• TABLE OF CONTENTS
HIDE
 Half Title
 Title Page
 Preface
 Introduction
 O povoado de Santa Brigida
 A danca de Sao Goncalo na comunidade...
 A danca de S. Goncalo na comunidade...
 Reflexoes sobre as duas formas...
 Bibliography
 Table of Contents
 Back Matter














Group Title: Colecao de estudos sociais ; 1
Title: Sociologia e folclore
CITATION THUMBNAILS PAGE IMAGE ZOOMABLE
Full Citation
STANDARD VIEW MARC VIEW
Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/UF00025490/00001
 Material Information
Title: Sociologia e folclore a dança de São Gonçalo num povoado bahiano
Series Title: Coleção de estudos sociais
Physical Description: 121, 6 p., 3 leaves of plates : ill. ; 22 cm.
Language: Portuguese
Creator: Queiroz, Maria Isaura Pereira de
Publisher: Livraria Progresso Editôra
Place of Publication: Salvador Bahia Brasil
Publication Date: 1958
 Subjects
Subject: Dance -- Religious aspects -- Christianity   ( lcsh )
Religious life and customs -- Bahia (Brazil : State)   ( lcsh )
Genre: bibliography   ( marcgt )
non-fiction   ( marcgt )
 Notes
Bibliography: Bibliography: p. 123-124.
Statement of Responsibility: Maria Isaura P. de Queiroz.
General Note: "Edição conjunta com a Fundação para o Desenvolvimento da Ciência na Bahia.
 Record Information
Bibliographic ID: UF00025490
Volume ID: VID00001
Source Institution: University of Florida
Rights Management: All rights reserved by the source institution and holding location.
Resource Identifier: aleph - 001680874
oclc - 13328443
notis - AHZ2807
lccn - 85216194

Table of Contents
    Half Title
        Page 1
        Page 2
    Title Page
        Page 3
        Page 4
    Preface
        Page 5
        Page 6
        Page 7
        Page 8
        Page 9
        Page 10
    Introduction
        Page 11
        Page 12
        Page 13
        Page 14
        Page 15
        Page 16
    O povoado de Santa Brigida
        Page 17
        Page 18
        Page 19
        Page 20
        Page 21
        Page 22
        Page 23
        Page 24
        Page 25
        Page 26
    A danca de Sao Goncalo na comunidade alagoana
        Page 27
        Crencas e lendas
            Page 27
            Page 28
            Page 29
            Page 30
        Tocadores, dancadeiras e publico
            Page 31
            Page 32
            Page 32a
            Page 33
            Page 34
            Page 35
        A execucao da danca
            Page 36
            Page 37
            Page 38
            Page 39
            Page 40
            Page 41
        Descricao das "voltas"
            Page 42
            Page 43
            Page 44
            Page 45
            Page 46
            Page 47
            Page 48
            Page 48a
        Os versos, o passo, a musica
            Page 49
            Page 50
            Page 51
            Page 52
            Page 53
        O mestre da danca de Sao Goncalo
            Page 54
            Page 55
            Page 56
            Page 56a
            Page 56b
            Page 57
        A danca de S. Goncalo e a organizacao social da comunidade alagoana
            Page 58
            Page 59
            Page 60
            Page 61
            Page 62
        Funcoes manifestas da danca de Sao Goncalo
            Page 63
            Page 64
            Page 65
            Page 66
            Page 67
            Page 68
            Page 69
            Page 70
        Funcoes latentes da danca de Sao Goncalo
            Page 71
            Page 72
            Page 73
            Page 74
    A danca de S. Goncalo na comunidade baiana
        Page 75
        Page 76
        Page 77
        Page 78
        Page 79
        Page 80
        Page 81
        Page 82
    Reflexoes sobre as duas formas da danca de Sao Goncalo
        Page 83
        A Danca de S. Goncalo como um fato folclorico religioso
            Page 83
            Page 84
            Page 85
            Page 86
            Page 87
            Page 88
            Page 89
            Page 90
            Page 91
        A antiguidade da forma alagoana da danca de Sao Goncalo
            Page 92
            Page 93
            Page 94
            Page 95
            Page 96
            Page 97
            Page 98
        Condicoes para a persistencia da danca de Sao Goncalo
            Page 99
            Page 100
            Page 101
            Page 102
            Page 103
            Page 104
        A danca de S. Goncalo como uma sobrevivencia
            Page 105
            Page 106
            Page 107
            Page 108
            Page 109
            Page 110
        O estudo das sobrevivencias no folclore brasileiro
            Page 111
            Page 112
            Page 113
            Page 114
            Page 115
            Page 116
            Page 117
        Conclusoes
            Page 118
            Page 119
            Page 120
            Page 121
            Page 122
    Bibliography
        Page 123
        Page 124
    Table of Contents
        Page 125
        Page 126
    Back Matter
        Page 127
        Page 129
        Page 130
Full Text








. i. L .
Coniprn cr
I E*'o ro.
j^.P..


.'. _.o s

'- 'ada d i vros
c L': Ldo.
* 5f~== cs-s -, :I


SOCIOLOGIA E FOLCLORE

A DanQa de Sao Gongalo num Povoado Bahiano









COLEQAO DE ESTUDOS BRASILEIROS

Direigo de Pinto de Aguiar

SERIE MARAJOARA


A BAHIA DE OUTRORA (Edi;io ilustrada
por Carib6 e Ligia)
CORRESPONDMNCIA DE RUY

HISTORIA DA AMERICA PORTUGUESA
HISTORIA DO BRASIL (6 volumes)
CONTOS TRADICIONAIS DO BRASIL
HIST6RIA DE RUY BARBOSA
OS HOLANDESES NO BRASIL
O BRASIL (Editio ilustrada)
NOTAS DOMINICAIS
DIALOGOS DAS GRANDEZAS DO BRASIL
A CIDADE DO SALVADOR ASPECTS
SECULARES
CERAMIC POPULAR NA BAHIA (Ilustrado)
HISTORIC DA INDEPENDENCIA NA BAHIA
BAILES PASTORS (Ilustrado)
O FOLCLORE NO BRASIL
O FUTURE DO POLIGONO DAS SECAS
NA BAHIA COLONIAL
PREHISTORIA DA BAHIA
ABERTURA DOS PORTOS

SERIE CRUZEIRO

A ECONOMIC BRASILEIRA NO ALVORECER DO
SICULO XIX
CULTURAL E OPULENCIA DO BRASIL
FRONTEIRAS DO BRASIL
O RIO SAO FRANCISCO
O ESTUDANTE NA HIST6RIA NATIONAL
PAGINAS DE HISTORIC DO BRASIL
ANCHIETA
A RACA AFRICANA
OS NATURALISTAS VIAJANTES
VIAGEM AO BRASIL
DICIONARIO DE VOCABULOS BRASILEIROS
ASPECTS DA ECONOMIC COLONIAL
MEDICINE INDIGENA
DIARIO DA ARMADA, DA INDEPENDENCIA

NO PRELO:

AMERICA MERIDIONAL
A EMANCIPACAO DOS ESCRAVOS
TRATADO DA TERRA DO BRASIL- HIST. DA
PROV. DE SANTA CRUZ
UM NATURALISTA INGLES NO BRASIL
MISSAO NO BRASIL
O TUPI NA GEOGRAFIA BRASILEIRA




Livraia PROGRESSO Editora


Manuel Querino
Sel. e notas de
Afonso Ruy
S. da Rocha Pitta
Robert Southey
L. da Camara Cascudo
Rubem Nogueira
A. Varnhagen
Ferdinand Denis
L. F. Tollenare


Alberto Silva
C. Costa reeliri
Braz do Amaral
Melo Morals e outros
Gastio de Bettencourt
J. Pereira Bastos
Luiz Monteiro
Carlos Ot
Pinto de Aguiar




R. de Brito e G Calmon
Antonil
Joio Ribeiro
Teodoro Sampaio
Renato Bahia
Afonso Rui
Pe. Pero Rodrigues
Manuel Querino
Teodoro Sampaio
Hans Staden
Beaurepaire-Rohan
Pinto de Aguiar
Si Menezes
Fr. M. M. Paix o e
Dores


La Condamine
Ray Barbosa

Pero M. Gandavo
C. J. F. Burnbury
Martin de Nantes
Theodoro Sampaio


1958


Pr,~a cia S~, 26 Salvador Bahia Brash


Salvador -


Pragsa da Se',26


Bahia Brasi I






Maria Isaura P. de Queiroz


Sociologia


e Folclore


A Danga de Sao Gongalo num Povoado Bahiano

EdigCo conjunta corn a
Fundacgo para o Desenvolvimento da Ciencia na Bahia









AGUIAR & SOUZA LTDA.
LIVRARIA fpt PW itJ EDITOR










/7'73, 3/I /





fffmcT "


Composto e impresso na Imprensa Vit6ria Rua Dr. J. J. Seabra, 360 Salvador-Bahia
















PREFA C/O



Ao ser estabelecida em janeiro de 1951, a Fundagdo
para o Desenvolvimento da Ci6ncia na Bahia foi encarre-
gada do cumprimento do convenio, firmado e em execu-
gdo desde meados de 1949, entire o Governo do Estado da
Bahia, pelo seu Departamento de Educagdo, e a Columbia
University, de N. York, pelo seu Departamento de An-
tropologia, para uma sdrie de pesquisas s6cio-culturais
em comunidades tipicas das vdrias regimes geo-econ6-
micas do Estado em ordem d obtengdo de conhecimentos
que servissem de base ao planejamento da educagdo, da
assistdncia medica e da adminiqtragdo, iniciativa do
entdo Secretdrio de Educago e Samde, Prof. Anisio S.
Teixeira. Tornado realidade gragas d alta compreensdo
do Governador Octdvio Mangabeira, o convenio veio a
corporificar-se no Programa de Pesquisas Sociais Estado
da Bahia-Columbia University, sob a direago geral do
autor do seu piano, prof. Charles Wagley, com a nossa
colaboraago como director regional, encarregado do cum-
primento do ac6rdo por part do Gov6rno baiano, e do
Prof. L. A. Costa Pinto, como consultor.
Das pesquisas de campo realizadas entire 1949 e 1953
por um grupo de antropologistas norte-americanos, au-
xiliados por estudantes brasileiros, conforme piano e
metodos expostos na publicacgo Uma pesquisa s6bre a vida
social no Estado da Bahia, de C. Wagley, T. de Azevedo







MARIA ISAURA P. DE QUEIROZ


e L. A. Costa Pinto (Edigdo do Museu do Estado, n.0 11,
1950) e nos artigos "S6bre mdtodos de campo no estudo
de comunidade", de C. Wagley e T. de Azevedo (Revista
do Museu Paulista, vol. V, 1951) e "Pesquisas s6bre a
Bahia", de L. A. Costa Pinto (Digesto Econ6mico, S.
Paulo, set. 1950), resultaram atd o moment diversos arti-
gos, comunicaoqes a reiunides cientificas e teses de dou-
torado; duas das iltimas publicaram-se, sob a forma de
livros: Town and Country in Brazil, de Marvin Harris,
estudo de comunidades do alto sertdo, na antiga zona
de mineragdo de ouro, e Village and Plantation Life in
Northeastern Brazil, de Harry W. Hutchinson, s6bre a
organizagdo social de usinas e fazendas do Rec6ncavo
aguoareiro; Rollie E. Poppino escreveu "Princess of the
Sertao: a History of Feira de Santana" e Anthony
Leeds, "Economic Cycles in Brazil: the Persistence of a
Total-Culture Pattern", cor base. em investigagdo. na
zona cacaueira. Por solicitagdo do Departamento de
Ciencias Sociais da UNESCO e adotando plans estabele-
cidos em colaboraado comr o Prof. Alfred Metraux, director
do Program de Tensoes daquela entidade, executaram-
se pesquisas s6bre relagoes raciais, vindo a ser publica-
dos os livros Race and Class, in Rural Brazil, ediago da
UNESCO organizada por C. Wagley com a colabora-
gJo de M. Harris, H. W. Hutchinson e B. Zimmerman,
e Les Elites de Couleur dans une Ville Br6silienne, de
Thales de Azevedo, igualmente editada por aqudle 6rgdo
das Naoqes Unidas, alim de publicado em verndculo pela
Cia. Edit6ra Nacional na serie "Brasiliana".
Em uma fase ulterior o Programa de Pesquisas So-
ciais da Fundagdo para o Desenvolvimento da Ciencia na
Bahia empreendeu outras investigaoges e patrocinou tra-
balhos realizados sob a responsabilidade de diversas orga-
nizaoqes na Bahia, cooperando tambem para completar a







SOCIOLOGIA E FOLCLORE


formagado professional de estudantes brasileiros que to-
maram parte nas suas equipes de field work.
2ste volume inaugura uma sdrie de publicag6es em
que o Programa espera editor, em conjunto corn a Livra-
ria Progresso Editora, dirigida pelo Prof. Pinto de Aguiar,
as tradug6es dos trabalhos originalmente escritos em
ingles e os estudos resultantes de pesquisas mais recentes.


Em 1950, viajando pelo nordeste do Estado em com-
panhia de Benjamin Zimmerman para a escolha das co-
munidades em que, naquela drea, se fariam os estudos
previstos pelo convdnio, veio ao nosso conhecimento a
existencia de um grupo de populagco organizado em
t6rno de um velho chefe religioso no municipio de Je-
remoabo. Da visit que fizemos ao arraial de S. Brigida
e do contato de entdo, cor aquele lider carismdtico e
com a sua gente, result o estudo que a Prof. Maria
Isaura Pereira de Queiroz vem ali realizando a convite
do Semindrio de Antropologia, 6rgao de estudos da nossa
cdtedra de Antropologia e Etnografia na Faculdade de
Filosofia da Universidade da Bahia; a investigacgo ini-
ciou-se em 1955 quando, gracas d cooperacgo financeira
do Program de Pesquisas Sociais da Fundag~o, aquela
cientista social, aproveitando um period de firias da
Universidade de Sao Paulo, fez a sua primeira perma-
nencia no aludido arraial; em 1956 novamente estdve ali
por vdrias semanas.
0 interdsse desse estudo estd em que S. Brigida e
um dos diversos, para ndo dizer numerosos casos de exal-
tagdo mistica e de aglutinag~io de populag~es em t6rno de
beatos, que pelos sert6es do Brasil, particularmente do
Nordeste, se vem sucedendo hd mais de um siculo. Re-
leva realmente notar que o fen6meno se repete com aspec-
tos diferentes e que o tipo de mentalidade e as condiQoes







MARIA ISAURA P. DE QUEIROZ


sociais, economicas e political propicias ao desenvolvi-
mento de tais movimentos tambem persistem apesar das
mudangas culturais e sociais que se processam em nossos
sert5es nos filtimos decenios corn a abertura de estradas
de rodagem, o cinema, o rddio, a penetragdo de novas
ideias political e religiosas, a extensdo de linhas eldtri-
cas, as obras contra as s6cas, a introdugdo de novas la-
vouras e a exploragdo incipiente das minas e das possi-
bilidades de aproveitamento industrial das matdrias-pri-
mas regionais, o adensamento demogrdfico, em maior.
nzmero de vilas e cidades e ate a formagdo de verdadeiros
nicelos ndo apenas urbanos, como a maioria daqueles,
mas realmente urbanos, enfim corn tantos fat6res de
mudanga que ali vum atuando mas que ndo atingiram
ainda a estrutura fundamental e traditional da socie-
dade rdstica national, menos ainda a cultural sertaneja.
E' no empenho de esclarecer a naturesa do fen6meno,
em um dos seus casos mais originals, que a investigagdo
se realize a cargo de uma investigadora que se especiali-
zou em sociologia da religido, enquanto Assistente, na Uni-
versidade de Sdo Paulo, dos Profs. Roger Bastide e Flo-
restan Fernandes, e nos cursos que tomou na cole Pra-
tique des Hautes etudes, da Sorbonne, cor mestres
daquela especialidade como G. Gurvitch, Gabriel Le
Bras e ainda Roger Bastide e onde defended tese de dou-
torado, intitulada "Guerre sainte au Bresil: le movement
missianique du Contestado". Ndo e 6ste, alids, o fnico
tema de sua predilegdo e especialidade em sociologia, pois
temr dedicado atengdo aos fen6menos politicos, publicando
trabalho igualmente valioso s6bre o mandonismo em
nossa vida political, alem de estudos s6bre outros temas
sociol6gicos e etnogrdficos em revistas de linguas portu-
guesa, francesa, alemd e espanhola.
"A dansa de Sdo Goncalo num povoado baiano"'
como que uma nota previa d monografia que a Autora







SOCIOLOGIA E FOLCLORE


espera escrever s6bre a comunidade de S. Brigida e cujos
delineameqntos teve ocasido de expor, em uma reunido do
Semindrio de Antropologia, a um grupo, de professdres e
estudantes de Cidncias Sociais baianos. Em torno de un
tema do folclore local, interpretado sociologicamente, e
possivel apreender jd bastante da cultural, da estrutura
social, da economic e da religido da pequena, sociedade
constituida por uma parte dos habitantes do arraial e cir-
cumvizinhanas, cujo ethos, de orientagdo religiosa pe-
culiar, enraiza nas mesmas antigas ex eribncias que ex-
plicam a mentalidade, a comportamento, os tipos de per-
sonalidade, as crises que historiadores, cronistas, literatos
e mesmo cientistas sociais noutras gpocas e na atuali-
dade tem abordado ao se ocuparem de Pedra Bonita, de
Canudos, de Joazeiro: e de outros casos menos conhecidos,
uns de certa duraago, outros mais efemeros, terminando
corn o exterminio dos "fandticos" pela brutalidade das
armas dos "civilizados" ou cor a modificagdo das con-
dioges de educagdo, de economic, de political, de religido.

Thales de Azevedo
Director
Program de Pesquisas Sociais
da FundaCgo para o Desenvolvimento da Ciencia na Bahia.


















INTRODU;AO


A Danga de S. Gongalo ter atraido a atencgo de
varios de nossos folcloristas, que descrevem as diversas
maneiras de desempenhA-la, encontradas em localidades
brasileiras.

Trata-se de antiga danga religiosa, que tem lugar dian-
te de um altar. Ela nos veio de Portugal, talvez mesmo
cor os primeiros colonizadores, pois o culto a S. Gongalo
ali jA era realizado havia largos anos. D. Joao III, por
exemplo, foi fervoroso devoto do santo, que era cultuado
"com dangas e cantigas pedindo casamento na frente do
altar". (1) Parece que, desde o inicio, consistiu o culto es-
pecialmente em dangas, pois "os C6negos da SE do P6rto
dangavam diante do altar de S. Gongalo, no dia da festa,
certa danga hieritica e devota, que hoje se perdeu". (2)

A primeira refer6ncia A danga no Brasil 6 feita por
Gentil de la Barbinais, que a ela assistiu em janeiro de
1718 na cidade do Salvador, (3) ficando impressionado
com o carter de "saturnal cristd celebrada ao som mavioso
das violas". (4) Realizava-se entio habitualmente dentro

(1) Geraldo Brandao, Notas s6bre a Danga de S. Gongalo do
Amarante, pg. 8.
(2) Luis Chaves, Paginas Folel6ricas, citado por Geraldo Bran-
dao, op. cit. pg. 15.
(3) CAmara Cascudo, Dicionirio do Folclore Brasileiro, pg. 293;
Geraldo Brandao, op. cit. pg. 22; Mariza Lira, Migalhas Folcl6ricas,
pg. 76.
(4) Geraldo Brandao, op. cit. pg. 22.







MARIA ISAURA P. DE QUEIROZ


das igrejas, tendo sido proibida sua execuqAo nelas no cor-
rer do s6c. XIX, sabendo-se com precisdo que em Olinda
e Recife tal proibiqAo se deu em 1817. (5) E' encontrada
ainda hoje pelo interior brasileiro, ao que se sabe no Rio
Grande do Norte, Minas Gerais, Bahia, GoiAs, S. Paulo,
Parand, Santa Catarina, constituindo "talvez a derradeira
danga como aq&o religiosa, oferenda litfirgica, que possui-
mos". (6)
A Danca de S. Gongalo foi observada nos arredores
da cidade de S. Paulo por Alceu Maynard Araujo, Mar-
ciano dos Santos, Geraldo Branddo e, no sul do Estado, par
Edmundo Krug. Saul Martins descreve uma forma encon-
trada em JanuAria, Estado de Minas Gerais, e Camara Cas-
cudo outra, no Rio Grande do Norte. Loureiro Fernandes
se refere A que existe no Parana. Varios autores registram
sua acorr6ncia na Bahia, mas s6 temos noticia de uma des-
criqdo dela, que figure no livro de Prado Ribeiro, "Vida
Sertaneja"; nao sabemos, ali, de nenhum estudo. (7)

Monografias e artigos que as folcloristas dedicaram a
esta danga preocupam-se em apontar-lhe a origem remote,
em analisar as possiveis influencias africanas ou indigenas,
em classificd-la de ac6rdo cor diferentes aspects. Seu
estudo, como se v6, segue a orientagdo comum dos estudos
folcl6ricos brasileiros. ColegAo e descrigio de dados, clas-
sificagdo, filiagdo, constituem as principals diretrizes que
orientam nossos folcloristas em seus trabalhos.

Demorando algum tempo no municipia de Jeremoabo,
no Estado da Bahia, pudemos assistir A realizagqo da Danga
de S. Gongalo no povoado de Santa Brigida. Vivem neste
povoado, lado a lado, levando aparentemente o mesmo tipo
de exist6ncia material e moral, um grupo de baianos au-

(5) Camara Cascudo, Dicionario do Folclore Brasileiro, pg. 293.
(6) Id., op. cit. pg. 293.
(7) VWr bibliografia complete no fim do trabalho.








