• TABLE OF CONTENTS
HIDE
 Front Cover
 Title Page
 Front Matter
 Esboco historico de Juazeiro do...
 A Igreja Matriz de Juazeiro
 O Dogma da Assuncao de Maria Santissima...
 Ginasio Salesiano Padre Cicero
 Oratorio Festivo
 Romaris e Promessas
 Sociedade Sao Francisco das...
 Semana Catequetica (2a)
 Advertising
 Grandeza de Maria
 Escola Normal Rural de Juazeir...
 Dispensario N.S. das Dores
 Aprendizado Agricola Sao Jose
 A Feira de Juazeiro do Norte
 Em vos, Jesus, confio
 Poema de Amor
 Back Cover






Title: Album de Juazeiro do Norte
CITATION PAGE IMAGE ZOOMABLE
Full Citation
STANDARD VIEW MARC VIEW
Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/UF00055302/00001
 Material Information
Title: Album de Juazeiro do Norte
Physical Description: Book
Language: Portuguese
Publication Date: 1951
 Subjects
Subject: South America   ( lcsh )
Spatial Coverage: South America
 Record Information
Bibliographic ID: UF00055302
Volume ID: VID00001
Source Institution: University of Florida
Holding Location: University of Florida
Rights Management: All rights reserved by the source institution and holding location.

Table of Contents
    Front Cover
        Front Cover 1
        Front Cover 2
    Title Page
        Page 1
        Page 2
    Front Matter
        Page 3
        Page 4
        Page 5
        Page 6
        Page 7
        Page 8
    Esboco historico de Juazeiro do Norte
        Page 9
        Page 10
        Page 11
        Page 12
        Page 13
        Page 14
        Page 15
    A Igreja Matriz de Juazeiro
        Page 16
        Page 17
    O Dogma da Assuncao de Maria Santissima aos Ceus
        Page 18
        Page 19
        Page 20
        Page 21
    Ginasio Salesiano Padre Cicero
        Page 22
        Page 23
    Oratorio Festivo
        Page 24
        Page 25
        Page 26
        Page 27
        Page 28
        Page 29
        Page 30
    Romaris e Promessas
        Page 31
        Page 32
        Page 33
        Page 34
        Page 35
        Page 36
        Page 37
    Sociedade Sao Francisco das Chagas
        Page 38
        Page 39
        Page 40
        Page 41
    Semana Catequetica (2a)
        Page 42
        Page 43
    Advertising
        Page 44
        Page 45
    Grandeza de Maria
        Page 46
        Page 47
        Page 48
        Page 49
    Escola Normal Rural de Juazeiro
        Page 50
        Page 51
        Page 52
        Page 53
        Page 54
        Page 55
    Dispensario N.S. das Dores
        Page 56
        Page 57
    Aprendizado Agricola Sao Jose
        Page 58
        Page 59
    A Feira de Juazeiro do Norte
        Page 60
        Page 61
        Page 62
        Page 63
        Page 64
        Page 65
    Em vos, Jesus, confio
        Page 66
        Page 67
    Poema de Amor
        Page 68
        Page 69
    Back Cover
        Page 70
Full Text














I~, *A"
JP2da'd 195e







9~ 6


yb
,-.



























































COM .APROVA(A:O ECLESIAsTICA













.0 .: ... .........
.. ..-...-... ..'.'... .:.-.'.:. ...'.'..% .. .-..- .s..,. ...ii..-..:..........-... .-......:.: :::;':I.:; ".-;z.... :....;..... :.-;-._..:
1 ''**'' .;5. I ... ... ... .:.. ..... .... ... ... ..-....-...

-^ '" memorial do :'.
;%: ::8


r" J\2LLdto (aeuererLndo r.






































H ^(padre (2[cero O~ornao CQatLstaL

*..^ FUNDADOR DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE *.






-....:.. .........
.. ...... ..
..': '.. ....







":.". L. ..:~::.

,%:: :%:
-:; .. 888~s~ 3~~~H~gH 8 %.'.'::-


..--- .: :
,%:: ::
9'; .-'7:.'.:'-~f~~8%-aT'~s.:~

~:% ::




--:; ..- ......




"':~" ( OT TRAO M OM'























S. S. Pio XII


A' Igreja Cat6bica,
pioneira universal da
educa;io, na pessa do
seu Chefe Vis!vel,
gloriosamente reinante,
e dos Srs.
Arcebispo de Fortaleza
e Bispo do (rato.


D. Antonio de Almeida Lustosa


22e2 0ear


lealea


D. Francisco do Assis Pires












S0 .0












i 1
i eA cS. aCReudrma.


















a i







o i
O Sr. 0tons. 'ose Abes de -ma.
Iutao 'gOdrto de -uazetro do R norte

SpreLto de ueneractda e exaltadk
esttmrrac de seus paroquiatcno
I I

*
I3, I ~Hrw c~ ~uu o~~Ju rc*HH ~ ----U OC(










S~ r~m~~~~, IC~~ ..f..f *f.l..ffll*lffff..ffl)llffll .... .n.~..~ U U I


.s z 5/ zr. t z.z.' t~irsrs s.r ... % ........ r % ... i. -'%e % %/ % 2S IfS5-2I
. r.... .... .... .. % .... .. ..... ... % ...;..i;. .. ......... % ........ .....;..... %.:...
I~s_ ...:.,....[:' ...~X....1~~, .I~f ........... ................. F"" C 7 4 7~~~ .i- ._~


Esb6co hist6rico de Juazeiro do Norte




0 povoamento de Juazeiro do Norte, entao Jua-
zeiro do Cariri ou, antes, do Padre Cicero, como
ainda assim e nomeado, data, pouco mais ou menos,
de 1800.

Comecou com o Padre Pedro Ribeiro Monteiro, de
saudosa mem6ria.

Apenas aqui chegara, pioneiro, tratou de logo com-
prar terras e de situar nelas fazendas de gados e miuiqas.

LEnquanto assim procedia, afortunado que era, dis- i
S pondo de um magote de escravos que trouxera consigo
dos serties de Jaguaribe-Mirim, levantava a primeira
capela e, de conjunto com ela, barracas de embogo, de-
S primidas e enfileiradas, para alojamento de sua gente. :
Feita a ermida que consagrara a grande MAe de
Deus, N. Senhora das Dores, os moradores das imedia- :
Sces foram-se a volta dela arraiando.

