, Direccao do Padre Felix
        Page 83
        Page 84
        Page 85
    Capitulo 3, Art. 2: Os Alumnos do Padre Felix
        Page 86
        Page 87
        Page 88
    Capitulo 4, Art. 1: Terceira Phase, Reitorado de Monsenhor Monteiro
        Page 89
        Page 90
        Page 91
        Page 92
    Capitulo 4, Art. 2: Os Alumnos da Terceira Phase
        Page 93
        Page 94
        Page 95
        Page 96
        Page 97
        Page 98
        Page 99
        Page 100
        Page 101
        Page 102
        Page 103
        Page 104
        Page 105
        Page 106
        Page 107
        Page 108
    Capitulo 5, Art. 1: Quarta Phase, Reitorado do Pe. Quintino Rodrigues de Oliveira e Silva
        Page 109
        Page 110
        Page 111
    Capitulo 5, Art. 2: Don Quintino Rodrigues de Oliveira e Silva
        Page 112
        Page 113
        Page 114
        Page 115
        Page 116
        Page 117
        Page 118
        Page 119
    Capitulo 5, Art. 3: Alumnos da Quarta Phase
        Page 120
        Page 121
        Page 122
        Page 123
        Page 124
        Page 125
        Page 126
        Page 127
        Page 128
        Page 129
        Page 130
        Page 131
        Page 132
    Capitulo 6, Art. 1: Quinta Phase, Collegio S. Jose
        Page 133
        Page 134
        Page 135
        Page 136
        Page 137
        Page 138
        Page 139
        Page 140
    Capitulo 6, Art. 2: Alumnos do Collegio S. Jose
        Page 141
        Page 142
        Page 143
        Page 144
        Page 145
        Page 146
        Page 147
        Page 148
        Page 149
        Page 150
        Page 151
        Page 152
    Capitulo 7, Art. 1: Sexta Phase, O Collegio Diocesano
        Page 153
        Page 154
        Page 155
        Page 156
        Page 157
        Page 158
        Page 159
    Capitulo 7, Art. 2: O Seminario Episcopal
        Page 160
        Page 161
        Page 162
        Page 163
        Page 164
        Page 165
        Page 166
        Page 167
        Page 168
        Page 169
    Capitulo 7, Art. 3: Os Professores de 1916 a 1925
        Page 170
        Page 171
        Page 172
        Page 173
        Page 174
        Page 175
        Page 176
        Page 177
        Page 178
        Page 179
        Page 180
        Page 181
        Page 182
        Page 183
        Page 184
        Page 185
        Page 186
        Page 187
        Page 188
        Page 189
        Page 190
        Page 191
    Capitulo 7, Art. 4: Os Alumnos da Sexta e Ultima Phase
        Page 192
        Page 193
        Page 194
        Page 195
        Page 196
        Page 197
        Page 198
        Page 199
        Page 200
        Page 201
        Page 202
        Page 203
        Page 204
        Page 205
        Page 206
        Page 207
        Page 208
        Page 209
        Page 210
        Page 211
        Page 212
        Page 213
        Page 214
    Materias de ensino no Seminario Menor e Collegio Diocesano
        Page 215
        Page 216
    Appendice: Bispado do Crato
        Page 217
        Page 218
        Page 219
        Page 220
        Page 221
        Page 222
        Page 223
        Page 224
    Regulamento do Seminario Maior do Crato
        Page 225
        Page 226
        Page 227
        Page 228
        Page 229
        Page 230
        Page 231
        Page 232
    Regulamento do Curso de Preparatorios do Seminario Episcopal do Crato
        Page 233
        Page 234
        Page 235
        Page 236
        Page 237
        Page 238
        Page 239
        Page 240
        Page 241
        Page 242
    Conclusao
        Page 243
Full Text
. r, ..


I_
,yIY,


*M N IA


N- I a_ .


Jffado


f- *<1
S. T
1 ,. j


;I~fs
~ar~51








sah
7




~B~-~6


2r~


J //-


Le


zzi /


k~


4-e>e-,




















AbBU4UM


HIST7ORiiC


EpIDopal ido













1


Album Histc


.DO


SEMINARIO EPISCOPAL


Em commemor
cincoentenario
s-- fundaga




RIO DE JANEIRO
TvP. REVISTA DOS TRIBUNAES -- RUA Do C
1923


ARMO, 55


__


375-1925




'ric





DO CRATO


agao ao
de sua
o /p-\


j
I
'I

























A' saudosa e grala memorial do

Elmilll [', ([eR jTT, i ISr. 11. aiia;z A\IiilllD n dil)s nmilinf.',
PRIMEIRO BISPO DO CEARA, FUNDADOR DESTE INSTITUTE;

AO

Revmo. Sr Padre Lourengo Vicente Enrile
PRIMEIRO REITOR E AOS SEUS VENERANDOS COOPERADORES,

Homnenagem de respeito e reconhecimento do



Seminario Episcopal do Crato

































-'. -


D. LUIZ ANTONIO DOS SANTOS
Primeiro Bispo do Ceari e Fundadpr do Seminario


























Ao Seminario Archiepiscopal do
Ceard, arvore bemdita de cuja
seiva brotou o Seminario do
Crato, casa de venerandas e
illustres tradigaes, santuario
amigo, onde a piedade dos Laza-
ristas nos formou o espirito e
o corago, admiraao e amizade
do Corpo Docente do


5i fXl iz 1 .* g j)c,



























A' memorial do

IEsino. e Ilewrmi. Sir. D. Jonsurim dos Miera,
SEOUNDO BISPO DO CEARA ;

DO

Revmo. Monsenhor Francisco Rodrigues Monteiro,
TERCEIRO REITOR,

Preito de gratiddo do



Seminario Episcopal do Crato























































D. JOAQUIM JOSE VIEIRA
Segundo Bispo do CearA, que, por tres vezes, reabriu o Seminario



































oD ~ll% DO~ (Q~ humiDr~o i~cdjairn~a fill I[Dlivc~~sn~ ~~
BISPO DIOCESANO


C ia tincta efer-w "a c ioccS e 'o2 Cra ta,

OGeeteSeminariC aEpiscopal



Seminario Episcopal


































































D. QUINTINO
10 Bispo do Crato, antigo professor e reitor do Seminirio, e que, cnio
Diocesano, acaba de reabri-lo na sua actual brilhantc phase.

















































D. JOAQUIM FERREIRA DE MELLO
DD. Bispo de Pelotas, antigo alumno e Director fundador do
Collegio Sao Jos6 1909-1914


/a1



























4
,


rC*-* .


14 I I


Panorama da cidade do Crato


- Z-~~*


-f i '.
.~js r't, ,." ,,-
.:..,: ;, ,:.,E"i-
.... *'.'.s ,
4.4.,


'-< *,- ", p


I-


;I'
:.








1? DE MARCO 1875 1" DE MARCO 1925


SEMINARIO EPISCOPAL 1'O CRATO EM 1925



















AmPRDO)WA((lO !10:RCESA\A


Applaudimos e approvamos com salisfagio o pro-
jecto das fiestas cor que os direclores c professors do
nosso Seminario tencionam solennizar a passage, esle
anno, do quinquagesimo anniversario da sua fund ;ao,
e berm assim a publicago do Album Commemorativo, em
que se da uma noticia succinta, mas exacta, da vida do
mesmo, nas diversas phases por quc tern passado, attes-
tando ao mesmo tempo a somma dos beneficios decor-
rentes da sua instituicgo.

Crato, aos 18 de maio de 1925.

t Quintino,. Bispo Diocesano.


















TIIAMBU\1501M1o


Completando, ncsLc Anno San[o de 1925. (inconita
ianino. de vida o Seminario Episcopal do Crato, embora
que, dturante este long period, Lenha, por algtumas ve-
zes, fecha(do as suas portas a mocidade esludiosa lesta
parole (do Ccari, obrigado pela mingua de inaLricula suf-
ficiente on pelaS crises climacericas que nos hiAo visi-
lado, n6s, os directors c professors deste Educandario,
a excmplo dos'nossos sempre lembrados Alestres do Se-
minario Archilepiscopal de Fortaleza (Jue icommnvmorou
condignamenle o seu cincoentenario, cm 1914, resolv'.mos
conmpilar este modesto album, como meinoria lde lto c(--
slpicuo aconteciinento.
( i])cerlfeito [rabalho que, hoje, sac a 1ume, s6 lem
umn merito, que 6 o da boa vonlade, pois Ihe cscai-;ciam
dados precisos de par com a linguagem cuidada c polida,
que bhen Ihe cabcria, si a outras mios estivesse incum-
bida n sua feitura.
Nito deixa, por isso, dc ler grande valor, porpue poe
iem relcvo vultos de bispos venerandos, de sacerdots ci'ja
fronle se aure6la com a fulgida cor6a das virtues, de
cidadlios illustrcs c prcstimosos, (qur alumnos quie sc
educaram, en nossos bancos, quer cavalheiros (que, jusla-
mnilte, merecem o sympathico nome dc bemfneitores.
Ademais, falam eslas paginas, bbcn de perto, Ai alma
do nosso povo, sempre intcrcssado por tudo que diz
rcspeilo a esla ferlilissinma zona do Cariry, Lto chcia d(
exuberancias, quao rica de tradiOces gloriosas.
Um nobre fim visa o nosso album, que 6 o de pre-
star unia homenagem de gratidao, de respeito c de sau-
dadc, ao egrcgio Fundador do Seminario, aos rcitores e











professors que, aqui, derramaram scores e despeOnderain
energias; aos numerosos discipulos que, nesta fonte d(
aguas salutares, beberam a luz da sciencia c os ensina-
mentos que Ihes formaram o corag~o, nos moldes da
moral christd; aos nossos antepassados, emfim, que lanto
ise empenharam pela construcgio desta casa gasalhosa c
amiga.
A present compilacto historic ha de mercer de
todos os catholicos desta Diocese o melhor acolhimento
porque, de certo, nto haverr familiar no Cariry, que nao
vecja o nome de um filho escriplo nas suas poucas 0 des-
coloridas paginas.
Aos antigos educandos recordard clle os doces e
alegres dias da descuidosa mocidade, que passaram a som-
bra deste sanctuario bemdito, e d actual geracio que se
apresta para as conquistas da vida, illustrando o espirito
e ennobrecendo o character, servird do estimulo e de con-
forto.
Desobrigando-nos de tilo honrosa Larefa, erenmos con-
correr para o renome do 'Cariry, dando i historic patria,
particularmente a do Ceari, um pequeno subsidio, e, ao
mesmo tempo, render um tribute de mnrecido louvor
a quantos concorreram para a obra do nosso Seminario,
que ha de lembrar aos porvindoiros a 1', o labor e o
bom gosto pelas letras 'dos nossos maiores, que niio me-
diramn sacrificios para que se construisse e se mantivesse
o velho estabelecimento de instruccdo, fructo abnucoado
do zelo ardente do Exmo. Sr. D. Luiz Antonio dos Santos,
unma das figures mais proeminentes do Episcopado bra-
sileiro, no seculo passado.
Releve-nos o public ledor as imperfeig6es que, ccr-
tamente, hi de encontrar em nosso despretencioso tra-
balho, ficando-nos o dever do agradecermos o acolhi-
mento que Ihe der a sociedade do Cariry.

Os directors e pro/essores do
Seminario do Cralo.


















