• TABLE OF CONTENTS
HIDE
 Front Cover
 Title Page
 Table of Contents
 Foreword
 Introdução
 Metodologia
 Segmento colonos
 Segmento seringueiros
 Recomendaçoes
 Anexos






Title: Curso sintese de pesquisa e externsao em sistemas agroflorestais (PESA). Relatorio final
CITATION PAGE IMAGE ZOOMABLE PAGE TEXT
Full Citation
STANDARD VIEW MARC VIEW
Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/UF00054660/00001
 Material Information
Title: Curso sintese de pesquisa e externsao em sistemas agroflorestais (PESA). Relatorio final
Physical Description: Book
Language: Portuguese
Creator: Universitade Federal do Acre and University of Florida
Affiliation: University of Florida
Universitade Federal do Acre
Publisher: Universitade Federal do Acre and University of Florida
Publication Date: 1988
 Subjects
Subject: South America   ( lcsh )
Farming   ( lcsh )
University of Florida.   ( lcsh )
Agriculture   ( lcsh )
Farm life   ( lcsh )
Spatial Coverage: South America -- Brazil -- Acre
South America
North America -- United States of America -- Florida
 Notes
Funding: Electronic resources created as part of a prototype UF Institutional Repository and Faculty Papers project by the University of Florida.
 Record Information
Bibliographic ID: UF00054660
Volume ID: VID00001
Source Institution: University of Florida
Holding Location: University of Florida
Rights Management: All rights reserved, Board of Trustees of the University of Florida

Table of Contents
    Front Cover
        Page 1
    Title Page
        Page 2
    Table of Contents
        Page 3
        Page 4
        Page 5
    Foreword
        Page 6
    Introdução
        Page 7
        Page 8
        Page 9
    Metodologia
        Page 10
    Segmento colonos
        Page 11
        Caracterização da unidade productiva
            Page 12
        Estrutura familiar
            Page 13
        Serviços básicos
            Page 14
        Organização da produção
            Page 15
            Page 16
            Page 17
            Page 18
            Page 19
            Page 20
            Page 21
            Page 22
            Page 23
            Page 24
            Page 25
            Page 26
            Page 27
            Page 28
            Page 29
        Floresta
            Page 30
            Page 31
            Page 32
        Economia
            Page 33
            Page 34
            Page 35
        Serviços de apoio
            Page 36
            Page 37
            Page 38
        Modelo simplificado do sistema do pequeno productor
            Page 39
            Page 40
            Page 41
            Page 42
            Page 43
            Page 44
            Page 45
            Page 46
            Page 47
            Page 48
    Segmento seringueiros
        Page 49
        Caracterização da colocação (unidade produtiva)
            Page 50
            Page 51
            Page 52
            Page 53
            Page 54
            Page 55
            Page 56
            Page 57
        Aspéctos sócio-economicos
            Page 58
            Page 59
            Page 60
            Page 61
            Page 62
            Page 63
            Page 64
            Page 65
            Page 66
            Page 67
            Page 68
            Page 69
        Diversificação da atividade (Extrativismo x agricultura)
            Page 70
            Page 71
            Page 72
            Page 73
            Page 74
            Page 75
    Recomendaçoes
        Page 76
        Page 77
        Page 78
    Anexos
        Page 79
        Page 80
        Page 81
        Page 82
        Page 83
        Page 84
        Page 85
        Page 86
        Page 87
        Page 88
        Page 89
        Page 90
        Page 91
        Page 92
        Page 93
        Page 94
        Page 95
        Page 96
        Page 97
        Page 98
        Page 99
        Page 100
        Page 101
        Page 102
Full Text





1 F1 --1 A-
T^^T
a| !


* .9 e**.** .**-
*1-


RI BRANCH -- A CRI.
.1111, 110/ I 0'1


IINIV[. RS I AP I iM RAI 110 ACI( IIFAC
IINIVERS IDAI)E PA I DftoIIA IIF
IIINI)DA A0 I ORID




CIIRISO sIN IIi 1i PI'[ S IIs A r rxrr.NSAo

I IM S I Si MAS AGIRO I OKl I A I S (PESA)

lIl I A I OR 10 I I NAI








IINIVFRSIPAIAF FEDERAL DO ACRE IIFAC
IINIVLRS IIAD.E DA FL[ORIDA IIF
FIINIAQAO FORD









t


CIIRSO SiNIISI: IDE PIS'QO ISA r EXTENSSAO
rM SISI.MAS AGAOFL'ORIESTAIS(PESA)
RItLATORIO FINAL


RIO RRANCO ACRE
.111 II10/1988









SUMARIO


APRESENTAqAO

1. INTRODUQAO .............................................. 07

2. METODOLOGIA ..................** .............**...... .... 10

3. SEGMENTO COLONOS ....................................... 11

3.1 Caracterizagao da unidade produtiva ............... 12

3.1.1 Tamanho ................................... 12

3.1.2 Area desmatada ............................ 12

3.1.3 Formas de acesso a terra .................. 12

3.1.4 Disponibilidade de agua ................. 12

3.2 Estrutura Familiar ................................ 13

3.2.1 Origem .................................... 13

3.2.2 Tempo de assentamento ..................... 14

3.2.3 Habitagao ..... ............... ... .. ... 14

3.3 Servigos basicos ... ............... ......... ....... 14

3.3.1 Educagao ........................... ... 14

3.3.2 Saude ..................................... 15

3.4 Organizagao da produgao ........................... 15

3.4-.1- Produgao vegetal .... ..... ,-. .......... 15
3.4.1.1 Sistema de abertura de areas .... 15


3.4.2 -


3.4.1.2 Culturas anuais .................

3.4.1.3 Culturas perenes ..............

3.4.1.4 Fruticultura ....................

3.4.1.5 Horticultura ....................

3.4.1.6 Controle de plants daninhas ....

3.4.1.7 Mao-de-obra .....................

Produgao animal ...........................

3.4.2.1 Pequenos animals ................

3.4.2.2 Grandes animals ................

3.4.2.3 Manejo animal ................

3.4.2.4 Sanidade animal .................









3.4.2.5 Pastagens ......................... 29

3.5 Floresta ............. ............................... 30

3.5.1 Madeira ..................................... 30

3.5.2 Borracha .................................... 31

3.5.3 Castanha-do-Brasil .......................... *32

3.5.4 Caga, pesca, frutas silvestres, plants
medicinais .................................. 32

3.5.5 Calendario ......* .*.......... ...*.. ******* 33

3.6 Economia .................................. ... .... 33

3.6.1 Aspectos economicos gerais: renda e emprego 33

3.6.2 Comercializagao .................. ......... 34

3.6.3 Transporte ................... ............. 35

3.6.4 Armazenamento ............................... 35

3.7 Servigos de apoio .;............................... .36

3.7.1 Credito rural ............................... 36

3.7.2 Assistencia tecnica ................... ... 38

3.8 Modelo simplificado do sistema do pequeno produtor .. 39

3.9 Fatores limitantes ........... ...................... 39

3.9.1 Fatores naturals ......................... 39

3.9.1o 1 Agua"- .............................. 39

3.9.1.2 Pragas e doengas ................. 40

3.9.2 Fatores institucionais e/ou politicos ....... 40

3.9.2.1 Assistencia Tecnica ............... 40

3.9.2.2 Sementes .......................... 41

3.9.3 Fatores sociais .............................41

3.9.3.1 Mao-de-obra .................... 41

3.9.3.2 Saude ............................. 42

3.9.3.3 Educagao ............... ......... 42

3.9.3.4 Estrutura social .................. 42

3.9.4 Fatores economics .......................... 43

3.9.4.1 Falta de recursos proprios ....... 43

3.9.4.2 Credito ......................... 43










3.9.4.3 Armazenamento .........................

3.9.4.4 Comercializagao .......................

3.9.4.5 Transporte ............................
3.10 Pretensoes dospequenos proprietarios ...........
3.11 Conclusoes
3.11 Conclus .es ....... ................... .. ......... ....


04. SEGMENTO SERINGUEIROS ............ ...........................

4.1 Caracterizagao da colocaqao (unidade produtiva) .........

4.2 Sistemas produtivos ........ ........ ...... ...... .....
4.2.1 Atividades extrativistas ....................

4.2.1.1 Borracha .............................

4.2.1.2 Castanha-do-Brasil ...................

4.2.1.3 Caga e pesca ........ ........ .........

4.2.1.4 Outras atividades .....................
4.2.2 Atividades agropecuarias .....................

4.2.2.1 Agricultura .................. .........
4.2.2.2 Pecuaria ................ ............
4.3 Aspectos socio-economicos ............0.................

4.3.1 Saude, educagao e lazer ......... .............
4.3.2 Associagao de classes .................. ..........
4.3.3 Fluxo migratorio e posse da terra ...............

4.3.4 Mao-de-obra .................... ................

4.3.5 Relaqoes com intermediaries .....................


4.4 -
4.5 -


Diversificagao da atividade (Extrativismo X Agricultura).
Conclusoes .............. ..... ...... ... ... .... ... ,e


Kb5. RECOMENDA(fES ................................................. 76


06. ANEXOS ..... .. ... ... ...... .. .... .... .... ...... ........ 79










APRESENTA9AO


0 present document e resultado do sondeio reali-

zado em dois projetos de colonizacao (Peixoto e Humaita) e

dois seringais (Pira-de-ra e Triunfo), localizados no Vale do

Acre, em area que abrange os municipios de Rio Branco, Senador

Guiomard e Placido de Castro, pelos integrantes do Curso Sin-

tese de Pesquisa e Extensao em Sistemas Agro-florestais (PESA)

realizado em Rio Branco-Acre, no period de 20 de junho a 02

de julho de 1988.

O referido Curso4- fruto de um convenio celebrado

entire a Universidade da Fl6rida-UF e a Universidade Federal do

Acre-UFAC, sendo patrocinado pela.Fundacao FORD. Vale ressal-

tar que os objetivos propostos no mesmo estao relacionados com

a identificacao de problems agro-economicos que interferem na

producao e bem-estar das families de pequenos produtores ru-

rais e seringueirOs, bem como recomendagoes para solug6es dos

mesmos.

O document em tela e dividido em duas parties, onde

a primeira trata das questoes ligadas ao sistema de produgao

dos pequenos produtores rurais, localizados nos projetos de

colonizacao e, a segunda trata da organizagao da produgao dos

seringueiros nos seringais Pira-de-ra e Triunfo.

A sua elaboragao foi um trabalho de todos os parti -

cipantes do curso,e a redagao final foi realizada pelos parti-

cipantes Alexandre Pereira de Bakker, Arn6bio Marques de A

Junior, Cicero Rodrigues de Souza, Djalcir Rodrigues Ferreira

e Maria Salete Pinheiro Matos.









1. INTRODUgAO



A forma de ocupagao economic do Estado do Acre, via ex-

trativismo da borracha e castanha-do-Brasil, determinou a organi-

zagao da produgao agricola atualmente praticada, onde existe uma

predominancia das cultures ditas de subsistencia e/ou cultural

brancas, tais como: feijao, arroz, milho e mandioca, sendo que

as areas ocupadas com as mesmas nao ultrapassam a 5 ha por uni-

dade produtiva. A forga de trabalho utilizada geralmente e fami-

liar e com um nivel tecnologico considerado rudimentar, impedin-

do,assim, a expansao e/ou diversificaqao da produgao.

Na decade de 70, com os conflitos surgidos pela posse da

terra, tanto no Acre, como em outros Estados brasileiros, surgi-

ram os Projetos de Assentamento Dirigido, hoje chamados Projetos

de Colonizagao, em areas de seringais desapropriados para tal fi-

nalidade. No Acre, foram implantados os projetos Pedro Peixoto, Re-

dengao, Santa Luzia, Boa Esperanga, Quixada, Santa Quiteria e

Humaita, onde foram assentados parceleiros, tanto do Acre como de

outras regioes do pals.

Vale ressaltar que, embora tenha havido uma grande desar-

ticulagao dos seringais nativos do Acre, o extrativismo represen-

ta ainda uma vital importancia para a economic e ecologia local,

mesmo que se constitua tambem ponto vulneravel no que diz -res-

peito aos problems e custos sociais decorrentes do mesmo, por

falta de plans e programs consistentes que venham a direcionar

o curso da economic acreana.

Os projetos Pedro Peixoto e Humaita e os Seringais Tri-

unfo e Pira-de-ra foram escolhidos para serem alvo de uma pes-

quisa informal PESA (Pesquisa e Extensao.em Sistemas :Agro-flo-

restais), com o objetivo de identificar recomendagoes para reso-

lugao de problems agro-economicos que interferem na produgao e








bem-estar das families de pequenos produtores rurais e seringuei-

ros, nas referidas localidades.

0 projeto Pedro Peixoto foi implantado em 1978 e e lo-

calizado no Km 61, da BR-364, com uma area de 408.000 ha, abran-

gendo areas rurais dos municipios de Rio Branco, Senador Guiomar

e Placido de Castro, com um total de 3.714 lotes, onde estao as-

sentadas 3.700 families oriundas das diversas regioes do .pais,

com predominancia de pessoas do proprio Estado.

Os lotes do referido projeto tem formatos retangulares,

nao obedecendo a topografia da area, principalmente no tocante as

nascentes de rios e igarapes, cor tamanho na maioria dos casos,

variando entire 50 a 80 ha.

0 projeto Humaita, implantado em 1980 esta localizado

na AC-22, Km 33, no municipio de Rio Branco, numa area de

63.000 ha, com um total de 951 lotes ja ocupados por pequenos

produtores. E important ressaltar que ambos os projetos possuem
em suas sedes infraestrutura de apoio no tocante a armazenagem,

educagao, saude e outros servigos.

Os serihgais,visitados Triunfo e Pira-de-ra, ficam lo-

calizados na AC-40, Km 77, e BR-317, Km 32, respectivamente, am-
bas asfaltadas.

Suas florestas caracterizam-se por apresentarem uma bai-

xa agao antropica, sendo constituidas por seringueiras, castanheiras e

species madeireiras diversas, como mogno, cumaru, jatoba, dentre

outros; alem de frutiferas como again, pataua, bacaba, bacuri, etc.
A disponibilidade dos recursos hidricos seifaz present, sendo,,

portanto, um dos fatores favoraveis a vida dos seringueiros nessa

regiao. Outro aspect relevant e a grande diversidade faunistica

existente nas areas.

0 sistema de produgao identificado nos citados seringais









se constitui em uma familiar de seringueiro localizada no interior

da floresta, habitando uma casa rustica, normalmente construida

de paxiuba e palha, denominada barraca.

Exploram em media tres estradas com seringueiras e cole-

tam,alem -do latex, a castanha-do-Brasil, sendo estas suas ativida-
des principals enquanto fonte de renda familiar. Conjugada ao ex-

trativismo da borracha, da coleta de frutos silvestres, plants

medicinais, caga e pesca, desenvolvem nos seringais uma economic

agricola voltada para a subsistencia (milho, arroz, feijao, man-
dioca, algumas frutiferas), driam animals de pequeno porte com ma-

ior frequencia e raramente de grande porte.

Sua relagao commercial e mais intense com a sede do bar-

racao, com marreteiros as margens de estradas e, ainda, em menor

escala, nos-centro urbanos mais proximos.

Vale ressaltar que o grupo composto para a realizagao da

pesquisa foi constituido por profissionais de diversas areas per-

tencentes as instituigoes ligadas ao setor agricola de orgaos fe-

derais e estaduais, situados em Rio Branco-Acre, bem como, por

professors da Universidade Federal do Acre-UFAC, Universidade da

Florida-UF e estudantes pos-graduandos desta ultima.









2. METODOLOGIA

A metodologia utilizada teve como base alguns resultados

de experiencias (feitas anteriormente) em diversas regioes tropi-

cais e a utilizagao de tecnicas de sistemas agro-florestais. Tan-

to os sistemas agro-florestais como os sistemas agricolas sao me-

todos de "pesquisa adaptativa" por responderem a problems con-
cretos e complexes da realidade e nao a questoes de natureza pu-

ramente teorica e/ou abstrata. Para tal, utilizaram-se processes

continues de entrevistas e discussoes, entire tecnicos de diversas

especializagoes e a populagao envolvida no process de pesquisa.

0 total de 36 participants foi dividido em dois grupos

de dezoito elements cada, um dos quais trabalhou com seringueiros

.e o outro cor col-onos. Ef-etuou-se outra divisao em.grupos de tres

elements para o sondeio nas propriedades e seringais. Apos cada

dia de entrevista, as equipes se reuniram para discussao dos pro-
blemas encontrados na visit diaria. Apos a reuniao, novos grupos

de tres pessoas foram formados para as visits do dia seguinte. 0

program de visits durou tries dias e foram entrevistados 51 co-

lonos e 13 seringueiros. Apos a avaliagao das informagoes obti-
das, formaram-se equipes-para elaboragao dos itens components do
relatorio das atividades realizadas pelos grupos.



















SEGMENT COLONOS


., J ,










3. SEGMENT COLONOS


3.1 Caracterizagao da Unidade Produtiva


3.1.1 Tamanho

0 tamanho das propriedades varia emtre 35 a 201

ha, sendo que a maioria tem area entire 60 e 80 ha. As maiores are-

as resultam da reconcentragao da terra, que ja comega a se fazer

present nos referidos projetos.