De aspect alegre, a margem de um ribeiro que se
S chamou depois "Salgadinho", tendo ao poente o serrote
do Catole, ao norte, para o nascente, a cordilheira do
ii
o 0
o *0
o 0mr~~m~r~r~ H~ mEo,r~ m~~I








o0
o. 0-.
SAraripe, formando um triangulo conm o Crato e Barbalha,
t levantou-se, afogueado pelos raios perpendiculares Jdo sol
j forte, o pitoresco povoado.
+ Era a principio, quando tudo conspirava para o seu
bem estar, um como ninho de columbas, apenas inter-
rompido no seu sossego pela bicharia infinitesimal dos
S sapais adjacentes, cantarolando a noite.
Mais tarde, porem, co'm o traspasse do velho sa-
cerdote, em 1856, vieram de roldao as rixas e as dis-
c6rdias e as contensoes, pertubando a paz, desconcer-
tando a ordem, desmantelando o ninho...
Tao animado que entao ia o casalejo, alongando-se
corn as suas casinhas, cor os seus humildes cochicholos,
caminho em fora de sua evoluuao no tempo e no espago,
acarrdu-se de todo que nem gado lanigero fugindo a
soalheira, buscando a sombra, as cabegas baixas como
num extase de paralisia.
Mas, 1872, eis que, com a presenqa do Padre
Cicero Romao Batista, foi-se a pouco e pouco, com admi-
raqao de todos, erguendo de sua paralisia de dezesseis anos.
Em contact intimo com o novel sacerdote incen-
S dido em zelo de Jesus Cristo, inflamado em amor do
pr6ximo, as maos sabendo a santos 6leos, deu mais o
S Juazeiro uns passes para adiante e estacou, como que
pasmado, a espera de um dresses moments invenciveis,
tio raros na historic de um povo.
E esse moment chegou.
Com a afluencia, em 1890, dos fieis devotos, vindos
de t6da a parte, atraidos pelo reflexo das virtudes do
jovem padre; reflexo que, transpondo as linhas da terra,
tocava em espirais por ai a fora, desdobrou-se, pois, e
alastrou-se, admiravelmente, o lugarejo.
0
o 0
o > -- ******0>***** ^ ******* ********i


- 10 -













SPascoas

19 de marco PAscoa do--"Circulo Operdrio de Juazeiro", comu-
nhje,, 507.
5 de. maio PAscoa do. alunos do Ginmsio "San/a Terezinha",
comun/iwe, 202,
7 de maio Pciscoa dos Ailtarxr, comunljes, .200.
21 de maio Piiscoa d.'s Chejex e operarios -Oicinas de arte-
factod- de couro, comunhjes, 250.
28 de maio Piscoa dos Alotoristas, Ferrovidrios e Cdrregadores,
comunhaoes, 100.
4 de junho PAscoa dos Ourives, comunh/es, 300.
11 de junho Pascoa dos Foguilsta e Pedreiros, comutnh/es, 300.
18 de junho PLscoa dos Intelectuais, comunhies, 150.
25 de junho Phscoa das M6gas, comunhJe, 1007.
29 de junho Pascoa das Alunar do Educanddrio S. Jods".
comunhles 69; To/al 3.083.

Comunh6es de Devoq&o
S IGREJA IIATRIZ 108.298
Cape/a de Nossa Senlwra Auxiliadora (Salesianos) 169.000
de S. Francisco (Capuchinhos) 20.000
de Palmeirinha 1.350
h de S. Jose (Limoeiro) 2.439
> de S. Sebasliao (Brejo Seco) 1.503
h de N. S. do Perpetuo Socorro 2.531
> de Santa Terezinha (Ginalio) 9.210
de N. S. das Dores (DispenJ'rio) 9.260
> de S. Vicente 1.350


Confiss6es de enfermos
Fellas pelos Salesianos 750
Feitas pela Afatriz Paroquial 425
Feitas pelos Capuchinhos 400
Total 1.575
Casamentos 416


i^ -^ -^^-^^^.^-^^-^~ ^~~L


- 12 -










Batizados
SLegilimos 2.384
Ilegi/n.mo. 65
SToal 2.449
$ Primeiras Comunh6es
Solenex 184
Sltia/icor Extrema Unoes.e 1.575
(Retiros anuais
Fizeram Reliro duran/e o ano:
SiI Pia Uniao das Filhas de Mlaria
/1 Congrega(do Alartana
A Liga de Santi Tereslinha
As Senhoras Casadas

A ~Catecismo
Centros CalequtlicoJ orienladoS pelas Irmnzi Aissiontrias:
Senhora. Calequl.fas 42
f homee, 400
Slanos I mulheres 564

Associac6es religiosas
A)/)poso/lado da Ora~aio:
Zeladores 38
Zeladora 80so
Socio.f Sexo masculino 777
Sexo /eminino 2.700
Assrinalurar do Mlen.Jageiro 22

Pia Uni&o das Filhas de Maria
Numero de agregadad 132
Aspiranles 6
t ~ Candldalax. 4
Congregadao Mariana
Numero de Congregadox 60
Apiranle.r 16


- 13 -










Liga de Santa Teresinha
Zeladoras da 0. V. S. 54
Numero de social 850
Sociedade de S. Vicente
SSoci'os hlonorarios 95
Socios 'isjianite 25
Confrades, 246
SConfern cias 7
Socorrildax 42

Propagacao da F6
Zeladores. 59
Associados 529

I Irmandade de N. S. Perpetuo Soc6rro
Zeladoras 12
0 Numero de asfociados 431
Irmandade do SS. Sacramento
Numero dce socios 95
Numnero dcle soct'ias 150
e Salesianos :
Y ASSOCIAQ71O DE iAARIA AUXILIADORA
Zeladoras 44
Associadas ,763
ASSOCIAQ71O DE DOL BOSCO
Associados 200
b Circulo OperArio de Juazeiro
MOVIAENTO SOCIAL
Socios matriculados atj dezembro de 1950 :
SCirculo Sede 844
Nucleo S. 7Aiguel 200

L ^j- ^ ^ ^ ^ ^


- 14 -


























































































~"~c~~

-e
4~..
ra~q
lc_


FACHADA DA IGREJA MATRIZ DE JUAZEIRO






15 -


_











A Igreja Matriz de Juazeiro
Ec

E' o temple mais suntuoso e rico do Sul do Ceara. .=
Seu patrimonio resume-se numa casa paroquial, nalguns .
I predios residenciais e terrenos urbanos.



SMOVIMENTO FINANCEIR()
:< ,"

S Segundo o Relatorio Geral da Igreja Miatriz de Juazeiro,
foi o seguinte o movimernto financeiro de 1950:

i tReccita Cr $ 200.849,00
Despesas. Cr $ 180.101,10



Saldo balanceado

que passa para o a-(o (de 19.51: Cr $20).747,90



Vale o povo o que valer o seu pastor;
vale o pastor o que valer a sua religion.