CAPITULO I


FUNDAgAO DO SEMINARIO


Pelos mciados de 1872, recebeu a cidade do Crato os
primeiros missionaries lazaristas vindos da capit-il do
Eslado, por ordem do Exmo. Sr. I). Luii Antonio dos
Siantos, primeiro bispo do Ceari.
Ao aportarem nis nossas plagas, os dois sacerdoles,
pacre Guilherme c padre Antonio, ambos da Congrcg.aco
dos opcrosos filhos de Sao Vicente de Paulo, forum bemn
acollidos pelo povo, e, sem perda de tempo, comecaram
a pregar a palavra de Ieus.
Improvisou-se, i porta da matriz, una latada de
folhas de palmeira, para abrigar a multidaio de fieis que
a igreja nfo comportava.
Nesse tempo, a nossa cathedral compunha-se apenas
da nave central c da capella-m6r.
Innumeros e abengoados fructos se ian collhendo
da missao e o povo, em geral, se mostrava exultante, ou-
vindo con religio'sa attengco a palavra dos dois padres
extrangeiros, quc, apesar disso, nio deixava ide calor no
espirito de quantos a escutavam.
Os missionaries, homes de larga "xperiencia, per-
cebendo que pisavam uma terra de crentes, onde a 16
christa transparccia simples c rude, mas robusta e pro-
funda. mais se animaram a instruir o povo na doutrina
salvadora de Nosso Senhor Jesus Christo.
Comprehenderam a necessidade da fundagito de uma
casa de ensino, em tMo promissora cidade, para bem servir
a zona do Cariry e aos sertoes dos estados vizinhos.










Langaram a semen[e quc foi acolhida comn applhusos
e, pooucos dias depois, recebiani dos fieis alguns obulos
para a cons'truccao do predio em que devia lunccionar
o collegio.
Annuindo ao desejo do povo, enviaram clles as cs-
molas arrecadadas ao Sr. I). Luiz, informando S. Exa.
(dc ttdo que sc passira.
0 illustre Prelado, que ji fundiira o Seminado de
l:oria/leza. exulton ao receber a carla dos Lazaristas e
logo (quiz p6r cin pratica a id6a (de dotar a zona sul
ccl'lnse d(e uma casa de instrucclio congenere i dal
capital. conmo, uni anno antes, lhe linha suggerido o
revmio. Padre Cicero Ronimo Baptista, entao recentemen-
Leo ordllnado.
Escrevendo aos missionarios, ordenou-lhes quc conti-
iiunssem a receber (lonativos para a realizacaio de lfto
justo aspirar dos cratenses.
I: o auxilio do c6o nito se fez esperar. Tudo, no
coinc(o. veio enm favor do clevado tentamen que encon-
Irara franco apoio na pessoa (to home superior, do
Lispo eminence em virtue e em saber que occup)'ava o
solio episcopal do Ceara.
Coin umna destimidez digna dos maiores elogios, con-
fialdo na proteccao divina, o Sr. I). Luiz dcu-se ])ressa
cm laniucar os fundamentos do Seminario.
So uma vonlt'le illuminada pela graca poderia ati-
rar-se a construir um predio naquelles priscos tempos.
em que o Ceari ainda estava muilo aquem do progress.
que, hoje, o p6e em realce ao lado dos outros estados
da confedleracao brasileira.
Nesse interim, leccionava theologia moral, no Se-
min:irio de Forlaleza, o Padre Lourengo Vicente Enrile
(que, em companhia (lo Padre Pedro Auguslo Chevalier.
p,!rinmiro reitor daquella casa (ie instrucgao, vicra da
Bahina para auxiliary na dirccgao do novo inslilulo a
esse santo c syml)athico vclhinho, cuja memorial querida
aind(a conservam os seminaristas de entcio.
0 clima do Norte, segundo se 1I no album do Sc-
minario Archiepiscopal, de cujas paginas extrahimos al-










guns dados p]ara esta narracao, alacou I'orlemlenl e a sa'ide
do piedoso lazarisa. cque, a conselho medico, veio esla-
beleccr-se no Crato, a nandado do Sr. I). Luiz. ,)ara.
cominear.a edilicacfo deste Seminario.
Parliu de ForlalIza no dia 3! d(e iaio dle 1871.
Em It6. Toi reccbido p1elo venerandol MIonsenhor IFran-
C(isco HI(odrigues MoneCiro), (ueC se lrans)sorlara a C.ssa
cidalde para servir-lhc de conip)anlhiro.
Chegando ao Crato, ainda. coin a saude abalada. en-
Ircgou-se ao exhauslivo tral)alhl) da mission e. c1m ago.lo,
-comIcc:on os alicerccs da obra (lue 11he ft('ra coniliada.
Corn as esmolas (cue o excellent e Pastor receera.
na (al)ilal, alp6s a pubitlica.ao die unia sua cariua, cim be-
ncficio do Seminario a erigir-se. e ccom a qunlia (1do
lroz condos de reis arrec(adada ])elos missionarios cm ou-
Iras freguezias. o Padre E:nrile adia.nlava o scrvic(o (do
predio.
Logo q(ue sc esgotlalra os rec'ursos oblidos, o ardor
.con (que se inic(iara o trabalho foi arrcf'ccndo t, d
lodo paralysaria o serviC,'o, si o Sr. I). Luiz nIo se im-
puzesse o sacri'icio de abandonar o conl'orlo (to seu paco
episcOl)al p)ara, nuima viagemn longa e enl'adonha, vir fi-
xnr residencia lnl)iporaria no Crato.
Ao chegar a esta ciida(e, ]1o dia 31 de dezemblro de
1874, 'oi acolhido, conmo las duas oulras vezes (clue nos
visi.ara. coin feslas (de carinho e respleilo, sendo hiospo-
dado p)elo seu grande amigo e compl)adre, coronel An-
tonio Luiz Alves PequenoI na casa em (ilue, hoje. inora
o coroner Francisco Zabulon.
Foi esta a residencia ec)iscol)al (do Prelado, duiranle
,os seis ,mezes de sua estladia, em nosso nmeio.
Logo que p)isou o nosso s6lo, proleslou o valoroso
1). ILuiz quc nito alba noonlaria o Crato), scm vcr l'uncci o-
noa o Seminario.
Corn a presenca de lio o 1nimoso e resplilavCl iispo.
u1n1 novo ardor enclheu os coracoes dos cralteses, qiue
.se collocarnin no lado do scu born pastor para con-
:struir-se obra de Lamanho alcance.
PI'z-se S. Exa. ai frente (ha construccato, encorajando







(i 32 *


o povo corn sua palavra apostolica, e as paredes subian-
coin relative presteza.
Os iicos proprietarios, os reprcscnlantes do com-
mercio, mnesmo os desvalidos da fortune, todos -i por-
fia, se enpenharam por attender ao appello do Sr. Bispo,.
enxergando na sua vontade a de' Deus que, providen-
cialmente, inspirava S. Exa. a vir ser nosso hospade por
scis meses.
O Padre Enrile era a alma dos trabalhos, era o ido-
latrado dirigente que recebia dos rudes operarios as.
mais vivas demonstrates de respeito.
1)e dias em dias, vinha umia turma de homes, dos.
sitios vizinhos, chefiada pelo patrao que mandava, na
frente, uma rez e os mantimentos necessarios para os.
jornaleiros.
Todos os dias era abatido um boi ao p1 da cons-
truc(cao.
0 revmo. Padre Cicero veio, certa vez, do Joaz7iro,
coir uma multlidlo de pcssoas, e, segundo informi:;id-
scgura, fez encher muiios metros do alicerce, em ium
s6 dia.
entiree esses generosos bemfeitores, destacacmos os.
senhores coroneis: Antonio Luiz Alves Pequeno. pae do.
actual Prefeito municipal, Mariano de Oliveira e Sousa,
Joaquim Secundo Chaves, Henrique Fernandes Lopes,
Joaquim Candeia, Francisco da Franca Alencar. Pedro
Jos6 Goncalves, Jos6 Pinheiro Bezerra de Mcnezes e Jose
Maia. de quem daremos breve biographia, noutro cal)itulo.
Como era grande o plano da obra. o Sr. J). Luuia
viu que nio seria possivel abrir as aulas, em marco desse
anno de 1875.
Nessas circumstancias, resolve S. Exa. alugar um
predio, na cidade, onde pudesse receber os alumnos por
virem e os que ja aguardavam a abertura do Seminario.
Escreveu, cntdio, uma carta ao Visitador dos Laza-
ristas, no Brasil, cujos dizeres sAo os seguintes:










,Crato, 8 de janeiro de 1875


Muito Reverendo Sr. Padre Visitador.


tar do Seminario, cuja fabric esti beni principiada, don-
de nao sahirei sem deixal-o funccionando, no novo edi-
ficio, situado no mais aprazivel e salubre bairro desta.
cidade. Como nao 6 possivel concluir jti uma part da
inova casa, vpu nos principios de marco abrir o Semina-
rio rem um predio alugado, afim do aprovei'tarem os.
estudantes, que esperam a abertura do Seminario e nfio
Jicar o anno lectivo defeituoso.
os padres para o Crato, ficando o Revio. Padre Enrile
aqui cor elles, pois estk verificado que uo se di cor
os acres da Capital, relativamente i saiide.
, nova fundag~o, send apenas um supplemental ao Se-
minario Episcopal da Capital e delle inteiramente filial,
por isso debaixo do mesmo contract que cor o Supe-
rior Geral celebrei. Com isto nada mais faCo do .que
dividir o curso de preparatorios em duas casas para benm
dos estudantes e dos mesmos professors que nio se
deren com os ares maritimos da Capital.
por alguns estudantes brasileiros, no que se deixa vir-
a necessidade de ter um ou dois companheiros.
vircm Irmfs de Caridade para um Collegio de Orphas,.
cujo edificio se acha prompt.
,As vantagens de uma tal casa stio inquestionaveis-
alt mesmo para aproveitar muitas vocacOes que por aqui
fiefco por nao conhecerem as Irmis de Caridade.
caridade e zelo pela salvagio das almas, para nao deixar-
as duas casas do Ceari, sem estes bem necessarios sup-
pl mementos.










ni't1 na part que se vae acabar no novo edlificio, .j que
sera em junho ou julho desle anno.
)Deus proteja' os dias de V. Revma. c o enchli dl scu
Sainto Espirito.

De V. Rcvmna. amigo c servo

Luiz, Bispo do Ceari),.




0 predio a alugar-se de quc fala a carla do Prclado,
nito 'sc ncontroti C neml lll a eSI)erancl(a hlavia d(c, elL
LJrevc. star acabada a part da casa que menciona a
reeirida missiva.
Diante desse embaraco, o Sr. I). Luiz. home de
voinlade de ferro, espirito tenaz c reveslito (la I' que
cnicoraja os Aposlolos, nfo querendo (lqu fracassa.sse o
scu plano, mandou construir uma capielliniha de taipa,
col(rta de palha e, ao lado do losco sanltario, gran-
des barracOes de igual feitio, que servirani de salas de
aula. dormitorio c mais dependencias de umna casa de
instrucg'ao.
Sob esses casebres, di-lo a tradi' a io popular. abriti o
ilnrepido Bispo o Seminario do Cralo. no dia 7 de
marco de 1875.
O imlprovisado predio chamou-se Scmininariho .
AIraz dresses alpendres, construira-se unia casinha
ide lijolo c tellha. com dois cubiculos c uam saldela, (qu
serviam de alosentos ao Sr. Bislo. quando linha de de-
mo-rar no c.Seminarinho, .
Nessa pequena c humilde capella. ordenou o Sr. D.
IuiZ quatro mocos: Jos6 Alves Bezerra, de Varz'alocgre,
no dia 20 de feverciro; Francisco Lopes Abath, (do Crato
c J.os Leonardo da Silva, do Iguatfi, no dia 11 de julhbo
e Manoel Felix de Moura, de Milagres, no dia 30 do
mesmo mnis, todos cm 1875.










