• TABLE OF CONTENTS
HIDE
 Half Title
 Title Page
 Table of Contents
 Apresentacao
 Introducao
 Metodologia
 Segmento colonos
 Segmento seringueiro
 Recomendacoes
 Anexos






Title: Metodo de pesquisa e extensao em sistemas agricolas e florestaies (PESA); relatorio do 2. treinamento
CITATION PAGE IMAGE ZOOMABLE
Full Citation
STANDARD VIEW MARC VIEW
Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/UF00054672/00001
 Material Information
Title: Metodo de pesquisa e extensao em sistemas agricolas e florestaies (PESA); relatorio do 2. treinamento
Physical Description: Book
Language: Spanish
Creator: Universidade Federal do Acre
University of Florida ( Contributor )
Publisher: Universidade Federal do Acre
Publication Date: 1989
 Subjects
Subject: South America   ( lcsh )
University of Florida.   ( lcsh )
Spatial Coverage: South America -- Brazil -- Acre
North America -- United States of America -- Florida
 Record Information
Bibliographic ID: UF00054672
Volume ID: VID00001
Source Institution: University of Florida
Holding Location: University of Florida
Rights Management: All rights reserved, Board of Trustees of the University of Florida

Table of Contents
    Half Title
        Half Title
    Title Page
        Title Page
    Table of Contents
        Page i
        Page ii
        Page iii
    Apresentacao
        Page iv
    Introducao
        Page 1
        Page 2
    Metodologia
        Page 3
    Segmento colonos
        Page 4
        Caracterizacao da unidade productiva
            Page 4
            Tamanho
                Page 4
            Area desmatada
                Page 4
            Forma de obtencao de terra
                Page 4
            Disponsibilidade de agua
                Page 4
        Estrutura familia
            Page 5
            Origem e procedencia
                Page 5
            Tempo de assentamento
                Page 5
            Fatores culturals
                Page 6
        Producao vegetal
            Page 8
            Sistema de abertura de areas
                Page 8
            Culturas anuais
                Page 8
                Page 9
            Amazenamento
                Page 10
            Culturas perenes e semi-perenes
                Page 10
            Fruticultura
                Page 10
        Servicos basicos
            Page 6
            Educacao
                Page 6
            Saude
                Page 7
            Horticultura
                Page 11
        Producao animal
            Page 11
            Pequenos animais
                Page 11
            Grandes animais
                Page 12
                Page 13
        Floresta
            Page 14
            Madeira
                Page 14
            Borracha (hevea brasiliensis)
                Page 15
            Castanha-do-Brasil (Bertholletia excelsa H.B.K)
                Page 15
            Caca e pesca
                Page 16
            Mel, frutos silvestres e plantes medicinais
                Page 16
        Economia
            Page 17
            Comercializacao
                Page 17
            Mao-de-obra
                Page 18
        Servicos de apoio
            Page 19
            Transporte
                Page 19
            Credito rural
                Page 20
            Assistencia tecnica e extensao rural
                Page 20
        Fatores limitantes
            Page 21
            Fatores naturais
                Page 21
            Fatores institucionais e/ou politicos
                Page 21
            Fatores sociais
                Page 22
            Fatores economicos
                Page 23
        Pretencoes
            Page 24
        Modelo simplificado do sistema produtivo do colono
            Page 25
        Calendario agricola para um sistema agropecuario no projecto de colonizacao Pedro Peixoto
            Page 26
        Conclusoes
            Page 27
            Page 28
    Segmento seringueiro
        Page 29
        Aspectos sociais e politicos
            Page 29
            Processo historico
                Page 29
            Relacoes sociais internas
                Page 30
                Page 31
            Sindicalizacao
                Page 32
                Page 33
            Educacao
                Page 32
            Saude
                Page 34
            Cooperativismo
                Page 35
            Conservacao
                Page 36
        Atividades extrativistas
            Page 37
            Caracterizacao da unidade produtiva
                Page 37
            Borracha
                Page 38
                Page 39
            Castanha do Brasil
                Page 40
        Atividades agropecuarias
            Page 41
            Agricultura
                Page 42
                Arroz
                    Page 42
                Milho
                    Page 43
                Feijao
                    Page 43
                Mandioca
                    Page 44
                Abobora (gerimum)
                    Page 44
                Cana-da-acucar
                    Page 44
                Hortalicas
                    Page 44
                Plantas perenes
                    Page 45
            Pecuaria
                Page 45
                Animais de grande porte
                    Page 45
                Animais de pequeno e medio porte
                    Page 46
        Outras atividades
            Page 47
            Madeira
                Page 47
            Mel
                Page 48
            Pesco
                Page 49
            Caca
                Page 49
            Frutas silvestres
                Page 50
            Artesanato
                Page 50
            Plantas medicinais
                Page 51
        Aspectos de ordem tecnologicas
            Page 51
            Extracao e beneficiamento do latex
                Page 51
            Armazenamento dos produtos
                Page 51
            Transporte
                Page 52
            Manejo da floresta
                Page 52
        Conclusoes
            Page 53
            Page 54
            Page 55
    Recomendacoes
        Page 56
        Page 57
        Page 58
    Anexos
        Page 59
        Page 60
        Page 61
        Page 62
        Page 63
        Page 64
        Page 65
        Page 66
        Page 67
        Page 68
        Page 69
        Page 70
Full Text

-. V07/






UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE UFAC

UNIVERSIDADE DA FLORIDA UF




























MTODO DE PESQUISA E EXTENSAO EM

SISTEMAS AGRCOLAS E FLORESTAIS


(P E S A)




























RIO BRANCO-ACRE
JULHO/1989













UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE UFAC


UNIVERSIDADE DA FLRIDA UF





























MTODO DE PESQUISA E EXTENSAO EM

SISTEMAS AGRCOLAS E FLORESTAIS


(P E S A)




RELATRIO DO 22 TREINAMENTO






















RIO BRANCO-ACRE

JULHO/1989










SUMRIO
S U M A R 1 O








APRESENTACAO ............... .............. ............. ........... iv

1. INTRODUCg O ........ .. .......... ...... ... ........ ... ..... 01

2. METODOLOGIA ................................................ 03

3. SEGMENTO COLONOS .............................................. 04
3.1 Caracterizacao da Unidade Produtiva ..................... 04
3.1.1 Tamanho .. .............. ........................ 04
3.1.2 rea Desmatada ................................. 04
3.1.3 Forma de Obtengao da Terra ...................... 04
3.1.4 Disponibilidade de gua ......................... 04

3.2 Estrutura Familiar ..................................... 05
3.2.1 Origem e Procedencia ............................ 05
3.2.2 Tempo de Assentamento ....... ..... ......... ..... 05
3.2.3 Fatores Culturais ............ ................. 06

3.3 Servigos Bsicos ...................... ............... 06
3.3.1 Educa ao ........ ....................... ......... 06
3.3.2 Sade ......................................... ... 07

3.4 Producao Vegetal .................... .................. 08
3.4.1 Sistema de Abertura de reas ..................... 08
3.4.2 Culturas Anuais .................. ............. 08
3.4.3 Armazenamento .................................. 10
3.4.4 Culturas Perenes e Semi-Perenes ................ 10
3.4.5 Fruticultura .................. ................. 10
3.4.6 Horticultura .................................... 11

3.5 Producao Animal ........................................ 11
3.5.1 Pequenos Animais .............................. 11
3.5.2 Grandes Animais ..... .......................... ... 12

3.6 Floresta ........... ........ .......................... 14
3.6.1 Madeira ......................................... 14
3.6.2 Borracha (Hevea brasiliensis) .................. 15
3.6.3 Castanha do Brasil (Bertholletia excelsa H.B.K).. 15
3.6.4 Caga e Pesca ................................... 16
3.6.5 Mel, Frutos Silvestres e Plantas Medicinais ..... 16

3.7 Economia ............. ...................... ............... 17
3.7.1 Aspectos Econ8micos Gerais ..................... 17
3.7.2 Comercializa ao ................................ 17






ii




3.7.3 Mao-de-Obra ..................................... 18

3.8 Servigos de Apoio ........................................ 19
3.8.1 Transporte ......................................... 19
3.8.2 Crdito Rural .................................... 20
3.8.3 Assistencia Tcnica e Extensao Rural ............. 20

3.9 Fatores Limitantes ........................................ 21
3.9.1 Fatores Naturais .............. ................ 21
3.9.2 Fatores Institucionais e/ou Polticos ............ 21
3.9.3 Fatores Sociais ................................... 22
3.9.4 Fatores Econ8micos .............................. 23

3.10 Pretencoes ........... .................................... 24

3.11 Modelo Simplificado do Sistema Produtivo do Colono ....... 25

3.12 Calendrio Agrcola para um Sistema Agr6pecurio no Pro-
jeto de Colonizagco Pedro Peixoto ....................... 26

3.13 Conclusoes ........ .... ............... .................... 27

4. SEGMENTO SERINGUEIRO ............................................ 29

4.1 Aspectos Sociais e Polticos ............................ 29
4.1.1 Processo Histrico ............................... 29
4.1.2 Pressao sobre a Terra ........................... 29
4.1.3 Relacoes Sociais Internas ....................... 30
4.1.4 Sindicalizagc o ................................... 32
4.1.5 Educa ao .................. .... ..................... 32
4.1.6 SAde ... ......................................... 34
4.1.7 Cooperativismo ................ .................. 35
4.1.8 Conservacao ................................ ...... 36

4.2 Atividades Extrativistas ................................ 37
4.2.1 Caracterizagco da Unidade Produtiva .............. 37
4.2.2 Borracha ..................... ...... ............. 38
4.2.3 Castanha do Brasil ............................... 40

4.3 Atividades Agropecurias ................................ 41
4.3.1 Agricultura .................. ..................... 42
4.3.1.1 Arroz .................................. 42
4.3.1.2 Milho .......... ......................... 43
4.3.1.3 Feijao .................... ............ 43
4.3.1.4 Mandioca .............. ................. 44
4.3.1.5 Abbora ..... .. .............. ............. 44
4.3.1.6 Cana-de-AcGcar ........................ 44
4.3.1.7 Hortaligas ............................ 44
4.3.1.8 Plantas Perenes ........................ 45











4.3.2 Pecuaria ........................................... 45
4.3.2.1 Animais de Grande Porte ................ 45
4.3.2.2 Animais de Pequeno e Mdio Porte ....... 46

4.4 Outras Atividades ........................................ 47
4.4.1 Madeira .............................................. 47
4.4.2 Mel ....... ....................................... 48
4.4.3 Pesca ... ...................................... 49
4.4.4 Caga ...... ....................................... 49
4.4.5 Frutas Silvestres ............................... 50
4.4.6 Artesanato ....................................... 50
4.4.7 Plantas Medicinais ............................... 51

4.5 Aspectos de Ordem Tecnolgicas .......................... 51
4.5.1 Extracao e Beneficiamento do Ltex .............. 51
4.5.2 Armazenamento dos Produtos ....................... 51
4.5.3 Transporte ................ ........................ 52
4.5.4 Manejo da Floresta ............................. 52

4.6 Conclusoes ..................... .......................... 53


5. RECOMENDACOES ............ ................ ... ............... 56

6. ANEXOS ......................................................... 59






iv





APRESENTAgAO





O presente documento resultado do sondeio realizado
no Projeto de Colonizagao Pedro Peixoto, no Projeto de Reserva Extra-
tivista Chico Mendes e Seringais Santa F e Nova Esperana, i localiza-
dos no Vale do Acre, em rea que abrange os municipios de Rio Branco,
Senador Guiomard, Plcido de Castro e Xapuri, pelos integrantes do
Curso Sintese de Pesquisa e Extensao em Sistemas Agro-Florestais(PESA),
realizado em Rio Branco-Acre, no periodo de 09 a 28 de julho de 1989.

O referido Curso fruto de um convenio firmado entre
a Universidade da Fl6rida-UF e a Universidade Federal do Acre-UFAC,
sendo patrocinado pela Fundacao FORD. Vale ressaltar que os objetivos
propostos no mesmo estao relacionados com a identificagao de proble-
mas agro-econ8micos que interferem na produgao e bem-estar das familias
de pequenos produtores rurais e seringueiros, bem como recomendagoes
para solugoes dos mesmos.

O documento em tela dividido em duas partes, onde
a primeira trata das questoes ligadas ao sistema de produgao da peque-
na propriedade rural, localizada no projeto de colonizagao e, a segun-
da trata da organizaqao da produgao dos seringueiros no Projeto de
Reserva Extrativista Cachoeira e Seringais Santa F e Nova Espe-
ranga.

A sua elaboragco foi um trabalho de todos os parti-
cipantes do Curso, e a redagao final foi realizada pelos participan-
tes Mauro Luiz Aldrigue, Le8nidas Dantas de Assis e Gl6ria Maria Es-
calante Machado.







01




1. INTRODUgAO







A forma de ocupacao econ8mica do Estado do Acre,
via extrativismo da borracha e castanha-do-Brasil, determinou
a organizagao da produgao agrcola atualmente praticada,
onde existe uma predominancia das culturas ditas de subsistencia e/ou
cultiras brancas, tais como: feijao, arroz, milho e mandioca, sendo
que .\s reas ocupadas com as mesmas nao ultrapassam a 4 ha por unidade
produtiva. A forga de trabalho utilizada geralmente familiar e com
o nivel tecnol6gico considerada rudimentar, impedindo assim, a ex-
pansao e/ou diversificaCao da producao.

Na dcada de 70, com os conflitos surgidos pela posse
da terra, tanto no Acre, como em outros estados brasileiros, surgi-
ram os Projetos de Assentamento Dirigido, hoje chamados Projetos de
Colonizagco, em reas de seringais-desapropriados para tal finalida-
de. No Acre, foram implantados os Projetos Pedro Peixoto, Redengao,
Santa Luzia, Boa Esperanga, Quixad, Santa Quitria e Humait, onde
foram assentados parceleiros, tanto do Acre como de outras regioes do
Pas.

Vale ressaltar que, embora tenha havido uma grande
desarticulagao dos seringais nativos do Acre, o extrativismo represen-
ta ainda uma vital importancia para a economia e ecologia local, mes-
mo que se constitua tambm ponto vulnervel no que diz respeito aos
problemas e custos sociais decorrentes do mesmo, por falta de pla-
nos e programas consistentes que venham a direcionar o curso da eco-
nomia acreana.

O Projeto Pedro Peixoto, o Projeto de Reserva Extra-
tivista Cachoeira e os seringais Santa F e Nova Esperanga foram
escolhidos para serem alvo de um estudo de campo informal Sondeio -
dentro do mtodo PESA (Pesquisa e Extensao em Sistemas Agro-Flores-
tais), com o objetivo de identificar problemas agro-econ8micos que
interferem na producao e bem-estar das familias de pequenos produto-
res rurais e seringueiros, nas referidas localidades.

O Projeto Pedro Peixoto foi implantado em 1978 e
localizado no km 61, da BR-364, com uma rea de 408.000 ha, abrangen-
do reas rurais dos municipios de Rio Branco, Senador Guiomard e Pl-
cido de Castro, com um total de 3.714 lotes, onde estao assentadas






02




3.700 familias oriundas das diversas regioes do pas, com predominan-
cia de pessocs do prprio estado.

Os lotes do referido projeto tam formatos retangula-
res, nao obedecendo a topografia da rea, principalmente no tocante
as nascentes de ros e igaraps, com tamanho na maioria dos casos vari-
ando entre 45 a 100 ha.

O Projeto de Reserva Extrativista Cachoeira e os
seringais Santa F e Nova Esperanga estao localizados no municipio de
Xapuri.

Suas florestas caracterizam-se por apresentarem uma
baixa acao antrpica, sendo constituidas por seringueiras, castanhei-
ras e especies madeireiras diversas, como mogno, cumaru, jatob, den-
tre outros; alm de frutferas como aga, patau, bacaba, bacuri, etc.
A disponibilidade dos recursos hdricos (rios e igaraps) nos seringais
um dos fatores favorveis a vida dos seringueiros nessa regiao. Ou-
tro aspecto relevante a diversidade faunstica existente nas reas.

Vale ressaltar que o grupo composto para a realiza-
cao do estudo foi constituido por profissionais de diversas reas per-
tencentes as Instituicoes ligadas ao setor agrcola de rgaos federais
e estaduais, situados em Rio Branco-Acre (SDA, EMATER, EMBRAPA, CEPA, IMAC,
IBAMA, INCRA, CTA, CIMI, FUNTAC) bem como, por professores da Universi-
dade Federal do Acre-UFAC, Universidade da Flrida-UF, estudantes p6s-
-graduandos da UF, professores da FUA, pesquisadores do INPA-AM e AC,
do IEF-RO, do IAMA-RO, IEA-PR e EMBRAPA-AM.





03






2. METODOLOGIA






A metodologia utilizada teve como base alguns resul-
tados de experiencias em diversas regi5es tropicais e a utilizagao de
tcnicas de sistemas agro-florestais. Tanto os sistemas agro-florestais
como os sistemas agrcolas sao mtodos de "pesquisa adaptativa" por
responderem a problemas concretos e complexos da realidade e nao
questoes de natureza puramente tericas e/ou abstratas. Para tal, uti-
lizaram-se processos continuos de entrevistas e discussoes, entre tc-
nicos de diversas especializagces e a populagao envolvida no processo
do estudo.

O total de 41 participantes foi divido em 2 grupos,
um de 21 e outro de 20 elementos, um dos quais trabalhou com serin-
gueiros e o outro com colonos. Efetuou-se outra divisao em equipes de
tras e quatro elementos para o sondeios nas propriedades e seringais
respectivamente. Aps cada entrevista era feita uma retomada das infor-
macoes recebidas para as devidas anotagoes longe da presenga do entre-
vistado, e no fim do dia de entrevista, as equipes se reuniram para
discussao dos problemas encontrados nas visitas dirias. Aps a reu-
niao, novas equipes de tres e quatro pessoas foram formadas para as vi-
sitas do dia seguinte. O programa de visita durou tres dias e foram
entrevistados 61 colonos e 17 seringueiros. Aps a avaliagao das infor-
macoes-obtidas, os grupos voltaram a se formar para elaboragao do re-
latrio das atividades realizadas pelas equipes.





04





3. SEGMENTO COLONOS


3.1 CARACTERIZAgAO DA UNIDADE PRODUTIVA


3.1.1 Tamanho

Na totalidade das propriedades visitadas na Gleba
"U" AC 401 e Gleba TS BR 317 pertencentes ao Projeto de Coloni-
zagao Pedro Peixoto, constatou-se que as reas variam de 45 a 100 ha.,
predominando as propriedades com mdias de 60/70 ha. Em alguns ca-
sos foram detectados remembramento de um ou mais lotes.


3.1.2 rea Desmatada

De todas as propriedades visitadas constatou-se um
percentual mdio de desmatamento de 28%, com extremos mximo de 80% e
mnimo de 9,0%.

importante salientar que tais reas desmatadas sao
ampliadas anualmente, uma vez que grande parte dos colonos, ap6s a
colheita dos produtos da lavoura branca, implantam pastagens, podendo
o percentual mdio atingir rapidamente o mximo permitido que de
50% da rea de posse do colono.


3.1.3 Forma de Obtencao da Terra

Da totalidade das propriedades, algumas foram obtidas
do INCRA, hoje, MIRAD e outras atravs do processo de compra de ter-
ceiros.
Pode-se perceber nestes lotes, a presenga de ex-se-
ringueiros, como tambm de colonos provenientes de outros estados do
pais, isto considerando a expansao do processo colonizatrio.

Esta acentuada presenca do migrantes deve-se ao fato
de que, os primeiros colonos beneficiados estao vendendo seus lotes,
face a algumas adversidades apresentadas na propriedade tais como:
alta incidencia de malria, procariedade das estradas e falta de gua
no verao (perodo seco).


3.1.4 Disponibilidade de ~uua

A maior parte das propriodades visitadas utilizam-se
dos igaraps e acudes como principal tente de gua, sendo este ultimo
em menor escala. Alm disso utilizam a cacimba tradicional, que nor-
malmente 6 construida em lunares "baixes" da propriedade.





04





3. SEGMENTO COLONOS


3.1 CARACTERIZAgAO DA UNIDADE PRODUTIVA


3.1.1 Tamanho

Na totalidade das propriedades visitadas na Gleba
"U" AC 401 e Gleba TS BR 317 pertencentes ao Projeto de Coloni-
zagao Pedro Peixoto, constatou-se que as reas variam de 45 a 100 ha.,
predominando as propriedades com mdias de 60/70 ha. Em alguns ca-
sos foram detectados remembramento de um ou mais lotes.


3.1.2 rea Desmatada

De todas as propriedades visitadas constatou-se um
percentual mdio de desmatamento de 28%, com extremos mximo de 80% e
mnimo de 9,0%.

importante salientar que tais reas desmatadas sao
ampliadas anualmente, uma vez que grande parte dos colonos, ap6s a
colheita dos produtos da lavoura branca, implantam pastagens, podendo
o percentual mdio atingir rapidamente o mximo permitido que de
50% da rea de posse do colono.


3.1.3 Forma de Obtencao da Terra

Da totalidade das propriedades, algumas foram obtidas
do INCRA, hoje, MIRAD e outras atravs do processo de compra de ter-
ceiros.
Pode-se perceber nestes lotes, a presenga de ex-se-
ringueiros, como tambm de colonos provenientes de outros estados do
pais, isto considerando a expansao do processo colonizatrio.

Esta acentuada presenca do migrantes deve-se ao fato
de que, os primeiros colonos beneficiados estao vendendo seus lotes,
face a algumas adversidades apresentadas na propriedade tais como:
alta incidencia de malria, procariedade das estradas e falta de gua
no verao (perodo seco).


3.1.4 Disponibilidade de ~uua

A maior parte das propriodades visitadas utilizam-se
dos igaraps e acudes como principal tente de gua, sendo este ultimo
em menor escala. Alm disso utilizam a cacimba tradicional, que nor-
malmente 6 construida em lunares "baixes" da propriedade.





04





3. SEGMENTO COLONOS


3.1 CARACTERIZAgAO DA UNIDADE PRODUTIVA


3.1.1 Tamanho

Na totalidade das propriedades visitadas na Gleba
"U" AC 401 e Gleba TS BR 317 pertencentes ao Projeto de Coloni-
zagao Pedro Peixoto, constatou-se que as reas variam de 45 a 100 ha.,
predominando as propriedades com mdias de 60/70 ha. Em alguns ca-
sos foram detectados remembramento de um ou mais lotes.


3.1.2 rea Desmatada

De todas as propriedades visitadas constatou-se um
percentual mdio de desmatamento de 28%, com extremos mximo de 80% e
mnimo de 9,0%.

importante salientar que tais reas desmatadas sao
ampliadas anualmente, uma vez que grande parte dos colonos, ap6s a
colheita dos produtos da lavoura branca, implantam pastagens, podendo
o percentual mdio atingir rapidamente o mximo permitido que de
50% da rea de posse do colono.


3.1.3 Forma de Obtencao da Terra

Da totalidade das propriedades, algumas foram obtidas
do INCRA, hoje, MIRAD e outras atravs do processo de compra de ter-
ceiros.
Pode-se perceber nestes lotes, a presenga de ex-se-
ringueiros, como tambm de colonos provenientes de outros estados do
pais, isto considerando a expansao do processo colonizatrio.

Esta acentuada presenca do migrantes deve-se ao fato
de que, os primeiros colonos beneficiados estao vendendo seus lotes,
face a algumas adversidades apresentadas na propriedade tais como:
alta incidencia de malria, procariedade das estradas e falta de gua
no verao (perodo seco).


3.1.4 Disponibilidade de ~uua

A maior parte das propriodades visitadas utilizam-se
dos igaraps e acudes como principal tente de gua, sendo este ultimo
em menor escala. Alm disso utilizam a cacimba tradicional, que nor-
malmente 6 construida em lunares "baixes" da propriedade.





04





3. SEGMENTO COLONOS


3.1 CARACTERIZAgAO DA UNIDADE PRODUTIVA


3.1.1 Tamanho

Na totalidade das propriedades visitadas na Gleba
"U" AC 401 e Gleba TS BR 317 pertencentes ao Projeto de Coloni-
zagao Pedro Peixoto, constatou-se que as reas variam de 45 a 100 ha.,
predominando as propriedades com mdias de 60/70 ha. Em alguns ca-
sos foram detectados remembramento de um ou mais lotes.


3.1.2 rea Desmatada

De todas as propriedades visitadas constatou-se um
percentual mdio de desmatamento de 28%, com extremos mximo de 80% e
mnimo de 9,0%.

importante salientar que tais reas desmatadas sao
ampliadas anualmente, uma vez que grande parte dos colonos, ap6s a
colheita dos produtos da lavoura branca, implantam pastagens, podendo
o percentual mdio atingir rapidamente o mximo permitido que de
50% da rea de posse do colono.


3.1.3 Forma de Obtencao da Terra

Da totalidade das propriedades, algumas foram obtidas
do INCRA, hoje, MIRAD e outras atravs do processo de compra de ter-
ceiros.
Pode-se perceber nestes lotes, a presenga de ex-se-
ringueiros, como tambm de colonos provenientes de outros estados do
pais, isto considerando a expansao do processo colonizatrio.