Con. Alves Mendes.
ss;;'.
a: ;!- 33sIll~r~s
K; -- i;K'B~~~~888~~~~~~~


- 16 -














































INTERIOR DA MATRIZ DO JUAZEIRO

17 -


~ii~ii~iCI: r










S0 'Dogma da AJiduao de


Maria (antir ima ao6 Ceu6



S Gizado pela palavra de Deus escrita, pela tradiqao, 8
Spela crenga, desde os primordios do Cristianismo. de
g todos os padres e doutores da santa Madre Igreja, bem
como pelo sentir unanime de todos os fieis; escutando
as iluminaSqes convergentes da pr6pria razao humana, K
S que Ihe estava ditando que f6ra indigno da bondade, e
8 parece que ate, d'alguma sorte, da justiga do Filho de
g Maria o sujeitar a corrugao do sepulcro e a putrefaao y
2 do cadaver o corpo santissimo d'aquela de cuja care
* Ele se formou, em cujas entranhas habitou por espao '
. de nove meses, o Santo Padre Pio XII, a 1.0 de no-
9 vembro do Ano Santo de 1950, nesta data geminada- .
9 mente memoravel, proclamou, a face convexa dos ceus .
Q e da terra, o Dogma da Assunqao de Maria aos ceus
S "Assumpta est Maria in coelum".
0 curso dos tempos encarregou-se de, B sazao
i propria, nominativamente decretada por Deus, volver
em realidade a visao do Esposo dos Cantares Quem
Se esta que sobe tio suavemente pelo desert, como uma
d exalaaIo de mirra e de incenso, que se desenvolve no
S espago em espirais, para perder-se enfim no seio das .
2 nuvens ?
S"0 vaticinio de Salomao nio se referia s6mente ao
5 estado da gl6ria em que Maria havia de manifestar-se, 9

afl<:<30

-- 18 -



























I S1


Exposiqro catequ6tica organizada pelo Orat6rio Festivo (Juazeiro do Norte-Cear6, 1948)
I- II Ir I-~ II I----- -..


~a__~~__~^~_ _~L___I_ -~?LLY13-~-----_ --X--~-CII~UYI --i_-~ ------- -I II I -~I-I-I


1 E' I

:8~ ;iL ~~ci~~n*irr;~a~3'1







6 6

B um dia, aos olhos do mundo, exalada -por todas as ge- i,
91 rao5es; referia-se tambem a sua gloriosa Assunqgo ao
ceu -
crCU

Para que nao faltasse esse ponto de semelhanqa e
unificaqAo com o Salvador dos homes, Maria, como
w Ele, nao padeceu o esfacelo da campa, e, nao ascen-
S- dendo como Ele por sua virtude propria foi assumida
5 pelos anjos, em corpo e alma, ate o tAlamo eterno, onde t
6 reina em s6lio de estrelas o Rei da Gl6ria"

B Com a proclamaqao do Dogma da Assuncao de 6
S Nossa Senhora ao ceu, complemento indispensAvel,
P imprescindivel, seculos esperado", do "gratia plena", ,
S alegremo-nos todos em o Senhor "gaudeamus omnes g
5 in Domino". 8
g g
6 Viva a Grande Mae de Deus, Maria Santissima! I
g
6 Viva a Nossa Grande Padroeira 1

8 Viva Pio XII .

Alencar Peixolo

1t
I t




A cruz hasteada no cimo da colinma maculada de fangue conti-
2 nua a derramar ox seur inextinguireix esplendorex por Adbre a vasti-
l dio incomensurdvel do Univerwo.

a sPe. A. Ferreira, 2s.j s


- 20 -










r'~_I

1 I '
S :~



dJ:


Ginasio Salesiano Padre Cicero


__ ___ _I










Ginisio Salesiano Padre Cicero


I Situado na Colina Pio X, da Cidade de Juazeiro
D do Norte, esse grandiose institute de ensino secundario,
oficializado, abrange, em suas miltiplas atividades:
O Curso Primario, diurno e noturno
A Escola Profissional
0 Aprendizado Agricola
0 Orat6rio Festivo.
A direqgo atual de tais estabelecimentos de educa-
gao, a que nada falta dos requisitos pedag6gicos, esta
confiada ao ilustre e zeloso Salesiano Padre Lourenqo Gati.

No temple da Antiga Lei, erguiam-se dois altares:
um destinado aos instruments de imolaqio das vitimas;
S outro reservado ao fogo para a destruiqao delas.
Semelhantemente, hoje, no v6rtice de Juazeiro do
Norte, elevam-se dois altares: o da educaqao e ilustra-
9ao de sua gente, onde acolitados pelo amor e pela
d6r, pontificam os Salesianos; e o da instruqao cateque-
tica e religiosa da mesma gente, onde, acolitados pelos
mesmos af-tos, sobre todos nobilissimos, que disputam a
soberania do coracqo human, pontificam Mons. Jose w
Alves de Lima e seus dignos auxiliares.


0 amor e a dor, se bem um e outro revlslam caracleres oposlos;
S e bem um e outro, a primeira vista, parece deviam de andar sempre
separados, acham-se sempre unidos e iao indissolwuelmente unido'
que amar e sojrer, sojrer e amar.
ff


- 22 -























a



CD

0
0 z
-4




>





(bC
aD
oz

a -
0>
-4
C


aZ



CD

0


~

~------ ------ocrr--- --+-~---E;-I-~:12r-~i~~- -

j : 71`-'-~ r ~~~_-~` '~ ;- ~'-ll--------~x-r ~-~"'











Orat6rio Festivo


I


i
if











n
II
I1









I
UI


It



A escola
fB Aprenda
e ~ubir


(Extr. do Aim. do Cariri)


e uma ressurreiago.
mos ai como dominar o mal da ignordtncia,
mais alto que a harmonia das esferas.

Alencar Peixoto


UIMOwOMtres3-^arsa>gBdsgaB8gK~ i|BfllF;BMIiBg~aKeijaag


- 24 -


O Orat6rio Festivo, institaigio de especialidade dos
Filhos de Dom B.osco, ter a matricula atual de 400
discipulos, que nada pagam pela valiosa instru(io que
recejem.

Ao lado desses ensinamentos, ha tambem a edu-
caQdo fisica, de acordo cor a .ciencia modern e as
exigencias ministeriais.

Atendendo aos grandes beneficios que o Instituto
presta a coletividade, o Governo Federal, todos os anos,
da-lhe uma subvenqao afim de esta organizaqio powder
resolver as ingentes dificuldades de cada instant.

A Instituigqo mantem um vasto quadro de profes-
sores devidamente registrados no Ministerio de Educa!ao
e Sauide. E, apezar de ter sido inaugurnda s6mente a
25 de marco de 1939, ji posse a matricula de 1.136
alunos corn uma frequencia de 1128, e todos recebem
assistencia medical e higienica.


a=3o93CMauMi WWMasiaWRsa SiaaSWWWOaMkWWWWWWaMsMaaaaMaaasaMWa


aawsax~


If
a




I





SHI
iff
n
-n








ilf
N



i!
iff

iff






n
n
n
U
N
ifr
















1H
U







if

8
w
a
ini

n
II






1!


o
INf







g
ia
in
if



if
if


ia
if

if
if
ifr

N
if






















LP3

KII
q la












S T" .. '.i
M ..- -I








, W

















^aaaft^faaaa^iS&sataa^aa~


- 25 -









BANCO DO JUAZEIRO S. A.

