• TABLE OF CONTENTS
HIDE
 Title Page
 Table of Contents
 Front Matter
 Parte 1: A experiencia de Traccao...
 Parte 2: O reconhecimento entre...
 Parte 3: O reconhecimento entre...
 Errata
 Mapa














Title: Experiencia de tracðcäao mechanica na Provincia de Angola
CITATION THUMBNAILS PAGE IMAGE ZOOMABLE
Full Citation
STANDARD VIEW MARC VIEW
Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/UF00025077/00001
 Material Information
Title: Experiencia de tracðcäao mechanica na Provincia de Angola relatorio
Physical Description: 100 p. : ill., folded maps ; 24 cm.
Language: Portuguese
Creator: Paiva Couceiro, Henrique Mitchell de, 1861-1944
Publisher: Typ. da Livraria Ferin
Place of Publication: Lisboa
Publication Date: 1902
Copyright Date: 1902
 Subjects
Subject: Transportation -- Angola   ( lcsh )
Genre: non-fiction   ( marcgt )
 Notes
Statement of Responsibility: Henrique de Paiva Couceiro.
 Record Information
Bibliographic ID: UF00025077
Volume ID: VID00001
Source Institution: University of Florida
Holding Location: University of Florida
Rights Management: All rights reserved by the source institution and holding location.
Resource Identifier: ltuf - APH7085
oclc - 52856668
alephbibnum - 002945429

Table of Contents
    Title Page
        Title Page
    Table of Contents
        Table of Contents
    Front Matter
        Front Matter 1
        Front Matter 2
    Parte 1: A experiencia de Traccao Mechanica entre o Lucalla, e Malange
        Page 12
        Page 13
        Page 14
        Page 15
        Page 16
        Page 17
        Page 18
        Page 19
        Page 20
        Page 21
        Page 22
        Page 23
        Page 24
        Page 25
        Page 26
        Page 27
        Page 28
        Page 29
        Page 30
        Page 31
        Page 32
        Page 33
        Page 34
        Page 35
        Page 36
        Page 37
        Page 38
        Page 39
        Page 40
        Page 41
        Page 42
        Page 43
        Page 44
        Page 45
        Page 46
        Page 47
        Page 48
        Page 49
        Page 50
        Page 51
        Page 52
        Page 53
        Page 54
        Page 55
        Page 56
        Page 57
        Page 58
        Page 59
        Page 60
        Page 61
        Page 62
        Page 63
        Page 64
        Page 65
        Page 66
        Page 67
        Page 68
        Page 69
        Page 70
        Page 71
        Page 72
        Page 73
        Page 74
        Page 74a
    Parte 2: O reconhecimento entre Malange e o rio Cambo
        Page 75
        Page 76
        Page 77
        Page 78
        Page 79
        Page 80
        Page 81
        Page 82
        Page 83
        Page 84
        Page 85
        Page 86
    Parte 3: O reconhecimento entre Mossamedes, e o Alto da Chella, pelo caminho do Chacuto
        Page 87
        Page 88
        Page 89
        Page 90
        Page 91
        Page 92
        Page 93
        Page 94
        Page 95
        Page 96
        Page 97
        Page 98
        Page 99
        Page 100
    Errata
        Page 101
    Mapa
        Page 102
Full Text
7


HENRIQUE DE PAIVA COUCEIRO




EXPERIENCIA

DE


TRACO MECHANIC

NA


PROVINCIAL DE ANGOLA







RELATORIO










LISBOA
TYP. DA LIVRARIA D FPRIN
70, RUA NOVA DO ALMADA, 74
190l


r-tt
JB1








-9-
Em correspondencia com as indicaces que se formula
no Plano acima transcript, trata o Relatorio das materials
seguintes:

PA1ERTE 1.a

A Experiencia de Traco Mechanica entire o Lucalla, e
Malange;

PART 12.a

O Reconhecimento do caminho entire Malange, e rio
Cambo;

PARTE 3.a

O Reconhecimento entire Mossamedes, e o Alto da Chella,
pelo caminho do Chacuto.



















N. B.-Por no estar ainda devidamente esclarecida a
questo da navigabilidade do Alto Cuanza,-estudo, em tem-
pos, ordenado pelo Geverno Geral d'Angola,-deixou de ter
apportunidade o reconhecimento do caminho entire Malange e
o mencionado rio, o qual deveria constituir assumpto Parte
4.a d'este trabalho.

















O present relatorio tem por fim dar conta a Sua Excel-
lencia o ministry e Secretario d'Estado dos Negocios da Ma-
rinha e Ultramar, do modo como desempenhei a misso, que
por portaria de 8 de Maro do anno corrente, me incumbiu,-
de dirigir uma Experiencia de Traco Mechanica entire o ri
Lucalla,-e Malange,-na provincia de Angola,-e de,-caso
surtissem satisfactorios os resultados,- averiguar, por subse-
quentes reconhecimentos, a possibilidade de applicar o sys-
tema a duas outras linhas de penetrao da mesma Provincia,
tudo em conformidade do plano, por copia, junto.


















Plano ,-pelo qual deve regular-se o servio d'Expe-
riencia de Traco Mechanica, a que se refere a portaria
de 8 de Maro de 1901:
=Copia. Objetivo: i.o-Experimentar o funccionamento
de uma locomotive carreteira Fowler, entire o terminus do Ca-
minho de Ferro de Ambaca (alem Lucalla), e Malange;-
2.o Caso esta tentative prove bem,-proceder,-sob o ponto
de vista da mesma especie de traco,-ao reconhecimento
das duas directrizes abaixo designadas:
I-De Malange ao Cuango (com o fim de preparar o
aproveitamento da navigabilidade d'este rio, nos trocos entire
os parelellos 7,035' e 5,05'-e entire os parelellos 7,042' e 9,0-
a)-Pelo caminho de=Quipacassa Qula= Cafuxi- Norte
do Monte Ambango=Mueto Anguimbo=; ou, b), pelo ca-
minho anterior at ao Qula, e, depois, pelo valle do Cambo,
at lhe attingir o troo navegavel, que afflue ao Cuango; ou,
e), pelo caminho leste de Malange, na direco Sanza, e pro-
curando, adiante, cruzar o valle do Lui, no ponto mais conve-
niente, a Sul de Tala Mugongo. (Este 3.0 caminho depend,
no seu emprego, de circumstancias de political local, referentes
aos bangalas, e estorvos que possam levantar a um trafego
pacifico).
II-De Mossamdes ao Alto da Chella pela-Providencia=
Neves= Vana Velombe =Munheri=.
Se a estao o permittir, ainda ser, tambem, reconhe-
cida a seguinte linha: De Malange ao Alto Cuanza (com o fim
de preparar o aproveitamento da eventual navigabilidade d'esta
rio at altura approximada do Forte Neves Ferreira (leste
do Bih)). O caminho deve dirigir-se para um ponto, a deter-
minar, na margem direita do Alto Cuanza, a montante da
cachoeira Condo, onde se averigue que principia a parte utili-
zavel pela navegao.



















PARTE 1.a


A Experiencia de Traco Mechanica entire o Lucalla, e
Malange.

TIITlT LO 1.0-0 que se fez, e o que se viu.

Capitulo 1.o Descripo Geral.
Seco .,a- O transport e a montagem;
2.a-O paiz;
3a-O comboio;
4.a-A Experiencia.
Capitulo 2.-Factores de movimento.
Seco 1.a Combustivel;
2.a Agua;
Sa-Solo.
Capitulo 3.-Obras; linhas d'agua.


TITULO 2.O-O que se conclude.

Capitulo 1.- A Explorao future.
Seco 1."-Base historic;
2.a--Escolha do material; carga;
3.- Movimento;
4.'-Trafego; numero de machines e de wagons;
5.a-Pessoal de machine;
6.a-Tmas d'agua, e de lenha. Edificios. Pes-
soal respective;
7.a-Economia do system.
Capitulo 2.o-Concluses finaes.


















TITULO 1.0
O QUE SE FEZ, E O QUE SE VIU

CAPITULO 1.0

DESCRIPO GERAL


SECO 1'- transport, e a iontalem


Em Luanda. O guindaste de uma ponte da Companhia Real
dos Caminhos de Ferro atravez d'Africa, situada
proximo da fortaleza do Penedo, executou a des-
carga do material Fowler, e restante, que, a bordo
do paquete Benguella da Empreza Nacional
chegra bahia de Loanda, em 16 de Maio do
anno corrente.
Esse material, acondicionado em caixotes de
respeitavel grandeza, baldeou assim directamente,
das barcaas para os wagons do Caminho de Ferro,
com excepo da caldeira, a qual, por ter pezo in-
compativel com as posses do cabo de suspenso do
referido guindaste, se julgou convenient levar
descarga na ponte da Alfandega, marchando, de-
pois, em zorra para a estao da linha ferrea.
Obtido, na direco d'Obras Publicas, o pes-
soal fixo, e material de mais urgente necessidade,
seguimos, em 25 de Maio, para a estao-terminus
do Lucalla.
NO Lucalla, Ahi se reuniu toda a nossa gente de trabalho,








- 14-


consistindo em 6 europeus (2 machinistas, i capa-
taz, e 3 operarios),-2 fogueiros pretos permanen-
tes,-e um destacamento de praas indigenas de
2.a linha, rendido de mez a mez, cuja fora regulou
em media por 6o homes. Constituiu lhes primeira,
e fatigante, tarefa, o apear, dos successivos com-
boios quotidianos, os volumes, que, de Luanda, nos
iam remettendo.
Na nossa frente, interceptando o avano dos
rails, o Lucalla deslizava.


Abarca tirante. Via-se um cabo metallico esticado de margem a
margem, e, preso a elle com roldana, a barca tirante,
cujo aspect a photographia reproduz.
Forma rectangular,-fundo chato,-compri-
mento de 8,m9,-boca de 2,m95,-proa e popa
abertas, eguaes entire si, e dispostas em plans
inclinados, com o bordo superior 0,m54 acima do
fundo,-eis os dados principles da maior das duas
embarcaes, que, indifferentemente, faziam o vae-
vem.
D'um lado e outro, a barca aborda a terra em
pequenos portos naturaes, onde um solo firme, ele-










vando-se suavemente, offerece vantajoso embarque.
Uma curta rampa, de mais accentuada inclinao,
conduz, do porto d'aquem, para o pavimento da via
ferrea que immediatamente o domina.
Os volumes. Quarenta e oito eram os grossos volumes, que
tinhamos a manejar,-de 3.600 kilos o mais pe-
zado (a caldeira),-superiores a 2 toneladas various
d'elles, e com mais, que uma, a maioria.
Material em- Os instruments para o effeito cifravam-se em
pregado nas rolos de madeira, 3 carlequins, 4 rails de caminho
manobras de de ferro, 4 espeques, 2 alavancas, e cordas. De-
fora, veria incluir n'esta lista um cabrilha fornecida pelas
Obras Publicas, se o pessimo funccionamento do
respective differencial a no tivesse tornado um
traste inutil.
Execuo da Para facilitar as operaes de carga e descarga,
travessia, entendeu-se usar o process de embarcar os wa-
gons j armados e com rodas, aproveitando-os, ao
mesmo tempo, para conduzir sobre os estrados
algum, ou alguns, dos outros caixotes de material.
O primeiro ensaio n'este sentido foi realisado
dirigindo para a barcaa um wagon que, com o
fardo de 1.8oo kilos sobre elle transportado, per-
fazia o pezo de 5 toneladas, pouco mais ou menos.
A descida da rampa fez-se cautelosamente, empre-
gando o travo e calos, mas, mal o
j jogo dianteiro pizou a pra da embarca-
o,-esta afocinhou e metteu agua.
Travado o carro immediatamente, sal-





tou gente para a ppa, a exercer pezo, emquanto,
sobre um plano inclinado, constituido por dous car-
ris, se levou a escorregar, para o lado da mesma
ppa o caixote sobrepujante.
Equilibrada, d'esta maneira, a fluctuao, e
alliviado o wagon, poude recuar-se este para fra.


-I5-










A melhoria da atracao assegurou exito
segunda tentative, e, soltas as amarras, concluiu-se
a travessia sem novidade.
Para evitar a repetio da occorrencia, escolheu-
se, depois o logar onde
a rampa da margem
melhor concordava
com a face inferior da
pra, e revestiu-se o declive com dois dormentes,
e alguns pranches, de modo a estabelecer um
tablado, sobre o qual a barca, bem mantida nas
amarraes, descanasse com solidez.
A passage do 2.0 wagon, carregado com um
caixote de 1.3oo kilos, no suscitou o menor trans-
torno.
Chegou a vez do 3.o, que, sobre si, recebera,
directamente do wagon do Caminho de Ferro, a
caldeira, e se apresentava, portanto, com um pezo
superior a 7 toneladas. Dentro da barcaa preparou-
se-lhe, com cuidado o access, tornando mais suave,
por meio de tabuas sobre troos de barrote, o
plano inclinado, constituido pela propria pra. De-
baixo da ppa, para augmentar a fluctuao, atra-
vessaram-se duas vigas grossas.
Depois, com o machinista inglez ao travo,-
dous europeus frente governando o jogo dian-
teiro pela barra d'engate,-e gente aos lados, cal-
ando e descalando, alternadamente, as rodas, de
forma a consentir a regularisao do movimento
descendente,-guiou-se a bom fim o embarque.
Todavia, ao pretender pr a embarcao a
nado, reconheceu-se certa resistencia. A presso
exercida pelo vehiculo obrigra os dormentes do
caes a ceder um pouco, para baixo, em quanto se
aguentavam firmes as estacas correspondents, e,
como resultante, as cabeas, de duas d'estas, ha-
viam-se cravado, na infraestructura da pra, abaixo
da linha d'agua. Serraram-se cerce, com a espe-
rana, ainda, de que os tacos permanecessem nos
furos, servindo-lhes de buchas. No succedeu, com-


-i6-








- 7-


tudo, assim, e o liquid comeou a correr para den-
tro. Apz uns segundos de hesitao, a perpectiva
do grande trabalho e demora que resultariam da
provavel submerso da barca, antes de haver tempo
de safar para fora a pezada carga, levou-nos a
ordenar a passage a toda a velocidade. Segundo
contratempo se levanta: o europeu, piloto usual do
batel, recusa-se a tomar-lhe o leme d'esparrella.
Felizmente os trez indigenas que, d'ordinario, o
auxiliavam no servio, commoveram-se a um aceno
persuasive de boa recompensa pecuniaria, e, com
elles, saltmos press na barcaa, acompanhados
tambem pelo machinista inglez, e pelos trez opera-
rios europeus, incumbidos d'ir deitando, pela borda
fra, quanta agua pudessem. Ao mesmo tempo o
machinista portuguez com a gente preta passa,
n'outra embarcao, margem d'alm. No entre-
tanto a infiltrao, pelos rombos, fra promovendo
o afundamento, a ponto de, apenas, se verem j
uns 6 ou 7 dedos d'emergencia, acima do nivel fluido.
Dous dos barqueiros negros ao cabo d'ao, e
um esparrela, largmos. Era tempo. A quatro
quintos da travessia, onde a corrente puxa mais, os
borbotes da agu embatendo contra a pra, come-
caram a salvar por cima n'um crescendo assusta-
dor, e s houve os moments restrictissimamente
necessarios para attingir a margem, e dar o apoio
da terra firme, parte anterior da embarcao, cuja
ppa o veloz Lucalla, n'um prompto, enguliu.
Vinha o wagon bem travado, e sobre elle, bem
segura a caldeira, com escoras e calos de pau,
fixos a prego no estrado. Assim, no obstante a
posio um tanto empinada da barca, no houve
deslocamentos. Na faina viva que se seguiu, inter-
meada com banhos do pessoal, e com rebentamentos
d'elos e de cabos,-prestou auxilio important a
corrente do bate-estacas,-ainda que fraca para o
caso,-e o guincho, que firmaramos valentemente,
acorrentando-o a uma grande ancora velha, um
metro enterrada no solo.










Foram estes esforos de traco, combinados
com o trabalho de brao de toda a companhia, que
conseguiram iar terra,-primeiro a caldeira, so-
bre um plano inclinado, feito com os madeira-
mentos do bate-estacas,--o wagon, depois,-e
finalmente a propria barcaa, a cujo concerto se
procedeu.
A descripco da maneira como cruzaram o
Lucalla estas massas de ferro, bastar para se
comprehender, sem mais detalhes, como passaram
as restantes.
Emfim, ao termo de seis dias (tarde de 5 de
Junho), estavam, na margem leste, as 31 toneladas
de peas de machine e wagons,-e as zo toneladas
de vigas, barrotes, e pranches, adquiridos em Lu-
anda para reforamento eventual de pontes, -sem
fallar de ferramentas, bagagem, material de acam-
pamento, etc., etc.
A montagem. Em 6 de Junho comea a montagem da
machine, e a photographia seguinte d ideia do
local, e da scena.




















A 15 de Junho, com 9 dias de trabalho, ficou
concluido este servio, except na parte dependent


- i8










de um canal de azeitar, e de um parafuso da
porta do buraco do homem, partidos por effeito
de choques no transport, e cuja manufacture es-
tava sendo effectuada nas Officinas das Obras Pu-
blicas. Estes concertos importaram demora at 20.
Em 21 a experiencia da machine, in loco. de-
monstrou-se lisonjeira, denunciando, apenas, ligei-
rissimas fugas de vapor, e a necessidade de um
simples arranjo de valvula. O machinista declarou-a
prompta a marchar.
Durante o intervallo de tempo, que decorre de
6 a 21 de Junho, todo o pessoal, no empregado
na ereco da locomotive, applicou-se, nas ribeiras,
Caririmbe e Bembeje, aos trabalhos d'estrada, que
adiante mencionamos no capitulo Obraso, e, tam-
bem, por ultimo, ao carregamento dos 3 wagons,
e entrega,-nos armazens da Companhia Agri-
cola Oeste-Africana,-de algum material, que en-
tendemos no levar.
O estado sanitario dos nossos europeus no
foi brilhante n'esse period, e alternadamente pros-
trados, todos pagaram tributo febre implacavel.


SECO 2. 0 paiz

Como se sabe, o Caminho de Ferro d'Ambaca,
cujo ponto de partida existe em Luanda, prolonga-se
364 kilometros serto a dentro, vindo terminar no
Lucalla, a poucos metros de distancia da margem
direita.
OvalledoLu- N'este logar o valle apresenta-se francamente
calla no ter- aberto, e o leito, com quanto bem definido, apenas
minus do Ca- se marca por rampas suaves, e pequenos taludes
minhodeferro.de facil access. Proximo e a montante, blocos de
rocha orlam o curso, e mergulhando, de lez a lez,
perturbam o espelho das aguas correntes, com raias
d'espuma branca.
Rareia o arvoredo, e a vegetao no se
aperta em massicos.