3.1.2 Area desmatada

A area desmatada em cada propriedade e bastante

variavel, assumindo valores entire 3 a 7 ha, com media entire 8 e

12 ha. As menores:rpertencem a pessoas -com menor tempo que ocupam-

os lotes nos projetos e as maiores pertencem as propriedades des-

tinadas a pecuaria, onde a reconcentragao da terra e mais eviden-

te.


3.1.3 Formas de acesso a terra

Para o produtor rural adquirir o seu lote exis-

tem tries formas: via MIRAD, compra ou troca de terceiros. Aparen-

temente, a maioria das pessoas que recebem lotes do orgao respon-

savel sao originarias do Acre. Muitas destas tem vendido suas

propriedades a outras, principalmente, as que estao chegando ao

Estado nos ultimos anos, oriundas das diversas regioes brasilei-

ras.

3.1.4 Disponibilidade de agua

A ocupagao desordenada, quanto ao aspect topo-

grafico das areas onde estao os Projetos de Colonizagao, princi-

palmente o-Pad Peixoto, vem se- constituindo em problems para os

parceleiros, no tocante a obtengao de agua, tanto para o consume









domestic, como para tender as necessidades produtivas como um

todo. Dessa forma, e comum a existencia de propriedades com falta

de abastecimento de agua, mesmo no period de maior intensidade

pluviometrica, em fungao do desmatamento realizado nao obedecer

os criterios de preservagao de nascentes de rios e igarapes da

regiao.

Em algumas propriedades a agua seca totalmente na

epoca de estiagem, sendo necessario busca-la em propriedades vi-

zinhas.


3.2 Estrutura Familiar

Os nucleos familiares tem de 1 a 12 filhos, existindo ca-

sos em que o casal ou o home adulto vive so no lote,e sua fami-

lia vive-na area urbana. Em relagao a idade dos-filhos,- embora

exista bastante variagao entire as diversas families, -constata-se

uma predominancia de criangas.

Ha famLlias que mantem outras pessoas na propriedade,

sendo, em geral, parents e podendo, inclusive, existir outras

families nucleares no mesmo lote.


3.2.1 Origem

No total da amostra (51 families) ha 17 acreanas,

3 mistas e 31 de outros Estados, sendo elas das seguintes regioes:

Norte 3 (AM), Nordeste 14 (7 CE, 3 BA, 2 PE, 1 PB e 1 RN),

Centro-Oeste 1 (MT), Sudeste 8 (5 MG, 2 SP, 1 RJ) e Sul 5

(3 PR e 2 SC).

Entre 26 families pesquisadas no Projeto Humaita,

tem-se 08 casos de families acreanas e 15 de outros Estados e 3

mistas (mulher acreana e home de outro Estado). No Projeto Pe-

dro Peixoto ha 09 families acreanas para 16 de outros Estados, en-

tre 25 families estudadas.









3.2.2 -Tempo de Assentamento


Como os dois projetos de colonizagao foram im-
/
plantados recentemente (Pedro Peixoto-1977 e Humaita-1980)> tem-se

families cor poucos anos de instalagao, variando de 1 a 7 anos.

Ha alguns casos de families que ocupavam a regiao anteriormente

a implantagao dos projetos de assentamento.



3.2.3 Habitagao

0 tipo de moradia e um important indicador do

nivel socio-economico familiar. Assim sendo, observa-se que a

construgao das casas, em geral, e feita com materials da flores-

ta (parede de paxiuba ou tabuas e cobertura de cavacos ou pa-

lhas-. -Existem..algumas-.com telhado de aluminio e raras sao as ca-.

sas em alvenaria, com cobertura de aluminio ou de amianto.

Nota-se o desejo e a disposigao que tem as .pes-

soas que vivem em casas de paxiuba para-construirem casas de ma- -

deira serrada, sendo que, em alguns casos, ha troca de madeira

bruta por madeira serrada.. (Humaita).




3.3 Servigos Basicos


3.3.1 Educagao


Existem escolas nos dois projetos de colonizagao. Porem

e necessario a construgao de mais algumas,objetivando diminuir a

distancia media aos lotes que; atualmente, pode chegar a mais de

4 km.

Constatou-se reclamagoes em fungao da ausencia do profes-

sor, tanto na escola como um todo, como pelo ensino em apenas

algumas series.


Em relagao a merenda escolar, alguns dos


entrevistados








reclamaram da falta da mesma ou ausencia de merendeira.

Os pais, em sua maioria, sao analfabetos ou. semi-alfa-

betizados,nao expressando desejo de continuar seus estudos. Exis-

tem casos em que, apesar de existirem escolas funcionando, os
filhos nao sao mandados para estudar e, por outro lado, ha casos

de criangas que estudam na area urbana, nao se limitando as qua-

tro primeiras series.


3.3.2 Saude

As condigoes de saude sao precarias. Alguns ramais tem

postos, mas ha queixas sobre o horario de funcionamento, a dis-

tancia da propriedade, a ausencia de pessoal especializado e de-

ficiencia de equipamento apropriado. Muitas das families se diri-

gem as sedes dos projet-rs, onde ha enfermeiros permanentes e, no

Projeto Humaita, visits medical periodicas. Outras families, tam-

bem deste projeto, vem a area urbana, inclusive para acompanhamen-

to de gestagao. Alguns casos de malaria foram-relatados, aparen-

temente ocorrendo maior incidencia no Projeto Peixoto.





3.4 Organizagao da produgao


3.4.1 Produgao Vegetal


3.4.1.1 Sistema de abertura de areas

De maneira geral, a abertura das areas se da com

a realizagao de broca, derrubada e queima da mata, visto que esta

e a unica alternative viavel ao pequeno produtor para incorpo-
ragao da area ao sistema produtivo. Em seguida, o agricultor plan-

ta a lavoura branca (milho, arroz, feijao e mandioca), por um

period que varia de 1 a 3 anos, apos o que,efetua a implantacao

de pastagem ou de cultures perenes. Ha casos em que o plantio da









lavoura e feito apenas no primeiro ano apos a derrubada e logo

implantado o past. Alguns agricultores, apos 3 anos de cultivo

consecutive, deixam a terra em pousio (de 4 a 8 anos) para recupe-

ragao natural da vegetagao e, em seguida, retornam a brocar, der-

rubar e queimar para implantar uma nova sucessao de cultivos. A

area de derrubada, praticamente annual, varia entire 1 a 4 ha. Este

process de abertura de novas areas estaciona quando a mao-de-

-obra e os recursos disponives nao sao suficientes para tender

a demand.


3.4.1.2 Culturas anuais

Nas duas areas de trabalho, tomando como amostra

os produtores visitados, predomina o cultivo annual da lavoura de

subsistencia (arroz, feijao, mi'hah-e mandioca) em proporgoes, me-

dias de 2,0 ha por produtor por ano, obedecendo o seguinte siste-

ma: arroz e milho consorciados ou solteiros, cor frequencia maior

Sde consorcio, no primeiro ano. Apos'a colheita destes, cultiva-se

o feijao, e, a seguir, o produtor utiliza a area para

cultivar a mandioca, persistindo este process ate o prazo ma-

ximo de tries anos, quando nao e interrompido pelo cultivo de gra-

mineas para a formagao de pastagens.

Alem destas cultures, sao plantados, ainda, o fu-

mo e o abacaxi, que sao comercializados sem expressao economic.

As sementes e mudas para cultivo destas lavouras

sao oriundas,na sua maioria, de cultures anteriores e armazenadas

em tambores (sementes), salvo em casos em que alguns produtores

receberam sementes e/ou mudas do Governo do Estado.

Arroz E, entire as cultures anuais, a de maior

area cultivada e, tambem, o de maior importancia economic para

os agricultores dos projetos visitados. Pois,nao so represent a

base alimentar dessas families, juntamente com o feijao e a fari-









nha de mandioca, como tambem e fator de renda, visto que sua co-

mercializagao no.mercado local, seja atraves de atravessadores ou

diretamente em feiras livres, tem contribuido, a curto prazo, com

a receita familiar.

Apesar de ser cultivado em consorcio com o milho,
na maioria das vezes, o arroz ocupa maior area de cultivo, dado o

espagamento utilizado para o milho, o qual nao e o recomendado pe-

la pesquisa, conforme foi observado. Este sistema de cultivo ten-

de a desaparecer com o incremento annual do cultivo solteiro, vis-

to que em plantios de primeiro ano, quando em terras de derrubada

nova, a maioria dos agricultores prefer plantar arroz, reservan-

do o segundo ano para o milho. No entanto, muitos sao os agricul-

tores que ainda cultivam o milho no primeiro ano, porem, em

sistema solteiro.

A produtividade do arroz no sistema consorciado
chega a atingir os 1.500 kg/ha, enquanto que em sistema de plan-

tio solteiro ultrapassa os 3.000 kg/ha.

A cultivar mais utilizada pelos agricultores e a
IAC-47, que apresenta problems de acamamento devido ao seu--porte

alto.

E comum o arroz cultivado nestas areas ser ata-
cado por pragas que deixam a plant amarelada e com a folha do

meio solta, sinal provavel da presenga do percevejo grande do

arroz (Tibraca limbativentris) e do percevejo sugador (Deballus

sp.) provocando grandes perdas na produgao, caso nao sejam con-

trolados logo apos a identificagao dos mesmos no arrozal.

0 control realizado por alguns produtores e fei-
to com uso de inseticidas quimicos, adquiridos no comercio de Rio

Branco, sem que seja efetuada qualquer recomendagao tecnica.


No armazenamento, tambem e atacado pela "Borbole-









ta" (traga) (Sitrotoga cerealella) e o gorgulho (Sitophilus ory-

zae) que, juntos, provocam grandes perdas nos graos armazenados.

Alguns agricultores, na tentative de controlar as

pragas, aplicam inseticidas quimicos (MALAGRAN) na forma de po

seco, jogando-o sobre os graos, sem os cuidados tecnicos devidos.

Este produto e armazenado no paiol em sacos de 50

kg, dentro de casa a granel ou ainda na forma de meda no campo,

coberto ou nao, com palha.

Milho Embora represent pouca importancia na

alimentagao familiar, pois o milho e pouco consumido pelos produ-

tores e suas families, mas tem economicamente sua representativi-

dade no volume produzido na propriedade, pois e a base alimentar

das aves e pequenos animals (porco e caprinos) e, muitas vezes,

suplemento alimentar do gado.

Quando cultivado com o arroz, apresenta baixa

produtividade (em media 1.200 kg/ha), sendo que em cultivo sol-

teiro chega a produzir ate 4.000 kg/ha, atendendo recomendagoes

tecnicas da pesquisa.

Comumente, sao cultivadas variedades diversas sem

que se tenha conhecimento tecnologico das mesmas. Muitos produto-

res utilizam o milho hibrido e, por nao conhecerem suas caracte-

risticas geneticas, guardam as sementes em tambores lacrados e

cultivam-nas em anos seguintes, obtendo, entao, uma baixa produ-

tividade.

Nao foi verificado ataque de pragas ou doengas no

milho, quando no campo, que comprometesse a produgao. Entretanto,

no armazenamento, em condigoes nao adequadas ocorre a incidencia

de pragas, pois, quando sao debulhados (trilhados), ensacados os

graos, sao colocados em paiol nao protegidos dos ratos e insetos

(gorgulho e traga), (S. oryzae) e (S. cerealella), provocan-










do uma grande perda na produgao, atraves de deterioragao dos

graos.

Feijao Geralmente cultivado na area do milho

e/ou arroz pela maioria dos produtores visitados. Representa uma

fonte de protein vegetal de baixo custo e tem bom prego no mer-

cado,quando comparado com as outras cultures de ciclo annual. Po-

rem, apresenta baixa produtividade devido a qualidade das semen-

tes cultivadas, sistemas de cultivos e a incidencia de pragas

e doengas. As cultivares mais utilizadas sao carioquinha,rosinha,

jaule e mudubim.

No campo, o feijao comum (Phaseolus vulgaris) e

cultivado em maior proporgao que o caupi (Vigna unguiculata), em-

bora seja consideravel o numero de produtores que esta plantando

esta especie, sem levar em consideragao suas caracteristicas va-

rietais. Ambas tem sido atacadas severamente por pragas e doengas,

destacando-se a "vaquinha" (Cerotoma sp e Diabrotica speciosa),

praga bastante vorazque destroi as folhas, deixando-as rendilha-

das. Entre as doengas, o "mela" ou "murcha da teia micelica", tam-

bem conhecida por queima, e causada pelo fungo Thanatopharus cu-

cumeris, que, quando ataca o feijao, provoca o secamento das fo-

lhas, dando a impressao de que estas foram queimadas.

A especie V. unguiculata apresenta uma certa re-

sistencia a doenga, o mesmo nao acontecendo com o P. vulgaris, e,

se nao for controlado preventivamente o seu ataque, dizimara to-

do o feijoal; o que provavelmente, podera ter sido o que ocorreu

com plantios de anos anteriores, conforme depoimento de alguns

produtores.

A armazenagem do feijao e feita exclusivamente pa-

ra o consume e plantio do ano seguinte, e em tambores de ago, pois

a maior parte e comercializada logo apos a colheita.










Segundo informagoes de alguns produtores, neste
tipo de armazenamento, nao se verifica ataque de pragas ou doen-

gas.

Mandioca ou Macaxeira E bastante cultivada pe-
los agricultores entrevistados e tem grande importancia no volu-

me produzido na propriedade, porem sua transformagao em farinha
ocupa um contingent muito grande de mao-de-obra, o qual nao e

incluido no prego final do produto, por se tratar, na maioria das

vezes, da propria familiar.

A mandioca tem sido, para alguns desses produto-
res, um fator de poupanga, apesar do baixo prego do produto final
no mercado, visto que seu period de armazenagem no solo (ate um

ano), permit que a mesma seja colhida e processada quando hou-

ver necessidade imediata de recursos financeiros para solucionar

problems de saude ou de outra ordem.

Alem disso, a mandioca e insistentemente cultiva-
da pelos colonos visitados, por ser uma cultural de facil manejo,

ocupar pouca mao-de-obra para sua condugao no campo, necessitar

apenas uma campina e nao sofrer ataque de pragas e doengas que

necessitem de cuidados especiais,

Sao diferentes as produtividades informadas pelos
colonos, porem a media ficou em 25 toneladas de raizes ha/ano. No-
ta-se que este valor esta acima da media no Estado que e de 18

t/ha/ano.

3.4.1.3 Culturas Perenes

Em muitas propriedades visitadas, (aproximadamente

70%), os entrevistados manifestaram o desejo de implantar ou ex-
pandir a area plantada com a introdugao de cultures perenes. 0
caf e o cacau sao as cultures mais preferidas encontrando-se ]a-
vouras com ate 7.000 covas dessas cultures. A maioria dos cafe-









zais sao novos e a produgao atual e utilizada apenas para consume.

As lavouras de cacau ainda nao estao em produgao e o mercado pre-

visto para venda do produto e o Estado de Rondonia.

As entrelinhas do plantio do cafe e cacau sao

aproveitadas para o cultivo do arroz, feijao e milho. Ja a banana
e o mamao, que tambem sao cultivados na mesma area, sao utiliza-

dos como sombreamento, ao mesmo tempo que fornecem uma renda ex-

tra para o produtor.

Um dos fatores limitantes para o cultivo de cul-

turas permanentes e a disponibilidade de mudas ou sementes de

boa qualidade para formagao de mudas, o que obriga os produto-
res a plantarem pes francos (caso de fruteiras), e a formarem

mudas com graos fornecidos por vizinhos, sem origem definida (caso
do cafe).

No ultimo caso, o desenvolvimento das plants sao-

irregulares, bem como sua floragao, maturagao e produgao.


3.4.1.4 -Fruticultura

Mediante dados obtidos e observagoes realizadas,

a fruticultura praticada pelos colonos entrevistados resume-se a
algumas frutiferas localizadas ao redor da residencia, as quais

sao basicamente utilizadas para o consume e, dependendo da dis-

ponibilidade de transport, o excedente e destinado ao mercado

consumidor. Os plantios sao bastante diversificados e consistem,
exclusivamente, em fruteiras tropicais tais como manga, mamao, ja-
ca, cupuaqu, coco, maracuja, banana, citrus, abacaxi, graviola,
abacate e outras.

Apenas cerca de 20% dos agricultores entrevista-

dos possuem plantios comerciais (citrus, banana, maracuja, mamao

e abacaxi). Observou-se que alguns plantios sao realizados apos a

retirada das cultures anuais, e que outros sao feitos com o obje-










tivo de minimizar os custos de implantagao de cultures perenes
como o cacau e o cafe.

Foram detectadas algumas dificuldades quanto a
implantagao de pomares comerciais ou nao. Series problems fi-

tossanitarios foram encontradosnas mais diversas frutiferas. Os
sintomas de amarelecimento e enrijecimento do ponteiro e queda
drastic da produgao sao citados em relagao ao mamoeiro. Em ci-
trus e abacateiros foram detectados a queda das folhas e morte das

plants. Na graviola, e comum o ataque da broca, oaqual danifica

o fruto, reduzindo sua qualidade commercial. A maioria das frutei-
ras encontradas sao de pes francos, pois existe dificuldade na

obtengao e/ou produgao de mudas enxertadas.