(ARTA PATENTE N.0 3238 DE 6-1-44



Emprestimos:

Titulos avalizados, Titulos descontados e em
contas correntes garantida s por efeitos comerciais


Dep6sitos :

Em contas de retiradas livres, dep6sitos comerciais,
populares, aviso previo e fixos, juros de 2 a 9
por cento ao ano


Cobranc:as :

Servigo perfeito de cobranca de conta alheia, especial-
mente na zona do Cariri, a margem da estrada de ferro
da R. V. C. e localidades vizinhas dos Estados de
Pernambuco e Piaui.

Transferencia de numerario para qualquer parte do paiz.

Endereco Telegr. BANCO"

Juazeiro do Norte Ceard
\


- 26 -










. .5 g

































A casa onde faleceu o

PADRE CICERO ROMAO BATISTA

(Rua Sao Jos6, 242)


--27 -










MEDICOS



DR. MOZART CARDOSO DE ALENCAR
Cons.: Rua Padre Cicero, 418
Resid.: Rua Padre Cicero, 641


DR. POSSIDONIO BEM
Cons: Rua Padre Cicero, 430
Resid.: Avenida Dr. Floro,-376


DR. HELDIGARDO BELEM DE FIGUEIREDO
Cons.: Rua S. Francisco, 302
Resid.: Rua da Conceiq;o, 365


DR. JUSSIER SOBREIRA DE FIGUEIREDO
Cons. e Resid.: Rua Padre Cicero, 226

IDR. MARIO MALZONE
Cons.: Posto de Sa'ide
Resid.: Rua Padre Cicero, 253


- 28 -


Solvaste uma alma ? Predestinaste a tua.
Santo Agostinho


--- --- ---~-~~-~~-~ ------~ ~--~---













/A














JIM



--
W.,
*~ ft
























CAPELA DE HOSSA SENHORA DO PERP~RUO SMORRO
onde estS sepultedo o Padre Cicero


- 29 -









Amrbulat6rio Padre Cfcero

MARIA SOLEDADE MAGALHAES
Praga Almirante Alexandrino




Farmacias

"Farmacia Brasil" -Rua S. Pedro
"Farmacia dos Pobres" Praqa Almirante

Alexandrino
"Farmicia Sgo Jos6" Rua S. Pedro, 476

"Farmacia Souza" Praqa Almiran*te Alexandrino




Odontologia

Dr. Jos6 Silva Lima Rua Padre Cicero, 227
Dr. Luiz B. de Souza Rua S. Francisco, 228


- 30 -







--jE~~-----------. --EM^;~


MI ROMARIAS
k** *

Avangando sempre, sem solucgo de continuidade,
a aurora annual das romarias comega em maio e culmina
em setembro na solenissima e empolgante Festividade
de Nossa Senhora das Dores.
Para obter maior fruto das romarias devem os
romeiros confessar-se e comungar; romaria em pecado
mortal pouco vale; as obras feitas, ainda que boas em
si mesmas, em pecado mortal, ficam sem recompensa
no Ceu; apenas poderao tocar a miseric6rdia de Deus
para conceder ao pecador arrependido o perdio de suas
culpas, se este empregar os devidos meios.


PROMESSAS

Promessa e um voto, feito livremente a Deus, de
praticar uma boa agao. E um ato de adoragao a Deus
e reconhecimento do seu poder infinite. E um sacrificio
voluntArio que Lhe fazemos, o que acrescenta o merito
de nossas boas obras.
A Sagrada Escritura conta que Deus estimou e
despachou favoravelmente as promessas do Patriarca
Jac6, de Ana, mae do profeta Samuel, e dos habitantes
de Betfilia. Fazer promessa 6 um ato de religiao me-
rit6rio para n6s e agradavel a Deus.
Deve-se, entretanto : 1.) promoter livremente e cor
perfeito conhecimento do que se promote; 2.0) obri-
gar-se a cumprir a promessa sob pecado. Quem faz
apenas um bom prop6sito nqo e obrigado em consciencia;
Q^ 3.) nao promoter cousas mis ou menos decentes; neste 3


~KE~----- ----------- ---- m^8~~


- 31 -










caso e obrigaaio nao cumprir a promessa porque
seria ofender a Deus. Por exemplo: continuar no con-
trato civil ate poder ir ao SantuArio de sua devogao:
Nossa Senhora Aparecida, N. Senhora da Saude, em
Sao Paulo, Bom Jesus da Lapa, na Bahia, SAo Fran-
cisco das Chagas, de Caninde, Ceara, Nossa Senhora
das Dores, de Juazeiro do Norte, afim de casar-se,
como Deus fiaanda, religiosamente; bem como demorar
o batismo das criangas ate o lugar da promessa. Os que
assim procedem pecam e merecem o castigo do Ceu.




O S61 nasceu da aurora; a p6rola, da
concha; o fruto escolhido, da flor de Nazar6.
Jesus nasceu da Virgem Maria -- infeliz
protestante I se gostas da laranja, porque nao
gostas da laranjeira ? Se amas a Jesus, por
que n&o amas sua M&e ?












8 8
^
i^-----------83


- 32 -































CL
0
0\




u0





0b







co
CA f nr~ 8;;;X'%'~F;i







0.4



= s8irma' ~~~'s ~P- B'J IU ~L~~ILZ ~ P.liB~r









CASA FERNANDES
DE

ESPEDITO FERNANDES

VENDAS EM GROSSO E A RETALHO

Lougas, Estivas, Miudezas, Perfumarias e Ferragens

A CASA FERNANDES

pode. vender barato porque compra diretamente das Fabricas

Rua Sao Pedro cor a Rua Conceigao, 447

Juazeiro do Norte



o--o-o0-0-0-0o-0-0_0 --O--O -0-0o- 0-0 0o-0-0-o0-0-0-0-0-0-0-0- 0 0- 0-o --- o-o-o- o 0 -- -o-o-o-0-o-o0o-o0-o-o-o0 -
0- ---C0 0-0-0-'> 0-0O--O- 0-0-00-0- O- Oa-0-0-0- 0-O--0 -0- 0-0c-0--00-0--0-0-0--0- 0----0-0 0-0-0-0---
0 2000 0-0O- O- C--0- -0 -- -0 -0- 0 -0 -- 0 0 -00- -000 --1-- 0-0 0-0 -0-0-0
-O-0o-0- --0-0-o0----C --O-o-o-0-0-0-0-0o-0-- 0-0-0-0o-0-0- -o0-0-0-0-0 -0-0-0-0 -o-o-o-o 0 -o-0-0 -0-0-0-0o-0-0-0 o-0-o
o-0-o- 0-"00o-, -0-0-0-0-0-0 o -.-o 0 -0 -- 0- 0-00-0- 0-0-0-0- 0-0-o-00- 0-0-0-- 0-0-0-0.0-0-0-0- 0-0-0-0- ".-0-0o



cS nao paod.em.oA fa.er a que d.eermos,

d.exernmoa faa.er o que podem.os.