SOCIOLOGIA E FOLCLORE


t6ctones e um outro grupo que de hA 10 anos para ca ali
se foi reunindo, formado principalmente de alagoanos emi-
grados do seu Estado natal. Ambos dangam o S. Gongalo.
Mas enquanto a danga esta florescente no meio alagoano,
no meio baiano ela quase nao se realize mais.
Esta primeira observagio levou-nos a pesquisar por-
que tal se dava, ficando logo evidence que a explicagao s6
seria obtida se estudadas as duas comunidades diferentes
que ali coexistem e a fungdo da danga em cada uma delas.
O material estava, pois, exigindo tratamento sociol6gico.
Diz-nos Florestan Fernandes que foi Amadeu Amaral,
entire n6s, quem primeiro reclamou a abordagem sociol6-
gica como uma nova maneira de se focalizar os fatos fol-
cl6ricos, estimando que a significado destes s6 poderia ser
plenamente compreendido quando f6ssem estudados mer-
gulhados no context s6cio-cultural de que fazem parte;
embora as condig6es da 6poca nao permitissem ao autor
levar avante a investigaggo folcl6rica em tais moldes, teve
6le o m6rito de apontar uma diregio nova A pesquisa. (8)
Faltava principalmente uma formagio especializada
que permitisse a abordagem do problema sob 6ste aspect.
Nao existindo ainda no Brasil cursos de Ci6ncias Sociais,
os folcloristas, embora sentindo a necessidade de uma fo-
calizagdo nova do assunto, completando as ji existentes,
nao podiam incrementar suas pesquisas nesse sentido. A
formagdo especializada 6 uma das primeiras condiq6es
para a realizacgo de qualquer trabalho de maneira objetiva
e eficiente; assim os estudiosos que examinam as fatos fol-
cl6ricos sob seu aspect lingiiistico, ou musical, ou coreo-
grafico, ou na sua transformac5o atrav6s do tempo, preci-
sam ser dotados de s6lido prepare nesses campos a fim de

(8) Florestan Fernandes, "Amadeu Amaral", in Revista do
Arquivo Municipal, ano XVIII, vol. CXLIII, setembro e outubrt de
1951, S. Paulo, pg. 12.







MARIA ISAURA P. DE QUEIROZ


poderem executar algo de consistent e de vilido. Sendo
o fato folcl6rico um fato social, cumpre examinA-lo tam-
b6m sob 6sse aspect, e para tal 6 necessAria uma forma-
gdo sociol6gica.

Nao queremos dizer que as outras abordagens sejam
desnecessirias; pelo contrario, sao indispensAveis, e a pes-
quisa sociol6gica ndo substitui nenhuma delas, pois escla-
recem aspects muito importantes dos fenBmenos, como
por exemplo o de sua proveni6ncia, o de sua difusdo, o da
aquisic~o de novos caracteres. Queremos apenas indicar
que o estudo do folclore apresenta, al6m d6sses, um outro
setor que tem sidc pouco explorado entire n6s. Quanto
mais um fen6meno qualquer for focalizado de pontos de
vista diversos, mais pr6ximo chegaremos de sua fisionomia
verdadeira.

A sociologia, neste caso, estA servindo como um pro-
cesso para a analise do fato folcl6rico; ela 6 um instrumen-
to de trabalho p6sto ao servigo do folclore, visando escla-
rec6-lo.

Assim sendo, seguimos os passes que Florestan Fer-
nandes, talvez o primeiro autor brasileiro que utilizou a
sociologia como um m6todo adequado ao estudo do folclore
(9), preconiza para tal abordagem, de acordo com indica-
56es de Amadeu Amaral: a) descricao complete do feno-
meno; b) an6lise de sua integraqdo ao sistema s6cio-cultu-
ral de que 6 parte; c) estudo de sua fungdo social. (10) A
6stes tr6s itens acrescentamos mais um, que 6 o da con-
tribuigso desta pesquisa, primeiro para o estuda da Danga
de Sao Gongalo em geral, e segundo para a teoria folcl6-
rica, especialmente no que concern ao caso brasileiro.

(9) Vsr por exemplo "As trocinhas do Bom Retiro", in Rev.
do Arquivo Municipal, ano XIII, vol. CXIII, margo-abril de 1947,
S. Paulo.
(10) Florestan Fernandes, "Amadeu Amaral", pg. 9.







SOCIOLOGIA E FOLCLORE 15

E', pois, a descriego e an6lise da Danga de S. Gongalo
no povoado de Santa Brigida, municipio de Jeremoabo, Es-
tado da Bahia, como parte do modo de vida das comuni-
dades que ali coexistem, que tentaremos nesta monografia.
Devido A pouca freqii6ncia corn que 6 levada a efeito no
meio baiano, a colheita de dados ficou desequilibrada; pois
se pudemos assistir duas v6zes ao S. Gongalo alagoano, a
respeito do qual encontramos informag6es copiosas, no
meio baiano os informants eram poucos e nenhuma vez
se dangou enquanto l1 estivemos. O ponto central do es-
tudo 6, pois, a descrig o da danga no meio alagoano, ser-
vindo os dados baianos de ponto de apoio para a compa-
ragdo, t6das as v6zes que esta f6r possivel.


S. Paulo, outubro de 1956.

















I O POVOADO DE SANTA BRIGIDA


O povoado de Santa Brigida, sede do distrito do mes-
mo nome, estA situado no municipio de Jeremoabo, Estado
da Bahia, pr6ximo A divisa com Alagoas. Tem mais ou
menos 150 casas, nas quais mora uma populagdo de umas
800 pessoas.
Ha 10 ou 12 anos atrAs, o povoado nao tinha mais que
20 casas; a feira, indice da prosperidade de um povoado,
no sertio nordestino, era pequenissima, insignificant. Foi
quando houve forte imigraqgo de alagoanos, atraidos pela
fama das boas terras e do trabalho abundante; vieram tam-
bem algumas families de paraibanos, pernambucanos, ser-
gipanos e at6 cearenses, mas o contingent forte veio de
Alagoas. A imigragio beneficiou o povoado e outros pontos
do distrito, cuja populagAo total se elevou; as rogas se
multiplicaram e a feira adquiriu movimento bem maior.
Infelizmente, a seca dos tres filtimos anos reduziu a pros-
peridade de Santa Brigida, levando tanto gente da terra
quanto imigrantes a sair e procurar meio de vida noutra
parte, principalmente no Rio de Janeiro e em S. Paulo.
O povoado tem uma escola primiria estadual, sendo
a profess6ra natural de Aracaju; uma farmicia, mas sem
farmaceutico formado nem medico; uma cadeia sob o co-
mando de um subdelegado, que nao disp6e, no entanto,
de nenhuma praga de policia ou soldado. Uma capelinha
muito modest se ergue um pouco recuada da praga, mas








MARIA ISAURA P. DE QUEIROZ


tamb6m nao ha padre. Santa Brigida estA submetida A pa-
r6quia de Jeremoabo; o padre ali resident nao visit o
distrito sendo quando 6 chamado pelos habitantes, que
t6m de pagar pelas cerim6nias de culto e pela viagem, ra-
zao pela qual raras v6zes se apela para l1e, e tanto baianos
quanto alagoanos consideram exorbitante o montante exi-
gido para que o padre venha oficiar em Sta. Brigida.
A primeira vista, nada distingue as duas populag6es.
O aspect fisico 6 id6ntico, variando todos as tons de pele,
desde o avermelhado e louro dos individuos de olhos azuis,
que existem mas sao raros, at6 os negros retintos que tam-
b6m sao muito poucos; dominam os mesticos, em que a do-
sagem de sangue branco, negro e indio 6 dificil de distin-
guir. Todos sao pequenos agricultores e pequenos criado-
res, possuindo rogas long da povoaqao e nelas passando as
v6zes dias seguidos.
Uma curta perman6ncia em seu meio comega a mos-
trar diferengas entire as duas comunidades (11), das quais
o traje 6 a mais visivel; enquanto as mulheres baianas gos-
tam de vestidos decotados e sem mangas, usando pintura
no rosto, as alagoanas reprovam tal maneira de se trajar
e se apresentam de mangas compridas, apenas empoando
a face nos dias de festa.
Aos poucos as diferengas vAo se acentuando, diferen-
gas que s6 o estranho nio havia ainda percebido, mas que
as interessados se comprazem em apontar. Cada comuni-
dade conservou a denominacAo referente A sua proveni6n-
cia, e os "alagoanos" nao se misturam cor os "baianos";
utilizaremos estas denominaSges para distinguir os dois
grupos de habitantes de Santa.Brigida.

(11) Empregamos o termo "comunidade "no sentido de "grupo
local altamente integrado, em que predominam contacts primirios,
sendo a cultural traditional e homogenea", segundo uma das defini-
g6es apresentadas por Emilio Willems, Dicionario de Sociologia, pg.
29. Em oposigao, a "sociedade" seria termo mais amplo que a en-
globaria.







SOCIOLOGIA E FOLCLORE


NAo se nota, entire os baianos, a cooperago existente
entire os alagoanos no piano do trabalho. A pr6pria solida-
riedade familiar, que 6 grande entire os iltimos, concreti-
zada numa attitude que a exprime muito bem "o mem-
bro de uma familiar nio deve sequer falar mal de outro da
mesma" e que determine obrigacges de auxilio mutuo
entire parents, decaiu entire os baianos, ao ponto de nem
se sentirem compelidos a auxiliar filhos que estejam em
mi situacgo financeira, levando, pois, uma vida em que o
"cada um por si" 6 o preceito seguido.

Enquanto os alagoanos empregam a trabalho de "ba-
talhdo", que 6 o nome dado entire 6les ao mutirdo, entire
os baianos nao perdura sengo nalgumas atividades como
nas "casas de farinha"; para o trabalho da roga, para a
construqAo de casas, 6sse tipo de auxilio nao voga mais,
preferindo os baianos, no caso das rogas, cultivarem as
terras com sua familiar, arrendando o resto em "tarefas" a
quem as queira, ou deixando-as incultas.
A pouca importincia que os baianos ddo atualmente
as cerim6nias religiosas coletivas 6 not6ria. A capela caia
em ruinas quando a imigragio alagoana comegou, e foram
os rec6m-vindos que a reconstruiram e pintaram. Durante
os quarenta dias passados em Santa Brigida, n&o presen-
ciamos nenhuma pr6tica religiosa entire os baianos, salvo
uma novena de S. Joao que se tentou realizar, mas que foi
assistida por oito pessoas apenas.

Ao contrario, entire alagoanos as cerim6nias religiosas
coletivas sAo muito freqiientes; grupos de pessoas se diri-
gem cantando "benditos" para um dos muitos cruzeiros
que existem em t6rno do povoado, e ali rezam o t6rgo t6-
das as noites. Al6m d6ste exercicio diario, hi nos dias san-
tos romarias a cruzeiros mais longinquos, rezam-se as es-
tag6es da via-sacra, e tudo congrega sempre bastante gente.
Os baianos dizem entdo em tom de debique que os alagoa-







MARIA ISAURA P. DE QUEIROZ


nos "sao um povo que vive rezando", enquanto os ala-
goanos se justificam explicando que "sao essas suas finicas
distraSoes".
De fato, os alagoanos nao jogam, nao fumam, nio be-
bem, nao dangam e nao brigam outros pontos de dife-
renga para os quais chamam a atencgo dos de fora, quando
falam a respeito de si mesmos e dos baianos.
Os divertimentos profanos sao freqilentes entire estes
filtimos. VWem-se homes sentados diante das portas jo-
gando baralho, a cachaga ter fregueses todos os dias e seu
consume sobe muito nas feiras. Porem, o melhor diverti-
mento para os baianos 6 o baile A modern, de dangar enla-
qados, que ter lugar nos dias de feira, nos dias-santos e
aos sabados; violdo, pandeiro e sanfona formam a orques-
tra, que toca os sambas, os boleros e os bai6es da moda,
enquanto dangam todos os presents, das criancas aos ve-
Ihos. Antigamente, os baianos dangavam muito samba de
c6co, mas hoje em dia e raro; o baile enlacado conquistou
t6das as preferencias.

Assim, s6 pudemos assistir entire as baianos, como ce-
rim6nia religiosa coletiva, A novena de S. JoAo ,a qual nem
teve eco na comunidade; mas em compensagdo presencia-
mos boa quantidade de bailes. HA, pois, uma laicizagao dos
divertimentos na comunidade baiana, que nao se nota en-
tre os alagoanos, conservando estes a maneira lidico-reli-
giosa coletiva de se distrair.

Embora existindo no povoado um subdelegado (o qual,
todavia, nao tem nenhuma f6rga policial sob suas ordens),
estAo praticamente os baianos destituidos de qualquer for-
ma express de administracgo e de contr6le. Este iltimo 6
exercido de maneira difusa pelos mexericos e diz-que-diz
-ques de comadres e compadres, sempre farejando qual-
quer novidade; a autoridade do subdelegado s6 e reconhe-








SOCIOLOGIA E FOLCLORE


cida quando se trata de dar parte, a autoridades mais altas,
de qualquer ocorr&ncia. A frouxidao do contr6le se eviden-
cia na quantidade de disputes fiteis que terminam em
ponta-de-faca, no desregramento dos costumes familiares,
na falta de coesdo internal dos membros da comunidade,
que s6 num ponto se mostram unAnimes 6 quando se
op6em, como um grupo, aos alagoanos.
Estes, pelo contrArio, nao acatando embora a autori-
dade do subdelegado, possuem um chefe, Pedro Batista, li-
der spiritual, social, econ6mico e politico da comunidade,
grande conhecedor de assuntos religiosos, o home mais
poderoso econ6micamente falando, conselheiro para t6das
as ocasi6es e todos os problems, protetor nas horas difi-
ceis, financiador nos moments de ap6rto. Dl6e emana o
supremo contr6le, que tem assim um 6rgio manifesto, sen-
do tamb6m exercido, porem, par meios difusos.
Os alagoanos consideram os baianos gente sem fM nem
lei, que levam uma existincia de pecado e de orgia. Nao
escondem seu desejo de viver segundo normas de respeito
e dec&ncia, diferentes da liberdade de costumes professada
pelos baianos, que 6les v6em se concretizar simbblicamente
nos bailes, extremamente mal vistos pelos alagoanos.
Do lado baiano, os velhos encaram cor certa simpatia
o modo de vida dos alagoanos, dizendo que 6 gente boa, e
as velhas baianas se vestem ainda da maneira pela qual
hoje se vestem as mulheres alagoanas. Deploram os costu-
mes hoje vigentes no seu pr6prio meio, acham que antiga-
mente a vida era mais decent, as mulheres nio pintavam
a cara, a vida de familiar era respeitivel, e na comunidade
todos se auxiliavam mltuamente, enquanto hoje "ninguem
mais ter caridade". Pelo modo d61es descreverem a exis-
tencia no tempo antigo, v6-se que esta se aproxima da ma-
neira de viver alagoana atual, e os velhos baianos o admi-
tem explicitamente. No entanto, os mogos baianos encaram







MARIA ISAURA P. DE QUEIROZ


os alagoanos coma gente muito atrasada, cheia de supers-
tig6es, que nao vive de ac6rdo com os tempos modernos.

Habitando lado a lado, as duas comunidades nao se
misturam pois, e houve 6poca em que as relacges andaram
tensas. Ha hoje certa tolerincia mfitua e mesmo esb6go de
cooperagfo (os baianos nao se furtam de dar aos alagoa-
nos terras para cultivarem em "tarefas", isto 6, admitem-
nos como assalariados), determinada pela conviv6ncia no
mesmo espago geogrifico, pelo comportamento dos alagoa-
nos que nao respoidem a nenhuma provocacgo para briga,
e pela vontade de trabalhar d6stes filtimos, que os leva a
se alugarem aos baianos.

Mas a segregaggo se mant6m. Cada comunidade ter
suas atividades e suas festas; assim como os alagoanos nao
comparecem aos bailes, que reprovan com grande indi-
gnaqgo, tamb6m os baianos nao tomam parte em nenhuma
cerim6nia religiosa organizada pelos alagoanos, que enca-
ram como coisa de gente pouco civilizada. Nestes dez anos
de perman6ncia dos alagoanos em Sta. Brigida, houve s6
um intercasamento.

Temos, pois, no mesmo espago geografico que 6 a lo-
calidade de Sta. Brigida, duas comunidades vivendo se-
gundo relagoes humans bAsicas distintas; enquanto a co-
munidade alagoana desenvolve trabalhos e divertimentos
na base da solidariedade de todos as membros que a com-
pbem, na comunidade baiana vigora o individualism
para ambas as atividades. Os baianos ainda cultivam suas
rogas em familiar, mas o trabalho de batalhdo a que a co-
munidade acorre como um todo quase desapareceu; no que
diz respeito aos divertimentos cada qual escolhe o que
prefer, indo ao baile ou jogando cartas; a comunidade
baiana s6 se senate um todo quando se op5e A comunidade
alagoana, enquanto a comunidade alagoana, mesmo inde-
pendentemente da baiana, vive e age como um todo.







SOCIOLOGIA E FOLCLORE


James B. Watson consider que, durante a Brasil co-
lonial, muito cedo emergiu, em trrmos locais e especiais,
um estilo de vida que ainda hoje perdura entire n6s e con-
serva muita importAncia no interior do pais; resultou do
ajustamento dos primeiros colonos europeus ao novo am-
biente e do contact cor os indigenas, e constitui um tipo
cultural muito diferente daquele para o qual tendem as
aspiraqSes da cultural brasileira litorAnea; denomina-a
culturala cabocla". (12)

Ant6nio Cindido de Mello e Souza, que estudou um
dos aspects desta cultural, prefer chamA-la culturala rds-
tica brasileira", dados as diferentes significados que o
termo "caboclo" possui entire n6s (13). Adotamos o termo
utilizado por este ultimo autor, tanto mais que o pr6prio
James B. Watson chama a atenqAo para as diferencas de
interpretagio que podem resultar dos muitos significados
da expressio "caboclo".
Segundo ambos os autores, caracteriza-se o universeo
das cultures tradicionais do home do campo" no Brasil
pelas relac6es sociais basicas desenvolvidas nos agrupa-
mentos de "algumas ou muitas families, mais ou menos
vinculadas pelo sentiment de localidade, a convivencia,
prAticas de auxilio mfituo, atividades lidico-religiosas"
(14), e desenvolvendo uma economic de subsistencia. Os
elements mais importantes para a caracterizacgo deste
tipo cultural sho, pois, a solidariedade decorrente da vizi-
nhanqa, da participagao no mesmo trabalho e nas mesmas
atividades Iddico-religiosas, uma solidariedade vicinal.

Observa James B. Watson que este antigo tipo de cul-
tura esta atualmente sofrendo lenta ocidentalizaqdo, ten-
tando analisar o process em sua obra. Sob tal aspect, a

(12) James B. Watson, "The Brazilian Caboclo", pg. 11.
(13) Antonio CAndido, Os parceiros do Rio Bonito, Introdu-
eqo, pgs. 7-8.
(14) Antonio CAndido, ob. cit. Cap., I, pgs. 38 e 43-48.







MARIA ISAURA P. DE QUEIROZ


cultural rfistica se apresentaria de ac6rdo corn o quadro que
Andr6 Varagnac tragou para a "civilizaiAo traditional" que
encontrou decadente na Europa, isto 6, quadros de aqio, de
pensamento e de expressio que se atenuam e tendem a
desaparecer "com as descobertas cientificas e com o tu-
multo constant que estas trazem ao genero de vida" (15)

Nesta "rua", que 6 o nome dado no Nordeste aos po-
voados, vemos perdurar a velha forma de cultural rfstica
brasileira, representada pela comunidade alagoana, que 6
a congregacio de families reunidas pelo lago de habitarem
a mesma vizinhanga, praticando de prefer6ncia o trabalho
de batalhio, onde as distrag6es, sob forma religiosa de no-
venas e romarias, sio coletivas; as atividades t6das sio
executadas, pois, tendo como base a solidariedade vicinal.

Na comunidade baiana, os velhos relembram corn
saudade um tempo anterior em que se vivia como os
alagoanos, mas que agora desapareceu diante de uma indi-
vidualizacio progressive, que quebra a solidariedade vici-
nal, transform as relag6es de trabalho, faz desaparecer
as prAticas religiosas coletivas. Entre as duas comunidades
perdura apenas um ponto de contact a economic
predominantemente de subsist6ncia.

Desse modo, enquantola comunidade alagoana pro-
cura conservar tanto quanto possivel a cultural ristica, a
comunidade baiana seria umn dos muitos estagios de passa-
gem desta para a cultural urbana de tipo ocidental (16),

(15) Andre Varagnac, Civilisation traditionelle et genres de
vie, pg. 363.
(16) Definimos culturala urbana" no sentido da cultural de
uma comunidade onde a diferenciago de fung~es teve como resul-
tado uma solidariedade decorrente da complementariedade das mes-
mas, em oposico A cultural de comunidades, cuja solidariedade de-
corre seja da vizinhanca, seja do parentesco, etc. Como o conceito
de cultural urbana e lato, devido aos varios tipos que apresenta, ape-
lamos para o qualificative "ocidental" cor o fim de delimitd-lo,
pois 6 esse o tipo de culture urbana para o qual tendemos.







SOCIOLOGIA E FOLCLORE


que cada vez mais penetra no interior do pais, segundo
James B. Watson.

Os elements mais visiveis da mudanca na comuni-
dade baiana seriam a individualizaoio do trabalho e a lai-
cizaqco dos divertimentos, isto 6, tragos caracteristicos da
cultural urbana. No entanto, a comunidade baiana, embara
minada pela base, ainda nao atingiu o ponto extreme de
comparagao, que 6 o tipo de cultural urbana ocidental en-
contrado noutras zonas do Brasil; sua cultural 6 um misto
de elements novos e antigos, num amAlgama que tem ca-
racteres pr6prios. Assim, no Brasil, a cultural rustica se
conserve ainda, mas muitas v6zes sofrendo transforma-
S6es, apresentando fases diversas mais ou menos pr6ximas
dos dois p6los opostos, a cultural ristica e a cultural urbana
de tipo ocidental. Comparadas uma A outra, a comunidade
alagoana seria qualificada de estitica, a baiana estaria
"in flux".

