• TABLE OF CONTENTS
HIDE
 Half Title
 Title Page
 Nota dos editores
 Foreword
 Carta a Quintino Bocayuva
 Carta ao auctor
 Desencantos
 O caminho da porta
 O protocollo
 Quasi ministro
 Os deuses de casaca
 Tu, só tu, puro amor
 Não consultes medico
 Licção de botanica
 Supplicio de uma mulher
 Dous folhetins
 Table of Contents














Title: Theatro
CITATION THUMBNAILS PAGE IMAGE ZOOMABLE
Full Citation
STANDARD VIEW MARC VIEW
Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/UF00025487/00001
 Material Information
Title: Theatro
Physical Description: 480 p., 1 l. 20 cm. : ;
Language: Portuguese
Creator: Machado de Assis, 1839-1908
Girardin, Émile de, 1806-1881
Dumas, Alexandre, 1824-1895
Publisher: W. M. Jackson inc.
Place of Publication: Rio de Janeiro etc.
Publication Date: 1942
 Subjects
Genre: non-fiction   ( marcgt )
 Notes
General Note: At head of title: Machado de Assis.
 Record Information
Bibliographic ID: UF00025487
Volume ID: VID00001
Source Institution: University of Florida
Rights Management: All rights reserved by the source institution and holding location.
Resource Identifier: aleph - 001626892
oclc - 23915645
notis - AHQ1596

Table of Contents
    Half Title
        Page 1
        Page 2
    Title Page
        Page 3
        Page 4
    Nota dos editores
        Page 5
        Page 6
    Foreword
        Page 7
        Page 8
        Page 9
        Page 10
        Page 11
        Page 12
    Carta a Quintino Bocayuva
        Page 13
        Page 14
        Page 15
        Page 16
    Carta ao auctor
        Page 17
        Page 18
        Page 19
        Page 20
    Desencantos
        Page 21
        Page 22
        Page 23
        Page 24
        Page 25
        Page 26
        Page 27
        Page 28
        Page 29
        Page 30
        Page 31
        Page 32
        Page 33
        Page 34
        Page 35
        Page 36
        Page 37
        Page 38
        Page 39
        Page 40
        Page 41
        Page 42
        Page 43
        Page 44
        Page 45
        Page 46
        Page 47
        Page 48
        Page 49
        Page 50
        Page 51
        Page 52
        Page 53
        Page 54
        Page 55
        Page 56
        Page 57
        Page 58
        Page 59
        Page 60
        Page 61
        Page 62
        Page 63
        Page 64
        Page 65
        Page 66
        Page 67
        Page 68
        Page 69
        Page 70
        Page 71
        Page 72
        Page 73
        Page 74
        Page 75
        Page 76
        Page 77
        Page 78
        Page 79
        Page 80
        Page 81
        Page 82
    O caminho da porta
        Page 83
        Page 84
        Page 85
        Page 86
        Page 87
        Page 88
        Page 89
        Page 90
        Page 91
        Page 92
        Page 93
        Page 94
        Page 95
        Page 96
        Page 97
        Page 98
        Page 99
        Page 100
        Page 101
        Page 102
        Page 103
        Page 104
        Page 105
        Page 106
        Page 107
        Page 108
        Page 109
        Page 110
        Page 111
        Page 112
        Page 113
        Page 114
        Page 115
        Page 116
        Page 117
        Page 118
        Page 119
        Page 120
        Page 121
        Page 122
        Page 123
        Page 124
        Page 125
        Page 126
        Page 127
        Page 128
    O protocollo
        Page 129
        Page 130
        Page 131
        Page 132
        Page 133
        Page 134
        Page 135
        Page 136
        Page 137
        Page 138
        Page 139
        Page 140
        Page 141
        Page 142
        Page 143
        Page 144
        Page 145
        Page 146
        Page 147
        Page 148
        Page 149
        Page 150
        Page 151
        Page 152
        Page 153
        Page 154
        Page 155
        Page 156
        Page 157
        Page 158
        Page 159
        Page 160
        Page 161
        Page 162
        Page 163
        Page 164
        Page 165
        Page 166
        Page 167
        Page 168
    Quasi ministro
        Page 169
        Page 170
        Page 171
        Page 172
        Page 173
        Page 174
        Page 175
        Page 176
        Page 177
        Page 178
        Page 179
        Page 180
        Page 181
        Page 182
        Page 183
        Page 184
        Page 185
        Page 186
        Page 187
        Page 188
        Page 189
        Page 190
        Page 191
        Page 192
        Page 193
        Page 194
        Page 195
        Page 196
        Page 197
        Page 198
        Page 199
        Page 200
        Page 201
        Page 202
        Page 203
        Page 204
        Page 205
        Page 206
        Page 207
        Page 208
    Os deuses de casaca
        Page 209
        Page 210
        Page 211
        Page 212
        Page 213
        Page 214
        Page 215
        Page 216
        Page 217
        Page 218
        Page 219
        Page 220
        Page 221
        Page 222
        Page 223
        Page 224
        Page 225
        Page 226
        Page 227
        Page 228
        Page 229
        Page 230
        Page 231
        Page 232
        Page 233
        Page 234
        Page 235
        Page 236
        Page 237
        Page 238
        Page 239
        Page 240
        Page 241
        Page 242
        Page 243
        Page 244
        Page 245
        Page 246
        Page 247
        Page 248
        Page 249
        Page 250
        Page 251
        Page 252
        Page 253
        Page 254
        Page 255
        Page 256
        Page 257
        Page 258
        Page 259
        Page 260
        Page 261
        Page 262
    Tu, só tu, puro amor
        Page 263
        Page 264
        Page 265
        Page 266
        Page 267
        Page 268
        Page 269
        Page 270
        Page 271
        Page 272
        Page 273
        Page 274
        Page 275
        Page 276
        Page 277
        Page 278
        Page 279
        Page 280
        Page 281
        Page 282
        Page 283
        Page 284
        Page 285
        Page 286
        Page 287
        Page 288
        Page 289
        Page 290
        Page 291
        Page 292
        Page 293
        Page 294
        Page 295
        Page 296
        Page 297
        Page 298
        Page 299
        Page 300
        Page 301
        Page 302
        Page 303
        Page 304
        Page 305
        Page 306
        Page 307
        Page 308
    Não consultes medico
        Page 309
        Page 310
        Page 311
        Page 312
        Page 313
        Page 314
        Page 315
        Page 316
        Page 317
        Page 318
        Page 319
        Page 320
        Page 321
        Page 322
        Page 323
        Page 324
        Page 325
        Page 326
        Page 327
        Page 328
        Page 329
        Page 330
        Page 331
        Page 332
        Page 333
        Page 334
        Page 335
        Page 336
        Page 337
        Page 338
        Page 339
        Page 340
        Page 341
        Page 342
        Page 343
        Page 344
        Page 345
        Page 346
        Page 347
        Page 348
    Licção de botanica
        Page 349
        Page 350
        Page 351
        Page 352
        Page 353
        Page 354
        Page 355
        Page 356
        Page 357
        Page 358
        Page 359
        Page 360
        Page 361
        Page 362
        Page 363
        Page 364
        Page 365
        Page 366
        Page 367
        Page 368
        Page 369
        Page 370
        Page 371
        Page 372
        Page 373
        Page 374
        Page 375
        Page 376
        Page 377
        Page 378
        Page 379
        Page 380
        Page 381
        Page 382
        Page 383
        Page 384
        Page 385
        Page 386
        Page 387
        Page 388
        Page 389
        Page 390
        Page 391
        Page 392
        Page 393
        Page 394
    Supplicio de uma mulher
        Page 395
        Page 396
        Page 397
        Page 398
        Page 399
        Page 400
        Page 401
        Page 402
        Page 403
        Page 404
        Page 405
        Page 406
        Page 407
        Page 408
        Page 409
        Page 410
        Page 411
        Page 412
        Page 413
        Page 414
        Page 415
        Page 416
        Page 417
        Page 418
        Page 419
        Page 420
        Page 421
        Page 422
        Page 423
        Page 424
        Page 425
        Page 426
        Page 427
        Page 428
        Page 429
        Page 430
        Page 431
        Page 432
        Page 433
        Page 434
        Page 435
        Page 436
        Page 437
        Page 438
        Page 439
        Page 440
        Page 441
        Page 442
        Page 443
        Page 444
        Page 445
        Page 446
        Page 447
        Page 448
        Page 449
        Page 450
        Page 451
        Page 452
        Page 453
        Page 454
        Page 455
        Page 456
        Page 457
        Page 458
    Dous folhetins
        Page 459
        Page 460
        Historia d'este drama
            Page 461
            Page 462
            Page 463
            Page 464
            Page 465
            Page 466
            Page 467
            Page 468
            Page 469
            Page 470
            Page 471
            Page 472
            Page 473
            Page 474
        Critica theatral
            Page 475
            Page 476
            Page 477
            Page 478
            Page 479
            Page 480
    Table of Contents
        Page 481
        Page 482
Full Text







Theatre

















































PROPRIEDADE LITTERARIA DE W. M. JACKSON INC, EDITORS,
RIO DE JANEIRO SXO PAULO PORTO ALEGRE







Machado de






Theati
















W. M. JACKSON
EDITORS
Rio DE JANEIRO Sio PAULO
1942 -


Assis






SO


INC.
PORT ALEGRE


PRINTED IN BRASIL













Nota dos Editores


REPRODUZ este volume o Theatro, de
Machado de Assis (1910), ao qual ac-
crescentamos a comedia Desencantos, que es-
capou aquella colleccqo, e a traducqio do
drama Supplicio de uria inulher, de E. de
Girardin e Dumas Filho.
No fim do volume encontrari o leitor
a historic sensacional d'este drama e a res-
pectiva critical theatral de Machado de As-
sis, que tratou da peqa em dous folhetins no
Diario do Rio de Janeiro.
Deixamos de incluir as comedies Tri-
butos da mocidade e Os burguezes de Pariz,
por serem simples traducq6es, sem nada de
maior, e Umna ode de Anacreonte, por ji ter
sido pelo auctor incluida no volume Poesias.


1, 7 ~ ~i















Advertencia


SONTEM este volume todas as obras de theatre
originaes de MACHADO DE Assis, corn excepcqo de
duas pequenas peas Desencantos e As bodas de
Joanninha das quaes nao se achou exemplar.
Tambem nao foi possivel descobrir das traduccqes
que elle fez sendo O supplicio de numa mulher, em co-
pia manuscript doada cor outros papeis i Academia
Brazileira. As traducq6es teriam logar n'esta collec-
Iao, como trabalhos que deviam ser compostos cor o
esmero litterario peculiar a toda obra escripta por MA-
CHADO DE Assis. Nio colligi todavia O supplicio de
ulma mulher, attendendo a circumstancia de estar ris-
cado na copia referida o nome do traductor, o que pa-
receu indicar a sua intencqo de nao dar a obra A publi-
cidade em livro, ou talvez a sua opiniTo de nao a ter
litterariamente acabado.
R pena que se tivessem perdido as outras traduc-
q6es, particularmente Os descontentes, de RACINE, que
era em verso e da qual fallava cor muito louvor AR-
THUR AZEVEDO. Ouvira-a elle em grande parte quan-
do lida pelo proprio MACHADO DE Assis a uma com-
panhia portugueza, corn o intuito de a fazer represen-
tar. Posto fizessem parte da companhia alguns acto-
res estimaveis e capazes -de estimar um trabalho de
MACHADO DE Assis, nao acolheram como era just
a pea, talvez por demasiado fina para o gosto e o
costume do public; c uma observaqao ou gracejo de







THEATRE


um dos actors, Silva Pereira, aborreceu o traductor,
a ponto que suspended a leitura e recusou apresentar
a peqa. Talvez a rasgasse depois d'isso: o certo 6 que
nio houve mais noticia d'ella, nem ficou vestigio seu
entire os papeis do escriptor.
As outras traducq6es, Qudda que as mulheres thn
para os tolos (*), Pipelet, 0 anjo da meia-noite, 0 bar-
beiro de Sevilha, A familia Benoiton e Montjoye, vem
citadas no diccionario bibliographico, de Sacramento
Blake." Nao Ihes descobri o paradeiro e, salvo a primei-
ra, parece que nao chegaram a ser publicadas. Escre-
veu-as MACHADO DE Assis entire os annos de 1860 a
1870, epocha do seu inicio na imprensa e da mais fer-
vorosa e duradoura phase de litteratura dramatic que
jA houve no Brazil. A influencia dos escriptores fran-
cezes dominava como sempre em primeira mao a litte-
ratura brazileira e o exito da nova escola de theatre em
Franga estimulava os ensaios dramaticos entire n6s.
Quasi que nao houve escriptor brazileiro que nao ex-
perimentasse a sua vocacao para o genero. O enthu-
siasmo era sincere. Quem nao podia comp6r obra ori-
ginal contentava-se corn traduzir as recentes produc-
q6es chegadas da Europa. Em todos era o mesmo em-
penho e gosto de crear um theatre national.
MACHADO DE Assis, nos seus ultimos annos, quan-
do ouvia fallar na regeneracqo ou ainda creacqo d'esse
theatre, costumava lembrar aquelle outro period da
sua mocidade, e contava que alguns rapazes enthusias-
tas, Sizenando Nabuco e outros, estudantes em Sdo
Paulo, vinham ao Rio de Janeiro para assistir as re-
presentaq6es de peas novas. Iam a Santos tomar o
vapor, que ainda nao havia a estrada de ferro, e dous
ou trez dias depois regressavam para a tarefa de aca-
demicos. MACHADO DE Assis nao fazia confront en-
(*) Lapso de M. de Alencar. Queda que as mulheres tem
para os tolos nio 6 pega theatral. Acha-se publicada n'esta col.
lecqo, no volume I das Chronicas. Nota dos Editores.