A intengao de implantar ou ampliar o cultivo de
plants frutiferas foi manifestada por alguns colonos, apesar dos

fatores limitantes anteriormente citados lembrando que ocorre

ainda, o agravante da indisponibilidade e alto custo das sementes
e/ou mudas.


3.4.1.5 Horticultura

A atividade horticola tem pouca expressao no meio
rural pesquisado, consistindo geralmente de uma pequena horta do-
mestica, que visa a suplementagao alimentar com verduras e tempe-

ros tais :como couve, debolinha e pimenta doce. Esta ati-

vidade ganha maior expressao durante o verao, devido as limitagoes
provocadas pelas altas precipitagoes no inverno, que acarretam
problems referentes a doengas e pragas, bem como o proprio impe-
dimento fisico do solo saturado pela umidade excessive e acama-

mento provocado pelas intensas chuvas tropicais.

A falta de tradigao neste ramo por parte da maio-
ria dos produtores, bem como as dificuldades de transport, fazem

com que a horticulture permanega como simples atividade caseira,











sem nenhuma expressao economic significativa.

Outros fatores que inviabilizam de forma acentua-

da o cultivo de hortaligas sao a carencia de insumos adequados

(sementes, fertilizantes, inseticidas) e tecnologia compativel com
a realidade edafoclimatica regional.


3.4.1.6 -Controle de plants daninhas

Na quase totalidade das areas o control de plan-

tas daninhas e feito manualmente, tanto para os cultivos anuais

como perenes. Alguns produtores utilizam herbicidas, principal-

mente em pastagens.


3.4.1.7 -Mao-de-obra

As atividades desenvolvidas pela maioria dos pro-

dutores pesquisados sao realizadas pela mao-de-obra familiar, ha-
vendo, em alguns casos, troca de servings entire as families. Em
outros casos, mais raros, ocorre a compra de mao-de-obra de ter-
ceiros atraves do pagamento de diarias ou atraves de empreitada,

("empleita"). Nas areas onde existe maior organizagao social,

ocorre a formagao de mutiroes, atraves dos quais, grupos de pro-

dutores realizam as atividades que apresentam maiores dificulda-

des, como broca, derrubadas, construgoes, etc.

A mao-de-obra apresenta-se comumente como fator

limitante da expansao agropecuaria na area pesquisada, visto que
o agregado familiar consiste, frequentemente, de um numero acen-

tuado de criancas que, quando atingem a idade adulta, em grande

part, emigram para a cidade em busca de melhores condigoes de

vida.

A mao-de-obra feminine, na maioria dos casos, alem

das atividades domesticas, e utilizada tambem no semeio, colhei-

ta, beneficiamento de mandioca e cana de aqucar, criagao de pe-










quenos animals e hortas domesticas. Havendo, no entanto, casos de

participagao feminine nas atividades de tratos culturais como
capina, control de pragas, etc.



3.4.2 Produgao Animal

3.4.2.1 Pequenos Animais

A criagao de pequenos animals, principalmente
aves, foi constatada em todas as propriedades visitadas, com uma

predominancia para galinhas e patos, em numero que varia de 10 a

100 cabegas por unidade familiar.

A forma de criagao e extensive, sem a utilizagao
de manejo adequado que venha evitar a proliferagao de doengas,
que chega as vezes a dizimar quase todo o plantel, como e o caso

da cholera.

Como os:demais animals, as aves significam para os
produtores rurais, uma forma de complement alimentar e, princi-

palmente, uma forma de poupanga, que e utilizada nos moments ma-

is critics, principalmente quando se trata de problems ligados

a saude de algum membro do agregado familiar.

A forma de criagao extensive, significa para o
produtor rural uma diminuigao na quantidade de forga de trabalho
a disposiqao da atividade, bem como, uma redugao na alimbntagao

dos referidos animals.

A forga de trabalho empregada na criagao de aves
e, geralmente do adulto feminine, que utiliza na alimentagao o
milho, mandioca e frutas.

A criagao de suinos e tambem uma atividade consi-
derada bastante relevant junto dos produtores pesquisados, embo-

ra, em menor frequencia que a criagao de aves.










O sistema de criagao,na maioria dos casos,e ex-

tensivo em fungao da limitagao da mao-de-obra, alimentagao e ate

mesmo a falta de agua para manter os animals em cativeiro em al-

gumas das propriedades.

Por outro lado, as ragas nao definidas dos suinos,
inviabiliza investimentos maiores para a referida criagao, dado

que, como as aves, os suinos sao rusticos e sao utilizados para

suprir necessidades nutricionais da familiar, venda do excedente e,

principalmente, utilizagao da banha para substituir os oleos ve-

getais, embora corn certa restrigao por parte de alguns produ-
tores.

A forga de trabalho utilizada para a criagao de
suinos e composta por todo o agregado familiar, com predominancia

do adulto feminine e criangas, que utilizam mandioca, milho e
frutas para alimentagao dos mesmos.

A criagao de caprinos e ovinos, como foi consta-
tado, ainda esta em fase embrionaria, .e poucos produtores de-
senvolvem essa atividade, embora. ela venha a representar

uma nova alternative..

Ja axistem trabalhos preliminares re-
alizados pela UEPAE/Rio Branco com vistas a criagao racional

desses animals, adaptados as condigoes da regiao.

A criagao de.suinos e.caprinos destina-se ao consume da
unidade familiar, em fungao da pequena quantidade ora existence,

nao se constatando portanto, a venda para o mercado consumidor.

A alimentagao desses animals e realizada
com subprodutos da propriedade e pastagens nativas,ou plantadas
para tal finalidade.

Os poucos colonos visitados que possuem agudes em suas

propriedades e criam peixes geralmente os utilizam no










consume familiar sendo que, raramente, aos peixes sao dispensados cuidados

com alimentagao,na qual se usa produtos e sub-produtos da propri-

edade.


3.4.2.2 Grandes animals

Os produtores entrevistados que desenvolvem ati-

vidades de criagao de bovinos podem ser divididos basicamente em

tres grupos.

No primeiro, encontram-se produtores com limita-

goes no tocante a recursos financeiros, mao-de-obra e credit,

bem como, baixo nivel de conhecimentos na criagao de bovinos.

A quantidade de animals por propriedade no citado

grupo e pequena, variando de 2 a 5 animals de ragas mistas, sem

padrao racial definido, compreendendo cruzamentos de Gir, Holan-

des e Nelore, ocupando areas de pastagens entire 2 a 5 ha, planta-

das e nativas.

Como so pode observer, a criagao de gado bovino

realizada pelos citados produtores represent uma forma de ocu-

par as areas antes plantadas com cultures de subsistencia, para

fornecimento de protein animal, e principalmente, servir como
"poupanqa" para necessidades eventuais.

Grande part dos produtores aqui considerados

costuma vender sua forqa de trabalho para vizinhos, como forma

de aumentar suas rendas e fazer face aos gastos com materials de

construgao de cercas e, mesmo, para aquisigao de animals.

No segundo grupo estao os produtores com maior

mao-de-obra disponivel, caracterizados por families maiores, com

various filhos homes e adults na propriedade. Estas families

possuem um melhor nivel educational e tem acesso occasional a pro-

gramas de credit do governor e juros subsidiados. Geralmente, di-










versos membros da familiar vendem sua forga de trabalho em ope-
ragoes de broca e derrubada da floresta para produtores vizinhos.

Esta renda extra permit former areas mais extensas de :pastagens
e adquirir maior numero-.de animals com padrao racial ligeiramente
superior ao do grupo anterior.

0 rebanho, geralmente, conta com 6 a 20 animals e
a area de pastagens ocupa de 6 a 15 ha. Este grupo nao possui
6 animals de montaria (equinos e muares), em fungao do elevado cus-

to de aquisigao e da pouca disponibilidade destes animals na re-
giao. Vale ressaltar que alguns destes produtores possuem currais
rudimentares.

0 terceiro grupo compreende produtores que tem ou
pretendem ter a bovinocultura como principal atividade .a ser
desenvolvida na propriedade. Geralmente sao families provenientes
do sudeste do Brasil, com boa disponibilidade de recursos finan-
ceiros (resultado da venda da propriedade no local de origem),
mao-de-obra e nivel educational medio. Suas areas, geralmente, sao
mais extensas em fungao da aquisigIo de propriedades vizinhas. Es-

tes produtores utilizam credit ocasionalmente e contratam mao-de-
-obra para as operagoes de broca e derrubada da floresta. 0 reba-
nho pode ser leiteiro (Girolanda) ou de corte (Nelore) e conta
com mais de 20 cabegas,com area de pastagem variando de 16 a 40

ha. Geralmente possuem animals de montaria (equinos e muares) e
infraestrutura de manejo dos animals (curral).

Grande parte dos colonos entrevistados podem ser
incluidos no primeiro e segundo grupos, sendo que apenas um pe-
queno numerosde produtores podem ser incluidos no terceiro grupo.


3.4.2.3 Manejo animal

No primeiro e segundo grupos nao ha divisao do
rebanho em diferentes categories animais,em fungao da inexisten-










cia de divisao de pastagens .e dos limitados conhecimentos destes

produtores sobre a criagao de bovinos. Portanto, verifica-se a

ocorrencia de bezerros com idade acina de 8 meses ainda em ama-

mentagao, prejudicando as matrizes e resultando num maior inter-

valo entire os parts. Tambem verifica-se a ocorrencia de touros

cobrindo matrizes de sua descendencia, o que result na degene-
ragao do rebanho. No terceiro grupo, o manejo animal e mais ade-

quado em fungao de maior disponibilidade de pastagens divididas e

dos melhores conhecimentos tecnicos dos produtores.


3.4.2.4 Sanidade Animal

No primeiro grupo de produtores, as praticas de

vermifugagao, control de carrapato e vacinagao contra febre af-

tosa e brucelose bem como o fornecimetno de sal mineral pratica-

mente inexiste, sendo que alguns fornecem sal branco ocasional-

mente.

No segundo grupo,a vermifugagao e vacinagao do

rebanho ocorre ocasionalmente e com maior intensidade no period

chuvoso. Com frequencia os produtores fornecem sal branco ou sal

mineral ao rebanho.

No terceiro grupo, com raras excegoes, a vermifu-

gagao, vacinagao e o fornecimento de sal mineral sao praticas

sistematicas.

Tanto no segundo como no terceiro grupos, as for-

mas minerals, as quantidades e as formas de administragao da mi-

neragao nao sao as mais adequadas. Frequentemente, a vermifigagao

e efetuada com produtos e dosagens a intervals inadequados, o

que result em perdas significativas.

Em pastagens de Brachiaria decumbens verifica-se

a ocorrencia de intoxicagao de bezerro (especialmente durante a










estagao chuvosa), cujo sintoma caracteristico e a diarreia.


3.4.2.5 Pastagens

As pastagens sao formadas cor gramineas introduzi-
das, com predominancia do gentro Brachiaria (B. decumbens e B.
brisantha). Em menor escala ocorrem pastagens de jaragua (Hypar-
rhenia rufa) e pastagens nativas que consistem em uma mistura de
gramineas do genero Paspalum e leguminosas dos generos Desmodium,
Centrosema, Aeschynomene, Calopogonium e Zornia.



A mudanga do ecossistema diversificado da floresta
tropical umida para o ecossistema homogeneo das pastagens culti-
vadas cria condigoes que favorecem a propagagao de organismos
bacteriaa, nematodeos, fungos e insetos) existentes na floresta
em condigoes de equilibrio,que se transformam em doengas e pragas

das pastagens.

A ocorrencia de cigarrinhas-das-pastagens (Deois
incomplete e Deois flavopicta) nas pastagens de B. decumbens (que
predominam nestas areas) constitui um serio fator limitante a
produtividade e a persistencia das pastagens. Este fato, associa-
do a implantagao e ao manejo inadequado (superpas-
tejo),tem resultado na degradaoao do .solo e das pastagens. Como
consequencia, apos 2 a 3 anos de implantagao, ha um
aumento gradual de plants invasoras, caracterizando uma tenden-
cia a regeneragao da vegetagao native, mais adaptada as condigoes
de baixa fertilidade do solo. Isto reduz a capacidade de suporte
e onera o process de manutengao devido a maior mao-
-de-obra utilizada no control das plants invasoras. Alguns pro-

dutores incluidos no segundo e terceiro grupos utilizam o herbi-
cida Tordon (2-4-D) no control de invasoras. A epoca de aplica-
gao do produto, no period chuvoso, reduz a eficacia deste metodo










de control.

Os produtores estao substituindo as pastagens de
B. decumbens formando novas areas cor a B. brizantha,

considerada como resistente a cigarrinha-das-pastagens.

A maiorias dos criadores de bovinos de todos os
tries grupos desconhece a utilizagao de leguminosas como forrageiras

e o potential das leguminosas nativas.



3.5 Floresta

As areas visitadas encontram-se em regioes anteriormente

ocupadas por seringais. Com o advento da colonizagao official foi

registrada uma redugao consideravel da produgao de borracha e

castanha naquelas areas, principalmente em decorrencia da divisao

das estradas de seringueiras entire as parcelas demarcadas, pro-

vocando decrescimos consideraveis na receita do seringueiro.

Grande parte dos antigos seringueiros abandonou as colocagoes e

dirigiu-se para outros seringais localizados na Amazonia. Uma ra-

zcavel parcela destes seringueiros deixou a exploragao da borra-

cha e passou a ocupar parcelas dos projetos de colonizagao.

Apesar disso, a floresta continue sendo uma potential
fonte de recursos para uma parte dos habitantes da area. No en-

tanto, pode-se verificar, atualmente, que grande parte dos colo-

nos tao realize extrativismo. Dentre os produtos florestais mais

uti. ados nas atividades extrativistas pode-se citar madeira,

bor-'.,ha e castanha, alem de outros recursos que tambem sao reti-

rads .da floresta, porem em uma escala menor, tais como caga,

pesc-. frutas silvestres e plants medicinais.


3.5.1 Madeira


A exploragao de madeira e uma


:atividade- mui to










questionada no Estado do Acre, tanto pelas leis florestais que

regulamentam a exploragao, como pelo custo da retirada da madeira

e tambem o baixo prego pago pelos comerciantes aos proprietarios

e, ate mesmo, pela defesa dos ecologistas na preservagao da flo-
resta Amazonica.

Todos os produtores entrevistados utilizam a ma-

deira para construgoes rurais (residencias, cerca, paiois, currais

e outros). No projeto Humaita, a maioria dos parceleiros en-

trevistados obtem madeira serrada da serraria da COLONACRE, em

troca de varias arvores para uma pequena quantidade de madeira

beneficiada. Alguns proprietarios cortam a madeira, com o auxilio

de motosserra para seu uso proprio e, em raras vezes para venda.

Grande parte dos produtores utilizam a madeira diretamente como

-.-- combustivel e poucos a exploram para produgao de carvao;

Vale ressaltar que a maioria dos agricultores en-

trevistados, corta e queima a floresta quando da limpeza da

area para a implantagao de suas lavouras. No sistema do cultivo

itinerante, observa-se que esta pratica contribui, ainda mais, pa-

ra a redugao da floresta primaria em cada propriedade. Dentre as
vantagens, alguns produtores demonstraram a preocupagao com o des-

matamento de acima de 50% de sua propriedade e expressaram que a

floresta, em parte, deve ser preservada para o future. E impor-

tante mencionar que foi encontrado somente um proprietario que

plant species florestais em sua propriedade.


3.5.2 Borracha

A prodhgao de borracha ainda continue sendo uma

razoavel fonte de renda para alguns produtores, desde que tenham

experiencia em tal atividade. Observou-se que alguns dos colonos,

mesmo contando com um razoavel numero de seringueiras em sua pro-

priedade, nao realizam a exploragao do latex, por -desconhecerem









as tecnicas (muitas vezes por falta de tradicao na regiao de ori-

gem), ou por falta de mao-de-obra. Constatou-se que, dentre es-

tas pessoas, algumas utilizam exploragao de seringueiras atraves

do sistema de meieiro. Varios nao tem interesse por tal atividade.

A mao-de-obra utilizada para exploragao do latex acentua-se nos

meses de abril a julho devido a epoca seca na regiao, decres-

cendo a partir de agosto ate novembro. Com a introdugao do novo

metodo de coagulagao do latex, sem a utilizagao do process de

defumagaohouve a racionalizagao de mao-de-obra.


3.5.3 Castanha-do-Brasil

A castanheira e uma arvore que esta present em

quase todas as parcelas visitadas. Os frutos sao destinados ac

proprio consume e para o mercado. Vale ressaltar que alguns pro-

dutores, que t6m experiencia na coleta da castanha realizam esta

atividade. Aqueles que nao conhecem a pratica utilizam o sistema

de meieiro ou, ate mesmo, nao aproveitam o produto, facilitando

que estranhos invadam a area para coletar. A coleta da castanha

esta concentrada nos meses de janeiro e fevereiro.