NAo nos compete investigar a razao da transformaqao
que se observa. Para caracterizar fAcilmente a diferenca
entire as duas comunidades, basta notar que na comuni-
dade alagoana vigora a solidariedade vicinal encontrada
na maioria dos pequenos nicleos de povoagio do interior
do pais, quer sejam as "ruas" do Nordeste, ou "bairros"
paulistas, ou as "freguesias" amazonenses (17), a qual esta
decadente na comunidade baiana. A decad6ncia da solida-
riedade vicinal se juntou, nesta ultima, a penetraqdo de
elements da urbanizacAo ocidental, tais como a laicizaqao
dos divertimentos, de que o simbolo 6 a adogio do baile
pela comunidade.





(17) Ant6nio CAndido, ob. cit., cap. I, pgs. 43-48; Eduardo
Galv&o, Santos e visagens, pgs. 12-37.


















I I A DAN(A DE SAO GON(ALO NA
COMUNIDADE ALAGOANA




1 Crengas e lendas

Os alagoanos de Santa Brigida sio provenientes, em
sua maioria, do municipio de Agua Branca. Raros nos dis-
seram ji conhecer o S. Gongalo antes de virem para Sta.
Brigida, sabendo por6m todos que no tempo antigo se dan-
gava muito em Agua Branca; num ou noutro ponto do mu-
nicipio ainda se danga de vez em quando. Segundo alguns
informants, eram s6 mulheres que dangavam; segundo
outros, eram duas fileiras, uma de doze homes e outra de
doze mulheres. A mae de uma informant contava A filha
(que hoje tem 30 anos) que a danqa era muito bonita, que
era uma pena que nio se dancasse mais, que ela mesma
tinha dangado muito e que tinha fM em Deus de que ainda
a havia de ever; mudando-se para Sta. Brigida, viu sua fB
recompensada, pois a filha e o genro entraram para execu-
tantes, ela como dangadeira, 6le como tocador de violdo.
Tamb6m os alagoanos procedentes do municipio de
Mata Grande, em Alagoas, embora tivessem ouvido falar
na danga, nao a conheciam ao Vir para Sta. Brigida.
Gente que veio de perto de PropriA, em Sergipe, nun-
ca tinha ouvido falar na danga. Apenas uma das informan-


















I I A DAN(A DE SAO GON(ALO NA
COMUNIDADE ALAGOANA




1 Crengas e lendas

Os alagoanos de Santa Brigida sio provenientes, em
sua maioria, do municipio de Agua Branca. Raros nos dis-
seram ji conhecer o S. Gongalo antes de virem para Sta.
Brigida, sabendo por6m todos que no tempo antigo se dan-
gava muito em Agua Branca; num ou noutro ponto do mu-
nicipio ainda se danga de vez em quando. Segundo alguns
informants, eram s6 mulheres que dangavam; segundo
outros, eram duas fileiras, uma de doze homes e outra de
doze mulheres. A mae de uma informant contava A filha
(que hoje tem 30 anos) que a danqa era muito bonita, que
era uma pena que nio se dancasse mais, que ela mesma
tinha dangado muito e que tinha fM em Deus de que ainda
a havia de ever; mudando-se para Sta. Brigida, viu sua fB
recompensada, pois a filha e o genro entraram para execu-
tantes, ela como dangadeira, 6le como tocador de violdo.
Tamb6m os alagoanos procedentes do municipio de
Mata Grande, em Alagoas, embora tivessem ouvido falar
na danga, nao a conheciam ao Vir para Sta. Brigida.
Gente que veio de perto de PropriA, em Sergipe, nun-
ca tinha ouvido falar na danga. Apenas uma das informan-







MARIA ISAURA P. DE QUEIROZ


tes a conhecia, suas tias eram de Agua Branca e ensaiavam
uns passes para Ihe mostrar como era.
Em Pesqueira, Pernambuco, segundo alguns, nunca se
tinha visto dangar; mas ja em Buique, no mesmo Estado,
dangava-se com uma fileira de 12 homes e outra de 12
mulheres.
Foi, pois, no povoado de Santa Brigida que a povo de
fora aprendeu a dangar cor um mestre baiano, Elisio, ca-
boclo amulatado de trinta e poucos anos de idade. Mesmo
os que ji conheciam a danga dizem que a maneira ensi-
nada por Elisio 6 diferente daquela de que tinham noticia;
explicam a diferenca pela decadencia de costumes que se
observa de maneira geral no mundo; o modo de viverem
em Santa Brigida 6 uma readgo contra essa decadencia, e
ali ressurge tamb6m a Danca de S. Gongalo sob sua forma
verdadeira, dangada corn todo o respeito, sem nenhuma
associacio com os vicios que pervertem o mundo atual e
que sao nam6ro, fumo, j6go, bebida e brigas.
E' opiniAo uninime que S. Gongalo 6 danga muito
bonita, uma lindeza de se ver. O jeito que as dangadeiras
ddo ao corpo, ao passar diante do altar, e que constitui o
finico requebro permitido pela danga, 6 muito admirado e
as mulheres que nio conseguem aprend6-lo manifestam
bastante pesar. Os baianos concordam que a danga dan-
gada pelos alagoanos 6 muito bonita.
Dangadeiras e tocadores t6m pelo S. Gongalo um g6sto
que chega as raias da paixao. Mestre Elisio f6z da danca o
devotamento complete. Joho da Oliveira, no seu entusias-
mo, procura fazer participar a familiar inteira da danga,
arregimentando t6das as filhas como dangadeiras. O inte-
r6sse 6 tal que, quando as dangadeiras mais apaixonadas
ouvem o toque do adufo, acorrem imediatamente para
saber se vai haver danga e, se o ninmero de executantes ji







SOCIOLOGIA E FOLCLORE


esta complete, ficam assistindo o "povo de S. Gongalo" tra-
balhar. Esquecem de tudo enquanto dangam, at6 da fome,
e se nfo os chamam para comer, atravessam dangando
o dia todo. Terminadas as jornadas de uma promessa, nao
t6m outro desejo senio dangar novamente.
Os alagoanos nao conhecem a lenda de S. Gongalo.
Para 6les, esta danga se prende ao tempo antigo e sempre
se dangou. Elisio e outros nos afirmaram que a Danga de
S. Gongalo teve inicio com o com6go do mundo, e que o
modo verdadeiro de dangar 6 o que se v6 em Sta. Brigida;
os outros dio verses degeneradas, bastando notar que
muitas delas nao utilizam o adufo, que no entanto 6 o
verdadeiro instrument de S. Gongalo, pois nos versos do
santo se declara que:

0 tocador do adufo
Era o mesmo S. Gongalo.

Da lenda do santo, sabia Elisio que S. Gongalo sal-
vara da vida alegre doze mulheres, dai se ter fixado em
doze o numero classico de dangadeiras.
D. Dod6, solteirona de 54 anos muito versada em coi-
sas de religido, contou-nos que Deus dera penit6ncias dife-
rentes a cada um de seus santos; S. Gongalo f6ra encarre-
gado de salvar as mulheres perdidas. Para tal, fazia-as
dangar de dia, tanto e tanto que quando a noite chegava
estavam cansadas demais para exercer o seu mister.
Deus, por seu lado, fornecia milagrosamente dinheiro ao
santo para distribuir entire elas, a fim de que nio se vis-
sem obrigadas a apelar para seu antigo modo de vida,
premidas pela necessidade. Por isso 6 que em tempos mui-
to recuados s6 prostitutes podiam dangar o S. Gongalo;
atualmente, por6m, qualquer mulher o pode fazer sem des-
douro, a danga perdeu a exclusividade. Quem f6z a pro-







MARIA ISAURA P. DE QUEIROZ


messa da danga fornece um repasto aos executantes e A
assistencia, quando ela terminal; C em mem6ria da bon-
dade divina que fornecia os meios para S. Gongalo ter
6xito em seu empreendimento.
D. Dod6 e uma velha pernambucana foram as finicas
informants capazes de contar uma lenda a respeito do
santo. D. Jesuina, de 75 anos, disse-nos que S. Gongalo,
apesar de santo, gostava muito de dangar; e entVo juntava
aquele rebanho de m6gas A sua volta, realizando a festa.
Depois dava-lhes algum dinheirinho para evitar que cais-
sem na vida, pois as decaidas dificilmente arranjam casa-
mento. Ainda hoje as m6gas gostam de danger S. Gongalo
na esperanga de encontrar casamento.
Sbmente esta velha se referiu a S. Gongalo coma
sendo um santo casamenteiro; no resto da comunidade
alagoana tal tradigio se perdeu completamente, embora
uma das quadrinhas cantadas durante a danga se refira
expressamente ao fato.
Mas, para os alagoanos, a Danga de S. Gongalo nao o
apenas uma atividade que vigora desde o comego do mun-
do, 6 tamb6m uma danga do c6u, onde 6 executada por
anjos. Um quadro existente na casa de Pedro Batista o
mostra de maneira irrespondivel. O quadro represent o
Juizo Final ou, coma dizem os alagoanos, o c6u; no alto,
estao reproduzidos a Santissima Trindade, os santos, os
justos; em baixo, os condenados ao inferno se retorcem
no sofrimento e no pavor. C6modamente instalados em nu-
vens c6r-de-rosa, no centro do quadro, entire santos e con-
denados, um grupo de anjos de camisolio branco toca di-
versos instruments, entire os quais sfo fLcilmente reco-
nheciveis a rabeca e a viola. Estes anjos de branco sao "o
povo de S. Gongalo" da mansdo celeste. Mas a crenga de
que tamb6m no c6u se danga S. Gongalo nao deriva do
quadro, deriva do pr6prio carter religioso da danga; do








SOCIOLOGIA E FOLCLORE


c6u ela baixou A terra no com6eo do mundo; o quadro
serve para confirmar de maneira perempt6ria esta crenga.
Assim, a associagio da danga nao 6 sbmente cor o
passado, 6 tamb6m cor o c6u; sua respeitabilidade, serie-
dade e religiosidade t6m dupla raiz.
A Danqa de S. Gongalo nao ter data certa de reali-
zagio entire os alagoanos. Mestre Elisio disse-nos que anti-
gamente festejavam o santo a 2 de fevereiro, mas nio
sabia se aquela data era a do seu nascimento ou de sua
morte; o costume caiu em desuso ha tempo e mesmo em
Sta. Brigida, onde se tentou reviv6-lo, nao "pegou" mais.
Contamos a mestre Elisio que S. Gongalo morrera a 10
de janeiro de 1259 (18); 61e aventou entdo a possibilidade
do dia 2 de fevereiro ser a de seu nascimento. Mas como
nao havia nenhuma indicagAo segura, pediu que procur6s-
semos saber quando era a data natalicia para, nesse dia,
fazer ao menos uma homenagem particular sua ao santo;
pois 6 "na data do nascimento que se deve festejar as pes-
soas, e nao na data de sua morte" (sic).

2 Tocadores, dancadeiras e public.

A danga 6 executada por 12 mulheres, as dangadeiras,
divididas em duas colunas de seis, e por quatro homes,
os tocadores, cor seus instruments, que sdo: uma rabeca
de quatro cordas; uma viola de cinco cordas; um pandeiro,
um adufo. O adufo 6 um pandeirinho quadrado, coberto
de couro dos dois lados, sem guizos nem cascavel dentro,
e que nao 6 tocado com as mros nem com os dedos, e sim
com uma vaqueta (19).

(18) Geraldo Branddo, ob. cit. pg. 12; Saul Martins, A Danag
de Sao Gongalo, pg., 22.
(19) O adufo mencionado por Camara Cascudo (Dicionario do
Folclore Brasileiro, pg. 16) 6 tocado "cor todos os dedos, exc6to os
polegares, que servem para o susterem". O que vimos em St.a Brigida
ter uma alga num dos angulos, por onde o tocador o segura, e 6
percutido pela vaqueta de cabega recoberta de couro.







32 MARIA ISAURA P. DE QUEIROZ

O n6mero de mfsicos 6 invariAvel; o nfmero de dan-
gadeiras pode aumentar at6 8 ou 10 em cada "enfileira",
como 6les dizem. Mais de 10 nio 6 aconselhAvel porque a
execugdo das figures torna-se muito dificil e longa; o nu-
mero clissico 6 6 e nio 6 permitido dancar cor menos.
A maioria das alagoanas sabe dangar e nisto se compraz.
Quem formulou a promessa de oferecer a danca paga
um pequeno estip6ndio aos executantes. O prego, que nio
6 fixo, 6 cobrado por mestre Elisio, de ac6rdo cor as pos-
ses do promesseiro e previamente combinado entire am-
bos; o minimo ter sido de cinco cruzeiros por dangadeira,
mas n5o conseguimos saber o maximo; o mestre, os toca-
dores e as mestras em geral recebem um pouco mais do
que as dangadeiras.
Nao ha limited maximo de idade para as danqadeiras
que, a partir de 7 anos, podem participar do "servigo".
Mestre Elisio, por6m, s6 recorre as meninas de menos de
12 anos quando ha falta de executantes, a que 6 raro; o
mestre nao 6 favorivel A participacgo de meninas porque
a danga "nao 6 brinquedo de criangas". Algumas velhas de
60 anos para fora figuram tamb6m entire as executantes
mais ardorosas.

Ja houve, em Sta. Brigida, jornada dangada s6 por
meninas entire 9 a 12 anos; adults eram s6mente os toca-
dores e a mestra Rita, que puxava uma fileira para que
nao houvesse 6rro nas evolug6es. Houve outrossim uma
jornada exclusivamente de velhas, sempre corn a partici-
pagto de Rita guiando uma fileira. Mas nos dois casos
tratava-se de promessas especiais, que ate agora nio se
repetiram, embora a danga das meninas fosse muito
apreciada.

Tamb6m para os tocadores nao ha limited maximo de
idade; 6 precise saber tocar o instrument e saber dangar,

































0 altar.


Dan ade ra.


Aw^_, "







SOCIOLOGIA E FOLCLORE


somente. Quando um menino manifesta disposig~es excep-
cionais para o "toque de S. Goncalo", sua participacFa
pode ser procurada, a partir dos 7 anos; mas h6, contra os
meninos de menos de 12 anos, a mesma prevencao que
contra as meninas, devido A idade.

O tocador de S. Gongalo 6 um especialista no seu ins-
trumento; precise ter qualidades musicals para aprend6-lo
e toca-lo; estas exig6ncias limitam a participagco de ho-
mens e rapazolas A Danqa de S. Gonaalo, que, em conse-
qil6ncia, sao sempre os mesmos, enquanto as dangadeiras
variam cor mais facilidade. Os tocadores de rebeca e de
adufo e as duas mestres cantadeiras t6m maior responsa-
bilidade do que os outros porque est&o cada um A testa
de uma fileira; para ocupar tais lugares 6 precise conhe-
cer bem t6das as figures da danga, a fim de que as outras
executantes sejam guiadas sem erro.

Dangadeiras e tocadores se apresentam vestidos de
branco e de p6s descalgos. Os homes envergam calga e
palet6, cor um gorrinho branco na cabega. As mulheres
trazem um vestido que desce quase atW os p6s, de mangas
compridas, decote rente ao pescoqo; um chale branco s6-
bre um dos ombros, amarrado por baixo do brago oposto,
encobre as formas; na cabega, um lengo branco. O vestido
nao pode ser god6, nem pode a dangadeira vestir combi-
nacdo de alga, duas invenc6es do diabo que n&o devem ser
utilizadas num exercicio religioso; o traje tem de ser tipo
camisolio franzido na cintura, s6bre uma camisa longa
sem mangas.
Tolera-se um vestidinho azul muito claro se a danca-
deira ja o possuir e nao tiver meios para fazer um branco
especial. Quando a dangadeira se apresenta para dancar
somente uma roda de promessa, tolera-se tamb6m um de
c6r, desde que seja composto, isto 6, dentro das regras aci-
ma discriminadas; mas as dangadeiras que vao dangar a







MARIA ISAURA P. DE QUEIROZ


jornada t6da t6m de envergar o branch. Os vestidos de-
vem estar muito limpos e passados, por isso nao podem
ser usados mais de duas vezes sem serem lavados. As mes-
mas exig6ncias sao feitas para as meninas; menina de ves-
tido branch curto nao pode danqar.
Vestido e chale podem ser bordados e enfeitados de
renda. Geralmente, o chale traz bordado em branco ou
em azul claro o name de S. Gongalo numa ponta e, na
outra, o nome da possuidora. Nenhum enfeite ou j6ia 6
admitido. As duas mestras, isto 6, as que v6m a frente de
cada fileira, trazem na mao um buqu6zinho de flSres arti-
ficiais azuis e brancas.
A exig6ncia das mangas compridas, a praibigio dos
decotes e das saias god6 estende-se ao pdblico; as mulhe-
res que quiserem assistir ao S. Gonaalo tamb6m t6m que
se apresentar "compostas", tolerando-se, por6m, vestidas
de c6r e enfeites.
Normas several regular o comportamento dos exe-
cutantes e do pfiblico durante a danca. As dangadeiras nfa
podem sorrir enquanto "trabalham"; t6m de estar s6rias,
compenetradas, olhando em frente ou de olhar baixo, sem
langar as vistas para os lados. Nda sao admitidos reque-
bros, nem nenhuma mudanqa no pass ou nas figures. Nao
podem tamb6m conversar umas com as outras durante os
intervals, s6 falam a estritamente necessirio, "nem pegar
na mio uma da outra porque tudo isso j6 d6 apar6ncia de
outra danga" (sic). Os tocadores tamb6m nao podem con-
versar, nem entire si, nem com as dangadeiras, nem cam o
public. Os intervals sfo para os executantes descansar,
para afinar os instruments.
O public se mant6m em sil6ncio durante a realiza-
cgo da danga e tamb6m durante os intervalos. Sao expres-
samente proibidos o fumo, a bebida, o namoro, as conver-







SOCIOLOGIA E FOLCLORE


sas, tratando-se, como 6 o caso, de danga religiosa que
deve ser levada a efeito com veneracgo. Quando a danga
6 de noite, o pfblico muito numeroso no inicio, vai escas-
seando; ficam at6 o fim os verdadeiros apaixonados e os
que estdo de 61ho no repasto final.
O nimero limitado de dangadeiras, a paixdo de algu-
mas delas pela danga, que as fazem acorrer mal ouvem
o "toque", a exig6ncia de certos tons musicals por part
dos tocadores, como ouvido e ritmo, tendem a transformar
o "povo de S. Gongalo" num grupo de especialistas da
danga.
O reconhecimento de que sao necessArias certas qua-
lidades para dangar 6 geral; as qualidades sao outorgadas
por Deus. Disse-nos a mAe de Elisio que seu filho dangava
S. GonSalo porque assim Deus tinha determinado, era
como que um dom que Deus Ihe tinha dado para isso;
uma vizinha que ouvia, concordou: "-E' dom de Deus,
que Deus ndo da a todo o mund6". O tocador de adufo,
Joao da Oliveira, quando viu dangar o S. Gongalo pela pri-
meira vez, achou tdo bonito que rogou ao santo "que Ihe
desse tino para aquilo"; o santa o ouviu e 6le se revelou
bom tocador.

Tamb6m para as dangadeiras 6 precise um certo jeito,
que nao 6 dado a t6das alcangar; a maneira de fazer a v6-
nia diante do santo, sem perder a compasso e sem dar as
costas ao altar, eis a pedra de toque das boas dangadeiras.
Quem nao consegue aprender reconhece cor certa tristeza
que "nao tem dom para isso" e se resigna a fazer parte d'
piblico, nada mais.
O pr6prio mestre pode concorrer para o aumento da
tend6ncia A especializacgo, manifestando prefer6ncia pelas
dangadeiras mais peritas, que manda sempre chamar quan-
do a escolha fica a seu arbitrio (isto 6, quando a promessa







MARIA ISAURA P. DE QUEIROZ


Sno determine de antemac quem devera dancar). Como o
mais comum e que o mestre escolha as danpadeiras, o risco
de especializaqgo cresce.

No entanto, o fato de nao existirem dangadeiras titu-
lares e de t6das as mulheres da comunidade gostarem
muito da danga, podendo dancar quando quiser, por um
simples pedido feito ao mestre para figurar em determi-
nada jornada, limita esta especializacgo a simples tend6n-
cia, que s6 se desenvolve mesmo em relacgo aos tocadores.

3 A execuco da danca

Dancadeiras e tocadores se reinem em casa do mestre,
de onde saem incorporados para o local onde vdo dancar.
Se a danca se realize no pr6prio povoado, escolhem
uma casa suficientemente ampla; nio gostam, ali, de.dan-
car ao ar livre porque "qualquer um" pode assistir, isto
6, pessoas que nao estejam animadas do sentiment re-
ligioso indispensAvel para o bom andamento da danca.
Esta restriqdo se dirige naturalmente contra os baianos,
que nao encaram a danga corn a mesma severidade dos ala-
goanos. Raramente, por6m, algum baiana vai assistir a
um S. Gongalo alagoano, nos dias que correm; no inicio,
iam freqiientemente e pelo seu comportamento pouco
ortodoxo determinaram a partida dos executantes para
mais long, com o fim de evitar disputes ou brigas que re-
sultariam, se f6sse necessArio chamar a atenga dos mal
comportados. Os baianos responderam a esta attitude com
outra de despr6zo, nio s6 para com S. Gongalo, mas para
com t6das as manifestag~es religiosas coletivap dos alagoa-
nos, e se limitam quando muito a chegar A janela para v6-
los passar em procissdo.