Esta acentuada presenca do migrantes deve-se ao fato
de que, os primeiros colonos beneficiados estao vendendo seus lotes,
face a algumas adversidades apresentadas na propriedade tais como:
alta incidencia de malria, procariedade das estradas e falta de gua
no verao (perodo seco).


3.1.4 Disponibilidade de ~uua

A maior parte das propriodades visitadas utilizam-se
dos igaraps e acudes como principal tente de gua, sendo este ultimo
em menor escala. Alm disso utilizam a cacimba tradicional, que nor-
malmente 6 construida em lunares "baixes" da propriedade.





04





3. SEGMENTO COLONOS


3.1 CARACTERIZAgAO DA UNIDADE PRODUTIVA


3.1.1 Tamanho

Na totalidade das propriedades visitadas na Gleba
"U" AC 401 e Gleba TS BR 317 pertencentes ao Projeto de Coloni-
zagao Pedro Peixoto, constatou-se que as reas variam de 45 a 100 ha.,
predominando as propriedades com mdias de 60/70 ha. Em alguns ca-
sos foram detectados remembramento de um ou mais lotes.


3.1.2 rea Desmatada

De todas as propriedades visitadas constatou-se um
percentual mdio de desmatamento de 28%, com extremos mximo de 80% e
mnimo de 9,0%.

importante salientar que tais reas desmatadas sao
ampliadas anualmente, uma vez que grande parte dos colonos, ap6s a
colheita dos produtos da lavoura branca, implantam pastagens, podendo
o percentual mdio atingir rapidamente o mximo permitido que de
50% da rea de posse do colono.


3.1.3 Forma de Obtencao da Terra

Da totalidade das propriedades, algumas foram obtidas
do INCRA, hoje, MIRAD e outras atravs do processo de compra de ter-
ceiros.
Pode-se perceber nestes lotes, a presenga de ex-se-
ringueiros, como tambm de colonos provenientes de outros estados do
pais, isto considerando a expansao do processo colonizatrio.

Esta acentuada presenca do migrantes deve-se ao fato
de que, os primeiros colonos beneficiados estao vendendo seus lotes,
face a algumas adversidades apresentadas na propriedade tais como:
alta incidencia de malria, procariedade das estradas e falta de gua
no verao (perodo seco).


3.1.4 Disponibilidade de ~uua

A maior parte das propriodades visitadas utilizam-se
dos igaraps e acudes como principal tente de gua, sendo este ultimo
em menor escala. Alm disso utilizam a cacimba tradicional, que nor-
malmente 6 construida em lunares "baixes" da propriedade.





04





3. SEGMENTO COLONOS


3.1 CARACTERIZAgAO DA UNIDADE PRODUTIVA


3.1.1 Tamanho

Na totalidade das propriedades visitadas na Gleba
"U" AC 401 e Gleba TS BR 317 pertencentes ao Projeto de Coloni-
zagao Pedro Peixoto, constatou-se que as reas variam de 45 a 100 ha.,
predominando as propriedades com mdias de 60/70 ha. Em alguns ca-
sos foram detectados remembramento de um ou mais lotes.


3.1.2 rea Desmatada

De todas as propriedades visitadas constatou-se um
percentual mdio de desmatamento de 28%, com extremos mximo de 80% e
mnimo de 9,0%.

importante salientar que tais reas desmatadas sao
ampliadas anualmente, uma vez que grande parte dos colonos, ap6s a
colheita dos produtos da lavoura branca, implantam pastagens, podendo
o percentual mdio atingir rapidamente o mximo permitido que de
50% da rea de posse do colono.


3.1.3 Forma de Obtencao da Terra

Da totalidade das propriedades, algumas foram obtidas
do INCRA, hoje, MIRAD e outras atravs do processo de compra de ter-
ceiros.
Pode-se perceber nestes lotes, a presenga de ex-se-
ringueiros, como tambm de colonos provenientes de outros estados do
pais, isto considerando a expansao do processo colonizatrio.

Esta acentuada presenca do migrantes deve-se ao fato
de que, os primeiros colonos beneficiados estao vendendo seus lotes,
face a algumas adversidades apresentadas na propriedade tais como:
alta incidencia de malria, procariedade das estradas e falta de gua
no verao (perodo seco).


3.1.4 Disponibilidade de ~uua

A maior parte das propriodades visitadas utilizam-se
dos igaraps e acudes como principal tente de gua, sendo este ultimo
em menor escala. Alm disso utilizam a cacimba tradicional, que nor-
malmente 6 construida em lunares "baixes" da propriedade.





05





Mesmo com estes recursos para obtengao de gua, a
maioria tem problemas com a disponibilidade da mesma para uso caseiro
e/ou para o gado, em especial no verao.




3.2 ESTRUTURA FAMILIAR

Nas familias entrevistadas o grupo familiar est cons
tituido pelo casal e pelos filhos. O nmero de filhos por familia va-
ria de dois a onze, havendo uma predominncia de criangas e adolecen-
tes, que quando atinge a idade adulta, em grande parte migram para a
cidade em busca de melhores condigces de vida.

No geral, os homens e os filhos do sexo masculino,
quando atinge uma certa idade sao responsveis pelos trabalhos mais
pesados como derrubada e queima, ficando a mulher e as filhas respon-
sveis pelos trabahos domsticos, semeio, colheita, beneficiamento de
produtos, criagao de pequenos animais e hortas caseiras. Havendo,
no entanto, casos em que as mulheres participam de todas as atividades
na col6nia.

H casos em que o homem vive so na col8nia, e sua fa-
milia vive na rea urbana. Havendo tambm casos em que o proprietrio
mora na cidade e paga um caseiro que juntamente com a familia tomam
conta da col8nia.




3.2.1 Origem e Procedencia

Dos colonos entrevistados h familias acreanas e
procedentes de outros estados entre eles Rond8nia, Sao Paulo, Pernam-
buco, Maranhao, Minas Gerais, Paraiba, Cear, Paran, Bahia, Par,
Espirito Santo e Rio Grande do Norte.

Muitas das familias migrantes j possuram terras
em outros estados, principalmente Mato Grosso e Rondonia.

Os motivos que levaram os colonos a deixarem seus
estados de origem foram a busca de perspectivas econ8micas mais ren-
tveis e facilidade de acesso a terra.

Os colonos da regiao na sua grande maioria sao ex-
-seringueiros, alguns posseiros que se transformaram em colonos por
intervencao do INCRA.


3.2.2 Tempo de Assentamento





05





Mesmo com estes recursos para obtengao de gua, a
maioria tem problemas com a disponibilidade da mesma para uso caseiro
e/ou para o gado, em especial no verao.




3.2 ESTRUTURA FAMILIAR

Nas familias entrevistadas o grupo familiar est cons
tituido pelo casal e pelos filhos. O nmero de filhos por familia va-
ria de dois a onze, havendo uma predominncia de criangas e adolecen-
tes, que quando atinge a idade adulta, em grande parte migram para a
cidade em busca de melhores condigces de vida.

No geral, os homens e os filhos do sexo masculino,
quando atinge uma certa idade sao responsveis pelos trabalhos mais
pesados como derrubada e queima, ficando a mulher e as filhas respon-
sveis pelos trabahos domsticos, semeio, colheita, beneficiamento de
produtos, criagao de pequenos animais e hortas caseiras. Havendo,
no entanto, casos em que as mulheres participam de todas as atividades
na col6nia.

H casos em que o homem vive so na col8nia, e sua fa-
milia vive na rea urbana. Havendo tambm casos em que o proprietrio
mora na cidade e paga um caseiro que juntamente com a familia tomam
conta da col8nia.




3.2.1 Origem e Procedencia

Dos colonos entrevistados h familias acreanas e
procedentes de outros estados entre eles Rond8nia, Sao Paulo, Pernam-
buco, Maranhao, Minas Gerais, Paraiba, Cear, Paran, Bahia, Par,
Espirito Santo e Rio Grande do Norte.

Muitas das familias migrantes j possuram terras
em outros estados, principalmente Mato Grosso e Rondonia.

Os motivos que levaram os colonos a deixarem seus
estados de origem foram a busca de perspectivas econ8micas mais ren-
tveis e facilidade de acesso a terra.

Os colonos da regiao na sua grande maioria sao ex-
-seringueiros, alguns posseiros que se transformaram em colonos por
intervencao do INCRA.


3.2.2 Tempo de Assentamento





05





Mesmo com estes recursos para obtengao de gua, a
maioria tem problemas com a disponibilidade da mesma para uso caseiro
e/ou para o gado, em especial no verao.




3.2 ESTRUTURA FAMILIAR

Nas familias entrevistadas o grupo familiar est cons
tituido pelo casal e pelos filhos. O nmero de filhos por familia va-
ria de dois a onze, havendo uma predominncia de criangas e adolecen-
tes, que quando atinge a idade adulta, em grande parte migram para a
cidade em busca de melhores condigces de vida.

No geral, os homens e os filhos do sexo masculino,
quando atinge uma certa idade sao responsveis pelos trabalhos mais
pesados como derrubada e queima, ficando a mulher e as filhas respon-
sveis pelos trabahos domsticos, semeio, colheita, beneficiamento de
produtos, criagao de pequenos animais e hortas caseiras. Havendo,
no entanto, casos em que as mulheres participam de todas as atividades
na col6nia.

H casos em que o homem vive so na col8nia, e sua fa-
milia vive na rea urbana. Havendo tambm casos em que o proprietrio
mora na cidade e paga um caseiro que juntamente com a familia tomam
conta da col8nia.




3.2.1 Origem e Procedencia

Dos colonos entrevistados h familias acreanas e
procedentes de outros estados entre eles Rond8nia, Sao Paulo, Pernam-
buco, Maranhao, Minas Gerais, Paraiba, Cear, Paran, Bahia, Par,
Espirito Santo e Rio Grande do Norte.

Muitas das familias migrantes j possuram terras
em outros estados, principalmente Mato Grosso e Rondonia.

Os motivos que levaram os colonos a deixarem seus
estados de origem foram a busca de perspectivas econ8micas mais ren-
tveis e facilidade de acesso a terra.

Os colonos da regiao na sua grande maioria sao ex-
-seringueiros, alguns posseiros que se transformaram em colonos por
intervencao do INCRA.


3.2.2 Tempo de Assentamento





06





O tempo de assentamento das familias entrevistadas
varia de dois a dez anos.


3.2.3 Fatores Culturais

a) Alimentagco bsica:

Constatou-se que os colonos na sua maioria nao
possuem hbito alimentar de consumir verduras, compondo-se, a dieta
"alimentar basicamente de caga, pesca, arroz, feijao, milho, macaxei-
ra, farinha de mandioca e castanha.

b) Tipos de habitagco:

As habitagces sao construidas de madeira serrada,
de paxiba ou mistas e as coberturas sao em geral de cavaco, de telha
de amianto, de aluminio ou palha de palmeira.

c) Utilizacao de bens bsicos:

De uma forma geral as familias possuem fogao a
lenha e alguns fazem uso de fogao a gs. Algumas familias possuem
filtro, utilzam iluminacao a vela e, outras, lamparina. H casos em
que o colono possue energia prpria obtida de gerador a leo diesel
que abastece a iluminacao domstica, rdio e serraria.



3.3 SERVICOS BSICOS


3.3.1 Educaqao

As informaqoes sobre educacao formal no Projeto de
Colonizagco Pedro Peixoto obtidas atravs do sondeio realizado em 1988
foram breves, porm significativas. Constatou-se que havia falta de
escolas em alguns dos ramais; m localizacao de algumas das escolas
existentes; necessidade de oferta de ensino fundamental completo, ou
seja, at a 8a srie do primeiro grau; carencia de servigo de apoio e,
por ltimo, indiferenga da populagco adulta analfabeta ou semi-al-
fabetizada para com a escolarizacao. Com o sondeio de 1989 as infor-
magces anteriores foram melhor detalhadas, porm mais voltadas para
os aspectos de natureza administrativa do que propriamente tcnica ou
pedaggica.

As principais questoes apresentadas foram:
- Continuam a existir os mesmos problemas antes detectados;
- O funcionamento das aulas freqentemente interrompido, porque os
professores se afastam da localidade;





08




medicamentos no posto o colono recorre diLi'tamente aos hospitais do
municipio de Plcido de Castro e/ou Rio Branco.

1 Quanto a utilizagao da qua filtrada preciso escla-
recer que somente uma minoria utiliza esse sistema, em igual situa-
cao encontra-se o uso das privadas.

Segundo informa6oes de alguns colonos, o servico de
borrifagao, efetuada pelos agentes da SUCAM, nao est sendo eficaz
para a redugco do ndice de malria. Em contrapartida, outros mani-
festam uma certa eficcia no controle da doenga.

bom ressaltar que houve um caso, entre os entre-
vistados de utilizacao do DDT para armazenamento de graos no paiol.

Em suma, as condigces de sade constatadas estao
restritas a uma srie de fatores que interagem direta ou indireta-
mente tais como: educagco, alimentacao, transporte, cultura, fatores
polticos, econ6micos.



3.4 PRODUgAO VEGETAL


3.4.1 Sistema de Abertura de reas

A prtica mais usada para a abertura das reas
broca, derrubada e queima, tanto em rea de mata como em capoeira ve-
lha, visto que o pequeno produtor nao dispoe de outros meios para a
limpeza da rea. Em seguida feito o plantio da lavoura branca (mi-
lho, arroz, feijao e mandioca), por um periodo que varia de 1 a 3
anos, aps o que, efetua a implantagco de pastagem ou cultura pere-
ne. H casos em que a implantagao da pastagem se d logo aps o pri-
meiro ano de cultivo. Alguns agricultores utilizam a terra com lavou
ra branca por 3 ou 4 anos consecutivos e deixam a terra em pousio
(de 4 a 8 anos) para recuperagao da vegetagao. Aps esse perodo, a
rea volta a ser incorporada ao sistema produtivo, atravs do j men-
cionado processo de corta e queima. A rea derrubada geralmente va-
ria de 1 a 4 ha., de acordo a disponibilidade de mao-de-obra e si-
tuagao financeira do agricultor.


3.4.2 Culturas Anuais

As culturas anuais exploradas sob a forma de culti-
vos de subsistencia sao arroz, milho, feijao e mandioca. O arroz e o
milho sao plantados em sistema de consorcio ou em reas separadas
(cultivo solteiro), com maior concentracao do arroz devido a comercia-





08




medicamentos no posto o colono recorre diLi'tamente aos hospitais do
municipio de Plcido de Castro e/ou Rio Branco.

1 Quanto a utilizagao da qua filtrada preciso escla-
recer que somente uma minoria utiliza esse sistema, em igual situa-
cao encontra-se o uso das privadas.

Segundo informa6oes de alguns colonos, o servico de
borrifagao, efetuada pelos agentes da SUCAM, nao est sendo eficaz
para a redugco do ndice de malria. Em contrapartida, outros mani-
festam uma certa eficcia no controle da doenga.

bom ressaltar que houve um caso, entre os entre-
vistados de utilizacao do DDT para armazenamento de graos no paiol.

Em suma, as condigces de sade constatadas estao
restritas a uma srie de fatores que interagem direta ou indireta-
mente tais como: educagco, alimentacao, transporte, cultura, fatores
polticos, econ6micos.



3.4 PRODUgAO VEGETAL


3.4.1 Sistema de Abertura de reas

A prtica mais usada para a abertura das reas
broca, derrubada e queima, tanto em rea de mata como em capoeira ve-
lha, visto que o pequeno produtor nao dispoe de outros meios para a
limpeza da rea. Em seguida feito o plantio da lavoura branca (mi-
lho, arroz, feijao e mandioca), por um periodo que varia de 1 a 3
anos, aps o que, efetua a implantagco de pastagem ou cultura pere-
ne. H casos em que a implantagao da pastagem se d logo aps o pri-
meiro ano de cultivo. Alguns agricultores utilizam a terra com lavou
ra branca por 3 ou 4 anos consecutivos e deixam a terra em pousio
(de 4 a 8 anos) para recuperagao da vegetagao. Aps esse perodo, a
rea volta a ser incorporada ao sistema produtivo, atravs do j men-
cionado processo de corta e queima. A rea derrubada geralmente va-
ria de 1 a 4 ha., de acordo a disponibilidade de mao-de-obra e si-
tuagao financeira do agricultor.


3.4.2 Culturas Anuais

As culturas anuais exploradas sob a forma de culti-
vos de subsistencia sao arroz, milho, feijao e mandioca. O arroz e o
milho sao plantados em sistema de consorcio ou em reas separadas
(cultivo solteiro), com maior concentracao do arroz devido a comercia-





08




medicamentos no posto o colono recorre diLi'tamente aos hospitais do
municipio de Plcido de Castro e/ou Rio Branco.

1 Quanto a utilizagao da qua filtrada preciso escla-
recer que somente uma minoria utiliza esse sistema, em igual situa-
cao encontra-se o uso das privadas.

Segundo informa6oes de alguns colonos, o servico de
borrifagao, efetuada pelos agentes da SUCAM, nao est sendo eficaz
para a redugco do ndice de malria. Em contrapartida, outros mani-
festam uma certa eficcia no controle da doenga.

bom ressaltar que houve um caso, entre os entre-
vistados de utilizacao do DDT para armazenamento de graos no paiol.

Em suma, as condigces de sade constatadas estao
restritas a uma srie de fatores que interagem direta ou indireta-
mente tais como: educagco, alimentacao, transporte, cultura, fatores
polticos, econ6micos.



3.4 PRODUgAO VEGETAL


3.4.1 Sistema de Abertura de reas

A prtica mais usada para a abertura das reas
broca, derrubada e queima, tanto em rea de mata como em capoeira ve-
lha, visto que o pequeno produtor nao dispoe de outros meios para a
limpeza da rea. Em seguida feito o plantio da lavoura branca (mi-
lho, arroz, feijao e mandioca), por um periodo que varia de 1 a 3
anos, aps o que, efetua a implantagco de pastagem ou cultura pere-
ne. H casos em que a implantagao da pastagem se d logo aps o pri-
meiro ano de cultivo. Alguns agricultores utilizam a terra com lavou
ra branca por 3 ou 4 anos consecutivos e deixam a terra em pousio
(de 4 a 8 anos) para recuperagao da vegetagao. Aps esse perodo, a
rea volta a ser incorporada ao sistema produtivo, atravs do j men-
cionado processo de corta e queima. A rea derrubada geralmente va-
ria de 1 a 4 ha., de acordo a disponibilidade de mao-de-obra e si-
tuagao financeira do agricultor.


3.4.2 Culturas Anuais

As culturas anuais exploradas sob a forma de culti-
vos de subsistencia sao arroz, milho, feijao e mandioca. O arroz e o
milho sao plantados em sistema de consorcio ou em reas separadas
(cultivo solteiro), com maior concentracao do arroz devido a comercia-





09





lizacao e prego. Aps a colheita do arroz e dobra da planta ou co-
lheita do milho, planta-se o feijao no sistema convencional. H ca-
sos de plantio do feijao a lango em rea de capoeira nova, principal-
mente, com variedade ramadora. Alguns agricultores, usam o arroz e o
feijao em cultivo intercalar com culturas perenes e semi-perenes.

As variedades de arroz mais plantadas sao a "IAC 47",
a "Lebonnet" e algumas da classe agulhinha nao identificadas. "Rosi-
nha" e "Carioquinha" sao as variedades de feijao mais plantas, haven-
do algumas reas onde se planta as variedades "Canrio" e "Galo". O mi
lho hbrido muito plantado nessa regiao, inclusive ocorre queda nas
produg5es de algumas lavouras pelo plantio de sementes hbridas colhi-
das em anos anteriores. A variedade BR 5109 est sendo muito divulga-
da e utilizada, o que poder reduzir bastante o problema de disponibi-
lidade de sementes.

Um dos principais problemas da cultura do arroz e a
ocorrncia do percejo (Tibraca limbativentres), havendo tambm acama-
mento das plantas quando se cultiva a variedade IAC 47.

No feijao (Phaseolus vulgaris) o ataque da praga co-
nhecida pelo nome de "Vaquinha" (Diabrotica speciosa e Cerotoma sp.)
e a doenga "Mela do Feijoeiro" ou "Murcha da Teia Miclica" causada
pelo fungo Thanatephorus cucumeris sao fatores limitantes da produgao.
A "lagarta do cartucho", no milho, a praga que se encontra nessa
cultura, mas nao chega a causar prejuijos relevantes. De um modo geral
nao feito controle de pragas e doengas nas culturas referenciadas.

As sementes de arroz, milho e feijao sao adquiridas
no comrcio local (Casa da Agricultura ou Secretaria de Desenvolvimen-
to Agrario ), guardadas de um ano para outro ou obtidas com agricul-
tores vizinhos.

O feijao "Caupi" (Vigna unguiculata) pouco planta-
do devido ao problema de pouca preferencia pelos consumidores. En-
tretanto essa espcie apresenta a vantagem de ser tolerante a "mela".

A mandioca, que plantada aps o cultivo do feijao,
encontrada em todas as propriedades, pois um produto bsico na
alimentacao das familias da zona rural. A demais tem comrcio garan-
tido tanto na forma de farinha como in natura", apesar do baixo pre-
go no mercado. A mandioca nao tem problemas durante o cultivo.

Esses produtos tambm sao utilizados na alimentagao
de pequenos animais.

Os tratos culturais restringem-se apenas a capinas,




1'*





quando necessrias.

Observou-se baixa produtividade tanto no arroz, como
no milho e feijao (1.500 kg/ha, 1.200 kg/ha, respectivamente), prin-
cipalmente, pelos sistemas de cultivos predominantes. H casos em
que o produtor chega a colher 3.000 kg/ha de arroz, em cultivo sol-
teiro com espagamento adequado.


3.4.3 Armazenamento

De modo geral, o armazenamento feito em paiol rs-
tico em condicoes inadequadas de conservacao. Alguns produtores usam
caixas de madeira para guardar o arroz e tambores ou latas para o
feijao deixando o milho amontoado, ainda nas espigas empalhadas.Poucos
agricultores usam defensivos para proteger os produtos contra o ata-
que de pragas dos graos armazenados. As sementes de feijao para cul-
tivo no ano seguinte, muitas vezes, sao acondicionadas, em garrafoes
de vidro. Sementes de arroz e milho sao guardadas em vasilhas metli-
--", sacos e at deixadas empilhadas no paiol.


3.4.4 Culturas perenes e semi-perenes


Em quase todas as propriedades visitadas encontra-
-s- reas plantadas com culturas perenes, principalmente caf,, e ca-
cau. Os plantios de caf variam de algumas plantas em volta da casa,
para consumo da familia at lavoura com vinte mil ps. Muitos pro-
dutores manifestaram desejos de ampliar as reas plantadas com cultu-
ras perenes, visto que as condicoes para comercializacao das cultu-
ras anuais sao muito desistimuladoras.

O cultivo da cana-de-agcar vem se expandindo nas
reas pesquisadas como mais uma alternativa de renda, tanto pela venda
do mel, como da rapadura. utilizada tambm na alimentacao animal.

Tambm foi encontrada a seringueira em cultivo racio-
nal, porm ainda em fase vegetativa.


3.4.5 Fruticultura

Plantios com frutferas exploradas economicamente
encontrou-se apenas de citrus e banana (que usada tambm para som-
breamento do cacau).

Encontrou-se tambm, na maioria das propriedades,
outras frutferas como abacaxi, mamao, cupuagu, graviola, abacate,
jaca, manga e caju. Estes produtos sao mais utilizados para consumo na




1'*





quando necessrias.

Observou-se baixa produtividade tanto no arroz, como
no milho e feijao (1.500 kg/ha, 1.200 kg/ha, respectivamente), prin-
cipalmente, pelos sistemas de cultivos predominantes. H casos em
que o produtor chega a colher 3.000 kg/ha de arroz, em cultivo sol-
teiro com espagamento adequado.


3.4.3 Armazenamento

De modo geral, o armazenamento feito em paiol rs-
tico em condicoes inadequadas de conservacao. Alguns produtores usam
caixas de madeira para guardar o arroz e tambores ou latas para o
feijao deixando o milho amontoado, ainda nas espigas empalhadas.Poucos
agricultores usam defensivos para proteger os produtos contra o ata-
que de pragas dos graos armazenados. As sementes de feijao para cul-
tivo no ano seguinte, muitas vezes, sao acondicionadas, em garrafoes
de vidro. Sementes de arroz e milho sao guardadas em vasilhas metli-
--", sacos e at deixadas empilhadas no paiol.


3.4.4 Culturas perenes e semi-perenes


Em quase todas as propriedades visitadas encontra-
-s- reas plantadas com culturas perenes, principalmente caf,, e ca-
cau. Os plantios de caf variam de algumas plantas em volta da casa,
para consumo da familia at lavoura com vinte mil ps. Muitos pro-
dutores manifestaram desejos de ampliar as reas plantadas com cultu-
ras perenes, visto que as condicoes para comercializacao das cultu-
ras anuais sao muito desistimuladoras.