ADVERTENCIA


tre as epochas e as gentes de uma e de outra, nem tira-
va conclus6es. Olhava cor sympathia a iniciativa e o
esforqo de ARTHUR AZEVEDO, e desejava que fossem
efficazes: mas estou 'que nao confiava no resultado
d'elles. Nio bastava que houvesse escriptores de talen-
to e resolvidos a escrever para o theatre; nao bastava,
ainda que houvesse um public intelligence disposto a
frequentar o theatre. O essencial, o imprescindivel 6
que surgissem auctores dramaticos cor o verdadeiro
talent dramatic. Estes creariam o theatre, fariam
o public. Mas nao havia auxilio official capaz de dar
talent dramatic a quem nio o tivesse, nem os applau-
sos publicos poderiam supprir a vocacao, sem a qual
todos os esforqos serio inuteis, ou, se apparentemente
proveitosos, ephemeros. Assim f6ra entire 1860 e 1870.
N'esse tempo houve realmente uma producqio drama-
tica notavel pelo numero e nao raro pela qualidade das
obras, e sobretudo pelo valor dos escriptores. Nenhum
d'estes, por6m, apesar do talent e da vontade delibe-
rada ou impulsiva de escrever para theatre, chegou a
revelar o verdadeiro engenho dramatic, e sem esse
dom, que se nao adquire pelo estudo, era fatal que can-
qasse a perseveranqa do esforco individual, e em pouco
tempo a producqio dramatic no Rio de Janeiro, em
que se resumia entdo todo o Brazil, estivesse reduzida
a uma ou outra tentative no genero, espacada e mallo-
grada. Foi o que succedeu. E o caso particular de MA-
CHADO DE Assis e typico. Ninguem mais do que elle
possuia as qualidades ou condiq6es capazes de supprir
algum dom de que carecesse: tinha o engenho forte, a
pertinacia do esforco, a leitura dos mestres, a constan-
cia do estudo, a vontade de produzir, o gosto apurado,
o conhecimento da lingua, a habilidade de observer e
generalizar. Pois corn todos esses elements elle nao
poude adquirir o talent dramatic. Elle proprio o sen-
tiu e reconheceu; mas nos primeiros annos de moQo pa-
recia confiar na accqo da sua vontade e na continuidade


j







THEATRE


do trabalho. E a sua ambiqco n'esse tempo era a obra
do theatre. i o que inculca a publicaqAo das suas pri-
meiras comedies O caminho da porta, 0 protocolo, em
1863, e declaradamente a carta com que as prefaciou,
dirigida a Quintino Bocayuva, seu amigo e emulo lit-
terario.
"Tenho o theatre, diz elle ahi, por cousa muito
s6ria e as minhas forqas por cousa muito insufficient;
penso que as qualidades necessarias ao auctor drama-
tico desenvolvem-se e apuram-se corn o tempo e o tra-
balho; cuido que 6 melhor tactear para achar; e o que
procurei e procuro fazer. Caminhar d'estes simple
grupos de scenas a comedia de maior alcance, onde o
estudo dos caracteres seja consciencioso e acurado, on-
de a observago da sociedade se case ao conhecimento
pratico das condig6es do genero, eis uma ambigao pro-
pria de animo juvenile, e que eu tenho a immodestia
de confessar. E tao certo estou da magnitude da con-
quista, que me nao dissimulo o long estadio que ha a
percorrer para alcangal-a. E mais. Tao difficil me
parece este genero litterario que, sob as difficuldades
apparentes, se me afigura que outras haveri, menos su-
peraveis, e tao subtis que ainda as nIo posso ver.
At6 onde vae a illusao dos meus desejos? Confio
demasiado na minha perseveranga? Eis o que espero
saber de ti".
Quintino Bocayuva respondeu-lhe acertadamente,
como bom amigo que era d'elle, e sagaz e criterioso.
"As tuas comedies, modeladas ao gosto dos pro-
verbios francezes, nao revelam nada mais do que a ma-
ravilhosa aptiddo do teu espirito, a profusa riqueza do
teu estylo. Nao inspiram nada mais do que sympathia
e consideraqio por um talent que se amaneira a todas
as f6rmas da concepgio. Como Ihes falta a id6a, fal-
ta-lhes a base. Sao bellas, porque sao bem escriptas.
Sao valiosas, como artefactos litterarios, mas, at6 onde
a minha vaidosa presumpaio critical p6de ser tolerada,







ADVERTENCIA


devo declarar-te que ellas s~o frias e insensiveis, como
todo o sujeito sem alma. Debaixo d'este ponto de vis-
ta, e respondendo a uma interrogaqCo direct que me
diriges, devo dizer-te que havia mais perigo em apre-
sental-as ao public sobre a rampa da scena do que ha
em offerecel-as A leitura calma e reflectida. O que no
theatre podia servir de obstaculo a apreciacqo da tua
obra, favorece-a no gabinete. As tuas comedies slo
para serem lidas e nao representadas".
Este conceito 6 rigorosamente just e applicavel
a todo o theatre de MACHADO DE Assis. Entendeu-o e
acceitou-o desde logo o escriptor, cujo discernimento
critic era dos mais completes que ja conheci, e abrin-
do mao das suas ambiq6es dramaticas, usou do seu
grande talent para a obra a que o dispunha uma voca-
qco absolute e que havia de fazer a sua gloria, o conto,
a poesia, o romance e a critical. A verdade que ainda
escreveu algumas comedies e scenas dramaticas; mas
nao as destinava ao theatre, sendo a saraus litterarios,
ou a representaqio de salio. Ahi 6 que ellas devem ser
ouvidas e apreciadas; nao fica despercebido o encanto
do estylo nem a graqa do entrecho, nem o prior do
dialogo. Dao a impressio de se estar ouvindo aquelle
conversador arguto e fino, que foi MACHADO DE Assis,
personificando-se em cada figure das peas. Mas ja
nao ha saraus nem sales litterarios como nos bons
tempos que se foram; e era precise nao deixar esqueci-
das todas estas obras, que se nao tivessem outro mere-
cimento, tinham o de ser obras de MACHADO DE Assis.
Foi o que induziu o editor H. Gamier a dal-as n'esta
collecqo reunindo-as As ja publicadas em outros volu-
mes. e mais um titulo de gratidio dos admiradores de
MACHADO DE Assis ao benemerito editor a quem tanto
devem as lettras brazileiras.
Rio, dezembro de 1909.
MARIO DE ALENCAR








Carta a Quintino Bocayuva





Meu amigo,

Vou publicar as minhas duas comedies
de estr6a; e nao quero fazel-o sem o conse-
Iho da tua competencia.
JA uma critical benevola e carinhosa,
em que tomaste parte, consagrou a estas
duas composigSes palavras de louvor e ani-
mag~o.
Sou immensamente reconhecido, por
tal, aos meus colleges da imprensa.
Mas o que recebeu na scena o baptismo
do applause p6de, sem inconveniente, ser
trasladado para o papel? A differenga en-
tre os dous meios de publicaqgo nao modi-
fica o juizo, nao altera o valor da obra ?
E para a soluqgo d'estas duvidas que
recorro 6 tua auctoridade litteraria.
O juizo da imprensa via n'estas duas
comedies simples tentativas de auctor ti-
mido'e receoso. Se a minha affirmaqdo
nao envolve suspeitas de vaidade disfarcada
e mal cabida, declare que nenhuma outra






THEATRE


:iiiili ..,, levo n'esses trabalhos. Tenho o
theatre por cousa muito s6ria e as minhas
forcas por cousa muito insufficient; penso
que as qualidades necessarias ao auctor dra-
matico desenvolvem-se e apuram-se corn o
tempo e o trabalho; cuido que 6 melhor tac-
tear para achar; 6 o que procurei e procuro
fazer.
Caminhar d'estes simples grupos de
scenes A comedia de maior alcance, onde
o estudo dos caracteres seja consciencioso
e acurado, onde a observagio da sociedade
se case ao conhecimento pratico das condi-
qSes do genero, eis uma ambicgo propria
de animo juvenile e que eu tenho a immo-
destia de confessar.
E tdo certo estou da magnitude da con-
quista, que me n6o dissimulo o long esta-
dio que ha de percorrer para alcancal-a. E
mais. Tao difficil me parece este genero
litterario que, sob as difficuldades apparen-
tes, se me afigura que outras havera, menos
superaveis e tio subtis, que ainda as nio
posso ver.
At6 onde vae a illusho dos meus dese-
jos ? Confio demasiado na minha perseve-
ranqa. Eis o que espero saber de ti.
E dirijo-me a ti, entire outras razies,
por mais duas, que me parecem excellentes:
razAo de estima litteraria e razdo de estima






CARTA A Q. BOCAYUVA 15

pessoal. Em respeito A tua modestia, calo
o que te devo de admiragio e reconheci-
mento.
O que nos honra, a mim e a ti, e que a
tua imparcialidade e a minha submissio fi-
cam salvas da minima suspeita. Serds jus-
to e eu docil; teras ainda por isso o meu re-
conhecimento; e eu escape a esta terrivel
sentenga de um escriptor: "Les amities qui
ne resistent pas a la franchise, valent-elles
un regret?"

Teu amigo e college,

MACHADO DE Assis.









Carta ao auctor


MACHADO DE ASSIST,

Respondo a tua carta. Pouco precise
dizer-te. Fazes bem em dar ao prelo os
teus primeiros ensaios dramaticos. Fazes
bem, porque essa publicag~o envolve uma
promessa e acarreta sobre ti uma responsa-
bilidade para cor o public. E o public
ter o direito de ser exigente comtigo. Rs
moqo e foste dotado pela Providencia de um
bello talent. Ora, o talent 6 urma arma
divina que Deus concede aos homes para
que estes a empreguem no melhor servigo
dos seus semelhantes. A idea 6 uma forca.
Inoculal-a no seio das massas 6 inocular-
Ihe o sangue puro da regeneraqCo moral.
O home que se civiliza, christianiza-se.
Quem se illustra, edifica-se. Porque a luz
que nos esclarece a razdo 6 a que nos alu-
mia a consciencia. Quem aspira a ser gran-
de, nio p6de deixar de aspirar a ser born.
A virtude 6 a primeira grandeza d'este mun-






THEATRE


do. 0 grande home e o home de bem.
Repito, pois: n'essa obra de cultivo litte-
rario ha uma obra de edificacgo moral.
Das muitas e variadas f6rmas littera-
rias que existem e que se prestam ao con-
seguimento d'esse fim, escolheste a f6rma
dramatic. Acertaste. 0 drama 6 a f6r-
ma mais popular, a que mais se nivela cor
a alma do povo, a que mais recursos pos-
sue para actuar sobre o seu espirito, a que
mais facilmente o commove e exalta; em re-
sumo, a que tem meios mais poderosos para
influir sobre o seu coracio.
Quando assim me exprimo, e claro que
me refiro as tuas comedies, acceitando-as
como ellas devem ser acceitas por mim e
por todos, isto 6, como um ensaio, como uma
experiencia, e, se p6des admittir a phrase,
como uma gymnastics de estylo.
A minha franqueza e a lealdade que
devo A estima que me confessas obrigam-
me a dizer-te em public o que jd te disse
em particular. As tuas duas comedies, mo-
deladas ao gosto dos proverbios francezes,
nao revelam nada mais do que a maravi-
Ihosa aptidio do teu espirito, a profusa ri-
queza do teu estylo. Nio inspiram nada
mais do que sympathia e consideragao por
um talent que se amaneira a todas as f6r-
mas da concepfgo.






CARTA A Q. BOCAYUVA


Como Ihes falta a id6a, falta-lhes a ba-
se. Sho bellas, porque sao bem escriptas.
Sio valiosas, como artefactos litterarios,
mas at6 onde a minha vaidosa presumpcgo
critical p6de ser tolerada, devo declarar-te
que ellas sao frias e insensiveis, como todo
o sujeito sem alma.
Debaixo d'este ponto de vista, e res-
pondendo a uma interrogacgo direct que
me diriges, devo dizer-te que havia mais pe-
rigo em apresental-as ao public sobre a
rampa da scena do que ha em offerecel-as
6 leitura calma e reflectida. O que no thea-
tro podia servir de obstaculo a apreciacgo
da tua obra, favorece-a no gabinete. As
tuas comedies sio para serem lidas e nao
representadas. Como ellas sao um brinco
de espirito p6dem distrahir o espirito. Co-
mo nao tem coraqgo ndo p6dem pretender
sensibilizar a ninguem. Tu mesmo assim
as considers, e reconhecer isso, 6 dar prova
de bom criterio comsigo mesmo, qualidade
rara de encontrar-se entire os auctores.
0 que desejo, o que te pego, e que apre-
sentes n'esse mesmo genero algum trabalho
mais s6rio, mais novo, mais original e mais
complete. J6 fizeste esbocos, atira-te a
grande pintura.
Posso garantir-te que conquistar6s ap-
plausos mais convencidos e mais duradouros.







20 THEATRE

Em todo o caso, repito-te que fazes bem.
Sujeita-te A critical de todos, para que pos-
sas corrigir-te a ti mesmo. Como te mos-
tras despretencioso, colherAs o fructo sdo da
tua modestia ndo fingida. Pela minha par-
te estou sempre disposto a acompanhar-te,
retribuindo-te em sympathia toda a consi-
deraqgo que me imp5e a tua joven e vigo-
rosa intelligencia.