Alumnos desse leinpo e varias pess6as patricias quc
assisliranm i Locante cerimonia, falanm-nos da simplici-
dade encantadora que presidiu ti 'esltinha, de par coin
o rcgosijo franco dos assistenlcs, diante dte unim so-
lennidade al6 enLIto s6 conhecida de poucos.
Emnquanto o Seminario funiccionava nos barraccws. o
prcdio de lijolo orguia-se pouctw a pouco.
No pequeno e ]obrc Scninarinho decorreiu a vida
collegial atl jul. ho. mes em que sc inatugurou a parlk.
sul do actual Seminario.
Resta da c(al)ellinha de palha uina cslaca. q(j1: st
transforlmou em grande e cop)ada arvore )pan d'arf .
cujo cliche se cncontra neste allum.
O grande Bispo cunmi)iira a sua paltavra: o Seii-
nario estav\a qluasi edificado; podia seguir para Forllai z.a.
o que effl'ccivainenle fez, em principios de agosto. apl6s
a inauguraco dla park a qlue n No anno seguinte, 1876, o )predio se c ominpuifla dc
m:ais a parte norte c da vasla capella ao ceniino. ([qu s'
crigiu imp)oncetc e nmagcslosa.
Ingenlcs sacril'icios cuislot o I evantainlento lscsia c'nsa.
l)ast;i:nls p)ara dlcsaninar a ouilros ue iie iao ; Sr. i). Ti':iz
c o I(vinmo. Padre Ilnrilce. dois comlnl)aklienles ldnodiltd s a
q(c (n devlc\mos a cdlificaco d(o nosso Smin iaorio.
Ndio obstanlc, D)eus nlacncyoava visivelmenlc a oblra.
c o Scmninorio florescia coinr grande jubilo dos crr le'ns's.
Nessa epoca, a naltricula su])ira a sesseIIla ali]n1111Is.
Ao corpo doccnle sc addlicionaraum inaiis (ltualro p)a'dres la-
zaristas: Padre IauIlo Emiilio Brayde. Padre An[ilo r I'a-
drc Anlonio Hichoux. () Padre (Guilhcrine lecciolnou por
Alguin tempiJ). Alein desses saccrdotes congrigados. lia-
via mais Iris diac'onos, AIanocl iFelix de louni. !'"ran-
cisco Lopes Aballi e .los Leconardo da Silva. tris clerigcs.
Iaymundo IUlysses Penalorl. minjainiii Correia S:lui)>li(i
Figu cirdo o C Fruluoso Arniaud Foraliga. i)rol'cssi)ores Iu-
xiliarcs, c o terceiro ai nista (de prec)aralorios. C:an ul(-
Sevcrino Augusto Limna, (Lque nsinava iniusica.
Os abnegados ministros de l)Des, al6m do Irabullio-
do Scminiario, )preslavain o)plimos servi'os poptiiayiiao,.










,ouvindo de confissfo a quantos os procuravaim c admi-
nistrando os ultimos sacraments aos moribundos.
Como prova disso, temos i mito uma carta do Pa-
(dre Enrile ao seu Superior, cm Paris, de que tiiramos
alguns topicos:
(:O povo d'aqui como cm geral de todo o Brasil e
chcio de f6; estamos constantemente cercados de pes-
scas que se quercm confessar; families inteiras caminham
a p6 muitas leguas e por vezes vem de lugares muito dis-
lantes unicamente para confessar-se; e-nos imposs'ivel re-
cusar-nos a este ministerio, porque a miaior parte des-
las pessoas passariam muitos annos sem confissfio por
falta de Padres que possam ou queiram confessal-as.
ximas e um campo vastissimo so offerece aos missiona-
rios, ndo s6 nesta provincia como nas circumvizinhl.s.
O0h! quantas almas inlciramenLe abandonadas quc
passam a maior part da vida sem ver um padre a
-que niorrem seml sacramentos! Ha parochias no Piauhy
naiores do que as dioceses de Franca, corn um so6 padre,
v este muitas vezes volho c enfermo: nem mesmo o nais
.zeloso missionario poderia sequer administrar aos mo-
ribundos os ultimos sacraments.
Pae, que a providencia tendo chamado os filhos de Sto
Vicente de Paul., para tomar a direccgio desta nova
casa, quer por este meio salvar umi grande numero de
almas, qu6r contribuindo na formacgio do h)ons padres,
quer educando christanmente os filhos das prim 'iras fa-
niiias desta regiao, quer emfim evangelisando lantas al-
mas abandonadas.
:De nosso lado faremos todos os esforgos, parn
corresponder dignamente aos designios da b6a Provi-
-doncia, i qual nos abandonamos, pela qual sempre nos
deixamos guiar, sem nos apressar nem ultrapassar seus
designios conio nos recommend nosso Santo Funda-
dOr: .
N~o se p6de calcular a somma do beneficios que
essess santos saccrdotes fizeram ao Cariry.










Todos os que ainda existem desse tempo, s'o una-
ninmes cm -abenoar os nomes dos lazarislas quc deixa-
ran em cada coragto um altar, sobretudo o Padre En-
rile. cujos restos mortaes o Seminario guard. (.omo um
thesouro precioso, como um penhor de felicidade c de
s( granca para a sua existencia, ao pe6 do altar de S.
Jos6.
Por tudo isso somos devedores a Congregacto da
MissAo. que talvez, nto muito long, reenvie a esta casa,
os seus dignos padres, pois qiu o Seminario 6 obra sua,
.d filho do de Fortaleza, cuja dirccato estd confiada, desde.
o scu inicio, a esses homes de saber e de virtues.






Eis, cm ligeiros tracos, a historia da Iund'.ilco do
nosso Seminario.
Valemo-nos do testemunho de algumas pess6as de
fM, al6m dos apontamentos que nos fornecen o Album
ja citado.






!Al

= T f '








































RECREIO DOS SEMINARISTAS
















































Frondoso de palha do Seminario







































































D. LUIZ ANTONIO DOS-SANTOS


.'1C~
il %-~pla.














3 MA\ 1950

Art. II ..__


DOM LUIZ ANTONIO DOS SANTOS

Nasceu D. Luiz Antonio dos Santos. em Angra dos
Reis, Rio de Janeiro, no dia 13 de marco de 1817.
Scus paes, Salvador dos Santos Reis c D. Maria An-
tonio dos Santos Reis cram christfos praticos que deram
ao filho uma educacao religiosa c pouco vulgar.
Os primeiros, estudos, f&-los nos joelhos malernos
e, aos quinzc annos, entrou para o collegio de Jacare-
canga, fundado pelo irmio lcigo Joaquim do Livranento.
Ap6s algum tempo, foi residir nessa localidade 1o
padre Antonio Vicoso que tomou a seu cargo os estu-
dos do joven Luiz.
A proposito do inicio dos scus estudos, transcrcve-
mos, aqui, alguns apontamentos que elle mesmo forne-
ceu a seu college e amigo, D. Antonio de Maccdo Costa,
para a biographia que o crudito Bispo do Iard fez
de D. Luiz.
eQuanto a fugida para o Scminario, deu-se assim.
estudava en latim cm Angra morando ein casa tdo men
AvX, morando meu pac comn sua familiar na Ilha Gran-
de. Notando eu o pouco adiantamento por causa da
irregularidadc das liccos, pois o Padre Jos6 Boaven-
tura nAo se importava com o adianlamento dos scus.
discipulos; desejei muito ir para o Seminario de *Ja-
carecanga, tanto mais quando alguns mcus companhei-
ros de escola, cntfo ji no Seminario, me fallari-o das
materias que estudavao. Uma vez, estando o Padre Vi-
coso em Angra cheguei-me a clle e pedi-lhe que me are-
cebesse no Scminario. Entrou elle a a.prescntar difficul-
dades, dizendo que nfo havia aula para mini, pois al-
guns eram principiantes c outros j.i muito adiantados no
latim, etc. Meo pac respondia aos nmcos pedidos di-










zendo que como eu linha alguns meninos da villa no
Seminario desejava ai clles ajuntar-me para brincar, sen-
do o resultado pagar elle as mensalidades semn proveilo,
\Vivia eu bastante contrariado. Em fins de 1832 oni prin-
cipios de 1833, fui cm companhia de unm esludante da
Villa que regressava para o Seminario.
Alli fui me demiorando e continuando coin os meus
pedidos ao Reitor.
Neste tempo meo pae foi ai Villa e dizendo-se-lhe
que cu tinha ido ao Seminario, em sco regresso ai Ilha
Grande passou por .acarecanga paara me lcvar. Nio op-
piuz rcsistencia no embarcar-me; mas sahindo da praia
do Seminario tendo a can6a (nito sci o molivo) i(de
iportlar em umra casa na beira do rio. e vollando tlodos,
fiquci eu s6 na canoa e al)roveitando-me da occasiiio, re-
mei para a outra margem (do rio onde fica o Seminario.
para onlde corri largando a can6a.
Quando me virtio jai cu cslava long c porque os
da canoa 'icavam como iliados sem modo de seguir-
me, muilo a vonllde cheguei a: f Seminario jilgando-me
livre dce plersegluigio Temino (iepois vi meo aec na por-
larin procuirandlo-me. ( (liCe iazer? Corri ento p]ara
a Igreja C prociurei o lhrono. ~.1 o pae inquieiclo-se,
n1ao met achando c disse algumias palavras Iortes a um
que servia de reteitoreiro e sacristido. Naio sei si elle
niesmo indicou o lugar em que me ent achava. ( cerlo
6 q(ue miiio p)ae toi me achlar entire as ceias de aranhas
no mais all o do throno, alriz da iniagem da San-
tissima Trindade. A vergoniha, o Le[r contrariado enm
mncos juslos desejos. fizerao-me lto forle impresstio q[ue
chelguci a Ilha (rande ja senlindo os primeiros signals de
umia en'fermid(a(e (lqu me prostrou p)or muilo tempo. Sa-
ici e (coiiltiinando inos imcesnmos desejos, veio mio )ace a
a:nnuir a minha i(da. Era lemlpo enm que s achmnva em
Angra o Padre Visoso com muilos est:udantes solemni-
sandlo a semana' santa. ( Padre Vicoso ainda resistia
dizendo (qie en naio ine daria no Seininario; nao sei o
'que respond(i, o certo 6 (que con sumino prazer eml)arquei
corn alguns estudantes, e Ii 'ui para o Seminario.










Em Minas, o Sr. Bispo D. Antonio contou-me o mo-
tivo da resistencia. Havia no Seminario unm rapaz de
Angra que era mesmo da pelle e que goslava de iinm
e perante o mesmo Sr. Padre Vicoso fazia-me elogios.
Pensava entao o Sr. Padre Vicoso que eu era *.omo o
outro de genio Lrefego e ins6ffrido, e por isso Iinha medo
do admittir-me.
Quando, Sr. Bispo, penso neste passo de minlia vi-
da, admiro a misericordia de Ieus para commigo, le-
vando-me como pela milo para um lugar seguro... O
que seria de mini se ficasse em Angra? Entretan to, fio
tenho correspondido a tanta bondade de Deus para
('ommigo.,
Tendo sido nomeado o padre Vicoso para dirigir
o Collegio dos Lazaristas, em Caraca, Icvou o virtuoso
sacerdote o seu discipulo para matricula-lo, naquele In-
stitulo, onde permanence atW terminar os. estudos theolo-
;gicos.
A 21 de setcmbro de 1841 recebeu D. Luiz o pres-
byterato das mnios de D. Manuel Rodrigues Monte de
Araujo, Conde de Iraja c Bispo do Rio de .Janeiro, na
capella do palacio da Conceicgo.
Depois de ordenado, recolihcu-se ao Cara.a, onde
ecxerceu o cargo de professor.
Eleito D. Vicoso para o splio episcopal de Ma-
riana, acompanhou-o o neo-sacerdote di sdle do Bis-
pado, sendo entao nomeado professor de Moral do Se-
minario e elevado i dignidade de conego.
Nutrindo o desejo de aperfeiqoar-se nas materials
,ceclesiasticas. obteve do seu Prelado permissfo para ir
,estudar em Roma, em cuja Universidade se formou em
,canones, voltando depois a Mariana.
No meio do seu ministerio de zelo apostolico, veio
,encontra-lo a eleicio para bispo do Ceari, pelo Decre-
to Imperial de 31 de janeiro de 1859.
Confirmado por Pio IX no Consistorio de 28 dc
setembro de 1860, foi sagrada por I). Vigoso no dia;
14 de abril do seguinte anno.
Aportando ao Cear cme 26 de setembro de 1861,









fez sua entrada solenne na Cathedral a 29 do mesmin
mis. tendo ja antes torado posse do Bispado pelo seu
procurador, Conego Antonio Pinto de Mendonca.
Preconisado arcebispo da Bahia pelo Consistorio de-
13 de maio de 1881, deixou D. Luiz o Ceara, rnuito a
conltr gosto, pois ja ainava a sua Diocese corn todo o.
desvello de um bor pastor.
Falleceu na Bahia, poucos annos depois.