Capela de 5. lMiguel

em condirupdo


- 35 -


"Rua de

Sdao Pedro


I~h-. IC~i~3j~jrlC~3TI L-rPn -ZrlCI~5-s~i~P=lI c~aclll


.slP~LnJII~Y~C-I I~ci~ji~g~iql~ali( c~h-~







~I~I
c~-
\




1


Os principals sao os seguirtes:
Arlindo Vieira de Almeida Rua Sao Pedro, 267
Bezerra & Cia. Ltda. Rua Sao Pedro, 273
Celestino & Cia. Rua Sao Pedro, 353
Edice Hortencio Rocha Vila Abajara, 1932
F. C. Medeiros & Cia. Rua Sao Pedro, 309
Feij6 de SA & Cia. Rua Sao Pedio, 350-354
Figueiredo Teixeira & Cia. Rua Sao Pedro, 380
Joao Honorato da Silva- Rua Sao Pedro, 593
Jos6 F. de Lima Rua Sao Pedro, 293
Lundgren & Cia. Ltda. Rua Sao Pedro, 330
M. Alencar I Rua Sio Pedro, 368
Severino Marshal da Cosat Rua Sao Pedro, 414
Tobias Ribeiro da Silva Rua Sao Pedro, 346
Felipe Nery & Cia. Rua Sao Pedro, 568
Jose Raymundo Filho Rua Sao Pedro, 447
Joao Anastacio da Silva Rua Sao Pedro, 548
M. Oliveira Rua Sao Pedro, 573
Martiniano Santana Rua Sao Pedro, 464
SebastiAo Teixeira Lima Rua Sao Pedro, 424
Jose Gomes de Moura Rua Sao Pedro, 500


Como um home p6de adquirir repufa!o 7


- Jalando bem e obrando melhor.


- 36 -


ESTABELECIMENTOS
DE
Tecidos, Ferragens, Mercadorias em -geral
e Armazens de miudezas, os quais orgam
por duzentos, pouco mais ou menos.


Ei~












HOSPITAL SAO LUCAS,
em construcio


PROCISSAO DE SA0 LUIS
desfilando pelas ruas principals do cidade


- 37 -


L I


~"" ~1
i

r: r.. 'r
i


I



1]r




II



I/








Sociedade Sao Francisco das Chagas

uinrada aoa 8 de juko de 1946,
tern como fiLnaLdade sociat.o ampacro do
omrem. desde a i.rtnfi.aca ve. &ekce.
zob seuS au.spitcos j6. ae enrcontra em
cortstrLLuo umra uasta CGaca de cSacide que
se denromiLrnard
Hospital S&o Lucas

EstabeeecLmrerto que prestard, de certo, Lrenr.sos
berefLcLos & popRQLLta o do (carrLr e a dos
Estados uLsLn.ho..
Corno diLrgente dos seruntos de sua edLfLca.ao,
tern. &d sua frente o TDr VlarLo Saiorne, a
cuiCL capacLudade deue jd o seu arcdamento.
~Cermr~tLnados os tracaikos de sua cornstru9ao,
torrncr-se-d o' maLor hospLtad desta aorna
de GLtereLca, corro de todo o Jfordeste.



Dos sacerdotes, disse D. Bosco,

ou falar bem ou nada dizer.
r ,, h


- 38 -











-~a *7 7



CA
S i ---... ,.---- ., ,



8lm' 7,Ut.


Prociss&o de N. S. Auxiliadora







o g




S&o Joao Bosco Rua Sao Pedro, 529 -'+
i Livraria Maia Praipa Almirante Ale- |
o xandrino
SLivraria Bernardo de Jos Bernardo da



Imprensa
I



; Circula em Juazeiro do Norte
um :heb-domad&rio Jornal do Carirfi,.

Mercearias:


GENESIO MATOS
Rua Sao Pedro, 190

JOAO VITORINO DA SILVA
Rua Sao Francisco, 236 ( Praa
Almirante Alexandrino)

JOSE PEREIRA SOBRINHO
j Praca Almirante Alexandrino, 154

i ALUISIO DE LAVOR I
Praca Almirante Alexandrino-esquina
i corn a Rua Sao Pedro, 81

SSao estas as principals Mercearias de
SaJuazeiro do Norte
%
o P
jo~o ITORNO DASILV
Rua So Frnciso, 26 Prap


- 40 -




S -..".. ..-'







I Z. i A 1. % 9 9 1A:



















































IMAGEM DE N. S. AUXILIADORA
Patron da Cape/a anexa ao "Gindsio Salesiano Padre Cfcero"






41 -





,, Th
t CN

IMAGM D N. AXILIDOR
Parnad Cp/aaex o Gn~i Slsino areCceo



41










Semana Catequetica (2.a)

A Par6quia de N. S. das Dores, de Juazeiro do
( Norte, celebrou, com a presenga tao niajestosa quanto
S respeitavel,de S. Excia. Revma. o Si'. Bispo Diocesano,
a segunda Semana Catequetica, de 22 a 28 de agosto
de 1950, sob o patrocinio do Imaculado Coraqio de
S Maria.
SPela designaggo das teses versadas cont prilores
d'arte, sem artificios de linguagenm, avaliai, se possivel,
o seu splendor.
Ei-las: 1.') Pedagogia Catequetica; 2.a) Catecismo
e Educagao Crista; 3.") A Catequese e a Formagao da
S Nacionalidade; 4.") Instrugio Religiosa nos meios rurais;
5.~) A Catequese e a Mae de Familia; 6.") Formagao da
Catequista; 7.') A Catequise na Instrugao Publica;
8.2) A Catequese e a AgAo Cat6lica; 9.a) Aula de Ca-
tecismo; 10.") Catecismo de Perseveranga; 11.) A
Catequese e a Par6quia; 12.') Congregaqao da Doutrina
Crista; 132.) Frequericia as Aulas; 14.a) Organizag2 o
Diocesana do Catecismo Paroquial; e 15.") O Catedismo Y
e a Vida Crista.
De Bonal, grande filoid/o frances, conservava-.e, diante do jilho
S racerdoie, tendo a cabeqa descoberta e otvindo-o eom todo respeito.
Igual respeito tinha o grande Garcia MAoreno na presenfa de um
Sministro do Allistimo. Napoleao, no auge da gloria, curvou-se respel-
toso e beijou cheio de veneraiao as maos de um padre reltigioo que
Iie dera na injancia a Prireira Coinanhao.

\i '*1


- 42 -









t'c '.-IFb~': _~'' 'I''

9r .(:
L $ L i1~j~ irj~at 4A
it~, dc '; ',I

CM -, ,i .5 ~

i..fp ~t ~ ~ ~ ~ :- .4



A I


A' esquerda a "Coluna da Hora". No centro a Estdtua, em bronze, do Padre Cicero. E a mais bela das prafas de Juazeiro do Norte.