Teu

Q. BOCAYUVA.
















Desencantos

PHANTASIA DRAMATIC


A
QUINTINO BOCAYUVA


















INTERLOCUTORES

CLARA DE SOUZA
LUIZ DE MELLO
PEDRO ALVES









PRIMEIRA PARTE


EM PETROPOLIS
Um jardim, terrago no fundo



SCENA I

CLARA, LUIZ DE MELLO

CLARA Custa a crer o que me diz.
Pois deveras sahiu aborrecido do baile
LuIz R verdade.
CLARA Dizem entretanto que esteve
animado...
LvIz Esplendido!
CLARA Esplendido, sim!
Lvz -- Maravilhoso.
CLARA Essa 6, pelo menos, a opinion
geral. Se eu 16 fosse, estou certa de que
seria a minha.
Luvz Pois eu 16 fui e nao 6 essa a
minha opiniio.
CLARA A difficil de contentar n'esse
caso.







THEATRE


Luiz Oh! nao.
CLARA Entao as suas palavras sho
um verdadeiro enigma.
Lviz Enigma de facil decifrag~o.
CLARA Nem tanto.
LuIz Quando se d6 preferencia a
uma fl6r, a violeta, por exemplo, todo o jar-
dim onde ella nio apparega, embora esplen-
dido, 4 sempre incomplete,
CLARA Faltava ento uma violeta
n'esse jardim.
Luvz Faltava. Comprehende agora ?
CLARA Um pouco.
LuIZ Ainda bem!
CLARA Venha sentar-se n'este banco
de relva, a sombra d'esta arvore copada.
Nada Ihe falta para comp6r um idyllio, ji
que 4 dado a esse genero de poesia. Tinha
entio muito interesse em ver 1d essa fl6r?
Luiz Tinha. Cor a mdo na cons-
ciencia, fallo-lhe a verdade; essa fl6r nao 6
uma predilecqgo do espirito, 4 uma escolha
do coragdo.
CLARA Vejo que se trata de uma pai-
xfo. Agora comprehend a razao por que
nfio Ihe agradou o baile, e o que era enigma,
passa a ser a cousa mais natural do mundo.
Esta absolvido do sen delicto.







DESENCANTOS


LuIz Bern v6 que tenho circumstan-
cias attenuantes a meu favor.
CLARA Entdo o senhor ama?
Luiz Loucamente, e como se p6de
amar aos vinte e dous annos, corn todo o
ardor de um coracgo cheio de vida. Na mi-
nha edade o amor 6 uma preoccupagao ex-
clusiva que se apodera do coragio e da ca-
bega. Experimentar outro sentiment, que
niio seja esse, pensar em outra cousa, que
nao seja o object escolhido pelo corag.o,
6 impossivel. Desculpe se Ihe fall assim...
CLARA P6de continuar. Falla corn
um enthusiasm tal, que me faz parecer es-
tar ouvindo algumas das estrophes do nosso
apaixonado Gonzaga.
LuIz 0 enthusiasm do amor 6 por
ventura o mais vivo e ardente.
CLARA E por isso o menos duradou-
ro. R como a palha que se inflamma corn
intensidade, mas que se apaga logo depois.
LuIz Nio acceito a comparaqco. Pois
Deus havia de inspirar ao home esse sen-
timento, tdo susceptivel de morrer assim?
Demais, a pratica mostra o contrario.
CLARA Ja sei. Vem fallar-me de
Heloisa e Abeillard, Pyramo e Tysbe, e
quanto exemplo a historic e a fabula nos






THEATRE


ddo. Esses nAo provam. Mesmo porque
sao exemplos raros, e que a historic os apon-
ta. Fogo de palha, fogo de palha e nada
mais.
LuIZ Pesa-me que de seus labios
saiam essas palavras.
CLARA Por que ?
LuIz Porque eu ndo posso admittir
a mulher sem os grandes enthusiasmos do
coragdo. Chamou-me ha pouco de poeta;
corn effeito eu assemelho-me por. esse lado
aos filhos queridos das musas. Esses ima-
ginam a mulher um ente intermediario que
separa os homes dos anjos e querem-n'a
participate das boas qualidades de uns e de
outros. Dir-me-ha que se eu fosse agiota
nio pensaria assim; eu responderei que nio
sao os agiotas os que tem razao n'este
mundo.
CLARA Isso 6 que e ver as cousas
atravez de um vidro de c6r. Diga-me: sen-
te deveras o que diz a respeito do amor, ou
estA fazendo uma profissio de fM de home
politico ?
LvIz Penso e sinto assim.
CLARA Dentro de pouco tempo vera
que tenho razao.
LvIz Razio de que?






DESENCANTOS


CLARA -- Razdo de chamar fogo de pa-
iha ao fogo que Ihe devora o coragdo.
LvIz Espero em Deus que nio.
CLARA Creio que sim.
Lvuz Fallou-me ha pouco em fazer
um idyllio, e eu estou cor desejos de com-
p8r uma ode saphica.
CLARA A que respeito ?
Luvz Respeito a crueldade das vio-
letas.
CLARA E depois ia atirar-se a tor-
rente do Itamaraty? Ah! como anda atra-
zado do seu seculo!
LuIz Ou adeantado...
CLARA Adeantado, nio creio. Vol-
taremos n6s 6 simplicidade antiga?
LTIz Oh! tinha razdo aquella pobre
poetiza de Lesbos em atirar-se as ondas.
Encontrou na morte o esquecimento das
suas d6res intimas. De que Ihe servia viver
amando sem esperanga ?
CLARA Dou-lhe de conselho que per-
ca esse enthusiasm pela antiguidade. A
poetiza de Lesbos quiz figurar na historic
cor uma face melancholica; atirou-se de
Leucate. Foi calculo e nao virtude.
Luvz Esti peccando, minha senhora.
CLARA Por blasphemar do seu idolo ?






THEATRE


LuIz Por blasphemar de si. Urna
mulher nas condig6es da decima musa nun-
ca obra por calculo. E V. Excia., por mais
que queira, deve star nas mesmas condi-
Cqes de sensibilidade, que a poetiza antiga,
bem como esta nas de belleza.




SCENA II

LUIZ DE MELLO, CLARA, PEDRO ALVES

PEDRO ALVES Boa tarde, minha in-
teressante vizinha. Sr. Luiz de Mello!
CLARA Faltava o primeiro folgazqo
de Petropolis, a fl6r da emigragdo!
PEDRO ALVES Nem tanto assim.
CLARA Estou encantada por ver as-
sim a meu lado os meus dous vizinhos, o da
direita e o da esquerda.
PEDRO ALVES Estavam conversando ?
Era segredo?
CLARA Oh! ndo. O Sr. Luiz de Mel-
lo fazia-me um curso de historic depois de
ter feito outro de botanical. Mostrava-me
a sua estima pela violeta e pela Sapho.






DESENCANTOS


PEDRO ALVES E que dizia a respeito
de uma e de outra?
CLARA Erguia-as 6s nuvens. Dizia
que nio considerava jardim sem violeta, e
quanto ao salto de Leucate, batia palmas
cor verdadeiro enthusiasm.
PEDRO ALVES E occupava V. Excia.
corn essas cousas? Duas questoes banaes.
Uma ndo ter valor moral, outra nio tem
valor actual.
LuIz Perdio, o Sr. chegava quando
eu ia concluir o meu curso botanico e his-
torico. Ia dizer que tambem detesto as pa-
rasitas de todo o genero, e que tenho asco
aos hystrioes de Athenas. Terho estas duas
quest6es valor moral e actual?
PEDRO ALVES (enfiado) Confesso
que ndo comprehend.
CLARA Diga-me, Sr. Pedro Alves: foi
a partida de hontem a noite ?
PEDRO ALVES Fui, minha senhora.
CLARA Divertiu-se ?
PEDRO ALVES Muito. Dancei e jo-
guei a fartar, e quanto a doces, nho enfar-
dei mal o estomago. Foi uma deslumbran-
te funcgdo. Ah! notei que ndo estava 16.






THEATRE


CLARA Urna maldicta enxaqueca re-
teve-me em casa.
PEDRO ALVES Maldicta enxaqueca!
CLARA Consola-me a id6a de que nao
fiz falta.
PEDRO ALVES Como? nao fez falta?
CLARA Cuido que todos seguiram o
seu exemplo e que danqaram e jogaram a
fartar, nao enfardando mal o estomago,
quanto a doces.
PEDRO ALVES Deu um sentido dema-
siado litteral 6s minhas palavras.
CLARA Pois nao foi isso que me
disse ?
PEDRO ALVES Mas eu queria dizer
outra cousa.
CLARA Ah! isso e outro caso. En-
tretanto acho que 6 dado a qualquer diver-
tir-se ou nio n'um baile, e por consequencia
dizel-o.
PEDRO ALVES A qualquer, D. Clara!
CLARA Aqui estd o nosso vizinho que
acaba de me dizer que se aborreceu no
baile. ..
PEDRO ALVES (comsigo) Ah! (alto)
De facto, eu o vi entrar e sahir pouco depois
cor ar assustadigo e penalizado.






DESENCANTOS


LuIz Tinha de ir tomar chi em casa
de um amigo e nao podia faltar.
PEDRO ALVES Ah! foi tomar chA. En-
tretanto correram certos boatos depois que
o senhor sahiu.
LuIZ Boatos?
PEDRO ALVES R verdade. Houve
quem se lembrasse de dizer que o senhor
sahira logo por nao ter encontrado da parte
de uma dama que 16 estava o acolhimento
que esperava.
CLARA (olhando para Luiz) Ah!
LuIz Oh! isso 6 completamente fal-
so. Os maldizentes estlo por toda parte,
mesmo nos bailes; e d'esta vez nao houve
tino na escolha dos convidados.
PEDRO ALVES Tambem 6 verdade.
(Baixo a Clara). Recebeu o meu bilhete?
CLARA (depois de um olhar). Como
6 bonito o por do sol! Vejam que magni-
fico espectaculo!
LuIZ t realmente encantador.
PEDRO ALVES Nao 6 feio; ter mes-
mo alguma cousa de grandiose. (Vao ao
if rI',i, ~).
LuIz Que colorido e que luz!
CLARA Acho que os poetas tem razdo
em celebrarem esta hora final do dial






THEATRE


Lmz Minha senhora, os poetas tem
sempre razio. E quem nao se extasiarA de-
ante d'este quadro?
CLARA Ah!
Luiz e PEDRO ALVES 0 que 4 ?
CLARA R o meu leque que cahiu! Vou
mandar apanhal-o.
PEDRO ALVES Como apanhar ? Vou
eu mesmo.
CLARA Ora, tinha que ver! Vamos
para a sala e eu mandarei buscal-o.
PEDRO ALVES Menos isso. Deixe-me
a gloria de trazer-lhe o leque.
Luiz Se consent, eu faco concor-
rencia ao desejo do Sr. Pedro Alves...
CLARA Mas entdo apostaram-se
LuTi Mas se isso 6 um desejo de n6s
ambos. Decida.
PEDRO ALVES Entao o senhor quer ir ?
Luiz (a Pedro Alves) Nao ve que
espero a decisdo ?
PEDRO ALVES Mas a id6a 6 minha.
Entretanto. Deus me livre de dar-lhe moti-
vo de queixa, p6de ir.
Luiz Nao espero mais nada.






DESENCANTOS


SCENA III

PEDRO ALVES, CLARA

PEDRO ALVES Este nosso vizinho tern
uns ares de superior que me desagradam.
Pensa que n~o comprehend a allusAo da
parasita e dos hystri5es 0 que n5o me
fazia conta era desrespeitar a presence de
V. Excia., mas nao faltam occasi5es para
castigar um insolente.
CLARA NaO Ihe acho razdo para fal-
lar assim. O Sr. Luiz de Mello 6 um mogo
de maneiras delicadas c estA long de of-
fender a quemn quer que seja, muito menos
a uma pess6a que en considero...
PEDRO ALVES Acha ?
CLARA Acho sim.
PEDRO ALVES Pois eu nro. S5o mo-
dos de ver. Tal seja o ponto de vista em
que V. Excia. se colloca... Ca o meu olhar
apanha-o em cheio e diz-me que elle merece
benm uma licgao.
CLARA Que espirito bellicoso 6 esse ?
PEDRO ALVES Este espirito bellicoso
6 o ciume. Eu sinto ter por concorrente a







THEATRE


este vizinho que se antecipa a visital-a, e a
quem V. Excia. da tanta attengdo.
CLARA Ciume!
PEDRO ALVES Ciume, sim. O que
me responded V. Excia. a pergunta que Ihe
fiz sobre o meu bilhete? Nada, absoluta-
mente nada. Talvez nem o lsse; entretan-
to eu pintava-Ihe n'elle o estado do meu co-
ragqo, mostrava-lhe os sentiments que me
agitam, fazia-lhe uma autopsia, era uma
autopsia, que eu Ihe fazia de meu coraqdo.
Pobre coraqio! Tao mal pago dos seus ex-
tremos, e entretanto tio pertinaz em amar!
CLARA Parece-me bem apaixonado.
Devo considerar-me feliz por ter perturba-
do a quietacio do seu espirito. Mas a sin-
ceridade nem sempre 6 companheira da
paixSo.
PEDRO ALVES Raro se alliam, 6 ver-
dade, m'as d'esta vez ndo 6 assim. A paixio
que eu sinto 6 sincera, e pesa-me que meus
av6s ndo tivessem uma espada para eu so-
bre ella jurar...
CLARA Isso e mais uma arma de ga-
lantaria que .um testemunho de verdade.
Deixe antes que o tempo ponha em relevo
os seus sentiments.
PEDRO ALVES O tempo! Ha tanto
que me diz isso! Entretanto continue o