CAPITULO II


Art. I

PRIMEIRA PHASE DO SEMINARIO

Reitoria dos Lazaristas

Padre LOUREN(O ENRILE

Consummatus in brevi,
explevit tempora multa.



















I PE. LOURENC O ENRILE '
Primeiro Reitor i



Corn estas bellas e significantes palavras, abrimos
o present capitulo para falar da direcCo dos Padres
lazaristas, em nosso Seminario, desde a inauguracio do.
Institute at6 fins de 1877, a quando da retirada desses
sacerdotes do Crato.








~52~


Dois annos, apenas, dirigiram elles o Seminario.
A despeito, por6m, de sua curta permanencia, neste
Estabelecimento, deixaram, ap6s si, tracos que ainda vi-
vem para dizer, na sua linguagen muda, por6m eloquen-
le. o quanto de bem fizerain elles pelo floresciniento do
nosso querido Educandario.
Trabalharam pouco tempo, mas sua accqio produziu
por uima vida inteira.
Ahi eslki o velho e imponenl e casario, com nmeio
secclo de existencia, a attestar os esforcos do Padre En-
rile que, revestido de unia abnegacio a)rendida a luz
do crucifixo, nio encarou sacrificios, nao mediu tIra-
balhos c canseiras, para deixar aos posteros um mo1nu-
mcito vivo lque proclama benm alo, o seC ardente zelo
pela instriuc'co e, ainda mais, o sen accendrado amor .i
causa de Deus.
'Tuido, neste antigo temple do ensino e da oraiao,
nos fal( da memorial saudosissima do Padre Enirile c dos
scus distinctos companheiros e irmitos em Jesus Christo.
Os alumnos que, nesses annos, por aqui passaram,
e que. hoje, sentem fios de ncve a emmold(irarem-lhes a
fronte, sabem lembrar-se com saudade e carinho dos
]ons Padres lazari.stas, communicando-nos o respeilo c
a veneracago pelos seus dedicados mestres.
E n6s (que, de padres da mesnma Congrega^io, re-
co]cemos ensinamnenos (e ra e al c ivislno, trans-
mitliinos aos nossos discipulos Ludo que tie beneficios
preslaram os Congregados vicentinos ao Seminario.
Mais cloquen do qe o l isso, diz a linguagem sin-
cera c expressive do povo.
Nao hIi, de certo, velho que nio benmdiga o nome
do Padre Enrile, este model de sacerdole aliholico que
reunia aos vastos conihecimentos de sciencia, tuna pie-
(dade solid, haurida, em Paris, na Casa Mile dos La-
Yzaris ias, viveiro tri-secular, onde lodas as accoo s se de-
cidem ao ]) d(o Tahernaculo, quartel-general, onde, sob
as rcgras da iiais integral obediencia, se apresntiaml com
umna discipline rigida, por6m- suave, esses milhares de
-combatentes que sc disseminam pelo universe inteiro








* 53 *


a conquistar almnas para Deus, soldalos para a patria
e homes dignos para a sociedace.
E' dos labios dos anciAos qut ouviinos o clogio
mais bem acabado c carinhoso do Padre Louce:no Vi-
(entc Enrile que, no espirito da polnlaci'o cralcinsce s
fez credor de uma admiracio incondicional pelas vir-
tudcs que cultivava corn esmero. Santo, 6 o cpithJto justo
que the di o povo c nao hi quemn diga o conlrario.
S. Rcevra., logo quc o Sr. I). Luiz albriu o Semi-
nario, foi incumbido dc dirigi-lo e o fez comn nin lino
invulgar.
Nao sc limilava a acCio (do primeiro lcilor iem
gujar os destinos da casa, da posic-(o cmn que o col-
locara o Sr. Bispo, mas entregava-se a lodos os jmis-
Leres. Desde a sala dc aulas al6 a cosinlla. sa ac(ti-
vidadc sc desenvolvia, a contento dLe todos os qflu ha-
bitavam o Seminario.
Trabalhava sei Ircguas, duranie o dia. i noite
quando lodlos dormianm, ainda vigiando, pcrcorria o dor-
imilorio c mais complartimenlos da casa. nlo deixando
dc consagrar algumi temp o o studio.
0,; priimciros allorcs da madrhugada. (como dcelr-
inin ai as regras da Congrcgaciio, j.i o elncontra'valln o
culmprimenllto do ever.
Assim passava )s cdias, naio csc(uecendo os iinnium1 -
ros penitentes cque Ihe pediam os ouvisse de -1*ol'issio.
Aldm disso, pregava semplre. A' c-apella (do Semi-
nario, no meio de grande massa )popular. aflui a o iiue
o Crato tinha de intellectual, naquellc eIml)o.- para ou-
vir a palavra facil c erudita do Padre Enrile, cuijo sa-
ber se f6ra vendivel, nito havia dinheiro que o coim-
prasse --diziam os letrados de entito.
Apesar de estrangeiro, pois nascera c(' Fin:illorrgo.
diocese de Savoia, na Italia, no dia 28 de 'evereiro de
1833, o modesto e apreciado tribune, nianejava a lingua.
porlugutsa corn facilidade, de modo a prender o audi-
torio.
Em todos os misteres do saccrdocio era o Padre-
Enrile exact e admiravel.








* 54.


Edificava o povo quando, ap6s os trabalhos do Se-
minario, sahia em busca dos moribundos, levando-lhes
o Pao dos anjos e o conforto da sua palavra cheia de
-uncao.
De organismo fraco, de safide precaria, minada
pela tuberculose pulmonar, n5a podia tao preciosa vida
-conservar-se, por muito tempo, cor o peso que Ihe ca-
hira sobre os hombros.
0 mal que o obrigava a deixar Fortaliza, lhe. ia
diminuindo as forcas.
Prostrou-se.
Do leito de enfermo, dirigia a casa.
Zombou o terrival mal dos cuidados medicos do,
coroner Joaquim Secundo Chaves, seu amigo devotado,
que lhc serviu de enfermeiro, durante o curto period da
prostragdo.
Um dia, o seu desvcllado enfermeiro convidou-o para
tratar-se em casa de sua residencia a rua das Flores, a
que accedcu.
Mas, nesse mesmo dia, 13 de novembro de 1876,
rendeui sua bella alma a Deus, nos bracos do coronel Se-
cundo.
A populagao, em peso, accorreu ao Seminario e
do todos os olhos cahiam lagrimas a fio, e todos os la-
bios ciciavam prices pelo irepouso da alma do pran-
Leado morto.
No dia seguinte, den-sc a inhunmaaio na capella do
Scminario, abaixo dos dcgraus do altar, c, de memorial
de home, jamais se assitira, no Cralo, a enterro tao
concorrido e d morte tio chorada.
Tracando a biographia deste digno Filho. de Sio
Vicente de Paulo, nada mais fazemos do que render prei-
to de justice a memorial daquelle cuja vida foi umr
c-xemplo de todas as virludes.


*









@55


PADRE LUIZ BOA-VIDA



















PE. LUIZ IOA-VIDA
Segundo Reitor


Conm o desapparecilnento do Padre Inrile'. i'oin U'(ou 0
Seminarjio a decahir.
Succedeu-lhe, na reiloria, o Padre Luiz (oi"z ,' Boa-
Vida, portuguis, nascido em 'al dos I'razce'rs. ihomn 1I
culto c artista eximio, que nos deixou urmla ,slimadissila''1
lembranca do seu Lalento a.rtislico o sacrlario d' I ossa
capella.
Con elle veio o Padre Jos D)ornlne. iamli1)m l-
zarista. A vida do eslabelecimento nao lais j s' apru-
mou, apesar do tino adminislralivo tdo Iadrlte Io-Vi
ate que o flagello de 1877 vuio fcchar as porlas dLo Sc-
minario.
0 novo Reitor, n1io acoslumado ai v qir a q(tli;l1ro 1c-
gro e aterrador de util secca. no Ceari. e 'lelid0 I)re-
senciado a desercao da maioria dos aluillni 0. '1('1-S('
de pavor c retirou-se p)ara Fortaloza. a'intl dc ilorni"
o Sr. Bispo das condioers asnad d lisolgeii s n ( 'i-










xando: os seus companheiros que se foram em coinecos
de 1878.
Nessa contingencia, o Sr. D. Luiz, sem rccur.-sos e
sem padres. declarou, com a alma ralada de tristeza,
fechado o Seminario do Crato, confiando a guard do
predio ao coronel Joaquim Secundo Chaves.
Durante esses dois annos de vida, o Seminario teve
uma matricula de cerca de sessenta alumnos de que fare-
mos menfio noutra parte.
Assim terlninou a primeira phase deste InstituLo,
Foi breve, mas nem por isso, se pode medir a som-
ma de bens que elle nos legou, na direccio dos La-
zaristas.
0 Superior Geral da Congrcgacao promelteu ao Sr.
D. Luiz que. ao passarem as consequlencias da Lreimenda
secca, mandaria de n-ovo os padres para o Crato.
A promessa, porm, tern custado a cumprir-se.
Diante da insistencia do Sr. D. Quintino, que ha
muito se esforgado para arranjar congregados para o
Seminario, batendo 'a porta de varias ordens religiosas,
sem resultado, queremos crer que Deus reserve aos La-
zaristas a mission de continuaremi a dirigir esta casa de
tinito interesse para a sociedade e para a Religifio.










BIIUAOTfCA POBLUCA DO OARI


Art. III 3 MARP- 50

OS ALUMNOS DA PRIMEIRA Pi AS rE- .-

0 Seminario do Crato, sob a direccao dos Laza-
ristas, apesar de aberto naquelles tempos, cm que a in-
struccao pelo Ceard andava muito mal amparada e pcior-
mente servida, matriculou, nos seus dois annos de vida,
um bom numero de alumnos, dos quaes quasi todos se
distinguiram naS letras e na sociedadc.
Cincoenta e seis mocos frequentaram o Instituto e
mais se matriculariam se a impiedosa secca de parelhas
com o desanimo, nao viesse cerrar as portas do Sc-
minario, em comecos de 1878, facto a que ji nos re-
ferimos.
Temos o maior prazer de debuxar, em ligeiros Ira-
cos. a biograpbia dos estudantes desse tempo, dentre
os quaes sobrcsaem sacerdotes de virtue c de sa-
ber, medicos, bachareis e homes publicos, todos sa-
lientes, uns na socicdade em que viveram e outros no
imcio que recebeu a influencia do seu exemplo e de sua
accao.
E' uma galeria illustre e de muito merito, que muito
honra as. paginas do nosso Album.



1) Padre Jos6 Alves Bezerra-natural de Varz,'alegre,
onde comecou os estudos primaries.
Matriculou-se no Seminario de Fortalkza e ali con-
cluiu o curso de preparatorios e uma part dos estu-
dos theologicos, vindo termina-los aqui.
No dia 20 de fevereiro de 1875, na capella do Se-
minario de palha, recebeu o presbyterato e logo foi
destinado a dirigir a sua freguezia natal, em cujo cargo
veio a fallecer, alguns annos depois.