20-


Cobre se a terra com o manto amarello do
capim secco,-surge, a espaos, o conico tronco
d'imbundeiros atarracados, em quanto,-ao long,
as faixas de canio, e os penachos ondulantes do
papyrus, assignalam, com tons verdes, as curvas
do rio, e os seus alagamentos lateraes.
Assim, a traos rapidos, se esboa alli o qua-
dro, tal como a frequencia do transit, e o abuso
das queimadas o tem creado,-bem divers, por
certo, d'aquelle que a aco livre das foras da
natureza geraria, em regimes to propicias ; vida
vegetal.
O rio. Alguns metros a jusante do estremo da linha
ferrea, corria ento (fins de Maio) o Lucalla com
largura de 77 metros, -profundidade maxima de 5,
-e velocidade de 4 kilometros por hora,-podendo
o seu perfil representar-se, approximadamente, pela
seguinte forma, na escala de I/5oo:






O interior. O territorio que para alem se estende, onde se
realizou a Experiencia, ha de ser especialmente
encarado, n'outras seces d'este trabalho, sob os
pontos de vista, que, ao servio das locomotives
carreteiras, interessam de perto,-quer dizer,-
arborizao, existencias d'agua, natureza do
solo,-e orographia. Cabem, pois, n'este capitulo,
to smente umas leves referencias ao conjunto do
aspect.
Seguindo do Lucalla para Malange pelo cami-
minho dos carros, o viajante no receber, em
geral, da paisagem, emoes vivas d'accentuado
pittoresco, ou notavel grandiosidade.
Por aquella ininterrupta ceara de gramineas,
cruzam-se, de certo, bosques numerosos, e tingem-
se os horizontes, a miudo com a fita escura das
copas em massa,-mas, como regra, nem as arvo-










res na sua corpulencia, nem os agrupamentos pela
exhuberancia da sua densidade,- alcanam as pro-
pores, e a pujana, que a imaginao corrente attri-
bue s tropicaes florestas d'eterna sombra impene-
travel
Divisa-se, na verdade, uma vez, ou outra, certa
sequencia d'alturas, ou alguns dorsos isolados,
mas, nem a direco do caminho se lhes cinge
muito ao sop,-nem essas eminencias foram a
admirao pela magcstade do relevo, ou pelo re-
corte phantastico das suas linhas de crista.
Apparecem, sem duvida alguns valles escava-
dos com deciso, mas no se alcantilam os flancos
de nenhum nas asperezas de precipicios abruptos,
nem sequer em rampas de pendor muito conside-
ravel.
Proximo do Fumege, a accidentao avigora-se
um pouco,-recresce visivelmente o desenvolvi-
mento arboreo nas immediaes de Cajindongo, e
margens do Lutete e Lombe,- multiplicam-se
os arbustos, e as trepadeiras emmaranham-se, ao
long de various ribeiros, mas todos esses cam-
biantes no invalidam a feio normal, conforme a
caracterizmos.
Atravez do percurso, no seu primeiro tero,
as linhas d'agua succedem-se, quasi a cada passo,
separadas por distancias, em media, de 2 kilome-
tros (n'uns 44 kilometros atravessam-se 23 ribeiros).
Para diante, espaam-se, mais um tanto, as
aguas correntes, mas surdem, nos intervallos, la-
goas ou tremedaes.
A consult do mappa demonstra que a dire-
ctriz da via se desenrola, durante uma grande parte
da extenso, entire o Lucalla, e o seu confluente
Lutete, seguindo-lhes, mais ou menos, a linha de
separao d'aguas, e cortando, portanto, perto das
cabeceiras, ora os affluentes do segundo, ora os do
primeiro, d'esses dous rios. Muitos dos caudaes a
transpor devem, por consequencia, ser pouco im-
portantes, e, com effeito, na epocha a que nos re-








-22


ferimos, a grande maioria dos ribeiros atravessados,
fracos de corrente, mediam-se, nas larguras, por
pequeno numero de metros,- e, na profundidade,
por um, ou dous palmos.
As circumstancias no se modificam sensivel-
mente, mesmo depois de ultrapassado o valle do
Lutete, pois, n'esse ultimo troo da viagem, s o
Lombe, affluente director do Cuanza excede, ainda
que modestamente, a craveira anterior.
O paiz bastante habitado, apezar de no se
enxergarem muitas povoaes: explica-se porque o
indigena, medroso da autoridade, prefer pr-se a
coberto d'olhares indiscretos.
Ha animao no transit. Diariamente se en-
contram,-ora comitivas de carregadores, gingas,
bangalas, ou outros,-ora pequenos carros de duas
rodas puxados a 2, ou 4, bois, ou mulas,-ora,
mesmo, minusculas caravanas d'uns camelos oriun-
das, salvo erro, das Canarias, que o governor de
Luanda, e o commercio particular de Malange, ou
do Quissol, utilizam, com certo proveito, nos trans-
portes.
Assim veem descendo, a borracha, a cera, os
coiros, e os bois vivos, principles mercadorias da
exportao actual,-em quanto, no sentido contra-
rio, se movem os various abastecimentos destinados
aos postos da occupao, e s feitorias e plantaes
do interior.


SECC 3.- 0 comboio

A machine. A machine posta a prova, na nossa Expe-
riencia de Traco Mechanica, foi uma locomotive
Fowler,-compound, montada em molas,--typo
Florence.
Da sua apparecia, diz a photographia.
So-lhe caracteristicos principals os seguintes:
-Potencia de traco n'uma boa estrada
cujas rampas no excedam 5%/, tonel.. 27








-23-


-Raio d'aco, nas mesmas condies, kil.
Capacidade dos tanques, lit............
Capacidade do paiol, kilos de carvo...
-Velocidade, kil. por hora...............
- Pezo approximado (em ordem de mar-
cha) tonel..........................
Presso exercida por cada roda mo-
tora, approximadamente tonel........
Distancia entire a parte internal das ditas
rodas, metros, approximadamente... .
Distancia entire a parte externa, metros.
Distancia entire os dous eixos da locomo-
tiva, metros.......................
Distancia do eixo posterior da locomo-
tiva, ao eixo anterior do i. wagon
engatado, metros ............... .


16
S3oo
36o
61/2

i5

6

i,3o
2,30

3


3


1I ,


-Rodas motors chapeadas com laminas ordi-
narias:
Diametro, metros.................... 2
Largura da chapa de trilho, metros.... 1/








-24-


-Fornalha disposta para queimar indifferente-
mente carvo ou lenha;
--Cinzeiro estanque;
-Caldeira situada i metro acima do solo;
-Tambor de traco munido com 68 metros
de cabo d'aco;
-Elevador com faculdade de chupar agua a
8 metros de profundidade.






















Os wagons eram tres, conformes figure
junta, -montados em molas d'ao, e provides de
traves, e de barras d'engate,- tendo, cada um,
em numerous redondos, pezo de 3/,s toneladas,-
comprimento de 4 metros,-largura de 2, e 4 rodas,
com om,3 de largura de chapa,-e diametro de im,2,
as detraz,-e de im,I, as da frente.
Convem advertir, desde j, que este typo de
wagon,-wagon pe7ado,-s serve nos transportes
de ferro, pedra, e, em geral, de materials tambem
pezados,-construindo-se para artigos ligeiros, como
borracha, cera, fazendas, rancho, etc., outros mo-
delos muito mais leves.


Os wagons








-25-


A carga. A carga foi por ns fixada n'umas 8 toneladas,
afim de que, junta com o pezo dos wagons, impo-
zesse locomotive um esforco total de cerca de 20
toneladas. A' deducao d'este numero presidio,
como no podia deixar de ser, um pouco de arbi-
trio.
De facto est determinada a capacidade de
traco das machines Fowler, trabalhando em es-
tradas regulars, onde essa capacidade s depend
da percentage das rampas, visto ahi serem cons-
tantes conhecidas as circumstancias do pizo. Assim
uma locomotive typo Florence puxa 27 toneladas,
quando os declives a galgar no passem de 50/.
Mas, com a applicaco dos engenhos sobre o
terreno natural, intervem, desde logo, um 2.0 fac-
tor,-a qualidade do solo,-influindo tanto como o
primeiro.
Em regra este 2.0 factor,-que constitute um
coefficiente de reduco de carga,-s pde calcu-
lar-se por method experimental.
Para ns,-entre o Lucalla e Malange,-apre-
sentava-se como variavel mal conhecida, e, em takes
condies, s havia o recurso de proceder por ten-
tativas, attribuindo carga um valor aproximativo
qualquer, acerca do qual, a pratica da march pro-
nunciasse veredictum terminante.
A especificao minuciosa dos artigos que for-
maram o carregamento, pouco importa conhe-
cer-se.
Vigas, barrotes, e pranches, torno, forja, e
sobrecelentes, -cordas, correntes, pregaria,- fer-
ramentas de serralheiro, carpinteiro, pedreiro, e
sapador,-material topographico e de acampa-
mento,-bagagens, e rancho,-barris cheios d'agua,
e alguns saccos de carvo,-eis, por alto, a com-
posio das 8 toneladas.
A pequena quantidade de carvo, conduzida,
visava o funccionamento da forja,-e alguma even-
tualidade de falta de lenha, que nunca veio a pro-
duzir-se.

















SECCAO 4- A expericncia

O comboio A 22 de Junho, pelas ii da manh, in:ciou-se
rompe a mar- a viagem.
cha. A' vista da populao reunida, o comboio trepa,
com placida segurana, a rampa marginal do Lu-
calla, atravessa a povoao poisada no alto,-
desce o valle seguinte, e,-sobre a passage de
pedra solta anteriormente construida, transpe o
riacho Caririmbe, e penetra na varzea d'alem.
Ahi, uns cabeos de rocha, aflorando, haviam
inspirado, ao nosso espirito inexperiente, confianca
na resistencia do solo, persuaes d'ausencia de
lodos.
Accident no Todavia, passados, apenas, uns 3, ou 4, metros
Caririmbe. para l da margem, o cho, falso, cede brusca-
mente.
Ao travez da larga chapa das rodas moto-
ras,-que patinham, sem firmar-se, na terra a surgir
molhada,-lanamos, em pura perda, trocos de
madeira successivos.
Desengatam-se, depois, os wagons, mas no
progride, tambem, a machine liberta.
Cavilhadas nas rodas as laminas de cutello,
chamadas spuds,- ainda infructiferamente que
ellas circular, assim tranformadas em especie de
rodas de palhetas.
Ento, para que estas encontrem onde mor-
der,-projectam-se, adiante, pedaos de barrotes,-
primeiro,-com um decimetro quadrado de seco,
e-em seguida,-madeiros de 15 x 20 centmetros,
com dois metros de comprido,-porem as rodas,
sem a si proprias se melhorarem, vo impellindo








-27-

tudo, no seu movimento giratorio, para as profun-
das do lodaal insaciavel.
Cada vez se enterra mais o jogo trazeiro, e
negros torres, revolvidos, criam enorme cintura
suja, s rodas que j desapparecem I",20, pelo
cho abaixo.
Vae-se, pois, ao mais trabalhoso, mas melhor
recurso, aberta, a uns 40 passos, na frente, uma
cova rectangular. de i metro de profundidade. tra-
va-se-lhe dentro, com pedras e bocados de madeira,
um poste formado pela junco de duas grossas
vigotas, e, a esse poste, amarra-se a ponta do cabo
d'ao, que, previamente se desenrolou do tambor
respective, situado entire a roda motora esquerda,
e o corpo da locomotive.
Principia o movimento d'enrolamento, sob a
aco do vapor. O cabo estica, e, com a energia do
arranco, faz tombar o poste. Profunda-se mais a cova,
fortifica-se o travamento, e repete-se a manobra.
D'esta feita, o pezado engenho que cede para
a frente, rasgando no atascadeiro dous sulcos for-
midaveis,-em quanto a assistencia perde, attnita,
a crena, que j ganhra, de serem aquellas lamas a
sepultura final assignada pelo destino viagem do
comboio Fowler.
Suspenso o avano ao fim do primeiro metro,
para desobstruir a frente das rodas,-a locomotive
caminha, depois, pelo mesmo system, mais uns
quatro, e ahi,-topando terreno fixo, galga, sem
custo, para o alto.
Estaca, ento, e, por intermedio da mesma po-
derosa linha d'ao, cuja traco a elevra, puxa a
si os tres wagons,-e comea, por sobre o capim,
a ascenso de uma rampa de 8,70/o, que se estende
at 570 passos de distancia, para alem do Caririmbe.
Minuciosa talvez em demasia,-a narrative
d'este atolamento teve por object explicar,-por
uma vez s,-a variedade de recursos, de que dis-
pe a machine Fowler, e deixar pormenorizada a
sua potencia, e efficacia.








-28--


No Bembeje. Percorridos, rapidamente, os 33/, kilometros,
que nos separavam da ribeira Bembeje, cuja passa-
gem se achava tambem, j do antecedente prepa-
rada, deu-se ahi, nas mesmas circumstancias, e por
causes identicas, um success semelhante, ao que,
no Caririmbe, nos detivera, ainda que no de tanta
profundeza como o primeiro.
Pequena ava- Todavia,-por que anoitecesse em quanto li-
ria na ma- davamos ainda, a escurido foi origem de um
china, desarranjo de tal ou qual importancia: ha, no cubo
da roda motora esquerda, um orificio d'approxima-
damente 4, ou 5, centimetros de diametro, onde
trabalha certa cavilha move que, passado esse pri-
meiro orificio, tem de atravessar segundo, aberto
n'uma roda dentada interior. A tiragem, e a repo-
sio da cavilha torna-se necessaria em dadas con-
juncturas extraordinarias, e comprehende-se que a
falta de luz complicasse o enfiamento simultaneo
dos dous furos,-dos quaes um,-animado com o
movimento de rotao da roda, em qus existe, s
a intervallos passa em correspondencia com o outro.
Em tal manejo se produziu no s o entortamento
da ponta da cavilha, mas ainda,-o que foi peior,-
uma leve flexo no grosso eixo das rodas motors,
flexo quasi imperceptivel, na verdade, e sem effei-
tos suspensivos sobre o funccionamento da loco-
motiva, mas para a qual julgmos convenient, no
intent d'evitar attrictos e desgastes, solicitar repa-
rao nas officinas das Obras Publicas de Luanda.
No fomos opportuno, ao que parece, por
quanto, apezar de repetidas instancias, com justia
fundamentadas na restrico do tempo, imposta
pelas chuvas,-s obtivemos o eixo concertado na
tarde de 7 de julho, tendo havido 9 dias de demora
(excluida a viagem), em vez de 5 horas, que, de
sobra, comportariam a execuco da comesinha
obra.
Prosegue a Emfim, occupado o dia 8 de Julho em adaptar
viagem. machine o rodado posterior, pudmos, na manh
de 9, seguir caminho de novo.










No estivra o pessoal inactivo, durante as
duas semanas de forada paragem, e, assim, cru-
zmos, no mesmo dia, as duas ribeiras,-Lutanda
e Quig'hulo,-cuja transposio facil e corrente se
alcanou custa de importantes movimentos de
terra, e de pedra.
Cabe aqui observer que,-nunca mais,-de-
pois do primeiro dia de march, quando occor-
reram os dous encravamentos atraz descriptos,-
a locomotive poz uma roda em falso, no obstante
haver ultrapassado, ulteriormente, mais 33 logares
d'agua. A experiencia, mestra da vida, ensinra-nos
a desconfiar, e com as sondas nos vimos defen-
dendo proficuamente.
Fraqueza das As pontes de madeira, cujo lanamento, a
pontesdema- cargo das Obras Publicas da Provincia, se achava
deira. na ribeira Cacusso (kil. 66 do itinerario da loco-
motiva), data da nossa passagem,-no possuiam
a resistencia preciza para supporter o transit do
comboio.
Reforl-as,- pontes, algumas, com 8 ou 1o
metros de vo, no podiamos, por forma ne-
nhuma, pensar n'isso, dados os nossos parcos re-
cursos de gente e material, e ainda o aperto de
tempo.
Um certo auxilio poderia, de facto, ter vindo
da Direco d'Obras Publicas, se esta,-logo em
Janeiro, quando primeiro o requeremos,- tivesse
ordenado que as pontes futuramente a construir
fossem proporcionadas a uma carga maior. Era
questo de cavalletes, e de espessura de vigas, cuja
importancia, estando com as mos na obra, no ia
long, nem em dinheiro, nem em tempo, visto
empregarem, como verifiquei, madeira local.
No entretanto, por motivos que me no com-
pete apreciar,- ponderosissimos sem duvida, ainda
que um pouco caros por ventura, se o servio de
locomotives vier a montar-se,-a expedio de tal
ordem no foi julgada convenient.
At certo ponto, e tratando-se de uma experi-








-30-


encia, resultou d'ahi a vantage de melhor se evi-
denciarem as qualidades notavelmente excepcionaes
do engenho. E mais se frisam ellas, olhando a que.
3 carpinteiros, i pedreiro, e 6o indigenas, foram
sufficientes para, em 55 dias, prover a 90 kilome-
tros de avano de um comboio com 35 toneladas
de pezo,-nos mesmos logares onde, para prepa-
rar a circulao de pobres carrinhos de bois, se via
empenhada, desde mezes, a actividade de um pes-
soal de Obras Publicas regularmente organizado,
e favorecido com outras larguezas.
Directriz de Privados do uso das pontes, o procedimento
march. que adoptmos foi, por consequencia, tomar, como
directriz normal de march, o caminho carreteiro
ordinario, nos troos comprehendidos entire os ria-
chos, rios, ou lagoas, e procurar, para o cruzamento
d'estes, os pontos cujas condies mais se harmo-
nizassem com as exigencias da machine.
Cada encontro d'agua significou por isso, em
geral, um desvio,-desvios cuja extenso variou,
desde uma centena de metros (ribeira Caririmbe,
Tuto, etc.), at 8.35o metros (ribeira de Catenda).
Assim,-n'um percurso total numerouss redondos)
de 90 kilometros, -66, pouco mais, ou menos,
correspondem ao caminho publico,-e 24 a vere-
das abertas na occasio.
Feio dos Bem rudes as rasgmos ns,-que no se com-
desvios. padece a urgencia com a perfeio,-e, mesmo,
bastas vezes, foi a propria locomotive quem tratou
de si, deixando nas doiradas messes de capim,
assignalado o rasto do seu rolar aventuroso.
Os monticulos de terra solta, caracteristicos da
cultural indigena, que d'essa forma amanha os
campos, antes de plantar,-offereciam, aqui e alem,
ao comboio, extensas superficies mamelonadas, onde
a march se figurava ao long como navegao
ondulante, ora na crista das vagas, ora no fund
do seu dorso movedio.
Logo adiante, bosque se defrontava, cuja densi-
dade, rebelde, o machado, em pressas, mal houvera








-3i-


tempo de romper n'uma alea capaz,-mas, com
to pouco, no se commovia o redemoinhar potente
das rodas motors, que, girando impassiveis, agora
salvavam o cabeco de um tronco, onde o gasiador
no cortra rente,-instantes depois, abatiam sob
a ferrea chapa, hastes de circumferencia tal, que
duas mos abracariam sem grandes sobras.






