DESENCANTOS


vulco em meu peito e s6 p6de ser apagado
pelo orvalho do seu amor.
CLARA Estamos em pleno outeiro.
As suas palavras parecem um mote glosado
em prosa. Ah! a sinceridade ndo esta n'es-
sas phrases gastas e ocas.
PEDRO ALVES O meu bilhete, entre-
tanto, 6.concebido em phrases bem tocantes
e simples.
CLARA Corn franqueza, eu nao li o
seu bilhete.
PEDRO ALVES Deveras ?
CLARA Deveras.
PEDRO ALVES (tomando o chapeo) -
Cor licenga.
CLARA Onde vae ? Nao comprehen-
de que quando digo que nao li o seu bilhete
e porque quero ouvir da sua propria bocca
as palavras que n'elle se continham?
PEDRO ALVES Como? Sera por isso ?
CLARA Nao acredita ?
PEDRO ALVES EI capricho de moga
bonita e nada mais. Capricho sem exemplo.
CLARA Dizia-me ento ?...
PEDRO ALVES Dizia-lhe que, cor o
espirito vacillante como baixel prestes a
sossobrar, eu Ihe escrevia a luz do relam-
pago que me fuzila n'alma aclarando as tre-






THEATRE


vas que uma desgraaada paixio ahi me dei-
xa. Pedia-lhe a luz dos seus olhos seduc-
tores para servir de guia na vida e poder
encontrar sem perigo o porto de salvamen-
to. Tal 6 no seu espirito a segunda ediqco
de minha carta. As c6res que n'ella empre-
guei sdo a fiel traducedo do que senti e sinto.
Esti pensativa?
CLARA Penso em que, se me fall
verdade, a sua paixio 6 rara e nova para
estes tempos.
PEDRO ALVES Rara e muito rara;
pensa que eu sou l1 d'esses que procuram
veneer pelas palavras mellifluas e falsas?
Sou rude, mas sincero..
CLARA Appellemos para o tempo.
PEDRO ALVES t um juiz tardio.
Quando a sua sentenga chegar, eu estarei
no tumulo e sera tarde.
CLARA Vem agora com idras fune-
bres!
PEDRO ALVES Eu ndo appello para
o tempo. O meu juiz estd em face de mim,
e eu quero ja beijar antecipadamente a mdo
que ha de lavrar a minha sentenga de ab-
solvicio. (Quer beijar-lhe a mao. Clara
sahe). Ouga! Ouga!






DESENCANTOS


SCENA IV

LUIZ DE MELLO, PEDRO ALVES

PEDRO ALVES (s6) Fugiu! N6o tar-
da ceder. Ah! o meu adversario!
Luiz D. Clara?
PEDRO ALVES Foi para a outra part
do jardim.
LUIZ Bomn (vae sahir).
PEDRO ALVES Disse-me que o fizesse
esperar; eu estimo bem estarmos a s6s por-
que tenho de Ihe dizer algumas palavras.
LUIz As suas ordens. Posso ser-lhe
util?
PEDRO ALVES Util a mim e a si. Eu
gosto das situan es claras e definidas. Que-
ro poder dirigir a salvo e seguro o meu ata-
que. Se lhe fallo d'este modo 6 porque,
sympathizando com as suas maneiras, dese-
jo nio trahir a uma pess6a a quem me ligo
por um vinculo secret. Vamos ao caso: e
precise que me diga quaes as suas intencoes,
equal o seu plano de guerra; assim, cada um
p6de atacar por seu lado a praga, e o trium-
pho sera do que melhor tiver empregado os
sous tiros.






THEATRE


Luiz A que vem essa bellicosa para-
bola ?
PEDRO ALVES Nao comprehend ?
Luiz Tenha a bondade de ser mais
claro.
PEDRO ALVES Mais claro ainda ? Pois
serei clarissimo: a viuva do coronel 6 uma
praca sitiada.
LUIz Por quem ?
PEDRO ALVES Por mim, confesso. E
affirmo que por n6s ambos.
Luiz Informaram-n'o mal. Eu nao
faco a c6rte a viuva do coronel.
PEDRO ALVES Creio em tudo quanto
quizer, menos n'isso.
Luiz A sua sympathia por mim vae
atW desmentir as minhas asserg6es?
PEDRO ALVES Isso ndo e discutir. De-
veras, nio faz a corte a nossa interessante
vizinha ?
LuIz Nao, as minhas attenc6es para
cor ella nao passam de uma retribuicn o a
que, como home delicado, nAo me poderia
furtar.
PEDRO ALVES Pois eu faco.
Lviz Seja-lhe para bem! Mas a
que vem isso?
PEDRO ALVES A cousa alguma. Des-
de que me afianca nio ter a menor intencao






DESENCANTOS


occulta nas suas attenSes, a explicagio estA
dada. Quanto a mim, faco-lhe a c6rte e
digo-o bem alto. Apresento-me candidate
ao seu corago e para isso mostro titulos
valiosos. Dirio que sou presumido; p6dem
dizer o que quizer.
Luiz Desculpe a curiosidade: quaes
sao esses titulos ?
PEDRO ALVES A posifio que a for-
tuna me da, um physico que p6de-se chamar
bello, uma coragem capaz de affrontar to-
dos os muros e grades possiveis e imagina-
veis, e para coroar a obra uma discregdo de
pedreiro-livre.
LuIz 86?
PEDRO ALVES Acha pouco ?
Luiz Acho.
PEDRO AIVES Nho comprehend que
haja precisdo de mais titulos al6m d'estes.
Luiz Pois ha. Essa posiqio, esse
physico, essa coragem e essa discrecio, sao
de certo apreciaveis, mas duvido que te-
nham valor deante de uma mulher de es-
pirito.
PEDRO ALVES Se a mulher de espi-
rito for da sua opinion.
Luiz Sem duvida alguma que ha
de ser.






TIIEATRO


PEDRO ALVES Mas continue, quero
ouvir o fim de seu discurso.
LuIz Onde flea no seu plano de guer-
ra, ja que aprecia este genero de figure,
onde fica, digo eu, o amor verdadeiro, a
dedicacgo sincera, o respeito, filho de am-
bos, e que essa D. Clara sitiada deve ins-
pirar ?
PEDRO ALVES A corda em que acaba
de tocar esta desafinada ha muito tempo e
nio da som. O amor, o respeito, e a dedi-
cacao! Se o nao conhecesse, diria que o se-
nhor acaba de chegar do outro mundo.
Luvz Corn effeito, pertengo a um
mundo que nio 6 absolutamente o seu. Nao
v6 que tenho umi ar de quenm nio esta em
terra propria e fall cor uma variedade da
especie ?
PEDno ALVES Ja sei; pertence a es-
phera dos sonhadores e dos visionaries. Co-
nheco boa somma de seus semelhantes que
me ter dado bem boas horas de riso e de
satisfac ho. J uma tribu que se nao acaba,
pelo que vejo?
LuIz Ao que parece, nao?
PEDRo ALVES Mas 6 evidence que pe-
recera.
LvIz Nao sei. Se eu quizesse con-
correr ao bloqueio da praca em questqo, era






DESENCANTOS


azada occasi~o para julgar do esforgo re-
ciproco e vermos at6 que ponto a ascenden-
cia do element positive exclude a influencia
do element ideal.
PEDRO ALVES Pois experiment.
Lviz Nao; disse-lhe jd que respeito
muito a viuva do coronel e estou long de
sentir por ella a paixio do amor.
PEDRO ALVES Tanto melhor. Sempre
6 bor ndo ter pretendentes para combater.
Ficamos amigos, no ?
Luiz De certo.
PEDRO ALVES Se eu veneer, o que
dir ?
LvIz Direi que ha certos casos em
que cor toda a satisfacqdo se p6de ser pa-
drasto e direi que esse 6 o seu caso.
PEDRO ALVES Oh! se a Clarinha nao
tiver outro padrasto se nso eu...



SCENA V

PEDRO ALVES, LUIZ, D. CLARA

CLARA Estimo bem vel-os juntos.
PEDRO ALVES Discutiamos.
LuIz Aqui ter o seu leque; esti in-
tacto.






THEATRE


CLARA Meu Deus, -que trabalho que
foi tomar. Agradego-lh'o do intimo. 1
uma prenda que tenho em grande conta;
foi-me dado por minha irman Mathilde, em
dia de annos meus. Mas tenha cuidado;
nio augmente tanto a lista das minhas obri-
gagies; a divida p6de engrossar e eu nao
terei por fim cor que solvel-a.
LuIz De que divida me falla? A
divida aqui 6 minha, divida perenne, que
eu mal amortizo por uma gratiddo sem li-
mite. Posso eu pagal-a nunca ?
CLARA Pagar o qui?
Luiz Pagar estas horas de felicida-
de calma que a sua graciosa urbanidade me
dt e que constituem os meus fios de ouro
no tecido da vida.
PEDRO ALVES Reclamo a minha par-
te n'essa ventura.
CLARA Meu Deus, declaram-se em
just? Nao vejo senao quebrarem lanCas
em meu favor. Cavalheiros, animo, a liga
est6 aberta, e a castellan espera o reclamo
do vencedor.
Luiz Oh! a castellan p6de quebrar o
encanto do vencedor desamparando a gale-
ria e deixando-o s6 corn as feridas abertas
no combat.







DESENCANTOS


CLARA Tao pouca f6 o anima ?
Luiz Nao 6 a f6 das pess6as que me
falta, mas a f6 da fortune. Fui sempre tao
mal aventurado que nem tento acreditar por
um moment na boa sorte.
CLARA Isso nao 6 natural n'um cava-
Iheiro christao.
Luiz O cavalheiro christho esta pres-
tes a mourar.
CLARA Oh!
Luiz O sol do oriented aquece os co-
ragoes, ao pass que o de Petropolis es-
fria-os.
CLARA Estude antes o phenomenon e
nao vd sacrificar a sua consciencia. Mas,
na realidade, ter sempre encontrado a der-
rota nas suas pelejas?
LuIz A derrota foi sempre a sorte
das minhas armas. SerA que ellas sejam
mal temperadas ? sera que eu nho as mane-
je bem? Nao sei.
PEDRO ALVES i talvez uma e outra
cousa.
LuIZ Tambem pode ser.
CLARA Duvido.
PEDRO ALVES Duvida ?
CLARA E sabe quaes sao as vantagens
de seus vencedores?






THEATRE


LTiz De mais ate.
CLARA Procure alcancal-as.
LuIZ Menos isso. Quando dous ad-
versarios se medem, as mais das vezes o ven-
cedor 4 sempre aquelle, que a elevada qua-
lidade de tolo reune uma soffrivel dose de
presumpc5o. A esse as palmas da victoria,
a esse a boa fortune da guerra: quer que o
imite ?
CLARA Disse as mais das vezes -
confessa, pois, que ha excepg~es.
LuIz Fora absurdo negal-as, mas de-
claro que nunca as encontrei.
CLARA Ndo deve desesperar, porque
a fortune apparece quaildo menos se conta
corn ella.
LuIz Mas apparece as vezes tarde.
Chega quando a porta esta cerrada e tudo
que nos cerca 6 silencioso e triste. Entio
a peregrina demorada entra como uma ami-
ga consoladora, mas sem os enthusiasmos
do coracio.
CLARA Sabe o que o perde? R a
phantasia.
LUIZ A phantasia?
CLARA Nfio Ihe disse a pouco que o
senior via as cousas atravez de um vidro
de c6r? A] o oculo da phantasia, oculo bri-






DESENCANTOS


lhante, mas mentiroso, que transtorna o as-
pecto do panorama social, e que faz vel-o
peior do que 6, para dar-lhe um remedio
melhor do que p6de ser.
PEDRO ALVES Bravo! Deixe-ie V.
Excia. beijar-lhe a mao.
CLARA Por que ?
PEDRO ALVES Pela licgo que acaba
de dar ao Sr. Luiz de Mello.
CLARA Ah! por que o accusei de vi-
sionario? 0 nosso vizinho carece de quem
Ihe falle assim. Perder-se-ha se continuar
a viver no mundo abstract das suas theo-
rias platonicas.
PEDRO ALVES Ou por outra, e mais
positivamente, V. Excia. mostrou-lhe que
acabou o reinado das ballads e da pasma-
ceira, para dar logar ao imperio dos ho-
mens de juizo e dos espiritos solidos.
LTIZ V. Excia. toma ent~o o partido
que me 6 adverse?
CLARA Eu nIo tomo partido nenhum.
Luiz Entretanto, abriu brecha aos
assaltos do Sr. Pedro Alves, que se com-
praz em mostrar-se espirito solido e home
de juizo.






THEATRO


PEDRO ALVES E de muito juizo. Pen-
sa que eu adopto o seu system de phanta-
sia, e por assim dizer, de choradeira? Na-
da. o meu system 6 absolutamente oppos-
to; emprego os meios bruscos por serem os
que estio de accord cor o verdadeiro sen-
timento. Os da minha tempera sao assim.
LuIz E o caso 6 que sao felizes.
PEDRO ALVES Muito felizes. Temos
boas armas e manejamol-as bem. Chame a
isso toleima e presumpgio, pouco nos im-
porta; 6 precise que os vencidos tenham um
desafogo.
CLARA (a Luiz de Mello) 0 que diz
a isto?
LUIz Digo que estou muito f6ra do
meu seculo. O que fazer contra adversa-
rios que se contain em grande numero, nu-
mero infinito, a admittir a versao dos livros
santos?
CLARA Mas, realmente, nao vejo que
pudesse responder com vantage.
LuIz E V. Excia. sancciona a theo-
ria contraria?
CLARA A castellan nio sancciona,
anima os lidadores.
Lmz Animaio negative para mim.
V. Excia. d--me licena? ?