3.5.4 -Caga, pesca, frutas silvestre, plants medicinais


As praticas de caga, pesca, coleta de frutas sil-

vestres e plants medicinais sao exercidas .por poucas pessoas, dentre

as entrevistadas. A caga destina-se a obtengao de carnes para

consume da familiar, send que para alguns parceleiros constituiu-

-se em atividade de lazer.

Alguns produtores entrevistados,que dispoem de

igarapes na propriedade ou em areas proximas a floresta, realizam

a pesca pelo menos uma vez por ano. Este produto tambem e desti-

nado so consume familiar. Poucos colonos utilizam os frutos sil-

vestres como complement da dieta familiar. Dentre eles, os mais









comuns sao agal, patoa, buriti e coco auricuri. Em relagao as

plants medicinais,poucas pessoas utilizam recursos da floresta. E

important frisar que os frutos silvestres e plants medicinais
sao coletadas, geralmente, por produtores acreanos.


3.5.5 Calendario

De acordo com as atividades relatadas pelos produtores

visitados,foi possivel construir um calendario agricola, como e

mostrado na figure 1. (ANEXO)




3.6 Economia


3.6.1 Aspectos economics gerais: renda e emprego

Em terms economics, as propriedades dos colonos sao de-

finidas como unidades produtivas onde os produtores desenvolvem

atividades que constituem o seu meio de vida. Para tanto,entraeem

consideragao diferentes fatores tais como a forga de trabalho, uso

de insumos, de capital, que caracterizam o universe produtivo.

No entanto, as diferentes atividades desenvolvidas (ser-

vigos) e os resultados obtidos (produtos agropecuarioq beneficia-

dos ou nao), mesmo tendo significado economic nao sao expresses,

necessariamnente, em terms monetarios, ou melhor, nao dao origem

a renda em dinheiro. Isto se deve a importancia do cunsumo na

propria unidade produtiva.

Neste sentido, a propriedade rural represent uma fonte

de emprego e de obtengao de renda. 0 fato desta ultima nao ser

contabilizada exclusivamente em dinheiro, nao impede que seja

classificada como renda e de ter significado economic no process

de produgao e reprodugao socio-economica.

As atividades sao desenvolvidas pelo grupo familiar pre-









ponderantemente, sendo que, em alguns casos, se recorre ao tra-

balho assalariado, pelo menos para certos tipos de servigos. E o

proprio nucleo familiar, atraves da estrutura de relagoes de hie-

rarquia (esposo, esposa, filhos), que mantem o sustento de todos.

Isto nao significa, obviamente, que o nivel do sustento seja ade-

quado ou respond a um minimo satisfatorio.

0 nivel adequado do sustento vai defender da quantidade

da mao-de-obra, do grau de capitalizagao, da eficiencia e efica-

cia destes fatores a disposigao da propriedade, no esforqo de

produzir para o auto-consumo ou para a venda no mercado.

Nesse process, as diferentes atividades, bem como os

produtos obtidos, contribuem para a manutengao do grupo fami-

liar.

Vale frisar, finalmente, que a propriedade do colono, de

modo geral, constitui-se, tambem, em um patrimonio que, para al-

guns produtores, esta sujeito a venda ou hipoteca para fins de
credit.


3.6.2 Comercializagao

A comercializagao constitui-se em uma etapa decisive da

atividade do colono porque e atraves dela que os mesmos se apro-

priam, em maior ou menor media, dos produtos obtidos ou dos ex-

cedentes gerados.

Os colonos se vinculam com o mercado pela venda de seus

produtos e subprodutos agricolas, pecuarios, extrativos e pela

compra de mantimentos, utensilios, insumos e combustivel.

Ainda e comum a ligagao com o mercado atraves do atra-

vessador ou narreteiro. Entretanto, existem alguns colonos que

comercialinuJ seus produtos diretamente, sob o sistema de associ-

ag.o de produtores. Outros o fazem diretamente em veiculos aluga-










dos ou, inclusive, em veiculos proprios.


3.6.3 Transporte

O transport e um dos fatores mais impcrtantes na reali-

zagao da produgao dos colonos da regiao. Os dois projetos de co-

lonizagao sao servidos por rodovias estaduais e federal, send

que o Humaita esta localizado as margens da AC-10, Rio Branco-

-Porto Acre, (que ja se encontra asfaltada), embora existam tre-

chos que requerem manutengao devido a erosao e ao uso, ja o pro-

jeto Pedro Peixoto esta localizado as margens da BR-364, Rio

Branco-Porto Velho, que ainda nao esta asfaltada. Em tempo de

chuvas a trafegabilidade torna-se dificil.

Os ramais dos projetos oferecem, geralmente, pessimas

condigoes na epoca de chuvas e, em alguns casos, na estiagem.

A importancia das estradas reside no fato delas permiti-

rem o acesso ao mercado e aos servigos publicos, especialmente

aos servigos de extensao e assistencia tecnica.

Algumas families dispoem de animals de servings, bem co-

mo carroga para transportes de insumos e produtos ate o ramal ou,

ainda, ate a estrada principal. Os produtores vendem seus pro-

dutos a marreteiros e atravessadores e, em alguns casos, direta-

mente aos consumidores, nas feiras livres.

Existe um sistema de transport particular, com onibus,

em alguns ramais dos projetos. Ha tambem caminhoes e pick-up pa-

ra transport de produtos. Alguns colonos usam o service de ca-

minhoes da SDA (Secretaria de Desenvolvimento Agrario), que cobra

Cz$ 40,00/knm rodado. 0 custo do transport represent um gasto

significativo no orgamento familiar.


3.6.4 Armazenamento

Observou-se dois tipos de armazenamento nas areas visitadas(.
!









0 primeiro e relative 'a parte de produtos que a familiar

hsa para a sua alimentagao e para utilizar como semente para a

safra seguinte. A maioria armazena. os seus produtos em latas

("tambcres"). Neste caso nao ha muitos problems de incidr.cia de

pragas e doengas.

O segundo caso e o armazenamento do excedente que vai pa-

ra o mercado. Neste caso, os produtos sao guardados em "paiois"

e logo ensacados.

Em ambos os casos, os produtos estao sujeitos ataque de

insetos e outros animals. Porem,a maior incidencia ocorre no se-

gundo caso, onde grande parte do produto se perde antes da Venda.

No projeto Humaita, os produtores podem utilizar-se do

armazem'da CAGEACRE, localizado na sede do Projeto. Porem a uti-

lizagao e pouca. por parte dos produtores, devido aos problems

gerais do armazenamento, obrigando os produtores a vender os seus

produtos tao rapid quanto possivel, nao podendo aproveitar as

flutuagoes de pregos no mercado.



3.7 Servigos de Apoio


3.7.1 Credito Rural

A maioria dos proprietarios visitados nos dois

projetos nao utiliza o credit rural, embora consider o mes-

mo como um dos fatores limitantes para realizagao de suas produ-

goes.

A razao dessa nao utilizagao, prende-se ao fato

do custo do dinheiro ser elevado, tanto na rede bancaria official

como na particular, que praticamente, inviabiliza a produgao agri-

cola com o uso do referido mecanismo. Assim sendo, o credit ora

existente, sem uma diferenciagao para o setor rural, principalmen-

te para o pequeno produtor, nao permit, que a renda gerada na









atividade agricola possa fazer face aos juros e corregao mone-

taria, cobrados pelo mesmo.

A experiencia frustrada vivenciada por um grande

numero de produtores que utilizaram credit rural nos ultimos

anos, tambem vem contribuindo para que haja restrigoes ao mesmo,

principalmente pelo medo que eles tem de perder suas propriedades.

A pequena quantidade detectada de produtores que

fazem ou fizeram uso do credit rural, o faz para atividades

ligadas a aquisigao de motosserras, animals (geralmente bovinos)

e formagao de pastagens. Porem, os colonos tiveram, ou estao ten-

do dificuldades para quitar seus debitos junto a rede bancaria,

principalmente os que contrairam emprestimos no period do piano

cruzado.

Mesmo assim, foi patente que se o credit fosse

subsidiado para os pequenos produtores, seria uma alternative pa-

ra a solugao de grande parte de seus problems, uma vez que o nivel

de capitalizagao dos mesmos, geralmente, e baixissimo, o que tor-

na muito dificil a expansao de suas atividades.

Nas areas de estudo, alem de questoes ligadas ao

credito direto com a rede bancaria, constatou-se, tambem, a exis-

tencia de um numero razoavel de produtores que fizeram propostas

para o Programa de Credito Especial para Reforma Agraria-PROCERA,

via MIRAD-BASA, para aquisigao de gado de leite e animal de trabalbo, de

arame para cercas, de material para construgao e/ou reform de

habitagao e, ainda, para a construgac de agudes. Constatou-se,
ainda, que alguns produtores fizeram proposta para o Programa de

Microempresa Social da Legiao Brasileira de Assistencia-LBA, para

desenvolver atividades ligadas a produgao agricola e criagao de

pequenos animals.

Vale ressaltar que do total de produtores que fi-

zeram propostas tanto para o PROCERA como para a LBA, rarcs sao os










que ja receberam o dinheiro correspondent, o que vem causando

um certo descredito por parte dos mesmos, quanto a consisten -

cia de ambos os programs.



3.7.2 Assistencia T6cnica

Dentre os servigos prestados pelo Estado'as

areas em estudo, um dos que chegou a apresentar algumas infor-

magoes conflitantes foi a assistencia t6cnica realizada pelo

service de extensao rural, em fungao da visao do produtor quan-

to a sua finalidade, eeficiencia. Assim sendo, um numero con-

sideravel de produtores, em ambosos projetos, chegou a afirmar

que nao sao-beneficiados pela assistencia tecnica e outros che-

garam a critical a forma como ela vem sendo realizada.

Mesmo assim, ficou claro que apesar das limi -

taqoes evidentes para tender a content todos os produtores ,

poucos deles nao foram beneficiados direta ou indiretamente pe-

la Assistencia Tecnica e Extensao Rural, uma vez que, a quali -

dade das sementes utilizadas, as propostas de financiamento (

PROCERA e LBA) e a organizacao de produtores sao trabalhos de -

sempenhados pela empresa.

Na realidade, o que se percebe e que existe um

certo descompasso entire a forma de organizagao da producao nas

referidas areas e o tipo de servigo oferecido pelo 6rgao res-

ponsavel tanto na qualidade como na eficiencia.

Outro fato que foi constatado quando das entre-

vistas e que, devido as dificuldades enfrentadas pelos produto-

res, a Assistencia Tecnica represent, para eles, a solucao de

grande parte de-seus problems, quando na realidade, ela e apenas um dos
componentes necessarios para tanto.
Finalmente, constatou-se que nas duas areas em









estudo, existem escritorios da EMATER-AC, empresa responsavel pe-

la assistencia tecnica e extensao rural no Estado.




3.8 Modelo simplificado do sistema do pequeno produtor

Constatada a.realidade do pequeno produtor, na area dos

projetos Humaita e Pedro Peixoto, procedeu-se'a montagem do mode-

lo simplificado do sistema socio-economico que e mostrado na fi-

gura 2. (ANEXO)




3.9 -FATORES LIMITANTES


Os fatores limitantes aqui listados sao, na realidade, os

problems que mais afligem os proprietarios visitados durante o

sondeio nos projetos Humaita e Pedro Peixoto. Eles podem ser agru-

pados em quatro tipos: economics, socials, naturals e institu-

cionais e/ou politicos que se interrelacionam, conforme mostra a

figure 3. (ANEXO)


3.9.1 Fatores Naturals

3.9.1.1-Agua

Foi constatado que grande parte das families tem

dificil acesso a agua no period de verao na regiao, pois suas

fontes (pogo, vertente, igarapes, etc) escasseiam.

Este fator e resultanteiido mal planejamento quan-

do da divisao dos lotes, nao considerando a rede hidrografica

existente.

A deficiencia de agua no verao periodo "seco")

faz cor que o tempo e a distancia para sua coleta aumente, inter-

ferindo na dispcnibilidade de mao-de-obra, tendo em vista as suas









necessidades em relagao ao consume familiar e ao animal e sua uti-

lizagao em algumas cultures.


3.9.1.2 -Pragas e doengas

Muito embora o tipo de pesquisa, bem como o seu
universe, nao permit uma identificagao mais precisa quanto

aos tipos de pragas e doengas encontrados nas areas em estudo,

ficou evidenciado o ataque de "vaquinha" (Cerotoma sp e Diabroti-

ca speciosa) e "mela" ou "murcha da teia de micelia" tambem co-

nhecido por queima, no feijao (Phaseolus vulgaris); percevejo

grande do arroz (Tibraca limbativentais) e percevejo sugador (De-

bollus sp) no arroz; no armazenamento, o arroz sofre ataque de

"borboleta" (Sitrotopa cereallela) e o gorgulho (Sitophilus ori-

zae); no milho foi.constatado ataque apenas quando do armazena-

mento em "paiol", atraves do "gorgulho" (S. oryzae), e (S.

cerealela).

Nas pastagens, foi constatado a presenga da "ci-
garrinha das pastagens" (Deois incomplete) e (Deois flavopicta),

principalmente nas formadas por B. decumbens.

Foi constatado tambem, um tipo de doenga que
ataca as aves, chegando a dizimar, em certos casos, acima de 80%
do plantel.

Ha poucos casos em que existe a utilizagao de
insumos para o combat e control, principalmente dos insetos,

tanto por falta de recursos financeiros como por ausencia de as-

sistencia tecnica.



3.9.2 Fatores Institucionais e/ou politicos


3.9.2.1 -Assistencia Tecnica

Em algumas entrevistas ficou evidenciado que a





41



extensao rural, embor& existindo nas areas de abrangencia dos

projetos de colonizagao, e deficiente tanto em numero de tecnicos,

como pela qualidade dos servings colocados a disposigao dos pro-

dutores. Comn isso, grande numero de parceleiros que desejam ter

acesso as novas tecnologias, fice alijado do process.


3.9.2.2 Sementes

A oferta de sementes selecionadas pelos orgaos

responsaveis nao atende as necessidades do produtor, que pela nao

producao dessas sementes no Estado, como e o caso do feijao,

quer pela inexistencia de variadades mais adaptadas a regiao,

como e o caso do milho e arroz.

Dessa forma, a maioria dos produtores nao tem

preocupacao corrente de substituir as suas sementes por outras de

melhor qualidade, preferindo guardar graos de safras .anteriores

para novas plantagoes, o que result em baixa produtividade. Ou-

tros adcuirem "sementes" de vizinhos e, posteriormente, sac, iden-

tificadas como de menor qualidade, o que tambem prejudice a safra.



3.9.3 -Fatores Sociais


3.9.3.1 Mao-de-obra

A forga de trabalho utilizada para realizagao da

producao, nas propriedades visitadas, geralmente e a familiar, o

que acarreta limitagao na expansao ou diversificagao das ativida-

des desenvolvidas.

A mao-de-obra como fator limitante determine a

extensao das atividades da propriedade e da produtividade (desde

a derrubada a colheita, criagao, uso da floresta).

Em alguns casos:e utilizado o sistema de mao-de-

-obra er mutiroes e adjuntos, porem, em geral, a falta de habits









comunitarios, faz com que o mutirao nao seja bem aceito e, no ca-

so do adjunto, a nao disponibilidade de troca em epoca de maior

necessidade.


3.9.3.2 Saude

Algumas das families visitadas informaram que

alguns de seus membros ja tinham sido aoometidos pela malaria, o que

veio a reduzir drasticamente a mao-de-obra da unidade produtiva.

Por outro lado, houve informagoes que ainda e

grande a incidencia de malaria, em areas que nao foram abrangidas

pelo sondeio, porem, pertencentes aos projetos de colonizagao.

Alguns postos de saude nas areas visitadas, na

maioria das vezes, encontram-se fechados e, em outros, o atendi-

mento nao e satisfatorio. Com isso ha perda de tempo para em lo-

comogao para outros postos, obrigando-os a ir a sede do projeto

ou a Rio Branco.


3.9.3.3 -Educagao

Em alguns ramais das areas visitadas, consta-

tou-se a falta de escolas pr6ximas as propriedades, bem como, a

ausencia de professors em sala de aula.

Alem dos problems citados, outro que tambem foi

constatado diz respeito a falta de continuidade do ensino ate a

89 series, provocando uma said dos filhos para a zona urbana, di-

minuindo a forga de trabalho na unidade produtiva.

Vale ressaltar que a educagao ministrada para a

zona rural nao leva em consideragao a forma de organizagao da

produgao dos pequenos produtores.

3.9.3.4 Estrutura Social

A incipiente forma de organizagao de -produtores









e mesmo a ausencia de associagoes em determinados ramais, tem con-

tribuido como fator limitante para a produgao, uma vez que alguns

colonos compreendem que atraves dessas organizagoes, ::-'problemas

como aquisigao de ferramentas, transport e uso de maquinas e

equipamentos poderiam ser resolvidos.

Embora exista clareza por parte da maioria dos

produtores quanto aos entraves causados:pela falta de organizagao

dos mesmos, outros acham que, em fungao das diversas origens dos

produtores dos projetos de colonizagao, e impossivel a consolida-

gao das associagoes que venham a ser formadas.