Processos so estes pouco civilizados, e de todo
improprios para um trafego normal, pois ninguem
supple nem exige,-queremos crel-o,-que a loco-
motiva Fowler represent o modern acrobata da
traco, destinado a vencei, com a sua faculdade
saltadora, os caprichos e obstaculos do cho natu-
ral, quaesquer que se manifestem, e sem interven-
co de nenhuma arte, que no seja a da gymnastics.
No emtanto,-como se tratava de uma experiencia,
-como,-se acontecesse que o comboio no curto
prazo, que as chuvas nos limitavam, caminhasse
to somente o pequeno numero de kilometros com-
pativel com um bom arranjo da via,--o derradeiro
juizo formado havia de ser-lhe contrario,- resolve-








-32-


mos investor para diante conforme pudessemos,
visto no haver possibilidade de fazel-o conform
deviamos.
E' bastante irrigada,-atraz o relatmos,-a
regio d'entre Lucalla e Malange, multiplicando-se,
a breve trecho, ribeiros no principio, que mais
tarde se interclam com alguns alagamentos. Esta
feico das terras,-favoravel debaixo de muitos
pontos de vista,-reverteu para ns, todavia, em
causa de lentides,-reclamando cada logar d'aguas
uma sesso de trabalho.


Nos casos mais felizes (menos frequentes do
que seria para desejar) a explorao conseguia des-
cobrir, sem muita delonga, vau adequado a dis-
tancia curta. Para a locomotive vau toda aquella
faixa transversal onde,-a altura d'agua no attin-
gindo a caldeira (situada i metro acima do solo),
-o leito da ribeira se mostre, ou de rocha, ou de
areas, saibros, ou cascalhos, -ss,-ou mistura-
dos com pouca quantidade de terra,-e assentes


O cruzamento
doslogares da
agua.










sobre base firme. Se os funds d'esta natureza
apresentavam a superficie irregularizada por effeito
de cabeas, ou pontas, de rochedos, salientes,-
umas camadas de pedra solta, occupando os rebai-
xos, e vestindo as anfractusidades, trazia remedio
ao mal.
Terminava a obra pelo rasgamento das ram-
pas d'accesso, ou pelo aperfeioamento das j exis-
tentes.
N'outras conjuncturas a passagem,-tambem
nas cercanias do caminho de carro, requestava,
comtudo, mais arduo esforo. Margens ravinadas
em talude aspero, e a agua correndo n'um fundo
de 2, ou mais, metros. Tratava-se, ento, d'arran-
car pedras, recurso que nunca a natureza negou
em absolute s nossas diligencias, e, da situao
da pedreira se fazia defender, quando necessario,
a escolha do ponto de cruzamento. Vinham, pri-
meiro, grossas moles,-algumas com para cima
de uma tonelada de pezo,-sobre zorras, que im-
provisramos com tampas dobradas de caixotes, e
rodas de carrinhos de mo; despenhadas para o
leito,-a forca de braos e de alavancas succes-
sivamente as accomodava, com certo method,
arcabutando-as entire si de modo a, sem prejuizo
da firmeza, deixarem canaes para escoamento das
aguas. A sobreposio de pedregulhos de menor
porte alteava depois o nivel e, por fim, uma poro
de cascalho, com saibro, ou argila molhada e ba-
tida, constituia o encasque superior.
Peior se figurava a empreza, porem, quando
investigaes nas redondezas vinham attestar-nos,-
ausencia de rochas, ou, supreme contrarie-
dade,-o apparecimento de lamas e charcos, bem
reconheciveis, n'aquellas paragens, pela cabelleira
verde do mab (cyperus papyrus).
Por mais largo circulo se dilatava, ento, o
reconhecimento, e a persistencia das longas digres-
ses, por entire o capim alteroso, ou os arvoredos
e matagaes enredados, l findava sempre por en-










contrary quer o sitio rochoso, e os taludes ver-
melhos. garantes de uma construco estavel,-
quer as origens da agua, e o dorso de terreno, por
onde o torneamento se abria facil,-quer alguma
zona de solo consistent, d'essas que eventualmente
interceptam certas ribeiras, reduzidas, durinte a
estao secca, a um simples rosario de lagas.
Duas linhas d'agua, de minimo volume, se
conseguiu passar sem circumvolues, porque o
pequeno vo, e a rijeza da crusta subjacente, con-
sentiram o accommodaticio reforamento dos pon-
tes respectivos.
Mesmo sem reforcamento, cruzm-os l ilguns
pontes, aproveitando a solidez da sua estructura,
superior que, em geral, adoptaram nas obras
d'aquelle caminho.
*

Termo da via- Ajustando-nos, por estes various methods. s
gem do com- condices da natureza, e corrigindo-lhe os estorvos
boio, com os proprios elements por ella fornecidos, -




















iamos no dia i5 d'Agosto, em proseguimento da
nossa viagem para alem do Lutete, quando subi-








35-


to estalido denunciou fracture no machinismo.
Fendera-se a munhoneira d'um eixo interior,
com prejuizo essential da sua rotao, e, por con-
seguinte, de todo o funccionamento, do engenho,-
contratempo este, que a pobreza franciscana do
nosso deposit de reserves tornava, por complete,
irremediavel no moment.
Consulta s Oficinas das Obras Publicas
obteve em resposta, communicao d'impossibili-
dade de manufacture, por se tratar d'artigo d'ao
fundido.
Por um lado, o fornecimento pela casa cons-
tructora ingleza representava demora, que entraria
pelo tempo das chuvas,-e, por outro, os go kilo-
metros, j na data percorridos, davam, com lar-
gueza, base para deduzir, em relao aquella tra-
jectoria, as concluses practicas,-objectivo final
da nossa misso.
Assim, resolvemos armazenar todo o material,
dando por terminada a Experiencia, n'aquelle
mesmo ponto.

*

Reconheci- Em complement, cumpria habilitar-nos a in-
mentoat Ma- former, com segurana, acerca das condies que,
lange. a respeito da circulao de locomotives, offereciam
os 48 kilometros restantes do percurso at Malange.
Marchando, pois, a p, n'essa direco, trans-
puzemos, successivamente, o Camitobo,-Buizo,-
Lombe e um affluent que o precede,-Calamuxi-
to,-Cangombo,-e ribeira de Malange,--ao todo
7 linhas d'agua,-em nenhuma das quaes coube ao
nosso criterio, educado por dous mezes de lida com
a machine, registrar qualquer difficuldade de monta.
No Lombe, -o mais important d'esses cur-
sos,-encostas seccas, e moderadas no declive, con-
duzem a um bello vau, de soberbo fundo.
O solo intermedio revelou-se, tambem, de ge-
nero a excluir toda a apprehenso, e, smente,-








-36


ao atravessar o magnifico bosque, orla do Lombe
pelo lado esquerdo,-o caminho corre, durante uns
4:300 metros, superficialmente arenoso, desagregada
a folha superior pela passage frequent de carros
de bois, ou mulas, usando rodas bastante estreitas


na chapa do trilho. O facto, todavia, nem chega a
merecer fros de embarao, julgamos,-por
quanto, para ladear a difficuldade, ha o meio que
na seco Solo indicamos.


*

Finalmente, pelo nosso officio n.o 92 de 26
d'Agosto, fizemos entrega ao Governo do Districto
da Lunda, de todo o material anteriormente a
cargo da Experiencia de Traco Mechanica ,-
fechando, por tal modo, esta i." parte do servio.




1- -1 1


CAPITULO 2.0

FACTORS DO MOVIMrENTO




SECCO 1.A-Comiiibustivel

Entre o Lucalla e 3alalange existe today a possi-
bilidade d'assegurar, perfeitamente, o movimento
das locomotives, com excluso absolute de carvo,-
cujo emprego o seu alto preo recommend pouco,
(28.140 ris por tonelada, posto no terminus do Ca-
minho de Ferro, data da nossa passagem.
A affirmative, assim produzida, nenhuma som-
bra de contestao pde levantar, com respeito a
todo o espao, que se desdobra para alem dos pri-
meiros kilometros seguintes ao Lucalla. Estes pri-
meiros kilometros, comtudo,-um tanto despidos
de arvoredo na orla do caminho,-prestam-se a
suggerir duvidas a quem,--de rta batida,-no
tenha tempo de constatar, internando-se um pouco,
que a nudez, nas cercanias, no to complete,
como as apparencias inculcam. Alli ha lenha. E
mais haveria se uma aco efficaz da autoridade
puzesse cobro, de alguma forma, balda incendia-
ria do indigena, temivel arboricida inveterado.
Mas,-ainda suppondo que um trafego muito
activo, caso por ora hypothetico, requeresse forne-
cimento regular de madeira, reconhecidamente su-
perior s posses do territorio circumvisinho, as
mattas de Caengo, e o Caminho de Ferro, garan-
tiriam meio vantajoso d'obviar eventual deficiencia.









Com effeito, segundo communicaco official. que
obtivemos do competent Chefe de Conselho. cada
tonelada de lenha dos alludidos bosques,-posta na
toma d'agita (paragem dos combois na linha
d'Ambaca), importaria, para particulars, em
3.3oo ris. Para o Governo, que pde usar praas
moveis no trabalho de crte e conducco, o preo
reduzir-se-hia, pouco mais ou menos, a metade,-
visto nunca nos haverem trazido quantidade inferior
a 3o kilos, por cada 2 horas de servio, as pracas
de 2.a linha, que pessoalmente empregmos, send
de 200 ris o seu vencimento diario e unico. No ca-
minho de ferro, de 5o ris por tonelada-kiloinetro
a tarifa ordinaria de lenha, o que significa, pelo
transport at ao Lucalla, 1.2oo rs. cada tonelada,
preo talvez susceptivel de abatimento, attendendo
ao interesse que companhia deve despertar um
progress de viao no prolongamento dos seus
rails. Aceitando, no entretanto, a tarifa vulgar. ser
de 2.850 ris o custo, no Lucalla, de uma tonelada
de lenha de Cazengo.
Ora,- como adiante faremos notar, -existem
no paiz d'alem Lucalla,-e portanto plausivel que
floresam tambem aquem,-especies arboreas cuja
lenha, convenientemente colhida e cortada, se ave-
riguou, durante a nossa march, possuir poder eva-
porante regulando, sensivelmente, por do po-
der do carvo de Galles. Sendo equivalentes, pois,
os effeitos de 21/4 toneladas d'essa lenha (6.411 ris),
e os de i tonelada de carvo (28.140 ris),- o sys-
tema proporciona-nos 770/o de baixa no preo, que,
d'est'arte, se torna razoavel. De facto, tendo a lo-
comotiva Fowler consumido 51 kilos de lenhl-,-
como registraremos, -em cada um dos primeiros
kilometros do seu trajecto,-a traco das 20 to-
neladas pagar-se-hia alli, apenas, com 145 ris por
kilometro. Prevista fica d'este feitio a soluo para
o improvavel apuro.
No caso normal, isto , n'aquelle em que a
madeira se colhe nas proximidades de cada succes-








-39


siva tape, os mesmos dados numericos j cita-
dos (salario de 200 ris correspondendo a 120 kilos
de lenha,-e consume kilometrico de 51 kilos) per-
mittem computer a tonelada em 1.667 ris,-e o
kilometro de march em 85 ris de combustivel..
A nossa locomotive trabalhou sempre a lenha
local. servindo-se de carvo apenas nos primeiros
ii kilometros, no por necessidade, mas por ns
querermos rodear a transposio d'elles,-inicio de
viagem, vista d'espectadores curiosos,-com to-
dos os requisitos d'exito, que, no moment, s a
esse combustivel de confiana podiamos com cer-
teza attribuir, em quanto nos achavamos, como
ento, completamente ignorantes dos segredos do
instrument, e do poder calorifico das essencias
florestaes da regio.
As constataes, a que procedemos, no de-
curso de uma parte do trajecto, autorizam-nos a
fixar, ahi, os gastos da machine, por cada kilome-
tro de march, nos j mencionados Si kilos de le-
nha. Refere-se este numero a um troo do caminho.
onde o solo se mostrava seguidamente rijo, devendo
entender-se que os leves tractos arenosos, que, mais
para a frente, se mettem de permeio, uma vez ou
outra, implicam um pequeno accrescimo no consume.
Para avanar io kilometros requer-se, n'esta
conformidade, um mnimo de 5io kilos de achas,
quantidade que o paiol no comporta. No entanto,
arbitramos em io kilometros o raio d'acco sob
este ponto de vista, pois que sempre se encontrar
maneira d'accommodar o excess de lenha na pla-
taforma do machinista, ou no primeiro wagon.
Varias foram as madeiras regionaes que na
fornalha comparmos, chegando a classificar, como
melhores, as seguintes, cujo nome escrevemos na
lingua do paiz, no s por ignorar-lhes outro, mas
porque esse que servir para designal-as aos ra-
chadores:-Mulolo-Camballa-Mussongue Mu-
fufuta-Mueia-Ricache -e N'Gambo.
D'entre estas species, uma se distingue,- o








40-


N'Gambo se no nos illudimos,-de notavel dureza,
gro muito cerrado, e nucleo central quasi preto,-
cuja valia calorifica avulta especialmente.
Os ensaios tenderam tambem a tomar deciso
acerca das circumstancias do emprego,-queiman-
do-se ou lenha secca,-ou lenha verde com previa
exposio ao ar, de i a 5 dias,-ora tros como a
arvore os fornece, ora separada a casca,--delgados
uns, grossos outros,-ou, ainda, fendidos em achas.
A preferencia deteve-se, por ultimo, sobre
achas, obtidas de tros grossos e seccos, e foi usando
d'este modo, a madeira considerada como superior,
que poude attingir-se potencia d'aquecimento egual
a uns 45'/o da produzida pelo carvo de Galles,-
sobre a qual basemos um calculo anterior.
A applicao de travessas velhas do caminho
de ferro, experimentmol-a tambem. Vende-as a
companhia a 50 ris por pezo medio de 17*/ kilos,
augmentados com um transport que faz subir o
custo a, pouco mais ou menos, 6.700 ris por tone-
lada, no Lucalla. Mais cara que a lenha de Caengo,
sem energia calorifica que compense, e mais con-
tingente no fornecimento,-nada a indigita para o
servio.


SECO 2.^- Apa

Como preliminary descripo das existencias
d'agua, cumpre definir o raio d'acco da machine.
Segundo os dados da fabric, a locomotive
Florence transport comsigo liquid sufficient
para transpr 16 kilometros, (proporcionada a carga
de traco, ao valor das rampas).
Referindo-se esta indicao a boas estradas in-
glezas, claro est que, em terreno d'outro quilate,
o numero citado passivel de uma reduco, cujo
quantitativo, suppondo sempre o carregamento
harmonic com a percentage das rampas,--fica
dependent, apenas, da qualidade do pizo, e, por-








-41-


tanto, s determinavel pela practice, em cada re-
gio especial.
Assim, para a nossa machine, chegmos a
avaliar proximamente em 152 litros por kilometro
o consumo nas zonas de caminho, cujo typo consi-
dermos como media,-consumo equivalent a um
raio d'acco,-medio tambem,-de 81/b kilometros.
A qualificao de medio implicitamente exprime
que trajectos houve, onde o apparecimento, um
pouco mais insistente, de manchas de solo desa-
gregado lhe impoz diminuio, ao passo que, em
troos favoraveis, foi, pelo contrario excedido.

Do Lucalla, ao 2.0 cruzamento do Fumege (kil.o
431/-), as ribeiras com agua perenne cortam o ca-
minho a intervallos larga comprehendidos dentro
do limited.

Segue-se, depois, a seco de uns 14 kilometros,
entire o Fumege, e a ponte de madeira da ribeira
de Catenda (kil.o 571/2), a qual abrangendo logar e
aquiferos, offerece todavia, durante a estiagem pe-
quena quantidade d'agua superficial tomavel sem
sahir da via.
Com effeito, largando do referido Fumege, cru-
za-se, primeiro, a 5 kilometros de distancia, a laga
que no mappa, falta de nome, disignei por a
-logo, i kilometro para a frente o terreno inun-
davel de Quisamenha,-com mais 2:3oo metros
d'avano, o valle do riacho Ceo, e, enfim, a 55o
metros alem, a lagoa a-tudo sitios seccos na
occasiao.
S desviando para fra do caminho uns 400
metros direita, na altura da ultima laga nomeada,
que se obtem a agua de um charco,-ao cabo,
portanto de ter percorrido uma somma total de
9:25o metros, isto , maior extenso do que a per-
mittida pela capacidade dos tanques da locomotive.
Facilmente, no entretanto, se pde prover a
esta apparent complicao, abrindo poos nos








42-


pontos mais visivelmente humidos e verdejantes de
cada um dos citados leitos, do mesmo modo que
ns fizemos no Ceo, onde, sem muito cavar, se
alcanou algum alimento para a caldeira.
O facto de transportarmos nos wagons alguns
barris de 85 litros cheios d'agua, dispensou-nos de
trabalho na lagoa a ou em Quisamanha, mas a
perfurao, n'uma ou n'outra d'essas zonas alaga-
dias, requer-se,-installada que seja a explorao
regular incompativel com sobrecargas inuteis, -
por quanto o comboio no pde,-em consequen-
cia d'uns espaos levemente arenosos que interrom-
pem o caminho,-chegar ao riacho Ceo marcha
de 8.300m) sem uma toma d'agua intermcdia.
Supondo-nos completamente reapprovisionados
nas cacimbas d'esse riacho, a tirada at Catenda
(5 /2 kilometros) vence-se sem mais reforo.
Se a experiencia do servio revelar mais tarde
a insufficiencia dos recursos, que aqui aponto como
bastantes, ou mesmo a conveniencia de substituir-
lhes outras fontes, nada prohibe aproveitar o
charco da laga 3 e, 3 kilometros para leste, na
Moquiche, a nascente que l goteja nas valletas, e
cuja captaco no envolve obras de tomo.