DESENCANTOS


CLARA Onde vae ?
Lu.z Tenho uma pess6a que me es-
pera em casa. V. Excia. janta is seis, o
mcu relogio marca cinco. Da-me este pri-
meiro quarto de hora
CLARA Corn pesar, mas ndo quero
tolhel-o. Ndo falte.
LuIz Volto ja.




SCENA VI

CLARA, PEDRO ALVES

PEDRO ALVES Estou contentissimo.
CLARA Por que?
PEDRO ALVES Porque Ihe demos uma
liccao.
CLARA Ora, nao seja mao!
PEDRO ALVES Mao! Eu sou bom atW
de mais. Nio ve como elle me provoca a
cada instant?
CLARA Mas, quer que Ihe diga uma
cousa? B precise acabar com essas provo-
cacoes continues.






THEATRE


PEDRO ALVES Pela minha parte, na-
da ha; sabe que sou sempre procurado na
minha gruta. Ora, n5o se toca impune-
mente no leao...
CLARA Pois seja leao at6 a ultima,
seja magnanimo.
PEDRO ALVES Leho apaixonado e
magnanimo ? Se fosse por mim s6, nao du-
vidaria perdoar. Mas deante de V. Excia.,
por quem tenho presa a alma, 6 virtude su-
perior As minhas forgas. E, entretanto, V.
Excia. obstina-se em achar-lhe razio.
CLARA Nem sempre.
PEDRO ALVES Mas vejamos, ndo e
exigencia minha, mas eu desejo, imploro
uma decisdo definitive da minha sorte.
Quando se ama como eu amo, todo o pallia-
tivo 6 uma tortura que se nao p6de soffrer!
CLARA Corn que fogo se exprime!
Que ardor, que enthusiasm!
PEDRO ALVES ]E sempre assim. Zom-
beteira!
CLARA Mas o que quer entio ?
PEDRO ALVES Franqueza.
CLARA Mesmo contra os seus inte-
resses?
PEDRO ALVES Mesmo... contra tudo.






DESENCANTOS


CLARA Reflicta: prefer A dubiedade
da situagdo, uma declaraqco franca que Ihe
vd destruir as suas mais queridas illus6es?
PEDRO ALVES Prefiro isso a n5o sa-
ber se sou amado ou nio.
CLARA Admiro a sua forca d'alma.
PEDRO ALVES Eu sou o primeiro a
admirar-me.
CLARA Desesperou alguma vez da
sorte?
PEDRO ALVES Nunca.
CLARA Pois continue a confiar n'ella.
PEDRO ALVES At6 quando ?
CLARA At6 um dia.
PEDRO ALVES Que nunca ha de che-
gar.
CLARA Que esta... muito breve.
PEDRO ALVES Oh! meu Deus!
CLARA Admirou-se?
PEDRO ALVES Assusto-me cor a idea
da felicidade. Deixe-me beijar a sua mio?
CLARA A minha mdo vale bem dous
mezes de espera e receio; nho vale?
PEDRO ALVES (enfiando) Vale.
CLARA (sem reparar) P6de beijal-a!
So penhor dos esponsaes.







THEATRE


PEDRO ALVES (comsigo) Fui lounge
de mais! (Alto, beijando a nmao de Clara).
Este e o mais bello dia de minha vida!



SCENA VII

CLARA, PEDRO ALVES, LUIZ

Luiz (entrando) Ah!...
PEDRO ALVES Chegou a proposito.
CLARA Dou-lhe parte do meu casa-
mento cor o Sr. Pedro Alves.
PEDRO ALVES 0 mais breve possivel.
LuIz Os meus parabens a ambos.
CLARA A resoluqgo foi um pouco su-
bita, mas nem por isso deixa de ser reflec-
tida.
LuIZ Subita, de certo, porque eu ndo
contava cor uma semelhante declara do
n'este moment. Quando sdo os desposo-
rios?
CLARA Pelos fins do verdo, nao, meu
amigo?
PEDRO ALVES (com importancia) -
Sim, pelos fins do verao.
CLARA Faz-nos a honra de ser uma
das testemunhas ?






DESENCANTOS


PEDRO ALVES Oh! isso e de mais.
Luiz Desculpe-me, mas eu nio pos-
so. You fazer uma viagem.
CLARA At6 onde ?
Luiz Pretendo abjurar em qualquer
cidade mourisca e fazer depois a peregrina-
cao da Mecca. Preenchido este dever de um
bom mahometano, irei entire as tribus do
desert procurar a excepqgo que nio encon-
trei ainda no nosso clima christfo.
CLARA Tdo lounge, meu Deus! Pa-
rece-me que trabalhara debalde.
LuIz Vou tentar.
PEDRO ALVES Mas tenta um sacri-
ficio.
LuIz Nao faz mal.
PEDRO ALVES (a Clara, baixo) Esta
doudo!
CLARA Mas vira despedir-se de n6s ?
Luiz Sem duvida. (Baixo a Pedro
Alves) Curvo-me ao vencedor, mas conso-
la-me a id6a de que, contra as suas previ-
s6es, paga as despezas da guerra. (Alto) V.
Excia. da-me licenqa.
CLARA Onde vae ?
Luiz Retiro-me para casa.
SCLARA Nao fica para jantar ?






'52 THEATRE

L-Iz Vou apromptar a minha ba-
gagem.
CLARA Leva a lembranca dos ami-
gos no fundo das malas, no ?
Luiz Sim, minha senhora, ao lado
de alguns volumes de Alphonse Karr.









SEGUNDA PART


NA CORTE
Uma sala em casa de Pedro Alves


SCENA I

CLARA, PEDRO ALVES

PEDRO ALVES Ora, nio convem por
modo algum que a mulher de um deputado
ministerialista va 6 par.tida de um membro
da opposiqgo. Em rigor, nada ha de admi-
rar n'isso. Mas o que nIo dira a imprensa
governista! 0 que nho dirdo os meus col-
legas da maioria! EstA lendo?
CLARA Estou folheando este album.
PEDRO ALVES N'esse caso, repito-lhe
que nao convem...
CLARA Nao precisa, ouvi tudo.
PEDRO ALVES (levantando-se) Pois
ahi estd; fique com a minha opinion.
CLARA Prefiro a minha.
PEDRO ALVES Prefere...


L






THEATRE


CLARA Prefiro ir a partida do mem-
bro da opposicgo.
PEDRO ALVES Isso nao 6 possivel.
Opponho-me cor todas as forgas.
CLARA Ora, veja o que 6 o habito do
parlamento! OppSe-se a mim, ,como se eu
fosse um adversario politico. Veja que nao
esta na camera, e que eu sou mulher.
PEDRO ALVES Mesmo por isso. Deve
comprehender os meus interesses e nao que-
rer que seja alvo dos tiros dos maldizentes.
JA ndo Ihe fallo nos direitos que me estdo
confiados como marido...
CLARA Se 6 tio aborrecido na cama-
ra como 6 c6 em casa, tenho pena do minis-
terio e da maioria.
PEDRO ALVES Clara!
CLARA De que direitos me falla ? Con-
cedo-lhe todos quantos queira, menos o de
me aborrecer; e privar-me de ir a esta par-
tida, 6 aborrecer-me.
PEDRO ALVES Fallemos como amigos.
Dizendo que desistas do teu intent, tenho
dous motives: um politico e outro conjugal.
JA te fallei do primeiro.
CLARA Vamos ao segundo.






DESENCANTOS


PEDRO ALVES O segundo 6 este. As
nossas primeiras vinte e quatro horas de ca-
samento, passaram para mim rapidas como
um relampago. Sabes por que? Por que
a nossa lua de mel ndo durou mais do que
esse espaco. Suppuz que, unindo-te a mim,
deixasses um pouco a vida dos passeios, dos
theatres, dos bailes. Enganei-me; nada
mudaste em teus habitos; eu posso dizer
que nao me casei para mim. Fui forqado
a acompanhar-te por toda a parte, ainda
que isso me custasse grande aborrecimento.
CLARA E depois?
PEDRO ALVES Depois, 6 que esperan-
do ver-te can(ada d'essa vida, reparo corn
pesar que continues na mesma e muito lon-
ge ainda de a deixar.
CLARA Conclusao: devo romper com
a sociedade e voltar a alongar as suas vinte
e quatro horas de lua de mel, vivendo bea-
tificamente ao lado um do outro, debaixo do
tecto conjugal...
PEDRO ALVES Como dous pombos.
CLARA Como dous pombos ridiculous!
Gosto de ouvil-o cor essas recriminaqSes.
Quem o attender. supple que se casou com-
migo pelos impulses do coragio. A verda-
de e que me esposou por vaidade, e que quer






THEATRE


continuar essa lua de mel, nio por amor,
mas pelo susto natural de um proprietario
que receia perder um cabedal precioso.
PEDRO ALVES Oh!
CLARA Nao serei um cabedal pre-
cioso ?
PEDRO ALVES Nao digo isso. Pro-
testo, sim, contra as tuas conclusoes.
CLARA O protest e outro habito do
parlamento! Exemplo 6s mulheres futuras
do quanto, no mesmo home, fica o marido
supplantado pelo deputado.
PEDRO ALVES Est6 bom, Clara, con-
cedo-te tudo.
CLARA (levantando-se) Ah! vou fa-
zer cantar o triumph!
PEDRO ALVES Continua a divertir-te
como fSr de ten gosto.
CLARA Obrigada!
PEDRO ALVES Nio se dird que te con-
trariei nunca.
CLARA A historic ha de fazer-te jus-
tiga.
PEDRO ALVEs Acabemos corn isto.
Estas pequenas rixas azedam-me o espirito,
e nao lucramos nada cor ellas.







DESENCANTOS


CLARA Acho que sim. Deixe de ser
ridicule, que eu continuarei nas mais hene-
volas disposig6es. Para comegar, nao you
A partida da minha amiga Carlota. Estt
satisfeito ?
PEDRO ALVES Estou.
CLARA Bern. Nao se esquega de ir
buscar minha filha. P tempo de apresen-
tal-a 6 sociedade. A pobre Clarinha deve
star bem desconsolada. Esta moga e ain-
da no collegio: Ter sido um descuido nosso.
PEDRO ALVES Irei buscal-a amanhan.
CLARA Pois bem. (Sahe).




SCENA II

PEDRO ALVES E UM CREADO

PEDRO ALVES Safal que magadal
O CREADO Esta ahi uma pessoa que
Ihe quer fallar.
PEDRO ALVES Faze-a entrar.






THEATRE


SCENA III

PEDRO ALVES, LUIZ DE MELLO

PEDRO ALVES Que vejo!
LuIz Luiz de Mello, lembra-se ?
PEDRO ALVES Muito. Venha -um
abrago! Entio como est ? quando chegou
LuIZ Pelo ultimo paquete.
PEDRO ALVES Ah! nio li nos jor-
naes...
Luiz 0 meu nome 6 tAo vulgar que
facilmente se confunde cor os outros.
PEDRO ALVES Confesso que s6 agora
sei que esti no Rio de Janeiro. Sentemo-
nos. Entao andou muito pela Europa ?
LuIZ Pela Europa quasi nada; a
maior parte do tempo gastei em atravessar
o Oriente.
PEDRO ALVES Sempre realizou a sua
idea ?
Luiz 35 verdade, vi tudo o que a mi-
nha fortune podia offerecer aos meus ins-
tinctos artisticos.
PEDRO ALVES Que de impresses ha-
via de ter! muito turco, muito arabe, muita







DESENCANTOS


mulher bonita, nho? Diga-me uma cousa,
ha tambem ciumes por 167
Luiz Ha.
PEDRO ALVES Contar-me-ha a sua
viagem por extenso.
Luiz Sim, cor mais descanco. Es-
t6 de saude a Sra. D. Clara Alves?
PEDRO ALVES De perfeita saude. Te-
nho muito que Ihe dizer respeito ao que se
passou depois que se foi embora.
LuIZ Ah!
PEDRO ALVES Passei estes cinco an-
nos no meio da mais complete felicidade.
Ninguem melhor saboreou as delicias do ca-
samento. A nossa vida conjugal p6de-se
dizer que e um ceo sem nuvens. Ambos so-
mos felizes, e ambos nos desvelamos por
agradar um ao outro.
LuIz- R uma lua de mel sem occaso.
PEDRO ALVES E lua cheia.
LmIZ Tanto melhor! Folgo de vel-os
felizes. A felicidade na familiar 6 uma co-
pia, ainda que pallida, da bemaventuranca
celeste. Pelo contrario, os tormentos do-
mesticos representam na terra o purgatorio.
PEDRO ALVES Apoiado!







THEATRE


LuIz Por isso estimo que acertasse
com a primeira.
PEDRO ALVES Acertei. Ora, do que
eu me admiro nio 6 do acerto, mas do modo
por que de prompto me habituei vida con-
jugal. Parece-me incrivel. Quando me
lembro da minha vida de solteiro, vida de
borboleta, agil e incapaz de pousar defini-
tivamente sobre uma fl6r...
LUIz A cousa explica-se. Tal seria
o modo por que o enredaram e pregaram
cor o competent alfinete no fundo d'esse
quadro chamado lar domestic!
PEDRO ALVES Sim, creio que 6 isso.
Luiz De maneira que hoje 6 pelo ca-
samento ?
PEDRO ALVES De todo o corag~o.
LuIz Estd feito, perdeu-se um fol-
gazho, mas ganhou-se um home de bem.
PEDRO ALVES Ande 1i. Aposto que
tambem ter vontade de romper a cadeia do
passado ?
LuIz Nao sera difficil.
PEDRO ALVES Pois 6 o que deve fazer.
LuIz Veja o que 6 o egoismo huma-
no. Como renegou da vida de solteiro, quer
que todos professem a religion do matri-
monio.