3.9.4 -Fatores Economicos


3.9.4.1 Falta de recursos proprios

As families de colonos que vieram descapitaliza-

das para os projetos de coloniza9ao sentem dificuldades em aumen-

tar suas atividades economics, por falta de recursos proprios e,

consequentemente, de obtengao de novos recursos, dificultando a

contratagao de mao-de-obra, aquisigao de ferramentas, insumos e

animals.


3.9.*4.2- Credito

Ha various casos de colonos que ja utilizaram o

sistema de credit, sendo,que parte deles,hoje,tem receio.de uti-

liza-lo devido as condigoes de pagamento que muitas vezes nao Ihes

sao explicitadas, e ao elevado custo do dinheiro.

Percebe-se que os colonos tem pretensao de ex-

pandir suas atividades mas que esbarram na falta de oferta de fi-

nanciamento compativel com suas condigoes.


3.9.4.3 -Armazenamento


As condigoes precarias existentes no acondiciona-









mento de graos em paiois,pelos colonos, confirmam os problems por

eles identificados, existindo, portanto, a incidencia de insetos

no milho, feijao e arroz, alem da presenga de roedores.


3.9.4.4 -Comercializagao

A comercializagao represent para os .produtores

dos projetos de colonizagao. um dos pontos de estrangulamento em

fungao de que, o resultado da produgao ge-
ralmente e adquirido pelo marreteiro e/ou intermediario, figures

consideradas como um "mal necessario" dentro da estrutura da pe-

quena produgao.

A falta de uma estrutura para escoamento e ar-

nazenamento forga o produtor a procurar compradores proximos a

sua propriedade, podendo ser a CAGEACRE e/ou marreteiros. Por ou-

tro lado, existed produtores que levam seus produtos para seem

vendidos a atravessadores ou diretamente nas feiras livres.


3.9.4.5 Transporte

Na grande maioria das colonias constatou-se pro-

blemas de transportes que se evidenciam em dois niveis: em primei-

ro lugar o acesso aos ramais no period chuvoso e, em segundo a

dificuldade e/ou as condigoes de locomogao (prego e disponibili-

dade).

Esta nao trafegabilidade nos ramais durante o

inverno periodo chuvoso) e resultado tambem do fato de ter sido

ignorada a topografia da regiao, quando do tragado da rede rodo-

viaria a qual deveria seguir as curvas de nivel.




3.10 Pretensocs dcs pequenos proprietarios

As pretersoes detectadas junto aos produtores durante o









do manter a sua forma de vida, sua renda de origem florestal, oou

ate mesmo para uso em moments critics, atraves da venda de ma-

deira de lei.


Dentre outras pretensoes colocadas pelos entrevistados as

mais relevantes sao:

.Implantagao de eletrificagao rural;

.implantagao de escolas de 12 grau que atendam ate a 8!

series;

.implantagao e/ou efetivagao de associagao de produto-

res;

.implantagao de serraria e beneficiadora de graos;

.produgao de mudas diversas;

.construgao de armazens;

.implantagao de hortas;

.melhoria das condigoes de moradia e

.implantagao de apiario.


3.11 Conclusoes

Os problems dos colonos dizem respeito a um conjunto de

questoes estreitamente ligadas e interdependentes cujas solugoes,

para serem efetivas, exigem agoes integradas e complementares dos

diversos agents socio-econSmicos envolvidos poder public a ni-

vel federal a estadual, atraves de diferentes estruturas institu-

cionais e.os proprios produtores rurais.

Como muitos dos problems apontados sao de ordem estru-

tural, as agoes do poder public sao condigoes necessarias para

a superacao da referida problematic. Cita-se, a seguir, alguns

pcntos importantes:

SNo que tange a questao dos recursos naturais, consta-









do manter a sua forma de vida, sua renda de origem florestal, oou

ate mesmo para uso em moments critics, atraves da venda de ma-

deira de lei.


Dentre outras pretensoes colocadas pelos entrevistados as

mais relevantes sao:

.Implantagao de eletrificacao rural;

.implantagao de escolas de 12 grau que atendam ate a 82

series;

.implantagao e/ou efetivagao de associagao de produto-

res;

.implantagao de serraria e beneficiadora de graos;

.produgao de mudas diversas;

.construgao de armazens;

.implantacao de hortas;

.melhoria das condigoes de moradia e

.implantagao de apiario.




3.11 Conclusoes

Os probl'emas dos colonos dizem respeito a um conjunto de

questoes estreitamente ligadas e interdependentes cujas solucoes,

para serem efetivas, exigem agoes integradas e complementares dos

diversos agents socio-economicos envolvidos poder public a ni-

vel federal a estadual, atraves de diferentes estruturas institu-

cionais e.os proprios produtores rurais.

Como muitos dos problems apontados sao de ordem estru-

tural, as agoes do poder public sao condigoes necessarias para

a superagao da referida problematic. Cita-se, a seguir, alguns

pontos importantes:

No que tange a questao dos recursos naturais, consta-










ta-se, em muitos casos, ur desconhecimento do potential destes re-

cursos e de seu manejo inadequado. Do mesmo modo, os sis-

temas agropecuarios desenvolvidos nao sao compativeis, sobretudo

a medio e a long prazo, com as caracteristicas do solo;

os projetos de colonizagao, quando foram implantados,

tambem nao levaram em consideragao a disponibilidade de agua em

cada propriedade;

os produtores nem sempre dispoem,no mercado ou nos or-

gaos de fomento, dosinsumos necessarios tais como as sementes;

Sos servigos de assistencia tencica realizados pela ex-

tensao rural, mesmo presents em muitas areas, sao insuficientes

no atendimetno aos produtores;

So inadequado estado de manutengao do sistema viario

vicinal significa condicoes precarias de trafegabilidade, especi-

almente na epoca das chuvas. Isto incide negativamente na fluidez

das atividades socio-economicas, tais como transport de produtos

e passageiros e acesso aos services do governor;

o transport, em veiculos nem sempre adequados, e c

armazenamento precario provocam grandes perdas;

o sistema de comercializacao represent, ainda, uma

cadeia de intermediagao que distancia o produtor do mercado con-

sumidor. Assim, os precos do mercado nao repercutem, em sua to-

talidade. sobre a renda dos colonos;

So credit rural, sobretudo da rede particular, nem

sempre oferece condicoes aceitaveis, racionalmente,para os peque-

nos produtores. Assim sendo, o credit, como instrument de de-

senvolvimento, nao tem contribuido para c aumento da producac.

Restam as agoes crediticias do governor, no PROCERA e LBA que. mes-

mo vantajosas, ocasionam temor ou relutancia;

os servings de saude rural sao precarios, sobretudo pe-









la falta de agents especializados, equipamentos e medicamentos.

a oferta educacional, apesar do esforco ja empreendido,

continue sendo um problema nos projetos de colonizacao.













I' Nil;E T ?O()


,>I ,(;MpN; 'O









4. SEGMENT SERINGUEIROS


4.1 Caracterizagao da Colocagao (unidade produtiva)

A unidade produtiva de referencia no seringal, colocagao ,

diverge inteiramente da unidade padronizada nos projetos de assen-

tamento vigentes no Estado; ela provem de outra forma de organiza-

gao de produgao, onde nao se leva em conta a area ocupada e sim o

numero de estradas de seringa por colocagao; o tamanho das estra-

das, por sua vez, varia muito, dai a dificuldade em se precisar o

valor medio, em hectares, da area ocupada por uma colocagao (que,

em media, possui tries estradas de seringa).


4.2 Sistemas Produtivos


4.2.1 Atividades Extrativistas


4.2.1.1 Borracha

Periodo de exploragao As atividades

de sangria, coleta do latex e fabric da borracha compreendem uma

jornada _d_e_trabalho entire nove a dez horas/dia, no intervalo de

05:00 as 15:00 horas, iniciando-se estas agoes em abril e prolon-

gando-se ate dezembro, havendo casos em que este tempo se reduz

aos meses de abril a agosto.

O numero de seringueiras (Hevea brasi-

liensis), por estrada, esta em torno de 110 a 200 arvores sendo a

media de tries estradas por "colocagao", com produgao variando de

30 a 70 quilogramas por semana. A pratica de limpeza ou rocagem

das estradas e realizada anualmente durante o mes de margo.

Tecnologia de corte e processamento do

latex As seringueiras na sua quase totalidade apresentam defor-

magao (necrosidade) e ataque de microorganisms diversos, a altura

normal de corte. Vale salientar que a deformagao do panel









ocorre devido 'a exploragao prolongada e excessive da madeira; a

rotagao frequent de seringueiros nas colocagoes e a falta de ma-

nejo adequado na sangria. Dessa forma, os seringueiros mudam o

sistema de sangria, passando a explorer o sistema de corte ascen-

dente, usando o pe-de-burro, muta ou pontao. Em consequencia, sur-

ge o problema de baixa produtividade e implica num maior gasto de

tempo na exploragao do latex.

Observa-se a adogao de duas formas de

processamento de coagulagao da borracha:

Coagulagao natural ou espontanea 0

latex e coletado no dia da exploragao e colocado em deposit de

madeira (cocho), que recebe a produgao dos dias de corte da se-

mana. Com este process a borracha coagulada e transformada em

pranchas que embora apresentando um alto teor de umidade e co-

mercializada imediatamente.

Coagulagao estimulada Neste process

sao utilizadas duas formas de estimulagao:

.Estimulagao com substancia vegetal -

0 latex e coletado no mesmo dia das exploraqoes e depositado, tam--
bem, em um recipient de madeira (cocho), onde e adicionado a

.substancia vegetal (latex de caxinguba), que funciona como acele-

rador da coagulagao. A partir da adigao da substancia coagulante,

as demais etapas sao iguais 'as utilizadas no process de coagula-

gao natural ou espontanea.

.Estimulagao quimica E uma tecnolo-

gia que foi introduzida pelo servigo de Extensao Rural a nivel de

demonstragao, em alguns seringais do Estado na decade de 70, sen-

do praticadas ainda hoje pelas mesmas colocagoes originalmente

contempladas com a tecnologia. Neste processo,o seringueiro uti-

liza uma pequena quantidade de solugao de acido acetico a 4%, po-








dendo ser colocada na tigela, no ato da sangria ou no deposit

(cocho), junto com o latex colhido no dia.

Quando a solugao e colocada na tigela

a coleta e feita no dia do novo corte. Neste caso, a borracha toma

a forma de coagulos denominados biscoitos. Os biscoitos recolhi-

dos sao levados para retirar as impurezas (insetos,folhas, etc),

bem como o excess da solugao. Apos a limpeza sao arrumados um a

um em camadas sucessivas num deposit de madeira chamado de pren-

sa. As camadas de coagulos sao representadas pela produgao de ca-

da corte que sao prensadas para posterior comercializagao.

Embora o teor de umidade dessa borra-

cha seja inferior as de coagulagao espontanea ou as de estimula-

9ao com substancia vegetal, nao ha diferenga significativa de

prego.

Observou-se, com a excegao da borra-

cha coagulada quimicamente, que e usual a adigao de -uma

parte de latex de caucho (Castilloa ulei), para dez parties de la-

tex de seringueira como forma de aumentar o peso da borracha.


4.2.1.2 Castanha-do-Brasil

Periodo de extragao A coleta e que-

bra da castanha sao realizadas de janeiro a fevereiro. Esta ati-

vidade e uma fonte de renda no period da entresafra da borracha.
A produgao media varia em torno de 110 latas de 18 litros/safra /

familiar .


4.2.1.3 Caga e Pesca

Caga Constata-se hoje que existe bai-

xa incidencia desse recurso devido a various fatores, entire os quais

destaca-se o crescimento populacional tanto nas colocagoes,

como pela formagao de projetos de assentamento em areas circun-









vizinhas; o tempo de exploragao do seringal e a pavimentagao de

estradas, que facilitou consideravelmente a caga predatoria, por

pessoas que moram nas cidades vizinhas para comercializar ou para

auto-consumo.

Vale ressaltar que o uso de caes de

caga tambem contribui para afugentar os animals para regioes mais

distantes, onde a influencia do home ocorre em menor escala.

Embora existindo poucos animals para a

caga, o seringueiro ainda mantem esta atividade por todo o ano,

sendo mais frequent em epocas de frutificagao de algumas plants

silvestres ou cultures existentes no rogado, que possam atrair

uma ou outra especie, sendo as de maior frequencia: tatu, paca,

cotia e alguns macacos. Eventualmente, conseguem matar porco do

mato, veado-roxo, inambu e jacu. Convem salientar que esta ativi-

dade e realizada, principalmente, pelos homes adults e so acon-

tece com a finalidade de complementagao alimentar e nao com fins

comerciais.

Pesca Devido a escassez de cursos

d'agua nas areas visitadas constatou-se baixa atividade pesquei-

ra. Com esta configuragao a populagao ressente-se da falta de

peixe na sua alimentagao, tendo em vista que as varias families

existentes naquelas colocagoes utilizam-se dos igarapes Rapirra

(Seringal Triunfo), Pira-de-ra e Cafezal (Seringal Pira-de-ra),

para'conseguirem alguns pescados, sendo portanto, insuficientes

para atenderem a procura.

Embora seja grande concentragao de pes-

cadores nesses igarapes, face 'a pouca incidencia de peixes, po-

dem ser encontradas ainda species como curimata, branquinha,

piau, mandim e as vezes o surubim.

Esta atividade dentro da colocagao e

realizada principalmente pelas mulheres e criangas, no period se-









co (verao), devido a facilidade de acesso aos locais, bem como a

formagao de pequenos pogos no curso dos igarapes, onde ha con-

centragao de peixes.


4.2.1.4 Outras atividades

.Frutos silvestres sao explorados co-

mo base para a complementagao alimentar. Os mais usados sao agai

(Euterpe oleracea), bacaba (Oerocarpus distichus), pataua (Oe-

nocarpus pataua), buriti (Mauritia vinifera).

.Plantas medicinais o seringueiro,

pelas dificuldades de acesso a medicamentos farmaceuticos, re-

corre a plants da floresta consideradas com poderes medicinais.

Dentre as variedades mais usadas, destacamos: andiroba (Carapa

guianensis), copaiba (Copaifera langsdorfii), jatoba (Himenaea

courbaril), cumaru (Dipteryx odorata).

.Madeira apesar da riqueza da flo-

resta em madeira de lei,o seringueiro usa muito pouco dessa al-

ternativa, apenas a exploragao para construgao de habitagao, le-

nha e carvao, aproveitadas das areas brocadas para rogados.



4.2.2 Atividades Agropecuarias

4.2.2.1 Agricultura

Culturas anuais As cultures anuais

predominantes nos seringais visitados sao mandioca, feijao,

milho e arroz. Todas preenchem um papel important na alimentagao

do agregado familiar.

Com relagao a comercializagao do ex-

cedente da produgao, a farinha de mandioca tem maior representa-

tividade, em fungao da sua alta produtividade por ha, em relagao

as demais cultures, gerando uma produgao maior que o consume fa-









miliar.
0 milho (Zea mays) e plantado por to-

dos logo apos a derrubada. Serve de alimento para o agregado fa-

miliar e aos pequenos animals. Nao foram detectadas doengas que

pudessem comprometer a produgao.

0 arroz (Oriza sativa) utilizado na

regiao e de sequeiro, semeado no inicio da epoca chuvosa. Dois

tipos de arroz, agulhinha e agulhao sao os mais cultivados.

0 feijao (Phaseolus vulgaris L.) e

cultivado por todos os seringueiros visitados, existindo a predo-

minancia das variedades rosinha e carioquinha.

0 sistema de plantio, na maioria dos

.casos,e intercalado 'com milho ou -mandioca.

A "semente" utilizada para o plantio e

oriunda de safras anteriores e guardadas para tal finalidade.

Quando nao e possivel t-al processor-'e necessario recorrer aos vi-

zinhos, utilizando-se o sistema de emprestimo ou compra do refe-

rido insumo.

Quase nao foram mencionados problems

com o feijao, quanto ao armazenamento (acondicionamento), a nivel

de propriedade,e a incidencia de pragas e doengas detectadas,

restringe-se a vaquinha (Diabrotica speciosa) e a mela ou murcha

da teia micelica (Thanatephorus cucumeris). Porem, sem apresentar

grandes danos a produgao.

0 feijao de corda (Vigna unguiculata).
tambem foi encontrado em algumas rogas. A area cultivada e nor-

malmente menor que a do Phaseolus.

A mandioca (Manihot esculenta) e nor-
malmente plantada no primeiro ano agricola, _apo6s o cultivo do


milho-arroz-feijao.









Culturas perenes As plants frutife-

ras de um modo geral nao representam uma fonte de ingresso econo-

mico, no entanto entram como complement alimentar na dieta do

seringueiro e de sua familiar. 0 sistema de plantio geralmente nao
segue uma orientagao racional. Na maioria das vezes sao plantadas
proxima da casa ou nos rogados as seguintes species: abacate

(Persia americana), graviola (Amona muricata), goiaba (Psidium

guayaba), citrus sp, urucum (Bixa orellana), banana (Musa sp), ma-

mao (Carica papaia), cafe (Coffea arabica), manga (Mangifera in-
dica), caju (Anacardium ocidentale), Inga sp, cacau (Theobroma
cacao), cupuagu (Theobroma grandiflorum), jaca (Artocarpus itte-

grifolia), entire outras.