Desde a ribeira de Catenda at ao Lombe
(kilometro i 8),-estende-se uma 3." secio, com
6o 'l/ kilometros, onde sem soccorro d'arte a loco-
motiva beber quanto requisite, encontrando as
seguintes estaes d'agua, s distancias que, entire
parenthesis se enumeram:-Cacimbas da cabeceira
do Catenda (2.800m da ponte de madeira)--ribeira
Cacuso (6.o5o)- cacimba de Cassongue (2.i oom)-
ribeira Cajindongo (9.9oom)-cacimba de Matete
(6.700m)-Rio Lutete (3. oom)-ribeira Camitobo
(2.75om) -ribeira Buizo (i.5oom)-ribeira Quiboan-
gana (6.Ioom)-cacimbas de Cacolo Calombe (6.950m)
-junto ao quartel de Cacolo Calombe (2.000m) -
affluente do Lombe (7.65om)-Rio LQmbe (2.400m).-
So mais curtos, do que o raio d'aciao calcu-








-43-
lado, todos estes intervallos, except o intermedio
entire a cacimba de Cassongue e a ribeira de Ca-
jindongo (9.900'"), ao long do qual a indole pro-
picia do caminho nos proporciona um exemplo de
ser ultrapassada a media, pois, effectivamente, a
locomotive rodou quasi o1 kilometros, com o gasto
unico das suas proprias disponibilidades.

Sobre a 4." seco, de 11 '/2 kilometros, que
corre do Lombe ribeira de Calamuxito (kilome-
tro 129 1/2), no inscreveremos aqui noes defini-
tivas, porque apenas a percorremos sobre o cami-
nho carreteiro vulgar, em quanto,-segundo n'outra
parte se expor,-no , exactamente, essa a dire-
ctriz, que, machine, convem.
Na occasio em que se proceda ao abrimento,
sobre o terreno, d'essa nova senda, cumpre encos-
tar-lhe o traado a algum manancial, se isso fr
necessario, o que antecipadamente se no prova,
considerando quo pouco o comprimento do lano
(iI 1/2 kilos), vae alem do raio d'acco medio
(8 /2 kilos).-
Todavia, se realmente a urgencia chegar a
observar-se, e a natureza, por acaso abi, nos re-
cusar o beneficio do seu auxilio, bem se resolve o
problema collocando um deposit d'agua no ponto
correspondent ao esgotamento dos tanques, em-
prehendimento sem gravidade, no s porque a
longitude ao Calamuxito,-donde o abastecimento
havia de fazer-se,-j no poder ser grande, mas
ainda porque, cada machine, se contentaria com as
centenas de litros precisas para attingir a mesma
ribeira.

Emfim a 5.a seco, -do Calamuxito a Ma-
lange,-cortada nos seus 8 /1/ kilometros d'extenso
por duas ribeiras,-a de Cangombe e a de Ma-
lange,-offerece agua de sobra.

















SECCO 3.P- olo

Inclue-se o cho no grupo dos factors de mo-
vimento por ser elle a regua de cremalheira, a fa-
vor da qual a rotao das rodas motors deve
produzir a translao longitudinal do vehiculo. Se
as rodas encontram pga, ha avano; de contrario
d se o patinhamento no logar. A pga,-isto a
qualidade que constitute o cho em boa cremalheira,
-depende da dureza, e do estado no escor-
regadio.
As rampas, por actuarem como modificadores
de movimento, impondo diminuio de velocidade,
e reduco de carga, -entram tambem n'esta
seccao.
Solo. Desde o Lucalla. at um pouco alem da se-
gunda passage do Fumege,-quer dizer at ao
kilometro So, sem grande differena,-a locomotive
encontrou um terreno to extremamente favoravel,
como raras vezes a natureza conceder, em tirada
seguida de tanto comprimento. Argiloso d'a;specto
accentuadamente vermelho, a rijeza, que ostenta,
durante a estao secca, toma certos bocados do
caminho comparaveis a uma verdadeira estrada
macadamizada.
Nos 40 kilometros seguintes, terminando junto
lagoa da Henda, surgem laivos de desagregao
superficial, intermittencias ao de leve arenosas, -
taes, explicitamente, as que se notam nas immedia-
ces para leste da laga de Gambo, e j na rampa
de sahida da mesma laga, onde a machine em-
pregou o cabo de traco para arrastar os wagons.
Nem assustadores cada um de per si, nem d'alta








-45-


frequencia no apparecimento,-esses obstaculos,-
alis correntemente superaveis, apenas influem
como causa perturbadora da rapidez, obrigando a
momentaneas quebras na cadencia do andamento,
e a maiores consumos d'agua e lenha. E, demais,
desejando em absolute evital-os, o mero desvio
para um dos lados satisfar em numerosos casos a
aspiraco.
Logo passada a laga da Henda cessa a pro-
cedencia experimental das nossas informaes, por
ter o comboio ficado ahi. Comtudo os conhecimen-
tos anteriormente adquiridos, e a circumstancia de
terms effectuado march a p, do-nos azo a
affirmar, com certa consciencia, que ao lanco
Henda-Malange (48 kilometros) quadram justa-
mente as mesmas palavras que definem os 40 kilo-
metros precedentes,-salvo no que respeita a um
espao de 4.300 metros na lombada esquerda do
valle do Lombe, onde a camada arenosa,-no
obstante a existencia de sub-solo rijo a curta pro-
fundidade,-avulta bastante para tornar molesta a
circulao, e aconselhar o affastamento. Para fugir
a essa faixa movedia basta,--a f do Governador
de District, -abandonar, cruzado o rio, a via or-
dinaria, e metter para a esquerda, ao long da
margem, no sentido de montante, ladeando depois,
para a direita, a meia encosta, o flanco da eminen-
cia de moderadissimo declive, que ahi demarca o
valle.
Ha mesmo, conforme consta, um trilho genti-
lico que, mais ou menos, aponta esta directriz,
vindo desembocar, no caminho actual, a leste de
Calamuxito.

Rampas. Por meio da alidade Goulier, medimos a in-
clinao de algumas das subidas, que o comboio
trepou.
D'entre ellas, destacaremos smente tres que,
por pertencerem classes das mais fortes, frisaro
os geitos da via n'este particular,-testemunhando,









ao mesmo tempo, practicamente, o vigor ascen-
sional da locomotive.
Eleva-se a primeira,-logo depois de atraves-
sada a ribeira Caririmbe,-com a percentage
de 8,70/o, mantida, mais ou menos, durante uns
400 metros. Como aggravante, parte de tal ladeira
foi superada rodando sobre capim.
9 kilometros mais adiante, depois de cruzar a
ribeira Quig'hulo, sobre a passage alli construida
de pedra solta,-teve a machine ensejo de arran-
car, com os seus tres wagons, por sobre a rampa
de sahida, que, por economic de tempo, haviamos
talhado io/o, dando-se ainda a adversidade de
toparem as rodas motors mediocre pega. n'um
cho que, ao de cima, se mostrava esfarelado.
Egualmente a primeira travessia do Fuimege
terminou pelo attaque de um declive de 90/", com
limpeza, levado de vencida
A par d'estas noticias, cumpre declarar que,
-n'alguns, -poucos,-sitios, -onde, com a dis-
posio em rampa, mesmo de menor cota que as
antecedentes, coincidiu um solo movedio,-a lo-
comotiva viu-se forada a marinhar ssinha, tra-
zendo, depois, a si, os wagons, por intermedio do
tambor de traco.

















CAPITULO 3.

OBRAS; LINHAS D'AGUA



Construir passagens atravez de rios,-cons-
tituiu o grosso do nosso trabalho.
Ligar essas passagens, com o caminho de
carro,, furando canaes na selva esquiva,-repre-
senta a, menos espinhosa, faina complementary.
Realmente j demos ideia de como a machine
singrara por mattas e savanas, custa, apenas,
d'um previo desbaste, to rudimentar s vezes, que
ainda cabia s proprias rodas vir retocal-o, der-
rubando na march, sem dar por isso, um ou outro
individuo florestal, que, aos golpes da guard
avanada, escapra, fora do alinhamento.
O capim commum, de um a dous metros
d'altura, esse, dispensava vulgarmente o crte, que,
por regra, s se fazia n'esta, ou aquella, nesga
limitada, onde conviesse pr a descoberto pedregu-
lhos susceptiveis de causar abalroamentos perigo-
sos,-ou, ento, na contiguidade das ribeiras, afim
de facultar ao machinista boa clareira de manobra,
no moment de indireitar-se com as passagens.
E' assim que, unicamente, a parte privativa
dos cursos d'agua merece algum detalhe.

Visivel, ou invisivel, -superficial, ou subja-
cente,-o atoleiro forma, para as locomotives car-
reteiras, o impedimento verdadeiramente para tre-
mer.-
Rola-se dentro d'agua,-progride-se pela areia,








48-


-circula-se no meio dos bosques,-trepa-se uma
rampa aspera,- marcha-se sobre arbustos ou la-
vras,-moitas, ou hervas,-mas, diante da incon-
sistencia do cho pantanoso no ha recurso seno
evital-o, ou supprimil-o. Eis o dilemma fundamental
que urge ter present.
A sonda torna-se, por isso, utensilio indispen-
savel, pois, nas margens dos regatos, a miudo
succede occultar-se o lamaal sob um lenol de
terreno secco, competent para enganar os olhos.
Na funco de sondas, empregmos simples
alavancas de ferro, de ponta aguda, manejadas a
brao, de modo a perfurar o solo por choques re-
petidos no mesmo ponto, apalpando-lhe, assim, a
rijeza,-e o estado de seccura, humidade, ou en-
charcamento.
Municiado, portanto, com esse instrument
essencial, o explorador, ajudando-se, occasional-
mente com guias indigenas, iniciava a pesquiza.
As leis que lhe presidiam eram,-alem das
exigencias da locomotiva,-o gasto minimo de
trabalho de construcco,- quer dizer, economia
de tempo e dinheiro no instante,-e o mento mnimo da via ordinaria, quer dizer eco-
nomia de tempo e dinheiro no fituro quando,
tendo em mira a instalao de um trafego normal,
se pretenda,-no preferindo reforcar as actuaes
pontes,-pr as variantes, por ns grosseiramente
apontadas agora, em condies semelhantes quel-
las em que' se acha o caminho, onde entroncam.
Debaixo do influxo d'estas consideraes, se
realizava a operao preliminary de reconhecimento
e sondagem, definindo-se o ponto fixo de cruza-
mento.-

Evidentemente a hypothese mais favoravel. em
todos os aspects, era a de utilizar, sem interven-
co de industrial, as pontes de madeira existentes.
O genero d'estas, ligeiro, por principio, raro se
compadeceu com tal desideratum.








-49-
Comtudo nos pontes da=laga a= Quisa-
manha= laga S = Moquiche Mutanda ambamba,
=a estreiteza do vo, e a grossura das vigas,
asseguraram, desde logo, travessia franca.

Pela ordem das facilidades, devemos citar, em
seguida, os casos, em que se apresentou viavel a
passagem a secco, quer torneando,-quer apro-
veitando as lombadas enxutas, que, no period
d'estiagem, destroem a continuidade de certos
cursos, convertendo-os n'um enfiamento de char-
cos, mais ou menos aquiferos, e muito, ou pouco,
distantes entire si.
Foram torneados pelo exterior das nascentes
o=Caiiung-i= e o=Catenda, guinando a loco-
motiva para fora do caminho, a sul, uns 4oo me-
tros,-no primeiro, -e uns 3 kilometros,-no
segundo, d'estes riachos;
Identicamente foram torneadas, pelo sul, as
lagas de Capacassa=Cassongue- e Henda;=
Foram passados sobre umna ona secca do leito
o = Quixin'Ce = Co = e = Cacuso = descahindo a
sul,=o- Cafla=e o -Manda volvendo a norte,
e a = laga de Gambo = tomando a direito, pela
propria direco do caminho.

A'parte estes,-todos os restantes cruzamen-
tos s poderam levar-se a termo por meio d'Obras,
que classificamos nos seguintes grupos:
a) Reforcamento de pontes de madeira;
b) Construco de pontes de pedra solta,-
desaterros,-explorao de pedreiras;
c) Melhoria de vaus, desaterros.

Grupo a)

As pontes das obras publicas teem todas a
largura de 3 metros, e os seus taboleiros de
pranches assentam directamente sobre 5 vigas,
a seu turno apoiadas n'uns encontros formados por











pilhas transversaes de troncos, que estacas, e liga-
es d'arame, consolidam.
Dizendo que as espessuras das vigas oscilam
entire 20 e 37 centimetros, -e que os vos, ex-
cluidos os pontes que atraz referi, se medem
sempre por alguns metros, implicitamente fica de-
monstrada a inaptido de taes pontes para sup-
portar a march da locomotive Fowler, typo FFlo-
rence, cujas rodas motors prime, cada uma,
com 6 toneladas, pouco mais, ou menos.
N'estas circumstancias, o reforamento traria
a soluo, se a indigencia dos nossos meios no
votasse, quasi sempre, em contrario.
Ainda assim conseguimos improvisar transito
em 2 pequenas pontes, as do Caria = e do
Cabnha.=


':Encont; o






roda roda -


om50 0'








a O



2 metros e trinta
3 metros
Sn metos


Escala 1/50








51 -


O Cria, no logar onde o caminho o encontra,
apresenta margens alagadias, atravez das quaes
as Obras Publicas levantaram um aterro interrom-
pido na parte correspondent ao leito real da ri-
beira. Sobre essa abertura estende-se o taboleiro,
cujas 5 vigas, dispostas a intervallos eguaes, mar-
can,-as 3 do centro,-27 centimetros de espes-
sura. Os encontros, distanciados de 3 metros, me-
reciam, na occasiao, relative confiana, e, desde
um, at outro, a sonda batera, em subsolo rochoso,
a pouca profundidade.
Ora o rodado posterior da locomotive Flo-
rence, figura-se, em projeco horisontal. conform
o desenho junto,-o que exprime,-visto ser muito
resumida a differena entire a largura da ponte (3'"),
e a largura do vehiculo (2,'3o),-que este teria de
cingir se, por fora, a passar n'um trilho bem cen-
tralizado, e a priori conhecido. Portanto, a ques-
to limitava-se a robustecer, no o taboleiro todo,
mas to smente esse trilho.
Por outro lado, comparando o comprimento
do tramo (3m), com as distancias entire os succes-
sivos eixos da machine, e wagons, apurava-se que
nunca se acharia, ao mesmo tempo, sobre uma
dada viga, mais do que uma roda, e, d'essa forma,
calculada a resistencia para a de maior carga (roda
motora-6 toneladas), ficaria, para logo, garantido
salvo conduct ao comboio inteiro. -
N'estas bases, determinou-se:
i.=Despregar os pranches do estrado, e
introduzir 2 vigas novas por fra, respectivamente
da 2." e 4.a primitivas, arranjando assim, a cada
banda,-um pizo de cerca de meio metro, corres-
pondente, com approximao, largura de cada
roda motora, e sua direco de march;
2.0- Sustentar, cada uma d'essas 4 unicas vi-
gas interessadas, com 3 prumos, dividindo o vo
total de 3 metros, em 4 espaos de o,"' 75, numero
que deduzimos pela applicao da formula: 1oo.ooo
X 5b3 Pc. Para valor de b) adoptmos o
7









numero o, 25, porque tinham esta espessura as
vigas toscas que o local nos offereceu.
Feito o trabalho n'esta conformidade,-esco-
rados os prumos,- que uma previa dragagem per-
mittira assentar a preceito,-e repostos os pran-
ches sobre o vigamento,-veio o rolar incokume
do comboio confirmar satisfactoriamente a estabi-
lidade e solidez do conjuncto.
No Cabonha, onde havia a vencer um vo ,~inda
menor,- 2 metros,-- procedeu-se analogamente.



Grupo b)

As construces que qualifico de pontes de
pedra solta, por ventura, mais depressa lembra-
ro barragens, ao primeiro reliance, de quem olhe
desattento. Effectivamente a pedra miuda, agglo-
merada nas camadas superiores, quasi forma mas-
sico, e intersticios s mais para baixo se veem, nas
alturas do nivel d'agua, onde se procurou deixar
vaso para o fluido em movimento.
Obras to elementares no carecem descrever-
se, com quanto alguma arte,-rude embora,--alli
cooperasse,-havendo a manejar, com simples
alavancas, blocos pezadissimos, e a collocal-os,
precizamente, nos sitios e posturas adequados, para
assegurar efficaz escoramento mutuo, sem inter-
ceptaao da corrente.
A opportunidade d'emprezas d'esta ordem
prendia-se com a dureza da concordancia, entire o
fundo dos alveos, e a terra circumvisinha, logran-
do-se, pela aco mixta dos alteamentos devidos
pedraria, e das depresses alcanadas pela cava
das ribas, attenuar a rigidez brusca d'alguns recor-
tes em demasia aprumados.
Outro emprego relacionava-se com a desco-
berta de estratos infiltrados, no proposto logar de
transposio. Expulso, fora de p, esse recheio









-53-


de Iodos, vinham calhaus e penedos tomar-lhes a
cama.
Em quanto uns partidos de pessoal se consu-
miam em takes tarefas, cortavam outros os taludes
de access, iam-se os restantes s pedreiras.
Grs compact, massas graniticas e quartzosas
irrompem por alli em barda, fragas e lages s ve-
zes de cyclopicas propores. Burgaus e cascalhos
tambem a natureza otlerece a miudo.
Contra a rija contextura d'essa especie de ro-
chas, com fraco resultado se embotavam as nava-
lhas das brocas, abandonando-se por isso o uso da
dynamite em furos, vantajosamente substituido pelo
attaque, com alavancas d'unha, sobre o fendilhado
to frequent no granito.
A bruteza dos penhascos d'est'arte libertados,
capaz d'intimidar mesmo negros hercules da costa
do Kru,-facilmente poria em cheque as nossas
gentes d'Ambaca e de Pungo Andongo, se, ao fraco
desenvolvimento muscular, de que so specimens
reconhecidos, no viesse em auxilio um apropriado
manejo da zorra transportadora. Erguido para o
alto, sobre as rodas de traz, o estrado razo do ve-
hiculo, procurava-se, n'essa posio empinada, ada-
ptal-o mais geitosa face do pedregulho, no qual,
simultaneamente, se ia imprimindo a deslocao
necessaria para ajustar as duas superficies. Bai-
xando em seguida o carro,-sem offensa d'essa
adjacencia, sua situao habitual, ficava, com
esforo relativamente restrict, effectuado o car-
regamento.
A conduco a rodado feita depois por traco
braal, com dois compridos cabos, dispensa maior
mencao.
Os rios, ou ribeiros, atravessados sobre cons-
truces de pedra solta, constam da relao se-
guinte, onde, outro sim, se declara, para cada um,
o volume dos desaterros, e o da pedra gasta, no
s na ponte propriamente dita, mas ainda nas mar-
gens, em troca de lamas extrahidas.









-54-


Caririmbe...
Bembeje ....
Lutanda....
Quig'hulo...
Tuto .......
H ala .......
Mazaia......
Elege. .....
Calombo....
Fumege i.o..
Uhoa.......
Cajindongo..