O cultivo da cana-de-agcar vem se expandindo nas
reas pesquisadas como mais uma alternativa de renda, tanto pela venda
do mel, como da rapadura. utilizada tambm na alimentacao animal.

Tambm foi encontrada a seringueira em cultivo racio-
nal, porm ainda em fase vegetativa.


3.4.5 Fruticultura

Plantios com frutferas exploradas economicamente
encontrou-se apenas de citrus e banana (que usada tambm para som-
breamento do cacau).

Encontrou-se tambm, na maioria das propriedades,
outras frutferas como abacaxi, mamao, cupuagu, graviola, abacate,
jaca, manga e caju. Estes produtos sao mais utilizados para consumo na




1'*





quando necessrias.

Observou-se baixa produtividade tanto no arroz, como
no milho e feijao (1.500 kg/ha, 1.200 kg/ha, respectivamente), prin-
cipalmente, pelos sistemas de cultivos predominantes. H casos em
que o produtor chega a colher 3.000 kg/ha de arroz, em cultivo sol-
teiro com espagamento adequado.


3.4.3 Armazenamento

De modo geral, o armazenamento feito em paiol rs-
tico em condicoes inadequadas de conservacao. Alguns produtores usam
caixas de madeira para guardar o arroz e tambores ou latas para o
feijao deixando o milho amontoado, ainda nas espigas empalhadas.Poucos
agricultores usam defensivos para proteger os produtos contra o ata-
que de pragas dos graos armazenados. As sementes de feijao para cul-
tivo no ano seguinte, muitas vezes, sao acondicionadas, em garrafoes
de vidro. Sementes de arroz e milho sao guardadas em vasilhas metli-
--", sacos e at deixadas empilhadas no paiol.


3.4.4 Culturas perenes e semi-perenes


Em quase todas as propriedades visitadas encontra-
-s- reas plantadas com culturas perenes, principalmente caf,, e ca-
cau. Os plantios de caf variam de algumas plantas em volta da casa,
para consumo da familia at lavoura com vinte mil ps. Muitos pro-
dutores manifestaram desejos de ampliar as reas plantadas com cultu-
ras perenes, visto que as condicoes para comercializacao das cultu-
ras anuais sao muito desistimuladoras.

O cultivo da cana-de-agcar vem se expandindo nas
reas pesquisadas como mais uma alternativa de renda, tanto pela venda
do mel, como da rapadura. utilizada tambm na alimentacao animal.

Tambm foi encontrada a seringueira em cultivo racio-
nal, porm ainda em fase vegetativa.


3.4.5 Fruticultura

Plantios com frutferas exploradas economicamente
encontrou-se apenas de citrus e banana (que usada tambm para som-
breamento do cacau).

Encontrou-se tambm, na maioria das propriedades,
outras frutferas como abacaxi, mamao, cupuagu, graviola, abacate,
jaca, manga e caju. Estes produtos sao mais utilizados para consumo na





06





O tempo de assentamento das familias entrevistadas
varia de dois a dez anos.


3.2.3 Fatores Culturais

a) Alimentagco bsica:

Constatou-se que os colonos na sua maioria nao
possuem hbito alimentar de consumir verduras, compondo-se, a dieta
"alimentar basicamente de caga, pesca, arroz, feijao, milho, macaxei-
ra, farinha de mandioca e castanha.

b) Tipos de habitagco:

As habitagces sao construidas de madeira serrada,
de paxiba ou mistas e as coberturas sao em geral de cavaco, de telha
de amianto, de aluminio ou palha de palmeira.

c) Utilizacao de bens bsicos:

De uma forma geral as familias possuem fogao a
lenha e alguns fazem uso de fogao a gs. Algumas familias possuem
filtro, utilzam iluminacao a vela e, outras, lamparina. H casos em
que o colono possue energia prpria obtida de gerador a leo diesel
que abastece a iluminacao domstica, rdio e serraria.



3.3 SERVICOS BSICOS


3.3.1 Educaqao

As informaqoes sobre educacao formal no Projeto de
Colonizagco Pedro Peixoto obtidas atravs do sondeio realizado em 1988
foram breves, porm significativas. Constatou-se que havia falta de
escolas em alguns dos ramais; m localizacao de algumas das escolas
existentes; necessidade de oferta de ensino fundamental completo, ou
seja, at a 8a srie do primeiro grau; carencia de servigo de apoio e,
por ltimo, indiferenga da populagco adulta analfabeta ou semi-al-
fabetizada para com a escolarizacao. Com o sondeio de 1989 as infor-
magces anteriores foram melhor detalhadas, porm mais voltadas para
os aspectos de natureza administrativa do que propriamente tcnica ou
pedaggica.

As principais questoes apresentadas foram:
- Continuam a existir os mesmos problemas antes detectados;
- O funcionamento das aulas freqentemente interrompido, porque os
professores se afastam da localidade;





06





O tempo de assentamento das familias entrevistadas
varia de dois a dez anos.


3.2.3 Fatores Culturais

a) Alimentagco bsica:

Constatou-se que os colonos na sua maioria nao
possuem hbito alimentar de consumir verduras, compondo-se, a dieta
"alimentar basicamente de caga, pesca, arroz, feijao, milho, macaxei-
ra, farinha de mandioca e castanha.

b) Tipos de habitagco:

As habitagces sao construidas de madeira serrada,
de paxiba ou mistas e as coberturas sao em geral de cavaco, de telha
de amianto, de aluminio ou palha de palmeira.

c) Utilizacao de bens bsicos:

De uma forma geral as familias possuem fogao a
lenha e alguns fazem uso de fogao a gs. Algumas familias possuem
filtro, utilzam iluminacao a vela e, outras, lamparina. H casos em
que o colono possue energia prpria obtida de gerador a leo diesel
que abastece a iluminacao domstica, rdio e serraria.



3.3 SERVICOS BSICOS


3.3.1 Educaqao

As informaqoes sobre educacao formal no Projeto de
Colonizagco Pedro Peixoto obtidas atravs do sondeio realizado em 1988
foram breves, porm significativas. Constatou-se que havia falta de
escolas em alguns dos ramais; m localizacao de algumas das escolas
existentes; necessidade de oferta de ensino fundamental completo, ou
seja, at a 8a srie do primeiro grau; carencia de servigo de apoio e,
por ltimo, indiferenga da populagco adulta analfabeta ou semi-al-
fabetizada para com a escolarizacao. Com o sondeio de 1989 as infor-
magces anteriores foram melhor detalhadas, porm mais voltadas para
os aspectos de natureza administrativa do que propriamente tcnica ou
pedaggica.

As principais questoes apresentadas foram:
- Continuam a existir os mesmos problemas antes detectados;
- O funcionamento das aulas freqentemente interrompido, porque os
professores se afastam da localidade;






07





A aprendizagem dos alunos vem sendo prejudicada com a falta de cum-
primento do calendrio e carga horria escolares;
O calendario -escolar inadequado para a comunidade;
Pais e alunos manifestaram seu descontentamento em relacao ao baixo
rendimento do ensino ministrado;
H alunos com tres ou mais anos na escola que ainda nao sabem ler ou
escrever;
H grande defasagem com relacao a idade/srie na maioria das crian-
gas.,Muitas delas com a idade de 10 a 11 anos ainda estao na primei
ra ou segunda srie do primeiro grau;
Em muitas escolas h carencia de equipamentos como: carteiras, ca-
deiras, mesas, quadros, filtros, utensilios para merenda e materiais
didticos;
A distancia das escolas e a qualificagao do professor tem sido apon-
tadas como causa da evasao dos alunos;
A merenda escolar nao est sendo convenientemente distribuida; e
Em certos ramais h escolas desativadas e professores sobrando e em
outros ramais h carencia de docentes.

Um dos fatores apontados como causa do insucesso em
uitos Projetos, nas reas rurais, tem sido a baixa escolarizagao da
)opulagao, que est condicionada aos aspectos scio-econ8micos e po-
lticos regionais, nacionais e at mesmo internacionais.



3.3.2 Sade

A situaqco atual das familias entrevistadas se re-
sume basicamente na constatacao da alta incidncia de malria nos lo-
cais visitados. Vale salientar que em certos ramais este ndice mui-
to baixo, segundo informaq5es de alguns produtores, em especial nos
primeiros 05 Km a partir das rodovias principais.

No que concerne ao funcionamento dos postos de sade
necessrio mencionar que o atendimento extremamente precrio em
grande parte dos ramais, regular em alguns e inexistentes em outros.

A precariedade do funcionamento decorre, principal-
mente, da carencia de medicamentos e pessoal qualificado. O funcio-
namento regular se d em virtude dos ramais oferecerem condigces de aces-
so mais fcil e proximidade com centros urbanos.

Em caso da malria ser diagnosticada no paciente e
o posto de sade tiver medicamento o individuo os recebe do respons-
vel pelo posto de sade. Em situagces emergenciais, ou ausencia de





11





propriedade, podendo ser vendidos eventualmente.

A comercializacao das frutas tambm muito difcil,
o que leva os agricultores a evitarem a expansao dessa atividade

H vrios problemas de ordem fitossanitrios que
dificultam os cultivos de frutiferas, principalmente nas plantas ctri
cas. Outro problema encontrado na implantagqo de pomares a dificul-
dade na obtencao de mudas de boa qualidade.


3.4.6 Horticultura

A atividade olericola pouca explorada nas reas
onde se realizou esse trabalho, restringindo-se a pequenos canteiros
de alface, couve,coentro e cebolinha para consumo da familia. A defi-
ciencia d'gua apontada como causa limitante no cultivo de oleri-
colas.



3.5 PRODUXAO ANIMAL

3.5.1 Pequenos Animais

Constatou-se em todas as propriedades visitadas a
criacao de pequenos animais, especialmente as aves, com grande predo-
minancia de galinhas, variando este nmero de 10 a 200 bicos e em
menor quantidade patos, pombos e capotes.

A forma como sao criadas predominantemente exten-
siva. O manejo inadequado contribuiu para a proliferaago e doengas,
especialmente a clera. Foi constatado por um grupo a realizacao,
pela EMATER, de uma campanha de vacinacao contra a clera e febre ti-
fide em galinhas.

As aves tambm tem grande significado para o produ-
tor rural, nao s como forma de complemento alimentar, mas tambm como
uma poupanga para as suas dificuldades, principalmente, quando se
trata de problemas ligados A sade de alguns membros da familia.

Na alimentaqco das aves predominam o milho, mandioca,
frutas e quirela de arroz.

A criacgo de suinos e ovinos uma atividade tambm
desenvolvido pelo produtor rural, como uma pequena quantidade, des-
tina-se especialmente ao consumo familiar, e, esporadicamente ao comer-
cio.





11





propriedade, podendo ser vendidos eventualmente.

A comercializacao das frutas tambm muito difcil,
o que leva os agricultores a evitarem a expansao dessa atividade

H vrios problemas de ordem fitossanitrios que
dificultam os cultivos de frutiferas, principalmente nas plantas ctri
cas. Outro problema encontrado na implantagqo de pomares a dificul-
dade na obtencao de mudas de boa qualidade.


3.4.6 Horticultura

A atividade olericola pouca explorada nas reas
onde se realizou esse trabalho, restringindo-se a pequenos canteiros
de alface, couve,coentro e cebolinha para consumo da familia. A defi-
ciencia d'gua apontada como causa limitante no cultivo de oleri-
colas.



3.5 PRODUXAO ANIMAL

3.5.1 Pequenos Animais

Constatou-se em todas as propriedades visitadas a
criacao de pequenos animais, especialmente as aves, com grande predo-
minancia de galinhas, variando este nmero de 10 a 200 bicos e em
menor quantidade patos, pombos e capotes.

A forma como sao criadas predominantemente exten-
siva. O manejo inadequado contribuiu para a proliferaago e doengas,
especialmente a clera. Foi constatado por um grupo a realizacao,
pela EMATER, de uma campanha de vacinacao contra a clera e febre ti-
fide em galinhas.

As aves tambm tem grande significado para o produ-
tor rural, nao s como forma de complemento alimentar, mas tambm como
uma poupanga para as suas dificuldades, principalmente, quando se
trata de problemas ligados A sade de alguns membros da familia.

Na alimentaqco das aves predominam o milho, mandioca,
frutas e quirela de arroz.

A criacgo de suinos e ovinos uma atividade tambm
desenvolvido pelo produtor rural, como uma pequena quantidade, des-
tina-se especialmente ao consumo familiar, e, esporadicamente ao comer-
cio.





11





propriedade, podendo ser vendidos eventualmente.

A comercializacao das frutas tambm muito difcil,
o que leva os agricultores a evitarem a expansao dessa atividade

H vrios problemas de ordem fitossanitrios que
dificultam os cultivos de frutiferas, principalmente nas plantas ctri
cas. Outro problema encontrado na implantagqo de pomares a dificul-
dade na obtencao de mudas de boa qualidade.


3.4.6 Horticultura

A atividade olericola pouca explorada nas reas
onde se realizou esse trabalho, restringindo-se a pequenos canteiros
de alface, couve,coentro e cebolinha para consumo da familia. A defi-
ciencia d'gua apontada como causa limitante no cultivo de oleri-
colas.



3.5 PRODUXAO ANIMAL

3.5.1 Pequenos Animais

Constatou-se em todas as propriedades visitadas a
criacao de pequenos animais, especialmente as aves, com grande predo-
minancia de galinhas, variando este nmero de 10 a 200 bicos e em
menor quantidade patos, pombos e capotes.

A forma como sao criadas predominantemente exten-
siva. O manejo inadequado contribuiu para a proliferaago e doengas,
especialmente a clera. Foi constatado por um grupo a realizacao,
pela EMATER, de uma campanha de vacinacao contra a clera e febre ti-
fide em galinhas.

As aves tambm tem grande significado para o produ-
tor rural, nao s como forma de complemento alimentar, mas tambm como
uma poupanga para as suas dificuldades, principalmente, quando se
trata de problemas ligados A sade de alguns membros da familia.

Na alimentaqco das aves predominam o milho, mandioca,
frutas e quirela de arroz.

A criacgo de suinos e ovinos uma atividade tambm
desenvolvido pelo produtor rural, como uma pequena quantidade, des-
tina-se especialmente ao consumo familiar, e, esporadicamente ao comer-
cio.











Os suinos nao tem ragas definidas, entram na ali-
mentagao suprindo as carencias proticas, e, as vezes, auxiliando na
receita familiar. Dentre os sub-produtos, est a banha utilizada na
cozinha do colono por vezes substituindo o leo vegetal. A deficiencia
de gua nas propriedades fator que concorre enormemente para criagao
extensiva desses animais. Alimentacao bsica o milho, mandioca e,
em alguns casos, tambm abbora, cana e frutas.

Em relacao a criagao de peixes quase nao existe, em
virtude da ausencia de agudes e escassez de agua, especialmente no
verao. Alguns produtores vem desenvolvendo a criacao de abelhas como
diversificagao na dieta alimentar e como renda extra.


3.5.2 Grandes Animais

Grande nmero de colonos do Projeto de Colonizagao
Pedro Peixoto desenvolvem ou pretendem desenvolver atividades de cria-
gao de bovinos.

Muito destes colonos nao possui recursos financeirc,
mao-de-obra e acesso a crdito especial, alm de baixo nivel educacio-
nal. Alguns destes produtores nao tem tradigao na criacao de bovinos
e, portanto, carecem de conhecimentos relativos a esta atividade.

Os colonos tem na criacao de bovinos uma reserva de
capital para situaqoes de emergencia (principalmente em casos de doen-
gas graves) e tambm uma fonte de protena animal para a familia (car-
ne, leite e queijo). No entanto, o alto custo dos bovinos e dos insu-
mos (arame para cerca, sementes de capim) limitam ou retardam o desen-
volvimento da bovinocultura por estes colonos. Muitos tem pastagens
cultivadas formadas, mas encontram dificuldades na aquisicao dos ani-
mais e do arame para a construgao de cercas. Alguns colonos traba-
lham como assalariados para os vizinhos em operagces de broca e derru-
ba da floresta, a fim de conseguir os recursos necessrios para a
construcao de cercas e aquisicao dos animais.

A disponibilidade de crdito acessvel (PROCERA) aos
colonos, no ltimo ano, permitiu que muitos produtores com poucos re-
cursos financeiros investissem na formacao de pastagens, aquisigao
de animais (geralmente 4 cabegas) e arame para construcao de cerca.

O rebanho de aptidao mista (carne e leite), sem
padrao racial definido, compreendendo uma mistura das ragas Gir, Ho-
lands e Nelore. Os produtores com menor disponibilidade de recursos
financeiros tem entre 3 e 10 animais e a rea de pastagens entre 2
a 7 ha. Estes colonos nao possuem animais de montaria para condugco do
gado (equinos e muares).





13





Alguns produtores com maior mo-de-obra disponiv-l,
caracterizados pelas familias maiores com varios filhos homens e adul-
tos na propriedade conseguem adquirir maior nivel de capitalizagao. O
rebanho, geralmente, est entre 10 e 40 animais e a rea de pastegens
entre 10 a 30 ha. Alguns produtores possuem animais de montaria (equi-
nos).
Entre os colonos que criam gado, constatou-se, com
certa freqncia, a utilizagao de bovinos para traqco animal princi-
palmente no transporte dentro da propriedade e nos ramais.

Tambm foram identificado colonos que tm ou preten-
dem ter a bovinocultura como a principal atividade a ser desenvolvida
na propriedade. Geralmente sao familias com boa disponibilidade de re-
cursos financeiros e mao-de-obra. Suas reas, geralmente, sao mais ex-
tensas em fungco da aquisicao de propriedades vizinhas. Estes produ-
tores utilizam crdito ocasionalmente e contratam mao-de-obra para as
operag5es de broca e erruba da floresta. O rebanho pode ser leiteiro
(Girolando), de corte (Nelore) ou de aptidao mista e est acima de 20
cabegas e a rea de pastagens entre 16 a 40 ha. Geralmente possui ani-
mais de montaria.

a) Manejo
Na maioria das propriedade praticamente nao ha
divisao'do rebanho em diferentes categorias animais em fucao da ine-
xistencia de divisao de pastagens e dos limitados conhecimentos des-
tes produtores sobre a criacao de bovinos. Tambm verifica-se a ocor-
rencia de touros cobrindo matrizes de sua descendencia, resultando na
degeneragao do rebanho.

b) Pastagens

As pastagens sao formadas com gramneas introdu-
zidas, com predominancia do gnero Brachiaria (B. decumbens e B.
brisantha). Em menor escala ocorrem pastagens nativa que consiste em
uma mistura do genero Paspalum e leguminosas do gnero Desmodium,
Centrosema, Aeschynomene, Calopogonium e Zornia. Estas pastagens na-
tivas sao decorrentes da degradacao das pastagens cultivadas.

A ocorrncia da cigarrinha-das-pastagens (Deois
incompleta e Deois flavopicta) nas pastagens de B. decumbens cons-
titui um serio fator limitante a produtividade e persistencia destas
pastagens. Este fato, associado implantacao e ao manejo inadequado
das pastagens (superpastejo), tem resultado na degradacao do solo e
das pastagens.











Como solucao, os colonos estao substituindo as
pastagens de B. decumbens ou formando noves reas de pastaqenis coii a
B. brizantha, considerada como resistente a cigarrinha-das-pastagens.

A maioria dos criadores de bovinos desconhece a
utilizagco de leguminosas como forrageiras e o potencial das legumino-
sas nativas.



3.6 FLORESTA


No sistema agricola-florestal encontrado nas colo-
nias visitadas, a floresta desempenha papel preponderante como
fonte de recursos naturais e base do sistema agrcola. Alm de con-
tribuir para a fertilidade do solo, no processo corta-e-queima, tra-
dicional na regiao, a floresta desempenha importante funcao na vida
s6cio-econ8mica do pequeno produtor, oferecendo produtos bsicos tais
como: madeira, borracha, castanha, caga, pesca, frutos silvestres,
mel, plantas medicinais e combustvel para o agregado familiar.


3.6.1 Madeira

A exploragao da madeira se faz em quatro classes:
madeira para construcao, madeira para comercializacao, madeira-' para
lenha e-madeira para carvao.

Conforme foi sondado no sondeio do ano anterior, to-
dos os colonos entevistados possuem casas de madeira, com a grande
maioria obtendo o produto da floresta de sua propriedade. Alguns pos-
suem moto-serra para extracao de madeira, outros usam serra manual e
outros fazem contrato com madeireiros, fornecendo as toras brutas e
recebendo porcentagem em madeira beneficiada. As esp&cies utilizadas
para construcao incluem principalmente angelim (Dinizia spp) e cedro
(Cedrella spp).

Alm das construcoes de suas prprias residencias, os
colonos utilizam a madeira para outros tipos de construcoes rurais
como: paiol, cercas, chiqueiro e curral.

Considerando que o cdigo florestal delimita em 50%
-!
a rea de preservacao das florestas nativas na Amazonia, e que o baixo
prego oferecido pelos madeireiros,nao economicamente vivel para o
pequeno produtor, constatamos nas entevistas de campo que nao h in-
teresse por parte dos colonos para exploracao comercial da madeira.











Como solucao, os colonos estao substituindo as
pastagens de B. decumbens ou formando noves reas de pastaqenis coii a
B. brizantha, considerada como resistente a cigarrinha-das-pastagens.

A maioria dos criadores de bovinos desconhece a
utilizagco de leguminosas como forrageiras e o potencial das legumino-
sas nativas.



3.6 FLORESTA


No sistema agricola-florestal encontrado nas colo-
nias visitadas, a floresta desempenha papel preponderante como
fonte de recursos naturais e base do sistema agrcola. Alm de con-
tribuir para a fertilidade do solo, no processo corta-e-queima, tra-
dicional na regiao, a floresta desempenha importante funcao na vida
s6cio-econ8mica do pequeno produtor, oferecendo produtos bsicos tais
como: madeira, borracha, castanha, caga, pesca, frutos silvestres,
mel, plantas medicinais e combustvel para o agregado familiar.


3.6.1 Madeira

A exploragao da madeira se faz em quatro classes:
madeira para construcao, madeira para comercializacao, madeira-' para
lenha e-madeira para carvao.

Conforme foi sondado no sondeio do ano anterior, to-
dos os colonos entevistados possuem casas de madeira, com a grande
maioria obtendo o produto da floresta de sua propriedade. Alguns pos-
suem moto-serra para extracao de madeira, outros usam serra manual e
outros fazem contrato com madeireiros, fornecendo as toras brutas e
recebendo porcentagem em madeira beneficiada. As esp&cies utilizadas
para construcao incluem principalmente angelim (Dinizia spp) e cedro
(Cedrella spp).

Alm das construcoes de suas prprias residencias, os
colonos utilizam a madeira para outros tipos de construcoes rurais
como: paiol, cercas, chiqueiro e curral.

Considerando que o cdigo florestal delimita em 50%
-!
a rea de preservacao das florestas nativas na Amazonia, e que o baixo
prego oferecido pelos madeireiros,nao economicamente vivel para o
pequeno produtor, constatamos nas entevistas de campo que nao h in-
teresse por parte dos colonos para exploracao comercial da madeira.






15





Entre os colonos entrevistados verifica-se que a
grande maioria usa a floresta como fonte de combustvel, mais na forma
de lenha e em menor intensidade na forma de carvao vegetal.



3.6.2 Borracha (Hevea brasiliensis)

Tradicionalmente na economia do Estado do Acre, a
borracha representa um dos elementos mais importantes do extrativismo
vegetal.
Nas col8nias visitadas constatamos que a atividade de
exploragco do ltex constitui uma fonte de renda alternativa para
muito dos colonos entrevistados.

Todavia, h um grupo significativo de colonos que nao
cortam a seringa, por dois motivos bsicos:


a) Desconhecimento da tecnologia de extragao (colonos
oriundos de outras regioes);

b) indisponibilidade de mao-de-obra/tempo.


Nao obstante, os colonos que estao incluidos no gru-
po supra citados, utilizam o sistema de meieiro na exploracao de suas
estradas de seringas.



3.6.3 Castanha-do-Brasil (Bertholletia excelsa H.B.K)

Outra fonte de renda alternativa obtida pela maioria
dos colonos o extrativismo da Castanha-do-Brasil. Todas as col8nias
visitadas possuem macigos de castanhais em maior ou menor intensidade.
Os colonos entrevistados obtiveram produgao entre 20 70 latas (uma
lata igual a dezoito litros) de castanha por safra, sendo parte deste
produto destinado ao mercado e outra parte para o consumo do agregado
familiar.
Constatamos que a origem do colono nao afeta a pr-
tica da coleta de castanha, pois este processo nao exige conhecimento
sofisticado.

A coleta dos frutos da castanheira se d no periodo
de dezembro a margo, poca em que os colonos disp5e de mao-de-obra e
tempo em funcao da estacao chuvosa.

A castanha vem sendo coletada sistematicamente pelos
colonos, pois possuem um mercado consistente e garantido, em razao
da maior demanda do produto.






15





Entre os colonos entrevistados verifica-se que a
grande maioria usa a floresta como fonte de combustvel, mais na forma
de lenha e em menor intensidade na forma de carvao vegetal.