SAPATARIA


SILVA


DE

Manuel Paulo e Silva


INDUSTRIA BRASILEIRA

Complete sortimento de CalCados
para homes, senhoras e criancas

Rua Sao Pedro, 489


- 44 -


I


lusliMiii dds IrNs Itmiojfis do Jesus Miucilcodo

Instalado solenemente a 1.0 de julho do
ano proximo find. 0 seu valor e tao grande
que somente o tempo poderd atestar com
veracidade os frutos que serao 'colhidos desta
arvore portentosa que se ergue no Vale do
Cariri, na cidade do Padre Cicero.

(" Lutador" de 25 de julho de 1946-Ano VI)

lW(0|1|7l'| tdl^ ,d.l ,/7


I- 'P- I I I


I -n' I '


lI~ j~ rzi'VMKlN nz IlAIIVIAWtI(N^.i









Termo Judiciario

Juazeiro do Norte, termo da
Comarca do mesmo nome, ter
como Juiz de Direito Doutor
Juvencio Joaquirii de Santana.
Prom. Dr. Edward Teixeira
Ferrer.

Serventuarios:

1. Cartorio
Tabeliao Expedito Pereira

2. Cartorio
Tabeliao Joao Teofilo Machado


QQ: ~ I
'Ii


Estaqao da R. V. C.


- 45 -


- -.?-
II


~ :~:" -'t~

Cb~LIL, ,









GRANDEZA DE MARIA

Nada ha igual a V6s, 6 altissima Senhora Tudo
quanto existe, esta, ou sobre V6s, ou abaixo de V6s.
SS6bre V6s, s6mente Deus. Abaixo de V6s, tudo o que
Deus nao e. (Santo Anselmo)
Cor efeito, se, consoante a sentence de Arist6teles,
hai proporgao entire o lugar e o que nele esta, pois, na
verdade, nao se criam coelhos n'agua, nem pcixes no
monte, infere-sq que, resplendor da luz eterna, espelho sem macula e figure da
substancia de seu Pai>>; devendo de haver proporgao e
correspondencia entire o Ilugar e o que nele esta, teve de
se achar esta proporao de resplendor e pureza em sua
santissima e benditissima Miae; e, ja que nao era-pos-
S sivel chegar a tanta claridade e candura como a de seu
Filho, ao menos convinha que f6sse a de Maria, como
o foi de fato, a maior dentre tSdas as criaturas, sem A
excetuar os santos anjos, os anjos mesmos.
Que grandeza de Maria 1 grandeza de consagraqio e
devoeao a Deus; grandeza de oblaqao e sacrificio; gran-
deza de submissao e humildade; grandeza de paciencia
e resignaqao; grandeza de meritos e virtudes em sua Dor;
grandeza de virtudes e de meritos em sua gloriosa As-
sungao aos Ceus; grandeza de.. meu Deus! ponde
raias ao meu entusiasmo, quando nio, eu deliro.

Alencar Peixoto


0 notavel excritor argentino L. Barranies l7olina., ecreveu al-
gures que nao go'dtava de /alar mal de nenhum padre, nem qte fosse
transviado, pois ignore, diza, se aquele a quem condeno naio serd
por ventura quem na min/a ulltma hora renha dar-me absolviaCio
dox meus pecados e abrir-me as portas do Ceu.

i^^^ ^-^, ^.^^ ^^^^ ^.^


- 46 -


















.. .-
S' .










Cel. -iJodse A. de cMiC


S- SINA DE BENEFI~" .ENTO DO ALGOD~.



VSINA DE BENEFICIMENTO DO 'ALGODAO


^ 47 -


A administraq,&o

de

Juazeiro do Norte

esta confiada ao prestimoso ci-
dadao Cel. Jose Monteiro de
Macedo, eleito, que foi, como
Chefe do Poder Executivo, nas
eleiq5es de 3 de outubro do
passado anio de 1950.


-








SHoteis e Pens6es 5

| HOTEL "DOIS IRMACS" g
de Francisco Medeiros e Damiao Medeiros
5C Rua dos Passos, 494 5
| "HOTEL GUARANI"
| de D". Maria Tose Alves Rua Grande, 435
| ""HOTEL PADRE CICERO" |
8de Joao Maroto Rua Sto Pedro, 900 8
| HOTEL "DOM BOSCO "
i8 de D'. Olegaria Brasileira-Praqa Aim. Alexandrino, 103 5
| HOTEL "SAO FRANCISCO"
Sde D. Beatriz Rua Sao Pedro, 813
| HOTEL COMMERCIAL
Sde Jose Pereira Praqa Almirante Alexandrino, 109 9
|t NOVO HOTEL DO POVO
de D". Severina- Rua Sao Pedro, 224
-3
I Pensoes
SPENSAO PARAIBANA
K de Albertina Saraiva-Rua Sao Pedro, 624
PENSAO "PADRE CICERO"
de Da. Edite Lins Rua Sao Pedro, 912
SPENSAO FAMILIAR
I de Da. Da Luz-Rua Sto Pedro, 190
d PENSAO VASCO
a de Antonio Tunga Rua Sao Pedro, 624
2 PENSAO CAICO
a de Cipriano Firmino -- Rua Sa'o Pedro, 839
9. PENSAO PERNAMBUCANA
Sde Ant6nio Cassiano Rua Sao Pedro, 801.
.j Os melhores medicarnentos
SA Alegria, a Temperan-a e o Repouso
St balem a porla ao nariz do doulor.
Long/ellour.
19 C Ka.. rfgeSl3ffSe333:K3EICSEa3iG.


- 48 -








-.- r
I~ ~-- -'
ri. '''' "I I
1
x 'r: I-~I~ ~ : ,
; .i .. I r 1;,i: _~ it
r .4
J :l,,,,j ..C"'C =
''
~IF~~
n


ORFANATO "JESUS MARIA JOSE"


- 49 -


Nao ha no ceu e na terra cousa mais doce,

mais forte, mais sublime, mais ampla, mais

deliciosa, mais complete nem melhor que o

amor. Nascido de Deus, da tudo para possuir

tudo. Nao olha dadivas. NMo sabe limitar-se.

Nada lhe custa. Esta sempre vigilante. Nenhum

terror assusta, mas, qual chama ardente, sobe

ao alto e vence todos os obstaculos.