Em Sta. Brigida, dangaram uma vez os alagoanos den-
tro da capela, mas esta se revelou muito abafada e aper-







SOCIOLOGIA E FOLCLORE


tada. Outra vez, foi no patio do grupo escolar, mas estava
tao esburacado que constituiu s6rio obst6culo A realizaaio
das figures. Finalmente, foram tamb6m dancar diante do
cruzeiro que se ergue s6bre uma colina, atras do povoado,
mas o espago livre era pequeno demais.
Os locais preferidos se tornaram entio dois pontos
distantes uma ou duas l6guas, a Gameleira e a Oliveira,
onde ha latadas especiais para isso. Na Gameleira, a danca
se realize num alto espacoso; na Oliveira, o terreno 6 pla-
no, amplo e desafogado. Embora Oliveira seja mais perto,
a Gameleira 6 ainda a predileta; trata-se de um below alto
de serra, de onde se avistam todos os arredores. A justifi-
cativa 6 de que "6 o lugar mais bonito". Devemos, por6m,
dizer que a maior distincia e o caminho mais penoso con-
correm para afastar os indesejAveis, dando a danga um ar
de dificuldade e de segr6do, que para os alagoanos se as-
socia as coisas de religion.
Em casa do mestre, enquanto se espera pela reuniAo
de todos os executantes, os tocadores vAo afinando os ins-
trumentos de corda e aquecendo ao fogo os de percussio.
Os sons resultantes desta preparagAo avisam na redondeza
que vai haver um S. Gongalo, e os curiosos aparecem, per-
guntando onde se realizarA a danga. E' principalmente o
toque do adufo que serve de aviso; rabeca, viola e pan-
deiro podem ser utilizados noutras ocasi6es, mas o adufo
pertence A Danga de S. Gongalo, era o instrument tocado
pelo santo segundo dizem os versos, e nao 6 ouvido fora
dela; quando soa a batida do adufo, nao pode haver dd-
vida: S. Gongalo vai ser homenageado.

Todos reunidos, saem em direg~o ao local da danga.
Na frente, um home carrega uma grande cruz; em se-
guida, uma dangadeira leva a imagem de S. Gongalo e, se
6 de noite, ao lado dela vai outra com uma lamparina de
querozene A cabega para alumiar o caminho. Os tocadores







MARIA ISAURA P. DE QUEIROZ


seguem, dois de cada lado, e atras deles as duas "enfileiras"
de dancadeiras. Vao os tocadores tocando e as mestras
cantando alternadamente as quadrinhas que pertencem A
danga. Atras seguem os espectadores, quando ndo vao es-
perar no pr6prio local.

Se vao para long, para a Oliveira ou para a Game-
leira, costumam sair A tarde e percorrem o caminho todo
cantando. Dormem sob a latada, homes para um lado,
mulheres para o outro, "formando dois grupos emboladi-
nhos por causa do frio" (sic). Na manhd seguinte, tomam
o caf6, afinam os instruments e dao logo com6qo a danga,
interrompendo para as refeicges, entire duas rodas, quan-
do sentem fome.

Pelo caminho, ao passarem diante de uma cruz ou de
uma casa, par cuja porta aberta se v6em no interior os re-
gistros de santos, fazem uma v6nia, isto 6, pequena genu-
flexao de quem leva a cruz, voltando-se de frente para o
objeto cumprimentado, enquanto tocadores e dangadeiras,
tamb6m dando a frente para o objeto, inclinam o corpo
dobrando a cintura, sem parar de tocar e cantar.

Ao chegarem ao local da danga, a primeira cousa a
fazer 6 o "benzimento", que consiste em dar tr6s voltas
dentro da sala ou latada, na ordem em que vieram, tocan-
do, cantando e dangando. Em seguida, a cruz e o santo
sao colocados s6bre o altar. Se o santo ji se encontrava no
local a espera dos executantes, tiram-no do altar, fazem
uma procissdo cor n e em torno da casa ou da latada,
sempre tocando e cantando, depois entram e dfio as tr6s
voltas do "benzimento".

No altar, diante do qual tem lugar a danga, e que 6
constituido de uma mesa coberta par grande toalha branca
bordada, 6 colocada a imagem do santo, t6da enfeitada de
fitas brancas e azuis, ao lado de uma grande cruz de ma-







SOCIOLOGIA E FOLCLORE


deira, de registros de santos e de uma vela que deve se
manter acesa durante t6da a realizaglo da danga. O santo,
a cruz e a vela sao imprescindiveis para a danga; os re-
gistros de santos sao colocados por quem assim o deseja.

Ha duas imagens de S. Gongalo na comunidade ala-
goana, t6das duas de barrio colorido, bastante grosseiras,
representando-o vestido de frade cor um livro na mao.
Uma delas pertence a mestre Elisio, outra a Pedro Batista.
Segundo mestre Elisio, ambas as imagens tinham na outra
mao um pandeiro, que caiu. E' indiferente danqar diante
de uma ou de outra image; o dono da promessa pode pre-
ferir dangar diante da image pertencente a Pedro Ba-
tista. Mas em geral a escolha 6 deixada a mestre Elisio, que
leva o seu S. Goncalo, pois independe de pedir licenca ao
outro dono. No entanto, a image de Pedro Batista 6 tida,
ndo como mais milagrosa, mas como mais importantt" do
que a de mestre Elisio; a maior importancia de seu dono
se reflete nela.
Ha sempre uma pequena pausa antes de comegar o
servingo", na qual se tomam as filtimas provid6ncias, se
afinam mais uma vez os instruments, abrem-se portas e
janelas (se 6 dentro de casa) para que os do exterior pos-
sam apreciar; a noite, colocam-se lamparinas de querosene
para que o local fique bem iluminado.

Dando inicio A danga, tocadores e dangadeiras se co-
locam na seguinte ordem, olhando para o altar; A direita,
o adufo, seguido do violo, de uma mestra e de cinco dan-
cadeiras; a rabeca A esquerda, depois dela o pandeiro, ou-
tra mestra e as outras cinco dancadeiras.

Executantes e pfiblica ajoelham-se, rezam o Credo e
o Oficio de N. Senhora; quem souber, entire os tocadores
e as dangadeiras, "tira" a reza, respondendo tamb6m os que
sabem, enquanto os outros ficam em sil6ncio; em geral,







MARIA ISAURA P. DE QUEIROZ


apenas quatro ou cinco sabem uma reza tao comprida e
dificil como o Oficio de N. Senhora. Em seguida sao reci-
tados varios Padre-Nossos e Ave-Marias, em intencgo dos
que andam em penit6ncia; para que os presents tenham
paz e soss6go na terra; para que N. Senhora os assist em
todos os trabalhos e lutas; para que Jesus Cristo e N. Se-
nhora tenham piedade d6les.

O mestre dirige-se ao piblico e recomenda que se
comporte cor todo a respeito durante a danca, fazendo
sil6ncio, pois trata-se de "serviqo" s6rio e religioso; pede
tamb6m que todos se benzam quando forem cantados os
primeiros versos, "Nas horas de Deus amem...", assina-
lando que o "servigo" teve com6go. Quando se ouve esta
primeira quadrinha, estouram la fora foguetes e rojoes,
que o promesseiro tinha prontos de antemdo e que sao
parte obrigat6ria do com6go e do fim da danga.

Durante as evoluqges, dangadeiras e tocadores ndo
podem dar as costas ao altar; passando diante d6ste, re-
petem sempre a v6nia, inclinando o corpo, sem interrom-
per a figure que estdo executando nem perder a compasso;
e no fazer isto sem 6rro se revelam suas habilidades de
executantes. S6 as duas mestras 6 que cantam, alternada-
mente e sem parar.

A danga se comp6e de um conjunto de figures. Se por
acaso erram uma delas, regressam aos seus lugares e reco-
megam at6 acertar. As voltas sloa dangadas na seguinte
ordem: lua cheia, lua nova, cruzeiro, costurar, trocar os
lados, o oito e o oito grande. Antes de dangar os dois oito,
6 feito um pequeno intervalo, para tocadores e dangadeiras
respirarem; 6 o iinico moment em que pode haver inter-
valo no decorrer da danga. Os dois oito formam uma parte
destacada do corpo da danca; 6 durante 6les que se faz o
oferecimento.







SOCIOLOGIA E FOLCLORE


A primeira roda ou sucessio de figures 6 sempre ofe-
recida ao santo, e s6mente a partir da segunda 6 que se
conta o pagamento da promessa. Quando se danga a iltima
roda da promessa, ap6s a pausa que antecede os oito fi-
nais, ter lugar o "oferecimento". 0 promesseiro vem se
ajoelhar diante do altar, de costas para l6e; colocam-lhe
o santo na cabega, seguro por outrem, pois o paciente ter
de ficar de mdos postas, e diante d6le sdo dangados os dois
oito finals, terminados os quais todos exclamam: "- Lou-
vado seja S. Gongalo!" O santo 6 retirado da cabega do
promesseiro, que se ergue e sai da frente do altar, s6bre o
qual 6 recolocada a imagem. Enquanto isto, novos foguetes
espoucam; note-se que nunca se soltam foguetes durante
o desenrolar da danga; s6mente no inicio e no fim.

Todos se ajoelham. Cantam em primeiro lugar a Salve
Rainha. Depois oferecem a danga em intenqgo de quem
esti pagando a promessa, para que Jesus e o santo a acei-
tem. Em seguida, cantam um "bendito". Rezam-se various
Padre-Nossos e Ave-Marias: por t6das as almas que andam
em sofrimento; para que os presents sejam livres da pes-
te, da fome e da guerra; pelas cinco chagas de Cristo e em
intencgo de todos os penitentes.
E' chegado o moment do "beija" do santo. Tocadores,
dangadeiras e pfblico, at6 entdo ajoelhados, se levantam.
Os instruments recomegam a tocar, as mestras a cantar
os versinhos de S. Gongalo. As duas l6timas dancadeiras
v6m se ajoelhar diante do altar, persignam-se e beijam
uma das fitas pendentes do santo; regressam aos seus lu-
gares sem dar as costas ao mesmo. Seguem-se t6das as
outras, do fim para o com6go.
E'. a vez dos tocadores. Estes recuam at6 as 6ltimas
dangadeiras e de 1l v6m at6 o altar, tocando, trocando de
lado uns cor os outros (os da direita passando para a es-
querda e vice-versa), ajoelhando-se cada vez que trocam







MARIA ISAURA P. DE QUEIROZ


de lado, at6 chegar diante do santo, cujas fitas beijam;
regressam da mesma maneira ate a fundo, sem dar as cos-
tas ao altar, para em seguida retomarem simplesmente
seus lugares.
Cumpre agora ao pfblico pagar seus respeitos ao
santo. Um par avanga entire as duas fileiras de dangadei-
ras e tocadores que nio pararam de tocar e cantar, beija
as fitas e volta; seguem-se outros, at6 se esgotarem os es-
pectadores.
Terminou o servingo". O dono da promessa oferece
entfo um repasto a todos. Se 6 rico e 6 tempo de fartura,
figuram na mesa os beijus de tapioca, os doces de c8co, os
bolos de padre, as canjicas, o arroz doce, regados de abun-
dante caf6; quando a s6ca est4 castigando a regiio, ha
apenas um caf6zinho com biscoitos, muito medido e muito
parco. O alcool 6 proibido, pois trata-se de cerim6nia reli-
giosa. Quando a danca se prolonga por mais de um dia,
o sustento dos executantes tamb6m fica a cargo do pro-
messeiro.
Forma-se entao a procissao na mesma ordem da vin-
da, e regressam A casa do mestre, tocando e cantando
como vieram; 6 da casa do mestre que se dispersam.
Ha, par v6zes ensaios da danga, principalmente quan-
do vdrias dangadeiras novas querem tomar parte. Neste
caso reza-se apenas o Credo antes de comerar o "servigo"
e nao ha oferecimento nem repasto, terminando tudo corn
um simples Padre-Nosso e Ave-Maria.

4 Descrigio das "voltas"

Na comunidade alagoana, a danca e comumente de-
signada por "trabalho"; a pdblico comenta, por exemplo,
quando as dangadeiras estio ou nio "trabalhando" bem.
Mestre Elisio a chama tamb6m de "servigo".







SOCIOLOGIA E FOLCLORE


A danga se comp6e de 7 figures chamadas "voltas" ou
parties" intercaladas de uma figure que sempre se repete
como um estribilho, denominada "coluna". A reunido de
7 voltas e das colunas de que estao entremeadas formam
uma "roda"; 9 ou 12 rodas formam uma "jornada"; 10 jor-
nadas formam um "folguedo". Ha tamb6m a "festa de S.
Gongalo", em que nao s6mente tem lugar todo um fol-
guedo, mas em que ha missa, procissdo, foguet6rio e gran-
de banquet final, no illtimo dia da novena. Ha largos
anos nao se ouve falar numa festa de S. Gongalo, os tem-
pos estao muito apertados.
Pode-se dangar quantas jornadas ou rodas se queira,
dentro dos limits extremes apontados acima, num dia s6
ou em varios dias consecutivos, de dia ou de noite, depen-
dendo sempre da promessa. Quando as promessas sao de
poucas rodas, danca-se tudo numa noite s6. As promessas
grandes sao, por6m, mais freqiientes, os executantes co-
megam a dangar de manhi e prosseguem pela noite af6ra,
ou no dia seguinte, at6 terminar. Sempre dependendo da
promessa, pode-se tamb6m dangar uma roda ou duas por
noite, atW acabar o nfmero de rodas prometidas. As pro-
messas de um folguedo sao raras.
A danga se inicia cor uma figure executada sbmen-
te pelos dois mestres, rodando cada qual para um lado,
entire as duas fileiras de dangadeiras, segundo este es-
quema:


r --
o AN-A-,iRA



0 O
0 10 > ADU FO
0 V--c-, viOL S40
Q O Q^-- -PA2NoEir~







MARIA ISAURA P. DE QUEIROZ


Depois, tocadores e dangadeiras vAo tr6s v6zes atW o
fundo da sala, girando sempre pelo lado de fora:




0 0


0
0 /0

3 vezes cada uma
Comegam entio as "voltas", das quais a primeira 6
a lua cheia; uma rada grande diante do altar, formada
pelas duas fileiras reunidas numa s6, girando tr6s vezes
para o lado esquerdo e tr6s v6zes para o lado direito.





O j
0 -0 o0


I 100


o o ,o
..O-O -0 ,...-O
3 vezes cada uma
Entre duas voltas, danga-se uma coluna. A coluna,
explicou-nos mestre Elisio, sao nove viagens que se faz
aos p6s do santo, tr6s por fora, tr6s por dentro e tr6s por
fora novamente. Queria dizer que as duas fileiras de dan-







SOCIOLOGIA E FOLCLORE


gadeiras, precedidas pelos tocadores, vao at6 o fundo da
sala e voltam para a frente do altar, girando tres vezes
pelo lado de fora, depois outras tres v6zes pelo lado inte-
rior, assim:






So o / a --C


r I
S0 0













O o o /
0 I" 00






















a do adufo danga pelo lado de dentro. Executam em se-
guida uma coluna e retomam a lua nova pelo lado con-
trario, isto 6, girando no sentido oposto, a fileira do adufo
0 0 II
0 0
0 0
0 0


3 vezes cada uma

Na lua nova, danqadeiras e tocadores tamb6m fazem
uma roda, conservando-se em duas fileiras paralelas, uma
par dentro da outra. Giram alternadamente para a direita
e para a esquerda, tris v~zes; nas primeiras tr6s v~zes, e
a fileira da rabeca que forma a roda externa, enquanto
a do adufo danga pelo lado de dentro. Executam em se-
guida uma coluna e retomam a lua nova pelo lado can-
trfrio, isto 6, girando no sentido oposto, a fileira do adufo







MARIA ISAURA P. DE QUEIROZ


formando a roda exterior e a fileira da rabeca dangando
dentro da roda.



S.o--. s o--


O O




0 cruzeiro, que vem a seguir, 6 figure dangada pelo
adufo com duas dangadeiras de cada vez, cada uma de
uma fileira, a comegar pelas duas iltimas. VWo as duas
danqadeiras cruzando na frente e atrAs do adufo (isto 6,
trocando de lado uma com a autra e passando, para isso,
pela frente e por detras d6le), desde o fundo da sala at6
o altar, regressando da mesma maneira at6 o seu lugar. 0
movimnento se repete corn t6das as dangadeiras, das ilti-
mas as mestras, e depois corn os instruments; a viola
danga duas vezes, pois serve de par primeiro ao pandeiro
e depois a rabeca.




0 0
; 0
0 0
0 0
o .. o .
o' 10 'o0
^-----0







SOCIOLOGIA E FOLCLORE


Depois de executada esta volta relativamente sim-
ples, temos outra muito elaborada, que se chama "costu-
rar". Nela, a fileira chefiada pela rabeca fica im6vel, en-
quanto a fileira do adufo a rodeia tr6s v6zes e em seguida
a "costura", isto 6, passa dangando entree iimn dangadeira
e outra, a comegar do fim, para terminar entire os dois
instruments. Executa-se uma coluna e novamente se re-
pete a volta, desta vez ficando parada a fileira do adufo,
que 6 "costurada" pela da rabeca.


, o o
0 0


0
0
0


S'$0.



\ ; o -,



0
-0-


Entdo vem a troca de lados. A fileira do adufo passa
para a esquerda, a da rabeca para a direita, e assim dio
tr6s voltas pelo lado esquerdo; em seguida ter lugar uma
coluna e novamente trocam-se os lados para executar ou-
tras tr6s voltas, estas pelo lado direito.


( 0
0
0
0
0
-.0
a-


0 0
o0
o
0
0
,. ,


t0
1<0
--GD

0
0
0


co

I 0
/ 0
0


3 vezes cada uma







MARIA ISAURA P. DE QUEIROZ


0 oito pequeno 6 dangado pelo adufo e pelo pandeiro,
juntamente cor duas dangadeiras de cada vez que, a par-
tir das duas iiltimas, vao se sucedendo at6 chegar a vez da
viola e da rabeca. Entre as duas fileiras paradas, adufo,
pandeiro e dangadeiras v6m atW o altar trocando de lado,
depois regressam at6 o fundo, da maneira ilustrada pelos
esquemas a e b:



o s> .- o '- o o o o

0 o 0
0 0 a 0
o o o vo
a 0
0 -- to -- 0o


a) ida b) regresso
0 oito grande 6 executado pelas duas fileiras juntas,
em linhas paralelas, girando em sentido contrArio uma da
outra e tragando um grande oito:




'" .'" f 0 -
0'
t O OI



Terminado o oito grande, os executantes refazem,
para encerrar, uma parte de coluna como no com6co, isto
6, vao tr&s v6zes at6 o fundo da sala e voltam, girando
pelo lado de fora, "porque 6 precise terminar por onde se
comegou", explica mestre Elisio.














~-r
PF q


As duas fileiras


SI "

EL "


Os quatro tocadores.







. SOCIOLOGIA E FOLCLORE


5 Os versos, o pass, a misica

Infelizmente, nao tinhamos possibilidade de gravar a
mfsica do S. Gongalo, que apresenta particularidades in-
teressantes. Os versos nao sao cantados na mesma misica
da danga, nem no compasso regido pelo adufo e pelo pan-
deiro; embora se case uma corn a outra, as duas m6sicas
sao bem distintas.

O pass da danga 6 ripido; colocando o p6 direito a
frente, puxam o esquerdo at6 6ste e ddo novo pass corn o
direito; recomegam o mesmo corn o esquerdo, puxando a
direito, e assim por diante. As dangadeiras revoluteiam
c6leres pela sala, cruzando-se e entrecruzando-se, num
ritmo muito ligeiro, sincopado, que lembra tamb6m o do
antigo galope, e 6 a batida do adufo que as guia.

Cantam os versos corn a seguinte melodia:



9 Ns nt- r ra l)eC es it me. em NiLs hoU rats ie Deus a- me-em Ila- tre

i-iU .11 J I .1 IJ j J I fJ j J ;" J"
F) I- Iho 'S.pr- to Sail. Pa- lire Fi- Iho 'S-pri- to San- (Q
A falta da t6nica e o compasso de cinco tempos apro-
xima-a do canto gregoriano (20). Do mesmo tipo sao as md-
sicas dos "benditos", esp6cie de longa ladainha em melo-
p6ia, que as alagoanas entoam a todo o moment e que
constituem a mdsica por excel6ncia de t6das as outras
cerim6nias religiosas nessa comunidade, tais como nove-
nas, tercos, prociss6es, etc., e que sao muito apreciadas.


(20) Ariano Suassuna fala da influ6ncia do canto gregoriano
s6bre a misica popular do sertio (pg. 42). Geraldo Brandao nota
que o canto, nas nossas dancas provindas dos indigenas, lembra as
ladainhas cristAs e foi por estas influenciado (ob. cit., pg. 66).








MARIA ISAURA P. DE QUEIROZ


Sbmente as duas mestras e que cantam. As quadrinhas
do infcio e do fim n~o sao repetidas no decorrer da danga,
sao ditas exclusivamente ao comeqar e ao terminar o cum-
primento da promessa.


1.0 verso

Nas horas de Deus am6m.
Padre, Filho, Espirito Santo,
E' a primeira cantiga
Que a S. Gongalo eu canto.

trltimo verso

Todos oremos que viva
Viva meu sao toro (santudrio?)
Todos oremos que viva
Viva S. Gonralo, viva.

Entre uma volta e uma coluna, cada mestra entoa,
sempre corn a mesma musica, que nio varia do inicio ao
fim da danqa, o seguinte:


Lel6 veludo,
S. Gongalo ajuda tudo,
Lele veludo,
Quem morr8 fica sizudo.

Lele em graga
S. Gongalo na vidraca;
Leld do ramo,
S. Gongalo do Amarante.