3.6.2 Borracha (Hevea brasiliensis)

Tradicionalmente na economia do Estado do Acre, a
borracha representa um dos elementos mais importantes do extrativismo
vegetal.
Nas col8nias visitadas constatamos que a atividade de
exploragco do ltex constitui uma fonte de renda alternativa para
muito dos colonos entrevistados.

Todavia, h um grupo significativo de colonos que nao
cortam a seringa, por dois motivos bsicos:


a) Desconhecimento da tecnologia de extragao (colonos
oriundos de outras regioes);

b) indisponibilidade de mao-de-obra/tempo.


Nao obstante, os colonos que estao incluidos no gru-
po supra citados, utilizam o sistema de meieiro na exploracao de suas
estradas de seringas.



3.6.3 Castanha-do-Brasil (Bertholletia excelsa H.B.K)

Outra fonte de renda alternativa obtida pela maioria
dos colonos o extrativismo da Castanha-do-Brasil. Todas as col8nias
visitadas possuem macigos de castanhais em maior ou menor intensidade.
Os colonos entrevistados obtiveram produgao entre 20 70 latas (uma
lata igual a dezoito litros) de castanha por safra, sendo parte deste
produto destinado ao mercado e outra parte para o consumo do agregado
familiar.
Constatamos que a origem do colono nao afeta a pr-
tica da coleta de castanha, pois este processo nao exige conhecimento
sofisticado.

A coleta dos frutos da castanheira se d no periodo
de dezembro a margo, poca em que os colonos disp5e de mao-de-obra e
tempo em funcao da estacao chuvosa.

A castanha vem sendo coletada sistematicamente pelos
colonos, pois possuem um mercado consistente e garantido, em razao
da maior demanda do produto.





1C





NOTA: Foi entrevistado um produtor que relatou sobre o declnio da
produgao em seu castanhal, tendo o mesmo realizado, no periodo
de sete anos, apenas uma coleta de frutos, nao sabendo explicar
o motivo desta ocorrncia.



3.6.4 Caca e Pesca

A atividade da caga em relagao a pesca praticada
mais constantimente pelos colonos. Os animais mais procurados na caca
sao: veado (Mazaame sp ), a paca (Canicular spp) e o tatu (Dasypus sp ).
Esta atividade se faz amide no perodo noturno, e especialmente na
poca em que a floresta dispoe de frutos maduros e atraem os animais.

A pesca e realizada pelos colonos que tem acessibi-
lidade aos igaraps nas proximidades de sua rea.

Tanto as atividades de caga como a pesca sao prati-
cadas para obtengco de alimentos como complemento na dieta das familias.



3.6.5 Mel, Frutos Silvestres e Plantas Medicinais

A coleta de mel silvestre praticada por poucos co-
lonos, estes dao preferencia pelo produto obtido pelas abelhas ind-
genas (sem ferrao) Melipona spp, Trigono spp por duas razoes, pri-
meiro porque acreditam que o mel destas abelhas possuem melhores pro-
priedades medicinais e em segundo lugar, porque estas sao menos de-
fensivas que as abelhas italianas (com ferrao) Apis mellifera scutelata.
A extragao de frutos silvestre e plantas medicinais
realizada por alguns colonos, principalmente por aqueles que conhecem
a flora nativa da regiao. Os principais frutos obtidos da floresta
sao: o aga (Euterpe oleracea), o patau (Oenocarpus pataua) e o
buriti (Mauritia vinifera). Entre as plantas medicinais, destacam-se a
copaiba (Lopaifera langsdorf) e o cumaru (Dipteryx odorata).


NOTA: Alguns produtores relatam o uso da pelcula interna do "ourigo
da castanha" como remdio no combate a "clera" nas aves.


Alm disso, constamos que os colonos aproveitam ou-
tros produtos da floresta, tais como, o cip para confec9ao de vas-
soura, palha e cavaco para cobertura das habitagoes.





1C





NOTA: Foi entrevistado um produtor que relatou sobre o declnio da
produgao em seu castanhal, tendo o mesmo realizado, no periodo
de sete anos, apenas uma coleta de frutos, nao sabendo explicar
o motivo desta ocorrncia.



3.6.4 Caca e Pesca

A atividade da caga em relagao a pesca praticada
mais constantimente pelos colonos. Os animais mais procurados na caca
sao: veado (Mazaame sp ), a paca (Canicular spp) e o tatu (Dasypus sp ).
Esta atividade se faz amide no perodo noturno, e especialmente na
poca em que a floresta dispoe de frutos maduros e atraem os animais.

A pesca e realizada pelos colonos que tem acessibi-
lidade aos igaraps nas proximidades de sua rea.

Tanto as atividades de caga como a pesca sao prati-
cadas para obtengco de alimentos como complemento na dieta das familias.



3.6.5 Mel, Frutos Silvestres e Plantas Medicinais

A coleta de mel silvestre praticada por poucos co-
lonos, estes dao preferencia pelo produto obtido pelas abelhas ind-
genas (sem ferrao) Melipona spp, Trigono spp por duas razoes, pri-
meiro porque acreditam que o mel destas abelhas possuem melhores pro-
priedades medicinais e em segundo lugar, porque estas sao menos de-
fensivas que as abelhas italianas (com ferrao) Apis mellifera scutelata.
A extragao de frutos silvestre e plantas medicinais
realizada por alguns colonos, principalmente por aqueles que conhecem
a flora nativa da regiao. Os principais frutos obtidos da floresta
sao: o aga (Euterpe oleracea), o patau (Oenocarpus pataua) e o
buriti (Mauritia vinifera). Entre as plantas medicinais, destacam-se a
copaiba (Lopaifera langsdorf) e o cumaru (Dipteryx odorata).


NOTA: Alguns produtores relatam o uso da pelcula interna do "ourigo
da castanha" como remdio no combate a "clera" nas aves.


Alm disso, constamos que os colonos aproveitam ou-
tros produtos da floresta, tais como, o cip para confec9ao de vas-
soura, palha e cavaco para cobertura das habitagoes.





17





Observa-se que os colonos praticam quase que exclu-
sivamente o extrativismo da borracha e da castanha-do-brasil, desco-
nhecendo prticas de manejo florestal mais intensivo, que possam maxi-
mizar a utilizagao dos recursos potenciais da floresta, deixando de
obter maior rendimento econ8mico no sistema agrcola-florestal.




3.7 ECONOMIA


3.7.1 Aspectos Econ8micos Gerais

A partir das observacoes feitas nas propriedades dos
colonos possvel verificar que a base da economia est diretamente
ligada a utilizagco da mao-de-obra familiar. Visto que a partir da
nao contabilizagco do trabalho empregado na producao que se pode ve-
rificar a sustentabilidade da unidade produtiva.

Parte da renda nao aparece monetariamente e sim atra-
ves do consumo de parte significativa da produgco (milho, arroz, fei-
jao e mandioca), que tem como conseqencia uma baixa circulacao mone-
taria.

A renda obtida atravs da venda de excedentes na
maioria dos casos utilizada na aquisigao de produtos nao produzidos
na unidade de produgco (agcar, sal, leo, querosene, eventualmente
gs, utensilios domsticos, vestimentas e calgados).

possvel observar alguns colonos aumentando sua
renda atravs da intensificagao da pecuaria, os quais tem perspecti-
vas de ampliagco do capital atraves da incorporacao de novas terras
para pastos e equipamentos que facilitam o trabalho e a auto-susten-
tacao da unidade produtiva (moto-serras, trilhadeira, casa-de-farinha,
etc).

Tambm possvel verificar colonos que obtem renda
atravs da extragco de madeira e seringa, os quais geralmerte produ-
zem culturas anuais apenas para subsistencia.

A coleta de castanha tambm um fator importante na
composigao da renda, uma vez que tem mercado e prego certo, muito em-
bora nao se constitua a fonte principal de renda.


3.7.2 Comercializaqao

A comercializagao representa para o produtor o momen-
to em que se da a realiza5co de excedentes gerados na unidade produ-





17





Observa-se que os colonos praticam quase que exclu-
sivamente o extrativismo da borracha e da castanha-do-brasil, desco-
nhecendo prticas de manejo florestal mais intensivo, que possam maxi-
mizar a utilizagao dos recursos potenciais da floresta, deixando de
obter maior rendimento econ8mico no sistema agrcola-florestal.




3.7 ECONOMIA


3.7.1 Aspectos Econ8micos Gerais

A partir das observacoes feitas nas propriedades dos
colonos possvel verificar que a base da economia est diretamente
ligada a utilizagco da mao-de-obra familiar. Visto que a partir da
nao contabilizagco do trabalho empregado na producao que se pode ve-
rificar a sustentabilidade da unidade produtiva.

Parte da renda nao aparece monetariamente e sim atra-
ves do consumo de parte significativa da produgco (milho, arroz, fei-
jao e mandioca), que tem como conseqencia uma baixa circulacao mone-
taria.

A renda obtida atravs da venda de excedentes na
maioria dos casos utilizada na aquisigao de produtos nao produzidos
na unidade de produgco (agcar, sal, leo, querosene, eventualmente
gs, utensilios domsticos, vestimentas e calgados).

possvel observar alguns colonos aumentando sua
renda atravs da intensificagao da pecuaria, os quais tem perspecti-
vas de ampliagco do capital atraves da incorporacao de novas terras
para pastos e equipamentos que facilitam o trabalho e a auto-susten-
tacao da unidade produtiva (moto-serras, trilhadeira, casa-de-farinha,
etc).

Tambm possvel verificar colonos que obtem renda
atravs da extragco de madeira e seringa, os quais geralmerte produ-
zem culturas anuais apenas para subsistencia.

A coleta de castanha tambm um fator importante na
composigao da renda, uma vez que tem mercado e prego certo, muito em-
bora nao se constitua a fonte principal de renda.


3.7.2 Comercializaqao

A comercializagao representa para o produtor o momen-
to em que se da a realiza5co de excedentes gerados na unidade produ-





18





tiva. Neste sentido a magnitude da apropriacao da renda monetria ve-
rifica-se de conformidade com o comportamento do mercado dos diferen-
tes produtos.

A partir das observacoes efetuadas nas unidades pro-
dutivas, as relacoes de comercializaqces realizam-se preponderante-
mente com os mercados de Plcido de Castro e Rio Branco, onde se veri-
fica, pelo lado da oferta a venda de produtos extrativos agrcolas e
pecurios, e pelo lado da demanda a compra de produtos nao produzidos
nas unidade produtivas.

A comercializagco dos produtos agrcolas e pecu-
rios realizam-se diretamente no mercado, ou seja, sao os prprios co-
lonos que, sob o sistema de associagao ou individualmente, comercia-
lizam seus produtos nos mercados transportando-os em veiculos aluga-
dos ou prprios.

No que se refere a comercializacao de produtos ex-
trativos (borracha e castanha) verifica-se a presenga do "marreteiro"
que percorre os ramais adquirindo os produtos.

De maneira geral, -estes seriam os processos utiliza-
dos pelos colonos quanto as suas ligagces com o mercado. Mas, para
isso, necessrio se faz evidenciar alguns aspectos que se constituem em
entraves quando da comercializacao dos produtos.

No que diz respeito a comercializagao direta dos pro-
dutos, pode-se identificar como entraves, principalmente em Plcido
de Castro, o baixo prego recebido pelos colonos ou mesmo a nao comer-
cializagco dos produtos. Este fato pode ser explicado pel.a elevada
oferta de produtos em relagco ao consumo neste municipio, o que, tam-
bm, pode ser verdade, embora em menor proporgco no mercado de Rio
Branco.

Com relagco A comercializagao dos produtos extrativos
(borracha e castanha), o marreteiro constitui-se na nica alternati-
va de venda dos produtos. Se por um lado a presenga dos marreteiros
nos ramais facilita a comercializacao dos produtos, por outro, este
fato leva a uma redugao dos pregos o que desestimula os colonos.


3.7.3 Mao-de-Obra

A estrutura do Projeto de Colonizacao Pedro Peixoto,
quanto mao-de-obra, apresentou tres tipos de relagao: mao-de-obra
familiar, a "troca-de-dia" e o assalariamento (diarista). Quanto A
mao-de-obra familiar, os trabalhos considerados pesados sao essencial-
mente reservados aos homens, tais como a "broca", "derrubada", a "lim-





19





pa", a construgco de cercas e etc. Alm do tratamento dos cereais, da
ajuda na casa de farinha, no sitio e eventualmente de algumas hortas
as mulheres se especializam tambm na colheita. Essa divisao do tra-
balho apesar de ser bsica nao dertituida de excegces, pois, cons-
tatou-se o trabalho feminino em servigos pesados.

Com relagco ao uso da mao-de-obra infantil a sua di-
fusao indica que a mdia de idade em que esta mao-de-obra comega a tra-
balhar esteja a baixo dos 10 anos.

A segunda relacao de trabalho que se mostrou signi-
ficamente difundida foi a "troca-de-dia", que consiste em ceder a for-
ga do trabalho aos vizinhos, em perodo de escassez relativa da mao-
-de-obra familiar, para, em troca, receber servigos em perodo igual,
quando isso for necessrio.

Como j foi referido, a "troca-de-dia" apresenta- se
como uma variagao do mutirao ou adjutrio, sendo caracterizado o ni-
vel de formalidade maior. A "troca-de-dia" na rea uma meneira de
a populagco, sem recursos para contratar mao-de-obra assalariada,
desenvolver sua produgco. A "troca-de-dia" apresenta-se, tambm, como
oportunidade para maior interacao social entre os colonos, pois, em-
bora implique uma espcie de transagao, com obrigacoes reciprocas bem
definidas, faz aumentar o numero de contatos interpessoais, compen-
sando o relativo isolamento que caracterstico do meio rural.
O trabalho assalariado, devido os pregos considerados
altos das dirias, s6 utilizado por poucos colonos, e, assim mesmo,
de modo nao muito frequente. No entanto, a diaria nao se resume ape-
nas ao pagamento monetrio, uma vez que costume da rea fornecer
alimentagao aos diaristas, geralmente o caf da manha e o almogo.
A mao-de-obra paga atravs de produtos foi consta-
tada, todavia, nao foi devidamente explorada quanto a frequencia e
mesmo quanto aos tipos de produtos utilizados na transacao.
Nao foi constatado a existencia de assalariado per-
manente nas col6nias visitadas. H casos em que o prprio colono tra-
balha como diarista, quando se encontra em grandes dificuldades, pa-
ra outros colonos ou para fazendeiros da rea como tambm na cidade
de Rio Branco.


3.8 SERVICOS DE APOIO

3.8.1 Transporte

Percebe-se nas entrevistas que o fator transporte
um dos mais importantes no processo produtivo dos colonos, nas reas





19





pa", a construgco de cercas e etc. Alm do tratamento dos cereais, da
ajuda na casa de farinha, no sitio e eventualmente de algumas hortas
as mulheres se especializam tambm na colheita. Essa divisao do tra-
balho apesar de ser bsica nao dertituida de excegces, pois, cons-
tatou-se o trabalho feminino em servigos pesados.

Com relagco ao uso da mao-de-obra infantil a sua di-
fusao indica que a mdia de idade em que esta mao-de-obra comega a tra-
balhar esteja a baixo dos 10 anos.

A segunda relacao de trabalho que se mostrou signi-
ficamente difundida foi a "troca-de-dia", que consiste em ceder a for-
ga do trabalho aos vizinhos, em perodo de escassez relativa da mao-
-de-obra familiar, para, em troca, receber servigos em perodo igual,
quando isso for necessrio.

Como j foi referido, a "troca-de-dia" apresenta- se
como uma variagao do mutirao ou adjutrio, sendo caracterizado o ni-
vel de formalidade maior. A "troca-de-dia" na rea uma meneira de
a populagco, sem recursos para contratar mao-de-obra assalariada,
desenvolver sua produgco. A "troca-de-dia" apresenta-se, tambm, como
oportunidade para maior interacao social entre os colonos, pois, em-
bora implique uma espcie de transagao, com obrigacoes reciprocas bem
definidas, faz aumentar o numero de contatos interpessoais, compen-
sando o relativo isolamento que caracterstico do meio rural.
O trabalho assalariado, devido os pregos considerados
altos das dirias, s6 utilizado por poucos colonos, e, assim mesmo,
de modo nao muito frequente. No entanto, a diaria nao se resume ape-
nas ao pagamento monetrio, uma vez que costume da rea fornecer
alimentagao aos diaristas, geralmente o caf da manha e o almogo.
A mao-de-obra paga atravs de produtos foi consta-
tada, todavia, nao foi devidamente explorada quanto a frequencia e
mesmo quanto aos tipos de produtos utilizados na transacao.
Nao foi constatado a existencia de assalariado per-
manente nas col6nias visitadas. H casos em que o prprio colono tra-
balha como diarista, quando se encontra em grandes dificuldades, pa-
ra outros colonos ou para fazendeiros da rea como tambm na cidade
de Rio Branco.


3.8 SERVICOS DE APOIO

3.8.1 Transporte

Percebe-se nas entrevistas que o fator transporte
um dos mais importantes no processo produtivo dos colonos, nas reas





20





visitadas, uma vez que atua diretamente no escoamento da produgao.

Os projetos de colonizacao sao servidos por rodovias
e ramais, que na poca das chuvas oferecem pssimas condiq5es de tr-
fego.

A importancia das estradas reside, tambm, no fato de
permitirem acesso ao mercado e aos servigos pblicos, especialmente
aos servigos de extensao, assistncia tcnica e mdica.

Algumas familias tem animais de servigos bem como
carroga para o transporte de produtos at a estrada principal e de
insumos que nao produzem na colonia.

Existe um sistema de transporte particular com oni-
bus, nas estradas principais ligando as colonias aos centros urbanos.

H tambm caminhoes e pick-up para o transporte de
produtos que passam pelos ramais, na grande maioria das vezes do
marreteiro e/ou dos atravessadores, que cobram elevados pregos pela
prestacao dos servigos.

Alguns colonos usam o transporte da Secretaria do De-
senvolvimento Agraria, pagando o frete por quil6metro rodado.


3.8.2 Crdito Rural

A maioria dos colonos visitado nao utilizam o cr-
dito rural. Alguns j utilizaram e nao querem mais utilizar. A razao
dessa nao utilizacao deve-se ao fato do custo do dinheiro ser eleva-
do- tanto na rede bancria oficial como na particular.

Os colonos que utilizam crdito rural, fizeram pro-
postas a Programas Especiais de Crdito como o Programa Especial para
a Reforma Agrria PROCERA, via MIRAD-BASA, para a aquisigco de gado,
de arame para cerca, para a formacao de pastos, para a construcao de
ayudes; e o Programa de Microempresa Social da Legiao Brasileira de
Assistincia LBA, para desenvolver atividades ligadas a producao
agricola e criagao de pequenos animais.

Vale ressaltar tambm, que o atraso nas liberacoes
das parcelas vem causando um certo descrdit por parte dos colonos
neste tipo de financiamento.


3.8.3 Assist&ncia Tcnica e Extensao Rural

Nas visitas realizadas, um dos servigos prestados pe-
lo Estado as colonias foi a assistencia tcnica realizada pelo servi-
co de extensao rural EMATER.





20





visitadas, uma vez que atua diretamente no escoamento da produgao.

Os projetos de colonizacao sao servidos por rodovias
e ramais, que na poca das chuvas oferecem pssimas condiq5es de tr-
fego.

A importancia das estradas reside, tambm, no fato de
permitirem acesso ao mercado e aos servigos pblicos, especialmente
aos servigos de extensao, assistncia tcnica e mdica.

Algumas familias tem animais de servigos bem como
carroga para o transporte de produtos at a estrada principal e de
insumos que nao produzem na colonia.

Existe um sistema de transporte particular com oni-
bus, nas estradas principais ligando as colonias aos centros urbanos.

H tambm caminhoes e pick-up para o transporte de
produtos que passam pelos ramais, na grande maioria das vezes do
marreteiro e/ou dos atravessadores, que cobram elevados pregos pela
prestacao dos servigos.

Alguns colonos usam o transporte da Secretaria do De-
senvolvimento Agraria, pagando o frete por quil6metro rodado.


3.8.2 Crdito Rural

A maioria dos colonos visitado nao utilizam o cr-
dito rural. Alguns j utilizaram e nao querem mais utilizar. A razao
dessa nao utilizacao deve-se ao fato do custo do dinheiro ser eleva-
do- tanto na rede bancria oficial como na particular.

Os colonos que utilizam crdito rural, fizeram pro-
postas a Programas Especiais de Crdito como o Programa Especial para
a Reforma Agrria PROCERA, via MIRAD-BASA, para a aquisigco de gado,
de arame para cerca, para a formacao de pastos, para a construcao de
ayudes; e o Programa de Microempresa Social da Legiao Brasileira de
Assistincia LBA, para desenvolver atividades ligadas a producao
agricola e criagao de pequenos animais.

Vale ressaltar tambm, que o atraso nas liberacoes
das parcelas vem causando um certo descrdit por parte dos colonos
neste tipo de financiamento.


3.8.3 Assist&ncia Tcnica e Extensao Rural

Nas visitas realizadas, um dos servigos prestados pe-
lo Estado as colonias foi a assistencia tcnica realizada pelo servi-
co de extensao rural EMATER.





2i




No que diz respeito a este fator constata-se alqumas
informacoes conflitantes, um grande nmero de colonos afirma que nad
sao beneficiados pela EMATER. Mesmo assim ficou claro que, apesar das
limitacoes para atender a contento os colonos, poucos nao receberam
direta ou indiretamente os servigos da Assistincia Tcnica e Extensao
Rural, uma vez que, a orientagao na produgao de mudas de caf, as pro-
postas de financiamento (PROCERA e LBA) e a organizagao de produtores
foram e sao trabalhos desempenhados pela empresa.

Observa-se que devidos as dificuldades enfrentadas
pelos colonos a assistencia tcnica EMATER, representa para eles a
solugao de grande parte de seus problemas.

Ha nas reas e estudo escritorio da EMATER-ACRE, em-
presa responsvel pela assiste cia tcnica e extensao rural.


3.9 FATORES LIMITANTES

Os fatores limitantes levantados nesse sondeio sao
representados pelos problemas qde mais afetam os colonos do Projeto de
Colonizagco Pedro Peixoto. Eles serao agrupados em quatro tipos que
sao: naturais, econ8micos, socais e institucionais e/ou polticos
que se interrelacionam.


3.9.1 Fatores Naturais

a) gua

A escassez de gua faz com que mais de uma ativi-
dade (obtengao de gua) reduzalo tempo que o colono tem para se dedi-
car agropecuaria fato este que vem interferindo no melhor aprovei-
tamento de seu tempo de servig .

A deficiencia dos recursos hidricos e sua m distri-
buigao na propriedade sao fatofes que limitam a divisao das pastagens
e restringe o-manejo animal.

b) Pragas e Dengas

A incidencia de pragas e doengas nas lavouras e cria-
goes constitui-se em fator que!limita em parte o desenvolvimento da
agropecuaria uma vez que os insumos necessrios para control-los sao
inacessiveis a maioria dos pequenos colonos, devido a seus altos pre-
gos e falta de orientagco tcnica mais efetiva.


3.9.2 Fatores Institucionais e/ou Polticos

a) Assistincia Tcnica
Em muitas entrevistas ficou evidenciada a i'aridade





2i




No que diz respeito a este fator constata-se alqumas
informacoes conflitantes, um grande nmero de colonos afirma que nad
sao beneficiados pela EMATER. Mesmo assim ficou claro que, apesar das
limitacoes para atender a contento os colonos, poucos nao receberam
direta ou indiretamente os servigos da Assistincia Tcnica e Extensao
Rural, uma vez que, a orientagao na produgao de mudas de caf, as pro-
postas de financiamento (PROCERA e LBA) e a organizagao de produtores
foram e sao trabalhos desempenhados pela empresa.

Observa-se que devidos as dificuldades enfrentadas
pelos colonos a assistencia tcnica EMATER, representa para eles a
solugao de grande parte de seus problemas.

Ha nas reas e estudo escritorio da EMATER-ACRE, em-
presa responsvel pela assiste cia tcnica e extensao rural.


3.9 FATORES LIMITANTES

Os fatores limitantes levantados nesse sondeio sao
representados pelos problemas qde mais afetam os colonos do Projeto de
Colonizagco Pedro Peixoto. Eles serao agrupados em quatro tipos que
sao: naturais, econ8micos, socais e institucionais e/ou polticos
que se interrelacionam.


3.9.1 Fatores Naturais

a) gua

A escassez de gua faz com que mais de uma ativi-
dade (obtengao de gua) reduzalo tempo que o colono tem para se dedi-
car agropecuaria fato este que vem interferindo no melhor aprovei-
tamento de seu tempo de servig .

A deficiencia dos recursos hidricos e sua m distri-
buigao na propriedade sao fatofes que limitam a divisao das pastagens
e restringe o-manejo animal.

b) Pragas e Dengas

A incidencia de pragas e doengas nas lavouras e cria-
goes constitui-se em fator que!limita em parte o desenvolvimento da
agropecuaria uma vez que os insumos necessrios para control-los sao
inacessiveis a maioria dos pequenos colonos, devido a seus altos pre-
gos e falta de orientagco tcnica mais efetiva.