PE. FRANCISCO ABATH


PE. JOSt LEONARDO


2) Padre Jos6 Leonardo da Silva nasceu no
Igiatii e como o precedent comecou scus estudos cm
FortalIza, terminando-os no nosso Seminario, onde re-
cebeu o presbyteralo no dia 11 de julho de 1875. Fal-
leceu como vigario de Iguatfi.

3) Padre Francisco Lopes Abath natural do Cra-
to. Aqui comecou os sous estudos, depois indo para
Fortal&za, em cujo Seminario quasi terminou o curso
theologico. Voltando a sua terra natal, consagrou-se a
Deus. no dia 11 de julho de 1875, data em que foi or-
denado padre por D. Luiz Antonio dos Santos.
Parochiou Brejo dos Santos, por muitos annos, e
all deixou indelevel memorial pelo muito que trabalhou
em prol do scu rebanho e pelas virtudes que praticava'
corn esmero.
Falleceu jd avangado em idade, e sempre venerado e
querido dos seus parochianos.


4) Padre Manuel Felix de Moura, cuja biograpnia
daremos no lugar competent.











PE. JOAQUIM OTHER


5) Padre Joaquin Solier de Alencar.
Bem quizeramos pintar ao vivo o que foi a vida
exemplarissima do padre Joaquim Sother de Alencar,
uin ihumilde sacerdote, a quem muito sc ajuslam as pa-
lavras da Sagrada Escriptura: cpertransit beneFaciendo,.
Evidentemente, a sua passage pela terra 'oi clheia de
beneficios i humanidade e inteiramente devolada ao ser-
vico de Deus.








k 60 N


Nasceu o padre Sother, na freguezia de Assare, em
cuja matriz fez-se christao. E' filho legitimo do Sr.
Vicente Pereira de Alencar e de D. Maria Regina de Alcil-
car, ainda existente.
Transportando-se seus paes para Barbalha, ali co-
mecou os estudos, sob a vigilancia de seu virtuoso tio,
padre Antonio Pereira de Alencar, mais conhecido por
Padre do Brito.
Abrindo-se este Seminario, para aqui veio c, corn
a suspensio dos trabalhos escolares da casa, em 1878,
dirigiu-se a Fortaleza e dahi para a Bahia, em cujo Sc-
minario recebeu o presbyterato, no dia 17 de dezembro
d( 1882.
Yoltando ao Ceard, exerceu o cargo de coadjuclor
de .Barbalha e foi vice-reitor deste Seminario, durante os.
reitorados de Monsenhor Francisco Rodrigues Monteiro e
do Padre Quintino Rodrigues de Oliveira c Silva, e un
dos mais competentes professors.
Fe.hado o Seminario pela terceira vez, foi. por in-
commodos de sailde, fixar residencia em Quixard. Neste
humilde e nada adiantado meio, o padre Sother desenvol-
veu uma accao pacifica, sem estrondos nem exhibigoes,
mas grandemente proveitosa para os habitantes daquella
villa.
Nunca Ihe maculou o espirito e o coiagcio a vai-
dade de augmentar-se ou de fazer figure, mau grado i
solida instruccao que recebeu e os conhecimentos que
possuia.
Sec maior prazer era.viver entire os simples, escon-
dido aos olhos do mundo, long mesmo do requinte da
civilisagao.
Viveu, em Quixard, quasi vinte annos, instruindo o0
povo e trabalhando pelo bem spiritual dos ficis, serm ou-
tra ambicio que nio a de ganhar almas para Deus.
Todos os meses visitava o Crato e o Joaseiro, onde
dirigia urm born numero de penitentes.
No dia 25 de janeiro de 1914, sua candida alma,
que sempre aspirou aos gosos do ceo, desprenden-se sua-
vemente do corpo e foi habitar no seio de Deus..








@61~


PE. BENJAMIN CORREIA S. FIGUEIREDO



















Morreu, mas sua memorial permaneceri indelevel,
o perfume de suas virtudes ainda se respira naquella sym-
pathica casa .que estki a cavallciro do povoado de Qui-
xarai. 0 povo ainda. lamenLa.a sua more e se rccorda,
corn saudade, .daquelle que lhe foi pae amigo e pastor des-
vellado. E' que a palavra de Deus sempre se cumpre:
< Os seus restos mortacs dormcmi na branca capella
que alveja di margem do Caritis, aos p6s da Virgem Im-
maculada e sio venerados por todos que receberam o
inlluxo da sua accao regeneradora.


6) Conego Raymundo Ullysses Penaforte natural
do Jardim. Ordenou-se, em Fortalkza, em cujo Semi-
nario, concluiu o curso de estudos. Falleceu, em Bel6m
do Pari, deixando o renome de orador de dotes invulga-
res, de polemista e publicista nolavel.
7) Padre Benjainln Correia Samp)aio Figueiredo -
nascou em Joazeiro, l'oi ordenado em Fortaleza e falleceu
como coadjuctor de Barbalha.








@62


PE. MANUEL FURTADO


8) Padre Manuel Furlado de Figueiredo nasceu
em Milagres, recebcu o presbyterato no Rio de Janeiro,
onde exerceu o cargo de secretario de D. Pedro Maria
Lacerda.
Voltando ao Ceard, parochion em Jardim.
Seguindo para o Amazonas, internou-se no Acre,
Rio Branco. send victim do clima mortifero daquellas
zonas.



9) Padre Canuto Severino Augusto Lima cratcnse,
de quc ja fizemos mcncao, ordenou-se na Bahia, vindo
a fallecer poucos moses depois.




10) Padre Francisco Alexandrino de Alencar -- ir-
mro do Monsenhor Antonio Alexandrino de Alencar e
mcmbro da numerosa e distinct familiar Alencar do
Ceari. Nasceu em Assar6, recebeu as ordens sacras em








b65 *


PE. FRANCISCO ALEXANDRIJNO


Fortalkza e exerceu por long tempo o parochiato do
Araripe, onde o encontrou a morte em 1908.


11) Padre Jo~o Bandeira Accioly icocnse, con-
cluiu seus estudos no Seminario Archiepiscopal tie For-








* 6b+


PE.. JOkO BANDEIRA


taleza, onde recebeu o
Antonio dos Santos.
que dirigiu por muito
ficis.


presbytera to
Falleceu em
tempo c coin


das mios de D. Luiz
Jaguaribe, fregus zia,
bons fructos para os


12) Fructuoso Arnaud Formiga natural de Mis-
so Velha, fallecceu antes de reccber o presbytcrato.



13) Coronel Antonio Luiz Alves Pcqueno natural
do Crato, filho legitimo do coronel Antonio Luiz Alves
Pequeno e de d. Maria Pinto Nogueira Pequeno.
Nasceu a 16 de dezembro de 1864.
Em 1904, foi nomcado prcfeito do Crato, cargo que
tem occupado por tres vezes.
Dirige actualmente os destinos municipals e muito
tern concorrido para o progress de sua terra, que conta
em son dedicado filho uni amigo desvellado. E' chefe
politico de muito prestigio pcrante os poderes estaduaes c
seus pares no governor municipal c chefia um dos mais
numerosos partidos do Cariry. Casou-se corn d. Ma-
rietta Teixeir'a Mendes Alves Pequeno, no dia 3 de ou-








b5 *


CEL. ANTONIO LUIZ


tubro de 1907, de cujo consorcio enii dlois lilhinhos. No
ullimo ipleilo eleitoral, Ihe coube uina cadcira de dcpultado
A Asscmnbl6a legislativa do Ccarai.


1-1) Doutor Ildelonso Augusto Correia Lima -- natu-
ral de Lavras, membro da imlportante familia Correia









DR. ILDEFCNSO LIMA


Lima daquelle municipio. Formou-se na Bahia, em mc-
dicina e foi medico catholico, um dos mais conceituados
do seu tempo. Falleceu em Fortalkza, nito ha muito
tempo.



15) Doutor Pio Alves Pequeno cratense, irmaio
do actual Prefeito do Crato. Formou-se em medicine c
reside em Barbacena. Minas Geraes.




1(i; Dr. .los Albino de Figueirido natural do
Cralo. filho do coronel Jose Antonio de Figueiri}do c
de d. Ignacia de Figueirkdo. Formou-se pela Faculda-
de de Medicina da Bahia c falleecu no Rio (rande do
Sul, ounde deixou esposa e filhos.








b7 *


DR. JOSE A.LINO


I)DR. CiSIAVO If. DE FIOUII(REDO


17) Doulor (uslavo Horacio de Figucir&do ir-
mio do precedence. Formou-se em Dircito e falleccu
como juiz de Aracaty. Casou-se coin d. Maria Gomes de
Figueir0do de cujo matrinonio lhe nasceram o dr. Ely-
sio Gomes de Figueiredo e d. Lilia Gomcs de Figuci-
redo Rolim.



18) Doulor Jloaquim Gomes de Matlos cratense,
formou-se em Direilo, reside no Rio Grande do Sul.
19) Ioutor Elias Sisnando Baptista bachael jJi
fallccido, filho do coronel Hildebrando Sisnando.



20) MIanuel Furlado de IFigucir(do, de IBarl)allia.
21) Pedro Furtado de Figueiredo, d(e Barbalha.
22) (Grgorio de Sa Barrlto Sampaio, dte Iaruballa.
23) Manuel de Olivcira Paiva, de ForlalIza.
24) Joao Baptista de Oliveira. de Russas.








6 68(


DR. JOAQUIM MATTOS


DR. ELIAS BAPTISTA


25) Joao Ranulpho Pequeno, do Crato.
26) Joaquirm Fernandes Lopes, do Crato.
27) Sergio da Costa Nogucira, de Limoeiro.
28) Joao Baptista Perdigio de Olivcira, de Cascavel.
29) Benedicto Augusto dos Santos, de Aracaly.
30)Mamede de Sousa Rolim, de Cajazeiras Pa-
rahyba.
31) Florentino Augusto Lima, de Patos Parahyba.
32) Dr. Antonio Baido Lopitha Floresta -- Per-
nambuco.
33) Antholiano Peixoto de Alcncar Granito -
Pernambuco.
34) GastAo Monico Rodrigues Marques Picos -
Piauhy.
35) Francisco Soarcs Arraes Assar6.
36) Theophilo Amarante Filguciras Assard.
37) Jos6 Barbosa da Silva Assar6.
38) Joao Demosthenes Fernandes Vicira -- Barba-
lha.








~69~


CEL. JOAQUIM F. LGPES


CEL. JOAO RANLLI'PHO


:'9) .Joaquimn Alves Feilosa Sobrinflo Taulil.
-10) Jose do Moni e Furlado Missno-Velhl.
,l1) Pedro Martins de Oliveira -- Brejo dos Sniilos.
-12) Joio Monteiro Cardoso Brejo dos Snilos.
.13) Theophilo de Oliveira Cabral MiilagrIes..
.14) Luiz de Jesus da Conceiafo (Cunhia -- ilagrs.
45) Vicente Ferreira Araruna Milagres.
46) Vicente Ferreira ide Ainorim -- Milagrcs.
17) Jos6 Antonio de Anlieida Milagres.
-18) Manuel Furlado de Figucirkdo Milagrcs.
19) Pedro Furlado de Iigueirdo Milagre.s.
50) Joio Quezado Filgueiras Filho -- Barballi.
51) Theophilo da Costa Araujo Barballha.
52) Jos6 Fialho Arara Crato.
53) Dirceu Gomes de Maltos Crato.
54) Claudiano Pedroso Bembem Cralo.
55) Esperidiafo de Oliveira e Sousa Crato.
56) Raymundo Jos6 de Brito Crato.












DIRCEU GOMES MATTOS


57) Satyro Lopes Abalth Cralo.
.38) Abilio Fiusa Pc'queno Ico.
59) Jos6 Nunes (;uerreiro -- imociro.