Movimento de terra
(Metros cubicos)

Margem direita Margem es.
querda


Movimiento
de rocha
(Metros cubicos)'

4 1/ Somma total dos
4 1/ desater os:
42 33o m." c.~0
42
34 Idem dos empe-
59 1/: dramentos:
3 /-2 272 m.0' c.
25
12
20
23
2


G-rupo c)

Consistiu a melhoria dos vaus no corrigir do
seu piso, por aco de pedras convenientemente
distribuidas, preenchendo vos, encobrindo resal-
tos, egualizando, n'uma palavra, as asperezas do
leito natural, na zona assignada passage. D'um
lado e outro as excavaes para o access remata-
vam o trabalho.
A lista seguinte nomeia os rios, ou ribeiros,
vadeados, e registra o valor das remoes nas
margens:

Movimento de terra
(Metros cubicos)
-Margem es-
Margem direita Margem es-

Caxinge........... -
Caxinge ..Somma total dos de-
Mucusso Cabangage saterros:
N'Gando .......... I o 97 metros cubicos-
Quaquianza...... ?
Cambunze ........ 30
Fumege 2.0......... 20 5
Lutete............ 20 -
















TITULO 2.o
O QUE SE CONCLUDE

CAPITIULO 1.0
A EXPLORAO FUTURE


S E C A O 1.A Bas historic

A locomotive d'estrada precedeu a de via
ferrea.
Comtudo absorvidos, ento, de preferencia, os
engenheiros pela traco sobre rails,-a carreteira
teve de soffrer, no seu desenvolvimento, um com-
passo d'espera, que se prolongou para alem de i85o.
Ao despontar a segunda metade do seculo,foram
os agricultores, em Inglaterra, que, zelando pelo
aperfeioamento dos seus machinismos, attrahiram,
de novo, as attenes, e os esforos, para o pro-
blema da automobilidade sem dependencia de carries.
N'uma Exposio da Real Sociedade d'Agri-
cultura, em 1857, a casa Fowler apresentava o en-
genho locomovel, d'onde derivam as suas actuaes
machines tractoras.
Accentua-se subsequentemente a evoluo, que
experiencias internacionaes excitam e sanccionam.
Fabricantes diversos -Boydell, Bray, -Ave-
ling Porter, Fowler, Howard, Enrico,-- su-
jeitam os seus models progressivos aos ensaios
practices impostos successivamente por allemes
(campanha de 1870-Metz, 1872),-russos (Krasz-
noje-Selo, 1876-Guerra com a Turquia, 1877-78),
-italianos (Verona, Turim, Spezzia, 1873 a 83








56-


-francezes (Paris- 187)-Suissos (Andermati i8)2)
-e, finalmente, inglezes (Crimea-1854- Wool-
wich-i858 -Chatham 1877 manobras de Berk-
shire- 183) -
Em 1894 j, nas estradas d'Inglaterra, transi-
tavam 8 mil locomotives. No entretanto as inves-
tigaes no param, e em Agosto de 1897, concor-
rendo uma nova machine Fowler, passam-se as
provas de Aldershot, cuja severidade mais realou
a victoria decisive que as carreteiras alli c(nquis-
taram.



















E perante o instrument d'este modo condu-
zido, passo a passo, ao grau d'afinaco que 5o
annos d'assiduidade perscrutadora deixam transpa-
recer,-as colonial, -organismos nascentes cujas
expanses vitaes acima de tudo reclamam os esti-
mulos da facil circulao, abriam, desde logo,
vastissimos theatros de proficuas operaes.
Na India, onde ligam, com os caminhos de
ferro, districts remotos,-na Australia, cujas lans
acarretam por terrenos virgens d'estradas regulars,
-na Uganda, como exploradores avanados du-
rante a construcco de Caminho de Ferro,-no
Orange e no Transwaal, que sulcam com trans-








- 57


portes commerciaes, penetrando no Matabele at
Bulawayo, atravez de vaus, e mesmo de logares
arenosos,-vinham as caminheiras,- e em especial
proeminencia as da marca Fowler,- envidenciando-
se,-desde 1897, nomeadamente, -poderosa ala-
vanca d'enriquecimento, de civilisac5o e de pro-
gresso.
Ao rebentar do conflito transwaliano, o tractor
potente veste armadura de guerra, e, sob proposta
do Coronel Templer, director geral dos transpor-
tes a vapor, o governor inglez remette para Africa
Austral grande copia de machines, estando, logo
em Novembro de 1899, embarcadas,-ou em vias
d'isso,-24, das quakes 17 de manufacture Fowler,
e as excedentes Mac-Laren, Burrell, e Aveling
Porter.




















No viram ainda a luz da publicidade relatorios
dos commandos militares, acerca do comporta-
mento dos engenhos, no decurso da lucta, mas so-
bram, no emtanto, testemunhos d'officiaes, e noti-
cias e desenhos de correspondents, corroborando
com plenitude o que, j do anterior ganhra foros
d'averiguado.









No talvez d'este imperfeito esboco historic,
mas com certeza das noticias e publicaes credo-
ras de f,- n'elle pallidamente extractadas .--re-
saltam, com saliencia dous factos:


Ei


1.-A locomotive carreteira modern, que
emergiu d'aturadas diligencias, e de muita lio
experimental, um instrument, cujas aptides par-
ticulares, d'alto interesse em paizes d'atrazada
viaao,-j se encontram practicamente corsagra-
das nas colonies britannicas;
2.-A firma Fowler, alvo de preferencias do
governor inglez, sustenta, ao que parece, a primazia
na manufacture.
O conhecimento d'estas verdades conduziu,
logica e naturalmente, a Experiencia de traco
Mechanica , ordenada pelo Governo de Sua Ma-
gestade na Provincia d'Angola, e ao nome do Fa-
bricante a quem se recorreu.

(i)-Mechanical Traction-L. Col. Lairiz (German army)-The Enginee-
ring Times Oct. 19o0 "Afiican Commercc Nov. 19oo- The Mtlabele Ti-
mes Sept. i897-"The Engineer Dec. 1899-etc.-


s.S-


: I


tft~i 1.F-...~ ~n
d~iI~--I

















E C C O 2. Escolha do material;-- arga

Machine, D'entre os various typos, de que dispe a grande
Officina de Leeds, avultou,-segundo voz corren-
te,-no favor do Ministerio da Guerra inglez,-
ao fornecer-se para a invaso das Republicas Africa-
nas,-aquelle que se design por Lion,,,-de forca
para puxar 35 toneladas,--raio d'acco de 19 kilo-
metros.-e registo para 3 velocidades, das quaes a
maxima de io'/, kilometros por hora.
Porem o seu consideravel pezo (1) toneladas,
salvo erro) suscitou-nos, theoricamente, fixar antes
o Florence , que, entrando como o anterior no
grupo dos models sul-africanos , se distingue
d'elle por mais leveza (15 toneladas, em ordem
de march)
Por ter sido este, pois, o engenho que, sobre
o caminho Lucalla Malange, fizemos rolar, com
o fructo que, no present document vem narrado,
s n'elle nos cabe depositar confiana consciente.
Assim, para tractor commercial na directriz
em questo, pronunciamo-nos pela locomotive Flo-
rence, sem que tal opinio envolva, todavia, re-
pulsa terminante da Lion, cujo prestimo, alli,
nenhuma razo peremptoria se levanta a contestar.
Wagons. Em harmonia com a qualidade de mercadorias,
e a forma dos volumes, mais usualmente a mover
na linha do trafego Lucalla-Malange,-forneceu-nos
a casa Fowler dous projects especialmente deli-
neados para o caso, conforme os quaes temos a es-
colher entire dous typos de wagon, apresentando o
primeiro, em cifras redondas, -2 e meia toneladas
de pezo, e 5 toneladas de capacidade de carga,-e









o segundo, respectivamente, -tonelada e meia, e
3 toneladas e meia.
Dentro de takes condies e tomando em ,tten-
o que, pela nossa experiencia ficou attribuida
locomotive Florence uma potencia d'arranque de
20 toneladas sobre aquelle terreno,-vemos que
o typo mais pezado determine a formao de um
comboio de 3 wagons com ura disponibilidade de
12 toneladas e media para transport util,-e que,
por outro lado, este se eleva a umas 14 toneladas
pela adopo do typo ligeiro, formado em coiboio
de 4 wagons.
A vantage que o primeiro modelo possue
sobre o segundo, consiste em maior resistencia, e
na possibilidade, que assegura, de concentrar o car-
regamento sobre 3, em vez de 4, viaturas. No en-
tretanto, como qualquer d'elles est em circums-
tancias de corresponder ao servio, tomaremos,
para base dos calculos de trafego, as 14 toneladas
livres, que o ultimo nos faculty.



SE C C A O 3. -- Movimlto

A chuva incommda, indirectamente, o tran-
sito das carreteiras,-fazendo escorregadio o solo,
-creando, ou aggravando tremedaes.
Com quanto, d'Outubro a Maro, o tempo
corra pluvioso, na zona Lucalla-Malange, os agua-
ceiros dos dous primeiros mezes no causar5,: pro-
vavelmente estorvo apreciavel, porque intermitten-
tes, em geral, e ainda pouco intensos, breve se
embebem nas terras requeimadas, por uma longa
estiagem.
Mas, durante o lapso d'entre Dezembro e
Maro, a normalidade da circulao ha-de forcosa-
mente affectar-se bastante, com as chuvadas insis-
tentes da estao quente.
A' cautela reduzimos, pois, a 200, o numero









de dias de servio, em cada anno, deduzidos j os
Domingos, que, em regra, devem reservar-se para
descanco.
Quando,-regularizada a situao, como cum-
pre,- o comboio puder attingir o seu destino, sem
alternatives d'excurses na brenha, o trajecto do
Lucalla a Malange, ou vice-versa, no deve, no
maximo, demorar mais de 3 a 4 dias. Suppondo,
comtudo, que demora 5, e que, a cada march
complete, n'um sentido ou n'outro, corresponde I
dia de paragem,-teremos que uma locomotive
comporta por anno, entire ascendentes e descen-
dentes, 20 = 33 viagens,-equivalentes ao trans-
portes de 33 x 14 462 toneladas.
O estabelecimento de carreiras regulars en-
volve a devida preparao da via nos lanos de
cruzamento de ribeiras. Alguns dos trabalhos, por
ns executados, responded, talvez, sufficientemente
a esse empenho, se houver o cuidado de aperfei-
oal-os na media do necessario; mas n'outros lo-
gares, e em particular n'aquelles em que a nossa
vereda se apartou muito do caminho ordinario, pa-
rece-nos de melhor alvedrio reforar as pontes,
tanto mais que a existencia de madeira local, e o
servio da machine, como transportadora, e como
motriz de uma serra mechanic, facilitaro o com-
mettimento.


SE C A O 4 Tra[feo; Mnmoro de machines

Svwa[ons

As mercadorias das terras orientaes do dis-
tricto affluem ao porto de Luan'da, por dous canaes
diversos,-a linha ferrea d'Ambaca,-e o troco na-
vegavel do Cuanza.
Malange,-conjuncto d'afamadas feitorias,-
residencia traditional d'antigos sertanejos,-pde,
ainda hoje, considerar-se como o mais internado
fco d'essa irradiaco commercial.








-62-


Partindo do velho emporio de trafico gentilico,
em busca do litoral, o caminho carreteiro segue
unico at Matete (uns 5o kilometros), onde a diver-
gencia se abre, dirigindo-se um ramo para o Lu-
calla, testa do caminho de Ferro, -e o segundo
para o Dondo, extrema da seco fluvial sulcada
por vapores.
Chegados ao vertice do angulo, os transportes
guiados por brancos ho-de fixar o seu rume em
virtude da comparao entire as facilidades d'i:m e
outro troo de via ordinaria, -e entire os pi ecos
dos fretes pela via aquatica, e pela via ferrea. que
entestam com esses referidos troos. A respeito
das comitivas de bangalas, gingas, e mais indige-
nas negociando por conta propria, com quanto no
seja simples prever-lhes o criterio, menos governado
por motivos racionaes, do que por caprichos, ma-
nias, e presumpces fatidicas, pode, comtudo ima-
ginar-se provavel que, mais ou menos, se resinta,
e um tanto obedea suggesto da trilhada curo-
peia.
Em harmonia com este intuitivo asserto, atfir-
mam correspondencias recentes, que o lanamento
de pontes, ao long da linha de communicao
Malange-Lucalla, est modificando, em premuizo
do Dondo, a orientao do fluxo mercantil.
Estes considerandos, em concorrencia com os
dados numericos fornecidos pelo relatorio da Com-
panhia Real dos Caminhos de Ferro Atravez d'.fri-
ca, de 1901, servem de alicerce nossa estimativa
de trafego, e tambem de pedra de toque, quanto
crena que meream.
Apezar de, no mappa geral estatistico, contido
no relatorio, no virem apontadas as procedencias,
equitativo, e livre d'erro grave, acreditar-se que
todo o azeite de palma, coconote, madeiras, c co-
loniaes diversos, correspondem a despachos nas es-
taes intermedias,-e que toda a borracha, cera,
e couros, pertencem estao-terminus, quer dizer
derivam de leste.









Valendo-nos de tal presupposto, que a conhe-
cida distribuio regional do commercio, alli, re-
veste de plausibilidade,-a leitura do alludido do-
cumento informar-nos-ha de que as consignaes
de Malange e cercanias se representam respectiva-
mente nos annos economics de 1899-9oo, e 19oo-oi,
por 142 e 409 toneladas. Temos, portanto, corno
media annual do movimento descendente, 275 to-
neladas.
Mas o commercio do interior sabemos ns que
comprehend mais a outra fraco que, em Mate-
te, se separa, procurando o Dondo. Esta, ha diffi-
culdade em calculal-a porque, no Dondo, posto de
baldeaco, amontoam-se, no destrinadas, merca-
dorias d'origem varia.
Assim nos arriscamos a perfilhar a hypothese
de que em Matete as remessas em transit se hajam
partilhado por egual, metade para os wagons d'Am-
baca, metade para os pores do Cuanza, o que
equivale a avaliar em 275 x2= 55o toneladas o
quantitative annual medio da exportaco preveniente
de leste do district de Luanda, durante o period
1899-1901.
A' corrente para a costa, contrapem-se, em
sentido inverso, generous de permuta, rancho e ves-
tuario, ferramenta, machines e municiamentos, em-
fim a massa consideravel de artigos que podem
suppr-se requeridos n'um paiz, onde, sob a di-
recco d'europeus, funccionam, alem de feito.rias e
fazendas, o service administrative e missionario, e
a occupao military.
Em taes condies, julgamos no exaggerar,
aceitando, no moment, i.ooo toneladas como ex-
presso approximada do trafego annual, ascendente
e descendente, entire Luanda, e as regimes de que
Malange centro principal.
Pedem-se, por consequencia, em comeo, videe
seco 3.a) 2 machines e 8 wagons para servio,-
e mais i machine e 3 wagons para reserve.

















SE c c A O 5.A PpeSSoal de machina

A dirigir sobre estrada ordinaria uma locomo-
tiva Fowler, de prompt se aprende.
Manejal-a, competentemente, em caminhos de
matto, onde, com a estreiteza d'espao, se complica
o apparecimento occasional de pedras, sobiodas,
troncos, e obstaculos varios,-com quanto depen-
dendo j de maior pericia, -no demand :inda,
todavia, instrucco de longa dura.
Mas ter no ouvido o som caracteristico da
machine em funccionamento regular,-nos olhos a
imagem das suas formas e movimentos nornmacs,-
nos dedos o tacto das suas resistencias, na, ala-
vancas e manivellas,-de tal modo que quilquer
perturbaco, ou deslocamento, flexes, ou attrictos
novos, como que instinctivamente se presin am e
constatem,-e possuir, demais, conhecimei to da
estructura, ligao das peas, encadeamento das
transmisses, emfim de todo o jogo intimo do en-
genho, to complete que permitta fixar de prmpto
a origem do mal occorrente, e acudir-lhe com tra-
tamento adequado,-isso que no se adqtuire se
no com aprendizagem professional mais cuicadosa
e detida.
N'esse sentido no dispomos actualmente em
Portugal de individuos habilitados, nem mesmo
pouco mais ou menos, por quanto as locomotives
d'estrada differem sufficientemente das suas conge-
neres de Caminho de Ferro.
Imprescindivel se denuncia, pois, o contract
de machinistas inglezes, e no de um s, mas de
tantos quantas as carreteiras em actividade.







-65-


O governor de cada machine exige, segundo
as prescripes da fabrica,-um segundo home.
ao qual pertence, em especial, o manejo dos appa-
relhos de direco. Evidentemente este machinista
auxiliar, ou conductor, que exerce o seu mistr
hombro a hombro com o effective, est em condi-
ces muito favoraveis para prepaarar-se a substituil-o.
Pensando, portanto, n'esse future, convir distri-
buir takes logares a serralheiros mechanics portu-
guezes, de certa capacidade.
Por ultimo, completar-se-ha a guarnio de um
comboio Fowler com indigenas. em numero egual
ao dos wagons, incumbidos da manobra dos tra-
ves, da vigilancia sobre as cargas durante a mar-
cha, e de todos os trabalhos braaes.



SEC 6.^ Tolas 'apa, e do lenha

Edificios. Pessoal respectivo

Tmas d'agua. Do que fica dito na Seco competent, de-
duz-se a necessidade de abrir, as seguintes cacimbas:
i.a Em Quisamanha, ou na lagoa a;
2.a Na ribeira Co.
A guard e manuteno d'estes poos, que dis-
tam entire si 2.3oo metros, ficaro a cargo de um
s posto formado por 4 praas moveis, o qual accu-
mular tambem o trabalho de corte de lenha, que
adiante se design.
Se, de facto, no vier a descobrir-se agua entire
o Lombe, e o Calamuxito, seremos forados a dis-
pr,-3 kilometros provavelmente aquem d'esta
ultima ribeira,-uma 3.a toma d'agua,-collocando
ahi, para esse effeito, um tanque de ferro, ou de
alvenaria, responsabilidade de 3 praas moveis,
que o abasteam com as aguas do mesmo Cala-
muxito.
T6masdelenha, As tomas de lenha sero entregues a postos
de 4 praas moveis. A cada posto corresponder










uma secco de caminho, com cerca de to kil metros
d'extensio, contados, pouco mais, ou m ,nos, 5
aquem, e 5 alem, do logar que, para quarter, se lhes
marque. A lenha empilhar-se-ha em pontos visiveis
da orla do caminho, no devendo nunca haver me-
nos de 2 medas de 1/2 tonelada-uma a cada ex-
tremo da seco, por cada locomotive em transit.
Apenas como project apresentamos um qua-
dro definindo as sedes dos postos, e limits do seu
terreno :

N. de .imites das scces Situao kilometrica Qiuarte
Sdecall o ."ook.mlo. No taa
a .. Do Lucalla ao K."o. aolk.< i oo -75o No Lutanda 1 ou


lTuto.
2.1. . Do Cafla (.n ri- K." 21, 65o, ao
acho depois do k." 33.
Elege), ao Ca-
\xiuge.
3. .. Do Fumege 2.0, K." 43, 35o, ao
ao Moquiche. k.0 55, 200.
4.1. Do Cacuso, ao K." 66, o5o. ao
Cajindon go. ]k. 78, o5o.
5.a. Do Lutete, ao K." 88, 450. ao
Quiboangana. k.0 98, 800.
. Do quarter de Ca- K." 107, 75o, ao
colo- Calombe, k. ~ 87,oo.
ao Lombe.
7.1. .iDo Calamuxito, a K." I29, 400. ao
Mialange. k." 137, 725.


no Bembeje).
No Furnme'I 1.