3.9.2 Fatores Institucionais e/ou Polticos

a) Assistincia Tcnica
Em muitas entrevistas ficou evidenciada a i'aridade





2i




No que diz respeito a este fator constata-se alqumas
informacoes conflitantes, um grande nmero de colonos afirma que nad
sao beneficiados pela EMATER. Mesmo assim ficou claro que, apesar das
limitacoes para atender a contento os colonos, poucos nao receberam
direta ou indiretamente os servigos da Assistincia Tcnica e Extensao
Rural, uma vez que, a orientagao na produgao de mudas de caf, as pro-
postas de financiamento (PROCERA e LBA) e a organizagao de produtores
foram e sao trabalhos desempenhados pela empresa.

Observa-se que devidos as dificuldades enfrentadas
pelos colonos a assistencia tcnica EMATER, representa para eles a
solugao de grande parte de seus problemas.

Ha nas reas e estudo escritorio da EMATER-ACRE, em-
presa responsvel pela assiste cia tcnica e extensao rural.


3.9 FATORES LIMITANTES

Os fatores limitantes levantados nesse sondeio sao
representados pelos problemas qde mais afetam os colonos do Projeto de
Colonizagco Pedro Peixoto. Eles serao agrupados em quatro tipos que
sao: naturais, econ8micos, socais e institucionais e/ou polticos
que se interrelacionam.


3.9.1 Fatores Naturais

a) gua

A escassez de gua faz com que mais de uma ativi-
dade (obtengao de gua) reduzalo tempo que o colono tem para se dedi-
car agropecuaria fato este que vem interferindo no melhor aprovei-
tamento de seu tempo de servig .

A deficiencia dos recursos hidricos e sua m distri-
buigao na propriedade sao fatofes que limitam a divisao das pastagens
e restringe o-manejo animal.

b) Pragas e Dengas

A incidencia de pragas e doengas nas lavouras e cria-
goes constitui-se em fator que!limita em parte o desenvolvimento da
agropecuaria uma vez que os insumos necessrios para control-los sao
inacessiveis a maioria dos pequenos colonos, devido a seus altos pre-
gos e falta de orientagco tcnica mais efetiva.


3.9.2 Fatores Institucionais e/ou Polticos

a) Assistincia Tcnica
Em muitas entrevistas ficou evidenciada a i'aridade





22




das visitas tcnicas, e que o atendimento tenha sido melhor. Com isso
muitos agricultores que desejam ter acesso as novas tecnologias ficam
a margem do processo.

b) Sementes
Muitos colonos nao tm acesso quantitativo e quali-
tativo a uma semente selecionada, fornecidas por rgaos oficiais ou
empresas particulares. Por este fato usam sementes selecionadas de
forma massal em sua propriedade ou adquirem dos vizinhos.


3.9.3 Fatores Sociais

a) Mao-de-Obra

A forga de trabalho utilizada para suas produgoes,
nas propriedades visitadas familiar. Como a maioria constitui-se de
criangas limita a expansao ou diversificacao das atividades desenvol-
vidas.

Tal fato agrava quando tais criangas saem em busca de
complementagao dos estudos j iniciados nas escolas existentes nas
areas.

b) Sade

A alta incidencia de malaria reduz significativamente
mao-de-obra na unidade produtiva.

A irregularidade no funcionamento dos postos de sade
nas reas visitadas e aconstante falta de medicamentos obrigam o colo-
no a recorrer aos centro urbanos o que vem a escassear a mao-de-obra
nas atividades produtivas.

c) Educagao

As escolas funcionam de regular a mal, pois em alguns
ramais a escola existe mas nao tem professor, algumas tem escola e
professor, mas falta a merenda, isto vem acarretar a evasao para a
escola na zona urbana ocasionando assim reducao da forga de trabalho
na uniidade produtiva.

Tambm a educagao ministrada na zona rural nao leva
em consideragao as formas de organizacao da produgao dos pequenos co-
lonos, pois existe um calendrio agrcola em que ocorrem piques de
servigos, necessitando de todos os membros nas atividades e que deve-
riam ser respeitado.

d) Estrutura Social

A forma de organizacao dos produtores, algumas vezes






23




inadequada e a ausencia de associagao em determinados ramais tm in-
terferido negativamente no processo produtivo.

Outro agravante no sistema associativista o nao
controle efetivo por parte dos colonos associados na forma de traba-
lho destas organizacoes, sendo alguns membros mais beneficiados que
outros,. especialmente as diretorias.



3.9.4 Fatores Econ8micos

a) Falta de Recursos Prprios

As familias de colonos que vieram descapitalizadas

,para os projetos de coloniZagao sentem dificuldade em alimentar suas
atividades agropecuarias p r falta de recursos prprios e consequen-
temente, de obtencao de no os recursos, gerar recursos dificultando a
contratagco de mao-de-obrai aquisigao de equipamentos, insumos e ani-
mais.

b) Comerc alizagao

A comercilzagao representa para os colonos dos pro-
jetos de colonizago um do pontos.de estrangulamento em fungao de
que, o resultado da atividade agrcola (produgao), geralmente, adqui-
' rido pelo marreteiro ou intermedirio, figuras consideradas como "mal
necessrio" dentro da estrptura da pequena produgco.

Muitos levm seus produtos a Vila Plcido de Castro para
efetuarem sua comercializa ao mas, os pregos, dizem, nao compensam,
pois o mercado de l nao absorve toda a produgao e tambm pela oferta
ser concentrada no periodo de safra (falta de armazns e urgencia na
utilizacao dos recursos ob idos) e o mercado de Rio Branco fica longe,
transporte caro e muitas vezes nao compensa.

c) Transporte

A grande maioria dos colonos visitados tem problema
de transporte que podera ser evidenciado em dois niveis: em primeiro
lugar ao acesso aos ramais, que se ligam a BR-317 e AC-401, no peico-
do de alta pluviosidade (inverno), e em segundo pela dificuldade e/ou
as condicoes de locomocao (prego e disponibilidade).

A evidente m alocagao dos ramais faz com que os
colonos venham a perder parte de sua produgao, por nao lhes ser pos-
sivel esco-ia ao mercado consumidor.






24





d) Crdito

Percebe-se que os colonos tm pretencao em expandir
suas atividade mas que esbarram na falta de oferta de financiamento
compatvel, quantitativamente e qualitativamente com suas condicoes
e aspiracoes o que limita o desenvolvimento da sua propriedade.

e) Armazenamento
Foram constatadas precrias condicoes de armazena-
mento de graos (paiol, no campo e em tambores) pelos colonos confir-
mando assim os problemas identificados de perdas (insetos, ratos e
pssaros) muitas vezes lhes reduzindo muito a produgao e, as vezes,
at tendo que acelerar sua venda nao podendo aguardar perodo de
prego melhores, muito embora se tenha urgencia em vender seus produ-
tos, para reverte-los em bens nao produzidos em sua col8nia.





3.10 PRETENgCES


a) Expansao da Pecuria

A maioria dos colonos entrevistados manifesta inte-
resse com relagao a introdugao ou expansao da pecuaria.


b) Culturas Agrcolas Perenes e Semi-Perenes

A ampliagao das culturas perenes (caf, cacau e cana-
-de-accar) a atividade agrcola que desperta grande interesse entre
os produtores, que apesar de dar retorno econ8mico, apenas a medio
ou longo prazo, garante uma receita anual de menor risco que as cul-
turas anuais.

c) Piscicultura

Implantacao da piscicultura nas col8nias.

















3.11 MODELO SIMPLIFICADO DO SISTEMA PRODUTIVO DO COLONO




i SERVIDO
M E R C A D O
j __ _P B L CO O
S E Crdito
______ Educacao
STransporte
I N T E R M E D I R I O Assistencia
i Tcnica
SAssistencia
Mdica

i '-- ---- t

FLORESTA CULTURAS ANUAIS P E C U R I A
- -- -- -- -
Madeira Arroz Bovino de leite
Borracha Milho
racha Milho Bovino de carne
Castanha Feijao ---
Lenha Mandioca Equino
Frutos Silvestres
Frutos Silvestres CULTURAS PERENES Muar
Caga - - ------ -
Pesca Caf PASTAGEM
Mel Cacau PEQUENOS ANIMAIS
Plantas Medici- Seringueira Aves
nais Cana-de-agucar (*) Suos
Suinos
FRUTIFERAS Ovinos
Abelha
Citrus Abacate
Banana Caj
REA E M Abacaxi Manga
Mamao
P OU S I O


-i O ; HORTA

AF











Legenda: AM Adulto Masculino (*) Cultura
AF Adulto Feminino Semi-Perene

C Crianca








Caend5rio Aarli-la para uini Si.icr; L;rcpccuario no P.C. Pelxoto


C L I Nl A

meses
do
dn 6Iuc~sjinverno -~ j -- secx-ver.o 1. d CUVCG-1flVet?1D
ano


atividades jAN .- R ABR mi J J[L AaD xr cuF Ny iEm

Preparo da rea Broca, dza, rntai~ e gc

Milho colhei de- az--
ta bra lhi colheita
verde ta plantio verde

Arrz cc1hei-ta plantio
colheita e
Mardicra plant.io(*) pnocessora-to planto e oD]Ieita

Fvi .jaD plantio colheita

Caca, planto coilhita. pFreparo de nudas e plantio

Caf plarnticO colh2z p, de ras e plantio

Ftutei= oz1heita de- varas- e~-p&c-ies peparo de m-ruas e plantio

Ibirta AlguTas
e.-pcies plantio e colheita Alqums ecie

BD=rad: prEEaro e ii.1Teza, orte (sarria)

Castanha coleta cleta

"bbeira Corte e Venda

PastaeTi i1U)eza . plantio

EsoDia 12 s--Entre 22 saTestre

Animais AtividaJ 2fErraliza





P.C. Projeto de- Cblm-iza<;g
(*) plantio da seca





27





3.13 CONCLUSOES

Concernente a problemtica dos recursos naturais das
reas pesquisadas, constatou-se, na maioria dos casos, um desconhe-
cimento do potencial destes recursos e seu manejo inadequado. Do mesmo
modo, os sistemas agrcolas desenvolvidos nao sao sustentveis sobre
tudo a mdio e longo prazo. O projeto de colonizagao, quando foi pla-
nejado e implantado, nao levou em consideragco o conhecimento emprico
existente, as caractersticas geogrficas, hidrogrficas e edficas
da rea abrangida pelo projeto.

Os colonos nas suas atividades nem sempre dispoem
no mercado ou nos rgaos de fomento dos insumos necessrios as suas
atividades, tais como: sementes, mudas, corretivos de solo, adubos,
implementos e outros.

Os servigos de assistencia tcnica realizado pela
Extensao Rural, mesmo presente em muitas propriedades, sao insufici-
entes no atendimento aos colonos. No ltimo ano, a incerteza quanto
a continuidade do sistema de extensao rural, contribui para deteriorar
os servigos de atendimento ao colono.

As precrias condicoes de trafegabilidade do siste-
ma virio vicinal, mais agravante na poca chuvosa, compromete e es-
trangula a fluidez das atividades socio-econ8micas (fluxo da produgao
ao mercado e servigos governamentais).

A falta de uma poltica agrcola que garanta pregos
compatveis com os custos de producao constitui o principal fator li-
mitante exploracao agrcola. Como efeito ao desestmulo as culturas
anuais (subsistencia) encontra-se como alternativa o desenvolvimento e
expansao da pecuria e a implantagco de culturas perenes (caf, cacau
e outros) como forma de reduzir os riscos e garantir uma renda mnima
para o sustento familiar. Outro fato que evidencia a insuficiencia da
renda obtida a partir do excedente de culturas anuais o alto ndi-
ce de rotatividade da propriedade nos ltimos anos; haja vista que a
maioria dos colonos declarou ser o segundo, terceiro e at o quarto
poprietrio, tendo de dois a quatro anos de ocupacao.

O sistema de crdito oferecido sobretudo pela rede
particular inacessvel aos colonos devido ao alto custo do dinheiro.
A linha de crdito especial do PROCERA (Programa Especial para Refor-
ma Agrria) oferecida a partir de 1988 nao atende quantitativa e qua-
litativamente aos colonos.






28




Os servigos de sade rural continuam sendo um proble-
ma da rea levantada sobretudo pela falta de medicamentos e, em al-
guns casos, a inexistencia de agentes de sade especializados. Tambm
a alta incidencia de malria no projeto tem contribuido para reduzir a
mao-de-obra disponvel enviabilizando, em alguns casos, algumas ati-
vidades produtivas dos colonos.

Em termos educacionais cionstatou-se a deficiencia
do ensino sobre tres aspectos: o primeirc relacionado a ineficincia
do ensino de la a 4a serie bem como nao qumprimento do ensino bsico,
que seria de la a 8! series; o segundo r lacionado a, inadequacao da
atividade escolar as fases de maior nece sidade de mao-de-obra na ati-
vidade produtiva; o terceiro ao preparo a mao-de-obra para a pr6pria
comunidade.

A propriedade encarada como um bem que poder ga-
rantir o futuro da familia. importante salientar que apesar dos pro-
blemas acima relacionados serem fatores limitantes, nao so a um aumen-
to de producao, como tamb6m a fixagao do homem ao campo, observa-se que
alguns colonos trazem consigo a idia que apesar da precariedade da
vida que levam nao teriam melhores perspectivas na cidade, onde ne-
cesariamente dependeriam de um salrio, que alm de ser difcil con-
seguir nao permite o sustento da familia. E no campo, na pior das hi-
poteses, ele consegue comer, arroz, feijao, caga e frutas.

Reforgando o que foi dito no relat6rio de 1988, os
fatores que afetam a sustentabilidades d4s sistemas de produgao de-
senvolvidos pelos colonos dizem respeito a um conjunto de questoes
estritamente ligados e interdependentes Jujas solucoes, para serem
efetivas exigem aqoes integradas e complementadas dos diversos agen-
tes scio-econ6micos envolvidos,do poder pblico a nivel federal e es-
tadual, atravs de diferentes estruturas institucionais e dos pr6prios
colonos.





29



4. SEGMENTO SERINGUETROS

4.1 ASPECTOS SOCIAIS E POLTICOS


4.1.1 Processo Histrico

No Acre, desde sua ocupagao, na metade do sculo XIX,
formou-se uma estrutura fundiria que concentra a terra (Duarte-1987).

Os seringais que se formaram a partir de entao cons-
tituiram verdadeiros latifundios.

A partir de 1966, o Governo Federal adotou algumas
medidas e desenvolveu agoes no sentido de dinamizar e diversificar
as atividades economicas na Amazonia, criou infra-estrutura; adotou
incentivos fiscais financeiros para atrair investidores privados; criou
orgaos e redefiniu as funcoes dos ja existentes para atender as ne-
cessidades do capital na regiao.

Desta forma, iniciou a corrida do grande capital pa-
ra a Amazonia e a compra de enormes glebas de terra com a finalidadede
desenvolver projetos madereiros, agropecuario de mineragao e mesmo
industriais comprovando-se, mais tarde, a vocagao especulativa des-
tes projetos.

A medida que os grupos economicos foram expropriando
a populagao residente nos seringais acreanos para desenvolver ativi-
dades pecurias e facilitar a especulagao com a terra, os conflitos
sociais se acentuaram, levando ao confronto entre seringueiros e pe-
cuaristas.


4.1.2 Pressao Sobre a Terra

Como foi colocado anteriormente, a ocupagao da terra
no Acre a partir de 1970, deu-se com intengao de usufruir dos be-
neficios dos incentivos fiscais.

Alm destes incentivos, criados pela Lei n2 5.164/66,
administrada pela SUDAM, o Decreto Lei n2 291/67 criou, tambm, incen-
tivos prprios para o "desenvolvimento" na Amazonia Ocidental, na qual
o Acre est incluido. Apesar de que a esse estado, so foram desti-
nados quatro projetos.

Este Decreto concedeu isencao total de imposto de
renda dos lucros ou dividendos de empresas localizadas na Amazonia,
quando destinados para aplicagao na faixa de recursos prprios de
projetos aprovados na regiao.

Apelos feitos pelo governo do Acre no perodo de 1970
a 1974 ao empresariado do Centro-Sul do Brasil, os incentivos fiscais





29



4. SEGMENTO SERINGUETROS

4.1 ASPECTOS SOCIAIS E POLTICOS


4.1.1 Processo Histrico

No Acre, desde sua ocupagao, na metade do sculo XIX,
formou-se uma estrutura fundiria que concentra a terra (Duarte-1987).

Os seringais que se formaram a partir de entao cons-
tituiram verdadeiros latifundios.

A partir de 1966, o Governo Federal adotou algumas
medidas e desenvolveu agoes no sentido de dinamizar e diversificar
as atividades economicas na Amazonia, criou infra-estrutura; adotou
incentivos fiscais financeiros para atrair investidores privados; criou
orgaos e redefiniu as funcoes dos ja existentes para atender as ne-
cessidades do capital na regiao.

Desta forma, iniciou a corrida do grande capital pa-
ra a Amazonia e a compra de enormes glebas de terra com a finalidadede
desenvolver projetos madereiros, agropecuario de mineragao e mesmo
industriais comprovando-se, mais tarde, a vocagao especulativa des-
tes projetos.

A medida que os grupos economicos foram expropriando
a populagao residente nos seringais acreanos para desenvolver ativi-
dades pecurias e facilitar a especulagao com a terra, os conflitos
sociais se acentuaram, levando ao confronto entre seringueiros e pe-
cuaristas.


4.1.2 Pressao Sobre a Terra

Como foi colocado anteriormente, a ocupagao da terra
no Acre a partir de 1970, deu-se com intengao de usufruir dos be-
neficios dos incentivos fiscais.

Alm destes incentivos, criados pela Lei n2 5.164/66,
administrada pela SUDAM, o Decreto Lei n2 291/67 criou, tambm, incen-
tivos prprios para o "desenvolvimento" na Amazonia Ocidental, na qual
o Acre est incluido. Apesar de que a esse estado, so foram desti-
nados quatro projetos.

Este Decreto concedeu isencao total de imposto de
renda dos lucros ou dividendos de empresas localizadas na Amazonia,
quando destinados para aplicagao na faixa de recursos prprios de
projetos aprovados na regiao.

Apelos feitos pelo governo do Acre no perodo de 1970
a 1974 ao empresariado do Centro-Sul do Brasil, os incentivos fiscais





29



4. SEGMENTO SERINGUETROS

4.1 ASPECTOS SOCIAIS E POLTICOS


4.1.1 Processo Histrico

No Acre, desde sua ocupagao, na metade do sculo XIX,
formou-se uma estrutura fundiria que concentra a terra (Duarte-1987).

Os seringais que se formaram a partir de entao cons-
tituiram verdadeiros latifundios.

A partir de 1966, o Governo Federal adotou algumas
medidas e desenvolveu agoes no sentido de dinamizar e diversificar
as atividades economicas na Amazonia, criou infra-estrutura; adotou
incentivos fiscais financeiros para atrair investidores privados; criou
orgaos e redefiniu as funcoes dos ja existentes para atender as ne-
cessidades do capital na regiao.

Desta forma, iniciou a corrida do grande capital pa-
ra a Amazonia e a compra de enormes glebas de terra com a finalidadede
desenvolver projetos madereiros, agropecuario de mineragao e mesmo
industriais comprovando-se, mais tarde, a vocagao especulativa des-
tes projetos.

A medida que os grupos economicos foram expropriando
a populagao residente nos seringais acreanos para desenvolver ativi-
dades pecurias e facilitar a especulagao com a terra, os conflitos
sociais se acentuaram, levando ao confronto entre seringueiros e pe-
cuaristas.


4.1.2 Pressao Sobre a Terra

Como foi colocado anteriormente, a ocupagao da terra
no Acre a partir de 1970, deu-se com intengao de usufruir dos be-
neficios dos incentivos fiscais.

Alm destes incentivos, criados pela Lei n2 5.164/66,
administrada pela SUDAM, o Decreto Lei n2 291/67 criou, tambm, incen-
tivos prprios para o "desenvolvimento" na Amazonia Ocidental, na qual
o Acre est incluido. Apesar de que a esse estado, so foram desti-
nados quatro projetos.

Este Decreto concedeu isencao total de imposto de
renda dos lucros ou dividendos de empresas localizadas na Amazonia,
quando destinados para aplicagao na faixa de recursos prprios de
projetos aprovados na regiao.

Apelos feitos pelo governo do Acre no perodo de 1970
a 1974 ao empresariado do Centro-Sul do Brasil, os incentivos fiscais





30





(do Decreto-Lei 291/67) bem como a adogao da pecuaria como atividade
economica bsica a ser desenvolvida foram os argumentos principais
utilizados na poltica de abrir as porteiras do Acre, ao capital do
Sul, aliado ao endividamento dos patroes pelo baixo'prego da borracha,
o que facilitou a venda dos seringais a pregos muito baixos.

Entre 1970-74, foram vendidos seringais que somavam
4.290.930 ha, ou seja (30% da rea do estado) a 284 proprietrios de
fora do estado sendo que 32% dessa rea foi adquirida por apenas 4
proprietrios. Mais tarde constatou-se que apenas parte de um seringal
foi vendido por 3,5 vezes o prego de compra de um seringal inteiro.

Como conseqencia da venda de terras aos pecuaristas
e especuladores a produgao brasileira de borracha teve uma redugao
acentuada que em 1965 era de 29.290 toneladas, em 1970 caiu para
24.876 toneladas. Em 1975, ficou apenas em 19.348 toneladas, enquanto
o consumo no Brasil atingia 58.704 toneladas.

O Acre na dcada de 70, contribuiu com 33% da pro-
ducao nacional. Hoje ainda se torna difcil reverter esse quadro,
principalmente pela baixa qualidade produzida.

Tudo isto tem contribuido para uma pressao muito
grande por parte dos pecuaristas sobre os seringueiros.

Uma regiao que caracteriza muito bem esta luta
Xapur onde seringueiros lutam pela permanencia na terra que ocupam ha
quase um sculo.

Em decorrencia disso, muitos foram seringueiros que
migraram para a cidade de Xapur e Rio Branco, pressionados pelos
pecuaristas. No entanto, os seringueiros que resistiram tem partici-
pado de diversos "EMPATES", demonstrando um bom nivel de organizagao
e desenvolvem varias formas de lutas no sentido de defenderem aquilo
que lhes pertence.

Observou-se, tambm, entre os seringueiros entrevis-
tados, uma certa mobilidade entre os seringais vizinhos: Santa F,
Cachoeira, Equador, Nova Esperanga e Porto Rico, cabendo ressaltar que
todos pertence a esta regido.


4.1.3 Relaqoes Sociais Internas

Os seringueiros entrevistados apresentaram varios
tipos de relagoes e atividades sociais nos seringais, as quais sao
divididas em tres situacoes especficas: 1. reunioes do Sin-
dicato dos Trabalhadores de Xapuri (STR-Xapur) e das Comunidades





31





Eclesiais de Base (CEB's) da Igreja Catlica; 2. atividades ligadas a
prtica do lazer; e 3. atividades de. coletividade no sistema de pro-
dugao, o qual fornece apoio a vizinhos familiares e seringueiros que
trabalham nas instituigoes de comunidade. Estas instituigoes incluem
servigos nos postos de sade, nas escolas do Projeto Seringueiro e
na diregao do Sindicato e Cooperativa.

Geralmente as reunioes semanais nas CEB's e reunioes
do STR-Xapur acontecem nas escolas das comuidades; sao eventos que
proporcionam encontros de seringueiros de varias comunidades.

Nos seringais trabalhados, as pessoas reunem-se tambm
para festas de forr e jogo de futebol aos domingo. No seringal Ca-
choeira, o campo de futebol serve para recreagao das criangas nos in-
tervalos das aulas e tambm para jogos do time de futebol local, que
foi campeao do torneio municipal de Xapur, o que foi motivo de muito
orgulho para a comunidade. No seringal Boa Esperanga existe uma casa
especial para realizagao dos forros, vendas de bebidas e bolos.

Alm dessas atividades, os seringueiros entrevista-
dos tambm praticam relagoes de cooperagco entre vizinhos familiares
num sistema de parent, co. Esta consciencia de coletividade no sistema
de produgao manifesit da em trocas de servigos e alimentos.

Alguns seringueiros entrevistados informaram que tro-
cam o trabalho no rogado, nas estradas de seringa, na produgao de fa-
rinha e no cultivo de frutferas entre vizinhos familiares. Essa tro-
ca de servigo permite que alguns membros da comunidade possam de-
dicar-se a servigos mais especficos, por exemplo, lecionar na escola
ou servir de agente nos postos de sade, que sao trabalhos nao remu-
nerados.

As familias que tem membros trabalhando no servigo
de educagao, sade, sindicalismo e cooperativismo dependem muito des-
se sistema de parentesco para a manutengao do rogado e das estradas
de seringa de suas colocagoes.