Todas estas frutas sao consumidas ""in

, natura",com excegao'dt urucum, que e utilizado macerado na culi-

naria.

A banana, embora apresentando grande

importancia para alimentaqao da familiar e pequenos animals e cul-
tivada em pequena escala, porem sendo frequent em todas as pro-
priedades.



4.2.2.2 Pecuaria

Animais de pequeno .potte (Aves, suinos

e ovinds) A criagao de animals de pequeno porte, como galinhas,

patos, ovelhas, porcos, se constitui nura important fonte de pro-
teinas alem de reserve para complementary' a renda familiar. Dife-
renciarfdo-se muito pouco na produgaD de uma ou outra especie, to-
das as propriedades possuem criagao destes animals.

Galinha Os seringueiros se asseme-

lham quanto a forma de. criagao.de galinhas (soltas no paepo),

produzindo sempre um numero de cabegas suficiente para abastecer

.a familia com- ,ovQS e ca3rnes. Os cuidados, com esse animal se res-









tringem a alimentagao a base de milho, residues de mandioca, restos

de comidas e frutas produzidas na Colocagao, alem do control aos

ataques de gavioes e outros animals predadores. 0 indice de mor-

talidade e geralmente baixo, nao ocorrendo doengas que represen-

tem maiores prejuizos.

Patos Criados em menores quantida-

des que as galinhas, os patos ,sao, arenas mais um component na

criagao de pequenos animals em algumas colocagoes, -nao Ihes sen-

do destinado manejo especial de criagao. Os cuidados portanto, nao

se diferenciam daqueles dispensados as galinhas.


.Porcos A exemplo da criagao de pa-

tos, os porcos sao produzidos em baixissima escala, com a finali-

dade principal de compor o potential de alimentagao da familiar e,

em raros casos, destinados a venda, Sao criados soltos e as vezes

press em chiqueiros.

Ovinos A produgao e bastante redu-

zida, nao sendo possivel generalizar a sua presenga em todas as

colocagoes. Nos.casos em que ocorrem,sao criados soltos junto com

o rebanho bovino. Fazem parte da reserve alimentar do agregado
familiar.

Animais de grande porte Varios fato-

res determinam a criagao, embora pequena, de animals de grande

porte pelos seringueiros. Um dos principals a se considerar e uma
condigao estavel advinda de boas produgoes durante o ano, forne-

cendo saldo para aquisigao de animals de carga, de sela, ou gado

de aptidao mista.

Gado bovino 0 gado criado na re-

giao em estudo e uma mistura de ragas,bastante adaptada as con-

digoes do ambiente, apresentando alta rusticidade e resistencia a









varias zoonoses comuns a especie.

O manejo destes animals consiste na ado-

gao de pastoreio livre. Os pastos sao formados geralmente cor ca-

pim nativo,a partir de areas de cultivos abandonadas apos o pe-

riodo de uso de 3 4 anos.

A melhoria do rebanho e feita comumen-

te atraves da troca de animals machos por femeas,promovendo, as-

sim, um consequente aumento deste rebanho.

Na maioria dos casos, a mulher e os

jovens se encarregam dos tratos aplicados ao gado, tais como arreba-
nhar para o curral e fazer a ordenha.

Equinos e Muares Sao animals cri-

ados com o fim exclusive de servir ao transport de produtos e

pessoas. A criagao e feita em pastoreio livre. Os pastos sao for-

mados a.semelhanca do que ocorre nas colocagoes que tem gado. Sen-

do animals rusticos nao exigem tratos muito refinados.




4.3 Aspectos socio-economicos


4.3.1 Saude, Educagao e Lazer


SSaude As revelagoes dos seringueiros nas co-

locagoes visitadas quanto a doengas apontam no sentido de que, na

atualidade,as incidencias sao poucas.

Contudo, os mesmos tem consciencia dos reflexos

negatives que podem acontecer nas Colocagoes,nos casos concretos

de se adquirir qualquer doenga, pois represent diminuigao da

mao-de-obra do agregado familiar e consequentemente no process de

produgao.


Para os seringueiros, das doengas mais graves a









malaria continue sendo a de maior incidencia, seguida de outros

tipos de febres, gripes e diarreias, onde ao contrair qualquer

destas, restam-lhe tries opgoes que sao: recorrer a propria floresta

na busca de colher ervas medicinais capazes de sanar o mal, isto,

nos casos nao graves; comprar remedios farmaceuticos no

Barracao; ou entao, abandonar o seringal por determinado period

e partir para as cidades mais pr6ximas buscando assistencia medical,

principalmente nos casos graves, o que nem sempre e possivel de-

vido a problems de transport ou ate mesmo pelas condigoes fi-

nanceiras (o prego do onibus e alto para os seringueiros).

Revelam ainda os seringueiros a inexistencia de

qualquer preocupagao por parte dos seringalistas ou do governor

quanto ao process de melhoria no atendimento de saude nas areas

de seringais. Por sua vez, sozinhos acham-se "incapazes" de poder

chegar a quem de direito,"as autoridades governamentais", para que

possam cobrar os direitos possuidos, basicamente, acarretado pe-

los tramites burocraticos existentes nas cidades, e ate mesmo, no

proprio poder de ingerencia pelos seringalistas junto aos gover-

nantes, visto que podera diminuir seus lucros pela nao venda dos

remedies no' Barracao,-entre outros aspects.

Dos servigos de saude hoje existentes, o unico a

aparecer nas colocagoes e o da SUCAM, que na opiniao de alguns se-

*ringueiros, as aplicagoes procedidas, as vezes, sao mais prejudiciais

as pequenas criagoes de galinhas e patos que aos insetos que sao

o objetivo fim. Deve ser ressaltado, que apesar dessas declara-

goes, ao mesmo tempo sao unanimes em afirmar que a incidencia de

malaria e pequena quando comparada a outras epocas.

Entendem os seringueiros que a instalagao de

postos de saude nas colocagoes ou em areas proximas do seu alcan-

ce, em muito poderia contribuir, pois nestes, alem da orientagao

medical quanto a doengas e servigos odontologicos, poderiam rece-









ber melhores orientagoes de higiene, trazendo reflexos positives

na mao-de-obra do agregado familiar.


SEducagao Embora seja consideravel o numero

de criangas nas colocagoes, assim como o interesse pelo aprendi-

zado,conforme revelaram seus pais, o que predomina nestas e a

ausencia de escolas onde sequer possam aprender a alfabetizagao.

Varios fatores tem colaborado para a manutengao

deste problema, destacando-se a dificuldade imposta por alguns

seringalistas,inviabilizando a abertura de escolas, provavelmente

pelo que estas poderao provocar, tais como, diminuigao da mao-de-

-obra na colocagao, exodo rural no future e possiveis conflitos

com estes a partir do moment que passam a ter melhor compreensao

das condigoes internal do seringal e das condigoes externas do

mercado (pregos principalmente). Constatou-se inclusive serin-

gueiros dispostos a sair do seringal em busca de melhor condigao

de ensino para seus filhos.

Mesmo com dificuldade, e possivel ser encontrado,

em alguns seringais,estruturas que funcionam como escolas, na

maioria das vezes apenas para alfabetizagao "aprender a fazer o

nome", onde o professor e uma pessoa do meio rural, tambem pouco

esclarecido. Mencionam os seringueiros que em tais casos sofrem

pressoes contrarias a manutengao do ensin'o por parte dos seringa-

listas (seringal Triunfo).

Acreditam os seringueiros que a criagao de esco-

las, alem de possibilitar conhecimentos para os filhos, evitaria

a said destes as cidades (no caso de ocorrer),em moments preci-

sos, bastando que para tanto fossem obedecidos certos criterios

como exemplo, calendario de ensino condizente com a realidade do

meio em que vivem.


Apesar de esforgos que vem sendo empreendidos pe-









los seringueiros na possivel conquista de escolas, em alguns ca-

sos contando com o apoio dos sindicatos (como verifica-

do para saude), os seringueiros tambem esbarram na

burocracia dos stores governamentais, faltando, portanto, ainda

encontrar os caminhos mais viaveis a sua implementagao.


SLazer Entre as atividades destinadas a pra-

tica do lazer, o futebol e o mais adotado nas colocagoes, verifi-

cando-se esporadicamente festas nos dias de folga, assim como

arraiais(por ocasiao das festas juninas),santo padroeiro, natal,

ano novo, feriados nacionais. Tambem nos finals de semana deixam

suas colocagoes para procederem visits uns aos outros ou vao ate

as cidades mais proximas,constituindo-se isto como lazer.


4.3.2 Associagao de Classe

Os seringueiros entrevistados,em sua quase tota-

lidade, sentem a importancia de sua participagao nas reunioes do-

minicais do sindicato, onde reconhecem os espagos adquiridos em

relagao a outrora,onde o sindicato nao se fazia present. O domi-

nio das terras pertencia ao seringalista, que concedia ao serin-

gueiro a posse da colocagao, e Ihes comprava toda borracha produ-

zida, alem de cobrar uma renda.

Esse sistema perdurou durante muitas decadas,po-
rem com a implantagao da agropecuaria, a expulsao do : -seringueiro

tornou-se intensive. Dai surgiram agoes que vieram a dotar os

seringueiros de instruments vitais para sua sobrevivencia e pos-

terior criagao dos sindicatos de trabalhadores rurais.

Conforme revelaoges de seringueiros, com a cria-

gao do sindicato dos trabalhadores rurais, os mesmos passa-

ram a usufruir das melhorias trazidas por esta entidade, onde ca-

da seringal possui mais de uma Delegacia Sindical e que estao









sempre trabalhando em conjunto com as comunidades eclesiais de

base.

As tomadas de decisoes aleatorias porppatte do

patrao ja sofrem resistencia por parte dos seringueiros, influenci-

ados pelo sindicato, sendo desta forma um grande aliado para perma-

nencia na colocagao, cor direito de posse, vitoria esta conseguida

atraves da luta de resistencia conjunta sindicato e seringueiro

tornando-o mais seguro em sua terra.

A atuagao do Sindicato se faz present na preser-

vagao do meio ambiente, visto que seringueiros ao presenciarem des-

mate de areas, partem para denunciar ao sindicato, com o objetivo

que seja paralisado o desmatamento, ficando o sindicato restrito

em sua atuagao a determinadas areas, sofrendo sempre resistencia

do patrao.

No seringal Triunfo, apesar de constantes reinvi-

dicagoes por parte do sindicato, ainda nao se conseguiu instalar

uma escola e postos de saude.

Encontramos porem casos em que o seringueiro sa-

lientou que o sindicato nao trazia melhorias, e sim divergencia en-

tre os proprios seringueiros, visto que nas reunioes estao sempre

presents as Comunidades Eclesiais de Base.


4.3.3 Fluxo migratorio e posse da terra

No espago amostral em que trabalhamos .(seringais
Pira-de-ra e Triunfo), verificou-se no Triunfo razoavel inciden-

cia de seringueiros procedentes do municipio de Tarauaca; a maio-

ria se encontra na area ha pelo menos 14 anos, havendo alguns que

nasceram la mesmo.

Existem seringueiros que migram para a Bolivia
onde existe latex e caga em maior quantidade, porem, em fungao de

isolamento, sao mais explorados e o atendimento a saude. pior ain-






63'


da, o que os leva a retornar e trabalhar nas mesmas condigoes do

seringal de origem; outros tentam a sorte indo para as cidades,

ou trabalhando nas fazendas em derrubadas (principalmente), tam-

bem retornando, na maioria dos casos. Existem ainda os casos de

filhas de seringueiros que,na perspective de poderem estudar, vao

para a cidade trabalhar como domesticas. e, em geral, nao retor-

nam mais ao seringal.

No Pira-de-ra o corte de seringa foi retomado

este ano, pois fora suspense ha cerca de 10 anos; dos seringuei-

ros que la estao 'trabalhando, quase todos ja haviam trabalhado

anteriormente no mesmo seringal em atividades outras, como va-

queiros, derrubadas, diaristas, etc.

Neste seringal o seringueiro nao paga nenhuma .es-

p-ecie de renda ao seringalista, como antigamente, porem se obri-
gando a vender-lhe toda sua produgao.

Aqui,, existe a peculiaridade do seringalista

(um dos poucos que.inao tem posseiros em suas terras), sistemati-

camente,evitar a permanencia do seringueiro ou outros durante

muito .tempo num mesmo lugar para evitar a caracterizagao da pos-

se da terra. Nessas condigoes, a perspective do seringueiro ai

instavel em relagao a posse; no que diz respeito a educa-

gao, existe escola no seringal e como as colocagoes nao se lo-
calizam muito long, nao ha problems com a educagao de

criangas.

No seringal Triunfo, em fungao das alteragoes que

vem ocorrendo na maneira de explorer o seringal (na relagao pa-

trao X seringueiro) o seringueiro vem parcialmente alterando sua

atividade. E que anteriormente, o seringalista centralizava tudo

no Barracao, enquanto que, de uns tempo para ca, esta relagao vem

sendo esfacelada em razao da construgao de estradas que permitem

o acesso do seringueiro a outros mercados (o seringueiro comegan-






64


do a se organizer enquanto classes atraves de sindicatos, alargan-

do sua visao do mundo, esbarra em necessidades que na condigao

anterior nao havia), a queda na produgao de latex das seringuei-

ras, a questao da sobrevivencia, a queda do poder aquisitivo, is-
so tudo o leva a diversificar suas atividades.

Tendo isso em mente, o seringueiro, no geral,

tem como perspective continuar explorando o seringal, cobrando

porem infra-estrutura educational e de saude como pontos funda-
mentais.

-No seringal Triunfo a posse,:da terra e complica-

da: o seringalista arrendatario do seringal e os seringueiros ad-

mitem que a posse e dos ultimos, nao tendo estes, vinculos com o

seringalista, inclusive vendem sua produgao para quem quiser e

compram tambem de quem quiser. Ja houve tentative de despejo em

algumas colocagoes, porem nao se concretizando em fungao de in-

tervengao do sindicato, atraves de advogado. Legalmente existem

empecilhos; a media padrao dos lotes do INCRA nao e adequada as

condigoes das estradas de seringa, visto ser a area ocupada por

estas, bem maior. Dessa forma, juridicamente, o seringueiro nao

tem a posse da terra. Vale ressaltar que os mesmos dominam muito
bem as suas estradas, porem nao sabem dizer exatamente os limits
das suas terras.

Aqui entendemos que o grau de organizagao do se-

ringueiro ainda e incipiente, podendo melhorar bastante desde que
se trabalhe na diregao de tecnologias de processamento do latex,
eliminagao de atravessadores (marreteiros, seringalistas e usi-

neiros), necessitando que se organized em cooperatives e, atraves
destas, conseguir vender o seu produto diretamente para Sao Pau-

lo, como ja acontece no Icuria, na regiao de Brasileia.


4.3.4 Mao-de-obra






65 :'


Foi' observado que a forga de trabalho efetiva em

quase toda a totalidade e a mao-de-obra familiar, onde o chefe de

familiar :se repete com a sua forga de trabalho em todas as tarefas-

do agregado, tais como corte e coleta da seringa,, da castanha .

derrubada da mata para posterior cultivo, caga e pesca. A -mulher,

alem de servigos domesticos, e a forga de trabalho mais expressive

no-trato com pequenos animals e tambem contribui em quase todas-:

as tarefas de cultivo de cultures permanentes-e temporarias.., OsO

filhos dos- seringueiros, .narmaioria-;criarigas ~ajudam'.a mae,,. en--

quanto os jovens. seguem. o pai no corte-da seringa ou em. e outras

atividades.

Naimaioria das vezes essa mao-de-obra e limitada,

ocasionando desta maneira a troca de dias de trabalho, ou *. seja,-

_ quando existed 'a necessidade de cultivar produtos para sua subsis-

tencia, -recorre ao -seringueiro mais proximoo -de sua colocagao para

ajuda-lo ,no desenvolvimento dessas atividades:. Em menor escala,' se

verifica,. a.. compra..da 3orga de t.rabalho,.-o.nde ,se :.processa-a ..troca

do dia ide trabalho :por.diaria ,e a .divis~io das: estradas .-de seringa:

com, oi meieiro ;,oficando..oo produto daivididido.centre o:s doise. ,-

A maximizagao- do Uso,:p'rodu-titdVo:da mao ide--bra.inos

seringais foi motivada pela introdugao de novas tecnologias no

processamento do latex. 0 uso de coagulantes (caxinguba ou acido

acetico) permitiu a redugao da jornada de trabalho no fabric da

borracha, possibilitando o deslocamento destas horas para outras

atividades, principalmente para a agriculture.

Outros fatores que provocam a escassez da 'mao-

-de-obra isao-ic

Ausencia-de escol-ag.'motivando -- exoed-de .mem-

broscdo agregado familiar a prgcura de "'estudo nos centrits ur-

banos.