Em Quisamianha,
(ou laga a)
Na lagoa de Gam-
bo.
No Buio.

iUin pouco .iqiem
da fazenda Jos
Jeronymo.
No Cangombo.


Entre cada duas d'estas seces, alongam-se
espaos de io kilometros approximados, dirante
os quaes a machine consumir as meias toneladas
de lenha, que successivamente encontra no ex:remo
das seces que deixa, vindo reabastecer-se, logo
boca das seces, onde entra.
Pessoal d'agua 7 postos representam 28 praas moves, a que,
e lenha. eventualmente haver a accrescentar mais 3 para
a tma d'agua d'aquem Calamuxito.










Edificios. A maneira d'alojar essas gentes, escusamos de
debatel-a, que elles, com manhas proprias, e gra-
tuitas dadivas da terra-mne, daro provimento s
suas necessidades.
Como o comboio occupe na viagem 3, ou 4,
dias, avisado ser, nos pontos extremos das tapes
diarias,-pontos que no importa determinar aqui.,
-preparar abrigos para dormida d'europeus. N'esse
intuito, a mesa mo d'obra,-o brao indigena,
a mesma material prima,-capim e troncos,-for-
necem element bastante para uma arte improvisa-
dora se affirmar em producces, de que nem a hy-
giene, nem mesmo a'esthetica, desdenhem.
Ainda quando, depois, a pouco e pouco. con-
venha ir substituindo este genero provisorio, e leave,
por obra mais duradoura e forte,-os bosques do
paiz, e a locomotiva,-ora em carretos, ora impul-
sionando a serra.--trariam ao objective, economic
satisfao.
A machine, e as cargas dos wagons, protegidos
pelos grandes reposteiros impermeaveis, que fazem
parte do equipamento, desafiam impunemente ca
cimbos, e, at, chuvas. No entretanto, no ser
desvantajoso,-cabendo alguma vez o ensejo,-
fabricar-lhes, semelhantemente, uns alpendres apro-
priados.
No Lucalla levantar-se-ha a estao principal,
constant de-armazem para mercadorias em expe-
dio,-hangar para material de reserva-officina
sidero-technica, casa para pessoal europeu. Esta
instalao, onde se centralizam expediente, forne-
cimentos, execuo de concertos, e na qual reside
a alma do servio,-requer melhores attenes, e
implica sem duvida alguma dispendio, modesto, to-
davia, se nos adaptarmos aos usos da terra, uti-
lizando o system de construco chamado de pau
a pique, com cobertura de chapa zincada, e forro
isolador d'esteiras de mabu.
Simples, rapido, e barato, preenche sufficien-
temente o fim, e nem sequer exclue,-mediante










cuidado e bom gosto.-a possibilidade de uma
certa elegancia d'aspecto.
A eguaes principios se subordinar o estabele-
cimento da estaco-terminus de Malange, constituida
por um armazem com dous compartimentos anne-
xos, para alojamento e officina. Tanto aqui, como
no Lucalla, podero tambem preparar-se cobertas,
onde o comboio se acolha.
Pessoal d'edi- Para guard, limpeza, c auxilio de carga c des-
ficios. carga, attribuir-se-ho 2 praas moves, a cadi uma
das estaes extremes.



SE C O 7.- Economia do system
Calculo de despeza e receita, relative a um
trafego total de 1:000 toneladas
(Numeros redondos-cambio 38)

= Despezas d'instalao:
-3 locomotives, 1i wagons, sobre-
cellentes, ferramentas, -posto a
bordo, Liverpool ( 3.640). ..... 23:ooo,0ooo
-Transporte at Luanda ( 456)... 3:oooo.oo
Seguro ( 40).................. 2 So coo
-Transportes para Ambaca (go'ton
X 364ki" x 60 rs............... 2:o000.00o
Edificios ....................... 5:ooo0ooo
-Viagem de ida do pessoal de ma-
china......................... 65o7ooo
(2 machinistas inglezes-2 por-
tuguezes).
-Varios, e imprevistos............ 6:Ioorooo
40:000ooo0o

=Despezas d'explorao:
-Juros e amortisao a Io/o ...... 4:ooo00ooo
-Custo annual da explorao (i) ... i :5oo.0ooo
15:500oo000









-69-


STaritfa media:
15o rs. por tonelada kilometro. (Este preo
equivale a 21 rs. por kilogramma, entire Lucalla e
Malange, -o que represent um abatimento de
79 /u sobre a taxa actual dos transportes (10o rs.
por kilogramma (minimo).


- Receita bruta :
1000OOO X i o rs. X" 140 ki. = 2 :OO OOO rIS.


=- fteceita liquid:
-5:5ooyooo rs.. isto , uns
empregado,-deducco j feita de
e amortizaco do mesmo capital.


14/o do capital
Io/o para juros


(1) Desenvolvimento do calculo do Custo annual da Explorao:


Custo de uma viagem de um
comboio entire Lucalla-Malange,
ou vice-versa:


- Combustivel (85 rs ><
140 kil."'............ 1.o00
-Machinista inglez (a)... 73.295
- portuguez(b) 41.818
- 3 moveis (c) ......... 3.636
-Untura e limpezas (9 rs.
X 140 kil.o)............ 1.260
- Pequenos concertos, e
tratamento (78 rs. X 140
kil.o ) ................ 10.920
rs. 142.829


(a) -Vencimento mensal:
24............. 51.560
Comedorias ..... 5o.ooo
rs. 201.560
-Portanto, 2:418,5720 rs.
por anno, ou, fazendo
33 viagens, por cada...rs. 73.295
(b)-Vencimento mensal: 65.ooo
Comedorias ..... o.ooo
115.ooo
-Por anno: i:38o0ooo rs.
-por viagem:........ rs.41.818
(c) 3 moveis a 200 rs.
diarios, 200 dias.......rs. 120.000
-Por viagem: .......... rs. 3.636


142.829 rs. X 66 viagens ........................ ... rs. 9:426714
32 indigenas (nas tmas d'agua, lenha e.............
edificios )................. .... ............ rs. :984- 0oo
Rs..... 11:41io 714

















CAPITULO 2.

CONCLUSOES FINAES


A maioria do public no familiar :om os
factors, consider, suppomos, a locomotive carre-
teira como um instrument, nao s muito v; garoso
e pouco manejavel, mas, tambem, incapaz d'; vanar
sem boas estradas. Comtudo, na realidade, a ca-
minheira modern uma locomotive muit( pode-
rosa, cujas disposies representam o fructo de
longos annos d'experiencia, adquirida nas mais dif-
ficultosas circumstancias. E' construida, deve
sel-o, com os melhores materials, e tem .:apaci-
dade para atravessar paizes difficeis, por uma for-
ma, que s quem viu pde comprehender.
Estas palavras da revista The Enginecr,. de
8 de Dezembro de 1899, reconhecidas come resu-
mo, e auctorisado echo de muitas opinies sciences
e conscientes, no podiam deixar d'attrahir as atten-
ces do Governo de Portugal,-conscio de que o
facilitamento das communicaes a have prima-
cialissima de predominio e de valorizao, nas suas,
ainda to incompletamente devassadas, posscsses
ultramarinas.
No cumprimento de uma indeclinavel misslo,-
quiz apreciar, portanto, e apreciar sobre o terreno,
as posses do novo engenho.
D'aquillo que observaram os olhos, em lquem
delegou, tentmos ns, n'este document, dir re-
lao, deficiente, por ventura, no espirito, e na
forma, mas sincera, e pensadamente despida d illu-
sorios exaggeros.










Fechando o nosso trabalho, condensaremos
em alineas, precisas e laconicas, as constataces
fundiamentaes, para que assim, isoladas da massa
dos detalhes, com mais nitidez affirmem a verdade
essencial:
(a)-A machine de tracco merece, em abso-
luto, a fama, que a apregoa, e as suas faculdades,
aproveitadas com criteria, so d'ordem a prestar
um extraordinario concurso na obra da civilizao
do Continente Africano, to prejudicada ainda pelo
pouco accessivel internamento de muitas das suas
populaes e utilidades.
Na vastido, caracteristica ordinaria dos qui-
nhes. que em continents exoticos se talharam os
Estados Europeus, s excepcionalmente deixaro
de se encontrar encravamentos, ou mesmo grades
zonas, onde se reunam os poucos e vulgares re-
quisitos, que o engenho requer para o seu funccio-
namento economic: Bosques e agua, a intervallos
regulars, cho de uma certa dureza na sua gene-
ralidade, e livre d'accidentaes asperas.
Impe-se, portanto, o instrument, decidida e
incontestavelmente seria consideraco de todos
os paizes coloniaes, e os seus prestimos ninguem
poder, com proveito, pl-os margem.
(b)- No caminho Lucalla-Malange agrupam-
se, em feliz proporo, as condies que permitted
explorao rendosa e de public beneficio. Assim
temos: Mattas frequentes, e mo d'obra indigena
disponivel para corte de lenha; Mananciaes d'agua
separados por distancias menores que o raio d'acco
medio, com um unico caso duvidoso, mas de acces-
sivel correco; solo natural orographicamente fa-
cil, e offerecendo, quando secco, pega muito pro-
picia s rodas motors. As malhas em certo grau
areentas, que, n'alguns lanos, o salpicam, apenas
influem como moderadores d'andamento, e no
apresentam extenso, nem intensidade, sufficientes
para modificar a boa cotao generic que o con-
juncto da vereda merecidamente logra.










Esta a synthese principal de quanto se ave-
riguou na Experiencia de Tracco Meclanica,
que nos coube a honra de dirigir.
Do Lucalla a Malange, o que a circunistancia
exige, sabemol-o, um caminho de ferio.
Mas, querendo mesmo admittir que a construc-
co d'esse indispensavel melhoramento se iniciava
manh,-no soffre duvida que, ao tractor d'es-
trada, se reservava,-ainda n'essa falsa hypothese,
-um papel importantissimo, quer como eventual
auxiliar dos trabalhos,-quer, durante a sua execu-
o, garantindo, desde logo. 790/o de reducco no
custo dos transportes, pondo o trafego a coberto
das contingencies que lhe acarreta o emptego de
carregadores, e, finalmente roubando o dorso indi-
gena ao seu nomadismo deprimente, e offerecendo,
por consequencia, agriculture, e explorao
mineira, novas disponibilidades de braos, to al-
mejadas sempre. E, media que os carries se fos-
sem apropinquando de Malange, o material care
teiro,-longe de perder-se,-iria rompendo, sem
demora, na direco do Cuango, que , em ultima
analyse, o nosso verdadeiro objective de penetra-
co n'aquellas regimes.
Demonstrar a urgencia da conjunctura, -
qual to bem responded a facilidade d'adaptaco da
caminheira,-affigura-se-nos inutil pleonasmo, pois
nao cabe a ninguem, na hora present, ignorar o
cerco d'absorpo commercial, que vem abracando
as fronteiras d'Angola, desde o sul,-Caminho de
Ferro Allemo do Sudoeste Africano,-por leste,-
prolongamento do Grande Central Inglez de Bula-
wayo para o Zambeze, e navegao dos affluentes
d'este (misso Gibbons),-at ao Norte,-Caminho
de Ferro do Estado Independente, e navegao do
grande Zaire, cujo alto curso, sulcado por mais de
cem vapores, congolezes, britannicos, belgas, fran-
cezes, allemes, americanos, e hollandezes, no
encontrou, de certo, at agora, razo plausivel para
justificar, nas suas ramificaes que banham e pe-








-73-


netram em territorio nosso, a ausencia do pavilho
de Portugal.
E as apprehenses que esta rede circumdante
suggere, encarrega-se de coroboral-as o inflexivel
testemunho da estatistica. Com effeito,-em quanto
a exportao da borracha d'Angola,-factor de ri-
queza que n'esta Provincia, com larga distancia, a
todos os demais sobreleva, - representada, em
numerous redondos, por 3.200,-2.800,-e 2.000 to-
neladas nos annos de 1898-99-900,-o Estado In-
dependente faculta s nossas reflexes as quanti-
dadas .90oo,-3.400,-e 5.200 toneladas e durante o
mesmo lapso de tempo.
O decrescimento, que as cifras eloquentes a
nosso respeito traduzem, pretend o optimism
d'alguns derival-o simplesmente de um passageiro
retrahimento dos indigenas, do anterior locupletados
de fazendas, e insusceptiveis de comprehender as
oscillaes de preos de compra, que as feitorias
so obrigadas a endossar-lhes, como reflexo das al-
ternativas do cambio da borracha, nos mercados
europeus.
Ainda guardando a agradavel esperana de que
um pequeno fundo de verdade se contenha em tal
explicao,-no parece licito, nem prudent, des-
conhecer como causa mais provavel, permanent e
perigosa, a concorrencia do vizinho paz,-bem
contraprovada pelo desconsalador paralelo, entire
os seus progressos, e os nossos affrouxamentos.
Urge, portanto, luctar, e, se na questo do
barateamento dos artigos de permuta, a proteco
s industries nacionaes se oppe a que, ao Com-
mercio da Provincia, se acuda com medidas de ras-
gada iniciativa,-essa mesma circumstancia mais
nos fra a concentrar empenho energico e prompto
no problema das communicaes.
O Cuango, o Alto Cuanza, o Cunene, e o Cu-
bango, entire outros, so canaes que a nossa nave-
gao deve apressar-se a percorrer, e, na empreza
de ligal-os s vias ferreas de penetrao, as loco-










-74-


motivas carreteiras pdem prestar preciosissima
ajuda.
Utilizemol-as, pois, e sem perda de um mi-
nuto.















































NOTA-Ao fechar o titulo i., cuja base a march damahina no ca-
minho Lucalla-Malange, cumpre-nos citar os nomes dos machinitas Arthur
Dodson e Julio dos Santos Pereira, que, pela habilidade e saber profissionaes,
e, tambem, pela sua incanavel boa vontade, muito concorreram para a boa
realizao do servio.
Como recompensa ao seu zelo inexcedivel, mencionarei tambem o i.o
cabo Jos Alexandre Franco que n'estes trabalhos nos acompanhou na quali-
dade de chefe dos destacamentos indigenas, e capataz dos trabalhos.-






















10121
15 *^
1


o r-""'


Testa do Caminbo de Ferro
defCimiaca


c'2


ti 4,',


-I -





lpjnN





FSp;
r^gli7

E
l \ -*5
*.. fl l '^. o


-J
/ ^


cio J.UCQZQ






^^~--

2L, Ti


l


e a


e
i
e


1 1 MT


i


1


~1*
''



;


d
g
o i:
Ir)F~



















PARTE 2.


















PART 2."

O reconhecimento entire Malange e o rio Cambo.

Capitulo 1.-Bases de um plano.
Capitulo 2.- O reconhecimento.
Seco L.a-A escolha da directriz;
2.a-O caminho;
3.a-O Cambo.
Capitulo 3.-Concluses.

















SCAPITULO 1.0

BASES DE UM PLANO

Nas colonies, a bandeira symbolize a posse, mas a via-
o que a realize.
Assim, decidir a mais practice rede de cominunicaces
que envolva at s fronteiras,-emprehender-lhe o estabeleci-
mento quanto possivel breve,-e guardar-lhe sempre a nacio-
nalizaco,-representa o objective fundamental, para onde
cumpre dirigirem-se, com tenacidade, os mais desvelados pen-
samentos, e os mais energicos esforos, de toda a soberania,
que, na vastido de um dominio exotic, pretend, de facto e
sem fices, exercer a sua influencia, administrative, civiliza-
dora e economic.
Porque a magnitude do empenho requer cabedaes de
vulto, o interesse do seu conseguimento rapido manda, impe-
riosamente, no desaproveitar nenhum dos auxilios naturaes,
que a regio contenha,-ou,-por outras palavras-o project
da rede geral deve adaptar-se rede preexistente dos cursos
d'agua, nos seus troos navegaveis.
N'esta conformidade, a dominao solida d'Angola as-
senta radicalmente no reconhecimento de todos os seus rios,
e consecutive navegao das correspondents seces fluctua-
veis,-e no estudo, e montagem, das directrizes de movimento
terrestre, que complete a ligao com o Atlantico, e o irra
diamento lateral, de modo a fechar um system emquadrando
a Provincia inteira.
*

Com respeito hydrographia, alguma cousa se tem ave-
riguado alli, mas muito se ignora ainda.
Afra o baixo curso do Chiloango, Zaire, e Cuanza, j







-78-
mesmo utilizados, sabe-se serem navegaveis, o Cunene,
desde o Luceque, at Hinga (A. de Paiva, P.e Antunes),-
o Cubango, desde Maculungungo at jusante da affluencia do
Cuito (Couceiro),-O Alto Zambeze (Serpa Pinto, Expedio
Gibbons)-o Lungubungo (Expedico Gibbons),-o curso me-
dio do Queve (A. d'Andrade),-parte do Cambo (Von Me-
chow,-o Lucalla e o Luali (J. Nunes), e ha, alem d'isso, no-
ticias, de natureza identica, acerca do Quando e alguns seus
affluentes (Serpa Pinto, Expedio Gibbons),-Cuito (Capello
e Ivens),-parte do Longa e Pombuiji P.e Wieder),-parte do
Lui (V. Sarmento),-e outras seces do acima referido
Cuango (Capello e Ivens). A conhecida disposio orographica
do Continente Africano,-grande bacia central, cercado por
terras altas descendo para o Oceano,-deixava, desde logo,
suspeitar, e os reconhecimentos teem confirmado, que, no sen-
tido da penetrao, limitada ajuda havia a esperar dos rios.
Com effeito, se, do Atlantico para o interior, o Zaire e o
Cuanza ainda permittem o avano d'algumas dezenas de mi-
lhas (no fallando no Chiloango com a sua barra impedida),-
l se lhes vae encontrar, a essa curta distancia, a corrente pre-
judicada por cachoeiros ou rapidos, como succede tambem
no Mbriji, logo a 18 milhas da foz,-no Loge, a 12,-no Cuvo,
parece que a umas 20,-e no Cunene a menos de 1o.
Mas, em compensao, a plant fluvial, traada segundos
os informes at ao present colhidos, encerra promessas de
valor, quanto questo das linhas de cintura e transversaes.
De facto, ao long, ou perto, da fronteira leste alinham-se, com
certezas ou presumpes de, pelo menos parcial, navigabili-
dade,-no Congo e Luanda, o Cuango,-na Lunda, o Cassai,
-em Benguella, o Luena, e o Lungubungo,-em Mossame-
des, o Alto Zambeze, e o Cuando,-e, mais a dentro, entre-
cruzando o serto central, o mesmo Cuango, o Cambo, e Alto
Cuanza, o Cuito, Cubango e Cunene, e outros diversos ca-
naes de menor caudal, que atraz mencionmos.
