Nao existe uma ordem para serem cantadas as quadri-
nhas que seguem; cada mestra vai escolhendo as de que
gosta mais, as que Ihe acodem mais facilmente a mem6ria,
prestando atengdo para nao repetir justamente aquela que
a outra mestra acaba de entoar. A numeraqgo sob a qual
as apresentamos 6 apenas para facilitar a indicagCo das
quadrinhas, quando quisermos nos referir a elas.









SOCIOLOGIA E FOLCLORE


Concedei minha licenga
Santo do meu coragio?
Queremos dar principio
A essa nossa devogao.

3
Onde S. Goncalo mora,
Entre duas serraria,
Nunca vi terra tro boa,
Cheia de galanturia.

5
S. Gongalo me escreveu
Numa f6ia de limo,
Mandando pidi minh'alma,
Eu mandei meu coragco.

7
S. Goncalo 6 meu pai,
S. Francisco 6 meu irmlo,
Os anjos sao meus parents
0' que rica geracao!

9
Ali vem um carro cantando,
Cheio de cravos e rosa;
S. Gongalo vem no meio
Por ser a flor mais formosa.

11
S. Gongalo me prometeu,
Na vida me dar um dote;
JA que nao me deu na vida,
Me d6 na hora da morte.

13
S. Gongalo disse onte,
Hoje torna a diz6,
Se tratasse dos doente
Que a sinao via morr4.

15
S. Gongalo do Amarante
Casamenteiro das v6ia,
Por que nao casou as m6gas?
Que mal fizeram elas?


Vamo, vamo, minha gente,
Vamo faz8 roda nova,
Em cima do Lavand8,
Onde S. Gongalo mora.

4
Entre serras e penedo
Tinha um mocinho galante;
T6 me dando nas parancia
S. Gongalo do Amarante.

6
Eu vi tanta gente junta,
Pergunitei o que seria;
Respondeu uma devota
E' S. Gongalo Gracia.

8
S. Gongalo se embarcou-se
Na barquinha de No6,
Quando saiu confessou-se
Cor Jesus de Nazar6.

10
S. Gongalo e Santo Ant6nio,
tles dois anda em porfia,
Sto. Ant6nio anda na missa,
S. Gongalo em alegria.

12
Meu divino S. Gongalo,
A vossa capela cheia,
Cheira a cravo e cheira a rosa,
Cheira a flor de laranjeira.

14
S. Gongalo 6 um santo,
Mas ndo 6 interesseiro;
Obra milagre com danga,
Nio procura por dinheiro.

16
S. Gongalo do Amarante,
M6 de que estA sorrindo;
Quem me dera estA logrando,
O que 61e esta possuindo.









MARIA ISAURA P. DE QUEIROZ


N. Senhora de AgBsto
Apareceu ao sol p6sto,
Com uma estrela na testa,
Outra na macg do rosto.

19
S. Gongalo do Amarante,
Sua arma que deseja,
As portas do c6u aberta,
Como estao as da Igreja.

21
Deus Ihe salve, casa santa,
Onde Deus fez a morada ,
Onde mora o calis bento,
E a h6stia consagrada.

23
Fica-te embora latada,
As costas te you virando,
S. Gongalo vai mais n6is,
E o povo ficam chorando.

25
Eu perdi o meu agdio
No caminho d'Amarante,
Como eu cozerei agora
Minha costura galante?

27
Chuva que vem do Norte,
De long traz a zoada,
Acordando os seus devoto
Do sono da madrugada.

29
Quem nunca viu, venha vd,
O povo nas enfileira,
Todo vestido de branch,
Em trajes de lavandeira.

31
O tocador de rebeca
Se chamava Manoel;
Quando Oste home morreu,
Sua arma foi ao c6u.


S. Gongalo diz que 6 veio,
Mas porem tem seu amor,
Que inda ontem recebeu
Ramaiete de ful6r.

20
Essa casa ja foi santa,
Psse terreiro, cidade,
Hoje e a capelinha
Do Divino S. GonCalo.

22
Sta. Clara jd foi santa;
Menina de 12 ano,
Escreveu a S. Gongalo
Que este mundo era um engano.

24
0' que ceu tao pintadinho,
Coberto de maravilha,
Onde estard S. Gongalo,
Com prazer e alegria.

26
Minha camisa galante
Feita na la do Oro;
Quanto mais renda, mais renda,
Quanto mais oro, mais oro.

28
Minha gente venham ve
S. Gongalo no terreiro,
Como vem tio bonitinho
O povo nas enfileira.

30
S. Gongalo d um santo,
E' de Deus mais estimado,
E' dos anjos aplaudido,
E' do povo festejado.


O tocador do adufo
Era o mesmo S. Gongalo,
Cor seu cajado na m&o
E a h6stia consagrada.







SOCIOLOGIA E FOLCLORE


33 34
O tocador de pandeiro O tocador de viola
Tem a sua devoggo, Toca viola sereno,
Dando viva a S. Gongalo As senhora dangadeira
Corn seu pandeiro na mro. De vergonha tao morrendo.

35 36
Quem dangar o S. Gongalo Meu divino S. Gongalo,
HA de ter o p6 ligeiro, Cor sua fita vermela,
Adepois nao vio dizendo Eu pedi meia vara,
Ter barroca no terreiro. ele me deu vara e meia.

37
Meu divino S. Goncalo,
Ter sua fita amarela,
Eu pedi meia vara,
Me deu uma vara dela.


S6mente uma quadrinha, a 15.a, se refere a S. Gon-
galo como a um santo casamenteiro, e a 12.a tem uma in-
dicago velada, pois diz que o altar do santo "cheira a
flor da laranjeira". As outras descrevem a dariga, os exe-
cutantes, e louvam o santo. Chistosas, s6 a 15, a 18, a 34
e a 35. Em sua maioria, pois, as quadrinhas sao de teor
religioso e, ao mesmo tempo, alegres.

A selegdo dos versos, ao serem cantados, se da prin-
cipalmente de acordo com o g6sto das mestras, que esco-
Ihem de preferencia os que acham mais bonitos; como tais
foram indicados: 3, 4, 5, 9, 11, 12, 16, 17, 22, 24, 27. A pre-
fer&ncia se dirige, pois, para versos que encerram uma
certa poesia, que se referem a flares, a perfumes, a estr6-
las, A chuva, e nao aos pr6priamente religiosos.

O acervo dos versos 6 enriquecido com a chegada de
gente de fora, que conhega versos diferentes cantados para
o santo noutros lugares; desde que agradem ao mestre e
As mestras, sao decorados por estas e englobados na cole-
cdo. Nenhum informant referiu a possibilidade de se in-
ventarem versos para o S. Gongalo; para serem cantados







MARIA ISAURA P. DE QUEIROZ


para a santo, devem jA pertencer a danca, trazer o cunho
traditional.
Afirmaram-me todos os informants que nao foram
adotados versos da danga baiana; como os alagoanos con-
sideram errada essa verso, seus versos mereceram o mes-
mo repfidio. A coincid6ncia de algumas estrofes em am-
bas as formas de dangar 6 explicada como persistencia, na
danga baiana, de alguns elements da danga "certa", que
os pr6prios baianos dangavam antigamente.

6 O mestre da Danga de S. Gonaalo

Em Santa Brigida, o mestre Elisio sem favor ne-
nhum pode ser chamado de "dono" da Danga de S. Gon-
gado na comunidade alagoana. E' conhecida a sua severi-
dade em relagao ao comportamento dos execttantes, pois
vota profundo respeito pela danga, e nao s6 mant6m a
6stes como ao pfblico em regime de estreita vigilincia,
enquanto dura o "servigo", embora tocando a rabeca sem
perder o compass.
No entanto, mestre Elisio nao 6 alagoano, 6 baiano
de nascimento e criag~o, da localidade de Maranc6; com
a vinda do grupo alagoano para o povoado, agregou-se in-
teiramente a C1e, par achar que o modo de vida d6le era
superior ao baiano. E' um dos dois tinicos baianos que se
juntaram aos alagoanos.
Mestre Elisio aprendeu a dangar muito pequeno; em
Maranc6, onde morava, nio havia quem soubesse dancar,
mandavam vir dangadeiras de fora quando havia alguma
promessa. Elisio tinha 5 anos quando chamaram mestre
F6lix e suas dangadeiras para cumprir uria promessa; o
menino t~o apaixonado ficou que num instant aprendeu
o toque do adufo. Sua mae, com sacrificio, encomendou-
Ihe entao um por 5, verdadeira fortune hi mais ou menos







SOCIOLOGIA E FOLCLORE


30 anos. Aos 9 ou 10 anos, mestre Filix o admitiu
entire os tocadores. Aprendeu a se servir de todos os ins-
trumentos, decorou os versos e a mfsica, e elegeu para
seu instrument a rabeca, de execugio mais dificil do que
os outros. Nao s6 aprendeu a tocar os diferentes instru-
mentos, como tamb6m sabe o toque do pandeiro e do
adufo de outras localidades, pois compasso e toque de S.
Gongalo variam de lugar para lugar. Mestre Elisio conhece
hoje os toques de Sergipe e de Pernambuco, al6m de va-
rios toques baianos diferentes; nio aprendeu ainda o de
Alagoas.
Mudando de Maranc6 para Monte Alegre, j6 m6go,
ali organizou o seu "povo de S. Gongalo", sempre muito
rigoroso na maneira de se executar a danga, pois corn
mestre F6lix aprendera que ela 6 "servigo s6rio", durante
o qual nfa se pode admitir cachagada, nem fumo, nem na-
m6ro, tanto entire os executantes quanto entire o pilblico,
devendo ser dangado s6mente de branco, os '6s descalgos,
observadas as regras tradicionais do dec6ro no vestir, isto
6, as mangas compridas, os vestidos longos e sem forma.
Assim que Elisio comegou a puxar "enfileira", sua
mde aprendeu a dangar e danga at& hoje. Mestre Elisio ca-
sou-se com uma baiana, Rita, que logo disputou a mie
d6le a primazia na danga, tornando-se a mestra por exce-
lIncia, pois, dotada de muito boa mem6ria, armazena to-
dos os versos de S. Gongalo de que venha a ter conheci-
mento, sendo tamb6m muito graciosa ao dangar. Tanto
mestre Elisio quanto sua mae e Rita sdo analfabetos.
O filho de Elisio chama-se Gongalinho; aos dois anos
ganhou seu primeiro adufo para ir se exercitando no to-
que; tern hoje cinco anos, mas ainda nao comegou a dan-
qar. Das meninas, a mais velha, de 8 anos, dangou uma
vez na c6lebre roda das meninas que teve lugar hd pouco
tempo; a segunda, de 4 anos, ainda nao aprendeu, 6 muito
pequena.







MARIA ISAURA P. DE QUEIROZ


Mestre Elisio, morando em Monte Alegre, vinha a
Sta. Brigida para a feira; assim travou conhecimento cam
a gente alagoana, quando esta se instalou no povoado, e
corn Pedro Batista. Achou que deviam apreciar a S. Gon-
galo e perguntou a Pedro Batista se poderia ali ensinar
dangadeiras. Pedro Batista, verificando que se tratava de
coisa decent e de respeito, consentiu.

Mestre Elisio primeiramente instruiu na danga as
pessoas mais chegadas a Pedro Batista, solteironas, viivas
e 6rfds que viviam sob sua protegfo; tdo logo comeqaram
as realiza56es de "rodas", t6das as mulheres da comuni-
dade alagoana quiseram tamb6m aprender; sao poucas
hoje as que nao sabem e que nunca dangaram. Mestre Eli-
sio mudou-se para Sta. Brigida porque assim ficava mais
f6cil para organizer e dirigir a danga.
Sao numerosas e variadas as atribuiq6es do mestre na
Danga de S. Gongalo, eis porque mestre Elisio precisava
ficar mais pr6ximo de suas dangadeiras. E' o mestre quem
ensina, 6 6le quem determine os ensaios para instruir dan-
cadeiras novas. Se o dono da promessa nio especificou
quem deve tomar parte, a escolha das dangadeiras cabe ao
mestre, que manda prevenir os executantes da data e da
hora.
Sbmente a mestre pode chamar a atengao dos execu-
tantes durante os ensaios e os "servigos". Esta regra de
discipline fai ing6nuamente express pelo tocador de
adufo, dizendo que gostava da Danga de S. Gongalo por-
que nela nio se pode rir um do outro quando se erra; errar
acontece a todos, pois ningu6m sabia dangar e todos apren-
deram com o mestre; portanto, 6 o mestre o inico que pode
repreender e corrigir, e um bom mestre o faz de tal ma-
neira que nfa envergonhe a dangadeira bisonha ou o toca-
dor novato.

























~tm~4a


Tocador e


,




*.r




mestra corn seu ramlnho.


,\ ,t#.t -

A t~"'cu

t~- %t


Mestre Elisio e seus dois filhos.
























* I~
4a





F 1j
I~ne


A fileira gulada por mestra


A






Rita.


-:T


]A I*~~Cv1







SOCIOLOGIA E FOLCLORE


iste testemunho evidencia a importancia do saber do
mestre; o mestre 6 respeitado, suas correg6es sao acatadas,
porque 6 6le quem sabe, os outros sao ignorantes.

Sua autoridade se exerce tambem s6bre o p6blico,
mantendo a ordem, chamando a atengdo dos que nao se
comportam corn a gravidade que requer o desempenho de
uma cerim8nia religiosa, e indo atW a ordenar-lhes a reti-
rada do recinto da danga.

Outra informaaio nos confirmou seu papel de primeira
importancia na exist6ncia da danga. Uma mulher de Ser-
gipe, de um lugarejo perto de Propria, onde nio se dan-
qava S. Gonqalo, conhecia por6m a danga porque suas tias,
que eram de Agua Branca, em Alagoas, dangavam para ela
ver; a informant e todos que apreciavam a execuiio dos
passes achavam muito bqnito. Apesar de todos gostarem
tanto, as tias nao foram capazes de reviver a danca, e s6
chegando a Sta. Brigida foi que a informant a viu real-
mente danqada.

E' que a ignorincia de tocadores e danqadeiras a res-
peito dela 6 real. Nfo se trata de falsa mod6stia, nem de
acanhamento peculiar ao matuto; uma conversa mais longa
com 6les torna evidence que nao sao capazes de ir al6m
de conhecimentos par assim dizer mecAnicos em relacgo
a danca.

Estando ausente mestre Elisio, procuramos entire os
executantes quem pudesse dar algumas informag6es e
ajudar a fazer o esquema das "voltas". Ningu6m sabia di-
zer nada; foram unAnimes em afirmar que s6 mestre Elisio
podia dar qualquer explicagao e que era nccessario espe-
rar pelo seu regresso; nossa insist6ncia s6 serviu para pa-
tentear bem a ignorincia d6les.
Acostumados a danqar atris das mestras e dos toca-
dores, obedecendo exatamefite a orientaggo d6les e aos to-







MARIA ISAURA P. DE QUEIROZ


ques do adufo, sem nenhum raciocinio, nunca os execu-
tantes observaram como sao realmente as figures; o apren-
dizado 6 maquinal. D6sse modo, quando levados a explicar
qualquer coisa s6bre a danga, assustam-se e nao o conse-
guem; muitas dangadeiras nda sabem sequer o nome das
"voltas" e quando o sabem, dificilmente as nomeiam na
sucessio em que sao executadas.
Nao 6, pois, qualquer um que pode ser mestre da
Danga de S. Gongalo; para bem conhec6-la sao necessarias
certas qualidades como o ouvido, a habilidade para tocar
os instruments musicals, mem6ria para os versos, conhe-
cimento do desenho das voltas, paci6ncia para ensinar.
dangadeiras e tocadores, personalidade para se impor a
um grupo de pessoas que engloba tamb6m o piblico. A
chefia da danga exige, pois, hibitos de observagio e racio-
cinio maiores do que os do comum dos alagaanos; pode-se
dizer que o papel de "mestre" requer intelig6ncia acima
da ordinaria na comunidade.

Uma das condig6es, portanto, da continuidade da dan-
ga, 6 a exist6ncia de um mestre com intelig6ncia e autori-
dade para a transmitir aos outros como mestre F6lix
a transmitiu a mestre Elisio, e 6ste a esta transmitindo a
seu filho e para guiar a "povo de S. Gonqalo" na sua
perfeita realizagio.

7 A Danga de S. Gonpalo e a organizaio social da
comunidade alagoana

Como t6das as atividades que t6m lugar na comuni-
dade alagoana, a Danga de S. Gongalo est6 dependent da
autorizagio de Pedro Batista; mestre Elisio precisou de
sua licenga para organizer o "povo" em Santa Brigida, ou,
segundo a pitoresca expressio do tocador de adufo: "S&o
Pedro foi quem mandou fazer 6ste assunto aqui".







SOCIOLOGIA E FOLCLORE


Os que desejam pagar promessa da danqa, vAo a Pe-
dro Batista e Iho comunicam; Pedro Batista chama mes-
tre Elisio, transmite a recado, e entire 6les deliberam a
data mais convenient para a realizagio. Qualquer pedido
de adiamento ou adiantamento tambem ter de ser feito a
Pedro Batista, que dari ou nfo a respective ordem.
A subordinag~c de mestre Elisio e da danga a Pedro
Batista 6, pois, not6ria; mostra como esta danga, que nao
pertencia a comunidade, nela se integrou bem entire as ati-
vidades exercidas pelo grupo, que t6dos estci tamb6m sob
a direcio inconteste do lider.
Pedro Batista acha muito bonita a danca mas rara-
mente comparece e, quando o faz, nfo fica at6 o fim; ex-
plicou-me que muita zoada o atordoa. Dessa maneira, a
autoridade de mestre Elisio durante a danca fica inteira-
mente a salvo de qualquer conflito; alias, em relaqoo A
danga, Elisia 6 a autoridade maxima, Pedro Batista reco-
nhece que nesse setor seus conhecimentos slo inferiores
e as interferencias se limitam, pois, aos aspects em que o
inter&sse da danga e o da comunidade se recobrem, coma
por exemplo no caso da marcagAo das datas.
A comunidade alagoana forma um grupo aparente-
mente igualitario, tendo-se a impressed de que a fnica
pessoa possuidora de status superior ao dos outros 6 Pedro
Batista; os membros da comunidade parecem ser seme-
Ihantes no modo de vida e nos conhecimentos, com evi-
dente consci&ncia coletiva que se torna muito visivel t6-
das as vezes que ha um contrast cor a comunidade
baiana. Todavia, ha tendencia para a estratificag~o em
camadas, obedecendo a dois principias simultineos.
De um lado, a hierarquia se baseia na economic; os
donos de armaz6m, os fazendeiros, todos os abastados de
ac6rdo cor a escala econ6mica local, integram a camada







MARIA ISAURA P. DE QUEIROZ


mais elevada e, se o modo de vida 6 prAticamente o mes-
mo do resto da comunidade, suas casas, suas roupas, seu
passadio sao em geral melhores, possuindo tamb6m certa
folga em dinheiro. A segunda camada, muitissimo mais nu-
merosa do que a primeira, 6 formada por aqu6les que t6m
pequenas rocas, que em maioria conseguiram comprar ji
suas casas, mas que ainda trabalham para os mais ricos
por "tarefas" remuneradas. Finalmente, a terceira cama-
da, menos extensa do que a segunda, 6 a dos rec6m-chega-
dos, que nao estao ainda bem integrados na comunidade,
nao possuem roca, vivem em casa alugada ou emprestada.
A terceira camada foi numerosa at6 ha uns dois anos (mas
sempre em quantidade bem menor que a camada interme-
diaria), pois constantemente gente de fora estava chegan-
do para se instalar em Sta. Brigida. A noticia da s6ca que
h6 tr6s anos dura, ter afastado muita gente de Alagoas
que pretendia vir encontrar ali seus parents e amigos.
A outra hierarquia tem por base a vontade ou as sim-
patias de Pedro Batista. fste congregou em t6rno de si
alguns homes, uma meia-duzia, a quem participa seus
projetos e com quem discute os problems da comunidade.
A base de sua escolha estao as qualidades pessoais dos in-
dividuos, que fazem corn que sejam considerados de bom
conselho. Se alguns membros da classes abastada nela fi-
guram, e nao sao muitos, 6 devido a tais dotes; predomi-
nam os da classes intermediaria. Esta pequena elite goza
de muito prestigio na comunidade, de prestigio maior do
que os abastados. I
Dangadeiras e tocadores prov6m da camada que eco-
n6micamente se coloca como intermedi;ria. Mulheres e
filhas dos individuos abastados, conquanto saibam dangar,
nao o fazem senio raramente; h6 entire elas certo "snobis-
mo", um pequeno desejo de se diferenciar da plebe, que se
traduz desta maneira.