DESENCANTOS


PEDRO ALVES Excusa moralizar.
Luiz 15 verdade que 6 uma religiio
tdo doce!
PEDRO ALVES Ah!... Sabe que es-
tou deputado?
Luiz Sei e dou-lhe os meus parabens.
PEDRO ALVES Alcancei um diploma
na ultima eleigdo. Na minha edade ainda
6 tempo de comegar a vida political, e nas
circumnstancias eu nao tinha outra a seguir
mais apropriada. Fugindo is antigas par-
cialidades political, defend os interesses
do district que represent, e como o go-
verno mostra zelar esses interesses, sou pelo
governor.
Luiz E logico.
PEDRO ALVES Gragas a esta posiqdo
independent, constitui-me um dos chefes
da maioria da camera.
LuIz Ah! ah!
PEDRO ALVES Acha que vou depres-
sa? Os meus talents politicos dao raz5o da
celeridade da minha carreira. Se eu fosse
uma nullidade, nem alcanqaria um diploma.
Nfo acha?
Luiz Ter razao.
PEDRO ALVEs Por que ndo tenta a
political ?






THEATRE


LuIz Porque a political 6 uma voca-
qio, e quando nio 6 vocaqho 6 uma espe-
culagdo. Acontece muitas vezes qUie, depois
de ensaiar diversos caminhos para chegar
ao future, depara-se finalmente com o da
political para o qual convergem as aspira-
g6es intimas. Commigo ndo sew d. isso.
Quando mesmo o encontrasse juncado de
flares, passaria por elle para tomar outro
mais modesto. Do contrario, seria fazer
political de especulaqgo.
PEDRO ALVES Pensa bem.
LUIz Prefiro a obscuridade ao re-
morso que me ficaria de representar um
papel ridicule.
PEDRO ALVES Gosto de ouvir fallar
assim. Pelo menos 6 franco e vae logo dan-
do o nome As cousas. Ora, depois de uma
ausencia de cinco annos parece que ha von-
tade de passar algumas horas juntos, nio?
Pique para jantar comnosco.
LTUI Pico, mas vou antes deixar um
cartdo de visit i casa do seu vizinho com-
mendador. JA volto.






DESENCANTOS


SCENA IV

CLARA, PEDRO ALVES, LUIZ

PEDRO ALVES Clara, aqui esta um
velho amigo que nio vemos ha cinco annos.
CLARA Ah o Sr. Luiz de Mello!
Luiz Em pess6a, minha senhora.
CLARA Seja muito bem vindo! Cau-
sa-me uma surpreza agradavel.
Luiz V. Excia. honra-me.
CLARA Venha sentar-se. 0 que nos
conta ?
Luiz (conduzindo-a para urma cadeira)
- Para contar tudo fora precise um tempo
interminavel.
CLARA Cinco annos de viagem!
Luiz Vi tudo quanto se p6de ver
n'esse prazo. Deante de V. Excia. estA um
home que acampou ao p6 das pyramides.
CLARA Oh!
PEDRO ALVES Veja isto!
CLARA Contemplado pelos quarenta
seculos!






THEATRO


PEDRO ALVEs E n6s que o faziamos
a passear pelas capitaes da Europa.
CLARA 35 verdade, nio suppunhamos
outra cousa.
Luiz Fui comer o pho da vida er-
rante dos meus camaradas arabes. Boa
gente! P6dem crer que deixei saudades de
mim.
CLARA Admira que entrasse no Rio
de Janeiro corn esse lugubre vestuario da
nossa prosaica civilizagao. Devia trazer
calga larga, alfange e burnou. Nem ao me-
nos burnou! Aposto que foi Kadi .
Lvuz Ndo, minha senhora; s6 os fi-
Ihos de Islam tnm direito a esse cargo.
CLARA Esta feito. Vejo que sacri-
ficou cinco annos, mas salvou a sua cons-
ciencia religiosa.
PEDRO ALVES Teve saudades de ca?
Lviz A noite, na hora de repouso,
lembrava-me dos amigos que deixara, e d'es-
ta terra onde vi a luz. Lembrava-me do
Club, do Theatro Lyrico, de Petropolis e de
todas as nossas distracqges. Mas vinha o
dia, voltava-me eu a vida active, e tudo des-
vanecia-se como um sonho amaro.
PEDRO ALVES Bemn he disse eu que
nio fosse.






DESENCANTOS


LuIz Por que? Foi a id6a mais feiiz
da minha vida.
CLARA Faz-me lembrar o just de
que falla o poeta de Algiato, que entire ro-
das de navalhas diz estar em um leito de
rosas.
LUIz Sdo versos lindissimos, mas
sem applicacgo ao caso actual. A minha
viagem foi uma viagem de artist e n~o de
peralvilho; observe con os olhos do espiri-
to e da intelligencia. Tanto basta para que
fosse uma excursio de rosas.
CLARA Vale entdo a pena perder cin-
co annos ?
LuIz Vale.
PEDRO ALVES Se nao fosse o meu
district sempre quizera ir ver essas cousas
de perto.
CLARA Mas que sacrificio! Como 6
possivel trocar os conchegos do repouso e
da quietagio pelas aventuras de tdo penosa
viagem?
LUIz Se as cousas boas nYo se alcan-
cassem a custa de um sacrificio, onde esta-
ria o valor d'ellas? 0 fructo maduro ao
alcance da mso do bemaventurado a quem-
as huris emballam, s6 existe no paraiso de
Mahomet.






THEATRE


CLARA V4-se que chega de tratar cor
arabes ?
Luiz Pela comparaio I Dou-lhe
outra mais orthodox: o fructo provado por
Eva custou-lhe o sacrificio do paraiso ter-
restre.
CLARA Emfim, ajunte exemplo sobre
exemplo, citacio sobre citacio, e ainda as-
sim nao me fara sahir dos meus commodos.
Luiz O primeiro pass 4 difficil.
Dado elle, apodera-se da gente um furor de
viajar, que eu chamarei febre de locomocio.
CLARA Que se apaga pela saciedade?
LuIZ Pelo canuaco. E foi o que me
aconteceu: parei de caneado. Volto a re-
pousar corn as recordag6es colhidas no es-
pago de cinco annos.
CLARA Tanto melhor para n6s.
Luiz V. Excia. honra-me.
CLARA Ja ndao ha medo de que o pas-
saro abra de novo as azas.
PEDRO ALVES Quem sabe?
LvIz Ter razio; dou por findo o
meu capitulo de viagem.
PEDRO ALVES O peior 4 ndo querer
abrir agora o da political. A proposito: sdo
horas de ir para a camera; ha hoje uma vo-
tacgo a que nao posso faltar.






DESENCANTOS


Lumz Eu vou fazer uma visit na vi-
zinhanqa.
PEDRO ALVES A casa do commenda-
dor, nio 6 ? Clara, o Sr. Luiz de Mello faz-
nos a honra de jantar comnosco.
CLARA Ah! quer ser completamente
amavel.
Luiz V. Excia. honra-me sobre ma-
neira... (a Clara) Minha senhora! (a
Pedro Alves) At6 logo, meu amigol



SCENA V

CLARA, PEDRO ALVES

PEDRO ALVES Ouviu como esta con-
tente Reconheqo que nao ha nada para
curar uma paixdo do que seja uma viagem.
CLARA Ainda se lembra d'isso
PEDRO ALVES Se me lembro!
CLARA E teria elle paixao 7
PEDRO ALVES Teve. Posso afiancar
que a participaio do nosso casamento cau-
sou-lhe a maior dor d'este mundo.
CLARA Acha ?







THEATRE


PEDRO ALVES ] que o gracejo era
pesado de mais.
CLARA Se assim 6, mostrou-se gene-
roso, porque mal chegou, j6 nos veiu visitar.
PEDRO ALVES Tambem 6 verdade.
Fico conhecendo que as viagens sao um ex-
cellente remedio para curar paixoes.
CLARA Tenha cuidado.
PEDRO ALVES Em que ?
CLARA Em nio soltar alguma pala-
vra a esse respeito.
PEDRO ALVES Descance, porque eu,
al6m de comprehender as conveniencias,
sympathize corn este moqo e agradam-me as
suas maneiras. Creio que nao ha crime
n'isto, pelo que se passou ha cinco annos.
CLARA Ora, crime!
PEDRO ALVES Demais, elle mostrou-
se hoje tro content comn o nosso casamento,
que parece completamente extranho a elle.
CLARA Pois nao ve que e um cava-
Iheiro perfeito? Obrar de outro modo se-
ria cobrir-se de ridicule.
PEDRO ALVES Ber, so onze horas,
vou para a camera.
CLARA (da porta) Volta cedo ?







DESENCANTOS


PEDRO ALVES Mal acabar a sessAo.
O meu chapeo? Ah! (vae buscal-o a una
meza. Clara sahe). Vamos 16 corn esta fa-
mosa votaCgo.




SCENA VI

LUIZ, PEDRO ALVES

PEDRO ALVES Oh!
LUiz 0 commendador nAo estava em
casa, lI deixei o meu cartio de visit. Aon-
de vae ?
PEDRO ALVES A camera.
Luiz Ah!
PEDRO ALVES Venha commigo.
Luiz Nio se p6de demorar alguns
minutes?
PEDRO ALVES Posso.
LuIz Pois conversemos.
PEDRO ALVES Dou-lhe meia hora.
LUIz Demais o seu boleeiro dorme
tio a somno solto que 6 uma pena accordal-o.
PEDRO ALVES O tratante nio faz ou-
tra cousa.







THEATRE


LUIz O que Ihe vou communicar 6
grave e important.
PEDRO ALVES N me assuste.
Luiz Nao ha de que. OuCa, porem.
Chegado ha trez dias, tive eu tempo de ir
hontem mesmo a um baile. Estava cor sn -
de de voltar A vida active em que me edu-
quei, e ndo perdi a opportunidade.
PEDRO ALVES Comprehendo a soffre-
guidao.
LuIz O baile foi na casa do collegio
da sua enteada.
PEDRO ALVES Minha mulher nio foi
por causa de um leve incommodo. Dizem
que esteve uma bonita funcgdo.
Luiz -- ] verdade.
PEDRO ALVES Nao achou a Clarinha
uma bonita moca?
LuIz Se a achei bonita ? Tanto que
venho pedil-a em casamento.
PEDRO ALVES Oh!
LuIz De que se admira? Acha ex-
traordinario ?
PEDRO ALVES Nao, pelo contrario,
acho natural.
LuZz Fago-lhe o pedido com fran-
queza; pego-lhe que respond corn egual
franqueza.







DESENCANTOS


PEDRO ALVES Oh! da minha part
a resposta e toda affirmative.
Lmz Posso contar cor egual res-
posta da outra parte?
PEDRO ALVES Se houver duvida, aqui
estou eu para pleitear a sua causa.
Luiz Tanto melhor.
PEDRO ALVES Tencionavamos tra-
zel-a amanhan para casa.
Luiz Gracas a Deus! Cheguei a
tempo.
PEDRO ALVES Cor franqueza, causa-
me cor isso um grande prazer.
Luz Sim?
PEDRO ALVES Confirmaremos pelos
lacos de parentesco os vinculos da sympa-
thia.
Lmz Obrigado. O casamento 4 con-
tagioso, e a felicidade alheia 6 um estimulo.
Quando hontem sahi do bailey trouxe o cora-
dao acceso. mas nada tinha ainda assentado
de definitive. Por4m tanto Ihe ouvi fallar
de sua felicidade que nao pude deixar de pe-
dir-lhe me auxilie no intent de ser tambem
feliz.
PED-O ALVES Bem Ihe dizia eu ha
pouco que havia de me acompanhar os
passes.







TIEATRO


LuIz Achei essa moca, que apenas
sahe da infancia, tao simples e tao candida,
que ndo pude deixar de olhal-a cor o genio
bemfazejo da minha sorte future. Ndo sei
se ao meu pedido corresponderd a vontade
d'ella, mas resigno-me as consequencias.
PEDRO ALVES Tudo sera feito a seu
favor.
LuIz Eu mesmo irei pedil-a a Sra.
Clara. Se por ventura encontrar opposi-
gao; peqo-lhe entio que interceda por mim.
PEDRO ALVES Fica entendido.
Luiz Hoje, que volto ao repouso,
creio que me farA bem a vida pacifica, no
meio dos afagos de uma esposa terna e bo-
nita. Para que o passaro ndo torne a abrir
as azas, 6 precise dar-lhe gaiola e uma linda
gaiola.
PEDRO ALVES Bern; eu vou para a
camera, e volto apenas acabada a votagqo.
Fique aqui e exponha a sua causa a minha
mulher que o ouvird corn benevolencia.
Lviz DA-me esperancas?
PEDRO ALVES Todas. Seja firm e
instance.







DESENCANTOS


SCENA VII

CLARA, LUIZ

LuJI Parece-me que vou entrar cm
uma batalha.
CLARA Ah! nho esperava encontral-o.
Luiz Estive cor o Sr. Pedro Alves.
N'este moment foi elle para a camera. Ou-
Ca: la partiu o carro.
CLARA Conversaram muito 9
Luiz Alguma cousa, minha senhora.
CLARA Como bons amigos ?
LvIZ Como excellentes amigos.
CLARA Contou-1he a sua viagem ?
Luiz Ja tive a honra de dizer a Vossa
Excia. que a minha viagem pede muito tem-
po para ser narrada.
CLARA Escreva-a entio. Ha muito
episodio ?
Luiz Episodios de viagem, tio so-
mente, mas que trazem sempre a sua novi-
dade.
CLARA O seu escripto brilhard pela
imaginagao, pelos bellos achados da sua
phantasia.