MAJOR PEDRO FURTADO


Empregado public da cidade de Barbalha e ex-alumno
do Seminario, prestou urn optimo servico ao Al-
burn, comn os dados que bondosamente nos forneceu.


M NUEL'FUR rADO















Art. IV


GALERIA DOS BEMFEITORES DO SEMINARIO

Cel. ANTONIO LUIZ


Manda jusliga que dediquemos algumias paginas
deste Album aos prestimoosos cavalhei.ros que. movidos
pelo zelo da Religifo e ainor ao adiaiinaiento intelle-
ctual dos nossos inmoos, concorrcram para a edil'icacao
do Seminario. E, coin a alma cheia de reconhecinmnto.
e que nos desobiligamos desse ever, prestando i me-
moria desses christlos generosos. um pallido Iribulo de
nossa accendrtada gralidao.
Comecanmos a honrosa lisla, destlcanlldo o nom(ii (do
coronel Antonio Luiz Alves PCequeno. doa(lor (1o [er-
reno em qiue se cdilii'ou o Semina.rio e de umna lellia
d'agua que serviu, por alguini empo. As necessida(lds da
ctasl.










Amigo dedicado do Sr. D. Luiz, tudo fiez pqr que
a idea da criacgo do Instituto nao morresse.
Nasceu o coronel Antonio Luiz Alves Pequeno, em
1817, na cidade do Ic6, entio centro de civilisacao do
interior e emporio do commercio em todo o sertao cea-
rense. Uniu-se em matrimonio a d. Maria Pinto Noguei-
ra Pequeno e pouco tempo depois lransferiu sua resi-
dencia para o Crato. Aqui, dedicou-se a vida commercial
c a carreira political e, por varias vezes, dirigiu o mu-
nicipio com criterio e zelo. Sua conduct, quer como:
politico, quer como negociante, foi sempre correct de
tal modo a angariar sympathies dos proprios adversa-
rios. Os seus sentiments religiosos Ihe fizeram mere-
cer a estima particular do Sr. Bispo D. Luiz, que muito
o considerava.
Do seu matrimonio, nasceram-lhe dczcseis filhos, to-
dos educados nos principios e na moral da Religido.
Falleceu, no dia 17 de novembro de 1884, deixando.
uima grande prole que honra a sua memorial.
Eis a copia da escriptu,ra da doacao assignada pelo
sou proprio punho e de sua veneranda consorte, copia
conservada no primeiro cartorio desta cidade, gentilmen-
te extrahida pelo professor Jos6 Bezerra de Britto, ta-
bcllifio interino:
<:Estado do Ceard, Cidade do Crato, lo Cartorio, 1o
Tabelliio Jos6 Bezerra de Britto por nomeaco legal
etc..
Certifico, a requerimento verbal do padre Joviniano,
Barreto, pela reitoria do Seminario. do Crato, que, re-
vendo os livros de Notas a meu cargo, em um delles,
encontrei de fls. 74 v usque 76 v a escriptura do leor se-
guinte: < tonio Luiz Alves Pequeno c sua mulher Dona Maria
Pinto Nogucira Pequeno de um terreno no alto deno-
minado Grangeiro ao Excellentissimo Senhor Dom Luiz
Antonio dos Santos, Bispo Diocesano para a edificac.o
do Seminario no valor de tresentos mil r6is.
Saibam quantos este public instrument de escri-
plura de doacdo virem que no anno do Nascimento de-






* 73


Nosso Senhor Jesus Christo de niil e oitocentos e setenta
e cinco aos dois dias do mis de .luinho do dito anno. inesta
Cidade do Crato, no Palacio Episcopal (do ExcellenLissimo
Senhor Dom Luiz Antonio dos Santos, Bispo dosta Dio-
cese. onde- en Tabcllifo, por me ser csia escriptura dcs-
tribuida, fui vindo, ahi presents partes, de unia como
doadores o Coronel Antonio Luiz Alves Pequeno e sua
inulher Dona Maria Pinto Nogucira Pequeno, nioradorcs
nesta Cidade e da outra como doado o mesmo Excellen-
tissimo.Bispo )iocesano D)om Luiz Antonio dos Sanlos.
um e outros conhecidos de mimn pelos proprios, do que
dou f6, por elles Coronel Antonio Luiz Alves Pelqueno e
sua mulher Dona Maria Pinto Nogucira Pequeno foi
dilo, em presence das duas testemunhas abaixo nonmea-
das e assignadas, que send Senhores c possuidores de
um terreno foreiro a Camara Municipal desta Cidade.
al6m do Rio que corre parallelo no mesmo, conhecido ou-
tr6ra por Alto do Grangeiro e hoje por Alto de Sao Jos(,
iazecn doacio da parole delle ao Excellentissimo Senlior
Bispo Diocesano Dom Luiz Antonio dos Santos, coin os
limits e confrontac6es seguintes: Comprehendcrd a
do(aato o terreno em que se acha comessada a ecdilicalcao
do Seminario na linha de norte a sul c mais vinte c
cinco bracas para cada lado, digo, cada um dos lados
desse edificio, c oitenta e cinco bracas de fundo cor-
respondentes a extensato do terreno acima designado, que
para a frcnte se cstendera at6 onde chegar os limits dos
doadores; e bem assim a serventia das aguas do uma le-
vada que ali possuem os doadores provinda do Rio Ba-
tateira, dos quaes se reservam o direito de .disporcm.
quando nfio forem necessarias aquella serventia, sendo a
present doacao feita no valor de tresentos mil r6is, pro-
porcionada ao do dito terreno, para o fim do nelle fun-
dar-se o Seminario de Sdo Jos6 que hoje so acha
inaugurado e em effective servico, digo, effetcivo exer-
iccio sob os auspicios do mesmo Excellentissimo Senhor
Bispo Diocesano Dom Luiz Antonio dos Santos, pelo,
que desde jd transferem ao Doado todo dominio, direito
nacio c posse do dito terreno c aguas, protestando por







S74


si e seus herdciros a fazcr em todo o tempo por firine c
valiosa a prescntc doacaio. E logo polo Doado me fo-
rfo apresentados os conhecimentos dos theories seguin-
les. Numero setenta c slee Collectoria do Municipio
do Crato Imposto de transmissfao de propriedL-de -
Exericiio de mil oitocentos c selenta o qualro -- mil
c oitocentos e setenta c cinco A folhas do livi-o de re-
ceita fica lancada em debito ao actual Collector a quantia
de dcsoito mil reis que pagou o Excellentissimo Scnhor
Dom Luiz Antonio dos Sanlos do imposto de Iransmis-
saio de propriedade na rasaio de scis por cento, correspon-
dente a quantia de trescntos mil rdis. importancia por que
ile doou o Coronel Antonio Luiz Alves Pequeno e sua
mulher em terreno no Alto do Grangeiro para a edil'ica-
c(ao do Scminario. Collectoria das Rendas geracs do Mlu-
nicip;io da Cidade do Crato em dois do junho de il c
oitoccntos e sctenta ce cinco 0 Collector Juvenal -
0 EscriviAo Alcantara Lima Soares Barbosa Pre-
zidente Numcro dez Rcccebdoria Municipal do Cra-
lo A folhas do livro d( receila e despezas fica dcli-
lado o actual Procurador pela (uantia (de Heis-sele mil
e quinhentos, que pagou o Ixcellcntissimo Senhor Dom
Luiz Antonio dos Santos de laudemio correslond(lent a
(Iuantia de tresentos nil r6is, importancia por 'que ihe
doo.t o Coronel Antonio Luiz Alves Pequeno c sua mu-
Iher em terreno no Allo do Grangeiro para edirfica;'ilo
do Scminario. Em dlois de junho de mail c oilocentlos c
selcnta c cinco 0 Procurador da Comarca -- Anonio
Joaquim Era o que se continha cm ditos conhecimen-
tos. a cujos originals, que ficeo archivados. me report.
Depois dc cscripta csta, cu Tabelliao a li cm prescena das
parles, que rcciprocamcntc a outhorgarao coin as tcs-
cmiunhas a tudo prcsentLs Fenclon Bomilcar da Cunha c
Bclisario Bruno (dc Carvalho. Eu Goncalo de Lavor
Paz Barreto, l)rimciro Tabcllifio dlsta Cidade, que a
cscrevi c assignci cm public corn a assignatura de que
uso. Antonio Luiz Alvcs Pequeno, Maria Pinto Nogucira
Pcqucno, Luiz, Bispo do Ccari, Fenclon Blomilcar da
Cunha Belisario. Bruno de Carvalho. Em lestlmunho de








verdadc (o signal public) O 1o Tab. Po. G(onmalo de
Lavor Paz Barreto. Esta conforme com o original c
respeitada a orthographia. Dou '6. 21-3-925.

Em test. J. B. Rverendo. O 1o Tin. Inl.,.

Josd Bezerra e Briffo,.

Estava sellada com duas cslampilhas de sciss ,ntos
r6is c devidamente inutilisadas.







* 76 *


CORONEL JOAQUIM SECUNDO CAVES

PE. HENRIQUE CEL. J. SECUNDO CHAVES.





ire-











Ficou o Seminario. ap6s o encerramento de 1878,.
conliado i guard do coronel Secundo, o (.Rcitor-leigo,
como graciosamente o chamava o Sr. D. Luiz.
E, gracas ao incansavel zclo desle bom catholico,
conservou-sc o predio. Quando ruiu a capclla-m6r, foi
elle que. cor o revmo. Padre Henrique, um sacerdote
virtuoso que muito fez pela educago religiosa do Cra-
to, levantou, a troca de ingentes sacrificios.
O coronel Joaquim Secundo Chaves, nasceu no Cra-
to, no dia lo de junho de 1828. Contrahiu matrimonio,
cm 1863 com d. Maria de Nor6es Chaves, de cujo con-
sorcio nasceu uma filha, d. Idalina de Noroes Chaves.
Dedicou-se a profissito de pharmaccutico. Era elle-
o medico do scu tempo, e toda a populapaio do Crato c
das cidades vizinhas muito Ihe deve pelos beneficios (Ique
dispensou ao 1) dos doentes.
Sua caridade nito media sacrificios. A pobreza con-









S77


'ORUPO DE SEMINARISTAS DE 1875


tava nelle um bemfeitor e os abastados umn amigo ecsvcl-
lado.
Os dois primciros bispos do Ceari, D. Luiz c D.
Joaquim, Ihe demonstravam amizade c conrianca, a Lal
onto de o considerarem como um beinfeitor do Semi-
nario.
Transcrevemos duas carlas que os dois Prelados
Ihe dirigiram, encontradas em sua bibliotheca que a fa-
milia conserve corn carinho.






4llmo. Sr. Secundo

me significa, fica V. M. autorisado i entregar ao lclvmo.
Padre Manoel Felix de Moura o Seminario dessa Cidade
coin Lodos os seos pertences, alais, araenos, lare s, ivros,
louca, vidros, o que fara por mcio de uin invenlario para









* 78 *


(qu em todo tempo, elle passe ds mnos de seo successor
tat como o recebe. Quanto ao Seminario, as cousas de-
vem se conservar no estado, em que se achao, isto 6, nio
se publicar a reabertura, nem annunciar aulas senio de-
pois da chegada e tomada de posse dos Padres que corn
mais ou menos demora, espero. Se de todo nio pode-
rem vir, o que nio 6 de esperar, entio resolveremos o
que se fard dessa casa. N~o convem pois que so fa(cam
ahi festas, nem ajuntamento de povo, o que ficara para
tempo opportune. Nao convem tambem fazer obras pe-
las quaes, eu nem indirectamente me responsabiliso. Ago-
ra resta-me agradecer a V. M. a parte active, que to-
mon para a existencia e conservagao desse estabelecinen-
to, que tudo deve a V. M. A quem consider um dos pri-
meiros bemfeitores e credor dos meos elogios e agrade-
cimc-ntos, que Ihes dou bem do corag~o. Espero na in-
tcrvencdo de S. Jos6 perante Deos, que ahi ainda hlde
florescer as sciencias e as verdadeiras praticas do catho-
licismo. Esperemos e nao desanimemos, pois poderoso 6
I)eos para aplanar todas as difficuldades, que mne cer-
cao, sabendo que tudo 6 para maior gloria d'Elle.