(Da Imitalao de Cristo)


I












Sscola Normal Rural ie Jaeoiro -


Esta Escola de Instru9ao Rural foi criada e considerada official, por
-decretos ns. 1218 e 1269, de 10 de janeir. 6e 17 de maio de 1934, respec-
tivamente
-A direqco deste formoso Instituto educative foi, em boa hora, entregue
a uma senhora e corn esta vantage que uma senhora, para polvilhar de
luz essas borboletas irrequietas, caprichosas e todavia tao delicadas, disp6e
S de um carinho, de uma paciencia, de um jeito que nos Ihe nao disputamos
e nos limitamos a aplaudir. Mas uma senhora, por iniciativa da qual se
fundou, obedecendo a sua orientacao pedagogica, o "Ginasio Santa Terezinha";
uma senhora, finalmente, cheia de grandeza e virtudes por vezes excepcionais.
Dedicapo, abnegaCao. desvelo, afeto, paciencia tudo isto ter ela, em
culminacgo; ela- Dona Amalia Xavier de Oliveira.
Plasmar, amoldar consciencias; educar, instruir, amestrar, aperfeiQoar
espiritos; aparelha-los para os estagios da vida na sociedade, no lar e no
temple; exalpQ-los a elegancia moral da baronesa de Staffe, grapas 8 qual
6 tao facil familiarisar-se cor a dos sales; sublima-los aquela linha extra-
ordinaria de delicadeza especie de imaterialidade visual, de que fala
d'Annunzio, eis a sua grandiosa, belissima tarefa.
Marco Aurelio, Imperador romano, tinha um aprepo especial para oom
os professors de sua juventude.
Os seus retratos, gravados em oiro, estavam no lugar mais visivel
do seu palacio e todos os dias, dava graqas a Deus, per Ihe ter dado
S mestres tao dignos de ser amados e nunca olvidados.
Que as alunas de tao esplendido Educandario de Juazeiro do Norte,
S imitando o grande imperador romano, d6em graCas a Deus, por Ihes ter
dado uma diretora e rmestra, tao digna de ser amada e respeitada, como
Dona Amalia Xavier de Oliveira,





A inttllgenca e o (orza;o devem ser clareados. E' corn o brilho dessas duas
forgas que se opera a civiliza(ao.
Quando o direito trlunfa, quando a justifa encontra glotifica;6es, quando a liber-
dade ter apoio, quando o martirio, exal(ado pelo dever, caminha, nao para o cadafalso,
mas para a recompensa, quando, em vez de prisoes se levantam escolas, quando, em vez
de canhOes que destroem, fundam-se bibliotecas que edificam, quando chegam todos esses
bens, rebentam da intellg6ncia e do cora;ao inspirados pelo ensino.

OLIVEIRA SOBRINHO

i9^3^,^00-09


- 50 -









. ,, -.


r, ...t .


., "- ,


ESCOLA NORMAL RURAL DE JUAZEIRO a I no genero criada no Estado do Cear6








J. VIANA & FILHOS
Estabelecimento fundadlo em 1930

Importadores e Expotarldores
Estivas, Mfiudezas e Cereais
Agentes do

Atlantic Refining Cornpanj of Brazil
Querozene, Sal e Gazolina Atlantic

Rua S&o Pedro, 746


- 62 -


A PROGRESSISTA
Jose Gomes de Moura
Miudezas por atacado
Rua S&o Pedro, 500






















































INAUGURACAO DA HERMA A MONS. ESMERALDO
HOMENAGEM DE SEUS AMIGOS
'11 II II I I I I







Jabrica iSao geraldo
Jundada em 1924
(Pridios prOprios)
Bebidas e Oleos Perumnados
Luciano Te6filo de Melo
Estooqe de esstncia rarindo
Importalo ie vinuh do 1Rio itande do Sul
Rua SAo Pedro, 674 e 680
e HRua Sio Jo0o, 367 e 369


PANIFICADORA

SANTOO ANTONIO"
PROPRIETARIA :
Josefa Teles de Sa
Mant6m uma bem montada
Mercearia
PRECOS:
Os melhores da Praca
RUA SAO PEDRO, 800


- 54 -























I Jl 'rq.

cn

I i' ,. '

... '-


r ,,
'4~;



I


IMAGE DE NOSSA SENHORA DAS DORE. .,
PATRONA DA CAPELA 'ANEXA' AO DISPENSARIO SOB A MESMA INVOCAC~O "


-~ ` -I ---r- ~- --------- -~ ----l~,,,-n, -~ Ir,,,,--~----rr.----I-~-


:.+~


as:i~: .- -.yngr'r:-c~t~-'Wi 3~ 1~
:'~5~4~'t~~::" 11.~_31:1~i.~~C~~-P: ~I~-~






o 0
o 0
Dispensario N. S. das DorleS.,-
i


I
I
4


custado -- o
"PIRAO DOS POBRES"
onde, diariamente, saciam o < da fome para mais,
muito mais, de cem flagelados, especies de estranhos
mortos vivos, na diqgo de Fialho de Almeida.
O amor, disse Henry Ward Beecher, represent o
rio da vida neste mundo. Subi-o, como as IrmAs Mis-
sionarias de Jesus Crucificado, pela esplanada, pelos
desfiladeiros profundos, pelas montanhas acima, e
podereis, entio, asseverar que conheceis o amor em sua
significaggo sem limits, isto e, completamente.

Os diciondrios consagram media coluna a definitao do amor.
Em tr&s palavras a Biblia nos dd a significafao complete: "Deus'
amor". Por isso e que o amor v& Deus em tudo.


Swett Marden


~OO~ C~~-L.-.~~.m~44 ~- **44~m~10.~0 *---


- 56 -


Foi, solenemente, inaugurad6 a 1. de julho de 19-49.;
Na sua direcao, encontra-se Madre Clotilde .que,.
por mercer de Deus, veio da terra dos bandeirantes para
esta <, (como assim denominou Ben
Zimmerman, da < Juazeiro do Norte), trazendo consigo algumas Irmas
Missionarias de Jesus Crucificado.
Desde a instalaqgo de tao relevant instituigAo a
esta parte, Madre Clotilde, de gorra cor as suas su-
bordinadas, ter sido indefessa, na extensao deste adje-
tivo, em acgo e paixao, pela catequese, pela instrucio e
pela caridade solicita para com os indigentes e miseraveis.
Ai estlo os frutos jA sazonados de suas atividades,
destacando-se dentre &les, o que mais sacrificio Ihe ter


r
I
t
I
I
I
i
i
I
i
i
I

I
f
i

I
i

I
a0








0
0
i

!
i
i
!











Li
o
!
I
:








0
i.














-- ^. -\ ^ -. .^

A!!LUr;IH ,1. II 1 .l~EtJ
I Lr


S
-r

'I I td


REND -IZADO GRICOL S JO

APRENDIZADO AGRICOLA SAQO JOSE


B


_ ~ -- -1--


-;----- I I~a~ ~I Ir --e 3P- I I -


I


.











Aprendizado Agricola Sio Jose

Este confortavel estabelecimento de aprendizagem
agricola foi, pelos Salesianos, fundado, a 1.0 de margo
de 1942, em terrenos doados pelo Padre Cicero, a dis- a
S tancia de dois quilometros da cidade de Juazeiro do Norte.
A sua area de terras e de 2071 metros quadrados,
e a de cultural, 1690.
AlIm da aprendizagem, feita cor toda a tecnica
Smoderna, mant6m o referido Instituto um Curso PrimA- !
S ri integral de admissao ao "GinAsio Salesiano Padre
Cicero".
Seu Diretor atual -Padre Tiago Avico.
Aprendizes ate abril deste ano, 32.
S"Fulerte pe'a ", diria Luevedo, nAo ter tao bonita
instituicao uma subvencao do Estado, como a tem do
Smunicipio; e nao contar sempre cor as benqaos de *9
"Rore Cceli" para o seu maior desenvolvimento.