THEATRE


Lmiz I o meu peccado original.
CLARA Peccado ?
Lviz A imaginaqco.
CLATA Nao vejo peccado n'isso.
Luiz A phantasia 6 um vidro de cor,
um oculo brilhante, por6m, mentiroso...
CLARA Nao me lembra de Ihe ter dic-
to isso.
LuIZ Tambem eu nao digo que Vossa
Excia. m'o tenha dicto.
CLARA Faz mal em vir do desert,
s6 para recorder algumas palavras que me
escaparam ha cinco annos.
Luiz Repeti-as como de auctoridade.
Nao eram a sua opinifo ?
CLARA Se quer que Ihe minta, res-
pondo affirmativamente.
LvIz Entio deveras vale alguma cou-
sa elevar-se acima dos espiritos vulgares, e
ver a realidade das cousas pela porta da
imaginacgo ?
CLARA -, Se vale! A vida fora bem
prosaica se Ihe nho emprestassemos c6res
nossas e nao a vestissemos a nossa maneira.
LuiZ Perdho, mas...






DESENCANTOS


CLARA P6de averbar-me de suspeita,
est& no seu direito. N6s outras, as mulhe-
res, somos as filhas da phantasia; 6 preciso
levar em conta que eu fallo em defeza da
mae commum.
Luiz Esta-me fazendo crer em mi-
lagres.
CLARA Onde ve o milagre ?
Luiz Na conversio de V. Excia.
CLARA Ndo cre que eu esteja fallan-
do a verdade?
LUIz Creio que 6 tdo verdadeira ho-
je, como foi ha cinco annos, e 6 n'isso que
estd o milagre da conversio.
CLARA Pois sera conversdo. Nio
tem mais que bater palmas pela ovelha re-
belde que volta ao aprisco. Os homes to-
maram tudo e mal deixaram as mulheres as
regimes do ideal. As mulheres ganharam.
Para a maior parte o ideal da felicidade e
a vida placida, no meio das flares, ao p6 de
um coraqdo que palpita. Ellas sonham cor
o perfume das flSres, com as escumas do
mar, com os raios da lua e todo o material
da poesia modern. So almas delicadas,
mal comprehendidas e muito calumniadas.
Lutz Nao defend com tanto ardor
o seu sexo, minha senhora. ] de uma alma
generosa, mas nio de um genio observador.






THEATRE


CLARA Anda assimr mal corn elle ?
LuIz Mal por que?
CLARA Eu seil
LUIz Apprendi a respeital-o, e quan-
do assim nio fosse, sei perdoar.
CLARA Perdoar, como os reis, as of-
fensas por outrem recebidas.
LvIz Nao, perdoar as proprias.
CLARA Ah! foi victim! Tinha von-
tade de conhecer o seu algoz. Como se
chama ?
Lurz Nao costume a conservar takes
nomes.
CLARA Reparo uma cousa.
LuIZ O que ?
CLAPRA ] que em vez de voltar mou-
ro, voltou profundamente christdo.
LuIz Voltei como fui: fui home e
voltei home.
CLARA Chama ser home o ser
cruel?
LuIz Cruel em que ?
CLARA Cruel, cruel como todos sho!
A generosidade humana nao para no per-
ddo das culpas, vae at6 o conforto do cul-
pado. N'esta parte nao vejo os homes de
accord corn o evangelho.






DESENCANTOS


LUIz E que os homnens, que inventa-
ram a expiaqco legal, consagram tambem
uma expiacio moral. Quando esta ndo se
d6, o perdio ndo 6 um ever, por6m, uma
esmola que se faz a consciencia culpada, e
tanto basta para o desempenho da caridade
christan.
CLARA O que 6 essa expiaqgo moral?
LuIz E o remorso.
CLARA Conhece tabellides que pas-
sam certificados de remorso? ] uma ex-
piacio que p6de nio ser acreditada e exis-
tir entretanto.
LTuIz R verdade. Mas para os ca-
sos moraes ha provas moraes.
CLARA Adquiriu essa rigidez no tra-
to com os arabes?
LuIz Valia a pena ir tdo long para
adquiril-a, nio acha?
CLARA Valia.
L-Iz Posso elevar-me assim at6 ser
um espirito solido.
CLARA Espirito solido? Nio ha
d'essa gente por onde andou ?
LuIz No Oriente tudo 6 poeta, e os
poetas dispensam bem a gloria de espiritos
solidos.






THEATRE


CLAzA Predomina lI a imaginaAo,
ni"o e?
Luiz Com toda a forga do verbo.
CLARA Faz-me crer que encontrou a
suspirada excepcgo que... lembra-se?
Luiz Encontrei, mas deixei-a passar.
CLARA Oh!
LUIZ Escrupulo religioso, orgulho
national, que sei eu?
CLARA Cinco annos perdidos!
Luiz Cinco annos ganhos. Gastei-os
a passear, emquanto a minha violeta se edu-
cava ca n'um jardim.
CLARA Ah!... viva entdo o nosso
clima l
LuIz Depois de longos dias de soli-
dio, ha necessidade de quem nos venha fa-
zer companhia, compartir as nossas alegrias
e maguas, e arrancar o primeiro cabello que
nos alvejar.
CLARA Ha.
LTTIZ Nho acha ?
CLARA Mas quando, pensando encon-
trar a companhia desejada, encontra-se o
aborrecimento e a insipidez encarnadas no
object da nossa escolha?






DESENCANTOS


Lumz Nem sempre e assim.
CLARA As mais das vezes 6. Tenha
cuidado.
Luiz Oh! por esse lado, estou livre
de errar.
CLARA Mas onde esti essa fl6r?
LuIZ Quer saber?
CLARA Quero, e tambem o seu nome.
LuIz O seu nome 6 lindissimo. Cha-
ma-se Clara.
CLARA Obrigada! E eu conhego-a ?
Luiz Tanto como a si propria.
CLARA Sou sua amiga?
LuIz Tanto como o e de si.
CLARA Nio sei quem seja.
LuIz Deixemos os terrenos das allu-
soes vagas; 6 melhor fallar francamente.
Venho pedir-lhe a mdo de sua filha.
CLARA De Clara!
Luiz Sim, minha senhora. Vi-a ha
dous dias; esta bella como a adolescencia em
que entrou. Revela uma expressed de can-
dura tAo angelica que ndo p6de deixar de
agradar a um home de imaginacio, como
eu. Tem alem d'isso uma vantage: nao
entrou ainda no mundo, esta pura de todo






THEATRE


contact social; para ella os homes estdo
na mesma plana e o seu espirito ainda nao
p6de fazer distincgio entire o espirito solido
e o home do ideal. E-lhe facil acceitar
um ou outro.
CLARA Corn effeito, 4 uma surpreza
corn que eu menos contava.
LuIz Posso considerar-me feliz ?
CLARA Eu sei! Por mim decide, mas
eu nio sou a cabega do casal.
Luiz Pedro Alves j6 me deu seu con-
sentimento.
CLARA Ah!
Luiz Versou sobre isso a nossa con-
versa.
CLARA Nunca pensei que chegasse-
mos a esta situacao.
Lvuz Fallo como um parent. Se
V. Excia. nho teve bastante espirito para ser
minha esposa, deve tel-o, pelo menos, para
ser minha sogra.
CLARA Ah !
LuIz Que quer? todos temos um dia
de desencantos. 0 meu foi ha cinco annos,
hoje o desencantado nao sou eu.






DESENCANTOS


SCENA VIII

LUIZ, PEDRO ALVES, CLARA

PEDRO ALVES Ndo houve sessdo; a
minoria fez gazeta. (A Luiz) Entioo?
LuIz Tenho o consentimento de am-
bos.
PEDRO ALVES Clara ndo podia dei-
xar de attender ao seu pedido.
CLARA Pego-lhe que faga a felicidade
d'ella.
LUIz Consagrarei n'isso minha vida.
PEDRO ALVES Por mim, hei de scm-
pre ver se posso resolvel-o a acceitar um
district nas proximas eleiq6es.
LuIz Nio sera melhor ver primeiro
se o district me acceitarA















0 caminho da porta
COMEDIA EM UM ACTO


'Representada pela primeira vez no Athe-
neu Dramatico em septembro de 1862. -

























PERSONAGENS

Dr. Cornelio SR. CARDOSO
Valentim .. SR. PIMENTEL
Innocenclo SR. MARTINS
Carlota .... SRA. D. MARIA FERNANDA

Actualidade













EM CASA DE CARLOTA


Sala elegant. Duas portas no fundo, portas lateraes, con-
solos, piano, divan, poltronas, cadeiras, meza, tapete, espelhos,
quadros; figures sobre os consolos; album, alguns livros, lapis,
etc., sobre a meza.


SCENA I

VALENTIM, assentado d E., 0 DOUTOR, entrando

VALENTIM Ah! es tu?
DOUTOR Oh! Hoje 6 o dia das sur-
prezas. Accordo, leio os jornaes e vejo an-
nunciado para hoje o Trovador. Primeira
surpreza. Lembro-me de passar por aqui
para saber se D. Carlota queria ir ouvir a
opera de Verdi, e vinha pensando na triste
figure que devia fazer em casa de uma moga
do tom, is 10 horas da manhan, quando te
encontro firme como uma sentinella no pos-
to. Duas surprezas.
VALENTIM A triste figure sou eu ?
DOUTOR Acertaste. Lucido como
uma sibylla. Fazes uma triste figure, nio
t'o devo occultar.






THEATRE


VALENTIM (ironico) Ah!
DOTTTOR Tens ar de nao dar credit
ao que digo! Pois olha, tens deante de ti
a verdade em pess6a, cor a different de
nao sahir de um poco, mas da cama e de vir
em traje menos primitive. Quanto ao es-
pelho, se o nio trago commigo, ha n'esta
sala um que nos serve cor a mesma since-
ridade. Mira-te alli. Estds ou n~o uma
triste figure?
VALENTIM Nao me aborrecas.
DOTTOR Confessas entfio?
VALENTIM ]s divertido como os teus
protests de virtuoso! Aposto que me que-
res fazer crer no desinteresse das tuas visi-
tas a D. Carlota?
DOCTOR Nio.
VALENTIM Ah!
DOUTOR Sou hoje mais assiduo do
que era ha um mez, e a razio 6 que ha um
mez que comegaste a fazer-lhe a corte.
VALENTIM Ja sei: nao me queres
perder de vista.
DOUTOR Presumido! Eu sou 16 ins-
pector d'essas cousas? Ou antes, sou; mas
o sentiment que me leva a estar present a
essa batalha pausada e paciente est6 muito
long do que pensas; estudo o amor.







0 CAMINHO DA PORTA


VALENTIM Somos entdo os teus com-
pendios ?
DOUTOR ]I Verdade.
VALENTIM E o que tens apprendido ?
DOUTOR Descobri que o amor 6 uma
pescaria...
VALENTIM Queres saber de uma cou-
sa? Estis prosaico como os teus libellos.
DOUTOR Descobri que o amor 6 uma
pescaria...
VALENTIM Vae-te cor os diabos!
DOUTOR Descobri que o amor 6 uma
pescaria. O pescador senta-se sobre um pe-
nedo, A beira do mar. Ter ao lado uma
cesta cor iscas; vae pondo uma por uma no
anzol e atira As aguas a perfida linha. As-
sim gasta horas e dias atW que o descuidado
filho das aguas agarra no anzol, ou nio
agarra e...
VALENTIM Es um tolo.
DOUTOR Nao contest; pelo interesse
que tomo por ti. Realmente d6e-me ver-te
ha tantos dias exposto ao sol, sobre o pene-
do, cor o canigo na mdo, a gastar as tuas
iscas e a tua saude, quero dizer a tua honra.
YALENTIM A minha honra ?
DOUTOR A tua honra, sim. Pois para
um home de senso e um tanto serio o ridi-
culo nao n uma deshonra ? Tu est6s ridi-






THEATRE


culo. Nio ha dia em que nao venhas gas-
tar trez, quatro, cinco horas a cercar esta
viuva de galanteios e atteng~es, acreditando
talvez ter adeantado muito, mas estando
ainda hoje como quando comecastes. Olha,
ha Penelopes da virtude e Penelopes do ga-
lanteio. Umas fazem e desmancham teias
por terem muito juizo; outras as fazem e
desmancham por ndo terem nenhum.
VALENTIM Naio deixas de ter uma
tal ou qual razao.
DOUTOR Ora, gragas a Deus!
VALENTIM Devo, por6m, prevenir-te
de uma cousa: 6 que ponho n'esta conquista
a minha honra. Jurei aos meus deuses ca-
sar-me corn ella e hei de manter o meu ju-
ramento.
DOUTOR Virtuoso Romano!
VALENTIM Faro o papel de Sisypho.
Rolo a minha pedra pela montanha; quasi
a chegar com ella ao cimo, uma mao invi-
sivel fal-a despenhar de novo, e alli volto a
repetir o mesmo trabalho. Se isto 6 um in-
fortunio, n~o deixa de ser uma virtude.
DOUTOR A virtude da paciencia. Em-
pregavas melhor essa virtude em fazer pa-
litos do que em fazer a roda a esta namo-
radeira. Sabes o que aconteceu aos compa-
nheiros de Ulysses passando pela ilha de







O CAMINHO DA PORTA 89

Cyrce Ficaram transformados em por-
cos. Melhor sorte teve Acteon que, por es-
preitar Diana no banho, passou de homenm
a veado. Prova evidence de que 6 melhor
pilhal-as no banho do que andar-lhes 6 roda
nos tapetes da sala.
VALENTIM Passas de prosaico a cy-
nico.
DOUTOR E uma modificag o. Tu es-
t6s sempre o mesmo: ridicule.