SPrecariedade do atendimento de-saude nos.:se-










ringais visitados, com excegao da SUCAM, nao existe nenhum outro

tipo de saude preventive e o atendimento curativo e precario. A

ocorrencia de doengas, sempre frequent no agregado familiar, re-

sulta em:

a) perda de mao-de-obra por period long;

b) deficiencia da mao-de-obra (aleijoes, does

constantes ou instabilidade do estado de sa-

ude);

c) perda de mao-de-obra com altos indices de

mortalidade.




4.3.5 Relagoes corn intermediaries

Uma caracteristica do sistema social de produgao

gumifera no vale do Acre e a quebra dos lagos de dependencia do

seringueiro, produtor direto, com o patrao, o intermediario.

O resultado do dilaceramento do sistema de avia-

mento traditional, no entanto, nao resultou em um modelo unico.

No caso (micro regiao formada pelas margens da

rodovia AC-40), pode se observer tres formas de relagao serin-

gueiro/intermediario, ou melhor dizendo, tries niveis de dependen-

cias.


a) Relagoes de Autonomia

Os seringueiros autonomos encontram-se nas mar-

gens da rodovia majoritariamente ou, em pequenissimaquantidade, no

centroo" quando possuem animals de carga.

Vendem o produto (borracha, castanha e, eventu-

almente, excedentes agricolas) ao "marreteiro da estrada" sema-

nalmente. 0 pagamento e em dinheiro e a vista.






67 -


Os produtos de consume dos'seringueiros, naor.:

produzidos na colocagao, sao comprados diretamente na cidade mais ;

proxima (Pla'dido de Castro), garantindo muita vezes pregos mais

vantajosbs.

A relagao do seringueiro autonomo cor o "mar--

reteiro de estrada". e rica em mecanismos de defesa do primeiro em

decorrencia do fator concorrencia. Na estrada transitam various :
marreteiros, i:podendo o seringueiro procurar o melhorcpre9o.- ou .-:.

deixar-de rVender aquele 'que rouba.no peso, por exemplo.:

E mais ifrequente entire os seri-ngueiros, autinomos-.
a existen6ia,'de saldo. Sobre eles incide_.tambem o maior numero,,de-

sindic1liz'ados .

Um idos-elementos ,chaV.eio do sistema, traditional,,.!

a diviida, .temn-boa .acolhi:da por- parte 'dos "!ma'rreteiros". Os.adian-,..

tamentoS sao;~- ao -so facilitados como incentivados' para assegura .,,, ,

ao 'intermediario -algu1_ control. sobre a '!freguesia".

Um onto. de bstrangulanento 'para os seringueiros .,

autoaiomos. e; o: transport :para.os centrds urbanos.- A tituloI. de do

iluus'tragaopara :se :ronmpeiu:umandistancia .ide r22 kmi asfaltados' *- s os .>

seringueiros pagai ,-atua-lmnnte !Cz$-250.;O,D: ,


b) Relagao de-autonomia relative

Frequentemente as relagoes de autonomia relative

ocorre entire marreteiro, que no passado foi seringalista ou ar-

rendatario de um seringal-e. os seringueiros dos ".centros"' ou

aqueles.quegnmesmo morando na imargemr, devem a'.favores" 'ao "opatrao'".

Alias,' o, fat b de chamarem co marreteraid de ctrio'(c 'cmo era 'feito

comrn s seringalistas), explicit a manuteribaoaie fortes,-lagos ..,de '

dependencia.:


Predominantemente neste- tipo de relagao, os se-.,








ringueiros possuem saldo. Quando ocorre, o manteni com pequena

folga, insuficiente para cobrir despesas de doengas ou outras ne-

cessidades eventuais. Nestes casos, o recurso e o "adiantamento"

do "patrao", que nem sempre ocorre.

A transagao commercial caracteriza-se pelo mono-
polio do "patrao" na compra e venda de produtos. Entretanto, esta

relagao nao se fundamental em amarras rigidas ou leis formalizadas.

A dependencia e mantida por sutis mecanismos.

No seringal Triunfo, onde este tipo de relagao e
mais frequent, a existencia de um enfermeiro-dentista. pratico,

numa regiao desprovida de atendimento medico funciona como um

desses mecanismos. Da mesma forma, a realizagao de festas no Bar-

racao, a concessao de favorses, o adiantamento de dinheiro ou

mercadoria e, sobretudo o control de um comboio de burros, por

parte do "patrao", para transporter as mercadorias, funcionam na

manutengao do "lago invisivel" de submissao.

Estes elements fortalecem a figure do "patrao",
fazendo com que a relacao com seus "fregueses" ultrapasse a mera

compra e venda de marcadorias. Ele procura impedir o funcionamen-

to de escolas no seringal, favorece a retirada de madeiras das

colocagoes de seus fregueses (a revelia), mantem uma diferenga

de ate quatro quilos por prancha de borracha em sua balanga ou,

simplesmente, procura expulsar seringueiros de colocagoes. Agoes

desta natureza o aproxima, em autoridade, do modelo traditional.

Mesmo por que os "patroes" ainda mantem forga junto as autorida-

des das pequenas cidades (politicos, orgao publicos e forga po-

licial), ficando em suas maos as decisoes sobre a liberagao de

professors, ameagas de prisao ou, como ocorreu em passado recen-

te, bloqueio da venda direta da COBAL a seus fregueses.

Estas medidas nao ocorrem sem resistencia, fato
que define elements de autonomia dos seringueiros. Muitos vendem






S 69


seus:produtos..ao "marreteiro da estrada mesmo a contra gosto do

"patrao". Ou para compensar o prego das mercadorias e o roubo no
peso. colocam na borracha as "imundices'" .(pilha,:maizena, ...caucho)

para aumentar o peso.Atualmente a resistencia dos s-ringuediros

ganha novos:contornos coma atuagao do Sindicato dos Ti lalhadores

Rurais .Articulado, 'comrentidadesl.nao governamentais como o Centro

de (Deftes'adosicDi ritdsdiumanos,)ampreendeiagoes contra tentativas

de c(xpusao; e a, ontc: r t-bd deadeiiTa tem ipoases;t.de cseringueiros.


c) cIeraaqoesrde fdependenei-a:iplena nao conventional I

Verifica-se no seringal; Pira-de-'ra a ekistnio:'

de drelaqoegs de cdepeqdencia :plena, qu seja, ~:rela9oe(s .que, tert -

bateao usaa.da Itor,'ca de datraba.lh- hde seringueirds-cque t.nao detem

po sede deuasi.o-ol~dac)gs. s.

Trata-se pjopem .de dcma :rellaaq ,diferentei ldo sis-.

temarrde Aiviamentoit-Tradiciona\l;.]..

Em 'primeiro i ugar,os (seringueirds .nao p:agamIren- ,.

da e o- seringal, nao .tem vidacprodutiva .contindri.aisPara .eviktar .que.,

os cseingueiros tadquiram:o direito ide :pozse:o seringal;. :-ativado.

e desaitivado periodic'amente. ,Em segundo -augar'is --seringueiros.nfao!,~ ,.
possuem a' infra-estrUtura 'que. o sistema tradicional .garante, co-

mo .mao-de-obra contratada pelo seringalista para limpar varadou-

ros e rogar estradas. Alem disso, nao existe o aviamento previo de

todos os utensilios necessarios em uma colocagao. 0 seringueiro
deve possui-los previamente, recebendo do Barracao apenas as ti-

gelasiat .

Neste icaso,detectou-se um:maior indice'de explo-.

ragaq.- -A borraaaa recebe. o menor prego e (o seringueQiro e obr-gado.do

a reauperar as :olocagoe;, abandonadas por 8 10 anostpor, contait-i

prqpri'a,' contraindo, dividas no Barracao_:,te comegar a produzir.









MODELS


TIPO DE I SERINGAL
INTERMEDIARIO
RELAgA0 PREgO/KG (CR)

.Autonomia "Marreteiro de Estrada" 170,00 180,00

.Autonomia Relativa Birroque ("patrao") 150,00

.Dependencia Plena

nao Tradicional Damasceno (patrao) 120,00 140,00


Fonte: Sondeio Junho/88.




4.4 Diversificacao da Atividade (Extrativismo X Agricultura)

Nao foi detectado no geral um desejo de troca de ativi-

dade, ou seja, abandon do extrativismc pela atividade agricola,e

sim,uma tentative de conciiiagao de ambas as atividades visando

uma melhoria das condicoes de vida destas pessoas.

A opgao pela introdugao da agriculture, se mostra como

uma atividade mais de subsistencia que visa uma amenizagao da

despesa na compra de generos alimenticios, fazendo corn que a ge-

ragao do capital promovido pela venda do latex, seja direcionado

para outras necessidade dentro do agregado familiar.

Entre os various fatores responsaveis por esta 'opgao

agricola" esta o baixo rendimento da extragao do latex em virtude

dos sucessivos anos de uma exploracao intensive das estradas. Ha

tambem o baixo prego que e pago pelo produto extraido, associado

a um certo monopolio do barracao e a agao dcs atravessadores.




4.5 Conclusoes


Fatores Socio-economicos









Relagao com o intermediario Um dos fatores limitantes

mais graves na geragao de recursos do seringueiro esta na exis-

tencia de uma cadeia de intermediaries na comercializagao dos

produtos, aumentando a desproporcionalidade entire os pregos de

venda e os pregos de compra.

0 dilaceramento do sistema de aviamento traditional no

Vale do Acre,resultou em diferentes formas de exploragao comerci-

al do seringueiro. Na regiao pesquisada verificou-se tries manei-

ras distintas:

a) "Marreteiro da estrada" ccm o seringueiro autonomy;

b) "patrao" (antigo arrendatario do seringal) com serin-

gueiros relativamente autonomos;

c) patrao (seringalista nao traditional) com seringueiro

dependent (nao pcsseiro).

A complete carencia dos seringueiros a direitos basicos

da cidadania (saude, educagao, transport, credit, amparo le-

gal), delineia as duas faces da submissao: uma, velada e marcada
pelo control por parte dos intermediaries da infra-estrutura de

obrigagao do Estado; outra, desvelada, marcada pela coergao di-

reta com a invasao de colocagoes para a retirada de madeira, ex-

pulsao dos seringueiros para evitar o direito de posse, ataque ac

sindicato, etc.


Mao-de-obra A mao-de-obra utilizada e essencialmen-

te garantida pelo agregado familiar. De unr mcdo geral as tarefas

-ao divididas da seguinte forma:

Corte/coleta/processamento do latex A.M. (+), C.M.

(-) ;

casa/beneficiamento. de arroz/pequenos animeis A.F.

(+), C.F. (+), C.M. (-);






72


derrubada A.M.;

demais atividades todos.


Eventualmente a mao-de-obra externa e utilizada:

Formagao do rogado

Contratagao ou troca de dias de trabalho;

fabric da borracha

meieiro.


A escassez de mao-de-obra tem nas doengas e no exodo dos

jovens, por falta de escolas, as suas principals causes.

A redugao da jornada de trabalho no fabric da borracha

e a consequente liberagao de mao-de-obra para outras atividades

produtivas garantiu uma estabilidade no pedrao de vida do agrega-

do, com relative melhoria.


Fluxo migratorio De um modo geral os seringueiros fi-

zeram parte de correntes migratorias internal e externas. Desta-

cam-se os que ja passaram pelos seringais da Bolivia,tendo ccmo

origem o municipio de Tarauaca.

A precariedade dos direitos de posse da colocagao, o de-

clinio da produgao gumifera, ausencia de escolas, postos de saude

e a indefinigao quanto ao future sao elements chave na compre-

ensao dos constantes deslocamentos.


Educagao Na regiao pesquisada verificcu-se apenas

uma escola em funcionamento. Esta carencia de escolas e resultan-

te da conjugagao de varios fatores ccmo descaso das autoridades,

objegao de alguns patroes e fragilidade das organizagoes da clas-

se.


Da falta de escolas result:









- Fluxo migratorio dos jovens;


deslocanento dos seringueiros de mecanismos de comer-

cializacao;

desinformacao generalizada (legislagao, pregos, orien-

tagoes sindicais, etc.) e

ausencia de registro da memorial da comunidade.



Saude Inexistem postos de saude por mctivos seme-

lhantes a falta de escolas: descaso das autoridades, objecao de

"patroes" quando Ihe foge ao control e fragilidade das organi-

zacoes de classes.

Alguns "patroes" se utilizam do control dc atendimento

de medicos praticos e vendas de remedios para garantir a submis-

sao de seus fregueses.

Os resultados sao:

Tratanento ineficazes corn o abandon do uso de plants

medicinais;

escassez de mao-de-obra e

reforgo da submissao.




Lazer Os seringueiros possuem poucas alternatives de

divertimento. As mais frequentes sao: forros, futebol e arraial.




AssociaQao de Classe 0 Sindicato dos Trabalhadores

Rurais tem sido a organizagao de classes mais proxima. Existente

desde a segunda metade da decada de 70, comporta ainda agumas

fragilidades. Mesmo assim,tem sido o element de apoio dos serin-

gueiros contra as expulsoes, roubc ae madeiras, implicagoes ju-

ridicas e nas tentativas de criar escclas.










A borracha e o produto que ainda tem maior importancia

economic para o seringueiro.

A exploragao extensive e a alta rotatividade do serin-

gueiro tem levado a aplicagao de tecnicas inadequadas de corte e

processamento, prejudicando a qualidade final do produto, bem co-

mo reduzindo o period de vida until da seringueira. Embora a apli-

cacao de. tecnica inadequada result num produto de inferior Iqua-

lidade, isto tem trazido certos beneficios ac seringueiro, redu-

zindo a sua jornada de trabalho em aproximadamente 50%, propici-

ando ccndigoes para que eledesenvolva atividades agricolas. Estes

fatores tem propiciado reflexes negativos nc prego oferecido pelo

produto e,ultimamente, nao acompanha o prego dos insumos e ali-

mentos.



Castanha-do-Brasil 0 exterminio das castanheiras, de-

corrente do desmatamento indiscriminado, ter levadc a uma grande

procura da castanha err. areas ainda nao desmatadas, ou seja, nas

colocagoes. Desta maneira, os seringueiros concorrem com os que

vem de fora a procure de produto para fins comerciais.

A castanha e o segundo produto em importancia na econo-

mia do seringueiro. Pela impossibilidade de corte da seringa;, no

period chuvoso, dedica-se a quebra de mesma para garantir o

sustento do agregado familiar.



SOutros produtos extrativos Outras species, como o

agai, tucuma, bacaba, pataua, copaiba, entire outras, tambem tem

certa importancia na dieta alimentar e na medicine caseira do

agregado familiar.


. Caga e pesca A caga e a pesca sao atividades


que






75


contribuem para diversificar a dieta de proteinas dc agregado fa-

mi liar.

Devido a grande procura e a pouca existencia de igarapes

esta atividade esta cada vez mais dificil.




Sistema agropecuario 0 sistema agropecuario : desen-

volvido pelo agregado familiar dos seringueiros e muito diversi-

ficado.



Culturas anuais No que toca as cultures anuais, as

essenciais sao' mandioca, milho e arroz. Destas cultures, o fei-

jao e o arroz (agulhinha) sofrem, per vezes, grandes perdas de

rendimento, devido a problems fitossanitarios. 0 arroz e o milho

tem sofrido alguns problems de armazenamento.



Animais No que diz respeito a animais,as families de

seringueiros criam animals de pequeno porte e, em poucos

casos, bovinos. E extremamente dificil aos seringueiros adquirir

animesis de grande pcrte devido a dificuldade de aumentar o capi-

tal necessario para este fim.










5. RECOMENDAgCES


As recomendaqoes apresentadas a seguir buscam tender as

necessidades ou fatores limitantes levantados junto aos produto-

res e seringueiros das areas pesquisadas, levando-se em conta os

aspects de conservaqao do meio-ambiente e melhoria das condigoes

de vida, garantindo sua fixagao a terra.