CAPITULO 2.
O RECONHECIMENTO

S EC A 1.A A escolha da directri

Dentro do espirito do plano geral, cuja razo de ser, e
delineamento em esboo, as palavras anteriores procuraram
por alto caracterizar, se orientou o Governo de Sua Mages-
tade determinando-nos, realizada que fosse a experiencia
com a machine Fowler,-o estudo do melhor caminho para,-
a partir de Malange,-alcanar o Cuango navegavel, com
um comboio carreteiro.
O inquerito feito no logar, com a efficaz interveno do
governador da Lunda, Verissimo Sarmento, pessoalmente
conhecedor d'alguns dos trilhos, desaconselhou aquelles mais
frequentados, que, indireitando para o quadrante de leste,
procuram chegar ao Cuango directamente atravez do valle do
Lui, baseando-se a excluso na existencia, n'esses trilhos, de
um numero apreciavel de zonas encharcadias, o mais incom-
modo dos impedimentos, como sabemos, para o avano das
locomotives.
O rio Cambo que, nascendo a poucas leguas de Malange,
corre depois, em rumo proximo de nordeste, a lanar-se no
Cuango, offerecia-se como direco a tentar, e mesmo se re-
commendava por ser facto adquirido a navigabilidade da sua
seco inferior (Expedio Von Mechow-1880).
Se, entire Malange, e o ponto inicial d'esse troo aprovei-
tavel, encontrassemos as convenientes condies de transit,
obtida ficaria uma soluo, tanto mais satisfactoria, quanto,
apezar da affluencia do Cambo coincidir com cachoeiras no
Cuango, (Quedas Francisco Jos, e D. Luiz,-ao norte,-
e Suco-ia-Muquita,-a Sul), este inconvenient se con-








- 8o -


trabalana com a vantagem de, para um lado e outro, se abri-
rem, em sequencia a esses obstaculos, 9go milhas navegaveis (1)
a jusante, e a montante perto de Ioo, onda se conjecture
navigabilidade.
Fixado, portanto, o valle do Cambo, preferimos-lhe a
margem esquerda, pois a direita implicava o torneamento das
origens, e a abundancia de planicies pantanosas, e de gran-
des charcos, descrevem Capello e Ivens a verdadeira
calamidade d'esse districto. (2)
Por considerar a incontestavel importancia commercial e
agricola do Quissol, entendemos encostar a esta povoao, ao
larger de Malange, achando-se, demais, os dous centros, pouco
distantes entire si, ligados por um caminho de carro.
Eis os motivos que presidiram escolha da linha de re-
conhecimento.



SECCiO 2.-- 0 caminho

A impresso geral do paiz, por onde viajmos, accom-
moda-se, sem discrepancies sensiveis, e no obstante um tal
ou qual accrescimo da vegetao arborea, dentro dos mesmos
traos, com que havemos pretendido, em paginas antecedentes,
reproduzir, ao de leve, os tons da paisagem d'entre o Lucalla
e Malange.
No insistindo, por isso, abordamos, desde j, preciza-
mente, o restrict grupo de qualidades, que se relacionam com
a traco mechanic:
a)-Pio e rampas.-A inspeco do mappa indicar
que a nossa mira foi insinuar-nos entire a bacia do Cuanza,
nossa esquerda,-e a do Cambo, nossa direita,-tirando
partido de uma lombada, que as cartas figuram elevar-se ahi,
como divisoria d'aguas.
Em todo o desenvolvimento d'essa trajectoria,-conta
redonda, Ioo kilometros, na totalidade,-e excluidos os 13
kilometros do lano Malange-Quissol, onde existem duas
pontes de madeira que demandariam reforo,-houve a trans-

(i) s Terras d'lacca- Vol. 2.0 pag. 141.
(2) Vol. 2.0 pag. 24.









pr 18 logares d'agua, dos quaes ii com bons funds, e por-
tanto vadeaveis mediante pouco trabalho, e 7 com o leito, e
s vezes as orlas, de natureza lodacenta, e requerendo, por
conseguinte, certas obras. Estes ultimos so: riachos Cavuca,
Camitobo, Cajinga, Colle, Lu, um affluent, e, segunda vez,
o mesmo Lu,-rodeaveis pelas nascentes, alguns d'elles,
segundo a boca indigena.
Paiz quasi plano. Ravinado ao abeirar do Cambo, onde,
no entretanto, a vereda, com algumas inflexes, logra salvar-se
dos accidents de maior tomo.
O solo, nos intervallos dos diversos ribeiros e riachos,
apresenta-se, com frequencia, argiloso vermelho, e resistente.
Nos flancos dos valles succede a cr variar para cinzento,
correspondendo ao cambiante, um pizo, duro embora, mas
com indicios de maior tendencia para a desagregao super-
ficial.
Aqui e alem, rochas e saibros.
Notabiliza-se, quasi ao cabo da jornada, o lano de io
kilometros immediatamente seguinte sanzala Quibambi,
onde o cho, rocha plana, e de todo lisa, coberta por uma
tenue camada de fino burgau mistura com terra argilosa,-
se demonstra terreno ideal de rolamento.
b)-Lenha. -Toda a regio mais ou menos arbori-
zada, ostentando mesmo, a espaos, exemplares de alta copa,
-como acontece ao entrar no valle do Luhanda, e 2 kilome-
tros para diante do N'Dala Angunza,-e revestindo-se de
bosques um tanto densos, taes, nomeadamente, os que se
erguem entire os riachos Quisamanha e Cangando, e, tambem,
desde o Luhanda, pelo Colle, at s redondezas do N'Dala
Angunza.
c)- Agua.-A lista das tmas d'agua a que segue,
na qual os numerous, inscriptos ao lado dos nomes, esprimem
o comprimento dos intervallos antecedentes:
Malange (rio);-Catpa (4 k.os);-riacho (6i3/ k.08);-
riacho junto ao Quissol (3 k.os);-riacho (3 l'/ k.os); -riacho
Caxita ( 3/4 k."s); Sanzalas de Giajangongo (43/4 k.os);-
riacho Cambonde (4 3/4 k.0 ); I.a de uma series de nascentes,
que rodamos (4 1/4 k.os);-Ultima d'essa mesma series (2 k.o")
-ribeira Cavuca (2 k.0s);-nascente do Quisamanha (6 k.8);
riacho Cambafu (2 1/ k.0s); riacho Cangando (35o.m);-








-82--


riacho Camitobo (3 1/ k.0o);-laga (2 1/ k.os); -riacho
Canjinga (8 k.0o);-riacho (7 k.o");- ribeira Colle (13/4 k."');-
riacho Lu (5 1/ k.s0);-riacho (85o.m);-riacho Lu (41 / k.0O);
-Sanzalas N'Dala Nambua (agua do riacho Cauichi) (6 k.os);
-Cambo (16 '/2 k.os).-
Reconhece-se que o raio d'acco medio da locomotive
(8 /-2 kilometros) s excedido na seco que terminal no
Cambo. Ora, como essa seco corre ao long do affluent
do mesmo Cambo, Cauichi, cujo nome escrevemos no
mappa, sem lhe marcar o curso, por no possuirmos elemen-
tos exactos para isso,-pde crer-se na probabilidade plausi-
vel de obter uma toma d'agua intermedia, que, dividindo ao
meio o troo de 16 // kilometros, annule este pequeno emba-
barao, susceptivel, ainda, de ser removido por outros meios.
Opinido em globo.- Os dados, que acabamos de especi-
ficar, justificam uma esperana lisongeira.
Grandes extenses d'esse terreno argiloso vermelho, que
fornece magnifico pavimento natural,-atascadeiros limitados a
estreitas faixas, nas margens de um numero minimo de ria-
chos,-superficie absolutamente livre de quaesquer declives
pronunciados at quasi beira do Cambo, -lenha abundant,
-sufficiencia de aguas,-sommam outros tantos testemunhos
em prova do nosso asserto, aclarando com luz favoravel todas
as faces, que, circulao de carreteiras, interessam.
O caminho no est aberto. Seguimos os trilhos gentili-
cos, enfiando mesmo, em curtos trechos, para o matto puro,
no intent d'evitar um ou outro mau passo.
Portanto, teremos, pelo menos, muito tronco a abater,
antes de conseguir, ahi, estrada africana, comparavel do
Lucalla-Malange. Por outro lado, comtudo, a via, cujo plano
nos occupa, recebeu da natureza a superioridade de poder
quasi espalmar-se sem dobramentos attendiveis at s vizi-
nhanas do terminus, e sem a contingencia de uma to mul-
tiplicada successo de linhas d'agua.
Ha que trabalhar, decerto, por quanto,-em contrario
da illuso cuja existencia, commentarios feitos, auctorizam a
support no cerebro, momentaneamente distrahido, d'alguns
critics coloniaes de ver ao longe,-as locomotives Fowler
no dispoem d'azas, e, d'esta condio terrena, deriva a neces-
sidade fatal de, quando na sua frente se desenvolvem sorve-







-83-

doiros de lama, que os sorvedoiros se torneiem, ou se aterrem,
quando, no alinhamento da march, surge um bosque cerrado,
que se lhe siga a orla, ou se lhe rasgue passage entire as
arvores, quando ao travez corre um ribeiro de margens apru-
madas, que se lhe escavem rampas d'accesso, ou se lhe bus-
que vau de menor aspereza.
Mas, a despeito de taes exigencias, se ellas se no accen-
tuam com exagero, e se os espaos intercalares se facilitam
ao movimento, as carreteiras representam um rapido, econo-
mico e opportuno degrau d'evoluo, entire a traco animal
e o caminho de ferro, e valem bem, em determinadas con-
juncturas, o consumo d'esforo e dinheiro, que sua implan-
tao se dediquem.
E que o trajecto Molange-Cambo nos parece comprehen-
dido no numero d'esses casos, simplesmente a affirmative,
que desejamos registrar.
Observaes: Ainda que possuissemos a segurana,-
que no possuimos,-de que o ponto da margem esquerda
do Cambo, por ns attingido, marca realmente a posio, que
deva adoptar-se para testa de transportes fluviaes,-no podia
a directriz, que n'este relatorio se descreve,-fructo de uma
viagem de poucos dias, um tanto desacompanhada de recursos
materials, -pretender significao e valor excedendo o de
uma singella aproximao, passivel de futuras rectificaes,
impostas por mais cauteloso estudo.
Assim, por exemplo, ao sahir da sanzala de Gijangola, se
puxarmos alguma cousa para leste, foge-se, conforme tive
ensejo de constatar no regresso,-ao cruzamento do riacho
Caugando, e encontra-se em sitio muito mais propicio o Ca-
mitobo, que atraz ficou abrangido na classes dos estorvos, visto
o encharcamento dos seus approaches.
De modo identico talvez se possa,-com quanto nos no
caiba asseveral-o,-escapar dupla travessia que fizemos,-
antes, e depois, do N'Dala Angunza,-do riacho Lu, afflu-
ente do Cambo, o qual, demais, figure duas vezes na dita
classes dos estorvos mencionados.

SECCG O 3.P- 0 Caibo
Da carta de Von Mechow, que aponta Catala-Canjinga,
deduz-se, com certa confiana, a situao do logar, onde to-







-84-


pmos o rio. Ahi deslizava elle no meio d'alturas d'uns qua-
renta a cincoenta metros, no talhadas a pique, mas rudes
todavia, de terra vermelha, com rocha aflorante, e arvoredo
aberto. Alvo rijo, d'areia e pedra solta,--largura de uns 20
metros,-profundidade de 48 centimetros.
O lenol aquoso,-e em epocha d'estiagem culminante,-
permittia, pois, navegaco, n'essas centenas de metros abra-
adas pela vista. Quanto ao que se passa para jusante conta-
remos o que, a ns, contaram os Jingas ribeirinhos, a saber
que, entire Gonga (a sua povoao), e a confluencia com o
grande Cuango, s o curso se obstrue nas pedras chamadas
de Macata, a um dia de viagem.
Pouco, ou nada, importam as informaces de indigenas,
que nem sequer canvas constroem, e a ultima palavra s a re-
ceberemos de um barco explorador, posto a nado a partir,
pelo menos, de Catala-Canjinga, attendendo a no ser object
desprezivel esse canal de meio metro de fundo, que. em
occasio d'aguas baixas, lhe medimos.

















CAPITULO 3.
CONCLUSO

Annexo ao nosso itinerario, apresentamos um pequeno
mappa do territorio banhado pelo Cambo, Cuango, e Cuanza,
destinado a frisar como, tomando por centro Malange,-e
custa unicamente de uma estrada de 100 kilometros, ou pouco
mais, dirigida ao Cambo,-e de uma outra, correndo ao
Cuanza. e cuja extenso, apezar de indeterminada ainda, no
deve ir longe,-ns alcancariamos uma via de faceis communi-
caes com cerca de i.ooo kilometros de desenvolvimento.
Serve esse mappa de chave Parte 2.a do nosso escripto,
conscious, como estamos, de que as indicaes, que elle no
innova, mas que pe em foco, e aproxima dos modernos pro-
gressos da traco mechanic, suppriro phrases, apontando,
no seu laconismo persuasive, o Caminho que temos a seguir.













,oXR e~MB


1
/
/


"',
Io ^
,i*^o^(^r)a"


<9VWaI, 9ZQ2PCrn 4


('t0r 0


uIedp~oCu4j9


teL,


21/1l 0/.5o o47


o 1 a ..


' LI j4 l 1


I6~30


9~530'


. T T


--


------- -- .---................


-- -- ---- - --


-.rJc~
`'~crr4


'4~4
r ""a~4


e ---- -----


h



















PARTE 3.


















PART 3.a

O reconhecimento entire Mossamedes, e o Alto da Chella,
pelo caminho do Chacuto.

Capitulo 1.'"-Algumas palavras previas.
Capitulo 2~, -A estrada.
Seco 1.' Pizo e rampas;
2.a-Lenha;
3. Agua;
Capitulo 3.-Parecer acerca da possibilidade da Ex-
plorao.
Seco L. Escolha do material;
2." Desenvolvimento do parecer;
3. Concluso.

















CAPITULO 1.o

ALGUMAS PALAVRAS PREVIAS

No district de Mossamedes, e nomeadamente na sua
zona plan'altica occidental, reside a mais important chave da
nacionalizao da provincia d'Angola,-no porque as terras
attinjam ahi as culminancias da fertilidade, mas sim porque
o meio comporta a propagao d'europeus.
Comquanto, no interior do district de Benguella, zonas
existam em condies talvez comparaveis,-- incontestavel,
todavia, que a substantial argumentao dos factos s a favor
de Mossamedes se ergue, bem definida, revestindo corpo nas
successivas geraes de brancos l nascidas.
O esforo energico de colonos portuguezes creou, em solo
d'inhospita apparencia, a povoao maritima, cabea do dis-
tricto, e natural testa mercantil de todo a regio Sul d'Angola.
A mais de uma centena de kilometros para o interior, nas ter-
ras salubres e cultivaveis, que se estendem para alm da
Chella, o Estado lanou as bases de uma important coloni-
zao national.
Entre o porto, e a sde das produces, e d'eventuaes
feitorias, a natureza, difficulando o access, obsta a que dos
sacrificios feitos, colham, uns e outros, o just beneficio. So
carros boers puxados a grande tiros de bois, que realizam o
movimento commercial. atravez d'essa desolada faixa costeira,
mas as doenas, e a falta d'agua e de pastos, matando larga
copia d'animaes, e a aspereza da Serra, requerendo a reduc-
co dos carregamentos a tonelada e meia por carro, produzem,
como consequencia final, a exhorbitancia de tarifas, de que a
cifra de 550 ris por tonelada kilometro, pouco mais ou menos,
fornece uma certa ideia.
Sem arrojo de previso, pde bem calcular se que s








-90-


muito tarde, por ventura tarde de mais, o caminho de ferro
de Benguella, em via de assentamento, prover de remedio,
uma tal situao, no s absolutamente esterelizadora, mas
ainda de sobejo imprudente, visto o abandon, que traduz,
para com uma zona fronteiria, habitada em parte por estra-
nhos, e cobiavel pela faculdade, pouquissimo correntia em
Africa, de permittir francamente a aclimao da raa europeia.
N'este conjuncto de consideraes geraes se baseou a
resoluo do Governo de Sua Magestade, ordenando-nos, apz
a Experiencia de Traco Mechanica, levada a cabo no in-
terior de Luanda, e em correlao com os ensinamentos prac-
ticos n'ella obtidos, um reconhecimento em Mossamedes. des-
tinado a apreciar quaes as difficuldades que apresentaria a
montagem de um servio de locomotives carreteiras, entire a
bahia e a orla do plan'alto.
Com effeito, apezar de uma instalao d'essa natureza
no resolver o problema com a radicalidade, que cumpre, bem
se comprehend, no entretanto, que, sua sombra, melhora-
riam, em grau consideravel, e sem os dispendios, nem as de-
longas inherentes construco de um caminho de ferro, as
condies do transport, e, pelos resultantes attractivos ao
povoamento, e canalizao do trafego, ir-se-hia preparando
commercialmente o advento remunerador da verdadeira viao
accelerada, e talvez mesmo, materialmente, reconhecendo, e
dispondo, o pavimento da future via.


