Ah?! cono i grande o padre de Jesus Crislo, dizia o Santo
Cura d'Ars, Sao Joio Vianney, so no ce'u serd bem compreendido... ..
se o /osse na terra, tnorrer-se-ia, nao de medo, nma de amor.
Tal grandeza nao e, poil, digna da nossa mals projunda ve-
neraaio..





av.
S ____-


- 58 -














































Urn trecho da Feira de Juazeiro do Norte


- ii I










A .4 deira de Juazeiro do 'orte g

E' a Feira mais ruidosa de tbdas as Feiras desta a
9 admiravel comba sul-cearense, quica mesmo de todo este
1 Nordeste.
g E' uma Babel nao s6 de evoluc5es guturaes, qual
5 mais diferente, mas de fei(Ses, de caracteres e indu- 6
mentarias.
H E' uma cidade que, semanalmente, aos sabados, se -
8; forma dentro da grande cidade de Juazeiro do Norte; 8
S uma cidade de quinze a vinte mil vendedores e negoci- ?
, antes, de long e de perto, distribuidos em barracas que g
- se estendem em ruas, pracas, viela e travessas; uma S
8 cidade fugaz, onde, mais que em parte alguma, se veri-
j fica, realmente, a cornucopia mitologica com que a anti-
K guidade simbolizava a abundancia que gera a riqueza e 6
S a independencia pessoal.
Dc De fato, ai se expoe a venda, com fartura, tOda
a variedade de frutas e generos alimenticios, bem como
t t6da a variedade de objetos e utensilios, cuja mensao
g individual nao comportariam as] paginas angustiosas
9 deste pequeno Album.
a Tal e tamanha Feira dA ao observador culto, certo
g cunho oriental que lembra as aglomerac;es arabes, com I
9 as suas tendas sempre abertas ao estrangeiro, e reporta-o i
a s idades genesiacas do mundo, quando AbraAo apertava 1
S com os personagens misteriosos do Mambre para que
R aceitassem a sombra da sua arvore que, de certo, nao 9
era um' simbolo da esperanqa, como o Juazeiro.



SSanta Catarina beijava as pegadas do Sacerdole e.Sao Francisco .
Q 'de Assis dizia que, .e encontrasse um anjo e um sacerdote, primeiro S
ir4a beijar as maos do sacerdo!e, depots saudaria o anjo.
KCa


- 60 -


















~~-k~,-l F~~"
-U ':-"


Outro trecho da Feira de Juazeiro do Norle


_ __~~__~ ___~___~ _~_ _____1 ______~_ ~ ~ __ _~_


1
-- I


'
,


i
1
I


.~baBSPi*-U"c~'
i






~i:' w k~S
J-
~LIL1. -r+i 1%3~9~









aA BI

SFARMACIA BRASIL

DE

Bel6m & Cia.

Casa Fundada em 1926

Drogas e Produtos Quimicos

Nacionais e Estrangeiros

Rua S&o Pedro, 333 Juazeiro do Norte
B


I I
B I
Nas lefras, como na est6ltica, cumpre-nos extremar duas couses entire si
inteiramente distintas a idWia e a forma.




iMalebranche chama ao injinito ao lugar da~ inleligencia -.
A prece e o movimento natural e necessirio da intelig/ ncia netle
milierioso lugar. P"
nPadre Senna Freitas
a:S eaa(e~a~aaa~3He sfemKae(~eeeeeiKKK


- 62 -













-)E-~ h'


Um irecho da Rua Padre Cicero


a


*^*" ..MafflW-.










Padaria Portuguesa

de .

Angelo de Almeida

Fabricadao:
SP&o, Bolacha, Macarr&o, Caf6,
Colorau, Massa de Milho e
S Beneficiamento de Arroz IM


Rua S&o


Jose,


JUAZEIRO DO NORTE


0 PECADO

HUMANO e cair em pecado,
DIABOLICO 6 permanecer nele,
CRISTAO 6 ter pesar do pecado,
D I V I N 0 evitar todo o pecado.

Bondealouo


- 64 -


412


i~ astszaa ~ s2 ia~BSt~Sl~~sZBBflSts~ s~s2~i lj~f1~;2~8Bs~BBSt~28Ms~t~tSi~~,$S2 rj r;2S11S28Sl~j~l~8~i









4


Outro trecho da Rua Padre Cicero




























Convento dos Franciscanos ainda em constru(ao


Gm vd, Je(Jd, conilo
Poder tendes, Senhor, para salvar-me;
Poder tendes, Senhor, para admitir-me;
S Poder tivestes, Deus, para comprar-me
E do demrnio perfido exirnir-me;
Poder tendes, Senhor, para livrar-me,
E poderoso .fostes em remir-me,
E, pois, 6 tanto o vosso poderio
Dulcissimo Jesus, em V6s confio.
Lope de 'Oega


- 66


~8% :P%
..~-.
it ~..~~xr~.ltu,~.,4 I:r

































































Panorama da Cidade de Juazeiro do Norte


-I L II -- I I -I


n~":. ~~ "TC;7~;ii~9r~.:r-~C~~~-~-~-T) r5-;T~_~
ii ;
.I,I








-. o ::. .. .. .



Jl Poema de Amor


O capitulo decimo terceiro da primeira
Epistola de Sao Paulo aos Corintios e o maior
S poema de amor ate hoje escrito. Este capitulo
contem apenas treze pequenos versiculos, que
S se aprendem de cor com muita facilidade. Se
alguem os repetir compreensivelmente todos os
i:; dias, pode ter a certeza de que revoluc'onaria
S toda a sua vida. Um conhecido meu fi-lo e tOda
a sua vida se transformou. Ouereis faze-lo
tambem ?
S'riry .D rummon.d.








N/ N
: QLUerer e powder.





SA dq






...o ? o.
I.o,.1O.o:..:...:o:Oo:oo o..,..Oo~oOoo'.:.o,.'o,....'oo.,o...,Oo,; -
;....:..../.-, u..'


- 68 -






































LrrtRrartLLt este Rlbum erm

cLutorrtatLca Mereedes,

por Oscar' Flues A Gia.


Lmpressora.

dLstrLbt[da.

Cltda.


~I~____NI__~~____CIlsl^^-- 1~-~ I


_-- -

































































A VENDA DO PRESENT ALBUM REVERTE EM pENEFICIO
DO MUSEU CIVICO-RELIGIOSO DE JUAZEIR6'DO NORTE




University of Florida Home Page
© 2004 - 2010 University of Florida George A. Smathers Libraries.
All rights reserved.

Acceptable Use, Copyright, and Disclaimer Statement
Last updated October 10, 2010 - - mvs