01. Implantar um service continue de construcao de agudes (coloni-

as) e pequenas barragens (seringal),com prioridade para as

propriedades com recursos hidricos limitados, estimulando a

piscicultura comunitaria;

02. Estudar sobre a viabilidade da criacao de linhas de credit

agricola acessivel aos colonos/seringueiros, cuja liberacao

obedega ao calendario agricola regional;

03. Desenvolver atividades no sentido de incentivar agoes inte-

gradas e multidisciplinares pelas instituicoes ligadas ao se-

tor agroflorestal buscando tender as necessidades dos produ-

tores;

04. Realizar- estudos sobre legislagao agraria, objetivando

agoes juridicas a fim de garantir a posse de seringueiros lo-

calizados fora dos assentamentos extrativistas, sem que haja

o desmembramento dos seringais em pequenos lotes ;

05. Incrementar o program de producao e distribuigao de sementes

e mudas de boa qualidade, de cultures adaptadas as condigoes

edafoclimaticas regionais.;

06. Criar viveiros comunitarios de castanha e outras frutei-

ras nativas visando melhorar a diet do agregado familiar com

possibilidade de venda do excedente;

07. Promover o habito de cultivar hortas domesticas;









08. Estudar a possibilidade de criagao e implantagao de sistemas

agroflorestais que sejam autosuficientes em exigencias nutri-

cionais, ecologicamente aceitaveis, destinados a repovoar ca-

poeiras ou areas de pastagens degradadas;

09. Promover a apicultura como forma de contribuigao na melhoria

da dieta alimentar, na medicine caseira e aumento da produgao

agricola, via aumento da polinizagao;

10. Melhorar o serving de transport, tornando-o acessivel e dis-

ponivel aos produtores durante todo o ano;

11. Desenvolver metodos praticos e economicos para o control de

pragas e doengas de arroz, feijao, fruteiras, pastagens e hor-

taligas;

12. Identificar doencas de pequenos animals (com enfase nas in-

cidentes sobre as aves), adaptando metodos praticos e econo-

micos para o seu control;

13. Adaptar e introduzir metodos apropriados de armazenamento a

nivel de propriedade;

14. Estudar e aplicar metodos praticos e economics de control de

pragas no armazenamento de sementes e graos;

15. Desenvolver estudos objetivando maximizar a utilizagao dos

recursos e o rendimento dos sistemas de consorcio existentes

e cultures integradas;

16. Incentivar a pesquisa e a utilizagao da biofertilizagao na

agriculture;

17. Desenvolver estudos de utilizagao e manejo racional dos re-

cursos naturais;

18. Verificar a possibilidade de criar pesquisa com a finali-

dade de aumentar o adensamento das seringueiras, podendo as-

sim garantir a manutengao das colocagoes para seus descenden-










tes;


19. Fazer estodo etnobotanico da floresta, objetivando diversificar as
atividades produtivas de maneira auto-sustentavel tanto para

seringueiros como para colonos;

20. Incentivar a participagao de extensionistas rurais e pesqui-

sadores nas escolas, objetivando o errsino sobre nutrigao, sa-

ude, agriculture, pecuaria e utilizagao de recursos naturals;

21. Desenvolver mecanismos de conscientizagao dos seringueiros e
colonos, tendo como base as organizagoes de classes ja exis-

tentes, incentivando praticas menos predatorias, bem como a

supressao do intermediario con a criagao de cooperatives Agro-

-Extrativistas, assegurando melhor qualidade dos produtos e

melhores pregos;

22. Fazer um estudo no campo educational objetivando a :aprppria-
gao de experiencias de escolas adaptadas ao modo de vida dos

seringueiros e colonos, para a elaboragao de um modelo para

uso na rede official de 1I grau e

23. Desenvolver um trabalho de resgate da historic oral dos se-
ringueiros em suas manifestagoes culturais, formas de resis-
tencia, praticas seculares do uso de plants medicinais, me-

diante comprovagao em estudos cientificos, para uso e reco-

mendagao por parte de agents de saude de seringueiros.









































06. ANEXOS




figure 02


SERINGEIRA

CASTANHA
FRUTAS
CAqA
PEIXE


U~



-1,












CALHNDARIO DO SISILHA DE PRODUCAO DO SERINCUL1RO


RIODOS/HMLLSS CIUV4 SLCO CHUVA
A I IVI DADtIS JAN 34 I I V MHR DR M41 3UN 3UL MNI0 S 1 OU1 NOV DLZ


Curt I c o.(Jujul.i.uC tll l.IItl



I imprz.i d.ts st l.id.Is

Cult-.I d.i C.st.inh.i .

PIl p.aIr d- r" ..

Ar to

Ili Itho
Ii

t itt I u

M.and i uc.i


"Mi thu

6 t



(t i i(,'t ',



C.s(,i



Cm t i. I i
Come r'i.tl it.qC.lo





I +


__________ _____________ I.


II _ _ _ _I


Obse rv.1.it: ---. dubr., d.i pl.int. du mi lhu fic.,ndo no ru.ldu .ate .I) ull;ei t.i.


- I


-----------------







figure 03


MODEL CAUSAL


DOS FATORES LIMITANTES


FATORES SOCIAIS


* PONTOS DE INTERVEN-
QAO(PARA ORGANIZA5AO
DE AGRICULTORES *-E
6RGAOS DE APOIO


FA TORE S INS T I TUC I ONAI S/POL T I COS





figure 04


FARINHAGRAO -
LR~nR~l


BENEFICIAMENTO


ARROZ
MILHO
FEIJAO
MANDIOCA


MAO DE OBRA
EXTERNAL

MEEIRO

SDIARISTA

TROCA


F


EXCEDENTE








ANIMALS

GALINHA
PORCO
ETC.


GADO
I
-


FL R E S T A






3 5 5 1 t:. t *:l i.n1 .. u n tcn. a'u.l i t.p i n ui P .( U.ni I t [c tX t tUv


S1 i M A
14r O

.11,1. 'ltli t tl. i nv't( it St('( u- vt' *IU (. iuvusu- i rivet rn



.,t i id.d s 3 V _3 LL' ~~R 4ABR '3UN 3JUL AGO Si 1 OU NOV DEZ


PI tp.'ll d. .i -(r a I


Hi hu


I I 117





Hot I .







C.I,.iu



















I'.jdf- i r.
Hoil t j1





Buri .whuo











P.) I t T.1,





I i t l. i





An nim.i s


nil tn it.s hrri l col fit.i

.'o ... --.-. -----tl t ,) (

t I ti 1 .1 t'. co I tic t 1I


an pit c ''* ..inwtr i _u


j pILnt i ,culle-i .


colhcita



_ LpJIrLijL -___ i
I l V1.- .

plant iu e
._'olt i t.I*


preparru d( mudis e

rl_ cio co. 1 lhei t. plantt iu



.nli riLj" r
d:

1
( lhr-j it.t_ d: \.iri,.s tspetvies _ JL-aPrL._Adlld--j l,-J_LiJ-LL

In; (-rt,idO P .int ju t couti,-ett In te-n-id.id-j ]ntens id.id .e




P'rpa-ru e
C u r I e (sangrji)


C( let- z Colelt.


C ur Ve tV to d.3


L impet: a
! _


Plant i
I --


29 stnmesltre


,J I


4tivid.ider, enerjl izaidas


P.C. Projelu de Culuniz.aq.u.


__...__L-l.- ~~. --..~-- ~..~'1U-~~
Dl-I,(:I d~rlub.,c-


1F ~l-nl( 51t`C
I .f










































Avron tlsmnatadna m Lor.'rceno dcclivoro


I'i:.,,.' l'Plnllu io cim nrei i do ca(.po ir


Fi p.. 01 -






































Fip..03 T;im;il ip Arcerno non Prnjo I rn rc CPol n i dr;.Io no prriodo chuvoso
( i rIvrnrto)


Fi p.0(4 Pnmnll dr Ac' s ';; no,; Pv .i'ln t ( Col ii ;: o n1o l peri(ndo) nco
(veran'K)






































SFig-.05 (C~nr. dr Morantl: do "Wri ngrwiro


S i. ; l. .F '* Ii ''"
r* ^ '1 *.- .*.E4 ..4, {


Fig.06 Escola Rural







































Fig.07 M;l.n AberLn


Fig.08 Plnnt.nyo de rFnndiocn o P-int.npm NI.tlivn


























7' 'Y- itr5z.3I -l
:^^^^-^^L'i 4-: r-.. :r r S-


F i1g. 09 Vi voiro dc Fr f'r i rnn


[''^^^'0

*"^SBR ^ ^


L ii~l~ T~jE rL/j ~ ~ *' ', I'' t.
I. p 4. 1
'.M l''4 0 ,
^&s%?^^^^^~~~~~~ ': **^/< tv" -**^ ^^^ : *


Fig.10 PlantLnqao de Dlannnei r



































Fip,. I Pli;nt,io em Vnrzen ( narrmwno doe fi,)


v'~~Vj L~2iJi)Act9
SI WrR


Fig. 12 Pl1nt in mn Torreunio o F1rn.i<
































Fill. 13 Corlv do Scri ltpit i rn ~ij-nmnd Mn Ki


I e~i










RELAqAO DOS PARTICIPANTS DO CURSO.


01. Aldenor Fernandes de Souza UFAC

Eng.2 Agronomo


02. Alexandre Pereira de Bakker INPA

Eng.2 Florestal


03. Angelina Rosado MIRAD

Eng. Agronoma


04. Antonio Francisco da Silva UFAC

Eng.2 Agronomo


05. Antonio Pacaya Ihuaraqui IBDF

Biologo


06. Arnobio Marques de A. Junior CTA

Licenciado em Historia


07. Cicero Rodrigues de Souza CEPA-AC

Economista


08. Denise Regina Garrafiel CIMI

Sociologa


09. Djalcir Rodrigues Ferreira UFAC

Fisico


10. Emigdio Flores Calpineiro

Sociologo


11. Fatima Conti UFAC

Biologa










12. Francisco Rildo Cartaxo Nobre INPA

Eng.2 Agronomo


13. Ivandir Soares Campo EMBRAPA/UEPAE/AC

Eng.2 Agronomo


14. Joao Aramis Dourado Cordeiro UFAC

Eng.9 Agronomo


15. Joao Ferdinando Barreto EMBRAPA/UEPAE/AM

Eng.2 Agronomo


16. Jorge Hugo I. Martel INPA/AM

Eng.2 Agronomo


17. Jorge Washington de Souza UFAC

Eng.2 Agronomo


18. Judson Ferreira Valentim EMBRAPA/UEPAE/AC.

Eng.2 Agronomo


19. Luana Maria Castro Macedo SDA

Economista


20. Leonidas Dantas de Assis EMATER/AC

Eng.2 Florestal


21. Maria do Carmo Cunha Forneck UFAC

Biologa


22. Maria Emilia Soares Dantas IMAC

Tecnologa em Heveicultura


23. Maria Salete Pinheiro Matos CEPA/AC

Estatistica











24. Mauro luiz Aldrigue UFAC

Quimico.

25. Nilson Trindade de Queiroz EMATER/AC

Tecnologo em Heveicultura


26. Ronaldo da Rocha Braga FUNTAC

Eng.2 Agronomo


27. Tamara Claudia de Araujo EMBRAPA/UEPAE/AC

Eng.@ Agronoma


28. Connie Campbell UF

Antropologa


29. Karen A. Kainer UF

Eng.a Florestal


30. Mona Habasch UF

Economia Agricola


31. Miguel Matos Proenga UF

Eng.2 Agronomo

32. Paul BarteL UF

Economia Agricola


33. Sondra Wentzel UF

Antropologa

34. Jonathan Dain UF

Antropologo











CORDFNACAO NA UF'AC


01. Mancio Lima Cordeiro

Fro-Reiror de Pcsuisa e Pcs-C-raduacac


02. Vicente Cruz Cercue-ir

Ass. ce Cooperacac Interinstitucional

03. Lucilia 'aria Farra Pastro

Ass. de Cooperacac Interinsti-uc-onal


04. Antonio Francisco da Silva

Deparanmento de Cincias A arSra


05. Joc Aramis Dourcdo Corde-ro

De-artaementc de Ci enc is Aor-ria

06. au-rc Luis Aldrc-ue

Depr emrentO de Ciencics do Natureza



COORDENACAO NA UF

01, Marianne Schimini:

Center for Latin American Studies



PESSOAL DE APO10

01. Ana LMaria de Oliveira UFAC

02. Maria des Gracas de Castro de Scza UFAC


03. Vilma MY ria Bessa Lopes UFAC



DATILOGRAFIA

01. Wilker Luiz Gadelha Moai












TREINADORES


01. Marianne Schmink UF

Center for Latin American Studiens



02. Peter E. Hildebrand UF

Food e Resource Economies Dept.



03. Ken Buhr UF

Agronomy Department










GLOSSARIO


ALOUEIRE media agrarian utilizada per agricultores dos Eszcdos

Centro-Oeste, Sul e Sudeste dc Brasil.

Alaueire Paulista ou Al'ueirinho ecuivale 2.4 ha.

Aloueire Mineirc ou Alaueirao equivale 4 h.


BROCA Corte das plants i arbusti vas e cipos dentro da floor st.a:

fase pi ea paaioria para a ode.rruada ca 6 aua.


CAUP3 LsoDcie de feijao (vigna unguicuaa a); tarmcbem conhecc o

como feijac-de-corda e feijao macsgar.


CAVACC Fedacc de lasca de 7-cei ra lIeve, u-tillada p.ra a coberVtu-

ra de casa: comurm n s z. ona rur 'al aczonica e aig-umas c-

dades.


CAPOTE Ave dcmestica conhecida upr gelinha de angola ou guine.


CABECI Urnidade utilisada pora rquantificar o numero de ar-imais

dorresticos (gadc, aves, caprinos, suinos e ouvinos).


CASTANHA-DC-BRAS!], Amendca prc(duzida per arvores nativas (Ber-

tholeta excelsa, muito comum na regiao.


CARROCA Veiculo de madeira en; duas. rodac-, movido a tracao ar-:-

ma7


CONSORCIO Plantio intercalado de duas ou mais cultur"as emr umi

mesma area e perlodo.


COLOCACAC Area definida para a-;uacao dc serir.gueiro, onde estao

locaiizados asz es :ades: de seringueiras.










COI.ON Produtor rural instalac's emc coiloTias.


COLONIA Pequena propriedade rural.


DEREUBADA Atividade de corte e tombamento das arvores para in-

corporacao d, area ao sist.ema de produgao agropecua-

ria.


DESCANSO Pousio; periooo de recuperacao natural da terra apos o

cultive da lavoura, geralmente entire 4 e 8 anos, arra-

es aa regeneracao n.ativa.


ESTRADA E o caminho /rota diaria de um serirgueiio em um deter-

minadc. numero de sc:ingueiras.


AGREGADO FAMIL1AR Reuniac de todos cs membrcsc que vivem ny un

mesmo local, ou contribuemconi e rn mao-de-obra.


ACAfiMA1,EN'O Tombamfenrto da pilanta no ca-n:po.


VAQUTI\IIA Inseto que a-.;cae o feijao e horntalicas.


SACO Embaaigem utilizada para acondicionarrjento cd prcdutos agri-

coi as.


HECTARE Medida agraria equivalent a 10.000 m2.


CURRAL Instalagac para manejo de animal.


VERAO Periodo annual de bajxa pluviosidade no Esi.adc do Acre corm-

prP-endendo os meses de junhc a setembro.


II'VEPNO Periodo annual ,de alta pluvicsidade compreendendo cs me-

ses de oulubrnc a majc.


LATEX Seiva de seringueira usade para producac de borracha.










IGARAPE Pequeno curse, d'agua, o mesmo que corrego, riacho.


AQUDE Reservatorio artificial para armazenamrento de agua.


MONOCULTURA Cultivo de apenas uma so cui:ura numa mesma proprie-

dade.


TAMBOR Recipiente de metal usado para condicionamento de graos.


ADJUNTO troca de mao-de-obra enrtre trabalhadores rurais, normal-

mente denominada um dia de service.


EMATER Empresa de Assistencia Tecnica e Extensao Rural.


EMBRAPA Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuaria


PROBOR Programa de Incentivo a Produgao de Borracha Vegetal


DOBRA Quebra da planta de milho ao meio, visando sTs: melhor con-

servagao no campo


EKPREITA Compra de servigos de terceiros, definLndo-se ativida-

des a serem realizadas em determinada area e tempo.

Tambem denominada "enipleita".


GORGULHO Praga de elevada ocorrencia ncs graos armazenados.


INTEPMEDIARIO Comerciante situado entire o produtor .e. meroado

consumidor.


LENHA Medeira utilizada come combustivel atraves de sua queima.


LATA Unidade de 18 litros utilizada para medigao quantificativa

da castanha colhida na floresta.


MARRETEIRO Comerciante que compra a producao do colony ou se-

ringueiro e vende-lhe deterninados prc.dutos ou insu-









mnos or.i~.'lci:; I.. n'wr' 'TarnbeLm chamados de interme-
diari s.


ME]EIRO Individuo qu: v\rincre ., ;, s'rvig.,o atraves da obtengac de

50% dd p.roduay ti .. Areas de outros, os quais

permanecem cmn aI prod,-uo restante.


MUTIRAO Agrupamento de pessoas visando a realizaqao do determi-

nadas tarefas de 'ifi'ci. execugao ou de acentuade ur-

gencia em sues proprias propriedades.


PAIOL Conrstrugao rustic para fins de armazenamento do produto
agricola.


POUSIO Periodo de descainso de 5 a 10 anos dado as areas culti-

vadas, visando a recuperagao de sua fertilidade natural.


QUEIMADA Atividade incorporada ao sistema de prodUqao agropecua-
ria visando a limpeza da area atraves da utilizagao do

fogo.


SERINGUEIRO Trabalhador que desenvolve atividade do latex.


PDRI Projeto de Desenvolvimento Integr&do


CEPA Comissac Estadual de Plarnejamento Agricola.


IBDF Instituto Brasileiro de Desenvolvimento Florestal.


COLONACRE Companhia de Colonizagao e Desenvolvimento Agrario do
Estado do Acre.


MIRAD Ministerio da Reforma e Desenvolvimento Agrario.


CAGEACRE Ccmparnhia de Armazen. Gerais do Estado do Acre.




University of Florida Home Page
© 2004 - 2010 University of Florida George A. Smathers Libraries.
All rights reserved.

Acceptable Use, Copyright, and Disclaimer Statement
Last updated October 10, 2010 - - mvs