CAPITULO 2.0

A ESTRADA


D'esse ingrato terreno, que media entire o Atlantico e os
primeiros socalcos do Chella, no carecemos ns de produzir
a descripo generic, a qual, mais proficuamente, poder ler-
se na Obra de Capello e Ivens, D'Angola Contra-Costa.
A estrada, que d serventia aos pobres deportados do
plan'altd, cruza, ao sahir da villa de Mossamedes, o leito do
rio Bero,-uns 17 kilometros mais adiante o valle do Giral,
-e prosegue, depois, tomando, successivamente, como mar-
cos milliarios na travessia d'aquellas sepulchraes paragens, os
gigantescos blocos de rocha, conhecidos por (Pedras, Major,
Pequena, Grande, e Providencia, em cujas concavidades o
viandante encontra, quando encontra, a unica agua averiguada
das cercanias.
Um pouco para a frente da Pedra Providencia, e na
altura aproximada do kilometro 78 l/2 da marcao, o caminho
bifurca-se em dous ramaes, que, um ao norte,-o da Bibla,
-outro mais a Sul,-o do Chacuto,-procuram aberturas
propicias, por onde a escalada da Serra se torne possivel a
carros.
Fundamentado Conselho do Rev.do pe J. M. Antunes
levou-nos a preferir a segunda d'essas directrizes, a qual,
Chella vista, se prolonga quasi parallel ao sop, cortando,
n'esse avano para a banda austral, o Muninho, e mais
ribeiras origens do Giral, e, em seguida, outras j perten-
centes bacia do Bero,-vindo, finalmente, a encontrar-se
com a Serra, e a penetral-a, pela garganta, em que os flancos
d'esta se abrem, para dar vaso s aguas do Cuambambi,
affluent do mesmo Bero.
Afim d'eliminar duvidas, dimanando acaso do nome








-92--

de estrada disignativo da linha de communicao, de que
se trata, convem advertir que ella consiste apenas n'uma faixa
desbravada, e livre d'obstaculos, e de resaltos, sem nenhuns
outros trabalhos attendiveis, alem das modestas obras d'arte
dos troos do Giral, e Vana Velombe.
A seu respeito as nossas referencias visaro to smente
os aspects, que se prendem com o movimento de comboios
carreteiros.



SEC CAO 1.- Pizo e rampas

Para clareza d'esta informao, dividiremos o trajecto
nos seguintes 5 lanos:
1.O-'De Mossamedes ao Giral (kil.O (-3), ao kil.o 201).
Na forma como existe, no se presta circulao, em virtude
da predominancia de tractos arenosos, takes, designadamente,
o leito e margens do Bero,-grandes extenses entire os kil.05 5
e 16,-e parte da zona da laga do Giral.
Offerece, alem d'isso, uma rampa aspera no kil.o 16,
onde se baixa especie de caldeira enferrujada, que contem
as aguas dormentes do Giral.
2.0-Do Giral ao Entroncamento (kil.0 20, ao kil.0 7S i/').
- Apezar de frequentemente interceptado por espaos areien-
tos, supponho-o transitavel, por isso que, no s as camadas
movedias se affiguram, quasi sempre, pouco espessas, e so-
brepostas a superficies rochosas, mas ainda os terrenos late-
raes, no desagregados, proporcionam ingresso facil para
quantos desvios se julguem necessarios.
As dambas (leitos seccos de torrentes), que no, mappa
se assignalam por dupla linha tracejada, so apenas levels de-
presses arenosas, incapazes de causar embarao serio.
Da laga do Giral sahe-se por uma extensa subida, cujos
lacetes conseguem evitar declives exagerados. Para diante o



(1)-Referimo-nos a marcao kilometrica da estrada Mossamedes-Providencia,, a qual
no represent a distancia exacta villa, por quanto o kiolmetro o est situado a 3 kilometros
adiante da Ponte da Alfandega, onde se localiza, pouco mais ou menos, o centro marg nal do
nucleo d'habitaes.








-93-


caminho corre sem desnivelamentos notaveis, sendo bastante
suaves as duas unicas rampas que merecem registo.
3.-'Do Entroncamento 'Boca da portella (kil.o 781/2, ao
kil.o 18o).-Quanto resistencia do solo este lano avanta-
ja-se, em geral, ao interior. Constitue-lhe feico distinctive a
multiplicidade de cursos d'agua, e, principalmente, de dam-
bas que transpe, e, ainda o cavar-se a grande maioria d'es-
tas,-no que se differenceiam totalmente das precedentes, -
em valles marcados, e definidos com deciso. Os taludes cor-
respondentes no apresentam inclinaes que impeam a mar-
cha, mas a insistencia da sua repetico pde bem considerar-se
um incommodo.
Os leitos dos rios e dambas so d'areia, ou d'areia e ro-
cha, e, por consequencia, susceptiveis de passage. Entre o
rio Bumbo, e o Chacuto, apparecem algumas rampas pedre-
gosas, e um tanto fortes nos pontos em que nascem dos al-
veos, mas a basta quantidade de penedias e calhaus, esparsa
por alli, garante meio economic de suavisar as escarpas lan-
ando, ao travez dos funds dos valles, aterros de pedra solta.
4.-Da bocca da portella (kil." 180, ao kil. 1831/2.-
O cho rijo, mas estes 31/2 kilometros no se acham viaveis,
j pelo valor dos declives, chegando a attingir,-quanto vista
cabe apreciar,-uns 140/o,-j pela abundancia de penhascos,
que, em dispersa desordem, quasi cobrem a terra.
Todavia as circumstancias do logar parecem de classes a
consentir, dentro de recursos no excessivos, e mediante alguns
movimentos de terra e remoes de pedra, vantajosa transfor-
mao, acaso sufficient para o transit das carreteiras.
5. -Do kil. 183 1/2, ao ponto terminus do reconhecimento
(kil.o i96 '/). Solo de boas condies. Surgem ainda rampas,
inherentes s ravinas, que escorrendo da montanha cortam o
caminho, mas rampas de menor pendor, e mais varridas de
penedos. Avultam menos, portanto, as reparaes a fazer
n'este troo.-
Fechmos o servio i kilometro depois do cruzamento do
rio Cuambambi. Vencida a parte difficial da ascenso, estava-
mos, n'esse moment, a pouco mais de quatro leguas da sde
da Colonia de S. Pedro da Chibia.

















SECCO 2. Lenha

Sahindo de Mossamedes, a vegetao reduz-se a umas
tristes plants, semeadas a largos intervallos, e quasi cosidas
com o cho.
S no kilometro 30, conforme o mappa indica, avistmos
o primeiro grupo de rachiticos arbustos, e, d'ahi para leste,
sentinellas perdidas n'aquelles plainos requeimados, vo se
erguendo, acol e alem, outros semelhantes.
Por alturas da Pedra Pequena (kil 45), o quadro ostenta
j mais cores de verdura.
Ao aproximar da Pedra Grande (kil.o 56), o avigoramento
accentua-se, e, mistura com muitas espinhosas, e outras le-
vantam-se, mais frequentes, arbustos d'um certo prte.
Pouco adiante comeam mesmo a apparecer modestas
arvores, por entire o matto, que adensa successivamente.
Depois de partir do Entroncamento (kil.o 78 4/2), e at ao
fim da viagem, o terreno apresenta-se sempre mais ou menos
arborizado e s vezes com visivel riqueza, como, por exemplo,
succede nas immediaes do rio Bumbo.
Por estes dados constata-se a no existencia de lenha
entire a Costa e o kilometro 56, e a possibilidade de obtel-a
ao long de toda a restante extenso.


SECCO 3.-Aa

As aguas meteoricas armazenadas nas cacimbas e conca-
vidades naturaes das Pedras Grande, Providencia, etc.,
no s dependem de chuvas muito incertas, mas no alcanam,
alem d'isso, a cubagem necessaria para satisfazer, durante
longos periods d'estiagem, a um servio regular de machines
a prova.








-95-
No devendo, portanto, tomar em linha de conta effective
esse recurso precario, descreveremos da seguinte maneira a
lista das tomas d'agua, lista na qual os numerous, collocados
junto aos nomes, representam a distancia aproximada que se-
para, cada fonte, da antecedente:
Cacimbas de Mossamedes;-rio Bero (31/2 k.os);-Giral
(17 k.os);-rio Muninho (75 k.os); -rio Gimba (51/2 k.os);-rio
Mulombe (21/2 k.os);-rio A (i3 k.os);-rio B (3 k.0o);-rio C
(21/2 k.0s);-rio Bumbo (it/2 k.0o);-rio D (14k.os);-rio E
71/2 k.0o);-rio dos Elephantes (7 k."8);-Cacimba (I.200m);-
rio Chacuto (i51/2 k.os);-rio Cuambambi (121/2 k.8);- affluen-
te do Cuambambi (71/2 k.o0);-rio Cuambambi (7k.os).
















CAPITULO 3.0

PARECER ACERCA DA POSSIBILIDADE
DA EXPLORAO



SE C C 1. Escolha do material


Antes d'emittir voto, cumpre fixar precisamente o instru-
mento, cujo eventual emprego se estuda.
Consultando a casa Fowler sobre o problema da travessia
de territories falhos de mananciaes d'agua, foi-nos indicada a
carreteira que forneceram para a construco do Caminho de
ferro da Uganda (Este-africano inglez), a qual constitute typo
distinct, sob a designao de Uganda.
A' dita locomotive, que peza 19 toneladas, trabalho anne-
xo tender d'agua e a reserve, assim transportada, eleva o raio
d'aco a 48 kilometros, com uma fora total de traco de 35
toneladas, e limited de 80/o para as rampas. Como o tender,
atestado, peza 81/2 toneladas, e os 3 wagons, que se destinem
formao do comboio, podero pezar 71/, resta, para carga
util, a disponibilidade de 19 toneladas.
A Uganda usa as chamadas rodas com laminas T que
teem servido com vantagem em caminhos de sub-solo rijo,
coberto com uma maior ou menor camada de areia, justamente
o caso frequent da estrada Mossamedes-Plan'Alto>. Covem,
portanto, experimental-as, afim d'escolher pela practice, -en-
tre essas rodas, que exercem uma certa aco deteriorante
sobre o solo,-e as rodas de laminas ordinarias, cuja pga,
menos energica, poupa mais o cho, e talvez nos baste.
Todos os dados, que citamos, esto referidos a uma boa
estrada, o que exprime que, para a nossa circumstancia espe-








-97


cial ho de soffrer uma reduco, cujo valor verdadeiro s o
service determinar.
No entretanto podemos tomar, como base, os factos cons-
ttaados na Experiencia de Traco Mechanica do district
de Luanda. Vimos ahi que, declarando o prospect da fabric
16 kilometros para raio d'aco, e 27 toneladas para fora
bruta d'arraste, o pizo particular, onde o rolamento se effe-
ctuou, deu como resultado, o abaixamento d'essas quantidades,
respectivamente, a 81/2 kilos (media), e 20 toneladas, isto ,
diminuies de 470/o, e 260/0.
Feito o desconto d'estas percentagens, encontraremos para
o typo Uganda o raio d'aco de 251/2 kilometros, e io to-
neladas uteis de capacidade de traco,-numeros utilizaveis
com relative confiana, nos calculos de movimenio e trafego
concernentes a Mossamedes.



SE C A 2.- -- Denvolvimnto do parecer

Posto isto, a nossa impresso geral resume-se na seguinte
conformidade:
a) Ponto de vista Pi;o e rampas: A presena quasi
constant de um sub-solo duro, logo abaixo da superficie a
miudo arenosa, sobre a qual se transita,-a franqueza que as
orlas da estrada offerecem, facultarido o torneamento de um
ou outro lano de peiores condies,-a auseneia de pantanos
em todo o percurso, e d'accidentaes em parte important
d'elle-o no exagero das percentagens da maioria das ram-
pas na outra parte do caminho, onde o relevo orographico se
inflecte um tanto,-a presena abundante por todo o paiz de
rochas, cascalhos e saibros apropriados para a melhoria do
pavimento, e outras obras,-e, emfim, a facilidade d'accesso,
e cruzamento, garantida por grande numero das linhas d'agua
ou leitos seccos, a atravessar,-formam um conjuncto de fa-
ctores favoraveis, com certo pelo para animar ao emprehendi-
mento.
Fica assente, todavia, que a maior poro do lano Mos-
samedes-Giraul, e os 31/-2 kilometros da Boca da portella,
no admitted a circulao taes como se acham.









98 -
-q0-

b)-Ponto de vista Combustivel: Attendendo a que
s, pouco mais ou menos, uma quarta parte do trajecto se
apresenta totalmente desnudada de arvoredos, e pensando
ainda, que a situao, junto ao Oceano, d'esse tr)co despro-
vido implica para o carvo ou petroleo, requisitados em subs-
tituio da lenha, um preo de moderao proporcional ao sim-
ples frete maritime que o sobrecarrega,-persuadimo-nos de
que, tambem por este lado, se no levantam obstaculos redhi-
bitorios implantao do system.
c) -Ponto de vista Agua: No quadro das tmas d'agua
se verifica, que o intervallo entire o Giral e o Muninho o
unico que excede o raio d'aco estabelecido para a Uganda.
Essa enorme tirada de 75 kilometros sem logar de reabaste-
cimento, significa um grave estorvo.
Todavia, informaes de varia proveniencia concordam em
affirmar que, ao Norte do ponto da estrada conhecido por
Dous Morros, a distancia d'entre o1 a 25 kilometres, e n'um
sitio chamado Bicuto (salvo erro), -brota agua corrente.
Urge pois, averiguar caso de to alto interesse.
Mais que isso. Comquanto os intimos segredos da crosta
do globo se encontrem mal desvendados, ainda, na zona lito-
ral de Mossamedes, a despeito dos subsidies fornecidos por
Welwitsch, Hpfner, Anchietta Capello e Ivens, Joaquim Ma-
chado, e outros, alguem, cujo saber geologico faz auctoridade
incontestada, exprimiu acerca da hydrologia subterranea d'esse
paiz. e com a reserve que a deficiencia de bases aconselha, a
opinio seguinte:
Fundando-me nos restrictos conhecimentos, at
ao present adquiridos, represent a disposio e
composio das camadas conforme o desenho junto:
S------------------------------ -------



--- a-areias superficiaes;
b-terreno terciario (alternancia
de camadas permeaveis, e de
camadas impermeaveis.);
e-terreno cretacico (identica al-
ternancia.);
d-marnes betuminosos, e grs
com gesso e cobre.








-99-
N'essas condices, e visto ser plausivel a no
horisontalidade dos estratos, supponho provavel
a existencia d'aguas artesianas na zona do terciario
e do cretaceo (x,y),-duvidosa na zona onde, sob
a areia, afloram os grs e marines betuminosos
(', \),-e sensivelmente improvavel na zona que,
a partir dos schistos crystalinos, se estende para
oriente.
Lanando mo do perfil de Welwitsch, e rectificadas as
distancias em harmonia com a carta modern, achmos que
as zonas classificadas de proavel, e duvidosa, pelo illustre
home de sciencia, a quem alludimos,(1) abrangem uma largura
de perto de 40 kilometros, do Atlantico para leste.
Em vista do exposto, bem parece que valeria a pena pro-
ceder a uma explorao. Empregariamos, primeiro, poceiros
nacionaes,- que os ha de habilidade,--servindo-se dos seus
proprios instruments, cujo manejo melhor conhecem, e ainda
da sonda belga Didion, em extremo barata e expedita, ou, por
ventura, das americanas Sullivan. Alcanada, por este pro-
cesso, uma ideia em certo grau definida, a respeito das cir-
cumstancias d'espessura das camadas, e resistencias a vencer,
-ficariamos habilitados a discutir, e a assentar, as clausulas
do contract, em virtude do qual seria deferida a execuo
dos trabalhos a alguma das casas de Paris com fama consa-
grada pelas perfuraes de Tunis e Argel.
A Camara Municipal de Mossamedes chamou em tempos
um sondador extrangeiro, mas, envestigando no archivo, ape-
nas apurmos, como resultado das pesquizas d'ento, a nota
de umas sondagens nos Cavelleiros, proximo da villa. E' pouco,
e a questo, julgamos, merece melhores attenes, no s no
prisma restrict, que aqui nos levou a fallar n'ella, mas pelos
extraordinarios beneficios que a abertura de poos artesianos
implicaria para a prosperidade do district, tornando producti-
vos e verdejantes, esses ermos sfaros, e inhabitaveis, da
beira-mar.
Como hypothese plausivel, cumpre tambem advertir que,
percorrendo-se entire o Entroncamento (kil.o 781/), e o rio
Cuambambi (kil.0 I95'/-), uma regio muito sulcada por leitos


(I)-Ex.10 Sr. P. Choffat.







- I00


arenosos,-.a abertura de poos, ahi, nos proporcionar. tal-
vez, novas origens d'agua.
Uma variante da estrada actual que encostasse mais ao
rio Giral, depois de o transpor no sitio de Manoel Soares se-
ria, por ventura, outro meio d'augmentar o numero d'est;ies
d'alimentao da caldeira.
Em summa, a montagem da viaco est dependence da
descoberta d'agua entire o Giral, e o Muninho, problema que
os alvitres, informes, e opinies, que citmos, parece indicarem
no ser insoluvel.



S E L A 3.A Conlclulo

Melhoria em algumas zonas da estrada,-e pesquiza
d'aguas,-so os trabalhos indispensaveis para tornar possivel
o service commercial de comboios estradaes entire Mossamedes
e alto da Chella. Que existem difficuldades, j ficou registrado,
mas suppomol-as superaveis.
Vencidas ellas, a economic d'este method de transport
pde aproximadamente inferir-se do que atraz se explanou na
primeira parte do present relatorio, tomando, por outro lado,
como termo de comparao, a tarifa dos carros boers.
Quanto utilidade geral inutil encarecel-a, pois, sem
grande esforo, se percebe que a facilitao das communica-
ces para o Plan'Alto, e o conseguimento d'agua na faixa li-
toral, constituem em Mossamedes objective inicial redundando
quasi em perda complete todos os dispendios de sabedoria e
dinheiro que para outros assumptos alli se distraiam, com
menosprezo d'este.
Em taes circumstancias a tentative aconselha-se.

Lisboa, 31 de Deeembro de igoi


c63zlw4q14e & gaiva Ccnceizc-







ERRATAS





Onde-se l:


esta
apportunidade
um
largmos
de Luanda
recurso,
logar e
3.

toma
100/o
singrara
toneladas e
do Chella
(kil., 18o,
muitas
prova
trabalho
Covem


este
opportunidade
uma
e largmos
da Lunda
recurso:
logares



torna
a i o 0
singrava
toneladas,
da Chella
(kil. 180)
moitas
vapor
trabalha
Convem


Pagina


Linha


Deve lr-se:


27
16
12
22
19 e 20
8
19
29
22
22
13
9
12
4
20
12
29
12
22











itt. 1 l" 1 / t 2 o 22 2 4 -


15r







42-







1 "-


4








-~/


5* *4
N^





4.^.





-9~ 1, -
-^1-^
^ r ^
< ya U P \- ^-
4 1. ------ri/














44
L- I A./<^h v













N -' -- - *- -





'IIS
4-^) - e











N
L^ " ,e,/~s

f ^w^ ^-















-^^ -- --


''1,
43,,^^JV/ ^^
-A^.V & "" ^.i
j^ ^ Y, ^^^ .^ 1











^^^/ ^^ ^ ^^ '-"~' --- ""'"'4
Mossina^, ~"'4


*


. .. .. .., i i
'7


(s;
r


V


4




University of Florida Home Page
© 2004 - 2010 University of Florida George A. Smathers Libraries.
All rights reserved.

Acceptable Use, Copyright, and Disclaimer Statement
Last updated October 10, 2010 - - mvs