SOCIOLOGIA E FOLCLORE


Quanto A camada inferior, nio toma parte na danga
porque ainda nio a aprendeu; 6 precise tempo e atenglo
para memorizar t6das as figures, pegar bem o ritmo e o
pass, a fim de participar de um ensaio sem correr o risco
de atrapalhar os executantes. Geralmente o modo mais
facil de aprender 6 assistir a danga corn atengao; por isso
tantas mulheres e meninas acodem ao toque do adufo;
uma das melhores danqadeiras atribui sua pericia ao fato
de, quando ndo danga, ficar assistindo corn atenaio a fim
de refrescar a mem6ria. Saber dangar S. Gongalo 6, entdo,
indice de certo tempo de perman6ncia e integragAo na co-
munidade alagoana.
E', pois, somente a diferenciacgo em camadas inci-
piente divisko ainda que influi na participagdo ou nao
a danga, al6m do limited minima de idade para os execu-
tantes. Nenhuma outra distingio, al6m dessa, se nota na
comunidade alagoana com relagca ao serviceo". Gente de
todos os tons de pele e de t6das as idades se apresenta
para dangar. Joao da Oliveira, tocador de adufo, 6 loiro e
rosado, suas filhas tamb6m; mestre Elisio e o tocador de
violio revelam uma mistura de negro e indio; o tocador de
pandeiro 6 mulato escuro. Entre as dangadeiras, havia
quatro mulatas escuras; duas mulatas claras; tres brancas;
tr&s mestigas de indio e branco.
Embora a Danga de S. Gongalo seja altamente apre-
ciada entire os alagoanos; embora se reconhega a necessi-
dade de possuir determinadas qualidades para ser boa
dangadeira ou bom tocador, o "status" do individuo em
nada se modifica na comunidade pelo fato d6le participar
da danga. Tome-se, por exemplo, o tocador de adufo Joo
da Oliveira; seu papel na danga 6 de rel&vo; 6 quem vem
a testa da "enfileira" oposta A da rabeca e, se errar um
pass, todos os que o seguem errarao tamb6m, uma vez que
dangam seguindo estritamente todos os movimentos do








MARIA ISAURA P. DE QUEIROZ


cabega da fila. Apesar de sua reconhecida responsabilidade
na danga, Jogo da Oliveira nao tem nenhum lugar de
destaque dentro da comunidade, 6 um trabalhador de roga
como outro qualquer. E nem 6 6le que, fora da execugao
da danga, secunda mestre Elisio nos afazeres a esta con-
cernentes; devido A sua pouca capacidade intellectual em
nada ter voz ativa.

Mestre Elisio faz parte da pequena elite de que Pedro
Batista se rodeia; mas tal posigio nao Ihe adv6m de ser
mestre da Danga de Sio Gongalo; participa da esp6cie de
"comit6" director do povoado porque suas qualidades pes-
soais de maior finura, sensibilidade, raciocinio, mem6ria
e experi6ncia o designam para tal, assim como aos outros
que cor le partilham as mesmas fung6es. Seu prestigio
junto a Pedro Batista decorre de suas qualidades pessoais;
por6m essas qualidades sao tamb6m necessdrias para ocu-
par a content o p6sto de mestre da Danga de S. Goncalo.

A Danga de S. Gongalo, nao tendo nenhum papel na
mobilidade social dos individuos, dentro da comunidade,
estando ao alcance de quem quer que apresente os dons
necessArios a uma boa dangadeira e a um bom tocador que
tenham desejo de dancar, nao 6 element diferenciador
dentro da comunidade. Mesmo o "snobismo" da camada
superior s6 se revela quando a comunidade esti entregue
a si mesma; diante dos de fora, as m6gas dessa camada
mostram interesse e g6sto pela danga, defendem-na con-
tra o pouco caso dos baianos; e havendo uma danga que
por qualquer motive se revista de certa importAncia, mos-
tram-se desejosos de participar. Para os rec6m-vindos, ter
aprendido a dangar 6 uma maneira de se sentir inteira-
mente pertencente a comunidade. Assim, a Danga de Sao
Gongalo 6 um element aglutinador da comunidade ala-
goana e, atrav6s dela, se express a coesao grupal.







SOCIOLOGIA E FOLCLORE


8 Fung es manifestas da Danga de S. Gongalo


Se perguntarmos a qualquer visitante que perma-
nega algum tempo em Santa Brigida por que os alagoanos
dangam tao a mifido o S. Gongalo, a explicacgo 6 que, nao
tendo outras festas sendo as religiosas, nao admitindo baile
nem outros divertimentos, a Danga de S. Gongalo 6 o
inico meio de se distrairem.

A justificativa 6 verdadeira em parte. Tanto a popu-
lagao alagoana quanto Pedro Batista acham que a Danga
de S. Gongalo 6 um divertimento honest, desde que se
exerga a devida vigilncia para impedir fumo, bebida e
nam6ro.

Pela pouca quantidade de executantes, a danga se co-
locaria entire os espet6culos, isto 6, divertimentos em que
a coletividade se distrai assistindo e nao agindo; os co-
mentArios do pfblico s6bre o desempenho das dangadei-
ras, comparando o donaire de umas e outras, corroboram
6ste aspect.

No entanto, se as dangadeiras t6m prazer em dangar,
se o povo em geral gosta de assistir, exibigia e diverti-
mento nao sdo os aspects principals do "servigo"; seu
sentido 6 verdhdeiramente religioso. Basta ver a prefe-
r6ncia que as executantes manifestam pelos lugares afas-
tados e de dificil acesso e, no povoado, pelas casas em
lugar de latadas, pois naquelas podem ficar mais a salvo
de olhares profanos. As dangadeiras nao dangam para o
putblico nem para si, embora algumas manifestem ver-
dadeira paixao pela danca; o pfblico tamb6m vai por ou-
iros motives que nio a simples diversdo proporcionada
pelo espetAculu. Na maioria das v6zes, os espectadores,
indo assistir, pretendem homenagear quem f6z a pro-
messa; alguns querem aprender como se danga; outros







MARIA ISAURA P. DE QUEIROZ


estio apenas A espera dos comes finais... Nao 6 raro a
danga comegar cor muita gente assistindo e terminar com
pouco pifblico.

A danga pode ser levada a efeito para festejar um
dia santo qualquer, isto 6, pode ter carter comemorativo.
Nos tempos de fartura. Pedro Batista ainda f6z algumas
vezes dangarem em datas significativas, mas foi raro.
A danca sempre foi executada como um voto religioso,
em cumprimento de promessas. As pessoas prometem uma
ou mais rodas de S. Gongalo em troca de uma graga que
almejam; sao "promessas de vivos". As promessas podem
ser variadas, de uma ou muitas rodas, dangadas num dia
s6 ou em v~rios dias, com. dangadeiras determinadas ou
corn quaisquer dancadeiras.
Uma mulher pode tamb6m promoter dangar uma ou
duas rodas numa danga, por alguma graga alcangada; es-
pera, pois, um dia em que se dance a promessa de algu6m,
e dangarA entao as radas prometidas. Embora esta pro-
messa algumas v6zes nao seja paga, nio existem sang6es
contra a falta; tivemos a impressed de que a falta 6 de
origem recent, prendendo-se A partida de algumas fami-
lias que, fugindo A s6ca, abandonaram Sta. Brigida; seu
carter esporadico e de novidade ainda nio determinou
nenhuma punigdo contra as faltosas.

Mas mesmo as dangas de "promessa de vivo" sao hoje
raras; dominam incontestivelmente, na atualidade, as
dangas de "promessa de defunto". Que 6 a "promessa de
defunto?" Uma pessoa promete realizar algumas rodas
de S. Goncalo; consegue a graga e, por qualquer motivo,
nao se desincumbe da promessa. Acontecendo morrer, seu
espirito fica sem descanso por nao ter cumprido o que
prometera; aparece entao a um vivo, parent ou nia, e
pede que avise a comunidade de que seu voto deve ser







SOCIOLOGIA E FOLCLORE


pago a fim de que possa sossegar. Algumas vez, o morto
nfo fez promessa em vida; depois de falecido, por6m, co-
mesa a vir pedir danga.
Ora, os espiritos, mesmo sendo bons, causam males,
como por exemplo doengas; o espirito de Jodo Pessoa (que
f6ra bom home, dizem rles), durante vinte anos causou
t6das as doencas do interior do Rio Grande do Norte ao
da Bahia, ate que se descobriu como aplaca-lo e faz6-lo
descansar. O meio de afastar os espiritos e, portanto, os
males que trazem, 6 satisfazer os pedidos que formulem,
pois assim ficario em soss6go. Dai a importincia de se
pagarem as "promessas de defunto".
Para financial a promessa de um parent morto, re-
corre-se a toda a familia e aos amigos, pedindo essa "ca-
ridade" para cor o defunto. Quando a pobreza da familiar
6 de tal monta que nem mesmo sua reunito di para cobrir
as despesas, apela-se para a comunidade; Pedro Batista
ordena que se tirem'esmolas, cor as quais serA paga a
danca. Finalmente, se a coletividade esti tio mal afortu-
nada que nem mesmo seja possivel uma coleta de funds,
Pedro Batista pede a mestre Elisio e aos executantes que
dance "por caridade", isto 6, gratuitamente, dispensando
o repasto final. Atualmente, a forma mais comum 6 a co-
leta em t6da a comunidade para pagar danga e repasto;
a danga "por caridade" 6 bastante rara.
A danga, explicou mestre Elisio, da "refr6sco" aos de-
funtos e 6stes pedem muito mais dangas de S. Gongalo do
que orag6es e tergos. Igual papel refrescante ter ela em
relagAo aos moribundos. Se algu6m esti em agonia, reali-
zando-se nesse dia uma danca no povoado, pbde-se a dan-
qadeiras e tocadores que vdo a casa do moribundo e li
rezem, seja o inicio, seja o fim da danga. Afirmam os ala-
goanos que as piores agonias melhoram instantineamente
cor as rezas e, mesmo que a doente nio alcance cura,







MARIA ISAURA P. DE QUEIROZ


ter morte calma e serena. Esta ida dos executantes A casa
dos enfermos 6 chamada de visitt" ou "cumprimento" de
S. Gongalo. Mas o costume e recent. Foi D.a Dod6, soltei-
rona que se ocupa cor coisas de religiao, quem teve pela
primeira vez a id6ia de mandar os executantes da danga de
S. Gongalo rezarem na casa de um moribundo; dianto do
grande alivio experimentado por 6ste, o costume pegou;
nao 6, todavia, muito habitual, pois 6 precise a coincidan-
cia da agonia cor a realizaqio da Danga de S. Gonualo.
Para pedir danga, os espiritos costumam aparecer aos
enfermos, durante acessos de febre; essa 6 sua forma mais
freqilente e mais aut6ntica de manifestagCo. Mas hA tam-
b6m certas pessoas que sfo visitadas por 6les mesmo em
saide, as velhas mais do que as mS6as, as mulheres mais
do que os homes. Os espiritos aparecem as v6zes durante
a danga, fazendo uma dangadeira levar um tombo ou des-
maiar; neste caso, trata-se sempre de protest porque a
danga nio esti sendo realizada como devia. As pessoas a
quem os espiritos aparecem nao ganham com isso nenhu-
ma posigio especial dentro da comunidade.
Os aparecimentos durante doengas, delirios, desmaios,
raramente sio postos em ddvida. Um chefe politico de
Alagoas, muito estimado pelos alagoanos de Sta. Brigida,
apareceu certo dia a uma velha, durante um desmaio
desta, e comunicou que prometera uma jornada de Sao
Gongalo, de 9 rodas, a serem danqadas t6das num s6 dia,
para ser paga pelo povo de Santa Brigida. Pedro Batista
promoveu a realizagio da promessa, que foi assistida e
paga pela comunidade, entrando cada qual cor quanto
pode.
O aparecimento do espirito A pessoa sa 6 submetido
A prova, a nio ser que ela merega tal confianga que sua
palavra nao possa ser posta em divida. Nao se acredita em
certas pessoas por serem conhecidas cbmo demasiadamente







SOCIOLOGIA E FOLCLORE


imaginativas ou mentirosas; os fracos de espirito, ao con-
trario, merecem sempre fM quando chegam a afirmar qual-
quer coisa. Havendo desconfianga, a comunicago fica de
quarentena at. que Pedro Batista se convenga de que nio
houve embuste.
Foi o que se deu iltimamente. O espirito de Getflio
Vargas apareceu a uma moga, repentinamente, sem que
ela estivesse doente, pedindo o cumprimento de uma pro-
messa que fizera em vida, de realizar em Sta. Brigida uma
festa de S. Gongalo. Pedro Batista, embora nutra grande
respeito e admiragAo pelo morto, ficou meio incr-dulo e
declarou a intermediaria que nao era possivel fazer-lhe a
vontade; a realizadio de uma festa implica em despesas
com as quais ninguem, em Sta. Brigida, pode atualmente
arcar. Diante da resposta, o espirito apareceu novamente
dizendo que deixara no Rio de Janeiro dinheiro suficiente
para pagar a promessa, por isso que Pedro BatisTa escre-
vesse ou telegrafasse A familiar do morto, pedindo a quan-
tia. Pedro Batista replicou A m6ga que na familiar de
Getflio Vargas ninguem acreditaria em tal hist6ria, pois
ninguem o conhecia; sugeria ao espirito que baixasse em
sua pr6pria familiar dando ordem para que f6sse enviado
a Sta. Brigida o dinheiro da festa. Desde ai, o espirito nao
apareceu mais.
Pedro Batista nao descr6 totalmente da aparicao; estA
A espera de um sinal confirmando que ela foi verdadeira.
Mas acha que a espirito esta exorbitando, pedindo uma
festa nos tempos que correm, em que nao ha dinheiro
nem para serem pagas algumas rodas! Afirmou-nos que
o espirito nao baixara na familiar Vargas, no Rio de Ja-
neiro, sem querer explicar porque. Uma informant muito
de dentro de sua casa foi, por6m, mais long e explicou
que o espirito nao buscarA contact com a familiar porque
6 sabido que t6da ela, infelizmente, vive mergulhada em







MARIA ISAURA P. DE QUEIROZ


orgias; ora, o menor sintoma de orgia faz os bons espiritos
fugirem As lguas.
O aparecimento freqiiente de espiritos em Sta. Brigi-
da 6 considerado um sinal de "tempos diferentes"; nio ha
conotagio de "tempos catastr6ficos", mas sim de transfor-
magfo, de que as coisas nao sao como antigamente. Dizem
os alagoanos que, antes de virem para Sta. Brigida, nao
apareciam tantos espiritos como agora; mas tamb6m mui-
to raramente deixava algu6m de cumprir em vida suas
promessas. Hoje, os vivos levam vida mais dura e por isso
nem sempre podem cumprir a prometido; talvez tamb6m
tudo esteja mais penoso para os espiritos, dai a maior
quantidade de pedidos da Danga de S. Gongalo.
Por que os espiritos preferem dangas As novenas e
tergas, ningubm nos conseguiu explicar. Antigamente, no
tempo de mestre FMlix, dangava-se em cumprimento tanto
de "promessa de vivo" quanto de "promessa de defunto"
e de "promessa de coverr; mestre Elisio diz que antes
da comunidade alagoana se instalar em Sta. Brigida, as
raz6es para se dangar continuavam a ser as mesmas do
tempo de mestre F6lix. E' da instalagao dos alagoanos em
Sta. Brigida para ca, que a danga passou a ser executada
quase exclusivamente em cumprimento de promessas de
defunto. A constatagio de que a Danga de S. Gongalo
deserpenha, na comunidade alagoana, papel semelhante
ao da missa nas localidades onde hi padres, nio nos ex-
plica porque, de promessa em geral, ela passou a ser dan-
gada para pagar quase exclusivamente promessa de de-
funto.
Pedro Batista revela influencias espiritas em suas
concepg5es religiosas, embora se declare contrArio As ses-
s6es; refere-se sempre aos espiritos em suas conversas, cha-
mando a ateng&o dos ouvintes para 6sse t6pico. Diz que
os espiritos ficam vagando pelo espago durante algum







SOCIOLOGIA E FOLCLORE


tempo ap6s a morte e estVo constantemente ao nosso lado
em tudo quanto empreendemos, principalmente nas ati-
vidades religiosas; por isso podem aparecer tdo fAcilmente.
Mas a influ6ncia de suas concepg6es religiosas s6bre
a evolug5o da Danga de S. Gongalo nao 6 clara, uma vez
que a danga para pagar promessa de defunto jA existia
h6 muito tempo. O modo de aparecerem os espiritos, com
tanta facilidade, 6 que talvez tenha sofrido influ6ncia das
maneiras de pensar de Pedro Batista.
A explicacgo parece estar noutro fator. Antigamente,
cumpriam-se as promessas t6das em vida; assim que a
graga era alcangada, procurava a devedor se desincumbir
do prometido o mais depressa possivel, nao descansando
enquanto nio pagava. Nao havia, como atualmente, 6ste
"abuso" (sic) de promessas que nio sao nunca pagas e que
os defuntos depois v6m reclamar.
Antes das dificuldades atuais de vida, lutaram os ala-
goanos cor as despesas acarretadas pela instalacio, que
tornava muito apertados os meias de que dispunham.
Atualmente, quando paderiam gozar de algum bem-estar,
Sta. Brigida sofre as conseqii6ncias de tr6s anos de s6ca.
Poucos sao, mesmo entire os mais abastados, os que podiam
ontem e podem hoje oferecer uma Danca de S. Gongalo,
pagando o estip&ndio aos executantes e oferecendo o re-
pasto traditional.
Foi o que demonstrou um caso recent que envolvia
a mulher do dono da farmAcia, um dos individuos abasta-
dos do lugar. Tendo ela adoecido, uma amiga prometeu
uma jornada de 12 rodas, a ser paga pela doente quando
recuperasse a saude. Quando esta se levantou, o marido
procurou saber do mestre Elisio em quanto ficaria a jor-
nada t6da, arrepiando carreira diante do prego e resol-
vendo deixar as coisas como estavam, isto 6, ficando a pro-







MARIA ISAURA P. DE QUEIROZ


messa por pagar ate que viessem tempos melhores. Co-
mentou-se o fato com certa malignidade, dizendo-se que
o casal tinha meios mais do que suficientes para pagar a
jornada e oferecer as comes; e se 6les nio tinham, quem
mais teria? No entanto, ningubm p6de informar quanto
ao todo tinha pedido mestre Elisio.
A camada de que prov6m os executantes, na comuni-
dade alagoana, e a que designamos como economicamente
intermediaria entire a abastad'a e os rec6m-clegados. E'
esta justamente a camada que sempre sofre mais cor as
restrigSes econ6micas; os ricos ficam mais ou menos a
salvo porque tem reserves, e os rec6m-chegados n-o estgo
ainda aclimatados a ponto de se lembrarem de promoter
Dangas de S. Gongalo e de terem o que perder. A coope-
ragAo familiar ou de t6da a comunidade a fim de permitir
o pagamento da "promessa de defunto" foi a solugio
diante dos problems economicos da comunidade, que
ameagavam s6riamente a danga, par nao haver quem pu-
desse fazer face As despesas que ela acarretava.

Para que a acomodagio se desse, contribuiram de um
lado o prazer de dangar; de outro lado o mdo dos defun-
tos; estas emog~es s5o conscientes nos executantes, sendo
que a segunda supera a primeira, o que 6 muito visivel
no respeito exigido para a realizagco da danga.

Tendo em vista Aste segundo fator, a Danga de S.
Gongalo nos apresenta como funcao patente harmonizar
as relagdes entire vivos e mortos num povoado em que
ngo existem padres, salvaguardando a comunidade. dos
acontecimentos desagradAveis que a mA vontade dos de-
funtos acarreta. Ela 6, pois, de ac6rdo cor a fungio ex-
plicita mais important que apresenta, uma cerim6nia
religiosa antes de tudo, vindo apenas em segundo ou ter-
ceiro piano o prazer de dangar e a comemoragdo de datas
festive







SOCIOLOGIA E FOLCLORE


A acomodagao havida permitiu que uma atividade re-
ligiosa, altamente apreciada na comunidade e indispen-
sAvel por consistir na maneira de harmonizar dois niveis
da vida comunitfria, o nivel profano e o nivel sagrado, pu-
desse continuar a ser realizada, mau grado as precArias
condig6es econ6micas; a adaptagdo veio atrav6s do re-
curso ao auxilio muituo expressed da solidariedade vi-
cinal, que vigora na base das atividades econ6micas
da comunidade e que assim se transfer para o setor reli-
gioso, com o fim de servir de apoio As suas atividades.
No entanto, al6m desta fungco explicit muito impor-
tante, tem a danga funcges latentes tamb6m de rel&vo, nAo
conscientemente reconhecidas mas efetivas, e que concor-
rem para explicar o favor com que a distinguem os ala-
goanos.

9 FungSes latentes da Danga de S. Gongalo

Se a fungio explicit mais important da Danga de
S. Gongalo 6 o "refr6sco dos espiritos", que a classifica
como cerim6nia de carter eminentemente religioso, ter
ela tamb6m vArias fung6es latentes.
Muitas v6zes, no decorrer da danga, a defunto se ma-
nifesta atrav6s do tombo de uma das dangadeiras. Ningu6m
tem dfividas; o espirito ndo esta sentindo o ben6fico "re-
fresco", muito pelo contrArio; 6 que nio se estA dangando
com a seriedade requerida e as faltas cometidas estio pre-
judicando quem f6z a promessa. O rem6dio e recomegar
tudo desde a principio, com o maior cuidado. Se a danga
6 longa e estA no fim, consulta-se a intermediAria para que
esta indague do espirito se aceita que a nova danca seja
executada noutro dia; se a resposta 6 nao, por mais cansa-
dos que estejam, recomegam tocadores e dancadeiras a
danqar desde o inicio.







MARIA ISAURA P. DE QUEIROZ


Sdo, em geral, "coisas de converse" (nam6ro, ligagdo
amorosa) que perturbam a danea. Se uma das dangadeiras
cometeu alguma falta em sua vida particular, seja de infi-
delidade ao marido, seja de raiva contra 6ste que andou
borboleteando em t6rno de outras; se uma jovem langa
olhares ao pfiblico ao dancar; se entire o pufblico existe
algum casal ilicito que se aproveitou da danca para se ver;
se um rapaz ali esta para admirar a eleita; se dois namo-
rados se utilizam da reunido para um encontro; se duas
pessoas zangadas umna com a outra, ali v~o sem se terem
reconciliado previamente; enfim, se entire executantes ou
entire o pfiblico t6m lugar atividades.consideradas pecami-
nosas, o que j. se dangou esti estragado, 6 precise reco-
megar de novo.