Deos abencoe a V. M. e d toda sua familiar

D. V. M.
A. Servo

f Luiz, Bispo do Ceard


Fortalcza, 8 de Abril de 1881>.


** *











c Illmo. Sr. Coronel Secundo



,Tive a summa satisfagfio de rcccber sua presada
carta, noticiando entire outras cousas a installaAio de
uma. conferencia em Joaseiro; a sua carta, recebida cm
uma das parochias do nortc, trouxe-me grande 'consola-
;gfo e alegria por ver assini sc desenvolver ahi o espirito
religioso.
,Rogo-lhe favor de dizer ao bom. Padre Solher que,.
en dendo-se cor o vigario, tratem de fazer os con-
certos absolulamente indispensaveis no seminario, a'im
de nio desabar-se esse bello edificio; a proposito disto,
sinto dizer-lhe que eslon desanimado, de reabrir essa casa.
que tantos servigos pode prcstar; a provincia do Ceari
es!.i pauperrima, e a cruise geral, que accomelte o Brasil,
paralysa todos os movimentos sociacs; entretanto, espero
ainda no future um melhor eslado de couzas.
'Creio ja terA -recebido o dinheiro da casa de ca-
ridade.
(Vou terminal, pedindo ao born amigo me recom-
men-dar aos dignos saccrdotes dessa parochial e As Con-
ferencias de S. Viccnte, aos luaes Lodos envio minha
bencao,
cFago votos a Deus para que inspire e ccon[orte a
V. Sa., abengoando-lhe a Familia today.
<(E' provavel que en siga para o Crato no dia 30
do corrcnte.

,Seu humilde servo e Amo.


f Joaquim, Bispo do Ceardf.











PE CICERO ROMAO BAPTISTA


Fallcceu o corioncl Secundo no dia 7 de Agoslo de
190)2. Sua more 'oi granlicmenicl senlida.
Por occasion do sen enlerraineinio, o Cralo assistiu
a tiu espelaculo raranienc aV pressnlado. Iinniulnsa nulti-


; & O (o










CFL. JUAQUIM CANDEIA


dlio encheu a rua de sua residencia e (los labios de to-
dos escapava esta phrase que traduz o reconllcimclnto
do povo c a grandeza do scu coraoco: miorreu o b]ei-
kcilor dos pobres>.
Foi elle o I'undador da prinicira conferencia viccn-
lina. no (:rato.




Coronel Jos6 Miain chefe die numerosa namilia que
ofrtercceu para a construcca~o do Seminario toda a ma-
(dirna de que se j)recisou.





Coronel Jonqucim Candeia alaslado coinercianic
que disl)ensu ao nosso Instilulo 11mna grande, sounlin de
b)ons services.


CEL. JCSE MAIA










CEL. PEDRO GONCAL.VES


Coronel Pedro Jos6 Gonaalves da Silva -- honrado,
negociante, natural (to Ic6, um dos hons calholicos que
muilo trabalhou para que so construisse o Semin irio.



Coronel Mariano de Oliveira c Sousa --- :auigo e
protector do Seminario.



Coronel Jos6 Pinheiro Bezerra de Menezcs ..-- pro-
genitor da grande familiar Pinheiro, que tambem auxiliou.
na obra do Seminario.



Coronel Jos6 Soarcs -- um dos mais ardently's bem-
reitores de nossa casa.



Coronel Benediclo Garrido-antigo pharinaccutico do.
Crato, doador de meia telha d'agua ao Seminario, conmo









@ 83s


CEL. JCSE SOARES


CEL. BENEDICT (iARRIDO


consta da escrilpturn, conservada no archivo da (:uria
diocesana.


Coroinel Francisco da Franca Alccar --- natural
do Cralo. Foi unt dos bons auxiliares da ediicnac ao.
deste Seminario. E' p)aC dos coroneis Nelson e Abdion
da Franca Alencar, albslados agricullores leste imulni-
cipio.


:V.


':' '' ~ ''' '~ i`l ~c:ijl::: :
















CAPITULO III.


SEGUNDA PHASE

DIRECiAO DO PADRE FELIX

Trez annos dc ansiosa expcclativa se passaram para
a populagao do Crato, e os Padres da Congregacio da
Miss~o ndo retornavam a reabrir o Seminario.
Os alumnos desta cidad e dos municipios vizinhos
procuravam em Fortaleza e Recife um estabelecimento
de instrucgco, onde pudessem continuar os estudos.
Ap6s o flagello da secca, surgiu o da variola, que fez
estragos e innumeras victims no seio do povo cearense.
Mais e mais se desvanecia a csperanca de continuar a
vida active do Seminario, em face dos grandes obsta-
culos que se antolhavam ao accendrado zelo do Sr. D.
Luiz Antonio dos Santos.
A casa estava, portanto, condemnada a permanc-
cer de portas fechadas aos nmoos que descjavam in-
struir-se.
Em tao prementes circumstancias, suscitou Deus um
home de fM e de umna forca de vontade irresistivel,
o Padre Manoel Felix de Moura, uma das primicias do
novel Seminario.
Pediu:o csforgado sacerdole permissao ao Sr. lispo
Diocesano para abrir um curso de letras, no abandona-
do predio, a que promptamente accedeu o Prelado.
Em comegos de 1881, a casa recomegou a tunc-
cionar, e unm bom numero de alumnos vcio matricular-se.
O Padre Felix, home de uma capacidade (d tra-
balho espantosa, enfrentando difficuldades. scm conto.
sustentou o Instituto por alguns annos.
Mas, faltando-lhe os -mcios de manutcncgo (eve de-
curvar-se a imperiosa necessidade do abandonar a sua










PE. FELIX DE MOURA


obra ( consagi'ar-se a otilros inistcrcs (qtie ilie iponiavali
a M6 c a obcdicncin- E' assim, o Scminario, mais unia
vez, felehon-se c reencelout o Lrisle fad-ario que Ilic es-
lav'a rcservaIo.
0) Padre Felix niio tricou inaclivo. Fnldlot, nia ci-
.dade. unina casa Imii'a ahi'igar as inocas quei se (LItizesseS'll









consagrar a uma vida de piedade, c crieoou uma escola para
ensinc do sexo feminine.
E fez mais. Entregou-se corn ardor e eoragem ao
ministerio da pregacaio.
A sociedade do Cralo, nesse tempo, valha a erda-
de, inspirava cuidados, pois que certos espiritos indiffe-
rentes c corrompidos, pregavam o mal con o exclniplo
dc uina vida dcsregrada e digna de censuras.
0 Padre Felix, qucrendo p6^r um dique i correnic
insidiosa que sc iniciava, nio medii sacriricios. neon le-
nme: escaramucas dos alludidos espiritos fortes, e en-
celon una seric de series, que faziam Lremer os cron-
tcs c abalar os desviados.
Surgiu, entlo, uma campanha vergonhosa de in-
sulto ce ameacas contra o destelmido pregador. A des-
pcito disso, o Padre Felix nao esImreccu c mais despediu
os~ dardos de sua palavra de fogo sore aqueclles que sc
n'io queriam achegar ao redil da Egreja.
Morlificado e piedoso, o bravo combatente lmais sc
esforcava por corrigir os delfeitos da sociedade e inuito
conscguiu, torque era corn a discipline e coin o rosario
que ell( attrahia a confianga do p)OVo.
Pode-se dizer, sem mido de conleslacito, q.ue elle
foi unt dos faclores do movimento religioso e da mo-
ralidade do Crato.
Deixando esta cidade, morou por algumn lempo no
Amazonas. Aqui voltando, pouco se demorou. inilernou-
sc no serlao de Pernambuco c Bahia. ondle i)rosegu.iu o
upostolado de regeneracao, deixando un none vtnerado
c una nmemoria digna de sacerdole (caltolico.
Falleeu. ja velho, depois de unm fecundo e long
period de vida, inopinadamente. na Capilal da Bahia.
Fez alguns melhoramentos na casa, enlre os quaes
se destacam o altar de S. Jos6 c a mageslosna 'acliada do
Seminario.
Bendemos neste succinto e humilde capitulo do nosso
Album, um preito de admiracaio i memorial inesquacida
desse sacerdote de virtues raras e dcc accio desasombra-
da qlue foi o Padre Manuel Felix de Moura.










OS ALUMNOS DO PADRE FELIX


PE. ANTONIO JATAHY






Ike












i0) Padre Antonio Jatahy de Sousa nasceu na fre-
guezia de Taulh. Comecou scus estudos nesia casa e os
Ierrninou em Fortaleza em cujo Seminario recebeIl a
unca(o sacerdolal. conferida por D. Joaquinm Jos6 Vieira.
Logo depois de ordenado, o sr. Bispo o iandou
]);ra a frCgucesia de Pedra Branca, cargo (ILe occUIpoui
p)or alguns annos, send transferido para Barbalha, cuja
parochia ainda dirige com zelo e criteria. E' um dog
sacerdotes mais antigos (do Bispado do Crato, (ue lem
)rvstado a RIeligifao uma b6a somma de services inesti-
maveis. No cumprimento do dever ninguem o excede.
Para as obras da Diocese ja offereceu valiosas quantias,
q(ue lhe dfo o direito de ser considerado um dos bem-
'eitores da Egreja do Crato.

01) Major Jos6 GonCalves da Silva nascent no
Crato, em 1867 e I filho legi[imo do coronel Pedro Jos6
(oncalves da Silva e de d. Vicencia Goncalves. J: e
casado em quatro nupcias.








~~89 r


MAJOR JOSE GONGALVES

















Destes quatro consorcios Ihe nasceram seis filhos,
send unia do primeiro, d. Maria Goncaclves Felickio e cin-
c(o do ultimo dos quaes dois ssao nossos alumnos. Pedro
e Unias de Nor6es Gongalves.
O major Jos6 Goncalves tern sido. desde .sua moci-
dade, um1 alumno que nos honra. Ha inuilos innlos 6
tlle o encarregado dos festejos annuals a Excelsa ladro-
eira do Crato e nas festividades publicas que aqui se fa-
zerm, avulta a sua acc1o que ja se tornou indispcnslavel.
Seai coracao senipre franco e chcio de alegria eskli prom-
p)to a prestar services a quem quer que lh'os ]pWci..
E' auxiliary da conhecida e acreditada Ca-;a Per-
nambucana, cujos chefes muito o consideram.
62) Joaquini Tavares Campos- cratense, perteninlci te
a calholica 'amilia Duarte Tavares c tern occupado va-
rios empregos publicos.
63) Coronel Pedro Augusto Pequeno-natural do Cra-
lo e collector federal deste municipio.
64) Dioclecio Bezerra Crato.
65) Joao Goncalves da Silva Cralo.
6G) Nodeu Rodrigues da Costa Cralo.
67) Alfredo Goncalves da Silva natural .o Crato,
agricultor e proprietario da Pensio Avenida.







@ 90 @

CEL. PEDRO AUGUSTO ALFREDO GONQALVES

















(iS1 (Grvasio Hodrigues da Costa
69 ()ctavio Rodrigucs da Cosla.
70) Antonio de Sousa.
71'i Jos6 Carlos ,cal.
72) Manoel Carlos Leal.
73) Manuel da Silva Leal.
74 ) Esperidiaio de Olivcira e Sousa Crato.
75) Jose Percira da Silva.
76) Franklin Percira da Silva.
77) Antonio Paulo da Silva -- Cralo.
78) Antonio Dantas de Araujo.
79) Alipio Morcira.
80) .Jolo Goncalvcs. Crato.
81) Thcotonio I{tufino de Moura.
83) Ambrosio Rodrigucs.
84) Francisco Percira.
85) Antonio Cardoso dos Sanlos.
86) Egydio Macdo.
87) All'redo Morcira.
88) Viccnte Ferrer.
89) Iaiinundo Accioly (omnes de Mallos.
