Inclusive foi identificado em um dos seringais um
caso de parentesco que funciona para manter prximos os seus mem-
bros Como as estradas de seringa da colocagao nao eram suficientes
para ocupar a mao-de-obra do agregado familiar, os pais compraram
colocag5es perto para os filhos adultos porque perceberam que seria
impossvel manter toda a familia numa nica colocacao. Hoje em
dia, a familia ocupa quatro colocagces vizinhas, o que facilita a
troca de servigos e alimento entre seus membros, inclusive pro-
porcionando a manutengao de um monitor de escola, um agente de sade
e um delegado sindical.





32









Outros exemplos de troca de alimentos entre parentes
foram vistos no seringal Santa F entre tres colocaqoes ocupadas por
membros de uma familia e no seringal Nova Esperanga entre quatro co-
locacoes de outra familia.


4.1.4 Sindicalizacao

Dos seringueiros entrevistados apenas um nao era sin-
dicalizado.
A organizacao do sindicato ajudou a reforgar mais a
uniao e as relagoes dentrodos seringais. Tanto que ja foram muitos os
empates ocorridos nos tres seringais visitados, para freiar a expan-
gao da exploragcao da pecuria e madeiras sobre reas extrativista.

Os empates sao formas de resistencia pacifica dos
seringueiros frente aos desmatamentos, promovido geralmente por fazen-
deiros.
Este excercicio tem dado aos seringueiros a segu-
ranga da posse da terra, faltando apenas a regularizagao oficial, como
aconteceu na Reserva Extrativista do Cachoeira. Esta regularizagao
pretendida deixa-os menos expostos a agao dos pecuaristas.

O sindicato tambm a garantia da informagao e es-
clarecimento sobre os problemas surgidos com fazendeiros, orgaos go-
vernamentais, direitos, etc.

Esta situacao encontrada difere do sondeio anterior
(Triunfo,Pira-de-ra). Percebe-se isto em fungao dos seringueiros apre-
sentarem um discuros mais politizado; uma consciencia de classe bas-
tante forte pelo fato de fazerem empates tambm contra outros serin-
gueiros que provocam desmatamentos. Alm disto a situagao de vida,
alimentagao, sade, educagao foram conquistas conseguidas pela luta
conjunta de seringueiros e sindicato.

Observou-se nas entrevistas que nenhum deles manifes-
tou vontade de abandonar os seringais.



4. 1.5 Educacao

A educagao nas reas visitadas fica por conta das es-
colas do Projeto Seringueiros criadas a partir de 1981 atravs do
referido projeto, que executado pelo Centro dos Trabalhadores da
Amazonia-CTA.











Estas escolas, er sua maioria, sao construidas pela
prpria comunidade. As culas sao ministradas por seringueiros monito-
res, valendo-se ressaltar que boa parte deles trabalha voluntariamente.

OBS .: Em fungao do aumento do nmeros das reas abrangidas pelo Pro-
jeto Seringueiro, o CTA est articulando juntamenta a Secre-
taria de Educacao e Cultura-SEC um convenio para contratagao
de monitores e dotagao da estrutura fsica das escolas, ja
tendo o atual Secretrio de Educacao, em recente reuniao com a
equipe do CTA e a maioria dos monitores, se comprometido em
viabilizar as contratacoes.

Anualmete acontecem treinamentos para formagao de mo-
nitores, tanto antigos como novos, por professores do projeto se-
ringueiro, que tambm fazem acompanhamento aos mesmos nas reas.

O principal material didtico utilizado nestas es-
colas a Cartilha Poronga, elaborada pelo Projeto, a partir do con-
texto social dos seringais.

Com o tirmino da alfabetizagao, sem possuir um ma-
terial que lhe desse continuidade passou a ser utilizado material
da FAE, que por ser concebida dentro de um contexto urbano, acarreta
dificuldades tanto para o monitor quanto para o aluno.
Este material atualmente est sendo reformulado pela
Equipe de Educaqco no Projeto, em funcao da prpria evolugao do mo-
vimento dos seringueiros, surgindo novas demandas, como por exemplo
o surgimento da p6s-alfabetizacao.

Um fator que dificulta a sistemtica das aulas para
as criangas a distancia existentes entre as casas e as escolas, uma
vez que elas necessitam de acompanhantes maiores pois existe sempre
um risco de aparecer onga pelo caminho. Quando os maiores sao impedidos
de ir, por motivos de estarem empenhados nas tarefas do corte da se-
ringa, rogado, empates, etc, essas criangas tambm deixam de ir a

escola. Em fungao das peculiaridades do seringal, o calendrio escolar,
tanto para adultos como para criangas adaptado para as condigoes
locais.

O seringueiro entende ser a escola de muito valia para
lhe "abrir os olhos", ajudando-o a nao ser "passado para tras".

Em algumas das colocagoes do Seringal Nova Esperanga
ainda nao existe escola, ja tendo a comunidade da rea se reunido e
discutido a questao, sem chegar, ainda, a solugao. Por causa disso,
tem uma familia que, a muito custo, mantm duas criangas estudando na





32









Outros exemplos de troca de alimentos entre parentes
foram vistos no seringal Santa F entre tres colocaqoes ocupadas por
membros de uma familia e no seringal Nova Esperanga entre quatro co-
locacoes de outra familia.


4.1.4 Sindicalizacao

Dos seringueiros entrevistados apenas um nao era sin-
dicalizado.
A organizacao do sindicato ajudou a reforgar mais a
uniao e as relagoes dentrodos seringais. Tanto que ja foram muitos os
empates ocorridos nos tres seringais visitados, para freiar a expan-
gao da exploragcao da pecuria e madeiras sobre reas extrativista.

Os empates sao formas de resistencia pacifica dos
seringueiros frente aos desmatamentos, promovido geralmente por fazen-
deiros.
Este excercicio tem dado aos seringueiros a segu-
ranga da posse da terra, faltando apenas a regularizagao oficial, como
aconteceu na Reserva Extrativista do Cachoeira. Esta regularizagao
pretendida deixa-os menos expostos a agao dos pecuaristas.

O sindicato tambm a garantia da informagao e es-
clarecimento sobre os problemas surgidos com fazendeiros, orgaos go-
vernamentais, direitos, etc.

Esta situacao encontrada difere do sondeio anterior
(Triunfo,Pira-de-ra). Percebe-se isto em fungao dos seringueiros apre-
sentarem um discuros mais politizado; uma consciencia de classe bas-
tante forte pelo fato de fazerem empates tambm contra outros serin-
gueiros que provocam desmatamentos. Alm disto a situagao de vida,
alimentagao, sade, educagao foram conquistas conseguidas pela luta
conjunta de seringueiros e sindicato.

Observou-se nas entrevistas que nenhum deles manifes-
tou vontade de abandonar os seringais.



4. 1.5 Educacao

A educagao nas reas visitadas fica por conta das es-
colas do Projeto Seringueiros criadas a partir de 1981 atravs do
referido projeto, que executado pelo Centro dos Trabalhadores da
Amazonia-CTA.





34






cidade de Xapur e nao so manda outras (sao 11 filhos) por falta de
condigoes para mante-los.


4.1 6 Sade

Nas colocagoes dos seringais onde se realizou o
sondeio, constatou-se uma incidencia baixa de doenga e os entrevis-
tados em geral, tinham aspectos sadios. Em decorrncia, provavelmente, do
difcil acesso aos centros de sade, bem como pela heranga de seus
antepassados, foi verificado que c seringueirc possui um elevado co-
nhecimento de plantas nativas utilizados no tratamento de determi-
nadas doengas. Ocorre tambm utilizagao de remedios farmacuticos em
caso de doengas mais graves.

Existem postos de sade na rea, que contam com agen-
tes em fase de treinamentos, tendo no momento limitada capacitagao.

Tambm ha poucos remdios disponveis. Em decorrencia
desses fatores, os seringueiros buscam assistencia nas cidades, nos
casos mais graves.
Houve informagao de uma familia onde ocorre pro-
blemas de hansenase que nao est sendo tratada e tem pessoas em esta-
do avangado da doenga.

Verifidou-se nas estrevistas que o rgao governa-
mental mais atuante na area de sade a SUCAM. Com trabalho preven-
tivo sistemtico no controle da malaria.

Abaixo mencionamos algumas plantas citadas como ervas
medicinais e suas utilizagoes.

- Quina-quina o uso de sua casca para cura de febre e inflamaqoes.
- Taj de cobra o leite da batata de coloragao rosa muito uti-
lizado como antdoto para veneno de cobra.
- Birib (Roulinea mucosa) sua utilizaga se da pelo cha de sua fo-
lha que atua como analgsico para aliviar dores.
- Copaiba (Copaifera langsdorfii) uma das mais conhecidas plantas
medicinais, seu uso dos mais variados, de onde e extrae o oleo
que atua como sicatrizante, na cura de gripe, febre e utiliza-se a
casca para problemas estomacais e tambm foi mencionado como repe-
lente de morcego que atacam animais.
- Andiroba (Carapa guianensis) seu leo proveniente do fruto
muito utilizado como cicatrizante para cura de gripe e febre.
- Jatob (Himenaea courbaril) o cha de sua casca serva para cura
de bronquite.





35





- Canelao o ch da casca muito utilizado contra febre e infecgoes.

- Iodo rvore de pequeno porte de onde extrai a seiva que atua como
anti-hemorrgico.

Vale salientar, que na maioria das vezes, por sua
afinidade com a mata, a extracao dessas ervas feita pelo seringueiro
ficando a cargo da mulher o preparo do remdio.



4.1.7 Cooperativismo

A criagao da Cooperativa, resultado da articulagao do
Movimento dos Seringueiros, se apresenta como forma eficiente
de concretizar as aspiracoes da comunidade.

Hoje, sua atuagao est basicamente voltada para co-
mercializagao, o que traz como conseqencia imediata, a queda do vn-
culo comercial desfavorvel do seringueiro para com o marreteiro.

Atravs dela, o seringueiro consegue vender sua pro-
dugao por prego bem acima que paga o marreteiro, alm de comprar as
mercadorias que necessita por pregos nao abusivos.

Um ponto ainda frgil da Cooperativa a falta de ca-
pital de giro, ja que, em determinados momentos, o socio seringuei-
ro necessita de dinheiro na mao (principalmente os solteiros) e a
Cooperativa nao tem, fazendo com que nessas horas, o seringueiro re-
corra ao marreteiro,que "espertamente'" chega a lhe adiantar dinheiro.

Isso acontece, apesar de haver seringueiros que sa-
bem ser isto nocivos a eles mesmos pois, para pagar ao marreteiro, tem
que trabalhar cada vez mais, devido ao prego das mercadorias (alm do
assoberbamento promovido pelo marreteiro) est sempre subindo- ao pas-
so que o da borracha, nao.

Outro problema a questao do acesso a reas mais
afastadas, com freqencia regular, coisa que a Cooperativa ainda nao
consegue fazer, entrando ai o marreteiro.

Mas o seringueiro sabe que, apesar da Cooperativa
ainda est se armando de uma estrutura que venga os problemas, seu
evento j forgou o marreteiro, tanto na mata como 'ha rua', a aumentar
o prego que paga pela borracha e a castanha, alm de agora, o serin-
gueiro ter noticias do prego real das mercadorias.

A Cooperativa conta com atualmente com um caminhao
Mercedes Bens, uma Toyota, dois barcos e um pequeno comboio de burros,
para efeito de retirada da producao, bem como abastecimento do serin-
gueiro, nao sendo ainda suficiente, pois muitas vezes ele precisa se





36





deslocar at "a rua" para comprar mercadorias.
Est articulando a criacao de ncleos por rea, com a
construcao de Depsitos, tanto para comprar borracha e castanha, como
fornecer mercadorias. O primeiro desses depsitos j est sendo cons-
truido na rea da Colocacao Fazendinha.

Para se tornar socio o seringueiro paga a sua cota-
-parte: o equivalente a 50 kg de borracha, para efeito de capital da
Cooperativa.

4. 1.8 Conservacao

A questao da conservacao florestal trabalhada a
nivel das colocagoes. Observou-se a preocupagao de muitos seringueiros
visitados, em manter o principio de combinar desenvolvimento econo-
mico e conservagao do meio ambiente.

Os seringueiros que estao inseridos no processo de
efetivagao de reservas extrativistas vem adotando medidas conserva-
cionistas, tais como:

1. O critrio de regulamento na extracao do ltex
da seringueira, que efetivamente o delineamento do painel com um
corte oblquo de 30cm, feito de tres em tres dias, o espassamento
entre um painel e outro el do mesmo tamanho, ou seja, de 30cm, o
que permite a exploragao das rvores na safra seguinte. As rvores
novas so sao incorporadas na producao quando atingem uma circunferen-
cia de 60cm.

Essa prtica faz com que a produgao do ltex se man-
tenha'por incontveis anos.
O mtodo do regulamento j era conhecido pelos serin-
gueiros desde a poca dos patroes, quando havia fiscalizagao sobre a
conservagao dos seringais.

2. Um outro indicador do compromisso com a conserva-
gao florestal foi a preocupacao levantada por alguns seringueiros en-
trevistados, quanto a questao de limitagao das reas de pastagens nas
colocacoes. Eles argumentam que o gado deve ser o suficiente para pro-
duzir leite como alimento da familia, garantir o transporte e uma re-
serva de capital que permita a solugao de problemas emergenciais,
como tratamento de sade.

Aumentar o gado significa aumentar a pastagem. Na
colocacao isso descaracteriza a proposta de Reserva Extrativista, di-
fundida pelo Conselho Nacional de Seringueiros.

A expansao da pecuaria nas colocagoes foi uma influ-
encia das grandes fazendas, que se instalaram no Acre, portanto o





37






seringueiro tem que se preocupar com isso, e usar pecuaria de forma
a nao comprometer a manutengao de Reservas Extrativistas.

Essas questoes foram levantadas por seringueiros de
Reserva Extrativista do Cachoeiro do Seringal Nova Esperanga e Santa
Fe.
3. A questao do desmatamento controlado vai alm da
pastagem, os seringueiros nao desmatam em nascentes e beira de iga-
rapes.
4. A extracqo de madeira nobre destinada ao comercio
um regulamento dos seringueiros. A vigilancia constanter inclu-
sive no seringal Cachoeira eles realizaram empate na colocagao de um
seringueiro que queria extrair madeira para venda.

5. A caga, com finalidade de suprimento alimentar da
falia, tambm tem regulamento, que o de nao usar cachorro na caga-
da; o uso de cachorro dispensa a caga para longe. Geralmente o se-
ringueiro usa o mtodo de espera.em locais prximos de algumas r-
vores, como por exemplo: caxinguba, embiba e abacateiro, na poca em
que os frutos caem e os animais vao com-los.
Contudo dois dos seringueiros entrevistados usam
cachorros para cagar.



4.2 ATIVIDADES EXTRATIVISTAS


4.2.1 Caracterizaqao da Unidade Produtiva


A unidade produtiva do seringueiro (colocacao),
apresenta-se organizada de forma diferente dos padroes usualmente
verificados na implantacao de projetos de assentamento no Estado,
isto no que diz respeito aos seus sistemas de exploracao. A
extensao da rea nao representa um criterio pr-definido para
sua ocupagco, observando-se como limitar um auto nero de estradas,
geralmente em torno de 3 com variagao de 100 a 300 madeiras cada,
que determinam a rea da colocagao.





37






seringueiro tem que se preocupar com isso, e usar pecuaria de forma
a nao comprometer a manutengao de Reservas Extrativistas.

Essas questoes foram levantadas por seringueiros de
Reserva Extrativista do Cachoeiro do Seringal Nova Esperanga e Santa
Fe.
3. A questao do desmatamento controlado vai alm da
pastagem, os seringueiros nao desmatam em nascentes e beira de iga-
rapes.
4. A extracqo de madeira nobre destinada ao comercio
um regulamento dos seringueiros. A vigilancia constanter inclu-
sive no seringal Cachoeira eles realizaram empate na colocagao de um
seringueiro que queria extrair madeira para venda.

5. A caga, com finalidade de suprimento alimentar da
falia, tambm tem regulamento, que o de nao usar cachorro na caga-
da; o uso de cachorro dispensa a caga para longe. Geralmente o se-
ringueiro usa o mtodo de espera.em locais prximos de algumas r-
vores, como por exemplo: caxinguba, embiba e abacateiro, na poca em
que os frutos caem e os animais vao com-los.
Contudo dois dos seringueiros entrevistados usam
cachorros para cagar.



4.2 ATIVIDADES EXTRATIVISTAS


4.2.1 Caracterizaqao da Unidade Produtiva


A unidade produtiva do seringueiro (colocacao),
apresenta-se organizada de forma diferente dos padroes usualmente
verificados na implantacao de projetos de assentamento no Estado,
isto no que diz respeito aos seus sistemas de exploracao. A
extensao da rea nao representa um criterio pr-definido para
sua ocupagco, observando-se como limitar um auto nero de estradas,
geralmente em torno de 3 com variagao de 100 a 300 madeiras cada,
que determinam a rea da colocagao.





38












4.2.2 Borracha

A exploragao da borracha na Reserva Extrativista Ca-
choeira e nos seringais Nova Esperanga e Santa Fe a atividade bsi-
ca na sustentacao dos agregados familiares dos seringueiros.

Foram observadas nas 17 colocagoes visitadas, as se-
guintes situacoes:

a) Mao-de-obra

A mao-de-obra empregada consta, geralmente, de se-
ringueiros e eventualmente sua esposa no processo de defumagao, fi-
lhos mais velhos e, em alguns casos, verificou-se a participagao de
meeiros.

b) Produgao

A produgao da borracha natural envolve varias fases:

1. Rogagem das estradas e raspagem das seringueiras;
2. corte ou sangria e entijelamento;
3. coleta do ltex ou dos cogulos;
4. transporte do ltex ou cogulos (biscoitos);
5. lavagem dos cogulos;
6. transformagao ou processamento da borracha.

Constatou-se nesses seringais produgao diferenciada
entre colocacoes, algumas produzindo de 800 kg a 1.000 kg e outros
produzindo acima de 1.000 kg de borracha por "fabrico". Isto decorre,
como se observou, dos seguintes fatores:

1. Nmero de seringueiras por estradas. Embora
existam estradas com 120, 180 e 220 madeiras, encontrou-se de uma ma-

neira geral 150 madeiras;

2. nmero de estradas por colocagao. Verificou-se uma
variacao de 3 a 9 estradas, sendo de uma maneira geral 3 estradas para
cada seringueiro;

3. nmero de tijelas por madeira e tempo de explo-
ragco do seringal ou da colocacao.

c) Tcnica de Sangria

No corte ou sangria das seringueiras o procec;so mais
usado do tipo corte amaz8nico onde adotado um comprimento de apro-
a





39




ximadamente 30 cm (1 palmo) a partir de certa altura, de cima para
baixo que o seringueiro passa a alcancar com facilidade (em torno de
1,80 m). O nmero de tijela est relacionada circunferencia da ma-
deira sendo explorada no mximo, metade da mesma, ficando em repouso
os outros 50%, manejado de forma alternada. Foi notado uma variagao
de 1 a 4 tijelas por madeira.

d) Processamento do Ltex

O ltex processado por diferentes tcnicas nestes
seringais, segundo as descrigces abaixo:
1. O processamento do Cernambi Virgem Espontaneo Pren-
sado.
Efetua-se a sangria e coloca-se a tijela no pe da
seringueira sobre o solo ou apoiada por uma forquilha conhecida por
mao-de-onga. A tijela pode ser de plstico, de flandres ou pode ser o
ourigo da castanha chamado tambm de "quengo". Neste sistema o ltex
cai dentro da tijela e coagula espontaneamente, nao voltando a mexer
na tijela at que a mesma seja recolhida, ao final de um mes, ou quan-
do substituida a medida que vai enchendo. O passo seguinte consiste no
transporte para a colocagao onde feita a prensagem, transformando-se
em fardos de borracha.

2. Produgao do Cernambi Virgem Cocho.

O ltex coletado aps o corte ou sangria, levado
para a colocacao onde depositado no cocho, lavado em madeira, de
forma retangular, ou em caixa construida com tbua de madeira nobre.

O leite de caxinguba adicionada e espera-se coagu-
lar. retirado o bloco e posto ao ar livre ficando pronto para comer-
cializacao. Este tipo de borracha a de pior qualidade.

3. Produgao de Prancha Defumada.

O ltex coletado e levado para colocacao, em se-
guida depositado numa bandeja de plstico (modelo SUDHEVEA) e adi-
cionado leite de caxinguba ou cido actico. Depois de coagulado o
bloco retirado da bandeja e levado para defumar em uma casa de de-
fumagao ou forno.

4. Produgao de Pela Defumada.

um processo tradicional de defumacao ou processa-
mento do ltex nos seringais e consta das seguintes etapas: sangria ou
corte, coleta e defumacao. Na jornada de trabalho diario o seringuei-
ro sai para cortar entre 3:00 e 5:00 horas, corta uma estrada de 120 a
220 madeiras; retorna barraca para "quebrar o jejum" por volta das
10:00 horas. Retorna a estrada para fazer a coleta entre 11:00 e 12:00










horas; chega com a coleta em torno de 15 e 16:00 horas e inicia a de-
fumacao que vai at as 18:00 horas. Geralmente a defumagao um pro-
cesso que se utiliza de um defumador composto de um boiao, uma bacia
de aluminio grande, um caibro de madeira para rodar a pela at a defu-
macao da quantidade de ltex da produgao diria coletada. Este ritmo
de trabalhose estende at formar uma pela de 50 a 60 kg.

e.) Manejo das Estradas de Seringueiras

As estradas de seringueiras sao rocadas, geralmente,
em abril e posteriormente efetuada a raspagem da madeira (painel).
Geralmente as estradas sao exploradas anualmente de abril a agosto e
outubro a dezembro, havendo intervalo por ocasiao do reenfolhamento.
Existe uma variagco por colocaqco quanto ao tempo de exploraqgo, pois
verificou-se que h seringueiros que cortam de abril a dezembro, apenas
diminuindo a freq&ncia que cai de duas a tres vezes por semana, para
uma vez por semana no periodo de reenfolhamento.

Outra forma de exploracao encontrada de seringuei-
ros que tem seis estradas, cortando tres por ano; e deixando outras
tres em repouso para explorar no ano seguinte.

usada ainda a incorporaqao de seringueiras novas,
aptas ao corte, recebendo ao longo das estradas uma limpeza ou rogo.

f) Mudangas Tecnolgicas

Os seringueiros estao usando coagulacao espontanea
diferente do processo j conhecido no estado do Mato Grosso ou' em ou-
tras regioes. O processo consiste em deixar nas seringueiras as tije-
las, coletando a produgao de ca-da corte, j coagulado ao cabo de um
mes, quando sao juntados os cogulos e transportados para prensagem.


4.2.3 Castanha-do-Brasil

A coleta da castanha atividade mais rentvel em
ternos financeiros para o seringueiro, propiciando incremento de ou-
tras atividade na colocagao,exemplificados pela aquisico de animais,
imp]ementos agrcolas etc.

a) Produgao
Foi observado uma alta producao de castanha nos se-
ringais visitados. Isto provavelmente se deve ao fato da ocorrncia de
alta concentragco de castanheiras, produzindo nos limites de 110 a
1.037 latas/ano.





41





b) Manejo

Pelo que foi observado nas entrevistas, o manejo praticamente
nao existe. Vale ressaltar que em uma das colocagces visitadas, o seringueiro de-
dicou especial atencao ao encontrar uma muda de castanheira na mata,
germinada naturalmente, transplantando-a para uma rea de capoeira,/
para melhor dar os tratos culturais necessrios ao seu bom desenvol-I
vimento. A curiosidade do seringueiro no fato, provavelmente refletel
a dificuldade de se encontrar muda na mata, em virtude da alta taxa de
coleta e impedimentos naturais da prpria semente para germinaao, in-
clusive a agao dos animais silvestres, dela se utilizando para sua
alimentacao.

Tambm foi observado o cuidado do seringueiro em fazer
aceiro ao redor das castanheiras, para protege-las do fogo, para a
limpeza de reas prximas destinadas aos cultivos agrcolas.

Outro aspecto interessante, a limpeza de baixo das
castanheiras com f.ogo controlado, para facilitar a coleta de frutos.

A coleta realizada no perodo de dezembro a margo,
utilizando a mao-de-obra disponvel do agregado familiar e/ou do
meeiro.





4.3 ATIVIDADES AGROPECUARIAS


A producao de mandioca, arroz, milho e feijao visa
fundamentalmente suprir as necessidades alimentares da familia e
desenvolvida com mao-de-obra familiar, adjunta por ocasiao da derruba-
da e da colheita ou troca de dias de servigo entre vizinhos.

Obedece a um sistema de exploracao consistindo da
broca, derrubada, queimada e encoivaramento.

Apos este preparo inicial sao plantados o milho e o
arroz consorciados e, em proporgao menor, o arroz solteiro. O feijao
plantado na mesma rea aps o preparo do solo. No. segundo ano, o
solo ocupado por milho e mandioca e esta pode permanecer por mais
tres anos. A rea abandonada para pousio ou ocupada por pasto quando
contigua ou pasto j existente.

providenciado entao a abertura de novo rogado na
capoeira descansada ou na mata caracterizando uma agricultura etine-
rante.
O pousio compreende um perodo de descanso que
varia de cuatro a dez anos.