Para que a danga seja aceita pelo espirito cumpre
afastar dela e portanto de executantes e povo tudo
quanto se relacione com vicios, isto 6, bebida, jogo, fumo,
nambro e disputes, e que se observe rigorosamente as re-
gras de vestuario e de danca. Nessa comunidade preo-
cupada cor a pureza de costumes e a religido, a danga,
associando-se estreitamente a tais maneiras de ver, desem-
penha assim um papel de contr6le social, ao lado de ou-
tras formas de. contr6le existentes.

Atrav6s do repasto, de que participam executantes e
espectadores, ela exerce fungfo de ref6rgo do sentiment
de coesdo grupal; por isso a importAncia d6le, que sempre
se procura preservar mesmo na forma mais simples de
caf6 com biscoitos. A funcgo de comunhdo que t6m as re-
feig~es 6 comumente ressaltada pelos estudiosos das Ci6ri-
cias Sociais, e Varagnac escreve que "os mais antigos pro-
cessos de comunhao observados entire os povos sao justa-
mente a absorcgo solene em comum de alimentos" (21).

(21) A. Varagnac, ob. cit. pg. 327.







SOCIOLOGIA E FOLCLORE


Tanto o repasto quanto a danga, desenvolvem nos parti-
cipantes um estado de exaltagdo comum que leva ao re,
f6rgo do sentiment de coesio.
Antigamente, nao era apenas a fungAo de comunhao
que o repasto desempenhava, era tamb6m o de distribui-
cgo alimentar; o promesseiro s6 se desobrigava da pro-
messa quando podia oferecer lauta mesa a todos os pre-
sentes, que assim enchiam a content est6magos mal sa-
tisfeitos. Como tal, ela estava na linha de' t6das as festas
religiosas e profanas brasileiras, nas quais se tem obser-
vado a importAncia d6ste aspect. Atualmente, send
grandes as dificuldades de obtengqo de alimentos, termi-
nando a danga em geral por um simples caf6 com biscoi-
tos, isto 6, sendo o repasto final mais uma participagio a
um simbolo do que realmente uma refeigAo, a permanen-
cia do simbolo se explica pela sua ligagdo com a comunhao
social. Note-se ainda que se trata de comunidade em que
nao existed padre; onde, portanto, a comunhao, tendo por
centro a religido, se torna mais dificil; assim como a danca
assumiu o papel de missa em relacdo aos espiritos, o re-
pasto final ter o papel da comunhao entire os vivos.
Esta funcgo latente vem corroborar o trago que ti-
nhamos apontado antes, de ser a danga um element inte-
grativo e de coesao, diante dos diferentes grupos que com-
p6em a comunidade, ao mesmo tempo que uma esp6cie de
simbolo dela, e nao um element de distincdo ou divisdo.
A camada superior, que nao danga, senate todavia
atrav6s da danca que pertence A comunidade alagoana e
a defended t6das as v6zes que a imagine ameagada. A dan-
ga contribui para a integragdo dos rec6m-chegados. Ela 6,
pois, um dos fat6res para que a comunidade alagoana al-
cance e conserve suas caracteristicas de um todo coeso.
Muito importantes sdo estas fung6es implicitas, e
t6das elas se referem a um tipo de relag6es, relag6es de







MARIA ISAURA P. DE QUEIROZ


solidariedade. Enquanto a fungdo manifesta mais impor-
tante, que 6 o cumprimento das "promessas de defunto",
estabelece relag6es cor a mundo dos mortos, mostrando
que existe continuidade entire waste e o outro, de tal ordem
que atividades aqui desenvolvidas sho proveitosas na ou-
tra ordem de coisas, isto 6, enquanto explicitamente a
danga ter carter religioso, as fungSes latentes desenvol-
vem, preservam e reforgam a solidariedade entire os vivos.
E' esta solidariedade, por sua vez, a base da Danga
de S. Gongalo; a caoperacgo desenvolvida em todos os se-
tores da vida social veio solucionar a crise em que se de-
batia a danca, diante.das dificuldades econ6micas da co-
munidade, de tal maneira que atualmente todos os mem-
bros concorrem para a realizagio dela.
A descoberta do papel que a Danga de S. Gongalo
desempenha em relacgo A solidariedade e coesdo grupais,
assim coma seu carter de 6rgAo de contr8le social, contri-
buem para completar a fisionomia religiosa que ela apre-
senta. E' sempre a religiHo uma maneira de reforgar a
coesao grupal e 6 sempre um 6rgao de contr6le social.
Explicitamente reconhecida como cerimBnia religiosa, a
danga tem este seu carAter corroborado pela analise das
fung6es implicitas.

















III A DANCA DE S. GON(ALO NA
COMUNIDADE BAIANA


Varias raz6es nos impediram de obter, a respeito do
S. Gongalo baiano, d'ados tio abundantes quanto os que
conseguimos para o S. Gongalo alagoano. Maria Tentem,
a velha mais entendida em cerim6nias religiosas na comu-
nidade, estava doente para morrer. Nem mestre Baeca, o
mestre da danga, nem os tocadores, nem as duas principals
dangadeiras habitam o povoado; moram em pontos recua-
dos do distrito e, como sao velhos, nao aparecem cor faci-
lidade na sede, nem mesmo para a feira. Nao me foi pos-
sivel conversar cor nenhum deles.

Das baianas que entrevistamos, poucas sabiam infor-
mar alguma coisa a respeito da danga, embora afirmassem
que a dangam. Executam os passes de maneira mecinica,
sem refletir, habituadas a realizar as movimentos seguin-
do estritamente o toque do pandeiro e os movimentos das
mestras; n&o sao capazes de descrever as "voltas", e muito
menos de guiar a feitura de um esquema. Os alagoanos
nao vio assistir A danga dos baianos, pbr isso deles nada
podiamos obter. Apenas uns e outros foram concordes em
afirmar que as duas dangas sao diferentes na musica, nos
versos, no ritmo, no pass, nas figures, etc.

A danga e executada diante de um altar cor a ima-
gem de S. Gongalo. Esta image ngo esti em Sta. Brigida
e sim na capela da IngAzeira, que fica a tres l6guas de dis-







MARIA ISAURA P. DE QUEIROZ


tancia. Quando desejam dangar, tocadores e dangadeiras
vio buscar a imagem, os tocadores A frente e as dangadei-
ras em duas fileiras atrAs, tocando e dangando pelo ca-
minho todo; terminada a danqa, levam-no de volta da
mesma maneira. A imagem 6 trazida na v6spera do dia
em que vai se dangar e levada embora no dia seguinte;
quando permanece mais tempo, abrigam-na no altar da
capela.
A danga 6 realizada durante a dia numa s6,vez; os
baianos nao passam dias seguidos dangando, como os ala-
goanos. E' formada por figures variadas, durante as quais
nem tocadores nem dangadeiras dio as costas ao altar.
As figures formam uma "roda", e 9 ou 12 rodas formam
uma "jornada"; as jornadas nunca tem mais do que 12
rodas.
A latada nio 6 essencial para dangarem; construf-la
ou nao dependeri de quem da a danga; iltimamente dan-
cam em qualquer lugar sombreado, sem latada ou qual-
quier outro abrigo. Nao gostam de dangar dentro de casa,
6 muito quente e apertado; pela mesma razio nfo dangam
na capela de Sta. Brigida, embora o tenham feito uma
ou outra vez.
Os tocadores sHo uma viola e dais pandeiros; antiga-
mente havia tamb6m rabeca, mas esta desapareceu. Nao
hA nfimero determinado de dangadeiras, dangam quantas
quiserem entrar, sem limited de idade, de c6r, ou de situa-
gio social ,excluidas apenas as meninas de menos de 10
anos.
Os tocadores dangam na frente e as mulheres as se-
guem, evoluindo de ac6rdo com as figures e seguindo as
duas mestras, que t&m na mio um raminho de flares arti-
ficiais. Tbdas as dangadeiras cantam, cada qual por sua
vez; comega a mestra de uma fileira, em seguida a de ou-







SOCIOLOGIA E FOLCLORE


tra fileira, depois a dangadeira que segue a mestra da pri-
meira fileira, e assim por diante at6 a iltima dangadeira,
retomando entdo novamente a primeira mestra. As qua-
drinhas cantadas sao deixadas A escolha de cada uma;
cada dancadeira ter seu repert6rio de quadrinhas e canta
as de sua prefer6ncia. As mestras sHo velhas que conhe-
cem bem os passes e que podem guiar sem 6rro as fileiras.
Danqa-se em pagamento de promessa. Quem f6z a
promessa convoca o mestre da danga, que 6 o tocador de
viola, pede-lhe que marque o dia e que faga os avisos ne-
cessarios; tBdas as despesas cor a vinda dos executantes
ficam a seu cargo, al6m das despesas normais da danga e
do repasto final, pois, como vimos, os tocadores e as mes-
tras nio residem no povoado.
A image de S. Gongalo nio 6 adornada cor fitas; 6
colocada s6bre o altar, onde permanece s6zinha, sem ne-
nhuma cruz, imagem, registro de santo ou vela a seu lado.
A danga ter inicio rezando todos os presents o
Credo, de joelhos diante do altar. Em seguida desenrolam-
se as diferentes figures. Durante a realizagdo, a piblico,
para o comportamento do qual nao ha restrig6es, fuma,
bebe, conversa e namora. Todavia, tacadores e dangadei-
ras nao podem fumar nem beber Alcool, nem mesmo nos
intervals, porque 6 danga de respeito. A informa~go do
mestre Elisio de que vira um mestre fumar cachimbo
junto do altar, num dos intervals da danga, foi repelida
como nao se referindo a Sta. Brigida, pois ali ningu6m
seria capaz de tamanho desrespeita; s6mente o pfiblico
fuma durante a danga, fora do espago a esta destinado.
Segundo mestre Elisio, o ritmo da danga baiana 6 de
samba; o pass 6 "um pass puladinho muito feio"; mes-
tre Elisio se escusou de o executar para que o vissemos e
das informants baianas, muito acanhadas, nada conse-
guimos.







MARIA ISAURA P. DI QUEIROZ


As exigencias quanto a vestufrio para tocadores e
dangadeiras se restringem aos p6s descalgos para ambos,
A toalha ou pano A guisa de xale em t6rno do corpo, ao
lengo amarrado na cabega para as mulheres, que usam
vestidos de qualquer c6r ou feitio, cor mangas ou sem
elas, decotados ou nfo, cor enfeites e j6ias. Mestre Baeca
nfo gosta que se dance de manga curta e dec6tes, "mas
ningu6m liga e dangam assim mesmo" (sic), salvo se se
trata do cumprimento de alguma promessa especial.

Nao havendo para o S. Gongalo baiano as mesmas
exig6ncias de vestuArio e comportamento que hi no S.
Gongalo alagoano, e como quase t6das as reunites dos
baianos dao lugar a brigas que nao raro terminal na pon-
ta da "peixeira", este modo de dangar 6 considerado pelos
alagoanos uma orgia, um samba, corn misica que nao passa
de "pam-pam-pam", pois s6 consta de violIo e pandeiro,
instruments secundArios na danga alagoana.

Chegando ao fim das rodas prometidas, quem f6z a
promessa ajoelha diante do altar, coloca o santo na sua
cabega e diante d6le os executantes cantam o. "ofereci-
mento". Em seguida, recolocando o santo no altar, entoa-
se de joelhos a Salve Rainha, cantam-se alguns "benditos"
e estA terminada a danga. O dono da promessa oferece en-
tVo uma ceia, de ac6rdo corn suas posses, aos executantes
e ao piblico.

Os dois primeiros versos cantados sao sempre os
mesmos:

Chegue, chegue, minha gente,
Tudo juntinho do cordao,
Vamos A porta da igreja,
Vamos fazer devoego.
Chega, chega, minha gente,
Nao amostre teu remorso,
Vamos festejar o santo
Por quem somos tio devotos.









SOCIOLOGIA E FOLCLORE


Em seguida, cada dangadeira vai cantando o verso
que lembrar ou que preferir, sem nenhuma ordem; s6 ter
de prestar atenqao para nao repetir justamente os que aca-
baram de ser entoados. A informant que nos forneceu as
quadrinhas disse que sao muito numerosas, mas que s6
conhecia estas:


1
S. Jos6 desceu abaixo,
Acendeu o candeeiro,
Teve a Virgem Maria
Jesus Cristo verdadeiro.

3
Murmura, murmurad6,
Muito ter que murmur,
Que vem a festa do santo
Para ter o que mandar.

5
S. Gongalo do Amarante,
Casamenteiro das velhas,
Por que ndo casais as m6gas?
Que mal Ihe fizeram elas?

7
S. Gongalo deportai-me
Um marido cor dinheiro,
Que saiba tocar viola
E a sereia do pandeiro.


2
A espada caiu do c6u,
Nos ares JA vem cortando;
Cortais a lingua do povo
De quem n6s ta murmurando.

4
S. Gongalo do Amarante,
Casamenteiro das m6gas,
Casai-me a mim primeiro,
Para depois casar as outras.

6
N. Senhora de Ag6sto
Apareceu ao sol p6sto,
Com uma estr6la na testa,
Outra na maga do rosto.

8
Deus vos salve casa santa
Onde Deus fMz a morada,
Onde mora o cAlis bento,
E a h6stia consagrada.


Entre uma roda e outra, cantam sempre:

Um gainho, dois gainhos, (galhinhos)
Cada gaio sua flor,
Meu divino S. Gongalo,
Esta vai.em seu louvor.

Finalmente ,para terminar, possuem tamb6m q ladri-
nhas especiais:

Fica-te af, latada,
Que as costas eu jA vou dando,
S. Gongalo vai comigo,
E o povo fica chorando.








MARIA ISAURA P. DE QUEIROZ


Adeus, adeus, S. Gongalo,
At6 p'ro ano que vem,
Se a morte nio me matar,
Se Deus quiser, eu tambfm.

Algumas vezes se dangava S. Gongalo para comemo-
rar dia santo, mas nio era freqiiente; neste caso, havia
tamb6m um patrocinador, que tinha a seu encargo os de-
mais festejos do dia, como foguet6rio, novena, leilfo, etc.
O mais freqiiente, por6m, era dangar em cumprimento
de alguma promessa, pagando o promesseiro t6das as des-
pesas que vimos serem pesadas, pois incluiam a vinda de
uma parte dos executantes, que mora fora. As mulheres
podem tambem promoter dangar uma ou mais rodas, em
promessas particulares.

Nos filtimos tempos, quase s6 se ter dangado em agra-
decimento pela chuva ou, como dizem, de "promessa de
coverr, enquanto que outras promessas e comemoraq6es
praticamente desapareceram. Quando o inverno custa a
chegar, algu6m faz promessa de organizer um S. Gongalo
quando cover. Entio a principal "tiradeira" de rezas da
comunidade, Maria Tent6m, vai at6 a IngAzeira buscar o
santo, passeia cor le pelas rogas do promesseiro, sempre
rezando e acompanhada por quem quiser. No povoado,
danga-se uma ou duas rodas em louvor ao santo, que 6 re-
conduzido para a Ingazeira. Se o inverno chega e as chu-
vas caem ben6ficas, assim que as rogas estiverem bonitas
vai-se buscar novamente a image e paga-se a promessa.
S. Gongalo nunca falhou, nunca deixou de tender
aos pedidos do povo de Sta. Brigida, disseram-me as velhas
baianas; se agora as s&cas afligem o povoado, e porque nin-
gu6m ter feito promessa. Tanto mais que Maria Tent6m,
a qual "sabia muito bem tudo quanto f6sse do servigo de
Deus" (sic), ha mais de ano esti atirada no fundo de uma
cama, inutilizada pela doenga e pela idade; nio existe na







SOCIOLOGIA E FOLCLORE


comunidade quem conhega as coisas de religido coma ela
conhecia. Afirmou-me, no entanto, uma informant que
se este ano ainda chovesse, apesar de tarde, realizariam
uma danga agradecendo ao santo mesmo sem terem formu-
lado promessa pr6via.

Parece avultar, pois, a importincia das pessoas que
tenham autoridade em assuntos religiosos e dos mestres
para a preservagco do SAo Gongalo baiano. O fato de mes-
tre Baeca nao residir em Sta. Brigida dificulta a execucao
da danca. A doenga de Maria Tent6m 6 um empecilho
s&rio.

Todavia, segundo tanto informants baianos quarto
alagoan'os, antes mesmo da invalidez de Maria Tent6m,
estava-se dangando muito pouco o S. Gongalo na comuni-
dade baiana, e s6mente para promessas de cover; nao ti-
nha havido, desde muito, outro tipo de promessa. A doenga
de Maria Tent6m nao f6z sendo acelerar um process de
abandon da danga, que ji se observava.

Nao podemos deixar de correlacionar 6ste desapareci-
mento cam a pouca freqiiencia dos exercicios religiosos
'coletivos que ali se verifica atualmente. A novena de S.
Jodo, por exemplo, teve 6ste ano apenas a concorrencia
de um home, quatro mulheres, tr6s mocinhas e uma
velha; as pr6prias velhas, que todavia procuram conser-
var maneiras de ser do passado como a vestimenta -
e que se referem corn saudades ao tempo em que S. Gon-
aalo era bonito como o alagoano, mostram, coni a aus-ncia
a tais atividades, o desinter6sse por elas.

A falta de fungio para a danca na comunidade baiana
reflete o abandon em que estA caindo; a parte a "promes-
sa de coverr, que ainda nao foi totalmente abandonada,
tbdas as utilizac6es dela se perderam. Nao 6 mais utili-
zada para comemorac;es, nem para promessas comuns,







MAMA ISAURA P. DE QUEIROZ


nem mesmo para saldar as promessas de defunto, que no
entanto tamb6m existiram no meio baiano, em pequena
quantidade. Nfo 6 fator de contr6le do comportamento
comunitario, pois nem mesmo as dangadeiras observam as
normas ensinadas por mestre Baeca cor relaqio ao ves-
tuario, e o comportamento do piblico 6 inteiramente livre
(6ste contr6le social que devia ter existido anteriormente,
pois 6 celebrado por duas quadrinhas, prometendo castigo
aos "murmurad6" que forem A danga). A decad6ncia da
solidariedade internal tora desnecessaria a realizafio de
uma cerim6nia como o repasto final, que visava promover
o seu ref6rco.

E' verdade que a s6ca, castigando muito a regiio, tor-
na dificil a algu6m arcar corn as despesas da danga. Mas,
enquanto no meio alagoano surgia uma acomodacgo, no
meio baiano nfo houve nem prenincio dela, mostrando
que os individuos nio estavam mais interessados em sua
execugfo.
















IV REFLEXES SOBRE AS DUAS FORMAS
DE DAN(A DE SAO GON(ALO


1 A Danga de S. Gongalo como um fato folcl6rico
religioso


A comparagio entire as duas maneiras de dancar o S.
Gongalo, encontradas no povoado de Sta. Brigida, ter de
se restringir dentro de certos limits; nao podemos com-
parar as figures, a mfsica, os passes, a attitude dos execu-
tantes e do piiblico, a nao ser atrav6s do que nos contaram
os informants baianos e alagoanos, para a forma dos pri-
meiros, enquanto a danga dos segundos foi vista por n6s
duas v6zes.
De ac6rdo corn o que vimos e o que nos foi dito, am-
bas seguem um esquema basico semelhante, que se po-
deria resumir no seguinte: a) a danga 6 religiosa; b) 6 dan-
gada diante de um altar com a image de S. Gongalo, ao
qual 6 proibido dar as costas; c) nao tern data fixa de rea-
lizagio; d) 6 dancada em cumprimento de promessa; e)
sfo mulheres que dangam, s6 os tocadores sao homes; f)
dangam em duas fileiras paralelas, e as "mestras" t6m nas
mrios raminhos de fl6res artificiais; g) a danga se comp5e
de um conjunto de figures; h) os t&rmos empregados para
designer executantes e movimentos sao os mesmos; i) ao
dangarem, cantam quadrinhas apropriadas; j) o "ofereci-
mento" da danga 6 feito pelos executantes diante de quem
















IV REFLEXES SOBRE AS DUAS FORMAS
DE DAN(A DE SAO GON(ALO


1 A Danga de S. Gongalo como um fato folcl6rico
religioso


A comparagio entire as duas maneiras de dancar o S.
Gongalo, encontradas no povoado de Sta. Brigida, ter de
se restringir dentro de certos limits; nao podemos com-
parar as figures, a mfsica, os passes, a attitude dos execu-
tantes e do piiblico, a nao ser atrav6s do que nos contaram
os informants baianos e alagoanos, para a forma dos pri-
meiros, enquanto a danga dos segundos foi vista por n6s
duas v6zes.
De ac6rdo corn o que vimos e o que nos foi dito, am-
bas seguem um esquema basico semelhante, que se po-
deria resumir no seguinte: a) a danga 6 religiosa; b) 6 dan-
gada diante de um altar com a image de S. Gongalo, ao
qual 6 proibido dar as costas; c) nao tern data fixa de rea-
lizagio; d) 6 dancada em cumprimento de promessa; e)
sfo mulheres que dangam, s6 os tocadores sao homes; f)
dangam em duas fileiras paralelas, e as "mestras" t6m nas
mrios raminhos de fl6res artificiais; g) a danga se comp5e
de um conjunto de figures; h) os t&rmos empregados para
designer executantes e movimentos sao os mesmos; i) ao
dangarem, cantam quadrinhas apropriadas; j) o "ofereci-
mento" da danga 6 feito pelos executantes diante de quem







MARIA ISAURA P. DE QUEIROZ


a promove, mantendo-se esta pessoa de joelhos cor o santo
s6bre a cabega; k) um repasto se segue A danga, congre-
gando executantes e piblico.