CAIIITo 'LO IV

TERCEIRA PHASE


itLIUTECA PijUBLICti (U ORAR.


3 MAP 1,
-


Art. I

REITORADO DE MONSENHOR MONTEIRO


MONSOR. ANTONIO FERNANDES
Vigario do Crato 1884-1892


Em 22 d(e julho de(I' 1889), reabriu Monsc1nhor Fran-
cisco Hodrigiucs Mlonilcir o Scillinario do Crato. ])or
ordem do Exmo. Sr. I). JoaI(quinl Jol s Vicira, scgun-
do Bispo do Ceara.
UTna nova seiva coIImcon d(It' liinlc11ntr' a vida (do
Scminario.
Conl'iado A dlirec'no de uin honmlc d(e I6 c de-
dicado a inslruccaio, o Inslilulo nio podia deixar de










florescer coin tao prendado superior, maxim-i, q.lUtIdot
ao lade desse sacerdote por muitos titulos veneravel, mi-
litaram dois outros ndo menos habeis, como os padres.
Quintino Rodrigues de Oliveira e Silva e Joaquim Sother
de Alencar, duas almas de eleigCo, dois caractcres tenm-
perados nas forjas das officinas da f&.
A sessao inaugural da reabcrtura do Seminario foi
solemnc.
No primeiro anno, a matricula nao excedeu de vin-
to. V-se por isso que ainda nao se tinha um gosto de-
cidido pela instrucio, qual o que anima, hojc. o povo
do Cariry.
Por tres annos apenas pode Monsenhor Moitciro
sustcntar o Seminario.
Mesmo assim, a casa forneccu aos Seminarios e Aca-
demias do Paiz um bor numero de alumnos, centre os
quaes se destacam um bispo, various sacerdotes, medicos.
e homens de vulto na sociedade.
Por nos faltarem dados sobr'e esta phase do nosso
Educandario, como ji fizemos sentir, pouco temos que
dizer e ainda mais porque foi breve a sua vida.



Monsenhor Francisco Rodrigues Monteiro Nas-
ceu no Ic6, mas tendo os seus pacs se transferido Ipara.
o Crato, aqui se criou e fez os prlimeiros estudos. Ma-
triculou-se no Seminario de Fortalkza, em cuja cathedral
reccbeu as sagradas orders, coriferidas por D. Luiz An-
tonio dos Santos, no dia 30 de novembro de 1873.
Nesse tempo, foi nomeado coadjuctor do Crato, c
nesse cargo conquistou a sympathia dos cratensos que,.
sem cxcepco, o estimavain como a um pae.
Morto o vigario, Padre Manuel Joaquim Ayres do,
Nascimento, o ultimo parocho collado, foi provisionIdo-
para substitui-lo o Padre Antonio Fcrnandes da Silva.,
O povo fez um abaixo assignado a D. Joaquim Jose
Vicira. pedindo a nomeaCio de Monsenhor Monteiro, mas.
a proviso do novo vigario ji se tinha lavrado.








~Q- -


MONSOR. FRANCISCO MONTEiRO
() humilde sacerdote, calcando os desejos do cora-
Ciao, ohi)deceu i voz do superior que o dlstinara para di-
rigir a parochia do Iguatli.
E p)artiu do Crato, de:xando unia multlido (derra-
niando lagrimas (de tristeza, deixand o que de mais caro










possuin na terra a vclha mac-- mas partit, para obec-
decer.
Do Iguatft voltou ao Crato, quando rccebcu ordcns
de reabrir o Seminario, cujo predio augmentou edificando
o actual refeitorio.
.Em 1899, a vista comecou de escurecer, c elle, ainda
tentou uma yiagem ao Rio de Janeiro; foi procurar alli-
vio a terrivel cataracta, que Ihe ia apagando a luz dos,
olhos.
Nao houve remedio, vollou cego, mas corn ama re-
signacao digna de um santo.
Mesmo cego, quando pregava a palavra de Dcus,
ainda appareciam lamlpejos de uma intelligencia que ou-
trora dignificara o pulplio calholico, ainda dos seus
labios brotavam, fluentemente, os bellos cnsinaimntos.
evangelicos, c tinha o invejavel dorm de Locar os cora-
cies.
Treze annos de cegucira passou no Crato. c foi
um forte auxiliar do Vigario no sacramento da IPeniltn-
cia.
Falleccu em dezembro de 1912.
No seu enterramento o povo do Crato demonstrou,
exhuberantemente, o quanto queria a Monsenhor Mon-
teiro. o sacerdote modelo, o amigo franco, o hliomo D)ei,
na expressao da Escriptura Sagrada.








95 @

Arl. II

OS ALUMNOS DA TERCEIRA PHASE

I). JOAOQIM 'FERREIRA DEN MELLO


...L -:


90) D. Joaquim Ferreira de Mello, bispo de Pe-
lotas. Teve o scu )ier(o no silio S. Jos6 dai 'rlcgue-
zi:a do (Crto. E' filho legilimo do Sr. Fralincisco Ftrreira








Q6-3 9


de Mello e de d. Anna de Aguiar Mello, e nasceu no
dia 31 de agosto de 1873.
Sentindo inclinacgo para a carreira ecclesiaslica, ma-
triculou-se neste Seminario em 1890. Tendo o Instituto
deixadc de funccionar em 1891, o joven seminarista di-
rigiu-se a Pernambuco, e foi no tradiccional e glorioso,
Seminario de Olinda que continuou os seus estudos. Do-
lado de intelligencia arguta e de uma sisudez pouco com-
mum, logo soube impor-se entire os seus condiscipulos,
caplando, desse nodo, a confianga dos superiors e a
amizade dos seus irmaos em Christo. Fez um curso bri-
lhante e, naquelle santuario de virtudes, formou o co-
racao e' oespirito, nos moldes verdadeiros do sacerdote
catholico.
Em 1898, recebeu a cor6a de seus trabalhos, orde-
nando-se padre. Voltou ao Ccard c logo foi nomcado Vi-
gario de Tauhi, cxtensa freguezia do sertio dos Inha-
mIuns.
Ali, o Padre Mello desenvolven umna accaio remodela-
dora e com tino administrative, com o bom senso que
revela em todos os seirs actos, conseguiu implanlar, no
seio do seu rebanho, aquillo por que a sua alma de pastor
lanto aspirava o desenvolvimento da Religiio.
0 catecismo ministrado n.io s6 as criancas, mas as
mocas, umna aula nocturna para os rapazes, em sua re-
sidcncia, a pr6gacio constant da palavra de Deus r so-
breludo o exemplo da conduct illibada de I.o zeloso
parocho, em breve, transformaram Tauhfi em um centro,.
-onde a instruccio corria parclhas com a b6a moral e
com a pratica dos preceitos da Egreja.
Em 1903, deixou a parochia e dirigiu-se ao Collegio
de S. Estevam em Quixadi, estabelecimento em que, como
professor, conquistou grande e just nomeada.
Em mathematics, o Sr. Bisp, de Pelotas leva van-
tagem a muitos dos que gosam do nome de entendidos na
material.
Conhecedor do vernaculo, da lingua do Lacio c do
francez, o nosso illustre biographado, nem por isso, faz
alarde de saber, e, muito ao contrario, occulta-se sob o










manto de uma modestia que mais exalca o seu lalento do
csc6l.
Em 1909, corn o seu parente amigo Padre Pedro Es-
micraldo da Silva e com o Padre Emilio Leite Alvares
Cabral, fundou o Collegio S. Jos6 do Crato, c nessa oc-
cupanco passou quatro annos.
Fechado o Collegio, a convite do Sr. 1). Manuel da
Siiva Gomes, arcebispo do Ceari, acompanhou S. Exa.
em longa visit pastoral.
Voltando o illustrado Antistile i sdle do Arccbispado,
viu ina humilde pessoa do Padre Mello. um digno succes-
sor de Monsenhor Bruno da Silva Figueirkdo, que um
anno antes deixara o cargo de vigario geral, c o nomeou
para essse clevado post, em 1914.
Foi como substitute immediate da aucloridade dio-
ccsana, que I). Mello mais conquistou a admiracSio do
scus colleges no sacerdocio, da sociedade de Fortaleza e
do seu Superior.
Trabalhou incansavelmente ao lado de D. Mamnel
peio progress moral c religioso da Archidiocese c do
Seminario Metropolitano.
Os seus merits e as suas virtues Ihe ganharam o
honroso titulo de Protonotario Apostolico, mercer impe-
Irada pelo Exmo. Sr. Arcebispo i Santa S., como premio
dos inestimaveis servicos, que, corn zelo, dispensava a S.
Exa. Revma. no governor Archidiocesano.
Alas, nqo bastava para premier as virtudes de Mon-
senhor Mello este elevado titulo. I)eus o destina:a para
maiores honras, e a Santa S6 o preconisou bispo de
Pelolas em comego de 1921.
O clero de Fortaleza que reconhecia no eslimado
.igario Geral um amigo sincere e um mentor aprumnado,
e. que Ihe testemunhara por occasiao da entrega do ti-
tulo dt Monsenhor, 6 melhor do seu apreco e da sua
sympathia, exultou ao saber da elcicgo do querido sa-
cerdote para a diocese de Pelotas.
A sua sagragcio, realizada a 18 de setembro de 1921,
em Fortalkza, pelos Exmos. Srs. D. Manuel Gomes, I).










Quiiilino Rodrigucs c D. Jose Tupinambi, foi solennis-
sima c grandemente concorrida.
Nesse dia, sahiu a lume, a sua primcira carLa pas-
toral, um monumento de doutrina, um repositorio d( bcl-
lissiima, id6as, um document de valor em cujas paginas
nFio.sibemos que mais admirar, si a clegancia da phrase
de par cor uma grammatica impeccavel, si o aprumo
no dissertar dos various assumptos ao lado da piedade
que resumibra em cada period desse attestado de saber,
de bondade e de gratidao a Deus, aos sets Sagrante c
Consagrantes, ao Clero do Ceard e aos innumeros ami-
gos.
Eis a gloria mais lidima do Seminario do Crato,
cuja biographia tentimos esbogar, como pallida home-
nagem ao Anjo da Egreja Pelotense.




92) Padre Pedro Esmeraldo da Silva. Nasceu Pa.
cidade do Crato, no dia 29 de janeiro de 1876. Foram
scus paes o coronel Antonio Esmeraldo da Silva c d.
Manrio de Santanna Goncalves Esmeraldo.
Ainda no verdor dos annos, entrou para o nosso Se-
miiirio. onde os seus mestres Ihe collocaram nas mftos.
a carta do a b c.
Iaqui dirigiu-se para Olinda, em cujo Educandario
concluiu os estudos de preparatorios, vindo para Forta-
leza terminar o curso theologico.
Emquanto completava a idade canonica, leccionou no.
Seminario Archiepiscopal.
Dcsde theologo quo so revelou umn orador ardoroso
e fluente, conquistando no pulpito de Forlaleza, uina no-
mcada distinct, que o colloca ao lado dos mais festljados.
oradores sacros do Ceara.
Sua palavra facile e loquente empolga ao mais exi-
genit auditorio. Reune aos melhores doles de oratorio
uni prepare invulgar, nao s6 nas disciplines profanas.
como nas sagradas.




University of Florida Home Page
© 2004 - 2010 University of Florida George A. Smathers Libraries.
All rights reserved.

Acceptable Use, Copyright, and Disclaimer Statement
Last updated October 10, 2010 - - mvs