42





Vale salientar que a sustentabilidade do sistema de
exploragao praticado atualmente verificado pela rotativodade no uso
do solo onde sao realizadas pequenas derrubadas (4 tarefas geral).

Nas proximidades da moradia sao plantadas frutferas
diversas, urucum e caf; este ltimo encontrado em poucas colocagoes.

Foi constatado que alguns seringueiros estao plantan-
do frutferas de seu interesse, seringueira, castanheira e madeiras
de lei aps o ciclo de exploragao do rogado.

O cultivo de hortaligas realizado comumente pelas
mulheres no perodo seco (maio a outubro) em pequenos canteiros prote-
gidos de animais ou em jiraus.

A atividade pecuaria engloba a criagao de gado bovi-
no geralmente para leite, animais de montaria ou tracao (burros e ca-
valos) e pequenos animais (suino, aves, ovinos e caprinos em menor es-
cala). Estas criacoes sao mantidas num sistema extensivo onde, em al-
guns casos, como para galinhas, patos e suinos fornecida alimentagao
suplementar a base de mandioca e milho principalmente.
importante destacar a presenga e o interesse pela
pecuaria bovina em todas as colocacoes tendo como objetivos princi-
pais a producao de leite e como reserva de capital.


4. 3.1 Agricultura


4. 3.1.1 Arroz

plantado preferencialmente nos meses de outubro e
novembro e alguns casos em dezembro.

O plantio feito com matraca,consorciado com o mi-
lho ou solteiro, sendo cultivado em torno de quatro tarefas com um
rendimento de 400 kilos por tarefa.

As capinas sao feitas de acordo com a necessidade nao
havendo um nmero fixo de capinas.

Algumas pragas tem atacado o arroz. Ultimamente tem
ocorrido com certa freqencia o ataque de periquitos causando pre-
juzos significativos.

Nos paiis, a traga tambm provoca danos.

Na variedade "agulhinha" foi verificado ataque de
doenca que provoca a "seca dos cachos".





42





Vale salientar que a sustentabilidade do sistema de
exploragao praticado atualmente verificado pela rotativodade no uso
do solo onde sao realizadas pequenas derrubadas (4 tarefas geral).

Nas proximidades da moradia sao plantadas frutferas
diversas, urucum e caf; este ltimo encontrado em poucas colocagoes.

Foi constatado que alguns seringueiros estao plantan-
do frutferas de seu interesse, seringueira, castanheira e madeiras
de lei aps o ciclo de exploragao do rogado.

O cultivo de hortaligas realizado comumente pelas
mulheres no perodo seco (maio a outubro) em pequenos canteiros prote-
gidos de animais ou em jiraus.

A atividade pecuaria engloba a criagao de gado bovi-
no geralmente para leite, animais de montaria ou tracao (burros e ca-
valos) e pequenos animais (suino, aves, ovinos e caprinos em menor es-
cala). Estas criacoes sao mantidas num sistema extensivo onde, em al-
guns casos, como para galinhas, patos e suinos fornecida alimentagao
suplementar a base de mandioca e milho principalmente.
importante destacar a presenga e o interesse pela
pecuaria bovina em todas as colocacoes tendo como objetivos princi-
pais a producao de leite e como reserva de capital.


4. 3.1 Agricultura


4. 3.1.1 Arroz

plantado preferencialmente nos meses de outubro e
novembro e alguns casos em dezembro.

O plantio feito com matraca,consorciado com o mi-
lho ou solteiro, sendo cultivado em torno de quatro tarefas com um
rendimento de 400 kilos por tarefa.

As capinas sao feitas de acordo com a necessidade nao
havendo um nmero fixo de capinas.

Algumas pragas tem atacado o arroz. Ultimamente tem
ocorrido com certa freqencia o ataque de periquitos causando pre-
juzos significativos.

Nos paiis, a traga tambm provoca danos.

Na variedade "agulhinha" foi verificado ataque de
doenca que provoca a "seca dos cachos".










Ten ocorrido acamamento de forma geral com menor
susceptibilidade do arroz vermeblo.
O arroz armazenado em cachos em pequenos paiis.
Os graos para sementes sao acondicionadas em garrafas ou latas lacra-
das, separados da prpria produgao.

De acordo com a necessidade beneficiado no "pilao"
ou levado a "peladeira" na cidade onde cobrado o correspondente a
10 kilos, de cada 60 kilos beneficiados.


4. 3.1.2 Milho

Seu cultivo se destina, basicamente, ao suplemento da
alimenta o de sunos e aves.

plantado em consrcio com arroz e mandioca nao
tendo sido constatado o plantio solteiro.

A poca de plantio coincide com as primeiras chuvas
no final! de setembro ou outubro. Em consrcio foi verificado o es-
pagamento de 1 X 3 metros.

O problema mais grave em termo de prejuzos para, a
lavoura sao os danos causado por roedores e macacos.

O armazenamento feito em paiis na forma de espi-
gas com as palhas.

Observou-se um caso em que um seringueiro colhe no
perodo "escuro", por ocasiao da lua nova, para evitar o ataque de
carunchcs e gorgulhos. O nico beneficiamento que sobra a debulha
para al mentaCao de animais.-


43 .1.3 Feijo

O feijao plantado na rea cultivada anteriormente
com o consrcio do milho e arroz aproveitando a palha como cobertura
morta que controla a incidencia da "queima" (mela). O rendimento
observa4o de 120 kilos por tarefa.

Comumente plantado em abril ou maio sem um espaga-
mento pdronizado ou definido.

Segundo descricoes, os problemas com pragas e doengas
se restringem ao ataque de vaguinhas e a ocorrencia da "queima" (me-
la); esta ltima com maior incidencia quando o plantio feito mais
cedo.
O armazenamento feito em tambores de metal ou de
plstico para evitar pragas. E armazenad- tambm na "munha" que sao os










Ten ocorrido acamamento de forma geral com menor
susceptibilidade do arroz vermeblo.
O arroz armazenado em cachos em pequenos paiis.
Os graos para sementes sao acondicionadas em garrafas ou latas lacra-
das, separados da prpria produgao.

De acordo com a necessidade beneficiado no "pilao"
ou levado a "peladeira" na cidade onde cobrado o correspondente a
10 kilos, de cada 60 kilos beneficiados.


4. 3.1.2 Milho

Seu cultivo se destina, basicamente, ao suplemento da
alimenta o de sunos e aves.

plantado em consrcio com arroz e mandioca nao
tendo sido constatado o plantio solteiro.

A poca de plantio coincide com as primeiras chuvas
no final! de setembro ou outubro. Em consrcio foi verificado o es-
pagamento de 1 X 3 metros.

O problema mais grave em termo de prejuzos para, a
lavoura sao os danos causado por roedores e macacos.

O armazenamento feito em paiis na forma de espi-
gas com as palhas.

Observou-se um caso em que um seringueiro colhe no
perodo "escuro", por ocasiao da lua nova, para evitar o ataque de
carunchcs e gorgulhos. O nico beneficiamento que sobra a debulha
para al mentaCao de animais.-


43 .1.3 Feijo

O feijao plantado na rea cultivada anteriormente
com o consrcio do milho e arroz aproveitando a palha como cobertura
morta que controla a incidencia da "queima" (mela). O rendimento
observa4o de 120 kilos por tarefa.

Comumente plantado em abril ou maio sem um espaga-
mento pdronizado ou definido.

Segundo descricoes, os problemas com pragas e doengas
se restringem ao ataque de vaguinhas e a ocorrencia da "queima" (me-
la); esta ltima com maior incidencia quando o plantio feito mais
cedo.
O armazenamento feito em tambores de metal ou de
plstico para evitar pragas. E armazenad- tambm na "munha" que sao os





44





residuos da bateao das vargens em sacos protegendo tambm o grao
de pragas. O feijao para semente guardado em garrafas ou latas
lacradas com cera de abelha para o prximo plantio.

O beneficiamento consiste na bategao manual das var-
gens e abanagao.


4.3.1.4 Mandioca
cultivada com o propsito de alimentar, os animais
e se obter farinha, para parte integrante da dieta alimentar do agre-
gado familiar.

Basicamente plantada na rea antes utilizada com
outras culturas brancas, atinge um rendimento mdio em torno de
1.000 kg de farinha por tarefas.

O plantio costumeiramente feito em outubro e quase
sempre consorciado com o milho. Conforme necessrio, fasem um con-
trole de invasoras com enxada ou tergado.

A colheita efetuada sempre que se deseja suprir a
dispensa da familia com a farinha.

Algumas "casas de farinha" sao dotadas de motor.

Deve-se ater para um detalhe: a mandioca utilizada
aqui na alimentagao conhecida pelo nome de macaxeira em outras re-
gioes, principalmente no nordeste.


4. 3.1.5 Abbora (gerimum)

Em algumas colocagoes o gerimum plantado para uti-
lizagao bsica na alimentagao animal.


4. 3.1.6 Cana-de-agcar
Com a finalidade de fornecer o aucar, o cultivo
uma alternativa para se evitar a compra de tal produto.



43 .1.7 Hortaligas
Habitualmente plantadas em canteiros suspensos (ji-
raus), constituem uma opgao de enriquecimento da dieta alimentar da
familia. As mais comuns sao as cebolinhas, couve, chicrea, pimenta,
machiche, coento e o quiabo, que recebem das mulheres os tratos cul-
turais necessrios para o manejo.





44





residuos da bateao das vargens em sacos protegendo tambm o grao
de pragas. O feijao para semente guardado em garrafas ou latas
lacradas com cera de abelha para o prximo plantio.

O beneficiamento consiste na bategao manual das var-
gens e abanagao.


4.3.1.4 Mandioca
cultivada com o propsito de alimentar, os animais
e se obter farinha, para parte integrante da dieta alimentar do agre-
gado familiar.

Basicamente plantada na rea antes utilizada com
outras culturas brancas, atinge um rendimento mdio em torno de
1.000 kg de farinha por tarefas.

O plantio costumeiramente feito em outubro e quase
sempre consorciado com o milho. Conforme necessrio, fasem um con-
trole de invasoras com enxada ou tergado.

A colheita efetuada sempre que se deseja suprir a
dispensa da familia com a farinha.

Algumas "casas de farinha" sao dotadas de motor.

Deve-se ater para um detalhe: a mandioca utilizada
aqui na alimentagao conhecida pelo nome de macaxeira em outras re-
gioes, principalmente no nordeste.


4. 3.1.5 Abbora (gerimum)

Em algumas colocagoes o gerimum plantado para uti-
lizagao bsica na alimentagao animal.


4. 3.1.6 Cana-de-agcar
Com a finalidade de fornecer o aucar, o cultivo
uma alternativa para se evitar a compra de tal produto.



43 .1.7 Hortaligas
Habitualmente plantadas em canteiros suspensos (ji-
raus), constituem uma opgao de enriquecimento da dieta alimentar da
familia. As mais comuns sao as cebolinhas, couve, chicrea, pimenta,
machiche, coento e o quiabo, que recebem das mulheres os tratos cul-
turais necessrios para o manejo.





44





residuos da bateao das vargens em sacos protegendo tambm o grao
de pragas. O feijao para semente guardado em garrafas ou latas
lacradas com cera de abelha para o prximo plantio.

O beneficiamento consiste na bategao manual das var-
gens e abanagao.


4.3.1.4 Mandioca
cultivada com o propsito de alimentar, os animais
e se obter farinha, para parte integrante da dieta alimentar do agre-
gado familiar.

Basicamente plantada na rea antes utilizada com
outras culturas brancas, atinge um rendimento mdio em torno de
1.000 kg de farinha por tarefas.

O plantio costumeiramente feito em outubro e quase
sempre consorciado com o milho. Conforme necessrio, fasem um con-
trole de invasoras com enxada ou tergado.

A colheita efetuada sempre que se deseja suprir a
dispensa da familia com a farinha.

Algumas "casas de farinha" sao dotadas de motor.

Deve-se ater para um detalhe: a mandioca utilizada
aqui na alimentagao conhecida pelo nome de macaxeira em outras re-
gioes, principalmente no nordeste.


4. 3.1.5 Abbora (gerimum)

Em algumas colocagoes o gerimum plantado para uti-
lizagao bsica na alimentagao animal.


4. 3.1.6 Cana-de-agcar
Com a finalidade de fornecer o aucar, o cultivo
uma alternativa para se evitar a compra de tal produto.



43 .1.7 Hortaligas
Habitualmente plantadas em canteiros suspensos (ji-
raus), constituem uma opgao de enriquecimento da dieta alimentar da
familia. As mais comuns sao as cebolinhas, couve, chicrea, pimenta,
machiche, coento e o quiabo, que recebem das mulheres os tratos cul-
turais necessrios para o manejo.





44





residuos da bateao das vargens em sacos protegendo tambm o grao
de pragas. O feijao para semente guardado em garrafas ou latas
lacradas com cera de abelha para o prximo plantio.

O beneficiamento consiste na bategao manual das var-
gens e abanagao.


4.3.1.4 Mandioca
cultivada com o propsito de alimentar, os animais
e se obter farinha, para parte integrante da dieta alimentar do agre-
gado familiar.

Basicamente plantada na rea antes utilizada com
outras culturas brancas, atinge um rendimento mdio em torno de
1.000 kg de farinha por tarefas.

O plantio costumeiramente feito em outubro e quase
sempre consorciado com o milho. Conforme necessrio, fasem um con-
trole de invasoras com enxada ou tergado.

A colheita efetuada sempre que se deseja suprir a
dispensa da familia com a farinha.

Algumas "casas de farinha" sao dotadas de motor.

Deve-se ater para um detalhe: a mandioca utilizada
aqui na alimentagao conhecida pelo nome de macaxeira em outras re-
gioes, principalmente no nordeste.


4. 3.1.5 Abbora (gerimum)

Em algumas colocagoes o gerimum plantado para uti-
lizagao bsica na alimentagao animal.


4. 3.1.6 Cana-de-agcar
Com a finalidade de fornecer o aucar, o cultivo
uma alternativa para se evitar a compra de tal produto.



43 .1.7 Hortaligas
Habitualmente plantadas em canteiros suspensos (ji-
raus), constituem uma opgao de enriquecimento da dieta alimentar da
familia. As mais comuns sao as cebolinhas, couve, chicrea, pimenta,
machiche, coento e o quiabo, que recebem das mulheres os tratos cul-
turais necessrios para o manejo.





45





4.3.1.8 Plantas Perenes
As culturas perenes encontradas t&m origem a partir
da iniciativa dos seringueiros em formar os plantios ou da dissemina-
gco de sementes promovidas por animais.

Com mais freqencia nota-se as espcies frutferas,
dentre estas sao mais comuns: o abacate (Persea americana), caju
(Anacardium ocidentale), goiaba (Psidium quayba), mamao (Carica papaia),
manga (Mangifera indica), abacaxi (Ananas comosus), citros gravio-
la (Annona muricata), cupuagu (Theobroma grandifrorum), jaca
(Altocarpus integrifolia), banana (Musa sp), ing-de-metro (Inga sp),
berib (Rollianea mucosa).

O urucum (Bixa orellana) e o caf (Coffea arabica)
tambm estao presentes e sao as duas culturas que sofrem processe-
mento antes da utilizagao.

Nao se segue uma tcnj:a de plantio definida, sendo
destribudas as espcies no terreiro da casa, na capoeira ou no
rogado. Nao se percebe manejo com excessao da banana que tem necessi-
dade sistemtica de limpeza da touceira.

As culturas perenes nao sao exploradas comercial-
mente, servindo apenas como complemento alimentar do agregado famili-
ar. Segundo alguns seringueiros, as frutiferas plantadas servem,
tambm, como atrativo para a caca. Ocorreu um caso de venda da pro-
dugao de laranja e inclusive foi demonstrado interesse em ampliar a
rea de plantio, para comercializar o excedente.



4.3.2 Pecuaria

4.3.2.1 Animais de Grande Porte

A criagao de animais de grande porte (bovinos, equi-
nos e muares) fundamentalmente adotada em conseqencia dos bons re-
sultados que tem sido obtidos na venda da castanha, favorecendo a ca-
pitalizagao do agregado familiar, refletindo na melhoria do sistema
de transporte e no enriquecimento da dieta alimentar.


a) Bovinos
Foram verificados, na maioria das colocagoes, reba-
nhos de gado bovino variando de 1 a 30 cabegas, utilizados para o
fornecimento do leite, como meio de transporte de sua produgao e via
de regra como reserva de capital (poupanga) da colocacao. Podendo ser
utilizados nas situacoes de emergencia e tambm servindo a adjuntos





45





4.3.1.8 Plantas Perenes
As culturas perenes encontradas t&m origem a partir
da iniciativa dos seringueiros em formar os plantios ou da dissemina-
gco de sementes promovidas por animais.

Com mais freqencia nota-se as espcies frutferas,
dentre estas sao mais comuns: o abacate (Persea americana), caju
(Anacardium ocidentale), goiaba (Psidium quayba), mamao (Carica papaia),
manga (Mangifera indica), abacaxi (Ananas comosus), citros gravio-
la (Annona muricata), cupuagu (Theobroma grandifrorum), jaca
(Altocarpus integrifolia), banana (Musa sp), ing-de-metro (Inga sp),
berib (Rollianea mucosa).

O urucum (Bixa orellana) e o caf (Coffea arabica)
tambm estao presentes e sao as duas culturas que sofrem processe-
mento antes da utilizagao.

Nao se segue uma tcnj:a de plantio definida, sendo
destribudas as espcies no terreiro da casa, na capoeira ou no
rogado. Nao se percebe manejo com excessao da banana que tem necessi-
dade sistemtica de limpeza da touceira.

As culturas perenes nao sao exploradas comercial-
mente, servindo apenas como complemento alimentar do agregado famili-
ar. Segundo alguns seringueiros, as frutiferas plantadas servem,
tambm, como atrativo para a caca. Ocorreu um caso de venda da pro-
dugao de laranja e inclusive foi demonstrado interesse em ampliar a
rea de plantio, para comercializar o excedente.



4.3.2 Pecuaria

4.3.2.1 Animais de Grande Porte

A criagao de animais de grande porte (bovinos, equi-
nos e muares) fundamentalmente adotada em conseqencia dos bons re-
sultados que tem sido obtidos na venda da castanha, favorecendo a ca-
pitalizagao do agregado familiar, refletindo na melhoria do sistema
de transporte e no enriquecimento da dieta alimentar.


a) Bovinos
Foram verificados, na maioria das colocagoes, reba-
nhos de gado bovino variando de 1 a 30 cabegas, utilizados para o
fornecimento do leite, como meio de transporte de sua produgao e via
de regra como reserva de capital (poupanga) da colocacao. Podendo ser
utilizados nas situacoes de emergencia e tambm servindo a adjuntos





45





4.3.1.8 Plantas Perenes
As culturas perenes encontradas t&m origem a partir
da iniciativa dos seringueiros em formar os plantios ou da dissemina-
gco de sementes promovidas por animais.

Com mais freqencia nota-se as espcies frutferas,
dentre estas sao mais comuns: o abacate (Persea americana), caju
(Anacardium ocidentale), goiaba (Psidium quayba), mamao (Carica papaia),
manga (Mangifera indica), abacaxi (Ananas comosus), citros gravio-
la (Annona muricata), cupuagu (Theobroma grandifrorum), jaca
(Altocarpus integrifolia), banana (Musa sp), ing-de-metro (Inga sp),
berib (Rollianea mucosa).

O urucum (Bixa orellana) e o caf (Coffea arabica)
tambm estao presentes e sao as duas culturas que sofrem processe-
mento antes da utilizagao.

Nao se segue uma tcnj:a de plantio definida, sendo
destribudas as espcies no terreiro da casa, na capoeira ou no
rogado. Nao se percebe manejo com excessao da banana que tem necessi-
dade sistemtica de limpeza da touceira.

As culturas perenes nao sao exploradas comercial-
mente, servindo apenas como complemento alimentar do agregado famili-
ar. Segundo alguns seringueiros, as frutiferas plantadas servem,
tambm, como atrativo para a caca. Ocorreu um caso de venda da pro-
dugao de laranja e inclusive foi demonstrado interesse em ampliar a
rea de plantio, para comercializar o excedente.



4.3.2 Pecuaria

4.3.2.1 Animais de Grande Porte

A criagao de animais de grande porte (bovinos, equi-
nos e muares) fundamentalmente adotada em conseqencia dos bons re-
sultados que tem sido obtidos na venda da castanha, favorecendo a ca-
pitalizagao do agregado familiar, refletindo na melhoria do sistema
de transporte e no enriquecimento da dieta alimentar.


a) Bovinos
Foram verificados, na maioria das colocagoes, reba-
nhos de gado bovino variando de 1 a 30 cabegas, utilizados para o
fornecimento do leite, como meio de transporte de sua produgao e via
de regra como reserva de capital (poupanga) da colocacao. Podendo ser
utilizados nas situacoes de emergencia e tambm servindo a adjuntos











e as manifestacoes fe,= vas como casamento, batizacos e outros.

O manejo consiste unicamente em arrebanhar os
animais para o curral e ordenhar as vacas, atividades geralmente des-
tinadas as mulheres e jovens.

Nao se observa a ocorrncia significativa de enfer-
midades. Quando muico, sao atacados por parasitos internos e/ou
externos, comuns a especie.


b) Eguinos e Muares
Sao criados para uso no transporte da produgao e des-
locamentos no seringal, com predominancia de um ou dois animais por
colocacao. Sao criados nas pastagens nas proximidades da moradia,
aproveitando o pasto nativo e restos de cultura na sua alimentagao.
Todos os membros da familia participam nas ativLdsades de manejo.



4.3.2.2 Animais de Pequeno;e dio Porte

Sao criadas vrias espcies (aves, suinos, ovinos e
caprinos), com o objetivo primordial de contribuir como complemento
proteico na alimentagao.

a) Suinos
Geralmente criados soltos e evenltualmente na ceva,
em pequena quantidade para producao de banha e carne,. Representam
parte importante no conjunto dos animais pequenos das colocagoes.

Alimentam-se com restos de comida, frutos silves-
tre, gerimum, mandioca, milho, castanha e outrasI.


b) Aves
-Galinha
Sao comumente criadas soltas no terreiro da casa, com
finalidade de atender a complementacao da alimen agao do agregado fa-
miliar, atravs do fornecimento de ovos e carnes. Alimentam-se de in-
setos, pasto, restos de comida e milho. Os cuidapos da criagao ficam a
cargo das mulheres e criangas. As doengas mais e identes sao o "gogo"
e ouras, que supomos possam ser clera ou tifo, com base nas infor-
magoes colhidas no seringal.


-Patos
Sao criados soltos e em pequena quantidade, sendo uti-
lizados basicamente para o fornecimento de carne.





47





c) Ovinos e Caprinos

Tarbm criados em pequena quantidade, com predominan-
cia dos ovinos em relagao aos caprinos, nao apresentam importancia re-
levante, no grupo dos pequenos e mdios animais, sendo mais uma opcao
para o agregado familiar.




4.4 OUTRAS ATIVIDADES

Afora a exploragao da seringueira e castanheira que
dentro do agregado familiar se constituem na principal atividade
economica, outras ocupagoes importantes sao incorporadas a unidade
produtiva. Estas se constituem como atividades complementares e de
significativa relevancia pois estao diretamente relacionadas com a
dieta alimentar e com a sade da familia.


4.4.1 Madeira

Existe por parte dos seringueiros entrevistados, acen-
tuado conhecimento de espcies de madeira cuja finalidade atende as
mais importantes necessidades como na construgao de cercas para pas-
tagens onde utilizam a itaba e a magaranduba.

As madeiras nobres tem sido utilizadas por muitos se-
ringueiros na construgao de casas, escola, paiol, tulhas, etc.

Foi verificado que ha uma tendencia entre os serin-
gueiros em melhorar o padrao de suas habitagoes, substituindo a pa-
xiba por madeira serrada.

As casas sao construidas utilizando sempre produtos
da floresta. A cobertura de palha de ubim ou cavacos com maior
freqencia, nesse caso, a durabilidade da cobertura pode chegar at a
20 anos.
Na estrutura da casa frequente o uso das especies
como o canelao, amarelao, mogno ou cedro serrado.

Nos assoalhos e paredes sao pregados paxiba batida
ou madeira serrada.
Observou-se pelo menos dois casos de interesse na
venda de madeira nobres por parte de alguns seringueiros. Esta idia
nao tem tido aceitagao por parte da maioria, inclusive desencadeando
empates no seringal Nova Esperanga onde os prprios seringueiros im-
pediram a venda de madeira em uma das colocagoes.

Os seringueiros, de forma generalizadas, t&m se posi-
cionado contra a venda de madeira pois consideraram que este tipo de





47





c) Ovinos e Caprinos

Tarbm criados em pequena quantidade, com predominan-
cia dos ovinos em relagao aos caprinos, nao apresentam importancia re-
levante, no grupo dos pequenos e mdios animais, sendo mais uma opcao
para o agregado familiar.