SCENA II

Os MESMOS, INNOCENCIO, trazido por urn
creado

INNOCENCIO Oh!
DOUTOR (baixo a Valentim) Chega
o teu competitor.
VALENTIM (baixo) Ndo me vexes.
INNOCENCIO Meus senhores! Ja por
c? Madrugaram hoje!
DOUTOR ]S verdade. E V. S. ?
INNOCENCIO Como est6 vendo. Le-
vanto-me sempre cor o sol.
DoulTO Se V. S. 6 outro.






THEATRE


INNOCENCIO (ndo comprehendendo) -
Outro que? Ah! outro sol! Este doutor
ter umas expresses tdo... f6ra do vulgar!
Ora veja, a mim ainda ninguem se lembrou
de dizer isto. Sr. Doutor, V. S. ha de tra-
tar de um negocio que trago pendente no
foro. Quem falla assim 6 capaz de seduzir
a propria lei!
DOUTOR Obrigado!
INNOCENCIO Onde esta a encantado-
ra D. Carlota? Trago-lhe este ramalhete
que eu proprio colhi e arranjei. Olhem co-
mo estas flares estfo bem combinadas: ro-
sas, paixdo; agucenas, candura. Que tal?
DOUTOR Engenhoso!
INNOCENCIO (dando-lhe o brago) -
Agora ouga, Sr. Doutor. Decorei umas
quatro palavras para dizer ao entregar-lhe
estas flares. Veja se condizem cor o as-
sumpto.
DOUTOR Sou todo ouvidos.
INNOCENCIO "Estas flares sho um
present que a primavera faz a sua irman
por intermedio do mais ardente admirador
de ambas". Que tal?
DOUTOR Sublime! (Innocencio ri-se
d socapa). Ndo 6 da mesma opinion?
INNOCENCIO Pudera nio ser sublime;
se eu proprio copiei isto de um Secretario
dos Amantes!






0 CAMINHO DA PORTA


DOCTOR Ah!
VALENTIM (baixo ao Doutor) Gabo-
te a paciencia!
DOUTOR (dando-lhe o braqo) Pois
que ter! z miraculosamente tolo. Ndo 6
da mesma especie que tu...
VALENTIM Cornelio!
DOUTOR DescanIa; 6 de outra muito
peior.




SCENA III

OS MESMOS, CARLOTA

CARLOTA Perddo, meus senhores, de
os haver feito esperar... (Distribue aper-
tos de mao).
VALENTIM N6s e que Ihe pedimos
desculpa de havermos madrugado d'este
modo...
DOUTOR A mim, traz-me um motivo
justificavel.
CARLOTA (rindo) Ver-me ? (Vae sen-
tar-se).
DOUTOR Nfio.






THEATRE


CARLOTA Ndo 6 um motive justifi-
cavel, esse ?
DOUTOR Sem duvida; incommodal-a
6 que o ndo 6. Ah! minha senhora, eu apre-
cio mais do que nenhum outro o despeito que
deve causar a uma moga uma interrupcao
no servigo da toilette. Creio que e cousa
tio s6ria como uma quebra de relaoSes di-
plomaticas.
CARLOTA O Sr. Doutor graceja e
exaggera. Mas qual e esse motivo que jus-
tifica a sua entrada em minha casa a esta
hora?
DOUTOR Venho receber as suas or-
dens acerca da representagio d'esta noite.
CARLOTA Que representaqod?
DOUTOR Canta-se o Trovador.
INNOCENCIO Bonita pega!
DOUTOR Ndo pensa que deve ir?
CARLOTA Sim, e agradego-lhe a sua
amavel lembranga. Ja sei que vem offere-
cer-me o seu camarote. Olhe, ha de des-
culpar-me este descuido, mas prometto que
vou quanto antes tomar uma assignatura.
INNOCENCIO (a Valentim) Ando des-
confiado do Doutor!
VALENTIM Por que?






0 CAMINHO DA PORTA


IN:NOCENCIO Veja cono ella o trata!
Mas eu vou desbancal-o cor a minha phra-
se do Secretario dos Amantes:.. (Indo a .
Carlota) Minha senhora, estas flSres sAo
um present que a primavera faz a sua ir-
man...
DOUTOR (completando a phrase) Por
intermedio do mais ardente admirador de
ambas.
INNOCENCIO Sr. Doutor!
CARLOTA 0 que 6 ?
INNOCENCIO (baixo) Isto nao se faz!
(A Carlota) Aqui ter, minha senhora...
CARLOTA Agradecida. Por que se
retirou hontem tAo cedo? N~o lh'o quiz
perguntar... de bocca; mas creio que o in-
terroguei com o olhar.
INNOCENCIO (no cumulo da satisfacQgo)
- De bocca?... Com o olhar?... Ah!
queira perdoar, minha senhora... mas um
motive imperioso...
DOUTOR Imperioso... ndo 6 delicado.
CARLOTA Nao exijo saber o motivo;
suppuz que se houvesse passado alguma
cousa que o desgostasse...
INNOCENCIO Qual, minha senhora; o
que se poderia passar? Nao estava eu de-






THEATRE


ante de V. Excia. para consolar-me cor seus
olhares de algum desgosto que houvesse ? E
nio houve nenhum.
CARLOTA (ergue-se e bate-lhe corn o le-
que no hombro) Lisongeiro!
DouTon (descendo entire ambos) V.
Excia. ha de desculpar-me se interrompo
uma especie de idyllio com uma cousa pro-
saica, ou antes corn outro idyllio, de outro
genero, um idyllio do estomago: o almogo...
CARLOTA Almoga comnosco
DOUTOR Oh I minha senhora, ndo se-
ria capaz de interrompel-a; peqo simples-
mente licenga para ir almogar cor um de-
sembargador da relagdo a quem tenho de
prestar umas informag6es.
CARLOTA Sinto que na minha perda
ganhe um desembargador; ndo sabe como
odeio a toda essa gente do foro; faro ape-
nas uma excepgao.
DOCTOR Sou eu.
CARLOTA (sorrindo) R verdade.
D'onde concluiu ?
DOUTOR Estou present!
CARLOTA Maldoso!
DOUTOR Fica, nao, Sr. Innocencio?






O CAMINHO DA PORTA


INNOCENCIO Vou. (Baixo ao Doutor)
Estalo de felicidade!
DOUTOR At6 logo!
INNOCENCIO Minha senhora!




SCENA IV

CARLOTA, VALENTIM

CARLOTA Ficou?
VALENTIM (indo buscar o chapeo) -
Se a incommodo...
CARLOTA Ndo. Da-me prazer ate.
Ora, por que ha de ser tdo susceptivel a
respeito de tudo o que Ihe digo ?
VALENTIM E muita bondade. Como
nao quer que seja susceptivel? S6 depois
de estarmos a s6s 6 que V. Excia. se lembra
de mim. Para um velho gaiteiro acha V.
Excia. palavras cheias de bondade e sorri-
sos cheios de doqura.
CARLOTA Deu-lhe agora essa doen-
qa? (Vae sentar-se junto 4 meza).
VALENTIM (senta-se junto d meza de-
fronte de Carlota) Oh! nao zombe, mi-






THEATRE


nha senhora Estou certo de que os mar-
tyres romanos prefeririam a morte rapida
a lucta corn as feras do circo. O seu sar-
casmo 6 uma fera indomavel; V. Excia. tern
certeza d'isso e nao deixa de lancal-o em
cima de mim.
CARLOTA Entdo sou temivel? Con-
fesso que ainda agora o sei. (Uma pausa).
Em que scisma ?
VALENTIM Eu?... em nada!
CARLOTA Interessante colloquio!
VALENTIM Devo crer que ndo faqo
uma figure nobre e s6ria. Mas ndo me im-
porta isso! A seu lado eu affront todos
os sarcasmos do mundo. Olhe, eu nem sei
o que penso, nem sei o que digo. Ridiculo
que parega, sinto-me tdo elevado o espirito
que chego a supper em mim algum d'aquel-
les toques divinos corn que a mAo dos deu-
ses elevava os mortaes e Ihes inspirava for-
gas e virtudes f6ra do commum.
CARLOTA Sou eu a deusa.
VALENTIM Deusa, como ninguem so-
nhara nunca; cor a graca de Venus e a
majestade de Juno. Sei eu mesmo defi-
nil-a? Posso eu dizer em lingua humana o
que 6 esta reunido de attractivos unicos fei-
tos pela mao da natureza como uma prova
supreme do seu poder ? Dou-me por fraco,






0 CAMINHO DA PORTA


certo de que nem pincel nem lyra poderdo
fazer mais do que eu.
CARLOTA Oh! 6 de mais! Deus me
livre de o tomar por espelho. Os meus sho
melhores. Dizem cousas menos agradaveis,
por6m, mais verdadeiras...
VALENTIM Os espelhos sao obras hu-
manas; imperfeitos, como todas as obras
humans. Que melhor espelho quer Vossa
Excia. que uma alma ingenua e candida?
CARLOTA Em que corpo encontra-
rei... esse espelho ?
VALENTIM No men.
CARLOTA Supp6e-se candido e inge-
nuo!
VALENTIM Ndo me supponho, sou.
CARLOTA E por isso que traz perfu-
mes e palavras que embriagam? Se ha can-
dura 6 em querer fazer-me crer...
VALENTIM Oh! nao queira V. Excia.
trocar os papeis. Ber sabe que os seus per-
fumes e as suas palavras 6 que embriagam.
Se eu fallo um tanto diversamente do com-
mum 6 porque fallam em mim o enthusias-
mo e a admiraedo. Quanto a V. Excia.
basta abrir os labios para deixar cahir d'elle
aromas e filtros cujo segredo s6 a natureza
conhece.






TI-EATRO


CARLOTA Estimo antes vel-o assim.
(Comeca a desenhar (distrihidni mu(fte em
um papel).
VALENTIM Assim... como?
CARLOTA Menos... melancholico.
VALENTIM E esse o caminho do seu
corago?
CARLOTA Queria que eu propria lh'o
indicasse? Seria trahir-me, e tirava-lhe a
graga e a gloria de o encontrar por seus pro-
prios esforgos.
VALENTIM Onde encontrarei um ro-
teiro ?
CARLOTA IsSO nao tinha graga! A
gloria estA em achar o desconhecido depois
da lucta e do trabalho... Amar e fazer-se
amar por um roteiro... oh! que cousa de
mAo gosto!
VALENTIM Prefiro esta franqueza.
Mas V. Excia. deixa-me no meio de uma en-
cruzilhada cor quatro ou cinco caminhos
deante de mim, sem saber qual hei de tomar.
Acha que isto 6 de coracao compassivo ?
CARLOTA Ora! siga por um d'elles,
A direita ou a esquerda.
VALENTIM Sim, para chegar ao fim
e encontrar um muro; voltar, tomar depois
por outro...






0 CAMINHO DA PORTA


CARLOTA E encontrar outro muro?
]A possivel. Mas a esperanqa acompanha
os homes e corn a esperanca, n'este caso,
a curiosidade. Enxugue o suor, descance
um pouco, e volte a procurar o terceiro, o
quarto, o quinto caminho, at6 encontrar o
verdadeiro. Supponho que todo o trabalho
se compensarA com o achado final.
VALENTIM Sim. Mas. se depois de
tanto esforgo, f6r encontrar-me no verda-
deiro caminho cor algum outro viandante
de mais tino e fortune?
CARLOTA Outro?... que outro? Mas...
isto e uma simples conversa... O Sr. faz-
me dizer cousas que ndo devo... (Cahe o
lapis ao chdo. Valentim apressa-se em apa-
nhal-o e ajoelha n'esse acto).
CARLOTA Obrigada. (Vendo que elle
continue ajoelhado). Mas levante-se!
VALENTIM Nao seja cruel!
CARLOTA (levantando-se) Faca o fa-
vor de levantar-se!
VALENTIM (levantando-se) E pre-
ciso p6r um termo a isto!
CARLOTA (fingindo-se distrahida) A
isto o que ?
VALENTIM V. Excia. 6 de um sangue
frio de matar!







THEATRE


CARLOTA Queria que me fervesse o
sangue? Tinha razdo para isso. A que
proposito fez esta scena de comedia ?
VALENTIM V. Excia. chama a isto
comedia ?
CARLOTA Alta comedia, esti enten-
dido. Mas que 6 isto ? Esta corn lagrimas
nos olhos?
VALENTIM Eu?... ora... ora... que
lembranga!
CARLOTA Quer que Ihe diga? Esta
ficando ridicule.
VALENTIM Minha senhora!
CARLOTA Oh! ridicule! ridicule!
VALENTIM Ter razio. Ndo devo
parecer outra cousa -a seus olhos! O que
sou eu para V. Excia.? Um ente vulgar,
uma facil conquista que V. Excia. entre-
tern, ora animando, ora repellindo, sem dei-
xar nunca conceber esperancas fundadas e
duradouras. O meu corag~o virgem dei-
xou-se arrastar. Hoje, se quizesse arran-
car de mim este amor, era precise arrancar
corn elle a vida. Oh! nAo ria, que 6 assim!
CARLOTA Sinto que nao possa ouvil-o
com interesse.




University of Florida Home Page
© 2004 - 2010 University of Florida George A. Smathers Libraries.
All rights reserved.

Acceptable Use, Copyright, and Disclaimer Statement
Last updated October 10, 2010 - - mvs