No entanto, houve unanimidade na afirmagqo de baia-
nos e alagoanos de que as duas formas de dangar sao mui-
to diferentes. Ora, diante de um esquema bAsico tio se-
melhante para ambas, parece-nos, ao contrario, que as di-
ferengas sao apenas de detalhes. Por6m, para que as inte-
ressados afirmem cor tal convicgfo sua inteira diferenga
6 porque, do seu ponto de vista, a diferenga se refere ao
essentiall" da danca; o que nos parecia esquema bAsico se
reduz, para 6les, a element de segundo piano. A diferenga
primordial se refere ao espirito religioso e ao respeito cor
que 6 dangado o S. Gongalo.
Mestre Elisio, no meio alagoano, defended cor unhas
e dentes o carter religioso e respeitivel da danga. Os mais
velhos, os nossos antigos, danqavam corn t6da a severidade,
diz ≤ o respeito distingue a danga de S. Gongalo de t6-
das as outras dangas e 6 o comportamento que se harmo-
niza cor seu sentido religioso. Se ela nio f6r dangada com
respeito, nem adianta aos mortos que a pediram, nem
continue a ter o mesmo significado, transformando-se
numa especie de samba como outro qualquer e sendo in-
concebivel entio que se dance diante de um altar.

O respeito se reflete nas quadrinhas cantadas em lou-
var do santo. Chistosas, encontramos cinco entire os ala-
goanos, num total de trinta e sete. Chiste leve, sem des-
cambar para a licenciosidade, assim mesmo a pequena
quantidade delas no meio alagoano revela pendor para ad-
mitir de prefer6ncia outro tipo de versos numa cantiga
que se liga ao sagrada. Como recolhemos todos os versos
que sao cantados na comunidade alagoana, e sabendo-se
que ha uma escolha efetuada pelas mestras, entire as qua-







SOCIOLOGIA E FOLCLORE


drinhas que v&m de fora, podemos deduzir que a prefe-
r6ncia se fixa principalmente nos aspects religiosos ou
est6ticos, a graga ou a pilh6ria ficam desdenhadas.

Entre as quadrinhas baianas, havia cinco chistosas
em dez; mas nada podemos concluir porque conseguimos
apenas as quadrinhas que uma dangadeira conhecia, sendo
que t6das as que tomam parte na danga cantam versos
mais ou menos diferentes. Nao hi base, pois, para afirmar
que a maior quantidade de quadrinhas chistosas acompa-
nha a diminuigio do respeito no meio baiano.

Todavia, a diminuigio do respeito existe. As baianas
de Santa Brigida ja nio dangam mais de branco, nem de
vestidos longos, rodados, A moda antiga. A decad&ncia nio
aparece s6mente quando contraposta o modo baiano ao
modo alagoano de dangar, ela existe tamb6m em relagao
ao antigo modo de dangar da regiao. Mestre Elisio, que 6
baiano, aprendeu com outro baiano, mestre F6lix, todas
as exig6ncias hoje postas em prAtica pelos alagoanos; no
Baixio, tamb6m no municipio de Jeremoabo, onde "ha
muita gente velha que conhece a danga", as dangadeiras,
que "sao umas velhas", dangam de branco e vestidos lon-
gos; nada disto se v6 mais entire os baianos de Sta. Brigida.
Os baianos reconhecem que o S. Gongalo alagoano 6
dangado com mais respeito do que o d6les, e que mesmo
o d6les, em 6pocas anteriores, teve exig6ncias que hoje
nao sao mais observadas. Assim, a decad6ncia do respeito
6 vfsivel, tanto ao se comparar a danga baiana com a danga
alagoana atualmente, quanto ao aproximarmos a danga
baiana de hoje da danga baiana antiga, tal qual 6 ainda
conservada nalguns pontos do municipio de Jeremoabo.

Estas observaSges indicam que o aspect de severi-
dade e religiosidade encontrados entire os alagoanos nio
sao uma interpretagio pr6pria que esta comunidade, tio







MARIA ISAURA P. DE QUEIROZ


preocupada com a regeneraqgo de costumes e corn a reali-
zaoa de prAticas religiosas, deu A Danga de S. Gongalo.
Vejamos, por6m, se tal carter vigora noutras parties do
Brasil onde a danga foi observada.

O carter de "cumprimento de promessa" geralmente
encontrado pelos autores nos diferentes pontos em que a
danga 6 conhecida, reafirma seu teor primordialmente re-
ligioso. CAmara Cascudo no Rio Grande do Norte; (22)
Marciano dos Santos, Alceu Maynard Araujo e Oneyda
Alvarenga em S. Paulo; (23) Saul Martins em Minas Ge-
rais; (24) Geraldo Brandao em S. Paulo e na Bahia; (25)
Jos6 Loureiro Fernandes no Parand; (26) todos 6stes auto-
res encontraram a danga se realizando em cumprimento
de uma promessa. E Renato Almeida admite que esse tra-
go 6 peculiar A celebragio da danga por todo o Brasil (27).

Nem o cumprimento de "promessa de defunto", nem
o da "promessa de cover" sao peculiaridades do povoado
de Santa Brigida. Geraldo Brandio encontrou a "promessa
de defunto" em Salitre, no Estado da Bahia; Saul Martins
em Januhria, Estado de Minas Gerais; e Marciano dos
Santos em Guarulhos, Estado de S. Paula (28). A ligagio
corn a agriculture, revelada pela "promessa de cover"
dos baianos, Antonio Cindido a encontrou em Bofete, no

(22) L. C&mara Cascudo, Dicionirip do Folclore Brasileiro,
pg. 294.
(23) Marciano dos Santos, "A Danca de S. Gonaalo", in Rev.
do Arquivo Municipal, ano III, V. XXXIII, marco de 1937, pg. 88;
Alceu Maynard Araujo, Danlas e ritos populares de Taubat6, pg. 9;
Oneyda Alvarenga, Misica popular brasileira, ps. 209-210.
(24) Saul Martins A Danga de S. Gon'alpo, pg. 31.
(25) Geraldo Brandao, Notas s6bre a Danga de Gongalo, pgs.
27, 28, 31 e 43.
(26) Jos6 Loureiro Fernandes "Estudos. de Folclore no Pa-
rana" pgs. 59-82.
(27) Renato Almeida, Hist6ria da Mfisica Brasileira, pgs.
122--124.
(28) Geraldo Brandao, ob. cit., pg. 28; Saul Martins, ob. cit.,
pgs. 32-33; Marciano dos Santos, ob. cit., pg. 92.







SOCIOLOGIA E FOLCLORE


Estado de S. Paulo, onde a danga se realize "em cumpri-
mento de promessas propiciat6rias de boa colheita" (29) e
Saul Martins em Januaria, onde ela ter lugar "no pri-
meiro sabado ap6s a colheita de uma roga" (30).

Nos diferentes autores, nao hA noticia de laicizagio
da danga; ela 6 sempre religiosa, na intengao e na execu-
gao que se desenrola como um rito, e 6 geralmente prece-
dida ou terminada por orac6es, quando nao 6 precedida e
terminada por elas; sua realizagio 6 sempre diante de um
altar.

Todavia, embora o aspect religioso da danga seja
primordial, verifiquemos se o respeito de que ela 6 ro-
deada pelos alagoanos de Sta. Brigida a acompanha sem-
pre; pois religiosidade e respeito sao conceitos diferentes,
que nao aparecem sempre forqosamente unidos, isto 6, o
que 6 religioso nem sempre se acompanha de respeito.
Diz Oneyda Alvarenga que "uma das constancias
luso-brasileiras d'sse culto foram as dangas exaltadas e
sensuais em t6rno da imagem do santo, ao som de cantigas
muitas v6zes de texto picante" e que ainda hoje ha "refe-
r6ncias a patuscadas e cantigas picantes em algumas re-
gi6es do Estado (de S. Paulo)" (31). Renato Almeida refere
que ela teria absorvido elementss orgiasticos africanos"
ao ser transportada de Portugal para o Brasil, sendo que
em Portugal ja se distinguia por "praticas pouco decoro-
sas" (32). CAmara Cascudo e Marisa Lira registram 6ste
mesmo trago no passado brasileiro da danga, atrav6s de
cronistas dos secs. XVIII e XIX (33). Geraldo Brandao re-

(29) Ant6nio CAndido, ob. cit., cap. III, pg. 26.
(30) Saul Martins, ob. cit., pgs. 31-32.
(31) Oneyda Alvarenga, ob. cit., pgs. 208 e 210.
(32) Renato Almeida, ob. cit., pg. 122.
(33) Camara Cascudo, ob. cit., pgs. 293-295; Marisa Lira, ob.
cit., pgs. 76-77.







MARIA ISAURA P. DE QUEIROZ


vela que na Bahia e em Pernambuco, no s6c. XIX, a ima-
gem de S. Gongalo era utilizada at6 em "praticas indecen-
tes para despertar a sexualidade" e que ainda atualmente
o carAter geral da danga 6, por t6da a parte, o de "festa
alegre, com participagao de mulheres e versos em que pe-
dem casamento" (34).

No entanto, os mesmos autores que referem tais ca-
racteres para um passado mais ou menos remote, s5o con-
cordes em que as danqas, onde as puderam presenciar, se
acompanham de muito respeito. O pr6prio Geraldo Bran-
dio, que Ihe dera, tamb6m para os tempos atuais, o cara-
ter de festa livre, assistiu-a em Guarulhos, no Estado de
S. Paulo, e viu que os festeiros procuravam evitar quais-
quer deslizes atW por parte do pdblico, admitindo entio
que "nao sao mais escandalosas as festas, simplesmente
religiosas, pacatas e at6 a virtude casamenteira do Santo
6 olvidada" (35).

Camara Cascudo, baseando-se num informant do Rio
Grande do Norte, nota que ali a danca s6 se realize em
cumprimento de promessa e "jamais por distragco ou curio-
sidade" (36). Oneyda Alvarenga relata que a danga exe-
cutada nos arredores de S. Paulo "6 uma cerimonia da
maior seriedade, em que nda se permitem versos profanos"
e que por toda a parte as quadrinhas "perderam a crua ni-
tidez er6tica que as caracterizava" (37). Marciano dos
Santos encontra-lhe a peculiaridade de "manifestacgo re-
ligiosa ao extreme", e comenta que, tanto em Guarulhos
quanto no sul do Estado de S. Paulo, "seriam postos fora
de qualquer sala de funcao" aqu6les que cantassem versos
picantes ou pouco respeitosos, pois ali "o sentiment re-


(34) Geraldo Branddo, ob. cit., pgs. 25 e 48.
(35) Id., artigo "in" Folclore, n. 2, 1952, pg. 95.
(36) Camara Cascudo, ob. cit., pg. 294.
(37) Onyda Alvarenga, ob. cit., pgs. 208, 210.







SOCIOLOGIA E FOLCLORE


ligioso permanece puro" (38). Alceu Maynard Araujo afir-
ma que "S. Gongalo 6 uma cerim6nia religiosa, por todos
acatada e respeitada religiosamente" (39). Saul Martins
diz que em JanuAria, ela "obedece quase integralmente aos
principios morals bem definid's na tradigdo" e 6 levada a
efeito "cor respeito", tanto mais que "o ambiente social
da regiao nio facility exalta6oes sexuais ou indecorosas"
(40).

As observag6es de licenciosidade se referem entio a
6pocas muito antigas, tendo 6stes costumes se transforma-
do corn o correr do tempo. O que nos importa nio 6 pes-
quisar se a danga passou ou nio por uma evolucgo no to-
cante ao respeito, e sim averiguar o seu carter funda-
mental hoje e na 6poca do passado imediato. Se encontra-
mos o respeito em outros lugares do Brasil, e tamb6m
entire os baianos em 6poca mais antiga, nao apenas entire
alagoanos e baianos atuais, podemos concluir que o card-
ter de respeito 6 geral para a Danga de S. Gongalo, de ha
algum tempo para ca, associado ao carter de religiosidade.
O aspect de licenciosidade se liga a um passado mais re-
moto.

Em conseqiiencia, merece reparo o fato da Danga de
S. Gongalo ter sido estudada e descrita entire n6s, antes
como um divertimento ou um folguedo, e nio como uma
cerim6nia religiosa. Ha confused grande entire folguedos
e cerim6nias religiosas, nos trabalhos dos folcloristas, que
renenm tudo sob a designagio de "tradig6es" ou de "festas
religiosas", sem distinguir a parte ritual da part profana
(41). E' verdade que geralmente aparecem associadas, mas

(38) Marciano dos Santos, art. cit.. pgs. 89-90.
(39) Alceu Maynard AAraujo, Docnmentario Folcl6rico Pau-
lista, pg. 40; o grifo e do A.
(40) Saul Martins, ob. cit., pg. 15.
(41) Marisa Lira, por exemplo, fala em "festanCa religiosa"
ob. cit., pg. 75). A palavra "festanga", grande festejo, envolve a







MARIA ISAURA P. DE QUEIROZ


6 de boa diditica estudar separadamente os dois aspects
e conhec&-los para em seguida reuni-los e compreend6-los
em sua associagdo. Nao 6 o caso da Danga de S. Gongalo
no povoado de Sta. Brigida, onde tanto entire alagoanos
quanto entire baianos o carter Idico e mero acessorio
sem importancia junto ao carter religioso primordial.

Examinando a Danga de S. Goncalo da comunidade
alagoana, vemos que, em suas fung6es, 6 um substitute da
missa e da comunhdo religiosa; mesmo tendo um repasto
final, ela se desenrola numa atmosfera de austeridade e
sobriedade que condizem com seu carter religioso domi-
nante.

Enfim, examinando o context em que a danca se
desenvolve, nas duas comunidades coexistentes em Sta.
Brigida, ressalta que o carter religioso 6 sempre conser-
vado. As transformaqges que sofreu, quer entire os baianos,
quer entire os alagoanos, nia comprometeram seu traqo
marcante. O que 6 mais, as duas novidades apresentadas
pela Danca de S. Gongalo, na comunidade baiana e na co-
munidade alagoana, estgo inteiramente dentro do espirito
religioso que preside A danga. A forma alagoana de dangar
se process quase que inicamente em fungdo das "promes-
sas de defunto", envolvendo o auxilio de t6da a comuni-
dade para sua realizaqgo, o que antes nao se dava. Na co-
munidade baiana, a danga s6 se realize atualmente para
as "promessas de coverr, perdidas suas outras fung6es.
De qualquer maneira, a reinterpretagio ou a decadencia
conservaram o aspect religioso. O que permit avangar
a hip6tese de que t6das as modificag5es que se verifiquem
na danca s6 serio vigentes quando de acbrdo cor seu ca-


id6ia de exag&ro na alegria, na diversdo, consista esta em dancas
ou em comilangas. A DanCa de S. Gongalo que presenciamos em
Sta. Brigida nao cabe &sse t6rmo, em vista dos caracteres que Ihe
apontamos.







SOCIOLOGIA E FOLCLORE


rater primordial de cerim6nia religiosa. Situaq6es novas
podem trazer certas modificag6es A danga, mas esta nao
sai do setor religioso, a que pertence.
O mesmo ficou evidence de todo o estudo levado a
efeito s6bre o material recolhido por outros folcloristas no
resto do Brasil; a Danga de S. Gongalo, cerim6nia religiosa,
pertence ao capitulo do folclore religioso brasileiro, e como
parte d'le 6 que deve ser estudado, para que nio se des-
virtue seu carter bAsico.
Foi atrav6s do significado essencialmente religioso
com que os executantes a encaram, que pudemos classifi-
car a danga como cerim6nia fundamentalmente religiosa,
e nio como um divertimento ou folguedo, pelo menos em
Sta. Brigida. Se estudissemos apenas a danga, sem o co-
lorido especial que o significado e a maneira dela ser exe-
cutada Ihe emprestam, tal afirmaqao nao poderia ser avan-
cada de maneira perempt6ria, pois entire n6s, no nosso tipo
de cultural urbana, a danga sempre se associa a diverti-
mentos e insensivelmente somos levados a encarA-la como
tal, onde quer que a encontremos. Dai os estudos s6bre a
Danga de S. Gonaalo, pelo fato desta ser "danga", ja virem
carregados de uma forte acentuagio IGdica.
Cumpre indagar, levando em conta o significado que
Ihe emprestam os que a executam e as funcges desempe-
nhadas em seu meio, quais os caracteres que predominam.
Pode ser que noutras localidades brasileiras, a parte 1l-
dica se alie A religiosa em grau ponderivel. Nos autores
que examinamos, o aspect mais important 6 o religioso.
A danga que presenciamos apresenta o mesmo carter,
sendo que os tracks lidicos sao secundArios, diante do
significado da danga e diante de suas fung6es explicitas e
implicitas.
Mas esta descoberta s6 foi possivel examinando-se a
danga como parte da yida de uma comunidade. Uma classi-







MARIA ISAURA P. DE QUEIROZ


sificagdo dos elements folcl6ricos de ac6rdo cor o carter
dominant diles s6 seri, pois, possivel investigando-se o
que 6les significam para aqueles que os empregam e que
funqSes desempenham; tal classificagAo pressup5e, pois, o
empr6go da sociologia como um m6todo de anAlise folcl6-
rica.

Dado o seu carter religioso, a Danga de S. Gongalo
nao deve ser estudada meramente como "danga folcl6rica",
e sim como "cerim6nia religiosa folcl6rica".

2 A antiguidade da forma alagoana da Danga de Sio
Gon"alo

Interessa-nos saber se o modo alagoano de dangar,
que seus executantes dizem existir "desde o com6go do
mundo", esti de fato ligado A forma que, para os caboclos,
6 a maneira mais antiga dela ser dangada.

Quando dizemos que a danca alagoana estA mais pr6-
xima do modllo antigo, nao queremos nos referir ao pas-
sado longinquo da danga, A forma que ela apresentava ao
emigrar para o Brasil, e sim A maneira pela qual os pais
e os av6s dos caboclos atuais a dangaram. Os alagoanos
sabem que sua maneira de dangar foi aprendida de mestre
F6lix por mestre Elisio, ha trinta anos atrAs, exatamente
tal qual 6 hpje; os baianos velhos contam que antigamente
danqavam como as alagoanos dangam hoje. Esta primeira
indicagAo e muito important porque se trata de gente
que dangava "no tempo de dantes", 6 corroborada pelo
exame de certos tragos, que dia a entender que o S. Gon-
galo alagoano se conserve mais pr6ximo do dos antigos. O
vestuario branco, por exemplo, ngo 6 peculiar a Sta. Bri-
gida e ao municipio de Jeremoabo.

Soube Geraldo Brandao que, no norte de Goids, "ban-
dos de m6cas vestidas de branco, carregando arcos cober-







SOCIOLOGIA E FOLCLORE


tos de flares e fitas, percorrem as ruas da cidade com can-
56es misticas dedicadas ao Santo (42). Saul Martins nota
que em JanuAria "tomam parte na danga mulheres de
vestidos brancos e discretos, s6 raramente aparecendo ves-
tidos cor de rosa ou azuis..." e que "a danga 6 orientada
por um home (...), o qual se veste de branco" (43).

Mas, al6m d6sses testemunhos que se referem a certas
regimes do Brasil, narra o autor de um antigo livro s6bre
a devogdo do Senhor do Bonfim que, na procissio em honra
a S. Gongalo, durante o s6c. XIX, a imagem era carregada
por "quatro virgens todas de alvo, com manto e grinalda
de rosas brancas" e seguida "por grande acompanhamento
de senhoras e senhorinhas t6das de branco", constituindo
o traje branco "praxe ate entdo seguida" nas prociss6es e
festas d6sse santo (44).

Assim o branco simbolo da castidade, era a c6r
distintiva do santo que se dedicara a salvar as mulheres
perdidas, guiando-as para uma vida mais pura. O uso do
branco se associava ao aspect religioso e ao respeito que
a danga merecia.

O primeiro verso cantado pelos alagoanos se coloca
tamb6m na linha de uma antiguidade maior. A quadrinha
tem sido encontrada, com diferenga de detalhes, em quase
t8da a parte onde os diferentes autores assistiram a fun-
q6es, formando sempre o intr6ito.

Assim a recolheu Alceu Maynard Araujo nos arredo-
res de Taubat6, Estado de S. Paulo:


(42) Geraldo Brandoo, ob. cit., pg. 47.
(43) Saul Martins, ob. cit., pg. 44.
(44) Dr. J. E. Freire de Carvalho Filho, A devogio do Senhor
1Som Jesus do Bonfim e sua hist6ria, 'pg. 28.








MARIA ISAURA P. DE QUEIROZ


Na horA di Deus cumecu
Padri Filiu Spritu Santu
Esti 6 o primeru versu
qui prA Sao GonCal'eu cantu.

Na hora di Deus cumecu
Padre, Filiu Spiritu Santu,
vamu sd benz& primeru
livrai-nos di quebrantu.

Na horA di Deus cumegu
urn Padri Nosso i Ave Maria
vamu s6 benz& primeru
pr& s6 livr6 di zombaria". (45)


Geraldo Brandio registra-a em Mogi das Cruzes, no
mesmo Estado:

Em nome de Deus comeco,
Padre, Filo; Espirito Santo,
Esta 6 a primeira vez
Que neste orat6rio eu canto. (46)


Marciano dos Santos encontrou verso diferente ain-
da em S. Paulo:

Em nome de Deus comega
Padre, Fio, Espirito Santo,
dste 6 o primero verso
que neste orat6rio canto. (47)

e Camara Cascudo a acha muito parecida corn a que en-
controu no Rio Grande do Norte:

Nas horas de Deus, am6m;
Padre, Fio, Espirito Santo,
Sio as primeiras cantigas
que neste audit6rio canto! (48)

(45) Alceu Maynard Araujo, Dangas e ritos populares de Tau-
bat6, pg. 13.
(46) Geraldo Brandio, ob. cit., pg. 38.
(47) Marciano dos Santos, ob. cit., pg. 104.
(48) Cfmara Cascudo, ob, cit., pg. 296.




University of Florida Home Page
© 2004 - 2010 University of Florida George A. Smathers Libraries.
All rights reserved.

Acceptable Use, Copyright, and Disclaimer Statement
Last updated October 10, 2010 - - mvs