4.4 OUTRAS ATIVIDADES

Afora a exploragao da seringueira e castanheira que
dentro do agregado familiar se constituem na principal atividade
economica, outras ocupagoes importantes sao incorporadas a unidade
produtiva. Estas se constituem como atividades complementares e de
significativa relevancia pois estao diretamente relacionadas com a
dieta alimentar e com a sade da familia.


4.4.1 Madeira

Existe por parte dos seringueiros entrevistados, acen-
tuado conhecimento de espcies de madeira cuja finalidade atende as
mais importantes necessidades como na construgao de cercas para pas-
tagens onde utilizam a itaba e a magaranduba.

As madeiras nobres tem sido utilizadas por muitos se-
ringueiros na construgao de casas, escola, paiol, tulhas, etc.

Foi verificado que ha uma tendencia entre os serin-
gueiros em melhorar o padrao de suas habitagoes, substituindo a pa-
xiba por madeira serrada.

As casas sao construidas utilizando sempre produtos
da floresta. A cobertura de palha de ubim ou cavacos com maior
freqencia, nesse caso, a durabilidade da cobertura pode chegar at a
20 anos.
Na estrutura da casa frequente o uso das especies
como o canelao, amarelao, mogno ou cedro serrado.

Nos assoalhos e paredes sao pregados paxiba batida
ou madeira serrada.
Observou-se pelo menos dois casos de interesse na
venda de madeira nobres por parte de alguns seringueiros. Esta idia
nao tem tido aceitagao por parte da maioria, inclusive desencadeando
empates no seringal Nova Esperanga onde os prprios seringueiros im-
pediram a venda de madeira em uma das colocagoes.

Os seringueiros, de forma generalizadas, t&m se posi-
cionado contra a venda de madeira pois consideraram que este tipo de





48




negocio provoca perturbagoes na floresta alm de riscos para a regu-
larizagao das reservas extrativistas ainda nao consolidadas.

No seringal Nova Esperanga vem sendo conduzida uma
rea onde ocorre concentragao de itaba, de regeneragao natural, cu-
ja populagao apresenta atualmente cerca de 12 anos de idade.


A madeira est sendo utilizada para atender as ne-
cessidades requeridas na propriedade.

As itabas estao localizadas em reas de pastagem ro-
gadas e as rvores rebrotam com facilidade podendo ser reaproveita-
das novamente.

Na defumagao do ltex utilizada preferencialmente
lenha de mata-mata e breu por suas caractersticas favorveis de com-
bustao e nao provocar irritagao nos olhos.

A lenha seca colocada naE rogas ou pastos para
usos domsticos no fogao, farinhada e fabricagao de melado, rapadura
ou aqucar preto.

4.4.2 Mel

O conhecimento da diversificagao de espcies de abe-
lhas melfera, bem como seus hbitos, muito grande por parte dos
seringueiros.

Porm, a utilizagao do manejo adequado deste poten-
cial pouco representativo.

As Apis melifera ou abelhas africanizadas ocorrem
na mata, mas por possurem ferrao, nao sao utilizadas ao receio por
parte dos seringueiros em manuse-las.

Em uma rea onde foram deixadas caixas para produgao
comercial, por rgaos governamentais, os seringueiros nao as utiliza-
ram por falta de assistencia tcnica voltadas ao manejo, abandonan-
-as no local.

Sao bastante conhecidas os tipos de abelhas sem fer-
rao (Melipondeas) pelos seringueiros estendendo-se sua utilizagao pa-
ra fins medicinais bem como conhecimento do tipo de polinizagao
preferencial, qualidade do produto melfero, bem como a composigao
do material utilizado na fabricagao das colmias.

As abelhas por eles conhecidas sao:
Urugu boi, com coloragao preta, sem ferrao e que
segundo informagoes de um seringueiro, chega a produzir 10 litros por
enxame a cada safra.





49





Urucu roxa, urugu amarela, jandaira, canudo branco
e canudo amarela, foram outros tipos de abelhas mencionadas nas colo-
cagoes inventariadas.

Normalmente utilizam o sistema de "furo" na colmia
para retirar o mel.

A produgao em uma colocagao foi de 50 litros de mel
onde somente 25 litros foram comercializados o que nao ocorre normal-
mente pois costumam distribuir ou trocar com parentes ou
vizinhos toda a produgao.

Geralmente tentam tapar o "furo" feito para a extra-
gao do mel na colmia para tentar manter o enxame no mesmo local para
poder aproveit-lo na prxima safra.


4.4.3 Pesca

Exerce pouca contribuigao na alimentagao do serin-
gueiro.
A forma de pescaria por tarrafa, linha ou tiro
(quando o peixe vai na margem para coletar barro, alimento, etc).

Os peixes mais utilizados por eles sao o curimata,
branquinha, piau, mandim, e as vezes surubim.

Porm os recursos pesqueiros estao cada vez mais es-
cassos devido a uma rariagao populacional dos mesmos nos igaraps.


4.4.4 Caca

Parte integrante da ditea do seringueiro e sua fami-
lia uma atividade exercida quase sempre pelos homens.

A caga feita de duas maneiras:
A mais freqente conhecida como "espera" reali-
zada durante as noites escuras ou antes do nascer da lua. Para essa
cagada o seringueiro localiza preveamente uma especie frutfera que
os animais se alimentam, escolhe um lugar estratgico ainda a luz do
dia, arma uma rede entre os galhos da arvore vizinha ou, constroem um
jirau tambm acima .do nivel do solo para evitar eventual ataque de on-
ga e esperam a aproximagao da caga.

A outra forma, embora menos freqente feita com
caes de caga luz do dia. Esta forma de cagar condenada por muitos
seringueiros, una vez que os caes afastam estes animais para reas
d ;tantes.





49





Urucu roxa, urugu amarela, jandaira, canudo branco
e canudo amarela, foram outros tipos de abelhas mencionadas nas colo-
cagoes inventariadas.

Normalmente utilizam o sistema de "furo" na colmia
para retirar o mel.

A produgao em uma colocagao foi de 50 litros de mel
onde somente 25 litros foram comercializados o que nao ocorre normal-
mente pois costumam distribuir ou trocar com parentes ou
vizinhos toda a produgao.

Geralmente tentam tapar o "furo" feito para a extra-
gao do mel na colmia para tentar manter o enxame no mesmo local para
poder aproveit-lo na prxima safra.


4.4.3 Pesca

Exerce pouca contribuigao na alimentagao do serin-
gueiro.
A forma de pescaria por tarrafa, linha ou tiro
(quando o peixe vai na margem para coletar barro, alimento, etc).

Os peixes mais utilizados por eles sao o curimata,
branquinha, piau, mandim, e as vezes surubim.

Porm os recursos pesqueiros estao cada vez mais es-
cassos devido a uma rariagao populacional dos mesmos nos igaraps.


4.4.4 Caca

Parte integrante da ditea do seringueiro e sua fami-
lia uma atividade exercida quase sempre pelos homens.

A caga feita de duas maneiras:
A mais freqente conhecida como "espera" reali-
zada durante as noites escuras ou antes do nascer da lua. Para essa
cagada o seringueiro localiza preveamente uma especie frutfera que
os animais se alimentam, escolhe um lugar estratgico ainda a luz do
dia, arma uma rede entre os galhos da arvore vizinha ou, constroem um
jirau tambm acima .do nivel do solo para evitar eventual ataque de on-
ga e esperam a aproximagao da caga.

A outra forma, embora menos freqente feita com
caes de caga luz do dia. Esta forma de cagar condenada por muitos
seringueiros, una vez que os caes afastam estes animais para reas
d ;tantes.










Foi mencionado tambm que o plantio de fruteiras, co-
mo o abacate. nroximo da colocacao, tem servido como atrat eter-
minadas espcies silvestres, pela preferencia ao fruto, com isso fa-
cilitando a cagada.

Os seringueiros, na grande maioria, cagam somente
para o consumo, havendo porm alguns que praticam esta atividade de
forma aue o abate bem superior as necessidades da familia.

Cada seringueiro costuma cagar somente em sua coloca-
gao, sendo proibido a entrada de outros cagadores na rea de sua colo-
cagac sem sua prvia permissao.

i Nas colocagoes prximas as fazendas de gado, bem co-
mo naquelas em que nao existe controle sob as cagas, apenas algumas
especies como a paca e o tatu ainda podem ser encontradas. Tambm ou-
tros animais sao cagados pelo seringueiro como o catitu, o porquinho,
maca os e o veado, sendo estes mais raros.


4.4.5 Frutas Silvestres

A maior abundancia de frutificagao ocorre no pero-
do chuvoso de dezembro a fevereiro o que favorece a disponibilidade
da c ga.

comum a coleta na floresta de frutos de varias es-
peci s, como o jatob (Hymenaea courbaril), abiu (Lucuma caimito).,aga
(Eut rpe precatoria e oleraceae), patau (Jeissenia pataua), bacaba
(Oea ocarpus sp), bacuri-pari (Rheedia macrophila), cacau nativo
(Thebroma sp), envira-caju, cajarana, cagassa, dentre outras.

Foi constatada restriges de muitos seringueiros ao
uso Oe frutos de agai, baca)a e pautau pela dificuldade e perigo na
coleEa (subir em palmeiras altas), acentuada pelo fato de nao ser h-
bito entre eles a derrubada das' palmeiras para a extragao dos frutos

Consideram, tambm, que a mao-de-obra utilizada na
coleta e processamento do vinho nao compensadora.

Existe tambm o conhecimento de frutferas nao uti-
liza0as em sua alimentagao mas que funcionam como fonte alimentar e
atrativo para caga tais como a caximguba (Ficus insipita), gameleira,
orelhinha, imbiriba e castainha.


4.4.6 Artesanato

Em algumas colocag5es encontram-se homens, mulheres
e jovens que dedicam parte de seu tempo na confeccao de pegas, utili-
zando matrias primas retiradas da floresta.










Foi mencionado tambm que o plantio de fruteiras, co-
mo o abacate. nroximo da colocacao, tem servido como atrat eter-
minadas espcies silvestres, pela preferencia ao fruto, com isso fa-
cilitando a cagada.

Os seringueiros, na grande maioria, cagam somente
para o consumo, havendo porm alguns que praticam esta atividade de
forma aue o abate bem superior as necessidades da familia.

Cada seringueiro costuma cagar somente em sua coloca-
gao, sendo proibido a entrada de outros cagadores na rea de sua colo-
cagac sem sua prvia permissao.

i Nas colocagoes prximas as fazendas de gado, bem co-
mo naquelas em que nao existe controle sob as cagas, apenas algumas
especies como a paca e o tatu ainda podem ser encontradas. Tambm ou-
tros animais sao cagados pelo seringueiro como o catitu, o porquinho,
maca os e o veado, sendo estes mais raros.


4.4.5 Frutas Silvestres

A maior abundancia de frutificagao ocorre no pero-
do chuvoso de dezembro a fevereiro o que favorece a disponibilidade
da c ga.

comum a coleta na floresta de frutos de varias es-
peci s, como o jatob (Hymenaea courbaril), abiu (Lucuma caimito).,aga
(Eut rpe precatoria e oleraceae), patau (Jeissenia pataua), bacaba
(Oea ocarpus sp), bacuri-pari (Rheedia macrophila), cacau nativo
(Thebroma sp), envira-caju, cajarana, cagassa, dentre outras.

Foi constatada restriges de muitos seringueiros ao
uso Oe frutos de agai, baca)a e pautau pela dificuldade e perigo na
coleEa (subir em palmeiras altas), acentuada pelo fato de nao ser h-
bito entre eles a derrubada das' palmeiras para a extragao dos frutos

Consideram, tambm, que a mao-de-obra utilizada na
coleta e processamento do vinho nao compensadora.

Existe tambm o conhecimento de frutferas nao uti-
liza0as em sua alimentagao mas que funcionam como fonte alimentar e
atrativo para caga tais como a caximguba (Ficus insipita), gameleira,
orelhinha, imbiriba e castainha.


4.4.6 Artesanato

Em algumas colocag5es encontram-se homens, mulheres
e jovens que dedicam parte de seu tempo na confeccao de pegas, utili-
zando matrias primas retiradas da floresta.











Cestos grandes trancados, conhecidos como "jamaxim",
sao utilizados para carregar os produtos extrados da floresta e da
roga.

Tambm exi.stem pessoas que fazem sapatos de borracha.
Estes produtos comumente sao usados, trocados ou vendidos.


4.4 .7 Plantas Medicinais

Foi constatado a utilizagao de inmeras plantas me-
dicinais por parte dos seringueiros. Este enfoque ser mais detalhado
na parte de sade.



4.5 ASPECTOS DE ORDEM TECNOLGICAS

Observa-se que alguns seringueiros -desenvolveram ou
adaptaram tecnologias aos processos de extragao e beneficiamento do
ltex, armazenamento de produtos agrcolas, criacao de pequenos
animais e manejo da floresta.


4.5.1 Extracao e Beneficiamento do Ltex

No sistema de sangria tradicional ou amazonica, e
feito apenas um corte por dia, cuja extensao da seccao nao excede a
30cm.
Nas rvores que suportam mais de uma tijela, obe-
decida uma regularidade na distribuigao dos painis, cuja distancia
sempre superior-ao tamanho do corte praticado.

Quanto ao beneficiamento do ltex, percebeu-se a
retomada do processo de defumacao de "pela" e "placa nao prensada".


4.5.2 Armazenamento dcs Produtos

Em uma das colocacoes est sendo adotado um paiol
para acondicionamento de graos, com cobertura mvel do tipo duas guas,
mantendo os produtos expostos ao sol e coberto em dia de chuva e a
noite.
Este processo, segundo declaragao do usuario, tem
controlado de maneira eficiente o ataque de borboleta e gorgulhos.

Castanha: inicialmente armazenada em montes a
margem dos varadouros. Em seguida sao transportadas para serem comer-
cializadas, ficando o armazenamento final na cidade.

Borracha: nao sofre o processo de armazenagem devi-











Cestos grandes trancados, conhecidos como "jamaxim",
sao utilizados para carregar os produtos extrados da floresta e da
roga.

Tambm exi.stem pessoas que fazem sapatos de borracha.
Estes produtos comumente sao usados, trocados ou vendidos.


4.4 .7 Plantas Medicinais

Foi constatado a utilizagao de inmeras plantas me-
dicinais por parte dos seringueiros. Este enfoque ser mais detalhado
na parte de sade.



4.5 ASPECTOS DE ORDEM TECNOLGICAS

Observa-se que alguns seringueiros -desenvolveram ou
adaptaram tecnologias aos processos de extragao e beneficiamento do
ltex, armazenamento de produtos agrcolas, criacao de pequenos
animais e manejo da floresta.


4.5.1 Extracao e Beneficiamento do Ltex

No sistema de sangria tradicional ou amazonica, e
feito apenas um corte por dia, cuja extensao da seccao nao excede a
30cm.
Nas rvores que suportam mais de uma tijela, obe-
decida uma regularidade na distribuigao dos painis, cuja distancia
sempre superior-ao tamanho do corte praticado.

Quanto ao beneficiamento do ltex, percebeu-se a
retomada do processo de defumacao de "pela" e "placa nao prensada".


4.5.2 Armazenamento dcs Produtos

Em uma das colocacoes est sendo adotado um paiol
para acondicionamento de graos, com cobertura mvel do tipo duas guas,
mantendo os produtos expostos ao sol e coberto em dia de chuva e a
noite.
Este processo, segundo declaragao do usuario, tem
controlado de maneira eficiente o ataque de borboleta e gorgulhos.

Castanha: inicialmente armazenada em montes a
margem dos varadouros. Em seguida sao transportadas para serem comer-
cializadas, ficando o armazenamento final na cidade.

Borracha: nao sofre o processo de armazenagem devi-











Cestos grandes trancados, conhecidos como "jamaxim",
sao utilizados para carregar os produtos extrados da floresta e da
roga.

Tambm exi.stem pessoas que fazem sapatos de borracha.
Estes produtos comumente sao usados, trocados ou vendidos.


4.4 .7 Plantas Medicinais

Foi constatado a utilizagao de inmeras plantas me-
dicinais por parte dos seringueiros. Este enfoque ser mais detalhado
na parte de sade.



4.5 ASPECTOS DE ORDEM TECNOLGICAS

Observa-se que alguns seringueiros -desenvolveram ou
adaptaram tecnologias aos processos de extragao e beneficiamento do
ltex, armazenamento de produtos agrcolas, criacao de pequenos
animais e manejo da floresta.


4.5.1 Extracao e Beneficiamento do Ltex

No sistema de sangria tradicional ou amazonica, e
feito apenas um corte por dia, cuja extensao da seccao nao excede a
30cm.
Nas rvores que suportam mais de uma tijela, obe-
decida uma regularidade na distribuigao dos painis, cuja distancia
sempre superior-ao tamanho do corte praticado.

Quanto ao beneficiamento do ltex, percebeu-se a
retomada do processo de defumacao de "pela" e "placa nao prensada".


4.5.2 Armazenamento dcs Produtos

Em uma das colocacoes est sendo adotado um paiol
para acondicionamento de graos, com cobertura mvel do tipo duas guas,
mantendo os produtos expostos ao sol e coberto em dia de chuva e a
noite.
Este processo, segundo declaragao do usuario, tem
controlado de maneira eficiente o ataque de borboleta e gorgulhos.

Castanha: inicialmente armazenada em montes a
margem dos varadouros. Em seguida sao transportadas para serem comer-
cializadas, ficando o armazenamento final na cidade.

Borracha: nao sofre o processo de armazenagem devi-











Cestos grandes trancados, conhecidos como "jamaxim",
sao utilizados para carregar os produtos extrados da floresta e da
roga.

Tambm exi.stem pessoas que fazem sapatos de borracha.
Estes produtos comumente sao usados, trocados ou vendidos.


4.4 .7 Plantas Medicinais

Foi constatado a utilizagao de inmeras plantas me-
dicinais por parte dos seringueiros. Este enfoque ser mais detalhado
na parte de sade.



4.5 ASPECTOS DE ORDEM TECNOLGICAS

Observa-se que alguns seringueiros -desenvolveram ou
adaptaram tecnologias aos processos de extragao e beneficiamento do
ltex, armazenamento de produtos agrcolas, criacao de pequenos
animais e manejo da floresta.


4.5.1 Extracao e Beneficiamento do Ltex

No sistema de sangria tradicional ou amazonica, e
feito apenas um corte por dia, cuja extensao da seccao nao excede a
30cm.
Nas rvores que suportam mais de uma tijela, obe-
decida uma regularidade na distribuigao dos painis, cuja distancia
sempre superior-ao tamanho do corte praticado.

Quanto ao beneficiamento do ltex, percebeu-se a
retomada do processo de defumacao de "pela" e "placa nao prensada".


4.5.2 Armazenamento dcs Produtos

Em uma das colocacoes est sendo adotado um paiol
para acondicionamento de graos, com cobertura mvel do tipo duas guas,
mantendo os produtos expostos ao sol e coberto em dia de chuva e a
noite.
Este processo, segundo declaragao do usuario, tem
controlado de maneira eficiente o ataque de borboleta e gorgulhos.

Castanha: inicialmente armazenada em montes a
margem dos varadouros. Em seguida sao transportadas para serem comer-
cializadas, ficando o armazenamento final na cidade.

Borracha: nao sofre o processo de armazenagem devi-





52





do sua rpida comercializaa5o.

Arroz: armazenado em pequenos paiois rsticos, ain-
da nos cachos. De acordo com a necessidade, feito o beneficamento.
Quando destinado para a semente, acondicionado em garrafas lacra-
das.
Milho~: recebe o mesmo procedimento dado ao arroz,
com as espigas na palha e suspensas em varais dentro do paiol ou da
casa.
Feijao: aps o beneficiamento, armazenado em tam-
bores de metal ou plstico (camburoes), com capacidade para 200 litros
Quando se destina ao plantio (sementes), armazenado em garrafoer.
lacrados com cera ou vela.

Farinha: processado de acordo com a necessidade
de consumo, sendo seu armazenamento, por curto perodo, feito em saco
a niagem com capacidade de 50 kilos.


4.5. 3 Transporte

O transporte da borracha e da castanha feito por
animais de carga do interior das colocacoes at o ponto de escoamen-
to e dai segue em veiculo motorizados para comercializaQco ou arma-
zenamento.
Este transporte feito com recursos do seringueiro,
da cooperativa ou do marreteiro.


4. 5.4 Manejo da Floresta

Os seringueiros estao desenvolvendo atividades di-
versas no manejo da floresta.

Verificou-se que evitam derrubar rvores frutferas
como o aga, bacaba, patau, e etc.

Estao mantendo as seringueiras jovens que sao en-
contradas nas estradas de seringueiras.

As escolhas das reas para desmate obedece ao crit-
rio de evitar locais onde ocorre as seringueiras, castanheiras e ma-
deiras nobre.

Nas reas de capoeira, alguns seringueiros estao
plantando seringueiras, castanheiras e fruteiras. Deixando que estas
concorram espontaneamente com a prpria capoeira.





52





do sua rpida comercializaa5o.

Arroz: armazenado em pequenos paiois rsticos, ain-
da nos cachos. De acordo com a necessidade, feito o beneficamento.
Quando destinado para a semente, acondicionado em garrafas lacra-
das.
Milho~: recebe o mesmo procedimento dado ao arroz,
com as espigas na palha e suspensas em varais dentro do paiol ou da
casa.
Feijao: aps o beneficiamento, armazenado em tam-
bores de metal ou plstico (camburoes), com capacidade para 200 litros
Quando se destina ao plantio (sementes), armazenado em garrafoer.
lacrados com cera ou vela.

Farinha: processado de acordo com a necessidade
de consumo, sendo seu armazenamento, por curto perodo, feito em saco
a niagem com capacidade de 50 kilos.


4.5. 3 Transporte

O transporte da borracha e da castanha feito por
animais de carga do interior das colocacoes at o ponto de escoamen-
to e dai segue em veiculo motorizados para comercializaQco ou arma-
zenamento.
Este transporte feito com recursos do seringueiro,
da cooperativa ou do marreteiro.


4. 5.4 Manejo da Floresta

Os seringueiros estao desenvolvendo atividades di-
versas no manejo da floresta.

Verificou-se que evitam derrubar rvores frutferas
como o aga, bacaba, patau, e etc.

Estao mantendo as seringueiras jovens que sao en-
contradas nas estradas de seringueiras.

As escolhas das reas para desmate obedece ao crit-
rio de evitar locais onde ocorre as seringueiras, castanheiras e ma-
deiras nobre.

Nas reas de capoeira, alguns seringueiros estao
plantando seringueiras, castanheiras e fruteiras. Deixando que estas
concorram espontaneamente com a prpria capoeira.












4.6 CONCLUSOES


Qualidade da borracha

A qualidade da borracha produzida constituJ uii pro-
blema devido C predominancia do tipo borracha prensada feita de tal
forma que tem favorecido a presenga de impurezas quando da permanin-
cia do ltex nas tijelas, acarretando um produto de menor qualidade
para o mercado.
Porm, importante salientar que existe uma preocu-
pagao por parte do serinoueiro em oferecer um produto melhor sendo
' dest acado, incl-usive, a adogao por-alguns entrevistados, do processo-
de defumagao considerado objeto de orgulho, o fato de poder oferecer
um produto de melhor qualidade.

Poltica de prego da borracha
Um fato relatado pelos seringueiros na rea pesqui-
sada esclarece, com bastante transparencia, esta complexa problem-
tica de politica de prego, que interfere sobremaneira nas condigoes
econ8micas do agregado familiar. Trata-se da aquisig o da borracha
por parte da Cooperativa por um prego fixado na tabela oficial,
amplamente divulgado nos meios de comunicagco. Esta compra acarretou
um grave prejuizo para Cooperativa, uma vez que ao tentar comerciali-
zar o produto em Rio Branco, as usinas de beneficiamento se nega-
ram a cumprir o prego estabelecido na referida tabela.


-Baixo prego da castanha "in natura"
A castanha normalmente o segundo produto de maior
peso na gerag~c de renda do agregado familiar e por vrios fatores
comercializada por um valor relativamente baixo. Dentre estes fato-
res, ressalta-se como o de import&ncia mais relevante o fato de a
castanha ser comercializada "in natura", deixando portanto de so-
frer qualquer tipo de beneficiamento.


Aumento da rea de pastagem
A atividade pecuaria dentro da rea pesquisada, ape-
sar de ter sido identificada com tendencia de crescimento somente nas
colocagoes com melhores condigoes de acesso, caracterizam um problema,
na medida em que esta atividade, uma vez conduzida fora de critrios,
requer maiores reas de utilizagao de pastagens, para manutengao do
rebanho bovino.
importante salientar que existe um grau de cons-
cientizagao bastante ace~tuado, por parte dos seringueiros da com-




University of Florida Home Page
© 2004 - 2010 University of Florida George A. Smathers Libraries.
All rights reserved.

Acceptable Use, Copyright, and Disclaimer Statement
Last updated October 10, 2010 - - mvs